Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10291


This item is only available as the following downloads:


Full Text
V
*
1
I
i
!
J
I
4
r
ABHO XL. HUMERO 35.
Por tres niezes adiantados SOOO
Por Ires mezes vencidos 6JO0U
Porte ao corrcio por tres mezes. 750
DIARIO
SABBADO 13 DE FEVERE1R0 DE 1864.
Por anno adlaobdo.....195600
Porte ao corrcio por um anno 33000
ENCARREGAD05 DA Sl'BSCRIPCO NO NOKTE
Parahyba, o Sr. Antonio Aloiandrino de Lima;
Natal, o Sr Antonio Marques da Silva; Araraty, O
Sr. A. de Lomos Braga; Cear.i, o Sr. J. Jos d^
Oiiveira; MaranLao, o Sr. Joaqum Marques Ro-
drigues; Para, es Srs. Manonl Pinheiro & C; A-
muonas, o Sr. Je.ronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL
Alagas, o Sr. Claudino Faico Dias; Baha, o
Sr. Jos Marlius Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins A Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
C linda, Cabo e Escada todos os dias.
IgUarassu', Goyanna e Parahyba as segundas el
sextas-feiras.
EPHEMERIES
DE FEVEREIHO
PASTE QFFICIAL.
G0VERM 1)4 PROYUCtt.
Materno Linez.Espere t|ue haja rredito.
ltozendo Alves da Silva.- O su|i|ilicante apre-
I seutu o sf u lilho ao Sr. Dr. chefe de po iriI I
<|ti mu se expede ordein no seutido em (jue re-
q er.
7 La nova as 3 h., 49 m. e 56 s. da t.
Simo Arto Gravat, Becerros, Bonito, Cmara', H Quarto cresc. as II h., 5 m. e 26 .. da m
Altinno e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Allio, Nazareth. Lirnoeiro, Brejo, P( squeira,
Ingazo ira, Flores, Villa Bella,Tacaratu', Cabrob,
Boa Vista, Ourirury e Exu' as quartas iras.
Sennhaeiii, Bio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Aj.ua Preta e PimeTiteiras as quinta* feiras.
Ufa de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao '/j da.
22 La cheia as 2 h., 41 m. e 8 s. da t.
PREAMAR DE HOJK.
Primeira as 8 horas e 30 minutos da manhaa.
Segunda as 8 horas e 54 minutos da Urde.
PARTIR DOS VAPORES CC
Para o sul at Alagas a 5 e 25;
a Granja 7 e 22 de cada mez; par
dias. 14 doa mezes dejan, marc, ni.u
PARTIDA DOS MNiB
Para o Rerife : do Apipoeos s 8
8 >/z da m.; Je Olinda s 8 da ni. e
Jaboatao s 6 A da m.; do Caxang
da m.; de Henifica s 8 da m.
Do Rerife : para otApipoeofl s S ',
8, 5 '/i. -8 '/ e 6 da tarde para
manhaa e 4 '/2 da tarde; para Jaboat
de j para Cacliang e Varzea s 4'/,
Bemflea s 4 da tarde.
STE1ROS.
tara o norte at
i Fernando nos
>,jul, set. enov.
US.
6 da tarde ; de
i e Varzea s 7
4,4V4. Vi.
Olinda s 7 da
O s 4 da tal-
la tarde; para
AUDIENCIA DOS TRIBl'.NAES DA CAPITAL.
Tribunal docommercio: segundas e quintas.
Relago: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas:
Juizt do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos : terca e sextas s 10 horas.
Primeira- vara do civel : tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DAS DA SEMANA.
8. Segunda. S. Joao da Malta; S. Juvencio b.
9. Terca. S. Apolonia r. m.; S. Ansberto.
10. Quarla de tirata. S. Silvano b.
11. Quinta. S. Paulo I eremita ; S. Lzaro b.
12. Sext.-i. S. MarceHo p. m.; S\ Eulalia v. m.
13. Sahhido. S. Gregorio p.: S Benigno b.
14. Domingo. Ss. Auxenrio, e Bphebo mu.
ASS1GNA-SE
no Rerife, em a livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietanos Manoel Figueiroa d
Faria & Fimo.
i
Expediente de dia 10 de evereiro de 186 L
OtTlcio ao brigadotro commandanta dis arma>.
Queira V. Etc. mandar por em liberdade os recru-
tas Ernesto Goncalves de Maecdo e Firmino Anas-
tacio Gandes Alcoforado, que foi recrutado com o'
nomc de Anastacio Cueles Alcoforado os quaes pro-
var.iin iscncn du recrutainento.Communicou-se
ao coronel recrutador.
Dito ao Intpector da thesouraria do fazenda.
Mande V. S. anular COOtas do que se estiver a de-
Ver io alteres do corpo do o.-dado maior de 2* das-
se Henrique Everaldino de Btencourt Tourinho,
em vista da guia que Ihc passou a thesouraria de i
fazenda da provincia do L'ear onle esteve servia-
do na qualidade ajudante de ordens da presidencia.
Ccmmuneou-se ao brgadeiro cornmaudanle das
armas e maadou-se aos agentes da companhia bra-
Silei ra de paquetes va|>or, dar-lhc passagem para
a curte.
Dito ao mismo.Devolvo V. S. com o incluso
cilicio do chele de polica datado de 21 de dezembro
ultimo o prct na importancia de 7!l0O0,.das pracas
do batalho n. 3o da guarda nacional que escolta-
ram um desertor do exerciio e um e.scravo da villa
do Brejo ate esta capital, alim de que mande pagar
metale dessa quanl/a Simplicio Jos de Mello na
forma da inlormacao da contadura do fazenda a
que Ilude o seu officio n. 52 de 3 do corrente.
Ommunicou-se ao Dr. chefe de |K>licia.
Dito ao mesmo.Se nao bou ver inconveniente
mande V. S. pagar Jacinlln Alfonso Botelho,
como pede no incluso requerimenlo documentado
a quantia de 303000, proveniente do aluguel ven-
cido (esde 12 de oulubro do anno prximo pasta-
do at 12 de Janeiro ultimo da casi que serve de
quartd ao destacamento da povoagao de Beberibe.
itj ao capillo do porto.A V.S ser apresen-
lado o recrula de marinba Theophilo Alves da Sil-
va e o voluntario para armada Arisdes Temisto-
cles de Oiiveira, alim de que Ihes d o convenien-
te destino depois de inspeccionados. -Communicou-
se ao Dr. chifede poltcia.
Dito ao commandaule do corpo de polica.Cons-
tando-mo de ottlciodo Dr. chefe de polica datado
de 8 do corrmte, que foi enviado para esta capital
por achar-se gravemente doente o soldado do cor-
po sot seu commando Jos Ribeiro Paulino, acom-
panhalo por outro de nomo Justino da Cruz Oii-
veira, os qu:ies achavam-se destacados no distrelo
do Corsuipe do termo de Agua Preta, assim o de-
claro i V. S. para que mande substituir por outra
a praca que ven doente, e o faca seguir sem demo-
ra juntamente com o soldado, que d'alli veto.
Comm nicou-se ao Dr. chefe de polica.
Dito a junia revisor da freguezia de S. Lourenco
da Malla.Nao estando devidamente assignada a
copia aquailicacio de volantes no corrente nno,
que a junta revisora di freguezia de S. Lourenyo
ta Malta remetteu-me cum onlcio de 23 de Janeiro
proxin o lindo, achando-se at em urna de suas pa-
ginas os numes dos seus respectivos membros es-
riptos |)or li.'ttra do escrivao interino do juiz de
paz, devolva a mesma juma a referida copia da
qualitiracao para ser preenchida aijuella formalida
de nos termos da le.
Dito ao juis municipal do Lirnoeiro.Com a in-
clusa copia do parecer ministrado em 9 do corren-
te pelo conselheirtJprMdente da relac/io, respondo
ao ollicio de 16 do me.; prximo lindo em que Vine,
consultou se o esenvo jirivativo do jury e \ ESes ciimiuacs Hermino Delfino do Nasrimeulo
ima pjde accumular o cargo de esenvo de sub-
delegado de polica.
Dito ao juiz de paz > votado do 1 districto da
fregueiia de Santo Anlo. Constando de oflleio do
eleitor Manoel Antonio dos Santos, que foram con-
vocados para a reuuio da junta de quallicaciio
des.-a fiegue:ia que lera de reunir-se no dia 21 do
corrente mateado por esta presidencia em officio
de 8 de Janeiro ultimo, os eleilores da cmara lti-
mamente dissolvida em cujo numero foram con-
templados alguns eleilores que se acham mudados
deesa paroenia como se v do documento que apre-
senlou, lenho a dizer-lhe que nao podem concoi rer
nem inervir nos organisayes das jumas de quali-
fleacio e mesas parochiaes eleilorais mudados da
parochias como mni Urminanlcmente dispoe a le
e v.inor avi-os dogoverno imperial, o como j se
acham approvados pela cmara dos deputades se-
eunao i n~loj deaviso do ministerio do imperio de
Vi de Janeiro ultimos novas eleitore* dessa paro-
cha, caducando por conseguinte os poderes dos da
leRisiautra paseada, recomnendo Vmc. que guar-
dados os prasos e formalidades da le convoque os
referidos novos eleitores para aorganisacao da jun-
ta de qiallicacao, que deve vericar-se no dia 20
de marro prximo vimlouro, que para esse flm no-
vamentj designo e prosiga nos respectivos traba-
|hoa tend em vista o disnoslo no decreto n. KK3
de 21 de dezembro de 1861, e mais disposicoes em
vigor.
Dito ao juiz de paz rnais votado do 1-districto
da freguezia do O ricury.-No se tendo inslalla-
do a junta revsora da qualitieacao dessa fregue-
lia no praso legal pelas rasOes ponderadas no of-
licio junio |ior copia ipie em 17 de Janeiro me di-
rigi o juiz de paz sapotete em exercicio, lenho
a dizer-lhe que temi sido approvados pela cma-
ra dos deputados segundo constou de aviso da re-
partico do imperio de 13 d'aquelle mez os novos
eleiiore- lesea pamchia, deve Vine, guardados os
prasos da le convoca los e reunir a referida junta
no dia 17 de abril prximo futuro que para sso
0ra designado, e proseguir em .-eus Irabalhos ten-
do em vista o dfp -ln no decreto n. 2865 de 21 de
dezembro de 1861 o mais disposicoes em vigor re-
lativamente ao processo da revisao.
Ao juiz de paz supplenlc em exercicio da fre-
guezia do Ooricury, rentetteu-se copia desie ollicio
cm resposta ao s,.u cima citado.
Portarla.O vice presidente da provincia, con-
formando-se -om a proiwsta do Dr. chefe de poli-
ca n. 176 desla data, resolv; conceder Miguel
Alfonso Kerreira a exoneracao que p.'dio do cargo
de delegado de \>o icia do termo de Agua Preta, e
para o substituir nomea o cidadao los Antonio
Seraphico de Assis Carvalho.Communicou-se ao
Dr. chefe de polria.
Dita.Os Srs. agentes da companhia brasUeira
le paquetes vapir mandem dar transporte por
contado ininisteri'. da marinha no I* vapor quo
passar do norte ao reernta Francisco Gomes p.s-
s ser remedido ao qnartel general da marinha, (kan-
da sem elleito a portara que se expedio oeste sen-
tido em o Io do corrente.Communicou-se ao ca-
pitao do portx
Despachas do dia 16 de fevereirode ISCi.
/iV/ucr/moios.
Alexaadre Kerreira ds Santos.Deferida
Francisca Mara das Mercez. Informe o Sr. co-
r>nii4 recrutador.
los Joaquim dos Santos. -Passe portara o
srnliile em que reqner.
Minoel FrinciMo de Sonza.-Reqiiera ao Sr-
brigs-Viiro coinmandante das armas.
EXTERIOR.
< itltll 1 M>0\IHM I \* 1MI lIA
bio ik rutuTiim >
I iUHI IU.O.
20 de Janeiro ilc 1861.
A que>lo do Scheleswig-Holstein enln u i
novo estadio.
Desde o da 2 de Janeiro, no qual como referi-
mos na nossa ultima fra rejeitada na dietei apro-
po;ta da Austria e da Prussja de intimar-se ao du-
i|ue Fredenco de Schles\vig-)lolsii-in a retirada do
II Mein, nao houveram novas dscussoes na dieta
sobre a rjuestao do Schleswig-Ilol&lein al o dia 11
do corrente.
Especilmente a questao acerca das ins ruccoes
a dar aos commssarios federaes no Holstein, rea-
tivimente sua conducta para com oduqu; Frede-
rico, tinha se tornado lio escabrosa para is gran-
de:; imtencias, depois da rejeicio da sua imposta
do da 2, que ellas acharam mllior nao se oceupar
un nedia meme de novo com a mesma.
De mesmo a maioria na dieta nao tnha inters-
se. debaixo das actuaes circunstancias, de urgir
mais esta questao, que ella osperava resol rer pelo
pri mpto reconhecimeuto formal do duque.
O duque Frederico licou pcis no llolsfn, e a
coiifederacaodeixot ao seu tacto e ao tacto los seus
coiiiiniss.irios federaes o eslaMeciinento i modas
viiewli reciproco. Essa conlianga nao entanuu.
O duque absteve-se de todas as aeces le inge-
rei cia directa no governo do Holstein, contentndo-
se de estreitar sempremais intimamente (6 lagos
pessoaes com seu paiz hereditario, assim orno de
fazjr todos os eslorcos para organisar o pivo por
meio da livre associacao, alim de poder, no caso
dado, tomar em mos a execucao do governo, sem
interrupcao alguma.
Os commissai ios federaes do seu lado nao puze-
ram obstculos essa actividade do duque e os
nei ocos do Holstein scguro tranquillamen e o seu
andamento.
De todas as partes do paiz, de cada cid ade, de
cada villa e de cada aldeia, dirigram-se enderecos
e d 'putacoes de ho'menagem ao duque ; a contri-
bu ;ao com essas deputaces dava ao ultimo oc-
cas ao de gauhar sempre mais o applauso do seu
povo.
Sob insligacao das pessoas" ao lado do duque,
desuiivolveu-se sobre lodo o paiz urna rede de as-
semblas que oncarregaram de organisar a com-
bin icao espontanea do povo, em primeirjo lugar
pan o exercito Schleswg-Holsten crear, assim
como do procurar saida ao emprestimo voluntario
rosolvido pelo duque, e do acolhimento e i istruc-
cao militar dos voluntarios, quo se apresentavam
para o servico do exercito.
:.'o rio Eider achavam-se entretanto as trppas da
confeJeragao sobre a margem meridional, eas tro-
pas dinamarquezas na margem septentrional tran-
i)ui lamente urnas em frente das outras, |espera
do andamento das cousas
0 territorio holsteinez achava-se evacuada eom-
pletamente, excepto nina pequea parte ap norte
do ro Eider, o antigo assim chamado rev^lim de
Rendsburgo ao norte da cidade, hoje j na|> mais
fort licadj, e seis aldeias visinhas, das quaes du-
vidneo se periencem ao Holstein ou ao Sehleswig.
Bul consequencia do carcter litigioso dessb terri-
Isrta, os commissarios federaes naotinham nenhu-
ina.- nslruccoes de occujia-lo, no caso que os Di--
namarquezes nao evacuassem o mesmo esponta-
nea nent'1, e os Dnamarquezes nao se reliraram
mais para Iraz, do que as tropas da confec eracao
tinliam ordem directa de avangar.
As duas grandes potencias allemcs por n sen-
tira ti gravemente a sua derrota na questao acerca
da intimacao da retirada do duque Frederico. E
tambem por oulras razes ellasdeviam con'encer-
se, que na dieta nao havia mais lugar para n seus
planos, e que a mesma pelo contrario se inlinava
sempre com grande maioria de votos e maior ener-
ga para o lado da causa nacional, do dimito dos
dundos e do seu principe.
Mais urna vez ellas tentaram |>or isso urna pres-
sao ratonada sobre os estados secundarios. Urna
nota do Sr. de Bismark Austria convidava a mes-
ma para unir-se com a Prussia para execucao da
sua polilica commum sem, e at mesmo corara, a
conlederacao, de insistir em primeiro lu;ar na
dieta sobre a prompta solucan da proposta mstro-
prussiana relativa a oceupaco do Sehleswig em
qualiJade de penhor, e no caso que seta I .lugao
RMS demorada ou de resultado negativo, de se
apoderarein da dircrc/u dos negocios, opunndo a
fon; i una resistencia eventual da confederarlo.
Na kuslria esse programma foi accedo, dsjndo-se
d'isso conhecimento aos diversos governos da con-
federacao, e (recoinmendando ao mesmo lempo
condescendencia.)
Segundo o que se diz, tanto em Vienna, como
em derlin julgavam-se renos do negocio, e segu-
ros Ja condescendencia da conlederacao, e no dia
11 de Janeiro foi apresentada em Francfort i mo-
can acerca da accelerac.o da reclamada oceupa-
co do Sehleswig como penhor.
A exigencia de votaro inmediata nao fo acei-
ta, sendo a voiacao adiada para o dia 14. Km lu-
gar, porm, de resultar a maioria esperad; pela
proposta austro-prussiana, houve polo contrario
urna maioria, e de nao menos de 11 contra 5 votos,
peta rejeieo da mesma. Smente Meklemburgo,
Hesse Eleitoral, e a 16* curia da dieta coi iposta
pelo; ducados do Hohenzollern, Liehtensleii, Lip-
pe, Iteuss e Waldek se derlararam em favjr da
proposta das duas irrandes potencias, todos os ou-
tros votos contra, isto nomeadamente, a lt i-
vier.i, Saxonia, Wnrlemberg, Hannover, Bade,
Hes;e-I)armsladt, Luxembnrgo, os estados da
Thurnga, as ridades livres e as curias 14 e 15
(Nassau Oldemburgn, Brunswick 4).
A pro|H)sta das grandes potencias achava-se pois
rejeilada, e isso [Kjrqne a sua tendencia aberla-
iiioote pronunciada, nao era senao a siistentacao
da iutegridade da monarchia dinamarquezi, a
reentrega dos ducados Dinamarca, debaixo de
certas roncessoes a fazer pela mesma.
Era pois vindo o momento para a Austria e para
a Prussia de realisar o seu programma com que
ame.tcaram, e ainda mesmo na sessao da dieta do
da 4, immediatamente depois da votaeo, os ple-
nipotenciarios da Austria o da Prussia declararam
que os seus governos realisariam agora, sem a
conoderacao, sua qualidade de, grandes potencias
eurrpas a oceupayao do Sehleswig como penhor.
Os cutros governos protestaram, c a Saxonia fez
ao mesmo lempo lembrar. que sem o consentmen-
lo da conoderacao nao era adinissivel a marcha
das rosas austracas e prussianas pelo Holstein,
que so achava sub a adinimslraco da eonfede-
rae.o.
A Prussia e a Austria apre.M'ntaram contra-pro-
testos, e ainda na noite do da 14 de Janeiro depois-
de recebidas as noticias pelos telegraplios, exped-'
das de Vienna e Berln as respectivas orden- as
tropas j prometas para a marcha, de se prem em
movuneiuo, em primeiro lugar para o Holstein. Na
manhaa do dia 15 parti de lt.-rlin um corrcio
coin um ultimtum aistro-pms>iano Dinamarca,
o qual exige a abropacao da eonslituieiio dano-
schleswignense do 18 de novembr do anno passa-
do dentro do quarcnla e oito horas, adverlindo, no
caso de recusa, a immediata partida dos enviados
das duas potencias de Copenhague, e a oceupaco
do Sehleswig |ior tropas austriagas e prussian is.
Segundo annuncia o telegrapho, esse ultimtum fo-
ra apresentadoem Copenhague no dia 16, devendo
ter-se decorrido o termo (ixado j antes de hontem,
mas nao se ronhece ainda a decso do gabinete
de Copenhague, entretanto que das expressoes dos
orgos ofliciosos da Dinamarca, sobretudo do Ber-
lingskeTidend, do dia 18, se pode perceber que a
mesma ha de ser negativa.
Assim acbamo-nos pois em vesperas de compl-
cacoes duplicadas, de um lado em vesperas da en-
trada das grandes potencias no Sehleswig o das
consequencias que disso resultarao, c do outro
lado de um conflicto interior na Allemanha que
sempre mais se approxima do seu rompimento
aberto.
Em todo o caso, a maioria da dieta esta decidi-
da a nao ceder as grandes potencias. verdade
que nao se convencionaram anda resolucoes |>osi-
tivas a respeitoda linda de conducta ; mas que nao
se pensa em ceder, sem mais nem menos, isso
prova que todos os estados secundarios vao com
zelo tomar as medidas necessarias para urna mo-
bilisaeao eventual dos seus exercitos.
A maioria dos estados federaos encontra um |>on-
to de apoio.no a desprezar para sua attitude, do la-
do da Franca, a qual quer ver no zelo com que a
Austria e a Prussia se apressam de defender a in-
tegridade dinamarqueza, dictada principalmente
pelo interesse russo, o precursor d'uma nova liga
do norte, no espirito da antiga santa allanca, e por
isso tem um interesse bem natural de apoiar a re-
sistencia dos estados secundarios da Allemanha.
Em notas que ella dirigi era 8 do corrente es-
ass estados, ella tomou motivo da proposta ingleza
d'uma conferencia sobre os negocios da Allema-
nha e da Dinamarca, para se pronunciar respei-
to do pn.tocollo de Londres do anno de 1852 e da
sua attitude para com o mesmo, de urna maneira
que nao pode ser mais sympathira.
Declarou que o tratado de Londres era nmaobra
inquirante, condemnada pelos fartos consummados
e que somonte um novo regulamento sob base des-
ses factos consummados poda offerecer urna solu-
cao ; que a Franca se achava bem longe de que-
rer outorgar qualqucr soluco a confederacao alle-
maa e so approvaria urna conferencia europea
quando a confederacao dsse o seu consentimenlo.
Segundo dizcm os' beatos, em consequencia dessa
nota sero feitas representaedes contra o procedi-
niento arbitrario da Prussia e da Austria a resneito
do Sehleswig. f
Esses lioatos nao se conlirmaram at agora^oda-
via e certo, que qualquer aegao da confederacao
contra a arbitrariedade dos gabinetes de Berli e
de Vienna sera decididamente applaudida na Fran-
ca. Da conferencia proposta pela Inglaterra, natu-
ralmente nao mais questao, desde as notas fran-
cezas de 8 de Janeiro.
Sem menos vestigios ainda passou urna porposla
do novo ministro dos negocios estrangeiros da Di-
namarca, relativa a urna conferencia especial com
a Prussia e a Austria Como os nossos leitores sa-
berao o presidente do conselho de ministros dina-
marquez Monrad, encarregara-se ao principio pro-
visoriamente do ministerio dos estrangeiros. Mas
isso to por pouco lempo, e o ministro da Dinamar-
ca em Berln, o Sr. de Quaade sendo convidado,
aceitou essa pasta.
O seu primeiro acto foi a proposta d'aquella con-
ferencia, que apenas foi um assumpto serio de ne-
gociaeoes.
Entretanto a Inglaterra nao cessoit de se fazer o
prazer de bombardear com suas notas os estados
alleuies, ora as grandes potencias, ora os estados
medianos e os pequeos ; r.-coinuiendandoora mais
speramente, ora mais suavemente urna accommo-
dacio com a Dinamarca, sem encontrar considera-
gao de qualquer lado.
A gazetas inglezas j comeeam a declarar fran-
camente, que a Inglaterra no caso do rompimento
d'uma guerra, pouco motivo teria para una inge-
rencia armada.
Est claro pois, que as expectoraces do conde
Russell,e mesmo quando ellas sao lo ameagadoras
como possivel, nao se v seno palavras sem
valor I
Das oecurrencias nos diversos estados alinales
da Allemanha s pouco se nos ollerece a coinnui-
nicar.
Na Prussia a cmara dos deputados rejetou de
novo as despeas exigidas para a reorganisaco do
exercito ; a proposta acerca da approvaeao do em-
prestimo de I i millioes para a polilica Sehleswig-
llolsteineza, nao foi ainda rejeilada no pleno, como
j fora com grande maioria na commissao delibe-
rante ; a mesma recommendando cmara urna
moeo apresentada pelos deputados Schultze-Deli-
tsi-h e de Carlowilz. segundo a qual a camarade-
clara oppor-se |>or todos os meios legaes aoseu al-
canee iwlitica aiistro-allema, que nao pode lar I
outro resultado do que provocar a guerra civil na
Allemanha. Nao se pensa porm, que a cmara le-
ra de lomar una resolugao a esse respeito, porque
segundo se quer saber encerramento da sessao
lera lugar nos prximos dias.
No Iteiclisratlid,' Vienna o ministerio foi interpel-
lado igualmente por causa da sua polilica tendente
a urna guerra civil, e temos de esperar a resposta.
sell consente em laes vilanas, porque depois de lia-' posta do principe Gorllischacolf o ministerio Pal-
ver anotado i conducta de Mr. Chtlstie no Brasil roerston BosseH nao tem proseguido as suas recia-
toan inieresse em ver esse paiz vilipendiado: esta maedes contra o gabinete dte S. Vetersburgo. A
insurreieo da Polonia tem boje um anno de erxis-
circumslancia i entretanto miserav:|, tanto mais
que no imperio a nossa imprensa n5> tem recorri-
do a esses meios reprovados.
Aindajia pouco. o mesmo soppos o Mr. Christio
a.lacnu o governo imperial na pessot do seu agen-
te o ex-nunisiro nesta corte, por orcasino do em-
prestimo que aqu lizemos recenlemente. Na opi-
niao desee articnlista, o Sr. Carvalho Morara leva-
ra aleem vista interessps proprios n:, gerencia des-
sa importante operaco ti assim qi e esse calum-
niador procuran menoscabar o respeito de que vi-
veu sempre cercado nesia rrte aqu.'llo DOSSO alto
funecionario. do ipie prova sem recusa indo
quanto em seu favor disse o proprio lord Russell
na cmara dos lords, por occasiao do retirada d.-s-
se nosso distincto diplmala. A o linio publica
nao deixa norm de fazer-nos jusliga, e de desejar
constantemente o restai.elecmento das rebcMs
pel"eas com a Graa-Brotanha.
Na praxima retnriio do parlamento brilannieo, o
ministerio parlamentar procurar provavelmente
indispor-nos com essa OpiniSo, alie} ando as lifTl
culdades que pomos a urna prompta 'econciliago;
mas nao faltar all quem explique cabalmente o
justo fundamento com que temos actuado nesta i ........
emergencia. Assim como nao serii Inuvavel em | salvas certas pequeas
tencia, i^ a pretexto de supplanta-la os pro-coosules
do imperador Alexandre nao eeemm de massacrar
esse nobre e heroico povo, que todava insiste na
lula. Contra taes vexames o parlamento e o povo
inglez tem em vio reclamado, e o gabinete da rai-
nha, anesar do dreilo que Ihe dao os tratados, nao
tem sabido valer suas repetidas represetitaef.es. I"
para arcusar a inepcia de lord Russell nesta ques-
tao, que o parlamento levantar provavelmente a
sua voz, aecnsando-o de haver comprometido ao
gabinete da rainha, que hoje falla a Russia sem
esperanca todava do ser attendido.
Se o ministerio de lord Palmerston vier a modid-
ear-se, emvez de dissolverse, lord Clarendon vira
provavelmente a oceupar o lugar do conde Russell,
o que pora essa admimsirago mais homognea
qnanlo polilica exterior da Gl aa-ltretanha. At
boje o conde Russell tem-.-e adiado em divergencia
rom o primeiro ministro acerca de varias qoestoes,
e essa circumstancia tem talvez [irejudicado a for-
ga de acgo desle governo. Entretanto qualquer
que seja o governo que baja de dirigir os destinos
oeste grande povo, parere-me que a base de toda
poltica exterior aqu ser a manutenco da paz,
modilicacoes. O povo in-
boa polilica que o governador Imperial rejeitasse
absolutamente a proposta de una reumciliacao, do
mesmo modo nao pode id le aceita-la mqnan'to nao
for inanifestainenie sabido que ogov.rno brilann-
coficeitoii a medmcSo em primeiro legar. O con-
trario nos expolia a que esta bate censada neto
governo da rainha, o que seria ag.-ravar mais a
odiosa posicao que nos creou este ga linele. Aqu
se entende muito bem o nosso Jos* melindre, e
em geral se remidiere que o restricto dever de
lord Russell teria sido dar-nos nina l mpla satisfa-
gan, logo que el-rei dos Belgas deu a sentenca ar-
bitral em nosso favor : eslou certo loe no "parla-
mento esse ministro ser acensado de haver faltado
ao cumprimento de um tal dever.
Algumas folhas do Brasil tem rriiicado o nosso
ultimo emprestimo feilo nesta prara, allegindo
que essa operaran foi ruinosa para i s. A prova
do contrario est na cotacao desses f indos, que se
acham com ? 1 3|4 de descont havendo j ebega-
do a S 2 1|2 de bafxal O Times r'ferindo-se ha
dias a crilica dessas nossas folhas, ponderou, que o
publico inglez eslava prompto a romper o contrato
se o negociador brasileiro assim o qnbesae, certo
de que por esse expediente entrara no reembolso
da depreciagao emque se acha aquella sua proprie-
dade: tal na opinio desse jornal sta, a prova
cabal da injusliga com que criticado o mercado
do Londres em relaeao a recente operaco finan-
ceira que aqu acaba de fazer o governo imperial.
Rom o descont do dnheiro actualmt nte a 7 "/,, 7
1|2 Oj, e 8 OfO o Brasil nao teria levantado anata
praga quasi tres millioes e meio esti rhnos com o
prego do emisso que obteve, e duvidj mesmo que
atientas as circunstancias polticas ac.uaes da Eu-
ropa livesse podido realisar esse importante em-
prestimo mesmo com mais onerosas eondigiles em
lempo para satisfazer as obrigagoes que linha de
cumprir no decurso deste anio. O Sr. Carvalho
Moreira aproveilou sabiamente as circumstanciase
fez sem duvida urna boa operaco.
Os nossos fundos de 5 %"se aclnm a 99 lj
e KK): c os de 4 % / a 87. Os consolidados
inglezes 3/ a M % Os fundos norl iguezes 3 %
a 47 J ; os 3 % bespanhes a 52 '.' os italianos
6 % a 69 e 47.
No mercado de Liverpool o nosso algodo de l'cr-
nambuco e de Macei tem estado esc.isso, conser-
vando todava a cotago de 29 d. ;, por As
transacoes sobre esse artigo de nosta prodiiccao
tem sido limitadas em razan do pequen ) deposito".
Carao do Brasil tica colado de 45 .-. a 50 s. per
cwt. Caf do Rio 60 s. 6 d. a 65 s. 3 d. per en t,
cojo preo liveram lugar diversas vendas. Pao
brasil a 75 s. |mr tonelada. Assucar superior da
Babia 57 s. per cwt, a cuja cotaco se fez nesta
quinzena varias transaroes. Couros s-ccus do Rio
a 9 d. por ; seceos salgados 4 d. a 6 1. }. por B ;
e salgados a 6d. por fc.
ltimamente segniram para o Brea I, de Liver-
pool o navio Hermmfone (8/ para Peinainbuco, e
de Deal Fortnnn (15) para Pernambuco. Do Bra-
sil ebegaram Inglaterra: do Maran lo IMonx-
Imy (12) a Liverpool; o de Macei Zonc(16) a bnete presidido pelo bispo Monrad declinou para
Liverpool. i logo semelbante conselho. raspondendo ao mesmo
As aegoes do fl^ndon & Itrasilian liank conti- lempo ao iillim ilum da Austria e da Prussia pela
nuam a 19 e fc 20 de premio, ape ar do paga- recusa de rovogar a eonslitugo de 1863. cojos
ment de um dividendo de 5 /0 artigos es-as potencias pretndeos se acham um
Quando encerrei a miaba ultima i lissiva, nao conlradiceo com os comprouiissos diplomticos do
constava .duda nesta capital a fausta noticia do rei Frederico Vil.
successo de S. A. real a princesa de l alies, o que | A guerra parece pois eminente entre a D-
teve lugar em Frogmorellouse perlo de Windsor namarca ea Allemanha, e desse estado apenas
na nenie de-8 do corrente. S. A. d u luz um peder resultar para aquella primeira potencia
principe, e ambos se tem achado em condigo mui | urna posicao airosa; porque, batida como pro-
favoravel, rom quanto o recem-nasri lo viesse M ravelmenle ser, poder ento fazer concessoes
tundo muilo mais redo do que era espirado. Logo que agora a sna honra nao permettia fazer.
glez propende para esse lado, e nenhuma adminis
tracao onsaria arriscar a sua popularidad.! obran-
do em sentido contrario : brevemente Jalgaremos
quando os factos vierem em apoto dessa opinio.
As ultimas noticias da India dao como terminada
a guerra do Ponjaub, havendo as principaes tribus
fedo snbmissao rainha da Gra-ltretanhi. Este
sueeesso rausou nesta capital viva salsfago, visto
como se receiava ipie essa insurreiro viesse a to-
mar matares pmporgoes.
Do Japo, onde a Inglaterra tem ltimamente
estado em guerra, annunriam que o principe Sal-
suma se promptilieara a pagar urna indemnisago
a este governo, bem como a proseguir no descobri-
mento do malfeitor que assassmra Mr. Rcbardson,
e por motivo do que o almirante inglez recorrer
< hostilidades. Entretanto parece que as autori-
dades japonezas haviam ordenado a evacuagao de
lkaokama pelos estrangeiros, e este incidente no-
derla mui fcilmente comprometter de novo as
retacos daquelle imperio com a Gra-Bretanlia.
Lord Woodhousc regressou esta capital da sua
misso extraordinaria junto do rei da Dinamar-
ca. Tudo quanto poude conseguir ene diplmala
parece haver sido a retirada das tropas diuamar-
quezas, dos ducados de Holstein e Lauenburg, dei-
xando o re Christiano de fazer icntua belli por
motivo da entrada das tropas federaes aaqnella
parte do seu territorio. Quanlo porm prposla
de urna conferencia para nella ser discutida a
questao dos ducados, nada conseguio esse ministro
quo vio a dea do seu governo repellida, senao
pela Dinamarca ao menos pelos diversos gabinetes
allemcs.
Teve pois lord Woodhouse de limitar a sua
aegao ao que j lica dito, e demais solemne de-
clararn de que o governo da rainha mantera o
tratado de Londres de 1852, que garante a succes-
so e a integridade da cora dinamarqueza. De
que valera porm essa declaragao, quando na pre-
sente hora de eminente perigo para o rei Chris-
tiano a Inglaterra nada faz ?
A Prussia e a Austria se acham desde ha dous
dias cm marcha para oceuparem o Scheslwig, que
e territorio dinamarquez. e no enlanlo o gabinete
de Londres, conhecendo alias a malicia daquella
polilica e anexar de suas derlar.-.coes permanece
inactivo no meio dessas complicagoes!
A Dinamarca, desesperada pela situagao em que
Be acha, vai resistir passagem do Eider das tro-
pas austro-prussianas ; de modo que em breve es-
tar o norte da Europa em guerra, sem que a
Graa-Bretanlia haja feilo tanto quanto lhe cumpria
fazer para evitar esse estado de cousas.
Uma simples demonstraco por parle desle go-
verno, se houvesse enviado uma esquadra para
Compenhagne, teria determinado a allianea da
Suecia com a Dinamarca, e esta circumslania te-
ria quasi sem duvida levado os gabinetes*de Vien-
na e Berii a suspenderen) a invaso de Scheslwig.
Algumas folhas alirinam que este gabinete acon-
selbara o rei i hirsiiano a consentir tambem na
oceupagao desse ducado; mas a opinio publica na
Dinamarca est por tal modo revolada, que o ga-
Lomlres, 23 de Janeiro de 18*1.
Pela mala do Brasil, chegada a Brdeos no dia
18 do corrente e aqu reeehida a 19, livemos Boti-
nas do Brasil da ultima quintana de dezembro.
Aunuciaram as folhas desla capital que Sna Magos-
tado o Imperador regressara M Rio de Janeiro da
sua exrurso Baritina a 13 desse mez, e que esse
augusto principe fra ivcebdo nos iwntos em que
desembarcara com o maior enlhusiasmo. A |M>pu-
laridade do Imperador, accrescentarain alguns jor-
naes, augmenta-se cada dia mais, e por esse modo
as instituicoes monarchias secoosolMam no im-
perio a cuja frente se acha colloeado tao Ilustre
prine|ie.
Fot aqu tambem publicada a noticia da reunan
da assembla geral em sessao preparatoria, u ago-
ra se espera com vivo interesse a publicago do
discurso com que no dia 1 do rorrete deve ter
aberto a sessao solemne o Sr. D. Pedro II.
A pro|Kisito da assembla nacional, occorre-me
dizer aqu que Mr. Christie espalbou em um artigo
publicado haja algum tempo e emqne se divulga
a sua penna, a aleivosia de Befen as eieigSes fei-
tas no Brasil com violencia, d mesmo modo que
tem espalhado horrores acerca da nossa adminis-
tracao.
Taes alaques sao sempre feilos sem a appargao
do nomo daquelle que non dirige, mas nem por
isso menos conhecklo que elles partem daquelle
nosso inimigo. ijoe- para esse lm se serve quasi
sempre do jornal somi-oiTieia! o- GFobe. Lord Rus-
que a rainha recebou em Osborne aquella feliz no
ticia, seguio na manhaa de 9 para Progmore alin
de visitar e felicitar sua augusta nra >or oceasiio
de um aeontecimento toimportante para a familia
real ingleza ; e ali se demorn S. M. al.-iim lempo,
achando-se porm de rolla liba de Wight onde
jicara ainda alguns dias. principe di Galles tem
j recebido fefleitacdes de innitas corporagoes bem
como a visita de todo o corpa diploinalico e de in-
nmeras notabilidades inglezas. E?te succe.-so
cansn na Inglaterra vira satisfarn, tanto mais
que isso vein consolidar cada vez mai; a heranga
da coma ingleza na linha de descende icia directa
de S. M. a rainha. soberana que aqni idolatrada
por lodas as classes desta importante n irn.
Na prxima abertura do parlamenmeter
definitivamente lugar no dia 4 de fevereiro, lord
Grosvenor prepori a resposta ao diseur da cora,
e Mr. Gosrben, membro pela tCity d) Londres,i
a BDOiar segundo os estylns do parlamento in-
glez. A opinio publica anu inclina-s acrr quo
o ininisleriol'almerslon ter de solfrer 'iva opposi-
go na cmara dos communs, e deniais ip e em
caso de derrota o primeiro ministro dissolver a
cmara electiva. A maioria de que boe dispoe o
governo nessa casa muito insignificante, e poresse
motivo est elle gravemente arriscado; mas se re-
correr a uma nova eleigo noceio que melhorar
muito a sua posicao, porque a situagio poltica
nesle reino est sendo favoravel ao partida conser-
vador, a tal ponto que minios acreditara que lord
Palmerston nao vencera urna eleigc geral E'
possivel que esse ministro busque a allianea de
urna das fraeg -s da cmara para com i.-so poder
invernar, sobreindo quando o partido itory nao
se mostra ambicioso pela governanca. Entretanto
a oppo>igo ha de rombater vivamente o governo,
especialmente no que respeita s relatos exterio-
res deste gabinete com os governos estran-
geiros.
A miseravel attitude desle gabinete em relago
questao dano-allema, e o bombante; mente de
Raposina |las forras navacs da Gr i-ltretanlu,
simram de pontos de alfaque contra lord Russell,
cuja jw-rinanenria na pasta dos negoc is entran-
geims cada vez mais deplorada.
A questao polaca, sc novamente ventilada,
taoto mais que depeis.da ultima e in-olente res-
A Prussia busca entretanto aproveitar este enseio
para eslalieK'cer-se nos ducados, ed'abi que pode
resultar graves consequencias para a paz da Eu-
ropa, tanto rnais que os Estados secundarios alle-
mcs, prevendo essa trairo, insstein pela solugo
da questao da soccossao do principe d'Augousiem-
burg soberana daquelles inesmos ducados, ago-
ra oceupados pela Allemanha por mais de um
titulo!
E' evidente que no meio de lodas estas difcul-
dades. a Inglaterra, na sua qualidade de potencia
de primeira ordem, est fazendo um triste papel
embora esteja serrindo de perlo os^cus interesses
de occasiao.
Esto governo tem sempre fomentado as discor-
dias nos palies estrangeiros, e quando nao lhe
conveni mtervir neftas deixa sem pmtecgo aquel-
les que comprometteu !
Na questao do Scheslwig o proprio lord Russell
sustentou em lempo que a Dinamarca devia fazer
concessoes radicaos; e mais tarde quando vio a
existencia poltica dessa naco amcagada pela Al-
lemanha, nuil tergiversar, mais isso mesmo d'um
modo dbil e sem signilicago positiva.
E' aq;ii operada a lodo momento a noticia das
primeiras hostilidades entre o exercito dinamar-
quez eo auslro-prussiano sobre o Kiihr; e e-te
raneta lea causado, como era alias de es r.u,
um terrivel pnico nesle mercado.
A Inglaterra sympalhisa rom o povo dinamar-
quez e sua causa ; mas nem por isso comprometi
o seu bem estar pela sorle dessa nago, e por isso
consente que o gabinete bntannico euinpra to nial
os seus devores para com o re Christiano.
A Franca parece aguardar os successos para en-
to resolver-se, lanto mais que hoje allega haver
feilo todo o possivel pela manutengan da paz da
Europa, havendo proposto a reuniao d'um con-
gresso.
A negociaco d'um emprestimo nacional na
soinma de trezontos millioes de francos, por parte
do governo imperial, todava um indicio de que
o imperador quer estax preparado para as eventua-
lidades, sobretudo quando pela rejeigo que a c-
mara fez da emenda de Mr. Thiers acerca desse
emprestimo,.emenda que temiendo a reduzir acem
millioes e-sa-operagio tinha por fin manifestaras
inlengSes. Qaciflcae da Franca, o mesmo governo
imperial veta dar a entender que carece de muitos
meios para actuar com franqueza na dire.co de
quaesquei lios a que as eircuiuslaonas. polticas
do mande possam dirigido.
A Italia comeen novamente a mover-se, e a Hun-
gra de aceordb com a Croatia prepara-^e para a
[uta, alui da insurreico da Polonia e da excita-
gao era que est laucada a Allemanha. Ora ludo
slo mal ria nllammavel; e eiu laes cireumslan-
cias a opinio geral que estamos n'uma terrivel
erise, que s pode evitar a mu de Dos.
Da Italia annuuciam que Garibaldi publicara no
Dirilto urna proclamago de guerra, e o partido
d'ago se acha em completo muviiiientOi coro quan-
to embaraado pelo governo que apparentcmenle
nao quer tomar a responsablidade daipjelles ma-
nejos. Por sua parte o imperador da Austria for-
tifica o qu.idrilatero, e acaba de enviar para all o
marechal Benedek com importantes refcrcos. Na
Turqua c sulto, recelando o movimento que rei-
na nos Principados Danubianos, tem posto em p
de guerra um exercito de 130,000 homens, e oceu-
pa j varios pontos estratgicos.
Do Mxico escrevem para as folhas inglezas
que o pando da ntervenco vai ganhando muito
terreno, e que brevemente o archiduque Maximi-
liano ser proclamado imperador pela quasi una-
nimidade daquelle paiz. Jurez contina a resistir
a Basaine em alguns |>ontos, mas se esperava que
em breve sera elle forgado a retirarse para o
Texas. ^
As noticias de Nova-Granada annuncara que,
em consequencia da guerra declarada por essa re-
pblica do Equador, o general Mosquera derro-
tara no di. 6 do dezembro ultimo as Torgas inimi-
eas sob o general Flores, que recebera duas ren-
das. Mosquera marchava sobre Quito, e com a con-
quista da capital cessaria de existir corno piz n-
| dependente da repblica do Equador.
As notic as de Nova-York alcangam at 13 do
; corrente. O general Gillmore continuav* o born-
bardeamento de Charleston, que todava resista.
Netsa porlo os confederados haviam construido
dous navios encouracados que iam brevemente ata-
car a esquadra federal do bloqueio nessa praga.
As operaces do exercito do Potomac eram nul-
las. Os confederados, porm, ameagavam invadir o
Maryland, nao querendo de modo algum entrar
em quarteis de invern.
O congresso approvra em Washington uma re-
j solugao tendente a regeilar qualquer proposta de
conciliaco com os estados rebeldes.
Fallecer em Nova-York o arceblspo Hughes, e
I o seu funeral Uvera lugar no dia 10 do corrente
com grande pompa.
O premio do ouro ficava nessa praga a 54 Vi-
DIARIO DE PERNAMBUCO
Temos vista cartas e jornaes da Europa, dos
quaes fui portador o vapor francez Beam, com da-
tas : de llainhurgo 20, Bruxellas. Pars e Londres
23, Madrid 25, Porto 2ti e Lisboa 28 do passado.
Na Dinamarca ludo se prepara para a guer-
ra. N'um banquete que a 14 de Janeiro se deuem
Copenhague aos membros do Reichralh o re ex-
citou nos concurrentes um grande enlhusiasmo.
manifestando a e peranca de que a dieta lhe cor.-
cede.-se a uesma conlianga de que gusa va o sen
antecessor, Jeclarando que o seu fin principal en
a_ liberdade e a independencia da Dinamarca, as-
sim como a garantia dos direitos da coma.
[ Fazem-se preparativos em Copenhague para se
apromptar urna esquadra, que prestes d a vela
para eoadjuvar a sujeieaodos ducados, ou assistir a
periiteciades aconteeiientos deque este assumpto
prometi ser frtil.
O re e o principe eram esperados ali para as-
sistirem a um conselho de eslado.
Diz-se que o sul do Sehleswig ser inundado,
apenas os Allemes tentem invad-lo. O governo
dinamarquez romper as hostilidades assim que
mu soldado alletnao atravessar o Eider.
Foram cli imadas s armas as reservas de 1853
a 1855, assim como as pracas licenciadas de 18IO
181.
Coiiceutram-se tropas na ilha de Fehenam alim
de orgnisar ali expedigees contra os fnicos d is
tropas germnicas ; o rigor da estaco invernosa
hade forgosamente retardar a marcha das tropas.
Rema grande divisan na Dinamarca; o partido
da guerra predomina em JCopenhague, as cida-
des dinamarquezas e as ilhas do Jatland ; este
partido pede a conservarn da constituigo do no-
vembro, e desoja a luta com todos os sous po-
ngos.
A populago rural de Jatland, pelo contrario
iningn da guerra, e inclina-se para as conces-
soes.
No exercito dinamarquez existe tambem a mes-
ma divisan. Dous batalnes eompostos de soldados
de Sehtoswip, que estavam de guarnigao naquella
cidade. recosararo-se prestar juramento de obe-
diencia militar ; apezar de serem ameagados com
castigos rigoresos. negaram-sea lodo o traballm de
orlifi.-ages declarando que fcilmente ^wssaram
aos Allemes.
O povo esa muito irritado eoutra o rerrutamen-
to geral, ltimamente decretado. Urna parte dos
habitantes de Jatland prelende que em visla das
grandes forgas da Allemanha, nao p le ter bons
resultados una guerra, e por isso nao querem ar-
riscar^ suas vidas pelos caprichos e paixes da po-
pulago de Copenhague.
Os commissarios federaos publcaram a 2G de
dezembro una nova proclamago que desagradou
ao partido a!tomio dos ducados. Dizem que na
proclamago de 23 de dezembro tinliam manifesta-
do a conlianga de que os povos de Holstein e de
Laneinbourg se absleriam de qualquer acto que
tendease a alterar a ordem e a tranquilila-
de publica ; que tem recebido de dilferenles par-
les do Holstein noticias sobre lamentaveis pe -
turbages da ordem publica e da tranquilidade ;
nao so ehegaudo a fazer proclamar as assemblas
o principe Frederico de Auguslemburgo como du-
que de Holstein, em vez dse esperar a decsao da
alta dieta germnica, mas que se tem commetiido
alternados contra as leis do paiz. querendo mesmo
privar das suas funeges as autoridades instituidas
legalmente e sob a nossa prolecgao, prejudcando
deste modo as nossas resoluges acema da exone-
rago do; empreados que nao gosam de conlianga
do paiz. os quaes tem sido retirados violentamente
de suas funrgoes.
Accreseentainos commissarios federaes quo ain-
da que se nao queiramoppr s manfestagoes de
dedicago e de amor pela casa do Auguslemburgo,
urna vez que d'ah se nao exceda e se permanega
nos limites legaes, nao podem tolerar excesso da-
quella natunna, contra a autoridado da dicta ger-
mnica, e contra a pessoa de funecionarios sola-
dos, e que julgam do seu dever prevenir com a
maior ctllcac.a da le, a repetigo de semelhantes
desordens. reservndose fazer punir conveniente-
mente os criminosos.
Dizem lina.mente que esperam que bastar esta
advertencia para conter o povo nos limites da le-
galdade, e que confiam no anoio de lodos os ho-
mens sensatos, esperando que assim seja mantida
a ordem e a tranquilidade, para que os commis-
I
I


bMM S
Diarlo de Pcrnanirmco ftahhado 13 fe Fevereiro de 184.
res aos quo contrariarera
setts intuito?.
Garibaldi, c mais nov
popular de Turn pediram
foram accedas.
nrtm niio tejam obiigade* a adoptar medidas cu-
|m rniiM'i| i.'iiiias iii.i do petar iwa o paiz.
Os unimos actos do duque do Augusietubnri!,
tem sido reprovades pela iinprcnsa europea i real-
mente a viageoj do duque aa Holstein, um Jeto
de leviand.ide. pois leudo a confederaran germ-
nica ahriaaee de garantir o aeto(tapone, e sen-
iadepeadente da Cob8o* e^raarledado; o para se agrupa rem era valia d'aquelle centro un- formar un. gabinete de transirn,
duque de Augu-temhurgo. dirig.ndo-se ao paiz. co, reconhocendo asna aulondade. A pnureza de ualles deu a luz um lilho
objecto d- let.gto. e recebendo ali hornera-, O partido da areao agita-te. A revolucao trato O in.n.stenojiespanhol cahio as cmaras
m, praiica um acto iierturoador da boa cr- de laucar fogo a dous extremos do imperioaustria- nerantc urna votacao de 9.1 votos contra o.l muns-
dciu e d. sconbece a autoridade federal, cojo co, para ver se ao menos de um lado garita a pre- tenaos. A votacao leve lugar a proposito da refor-
kt v______I -----____ A____ _1.&.la-a 11^ ^1 1>J ill. I I t 1 1 i I \ t\ k I Alll*l lTli_J*tl^felll 1 1 I
o governo nacional, e os prove estas proposlaa de emenda rosposta aodis| Por cssa oceasio deu-se i a villa de Rafe tima Joao da Cunta Magalhes, 8 ancorlas rom polit.iacs, e Estevo, escravo de Jos Flix da Ca-
rom da cora, pois todos conherem a origen um desagradavel occorrencia que lem sido largamente azeilonas. niaril pimental Jnior, requerimeiilo deslc.
M deiiutados da cmara pomo (atonda de eleieopopular; e-alm disso um i Halada ua imprensa. | Joao Ferreira da Bocha, 12 caixas com ce-j O chefe da 'seccao,
as suas demissoes que voto que n'um paiz verdadeiro constitucional der-1 Quando nos pacos do cono jlho da dita villa se bolas.
riba um ministerio, cm Franca ou na Ilussia, toma, reuniam os quarenla maiores tontribointn, o Sr. i Joaquim Antonio Pereira,
Os jomaes italianos publicam um manifest do o caracler de urna aggresso ao monarcha. Id
neral Garibaldi em que annuncia a formaeao de t'ahio o gabinete blgico. A rombnarao mi- ti
na commissao uniUria, e convida os Italianos nisterial contina a ser mu difflcil. O rei deixa s
I deputado Ferreira de Mello (di opposico) encon- es.
gener
urna
1 caixa rom salpi-
1 bar-
trou-se rom um dos cleitores i qiz aitrahi-lo ao Joaquim Ferreira Azevedo Guimarjes.
seu partido, que neste comeno; um empregado da rica rom sardinhas.
administrado do concelho e seu irmao, os Srs. Joaquim Domingos da Silva Jnior, 10 cai-
Paulino Jos de Bastos e Francisco Jos de Hastos. xoes com I resma de papel, vasos, globos de barre
approxiroaram-e dos dous que ronvetsavam ; o e outros objeotos.
seccao,
/, G. de Mesquila.
Movimento da casa de deteneao do dia II de
fevereiro de 1864.
Sr. Ferreira de Mello adverti-os de que eslava a
fallar em particular, que se rdirassem : ao que
ponderancia que desoja.
O governo italiano declara pelos orgaos
puta que osla resolvido a fazer mantr
por isso que o partido da aceao pretende oceupar
a autoridade do rei e do parlamento.
Foi preso em Milao um tal Slampa que um
dos cliefes do pa nido da aceao ; foi logo mettido
no segredo.
As autoridades austracas fazem todos os prepa-
rativos em presenca dos manejos que se preparan!
na Italia.
Bpera-n em Verona com impaciencia a rinda deado.
de Itenedeck. de Vienna, e ludo annuncia uina Continan
auxilio re lama; alm disso a carta que elle diri
gio ao imperador .Napoleao, segundo se deprehende.
da marcha por este dada aos negocios inteinaci-
naes, nao combina eom o modo de ver do impera-
dor dos Francezes ; e sobro tudo invocando o du-
que re Aosustcmhurgo a interveno i da Franca.
acomenda existente entre a Dinamarca e a Alle-
inankia. da um passo mu pouco poltico, pois alie-
na as sympathias dos estados allomaos.
A Austria o a Kussia einpregam os maiores cs-
forcos para conservar entre si o aceordo na quts-
tao d amar.pieza, e para attrahir toa poltica js
estados secundarios que pelo impulso da Baviera guerra prxima,
tv^reitaram a sua iwvposia relativa a presenca do
duqu i de Auguslemliurgo no Holstoin; estas po-
leniiai dirigirn urna nota iilentlca aos govern3S
ditaidentet, em que dec ara que as duas grandes
fietenciat obra rain de acerdo na qaeslo dos du-
chleswig, nao como membros da confederacao, ms
como potencias europeas, e garantes dos tratados; leza, DO ene do se tentar algn assalto, e i o loi -
que essa occupacSo, a titulo de garanta nio pre- le Uta Oae* u coaservar en poder dossoidaaos
judie, de r taneira alguma a questao de succcsso austracos^,
que fica reservada.
Ha na Allemanha grande anla;onismo entre a
na constitucional, cuja discussao durou alguns elles responderam. que nao queriam.
da im- dias.
as Kis, O novo gabinete ficou constituido deste modo :
Presidente do consclho e estrangeiros, Anasola.
Ministro da justiea, Alvares,
Guerra, llaraumii.
Fazenda, Timpila.
H. mu. lienairdes.
(Miras publicas, Moyano.
Hariaaa e ultramar, Castro.
O Sr. Mello chamou-lhes indo mal creados
!e correu sobre um que llie mo trou um revolver.
O outro, o Sr. Paulino Bastos, puchou por on-
tro revolver, e bateu-lho.
t O Sr. Joaquim de Sonza Ffrreira Villas -Boas.
sobriiihn do Sr. Ferreira de Mal O, coi rou entiio em
auxilio do lio-
O Sr. Paulino Bastos bateu Ihe tambem o re-
volver duas vezes, nao pegando felizmente de ne-
0 novo gabinete sabe das leiras do partido mo-1 nhuma ; depois ainda puchou pir urna faca contra relio.
Joaquim da Silva Castro, 1 barril com pre-
suntos, I caixa com 1 imagens e resplandores de
praia, e 1 oratorio com i imagens e ;( cstollas.
Joaquim Vieira de Barros, 18 saceos com Vi
e meia arrobas de louro, t.i ditos com 120 alquei-
res de fejto e 30 barricas com sardinhas.
Jo Barboia de Mello, 1 eaixao com livros.
Jos Joaqnim de Castro Moura, I barril do 4"
com vinlio.
Jos Marcelino da Rosa, 53 saceos com fe-
jao.
Jos Pereira da Cunha, 30 alqueires de fa-
um terceiro que soccorria os Ss. Mellos, nao po-
os triumphos dendo tambem felizmente emp-egar o golpe, por
Ihe susterem o braco a lempo.
U Sr. administrador do ccncelho chegou no
fim da secna vergonhosa que ai abava de se repre-
sentar mesmo as portas da adn inistracao, e man-
dou prender os aggressores, que |odoram eva-
dirse.
sem interrupeao
hespanbes em S. Domingos. A guarnicao de
Os 'soldados apezar dos rigores da est:icao fazem Porto Praia sorprendeu e derrotou os insurgentes
continuados exerccios. O forte etla troce em que tinham na sua frente a zi de deiembro.
Peschira foi anntdo com arlilbaria de grosso ca- S. Anna tambem bateu os insurgentes a H> em
li(,ro Jubila 0 Ro llama-a. O general Hungra, das re-
Tem-se tambem anubado Pont, Pozzolongo, e servas, batou-os prximo de Jasnana z7do do-
Mozambano nfrenle dos reparos de Peschira. zembro. e a 4 de Janeiro soubo- se emS. Domingos
Toda esta artillara dettinada a proteger a torta- da completa derrota dos rebeldes, que abandona-
do foi- ram os sens armamentos e mesmo os seus papis.
Finalmente as columnas formadas pela divisao
Gndara, e que tem a sua base de operacoes em
partido a vaneado no mcio-dia da Italia quiz Anta, baleram repentinamente os insurgentes, que eslabeleciineiitos de teeidos do i orto segundo o re-
tirar partido dadomissao dada por Garibaldi, do fugram em debandada por toda a parle. | lalorio e ron tas relativas ao anno ltimamente hn-
us- cargo de deputado, pretendendo fazer urna man- O vapor Ullou capturou um navio mercante in-; do, leve do recela 2Uo98U o dt detona 4UW.
alterar festacao elegendoV de novo; a popularidadc de glez. que conduzia grande quaatdade de armas e | O saldo que passou aconta nov de 1:130*135.
Jos da Silva Loio & C, 36 rodas de arcos
de pan.
. Jos dos Santos Xevcs, 1 barril rom 46 ar-
ralis de prestimos.
Marcelino Jos Gonealves da Fonseca, 8 bar-
rs de 4" com vinho.
> Manoel Joaquim Bamos Silva A Genro, iO
incias pipas eii barris ile quinto com vinho, e 35
A commissao nomeada pelo governo para ins- cimbeles com 2520 duzias de pomada
peccionar o caminho de ferro te Lisboa ao Porto < Manoel Martins Ros, 2 ca xoes com 200 ma-
fez hontem as experiencias na jonte de Esgueira, eos de Haba.
e deve proceder ao exame da ponte do Voupa. Palmi'ira & Beltrao, 120 azuleijoss e 30 barris
i A associacao auxiliadora dos propneLarios do rom sardinhas.
Thotnaz Fernandes da Cunha, II cunhetes
A saber :
Kxistam...... 332 presos
Kntrarain..... 10 >
Sabiram...... 11
Existem...... 331
Xacionaes..... 221 .
Estrangeirot... 31
Mulheres...... o
Estrangeiras... i >
Esc ra vos...... 65
Escrava;...... 3
com diversas obras de ferragens, etc.
Ao capilo, 3200 restoas de ceblas.
tro-prussiana : este antagonismo aneaea
alele quegoii empaples, tornava cera e muito fcil a petrochos de guerra." Estes algarsmos denotara peuca prosperidade
K,a uniooaVod Se ?celeieao; mas o partido liberal moderado, que- Pelas ultimas noticias do Mxico consta que \ nesta assoo.acao, mas se se altor der a que ella con-
anvneno.
Estas eventualidades preocupara mulo asfolhas
mioisleriaes de Vienna e de-Berln.
As duas grandes potencias provavelmenlo h:.o
de recusar conformar-se^ com as resolucoes fedi-
raes, as nes eppoxeram um wio ueganvo.
A Austria e a l'rus-ia dirigiram ao gabinete di-
amarquez um ultimtum em forma de nota, ein
Dinamarca pan derrogar a consii-
uico de novembro no prazo de quarenla e oi:o consolho tratou a questao polo lado
lloras.
O prazo do ultimtum llndou a 18 do corrente e
qae ronimandon na Sicilia emquaiito aquolle paiz Jurez se refugiara em Texas.
nutre em estado de sitio. Tendo de se submeller Jurez nomeoii sou ministro da guerra a >ope-
a recleicao para deputado obleve a unanimidade te para substituir a Comonfurt.
em um 'dos collegios oleitoraes dos AbntZZOS, o As ultimas nolicias de Nova York sao do 10
que urna signilicativa prova de quanto esti- de Janeiro, e dizem que contina o omliardoa-
mado. ment de Charlestown, <|ue causa muilos es-
O seuado de Turin na sesso de li^oeca- tragos,
pou-se do tratado do commercio com a Franca. O ex
Dous senadores fallan contra. O presidente do Irot oempa uina posicao fortificada no Tennes-.v
linanceiro; dis- oriental. As autoridades do sul declarara que ne-
se que o tratado era destinado a eslreitar os lacea nltum cidadao dos esUdos confederados est sen
approveitou a ocea- lo do servico militar.
PERHAM8UG0
REVISTA DIARIA.
Xo Collcgio das Artes fizeram exame de francez.
dirigiram para de commum accerdo requererem ao no da 11 do corrente, 17 estudantos, sahindo 6 ap-
uar legislativo o grao, em ciri rgia, para as esco- provados plenamente, 3 simplesmente e 3 repro-
bas medico-cirurgicas de Lisboa e Porto. vados.
A reunao esleve muito concorrida, e como Para 2 e 4" supplenles do delegado do Bon-
de crer, fui plenamente approvada a dea e accoito to foram nomeados Jos Joaquim Bczerra do Mel-
o convite. Xomoaram duas ommissoes urna de lo e Galdino Alves Barbosa.
cinco membros para preparar os trabalhos neste Ao solicitador de capel las e residuos Domin-
0 excrcito confederad.) commandado por Longs-1 sentido, e ouira de tres para estabelecer e susten- pos Jos Marques foi concedido mais um mez de
lar correspondencia com os eslidantes da escola licenra.
crurgica de Lisboa afim de que haja o preciso ac- Com urgencia vao ser feitos reparos no depo-
cordo nos meios a empregar pata se consegurem sito d'agua no hospital militar.
os luis que desejam. Por ler provado isoncao legal foi mandado
c A ordem terceira de S. Francisco, estabeleeou por em liberdade o recruta" Emilio Jos Mamede.
- Foi autorisado o commandante do corpo de
, sabin-
qne ligam a Italia Franca ; .
este da os t inistros renn-senlantes da Vustria e si.o para manifestar os sentimenlos de ndignacao Em Portugal reeompoz-se (.ministerio,
*iftBMtt%Z^^^ horror que hara notado em Italia, o conflicto do os Srs. vsconde de S da Bandera, da guerra, u urna parle do edificio do sen h .sp.tal escolas de
Fsnra-s.. noe br.vem rite ls tronas de secunda tramado c'mlra o imperador dos Francezes |.or e A. J. Braancamp, do reino, e entrando : para a instruccao primaria para os lilhts do ambos os se- polica a dar ba.xa, ao corneta desse corpo Deoda-
cesrVa das duas "i and- notenefas comprehoi, qnatro italianos. O ministro concluio dizendo que guerra, o general Passos ; para o reino, o presi- xos dos irmaos pobres da ordei n e para lodosos to da (>sU Ramos.
dendo rinroVnta mH liomen< naraa oEider;o a Italia condemna estes chines, muito mais nelo dente do conselho, duque de Loul, e para as obras demais alumnos que pagarem A mauguracaodas A presidencia acaba de communicar ao su-
aades As palavras do Sr. Minghetti foram muito applau- Souza. ....
Continuam : na mannha, o Sr. Lnl ; justu;a.
Gaspar Pereira da Silva ; estrangeiros, o presi-
dente do consclho (que doixou a pasta das obras
publicas
noe didas.
l'm dos priineirus actos que segundo se suppoe
sero adoiilados petat gabineles de Berlin e de A respeito do attenlado contra .\apol.;ao,
Vienna > dar ordem ao duque de Augustcmburgo eis os promenores dados pela PraVie: A polica
para abandonar o Holstoin. vigiava ha lempo qualro estrangeires chegadus a
Entretanto ha quera assegure que a ocenpacao Pars vindos de Inglaterra, e cuja apparenna se
d'aquelle ducado pelas tropas prussianas e anstr.- tornava suspoita. No domingo foram presos as
cas nao sera visto com desagrado pelo rei Chri;- casas em que residiam. na ra de Saint-Honore
a mesa, muitos irmos e outros i avalleiros. Eslao tuitos, a que tera direilo o governo nos trens da
j matriculados 39 meninos e 5o meninas. mesma estrada, poderao tambem ser concedidos
A com|ianbiade reboques martimos efltivaes pelo chefe de |iolicia, deventloas guias para a tro-
desta cidade fez aojuisicao de ir ais um vapor cuja pa poderein seguir na predila eslrada.serem d'ora
Comproa em diante dadas pela secretaria do governo ou por
desagr.
tiano e pelo seu ministro. ,85. M '" "ova dos Petit-Charagrs. hncon-
Esle acto sera uina consequencia dos ajustes d 3 trou-se em seu poder una grande qnantidade de
1R52, consumado por potencias que assegurarara o plvora ingloza, qualro punhais, quatro rewolvers, |
protocollo em que se garanta a succcsso dina- e quatro bengalas de tiro, de um systema novo
marqueza. muito engenhoso, phos|.horos, capsulas, rastlhos agua a corveU Duque da Tercena.
Alm disso mostrando-se que a presenca daqttel- de alguns metros de extensao, e oilo bombas Orsi- Falleceram : o vsconde de
las tropas obstar a oceupacao federal, prevenin- ni, mas de ferro batido, e nao fundido, sendo por anligo magistrado e par do reino,
do-se deste modo os manejos e as demonstraede:, consequencia de mais fcil manejo e menos peri- thoalro normal Josepha Soller.
fazenda, o Sr. Joaquim Thotnaz lx>bo de uecosdade era ha muito reconiecida.
Avila. o vapor Meudet Leal, que se empregava no porto aquella reparticab.
Um deputado, o Sr. Levy Mara Jordo, pro- de Lisboa neste servico. A co npanbia possuia O vapor inglez, portador da mala de Sou-
poz a liberdade dos cultos ; o ministro da jusiica apenas o vapor Foz do Douro. thampton no correle mez, o Punira, que par-
propoz aabolico da |iena de morte ; o ministro; OSr. hispo do Porto parti liara Lisboa a oc- to 9.
da fazenda a liberdade do commercio do tabaco. cupar a sua cadeira na cmara dos pares. Ficou 0 vapor francez Bcarn trouxe seu bordo
- Iloilou-se ao mar a nova crvela Duque de \ governando o bispado o Sr. Dr. provisor Jos Joa- da Europa 110 passageiros, sendo 6 para Pernam-
331
Al mentados cnsla dos cofres pblicos.. 142
Mcvmento da enfermara no da 12 de fe-
vereiro :
Te ve baixa :
Manrcl Gomes da Silva Jnior, gastrite.
Teve alta :
Joaquim Ramos Machado.
Passageiros do vapor francez Bearn, proce-
dente de Bordeaux :
Antonio V. X. PeHou, J. Tinoco Barbosa Belnu-
ene, \. B. Bariagi, Jos Joaquim Ramos Ferreira,
Domingos Ribeiro de Oliveira
Saino para o sul :Joaquim Jeronymo da Costa
Machado.
Passageiros do brigue porluguez S. Manoel l, sa-
bido para Lisboa e Porto .
Antonio Ferreira Leal, sua senhora edous filhos
mencres.
Passageiros do vapor nacional Jaquaribe, sabido
para o norte :
Dr Americo Mililao de Freilas Guimaraes e um
criado. Candido Ferreira de Souza Torres e lira
criadn, Joao Pita Vraes e sua senhora Francisco
Ferreira de Novaes, Flix Ferreira da Silva, Ama-
ro Birrelo A. Maranbao e um filho, Antonio Joa-
<|uim Gomes, Fernando de Cerqueira Carvalho,
Francisco Jos Gomes, Jos Pedro da Costa, Julio
Francisco de Azevedo, Manoel Pereira de Carva-
Iho, ios Antonio Lopes Guimaraes, urna lilha, um
filho e un escravo, Egydo Cilana, Manoel Fran-
cisco Santiago, Dr. Joaquim Germano Ramos
OBTUABIO DO OA 11 DE t'KVKHKIUO.XO CEMITERIO
PCBLir.
Alexandrina, Pernambuco, 14 dias, Boa-Vista ; es-
pasmo.
Pedrc Ferreira dos Santos, Pernambuco, 22 annos
solleiro, Boa-Vista ; ascite.
(^Mistinlino Olegario Bispo, Gamela Grande, 18 an-
nos, M.ltero, Boa-Vista ; phlysica.
Joanna, Pernambuco, 20 annos, Boa-Vista; inte-
rle.
Mana de Assumpcao da Hora, Pernambuco, 22 an-
nos. solteira, Rooife ; tubrculos pulmonares.
Mentor, escravo, Pernambuco, 21 annos solleiro, S.
Jos, tubrculos pulmonares.
Maria Pernambuco. 7 annos,S. Jos; congestao-ce-
rebral.
Jos Lojies, Pernambuco, 46 annos, solleiro, Santo
Antinio; estupor.
Amalia Francisca das Xeves, Pernambuco, 17 an-
nos, S. Jos ; nter ilo-chronica.
Palmella; a 15 de fevereiro devia ser laucada
Porto-Carrero,
e a actriz de
que se manifestaron! no Holstein, apenas
clamada a exerucao da dieta.
Julgam alguns possivel que se cheguc a estab-
lecer um acerdo a este respeito enlre os gabino
ll's austraco, prussiano e dinamarquez.
\Em Berln um doschefes da esquerda parlamon
la\. em nonie das fraceoes liberan da cmara n
dos depuuidos. apreteatou uina mocao em que se
aecusa a |K>htira aulro-prussiana, dizendo-se qra
aj duas potencias ureleuJuia culi-egar os dueath
a Dinamarca, suscitando assim urna guerra civi.
aa Alk'iiunha
foi pro gosas. Discutia-se ainda, sahida do paquete, a res
Tambem se encontrou cozida na calca daquelles posta falla do throno
homens, uina caria datada de Londres, e concebi-
da ora termos coinproinettedores.assm |ra o preso
romo para 0 signatario.
Tres dostes homens sao Italianos, e chaniam-se
Trabuco, Imperalor e Grecco. O quarlo ocul-
ta-se sob um nonie Mipposlo.
Dous d'elles, nm de 29 e outro de 10 auno- de
dado pareeem ter recebido bella educacio, |k>s se
exprimen com muita facilidade.
Cm dos presos, segundo se diz, j confessou o
A real familia passava sem novdade.
A cmara alta approvra que o reconhecmenlo
de S. M. o principe real, D. Carlos, fosse feilo com
a matar solemnidade.
Xosso correspondente do Porto diz-nos o se-
gunte, emdata de 26 do passado :
t Xo da II do crreme foi lido em assembla
peral dos accionistas do banco Unan o relalorio
da gerencia deste estabolecirnento baucario referi-
do ao anuo ltimamente lindo.
iuim Corroa do Vasconcellos. buco, 4 para a Baha, 40 para o Rio de Janeiro, 9
A sociedade Philarmonica deu em urna das para Montevideo e 51 pan Buenos Ayres.
noites da penullima semana a primeira reunao de Segunda-feira prxima reunese o Instituto
familias no presente invern. 1 ouve na forma do Archeotogieo e Geographice Pernnmbwano, em ses-
costume concert e dansa. sao, afim Je proceder-se a cleicao dos dignitarios
< 0 Club Portuense dar os/u pnmeiro baile da associacao.
ordinario na noite do 1 de feverjiro. Do porto do Havre sahiram 10, abarca
A companhia lyrica recome wi os seus espec- franceza Coligny, para Pernambuco, c 13 o bri-
jaculos com a opera Hernani qie foi applaudida. gue francez Fernand, para o Maranhao e Para.
>n, o tenor Limlierti, j Nessc mesmo porto Acarara carga : a bar-
O denotado Wirehou fn rgunton se Russia re- proposito criminoso da toa conspiraran. I As pnncipaes operacoes foram :
ceitar o tratado de Londres, de|wis da Dinamar- A inslruceao do proeesso anda nao est con- Descont de o:l.)3 letras...... .i.al.K.i178
a ce t.:r negado a abolir a consiituicao do m.vom cluida. >'0............
bro.
323:K7jM5
6,670:4595732
Alguns jornaes atti ibuirara esta tentativa Maz- Saques sobre Londres........
O m.nistro Mr. Bismarck declarou que respon- zini, i|uc protcstou com a soguinto carta : Transferencia de fundos entre o
dera logo une cmara lomar alguma resoluco :.' Londres, 14 de Janeiro do 1864. Desde que Porto e Lisboa.............
rcspeiti do oruprestimo. : foram presos em Paris qualro Italianos aecusados 1,087 letras lomadas sobre as
O ministerio austraco tambem foi inlerpellado de tentativa contra Lou Napoleao, tecm chovido provincias................
cerca de suaallitude nesta questao, perguntando-se-; sobre mim aecusacoes de toda a especie por parlo
Ihe *: a Austria execuiaia os aecrdos da dieta, dos orgaos do gabinete francez, e foram reprodu-
zidas pela imprensa ingleza. I Os depsitos particulares subiram a........
t Serapre live por costume nao enlrar era dis- 7,159:168,3310 rs., e os emprestimos com penhor
enana acerca de aecusacoes contra mim dirigidas a JS8t:l78#133 rs.. figurando nesta ultima verba a
por inimigos declarados'; o tinto especial desposto quanlia de 100:000.5 em bilhetes do Ihesonro eom
governo antriaee pedio acamara umempres- do fazo-lo, sobretudo quando essas arguicoes pro- garanta de interipedet, e 82:1834863 re. do em- atirou-llie com urna faca, mas t;o fatalmente, qne
timod. 1:401:000 000 Aorins, dosquaes 10:000:000 codera dos agentes do. um hornera que, quanto d'ol- prestimos sobre aeces do propno banco. |a faca sondo de ponto se cravou perlo do cor.vao
se destinara para attendor a execuco federal ao' le depende, emprega a torca bruta para privar o Xa conta de ganhos e perdas apparece o saldo da des.iuosa menina que expuou poucas
Holstein. \tnea paiz da unidade que reclama ; e esto fazendo liquido de 126:2765424 rs. que leve a appltcaeao. depois.
Acamara dosdepulados prussianaregeitonpo- em Boma a baso dasoperaces da guerrilhagom s.puinte : rapazmho fugiu de casa es mondo e passou
prand. inaioria de duzen'os e setenta e cinco votos \ que infesta o sul dallaba,
contra cincoento e um o proieclo de empresliinj Cedendo, nao obstante, as soleilacoes de pre-
ou se negar a executa-los provocando a sua dis
soluco, urna guerra civil na Allemanha. c Mu
onde p.ide cliegar a boa iiitelligcncia com a Pilis-
ato.
Espera-se a prima-dona Lafon,
que se achara em viagem. ra franceza Vttle de Bouloyne, para o Maranhao e
c Xos thealros Baquel e Circo, j comecaramos Para ; e a dito dita lean lia)ti$te, para Pernam-
bailes de mascaras, mas nada n..lave 1 appareceu buco,
anda. \ Hontem vimos pela primeira vez o carro fu-
Deve sahr prximamente pira Pernambuco a nebre que os Srs. (jainteiros & Agr mandaram
exceliente c linda barca Claudia i, propriedade do preparar para o seu estabelecmento; o qual acha-
commerciante do Porto o Sr. Florindo JosToixei- se assm munido do melnor vehculo mortuario
ra de Carvalho. E'a primeira vagem. Foi cons- que ha nesta cidade actualmente,
truida no estaleiro do Ouro. A sua lotacao su- K, com effeto, urna obra sumptuosa, na qual,
peri^r 400 toneladas. parle a idia de tristeza que infunde a sua vista,
^ correio de Lisboa trouxe hoje a noticia de nota-te elegancia e apurado costo, nao s na fr-
ter sido agraciado com a eommmda de Christo o ma, como nos adornos. A riqueza dos relevos dos
2,126:9675011 Sr. Manoel da Silva Santos, capitalista porluguez capiteis das columnas, e do fastigio do todo ; a or-
em Pernambuco. | namentaco em fesloes dourados dos fustes das
Em Avnles deu-se um acitecimento lamen- mesmas columnas; o apuro artstico, e symetria
tovel em casa do lavrador Jos .'ioguera Barboza, das respectivas partes nao excluem todava a sim-
rendero da Quinta de Porgas. Fcaram mesa, plicidade tao necessaria oifi taos pecas, em que a
depois de torera ceado com o pae, tira menino de
12 annos, e urna menina de II. Brincando, des-
aviratn-se ambos, e como a irrra, levantando-se
da mesa, atinan com urna aeha ao irraao, esto
140:0945065
Ul POUCO DE TODO.
Do j'ournal Amusnnf Iraduzimos o que segu :
OS VELADORES.
A noite passada eu nao dorma.
E puido-rac a cuidar, pensei com o Qm de 00
solar-me nos numerosos irmaos de insomnia. que-
devian contar as horas na boa cidade de Paria.
E e j passei era revisto a grande legio dos que-
nao dirmem.
Legio multiforme e heterognea I
Ha tantos cousas que pdem conspirar contra o
nosso somno !
E assm, vendo o numero do meus citaros rolle-
gas de insomnia cresccr incessantemente em mea
pensainento, comerei mentalmente a p-los em ar-
rumai;ao clarificada.
Querereis percorrer o catalogo T
Tenho pois a honra de apresentor-vos aquelles-
que no dormera ou os veladores.
I
POn CAUSA DA DlliESTAO.
Paulina!... Ella
horas
projeclo de emj
pro|M.stu pelo governo.
Mr. de Bisatark rosolveu urna nova dissoluca)
das cmaras o j se acham redgidas asorden*
reaes para a Jdiar todos os projectos regeitados po-
los depuiados.
A resposta do re, mersagem dirigida pela?
cmaras sobre a questao dinamarquoza. notavel
pelo sou ntvta e pelo divorcio entre o soberano
cortos legislativos, vordadeiros representanlos
zados amigos inglezes, declaro :
Qne nunca instiguei pessoa alguma para ma-
lar l.uiz Napoleao.
Dividendo de 4 l|2por cenlo 90:000;000.
Fundo de reserva 30:0005000.
. Pasta nova conta 6:2701124.
t Bcunindo o dividendo agora proposto,
3 |Kir cento, j pago do primeira semestre,
danacao, visto que o goverm) consultoti jpordut; Lugano, a absurda nomeaeSo de tenonto dada a
vezes os seniinentos do paiz. I Imprratori para commandar urna brigada de qua-
O imperador d'Austria passou revista as Iropii tro homens. e as photographiat dadas a ossa gente
detinsdas para o Schleswig, recoinraendando-ll j sao imputarnos absolutamente Gritas,
anelhor inlolligenca e Ix'ia harmona para cora as1 Que as minhas photographias rom o meo
tropas do contingente austraco.
A Kussia va i mandar
para os ducados.
(ls Wnamarquezei dettruiram as pontes sobre o
Fiter, prximo do Premingeu o Wallesma.
A passagem prxima de Fioderickslaml torno i-
.o impi-alicavel, mas continuam ascommunicardes
posuet.
Que nunca enlreguei bambas, armas de vento, que o banco l'nao disirbuo aos seus accionistas,
revolvers ou punhacs com semollianie propo- pelos lucros obtidos no anuo passado. 7 l|2 por
sito. cento ou 75500 rs. |H>r accao.
Que Trvbucro, Imperatori e Saylio me sao > Os lucros do banco corrospondem a 9 e 3|10
absolulanfenlc detconhe naos. por rente do capital emillido.
Que por eonsegomte, a reunan convocada em Xesta reunan apresontou a gerencia duas pro-
casa es lavordo
toda a notitc debaixo de urnas sebos, aoude, no
I dia seguinte foi encontrado n'um estado do para-
; lysia geial.
ao do No Douro continua a phantasinagoria da ope-
v-so' racao das prona da ultima novilade vincola.
poslas, urna para sor elevado o fundo social, e 011-
tra para augmentar o quadro dos em pregados na
seccao de seguros de vidas cargo do mesmo
banco.
Para apreciar estos propostas nonieou-se urna
facsmile vendora-se por conta do fundo para a commissao que deu o sen parecer approvativo em
a dcima terceira divisao emancipaos., da Veoecia, as ofllcinas da L'uita assembla peral do dia 15.
italiana de Millo, e em outras partes. O augmento do fundo de 3,000 conlos. A
Que nao dirigi carta alguma, com ou sem terca parle desla qnanta ser emiilda quando a
dmheiro a Grecco em Paris. Conhoco Grecco. dreccao, de accordo cora o consclho fiscal, o jul-
Centenas 00 militares de fovent do nosso partido gar conveniente.
nacional sao iiious conhet idos. A eiuissao dos restamos 2,000 contos s ter
Greca: 1 um patriota enthusiasta, que tove' lugar quando as operacoes do banco a exigrem,
O presidente do gabinete dinamarquo/., Mr. Mo parte acliva as emprozas de 1860 e 1861 no sul mas s se poder* levar a olfoto com a approva-
rad, declarou aos ombaixador/s do Inglaterra e da da Italia; c esse o contacto que teve comigo. ( cao da assembla geral.
Ilussia, que a Dinamarca adheriria voliinlariameii- Sao tem era sou poder enripio algum mou. ou; se Para a distribmcao das acedes foi approyado,
te a pioposia ingloza para a conferencia. algum possue, deve sor com data de nove dez j nao sem largo dbale, o melhodo proposto pola di-
O presidente do conselho tambem declarou que mezes anteriores. rectora que o screm preferidos na ditlribuico |
aceitando
todo
saldad
rad, que
A peropipa tinta do 1862 I :m sido vendida a
1I550"0 a pipa, as geropigas .mamadas lomas a
1005000.
t Xo concelho de Celorco ^ o Basto tera gras-
sado febres paludosas e feito alg unas victimas.
A Voz do Minti, jornal de t'alenca conta que
a muila geada e o intenso fro fizera daar os lo-
bos a muitas povo icoos ruraes, e tambera aos su-
burbios do algumas urbanas. O seu appareriinon-
to foi mui froipionte no ron&ilho da Ponte da
Barca. Em muilas freguezias Telle, appareceu o
loboadiAerenles lavradores, quo fcaram liradoso
com o cabello ouricado.
t Xa fregiiezi.i de Villa Xova de Muhia, sera
prosa do lobo um lavrador, se llic nao prestassein
prompto soceorro. 0 lobo appareceu nos subur-
humildade christoa nao dovo sor absolutamente
banida quando o nivel da morte tem feito dcsap-
parecer as desigualdades mundanas.
A mao d'obra da entalha foi feito pelo entalha-
dor de S. Pedro, a do ferreiro pelo Sr. Augusto,
cstabelecido nos Coelhos, o a pintura do Sr. Dor-
nellas.
Dos Afogados dirgem-nos a seguinte noticia,
cuja materia carecedora de providencia :
Desde outubro do anno passado, que temos
aqu um chafariz.o qual de nadase ha prestado s
necessidades desla freguezia. porquanlo as aguas
pela (alta de esgoto de nada preslam.
Era presenca disto, va i ainda sendo o torne-
cimenln dolas feito pelas carraca.;, como o era an-
teriorraenle cora detrimento da populaco; assm,
|iois, como a companhia soja a conqitente para
zelar a respeito do que havomos cx|tendido, a ella
dirigimos os nossus pedidos, para que possamos
gozar do beneficio, que nos lera concedido a le, e
nao estojamos obrgados a comprar um lialde de
agua a 80 rs. quando j |K>deriamos te-la por
20 res.
Kemollemnos esta noticia :
Propara-sc a testa do glorioso S. Francisco de
Paula, em sua igreja na povoaco do Caxang.
O levantamenle da bandeira lera lugar na
quinla-feira 18 do correnle, s 8 horas da noite,
depota de pereorror alguns lugares da povoaeo :
e acnmpa
nao me onvira
quando a genU; cha-
comer cercelis
Paulina!...
acato ?
As mas sao todas surdas
ma-as.
Ma- eu' que tenho a culpa...
fritos !
Paulina!... e sentir-me incommodado... eu !
Convidar os outros a jantor para enche-Ios do
cercelis I.. A poltica nos torca a... Paulina !
E querem ver que ser-me-na preciso levantar
orinado mesmo, para fazer urna chicara de cha...
Se ou soubesse o nomo do aclimatador dos cer-
refis, eu Ihe... Paulina I...
L'rai rapariga a quera dou quatroeentos francos,
sem \inho... alm das feslas I...
II
ron causa da disciplina.
l'm... dous... tresl...
Tres quartos... anda urna hora e um quarlo de-
sentinella... c com este tempo !
Vai to engajar, imbcil... isto te ensinara...
Quando me letnbro, que, se nao tora esta calca-
da, pedera a esta hora dormir em mcu lar, na ca-
inarinha verde...
tem I um aguaceiro agora... passei ao largo t
l'm... dous... tres...
Coi .10!
Ainda os tres quartos!
Tera o cabo parado os rologios para prolongar
o met supplicio?...
III
roR c.u'sa do criME.
Dios da Ponte da Barca, o taml, mi. em Campos do nn ooadozda pelas senhoras sodeiras, o .1
Lima, local frontem aquella po.-oaco, e na mar- nl,a,la l,or ,das as ou"'as st-'nhoias que 1
gom dala do rio Lima. Em abokn da Nobrega >iaenm prestar: com cantona das mes
naaur
ra com
niitiisseiu
u^T^^ATnr^^^^mMAl I" 0'mirisTro Mr teuher, responden considerando O dito accionista fundau.entou as.
Fma cmnoria os ^Zntu^MhiZ^n ^acil^ expreses como urna ameaCa que ufo dizendo que se o banco ti veste perdido dez por
,f,'3 da ABemanba con,ra,dos e,n mtimi.L, o governo. T cento do seu capital, cada accionista lena perdido
loa*, uch u rtoc.i.-u.w. Q ri,||K.n priameniar.disse elle, lerininnu, do urna decima parto das suas accoes. Assim como
O imperador da Kussia vai fazer urna no\a imperador reina e governa. A liberdade ha de n'uma sociedade o augmento do fundo feilo pe-
divisao terrilorial tomando para base o systema re- ebegar quando tur momento oppnrtnno. los socios na razia da sua entrada, o mesmo se
presenlativo. Isto dar lugar a urna serie de re-! Mr. Thiers appresentou as segrales emenda- ao j deve praticar na associacao bancara. Que al-
formas com o im de abolir a etenridao e de e;- projeclo de mensagem : urna sobre eleicoes e ca- guem quo queira ser accionsla pague premio a
tabeleeer a reorganisaco judiriaria. A grande c;-' ddaturas oflieiaes; outra sobre a liberdade do im- quem Ihe ceda o inte roste muito rasoavel, mas
1 ala en qut estas reformas se devem operar, |x r prensa, outra sobre Roa; e outra sob a Pop que o accionista pague premio a si mesmo era cou-
is-oque devom aproveiiar a setenta mili.oes < o loma. ,sa vsvel !
habitantes, torna a sua execuciio difflcil; mas ap:-: QUant0 ao Mexico diz a pro|1oSia de emenda, O banco commereial do Porte leve nova reu-
zar de*te e de outros embaraces dizem os jornal s qU). a camara via com scmimcnlo que o governo' mao do assembla geral no dia 17 para se discu-
rnoscoritas que o, governo rasn nan abandona o pri.ssle na eXpedicao do Mxico, nao pudendo a tir o parecer da commissao de exame de contas,
cammno do prog'esso e da civitisacao. camara a|K.iar-se a esto Mnpren ruinosa, sendo e cumprrem-se oulras dispoticfin dos estatutos.
" nlerprelo da opimao puLhca pedindo que se por A commissao approvando todos os actos da
nlia termo a ella iminediatoinentc. 1' gerencia, propoz que fosse consignado direeeao
Quanto a Boma : A cmara senta que apezar um vote de louvor pelo bem que soube gerir os
das suas proinessas, o governo a lenba na ignoran- negocios do banco.
i ca acerca das negocaqes estabelecidas com a Santa
S. A cmara presiste em arredilar que Boma
; perleuce aos Humanos, e que a oceupacao deve
anear.
Quanto Polonia: A camara ao contemplar a cer da commissao foi plenamente approvado.
lula heroica que a Polonia est sustentando, nao Entre o Sr. Gaspar da Graca e o presidente da
e perseveranca, que termina i pode lirnlar-se a exprossao de urna vaa sympalhia a dreccao, o Sr. vsconde de Figueredo, travou-sc
I favor do direilo que tem de ser una naco inde- um animadissimo e espirituoso dialogo em que as
pendente. anudiilidades foram reciprocamente trocadas, po-
0 governo que a principio reprovou solemne- rm tudo Acou emboa paz.
monto os extoreos d'aquelle povo, animnos dc- Para a dreccao do banco foram eloitos :
1 pois. presidente o Sr. vsconde de Figueredo, e directo-
A cmara acredito que a senda onde se embre- res os Srs. Balihazar Jos Martins, Jeronymo de
nhou nao lem sahida, e em nome do inleresse da Souza Guimaraes, Custodio Teixeira Pinte Bastos
Europa pedo, que, imitando o cxemplo dado pela e Antonio Bernardo Ferreira.
Franca e Inglaterra a respeito do rei de Napolet,' Aquie as provincias procedeu-se ltimamente
grito"de 1849 >< victoria\ Declara que se ada'rompa as relacoes diplomticas com urna potencia as eleieoes das commissoes do recenseamento que
coiistiluido im governo nacional, pede que as rr-! qne ealcou aos ps os tratados, e as regras eternas teem de funecionar no crrante anno, as quacs fo-
d"i i desse iiovenw tejam reipeilad 1- o prompti- | da humanidade. I ram eleitat, como determina a lei, pelos maiores
mete exeeiiladas, e proinette o castigo de Irad> Niio provavel que a materia das -amaras ap- conlribuinles dos respeclivos concelhos.
ralysar os seus recursos, o governo rnsso acaba de
tomar nina wva sene de medidas, entre as quai s
figuras o sequestro dos bens de todas as pcss:.s
envolvidas ro movimento.
O ai.o cle o que tem sido vexado por lodos 1 s
modos acaba de soffrer urna nova e pesada contri-
Janico.
Ojrovorno nacional iwlaco d.irigio urna pr<>
ltHuente coragem
as-im:
Soldados! Curapri a vossa tarefa at o exter-
minio e griae sempre: Vica Polonia litre urna
4 indepeniertte eom a Lithuunia e a UutlieniaS
A nsurmcao progrde e os exoessos c barbari-
dades dos toldados do czar cada vez se tornara
minores.
I^uiz I.0SSU1 proclamou timbera aos Hnga-
ros que se pproximava a hora de liberdade. ao
oriijem no anno de 1862 en con ra-so a
para mais a favor de 1863
differenca
Direilos.
a barca Ta-
22 a barca
f Xa discussao do parecer da commissao o Sr.
Jos Gaspar repeli as aecusacoes, que em carta
anlerior; dissemos ter o dito accionista dirigido
directora. Nao obstante esto insistencia, o pare-
No astocar, kilogrammas ...3711,329
Xa agurdente, litros........231,796
Abrirn termo de carga : .-m 11
MMOi para o Bio do Janeiro, o em
Litiza, para a Babia.
Durante a quinzena rom relacao ao Brasil
nao ontrou nem sahiu embarcario alguma.
A barca Claiulina, eapitao. os de Souza Ar-
nollas, a sahir para Pernambuco logo que o tem-
po o permita, manifostou o seguinte :
A Angelino Jos dos Santo: Andrade, ;0eai-
xas com albos.
Antonio Jos Ferreira. 1 ca xo com 2 mlhoi-
ros de era vos a 2oOmacaas.
A' ordem, :t poqas de ganga e 100 saceos com
47o olqueires de feijo,
Bailar & C, 120 alqueires le farello.
Bernardo Ferreira Campo;, i latas com sal-
picos.
Carvalho & Xogueira, 260 ralas de arcos de
pu.
Cunha Irmos & C, 76 nacos de linha. 8
mlheros e 300 razas de sal, l'JO saceos com 700
arrobas de arroz, 600 saceos et ra (eijo, 10 cos-
aos de polvo, 114 caixas com igos, oO barris de
5* com vinho e 25 ditos de dito cora vinagre.
Domingos Kodrigues de ndrade, 48 canas-
tras com 7380 matracas de albo: o 20 barris com
chouricas o paios.
Francisco Guedes de Arauo, 13 barris com
58 arrobas e 21 arralis de prest ntos.
< Francisco Bosa da Silva, 2Vaixes com 1 san-
tuario e o imagens.
Ferreira it Araujo, 100 du .as de pontos e 20
pegas de obras de palhela.
Ferreira & Loureiro, 27 barris com sardinhas
e ruivos.
Amenaidal... Ainonaida !...
Sao iros horas e moia da manha...
Ella dcsceu s onze horas e iros quartos para
i lsso se I compiar o cnld-cream.
direta 1 Kobrega i|unnn inom. .,.,,. ......o,,, .....- mesmas so- Admittindo mesmo que o pharmaceuticn Hiena
fre-uezia do consolho de Villa Verde um d'aquol horas o musir militar, subindo aos ares fogo de do prepara-lo expressamente para ella, isto nao
les anmaos devora.lores arreoetteu ota aldeo- anilicio e baldes aorosiaticos. justificara a ana ausencia...
que, leudo nina boa faca em punho, nao pode Os versos da bandeira e da novena, e as res- Urna mulher a quem tenho feito tudo!...
evitar um gravo ferimento pectivas msicas sao do nova composieao. Se nao reeetasse entregar-me impetos mui vio-
Xo havia, porm, noticia de nenhum oulro l)o lli;l Sl'r' i ser cantada por duas senhoras solteiras, eacom- Amenaida !
l'ui .piarlo depois do meia noite ella nao baria
mais 1 eappaiveido cm seu domicilio, nem no mou...
Oh cold-cream... cold-cream!...
IV
POR CAISA DE TIUVIALIO.UIE.
Sra., V. Exc. dar-me-ha a honra de...
Estou convidada, senhor.
O dialgo precdeme o fundo da eoanrsaea).
Xo mtis, ajunle-se:
ha: muito calor '. a gente morre abofada.
IJm' bello serao I
E vale a pona velar-se por isto at as seis horas
da 111 inliaa '
V
POR CAUSA DO JOGO.
Banano!
Ide aizcr-lhe que a mi esto a expirar; que a
amante o engaa ; que o estrangeiro tomou Paria
de assalto; que Nadar descobrio a direcro dos
aerstatos; que... que... que...
Elle responder-vos-ha
Bariquo I
E' um jogador I
VI
POR CAUSA DE A.NDAn.
Der.tro de duas horas chegaro as minhas leste-
munhas... tomaremos o carro, e chegaremos a...
Esta rae parecendo que fui mui arrebatado... .
Aquello sujeilo deu-me, verdade... mas seria
bem urna bofetada ?
Todo esta nisto...
Ora, evidentemente a mao nao estando de toda
aberta, foi um soco.
Fui muito arrebatado... deTeria fazer as mi-
nhas escusas I...
VII
pon CAUSA DO CORDaO.
Toca... repica I...
Maldita canalba, suppes que os porteiros sao
feitos de pedra como o obelisco?
Drelim!... drelimt...
Di verte-te ora executor solos de badalo.
Cluve a cantaros.
lujas ooraa so lazein com as jotas uas ontraaas
dos irmos que ora se ahstaram na irmandade do
mesmo sanio ; e em razo do se nao concluirem
87:7584390 cm tempo as ditas obras, nao pode tor lugar a fes-
10:4194770 ,a no <''a *'- cel.biai-so-ha no dia 2H.
Xcstas ciroumsiancias, os encarregados da
fesla pedem aos devotos de tao milagroso sanio,
que concorram quanto antes com as esmolas que a
sua piedado e torca Ibes pormittiroin. para que lu-
do so conclua com a ordem e lausperenne que os
actos da nossa sania religio demandam.
Bepartiqao da polica :
Extracto das partos dos dias 11 c 12 do fevereiro
de 1864.
Foram reeolhidos casa de deteneao no dia 10
do correnle :
A' ordem do lili. Sr. chefe de polica, Eduardo
Jos Pereira Barbosa, branco, vndode Ipojuca, sem
declaracao do motivo.
A' ordem do delegado do 3 dstrcto, Joao Bap-
fista dos Santos, pardo, por tentativa de morte.
A' ordem do subdelegado do Bocile, Joao Igna-
cio Dias, semi-branco, Jos Miguel Cupertino,
crioulo, ambos para correceo ; Germano, africa-
no e Jos, pardo, esclavos, eslo de Jos de Lemos
Barbosa, e aquelle de Dr. Alves, por fgidos.
A' ordem do da Boa-Vista, os crioulos Jos c Vic-
torino, escravos, o primeira de Jos Jaciniho de
Carvalho, e o segundo de Joao Ferreira dos Santos,
ambos por infraccao de posturas.
11
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Pedro
Antonio Soares da Silva, pardo, os crioulos Kober-
lo, escravo de Francisco da Bocha e Severino, es-
cravo do Dr. Madoel Izdoro do Miranda, lodos sem
declaracao de motivo.
A' ordem do subdelegado de S. Jos, Manoel
Francisco Virissmo, branco, por disturbios os
pardos Satyro Jos de Moracs, para averiguaeoes
i

i
(
4
*
i
s

f
V


:.-T-V->:. : !<- .- : I
1 "
Diarlo de Pernambnc Wabbado l'J de Feverelrri de 1904.

Quanlo maisdepressaeu abrir. StO le entina-
r a ii rerolheres balita* nuiles ao oascer do da...
no momento1)0 nii'ii melhur somno...
Sin! bate agora... em urna pequea hora os-
lara comtigo, tratante!
VIH
POII CUSA M CI.1ENTK.
Sr... D ... vinde depressa... minha pobre
lia...
O que tem ?
)r.. ainda urna crise.
Qnc queris? em sua idade...
Dr.. eu rolo snpplco. vindel
Oom el'eiin, eu irei... amanha. pela ma-
nha.
Mas d.qni al l... se minha pobre lia...
Bofe! Minha chara senhora, lodos somos
morais !
IX
POB CU SA DO VMOll bA PBOPRIF.DADE. IIK OLTIIO.
N;o ha aqui iiinguotn ...
I H I I .
D-me a alavanca para torear porta., duran-
te isio. viga la de fora.
Ku 1:111 principio sou pela organisacaa do traba -
lho.
X
POI CUSA HA VAC.ABI INOAGM.
I'ni ci-> errante.
Estes montees de iminundicias tornam-se de urna
mesquiiharia... nem ura so ossol
Se isio coniin.i, ver-me-bei forado a renunciar
a mima inde .tendencia.
XI
E neste momento, forra de cuidar aaquelles
que nao dorniem ou nos veladores, eu adormec.
) phomettido ti devid. "".
Era de noite.
Um ar dce e perfumado respirava-se; eram dez
horas I
A brisa ciclara macia e ternamente por entre o
matagil, soluindo nos leqnes dos coqueiros, e es-
tremecendo ai- trancas das mangueiras.
A lia com o* seus beijos de pruta comecav.i a
esmaltar a flor das aguas e no mais tudo era um
ermo I
Kra essa a noite t
Ba runa de passeio. Com o eoracao repassado
de saudades, e a alma a anciar pe a reatara, que
os olh.)> promettiain, eu adorara o iulimto no Bai-
lo, embalde procurando devassar os seas mystenos
por entra as niovedicts ondas do silencio !l
Clieguei alioal a casa do Sr. depois de feitos
os oteas respeilosos cumprimentos ao Sr. M. e ihi
comorei a conversar.
A palestra foi regia e Interessante.
Apreeiava-s; enlaoa fasta do carnaval na pes.-o.t
de un ; mascaras que all linham ido ler.
Na sala, tomando parte e interesse na paleslra
lia vi.iin varias e interessantes mocas.
Entro ella urna, se a visseis, ili-la-hteis uina
Mafia ideal de imaginario abundante e cadente
de poeta ; di l.vhieis lalvez urna santa reservada
para guardar em o seu eoracao a pureza e santida-
ile dos sorrises e alboras do Senhor!
E rea/meM; no pasmo de to doce embeveci-
iiimiii, nesses momentos fugaces de minha abstra-
cto, em que I senlia o crneo em fogo arrebatar-
se uo graud > das contemplarles para cantar as
maravillas da belleza, eu ja nao era aquelle espi-,
rilo que, entre os NlflatM da oppresso moral,:
soltav a espticos um gemido de saudade, que se
ia amortecer no trmulo gotejar de alguma la-
grima.
Ja n nao en, verdade !
Eu senta s i me reviverem as minias aventuras
llantes e loueis phaolasias de mancebo I!...
Coriera eolio a desvendar por entro as orlas do
liorisc nie de minha existencia o assomar lnguido
e tapido, o paludo e esmaerido sorriso da fortuna,
as miulias c-eneas j perdidas as noiies de nina
lesesfteriinca inlinia, comecavam a so donrnr,
ungidas de um sorriso dos labios daquclla sani.i t
Knto eu conversei, e muito.
Ka domingo e terca-feira, diziam ellas, appare-
eraa aqui uns mascaras; dous elegantemente ves-
t los um mudo e investido a nao sahir do carr i;
e outro tolo e idiota que ffttia pena.
Miuletnoiselle C. Calharina e tuname Mara, eram
das mocas da sala as mais intrigadas com es mas-
caras.
Repro luziram em poacas horas com um admira-
ve I fiero e face rismo todas as conlorrrjes, goslos,
iiioviineriii., desfrueies el retigna, dos mascaras,
<|ue tuihain visio, e entilo consliluiram um parla-
mento, o ide er .un ellas jmente os oradores, parla-
menta re; dtstiiwtas.
Eolio a din ussao travou-se entre ellas, c diante
de i|u 'in fazi.i eu parte : e foi assim :
t. C. Calharina.Aqui rieran uns mascaras no
domingo, trajados de branco ; dous elegantemente
vestid is : eu disso isso a um debes, que falla-a
francez.
D. Mara. L'otro eslava tambin vestido de
cralo, e era tolo, tolo, que s fazia dizer : met
lenco lem dous bonequinhos 1....
I). C enharina.--Un dus elegantemente enrolen
panno as perras para tazedlas granas, e enlia l
azia dizer :Olhem minhas peritas como sao gros-
sa> ?.... (Ri.-adas.)
L). Mara.m s fazia orcer los bigodes, e pu-
lir de bracos abiertos, pareca que los remorsos o
atormentara.
I), i'. Calharina.E eu iw bem vontade dear-
ranenr as barbas de um, que tinha maisgeito em
torcer a cadeia do que em puchar os bigodes.
i). Mara.O que licou no carro um tolo que
com inedo de dixer asneicu nao ijuiz fallar. (Hi-
sadas.)
Ahi BSSistilido a discusr'io altara um moco, que
ni i lendo sido nenhiun dus mascarados (valha a
patarra delle) todava wn face do horrendo deb-
aae que se ez ao* mascaras em sa ausencia,
quasi que duu a entender que fora elle o tolo do
Ji'itcinho dos bonequinhos.
Eu s fazia applaudir lado porque tudo era en-
jraeajo,
Obi quebrou-se-me a pena I nao posso conti-
nuai.
Sobre o titulo deUtilidtide e tantagent do Cursi
Commercial 'rnnmbucano, dirige-nos as seguin
i alies o Sr. i. i. Uaymundo de Mendonca.
alumno do mismo Curso.
Seooomnijrio datada mais remota poca de
nossa clisien -ia ; se os poros mais amigos acha-
ran n'ellc o iiiL-lhor meio e o mais accommedad .
para sausfazcem as suas necesidades; se foi por
elle que a iotelligencia do liomem pode realisar a
uas descoborla ; claro est que o commercio fo
-fSeV^.0 canal mais propicio, o trilho mais segn
c o meo"^Lj.l,ruve'loso> deque possa o hornea
iancar inio pfct a civilisaoao e progresso do mes
mo hoinem. \
Elle, na rerddc, de paroema com seus seme
Jbautes, proc ira transportar s longinquos paiaL para aWe mi>do salisfazer a;
precisfiesde seoiBmeUaailes; i seu bem etslar, tajKemV^icanJaparasi: equeo
se nao o (m n'.^TiVl iHsoa*av..'l na acquisicao
tim ^^.
Se cjnsullarmfi^ a hisldlfa, maravilhosament
se turnara para ns\a sua licV n'ess
em que o homein, ddjpoi lie socaj
naiureza, depois de raalisar seu
tual, vai as i iracas mais1, publica:
sentar os diversos productos de
alli, preenchondo o mais nolire papeNwe sobre i
ierra o>M:upa ollerecer aos seus concidJMS o me-
hr meio possirel para que elles se desci TSguenr-.
um perneo da pesada e rigorosa carga de .v ne
c '.-snlades.
Enuio, elle troca com facilidad os immi ;os
jiroductos que tem adiiuirido de seus capitaes, 'a
,ui'i'.n'i;ao que sua iutellikfencia lite vai suggerinov
novoj mato* de diminuir o rigoroso trabalho di'
Mas oaeeasiiiadas, a exporienaa IheawMrara, sem
Juvida, que t producto llie sera tambein mais van-
mesa.
E onde podera o hontem conhecer d'essas cir-
cumstancias vanlajosas para sua existencia M nii
em nina illiHir.ula e atorada Iheoria de sua razan
unida aos faitos histricos de seui antepawtdM !
Ser, por rentara, diragandode lugar em lugar,
le cidde em enlade, epaiiemoaut Ou sera
lebain de um meiiiodo regular, e de sua auaiy*)
/m-inciosa dus felos passados, combinados com is
do pi'i'i-enti; '
Sun, o hoi tem ignorando sempre os phcnomi'-
iims da naiureza humana, alheio as diversas inn.-
lirares de sua especie, t assistido apenas com u n
(ru raio da divindade, precisa, appbear o seu e>-
jiirifoao rig' roso methodode una analysc exacia
, i-^i-ii.recid i, para entao poder colher algumts
furmulu da aatureza, > por meto d'cllas ataaterie
na i'slreila rbita de sua existencia.
E, por easa raiao que os palie* mail ilstralos
e conunerciaei leen em seu seio estudos regulares
d'essa materia, onde entregando o homem sua von-
tade e procurando o melhor meio do suas transae-
coes possa livre e desembarazado da terrivel igno-
rancia, commerciar por todas as partes do mundo.
E essa theoria adquirida com tanto afn, fa lo-ha
lornar-se o mais seguro possivel em sua pralica.
Ora, se essas naces tao elevadas en categora
o sciencia. team, como acabamos de dizer, lirado
de suas escolas coramerciaes vantagens imnutnera-
veis.nao sera justo e rasoavcl suppor que (levamos
esperar o mesmo do nosso Carao Commercial T
Nao ser essa escola capaz de produztr os mes-
inos elTeitos ja conbecidos Ko se ir alli beber
os faelos mais salientes da historia commercial, que
em suas diversas pitases servir de lico aos ho-
inens no mundo commercial ?
O Curso Commercial, por tanto, nao Ctno tai-
vez supponham, ama d'essas creaces, que, apre-
seutando muitaesterilidade, pouco" ou nada sirva
em seu interior. Nao. O Curto Commercial nao
| est n'esse caso ; a boa escolha das materias lee-
tiras, asss provam de quanta utilidade devem ser
| para quein as esludar, de sorto que o commercian-
te escudado com a theoria de t.io bellas doutriuas,
marchar segura para as vastas pracas do merca-
do, e com Densamente Ilustrado trocar com lisura
. os seus gneros manufacturados ; pois a economa
poli'ira, esse vasto estudo da naiureza humana, Ihe
i mostrar qual o verdadetro valor de seus produc-
tos, e ao mesmo tempo Ihe indicar que despindo-
, se elle da idea de alguma cousa possuir. alm do
seu trabalho, s d'este dever auferir seus justos
; interesse-.
Alm d'isso, estar acaso o commercio fra da
ordem em que devem gyrar todas as cousas 1 Nie
j ter lets que o dirijam ? Nao ser preciso collo-
I ca-lo sobre tases seguras e instructivas T E onde
irmos nos buscar lo bons principios ?
Abra, finalmente, o comtnerciante o Direito Com-
mercial, estede os principios necessarios da Eco-
noma Poliiica ; medite sobre o melhor meio de es-
cripturar os seus livros commerciaes; e formando
ento, urna historia de tao vantajosos principios, se
: tornar o homem mais til da soriedade; e o Curso
\ Commercial Pernambucaint lornando-se assim o
centro de tao rica curporac.io, era dado os fructo
: que d'elle sao de esperar.
Do Jornal do Commercio, do Rio de Janeiro,
traiiscrevemos seguale fbula, subscripta pelo
Sr. J. J. Teixeira : ,
o FOCO M AltTII'IClO.
Escuna
Barca
Palach
Pescarregam nodia 13 de fevereiro.
dinainarqueza -Kolker-diversos gneros,
rasileirallermaniadiversos gneros.
nacional Udiis Intuios -carne teten.
Rrigue linglez era bacalho.
Brigue rrancez Smile earrio.
Galera francezaUtilecarvo.
Recel>edorla de rendas infernas
aeraos de Peruanbuco.
Rendimfento do dia I a 11........ 10:2874'i7
dem di da 12................. !>Jo8!i
11:210^536
Consulado provincial.
Rendimejnto do dia i a 11......... 41:78R*:ifiO
dem doldia l................. 3:383*531
43:i7l#Wl
Kra um fogo de arlilii o,
K toda a gente applaudia
A rodinba que grran,
O rojo quo s'expandia.
Tinfta estrellas, tinha la,
Tinha sol liona gloria;
Eslava, |tois, bem completa
Do fogueteiro a historia.
Queimado o fogo, as scuras
Vendo toda aquella g>;nte,
Ao companheiro entilo disse
lio velhinho eiperiente:
Dos ministros o propramma
E' disto retrato |iro
Brilha. estala, temapplausos
E alinalo escuro.
Juautas proutessas ao povo!
Que paraso pintado 1
Sombrinhas vas que a lanterna
Mostra ao menino encantado.
No Commercio do Porto l-se o seguinte :
Foi ltimamente comprado em Londres um pri-
vilegio para a fabricaco de agurdenle exlrahida
do gaz do carvo (!!)
<
l'ma correspondencia de Conipenhague, de 31 de
dezemuro, diz que a condessa Danner, viuva do re
Frederico da Dinamarca, mandou comprar urna
propriedade perto de Pars, onde lenciott.i estabe-
ei'er | sua residencia.
Annuindo aos convites dos teslameuieiros do fal-
lecido re, a condessa Danner fez um testamento,
felo qual lega ao estado todas as collecces de ar-
te que pertencenim ao re seu esposo, deivando
sua familia a stima parle dos seus bens e dando
o resto aos eslabelecintenlos publicos e de benefi-
cencia.
I.-se no Uajbladet de Utredil:
lia diasque se faz a experiencia de mandaras
erianeas que tem coqueluche fabrica de gaz para
Ibes fuer aspirar por alguns momentos os vapo-
res, que produz a purilicac.io do gaz.
Nenhuma experiencia falhou, e apenas as crian-
cas i iii 11 mi aspirado estes .vapores, produzio-se
urna melhora sempre seguida de perfeito reslabe-
lect ment.
imburjn, 20 dr janrire de ISfii.
fclalorio Commercial.
Achanto-fe interrompida a navega^o desde
principio! do mez, por causa do gelo, as transac-
edes foram limitadas nos ltimos quinze dias. De
hontem para c cessou o fro, e temos completo do
gelo.
Caf.Na semana linda houve demanda maior
para o consumo, e em consequencia disso realisa-
ram-se vendas asss importantes, subindo os pre-
Cos de '/ a J/u por schillings ; espera-se um. su-
bida maior, porque ha ainda ordena execuiar, e
os detentares tornaram-se ainda mais exigentes.
As vendas na quinzena pascada foram de 21 sarcos
de caf do Brasil a 6 Vi e 7 7/ schillings, e de
cerca de 30,000 saceos de caf de ouiras proce-
dencias.
Colamos e caf real ordinario do Rio a 77 Vi
schillings.
Assucar.O mercado de assucar acha-se firme,
continuando o genero em boa aceitaco, mas a es-
colha limitada nao d lugar a transaeces de qual-
quer importancia, e as ultimas vendas foram in-
significantes.
Tabaco.A posieio do tabaco, sobreludo do
Brasil, favoravel, os precos inatentan en fir-
mes ; venderam-se urnas 37 bailas de tabaco do
Rio Grande do Sul de inferior qualidade, a 4 Vi
ehiiUngal
s Algod.ioiAs transaeces havidas foram insig-
nificantes, elambem appareceu mu ponco desse
genero no mercado.
Cacao.-<-0 de Guayaquil tornou-se mais firme ;
as i miras qualidades nao solTreram alteracao.
Couros. Em estado muito frouxo e sent novida-
dea referir.
Cambios.
Sobre Londres, 3 mezes data, 13 marcos schil-
lings por #.
prazo curio 13 3 1|4.
Sobre Par s, 3 mezes dala, 194 1|4 francos, por
100 marcos banco,
prazo curio lili 1|2.
Sobre Lisboa, -i mezes dala, 45 7|8 schillings por
1 mil res.
Descont 4-4 1|2 0|0.
IIOI.ETIM COMMERCIAL.
Liverpool, il de Janeiro de 1863.
(Precos livres de direitos para o vendedor).
AlKudo, de Pernambiico, por :
Bom ;.......28 '/i d
Mediano.
26 V2d
a Vi d
a 25 '/i d
Ordinario....... 25 d
Babia :
Bom.......... 27 d
Mediano........ 25 Vid
Ordinario....... t da 25 '/ (1
Mamullan :
Alcntara....... B V d a 5 Vi d
liapicur....... 28 d
Camas........ 27 Vi d
(Maquinal :
Bom......... 27 d a28d
Mediano........ 27 Vi d
Ordinario....... 27 Vi
Assucar, do Rio, por 112 7 :
Branco......... 28/0 a 32/0
Louro.......... 27/0
Mascavado........ 23/0 a 27/0
Pernantbiico :
Brinco......... 28 0 a
liOiiro.......... 27/9 a
COMMUNICADOS.
Mascavado.
Babia e Maeci :
Branco.........
Louro..........
Mascavado........
Meneo..........
Agurdente cachaca, por gal :
Balsamo de copahiba. por *tf
Claro..........)
Turvo.........i
Borracha, por i :
Fina.....(Nominal)
Mediana.........
Ordinaria........
23't a
32/0
28/0
27/9
H a a :'.2/0
27/6 a 2H/II
23/0 a 27 li
10/6 a 15/0
1/8 a 5/0
1':! a I i
1/KiV, a t'Ii Vi
1/7 a 1/9 ',',
1/4 a 1/6
Cabera de negro.....|/tVni/3
O comniumcante que pede cmara munici-
pal ou ftolicia providencias a respeilo do arrom-
bamenlo do viveiro do Veiga, creio que andara
mais .-leera 1.mi.-nie se rhamasse a jutzo pelos dai-
nos causados em suas propriedades ao dito Veiga, j
porque me parece que nem a cmara e nem a (> j
tifia |K)dent f*zer consa alguma, a menos que nao ;
se i|ueira que estas beneficien! a propriedade do
nem aventurado Veiga. que ainda em cima pede-
ra por islo imlemnisaco......
PUBLICARES i PEDIDO.
0 perfume rio ln-uiispheriu teci*
denla).
(ExTiiAiiino ba Gazeta Mental das Modas.)
Existe por ceno urna qualidide aliamenie sani-
taria, suave e deleilavel na deliciosa fragrancia
desta agua popular que de lo grande ornamento
serte ao loucador.
Ella como por encanto nos faz lembrar o dulcs-
simo incens llorido do ver.io ou imilaco de um
favorito ton! de msica amigo, o qual por ventura
nos faz recordar aquellas seeaas ja passaas, du-
rante os quaes ouvimo lo pela vez primera. E' e>
piritualisante e delicado como o aroma da genutna
agua de Colonia e com tudo o seu perfume mai-
profundo e dura.louro e a sua fragrancia nunca
muda nem enfraquece, como acontece com os
mais perfumes extrahidos e rompo-tos de leos vo-
lalis.
As senhoras. as quacs geralmenlesoffrem dedo-
res nervosas da caliera Ihe do a preferencia a to-
da e qualquer urna oiiira applicaco local, como I
um exiellenle meio de aliviar as dores; e em qua-
lidade de um perfume para o quarto do um doenle
elle por sem duvida eniinenleinente refrigrame
e agradare!.
Referimo-nos t.io smente i|uanto ac.l.v ki.oiu-
l)\ Ufc MlllllW \ L\.\M\N.
Ouantu as imilaces sao ellas despreziveis e nao
merecein a mais leve meiicao. Acha-se em todas as
tojas de jicrfuniarias.
Sernambv
Do Cear. Sernamby^
Cacao, por 112 'S :
Para. iHim. .
Babia, bom .
Cal, por 112 li :
Rio, 1* sorte. .
2' t .
Escolhido .
Bahia. i' sorte .
2- .
Escolhido .
Cear .
Castanlia. por 112 :
Do Para nova. .
II d a 12 d
1/2 '/, a 1/4
n/o .vii
4:i'0 a 44/0
6g/a a 70/0
63/0 a 65/0
75/0 a 80/0
64/0 a 65/0
60/0 a 61/0
70/0 a 72/0
64/0 a Ttyl
17/0
ido pela nie.-ni;
sfore-i inlellec
%) mundo apre
seVengenho; o
COMMERCIO.
PRACA DO RECIPE li DE FEVEREIRO DE 1864.
Cota^des oflclae.
s 3 horas da larde.
Algodao da Parahiba 1- sorte244590 por arroba
posto a bordo.
Dito -(i|4 de 2") 244 por arroba posto a bordo.
Dito de Macei 2:t400 por arruba posto a
bordo.
Cambios sobre Londres! d|v. 27 3|8 e 27 Ifid.
por 14000.
ete de algodao para Liverpool 3|4 e o 0|0 por
libra.
Desunios-8 e 10 OrO ao anno.
Duboiircq Jnior, presidente.
Quiunraes, secrelario.
I Sebo do Rio Grande, por 112 Ibs.
Bom eduni. .... 42/0
Mediano ....... 41/0
Escuro.......39/0
Ora de carnauba, por I li u?. 65 V a 70
Chifles, |>or 12:1:
De vaca........12/0 a 14/0
De Ih..........25/0 a 30/0
Clina, fior tf :
De cavallo......12 d a 14 A
De vacca.......10 d a 12 d
Cornos, por 8 :
Bio, seceos de 30 a 35 7 Vi d a 8 d
20 a 24 tf. 7 d a 7 '/, ,\
de toaros, 35 a 40 Rio Grande, por 5, salgados
de 65 a 70 *.....
Ditos de 45 a 50 . ..
Salgados de van-a. 4(1 a 48 i
de cavallo seceos. 10 a 19 '
saldados, i-i a .'t7 i
16 a 20
dem de l'einambiieo. Ilahi.i.
Maranbo e Para, fior *:
Seceos Migados. 26 a 30 <8 5
espichados. Itia20 S
dem do Cear. l'arabyba e
Macei. por
Seceos salgados, 30 a 112 i : 6 d a 6
Molha.los 45 8 50*0?: 4 Vi da
Ciimarii. por :
Bom.....Nominal 1/5
Ordinario. ... r
Parinha de mandioca :
Boa, por 112 tf. .Nominal 20'0 a 23/0
Gomnia ou buebo de peixc, por ^ :
5 '/t d a 5 '/2
4 V d a 5 d
4 Vs d a 4 '/i
5/0 a 6/0
6/0 a 9/6
5/6 a 6/6
,1 a 5 V d
d a 5 '/i d
Vid
4 Vi
A la 11 lega
RendimenV do dia 1 a 11........
dem do diaii 2.................
326:9604138
18:6444597
:i4.j:60ifi735
li i ni uto da alfaadega
Volumes enlradoV"ont fazendas.. 184
\om gneros... 113
Volantes sahidos co\ fazondas...
t coinV. gneros...
132
506
297
638
Guruiuba 1* qualidade .
^ ...
dr .
Pescada .1* .
2' ...
3* ...
Pirahvba. 1* ...
2* ...
3- ...
Bagre. 1* .)
2- .1
[nemtcnanba, por t ... .
Jacaranda, por tonelada :
Bio.........
Bahia........
Jerzeluo. por q.......
l'iassava. fior 2.240 u? :
l'ara.....Nominal
Babia.....
Pixurim, por 'a. bom .
I rueii. |x>r 9, Para bom .
Fundos e cintilaos.
Fundos HIL'le/.e.v
Banco de Inglalena 1 Aerees) 235 a 237
Consolidados.....3
Boduzidos......3
Fundos Nona.....3
Estrangeiros.
Belgas.......I Vi
Brasileiros.....5
3/3 a 3/9
2/9 a 3/0
2/6 a 2/9
4/0
3/6 a 3/9
3/0 a 3/3
2/9 a 2/10
2/3 a 2/6
1 6 a 2/0
1/9 a 2'0
7/6
9 a 16
>8 1 |()
SO/O a 56 u
25 0/
tli 11
1/6
6 d a 7 d
90 Vs 00 f,
00 Vi a 91) V
90 fta*/i
99 a l'W
.....4 Vi lo > W
Dinamaraueies : 04 a 86
Mespanbes.....3 lula SI
DiTeiids 3 Mi '/i a 46 Vi
Passivos 3 .13 '/ a 33 '/,
Hollandezes. 2 '/i ''4 Vi a li:>
.....4 00 a 101
Mexicanos.....3 35 Vi a 35 Vi
, Porluguezcs. 1853 3\
a ... 1856 3 i
... 1857 31 .... ,,,,
1859 3/ Vi a 47 Vi
. 1860 3l
. 1862 3/
Scrip (Camellas) 3
Basaos......5 til a 93
.......4 V *7 Vi a 88 '/,
llanei.de Franca (ACeocs) frs. "275
Fundos franeezes.' 4 '/i '-"'O
, 3 6.40
Metaes precioso?.
Ouro em barra. .l'oronca "7/9
portuguez em moeda 77/5
do Brasil ..... 77/7
Oncas hespanholas 76/0 a 76/6
americanas. > 7.V0 a 75/6
Prala em barra .... ifi Vi
Patacas brasileiras 4'11 V
Pesos coluranarios brs-
panhos....... 4il Vi a 5/1
Carolus........
Ferdinand......
Ditas das repblicas he-
paahoias e mexicanas 9 2
Moedas de 5 francos. 4 11V 5/0
Cruzados novos. ... 50 Vi
Cambios.
Lisboa........90d.d 3!Vi*5iVi
Porto..... || tu aSIVi
Riode Janeiro (Nominal)60 d.v 26 d a 26 Vi d
Babia e Pernambuco.
Amsterdan......3 m.d 11.19 a 11.19'/i
Hamburgo...... 11.7 a 13.7 Vi
Paris.........- 24,34 Vi a 25,75
. .............3d.r. 2.22 Va25.25
N*rios 1: iir.V r.\HA o xoni k do MAM
MaranltaoEntile25 de Janeirt.
Para Florist 1 de fevereiro.
PernambucoHnrmsttn27 de janeiro.
dem Artaxerxes26.
demMasante23.
dem William10 de fevereiro.
demSeraphina1.
Numerario.A laxa de desenlo que tinha si-
do reduziilo no dia 24 do proxime passado do 8
para 7 por cento, em 20 do corr ule foi denoyo
elevado a 8 por cento. A causa di sta elevaco a
grande procura de ouro para Frutea. Egvplo e
India ; e receia-se que sera necissano elevar a
taxa todava antes o/M nja sali?'eila a procura
de especie para o esirangeiro.
Manchesler.II mercado contina firme.
AlgodaoAs trans icc.ies desde a nossa ultima
publicac.io tem sido mullo dimiu itas ; liinilando-
se principalmente para consumo, endo a exportas
can e especulacio qnasi que paral ,sado. Os presos
do do Itrasil de'clinaram de "? d a 1 d, e de nutra
classes de V*d a 1 '/+ d por libri. O elevado do
descont juntamente com a probab lidade de guer-
ra entre Allemanba e Dinamarca ansa unta pan-
l>-ae,io no mercado desle bem como de oulros ar-
tigos. As vendas boje sao 500 fardos.
Assucar. O mercado durante osla ultima quin-
zena lem estado mu frouxo, e os piceos baixaram
6 d for quintal. As vendas sj, a saber : 980 sac-
eos de Macei a 27/, 500 saceos da Babia a 27 3.
4,550 saceos de Pernambuco de 2V3 a 29/, e duas
cargasen riagem sanie urna de 350 saceos da
Babia, porin a preco n.io declralo, e a nutra de
4,800 saceos de Pernambuco a 27' por 112 Ibs. A
qiiantidade eut ser do Brasil em Liverpool em 31
de dezembro de 1863 era 1,984 oneladas contra
16.665 no titesmo periodo de 186 e o Mal do de
todos o* paizes na Oraallretanha 148,057 tonela-
das contra 122,804 dem ident.
Borracha.As vendas que temos de nolar mon-
tam a 99 toneladas do Para, aos preas de 1/10 Vi
a 1/10 Vi pe fina nova ; 1/11 Vi pela fina reina :
i/7 /, 1 11 1 pela mediana ; e 1/2 '/i 1/3 Hil
cabera de negra, Taaan se re aderan 3 tonela-
das de scruainbs do Cear a 1/3 por Ib, e 17 to-
neladas do Para. 0 aereado esti um |touco mais
firme.
Cacao.Venderam-se 70 UCCOi da Bahia a 43/0
por quintal. Mercado frouxo.
Caf&As vendas do do Rio 111 ni mi a 450 sac-
io- de 66/6 a 69/ e 280 ditos avadado de primeira
classe a 59/ per 112 libras. O neceado tanto aqui
cieno em Londres, contina frou .0.
Cooros.-Morcado muito firme
Gomma de peixe.Sem alierai lo.
H.uigel n. 16, tendo 19 palmos de largura e 58 de
fundo porta barga no andar terreo para cocheira;
tendo oprimeiro andar varanda de ferro com duas
janellas na frente, e duas salas e um qurto, a solea
com duas salas e 1 quarto. e mais urna trapeira, que
tem dous qu.11 los ; asMiit como um soto que ser-
ve de cesinha, sendo o quintal em aberto, que d
communicaco a oulra casa, que deila para a ra
do l.ivramenlo, avahada em oilo eontos de res; a
qual fra penlu.rada ao Dr. Ignacio Nery da Fon-
seca por execucu de Gabriel Antonio; e nao ha-
vendo 1.1 ncador que cubra o preco da a'raliacSo
ser feila a arremaiacao pelo preco da adjudica-
{So com o ahaiimcnlo' legal.
E para que o presente enaguo ao conhecintento
de todos ser publicado fela imprensa, e allixado
na forma do esivlo.
Recife, II de fevereiro de 18r'4.
Eu Manoel Mara Rodrigues do Nascimenlo,
escrivao o subscrevi.
Trisliio de Alencar Araripe.
Pela iasneeeio da alfandega se faz publico,
que no dia 13 do correle ao meio dia ser arre-
matado porta da mesma 1 barril com peixe sal-
gado, pesando 3 arrobase 21 libras, avahado em
"Si'ii, apprchendido na noite de 3 do correnle, no
caer- 22 deN'ovembro pelo alteres commandante da
guarda da mesouraria, Jos Flix de. Albuquerqae
Mello, simdo a arremalaco livre de direilos ao
arrematante. _
Alfandesa de Pernambuco 12 de fevereiro de
1864.O 2 escriplurario.
Caelano Gomes de S.
DECLAHACOES.
MOYIMENTO DO PORTO. .
Salios entrados noi'in 12.
Bordeaos c partos intermedios 16 das, vapor
francez Beam. de 1873 toneladas, commandante
A. de la Noe. eqniqagem 115, carga fazendas e
oulros gneros.
Liverpool 41 das, brigue itijjl -z Chanc, de 144
I-meladas, eapilo R. C. Liukius, equipagem 0,
carga faaeadas e oulros geni-ros ; a Johonston
Paier a C.
Macei24 horas, barca ingleza Melror, de 248
toneladas, capio Hart, equipagem 12. carga as-
sucar : a Saunders Brolhers i\ C. : veio rece-
bar ordem e seguio para Clvdi.
Tne.-te80 dias, patacho aoslrii CO Corita, de 225
lindadas, capian Francesco Danotecg, equipa-
gen 10, earga 1811 barricas com larinha de Iri-
go ; a N. (I. Ilieher & C.
Cdiz 28 dias. brigue ingle Nudejia, da 240 to-
neladas, cantan \V. D. Brovn, equipagom 10,
en lastro ordem.
Parahvba31 horas, brigue hessanhol Tetuothea I,
de 166 toneladas, eapilo I). Exiquiel Pages, equi-
pagem 12. carga lastro de al {odio ; Tasso &
Irmo.
Navios saludos no me. mo dia.
Rio de Janeiro e Babia Vapor francez tara,
commandante A. de la No.
Lisboa e Porio-Brigue porluguez S. Manoel I, ea-
pilo Orlos Ferreira Soare., carga assucar.
Cear Palbabote nacional GarUali, eapilo Cus-
todio Jos Vianna, carga bac;dho e outros g-
neros.
Acarac e |wrlos intermedios Vapor nacional Ja-
enante, commandante Lobato.
EDITiES.
0 lr. Tristio de Alencar Arari|e. ofllrial da im-
perial ordem da Rosa, juiz de breilo especial do
commercio da eMade do Recita e seu termo, ca-
pital da provincia de Pernainl uco, porS. M. I. e
C. o Senh ir D. Pedro II, a qiem Dos guarde
ele. etc.
Faco saber pelo presente, que no dia 2i de
evereirif do corrente anno se lt de arrematar por
venda, a quem mais der em pra;a desle juizo, de-
pois da andiencia respectiva, os novis segniates:
1 me.-a red.mda de amarello avahada em 65000 ;
1 sonda mesma madeira avalla Jo em I2J000; 2
cadeiras de balance da niesma madeira, avahadas
en 123000; 1 fiar de consolos da mesma madeira,
por li& ; 1 commoda de amarello com lampo de
pinito, avahada em 85; 11 cadeiras de Jacaranda,
avahadas em 25 c ..uta. 22$ ; 1 candieirn de
gaz, avahado em 25 ; 1 rdogio de parede descon-
cerlado, avahado em 65 ; 1 red tina com pianha,
avahada em 25 ; 1 loucador dt amarello sen vi-
deo e com ||aran, avahado em 15 ; cojos movis
sao pertencentes a Antonio Pare ra Lagos Guiina-
riies, ao mesmo per.horado por xecuco atoe con-
tra o mesmo more oeste juiso sanoel Jos de Mi-
randa/e na falla de licuantes ?ei.i aarremnacio
tVita pelo proco oa adjudicaco com o abatimento
respectivo da le.
E liara que chegne ao conhe -ment de todos,
maaoei fazi-r o prsenle edilal, que ser afixado
nos lugares do coslume e publit .-ido pela imprensa.
liado c passado nesla- eidada do Recife de Per-
nambuco aos 8 de fevereiro di 181!'.. Bu Manoel
de Carame Paes de Ainlra.li-. e cririoo subscrevi.
Tristo de Alencar Araripe.
0 Dr. Trtsio de Alencar Arari|e. ollicial da impe-
rial ordem da Rosa e juiz esp.-i'ial do commercio
tiesta (idade lio Hecife de Pernainhlico e seu '
termo por S. M imperial e constitucional o Sr.
I). Pedro II que Detts guarde >lc.
Faco saber aos que o presi nie edilal virem e
delle noticia ttverem que no ib; 15 de fevereiro do
corrente anno, se ha de arren alar, defins da au-1
diencia, um sobrado de deas an lares silo aran do ,
Consulado provincial.
Pela mesa do consulado provincial se faz publi-
co que os 30 dias uleis marcados para a arrecada-
cao bocea do cofre dos impostes de 4 0|0 sobre
as casas de commercio fra da cidade, prensas de
algodao, typograpln'as, cocheiras, cavallarices, no-
tis botequins, casas de pasto c fabricas, de 8 OfO
sobre consultorios mdicos e cirurgicos, escripto-
rios o cartorios, de!2 0|0 sobre casas de commer-
cio em grosso e a retalho, armazens de recolher,
de depsitos e trapiches, de 505 sobre casas de
bilhar, modas, chapeos e roupa feita estrangeira,
e de commissao de eseraves, de 3005 sobre com-
panhias anonymas e agencias, de 2IX>5 sobre casas
de cambio, de 1005 sobre corredores commerciaes
e agentes de lailn de 500 rs. fior lonchada de al
varengas e canoas abertas, de 305 (ior esrravo em-
pregado no servico das mesmas, de 10 0|0 sobre o
planto do capim, e o de carros, carroeas e mni-
bus perlencenles ao anno linanceiro vigente de
1863 1864 findam-se 110 dia 19 do corrente, li
cando sujeitos a mulla de 3 010 sobre seus dbitos
os que pagaron depois daquelle dia.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco, 9
de fevereiro de 18640 administrador,
Antonio Garneiro Machado Res.
Consulado provincial.
Pela mesa do consulado provincial se faz publi-
co que os 30 dias uleis manados para a cobranea
borra do cofre do 1" semestre do anno linancei-
ro corrente do imposto de20 0|0 do consumo de
aguarde ate das freguezias desta cidade, dos Afo-
gados, S. Lourenco da Malla. Sanio Amaro de Ja-
boato, Vanea e'Muribeca, lindatiise no dia 19 do
andante mez, licando sujeta respectiva multa os
que pagarem depois desse dia.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco 9
de fevereir de 1864. -O administrador,
Antonio Carneiro Machado Rios.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra Ion de comprar os objectos se-
guintes :
Para o presidio de Fernando.
Farinha de mandioca por medida legal, 800 al-
queires.
Para a companhia de cavallaria.
Cascmira encarnada 7 l|2 covados.
Quem quizer vender laes objeclos apresenlem as
suas propistas em carta fechada na secretaria do
conselho as 10 horas da manha do dia 15 do cor-
rente mez.
Sala das cointnissoes do conselho administrativo
ra fornecimento do arsenal de guerra 8 de feve-
reiro de 1864.
Antonio Pedro de S< Barreta,
Coronel presidente.
SfOMfMM Antonio de Hego tarros,
Vogal secretario.
OMKM IrKKA'.
Pela adminislraeao do correio desta cidade se
faz publico que em vit lude da convencao fioslal
celebrada pelos gorernos brasilero e francez se-
rao expedidas malas fiara Europa no dia 15 do
correnle pelo vapor inglez uncida. As carias se-
rao recebidas ale 2 horas antes da que for mar-
eada para a sabida do vapor, e os jornaes at 4
horas antes. Administrado do correio de Per-
nambuco, 11 de fevereiro de 1864.u adminis-
trador. Domingos dos rseos Miranda.
S. Exc. Rvma. manda declarar aos seus dio-
cesanos que os sermes quaresiiiaes annualmenie
annunciados na igreja de S. Pedro, sero este anno
recitados na matriz da freguezia da Boa-Vista, pe-
las 10 horas. Palacio da Soledade 11 de fevereiro
de 1864. D.Jos Anionio dos Santos Lessa, se-
cretario particular de S. Exc Rvma.
Tribunal do commercio.
Pela secretaria do tribunal do commercio de
Pernambuco se faz publico, que nesla dala foram I
inscriptos no livre de matricula dos commereir.n-
tes os Sis. Ilernardino Jos Monteiio e SilvinoGut-
Iherme de Barros, enlabios brasileiros, o 1 de 61
anuos de dad eeslahelecido nesla cidade com ne-
gocio de lateadas por grosso e a retalho; e o 2o
de 33 anuos de idade, tamben estabelecido nesta
enlade rom negocio em assucar por gnwso, e ou-
tros 'eneros de exporlacao, e Iransacces para o 1
Rio de Janeiro.
Secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambuco 12 de fevereiro de 1864.
Jttli Guimarcs.
OIBcial-maior.
Pela subdelegada do Peres foi rerolhido j
deposito um cavallo ruco, castrado, com pintas dei
pedrez, a eangaiha, que sem conductor segua pela |
estrada da Victoria : quem for seu dono compa- j
reca, que provaado, Ihe ser entregue.
Subdelegacia do Peres 6 do dezembro de 1864.1
O subdelegado,
Alexandrino Marlins Correia Barros.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos porios do sul esperado
al o da 14 do correnle o vapor
'Jiyl^. Primen de ioinville, comman-
"" dame o primeiro lenle Araojo,
o qual depois da demora do cos-
lume, seguir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageros e engaja-se a
carga ime o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das e ilinheiro a fred al o dia da sabida as i ho-
ras agencia, rita da Cruz n. 1, escriptorio de An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo di C-
COMPANHIA i'EHNAMUUCANA
DE
Kmvega^So costelra vapor.
Ilha de Feriando.
O vapor Matnanijunne, comman-
dante Moura, oobm no dia 15 do
rayi^x correnle as 1 i boni da manha.
Recebe carga at o dia 13. En-
commendas, passageiros edinhei-
ro a Irele al 10 horas do dia da sabida : escrip-
torio no Forte do Mallos n. I.____________________
Para Lisboa.
O brigue portuguez B#W Figuet-
tense, rapitao Jos Ferreira Lessa,
vai sabir com milita brevidade por
ler a maior fiarle do carregamento
prompio. fiara carga e passageiros
para os quaes lem excellentes commodos trata-se
com o consignatario K. R. Rabello. ra da Cadeia
n. 55-_________________________________________
Para o Rio de Janeiro
Al o dia 8 do corrente pretende seguir o pata-
cho (>7"<'i;i. tem a bordo fiarle do seu carrega-
mento : para o resto que lho falla e esrravos a
rete, para os quaes lem escolenles commodos,
iraia-se com es seus consinnalarios Antonio Luiz
ile Oliveira Azevedo da Cruz n. t.
_PAK\ 0P0HT0
pretende seguir com umita brevidade o brigue na-
cional Amelia, tem parle de seu carregamtiil
prompto: para e resto que Ihe falta e passageiros.
para os quaes tem excellentes commodos, traase
com os seus consignatarios Antonio Luiz de Oli-
veira Azevedo & C, no seu escriptorio ra d Cruz
numero 1,
LISB04 E PORTO
A galeraporlugueza Mma Fmna segu com bre-
vidade, recebe carga fiara ambos os porios : tra-
ta-se com os consignatarios Marques, Barros & C,
|art;o do CorfK) Sanio n. 6.
~lPara o Rio de Janeiro
segu iawraterirelmente at o dia 15 do correnle 9
patacho nacional Cpua, s recebe esrravos a
frote e carga muda : irata-se com os seusconsie-
nalarios Ant- uo |,uu de Oliveira Azevedo & C,
no seu escriptorio ra da Cruz n. I.____________
ParaJLisboa-
pretende sahir mprelervclmenie a 15 do corren-
le o brigue |K>rluguez Soberano por Ut quasi todo
o seu carregameulo prompto, apenas pode receher
a frete cerca de 300 saceos cen assucar e passa-
geiros trata-se com o consignatario T. de Aquino
Fonseca Jnior, na do Vigario n. 23, primeiro
andar.________________________^__________
rara o Hio de Janeiro
pretende seguir com umita brevidade o palbabote
nacin:. I Piedade, lem parte do seu carregamento
a borde : para o resto que Ihe falta e esrravos a
frete, pura os quaes lem excellentes commodos, tra-
ta-se com os seus censignatarios Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio roa da
Cruz n. 1.
Cear.
Restes qnatro dias segu o palbabote Garibaldi
a tratar com Tasso Irmaos.__________
PARA 0 BIO DE JANEIRO
sabe impreierivelmenle no dia 20 do andante o
reloiro patacho Correia, |>or ter a burdo a maier
parle de seu carregamento : para o resto que Ihe
falla e escravos a frele, traase com os consigna-
tarios Palmeira & Beltro, largo do Corpo Sanio
n 4, primeiro andar. Adverte-se que recebo g-
neros estrangeiros.
RIO E JAVEIRO
O brigue Belizario segu eom muita brevidade
por ter meto carregamento tratado : para o resto
e escravos a frete, trata-se com os consignatarios
Mar pies, [tarros & C, largo do Corpo Santo n. 6.
LEILOES.
LEILAO
l'ma vacca com cria.
HO.li:
Sabbado 13 do curente ao meio dia.
O agente Olimpio na porta |dn sen armazetn
ra do Imperador n. 16, vender em Icilao urna
vacca bastante gorda com cria de um mez.
LEILAO
GABINETE OPTCO DE
REGREIO
Cae 9' de .\ovcmbron. i O.
Frente ao passatlieo do Kerifr.
Hoje e amanb.i.
Extraordinaria apresentafao de 45 vistas em tres
mudanras. principiando das 6 horas da noile em
diante.
Entrada 500 rs.
AYISOS MARTIMOS.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E esperado dos futrios do norte
at o da 16 do corrente o vapor
Apa, commandante o primeiro
tetunte Alcanforado, o qual de-
pois da demora do costume se-
guir para os portes do sul,
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada: encom-
mendas e dinheiro a frele at o dia da sabida s 3
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo C.
Siililiulti 13do correnle au nici dia.
Antonio Valentim da Silva Barroca far Icilao
por iotarreoeie do agente Pestaa e |K>r conta de
quem perlencer, de gratule quanlidade de fazen-
das de algodao avahadas, em sen armazem da ra
da Cadeia n. 4, ao meio dia.
~ ^W^fc
tteginnda-feira 15 de fevereiro.
O agente Pestaa far leilo |ior conta e risco
de quem perlencer, no armazem doAnnes.de
600 Gigos hlalas.
00 Ditos ceblas.
20 Ditos alhos,
chegados ltimamente de Franca no brigue francez
Emite. _____________________________________
IjEIIiAO
M
10 barricas com ccv-da oe Lisboa.
ScflHtda-feira lo d cnrrenle.
O agente Pestaua vender en leilo por conta e
risco Je quem perlencer 13 barricas com encl-
lente eevada de Lisboa em um ou mais lotes: sc-
gunda-feira lodo corrente pelas 10 horas da ma-
nha no armazem do Annes defronte da alfandega.
LKILMI
Para o Porto
pretende seguir com milita brevidade a barca por-
tuguesa Feliz, tem parle de seu earregameoto a
bordo : para o rosto que Ihe falta e passageiros.
paraos autos ton excellentes commodos, trata-se
com OS seus consignatarios Antonio Luiz de Oli-
veira Azevedo 4 C, no seu escriptorio ra da Cruz
numero I.
Para o Hio de Janeiro.
Sahir com brevidade o brigue nacional Miner-
va, recebe carga e escravos a frete : trata-se com
Manoel Ignacio de Oliveira 4 Filho, largo do Corpo
Sanio n. 19.
DF.
Fazendas e miudezas.
Tcrca-feira Iti do corrente.
IO horas em ponto.
Cals Irmaos querendo liquidar, farao leilo por
intervengo do agente Pinto, de todas as fazendas
e miudezas existentes em seu armazem ra da
Cruz 11. 51, onde se effectuar o leilo nodia e ho-
ra cima mencionada.___________________________
Terca-felra Itt de fevereiro s
liberas, risa da C'aileia nu-
mero 53.
O igente Euzebio vender em leilo directo
objeclos de marcineiria, ridros e obras de metal
principe, um apparelho para cha w oulros artigus.
DR
t'nisiiio na radoltemlianaPas>ngeni
Sexta-frira 10 do correte.
O asent; Pestaa vender em leilo por ordem
da catxa filial e por conta e risco de quem perln-
& v 1 1 n a


bUrto de v-anraiubuco valabado 13 Se Fcvaiero Je 1H4,

oer duas tercas partes do sitio e casa rom commo-
dos para nuiiu rosa ramilla sito cin Bemilca na
Passagem n. hi, o.pial foi perteucenu oulr'ora a
Sebasti?to Jos da Silva e ser vendido sexta-feira
pelas I i liora* ein panto-da manhaa na porta da
associacao couiim Fetal.
Qualquer inforniaoo o agente esta prompto a
dar.______
E**!
LELiVO
Meita-fcira I do corrate.
O agente Pestaa por ardan drts administrado
res da maesa taludarte Lima& Martins com auto-
rsacao do lllin. Sr. Dr. juit do commercio
far
Quinta-fetra 18 do correte e, se ex-
traiiir a leraeira parte da igreja de Nossa Seobora do livramento,
no consistorio da igreja de vissa Senhora
do Rosario da freguezia de Santo Antonio.
Os biihetes e meios arliam-ee venda na
respectiva thesouraria ra do Crespo n. i5
e as casas commissionadas ra da Impera-
triz n. i i, loja do Sr. I'imentel; ra Direita
n. 3, botica do Sr. Chavas; ra estreita do
Rosario n. 12, typographia do Sr. Mira e ra
da Cadeia n. 4o, loja do Sr. Porto.
Os premios de .r:000000 at 10^000
Matines sobre Portugal.
Oaraixo assignado, agento do banco
mercantil Portuense nesta cidade, saca ef-
feetivamento por lodosos paquetes sobre
o atesmo banco para o Portee Lisboa, por
qualquer sotnma, vista e a prazo, po-
dando logo os saques a prazo screm des-
contados no niesino banco, na razao de i,
por cento ao auno aos portadores que as-
sim Ihe convier : as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva lastro.
TW
p
leilao das dividas activas ik. valor do 22:859*774 serao pagos uma Ilota depois da extracto | ou mandar da vi
rs, pcrteneent.s a inesma '"*" |*"'ir*" at S 4 horas (la larde, e OS OUtrOS no dia cultamente) pag




v>.XA
IMPERIAL
INSTITUTO
do'corronte pilas II horas da maohaa na porta
da associacao commercial.
Os Srs. fu tindentes que precisarem qualquer
eselarecimento a respeito ou examinar a relapo
podem dirigirse ao afrente que so aclia prompto a
salisfazer.
AVISOS DIVERSOS.
Associacao TypogTaphica
Pemanibcaiu,
De orlem da presidencia, domingo 14 do cor-
rente, s 10 boras da maohaa e no lugar do coslu-
ie, h.ivera sessao extraordinaria da assembla
geral.
Os Srs. meinbros do conselho tambem sao con-
vidados para reanirem-sc em sessao extraordina-! p0 n. 33.
ra s 11 horas do da.
Secretaria bucana, i) de tevereiro de I *i.
Cario Das, I secretario interino.
seguidle depois da distribuico das listas.
O thesoureiro,
________Antonio Jos Rodrigues de Souza.
AOS 5:000,000
C4S4 1)4 FORTUNA.
lllllietes garautidos
A' ra do Crespo n. 23 r. casas du cosame
O abaixo assignado tendo vendido em seus mui
felizes biihetes garantidos o de n. 2335eom a sor-
le de 1:2005, o de n. 2205 com a de 3005 e outras
militas de 1005, 403 1203 da lotera que se aca-
bou de extrahir a beneficio do Gymnasio; convida
aos possuideres de ditos biihetes virem reefeber
seus respectivos premios sem descont algum em
seu eslabelecimeuto Casa da Fortuna ra do Cres-
Em quanto o Sr. Jos Joaquim Barbosa nao riej
Ha do O' (para onde mudnuse oc-
pagar os alugueis de perlo de dous
O inesmo tem exposio venda em seu dito esta-
belecimento e lias outras easas do cestume os no
anuos da casa em que morn, na ra dos Prazeres >M
da Boa-Vista, ver o seu nome neste jornal para, (fj
mellior ser eonhecido dos proprietanos._______ rfi
Moclcdadc de seguros mutuos $J
de vida lustallada pelo Itanco; j
1 'ulo na cidade do Porto. Os agentes nesta cidade e provincia Antonio i4\
Luis de Oliveira Azevedo & C,, escriptorio na ra rf\
da Cruz do Recite h. 1, estao autorisados desde j ral
a tomar assgnatmas e prestar todos os esclarec- 9^
mentos que forem necessarios, as pessoas que de- *
sejarem concorrer para tao til e benfica empre- C!
zas, egurando um futuro lisongeiro aos associados I jj\
Aluga-sc oarmazem n. 4 da ra do Apollo, e J>
o terceiro andar da casa n. 88 da ra da impera-1 y{
triz ; na ra da Auroran. 36.
Sniyrmva
Custodio Jos Alvos Guimaraes avisa ao respei-
tavel publico e aos seus fregueses, que em vistas
ATI
NOSSA SENHORA DO BOM CONSELHO.
Itl A DA UKOItt X. 50.
Sob a direcoodo abaixo assignado aclia-se funecionando este Instituto desde o dia 7
de Janeiro prximo passado, c nelle se ensinam todas as disciplinas preparatorias para a
matricula do curso jurdico, desde primeiras lettras.
Todas as cadeiras achi.ra-se providas pelos melliores professores, cuja lista j foi
publicada neste Diario.
Recebcm-se pensionistas, meio pensionistas e externos, pagando na seguinte pro-
porjao:
PENSIONISTAS.
Quartel de casa, mesa e luz....................... 1003000
MEIO-PENSIONISTAS.
dem de mesa.............................. 433000
EXTERNOS.
dem de cada preparatorio........................ 203000
Os pensionistas e meio pensionistas pagaro os preparatorios que estudarem razo
de 53OOO mensaes, b?m como os externos d'aula primara.
Para mais eselarecimeutos dirijamse ao director, a qualquer hora, no Instituto, que
franqueado visita dos pa s e correspondentes, bein como a todas as pessoas que nisso
tiverem interesse.
Recfe, 1 de fevereiro de 1864.
Antonio Aiglsto FEniiEinA Liua.
ros e feliies biihetes garantidos da tercena parte do so adiar sen estabekeUMBle em obras afim de
da prbneira lotera beneficio da Igreja de Nossa alargar mais o campo para o gallo de novo cantar,
Senhora do Livramento doRecife que se exlrahir alim de imlhor poder servir seus bous freguezes,
, pri-
cima do
quinta-feira 18 do corrente
Precos.
Biihetes inteiros..... 63^*00
Meios biihetes...... 33000
Para as pessoas que comprarem
de 1003 pai a cima.
Rilhetcs........ 53500
Meios......... 25750
Manoii Martins Fiuza.
0 cirurgiiio Leal mudou
a sa residcicia da ra do
Queimado paiji a ra das
Cruzes sobrado u.
meiro andar, por
armazein Progi'essista, aon-
de o acbarao (jomo sempre
prompto a qualquer Lora pa-
ra o exercicio de sua pre-
fisSlO, chamado por CSCripta. ellicin* Iman-k c>
________________________ eommercixl, fitltril e agrcola, conten-, inteligencia do povo
do todos es empicados, rngoulins c
yo;oes
PARTIDASbOBRADAS
OFFBUCmAS
A UMOACiO COMMEUCIAL BBSEFIG8NTE
DE
I'IRMHIIMO
POR
<./> fondeca f/e %^J6e Terceiro escriturario da thesouraria
de fazenda de Peniamliuco e competen lemente aa-
lorisado para eiercer o pro-
fessoralo particular de arillimelica namesma
, provincia.
Acha-se esta obra nos prelo da lypograpnfa
Commercial, d'onde em breve sahfri fui da pu-
blicidad em nitida inipressao e sob o formato de
8 porluguez.
Com( urna parte theorica e outra pratca, de fcil alcan-
ce as pessoas que se queiram dedicar ao estudo da
escriturado.
A respectiva assignatura acha-se aherta em to-
das as livrarias desla cidade, ao prec/) de 53000
por volume.
i DENTISTA DE PARS
49Itua Nova -19
Frederico Gautier, cirurgio dentista,
faz todas as operacSes de sua arte, e col-
loea denles artificiaos, tudo com superio-
ridide e perfei^o, que as pessoas enten-
didas lhe reconhecem.
Tem agua e pos dentificio.
INTEKNATO
com tudo em quanto durar as ditas obras conti-
i nuar a servir seus fregueses no sen grande ar-;
! mazem com frente para a ra do Imperador com
' entrada pela dita loja do gallo vigilante, ra do
Crespo n. 7.________________________________
Na ra do Vgario n. 10. escriptorio de M.
J. Ramos c Silva t Genros, deseja-se fallar com
ios herdeiros do fallecido Antonio Felippe Dormont
Pesso3, que residen) na ilha de Itamarac, a nego-
. co de seus intei esses._______________________
O Dr. Casanova pode ser procurado ein seo
: consultorio especial homeopathico no largo da ma-
triz de Santo Antonio n. 2. No mesmo consulto-
rio ha sempre grande sortimento de medicamentos
em tinturas e em glbulos, deixando elogiar os
Acalla dr. Sahir dos prclOS (Ir n0>Sa "0 medicamentos pelas pessoas .pie os tem ex-
M ; r.. permentado e contmuam a servirse em nossa
!I>II, CCCIt'SiaslICO, lulipa. Temos tambem obras accommudadas a
DE
lislabelcrido na cidade 1
Sob a ProteceSo do Kuranio
Dircctor--0 lacharel era niallieinaticas
Rcrife
Pouliflce Pi IX.
Cousultacoes cu'iu'gicas.
f0, Ra Nova, GO.
neniantes, inclusive as modilicacoes,ra ton**provincia-
havidas at 31 de dezen.hr0( ^m;^^^^^
Egidio Celan--, subdito italiano, retira-se pa-
0 Sr. los Francisco Pinto Gnniara's, cirurgi.o | \eit pclaescola real de cirurgin de Usba, assas re- ,,.,: 1; o .1.. n,.a. ,., InileiiiMi-
nhecido nesta cidade, onde a lio numerosas quao vraria II. O C 5 (la placa 0.1 IQOeptU-
brilhantes curas, como a liom numero de opera- dl'IK'ia.
r;ocs at entao leseouhecidss na pratca da cirur- tta1jts^aeferf^fi rznr*iP3 r^c^sr^c^R*
gia Pcmambiicana (talha, rrtomia, rnterotoinia, re- ^|iSliSyiiltili{ ^wSI j@i'J=!li=Jl!Sii
Preparatorios coiuplc-
secrao (fe /<> mu'xillai tnfeiior, eiturli-aa.o dfi vw corpo fibroso
uli-nno com o peso de 20 opeas, etc.), une longo
exereien de trinta o tantos anoos, que tecem o rc-
conhecimento de tao relevantes servioos prestados
humanidade soffredora, e eiprimcm o glorioso
impulso por elle dado a arte de curar, em nosso
paiz: sendo tambem o prmeiroque nelle tem em-,
pregado os aneslhescos W/icr. atlorof0rmio,(tMg-\
lena para facilitar a execucao dolas, nem um fal-
lecendo n'ama serie de-'tO operados da segunda 1
operacao, e, d'entre as outras, algumas s por elle
tem sido pralicadas nesta provincia, c talvez fos-
sem as primeiras que. tivecam lugar mesmo no
Imperio, segundo se deprehende das estatisticaa da
o*ira de Sigaud Du Climat et Des Maladies Du
Brsil-impressa emParis em 1844: iransferio o
seu consultorio para a roa Nova n. 60, primeiro
andar em que pode ser consultado todos os diasi
uteis das 7 ;,s 10 horas da manha, acerca das!
doencas denominadas cirurgicas ou externas com i
especialidade daqoellas, em cujo tratamento mais
treoaen temen te intervem a medicina operatoria.
Tornou a fugir a escrava Justina, de idade
2V aonos pouco maisoa menos, levou 6 vestidos
do chit.i. e i dalos, sendo um preto, falla desean-
terrea n. II na ra,
na ra do Trapiche nu-;
mero 3^_______________________________:
^7) bacharcl Francisco Augusto da (jjsta con-
tinua a ler eseriptoriode advogadona casa n. 69
' da ra du Imperador.oiide pode ser procurado pa-
ra os inistores do sua profissfio.
mentares
Curso Commercial.
O bacharel A. R. de Torres Ilandeira,
professor de geographia e historia no
Gj innasio desla provincia, propoe-se a
ensinar as linguas (ranceza e ingleza,
preparalorios compliinentarcs para o
Curso Commercial c olTerece o seu pres-
umo especialmente aquellos que se quei-
ram habilitar oesses preparatorio, com o
intento de inatneular-se no soliredJiO
curso.
As aulas eomecarao do I" de fevereiro
em (fiante, na casa da residencia do an-
ininciaiile, ra estrella do Rosario n. 31,
terceiro andar.
a c -i o 1 B r.' 3 t n 9 O y. -i m O
c -i 'J> I. 3' s a 9 Zi i.--i - a > 6 = z 3 --> 3 - I
O a na o o" B B o > 'y. --
B 3 c . a -i o s m - i -i a v. 5 a S w x. 2_
o m V -1 O
BERNARDO PEREIRA DO CARMO JNIOR, g
O director do internan de S. Rernardo, nao tendo evitado esforcos nem sacrificios 'X
para proporcionar aos seus alumnos urna perfeita educa?ao physica, moral, intelleclual e ^O;
religiosa, offerecendo-lhes urna liabitacao com bastantes condicoes de salubridade, habis -Qlf
professores que sao solicito.' em prepa'ra-los convenientemente ao fim que se destinam, .*
medico praticoque Ihes faca comprehender os preceitos da hvgiene e Ihes cure das doen- ,vJf>.
-e- ESP
gas, e finalmente um sacerdote Ilustrado e honesto que Ihes explique os principios da re-
ligio ihristaa, espera que ssiin constituido nao deixar o seu estabelecimento de mere-
cer dosSrs. paes de familias o auxilio c confianza com que j alguns o tem honrado; e rFfc
Ihes roga, bem como tods as pessoas interessadas, quo se dignem de visitar o mesmo vAj
seu estabelecimento, onde s mipre encontrarao franco ingresso. rl
Cadeiras de ensino : Primeiras lettras dividida em duas classes, tendo cada urna o m
seu professor, latim, france?, inglez, arithmetica, algebra e geometra, gcographia, philo- (OT
sjplii a, rhetorica, desenlio e msica. A
Ocollegio tem a sua ;de no espagoso edificio n. 32 ra d'Aurora contiguo ao do -
collegio dosorphos.
Nos estatutos do coll >go, que esto a disposi^o de quem os quizer ler, se acliam
consignadas as condicoes de entrada e matricula as diversas aulas "
ment.
(iymnasto protiucil.
At o dia 15 de fevereiro estarlo asertas as ma-
triculas das seguintes aulas do gymnasio provin-
cial : latim, francez, inglez, greg, allemio, ma-
themati'as, geographia e historia, cloquencia e
potica, philosophia, lingna e litteratura nacional,
sciencias naluraes e msica.
Nesse estabelecimento, mediante a mdica
qnanta de 15 diarios, tem os alumnos internos;
roupa lavada e engommada, medico, botica, luz,
penna, papel, tinta e criados para o servico.
Os moos-pensionistas pagam metadedessaquan-
tia, e os externos 135 por trimestre, podendo fre-
quentar as aulas que quizerem. O secretario,
Cabral.___________________________________
Alngam-se as tojas do sobrado n. ii em
a ra da Aurora : quem pretende-las diri-
ja-se loja dos Srs. Rastos k Magalhaes,
na ra Nova, que acharo com quem tra-
tar.
>;
w.
?
Aluga-se o sobrado n. 45 da ra Imperial,
canlo da travesea do Lima, altos e balsos, lem Tor-
no c tclheiro para nadara, bom quintal e exfolen-
te agua de gasto : a tratar na ra do Hospicio n.
Alio uso de Alliuqneri|uc Mello
ha l'.l anuos advogadoja ante os auditorios e tribu-
naesdesU cidade, ja na corle c em outros lugares
do imperio, emeonsequencia de lerem-se augmen-
Udo aqni seos afazeres, tem transferido sua resi-
dencia da villa do Cabo para esta cidade ra es-
treita do Rosario n. 34, onde lem estabelecido seu
eseriptorio, e onde foi o do Dr. Codoy. de cujos
irabalhOB Bcou encarregado o annunciante. Ahi
oAereee os misteres de sua profissao s pessoas de
quem merece couftanca, tanto deste termo como
dos demais desta c de outras provincias para os
IIIOTOGIUPIHA ARTSTICA
Ra Nova n. 25 esquina da Camboa do Carino.
Os Srs. Eugenio & Mauricic tem a honra de participar ao respeitavel publico desla capital que
do dia Io de fevereiro clles estabe ecem os seus precos 12 candes de ,visita.....123000
25 ditos 2poscoes.....2051KM
50 ditos :i ditas.....35000
100 Jitos i ditas......50S0OO
Cadi duzia em maior.....85000
Retritosn. 1.......1330 Ditos n. 2........255000
DilOin, 3.......tMOOt
As r'producoescada urna 25, 35 c 550IMI
Elles tem recebido um grande sortimento de quadros e molduras para retratos grandes e carios
isita, assim como tambem albnm para pholographia que elles podem vender muilo em conta.
No escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo 4 C, na ra da Cruz n. 1, precisa-se fal-
lar com o Sr. Luiz Soares Botelho, filho de Jos>
Soares Rotelho e de Fortunata Candida de Souza,
e neto de Francisco Manoel de Sonza, natural da
ilha de S. Miguel, o qual consta ter vindo para es-
ta cidade em 1856, para lhe dar noticias de sua
uiai e ii unos que se acham no Rio de Janeiro.
de vi
cada, anda de vagar e costuma repartir o cabello : ^ d 3 as 6 da negocise trabalhos a seren desempe.ihados aqu, omcinas estao abenas todos os di s das J s 4 da tarde.
o i"n a pegar leve a;. ra da Esperanca n. 7i, o, das / a> J ora* ua ui.uuu.i, ud3 o *> antJniJo 0 re||0j |ea|dade e actmdadc que lhe -------- ...-------------------------------------------------
As
qi"n a pega
rjii.- se recompensa.
' tarde.
Lava-se e engomma-se
roa do llospi'al militar n 8.
com perfeicao : nn
O Novo-Djoco de Pernamboco convi
da os credores admiltilos ao passivo das
Diassasde AJd'juilaPulra e Francisco Ad-
tonio Corn* i Cardez a receber "o primeirC'
dividendo desta? masas, devendo exhibir
.is respectivos lilulos para ser annwiado o
I aujiroento.____________________________
Dr. Jos Beoto da Cunha e Figaei-
redo, ;inti^> advogado do foro do Recite,
avisa as pessoas que quizerem oceuparo
seu diminuto prestimo jurdico que o po-
em procurar na ra tstrtdta do Rosario n.
-.h, I. -1 i- 10 Inris da manhaa at s :i
ib tarde._________________________
Jas RdeThi de Aluieida retira-so para o Rio
de Jan>Mro.________________________________
Escravo fiiyidii.
Desiq)|)areru no dia II do corrente. pelas 7 br-
eas la mauhia, 0 escravo Joaquim. crioulo. de 35
a38aoiios .i i lade, poumaisou menos, com os
siguacs seguintes : noi pouco vario, levou 1 ro-
dee 2camisas vestidas, calca branca grossa, enj-
po de palha ordinaria, anda sempre conversan! o
s : qiom o pegar leve o ra Nova n. 42, que
ser fraliHcado.___________________________
Prerisa-sc de urna ama escrava para casa fe
pouca familia : na roa da Cadeia n. 27, primen o
andar.
ieiedade dramtica Hecrcio c
i'nio ramiiiaf.
De ordem do Sr. director participo aos senhores
ocios que 0 espectculo extraordinario ter lugar
no dia 13 do correte, e a distribaieio de seus
respectivos biihetes sera feita nos dias 11 e 12, na
casa da sede desta associacao.
Sociedade dramtica Itecreio c Italia Familiar
10 de fevereiro de 1864.
Jos ItortiUs Monteiro.
1 secretario.
C'alxciro.
Precisase de um menino de 12 a 14 annos com
ortica de taberna ou sem ella : na Capunga, ta-
berna junto a padaria.________________
Na ra da Cruz n. 34, precisase fallar com
o Sr. Sebastiao Antonio de Athuquerque (eslu-
dante.j____________________
Pede-se cmara municipal ou policii,
iilim a quem competir, que por equidade obri-
vueiu ios herdeiros do Manoel Luiz da Veiga com
urgencia a mandar tapar o arrumbo que as ulti-
mas mandes endientes de mares flzeram em um
viveird inutilisado que amelles perteneem, colh.-
cadi em seguimento da travessa do Lima, pois n i-
tnchentes, Kiuella travessa at a estrada no pri -
cipio do cemiterio publico, tao grande a quanli-
daue d'agua que se pode navegar, e a estrada Ira
incominunicavel, os sitios annexos se torntil ali-
gdas, i as proprias easas inundadas, desla forma
soffrendo asando das familias que por all residem;
otnfim recorremos Dos sermos ouvidos.
Faicodo a ultima muda.
Desappareceu da ruado Crespo um cavallo eai-
tanho.sem andares.o qual tem os signaes seguinte:
um p calcado o una mao por dentro branca, o
oual levou caiuralba coberta do estopa e sordas,
mijo dono gratificar a quem o levar em Figueiras,
freguezia d > B(hh Jardim.____________________
Aula de nstrucro secundaria.
Manoel Jos de Albuqueniue Mello, autorisado
pola directora geral de instrueeao publica desta
provincia, tem aberto a sua dita aula desde o dia
II de Janeiro prximo lindo, e continua a recebiT
alumnos qor internos qur externos : quem i o
seu prestimo so quizer utilisar o podem procurar
no pareo do l'erco n. 141 seiundo andar.________
.Va loja da rua Direita n. 32, compra-se un
cofre franc z em bom uso.
IV,de-se polica e capitacs de campo, e meir
nio pessoa do |K)vo, que prendam a negra criou'a
Ronifiria, a qnal tem o defeito de entortar a perna
para dentro e foi escrava de Joao das Cabras da
rua d;i Concordia, e por onde costuma ella and; r
sempre, o lambeta vend M amigo porto das c-
nas : quem a pegar leve-a rua da Cruz n. 31,
que se recompensar beiii.____________________
I'recisa-s; alugar ama preta escrava para
todo o frrico de casa de duas taboras : na riia
de Apollo nM'^._______ _
-~ Joaquim Domingos, subd'rte pcrluguez,xcti-
ra-se para fra da provincia.
Aluga-se a casa terrea n. to da rua do Ara-
gao, propria para taberna ou para qualquer outro Libanio Candido Ribeteo
estabelecimento : a tratar com o capito Teixeira, fallecidos), fonlillliaildo em
sao reconhecidos pelas pessoas que o eonhecem.
Incumbe-se tambem de trabaIbos para os termos
prximos, onde tem solicitadores de Intcira con-
lianca. D consultas verliaes e por escripto, e
presta-se a ouvir seus constitaintes a todas as ho-
ras, c as sextas-fe iras das 0 as 4 na villa do Cabe
lSnsiuo primario.
Den pessoa convenientemente habilitada pro-
poe-se a ensinar em qualquer engenho: quem
pretender,dirija se ruado Mondego n. 8._______
Nos abaixo gssigoados, socios da so-
ciedade ds carnes verdes, que nesta praca
gyrava sob a firma de viava Anaeleto A C,
commuDicamos aos senhores lazendejros e
vendedores de gado as feras de Guarita,
Podras de Fogo, e a de Santo Anto, que
por fallecimento da viava de Anacleto Jos
de Mendonca, deliberamos a oonnaac3o da
rcesnia b iedade, sob a firma do socio caixa
& C.
LIQUIDACAO
9
DA LOJV DE J. J. kELLER.
RUA A WMMMJkTWOa
9.
Fm primeiro lugar convida-se s pessoas que tiverem vontado de comprar um bem acreditado
estabelecimento de ter a hondadi de o visitar. Muilo bem montada como este esta loja, com_a ex-
cedente morada junto c as condi ;oes muito razoaveis, ha de por curto animar os prelendentes a com-
pra-la. _
Igualmente convlda-se
aos Sr mdicos, dentistas, logitas e proprietarios de estabelecimentos artsticos para virem comprar,
por menos do se valor, as mell ores e mais acreditadas terramontas que ha no mercado.
O s< s|Ht;ivct publico em seral
armas para caca com seus
para cortar e imprimir fo
no quartel de peUeia,oana boUca n. 6 dapraca ro^I)<>n^ai,ilitl;nlt' da presente
ttansaeces teitas (luante a extin-'ta firma
da Roa-Vista, que ahi se encontrar a chave
ver a referida rasa.
para
i, (genro dos encontrara um variadoe muito tico sortimento de hrinquodos, (-utileras, a
VHMT e sob a pertences, apparelhos para cha, tojos de barba e de inalhemalica, ferros
firma todas as ""'* |inr'1 '"9rlar bauaii"!i- s',|i"'-,as- i'*P"ras- chicotes etc., etc._________
Por urdem da direccao
da sociedade l'h.iaT- de viuva Anacilo A C. Hecife 9 de feve-
tistica, avisa-so a todos o-'socios nella liados, que roiro de 18(54. Libanio Candido Hineiro,
domingo 14 do crrente i" o dia de sua installaeao, BtiOtO dos Santos Ramos, Jo"io Jos de Me-
na casa da sociedade, rua do Imperador, n. 23, se-
gundo andar.O Io secretario interino,
Thom Joaquim Mascarenhas Hamos.
Aluga-se oprimeirc andar 8 loja da casa n.
30 da rua da Aurora : quem a pretender, dirija-
so ao segundo andar da inesma.______^______
diiros Mello, Antonio Moivira de Mendonca,
Ignacio Kerreira Guimaraes.
AXG.i-iK
urna boa propriedade de sobrado no lugar da Tor-
re, em muilo bom local, muito fresca, com urna
yMm$
mmmMmms
AovocacLv.
O bacharel Joo Goncal .es da Silva
Moniarroyos tem escriptorio na rua es-
treita do Rosario n. 17, onde pode ser
procurado das 9 horas da manhaa s 3
da tarde dos dias uteis.
Precisa-se dr urna ama que sailia engnm- jj^ vjsIa lior ser pcr'[0' do rj0) e ^ forrana de
mar, psga-se hem : 110 lar|0 do Livramento n. paael, com bstanles commodos para grande fa-
33, segundo aadar. nidia, tendo banbeiro, coeheira,
cvallos, cacimba com banho,
estribara para 6
muits arvoredos
Fugo no da 31 de Janeiro prximo passado ^vos^uma'grade baxa de capim bem tratada,
" cuia propriedade perto do Sr. Francisco Gomes
de viagem para o sitio Anta em l'assassunga
O ccinlierio publico
precisa de um jardineiro : a entender-se com o
respectivo administrador.
Francisco Teixeira
marcado Umoeiro, o escravo Antonio, cujos sig-
naes sao os seguimos : representa ter oO anuos
de idade, grande, grosso, muito mal feilo de car-
po, calvo, e tem urna quebradura volumosa, as-
sim como tem as pomas tortas, juntando os joe-
Ihos quando anda, e tem os ps como vulgarmen-
te se diz apalhetados, sendo muito suissado conser-
va a suissa feita, foi vestido de camisa e seroula
de algodoznho, chapeo de bata vermelha j
O bacharcl Joo
contina com o seu escriptirio de adyo-
gada rua do Queimado n. 28, primeiro
andar, onde pode ser pro tirado das 9
horas da manhaa as 3 da t irde.
entrega
ra Chavier ou na cidade
.le Oliveira, ficando a mesma propriedade confron-
te a Capunga nova : quem a pretender, podera
procurar a chave na rua da Senzalla velha n. 100,
n> primeiro andar, das 10 horas da manhaa as 3
di tarde, ou na Capunga nova, estrada do Jacobi-
na, em casa do Ainaral Jnior, antes ou depois das
oras marcadas, onde podera embarcar para ver Na roa do Crespo n. lo, so aluga urna boa
an?esm cAa ealugaise por proco eommodo. g*? e sitio no Montero, com frente.para o oi.ao
,--------------,rj---------------__^ da ,re.a assim como 0 segundo andar do sobrado
G abaixo assignado, morador na freguezia da n ?9 da rua do Imperador.__________________
abaixo assignado tem censtituido seus bas-
procuradores, durante Ma ausencia, em
rimeiro lugar ao Sr. Antonio Martina de Curva-
Iho Azevedo, em segundo a seu caixeiro Joao Pi-
nheiro da Rocha. Recfe, 10 de fevereiro de
do Recfe ao solicitador abaixo assignado, por quanto
somente tem ell o
KX^to&SiT^'tol^&ni usufructo de uesbens/em virtude de Imer pas- gjr^g -y^
- -. -........- 'jilo a-."'.indas nupcias, o (iue o aba 10 ass gna- iw*.jo.io aiarquts niiMuui .
recompensad^ ^ ..^^^ ; ^^jg ^ pcujj ^ ^ ^^^^gg^^ HeH^8
g O bacharel Americo Netto de Mendonca
do faz publico par
Manoel Joaquim de
i Precisa-se alugar urna ama que saiba cozi-
nhar e engommar : na rua do Crespo n. 18, no se-
gundo andar._______________________________
Antonio da Silva Maia, subdito porluguez.
vai Europa, c leva por seu criada Agnel Pimenta
dos Santos.
Joo da Silva Ramos, medico pela Un
versdade de Coimbra, d consultas em
sua casa das 9 s 11 horas da mauhia, e
das i s 6 da tarde. Visita os docntes
en suas casas regularmente as horas
para isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serie soccorrtdos em qual-
quer occasio. D consultas aos pobres
que o procuraren! no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manhaa.
Tem sua casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
anda mesmo os alienados, para o que
lem commodos apropriados e nella pra-
lca qualquer operarao crurgca.
Para a casa de sade.
Prmeira classe 3000 diarios.
Segunda dita.... 25o00
Terceira dita.... 000
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servieos que tem pres-
tado.
O proprietario espera que elle conti-
nu a merecer a conlianca de que sem-
pre tem gozado.
Professor de piano
Jos Coelho da Silva e Araujo, bem conhecido-
nesta cidade, contina leccionar piano e msi-
ca vocal por eommodo preco : qnem de seus ser-
vicos precisar, dirjase rua do Livramento n. 21,
segundo andar._______________^_____
Gelo, gelo, gelo.
Com a chegada da nova machina nao se expe-
rimenta mais falta de gelo fabricado com agua do
Prata, lodos os dias a qualquer hora, para por-
coes grandes ou encommendas para fra da pro-
vincia dever naver aviso com antecedencia : rua
da Aurora junto a fundi^o onde tem a baadeira.
Aluga-se o segundo andar e grando solio do-
predio da roa de Apollo n. 34. tendo no andar i
salas. ."> .piarlos e grande cuzinha, e no sotao salas,
.piarlo- e cozinha : a tratar na rua da Cadeia do
Recfe n. 64, loja. _______________
D-se llnhelro a juros e
compra-se 011ro e prata : na rua
do II ngel n. ;.
Aluga-se um bom sitio na Capunga nova,
com urna casa de excedentes commodos, estriba-
ra, eccheira, tanque para banho, jardim e diver-
sas frucleiras, no qualjmorou por muito lempo
bs Srs. John Lilly c Francisco de Alhuqnerqne
e Mello : quem pretender, dirija-se ao escriptorio
da viuva de Manoel Goncalves da Silva, na rua da
Cadeia do Recite n. 39.
Ii. Felismiua Oaudimira de Mello Lins, pro-
fessora jubilada, tendo obndo do Exm. Sr. presi-
dente Ja provincia liconea para ensinar particular-
mente as primeiras letras e prendas domesticas.fax
vraoipais .le familia que quizerem se utilisar
de seus servieos, que se adiar aberta a sua aula
do dia 1" de margo em dianlc, em Santo Amari-
nho, rasa confronte a do Sr. Luiz Aunes, podendo
garantir a todos que lhe quizerem confiar as suas
lidias o melhor desempenbo de suas obrigacoes, e
portanto o adianlamento em pouco lempo de todas
as suas alumnas.
a O Dr. Antonio de Vas- )j^
... coueellos Meuezes I c '.?.'
^ llruininond eontina no Cj|
exereieio da-advocarla, s B
rua do Imperador n. 43. fR
primeiro andar, todos os ^
'M dias uteis, dasonze Iioims -;-v
' da manhaa s quutro lio- ^
ras da tarde. Um outra Cg|
'^ qualquer occasio. e para *y
m casos urgentes podera ser 3K
M procurado ein seu domi- ;$%
cilio rua d.Vuroran. 'ti.
m
1

- Aluga-se a casa da rua do Mondego n. 51,
com bastantes com nudos, grande quintal com caes
queda para o rio : a tratar na mesma rua pada-
ria n. 47.
^V
Precisase de urna ama para o yrvieo de rasa
i coirprar na rua para pouca fainilia : na rua da
Guia n. 36, primeiro andar.
Lemos Vasconcellos.
Traspassa-sc com o bate que se convenci
nar urna letra da quantia de 1:242S, aceita pela
Sr. n. Joanna Maria .las Bares propretaria do Alai esta por alugar o segundo andar do
engenho Pintos, cuja letra est vencida em 13 de sobrado da rua das Aguas-Verdes, e tambem se
jiiliio do auno passado : quem inleressar fazer es- alngam duas mei-aguas
Aclia-se jusla a vo.
rua do Livramento
Rhs, por isso qi_
a dita venda reclame no
11 de fevereiro de IXd
Guilherme Re
reiiram-sc para a fi
Ae calcado da
Joaquim dos
m diwito a obstar
3 das. Recfe,
sJt
mr eTfnomaz Audrcws

1a transac^o dirija-se ao largo doCarmo n.
.\egocia-se o machiiiismo de lavageme
oagommado de roujia vapor: na rua
Nova n. 50, primeiro andar, e achara
com quem se pode iratar des Jacinmo Tavares dos
Rio de Janesa.
Res retirase para o
G Sr. Molguiades Ferreira de>>uza, flue tem Queimado a. 13.
ou teve taboletn de ourives na rua de 8. Jos, quei^
ra dirigr-se livuria da prac;.a da indepenoia ns.
6 e 8, sabr o aliUTuel da loja da enzala nw,
caja chave .11 i.iiuloueiitregar sem a ixnponuuoa.')
aluguel.
dentro de um sitio na es-
trada de Joo de Barros, e para o mesmo se preci-
isa de um feitor que trabalhu de enxada e que seja
casado. Tambem ainda est por venderse duas
seleiras de pedia de Lisboa: na rua das Cruzes
IKj._________________| _________________
Aluga-se nina casa em S. Jos do Manguinho
confronte a. igreja : a tratar na rua Augusta nu-
mero 2C__________________________________
Alnea-se urna preta para eosinliar e com-
prar, preferiudo-se casa de pouca familia ou pes-
| soa solteira: Kjuem pretender dirqa-so rua do
reside o tem aberto o seu escriptorio
8 rua do Livramento n. 18, 1' andar.
Precisase de um bom co: inheiro a de dous
criados activos : a tratar no sobrado n.
da Aurora.
Precisa-se alujar um preto para servico dj
casa : na rua da Imperatriz n. 75.
Continua a estar para alugar a loja da ua
Nova bem conhrcida e afreuuezada para rerra-
32 da rua gem por baixo do sobrado n. 37 : quem pr tender
, dirija-se a loja do Passeie Publico n. 7, -a far
ija-se a loja
todo negocio.
o advogado Dr. Manoel do Nascimento
Machado Portella, contina a ter o seu
escriptorio no primeiro anlarda casa n.
83 da rua do Imperador.
Aluga-se um inoleque com bastj
f de botcquim : na rua Direita 11. 3.
____ Appareceu no sitio das Hurtas da cidade de
Precisa-se de um forneiro : na tus Imperial oitnda urna pava : quem for seu dono, dirija-se
n. 51.___________________________________ ao wiio sitio, cuia frente ai lado da igreja do
- Precisa-sede urna ama que saiJia Ivcts e Aimjiaro., no sobrado4evaranda de ferro,que dan-
cngouimar : no palee do Paraizo n. 10. u" A^*es IUe serj otregue
Na rua da Cadeia do Recite
una ama para cozinhar.____
Manoel Roberto Ferna /fle
1 rano, retira-e para o Rio /c Ji
O abaixo ufignado casado e morador nesta
cidade aonde e/am eonhecido, por motivos parti-
culares vem \ftAo presente declarar ao publico e
prevenir srta familia iiue nunca contrado debito
com pcsjvalguma de/que resultasse passar titu-
lo de df-ifla maior do/1005, e sendo portanto fal-
so eiljicnhum effeto qualquer letra, tica, val ou
pap*'* crdito maior desta quaniia com a sua
lir /'que agora ou de futuro possa alguem apre-
s< Mtv exigindoo ndevido pagamento ; pelo que,
lefia proceder conforme a le, contra quem pot-
nr e se queira utilisar de taes documentos, assim
como declara tambem que desta dala em dianto
qualq.ier titulo de divida que por ventura tenha
de pillar ser igualmente assignado por sua nm-
Ihcr, sem o que ficar nudo c sem effeto. e por
isso sem direito a ser pago. Recfe, 10 de feve-
reiro de 1864.
Jos Rernardo de Sen na.
__Jos Antonio Gomes Jnior, contina a en-
carregar-se nao s de negocios forenses, mas tam-
bem de contabilidad, c pode ser procurado na
pra.a de Pedro II escriptorio do Illm. Sr. Dr. Fon-
seca 011 na ruado Desuno d3._______________
' Offerece-se urna m'ulher de meia idade para
ama de homem soltero ou pouca familia : na rua
.1. 25, precsase de do Sebo n. 35.______________
es, subdito
aoeiro.
______ Precisa-se de um caixeiro que tenha prttica
ecuato- de taberna e que d conheeimento de sua conduc-
ta : dirija-se a rua da Roda n. 48, taberna.

'*.


'
t#
MMM
NOVO EST1BELECIMENT0 DE MEDICINA HOMEGPTHICi
ra sreVA *. 43.
O Dr. Sabino 0. L. Pinho mudou o sen CONSULTORIO para a lija de toarme,
ra NflMHi. 43, onde continua a dar consultas todos os das uteis desde o mek da ai-.
2flKs.
Os enfermos, que o procurarem loro na invasao da molestia, sem que h;jam to
mado qualquer remedio, ncm allopatliico, nem homeopathico, pagarao melada dos preco
estipulados. Esta concess.o tein por lint facilitar a cura de molestias, que podem turnar
se implicadas pelos emprego intempestivo da therapeutica e o mesmo tempo ulquiri
para a homeopathia inaior numero de adeptos pela baten da ira.
Em altenao as pessoas pobres, que nao podem sabir de da, o r. Sabino reso
ven dar duss consultas por semanas as tercas e sextas-feiras das seis as sete lunas
noite.
Os chamados para visrtos e conferencias devem ser dinjgidos por escrpto ao col
sultorio desde 8 horas do da at 8 da noite, na certeza de que sero attendidos na orden
D.'arlo le Pcrttiubiico --- Knbbado 13 de Fcvcrcho de ISS-t.
45
|ue
de sua precedencia, salva a circumstancia de eminente porigo.
ADVERTENCIA.
O novo consultorio est prvido Jos melhores medicamentos, desde
at a trigsima dynaminjsacao.
E orno os mdicos hespaches eallomaos nao cessamdc certificar a majo-
idea
i pfimeir*
effi-
CALCADO.
Ra Direita
45
A|i*oveitcin em qtiaufo 6 Borcegues francezes de lustre pa-
ra bomem................. 50000
borzeguins franceses de cores pa-
ra meninas................ 20000
Borzeguins francezes pelos para
meninas.................. 20500
Sapatos de lustre para senbora.. 10000'
Sapatos de lustre as avessas..... 500
iiu;i lo inclinado nnmeros
4f e .-,r.
est disposto a coutinuar a Tender polos prefjOS
abaixo declarados, pois para i>rinc[>ar o novo
anno.
RIJA 1)1 CADEIA 1IO KfitIFE IV. 3.
NOVO E
ORAWDS AH1CAZEM DB MOLHD
RA I)A CA1KIA 1*0 RJECIFE ]tf. 53.
Francisco Fernn des Uarte acaba de abrir na ra da Cadeia do Recien. 53, un grande e surtido armazem le molhdos de-
minado imao Msrcan'tl. Neste grande armazem encomiar sempre o respeilavel publico um completo sortimenio d s melhores
eros que vem ao mercado, tanto estrangetros, como nacionaes, os quacs serSo vendidos em porces ou a retaiho per piucos asss
s
ao
Trancas de algodao brancas e de cores a 80 rs.
Dulas e meias para seanora muito superiores a
Os medicas, que quizerem experimentar taes dynaminisaces poderao dir gir
consultorio suas receitas, que sero aviadas gratuitamente para os pobres.
No mesmo consultorio se vend a novissima edicao do Thesoiao homeopathitx Crozas de penna de ac muilo linas a ."Je-rs.
ou Vademcum do homeopata, obra incispensavcl a dos que. querem usar da horneo- ''.aniveles de duas c tres folhas a 600rs.
patl.ia. ,)il.s de urna folha a 80 rs.
Tudo o que diz respeito nova medicina se acha abundantemente neste novo estabe-. ^iooVs"* "*** mui, **** de call,"ea?' a
** Capachos redondos e compridosa 500 rs.
Caixas eom omito superiores brelas a 40 r?.
Varas de franjas branras e de cores, largas, a
160 rs.
Pares de botoes para pinino muito bonitos a 120 rs.
Carreteis de ludia Alexandre cuno 200 jardas a
100 rs.
Carices de linha Pedro V com 200 jardas a 60 rs.
Pilos, de linha de 50 jardas a 20 rs.
Duzia de meias brancas para homt in a 15600.
Calzas con soldados de chumbo a 120 rs.
Tiuleiros de vidro com superior llnla a ICO rs.
Pilos de barro a 100 rs.
Crozas de botoes ae louca praliados a 160 rs.
Tesouras muito linas para costura a .'120 rs.
Ditas ditas maiores e melhores a i00 rs.
K-<<>vas para limpar denles milito linas a 200 rs
Hitas para unhas a 800 rs.
La de todas as cores para bordar a 75 a libra.
Caixas eom phosphoros de segoranea a ICO rs.
Cadernos de papel branro e azul a 20 rs.
Picote .le papel amizade a 600 rs.
Caizas eom loo an velones muilo superiores a
: 800 rs. '
Cadernos de papel de cores, grande e pequeo, a
40 rs.
Silabarios porlnpuezes com calungas de todas as
qualidades a 320 rs.
Graxa em latas muilo nova a 100 rs.
Carlas e laboadas para meninos a 60 rs.
Calzas com superiores iscas para charuto a 40 rs.
Carreteis de linha de cores com 200 jardas a 60 rs.
liaraIhos muilo finos para voliarcte a 280 rs.
Rodinhas com alfinclcs francezes a M rs.
Carlas de albricies francezes linos a 10 rs.
Caivetes de cabo de madreperola de duas folhas
a 500 rs,
Lavas brancas do algodao finas a 80 rs.
Miadas de linha froxa para bordar a 60 rs.
PROTEJA! PROTEJAN
EXCELLENTISSIMAS SEN1I0RAS,
[Vv, Excs. sao as protectoras do importante cstabe!cl-t
ment ra do Crespo u. 19
DE
10200 a caada.
Azeite doce refinado em garrafas brancas a"
800 rs.
Adte doce de Lisboa a CO rs. a garrafae'
40800 a caada.
Genebra de llollanda a 500 rs. o frasco e'
50800 a frasqueira.
Caixinhas com amelxas francezas, ornadas
com ricas eslampas na caixa exterior,
muilopropriaspaiamirao.a 1(5(20", 10500
e20.
JOS GOMES VILLAR.
Vende-se por prrros atlmiravris a dinliciro.
Lias para vestidos a 580 rs. o covado.
Cassa-s organdys a 240 e 280 rs. o cavado.
S,000 bales viador de encoinmenda de Me w-York, c vende-sc a :,1!! Sendo de 20 al-
eos muilo superiores.
Capas pretas bordadas, manteletes bordado;, soutembarques prelos e de cores.
Manteletes e chales de guip prelo oque ha de mais goslo viudo (to Franca.
Cbxpclinas de palhu para sentara ricamente eofeitados.
Vestidos de blondo com manta, capclla e scliin para sombra, para noivas.
Cortes de cambraia branca bordados.
Ilramantes de linhode 10 palmos, esguioes, selecias de linbo, rainbraias lisas pecas d
S 1]2 varas a 35, 45, 55, 65, 75, 85 e !it*.
Madapoloes Unos a peca de2 tihkas de variados ^ostos a :I20, 400 e 500 rs. o corado.
Outras muitas fazeudas de muilo gosto.
sopo; uiufx)|o.id e oi?5uo^i! upo; iuo|se.ij
no
i gene
! cominodos.
Manteiga ingle/.a espec almenle escolhida Vinagre de Lisboa a 200
de piimeira qoalidade a 800 rs. a libia,
em barril se faz batimento.
Manteiga franceza a mais superior do mer-
cado a TiOO rs. a libra, ; 520 rs. em barril
ou meio.
Presuntos ingtezespara fi; mbre, de superior
qualidade, chegados Des-te ultimo vapor, a
780 rs. a libra.
Queijos llamengos ebegados neste ultimo
vapor a 2(5 Queijo pralo muito fresa e novo a 640 rs.
a libra.
Castanhas muito novas a 120 rs. a libra e
e 3i?000 a arroba.
Cli uxin o meihor que ha neste gerero,
mandado vir de conla propria a 26800
rs. a libra.
Cha liyson muilo superior a 2(5500 rs. a li-
bra ; cli hyson propr o para negocio a
IjSOO rs. a bra.
Cha preto muito superior a 2 Biscoutos nglezes em latas com dilferenles
qualidades, como sejam craknel, victoria,
piquelez, soda, caplain, seed, bornez e
outras muitas marcas a l,->;i50.
Bolachinha de soda em latas grandes a -2:>.
Figos em caixinhas hermticamente lacra-
das, muito proprias pata mimo a l500.
Caixinhas de 4 e 8 libras de figos de coma-
dre a l c2 Passas muilo novas, chega las neste ultimo
vapor a 500 rs. a libra n 3! um quarlo ; Ervilhas francezas c portuguezas em latas de
rs. a garrafa e Sardinhas deNantesa 340 rs. oquartoe SCO
rs. mcia lata.
Lalas com peixe em posta : savel, corvina,
vezugo, cherne, linguado, lagoslinha, a
liSacOrs.
Salmo em lalas, preparado pea nova arle
de cozinha, a 800 rs.
-Maga de tomates em latas de 1 libra a GOO
ris.
Cliouricase paiosem latas de 8 e meia libra
por 7J.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra e
Frasco de vidro com lampa do mesmo, con-' 8500O a arroba,
tendo meia libra de ameixas francezas, a Bolaxinha ingleza a 320 rs a libra e 4?a
15200. barrica.
Marmelada imperial, dos melhores conser- S:l'" u't0 n(IT0 a 2't0 IS- a ''t''a-
veira de Lisboa, em latas de I e meia a Cevadinha de Franca a 2U0 rs. a libra.
2 libras a GOO rs a libra. Fa-nha do Maranhao a 120 rs. a libra.
Frucias em calda das melhores qualidades Aninita verdadeira a 320 rs. a Fibra.
que haem Portugal em latas hermtica- .Cevada a 120 rs. a libra e ? mente lacradas a 500 rs. i Alpistaa IGO rs. a libra e tSSOO a arroba
Peras seccas muito novas a 640 rs. a libra. I alalas mudo novas em gigos com 40 libras
libra.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Amendoasde casca mulle a 400 rs. a
Avelas muilo novas a 200 rs a libra.
Amendoas confeitadas de diversas cores a
800 rs. a libra.
Maguas e peras (bogadas neste ultimo vapor,
muito perfeilas, s vista se faz o prego.
Conservas inglezas em frascos grandes a 750
rs. cada um.
e em caixa se faz abatinienlo.
Ameixas francezas em lata; de meia a 3 li-
bras a 800 rs.
Champagne da marca miis superior que
tem vindo ao nosso mercado a 18$ o gigo,
garante-se a superior qu; lidade.
Vinho Bordeaux das melhores qualidades
que se pode desejar de 76500 a 86000 a
caixa e 720 a 800 rs. a girrafa.
Caixas com vinho do Porto superior de 96
Canoa.
Quera pretender llagar una canoa da cargado
1200 lijows de alveoana prossa dirija-se Compa-
nhia IVrnanilKieana no Kc-rle do Matlos n. 1.
Precisarse de um catadro de 14 16 ios,'
que len i pratiea de taberna : na ra larga do
Hosario a. 4.
O abano assignado, arromatante das dividas das
massas CaHidas de Joaouini les da Costa Fajozes
Jnior e Fajozes Jnior & Azcvedo, avisa aos de-
redores das dilas massas, que lem dado todos os
poderes ao mesmo Sr. Fajozes Jnior para cobrar
as dilas dividas amigavel renwe enlender oon o abaixo assignado, no largo
do QolleSM h. 27, junto ao sobrado amarello. Ro-
cife 12 m fevereiro de 18G4.
Ant mi Joaquiro Fernandos da Silva.
- Precisa-so de um eaixeiro para taberna : na
ra do QaeSmado n. 63, loja do Beija-flor, se dir
quem precisa.
I) se 2 00)5 a juros eom hypotheca era al
gum pre lio nesta eidade : ra ra das Crates n. 7
XAROPE
deLABELONYE
^crnme da Mo:a.
'*'
lltariitaieulieo da prinein ciassc
lOi B'aris.
Este medicamento empregado ha mais de!
20 anuos, com successos consianles, pelos,
melhores mdicos em lodos os pases, 'on-'
da as molalas de confito, as hydropitasl
e as afl'i'crocs ih peito, acaba de rectberl
um novo sufTragio por nSo ter por ora ap-
pareciJo oulro igual para curar infallirel-i
mente todas as doenra? do coracio orgiilli-
cas mi inorgnicas, palpilaces, hydropiias
geraes ou pareiaes. hydroihorax, asthius
clM'OBicas, bronchites nervosas, e limos
chronieos, apbonia (extinegao da voz),
As gazetas medicas fallam calorosame
sobre os efleitos preciosos do Xarope
Na m das laraiigeiras u. 24, preeisa^Tdc b*Mong, quetein boje adquirido um i
um ama aerara para.o sorneoInterno e externo primeims lugares no quadro dos meili
de una asade peqnena Umilia, paga-se bem, e mentOBOS mais afamados e da therapeul
nao se duvida dar llguos metes adiantado, se as- uiireral. Como O d.dani.i OS Celebres Bie-
sim convier. Na mesina (asa cima precisa-se i-,,, ^., ,,
alagar por menos, on em nnanto convier a ambos, i t^b francezes : Andral pai e hllio, Boi
um honiera forro ou escravo para eargoeiro de adi Collereau, Desruelles, Pouquier,
Be

I libra a 040 rs.
Ervilhas seccas muito novas a 160 rs. a
libra.
Chocolate francez, o que ha de meihor neste
genero, a 16200 a libra.
Chocolate hespanhol a 16200 a libra.
Genebra de laranja em frascos grandes a 18.
Cerveja branca e preta das mellmres marcas
que ha no mercado a 500 rs. a garrafa e
5800 a duzia.
a 10 a duzia, e 900 a la garrafa; deste, Cognac inglez de superior qualidade a 800
genero ha grande porgan e de dilTerentesI e 16200 a garrafa.
Licores francezes das seguidles qualidades :
marcas acreditadas que j se venderam
por 143 e 156 a caixa, como sejam: Duque
do Porto, Lagrimas do Jouro, D. Luiz,
Cambes, Uadeira secco, Carcavellos, Nc-
tar de 1833, Duque Gen lino.
Vinho de pipa: Porto, Figo :ira e Lisboa, a
por 16 e a 40 rs. a libra.
Cebollas a 16 o mollio com mais de 100 ca-
ca um.
Caf lavado de primeira qualidade a 300 rs.
a libra e 96 a arroba.
Cafe do Cear muito superior a 280 rs. a li-
bra e 86400 a arroba.
Cafa do Bio, proprio para negocio, a 86.
Arroz do Maranhao a 100 rs. a libra e 26800
a arroba.
Arroz de Java a 80 rs. a libra e 29400 #
arroba.
Vellas de spermaceti a 560 rs. a libra e
540 rs. se for em caixa.
Vellas de carnauba refinada a 320 rs. o mas-
so e a 96 a arroba.
Doce de goiaba a G40 rs. o caixo.
Macarro, talharim e aiehia a 480 rs. a li-
bra ; em caixa se faz abatimento.
Eslrellinha.pevide e arroz demassa para sopa
a 400 rs. a libra e 26 a caixa com (i libras.
Palitos de denle lixados com flor a OO rs.
o .masso, ditos lixados sem flor a IGO rs.
AGUA FLORIDA
I-i4 Hurrav & Luimuii.
Este
[juasi
um hoineiu forro ou escravo para cargueiro de I aud, Collereau, Desruelles, Fouquicr, I
nma ix'ssoa que anda para o mato cobrando divi- inairc, Marjolin, Pisquier Rostan Bo
das; paga-so bem.__________________________ seau> |>e|;,!jerg0i Parmanlier, Puch, Tin
Na roa Novan. se dir quenada algunas .im> Vidal (de I'oiliers), etc., e outtos
quannas a Jaros de2 0,0 sobre penhores. | cuu;1ii(.os dg mns ttKBt
C
ile
ie\
[los:
;i-
ica
II-
Le-
IIS-
r-

;i-
COMPRAS.
Compra-se effeciivamente ouro e prata em
obras v.d tas : na praea da independencia n. 22
toa de bi heles.
Comprase papel Diarios a 120 rs. a libra :
na ra da Senralla Velha n. 48, deposito.
cotire, lati e chumbo : no armazem da bola ama-
relia no oito da secretaria de polica.
Comprase urna escrava que saiba bem coser
e engooimar : a tratar na ra da Imperatriz nu-
mero 20.

\i n das;
Ve
V
VcndeiW calxr vastos a
l*00: nesta rypograitliia.
- Veodeiu-se rt^Hra di Japo: no
caes 22 ile XovtmJu>iN^24. \
Saceos com iuHk^
Vendera se saceos grandes com-ilbo, na ra
Ja lloeda : a Halar no Trapiche do '-Timba.
ii<:iii\:iiv
Custodio, arvallio A tom.i-
nlila.
^ 27Ra do (Jueimado27
Novas lazinhas escossezas muito lindas, fazenda
encorpada, proprias para vestidos de senbora c
criancinlias, pe) barato prego de 240 rs. o covatlo
Vende-e um cavallo.
NaPasaifem, junto a ponte grande, casa n. J4,
eiiste um cavallo bonito e bom para andar urna
senhora : quem quizer cmpralo, pode ir ve lo
alias9 da manh.ui, e das 4 ilt Urde em dianle.
Vende-se cm garraflohas de vidro ven e,
trazeodo um rotulo, fundo cor de violeta
clara, jaspeado, no qual sobresali o none
labelonye, o garga da garrafa truena
tira azul jaspeada, com a fuma de Lalc-.
fonyr, e a rolba coberla com urna capsula I
le melal bramo crin a inscripro Bmtp\
le. Diyilitale de Labehny, pharmacic i,
Pars.
Deposito pera!: em Pars, ra Bourbou-I
Villeneuve, 19.
Em Pernambuco.na casa de Caors & Bar- i
beous i ra da Cruz n. ti-
delicado perfume is
que ncxtinguivel o to e1>c4o do
mi!::- II ; U fl'C8CUI"Jl (>::.
ado ehoiro das proprias \
i 'urante os mezos cal
toe do verSo sen uzo torna-sc imine-.;-
tenientc aprnzlvul < desejavel em cea-
secuencia (i.i iutiuencia ret'rgirautc o
o que ella prodnz Bobre .-i pello:
em qiianto qno nzada no bauho
imparto corpo lnguido e caneado
UlUA corta chis; eidade de vigor e forga.
Ella imparte transparencia asfeieea,
e tvmove pannos, sardas t btrioejas ih
sobre ajx ,
o masso com 20 massinhos.
Anr/ele de Bordeaux, Pla.sir des Dames Gomma de engommar muilo una a 80rs. a.
e de oulras minias marcas a Ia garrafa |j|ira
u.li? a ai,XaV/ onn r Banna de Porco refinada a 480 rs. a librae
Marrasquino de Zara a 800 rs. a garrafa e m rs. em barri, pequen0,
0 a uuza. Charutos dos melhores fabricanles de S. Fe-
j2? e ,rs'a "* e 3!' J0 Rstanla ingleza em potes j preparada a lix. em caixas inleiras ou cm meias, de
e ..r)o00 a caada. 400 rs. I l(00, 2^ c 35.
Vinho branco de superior qualidade, vindo Moslarda ingleza em p, em frascos grandes, Presuntos do reino,'vindos de cenia propria
de ca.
j' engarrafado a GiO rs. a garrafa e a 500 a 1 cada" um.
rs. de barril. Sal refinado a 500 rs. o pote.
rose faz. aba limen lo.
n
Os senhores que com u-arem de 100^000 para cima, tero o descmito de 5 por cento, pelo prompto pagamento.
0 MR OWmi HE tiP
PARA OS CABELLOS,
Rll lili
assando o becco
i
OlEOf.lllO W 45,
aa Congregarlo segunda casa.
Aioiar
NOriDADE.
wmm
A o II. 29.
Nova loja dos barateiros na ra do Quehiiario.
Ricas saias de futi a Ufi, camisas Inclezas para
L urna preparaeito admiravel para lim-
par. aforinosear, eomervar e reetebele-
>(! na cabellos.
venda as boticas de Caors & Barboza,
ra da Cruz, e Joao da C. Bravo & C, ra
da Madre de Dos.
Ai TOS do Maranhao, da India e Java a 80 e
100 rs. a libra e 2S400 a 2 >80O rs. a ar-
roba.
Ameixas francezas em latas ( cm frascos a
Ii200 e 1 oo.
Amendoas com casca muito eras a 280 rs.
a libra.
Alpiste a ICO rs. a libra e a 1*1600 rs. a ar-
roba.
Azeite doce francez muito lint em garrafas
grandes a 900 rs. a garrafa.
I dem de Lisboa a 040 rs. a garrafa.
Vndese on pernjuia-se por predios nesla! \r-irutn varA-tAo'm Aa maiamna ija ....
senbora a V, 2*500, 3fie W, caberlas de usiSo cdade o engenho Velbofda fregueiia de SantoA- AlE? xud'1lluia do BWtarana a 320 rs. a
traneu a *JJ, chitas eom lustro para eoberta eom amo de laboatao, o cpmi eupnbo aeha-se livre e ll1"'1'
i palmos de largura a O'rO o covado, cambraia de desembargado de qualquer pendencia, e tem ter-' \velfias muito randes e novas a 1KO rs a
cores para vestido a 320 o covado, lias para vest reno sullicientc para oulro gento, tem ptimas 1 Uhn uuwxioura. d
coa 480, atifle 640 o cavado. obras. Irabalha cora agua; vendendo-se tambem '
ufa 1
7-5000.
n
Chapeos de castor pretos liius a 1& cada um :
s na ra do Queimado n. i'.i, esquina que volta
para a GonsTeajasio.
Vende-se
pine da Suecia 110 armazem da bola amarella oi-
to da secretaria de polica.
Ao n. 29. a ?an*a ""menle plantada, e igualmente lodo o
SUS dS taaler08 "a "r" d ?U,madr ^ SSS XVrieSVSeamo^
Tarlalanas de todas as cores, fazenda muilo fini penho.
a 720 a vara, cambraia rara cortinado, per;a de 22--------------------------------------------------------------
varas, por 10,5, chales de lia por :I3, 43, 33 o 8L: |U I 111.1 I liJIA t
camisas inglezas para hornera a 38$, 503 e 003. 5 L I! L L M U \
v* 1 1 1 A? n* Vendein-se barris com cal de-
Nova loja dos barateiros na ra do Queimado.
Hi.os prelos, franjas de todas as qualidades, aJEZi' 7.* l ? <<*-
transes 1 e seda, de algodao e de laa, mangudos m ,IO,J' e Mn, ? ue lia no
c.imismhis bordadas, coii.irinhos e pnnhos, folhos mercado, na ra do Trapichen.
lindados, botoes de velludo, de seda c de fustn, 13, arinazcui de Manoel Tclxel-
.'ands Jtig06'?i' vendeni pornietade do seu valor por ser :------------------------------------_______________
Venda de urna hypotheca.
Os liquidalanos da niassa fallida de
Jos Antonio Basto vendem a hypothe-
ca que tem nos engenhos Slatto Grosso
e Cajabnss no lermo de Serinhem no
valor de 31:83o$9i1 rs.; tratar as
casas a ra do Trapiche 11. 34.
avahar.
fajir
Vende-se um sitio no meihor lugar da Ca-
011 permuta-sc |>or um sobrado na cidade,
seja de inaior valor : quera pretender
negocio, dirija-se na do Vigario n. 31.
jazera do agente Euzebio, ra da Ca-
deia n. 53,Yusteni para venderse diversas obras
do marcineirv \ novas, bem acabadas e de bom
goslo, sendo \ Jacaranda, um rico santuario, pia-
no inglez, mobh 9 completa, cabide e par de ron-
solos de amarellf dous guarda-vestidos, o meihor
que possivel a har-se, secretaria, mesas para
ar.vogado, dilas elaVicas para 20 pessoas, lavato-
rio, aparadores, sofv eadeiras, um guarda-livro,,
ou pequeo guarda-JMipa com vidro na frente,
par de consolos e janf .ira de mogno com lampo I
de pedra, obra bem en ^'iid|a_._____________
Vende-se urna e rK'/a de nacao, moca, pro-
pria para servico de isa V familia : a tratar na 1
na da Cadeian. 33,1 irceil andar.
Hatatas muito novas a 40 rs.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
1,5300 ris.
Uolachinhas de soda, latas granJes, a 25 rs.
a lata.
Ditas inglezas muito novas a 3,5XK) a barr-
quinha e a 200 rs. a libra.
Ilanha de porco relinada a 440 rs. a libra e
e em barril a lt 0 rs.
Cha hvsson. hucliin e perola a l.>(500, 2^,
2:5;iOO, 2;?800 e 3,>(HK) a libia.
dem prelo muito superior a 2;000 rs. a li-
bra.
Choortcasepatos muito dovos a 800 rs. a Palitos de lentes a 120rs.
- Ilbra-, dem de llr a 200 rs.
Cevadmha de Franga muito superior a 220 Pautes Jo gaz a 2;>2(io rs. a trosa.
rs. a libra. passas muito novas a 480 rs. a lihia.
cevada a 80 rs. a libra. Peras seccas muito novas a 00 rs. a libra.
fcrvilbas portuguezas a G40 rs. a lata. Painco a 200 re. a libra,
dem seccas muito novas a 200 rs. a libra. Queijos flamengos do ultimo vapor a 2i00
rigos de comadre c do Douro cm caixinhas ris.
de oito libras e canastriiihas del arroba a Idempratoa (40 rs a libra
^ 10800, 5500 e 280 rs. a libra. Sardinhas le Nantes a :I2<> rs.
Fatinha do tfaraohlo a 120 rs. a libra. Saj,' muilo alvo e novo a 200 rs. a libra.
Faiinha de trigo a 120 rs. a libra. Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Genebra de llollanda verdadeira marra VD T'Jolos de limpar facas a 1401-8.
a tiO rs. o frasco e 200 rs. a l'rasimei- Vellas de carnauba pura a 3G0 rs. a li-
ra.
dem em garrames de 3 e 5 galoes a $500
e 70500 cada um com o garrafo.
Gomma do Ancflty a 80 rs. a libra.
Grata a KiO re. a lata e 1-jlOO rs. a duzia.
Licores muilo finos a 700 rs. a garrafa,
dem, qoalidade especial e garrafas muito
grandes, a 1:>800 rs. a garrafa.
dem garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, garrafa forma de pera e rolda de vi
dio, a I.rjOUO rs., s a garrafa vale o di.
nheiro.
Manteiga ingleza perfoitamentc llr, desem-
barrada de pouco a 800 rs a libra, e de 8
libras para cima se far urna differenca.
dem franceza muilo nova a 500 rs. a libra,
e em barril lera abatimento.
Ceneja preta e branca, las melhores marcas ,
que vem ao morcado, a 500 s a Karrafa Maatt c tomates em barril a 480 rs. a li-
e 5680(1 a duzia.
Cocheira
Vende-se a cocheira da ra do Imperador n. 25,
com magnficos carros e ptimas parelhas : a tra-
tar na ra do Crespo n. 14, loja.

>
Vende-so una escrava moea com una cria :
grtesin typoaphia sedir .mcm vende.
Cognac inglez lino a 000 rs. agarrafo.
Conservas a 720 rs. o frasco.
dem, sde pepino, a 720 rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabrican.es da Babia
e especialmente da fabrica Imperial de
Candido Fet reir Jorge da Cos a, a 1,5800,
20000, 220O, 20500, 2080), 30000 e
30500 a caixa.
Caf do Hio muito supet^- a 200, 280 e
300 rs. a libra e 70500, 80 e 80500 rs. a
arroba.
bra.
Idemem lata a 010 rs.
.Marmelada imperial dos melhores conserva-
ros de Lisboa a 600 rs. a lata.
bra.
dem stearinas muito superiores a 000 rs. ,r
libra.
Vinho do Porto engarrafado o meihor que
ha neste seero e de varias marcas, como
sejam: Velho de 1815, Duque do Porto,
Uadeira, D.Pedro, D. Luiz l, Hara fia,
Hocage, Chamisso c outros a 800, 900 e
10000 a garrafa, e cm caixa com urna du-
zia a 00000 e100000.
dem em pipa, Por lo, Lisboa o Figueira a
480, 500 e 500 rs. a garrafa e 30, 30500
e 40 a caada.
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa.
dem de Bordeaux, Medoc e S. Juh'ena 700
e 800 rs. a garrafa, e 70000 e 70500 rs.
a duzia.
dem Morgaux eChatcauluminide 1854, a 10
a garrafa.
dem moscatel a 800 rs. a garrafa.
Marras|Unho le Zara, frascos grandes, a Vinagre de Lisboa a 200 rs, a garrafa e
800 rs. 10200 rs. a caada.
dem regular a 500 rs. Kk& garrafas muito grandes a 10800 rs.
Massas para sopa : macarro, talharim e ale- -*'m l'os <-'neros cima mencionados te-
tria a 480 rs. mos grande porco de outros pie deixanos
Nozes muito novas a 160 rs. a libra. de luo,H'io"ar- e que tudo ser vendido por
n i pecase c imadas, tao em porcoes como a
Peixe em latas preparado pela primeira arte rot;,||w
de cozinha a 10 rs. a lata. Qlim ,.omprar dc mjjm pjn m {(_
Palitos de denles a 160 rs. o masso. Ir o abate de 5 por cento.


ATTENCAO
O LAKCiU CAKMO 9
GRANDE SORTIMENTO
ATT
CRA1DE REVOLUTA*
NO *
ARMAZEM
DO
PROGRESSIST
RITA RAS RUZES T. 3 RA DO CRESPO N. 9
Xo bal ir o de tanto Antonio.
Jom.iiIm los domes de Moma tem a honra do participar a) respci-
takeL publico, que lem resolvido vender os seos gneros de primara ganarte P** menos
DUARTE & C.
Participara aos seus numerosos fregueses e ao publico era geral que acatan*
^. 11 ira encornmenda, o mais lindo e completo sortimento de molhados,
ITSae- tndemZgSra retamo por menos 10 por cento do que outro qualquer
Luncmte Iv^^pela seguinle tabella qa* abaixo notamos, garantindo os mes-
m SrcprietariSUto s o" peso como a qualidade de seus gneros.
tos
Todos ossenhores que comprara Fra, ^ J^to^l*
nwMMumm, que .......... ----- ~~~~---- --- .
adoptado neslas casas o ptimo systema de s se negociar com gneros especial!lente e>-
colbidos.
AVISO.
irarem Para n>igoci
-. tomate fa ODoVceto de abatimento, os proprietarios scientilicam mais qu
a^S^Trecehito de ana Propria encommenda, razo esta para pode
Ser por J-M^ff ^ZT^S* compro de 32o a
35o rs. a libra e de lo.ooo a H.oeo re.
Manteiga ingleza flor a 8oo rs. a libra.
Castanhas muite novas a 2,ooo rs. a caixa, e
a 16o rs. a libra.
Bolinho francez e em caixinhas de 7oo a
l,5m> rs. cada urna.
Mem fnnceia a mais nova do mercado a obo
re. a libra, e 5io rs.em barril.
dem ce purco refinada muito alva 46o rs.
a libra.
'fretanto para fianbre a 8oo rs. a libra.
Cha uxim miudinao vindo de conta propria,
o melhor do mercado a 2,Koo rs. a libra,
dem hyson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra.
Mem peroli o melnor que se poe desejar a
2,7oore.-alibra.
dem preto muito fino a 2,5oo rs. a libra.
dem mata baixo pouco a 2,ooo rs. a libra.
dem raais baixo a l,8oo re. a libra.
Vinho do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado g.ir.mte-se a superioridade deste vi-
nbo. das seguintes marcas : Duque, Ge-
nuino, velho secco, especial lagrimas do-
ees de 1SI9, vinho especial D. Pedro V.,
vinho veluo, Nctar superior de 1833, Du-
que do Porto de 1834, vinho do Porto ye-
rno supjrior, madeira secca de superior
qualidade, vinho do Porto superior D. Lu-
cl "de 1847, lagrimas do Douro espe-
cial, vinho do Porto de l.oooa l,2oo rs.
a garrafa e de lo.ooo a 14,ooo re. a caixa
^om urna duzia.
Bolaehinlu de soda especial encommenda e a
mais nova que ha no mercado a 2,2oo re. a
lata.
Biscoitos agieses das memores marcas em
latiwhasde 2 libras a l,3oo rs. a lata.
a
u nuiu w -*- j *-
arroba.
Genubra de Hollanda em botijas de conta a
440 rs. a botija, e em duzia ou em barrica
ter abatimento.
Massas para sopa macarro, talhanm e aletria
a 48o rs. a libra e cm caixa ter abati-
mento.
dem estrellinha, rodinha e pevide em caixi-
r has de 8 libras, muito bem enfeitadas de
S.,5ooa 3,5oo rs. a caixinha e a 6oo re. a
libra.
Dore de goiaba em caixas de diversos tama-
nhos de 6oo a l,ooo rs. o caixo
Sal 3o massa de 2oo a 24o re. o melhor, em
caixa ter abatimento.
Idtm hespanhol a 28o rs. a libra.
Pe xe em latas muito novo ; savel, pescada,
corvina, salmio e outras muitas qualidades
^reparadade escabeche 2a arte decosi-
lilia de l,2oo a l,8oo rs. a lata.
Fi;?os em caixas de 1 arroba, *'* e 8 libras
a 8,000 4,ooo c 2,ooo rs. a caixinha.
Barris de vinho branro de quinto, marca B
& Filho a O.ooo rs. o barril-
Mermelada imperial dos m- Ihores conserve-
ros de Lisboa a 64o rs. a 1 .tinhade 1 libra,
ha latas del "i e 2 libras.
Massa de tomate em latas douradas de 1 libra
a 64o rs. a lata.
Aioeixas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas de l,5oo a 3,ooo rs. a
caixinha, tambem ha lata* de 1 V* a ""
brasde l,2oo a 4,5oors. a lata,
dem em frascos com tampa de rosca a l,6oo
re. o frasco.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
CHA
hjysson, uxim e perola a 2 400, 2,600 o
2,800 rs. a libra.
CAF
muito superior, do Kio e do Cear a 8,000
e 8,400 a araoba e 300 rs. a libra.
VINHO
de Lisboa e da Figueira a 3,500 e 4,000 a
a caada,
do Porto engarrafado de diversas marcas a
1.000 rs. a garrafa.
Bordeaux de diversas qualidades a 7,000,
8,000, 9,000 e 10* a duzia.
CHAMPANHE
a melhor que temos neste mercado a 20,000
rs. o gigo.
CERVEJA
muito superior a 5,000, 5,500 e 6,000 rs. a
duzia.
GENKBRA
** CONSERVAS
inglezas a 8,500 a duzia e 760 rs. o frasco.
SAL REFINADO
em frascos de vidro com tres libras a 600 rs.
PEINE
em latas ermeticamente lacradas a 1,000
rs. cada urna.
PORVOS
do Porto muito bem conservados a 500 rs.
a libra.
MLSTARDA
preparada muito nova a 400 rs. o frasco.
MARMELADA
dos melhores conservemos a 640 rs. a libra.
ESPERMACETE
muito superior a 560 rs. a libra, l em caixa
a 550 rs.
CHARUTOS
da Babia a 1,600. 2,200, 3,000 4,000 rs.
a caixa.
TOLCINHO
de Hollanda em frasqueiras a 5,500 e 500 muito novo a 9,000 rs. a arroba u 300 rs. a
rs. o frase. libra.
BOLACHINHA ERV1LHAS SECCAS
de soda em latas grandes a 2.000 rs. cada asmis novas do mercado a 120 rs. a libra.
urna. PALITOS PARA MESA
inglezas em barricas a 4,000 c 240 rs. a muU) ^ fe|M a m rs 0 ma,0
BISCOUTOS VINAGI
em latas de todas as qualidades, a 1,300 rs.
cada lata.
ARROZ
da India e do Maranhao a 2.600 e 8.000 a
arroba e 100 rs. a libra.
CE VA DA
O homem do morimeiito nao estaciona.
4VANTE E SEHPRE
GUERRA AOS INIMIGOS
Nao se admilte a uuiao conimercial.
Nao seqner a diaba da allianca.
Nao se teme a furia dos corsarios.
Hste .-nno ha de ser blssexto.
Os canhoe estSo preparados.
F0G0! BOM FOGO!! -- MELHOR FOGO!!!
Abaixo a lij;a trana no vinagre
Viva a liga do gennim Llteres coa o fiambre!
Viva o conservador das conservas inglezas!!
Vivam os liberaes freguezes do BALIZA !!!
Vivam todos que lerein este annnnci.
SENHORES E SENHOHAS.
O propietario do grande Anmzem do Baliza estabelecido rna do Livramento ns.
38 e 38 A, defronte da grade da igreja, acaba de reduzir os precos de quasi todos os
gneros do seu magnifico deposito.
A tarifa abaixo publicada attesla bem esta verdadej
A guerra aos inimigos, est portante assim declarada.
As pessoas, anda as mais exigentes, que se dignarem ?r este estabelecimento.
ficarSo por certa muito satisfeitas, nao s quanto as qualidades dos gneros, como com o
tratamento todo attencioso que se Ibes dar.
Alm documprimentodos deveres da boa educaco, haver d'oraem diante anda
maior capricho em salisfazer todos que bonrarem esta casa.
Os gneros pelas qualidades e precos annunciados, sero offerecidos ao exame
dos Srs. compradores. Noreceieo publico que se pratique o contrario, como em outras
casas, que at annunciam o que nao tem-----O Baliza nao illude....
Ameixas francezas em caixinhas eem frascos Licores inglezes e francezesem vazos de di-
de diversos tamaitos a l,2oo, l,6oo, versos tamanhos a l.ooo, l,5oo e 4,8oo
2,ooo, 2,5oo e2,8oo rs. e a libra a 8oo rs.
Amendoas novas a 32o rs. a libra.
Azeite doce refinado a 8oo rs. a garrafa,
dem de Lisboa a 64o rs. a garrafa e 4,8oo
re. a caada.
de Lisboa PRR a 240 rs. a garrafa e 1.600 Alpiste a 16o rs. a libra, e ,8oo rs. a arroba
rs. a caada.
AMENDOAS DE CASCA
muito nova a 2,500 a arroba e 100 r>. a
libra.
QUEIJOS FLAMENCOS
viudos no ultimo vapor, sempre por menos
100 rs. do que outro annunciar.
GOMfA.
muito superior em *;\a-* com quatro arro-
as mais novas do menudo a 240 r,. a libia. Aletria brmca e araareUa a 4o
KVR1NI A DE ARARL A :Araruta verdadeira a 3o rs. a
verdadeira e muito nova a 400 i>. a libra e nQvas em (,e M ,
UftD inglezes craknel em latas de 5 e 7 libras suiSso a" l,2oo rs. a libra,
de 5,ooo a 6.000 rs. a lat, e em libra aicDnservas inglezas das seguintes marcase
800 rs. Mixde-Picles e cebollas simples a 75o rs
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor ( 0 frasc0_
a 2.5oo rs. cada um. i Ancoretas de vinho colares a 5o,ooo re., e
lem prato a 7oo rs. a libra.
Vinhcem pipa das mais acreditadas marcas
corno sejamBA F., PRR, JAA, outras
nmitas marcas. Porto, Lisboa e Figueira ;
de 48o, 5oo, 56o, 64o e 800, rs., e o do
Porto fino em garrafa, e em nada a
3,000, 3,500, 4,ooo e 6,5oo rs. o melhor
do Porto.
dem Bordoacx das mais acreditadas marcas )d t>|
a 7 rs. a garrafa, e a 8,000 rs. a caixa. 4 a rcsma
Garrames rom 5 garrafas de superior vinho f
a 72o rs. a garra f
lardinbas de Nantes a 32o rs. a latinha.
Charutos das mais acreditadas marcas de
2,5oo a 4,000 rs. a caixa.
Champagnhea melhor do mercado de 12,ooo
a 24,ooo rs. o gigo, e de 1,2oo a 2,ooo re. a
garrafa.
Papel greve pautado ouliso a3,3oo rs. a res-
ma.
tado 011 I izo de 3,5oo a
bas a 2,000 e 100 rs. a libra.
CASTANHAS
piladas muito novas a 320 rs. a libra.
10,000 rs. a arroba.
LUYA DOCE
muito nova a 300 rs. a libra e ),000 rs.
arroba.
COMINHOS
os mais novos e mais superiores a 409 rs.
libra.
NOZES
muito novas a 160 a libra e 5,000 rs. a ar-
roba.
SAG
I'ASSAS o melhor que pode haver oeste genero .a
as mais novas do mercado a 8,000 a caixa e I 2>0 rs. a libra.
e 500 rs. a libra. MASSA DE TOMAT
AMEIXAS em latinhas de 1 libra por 600 is. a lata,
francezas em latas de 1 e 1|2 libra a 100 rs. SARAO MASSA
a ibra. i ueste genero ha sempre i.m < rande sorli-
SARDINIIAS ment variando o preco de lO a MO rs.
de Nantes muito novas a 300 rs. a lata. I por libra.
Existe alm d'estes gneros, um explendido sortimento de phosphoros, fumo, al-
pista. peras em calda e secejs. figos, copos finos para agua, massas para sop;. azeite, ca-
nda, pimenta, velas de carnauba, nanita de pon, papel, e outros minios gneros, de es-
tiva, que todos sero vendidos por mdicos precos.
re. a duzia.
Manteiga ingleza flor a 800 rs. a libra e de g
libras para cima ser aberto um barril na
presenta do comprador,
dem de 2.a e 3.a qnalidade a 7oo, 600 e 4oo
re. a libra,
dem franceza a 560 rs. a libra, eem barril
por menos,
dem em latas a 2#000 e a 1(5500 a lala.
Massa de tomate em barril a 480 re. a libra,
dem em lata a 640 rs. a lata.
Batatas novas em gigos de 30 a 4o libras por Moslarja jngieza 400 e 600 ris o pote.
i.ooo re. e a 4o rs. a libra. Marmelada imperial dos melhores fabrican-
Biscoitos inglezes Lunch a 18oo rs. a lata de tes de L|SDoa a t00 rs a iira
5 libras. Marrasquino de zara a 800 rs. o frasco e a
dem de diversas marcas em latas menores g(j a (j1JIa_
a l,3oo re. 'Massas para sopa, taJharim e macarro a
dem de Lisboa de qnalidade especial era la- 480 rs a ||)ra
Arroz do Maranhao, da India, e Java a 8c e
loo rs. a libra.
4oo rs. a libra,
a libra.
Garrames com > g
do Porto a 2,2oo rs. com o garrafo.
dem com 5 garrafa de vinho da Figueira mais
proprio para a nossa estaco por str mais
fresco a 2.4oo rs. com o garrafo.
Mem com '> garrafas de vinagre a l,2oo rs.
com c garrafo.
Vinho b:ana) o mais superior que vem ao
nosso mercado a 56o rs. a garrafa, e a
4.3oo rs. a caada.
Velas de esparmaeate as melhores neste ge-
MfQ de 56o a 64o r.-. o maco, eem cai-
xa ter grande aban monto por haver
grande porcao.
Azeite doce em barril muito fino a 64o rs.
a garrafa e 4,8oo a caada.
dem francez refinado a 800 rs. a garrafa. Genebra de
M
i>
las grandese pequeas a 3,ooo e l,5oo rs.
Bolachinhas americanas, a 3,ooo rs. a barrica
e 2oo re. a libra.
Banha de porco a 44o re. a libra, e em barril
1 4oo rs.
Baldes americanos muito proprios para com-
pras a 1.000 rs.
Cha huxym, hysson e perola a 3,ooo, 2,8oo,
2,5oo, 2,ooo e l,6oo rs.
dem preto a 2,ooo, 1,60o e 1,00o rs. alibra.
Chanpagne a melhor do mercado a 12,oooo
gigo c a l,2oo rs. a garrafa.
Chocolate francez pnmeira qualidade a I,loo
rs. a libra,
dem hespanhol a l,2oo re. a libra.
dem suisso a 1,000 rs. a libra.
Cerveja branca marca Allsopps a 4,5oo rs. a
duzia, e a 4oo rs. a garrafa.
Cognac inglez a 64o rs. a garrafa a 800 e a
dem fins, estrenlia e pevide, caixinha
com 8 libras a 15600.
Nozes a !!6o rs. a libra.
Peixe preparado de escabeche, da melhor
qualidade que tem vindo ao mercado, a
|;> a hila.
Presunto de lamego muito superior a 480
rs. a libra,
dem para fiambre (inglez) a 640 ris a
libra,
dem americano a 400 rs. a libra.
Papel al maco a 30000 a resma,
dem de peso a a resma.
Palitos para dentes a 160 rs. o mago.
Dito dito de flor a 200 rs.
Ditos do gaz a 20200 a groza
Pa'ssas novas a 480 rs. a libra e a 10800 a
caixa.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 20500.
Dito kindrino a 900 rs. a libra.
CocerJinglezas em frascos grandes a 75o Dito pr; 10 a 640 rs. a libra.
', f Sardinhis de Nantes a 3O rs. a lata.
Tendo o proprietario dos arma zens do progresista deliberad) mo C00MWir re. "" muitas nunlidailes a 5oo Dita de Lisboa a 640 rs. em lata grande,
com a liga da UniSo Commercial, Clarim, Allianca, ete Ote Ote., 1, ampie so con- dem *tt*&?L7ES.
corda em alliar-se aos seus freguezes, fazendo com estes urna liga de interessus reuprocos
tendo os seus alliados a faculdade de comprarem por procos muito em tonta O hom
Sag muito superior a 240 rs. a libra.
iomma muito fina e alva a 80 rs. a libra.
Milho alpista e painso de 16o a 2oo rs. a li-
bra.
Pablos do gaz a 2,2oo rs. a grosa e 2oo re. a
duzia.
Vasos inglezes de 4 a 16 libras vasios, muito
proprio para deposito de doce manteiga
ou outro qualquer liquido de l,ooo a
3,ooo rs. cada um.
Licores das melhores marcas e mais finos
a 1,00o rs. a garrafa e em caixa ter abati-
mento.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa
e lo,5oo rs. a caixa.
Chouricas as mais frescas do mercado a 800
re a libra.
laranja em frascos grandes a
bre, wformidavel queijo c a saborosa bofachinha de sola, que a/.em umi boa amanea
coma superior chanipanhe e o porto fino, nicos que sahem imHar a un fio (lestes ar-
mazens com os seus concurrentes. Viude, senhores, a ti arniazens. aonde podis d en-
tre um muito esplendido sortimento de saboreos alimentos, escolherdes os que mais
vos apetecer, certos de (pie nunca lereis occasio de arrepender-vus de [(asUr 0 vosso
dinheiro uestes estahelecimentos.
LOJA DO BF.IJA FLOR.
to Charutos neste genero temos grande sorti- Sal reinado,eru potes de vidro, a 600 rs.
anca ment tanto da Babia como do Rio de Ja- o pote. o94ftrc q
!r ST.i fw. 9 9sui ?..pioo. 3.000 e 4.000 Salmo massa a 120, 160, 200 e240 rs. a
Ervihas francezas e puriuguezas a 64o rs. a
lata.
Bocetas eom doces seceos de Lisboa de 3oo
I S.ftoore. cada urna.
Toucinlio deLisboa a 3oo rs. a libra, e a
9,000 js. a arroba.
Rozes muito novas a Kio rs. a libra c 4,800
rs. a arroba.
Cif de I-.*, 2* e 3.1 qualidade de 26o, 3oo
e 36o rs. alibra, do Cear de 7,8oo, 8,600,
e 9.oo rs. a arroba do melhor.
\ttot. da India, Java e Maranhao de 2,8oo a
3,000 a arroba, e de 80 a loo rs. a libra.
Passas muito novas a 8,5oo a caixa e 5oo
a l'bra. ha caixas raeias e quarios.
Sevadinha de Franca a 2to n. a libra.
Sagi muito novo a 28o re. a libra.
1,00o rs. o frasco.
Serveja das mais acreditadas marcas de
:;.'ioo a t,5oo a da/.ia e de mais a 5oo re.
a garrafa,
dem em botijas e meia*, sendo preta da
muito creditada marca T de 6,5oo a 7,8oo
rs. a duzia.
Ceblas em molhos grandes a 800 o molho
640 o cento, e a C.S00 rs. a caixa
Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
Farinha do Marauho a 14o rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 16o rs. cada um.
Cominho a 4oo rs. a libra.
Erva doce alibra.
Canella a l.ooors.a libra. .
Ratitas a 1,00o rs. o gigo com 32 libras liqui-
das e 3,ooo rs. a caixa de duas arrobas.
Meias rrnas para homrni.
Vendcrn-se meias cruas para homem a 25 a du-
zia : na ra do Queimado, leja do beija-flor nume-
ro G3.
lirias para sriihora.
Vendem-se meta para seabon a 3*200, 4 e
500.1 duzia : na ra do Queimado, luja do bei-, do beija-tlor n. w.
ja-llor n. 63.
Tranrinlia para enfeites.
Vndesetrancinha para enfiles de vestidos ou
roupa de meninos, one tmbein serve para enfeiiar
camisinha de scnhra; vndese iranra branca
com 40 varas a 800 rs. a peca, com 20 rana a 500
rs., com 10 varas a 200 rs. : s quem tem na
loja de beija-tlor da ra do Queimado n. 63.
Trsouras linas par* unha o costura
Papel de diversas qualit ades. ce|x
Vende-sc papel amizade a 640 c 700 rs., dito de -^ jjhra
cores a 600 rs., dito adamascado a i&, dito branco Ctioun^S 6JWMN10 /. imra
a 900 re., dito beira dourada a I5J00 ; na ra do 1 Cevadinlia de Franca a 200 re. a libra.
Queimado, loja do beija-nor n. 63. Cevada muito nova a 80 re. a libra.
Pentes Iravessos para n minas Copos lapidados a 5 e 6,000 rs. a duzia.
neiro a 1,600, 2,2oo, 2,5oo, 3,ooo e4,ooo
rs- a caixa' Toncinlio de Lisboa a 320 rs. a libra.
Caf do Cear muito superior a 28o rs. a libra rjt0 de Santos e 300 rs. a libra.
e a 8,000 rs. a arroba. Tijolo para limpar facas a 140 rs. cada um.
dem do Rio a 3oo e 2So rs. a libra. Vassouras americanas a 64o rs, cada urna.
Ceblas a 9oo re. o molho com mais de loo | jem j0 port0 a 400 rs, cada urna.
Velas de carnauba e composico a 320 rs. a
libra e a 10# a arroba,
dem stearinas superiores a 560 rs. o
mac"". e em caixa por menos.
Vendem-se pentes iravessos di borracha para
menina a iOOe 300 rs.: na ra do Queimado, loja
Doce de goiaba em h'tas a 4oo rs. a libra,
dem de caj em latas a 320 rs. a libra.
Ervilhas francezas e portuguezas a 5oo e 64o
rs. a lata.
Vendam-se esouras linas para unha e cosinra a Queimado loja do beija-Our n. h3.
400, 300 e 640 rs., ditas para coslura a 300 rs. :
na ra do Queimado, loja do beija-tlor n. 63.
dbkh
38RA DO llIflPERADOR38
mX
Agua natural de Condllae,
tto reconunendada as afleccoes do tubo ^^^^.^^!^" m^SSS"^ mto
Esrovas para denles.
Vendem-sc escovas para dentes muilo finas a
120, 240, e 500 rs. : na ra do Queimado, loja do
beija-llor n. 63.
Caiiinhas chin grampas.
Vendem-se caixinhas de (trampas a 40 rs. : na
ra do Queimado, loja do beija-llor n. 63.
Colarinbos para hornera.
Vendem-se colarinbos de linho para hemem, de
diversos gostos, a 560 a 6W) rs. : na ra do Quei-
mado, loja do beija-lbr n. 63.
Cravalas para sentara.
Vendem-se grvalas para senhora, de diversas
cores, a 500 rs 800 e l& : na ra do Queimado,
loja do beija-llor n. 63.
Filas para debrum de vestidos.
Vendem-se filas para debrum de vestido de laa
prctas bordadas, eom 10 varas, a 14100, dita de
seda preta a 1*200, dita de cor adamascada a
15200, dita branca de laa com 11 varas a 400 rs. :
na ra do Queimado, loja do beija-llor n. 63.
Iktles de mailrrperula.
Vendem-se botes de madreperla para cohete,
que tambem servem para casaros de senhora a
100 rs. 1 abamadora : so qocin vende por este
na roa do Qnehnado, toja do beija-tlor nu-
mero 61.
Lavas de Jmnin
Vendem-se Invas detonria^J*^ J IKrmtaa SftigTwriio superior a 12o
libra.
-------------I Farelo em saceos grandes a 4,ooo rs. o sacco |
foica e armazem
nhora, chegadas no ulljr
dem seccas a 16o rs. a libra.
Figos de comadre em caixinhas com 8 libras
por 1600 rs.
Farinha do Maranhao a 12o rs. a libra.
rs. a
Vinho do Porto, neste geneno temos o me-
lhor sortimento possivel, que vendemos
pr-r preces muito haixos a Id a garrafa e
a 10/ e 12 a duzu.
IdemCherry.e da Madeira em barris e em
caixa, a 125 a caixa e o barril conft rme o
tamanbo
dem de Figueira c Lisboa^m ancoras de
8 a 9 caadas, por 2860OV ^^_
Dito em pipaji40O, 35500^#oo& a ca-
ada J3
dem do Porti), deno!^ Baliza, a 55 a
de Gm^^^^^^*^^^^^^^^^^^ a u;m com 0
drogas
Hita do (ah'.i^a n. II.
de tanate
ridn .-arboniro." InJKnw tiro, agua 'dCh-eleu, cupahiba de Mege injeepw V
Irzm*,, nmitoreemiaeiidadanas gonorrheas. lmfraw verdadeiro ; na mema asa lem
ilguuias canas de instrumentos eirurgieos para operacoes de Manen e mamare.________________
pechiacha a 2 tO rs. o covado.
di; eor de superior qialidade a 21" rs.
envida liazinhai para vestido de rlcoa gostos a
MOd forado : s na ruado Queimado n. 13, s-
ion:i qu rol para a >w?regaeio : est-se aea-
aand<<.
Cal de Lisboa e potassa da
Rnssla.
Vende-s.5 na ra da Cadeia do Rccife n. 56, para
onde se mudou o antigo e acreditado deposito da
mesma ra n. 12, ambos os gneros sao novos e j
l)K
,1 na411 iin Uai tiiilin da Cruz Correia.
Vende-se o segalnte :
Salsa parrilha do BristoL
Paslilhas assocaradas de Kemp.
Pastilhas vermfugas de Kemp.
Elixir de citro lclalo de ferrodr Dr. Therines.
Molida Lafeeleur.
Xarape depuralivo d'odoreto de ferro de Guy.
Xarope penoral sedativo de Guy
Pastillas pettorae balsamieas a-i 6oy.
Plala da vida.
Burel franciscano (meoclado) pa a imagens.
Inieccao Mrovv.
Xarope de citralo de ferro de Ciable.
Plalas contra sesSes.
Salsa parrilla de Sands.
I'Airaclofluido de salsa parrilhide Dailys
ri,fa- "garPTf.10.""" /*"
dem verdadeira de Hollanda em frascos muito jjeny e 30rde;./^, das melhores marcas que
do, a 65 a caixa e a 640 rs.
grandes a 1,2oo rs. o frasco,
dem de Hollanda em frascos pequeos a 5oo
re. o frasco,
dem de laranja a l.ooo o frasco.
Gomma do Aracaty a 80 rs. a libra.
Graxa a loo rs. a latae l.loo a duzia.
Linguas americanas de grande tamanbo a
l.ooo cada urna.
Ei'eites.
... .s
Botfifs de pnnho para mangaitos de seohora. i xarope alcoolico de vella'me.
Vendem-M- holoes de pnnho para manguitos de Alm destas drogas ha consl.- ntemente um com- mandar quanto antes, po.s vicram \uJrm. e e.
pleto sortimento de Unta, ven ix, ooro para dou- se acatando poniue esies foram a ostras que
ra', preparados chimicos e pharmaceulicos que se cebemos e nao sei i|uando recebe'jymos mais
vendem |x>r enmmndos presos
wio ao m
garrafa
^ina;rej#isba a 15600, l,J8oo e 25000 a
I,ien>mem,em garrames com garrafas, por
_ COTO o garrafo.
hc^re caj a 15 a garrafa. Este vinho
tem dez anuos.
AGENCIA
FUNDICAO DE LOW-MOOH.
Kni da Senzalla aova a. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
A loja da Aurora na ra do larga do Ros/
n. 38, receben riquissimos enfeites a Maj(*r
os mais modernos que lem chegado |h; esta
qualidade sao os primeiros que tem vi> j a esle
mercado, qualquer scnbora que prel'der com-i
piar atgarn deila qualidade lenha i >ndade de 1 um completo sortimento de moendas e metas
* moendas para engenho, machinas de vapor
na
senhora, de diversos goslos, a 200 rs. o par
ra do Queimado. loja do lieija-tlor n. 63.
Faras e yarfos.
Vendem-sc facas o garios oilavados a 25*oO-
ditascravadas a 33, ditas de cabos presos a 3fi200,
dios de eabea de balance com 2 bornes para mesa
a 65200 a duna : na ra do Queimado, loja do
beija flor n. 63.
I.a-i para bordar.
Vndese laa para bordar, de diversas cores, as
mais lindas que se pode encontrar, a 6$-*>oo :
eslao
re-
-ales preto
Farinha snperior de Sanl/Catharina.
Vende-se em porcao ou a *lalho, a bordo da
A loja da Aurora trnalarg ttoBosario n, 38, harca/m, atracada ao ra.flr he do.^0 ^ W-
recebe > ricos galues de seda prota COOl bolesda vramento 0U/AT"Kt I
mesma rienda aplegados par enfeiiar vestidos Oliveira Atevcdo U C, ra/
pretos de ijuaJ<|oer forma que as senhoras quel-
ram faier, assim como lamn m recebeu minio
Algoiio
Kakis
mms Invas de torcai aratait'bmdadas para senlio- para saceos de assncar/croupa de: oseravo; tem
. -de Obveira Azevedo i\
.!,. ,-. iAi AnhHn.nr n litas de velludo relas e d* cores de todas as para vender Antonio
Sff^Srt1 a Pre ma,S q"e 3a^aVdo%;:;rnado !TS "* SpS v, adas ffi C, no seu escritorio
'.adaCruz n. 1.
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos.__________________
- Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston A C.
ra da Senzalla Nova n. 42.
Roa da Senzalla Nova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas rte
ferro coado libra a 110 re., idem de Lo*
Moer libra a 120 rs.

II II
1 n a



1 lirio de lernanbneo ttabbado 13 le Pcvrrelro de I l

.~<
i
UNIAO
W32
COMMERCIO
Defronte da loja do Pregulea.
DtABTE AliMETOA
acaba d( abrir o seu grande e sortido aramem de molhados denominado Unido e Com-
mercto. Este grande armazem ura dos nuis bem montados que temos em nossa praca,
nao so em limpeza e aeeio, como as qualidades especiaes de seus gneros. 0 proprie
ario do Uni e Commercio offerece todo;; os senhores da praca, senhores de engenho
e labradores a seguinte tabeHa, por onde verao a grande economa que lhe resulta em
comprarem em tao til estabelecimento, atiabando o raesmo todo e qualquer genero
sahido de seu armazem.
Bollinho francez em latas e caixinhas asmis
delicadas que tem vindo ao nosso merca-
do de 7oo a 2,5oo rs. a caixinha.
Manteiga ingleza perfectamente flor, mandada
vir de conta propria, a
libra.
Erva-doce a 000 rs. a libra.
Champanha de 20 a 2,ooo o gigo.
Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groza e 2o rs. a
caixinha.
7oo a 800 rs, a Milho alpista a 16o rs. a libra.
Cominbo muito novo a oo rs. a libra, e
ALLIANCA
GRAIDE
Duarte & C, receberam
em
57 RA DO IMPERADOR 57
Na bem conhecida loja que foi do Sr. Flix alfaiate.
Paulo Ferrelra da MI va proprietario deste novo estabelecimento, tendo | \
chegado da Europa, aonde escollieu ura grande e variado sortimento de molhados, tem: $/%
a honra de os expor ao respeitavel publico desta cidade pelos mais resum dos precos. f?^
Em to ptima occasio, por estarmos prestes a festa de Natal, o proprietario' do grande armazem Allianca offerece aos seus amigos e freguezes que o c mhecem desde! tf?S
quando foi socio dos armazcns Progressivo e Progressista as maiores vanagens em com- Wg&
prarem em seu armazem.
de sua propria encommenda pelo brigue
hloruula, chegado ltimamente de Lisboa os seguintes gneros todos de pri- Mg>
mena qualidade por serem escolhidos pelo Sr. Duarto chefe de nossa casa *s
a* ltimamente chegado daquella praca.
Verdadeiro vinho collares
&$ Verdadeiro vinho collares em ancore- Nozes as msis novas que se pude de- vs
'/A retas de 9 caadas a 50,000 e 800 sejara 100 rs. a libra, e comprando 4\
Hoje de novo estabelecido mais precisa da concurrencia de todos estes senhores,
dem franceza chegada pelo ultimo navio a comprando de 8 libres para cima a 32o rs.
56o rs. a libra, e em barril tem abatimen- Gomma muito alva para engommar a 8o rs.
to. a l'bra, e em arruba se far abatimento,
dem ingleza em polos de 4 a 16 libras a: Sag muito novo a 28o rs. a libra.
8oo rs, a libra e o pdle separado, (Saba verdadeiro hespanhol, que raras vezes.
Cha uxim o melhor neste genero, mandado vem ao nosso mercado a 23o rs. a libra
vir d<5 conta propria a2,8oo rs, a libra. Vinbo branco o melhor neste genero a 8oo rs
dem hysson, grande, mHito bom a 2,!oo rs. a garrafa e 4,3oo rs. a caada.
a libia. ,Wem Bordeaux de differentes marcas, garan-
Idem preto muito fino, a 2,6oo rs, a libra.' te-se a qualidade, a 8.000 rs. a caixa com
dem pi-eto. m\is baixo, a 2,ooo rs, a libra. I una duzia, e a 7oo rs. a garrafa,
dem, verde, nfudioho, maispioprio para Garrames com 5 garrafas de vinho do Porte
negocio, a l,5oo rs, a libra. do Alto Douro a 2,2oo rs. com o garrafao.
Banha ie porco refinada muito alva a 46o Wem com 5 garrafas de vinho Figueira, mais
rs, a libra, e em barril se far abatimento. proprio para a nossa estacao por ser mais
Biscoitos inglezes das seguinUs marcas; fresco a 2,4oo rs. com o garrafao.
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travellies. Wem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
Lunch, Cabin, o outras muitas marcas, a o garrafao,
., ,?\.rs,.ia,a!' 1 1 Sab3 massa de superior qualidade a 18o,
Bolaclunha de sudo, especial encommenda, a 2oo> e 22o ^ alibra mel|ior que fc'
Graixa em latas muita nova a 12o rs. a lat-1
casa jamis deixarao de ser cumpridas as
Bolachinha de soda e lunch en latas grandes
a 2,000 rs. cada lata.
Cognac de superior qualidade a 800 rs. a gar-
rafa.
rs. a garrafa,
e a 8,000 e
ao seu estabelecimento. certos de que esta
grandes vantagens por ella offerecidas.
Maraes de 4o a 16u rs. cada urna.
Manteiga ingleza a mais superior neste ge-
nero a 800 rs. a libra, e comprando de 8
libras para cima a 72o rs., esta a mais
superior que pode haver, tambem ha mais dem muito superior a 1,00o
baixas para menos presos. Caf a 28o e 32o rs. a libr;
dem franceza muito nova a 56o rs. a libra 11,000 rs. a arroba,
e 54o rs. em barris ou meios. Cerveja das melhbres marcas do nosso mer-
Peras seccas muito novas a 48o rs. a libra. cado de 5,ooo a 6,000 rs. a duzia, e 5oo
Cha porotal de especial qualidade a 2,8oo rs. rs. a garrafa.
1 a lDra- Conservas inglezas a 75o rs. c frasco e 8,600
dem hysson muito superior a 2,7oo rs. a rs. a duzia.
libra. Doce em calda a 64o rs. a Isla.
dem uxim a 2,5oe rs. a libra. Emilias francezas muito novis a 64o rs.
dera hysson a 2,3oo rs. a libra. dem portuguezas a 72o rs. a lata.
dem dem a 2,ooo rs. a libra. dem seccas a 2oo rs. a libra.
dem prelo de qualidade muito especial a Bassourasdo Porto com arcos de ferro a 32o
2,2oo rs, a lata.
2,000 rs. a libra,
dem idem inferior a l,6oo rs. a bra.
Chocolate francez, hespanhol e portuguez,
9ooe l,2oo rs. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
Biscoito inglez Craknel em latas de 5, 7 e 15
libras a 5,ooo e 6,000 rs, e de l,2oo a
800 rs, a libra.
Queijos lo reino pelo baratsimo preco de
l,6oo, 1 80$ e 3,ooo rs os do ultimo
vapor,
dem prato muito fresco a 64o rs, a libra.
Idtm londrino muito fresco a 800 rs, a libra.
Vinhos era pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
48o, 56o, e 64o rs, a garrafa, e de 3,ooo a
4,5oo rs, a caada.
MarmeUda imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa em latas de 1 e mais libras
a 700 rs, a libra.
Peras secaas em caixinhas de 4,000 a 2,ooo
rs. cada urna.
Figos em caixinhas de 1 '/i arroba e de 8 li-
bras a 8,000, 4,000, e 2,ooo rs, e a 3oo rs.
a libre, taambem ha serinhas jara men
nos a iSO rs. cada urna.
Amendoas de casca mole a 36o rs, a libra, e
em arroba ter abatimento.
Sardinhas de Nanles a 32o rs, a latinha.
Toucinho de Lisboa muito novo a 3oo rs, a
libra e em arroba a 9.000 rs.
Massa de tomates a 64o rs, a libra.
Pimenta do reino a 34o rs. a libra,
Farinha do Maranho a i 4o rs, a libra.
Ceblas a 800 rs. o momo, 64o rs. o cento
e 6,5oi a caixa.
Ti julio para Impar facas a 16o rs,
Cerveja das mais acreditadas manas de 5,ooo
a 7,5oo a duzia, e de i>oo a 600 rs, a gar-
rafa,
Prezunlo para fiambre muito fresco e novo
a 800 rs. a libra,
Genebra de laranja a 1,00o rs, o frasco,
Chotirif as as mais frescas do mercado a 800
rs. a libra,
Cognac verdadeiro ngtez a 9oo rs. a garrafa,
e lo,5oo rs. a caixa com urna duzia.
Licores francezes e portuguezes de todas as
marcas de 10,000 a 15,ooors. a duzia.
Passas muito novas a 5oo rs. a libra e a 8,5oo
rs. a caixa. Ha caixas, meias e quartos.
Batatas a l,ooo rs. o gigo com 38 libras e
2,oeo a caixa com tinas arrobas cadauma.
Bocetas com doces seceos de 3,ooo a 3,5oo
rs. cada urna.
Bolachinha ingleza a 32o rs. a libra,
Azeite francez e portuguez refinado a 800 rs.
a garrafa, e 9,ooo rs. a caixa com urna du-
zia.
Conservas ingleas das seguintes marcas:
Mixeri, Pickes, e ceblas simples a 800
rs. o frasco.
Musanla ingleza prepareda em potes a 4oo
rs. o pote.
Nozes inuito novas a 160 rs. a libra e 4,800
rs. a arroba,
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de manteiga, doce,
e nutro qualquer liquido, de 1,000 a 3,ooo
rs, cada um,
nha, e l,3oo rs. a duzia.
Pee em latas muito novo : savel,
rs. cada urna.
Vellas de espermacete da me hor qualidade
a 56o rs. o maco,
dem de carnauba e composici o a 32o e 36o
rs. a libra e lo,000 rs. a arroba,
e de qualidades especialmente escolhidos, Tijolo para limpar facas a 12o rs. cada um.
de 2,000 a 4,5oo rs. a caixa. Toucinho de Lisboa e Santos a 320 rs. a
j Farinha do Maranho muito alva a 14o rs. a
pescada, libra.
libra.
Sevada muito nova a loo rs. a libra.
rs. a garrafa.
Vinho branco B & Filhos, em barris de
quinto a 60,000 e 560 rs. a gar-
rafa.
Vinagre P B B, em ancoretas de 9 ca-
adas a 18,000 e 2,000 rs. a ca-
ada.
Passas em caixas, meias e quartas a
8,000 4.000 e 2,000, a 480 a libra.
Peras seceos em caixas de quatro li-
bras o melhor que se pode deseia
a 2,500. e 640 rs. a libra.
Caixinhas de 4 libras e 2 com ameixas
a 1.500 e 2,500 rs. a caixinha.
Chocolate portuguez, o melhor que
pode haver de bom neste genero a
1,000 rs. a libra.
Marmelada propriamente dito de mar-
mello, a 640 rs. a lata e em caixas
de 100 latas a 600 rs.
} Maca de tomates a mais nova que se
pode desejar a 640 rs. a lata e em
caixa de 100 libras a 600 rs.
gS Ervilha portugueza a 700 rs. a lata,
Wfn e em caixa de 100 libras a 640 rs.
pM< Passas coriuthias para pudim a 640
fg rs, a libras, e 400 rs. comprando de
arroba para cima.
em barricas a 4,500 rs. a arroba.
Sebollas em caixas as mais novas (lo
mercado a 6,500 rs. a caixa, a 81)0
rs. o molho, e a 640 rs. o rento.
Batatas em caixas de 2 arrobas muito
novas e grandes a 2.400 rs. a caixa.
Sextinhas com figos proprias para mi-
mos de criancas a 60 rs. cada urna
e comprando em duzia ter grande
abatimento.
Erva doce muito novas a 500 rs. a
li- fiQ
bra, e comprando em arrota a './
10,000 rs.
Cominhos muito novos a 400 rs. a li- %&
bra e 10,002 a arroba.
Licores portuguezes das marcas mais
acreditadas de Lisboa a 1,0CO a gar-
rafa 8 10 a 12,000 a duzia, as quali-
dades sao as seguintes : crome de u
violetas, geroflez, rosa, absiritbo, vis- $)
peiro, amor perfeito, amendoaamar- -/>>
ga, percicot deturin, botefin, moran-
gos. limo, caf, laranja, cidra, pin- /$
ga, eanella, cravo, ortela, pinu uta
e outros muitosde qualidades menofl
superior que scro vendidos por pro
Cus em relacSo as suas qualida-
des.


Os proprietarios aancam que estes gneros sao muito novos e ludo
de primeva qualidade, ludo isto se vende nicamente no armazem Unio e
Commercio na ra do Queimado n. 7, e largo do Carmo n. 9 armazem pro-
gressivo.
Queijos
vapor, a
do alemtejo, das ilhas e flamengos, todos chegados neste ultimo
2,500 os flamengos e 800 res a libra do alemtejo e das ilhas, unicamen- (^
le no armazem Uniao e Commercio, ra do (jueimodo n. 7 e largo do Car-
mo armazem progressivo.
m
Corri, salmo e outras muitas qualidades dem de araruta verdadeira a 4oo rs. a libra. Peixe em latas grandes, savel. pescada, cor- '%$i
preparados de escabexe, segundo a arte de Vinho do Alto Douro engarrafado, e os mais vina, e outras qualidades a i 000 rs.'cada 1
cozmha, de 1,2oo a 2,ooo rs. a lata. bem escolhidos, lagrimas do Douro, D. Pe- lata. ma
Kfgf.
M
J'A6i<&@
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado e escolhido pessoalmente por um
des socios que se acha era Portugal, das
seguintes marcas : Duque, Genuino, Ve-
lho secco especial, Lagrimas Doces de
1819, vinho especial D. Pedro V, vinho
velho. Nctar superior de 1833, Duque do
Porto de 1834, vinho do Porto velho su-
perior, Madeira Secca de superior quali-
dade, vinho do Porto superior D. Luiz 1
de 1847, Lagrimas do Douro, especial vi-
nho do Porto, de l.ooo a 1 2oo rs. a gar-
rafa e de lo.ooo a I2,ooo rs. a caixa com
urna duzia.
Vassouras americanas a 800 rs. cada urna.
Velas de spermacete as melhores que ha no
mercado a 56o e 64o rs. e masso, e em
caixa se far um grande abatimento,
dem de carnauba e composico, de 4oo a
32o rs. a libra, e de 10,000 rs, a H,5oo
rs. a arroba,
Caf de V e 2* sorte de 8,3oo a 8,600 rs. a
arroba, e de 28o a 32o rs. a libra do me-
lhor,
\rroz da India, Maranho e Carolina a 3,ooo,
2,8eo e 2,4oo rs. a arroba e a loo rs. a
libra.
Frasqueira de genebra a 5,8oo rs. e a 5oo
rs. o frasco.
Azeite doce em barril muito fino, a 64o rs.
a garrafa, e em caada ter abatimento.
l*apel greve pautado e liso a 3,5oo rs. a
resma.
Genebra de Hollanda em botija de con a
44o rs. a botija.
'.^ssas corinteas a 5oo rs. a libra e 12,8oo
rs. a arroba,
Emilias franceza e portugueza a 640 rs. a
lata de urna libra.
Chocolate francez, hespanhol, suisso e por-
tuguez a 1,00o rs. a libra, e a 28o rs. ca-
da pao de urna '/*
Ameixas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas, com diversas estampas
no exterior da caixa de 1,500 a 3,ooo rs.
cada urna; tambem ha frascos e latas de
dro V, D. Luiz I. Duque genuino, Nctar Passas muito novas a lo,000 rs. a caixa e
oo fs. a libra.
Palitos lixados para dentes a 14o rs. o maco.
dem de flor a 2oo rs. o mace.
Presunto para fiambre inglezes e americanos
a 85o rs. a libra.
vapor a
superior, Malvasia fina, Bastardo, e outros
a ll.ooo e 12,ooo rs. a duzia e l.ooors.
a garrafa,
dem Cherry e Madeira a 1,5oo rs. a garra-
fa e 16,ooo rs. a duzia.
dem Bordeaux de diversas marcas de 8,000 dem do Porto a 48o rs. a libia.
a lo.ooo a duzia e 800 rs. garrafa. Queijo pialo a 64o rs. a libra.
Bolaxmhas americanas a 3,5oo rs. a barrica, dem ilamengo vindos no ultimo
e a 24o rs. a libra. 2,0000 e 2,3oo rs. cada um.
Batatas muito novas a l,ooo rs. o gigo, e6o Sardinhas de Nantes muito novas a 32o rs.
rs. a libra. \ a lata.
Banha de porco refinada a 44o rs. a libra o Sag muito novo a 2oo rs. a 'bra.
em barril a 4oo rs. dem muito superior a 28o rs. a libra.
Vmhoempiqa de Lisboa, e Figueira, de 3,ooo Sabo maca de diversas qualidades a2oo e
a 4,ooo'rs. a caada, c 5oo rs. a garrafa.' 24o rs. a libra,
dem de Lisboa em ancoretas de 8 a 9 cana- [ dem inferior de 12o a 18o n. a libra.
das por 27,000 rs. (u-nebra de Hollanda em frasqaeiras a 6,5oo
dem do Porto muito especial a 5,5oo rs. a ris.
caada e 72o rs. a garrafa. dem hamburgueza em frasqi eiros a 5,8oo
dem em garrafes com 4 '/* garrafas por! ris.
2,5oo rs. com o garrafao. dem de Hollanda em garrafes grandes a
Vinagre de Lisboa muito superior a 2,ooo j 5,5oo rs cada um.
rs. a caada. dem em botija a 4oo rs. cada urna,
dem mais baixo a l,5oo rs. a caada, e 2oo Garrafes vasios de diversos t<*manhosa 5oo,
rs. a garrafa. 64o e l,2oo rs
dem em garrafes com 4 'i garrafas por i Gomma doAracaty a 80 rs. albra muito alva
l,2oo rs. com o garrafao. Graixa a loo rs. a lata, e 1,2co rs. a duzia.
Ameixas francezas em caixinhas com ricas Licores finos francezes em gar.afas e frascos
estanpas no exterior de l,2oo a 2,000 rs. j de diversos tamaitos de 603 a 800 rs. ca-
cada urna. da um.
dem em frasco de vidro de diversos tama- Marmelada imperial de todos os conserveiros
nhos a 1,5ao e 2,5oo rs. de Lisboa a 600 e 7oo rs. a libra,
dem em latas de 1 1 2 e 3 libras a l,3oo e Massa de tomate muito nova : 64o rs. a
2,:ioo rs. cada urna, e a 800 rs. a libra.' bra.
Figos de comadre em caixinhas de 4, 8 e 16 Marrasquino de Zara a C40 rs. o frasco,
AURORA BRIILHAN1E
LARGO
DA SANTA CRUZ N. 84.
Vniigos do bom e barato.
A Aurora Brilhante este magnifico eslabeleciuieiito est na IJoa-Vista disputando a
primazia, j pelo grande sortimento dos seus gneros du boa qualidade, j pela commodidade
de precos e por isso o seu proprietario roga aos seus freguezes e amigos o ao publico era
geral quemandem comprar para melhor se certificaren! do annuncio.
Il-
uten a l,3oo, 2,5oo e
urna caixa.
dem em caixinhas
5,ooo rs. cada ; dem em frascos grandes a 8o d rs.
Cominhos muito novos a 5oo rs. a libra,
de folha a 32o rs Erva-doce a 24o rs. a libra.
dem em caixas grandes a 2oo rs. a libra,
dem em latas ermetimente lacradas de 1,6o
a 3,ooo rs.
Pimenta a 36o rs. a libra.
Cravo da India a 64o rs. a libra.
Cannella a l.loors. a libra.
Arroz da India e Maranho a 80, 100 e 12o Alfazema a 2oo rs. a libra.
rs. a libra, e 2,5oo e 2,8oo rs. a arroba.; Sal refinado em frascos de vidro a 6oo rs. o; S*
Amendoas de casca mole muifo novas a 4oo i fraco. j$|
rs. a libra. Copos finos para agoa a 5,ooo rs. a duzia.
Ceblas novas a l,ooo rs. os molhos gran- |Chouricas novas a 72o rs. a libra,
des e a 7oo rs. o cento. | Mostarda franceza preparada e muito nova
diferenles tamanhos que se vendem por' Alpista a lie rs. a libra e 4,6oo rs. a arroba. | a 32o rs. cada um frasco,
mdico preco.
Massas para sopa: macarro, talbarim e ale-
tria a 48o rs. a libra, e em caixa se far
abatimento.
Garraloes com 14 garrafas de genebra de
Hollanda a 5,5oo cada um.
Charutos de todas as marcas e dos melho-
res fabricantes da Bahia de 3,ooo a 4,eoo
rs. a caixa.
Macarro, talbarim e aletria muito nova a; Gonservas francezas de superior qualidade
loo e 48o rs. a libra. 640 rs, o frasco c 7,ooo rs. a duzia.
Biscoitos e bolacliinlias inglesas as ultimas: Azeite doce a 64o rs. a garrafi.
chegadas ao nosso mercado a l,2oo eSevadinha de Franca muito nova a 2oors. a
l,4oo rs. cada lata. i libra.
Queijos do reino novos a 23400 e .
Ditos de prato idem, a libra.
Ditos do serto novos, libra a .
Chouricas novas, libra a .
Linguiyas verdadeiras do sertao, libra
Preuntos novos de Lamego, libra a .
Macarro, talbarim e aletria, libra a
400 e.......
Caixas com 8 libras de estrellinha e
pevide nova a i&SOO e libra .
Sevadinha de Franca e sag a libra.
Ervilhas e grao de bico a libra .
Marmelada nova das melhores marcas
a libra.......
Caixinhas com ameixas com bonitas
estampas a l600e.....
Lanhas com ditas a 15Un, 5100 e
Ditas cora figos novos de comadre a
15400 e......
Ditas com fructas em calda a 640 e .
Ditas com peixe em posta ensopado
a 15000 e......
~ff Ditas com sardinhas de Nantes no-
vas a ...
;jj Caixinhas com 4 libras de farinha de
5S araruta a libra......
j|| .Nozes e amendoa arroba 65 e libra..
^ Garrafas com refrescos de varias
jfjg fructas a......
MM Azeito doce a 640 rs. a garrafa e refi-
S< "ad a......
JK Potes com mustarda a
JSS Frascos com conservas novas a
Ditos com genebra de laranja e de
Hollanda a 6U) e .
Chocolate de varios autores a libra .
Toucinho de Lisboa arroba D5000 e
libra.......
Charutos finos a 25, 25-"00, 35, 45,
.'5 e 65 a caixa de 100.
Saceos grandes com milho, farello e
farinha fina a 45. 45oOO e
a arroba 45o00 e libra .
permacete superior a 600, 640 c .
ATTEJAO
Todos os senhores que comprarem para negocio ou casa particular J05 para
.'ima terao mais 5 a 10 por % de abatimento ; o proprietario scientika resis que todos
os seus gneros sao recibidos de sua propria encommenda, razao esta para poder ven-
der por muito menos do que em nutro qualquur estabelecimento.
i CAMBRAIAS! CAMBRAIAS!
| yRiTA o ff Custodio, Carvalho C.
varas e urna
s
Alteo ^So.
Caml.raias brancas com grandes flores para vestido cada corte tem 6 1|2 ,
vara de largo pelo barato preco de 35 cada um corle, esla barata fazenda pelo preco c qua-
lidade muito convm a urna casa de familia, pois se pode applear a diversas obras.
Para acabar.
Orgam.ys finos escocezes a 240 rs. o covado, nicamente para acabar.
i'Mo de liulio.
Fil de linho liso lino a 300 rs. a vara. >
IIOVAS
sementes de hortaliza.
Chegaram no vapor francez Guie as novas ge-
mentes de hortaliza : na ra da Cadeia do Hecife
n. ot A, loja de ferragens de Bastos.
ATTENQAO.
Neste grande armazem de moldados vende-se em grandes porgues e a retalho,
fazendo-se differensa consideravel a quem comprar de 100$ para cima.
25600
640
720
720
400
500
480
480
240
120
720
25000
45000
25000
300
I52OO
360
640
240
500
800
320
800
15000
15*00
320
35000,
161
72t
00
60l
21 )
Copos lapidados para a^a e vinho du-
zia 45 e...... 6000 M
Molhos ile grande sebolas a 15000 >
Barricas com bolachinha nova a i
e libra a...... 320 H
Ditas de soda de 3 libras para lunche &
ou doente a 25 e libra ... 640 mh
Ditas com biscoulos inglezes milito li-
nos a ....... i400 %
Manteig ingleza flor a 800 e 360 Ss
Dita franceza a 360 e 600 rs. e em >w
barris e meio a 520 o 340 '-S
Dita hollandeza muito nova a 800 J
Banha de porco a 32G jjR
Sal refinado o pote .... 500 'aj
Gigosccm batatas bollandezas a t200 5$
Cha hysson o melhor que ha a 3*i00 .-g
Dito miudinho a..... 25S0O *
Dito verde a 25, 25500 c 25800 ?|j
Dilo preto a 15t00, 25 e lino a 25500
Caf de moca arroba 95 e libra. 320
Dito lavado arroba 85 e libra 280 *"*
Vinhos linos do Porto caada 55 e
garra la 640 e..... 800
Ditos de Lisboa e Figueira 35200 a
caada e garrafa .... 480
Dito branco proprio para mesa a 560 e 640
Dilo xerez e outros finos a 15000
Caixa com vinho Bordeaux a 85 c 95
e garrafa a..... 800
Serveja de boas marcas a duzia a 65 e 65000
Gomma muito lina arroba 25500,25e 15280
Bnxofre arroba 35200 e libra 120
Canad de azeite de carrapato a 25 e
garrafa a...... 280
Dito de coco a 35500 e garrafa a 480
Massos cora palitos lixados para den-
tes a ....... 160
Tijolo para limpar facas a 140
Ervilhas em latas a 640
Latas com ostras americanas a 640
Vinhos engarrafados linos a garrafa 15000
Tapioca nova arroba 35800 e libra I U)
o com grasa n. 97 a .. 320
RIVAL ] ESCBAVQS FGIDOS.
SEM SEGUNDO
> Pd h^ s m
0 p-0 B Si * S-0 0 9- 1* ce 0 p p. < r-l
bd O- " 0 ~x S5
0 0 *- p- /J
> fcd i 0 i-D D P-
es rs D >-* t' 2
se =- h- GO ^=3
r es ce 00 0 cf -*-Ci 1 SO 1! P- i 1-5 P-P xa
B (V O

p
Hua da Senzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P..lohnston A C, 240 rs.
sellins e silhes inglezes, candieiros e casti- ^"s maiores a 400 e 500 rs.
' lia mi
160, 200 e 400 rs.
*00 de gratificaco.
% K Dcsoppareceu dtsde o 1 de maio de 1863, do
tna do tu 1 nado n. # e 55, poder ot. scu senhor 0 teueme coronel Jos Vicen-
, loja de miudezas de Jos de Azevedo Maia & C, le de Medeiros proprietario de engenho P.ndoba
principia o novo anno a torrar jmudezas pelos prc- na comarca do Penedo provincia das Alagoas, o
eos que a todos causa admirado, a saber : escraVo Jercmias, do cor cabra, eslatura alta, es-
Pares de sapatos de tranca muito finos a 15600. padaud.s desdentado de um lado mais que de ou 0.
abosa dos lucidores fabricantes a muito pouca barba, ps grandes e lera algn* (a-
rocos de carne sobre o peito, bom Bapaleiro elem
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela. "scos d'a-'11? d* Colonia muito finos a 400 rs.
' Sabonetcs muito lino<
k; .< __ ---- __. sabonetcs mu o inos a loo, HH) e 400 rs.
chicotes para carros e montana, arre.os para Frascos grandes de'agua de Lubin, o melhor,
carros de um e dous cavallos, e relogios de 15300.
ouro patente inglcz. Lapis de tinta encarnada muito finos a 40 rs.
. Novellos de linha com 800 jardas a 120 rs.
(A
*ik>
f]
llraiici) mi maca.
Vende -se em latas de 28 libras o melhor que po-
de haver a 200 rs. a libra, a dinheiro : ua ra
larga do Rosario 11. 34.
FARINHA FONTANA.
Farinha da muito acredita a marca
zonta na desembarcada hoje, vende-se
lor preco mais commodo do que em
liialqiicr outra parte : na ra da Cruz
11. 4 casa de S. 0. Bieber k C. succes-
ores.______
Plvora.
Vende-se de 100 barris para cima : no escrip-
orio de Rolhe A Bidoulac, ra do Trapiche Novo
1. 18, primeiro andar.
GAZ GAZ GAZ
por preco rediizido.
Vende-se gaz da melhor qualidide pelo
pre.o de 10,51 por lata de 5 gales : no ar-
mazem do Caes do Ramos n. 18 e ra do
Trapiche Novo n. 8.
Ditos de dita com 400 jardas a 80 rs.
Frascos de macass, oleo muito suprior, a 100
Duzias de dedaes brancos em caixas de vidro
320 rs.
Papis de agulhas a balao Victoria a 60 rs.
Banha transparente muito superior a 700 rs.
me.a de fundo, e nta Japoneza muito tina a 800 rs.
|WL?!t:l{MSB2SS ^asrsdegbo,0esde ma'dreperola multo finos a
^A'ViT n\^-?lon,?-Jose Leal He,s' na rua da Pecas de fita de cs, estreitas, com 10 varas, a1 dPj,s dl fuga foram1 encontrados per*) doenge-
iMuea no iteciten. 4;. An > n 10 Catnaracibe: nede-se. norlanto. as autoridades
Vende-se a propriedade denominada Maltez, fita
na freguezia de Tracunhiiem da comarca de Naza-
! retli, com urna legoa de frente e
proporgdes para nella se levantar m bom
: na cidac'e do Hecife urna irmaa mutila de non.e
' Joaquina, liberta, para junto a qual dizem que te
evadir : quem o capturare entregar em Pernaiii-
bucoao Sr. Jos Augusto de Araujo (cidade do
Recife) em Macci ao Dr. Mariano Joaqitiai da
Silva, cebera a quantia cima declarada.
No dia 18 de Janeiro passado ftigio o escrr.vo
Miguel, rrioulo, de idade de 45 50 uses, j teta
cabellos brancos o usa de meias suissas, tem om
principio de gomma no peito de um dos ps, Dffl
de alpargatas, muito regrlsta e intimla-se forro.
Este preio c natural do Ico, d'onde veio para aqu
ser vendido, e por a Igum lempo pertenceti ao Sr.
Jos Guilherme Guimares; consta que levara em
sua companhia sua amazia, de nome Mari, parda
acanoclada, alta, e com falta de deutes na frente ;
esta parda costuma embriagar-se. Poucos dia*
Cal de i.InImki
chegada ltimamente ; na rua do Vigario n. 19,
primeiro andar.
320 rs.
Novellos de linha branca do gaz a 30 rs.
Carreteis de linha de cores muito fortes a 20 rs.
Candes e caixas de colchetes francezes a 40 rs.
Botoaduras brancas e de cores para colletes
120 rs.
Frascos de banha, peclnncha, a 240 rs.
nho Camaragibe; pede-se, porianlo, is autoridades
competentes ou a qncm delle tiver noticia, de ,i;i-
! prehende-lo e leva-lo casa de seu senhor Miguel
Pereira Leal, na rua da Cadeia do Recife 11. 10,
que serao bem recompensados. ____
FAZKMiiS
Vende-se o engenho S. Mane el, silo na fre- 120 rs. Escrava fgida
guezia do Rio Formoso, e a marge o do rio Seri- Frascos de banha, peclnncha, a 240 rs. Ausentou-se da casa de seu senhor a
nhaem o qual demarca con.os en, enhos Cachoei- Bonets para meninos, fmmda fina, a li J^^n^7rt^X^^ S
"' 'h*n?"* e Gam!,lk,ra' moe c?n. a*!"ae^mu-,t0 Gaixas Prt'Paradas Pa>-a costureirasa 15500, U e ann0s, levou vestido de 15a com florea verdes, eos.
CTll 7* rapac,dad,e -para safr W 2-500. Pae 3*000: turna mbriagir-se, foi escrava da viuva de Fran-
; annuaes, e se acha quas. todo en. mata virgem, Massos de grampas lisas e finas a 30 rs. | cisco Mathias Pereira da Costa 5 por algumas ou-
S2E r,Tt Wr,?eZ: ZeZlT-ndeT' Cas de palitos do gaz e de cera jlnos a 20 rs. tras vez.s tem fgido e costuma andar pelo caes
dirija-searuadoViganon. 5, qie achara com Duzia de facas* e garfos de 1 botao superiores a ;de Capibaribe, Monteiro e Afftictos : quem a pe-
baratas para acabar..
Sedas de quadros e de listras a 320 rs. ocova- (lucm tratar
do, lindas laas de quadrinhos a 360 o covado, su- j Vende-se a taberna do pateo do Paraizo n.
periores cassas de cores a 200 rs. o covado, ditas 30 : a tratar na mesma.
muilo finas a 240 o covado : na loja das colnmnas,
na rua do Crespn. 13, de Antonio Correia de Vas-
concollos i C
Vende-se urna parte do sobrado de dous an-
dares, sito na rua do Vigario n. 17 : a tralar na
rua Nova n. 45, segundo andar.
GLOBOS
Vendem-se globos de barro vidrado da fabrica
de Santo Antonio no Porto, proprios para jardini e
frentes de casas: na rua do Atnorim n 46.
5*300.
Duzia de ditas e ditos de 2 botoes finissimos a
6*500.
Cruzas de palitos do gaz a 2*200.
rea preta muito lina a 100 rs.
Caixas de rap com espelho a 100 rs.
Luvas de pellica.
Chegarara para a loja d'aguia branca., rua do
. Queimado n. 8.
par leve rua da Cadeia n. 35,
pensado.
que sera recom-
Fu,rio da casa de pasto da rua larga do Ro->
sario n. 25, no dia 9 do corrale, o escravo Vi-
cente, cora os signaes seguintes : twixo, cor c.v
boclo, cabellos e ps curtos, falla descansada, cha-
peo de filtro usado, calca e camisa brauea : qw u
o pegar leve-o dita casa que ser recompon-
sado.
..."...
.*.
.
UMIMMaMtBu y



ni* rio de Pernambuco Nahbado 13 de Vei-errirn de 1 9C J.
LITTERATRA.
OQUE VE PELQ KUNOO.
8 de juuho fosse reduzido aos do decrcio do 21 de obter-se nquella quanlia, so que por tal modo a | custou esto serviyo, a razao di 1/2 por cento, rom
.mtul.ro, se Josa rednoeo nao resultasse ao ere- obliveram os eontratadores, pouco mais de i/4 nue custaha,,! fosse obtido a |/S, como n
presumo de 1860. Convem r tpetir aqu que o ron-
saneiro Carvaiho Moreira ass. vera nada ter podido
alcanyar sobro este ponto.
Resulla, pois, que a forte ctrrotagem paga pela
subseripeao o umro ponto "ulm-ral do contrato
celebrado para o empre
Por cania do producto da subscripto. ***** 3,636 arcos com o capital realisado de 494:2.105,
o governo despender a quanlia de 700:000,5000, p0|*H> apolires de 1:0005, no valor nominal de
que ja se aeha a disposicao do ministerio da na- 501^0005.
rinlia, conforme requsoU Clll SCU aviso de |{ de lluxnnrA rn.-r.Uan Ana mullanlos orn ilnh,.-
mntuanles, em dinbei-
C.:! m,oaserv! r que. lendo-seden m
tar no 1' de abril proal no fuiuro o remanecate
do einpresiiuio de lSl na importancia de t ..
i poea a divida redunda a
X 8,699.600, mi 71.996 'm-ViH, estando nella in-
cluidos o.- capittes dos emprcsiinios levantados
e meio
da 90. Ajuutarei a
feila ik-'Io eacarregado da ofwraeao, isto : o sim- na compra de armamento, que j foi encominen
annual-1 com os empresti mos de 1824 e 1843, porque os pies fado de orna nova eraissio de apolices deve <*'lo-
dito do Brasil de sar algum. ido que se devia cinpregar para obter-se esta ul-
Hespoiidendo o conselheiro Carvaiho Moreira as' tima,
ordens que Ihe exped pelo paquete de 24 de outu- E, quanto do nao se contar juros senao do Io
itiaixo a coni nuaco do relatorio ap-e- bro, diz-mo que par um lado de sentir que Ihe de dezembro do 1832, quando o cmpreslimo havia
ido ; cmaras brastilciras pelo ministro da nao livcsse ehegado mala cedo a resolucjto. lomada' sido eontrahido seis mezes antes, tambem esta van- ,-,, te88 ajusta i
fuetida sobre a modifteacao do quantum d,> emprestimo, por tagem nao pode ser computada cm desfavor
outro lado hnhi muilas r.tzocs do felicitar o go- piv.-qlmo di- IS63. por isso que, seos contra
vorno imperial pelo faeto de se haver realisado o daqucllu emprestimo nao vencern juros
empreatimo naquella oeeasiio, por que boje seria mcsirede jonbo dezembro, porque os col
impossivel faze-lo, mesmo quo reduzido fosse s das apolices do eniprestimo do I8f3 que foram om que e aovo foi contratado, os ettproitimos de 4
proporcoes lo ultimo decreto. comprendo por*soa ronta at a extinetjio delleno c M"'M por cento nao nodiara exceder eotacao
O empreslimo de que me oocupo foi levanUdo I-de dezembro de 1852. Nao acontece o mesmo t^J^^lA''^ r:m^''''-'
para as i .as das estradas de ferro de D. Pe- *> P*> *> *! > o juro de 4 1,2 -,
dro II e de lVinambtin, a Unlio e Industria. nu'
pm
Para occorrer ao pagamento dos juros, amoiti-
sar.s o outras despeza*, que se leen de fazer na
Europa por conta d- diversos ministerios, reniet-
tMi o ilu-s turo desdo maio de 186:1 al novembro de eommisso so|,n, VJMur uo,nal, i(j )o de Cor.
ultimo caribi.tes no valor Jo C 950.000. on.......j relagem pelotrabatbo d.> agenciar subscriptores, e
GB&4768, segund, os cambios porque foiam i ,8 |,, taxa novissima imposta pelo governo bri-
negeciadas. tannico sobre os contrates com os paizes cstran- juro do 1- de junho
gagnadti as ultimas rommiinicaooes recebidas, gl,lrnS va|or |10lllilK1| do
idos lirasiieiro* erara assim Miados na praea Alm ()i>l0 Of0?erw, mppi.ia, obriga.l.. a na-' por Cento de commissao, e 1/4 de corredera pela
de Londres : os de 5 % amigos a 00 >,, os de 1 9 gar aos mesmos conirau.lores 1 | sobre a somma subscripe
a W, os de i / J,! 1851-58 o 60de 87 /i' 88 Oi juros VPn,.(]0S l|ue ,qi,.s |jverem de dividir pe. a
cx-dividendo. e os do novo cmpreslimo a 1 ', e |0s iwssuidores das apolic^, 12-| sobre a impor- amorlizacao pelo irabalbo que esle servio, dase- delas em o I- d7d!zemi^ ostG preco se reduz a ponsaveis 7 991 eoMedadOf,o tm efevoo
z % de dcsconlo. tancia das amorlisacoes que do mesmo modo en- mesUalmenlo aos o.niratadores, e mais 1/8 por 01 e ires quarlos ; o qu; a inda mn argumento ma total da liquida,;.-.,, Ma desde a reformad',
irovarque um empreslim) de cerca de 4 Ihesouro, no auno de 18D. a 2.74:624*I20 cor-
pelas meaoarariaa dt (a- ^^.0^ op:raciio, que esteve suspensa durante algum tem-
Kma................ iJi.Wi&mo po. contimiou de|)os do meu relatorio, quanto a
~~,iTm-7-avtt ac** ua c,ra(Ja de (crro de 1). Pedro II, e at o
i,(>io:77.>W> |:| dti dezembro prximo passado permutaram-se
OO05.
> 1 Ibesouro recebeu dos
, pissuidor a 1,734:760*,
guerra e mannha, depois de aagoiados os crditos ,,s taros dasapolices emiltidaa em viriude desta
conce irnos no presente exercicio para as, obras operacp, importaram at II de dezembro em....
> dos referidos ministerios, e bem aseim 1,440:976*. e os dividendos reeebidos das acfoes
ossuidas pelo estado em 0."ili:8785650 do que re-
ebegado qoelle preco de 00.
Nem de esirannar esta owarreoeia, se se al-
tender que o descont de lenas ora eotao na pra-
Esle cmpreslimo foi lomado a 9o 1/2, rom o juro ea de Londres de 4 por cento, premio que se rece
de 4 1/2 e amortiza
Para realisa-lo pagou-se aos eontratadores 2 % I Passo a comparar agora o emprcstiinp de 186:
com o de I808.
sulla tima differenra contra o tbesouro de.......
48'1:0I7S'XH), que lia do diminuir recebendo-se os
dividendos vencidos no referido dia.
SOCRDADAS ANONVMVS HANCAQIAS.
Banco 'I11 linisil.O capital effectivo desteesta-
beleciinoni.) em :il de outuliro ultimo era de.....
toda a que se em efTecUiada, de espera/ .pie o 2y,,80:0:M).S, fallando ainda cobrar-se da oilava
cronadT aberip^ m'** a) 1ue '"'' ""'"' chamada a importancia de 10:9705, valor de 998
Aa lab.
ns. 17 e 18 mostram a procedencia
:acao de 1190 veneendo o be Ul> ;J "" '''' mezes. sobre papel procura- das qoaufias, que ja eslao recolbid is e escriplura-
lio' de IH-W am itmia < >hn> o ** ,,,lt' '' 0,'Je,-Il) ''e commercio. de fcil iransmis- das no tbesouro e lliesourarias de fazenda.
110 ut so un enante, boba o. ^ porU|n(0 |>rer,!rive| a ,,,.,!,,,.,. illro ,,.,, 0 i.ivn activa.
empreslimo pagou o governo emprego dos capilaes da elassa commercial. Divida eimpnxtos.k respeilo dos imposto,
.nissiio, e 1/4 de correlagein pela B" vordade que as apolicoa dos emprestimos de que s.o .irrccidados pela Pecsbedoria do Kio de
ibscriiicau, e obricou-se a pagar 1 por cento sobre 4 e meio |xr cmio dos annos interiores se arha- Janeiro, deram-se as seguimos ciicumslancias de
. ,' vam coladas a 94: diz, norir. o eon-.elheiro (Lar- Janeiro a selembro do anno passado.
imporlaucia dos juros e 1/2 per celo sobre a da v;l|lll) Mre|ra (|iJV|'n(1 ( J,JJ-J J divilll>ni|o |- Uquidaram-se 2:3SWM porque eram res-
l't)i,;\ limo de 180:1 eontrahido rm iMnilim. tregarem a estes,e mais 1|8 "| sobre as quanlias cen[0 pelas compras feias para realisar a dil.i
A lei n. 1.114 de 27 de selembro de 1860 deuao empregadas na compra de apolices para amor- amor,iM(:.a0. As entradas foran feias cm junbo,
governo imperial no arl. 11. 11 o necessario rre- tisacao. noilo< ',,,, d8Iera,,rode 1858> na raln0 de 3
dilo para verificar o pagamento dos empresluios^ As entradas oram cstabelecidas do seguintemo- ^ Clnt0 soljr 0 va|or rea|
externosdel8x4e 1843: a importancia deslecndi- do: 4-primeira immediaiamentc; a segunda em .....
.____,_ .... .. _. Ha quatro condicoes em uue este empreslimo di-
novembro; a tercena em dezembro, cada urna na ,.....
verge do de 1863.A pnmeira e quanto
respomlentes a 132,377 devedores.
i' Al a ultima dala 2:1,826 coll.cta.los satisflie
lo de i. 2:7194960.
Alf istc pagamento, [arle doqual .leve tei-sc
veriliado no 1 de Janeiro corrate, rcalisand. -so
0 rosto no I" de abril dette auno, nece.-sitava o
giescn Hier alguns dos seus bilbctcs, c|u-i
Mato emiltdos para aecudir despesas argn es,
mas asa 11 i podiam continuar na circulacao, s.mii
por serios embaraces a muitas Iransaccoes com-
mcr.iaes, para coja reliaaeia faltava o numerario,
que ao descosi de taes burieles se baria appea-
do. Devia Importar a somma destes bllboies, ao
cambio de 27, em 573.037, procedidas das se-
gu mes aulorisacdes ja mencionadas:
I., da lei 11. 1,114 de 27 desc-
lambro de 1860, ait. II, i,!4e|
4- do arl. 22 da lei n.-1,117 de 9
de selembro do 1862, para regaste
de netas, feilo pelo banco do Hra-
sil 110 exei-cicio de 18621833 a
fazer no de IS61-1864..........
2.', da mesuia lei ultima, arl. 22,
1 2" para pagamento He reclama
para provar que um empr
mili..les iluminaos de libras s erlinas nao foi d
vantajoso ao Brasil pelo preco di: 88.
Dando-vo- noticia da laxa .1.. descont em Lon- <"ai" aniigavoliii.-nte a quaiitia de 862:994*; e
Ires e da colara. dos nossos 'undos ali circulan- 3l..2ti. pelo mcio execulivo, a d* 832:133*765.
es, rele i-me'aooiiieio do :onselieiro Carvaiho *".Foram exonerados 1,141 dovedores da impor-
Moreira, cora data de Id de outobre do auno pas- tancia de 62:861J29, por diversos motivos.
a amorti- *> i mas, possuin lo boje o tbesouro correspoa- 4* Finalinenie, resta cobrar a somma de.....
razio de 15 p ir cerno qaerta era Janeiro, na ra- '.-90 mik Zro a dftnda coni dUa A" :l A" ""v.-mbro prximo pas- l,00r.:b:i;,:i:i6 rotativa a 75,884 colleeMdos, exis-
zao de 10 por cento; a quinta em marco, na de 33 "PW"""" u-v, t roau onerosa s.lJ(1 e portailt mais modeina. vo:i Iranscrever ll11 J" J-' "> jmzo dos ledos para semelhanle bm,
por cento. (lue a conJi((a() d,'sl'' enero, comida no empresti- | a(| trecho do odicio d'ai ueile funecionario a 75,090 eertiddes, que represenlam a tolalidiide de
v.iii aoora cominrar <-"l.
dala do primeiro .lestes que comecou a foi titicar-se duvidas por causa do numero de coupons deslnbur : mercado monetario de Londn s extremamente dif- Janeiro, liquidaram-se 1:3964572 (orres|oodentes
dos com as apolices. A segunda diz respeilo ao ; licil e as complicacoes politicas, que se receiam, a 106 deve lores, monlan.lo aliquidaeia desta di-
preco da emissao das ditas apolices, que de lo- "w promellem mclhorar ; de sorle que nada auto- viua> no "'" ,,,! selembro, a 261.19836.I6, porque
do o mai vantaioo A differenra de 7 !/? or ri#a a "P*' melbores oportunidades iara ope- era"' responsarels 24.074 eollectados.
-o,= financeiras ne.-tes prximos mezes. al.-m a importancia Mal liquidada coi.rou-se amiga-
velmeiite a quanlia de 22:687^881, n pelo meio
naquella prara o nosso crdito.
Sao tiles os de 1852, I808 e 1860,
O empreslimo de 1852 foi rontrabido por 30 an- ceulo, a favor do empreslimo de 18o8.
nos no valor de 954,250 reaes, pro.luzin.lo o ra- sobre a correlagein da subseripeao que o empres-
pital nominal de 1,010,600 ao juro annual de 4 limo de 1863 tem na razao de i/2 por ceulo, quan-
: 1/2 por cento, contado do Io de dezembro de 1852. do no de 1858 foi contratada na razao de l/i. A
0 preco do contrato foi lixado em 95 por cento, ac- quarla diz respeilo as entradas, que noste foram
: cumulndose ao valor uominal 3 por cento de feitas em quatro datas, e razio de 25 |or cento,
commissao para os contratadores, dos quaes, 1 por e no empreslimo de 1863 em cinco dalas e dives-
1 cento foi abonado como compensacao do risco e sas porcenlsgens.
i prejuizo de terem os mesmos eontratadores empre-; 0 que ||Ca exnosto ^.^ que ne.(e5 dons em.
4()00t)00a0lX)'BadOumagr;"ldeSomraa'nOro5Ra,l! dM*l,0,,CC4 prestimos nao lia dilferencas importantes, a nio
, do empreslimo porluguez, alguns mezes antes de ser a gran(lo SUperioridade que tem o de 1858 so-
1 correr o juro sobre aqndle valor de 1,040,600. bre 0 de im m |irego da erassa0. Todos sabem.
roes de prosas l.espanholas.......... 775:096*708' Al,n da amt,r,MS" dc Pr c^ annual. ^ ; por.n, que depois da crise dos EsUdos-Inidos, a
3" da me nr lei an 22 e 3- S obr,g011 a p:,Rar 1/2 por cen, de comm,s,* maior |>arte dos capilaes do mundo procurou al.ri-
aara'paaamcnto das presaada m- 'p<"1" ,ra'.,alh de resga.lar em,res,im0 de l83> e \ go na anea de Londres e o premio do lheiro
V. .... bem assim a commissao do eslvlo pelo de pagar os deseen ali a 3 itur cpnto or ,r,. imvr ,.,hri..,
dependencia o resto das do Kio -, 1UL5LCUd" l""^ L(-| lor 11.10 n.iver emprego
dalVa.a ........................ 336:35IJ6S6 d,v'dcndo f au,^,Iaoes- ._ para sommas lao importantes. Era, pois, esla a
" 1 raco.s fiianceiras nesles |ir.
"a da razao geral em t.nlos os cilculos de previden
cia, que acon-elliam nunca c miar com
nlie.i.lo, oqual s pertenru ai futuro. empr..
timo osla, como ver V. Kxc. Jas cotaeos do mor- 209:540*590, |>or lerem sido exonerados do paga
cado de Londres, a mais de 1 por cnlo de des- ment Xl devedores da quanlia de 2:488*877.
cont. P.irere-me excusado vflexionar ainda so- ,0,a|. l)ois. bre este traeo bem earaeteritea da oneraeio que allas procedencias era. em selembro do anno pas-
liz. sado, de 3,027:822*695.
No principio deste artigo m> strei quaes os ere-
ditos sobre que assentava o empreslimo de
3.300,000, que se levantuu em Londres por or.lein
do governo. Em outro arlig informei-vo* laiu-
A importancia daquelhs dnas addicoes monlava
a 3,294,937, ou, tomando a conta redonda, a
3,300,003.
Foi desta somma que o governo rosolveu cen-
trabir um emprestime externo, c para isso promul
------- C-amparado, pois, o empreslimo de 1863 com o oeaaao mais favorave, para uma So de cre.
5 111:448*364 de 1852. observa-se em favor deslo o segu.nle : di|0 desla orde a d mo(i d
I,,!,,.,,. ninnUlll k -.1
11 o deseo- execulivo a de 28:474*877, licando por cobrar no
empres- Jlli'- ''"s ''1"" 20,349 cerlidoes no valor de......
O quilbo geral da divida activa ser-vos-ba apre-
sen lado com o relatorio perlencenle sessiio, que
tem de abrir-se em maio deste anno.
Empreslimo < reptMUtn do Piala. Em 31 de
por aceao.
J s acba annunciada a nona e ultima chama-
da i razao de 20* por accao.
Foram transferidas durante o anno bancario, que
liu.l.ni em 30 de junho ultimo, 40,721 l|2 ac(|oes,
pie produziratn 492 termos lavrados no escriplo-
rio competente.
(1 numero dos novos accionistas cresceu nota-
velmente, |is que em :M) de juubo de 1862 mon-
tavun a 1,216 os possuidores inscriptos nos regis-
tros do banco, ao passo que em egual data do cr-
reme anno conlavam-sc 1,414.
Km viriii.le do augmento quelivera o capital do
banco, as suas iransaccSes se ampliaran!, como
era de esperar, atlingindo uma importancia tal que
exceden a somma das operacSes do anno ante-
rior. x
O valor das lelras descontadas em outubro ulti-
mo de 37,522:468*827, e o das caucionadas de
6,256:895*.
A laxa dos descontos oscillnu entre 9 e 11 por
cento para as lelras da (iraca, entre 9 e 12 por
cento para as caucionadas, e entre 8, 8 1|2 e 9
por eenlo para as letras negocalas directamente
com o tbesouro nacional, ou tHesouraria provin-
cial, resultando desles differenres precos uma ta-
xa inedia de 9,75 por cento.
Como sabis, a emissao deste banco e das caixas
liliaes de S. Paulo e Ouro Preto, assenlam sobre o
funlo disponivel existente as tres caixas, e tendo
a caixa matriz em outubro prximo passado uma
26,853:7705000
4,174:340*000
1,565:528*000
1. Que leve a vantagem de 7 |r cento no pre- ,ltulos por |ircg a (|Ue nunca majs chegaram) se a
50 por que foi contratado. memoria nao me infiel.
2.* Que outra vanlagem teve em nao pagar 1/2
por cento |K'la correlagem 'da subseripeao.
3.* Que tambem foi mais vantajoso, porque, sen-
A vantagem de 1/4, que tem sobre o empreslimo
de 1863 na correlagem para a subseripeao, anda
gou o decreto de 8 de junho de 1863, autorisando do ^.^..d,, ,, 27 ^ Julho de 1853, s foi obri- Pr cerca de 80:00;i*000, e de sentir qfle o re
presentante do governo no ultimo empreslimo nao
Quam"7d7svanTag7n7'em\ea''Ca'o'ao de 1863,1 P0*8886' co,no amr"'3' obler tual P"P Para Pa"
nola-se o seguiute : ; 8amen, des,,! ""
!. Que, sendo a amorlizarao de 1 por cada Resu comparar o emprestirrto eontrahido em 1860
depreciadas, comecaram a ser procuradas, e mus- 100 nao llea o empreslimo extinelo no lim dos para diversas^>ompanliias.
traram tendencias de lixarem-se em 90'(., e mesmo 30 annos, o que obrigar o governo a novos sacri-
o coav;lhciro Carvaiho Moreira, nosso minisiro gado ao juro do 1" de dezembro seguinte.
em Londres, para realisa-lo com as condicoes mais
avoraveis ao Brasil.
Mais tarde as apolices de* divida interna, antss
de ainda subircm.
As noticias viuda da Europa nao davam esp
ranc^js de poder o governo ali obter uma boa ope-
rara" de crdito.
Como vos informei no artigo oscripto sobre a di-
vida Hacia me, estas causas, e outras que ali fo-
ram mencionadas, obrigaram o governo a reformar
o decreto de 8 de junho, reduzindo o empreslimo
em questao de 300,000 a 2.606,600, com o t m
siiieiiiu de pagar todo o empreslimo de 1824 e
parle do do 1843, cujo saldo seria indemnisado
com rcmessas do tbesouro.
A reduccao de quasi 7000,000 parecen ao go-
verno que muilo contribuira para facilitar a 0|>c-
rac.io
decreto de 21 de outubro prximo passado o
que operou esta alteraraj ; mas, sendo este decie-
to rern'ltiJo pelo paquete francoz do dito mez, en-
eon'rou no mar a participacao, que, pelo paquete
de Sonthamplon ehegado a este porto no principio
de no'embio, fazia o nosso encarregado de ter 11I-
iiinado a operaoio que Ihe era determinada polo
decreto de 8 de junho.
n. diegada deste paquete nao era mais possi n\
desfaxcr o coatrato celebra lo com o banco do bra-
sil para a venda de 5,550 apolices da divida iut ir-
isa. Basles ttulos j o banco liavia recebido l,fr0
no valor de cont de reis, cada um, e tinha verifi"
cado nos cofres do thesouro o respectivo paga-
mento.
Ne.itas circunistanciaf estreveu o governo pelo
paquete de 2 i do dilo mes. referindo novamenU; a
deliberacao que havia tomado, e recommendou que
O emprestimo couirahide nos termos do decreto de
idos as proximidades de sua extinecao.
bem que sobre parte dos mesmos crditos emittiu dezembro ultimo, monlava esta divida a.........
o tbesouro 5.5.,il apolices da divida publica. Ha, 7,600:3035408, por lerem importado os juros de
pois, urna duplicata.le emissao de 693,400 que auno passado em 296:467*929.
deu-se pelas razos apresentad.is, a qual preciso MK'o cikculante.
annullar ou legalisar. relatorio, que ltimamente apresentei-vos,
Para que isto tenha lugar, d-n de dous meios se aiss Hue o "aneo do Brasil e suas caixas liliaes
deve empregar: abriram o troco de suas notas por ouro. Agora
1* Mandar que se compren os ttulos necessa- de meu dever informar-vos que o banco de Per-
nos para por o novo empresto 10 as condicoes do nambuco, e tambem oda Baha eslao pagndoos
decreto de 21 de outubro. So >re este pon'io ac- s-'us billieles naquella especie.
I de receber resposia mil ha carta dirigida ao P3!*0' moeda, que em abril do anno passado
conselheiro Camino Moreira un 24 de novembro circulava no imperio, conformeo quadro respecti-
proximo lindo insistindo na re.lucrao do empresti- vo (" 27) ao iu'' se deve ad.licionar a quanlia de
mo. AfTirma elle que poSSivel a operara., priu- 1.046*. qiw por estonio vollou a circulacao, era de
cj|ialnienio porque os ttulos d-Mte emprestimo es- 32,094:440*. Ded
t.io no mercado com uma ba i xa de 2 por cento;
posto que a procura delles lenha de elevar a rota-
ban, que se Ibes d, ainda assim possivel resca-
tar 500.000 sem prejuizo o estado. Se adop-
lardes esle meio, peco-ves a ompelenle autorisa-
cao.
2 Concederse ao governo um crdito pela df-
ferenca do valor, que vae do emprestimo contra-
lado ao que se devia contratar.
Munido deste crdito sacar o governo pela dita
luzindo-se, porm, desla somma
a quanlia de 500:000*, que o banco do Brasil res-
gaton, e de que fez entrega caixa de substitu-
cao em abril de 1863, nao contemjdada no clado
quadro, mas referida no artigoMeio circulante
que escrevi no relatorio, tica liquida a de.......
31,504:440*.
De abril at esta data resgatou mais o dilo ban-
co 1,000:000*. o que reduz ainda aquella quanlia
a 30,594:440*.
emissao de..................
AdeS. Paulo a de...........
A de Ouro Preto a de.........
32,593:630*000
37,589:675*000
Esle emprestimo foi eontrahido a 90 por cento
1 com o juro de 4 1/2, e amorlizacao de 1130.
2." Que a commissao de 1 por cento dada aos Pelas despezas do contrato, etc., pagou o governo i
coniraia.lores palo risco, e prejuizos de adiantarem imperial 2 por cento de commissao sobre o valor
quantias fortes, allm de remirem a maior parte dos nominal, alm de 1/8 de correlagem pela subscrip-
tlulos do empreslimo de 1823, despeza que no cao; e esl ohrigado a pagar 1 por cenlo sobre a
emprestimo de 1863 nio foi contemplada, porque somma dos dividendos, 1/2 por cento sobre a da
nao tinha lugar. j amortizacio, 1/8 de correlagem sobre a importan-
3. Que a commissio de 1/2 por cento paga do cia das **" c"pradas para amorlizacao. As
mesmo modo aos referidos eontratadores icio Ira- "*** reahsadas em qua.ro presiacoes,
taino de resgatarem o emprestimo de 182:, s ven *?as 2d 1K>r CCI"" cm mrV J" c duas a
incluida no contrato de 1863 .ara ser por elles per- Por cent0 m Jull, c a8"s, d 186-
cebida 110 resgate das apolices que pertencerem ao F,L, P01*' cvl(l'-'I|bJ que, em relarao a este cm-
emprestmo do seu contrato, slo ao de 1825,11- P'"^ de 1863 menos vantajoso no preco da
ciudo gratuito o irabalbo que empregarem no res-
gale de mulos dos de]1843 c 1824.
As outras condicoes sao eguaes em ambos os
contratos, salvo a das entradas, que no emprestimo
d) 1862 nao existe.
Destas compararoes v-se que a grande vanla-
gem do emprestimo de 1852 sobre o de 1863 con-
sUte na dinerenca dos preeoj da emissao das aio-
lites, devida lalvez abundancia de capitaes, nesse
tempe sem emprego, a profunda paz da Europa,
entilo existente, e boa inlelligenciaeutre o gover-
no imperial e o da Graa-Bretanha.
Quanlo i vantagem de nao ler pago correlagem
pela subscriprao do empreslimo, nao tem ella gran-
de importancia para atacar a despeza desle genero,
que vem mencionada 110 empreslimo de 1863, por-
que basta examinar a dilTerenca que vae de
954.250 do cmpreslimo de 1832 a 3,300,000 do
A le, pela qual os eslabelecimentos bancaros
dilTerenca contra os eontratadores^ e api.licar sua saoobrigadosa constituir os fundos disponiveis de
imporlanna aos bilhetes do exercicio de 1862 -63, suas emissoes, tem-nos levado a retirar da circu-
que nao foram retirados da circulacao mas que o laCa uma n|rtanie somma de papel-moeda, que
devem ser para nao aggravar;m as circumstan- guardada em seus cofres, nao faz ouiro officio que
cias do tbesouro as futuras o leraeoes deste gene- na0 seJa de liador de parte de um papel que nao
ro, cmquanto nao se equilibnr a'receita publica ,em mesmo crdito, nemas mesmas garan-
eom as deupom do estado. I Ba*
Pondo termo a esle assui pto, cumpre-mn di-1 A somma das olas do governo, que fazem par-
zer-vos que o contrato e apolice geral do empresti-,,e dos funuos dispomveis, imiwrtava em outubro
mo em questao |iodem ser consultados no aunexo prximo passado em 3,758:900*, valor este que,
J3. I deduzido do saldo emillido em pap.;l moeda, deixa
si-BScmi'CAO nacional. liquida uma circulacao de 26,8:t5:54o*.
.,_._____. .. Mas a circulacao dos valores fiduciarios coni-
Em conseqnencia do contlic havidoem Janeiro |ir,,iende, alm das olas do governo, as dos ban-
do anno passado entre o gove-no imperial c a le-, cos emSsores, que .10 lim de outubro montavam
gara. britannica nesta corle, grande numero de a 48 209 6'H)*.
cidadaos de diversas classes ulTercceu ao estado neni*ndo, pois as emisses bancarias, e o saldo
emissao, e no da correlagem paga pelo irabalbo
da subseripeao. Em ludo o mais egual em con-
dicoes.
Pelo que respeita ao preco da emissao seria para
admirar que, nao |H>den.lo o Brasil obter em 1860
um empreslimo |ior preco superior 90, podesse
agora fazer na mesma praca urna ojierarao mais
proveilosa. E' preciso atlender : primeiro, ao es-
tado poltico da Europa onde, de um para outro dia,
se espera uma guerra entre os estados do norle, na
qual devem lomar parle alguns estados do centro-,
segundo, constante lula dos Estados-Cuidos da
America do Norte, que apparenta longa duracao
pela tenacidade das duas partos litigantes ; tercei-
ro, dissidencia de opnies enlre o Brasil e a
Gra-retanha, a quem fomos pedir dinheiro em-
prestado.
Muitas pessoas podem nao ver razao para a dilTe-
renca de 3/8 na correlagem dada para a snbscri|
a .* I IH.UI1IIIUO, UI.' *;* VIIIIOCUVO t/4*ll> ItaOy w .--.
nao so recursos pecumar.os destinados, en geral, do p,,pe|.m.*da. leremos para tolalidade do meio
a fortibcacoes do nosso littor;.I, como tambem os circulante 75 043'230*.
seus scrvicos peatones. 0 dosenvovimelo deste artigo, que nao cabe
Alguns ofTereci,n..ntos de t'inheiro foram feilos na estreileza do esnaco a que me limilei para es-
rectamente ao .averno e mi tros por intermedio i f irabalbo supple.nentar, Tica reservado para o re- rj ^tevo tombem que 0 banco Mercanti
e nina commissao nom.-ada pela araea do cora- &***. 1"e o governo lera a hourade apresenlar- ^ M |(, abnsge ^ (.redj| d(J O;0oo3
ionio desta cidade alim do agenciar subschp- vos em lempo proprio. ,.. m;. I A laxa dos descontos de letras foi de 9e 1
Alguns ouoreeiin.mtos de
direct.-i
de
nbes e recolber o seu producto. _0 lianco do Brasil ja reduz.u ao duplo a emis da. K.cas
' Depositadas algamas sommas primitivamente .\\rf'\''^ h"fy"e^ raucionadas
em bancos, tem si,jo ultiim mente recolhidas ao,'/"e 28 de revereiro de 18bJ, derrogado pelo de c ,, meeta
Ihesouro e thesourarias de fazenda, para que a ^demarco segmnte.
importancia total dos donativos possa ter a neces-
emprestimo de 1863, para conbecer-se que o Ira-1 cao," perdendo assim o tbesouro no cmpreslimo de
balito proveniente da subseripeao promovida para 1863 mais do 127 c.uilos, comparado o preco que
FOLHETIM.
0 PADRE DANIEL.
ESTL-DOS DA VIDA DO CAMPO.
fon
ANDHK THEUBJET.
VI
(CONTINAgAO.)
Emquat to o Sr. Delelang e Dionisia partiam
jinitos una fogaca, ( grande alfouleza, que fez
corar o m>co at o brairo dos odios ) um loigo
e alegre rumor s'elevava do meio da multi.lo
afilada rm torno de um alto matro, na ponta do
qual se agtavam e csvoaQavam pombos presos
Bem alirado I prilavam varios, e cercavam
Dani.'l, que levantan alegremente ao ar um pom-
Im que acabava de soltar com um liro de espin-
garda.
Vamos a outro I diste ello.
E lomando a pegar na espingarda rarrega la,
apintou, encostou o rosto na cronba, purhou o fa-
llmo, e dessa v.z dous |>omlds soltos cahiram pal-
|)it::l tP..
Golpe duplo I dlssc com voz alegre.
E a mullida admirada applaudla-o, tanto mais
jorque o moco acabava de fazer presente de seus
pombos a tres boas velhinhas que moslravam co-
fcifs-loR.
Di nisia senliu-se orgulbosa por essa facanha, e
e pobre Sr. D.-letang sentiu-se ainda mais peqi e-
rio e aranbado. Nem per um imperio desrjava (pe-
gar na espingarda.
M: s lonpc, em um quadro lormado por quatro
acacias, gilnva-se o baile. Uma sanfona eu.ua
gaita, locadas por dous msicos enllocados sobre
Vms tomis, ao abrigo da mais grossa arvore diri-
gan a dansa.
O losado! de sanfona esranchado sobre um I im-
k >retr, tinha tirado sua vesta, dava toda a atlsn-
f Ti > :'i seu instrumento, mova com ardor a m; ni-
vella, c marcava o compasso por um ligeiro movi-
mento de cabera, llepjis de cada parle mostrava
sua alogria por uma car.Ma que fazia bruscamente
sallar seus oculos ; ao mesmo teni|K>, entre suas
pernas reunidas apertava cuidadosamente uma gar-
rafa meia rbeia.
O tocador de gaita, alto e magro, com o rosto
comprido sombreado por um enapeo ile feitro do
largas abas, eslava eru p e soprava com um ar
grave em seu estr.inh) c curioso instruinrnto.
seus ps, moyas e mocos saracoteavam em uma
bella desordem : as mocas levanta vam com a |on-
tados dedos suas sias de chita, em.pianto com a
mTio hvre os moyos aperlavam seus chapus de
sol vermelhos, objeetode laxo, precioso e insepa-
ravel rompanlieiro.
Desproaram a dansa do paiz e ensaiavam con-
tradansar; mas o volito habito sup.rava e o passo
do (laucado do costme mostrava-se sempre.
Quando Daniel, Dionisiae Delelang se aproxima-
rain do baile :
Se dansassemos! exclamou Daniel.
Porm, replicou Dionsia, nao sei contradan-
sar, mas smenle a dansa do paiz, que aBruero
mcensinou.
Pois bem, dansaremos isso mesmo ; o Sr.
Delelang daiuar com nosco, o eu acharei depres-
sa um par.
Viu uma mnlher de edade, mas ainda fresca o
gil, que conleinplav.i com gosto a dansa, e mos-
trava-se desojosa por dansar : os olbos brilhavam-
Ibe, a rabeca agilava-so marcando o compasso, lo-
do o seu corpo segua a cadencia e os ps nao es-
tavam quietos.
Sabis dansar, mac ? disse Daniel.
Ah meu lindo mojo, se sei! Era a primera
dansarina do paiz eulr'ora!...
I'ois bt.'in^ queris dansar con.igoT
E como a conlradansa tivesse acabado, foi pe-
dir aos dous msicos que toeassem a dansa do
paiz, e mais ou menos voluntariamente levou a
boa mullicr para junto de Diunisia o de seu com-
panhero.
Ao primeiro sgnal da sanfona sahiram todos
qualro, e os do mais dansadores os iinilaram. A
velha saltava como se s tivesse vinte annos; Dio-
nsia mostrava-se gil como um passaro; seus
pezinbos deslisavam alternadamente sobre o slo
sem parecer loca-lo ; as faces animadas pelo pra-
zer, se linbam tornado vermelbas, 03 olhos mos-
Iravam-se inundados do luz, e sorrisos pairavam-
Ihe nos labios. Pazendo um movimonlo mais vivo
para bater palmas antes de dar a ma i ao par fron-
leiro, seus espessos cabellos castanhos meio solios.
rompern) de seu largo chapea de palha cahindo
sobre suas espaduas.
Como linda pensava com enlbusiasmo
Daniel.
E Dionsia por sua vez admirava como o joven
militar depressa tinha aprendido o passo e caden-
cia da dansa, e como alegremente bata com o p
no chao e volleava leve c gil, batendo tambera
palmas! Ao mesmo lempo rompadecia-se do tmi-
do Sr. Delelang, que errava e perda o compasso a
cad|a instante.
h implanto Daniel 0 Dionsia pulav.im sob as aca-
cia), o pruno, coja melancola duplicara, e cujo
coricao ferido nao poda accommodar-se ao alegre
tumulto da assembla, se dirigiu para o velho cas-
tell.i o seguindo o caminbo pedregoso ehegOD as
ruinas e sentou-se junto grande cruz de pu que
domina as torres arruinadas, a aldeia e lodo o
valle.
Ais rajadas do vento traziam-lhe ehos da festa e
os s(ons da orchestra, carada soar da,msica o vo-
zes.iseu rorayao mais se entumeca e vinbam-lhe
lagrimas aos olhos.
Sha ultima esperanea nao Ihe ia ser roobada t
Acalmase di/ia com sigo; Delelang a to-
ma.: Debalde abrir-me-hia agora rom Boauv.iN, e
Ihe ipederia Dionsia para Daniel, s consegueria
dollj.' rir-se de mim. Qi\a peso pode ter o meu
saigenlo posto na balance rom o lilho do rico De-
lelang ? Ede mais. al agora Dionsia nao lera
mostrado interesse algum por Daniel, e este inulto
altivo para arriscar qualquor passo.
cruzndoos bracos sobre o dbil peito, eleva-
va es ollios ao cu puro e profundo.
Oh! Dionsia i dizia; tua lilha vae ser de
um BStranbo I Vae ser quebrado esle ultimo layo
que n >s prenda Fiz o que pude !...
Vilveu d.pnis para a cruz de negros bracos cs-
tendjidos os olhos e junlou menlalincnte :
Deus que poz Daniel em meu caminbo, o que
me i rooxo para junio da lilha de Dionsia, pode
ainda, se quizer. unir estas duas manyas despei-
lo .le ludo. Welle ponho minha ultima esae-
rama...
sara applicacao.
Segundo os dados, que o Ihesouro possua no
mez de dezembro ultimo, aeh; va-so j a disposi-
cao do governo a somma de 1,610:779*105 a sa-
ber :
Entregue pola pagadoria das tro-
pas da corte..........
pelas pagadorias do the-
souro ................
> pelas mesas de rendas e
collortorias do Kio de
Janeiro...............
pelo banco do Brasi ...
pela rasa banraria
Mau. Mac Grcgor t^-
por diversos..........
2:4905903
170:921-5613
11:9682677
97.903*838
I.179.625670
20.87093i
Resta-me informar-vos que, encontrando o ban-
co do Brasil a maior dillruldade cm resgatar as
notas do governo, a que obrigado por seus esta-
tutos, pedia que o governo o auxiliases nodesem-
penho desla missao, mandando substituir por olas
E enstindo nao s nos cofres
das duas ca xas liliaes, como
tamboin no da caixa matriz,
um fund disponivel de.....
Fica evidente a existencia de uma margera para
emissao de quasi 5,000:0004000.
A importancia dos descontos, que soffrerara as
notas de valores inferiores 23XJIOO, emtlidas pe-
la caixa filial do Para, e que nao fra entregue nos
cofres da thesouraria dessa provincia, foi recolhida
aos cofres do thesouro pela caixa matriz cm 4 de
novembro prximo passado.
Era 30 de julho ultimo, teve lugar a reunio d
assembla geral dos accionistas deste banco, sendo
eleit js ires directores, em substituyo dos que per-
teneiam a turma anliga.
Talibera foram nessa occasio eleitos cinco sup-
lientes.
Cncas filian. Para, Maranhao, Baha, Rio-
randt do Sul e Pirnambuco. As operayoes des-
las caixas liliaes foram feitas com regularidade.
Compre dizer que em algumas, apezar de ter a
emissao sido sii|erior ao valor das letras descon-
tadas, comtudo a circulacao nao foi excedida em
presenya de seu fundo disponivel.
Quando tralei da caixa matriz, fiz a declaraco
de que a importancia dos descontos, que soffreram
algumas notas de valores inferiores 25& emlti-
das pela caixa filial do Para, e por ella resgatadas,
foi entregue nos cofres do thesouro para ter a de-
vida applicayao.
Binco rural e hypolhecario.O capital deste es-
tabeleciinento, dividido por 40.000 accoes de 2005
rada uma, nao tem sido elevado, nao obstante a
aulorisayao do decreto n. 2.111 de 27 de fevereiro
de 1858.
A directora requereu em 19 de agosto ultime,
exemplo do que se havia praticado era 21 de de-
zembro de 1862 com o banco da provincia do Rio-
Graude do Sul, a suppressao dn lugar de fiscal,
visto haver o estabelecmento cedido ao banco do
Brasil o direilo, que tinha, de omittir bilbctcs ao
portador e vista.
Em viriude do despacho de 10 de setentn pr-
ximo passado, exprdiram-se avisos em 11 do mes-
mo mez ao presidente e ao commissario fiscal do
dilo banco, coraraunicando-lhes que licava suppri-
mido esse lugar, passando as suas attribuiyes pa-
ra as commissoes, que, em cumprimenlo da le do
2! de agosto, e decreto de 3 de novembro de 1860.
podem ser creadas.
Esle banco, que (possuia ha muilo tempo crdi-
tos iberios em varas casas de Lisboa, Porto e Pa-
I Por-
fortes.
10 por
de 11 e 12 por cento, e
e contas correntes de 10
por i
O fundo de reserva da importancia de......
I.OOO.OOO, limite marcado pelos estatutos.
Ou dividendos 18. e 19." foram fetos na razao
de 12 por cenlo ao anno, imporlando arabos em
%0:0005.
pernio oesia m.ssao. manoauoo suosmo r ; r,. i > () i(JenIe des|e b,,nC0i em nome da recto-
do mesmo banco, onde ex.sir-.n caixas hhaes del- ^' ^ |ho u||mo a ^^^ da
le algumas classes de olas do estado. _____ ^ ive,ada em aambla geral contra a inlr-
Expcdiram-se osle respeilo as ordens conve-
nientes ; mas paroce-me necessario accrescenlar
que a conlinuayao do resgate depon le de medidas
que lenhain por lint substituir o papel do governo
com oulroagenteda circulacao, principalmente as
10
prel tyao, que lei de 22 de agosto deu o avo
de H de julho de 1861 a respeito dos supplenles.
Em oflirio de 5 de selembro prximo passado Ihe
foi respondido pelo ministerio meu cargo que,
coufarme a doutrna da resolucao de consulla de 17
provincias onde nao correm as nota do banco do de ,. nterpretocSogenafBa que se tem dado.
Bras.l ou de suas caixas libaos. ^^ consioSar il
bxbcucao da i.ki n. 1,083 de 22 he agosto
ue 1860.
''imilla de aern das estradas de ferro.Esta
Pouco pouco o sol se havia oceulto por.
trai da colina robera de arvores ; o rio reOeclia j
as ruliras cores do poenle. O padre conservava-se
pensativo junio cruz, sbito nviu que o chama-
vam, e viu Daniel correr lodo .sbaforid,..
cavallo j esl no carre, s se espera por
vos, meu prima.
Descerara juntos.
Dionsia ja eslava no carro. Beauvais com ros-
to animado e alegre, dava r. pelidos aperlos de
mao nos Delelang, pae e lilho.
Espero-vos no prximo domingo, exclamou \
subindo para o seu asiento Junto de Daniel e o
primo, leudo retomado seu ligar, Beauvais den
una chicla.la de meslre no o: vallo, que par i u
trote largo.
A notite estiva recamada de .'.strellas. Dionsia
ainda febril polas recordayes Jo baile, calada se
havia encolhido no seu canto o primo llxava os
olhos e orava. o oproprio li.anbl moslrava-se pen-
sativo. Quanto Beauvais, o vinho branco e bom
accolliimento dos Delelang tnl am o posto de bom
humor : fallava alto, e ria-se 00 n cstroudo. De vel
em quando interrumpa seus pi opsitos para fazer
estalar o chicote, a carreira do cavallo um instan-
te afrouxada, ronlinuava mais vdoz; os cascos fer-
rados ha pouco, soavara na si ora estrada, e fe-
riara fogo.
Este cavallo um anim; I impagavel, dizia
Beauvais; apenas tinha um pequeo defeito : era
medroso como urna lebro. e q lando se espantava
parta galopo cm linda recta.
Mais de dous tercos do caminho oslavam venci-
dos, quando entrada da aldeia de llarrou o ani-
mal espantou-se com um raio da la refleetido em
um charco. Empinoii as orelhas, recuou, rinchou
rstroiidosament.;. depois lanro.i-se para a frente e
alravessou a aldeia romo um fnraco.
Beauvais, que sabia que ao sabir do Barren a es-
trada parallela ao rio tinha urna brnsra volta, se
esforeava par conte-lo, e pucha va com forca as re-
deas ; a uma sacudidella inex|x rada, estas'quebra-
ram-se, e o cavallo sentindo-se Hvre, redobroa sea
infernal galope, ameacando a c ida instante laucar
o carro no Creuse.
Dionsia plida c com os labios cerrados, se a-
garrava ao encost do banco em que Daniel ia
sentado, esle vollou se e viu seu lvido rosto ae
ciarlo da la. I.evanlando-se de repente, lanrou
se como um galo ao dorso do cavallo, agarro os
restos das redeas partidas, e com risco de morrer
viole vetes, deixou-se oscorregar e peuder da ca-
beya do animal. Durante alguns segundos fui ar-
restado pelo cavallo ; elle porm tinha ervos
d'aro. se foi sustendo cada vez mais, e forrou o
animal a demorar o passo ; e allnal o fez parar a
tremer.
Os viajantes descerara, o padre correu Daniel
e vendo-o sao e' salvo, voltou-se para Dionsia
que se tinha sentado, trmula e muda, borda da
estrada : Beauvais attonito pelas manilas de seu
cavallo incomparavol andn em redor do carro,
reconheceu que elle se tinha fracturado e annun-
ciou que era preciso rollar a Barron para polo em
estado de servir.
Dionsia levantou-so e declarou que por cousa
alguma no mundo tornara a subir no carro.
Nao te zangues, mimosa, respondeu Beau-
vais mu doeemenle, s ha duas pequeas leguas
a caminhar d|aqui a Templiers, e lomaado-M o
atalho de C.ourlils, ainda se encurta mais o cami-
nho. Vos todos lentos boas pernas, e a nonio
esta boa. Iroi sosinho a Barron levando o cavallo
pela bride, e em duas huras o mais lardar estare-
mos todos era casa.
Eutao, disse o primo rom a viz um tanto
embancada, Daniel vos aconipanhai, em quanto
eu e Dionsia lomamos o atalho.
Nao, por corto, toruoit Beauvais cora tora
jovial, sois muilo distrado, primo, e o maior sabe
j melhor do que v- os caminhos. Ser elle
qnetn vos couduzir. Vamos; boa viagem o at
logo !
Elle fez voltar o cavallo eaffastou-se na dlrec-
yao de Barrou.
Todos tres estiveram immoveis um instante na
estrada, o padre que em tildo sso Via o dedo de
Deus, disse a Daniel :
Vamos, d o braco a Dionsia ; cu tenho o
mu costante de gestar do andar s e re na reta-
guarda.
Subiram lentaraento o caminho pedregoso que
costea o raslello de Courtils. A principio rami-
nbaram lodos uns perlo dos antros, conversando
arerca do surresso. e cominunicando as sensa-
nhibdos da reeleiyo os
sonrientes que, na forma dos eslalutos, devem ser
substituidos annualincnte.
(Continuar-se-ha.J
roes que sentaram. Dionsia nao eessava de admi-
rar o vangue fri de Daniel, e exprima sincera e
singdamente sita admiraco.
Elle foi sempre audaz, dizia o padre."
Econtava comoain la menino Daniel monlava um
fogoso cavallo. e havia sido levado ao presbiteria
quasi morto. No curae d monte o padra sentou-se
cae ido ao p d'uma arvore. Os moyos ocupa-
dos em sua palestra, contentaram-se co.n demorar
o passo ; e conliuuarara andar lentamente pelo
bosque. O padre via-os inlernarem-se pouco a
pouco sb os ramos, a claridade da la banhava
de luz suas jovens cabreas. Elle suspirn alto e
pensoit no que acabava de succeder. De corto
Deus lito tinha feilo a graya de ouvi-lo, e o suces-
so rcente era o resultado de uma intenso pro-
videncial : Daniel e Dionista linham nascido para
se unirem, e Deus quena que isso se raalisasse.
laso ora visivel e o padre confiando na huir le
de seu pupilo, respond -ntl por Dionsia e por Da-
niel como por si, deixou se licar sentido sol* |a ar-
vore e viu o pnr desappareeer entre o astnha.
Dez minutos depois um alegro houp, um apello
de duas frescas e juvenis voies IOOU no silencio
da B ule. O padre respondn fracamente e llcou
sentado.
Entretanto os dous moyos se Itavam mettido por
un eiminho coberto, onde os ramos enlrelay.a lo>
fonnavara sobre a herva urna rede de sombra e
luz, i) sb esse berro meio esclarecido caminha-
vam conversando. S*rriam e fallavain de ron-as
indiferentes, mas no fundo do corayo d'ambos
agitara-se nao sei que doce inquielarao. Seus li-
geiros ps mal loravain o chao, parecendo apenas
roear a lina e rente relva que a la lingia de uma
asolada Cdr, seus bracos se apertavam doeemenle,
suas vozes resoavam alternas no silencio da noute
com o canto de dons rouxinoes que lutam cm
harmonas; nutras vozes se elevavam Juntas ao
cu como dous trocases que desprendossom o
vflo. Algumas vezes se calavam ao mesmo lemjio,
e no silencio ipte se segua ouvia-se ao longo, tra-
lido polo vento da noule, o murmurio melanclico
das aguas do Creuse.
(Contmuar-se-ha./
PEUNAMBl'CO. 1YP. uE M F. F. 4 FILHO.



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EXB67FG6V_4C3LIW INGEST_TIME 2013-08-27T23:09:26Z PACKAGE AA00011611_10291
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES