Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10298


This item is only available as the following downloads:


Full Text
u
1
4
t'

i

-
HHO XI, ROMERO 42.
Por tres iiezes (flautados 58000
Por tres mezes vencidos 6 $000
Porte ao con ci por tres mcz.is. 0730
DIARIO
^\Li
SEGUNDA FEIRA 22 DE FEVEBEIRO DE 1864.
Por anno adaatado.....19JJOO0
Porte ao comi por nm anno 3$00 ENGARRE JADOS DA Sl'BSCKIPgO NO NORTE
PAB1TDA DOS ESTAFETAS.
('linda, Cabo e Esrada todos os dias.
I (uarasstf, Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Ailo, Grvala. Bezertos, Bonito, Caruaru',
Altinho e (aranhuns as torgas Asirs
Fo d'Alho. Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Plores, Villa Italia, Tacarat', Cabrob,
Boa \ isla, Ouricury e Exu' as quartas feiras.
ENCARREGADOS DA SCBSCNIPCAO NO SL |inhaem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei.
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintal (airas,
Illia de Fernando lodas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao '/ dia.
Parahvba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima 5
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Araeatv, o
Sr. A. de L?mos Braga; Gear. o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranaao, o Sr. Jo.iomm Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Piuheiro & C.; A-
mazouas, o Sr. Jeronynio da Costa.
Alagoas, o Sr. Claudino Falio Dias; Bahia, o
Sr. Jos Marlins Al ves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Marti os i Gasparino.
EPHEMEBIDES
DE FEYEI'.EIBO.
7 La nova as 3 h., 49 m. e 56 s. da t.
11 Quarto crese. as li h., S m. e M s. da m.
22 La cheia as 2 h., 41 m. e 8 s. da t.
PREAMAR DE BOJE
Primeira as 3 horas e 42 minutos da tarde.
Segunda as 4 horas e C minutos da manha.
i PARTIDA LOS VAPORES O STEJROS.
[ Para o snl at Alagas a 5 e 25; ara o norte ate
a Granja a 7e dcada raez; para Fernando nos
dias 11 dos meses dejan, mare, maio. jal, set enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipucos as 0 'A, 7, 7 >/,, 8 e
8 V da m.; d- 01 inda s 8 da m. e 6 da larde; de
Jaboato s6"/2 da m.; do Caxangie Varzeas 7
da ni.; de Bonifica s8 dam.
Do Rerire : para o Apipucos s 3', V 4, 4 '/?. 'A,
5, 'A. 'A e 6 da tarde; para Olinda a.* 7da
manhaa e 4 i/, da tarde ; para Jaboa 3o as 1 da tar-
de ; para Caohang e Yarzea as 4 'A a urde; para
Henifica s 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TRIBl'NAES DA CAPITAL.
Tribunal docommorcio: segundas e quintas.
Refaci: tercas e sabbados s 10 toras
Fazenda: quinta s 10 horas.
Juizo do conum-n-io: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do eivel: torgas e sextas a tneio
da.
Segunda vara do eivel: qnartas e sabbados a 1 bcra
da tarde.
das da semana.
Segunda. Ss. Tapias, Abilio e Pascado bb.
I rra. S. Margaridn deCortona f.
Quaita S. Pretxtalo b.;S. Primitiva a.
Quinta. S. Malinas ap.; S". Osario m.
Se\l;. S. Pedro Damin b. c. e ilout.
Sabbado. S. Antigono m,: S. Toroualo are. m.
Domingo. 9. I'.onio ab.: S. Cereal ni.
ASS1GNA-SE
do Recife, em a livraria da praca da Independencia
ns. 6 e i, dos propietarios Manoel Flgueiroa d*
Faria & Fimo.
21
23!
24.
25.
26
27.
28.
PARTE OFFIGIAL. 1
GOYERW DA PROVINCIA.
Eipedienle do dia 18 de fcYfreiro dr lSUi.
Oflicio ao ExfD. presidente da provincia do Para.
Op|ioriuiiauienl; sero transmitidos ao tuiuislro
brasitoiro em Pars, o ao encarroado dos nego-
cios brasileiros ata Roma, os olftVios para terem
eVHBbo V. Exc. m'os remenea cotn os seus de
8 do corrente.
Dito ao trigadero commandante das armas.
Srva-se V. Exc. de mandar alistar nos oorpos em
guaroico nesta provincia, una vez que sejam jal-
gados aptos para isso em nspecc,o de sade, os
recrutas Luiz de Moura Ncpomucciio, Satyro Jos
de Moraes, Uanoil Francisco Jos Bernardo, Luiz
Jos Rodrigues, Domingos Gomes da Bessurrecao
e Francisco Vctor das Chagas, que estao detidos
no quartel to 2 batalho do infantaria.- Coinmu-
nicou-so ao coronel reerulador.
Dito ac mesrao. Queira V. Exc. mandar por
em liberdade, d&ndo-lhe baixa se ja estiver com
praca, o rerruta Manoel Alexantre Hezerra viudo
da comarca de Goianna, o qual provou isencao do
recrutamen:o. Communicou-se ao commandante
superior da guarda nacional do Recife.
Dito ao mesrao. Communicando-mee Exra. Sr.
ministro da guerra em aviso de 6 do corrente, ter-
se concedido nessa data ao lenle do 2o batalho
de infantaria Joao IVdro Correia, 2 mezes de l-
cenca com sold e etape para goza-la na provincia
das Alagas, onde tem de deixar sua familia :
assim o declaro V. Exc. para seu conhecimenlo.
Dilo ao Dr. chefe de polica. Ao oflicio de V.
S. de 17 do corrente respondo dizendo-lhc que o .
recruta Eduardo Jos Ferreira Barbosa, seguio
tontem para a corte.
Dito ao mesmo. Expeca V. S. suas ordens no
sentido que solicita a promotoria publica desta co-1
marca no offlcio junto |ior cpa, com referencia
exliumaco c exame medico de cadveres. Com-;
munieouseao promotor publico da capital.
Dito ao inspector da ttiesouraria de fazenda.
Pode V. &., conforme indica em seu ofDrio de hov-
tem, sob u. 80, habilitar a colleetoria da villa de
Barreires com a quantia de 4005000 rs. para oc-
correr aos pagamentos dos vencimcntos do desla- >
camento de linha alii existente, devendo essa ;
quantia para ler o conveniente destino, ser entre-
gue pesso.1 que para esse fita se apresentar nes-1
sa thesouraria, competentemente autor isada pelo j
brigadeiro rommandante das armas, quem nesta
data vou off.eiar este respeilo.Communicou-se i
ao brigadeiro commandante das armas.
Dito ao mesmo. Participando o promoto- pu-
Mico da comarca de Tacarat, hacharel Daniel,
Germano de Aguar Monlarroyos, que em 20 deja- ;
neiro prximo lindo, entrou no gozo da lieeu;a
que obteve : assirn o cominunieo V. S. para seu |
conhecimento.
Dito ao mesmo.A' vista do que expoz a conta-
doria dessa reparlico, na iaformaco a gue alludo .
o offieio de V. S., de n. 6 e data de 12 do corren-!
te, devolv ao gerente da companha Pernambuca-
na a conta das passagens de volta para a Parala-
ba, concedidas em 5 de junho de. 1863, ao ofiicial c'
pravas que d'alli vieram escollando sentenciados i
miella provincia : o que declaro a V. S. para seu j
conhecimento.
Dito ao mesmo.Devolvendo V S., afim de
ser cemvenit nlcmente sellado, o requerimento que .
veio annexo ao seu offlcio de honletn, sob n. 79, de
Antonio Jo* Pereira de Mendonca, cabe-me dizer j
em resposta que tenho em considiracao a materia'
do citado oflicio, para providenciar a respeilo como
for de direiin.
Dito ao director do arsenal de guerra. Trans-
muto por r pia V. S. para seu conhecimento e
devidos effeitos, o aviso expedido pela reparlico f
da guerra tm 22 de Janeiro ultimo, com releren-,
caao portt iro desse arsenal Jos Antonio Cesar
e Lima.i jimninnicou-se ao inspector da tliesou- \
raria de fa;enda.
Dito ao commandante do corpo de polica.De-
feriado o requerimento do soldado do corpo sob o;
ominando de V. S., Hi-nnillo de Oliveira Mello, em i
vista da son informaran n. 7i> desta data, auloriso- j
o a mandar dar-lbe baixa.
Dito cmara municipal de Tacarat.-Declaro
cmara municipal da villa de Tacarat, que vai:
ser sulimet ida approvacio da assembla legisla-
tiva provincial, na sua prxima reuniao, o projeclo ,
de posturas, que arompanhou o seu offlcio de 28.
de Janeiro ollimo,
Dito ao conselho de compras navaes.Ficam
approvados os contratos qup celebrou com diver- \
sas pfMoai o conselho de compras navaes, como i
m particpou no offlcio de lli do corrente, para
fornecerem an almoxaiifado do arsenal de mari-
nlia, os objttlo mencionados em dito oflicio.
Commun>cim-$e ao inspector da thesouraria de fa-
zenda.
Dito ao director das obras publicas.Em vista
de sua informarn de 1G do corrente, sob n. 32,
dada com referwHa ao oflicio de 30 de janeirs ul-
timo, em que a cmara municipal de Olinda re- j
presentou ci-rca das ruinas que soffreram a pon-
te eatierro da povoarao de Relierihe, recommendo j
Vme. que mamlc examinar aquella ponte, c apre-1
sent o orer-ment dos reparos de que ella precisa f
alim de sarta exeeulados com urgeneia. Gommu-
tueou-se cmara municipal le Olinda.
Dito ao ji vi. de paz presidente da junta de miali-
ficaco da fiegnezia do Altinho.Inteirado do con-
leudo do seu ollici.i de 13 do corrente, tenho a di- i
zer-lbe que deve Vine, em vista da dontrlna do
aviso n. 10U de 19do marcj) de 1862, organisar
as listas de que tratam os arts. Io, 2" e 3" do de-
creto ti. 2,8(io de 21 de dezrmbro de 1861, quando
essa junta funecionar nos cinco das de sua segun-
da sess".
Dito ao juiz de paz supplente em exereicio da
reguezia rio Poen da Panella Joao Paulo Ferreira.
- Requiriendo ao sen oflicio de 14 do corrente
m que me coinnuinira que na falta de juiz de paz
inais rutado e do reo inmediato em votos que de
\aram de iompare iRstallou Vine naquelle dia de~ignario |>f>r e>t i pre-
sidem-ia a junta de qualificacan 1essa freguezia
por nao estar presente o livro para o hncamento
da acia a aisb trabalhos da mesma junta, itmho a
dizer-llie ipie semelliante falta poda ser supprida
de cnnfirniidade com o que prweitua o S 16 das
instrui'Ciies de SBdejunliode 1849, entretanto fica
novamente de.-ig ludoo dia 27 de mareo prximo
viudoiiro pira a leunio da referida junta, para a
qual dever Vine, convocar, guardados os prasos
e mata foriiialida/le* da le os eleilores da cmara
ltimamente dissolrida, visto que anda nao cons-
ta ofliiialimnte lerem sido approvados os novos
eleitures.
Pur esta orcasio julgo conveniente dcclarar-lhe
que endiora nao baja incompatihilidade na aecu-
ninlaeao rit < eargcx que. Vme. excrce de juiz de
paz c suMelegario, deve rom tudodurante os ira-
balbi.s ria precita junta passar a sua jurisdiecao
pobiid ao seu legitimo substituto,como determina
a 2* part' do aviso n. 139 de 21 de maio de 1849.
Communicou-se Francisco Maria de Allmquer-
qi:ie Mello.
Dilo ao gerente da coropanhia Pernambucana.
vista rio disposto no aviso na reparlico da jus-
tica de 16 de fevereirode 1861 e do <|ue expde a
thesouraria de fazenda as informaees ron*ian-
te-i'as copiasinclu*as compete liesuraria de
Utf ida da Parabyba liquidar de conformidade com
a circular de 6 de agosto de 1847, a divida de que
Vine, pede pagamento em seu offlcio de 9 do cor-
rente, e que pertenre ao exereicio encerrado de
1862 a 1863.
Para esse fnn pois devolvo Vme. a conta e do-
cumento que aconipanbavam o citado offlcio.
Portara.O presidente da provincia altendcndo
ac que requeren 0 bacharel Manoel Clementino
i., rneiro da unha, juiz de direito da enmarca do
Ri > Formoso, resolra prorogar por 20 dias a lieen-
ga de uin mei com vencimentei que Ihe fura cun-
ee liria.
Dila.O presidente da provincia, tomando em
consideracau o que expoz o inspector da thesou-
raria provincial em oflicio de bontem, sob n. 56.
re sol ve abrir uin crdito supplementar na impor-
tancia de 92:'58Ors. para continuara cffecluar-se
os pagamentos das d/spezas com a illuminacao da
caa de detonlo no crrente exereicio, visto achar-
as quasi extincta a consignarlo votada para esse
lim pelo 4* art. 16 da lei do orcamento vigente.
Communicou-se ao inspector" da thesouraria
provincial.
Expediente do srcreiarMo invern.
Oflicio ao brigadir commandante das armas.
-. Exc. o Sr. presidente da provincia manda de-
el; rar V. Exc, que por despacho desta data se
m; ndou satisfazer com urgencia o pedido de far-
da.tiento aos recrutas alistados no batalho de
arlilharia a p conforme V. Exc. solicilou em seu
oflicio de bontem sob n. 292.
)to ao commandante do corpo de polica.-O
Exm. Sr. presidente da provincia manda commii-
niiar V. S. que em vista de sua informacao "nu-
me ro 76 de 16 do corrente, concedeu por despacho
de hootem um mez de licencia com vencimentos
ao soldado do corpo sob seu coinmando Alfredo An-
tn io da Silva para tratar de sua sade.
Despachos do dia 18 dr fevrreire de 1861.
Rrqttfrimrntos.
Alexandrino Marlins Correa BarrosInfrmelo
Sr. director das obras publicas.
Benedicta Thereza de Jess.-Informe o Sr. ins-
pe< tor do arsenal de marinha.
Ilartboleza Mana da Conreigo.a supplicante
pile apresentar a isencao de que (rata dentro do
pr;,zo marcado no regulamento do Io de maio de
18)8.
ilermillo d Oliveira eMello.D:nja-se ao sea.
commandante.
Joaipiim Jos Barbosa Lobato.Informo o Sr.
dirictor das obras publicas.
INTERIOR.
MI 1K JtMIHO.
ASSEMBLA GERAL
CMARA DOS SEVMIORES
IMI'l T\IMS.
CON' O Sr. Ministro do Imperio : Sr. presidente,
nu lea tao doloroso sentimento entrou em minha
alma come neste momento, em que me dirijo opi-
niao do paiz e consciencia da caara.
O discurso do nobre depulado pela provincia de
Pe n.iminico entristeceu-ine, |torque sem duvida
algunia ha de ser considerado pela historia impar-'
rial como um protesto Vivo contra a stuacao, que
elle nao pode desconhecer, e, direi mesmo conira
as doutrinas que mullas vezes aprend de S. Exc.
D6?M passado que tantas vezes record.
fir. presidente, o nobre doputado julgou o minis-
terio actual autiparlamentar, porque nao espanta-
ra a stuacao do paiz. Enganouse, e a victoria das
urr as nina sentones. Enganou-se tambem quan-
do, vendo na successo dos ltimos ministerios
urna Degacjto do systema representativo, conflua
pela existencia das antigs banJeiras, sem levar
em conta a aeco providencial e necessaria do
lempo.
Os programmas de tolerancia e lustiea, dejosti-
fa a economa, de conciliario, o lodos esses que
pata S. Exc. sao sopbismas exorimem urna verda-
dc sao como um symliolo. Laeoa entre o passado
e e presente demonstram o progresan pacifico da
idea victoriosa boje, atiestan) que a situaeo nao
uin producto artincial de vontades interesseiras,
mas acnaeao laboriosa de causas conhecidas.
f. presidente, os partidos vivera pelas ideas e
nao pelos uomes. A influencia do meio social que
os cerca Ilumina o seu caminho ; modillcam-se
como tudo que existe. No entonto para S. Exc.
ne u o d.'senvolvimentodos principios, nem o adian-
taniento do paiz, nem a tormenta das bitas que
detereveu, nem os elementos combinados da cvj-
lis; cao que caminUa, nada explica a stuacao ac-
tual Os partidos sao o que foram, existeih como
existiram Immoblidade ou cbimera I
A verdade 6 outra : a tribuna, a imprensa, os
diversos ministerios, o paiz tnteiro, attestam que o
pasado e o presente nao M confundem, ma< se
ex.ilcain. No discurso do nobre denotado esto as
prt inissas do muu raciocinio ; elle que me d
ra: ao.
') Su. Unn\No : Nada dlsso est em meu dis-
curso.
3Sn. Ministro do Imperio :Eu vou repetir as
pa avras deS.Exe, irreo que as conservo de memo-
ria. Dous partidos lutaram com phenesi ; a resis-
tencia dt; amk>s foi rendida e tenaz ; o combate
foi tal que ludo servio de instrumento de hostilida-
de ; a fortuna ou a fatalidade levou um dos parti-
dos ao poder, este foi o vencedor ; mas a sorle, se
o .traicoasse. o chamarte tambem rebelde. A de-
cadencia das conservadores fez naseer a idea da
lig; a faita de elementos oflkiaes por parte do>
lili raes fez aceita-la.
Sr. presidente, nos paizes lvres os partidos go-
vernain pela opmiao, galgam o poder por forya.
de lia. Nao governa quem quer, governa quein
pode:
l'or ventura a modificacao das ideas data de ho-
je f Como poib'm allirma-lo luz dos acoojeci-
mentos ? A historia parlamentar de dontem. Se-
nhores, cu devo fallar francamente ; nao quero
lisongear conservadores ou liberaes ; sincero e
franco, as ideas que emiti boje sao aquellas que
eniitti quando pete primeira vez fallei nesta casa ;
niestou modificando principios, m'.o creio que
aliuein mMsm ao poder por especulaerw e ga-
nancia, i
O programma da litoaoio a negarlo do passa-
do, a atlirmac,o do futuro : nao precisa quo o
tonara, est feito. O que nao desejo que cspiritos
pouco leaes e meticulosos (iossam, autorisados jtcla
noHre, mas errada palacra de S. Exc, especular
em nomo de um patriotismo incomprehensivel com
os velhos odios e rom os antigos resentimentos.
Olhar para o passado e olhar para e interprete
do presente. Somos o que devemos. Programmas
til ios, parlamentos que se dividen, ministerios do
colligaeo, e cima deludo a voz da imprensa,
ai untando a direcco da jornada, di/, mi ao nobre
diputado os mareo* do caminho.
Ue-de 1853 cometa a obra cuja edificafao devia
completarse em 1863. Nos largos horisoutos quo
se abrem guia-nos a aci;o providencial do lempo.
Siin, na imprensa, no parlamento, nos ministe-
rios, as opposicoes, em tudo transluz a furto a
n^va poca, anntinea-sc a bandeira do progresso,
insrreve-se a nova legenda. O respeilo devido
Iti esquecida, a reabilitacao dos poderes do estado,
as garantas da liberdade individual, a reforma
las municipalidades, todas essas ideas que oceupa-
ra n as paginas da imprensa, ella as aprega como
NI.eral porque 6 progre3sista; ella as ensina como
progresista porque liberal. Progresso c liberdade
sioduas ideas correlatas e neeessariaa.
Nos ministerios do colligaeo reprodnz-se o es-
tado do paiz. Os programmas exprimem nesses
lempos as duvidas do espirito, que, sem dosespe*
rar do presente, procuram adevinhar no futuro.
No parlamento, o silencio de uns, a approvnca i de
oiilios.ia opposieao do amigos contra ajnijm.1l falta
de ehaiee ostensivos, pronuncia a nova ordem de
cousas.
De 1853 data o amorlecimento das I utas, e um
elemento vivaz, surgindo no seio do paiz, parece
distrabi-lo do combato. As emprezas nasrem, e o
espirito de associaejio, exagerando-se em seus
tflos, romo um protesto lacrado contra a Rage-
raijo dos principios abstractos e os esforcos este-
ris das parcialidades em bit a.
Sr. presidente, todo esse passada affirma o pre-
sente, encerra urna situaeo, coiitm um program-
ma. Nao lindamos que fze-lo; aceitando os esty-
los, j tivemos oceasMO de demonstrar nossas ten-
dencias ; ellas sao o resultado de fados que nao
nos perlencem. Se lia culpa, nao nossa, do paiz.
Nessa missao filba das urnas, dellas nasceu.
Cu mpri remos o nosso de ver.
Somos a negaco do passado com seus odios ;
somos a afflrmaro do futuro com suasesperanc,as;
vivemos a vida da naco ; liberaes sinceros, nao
tememos a conservag, que v no temno um ele-
mento de vida, mas odia o progresso romo um ini-
migo. Conservadores leaes, amamos a liberdade,
que conserva aperfeicoando e sabe aperfecoar con-
servando. O nosso emblema conhecido do paiz
inteiro. Se urna verdade o passado urna ex-
plicacao ; se um novo sophisma, nao ha salvara)
para ninguem !
Foi considerando esse passado que cu disse em
relajao ao presente liberal, liberal moderado,
conservador moderado e progressista exprimem
hoje a mesma idea.
As palvras que profer nesta casa explicam o meu
pensamento e demonslram que, na poca actual, li-
beral, liberal moderado e conservador moderado
representan a mesma idea. ,
O Stt. Lopes Netto :Nao para o Sr. presi-
dente do conselho, que j contestn V. Exc. a
esse respeilo.
O Sr. Ministro do Imperio :O qoe o Sr. presi-
dente do conselho disse foi que as ligas, temporarias
porsua nalureza, terminavamcom ofim que lindara
em visla. Nao se traa de liga, mas de um parti-
do forte e compacto.
Ninguem dir que os partidos nao se modifican).
Seria urna doutrina attentatoria dos nrogressos hu-
manos. Se nos paizes onde o radicalismo das ideas
os distingue, onde vigorara os privilegios de veldas
aristocracias : se nos paizes de civilisacao secular
taes pbenomenos se do, quanto mais no Brasil !
Por queypois, a admiracao ? Entre nos quer-so o
contrario, e suppoe que boje somos o mesmo que
bontem, que toda a vida nao daremos um passo !
Supremo esforco da constancia humana! Confu-
so inconcebivel da firmeza e da immobidade !
Seria, nao a doutrina do progresso e da liberda-
de, mas sim a doutrina da inercia e do repouso.
Se lodos estamos em urna stuacao diversa, por
que admira-se o nobre deputario que esb'jam libe-
raos e conservadores unidos? qual o motivo dessa
admiracao ?
O Sn. I'rbanq : a difTcrenca de principios.
O Sr. Ministro do Imperio :Qual a differen-
ca de principios que o nobre doputado encontra
boje entre um liberal e um conservador, quando
este entender como deve os principios em vista das
circiimstancias do paiz ?
O Sr. Lopes Netto :As palavras liberal e
conservador indicam essa difforenc i.
O Sr. Ministro do Imperio :Islo realmente
questao de palavras ; o que se pretende saber o
valor das ideas; pode o nobre doputado tofiar nota
das niinhas expressoes ; potico me importa que mo !
cliamom liberal ou conservador; leria vergonba de
ser chamado liberal ou conservador se me attri-
buissem pensamento que nao o meu. O que se
quer conservar, o quo se quer destruir, eis o thoma
nao explicado : para mim a questao nao de no-
nios, de ideas, repeti-lo-bei sempre. O que o no-
bre doputado deve procurar saber o que o gover-
no pensa, u que quer, para onde se dirige, o que
pretende. Pellas as declaraeOes, em que monta
que nos eliauem liberaes ou conservadores ?
OSn. Urbano : Anda nue o nobre ministro me
diga que conservador, nao acredito.
O Sr. Ministro do Impkiuo :O nobre depulado
espantou-se que pudess.'in baver em todos os par-
tidos espiritos mais ou menos adiantados, e das pa-
lavras liberal e conservador moderados concluid
que os baviain exagerados. Eu Ihe pero, sem fa.er
applkafao a ninguem, que medite sobre o seguin-
to pensamento do priineiro historiador inglez : tA
existencia de partidos nos governos constitucionaes
un facto attestario pela historia; mas tambem
nao se pode negar que ha as lleiras de todos os
partidos espiritos mais OU menos adiantados, que
lodos os dias se aproximan! de una fronleira com-
mum. i Nao ha entre nos dilTereneas radicaos en-
tre os partidos; lodos pelejam dentro do terreno
constitucional; e, o que mais, nestes ullimos
lempos a mor parte das ideas proclamadas e sus-
tentadas pelo partido liberal tem sido tambem pro-
fessadas por ministerios que so chamara conserva-
dores !
O Sn. Urbano :Acabaram-se os partidos pol-
ticos no Brasil 1 Nao ha mais partidos.
O Sr. Ministro do Imperio : Como tradico
morreram, revivem como deas.
Progressista disse o nobre depulado ; ha di-
versos modos de o ser, ha diversos molos de pro-
gredir. Bu Ihe poderte dizer que tambem ha di-
versos modos de ser liberal. Supprimido o pro-
gresso, a liberdade urna mentira ; supprimida a
liberdade, o progresso um iinpossivel
O Sn. Lopes Netto :Por que nao se declarara
liberaos.
O Su. Ministro do Impeiuo :Se esta doclaracao
contenta o nobre doputado, esla declaraco est
feita. O Sr. presidente do conselho, tratando da
reforma municipal, declarou-se a tal respeilo libe-
ralissimo ; j declarou tambera que nao havian
dous partidos, mas um s : j declarou finalmente
qual seu pensamento a respeito da guarda nacional
e a respeito de outras reformas. O que quer mais
o nobre depulado ? que declaremos quo o ministe-
rio liberal ? Declaro que somos liberaes, muito
liberaes, liberalissimos.
i OSn. Lona Nnto :Todos 1 V. Exc. falla por
todos os seus collegas ?
OSn. Ministro do Imperio :Sim, por todos.
OSn. Lona Netto : Aceito a declaraco.
O Su. Ministro no Imperio : O nobre deputado
terminou o seu discurso afflrmando que a liga ti-
nba tirio sua razo de ser, mas que boje nao ser-
va. Confesso que, depois da longa historia que
S. Exc. fez, e quando cerio que vencemos junios
na peleja das urnas, essa declaraeo me admirou :
dr-lhe-hei mesmo, (tor maior que" seja o respeito
que Ihe consagro, nao tem explicacao o conselho.
tal allirmacao nem mesmo podrria ser sustentada....
Um Sn. Diputado :Foi sustentada pelo Sr. pre-
sidente do conselho.
OS*. Ministro no hiparan :O que o Sr. presi-
dente d* consellio disse foi que as ligas por sua na-
lureza sao temporarias; mas nao eticaron, nem po-
da encarar na occasio um farto que nao exista.
Mas o que o nohre deputado disse foi que a uniao
tnha desapparecido, por que desappareceu o mo-
tivo que Ihe deu origem. Ora, estas palavras pa-
rece que significam os liberaes umram-sc aos
conservadores para trabaldarem em eleices, ga-
ndaram, lizeram urna cmara sua, tem maloria, po-
dein dispensar os corapandeiros. Eu rreio quo pelo
'Iml'/^1^ '^e ""a razo, !eve um fnn- lflicas {OS annos e a experiencia nao foram para wrw fortemente a adwinislracao do Sr. Jos
u.imuim, es r.izao, osle fundamemo eontinuam. S. Ese. Iicao perdida ; sua preseaea, poja, no ga- Bemo,
espero, pois, que o nobre depotado, que tamas bnete de 30 de maio nio poda, a ns conservado- o Sit. Fhu'khi
vezes no aera do parlamento sustento i a bandeira res, mentir nenbiun receio. Caninos ento'e'ra
lil-'ra ,uo se apartara delta na pres -nle occasio,
ira o. Vma*: O Sr. Marlindo
era depulado pelo municipio neutro.
dVn\PahvmJ v"1"'1'0 vacillou S(bre a-S b0,',;i> Camcnt.- 0S, Q0' dc nenlM">*3 parcialidades rio;'pelo contoari, "aigunrdos dgitos membros
de um abjsmo. >ao sou eu que o c igo, e o nobre que entao dividiam a cmara.
senador por Periiamburu, ex-presidtnte do conse- Uma Voz .Est engaado.
Iho, qne na sesso de 27 de maio de i""
comba- O Su. Ferreiiia da vbiga : A
uma cmara s ser concedida quam o assim'oexi
gir a salvaco do estado.
arcar.
sua nomearao
nenliunia ap-
io de S.
contra
quererla por cerlo
da deputaeo liberal de Minas, e |>or mais de uma
vez fra desse recintho elogiar a adimnislraco do
Sr. conselheiro J^s liento.
O Sn. C. Otto:i :Eu pela ininba parle pro-
testo.
(Ha mulos apartes.)
0 Sr. P.iesiuenti; :Attencol
O Sr. Frukiua da Vkioa (para o Sr. Alfonso
,,. ni .VM "lK :,_ EyLC,-sc,Dl,re mc ,em v,s' Cels):~'* hnnrado Sr. conselheiro Jos Bento
J'"''L -2H5?5 nil1'v''r*rnt.-dos naquellas to naquelles bancos (apontaiido.; a.pii estivesse ueste momento ouv.ndo ao nobre de-
k ennl^rS tV talmid,e m **"{ 2 S" FBBBJt"V Dx N *& :=Rcs!a. seupar-me puiado sen. duvida repelerte estas memoravels pa-
Keconliecendo, por-ni, que a lealdade de um lio- com o Sr. conselheiro Joao Lina Vieira Cansan- lavras de Cesar Et tu illorum es ttt filuifS
de arceitar o poder para sudeSiuimbii. Confesso,Sr. presidente, quequan- Exc.
mem de estado o inhibe
contrariar a opinio que o elevou, e acreditando do vi comparecer nesta casa o gabinete de ;M) de
que o ministerio actual acceila a sil naci creada maio, e notei o estado de abatimento physico da
5mj.
que tanto-se approvditou dessa adntioistra-
lra de perigo ? Esl salvo o paiz ?
O Sr. Lima Dlarte :Pois poo
O Sr. Aifonso Celso (com forca): -Declare V.
Consegundo no-
da seus alijados po-
conlestar.
(Ha apartes.)
O Sr. Aeonso Celso :Censurei alguns de seus
I lou quando vi que foi S. Exc. quera foi incumbido
u bR. lima Di arte :Pois poe em duvida isto ? da importante pasta da justica, no impedimento do | actos pela .mprensa, assim como louve outros, o
,rtliH!,:'"M >?iOA:-ftrguita-me ono-.honradtfSr.viscondcdoMaranguape. iS.Exc. o saba. aparte adminislraliva ache
e oepiiiaao se ponho istoem duvid 1 tm borne-! Ima voz :Exerceu-a muito dignamente. I boa a sua presidencia.
bre
nagern alta intelligenciae profunda riluslragodo I O Sr. de Lamare :O nobre depulado esta te-
honrad* Sr. marquez de Olinda, em homenageinao zendo manosta injustira a um dos caracteres
seu crdito de consummado estadista, nao ponho mais respeitaveis. (Apoiados.)
isto em duvida, e creio que ninguem todera rasca-
velmentc pensar de outro modo : poique nao era
possivel que S. Exc. se conservasse n: direc^o dos
negocios pblicos al o dia 14 de Janeiro do cr-
lente anno, se fosse mproficua essa nedida extre-
; ma, a que recorreu para salvar o pai;.
Pois hem, Sr. presidente, nao act mpanbando a
illustre raaioria, cujo orgao na impre isa j procla-
mou o governo transarto salvador da acao, eu vou
expor cmara e ao paiz alguns acontccimenios
que precederam a esse acto de energa ou de fra-
queza, de coragem ou de medo, do gabinete de 30
de maio vou exjior ao paiz a sua conducta para
| com a raaioria de uma cmara que o sustentou at
os seus ltimos momentos com luda a lealdade
vou patente ao paiz seu proceder i ara confum
O Sr. Ferreira da Veic.a :Eu estou fallando
para o paiz, que ha de julgar a mim e ao nobre ex-
ministro. (Apoiados.)
Como era natural, procure! eu mesmo coinbater
este receio, e no passado do nobre ex-mnistro da
justra, pois que se invoca va o passado como ga-
ranta do futuro, encontrei um tacto significativo
que de algura modo tranqullsou-me.
At o dia em que se organisou o minisierio de
10 do agosto S. Exc. tiuba figurado entre os no-
mens do partido liberal; enlo, para fuer parle
desse ministerio, nao heslou S. Exc. em renun-
ciar suas opiniocs. (Vivas reclaiDares em difle-
rentes apartes.) Conclu, Sr. presidente, acredi-
tando que para S. Exc. a grande questao era ser
.! ministro. (Nao apoiados e novas reclamacoes.i
grande partido que elevou s mais ; Has posicoes: Fossem brancos, vermelhos ou rxos os seus com-
Iguns dos ex-ministros, pelos quacs foi panheiros, nunca seriam que -loes de cor poltica
0------------------- ..ti.i.-iiu,-) ('Vil J 'U"l iVt
elle entregue de mos atadas ao poder de seus ad-
versarios.
O Sr. Nemas :Apoiado, mulo bem.
O Sr. Feiireiia da Vkiga :Esse partido acaba
de ser vencido em todo o imperio; mis eu prefiro
acompanba-lo era sua derrota, em s. u infortunio,
a seguir a phalange quo canta hosanr as ao gover-
no vencedor: prefiro ser echo dos que soffrem, dos
que loram trahidos, partilbar a aloria de uin
triumpbq, participar dos despojos los vencidos, i
motivo bastante que impedisse S. Exc. de man
tor appareote harmona com seus coilegas. (Con
tinuam as reclamacoes.)
O Sr. Christia.no Ottoni : E o nobre depulado
achava istoproprio para iranquillisa-lo, para que
desapparecessem os seus recejos f I ("Apoiados.) I
O Sr. Ferreira da Veica : -E, quo a docibdade
de S. Exc. do algum modo servia para minorar os
meus receios. ^
Foi assim, Sr. presidente, qu apreciamos a or-
bmqtRinto,_Sr. presidente, os mentiros damaio^iganisarao desse ministerio; o, poi, conira o que
na, na embriaguez de um triumpho que exceden disse tontem o nobre deputado por S. Paulo, nao
a seus clculos (nao apoiados), e t mesmo s era possivel que nos es conservadores diixasse-
suas esperanzas (nao ajioiados), se Iclicilara mu- \ mos de recebe-lo benignamente,
tuamente por se baver creado esta stuacao e aben-: OSn. Nebias : Apoiado.
coara a memoria do governo que a fez, V. Exc. OSn. Ferreira da Veiga :Alera disto, cu acre-
permttir que nos, poucos e fracos n presentantes ditava que o ministerio encontrava uma boa situa-
desse partido, que, segundo boje se di; se, est ago-
nisante, seuo raorlo, ao menos, como um protesto,
reclamemos contra o proceder d-.'sse governo, que
nao me atrevo a devidamente qualific; r, que recla-
memos contra essa vi doria, que deve ter amargu-
rado mais aos vencedores do que ios vencidos.
(Nao apoiados; esta engaado.)
Sr. presidente, o ministerio de 12 le dezembro,
compostu dos mais distinctos parlara nteres e de
consuminados estadistas, tendo em frente uma op-
posieao, forte pelo numero, forte pela intelligencia
e illuslracao, mas que prefiri os doest os as pessoas
dos miiiisiros aos argumentos rom qu) devia com-
bate-Ios (nao apoiados), se vio na necessidade de
recorrer a cora pedindo a disaolueic' da cmara
ou do ministerio; fui arcedo o segn lo alvitre, e
esse gabiaele se dissolveu com a c< nscienca de
baver prestado relevantes servicos ao paiz e de ter
tido uma existencia sempre gloriosa.
Seguio-se o ministerio de 19 de agosto, que V.
Exc.^abe se dissolveu por desharmonia entre seus
membros. Foi substituido pelo gal mete do Sr.
marques de Casias, que, vencido oesti cmara era
una votaco de sorpresa (nao apoiados o reclama-
cues), levo tambem necesidade de re orrer acerca
pediudo-lhe a sjia destituico ou a iliasolocjau da
cmara.
Cabio esse gabinete, que foi substiUido peludo
24 de maio, o qual, nao encontrando uplo no par-
lamento (nao apoiados), nem consegu ido da cora
o que foi negado ao seu antecessor tove igual-
mente necessidade de retirar-se
Foi ento que o Sr.inarqnez delinla se incum-
bi de organisar o 30 de maio.
A entrada dos velhos membros de;se gabinete
nesta casa, lon^e de parecer uma seena ridicula,
irapressionou profundamente a todos, que virara
nesses velhos servidores do estado o cesejo de bem
servirem ao paiz, anda com sacrfic os, em uma
quadra em que talvez s ellos podessjm acalmar
os espiraos agitados e restituir a paz c tranquilli-
dado aos nimos de todos.
Esse gabinete pareca que hasteav; a bandeira
branca, bandeira da paz.
Domis, na calma da situaeo qusuccedeu
agaco parlamentar da cmara tramada encon-
Irava esse gabinete necessidades qu3 deviam ser
satisfeitas de prompto, e que nenbuin autro nielhor
' do que elle poda satisfazer.
Citare! algumas dessas medidas, lerabradas hoje
nesta casa |>or um nobre deputado pulo municipio
neutro : organisar as administrayes provinciaes,
reformar a le de 3 de dezembro, reformar a le da
guarda nacional, dar melhor divlso as provincias
do imperio, e outras multas medidas com que os
horneas encanecidos no servico do es lado podiain
augmentar a gloria que os cercava.
Dominado |wr esta e.-peranc;a, Sr presidente,
quando vimos o nobre presdeme do c mselho apre-
sentar como seu programma poltico d seu passa-
j sado, nao era possivel que nos conservadores, ao
contrario do que pensa o nobre depilado pelo 2"
dislriclo da provincia de S. Paulo, deixassemos
de o reeeber benignamente.
O passado do nobre ex-mnistro do Imperio e
do honrado cx-ministro de estrangeroe prende-se
a essas lulas gloriosas de outros tompos, em que
o partido conservador sempre levou de vencida o
lado liberal.
Uma Voz : Pelo arbitrio e violencias. (Apoia-
dos.)
O Sn. Ferreira da Veioa :Foi nessaslutasquo
SS. EExc. conquistaran! o respeito e considerado
de todos os Itrasileiros,, foi nessas lulas que SS.
EExc. conseguiran as altas poslobes pie anda bo-
je occupain ; e aquellos que invocavam o seu pas-
| sado como garanta para o futuro nao era possivel
que tivessera renunciado os principes polticos
dessa passado glorioso.
o nobre ex-mnistro da guerra cr.tm conheci-
das geralmenle suas crencas politicfs, sua adhe-
sao s doutrinas conservadoras, seu a|>go aos prin-
cipios de ordem. Era, pois, S. Exi. anda urna
garanta para o lad*> conservador.
O honrado Sr. visconde de Albuqt erque saba-
se que por minio lempo militara na i tileinv libe-
raes : mas tambera, sabia-se quo S. Exc-.. ne6tes
. ultime' tompos havia inoditlcado suas sgraraes po-
cao, que devia aproveila-la, procurando com es-
forro conciliar os membros de um grande partido
que por questoes pequeninas se achavam separa-
dos em dous grujios.
Isto podia conseguir o Sr. marques de Olinda,
com o que faria um grande servico a esse partido
a ipie se prendem as glorias do seu passado.
Aeredile que fosse este o empente) do nobre
marques, mnnente quando vi nao fazer parte do
ministerio de 30 de maio um honrado senador pe
lo Para, amigo particular de S. Exc., quo foi seu
companheiro no ministerio de i de maio. e que
sera duvida seria un obstculo para que se pu-
desse conseguir o desojado accordoe harmona en-
tro todos os membros do lado conservador.
Acreditava, pois, qoe o ministerio de 30 de maio
nunca se crguoria contra a raaioria da cmara
transada...
O Sr Lima Di arte .Qual maioria t
O Sn. Ferreira da Vekia :... maioria, sim ;
embora pouco numerosa, nao linda a franqueza de
ser a expressao de inleresses contradictorios ; nao
se conipunba de grupos que tendessem a se dissol-
ver por falta de identidade de principios e deas-
piracoes.
(Ha diversos apartes.)
Nos o recebemos de bracos abertos, cerrando
ouvidos aos rumores vagos'que seespalnavam a
que aiintinciavam uma borrivel exploso. Se al-
preau
O Sn. Feiheira da Veiga :Era porem a pro-
vincia de Minas que prmeiro devia ncorrer no
odio do governo do 30 de maio; pretende-se que
seja ella o feudo do chefe da ituacao : e recusar-
se cuiuprir as ordens do Sr. conselheiro Theopnilo
Benedicto Ottoni seria sacrificar a obra> comecada
no infausto dia 30 de maio.
Seguiram-se, senbores, as deinss5es dos presi-
dentes da Bahia, Pernambuco, e Bio de Janeiro,
contra os quaes nesta casa nao se tinha formulado
uma s censura.
Foi ento que vimos que eramos victimas de uma
perfidia re olanle. Mas ento as cmaras se acha-
vam encerradas, e s pela mprensa se profligava
a conducta desse governo e dos seus agentes as
provincias, que execuiavam a risca todas as sua
ordens.
De todos os pontos surgiam queixas e clamores-
contra a in versa o que se fazia na polica.
Nao se contestava, como pensdu o nobre deputa^
do por S. Paulo, ao governo o direito de noratsar
pessoas de sua confianza para os cargos de polcia ;
ctemava-se somento conira as nomeaees que reea-
litara sobre pessoas que professavam ideas exalta-
das, cujo dominio em outro lempo tanto recelara o
nobre marq uez de Olinda. Clamavaraos contra no-
meaees qie recahiam sobre criminosos e reos de
polica.
(Cruzam-se apartes, a alguns dos quaes responde
o orador. O Sr. presidente reclama a altoneao re-
petidas vetes.)
Ni -ic e.iqienno le reaoyilo, 3r. prwSHKM, mul-
to se esforgava o Sr. conselheiro Siiiiiub provea-
do Iodos os lugares da magistratura e da guarda
nacional como quoriam seus amigos amigos, que
s assim perdoariam aS. Exc. o crime de ler feito
parte do gabinete de 10 de agosto.
O Sr. Ew ardo de Akdradk : Para a provincia
do Bio de Janeiro nao; pelo contrario, com as suas
nomoaces leu umita forra ao pariido conser-
vador.
O Sn. Ferreira da Veiga :Eu rae retiro par-
ticularmente snoineaces feitas para -a provincia
de Minas, de (|ue tenho conhecimento.
OSn. Sii.veira Lobo :(Jaaes sao? Infelizmente
em Minas existen! diversos juizes de direito verme-
lhos exaltados.
() Se Perrbira da Veiga : Pois pensa V. Esc.
que pele- faci de serem conservadores alguns dos
juizes de direito de Minas deviam ser elles remo-
vidos 1
(Ha varios apartes.)
Quando os nobres deputados quizerem aecusar
ao muito di^no juiz de direito da comarca do Bio-
Verde, bao Jeme encontrar prompto a defend-lo ;
eu espero por essa aecusa^o, porque sei, Sr. pre-
sidente do conselho, que se pretende justificar com.
ella o pedido de reino^o desse digno magistrado,
pedido que ne informara tera de ser prescute a
V. Exc.
(testas ciacuinstanoias, Sr. presidente, eslava o.
paiz quando se deu o triste conflicto com a lega-
eo ingleza; sabe a casa qual foi a conduela da
imprensa do partido conservador nessa lanusntavel
coujiinctura. Orgi i do uin pariido vilraenie tnahi-
do, esqueeetl todos os resentimentos e olTereceu o
apoio desse partido ao governo. Anda fez mais :
guem nesta casa se ergueu para contestar a legili-1 para faze-lo representante de todo o pail em to
grave situaeo, nao duvidou louvar os seus actos.
Louvar os actos do governo quando se sabia que
havia elle feito um convenio cora o ministro inglez
debaixo das bateras da fragata Forte, quando se
sabia que Ibera elle esse convenio quando. os bar-
cos brasilei ros erara detidos como prosa, junto
ilha das Palmas....
O Sr. Saldaniia MaKinho :V. Exu. ignora c-
que se passou.
O Su. De Lamare :Apoiado!
O Sr. Fehreira da Vera : Sei qpe esaetc
isto que digo, a sei mais que se fez esse convenio-
quando o conselho de estado fura c opinio que-
so sujeitass tanto a questao dos oflkiaes da Forte-
como a do naufragio do Principe, de fales ao juizo-
de recomiendo ineiiio, pela sua ma organisagao arUtaal de urna potencia da Europa, alvtre este
midaile da ofganisaoao desae gabinete, os nobres
deputados saliera que essa voz nao parlo dcste
lado.
Pois hem ; a esse gabinete ao qual. se qniSBfQ
mos, podamos ter dado a serle que leve o de 2i
de maio...
Vosas :Nao tinbam torea para isso.
O Sr. Ferreira da Veioa : Tnhamos quanta
baamos mostrado no niemoravel dia 29 de maio.
A esse gabinete lizomos lodas as concesses pos-
sives : demos le (le orfamenlo, votamos a desna-
cionalsaco do commercio de cabolagem, d---
nios fundos para a arganteaeio de urna folha ofii-
cial, que, embora entregue a riirecfao le pesaOM
previamos leria a vida ingloria quo tera arrasiado
Ima voz : Foi cam medo.
O Sit. Ferreira da Ve qa : Demos emfim tudo
quanto quiz : e era paga da nossa generosidade, da
nossa dedieaco, da nossa lealdade... o que fez o
governo renegado? (Muitos apartes e reelamacoe>.)
O Sr. Viri.vto :A palavra rntffmto nao par-
lamentar.
O Sr. Ferreira da Vera : -Se nao parlamen-
tar, declaro ao nobre depulado que nao lenno un-
ir com que possa caraclerisar esse gabinete ; nao
posso tradir minha consciencia, nao sei mentir ao
paiz para lisongear a vaidade de sote hoiiiens.
(Cruzam-se diversos apartea e o Sr. presidente
reclama a allenco.)
Encerradas as cmaras o que fez esse gabinete ?
Proceden a una completa reaeoo.
(COntkuiam os apartes.)
Sr. presidente, peco a V. Exc. que manlenha o
meu direito de fallar, que garanta-me a lilierdade
da tribuna.
O Sr. Presidente : Attencao 1 O orador nao
pode ser interronipido.
O Sn. Ferheuu da Veica :Dizemos nobres de-
putados que nao se deu reacciio. Presidentes con-
tra os quaes nao se havia erguido uma s queixa!
nesta casa foram demittldos, chegando a coragem
ao ponto de se ib-clarar que o presidente da pro-
vincia de Minas fura exoneradoaseu pedido. E' ver-
dade que o nobre ex-mnistro do imperio provocOO
esto podido por lodos os meto*, que nao. sei se^ se-
riara dignos delira ministro da corda; mas nao o
fendo conseguido, mando i lavrar com essa decla-
raco a dvmJssc. do honrado conseweiro Jos Ben-
to da Cimba Figueiredo.
De outro modo nao se poderia, justificar a desti-
luic:io de um alto funecionaro, dp Estado contra o
qual nao so tinha erguido aesta, casa uma s vos
denire os ilez deputados liberaes que aqu tinha a
provincia de Minas. ReclamaQoes da defwlaco
de Minas.)
O Sit C. Ottox. O Sr. Mirtindo Campos cecr-
i|ue se tivesse-sido adoptado, U-m possivel que-
ambas s questoes fossem decididas em favor dos
direitos do Brasil, cuja causa encontrou na Euro-
pa tantas sj mpatlua-.
OSn. Viriato :E como elogiarain o precedi-
nieulo do governo?
O Sr. Fei-reir da. Veic.a :Eu j explifliiei. 0
motivo; iivis declaro de novo ao nobre diputado
que foi pan fazer o gabinete representante de to-
do o paiz.
Mas nem com este proceder nobre, jichi, com
es!:, conducta por domis generosa, nao conse-
guimos....
O Sr. Sii-veira Looo :Oh 1 generosa! Fizeraa
o seu dever.
O Sr. Fkrrkira da Veic.a :... lazer paras o.
carro da reaeco, oexterinuio devia ser complsto!
fCruzamse apartes.)
Aborto o parlamenlo, sabe V. FXc. qual foi o sen
prmeiro acto. Por indicaijo do meu honrado col-
lega e amigo, o digno deputado por S. Pauto, a. c-
mara levou a expressao dos seus nobres .patri-
ticos senlimenlos ao chefe do Estado dieigjndo-llie-
era corporaco uma felicitaco. Mas o. que sur^
cedeu t
Poucos dias depois de so ter a cmara dirigid
ao paco imperial para agradecer os vivos e notores
sent:nenio de amor ai> paiz que nvuiif-stoii S. M.
o Imperadcr nos melanclicos das de Janeiro, foi
lidu nesia casa o decreto de dissoluco contra ;t
maioria desta cmara que havia. sustentado, coin
tula lealdade o governo conira o. qual nao havia
praticado um so, acto de hoslitidade.
O Sn. Sai.d.vs.v Mrrisik> Euto nuertem que
nao houvesse a dissobic.m por causa dessa felici-
taco I Foi m- political
O Sr. Fkrreira da Viga Hei de explicar
que rctacao levo este tacto com a dissolueao; |e-
nliaro, a paciencia de me ouvir,
Dissolvida a eamara dos Srs depulados e expli-
ead para diversos pontos a causa dessa disseiueSo
logo se pcpidoiv Sr. psssidflote, que o imperiu
f
mi^bmi



1)!:irlo de Pcrnrueo Segunda tetra de Fcrerr-iro de 14A-1.
i.
ora dividido eni norte c snl, sondo entregue og>-
vrno deseas dnas partes ilous distinrtea cavs-
OSn A fonso Cblso :E' a primeira vci que
islo.
o SR.l'i:inini\ da Vkh S :Eas nomearoes
te
t;
\

OSn Iac tt> i: -Muito bem, Sr. Paes Barreta '
ill.i .nitros apaas.)
(I Sii Fkmicir i>\ Vkioa :Sr. presidente, i ai
f# deb.ldo ya*- em nina reuna pblica a i|ii
-isti poneos lias depois rte i'r sido dissolvida i
cmara alguns chafes do meo partido iustavaiii
para que nao nleiteassemos a eleicao.
O Su. acton < Cuso :--E" porque linham ms-
deuda desua fraqueza.
11 Si.. Fbiuuba da Veiua : E' porque el e
sliiam que nao podamos latar contra os esiorcoi
dapolicia, e que fraieraeridade pleitear a ele
a ipi.-stao in-rl-ia .' Nao Sr. presidente i porqw OSb.Ministrobi Estrasobibos: Pac*aawtM
quando se dea esta iristo conflicto j tildo estn de ideas.
preparado paraesse ac mtoeimenlo extraordinario 1 O Su. rBmuuuA da Vbia :Pois bem, nao (arei
Nao foi a questao ingiera, porque diante da af- questao de palavras, concordare! mesmo que ha
fronta nacional, como muito bem disse o nobre de- perfeila harmona de ideas .iiir.- osSrs. ministros;
potado pelo 3a distrieto do Rio de Janeiro, todo o mas ha urna grave questao que nos sepan do mi-
-ido ues lo provincia que depois se ilseram !'*> grogos c troyaaos, se levantaran para repel- nisterio que sem .luvida sustenta o pretendida
....:-,mm .pieo torera* nao Un..treaJw rontas do Sr. Chrisiie. (Apoiadaa). dsrolto .le revoloeae, que o nobre presidente do
.' .lJ1Ua mmoral Ni0 foi ail,d a QMRlao inglesa porque todos sa- eonselho aqu pregou, direilo que a escola conserva-
OSi ViiiuTO-Ku ni r ouli.'co o raen che fe bem .|ue nesea triste conjunctura, mata que nunca, dora nega c negara sempre muito ombora em op-
' ;,, era necessar.o o auxilio dos legisladores, o exerci- posieao; e, sendo posstvel que passe pelo pensa-
O Su FViir-Kiiu dv Vstn\- O nRbro ministro ci do poder legislativo, para ajudar o governo em memo de algom imprudente alnado nosso uin
Bslraomros Bode responder a V Exc. todas as medidas, tendentes a salvar a honra na- movimenlo armado, bm recurso as armas, sempre
OSitftWaS Bstsanguros:-!^ in-'cional. oommtanmm essa theoria priftw,. que nada
(i que detorminou a dissolucio foram questoes monos A que a negacao da qonstiuucao o de tado
imanas. Entendeu o governo que devia entregar quanio existe em viriu.le das instituicoes que nos
a direoeao do estado ao partido liberal, tal ver. por- regen. Tora S. Kxc. renunciado osles princi-
que a maioria da cmara tnnsacta na i esteve dis- pios ? Estar o ministerio ligado em mu s pensa-
posia a ebcdeeef a urna ordem do honndoSr. mar- memo ? Ser o programma ministerial urna ver-
ques de i Hii,.la approvando urna eleicao de depu- dado?
lado pola provincia de Pernambueo. Em qnanio estas questoes nao forem resolvidas
o Su. m Laharr : <>< precedentes e o carador clara e eoovemlemenie nos continuamos a pensar
.lo apon roarquei estad multo cima den tos- que a situarlo loda artificial, que continua a re-
nuaeiio.
OSr. Lua Duark :Atiribue-se a dissolucao
a questao lao mesqmnha I
OSr. Frrrsoia daVrwa :Cada uin de nos
quando mssos contrarios linham' em son tavoi i pode aitnim-la a este ou aquello motivo : s < oer-
intervonro .lo governo, que .i^iin llovamos dol- lo que multas raes pequeos motivos po.lein deter-
xar livro' o amiio para pouparmos ao paiz sceoai I minar grandes acoute.-iinoiitos.
OSr. Nkiuas :Apoiado.
(l Su. r'KuiiKiiiv i.v Vku;v : PergUUtO agora
cmara: porque motivo o Ilustrado Sr. visconde
de Abaet o ononrado Sr. marques de Casias nao
conseguirain a dissolucao dessa carean '
Ca Su. Depctau) : Polo mesmo movo porque
ae conseguio o Sr. conselbeiro Zacharias.
rio do Sr. consollioiro /.adiaras, porque foi urna
sorpresa. (Reclamacdes.)
M Su. Pki'i tahu : Nao foi sorpreza.um dos mi-
nistros eedea da pasara aceitou a votacia
O Sn. Fkiuieiiia da Veio.a :Aceito a explicacao
que il o filustre autor de um artigo publicado no
jornal Espectador iaAmerica do Svl OSr. vis- cala sorprendentenestfcldade esuas adjacencias;
comfe do Abad.'- e o Sr. marquez de Caitas nao e para sentir que as providencias nao tenham si-
......segoire a dissolucao porque os eondenmados do completamente sOcazas, preveniedo a repro-
nesta Dypotbese eram os hberaes; o Sr. marquez duccao deUes.
de Olinda, porm, conseguios, porque OS desfei- i Sr. t-iionte-coronel Karata de Almeida acaba de
teados seriam os conservadores. ser expoliailoem quantia talvez superior a :tO:(XHi5,
Islo quer dizer que a dis^otucio contra os libe- constante de jotas, letras e onlios tilulos de credi-
raes impertan urna revolucio ; contra os eouser- le. atiu de dinheirn, sendo realisado esto furlu em
vadores, porm, era a paz de Varsovia. era a re- Olinda por dous estraves do mesmo tenenle-coro-
H-nacao das victimas do ehristianismo no circo de nel ; os quaes seevadiram para logo, dando assim
Boma. Pergiinlo, pois, anda : a dissolucao foi um a conhecorse a existencia do crin.
acto d:. fraqueza ou de energa ? foi um acto de i O armazem do Sr. Jos Joaquim Lopes de Al-
corageni ou de medo ? meida, no caes de de Novembro, foi tambem in-
U Su. Baioi. : Foi um acto filho da opiniao pu- vadido, e dello roubadu o pouco dinueiro (|ue exis-
bliea. tia as carleiras, que foram arrumbadas pelo> la-
OSn. PKRitEin
Manwl Ferreira de Lima, Pernainbuco, J'i annos,
sohviro, Da-Vista ; congestao pulmonar.
ltosalina, Pernambueo, 6 meses, S. Jos; espasmo-
Mara Jos da Couceicao, Pernai ibuco, W annos.
solteira, Santo Antonio; enp lizoma pulmonar.
Firmina, Pernambueo, 4 mezes, Boa-Vista ; con-
vulsoos.
Saliiam que o paiz os
Ue luto e de vergenha.
O Su. ArrpKSO I
renettia.
O Sn. Feiuieiiia da Vku.a : Nos porm reprt:-
senianies do urna gerarao nova, que nao acrediU -
vamos quo.. sociedade estivesse Lio corrompida.
que nio acre.lilavamos que a circular do voto I -
vro fosse una menlira, que nao acredilavami s
anda que as inaiorias psdeesem ser vencidaspelas
minor as cmbatelos essa opinio e desgraca.b.-
roenle fomos vencedores.
Hoj reconhemes nosso erro; e larde arn-pende-
mo-ntis de*>a victoria, da qual nos v.-jo comtodo
urna vantagem, a de conliecermos a que grao pode
dsMtr um governo, que sa conservasse sempie
luma. posicio elevada e digna.
O S*. C. ttoxi : Os correligionarios do n i-
bre deputadn da Parahvba e do Ceart respondera a
isso.
O Sr. Fehreib da Vra: Como I- nao veio
aqu os meiisr.irroliginnarios do C.'-aia elles [ora n
repellaos d'aqni ; e os da Parahyba anda nao f>
rain admiitidos.
Montada i machina infernal, ja se podiam con-
sultar as urnas I Peis as nomeaedesde presid-n-
tes de provincias, o governo sabia que poda A WMoria da admiiiistracao da provincia le
Pernambuo. sei que tem d ser narrada ne-ia
casa por alguns dos nobres depntados liber.es
presentaejio de urna (arca, e, pois, em nome do
paiz. nos .levemos dizer aos dominadores da situa-
cio :Vos, ijuo coudemnais o passado, que ron-
funds o prsenle, que envolvis em densas trevas
o futuro, lirai vossas mascaras, para que mostris
ao paiz vossas verdadeires physiooonias polti-
cas. (Be.-lainaooos.i
ii Sr. Niaus:Muito bem; falln perfeamente
bem!
A diseussao lca adiada pola hora.
Hada a ordem do dia, levantou-se a sessao s
qiiatro huras da tarde.
PERHAMBOCO
REVISTA DIARIA.
Os ataques a proprieda-'.e conilnuam em es-
III POICO E TI DO.
Diaen os joraacs nj i /es que o conde de Pari>
esta contratado a casar con aia prima, a lilha
mais vdiia do duque de Montpi usier, quo f.iz a 2
de setembro 18 anuos. Bspen-si que o casamenlB
sooireelue no prximo maio : os pais da noivafo-
lam a Madrial para pedir a appioncao da ranha.

Lemos n'uin jornal esJxangeiM que .-o diz que o
imperador da Russia solicitara pira son (lino, ner-
deilodo IhrOttO, a m.io da lillia i o ai oliidiique Al-
berto, innao do imperador d'.iii-ti ia e que o
grao-duque Constanunn fura Yienna encarrega-
do desta missio.
! ra de Carvalho Baldao.
A appellacfio civel.
Appellanle, Jos Rodrigues liamos ; appellado,
Bicardo Jos Fernandez
O Sr. desembarga.lor Perelli passou ao Sr. des-
embargador Acciol
As appellnri s CtCt.
-vppellante, Roque Perroira da Costa appella-
do, Anlonio Jos de Figuoir.-do.
Appellanle, Joaquim Jos de Mello ; appellado,
Flix Pcreira de SoUSS.
OSr. desembargado!- Acciol ao Sr. desembar-
ga.lor Assis
Ai appHIacSet ctveis.
Appellantes, os nordeiros de Christovo Dionizio
de Uarros; appellado, bacharel Pedro Pereln Be-
Accrescenta o mesmo jornal que este successo '. zerra de Areujo Beltria
seria importanUssimo por estreilar a rota alliaoea Appeilnte, Joaquim Jos Ribeiro da Costa Be-
entie a Russia e a Austria, n as que se suppoe bfmba ; appellado, Raphael Pernandes Porto.
muitodifflcil -, porque seria prenso que a prince-. O Sr. desembargador Assis passou aoSr. desem-
za abjurasse a religiao catholita para abracar a bargador Doria
.1 appdtaro erime.
Appellanle, o promotor ; appellado, o Dr. Anto-
nio Firmo Figueira de Saboia.
O Sr. desembargador Motta passou ao Sr. des-
embargador Peretti
Aa\ipellacao crime. 2 caixas chales de casimira, f, ditas fazenda de
Appellantc, o juizo ; appellado, Manoel Te.xei- algodSo> f;irdo fazenda de |Sa ,",,,.^0 amos-
tras ; Thomaz A. DanimaMT.
1 bah livros, rou|>a c objectos miudos; a M.
Jos Fernandos Barros.
a pipas vinho a ordem.
i caixa conservas, i pecas de carne fumada c 2
presurtos; a C. L. P. Boeck.
religiao grega, promssada pela (imtilia imperial <\.<
Russia.
li se na Kstrella ioNorte :
i HA PARBOLA SOjSBI a soi.idai IE0A0B DA ALMA E
do conro.
fin r.-i, tinha um pomar o ido de magnficos
(rudos.
Ai appettQcde cti i i$.
Appellanle, Pedro de Albuqucrquc L'cha ; ap-
pellaao, Joaode Sa Albuquerque.
Appellanle, Francisco Xavier Hendes da Silva ;
appeados, Manoel Barbosa da Silva e outros.
Appellanle, Manoel Cimillo Pires l-'al.-ao ; ap-
pellado, Paulino l'ires Fale.ao.
Appeilnte, Josii Bruno de Almeida Valladao ;
Um da, pondo para vigia-lo, ini ceg e um al.i- appeliado, Francisco Antonio de Vaseoncellos.
jado das ponas, Ihes disst
Fugi de comer estas (rucias, porque en sei
quanlas sao.
E rol i ron-se.
Muitos das eram ja passados, (uando o aleijado
diz ao ceg :
Eu vejo exccllentes frueta;.
Trai-as, e nos comeremo: mlujs.
Mas o aleijado observa :
Gomo, se eu nao posso an lar ?
E o ceg :
E eu que nao as vejo .'
A' 2 horas enoerrou-se
sao.
PUBLICARES A PEDIDO.
eiua DA VnsA :Quem pen-a o nobre rapios,
dessa'piovincia, (cando uos o dreito de azer l- deputado que foi orgao da opinilo publiea 1 (Apar-1 Em vista de certas crcumstancias parece que
tes). E quando se abre este anno o parlamente, estes linham maior conhecimenlo do local do que
esperavanios que o ministerio de :I0 de maio aqu um simples curioso.
se apresenlasse para dar conlas de sua administra- { o estado e inmundicia em que se acha a
cao, para justificar seus actos, que com razao eram! ra de Santa Bila, reclama urna visita do fiscal
respot Uto, al'un de fazer sanar semelhantc incon-
veniencia, punindo a quem d lugar a isto, ou pre-
gona additf montos a elh,
O Sr. Silveira de Soiza: Xo receo essa
diecsaslsv.
O Sa. Martim Francisco : Foi entregui a _
urna pessoa muito dislinda. (Mutos apoiados). esligmatisados pela imprensa...
O Sh. Fbrrkira dv Vkioa : A adminisiraraol i mor. Dbfvtabo :Nessa nao caina ene.
da provincia da Baha que lia de ser discutida | or | O Su. Feiire.ra da Veiga :... nos vimos qne,
um digno doputado daquella provincia, talvez f >s- rom geral sorpreza, retirou-se esse gabinete, seni
se lanrado fra do numero dos fiis ponjue i ao! que saibamos a causa que detenuinou essa reti-
quiz sanecionar com sen voto ludo quanto o li-1 rada....
reclorio que all se constituid qniz soberanamente \ozes :Ol! oh !
razer... 0 Sa. Amono Celso : Enio reconhece ru nba declarou-o perfeilamenle.
os somos os fiis f* "Su. Fkaiieiiia da Vkioa :O que a. Kxc. usse
(Hi mais apartes) confirma as mmhas palavras; das palavras do no-
O 9st Ferreira*\ Vboa : .... as violenc as, [ bre ex-minslro so se pode concluir que o governo
exeessos, o erimes prat.cados na provincia de Ser- depois de enmprir sua espmlwsa missao, a de crear
gipe, na infeliz [.rovinciade Sergipe, que exceieu ;estt siluacao < entrgala aos lilx-raes depois de
a todas no MflnnH-nto e na resfenaclo, ja foram (azer deputados aquello que foram indicados pe-
patenteados por Sn illustre deputado que nln seusanMgOs de data recente... (.Nao apoiados.)
dos poucos excommungados que aqu existencias | O Su. de Lamare :O ministerio relirou-se guia-
que anda nao se acostiimou a sujeilar sem animo i do por um senilmente nobre quiz assim mostrar
calmo e justo, as conveniencias do partido. (Apnia- que a maiorirt da cmara era o voto espontaneo do
dos). pois da luminosa diseussao que houvc na assim- no poder.
kla provincial fieou evidente que se no paiz bou-1 O Sr. Feuhkiua da Vkioa :... precison repou-
vesse opinio publica. ro-jnidd'j de seus agentes, da dignidade de s-us O Su. Paila Soiza : O ministerio de .R de
delegados, nao esuna na administrarao da pro'in- n,:"o b1'!" mereceu do paiz.
da 'o llio de Janeiro um honiom ronio Sr. Pol\-, 'Ha diversos apartes).
carpo Lopes de Lean. o Su. Fkuiikiua da Vku.a : Paroce-mc que em
o Su. Eucardo drAndrade : Est cnganido,! quanlo vivia esse ministerio os nobres deputados
o ipie a assemblca provincial mostrou foi sun:mu I|;.....rain lao minislcriaes. Conresso, Sr. presiden-
despoito. te que nao snppuz que O nobre <:x-mini>tro da na-
(Ha raais apartes). tunu fisesse sa rovola.-ao com que manifcsloo,
pordoc-mc S. Exc. a expnssao, nuiila ingenui-
dade.
Eu, acreditando ne-ta in^eiiuidado de S. Exc,
pensei que o nobre ex-mlnistro accresnalasse :
alm do grande empciibo que o enverno touioii a
-i, da ir.iiKfo.iiiar a ordel deCOUsaS que exista
no imperio, o de fazer elegur rcjwsentanleB da na-
ci aqaefles que l&ssem indicados pelos amigos de
aatt rcenle (leolainaoiV'S), fez mais esso niinisto-
rio : praticou actos de arbitrio e de escndalo con-
avuUauos sem ter auiorisa-
(asa
0 Sr. Feuiipira da Veioa : Eu li toda
diseussao e sei o que ella mostrou. (Pausa).
E quem foi presidir a provincia de Minas Ge-
raes t Coirfesso que quando vi publicado o nome
do Sr. conselbeiro Joao Chri'piniano Soares | ara
iire.siilunuuda provincia de Minas, aisradilei quo o
governo se Ifeeengaado na escolha....
O Su. Lava PiAnTE : E' homem muito 1 on-
rad'j, caraeler aiuiio independente. (Muitos apoia-
dos,.
O Sr. Ferrkhu da Vriga : .... apezar de erer trabindo emprestimo
que o Sr. senador Theophilo Benedicto OUoni nao
soria lao pouco providente que consentisse ^ue
fosse govt-rnar nossa provincia quem nao se si ei-
tasse a cumprir a intima de suas ordens e oliedier
ao menor de seus acenos.
o Sn. Afkohso Dn,s > : Isso urna injuiia !
O Sr. Lima l)i aute Com o procedimenlo do
Sr. ChiSjimiaqo est satisfeila a maioria da pro-
vincia.
O Sr. Sir.vEiRA Lono Toda ella, sem ex-
ce|;ao.
(la mais apartes).
OSn. KcuuKinA da Vkioa : Eu ronhecii ao
Sr. Chii-oiiiiano como um homem nimiamenteoi-
gulhoso esobremodo indolente (nao apoiados), e
com tees predicados acreditei que elle nao foss
propno para urna rraccao.
' Sr. Fonseca Vi ^^^ : Entao
niara: poda anula accrofceutar que usse nunistc-
e indoleric e rio es cntralos que tem de custar ao estado al-
qneixa-sequefezreacao I gua-l iiiilbares de contos, e quando chamado aqui
(i su. Febreiba daVmca: Orgulhoso, julguei o re ped vo mnistio para responder poros* fcc-
que elle nao sonrestasse a ser instrumento de lo giave, nao leve remedio seuao tfonfessar o erro
qomn qoer que fos.-e honu-m indolente, nao era e pulir misericordia. Fez mais asse governo : en-
omais propno para o iralialho, i'.-ua a-.tlioilda- cheu a magistratura de individuos alguns dos
de.s da situaeao. Domis, ha muito que elle e-tava quaes o nobre ei-ministro sabia que nao linham
afastado da poltica activa.
O Su. Mautim I-Y.an asco : Est engaado; mi-
liten sempre com mu ta disiinc.-ao as lileira. do
partido liberal (Apoiados.)
O Sr. Feiuieiiia da Veiga : Mas estava afista-
do df poltica activa, oceupado no ensino de sua
cadeira na Faculdade. de Direo de S. Paulo ; a eu
suppuz que ah tivesse elle acoslumado sen espiri-
to a venerar o justo, o diroito o a le. Eu es. revi
aos meos amigos dizendo-lhes que di viam es| erar
pelos anos de S. Exc, porque ou acredilava que
ello nao roste um presidente reactor...
' Su. An so :Que nao o foi.
O Sn. Febueira da Veiga .(juo nao se prista-
ra a fazer urna conquista, qne especava que a elei-
530 de 9 de agoste nao seria urna saturnal.
o Su. Lima Dlauti; : Castigar os criminosos
chama-se recacao
O Sn. 1'ERiiemA da Veiga :Bem cedo porm, euf Eis, Sr. presidente, em resumo a vida gloriosa
conheci que me achava em perfelo engao : bem dessa ministerio que na opinio do Sr. Martinho
cedo mostrou S. Ex. conipreheiuler a mlsso do que Campos oi-gamsou-se pou/.-o parlamentarniento e
se tinha incumbido ; bom cedo mostrou ser sec- menos parlameiiiarmonle morreo, legando ao ac-
tario dessa escola que tinha por principio essa ma- tual ministerio a gesteo dos negocios pblicos,
xima perigosaque em tempo de cleicoos se sus- Ora, nos que fomos victimas da nossa boa (o, de
penleiii r.s garantas do poder e da honra Nao nossa sinceridad.', nao podemos prestronme apoto
.apoiados.)
IM Sn. Bepctado :Mxima do scu partido.
0 Su. Lima Dlarte :-0 nobre deputado sabe
que em muba provincia nao precisamos de govex-
;no para vencer as eJci.;oes ; a provincia coaiple-
laniente liberal. (Apoidos.)
(i Sil PehreiRada Vkioa :-Os nobres depulados
sao a pro va dessa agst-rcao; mas em tempo hoi de
discutir as eleices em virlude das quaes os nobree
depulados rienm para esta casa.
1 Su |. ima Dlaiirb > especial favor.
O Sii. J'ula Solza :Ja (ugio da melhor (cca-
siao que,foi a verificai;ao de poderes. (Apoia lo.)
O Sn. Frrrriba da Vjsica : E nesla occsiao
por nrtta V. Exc. que en, era*uome da pnviuci i de
Minas, lastima que fossera lirados do uunier] de
seus reprnsenUintes, pela forca e oppro.-sao, minios
de seus dignos lhos, que Lio bons servgos tem
prestado ,w paiz. Felizmente, Sr. presidente ai uel-
3e que Coi causa dos excessos o violencias pralica-
menospr zar seus brios, ao passo que prab:ava
sses exeeesos, rocefcia na provincia de S. PaiKo o
merecido castigo porcia conductaensuravel. (Vi-
vas reclaraar/ies)
Os eleiore da Faxisa, seus adiados polillcos,
castigaram a sua conducta na provincia de M.nasl
(Conlinuam astoclamicae^.)
Repellido seu noau das urnas por aqueJJes dig-
nos eleitores, deijwu o Sr. <>uselheiro Crispaino
ereceber' a jiaga pela qual tinha contratado seus
servieos (BeclaiuajCes prolexigadas das de^uta-
cdei de Minas e de i Paulo : o ,Sr. presidente rt-
<;Iama ailmeo.)
Vozes :Deixem continuar o orador.
O Su. FuuiKiiiA da Veiga :Expedida para to-
dos os ponto, a celebre circular do voto livre, e
cmprete ndido seu verdadeiro sentido por todos os
agentes, da adioinislraco, seguio-se a dinoljcao
da cmara.
V que ileiernoou a diesolucao da eamara ? Foi
venindo que ella prosiga desembarazada, como oa
vai.
Em um dos dias passados, no lugar Boa-Va-
gem, foi violentada para litis libidinosos, urna me-
nor de vida irregular, |ior mais de quatro indivi-
duos, sendo que j se acham presos alguns dos
mesos.
Procedeu-se vesloria em dita menor, que decla-
ra rain os peritos achar-se em perigo de vida e conti-
nuam as deligencias para a captura dos que se oc-
cultaram.
No Collegin das Artes fizeram exame 48 es-
tudantes, sendo 1\ de inglezeSi de laliii, sahin-
do : approvados plenamente 11, simplesmentelO e
reprovados 3 em inglez; plenamente 11, simples-
mente 7 e reorovados 6 em latina.
No sabbado pela rnanhaa foi atrado praia,
alm do forte do Buraco, o cadver do pardo Gui-
Iherme, cscravo do icnente-coronel Barata, e um
dos autores do furto de que foi elle victima. Esta
marta foi sem duvida violenta, por que nelle viani-
se cinco (asadas, sendo a principal na reguo do
estomago.
A presidencia aulorisou a admssiio na com-
punhia de aprendizes menores do arsenal de guer-
ra, havendo vaga, do menor Gaudencio Marques da
Trindade.
Esse menor veio de Goianna, remeltdo polo res-
peclvo r. juiz de orphaos, alim de ser admitndo
naquelle Mlabelecimenlo.
Nao te ve ante-hontem (O do corrente) lugar
o julgamento do guarda Bernardo Bo.lrigues da
Silva, que peranle o eonselho de disciplina do i"
liitalliio.il' infamara da guarda nacional qa fre-
guezia do Peco da Pancha responde por crune de
insubordinaban, em razao de nao haver cojnparecij
do um dos vogaes, que por motivo de incompalbi-
lidade allegou estar em exercicio do cargo de juiz
de paz de um dos distridos de Afogados.
o Sr. Dr. promotor publico requereu vanas
diligencias peranle a delegada sobre a morte da
prota Luiza, das quaes daremos noticia em tempo,
Pela subdelegada da Varzoa foi preso o
crioulo Ignacio Jos de, Moura Campos, por constar
a mesma subdelegada que dra elle, ha cerca de
(res anuos, cinco facadas em Joao de Andrade, era
Goianna.
Por j ler servido no exercito. por tempo de
doze annos, foi ordenada a soltura de Honorato Al-
ves do Nascmento, preso para recruza ; e por te-
rem provado sencao legal, foi tambem ordenada a
da Manoel Lourenjo Marinho, a de Antonio Jos
Velloso e a de Satyro Jos de Moraes.
Os enearregados da (esta de Santo Amaro,
em sua capclla das Salinas, pedem-nos que deca,
remos ao publico que por moro eaqueciuento dei
xou de vir mencionado no programma da mesma
(esta o nome do lllm. Sr. tenonte-roronel Jos Lu-
cas Soares Raposo da Cmara da cija casa sabio
a bandelre na noite do 19 do corrente, ao que o
mesmo se presin da mdhnr boa vontade, tornan
do-se dost'ar-te crodor de todo o reronhecimento e
grtidak) da parte dos enearregados da menciona-
da (esta.
No dia 1" de mareo eomeea a matricula dos
Mudantes da Faculdade de Direfo, podendo des
de boje ser paga a respectiva laxa, na reparlicao
do sello.
A sociedade dramtica Ikcreio e Unklo Fa-
miliar da um espectculo em seu beneficio, no dia
27_do corrente.
RbparticIo da polica :
(Extracto das parles do da 20 de fevereiro de
1864.)
Foram recomidos casa de delenco o dia 19
do corrente.
A' oid'iu do lllm. Sr. Dr. Chele de polica, lima-
nte Jos de Moura Cam|)os, crioulo, por ter dado
cinco tandas,
A ordem do subdelegado do Becife, Angela
Mara da lloneeicao, parda, por ferimento ; Felip-
pe dos Prazeres Hoas, crioulo, por briga.
A' ordem do de Sanio Antonio, Domingos Mar-
lius Gomes, portuguez, para correcc.o, e Domingos
Simplicio da Silva, crioulo, por" anuas prohi-
bida-.
A' ordem do da Magdalena, Jos Pinto de Souza,
portugus, por estar pronunciado como MOMO no
art. ni do cdigo criminal.
ao tratemte u tual, iom mesm itepois da apresen-1 A' ordem do do Peres, Antonia Mara da Ooncei-
taeftodo programma doSr. presidente do eonselho, ao, nrdB, para eorreccao.
O chote da i.' seccao.
/. G. de Mesbuita.
Passageiros do hiato nacional Nicolao 1, sa-
cao pare isso o com graves sacrificios dos cofres
pblicos; infringi preceilos constucionaesapo-
sentando ministros do supreiuo tribunal dejusuca
o desembargadores.
IM Su. Dki-itado -.Sao oxeinplos que veram
do partido do nobre diputado.
o Su. Fruuuba da veiga :So >ao mos excin-
pios panqu segui-los} Para que nvosar-se ore-
((.lentes desse partido quo j nao existe ? I'odia
anda o nobre ox-niiiiistro dizer quesse jninisie-
rio iisurpou attiibuicoes .las cmaras municipaes,
rbegando a ponto ge mandar suspender quatro dig-
nos vereadoros da eamara da corlo porque se lia-
viain com toda dignidade recusado darcumpri-
ment a nina ordem Ilegal; tez nomeaedes tiara
o as secretarias contra eaprcssa prolbicao desta ca
babiblaeSes neo moralidade, pondo a raargom jui-
ies de diroito que alii esto vencon.lo ordenados
do thsouro publico: fez revivor coinmssoes ex-
(inda.-, que coniinuaiii a percobor seus vencimen-
tes ; e romo so nao fosse ludo isto bastante para
caraderisar o gabinete de .'10 de maio. S. Exc. po-
dia acc-o-centar anda que bouve ministros que
em nsiieres de deixar o poder mandaram distri-
buir dloheiro por alguns empregados querido de
Mas repartieses___ -
O Su. o. Lamabi :O nobre deputado est mal
informa..o, nao me consta que se lizessom taos dte-
Iribuices. .
(i Su Fi.-.uremia da Veica iEu vi este fado pu-
blicado pela imprema no Jornal do Cowmercio, e
ningut'in o contestou------
illa uin aparte).
que, forja confessar, nao in^is do que lima pa-
gina rasgada do relalorio do Sr. consollioiro Sa\o
Lobato.
Pan nos es Srs. ministros sgnificam mais do "ido para.o Aracaty
que ludo quanlo Ss. Ex.CS. nos queiiam dizer aqui. I Antonio Ferreira Autcro e i criado, Boaventura
Que importa que o honrado Sr. presidente do con- da Cojsn e Silva.
sollio obrigasse o seu eoega da fazenda a renun- Movimenlo da casa de delenjao do dia 19 de
ciar muitos dos amigos principios quo prefassan fevereiro de 18o4.
O partido liberal ; quo importa isso J nao ipu-
rem a reforma do es lado, ja nao so falla em incun
Existiam..
Entrarara
Sahiram .
346 presos
i:
'.i
A saber :
Existem
330
falibilidades absolutas, emflm todos esses princi-
pios pelos quaes o partido liberal em outros tem-
pas lano puguou 1
>s, que ouvimos ao nobre presidente do eonse-
lho ha dous annos declarar nesla casa que, ambn
separado de alguna iU' seos amigos alnados, per-
lencia a escola conservadora, e quo as.-istimos ha I
bem poucos (lias a BOnflesio de que o governo a '
que preside S. Exc. c liberal, que garanta |>ode-.
remos ler de que sajara postes em pratica os prin-!
ripios do partido conservador que sao boje adopta-,
dos, renegaado-so aquellas ideas, aceitas pelo lado
liberal ?
Nao vio a cmara como o nobre ministro do m-
perto, para cohonestar a passagem sab as tercas
eaudinas de tres de seus coliegas, parecen neillar
quando declarou qu\; para S. Exc. conservadores
moderados e lioeraes moderados eram a mesma
cousa? E* porque o,illuslrado ministro se lem- Igmicio hrancisco da Silva, defiuxo.
Iirou do que diziam seus gloriosos avs a respeito Tiveram alta :
dos moderados de 1831. Germano Lopes l-razao.
Nao vio a cmara que quando o nobre ministro ''u,z de Franca,
o o honrado Sr. presidente do eonselho, sem res- Uame'. (escravo) sentenciado,
ponderen! citacao foila peJs Sr. Lopes Nelle, Io*! F.ibricio Lomes,
declararam que o gabinete era liberal, naotiveram Jau Gomes Coulinlio.
um apoiado do digno Sr. ministro e estrange- Obituario do da 19DBrsvERBiR0, no cbmite
ros ? E' que SS. Excs. recearam que os nobres rio publico.
depulados liberaos por Pernambueo negassera a Miguel, escravo, Pernambueo, 50 annos, solteiro,
Uliacao de S. Exc. oesse partido. Boa-Vista; hydropesia.
Nacionaes.....
Kstrangeiros...
Mulheres......
Estrangeiras...
Escravos......
Escrava;......
Alimentados custa dos cofres pblicos.. 145
Movimento da enfermara no dia 20 de fe-
vereiro :
Tiveram baxa :
Jarintho Jos Martins, asthama.
Haoool Francisco dos Sabios, chagas.
Para conheciinenlo dos .redores da maa fal-
lida de Siqucira A Pon-ha. os ailmiistra.loie-.
della piililicain o annimcio ahaixo que foi inserido
no jornal Comwtereio do Porto, sn data de :i de
Janeiro prximo pasudo, IVilo pola Sra. D. Victo-
ria Malparida Poroira de Siqucira, com o tiin de
3caixas fazenda do linho, 0 ditas ditas de algo-
dao, 1 fardo dita de laa, 1 embrulho amostras ; a
Carneiro ci Nogueira.
1 eaixa litas de seda mixta, 3 ditas chapeos em
cartees; a Cliristian Irmaos.
1 fardo fazenda de Ka, 2caixas sapatos, I dita
botos, i embrulho amostras ; a Schafheitlm & C.
1 barrica ferragens, I caixa espoletas ; a Bran-
der a Urandis.
3 caixas fazenda de aJgodfio. :t ditas ditas de laa,
.1 dita:, agua de colonia, 1 embrulho amostras ; a
Linden S C.
1(K>I frasqueiras, l(M)caixas, 180barricase 1023
garrafocs genebra, .09 parrafdes vinagre, 50 ditos
cevadinha, 25 ditos ervilbas, 10 |iipas,75 Warris vi-
nbo. I caixa fazenda de laa, \ ditas fazenda de al-
go lao. | dita chapeos de sol, 440 embrulhos e 75
fardos papel de embrulho, 1 volme amorras. 50
lastro carvao de pedra, 42 barris alcatrao ; a Babe
Sehinottau & C.
IJxporta^So.
Brlgue inglez Flnrmt, earregou para Liverpool
140(1 saceos cora 7000 arrobas de assucar masc-
ndose 933ditos com5404 arrobase 31 libras de
alffodao.
AI.FANDEGA DE PERNAMBUCO.
PAUTA DOS I'IIECO DOSGRNRBOS SVJK1T0S A DIRECTO DE
KXTORTACO.SEMANA DE 2 A 27 DO MEZ DE KE-
VKIIKIUO DF. 184.
Mercadorias.
Abanos.....
Agurdenle de cana.....
dem resillada ou do reino .
dem caxara........
l.iom gevobn.......
dem aleool ou espirito de agua-
ardente....., .
Algodo em earoco .... arroba
rJnidades. Valore?.
rente
caada
1*400
640
640
420
720
720
Mas o rei, que era penetrante, jwz o aleijado
sobre o ceg, e castigou-os ainlws, dzendo :
Eis como vos lizestes pan. comer as minhas
'rucias.
Assim vira um dia em que ueos dir alma :
Ponjue neceaste 1
E e*ia Ihe responder :
Senhor, foi o corno que isso me arrastou.
Este tambdn se defender :
Senlior, foi a alma que me etieaminhou I
Pois bem, dir o Eterno,
vez, c sejam ambos castigados.
Que fizeram elles 1 O'aleijado monlou sobre os ombaracar a venda da proprieda.lo existente na- hteuiem rama ou em laa.
hombros do ceg, colheu as frtelas e as comeram quella rida.te, que ffgura no activo da referida lir- ,,".";
ambos : depois cada um retn,use ao seu lugar, ma. como pertenecnte ao fallido Anlonio Jos de Si-
Ao lini de um corto tempo veio o rei e Ihes por- ipieira o por elle aprosouta.lo pela eresoida somma
gudlou : de 20:000,i,
Que feito das minhas inicias ? Os mosmos administradores scientilicam aos Srs.
O ceg res|iondeu : credone miasma que tem provd-nciado para
Senhor. SOS bem vedes qu: eu nao vejo. que nao logre I aniHinoi.inte sen intento, visto que
E eu, s.mlior. ajuntou o aleijado, nao po-^so estio persuadidos que nao Ihe assiste diroito.
andar.
D. Victoria Margarida Pcreira de Si.pieira. cons-
tan.lo-lhe .pie pelo tribunal do coinniercio desta
cidade, osla assiindo o da 2S do corrente. para,
em cumpriiiieiiio de caria precatoria viada de Per-
nambueo, se arrematar urna fazenda de bens de
raz, sita no lugar do Cruzinho, da fregueza de
Massarellos, nos suburbios desta ctda.le, |>or se
suppor que pela fallencia da ruina-Siqueira &
Pcreira-da dita cidade de Periianibuco. (cou per-
, lencendo massa dos endona |or causa do ir-
teuuam-se outra mi da annuncianlc, Antonio Jos de Siqucira, ser
I mu dos metaam da rma fallida, participa ao pu-
blico :
Io i|ue est fazenda de natureza de prazo de
vidas de geracao do dominio directo do priorad
de Cedofeita, eque a aiuiunciante a est possolndo
com todos os mais bons do casal por lallecimento
da anterior einphilouta, e sua mai. D. Hila Marga
i rida Pcreira de Siqueira, por ainda se nao ter fe-
3IR. RENN.
Um congresso do sabios de todas as opinioes
reunido em Munich, dcclaror ltimamente que a
Villa de Jess, escripia por M \ llenan, um pla-
gio escandaloso, um livro que, sobre ser mmoral,
nao tem valor algum scientitta.
O pobre Renn tem soffrido ainda outras de-
copcOes.
Este anno nao far elle o seu curso no collegio
de Franca.
lo partilha do casal odeviso.
2" que ao por ora ncerto se o dominio til
percence annunciante ou a seu rmao Antonio
Jos da Siqueira, por a mai commiim no tcslaineii-
No |orla deste estabelecimento lia-se um ra taz j to. com qu alloma, o ter nomeado np referido sen
nceliido noste theor : l'n aviso ulterior far innao com 0
COI
conhceer a poca em que Mr. Ernesto Renn con-
tinuar seu curso o que ; formula ordinaria
para annuuciar ao publico qje tal outal cadeira
llcar muda durante todo o ani o lectivo.
J oreara por vinte e seto as obras mais notaveii
eseriptas em refulaco daquelie impo ; e algumas
dolas, como a do padre Fre.ipel e a de Mr. Pou-
joulal, contara um crescido numero de lines.
Em cnmponsaco Mr. Renn aten cou una alta
distineco da parte de Sua Maf estado sarda.
L-se no Sun de Londres : t Toda a christanda-
ite se assombrar de saber que o re Vctor Ein-
manuel conferio a decoracao de S. Mauricio e S.
Lzaro Mr. Renn. Assim > governo piemontez
considera como um relevante orvico o blasfemar-
se contra Jess Christo I
Polire governo a pobre Italia !
CIIROMCA JUIMCIARIA
tiiini \ \i. nx ni i \i \o.
SESSO EM 20 DE FEVEREIRO UE 1804.
PRESIDENCIA DO EXM. Sl CONSELHEIRO
SIIVEIRA.
As 10 horas da manha, presentes os senhores
desembargadores Caelano Saitiago, Gitirana, Lou-
renco Santiago, Res e Silva. Motta, Peretii, Accio-
l, Assis, Doria, o Guerra, procurador da coroa,
abrio-se a sessao.
Passados os feitos e entregues os distribuidos,
deram-se os seguintes
Jl'LGAME.NTOS.
Itabeas-eorp is.
Negaram a soltura podida em habeas-corpus por
Manoel Vicente de Oliveira, Fergentino de Miran-
da Pimentcl e Diogenes Francisco da Silva.
Negaram igualmente ordem de babeas corpus a
Manoel Antonio de Aguiar
ecurso en ne.
Recrreme, Antonio da Roca Linse Duro ; re-
corrido, o jnizo. .
Relator o Sr. desembargador Santiago.
Sorteados os Srs. desembaigadores Res e Silva,
Doria e Assis.
Improcedente o recurso.
AffettacSo t rime.
Appeilnte, ojuizo ; appellado, Manoel Jacit.lho.
Nao se tomn conhecimentidaappellaco.
diligencias a imks.
Com vista ao Sr. desembi.rgador promotor da
justiga
As apprllacoes -rimes.
Appellanle, Rento Paulo Z. dans; ap|iellada, a
justica.
Appellanle, Joao Pinto da Costa ; appellada, a
justica.
apellante, o promotor ; ppellado, o escravo
Cosme.
Appellanle, Flix los de tyra ; appellada, a
justica.
Appeilnte, Amonio Pereira Coimbra ; appella-
lada, a justica.
Appeilnte, o juizo; appel.ado, Pedro Antonio
Cordeiro.
designacao DSMA.
Assignou-se dia para julg miento dos seguintes
feitos :
AppelltK-es crlmes.
Appeilnte, o juizo ;'appellado, Alexandre Mu-
niz da Silva.
Appellaraq C vrl.
Appellanle, Venancio Nogueira de Souza ap-
pellada, D. Caetaua Nogueira de Souza.
PASSAGBNS.
O Sr. desembargador Caelino Santiago passou
ao Sr. desembargador Giiiran i
As appellaroes cweis,
Appellantes e appellados co ijnnctamente, Anto-
nio Carlos Pereira de Uurgos e Antonio de Siquei-
ra Cavalcanti.
Appellanle, o baro de Muribeca ; appellado,
Fraucisco '.lasado da Fonseca.
As appellaroes :rimes.
Appeilnte, ojulzo ; appel.ado, Antonio Correa
da Silva.
Appeilnte, o juizo; appel ado, Pedro Moreira
da Silva.
A revista erbne.
Recrreme, padre Joaquim Leile de Aran jo ; re-
corrida, a justica.
O Sr. desembargador Gitirana passou ao Sr.
desembargador Lmrenco Sa.iliago
A appellai-ao crime.
Appellanle. o juizo ; appellado, Antonio Manoel
de Souza.
.4 appellai^ao civel.
Appellanle,EuzebioPinto; appellado. Elias Emi-
liano Ramos.
O Sr. desembargador Louiengo Santiago ao Sr.
desembargador Reis e Silva
As appellacoes ciceis.
Appeilnte, Denlo Antonio Estoves; appellado,
Manoel Dulra de Souza.
Appellantes, os berdeiros de Joo Henriques da
Silva; appellado, o Dr. Adi Ipbo de Barros Caval-
canti de Lacerda.
Appellanle, a preta Caetaua ; appellada, Mara
Joaquina da Silva Mana.
O Sr. desembargador Res e Silva passou ao Sr.
desembargador Molla
enerrgode pagar as dividas donml,
de Ihe dar 1:200,5 6 a reserva vitalicia de um car-
ro de milho animalmente, o Ih'o ter Horneado em
siibslituico ojiando ello nao quizess.- aceitar a no-
, assim onorada, o nao haver acto al-
gum'da sua parte, polo anal s. mostr que a acei-
tara ou recusara, nein estos bons Ihe terem sido
encabezados judicialmente em virtode de cei-
taefio.
> que quando o dominio til destes bens per-
teBCesse ao referido scu innao. nao porlence de
modo algum massa dos credores, porque quando
a mai commun fallecen j a s.nio.lado de Siqueira
& Pereira estava formada ha muitos annos em
l'ernamburo, e elle nao os adquiri com lucros
provenientes das transa.ee- BOBwaerciaes da re-
ferida sociedade fallida.
i que estes bens, alm dos encargos que a mai
comiiium Ihe impoz com a noiiieac.io, eslao sugei-
lOS BO pagamento das beinfeilorias qm fez BOlteS
e das despexas que fez na demanda que ihlontou
para os reivindicar, de cuja importancia a amura-
da nte iuconteslavelmente uieora.
o" que a anminciante vai protestar no da 28
do corrente, no acto da arreinatacao, pnate o
tribunal do commercio, contra esta mesnia arre-
matacao, e pola resalsa de seos dreitos, e repele
por este modo para desengao do publico o moSBM
protesto.
WrlO, 23 de Janeiro de 1864.-Como procurador
da annuncianle. Franciscn Jos Pereira Salgado.
dem descascado ou pilado t
Assucar mascavado..... ,
dem branco........
dem refinado....... <
Azeit de amendon ou mendo-
bira......... caaada
dem de coco........
dem de mamona.....
Btalas alimenticias..... arroba
Bolacha ordinaria, propria para
embarque....... >
dem fina........ >
Caf bom........ >
dem escolha ou reslolhe ...
dem torrado....... libra
Cafaros......... um
Cal........... arroba
bien branca....... >
Carne secca (xarque) .-
Carneiros........ um
Carvao vegetal...... arroba
Cavernas de sicupira .... urna
Cera de carnauba em bruto. libra
dem idem em velas ....
Cha...........
Charutos........ cento
Cevados (|>orcos)...... um
Cocos (seceos)....... cento
Colla.......... libra
Cornos de boi, salgados ...
dem.idem seceos espichados.
dem idem verdes......
dem idem cabra cortidos. um
dem idem de onga..... cento
Iioc.s seceos....... libra
dem em golea ou massa.
dem em calda......
Espanadores grandes .... um
dem pequeos........
Estt-iras para forro de eslivas
de navio. *....... cento
E-topa nacional...... arroba
Farinba do de mandioca. alqueire
dem de aranita..... arroba
Feij io de qUalquer qudlidade.
Frechaes........ um
Fumo em tollia, bom .... arroba
dem ordinario ou restolho i
dem em rolo bom......
l.lem ordinario ou restolho
Gallinhas........ ama
Gomma......... arroba
Ipoi acuanha (raiz)......
l.enha em acbas......cenlo
Toros...........
I.in las e osteios.......um
Mcl ou melaeo....... caada
Millio. ."....... arroba
I'.-q a gatos........um
Pi Brasil
quintal
um
urna
S tl.SA DK BRIKTOL.
Mortcs cansadas per fiera**!
Fazem-se uso de todos os venenos activos na
medicina e todos finalmente encunara a vida. A
salsa parrilha de liristol um dos poucos remedios,
verdaderamente e puramente vegetal. Ella nao
rontm um s grao de itwrcurio. arhmco, ttrickt-
mi. hromiiir, iodine, ou vmlro qualqucr veneno.
Alm cusso um antidoto contra os meemos o
cura as molestias que estos causara. Pela maior
parte das vezes estes venenos euram urna molestia
substituindo-a por outra : porm a salsa-parrilha
de Rristol opera com a natureza o nao contra; re-
m.,vendo para sem pelo son poder neutro lisador as
causas de molesuias ulcerosas, canorosas e erupti-
vas, regulando o ligado, dando vigor ao estomago
o inte-tinos, aliviando o systema de substancias
epidmicas e dando forga aos orgaos enfraqneci-
dos. Asereanoas eassenboras delicadas podem
toma-la sem susto.
E, a salvacao dos doentes. Cautela para evitar
as imitacoes e faliflcagees, das quaes existem tres
no Brasil, a legitima vende-se |ior Caors & Bar-
bosa e Joao da C. Rravo & C. _-.
ou
0 Novo Banco de Pernambeco convi-
da os credores ailniilliilos ao passive das
tnassas de Mosquita Dulra e Francisco An-
tonio Correa Cardozo a receber o primeiro
dividendo destM massas, devendo exhibir
,is respectivos ttulos para ser annolado o
pagamento.
Alfaudcga
Rendimento do dia 1 a 19........
Idem do dia 20.................
."19:313*621
ti:70:5037
,'il(>:02O5t).-i8
HoTlmento da alfandega
Voluraes entrados cora fazendas...
t com gneros...
Voluraes sahidos
c *
com
com
fazendas..
gneros..
783
2:8
Descarrcgam no dia 22 de fevereiro.
Patacho nacional Uous Amigos carne secca.
Rriguo nacionalFluminense idem.
Barca ingleza Unionfarinha de trigo.
Sumaca bespanholaPaulo vinhos.
Brigue inglezMary bacalho.
Galera inglezaHermionecarvao e gigos.
Escuna dnamarqueza .1. .V. diversos g-
neros.
Barca portugueza C/n F.scuna Ingteaa-^Wornin cania.
Barca Iranceza Colligny mercatorias.
Isnporla^o.
Brigue bespanhol Manoet, entrado de Buenos-
Ayres pelo Kio de Janeiro, consignado a Aranaga
Hijo iS; C manifeMou o seguinle :
3800 quintaos ( hespanhes) de carne secca de
charque, e oO couros vaceum secco ; aos mesmos.
Escuna dnamarqueza A. .V. entrada de Ham-
burgo, consignada a ordem, manifestou o seguinle:
3 caixas miudezas, 8 ditas eouros do lustro ; a
Prente \ tanna & C.
I caixa calcado, 1 dita chales de la ; a Mo-
nhard & C.
1 caixa pennas o amostras ; a Manoel Joaquim
Ramos e Silva & Genro.
1 caixa charutos; a Carneiro da Cunha.
molho
cento
um

libra
i
alqueire
arroba
5*000
2O-5O0O
15000
25000
25 WO
3:oo
5160
25000
15600
800
15200
35000
75000
85000
75000
4M>
360
280
300
25800
35000
15000
85< KM)
230
360
1*808
25500
13*000
3*300
300
170
240
110
350
105000
1*000
320
500
45000
25000
13*000
15600
25500
55000
1*800
55000
145000
8*500
85060
55000
600
1*900
235000
I-350O
115000
85000
200
1*900
2*800
5*000
5*1 KX>
840
4*000
1*200
120
ble n dejangada. .
Podras de amolar .
Idem de filtrar ....
Idem de relilo ....
l'iassava.......
Poi tas. ou chfres de vaccas
. novilhos........
Praoehdes de amarello de dous
costados........
dem de kmro.......
Bap..........
Sal ao..........
Sal..........
Sal-a parrilha.......
Sebo em rama.......
Idem em volas.......
Sol em vaqueta......
Tabeas de amarello.....
dem diversas.......
Tapiocas.........
Taiajuba.........
Travs.........
(Jnhasdeboi.......
uras de piassan. .
Hit is de timb......
Ditas de carnauba.....
Vinagre.........
Alrandega de Pernambueo, 20 de fevereiro de
1864
(Assignados):
O I.- coiifcroiile, Joaquim Aurelio Yanderley.
O 2." conteretite, Jos Thomaz de Aguiar.
Meidora.
Approvo.-Alfandega de Pac umbuco, 13 de fe-
vereiro de 1864. PaVl d'Andrade.
Contormc. O 4 esrriplurario, Joao dos San-
tos Porto.
Itecebedoria de rendas internas
geraes de Pernambueo.
Rendimento do dia 1 a 19........ 21:00i*IOfr-
dem do da 20................. 1:781*101
urna
duzia
arroba
quintal
una
Cento
caada
3*000
20*000
momio
15000
1
400
25,3000
.'000
7*000
25MK
1105000
7:*000
25800
2*( MKI
650l.ll
2*1X10
105000
8*000
6*900
300
22:735*261
consulado provincial.
Rendimento do dial a 19......... 78:733*7*0
dem do dia 20................. 1297*129
81:630*800
PRAQA DO RECITE
O ll-: IIAIKIllltO E 1**J.
S TRES HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambios........ Sarcou-se sobre Londres a 27 '.,'
27 Vi. 27 V, e 28 d. por l*O00:,
sobre Pars de 342 a 345 rs. por
fr., e sobre Lisboa a 95 por cen-
to de premio, elevando-se os sa-
ques da semana a 70,000, sen-
do a maior parte sobre Inglater-
ra a 27 "i.
Al^odao........O desta provincia vendeu-sc de-
21*100 a 21*200 por arroba o
aliim de superior qualidade a
22*000, o de Macelo poslo a
bordo a 235000, e o da Parahy-
ba a 23*300.
Assucar........ Vendeu-se de 3*400 a 45200
por arroba do branco, de ;!5lOO
a 3*200 do somenos, de 2*700
a 2*830 do mascavado purgado,
e de 2*350 a 2*600 do bruto.
Agurdente..... Vendeu-se de 70*000 a 755000
a pipa, pouco procurada, haven-
do em deposito cerca de 250
Couros.,
pipas.
Os
seceos salgados venderam-so-
a 170 rs. por libra.
Arroz.......... & pilado da India vendeu-se
a 2*700 por arroba, e o do Ma-
ranhao de 2*700 a 3*200.
Aieile doce..... 0 de Lisboa vendeu-sc a 2*830
E)r galao.
etalbou-se de 11* a 135000 a
r
(
.


\k
Diarlo de Pe rua tubuco egmida felra '42 de Venreiro de 1 -*i4.
barrica ; Ikaiulo cui d
ll.noo uarric
Btalas......... Venderm-se a 15800 por ir
roba.
Bola huilla...... dem a 25400 a barriquinha.
Caf........... Vendeu-se de 75300 a 85500 a
arroba.
Cha............ dem le i*000 a 25300 a lib a.
Carne sena..... A do Rio-Grande do Sai, no/a,
vendeu-se de 1*300 a 4oOO
por ai roba, e a velha de 800 a
33000 ; e a do Itio da l'rala de
2.>Oiv a 35400; Qcando em ser
10,000 arrobas da nova d i Rio-
Grande,8,000 da velha e 32,100
da do Ido da l'rala.
Cerril........Vendeu-se de 45800 a 55400 a
duzia de garrafas.
Farinba de trigo. A de Phadelphia veodeu-se ik
raes, ao mcsm. penhoradD pf" execueSo que coti-
lla o mesan move ueste jareo Manuel Jos de Mi-
randa, e na falla de licitantes era a arrematado
feita pelo preeo da adjudicaran com o abatimenlo
respectivo da le.
E para que ebegne ao conbecimento de todos,
mandei fazer o presente edital, que .era aflxado
nos lugares do eos turne e publicado pela imprensa.
Dado e passado tiesta cidade do Itecife de Per-
nambuco ios 8 de fevereiro de 18(1'.. Eu Manoel
de Carvalho l'aes de Andrade, eserivao o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripc.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, ofhcial da im-
perial ordem da Rosa, juiz de direilo especial
do conimercio da cidade do Recife e sea termo,
capital da provincia de Pernamboco, por Sua
Magestade Imperial e Constitucional 'o Sr. D.
Pedro II, a qoem Deas guarde etc.
Fago saber pelo presente, que o dia 22 de
e-
18*000 a 205000 por barrica, vereiro do auno vindouro, se,lia de arrematar por
e a de Trieste de 111000 a 22>, venda, a quem mais der, em praea dette juizo.
tirando SOI deposito iflQQ ba depois da audiencia respectiva, a 'casa terrea n, i
ricas da primeira e 6,300 da se- 22, sita ni travessa do Peixolo, freguezia de S.
muda. ***i C0|n porta na frente, duas salas, dous qoartos,
Genebra........ vendeu-se a 360 rs a Iwtija. porta que deta fra da roa do Alecrim, quintal
Louca.........A ingleza ordinaria vendeu-.se em aborto, avaliada em 8005; e dita casa i per
com 310 por eento de premio tencenle a Isidro Jos Ouarte, e vai praea por
sobre a factura. execurao que contra o mesmo move Antonio
Manteiga.......A franeeza vendeu-se de 480 a Francisco dos Iteis, e na falla de licitantes ser a
500 rs. por libra, e a ingleta arrematadlo feita pelo preeo da adjudicacao com o
de 700 a 720 rs. a dita ; ficando abatimenlo da lei.
em ser 5,000 bar is de ambas. E para que chegue ao conbecimento de todos I
Massas......... Venderm-se a 75200 a arroba, mandei fazer o presente edital que ser affixado
Oleo de bulara.. Vendeu-se a 15900 o galn, nos lugares do costunic e publicado pela imprensa
Passas.......... dem de 55500 a 6*000 a carxi. l>ado e passado nesta cidade do liecife de Per- i
Presuntos....... dem a 13*000 a arroba.
Queijis........Os flamengos venderam-se a rs.
2*500 cada nm.
Sabae..........O amarcllo vendeu-se a 145 r..
nambuco, aos 18 de dezembro de 1863.
Eu Manuel de Carvalho Paes de Andrade, es- j
criv.lo, o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe.
a libra, e o do Mediterrneo .1 O Dr. Tristao de Alencar Araripe, oficial da m-
210 rs. perial ordem da Rosa, e juiz de direito especial |
Touciaho.......O de Lisboa vendeu-se a 8*200 do comuiercio desta cidade do Recife de Per-
a arrola. nambnen, por 8. M I. etc.
Vinagre........Ode Portugal vendeu-se de 115iS Faco saber aos que o presente edital vireni el
a 125* XI a pipa. delle noticia tiverem, que no dia 22 de fevereiro do
Yinlios.........Os de Lisboa venderam-se i anno prximo futuro, so ha de arrematar por ven-
2203 a lipa, e os de outros pai- da a quem maisder em praea publica deste juizo,
zesde 1705 a 200*. o seguinte :
Velas.......... As de romposieao venderain-se', A melado de um sitio no lugar dd Tacaruna,
a 500 rs. a libra. i cora casa de vivenda, grande terreno e bastantes
toesconlos....... O rebato de letras regulou de 3 arvoredos de frueto, avallado em 2:000*, sendo
a 10 por cenlo ao anno. a avahaeao total do mesmo sitio quatro contos de
fTretes.........Para o Canal inglez 35. para I. ris. o qal fora penherado por execucao de Jos I
verpuol 15, e do algodo par Joaquim Lopes de Aluieida, contra Jos Mara de.
Arrcinatacao.
No Sr. Dr. juiz de direilo do commercio, se ha de ar-
rematar por venda, a quem mais der, na praea
daquelle juizo, a casa terrea u. 22, sita na travessa
do Peixoto, freguezia de S. Jos, com porta na
frente, 2 salas, 2 quarlos, porta que deita fra da
i ra do Alecrim, quintal em .iberio, avaliada em
800* ; dita casa e peitencente Izidio Jos Duar-
te, e vai praea por exeeoeo (pie contra o mes-
mo niove Antonia Francisca dos Iteis, c nao haven-
do licitante ser a arremalaco feita pelo preeo da
adjudicacao, com o abatimenlo ih lei, eserivao P.
de Andrade. Se o solo da referid;.' caja foreiru, i
o respectivo propreiarie appareca a hora praea,
ou annuneie por este Diario.
No dia 23 depois da audiencia do ir. Dr. juiz
mnnieipal da primeira vara vai praea os bens
segnintes Oor venda :
Urna casa terrea, numero 27 na ra do Rangel
em chao* proprios, com 40 palmos de largara, 70
de fundos, duas salas, tres qoartos, cosinha fra
pequea, quintal com cacimba, avahada por l:500ft
urna dita dita na inesma rita, em ehos proprios.
com 1 las, tres quartos, pequeo quintal murado, com um
telheiro, faltando-llie o oito di- um lado, q qual se
acha fechado com amas tabeas, a vallada em 1:0005
urna dila dita na mesma ra, numero 30, chaos
proprios, rom 24 palmos de largura, 73 de fundo,
duas salas, tres qoartos, sotan dentro, quintal mu-
rado com cacimba, e um telheiro onde esta a cosi-
nlia, avaliada por 2:5005000, urna dita dila nume-
ro 49, na mesma na, chaos proprios, com 20 pal-
mos de largura, 63 de fundo, duas salas, tres quin-
tos, cosinha fura, pequeo quintal murado, rom
um telheiro, soto dentro, avaliada em 2:000*000,
cojos bens fio a [iraca requerimento da viuva de
Jos Antonio de Sonta (Jueiroz para pagamento de
credores de sen casal.
de quem periemer o agente I'eslana fara leihio
de 2 tabernas pertenrentes ao espolio do memo
tinado a saber : a taberna com lodos M gneros1
existentes dentro da mesma e i armaeo, sita na
ra Direita n. 93 : segunda-fe ra 2 do rorrenle
s 10 horas cm ponto sem fal a.
E a taberna sila na ra de !>. Miguel n. 68, coro'
todos os gneros e armacao, i a segunda-feira 22
do crreme pelas II horas em ponto. Os balan-
ces acbam-se em mi de agen e.
O leiBo tei lugar era cada nina das referidas
tabernas.
'EIIALllgi INSTITUTI
IdElli.IkO
DE
este porto '/ por libra.
MOVIMENTO DO PORTO.
Nucios stiiios no dia 20.
Canal pela lar;Ui\baUrigue inglez Grecia, ca-
pitn l'hilippe Soster, em lastro.
AracalTHiate nacional Sicolo I. rapitao Trajano
Thfidomiio di) Moura, '.irga fazendas c outros
gneros.
CearE>ci.na dinamarquesa Pfeil. capitaoJ. C
Si huldt, carga parte da que trouxe de llam
burgo.
UvernoolPrigue inglez Florert, capilo Thomai
J. Carpeatson, carga assocar.
Nao bouveram entradas.
Naci entrado no iliail.
. Carvalho Jnior, |>or si e como tutor dos menores. I
; e iiiio haveudo lancador que cubra o preeo da ava- j
-1 liaefn i, a arremalaco .--era feita pelo preeo da ad- j
|)aeacao, na formada iei.
E |>ara que chegue ao conlMCimento de todos
-'mandei passar 0 presente que sera publicado pela |
intoraBsa, e allixado nos lugares do costume.
Recife 17 de dezembro de 1863.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Xascimento, es-
erivao o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe.
LECLARACOES.
Di rectora la* obras militares.
Tendo de dar comeco ao encanaiuento necessa-
rio para abastecer d'agua petavel a fortaleza do
AracatvII lias, hiate nacional K.rlialarao, de 3" Uruui e Forte do Ruraco, convida as pessoas que
toneladas, capillo Trajano Antones da Costa n qaiterem encarregar desta obra a apresentarem
afaipagem 'i, carga diler-.'ates gneros ; Gur soas propostas nos das 22. 23 e 24 do crrenle
gel 1 mV. mea, das 10 horas ao nieio dia, na mencionada di-
Bahia9 das, brigue nacional Argonauta, de 187 rectora, onde poderi i tambera ubler os esclareci-
tonelidas, eapltao Emilio Diogenes de Oliveira, mentosdo que necessittrem para atse flm.
equipagem II. carga 2600 quintaos bespanhoes' Directoria das obras militaras de Pernambuco
de carne; Miguel Jos Atves. 120 de fevereiro de 1864Luis Francisco de Paula
Lisboa, 26 das, brigue portuguez Conttanle II, de de Albuquerque Maianho, servrado de ama-
22 Iniciadas, capitn Bugenio Ju> da Cosa, DO0BS6.
equipagem 14, carga difluientes gneros; Ma-1
noel Ignacio de Oliveira & l'ilho.
Sahiilus no mesmo dia.
Acarae peb Cear Hiate nacional Sobralense,
eapito Anlooio Gomes Pereira, carga dilTerente:
gen.
Li>h6;>-Brigue portuguez Soberano, capilo Anto-
nio Agoatraho de Almelda, carga asucar, inel
e outros gneros.
EDITAES.
Faiuldadc Tribunal d> cominei-cio.
Pela secretaria do tr.bunal do commercio de
Pernambuco se faz publ co, que nesta data foi ins-
cripto no livro da matricula dos coinmercianles o
Sr. Manoel Pereira Azevedo, cidado brasileiro, de
30 anuos de idade, eslabeleeido na cidade do Ara-
caty, com negocio de fazendas e outros gneros era
grosso e a retalho.
Secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambuco 19 de fevereiro de 1864.
Julio Guimares,
Oflieial-maior.
Pela mesma secretaria so faz igualmente publico
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PEHNA.MBIC.4NA
DE
Vivegar eostelra vapor.
I'aralnba, Natal, Mario, Ararat), r O ara.
O vapor jM(/mai//(7/i^.coinman-
dante Moura, Muir no dia 26
do crrente as 5 horas da tarde
pura i'- partos cima indicados.
Recebe carga at o dia 25. En-
commendas, passageirus edinbeiro arete ate o
dia da sabida as 3 horas da tarde : escriptorio no
Forte do Matlos n. 1._____________________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Xavegacao eostelra a vapor.
Macei e escala
o vapor /'i/'i/ii/'i, cominan-
danto M ulins. segu no dia 25
do correle paia OS portOS cima
indicados, < 5 horas da tardo.
Recebe caiga ale o dia 24. Eu-
commendas passageiros e dinbeiro a frete at
o dia da sabida s 3 horas da tarde : escriptorio
no Forte do Mattes n. 1.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR
Dos porlos do norte e esperado
at o dia 3 de marco o vapor
Princesa ie iointitle, cominan-
dante o primeira leante Araujo,
o qual depois da demora do cos-
tume, seguir para os porlos do sul.
Desde j rerebeinse passageiros. e engaja-se a
carga que o vapor poder cnnduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua rheada, enedmmen-
das e dinbeiro a frete at o dia da sahida as 2 ho-
ras : agencia, ra da Cruz n. 1, escriptorio de An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
3ue nesta data tica registrado o contrato social de
os Jeronymo da Silva e Joaquim Theedoro da
que no dia 1- de mareo estaro aberias as inatri Silva. Portugueses, esubi lecidos nesta cidade sob a
eilas dos differentes aira is desta Faculdade, po- lirma de Jos Jeronymo da Silva & C, da qual so
dando o pagamento da respectiva taxa realisar-se potlera usar o pnmeiro. Esta sociedade deve du-
do dia 22 do crrente por diante. Igualmente se rar> ei> vista do referido contrato, tres annos, con-
faz publico que as matriculas de aulas preprate- lados do f de janeiro do crreme, com o capital
ras se conservado abertaa liara asaulas de scien-. de 13:8215931, fornecidos 12:805-3 pelo socio ge-
cias ate o lint de marco, e para as de linguas at o ren-'. c 8o6493l pelo outro, sendo o capital da-
lrn de j illio : o pretndeme s primeiras (de scien- flu.e,l em gneros e uteacihos do estabelecimento
cias) dever obter permissao da directoria para e 4 escravos, e o deste em dinbeiro.
ser admitlidc, justificando peTaute esla os motivos
ijue o relard; rain naquelle acto. Para matricular-
se as aulas de rhetorica e phflosophia, preciso se
faz que prove ter aprendido latim e francez, e na
de geograhia, francez.
Secretaria da Faculdade 20 de fevereiro de 1804.
Jos Honrh fi'zena dr Men
Secretario,
C1 Dr. Tristao de Alencar Araripe. offlrial da m-
Secreiaria 20 de, fevereiro de 4864.
Julio Guimares,
Offlcl-maior.
AiTemataQao.
No dia terca-foira 23 do crrante, linda a ao-
dienciado Sr. Dr. juiz do orphos se ha de ai re-
matar per venda a sserava Ludovina e seos dous
Qlbos menores perlencentes aosorphaos Sinos do
perial ordem da Kosa e jirts de direito especial fallecido Manoel de Almeida Lope.-.
do commercio desta cidade Mo Heeife e seu ter- ^ i i t\
nal da provincia ie Pernambuco por 1 ;011SUliHlO 1OlTUi'U^Z.
8. M. I. e C. o Seubor D. Pedro II a quem Deas
guarde etc.
PO da quinta-feira 2"i de corrale pelas 11 ho-
... ras da manlia. ser posto em praea a quem mais
de alguns olijcctos de taberna e movis de casa,
no lugar da estrada do Porto da Madeira districto
de Beberibe.
Consclho adiniiistrativo,
0 ccnselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra tera de comprar os objectos
segrales:
Para o corpo de guartii^o da Paralnba.
10 covados de oleado.
Para o batalhao n. 2 de infamara.
400 varas de brim branco.
200 ditas de algodo.-inho.
35 bonets redondos para remitas.
80 raautasde lia.
Para o hospital militar.
225 varas de brim branco.
12 cobertas.
12 copos de vidro para agua.
24 chicaras azues.
. 24 pires idetn.
24 bacas de rosto.
12 castices de vidro.
Quem quizer vender taes objectos apresenleni as
suas proponas em carta fechada na secretaria do
consclho, as 10 horas da mauha de 22 do cor-
rente.
Sala das sessoes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra, 16 de fevereiro
de 18C4.
Antonio Pedro de S Barreta,
Coronel presidente.
S. A. do H. tarros,
Major vogal secretario.
Nb dia 23 depeis da audiencia do Sr. Dr.
juiz de orphos vai praea por venda os baos se-
guintes : Jacintho, africano com 45 annos de ida-
de, avahado em 5005000 ; Esperanza, crioula, com
22 annos de idade 7000000; Olymplo, filhoda mes-
ma rom 3 annos de idade 300500; Heqrique eriou-
lo lilho da mesma, 18 mezes de idade, avahado em
1505000 ; Maurilho, filho da inesma. recem-nasci-
do 505000 : urna casa terrea na ra da Aurora
numero 76 avaliada em 5:0005000, 1 cordo, 1 CO-
raco com 12 oitavas 375000; I annel, 1 par de oc-
culos avahados em 65000, 1 par de argolnha 1-j :
1 par de eatiscal I9 oitavas 385400 ; 1 dito 128
oitavas 255600 ; 23 colheres de sopa avahadas em
385400 ; 22 colheres de cb avahadas em 255600;
1 concha. 1 gario com 96 oitavas por 195800, 1
santuario com diversas iioagens avahado em 605,
e diversos movis em mo estado : vao a praea
reqiieriin Mito do inveniarianto dos bens deixados
de D. Mariana Joaquina da Trindade.
' por venda a quem
mais der em praea publica desie juizo, depois da
audiencia respectiva os escravos segnintes Ma-
noel, crioulo. de idade de 22 annos pouce mais
ou menos, avahado em 1:2005000 ; Herculano,
mulato, de idade de 21 anuos, avahado em......
1:2005000; Maria, crioula, de idade de 31 annos
avahada em 8005000 Delina, crioula. de idade
d' 25 annos, avallada em 1:2005000, os quae
sao pertencentes D. Maria do Carao Goncalves
de Oliveira, por si e como tuiora de seus'lilhos
uienorcv e vio praea par eaocooio que contra
a mesma encaminham Iza: Curio & C, e na falta
de licitantes serio arrematados pelo preeo da ad-
udicacao com a abatiiuen.o respectivo da le.
E para trae chegue ao coiihecinento de todos
mandei passar editacs que serio afiliados nos lu-
garej do costume c publicados pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Reeife, capital
-da provincia de Pernambuco, aos 19 diasdo mez
de (evereiro de 1864, quadragesino lerceiro da
indepeiiilencia a do imperio do Brasil.
Eu, Manoel de Carvalho Paes de Andrade, es-
c; ivao 0 sub-crevi.
Tristao de Alencar Araripe.
0 Dr. Tristao do Alencar Araripe, ollicial da im-
perial ordem da Rosa e juiz de direito especia
do commercio desta cidade do Recife e seu ter-!
mo, capital da provincia de Peranamboco, por
S. M. Imperial c Constitucional o Sr. D. Pedro II
a que-m eui guarde, ele.
Faso saber pelo presente, que no dia 22 de fe-
vereiro de 1864 se ha de arrematar por venda,
quem mais dr, depois da audiencia respectiva, a
parte di easa terrea, sila na ra da Soledade n. 50,
ni urna porta ejaneila na frente, duas salas, dous
piarlos, cozinha. fra, quintal murado, cacimba
propria, avaliada em 1:0155460, a qual perlen-
vine Jos (iouealves da Silva.c sua mulher, e
, iiiaga por execucao que contra o mesmo en-
iiiha Jos Peres da Cruz, e na falla de licitan
es sera arremauda pelo preeo da adjudieaeJio com
'i abatimenlo re>pectivo da le.
E para que cueguo a noticia todos, mandei
ir editaos, que sern afllxados e publicados nos
u:-'ircsdo costume.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
.unliuei, aos 17 de dezembro de 1863.
Eu, Manoe! de Carvalho Paes de Andrade, escri-
bi o subscrevi.
Tristao de Alinear Araripe.
) Dr. Tristao da Alencar Araripe, oILcial da im-
perial ordem la Rosa, juu de direito especial do
commercio da cidade do liecife e seu termo, ra-
l-ial la priivincia de Pernambuco, pjrS. M. Le
O. o Seobor I. Pedro 11. a quem Dos guarde
ele. etc.
Fa\ saber pelo prsenle, que no dia 22 de
11 vereiro do crranle anno se ha de arrematar |ior
la, a quera mais der em praea deste juizo, de-
jiiis da andieoe a respectiva, os movis segnintes:
I mesa redunda de amareliu avaliada em 65tKK)
Cada ine.Miia madeira avahado cm 12JOOO; 2
ras de bataneo da mema madeira, avahada.1
mi 125D00; 1 par de consolos da mesma madeira
iwr 125 ; 1 coirmoda de amarello com lampo de
tinho, avahada era 85; 11 cadeiras de Jacaranda,
i Iiali.s em 25 cada una, 22,3 ; 1 camiiejro de
i: u, avahado em 25 ; 1 relogio de parede descon-
avaliado era 65 ; I redoma cora pianha,
avaliada era i& ; 1 toucador de amarello sera vi-
deo < com ga reta, avahado em 35 ; enjos movis
periencente.- a Antonio Pereira Iigos Guiraa-
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos iwrtos do sul e esperado
at o dia 30 do crrente o vapor
(:<:. ero do Sul, com mandante o
capilo de mare guerra Gervasio
Mancebo, o qual depois da demo-
ra do eosUirae seguir para os portos do uorte.
Desde j recebem-se passageiros e enyaja-.-e a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no dia de sua chegada: encom-
mendas e dinbeiro a frete at o dia da sahida s 3
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
ran o Porto.
A barca portugueza Claudma, pretende sabir
com brevidade por ter a matar parte de seu car-
regamenlo prompto, para o reslo e passageiros
traia-se com os consignatarios Cunha Irmos &
C, ra da Madre de Dos n. 3.
Para o Ro Grande do Sul segu cora muita
brevidade o patacho brasilciro Dons de Dezembro,
tem a bordo parle do carregamenlo e recebe o
resto a frete commodo: tratar no escriptorio de
Ainorim limaos ra da Cruz n. 3.
Hio (i ran de, ti o Sul
O patacho nacional leopoldina segoe com bre-
vidade, recebe algnnia carga a frete, trata-se cun
os consignatarios Marques, Barros A C. largo do
Corpo Sanio n. 6.
Para o Porto
pretende seguir cojn muita brevidade a barca por-
tugueza Feliz, tem parle de seu carregamenlo a
bordo : para o resto que Ihe falla e passageiros,
paraos quaes tem excelleotes commodos, trata-se
com os seus consignatarios Antonio Luiz de Oli-
veira Azevedo & C, no seu escriptorio ra da Cruz
numero 1.
Pura o Rio de Janeiro.
Sahir com brevidade o brigue nacional Miner-
va, recebe carga e escravos a frete : trata-se com
Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, largo do Corpo
Santo n. 19.
nn opobto
pretende seguir com muita brevidade o brigue na-
cional Amelia, lem parle de seu carregamenlo
prompto : para 9 resto que Ihe falta e passageiros,
para os quaes tem excellentes commodds, trata-se
com os seus'consignatarios Antonio Luiz de Oli-
veira Azevedo & C, uoseu escriptorio ra dCruz
numero i.
*
rara o Hio de Janeiro
pretende seguir com muita brevidade o palbabote
nacional PSdade, tem parte do seu carregamenta
a bordo : para o reslo que Ihe falla e escravos a
frete, para os quaes lem excellentes commodos, Ira-
la-se com os seus consignatarios Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo A; C, no seu escriptorio ra da
Cruz n. 1.
IVova Fama.
Este navio que tera superiores commodos para
passageiros, segu para Lisboa e Porto no fin do
rorrenle mez de fovereiro : trata-se com Marques,
Barros eV I-ou cem o capitao Manoel Francisco
dos Santos.
Para Lisboa.
O brigue portuguez RW/ reme, capilo Jos Ferreira I.essa,
vai sabir com muita brevidade por
i ter a maior parte do carregamento
prumpto, para carga e passageim.-
para os quaes tem excedentes commodos trata-se
cora o consignatario E. R. Rabello, ra da Cadeia
n. 55-
Ari'c mata vao.
Quarta-feira, 24 le fevereiro, depois da audi-
encia do llhn. Sr. Dr. juiz municipal da segunda
vara, eserivao Athayde, sero vendidas, a quem
mais der as seguimos pedras : sendo 5 hombre-
ras com 50 palmos, avahadas em 30.5000 1 Jila
com 7 palmos por 45200. I dita de 9 palmos por
W500, Sditaaeom 50 paraos por 305000, K cor-
does com 60 palmos por 245000, 2 ditos com 14
palmos por 4-J4O0, 39 cepos com 88 palmos por
9f390,,5 ditos com 10 palmos por 25520; vao
praea requerimento de Joo Rodrigues da Silva
Valle, na execueo que move contra Antonio
Soares de Carvalho. Os pretenden tes padem exa-
minar as referidas pedras na Passagem da Mag-
dalena, em poJer do depositario particular Manoel
Ignacio AVHla.
Para Maranlio c Para
pretende seguir com muita brevidade o brigua na-
cional Amelia, tem parte de seu carregament'
prompto : para o resto que Ihe falta, tr ata-so com
os seus consignatarios Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo i C, uoseu escriptorio rna da Cruz n. 1.
DI'
Patacho inglez L'ntline.
HOJF.
James Slelfeman capilo do patacho inglez In-
dine, naufragado na dia 10 do onvnle em Ponta
de Pedias, jar leifao por conti e risco de quem
pertemeer com antorisaciodo cnsul ib S. M. Bri-
tannira e emn leenea do Sr. inspector d: alfan-
dega em presenca d mu em|H-. gado da mesma ra-
partioao e por intervenidlo do : gente Pestaa, do
casco do mesmo patacho til qoil sa acha no lugar
do naufragio com mastros, ancosas etc. : boje 22
do nirrentc pela urna hora da arde na porta da
associa^ao commercial.
IKIIjAO
DE
Mobilia
e esoraros.
O agenta Almeida far leilo por contado quem
pertencer de urna mobilia de jacirand a Luiz XV,
um guarda vestido de Jacaranda, urna escrivani-
nhia de mogpoe outras routas lecas de diversas
mad> iras, assim como de diverso; escravos de am-
bos us sexos com habilidades e entre ellos un es-
clavo inuilo iioin i-osinheiro. en^ouiiiia elava mui-
to bera
Terca-feira 23 do corrente
no armazem da ra da Cadeia do Recife n. 48.
INOSSA SENHORA DO BOM CONSELHO.
Rll DA AIKORA X. ..O.
Sob direecwao abaixo assignado acha-setuncrionando este Instituto*d->de o dia 7
de Janeiro prximo pacsado, e nelle se ensinam to-ikis as disciplinas preparatorias para a
matricula do r.urso jurtdieo, desde primeiras lettni.
Todas as cadeiras aehm-se providas pelos meifiores proessores, cuja listo j foi
publicada neste Diario.
Recebem-se pensioniafas, meio-pensionislas e exfacs, pswaudo na seguinte aro-
porco:
PENSIONISTAS.
Quartel de casa, inc?a e luz...................... 1005000'
, MEIO-PE.NS10.MSTAS.
J dem de mesa.....................,........ 455009*
1 EXTERNOS.
dem de cada preparatorio........................ 205000'
Os pensionistas e.raeio-pensit^isiiib- pagarlo os preparalo-Z-Cs que eafadarcm razo
de55000 mensaes, b>m ccrao es exfTncs d'aula primaria.
Para mais esclarec Denlos dirijam-se ao dire tor, a qualqaer hora, m> Instituto, que
e franqueado risita dos p;s e correspondentes, bem como a tedas as-pess*as que nisso
K, tiverem interesse.
wj Recife, 1 de fevereiro in 1864.
Jiff Anano Acocsto F>:rflBtn.v Lima.
^X^^^>^^r
Quarta-fira 21 dr frvrreiros i I horas ra da
Cadeia 11. 53.
DE
1 ma pequea casa terrea nova.
eho proprlo. rende I5#
por inez. ra la Woledade.
Por inlervenco do agente. Euzebio competente-
meule autorisado vender em le lio 11111:1 casa ter-
rea, nova, pequea, ua ra da Si ledade a segunda
junio da esquas que entra para i rua da Esperan-
ra ouCaminho Novo, contend i salas, alcova sof-
frivel. cosinha e quintalete, sao oovidadjs os pre-
tendeutes ao previo exame.
Eua Nova n. 25 es(iiua di Gamboa do ai?iao.
Os Srs. Eugenio 4 Mauricio tem a honra de parlicipir ao respeila\el publizo desta eapitai que
do dia Io de fevereiro ches estabelecem os seus precos do modo seguinte :
carios de visita.....125000 Retratos-1*. 1
25 ditos 2 posifoes ....
50 ditos 3 dilas.....
100 ditos 4 ditas.....
Cada duzia e mais......85000''As reprodu?ocs cada una 25, 3 e .
Elles tem recibido um grande sortimento de quadres e molduras para retratos grandes e barloes
de visita, assim como tambera lbum para photographia-queellej podein vender muLfn-coata. As
efficias esfie abertas lodos os dias das 9 a -4 da tarde.
205000 D, j
355000 ;' 5 "- "
505000 .m6 a> 3'
155000
255000
405000
55000
1^35'
S^
AVISOS DIVERSOS.
0 ciriu'giao Leal mudouj
a sua residencia da rua do
Queiuiado pai;i i\ rua das;
Cruzes sobrado u 36, pri-.
meiro andar, por cuna do
armazem Progressista, aon-!
de o ackarao cono sempre
prompto a qualouer iiora pa-
ra o exercicio de sua pro-
fssao, cliamado por escripta.
HIIMHL
Acaba de. sahir dos pre os de no-sa
lliciui o alinannk (iv1, ccclesia>ticoT
eommercial, faliril casri;ola, conten-
do toilos Os empreados, rii^onlios e
negociantes, iiiclushc ;is modilicnces
ha>id;is a4c VI de demihro ultimo;
vende-sea 1$00 uuic,inentc na li-
viaiia n. 6 c 8 da praea da Indepen-
dencia.
INTERNAT0
DE
ia?i(M A[Q!
Eslalielrrido na cidade do* Hrifr
Suh a Pratec^o do Miiuimo PeotUlce l'io V.
Director0 bachure! em malbematicas
BERNARDO PEREIRA DO CARMO JNIOR..
O director do intrnalo de S. Bernardo, nao tendo evitado esforcos nem sacrificios-'
para proporcionar aos sena alumnos urna perfeita educaran phy-siea, moral, intcllectoal e
religiosa, oirereeendo-lhes urna babitacao com bastarles condieaes de salubridade, habis
prol'essores que sao solcitos em prepara-los convenientemente ao flm que se destinara,
medico praticoque Ibes faca eoniprehender os preceitos da bygiene e Ibes cure das doen-
eas, e finalmente um sacerdote Ilustrado e honesto que Ibes explique os principios da re-
ligiao i brlstaa, espera que assim constituido nao deivar o seu estabelecimento do mere-
cer dos Srs. pees de familias o auxilio e conlianca com que j alguns o tem honrado; e
Ibes roga, bem como todas as pessoas Interessadas, que se dignem de visitar o mesmo
seu estabelecimento, onde sempre encontraran tranco ingresso.
Cadeiras de ensino:Primeiras letlras dividida em duas elasses, lendo cada urna o
seu professor, latim, francez, inglez, aritlunetica, algebra e geometra, geographia, pbilo-
soptii a, rhetorica, desenlio e musir.
O collegio lem a sua sede no espa^oso edificio a. 32 rua- d'Aurora contiguo ao do
collegio dos orpbSos.
' Nos Mtatn*a uo^ ceuegio, que esto a disposieao de quera- oe ifuim frr, seacnam
consignadas as condicoes de entrada e matricula as divt-raas- aulas do estabeleci-
mento.
saxosa gs^-^-Jq.&s!>J&i
LEILOES.
DUAS TAUERNAS.
HOsflB.
A' requerimento da inventarlante do casal de
seu fallecido mando Joan Haptista da Rocha a
viuva Maria Franklim da ltocba e por ordem do
jllm. Sr. cnsul de S. M. Fidelisiraa e por conta
Gonsultacoes cirirgicas.
60, Rua [Nova, l0.
O Sr. Jos Francisco Pinto Guimares, cirurgiao
pela esrola real de cirurgia de I. sboa, asss co
nheeido nesta cidade, onde a lio numerosas quo
brillianles curas, como a hora r.uraero de opera-
eSes al entao deseonheeidas na i raiiea da eirar-
gia Pernambiicana (taUta, eclomia enterototttia, re-
serrn de todo o mo.rillnr SMSfrier, d'ametnile do
masillar inferior, ciutclcnrao de um rnrpo fibroso
uterino com o peso de 2> oncas, etc.), une longo
exercicio de tnnta e tantos anuos que tecem o re-
conbecimenlo de lao relevantes serncea prestados
humanidade sotTredora. c exp'iine'm o glorioso
impulso por elle dado a arle de curar, em nosso
paiz; sendo tambera o primeiroa ie nelle tem era-
pregado os anestheeicos *ether, ailoroformio,atu/-
lena- para facilitar a execncaode las, nem um fal-
lecendo n'utna serie de 40 operidos da segunda
operaeao, e, d'entre asentas, alg urnas sopor elle
tem sido praticadas nesta provim ia, e talvez ros-
aera as primeiras que Uveram lugar mesmo no
Imperio, segundo se deprebende das estatisticas da
obra de Sigaud Du Climat et I es Maladies Do
Bfsil impressa tm I'aris cm IKi'i: transferio o
seu consullorio para a rna Nova n. GO, priineiro
andar cm que pode ser consulta lo Jodos os dias
Uleis .das 7 s 10 horas da manha, acerca das
doenias denominadas cinrrgiras tD externas com
especial idade daquellas, em cujn tralamento mais
reipientenienle intervem a medie na operatoria.
flli7
Sabbado 27 do corente mez. se ex-
trahir a sexta parle da segunda lotera da
Misericordia no consistorio da igreja de
lossa Senhora do Rosario di freguezia de
Sanio Antonio.
Os bilhetes e meios acham se venda na
Nspectiva tliesouraria rua-do Crespo n. 15
e as casas commissionadas i ua da Impera-
triz n. ii, luja do Sr. Pimenti I; rua Direita
n. 3, botica do Sr. Chagas; rua streita do
Kosario n. 12, typographia do Sr. Mira e rua
da Cadeia n. 45, loja do Sr. 1'orto.
Os premios de 5:0005000 at 10,5000
sero pagos urna hora depois da extraccao
at s 4 horas da tarde, e os outros no dia
seguinte depois da distribuido das listas.
0 thesoureiro,
Antonio Jos Ro.lri jues de Souza,
aos 5:ooo~(K)(r
G4S4 DA FOHTliNA.
Bilhetes garanildos
A' rna do Crespo n. 23 c casas (h) eestumr
O abaixo assignado lendo vendido em seus mu
felizes bilhetes garantidos o de n. 26o6com a sor-
te de 1:200*. e outras mnMas de 1005, 405 e 205
da lotera que se acabou de t-x.rahir a beneficio
da igreja de N. S. d Mvramettto, convida aos
pOsauideMs de ditos bilheles a vi era reeidier seus
respectivos premios sem deseonte algum em sen
eslabelecimento Casa da Fortuna rua do Crespo
n. 23.
O mesmo tem exposto venda em seu dito esta-
beleeraeniO e as outras casas do costume os ro-
vos e felizes bilhetes garantidos d sexta parte da
segunda lotera beneficio da Santa Casa da .Mi-
sericordia qne se extrabir no di i 27 do eorrftte.
Presos.
Bilhetes inteiros..... 65000
Meios bilhetes...... 35000
Para as pessoas que cor prarem
de 1005 para cima.
Bilhetes........ 55800
Meios......... 2S7M)
Manoel Mantos Frtza.
Casa de eaiapo.
Prederico Chaves aluga sua casa de rampo sita
no Pofo da Panel la, com os commodos segnintes :
4 salas, 7 qoartos, cozinha, despensa, casa para
criados, coebeira, estribara, eaeimb, jardim e
lerraco, muilo fresca, e muilo sadia : quem a
pretender, pode-se dirigir rna da Imperalriz n.
13, loja de calcados. ___________^______
Alnga-se na rua da Alegra n. 7, lima e>era.
va que sabe cozinhar, lavar, engommar e comprar-
O abaixo assignado pede aos Srs. Jos Lucio
Motiieiro da Franca Je C, negociantes na villa da
Eseada, a resposla da carta qiu- Ibes dirigi, sob
dala de 17 do corrente. Recife 10 de fevereiro de
1864.Jos Soares Pinto Correia Jnior.
Farinba de trigo SSS a 100 rs. a libra, e ga-
lega a 80 rs. : na rua Nova n. 8.
S ^
= -a = -o
t= Zi Z3
u O vi O
ZT ~ T "=
SMS
S -
-> -=

o c
i
o 7
" s. g
o
=-T3 "g.
Zl o
u
-i a
a o
*> ~ i
i-, o fl
O ^ T
V o ? ? ? 7
* 3 3
Precisase
de um criado para todo-o ser vico de casa em uin
sitio, |Kigando-se 165 por mez com comida: na
rua do i'.abug, sobrado n. 2, das 10 s 12 horas
da mannaa.
.V
t.
Precisa-se de urna ama de boa conducta para
todo servico de casa de pouca familia : no pateo
da matriz de Santo Antonio n. S.______________
Precisa-se de una D&milia capas que se en-
earregue da lavagem e engeinmado da roupa de
nm honiem e alguns meninos, rom tanto que'o
faca com perfeieao e aceio. Dtrigir-se rua Hel-
ia 'sobradode2amh2res_n137.________________
Aluga-se o sitio da Podra Mole, em Apipucos, I
com excclleiile casa de vivenda com 2 s.ila- i\c
frente e ti quarws, torneo, estribara, frucleiras,!
bella vista e magnfico bnho: a tratar na rua das
Cruzes n. 39, segundo andar.
Precisa-se de um rapaz que tenha ortica de
taberna : na rua do Socego, taberna n. 5(5, dando
fiador a sua conduela._______________________
"Precisase de urna ama para o servico in-
terno de urna casa de pouca familia : na rua do
Sebo, n. 45, ou na rua do. Queimado. n. 23. _____
Precisa-as de urna ama de leite, sem filho, o
que tenha bom leite : na rua Nova, n. M. segundo
andar. ____.
Furtaram do lugar Secorro. freguezia de Santo
Amaro de Jaboatac-, no amaiiiiecer do dia 14 do
corrente, do meio da estrada, um cavallo casta
nlio. de 8 i 9 annos de idade. um carocinho no
p do cabello junto ao-casco da mi direita, uir.a
cicatriz de estrepada ou talho junto a cabera do
corredor de um dos lados, nina listra na testa do
alto liaixo, poneos- eabellos na cauda, e carreg.t-
dor baixo : quem o apprehender ou delle quizer
dar noticia, dirjase a rua do Queimado n. SW, se-
gundo andar, ou casa do Sr. capitao Pasclu al
Soares de Figueiredo, no lugar Olho d'Agua. fre-
guezia da floria do Goil.____________________
Philogone Adour, subdito francez, aeomi>a-
nliado de sua familia, vai Kuropa tratar de sua
saude.
_ Manoel Marques Dias, subdito brasileiro, re-
lira-se fara fra a provincia. _______________
Previne-se a quem interessar, que as casas
que tem de irem praea no dia 23 do corrente, em
audiencia do IIIra. Sr. Dr. juiz mudicipal da 1
vara, estao hvpothecadas, e al sobre os-alugueis
de alguaias ha embargos portante pedesejt es-
ses senhores que queiramodeclarar quaes sao as
hypotincas quetecra._________________________
Eu abaixo aasignado, respondo ao Sr. Dr.
Joao Pedro Maduro Fonseca, que admira S. S. raos-
trar-se ignorante dos factos que pergunto. por
quanto sendo meu tio, cimbado e amigo, nao poda
de certo encarregar da gerencia de minba casa a.
ninguem mehor do qu ao mesmo senhor, como
eflectivamente encarreguei, coraraunicando-lhe an-
tecipadamente o motivo de minha viagem. ejior
seu proprio conselho me retirei ; perianto nao o.
pode ignorar;, se porm quer ter o-prazerde lser
publico negocios que jamis deve sahir do lar do-
mestico, pode encarregar-se dessa missao, se en-
tender issin> dever proceder. Recite 20 de feve-
reiro dd 1804.
Antonio da Costa, e Silva Maduro.
I'erdeu-se no sabbado, 13 do corrente. urna
malla de viagem com ferramenlas de ngenheiro.
no bairro do ReeUe : qnem a achou queira resti-
tuir rua da Cadeia n. 38, armazem, que sera
grati lirado.
Afl'oiisu de .\lliut|erqiie Mello
ha 19 anuos advogado.j ante os auditoiios e tribu-
naes desta cidade, j na corle e em OOtros lugares
do imperto> emooaseqneneia de torera-se augmen-
tado aquiseusafazeres, tem transferido, sua resi-
dencia da villa do Cabo para esla cidade a rua es-
trella i!j Rosario n. 34, onde tem estabelenido seu
escriptorio, e onde foi o do Dr. Godoy, de cujos
Irabatoos leon eneanefado o annunciaoie. AJi
oSereee os misteres de Ma profissao s pessoas de
nem menea eonanea, tonto dote tomo como
dos dcraais desta e de outras provinsias para os
negocios e trabalhos a sena desempeiiliados aqu,
garantindo o tello, lealdade e aetividade que Ihe
sao reconbecidos pelas pessoas que o conhecem.
Incumbe-se tarabem de trabalhos para os termos
prximos, onde tem solicitadores de inteira ron-
lianea. Da consultas verbaes e por escripto, e
pres'ta-se a ouvirseus constituintes a todas as lio
ras, as sextas-feiras das U as 4 na vil a do Caboe
Aluga-se o primwro andar do sebfdo n. 63
da rua Imperial com commodos para familia nu-
merosa, e a leja do sobrado n. 20 do pateo do Ter-
co i tratar |na rua do Imperador armazem de
piuca n. 41.
Na. rua do Hospicio n. 48-, precisa-se le- ama
ama de Pite que logre perfeita saude.
ttoeftNlnde draiiaallen Reerclu e
l'nio Familiar.
De ordem do Sr. director participo aos senhores
socios ru o espectculo a beneficio, desta socieda-
de .tera lugar no da 27 do corrente mm, e a dis-
triboicao de seus respectivos biHietns ser feita do
dia Hi 20, os quaes desde j podem ser procu-
rados em casa do Sr. thesoureiro, ou na sede desta
associacao.
Sociedade dramtica I'.ecreio e-ttoaao -amiliai
21 de fevereiro d 1864.
Jos Martins Monteiro.
Io- secretario.
Fugio do podT de seu senhor o eseravo pre-
to, ciiouTo, de nome Benedicto, de idade 50 annos,
penco mais on menos, alto, eom os pes prossos,
tera una cicatriz do lado esqnerdo ou direilo da
rosto, be vizivel, barbado bastante, o qual vinha
em companhia de seu senhor para aqu ser vend
do nesM prac^a, e natural de Quipap : roga-se
a todas as autoridades a apprehensn do escravo ;
c quem n pegar, leve-o rua do Civiamento n. -i.
ou as Cinco Pontas Jos Carneiro da Silva, que.
ser gratificado.
"~C,oncertos de retogios
Na rua da Cadeia Nova v, 36. concerta-sc i-clo-
gios de todas as qualidadcs com perfei^o e bre-
vidade, garantindo-se o bom regulamento e 20 a
40 por cento menos do que em oatra qualqii'i-
parte.


Diarlo le Pcruaiubuco *cuudit elrt. t8 tic l'oci'i lo de i 414.
km quanto o Sr. Jos Joaquim Barbosa io viej
ou man Jar da villa do O' (para onde BMHou-M oc-
cultamente) pagar os alugucis de perto de feos
annos da casa era que niorou, na rtta dos Prazvrc;
da Ba Vista, vera o sea neme ueste jornal pan.
melhor ser conhecido dos proprietarios.
Negocm-se oiiachiiiimio de lava gime
tngommado de roupa vapor: na ra
Nova ii. 50, primeiro andar, se achara
com quem se pode trattr teste negocio.
escriptorio de advoca
A' ra do Queimado I. 30, pri-
meiro andar.
O advogado Cicero Peregrino continua
mi exercicio de sua proflssao na ra do
riu do Queimado n. 30, primeiro andar,
onde pode ser procurado das ll as 3 ho-
ras da tarde.
P^j

I
O Sr. Melquades Forrara de Souza, que tem |
ou teve tabeeta de ourivesna ra de S. Jos, quei-
ra dillgfr-se livrana d* praca da Independa ns.
(i e 8,%eiro o aluguel da loja da Senzala nova,
Alugam-sc as iojas do sobrado n. ii em
a ra da Aurora: quem pretende-las diri-
ja-se loja dos Sis. Pastos t Magallies,
na rua Nova, qu acharo coiu quem tra-
tar.
ra
PARTIDAS DOBRADAS
OtHBB IDA8
A ASSOCIACO COMMEKCIAL BENF.KICENTE
H
l'OR
i. /W xj'oneca
~/vC'ec/e(roJ
Aluga-se um bom sitio com boa casa de mo-1
irada, com inultos cutnmodos, co| iar atrai o frente .
para o rio, cacimba com bomba, tanque, casa parai
pretos, estribara e eccheira, jrdim c muitos ar-
I voredos, todo murado, com doi s porles, na Ca-
punga, junto ao porto do [.asierro: a tratar no
mesmo sllio, ou na rua do Brun- n. 7i.
Aluga-sc a loja do sobrado n. 29, sito no pa-
teo do Terco, propria para qualquer estabeleciinen-
to por ser boalocalidadc : atrat ir na rua da l'rai
numero ;it.
RIVAL
SEM SEGUNDO
Rua do (tuciuiado ns. 49 e 55,
luja de miudezas de Jos de Azevedo Maia & C,
principia o novo annoa torrar miudezas pelos pro-
ras que a todos causa admiracao, a saber :
Pares de sapatosde tranca muito tinosa IJjGOO.
Frascos de oleo babosa dos inelbores fabricantes a
240 rs.
Ditos maiores a 400 e 500 rs.
Alugatn-st; o segundo e terceiro andares do
sobrado da rua do Trapiche n. H com fronte para Frascos d agua de Culonia muito linos a 400 rs
"No primeiro andar do sobrado n. 10 da tra-
! o lado do Corpo Santo :
baixo.
a trata no arnnzcm por
Terceiro escriturario da tfcesouraria
ilc fazendade Peruaiubuco o ofliiiiiclriitemcute au
torisado para evereer o pro-
fessorato particular de nrilhmctica namesina
provincia.
vessa dos'Expostos, preparani-se llores para "todas Acha-se esta obra nos prelo da typographia barba, ruperae hgado, cstalira ordinaria," com '^SZlSSm^KSaTmfSmmi
cuja chave mandou cf>;\'gar sem a unportaucta do; as armacOcs de festas de igrejas por muito barato Commercial, d onde cm breve sahira a luz da pu- idade de 2o a JO anuos e secco do corpo, e padece -j^, rs
e se ven- blicidade em uitida impressao e sob o formato de de erysipclla tendo por isso a p;rna esquerda en- p,npc 1 ariilliai a halan i Vietorii a 60 rs
- Em a nolte do dia 18 do crrente mez, pelas
. 8 horas fugirain da ridade de Olinda da casa da
baixo assignada dora mulatos travos de nomes
1 Guilherme e Moyss, o primein escuro, pouca
Sabonetes muito linos a 160, 200 e 400 rs.
Frascos grandes de agua de Lubin, o melhor,
15300.
I.apis de tinta encarnada muito finos a 40 rs.
Novellos de linha com 800 jardas a 120 rs.
Ditos de dita com 400 jamas a 80 rs.
Frascos de macass, oleo muito superior, a 100
dro
alUBUf..
preco, e teni urna grande porcao feita que
vela;
pataca,
com flores
fthaciedade e seguros mutuo?,
de vida Intollada pelo Bauco Jjf,* "g^ e enfeitam-so
l'iilo n. eldade do Porto, de era de muito hora
Os agentes esta cidado c provincia Antonio rosas, cravos c tocia q
Luir do Oliveira Azevede & C escriptorio na nn cera, fazem-se os ramos
da Cruz do Hecife h. 1, esli autorisados desde j:i Jar fazer, e aprompiam-s
a tomar asstenaturas e prestir todos os esclarcc- quaresma com toda a bn
mentos quc'orem necessarios, as pessoas que de- donos; na msala casa prepkram-se bandejas pa-
sejarem cenoorrer para to til e benfica empre- ra bailes com armacao. e bouquetes de llores de
zas, egiwrndo um futuro lisongeiro aos a?.socia(bs j cera de todo goslo, ditos de allinins, ditos de pepel
- Atega-se oarmazem n. 1 da rua do Apollo, "o'. '> dllos do goman, de panno e velludo,
. .s,o a y snw e^merou en- p d ^-^ y. 6Q
eluda ; o segundo e claro eslatu .ordinaria, labios Banha lran!|iarente muit0 superior a 700 rs.
de muito em conta, apromptam-se ramos para do 8 portuguez.
ramos, a seis vintens e meia pataca, tu- Compoe-so esta obrado um volme, dividido em cuiado>, nariz um pouco chalo, graso do corpo, ila jai)()nca muit0 tina a 80 rs
urna parte tneorfca e outra DrtHea, de fcil alean- sem barba e representa ter de 18 a 20 annos, lindo Duza ()c saltonetes muito linos a~720 rs.
tudo
bor-
oterceroandar da casa n. 83 da rua da Impera-: mats barato do que en outra qualquer parte bor-
nSvirna da Aurora n 36 de ,,ias ,le ouro- ''"'jola para os bouquetes,
?!L^~Z1i*!*"5 '^par? as vel:,s; V|,,,de-sc ,an,,)emJini sorli-
DENTISTA DE PARS
O abaixo assignado, arrematante das dividas da
1 loja de miudezas da rua do Queimado de Joaquim
los da Costa Fajozcs Jnior c da loja de fazen-
i das da rua Direita de Fajozcs Jnior te Azevedo,
; ment de follias de rosas de papel a 15 a groza, avjsa aos deredores das ditas lojas tanto da praca
de todo o tamaito, para as senhoras floristas.
19Rua Nora-19
Fredcrico Ganticr, rirurgiao dentista, Mi
faz toilas as operacoes de sua arte, e col- 1
loca dentes artiflcae*, tudo com saperio- 2
ridade o iKireigao, qtie as pessoas enten- JSI
didas lite reeonhecem.
Tem agua e pos dentilicio.
RUA DO IMPERADOR
N. 22.
Na rua do Crespo n ir., se aluga urna boa
casa e sitio no Monteiro, con: frente para o oitao
da igreja. a-si ni enm o segundo andar do sobrado
n. 79 da rua do Imperador.__________________
0 bachai-el HuiiniM Lopes llii-
cbado advosa M sea escriplm-io da ra
do iDiperatltir n. 71, primeiro andar,
onde pode ser prorarado das 9 as 3 llo-
ras da tarde para o que Cor concernen
le ao exercicio de sua irolssia.
m
lB rside e tem aberto o sen escriptorio .1
M rua do l.ivrament u. 18, l" andar.
Precisase de um bom cozmheiro e de dous
criados activos : a tratar no sobrado n. 32 da rol
da Aurora.
U advogado Dr. Manuel Jo Naseimento Jjj|!
Machado Pertella, continua a ter o seu 53
escriptorio no primeiro andar da casa n. JB{
80 da rua do Imperador.
Portugal.
II
Maquesobre
O abaixe assignado, .agente do banco
mercantil Porluense nesta cidade, saca ef-
fectivamente por todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
oualqut r somma, a vista e a prazo, po-
dendo I igo os saques a prazo serem des-
contados no mesmo banco, na razao de &
por centoao auno aos portadores ime as-
sim I he convier : as ras do Crespo n.
8ou do Imperador n. 51.
Joaipuim da Silva Castro.
mmmmmmmmmi:
Golo,ge]o, gdo.
Com a chegada da nova machina nao se expt-
rimenta mais falta de gelofabricado com agua da
l'rata, todos os das a qualquer hora, para por-
grandes ou encoinmendas para fra da pro-
vincia dever haver aviso com antecedencia : ru.t
da Aaitira junto a fundicao onde -tem a bandeira
Precisa-se alogar urna ama com bom c bas-
tante leite e que nao tenha lillio, preferindo-se es-
era va : quem es ti ver nestas circumstancias, din-
a-se rua Formosa, rasa n. 21).
Grande aniia/.eiu de tintas.
Este armazn) contm tudo quanto
preciso para que a industria de pintura, de
qualuer genero que seja. desemponhe
si'ii l'nn. ist:> 6, emhellezar, coiisi'ivar e
reprodazir.
Montado em grande escala e suppi ido
lirectamente por grandes fabricas de Pa-
rs, Londres < Hambargo, pode oflerecer
producios de eonflanea, e satisfozer qual-
ipier encoiiiineiida grosso trato e a re-
Uilho.
Os Srs. artistas pintores, e os donos de
obras poderio escolber vontade, pois mm
que tudo e.-iara vista, as dilTercutes co- W9
res de que tiverem d icessidade. *,
Ha lulas em massa e em p impalpa-
vei. e como as obres a envernizar bo m
deve empregar tintas muidas, e nao me- j
receodo eoauaneaasqaevem de fra para s
eommercio, por vellus. e tajvez falsifica- *
das, oeste armazem seasmoer yis-}^
ta do coiisumiiIhi', que s assiin lea tin-
tas frescas e verdadeiras.
Ha tambem ouro verdadeiro, verde em
m f<>lh:i, prata em folha, p debron-
zear de varias cores, diamantes para cor-
tar vidros. hnrnidors,ncarMiperliuaen-
camada. amarella e rerde, tintas ?ege-
tae-, azul. roXa, verde e amarella. inollen-
se devom empreor as
eceo a de pinceis para
om propredade, e oulros
de varias qualidadis, veinizes. copal,
graixa, branco ou escuro para o interior
e exterior, para etiquetas e quadros, tin-
tas linas em tubos, em crayoes on pastel,
(ellas para quadros, caixas de tintas linas
e papel para desenlio.
Bssencas aromticas verdadeiras, fras-
cos e vidros para vidraca de todos os t.a-
inanhos, c muitos outros objectos, cuja
utilidade e emprego s com a vista pode-
rao ser mostrados.
Juao Pedro das N'eves,
Gerente.
wm
i I Os administradores da massa fallida de Sevc ,
I Filhos k C, rogain a lodcs os creduivs da niesina.
mam, que, sem embargo do convite ja feito por
como do matto de virem pagar seus dbitos ao
, abaixo asignado no largo do Collegio junto ao so-
lirado amarello, ou na rua de Horlas n. 104 ao Sr.
Fajozes Jnior at ao dia 15 de marco, do contra-
rio tera de entregar ao seu procurador para co-
brar judicialmente. Itecife, l de fevereiro de
1864.
Antonio Joaquim Fernandes da Silva.
nho com cerca de um cont de reis em pecas de
miro novas e velhas, tres dobla, portuguezas, um
dobrao e uina moeda americana grande e urna pe-
quena porcao de moedas de ouro de cinco mil reis
e doilars; muitos papis de impor ancia.algumases-
ci i 1 llura- publicas de acquisicaj, papis do com-
pras de escravos, entre os quaes est o do mulato
Moyss, certidoes de baptisino dus filhos da abaixo
a-Mgnado, couhecimentos de decima, um recibo do
banco inglezde 7:1005000, urna etrade 3:0005000
nao endossada, e duas letras saleadas por Fran-
cisco (Jomes de Oliveira como t< slamcnteiro do fi-
liado llenry Gybson, e aceitas una por Marcellino
cS C. da quanlia de l:8o8180 ea outra da quantia
de 2:0lo4*)60 reis aceita por Antonio Correa de
Dr. Cosme de S Pereira conti-
residir na rua da Cruz n. 53,
Io e andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua prolis-
s5o medica, c com especialidade
sobre o seguinte
Io molestias
Grande sortiiuento de fazeu-
-dis pretas para a quaresma
na loja e armazem da Arara
rua da Iniperatriz n. 5G.
DR
Lourcnco Pereira Mendcs Guimaies.
fatonas pretas liaratissimas.
Vndese al|.aca preufina a 500, 600, 800 e f
0 covado, sarja de lia para calca e paletots a 640
e 800 rs. o covado, bombaziu preta fina para
paletots a 15400, laazinhas prelas proprias para
lulo para vestidos e roupa de meninos por ser mui-
to lina a 720 o covado, merino fino enfestado a
25500 e 35, dito de xordao para paletots e raigas
a 25500 o covado: na rua da Imperatriz loja da
Arar:.
i (irosileuaple pro lo [da Arara a 1100 o covado.
Vndese grosdcnaple preto para vestidos a 15400,
15o00 o covado, dito muito bom a 15800, 25,
23500 e 35 o covado, sarja prcla hespanhola o
melhor que tem viudo: na rua da Imperatriz loja
Cuimaraes.
covado,
paleU)tal5W0,
ras.-i 11 ira pre-
1 muito supe-
rior a 65 e 85 o corte : na loja da Arara rua da
Imperatriz n. 56.
Chitas da Arara a 210 rs. o covado.
Vndese chitas de cores tixas para vestido a
240 e 280 rs. o covado, ditas francezas finas a
320, 360 e 400 rs. o covado, popelina de quadri-
nhos para vestidos a 280 rs. o covado, gorgurao de
Caixas preparadas para costureirasa 15500,25 e lindo para vestidos a 280 rs. o covado : na loja da
Arara rua da Imperatriz n. 56.
Arara vende laazinhas a 2i0 e 280 rs. o covado.
Vndese laazinhas para vestidos a 240, 280 e
de 1 botao superiores a 30 ri. o covado, ditas linas transparentes a 400 o
500 rs.. ditas ditas a Maria l'ia com palmas de se-
da a 500 rs., fil de linho de cores para vestidos a
160 rs. o covado : na loja da Arara rua da Im-
peratriz n 56 deMendes Guimara. -.
Cliilas de coberla da Arara a 320 rs. o covado.
Vende-se lindos gostos de chitas para cobertas
de cores fixas a 320, 360 e 400 rs. o covado, cha-
1 les dt merino estampados a 25500, dito de la e
' seda a 25 : na rua da Imperatriz na loja e arma-
Xovellos de linha branca do gaz a 30 rs.
Carreteis de linha de cores muito fortes a 20 rs.
Cartees e caixas de clcheles francezes a 40 rs.
Botoaduras brancas e de cores para colletes
120 rs.
Frascos de banha, pechincha, a 240 rs.
Bonets para meninos, fazendafina, a 25-
35000.
Massos de grampas lisas e finas a 30 rs.
Caixas de palitos do gaz e de cera finos a 20 rs.
Duzia de facas e garfos
55500.
Duzia de ditas e ditos de 2 bolees finissimos a
65300.
2o
3o
;|f .ivas, nicas que
E5 jV) confeitarias, calle
5 k fingir madeira, ro
de ol ios;
de peito :
dos orjes geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doenles se-
rao examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pelos
doentes de ollios.
Dar consultas todos os dias d sj
6 as 10 da manhaa, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
co que julgar conveniente para o
prompto restabeleeimento dos seus
doentes.
Vasconcellos, com endosso em branco, ambas ven- gj^Tj- n,ii0c,i0 a wno
civeis era 30 de marco do crreme anuo, cijos acei- Zlv^ nuito On f a 100 rs
Untes j se acham prevenidos, ara as nao paga- Zt*'"" '' '* [o^ino rs
rem se nao a abaixo assignada urna corrente de La'xas de rap>- CQm e!'Pe"10 a iUU r8-________
ouro ingleza para relogio com siaete, algumas joia I Ao D 29
de ouro e podras e um pequeo caixao de madeira ., .... __>.
de fura, de um palmo em quad-e, ihiuco mais ou ^0Ta loJa dos 'araleiros na rua do Queimado.
menos, com oitoceios anote cei tosmil reis.em pa- R'cas saias do fustaoa 55 camisas Inglezas para Iem da Arara n. 56 de Mendes Gnimaraes.
tacoes: suppoe-se que estes escravos seguiram pela senhora a i&, ^oOO, A& e i, cobeitas de fuslao Sediuas da Arara a 500 rs
estrada do Peixinho, ou do norlc em direccao para R^*ftSn^SB? camhr'aiaTe! W* ^* de lis.rinhas para vestidos %
Podras de Fogo 1 a abaixo ass.gr ada roga encare-1 \^^_^_^^^^^^^ m r,. (,lV;ui, ,,jt;is dnas dc qu;ilrillh,)s a goo
i corado, la. para vesu ; ^ 1.S|Hrj..s ,.um 4 11.(||||os de ,ar?ura fom
1 idamente ;s autoridades polirkes de os capturar,' cores parajestido a 320 o
cinpregando os meios para seren ellos descober- do a 480, 560 e 640 o covado. palma- de seda para vestidos a
tos ; e aos capitaes de campo adverte que serio ge- Ao 29. lencos luanes a"200 cada um
ocrosamente recompensados. Alem dos objectos e NoTa ,0a dosi,arateiros na rua do Queimado. rua .11 Imperatriz n. 56.
X de estoue de^n^dV lu.ia v^,,,e.,!a com a Va var^cam.iraiapara cortinado, j,va de | Vende-se manteletes pretos ricamente enfeila-
largura
800 rs. o covado,
na loja da Arara
gomos com o cabo prelo de bfalo.
l'baldina Ara dia de Mello.
CVVALLO F1HI\I)0
Ser generosamente recompe isado quem appre-
varas, por 105, chales de lia por 35, 45, >5 e 85, dos d; grosdenaple, soutembarque pretos de gros-
camisas inglezas para homem a 385, 505 e 605. denaple ricamente enfeilados por pre^o baratissi-
4.0 n 29 mo: na rua da Imperatriz n. 56 loja da Arara.
Nova luja dos barateiros na roa do Queimado.
Bicos prelos, franjas de todas as quahdades,
Itoupa frita da Arara.
Vende-se paletots pretos de alpaca a 35, 35500,.
ditos de panno fino a 55 e 65, ditos a 85, 105 e
hender e entregar 110 Hecife, na ireita, loa de trancas de seda, de algodao e de laa, manguitos e |2, d, d a -inue -i -i utos d? meia ca-
..,... .* ...._: -.. n------ camisinhas bordadas, collarinhos e punhos, folhos 23,^SSK2KiLT?2L!5J?1i!
hr^,Hc tJ3L. a, ,ii,m ,u u,i a ,\0 f,,i3n ^miiaa .JoOO e 4-JoOO, ditos de casemira de co-
caleados n. 45, de Antonio Mar Oconnell Jersey,
um cavallo de sella, alasiio claro, com os quatro
pes brancos e a frente aberla, p isseiro e marcha-
dor, de bom lamantio, o que ti m alem de outro
ferro esle E; o qual foi furtado da Estrada-nova
ao amanhecer do dia 17 do corr nte.
bordados, botdes de velludo, de seda e de fustao,
bandos de cabello, mcias de seda, Icques; cujos
crligos se vendem por metade do seu valor por ser
para acabar. __________
AIWOCICIA
O bacharel Joaquim Pires Machado Portella po-
do ser procurado,como advogado, no primeiro an-
dar da casa n. 83 da rua do Imperador, das 10 ho-
ras da manhaa s 3 da tarde.
Alaga-se o terceiro andar da casa n. 88 da
rua da Imperatriz, e o sobrado n. 193 da rua Impe-
rial : na rua da Aurora n. 36.
Hua da Scnzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston A C,
sellins e silhes inglezes, candiciros e casti- jb.
s caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
res a 65. calcas feitas de meia casemira a 25, di-
tas de brim e panga a 25, ditas de casemira a
35300, 55 e 65, ditas pretas a 45, 55 e 64, se-
roulas francezas a 15600, ditas de linho a 15800 e
255O0, camisas francezas a 25 e 25500, ditas de
cordao e de linho a 25600 e 35, roupa feita s se
vende barato n.i loja da Arara rua da Imperatriz
O abaixo assignado roga ;. todas _
que se julgarem seuscredoresofivor apparecerem chicotes para carros e montana, arreos para
no praso de 8 dias, alim de serem sasfeitos, na
iravessa do Queimado, loja dos >rs. Maia \ Lan-
delino. Joao Antonio Porto.
Cortes de cassa a 2#.
Vende-ee coi laa de cassa Urano 25. risca-
O Dr. Casanova pode ser procurado em seu
consultorio especial homeopaihico no largo da ma- o abaixo assignado scient llca aos seus de-
Irizde Santo .intonio n. 2. No mesmo consulto- vedores, que no Io dc marco f: r entrega a seu
no ha sempre grandesortiment de medicamentos procurador de letras e contas dos mesmos para;
em tinturas c em glbulos, deixando elogiar os tratar da cobranca por meios judiciaes, aquelles
nossos medicamentos pelas pessoas que os tem ex- dos seus devedores que queiram evitar despezas
perimentado e continuam a servir-se em nossa judiciaes, venham at o lim do presente mez pagar
botica. Temos tambem obras accoramodadas a seus dbitos na rua do Imperador n. 55.
carros de um e dous cavadlos, e relogios de dos francezo mn corte com 14 corados a 35, eo-
ouro patente inglez. berl0,es de-^odao :i l*" >m: rua *"lni-
sementes de hortaliza.
Cdegaram no vapor francez Guiene as novas se-
mentes de horlalca : na rua da Cadtia do Recife
n. 56 A, loja de ferragens de Bastos.
intelligencia do povo.
Joao Vigncs.
I este Diario anda nao apresentaram os seus litlos
alim de serem venlieailu.- iMjam da UtaJa dentro >
do prase de tres dias, no escriptorio de Angosto
Frderico de liveira, praca do i orpo Santo n. 17,
sob pena dos valores de seus crditos nao serem
incluidos na retacio que tem de ser enviada ao
juizo ; assim romo pedem aos outros credores que
ja apresentaram titulus, que os venham receber. |fl
Alua-s o segundo andar e grande sotao do: Prull|r.i
a de Apollo n. 34, leudo no andar :, ue ""
[redio da rua
salas, 5 (piarlos e grande cozinha. e no sotad salas,
qoartos e cozioba : a tratar na rua da Cadeia do |
Hecife n. 64, loja.
M Curso de preparatorios
^ Francez.
Ingle?.
leometria,
Geogrepbia,
Hhetorica
a i na do Queimado n. 30, primeiro andar,
das 10 s 2 da tarde.
AGENCIA im:i;i:i i.ois
Hygino Augusto de Miranda, tendo sido ultima-
menle nomeado agente de leiloes. estabelecea son
cscriplorio na rua da Cru/.Ji. 57, aonde pode ser ..
proeorado por aquellos que cuizerem se utilisar }m tica qualquer operacao cirurgica.
sitvcos. '''ra a casa de saiile.
Joao da Silva Hamos, medico pela L'ni
versidade de CoimUra, d consulLis em
.-na casa das 0 as II horas da nianliia, e
das 4 s 6 da larde. Visita os doentes
cu suas casas regularmente as horas
para lase designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serio soceorridos em qual-
quer ocoasio. D consultas ac-s pobres
(uon procuraren! no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manhaa.
Tem sua casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doeute,
ainda mesmo os alienados, para o que
tem commodos apropriados e nella pra-
TLNTRARIA.
Tinge-se com perfeico para qualquer
cor, o mais barato possi el: na rua do
Rangcl n. 38, segundo andar.
Jos Lopes das Nevos, subeito portuguez, re-
tira-se para Macei.
l'recisa-se de um rapaz qol se sujeite ao tra-
balho de casa de pasto : na rua estreita do llosa-
rio n. 10.____________________
Na rua da Roda n. 6 continua se a fazer co-
midas para fra, e encarrega-so a mandar levar
casa de qualquer pessoa, por mdico preco.
Vende-se
R*S: rf**<**s-v.:A,.v> ;Kf'<^:^.;
Ha, tres casas terreas para alugar em j
Santo Amaro na iravessa do Costa, com b^
saluda de portad para o fundo, a preco H
dc 105 : a fallar na mesma Iravessa. *,$,'
mwmmMmmm
D-sc dfnlielro a juros c
eompra-seouro c prata : na rua
do Rangol u. ti.
\m
pxe da Suecia no armazem da bola amarella oi-
t.o da secretaria de polica.
Vemle-se o enirenho S. Manoel, sito na fre-
guezia do tlio Formoso, e margem do rio Seri-
nhem.o qual demarca com os engenhos Cachoei-
ra, Chango e Gamelleira, me com agua e milite
copeiro, tem capacidade para safrejar 2,500 piel
ananaes, e se acjM qoasi todo em mala virgen.,
di.-tando do embarque I 2 legua: quem pretender,
dirjase rua do Vigano n. o, que achara com
quem tratar.
Vende-se um sitio no melhor lugar da Ca-
punga, ou permuta-se por um sobrado na cidade'
ainda que seja de maior valor : quem pretender
fazer este negocio, dirjase rua do Vigano n. 31.
Primeira classe 35000diarios.
Segunda dita.... 23500 >
Terceira dita.... 25000
Bale eslabelecimenlo j bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem pres-
tado.
O propietario espera que elle conti-
nu a merecer a cenfianca de que sem-
*j pre tem gozado.
H
S
lieralriz n. 56 loja da Arara.
Arara vende madajiolo enfestado a i\
Vende um novo madapolao francez enfestado
muito bom para camisas a 45 e 45500, algodao
tambem se vende barato, bramante de linho, brim
de linho trancado para caifas a 15 e 15280 a va-
ra, bretanda de linho, brim liso para lences a
440, 500, 640 e 720 rs. a vara, destas pecbinedas
s na Arara rua da Imperatriz n. 56 loja de Men-
des Gnimaraes.
Arara vende as cassas a 200 rs.
Vende-se castas para vestidos* 200 e KOrs.0
covado, organdys Unos para vestidos a 2s0 e 320
rs. o covado, cobertaade cinta para cama a 25:
na rua da Imperatriz o. o.
Arara vende os balocs rriooline de arcos a 3$.
Vende-se bales crinoline de arcos americanos
de todos os taannos de 15. 10, 25,30 c 40 arcos
a 35,35300, 45 e 45*00, ditos de musselina a
45, ditos novidade a 3300: na rua da Impera-
triz loja da Arara n. 56.
T0JA~D0 BEIJA FL08.
|ua do Queimado numero G3.
Cravaliuhas para seuliora.
Veiidem-se gravaiinhas de diversos gostos mais
modernos a 720 e 800 rs. : na rua do Queimado,
loja do beija-flor n. 63.
No armazem da Aurora Primante lia familia em i :,.. n..r, achrinn do v*ci,Ia
-------------------------------------------------------------saceos grandes, igual a de Muribeca, a 6$5O0 e 75 Vo,i n, !laf.tpara ,"1 C '*"ia*-..
- l'recisa-se de urna escrava tara o servico m- n sacro de 0US llaueires *enaem-se Olas para debrum de vestido de laa-
H------I-------------------------- com 12 varas a 400 rs. a pega : na rua do Qoei-
)';i filas mado, loja do beija-Oor n. 63.
a 34800 a caixa, em irorfao se far abatimento,! r l'entcs travessos.
VenJem-se pentes travessos de caracol na
Aluga-se urna exeellent* escriva de boa con-
ducta que eutende de tu I j servil o de urna casa de
familia : quem a mesma preten>ler dirija-sc rua
dos Pires n. 54.
ilnll
teiiiude una casa de familia
ar na rua Velha n. 13.
paja-se bem : atra-
Engomma-su e lava-se par: ambos os sexos:
na rua de Santa Rita, sobrado n. 3.
Precisase de urna ama
dnas pessoas : na rua estreita
primeiro andar.
Profesnorde piano.
Jos Coelho da Silva e Araujo, bem conhecido
nesta cidade. contina leccionar piano e mus
ca vocal por commodo preco : quem de seus ser-
via precisar, dirija-se rua do Livramento n. 21,
segundo andar.
No escriptorio do Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C, na rua da Cruz n. 1, precisa-se fal-
lar com o Sr. Luiz Soares Botelho, Olho de Jos
Soares Botelho e de Fortunata Candida de Souza,
e neto de Francisco Manoel do Souza, natural da
ilhade S. Miguel, o qual consta ter vindo para es-
ta cidade em 1856, para Ihe dar noticias de sua
uii e irmaos que se acham no Rio de Janeiro.
Precisa-so de um menino de 14 a i ti
annos de idade para qafreeiro de loja de fer-
ragens e miudezas ni cidade de Macei,
dando-se preferencia a aquelle que disso li-
ver alguna pratica e que em todo caso es-
creva soffrivel, quando n3o muito bem :
quem pretender dirija-se a loja de ferragens
de Silva & Alves na rua da Cadeia do Recife
nesta cidade. _______
onipanliia l'crnaiiibucan-i
De ordem do conselho de dirccyjio e em virtudc-
do art. 24 dos estatutos sao convidados os senho
res accionistas a reuniremse em assembla geral
no dia 29 do corrente, 1 hora da tarde, no es-
criptorio dos Srs.-Saunders Brothers 4 C______
Precisase de urna ama que cozinhe e com
pre para easa de homem solteiro : na rua do Quei-
mado n. 32.
Carneiro fgido.
No dia 18 lo corrento desappareceu do sobrado
n. 74 di rua Direita um carneiro com os signaos
segmntes : de cer branca, castrado, com o pello
lid i. e-iando o do pescoco, pernas e bracos
aparados, muito manso, suspeila-se ter sido fur-
tado : quem o achou, ou delle tiver noticia, leve-o
ae sobrido referido, qne ser recompensado.
Oh*erec!-se urna mufber de boa conducta pa-
ra ama de casa de homem solteiro, para os servi-
cos intnnos ; quem precisar, dirija-se rua da
.toneeio n. 8._________^__^_^^^
- Iternardino Francisco de Azevedo llampos
t K iropa tratar de sua pande, preleiidendo re-
fceessar em d :zembro prximo; e no entinto con-
tinuara todos os seus negecios no mesmo gyro, de-
hiixo da administradlo de sua mnlher, e do Sr
JisSoaquim da Silva", a quem deixa procuracac
bastante. ____________________
Na Jarde do dia terca-leira, 18 do corren,
foi perdida desde a rua de Apollo at a da Impera-
tsiz a quh tas : a pessoa que a achou e quizer restituir, diri-
ja-se rua de Apollo n. 39, primeiro andar, esqui-
na, onde, danls-se os signaes, se gratificar gene-
rosamente.
Precisase de ama ama para servico interioi
e exterior de urna casa de pouca familia: a tra-
tar na rua dij Hartas a.*.
Jacondino Ribeiro de. Carvalho retirase para
Portugal a tratar de sua s; ude.
Luiz Ferro, subdito Italiano, vai paraoCear.
Precisa-se de urna ama que faca todo o ser-
vico para duas pessoas : na rua do Vigaro n. 27, j
s.igundo andar.______________________________;'.
Precisase de um moleque para o servico de !
urna casa e para o de rua, que nao tenba mais de j
12 annos : na rua Direita n. 43. i
- Francisco Jos. Correia, subdito portuguez,
retirase para o Rio Grande do Sul.____________
Precisa se fallar com o Sr. Sezostris S. de
Moraes Sarniento, na rua da Imperatriz n. 88, a
negocio que Ihe diz respeito.__________
,.ara o servico de i Alicia de paSSapOPC.
do Rosario n. I" Claudino do Rero Lima, despachante dc pasa-
porte pela reparticao da polica, lira-os para den-
tro e fra do imperio por commodo preco e pres-
teza : na rua da Praia, primeiro andar 47.
liBiJijiSil
O Sr. Felippc Carneiro doOlinda Campellotenba
a bondade de mandar pagar o que dove na rua da
Imperatriz n. 88.____________________________
Precisa-se fallar com o Sr. Francisco Igna-
cio MonteirO, que foi morador na cidado de Ma-
manguape, provincia da l'arahiba do Norte, a ne-
gocio que muito o inleressa : na rua do Crespo,
loja de fazendas n. 7. __________^^_
- Joaquim dos Santos Jorge, Brasileiro, vai
Europa.
Preparatorios comple-
mentares
00
Curso Commercial.
O bacharel A. R. de Torres Bandeira,
professor de geographia e historia no
Cymnasio desta provincia, propoe-.se a
ensinar as linguas francesa e ingleza,
preparatorios complementares para o
Curso Commercial; eofferece o seu pres-
timo especialmente aquelles que se quei-
ram habilitar nesses preparatorio, com o
intento de matricular-se no sohredito
curso.
As aulas comucarao do Io de fevereiro
em diante, na casa da residencia do an-
nunriaote, rua estreita do Rosario n. 31,
terceiro andar.
O Dr. Carolino Francisca le Lima San-
tos, contina a residir na rua do Impe-
rador n. 17, 2 andar,onde )de ser pro-
curado a qualquer hora do (ia e da noit
para o exercicio de sua protssao de me-
dico; sendo que os chamados, depois de
meio dia at 4 horas da tarda, devem ser
deixados por escripia O referido Dr.
nao abandonando nunca l estudo das
molestias de interior, pros>gue, com o
maior affinco, no das mais d ffleeis c deli-
cadas operacoes, como sejai i dos orgaos
ourinarios, aos olhos, partos, etc.
em porcao
cada caixa com 100 macs perfeilas : na rua No-
va n. 8.
Cigarros
turcos a 15 a caixa, cigarros que em outra qual-
quer casa se vende por 35 : na rua Nova n. 8.
Sopa.
Verdadeira sopa julienne : na rua Nova n. 8.
Htft
Vende-se urna escrava com idade de 30 annos,
' pouco mais ou menos, que cozinha, lava e engom-
ma : quem precisar, dirija-se rua da Cadeia do
Recife, loja n. 41, que achara com quem tratar.
COMPRAS.
frente de borracha a 500 rs.: na rua do Queima-
do, loja do beija-flor n. 63.
Papel huir domada.
Vende-so papel beira dourada a 15200 e 1,5300,
dito dc cor de beira dourada a 15100 : na rua do
Queimado, loja do beija-flor n. 63.
Anvelopes.
Vendcm-se anvelopes de diversas qualidades
branco a 800 rs. e do cor a 640 rs., para cartas de
visita a 400 rs., prelo a 720 rs. : na loja do beija-
flor na rua do Queimado n. 63.
Valias de aljfar.
Tendo recebido voltas de aljfar com cruzes de
pedra imitando a brollante vende-se a 15 cada
" Vende-se na rua do Imperador n. 67, a histo-1 Uma : Darua "J loja.d bea"flor n" 63"
ria universal, em portuguez, por Cesar Cantu, edi- ,. tamisas ae neias.
cao enriquecida de 90 estampas, em perfeito es-' ,At^3em:s'L can,lsas de meias m"" finas
lado e boa encadernacao, por 55. f**2,"0 e ,*30 : na rua do Queimado, loja do bei-
----------------------2_!_!------S---------------------- ja-flor n. 63.
Os precisos la Iaeres pa-\
Aluguel.
Compra-se urna escrava d) lo 22 anuos,
que saiba coziiihar, lavar, engo nmar e coser : a
tratar na rua da Imperatriz n. 6, primein andar.
Compra-se urna escrava (ue saiba engom-
mar e cozinhar : na rua nova de Santa Rita n. i'3,'
serrara de Paulo Jos Gomes j Medeiros.
Compra-se una escrava d
I sirva a urna familia de portas dentro c fra, e
i saiba vender pelas ras : na ru do Passeio, casa
^^ typographica da poru larga
ra enancas.
Tendo recebido enfeites de lita pretas c de co-
ros mais modernas que se estao usando a 15 cada
um : na rua do Queimado, loja do beija-fbr n. 63.
Chegaram e acham-se venda na rua do Quei- Fila de laa preta para debrum.
mado, loja d'aguia branca n.8.________________ Vende-se lita de laa preta para debrum com 10
Sal (lo ASSII varas a. ^ rs" aea : na loJa do beija-flor rua
Para ver, a bordo do brigue escuna Jovem Ar- do Qu''J?]ado 63.
tkur, e para tratar, com Antonio Luiz de Oliveira i ,,,u d l,"h,0 Pra rdar vestida
meia idade que Azevedo & C, no seu escriptorio rua da Cruz n. 1! Vendein-se litas de linho para bordar vestido
Aluga-se o segundo andar do sobrado da
Velha n. 20: a tratar na rua do Sebo n. 24.
rua
BAXCO l\\IAO
ESTABELECIDO NA CIDADE DO PORTO
Agentes em Fernaiuhuro
Antonio s.ei ir dc Oliveira
Azevedo 4 C.
Sacam por todos os paquetes sobre o
mesmo banco prazo ou vista, sobre a
caixa filial cm Lisboa, e agencias cm Fi-
gueira, Coimlna, Avoiro, Vizeu, Villa-
Real, Regoa, Vianna de Castello, Guima-
raes, Barcellos, Lauego, l'ovilhia, Braga,
PenaCel, Braganca, Amarante, Angra,
llha da Terceira, Ilha de Faias, Ilha da
Madeira, Villa do Conde, Valenca, Bastos,
Oliveira de Azemeis: Chaves e Fafe, a
oito dias vista ou ao prazo que se conven-
cional-, no mu escriptorio rua da Cruz
n. i.
Vaeclna publica.
Tendo-se desenvolvido algumas pstulas vacci-
nieas, com o pus ltimamente innoculado, o com-
mssario vaceinador convida aquellas pessoas que '
I precisarem ser vacclnadas comparecerem as |
, quintas e domingos no torread da alfandega, e nos |
! sabbados at as 10 1|2 horas da manhaa, na casa j
de sua residencia, segundo andar do sobrado da y nipra
i rua estreita do Rosario n. 30. \ coznlimra
Compra-se papel Diario pa:a embrulho : na
loja de calcado n. 38 da rua da mperatriz.______
Comprase elfectivamente ouro e prata cm
obras velhas : na [iraca da independencia n. 22
loa de bilheles.
Vende-se urna taberna com poucos fundos,
tendo a casa commodos para familia, na rua de S.
Miguel n. 23, freguezia dos Afolados : quem a
pretender, dirija-se mesma, que achara com
quem tratar.
Allenditeel vitlele.
Vende-se una dentadura de ouro e porcelana fi-
' na, obra de apurado goslo e indispcnsavel a encu-
I bi ir os effeitos da senectude ou falta de denles.
i Adverte-se quo a supradita tem pouco uso, bem
' como que aceita-se em pagamento livros em bran-
Compra-se urna escrava sadia e que seja perita' c. "luias elsticas, abacates e papel judiciario : a
na ma do Qneimadc n. 39, loja. tratar na sala do seguro._________-_____________
iiiffMcrji
i tendi.
I I Compra-se um selim inglez com todos os ar-
i reios, contanto que esteja em borr estado : na rua
Precisase do urna ama de leite, c que tenha do Queimado escriptorio n. 13, primeiro andar,
bom leite a tratar na rua de Santa Rita n. 2.
Aluga-se um moleque para criado : quem
etender. diriia-se praca da Boa-Vista n. 9.
pretender, dirija-se a pra
i Id-alio de A pi lo.
SOGIEDADE NELPOIE.NE PERNABlOIvA.
Por ordem do Illm. Sr. director convido aos se-
nhores 6ocios para reunicem-se cm sesso da as-
sembla geral domingo, 21 do corrente, no salo
do theatro, aflm de discutirse os novos estatutos,
Recife 18 de fevereiro de 1864.
O i" secretario,
M. Vianna.
Jm
Companliia Qdelidade de
seguros niariiinios e ter-
restres estabcleclda no
Rio dc Janeiro.
ACENTF.S EM PEPNAMBUCO
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo i C,
competentemente autorisadus pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercadu-
ras e predios no seu escriptorio rua da
Cruz n .1.
YENDAS.
$
6*
ixe.
Precisase alugar dous pretos que sejam ro-
bustos para servico debaixo de coberla enchuta :
a tratar na fabrica da travessa do Carioca n. 2,
caes do Ramos.
AVISH
Vndese a taberna do paleo doParaizon. i
30, para seu pagamento : a trat.-.r na mesma.
Vende-se urna porcao de vidros de bocea!
larga, c frascos proprios para Li tica, contendo al-
gaos diversos medicamentos : s tratar na rua do
Seve n. 4.___________________ !
Vende-se urna armacao de ; marello, enverni-
sada e envidracada, propria pa a qnalqner esta-
bolecimento ; assim como duas p ateleiras grandes
de louro, proprias para armazem, por preco razoa-.
vcl : na rua do Crespo n. i. '
-Pannode algirao .ecido de Mi-
nas, fazenda forte, e ene rp d;i, apro-
uriada para o servico di lavtira, quer
Vende-se o verdadeiro pixe da Suecia : no ar-
mazem da bola amarella, no oito da secretaria da
' polica.
para >atcos, quer para roupa de escra- utra qualquer pane.
Feijilo leijao feijilo.
Ilua da H;idre dcDeus us. 5 e 9.
Vende-se saceos grandes com feijo das segrales
qualidades : branco, amarello, rajado e mulatinho,
mais barato que em outra qualquer parte, assim
como sardinhas em barrisde 1,200 por 55000, ludo
proprio para lempo de quaresma.______________
Cal de Lisboa e potassa da
Russia.
Vende-se na rua da Cadeia do Recife n. 26, para
onde se mudou o antigo o acreditado deposito da
mesma rua n. 12, ambos os gneros sao novos e
legtimos, e se vendem a preco mais barato do qne
O Sr. Joaquim Jos de Almeida Pires que cur-, VOS'. grande dop.sito na |'l*aC;l d C.r- Algodao da Balita
sou na academia desta cidade, e por ultimo assis- i,q Sanio escriptorio dc 4 l*USlO Frede- Para saccos &e assucar o roupa de escravo; tem
Na rua Nova n. 26 se dir quem d algumas lio no convento de Olinda, haja de mandar papar '. .,,..' r I para vender Antonio Luiz de Oliveira Azevedo &
lantias a juros de 2 OO sobre penhores. Ia* ^w devendo na rua da Imperatriz. n. 88,itw u wn' en a. J C, no seu escriptorio rua da Cruz n. 1.
ou roupinho de meninas com \0 varas a 610 e
800 rs. a peca s quem tem a loja do beija-flor
rua do Queimado numero 63.
Botdes de madrcperola.
Vendem-se botes de madreperola mais moder-
nos que Iem viudo para punhos de senhora a 320
rs. o par : s quem vende por esto preco na
rua do Queimado, loja do beija-flor numero 63.
lila de velludo para bordar vestida.
Vende-se fita de velludo preto com 10 varas a
900 rs. a peca : s quem tem por este preco a
loja do beija-llor da rua do Queimado n. 63.
Fita de velludo bordada.
Venc'.e-sc fita de velludo preto bordada de di-
versos gostos e mais modernos proprios para qua-
resma s quem tem a loja do beija-flor rua do
Queimado n. 63.
Franja prela.
Vende-se franja preta de diversas larguras para
enfeitar capas ou manteletes os mais indos gos-
tos que se pode encontrar : na oja do beija-llor
rua do Queimado n. 63.
Facas c garfas.
Vendem-se facas e garfos de balanco de 1 bo-
tao a oSoOO a duzia, ditas de 2 botdes a 65WK):
na rua do Queimado, loja du beija-flor n. 63.
Dminos.
Vendem-se dminos muito finos a 15200 e
15400 : na loja d beija-flor da rua do Queimado
n. 63.
Visporas.
Vendem-se visporas mnio finas a 800 rs. : na
rua do Queimado, loja do beija-flor n. 63.
aM nt\< bu
Custodio, Carvalho & Co;iipa-
nhia.
27Ruado Queimado-27
Novas laazinha- e-oossezas muito lindas, fazemla
encornada, proprias para vestidos de senhora e
criancinhas, pele barato preco de 240 rs. o covado.
A
t


u-
blarlo de rctnarsfruco Segunda felra zz de fi'cvereivo de iSd-t.
hpj
n -
*
Duarto & C, veodem em seus armazens l mito e Cemmertio c lar-
go do Carino n. 9, armazem progressivo, os segrales gneros desembarca-
dos ltimamente.
Verdadeiro vinho collares cm ancore-
retas de 9 caadas a 50,000 e 800
rs. a garrafa.
Farello de Lisboa marca N ou Biato
tigoa 4> a sacca.
&S Vinagre I' R R, cm ancorlas de 9 ca-
adas a i$,000 e 2,000 rs. a ca-
ada.
Passas em caixas, meias c quartas a
8,000 4.000 e 2,000, a 480 a libra.
Peras seceos em calas de quatro li-
bras o melhor que se pode desejar
a 2,5C0, e 640 rs. a libra.
Caixinhas de 4 libras e 2 com ameixas
a i.500 e 2,500 rs. a caixinha.
Chocolae portugus, o melhor que
pode liaver de bom neste genero a
1,000 rs. a libra.
Marmelada propriamente dito de mar-
mello, a 640 rs. a lata e em caixas
de 100 latas a 600 rs.
ac a de tomates a mais nova que se
pode desejar a 610 rs. a lata c em
caixa de 100 libras a 600 rs.
Ervilha portugueza a 700 rs. a lata,
e em caixa de 100 libras a 640 rs.
Passas corinthias para pudim a 640
rs, a libras, e 400 rs. comprando de
arroba para cima.
(jueijos londrinos nuiito frescos a 800
rs. a libra e sendo Inteiro a (550 rs.
Siebollas em caixas as mais novas do
mercado a 6,300 rs. a caixa, a 800
rs. o molho, e a 640 rs. o cento.
1 atalas em caixas de 2 arrobas muilo
navas c grandes a 2.400 rs. a caixa.
fcextinhascom figos proprias para mi-
mos de enancas a 60 rs. cada urna
e comprando em duzia lera grande
abatimiento.
Erva doce milito novas a 500 rs. a li-
bra, e comprando em arroba a
10,000 rs.
Cominhos muito noves a 400 rs. a li-
bra e 10,002 a arroba.
Licores portuguezes das marcas mais
acreditadas de Lisboa a 1,000 a gar- ?
rafa e 10 a 12,000 a duzia, as quali- V
dades sao as seguintes : creme de
violetas, geroflez, rosa, absintlio, ves-
peiro, amorperfeilo. amendoa amar-
ga, percicol (leluiin, botefin, moran-
gos. limiio, caf, laranja, cidra, gin-
ga, canella, cravo, ortela, pimenta
e outros muitos de qualidades menos
superior que sero vendidos por pre-
sos em relaco as su as qualida-
des.
Os proprietarics afiancam que (stes gneros sao muito novos e ludo \-
de primara qualidade, tudo isto se vende nicamente no armazem Unioe ^,
Commereio na ra do Queimado n. 7, e largo do Carmo n. 9 armazem pro-
gressivo.
Qu< ijos
do alemtejo, das ilhas e flamengos, todss chegados neste ultimo vapor, a
2,500 os flamengos e 800 ris a libr; do alemtejo e das ilhas, unieamen- g
te no armazem Unio c Commereio, ra do Queimodo n. 7 e largo do Car- gsj
ss mo armazem progressivo. W/P>

GRANGEIASantiblennorhagicas de DNAND
ex INT. po HOSP. dos VENEREOSLe PARS -1? PREMIO 4854
Superiores a lolas as prepararse* conhecidas at hoj contra as flonorrheaa e Blennorrhagias as mal intensas 6 retaldM."
Bftilo Sf uro e j rompi, sera asustas, ncm clicas, nem tremor. -- FacCiS a lomar em se g red o aero tisana.
Injecgo curativa e preservativa
Infalllval, cura com rapidez tem dort os escorriraenlos contag osos de ambos sexos. Floras brancas. Adstringenle a
kaltamicaum catalUiadt, fortifica os tejumenlos os preserva de qualquar altcraco. PAitlS, 5, nt tu Uarcht-Si-anti.
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22 em casa de Caros A Barboza
lina do inclu ario Dameros
if e ...
est disposlo a continuar a vender pelos precos
abaffco declarados, pois para principar o novo
anno. ,
Caixas de obreiasde cola muito finas a 40 rs.
Varas de franja de laa de todas as cores a 40 rs.
Ditas de tranca de laa de todas as cores a 20 rs.
Ditas de trancelim branco muito superior a 20 rs.
Trancas de algodao brancas e de cores a 80 rs.
Daziaa de metas para senhora muito superiores a
3800.
Grozas de penna de a$o muito finas a 500 rs.
Caivetes de duas e tres folhas a 500rs.
Ditos de uma folhaa 80 rs.
Caixas para rap, muito bonitas de calungas, a
100 rs.
Capachos redondos e compridosa 500 rs.
Caixas com muito superiores obreias a 40 rs.
Varas de franjas brancas o de cores, largas, a
ICOrs.
Pares de botocs para punho muito bonitos a 120 rs.
Carreteis de linha Alexandre com 200 jardas a
100 rs.
Ca toes de linha Pedro V com 200 jardas a 60 rs.
Ditos de linha de oO jardas a 2tf rs.
Ouzia de meias brancas parahomem a i600.
Caixas com soldados de chumbo a 120 rs.
Tintriros de vidro com superior tinta a 160 rs.
Ditos de barro a 100 rs.
(rozas de botos da louca pratiados a 160 rs.
Tesouras muito linas para costura a 320 rs.
Ditas ditas maiores e melhores a 400 rs.
Escovas para limpar dentes muito nas a 200 rs
Ditas para unhas a 800 rs.
Laa de todas as cores para bordar a 75 a libra.
Caixas com phosphoros de seguranza a 160 rs.
Cadernos de papel branco e azul a 20 rs.
l'acote de papel amizade a 600 rs.
Caixas cun 100 anvelopes muito superiores a
800 rs.
Cadernos de papel de cores, grande e pequeo, a
40 rs.
Silabarios portuguezes com calungas de todas as
qualidades a 3:10 rs.
Graxa em latas muito nova a 100 rs.
Cartas a tabeadas para meninos a 60 rs.
Gaixas com superiores iscas para charuto a 40 rs.
Carreteis de linha de cores com 200 jardas a 60 rs.
IJaralhos muito finos para voltareto a 280 rs.
Rodinhas com allinetes francezes a 20 rs.
Cartas de allinetes francezes finos a 40 rs.
Caivetes de cabo de madreperoia de duas folhas
a 500 rs,
Luvas brancas de algodao finas a 80 rs.
Miadas de linha froxa para bordar a 60 rs.
Os tases
OS MAIS AfifilAVAKTI
E
D'im.a |N''tiiaz (luiacau
UNIAO
RCANTIL
RA I*A CAIIEIA 1*0 RISOITC
NOVO E
GRA1TD:2 ^MZmi DE moleadcs
iA El A A1EIA 1*0 ItJECIFE A. 3.
Francisco Fernandes Di arte acaba de abrir na ra da Cadeia do Reciten. 63, um grande e sortido armazem de molbados de-
nominado Vnio Mercantil. >este grande armazem encomiar sempre o respeilavel publico um completo sorlimenlo dos melhores
gneros que vem ao mercado, tanto estrangeiros, como nacionaes, os quaes sero vendidos em porcoes ou a retallio por precos asss
commodos.
Manleiga ingleza especialmente escolliida. Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e Sardinhas deNantesa340rs. oquartoe560
de primeira qualidade a 80C rs. a libra,' 1 5200 a caada. | rs. meia lata.
em barril se faz abatimento Azeile doce relina.lo em garrafas brancas a Latas com peixe em posta : savel, corvina,
Manteiga franceza amis supeiior do mer- 800 rs. vezugo, cherne, linguado, lagostinha, a
cado a 300 rs. a libra, e 520 rs. em barril Azeite doce de Lisboa a 640 rs. a garrafa e 10301) rs.
ou meio.
4800 a caada.
Prezuntos inglezes para fiambre, de supeiior Genebra de Hollanda a 300 rs. o frasco e
ni
liqijidacaO
DA LOJA DE J. J. kELLER.
O RA DA UtllPERATRI
Em primeiro lugar convida-sc as pessoas que tiverem vontade de comprar um bem acreditado
estabelecimento de tor a hondade de o visitar. Muitobom montada como est e?ta luja, cuinaex-
cellenie morada junto e as condicois muito razoaveis, ha de por certo animar os pretendentes com-
pra-la.
Igiialmeute convida-sc
aos Srs. mdicos, dentistas, logistas e proprietarioa de estabeleeimeotos artisticos para virem comprar,
por menos Jo sen valor, as melhores c mais acreditad \< ferramentas que lia no mercado.
O i-ospciavel pnlilico em geral
encontrar um viado e muito rico sortimento de briuqaedos, ctitih-rias, armas para caca com seus i
pertences, appar.lhos para cha, estojos de barba e de inaihematica, ferros para cortar e'impnmir f-
Ihos e para corlar babados, seringas, esporas, chicotes etc.. etc.
ESCRFULAS,
OU EISFOGES ES -LOSAS,
Ulceras de toda a wpofle,
SVPUILIS. 01' .MAL V'ENEEO,
B-ttfBI
Milita aencao ao que interessa
PItOTEJVM PROTEJAN
EXCELLENTISSIMAS SENHORAS,
j%'v. Excs. continireni a protcgei* ao iuiportante cstnbele-j
cimento na lo Crespo n. 17
DE
TtfHOBES,
Ebulixcoevt
BERTOEJAS,
OPHHALMIA,
ydropisia,
o-Ser\5,

m
t
'H
HERPES
I&ierti'os,
i:;;vs;r:ns
ESfORBUTO,
Tirina,

JOS GOMES VILLAR.
('rande novidade. Balos! !
s de W arcos a 33, de :i0 a U c de 20 a 3.
Fazcndas propri:is para a qisaresuia.
Moreantique preto em cortes, ditos de muito gosto para covados. grosdenaples pretos
de superior (jualidade.
Para hombros Capas pretas, casacoes, casaveques compridos, sotembarques, manteletes i!e pros, di
tos de m\, chales pretos depuip etc., etc, cipas de easemira com capuz, maateletes
d. casemira ricamente onfeitadps, clttpelinas de palha com veo, chitas, camhcaias, vesti-
dos para noivas, ditos de seda, vestidos de blonle com capella c manta a 180, de gros
branco ele,,etc., madapolSesdo73, 8fi, fl-5, 10-3 ll#e I2J, cambraias lisas muito linas
transparentes e tapadas a :t$, W, 3i, 65, "I 84 e 95 a peca, fazcndas de linho de todas
as qualidaies e outras muitas faiendas. ,
Proteccao. Protecco.
45;
45 Ra Direita
Oicam! oi^am !!!
CALCADO
Bom e novo, a primeira neeessidado para a sau-
de e aforraoseamento do individuo I
Meu Heos!... que ps de pavio se lobrigam por
essas ras 1 que figura horrenda e nauseante a
de um paletot bem talhado sobranceiro a um
gaedes toido em duas solas I um balo bem tor-
neado e bambaleante dcscubndo u na ponta de
botina safara e carcomida 11
Santa Barbara! I Corram ra Direita, bellas e
rapazes! sacudam na praia esses malditos guedes,
e compren) :
Borzegu ns de Xantes 8000.
Ditos francezes de bezerro 7>.
Ditos francezes para homeni 'i.
Ditos para senhora.de lustro, enfeitados, ofioOO.
Ditos para senhora, caspia alia, iaWOO.
Botinas de menina .V'M).
Ditas de -iores para menina ^WO.
Sapaliies de .N'ant'.s de duas solas o$.
Ditos de sola e vira VJoOO.
Sapatos 6e lustro para senhora 13.
Ditos de '.apele para hoinem e senhora 800 rs.
Ditos da liga coniiitucional 500 rs.
E um 'fortnenlo completo cm sola, vaquetas,
couro<, Iwzerro francez com) nenhun, couro de
lustro muito grande, e ti do quanlo pe Lence arle
de S. Chri.-pim.
a
&
O
ce
o
~>
0
o
P
W
o
p^
f
=-i
CHAGAS ANTIGS,
Rheumatsmo ChrorjcOj
DEBIUDADE SERAL,
Nerroeidade, Ncvniluias,
FALTA DE irWJBI, PASTO,
SPPRESSAO DAS REGRAS, ou
AMEPJORRHEA,
iffii, n fus euieul
Kcteiifiio das trinas,
KMACIACAO,
Ou (mmaffrecinu n to g* ral do carpo, prov-
n ."' "'" ilado vi so do sanyut,
mfLAMACES CHRONCAS,
Afec9es Chronicas do Figado,
A-- 1 \r COMO TODAS AS M.US SIMII.IIANTKS MO-
LESTIAS, l'KI.M II' \l \. NI i: IZANDO SAO
causadas, OU riinni'zmAS PELO MU
1IVKK USO DO MkUCCKIO OU
QUINIRO,
A^filrii romo Inmlrcitl pelo frcQiirille RM) .lo Alt-
SUNICO e iiiiini. prepiirii/rN .Miueruvm
TVadaa estas Enfennidades prompta e ccht.
mente cedem A benfica, poderoza e
purificantes qualidades da mui
justamente afamada
SALSIPiRRUM DR BROT,
5^800 a frasqaeira.
Caixinhas com ameixas francezas, ornadas
com ricas eslampas na caixa exterior,
muilopropasparamimo,a !#20i., 16300
Frasco de vidro com lampa do mesmo, con-
tendo meia libra de ameixas francezas, a
i#200.
Marmelada imperial, dos melhores conser-
vemos de Lisboa, em latas de I e meia a
2 libras a 600 rs a libra.
Fruclas em calda das melhores qualidades
que ha em lVi tugal em latas hermelica-
uiente lacradas a 300 rs.
Peras seccas muito novas a OiO rs. a libra.
Nozes muito novas a 1G0 rs. a libra.
Amendoas de casca molle a 400 rs. a libra.
Avelas muilo novas a 200 rs a libra.
Amendoas confciladas de diversas cores a
800 rs. a libra.
Salmo em talas, preparado pela nova arte
de cozinha, a 800 rs.
Maca de tomates em latas de 1 libra a G00
ris.
Chourioase paios em latas de 8 e meia libra
por 75.
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra e
8#G00 a arroba.
Bolaxinha ingleza a 320 rs a libra eji
barrica.
Sag milito novo a 240 rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 200 rs. a libra.
Farinha do Maranh5o a 120 s. a libra.
Araruta verdadeira a 320 rs. a libra.
Cevada a 120 rs. a libra e ?> a arroba.
Alpistaa 160 rs. a libra c 45800 a arroba
Batatas muito novas em gigos cora 40 libras
por IflSOO.
Cebollasa t# o molho com mais de 100 ca-
da um.
Caf lavado de primeira qualidade a 300 rs.
a libra e 95 a arroba.
qualidade, chegados ueste ultimo vapor, a
720 rs. a libra.
Queijos flamengos chegados reste ultimo
vapor a 25800.
Queijopialo muilo fresco en(voaG40rs.
a libra.
Caslanhas muito novas a 120 rt, a libra e
e 3IO0O a arroba.
Cha uxin o melhor que ha miste genero,
mandado vir de conla propria a 26800
rs. a libra.
Cha liyson muito superior a 2560 rs. a li-
bra ; cha byson proprio pa a negocio a
IJOO rs. a libra.
Cha preto muito superior a 23 i Kbra.
Biscoutos inglezes em latas com differentes
qualidades, como sejam craki el, victoria,
piquelez, soda, captain, secd, bornez e
outras muitas marcas a 1 .>:;." c.
Bolachinha de soda em latas glandes a 20.
Figos em caixinhas hermeticanente lacra-
das, muito proprias para mimo al6500.
Caixinhas de 4 e 8 libras de figDs de coma-
dre a 16 e 25 cada uma.
Passas muito novas, chegadas neste ullimo
vapor a 50o rs. a libra e 35 um quarto ;
e em caixa se faz abatimento
Ameixas francezas em latas de :neia a 3 li-
bras a 800 rs.
Champagne da marca mais superior que
tem vindo ao nosso mercado a 18.6 o gigo,
garante-se a superior qualidade.
Vinho Bordeaux das melhores qualidades
que se pode desejar de 75300 a 85000 a
caixa e 720 a 800 rs. a garrafa.
Caixas com vinho do Porto superior de 95
a lO&aduzia, e 900 a 15 a garrafa ;deste
genero ha grande porcao e do differentes
marcas acreditadas que j so venderam!
por 149 e 155 "a caixa, como st jam: Duque
do Porto, Lagrimas do Domo, D. Luiz,
Camoes, Madeira secco. Carca .ellos, Nc-
tar de 1833, Duque Genuino
Vinho de pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
400,480 e 360 rs. a garrafa, i) 35, 35200
e 36500 a caada.
Vinho branco de superior qualidade, vindo
j engarrafado a 640 rs. a gari afa e a 500
rs. de barril.
Os senhores que compraiera de 1005000 para cima, tero o descont de S por cento, pelo prompto pagamento.
Macas e perss chegadas neste ultimo vapor, Ca[ do CjjJ muil superior a 280 rs. a li-
muito perfeilas, s vista se faz o preco. i bra e 85400 a arroba.
Conservas inglezas cm frascos grandes a 730, Cafe do u,c, pmpno para nepocio, a 85.
rs. cada um. i Arroz do Maranhoa 100 rs. a librae i'680
t^rSPai PrtUgUeZaS em 'ataS dC: Arrozrrdtaava a 80 rs. a libra e.2M00 a
Ervilhas seccas muito novas a ICO rs. a Va,,A': ..___,, Kaa _. ,iKr,
,r Veilas de spermaceti a 560 rs. a libra e
Chocolate francez, o que ha de melhor Dttto Lj}?JSSlS,* n re m!.
genero, a 16200a libra. Iv^* *%c^^ refinada a 320 rs.omas-
Chocolale hespanho. a 15200 a libra I ^J (?^ 0' rs. o caixo.
Genebra de laranja em frascos grandes a 19. lMacarr30j [Mmm e aietria a 480 rs. a li-
Cerveja branca e preta das melhores marcas i bra ern caixa se faz abalmento.
S5r.?,!IOi?,?rCad0 50 rS" a 8 Estrellinha,pevideearrozdemassa para sopa
o Cognac inglez de superior qualidade a 800
e 16200 a garrafa.
Licores francezes das seguintes qualidades :
Anizele de Bordeaux, Plaisir des Dames Gomma ele engommar muito Bna a 80rs. a.
e de outras muitas marcas a 16 a garrafa jDra
e 106 a caixa. rjanha de porco refinada a 480 rs. a libra e
Marrasquino de Zara a 800 rs. a garrafa e 400 rs. em barril pequeo.
95 a duzia. Charutos dos melhores fabricantes de S. Fe-
Mostarda ingleza em potes j preparada a' lix, em caixas inteiras ou em meias, de
400 rs. 16600, 25 e 35.
Moslanla ingleza em p, em frascos grandes, Presuntos do reino, vindos "de conla propria
a 16 cada um. J de casi particular, a 400 rs. a libra; Btei-
Sal refinado a 500 rs. o pj)te. ro se laz abatimento.
Palitos do dente lixados com flor a 200 rs.
omasso, ditos lixados sem flor a 160 rs.
o raassD com 20 massinhos.
Cl
1
COMME


.
'?-
L
RA DO QUfilJIAIIO M. 45,
Pagando o becco da Congregado segunda casa.
I
iimu
NOVIDADE.
Pereira Rocn &C. acibam de abrir na ra do Queimado n. 45 un armazem de molhados denominado Clarim Commeniak
onde o respeitavel publico encoitrar sempre um completo sortimento dos melbores gneros que vem ao nosso mercado, os quaes
sero vendidos por precos muit) resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencionada ; garante-se o bom peso
e boa qualidade dos gneros comprados neste armazem.
o
Na ra das Cruzes n. 1, se dir quem vende
una taberna Ijcm afre^uezada para a trra com
poucos fundos e boa moradia para familia.
Luvas de pellica.
Chegaram para a toja d'aguia branca, ra do
Queimado n. 8.
Os cortinados do i*a vo.
Vendem-se ricos cortes de cortinados adamasra-
Vende-se o sitio denominado dos Arcos jnn- do^ proprios para janellas e camas pelo barato
to a igreja de N. S. dos Remedios, em chao pro
prio, com muilo boas trras de planta^-ao, e tam-
bea proprio para olaria por tir excellente barro-
rujo sitio foi do fallecido Cipriano Luii da Paz,
vende-se todo ou cm partes : a tratar na ruado
Encantamento n. II, ou na na do Seve n. 1.
FHrl %tt SI *|IO-
R.VN UK BOn I.OS'l'l i! '
Moiicniqui', tapas e soaieuiburque.
Joaquiro Rodilgnes Tavares de Mello acaba de
receber de Partsede sua propria encommenda um
completo sortimento do otranUque, capas e sou-
teinliari|ut para seohoras, fazenda a mellior que
tem vindo a este mercado, os quaes vende por mui-
to menos preco que em oaira qualquer parle : na
ra do Queimado n. 39, bja de 4 portas.
pr -co de 95 a prca : na ra da Imperatriz n. 60,
Io;a de Gama i Silva.
Pcclilncha do Pavo.
Para cortinadas a 15.
Vendem-se pejas de cassas adamascadas com
irdos floroeslendo G varas cada p.'ca pelo barato
A venda as boticas de Caors A Barboza,
na da Cruz, e Joo da C. Bravo & C, ra
da Madre de Dos.
^'eiula de urna kypothtcn,.
Os- liquida (arios da innssa fallida de
Jos Antonio Basto vcHdcm a livpolhe
ca qi le tem nos engenhos M. lio Gmsso
cCajabuss no icrmo deScrinhacm no
valoi r de 31:83H$911 rs.; Iralar as
casa: i a ma do Trapiche n. 34.
AGENCIA
DA
F ONDIGAO DE L0W-M00B.
Una da Senzalla nova o. 12.
Ni jste estabelecimento contina a liaver
um completo sortimento de moeudas e meias
preto d 4#, ditas com o varas a 3, sendo pro-1 U1U "T* u'"cuua^ ",c'
piias para janellas, camas, bercos etc., etc. : islo i moe nuM Para engenhe, machinas de vapor
s na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de 6 tai ;has de ferro batido e coado, de todos OS
Gima & Silva.
O Pavo vende as cambraias
a #500 e :ifi.
tam anhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
Vendem-se pecas"do cambrfias"brancas lavra- lav; ir roupa: em casa de S. P. Johnston A C,
a Nova n. 42.
da.1 proprias para vestidos tendo 8 1|2 varas a 3*V i ra da Senzall
diuscom6l|ia25'00, dilas ditas a 3300, 44 '---------=-----=-
e "io00, isto pechincha : na loja de Gama &\ ~ "end
Silva, ra da Imperatriz n. 60.
em-se calses vasios a
i i f e 75500 cada um com o garrafu.
Atroz do Maranho, da India e Java a 80 e
100 rs. a libra e 25400 a 25SOO rs. a ar-
roba.
Ameixas francezas em latas e (m frascos a
15200e 15600.
Amendoas com casca muito nov; s a 280 rs.
a libra.
Alpista a ICO rs. a libra e a 45(00 rs. a ar-
roba.
Azeite doce francez muito fino em garrafas
grandes a 900 rs. a garrafa.
dem de Lisboa a 040 rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de mataran: a 320 rs. a J
libra.
Avelas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Batatas-muito novas a 40 rs.
Biscoutos inglezes de diversa; marcas a
I >:00 ris.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 25 rs.
a lata.
Ditas inglezas muito novas a 35)00 a barri-
quinha e 200 rs. a libra.
Itanha de porco refinada a 440 rs. a libra e
e em barril a 4i 0 rs.
Cha hysson, liucliiii e pcrola a 15000, 25,
2IQ00, 25800 e 3#0O0 a libra.
dem preto muito superior a 2,'000 rs. a li-
bra.
Cerveja preta e branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
e 54800 a Cognac ingle/, lino a 900 re. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco.
dem, soda pepino, a 720 rs.
dem, s de a/eitonas, a 70 rs
Charutos dos melhores fabricantes da Rabia [jern regular a oOO rs.
e especlaJment da fabrica imperial de Massas para sopa : macarro, talharim e ale-
Candido Felicita Jorge da Costa, a 15800, j tria a 480 rs.
oSS m0' Um> 3*>zes muito novas a 160 rs. a libra.
Caf do Rio muito superior ; 200, 280 e Peixe em latas preparado pela primeira arte
300 rs. a libra e 7t?oOO, 85 80800 rs. a, de ttinha a 15 rs. a lata,
arroba. Palitos de dentes a 160 rs. o masso.
Chouricase paios muito novos a 800 rs. a Palitos de dentes a 120 rs.
libra. dem de llr a 200 rs.
Cevadinha de Franca muito superior a 220 Palitos do gaz a 2200 rs. a grosa.
rs. a libra. Passas muito novas a.480 rs. a libra.
Cevada a 80 rs. a libra. Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra.
Ervilhas portuguesas a 640 rs. a lata. Painco a 200 rs. a libra.
dem seccas muilo novas a 200 rs. a libra. Queijos flamengos do ultimo vapor a 25400
Figos de comadre e do Douro em caixinhas| ris.
de oitu libras o canastrinhas de 1 arroba a Idemprr.toa 040 rs. a libra.
158O0, 55500 e 280 rs. a libra. Sardinhas de Nanles a 32" rs.
Farinha do Maranho a 120 rs. a libra. I Sag muito alvo e novo 11 200 rs a libra.
Farinha de trigo a 120 rs. a libra. j Tourinhc de Lisboa a 320 rs a libra.
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD Tijolos de limpar facas a 140 rs.
a 560 rs. o Irasco e 65200 rs. a frasquei- Vellas de carnauba pura a 360 rs. a li-
ra, bra.
dem emgarrafoes de 3 e 5 galoes a 55500 dem stearinas muito superiores a 600 rs. a
libra.
Gomma do Aracaty a 80 rs. a libra.
Graixa a 100 rs. a lata e 15100 rs. a duzia.
Licores muito Pinosa 700rs. a garrafa,
dem, qualidade especial e garrafas muito
grandes, a 10800rs. agarrafa,
dem garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, garrafa forma de prae rolha de vi
dro, a 15000 rs., s a garrafa vale o 480, 500 e 500 rs. a garrafa c 35, 35500
Vinho do Porto engarrafarlo o melhor que
ha neste genero e de varias marcas, como
sejam : Velho do 1815, Duque do Porto,
Madeira, I). Pedro, D. Luiz I, Maril Pa,
Bocage, Chamisso e outros a 800, 900 e
15000 a garrafa, e em caixa com uma du-
zia a 9;>000 e 105000.
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
barrada de pouco a 800 rs a libra, e de 8
libras para cima sefar nina differeoca.
IdiMii franceza muito nova a B60 rs. a libra,
e em barril ter abatimento.
Massa de tomates cm barril a 480 rs. a li-
bra.
dem em lata a 040 rs.
Marmelada imperial dos melhores construi-
ros de Lisboa a 00o rs. a lata.
Marrasquintio de Zara, frascos grandes, a
800 rs.
e 45 a caada.
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa.
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700
c 800 rs. a garrafa, e 75000 c 75500 rs.
a duia.
dem Morgaux eChateauluminide 1854, a 15
a garrafa,
dem moscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs, a garrafa e
I -200 rs. a canada.
Kjrsk garrafas muito grandes a 15800 rs.
Alm dos gneros cima mencionados te-
mos grande portfo de outros que deixanos
de mencionar, e que tudo ser rendido por
pecas o carnadas, tanto em porcoes como
relalho.
Quem comprar de 1005000 para cima te-
r o abale de 5 por cento.

m^mKmmmi


Diarla de Pernambuco *egiuxl i felra 22 de JFevereli'O de 1961.
tf
VTTENCAO
O li11U.O BO i AHUO 9
GRANDE SORTIMENTO
DE
Pfi
PAR A FESTfl.
DUARTE & C.
Partieipam aos seus numerosos freguezes e ao publico em geral que acabam de
roceber do sua propria encmmenda. o mais lindo e completo sortimento de molhados,
os quaes vendem por grosso e a retalho ixir menos 10 por cento do que outro qualquer
annuncianto, como vero pela seguinte tal* Ha que abaixo "notamos, garantindo os mes-
mos proprietarios nao s o peso como a qualidade de seus gneros.
I VINO.
Todos os senhores que comprarem para negocio ou casa particular de 1005 para
cima terao raa\s 5 a 10 por cento de abatiniento, os proprietarios scientificam mais que
Ddos os seus gneros sao recebidos de sua propria encommenda, razo esta para pode
^eader por muito menos do que outro qualquer estabelecimento.
Vellas de carnauba e composicio de 32o a
36o rs. a libra e de lo,ooo a ll.oeo rs. a
arroba.
cono MUMCA ISOlVI
NO
ABMAZEM
ATTENCAO
AOS
IO
i lado armazem
IO IAKCO II % PEMA
Francisco Fernandes martc dono deste muito acre
de molbados, acaba de receber neste ultimo vapor os mui desejados geDeros escolhidos
por elle na Europa, todos muito proprios para a festa os quaes est reslviio a vender por
precos baratissimos como vero pela seguinte tabella, e mesmo pede a todos os Srs. da
pra'.';i, de engenbo e lavradores para que mandem suas relaces para ser }in despachadas
DO
PROGRESSISTA
Kt.l IM* i IIi rES a. :ic
E
REA DO CRESPO N. 9
Ufo balrro de Manto Antonio.
lonqnini Jos Ooiues de Souxst tem a honra do participar ao respe-
o armazem do Progresso do largo da. Peuha n. 10, afim de verem a g ande vantagem l^'cl publico, que tem resolvido venderos seus gneros de primeira qualidade por meno
que tiram, tanto na superioridade dos gneros como nos precos asss resumidos, ,0 a 20 l)0r cent0 do que outro qualqoer annunciar, como se v do presente armuncio.
os Srs. que nao poderem vir poderiio mandar seus portadores anda que Dio tenham pra- a*seerando o proprietario d'estes armazens a aquellas pessoas que frequentarem estes
tica, que sero to bem servidos como se viessem pessoalmente. estobelecimontos, que nunca terao occasiao de reclamar qualquer genero, visto ter-s-
O interesse que tira o proprietario deste acreditado armazem, j d ve ser bem co- ']dP,?do n estos eaaai ptimo sjstem de s M negociar cora gneros especialmente e>
nhecido pelos seus numerozos freguezes, pois simplesmente consiste em servir bem e ga-
nhar pouco, alim de conseguir a continuacao daquellas pessoas, que a primeira vez se dig-
narem honrar o seu estabelecimento.
Queijos flamengos chegados neste ultimo Ara ruta verdadera a 32o rs. a libra,
vapor a 2,ooo rs.
dem do vapor passado a 1,8oo rs.
dem prato muito novos e de superior qua-
lidade a 4oo rs. inteiro, e a 5oo rs. a
libra.
Doce de goiaba fino em caixes com 2 ','s
libras por 6oo rs.
dem mais baixo a 54o rs.
Manteiga ingleza flor a mais superior do
mercado a 72o rs. a libra.
colhidos.
CHA
hysson, uxim e perola a 2.400, 2,600 o
2,800 rs. a libra.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa CAFE
a 12o rs. a libra. muito superior, do Rio e do Cear a 8,000
Sag muito novo alo rs. a libra. c 8'400 a ara"b; c 3(X> ti. a libra.
Sevadinha de Franca a 2oo is. a libra YINHO
Sevada muito nova a loo rs. a libra. ae Lisboa e da Figueira a 3,500 e 4,000 a
Cominhos, ervadoce e pimenta do reino a a caada.
36o rs. a libra. f do Porto engarrafado de diversas marcas a
Genebra de Hollanda a 5,5oo rs. a frasquei- 4.000 rs. a garrafa.
ra com 12 frascos,
cada um.
c a retalho a 5oo rs.
Manteiga ingleza flor a 800 rs. a /ibra.
Castanhas mulo novas a 2,000 rs. a caixa, e
a 16o rs. a libra.
Ilotinbo francez e em caixinhas de 7oo 1
1,590 rs. cada urna.
dem franceza a mais nova do mercado a 56d
rs. a libra, e 54o rs. em barril.
dem de pon refinada muito alva 46o r.
a libra.
Pre/.uatapara fianbre a 800 rs. a libra.
Sha uxim iniuJinho vindo de conta proprio,
o meliio" do mercado a 2,8oo rs. a libr;..
dem liysoii de superior qualidade a 2.600 r;.
a libra.
dem perola o melhor que se pode desejar a
2."00 rs. a libra,
dem pretr muito fino a 2,5oo rs. a libra,
dem mais baixo pouc a 2,000 rs. a libra,
dem mais baixo a 1,800 rs. a libra.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
440 rs. a botija, e em duzia ou em barrica
ter abatimento.
Massas para sopa macarro, talharim e aletria
a 48o rs. a libra e em caixa ter abati-
mento.
dem estrellinha, rodinha epevideem caixi-
nhas de 8 libras, muito bem enfeitadas de
2,5ooa 3,5oo rs. a caixinha e a 600 rs. a
libra.
Doce de goiaba em caixas de diversos tama-
itos de 600 a l.ooo rs. o caixo.
: Sabo massa de 2oo a 24o.rs. o melhor, em
caixa terabatimpnto.
i dem hespanhol a 28o rs. a libra.
I'-'ve em latas muito novo ; savel, pescada,
dem de segunda qualidade a 64o rs. a libra. dem em botija hamburguesa a 4oo rs.
Manteiga franceza de primeira qualidade a
56o rs. a libra, e 52o rs. em barris ou
meios.
Cha perola neste genero nao ha nada a de-
sejar, e de especial qualidade, mandado
vir de conta propria a 2,8oo rs. a libra.
Genebra de laranja a 1 ,ood rs. os frascos
grandes.
Vinho de caj o melhor qu3 ha no mercado
a 1,000 rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,3oo rs. groza e 2o rs.
a caixinha.
corvina, salnio e outras militas qualidadcs
V.nho do Alto Douro vindo do Porto engai- prepara(la de escabeche 2 a arte de cosi-
rafado girante-se a superioridade deste v:- nha de joo a 4 8oo rs a |ata_
nbo, das segrales marcas : Duque, Ge- Figos em caixas de 1 arroba, 2 e 8 libras
nu.uo, ve lio secco, especial lagrimas do- a 8>000 4 000 e 2 rs a ^sinta.
es de 1819 yinho especial D. Pedro V., Biirris de'vinho branca de quinto, marca B
vinho ve ho, Nctar superior de 1833, Di- Filho a G0)0oo rs. o barril.
que do Porto de 1834, v.nho do Porto ve- Marmelada imperial dos ra-lhorcs conservei-
!ho superior, raadeira secca de saperia- ros (Ie Lisboa a 0io rs. a, ,tinnauc ibra(
qualidade, vinho do Porto superior D. Lu- na latas de 1 e 2 libras
847, lajrr mas do Douro espe- 'Massa de tomalc em latas douradas de 1 libra
cial, vinho do Port.i de l.oooa l,2oo n.
a garrafa 3 de lo.ooo a 14,ooo rs. a cai.\a
com urna duzia.
3o!achinha de soda especial encommenda e a'
miis nova que ha no mercado a 2,2oo rs. a
., .: ,. : dem em frascos cora tampa de rosca a l,6oo
li'scoitos m^lezes das memores marcas em rS- 0 frasco
libras a l,3oo rs. a lata. Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
a Oio rs. a lata.
Ameixas francesas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas de 1,000 a 3,000 rs. a
caixinha, tambeln ha latas de 1 lf a 6 li-
bras de l,2oo a 4,5oors. a lata.
dem huxim o melhor do mercado a 2,6oo dem de dentes lixados a 16o rs. o maco com
rs. a libra. 2o macinhos.
dem de segunda qualidade a 2,ooo rs. a Enilhas seccas chegadas neste ultimo navio
libra. a 16o rs. a libra, e em porcao se faz aba-
Idem hysson muito superior a 2,5oo rs. a li- timento.
bra. Banha de porco refinada a 80 re. a libra e
dem preto hemeopathico muito fino a 2,ooo j 42o rs. em barril.
rs. a libra. 1 Vinho branco de superior q ahdade proprio
Bolachinha de soda chegada neste ultimo para missa a 6io rs. a girrafa.
navio a 1,35o rs. a lata, deste genero ha (Ameixas francezas em caiunhas elegante-
grande porcao e de differentes marcas, mente enfeitadas com ticas eslampas a
que se vendem todas pelo mesmo preco a l,2oo, l,5oo e 2,ooo rs. cada urna.
vontade dos compradores. dem francezas em frasco de vidro com tam-
Iem em latas.grandes a 2,ooo rs. pa do mesmo contendo 1 libra a l,2oo
dem propria para hinche em latas grandes rs. s o frasco val quase o dinheiro.
a l,9oo rs. i dem em latas de 2 Ulnas por l,4oors.
I Marmelada imperial dos melhores fabrican-' a retalho, e a 800 rs. a I bra.
tes de Lisboa a 64o rs. a libra. Figos de comadre muito rovos em bahuzi-
Frutas em calda em latas de l.ooo a 5oo rs.,' nhosmuito proprios par; raimo al ,28o rs.
neste genero ha diversas qualidadcs a es-, dem em caixas para re albo a 160 rs. a
colher. libra.
Champanha superior das marcas mais acre- Passas de carnada a 48o is. a libra e em
ditadas a l,5oo rs. a garrafa e 15,ooo rs. quarto com 8 libras por 2,5oo rs.
o gigo. Bolaxinhas inglezas de superior qualidade a
Serveja das melhores marcas que vem ao 2,000 rs. a barrica, e a 2oo rs. a libra.
mercado a 000 rs. a garrafa e a 5,ooo rs. Chocolate francez o melhor que se pode de-
a duzia sejar neste genero a l.ooo rs. a libra,
dem prcta superior a 56o rs. a garrafa e a Macas para sopa estrelinha, pevide, arroz de
5,4oo rs. a duzia. rafea a 48o rs. a libra, e em caixa a 2,ooo
Vinho Bordeaux de differentes marcas, e as
melhores do mercado a 7,000, 7,5oo e
8,000 a caixa com urna duzia, e em gar-
suisso a l,2oo rs. a libra.
Conservas inglezas das seguintes marcase
Mixde-Picles e cebollas simples a 75o rs
o frasco.
Ancoretas de vinho colares
a 72o rs. a garra f
a 5o,ooo rs., e
s craknel era latas de 5 e 7 libras
de 5,000 a 6.000 rs. a lata, e em libra a
H,x) rs.
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
a 2,5oo rs. cada um.
o prato a 7oo rs. a libra.
Vinho em pipa das mais acreditadas marc is Sardinhas de fiantes a 32o rs. a latinha.
como sjjamBA F., PRH, JAA, outr.is Charutos das mais acreditadas marcas de
militas marcas. Porto, Lisboa e Figueir, ; 2.5oo a 4,000 rs. a caixa.
de 48o, ooo, 56o, 64o e 800, rs., e o do Champagnhe a melhor do mercado de 12,ooo
i?o lino em garrafa, e em esnada a' a2i,ooors. o gigo, c de l,2ooa2,ooors. a
3,ooo, 3,5oo, 4,oeo e 6,5oo rs. o melhDr garrafa,
do Porlo. Papel greve pablado ou liso a 3,5oo rs. a res-
idem Bordoaux das mais acreditadas marcis
a 7oo rs. a garrafa, e a 8,000 rs. a cai>a.
rafoes com 5 garrafas de superior vin io
do PorLo a 2,2oo rs. com o garramo.
dem aim 5 garrafa di vinho da Figueira. mais
proprio para a nossa estaco por ser mais
fresco a 2,4oo rs. com o garrafao.
raa.
dem de peso paulado ou lizo de 3,5oo a
4,000 rs. a resma.
Gomma muito fina e alva a 80 rs. a libra.
Mi I ho alpista e painso de 16o a 2oo rs. a li-
bra.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a grosa e 2oo rs. a
dem core 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs. duzia.
com o garrafao. iVasos m.S'e5es de 4 a 16 libras vastos, muito
Vinho brando o mais superior que vem ao
nosso mercado a 56o rs. a garrafa, e a
4.3oo rs. a caada.
^elas de esparmacate as melhores neste ge-
nero de 060 a 64o rs. o maco, eem cai-
xa ter grande abatimento por hacer
grande porcao.
\zeite dece em barril muito fino a 64o rs.
a garrafa e 4,8oo a caada.
proprio para deposito de doce manteiga
ou outro qualquer liquido de 1,000 a
3,ooo rs. cada um.
Licores das melhores marcas c mais finos
a 1,00o rs. a garrafa e em caixa ter abati-
mento.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa
e lo,5oo rs. a caixa.
Chouricas as mais frescas do mercado a 800
rs a libra.
rs. cada nma, macarrao, talherim, e ale-
tria a 4oo rs. a libra.
Amerabas de casca mole a 4oors. a libra.
rafas a 64o, 7oo e 800 rs., garante-se a'Avelans muito novas a 2oo rs. a libra.
boa qualidade. jErvilhas francezas muito novas'em latas
1 dem Figueira de superior qualidade a 48o! grandes a 64o rs.
rs. a garrafa e 3,000 rs. a caada. | dem em ditas pequeas a loo r&.
dem de Lisboa a 2.800 rs. a caada e 4oo Maga de tomate em latas de 1 e' 2 libras a
rs. a garrafa. j 64o rs.
dem do Porto de superior qualidade para Salmo em latas de 1 '/a libra a 800 rs.
mesa a 560 rs. a garrafa, e 4,000 rs. a ca- Lagostinho em latas granc'es a tr4oo rs. ca-
ada, da nma.
dem fino do Alto Douro da colheita de 1833, Sardinhas de Nantes a 36) rs. a lata.
como sejam: 1). Luiz, Feitoria vclho, Nec-Cognhac inglez a 800 rs. a garrafal
tar, Carcavellos e Cambes em caixa de' Licor francez das melhor s marca do mcr
urna du/.ia a 9,ooo rs. j cado a 800 rs. a garrafa.
Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto Batatas chegadas neste ultimo navio em cai-
a l,ooo rs. a garrafa e lo.ooo rs. a caixa. J xa com duas arrobas pir 1,6oots., e 4o
Duque do Porto, Madeira secco, duqtie ge- rs. a libra.
nuino, lagrimas doces a 9oo rs. a garra- Concervas inglezas a 75o rs. o fraseo.
fa e 9,5oo rs. a duzia. Sal refinado em potes a 5io rs. esda um.
Garrames com vinho do Porto a 2,2oo rs. Mostarda ingle-.a a l,ooo rs. o frasco.
cada um. | dem franceza a 4oo rs. o pote.
Bord.-aux de diversas qualidades a 7,000,
8,000, 9,000 e 105 a duzia.
CHAMPANHE
a melhor que temos neste mercado a 20,000
rs. o gigo.
CERVEJA
muito superior a 5,000, 5,500 e 6,000 rs. a
duzia.
GENEBRA
de Hollanda em frasqueiras a 5,500 e 00
rs. q frasco.
BOLACHINHA
de soda em latas grandes a 2.000 rs. cada
urna.
inglezas em barricas a 4,000 e 240 rs. a
libra.
B1SC0UT0S
em latas de todas as qualidades, a 1,300 rs.
cada lata.
ARROZ
da India e do Maranho a 2,600 e 8,000 a
arroba e 100 rs. a libra.
CEVADA
muito nova a 2,300 a arroba e 100 rs. a
libra.
QUEIJOS FLAMENGOS
viudos no ultimo vapor, sempre por menos
100 rs-. do que outro annunciar.
GOMMA.
muito superior em saceos com quatro arro-
bas a 2,000 e 100rs. a libra.
CASTANHAS
piladas muito novas a 320 rs. a libra.
PASSAS
as mais novas do mercado a 8,000 a caixa e
e 500 rs% a libra.
AMEEU8
francezas em lalas de I e l|2 libra a 1,600
rs. a libra.
SARDINHAS
de Nantes muito novas a 300 rs. a lata.
:dera francez refinado a 800 rs. a garr fa. Genebra de laranja em frascos grandes a
Erv'dhas francezas epurluguezas a 64o rs.a l.ooo rs. o frasco.
Serveja das mais acreditadas marcas de
.'i.."ioo a 6,r;oo a du/.ia e de mais a 5oo rs.
a garrafa.
, dem em botijas a mcias, sendo preta da
muito creditada marca T de 6,5oo a 7,8oo
rs. a duzia.
Ceblas era mullios grandes a 800 o molho
640 o cento, e a C,5oo rs. a caixa
Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
Farinha do Maranho a 14o rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 16o rs. cadaum.
Cominho a 4oo rs. a libra.
Erva doce a libra.
Canella a l,ooe rs. a libra.
: citas eom doces seceos de Lisboa de .'00
a 3,500 rs. cada ama.
i .ujinhe deLisboa a 3oo rs. a libra, e a
9,000 js. a arroba.
s muito novas a 16o rs. a libra e 4,8oo
rs. a arroba.
'.af de !.*, 2.a e 3.1 qualidade de 26o, 3oo
e36ors. alibra, do Cear de 7,8oo, 8,600,
e 9.2oo rs. a arroba do melhor.
vrro/. da India, Java eMaranho de 2,8o5 a
:i,ooo a arroba, e de 80 a loo rs. a litra.
1 ssas muito novas a 8,000 a caixa e ioo
a libra, ha caixa} meias e quartos.
vadinha de Franca a 24o rs. a libra,
^ag muito novo a 28o rs. a libra.
i Batatas a l.ooo rs. o gigo com 32 libras liqui-
das e 3,000 rs. a caixa de duas arrobas.
Vinagre de Lisboa de superior qualidade a
2oo rs. a garrafa e l,2oo rs. a caada.
Azeite doce refinado em garrafas grandes a
800 rs.
dem de Lisboa a 64o rs. a garrafa, e em
caada a 4,800 rs.
Presuntos inglezes para fiambre a 7oo rs. a
libra,
dem de lamego encommenda particular a
48o rs. a libra, e inteiro se faz abatimento.
Toucinho do reino o melhor do mercado a
320 rs. a libra, e em arroba a 9,ooo rs.
Velas de espermacete de 4, 5, e 6 por libra
a 560 rs., e em caixa se faz abatimento.
dem de carnauba refinada a 32o rs. a libra
e 9,ooo rs. a arroba.
dem de carnauba pura do Aracaty a 4oo rs.
a libra e lo,5oo rs. a arroba.
Qomma muito fina e alva a 80 rs. a libra.
Mtlho alpista a 16o rs. a libra e 43oo rs.
arroba.
Graixa muito nova em latas granel a 120
ris.
Latas com peixe em po.'ta erraet ament
lacradas (las melhores malidadet-dt pei-
xe que ha em Portugal 1 1,2oo rs.
Caf lavado de Ia qualidale a 32o ij.-, dito
de 21 a 28o rs. a libra e 8,2oo rs a arro-
ba, dito de 3* a 26o rs. a libra c*-7,8oo
rs. arroba.
Charutos suspiros dos milhores fab:icantes
de S. Eelix a 2,5oo rs. a caixa cen loo
charutos,
dem finos de diversos fabricantes a li6oo.
l,8oo e 2,000 rs. a caita com loo am-
tos, |o preco nao indita a boa quotdade
porra deem-se ao tratalh de vi m ou
mandarem e vero a readade.
38RA DO IMPERADOR38
\
Agua naii'-al de (ondllar.
1 re - prot'Tiedades alcalinas, c. o acido carbnico que naturalmente contm em suspenso, de proco
commodo que a agua de Vichy, e de propriedndes talve superiores pela grande quantidade de
ca bonico. Injrcro flrou, agua d le Cheelvu, cupaliiba de Mcge, injecqao Fugas de talo
too, muilo recommendada as pjonorrlvas. Lermy francos verdadeiro ; a mesnia casa tem
; caixas de instrumentos cirurgiros pira operacoes de Malieu e Charriere.
FARINHA FONTANA.
Far nha di muito acredita n marca
xitaiia cesemliarcaba hoje, vemie-se
r pi eco mais commodo do mu em
.lalquer nutra parte : na ra da Cruz
4 casa de N. 0. Bieber & C. suc ces-
res.
Ferros i vapor.
leram-se os iicredita-los forros vaj.nr :
11J). u rualdo Quehu.i'lo n.:(i,.Uevedo & Irmao
GtLDEMSROt
Vcn1ein-se barris com cal des-
tu procedencia, em pedra, chega-
da hoje, e unir nova, que ha no
mercado, na rna loTrapichen.
l'.I, armazem de .flanocl Tclxcl-
ra Basto.
Vendo-so um cabriole! americano de duas
rodas, com coberta, e os competentes arreios. todo
muito bem aconlicionado : na ra da CadWa nu-
mero 24.
POR ME\OS DE DEZ POR CINTO.
NO
CONSERVATIVO
CONSERVAS
inglesas a 8,O0 a duzia e 760 rs. o fraseo.
SAL REFINADO
em faseos de vidro com tres libras a 600 rs.
PEIXE
em latas emticamente lacradas a 1,000
rs. cada urna.
PORVOS
do Porto mailo bem conservados a 3001$,
a libra.
MUSTARDA
preparada muito nova a 400 rs. o frasco.
MARMELADA
dos melhores conwveiros a 640 rs. a libra.
ESPERMACETE
muito superior a 5G0 rs. a libra, e em caixa
a 550 rs.
CHARUTOS
da Bihia a 1,600. 2,00, 3,000 e 4,000 rs.
a caixa.
TOUCINHO
muito novo a 9,000 rs. a arroba e 300 rs. a
libra.
ERVILHAS SECCAS
as mais novas do mercado a 120 rs. a libra.
PALITOS PARA MESA
muilo bem feitos a 160 rs. o maco.
VLNAGRE
de Lisboa PRH a 240 rs. a garrafa e 1.600
rs. a canada.
AMENDOAS DE CASCA
as mais novas do mercado a 240 rs. a libra.
FARINHA DE ARARUTA
veriladeira e muito nova a 400 rs. a libra e
10,000 rs. a arroba.
ERVA DOCE
muito nova a 300 rs. a libra e 9,000 r. a
arroba.
COMINHOS
os mais novos e mais superiores a 400 r. a
libra.
NOZES
muio novas a IOO a libra e ->,000 rs. a ar-
roba.
SAG
o meihor que pfe haver neste genero a
2>0rs. alibra.
MASSA DE TOMATE
em latineas de 1 libra por ttOO rs. a lata.
SARAO MASSA
nete genero ha sempre um grande sorti-
mento variando o preco de 120 a 240 rs.
por libra.
DE
mus JlT*JBM{?10 ?
Existe afmd'estes- gneros, um expandido sortaaento de phosphoros, ftimo, al-
pista, peras em calda e seccas. figos, copos, irnos para agua, massas para sopa, azeite, ca-
nella, pimenta, velas de carnauba, banha de porco, papel, eoulros nsitos genero*) de es-
tiva, que todos sero vendido* por mdicos presos.
Tendo o pjoprietario dt*- annazens *h progressfa deliberado- no coacordar
com a liga da Unir Commercialr Clarira, Allianca, etc., lia;, etc., declara que s> >on-
corslaera alliar-se aos seus fregueses, fazendo com estes un liga de ntresses recipro
tendeos seus aUiacbs-a faculdade de comprarern por prei.osmuito em tonta o born-fiam-
bre,- o formidavel queijo e a sabe-rosa bolacbiita de solar que fazem urna boa allianca
coma superior champanhe e o porto* lino, nicos que sabera imitar a unio destes ar-
masen com os soi->concurrentes^ Vinde, senhores, ais armazens, aonde podis-dcu-
tre u*n-muito expleiHdo sortimento- desaboro-ios alimentas, escolheudes os quemis
vos-apetecer, cortos de que nano tereis occasifio de arrepender-vos de- gastar e< vosno
dinlitie- nestes estabelecimentos.
mmmmmmmmmmmmmmmm^mmmmmmmm
ROPA FEITA
NO
AI1AIII
DE
LSTREIRO VERJOS.
Neste estabetecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feto de
* todas as qualidades, tambera se manda faaer por medida, vontade dos eooxor-
^ rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim con tambera lera um
'& grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para seab Casacas de panno preto, 350 e 305000
Sobrecasacas idem, 305 e 250000;
Paletos idem e de cores, 255,
205, 155 e......I05000|
Ditos de casemira, 205, 155.
125, 105 e...... 75000
JOAQUOf SIUAO llOH AUTOS
23-Largo do Teroo-2;3.
O piioprielario deste armazem de motilados vende os seus j bem conhe idos gneros d. i pri-
meira rjualidado por menos de dez por cento do (jue em outra ijualquer parle, aiantiiido-se a supe-
rior (|ualidade.
Nao se diz o prero paa na rspanlar.
VIhi das melliores marcas.
Manteiga ingleza flor.
dem franceza.
Banha de porco retinada.
Vellas de spermacetc.
dem de carnauba.
Caf liom do Rio.
dem superior do Cear..
Toucinho de Lisboa.
Cha de diversas qualidades.
Queijos novos do vapor.
Milho alpisla limpo.
Gomma deetigommar riva.
Sabio de diversas qualidade.
Chourifas muito novas.
Arroz de diversos precc*.
Srr.-i'ja das melhore marcfs.
Sardinhas de Nanles MTae.
Genebra de laranja saperia,
dem do Hettnda nara G lo.
PhospboAM do paz.
Ilolachinha ingleza em barri as
Passas muio novas.
Figos de primeira QOaKdadf.
Bixcofllos o lio!;ii-hinlias de soda.
Ditos de setim preto. .
Ditos de ditos e seda branco,
65 e.......
Ditos de gorguro de setla
pretos e de cores, 65, 55 e
Colletes de fusto e brim bran-
75,
Ditos de alpaca, 55, 45 e
Ditos ditos pretos, 95,
55. 45 e......
Ditos de brim e ganga de co-
res, 45500, 45. 35500 e. .
Ditos branco de linho, 65, 55 e
Ditos de merino preto de cor-
dao, 105, 75 e..... 55000
Calcas de casemira preta, 125,
35500: co, 35500, 35 e
35300
35000
45000
Seroulas de brim de linho,
25400 e ......
Ditas de algodo, 15600 e. .
Camisas de peitos de linho,
4,5, 35 e......
, Ditas' de madapolo, 25500,
25e........
Chapos de massa, pretos fran-
105, 85 e......75000 cezes. 105, Oe.
Utoo
15400
25500
15600
85500
25000 g
Charulos de diversas quali'la!> 3.
Alm'dos gneros annnnciados existem oulros mnitos que enfadonho nencio:ia-los, a diu hi-i-
ro contado.
GLOBOS
Vendem-se globos de barro vidrado da fabrica
de Santo Antonio no Porto, proprios para jardim e
I frentes de cnsas : na ra do Amorim n 46.
Farinha superior de >anta Cathai ina.
Vende-se em porcao 011 a retalho, a Jiord' > da
barca Iris, atracada ao trt piche do laro do J,i-
vramento, ou no escriptoiio de Antonio Luiz : de
Oliveira Azevedo & C, ra da Cruz n. 1.
75000 Ditos defltro, 55. 45,35500 e
Ditos de sol, de seda, 125,
45000 115, 75 e......65000
I Collarinhos de linho fino, ulti-
45000 ma moda....... 640
Sortimento completo de grava-
25500 tas. 5
25500,Toalhas parroste duzia, lltf,
75000
Ditas de cores, 95, 85 e.
Ditas de meia casemira de co-
res, 55O00e.....
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 455O0 e. ,
Ditas de brim branco e de co-
res, 55, 45500, 45 e .
Ditas de ganga de cores. 35 e
Colletes de velludo preto e de e....... .
cores, 05 e. ..... 75000 Chapeos deso, de alpaca pre-
Ditos de casemira pela, 55 e 45000 tos e de cores.....45000
Dito5 de ditas de cores 55 Lences de linho.....35000
45 o........35500 Coberlas de chita chineza.. 25000


Diario de PcroMnlsraco Segnnda felra le rever'! de 18C4.


*
\

ALLIANCA
grande
57 RA DO IMPERADOR 57
Na bem couhecida loja que foi do Sr. Flix alfaiate.
Pamlo Ferrelra da Silva p'oprietaiio deste novo estabelecimento, tendo
chegado da Europa, aonde escolheu um grande'e variado sortimento de molhados, tem
a honra de os expor ao respeitavel publico Em tito ptima oceasio, por eslarmos prestes a festa de Natal, o proprietario do
grande arnazem Allianca offerece aos seus amigos e freguczes que o conhecem desde
quando foi socio dos armazens Progressivo e Progressista as maiorcs vantagens em com-
prarem em 9eu armazem.
Hoje de novo estabelecido mais precisa da concurrencia de todos estes senhores
ao seu estafcelec ment, certos de que esta casa jamis deixarD de ser cumpridas as
grandes vartagens por cHa olfereadas.
Majaes de lo a I6u rs. cada urna. Bolachinha de soda e lunch em latas grandes
Mjnteiga maleza a mais. superior neste ge- a 2,ooo rs. cada lata,
ero a 800 rs. a libra, e comprando de 8 Cognac de superior qualidade a 800 rs. agar-
librsis para cima a 72o rs., esta a mais rafa.
superior que pode haver, tambem ha mais dem muito superior a l.ooo rs. a garrafa,
baixas para menos procos. Caf a 28o e 32o rs. a libra, e a 8,000 e
dem franceza muito nova a 6o rs. a libra 9,ooo rs. a arroba.
Ceneja das melhores marcas do nosso mer-
cado de 5,ooo a G,ooo rs. a duzia, e 000
rs. a garrafa.
Consenas inglezas a 75o rs. o frasco e 8,600
i rs. a duzia.
Doce em calda a 64o rs. a lata.
Ervilhas francezas muito novas a 64o rs.
dem portuguezas a 72o rs. a lata.
dem seccas a 2oo rs. a libra.
a 32o
e 54o rs. em barris ou meros.
Peras seccas muito novas a 48o rs. a libra.
Cha perola de especial qualidade a 2,8oo rs.
a libra.
dem hysson muito superior a 2,7oo rs. a
libra,
dem uxim a 2,5oo rs. 1 libra,
dera hysson a 2,3oo rs. a libra,
dem idem a 2,000 rs. a libra,
dem preto de qnalidaoe muito especial a Bassouras do Porto com arcos de ferro
2,006 rs. a libra. rs. cada urna.
dem idem inferior a 1,600 rs. a libra. 1 Vellas de espermacete da melbor qualidade
Chocolate francs, hespanhol e portuguez, a j a 50o rs. o maco.
Ooo e I,2co rs. a libra. j dem de carnauba e composico a 32o e 36o
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia rs. a libra e 10,000 rs. a arroba.
e de qualidades especialmente escomidos, 'fijlo para limpar facas a 12o rs. cada um.
de 2,000 a 4,5oo rs. a caixa. I Toucinho de Lisboa c Santos a 320 rs. a
Farinha do Maranho muito al va a 14o rs. a! libra.
libra. Sevada muito nova a loo rs. a libra,
dem de araruta verdadeia a 4oo rs. a libra. Peixe em latas grandes, savel, pescada, cor-
Vinno do Alto Douro engarrafado, e os mais visa, e outras qualidades a l,ooo rs. cada
bem escolhidos, lagrimas do Douro, D. Pe- j lata.
dro V, D. Luiz I. Buque genuino, Nctar: Passas muito novas a lo.ooo rs. a caixa e
superior, Malvasia Gna, Bastardo, e outros | 5oo rs. a libra.
a ll.ooo e 12,ooo rs. a duzia e l.ooo rs. Palitos lixados para dentes a 14o rs. o maco.
a garrafa. I lem de flor a 2oo rs. o maco,
dem Cherry e Madeira a l,5oo rs. a garra- Presunto para fiambre inglezes e americanos
UNIAO
COMERCIO
do
do
Defronte da loja do Pregulea.
HARTE AIMEEIOA
acaba de abrir o seu grande e sortido armazem de molhados denominad) Unido e Com-
mercto. Este grande armazem um dos mais bem montados que temos 'm nossa praca,
nao s em limpeza e aceto, como as qualidades especiaes de seus gneros. O proprie
ario do L'nio e Ccmmercio oflerece todos os senhores da praca, senho-es de engenho
e lavradores a seguinte tabella, por onde vero a grande economa que lhe resulta em
comprarem em tao til estabelecimento, atrancando o mesmo todo e q jalquer genero
saludo de seu armazem.
Bollinho francez em latas e caixinhas asmis
delicadas que tem vindo ao nosso merca-
do de 7oo a 2,5oo rs. a caixinha.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de conta propria, a 7oo a 800 rs, a
libra.
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
5o rs. a libra, e era barril ten abatimen-
to.
dem ingleza em potes de 4 a 16 libras a
800 rs, a libra e o pote ceparado,
Cha uxim o melhor ueste genero, mandado
vir de conta propria a 2,8oo rs, a libra. Vinho branco o melhor neste genero a 800 rs
dem hysson, grande, muito bom a 2,6oo rs. a garrafa e 4,3oo rs. a caada.
a libra. dem Bordeaux de differentes marcas, garan-
Idem preto muito fino, a 2,6oo fs, a libra, te-se a qualidade, a 8.000 rs. a caixa com
dem preto, mais baixo, a 2,ooo rs, a libra. uma duzia, e a 7oo rs. a garrafa.
dem, verde, miudinho, maisproprio para Garrafoes com 5 garrafas de vinho do Porte
negocio, a l,5oo rs, a libra. do Alto Douro a 2,2oo rs.com ogarraao.
Banha de porco refinada muito alva a 46o dem com 5 garrafas de vinho Figueira, mais
rs, a libra, e em barril se far abatimento.
Biscoitos inglezes das seguintes marcas;
propno para a nossa estacar, por ser mais
fresco a 2,4oo rs. com o gairafo.
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travellies. dem com 5 garrafas de vinag e a 1,2oo rs.
fa e 16,ooo rs. a duzia.
dem Bordeaux de diversas marcas de 8,000
a 10,000 a duzia e 800 rs. garrafa.
Bolaxinhas americanas a 3,5oo rs. a barrica,
e a 24o rs. a libra.
Batatas muito novas a 1,00o rs. o gigo, e 60
rs. a libra.
Banha de poivo refinada a 44o rs. a libra o
era barril a 4oo rs.
Vinho em piqa de Lisboa, a Figueira, de 3,ooo
a 4,000 rs. a caada, e ooo rs. a garrafa.
Idem de Lisboa em ancorlas de 8 a 9 cana-
das por 27,000 rs.
dem do Porto muito especial a 5,5oo rs. a
caada e 72o rs. a garrafa,
dem em garrafoes com 4 / garrafas por
. 2.000 rs. com o garrafad.
Vinagre de Lisboa muito superior a 2,ooo
rs. a caada,
dem mais baixo a l,5oors. acanada, e 2oo
rs. a garrafa,
dem em garrafoes com 4 /> garrafas por
1,200 rs. com o garrafo.
Ameixas framezas em caixinhas com ricas
estanpas no exterior de l,2oo a 2,ooo rs.
cada uma.
Idem em frasco de vidro de diversos tama-
ngos a l,5eo e 2,5oo rs.
dem em latas de 11 2 e 3 libras a l,3oo e
2,3oo rs. cada uma, e a 800 rs. a libra.
Figos de comadre era caixinhas de 4, 8 e 16
librrs a l,3oo, 2,5oo e 5,ooo rs. cada
uma caixa.
dem em caixinhas de folha a 32o rs
dem em caixas grandes a 2oo rs. a libra,
dem em lilas a 3,000 rs.
Arroz da India e Maranho a 80, 100 e I2o
rs. a libra, < 2,5oo e 2,8oo rs. a arroba.
Ajnendoas de casca mole muri novas a 400
rs. a libra.
Ceblas novas 1 l,ooo rs. os molhos gran-
des e a 7oo rs. o cento.
Alpista a 14e n. a libra e 4,6oo rs. a arroba.
Macarrao, talh;rim e aletria muito nova a
4oo e 48o rs. a libra.
Biscoitos e bolaehinhas irglesas as ultimas
chegadas ao nosso mercado a l,2oo e
l.ioors. cada lata.
a 85o rs. a libra.
I Jem do Porto a 48o rs. a libra.
C'ueijo prato a 64o rs. a libra,
dem llamcngo viudos no ultimo vapor a
2,oooo e 2,3oo rs. cada um.
Sardinhas de Nantes muito novas a 32o rs.
a lata.
Slagu muito novo a 2oo rs. a libra.
I lem muito superior a 28o rs. a libra.
Sabo maca de diversas qualidades a 2oo e
21o rs. a libra,
dem inferior de 12o a 18o rs. a libra.
Genebra de Hollanda em frasqueiras a 6,5oo
ris.
Icem hamburgueza em frasqueiros a 5,8oo
ris.
lem de Hollanda em garrafoes grandes a
5,5oo rs cada um.
dem em botija a ico rs. cada uma.
Garrafoes taska de diversos tamanhosa 5oo,
64o e l,2oo rs
Gomraa doAracaty a 80 rs. alibramuito alva
Graixa a loo rs. a lata, e l,2oo rs. a duzia.
Licores finos franceses em garrafas e frascos
de diversos tamanhos de 600 a 800 rs. ca-
da um.
Paralelada imperial de todos os conserveiros
de Lisboa a 600 e 7oo rs. a libra.
Massa de tomate muito nova a 64o rs. a fi-
bra.
Marrasquino de Zara a 640 rs. o frasco,
le em em frascos grandes a 800 rs.
Cominhos muito novos a 5oo rs. a libra.
Erva-docea 24o rs. alibra.
P menta a 36o rs. a libra.
Cravo da India a 64o rs. a libra.
Cannella a I,loo rs. a libra.
Alfazema a 2oo rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a Ooo rs. o
fraco.
Copos finos para agoa a 5,oo rs. a duzia.
Chouricasnovas a 72o rs. alibra.
Mostarda franceza preparada e muito nova
a 32o rs. cada um frasco.
Gonservas francezas de superior qualidade a
(110 rs, o frasco e 7,ooo rs. a duzia.
Aeite doce a 64ors. a garrafa.
Sevadinha de Franca muito nova a 2oo rs. a
libra.
ATTENIJO.
Neste grande armazem de molhados vende-se em grandes porcoes e a retalho,
fazendo-se dirf.irensa consileravel a quem con.prar de 1005 para cima.
Lunch, Cabin, e outras muitas marcas, a
l,4oo rs, a lata.
Bolachinha de sudo, especial encommenda, a
2,2oo rs, a lata.
Biscoito inglez Craknel em latas de 5, 7 e 15
libras a 5,000 e 6,000 rs, e de l,2oo a
800 rs, a libra.
Queijos do reino pelo baratissimo prego de
l,6oo, 1,8o e 3,ooo rs,, os do ultimo
vapor,
dem prato muito fresco a 64o rs, a libra,
dem londrino muito fresco a 800 rs, a libra.
Vinhos em pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
48o, 56o, e 64o rs, a garrafa, e de 3,ooo a
4,5oo rs, a caada.
Marmelada imperial dos melhores consenti-
ros de Lisboa em latas de 1 e mais libras
a 7oo rs, a libra.
Peras secaas em caixinhas de 4,ooo a 2,ooo
rs. cada uma.
Figos em caixinhas de 1 '/i arroba e de 8 li-
bras a 8,000,4,ooo, e 2,ooo rs, ea 3eo rs.
a libra, taambem ha serinhas para mcn
nos a 60 rs. cada uma.
Amendoas de casca mole a 3Co rs, a libra, e
em arroba ter abatimento.
Sardinhas de Nantes a 32o rs, a latinha.
Toucinho de Lisboa muito novo a 3oo rs, a
libra e em arroba a 9,ooo rs.
Massa de tomates a 64o rs, a libra.
Pimenta do reino a 34o rs. a libra,
Farinha do Maranho a 14o rs, a libra.
Cbelas a 800 rs. o molho, 64o rs. o cento
e 6,5oo a caixa.
Tijollo para Impar facas a 16o rs,
Ceneja das mais acreditadas marcas de 0,000
a 7,5oo a duzia, e de 5oo a Goo rs, a gar-
rafa,
Prezunto para fiambre muito fresco e novo
a 800 rs. a libra,
Genebra de laranja a l,ooo rs, o frasco,
Chouricas as mais frescas do mercado a 800
rs. a libra,
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa,
e lo,5oo rs. a caixa com uma duzia,
Licores francezes e portuguezes de todas as
marcas de lo.ooo a lo.ooors. a duzia.
Passas muito novas a 5oo rs. a libra e a 8,5oo
rs. a caixa. Ha caixas, meias e quartos.
Batatas a l.ooo rs. o gigo com 38 libras e
2,oeo a caixa com duas arrobas cadauma.
Bocetas (*m doces seceos de 3,ooo a 3,5oo
rs. cada nma.
Bolachinha ingleza a 32o rs. a libra,
Azeite francez c portuguez refinado a 8to rs.
a garrafa, e 9,ooo rs. a caixa com uma du-
zia.
Conservas inglezas das seguintes marca
Mixcd, Pickes, e ceblas simples a
rs. o frasco.
Mostarda ingleza preparada em -pot
rs. o pote.
Nozes muito novas a ICO rs. a libra'
rs. a arroba,
Vasos inglezes vastos de 4 a 16 libras,"muito
proprios para deposito de manteiga, doce,
e outro qualquer liquido, de 1,00o a 3,ooo
rs, cada um,
\AGU.V BRAMA
recebe 11:
Sapatinhos deselim branco bordados paia bap-
tizado-.
Meias de -fila j ranea para o mesmo fm.
Mui bonitas e delicadas louquinhas enfeiladas
pira dito.
Pulseiras e olias de conlas brancas para senho-
r;.s e meninas.
tila branca e frea de borradla, cora diversas
larguras.
Transclins de borracha sonidos em cores.
Traneinha preta de la, e outras trancinhas de
lia de oslo novo e mui bonitas para enfeites.
Knfeites conservadores para senhoras.
PAPEL INGLEZ
! Fivelas com pedrasno*
vo s or ment.
A aguia branca recebeu por esse ultimo vapor
! um nevo e bello sortimento das procuradas fivelas
com pedras, podendo assira satisfazer a todos que
del as precisaren), uma vez que appareca dinhei-
ro na ra do Queimado, loja d'aguia branca nu-
mero 8.
COPOS COM Bl-
\MA.
A aguia branca acaba de receber os bem eonhe-
cidos e apreciados copos fom banha, os quaes es-
i tao sendo distribuidos com aquclles pretadenles
que contribuirem com 3&500 a vista : isso na ra
do Herniado, loja d'aguia branca n. 8.
LOJA DO PAVAO
Cassas puritanas.
a. 240 e 280 rs. o covado, por baver grande porgao, pecbincha : na ra da Imperatriz n. i
Cassas pelvianas a 360 i-s. o covado.
\endem-seas mais bonitas cassas persianas a imitaco de laa transparente com es djennos
lecidos e inleiramente novos, pelo baratissimo preco de aC3 rs. o covado e nio desbouuu n\ oi i
Pavao ra da Imperatriz n. U. ''
Gorgurao de laa a 500 rs. o covado.
Vende-se gorgurao de 13a de cGr escura propria para vestido desenhora, paletot para homem o
roupa para menino, pelo barato preco de 500 rs. o covado : na loja doPavo ra da Imperatriz n
As colchas do Pavao.
Vendem-se colchas de linho adamascadas com bonitos lavores de cor de rosa azule brftJKD
pele baratissimo preco de 3 cada uma : na loja do Pavao ra da Imperatriz n. tot. '
Organdys a 240 rs. o covado.
Vendem-se organdys matisados fazenda muito fina, de bonitos desenhos, pelo baratissimo i.rcco
de 240 rs. o covado : na loja do Pavao na da Imperatriz n. 60.
As alpacas do Pavao.
Vendem-se alpacas de seda de cores muito fina propria para vestido de senhora, soutmiiiar-
ques e roupas para meninos e dita branca muito fina propria para vestidos e paletots, pjr preco mui-
to coinmodo : na loja do Pavao rua da Imperatriz n. 60.
Panno preto a 2#000.
l'ende o Pavao.
Vendem-se panno preto muito en^orpado a 2,50000 rs. o covado, dito a 2^00, 05000 c 40C0
casimira preta muito fina a 15800, 2,5000, 25200 e 35000, isto para apurar dinheiro na loja e ar-
mazem do Pavao, rua da Imperatriz n. 60. de {Jama & Lima.
As calcas do Pavao.
Vendem-se superiores calcas de casimira preta a 5f600, 6.3000, 75000 e 85000 rs.. palito(< fo-
hreeasaeos de panno preto a 125000 rs., ditos saceos a 75000 rs., coletes de casimira pnta a
JPHO e 55000 rs.; na na da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Algodozinho enfestado.
Vendem-se algodozinho americano com 8 palmos de largura para lence*, toalha- etr cv etc
a 15060 rs. a vara, ditos estreitos a 55000, 65000, 75000 e 85000 rs. a peca, sendo muilo loa a-
zenda, pecas de mandapolo, por preco muito razoavel, na loja do Pavao, rua da Imperatriz u. 6
de Gama & Silva.
Vestidos pretos do Pavao.
Vendem-se ricos cortes de grosdenaples preto com ricos enfeites de veludo, pelo barato preco
de 405000 rs. cada um, na loja do Pavao roa da Imperatr z n. 60.
Laazinha Victoria.
Xa loja do Pavo.
Vendem-se as mais modernas laazinhas Victoria tendo 4 palmos de largura com lindas paknaa do
seda pelo barato preco de 800 rs. o covado, na loja do Pavao, rua da Imperatriz n. 60, -- (Jama
& Silva.
Os sautanbarqnes do Pavao.
A 2O0OOO rn.
Vendem-se ricos sautanbarques pretos ricamente enfeitados a 205000 cada um, ricos manteletes
pretos, grandes a imitaco de capas pelo baratissimo preco de 205000 rs. cada um. 6 na loia do
Pavao, rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
O chales do Pavao.
^>ArtVendeni"se ena'e "0 merino eslampados a 35000 rs., ditos muito finos de creporn a COO,
75000 e 85000 rs., ditos lisos a 45500 rs., muito finos a 55000 rs., s na loja do Pavao, rua da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
O brim do Pavao.
Vendem-se brim de linho puro com quadrinhos proprios para caiga e palitots, pelo preco de 50
e WK) rs. cada covado, sendo fazenda que sempre se vendeu por mais dinheiro: rua da Imperatriz
n. 60, loja do Pavao de Gama 4 Silva.
Diazinha a 320 rs.
So o Pavo.
Vendem-se laazinha matizada proprias para vestido sendo padroes miudiuhos e grandes, sondo
Porto de 1834, "vinho do Port velho su- i azen?a,muit0, encorpada e que se pode lavar perfeitamente, como se lava a chita e nao 'desbota, sahin-
perier, Madeira Secca de superior qua- ^SrSlo i?Sj?s!!Z vmpK^ mi pMque Se Vede' Ch"a; ist da ru
dade; vinho do Porto super or D. Luiz I
de 1847, Lagrimas do Dourr, especial vi-
nho do Porto, de l,ooo a 1.2do rs. a gar-
rafa e de lo.ooo a 12,ooo rs. a caixa com
uma duzia.
Erva-doce a .fJoo rs. a libra.
Champnnha de 20 a 22,ooo o gigo.
Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groza e 2o rs. a
caixinha.
Milho alpista a 16o rs. alibn.
Cominho muito novo a 4oo rs. a libra, e
comprando de 8 libres para cima a 32o rs.
Gomma muito alva para engommar a 8o rs.
a libra, eem arroba se far abatimento,
Sag muito novo a 28o rs. a ibra.
Sabo verdadeiro hespanhol, pje raras vezes
vem ao nosso mercado a 28o rs. a libra
o garraao,
Sabo massa de superior qualidade a 18o,
2oo, e 22o rs. a-libra do nelhor que ha
Graixa em latas muita nova a 12o rs. a lati
nha, e l,3oo rs. a duzia.
Peixe era latas muito novo: savel, pescada,
curvin, salmo e outras muitas qualidades
preparados de escabexe, segundo a arte de
cozinha, de l,2ooa 2,oo rs. a lata.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado e escolhido pessoalmmte por um
des socios que se acha em Portugal, das
seguintes marcas : Duque, Genuino, Ve-
lho secco especial, Lagrimas Doces de
1819, vinho especial D. Pedro V, vinho
velho. Nctar superior de 18.13, Duque do
Vassouras americanas a 8oo rs. cada uma.
Velas de spermacete as melhores que ha no
mercado a 56o e 64o rs. e masso, e em
caixa se far um grande abatimento,
HOVO RIVAL
Loja de iniudezas
I6-Rna do Inclinado-16
Oitavas de retroz preto a 140 rs.
Massmhos com superiores grampos a 30rs.
Enfadores oara espartilhos a 80 rs.
Bonitos botes para punhos a 160 rs.
Lindas abotuaduras para colletes a 320 rs.
"J c c* cj z o
2 3 STro.S 5 S-p.
2 B
os K
1
--
dem de carnauba e composico, de 400 a p*ss.adoJes pretos e de cores para paletot a 160rs.
32o.. libra, de ioV. a U.tol^l!^*^^ e
rs. a arroba, | Ditas de massa em caixinha a 480 e 720.
Caf de 1* e 2* SOrte de 8,300 l 8,600 rs. a ^l10* virados imitando tartaruga 15200 e
- -j -
a 3 a

a


. trs
P K
w
J.
arroba, e de 28o a 32o rs. a libra lio me-
lhor, '
Arroz da India, Maranho e Can lina a 3,ooo,
2,8eo e 2,4oo rs. a arroba 3 a loo rs. a
libra.
Frasqueira de genebra a ',8oo rs. e a ooo
rs. o frasco.
Azeite doce em barril muito firo. a 64o rs.
a garrafa, e em caada ter abatimento.
Papel greve pautado e liso a ;,5oo rs. a
resma.
Genebra de Hollanda em botij de conta a
44o rs. a botija.
Passas corinteas a 5oo rs. a libra e 12,8oo
rs. a arroba,
ErvHhas franceza e portugueza a 640 rs. a
lata de uma libra.
Chocolate francez, hespanhol, si isso e por-
tuguez a i ,ooo rs. a libra, e a 28o rs. ca-
da pao de orna '/i.
Ameixas francezas em caixinl as elegante-
mente enfeitadas, com diversas estampas
no exterior da caixa de 1,500 a 3,ooo rs.
cada uma; tambem ha frasees e latas de
dilTerentes tamanhos que se rendem por
odico preco.
gas para sopa: macarro, talharim e ale-
a 48o es. a libra, e em caixa se far
Jatimento.
rrafoes com 1 i garrafas de genebra de
loflanda a 5,5oo cada um.
lutos de todas as marcas e dos melho-
fabricantes da Bahia de 3,ooo a 4,eoo
rs. a caixa.
200 rs.
i00.
ATTEltf{?AO
Todos os senhores que comprarem para negocio ou casa particular jO& para
cima tero mais o a 10 por % de abatimento; o proprietario scientifica rsas que todos
os seus gneros sao recebidos de sua propria encommenda, razo esta para poder ven-
der por muito menos do que em outro qualquer estabelecimento.
DE
DE
J. VIGNES.
X. 5... RIJA DO IMPERADOR V. 55.
i qnii <^ ri n 0s Pianos desta antiga fabrica sao hoje assaz cenhecidos para que seja necessario insistir sobre a
almico e dr |[ipko. Iil III lifllN HIJAiN sua superiondade, vantagens e garantas que effereeem aes compradores, qualidades estas incontesta-
Alcmdogrand.: sortimento de papel greve e ou-i 1I,*JI v ,,"'" Jarmvj veis que.elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta :iraca ; pos-
tras muitas qualidades, que constan emente se" para senhoras e meninas. suindo um teclado e machinismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
adiam na loja d'aguia branca, l'az-se otvel pela) A aguia branca recebeu mui boas meias france- i wcz alhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentt s importan-
si penoridade de qualidade o pipel inglez almasso zas, de lino tecido e lio redoudo, o que as tornam [j*11^* ~,- J^1..!!:!!'' T 1uant0 as vozes &0 melodiosas e flautadas, e por isto muito agrada-
e le peso, qoe acaba de chega" para a dita loja ; de inmenia duracao, porque mnito convem, ainda
um u outro sao mui encorpados e de um assena mesmo custando 7 e 85, como se estilo vendendo a
do lustroso e macio, que na verdade a odos agr- dinteiro vista, na loja d'aguia branca, rua do
Pitos pequeos de concha 15200 c loOO.
Ditos de tartaruga a 4 e 53.
Ditos pretos de marrafa a 3fi.
Pares de marrafas de massa fino a 800 rs.
Pares de dito de tartaruga fina a 2i>00.
Pares de ditas dourados a 1*5.
Pcntes de Iiorracha para regaco a 800 e IJ.
Pentes dourados lisos para regaco a 13280.
Pentes dourados com pedrinhas para regaco a 23.
Pentes para tirar piolho a 320, 400, 300 e 600 rs.
Pentes da desembaracar a 100, 240, 320, 400,
500, 600, 800 e f
Peales que fecham para suissa a 15-
Escovas para dentes a 160, 320 e 480 rs.
Escavas para cabello a 600, 13 e 13300.
Voltinhas de aljfar com bonitas cruzes a 13-
Voltas pretas cora cruzes a 13 e 13M0.
Voltas muito grandes a Mara Pia a 23-
Voltas de coral de raiz a 500 e 25.
Massinhos de coral rolico e de raiz a 300 rs.
Pulseras de missanga nuito bonitas a 13280.
ollinhas de missanga muito bonitas a 15280.
(ollinhas de Escossia com continhasbrancas a 800
Pares de bonitas rosetas com pedras finas a 15280.
Pares de bonitos brincos dourados a balao a 15-
Pares de brincos pretos a balan a 360 rs.
Pares de brincos de cores a balio a 300 rs.
Pares de brincos preto de rame a 240 rs.
Pares de rosetas pretas a 210 e 320 rs.
Bonitos consi-rvadons de trancinhas pretas e de
cores com continhas pretas e brancas a 15-
Luvas prcias e brancas de Jouvin a 15-
Enfiadores pretos para borze^uins a 120 rs.
Pccinh.'is do tranca de laa lisa e de caracol preta c
de cores a 10o rs.
Pecinbas de tranca de linho de caracol branca e
mesclada a 100 rs.
Pecas com 13 varas de fita de velludo lavrado a
15300 rs.
Pecas com 14 varas de fita de sarja amarella a
1
o o.
co
es
-
g.8
CD g
a
o
-i =
O BS
3
as Ct>
B
"~ V-, -
Q.- l o SJ -5
" Z n' %<*>cz>u S
3.o a -, -
O S C ^3 C"a
}Bl:gffffS8'P
CJ
SD
CD
c? 2. ^
2 fe S
o S
03
<
63
tf i.
cTog
B
"a
05

s
o
&-
re
CT5
03
5 g
C -I -
-O o
09 MT3
O -i re
P S3 CA
o
03
-1
3
a-E, re g' s: m
v Cre'oJO '
6 c5'~
re
M XV O K.
3 03 p f JA)
c
e

re
o
5
O 13'
T=re
03 -i
13
3

zr
03
= '
03
e
s
Kua da Senzalla IVova u. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro codo libra a 110 rs., idemdeLow
Moor libra a 120 rs.
Promcssas Santo Imaro-
Pernas, bracos, cabecas, e peitos de cera, por
barato prejo : na loja de cera ao pe da igreja do
LivramentD.
ESCRAVOS FGIDOS.
No da 13 de fevereiro fugio a eserava TI .-
reza, cabra, com os signaes seguintes : altura iv-
I guiar, cabellos caxiados, nariz grosso, rosto des-
carnado com algumas manchas de pauno preto,
SO rs. ,em fal,a de dentes na frente, em cima de um p-i-
Pecas com 10 varas de fita de sarja encarnada a' ,em um;l SO rs_ de ferro de engommar, tem as ruaos pequeas e
Yaras de bonitas fitas para cintos a 600 e 800 rs. \ ,s dedos '""U'ridos, anda alguma cousa apa!! i
Varas de bicos pretos de liuho a 160 e 240 rs. i da,tem carteos as pernas, foi vestida de ronpao
Varai de bicos pretos com um palmo de largo a de ch,,,a Ima, assento pardo e flores azues ja des-
300 rs bolada e um panno da costa novo cora listras ver-
Varas de'bce de seda preto e branco a 240 rs. de> encarndo e azul : rogase aos Srs. capit.ies
Varas de bico de linho a 240 rs. de campo e as autornlades pohciaes a apprehens;ip
Varas de bicos e rendas francezas a 100 e 160 rs.!della ,^a',n,lo n r,ia da Gloria n. 40, pie sera
dtste 300, e custa cada uma 85 Tambem veioda
mesma qualidade e de tamanho pequeo, em cai-
xinhas de 100 folha, tanto lisc como beira donra-
da, custando este 25, e aqnelle 15200 a caixinha.
Ja vih'in pois es apreciadores do bom papel que
di'igindo-se munidos de dinheiro serao bem servi-
dos : na rua do Queimado, loja d'aguia branca
ni mero 8.
JtfOVOS PEMTES
de concha.
Ohegiram novo! s bonitos pintes de concha,
i td'3tartaruga,massae dourados; agora, pois,
6 dirigirem-seeon dinheiro ani do Queimado,
Jojji d'a,.;nia branca a. 8, antes que se acabem.
GAZ GAZ GAZ
por pre?o rednzido.
\'ende-se gaz da mellior qualidade pelo
pre;o de 10,5 por lata do 5 galoes : no ar-
, mazem do Caes do Ramos n. 18 e rua do
TrajicheNovo n. 8.
veis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Pars, socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as expesicies.
No mesmo estabelecimento se aeha sempre um explendido e variado sortimento de msicas dos
melhores compositores da Europa, assim como harmnicos e panos harmnicos, sendo t jdo vendido
por precos muito razoaveis.
FAZDDIS
FRANCOS
eon gemma aratca discolvida : vendem-se
ruj do Queimado, loja d'aguia branca n. 8.
ni
baratas para acabar.
Sedas de quadros e de lis.ras a 320 rs. o cora-
do, .indas lilas de quadrinb.es a 360 o covado, su-
periores cassas de cores a 200 rs. o covado, ditas
mui o finas a 240 o covado : na loja das colnmnas,
na na do Oespon. 13, de Antonio Correia de Vas-
, conollos & C.
/OTHIEISt I FE,JAd E mm
... _. ^^ Em saccas, por pre^o muito commodo : no tra-
Vendc-se a propnedade denominada Maltez, sita piche do Sr. Cunlia, rua da Moeda, ni Recfe, se
na freguezia de Tracunhaem da comarca de Naza- achara com quem tratar.
reth, com uma legoa de frente e meia de fundo, e
proporces para nella se levantar nm bom enge-
nho de fazer assucar, sendo que actualmente ren-
de ella mais de 1:0003 que pagam os moradores
que tem : quem a pretender entenda-se nesta pra-
ca com o Sr. Antonio Jos Leal Reis, na rua da
Cadeia do Reeife n. 47.
Branco em niara,
Vende-se em latas de 28 libras o melhor que po-
de haver a 200 rs. a libra, a dinhein : na rua
larga do Rosario n. 34.
Cal de Lisboa
chegada ltimamente ; na roa do Vgaro n. 19, rea da Cadeia n. 58," v7ndem7e""crse:,iras'''pretasD Na rna da Concordia n. 2, vende-se nm pia-
primeiro andar.
- No esenptorio de Brender Biandis & C,
leia n. 58, vendem-se casen; r
i agora chegadas, por precos commodo:.
Varas de franja preta de seda a 500 rs.
Varas de franja preta com vidrilho a 800 rs.
Varas de galao branco lavrado a 100 rs.
Bonitas escrivauiubas cun tinteiro e arieiro i
15600 rs.
Caixinhas de lacre lino a 200 e 400 rs.
Pacotes de papel pequeo de cores a 600 rs.
Pacotes de papel amisade a 700 rs.
Caixinhas de dito a 800 e 15.
Caixinhas de dito de phantasia a 15-
Pacotes com 100 anvelopes a 800 e 15-
Caixinhas de pennas de lanca a 800 rs.
Cintos para meninos e meninas a 640 e 15
Bonitas gravatinbas de passador a 800 e 15-
Ditas ditas de laco pretos e de cores a 15-
Boratos chicotes para montara a 800 rs.
Peca de franja para cortinados a 33-
Meias pretas para senhora a 320 e 400 rs.
Meias de cores para meninos a 240 rs.
Luvas de seda para senhora a 15280.
Luvas de montana a 500 rs.
Oculos de armacao prateada a 500 e 15-
Ditos de armacao de ac e baleia a 800 e 15-
Tesouras finas para costura a 600 e 800 rs.
Tesouras ordinarias a 80 rs.
Duzias de colberes para cha a 25-
Duzias de garfos e facas cabo preto a 33200.
Duzias de caixas de phosphoros a 160 rs.
Duzias de pomada do Porto a 240 rs.
Massos de palitos finos para dentes a 240 rs.
Sapatinhos de 13a para crianca a 500 rs.
Caixinhas com 100 agulhas francezas a 240 rs.
Caixinhas com 100 agulhas de Victoria a 320 rs.
Carteiras com sortimento completo de aguihas a
640 rs.
Frasquinhos com extractos finos a 320, 300 e 15.
Frasqulnhos com banha franceza a 320, 600, 800
e 3000.
Frasquinhos com agua de colonia a 400, 800, 13 e
13600.
Francos com oleo de Babosa a 300 e 600 rs.
Frascos com oleo phi locme a 800 e 13-
Frascos e garrafas de agua de Lavande a 800 e
15280.
Frascos com banha e extracto a 15280.
Frascos de banha fina transparente a 800 rs.
generosamente gratificado.
No dia 13 do corrente ausentaram-se da cr^n
de seu senhor, no sitio do Monteiro n. 13. duas
escravas n tintas, de nomes Eugenia e Meada,
com os spgainles signaes : a primeira com ; 0 an-
uos de idade, pouco mais ou menos, alguma baria
no queixo, o um lobinho em um dos ps,. leven
comsigo um tillo pardo de nome Manoel, de 3 an-
uos de idad ; asegunda de 25 anuos de. idatle,
pouco mais ou menos, levou comsigo Lia ti a
cabnnha de 4 annos, e levaram dous embrullos
de roupa ; naturalmente seguiram junta?, igno-
rando-sc qual adireccao: portante, rogase s au-
toridades policiaes a sua captura, ou qnem del[a>.
noticias tiver, leva-las a seu senhor Joo Manoel
da Veiga o Seixas, no seu sitio do Mnnteiro'n. H,
ou na travesa da Madre de eos ns. 4 e 6.
No sal lado ausenteu-se de casa de seu se-
nhor o preto Adao ; e por isso pede-se s autori-
dades policiaes e capitaes de campo a sua appre-
hensao, e leva-lo ao caes do Apollo n. o.'i. Este
preto escravo de Sr. Domingos Pires Ferrein
milite cotilleado por trabalhar em armazem de fa-
zenda s.
no praprio para aprender, por barato preco.
- No dia 18 de Janeiro passado fugio o escravr.
Miguel, erioalo, de idade de 43 30 annos, ja tem
cabellos brancos e usa de meias suissas, tem un;
principio de gomma no peito de um dos ps, usa
de alpergatas, muito regrlsta e inlitnla-se forro
Este preto natural do Ico, d'onde veio para aqtii
ser vendido, o por algum tempo pertenceu ao Sr
Jos Guilherme Guimaraes; consta que levara em
sua companhia sua amazia, de nome Maria, parda,
acaboclada, alta, e cora falta de dentes na lente:
esta parda costuraa embriagar-se. Poucos das
depois da fuea foram encontrados pena do enge-
nho Camaragibe; pede-se, portante, as autoridades
competentes ou a quem delle tiver noticia, de f-
prehendelo e leva-lo casa de seu senhor Miguel
Pereira Leal, na i*ua da Cadeia do Reeife n. 19,
que serao b Fugiraui2escravos um por nome Domingos
e outra Mana, signaes da roupa do negro camisa
de algodao da riscado, a negra o vestido roxo um
tanto sujo, andam juntes por serem casados, todo*
dous de idade : a pessoa qne os encontrar traga
rua Nova n.5.


9
Diarlo de Pernambiitto
Secunda felra 13 Ae .Fevereiro de 1 SOI.
.ITTEBITRA.
0 QUE VAE PELQMUKDO.
ama acreditada nina francesa encontramos
a seg respondencia de Landres, que p)t
cuii lie nos pareceu digna de ser i-
da. I'az-se ahi urna rpida revista unanceu"a 'le

8.Baiza a .'.* de descont sobre o emprestl
mo confederado era virlude da noticia da derrota
do general Rragg era Chattanooga.
'J4.O banco de Inglaterra baixa a 7 porcen-
lo a laxa do descont.
SO.Os Sis. Bar ng Brothers annunciam que
veracidade das assignaiuras, c ao A reduccao, conforme este quadro 6 de dous pri-
Sde^l^ Preend.imentojasformahda.ese.igidaspelore- meiros escriturarios, dous segundos ditos, dous
PMMH por an atol no algodao. Forte depresso em sympathias que na Suecia se maiu^-siam Mfo pe- no tocante a
todos os fundos oslrangeiros, especialmente nos "
gregus. Exposico llnanreira de M. Foulii.
om l'psal. gulamento, participando ao inspector quaesquer terceiros ditos, dous quarlos ditos, quatro prmei-
Resta, porm, a Gra-Rretanha, em cujo thro- faltas que encontrase, afim dt ser indemnisada a ros conferentes, quatro segundos ditos e um aju-
no se sentar um dia a lilha do Christierno; onde fazenda publica. dante do administrador das capatozlas liavend.)
5?*; m^zs^JissnsrA ,Esu t* ^,i,,hapissos ?? aug,nr*umchetade"**iua,ro,,ra,ican-
fessar-sc, ha sido prodigo, em derramar tinta so- uos> aue fura P^ra desojar a bem da liscalisa^ao tes e dous liis de armazens.
beram do Mxico a somma de 88:133 dolais bre o papel, em fazer partir corrcios de gabinete
ciirioiiam oiprincipaes aeontceimenlDS por cinta dos portadores de ttulos mexicanos. Incumbidos de instantes despachos. Mas em Al-
nfluiram no mercado monetario do Londres e Terminamos esta longa, anda, mas til re- lemanha zombam dos esforcos de lord John Rus-
Je outn i. niosiiando com principia o novo anno. Os sell; sustentam que tudo se redaza fogo de pa-
O anne que acaba do expirar ser memowel consolidados ingleses eslao a 91 e 3 quartos a Iba; e que Albion nao gasta um seliilling, nem d
- extraordinaria- no dominio praso. A saa diffei lo o proco mais bal- urna gota de tangue em prol da Dinamarca, por
..i-,,, hlu mmercial. Nao deixar so at ao mais elevado rol de 3 e 7oitavos por mais que proteste e barataste,
de ter lulerosso laucar urna rpida watt para o eento. A sur ixima era de 94 em 5 de Nao sabemos se o invern inglez tenriona
as-alo e recordar os aronlecinienltis que produ- maio o a mnima li de 90 e 1 oitavo em 3 de de- manter-se de bracos crusados em prosenca da
tanta; abalos nos mercados de Inglaterra c sombro. A existencia mctallica do banco de In- furia germnica. Se todava o sen proceder dOTO nifestosno livro-meslro tanta, osa para o mclho-
glaterra, qne no l de Janeiro do 1863 era de pantar-se pelas reflexdes do Times do 9 do cor- ramento da cscripturaco e all vio do pesado ex-
das rendas.
Para obviar os ioconvenlente
nar-
propri
ser d
fanecionando as alfandegas.
Nao leudo, porm os esclarecimenlos necessarios
que padem origi- para ,)r0|,r.VO aesde j, a rcuucCa0 nece.-saria as
se de um serte* confiado aos empreados da alfaad Jas faj^ convir
>r,arepar,cao e;n qne fun-eionam, deve elle ,a0cias, que anEisasse.s ogove
l.,empeql.ado por en prgalo, es.raul.os, mas r,..,. ,' ......?T .,....... *J
njSeV. mal aVSadS aC"am S dMm"" pedieate a HP das alfandegas, una vez que Ber-
linas. | A Inglaterra propoz (diz esse folba) que as las reparticoes se conserva assi n ooriginal, com-
Da commissao directora do banco dependera potencias signatarias do tratado de 1852 se rea- petentemente autenticado, des.es documentos, co- ULL'eioaLompannaouo reguiamento liscal para
resUlielecer o nivel, lomando na praca numerario nam novamente para considerar os graves acn- io a tradueco feita pelos correctores e nter- a navL'8iU.':w uo Amazonas.
disponivel. Desde sabbado ultimo 26 al hontcm tecimentos do dia, e que entreanto a Prussia e preleSt Em virlude do-
> I, entrn de procedencia americana a somma de a Austria mantenham o actual governo nolIols-,F
910:000 libras sterlinas. Neste total figuram as tein. Nao tendo sido expedidas, secundo o disposto no
Indii-.-Occidentaes e o Mxico por (60:0(10 libras.! Felizes seriamos nos, se a Prussia c a Aus-' 8 .uirin-e.-...* m<*iP
Se as cliegadas se maniiverem instas propercoes, tria eontinnassem a mostrarse liis aos scus com- an' -8UU0 r^^"'^- utrnccOea e mode-
tornai-se-ha impossivel ao banco de Inglaterra proinissos: mas pouco podemos esperar de pro- 10b uara a escnpliiraeao das allmdegas, continuou
Hoje, a sohuariedade entre todas as pracas la l*,9Sd:Mi libras, boje de 11.363:603 libras. Ha
Europa tao intima, que qoalqaer fado qne te iM un ilffcreoca para menos de 593:816 libras ster
an i. 'tidres ir inmediatamente reflectir-se em Pa-
rs. Frainfi.'t. Amslerdam, Vienna. Berln c 0J-
ins praj
Urna revista retrospectiva, segundo documen-
tos britanri l-, t uase, pois, realmente urna e-
l geral, umbalanco universal. Assiffl ontranus
sen mais connentnrios na historia pura e sim-
i.les il i mentos realisados em 1*03.
, Janeiro I Os cousolidados iiglezes eslao a iornar-se-iia impossivel ao bauro de Inglaterra promtssos; mas
92 e ineo. A existencia :le Bumerario no banco le sustentar o descont a 7 por cento. anda mesmo longadas negodaoSes diplomticas, que se arras-
Inglaterra de 1 i 966:421 libras sterlinas; o 3 por que a especulae.o alg idoeira se resiabelecesse do; taran penivelmente, ao passo que as tropas da con-
cento francez esta a 69 fr. 90 r.; om Liverpoo o golpe que (lie rferam" as resolueoes defensivas do, federacao e o pretendente vo lam.ando por ter-
depoi-ilo de algodao de 392:400 saceos. estab. leeimento real. ra o governo de Christierno.
i B'Noticia de un crise ministerial era Cots-1 A tensan prodigiosa do mercado inglez duran- O principal argumento da dieta que a
t?ntiuopla. Os consolidados turcos desce de ti te.o.niez de dezembro e a elevacm do valor venal confederafo nao esta ligada pelo tratado a que
a 3H do diulieiro comprimirn, mas" sem o destruir, o adherirn as duas primeiras potencias allemaas.
espirito de empresa. Kllectivamenio, vemos sur-
gir um crdito territorial para a ilba MauricU
com ccapilal de 230:OJO libras, urna nova compa-
nliia de seguros com o capital de 1 mlhao de li-
bras, e de todos os indos nos apparecera projectos
de negocios, que cortamente o presento mez ver
desabrochar. Nao slo por certo indicio de que
o pnico monetario de 1863 tivesse o carcter de
irianespAscircums-
rno para alterar-
redutindo o qmvUro do pessoal das alfandegas e
mesas de rendas do imperio, e por conseguinte pa-
A providencia dasoppressao lo registro dos raa- ra uxar os scus respectivos vencimentos.
Resta-me aecrescentar sobro o assumpto, de que-
so trata, que j foi expedido nao s o decreto sobre
as alteracoes do regulamcnto das alfandegas, como
15.-O banco de Inglaterra eleva a laxa lo
descont de a I por cento. O banco de Franca
eleva-a de 4 a o por cento.
i 1(.Demissao do ministerio bespanhol, alia
nos certificados.
19.Noticia da morte de Sa.d-Paclia; bai::a
de 2 por cento as obrigaQoes egypcias, seguida
de urna grande alta depois da elevacao do noro
vice-rei.
23.Noticia da derrota dos federaes em \\ c-
ksburgo e ein Galveston; o premio sobre o ouro
o 50 por cento em Nova-York.
t 28.-0 banco de Inglaterra eleva a taxa Jo
descont do 4 a 6 por ceito.
Fevereiro 6.Alta das obrigac,oes gregas em
consecuencia da noticia dada por Mr. Elliot dcqje
o duque de C.oburgo aceita o throuo.
t 13.Pn.jectodcMr. (ladstono, adoptado pe-
las communas, para a bata dos direitos sobre o
tabuco manufacturado.
t 16.Fusao da antifra casa bancaria Heywood
F mards & t^." ao banco de alanchesler.
19.-O banco de Inglaterra reduz a laxa lo
descont de a 4 por cento. A nsurreiejio da Pa-
tonia exerre urna triste inlluencia nos mercados
de Londres e Pars.
27.Entrada do mfrquez de Miraflores para
o ministerio Alta nos fundos hespanhes. Emprts-
timo dinamarquez de 50"):000 libras em fundos Je
* por eento, contratodo rom Mrs. Hambro e til 10
a 91. Este emprestimo e com applicaco cors-
rucfo de raminbns de ferro, deve elevar-so ulle-
riorn ente a 2 milr.Ses de libras sterlinas. O pre-
mio c de 2 por cento.
Marfo 7.- Esteve fechada a bolsa. Entrada
iriumphal da ,irinceza Alexandra da Dinamarca.
10.Casamento do principe de Galles.
H.-Enn resumo de S.Salvador, 400:000 li-
bras em fundos de 8porceuto emittidos a 85. Mis
tarde a noticia de urna guerra entre S. Salvador e
Guatemala fez annullar o emprestimo.
12.Fmissao de um milho de libras em
obrigaees de G por cento da companhia italiana
de irrigacao, amortisaveis no 1* de Janeiro Je
1870.O banco do Franca reduz de 5 a 4 e meio
f or cont a taxa do descont.
t 16.Erni-sao por Mrs. Rolschiid do empres-
timo italiano de 3 milhoos de libras sterlinas em
em ttulos de 5 por corto, a 71. Esto somma fiz
parte dos 28 mlhoes sterlinos a emittir pelo gover-
no italiano nos mercados de Pars e Turin.
19Emissao do emprestimo confederado le
3 milhOes do libras, sterlinas em ttulos de 7 pa-
cent, em Londres, Paris, Francfort e Amsterdam
a 90, garantido por remessas de algodao ao preeo
de 6 pence por arratel com declaraco de 60 das
fie antecedencia. O emprestimo c saccado por um
premio de 5 por cento.
27.-0 bacco de Franca abaixa a 4 por cento
a taxa do descont.
28.Alta nos fundos gregos rom a noticia Ja
escollia do principe Guilberrae da Dinamarca para
O throno da Grecia.
Abril (.-Noticiada descida do ouro em No-
ta-York a 36 aor de premio.
f 7. Lord Russell d ordem a lord Lyons em
Washington pira reclamar o livramntodo paquete
teterhof com a indemnisaeao de perdas e damnos.
Este navio havia sido raiturado as aguas de Ma-
lamoras pelo almirante Wllkea. Condeninado o
navio pelo tribunal de Nova-York, appellou-se pa-
ra o tribunal de Washington, qne pronetlen dar o
seu julgainenlo no correte mez de Janeiro. _
11.Sagradoanniversano da separa^'ao aire-
ticana. Coiiiom do sitio de Charleston.
17. Oorcamenlo inglez apresenlado com
nm exces 3,874:0(10 lib para o exercicio de 1863-1864. Ha
lima reducca > de 2 pence or arratel sobre ocha.
23.Discu.-ses no parlamedto acerca d)s
processos smnmarios dos cruzeiros americanos e
a respeito do prorednento do Mr. Adams, rainis-
1ro dos Estados-Unidos, que d passes aos navios
destinados ao Mxico. Subsequentcmente esta
questao regalada por va diplomtica.
Maio 9. Contratos cora as companbas de ni-
wegacfio (tara as Indias. Ocridenlaos e Brasil.X
primara concede o poverno una subvenjao aa-
nual de 172:914 lb., segunda 38:300 lib.
12.Prospecto da sociedade linanceira inter-
nacional eoniuetamente com o crdito movel de Pi-
Fis. Capital J milhes de lib. c*t. em acedes de '
libras. Premio de 10 a 12 libras no principio.
17. Pro-pecio da cempanhia de crdito geni.
Capital 2,."ihi:imk) libra era accoes de 20 libras.
t 23. Noticia da morle do general Stonewal
Jackson. O ompresiimo confederado baixa a 3 e
meio de descunto.
i'7.Encerranento repentino do parlamen o
prus-iano.
t Junho 9.Acceitacao da coroa dos hellenos
pelo principe Guilbcrne da Dinamarca sob o Ulu-
lo de Jorge 1. Alia dos fundos gregos.
11.O banco de Franja eleva de 3 o meio a
4 por cento a taxa do juro oulcial. Noticia da te-
mada de Puebla pelos Francezes. Alta de 3 por
cento nos fundos mexicauos. Emprestimo de Ve-
nezuela de um milho de libras sterlinas em fu i-
fios de 6 por cento. Nao se realsa.
23.Baixa geral nos mercados europeus pro-
TOcaCa pela nsurreicao polaca e pela rasposa
provavcl da Russia s rommunicat,,5es da Frang,
fia Inglaterra a da Austria.
c 27. Noticia da invasio do Maryland e da
Pensjlvania pelo general Lee.
t Julho 20.O general Lee repellido em G(t
tyslmurg bolos federaes. Entrega de Wicksburi;o
a 4 de julho. O emprestimo confederado baixa a
% por rento de descont; quinte dias depois baix -
r a 33. Noticia da oceupacao do Mxico pelos
Francezes.
24.Ra xa constante na bolsa de Paris, pro-
vocada pela questao polaca.
Agosto 8.-E' repellido o ataque dos federaos
sobre Charleston As noticias do Mxico, annun-
ciahdo o oferecimento da cora ao archiduque
Maximiliano, fazem subir as obrigaees a 48.
t Setembro 7.Noticia, pouco depois desmen.i-
fla, d.t entrega do forte Sumler. O emprestimo
confederado est a 31 de desabito.
28. Noticia da suspenso do hnbeas-coipus
os Estados-Unidos. Bctirada de M. Masn, com-
missaro confederado junto do governo inglez. M>
imento de alta extraordinaria no mercado de I-
fodo cm Liverpool. O prego sobe 2 ptnce p)r
arratel.' Emprestimo de 200:000 libras para a No-
va Granada.
(iiitubro3. Ralla de 4 por cento sobre >s
fundos mexicanos em consequencia da resposta
do a-clnduqiie Maximiliano, que estabelecia con-
dicot-s |>ara a sua acceitaco.
8. -Emprestimo brisileiro de 3,300:000 libras
m fundos de 4 e rneio |Kr cento, contratado a 18
pelos Srs. Itotbsehild. O banco de Franca ele ira
de 4 a 5 por cento a taxa do descont.
16.Emprestimo portuguez de 2.500:000 li-
aras ern inseripcoes de 3 por cento a 48, contra'a-
fio com os Srs. Stern Brother.
Como a Austria e a Prussia consentiaam que a
a vigorar nestas reparticoes, r a conformidade do
disposto na parte nal do mesni artigo, como pra-
tica, a disposigao do artigo 115 3o do reglamen-
to anterior de 22 de junho de 1^36.
Basto, porm, a simples leitu a do que ahi se de"
termina sobre a escripturaco dos hvros mestres
le uos artigos quarto o quinto da con-
venci de 22 de outubro de 1858, mandada obser-
var por decreto de 1(5 de julho de 1859, tese o re-
ferido regulamento de tixar as regras para o tran-
sito fluvial pelas embarcacoes brasileiras e perua-
nas.
sastroso das erises anteriores, especialmente as! plantados,
de 1847 e 1857. Entaa tudo eslava em proporro.' No ii
Saxonia e o Hannover tomassem a vanguarda da para reconhecer-se a iapossibi idade de Iraze-los
invasio, nada obsta a que estas tropas penetrem em jai sobrelud as alfandeg;s de grande mov-
^Avsl\ tst tist rc i,Dporlanda ^rrs" t a di c6rie-
se conservam era prudente inactividade, al che- onde no cxerciciode 1862 a 18i>J elevou-se o uu-
gar ensejo de allegar, que compre marchar em mero dos mauifestos entrados 1,071.
auxilio de seus irmos, em Jerigo de seren sup- A eicrp,uraQao respec;iva, div.dida
como se
o de auxiliar a nossa diplomacia, acha por 58 livros, nos quaes te n de ser transcrip-
a prostracao industrial e coramercial e a taxa do i e para proteceo dos interesses britanneos, nao tos, raanifestSs excessivamente longos, e toncadas
descont. Entao os desastres commerciaes succe- impossivel, que a esquadra do canal, ha dias as difTerentes verbas e observicoes mencionadas
diam-se com urna rapilez assnstadora. Hoje, se o' chamada aos nossos portos v mostrar-so nos ma- no c[aao arug0 jjg 3. 30 p jae ,jeiar je Cstar
est caro, K negociacoes fazem-se com res germnicos. Desde o principio, o nosso go- ___i. ,., .' ...
verno empregou summa diligencia para arranjar sujeito a irregularidades, e momio erros, prejudi-
amigavelmente este escabroso negocio. Foi por ciaes s partes e fazenda pub ica.
deferencia s admoestoces brtonncas, que os Accrescc que sobremodo dliOcil, em muitos ca-
dmamarquezes abandonaram importantes posicots,___ ...
sacrificando a maior parte do territorio que est sos, determinar aresponsab.l.dade pelas irregula-
cra legitio ridades da escripturago no livio-mestre.
. Nao podemos outrosm duvidar que' V- A raza0 sufficiente do registr l dos manifestos era
patinas do novo in"lez, em ireral sao favoraveib ...
aos dinamarquezes, na contente em que a forca o ronliecimento que devia ter a rcpartirao do con-
foramen volvidos; tanto mais quanto evidente, tedo desses documentos, que enrerram urna de-
que o impulso revolucionario veiu de fra.e dina- clara^ao geral da carga, para o expediente relativo
JSwi*,nen,e d emi^nlwjt Allemanha em a0 degpilcho da mesmas meredorias e conferen-
despojar um pequeo estado, depois de liaver sup- r
portado sem digmdade por tanto tempo o predo-, cas reclamadas pela flscahsaca j, no qne respeita
minio de grandes potencias. | imporlacao clandestina : ora, todas as declarares
Mas, como ha grande differenca entre sympa-
dinluiro
facililadc, as fallencias nao exce'dem a meda das
poci.s ordinarias, e finalmente o commercio ge-
ral apresentar em 1863 um arresemo sobre o
anno anteri^ de 20 milhes de libras pelo menos.
O rendmento do estado nao seguiu a marcha
ascendente do commercio e da industria. No map-
pa oflcial publicado hoje mesmo, vemos que o an-
no que acabou em 31 de dezembro de 1863 apr-
senla um dficit de 362:809 libras comparado com
o anuo de 1862. Se o novo trimestre, que fecha
o anno financeiro inglez. se nao resolver por urn
granle augmento, os clculos eslabnenos por
M. Gladslone, em fevereiro ultimo, licaro singu-
larui te transtornados.
Do Jornal do Commercio de Lisboa extrahi-
mos o seguinte aniso, que elle publica sb o ti-
tuloA fSMltin do SchltwigHolstein:
Os povos da Allemauha, que ha tantos annos
se afilara debalde para constituir urna potencia
preponderante na Europa ; que viran mallograr
osesforcos da democracia, e por ultimo as da reu-
nao de monarchas. para assegorar patria com-
iiiiiii mais garantas, mais recursos, mais homo-
gene dado, prevalecem-so agora da questao dos
ducalos, para dar ampia expansaoas suas aspira-
coes.
E' impossivel cfferecer um quadro fiel do mo-
vimento, que se inanifesta 110 Wurtemberg, em
Haden, em Caxe Coburgo, em Weimar, Nassau,
Hannover, Raviera, Saxonia, Hesse, Oldemburgo,
Mecklemhurgo, na propria Prussia e na Aus-
tria.
t Nobres, plebeus, ricos, pobres, doutores, cs-
ludantes, militares e rsticos azarrarm-se com
avidez aos que julgam a nica taboa da anlvaeio.
Reunir, declamar, peticionar, ameacar os governos
sem risco de castigo excellente caminho para em
definitiva vergar os poderes constituidos s recla-
macoes das massas, no sentido de successivas
concessoes polticas.
t A eterna questao do Schlesvig-Holstein, que
a pachorrento dieta de Francfort por nais de dous
lustros fez girar na dobadoura da procrastinaco,
recebeu inopinadamente incab-ulaveis dimensocs.
t A morte de Frederico VII abriu caminho a
nov is pretencoes. O principe de Augustemburgo
fez valer os seus direitos de successao, sepulta-
dos 110 tratado de Londres de 8 de maio de 1852 ;
e a Alleinanha um pese acudiu sua voz para aju-
da-!o, para defonde-lo, para enthronisa-lo.
O rei Christierno IX, jurando a consttucao
de 18 de novembro, que incorporava o Schlesvig
na Dinamarca, nem se atreveu a outhorgar ao
Holstcin as immunidades federaes, exigidas pela
dieta. A presso oxercida nos membros d'este
arepago lornou-sc irresistivel ; e as resolucSes
segoiram-se com bastante celebridade. Decretou-
se aexeeocio federal, confiada a contingentes da
Saxonia, do Hannover, da Prussia e da Austria;
regeilarani-se as propostas, os compromissos sug-
geridos pelo governo inglez; e passou a discutir-
se ;m commissao especial, o direito do pretndeme
solierania dos durados.
1 A Austria, ligada Graa-Rretanha, pelos vn-
culos da reciproca conveniencia ; a Prussia, se-
Kiira pelos lacos dynasticos, e pelas relayes de
coaimercio ; ambas signatarias do tratado de I^on-
dr;s, procuraram dominar a situacao, arvorando-
se em arbitras do conflicto. Propuzcram dieta
nova intimaco Dinamarca, para qne revogne e
rei.'entecdigo fundamental, s do Schlesvig, territorio estranho confederacao
onde s existe cm minora o elemento germ-
nico.
Emquanto examnam e controvertem dou-
ores e diplmalas, avangam 12,000 a 15,000
hannoverianos e saxornos no ducado de Holstein,
apoderando-sc de cidades, portos, villas e ai-
das. O Drincine Frederico. que
necessarias constam das trad accoes que exige o
fia e intcnenrao, devenios ponderar sizudamente ,_,. -,, _._._.--------- .,* ___
as eonsequennias de qualqner acto, que possa artigo 302 do regulamento ; e fnlas como estos sao
comprometter-nos na guerra que a Dinamarca, na forma do paragrapho unicc do mesmo artigo,
tenha a fazer s potencias germnicas. I por officiaes pblicos aos termas do artigo 62 do
A' circumspecco do governo,cumprepois en- codjgo do P,omraercio n3o ^dc certamente o re-1
s ; sx&sr^ fSJsrsi tito do livro-mes,re'escrip,urido peios emprega-!
reunio breve, sanecone qualquer medida que dos, merecer mais importancia, e inats fe do que as
lord Palmerston e o gabinete julguem propria para referidas traduccoes.
conservar a paz, e para sustentar a honra e a dig- Conlendo essas ,raduccoes 0? c|aros precsos pa.
nidade da nacao. ... ., .
A Franga, outr'ora tao propensa em protege! ra o lancamento das observacoe;, a que der lugar o
a Dinamarca, nao se mostra actualmente as destino ulterior das mercadorias, e o scrvi$o fiscal,
mesmas disposiees. Se houvcssc meio de fazer oodem ellas, a meu ver, subst tuir o registro dos
l^r^^^^S^SA "--- -ra vantagem do expediente eecono-
poderia aguardar-se a sua intervencao. Mas, ma das rendas publicas : com vantagem do serv-
alm da lula de toda a Allemanha, da falto de co, porque o simplifica sem pre uizo da authentici-
cooperagao efHraz da Inglaterra ou da Russia, dade dos manifestos e suas deelaraedes, upando
^ qur conquistas, ninguem qur mais aventuras, manifestos em differentes livroi ; c com a devida
Despenderam-se sommas enormes em longiquos economa das rendas publicas, porque evita a des-
e esteris commettimentos. peza correspondente aos ven iraentos de alguns
Os capitalistas, os negociantes, os indus-
triaes, os lavradores sao pela paz a todo o transe.
Ora, o imperador Napoleao, que j disse sem-
pre opiniiio publica que pertence em ulttma ana-;
Logo que esse acto do governo fr conhecido no
Para, devero ter plena execucao na albradega
respectiva, s disposiees relativas ao entrepostq
publico creado naquella provincia em favor do
commercio de Iransifo.
Alm da mesa de rendas de Manaes, creada pelo
regulamento das alfandegas, foi necessario crear
outra mesa de rendas em Tabatinga : estas repar-
ticoes ficaram habilitadas, alm do commercio de
cabotagem. para os dos gneros peruanos, bemco-
mo para o de mportacao de certas mercadorias es-
trangeiras.
Fra desses pontos, excepcionalmente, s nos
portos de escala e da arribada poderiio coinmerciar
s embarcares peruanas.
As outras disposiees do regulamento fiscal ou
sao o desenvolvimenlo das clausulas estipuladas
na convenoao, ou conten medidas necessarias pa-
ra regular a navegaco do rio pelas referidas em-
barcacoes.
Tarifa especial.Adiareis no annexo C o relato-
no feilo pela commissao encarregada de examinar
a alfandega do Rio Grande do Sul.
Desse relatorio veris nao s que essa alfandega
funecionava regularmente, como que nao eram
fundadas as arguices ft-itas respectiva adrainis-
traco.
A commissao, nos seus trabalhos, confirma lac-
ios, que exigem urna providencia para reprimir o
contrabando na fronteira, to prejudicial ao nosso
commercio c ao futuro de algumas povoaces no
interior da provincia de S. Pedro do Sul.
Em meu relatorio apresentei vossa considera-
cao as bases formuladas pela commissao nomeada
pelo meu digno antecessor para a organisacao da
tarifa especial.
Reclamo de novo a vossa attenco para este im-
portante objecto, que, como sabis se acha penden-
te de discussao no senado.
Ilendimenlo. No quadro seguinte encontrareis
a renda das alfandegas em todo o importo no exer-
cicio de 1801 1862, comparada com a de 1862
1863.
1861 -1862. 18621863.
Rio de Janeiro... 20.169:7363319 17.378:4013305
empregados, oceupados especialmente no referido
trabalho.
Devo agora fallar do quadro dos empregados das
/;/o/ritimp/10 rfe^njfiro e demasiado perspicaz
para querer oppr o peito a impetuosa torrente da vontade nacional. Contento-se em ver a Inglater- A disposjfao do artjg0 17 da Ie ,77 d(J 9 de
saa i^fjzSi?^/"^^ rmbru dB l862 prohibiu qtu fssem providos s
rias do tratado de Londres, assim como lord J. lugares que vagassera as clast es de escripturarios
Russell zoml)ou do convite para o congresso. De- B conferentes da alfandega d: corte, at que por
pois do desar que experimentou, deve serlhe gra- lei fosse fixado Q seu numero
to o desforro. A Dinamarca nada tem a esperar
do herdeiro do primeiro imperto. A constante 0 pensamento, que dictou e la dsposico, foi o
dedicacao, os va hosos servicos ao to de Napoieao ...... r > '
111 nao sao ttulos sufflcienles, no anno de graca a reduegaodo quadro dos empregados da alfaode-
de 1864, para arrastar urna grande nac,o a luto ga da corte.
'T'A'l'zar'dr'Sehenses do Tima, a causa ^ vagas que se ten, dado por differenteS
da Dinamarca nao deve reputar-.se em situacao tao motivos e com as que se podeiem dar, o servieo
critica como essa folha imagina. Ainda ha es- dessa repartico pode encon rar serios emba-
lieranca de salvacao para a monarcliia de Chrs- raos
tierno"; e essa espranos dimana da propria Alle-
manha. Para remover os que j se tom dado, resolveu o
Naod'agora que se conhece em qne fin- governo auxiliar com empregae os de fazenda, ad-
damos rompantes de^ >eao fl-aquella raca A.s erv a carg0 dessa repartico : um
grandiosas aspiracoes de liberalismo c nationa- ., .
iidade, inauguradas em 1848, succedeu a inen- expediente, porm, que prejudu a o servieo, em ge-
vel confusao de 1849, que deu em trra com os ral, das reparticoes de fazenda, d'onde sao tirados
planos regeneratorios. A effervesecncia actual os empregados, o que nao pode ser duradouro.
contra a Dinamarca provavel ache correctivo na ,,.,.,.____ .. .
dissidencia dos proprios confederados. A Prussia, Conven fixar o quadro dos c mpregados das al-
e sobretudo a Austria, j protestara contra a even- fandegas.
tual oceupacao do Schlesvig por tropas dos estados o governo nao tem a autorisago precisa para fa-
Tso'aniittem que l vo soldados au-naeos ^*i^*^ 172 *"ff:
ou prussianos, nao como instrumentos da dieta ment das altandegas, que considera materia legis
sim como forca armada de duas po- lativa tudo o que diz respeito ajs empregados, suas
Dina-
grado da philaucia teutnica; introduliu-se m
mediatamente na retaguarda das forras do gene-
ral Hacko. Em lugar de aguardar, fra do terri- Icrr, que decorra muito lempo.'antes de restabe-
toro em litigio, a sentenca da dieta sobre a sua |ecer-se o accordo entre os estados germnicos para
1 : usa, entendeu que r.o ha nelhor argumento do decidirem o que cumpre fazer era relaoao a '
que o dos factos cc>nsummados. Aprcsenlou-se marca.
era Kiel, allegando ao principio que se denorava
poucos dias. Recebeu deputacos do todos os dis-
u-irios, deixou-so acia nar por toda a parte ; e pa-
rece que j excrce a soberana.
Curapre explicar a resignaeao com que a exig-
na Dinamarca se sug itou a reiirar dantc dos sol-
didos alenles, con'ando alias com 40,000 ou
50,00o homens para densa do Holstein, onde a
praca de Rendsburgo e a ponto de Krederickstadt,
haviam sido postas em formidavel estado de de-
fosa por Frederico VH, que agnardava a visita dos
mus inimigos. AbanJouaram todava essas posi-
^5es, assim como o magnifico porto de Kiel; sup-
portoram a bumilhaco do dcsmemhramenio do
seusuccinto tenitoro. ipertados pelas admoes-
Uccs da Russia, d 1 Inglaterra, da Franca e da
Suecia. Todos recommendaram .summa prudencia
, de Francfort
O principe Frederico, qne se ostentava tencias europeas, disposlas a observar os tratados, nomeaces, accessos, vencime tus, aposentadnrias
grande respeitador das decises da dieta; que se Se, como se affirma, os governos de Vienna e Rer- e pcnas. c a d art0 13 da Ki n I 114 de *7 de
lancou aos ps de Napoleao pedindo auxilio, nu |n intmarain n'essa conformid..de as cortes de g60 '
Munich, Slutgardt, Dresden e Hannover, temos ^"-""J u iS< 1 re\ogot todas as attnbui-
divisio formal no can|io de Agramanto. E'de oes, para reformas de reparticoes ou de legislarao
fiscal.
As alteracoes que o governo fez em alguns arti-
go do regulamento das alfand -gas, que nao con-
tera materia legislativa, diminu ndo alguns dos ser-
vicos cargo nao s da alfauiega da corte como
das alfandegas das provincias, pode e deve deter-
cadada assim nos dous prmeiros semestres, como
em alguns dos mezes do addicional; de que ha
conhecimento no thesouro, do exercicio de 1862
1861, comparada com a que se realsou no de
18611862. Dessa comparacao resulto um de-
crescimento no ultimo exercicio, excluidos os depo-
Itos, de 5.815:098#W8 ou 11,21 /, c com os de-
psitos, de 6.197.4783700, ou 11,17 /,
Supposto o valor das cifras designadas no refe-
rido quadro, em relaco ao exercicio de 18621803
tenha de elevarse com a arrecadacao de mezes do
respectivo semestre addicional, flndo cm dezembro
mo passado, endiOmnlM repartieses incaes
do imperio, cujos balances nao foram ainda rece-
bidos no thesouro, nem por isso me alenta a espe-
ranea de poder equiparar a renda do dito exercicio
do antecedente, 18611862.
Circunstancias exteriores, que vos nao podem
ser desconhecdas, deviam contribuir, como efficaz-
mcnle conlribuiram, para essa alteraeo, que em
sua marcha ascendente soffreram as' rendas pu-
blicas.
Hefiro-me nao s a essa notavel deficiencia que
do aigodo sentiram naquelle perodo, e sentem
ainda os mercados e fabricas da Europa, como a
essa luto desastrosa, que infelizmente divide os
estados da unio americana.
Materia prima de importantes e variados arte-
factos, o algodao tem sido um dos mais fortes ele-
mentos da nossa mportacao, e por consequencia
nossa renda. A sua deficiencia, elevando o seu
preeo, e dimiouindo naturalmente o consumo de
seus productos, priva o thesouro dos recursos va-
liosos, que elle llie submistrava.
A luto dos estados da unio americana, acaire-
lando em suas consequencias o entorpecmento da
industria em pontos importantes da unio, dificul-
ta, seuo mpossibilita, o supprimento, entre ou-
tros artigos, da farinha de trigo, com que elles fo-
raontavam o nosso mercado, e estendendo as nossas
relaees commerciaes, tanto auxiliavam os nossos
recursos linanceiros.
Fe izmente, jmrm, os exforcos da industria rea-
gem contra esse abatimento fatal, a que a reduzio
a deiciencia do algodao: esse impulso vira reani-
mar as nossas transaces mercarais, e resumir as
nossas rendas a esse progresso, de que foram des-
viadas pelas circunstancias alludidrs.
Nos seguimos quadros encontrareis tambera o
valor de nossa imporlacao, exportocio, baldeacao,
reexportocao e o moviraenlo de nossa navegaco
assim no dito exercicio de 18621863, como em
relacao ao de 1861-1862.
A renda, segundo os balances enviados pelas
thescurarias de fazenda das provincias, foi a se-
guinte nos exercicios de
1861-1862. 1862-1863.
Ql Imporlacao.. 31.259:9903824 26.616:3353671
&1 Despacho ma-
g-J ritimo.....
'.Kxportacao..
E'Jlnlerior......
"[Peculiares...
279:7143740
8.198:3933030
9.288:0884043
2.062:7323693
262:9123999
9.031:9443128
8.392:9433427
2.001:0133064
extraordinaria..
Deposito.........
51.088:9195240 45.308:049*282
1.041:5363550 977:3083350
52.130:4553890 46.285:3573932
3.342:7245021 2.990:8433579
Rabia
Pemambuco.....
Para............
Maranho.......
Rio-Grande do S.
Santos ..........
Porio-Alegre___
Cear..........
Alagas........
Parabyba.......
Paranagu......
Paraguayana
Albuquerque....
Aracaj........
Santo Catharina.
Rio-Grande do N.
Espinlo-Sanlo...
5.764:06/5017
6 214:69-5028
1.488:7935223
1.222:6353899
1.922:3085939
975:3795354
612:8153977
512:6943417
248:9255999
259:9143463
114:2693761
109:7685504
97:1 95117
98:5075828
93:3605151
90:8075867
46:9875727
34:2385714
5.967:1145861
5.255:8855610
1958:9935489
1.441:9953995
1.485:6893523
1.03 :7155000
369:6505936
633:4975572
387:1585027
326:4965191
128:5395799
90:8245613
81:6905717
125:3515922
108:2975594
96:5881188
53:8115608
34:706591"
Damos cm seguida a continuaeao do relalorio
apresenlado ao parlamento brasileiro pelo ministro minar urna redueeao no pessoal respectivo,
da fazenda : I n ,
Numerosas e importantssimas, como sao, as | Quanto a airaodcga da corte o govoino esta ha -
attribuices dos inspectores das alfandegas, care- blitado para desde ja prapr-vos as reductes pre-
cem elles de um auxiliar prompto, om cuja intelli- cisas: nao pode, porm, faz-lo quanto ao quadro
genca, probidade ezelo descansen! no desempenho dos empregados das alfandegas das provincias.
dos diversos encargos, que Ihes foram confiados. \ Na corte o quadro do pessoal peder ser fixado
A leitura do art. 126 do regulamento das alfonde- do i10 constante da tabella se punte que submet-
0 a vossa approvacao.
gas, que enumera as attribuices, que oompeiem
aos inspectores, convence da impossibilidade em
que se achara esles de poderein por si sos corres-
em prosenca de um acto da dieta, cuja egalidade ponder s vistas e conlianca do governo, na direc-
^L'TTfT ; ,0d,'^ SffT q'e CUmpna Cao de lio iniportanles reparticoes, e na Oscahsa-
deixar os federis ostaboloccr garantas para a v. '
populaco allcmaa, alini de contar com o apoio das Ca0 UHS "* 'lue eonstituera a mxima parte
grandes potencias, no caso de se excederem os de nossa receita publica.
eommissarios de Francfort, ou de passarcm os
contingentes alera do Eider, limite do Schlesvig. .
. Oprmero acto dodramaconrtuiu coma inau- as obngacoes, que a seu turno Ihe mi|ie o art. 129
i.'iiraoo de tocto de um novo soherano no Holstein. do regulamento em relaco ao servieo de urna
A unecaododireitonio tardar em partir de Franc- das sceces, de cuja directo fot incumbido pelo ["s~^or
nao possivel que auxilie Ajudante .......
Sujeito por outro lado o ajudante do inspector
fort. A medida todava, qne se realsara os votos nemo regu|amen,0)
tucanos
Segando* ditos...
Terceiros ditos..
(Jna 1 'tos ditos... .
OhViaes de des-
Novemhr 2.O banco de Inglaterra eleva le mais sincera amisade. Desdo, que Christierno IX
% a 5 por conloa ta co jura. sabia ao throno, cessaram as demonstraces de
6.O banco de Franca eleva a laxa a 6 por nteresse pessoal, de que ora prodigo, o re de Sue-
tentc. cia; talvez porque o novo soberano dinamarqnez
12.Nova elevacao a 7 por cento.
t Dezembro I. Fmpre-timo temporario contra
federaos, recrescem as exigencias germnica .
Agora pretendo-se tomar conta do Schlesvig quan- convenientemente o ms|>ccior sem detrimento de Cnefes de seccao.
to antes; e aproveitar os gelos, que facihtam a urna, ou outra dessas attribuices, e por conse- Prira.iros escrip
passagera de rios e torrentes. A Dinamarca nao quenca com manifesto desvantagem da fiscalisa-
r.z eabedal da eventual intimaco da Austria e da ,.-,..,.^.1.,-=.. ,i M1(1,.
Prussia. Conhece talvez do sobejo, (pie apesar da ao e arre" aa^ao "* rtndas;
sua ceJ. ncia, a queslao reproduzir-se-hia a ttulo Separar, pois, o lugar de ajudante do Inspector
de empossar o principo de Augustemburgo do du- do lugar dechefe de Meci, confiando Ihcexclu-
cado .pie Ihe Pertence. Em breve 60,000 dina- sivam(!lll marqnezes se acharara cm armas junto a cidado i'iaiicant.-s......
do Schlesvig, c as margena do Trecne. Serlo HP*elor no exercicio e desempenho de suas al- Thesoureiro.....
elles sufflcientea para lutar com 100,000 ou 150,000 tribui\;es e cominciteudo a um chele de seccao o
alternaos dos estados secundarios, ainda que a servieo, que ao ajudante do inspector incumbe
^Orel CaS xVrsranSr^ P-"* a 'Videncia nais rasoave. e
los de confraterns.ieao scandinava, propendo se eflicaz.
firmar com a Dinamarca um tratado do alliancal A este respeito, todava, nada resolveu o gover-
offensiva e defensiva. Teve repelidas entrevistas
com Frederico Vil, ao qual se dizia ligado^iola
; no, pelos motivos que adianle vos cxporei. tratan-
do do quadro do pessoal destas reparticoes.
8.*Pelo art. 133 do regulamento das alfande-
gas competa ao chefe da lerceira seccao rever e
otratodo'ain- {r """ todos os despachos e guias de receta Xdmi'i'ni'tra'dor
da est'por assipnar; e as tropas suecas era p de depois de efiectuada a entrada, ou pagamento dos; das espatelias.
Feis............
Guanta-mr------
Ajudaulos.......
Primoiros confe-
rentes ........
Segundos ditos...
Stereometra.....
j Ajuiianles......
I Portel ro........
I Ajudante........
' Continuos......
Correos.
3.Nova elevacao a 8 por eento. Baixa de
inamarq
poucos dias a penetrar
no Schlesvig. As nicas ou medidas, dedueco ou abatimenlo, mas tamben |
16
16
16
50
16
i
2
1
2
20
12
1
3
1
1
4
I
2
20
203
y.
I

<
o
E
p
s
3:0005
2:2005
1:5005
1:2005
2:2005 1:1005
1:2005:
BOi
6003!
5005
5
2:0005
1:0005
2:2005
1:4005
1:8003
I-.200
l:800;
|:MOJ
1:2005
8005
3605
3605
1:8005
8005
800
8005
6005
4005
3005
2W5
5IKI5
1:0003
61K15
1.1005
7003
9003
60U5
9005
6005
(>o03
4005
1805
1805
9005
4003
4005
Por oeu ta -
gem. 1 por
c o 11 111 d a
renla divi-
didos em....
1,228 .juot.
18
e

o
C/3
30
24
80
80
112
80
48
100
15
20
16
360
81
18
21
7
5
18
10
100
1,228
40.117:1023564 36.366:0435191
nECEBEDORlAS. MESAS DE RENDAS DE 3' 011DEM
E COLLECTOntAS.
O servieo incumbido estas repartieres prosc-
gue cora regulandade.
O seguinte quadro vos mostrar a importancia
de sua renda no Io e 2" semestre do exercicio de
18621863, comparado com o exercicio anterior
de 1861 1862. No semestre addicional se reahsa,
de ordinario, a arrecadacao de algumas rendas
cargo dessas reparticoes ; essa circunstancia deve
contribuir para que esperis que a arrecadacao uo
Io daquelles exernicios exceda o algansmo, que
aprsenla este quadro.
ESTAgES. 1861-1862 1862-1863
Ro de Janeiro. e 2" semestre
Recebedora..... 4.786:5673009 ;.956:8433724
Mesas de rendas e
col lectoras
Rabia.
Recebedora.....
Mesas de rendas e
colleclorias____
Peinambuco
llecebedurias------
Collectonas......
Maranho.
Colleclorias......
Para.
Colleclorias......
S. Pedro.
Mesas de rendas c
colleclorias ....
Santa Ctliarina.
Colleclorias......
dem :
Paran .......
S. Paulo......
Espirito Santo..
Sergipe .......
Alagas.......
Cear .........
Parabyba .....
Piauhy........
Rio-G. do Norte.
Mesas de rendas e
colkH-torias. ...
Minas-Genes.
Colleclorias......
Mesa :
1.135:7833729
508:5703725
550:1343329
530:1343329
132:3993592
139:8493169
134:0345996
728:0573971
419:1193897
267:4933913
418:4123632
91:3323288
113:6605431
106:5665574
684:0215919 258:8105675
45:2695159 30:6515475
76:1163933
786:0573982
31:7465624
85:3513407
108:6035182
73:9565783
37:4135590
38:2323699
62:2493853
324:8795874
37:6765653
51:2225921
75:8713766
49:1735685
26:99t5038
30:7655232
Amazonas.....
Goyaz ........
Matio-Grosso.
Mesas de rendas
e collectonas ..
16:1065967
638:1273324
10:1783313
17:0473872
10:5143375
459:6733149
8:5765961
17:9615810
53,473:1793911 49.275:7013211
IMPORTAQO. EXPOnTAQO E SAVEGAgAO.
O commercio de imporlacao e exportoeao geral,
reunidas, foi no anno de 18621863, segundo os
mapias estaiiscos remettidos pelas alfandegas do
imperio de 22.744:7773-
(Continuarse-ka.)
Dous poetastros sentados no caf central de
Lisboa, anoslavam dous charutos para o que pri-
meiro achasse um consoanle em ada.
Ganhei ; disse um delles alegremente :ce-
vado..
Tinha-a eu mesmo debaixo da lngua, res-
pontleu o outro com ingenuidade.
Cuitados, observou um sujeito que estava na
mesa fronteira ; nao se sustentam de outra consa.
L-se na Cruz :
A COROA 1>E FLORES IMMORTAKS.
Um velho abastado tinha nm lilho, e esse tendo
chegado idade da discrpeo, son pai o chamou
e disse-lhe :
Vem eomigo. E mostrou-lhe tudo quanto
possuia. Tudo isto leu, e eu lo reservo ; mas
para que tenbas parte em minha heranca, deve-
cum nir una condi^o : eu quero que me apr-
senles urna cora de flores que no.murchein ;
procura essas flores preciosas, e logo que for
tou diadema volia, e eu te direi : tola a mil
fortuna tu?.
O joven percorreu por muito tempo os jardins.
os bosques e as moniantias ; porm nao poda de-
parar com as llores que nao murcham. Quando
encontrava una flor desconbecida, da va un grito
de esporauca, c colhendo-a formava urna grinalda;
mas eis i|ue pela manha perda todo o seu perfu-
me. Cansado, sentou-sc junto margen de um
no, e ahi comecou a derramar lagrimas amargas,
dizendo comsigo mesmo :
Eu nao irei adianto, porque nao encontr
flores que nao murchem. En quero morrer aqui !
Espera, Ihe brada ama voz.
E vio um velho approximar-se delle e dzcr-
Ihc :
T s muito joven, meu filho, para morrer.
Se nao queris que ou morra, dizei-me onde
que existen essas flores que nao murohaoi.
E chorando contou a sua vida ao velho. Este
'Ihe disse :
A flor que nao murena, nao aquella que a
Ierra faz erescor, mas sim aquella que o coiacao
cultiva, e que se chama virlude. Consola-te, lem-
po anda ; cultiva o teu coraco, que as flores im-
mortaes nascero.
Oh I diz o joven, onde acbarei a sement
destas flores divinas *
No co, respondeu o velho ; mas a oraco as
faz descer ; ora, e teas votos seiiponvidos. '
O joven orou, e as flores que nao morrem vin-
garaai em seu seo ; e apreseutondo-se seu pai,
este o abraeou o Ihe disse :
Colheste, meu filho, as flores que nao mur-
cham, pois como ellas tua felicidado e tua gloria
sern iniraortaes !
A Nacao publica o seguinte :
Relativamente quesio que boje se agito entre
a Allemanha e a Dinamarca julgamos curioso o sa-
bero numero das forcas de que dispe este ultimo
reino.
O exercilo dinamarqus compoe-se de 120,000
homens distribuidos a,-sini : um exercito de pri-
meira iinlia do 70,000 homens que pode ser apela-
do cni demora por urna recn a de 50,000 ho-
mens bem instruidos, fardados c equipados.

Os jomaos de Londres ditera que en vista do
grande escndalo que causn entre a masarte das
pessoas sensatos e humanitarias de todas as clas-
ses em Inglaterra, a recente luta entre os athletas
King e Keenan, e das enrgicas censuras de al-
guns jomaes contra a podra pela sua apatliia en
impedir aquello espectculo selvagein. re.-olveu
porfim a autoridade tomar conlieciraenlo do fado,
citando para que comparecam ante O juiz compu-
tenle nos os hroes do pugilato, mas tambera os
seus padrinhos. os qne apostaran c lodos os que
assistiram ao espectculo, debaixo de pena de pn-
so para todos os que se nao aprescutarem.
Acaka-se de apresentor-se rainlia Victoria urna
representofo com 23 mil assignaiuras pe-iiuno o
perdi de um individuo que matou por uems a
nolva, e todos os supplicaiites affinnan une o in-
diviluoesi innocente, porque obrou pelos iuijml-
sos de una mania homicida.

Diz um jornal belga que a maior parle das lejas
maoonieas da Europa acabain de conferir ao es-
criplor Renn, autor da Vida de Jess, una peina
de ouro, e accrescenla que o Sr. Renn sera tam-
be m nomeado groehauceller da ranura das cor-
respondencias e das linancas da nafonana de
Paris.
31:7713958 28:7183358
Totol 10.407:6763687 7.805:21H)5283
O qual se compoe do seguinte :
Renda.......... 9.047:2515143 ij.930:3775927
Depsitos........ 1.360:4235544 874:9125336
RENDAS PI'BLICAS.
No meu relatarlo vos demonslrei o progresso
nuasi constante das rendas publicas desde o exer-
cicio de 1847-1848 at o de 18611862, em rea-
gao nao s a todo o imperio, como a cada urna das
provincias om parlicular. I.imitor-ine-hel, por isso,
a presentar-Tos no seguinte quadro a renda arre-1 PERNAMRUCO. TYP. uE M. F. P. A FILHO.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EDOPUSIQE_U40W9Y INGEST_TIME 2013-08-27T23:53:39Z PACKAGE AA00011611_10298
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES