Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10297


This item is only available as the following downloads:


Full Text
i
AHHO XL. HOMERO 41.
Por tres mezes adiantUs 5JJO0O
Por tres mezes vencidos 6$U0U
Porte ao con ci por tres mezes. ,$750
SABBADO 20 DE FEVERE1RQ DE 1864.
Por anno adiantado.....9J00O
Porte ao corrcio por um anno 3J000
BNCAHR&JADOS DA SUBSCltlPQO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima?
Natal, o Sr. AMonio Marques da Silva; Araratv, o
Sr. A. de Lomos Brega; Cear, o Sr. J. Jos'dr
Oiivcira; Haran^o, o Sr. Joa.piim Marques Ro-
drigues; Para, o* Srs. Manuel Pinheiro A C; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da rosla.
BNCARREGADOS DA Sl'BSCRIPCAO NO Sil.
Alagas, o Sr. Claudino Falco Das; Baha, o
Sr. Josa Marlins Alves; Ro dj Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins A Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS,
'.'linda, Cabo e Eseada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feras.
Santo Anlan, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruarn',
Altinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Liinoero, Urejo, Pesqueira,
Ingazeira, Floras, Villa Bella, Tararaiu, Cabrob,
Boa Vista. Ourieury e Exu as qoartas feiras.
Sonnhaem, Rio rVmoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e l'imonteiras as quintas feiras
Ilia de Fernando todas as \ezes que para ali sahii
navio.
Todos os estafuUs partem ao Vi dia.
EPHEMERIDES DO MEZ DE FEYERETB.0
7 Lna nova as 3 h., 49 m. e 56 s. da t.
14 Quarto rese, as II h., 5 m. e 86 s. da m.
22 La choia as 2 h., 41 m. e 8 s. da t.
PREAHAR DE HOJE.
Primeira as 2 horas e 6 minutos da tarde.
Segunda as 2 horas e 30 minutos da manhaa.
PARTIDA DOS VAPORES" C6TE1R08.
Para o sol ate Alagas a 5 e 25; para o norte ate
a Granja 7 e 22 de cada mez; para Fernando nos
das 14 dos mezes dejan, marc, maio, jul, set. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Reeif,-: do Api pucos s 6 '/., 7, 7 /?. 8 e
8 '/i da m.; de 01 inda s 8 da m. e C da tarde; de
Jaboatao s 6 >/t da ni.; do Caxanj e Vanea s 7
da m.; de jlemlica s 8 da m.
Do Recife : para o Apipocos s 3 ', 4, 4 /.,, 4 Vi,
5, 5'/, 5 Vi e 6 da tanta; para 01 inda s 7da
manhaa e 4 '/, da tarde; para Jalma So as 4 da tar-
de ; para Cacha ng e Varzea s 4 '/i da tarde para
Bemfiea s 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TRJBUN.A.ES DA CAPITAL.
Tribunal docommerrio: segundas e quintas.
Relacao: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do nivel : tercas e sextas ao meio
da.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
i'iAS DA SEMANA.
lo. Segunda. Ss. Faustino e Jovita mm.
Ifi. Terca. S. Kanrmiindo de Penafori c.
17. Quaita. S. Pniycronio b.; S. Hornillo m.
1S. Quinta. S. Ttie-otonk) 1 prior deS. Cruz.
l!t. Sexta. S. Conrado I.; S. Gahino m.
20. Snhhado. Ss. Eleulherio e Nilo bb.
21. I in i,_'o. Ss. Maximiano e Fortunato bb.
ASSIGNA-SK
no Recife, em a linaria da praea da Independencia
ns. 6 e I, dos proprietarios Manoel Figueiroa 4
Faria & Fimo.
PARTE GFFICIAL.
1IIVISTKHIO 1>A FAZENUA.
Ministerio dos-negocios da f.zenda. Rio de Ja-
neiro, II de 1864. ilhii. u Exin. Sr.
Pas-ando as inos de V. Exc i decreto junio u.
3,215 de 31 de de/.embro de 1801. oiitcudo o re-
gulamenlo especial provisorio para a navegaciio do
rio Amazonas por embarcacoes brasileiras e perua-
nas, julgo conveniente por esta oecasiio fazer al-
gutnas observaron a V. Exc. para la execuco
da ni reto.
Publicado o reculamente especial nessa-provin
ca, V. Exc, na conformidade do art. 4 11, fara
com que, Km demora, lenharii plena execuco no
respectiva alfandega as di-posiijies do regulamenlo
de l'.l Je selembro de 1860, relativas ao enlrepost
publico, modificadas pelo decreto n. 3,217 de 31 de
dezenbro, c,ue alierou alguma.-. dsposieoes do ul-
timo dos citados regulamentos.
A exeeucio destas dis|iosicoe.s muito concorrer
pata fomentar o eommercio de transito com a re-
pblica do Peni, pondo sua lisposicao as merca-
dorias eslrangeir.is do entrepo-to, independente do
pagamento dos direitos, teiihain ou nao viudo do
stn.ngero com deslino ao Per
Designada os irinazen- qk.e deverao servir de
ntrenoslo publico, na forma do art. 4 J 1. se a
afluencia de merradorias, ou cutas circumsl lu-
cias, exigirem annazens suppL'nientares particula-
res, Y. Exc. observar o art. 4 3*. caso o dono ou
posstiidor di aJgum trapiche ou armazem de depo-
sito ;.ssini o requera.
A tabella de que trata o art. 27G do regulameiito
das alfandegas, tanto para os enlrepostes pubicos,
come para os pracularres, ser provisoriamente
x.id norV. Ex. nos termos da circular n. 2 des-
ta dala s thesou rarias de faiteada com a devida
modi racao, atiento ojfavor inherente ao deposito
de mercaduras em taes estabeleci.nentos.
Ouanto ao pessoal do entreosto publico, convi-
r que se observe, Mir ora o que foi recomtnenda-
do ms inspectores da ihesoura rias na referida cir-
cular.
0 rt. 7 tloiacreto n. 2,316 irata daorginisaeo
provisoria do pessoal das mu-as do rendas, que o
governo julgou atcessano crear em Manos e Ta-
baiinia, na provincia do Amazonas.
V. Exc. l-jgo que receber estas instrucces, in-
de|ierdenle de tejuisicodo presidente daquella
firoviicia, tienta anecessiilad da prompta inslal-
ico das ii esmas repartieses, far seguir para o<
nu-iic onados lugares os empregados da alfandega
dessa provincia pie, pir V. Exc. designados, na
forma do citado artigo, devero servir de admi-
nistradores e escrivaes, mas qnnnio aos demais
aguarlar requiiica.i do referido presidente, re-
contmendando em t-do o caso aos mesmos empre-
tfados todo o zelo e rntelligenc a no desempenho de
Has (unccies, o me ser tomado em especial con-
siderapio pelo gobern.
Os tutos emprentados logo que ali chegarem, pro-
ceder insulta cao das raesis de rendas na for-
ma doreftitaUnifts liscaes i m vigor, e segundo
as ordens e inslmrcocs que llie forem dadas pelo
presidium a pelo inspector d iliesourana de fa-
zenda la provincia do Amazonas, a quem se deve-
rao lojn apreseul.tr para o dio lim, ficando-llies
.suberioados na orma do mesmo decreto para lo-
dos os effeiios legaes.
Devo agora chamar a attenciio de V. Exc. para a
desigaaeaa dos ligares de escala das embarcaces
tira di s porlos habililulos, a rual tem de ser frita
por V. Exc, bem como pelo presidente da provin-
cia do Amazonas, na forma d i art. 19 do citado
decreto, no territorio de suas respectivas jurisdic-
{5es.
Atteudidos como foram pelo 3* do mesmo de-
creto os HMuresse* do eommercio com a repblica
do Per i, ogoverno imoerial e.ilende que por ora
nao hafera necessidade de designar outros pontos
alm dos frsquenados pela coinpanhia de naw.M-
co do Alto Amazonas ; todava, se os mesmos in-
teresse;; imperio^timnie exiizirein que alm da-
quelles desde ja, sem esperar nina deeiso Jo o-
veroo, >e lsignern oulros pontos para as escalas
das embarcaces, V. Exc. o far, dando coilla ao
governo dns molkos da deliberaco, com os preci-
aos esciarecinienlits para linal ap'provaco.
Em t>lo easo con vira que o inspector da Ihesou-
raria dt' faz.-nda j o d; alfand -ga ex|ecani as ins-
truccoei pr< ci-as, nosos cllecionas, onde exis-
tireni, orno aos postos li-caes ipie se crearem nos
ditos ponto; des-a provincia, alim de que possam
lr ellas gtiar-se nodesempei.lio dos seus deveres,
para boa execuco do regulamenlo especial que
acom|iaoha o citado decreto n. 3,216.
Nao nhstante o que tica ponderado, V. Exc, ou-
Tindo o ins teelor da thesouraria de fazenda e o da
allandeija dessa provincia, informar com brevi-
dade o zoverno sobre a conveniencia da creaeao
de alyus [ortos Quviaes do Amazonas mssa pro-
vincia, taes como Gurupa, Sanlarem e Obidos:
transmilliii'lo por essa oerasiu todos os esclareci-
nientos que lite fjr possivi-i collier sobre a naiure-
za e importancia do eommercio desses pontos, e
outras < irruosla acias que dtvam ser atteudiias
pelo go'erro.
Como o regulamenlo do Amazonas nao pode
deixar le ser previsorio, recommendo muito es-
pecialmente V. Exc, e o mismo V. Exc fara
thesouraria de fazenda i ao inspector da alfandega
des.-a p'ovincia, que proponlia n sem |ierdade lem-
po (piai'squer alterac&;s que julguem necessario
fa/er-.-e no mesn o regulamenlo, ou quaesquer pro-
videnci; s que entendam deve ser adoptadas pelo
governt, n.io s para promover se o cotnnierrio e
a navegado do no Amazonas, como para manter-
iin svsti ma de serviro e polica nos rise aguas
interior es das provincias do Para e Amazonas,
. da ido todas as fr; nquez; s e favores de que
credor o conunc reo, po-sa previnir ao mesmo
abusos que pir ventura se procure com-
ler t Minbra dos itcmiios favores.
roniado reconlecido zelo e inlelli-
gencia lie X. Exc. e dos iinn lou.idos in-pectores
a execuco de u n acto que tinto pode animar o
commeicio e naivgaru do Amazonas, e espera
que fario (uanlo estiv ;r ao smi alcance na obser-
vancia do regulamenlo das alfandegas e do espe-
cial (jul araba de ser expedido, para que por meio
de deliln-racoes provisorias, bbeiaes e acertadas,
se remcvain quaesquer duvidas e embaracos que
possata suseilar-:^, pn |iondo logo ao governo to-
das as medidas i|Uu prensas fjiein para favoncer
interesses ileord -ni tac elevada e de tanta impor-
tancia (ara o futiro dessa provincia v do imperio.
Deiis gu; rde ;. V. Exe.Mrquez de branles.
Sr. piesidente da provincia do Para.
Minisrio dos negocies da 'azenda. Rio de Ja-
neiro, 11 de Janeiro de 1861 Illm. e Exm. Sr. -
Transm ttirdo V. Exc. a copia do aviso desta
data qwi acabo de expedir ao presidente do Para,
para cumprimento do decreto n. 3,210 de 31 de
dezemtiro i Himo, aproveito a occasixi para cha-
mar a iltencao de v. Exc sobro as observacoes
que julniei conV'tnit'iih fazer para boa execuco
no niado i erreto, lano nessi provincia como na
rio Para.
Segundo muito conveniente que sem demora
fo--em insultadas a- mesas de rendas de Manos
Tabal ng;., urdi-net por c te da provincia do Par, que l.ze*SC para ahi seguir
,s empregad que dev -rao -crvir de administra-
d nes e e-e1 ives da< referida- mesas, ludo se-
gundo ;.s ordji'M e iiistrurcocs que receberem d/;
Y. Exc. e da llu'.ourara de fazenda desta provin-
vinria, pudendo V, Exc. requ sitar os demais em-
pegados, bem como ellecluar a remoco daqnel-
les requisilando utios, quando o bem do servico
Di blico e as circumstancias assiin o exigirem, at
que sejam organisadas dofinilivamente as mencio-
nadas repariicocs, como previne o artigo 7. do re-
gulamenlo.
j Quanto a execuco dos demais artigos, V. Exc.
al ender a- observaees roosUatoi do mesmo
auso na parto que for applicavel a ossa pro-
vincia.
Como o regulamento especial que acompanha o
decreto n. 3,216 nao podia deixar de ser proviso-
rio, o governo e-pera do esclarecido zelo e inlelli-
gencia de V. Exc. que o seu pensamento ser fiel-
mente executado na observancia do mesmo regu-
la nento, segundo as nstrueces do mesmo aviso,
e jue V. Exc. propor quanto antes as alteracdes
que por ventura entender necessarias, j para
a organisacao definitiva das repartieses creadas
neisa pruvincia, j para melhorar-se o systema
adDptadoiiu servico e polica fiscal do rio Ama-
zonas.
Finalmente', devo lembrar V. Exc que o arl.
33 do regulamenlo especial nio poder ser execu-
lalo sem preceder convenci internacional, nos
termos do parajrrapM nico do mesmo artigo, a
qial, se for celebrada, ser ?m lempo opporluno
\ cominnnirada a V. Exc; para evitar depois conflic-
i tos, ronvir que V. Exc. assim mesmo o faca cons-
ta; s autoridades A quem competir a execuco do
re/iilamento especial. Dos guarde V. Exc
i Mrquez de branles.Sr. presidente da provincia
I do Amazonas.
.OVERM) Di PH0VI>C!\.
ExprdirnlP de lia 17 de fercrcire de 1861.
)fllcio ao Exm. presdeme da provincia da Ba-
liiii.-Devolvo V. Exc, alim de que lenha o con-
: veniente destino, o diploma que veio annexo ao
I sen offlcio de 21 de agosto do anno prximo pas-
, sai. o, do doulor em medicina pela Faculdade dessa
cidade, Manoel Loureiro Estrella, vislo que nao
; consta achar-se o mesmo doutor nesia provincia e
siui nado Rio de Janeiro.
Dito ao bngadeiro commandante das armas..
Remeti por copia V. Exc para seu ronheciinen-
to e devidos elTeitos o aviso da reparticao da guer-
ra de 21 de Janeiro ultimo, polo qual se concedeu
ao arcediago Placido Antonio da Silva Santos, per-
; mi-sao para profundar a camboa existente no rio
j qua alravessa o terreno de servidlo da fortaleza
'. de Itamarac, rocar o mangue e fazer viveiros na
! frente dos dous sitios que elle possue junto a dila
, fortaleza.Communicou-se ao predito arcediago.
Dito ao mesmo.Para cumprimento do disposto
no aviso do ministerio da guerra do Io do corren-
te, srvase V. Exc de mandar ajuntar aos escla-
recimenios exigidos em virlude do aviso circular
de 21 de dezembro ultimo, urna relacao demons-
trativa dos proprios nacionaesque estivercm dis-
po. cao daquelle ministerio, orgamsada deconfor-
foimidade com o disposlo no I 4* art. 12 da lei n
1,114 de 27 de seteml.ro de 1860.
Hilo ao mesmo.Pode V. Exc. nomear mais om
an inuense para a secretaria desee cotnmando de
anuas, romo propdo em seu ofllcio n. 123 de 20
de. Janeiro ultimo, visto como o que existe nao pJe
dar vazaaao avultado trabalho da mesma secre-
taria.
Dilo ao mesmo. Queira V. Exc mandar alistar
I no- cor|ios em gtiarnicao nosta provincia, urna
yet que sejam considerados aptos para isso em
| intipeeejo u saude, os recrutas Manoel Antonio do
i Jesas, Honorato Alves do Nascimento, Manoel An-
: tatito Alves B irbosa, Rufino Francisco dos Santos
e l.aurindo Joaquim de Azevedo.Communicou-se
ao coronel recruttdor.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
i Transmuto por copia V. S. para seu conhecimen-
lo D devidos elf.'itos o aviso do 1* do correnle em
! qm< o Exm- Sr. ministro da guerra nao s declara
Jiarer providenciado para seren concedidos ris
3::I45760 por conta do % 13presidios e colonias
militares e 1 16:974,5880 do % 14obras milita-
resdo exercieio aclualmente em vigor, para se-
r u apphca los a primeira deesas quaotias as obras
ila rapella da colonia militar de Pimeuteiras e a
se.inoda s da capeRa da fortaleza de Itamarac e
do piartel cotiliguo, contndose com 8:8005 para
as do cano de esgoto do quartel da Soledade e com
ig i il quanlia para as do abastecimenlo de agua
potavel ao forte do Buraco e fortaleza do Brum,
m is tamben) determina que a despeza de ris.....
38:0S7744 antonsada imr nutro aviso il- 21 de
Janeiro ultimo Com as obras do paiol e quartel con-
ijguo no lugar denominado Torre, corra por conta
do iroducto da subscri|ico nacional.
Dito ai mesmo.Restltuo V. S. o reqoerimen-i
to fe que se refere a sua inform.ico de 13 do cor-
re lie sob n. 71, aflu de que, de conformidade com
o parecer da contad ira dessa thesouraria, mande
pajar aoportero do hospital militar Joo-Joaquim
Rs bello Pessoa, os seus venrimentos a contar do 1"
e! de Janeiro ultimo, lempo em que por doente
deixou de exercer as foncedes do seu emprego,
coi-nli raudo V. S. assim abonadas as faltas por
elle dadas durante aquello tempo.
Dito ao mesmo. Informe V. S. acerca do que
pele ao governo imperial no inclino requerimen'.o
o soldado reformado do exercito Jos Rodrigues
da Costa.
Dito ao mesmn.Remedo a V. S., por copia,
liar seu conhecimenlo, o aviso da reparticao da
guerra de 2 de jneiro ultimo, providenciando
so tre a conlinuaeao d i obra para restauraco da
ca tella dacolouia mililar de Pimenteiras.
Dito ao mesmo.Annnindo ao que solicitou o
brigadriro eommandaote das armas em offieio do
huiiii.'in, sob n. 282, recommendo a V. S-, que, nao
havendo inconvenienie, mande pagar a Estevao
Vieira da Sila, mostr da barraca que couduzio
para esu eapital o soldadodo 7" batalhiode infan-
laiia, Alb-Tlo Pereira de Alcntara, que adoeceu
no destacamento da vdla de Rarrehw, a quantia de
61, proveniente do transporte do predito soldado.
Communicou-se ao brigadeiro cemmandante das
armas,
Dito ao mesmaRemeti por copia a V. S. pa-
ra seu conhecimento o aviso da reparticao da
gi erra de 21 de Janeiro ultimo, aulorisando a
co istrucciio de um paiol e de um quartel a este
annexo, no lugar denominado -Torre, afim de
ser removida a plvora do lugar em que se aelta
para alli. nao excedendo toda a despea*, inclusivo
a enmurado terreno necessario, a quanlia de ris
38:0873744.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Aii'.oriso a V. S., de conformidade com a sua in-
formaeao de bontem, sob n. 5a, a mandar entre-
gar, mediante llanca idnea, ao tenente-coronel
l.i z Paulino de II llanda Valenca. na qualidade
de procurador do viajarlo da freguezia de S. Bon-
to. Antonio Alves de Carvalho, o cont de ris vo-
ta lo pela lei do orendolo vigente, para as obras
<1 matriz daquella freguezia, prestando primeira-
meule o mencionado vigario contas da quanlia de
2:> 1005 tpie j receben psra o mesmo lim,
IJHo ao coronel recrutador.Mande V. S. por
em liberdade o recruta Antonio da Silva Soares,
qi.e estcoinprehettdiiln na relacao anuexa ao seu
ol'iejo n. 41 tle 16 do crlenle.
Dito a.icapitn do |>oi lo.Faco apresentar a
V S. o Herida de marinha Bruno das Chafas
Runos para que llie d o conveniente destino, de-
pois de inspeccionado.Conununicou-sa ao Dr.
cliefe de, polica.
Dito ao cnsul interino da Italia.Tendo nsta
dala nneaminhail < a seu deslino a pelicao de gra^a
qi e ao governo imperial dirige o subdito italiano
rear meios para derrocar seus adversarios. 0|cipioso eleinenlos diversos; as duas parcialidades
1" 'consei'vail"r-. siippondo a or.em em immi- que nados anuos se alliaram nesta casa com
' repressao, principios dilferenles, fimdiram-se em um s par-
nenie perigo, multiplicava os meios de
1*0 vejo no paiz trans-
mini-
- urna parte .
; e um lim con.mum que nao se distingue.
Um.v Voz :Vamos s ideas.
O Sh. Una ano :Disse o Sr. presidente do con-
selho que os dous partidos se tinbam fundido em
um s partido publico, cujo pensamento commuin
era promover a prosperidade do paiz; este foi o
pensamento que se atlnbuio ao novo partido.
Um Sr. Dkptado :E a reforma ?
(Ha muitos apartes.)
O Sn. Uhra.no :Eu irei s reformas prometi-
das, mas |ieco aos nobres depulados que me dei-
xem fallar, os nobres depulados tem liberdade de
responderme, tem capacidade e talento muito
superiores as minhas fracas forcas (nao apoiados)
para faz-lo com vanlagem.
Vozas :Apoiado deixem fallar o orador.
O Sr. F. Octavia.no : Quanto mais que um
amigoquequer mostrar-nos que estamos em um
erro, devenios ouvi-lo.
O Sr. Urbano :-Anda nao vi manifestado o
pensamento cemmum que pode reunir as duas
parcialidades. Ka sociedade s vejo dous princi
licar I l"os que se debatem conslantemcnte, e de cujo
I choque resulta o equilibrio das for?as viues da
Mas,.Sr. presidente, infelizmente nessa occasiao! mesma sociedade : o principio da autoridade e
o partido liberal nao foi smente batido e vencido, I o principio liberal.
foi despoja lo, por assim dizer, de txlos os seus' A autoridade tende sempre a abusar, a alargar
odas as posi-'. a espuela de sua aeco ; a liberdade quer expan-
' dir-se, deseja nao ter limites, e s os recebe por
( Ha mais apartes.)
O Su. Urbano : Tenho ouvido fallar urna lin-
guagem que na verdade me sorprende !
Aqui se disse que nio bavia diflerenca entre li-
beraes moderados e conservadores moderados, que
ludo era urna e a mesma cousa !
O Su. B.uiao ni: S. Joao no Rio-Claro : P-
de-se ser conservador moderado e firme as con-
viccoes politicas.
(Ha mais apartes.)
preso na casa de deienjao desta ciJade, Vicente
Poncio Ferreira, assim o communico ao Sr. Jos
Sa|Mriti, cnsul interino do reino da Italia, em res-
posta ao seu oficio de 6 do corrente, sob n. 2. dava todo o clasterra poeshrel ao eienieito da^aiim-, ido com animisamnto o'mmiim T
Hilo ao director das obras mililares.-De con- ndade.. O partido liberal pelo seu lado, receloso' OSa. Paula k So.zv :-V. Exc'nao v na his-
rorm.dade coniio dlspnsto no aviso da reparticao pelas l.berdades publicas, creava e levantava loria as transformantes dos partidos t
da guerra de 2o dejaneiro ultimo, constante da principios ambiciosos, principios qii julgava bas-l O Sit. Urbano : -Mas cu na
copia inclusa, recommendo a V. S. que d comur- tante poderosos para opporem um d que a corren-' formaco de partidos
gencu as convenientes providencias para execu-1 te reactora dos seus adversarios. O Su. Sii.ve.ra Loro :-Ha engao visual da par-
V*o do> reparos necessar.os as coberturas ds ca- A lula se foi tornando cada vez n ais violenta e te de V. Exc P
r.l,.rl 'ilMa rte "a^rap e de tres dos com-' tempestuosa, e foi finalmente indar-se no campo \ O Sr. Urbano :-A este partido novo se deu o I Sn. CbauT'senhores. oue absurdo nos
oaXd?o7'xL,r conl*,1 !. "?* l,mHes da Ia ba,alh'1: onde os Partidos pelejan.m com as ar-' nome de partido progressista, com nm pensamenlo conduz o sophisma? Por ventura a didreoca en-
quanlia de 974,5880, a que foi rednzido o respec- mas na mao. Ah. senliores, o par .ido liberal se commom. queOMatiribuem, de promover a prospe-
ti vo orramenlo.Lommunicou-se a thesouraria de aehou rebelde porque eslava fra .lo poder, e o ridade do paiz^
it". m 'Pa""10 fonservador se arhou ordein porque esta- Esse partido se figura cornposto de liberaesmo-
guerra autorisado por aviso de 4 do corrente a O Sr. Lora Narro :Porque veneeu. seren urna e a mesma cousa (Anoiados)
execuco da obra do encanamento para abastec-' <) Sn. IJu uto :-Os papis llcari m lalvez tro-! Bu digo que a nova linguage.n nao passa de mu-
mento d agua potavel a fortaleza do Rrum e forte cados se acaso trocadas estivessem as altas posi- danca de nonus, e que a substancia a mesma.
do I uraco, calculado em 18:64WI64, commun- roes da sociedade: enlao os vencedores seriam O Su. Silveiba Lobo:-Iss0 ur
candme ao mesmo tempo que por outro aviso do vencidos, e os vencidos vencedores; o partido Ii- ma
! deste mez se conceder a quanlia de 8:0XXW00 beral, em vez de ser o (esordeiro seria o da lega-
para os primeiros trabalhos dessa obra : assim o iidade, e o conservador seria o dos r meldes
communico a V. S. para que mande dar principio Eu nao quero, senliores, revocar esse passado
a ella com a possivel brevidadc-r-Fizeram-se as' nao quero remexer-lhe as cinzas; mas sejamos
necessariaseommuneaces. justos, digamos que esse grande cataclysma que
iiilo ao juiz de paz mais votado do districto tantas desgracas produzio, nao foi o ira exclusiva
da freguezia de Agua-Preta.Communicando-me' de um ou de outro partido foi o resultado fatal
Vmc. em seu offiYio de 13 do corrente. nao se ter de urna hita a que nenhum dos partidos poda
reunido na terceira dominga do mez de Janeiro ul- sua vontade opiKJr limites,
timo a junta de qualiflcacao dessa freguezia. tenho! Um Sn. Dkim tauo :Isso mesmo disse eu na as-
a dizer-lhe que tendo sido approvados pela cmara! sembla provincial em 1849.
dos depulados os novos eleitores dessa parochia,! O Sr. Uhbano : -Sejamos portanto uslos, e con-
segundn consta de aviso do ministerio do imperio' venhainos em que desse grande catac ysma nao re-
de 15 do referido mez de Janeiro, cumpre que! sulta nem gloria nem deshonra pan. nenhum dos
\ me, guardados os prazos e mais formalidades partidos polticos. (Apoiados; muito lem.)
da le, convoque aquel les eletores e rena a refe-1 Bem v a cmara que estou apreciando os fac-
pda junta no dia 27 de marco vndouro, que para tos com imparcialidade. Nao quero renovar odios;
isso designo, e prosiga nos respectivos trabalhos, nao faco mjustica a ninguem, nao censuro a ne-,
temi em vista o disposto no decreto n. 2,883 de nhurn dos partidos politieos, nem me encarrego
21 de dezembro de 1861, e mais d^sposicdtis em de examinar qual delles mais con :orreu, qual
vigor No mesmo sentido mutatis mntandis se of- delles teve maior parte neste triste e. deplorave
ficion ao juiz de paz mais votado do 1* dislricto da acontec meo lo. Semelhante aprecireao
freguezia do Buique. ] historia.
Dito ao Ihesoureiro das loteras.Attendendo an'
que requercu a mesa regeelora da confraria de
Nossa Senhorado Livramento desta rdade, antor-
so Vmc mandar entregar, Ando o prazo da lei, direitos polticos; foi expedido de
ao Ihesoureiro da mesma confraria, Augusto Jos es, e excluido do parlamento.
Ferreira, o beneficio da lotera que tem de ser ex- Sem meios de se fazer represenf.r, licou, por! indeclinavel necessidade.
trah.da amanhaa em favor das obras daquella igre- assim dizer, completamente inutilizada e nullilica-1 Se estes os dous principios conhecidos em
ja, do qual opportunamente prestara contas na es- do. Assim, senliores, licou o paiz nduzido a um qualquer sociedade civil, principios que se com-
tacao compatente. so partido. | batem dede o principio do mundo, e que se hao
* or,ar|a- Os senhores agentes da companhia I Bem se v que este estado era anmalo, c nao' de debater at elle acabar. fApoiados.,)
brasilera de paquetes vapor mandem dar pas- poda durar por muito tempo semgrivissimos in-
sagem para a Baha no vapor Apa, em lugar de r convenientes.
destinado passageiro do estado ao Dr. Francisco Bu* Voz : -Dtirou de mais.
Antonio Filgueras Sobrinho. O Sr. Urbano :Dentro de pouco t impo, senho
Dita.Os senhores agentes da companhia brasi- res, se loriwu impossivel o governo pelo partido
leira d.- paquetes vapor fa?a transportar para a conservador, porque as sociedades nio podem fi-
corie no vapor Apa, por conta do ministerio da car estacionarias e iinmoveis, e lendem sempre ao
guerra, um raixo pequeo com seis tercados e seis aperfeiroamenio; os costumes. as ii!as, os prin-
centures, que o brigadeiro commandante das ar- cipios, se modiflcam; iwrtan'to uira lei moral
mas tem de remetter ao mesmo ministerio.Com- que nenhum partido pode permanece eternamen-
municou-se ao brigadeiro commandante das ar- te no poder, e que todo o governo com o tempo se
mas. gasta eTiratuisa.
Dita.O presidente da provincia, attendendo ao Dentro em (touco chegou essa epoei. O partido
que requeren Anselmo Jos Ferreira, continuo da conservador nao pode continuar tnaisa governar.
secretaria do governo, resolve conceder-lhe um Mas que fazer nao havendo outro partido organi-
mez de licenea com veneimeotos para tratar de sua sado em condieoes de poder saute- Comecaram ento os sophsmas : veo a poltica
------ da conciliario, seguio-se-lhe a |toltira da juslica
Expediente do secretario do goTerno. e tolerancia, e finalmente veio o partido da liga.
Ofllcio ao brigadeiro commandante das armas. Essas diversas situages s exprimala urna
S. ExcoSr. presidente da provincia manda derla- verdade, e era ser absolutamente inig ossivel o go-
rar V. Exc que nesta data se autorisou o direc- verno do paiz pelo partido conservador, e nio se
tor do arsenal de guerra satisf^zer o pedid i do'acnar infelizmente o partido liberal em condees
commandante do segundo batalhao de infantaria,
que allude o ofllcio de V. Exc. n. 231 de 16 do
corrente.
____
Despachos do dia 17 de fevereiro de 18fri.
JtoiMrtMenfo*.
Alfredo Artbur da Silva. Concedo um mez do
licenea com vencimentos.
Geraldo Antonio Barbosa. Indeferido.
Jos Fernandes daSilveira.Passe portara pro-
rogando ii prazo |ior um mez.
Tenente coronel Luiz Paulino de Hollanda Val-
lenca.Expedo-se ord
para entre
que se trata
vigano prestar contas da quantia de 2:0005 que j
reeebeu.
Mara do Rosario Pinhcro. Informo oSr. ins-
pector da thesouraria provincial.
Silvestre Dantas Lima. Passe portara prodi-
gando o prazo por um mez.
tpedo-se ordem thesouraria provincial'.,-' '. '""
vgar an supplicante o cont de ris de 'r'mu' "ara,n nas u
la, medante fianca idnea..depois que o "*#*? Sl!
Esses principios coustuem o partido conser-
vador eo partido liberal.
Oque pois, o partido progressista, como novo
partido? Que principios representa? Qual a sua
tendencia? sua cor poltica?
Voas :A da liberdade.
O Sn. Urbano :Se a da liberdade, entio de-
clamo se francamente liberaes.
Um Sr. Dki ttauo :Tem-se declarado por mais
de una vez.
O Sn. Urbano :Nao bn>ta que os nobres de-
putados 6 Uigam ; quero que 0 ministerio deca-
re-se nesta casa.
O Sn Lopes Xetto :Nessa nio cahe elle.
O Sr. Urbano :Se a sua cor poltica, se a sua
tendencia a da liberdade, diga-o francamente ;
que horror este a palavra liberdade ? Que moti-
vo pode haver para se mudar de nome f Porque
se ha de chamar partido progressista f
A palavra prujressisla nada exprime em polti-
ca ; pdese progredir de mil modos, em difieren-
tes sentidos, para diversos destinos, por muitos
meios; e nestas diderencas que est o anlago
nismo dos principios.
Os governosabs.ilutos e desplleos da velha Eu-
ropa tambem se dizem progressistas, parque pro-
gridem, principalmente nos melhoramentos mate-
riaes. Os governos da Russia, da Pronta e da
Austria, tm sempre progredido, ao menos no ma-
terial, e nos dizem elles que at progrdem moral-
mente, porque tratam da educacao do povo, da
sua nstruccao e moraldade.
Portanto, a palavra progressista, por si s, nada
significa.
O pensamento annunciado pelo nobre presidente
do ronselhe, de promover a prosperidade do paiz,
tambem nao tem signincacad poltica, nem pode
chamou o povo a combate em desenliar a cor poltica do novo partido, porque
todo o imperio. todos querem essa prosperidade e nenhum a pode
O Sn. Saraiva :Sao essas cousas as que ho riscar de sua bandeira : a dilferenca dos partidos
1 de falsear a situacao (apoiados); se V Exc insisto polticos est na escolha dos meios adaptados a
nisto, prepaia um futuro telo triste. Apoiados.) conseguir este lim.
O Sh. Urbano : Creio que V. Exc esta engaa- Portanto estas palavras nio delerminam a ten-
do. Ouea-me primeira; nao pretendo excluir nin-; dencia geral do novo partido.
e cornos elementos precisos para subir ao poder e
assumir a direceo dos negocios pblicos.
Formou-se a liga. Procedeu-se 1" eleicao em
1860, e fez-se a 2" o anno passado. Das urnas
sabio triumpbanle. o principio liberal. As urnas
m.iiid iran para esta casa urna quasi unanimda-
de de depulados liberaes.
De quein a situacio, senhores ? a quem per-
tence ?
O Sn. Lopes Netto :Aos mais espertos.
Uma Voz :A lodos que concorren.in para ella.
O Sn Urbano : -'ertence ao partido liberal :
I foram as sua* ideas e os seus principios os que
urnas eleiioraes, porque foi em
INTERIOR.
RIO E JIMIHO.
ASSENBLEi GERAL
CAHAHV IMM MVIIOKi:*
DEPIITAVOS.
CONTINUACAO DA SESSAO DE 27 DE JANEIRO.
O Sr. Urbano (movimento geral de attencio) :
guem do partido ; nio estou falseando a situacio ;
procuro impriniir-lbe roas odres ver. adeiras c na-
turaes.
0 Sn F. Octaviano .Oucam o orador : ainda
nao expbcoil todo o sen pensamento.
(Ha oulros apartes.)
O Sn. Urb*no :Eu nio estou desenterrando o
paseada, e tenho fallado rom a makr imparciali-
dade.....Pulanlo a situacao que triumphou nas
' urnas, e que foi bem definida pelo voto popular,
; sem qnc-to neiibuina toda liberal.
O s.8. Silveira de Soi'za :Mas o nobre depu-
tado disse, ha pouco, que o partido liberal nio ti-
palavra porque teho ne-' u ^" U'rbanu :Falle dos elementos offlcaes
a minha p'oscio nesta casa e Parl s4bir *> Pod,"r' e nao dos que sio precisos
para triuropliar nas urnas. O nobre depuiado sa-
; be que quem don o tnumpho ao governo fui o par-
tido liberal nio a forca olDcial.
Vozes : Foram todos.
(Ha outros apartes.)
Vozes : ()ucam I oucam !
O Sn. Urbano :Reunida a can.na, senhores,
| era de esperar que se organisasse um ministerio
Sr. presidente, ped
cessidade de definir
justificar meu procedimento emrelacio a ni
situacio que aqui se manfesta.
Devo dizer com franqueza que o gabinete actual,
pelo composto de sua organisacao, nio me inspira
uma conlianga que me tranquillise; nio Ihe posso \
por consequencia presiar o meu voto, falta que o i
nao prejudica por ser muio fraco o meu apoio.
(Nao apoiados.)
Eu sinto, Sr. presidente, achar-me collocado que. representasse esta situacao, e nao urna organi-
nesta posico; snto-o porque me vejo em diver-: ai-ao como a do ministerio actual,
gencia com a maior parte de meus amigos e cor- a ,,0PKS ^KTT0 : A|to.ado.
religionarios polticos, a quem quizera ter sempre bB- Urbano.:Que situacao se .presenta lio-
o prazer de arompanhar, e que esto dispostos a r< senhores ? L anda a da liga qi o se formou
apoiarem o gabinete; sinto-o porque vejo no gabi- nesta corte em 1800 ?
neto alguns caracteres muito dislincte.s que res- ,. br- PWdente, eu concebo a existencia de uma
peito, e principalmente alguns cavalheiros que me hKa ',ara ,u'n '"" deteriiiinado; concelo que indivi-
acostumei a estimar e prezar pela conformidade dos de differentes crencas e principiase reunam
de nossas crencas. Mas, senhores, e.umpro um de- Para ^*aier uma ou oulra necessidade publica,
ver, saiisfaco a minha consrienria. I,ara re;,.l|sar- urna ou oulra idea. M is urna vez
Sr. presidente, eu considero o gabinete actual conseguido o fin, a liga esta por si morta.
como um composto de elementos heterogneos, OSr. K Uctaviano :Se ella se deslina.
que nio exprime a verda.leira, a real situacao do1 Sn- Ukbano :Alguns conservadores se reu-
paiz (apoiados e nao apiados); nao ple por con- niramcom alguns liberaes nesta cr e em 1860 e
sequenria satisfazer as suas necessidades, as suas """maram !n' hga com o lim espec al de comba-
aspiraedes legitimas. E' esta a proposicio, senho- tar,,,n '""nigo rommum, com a declaracao ex-
res, que me encarrego de demonstrar. I"',ssa ^ 'I'"-' Par' l'arte nao DSvia renuncia
Um Sr. Deputado : -Ha de ser difli il. lrnici|tios.
O Sr. Urbano :-0 nobre deputado ouca-mn;' O Sn. Silveira Lobo :Ahi que.eslava o en-
nao tenho o desvanecmenlo de poder conveuce-lo; gano. (A|ioiados.)
entretanto irei expondo as minhas i leas. u Su. Urbano :Por diversas vezis se repeli
Senhores, dous partidos, o conservador e o libe- esta declaracao.
ral, Iravara.n entre si no paiz uma lua das mais O Sr. Lopes Netto :OSr. presidente do conse-
srias e reunidas, que so foi lomando cada vez Um o repeli,
mais viva e ardenle. As provocacoes pro lii'.i.ini O Sr. Urbvno :OSr. presidente do conselho
reaeeoes, as per.-eiuicoes erea*am resistencias;
os nimos se exacerbaran;, as paixes se incen-
diaran) ; cresceram os odios e os rancores que
mais c mais se aggravavam. Levados pela torrin-
te impetuosa das paixes |H>blicas, esses partidos
todos
mais de uma vez tem dito que os paiiidos se reu-
nirn! sem renuncia de ideas e principios, para
combaterem o inimigo cominum. O intinige est
derrotado, est saiisfeia a necessida. e que creou
a liga, est pro -ni-i.u11 o lim a que ella se propu-
nha, deixou |H>rianio de, existir pori ue cessou a
exageraran! todos os principios, exageraram os nha, ueixou |iortanto de existir pon ue cessou a
felos, e de tu lo fizeram uma arma de guerra, ar- sua razan de ser (apoiados): como pt'is ha de coli-
ma de aggressao e defesa contra seus adversarios, tinuar a liga ?
A imprensa, a tribuna, a proprta legislaco do O Sr. presidente do conselho reconheceu a im-
pai, ludo foi convertido em instrumento de lio .ti- possibildade da cont'.iiuncio da liga, calculou bem
iidade. o alcance dessa .VinlculiLplo; mas CMH0 procuro^
Desconfiados, suspetosos, estremeri.los e abala-i vence-la? O nobre presidente do ooiiselho disse
dos no seu predominio c influencja. tratavam do nos : Nm na mais liga, qio ha r"i nio do, prin-
Aondo achare, pos, o pensamento e.unmum
desle novo partido? Serillo prograinma do mi-
nisterio?
dffereoca
tre os pariidos est somenie nas suas exageraces
e demasas ? Desde que sejam moderados, nao ha
entre elles differenca nenhuma, podem commmv
gar e vivir em commum ?
Se assiin juntem tambem ao partide progres-
sisla algrim absolutista, que por ventura naja n
paiz, moderado, a.-sim como algum repuWicand
moderado!....
O Sr. Lopes Netto : Fca para outra ver!
O Sn. Urbano : todos os homens modera-
dos, quae>quer que sejam suas crencas, sua cor
poltica, seu matiz, podem reunir-se e formar um
partido, e n titulo que os rene ser somenre a sua
moderacio I
Liberaes moderados Mas quem sao os liberaes
exagerados ?
O Sr. Lopes Netto : Somos nos t
O Sr. Urbano : Desde que se ralla em liberaes
moderados, devetn haver liberaes exaltados, e en
quero saber onde estio estes e quem sio.
Mas em que consiste essa moderacaot
O Sr. Lopes Netto : En obedecer ao minis-
terio !
(Reelamaroes.)
O Sr. Uhbano : Liberaos exaltados en nao os
vejo, derl.iro-o com toda a franqueza : o partido
liberal hoje, em todo o imperio, e mais moderado
do que no lempo em que estivemos todos juntos
com os nossos principios amigos, alguns dos quaes
foram posi os de parle, e nao me consta que naja
alguma fraccio de partido, que sustente principios
que os liberaes desta casa hajam abandonado.
D'onde vem, pois, essa dislnccao tao arbitrar
de liberaes moderados e liberaes exaltados t Pa-
zeis uma injuria aos vossos adiados e correligiona-
rios polticos, que alias constituem a grande massa
do partido liberal, e condemnais por esse modo*o
vosso propro passado, quando tomis hoje as ves-
tes de moderados, sem nenhum Utulo pelo qaal
vos nossa roni|tetir essa denominaeo especial.
O Sh. Macedo : Em referencia ao tempo.
O Sr. Urbano : Est a moderacio no simples
facto fla condescendencia de se reunirem com ad-
versarios.
Eu nio teria duvida em rennir-me com elles
desde que partilbassem os meus principios, desde
que se declarassem liberaes ; com essa condicao
nio tenho duvida alguma em reunr-me com qual-
quer cavalleiro, que tenha sido conservador ; mas,
em quanto nao declararen! que sin liberaes, nao
posso deixar os arraiaes em que sempre milite-i.
O Sn. Inopes Nktto : Entio exagerado I
( Ha um aparte.)
0 Si TTiibano : Senhores nao baja medo dos
partidos polticos ; os partidos polticos extrema-
dos, com os seus principios bem discriminados, sio
at absolutamente essenciaes para a marcha, e
movimento regular da sociedade regida pelo sys-
lema representativo (ajtoiados), sio os partidos po-
lticos que se vigiam, que se inspeccionam, que se
censuran) e cohibem os abusos uns dos outros, que
investigan!, examinam e fasem acceitar os meios
mais adaptados para promover a prosperidade do
paiz.
Vozes : Nisso estamos de aeerdo.
O Sh. I rbano : Portanto nao podemos pres-
cindir de partidos polticos; sem partidos, sem
principios discriminados, nio ha poltica ; ha es-
prctilacao e ganancia. (Apoiados.)
Sr. presidente, eu vou dizer a verdade tal qual
simo. A situacio que hoje se desenba nesta casa
nao tem rellexo fra delta ; no paiz ninguem com-
prebeude, nem sabe, nem quer saber o que seja
liga ou partido progressista ; o paiz est dividido
em dous campos; conservador e liberal ; e a prova
disto, senhores, que na lutaeleitoral, que ainda
o anno passado se deu no paiz, os partidos corre-
ram ao cani|to do combate eleitoral, basteando a
bandeira liberal por toda a parte; nao vi ninguem
fallar em liga, nem em nome de partido progres-
sista. ..
O Sn. Luiz Felippe : Na nossa provincia se fal-
lou.
0 Sr. Urbano :Mas eu sempre fallei em nome
da liberdade, e nao chamei o povo s urnas em
nome da li/ Um Sr. Deputado :Sempre fallou em nome do
principio da liga.
OSr. Urbano :Nao ba tal... eu muito de
Ahi vejo uma nica promessa que tenha cor proposito nao quero fallar em negocios de Pernam-
de dezembro, no | bue-o, nao me chaniem para esse terreno ; se o
quizerem, em entra occasiao eslare prompto para
uma discussao larga...
O Sr. Godoy :E-tamos promptos e preparados
j para mostrar as suas bellezas.
t Sr. Luiz Felippe :Tem muilas bellezas pa-
ra mostrar I
O Sn. Gouor :Muilas dos senhores e dos seus.
O Su. Urbano :-Repito, nio aceito agora dis-
cussao nesse terreno; estou oceupado em questoes
Como, pois, seconlentam com urna simples pro-1 muito mais elevadas,
messa da reforma da lei de 3 de dezembro ? Eu Ii, Sr. presidente, todas as circulares que da
Dire mais: a necessidade dessa reforma j nio corte eram dirigidas pelos cheles e directores da
questao de partido, porque os conservadores eleicao para as provincias de Minas S Pauo e Rio
tambem convm hoje na reforma da lei de 3 de de Janeiro ; Ii as circulares da commissao directo-
dezembro, e teem dito constantemente que foi uma ra que na Rabia dirigi a eleicao. e todos ellas fal-
lei de occasiao, que hoje nao pode deixar de ser lavam em nome da liberdade e dos principios li-
alterada. beraes ; como, pois, senliores, de repente, em vez
Portanto nao s a reforma da le de 3 de de- de vinnos aqui representar essas ideas, vimos
zembro que dar cor pronunciada e estabelecer [ crear urna siiuacio nova que ninguem compre-
o prograimna ou pensamento poltico do novo par- tiende, que ninguem pode explicar T-..
poltica, a da reforma da lei de 3
sentido liberal.
Mas ser bastante isto para dar idea da tenden-
cia e da cor poltica do ministerio? Nao por
corto.
Os nobres depulados sabem que muitos minis-
terios conservadores nos pronielleram muito mais
que isso, e todava soffreram docorpo liberal re-
pre-eniado nesla casa a mais viva opposirao.
(Apoiados.,/
tico que hoje se inaugura.
E como se formou esto novo partido?
Ainda ba poucos dias, Sr. presidente, nas ves
peras da organisacao do ministerio, eu nio ouvia
Um Sr. Defutado :Creada nas trvas.
Outro Sr. Deputado :A liga liberal.
O Sr. Urbano : Sr. presidente, como eu dis-
se, urna siluacao que nao lem reflexo no paiz ; e:
fallar aqui em partido progossisla,. nio ouvia fal- i tao aqu fallando urna linguagem de pura conven-,
lar em liga ; todos os oradores fallavam sonienle cio*ntre alguns directores do poltica, e que na
em nome dos principios liberaes ; todos se pro-: exprime cousa alguma que exista fra da casa,
clamavam liberaos (nio apoiados) ; urna situacao exclus.vamesle
Como pois se operou essa transformarlo da noi- j parlamentar, urna situacao toda otne.iai...
le para o dia ? I"* Sr. Deputado : -V. Exc. sahto eleitapelo
Eu comprehendena, Sr. presidente, que os no- partido progressista.
bres depulados que tinbam estado reunidos para r O S.. Urbano :Esta engaado: eu apresentei-
combater e debellar o inimgo commum, depois me ao meu partido como liberal que era.
precurassem chegar a um accordo a respelto de: Eu nao condemno a. liga em seu principio, e
principios, e uma vez eslabelecido este accordo; nunca a condemnei ; reronheco mesmo que a liga
contuuassem juntos formando um s partido. preslou alguns servicos; o que tenho demonstrado.
Vozes : Foi o que se deu. 6|u<-' cessou o lempo da sua existen*, e is o
OSr. Urbano :Sei, por informaces fidedig-! que os nobres depulados nao podem eomesur.
nas, que por Vetes se lem folio esforeas para esta-, En nao quero repeilir ninguem, nao exi la nin-
belecer esto
poltico e<
Tres reum.-s ....
assi.-li porque nesse tempo nao linha a honra de. tre elles ba alzuns cavalheiros muitos destnelos
sentar-rae nesta casa ; alli se nomearam emumis- \ que tendo-se destacado do seus aiUigos fom|tanhei-
soes, inslituiram-se exames, houveram discussoes;; ros por terem r.'conhowdi a marcha errada que
mas as tres reunios foram imitis, e nao deram elles levavam, boje com toda a siuce.ridade se di-
resullado. i zom e pro-'lamam liberaes...
Como que da noito para o dia desapparerem I O Sn. Souza Carvalho O nobre deputado
todas essas diin.uldades, o o ministerio com a es-. um dilles.
pada ele Alexandre, as rompe de um s golpe, e O Sr. U.ibano :Eu ftji em algum lempo con-
nos vem declarar que as duas parcialidades esto servadur T "S se fui qu'4ndo o senhor era liberal.
fundadas em um partido novo, chamado progres- (Risadas.)
sista, oujo pensamento promover a prosperidade Quanto a estes, eu acredita em si lealdade.
do j,^ f aoeilo a sua pairara, abraoo-oscom toda a oordla-
GraBde a omnipotencia do goveruo no nosso Iidade conu ar.ngose c.rtreligiunari paia. '" quelles que ain,da persistem em seus princi-
OSr. Lopes Netto: Apoiado. Pos aniig ,s, que aluda se consideram conserva-
0 Sn. Matoei. Joaquim : Foi por um accordo. dores acepto* e devotos do principio da aulonqa-
por vezes se lem feilo esorcos para esta- hn nao quero repeinr ninguem, n.io e*ow nin-
isto accordo, para lixar um programla! guem ? reconheco que alguns consi-rvadoroa pres-
estabelecer principios coinmuns. taram relevantes serviros e coMCorreram podero-
Dumts solemnes houveram, quaes nao smente para a situacao actual ; coiibeco que en-

:JfsW*


^.aari*- ^**
)
Diarlo de PernaRabaco K-thbado O de Feveielro de 1SC4.
Mulhcres ,
Estrangeira
Escravos .
Escravas. .
8

Cu
S
m
Alimentados a rusia dos cofres pblicos 144.
Movimenlo da enfermara no dia 19 de feve-
reiro de 1864.
Teve baixa :
Joao (escravo), sentenciado ; delluxo
Te ve al'a :
de, qne menwprezatn o principio libera), com es*
seseu uo poseo marcear de accordo.
Deelartni-so, -e oque, compre, se*
nhores, elevar a siluacao a altura dos prim ipios,
regenerar osyslema representativo e restabelecer o
jugo pacifico e normal dos partidos pol ticos ; e pa-
ra isto, sniores, recessano que toilos noque
por vci tura tenhaim um pensaniento commum,
o fossemos sem|re liberaes ou em algum lomeo
conservadores, aceitemos rom toda a fian pieza.
cjm toda a iiberdado a iKoacao real e verdadei-
ra do paiz nao vejo, senhores, motivo qenhini pa- Teve ara :
ra estarmos sopliMiiindo urna siluacao to ibra e Antonio los Alpierc.
nianifcslaoual a que nos desenlia a opiniao p iblca. Passageiros do hiale nacional Inrennrei. yin-
Vu Sr. IIkim tado -Eslo com vci goiiha. do do Ai icalv : Raymundo Olympio t-oncalyes
OS. Cubano :Declarem-se todos os Si s. mi- de Preitas, loso Victoriano da l.osta, Josephina
nislro decarem-se francamente liberaos, ,ai* po- Ferrera do Jesus'Costa.
dem contar rom o meu roto ; mas nao quer mys-| Obitiuiiododia 18 de feyereiiw.no cemitf.uio
tiftcac.'s, roniue as mjstillcacik's bao do suicidar pihi.ico. .....
o partido liberal, e cu silo quero paite desta [ ra- Americo, Pernambuco, G mo-.es. Boa-vista, ga vissinja responsabilidade. Jiopatite.
r. CWVTABO -Mas dao vida a umita gente. Joao, Pernambuco, 8 das, Santo Antonio, um tu
O Su. Cubano :Sao estas, Sr. presidente, as
consid.-races que cu tinha de fazei : e as ideas
que ec llana de exprimir sobre a siluacao, e em
vista dellas coinprelieiidis-.se peifeitamente i ue eu
nao posso dar o met fraco apoin ao gabin-te, ao
menos emquanto explicacCes mais explcitas me
nao vi'rom tranquil lisar, mostrando que uisemf
q jebre dos principie posso marchar de a cordo
cot o gabinete. Entretanto, quando se tratar de
questdVs de principios, so por ventura aqu appa-
reeerero, podem os meo* nobres amigos contar com j
o nen fraco ajKtio. (Muito bem, limito bem.)
cumpriu o InelTavel mysteiio da encarna- quantopossa interessa-lo,nv< scesquecendomesmo O pcrfiiitic do hcuiisnlicrlo OC- Al'lCHiaL'lfO
cao do Verba. D'ahi ses-uiu a Beln, a visitar o de em sua Revitt Diana apuntar trabalhos me- ll*m#-il m ;n as ,i ___ % ,. ,
pobre berco em que Jess nasceu ao rio de Jor- dices de pequea ou grande, importancia, deve obri- n w. "? *""*L arnmnli,n ie, JtJtB^SX. "*"' aud'en,:ia do
dao, glorioso theatro do seu Baplismo ; ao deserto, gar, ao menos moratmente os autores de taestra- Jnea ZJ^i%Z^JLT% t LJu commercio. se ha de ar-
sat.l.lLdo porsuapresencaescu-ejum; aoTha- balhos a completado-, pul, cando ampia, esclare- r a 1: A' If r' \IS, h P- 111?&. .T"" m5f ?' n? "**
bor. lestemunha feliz de sua Iransfuracao Je- cida, e fielmente as minuciosidades e ocurrencias d,c JSS3L^JSS^m, n,l &&Jtt2SL*ZS ". 2' S"a na "i**
rusalem, ao Cenculo, aojardim das olveiras, ao que se erara na conclusa., os meamos, cuja dis- JW* ^^^^JSmS^S^' ^ %l', Tl?.,^' J?*' cora ',nr,a na
nrcturio a Calvario cripcao nao nudia ter cibuiento nos rticos de sua as (,ual Asmodeu em urna garrafinha de crystal. frente, 2 salas, 2 quartos, porta que
TeiiModo^sts ntianos lugares, cheios de H?^. ^ caljl",ent0 UOs a,,,esde S,U O sen aroma fresen goal o tfmnmMmn- roa do Alecrn., quintal em aborto,
deita fura da
avahada em
mor.
Candida l'isulina Mcndes da Cunha. Pernambuco,
Ji anuos, casada. Pojo da Panella, pulmonile
clironica.
Loiu, escrava, Pernambuco, 30 annos, solteira,
Boa-vista, hepatite.
PERRAMBCO
... i --------------- "' "*
REVISTA DIARIA.
Tiveram priucpio hontem no seminario do Olin-
tla os exanies de prenai aterios.
Constaru estes presentemente de latim, francez,
rliectork e eloquencia sagrada, tirada do :! auno,
c unida a este preparatorio pela deierinina;ao do{ ,ji,,.iro.
decreto n. 3,073" de" i2 de abril do anuo psssad
que ummIiIcou os estatuios dos seminarios, e (nal-
mente de philosophia, licando supprimida i geo-
graphia im consequeneia do mesiiio decreto, que
julgou nao ser necessaria ao sacerdocio.
Amanhaa celeb-a se na Varzea a fusta do
gorioso martyr S. Sibastiao, tendo boje noute
lugar o ievanlameuio da bandeira ; a qual sendo
conduxida por virgens, e em coro ai ompa ihada
da msica competente, percorrer a.-, ras dali,
sondo afina 1 basteada.
Cuino aniiuncio da festividade, subir pela
n.anhaa do domingo ao ar girndolas de fogo, e
cotaecar o acto fejlivo s horas competentes,
orando nelle o Rvm. padre Lino.
De tardo haver avalhadas, e noute o tira-
meato Ja bandeira iui forma docostume, tud) com
a pompa que as circunstancias do lugar permu-
ten).
O Hvm. Joo Francisco de S, um do; pre-
UM PHIC OETDOO.
Coula a UfanolNfAo de Setewtbro de 29 de Janeiro
passado, o segointfl caso:
Hoje pela inantiaa e.-lava urna s-'iihora brasilei-
ra hiendo algunas compras n'uma loja da ra
Nova de Aliada (om Lisboa), quando se aproxi-
mou dalla um |iohr; vellio, escalvado, trmulo e
abatido pedindo urna e-mola.
Bsl i -ealiora, ipie a mesma D. Eulalia Veiga
dos Sanios, a qiieui jamis os aenessttadiM pediram
em vo, abri o poiemonais e tirou tam reparar
urna moeda que deu ao pobre, o qual se retira beiu-
di/.eudo-a.
Momentos depxiis. porm, voltou a traz dizen-
do-lhe :
A senhora enganou-se. eu-ine muito di-
Sao 2.
tanta recordacao c profundsimos mysterios, mos- i Sem este uliimo rema-e o juizo de seus leito- ^-colindo o coinpoto de odor.feras Dore ,e mes- ,005 ; dita casa e pertencenje Izidio Jos Duar-
truu,-, o wSu peregrino com tal emoeao e ternu- res, despertado por sua Re Uta, jamis podera ser ^0dJ''"',SJ,Uen Z SSSt *J*?Z n? mZ& \VApr,aCa P? CXeCUCf T- COn'-ra ,"
ra, que a todos admlraVa e edilicav... ceno e nao poueas vezes era acontecido ser o ih- e.s.'f L6^."1^1^*'^"^1 M,rma,,er0.n_. S I.no.m(:v!.Auton,a ^anesca dos Re, e nio baven-
Sabiu linalmente ao ciino do monte Olvete, onde verso daquelle que realmei te devia
lasos Chrblo, depois de ter abencoado aossens vessem todos os eselareeimenlos que
Apostlos c discpulos seelevou triumhante ao eio. prova, ou a certeza de um faci.
Ah, abrazado em amor divino, levantou os olhos e
as inaos para o alio e proferiu com indissivel sere-
nidade esta amorosa supphca.
oii Jess! mea amabilissbno Salvador! Pa-
leosles e morrcsies por mim l... Aqoi subWes
ao co I... Ordenai e permitti que vos aconioanhe
esia alma, que com ovossosaagne remistes.
Disse, e prosirou-se por trra ; e quando o ob-
servaran! eslava realmente no co este venturoso
peregrina

.Nao sabemos se a Ilustre dama jnlgra que da-
va nina moed.idc I0O rs., o que certo que ella
cheia de regosto Ibe tornou :
Pois anda bein que me enganei.
e toma hoje inelbor alimento.
O pobre cxclamou:
Bemdilo seja I>eus. Ha mais de 10 annos
que me nao vejo com tanto dinheiro. eus Ihe
augmente os bens, minha senhora.
sta scena impressionou tanto outras senhoras
ana estavam na lo a que todas deram esmola ao
pobre velho e ologi.iram a Ilustre lilha das Ierras
de Sama Cruz.
fiadores da festividade religiosa de S. GonciJo de cament0 ae \$'q.
0 Coiiiimiiio do Porto escrevo :
O actual presidente do conselho D. Lourenco Ar-
rasla, coinecou a manifestar a sua importancia
poltica as conslituintes de 1837 defendendo os
principios conservadores; c foi ao poder em 1838,
caldudo com a siluacao moderada ante o pronun-
aorai;\o ai.cvs<;aTDO.
Bem entendido, .piando bem f. ta.
Iniaoracao humilde, fervorosa, constante, alca n-
ea ludo.
Esta consoladora verdade est patente cm qoasl
todas as paginas dos livros santos.
A proinessa de Jess Christo nao pJe ser mais
formal e positiva.
Pedi e reeebereis, procurai 8 acharis, batei e
abrir-se-vos-ba. Oque me pedirdes com fe, con-
seguiris.
.Sao se contcntou o Senhor com tao magnifica
proiuessa, passou al a allirma-la com juramento.
Em verdade. em verdade, vos digo, que ludo o
que pedirdes em meu nome meu Eterno Padre se
vos conceder.
E para tirara menorduvidaedesconfiancaajun-
estas tocantes palavras :
Qual de vos dar podras a um lilho que pedir
pao? Qual de vos dar urna cobra a um lilho quo
pedir um peixe r Pois se vos, sendo mus, sabis
ilar D que e bom a vossos lhos, romo vos nao dar
vosso Pai Celeste o bem que Ibe pedirdes f
Depois de taes promessas, s urna indigna falla
r ..aj^e'''e'e l,or;l duvida nos poderes da oracao, S. Joo
oua i Chrysostomo checa a dizer, que a oracao em cer-
I to modo mais poderosa que lieos, porque annulla
e revoga muitas vezes os seus proanos decretos. E
traz o exeinplo dos Israelitas, que commeitendo
aquello enorme criine da adoracao do bezerro de
ouro, edecretando Dos castiga-los, como quetemeu-
se da oracao de seu servo Moyss, dizendo-lhe com
tanta bondade.
oyss, n.ao te opponhas com a tua oracao; dei-
xa-me castigar este povo ; deixa-me mostrar mi-
nha justa ira, pois a lem merecido.
Porm Moyss instou a pedir, o o povo foi per-
doado.
irritante para depois de se ter feilo a barba, sobre-
puja e excede todas as mais aguas aromticas
para o toucador. incl.nndo al mesmo essa lio
afamada agua da colonia de Joao Mara de Jarina.
Aclia-se venda em toJas as princpaes droga-
ras e lojas de perfumarlas.
En, pois, Mnimamente grato pela
que Vmcs. me lem tratado em sua ReviUa, e me
jnlgando obligado para com seos leitores, venho
anda hoje pedir-Uiea que c nsiotam em seu jornal
a publicacao de varias hisl .ras medicas .-uccedi-
das em minha clnica.
Nao julgue alguein que este trahalho seja sem
proveito para a sciencia, para os leitores, liara a
Imprensa e para mim ; eu ,ienso que todos apro-
veitai o com seu conhecim mo; seja elle mo, nao
importa boro saber isio nesmo, ganna-se muito
sabendo-se evitar um mo eaminho ; alm deste
motivo, outros muitos exisem que Ihe dao seria
importancia.
A imprensa fazeado eire lar, universal, e com-
modamente as noticias do que va i oceonvndo pelo
mundo, faz chegar aoconh.cimento do pobre ,' do ""-'^'">- -""
rico, do amigo e do prente, as capitaes e nos cen- HviuendO e>la> ltl.issts.
Iras, a indicacodos lugarcie dos meios cm que se .'> respi'Clivus ttulos i>;tr;i
COMMEBGIO.
O Novo (Janeo de l'einamburo comi-
da os credores adtnitlidos ao passivo das
massas de Mest|ui(a Duira e Francisco An-
tonio Correa Cardozo a recebr o primeiro
devendo exhibir
respectivos ttulos para ser umotado o
pagamento.
Alfaadegn
Rendimento do da 1 a 18.......
. Mem do dia 19.................
489:8374687
20:i575ICl
.10:315*621
Hovimenlo da alfandega
Vi mus entrados com fazendas...
com gneros.
Volumes sahidos
Amarante, qoe se tem de fazer amanha em llapis-
StlMB.
Tendo-se dedicado ao pulpito desde osemiaaro,
aiida lerminou os seus estudcs em outubro prxi-
mo passado, o Sr. padre Sa. sem cluvida, da' s.v
sfactoriaraente conta do mandato, de quo foi
vestido; visto come i; sabido, que o Bv. conego
Jas Joaquim Camello de Andrade, reitor dacuella
asa de instruccao, inuito releso e sollicito em cm-
piegar todos os mrl<>s seu alcance, como por
Foi membro do segundo gabinete Narvaez, que
fez frente aos aconltcimentos europens de 18i8.
0 ministro da governacao D. Antonio Beiiavides,
pertencendo ao partido moderado desde 1837, to-
mcu parle nos aconiecimentos de 1841, emigrando
depois para Franca.
Koi governador no ministerio Gonzales Bravo, e
mais tarde no presidido pelo general Narvaez du-
que de Valencia.
K-creveu no jornal conservador Im Patria, e for-
podem encontrar recursos :. iieeessidades de cada
um, mu principalmente pira aqueHes que estao
solTrendo sem saber onde toes recursos se encon-
trariam melhores, mais facis c mais commodos;
e anda mesmo que neuhuma imsortaacia tiiha
este motivo por ser pessoal, um nutro a elle se liga
0 de grandissimo peso; imprensa deve amonior ]
para o futuro as basas di historia do passado. j
Quando d'aqui ha UO annos se perguntar o que.
hzerain os mdicos no anno de 1863 ? a impreua
deve ter o que responder.
(Jmaoutra ulilidade deste trabalhoe da impren-
sa ser a destruicao do um grave prejuizo que pe-
sa sobre os nossos patricio.- dedicados a scencia,
cumpre destrui-lo, mostrenco seu'erro, e provanda
evideniemenle o contrario : este prejuizo circula
mesmo nos altos crculos. Geralmeete se er que nesrarregam nodia 1! de revereiro.
os mdicos nacionaes nio leem instrucco; nao.'r,ot'c mglezMnry- hacalho,
saben curar e nao estudam : assercoes estas des- Calera ingleza-//cni.)n<-carvao.
lituidas do todo o fundamento : a natureza em lo- Patacho nacional Dous Amigos carne secca
da parte provm a todos da recursos apropria- Barca ingleza Unto farinha de trigo e bola
dos; e logo que a civilisac) encurta estes recur- clnnha.
1 sos naturaes, nenhum povo deixa de ir busca-Ios Brizue hespanhol-.1/'i>iiW-carne.
onde ellcs exstem; e neslas circumstancas os Barca portuguez-CYai^na -diversos gneros.
Brasleiros aas quaes nao fa ta nem estmulo, nem |arca franceza-Co/%ni/-mercadorias.
emulacao, nem natural inelinaco para as letras se i Escuna dinamarqueza D. A. N. diversos ge
aproveitam ao de ludo que possa instrui-los, ja pelos
jornaes, j (las obras scieutilicas, j pelas reta-
cn)
com
fazendas..
gneros..
163
642
206
368
80o
71
wtes temos folgado de annunciar, para que. a mo-1 muu t(i do'rainsU}r0 residido pelo general
ciliado confiada aos cuidados seja para o futuro o i nnra|
ornamento do pulpito de no>so bispado ou mesmo
di qualqucr outro, setnpre o distingua por obser-
?ar, alero de sua conducta saa. sua esmerada appli-
cai^o para tal cousa.
Scgiinda-eira parte para Goianninha, no ltio
Grande do Norte, onde pretende cantar a su i pri-
meira nsoa, 4 de abril, o Bv. Francisco Xavier
da. Rocha, um dos diconos ordenado em dozem-
bi o passado.
Reputado de excellente conducta por seus anti-
otcollegas de seminario, e distinguido por seus
ireclores e leales, e anda mais, tendo pela intel-
lifenca, de que dispix', sido approva.lo no grande
concurso, que ltimamente houve pata freguezias
niw sendo anda sacerdote, podemos allirmat, que
o Sr. padre Bocha honre a ctasse, a que pertence, e
ser um dispenseiro modelo da palavra de Jeus,
onde quer quo firme sua residencia.
Remcttem-nos is segulntes linhas.
W. rr.IW.tin-.l*eir-tne que cm addilainento
a sua publicacao sobre o airopellainento ic um
individuo na ponte de Boa-vista, por um carro,
publique o segrate:
O facto fot o mais simples possivel, e resullou
do individuo apenas, u quem era mais simples ar-
redar se do que ao um carro; e o nspecter de
quarleirao nao quii soltar o boleeiro, quando este
s se entregou pi isao depois da ebegada delle,
que cnlo fez desappaiter o adjunto de gcult. Sou
o primeiro a reconhecer a necessidade que ta de
reprimir-se as insole unas de alguns boleeiro.mas
quando o caso o requer; e ereia que o fado se
passou como o retiro, e nao com a cor absolut;. com
qi.e Ib'o transmitiirain.
Hontem estanco um boleeiro do Sr. barao
df Horibeca descuidlo sobre a bolea, leudo urna
diis pernas descahida lara fora do cano. qu. aclia-
va-se parado na ra do Imperador, suceden que
os ca val los
por susl. que tomaram arrencassem; -t0 0 du,.ui o Valencia.
a nesso impulsa auaaharam as rodas apenado em,,riT;ido da fazenda.
referido boleeiro. a ipnl Bco i loiteniente ex :ona- () mistro d;4 marraba Bubalcaba,
da na extensao comprimida cun grande emissao .,. 0ftici-i
de sang ue.
O boleeiro sendo logo soccorrdo. fez-se-lhe o
primeiro tralamento seguindo ao depois pira o
bsayitol.
Noeollegio da:. Artes flzcram exame, no dia
16 do corienle, 2;t cstudanles, >endn II delatim
<: 12 de inglez, sahindo : plenamenio i. su iplus-
in;nte 6 e reprovado; 4 em latim; plenamente 6.
>ijiplesmeiile :t c re| ovados 3 em inglez.
No (lia 21 do correle, se^ue para Ken ando
^^HiP" ia l>albalj>'e Artista, que recebe arga
ageiros atea veqiera de partir.
Pele ministro da gu.-ira i'n declarado cm
artiso de SJ de Janeiro ultimo, que o exerririo do
cargo d>3 parmro do arsenal de guerra e incompa-
li'-ol com o de geme de compras do mesmo ar-
senal.
- Foi ordenada a soltura do recruta Mannel Tenlio um amor, modesto apanagio^
Alejandre Bezerra, por haver apresentado ismcao Singella paga, qne o co.....enva,
A JV Segundo a Gazeta de Miln tinha-se dado em
Brescia um grave aconlecimento.
Cahio o lustre do theatro, n'uma noite de espec-
tculo em que a platea eslava cheia de gente.
Houve muitos morios e feridos.

Tambem por l os haver incendiarios t
Coniam alguns jornaes que Uvera ltimamente
lugar em Smyrna um horrivel incendio. O fogo
comecou rtiuia noile e durou al s 7 horas da
manhaa.
Aproximadamente 200 casas e lojas ficaram re-
duzidas cinzas.

Acha-se actualmente em Turin, no theatro Ca-
rignano, Ristori, a primeira trgica, onde tem re-
cebdo os merecidos applausos, desempeuhando o
papel de taitaSanfelicr, cuja historia deuassurop-;
lo para mu drama a Giacoiiielli.

Com o anno de 1863 ac boa a vida a infeliz Ah-
re llewit, sendo enforcada em Londres no dia 31
de dezembro, pelo crime de parricidio.

Consta que naufragara, prximo a Copenhague,
a escuna masa ZuUlimj, procedente de Riga, com
destino para o Porta
Ha esperanca de que se salvasse a carga que era
aduella e linlio.

n.i na Biblioihera Imperial 2 imlhdcs de volu-
mes, 3 milhoes de estampas, 2oo.ik.hi manuscriplos
c 500,000 mappas.
CINARa MIMCIPAL.
SF.IH'NDA 8E8SAO ORDINARIA AOS 13 DE JA-
NHRO DE 1864.
Presidencia do Sr. Henriques da Silva.
Prsenles os Srs. Gustavo do Reg, Seve, Barata
Lcasundi em 18o3 e foi ministr do foment, como de Almeida, e Mello, faltando com causa o Sr. pre-
agora no ministerio Narvaez. j sldenle Barres Bego, e sem ella os mais senhores,
H. Fernando Alvares, ministro da greca e justi-! brese a sessao, e lida e approvada a acia da
ca sendo alto fiinceionario do ministerio que hoje antecedente,
dirige, sacrilicou no ministerio Bravo Murillo o L-se o seguinte :
seu emprego e a sua independencia de deputado; EXPEDUsfCTtl
e foi mais larde membro do conselho real, lugar Cm offleio do Exm. presidente da provincia,
da que se deiniuio DO ministerio do conde de S. declarando ao da cmara que a lizesse reunir hoje
Luiz. ao meio dia para differr o juramento do cstylo ao
D. Joao Bautista Trpita, deve a sua significacap Exm. Sr. Dr. Domingos de Soiua Lelo, que Ihe
publica ao seu enlace com a familia do ex-minis-' hara communicado achar-se melhor dos seus ra-
teo llarzanallana, <|ue formou parte da administra- commodos de san le e poder asmmir hoje a adm-
iii presidente.Inlei rada.
Sendo annunciada a chegada di) mesmo Exm. Sr.
Coinpromeiiido na calastrophe do partido mode-
rado em 1854, s reappareceu na scena poltica
com o ministerio p-esidido pelo duque de Valencia
em 1857.
Foi elle, que como ministro terminou o exilio do
duque de Victoria.
O general 1>. Franci.-co Leasundi, ministro da
guerra, comecou a figurar nos aconiecimentos de
I8\l que esliveraui para Ihe cuslar a vida, porm
a sua importancia poltica comecou em 18o0, quan-
do ao lado dos generaes Cordova e San-Boman, se
cotlocou em fenle do ministerio Narvaez, ao que
deven formar mais tarde parte do gabinete Bravo
Murillo.
O ministro do ultramar D. Alexandre de Castro,
alto faneeioaario da fazenda comecou a figurar na
poltica de 1847, como membro do partido mode-
rado.
Foi governador de Madrid, rom o ministerio Bra-
vo Mu. Uto ; o raas tarde destarrado pelo ministe-
rio Sartorios, associou-se revolucao de 1834.
Em 1837 foi rcpresenlaiite da Hespanha cm
Italia.
E' um dos redactores do jornal El Contempo-
rneo.
D. Claudio Moyano formou parle do gabinete
Foi primitivamente
um dtstinc-
constanle amizade com o general Armero.
O Sr. S. B. pede-nos esta publicacao.
l'AUKCIMENroS.
Padeco muito, lias irei avante...
Ftil intriga nao me lolhe os pasaos ;
De martyr a c'roa eiogirei contente :
0 martyro sagrado I
Embora o nescio escameca iroso.
Por (pie nao pode com seus vis adeptos
Fazer que eu seja como elle infame...
Guerreie-me covarde!
De fronte erguida para o soffrimento,
taal.
Por have-lo petado, niandou-so dar baixa ao
soldado do corpo de polica Hermilio de Olivcira e
Millo.
Ao director das obras publicas foi reconunen-
dade que mande ex;minar a ruina, que, segundo
declar-ou cmara municipal de Olnda, sollieram
a poafife atierro di. povoaeaode Bebenbe, apre- Padeco muito, mas irei avante
Aqu no holocausto I
.Mas nao upponba que me sinto fraco,
Por que. no campo na renhida lula,
Besisto altivo, supplanlando a Intriga
Can traba I ho e honra!
aaMaado era seguida o orcamenlo dos repaios de
que pessan carecer, Ulro de seren execntados com
brevidada.
Sobre requisicac do inspectora da theso raria
provincial, abri a presidencia um crdito sipple-
nienlar, na iraporUn:ia de 11235800, para com ella
oerorrerem-se aos pagamentos das despezas iiliimii!.'n;<'idesiac(lade no eorrente exercicio, urna
vez que est quasi estincta a consignaco votada
para es^a verba peloj4"art. 16 da le do orcamenlo
vipaaia
loi prorogada |ior 20 dias rom vencn ealos
a aconta concedida ao juiz de direito da comarca
iki Bio-Formoso, bacliurel Manocl Clcmentrao Oar-
mira dii Cunha.
RlPARTigAO 0A ferien:
Extracto das parle} do dia 10 de (evcreiio de
1864.
Poram recolhidac i casa de detencao no c a 18
do crreme :
A' ordam do delegado de 3o dislrcto, Simao
Luiz Cairro, cr.iout, por injurias.
A' orde/n do subdelegado de Sanio Antonio, Jos,
africano, escravo de Sebastio Jos da Silva, por
iorace*:, de posturas
A' ordem do de 8. .'os, Marcelina Mara, a'rica-
jaa, iKir disUirbios.
A ordem do da Bav-Vista.os pardos Jos Gomes
4a Cuaba, Severioo J>, e Vctor, crioalo, es ;ravo
de Joo Guimares, i^em deelaraco de motivo.
A'ordem do da Capunjia, os pardos Jo;quim
Ftrreira Pinto, para averiguacoes policiaes, i Joo
scrao de Vicencia Alexauduna IVreira Dutra, |iaz
porinraccio de posturas. Como tu resavas com tanto fervor, e mostras-
A ordem do de JaUatao, Pedw Jos Rodrigues, tc que ludias prol.idade, dou-te lambem esta linda
pardo, por espannaminto.
Oeuefedafrsoccao,
J. G. de M*nuita.
Mo/imento da cas de detencao na da 18 fe-i privacao. Dos Xosso Senhor protege sempre o
soperior de marrona (chele de esquadra) Dr. Domingos de Soasa Laio, que vinha prestar o
e tira a sua significacao |.lilica da sua antiga e juramento, oSr.'presi.lente da caara noineia urna
commisso comnosta dos Sis. Gustavo do Reg, e
Mello, para receoer a S. Exc, e Ihe dar uigressu
na sala das sessdes, depois do que prestou S. Exc. o
juramento, assignou o respectivo termo, e retirou-se
com as memas formalidades.
Contina o expediente.
Outro ollicio do Exm. presidente da provincia,
traasmiRindO cmara para seo conhecimento,
copia da portara de do eorrente, pela qual re-
solvej que o |iraso marcado no art. 30 do contrato
celebrado pelo governu da provincia com Carlos
Luiz Cambronne em 13 de setembro de 1 H.">8 para
o comeco e conelnsBa dos trabamos de sua empre-
sa principia a contarse da dala da lei provin-
cial n. oJ'2 de 20 de abril do anno (Indo.
Outro do Instituto Archeologico e Geographico
Pernambucano, convidando a cmara a assistir o
anniversario de sua fandacj quo lem de cele-
brar-se*ho dia 27 do crreme, no sali da biblio-
ihera publica da provincia, no convenio da carmo,
a tima hora daquelle dia.Inleirada.
Outro do juiz de paz segundo votado do dis-
lrcto da freguezia (lo Poijo da Panella, Francisco
Duarte Colho, comniniiicando ter mclhorado de
mus iiicommodos, e por sso reasumido o exercicio
de seu cargo, e como nao tvesse sido anda feita a
convocacao dos eleitores e supplentes |iara a orga-
nisacao da junta deqoaHftracao da mesma fregue-
zia, a lizera em virlude do ollicio do Exm. presi-
dente da provincia, para o dia 14 de fevereiro fu-
turo, o que trazendo ao conhecimento da cmara,
houvesse ella de providenciar nao s que fosse
comprida a execucao do art. 7 da le de. 19 de
agosto de 1846 na parte relativa a remessa da copia
das acia- da elelcio dos juizes de paz do Io distric-
lo da dita freguezia como do aviso de 30 de Janeiro
de 1858. Qne se romprisse.
Outro do fiscal de Sarrto Antonio, comraunicando,
que [Kir achar-se em corrida dos pezos e medidas,
nao he era possivel assistir ao resto das sessdes
ordinarias.- Que se respndeme ao fiscal, queesse
servico, que devia ser feilo em horas certas, nao
poda prohibir o seu rompareetmento s mesinas
sessbes.
Outro do fiscal dos Afogados. pe.lindo i cmara
Ihe mandasse pagar a quanlia de 65000, importan-
cia que despender com o enterramenio de dous
animare encontrados mortos na povoacao daquella
fregueziaQue se passasse mandado.
Outros (2) do administrador do cemiterio publico
da freguezia de S. Lourenco da Malla, remetiendo
dous mappas dos enteirainentos feitos desde 21
31 de dezembro ultimo, no mesmo eslabelecimcn-
to.Ao procurador.
Despacharam-se as peticoes de Innocencio Feli-
ciano de Nazarelh, Jorge Vctor Ferreira Lopes, Jos
Alves Lima, e levanluu-se a sessao.
Eu Francisco Canuto da Boaviagem, secretario a
subscrevi.Henriques da Silva, pro presidente,
Hego, Gameiro, Leal Seve, Barata de Almeida.
Ftil intriga nao i te (ollie os passos;
De martyr a croa cingire comento :
Sou martyr d amor I...
A Estrellado Harte publica'o seguinte :
A BOLSA.
Norberto, filho de um pobre carvociro, estava um
dia assenlado em um pinhal. La menta va-se, rho-
rava a bom chorar, e pedia a Dos quo Ihe acu-
disse.
Um senhor ricamente vestido cacava naquelle
momento no pinhal. Cuviuas queixas de Norber-
to, c camnhando para elle, dirigiu-lhc asseguiotes
palavras :
Meu bom rapaz, porque choras tu ?
Ai de mili) .' diz Norberlo, minha mi estove
doente, e meu pai mandou-me a rda.le pagar a bo-
tica, e perd o dinheiro com a bolsa que o irazia.
0 senhor disse alguinas palavras em voz baixa
um cavador que o aroiiquiliava. e em seguida li-
rou da algibeira una bolsinba de seda encarnada,
que buha dentro algumas inoedas de ouro, todas
novas, e voltando-se para o rapaz perguotou-lhe :
Ser esta a bolsa queperdeste '
_ Oh I nao, se ibor, a minha nao tao boa, e
nao tivu dinheiro em ouro.
Nasas caso talvcz esta? diz ocacador mos-
trando-lbe urna bolsa de muito pouca apparencia.
Oh meu Dos 1 cxclamou Norberto cheio de
alegra, essa nao ha duvida, conheco-a muito
bem.
O cacador enlregou-lh'a e o senhor disse ao re-
bolsa, com iodo ouro que tem dentro.
Charos leitores, observa! a pratiea da justica.
Nao a abandonis nem mesmo nos dias de maior
vcrelro
1864
Exi'am .
Entraram.
Sahiram
A saber
Extatom.
387 presos.
10
21
346
Nacionaes. 240 presos.
Estrangeiros 31 >
bomem devoto e v.'rdadcira

o pe rbgb roe.
Cm genlil-homem. conhecdo por muita virtude
e piedade, assentou ir visitar os lugares santos da
Palestina. '
Depois ile receta** com notavcl fervor e devoeao
ae sacramentos da Penitencia eEucharistia, foi pri-
roeiro a Nazarclb, ditosa patria de Santa Virgem e
ces de amisade, e ja emlim pelas viagens aos cen-
tros de civilsaco que constintemenle fazem. nao
poupando deste modo, nem lempo, nem dinheiro,
e nem trabalhos para se instrurem. Alm disto
quando se analysa os trabalhos dos nacionaes, e
dos estrangeiros, a Palanca tica em equilibrio;
donde resulla, pelo que diz respeito a medicina,
aqu os doentes sao tratad )s pelos mesmos prin-
cipios, e com o mesmo resultado quo na Europa.
Um dos meios mais poderjsos ao meu ver, que
conseguira com facildade dominar um lo funes-
to prejuizo, seria acreacao iledous centros de ins-
Irueao, um scienlico, e outro pretico; aquelle tra-
tando de apreciar os factos e as iheoras em pre-
sencia do publico, tornara f:cil e intuitiva a ver-
dade de minha assercao. e ;eria o primeiro passo
dado para a demonstrado d i posico real dos m-
dicos aqu residentes.
O segundo centro, pela pi tica instruinda, pela
experiencia demonstrando, e pelas repeliroes crean-
do eslatisticas, e nao deixa ado esquecer o sabido,
concluira nao so a destrinca) do erroque combato.
como facultara aos mediecs, modellos perpetuos
para sua instruccao.
Os dous centros deque fal.o sao-uma socedade
medica, eum hospital devidamente organisado; nao
est looge o dia em que est} lera as reformas ne-
cessarias para |>r-se ao n ,vel do progresso; e
aquella, abafadi por precomeitos, nao lardar em
livrar-se delles, e apparecendo vir prestar seus
ervicos a patria e a human dade.
'.o;n a aposentadoria dos ilius encarregados do
servico medico, e cirurgici do hospital Pedro II,
algumas linhas escrevi o anno (tassado, indicando
a administracao varas reformas para dito servico;
a este mea reclamo se unram varios collegas; po-
rm ludo foi de balde, e parece que mu de propo-
sito se si.sioniou ostatu quo tal como o enconlrei
assm o deixei um rgimen todo chinezo pai
sapatero nao pode ler urna descendencia se nao
sapateira.-Que servico preslou, ou presta aos m-
dicos o hospital Pedro II ? ei respondo, tirar dous
mdicos do servico clnico uibano para escond-los
no servico clnico dos beaissimos mordomos
portas fechadas : e anda hoje este hospital pelo seu
rgimen medico mais me pa ece um convento, que
um centro de mdicos e de doentes, apropriado
ao estado daqaelles eaoaliivo dess.
Foi bem notorio o emban.cq havplo entre a ad-
ministracao do hospital, e ad ninstroo provincial
para a escolha de dous med eosa corda quebrou
pelo mais fracoo governo escolheu a quem muito
qui. senroelhorar o servir,) medico, fado con-
sumado : eu aceito, e reeonheco-o.
Todava muito confio nosdos jovens, e:ludiosos
mdicos para esse servico romeado;espero que
elles empenharo todas as sois foroas para que sua
clnica seja franca; oamphi heatro montado, crea-
do o museo paihobgico(ollegidas as historias
medicas, e archivadas, etc.
Encarada, pois, a queslao da publicacao de mi-
nhas historias medicas por esse lado, ser fcil de-
duzirsua ulilidade para o pi.blico, para a sciencia,
e para a imprensa.
Em quinto a mim, o mee principal mteresse, a
minha glora, tornar-me conhecdo como medico
til a huinanidade, aos meus trabalhos, e a im-
prensa que devo innmeros lenles que lem vindo
ao meo eseriptorio consnKar-me ou mandado suas
ronsultas da Baha, Alagas, Parahyba e Cear,
uns para serein operados, e outros para serem tra-
tados; pois, de meu deve escolheros princpaes
casos de minha clnica e da-los ao conhecimento
do publico, para nieresse di quem se quzer delles
utilisar; se proceden do assiin nao presto servico
algum. creio tambem que todo o mal que Taco ser
insignificante,
Voltando agora aorocu pr ncipal assumpto, direi
que para completar osapontimenlos por Vmcs. da-
dos em sua Revista Diaria e para satisfazer a
curiosdade publica, indecisa pela concisao dos mes-
mos, e sobre ludo para most -ar a altura das qoes-
loes de medicina pralica, resolvidas em noa cl-
nica o anno passado, occoparei alguns nmeros do
seu Diario, cm os segflMte; factos
Qualro casos de cataratas operada; com feliz re-
sullado: I de pupilla artille al sem elleito, depois
de incommodo traballio; 1 de estrasbisino, com
proveito; 1 de laqueaco da arteria tibial, e femo-
ral com feliz resultado ; 1 de hernia estrangulada,
e pertonite supurada, operada, com feliz resultado,
caso raro e importaiilissimo
Antes porm, de discreve-los, prevjno aos lei-
tores que nao sao s estes os fados occorridos em
minha clnica-oulros mulles anda tenho ; e bem
assiro que, a escolha que fac nao motivada pelo
seu resultado feliz, mas sini pela sua mxima im-
portancia noquadro das molestias gravese cujo
tralamento exige da parte do medico, deveres e
conhecimentos de principio; scienlicos transcen-
dentes.
Fique, pois, certo o leito* de que nao deixooc-
culto revez algum; se os i i vesse francamente os
publicara. Esta franqueza de nossa parle devo
servir de motivo justo para qualquer reclamaco
de quem quer que seja que ;e julgue bastante ins-
truido da verdade, para negar a delidade de m-
nhas iiformacoes.
Passemos agora a descripcao histrica dos factos
clnicos: rodeando-as de todas as oceurrencias
que possam facilitar, seu ixame, sua critica, sua
certeza emfim.
Dr. .S fretro.
(Continuar-se-ha.)
eros.
I'scuna inglezaF/orcwccarvo.
Polaca hespanholaPaulo vnhos.
I ni por (;icfio.
Barca ingleza Umaa, entrada de Philadelphia,
consignado a Mathcus Auslin & l'-, manifesteu a
seguinte :
2,200 barricas de farinha de trigo, 40 ditas dita
de inilho, 400 barriquinhas bolaxinha, 100 barris
banha de porco, 7 volumes machinas e perlences
para trahalho de massas, 18 caixas com 2,160 li-
bras de oleo de amendoa : aos mesmos.
Brigue nacional Fluminense, entrado do Rio de
Janeiro, consignado a Tasso Irmos, manifestou o
seguinte :
9,390 arrobas de carne secca de charque e 70
couros vaceuns seceos: a ordem.
Hiate nacional Inrenavcl. entrado do Aracaty,
consignado ao capitao do mesmo Jos Joaquim Al-
ves da Silva, mamfestou o seguinte :
30 caixas com 30 arroba; de velas de carnauba,
9 saceos com 30 arrobas de cera de dita ; a viuva
Moreira & Filhos.
763 meios de sola ; a Domingos Rodrigues de
Andrade.
8 saceos feijao, 200 ditos farinha de mandioca,
13 molhos com 323 pelles de cabra, 1 embrulhc
com 9 libras depennas deema ; a Jos de S Lei-
tao Junior.
50 saceos e 36 barricas com 26 1/2 alqueires
de gomma de mandioca ; a Francisco Gomes de
Mallos Junior.
60 meios de sola, 27 caixas com 40 arrobas e 18
libras de velas de carnauba, 60 saceos com 240
ditas de cera em dita, 98 molhos com 1960 pelles
de cabra, 16 saceos com 79 arrobas e 14 libras de
algodo : a Prenle Vianna & C.
Brigue inglez Man/, entrado de Terra-Nova,con-
signado a Johnston Pater & 0, manifestou o se-
guinte :
3,716 barricas de hacalho ; aos mesmos.
Recebedoria de rendas Internas
s;omos de Pernambuco.
Rendimento do dia l a 18........ 19:8875290
dem do da 19................. 1:116*810
ou annuncie por este Diario.
Arrcinaacao.
Quarta-feira, 24 de fevereiro, depois da audi-
encia do Illm. Sr. Dr. juiz municipal da segunda
.ara, escrivo Athayde, serio vendidas a quem
mais dr as segrales pedras : sendo 5 hombre-
ras com 30 palmos, avahadas em 303000 1 .lita
com 7 palmos par 43200. 1 dita de 9 palmes por
i j.VHi. 3 ditas com 30 pamos por 303000, 10 cor-
does com 80 palmos por 243000, 2 ditos com 14
palmos por 43400, 39 cepos com 88 palmos por
93330, 3 ditos com 10 palmos por 23320 ; vo
pi ai a a requerimeuto de Joao Rodrigues da Silva
Valle, na execucao que move contra Antonio
Soares de Carvalho. Os pretendentes podem exa-
minar as referidas pedras na Passagem da Mag-
dalena, em poder do depositario particular Manocl
Ignacio Avala.
No dia 23 depois da audiencia do Sr. Dr. juiz
municipal da primeira vara vai a praca os bens
legrantes por venda :
l'ma casa terrea, numero 27 na ra do Rangel
cm chaos proprios, cora 400 palmos de largura, 70
de fundos, duas salas, tres quai tos, cosuha fora
pequea, quintal com cacimba, avahada por 1:3003,
urna dita dita na mesma ra, em chaos proprios,
com 16 palmos de largura, 70 de fundo, duas sa-
las, tres quartos, pequeo quintal murado.com um
lelheiro, faltando Ihe o o i tao de um lado, o qual se
acha fechado com urnas tahuas, avahada em 1:0003
urna dita dila na mesma ra, numero 30, chaos
proprios, com 24 palmos de largura, 73 de fundo,
duas salas, tres quartos, sote dentro, quintal mu-
rado com"cacimba, e um telheiroonde est a cosi-
n'ia, avahada por 2:5005000, uma dita dila nume-
ro 49, na mesma ra, chaos proprios, com 20 pal-
mos de largura, 63 de fundo, duas salas, tres quar-
tos, eos i n ha fora, pequeo quintal murado, com
um lelheiro, solio dentro, avahada em 2:0003000,
cojos bens vao praca requermento da viuva de
Jos Antonio de Souza Queiroz para pagamento de
credores de seu casal.
No dia 23 depois da audiencia do Sr. Dr.
juiz de orphaos va praca por venda os bens se-
guintes : Jacintho, africano com 13 annos de ida-
di, avahado em 5003000 ; Esperanca, crioula, com
22 annos de dade 7003000-, Olympio, filho da mes-
ma com 3 annos deidade 300300;Henriqnecriou-
lo lilho da mesma, 18 mezes de idade, avahado em
l"O3000 ; Maurilho, filho da mesma, recem-nasci-
do 503000: uma casa terrea na ra da Aurora
numero 76 avahada em 5:0003000, 1 cordao, 1 co-
ricao com 12 oitavas 373000; I anoel, 1 par de oc-
culos avahados em 63000,1 par de argolinha 13 ;
1 par de ratiscal 192 oitavas 383400 ; 1 dito 128
oitavas 253600; 23 colheres de sopa avalladas em
383400; 22 colheres de cha avahadas em 233600-,
1 concha, 1 garfo com 96 oitavas por 193800, l
santuario com diversas imagens avahado em 603r
e diversos movis em mo estado : vao a praca a.
requeriinento do inventariante dos bens deixados
de D. Mariana Joaquina da Trindade.
21:0043100
Consulado provincial.
Rendimento do dial a 18......... 71:9603-22
dem do da 19................. 6:7403314
78:7003436
MQiIMENTQ DO PORTO.
Sarios entrados no dia 19.
Aracaty10 dias. Mato nacional Invencirel, de 35
toneladas, capitao Jos Joaquim Alves da Silva,
equipagem 6, carga farinha de mandioca.
Salados no mesmo dia.
Babia Brigue inglez Bolle of the Meney, capitao
Ilohlyn, em lastro.
HavreBarca franceza Ocean, capitao Le Galln,
carga assucar e algodo.
EDITAES.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial em cumprinento da ordem do Exm. Sr. pre
Milenio da provincia, manda fazer publico que no
dia 3 de marco prximo vindouro, vai novamente
praca para ser arrematado a quem por menos
fizer os reparos precisos as pontos de Tacaruna,
Santo Amaro, Arrumbados e Varadouro na eslrada
de. Ulinda, avahados em 73&33O0 rs. E para cons
lar so mandou publicar o presento pelo jornal. Se-
cretaria da thesouraria provincial de Pernainbueo
l de fevereiro de 18i.
O secretario,
A. F. d'Aanunetaeie.
O Dr. Francisco de Ajenjo Barros, cavalleirodas
ordens de Christo e llosa, jota municipal e pro
vedar de eapellas e residuos nosta eidade do
Recife e seu termo, por S. M. I. o quem Dos
guarde etc.
Faco saber aos que o presente edita! vrem, que
no da 20 do eorrente depois da audiencia d'este
juizo se ha de arrematar a quem mais der, as ren-
das do arniazem n. 3, constante do escripto que
se acha em mao do porteiro, o qual pertencenle ao
patrimonio da irmandade do Senhor Bom Jess dos
Passos, erecta na igreja da Madre de Dos.
Dado e passado nosta eidade do Recife de
Pernambuco, em 13 de fevereiro de lHii'i,
Eu (Jaldino TomistoclesCabial de Vasconcellos,
o subscrevi.
Francisco de Araujo Barros.
GABINETE PTICO DE
RECREIO
Caes 93 de Xovcuabron. 40,
Frente ae passadiro do llccifc.
Hoje e amanhaa de noile.
Extraordinaria apresenlaco de 45 vistas das
mais importantes do globo, divididas em tres rou-
dancas.
Entrada 500 rs.
OITerece-se um menino Brasileiro, de idade de
14 13 annos, para caixeiro de qualquer casa de
negocio, tanto na praca como fura della, anda mes-
mo dando algum tempo para aprender : quera
precisar, dirjase ra do Rangel n. 46.
DECLRALES.
COMMUNICADOS.
Clinlea medica elrurglea do Dr.
Cosme de S Perelra, na capi-
tal da provincia de Pernam-
buco. '
(Continuarao do Diario de Pernambuco de 6 de no-
venero io anno pastado.)
Srs. Redactores.O louvavel cuidado que Vmcs.
laman m dar coobecimealo ao publico de tudo
PUBLICARES A PEDIDO.
Em consequencia da qu< bra da casa commer-
cal Viuva Amorim & Filho., acaba de recolher-se
prUo o Sr. Thomaz do Faria, como se v da
seguinte documento :
Primeira sercao.Secret, ra da polica de Per-
nambuco, 16 de fevereiro de 1864. Recolha vos-
sa merc essa casa, disiosicao do Dr. juiz de suas propostas em carta fechada na secretaria do
direito especial do commeriio, o negociante Tho-! conselho, s 10 horas da manhaa do 22 do cor-
maz de Faria, que estando jnvolvdo em um pro- rente.
cesso de fallencia, no qual se aeha pronunciado, I Sala das sessoes do conselho administrativo para
veio expontaneamente apre entar-so-me, Um de fornecimenlo do arsenal de guerra, 16 do fevereiro
depois de preso, promover n seu livramento, pelos de 1864.
Conselho udministi'iitivo.
O conselho administrativo para fornecimenlo do
arsenal do guerra tem de comprar os ohjectos
eirillliles :
Para o corpo de guarnco da Parahyba.
10 covados de oleado.
Para o batalhao n. 2 de ufantaria.
400 varas de brim branco.
20O ditas de algodosinho.
"W bonels redondos para recrutas.
80 mantas de la.
Para o hospital militar.
223 varas de brim branco.
12 enhenas.
12 copos de vidro para agua.
2'i chicaras azues.
24 pires dem.
24 barias de rosto.
12 casticaes de vidro.
Quem q'ui/.er vender laes objectos apresentem as
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERN,\MBUCANA
DE
Navegaco costelra vapor.
Parali-ha. Natal, llaco, Aracaly, e Cear.
O vapor Mamanguape, comman-
dante Moura, seguir no dia 26
do eorrente as 5 horas da torda-
para os portos acuna indicados.
Recebe carga at o dia 25. En-
commendas, passageiros e dinheiro a Irele at o
da da sabida as .1 horas da tarde : eseriptorio no-
F..rte do Mallos n. 1._______________________
COMPANHIA PER.NA.MIIUCANA
DE
Xavejjaco costeira a vapor.
Uacri t escalas
O vapor Parahyba, cominan-
danle Martins, segas no dia 25'
do eorrente para os porlos acuna
indicados, s 5 horas da tarde.
Recebe carga al o da 24. En-
coinmendas, passageiros e dinheiro a frele at
o dia da sabida s 3 horas da larde : eseriptorio
no Forte do Mallos n. I._____________________
COMPANHIA BRASILEIBA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte esperado-
at o dia 3 de marco o vapor
Princeza de loinrille, comman-
g dante o primeiro lenle Araujo,
'&a^9V qoal depois da demora do cos-
luine, seguir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
ilas e dinheiro a frote at o dia da sabida as 2 ho-
ras : agencia, rua da Cruz n. 1, eseriptorio de An-
tonio Luiz de Oiiveira Azevedo & C.
COMPANHIA BRASILEIR~
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos porlos do sul espetado
at o dia 30 do eorrente o vapor
Cruzeiro do Sul, eommandanle o
t capitao de mar e guerra Gervasio
^aSaSfiaP' Mancebo, o (pial depois da demo-
re, do costume seguir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual nevera.
ser embarcada no dia de sua ebegada: t-ncom-
mendas e dinheiro a frele at o dia da sahida s $
horas, agencia rua da Cruz n. 1, eseriptorio de-
Antonio Luiz de Olivcira Azevedo C
meios legaes.
Deus guarde vossa merc. O chefe de polica,
Abilio Jos Tavares da Silva.Sr. Dr. administra-
dor da casa de deteoco.
AMonio Pedro de S Brrelo.
Coronel presidente.
S. .4. do R. Barros,
Major vogal secretario.
i-ara o Porto.
A barca portugueza Claudina, pretende sahir
com brevidade por ter a maior parte de seu car-
ia .'amento prompto, para o resto e passageiros
trata-se com os consignatarios Cunha Irmos &
C, rua da Madre de Dos n. 3.
PARA 0 RIODE JANEIRO"
sabe impreterivelmenle no dia 20 do andante o
v.'lero patacho Corroa, por ter a bordo a maior
pirie de seu carregamenlo : para o resto que Ihe
fslta e escravos a frele, tratase com os consigna-
tarios Palmeira & Beliro, largo do Corpo Santo
n. 4, primeiro andar. Adverle-se que recebe g-
neros estrangeiros.
Para o Bio Grande do Sul segu cora muita
brevidade o patacho brasileiro Dous de Dezembro,
tem a bordo parte do carregamenlo e recebe o
resto a frete commodo: tratar no eseriptorio de
Amorim Irmos rua da Cruz n. 3.
Kio Grande i Sul
O patacho nacional Leopoldina segu com bre-
vidade, recebe alguina carga a frele, tratase com
os consignatarios Marques, Barros & C. largo do
Corpo Santo n. 6. ____________
Para o Porto
pretende seguir com muita brevidade a barca por-
tjgueza Feliz, lem parte de seu carregamenlo a
tordo : para o resto que Ihe falla e passageiros,
para os quaes tero exrellentes commodos, trata-se
com os seus consignatarios Antonio Luiz de Oii-
veira Azevedo C, no seu eseriptorio rua da Cruz
numero 1.



-ggtwaaam ii. .mmimsF+mmmmm


*00*tm^*
Diario de l'< rnanilm, <. ftabbado de Fevereiro de 14.
Para o Rio le Janeiro.
Saldr ciii brevidade o brigue nacional Minu-
ta, recebe carga e cscravos a frele : trata-se ron
Manoel Ignacio de Oliveira A Filho, largo do Corp
Sanio 11. 19. ________________
PARA PORTO
pretende seguir con muia brevidade o brigue na-
cional Anata, lem parle de wa carregamento
prompto : para o resto na Ifcs falta e passageiros,
para os quaes lem exccileiitos commodas, trata-se
com consignatarios Antonio Luiz de Oli-
veira Azevedo & C, noseu eseriptorio ra da Crui
numero 1.
rara o Rio de Janeiro
.
tfSS
Sabbado 27 do corrente mez, se ex-
trahir a sexta parlo da segunda lotera da
Misericordia no consistorio da igreja de'
Nossa Senhora do Kosario da freguezia de
Santo Antonio.
Os bilhetes e meios acham-se venda na i
respectiva thesouraria ra do Crespo n. 45'
e as casas commissionadas ra da Impera-
triz n. 44, loja do Sr. Pimentel; ra Direita
n. 3, botica do Sr. Chagas; ra estreita do
Rosario n. 12, typographia do Sr. Mira c ra
'da Cadeia n. 45, lo.a do Sr. Porto.
Os premios de 5:000000 at 400000,
pretende seguir com muir brevidade o nalhabott 1|,.,ini* mmmSaI
nacional Pieiule, tem parte do seu carregamento 7 Pa80!> um,a ,,oia depots da extraccao
a bordo : para o resto que Ihe falta e eslavos:. Ate as 4 horas da tarde, e OS outros no da;
freto, para os quaes tem expelientes commodos, tra- seguinte depois da distribuido das listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza,'
AOS 000,006
CASA DA FOKTUNA
IBUhetes garantidos
A' rita do Crespo n. 23 e casas do costume
O abaixo assignado tendo vendido em seus niui
felizes bilhetes garantidos o de n. 2656 com a sor-
te de 1:200,0, e outras muitas de 1005, 40* e 204
ta-se com os seus censignatarios Antonio Luil dt
Oliveira Azevedo S no seu eseriptorio ra d;.
Cruz n. 1. __________________
Aova lama.
. Este navio que tem superiores coinmodos para
passageiros, segu para l/sboa e Porto no fin i da
corrente mez do fovereiro : trata-se com Marques,
Barros & C. eu eem o eapitao Manoel Francisco
dos Satitos._________________
Para Lisboa.
O brigue iwrtuguez lirlla Figua-
rente, capillo Jos Ferreira Lessa,
vai sahir com muita brevidade por da lotera que se ac bou de extrahira beneficio
(ter a maior parte do carregamento da igreja de N. S. do Livramenlo, convida aos
prompto, para carga e passageiros possuidores de ditos bilhetes a virem receber seus
para os quaes tem expelientes commodos trata-se respectivos premios sern descont algum em seu
com o consignatario E. 1!. [tabello, ra da Caduia eslahelcciinenlo Casa da Fortuna ra do Crespo
D.S5- d 23.
O mesmo tem ex|iosto venda em seu dito esta-
belecimento e as outras casas do costume os no-
vos e felizes bilhetes garantidos da sexta parte da
segunda lotera beneficio da Santa Casa da Mi-
sericordia que se extrahir no dia 27 do corrente.
Presos.
Bilhetes inteiros..... 64000
Meios bilhetes...... :1400o
Para as pessoas que comprarem
de 1004 para cima.
Bilhetes........ 54500
Meios......... 24750
Manoel Martn* Fiuza.
IMPERIAL |M| INSTITlie
7V
DM
NOSSA SENHORA DO BOM CONSELIIO.
IUA D\ .41 HORA K. 50.
Sob a direccao do abaixo assignado acha-M fnnecionando este Instituto desde o dia 7
de Janeiro prximo passado, e nelle se ensinam todas as disciplinas prepralo iaa para a
matricula do curso jurdico, desde primeiras letlras.
Todas as cadeiras acham-se providas pelos melhores professores, cuja ista j foi
publicada inste Diario.
Recebem-se pensionistas, meio-pensionistas e externos, pagando na seguinte pro-
porco:
PENSIONISTAS.
Quarlel de casa, mesa e luz ..................... .. 1005000
METO-PENSIONISTAS.
dem de mesa.............................. 454000
EXTERNOS,
dem do cada preparatorio....................... 204000
Os pensionistas e meio-peusionistas pagaro os preparatorios que estudarem razio
de 54000 mensa, bem como os externos d'aula primara.
Para mais esclarenmentosdirijam-se ao director, a qualquer hora, no Instituto, que
franqueado visita dos pas e correspondentes, bem como a todas as pessoas que nisso
tiverem interesse.
Recife, 1 de fevereiro de 1864.
Antonio Aicisto Fkmueira Lima.
Para Maraalio o Para
pretende seguir rom muita brevidade o brigue na-
cional Amelia, tem parto de seu carregamento
prompto : par. o resto que Ihe falta, trata-se com
os seus consignatarios Antonio Luiz de Oliveira;
Azevedo & noseu eseriptorio rna da Cruz n. 1.'
CONSULTORIO JIEDICO-CIRLRGICO
DO
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
MEDICO, IMHTi: IRO 12 OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fundao 3
0 Dr. Lobo Moscoso di consultas gratuitas aos pobres lodos os das da< 7 Is (
horas da manhiia, c das 6 e tneia as 8 horas Pharmacia especia/ horneo pal/tica
No mesmo consultorio ha sempra o mais approprado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dyoinamisacoes e pelos presos seguioles
Carteiras de 12 tubos grandes. 12)5000
de 24 tubos grandes. 180000
de 3(5 tubos grandes. 214000
de 48 tubos grandes. 304000
de 00 tubos grandes. 354000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os remedio
que se pedir.
Um tubo avti'so ou frasco de tintura de meia onra 14 00.
Senda para cima de 12. custarao os precos estabelecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
II vitos.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeoptico do Dr. Jahr,
dons grandes volumesctim diccionario............ 204000
Medicina domestica do Dr. Ilering,......'....'. 104000
Repertorio do Dr. Mello Moraes............. 64000
Diccionario de termos de medicina........... 34000
LEILES.
ARTSTICA
Eua Nova n. 25 esquina da Camboa do Carino.
LEILO
HOtfE.
Sabbado 2o de feereiro s 11 horas a
ra da Cadeia n. 53 armazem.
DE
3 mei-aguas tendera 20$ por mez c
um terreno de marmita na ponte
Vellia por deliaz do sobrado novo que
se.itba edicamlo.
Por intervencio do agente Euzebio se vender
em leilo pelo maior preco que se achar tres
mei-aguas que rendem &) por mez, as quaes
n-
te Velha, tendo um terreno de marinha na frente
com it palmos para o caes de Capibarbe e mais
de cem de fundo at chegar as 3 casinhas. ven-
de-se barato, os pechincheiros podem aproveitar
,a opporlunidade que a m> Ihor.

= S g
f 8 | I
c o 2
c 5
?. -
4 -i- Zi
V V "I
III
= 5!
i
s o a a
5- E
p =T o
o v>
s. -i
S a-
s p
8
S = =
O. VI
Z 3
..
Os Srs. Eugenio 4 Mauricio tem a honra de participar ao respeitavel publico desta capital que
: do dia Io de fevereiro cites estabelecem os seus precos do modo seguinte :
12 carles de visita.....125000 Retratos n. 1.......15*000
2S ditos 2 posicoes.....20000 i,:..,, hmm
N ditos 3 ditas......33*000 ?! S l........'^
JOO ditos 4 ditas ..../.. 50*000 ll"08 3........40*000
Cada duzia e mais .-/. 8*000 'As reproducoes cada urna 2*, 3* e 5*000
Elles tem recebido um grande sortimento de quadros a molduras para retratos grandes e cartdes
de visita, assim como tambern lbum para photographia que elles podem venJer muito em conta. As
efncinas estao abenas todos os dias das 9 s i da tarde.
DUAS. TABERNAS.
Scjitinda-fcia 22 d corrente.
A" reqjenniento da inventarame do casal do
seu tallecido marido Joao Baptista da Rocha a
viuva M.iria Franklim da Rocha e por ordem do
lllin. Sr. cnsul de S. M. Fidelsima e por conta
de quem atrtmrer o agente Pestaa fara leilao
de 2 tabernas pertencenti-s ao espolio do mesmo
finado a saber : a taberna com todos os gneros
itiMies dentro da mesma e a armaeo, sita na
ra Direita n. o : segunda-feira 22 do corrente jdenciada villa do Cabo para esta eidade ra es
S 0 horas em ponto sem alta. titila do Rosario n. 3i, onde tem estabelecido seu
E a (alterna sita na ra de b. Miguel n. 08. com eseriptorio, c onde foi o do Dr. Godov, de cujos
todos.os gneros ea_rmacao, na segunda-fewa 29 irabalhos licou enearrando o annunciante. Ah
Club rernambucano.
A reunio familiar de fevereiro ter lu-
gar na noite de sabbado 20 do corrente.
Precisa-se de urna ama de boa conducta para
lodo servico de casa de pouca familia : no pateo
da matriz de Santo Antonio n. 8.
Precisa-se de urna familia capaz que se en-
carregue da lavagem e engemmado da roupa de
um liomem e alguns meninos, cora tanto que o
faca com prtetelo tcelo. Dirir-se ra Bel-!
la'mbrado de 2 andares n. 37.
Aluga-se o sitio da Pedra Mole, em Apipucos,
com exeellente casa de vivenda com 2 salas de!
frente e ti qmrios. torneo, estribara, fructeiras,'
bella vista e magnifico banho: a tratar na ra das
Croan n. 39, segundo andar.
Affouso de Albuqucrquc Me lo
ha 19 annos advogado.jante os auditorios e tribu-
naes desta eidade, j;i na corte e em outros lugares i
do imperio, emronsequencia de terern-se augmen-
tado aqui seus afazeres, tem transferido sua resi-
-!':

dadeiro assucar de leite, notaveis pela sua boa conservado, tiniura dos mais acreditados
I estabelectraenlos europeos, a mais exacta e achurada ptepatacao, e portaato a maior ener-
ga e certeza em seus effeitos.
Casa de sade para escravos.
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-me qualqot.-
operafo, para oque o annunciantejtilga-se sufficitntemente habilitado.
0 tratamenlo c o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
lunccionando a casa a mais de quatroannos, ha muitas pessoas de cojo concert se nao
pode duvidar, que pdem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
doentes.
Paga-se 24000 por dia durante 00 dias ed'alii em diante 14500.
As operacies serio previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos precos
razoaveis que costuma pedir o annunciante.
INTERNATO
DE
do corrente pelas 12 huras em ponto. Os balan
^os aeharn-se em mao do agente.
O li'iia 1 ter lugar em cada unta das referidas
tabernas
AVISOS DITERSOS.
Associacao Typographica
Pernanibucaua,
De ordem do Sr. presidente convido aos Srs.
socios eflectivos ase reunrem em sessao da as-
amblea geral, domingo 21 do rorrente, s 11 ho-
ras damaaha no lugar do costume.
Os Srs. membros do conselho sao tambem con-
vidados a se acharen aili reunidos s 10 horas.
O mesmo Sr. presidente racommenda aos Srs.
socios effectivos que lenham em consideracao s
coVh di g 2* doart. 10. assim como os arto.
7, 28,'69, 70 e 71 dos estol los.
Secretaria daAssocia^ao Typograpnica Pernam-
Luc-ana, 17 de levereirode *6i.
Carlos Dias, 1' secretario interino.
0 eirurgiao Leal niudou
a sua residencia da ra do
olfereee os mi.-leres de sua profisso s pessoas de
i|uem merccA conlianco, tanto deste termo como
ilos demais desta e dt outras provincias para os
negocios e Irabalhos a serem desempenhados aqu,
' garantindo o zello, lealdade e actvidado que Ihe
>ao reroiihccidos pelas pessoas que o conhecem.
Incumbc-se tambem de trabalhos para os termos
1 prximos, onde tem solicitadores de inteira con-
fianca. l) consullas verbacs e por escripto, e
presla-se a ouvir seus constituintes a todas as ho
ras, as soxtas-feiras das 9 as 4 na villa do Cabee
Estahelerido na eidade do Recite
3 80b a Protec$o do Siimnio Pontfice Pi IX.
Director0 hachare! em mallicmaticas
I BERNARDO PEREIRA DO CARMO JNIOR.
O director do intrnalo de S. Hernardo, nao tendo evitado esforeos nem ;acrificins
3 para proporcionar aos seus alumnos urna perfeita educaco physca, moral, inU llectual e
j religiosa, ollerecendo-lhes una habiaco com bastantes condicties de salubridade, hal>eis
./ professores que sao solcitos em prepralos convenientemente ao lim que se Jestinam,
\ medico praticoque Ibes faca comprehender os preceitos da hygiene e Ibes cure das doen-
cas, e finalineule um sacerdote Ilustrado e honesto que Ihes explique os principios da re-
ligio ebrtslaa, espera que assim constituido nao deixar o seu cstabelecimenlo de mere-
cer dos Srs. paes de faijiilias o auxilio e conlianca com que j alguns o tem honrado; e
Ihes roga, bem como todas as pe seu estabelecimcnto, onde sempre enrontraio franco ingresso.
Cadeiras de ensilo :Primeiras letlras dividida em duas classes, tendo caa urna o
seu professor, latim, francez, inglez, arithmetica, algebra e geometra, geograpliia, philo-
sjpln a, rlietorca, desenlio e msica.
O collegio ton a sua sede no espaeoso edificio n. 32 ra d'Aurora contiguo ao do
collegio do* nrphaop.
Xos estatutos do collegio. que csio a dtsposleku de 'ucm os quizer ler, se arham
consignadas as coodicoes de entrada c matrcuia as diversas aulas do istabeleci-
mento.
LIQIDACAfl
DA LOJA DE J. J. kELLEI.
RA DA I ?11B It VI It8X 9.
Emprimeiro lugar convidase s pessoas quo tiverem vontade de comprar um bem acreditado
estabelecimento de ter a bondade de o visitar. Muito bem montada como e.-t esta luja, com a ex-
eellente morada junto e as coudi$oes muito razoaveis, ha de por corto animar os pretendentes com-
pra-la.
Igualmente con* il.i-se
aos Srs. mdicos, dentistas, logistas e proprietarios de estabelecimentos artislicos para virem comprar
por menos do seu valor, as melhores e mais acreditadas ferramentas que ha no mercado.
O respe i ave! publico em gem
^encontrar um variado e muito rico sortimento de brinquedi s. cutilerias, armas para caca com
B pertences, apparelhos para cha, estojos de barba e de matlumatica, ferros para cortar e imprim
Ihos e para corlar babados, seringas, esporas, chicotes etc., etc.
seus
mir tV
Precisase
de um criado para todo o servico de casa em um
sitio, pagando-se OA por mez rom comida: na
rna do Cahug, sobrado n. 2, das 10 s 12 horas
da manha.
Precisa-se de um criado de li 16 annos,
preferndo-secaptivo : a tratar na ra largado
Ilosario n. 41, das 6 as 9 da manha.
Precisa-se de um rapaz que tonha pratica de
taberna : na ra do Socego, taberna n. 56, dando
fiador a sua conducta.
D-se dinheiro a juros sob hypotheca de urna
casa terrea livre e desembarazada, ou sob penho-
res de ouro e piala.
Precisase de urna ama para servico Interior
a exlcrior de urna casa de pouca familia : a tra-
tar na ra de IIortas n. 90.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado n. 63
da ra Imperial com commodos para familia nu-
merosa, e a loja do sobrado n. 20 do pateo do Ter-
co : a tratar ina ra do Imperador armazem de
armazem Progressista, aon-lWn.4.________________
Em a noite do dia 18 do corrente mez, pelas
ts horas fugiram da eidade de Olinda da casa da
abaixo assignada dous mulatos e.-cravos de BOOMS
Liuilherme e .Muyaos, o inimeiro escuro, pouca
barba, traz pera a bigodc, estatura ordinaria, eom
idade de 25 a 90 anuos e secco do corpo, e padece
23>::'^
i,ii> Queimado para a rna das
Crozes sobrado n. 36, pri-
meiro andar, por cima do
de o acliarao como sempre
prompto a qualquer Lora pa-
ra o exercicio de sua pro-
-fiiOoA "'liomaA*iiAi OCfT'nTa de ervspella tendo por isso a perna esquerda en-
11.fid, tlUllUitim [HJ1 C5bl ipid. ,[,.,.. 0 Sl.jundt, C|ar0natura ordinaria, labios
'>rados, nariz um pouco chato, grosso do corpo,
inu faiba c repn senta ler de 18 a 20 anuos, tendo
! na cabeea urna m irea de cicatriz sem cabello: am-
bos foram vestidos e cateados com palitos escuros
o eaieaa de brira brancas, ou pardas : levaram com
i.mi que muliaram abaixo assignada, um baliusi-
ieaha > <-ahic* dtu ni'j>lfti ili> na
ACaiM f SanirilON pHIO* lie UO^Sa llhocom ct.rca d(.umcontode res em pecas do
lcin almanak CIVil, eCflosia>tlCO, ouro novas e reinas, tres doblas portugu.-zas. um
-.-.---.. i r.L.:i .......mi.. ,,r,,,i,,., diibrao e ama moeda americanaorandec moa pe-
eontiuerc-1, fabril engriiola, ronten- (|I,.M.( por(.-(1 dl. I11(M,lIils ,lt 0liro\e niirn ni,r'ois
(lo tOllOS OS empreados, enjCIlhoS e doitors; mtitOS pipis de importancia,algumases-
nfr.irianli> inc[nsi\t as iiiiiliffacios ''rillturah pnblieas de acquisigao, papis de com-
iiesocianiP., intiHf>i>e i moaini.niots |ins do egc,,lV(l> ,.Illrt! 0. (|lia(,s ,.sUl dn nim
}]1\(I.IS al '>l tic dcZCmhrO Ultimo; Mi.\s-, ccrinlm-s ile baptismodos filbos da abaixo
,n,| o. KOnil Hiiii-int'iiti ni li- :,Sr 'gnado, conhecmentos de dcima, um recibo do
^eflUe-sea l&UIJU UlUldmenit Da ll |,ancoilw|OIIto7:l001O,umaletrade5:li>5000
X'ara n. 6 C 8 dn prlCa (la Indcpen- :m-* endossada, e duas letras saccadas por Fran-
I cisco Gomes de Oliveira como testamenteiro do li-
SEGUROS DE VIDA EM MUTUALID IDE.
A direccao do BANCO NIAO tendo obtido do gnverno de S. M. F. a autorisaci' para estabele-
cer o seguro do vidas em mutualidades, faz publico que desde j toma subscripcoes anauaes por urna
s vez, debaixo das seguintes coudicoes :
Com perda de capital e lucro.;
Dito capital somonte;
Dito lucros smente
devendo a primeira liquidagao ter lugar no Io de Janeiro de 1859.
As vantagens do emprego de capiucs em mutualidade, sao obvias, porque nao smente se co-
in o juro de quautias diminutas, de que avulsas se nao poderia tirar nenbun resoltado; mas alm
disso, este rendimento augmentado pelo capital ou lucros, ou ambas as colisas, confon e as condicoes
da subsenpeao, dos que fallecem. Tambem partido pelos socios sobreviventes ludo ar uillo que os so-
cios morosos nos seus pagamentos, sao por este motivo obrigados a pagar, bem como caducidades que
occorrerein pela falta de cumprimento do compinmisso social.
As liquidaeoes sao pelo systema das companblas liespanholas. Tutelar e outras ; e parase poder
fazer urna idea do (pie pode produzir una entrada animal de 10-3, publica-se a seguin e tabella basca-
da sobre a experiencia de muitos annos decompanhias desta natureza :
Km S annos Em 10 annos Km 13 anuos Em 20 an ios Em K anno.
Por um
Por urna
menino de 1 dia a 1 anno 1105 4005 9005 2:ix:5
de 1 anno a i 905 3004 7505 1:70(5
de 2 a 3 865 2905 7205 1:60C5
de 3 a 4 865 2805 7105 l:56f5
de 4 a 15 > 865 2705 7005 1:5505
pessoa de 15 20 865 2705 7005 1:5405
de 20 > a 30 . 865 2705 7105 1.56J
de 30 a 40 > 865 27l>5 7205 1:6000
> de 40 a 50 . 905 3005 7505 1:800*
4:7005
3:7005
3:5005
3:4005
3:3505
3:3305
3:4005
3:7005
5:0005
As entradas por urna s vez dito resultados muito superiores s annuaes.
M.i*.fi 1A .1.. ..,,.,.'.. .1,, IQ't A.- ^l.-.k.'f,,!',.^ Ha U'iikm Itnill ./ni,* lili Slh't]
Porto, 10 de agosto de 1863.Os directores do Banco Unio, Jos da Sur a Mnrh"1o.F. M. van
der Nirpoort.
Agentes em Pernambuco : Antonio Luiz de Oliveira Azevedo 4 C, ra da Cruz n. I.
Sa-3-3Sv
Varia.
nado Henry Gybsnn, e aceitas una por Marcellino;
& C da quantiade l:8585180ea outra da ipianlia
de 2.0155660 reis aceita por Antonio Correa de
Vaconcellos, com endosso em branco, ambas van-
civeis em 30 de marco do corrente anno, enjos acei-
tantes j se acham prevenidos para as nao paga-
rea se o abaixo assignada : lima corrente de
(uro ingleza para relogio com sinete, algumas juias
Gonsulta^oes cirurgicas.
60, Ra Rtvi, CO.
O Sr. Jos Frincisco Pinto Guimar*s, eirurgiao
i>scola real de cirurgia de Lisboa, asss ro-
ihei'ido nesta eidade, onde a lao numerosas quo
irilhantes curas, como a luin numero de op>-ra- (ie ouro e pedras e um pequeo caixo de madeira
at ento des&>rhecidas na pratica da cirur- de fura, de um palmo em quadre, pouco mais ou
na l'ernainbiicana (tulla, ectomia, rnterotomia, rt- menos, com oilocentos nove cenlosmil reis.em pa-
c smixillar inferior, etmcleacat .Ir um corpo /toroso estrada do l'eixinho, ou do norte em direccao para
ul-nno cem o |wso de 20 micas, etc.), une lonvo l'edras de Fo'.-o ; a abaixo asignada roga encare-
\ rcicio de trinta e tantos annos, que torera o re- (idamente as autoridades policiaes de os capturar,
coiihecim'iiro do tan reb-vantes servicos presudos (mpregando os meios para serem elles descober-
\ bamanidade sofTredora, o exprimen! o glorioso tos; e aos eapilies de campo adverte que se rao ge-
impulso por elle dado a arte de curar, em nosso nerosamenie recompensados. Alm dos objectos e
paz ; sendo tambem o primeiro que nelle lem em- dinheiio cima mencionado*, levaram ditos esera-
prugado os tnesthesicos i-ih-r, ckloroformio.anu- 'os (que tolve ditam que sao livres) nina Lien-
inai para facilitar a exeencao dolas, nem um fal- falla de estoque de cana da India verinelha com
I i nido uiiiiii serie de 10 operados da segunda nonios com o cabo preto de bfalo.
jieraco, e, d'enire as outras. algumas s por elle Ubaldina Amalia de Mello.
i 'in sido praticadas nesta i ro vi neto, c tal vez fos-_____________________________________
sin as primeiras qne ti vera m lugar mesmo no. r \ \ I I II ItilPItlUt
Jii;rio, segniulo se deprede ule das eslalisliess dal li-sl.-lliLW FUIil \V\1
obra de Sinaud Du Climat ot Des Maladies l)u I S;r generosamente recompensado quem appre-
! -iii|iie
t ii consultorio para a ra Nova n. 60, primeiro calcados n. 45, de Antomo Mana Oconnell Jersey,
ir en que pode ser consultado todos os dias um cavado de sella, alaso claro, com os quatro
uieis das 7 as 10 horas da manh, acerca das ps bra neos e a frente aberta, passeiro e marcha-
.1,, mas denominadas cirurgicas ou externas com lor, de bom tamanho, c (|ue tem alem de outro
atidade daqnellas, em rujo tratamenlo mais ,'erri) esteE; o qual foi furtado da Estrada-nova
frequeule.nente interven! a medicina operatoria. ao amanhecer do dia 17 do corrente.
Maita attenedo ao que interessa
PROTEJAN PROTEJA!
EXCELLENTISSIMAS SENHORAS,
JVv, Excs. continen! a proteger ao Importante estabele-]
cimento ra do Crespo n. 19
M
JOS GOMES VILLAR.
Grande novidade. Baloes!! !
Baloes de 40 arcos a 55, de :i0 a 45 8 de 20 a 35.
Fazendas propria para a quaresma.
Moreantique preto em cortes, ditos de muito gosto para covados. grosdenaples prelos
de superior qualidade.
Para hambros de senhoras.
Capas pretas, casacoe. casaveques compridos, .-otembarqties, manteletes de gros, di
tos de guip, chales pretos deguip etc., ele rapas de easemira com capuz, mineteles
de easemira ricamente enfeitados, chapelinas de palha com veo, chitas, cambraias, vesti-
dos para noivas, ditos de seda, vestidoa de blonde com capella e manta a 185, de gros
branco etcetc, madapoloes de 75, 85. 95, 105. i 15 e 125, cambraias lisas muito tinas
transparentes e topadas a 35, 45. 55. 65, 75. 85 e 1>5 a peca, fazendas de hubo de todas
as quididades e outras muitos blendas.
Proleccao. Proecco.
MMMI21
Dnarte & C, vendan em seus armazens Unio e Cemmerrio e lar-
go do Carnio n. "J, armazem progressivo, es seguintes gneros desembarca-
flns ltimamente.
Venladeiiu vinno cunares em ancore-
retas de 9 caadas a 50,000 e 800
rs. a garrafa.
Farello de Lisboa marca N ou JJiato
tigo a 46 a sacca.
>/i Vinagre P R It, em ancoretas de 9 ca-
@S nadas a 18,000 e 2.000 rs. a ca-
W< nada.
y-i) Passas em caixas, meias e quartas a
8,000 4.001 e 2,000, a 480 a libra.
Peras seceos em caixas de quatro li-
bras o melhor que se pode desejat
i/v- a 2,500, e 040 re. a libra.
";\^ Caixinhas de 4 libras e 2 com ameixas
a 1.500 e 2,500 rs. a caixinba.
Chocolate portugnez, o melhor que
pode haver de bom neste genero a
1,000 rs. a libra.
Marniekula prnpriamente dito de mar-
mello, a 040 rs. a lata e em caixas
de 100 latas a 600 rs.
ac a de tomates a mais nova que se
pode desejar a 640 rs. a lata e em
caixa de 100 libras a 600 rs.
Etvilha portugueza a 700 rs. a lata,
e em caixa de 100 libras a 640 rs.
Passas cnriiitliias para pinlim a 640
rs, a libres, e 400 rs. comprando de
arroba para cima.
//
V
m
8&

yuetjos lontinnns muito frescrf ti soo %
re. a libra o sendo inleiro a 650 rs.
Sebollas em caixas as mais novas do
mercado a 6,500 rs. a caixa, a 800
rs. o mollto, e a 640 rs. o cento.
Batatas em caixas de 2 arrobas muito
novas e grandes a 2.400 rs. a caixa.
Sextinhascom figos proprias para mi-
mos de enancas a 60 rs. cada urna
e comprando em duzia ter grande
abatimento.
Erva doce muito novas a 500 rs. a li-
bra, o comprando em arroba a i
10.000 rs.
Cominbos muito novos a 400 rs. a li-
bra e 10,002 a arroba.
Licores poituguezes das marcas mais
acrediadas de Lisboa a 1,000 agar-
rafa e 10 a 12,000 a duzia, as quali- \
dades sao as seguintes : creme de S^
violetas, geroflez, rosa, absintho, ves- Wf
peiro, amor perfeito, amendoa amar- ^j
ga, percicot tleturin. botefin, moran- ^f^
gos. I i mao, caf, laranja, cidra, gin- ^^
ga, canella, travo, ortela, pimenta ^5>
e outros muitos de qualidades menos r^J|
superior que serao vendidos por pre-
cos em relaciio as suas qualida-
des.
ATTE\C\0.
O abaixo assignado pede aos Srs. los Lucio
Monteiro da Franca i d, negociantes ni villa da
Escaria, a rasposta da carta que llll!S diiSgio, sob
data de 17 do corrente. Recife 19 da foveroiro de
1864.Jos Soares Pisto Gorreia Jnior.
Farmha de trigo SSS a 100 rs. a lihra, e ga-
lega a 80 rs.: na rna Nova n. 8.
Casa de campo.
Frederico Chaves aluga sua cas; de campo sita
no Poco da Panella, com OB eommoilos seguintes :
4 salas, 7 quartos, cozinha, despensa, casa para
criados, cocheira, estribara, caci nba, jardim e
terraco, muito fresca, e muito sadia : quem a
pretender, pode-se dirigir a rna dl Impertira a.
13, loja de calcados.__________________ ___
Aluga-se na ra da Alegria le 7, ucaa etwra'
i va que sabe cozinhar, lavar, engom nar c comprar-
os proprietarios afiancam que estes gneros sao muito novos e ludo
de primeira qualidade, tudo isto se vende nicamente no armazem UniSo e
Commercio na ra do Queimado n. 7, e largo do Carmo n. 9 armazem pro-
gressivo.
Qtifijos
;5^ do alemtejo, das ilhas e flamengos, todos chegados neste ultimo vapor, a
5^ 2,500 os flamengos e 800 ris a libra do alemtejo e das ilhas, unicamen- | ^
t?%, te no armazem Unio e Commercio, ra do Queimodo n. "
e largo do Car- frr)
I
a
Cainieiro fgido.
No dia 18 do corrente desappareceu do sobrado
.>r,,k3 B n. 74 da ra Direita um carneiro com os signaes
1 ------------------------------------------------- aparados, e muito manso, suspelu-se ler sido fur-
Perdeu-sc no sabbado, 13 do corrente, urna tado : quem o acliou, ou delle tiver noticia, leve-o
malla de viagem com ferramentas de engenheiro. M sobrado referido, qne ser recompensado,
no bairro do Recito : quem a achou queira resti- oiierece-se mu. molher ile twa coi.duc
luir a ra da Cadeia n. 55, armazem, que sera ^-^^'^"Zj^^
gratificado.____________________^__
Precisa-se de urna ama para o servico in-
terno de urna casa -de pouca familia : na ra do
Sebo, n. 43. ou na ra do Queimado, n. 23.
Domingo 21 do corrente, haverao mnibus Conceiclo ik 8.
de manha e de. tarde para as pessoas que quite-
ducu pa-
ra ama de casa de homem solteiro, para os servi-
dos internos : quem precisar, dirija-se ra da
Necessita-se de urna senhora que queira ir
para um engenho educar urna menina : quem qui-
zer annuncie para s-r procurado, ou dirija-se ao
oilo de S. Pedro n. 22. segundo andar._______
Aluga-se um moleque para cria lo : quem o
pretender, dirija-se a pi ac da Boa-Vista n. 9.
A mesa recedora da irmandade de S. Jos de
Hiba-Mar convida a todos os raos para mesa ge-
ral no domingo 21 do corrale, as 10 horas da
manlia, a beneficio da mesan irmandade.
Felippe de Paula Amida.
Bscrivao.
IIieulio de Apilo.
SOCffiDADB MKLPOMIiSK PEIlVlMillCUl.
Por ordem do Illm. Sr. director convido aos se-
nhores socios para reunirem-sc em sessao da as-
semliia geral domingo, t do corrente, no salo
do Ibeatro, alim de discolir-se os novos estatutos,
Recife 18 de fevereiro de 1864.
O Io secretario,
________M. Vianna.________
Precisa-se de urna ana que cozinhe e com-
pre para casa de hnmem solteiro: na ruado Quei
mado 0. 33
alim de ser impossaria a nova, mesa regedura.__
Bernardino Francisco de Azevedo Campos
vai Europa tratar de sua saude, pretendendo re-
gressarem dezembro prximo; e no entanto con-
tinan todos os seus negouios no mesmo gyjo, de-
baiJio da administraco. de sua mnllier, o Sr.
Jos Joaquim da Silva, a quem deixa procuraco
bastante.
Na tarde do ma, h>rca-feira, 18 do corrente,
foi perdida desde a ra do A|>ollo at a da Impera-
tri/. a qn intia do nove-nta e tantos nl ris era no-
tas : a pessoa que a achou e quizer restituir, diri-
ja-se ra de Apolla n. 36, primeiro andar, esqui-
na, onde, dando-so os signaes, se gratificar gene-
rosamente.
O secretario interino da irmandade de N. S.
da Boa-Viagem, em virtude do despacho do Rtm.
Sr. Dr. provedor do rapellas, convida a todos os
irmaos i esaros para a posse da nova mesa, no
dia 21 (uningo) pelas 9 horas da manha.
Consistorio da irmandade de N. S. daBoa-via-
eem 19 de fevereiro-de 1R64.
Manoel M. Camartro.
Manoel Antonio de Aievedo, subdito portu-
guei, retira-se para Macci.
ftsm

mmkmmm


v<
ItUk-to d l'evnftiubuca fcabbado de TPeverelr de l*4.
Era quinto o Sr. Jot Joaqulitt barbosa nao \kt
ou mandar agir os alugaeis de porto de dous
atinrw da casa onn/:>' mordjf na ra dos l'r;
da Boa-Vista, ver o seu noine nestc jornal
iratna ra dos l'razeres igj
noine nestc jornal para,*S
w eouhecido dos propietarios.
fflaiassmiai!S
Regocia-se o nituiinismo de lavagenie
engommado de roupa a vapor: na i
Nova n. SO, primeiro andar, se
BMn quera se pode t atar desle negocio, gj '
II
chara j .fv
JHWWI
Iscripferio de advocad
V ra to Queimado n. 30, pri-
meiro amlar.
O advagada Cicero Peregrino continua
no exerricio de sua proflssao na ra do
ra do Quoimado n.30. primeiro andar,
onde pode ser procurado das 11 as 3 lio-
ras da tardo.

O Sr. Melquades Ferreira do Siuza. que le n
ou teve taboleta deourives na ra de S. Jos, qmi-
ra dirigir-se livrana da praca da lndopeneia ns.
t e 8, sobro o- aluguel da loja ila Senzala nova,
cuja chave mandou entregar sem a imporUncia do
aluguel.___________________________________
Sociedade de Heguros tundios
de vida instalkada pelo Banco
Unlio na cldadc do Porto.
Os agentes nesla cidade e provincia Antonio
AI o mu-su as lajas do sobrado n. 44 em
a ra da Aurora : quein pretende-las diri-
ja-se luja dos Sis. Ilaslos & Magalliaes,
ma ra Nova, que aeharao cora quem tra-
lar._______________________^_______
Antonio Leile de Magalhaes Bastos vai
Europa.
AO DE
PARTIDAS DOBRDAS
OFFERECIDAS
A ASS0C1AC0 COMMEIICIAL BEXEFICENTE
DE
PERNAHBUCO
POR
Terceiro escriturario da thesouraria
de fazenda de Peniambiico e competcntemeDte au-
torisado para eiercer o pro-
fessoralo parlictilar de arilbmetica namesma
provincia.
Acba-so esta obra nos prclo da typographia
Commercial, d'onde em breve sahir luz da pu-
RIVAL
SEM SEGUNDO
Ra do Sucintado ns. 4 e 55,
loja de niiudezas de. Jos de Azevedo Maia & C .
principia o novo atino a torrar niiudezas pelos pre-
sos que a todos causa admiracao, a saber :
Pares de sapatos de (ranga inuito finos a 15600.
Frascos de oleo babosa dos inelbores fabricantes a
240 rs.
Ditos maiores a 400 e 500 rs.
Frascos d'agua de Colonia muilo finos a 400 rs.
Sahonetes milito finos a 160, 200 e 400 rs.
Fraseos grandes de agua de I.ubin, o melhor,
15500.
Lapis de tinta encarnada limito finos a 40 rs.
Novellos de linda cora 800 jardas a 120 rs.
Ditos de dita rom 400 jamas a 80 rs.
preco, _
de muito em cunta, apromptam-se ramos para ao- ce as' essoa;. ,... se ,|Ul.rai dedicar ao estudo da
mingo de ramos, a seis vintens e meia pataca, tu- g^rjtracio
do de muito gosto, e enfeilam-se. ive,lJsi>ftcinh,]01r!e(.s | A respectiva assignatura acha-se aberta em to-
aras desta cidade, ao proco de 55000
Luiz de Oliveira Azevede C escriptorio na ra d|, cera de muil0 bom ,0 a 4 e W> com dhalias,' '' '"
da Crur do Recife a. t, estao autonsados desde ja r cravos e l(xla (,lia|iuat! ,|e flores fulas de *:. '
alomar assignaturas e prestar todos os esclarec- ct,f.^ fazi;m.sc os ran)0S a g0sto de quem os man- {K--------------
montos que forem necessarios, as pessoas que de-
sejarera concorrer para to til e benfica empre-
sas, egurando uin futuro lisongeiro aos associados
Aluga-se oarmazein n. 4 da ra do Apollo, e
oterceiroandar da casa n. 88 da ra da Impera-
triz; na ra da Aurora n. 36.
DENTISTA DE PARS '
19Roa Neu-49
Frederico Gautier, cirurgio dentista,
ai todas as operacoes de sua arte, e col- I]
loca dentes artificiis, tudo com su|ierio- !
ridade e perfeico, que as pessoas enten- (|
| didas I he reconnecein.
Tem agua e pos dentificio.
Mi
Na ra Nova n. 26 se dir quem da algumasi
quantias a juros de 2 0|0 sobre penhores.________|
Na ra do Crespo n. 15, se aluga tuna jml
casa e sitio no Monteiro, com frente para o oilao
da greja, assim como o segundo andar do sobrado ^
B. 79 da ra do Imperador.__________________
_ 0 hachare! Haximiano Lopes Ma-
chado advoga no s u escriptorio da ra
do Imperador n. 71, primeiro andar,]
onde pode ser procurado das 9 s 3 ho-!
r*s da larde para o que forconceracn-l
te ao eiereieia de sua proliss.
- O bacharel Amerieo N'elto do Mendonoa '*,
reside e tem aborto o seu escriptorio ',
ra doLivramento n. 18, l* andar. ??
imhhki m mm mam
Prec.isa-se de um bom cozmheiro e de dous
criados activos : a tratar no sobrado n. 32 da ra
da Aurora.
tt^ann mmmm mmmmm
u advogaSo l)r. Manuel lo Nascimento :g3
Machado Psrtella, contina a ter o seu 2|
i|itorio no primeiro audar da casa n. |
, ra do Imperador.
dar fazer, e apromptam-se vestidos preos para a
quaresma com toda a brevidade, e gosto de seus
donos; na inesma casa preparam-se bandejas pa-
ra bailes com armaeao, e bouquetes de flores de
Aluga-se o terceiro anda da casa n. 88 da
Oabaixo assignado, arrematante das dividas da ra da Imperatriz, e o sobrado 1.193 da rualmpe-
cera de todo gosto, ditos de alfinins, ditos de pepel i loja de miudezas da ra do Quoimado de Joaquim rial : na ra da Aurora n. 36._________________
fino, ditos degomma.de panno c velludo, tudo Jos da Costa Fajozes Jnior c da loja de tazn-1 0 abaixo assignado roga a todas as pessoas
barato do que em outra qualquer parte, bor-1 das da ra Direita de fajozes Jnior & aic\uoo, sc julcarem seus credores c favor apparecerem
mais
travessa do Queimado, loja dos Srs. Maia & Lan-
delino.Joao Antonio Porto.
dao de las de ouro, lanlijola para os bouijuetes, avisa aos deredores das ditas lojas Unto da praja |(0 ^ ^ g d aflm de Si,rem ^ifgjioj- na
e tacos para as velas; vndese tambera um sorli- como do mallo de v.rem pagar seus dbitos ao
ment de (ulnas de rosas de papel a 15 a groza, abanto asMgnado no largo do Ullegio junio ao so-
de todo o lamanho, para as senhoras floristas. brado amarello, ou na ra de Hurtas n. 04 ao br.
= -*= cr=s*s- --^^^rrstTtrm- Fajozes Jnior at ao da lo de marco, do contra-
!:S^^S^^^"^@S^^^'^@s^^*V rio tora ue entregar ao seu procurador para co-
RA DO IMPERADOR i.S*""*
-'^
cofr,
Na loja da ra Direita n. 82,
francez era bom uso.
ai_;:loi|''i
compra-se um
Maques soh>re Portugal.
Oabaixo assignsdo, agente do banco
mercantil Portucnse nesta cidade, saca ef-
fectivamente por todos os paquetes sobre
o niesmo banco para o Portoe Lisboa, jtor
Sualquer somma, vista e a prazo, po-
endologoos saques a prazo serem des- fj ., ''i^i^'"-''- : contados no mesma banco, na razao de 4 ,T,^3r-
^'- p.)rt-).l,ires olio
-xrsp
N. 22.
Grande armazrm de tintas.
Estearmazem oOBtffi tudo (punto
preciso para que a industria de pintura, de
qualuer genero que soja, desempenhc
seu lira, isto cinbellezar, conservar e
reproduzir.
Montado em grande escala c supprido
directamente por grandes fabricas de Pa-
rs, Londres a llamburgo, pode oflerecer
productos de eonlianca, c satisfazer qual-
quer encoinmenda grosso trato e a re-
talbo.
Os Srs. artistas pintores, e os donos de
oinas poerao escolher vontade, pois
que ludo estar i vista, as dilTerentcs co-
res de que tiverem necessidade.
Ha tintas em in.issa e em p impalpa-
vei, e. como as ulnas a envemizar s se
deve empregar tintas muidas, e nao me-
recendo confianza as que vem de frapara
nonimercio, por velhas, e talve talsinca-
das, ueste armaxetn se as nioera a \ns-Z,
ta do consumidor, que S assim ter tin-
tas frescas e verdadeiras.
Ha tambera ouro verdadeiro, verde em
p eemfolba, prata em folha, p debron-
lear fle varias cores, diamantes para cor- fi
tar vidros, burnidores.n:icarsiip'rlinaen- %
carnada, auiarella o verde, tintas ege-
laes, azul, ro\a. verde e amaieila, inoflen-
siv;is. uiiM-as que se devein enipree.ar as
confeitaiias, cnllecroes de pinceis para SR
fingir madeira, com propriedade, e outros ^
de varias ipialidales, vernizes, copal, }jj|
H maixa, branco ou escuro para o interior
a e exterior, para etiquetas e quadros, tin-
tas linas em tubos, em craySes ou pastel,
tellas liara quadros, caixas de tintas finas
e papel para desenlio.
Bssencias aromticas verdadeiras. fras-
cos e vidros pan viilraca de todos os ta-
manbes, e rauitos outros obieetos, cuja
utilidade e emprego s com a vista pode-
rao ser mostrados.
Joao Pedro das Noves,
Gerente.
Antonio Joaquim Fernandos da Silva.
Aluga-se um bom sitio coin boa casa de mo-
rada, com muitoscommodos, coiiar atraz e frente
para o rio, cacimba com b imba, tanque, casa para
prelos, estribara e cocheira, j; rdim c inultos ar-
: voredos, t-xto murado, com dous portoes, na Ca-
punga, junto ao porto do Las ;erre : a tratar no
mesmo sitio, ou na ra do Bru n. 74.
Francisco Garrido e Jos /aldeperas, subdi-
tos hespanhes, vio Europa. _______________
Joao da Rocha e Silva, sicio gerente da fir-
ma social Guimaraes & Rocha, pode ser procura-
do na ra das Cruzes n. 11, primeiro andar, a
qualquer hora do da.________________________
Aluga-se a loja do sobrado n. 29, sito no pa-
leo do Terco, propria para qualquer estabelecimen-
to por ser boa localidade : a tratar na ra da Prai
numero 36._________________________
Alugam-se o segundo e terceiro andares do
sobrado da ra do Trapiche n. '8,cjm frente para Frascos de macass, oleo muito superior, a 100
o lado do Corpo Santo : a trat; r uo annazem por Uuzias do dedaes brancos em caixas de vidro
baixo. __________^^ i 320 rs.
Precisase de nm menino norluiruez de 10_ Paneis de aglnas a Dalao Victoria a 60 rs.
12 ann'o?: uV\enU,7.tuanVerpXia oulen, ^ggSSSSS^SXS. ^ fS'
":_____________________________Papis de agulha com loque de ferrugem a 10 rs.
%'W'VtDjilh Grozas de boloes de madreperola muito finos a
O Sr. Joaquim Jos de Almeiila Pires que cur- p^as de fiu de cs, estrellas, com 10 varas, a
sou na academia desta cidade, e por ultimo assis- 320 rs.
lio no conventi de Olinda, haj: de mandar pagar Novellos de linha branca do gaz a 30 rs.
o que ficou devendo na ra di Imperatriz; n. 88 Carretes de linha de cores muito fortes a 20 rs.
Cartoes e caixas de clcheles francezes a 40 rs.
i Botoaduras brancas e de cores para colietes a
120 rs.
' Frascos de banha, pechinoha, a 240 rs.
Bonets para meninos, fazenda fina, a i&.
Caixas preparadas para costureiras a 1500,2 e
3,aooo.
Massos de grampas lisas e finas a 30 rs.
Caixas de palitos do gaz e de cera finos a 20 rs.
' Duzia de facas e garfos de 1 lioto superiores a
55500.
1 Duzia de ditas e ditos de 2 botos finissimos a
6*500.
Grozas de palitos do gaz a 25200.
O abaixo assignado scie.11ti.fica aos setts de-
vedores, que no 1* de marco far entrega a sen
procurador de letras e contas dos mesmos para
tratar da cobranca por meios judiciaes, aquellos
dos seus develores que queiraia evitar despozas
judiciaes, vennam at o tim do presente mes pagar Ara preta'muilo fina a 100 rs.
O Dr. Cosme do S Pcreira conti-1
na a residir na ra da Cruz n. 53, I
Io c 2o andar, onde pode ser procu-1
rado para o exercicio de sua prolis- jj
sao medica, e com especialidade r
sobre o seguinte
4 molestias de ollios;
2o de peito:
3o dos orgws geniti j
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-1
rao examinados na otdem de suas ,
entradas comecando o trabalho pelos j
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d sj
G as 10 da manhaa, menos nos do-
mingos.
Fraticar toda e qualquer opera-1
cao que julgar conveniente para o j
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
! w v'^;S i?Sf <*. Xr-
seus dbitos na ra do Iinoerai or n. 35.
Joib Vignos.________
TINTURARA.
Tinge-se com perfeic) para qualquer
cor, e o mais barato posvel: na ra do
Rangel n. 38, segundo andar.
Caixas de rap com esnelho a 100 rs.
COMPRAS.
Compra-se urna escrava de 15 22 anuos,
' que saiba cozinliar, lavar, eujomniar e coser : a
tratar na ra da Imperatriz n. 6, primeiro andar.
Botica e armazem de
drogas
Ra do Cabng n. II.
DE
Joaquim Mailinlio da Cruz Correia.
Vende-se o seguinte :
Salsa parrilla de Bristol.
Pastilhas assucaradas de Kemp.
Pastillias vermfugas de Kemp.
Elixir de ciiro lclalo de ferro do Dr. Thermes.
Rob da Lafectcur.
Compra-se urna escrav; que saiba engern- Xaropc depurativo d'odorelo de ferro de Guy.
mar e cozinliar : na ra nova de Sania Rila 11. 13, Xarope peitoral sedativo de Guy.
serrara de Paulo Jos Gomes & Medeiros._______ Pastilhas peitoracs balsmicas de Guy.
Corapra-se uma"eserava de meia idade que Pilulas da vida.
sirva a urna familia de porta; adentro e fra, e Burel franciscano (mesclado) paraimagens.
saiba vender pelas ras : na ua do Passeio, casa Injeccao Brow.
typographica da porta larga
Comprase papel Diario para embrulho : na
loja de calcado n. 38 da ra da Imperatriz._____
Compra-se um oudous tscravos do meia ida-
' de de habilidades, bem como um prolo da mesma
idade que .-ejam robustos: 110 pateo da matriz de
Santo Antonio n. 8._________________________
Compra-se effeetivamenie ouro e prata em
obras velhas: na praca da Independencia n. 22
; loa de bilheles.
cofipiit-si;
_ I cobre, latao e chumbo : no aimazem da bola ama-
AIVOCACIA
O bacharel Joaquim Pires Machado Portel la po-
de ser procurado,como advogado, no priraeiro an-
'. dar da casa n. 83 da ra do Imperador, das 10 ho-
1 ras da manhaa as 3 da larde.
O Dr. Casanova pode ser procurado em seu relia no oito da secretaria de polica.
' consultorio especial homeopalhico no largo da ma- j ^.
trizde Santo Antonio n. 2. No mesmo consulto-'
rio ha sempre grande sortimento de medicamentos
em tinturas e em glbulos, deixando elogiar os
nossos medicamentos pelas pessoas que os tem ex-
perimentado e conlinuam a servir-se em nossa
botica. Temos tambera obras accommodadas a
inteligencia do povo.
VENDAS.
Vendem-se ca xdes vastos a
1&HOO: nesta (ypograptaia.____
sinillie COUricr : loo ra UO
8 ou do Imperador n. 51.
spo^'
Joaquim da Silva Castro.
Gelo,gelo, gelo.
Com a chegada da nova machina nao se expe-
rimenta mais falta de goh fabricado com agua do
Prala, lodos os dias a qnalcuer hora, para por-
grandes ou encorritinndas para fra da pro-
vincia dever haver avs>) com anlecedencia : ra
da Aurora junto a fundicSo onde tem a handeira
-- cisa-so tingar urna ama com bom ebas-l mente nonw-ado agente de leiloes,
StoVltc e que nao tenlia filho, preferindo-s, es- escriptorio na ra da. Liuz n. ../,
ava : quem esliver necias rircumsiancias, dlri- Proenrtdo por aquellos que qul;
tinle
erara : qu
ja-se ra Formosa, casa n. 20.
m
/
- (Is adininistradoiesdaniassa fallida de Seve
runos ct i.., lugain a iuouj jc tboutus na mesma
massa, que. sem embargo do convite j feito por
este Diario ainda nao apresentaram os seos litlos
alim de serem verificados, hajain de faze-lo dentro
do prase de Iros das, nj escriptorio de Augusto
Frederico de Oliveira, praca do orpo Santo n. 17,
sob pena dos valores de seus crditos nao serem
incluidos na rclaco que tem de ter enviada ao
juizo ; assim como pedem aos outros credores que
j apresentaram ltales, que os venhain receber.
ACL\< Itl GIEIIOKN
llygino .Angosto de Miranda, leudo sido nltima-
estabeleccu seu
aonde pode ser
ulzerem se uiilisar
de seus servicos.
-*
dvocaciu.
O bacharel Joao Gonealves da Silva
Monltcroyos temtscrlptorio na ra es-
Ireitado Rosario n. 17, onde pode ser
procurado das 9 I oras ja manhaa s 3
da tarde dos dias uleis.
m v*r
---------------
rl\ ,'*<_ ;-< ;r, :l\ .4\^ >. -
Ha tros casas terreas para alagar cm
Sanio Amaro na travessa do Costa, com
saluda de portiio para o fundo, a proco
de 105 : a fallar na mesma travessa.
* D-se dinheiro a juros e
eonipra-seoni'o e prata : na ra
do Rangel n. ti.
_.arWir)^S8i_ss
Joao da Silva llamos, medico pela Uni
versidadede Coinibra, d consultas em
sua casa das 9 s 11 horas da manhaa. e
das tas Oria larae. visita os uoontes
en suas rasas regularmente as horas
para isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que sero goecorrdos em qual-
quer occasio. Il consullas aos pobres
que o procuraren! no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manhaa.
T-111 sua casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doonte,
ainda niesnio os alienados, para o que
tem commodos apropriados e nella pra-
tica qualquer operacao cirurgica.
Para a casa de sale.
Primeira classe 35000 diarios.
Segunda di la.... 25-'00
Terceira di la.... 25000
Este eslabelecimenlo j bem acredi-
^ tado pelos bons servicos que tem pres-
ffl lado.
O proprietario espera que elle conti-
nu a merecer a eonlianca de que sem-
pre tem gozado.
m
Afeada de pasaporte.
Claudino do llego Lima, despachaute de passa-1
FAnINIIV
No armazem da Aurora Bri haate lia farinha em
saceos grandes, igual a de Muribeca, a 65500 e 75 ;
! O MOCO de UUUS Ull|UClI US.
Xarope de citrato de ferro de diablo.
Pilulas contra sescs.
Salsa parrilha de Sands.
Exlraeio fluido de salsa parrilha de Bailys.
Xarope alcoolico de vellame.
Alm deslas drogas ha constantemente um com-
pleto sortimento de tintas, verniz, ouro para dou-
rar, preparados clninicos e pharmaceutieos que se
vendem por commodos pregos.
^m^m^i mmmm
Tinturaras. &
Ifa ra do Imperador 11. 22, no grande SB
armazem de tintas se vende todas as co-
res precisas para tingir pannos. f<
A o 11. 29.
Nova loja dos baraleiros na ra do Queimado.
Ricas saias de fustaoa 55, camisas inglezas para
sennora a 25, 25500, 35 e 45, cobertas de fustao
brancas a 55, chitas com lustro para coberta com
6 palmos de largura a 6i0 o covado, cambraia de
cores para vestido 320 o covado, las para vesti-
do a 480, 560 e 640 o covado.
A n. 19.
Nova loja dosbaraleiros na ra do Queimado.
Tarlalanas de todas as cores, fazenda mallo lina
a 720 a vara, cambraia para cortinado, peca de 22
i;u;aas
a 35500 a caixa, em porcao se far abatimento, varas, por 105, chales de liia por 35, 45, 55 e 83,
cada caixa com 100 maclas p;rfeitas : na ra No- camisas inglezas para homem a 385,505 e 605-
va n. 8.
(garrn
i I turcos a 15 a caixa, cigarros que em outra qual
I quor casa se veude por 35 : na ra Nova n. 8.
Sopa.
Verdadeira sopa jnlienne : na ra Nova n. 8.
ORA
' ^^Jk^aiAJk W ''..-?
Vende-se urna escrava com idade de 30 anuos,
pouco mais ou menos, que cuziuha, lava e engom-
la : quera precisar, dirjja-s liecife, luja n. 41, que achara com quem tratar.
Vende-se 11a ra do Imperador n. 67, a histo-
ria universal, em portugus, ior Cesar Cantil, edi-
co enriquecida de 90 eslai ipas, em perfeilo es-
lado e boa oncadernaco, por 55.
Os precisos talheres pa-
ra enancas.
A o n. 29
Nova loja dos barateiros na ra do Queimado. .
Bieos pretos, franjas do todas as quahdades,
trancas de seda, de algodao e de liia, manguitos e
camisinhas bordadas, collarinhos e pmhot, folhos
bordados, boloes de velludo, de seda e de fusilo,
bandos de cabello, meias de seda, loques ; cujos
ertigos se vendem por metade do seu valor por ser
para acabar.
O J>

, BQ.M
*- -! -1 m /l m
X
5 s
c S"53
O -I
VI
O
O .
~
!

"Ji---------------------------;-------~~i--------;-------n-----r^ porte pela reparlicao da polica, lira-os para den- Chetraram e acbam-se v 'uda na ra do Ouei-
",: AiU|a:se.0 ^n.?d0 ,n.dar.! 8rande S0^J_d2 i ^rmula-se a taberna da na imperial n. 139 {ro e r do' ltn.ri0 ^ cominod() prec;o e pres-' madojj-i ("agui-t branca n. i
CO
C O
a> 3
predio da ra de Apollo n. 34, tendo no andar 3 por oulra o Recife ou Santo Antonio, ou mesmo
salas, S quartos e grande enzinha, c no solao salas, cm outro qualquer lugar, com tanto que lenha
quartos e cozinha : a tratar na ra da Cade a du commodos para familia : a tralar na mesma.
Recife n. 64, loja. _________________
Prerisa-se.de una ama de leile : na rus das
Trincheiras n. 50, primeira andar.
toza
por commodo prego e pres-
na ra da Praia, primeiro andar n. 47.
pi
5 a.1" S g
" aS v
-.2 o. K 30
3.= -> 3
o ~ ,_ O 3
o 3 a "3 a.-3
3"~ 3 3 a C3
^=.= 2.;.o
C6 S f
_. -1
~ a- -,
a S "
a. -^ "3
-! 3
1 a
85 3
09
3. >
.
S 3
CB
09 O.
a. OT
c ,
CD
;^
3
o =
a.- re
Curso de preparatorios j^'
Frimcez, >MA
infiez, m
Gomnotria, w
Goigraphia. ^
Bbetbrica ^
ra do Queimaco n. 30, primeiro andar, fH
das 10 s 2 da tarde. -*
Prof&wr de piano
Jos Coelho da Silva e Araujo. bom conhteido
nesta cidade, conlinn leccionar piano e msi-
ca vocal por commodc proco : quem de seus ser-
vaos precisar, dirija-se ra doLivramento n. 21,
segundo andar._____
Gaetano Pucciui subdito
tallia.
italiano, vai para a
No escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C, na ra da Cruz n. 1, precisase fal-
lar com o Sr. Luiz Soares llotelho, ti I lio de Jos
Soares Rutelho e de Fortunata Candida de Souza,
e neto de Francisco Manoel le Souza, natural da
ilh.idc S. Miguel, o qual consta ter vindo para es-
ta cidade em 1856, para llie dar nolioias de sua
mi e irrnaos que se acham no Rio do Janeiro.
Precisa-so de un menino de 14 a 16
annos de idade para caixeiro de loja de fer-
raj'ens e miudezjis na cidade de Macei,
da ido-se preferencia a aquelle que disso li-
ve albinia pralej e que cm todo caso es-
creva soffrjvel, quando uo muito lum :
qi em i.retender d rija-sc a loja de ferraijens
de Silva & Alves na ma da Cadeia do Rocife
nesta cidade.
Os hachareis Joao Diniz Ribeiro da Cuiiha e
Francisco de Paula I'jnna eontinuam com sen os-
criptorio de advocacia na ra do Queimado ti. 26,
ondepodta ser proc rados das 9 horas da iniiliaa
at as 3 da Urde, pa a ot misteros de sua profls-
e cncarregando-se tambem de qualquer.te-
cao nos termos prximos esla cidade
Conaanhii PeniaffliMiciHin
I3 ordem do de directo t ero v rtude
do art. 24 dos estatuios fao convidado os i entra-
res accionistas a reiuirem-se 1 ni assemb/(a geral
no dia 29 do corrente, 1 hora da tM"de, 11
rijitorlo dos Srs. Baunders Broihirs < C.
Precisase de urna ama para o servico de
dnas pessoas : na ra cstreila do Rosario n. 18,
primeiro indar.
Jacondino Ribeiro de Carvalho retirase para
Portugal a tratar de sua saude.
Quem precisar de una ama para ongommar,
cozi&har e ensaboar de portas para dentro, dirja-
se ra de Aguas-Verdes n. 100, as lojas do so-
brado.__________________________________'
Luiz Ferro, subdito italiano, vai paraoCear.
Prccisa-se de urna ama que faca todo n ser-
vico para duas pessoas : na ra do Vigario n. 27,
segundo andar. ________________________|
Precisa-se de um moleque para o servico de
urna casa e para o de ra, que nao tenha mais de
12 annos : na ra Direita n. 43._______________'
Francisco Jos Correia, subdito portugus,
relira-se para o Rio Grande do Sul.____________
Precisa se fallar com o Sr. Sezostris S. de
Moraes Sarracino, na ra da Imperatriz n. 88, a
negocio que Ihe diz nspeito. ____ _______
Preparatorios comple-
mentares
DO
Curso i'nmniMTial.
O bacharel A. R. de Torres Randeira,
professor de geographia e historia no
Gymnasio desla provincia, propoe-.se a
entinar as linguas franceza e ingleza,
preparatorios complementares para o
Curso Commercial; eoffereec o seu pres-
umo especialmente aquellos que se quei-
ram habilitar nesses preparatorio, com o
intento de matricularse no sohredilo
curso.
As aulas comecarao do Io de fevereiro
em dianle, na casa da residencia do an-
nunciante, ra estreita do Rosario n. 31,
terceiro andar.
t3 03
a> 0:1
o O
s s
3* se <
o> 2 c
0,0
Offl
.. 'T n
-i S
o y ">
a 3
0.5,5!
O b 3 _
n w 2. =: s
o a. S" o 2,
B "3 o
-i OJ
e
s
o
a
ce
==3
3
Bi
3 3 -s
3S?

3.
B
I
o.
I

3
-1
i.
3


AVISO.
Alllglicl.
O Sr. Felippe Carneiro deOlinda ('ampollo tenha
a bondade, demandar pagar o que deve na ra da
Imperatriz n. 88._______________________
Precisa-sc fallar com o Sr. Francisco Igna-
cio Monteiro, que foi morador na cidade de Ma-
maiigtiapc, provincia da Parahiba do Norte, a ne-
gocio que. muito o interessa : na ra do Crespo, de sua residencia, segundo andar do sobrado da
Aluga-se o segundo andar do sobrado da ra
Velba n. 20: a tralar na na do Sebo 11. 2i.______
%'aeclna publica.
Tendo-se desenvolvido algnmas pstulas vacci-
nieas, com o pus ltimamente innoculado, o com-
missario vaecinador convida aquellas pessoas que
precisaren! ser vacelnadas compareeerem as
quintase domingos no torrean da alfandega, e nos
sabbados al as 10 112 horas da manhaa, na casa
Promessas Sanio Amaro-
Pe nas, bracos, eaheeas, e peitos de cera, por
barato preco : na luja de cera ao pe da groja do
Livrainenlo.
Sal do A? m
Para ver, a bordo do briguc escuna Joirm Ar-
Ihur, e para tratar, com An onio Luiz de Oliveira
Azevedo & C, no seu escriptirio ra da Cruz 11. 1
Vende-se urna taberna '0111 poucos fundos,
tendo a casa commodos fiara familia, na ra de S.
Miguel n. 23, freguozia dos Afogados: quem a i
pretender, dirija-se mesmi, que achara com
quem tralar._______________________________
Vende-se una porcao de vidros do bocea
larga, e frascos proprius para botica, contendo al-
guns diversos medicamentos a tratar na ra do
Seve n. 4.
Allfiiditc et videte.
Vende-se urna domadura d: ouro e porcelana li-
na, obra de apurado gosto e ndispensavel a encu-
brir os eifeios da senectud* 1 ou falla de denles, caes bronzeados, lonas inglezas, f 10 de vela,
Adverte-sequoasupradita t?m pouco uso, bem chicotes para carros e montana, arreios para
como que aeeia-se em pagamento livros en, brau- carros e um e dous cavallos, e relogios de
co, meias elsticas, abacates t iiapel judiciano : a
traiar na sala do seguro. _____ ____ ouro patente inglez._______________________
No escriptorio de Rrender Drandis & C,
'rea da Cadait 11. 08, vendem so rasemiras pretas
agora chegadas, por procos commodos.
Vende se a taberna di pateo do Paraizo 11.
30, para seu pagamento: a tratar na mesma.
liua da Senzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. JohnstondcC,
sellins e silhoes inglezes, candieiros e casti-
loja de fazendas n. 7.
ra oslreita do Rosario n. 30.
Joaquim dos Santos Jorge, Rrasileiro, vai
Europa.
BAXCO 1 \ liO
ESTARELEC1DO NACIDAUE DO PORTO
Agentes em l'eriiambiico
Antonio i mr de Oliveira
Azevedo & c .
Sacam por todos us paquetes sobre o
mesmo banco prazo ou vista, sobre a
caita lilialcm Lisboa, e agencias em Fi-
giieira, Combra, Aveiro, Vizeu, Villa-
Real, Regoa, Viiinna de Castello, Guima-
raes, Rarcellos, Lamego, Covilliia, Draga,
Penael, rag^anca, Amarante, Angra,
lllu da Terceira, Illia de I'aias, Lilia da
Madeira, Villa do Conde, Valonea, Daslos,
Oliveira de Azumis, Cbaves c Fae, a
oito dias vista ou ao prazo que se conven-
cionar,no seu escriptorio ra da Cruz
n. 1.
Aiteutao.
Precisa-se de. urna ama de leile, c que tenha
bom leile : a tralar na ra de Santa Rila n. i.
I* m w
&
MOTA
gementes de hortaliza.
Chegarasa no vapor francez Guiene as novas se-
montes de hortaliga : na ra da Cadea do Recife
n. 50 A, luja de ferragens de Ilaslos.____________
Vende-se una meia agua na ra da i tlcada
n 19; quem a pretender dirjase ra das Cruzes
n. 33.
Couipanhia fldel idade de
seguros martimos c tei'-
rcsti'cs estabelecida no
II i o de Jaiieici.
AOKNTF.S KM 1RPNAMBUC0
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo k C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
rias e predius no seu escriptorio ra da
Cruz n .1.
Vende-se o verdadeiro pix) da Suecia : no ar-
mazem da bola auiarella, no oilao da secretaria da
polica. ___________^^^_
Feijflo feijao feijao.
Vende-se
pxe da Suecia no armazem da bola amacolla oi-
lao da secretaria de polioia.
Vende-se o em-enho S. Manoel, sito na fre-
ltlia da Hadre de ISciis ns. 5e9. guozia do Rio Formoto, e margem do rio Sen
Vende-se saceos grandes o m feijao das soguinies nliaom.o qual demarca com os engenhos Cachee)
qualidades: hranoo, amarello, rajado e inulaiinlic, ra, Chango e Gamelleira, me rom agua e muiti
mais barato que em outra qualquer pane, assim copeiro, lem eapacidade para safrejar 2,500 pie
como saidinhas eui barrlsdi 1,200 por5t>000, tudo annuaes, e se acha quasi todo em mata virgem.
proprio para lempo de quaresma.______________ distando do embarque 1|2 legua: quem pretender.
dirija-se ra do Vigario n. 3, que achara con
quem tratar.
Altcnco!
Urna escrava crioula de i lade de 18 20 annos,
com boas habilidades, urna lita de idade 39 annos i
. nicamente para o servico nlerno por ser insigne j
engu niuadelia, cuzinheira e ensaboadeira, por
IMCUI^CIIA
commodo proco, idade 4.) a inos, boa quilandeira, Custodio, t ii-v-illui A f'nniiii-
- Prccisa-se tragar dous prelos que sejain ro- por 3005, urna linda criouli iha do dade 10 anuos, *-"*> *
Grande sortimento de fazen-
das pretas para a quaresma
na loja e armazem da Arara
ra da Imperatriz n. 56.
DE
Lourenco Pcreira lleudes Guiniaies.
Fazendas pretas liaralissimas.
Vndese alpaca preta lina a 500, 800, 800 e \&
o covado, sarja de laa para calca e palelots a 640
e 800 rs. covado, bombazina preta fina para
paletots a l400, laazinhas prelas proprias para
luto |iara vestidos e roupa de meninos [or ser mui-
to fira a 720 o covado, merino fino awhtltdo a
25500 e 35, dito de cordao para paletots e calcas
a 25500 o covado: na ra da Imperatriz loja da
Aran.
tirosdenaple prclo (da Arara a 1f>i00 o covado.
Vende-se grosdenaple preto paravestidosa 15400,
15000 o covado, dito muilo bom a 15800, 25,
25500 e 35 o covado, sarja preta hespauhola o
melhor que tem vindo : na ra da Imperatriz loja
e armazem da Arara n. 56 de Mendos Guimaraes.
Irara vende panuo lino a 16600 o covado,
Vende-se panno tino para caifa e palotota 15600,
25, 5500 e 35 o covado cortes de casemira pre-
ta pm calca a 35, 35500 e 45, dito muito supe-
rior a 65 e 85 o corte : na loja da Arara ra da
Irnpi rairiz n. 56.
Chitas da Arara a 210 rs. o covado.
Vende-se chitas de cores fixas para vestido a
240 e 280 rs. o covado, ditas francezas finas a
320, 360 e 400 rs. o covado, popelina de quadn-
nhos para vestidos a 280 rs. o covado, gorguro de
linho para vestidos a 280 rs. o covado : na loja da
Arara ra da Imperatriz n. 56. -
Arara vende laazinhas a 210 e 280 rs. o corado,
Vende-se laazinhas para vestidos a 240, 280 e
320 ra, o covado, ditas linas transparentes a 400 e
500 rs.. ditas ditas a Hara l'ia com palmas de se-
da a 500 rs., til.) de linho de cores para vestidos a
160 rs. o covado : na loja da Arara ra da Im-
peratriz n 56 de Mendes Guimaraes.
Cuitas de coberta da Arara a 320 rs. e covado.
Vende-se lindos gostos de chitas para cobertas
de cores finas a 320, 360 e 400 rs. o covado, cha-
les de merino estampados a 25500, dito de laa e
seda a 25 : na roa da Imperatriz na loja e arma-
zem da Arara n. 56 de Mendes Guimaraes.
Sedithas da Arara a 500 rs.
Vende-se sedinlias de listrinhas para vestidos a
500 rs. o covado, ditas linas de quadrinhos a 800
-.. lias especiaos com i palmos de largura com
palmas de seda para vestidos a 800 rs. o covado,
lencos brancos a 200 cada um : na loja da Arara
ra da Imperatriz n. 56.
Arara vende os manteletes e capas prelas.
Vende-se manteletes pretos ricamente enfeita-
dos de grosdenaple, soutembarque pretos degros-
denaple ricamente enfeilados por preco baratsi-
mo : na ra da Imperatriz n. 56 loja da Arara.
Itoupa frita da Arara.
Vende-se paletots pretos de alpaca a 35, 35500,
ditos de panno fino a 55 e 65, ditos a 85, 105 o
125, ditos de brim a 25500 e 35,ditos de meia ca-
sen ira a 35500 e 45500, ditos de casemira de co-
res a 65, calcas fritas de meia casemira a 25, di-
tas de brim e panga a 25, ditas de casemira a
:i.'''0. 55 e 65, ditas prelas a 45, 55 e 65, se-
nadas francezas a 15600, ditas de linho a 15800 e
25.r;O0, camisas francezas a 25 e 25500, ditas de
cordao e de linho a 25600 c 35, roupa frita s se
vende barato n.i loja da Arara ra da Imperatriz
n. 56.
Corles de rassa a 2>.
Vende-se conos de casta francezes a 25. risca-
dos francezes mn corte com 14 covados a 35, co-
bertores de afaodSo a 15 e 15600 : na ra da Im-
peratriz n. 56 loja da Arara.
Arara vende madapolao enfrslado' a !>.
Vende um novo madapolao francez enfesiado
muilo bom para camisas a 45 e 45500, algodao
tanitiem se vende barato, bramante de linho, brim
de linho trangado para calcas a 15 e 15280 a va-
ra, brelanha de linho, brim liso para lencqes a
440, 500, 640 e 720 rs. a vara, tiestas pechinchas
s na Arara ra da Imperatriz n. 56 loja de Men-
des Guimaraes.
Arara vende as rassas a 200 rs.
Vende-se caasts para vestidos a 200 e 240 rs. o-
covado, organdys finos para vesiidos i sO e 320
rs. covado, roberas do chita para cania a 25 :
na rua da Imperatriz u. 56.
Arara vende os balors crinoline de arcos a 3#.
Vende-se balos crinoline de arcos americanos
de todos os lmannos de 15, 20, 25, 30 e 40 arcos
a 35,35500, 45 e 45500, ditos de mnssolina a
45, ditos novidade a 3500: na rua da Impera-
Irii. loja da Arara n. 56.
lOJA DO BEIJA FLOR.
i,na o QueiiUtiuu iiiimei-o 63.
Cravuiiulias para senhora.
Vendem-se gravatinhas de diversos gostos mais
modernos a 720 e 800 rs. : na rua do Queimado,
loja do beija-flor n. 63.
Fitas para debriim do vestidos.
Vendem-se Blas para debrum de ve.-iido de laa
com 12 varas a 400 rs. a pega : ua rua do Quei-
mado, loja do beija-flor n. 63.
Pculcs travessos.
Vendem-se pentes travessos de caracol na
frente de borracha a 500 rs.: na rua do Queima-
do, loja do beija-flor n. 63.
Papel Iicira dourada.
Vende-se papel boira dourada a 15200 e 15300,
dito de cor de beira dourada a 15100 : na rua do
Queimado, loja do beija-flor n. 63.
Anvclopcs.
Vendem-se anvelopes de diversas qualidades
branco a 800 rs. e de cor a 640 rs., para cartas de
visita a 400 rs., protn 720 rs. : ua loja do beija-
flor na rua do Quoimado n. 63.
Vollas de aljfar.
Tendo recebido rollas de aljfar cora cruzes de
pedra imitando a briihante vende-se a 15 cada
uuia : na rua do Queimado loja do beija-flor n. 63.
Camisas de meias.
Vendem-se camisas de meias muilo finas a
15200 e 15300 : na rua do Queimado, loja do bei-
ja-llor n. 63.
Knfrifrs de lia.
Tendo recebido onfeiles de fila prelas c de co-
res mais modernas que se estao (Mando a 15 cada
um : na rua do Queimado, loja do beija-ll_>r n. 63.
Fita de liia preta para delirum.
Vende-te lita de laa preta para delirum com 10
varas a 900 rs. a peca : na loja do beija-flor rua
do Queimado u 63.
Fitas de linho para bordar vestido
Vendem-se fitas de linho para bordar vestido
ou roupinho de meninas com 40 varas a 640 e
800 rs. a poca s quem tem loja do beija-llor
rm do Queimado numero 63.
Ilolocs de madreperola.
Vendem-se boloes de madreperola mais moder-
nos que lem vindo para punhos de senhora a 320
rs. o par : s quera vende por este preco na
na do Queimado, loja do beija-flor numero 63.
Fila de velludo para bordar vestido.
Vende-se fila de velludo preto com 10 varas a
'.100 rs. a peca : s quem tem por este preco a
loja do beija-flor da rua do Queimado n. 63.
Fila de relindo bordada.
Vende-se fila de vello lo preto bordada de di-
ve sos gostos e mais modernos proprios para Qua-
resma : s quem tem a luja do beija-llor rua do
Queimado u. 63.
Franja preta.
Vende-se franja preta de diversas larguras para
enfeitar capas ou manteletes os mais lindos gos-
tos que se pode encontrar : na ioja do beija llor
rua do Queimado n. 63.
Faeas e garlos.
Vendem-se facas e garfos de balanco de I bo-
lao a 55500 a duzia, dilas de 2 buioes i 65i(H):
na rua do Quoimado, loja do beija flor n. 03.
Dminos.
Vendem-se dminos muito finos a 15200 e
15400: na loja dw beija-flor da rua do Queimado
n. 63.
Visporas.
Vendem-se visporas muito linas a 800 rs. : na
rua do Queimado, loja do beija-llor n. 63.
bustos para servico debaixo de coberta enchuta
a tratar na fabrica da travessa do Carioca n. 2,
caes do Ramos.
m bonito moleque do idadt 7 annos por 5205, um
bom eseravo de idade 30 annos : na travessa do
Carino n. 1.
Futr rain 2 escravos um por noine Domingos
e outra Mara, signaes da roupa do negro camisa
de algoilao de riscado, a negra o vestido roxo um
Preeisa-se de maamade boa conducta para tanto sujo, aut'ain juntos por serem casados, todos
nhia.
27 Roa do Queimado27
Novas laazinhas e>cossezas muito lindas, fazenda
encornada, proprias para vestidos de senhora e
criancinhas, pelo baralo preco de 240 rs. o covado.
Vende-se um sitio no melhor lugar da Ca-
Vendem-se globos de ba ro* vidrado da fabrica. punga, ou permutase por um sobrado na cidade'
(MUIOS
Dase qusbiner quana a promw soT. firwas
o livpoiln cas r comprase our prata: na raa todo o ucrvico do c*ia de uouca familia : no pateo dous de idado; a pessua que os encontrar fraga a de Santo Antonio no Porto, proprios para jardim e anda que soja de maior valor : quem pretender
Augusta n. 45". da rnatr de Santo Antonio n. 8. rua Nova a. *. i frentes de casas : na rua d) Amorim n 4o. I fazer este negocio, dirjase rua do Vigario n. 31.
u permutase por predios nesla
Vclh "
Vende-se ou
c dade o engenho Velho da freguozia oe Santo A-
niaro do Jaboalao, o qual engenho acha-se livre o
desembargado de qualquer pendencia, c l.m ter-
reno sufflcienle para outro engenho, lem ptimas
obras, trabalha com agua; vendendo-se tambera
a safra nuvamente plantada, e igualmente todo o
(ado, o animaos : a quera o negocio cima con-
vier, dirija-sc ao sen proprielario no mesmo cu-
genho.
>
W','"11..


I
Diarlo de i'cruambaco Sabbado O de l'evereir de 184.
no *
ARMAZ
DO
45
CALCADO.
Kua Direita
45
Aproveitem em quauto (euipo !
Borzeguins francezes de lustre pa-
ra homem................. 5)5000
Iioi/.eguins francezes de cores pa-
ra meninas................ 20000
Borzeguins francezes pretos para
meninas.................. 25500
Sapatos de lustre para senhora.. 10000
Sapatos de lustre s avessas..... 500
0 homem do moyirnento nfio estaciona.
AVANTE E SEMPRE
GUERRA AOS INIMIGOS
Nao se admitte a aiiio commercial. *
Nao sequer a (liaba da alliaoca.
Nao se teme a furia dos corsarios.
Este auno ha de ser blssexto.
Os canhoes esto preparados.
FOGO! -- BOU FOO!! -- MLHOR FOGO!!!
Abivo a li.;i d'agua no vinagre
Viva a liga do genoin Chcres rom o (iambre!
Viva o conservador das conservas inglezas!!
Vivara os libertes fregjezes do BALIZA !!!
Vivam todos que Icrcm este aniiuucio.
Riia do Quciiuado nmeros
49 e 55,
est dtsposto a continuar a vender pelos precos
abaixo declarados, pois para principar o novo
anno.
Calas de brelas de cola mu lo finas a 40 rs.
Varas de franja de laa de todas as cores a 40 rs.
Ditas de tranca de laa de todas as cores a 20 rs.
ilas de tranceln) branco muito superior a 20 rs.
Trancas de algodao brancas e de cores a 80 rs.
Duzias de nietas para senbura muilo superiores a
3*800.
Grozas de penna de ac muito finas a 300 rs.
Caivetes de duas e tres tullas a 300 rs.
Ditos de urna folha a 80 rs.
Caixas para rap, muito bonitas de calungas, a
100 rs.
Capachos redondos e compridos a 300 rs.
: Caixas com muito superiores obreias a 40 rs.
Varas de franjas brancas e de cores, largas, a
160 rs.
Pares de boloes para punho muito bonitos a 120 rs.
Carreteis de liana Alexandre com 200 jardas a
100 rs.
SENHOllES E SRMIOHAS.
O propietario do grande Annazem do lializa estabelecido ra do Livramento ns. Candes'de linha Pedro V com 200 jardas a 60 rs.
8 A. defronte da grade da igreia, acaba de reduzir os presos de quasi todos os Ditos de linha de 30 jardas a 2fl rs.
Duzia de meias brancas para homem a IJOOO.
i Caixas com soldados de chumbo a 120 rs.
Tinteiros de vidro com superior tinta a ICO rs.
Ditos de barro a 100 rs.
I esle estabelecimenlo, Grozas de botocs ae louca pratiados a 160 rs.
38 38
gneros do seu magnifico deposito
A tarifa abaixo publicada atiesta bem esta verdadej
A guerra aos inimigos, est portanio, assim declarada.
As pessoas, anda as mais exigentes, que se dignaren vir
(icario por oerta muito sasfeitas, nao s quanto s qualidades dos gneros, como com o BB5SSK SSCSM/S *
tratamento todo attencioso que se mes tiara. ... Escovas para limpar denles muito finas a 200 rs
Alin do cumprimentodos deveres di boa edueacao, havera d ora em diante anda Ditas para unbas a 800 rs.
maior capricho em salisfazer todos que borrarem esta casa. Lita de todas as cores para bordar a 7* a libra.
Os gneros pelasqualidadeseprec.es annunciados, sero offerecidos ao exame ,xca^
dos Srs. compradores. Nao receieo publico que se pralique o contrario, como em oulras Pacute do paiVi anmade a coo rs.
casas, que al annunciam o que nao lem.... O Baliza naoilludc.... Caixas com loo anvelopes muito superiores a
Ameixas francezas em caixinhas e em frascos Licores inglezes e francezes em vazos de di-' 800 rs.
de diversos tamaitos a l,2oo, t.Ooo, versos tamaitos a l.ooo, l,5oo e 4,8oo ,Cag0S de papei dc cores' Pande e pequeo, a
2,000,2,500 02,8oo rs. e a libra a 8oo rs. rs. a duzia. ,, Silabarios portiiRuezes com calungas de todas as
Araendoas novas a 32o rs. a bra. Manteiga mgleza flor a 8oo rs. a libra e dc 8 qualidades a 320 rs.
Azeite doce refinado a 8oo rs. a garrafa. libras para cima ser aberto um barril na Graxa em latas muito nova a 100 rs.
dem de I shoa a 64o rs a carrafa e 4 8oc presenta do comprador. partas e tatuadas para meninos a 60 rs.
iuem ue usnoa a o*o i a. a ganda t, *,om ,,' ,i. a > a -i.i i i n ? / t Caixas com superiores iscas para charuto a 40 rs.
rs. a caada. ;Wem J. e 3- qnaltdade a 700, 600 e 400 Carreteis de linha de cores com 200 jardas a60 rs.
Alpiste a 16o rs. a libra, e 4,8oo rs. a arroba. rs. a libra. Baralhos muito finos para voltarete a 280 rs.
Arroz do Maranho da India, e Java a 8c o dem franceza a 500 rs. a libra, e em barril Rodinhas com aiimetes francezes a 20 rs.
too rs a libra Por menos. Cartas de alfineles francezes finos a 40 rs.
100 rs. liDra. ^ ^ ^ ^ ^^ ^ g mQQ ^ ^ Can,vetes dc cabo de madreperola de duas folhas
Aletna branca e amarella a 4oo rs. a libra., Massa de lomate em barri, a 480 rs a libra. Luvas ^ de a)go(J5o finas a m rs
Araruta verdadetra a ,.2o rs. a libra. i jjem em |ata a 640 ,.s a |ala Miadas d |inha froxa para Dordar a w rs.
Batatas novas em gigos de 16 a 4o libras por Mostarda ingleza 400 e 600 ris o pote.
l.ooo rs. e a 4o rs. a libra. Marmelada imperial dos melhores fabrican-!
Btscoitos tnglezes Lunch a 18oo rs. a lata d5 tcs (ie Lisboa a 600 rs a |bra
5 libras. Marrasquino de zara a 8oo rs. o frasco e a,
dem de diversas marcas era latas menores g$ a duza,
..' *:3 dem de Lisboa de qnaltdade especial em la- j 480 rs. a libra,
tas grantlese pequeas ajl.oooe l.Soo rs. |dpm ,,.;<. esl,'eiinha e pevide, caixinl.a
com 8 libras a 14800.
Nozes a 10o rs. a libra.
Peixe preparado dc escabeche, da melhor
O Pfrfonf da Moda.
Bolactiinhas americanas, a 3,ooo rs. a barrica
e 2oo rs. a libra.
Banlia de porco a 44o rs. a libra, e em barril
a 4oo rs.
Baldes americanos muito proprios para com-
pras a l.ooo rs.
Cha huxym, hysson e perola a 3,ooo, 2,8oo,
2,5oo, 2,ooo e l,6oo rs.
dem pretoa 2,ooo, 1 .3oo e 1 ,ooo rs. alibia.
Chanpagne a melhor do mercado a 12,oooo
gigo e a l,2oo rs. a garrafa.
Chocolate francez primeira qnalidade a I,loo
rs. a libra.
Iilem hespanhol a l,2oo rs. a libra.
dem suisso a l.ooo rs. a libra.
Cerveja branca marca Allsopps a 4,5oo rs. \
duzia, e a 4oo rs. a garrafa.
Cognac inglez a 04o ts. a garrafa a 8oo e a
l,ooo rs.
Concervas inglezas era frascos grandes a
rs. o frasco.
qualidade que tem viudo ao mercado, a
t:> a lata.
Presunto de lamego muito superior a 480
rs. a libra,
dem para fiambre (inglez) a 640 ris a
libra,
dem americano a 400 r^. a libra.
Papel almaco a 30000 a resma,
dem de peso a 2l a resma.
Palitos para dentes a 160 rs. o maco.
Dito dito de flor a 200 rs.
Ditos do gaz a 22(K) a groza
Passas novas a 480 rs. a libra e a 1(5800 a
caixa.
Queijos fiamengos do ultimo vapor a 26500.
Dito londrino a 900 rs. a libra.
75o'Dito prato a 640 rs. a libra.
i Sardinhas de Nantes a 320 rs. a lata.
:m

AGUA FLORIDA
De Murray & Lanman.
dem francezas de muitas qualidades a 03|Ditade Lisboa a 640 rs. em lata grande.
rs. o frasco e a 5,5oo rs. a duzia. Sag muito superior a 240 rs. a libra.
Charutos neste genero temos grande sorti-,Sal refina lo, era potes de vidro, a 600 rs.
ment tanto da Babia como do Bio de J;>-' o polc.
neiro a I ,too, 2,2oo, 2,5oo, 3,ooo e4,ooo Sabio massa a 120, 100. 200 e 240 rs. a
rs a caixa. libra.
Toucinho dc Lisboa a 320 rs. a libra.
Caf do Cear muito superior a 28o rs. a libra nito de Santos e 300 rs. a libra.
e a 8,ooo rs. a arroba.
dem do Bio a 3oo e 28o rs. a libra.
Ceblas a 9oo rs. o mdho com mais de Ico
ceblas.
Chotiricas e paios a 72o rs. a libra.
Ceviidinha de Franca a 2oo rs. a libra.
Gevada muito nova a 8o rs. a libra.
Copos lapidados a 5 e 6,ooo rs. a duzia.
Doce de guiaba era latas a 4oo rs. a libra,
dem de caj em latas a 320 rs. a libra.
Ervilbas francezas e portuguezas a 5oo e 64o
rs. a lata.
Tijolo para limpar facas a 140 rs. cada um.
Vassouras americanas a 64o rs, cada urna.
dem do Porto a 400 rs, cada ama.
Velas de carnauba e composico a 320 rs. a
libra e a 10$ a arroba,
dem stoarinas superiores a 560 rs. o
maco, e em caixa por menos.
Vinho do Porto, neste geneno temos o me-
lhor sortimento possivel, que vendemos
por precos muito baixos a I# a garrafa e
a 10/ e 12 a duzia.
IdemCherry, eda Madeira em baria e cm
caixa, a 125 a caixa e o barril conforme o
tamanho
Este rnro qno delirado perfume e
qnasi que nextingmvel c lio cheio do
luiuioea fragrancia o frescura eoni
delicado cheiro das proprias verducen-
t< :' r :. Durante 09 niezea caloren-
0 v ".." o sen uzo torna-so imineu-
tcnieuto aprazivel o desejavel em 1
sequenca da uflueucia refrigiraute e
Bnavo que ella prodnz sobra a pelle:
em quauto que nzada no banho ella
iinpuric iv> corpo lnguido e canoado
una certa clasticidade de rigor o forca.
Ella in'j'iiil' transparencia 9 fa
, remoty pannos, tardas t Orto&jas h
sobr aj>i/!<.
O TBXITO WENTiL DE KEW
PAE OS CABELLOS,
V, una preparacSo adiniravel para lim-
par, afonnoeear, ooneerrar e restalielc-
cer OS i-abullos.
RUI DA CADEIA 1IO KE([&K Jtf. 5.
NOVO E
GHULIDS *RUZSU D23 MOLHDOS
KUA DA CAIMEIA HI lUXIFI) IX. 53.
Francisco Fernandes Duarte acaba de abrir na ra da Cadeia do hecifen. 53, um grande e sortido armazem de moljiados de-
nominado l'nto Mercantil. N'esle grande armazem encontrar sempre o respeitavel publico um completo sortimento des melhores
gneros que vem ao mercado, tanto esuangeiios, como nacionaes, os quaes serao vendidos em .lorcoes ou a relalho por precos asss
commodos.
Manteiga ingleza especialmente escolhida Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e Sardinhas de Nantes a 340 rs. o quarloe 360
de primeira qualidade a 800 rs. a libra,! I5200 a caada. rs. meia lata.
em barril se faz abatimerto. .Azeite doce refinado em garrafas brancas a Latas com peixe em posta : savel, corvina,
Manteiga franceza a mais superior do raer- 800 rs. vezugo, cherne, linguado, lagoslinha, a
cado a 560 rs. a libra, e 5*0 rs. em barril t Azeite doce de Lisboa a 640 rs. a garrafa e 10300 rs.
ou meio. 40800 a ranada. Salmoem laias, preparado pela nova arte
Prezuntos inglezes para fiambre, de superior Genebra de Hollanda a 500 rs. o frasco e
qualidade, chegados neste ultimo vapor, a 50800 a frasqueira.
70 rs. a libra. Caixinhas com ameixas francezas, ornadas
Queijos fiamengos chegados neste ultimo
vapor a 20800.
Queijo pialo muito fresco e novo a 640 rs.
a libra.
Castanhas muilo novas a 120 rs. a libra e
e 30000 a arroba.
Cha uxin o melhor que ha neste genero,
mandado vir de conlap-opria a 20800
rs. a libra.
Cha hyson muito superior a 20560 rs. a li-
bra ; cha hyson proprio para negocio a
10500 rs. a libra.
Chi preto muito superior a 20 a libra.
com ricas estampas na caixa exterior,
muito proprias para mimo, a 1020", 10500
e20.
Frasco de vidro com tampa do mesmo, con-
tendo meia libra de ameixas francezas, a
10200.
Marmelada imperial, dos melhores conser-
vemos de Lisboa, em latas de I e meia a
2 libras a 600 rs a libra.
Frucias em calda das melhores qualidades
que ha em Portugal em latas hermtica-
mente lacradas a 500 rs.
Peras seccas muilo novas a 040 rs. a libra.
Biscoutos inglezes em latas .rom differenles Nozes muito novas a |00rs libra
qualidades, como sejam craki.el, victoria, Amenduas fje casca molle a 400 rs. a libra,
piquelez, soda, captain, seed, bornez e
outras muitas marcas a 10350.
Bolachinha de soda em lata; grandes a 20.
Avelas muito novas a 200 rs a libra.
Amendoas confeiladas de diversas cores a
800 rs. a libra.
de cozinha, a 800 rs.
Maca de tomates em latas de i libra a 600
ris.
Chouricase paios em latas de 8 e meia libra
por 70.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra e
80GOO a arroba.
Bolaxinha ingleza a 320 rs a libra e 45 a
barrica.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 200 rs. a libra.
Fariiiha do Maranho a 120 rs. a libra.
Araruta verdadeira a 320 rs. a libra.
Cevada a 120 rs. a libra e ?0 a arroba.
Alpistaa 160 rs. a libra e 40SOO a arroba
Catatas muito novas em gigos com 40 libras
por 10500.
Cebollas a 10 o molho com mais de 100 ca-
da um.
Caf lavado de primeira qualidade a 3C0 rs.
a libra e 90 a arroba.
FE Z fttr^-Zl^Zfi\^' Maclas e peras chegadas neste ultimo vapor, Caf do Cear muito superior a 280 rs. a li-
das, muito proprias para mimo a 10500. '. Dra e 8l00 a arroba
C7r,'AfS%L* 'ieM Cma' *35KS5 StaSISte a'S M .1 propio par ne8ocio, ..
rs. cada um. iArro>; do Maranho a 100 rs. a librae 2800
Ervifias francezas e.portuguezas em latas de L^ (]e'Jaya a w rs> a ,ibra e ^ma
i iiuia a uu rs. arroha
Erv.lhas seccas muito novas a 160 rs. vallas de spcrmatceii a 660 rs. a libra e
Chocolate francez, o que ha de melhor neste\. f.J0,[!" fr^.e,mJrf'",- .,n ._
genero, a .0200 a" libra. ,Ve^, de carnaubarefluada a uSO r^om.,-
Chocolate hespanhol a 15200 a libra ^ ^Z rs. 0 caixSo.
Genebra de laranja em frascos grandes a 1. Macarro, talharim e alelria a 480 rs. a h-
Cerveja branca e preta das mellares marcas, bril. em caxa se faz ^batimento.
que ha no me.cado a 500 rs. a garrafa e Estre||inll3 pevide earroz demassa para srp,
oooou a uu/ia. ,-,, onft! a 600 rs. a libra e 30 a caixa -m 6 libras.
Cognac inglez de superior qualidade a 800 Palilos de denle |Nados com or a m rs.
lO-i o a gai raa. Q mss0^ d|(os ,ixa(]os sem ^ a 1G0 rg<
Passas muito novas, chegadas neste ultimo
vapor a 50i* rs. a libra e 30 um quarto ;
e em caixa se faz abalimt nto.
Ameixas francezas em latas de meia a 3 li-
bras a 800 rs.
Champagne da marca mais superior que
tem vindo ao nosso mercado a 180 o gigo,
garante-sea superior qualidade.
Vinho Bordeaux das mellnres qualidades
que se pode desejar de 7,1500 a 80000 a
caixa e 720 a 800 rs. a garrafa.
Caixas com vinho do Porto superior de 90
a 10* a duzia, e 900 a 10 i garrafa; deste
genero ha grande porcao e de differentesj
marcas acreditadas que se venderam
por 1 48 e 150 a caixa, con o sejam: Duque
do Porto, Lagrimas do Douro, D. Luiz,
Camoes, Madeira secco, Ctircavellos, Nc-
tar de 1833, Duque Genuino.
Vinho de pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
400,480 e 5rO rs. a garrafa, e 30, 30200
e 30500 a caada.
Vinho branco de superior qualidade, vindo
j engarrafado a 640 rs. a garrafa e a 500
rs. de barril.
Licores francezes das seguintes qualidades :! 0 masso com go massinhos.
Anizele de Bordeaux, Plaisir des Dames Gomrna de engommar muito fina a 80rs. a.
e de outras muitas marcas a 10 a garrafa I bbra
e 100 a caixa. Banha de porco refinada a 480 rs. a libra e
Marrasquino de Zara a 800 rs. a garrafa e 400 rs. em barril pequeo.
90 a duzia. ^ Chantos dos melhores fabricantes de S. Fe-
Mostarda ingleza em potes j preparada a lix, em caixas inleiras ou cm meias, de
400 rs. j 10600, 20 e 30.
Mostarda ingleza em p, em frascos grandes, Presuntos do reino, vindos de conta propria
a 10 cada um. de casa particular, a 400 rs. a libra; mtei-
Sal refinado a 500 rs. o pote. ro se faz abatimento.
Osscnhores que comprarem de 1000000 para cima, tero o descont de 5 por cento, pelo prorapto pagamento.
COMME
RA DO Ql'EUlADO IV. 4S*
Passando o becco da Congregatfio segunda casa.
mam
NOFIDADE.
Pereira Bocha (!. acabam dc abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de molhados denominado Clarim Commerciat,
onde o respeitavel publico encontrar sempre um completo sortimento dos melhores gneros que \em ao nosso mercado, os quaes
sero vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencionada ; garante-se obom peso
o A venda as boticas de Caors d Barboza,
F ^ a!Shascom81ibr.,S man ra da Cruz clouo da C. Bravo 4 C., ra
por 16oo rs. ,dem de F'gueira c Lisboa, em ancoras dc da Madre de Dos._____________________
Farinha do Maranho a 12o rs. a libra. i 8 a 9 caadas, ,wr 286000. l'rnila (le lima hypothtca.
o muito supenor a 12o rs. a D.to era p.pa a 30000, 3^00 e 40ooo a ca-, 0g |iqilidaUr08 da massa fallida (le
libra.
nada
saceos urandes a 4,ooo rs. o sao era do Porto, denominado Baliza, a 50 a Jos Auton.O Basto vCHilcm a lijjiotlie-
Genebra ingleza marca gato a l,ooo rs. a gar- .caada. ca que lem nos cngcnhos Matto OroSSO
raa. .dem dem em garrames a 20500, cora o e Cajalmss no termo de Scrinliaem no
dem verdadeira de Hollanda em frascos muito jjem'de Bordeaux, das melhores marcas que va,or dc :il:83J>S9H 5 j Iralar as
grandes a 1,2oo rs. o frasco. vem ao mercado, a 60 a caixa e a 640 rs. casas a r"a u0 rapicne H. o4.
dem de Hollanda em frascos pequeos a 5oo
rs. o frasco,
dem de laranja a l.ooo o frasco.
Gon ma do Aracaty a 8o rs. a libra.
Graxa a loo rs. a lato e I,loo a duzia.
a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 10600,108oo e 20000 a
caada,
dem idem.em garrafoes cora 5 garrafas, por
10 com o garrafao.
SM&'i&iHP
Foffos de artificio.
do
os
Linguas americanas de grande tamanho a Vinho de caj a 10 a garrafa. Este vinho
l.ooo cada urna.
tem dez annos.
P3
O
p
o V-fc
E P--
es ct>
o ts
i/i f~f
S5
P.
s
B
3-
i
02
P-
5
p_
P-
O
m
o
i
fio
CD
a

i'
as
c
o
p-
I
I
P-
O
Os cortinados do Pavo.
Vcndem-se ricos corles de cortinados adatn.isra-
dos proprios para janellas e ramas pelo barato
preco de 91 a pora : na ra da Iiuperatriz n. 60,'
loja de Gama Pechiucha do Pavo.
I No grande arroaiem de tintas ra
I Imperador n. 2, se vendrin todos
J produelos cliimiros empregadoa na rom-
j posicao dos fogos doartlfleio. B
AGENCIA
KA
FUNDICAQ DE LOW-MOOa.
llua da Si'uzalla nova ii. 12.
Neste esUibelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
por precos
e boa qualidade dos genero* comprados neste armazem
Arroz do Maranho, da India e Java a 80 e Chouricase paios muito novos a 800 rs. a Palitos de dentes a 120 rs.
100 rs. a libra e 20400 ;, 20800 rs. a ar-
roba.
Ameixas francezas em latas e em frascos a
10200e 10600.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpista a 160 rs. a libra e ; 40COO rs. a
roba.
libra. dem de flor a 200 rs.
Cevadinha dc Franca muito superior a 220 Palitos do gaz a 20200 rs. a posa.
r?. a libra. Passas muito novas a 480 rs. a libra.
Cevada a 80 rs. a libra. Peras seccas muito novas a 600 rs. a Ubra.
Krvilhas portuguezas a 640 rs. a lata. Pain.;o a 200 rs. a libra.
dem seccas muito novas a 200 is. a libra. Queijos fiamengos do ultimo vapor a 2040)
Figos de comadre e do Douro em caixinhas ris.
de oito libras e canastrinhas dc 1 arroba a dem prato a 640 rs. a libra.
10800, 5,->500 c 280 rs. a libra. .Sardinhas de Nantes a 32" rs.
Azeite doce francez muito fino em garrafas Farjnna do Maranho a 120 rs a libra. Sa",! muil a,vo e nov0 a 26^ rs- a ,l,,ra-
grandes a 960 rs. a garran. Farinha dc trigo a 120 rs. a libra. I Toucinho de Lisboa a 320rs. a libia.
dem de Lisboa a 610 rs. a garrafa. Genebra de Hollanda verdadeira marca VD Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Araruta verdadeira de mal; rana a 320 rs. a a 560 rs. o frasco e 60200 rs. a frasquei- Vellas de carnauba pura a 360 rs. a li-
libra, : ra. bra.
Avelas muito grandes e rovas a 180 rs. a dem em garrafoes de 3 e 5 galoes a 50500, dem stearinas muito superiores a 600 rs. a
libra.
Batatas muito novas a 40 rs.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
10300 ris.
Bolacbinhasde soda, tatas grandes, a 20 rs.
a lata.
e 70500 cada um com p garrafao.
Gomma do An.caty a 80 rs. a libra.
Grana a 100 rs. a lata c 10100 rs, a duzia.
Licores minio linos a 700 rs. a garrafa.
dem, qualidade especial e garrafas muito
grandes, a 10800 rs. a garrafa.
Para cortinados a 10.
Vendom-se pecas de rassas adamascadas com moendas para engenho, machinas de vapor
lindisflirestendo 6 varas cada p.>ea pelo barato e toPnas je fo^o |,atJ0 e COado, de todos OS
tamaitos para ditos.
Na ra das Crua^s o. I, se diri qiwm ve ide
urna la ierra bem afre: jezada para a jira (om
poucos fundos e boa mi-adia para familia.
i.uvas le pellica.
Chegiram para a laja d'aguia branca, rui do
Queirafdo o. 8.
preco de i<5, ditas rom > varas a 35, sendo pro-
prias para janellas, ramas, bercoselc, etc. : isto
s na leja do Pavao ra da Imporatriz n. tiO, do
Gama & Silva.
O Pavo vcude as cmbralas
a #r>o Vcndem-.-e peras do cambraias brancas lavra-
dai proprias para vestidos londo 8 \\i varas a 35,
ditas com 6 1|2 a 2*300, ditas ditas a 3*300, 45
e 4*800, i>lo pechincba : na luja do Gama cv
Silva, ra da Imperatriz n. 60.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston C..
ra da Senzalla Nova n. 42.
Cal de Lisboa e potassa da
Rassla.
Vende-se na ra da Cadeia do Recite n. 26, para
onde se mndou o antigo e arredilado deposito da
mesma ra n. 12, amitos os gneros sao novse
-- Vende-se o sitio denominado dos Arcos jun- legtimos, e se vendern a preco mais barato do que
toaigreja de X. S. dos Remedios, em chao pro utra qualquer parte.
rom muilo boas torras de panUcIo, e tam
bem proprio para olaria por ter excellenle b;
cojo sitio foi do fallerido C.ypriano Lui da Paz,
AlgHilo da lialna
para sacros de assucar e ronpa dc escravo; tem
vndese lodo ou era partes : a tratar na roa do pata vender Antonio Lui de Oliveira Azevedo &
Eacanlamjnto n. 11, ou na ra do Seve n. 4. C, no seu escriptorio ra da Cruz n. 1.
ItiBmvmWM
Dilas inglezas ramio novas, 30O(X) a barri-iSiS.^^T^aS'^do vi
qumba e a 20(1 rs. a bbra. | ^\ JJ^ ^ i ^ ^ ^
- rehnada a 440 rs. a libra e, n\ti.\vtK
\. .pnA Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
chineperotoa 1*000, 20, b;m*da e ^.,8()()n a]]l)r^c(|o 8
i e 30UUU i Ulna. |jliias a ^ &( fara nm Ml.reu,^
lianlta de porco refinada a 440 rs. a libra e
eem barril a tt 0 rs.
C.lt hvs.son, hi
20501), 20800 o O0UW m... |j[iras para dnia se fa(.a uma (liirerenca
dem preto muito superior a 20000 rs. a li- \{\em franceza muito nova a 56(1 rs. a libra,
bra. c em barril ter abatimento.
Ceneja preta e branca, daf melhores marcas Mas.a de tomates em barril a 180 rs. a li-
quevem ao mercado, a ;00 rs. a garrafa | ,a
e 50800 a duzia.
Cognac inglez lino a 900 s. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o fras:o.
dem, sde pepino, a 720 rs.
dem, s de azeitonas, a 70 rs.
dem em lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melhores consenti-
ros de Lisboa a 60o rs. a lata.
Marrasquinho de Zara, frascos grandes, a
800 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Babia i,|ein regular a 500 i?.
e especialmente da fabrica imperial de Massas para sopa : macarro, talharim e ale-
Candido Fe reir Jorge da Cosa, a 10800, j.ra a 480 rs.
S'ffi' Um m0' ^00e Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Cafe' do Rio muito superior a 260, 280 e Peixe em latas preparado pela primeira arte
300 rs. a libra e 70500, 80 e 80SOO rs. a de cozinha a 10 rs. a lata.
arroba.
Palitos de dentes a 160 rs. o masso.
libra.
Vinho do Porlo engarrafado o melhor que
ha neste genero e de varias marcas, como
sejam: Vellm de 1815, Duque do Porto,
Madeira. Pedro, D. Luiz I, Maria Pi 1,
II tcage, Cbamisso e outros a 800, U00 e
10000 a garrafa, eem caixa com uma du-
zia a 90000 e 100000.
dem em pipa, Porlo, Lisboa e Figueira a
4SO, 500 e 560 rs. a garrafa e 30, 30.;OO
e 40 a caada.
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa,
dem de Bordeaux, Medoc e S. Judien a "00
e 800 rs. a garrafa, e 70000 e 70500 rs.
a duzia.
IdemMorgauxeChateauluminide !8o, a 10
a garrafa,
dem moscatel a 800 rs. a garrafa.
Vir.agre de Lisboa a 200 rs, a garrafa e
I >00 rs. a caada.
Kiisk garrafas muito grandes a 10800 rs.
Alem dos gneros cima mencionados le-
aos grande porrao de outros rroe dcixaaos
de mencionar, e pie ludo sera vendido por
peras e carnadas, tanto em porcoes como
ret dho.
Ouem comprar de 1000000 para cima le-
ra o abate de .'i por cento.
4



6
Diarlo de Pernanifonco ftnbbado tO de Feverclro de 1S4.
\*m
esa
o IAH&o 1IO ( AIOIO o
GRANDE S0RT1 MENT
DE
A
COMO NUNCA HOWE
NO
ARMAZEH
ATTENCAO
A05
KJ5
PARA A FESTA.
O IilltCiO IA K\BE \i IO
Francisco Fernandes Diiarte dono deste muito acreditado armazem
|demolhad(is, acaba de receber neste ultimo vapor os mui desojados gneros escolhidos
por elle na Europa, todos muito propriespara a festa os quaes est resulvido a vender por
| procos baratissimos como vero pela seguinte tabella, e mesmo pede todos os Srs. da
praca, de engenhe e lavradores para que mandem suas relaces para serem despachadas
no armazem do Progresso do largo da Penha n. 10, afim de verem a grande vantagem
que tiram, tanto na superioridade dos gneros como nos preco? asss resumidos,
os Sr. que nao poderem vir poderao mandar seus portadores ainda q je nao tenham pra-
tica, que serao to bem servidos como se viessem pessoalmente.
DO
PROGRESISTA
RA DAS CJ&UZES N. 36
E
BA DO CRESPO N. 9
No balrro de Manto Antonio.
DARTE & C.
Participara aos seus numerosos freguezes e ao publico em geral que acabam de
receber de suapropra encommenda, o mais lindo e completo sortimento de molhados, em ao vaPor Pa
os (fuaes vendem por grosso e a retalho por menos 10 por cento- do que outro qualquer ,,P" m,"ll,
annandante, como verao pela seguinte tabella que abaixo notamos,
mos proprietarios nao s o peso como .i qualidade de seus gneros.
AVINO.
Joaquina los Gomes de ttouza tem a honra de participar ao respei-
tavel publico, que tem resolvido vender os seus gneros de primeira qualidade por menos
10 a 20 por cento do que outro qualquer annunciar, como se v do presente annuncio,
asseverando o proprietario d'estes armazens a aquellas pessoas que frequentarem estes
estabclecimontos, que nunca terao occasiSo de reclamar qualquer genero, visto ter-se
O interesse que tira o proprietario deste acreditado armazem, j deve ser bem co- adptado crestas casas o ptimo systema de s se negociar com gneros especialmente es-
nhecido pelos seus numerozos freguezes, pois simplesmente consiste un servir bem e ga- cabidos,
nhar pouco, afim de conseguir a continuacodaquellas pessoas, que a primeira vez se dig- C"A
hysson, uxim e perola a 2.400, 2,000 o
narem honrar o seu estabelecimento.
Queijos flamengos chegados neste ultimo
vapor a 2,ooo rs.
dem do vapor passado a 1,8oo rs.
dovos e de superior qua-
;indo os mes- ^}ade a 4o rs- inteir0' e a 5()0 a
libra.
Doce de goiaba fino em caixes com 2 "i
Araruta verdadeira a 32o rs. a Ubra.
Farinha do Maranho imito alva e cheirosa
a 12o rs. a libra.
Sag muito novo 2io rs. a libra.
Sevadinha de Franca a 2 jo rs. a libra
Sevada muito nova a loo rs. a libra.
Cominhos, ervadoce e pimenla do reino a
36o rs. a libra.
Genebra de Hollanda a 5,5oo rs. a frasquei-
libras por 6oo rs.
, dem mais baixo a 5io rs.
Todos os senhores que comprarem para negocio ou casa particular de 1005 para Manlfij :.. fl mmor do ra cor ISIraanm -i retalho i a rs
cim; terao mais S a 10 por cento de abitimento, os proprietarios scientificam mais que M mSo a 7S rs a libia" cada um
tolos os seusgneros to recebidos do sua propria encommenda, razao esta para pode ,demde ^ qualidade a64ore a,ibra. Idem em botija hambur..ueza a ^o rs.
vencer por muito menos do que outro qualquer estabelecimento. | Manteiga franceza de primeira qualidade a Genebra de Granja a t.ooo rs. os frascos
Manteiga ingleza flor a 8oo rs. a libra. Vellas de carnauba e composicio de 32o a 56o rs. a libra, e 52o rs. em barris ou grandes.
meios. Vinho de caj o melhor que ha no mercado
Cha perola neste genero nao ha nada a de- a l.ooo rs. a garrafa,
sejar, e de especial qualidade, mandado Palitos do gaz a 2,3oo r>. a groza e 2o rs.
vir de conta propria a 2,8oo rs. a libra. a caixinha.
dem huxim o melhor do mercado a 2,6oo dem de dentes lixados a 16o rs. o maco com
rs. a libra. 2o macinhos.
dem de segunda qualidade a 2,ooo rs. a Ervilhas seccas chegadas neste ultimo navio
libra. a 16o rs. a libra, e em porcao se faz aba-
Caslanhas muito novas a 2,ooo rs. a caita, e: 36o rs. a libra e de lo.ooo a ll.oeo rs. a
a 16o rs. a libra. j arroba.
Bolinho francos e em caixinhas de 7oo a Genebra do Hollanda em botijas de conta a
1,590 rs. cada ama.
dem franceza a mais nova do mercado a 56o
rs. a libra, e 54o rs. em barril.
Idenrv de porco refinada muito alva 46o rs.
i libra.
Proiuito para fianbre a 8oo rs. a libra.
Cbi uxim niiudinao vindo de conta propria,
o melhor do mercado a 2,8oo rs. a liara,
dem hyson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra.
dem perola o melhor que se pode desejir a
2,7oo rs. a libra.
Meni preto muito fino a 2,5oo rs. a libr;.
dem mais baixo pouco a 2,ooo rs. a libr;.
dem mais baixo a 1,800 rs. a libra.
Vinho do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado garante-se a superioridade deste vi-
nho. das seguinte* marcas : Duque, jc-
nuino, velho secco, especial lagrimas do-
ces de 1819, vinho especial D. Pedro V.,
vinho velho, Nctar superior de 1833, Ou-:
440 rs. a botija, e em duzia ou em barrica
ter abalimento.
Massas para sopa macarro, talharim e aletria
a 48o rs. a libra e em caixa ter abati-
raento.
dem estrellinha, rodinha e pevide em caixi-1 dem hysson muito superior a 2,5oo rs. a li- tiraento.
nhas de 8 libras, muito bem enfeitadas de; bra. Banha de porco refinada a 48o rs. a libra e
2,5oo a 3,5oo rs. a caixinha e a 600 rs. a dem preto homeopathico muito fino a 2,ooo; 42o rs. em barril.
libra. rs. a libra. j Vinho branco de superior quaHdade proprio
Doce de goiaba em cabs de diversos tama- Bolachinha de soda chegada neste ultimo! para missa a 64o rs.; garrafa.
nhos de 600 a l.ooo rs. o caixao
I Sabo massa de 2oo a 24o rs. o melhor, era
caixa tpr abatimento.
dem hespanhol a 28o rs. a libra.
Peixe em latas muito novo ; savel, pescada,
corvina, salmo e outras muitas qualidades dem propria para lanche
preparada de escabeche 2 a arte de cosi-
nha de l,2oo a l,8oo rs. a lata.
Figos em caixas de 1 arroba, '/> e 8 libras
a 8,000 4.000 e 2,000 rs. a caixinha.
Barris de vinho branco de quinto, marca B
& Filho a tO.ooo rs. o barr
k) Porto de 1834, vinho do Porto ve- Marmelada imperial dos m Ihores conservei-
luo superior, madeira secca de supenor rns de Lisboa a 6lo rs. a |,tnhade 1 libra,
qualidade, vinho do Porto superior l). Lti-
iy. 1 *de 1847, lagrimas do Douro espe-
cial, vinho do Porto de l.oooa l,2oo rs.
a garrafa e de lo,000 a 14,ooo rs. a ca xa
com urna duzia.
Balarn n de soda especial encommenda e a
m lis nova que ha no mercado a 2,2oo rs. a
lata.
Biscoitos inglezes das memores marcas em
latinhasde 2 libras a l,3oo rs. a lata.
Ide >i inglezes craknel em latas de 5 e 7 lib:*as
i.000 a 6.000 rs. a lata, e em libra a
800 rs.
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
a 2,5oors. cada um.
dem prato a 7oo rs a libra.
Vinho em pipa das mais acreditadas manas Sardinhas de Nantes a 32o rs. a latinha.
como sejnmBd? P., P1\R, JAA, outras Charutos das mais acreditadas marcas
ha latas de 1 5 e 2 libras.
Massa de tomate em latas douradas de 1 libra
a 6io rs. a lata.
Ameixas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas de l.oo a 3,000 rs. a
caixinha, tambera ha latas de 1 '/i a 6 li-
bras de l,2oo a 4,5oo rs. a lata.
dem em frascos com lampa de rosca a l.Ooo
rs. o frasee.
Chocolate portugus, hespanhol, francez e'
suisso a l,2oo rs. a libra.
navio a 1,35o rs. a lata, deste genero ha Ameixas francezas em laixinhas elegante-
grande porcao e de di Eferentes marcas, mente enfeitadas com ricas eslampas a
que se vendem todas pelo mesmo preco a i l,2oo, l,5oo e 2,ooo is. cada urna,
vontade dos compradores. dem francezas em frasco de vidro com tam-
Iem em latas grandes a 2,ooo rs. pa do mesmo contendo 1 lfr libra a 1,2oo
em latas grandes rs. s o frasco val quase o dinheiro.
a l,9oo rs. 'dem em latas de 2 libras por l,4oors.
Marmelada imperial dos melhores fabrican- a retalho, e a 800 rs. a libra,
tes de Lisboa a 64o rs. a libra. Figos de comadre muito novos em bahuzi-
Frutas em calda em latas de l.ooo a 5oo rs., nhosmuito proprio? pa -a mimo al ,28o rs.
neste genero ha diversas qualidades a es- dem em caixas para retalho a 16o rs. a
colher. I libra.
Champanlia superior das marcas mais acre- Passas de carnada a 48o rs. a libra e em
ditadas a l,5oo rs. a garrafa e 15,ooo rs. quarto com 8 libras per 2,5oo rs.
o gigo. 1 Bolaxinhas inglesas de superior qualidade a
Serveja das melhores marcas que veni ao 2,000 rs. a barrica, e a 2oo rs. a libra,
mercado a 5oo rs. a garrafa e a 5,ooo rs. Chocolate francez o melhor que se pode de-
a duzia sejar neste genero a l.ooo rs. a libra.
dem preta superior a 56o rs. a garrafa e a Magas para sopa estrelinh 1, pevide, arroz de
5,4oo rs. a duzia. j maca a 48o rs. a libra, e em caixa a 2,ooo
Vinho Bordeaux de differentcs marcas, e as' rs. cada urna, macarra;o, lalherim, eale-
melhores do mercado a 7,000, 7,5oo e' tria a 4oo rs. a libra
8,000 a caixa com urna duzia, e em gar-. Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra,
rafas a 64o, 7oo e 800 rs., garante-se a Avelans muito novas a 2ro rs. a libra,
boa qualidade. Emilias francezas muito novas em latas
Conservas inglezas das seguintts marcase dem Figueira de superior qualidade a 48o' grandes a 64o rs.
Mixde-Picles e cebollas simples a 75o rs rs. a garrafa e 3,5oo rs. a caada. dem em ditas pequeas a 4oo rs.
o frasco. dem de Lisboa a 2.800 rs. a caada e 4oo Maca de tomate em latas de 1 e 2 libras a
Ancoretas de vinho colares a 5o,ooo rs., e rs. a garrafa. 64o rs.
a 72o rs. a garra f dem do Porto de superior qualidade para Salmo em latas de 1 1 1 bra a 800 rs.
mesa a 560 rs. a garrafa, e 4,000 rs. a ca- Lagostinho em latas grandes a 1.4oo rs. ca-
de1 nada. I da urna.
ir li'as marcas. Porto, Lisboa e Figueira; 2.5oo a 4,000 rs. a caixa. dem fino do Alto Douro da colheita de 1833, Sardinhas de Nantes a 36o rs. a lata.
d-i Wto^Soo, 56o, 64o e8oo, rs., e o do Champagnhea melhor do mercado de 12.ooo como sejam: D. Luiz, Feitoria velho, Nec- Cognhac inglez a 800 rs. ; garrafa.
Porto fino em garrafa, e em es nada a
3.000, 3,5oo, 4,oeo e 6,5oo rs. o melhor
do Porto.
dem Bordoaux das mais acreditadas manas
a 7oo rs, a garrafa, e a 8,000 rs a cai.\a.
ma.
dem de peso pautadp ou lizo de 3,5oo
Garrafoe com S garrafas de superior vinho ~ '00 rs"a r'^ma- ,
do Por',, a 2,200 rs. com o garrafao. Tma. mml fina e a,va a 8o rS- a 1,bra*
dem com 5 garrafa de vinho da Figueira m; is Mil.ho alPista e Painso !e 16 a 2o re' a H"
proprio para a nossaestaco por ser miis p ,.ra' .
fresco a 2. ioo rs. dem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs. ,, fluzia- ,
n o uarrafao. Vasos ingiezes de l a 16 libras vasios, muito
Vio' o bran o o mais
supenor que vem 10
nosso mercado a- 56o rs. a garrafa, e a
4,3oo rs. a caada.
Velas de esparmacate as melhores neste g ;-
ero de 56o a 64o rs. o mago, e em cai-
xa teni grande abatimento por ha ver
grande porco.
Azeile doce em barril muito fino a 64o rs.
a garrafa e 4.800 a caada.,
idem francez retinado a 800 rs. a garrafa.
Enalbas Vancezas epjrtuguezas a 64o rs. a
lata.
Rocelas eom doces seceos de Lisboa de 3<:o
a 3,5oo rs. cada uraa.
Toucinho deLisboa a 3oo rs. a libra.
0,000 j>. a arroba.
S'ozes muito novas a 16o rs. a libra e 4,8oo
rs. a arroba.
:af de l:\ 2. e 3.1 qualidade de 26o, 3oo
e36ors. a libra, doCearde7,8oo, 8,60c,
e 0.2oo rs. a arroba do melhor.
vrroz da India, Java eMaranho de 2,800 a
3,ooo a arroba, e de 80 a loo rs. a libra.
Passas muito novas a 8,5oo a caixa e 5oo
a libra, ha caixas meias e quartos.
^ivadinha de Francia a 24o rs. a libra.
>ag muito novo a 28o rs. a libra.
a 24,ooo rs. o gigo, ede I,2ooa2,ooors. a tar, CarcTvellos e Cames em caixa de Licor francez das melhores marcas do mer
garrafa. urna duzia a 0,ooo rs. cado a 800 rs. a garrafa.
Papel greve pautado ou liso a 3,5oo rs. a res- Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto Batatas chegadas neste ultimo navio em cai-
a l,ooo rs. a garrafa e lo.ooo rs. a caixa.! xa com duas arrobas por l,6oo rs., e 4o
Duque do Porto, Madeira secco, duque ge-' rs. a libra,
nuino, lagrimas doces a 9oo rs. a garra- Concervas inglezas a 75o r>. o frasco.
fa e 9,5oo rs. a duzia. j Sal refinado em potes a 5oo rs. cada um.
Garrafoes com vinho do Porto a 2,2oo rs. jMostarda ingle a a l.ooo rs.. o frasco.
cada um. dem franceza a 4oo rs. o pote.
Vinagre de Lisboa de superior qualidade a Milho alpista a 16o rs. a libra e 4,800 rs. a
2oo rs. a garrafa e l,2oo rs. a caada. arroba.
Azeite doce refinado em garrafas grandes a Graixa muito nova em latas grandes a 120
800 rs. ris.
dem de Lisboa a 64o rs. agarrafa, eem, Latas com peixe
gaz a 2,2oo rs. a grosa e 2oo rs. a
proprio para deposito de doce manteiga
ou outro qualquer liquido de l.ooo a
3,ooo rs. cada um.
2,800 rs. a libra.
CAF
muito superior, do Bio e do Cear a 8,000
e 8,400 a araoba c 300 rs. a libra.
VINHO
de Lisboa e da Figueira a 3,500 e 4,000 a
a caada,
do Porto engarrafado de diversas marcas a
1.000 rs. a garrafa.
Bordeaux de diversas qualidades a 7,000,
8,000, 9,000 e 105 a duzia.
CIIAMPANHE
a melhor que temos neste mercado a 20,000
rs. o gigo.
CERVEJA
muito superior a 5,000, 5,500 e 6,000 rs.a
duzia.
GENEBRA
de Hollanda em frasqueiras a 5,500 e 500
rs. o frasco.
BOLACHIMIA
de soda era latas grandes a 2.000 rs. cada
urna,
inglezas em barricas a 4,000 e 240 rs. a
lihra.
BISCOUTOS
em latas de todas as qualidades, a 1,300 rs. i
cada lata.
ARROZ
da India e do Maranhao a 2,600 e 8,000 a
arroba e 100 rs. a libra. '
CEVADA
muito nova a 2,500 a arroba e 100 rs. a
libra.
QUEIJOS FLAMENGOS
vindos no ultimo vapor, sempre por menos
100 rs. do que outro annunciar.
GOMMA.
muito superior em saceos com quatro arro-
bas a 2,000 e 100 rs. a libra.
CASTANHAS
muito novas a 320 rs. a libra.
PASSAS
as mais novas do mercado a 8,000 a caixa e
e 500 rs. a libra.
AMEIXAS
francezas em latas de 1 e Ir libra a 1,000
rs. a libra.
SARDINHAS
de Nantes muito novas a 300 rs. a lata.
piladas
CONSERVAS
inglezas a 8,500 a duzia e 760 rs. o frasco.
SAL REFINADO
em frascos de vidro com tres libras a 600 rs.
PEIXE
em latas ermeticamente lacradas a 1,000
rs. cada urna.
PORVOS
do Porto muilo bem conservados a 500 rs.
a libra.
MSTARDA
preparada muilo nova a 400 rs. o Irasco.
MARMELADA
dos melhores conserveiros a 640 rs. a libra.
ESPERMACETE
muito superior a 560 rs. a Ubra, e em caixa
a 550 rs.
CHARUTOS
di Baha a 1,600. 2,200, 3,000 e 4,000 rs.
a caixa.
TOUCINHO
muito novo a 9,000 rs. a arroba e 300 rs. a
libra.
ERVILHAS SECCAS
as mais novas do mercado a 120 rs. a libra.
PALITOS PARA MESA
muito bem feitos a 160 rs. o maco.
VINAGRE
Lisboa PRR a 240 rs. a garrafa e 1.600
rs. a caada.
AMENDOAS DE CASCA
as mais novas do mercado a 240 rs. a libra.
FARINHA DE ARARUTA
verdadeira e muito nova a 400 rs. a libra e
10,000 rs. a arroba.
ERVA DOCE
muito nova a 300 rs. a libra e 9,006 rs. a
arroba.
COMINHOS
os mais novos e mais superiores a 40d rs. a
libra.
NOZES
muito novas a 160 a libra e 5,000 rs. a ar-
roba.
SAG
o melhor que pode ha ver neste genero a
2*0 rs. a libra.
MASSA DE TOMATE
em latinhas de 1 libra por 600 rs. a lata.
SABO MASSA
neste genero lia sempre um grande sorti-
mento variando o preco de 120 a 240 rs.
por libra.
MAIS ATTJR^iO
Existe alm d'estes gneros, um explendido sortimento de phosphoros, fumo, al-
pista. peras em calda e seccas. figos, copos finos para agua, massas para sopa, azeite, ca-
nella, pimenta, velas de carnauba, banha de poro, papel, e outros muilos gneros, de es-
tiva, que todos sero vendidos por mdicos procos.
Tendo o proprietario dos armazens do progressista deliberado nao concordar
com a liga da Uniao Comniercial, Clarim, Allianea, etc., etc., etc., declara que s con-
corda em alliar-se aos seus freguezes, fazendo com estes urna liga de interesses reciprocos'
tendo os seus alliados a faculdade de comprarem por preoos muito cm conta o l>om fiam-
bre, formidavel .queijo e a saborosa bolachinha de so la, que fazera urna boa allianea
com a superior champanhe e o porto fino, nicos que sabem imitar a uniao destes ar-
mazens com os seus concurrentes. Vinde, senhores, a >s armazens. aonde podis d'en-
ire um muilo explendido sortimento desaborosos alimentos, escolherdes os quemis
vos apetecer, certos de que nunca tereis occasiio de arrepender-vos de gastar o vosso
diiibeiro uestes estabelecimentos.
caada a 4,8oo rs.
Licores das melhores marcas e mais finos Presuntos inglezes para fiambre a 7oo rs. a
a 1,00o rs. a garrafa e em caixa ter abat-! libra.
ment. dem de lamego encommenda particular a
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa 48o rs. a libra, e inteiro se faz ahatimento.
e lo,5oo rs. a caixa. Toucinho do reino o melhor do mercado a
Chouricas as mais frescas do mercado a 800 320 rs. a libra, e em arroba a 9,ooo rs.
em posia ermeticamente
lacradas das melhores qualidades de pei-
xe que ha em Portugal a l,2oors.
Caf lavado de Ia qualidadj a 32o rs., dito
de 2a a 28o rs. a libra e 8,2oo rs a arro-
ba, dito de 31 a 26o rs. a libra e 7,800
rs. arroba.
Charutos suspiros dos mel'iores fabricantes
rs a libra. | Velas de espermacete de 4,. 5, e 6 por Ubra! de S. Eelixa 2,5oo rs. a caixa com loo
Genebra de laranja em frascos grandes a! a 560 rs., e em caixa se faz abatimento.; charutos.
l.ooo rs. o frasco. dem de carnauba refinada a 32o rs. a libra dem finos de diversos fabricantes a l,6oo
Serveja das mais acreditadas marcas de e9,ooo rs. a arroba. l,8ooe 2,ooo rs. a caixa com loocharu-
5,5oo a 6,5oo aduia e de mais a 5oo rs. Tdem de carnauba pura do Aracaty a 4oors. tos, (o preco nao indica a boa qualidade
a garrafa. a libra e lo,5oo rs. a arroba. porm deem-se ao trabalho de virem ou
e a dem em botijas e meias, sendo preta da gomma muito fina e alva a 80 rs. a libra. I mandarem c vero a realidade.
muito creditada marca T de 6,5oo a 7,8oo
iS<
ROUPA FEITA
NO
AB.HAZ1H1
DE
W^$ %i !%W^
1-
41
rs. a duzia.
Ceblas em molhos grandes a 800 o molho
640 o cento, e a C,5oo rs. a caixa
Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
Farinha do MaranbSo a 14o rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 16o rs. cada um.
Cominho a 4oo rs. a libra.
Erva doce a libra.
Canella a l.ooo rs. a libra.
I Batatas a 1,00o rs. o gigo com 32 libras liqui-
das e 3,ooo rs. a caixa de duas arrobas.
38RA DO llvIPERADOR38
Ana
nnito recommondada as afleccr.s
natural de Condllae,
do tubo pasiro-intestinal, nos dos riw, e bexica ourinaria, pelas
POR MENOS DE MI POR CENTO.
NO
CONSERV
JLETREIBO VERDE.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de
prepriedadtiB alcalinas, e o acido rarhoni-i que naluralmenle conten era suspensao, de preco : Vinho das melhores marcas.
i> < im'iii do que a agua de Vichy, o de proprirdades tal vez superiores pola grande quantidade de Manteiga inglesa flor.
1 In carbnico. Injnro llrou, aijua di t ChrHen, cupahiha de Mege, injerro Fugas de lale dem franceza.
E
JOAQUI1H SlJflAO DOS SANTOS
2:3-~Largo do Terco-23.
O proprietario deste armazem d molhados vende os seu? j;i bem conheetdoi gneros de pri-
meira qualidade por menos de dez por cento do que em oulra qualquer parle, garantindo-se a supe-
rior qualidade.
Nao se diz o preco pa a lia espantar.
ezmoo, muito recomm^ndada as gonorrheas. Le vrotj francez verdadeiro ; na mesma casa
18 caitas de instrumentos rirurgicos para operacoes de Matieu e Charriere.
tem
FABINHA FONTANA.
Parinlia *a muito acre lila a narcti
ontana > cscmliarca'la hoje, vende-sii
reto mais conimo) do que em
pialquer oulra parle : na ra da Crut
i. 4 asa de i. 0. IBieber k C. succes-
ores.
Ferro & vapor.
i-so o acredi ados ferros vapor : 11
eaJa, na rualdo Queimado o.32,.tzevedo & Irniac
(LDESIIOI
Vendem-sc barris com cal de-
ta procedencia, empedra, chega-
da hoje, e unlca nova, que ha no
mercado, na ra do Trapichen.
13, armazem de Hanoel Telxel-
ra Basto.
Banha de |iorro refinada.
Vellas de spermacele.
dem de carnauba.
Caf bem do Hio.
dem superior do Cear.
Toucinho de Lisboa.
Cha le dirersas qualidades.
Queijos novos 1I0 vapor.
Milho alpista limpo.
Gotnnia deeogommar alva.
Salan do diveisas qualidades.
Chouricas moli novas.
Arroz do diversos precos.
Ser.vja das melhores marca;
Sardinhas-de Nantes novas.
Genebra de laranja superior.
[Jen do Hullanda marca Callo.
Phosphoros do gaz.
Iliilachinlia ingleza em barricas.
Passas muilo novas.
Figos de primeira qualidade.
Hiscoutos e boUchinhas de soda
Charutos de diversas qualidades
3O50O0
25^000
Alm dos gneros annunciados existem oulros muitis que entadonho raenc ona-los,a dinhei-
ro contado.
Vende-se 011 arrenda-se por preco bastante
commodo o sitio Caiana na freguezia u Vanea,
- Vende-se um cabriolet americano de duas de muito boas trras para plantacoes, com varias
rodas, com coherla, e 05 competentes arreios. todo pos de fruncirs do diversas qualidades, e rom
muito bem acondicionado : na ra da Cadeia nu- urna casa do taipa j coherla do telha : a tratar na
mero 24. ra do Hospicio n. 22.
Farinha superior de Saiil; Culharina.
Vende-se em porcao oa a realho, a bordo da
barca Iris, atracada ao trapichi do Barao do Li-
vramento, ou no escriptorio de Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo & C, ra da Ciuzn. t.
J|$ homens e meninos.
^ Casacas de panno preto, 355 e
Sobrecasacas idem, 304 e .
Paletos idem e de cores, 255,
205, 155 e......105000
Ditos de casemira, 205. 155,
125, 105 e...... 75000
Ditos de alpaca, 55, 45 e 35500 i
Ditos ditos pretos, 95, 75.
55, 45e ...... 35500;
Ditos de brim e ganga de co-
res, 45500, 45, 35500 e. .
Ditos branco de linbo, 65, 55 e
Ditos de merino preto de cor-
dao, 105, 75 e.....
Calcas de casemira preta, 125,
105. 85c......
Ditas de cores, 95, 85 e. .
Ditas de meia casemira de co-
res, 55000 e.....
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordao, 45500 e. ,
Ditas de brim branco e de co-
res, 55, 45500, 45 e .
Ditas de ganga de cores, 35 e
Colletes de velludo preto e de
Ditos de setim preto. .
Ditcs de ditos e seda branco,
05 e.......
Ditos de gorgurao de seda
pretos e de cores, 65, 55 e
Colletes de fusto e brim bran-
co, 3550C, 35 e .
Seroulas de brim de linbo,
25400 e ......
I Ditas de algodo, 15600 e. .
i/OOO Camisas de peitos de linho,
*000 45, 35 e. !
'Ditas de madapol3o, 25500,
55000 25 e........
Chapeos de massa, pretos fran-
ceses, 105, 95 e. .
Ditos defltro, 55, 45,35500 e
Ditos de sol, de seda, 125,
115, 75 e......650OO
Collarinhos de linho fino, ulti-
mt moda.......
Sortimento completo de grava-
tas.
25500 Toalhas para rosto, duzia, 115,
75000
75000
45000
45000
2*500
55000^
55000^
45000^
25500 ^g
i
25000
15400
25500
15600
85600
25OOC)
640
5
75000
e........
cores, 95 e...... 75000 Chapeos deso, de alpaca, pre-
Ditos de casemira preta, 55 e 450001 tos. e de cores.....45000
Ditos de ditas de cores 55 Lencas de linho.....35000
45 e........35500 Cobertas de chita chineza.. 25000
mmnaBmm




na rio de Pernambnro Sabbado O de Feverelrr de 19C4.
,
ALLIANCA
GRANDE
57 RA DO IMPERADOR 57
Na bem condecida loja que foi do Si*. Flix alaiate.
Paulo Ferreira da Silva prcprietario dcste novo estabelecimento, tendo
chegado da Europa, aonde escolheu ura grande 'e variado sortiuieuto de molhados, tem
a honra de os expor ao respeitavel publico dtsta cidade pelos mais resumidos procos.
Em to ptima occasio, por estarmos prestes a festa de Natal, o proprietario do
grande armazem Allianca offerece aos seus amigos e leguezes que o conhecem desde
quando foi socio dos armazens Progressivo e Progressista as maiores vantagens em com-
prarem em seu armazem.
Hoje de novo estabelecido mais precisa da concurrencia de todos estes senhores
ao seu estabelecimento. certos de que esta casa jamis deixaro de ser cumpridas as
grandes vantagens por ella offerecidas.
Macees de 4o a 16u rs. cada urna. 3olachinha de soda e lunch em latas grandes
Manteiga ingleza a mais superior neste ge- a 2,ooo rs. cada lata.
ero a 800 rs. a libra, e comprando de 8 Cognac de superior qualidade a 800 rs. agar-
hbras para cima a 72ors., esta a mais rafa.
superior que pode haver, tambem ha mais dem muito superior a i,000 rs. a garrafa.
baixas para menos procos. Caf a 28o e 32o rs. a libra, e a 8,000 e
dem franceza muito nova a i6o rs. a libra 9,ooo rs. a arroba.
e 54o rs. em barris ou meios. Ceneja das melhores marcas do nosso mer-
Peras seccas muito novas a 48o rs. a libra, cado de 5,ooo a 6,000 rs. a duzia, e 000
Chperola de especial qualidade a 2,8oo rs. rs. a garrafa.
a libra,
dem hysson muito superior a 2, "00 rs. a
libra,
dem uxim a 2,5oe rs. a libra.
ilem hysson a 2,3eo rs. a libra,
dem idem a 2,ooo rs. a libra.
Consenas inglezas a 75o rs. o frasco e8,600
rs. a duzia.
Doce em calda a 64o rs. a lata.
Ervilhas francezas muito novas a 64o rs.
dem portuguezas a 72o rs. a lata,
dem seccas a2oo rs. a libra.
UNIO
o
GOMMERGIO.
140
Pavao.
Defronte da loja do Pregulea.
PITARTE AliMEIRA
acaba de abrir o seu grande e sortido armazem de molhados denominado Unido e Com-
merao. Este grande armazem um dos mais bem montados que temos en nossa praea,
nao s em limpeza e aceio, como as qualidades especiaes de seus genero?. O proprie
ario do Vnto e Cnumeicio offerece todos os senhores da praca, senhor >s de engenho
e lavradores a seguinte tabella, por onde vero a grande economa que lhe resulta em
comprarem em 13o til estabelecimento, afianzando o mesmo todo c qualquer genero
saludo de seu armazem.
-enhos
na loja
Bollinho francez em latas e caixinhas as mais
delicadas que tem vindo ao nosso merca-
do de 7oo a 2,5oo rs. a caixinha.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de conta propria, a 7oo a 800 rs, a
libra.
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
56o rs. a libra, e em barril tora abatimen-
to.
Erva-doce a 5oo rs. a libra.
Champanha de 20 a 22,ooo o jigo.
Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groza e 2o rs. a
caixinha.
Milho alpista a 160 rs. a libra.
Cominho muito novo a 4oo s. a libra, e
comprando de B libras para ima a 32o rs.
Gomma muito alva para engoniraar a 80 rs.
a libra, e em arroba se fari abatimento,
LOJA DO PAVAO
Cassas puritanas.
Vendem-se as mais modernas cassas puritanas com bonitos desenhos pelo baraiissimo preco de
e 280 rs. o covado, por haver grande por^o, pccliinclia : na ra da luiperatriz u. 00, luja da
no.
Cassas persianas a 360 rs. o covado.
Vendem-se as mais bonitas cassas persianas a imitaco de laa transparente cun
lecidos e inleiramente novos, pele baralissirao prego de 360 rs. o covado o nao desbotam
Pavao ra da Imperatriz n. uO.
Gorgorao de laa a 500 rs. o covado.
Vende-se gorguro de laa de cor escura propria para vestido desenhora, paleto*, para hnmem o
roupa parameniuo, pelo barato preco de 500 rs. o covado : na loja doPavo ra da Imperatriz n. 00.
As colchas do Pavao.
Vendem-se colchas de linho adamascadas com bonitos lavrcs de cor de rosa, azul e Lianco
pelo baratissimo preco de 5,3 cada una : na loja do Pavao roa da Imperatriz n. 60.
Organdys a 240 rs. o covado.
Vendem-se organdys matizados fazenda muito fina, de bonitos desenhos, pelo baratissimo prego
de 240 rs. o covado : na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60.
As alpacas do Pavao.
Vendem-se alpacas de seda de cores muito fina propria para vestido de senhora, soutembar-
qnes e roupas para meninos e dita branca muito Gna propria para vestidos e paletots, pjr prego uiui-
to commodo : na loja do Pavao ra da Imperatriz D. 00.
Taimo preto a 20000.
Vende o lav"io.
Vendem-se panno preto muilo encorpado a 250000 rs. o covado, dito a 2,&500, 3,5000 e tjOOO,
casimira preta muilo fina a 15800. 250110, 25200 e 35000, isto para apurar dinheiro ua loja e ar-
mazem do Pavao, ra da Imperatriz n. 00, de Gama & Lima.
dem preto de qualidade muito especial a Hassouras do Porto com arcos de ferro a 32o
2,ooe rs. a libra. rs. cada urna,
dem dem inferior a l,6oo rs. a libra. ''ellas de espermacete da mclhor qualidade
Chocolate francez, hespanhol e portuguez, a a 36o rs. o maco.
9oo e I,2oo rs. a libra. dem de carnauba e composicao a 32o e 36o
Charutos dos melhores fabricantes da Baha rs. a libra e 10,000 rs. a arroba.
e de qualidades especialmente ecolhidos, Tjolo para limpar facas a 12o rs. cada um.
de 2,ooo a i..:i(io rs. a caixa. Toucinho de Lisboa e Santos a 320 rs. a
Farinha do Maranho muilo alva a 14o rs. a libra.
libra. Sevada muito nova a loo rs. a libra,
dem de araruta verdadeira a 4oo rs. a libra, Peixe. em latas grandes, savel, pescada, cor-
Vinho do Alto Douro engarrafado, e os mais roa, e outras qualidades a l.ooo rs. cada
bem escoltados, lagrimas do Douro, D. Pe- lata.
dro V, D. Luz I. Duque genuino, Nctar passas muito novas a lo.ooo rs. a caixa e
superior, Malvasia fina, Bastardo, e outros 5oo rs. a libra.
a 11,000 e 12,ooo rs. a duzia e l,ooo rs. Palitos lixados para dentes a f 4o rs. o maco.
a garrafa. I lem de flor a 2oo rs. o maco,
dem Cherry e Madeira a l,5oo rs. a garra-. Presunto para fiambre inglczes e americanos
fa e K,ooo rs. a duzia. a 800 rs. a libra,
dem Boideaux de diversas marcas de 8,000 dem do Porto a 48o rs. a libra.
a lo,000 a duzia e 800 rs. garrafa.
Bolaxinhas americanas a 3,5oo rs. a barrica,
e a 24o rs. a libra.
Batatas muito novas a l.ooo rs. o gigo, e 60
rs. a libra.
Banha de porto refinada a 44o rs. a libra o
em barril a 4oo rs.
Vinho em piqa de Lisboa, e Figueira, de 3,ooo
a 4,-ooots. a caada, e 5oo rs. a garrafa,
dem de Lisboa em ancoretas de 8 a cana-
das por 27,ooo rs.
dem do Porto muito especial a 5,5oo rs. a
caada e 72o rs. a garrafa,
dem em garrafes com 4 i% garrafas por
2.5oo rs. com o garrafao.
Vinagre de Lisboa muito superior a 2,000
rs. a caada,
dem mais baixo a l.Soo rs. a caada, e 2eo
rs. a garrafa.
Queijo prato a 64o rs. a libra,
dem fiamengo vindos no ultimo vapora
- 2,oooo e 2,3oo rs. cada um.
Sanlinhas de Nantes muito novas a 32o rs.
a tala.
Sig muito novo a 2eo rs. a libra,
dem muito superior a 28o rs. a libra.
Sibo maca de diversas qualidades a 2oo e
24o rs. a libra,
dem inferior de 12o a 18o rs. a libra.
Genebra de Hollauda em frasqueiras a 6,5oo
res.
Iciem hamburgue/.a em frasqueiros a 5,8oo
ris.
dem de Hollanda em garrafes grandes a
5,5oo rs cada um.
dem em botija a 4oo rs. cada urna.
Garraloes vastos de diversos tamaitos a 5oo,
lito e l,2oo rs
dem enf garrafes com 4 ys .garrafas por Gomma do Aracaty a 80 rs. albra muito alva
l,2oo rs. com o garrafao. Graixa a loo rs. a lata, e l,2oo rs. a duzia.
dem ingleza em potes de 4 a 16 libras a Sag muito novo a 28o rs. a libra.
800 rs, a libra e o pote separado, Sabo verdadeiro hespanhol, que raras vezes
Cha uxim o melhor neste genero, mandado vem ao nosso mercado a 28 j rs. a libra
vir de conta propria a 2,8oo rs, a libra. Vinho branco o melhor neste g( ero a 800 rs
dem hysson, grande, muito bom a 2,6oo rs. I a garrafa e 4,3oo rs. a caada.
a libra. i Mera Bordeaux de differentes 1 larcas, garau-
Idem preto muito fino, a 2,6oo rs, a libra. te-se a qualidade, a 8.000 nt. a caixa com
dem preto, mais baixo, a 2,000 rs, a libra. urna duzia, e a 7oo rs. a gar-afa.
dem, verde, miudinho, maisproprio para Garrafes com 5 garrafas de viiho do Porto
negocio, a l,5oo rs, a libra. do Alto Douroa 2,2oors. coin o garrafao.
Banha de porco refinada muito alva a 46o dem com 5 garrafas de vinho Figueira, mais
rs, a libra, e em barril se far abatimento. proprio para a nossa estarlo por ser mais
Biscoitos inglezes das seguintes marcas;! fresco a 2,4oo rs. com o ganafo.
Craknel, Soda, Cecde, Caplain, Travellies. dem com 5 garrafas devinagr; a l,2oo rs.
Lunch, Cabin, e oulras muitas marcas, a
l,4oo rs, a lata.
As calcas do Pavao.
Amexas francezas em caixinhas com ricas
estanpas no exterior de l,2oo a 2,000 rs.
cada urna.
Licores finos francezes em garrafas e frascos
de diversos tamantos de 600 a 800 rs. ca-
da um.
dem em frasco de vidro de diversos tama- Marmelada imperial de todos os conservemos
nhos a l,5eo e 2,5oo rs. de Lisboa a 600 e 7oo rs. a libra.
dem em latas de U 2 e 3 libras a l,3oo e Massa de tomate muilo nova a 64o rs. a li-
2,3oo rs. cada urna, e a 800 rs. a libra. | bra.
Figos de comadre em caixinhas de 4, 8 e 16 Marrasquino de Zara a 640 rs. o frasco,
librrs a l,3oo, 2,5oo e 5,ooo rs. cada
urna caixa.
dem em caixinhas de folha a 32o rs
dem em caixas grandes a 2oo rs. a libra,
dem em latas ermetimente lacradas de 1,600
a 3.000 rs.
dem em frascos grandes a 800 rs.
Coniinhos muito novos a 5oo rs. a libra.
Erva-doce a 24o rs. a libra.
P menta a 36o rs. a libra.
C-avo da India a 64o rs. a libra.
Cannella a l.loors. a libra.
Arroz da India e MaranhSo a 80, 100 e 12o Afazema a 2oo rs. a libra.
rs. a libra, e 2,5oo e 2,800 rs. a arroba.! Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs. o
Amendoas de casca mole muifo novas a 4oo' fraco.
rs. a libra. Copos finos para agoa a 5,ooo rs. a duzia.
Ceblas novas a l.ooo rs. os molhos gran- Cliouricas novas a 72o rs. a libra.
des e a 7oors. o cento. MDStarda franceza preparada e muito nova
Alpista a 14o rs. a libra e 4,6oo rs: a arroba. a 32o rs. cada um frasco.
Macarro, talharim e aletria muito nova a Gonservas francezas de superior qualidade a
4oo e 48o rs. a libra. 640 rs, o frasco e 7,ooo rs. a duzia.
Biscoitos e bolachinhas inglesas as ultimas Azeite doce a (4o rs. a garrafa.
chegadas ao nosso mercado a 1,2oo e Sevadinha de Franca muito nova a 2oo rs. a
l,4oo rs. cada lata. I libra.
ATIENDO.
Neste grande armazem de molhados vende-se em granees porces e a retalho,
fazendose differensa consideravel a quera comprar de 100 para cima.
AAGIU BRANCA
recebeu:
Sapalinbos desetim branco bordados paia bap-
tisado<.
Meias de seda branca para o mesmo fim.
Mu bonitas e delicada* tooquinhas enfeitadas
para dito.
Pulseiras e >oltas do contas brancas para senho-
ras e meninas.
Fila branca e preta de borracha, com diversas
larguras.
Transelms de borracha sonidos em cores.
Trancinha preta de laa, e outras trancinhas de
lia degosto novo e rnui bonitas paraenfeites.
Enfeites conservadores para senhoras.
PAI'fcl INGLEZ
al naco e de peso.
Alem do grande sortimento de papel greve e ou-
tras muitas qualidades, uue constantemente se
a:ham na loja d'agoia branca, faz-se notavel pela
superioridade de qualidade o papel inglez almasso
e de peso, que acaba de ebegar para a dita loja ;
uai e ouiro sao mui encorpados e de um assetuia-
dn lustroso e macio, que na verdade a: odos agra-
d; m. As resmas daquelle tem 480 folhas, e as
dt sle 500, e cusa cada urna 85- Tambem veio da
nvisma qualidade e de tamaito pequeo, em cai-
xi ibas de 100 foi has, tanto liso como beira doura-
da custando este 25, e aquello 5200 a caixinha.
J vem pois os apreciadores do bom papel que
dirigindo-se munidos dedinheiro serao bem servi-
dos : na ra do (lueimado, loja d'aguia branca
numero 8.
IYOVOS PEMTEN
de concha.
C tgaram novos e bonitos pentes d; concha,
seni o de tartaruga, -nassae dourados ; a^ora, pois,
diiigirem-secom Jinheiro ra do Queimado,
loja J'agnia branca n. 8, antes que se acabem.
Five las co m pedra no-
vo sortiment
A agnia branca recebeu por esse ultiin vapor
um nevo e bello sortimento das procuradas Bvetts
con pedras, podendo asshn satisfacer a todos que
dellas precisaren, urna vez que appareea dinhei-
ro : na ra do Queimadj, loja d'aguia branca n-
moro 8.
COPOS COM BA-
NHA.
A aguia branca acaba de receber os bem conhe-
cidos e apreciados copos com banha, os quaes es-
tn sendo distribuidos rom aquelles pretendentes
3ue contribuirem com 25o00 vista : isso na ra
o Queimado, loja d'aguia branca n. 8.
MUITO ROAS KEIAS
para senhoras e meninas.
A aguia branca recebeu mui boas meias france-
za:, de uno tecido e fio redoudo, o que as tornam
de immensa duracao, porque muito convm, ainda
mismo custando 7 e 85, como se eslao vendendo a
dinheiro vista, na loja d'aguia branca, ra do
Queimado n. 8.
GAZ GAZ GAZ
por preco rediizido.
Vende-se gaz da melhor qualidade pelo
pre.o de 10$ por lata de 5 gales : no ar-
mizem.doCaes do Ramos n. 18 e ra do
Trapicho Novo n. 8.
Bolachinha de sodo, especial encommenda, a
2,2oo rs, a lata.
Biscoito inglez Craknel em latas de 5, 7 e 15
libras a 5,ooo e 6,000 rs, e de l,2oo a
800 rs, a libra.
Queijos do reino pelo baratissimo preco de
l,6oo, l,8oee 3,000 rs os do ultimo
vapor,
dem prato muito fresco a 64o rs, a libra,
dem londrino muito fresco a 800 rs, a libra.
Vinhos em pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
48o, 56o, e 64o rs, a garrafa, e de 3,ooo a
4,5oo rs, a caada.
Marmelada imperial dos melhores'conservei-
ros de Lisboa em latas de 1 e mais libras
a 7oo rs, a libra.
Peras secaas em caixinhas de 4,ooo a 2,ooo
rs. cada urna.
Figos em caixinhas de 1 V* arroba e de 8 li-
bras a 8,000,4,ooo, e 2,000 rs, e a 3oo rs.
a libra, taambem ha serinhas para men
nos a (O rs. cada urna.
Amendoas de casca mole a 3Go rs, a libra, e
em arroba ter abatimento.
Sardinhas de Nantes a 32o rs, a latinha.
Toucinho de Lisboa muito novo a 3oo rs, a
libra e em arroba a 9,ooo rs.
Massa de tomates a 64o rs, a libra.
Pimenta do reino a 34o rs. a libra,
Farinha do Maranho a 14o rs, a libra.
Ceblas a 800 rs. o molho, 64o rs. o cento
e 6,5oo a caixa.
Tijollo para Impar facas a ICo rs,
Cerveja das mais acreditadas marcas de 5,ooo
a 7,5oo a duzia, e de 5oo a 6eo rs, a gar-
rafa,
Prezunto para fiambre muito fresco e novo
a 800 rs. a libra,
Genebra de laranja a l.ooo rs, o frasco,
Chourifas as mais frescas do mercado a 800
rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa,
e lo,5oo rs. a caixa com urna duzia.
Licores francezes e portuguezes de todas as
marcas de lo,000 a 15,ooors. a duzia.
Passas muito novas a 5oo rs. a libra e a 8,5oo
rs. a caixa. Ha caixas, meias c quartos.
Batatas a i,000 rs. o gigo com 38 libras e
2,oeo a caixa com dnns arrobas cadauma.
Bocetas com doces seceos de 3,ooo a 3,5oo
rs. cada urna.
Bolachinha ingleza a 32o- rs. a libra,
Azeite francez e portuguez refinado a 800 rs.
a garrafa, e 9,ooo rs. a caixa com urna du-
zia.
Conservas inglezas das seguintes marcas:
Mixed. Pickes, e ceblas simples a 800
rs. o frasco.
Mostarda ingleza preparada era potes a 4oo
rs. o pote.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra e 4,800
rs. a arroba,
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de manteiga, doce,
e outro qualquer liquido, de 1,00o a 3,ooo
rs, cada um.
o garrafao,
Sabo massa de superior qualidade a 18o,
2oo, e 22o rs. a libra do m -Ihor que ha
Graixa em latas muita nova a lo rs. a lati-
nha, e l,3oo rs. a duzia.
Peixe em latas muito novo: savel, pescada,
curvin, salmao e outras muilas qualidades
preparados de escabexe, segundo a arte de
oozinha, de l,2oo a 2,ooe rs. a lata.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado e escolhido pessoalmmte por um
dos socios que se acha em Portugal, das
seguintes marcas : Duque, Genuino, Ve-
Iho secco especial, Lagrimas Doces de
1819, Tnho especial D. Pedro V, vinho
velho. Nctar superior de 1833, Duque do
Porto de 1834, vinho do Porto velho su-
perior, Madeira Secca de superior quali-
dade, vinho do Porto superior D. Luiz I
de 1847, Lagrimas do Douro, especial vi-
nho do Porto, de l,ooo a 1.2do rs. a gar-
rafa e de lo.ooo a 12,ooo rs. a caixa com
urna duzia.
Vassouras americanas a 800 rs. cada urna.
Velas de spermacete as melhores que ha no
mercado a 56o e 64o rs. e masso, e em
caixa se far um grande abatimento,
dem de carnauba e composicao, de 4oo a
32o rs. a libra, e de lo,ooo rs, a H,5oo
rs. a arroba,
Caf de 1 e 2a sorte de 8.3oo a 8,600 rs. a
arroba, e de 28o a 32o rs. a libra do me-
lhor,
Arroz da India, Maranho e Carolina a 3,ooo,
2,8oo e 2,4oo rs. a arroba e a loo rs. a
libra.
Frasgueira de genebra a 5,8oo rs. e a 5oo
rs. o frasco.
Azeite doce em barril muito firo. a 64o rs.
a garrafa, e em canada ter abatimento.
Papel greve pautado e liso a i ,5o rs. a
resma.
Genebra de Hollanda em botija de conta a
44o rs. a botija.
Passas corinteas a 5oo rs. a libra e 12,8oo
rs. a arroba,
Ervilhas franceza e portugueza a 640 rs. a
lata de urna libra.
Chocolate francez, hespanhol, suisso e por-
tuguez a l.ooo rs. a libra, e ;. 28o rs. ca-
da pao de urna l\.
Amexas francezas em caixinl as elegante-
mente enfeitadas, com divenas estampas
no exterior da caixa de 1,500 a 3,ooo rs.
cada urna; tambem ha frascos e latas de
dilferenles tamanhos que se vendem por
mdico preco.
Massas para sopa: macarro, ta harim e ale-
tria a 48o rs. a hbra, e em caixa se far
abatimento.
Garrafes com 14 garrafas de genebra de
HoManda a 5,5oo cada um.
Charutos de todas as marcas e dos melho-
res fabricantes da Bahia de 3,000 a 4,000
rs. a caixa.
Vendem-se superiores caigas de casimira preta a '5o<10, 65000, 75000 c 85000 rs., palitots ;o-
brecasacos de panno preto a 125000 rs., ditos sarcos a 75000 rs., coletos de casimira pala a
IpW e 55OUO rs.; na ra da Imperatriz n. 00, de (ama & Silva.
Agodaozinho enfestado.
Vendem-se agodaozinho americano com 8 palmos de largura para lcnces, toalhas, ele. etc. etc.
a 15000 rs. a vara, ditos estreitos a 55000, 65000, 75000 e 85000 rs. a pega, sendo muilo boa Ta-
ita, pefas de mandapolo, por prego muito razoavel, na loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva.
Vestidos pretos do Pavao.
Vendem-se ricos cortes de grosdenaples preto com ricos enfeites de veludo, pelo barato preco
o> 4O5O00" rs. cada um, na loja do l'avo ; ra da Imperatriz n. 60.
Llaziiilia Victoria.
Xa loja Vendem-se as mais modernas laazinhas Victoria tendo4 palmos de largura com lindas [almas de
seda pelo barato preco de 800 rs. o covado, na loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 80. de (Jama
ti Silva.
Os sautanbarques do Pavlo.
A O0OOO rs.
Vendem-se nrns sautanbarques pretos ricamente entenados a 205000 cada um, ricos manteletas
K!tos, grandes a imitacao de capas pelo baratissimo prego de 205000 rs. cada um, na Iota do
vao,jrua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
O chales do Pavao.
Vendem-se chales de merino eslampados a 35000 rs., ditos muito finos de crepom a C-^OOO,
750OO e 85000 rs., ditos lisos a 45500 rs., muito finos a 55000 rs., s na loja do Pavao. rita da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
O brim do Pavao.
Vendem-se brim de linho puro com quadrinhos proprios para caiga o palitots, pelo prego de 00
e 600 rs. cada covado, sendo fazenda que sempre se vendeu por mais dinheiro; ra da Imperatriz
n. 60, loja do Pavao de Gama i Silva.
Laazinha a 320 rs.
M o Pavao.
Vendem-se laazinha matizada proprias para vestido sendo padrScs miudinhos e grandes, sendo
fazenda muito encorpada e que se pode lavar perfeitamente, cjiiio se lava achila e nao desbola, salan-
do esta fazenda mais barata em proporgao do prego porque se vende a chin; isto na loja da ra da
mperatriz u. 60, de Gama & Silva.
ATTEtf^AO
Todos os senhores que comprarem para negocio ou casa particular JOd para
; :ima terao mais 5 a 10 por /o de abatimento; o proprietario scientifica im.s que todos
! os seus gneros sao recebidos de sua propria encdmmenda, razo esta para poder ven-
cer por muito menos do que em outro qualquer estabelecimento.
DE
DE
J. VIGNES.
IV. 5&. RA DO IMPERADOR X. 55.
Os pianos desta antiga fabrica sao hoje assaz conhecidos para que seja necessario Esistir sobre a
sua superioridade, vantagens e garantas que ffererem aos compradores, qualidades esUs incontesta-
veis qu c .elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesu praca ; pos-
guindo ora teclado e machinismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
nunca 'alhar, por sercm fabricados de proposito, c terse feito ltimamente melltoramentos importan-
tissimos para o clima deste paiz ; quanto s vozes sao melodiosas e flautadas, e por isto imito agrada-
veis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, -, Paris, socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposi-;oes.
No mesmo estabelecimento se acha sempre um explendido e variado sortimento de. msicas dos
melhores compositores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido
por pregos muito razoaveis.
FAZE-mVS
FRASCOS
com gomma arbica dissolvida : vendim-se na
ra 1I0 Queimado, loja d'aguia branca n. 8.
baratas para acabar.
Sedas de quadros e de listras a 320 rs. o cova-
do, lindas lias de quadrinhos a 360 o covado, su-
periores cassas de cores a OO rs. o covado, ditas
mi ito finas a 240 o covade : na loja das colnmnas,
na ra do Crespn. 13, de Antonio Correia de Vas-
cos colloi & C
ATMEJ) FEUAO E MINIO
*^ Em saccas. or nreco milito enmn odo !
Vende-se a propriedade denominada Maltez, fita
na freguezia de Tracunhaem da comarca de Naza-
relh, com urna legoa de frente e meia de fundo, e
proporgSes para nella se levantar um bom enge-
nho de fazer assucar, sendo que actualmente ren-
de ella mais de 1:0005 que pagam os moradores
que tem : quem a pretender entenda-se nerta pra-
acom o Sr. Antonio Jos Leal Res, na ra da
deia do Recite n. 47.
Cal de Lisboa
chegada ltimamente ; na ra do Vigaric n. 19,
primeiro andar.
Em saccas, por prego muilo comn odo : no tra-
piche do Sr. Cunha, ra da Mocda, no Recife, se
achara com quem tratar.
Itranco em maga,
Vende-se em latas de 28 libras o mulhor que po-
de haver a 20Q rs. a libra, a dinhei o : na roa
larga do Rosario n. 34.
Vndese urna mulata de20ancos com todas
as habilidades : na ra do Hortas n. 24, primeiro
andar.
HOTO ItIVAli
Loja de miudrzas
16Ra do Queimado16
Oitavas de retroz preto a 140 rs.
Massinhos com superiores grampos a 30 rs.
Entiadores oara espartilhos a 80 rs.
Bonitos botoes para punhos a 160 rs.
Lindas aboluaduras para colletes a 320 rs.
Passadores pretos e de cores para paletot a 160 rs.
Duzias de lapis de pao a 60 rs.
Pentes de chifre para atar cabello a 60 e 200 rs."
Ditas de massa em caixinha a 480 e 720.
Ditos virados imitando tartaruga 15200 e 15500.
Dito$ pequeos de concha 15200 e 15500.
Ditos de tartaruga a 45 e 55.
Ditos pretos de marrafa a 35.
Pares de marrafas de massa lino a 800 rs.
Pares de dito de tartaruga lina a 25500.
Pares de ditas dourados a 15.
Pentes de borracha para regago a 800 e 15-
Pentes dourados lisos para regago a 15280.
Pentes dourados com pedrinhas para regago a 25.
Pentes para tirar piollto a 320, 400, 500 e 600 rs.
Pentes da desembaragar a 160, 240, 320, 400,
00, 600, 800 c 15-
Pentes que fecham para suissa a 15-
Escovas para dentes a 160, 320 c 480 rs.
Escovas para cabello a 600, 15 o 15500.
Voltinhas de aljfar com bonitas cruzes a 15-
Vollas prelas com cruzes a 15 e 15'00.
Voltas muilo grandes a Maria Pia a 25-
Voltas de coral de raiz a 500 e 25.
Massinhos de coral roligo e de raiz a 500 rs.
Pulsciras de missanga muito bonilas a 15280.
ollinhas de missanga muilo bonilas a 15280.
Gollinhas de Escoasu com conlinbas brancas a 800
Pares de bonilas rselas com pedras finas a 15280.
Pares de bonitos brincos dourados a balo a 1-3.
Pares de brincos pretos a balao a 360 r.
Pares de brincos de cores a balo a 500 rt.
Pares de brincos preto de arante a 240 rs.
Pares de rosetas pretas a 210 e 320 rs.
Bonitos conservadores de trancinhas pretas e de
cores com coniinlias pretas e brancas a 15-
Luvas pretas e brancas de Jouvin a 15.
Bufiadores pretos para borzeguins a 120 rs.
Pecinhas de tranga de laa lisa e de caracol preta e
de cores a 10o rs.
Pecinhas de trama de linho t caracol branca e
mesclada a tlXl rs.
Pegas com 13 varas de fita de velludo lavrado a
15300 rs.
Pegas com 14 varas de fita de sarja amarella a
280 rs.
Pecas com 10 varas de fila de sarja encarnada a
Varas de bonitas fitas para cintos a 600 e 800 rs.
Varas de bicos pretos de linho a 160 e 240 rs.
Varas de bicos pretos com um palmo de largo a
500 rs.
Varas de bice de seda preto e branco a 240 rs.
Varas debicode linho a 20 rs.
Varas de luces e rendas franrezas a 100 e 160 rs.
Varas de franja prelado seilaaoOOrs.
Varas de franja preta com vi.lrillto a 800 rs.
Varas de galao branco lavrado a 100 rs.
Bonitas escrivaninhas com tinteiro e arieiro a
15600 rs.
Caixinhas de lacre lino a 200 e 400 rs.
Pacotes de papel pequeo de cores a 600 rs.
Pacotes de papel amisade a 700 rs,
Caixinhas de dito a 800 e 15.
Caixinhas de dito de phanUsia a 15-
Pacoles com lOOanvelopts a 800 e 15-
Caixinhas de pennas de langa a 800 rs.
Cintos para meninos e meninas a 640 e 15-
Bonitas gravatinhas de passador a 800 e 1-5.
Ditas ditas de lago prelos e de cores a 15.
Bonitos chicotes ara montara a 800 rs.
Pega-, de franja para cortinados a 35-
Meias prelas para senhora a 320 e 400 rs.
Meias de cores para meninos a 240 rs.
Luvas de seda para senhora a 15280.
Luvas de montara a 500 rs.
Oeulos de armacao prateada a 500 e 15.
Ditos de armacao de ago e baleia a 800 e 15.
Tesouras finas para costura a 600 e 800 rs.
Tesouras ordinarias a 80 rs.
Duzias de colheres para cha a 25-
Duzias de garfos e facas cabo preto a 35200.
Duzias de caixas de phosphoros a 160 rs.
Duzias de pomada do Porto a 240 rs.
Massos de palitos finos para denles a 240 rs.
Sapatinhos de laa para crianga a 500 rs.
Caixinhas com 100 agulhas francezas a 240 rs.
Caixinhas com 100agulhas de Victoria a 320 rs.
Carteiras cora sortimento completo de agulhas a
640 rs.
Frasquinhos com extractos finos a 320, 500 o 15-
Frasqulnhos com banha franceza a 320, 600, 800
e 15000.
Frasquinhos com agua de colonia a 400, 800,15 e
15500.
Frascos com oleo de Babosa a 500 e 600 rs.
Frascos com oleo phi locme a 800 e 15-
Frascos c garrafas de agua de Lavande a 800 e
15280.
Frascos com banha e extracto a 15280.
Frascos de banha fina transparente a 800 rs.
Na roa da Concordia n. 2, vende-se um pia-
no proprio para aprender, por barato prego.
GRAGEAS
de&ELISe CONT
Ao lactate de forro
Approvadts da academia imperial de medicina
de Paris.
Segur do o relatorio felo na academia em
4 de fevereiro de 1840 pelos Sis. profei-
sores Bouillaud, Fouquier e Bally, este fer-
ruginoso reconhecido superior a lodos os
outros para curar : a chlorosis (pales cou-
leurs), e leucorrha (pertes hinches), a
anemia (flaqueza de temperamento nosdous
sexos), dilTiciiidade de menstruaeo sobre
tudo as mocas, incontinencia de uri-
nas, etc.
E' o mais agradavel de tomar por sua
forma de pillas assocaradas, e essencial-
menle mais efficaz do qne as outras prepa-
rarles ex., por ser muito soluvel no sueco
gstrico, como consta do relatorio I ido rc-
centemente na academia de medicina de
Paris pelo Sr. Flix Boudet, em nome de
urna commisso composla dosSrs. Wlpeait,
Depeau. Bouchardat, Trousseau, ele, to-
cando as experiencias feilas sbreos princi-
paes seres ferruginosos com um sueco gas-
trico fresco no laboratorio do Sr. Botidaut,
pelos Sis. Drs. Corvizart e iaireswil, que
o lclalo de ferro o mais soluvel e por
consequencia o mais efficaz.
Deposito geral: em Paris, ra Bourbon-
Villeneuve, 19.
Em Pernambuco, na casa de Caors d- Bar-
bsoa, ra da Croa n. 11.
na da Senzalla Aova o. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a 110 rs., idem dcLo\
Moor libra a 120 rs.
ESC RAYOS FGIDOS.
Xo d a 13 do fevereiro fugio a escrava Thc-
reza, cabra, com os signaos seguintes: altura re-
gular, cabellos caxiados, nariz grosso, rosto des-
carnado com algumas manchas de panno preto,
tem falta de denles na frente, em cima de um pl-
to tem unta queimadura a imitacao de urna chapa
de ferro de engommar, tem as litaos pequeas o
os dedos (Miupridos, anda alguma cousa apalbetl-
tla,(em carocas as pernas, foi vestida de roupio
de chita lina', assenlo pardo e flores azues j des-
botada eum panno drosla novo com listras yel-
de, encantado e azul : roga-se aos Srs. cnpi.us
decampo, s autoridadespohciaes a apprebeosao
della trazendo na ra da Gloria n. 40, que ser
generosamente gralificado.
No dia 13 do corrente ausentar:un-se da casa
de seu senhor, no sitio do Monteirn n. 13. dnas
escravas relimas, de nomes Eugenia e Nicacia,
com os seguintes signaes : a priineira com 30 an-
uos de idade, pouro mais ou menos, alguma barba
no queixo, e um lobinho em um dos ps, levou
comsigo um filho pardo de nome Manocl, de 3 no-
nos de idade ; a segunda de 23 anuos de idade,
pouco mais ou menos, levou comsigo i ma lilha
cabrinha de 4 annos, e leva rain dous embrulhos
de roupa ; naturalmente seguiram jimias, igno-
rando-so qual adireccao: portanto. rogase s au-
toridades poticiaes a sua captura, ou quem dellas
noticias tivr, leva-las a seu senhor Joao Manocl
da Veiga e Seixas, no sen sitio do Monteiro n. 13,
ou na irav. ssa da Madre de Dos ns. 4 o 6.
No satinado ausentu-se de casa do seu se-
nhor o pre.o Adao ; e por isso pede-se s autori-
dades plic iaes e capites de campo a sna appre-
hensao, e lvalo ao caes de Apollo n. 55. Este
preto escravo do Sr. Domingos Pires Ferreira,
muite conhecido por trabalhar em armazem de fa-
zendas.
No dia 18 de Janeiro passado fugio o escravd
Miguel, crioulo, de idade de 45 50 annos, ja lem
cabellos blancos e usa de meias suissas, tem ura
principio de gomma no peito de. um dos ps, usa
de alpergalas, muito regrlsta e iniiiula-se forra.-
Este preto natural do Ico, d'onde veio para aqu
ser vendido, e por algum lempo perlenceu ao Sr.
Jos Guilherme Guimaraes; consta que levara em
sua companhia sua amazia, de nnme Maria, parda
acaboclada. alia, c com falta de dentes na bulle ;
esta parda costuma embriagarse. Poucos dias
depois da f jga foram encontrados perto do enge-
nho Camaragibe; pede-se, portanto, s autoridades
competentes ou a quem delle tiver noticia, de ap-
prehende-lo e leva-lo casa de seu senhor Miguel
Pereira Le; I, na ra da Cadela do Recite n. 19,
qne serao bem recompensados.

- 1
*


8
Difiri de Pernambaco ttanhado 30 de Feverelro de l SS4.
LITTERATRA.
.
Mauricio de Trcu'
TKllCKlllA PAKTE
(Condwo.i
Pogcu na mo de Laura e atlrahiu-a un pouco
a m, dzendo- lie :
Leml r.i-ia do da en que llio metli no ded(
nm innel que fra de minlia mar f l)eu-o sem <
que iraaonka pean digna do pos- lnac3o nex. de 18:48837, poucomenos do que
suir. na o apuntado naqaeile relalorio.
Ah I respondeu Laura -devia cu eonscr As operables deste estabeleeimento sao propria-
va-i f nMBla Ai banco, pnis lem elle em letras descon-
-Nao quero despedif-W sem lhe dexar una t.^as o .-aldo do 683:536*687, em letras canelo-
1 .. ,,. nr.,, MdM o (le 87:7131721, e em livpoltiecas o de
lembranja que lhe record este da. Porque nao 8 K6i5:p>o.
taneia teste titulo elevado a 92:2335678, e a da-
qnelle redolida a 237383190.
O funjo ile reserva era de 15:li>589.
O dv.dendo do 16-semestre, (oi de 30:898*090
un de 3,5>30 por aceito, na razo de 7.06 por cento
ao anno
Caira de economa, na Baha. A directora
deste aMabelecintenlo nao remctieu durante o
anuo plisado relalorio.
Esta filia j se fez notar no relatorip apresen-
tallo a sembla geral em maio de 1863.
Pelo batanele do mez de outubro Ando se ro-
nbece que o capital coatma a derresccr, achan-
o-serednzi lo a 832:107*000.
O fundo de reserva o. segundo o bal anecie do
O que acabo de expor desenvolve-se do modo se-
grate :
prestei en ouvidos linguagem que nessa oeca-
rae falln '. Parece-m* sentir ainda os seu.
dedos prcnd'rme ao peito a fita encarnada con.
q-J) acabaran de me condecorar. Est ali naquel
l.i gaveta a cru* que mu foi enviaja. Tire-a u
guarde-a cono lembranca minha... Nao possuo
mais d) que i;-so I
Laura abriu a gaveta o tirou a cruz de honra,
lem preferir palavra Mauricio lanoou-lhe os olhos
e coulinuou :
Agora, que estou prximo do meu fim, pos
so conlcssar llie que essa cruz me fes bem feliz
ajiesar da minba conscicncia me dizer que eu nac
a mereca. El a veiu a tor summo valor, pela ale
griaque fez Iransparccer nos seus ollios... Ani-
mado pelas siuis palavras, Laura, prometli tornar
me digno de : merecer. Mas, ah sabe muito
bem como eu cumpr a minba promessa !...
Pousou a fronte as mios de Laura o conser-
.ou-se callado.
O vento, acornando as altores, quebrava de vez
cm quando o silencio.
Laura e Felippe, como eorajao dilacerado, nao
osaran pronunciar palavra.
Quando o sol to todo a desapparecer, pediu
Jlvjiicio o retrato de Sophia e observou-o atiento
e vagaroso. Ocpois echou-o n'uma folbade pa-
pel, lacrou-o. e escreveu : Mauricio, t senhora di
Trtuit. Feito isto, pediu a Laura e a Felippe que
se aproxmasscni delle, e, lanjando-llies osbrajo:
coi volta dos pescocos, disse-lhes:
Abracem-me : amanha lalvez i eu nao te-
nba forjas de os apertar junio do meu coracao !
Laura, suffocada em solucos, derramava abuu
dantissimas lagrimas.
Nao chore ;continuou elle hoje o dia
mais feliz que ha seis mezes tenho tido I
E, inclinando-sc um pouco para o lado della,
accrescentou :
Nao lhe peco que se lembre alguma ver de
mim... S nesta hora solemne, em que vejo en-
tre-abertas as portas da eternidade, que sei dai
devido valor sua bondade e s suas virtudes I
Felippe voltou-se para a floresta. Corriam-lhc
em fio pelas faces as lagrimas, que nao pudor:
rcter.
Era moco, tinha bom coracao, e ei-lo preste;
a morrer I murmurou elle.
Ao cerrar da noule, pediu Mauricio oulra vez c
retrato de Sophia, desprondeu a fila de vellud(
prelo que trazia no braco, pregou-a ao papel con
um alnete, pegou na penna e com miio excessiva
mente trmula esrreveu ao lado do seu nome cstr
nuica palavra Adeus I E cntregou ludo a Felip-
pe, arrancando do peito profundo suspiro. J na
da tinta que o prendesse a este mundo.
Laura quiz accender luz elle porm, pediu-
Ihe que nao a accendesse. 01 bou pela janella
viam-s-i castellos de sombras nuvens voar pelo
espaco. Reinava silencio profundo, quebrado ape
as pelo respirar oppresso do doenle.
Que escuridao 1exclamou elle.
Callon-se c cahiu n'uma especie de somnolencia
Frlippe e Laura tonservararu-se sentados junto
delle.
Prximo meia noute, agtou Mauricio os bra-
cos, levantou nm pouco a cabeca e deixou-a reca
ir no travesseiro. Laura pegou-lhc apressurada n;
mo, estava gelada ; Mauricio ja nao existia.
Passados dous dias, abra Agatha Sorber urna
tarta tarjada, de preto, dirigida a ella, ao maride
e Alba. Diziam assim :
t Felippe Duverney tem o desgoslo de Ihes par-
ticipar que o Sr. Mauricio de Treuil falleceu em
Picrrefonds, porto de Compiegne, aos trinla e tres
annos de edade.
Existente em 31 do dc-
zemhro...........
Decebidas do 2 de Janei-
ro 30 de novembro
de 1863...........
Tomadas nesta periodo
O n a ti S 1
i n e c4 U o a fi 3 k
J 3 te 5) efl SP
o o n a a 3 i 9
o o o O O .2
~ u. C t- L-
a. OJ Crf C o -

/ V/ 11

c C a c a a
33 9 *+ s 9 S
23 23 un m nz 61
5 11 160 54 n\ 14
__ _ ---- , .i _ MOT
30 li 351 58S 847 75
2 9 232 15 162 9
28 27 120 368 685 66
A falla de pagamento de alguns destes ttulos
monta r 84:458*198, o procede-so liquidaco Por tomar em 30de no-
conveninlo, para evitar que a peda seja cons- vembro........... 28
A caixa mostrava nm saldo de 2:513*743 na As conlas,quesoffreramexamedoihesouro,foram
poca referida.
Cauta cominercial, as
holceimento,
era de 233:80050(10.
i n ...! liquidadas as horas e fra das horasdoexpediente .
AlagSat. O capital _____ ...... __,_ "" na
Os quadros, que at agora tem sido publicados,
pouea luz podem ministrar sobre as quesloes que
se ventilain no juizo dos feitos. Espero i]ue breve-
mente se achara a directora geni habilitada com
os esclarecimentos precisos p.ra substituir por
quadros mais completos os quo H agora tem sido
apresentados ao corpo logislativt.
O numero dos teslamentos abi rtos no respectivo
juizo nesta corte foi no Io semestre do anno pasca-
do de 124, aerreseendo depos dossa data mais 107,
prefazeedo assim o tolal de 231.
As relaoes forneedas pelas r;partieoes fiscaes
dos testamentos inscriptos, aflm de ser promovida
lelo procurador da fazenda na curte a cobranoa
desas Impostes em divida, lem itdo regalarmente
remedidas ao mesmo procurador.
Tlirsourarias.
Depos do meu rotatorio nad;. occorreu nestas
repartices, que soja digno de mencao especial.
Alfandeas e mesas de rendas.
Tratando de repartices tilo importantes, devo
dcixar consignado que foi um jrande beneficio,
, -;s;mdn8s d,.,,^ .pm. ^^liaKSTpayjusss
commcrcio; constituir ahi grandes depsitos, onde
as mercaduras importadas permaue;am durante
um prazo razoavel dispusijo do negociante; fa-
cultar-lho o consumo interno das mercaderas me-
diante o pagamento dos direitos, ou a reexportacao
por mar ou em transito, segundo snas previsBei
exclusivamente, e hvre de qoaesquer obstculos
fiscaes; ora urna providencia necessaria, sobretu-
do para o nosso conimercio de transito pelos rios
e aguas interiores do imperio.
economa de nossas disposiroes fiscaes soja modifi-
cada 'em prjimo para o rommercio, e com vanta-
gem do expediente das repartieres.
Otados os onlreiwsiog, como o foram pelo rega-
lamenio, e para reasacao completa de urna medi-
da to proveitosa aos inturesses do coinmercio em
geral, e especialmente rio de reexportacao por mar
ou em transito, ser mister, se elle tomar Incre-
mento, mudillrar o syslema dos despachos de con-
sumo.
fimvm, cm materia de alfandegas, fixar posit-
i vameato o destino da merendona, logo depois da
Urna extensao das disposiroes regulamentares ] ebegada da embarcacio.
Importadas do estrangeiro, devem ser as merca-
eio i.razo breve ou despachadas para con-
sumo, i^ elfeciiv.-iiiH'ute retiradas dos armazens da
apesar da crse eoinnior-
cial que ah se deu, foi elevado a 240:100*000
As operacocs desta companhia anonyma limi-
tam-se a de'scontos do letras, cojo saldo em 30 de
junho ultimo era de 254:957*859.
O dividendo do semestre lindo no mez de ju-
nho cima indicado foi de 14:815*381 ou de 6,1
por cent).
Foram transferidas 90 aeeoes na importancia
de 9:000*000, nao se pndenrio determinar o pre<;o,
que deu lugar s transaeooes por falta de cota-
oes; consta, porm, directora que o descont
ira mdico, sahendo-se tambera que 12 acedes,
no valor de 1:200*000, se negociaram ao par.
Pelo lialaneb semestral se v que a importancia
das letras ajuizadas de 10:214*400, mas a di-
rectora espera arreoadar 9:200*000, valor de
tres letras que julga bem garantidas.
Caixa econmica em Minas Gcvaes. Este es-
tahelecmento tem enviado ao thesouro no prazo
determinado os balancetes mensacs.
Do de outubro ultimo consta estar depositado
no banco Man a importancia de 162:800, exislin-
do cm seus cofres a de 649*680.
_ CAIXA BCONOMICA K MONTE DE S0T.C0BR0.
Nao tendo presentes oulros documentos deste
otabelo -imenio seno es bataneles mensaes, li-
mitar-me-hei a expor o que consta de outubro do
anno prximo lindo.
gundas a 220.
Estas cuntas perteneci aos seguintcs ministe-
nos: d S 3
o j=
. a C "3 s
rt o>
d 3 3 rt :i.
.s ~ oo * rt
o o rt 4 rt "O rt rt a -a
o o o O o o
t* - tm w !^
o i o. - 3 S
r. Vi i/ vi

a a o a & S
3 7. S S P5
Tomamadas fura do the-
0 2 0 216 9 16 0 15 3 1
Idem dentro do mesmo 159 8
X 9 232 15 162 9
_
19 de setembro de 1860, porque ictualmonte se re-
gem essas repartices.
l'ma consolidacao do tantas liis, regulamentos
instrueges e ordens expedidas im dfferentes |-o-
cas, desde 1836, at aquella dat i, reduzida a um
systema, e methodicamente coordenada, nao |>odia
dexar de produzir cffeitos salulires, j quanto
boa ordeui e regularidade do se vico ja qaaato a
cobranza dos impostos, e s relacoes entre os coi-
tribuiutes c a admimstraco.
Assim que, com a adopcao do egulamento, fica-
mos possuindo una legislaeo de alfandegas, regu-
lar, e accessivcl ao couhecimento dus empregados
e das partes, o que nem sempre aconteca no rgi-
men anterior.
Essc regulamento, todava convnha ser alterado
em alguns [ionios, vista das duvidas qne se ti-
nham suscitado, e dos inconvenientes praticos que
Os alcances encontrados as contas tomadas e
revistas montam a 114:899*409. Desta quantia
pertence as contas tomadas as horas de expedien- reiu|Uvam de a|gumas e suas ,|spos'icoes.
te do thesouro a importancia de l6:534*XXi,e as Qs re|alorios precedentes da -epartico a meu
tomadas fra daquellas horas a de 99:365*185. cargo ja havam apernado essa ecessidade, indi-
Por conta destes alcances foi recolliida aos cofres cando ^ mesmQ a. di i(;-tS careciam
E".r,e.o faz conhecer que a importan- *-* f* **. ,. de modificacao.
ca empregada em penhores eleva-s a...... O estipendio pago aos empregados, que liquida-: Allen(lendo> p0S; a gemante neressidade, o
."l.^lf0, e qUA ^0 em ,s?us..0235TOe ram conUs cin suas casas' COn' fo' P""""1'110 p,," goveruo acaba de expedir decreto declarando e al-
1:61.)*020, e nes do banco rural de H:t>l2*7o4. d d 29 ue janeir0 dc ,859, e nstruccoes u d fc
Foi approvada em 19 dc agosto ultimo a deh- TTvV ',. ,- Cp,o( terando alguns arngos do citado eguiamenio.
beracao tomada pelor.onselho inspector Oral de 31 do jane.ro de 1860, importa en. 17.667*312.
nomear-se um enipregado para coadjuvar os tra- Sessenta c nove qu.taces foram naasadas aos
balhos da escriplurafo, visto que o expediente dfferentes thesoureiros, pagadores, almoxarifos, ]
tem augmentado. | coHectores, etc., cujas contas nao tinham duvidas.
O estabelecimento da caixa econmica vae pro- ou que tendo-as, foram solvidas estas sem prejuizo
metiendo os wnlajosos resoltados, que delle deve da fazenda nacional.
O valor das contas tomadas, c revistas montou a
59,027:495*779, sendo 43,134:640*900 perlencen-
les s liquidadas no thesouro, e 1~>,892:848*873
tomadas fra delle.
As classes de responsaveis, a que pcrlencem as
contas liquidadas sao as seguintcs :
Directores de estabelecimonlos pblicos, inspec-
Secretmia da fazenda Esta reparticocontina tores, almoxarifes, thesoureiros, collectores, encar-
a marchar regularmente : o seu expediente feilo | regados de boticas, dito de legaooes, ditos de pa-
cora a precisa pontualidade, sem embargo de seu trimomo dos menores, ditos dc commiss&es, machi-
diminuto pessoal. Sendo os vencimentos dos res- nisUs, encarregados de escravos da naci, almo-
pectivos empregados inferiores aos das mais se- xarfe e pagador, administradores, pagadores, re-
cretara; de estado reformadas em 1859, parece de cebedores desello, vendedores de papel sellado, e
tirar a |iopulaco, quando se radicar o principio
de que preciso depositar as economas fe tas
diariamente para servrem de recurso as cir-
cunstancias criticas da vida.
Thesouro nacional e thesoura-
rlas de fazenda.
TIlKSOinO.
ma versara sobre
1.' O rgimen dos entrepostos.
3.a As declaraces das merradorias alfandega.
3." O expediente relativo s m tas para o despa-
cho e conferencias das mercador as.
4.a A franqua dasembarcacois.
5.a O despacho da bagagem do> passageiros.
6.a O contencioso das alfandegis.
7.a As attybuicoes e servico d is empregados.
8.a Areviso dos despachos c 1 escripturacao do
livro mestfe.
1.a-Creando os entrepostos, bvc o regulamento
em vista regular o nosso comir.ercio de transito,
sobretodo em presenca dos tratados celebrados
com as naques ribeirinbas para ;. navgacao do A-
mazonas.
A legislaeo anterior ja continlia disposices fa.
justiCa .|ue sejam egualados; do que resulur ape-1 de sellos do correio, agentes, guardas do l.'ttoral, I "f s> a, Ctrtl> f>n,- *" dsposicoes,
as um pequeo augmento de despeza, attento' comrassarios, mestres, dispenseiros, e raestre.es- l
o numero resumido dos mesmos empregados. pingardeiro.
Directora geral da contabilidade.Funceiona re- A mais antiga das contas tomadas pertence aos
considerar depsitos defacto, cnibora limitados:
abi se demoravam as raercaduhis importadas, du-
rante longos prazosj ahi se ell:ctuavam, apenas
gularraente esta repartido, cujo expediente ex-1 anno. ^e .83^ ^^ Jg ^^ com a.gumas restnccOes. as reexportaccs
cessivo, o que d lugar a que alguns de seus tra-
balhos nao possamser feitos em dia.
A tlusouraria geral e as duas pagaduras, que
lhe sao subordinadas, tambem desempenharam sa-
tisfactoriamente as suas incumbencias, harendo eu
te; mas as que mais abundaram pertenciam ao-
exercicios de 18 iP at 1862.
deayoes para portos eslrangeiros a naciunaes, cou-
i summando-se em todos elles ope -i{es de commer-
! ci martimo, a cujo respeilo al ;umas legisla^oes
Alera do trabalho da tomada e revsao de contas sao |ujl0 severas, penuittindo-ai sement em cer-
flzeram asdua; contadorias desta directora geral o ,os e determinado portos ou uo: eutrepostos.
por aviso de 26 do mez prximo passad*. determi-1 expediente necessario para andamento dos negocios As neceSSidades actuaos exigiam entretanto mais
nado que a segunda paiaassa a fazer o pagamento que por ellas correm e satisfacao de exigencias de favores a0 coraraercio de transl): d ahi as dispo-
das desperas do ministerio dajusticj..que se acha- ^.e,., c pr0cedendo assim, passaram 135 certi- si,es do regulamento, que lhe sao concernentes,
" *l3?d*lTT,"'*'n, I!rl.U d d,S^,0.n.! d6es. e registrara 69 quitacoes, 266 offl- e modllcaram de um modo 5ensVeI este ramo
1 relalorio e 4 editaes.
Orempor elle li
Amkhkk Ai hah.
(Commercio do Porto.)
0 QUE VAE PELO MUNDO.
Damos em seguida a continuarlo do relalorio
apreseiitado ao parlamento brasileiro pelo minstr >
da fazenda :
Do dito relalorio consta que a marcha deste ef-
tahelerimento satisfactoria, e que suas transar-
o6es s;io foi las com a de vida seguranca, conform?
determina os estatutos.
O sen capital, que de 12,000 acoes d?
400*000, aioda nao attingiu o limite marcado,
faltando para completado a emisso de 3,247 ai -
eo's.
Ih> talanco do outubro Gndo consta que o sa -
do om letras descontadas era nessa oceasiaodj
824:902*101.
Teodo sido transportado do semestre ultimo
para esto-ij|7*'i o valor de 59.463*190 em letras
ajuizadas, 92:031*071 sb o titulo Firmas fa'
tiiai, v-se do referido balanco aehar-se a impoi-
FOLHETIM.
O PADRE DANIEL.
ESTIDOS DA VIDA DO CAMPO.
POR
ANDRE THEURIET.
Vil
(CONCLUSXO.J
Daniel entrn, um tanto paludo, mas calmo e
resoluto. Beauvaisdeu algunas voltas peloquarte,
o lapei parando em frente do mojo :
Quera, disse elle, ter vosso parecer acere
de nm ohjeclo sobre que nos entrotnhamos hi
pouco. Escutae. Tenho um prente que tem fami
de ser muilo rico, e que tem urna lilha om edad'
de casarse. Est moca, amada o querida por un
nioco muito pobre...
Daniel o fez parar nesse ponto.
Vejo, dsse elle, que sabis tudo, Sr. Sim,
amo vossa fliha, e como disseste, son muo pr-
bi'u 1 Comprohendo-vos. Poupae-me a vergonha de
urnaeiplicaco que advinho I
Ida comprehond -ses, nem adevinhasivs;
interrumpen Keauvais; deixae-me acabar. Mei
prente, como vus dizia, lem fama de rico ; mas
nem ludo que brilha 011ro ; tem muitos bens
luz do sol, mas est sohrecarregado de dividas e
todos os seus bens hypothecados. Em um ou dous
annos, tnma-los-hao, vcnile-los-liao, e meu parentj
acliar-se-ha sem recurso, c sua filha sem dote. Qu3
julgaes que deva fazer o ino(;o pobre ?
va
regulamento de 27 de abril de 1859, visto ter a ex-
periencia demonstrado que esta ultima estava mui-
to sobrecarregada de servico.
O cartorio continuou a fazer com regularidade
a' classificaeao dos livros c papis nelle archiva-
dos.
Directora geral das rcn./as.-Esla reparticio di como ^^ de revindicacao, inlemnisacao e ou-
aos variados, e importantes objectos a seu cargo, | ^ de ,jbe||o> qil correm ^Ui jQl0S dos W|0B>
um andamento regular e prompto expediente. Nao ^ organizados vista dos quadros parciaes re-
te sido ainda posivel conseguir que os raappas mctlid()S pe|os procuradores fiscaos das thesoura-
esutislicos da nossa importacao e exiiortaco acora- nag das provincas em cada semestre.
panhem, como seria para dezejar, o balanco an-
nual do thesouro. A dependencia, em que a direc-
torio se acha das differentes thesourarias de fazen-
da das provincias para a ponlual eonfeceo dos re-
cios e poruas, 1 luiwni e e....acs. de commercio
Directora geral do contencioso.Este repartico Os entrepostos creados pelo regulamento, vista
das disposiroes dos arts. 214. 215, 216, 229 e 320,
continua a uinccionar regularmente. .- 1 ____.. ^m ,
n 6 ...... e oulros, entendiam exclusivam mte com os gene-
Os quadros relativos ao estado e andamento dos ros de im u 5o deslDados a |)or,0 estrangeiro ;
processos cxocmvos, e dos de natureza ^ JJ ^.^ ^.^ a jwber ttmm m
gneros como taes declarados 1 os manifestos das
embarca;des eslrangeras.
O entreposto, assim restricto e limitado, quasi
que nao leve exeruco entre n6.
O entreposto, propramente dito, isto aquelle
que de pleno direito fica aberlo; os gneros e mer-
caduras eslrangeras importada; livremenle, sem
serem destinadas para consumo inmediato, e salva
a faculdado de reexportacao por mar ou em tran-
As seocoes do contencioso as provincias nao
sao dotadas do pessoal sufflcente para a boa orga-
nisacao de taes quadros; assim que, e sobretudo
as provincias, onde o expediente do juizo avul-
ferdos mapps, um obstculo poderoso para con-
secuir As medidas a Jse'respeiTo tomadas por alguns e lacuna5' sen,, wrIan, ""-""'Pletos os esclare- paiz> C0IM0 alias tanto importa vi ao commercio, e
eimentos a respeilo de cada um dos processos ras-: sobretudo ao de reexportacao e iransito.
taurados no juizo dos feitos. As prneipaes nacoes maritim is e rommercacs
Accresce a sto que diminuto o numero dos 0 jecm adoptado, c com grandes vantagens.
quadros parciaes at agora remettidos directora
da ns dignos antecessores nao tem mostrado na
pratica a efDcacia necessaria : trato por isso de es-
tudar esse objecto e deliberar sobre elle convenien-
temente.
n._ .... ___. *. Jgera do contencioso, nao se (endo dado alias fados
Directora geral da tomada de contas.Tuina ? ..
...... ,- importantes no mesmo juizo, de que se deva tazer
esta directora em 31 de dozembro de 1862, contas, '
para tomar, e rever em numero de 1,565. A en- \ ,tn^'1
irada de novas contas do dia 2 de Janeiro at 10 de! ^m re8i!itr0 dos feitos mais importantes de qual-
novembro de 1863 foi de 358. Sommados estes qucr natureza, nao s da corte como das provin-
dous nmeros, sua importancia de 1,923 contas. cias. m 1ue ^ va aneando o andamento e os dif-
E cuino, durante este ultimo periodo, foram toma-; ferentes termos do processocm todas as instancias,
das e revistas 429, segue-se que anda na referida de grande vantagem, e j se acha creado na di-
directora existem por liquidar 1,494 contas. rectora.
ductora, bem provida de ferramentas c plantada. I Mas Daniel nao inleramento pobre, disse
Dae-me vossa lllha, e ambos trabajaremos para o primo, que alinal comprehendera e se lnha rea-
readquirir urna parle de vossa perdida fortuna. nimado; Hruasst res nao deixa de ser alguma cou-
Escutando Daniel, Beauvas corava, seus labios sa, e vale bem vinle e cinco mil fancos...
tremiam, as veias da fronte s'entumesciam, e mos- \ Quera trata de vos-as ruasseries ? inter-
trava-se asss rornmovido. Tornou a por-se a pas- rompou vivamente lleauvais \ poderia ser um bel-
seiar pelo quartu, e chogando porto da janella, lan- lo lento do ronsolo se estivesse arruinado I Mas
con os olhos na dircrcao do vergel. felizmente nao esloo, por corlo nao estou.. Vanos
Dionisia I gritn com mais alta voz. Hi, disse para ionisia, vamos, ma cabera, abraca
Dionisia, passados alguns minutos, entreu toda teu namorado I Se tua mae fosse viva e estivesse
commovda ; viu com susto as physononiias solem- acpii, chorara de alegra... masen estou choran-
M de Beauvas e do primo, e o rosto animado de do I...
Daniel, quiz fallar, o sentiu morrer-lhc a palavra |
nos labios.
Os esforcos actualmente tendem em toda a parle
a unformisar os differentes systemas de alfande-
gas, em favor do commercio internacin d, alten-
dendo-se rasoavelmente s cund ;oes e aos nteres-
ses de rada paiz. .
Nossa legislaeo deve acomp inhar, qitxjto fr
possivel este movimento.
Con verter em entrepostos nossos grandes |iortos
e prneipaes pracaa, em favor do commercio inter-
nacional, e conseguintemente do nosso proprio
nesle sentido nao pode soffrar objeceoes fundadas-
D'abi a necessidade de alterar algumas disposl-
toes do regulamento na parte em qoe ooneediam
o entreposto somonte as inercadorias assim desig-
nadas no manifest : esse destino deva liear ao
arbitrio do dono ou consignatario das morcadorias
importadas, segundo as necessidades do consumo
local, o reclamo dos mercados intemacionaea.
Modificado assim o rgimen dos entrepostos,
cumpria reformar oulras disposiroes do regula-
monto que lhe eram relativas taes como a do art.
235 que s permittia o deposito nos entrepostos,
e coiisogtiinlemente nos trapiche! alfandegados,
aos assignantes, com poucas excepeftes; a do
ari. 277, que declara va Ilimitado o" lempo do
depesilo, quando alias quasi todas as naees o
limitara, o outras que dizem respeilo ao mesmo
assnmpto.
0 principio adraitlido pelo roguhniento das
alfandegas em materia de responsabldade do es-
tado por dainos, ou extravos e subrogarlo de
morcadonas de|>ositadas nos enlrepo-los particu-
lares, assim como nos trapiches e armazens de.de-
po-ito alfandegados, podia tornarse oneroso fa-
zenda publica.
recnlaroento, creando os entrepostos particu-
lares, declarou que ficavam sob a iauudtaa. di-
receo e /scalsacfio das alfandegas (art. 217 | 2"):
conseguintemente tomou sob sua responsabldade
os dainos, e descamnelos praticados nos referidos
entrepostos, c nos trapiches e armazens de depo-
sito almadegadoB (arts. 249, 273, 274 e 28.1), cons-
tiloindo-M assim a fazenda publica directa c in-
mediatamente responsavel pelas inercadorias de-
positadas, salvo a accao regressiva contra o cau-
sador dodamno e extravio (arls. 290 e seguintcs),
visto reputar os donos e administradores dos en-
trepostos particular'S, trapiches e armazens alfan-
degados, empregados fiscaes, responsaveis por va-
lores de particulares sob a guarda do estado (art.
274).
Este systema seria, talvcz, justilicavel. se o de-
posito dos genero? de entrepostos particulares, tra-
piches c armazens de deposito alf.mdegades fosse
obligatorio: anda assim os interesses da fazenda
reclamariam, nina vez consumidos, os depsitos
particulares como se adiara, que a responsabldade
da fazenda publica soffresse urna limitaeSo rasoa-
vel, nao sendo os donos c administradores de
taes annazens seus prepostos, e sim [.repostos dos
particulares, aliancados, verdade, mas por causa
das ohrigacxjcs que contrahem para com a mesraa
fazenda na sua quahdade de depositarios de gene-
ros sujeilos a direitos de consumo e de expor-
lacio.
A legislaeo, at ento em vigor, nao deixava de
ser providente e rigorosa; convinlia manl-la
quinto a re-ponsabildade para rom os particula-
res, donos ou consignatarios das inercadorias,
cojos interesses se achavam ao abrigo de qual-
quor prejuizo por negligencia ou culpa dos depo-
sitarios (enligo do commercio, arts. 87 e seguin-
tes, e regulamento respectivo, arts. 280 e se-
guimos).
Demais, segundo a economa das disposigoes
do regulamento das alfandegas, na parte relativa
aos ntrenoslos, as inercadorias depositadas nao
e-tao sob a guarda e vigilancia exclusiva da ad
miniatraeio. Urna das chaves do ntrenoslo, ou
do armazem de deposito alfandegado, fica era po-
der do possuidor do armazem ou seu prepos-
to, e a outra em poder do preposio da adininis-
tracao fiscal; as morcadorias acham-se ao mesmo
tempo sob a guarda e vigilancia da administrar
e dos prophos negociantes, representados pelo
possuidor Jo armazem.
Fallece, pois, em taes circumslancias lima pre-
sumpeau legal, que torne a admnistracao respon-
savel 'pleno jure pelos dainos e extravos das mer-
caduras us entrepostos particulares e armazens
alfandegados.
Por oulro lado, lancar a responsabldade de
taes factos sobre o negociante, que ahi deposita
seus gneros, impondo-lhe as penas da impor
taoo clandestina, fra summamenle injusto.
Atientas as disimsicoes riladas, acham-se igual-
mente as mercaduras sob a vigilancia da alfau-
depa.
Fallece tambem urna base para a presumneo le-
gal do fraude em retacan ao negociante, segundo
os principios de justica.
Em presenca desla difflculdade estabelecem
algumas legislacoes (e o mesmo se achata ad-
millda entre nos) a responsabldade do de|w-
sitario, sob cuja guanta inmediata se cotiser-
vam as morcadorias: d'ahi a presumpcao legal de
negligencia ou fraude no caso de dainno ou extra-
vio, presumpfo que deriva lgicamente da natu-
reza do deposito, e sua consequente responsabl-
dade por direilo commum.
Taes os motivos que exigiam a alleraco dos
arts. 249, 273, 274 e 290 do regulamento das
alfandegas, a qual alias foi acoinpanhada de medi-
das que aliaucaui, |>or incos indirectos, a guarda
e a fiel entrega aos negociantes dos objectos depo-
sitados, ou do seu valor.
2.a O fim das declarai;5es exigidas pelo captulo
3a do titulo 3o do regulamento, mantido o systema
do despacho das mercaduras, de ha muito estae-
li-rido entre nos, outro nao era so nao dar desde
logo conheeimento alfandega da quantidade e
qualidade das morcadorias, que o dono 011 consig-
natario tinba de receber ou recolher aos armazens
para despacho ulterior.
E>te lui era al corlo ponto preenebdo pelo ma-
nifest, c depos. na occasio do despacho, pelas
notas respectivas, que alias o regulamento nao ds-
pensava.
Se. entre nos estivesse admittido o rnesmo syste-
ma fi-eal das alfandegas da Europa, em geral, on-
de, feita a declaracao do carrogainento pola entre-
ga do manifest. era prazo brevissrao, depois da
entrega do navio, a declaracin minuciosa eonstitue
a nota para o despacho das mercaduras seria esta
nesse caso IntpOWtvel, como o sao em nossas alfan-
degas as nicas para o despacho.
O syslema, porm. entre nos ora diverso, e as
declaaeoes dentro de 12 dias nio dispensavam a
exhibicio das notas.
E" provavel que, com o decorrer do tempo, a
alfandega, resii ingiudo-se os prazos longos, que
concede o regulamento para esse deposito menos
regular em taes armazens, ou depositadas nos en-
treposlos para lerem ulterior deslino definitivo,
conforme as previsoes individuaos do commercio.
Dabi a necessidade de prescrever-se a doclara-
cao dentro de brevissrao prazo, a qual designar
o destino inmediato da mcrcadoria, ou para entre-
postos, ou para consumo ; sob esse rgimen, na
ausencia de urna declaracao da parte, as mercado-
ras devero ser recolhidas deposito especial, nao
durante os prazos concedidos pelo regulamento,
mas p.r prazo limladissimo, lindo o qual sero
vendidas em leilao para consumo.
Des.'arte, sem vexamo do commercio, quo en-
corara nos enirepostos pblicos ou particulares o
beneficio do deposito provisorio, se poder definir
a situ.cao das inercadorias importadas, e regular a
accao fiscal de um modo conveniente.
A supprcsso da estada hvre, e a elevacao dS
armazenagem para as morcadorias quo, nSo tendo
sido declralas, forerarecolhidas armazem espe-
cial, serio eondicoes essenciaos da efficacia de se-
mclliautos disposico.'s.
Ileconheco que estas providencias enconlram at
certo ponto hbitos do nosso commercio conlrahi-
dos so) o rgimen dos regulamentos anleriores, e
as conjlicdes de localidade e oulras de nossas re-
partieres -, por isso nao julgo conveniente alterar-
se o rtgulamento nesta parte, bastando por ora pe-
quea < modifioaces.
Gomo, porm, as doclaragoes se prendero um
systere a diverso dos nossos regulamentos, convm,
emquanto nao se adopta outro systema, suspender
se a execocao do captulo 3, sobre as disposices
que lhe sao concernentes.
3.a O expediente relativo s notas para o despa-
cho e s conferencias de inercadorias precisava de
algumas modificaces quanto penalidade e ex-
luliicaodas notas em triplicado.
A suppresso da terceira va das notas para o
despacho nao offerece inconveniente, ames vanta-
gem pira o expediente e para as partes.
Como se v do artigo 593 do regulamento, urna
das notas era entregue parte, a outra iseccao do
revisan e ostatistica, e a lerQera ao thesoureiro pa-
ra aconpanhar o balanco ; proseguindo, porm, o
despacho, a ola entregue aparte tinha de ser, se-
gundo dispoe o artigo 594, afinal remetlida, na for-
ma do artigo 596, ao chefe da mosma secijo de re-
vsao e eslalislica, coniendo talvez as differenoas
previstas nos artigo 597 e 599, dfferencas de <|ue
nem urna idea pode dar a nota primeiramente en-
camintiada a referida secgao ; fica va assim esta
com duas notas, talvez differentes na qualidade ou
na qualidade das mercaduras, ou na laxa e impor-
tancia dos direitos calculados. Escusada e intitil
era a que primeiramente se entregava sobredita
seceo, por ter de ser s vezes menos completa e
exacla.
4.* Quanto franqua das embarcaces, pode-se
conceder aos inspectores das alfandegas sem in-
conveniente attrihuiees mais ampias do que as
concedidas polos arls. 340 e sepililes do regula-
mento : a demora das embatcacoes, em taes cir-
cumslancias, em nossos portos deve (car ao pru-
dente arbitrio dos mesmos inspectores, nao sendo
possivel regular de ant mo os prazos necessarios
para is differentes embarcaces admittidas em
franqua.
5.a A penalidade imposta aos passageiros pelos
arts. 465 1.a e 466 era excessiva, attendendo-se i
natureza especial do facto.
N'csla materia os regulamentos devera conciliar
a fiso-.ilisacao com o maor favor possivel aos pas-
sageiros. Exigir, |hiis. de um passageiro que de-
clare ao commandanle da embarcacao, sob urna
saneco penal moderada, os volumes de sua baga-
gem, jue contera objectos sujeilos a direitos, e ad-
milli-lo a fazer doclaracoes, al mesmo verbaes,
o mus que se pode exigir por um lado e conce-
der per ouiro em taes circumslancias.
6.a A respeilo das multas e apprehcnsdes, con-
vnha dar mais extensao s aitriboices dos ins-
pectores nesta materia, e alera disso remover du-
vidas que appareeerain sobre o direilo dos empre-
gados distrbuicao de cenas multas, especial-
mente das annexai s apprehenses e das do
arl. 426 do regulamento. Por esla occasio cum-
pria tambera reduzr as penas que eslo sujeitos
os cornmandaiites das embarcaces nacionaes, por
nfraccao do manifest, e regular de um modo be-
n.Tico a prisao substitutiva da mulla nos casos de
apprehensao e outras infracVs dos regulamentos
fiscaes.
7.a Quanto s attribuicdes e servidos dos empre-
gados, ora mister definir o carador especial da
deleg; cao das attrihuiees do inspector, noe casos
Qin qu, podendo ler lugar, fr confiada a qual-
quer empregado que nao seja o ajudante do ins-
pector.
Por ouiro lado, para prevenir irregularidades e
lixar s responsabldade de actos importantes, que
deve recalnr exclusivamente sobre o chele de urna,
repartico, foi necessario declarar positivamente
quaes as funeces quo, por sua natureza, nao de-
vora ser delegadas, nem mesmo no ajudante do
inspector.
Deste modo a accao do chefe superior se poder
exercor efflcazmente, delegando, quando o bern do
servico publico o exigir, algumas de suas altribui-
eoos para o lira especial em qualquer empregado,
e applicando, aoxiliado pelo ajudante, luda a sua
attencao aos negocios de inaior |*ndorafo.
Al 11 disto o governo enlendeu conveniente dar
mais arbitrio aos inspectores na desiguaco c dis-
tribuirlo do servico de alguns empre^idos.
Umr, das providencias, porm, que mais neces-
saria me parece, rovogarse o art. 31 do regula-
mento, cr.ando-se mais um lugar de chefe de sec-
eo na alfan lega da corte, e tambera as alfande-
gas do segunda ordem.
t>
(Continuar-se-ha.)
Dionisia, disse Beauvas mostrando Daniel,
os aqu um doudo que quer casar-se com tigosem
dote, cnsenlos nisso ?
A moca olhou para seu pae com um ar radiante,
e lancou-lhe os bracos ao pescoco.
Deixa-me I replicn elle com urna voz suf-
focada : assim lainboin queros ? ent<) a pobreta
nao vos mate medo ? Vede bem que fallei serio,
nao se trata de urna invenciio, como se v as co-
medias.
E lambem seriamente que o tomo, di niel, amo Dionisia ha um mez, mas o recelo de
Com offoito, a emoco havia feto explosao, e o
rude Beauvas chorava lagrimas grossas. Daniel
dopoz seu priuieiro beijo na fronte de Dionisia e
depois abrncou o primo e a Benuvas.
Quando todos licaram calmos e que cada qual
lirapoii seus olbos|avermelliados, descerara juntos
ao jardim. A Bruore estendia roopa. Dionisia pe-
gou na mo do Daniel, puebouo para junio da ve-
Iha criada e disso alegremente :
Uniere, eis aqu meii noivo I
A Bruore junlou as inos.
Ah I chara menina oh boas gentes I lanto
melhor I Tambem j estava dizendo comgo : Que
parecer s amar sua riqueza me fez calar. Teneio- paterno fazendo ellos todos ali em cima t Mal ca
nava partir sera dcixar pereeber cousa alguma de bom quairo no qaarto do Sr. cura... .rt
mens sentimonto<, e te-lo-hia frito, se nao fosse o Mas n, amantos nM nham tempo para escuta-
successo do hontcm, e vossa confissao hoje. ,a ft ri, |,,iram a| parados, voaram junios a
Assim, disse Beauvas com um ar offendido, travs do vergel.
Dionisia ainda fosse rica, reflcclirieis antes dc
se
ma pedr? Terias modo de esposa-la ?
Cortamente, senhor I
Ah I ests ahi a dizer bellas colisas excla-
mou Beauvas, cuja fibra rustica comecava a irn-
lar-se, e que domis nao poda representar por
muito tempo um papel que o humilbava ; estaos
VIII
Primo, exclamou Daniel" com voz stridento,' dizer ah bellas colisas Cora a fortuna I Porwn-
querois arrendarme Bruasserios ? tina fazemus o bem em torno de nos quando nao
Bem sabes que te pertence, dsse o primo, que tomos dnheiro? O dinheiro sempre o dnhero, o.
arregalava os olhos e nada percebia do que se pa >- a pobreza nada pode fazer.
aava. razes me quebrara bracos
Dara'el entao drgia-e Beauvas, e com um recusara Dionisia, se j nao vos tivesse dado mi
toni do voz ao mesmo lempo firme e doce, disso nba palavra. Eh I credos, iiieuorgulho s, que vo-
Senhor, se fosse o mancebo de quem fallaos, la darla, se estivesse lao arruinado como vos pn-
irgir-me-liia ao pae da aio^a, como vos fallo ag- tei 7 Nao, nao, por corlo; nada e nada, nao pode
ra, e lhe liria : Son mojo, forte, e acoslumaoo sustentar casa, e quando nao ha feno na mangedo-
a vida dos campos ; tenho um amigo que quer ra, os burros brign... Dionisia tem fortuna para
confiar de mim urna herdadeem cultivo e mu pie- dous, gracas Deus !
Tinha chogado a noute do casamento de Dioni-
sia. .. A sanfona e a gaita soavam no jardim, sb
as janellas do salo siissurrante e chelo do gente.
Beauvas nao podia nosso dia pastar una hora
sem ouvir locar a msica, quera que o ar c mu-
ros de Templiors estivessem como elle alegres.
Porto de cen pessoas baviaiu achado lugar as
duas grandes, mesas vivamente esclarecidas por
Por minha f, vossas nina dupla liteira de volas. Beauvas eslava sen-
e Dornas, e agora vos lado em tima dellas, leudo em Ionio de si os ve-
Ibos; prenles aflautados, n-nderos e rend.-iras
das herdades visinhas; na nutra eslavara seniados
os noivos o o primo, engrinaldados por urna llo-
res ente mocidade. Se tinha ido buscar em l'res-
signy o as granjas visinhas Iodos quanto conta-
vain mais dequinze anuos e menos de vinte cin-
co de edade. No fundo da sala estava uma ter-
ceira mesa e amis harulhenta a das rreancas rheias dellas
esse iHpiono mundo. Mal se ouvia a sanfona o
a gaita no nieo dos gritos, risadas, e tinir de co-
pos ; entretanto a harmona di asea instrumentos
tormavam como um fundo vibrante alegria tu-
multuosa do feslim. Templiers exhalava um gra-
to perfume de hospitalizle e ; biindancia. lina
dezena de criados andavaui sem i es.-ar de mu para
outro lado, sem cessar com os bracos estendidos,
traziain novos pralos e mistaravifll sua alegria a
alegra dos convivas. O vinho corra a jorros.
Havam conversaces de duas 01 Iros |>ossoas, de
um grupo, de. toda uma mesa e de uma para ou-
lra mesa. Os velhos raciocinara 11, dispulavaui, e
de preferencia tocavaui os CpOS, era ipianlo que
os mojos riam, conversavam alet remonte, o falla
vara sobre o amor. Algumas vezes uma palavra
ou phrase so destarara disimctai lente da vozeria ;
oulras vezes uma das mesas era agitada por urna
geral risada.
No roete deaaa ruido, havia c uno um oasis de
silencio no lugar em queestavam os noivos e o pri-
mo. Ahi ludo era doro e Velado. .Murmura ara
baixo : a DionisiaDaniel primo. A mais das
vezes um sorriso ou longo olh ir iraduza ahi (1
pensamento. Vestida de lito brinco, irazendo era
seus e.astauhos caliellos flores de laranja naturaos
cora o rosto pallido e puro, as vistas ao inosuio
tempo hrilhantes e pensativas, Dionisia ron-
eeutrava-H om sua pliridade. Daniel estava
vestido de preto, tinha despido o uniforme para
nunca mais vesti-lo. Seu rost Irigueiro, franco,
enrgico contrastara com sua 11 gra roupa. Quasi
roiisianteraeiilo estava a cunli mplar Dionisia, e
e.la deliciosamente commovda, derxava |>r vezes
errar seus olhos sobro a mulUdfa dos convidados.
O padre nao va a niulido, slinha ollio- para os
imvos. Sua admirajao era muda. A si mesmo
indagara st nao eslava sonliar Sua alegria era
inefavel e cointudo cora ella se meselava nao sei
que melancola lima me nunca se mo-tra ale-
gro no da em que se casa seu limo.
A sanfonia e a gaita loca rain .una como msica
o as destribuia a seu hel-prazer.
Tambera elle tinha de casar-se em qunze dias o
mais lardar; andava altivamente, c mais que nunca
abra os olhos. A Bruere lnha reservado para si o
direito da servir seus jovens amos co suas
reina* maosearogadas e trmulas punha ante ellos
os mais helios fructos do vergel uvas transparen-
tes, macas carraezins, peras ureas, aiiiendoas
com sua' casca verde, nozes com as cascas quebra-
das. Tudo isto para Dionisia e o primo, que em
nada tocavain, orara oulros tantos fantsticos em-
blemas de felcilayo.
Com a sobremesa, anda mais anmalo e ruidoso
se tornou o aaiao. Beberam iaadde dos noivos.
Dos noivos o do primo I exclamou Beauvas
rom voz de Slentor, e os cera convidados so levan-
taran), se aproximaram do novo par e honre por
cima da cabeca do pruno urna como gyrandola de
copos de mil facetase mil sonscryslalinos.
O pobre manota viuso bem embarajado. Res-
tabelecido o silencio as^az difilcilnienlo, iros mojas,
trazando ramalhetos, vieram colloi-ar-se ante Dio-
nisia, e ahi, om p com os olhos baixos, rantaram
a aftuinte copla com uma msica lenta :
l'm ramalhete senhora,
Que vos veubo 11ra olTertar,
Ao menos uma Hornilla
Vos deveis delle tirar.
Em sua muda linguagem
Vos dizque bomas mendaces
Passara prestes, como as flores,
Embota lindas, fugaces.
E' a cancao dos casa.los, o adeus das mojas a
narra ; cancao nheia de graveslicoVft, nota triste e
to iiello! A alegra, mudando de centro, pare-
ca nova e serena.
U primo passeiou muilo lempo em torno dos que
dansavam, appareceu algumas vezes na sala onde
os velhos havam litado cora Beauvas, oVpnii m 1-
teu-se sozinho pelas sombras alamedas do jardim.
Por tola a parle levara oonisigo uma grave alegria.
Foi abrajar Daniel e Dionisia e subiu para a torri-
nha. Ctiegado seu qnarto, abriu a janella e nella
sepoz. Em lorno delle estendia-se o campo som-
bro, e sobre sua cabeca o cu estrellado. A seus
ps, 110 meto de um crculo d'arvores, apilara-se o
baile, e en va va as izas dos ventos sons da msi-
ca e do prazer. Ficou ali esquecido a contemplar
os dansadores que juntavatn-.se, aporlavam-se, mis-
tiiravatii-se e se apartavam depois. Segua todos
os movimentos de Dionisia e Daniel. Por volta de
meia noute, uma forma branca e una forma negra
dcixamn juntos a dansa e desapparoceram. Pouco
a ponen a msica foi ommudecendo, e os dansado-
res pai tirara por sua vez.
As l.izes se apagaran), o jardim tornou-se ohsru-
ro e silencioso ; mas do lado de Pressigny se p->dia
ouvir os sons do oboe arompanhadu pelas raoecas,
em quanto a sanfona e a gaita soavam do lado de
Etahleiux. Depois se percebia os cantos e alegres
appellos cada vez mais distantes : aqu o ali no
valle lirilhavain uma ou outra li'.mha : eram as
janellas esclarecidas das berdadezinhas onde aca-
baran! de entrar os convidado-.
O primosentiii-se como epvoltn no silencio. Ni
fachada de Templiers s nina janella aiu la eslava
aceesa : era a da cmara nupcial. I) primo olhou
este branco rlarao do lampada, depois elevando os
olhos ao cu, onde as estrellas scintillantes pare-
can! palpitar de alegra, pen-ou na Dionisia de
onlr'ora, ni bem amada Dionisia, quo estava no
seria 110 nieio da alegra trasbordante do primoiro cei| .seu peito eslava efaeio de alegria, ternura e
dia... Dionisia a osemava sorrindo, cnoarava Da- soiujos. Kilo murmurou a mei voz este Iraguien-
passa como
niel, e duda comsigoque o amor nao
as llores.
Foram todos para o bailo. Duas rabooas e um
oboe havam substituido aos tocadores de sanfona e
de despedida o partida seu onvMo enternecido, gaita a causados. Toda a nvoidado seguu os no
como um cunto que se ouve ao longo. Eslava fe- vos inuic. ao j.irdim, onde se havam pollocadO
liz e nielaiieolic. vdms de cor que osclareciam um terrajo abando-
Para o ll.n do jantar, os pesados pralos de vea- nado aos que dansavam.
jao, de que a mesa eslava i-heiu, desapparecerara t'a noivos tor un rodeados e o baile enmejon.
ii'iiiii volver de olhos, e foram logo substituidos Bem que se estivesse em outubro, a noute era te-
por massas e fruclas. Pelit-Pu.son irazia cosas pida, como sao tantas na Tourame, onde y outomno
to do cntico de Simeo :
c Agora, senhor, deixae que vosso servo parla o
descanse em pai!
E abundantes e doces lagrimas rularan) a fio por
suas cavadas faces I
FIM.
Philt.V.AMUl/r.O,- m\ VK M. F. F. & FILMO.
. i


'

^^"


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E7TETFX52_0Q830X INGEST_TIME 2013-08-27T23:55:07Z PACKAGE AA00011611_10297
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES