Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10289


This item is only available as the following downloads:


Full Text

AHHQ XL. HUMERO 33.
Por tres mms ndiaiiMdos 5$000
Por tres mezes reicidts 6$o00
Porte ao corrcio por tres mczcs. ^7o


01HTA FEIBA 11 DE FEYERE1R0 DE 1864.
Por anno ad rotada.....19$00O
Porte ao correio por ura anno 3$00D
ENCARREGADOS DA SriWCRIpgO NO NOHTK
Parahjba, o Sr. Antonio Alexanlrino de Lima!
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracatv, o
Sr. A. do Lomos Braga; Ciar, o Sr. J. Josi de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues: Para, os Srs. Manoel Pinheiro A C; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA Sl/BSCRIPCAO NO SUL
Alagas, o Sr. Claudino Falcao Das; Babia, o
Sr. Josa Martina Alves; lio do Janeiro, os Srs. Pe-
reira Mariins A Gasparino.
I PARTIDA DOS ESTAFETAS
Oiinda, Cabo e Escada todos os das.
Iguarassu', Goyabna e Parahyba as sogundks e
sextas-foiras.
EPHEMERIDES DO MEZ DE FEVKltEIRO
7 La nova as 3 h., 49 m. e 56 s. da t.
*V^&2?ZS& CarU: ?uar, "- 5 da ,n.
PARTE GFFICIAL.
Altinho o Garanhuns as ierras reirs.
Pao d'Alho, Nazareth, Liraoeiro, Brejo, Pesquen.
Ingazeira, Floros, Villa Bella, Tacaratu', Cabr b,
Roa Vista, Ouricury o Exu" ras quartas feira .
Serinhaem, Rio Pormoso, Tamandar, Una, Rar'Ci-
ros, Agua Preta e Pitnenteiras as quintas fei
Una de Fernando todas as vetes que para aii sa1
navio.
Todos os estafetas partem ao '/2 da.
ira,
as.
Iiir
22 La cheia as 2 h., 41 m. e 8 s. da t.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as f> horas e 54 minutos da manhaa.
Segunda as 7 horas e 18 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIR03.
Para o snl at Alagoas a o e Jo ; para o norte at
a Granja 7 e 22 de cada mez; pira Fernando nos
dias 14 dos mezes dejan, niarc., r: aio,jal, set. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipueos as 6 '/,, 7, 7 /, 8 e
8 '/i da m.; de Oiinda s 8 da m e 6"da larde; do
IJaboatlo s 6'/, da m.; do Caxa tga e Vanea s 7
da ni.-, de BemfleasS dam.
Do Recife : .ara o Apipueos as '/,, 4, 4 /, 4 >/2,
5, 5'/,, 5 '/i e 6 da tarde; pan Oiinda s 7da
manilla e 4'/, da tarde para Jab to al i da tar-
de ; para Caehang e Varzea as 4 /, da larde; para
Henifica s 4 da tarde.
i AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
I Tribunal docommercio: segundas e quintas.
Relami: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Juizo do coinmercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas e sextas ao meio
da.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DAS DA SEMANA.
8. Segunda. S. Joao da Malta; S. Juvencio b.
0. Terca. S. Apolonia v. ni.; S. Ansberto.
10. Qnarla de cinza. S. Silvano b.
11. Quima. S. Paulo I eremita S. Lzaro b.
i. Sexta. S. Marcello p. m.; S. Eulalia v. m.
l.'t. Sabbado. S. Gregorio p. ; S Benigno b.
14. Domingo. Ss. Auxencio, e Epitelio mm.
ASS1GNA-SE
no Recife, em a livrara da praca da Independencia
ns. 6 o 8, dos propietarios Manoel Figueiroa d*
Faria i Fimo.
lio. -Para cuinpriinoiilo do disposto no aviso e
rular do ministerio da juslica de 23 de marco
1888, informe Vine, de que Uaras gosou, e
leve alguma outra interrupcaa mi exercicio do .-cu
seu eargoe por que lempo euutivo.no se.....tre
de jullio deierabro ultimo : o que Cara no fin
rada semestre e independenie de nova exigen
Dito ao juiz de direilo da ron ana de Palma
IIaja Vine, de ministrar cun brevidade a infor
macan que llie foi exigida por lespacho de 21 de
ifczembro ultimo, acerca da petieiode grana de
ente Poncio Fcrreira, subdito italiano.
Circular a lodos os jairas munieipaes da pro
oa.Nao lendo Vine, ministrado as informal
indispensaveis. a factura do mappa semestral,
de
ia.
OS.
iieve organisar para cumprtmenio do aviso eii cu-
I ir do ministerio da juslica de 23 de mam de
1838, convrn que o aeameom i "la a brevidade,
declarando : 1 quanias audiencias den no semes-
tre de julho a dezembro ultiuio ; 2" so servk de
juiz de dircilo e jor que lempo ; :i- quantas (au-
s a decidi deflmtivamenle; r a i|ue sessao do ju
i y presidio eem que termo; 8 de que Ucee cas
gosou ; 5 se leve alguma nutra iutorrupco no
cada
Vi
n-
bes
pie
GOVEKM DA PROVINCIA.
Centianaeie do expediente do dia ( de fovereira
de 1801.
Offlcio io Dr. chefe de polica. Remeta V. S.
com toda a brevidade possivel, a informacao sobre
cadeias exigidas por olllcio desia presidencia de
26 de novembro ultimo. Igual exigencia so fez ao
Dr. juiz de direilo de Oiinda, quanto a cadeia de
Iguaras-.
Dito ao inspector da ihesourana de fazenda.
Hemetto por copia V. S. para os fins roavenkn-
les, O Offlcio que em 3 do corrente me dirigi o en-
genheiro liscal tlaostrada de ferro communieando
lerein sido vendidos alguns dos objeclos destinados
construccao da niesma estrada, e que nao foram
utilisados, sem liaver so pago previamente os res-
peetivos direitos de iniporiacao.
Dilo ao presidente da cantara municipal do Re-
cife.Satisfazer. do ao que V. S. solieiiou em seu [ exerdi do sen cargo e
o licio desia data, remeiio-llie as acias doscollegios 11 !,, dentro do semestre cima referido o uno.
eleitoraes das villas da Escada e Flores, alim de,erfaier impretfrivelinenle no modo
lo-
se-
que tenlu lugar boje a apuraco dos votos para i estre e independenie de r
lisia de senador pela vaga deixada pelo visconde I Uur vezes se ha recomiiieinlado '
de Albuquerque. nicio a cmara municipal do Bonilo.-Cuuii.re
Dito ao director das obras publicas. Lonvcm' qU,
que Vine, remella "
>el, o relaiorio da
lo as raed das que
memo da assembla
prxima reuniao.
Dito Jos Jac
que presie as informacoes, que Ihe foram pedida
em offlcio de 15 de setembro ultimo, acerca das
minas que foi explorar nos limites desta provincia
com da l'arah.ba.
- 8 -
Offlcio ao Exm. presidente da provincia do Pa-
ra. Opportunai leute van ser transmillidos ao mi
ni>iro aracileiru em Lisboa, e ao encarregado dos
negocios do Bra.-il em Roma, os offlcios que para
lerem essj* destinos V. Exc. m'os enviou cornos
seus de 20 e 22 de Janeiro ultimo.
Dito ao Exm. presidente da provincia do Cear.
Recebi com o cilicio de V. Exc. de 2'J de Janei-
ro ultimo dous excmplarcs do relaiorio quo V.
Exc. aprt senlou assembla legislativa desla pro-
contra sua vonlade foi deitado na casa dos expos-
los. deram-sc as competentes providencias.
Foi mandado aggregar as batalbao n. 10 de
miantana da guarda nacional do Pao d'Alho o al-
feres do oiiavo batalbao da mesma arma do muni-
cipio do Recife Alexandre Ferreira dos Santos: De-
vela osle apresenlar na secretaria dogovornoa
respectiva patente, para ser apostillada na forma
da lei.
Sobre proposta do Sr. Dr. chefe de polieia, c
i bem do servico publico, foram exonerados os Srs.
los Thomaz Pires Machado Pertella e Gabriel Iti-
oeiro de Aginar Montarrovos dos cargos de primei-
ro e segundo supplentes do subdelegado da fre-
eii.zia de Muribeca, sendo substituidos o primeiro
pelo Sr. Joaijuim Marques da Costa Soares, e o se-
gundo pelo Sr. Augusto de S AlbuqaeraoA.
Sobre o que ponderou o juiz de direito da
comarca de Naiareth, e nos termos do art. l. do
decreto n. 482 de 14 de novembro de 1846, foi
designado o tabellao Franklim Alves de Souza
Paiva para provisoriamente ter a seu cargo o re-
gistro geral das hypoibecas n'aquclla comarca.
Ao Sr. desembargador Alvaro Barbalho l'choa
Lavalcanle foram concedidos 2 mezes de lieenca
com vencimentos na forma da lei, para tratar de
sua sade.
No dia 31 do passado foi Herido com nm tiro
Antonio Jos Correa, em viagem de l.iuioeiro para
o lugar Cilro. Tendo sido preso Sabino Amerno
A sal Bf
Entraram.....
Sahiram......
Existem......
Nacionaes.....
Eslrangeiros...
Mulneres......
Estrangeiras...
Escravos......
Eserava......
0
22
333
22.'i
33
6
1
63
ti
333
Alimentados a ,-nsta dos cofres publicos.. 143
OlITtAlllo 00 UIA 10 DI KKVKnElllO.XOCEMITF.mo
rvnueo.
Florinda Nogueira, Pernambueo, ,' annos, soltei-
ra, >. Jos; entente.
Mana da Conceieao, Pernambueo, 20 annos, sol-
teira, S. los: tubrculos.
Romualdo Mariins, Bsaanba, 30 innos, solteiro,
Recife; repeniinameiiie.
Francisco, escravo, frica, 72 annos, solleiro, S.
Jos; gaslro enieriie.
UM POUCO DE TODO
A iV>;-m coala o que segu :
l'in medico de Paris segurou lia p meo a vida de
respeitoda eleicao a que se proenleu na fregu
di mesan Dome e na de Bom-Jardim.
Dilo cmara municipal de Cimbres. Vai
esse liin me remettou a cmara municipal'ae C
bies com ofllcio de 20de Janeiro ultimo.
Dilo ao juiz de |iaz do 1 districlo da fregiu
de JaNiatao Jos Fr;
N toado installado a junta de qualilicacao deksa ao anoutecer de domingo ultimo, limitouso a al-
3- dominga de Janeiro ulii'mo. pelas Rana mpoUm de pedia, que existiam na toja n. 89
zia Pelo delegado de Pao "d'Alho foram presos tambera a importancia da apoma a pagar deter-
; Hennque Dias do Nascimento e Antonio Mariins minaram os directores da companhii de seguros a
- ,ser Por suspeitas de seren desertores, c Jos Correa requerer as investigacoes da justica sobre as cau-
siiiiinetliilo a assembla legislativa provincial'na Labao para rccruia. sas da inorte, que devia ler por cnsequencia por
sua prxima sessao, o projeelode postura que pUra Tendo ido banhar-se no rio Goyanna, no lu- o doutor de posse da somnu de S50,000 lis.
m- gar Darvemnktis, falleceu por affogainento Felino Em virtude de certas invesiigaco;s, o procura-
r reir de Andrade, apparecendo o cadver no dia dor imperial de Sena instaurou proresso contra o
bia iiiimediato. medico, que foi preso e se acha ha a guns dias en-
o de Souza Lefio.lio O incendio annunciado por algumas iarejas cerrado na pnsao de Mazas.
O faci verdadeiro desgranada mente, o Dr.
, -\... fez, segundo dizem, conlisso de um chine
nanea ponderadas omseu oHkw de 27 daqut lie da ra Direita. horroroso.
mez recommendo Vine, que Calendo a convo n> Reraettem-nos os seguintes esclarecimentos :
c;.o de que trata o art. 4 da lei de 19 de agosto de Senhor redactor da {exista ittt ia.Grave e Os peridicos da Suecia annuncia n que a cida-
v:,...ia j*. Tmn* referida tonta no dia 14 da ma po circumspecta como sempre a redaccao do Diario de de Skarlof, una das mato iinpor antes da pro-
vmdouro que pira isso designo, o. prosiga nos i e- de Pemnmburo, nao podem deixar de ser acredita- vincia de Oeland, foi ha pouco dias quasi toda re-
mis Irabalbos do respectivo processo, nos termos das-as noticias que de tal fonte emanara ; o d'alii duzula cinzas por ura pavoroso incindio que de-
d.i le e disjiosicoes era vigor. a necessidade de acudir rectificacao de engaos vorou mais de melado das casas da povoacao.
uno ao commandante da canhoneira Iliijahy.t- nossiveto para aquelles a quera estes interessam.
Considere Vine, como depositado na canhoneira sol O modo como a Revista Diaria noliriou os Ira- Mr. Jelersoii Davis dirigi a su: mensagem
seu conimando e com desuno a armada se fr coa- balhos da cmara municipal desia cidade, na apa- assemba de Hichinond, no inesino d a em que Mr.
siderado apio para isso em inspeccao de sadu o nieao da eleicao senatorial, d a entender que, Linela oommumeava a sua ao congesso de NVas-
rwruta to Francisco Ribeiro, de que traa o seu acabada a sessao e competentemente encerrada, hington.
Ofl ci n. 47 de i do corrente, visto que nao se ve- houve segunda reuniao, Ilegal, para ser admiltido Mr. Davis recorda os acontecimemos militares e
ni coa ser elle desertor do brign barca Itumarac, um P*Jtesto contra a referida eleicao. a peda de Wicksburgo, e deplora a neutralidade
en no havia declarado nerante o briizaileiro coiii- Nao foi assim ; nao ha semelhante i"
mandante '
do
linaria do corrente anno.
Dito ao Exm. presidente da provincia da Parala-
ba.J inilia seguido para corte o vapor Para-
ma, quando foram reecbidos os seus ollicios que
para serem remedidos aos Exms. Srs. ministros
seu de 4 do crreme, mais leio aquelle dealinu
na primeira oppuriunidade.
Dilo ao brigadeiro commandante das armas.
Queira V. Exc. informar vista dos papis que
aqui ajunlo, se p.Tleuciam a algum dos corpos de
primeira ludia, a) pracas que estiveram destacadas
na villa da Varzta desde 17 de novembro do anno
passado at 17 de Janeiro ultimo.
Dito ao rr.esmo. Pode V. Exc. mandar por em
Jiberdade o recrula Pedro Flix, que fei conside-
rado inca|iaz do servico em inspeccao de sade,
segundo V. Exc. declarou em seu ofllcio n. 231 de
5 do corrente, que fica assim respondido. Com-
niumceu-se ao coronel retratador.
Dilo ao Dr. chefe de polica. Devolvo V. S.
as ronttt i que alinde o seu ofllcio n. 97 de 21 de
Janeiro ulu no. das dt-s|iczas feias com lotes torne-
idas ao destacamento de Rarrciros, para (|ue man-
de salisfazer a exigencia do inspector da thesoura-
ria de fazuida, eonstanle do incluso ofllcio.
Do m i npector da toesuoraria de laxenda.
Autoriso \. S. en vista de sua informacao de (i do
corrente, uh n 59, dada com referencia a da con-
tadoria dessa ihe.-duraria, acerca dos documentos
3ue dcvoDo, a mandar pagar aos empresarios da
lominacio desta capital, a quanlia de 72900 rs.
em que, si g indo os mencionados documentos, im-
porta o gat consumido com a illuimna^ao do pala-
cio da presidencia, durante o mez de jullio do an-
no prximo passado, e nao de novembro como se
diz na citada informacao.
Dito ao inesmo. Participando o juiz municipal e
de orphaos do lermo de Oiinda, bacharel Agosti-
nho Ermelino de Leao, que em 4 do corrente en-
irou no gozo da lieenca que Pbteve, passando o ex-
ereicio das funecoes u'o seu cargo ao primeiro sup-
plente Mai i el Antonio dos Passos e Silva: assim
o communico V. S. para seu conhecimenlo.
Dito ao mesmo.A' vista da sua informacao n.
.17 de 6 di Brrente, autori.-o V. S. a mandar adi-
aniar ao altores do exordio Bernardino Vieira Ra-
liello, a iniforian-ia de tres mezes de oldo para
Ihe ser destentado na forma do aitigo 28 da lei n.
.Mi de 28 d.; outnbro de 1848. Coinmunicou-se
ao bngadeiro commandanle das armas.
Dito ao niesmo. Em vista dos inclusos docu-
mentos, qte me foram renn-liidos com ofllcio do
commandanle superior da guarda nacional deste
inuniripio. dalado de boje, SOD n. 18, e nao ha ven
do inconveniente, mande V. S. pagar os venciineii-
tos relaiivos ao mez de Janeiro ultimo, dos aluciaos
de primeira linha, cornetas, ciarlas c tambores,
tuprcgados nos coi|K)s da guarda nacional desta
capital.
Dito ao inspector da tliesouraria provincial.
Pode V. S. conforme indica em sua informacao de
f do corrente, sob n. 43, dada com referencia a da
contadoria dessa tliesouraria, mandar adianlar ao
delegado d i termo de Plores por intermedio do the-
souro da repartiea i da polieia, quantia Je 20(14
rs. para occorrer as desperas com o sustento dos
presos pobres da radeia d'aquelle termo, devendo
porm o niesmo delegado prestar conlas opportu-
namente missa ibemureria. Communicou-se ao
Dr. chefe tic polieia.
Dilo ao fonimanilante superior da guarda nacio-
nal do Rer fe. Expeca V. S. s suas ordens para
que ura dos cor|>os a guarda nacional sob seu
commando superior, esteja postado em frente da
ign ja da ordein terreira de S. Francisco, no dia
10 do correrte s duas horas da larde, alim de
acompanhar a procissao de cinza.
Dito ao Or.Juiz de direilo da primeira vara des-
ta cidade.Nao h.ivcndo Vine ministrado ainda
s informadnos indispensaveis a orpani-acao do
mappa semestral, exigido por aviso rinular do mi-
nisterio da juslica de 23 (lo marco de I8.'i8, relati-
vas ao semestre di julho a dezerabro ultimo, con-
vm que o Taca co n a maior brevidade, declaran-
do : primeiro, em |ue termos presidio a revisaoda
lista dos jurados ; -egur.do, que sessoes do jury e
*|ue correiei' abri ; terceiro, de que licencas go-
2ou; quarlo, se leve alguma outra interrupeao no
exercio o seu cargo, e porque lempo e motivo,
tudo com referencia ao sobredito semestre.
Convm igualmente que na mesma orcasiao en-
vi a nformreao circumstanciada e fundamentada
de que trata o artigo 38 do regulamento n. 120 de
31 de jane ro de I82 : o que far no fin de ca-
da semestre e independenie de nova exigencia, co-
mo so ha recommendado.Iguaes aos Drs. juizes
de direilo da segunda vara desta capital, das co-
marcas de Goianna, Nazareth, Pao d'Alho, Flore?,
Tacarara, Palmares, Bonito e Boa-Vista.
Dito ao Dr. juiz
llegalidn- das polencias em presenca da lula ai lericana, ene-
reir de l.ucena, resolve conceder-lhe um mez de(
luenca com veucimenlos na formada lei, pan
tratar de sua sade lora do referido termo.
Dita.O vico-presidente da provincia, resolve
privar do poslo de alferes do 10* batalbao de
inf Hitara da guarda nacional do municipio de
Igi arass, 0 cidadao Jos Tessoa de Soulo Maior.
mente parUram de ura vereador.
Consisliram estas era que havia outros objec-
los deque tratar-se, e requerimentos a que alten-
der.
norte recusou a umea paz possivel.
O Jornal do Porto escreve :
Acnntcceu que un pe.-cador, exeicendo o seu
fcntao o br. vice-presidenle tomou a cadeira misier em Belul, fosse ferido pela e pinha da ar-
da presidencia, e continuou a sessao, dando lugar raia, que elle aeabava de pescar. A espiaba era
a ser anresentado e aceito o protesto, que oledores grande e inlroduzio-se to profundamenle-e de tal
somenle no modo porque ia sendo preterido um ura soldado do I" balalbo de caeadoi US que eslava
direilo que a lei garante, e que se apota nos prin- ahi destacado, fez una levo inciso; o p da feri-
ipios ge raes da jurisprudencia. 8a, e servio se de um instrumento Lera poderoso,
Que a lei admitte os protestos, como o que fui com que a nalureza o havia favorecido, e com elle
perecido aiaceito, parece innegavel em vista de sacou a espiaba que se haviaialrodotidoqaasi um
repetidas disposicoes que mandara convocar os palmo na carne. Una dentada ferrad; pelo solda-
Despachos do dia S t fncreiro de 1861.
BifiteriwuHtos.
Antonio Als-es de Miranda (tiimares.Informe
o Sr.lnspector da iheaoanrm provincial.
Itraz Antonio .la Cunha Albmpierque.-Nao ten. jleitores da cidade ou villa, em que se faz a
taltal a ns,., da informaca,.. ffr, dando-lhes, a esses e aos que de- mais com-
ise Uarmdo de Magalhaes Prado.-Passe pa- parecerem independentemente de convocar, o di-
11' reilo de assfsfJr e reclamar.
. rm. ndade da veneravel orden. 3' de S. Frad-; O que dizemos nao novidade, j para quem
(^rjl:>';'.,.Hl','le;rDl,'.lj:ls.0 ;>".Sr..con.iaandante ip as disnoatooea Iludidas, e j para quem nao es-
queco as opinioes emittidas no parlamento, e os
reparo.
membro do
de 18 de agos-
u competente para ex-
ManoiM das Chagas.-Informe o Sr. Dr. chefe de pl.car o seu pcnsamenlo, oppondo-se a que fosse
"lla- j reconhecido deputado, antes da apuraran dos votos
f-j_____i' l"'la cmara municipal di cidade deS. Paulo.
| o enUto ex-minislro da niarinha no gabinete de 24
de maio, disse na cmara dos deputados em 31 de
superior da guarda nacional do Recife.
PERHAMBDCO
REVISTA DIARIA.
julho de 1862, que o precedente era perigOSO, por
que a eleicao, nao est completa sem a apuraco.
| na i,nal as cmaras munieipaes devem aceitar as
: reclamacoes o protestos que se encaminhem a es-
aguados por incidente algum de cnsequencia.
>o grande numero de mascaras, que prrenrre-
raa as nas, poneos revelavam um caracterismo
em llovidos termos; noto no mais apenas offere-
ciin um hybridismo de pocas e urna extravagan-
cia ihanlaslica no Irajar.
Na entretanto reconhece-se que o gosto da mas-: ii
car; nao descabe, aperar desta circiiuielancia, quo da
se I ga ao estado pouco cultivado do nosso povo. I nic
Hontem expoceram os torreiros franciscanos
visla dos fiis a procissao de Cinza.
nleressados tempo de se prepararera,
bu que a le eslabetoeeo o prazo que inedeia entre
a eleicao e a apuraco.
Pouco lempo depois foi approvado o diploma
Sr. desembargador Uchoa Cavalcanli, candida-
vencedor em hita c. m o Sr. ronselbeiro S e
luquerque.e ninguem na enmarados deputados,
fura d'ella censurou a Iranseripcio no mesmo
loma de um protesto acceito pela cmara mu-
nu-ipal do Cabo contra a validado do coltogto etei-
toril da Sacada; tarto que as circunistaniias re-
feridas parecem indicar como aconselhado e es-
Rarrelo, quando
selheiro Jos lto-
h sta soleranidade religiosa leve todo o esplendor, peXio', b S eoasdheiraSto 1
que Ihe e peculiar, qor pelo lado do prestito, qur ^.funba-se entrada 1 Sr. conse
(Hilos seus accessonos, havendo alm disto a con- niUcio, n.ais folia na sua reeleicL .
veniente ordem na resiwcliva dirercao. ^ collrga ex-minisiro da v r ci 1 ira
oewSrS^'J2^-^^ r^"C^ IMt^gMeSB
p-eceituado no aviso n. 8:i de 26 de abril de I q Hoje Me^hirt^'nluma'nL'
1845 Si i-, 2 e 13". Alm disto, foi ordenado que: da l hSrta do GSnasi? c5^.a ''
aos juizes de paz que "
de (|
I.-
unpozesse
ineido taes lisias, a multa
12i- 6- da citada le.
nao tiverem re-
que trata o artigo
BBPARTigxO DA PftLICIA!
Extracto da parle do dia 10 de fevereiro de
Do Juiz de paz presidente da junta de quali- 1864(
lica(ao da freguezia do Pao d'Alho, exigi a presi- Foram recolhidos casa de detengo no dia 9
delicia que informasse com urgencia a resuelto de do c< rrenlo :
um rcqueriinenlo em que o eterivao Alexandre A' ordem do subdelegado de Santo Antonio, Pe-
Barbosa da Silva Jnior queixa-se de haver-lhe o dro, ^rioulo, escravo do Dr. Rangel, por ser en-
mesmo juiz intimado, na oecasiao em que elle se eontrado inascarado.
aprsenla va para nos termos da lei lomar parle
nos Irabalhos da predita junta, que se relirasse
por lio serem os seus serviros precisos como es-
crivaode paz, poisque a lei ha designado secreta-
rios para taes juntas ; e bem assim que remeltesse
com a mxima brevidade possivel a informacao
que se pedio por despacho de 19 de Janeiro ultimo,
exarado em urna represcnlacao, dirigida peloelei-
tor Manoel Francisco Machado de Adujo, relati-
vamente as irregularidades com que foi installada
aquella junta.
Para que tenha lugar a entrega Joaquim
direilo especial do commer-rNicoli& Fernra um seu lilho receronascid, que
A' prdein do do Recife, Rosa Maria Joaquina,
pard.i, para correcc.io.
A' ordem do de S. Jos, Miguel Gomes de Mello,
branrii, sem declararn do motivo; Jos Joaquim
da Silva, crioulo. por furto.
A' Ordem do do Poco, Manoel, chimlo, escravo
de Pedro Cavalcante de Albuquerque, dtonesieo
d'este. "
O chefe da 2* seceao,
I J. G. <*> Mr&jiiita.
Moviment da casa de tetenco iK> dea 9 dV
fevereif de 1864.
Existiam...... 349 presos
00 na nta da epinha, suppri pe fetamente o
instrumento de que um cirurgio se erviria para
tal operario. O soldado chama-se Fei ciaoo Serlo-
rio de Abreu.
Pedem-nos esta jiublica^ao :
O HF.i:itlTA.
Desde os meus quinze auno?,
Que apaixonado vivo.
Sempre araavel, compassivo
Supporta o meu coraeao
Das mulheres os rigores,
Com femeulidos amores
Num s riso de trairfio,
Esludado.
A primeira qu'cu amei,
Tmlia as fallas perfumes;
Em sua? faces os Numes
Vinham amores colorir.
Era a imagen) predilecta
D'um sonho de poeta
Era a b-.dleza a ilorir
Illusoes.
N'uma noite ella jurou-me
Peanle Di-os que nos via,
'}'!' s para mim viva,
Oual r. la para o co;
Na outra nmte desposada
Eu a vi cora outro a fada,
Fazendo-me um negro reo.
Por amor.
A segunda, s n'um olhar,
Prendeu-rae, roubou-mc aecc !
E leu o meu coraeao "
Foi tudo que ousou dizer.
E trahio-me ella sem do,
Fugio e deixou-me s I... -
Estive praatM a morrer,
Scismando.
D'amor cntao m'exim;
E logo praca aeotoi
Um dia ine'allucinei
N'uin olhar doce calmante
Este amor nasceu morrendo
Pois reconheci tremendo
A mulher do commandante
Anglica.
A mulher lem as palavrat
C.erlo que... c tal fei tico...
Tem nos olhos todo o vico,
Que me faz endoudecer...
Tem olhar inromprehensivel
E orgulho I isto infallivel.
Sem mulher antes morrer.
Estpido !
L-se no Commereio do Porto :
As carias enegadas de Alexawlha d <-onta de
nm accidente acontecido a S. A. o vice-rei do Egyp-
to no dia 12 do corrente. Fetizmente e vico-re es-
capn de um grande periges
Tendo S. A. sabido, depois do meio lia, para ir
a Cazr-rl-Nil, escapou, sr.icas a Dos, de urna des-
grana que teria podido, ler as raiii* irstes conse-
quencias. Poneos momentos depois que a carrua-
geni deixou Abdin. eslallot a ianra ao voltar de
urna ra ; chegando a Catr-elr-Nii, a lauca parti
complelamenle. Os cavados, lomando mdo, par-
tirn! a todo o galope dirigindo-se para as niargons
do Nilo. O rocheiro esforgava-se, em vio, para
comer os cavados, e S. A. o yicerei, preven lo o
perigo que havia em tirar na carruagem, nao hesi-
ton, abri a portmhola e sallou fra.
Esta atrevida aceao nao leve tri.ste resultado.
Poneos instantes depois conseguio-se fazer parar
os cavallos, e o vice-rei, depois de ter mudado de
carruagem, continuou o seu passeio para o lado de
Uioubrah.
Este fado comprova de quanta utilidade seria
que livesse aproveitado e vulgarisado o invento do
Exm. Sr. Dtogfl Manique contra os sioistros prove-
nientes deslas causas, pois nos consta que o inven-
tor o lem levado ao ultimo grao de perfeicao.

Ha Oito dias qr,e em Paris se nao falla de outra
coasa se nao do roubo de diamantes feilos ao duque
de lrun-wiek, lio celebre por suas aventuras era
1848, anno em que, como sabido, foi expulso por
seussubdiios, que elle deixousem saudades,
levando cjmsigo os diamantes da corda e a rereita
paiz.
o duque de Brunswick, que nanita em Beaojoa
um palacete pintado cor de rosa, gosla de diaman-
tes como ni 11 sporFMHMgostade caes e de cavallos,
como um artiquaro de objeetos de arle. Possue
diamantes no valor de uns dez mhooi de francos,
que po loria realisar, reducir a duiheiro, emprear
em Ierras, em inscripces de renda, oa era aeeoes
de eaminnos de ferro. Mas nao o faz: este perso-
nagem original profere guarda-ios, contempla-tos,
admira-tos, cerno outros admirara una pintura de
Itaphael. ou urna escultura de Phidias.
A collecoo de diatnanlos de que se trata, de
deslumhrar os olhos mais adiflerentes.
Veem-se nella brilhautes, esmeraldas, rubto, sa-
phiras, patas, pendas e que variedade de grada-
roes e de cores!
Liaitandoine s a fallar dos diamantes, convm
salir ipie na colleecao do duque de Brunswick.
mis sao branco-iransparenlo, primeiro branco. se-
gundo branca, branco ac, branco azulado, azul
claro, azol escuro; outros'sao amaselloclaro, aiaa-
rello vivo, amareUo mbar, cor de |ialha, de vinho
de Champagne, rosa carregado; oulros sao rosados,
levemente rosados, opalanronlrm, cor de granada,
riptetes, esverdinhados, verdes, verde-mar, cinzen-
tos. cinzento claro, einzenlo escuro, p negro, ne-
gro opaco, fumo de Londres.
Nem todos os diamantes da colleecao sao sem
defeito; iras silo rlenlos, gratados, eom manchas
pretaS, brancas ou douradas; outros sao fendidos,
despuntados, riscados, mal lapidados.
la dous que estao em bruto e rada um dellcs
avaliado en.....m mil francos ; ura ura diamante colirir o becco que tica no oito
levemente branco, que pesa 51 quilates, mas para i te a praca da mesma, rasgando
sor lapidado, loria de perder melado do seu valor; | ro da frente,alim de guardar n
gusto de Pilas Villar, aecusaudo estar de posse do
Ojie a cmara Ihe dirigi em 11 do correle, res-
ponde que, firmado as disposicoes do art. 16 do
decreto n. 6D2 de 19 de setembro de 1850, e aviso
n. 300 d<] 13 de setembro, citados neta cmara,
que -o (atoa eenpeleMemente habilitado a entrar
no oxertieu do juizado do paz, e fazendo diversas
consideraces a raspatto de semelbante questio, to-
das em tea favor, conclue assegurando cmara
que continuar no exercicio, at que pelo poder
competente seja decidida a duvida pela mesma c-
mara suscitada, visto que a nao reconhece compe-
tente para decidir duvidas desta ordem.Posto em
discusso, deliberou-se re.juerimento do Sr. Ba-
rata, que fosse ouvido o advogado.
Outro do Dr. juiz municipal da 2* vara, Francis-
co de Araujo Barros, comniunicaudo ha ver reas-
sumido no dia 8 do corrente o exercicio de seu car-
go. Inleirada.
Outro do engenheiro corJeador, informando fa-
V'iiavelirente as petiees de Alexandre Jos da
silva o alexandre Rodrigues de Almeida, que pe-
dem lieenca para fazerem sotis corr las as fren-
tes de suas casas sitas ra da Palma ns. 30 c 63..
Concei.'eu-se.
Outro do mesmo, informando o requerimento no
qual Tho.naz Cavaleanii da Sdveira Lins, propie-
tario do sitio Solidan, contiguo ao antigo engenho
da Torre, pede para que Ihe soja permittdo rasgar
nma estreita estrada que ha no fundo dito sitk\
obrigando-sea fazer unu ponte com seguranza no
lugar da dita abertura para nao impedir o transito
publico ; declara quo dirigindose aquello lugar
para eiai linar a pretengo do peticionario, e de
outros que llcam raargem do rio, aos quaes o di-
to caminhod sahida pelo lado de trra, observara
que a estrada que elle se refere com efleilo
um camiuhu de 15 palm, e quo passa pelo fundo
do sitio.
Faz muitas outra ponderacoes acerca de seme-
lhante pretencao, e conclue dizeiido que urna tal
carrrbiiacom largura, e profundidade que a tornem
navegavel, Ihe parece de grande vantagem para
os moradores daquelles lugares, pois que podero
conduzircm canoas o pro lucios de suas lavou-
ras, que actualuiente conduzem em costas de ani-
mis, e podero viajar por agua, o que mais
commodo do que por Ierra a p, e mais barato dt>
que em carro.
Posto em discusso, resolveu-se conceder a li-
eenca pedida, ohrigando-se o peticionario por ter-
mo previamente assignado, a fazer em lugar de
ponte urna bomba de pedra e cal, e abrir a cam-
ba, tudo de conformidade com o plano que fox-
dado pelo engenheiro da cmara, e dentro de um
prazo que convencionar com a mesma cmara.
Oulro do mesmo, informando sobre o reipieri-
mento, no qual a irmandade do Sanlissimo Sacra-
mento do Recifo, pede para que Ihe seja concedido
da igreja, em fren-
uma porta no mu-
.. madeiras da mesma
o outro e um diamante opaco negro, tem o peso igreja ; diz que indo quelle lugar para examinar
enorme de 342 quilates, isto quasi tanto como o a nretencSo da peticionaria, acliou que o becco de
Kolu-noor. o Regente e o Sancy juntos -mas nao c <|ue ella trata j est tapado com muro de tijollos. e
nao s na frente da ra do Corpo Santo, se nao
Hisceptivei ser lapidado.
Sao tantas as formas diooraotos, quantas as pe-1 tabem na travessa que dava sahida para o becco
aras : unas sao quadradas. redondas, ovaes, oliln- do Abreu, e que nao est de accordo eom a planta
gas octgonas, ponludas, irregulares ; outras, la- da cmara, mas que torca confessar, ncnhuui in-
vradas era forma de brincos, em triangulo, em fr- j conveniente traz ao pubico.
na de aiaeadoa, de olho cliinez, de "tricornio, do
ovo de poinba, que sai eu f
E que diversiilade de origem!
Esla ornava nm sabr turco, aquella, ura collar
real; una terceira, um chapeo; este diamante ne-
cro era o olho de un dolo indiano; aquelle bri-
lhante rosado, de forma redonda alongada, que pe-
sa 41 quilates e que avahado em 348.000 francos.
foi tomado pelo imperador Haber, em Agr, em
1326; aquell'oulros dous hrillianles. de mais bolla
agua, mas de menor dimeiisao. eram boloes de co-
lelo do imperador D. Pedro; este diamante, engas-
tado em annel que tem as armas dos Stuarts e as
iniciaos M. S brilbou as lindas raaos do rival de
Elisabelli; liualraenle, triste e singular aproxima-
co aquello par de brincos ornou una oulra ca-
beca real, que laiuboni dovia rolar de cima de um
cadafalso. a da infeliz Maria Autoiuetle.
Eis-ahi em verdado urna coUeceao curiosa e ao
mesmo lempo magnitea por que de noventa dia-
mantes de 36 quilates, extremados, no mundo in-
icuo, pelos ihliumuitolo'jos, o duque de Brunswick
possue quinze pelo menos.
E toda essa preciosa coltoecio estove quasi a ser
a presa de um criado infiel.
Tin tal Schau, durante a ausencia de seu amo
roubou todas ests riquezas ; mas nao pode goza-
las por uioiio tempo.
Pez-se trabalbar o telegrapbo e pouco depois era
0 ladino preso em Boulogno-siir-mer. no momento
em que eslava para se fazer de veta para Ingla-
terra. Foram-lhe encontradas todas as joias que
serio restituidas seu legitimo possnidor.
lia porm nm diamante que falta ao duque de
ltrunswirk. Esla pedra preciosa a niocidade, e
ara dos annos reparar o ultrage irrepammt* o
principenao encantadorcata o rosto e pde ear-
mim as faces; orna a escalvada caheca do una
cabelleira negra como azevichc e tem por alfaiale
Hausman ou Dusantoy.
O duque apparece em toda a parte, nos (lioatros,
nos bailes, nos jardins publicos.
(AMARA MMCIPAL
SESSAO EXTRAORDINARIA AOS 23 DE DE/.EM-
BRO DE 1863.
Presidencia do Sr. Barros Reno.,
Presentes os Srs. Henhques da Silva, Barata
de Almeida, Seve, Maia c Gameiro, faltando cora
causa o Sr. Mello, e sem ella os mais senhores,
abre-se a sessao, e foi lida e approvada a acta da
antecedente.
Luseo segninte
EXPEDIENTE :
l'm ofllcio do capilo do porto desta cidade, ac-,
cusando o recebiraento do que Ihe fra dirigido ["'zio Ferreira ("avalcanti, Jos Jeronymo da Silva,
pela cmara, requisilando urna pessoa habilitada, Jos Joaquim Alves, Jos Rodrigues Feo/eira, Jos
Consegu ntemente nestas circumstancias, diz
ainda o engenheiro, parece-lhe que sepoderia con-
ceder o q le requer a peticionaria, se o dono do
predio vi;:inho a isto se nao oppe, visto que o
mesmo no pavimento terreo tem janellas e porta
que dao pan o dito becro. Addiado.
Outro do fiscal do Recife, Manoel Ignacio de
Oliveira Lobo, communieando haver reassumido
nesta data o exercicio de seu cargo.-Que se Ozes-
zesse ascommunicaeoes necessarias.
Oulro do mesmo, informando a petic,o, na qual
Manoel de Souza Tararas requer para que Ihe se-
ja concedido estabelecer um talho de acougue na
leja do sobrado n. 12 da ra da Lingueta, alto-
gande que essa toja bastante arejada, e que a
postura que trata da prohibiro de taes estabeleci-
nieutos em lojas de sobrados se acha suspensa ;
declara ser exacto o allegado peto supplicante, com
ludo a cam ira que resol va como enleuder de jus-
lica.Indeleho-se.
Oulro do fiscal do Poco, pedindo o pagamento da
quantia di 45000 que despender com o enterra-
mento de um cadver encontrado em Santa Anna.
Mandou-se passar mandado.
Outros (2) do administrador docemterio publi-
co da freguezia do Poco, remetiendo os mappas dos
enterraroeolos folios naquelle estabelecimento des-
de 16 do novembro 15 do corrente. Ao procu-
rador.
Outros (2; do administrador do cemiterio publi-
co da freguezia do S. Lourenco da Matla, remol-
iendo tainbem os mappas dos en'erramenlos feilos
no inesmo estabelecimento desde 7 20 do corren-
te.Igual destino.
l'm requerimento, no qual Jos Elias Machado
Freir, replicando do despacho que Ihe fra dado
em 11 do corrente, ncgando-selhe concesso para
crear com tabeas o terreno onde existe na ra de
Santa Rila, o seu eslaleiro de concertar canoas c
barcacas, declara que a cmara j tem concedido
a oulros mtsires carpinleiros igual permissao, e a
faxerem tellieiros cohertos com telhas, pelo que de
novo requer pedindo ser attendido como foram
aquelles, ohrigando-se a assignar um termo para
demolir a dita cerca logo que Ihe seja determinado
pela cmara.
Poslo em discusso, e tendo fallado contra-os Srs.
Barata, Seve e Hcnriques da Silva, foi posto votos
a deciso, na qual tendo havido empale, o Sr. pre-
sidente usando do voto que Ihe permilte a lei, des-
empatou favor do peticionario.
Marcaram se sessoes ordinarias para o dia 11
de Janeiro prximo futuro e scgumtes.
Despaeharaiii-se as petiees de Alexandre Jos
da Silva. Alexandre Rodrigues do Almeida, Anto-
nio Jos Ferreira Refinador, Antonio Goncalves de
Moraes, llanos A Silva, Ballhar & Oliveira, Dio-
para com o engenheiro cordeador, pioceder aos
exames necessarios, alim de dete/minar a melhor
direccio a dar-se camboa das Rarreiras, c assim
o altanamente dos predios que vio ser all edifica-
dos ; responde que nao pertence hoje capitana
o servico de que se trata, visto como ha de presen-
te um engenheiro nomcado para as obras do por-
to, ao qual Ihe parece rompelir auxiliar ao dito
engenheiro cordeador nesse servico Que se ofll-
ciasse nesle sentido ao engenheiro das obras do
porto.
Outro do juiz de paz segundo votado do 1* dis-
triclo da freguezia do Poi;o da Panella, Francisco
Duarte Coelho, communieando que esta persuadido
de que, pelo mo estado de sua sade, nao poder
desempenhar as obrigaces a ?ea cargo, por ser o
juiz de paz segundo votado, e ter de substituir ao
primeiro, que foi exonerado do lugar, dirigi em ,.,..,
13 do corrente ao 4" votado o-offlcio, que por copia KIMfc-,KA *'t\\?Iu,u )'^AaR,l,A EM ,S DE JA'
remeti, alim de que seja fejta por elle a convoca- NhlRO DE 1804.
cao de quem for competente pan a eleicao dos Presidencia do Sr. Henriques di SM.
memhros da junta de quafificacao. Inteirada. Presentes os Srs. Barata de Almeida, Seve, Gus-
Ontro do juiz de paz supplente do primeiro dis-1 lavo do Reg, Maia, e Gameiro, faltando com causa
trido da freguezia do BEcite,,majrT Alexandre Au-' o Sr. Mello, e o Sr. presidente Barros Reg; e sera
Ribeiro Ribas, Joo do Prado Cmara Santiago,
Luiz Jos da Costa Amorim, Manoel de Souza Ta-
vares, Manoel Ignacio das Candeias, Miguel Jos
Rodrigues Vieira, Maria do Rosario, Romao do Re-
g Barros, Tliomaz Cavalvanli da Slveira Lins, e
levantou-se :. sessao.
Eu, Francisco Canuto da Boa-Viagem, secretario
a escrevi.Barros Bego, presidente.Henriques
da Silva.Reg Maia. Gameiro.Barato de Al-
meida. LoM Seve.Reg.
Aos 11 de Janeiro de 1864, compareceram os Srs.
Henriques da Silva, Barata de Almeida, Gameiro
e Gotttvo do Reg, nao houve sessao por falta de
numero. Eu Francisco Canuto da Boaviagera, se-
cretario a escrevi. Henriques da Silva, Gameiro,
Barata de Almeida, Reg.


lirio
Mario de Pcrnamhnct Quinta telra ti de IVvercIro de 18l.
Maaoe.1 fVnnoisco Marques.
Manad I.til?. tionealvcs.
U m tal Cardse Avies.
Man wl Vieira Ponigo.
Dr. Manoel Francisco Teixeira.
Manoel Osmundo da ('.amara Pmcntel.
Miguel da Fonceca Soaros e Silva.
Dr. Manoel do Figueiroa Faria.
Manoel Ignacio de Torres liandeira.
Manuel Antonio de J'sns Jnior.
Dr. Manoel Jos Pereira de Mello.
Manuel de Souza Ordeno Simes.
Dr. Manoel Arlhur de lloilauda Cavalcanti de Al-
querque.
Manoel Ferreira Antones Villaca.
ella os mais wmhows: ahn -se a sesso, e lida c
a|iprova la a acia da antecdeme.
I.r te ii seguinte :
EXPEDIENTA
l'm oficio do Exm. presidente da provincia.
transniiuindo, ein -.(imprmenlo do disposto Boa
avisos da repartirn da agricultura, coinmeroio c
obras publica:. dal oos ite 30 la setembro, e 7 de
novemh o uliiaios, doos exemplares do Auxiliador
da Industria Nacional, e un da obra do padre An-
tonio Caeno da Fonseca intilolada, .Manual da
agricultura dos gneros alimenticios. Ao ar-
chivo.
o uro lo mismo, dizento que para satisfater o
disgusto i.> aviso de 22 de dezemhro tllthn >. c\pe- ,
dido pela ropartioa i do imperio, Ihe remeta a ca- '' Migu. I Jos de Almeida Pernambucu
mu tuuuii-ii.il, c'jiii a maior brevidide, nina copia Dr. Maxiiniano Lopes Machada
da acta da organisaijo di. eollegio elciloral desla Dr. Manoel Pereira de Moraes Pmheiro.
id ido, para a eWeao de dapotados geraes.-Que "*Be7,0Pe Marhado.
se saiisii, Miguel Bernardo Quinteiro.
nutro do mesmo, recommendando acamara, que Dr. Manoel .los Domingues Codiceira.
mande exlrahir da compete ite livro, e Ihe remeta Miguel Francisco de Souza liego.
coa urgencia, una copia Ja acia da mslallacn e Miguel Jos.: da Molla Jnior.
do recebimento das cdulas do eollegio etetonl "gueI Jos de Aimeida lVr.iambuco.
desta eidade liara a eleioo de um senador.Igual Manon .luvennode Saboia.
deliberacao. }']:H""^^ J"^ Olivein.
Outro do mesmo, dizendo ter olTiciado em 2 do ] Manoel Joaqun, da Silva Hibeiro.
correntc, ao Dr. Domingos de Soasa Lea, para Miguel da Purilicaoao Oomes.
assumtr a administrarn da provincia na nualida-
de de sen V' vice-pn-s'iilente, no dia 1 do coi rente
mez, ai inei i lia. visto acharom-se vagos os luga-
res de 1", 2" e .1', asHin o declara a cmara muni-
cipal paia que Ihe delira o juramento do cstylo no
cas i de anda nao ter prestado. Inteirada.
Outro do mesmo, declarando ler-lho commtinira-
do na inesina data, de 1 o Dr. Domingos de Souia lente Manoel Antonio \ ic gas Jnior.
Leda, que |>or incommodo de saide nao pedia ain- Manuel Antonio Goocalves.
da apres-n la i-so para se juramentar, e tomar posse
da administracao desta provincia, mas que o faria
n qualquer Uestes dias prximos: assuu o parti-
da cmara municipal para seu conhecimento.
(tetrada.
Outro do mesmo, remettendo por copia acamara Manoel Gomes \ legas.
municipal ein resposta ao sea oftcio de dej mu- Manoel Polycarpo More
bro ultimo >b n. 48, o parecer da commissan no-
meada para examinar a obra do matadooro publi-
co, e indicar o mellioranu'nto, que re deve fazer
para prohibir a entrada das aguas da mar naquel-
le estab<'lerin enlo. Que se n-metto-se ao cnge-;
nbeiro para fazer o orcameobi da abra conforme
indica o citado parecer, o tiem nssira que w disses-
se ao mesmo engenheiro, conforme (o requerid"
pelo Sr. vercailor Bastero do Bego, que Bjesse
taudtem um orcamento de urna ca-iuiba C tanque
para dell.i ser eitrahida |>or meio de nina bomba
a agua necessaria para o gado que lome ao mata-
douro.
Outro do mesmo, ai Sr. presidente da cmara,
| Contarlo lo encanaiiKMito <*is agua
1 costana.
- estes reparas ou coacerlea poden ser
eitos gratuitamente pelos presos, forneceiido a re-
partid
Paral
on em
grades
pan atada rendo especial menean
dos ao i-slabeleeiu
pidos boni sei vichis presta-! que. em tim estabelecmento da ordem deslo c emj
mcn.o, o sentenciado por lal-mcia que ha grande aggto.neraeo de peaaoas, o ar anal,*' 'Born""' "*"" "** ^^ *"*
j da SilvaRoelia, JooMirlins Pereira da se respira bastante viciado, principalmenie a iam.ja
no do e
do enl
R.-pr
Sr. pro
a obra,
se ter e
lliante
CJjsta, Manoel Teixeira de Carvaluo Balalau, Arce
das obras publicas q maierial para ellcs. ah '.izar de Mello Brrelo, Bento Alvesda Cruz,
maior seguranza dos detento! em servico Manoel Miguel dos Anjos, Jeronymo Ferreira Ta-
passeio, faf.se'preciso a eolfoeacio das vare-. Noiberto Fabricio do F.spir to Santo, senten-
da feno, rom portees, que segundo o pa-1 ciadas, a os detentos Candido Jos i de Abren, e Pe-
liiieio devera fechar o espaco comprebendi- dro da Bocha Pllgueiras.
t os ralos e as Boralbas. Amenta$Se ia$ftetot aoorn.
enlandoeo neste sentido, mandn o Exm. Contina a serfornecida pelocommereianteJoio
denle da provincia fazer a planta < orear Carlos Augusto da Silva, quedesd< outubrode IWil
addiaado, porm a ana conslruecio por < lornece^ior.
sgotado a quota votada para obras seme- Durante este longo espaco de lempo nenhuma
reelaniaeao teni bavido, capriebardo o dito foiaie-
l'rovisoriamente serve um pao a pique que redor, em remetter genroa de superior quahdade
manilei Jevanlar, e que j est bstanle eslragado apezar de ler lido prejuizos cm alguna tnuios-
pela ai'ijiio do lempo, e pelos cupins, apezar do I
con-tanle cuidado de conservaran.
Continua a sentir-s a bita de rommodos para
o grandp numero de presos recolbidos, e a neees-
sidade da conrlusao do lerceiro raio. j tao adian-
tado.
\ mspeeeao immediaia dos geni ros alimenticios
corre por cinta do medico, o Dr. Francisco los da
Silva.
A quantidade de alimentos mareada para o jan-
lar de cada preso sullicienle, puecendo-uie. po-
Comolpor vetea tenho dito, este estabeh rmenlo rm raui fraco o ahnaco eonstanda apenas de l pao
niodevdmais ser msiderado simples casa de de- de .toncas (menor qae o pao, que no mercado se
tencao, im para que a deslinarain -eus funda- vende a 40 rs.) o urna tijella de cal, principalmen-
ie para hoinens arostumailos a .una alimentacao
Dr. Miguel loaquim de CastroMascarcnhas.
Dr. Manoel lluarque de Maredo.
Coronal Manoel Ignacio de Bricio.
Manoel da Fonceca Medeiros.
Manoel Joaqtlim Ferreira Estoves.
Manoel Kleuterio do llego Barros.
Malorino Barroso de Mello.
dores.
O rect
presidio
minuta ;
das cade
ile preso
O de augineiil i evessivo de presos no
le Fernando, seb a guarda de forea di-
a falla de seguranca ou de commodos
asdo interior as continuadas remessai
de oulras provincias sao causa da par-
manenci i de sentenciados nesta casa para coroprl-
rec iinme ulandi a reuna i di mesma amanhaa
(12 do ei i rente) ao meio dia para deferir o jara-
meato do esiylo. ao Exm. Dr. Domingos de Souza
l."ao, que n.i'qiialiilnle de k* vieepresidente, tem
Manuel Jos Pinto.
Manoel Cuelho Cintra.
Dr. Manoel Ferreira da Silva.
Marcomiro Pancracio Pereira dos Santos.
Manoel Peregrino da Silva.
ra de Azcvedo.
Manoel Francisco Scbeller.
Manuel Coins de Sa.
Manuel Pereira da Cunha.
Major Manoel j0 Xasctmento da Costa Monteiro.
Manoel r.arneiro de Souza Lcenla.
Manoel dos Santos Monea de Olivera.
Manoel l.uiz Viraes.
Manoel Antonio Cardoso.
Miguel Archatijo de Figueiredo.
Miguel Alfouso Ferreira.
Manoel Alves Guerra.
Dr. Manoel do Nascimenlo Machado Portella.
Dr. Manoel da Costa Honorato.
Dr. Manuel Gentil da Costa Alves.
Manoel Joa piim do Bego e Albuquerque.
Manoel Bomao Correia de Aranjo.
Manoel Francisco de Carvalho l'aes de Andrade.
Manoel Peres Campellode Almeida.
rem pen
lamento.
lina v
reza dosl
s, contra o disposto no artigo 1" do regu-
|pz que a necessidade na miniado a natu-
Iesiabelecimenlo, fona 6 iolloca-lo em
p de sal fazer este novo lim a que est desti-
nado.
Portan o, a conclusao do lerceiro raio, acona-
truceaodL- oflicinas para o trabalho sao da naces'
sidade palpitante para beca dos detentos, e alliyio
dos eofrek pblicos.
Nada Ii
que sol)
forte, e que tem de se oceupar de 8 horas ao meio
dia em serviros pesados de nenian movimenios de
bombas, ele.
O custo da alimentacao odie!; s da enfermara
BOS Ires anuos linanceros pasead i Im o -eguiule :
a saber
Km 18(11... 37:380|360
Em 1868... 2(1:22:
Em 1683... 23:&94j*2l
O movimento de entradas foi :
Em 18til... 2. ios presos
Em 1868... 3,831
Em l8ii:i... 3,403
As indemnisacoes montana) a l:0."iVfl:iO.
datos reliijiisns.
A mes.i regadera da venrate! Ordem Terrera
Tenho le que a Ilustrada e patritica asamblea de S. Francisco, atienden a repn sentacao que liz
povineallattendera a esta necessidade. habilitan- sobre a falta de missa nos das s;m ideados, de sor-
do a pres deuda para em|>rehander laea obras. te que nestea e nos domingos eettbra-se mlssa no
CUuti/kafio iot aWmfa*. I oratorio da casa,
nho presentemente a aerrescantar ao Aos presos enfermos se prestar im todos os a
inelbaiite cpigraphe disse no meii rea- corros espirituaes graeas ao zelo do digno vgario
torio do auno passado ; limiiarine-hei a espiar o da fregue/.ia de Santo Antonio, e dos Srs. scenlo-
qn
entao
lina
meiro re
artigosS,
que eessai
v. s. e iis
remo ve-la
Hoje lldizmenl
eserevi nos seguntes termos : b'S que o eoadjuvam.
as cansas que enumerei em nata I""'- "W dia 13 do mez passado, pncedendo brenca
torio para a nao perfeila exec icao dos do Exm. bispo diocesano, celebnm M pela priineira
i. ."i e 6 do regulamento tem qnas vea missa solemne do tres sacerdotes,con predica
como um objecio de summa impor-
noite.
Me parece por islo inconveniente a remoeao de IJLS*** rZaff^t^f^S !??/"
-.._, j a i_- tuiavci 6 0 lutfitjiiio para o^ mus tuTnirioso^ im
presos que comecando a solTrer dos pulmoes no feilos |i(J sem (|(,vj(|a Wh I rniC10^
insidio de Fernando, e devendo al. permanecer 0 bene0co ^ in.lllui^a do |ra|)n||m ^
nao so [ior ser ojir d'aquelle lugar mais saudavel, *,.
como por que anda nao finalizara anas semen- Uff .'SnoS emnm 3 "***
cas, sao rom ludo removidos para esta casa.
ao publico
... prostituicj
poneos mezes denot. Mm ^ 0inCinas mencionadas outras e deve-
2?,!5 e C,uco Wtoc,ta n deeaK0 d0 ann, riam enriar, t^ai^SSTtf^mtS
findo forain
Gaatra intente.......
Assfte..............
Meuingvi...........
Pebre amarella.......
Cholera-inorbus......
Ilepatite.............
Pnthysica tuberculosa.
Ihdropericardite......
Ilidrothorax..........
ll>peiiopliia do coracao
Ca.-tro cepbable......
Presentemente as enfermaras esto abastecidas
de roupa, e mais ulencilios precisos para o trata-
meiilo.
o
2
I
2
I
i
;t
2
i
Para melhorameuto do fabuco do calcado cmn-
prei urna mai|uina de laminar a sola, su'bslitnindo
o uso do martello pedras ; o resultado obtido
provou o quanto ser utd a nequisicao de outras
usadas m semeihantes trabalhos.
Ja consegu montar em ponto pequeo urna ma-
quina de cortar a sola destinada para os saltos ou
lacies dos calcados.
Esta maquina de utildade pela grande econo-
ma de material que com ella se obtem.
O meio que me parereu mais conveniente em-
regar para a acquisicao dellas foi compra-h-
prazo ao fabricante, e lirar o seu custo das obras
bancadas, cobrando de cada par de sapatos 20 rs.
" que seria possivel ao preso liar o
Parecendo-me
blic^aet-n^Km 'du^da'SSs '"{0f0>.e tePer >"'" *s*r o seu"vestua:
Cosa ie DetatQ&a it Pernambuco que i mioha cas-
ia mande fabricar em MaraaMIe.
A illnminaeao das enfermaras era l'eila azeite
de Garrapato com grave prejuizo do asseio e al da
gande dos enfermos.
Desde setembro passado, porm, esl substituida
pelo gaz carbnico, sem o menor dispendio dos co-
fres pblicos, e sem sensivel augmento do con-
sumo du combostivel da illuminacao geral do edi-
ficio.
At en tao corra por eonta dos cofres munici-
paes a despeza dessa luiniuaeo ; boje pode con-
siderarse gratuita.
A casa mortuaria que mande construir esta con-
cluida, se nao com luxo, ao menos com a descen-
cia possivel.
Ha nclla um altar com a iinagem do Redemptor.
As celias cm que funccionan as enfermaras
conservam-se asseiadas, c limpas e bem prepara-
lo. graeas ao zelo e actividade com que peloilluslrado plegador da -apella imperial, o pa- [ dos os leitos e mais ulencilios ; osdoentes sao ira-
**' i**i, van > ii.a'iii(S'MiKit;i*i\. u ,*'*' -------- ---------r-
de assiiniir a administracao di provincia, aquella Manoel Cavalcanti de Albuquerque uus.
hora__jier;lua Manoel Juliao da Fonceca Piulo.
Oiiiro do mesmo, dizen.lo que continuando o Manoel Joaquim do Bego Barros. _
Exm.Sr. Domingos de Souza Leo, vcepresidenle Dr. Manuel do Bego Barros Souza U-ao.
da |irovincia, a aaflrer inconmodos em ana saii.le. Mariano de Sa Albuquerque.
nao Ihe era |k.ss\vI comparecer hoja (18) para Manoel .Nuncs Corma,
prestar o juramento do esiylo; o que rinmunica Miguel Nunes Correia.
cmara municipal para sen conhecimento.In- Miguel Mondes da Silva,
teirada. Manoel Pires Ferreira.
Outro da delegado de polica do distrcto do Miguel (lermano dos Santos Pereir
termo deta ralada, Dr. l.uiz de Albuquerque Mar-
tins Pereira. de 84 de dezembro ultimo, communl-
eaads ler entrado na uesma data nq exercicio
daquelle cargo para o mial fora nomeado por por-
tara do Exm. Sr. presidente da provincia, ihiMLi j
de T\ do referido mez; o que mua ao eonhod-
mento da cmara, e aprovetava a opportunidade
para apre-sentar a niesma as manifestnres de seu
Tespcilo o considera^ao.Que se aecusasse o rece-
liimento.
Manoel Gomes dos Santos Pereira Bastos.
Manoel de Souza Lefio.
Manoel de Souza Leao Jnior.
Dr. Miguel F'elippe de Sol a l.e.io.
Dr. Manoid Joaquim Sirve ra.
Marcellino Jos Lepes.
Nicolao Tolentino de CarvalhO.
Octaviano de Souza Franca.
Dr. Paulo Jos de Olivera.
Dr. Pedro Dornellas Pessoa.
seus dignos antecessoros tem procurado dre Lino do Monte Carmello.
Este acto leve logara pedido de varios detentos
raro o preso que nao sabe B ein louvora Virgvm ila Cmiceica >.
o motivo di.! sua plisan, qual apena que Ihe foi Nao julgo. porm. sullleente o "simples exerccio
Impostaelata delta. dasleaaolai exteriores, oaorisaa nao tenho dei-
Por ela razan fcil me tem sido separar os xado de insistir pela nomeaejio de um capellao.
sentenciad is dos pronunciados e estes dos sim- Eutendn que deve consderar-se de necessidade
plesmenle ndicados. de priuieira ordem a presenca de um ministro do
Os sentenciados definitivamente e os pronun- Senhor em urna prisao.
ciados por rrimes graves, oecupam o raio do norle A insirucyo religiosa, a direccio espiritual dos
e os outroso do sul.
Asdisnoscoes do arl. i, porm, n.io tem lido
completa e lecucao, porque anda subsiste a pri- cuja.
meira canil enunciada no meu relatorio do anno 1 m padre que converse com os dentos; que pa-
passado, o Tacto de somente recelterem alimenta- teinabnente reprehenda os que se esqnecemdiis j muitos dilllcl era a acqiisii;ao^da materia prima,
cao a cusa dos
lamente miseravt..
Manira consentir em reunioes. verb grades, de aquellos cuja espci anea se abate; queosconsole af- alas de celias, e habilita-los com a minha garanta
condemnadjs|)or crime de morte com os de t- Untos: que visite os enfermos mostrando-Ibes o a compraren) no mercado os maleriaes em pn-
l lim da assm associados trabalharem. eo, que se abre aquelles que sinceramente se ar-
ppiniao aan ao menos lodosos sen- rependem, ser por cerlo um melhoramenlo mo-
finitivamente, devem recabar alimen- ral mportantissmo para o paiz, aojos hructos
a, sem o que difficil ser manler a ne- compensar.o toda e qualquer dftpeu para a ar-
lados rom caridade, graeas ao zelo, dedicado e pe-
recia do enfermeiro JooPinheiro Calote.
Tmbtillo para os drtfntuS.
Segundo o disposlo no artigo 1(1 do regulamento,
permillido a todos os presos Irabalbarem as ar-
tesouofficios de sua proflsso, comanlo que nao
perlurbein a ordem do esiabelecimenlo.
O ollicio a que de preferencia se entregam os
detentos o de sapateiro, nao s por ser o de mais
fcil aprendizagem, como por ser aquello que mais
commodamente pode ser exereido no recinto das
prisies.
Beconhoeendo que o trabalho de cada um so-
ladamenle, era pouco productivo, alm disto, que a
.. i|uc scr-i|uc.'iiM. i muitos dilllcl era a acquisicao da materia prima,
is cofres pblicos as pessoas comple- seus deveres para com Deus, e para com o prox-; resolv reunidos em urna s offlcna, que funecona
aveis ; sueeedemlo por isso ser ne- roo; que exhorte os indilTerenti s; que reanime | dentro do raio do norte, no espaco entre as duas
infelzes recolhidos a esta casa, victimas minias ve
lea de supina ignorancia, tem sido at hojeosque-
'I'
As vautagens que podem resultar de semclhante-
i industria em um paiz algodoeiro, como o nosso,
nao poderlo ser postas em duvida.
Assiin seja eu bem sucecdido nesta tentativa.
EiniiiYi/tultni.
Em peral os empregados deste esiabelecimenlo
dasempenham bem as suas funcees, capri bando-
no cumplimento dos seus devoras.
Harona ingratidae de minha parte, se nesta oc-
casio nao manifostasse o meu agradeeimento ao
ajulanU; Jos Elias de Olivera, pela Icaldade, e
zelo con que tem servido.
Nao devo finahsar este capitulo, sem declarar
que me narecem mu diminuios os vencimenlos
marcados aos guardas, ao enfermeiro e escrvo.
Os or leados que percebem estes funecionarios
nao compensam o peso do trabalho de que estao
incumbidos, nem por ceno sao incentivos para o
bom eseatpaabe dos seus deveres.
Escripluranio.
Os livros exigidos pelo art.' 105 estao limpamen-
le escrip turados, c em dia, o que devido ao zelo
do eserivao Trajano Evaristo Ferro Casiello-Bran-
co, e dos guardas que o auxilian) neste trabalho.
Vigilancia externa.
Contina a ser feita com a necessaria regnlari-
dade, pela forca que compoe a guarda externa.
Nenlii ma tenlativa de fuga leve lugar durante o
auno linio.
Nada mais se me offerecera a dizer V. S.,
quem [eco desculpa das faltas que involuntaria-
mente tenho coinmettido.
Dos guarde a V. S.Illm. Sr. Dr. Ablio Jos
Tavares da Silva, chefe de polica da provincia.
O administrador.
me de furto
A minha
tenciadosdi
tacan da-ca
cessaria dis
Oulro do mesmo, dizondo qae para proceder di- Pedro Simoes da Silva Braga.
de Barros Cavalcanti de La-
l'edro Alexandrino
cerda.
Pedro Celestino Mindello.
Dr. I'edro de Athavde I.olio Moscoso.
Dr. Prxedes Comes de Soasa Pitanga.
Dr. Pedro Aunan da Malta e Albuquerque.
Dr. Pamphilo Manoel Freir de Carvalbe.
Porfirio da Comba ioreirn Alves.
I'edro de Alcntara dos (Juimares Pexoto.
R "I >pho Jlo Barata de Almeida.
Dr. Rufino Augusto de Almeida.
I'iilino Antonio de Mello.
Raymundo da Silva Maia.
Severiano Baudeia de Mello.
Stiro Seralim da Silva.
Tenonle-eoronel SebastiSo Lopes Guimaraes.
?ersas averiguacoes acerca de posturas munici-
paes, rogava cmara, se servisse remetter-Ihe
por copia a lotacao des mnibus existentes nesta
eidade. Que se respondesse nao existir nesta re-
partieao a lotacao pedida, e si ni na secretaria da
polica, donde pedia S. S. have-l.i, o mesmo os ditos
mnibus a trazem na porta da entrada.
Outr. di juft de paz do :|" anno da freguezia
de S. Ji tenentd coronel Jos Antonio Pinto.
communicando ter deixado o exereh-io por ler
completado osen anno, cm rooscpienda do que o
passara ao imnicdiato cidadao Francisco Antonio
las Chagas. -Interada.
Outro ib iail de paz V' votado do 2' di-trcto da
fregucza n Sanio Antonio, Manicl da Silva Per-
reir, cominanicn lo ler entrado no dia 2 do cor-
rente, id etereieio di) mes ni cargo. -Inteirada.
Outro do juiz de paz d i 2' anno do 1" di-trieto
da mesmi freguezia d Santo Antoni >, ci lado Joa-
quim Au:onio Carnciro, coimuunicando, que ni
ausencia do juiz d- pax nni- vetado Dr. Antonio
Eyaniinondas di Mdio, recebera oofflelo di cami-
ra de 11 de deziraiuao ultiiu i, em que. traiava d i
reuno da junta di) q idlica.- n que devia ler lu-
gar na 3'dntiaga deste miz, em virtnde do qual
ja havia feito o editil convenido o- eleitores e
supplenies, pua o d to lim.Inteirada.
Outro do juiz de paz di V' anuo do :t- distrcto Tibureio Valeriano llaptisla.
da fregiiezia da BJa-Vista. Francisco Antonio da Thom Carlos Peretti.
Silva Cavalranta, communicando adiarse em
exerccio do mesmo cargaInteirada.
Outro do procurador, remettendo os bataneles
da reretta e despeas municipal, relativas ao tri-
ni 'sli e i,o ouiubro dezemlro ltimos. A" com-
missao le |N>icia (Angelo Henriqucs, e llego c Al-
buquerqne).
Outro do mesmo, informando a pelicao, na qual Tliomaz de Aquino Fonceca Jnior.
ManK'lligueiroadeFaria\Fillio,|.edeiiio|iaganien- L'lysSM IVrnainbucano de Mello.
todaqnaniiade IS6J00O,importancia deimpressdes
le edilai s para a convocacao dos jurados desde mi-
mbro de 18H2, e bem assim das hnprcsses e enca-
dernactV's de livros de bitos para oeemilerio dis-
ta eidade, declara que os supplicantes teem direilo a
serem pagos da mencionada quaniia.Mandou-se
pasar nand.ido.
Outru do mesmo, communicando que, em cumpri-
n.enlo da qiui a cmara Ihe determinara, entende- Dr. Vicente Pereira do I', !go.
rase rom D. Joscpha Guilhermina de Mosquita I Vicente Ferreira da Porciuncula.
jtMe, safen o proco que pretenda ella dar pelo
terreno que, em eonscqnencia da sonresso do
beo'o do Falc.io lem de ser annexado a sua pro-
priedad.': a inc.-ma D. Ciiiliermiiia so quer dar
MCOO porcada palmo, allegando ser o terreno fo-
niro irmandade de S. Pedio, pelo que eslava
snjeito i laiidemio.-Que se respondesse ao procu-
rador que o terreno publico,epor isso nao lem de I |l|n ^y de Janeiro ultimo.
pagar loro e nem latidenuo, o que se a niesma D. nim.Sr.-Cuinprindo o dever que me impoe o
<.uilhermina nao quizcsse dar maior preco pelo t (J[ ., fa rt.,u|aIlulll0 je jg de agoslo de
dito terreno, qae o vendes-e a qualquer oulra [.es- lH:i-K a(11.,s,,I||(, a \ s. i-eatoiio do estado des-
soa que o prelendesse. le esiabelecimenlo e do seu movimento durante o
Outro di fiscal lo Recito, communicando que anQ0 |im|0
suspender por um mez o guarda da niesma fre-;
cnezia, Antonio Agostinho por insuhordnacao, e |
fallar ai respeilo pess> a do mesmo fiscal.Iu
iplina entre elles.
A faculdsdo que lem todas as pessoas de entra,
rem diariamente duas vezos neste estalndecimcnto
e nelle poripaneoerem por espa;o de duas horas.
con-liluinili -o durante este lempo una praea pu-
blica bem prejudicial, e smente poder desap-
quisieao de um homem digno de tao importante
nisso.
Desojando que esta palpitante n >cessidadc to*se
logo satisfeila, resolv, depuis de previa consulta
a V. S. contratar a monas expemas um sacerdo-
te, de bons costumes, e llustraeo para se encarre-
pareceradmillida a providencia que cima lembro. garda direccao espiritual dos detentos. ni a con-
dico de nmrar no estabelecmento.
Nao podendo contratar nenhum dos Srs. sacer-
dotes naeioiiaes que hbatam nesia capital, e que
esto habilitados a bein desempenbar tao ardua la-
refa. porque todos se acham occuoados em oulras
fnneeoes. engajei um sacerdote natural de Portu-
gal que vive ha anuos entre nos, i bem contiendo
pela aiistendadc docostumes, mmalidades a toda a
piov.i, incessaria intelligencla paia o lim a que se
destina, o Bevd. Thomaz Coelho Eslima, actual vi-
gario iuieriuo da feagnexia do Poc da Panidla.
A paga quejolTercco nao porcerto um incentivo
para o iiimprimento de deveres ;.sss diflkeis de
O commoi ci diario com os visitantes e merca-
dores iranstnrna a ordem, prejudica o asseio. e
|ioe cm perigo a seguranca do esiabelecimenlo,
pela facilida le que ha em lransmittir-se aos presos
armas, beb las espirituosas c al instrumentos
prnprlos par destruir as grades de ferro, sendo
por isso neessario redobrar a vigilancia a tolos
os momento
goverkio estaheleeera os unios de indem
desposas que Otease, inaugurando o
e obrigalorio para os senten-
Silvino Guifherme de Barros.
Dr. Sabino Olegario Ludgero l'inho.
SebastiSo Jos Gomes Pinna Juaior.
Simplicio da Cruz Biheiro.
Simplicio Josi'- de Mello.
Dr. Silvio Tarquinio Villas-Boa-.
Sebasiiao Alfonso do Reg. Barros.
Sebastiio Jo-e Mndes la Silva.
Salvador lienrique de Alliiiquerquo.
Tliomaz de Almeida Animes.
Dr. Thom Femandes d i Castro Madeira.
Thomaz Garrett.
Dr. Tarquinio Braulio do Souza Amarantho.
Thomax Caraeiro da Cunda.
The oro Machado Freir Pereira da Silva.
Thomaz Antonia Maciol Monteiro.
Thomaz de Carvalho Soares Brandao.
Trajano Evaristo Ferro Caslello-Branco.
l'lysses Cockles Cavalcanti de Mello.
Viseonde de Camaragibe.
Vicenta Antonio do Espirito-Santo.
Vicenta Licinio da i osla -impeli.
Virgilio Jos da Molla.
Vicente Machado Freir Pereira da Silva.
Vicente de Paula de oiiveira Villas-Boas.
Dr. Virgilio de Cusnio Coelho.
nisar-se das
trabalho regular
ciados.
Batan
pciisariam a
moral que M
infelzes.
A rusta
do cooserv
manter-se a
i xiuio j til
consstem ei
conforme a
torneir.vpor
ealmle ; de sjorie que
de haver o n
da vida, sol
Nem um
nem um Ion
nvencido de que os resultados rom- .
despezas a fazer. alm do efieito Oesempenhar.
nielhante medida prixluziria nesles
Btlada dns prssoVf.
kle muilo iraballio tenho consegui-
r as prises com algum asseiO)
apezar da falla qnasi absoluta do neeessario para
impeza exigida.
nho repetido, lodos os mofis deltas
i duas ou cinco tarimbas do maib'ira.
prso de I* ou de 2^ ordem, urna
eossario aos misleres mais
era dolorosas priv.aees.
ravesseiro para descansar
;ol ou cobertor para cobrir
nelle beber um
ingentes
(luiros seiiiimenios mais Robra que o htteresse
sem duvida levaran) o padre Estima a aceitar o
meu convite: espero que -erei beu succedido.
Daando esse neerdote prmeir uante dar con-
tas ao seu superior da gerencia da fregiiezia, que
inlerinanienle Ihe esta confiada, smenle a 13 de
fovereiro prximo poder entrar no exerccio de
seu novo emprego.
Enfermaras.
Quaesas molestias reinantes, intensidade e tra-
[mde jorra a agua, um cubo li\o. um lamento dolas o digno medico, encarregado das
une que o infeliz que nao tirar meros enfermarias,dir i V. S. erasen relatorio.
0 movimento de entradas esabidas de enfermos
durante o auno fui o segrate :
A saber :
Existiam...............................
Entraran)................................
Sahiram curados.........................
Fallecern!..............................
Foram removidos para a casa le sade do
Dr. fiamos.............................
Existiam em :il A dexemhra..............
Dos rosaovidos para a casa de sade alim de se-
ren tratados le varilas, 2 fnrai i aecoramettidns
do mal oosla casa, e i vieram doentes das villas do
e ga'rfo "Cabo 8 Escada.
Oestes removidos fallecen, um.
nem um caneco para
pesada agua!
Enlrelanto o regulamento que rege O
cnenlo, se bem que exoessivamenle parc>, manda
foruecer um vaamura, urna mesa de lamanho
a cabeea,
o corpo,
pouco de
eslaliele-
28
680
638
2o
fi
I!
O escrvo do jury,
Juniiiim Francisco it Paula Estres Clemente, vidamente
----------- | clamaci'ie-.
CASA N DETKNCAO. M
torio do administrador Hr. Huliiio Aiignstii de 'e di
Aliiifila. apresonlado ao llr. rliofe de polica, j Oqneex
tica enuiner.K
dos detentes.
pioponional ao numero de presos cuntidos na
priso. e par; cada um, un tamburele, una barra
cora Iravesse ro, una caneca para beber agua ;
para o almooi una caneca de lolha com colher, e
para O janlar nina marmila COffl cnlhel'
com dantos on pao ou chilre.
i'.oulra semelhaule falla lenlio representado, po- .
rem. os bons desojos de V. S e de seus anlecesso- lomad
res seniilliliciran ante a falla de verba destinada Goocalves, quando presidente de-la provincia, de
mente para as despena com aacqoi- serem Halados fora do esiabelecimenlo os bexi-
guelllos.
o governo da provincia seja Durante lodo o anno passado ; penas 2 liomens
aulorisado para attender a estas re- foi am atacados de semelhante n oleslia, ao nasso
que antes da remo<;o dilles o termo medio de
i de toaos, para os detentos pede-so doentes diariamente recolhidos i enfermara para a I4:9l0dl7)
-saiioparaaboaoonsorvaeo dasa- seren tratados de. varilas era le 6, sendo que o fabrico
preciso as prisoes. quando tomaipoase da adnindtraeaa desta casa
em abromas prisoes, alm do que existiam as enfermarias 21 bmipaentos, e baria
o ou rorn.rido por mim. ou a cusa mais de um anno. que tao morillera pesie eslava
aqu acastellada, fazendo victimas nos presos e
mona man, livrando-os assim das garras de des-
humanos usurarios que Ibes vinham ou inandavam
vender mira fazenda por presos fabulosos.
Esta medida produzia logo saudaveis fruclos em
beneficio dos presos e de suas familias, e al dos
cofres genes e provincial s.
O calcado foi sendo nielhor fabricado, mais ba-
rate, e por consegrante, mais faclmenle vendido ;
o preso laborioso mantendo-se a sua custa, susten-
tando sua familia com o producto de seu traba-
lho ; os Sofre provincaos menos sohrecarregados
de despezas cora a alimentacao d"elles, e os ge-
raes lucrando na compra da calcado para o exor-
dio mais barato e de maior duraco.
At man do anno passado o calcado fabricado
asta casa era todo comprado por aquelles que for-
nocam ao exereto e auferiam grandes lucros.
Estando porm a offlcna de sapateiro habilitada
para eneaarregar-sepor si do fornociinenlo de bom
calcado ao oxereito, manda! fazer propostas nas
mcasioesdearreniatacoesdesemelbantesgeiieos, e
depois de aiguma Iota com os concurrentes conse-
gu sempre de cnlo para r fornocor motado dos
pedidos.
Em setembro, porom, annunciando o consellio
administrativo do arsenal de guerra a compra de
172(1 pares de eothurnos para alguns cornos do
exereto, ordenou a Exm. Sr. presidente la pro-
vincia, vista de urna informaco minha, que o
conselho de.-se preferencia as obras fabricadas nes-
ta casa daiido-se igualdade de preces e condieoes
Km vhrtude destaautorisaeSo, comparec ame o
conselho, t nao barendo quera quizesse fornecor o
calcado pedido por proco igual ao que offered en-
carreguoi-me do fornecimenio dos ditos 1720 pares
de eolhurnos pido preco de 2-3liOl) res, cada um, e
elTectivameule dentro de iO dias foram todos en-
tregues, fabricados segundo o modelo que servio
de base a arreinaiaco.
A economa, e vantagens que d'aqu resaltaran
nao precisan! de demonstraco.
Bastar dizer que o calcado que at cnlo rom-
prava o conselho administrativo a razio de 3530
passou a obte-lo por muilo menos, ebegando o de
exeellenie qaalidde ao pretjo de z60t>.
Tomando por base os prcos cima, sobre o for-
necimente annoal de G:000 pares le sapatos, se
reconbecer que pela concurrencia da casa de do-
tencio economisanm os cofres pblicos na compra
desse calcado a quantia de 5:7005.
Alm dessa economa houve mais a que aleaiifa-
na le do ore: i
sico desles (bjectOS.
E' de aspen
As peqaeiMB nni.-in.is existentes neste eslabeleci- nas pessoas que os visilavam.
teirada.
Outro do mesmo, informando a petirdo, na qual
Miguel Jos Bodrigues Vieira requer para asen-
tar urna machina vapor na ra do Brum n. :ti,
Jo lado do poenle, para o lim de fabricar costo-
ras; declara ser admissivel i preleuco do suppli-
anie. por quanlo a machina tica collocada junto
as fabr.cas de !). W. Bowman, e da industria pe -
nambucana. Oincedeu-s..
A' requeriinento do Sr. Barata de Almeida, man-
dou-se activar aos Aseaos para que fiz.essom que a
li-pnsii o da postura de ti de jomo de 1898, que'
marra o peso qae deve estregar cada carro, eairo-
.i ou vehculo, fosse executada, visto como dolo-
roso ver-se os animaos, qnc conduzem gneros
nesse mesmos vehculos, serem tao maltratados
por seus conductores, quando nao podem puchar
ditos vnhicidis, pelo muilo peso que sobre os mes-
mos depositon.
Disiarharam-se as peticoes de Antonio Fernan-
da! da Co la l.ima, Clandino Pelino Ferreira da
Cruz, Dionisio Ferreira barateante, Francisco de
Barros Correa. Jos Lucio l.ins, Joaquim Smf
los Simios, Jos Azevedo de Andrade, Joaqun
Pinto de Barros, Jos Elias Machado Freir. Josi
Joaquim Arrea, Jos Bilieiro Bibas, Jorge Victoi
Ferreira Lopes, Manoel Jos da Fnnseca, Manoo
de Souta Tavares. Manoel Figncria de Faria
Filho, Silvina Correa do Nascimenlo, e levantoii-si;
a sesso.
Eu Francisco Canuto da Boaviagem, secretario :.
subscrivi.llenrques da Silva, pro presidente,
Reg, Leal Seve, Barata de Almeida, Mello.
Revisa* do Jmry d Keclfe, felti
cita 13 de Janeiro de Ifttt-i.
(Cmtinaa-o.)
Manoel de Caldas Brrelo.
Dr. Manoel de Caldas Brrelo.
Manoel Joaquim Bamos c Silva.
Mauoel Duarto Bodrigues.
Edificio.
O edificio aeha-se em hora estado, lendo sido
feitos lodos os reparos de pie nocessilou durante
o anno passado sem dispendio os cofres, pblicos.
Foi gratuito0 trabalho de asseio o eootervacao
do mesmo.
As siibsiiiuices doencanamenlo das aguas para
limpeza das latrinas do raio do sul, de que fallci
em meu relatorio ultimo apenas leve lugar do
lado do nascente, e nao em todo o raio.
A coberta da casa do conimandanle da guarda
ameaQava desaliar, cm razo dos estragos que nas
madeiras lizera o cupim. Como havia porfo de
madeira velan guardada neste estabelecimenlo,
perteneente repartirte das obras publicas, e po-
abilitadas a fabricar o que for con-
illieios de ferroiro. marcneiro, c tu-
llios a materia prima.
i lornecida pela thesouraria provin-
le algodo azul para duas mudas
llienlo estn I
cemento aos
nileiro: hasla
Em julho fi
ral, fazenda
l.'iO prosfis po nos.
Tenho com oda a parcmoma destribuido roupa
aos mais nece sitados, correndo por canta delle o
feilio.
Parecen-mc mais econmico e til pie os deton-
tos cosessem, ou pagassem a quera cosesse a roupa
do seu uso a initacao do que se pralira eni algu-
mas prisies d i Europa.
Estas 180 nudas nao cliegam para o grande
numero de prsos pobres recolbidos r o correr d
um anno, e p;
Insiste, pot
Se bem que
abuso de se ia
dados, graeas
ordenar o na
ra prova basla dizer que melado
consumida poj- mendigos e ebrios conduzdos a pri-
sto oslado de nudez, e que para sah-
se cijpservarem no eslabeleeimonto com
ciso fornecer-lhes visiuario.
lano, na idea de pedirse ao corpo
legislativo provincial urna quota para sumelbanle
despeza.
nao contine em grande escala o
inctler tmidos para seren aqu guar-
providencia |mr V. S tomada, de
) recebimento Mies, seno era caso
extremo, anda luto com as mosmas diflieuldados,
de que fallci o anno passado por falla de commodos
para osles infelzes.
Do presidio do Fernaudo acaba de ser remedido
para este estabelecmento, um sentenciado, lonco
furioso, sob 0 pretexto de nao haver all commodos
para elle: alm deste existe outro sentenciado
le nome Casemro Mariano Falcao em igual es-
lado.
Disciplina dos detentos.
Usando prudentemente da* metes qae o regula-
mente piie a minha disposigo, tenho conseguido
que a disciplina se mantenha como para desojar
ein um cslabelcriineiito da ordem deste.
roneos foram os presos subnietlidos a castigos
rigorosos, estes foram os sentenciado- Manm-I Pe-
reira da Silva, Antonio Martins de Olivera. incor-
do oncanamenlo das I regves Jos; (alisto de Freilas, Thomaz Bezerra
Cavalcanto, Francisco Jos Baplisla, conheeitlo por
Xico Baronista, o Silvestre F'ranciseo liiurenco lo
Monte.
A conducta dos dentis lem sido regular, mere-
sao em compl
tiendo ser aproveitadas para urna nova coberla da j rera. 00 se ci
Uta casa, mandei substituir a amiga, sera que fosse decencia, ejor
preciso auxilio dos cofres pblicos.
Presentemente o edifii o nocessisla dos seguntes
reparos :
Caia^-o dos muros de circuito pilo lado inte-
rior ;
Betelhamonio da coberla, um pouco arruinada
pelos fortes ventos que reinaram em agosto e se-
tembro ;
Subsltugo de algumas travetas los foros da
.'I* ordem do raio do norte ;
Novos ladrlhos de comento nos pavimentos de
algumas prisoes de 1* e 2" ordem do raio do norle ;
Coberta do reservatoro d'agua para o abastec-
mento do raio cima mencionado, o que se acha
arruinado desde o anno de 18(50.
Este concert tem sido demorado por entender
a directora das obras publicas que o referido de-
posito deve ser demolido e construido pelo ayate-
ma adoptado para o raio do sul, que subterr-
neo, de abobada e nao cima do nivel do terreno
e coberta le madeira ; devendo, porm, semelhan-
te substluico realisar-se quando se concluir o
terceiro raio.
Pintura de todas as grades de ferro das prisfle*;
Substluico das lorneiras
aguas do raio do sul.
As que serwmi desde que este raio funecona,
foram comprada*; na fabrica do gaz, e sao impro-
prias para o servico j que as destiruuam.
rain os cofres provinciaes com adiminuicio da all-
A experiein ia lem mostrado o acert da medida mentacao de grande numero de presos, que ora si-
mada helo Exm. Dr. Antonio Marcelino Nunes mantera cusa do trabalho propro.
A dilTcrcnca para menos nas despezas com ali-
mentacao e curativo dos presos pobres do auno ti-
nanceiro de 1863 a lSli.'l. comparativamente com a
de 18ii0 18(11, foi de I3:8335i0, a qual, juntan-
do-se quantia de i:O34990 de restUoicdes, a
indemnisacoes feilas durante o anno lindo, subir
0.
de calcado na oQcina desla casa, i
contar de junho a dezembro passado, montou a
G:000 pares de sapatos, tos quaes V:(HK) cora des-
tino ao fornecmento do exereto, e o resto para os
menores do arsenal de guerra, e abastecmenio de
lujas parliculares.
Nao incluo neste calculo grande porco de bor-
zeguios para borneas e obras tinas para meninos e
senhoras.
Posso. poitanto, atlinnar qae se pode aqu fabri-
car todo o calcado para uso da porco do exercilo
em servico nesta provincia, e por proco muito
baixo.
As offleinat de ferreiro o caminas, compostas
de pequeo pessaal, e coilocadaa era velbos lolhei-
ros existentes entre os ratee da sul e de leste, era
conslrucco, apenas trabalham para a conservaen
das obras do estabeleciniouio.
l'odiam funecionar de modo dar lucros aos
seus operarios, se por reatan a repartioao das
obras publicas quizesse utilisar-sc de aeni serv1
jes, como j boje se utilisa tos sanriejoa dos pre-
sos alimentados custa da provincia em quebra-
mento de podras para o maedem das estradas.
Alm das oflicinas cima mencionadas, lenho
instituido, como auxiliar da de sapateiro, o traba-
lho de stirramento de sola e couros, e tira pequeo
cortume de paites por meio de substancias ino-
doras.
Exstndo um lelheiro desoecupado dentro do
1 muro de circuito, consent que o sentenciado Ben-
to Alves da Cruz, mostr eantoiro. nelle Irabalhas-
se em preparar pedras para as obras do caes con-
tratadas pelo bario do Livramento.
Cora o curativo tic (i doentes despenderara os co-
fres pblicos imi-ViiHi
Sendo porm tros delles rsera.-os. devera ditos
cofres ser indeninisados da quai lia de 2:185000 :
A saber :
He Antonio escravo de Manoel l.opes da Concei-
co.de Santo Anlu '.li.ilKX.
De Pedro dito de Felippe Jos l ardoso, do Cabo
50*060.
e Bapbael dito de Joo Coim ira, do Itio For-
raoso 94dOOO.
Assim tieaa despeza real redn tida a quantia de
1(125000, em um anno, entretanto que tratados nes-
ta casa a despeza montara a coritos de res por
que o mal leria de reproduzir-se.
Aprontan a opportunidade para pedir, V. S.
providencias alim de qae se nao reniovain de ou-
tras prisoes para esta presos atacados do moles-
lias contagiosas, como aconteccu o anno passado,
com gravo risco de vida de enfermos removidos, o
perigo paraos que aqui se aehav;m recolhidos.
Os quatro boxguentos, viudos 2 do fabo e 2 da
Escada, chegaram nesta capital em estado lasti-
mavel.
Tmliam a erupcao das varilas quasi completa,
eaniinhavam and, mal eobertos, e um delles rao-
lliado das choans, que nosse dia f iram abundantes.
Este infeliz de nomo Manoel Ji a pun do ('armo,
morreu pouco das depois de sua chogada, vio- !
tima tal vez dessa fatal remocho.
Pelo que. diz respeilo ao perfo que correm os
detentos, basta o seguinte facto :
O eholera-morbus em sua ul ma visita capi-
tal ligeiramente locou nesta casa.
Km outubro do anno passade, porm, quando |
ninguem so leinbrava mais de t.o terrivel epide-
mia,' eis que pelas 6 horas da tar le do da 15 sao
apresentados neste oslabelecimeno para serem re-
colhidos enfermara, os presos Bomo Jos de
Santa Anna, e Joo Pereira de Cirvalho viudos da
Este trabalho pago polo dito baro ao mencio-
nado ollcial. ao qual impuz a condico de ensraar
0 ollicio a alguns presos.
O bom resultado dcstes onsaios do Irabalho, ele-
mento mu alisador do hornera, rae animara a insis-
tir pela conclusao da obra do > raio. e construc-
tjo las oflicinas.
Nao sogurei a opinio dos que pensam. que.
com o producto do trabalho dos presos, se pode
occorrer a todas as despozas do cusleio do salaba*
leeimento ; as experiencias feitas nas prisoes mais
bem administradas da Europa leem provado a
Villa do Cabo doentes do eholera-morbus, arabos grande tlifferenca que lia entre o trabalho forjado,
IHll i\i'l".li\ nl.i.l '_... _.. t I 1 .aaa.i lul.aJ> ______'___ _____ _..
era estado lgido.
Becebidos na enfermara fall cera m no da se-
guinte, desenvolvendose o mal entre os detentos.
dos quaes Ii eslveram era perigo de vida, e 10 fo-
ram atacados mais benignamente.
As molestias que atacara os oreaos da respira-
do sao quasi sempre latees nesta casa ; o que nao
deve por eerto causar admracao, se altender-so
e o trabalho livre ; entendo, porm, que o peso
que siipporlam os cofres pblicos, pode e deve ser
alliviatlo pelo trabalho dos presos; e isto o que
est demonstrado cora as olllcinas, embora em pe-
quena escala, qno conta este estabeleeimento, com
os quaes alias os cofres da provincia nao gastaran)
um eeilil.
Anda quando nenhuma economa resullasse
PUBLICARES A PEDIDO.
Parahyba.
Historia do espanrameiilo c os vermclhos da Ierra.
ARTIGO III.
O Sr. Jo Podro Bodrigues da Silva, quando as-
sim proceden, Horneando calculada e parcialmente
os Drs. 1 ilal e Cardoso para peritos nessa histeria
do Sr. Cesar, nao s fez urna grave injustiea ao ca-
rcter honeste e sincero do Sr. Sania Bus"... c.nnu
tamben) injuriou-o porque leve a eoneemou gros-
seria de tlizer-lhe em face, que elle nao servia para
vistoriar o paciente, sem dar razaodisse '. Esse
moco destnete leve d do velho assim prejndcado,
e delicado, como bem bate d-retribuir-ihe o-
insulto limitou-se a |iergunlar-llie, porque, elle no-
podia servir de perito n'esso cxaine. O velho hu-
milhado, o lalvez arrependido, do liaver dado a co-
nhecer assim a sua parcalidade e ceguoira. tiiu-
biou. e nada disse.
E sio borneas (Testa ordem de que os vermc-
lhos da trra se serven) para esposaren! a causada
justiea !
E uur saber o publico o que resultoiida momea-
ban dos peritos proposito escolhdos ?
Bem razo que linha o Sr. Jos Pedro de excluir
desse exame nao s ao Sr. Di. Santa Bosa, tomo
at o mundo medico intoiro que aqui residis.-c, vis-
to como s os dous inimigot acorrimos do coronel
Ernesto e seu corpo de guarnicao deveriam apro-
veiiar quesio-
Ouearn o admiren) :
Depois do combinado e assentado, entre os ver-
melhos que um ollicial do corpo devia ser o autor
lo delicio, procedou-se ento vistoria, e OS digna
peritos Humeados ad loe classilicaram ura nico b-
rmente que havia na cabeea do pacientode [e-
rmenta grave '. dando portante mais de 30 dias para,
seu reslabelocmento.
Era ne esperar esse resultado, embora estivessi-
mo- convencidos do contrario, porque os Drs. San-
ta Bosa. Poggi o todos os mdicos desla cnlade que
ouviram a descripeo imparcial do ferimento. suas
dimensCes e natureza, classificaram-no de feri-
mento leve.
Para que o publico se convenca da verdad?, c
nem Ihe fique rest.in.io a monordesconlianea sobre
a historia imperial, que Ihe vamos referindo, bas-
ta dizer que o propro Sr. eoinmendador Poggi, quo
padrinlio do ex-cadetu ollendido. nao pula lam-
ban) servir de perito na opinio do Sr. Jos Pedro;
porque este recetara, o com razo. que aamisade do
padrineo nao fosse bastante pan agravar ura feri-
mento leve.
K o pie e para admirar que receiava-se at
de mostrar o ferimento d alilhado ao padrinho,
quantli este o visilava !
Que o Sr. Dr. Vital levado por exaltamento de
partido, ou mesmo por odio e vingaoca contra o co-
ronel Ernesto e o Sr. alteros l.eopoldino, assim pro-
eedesM, ri porque n'isso useiro e viseiro ; mas
que o acempanbasse nesse empenho o Sr. Dr. Cal-
doso, mentindo aasim sua cunsciencia, nvoltaa-
te o reiliculo tanto mais por ser uin|horaera relbo e
goiioso. que nao deven servir do instroroento ean-
ira os seus proprios Dompanheiros de clasao, alada
mesmo leudo o coronel Ernesto representado con-
tra suas faltas continua las ao poder Competente,
pois co no ollicial disciplinador foi isso abrigado.
Mas lamben! nao admira o protviliiiifiito do Sr.
Dr. Cardoso, pnnpie segu a regia de obedecer ce-
gmente quem manda, nina vez que Ihe pareen
vir ahiilto.
Anda osla na memoria de lodos o procedmenlo
desses deas medios na qoestio-dn resntcsitad/t
Mara liiilnlina. quando leriananiente o sera o me-
nor escrpulo tomaram rana ligeira indgesto por
envenenamenlo 1
Sim, foram ellos, os Srs. Drs. Vital e Cardoso,
pie levarara a sua parcialidade nessa questo a
ponto de esqueeerem os sagrados deveras de sua
proflsso, cajo sacerdocio Ibes impunba toda roen-
do o justiea. E assim como olvidaran) a voz da
coiisciencia, lainbem calcaran) aos ps os princi-
pios da sciencia inedico-legal, cu jos precoilos des-
presarara no exame que procedern), por convue
to chele de polica de entio.
Queesses pe i tes iioprimoiro momento que obser-
varan) Mana l'mbelina inlijestada se tivesseui en-
gallado por se acharen) irapressionados pelo fado
maravi lioso que enlretove |wr alguns mezes a cu-
rosidade publica, admillimos, mas que tleclaras-
seiu no dia seguinte, haver sido envenenada, oquis
deve causar aos seus collegas pasmo e admracao,
lano uns saliendo o publico desla eidade que elles
nao piocurara, como Ihes compela, recolher e
guardar os diversos producios dos vmitos, das de-
jecces, das substancias alimentares c de todas as
materias sobre as quaes mais tarde deveriam pro-
ceder uravestigaede* toxicologcas, alim de verifi-
carse havia oo nao envenenamenlo.
Nao precisa serse medico parasaber-se quesera
estas camellas e sem este exame nu podem os pe-
ritos declararse houve ou nao envenenamenlo ; pois
|ualqu;r autor de medicina legal exige sem discre-
pancia essas camellas e esse exame, sm<> qua non.
No ntralo foi tal o despinto e leviandade dosSis.
Drs. Vital i: Cardoso, que elles declararan) sea o
menor reluico, que ludia bavido envenenamenlo, e
esse veneno era acido arcetuoso I
No da seguinte, porm, Maria Embolina raatabe-
leceu se. Isto foi verdade, passou-se entre nos an-
da ni ha muilo ; mas seroferirem esse facto fora
d'aqui ninguem acredita, ou se acreditarem, diro
tambera que os peritos nao eram mdicos.
As yiestcs dessa ordem sao sempre tao graves-,
e de lana importancia para a sociedade, quanlo




alarlo de Prrnanibnco tnint.i felra 1 f de Peverciro de 1H*4.
.'...-..i lifhv.is ptr> m medien que sao i ;
cumbi.lo- Ir i:>luil.i-las a bem da jushea publica. E
n<> en Mo i Mea pililos Dio presando a reputa1: i >,
e mal o lueiu a grande raspoostbUWada que s>
|,i el le p'-ava, vis!.i corao iam decidir da inin-
eeaeia ou culpabilidade de ama ou muilas pessoas
indicia l.i- em um crinic lio odiso grave, assi n
decidirn) ta catbedni. coa o fariam iK.inens
kjanraatos, e que nao linliam consciencia do qitt
pralicavam.
Pni> bem, esses peritos que assim se portaram
eni una qoeattVi lid grate, da (pial tratamos
por incidente equi, sao --es mesaos qne u
aprest nt.im de im visloriando o Sr. Cesar Idho.
sup|iO'iiln gravar a situaejio dos seus ini-
migos, indiciados na pralira do delicio, como o
tu rain hontom impressionados smente pelo m; -
ravilh isa.
Ora, se ento elles se deixaram levar pea
phantasia de suas imaginaeSes apenas, sem m
iniportarem com a marcha indelevel que iam lan-
zar no seio de umitas familias e pessoas cmpli-
ces, quanto mais hoje, que elles tem por iim lo-
rir di i-ctaint nle ao corno de guaruicao e seu com-
mandante?!
Uue f merece o juio apaixonado desses pt-
rlt,,s" i
E o que peder conseguir o Sr. delegado supplen-
le Jen Pedro assim eneaminhando os processes
que lein forjado, cahindo a cada momento em gra-
serias ridicula, ignorancia, inepcia, e nullidades
insa roeris?
Nos proseguiremos, aflm de ver seos corngimos
cm quanlo lempo, pois o lempo de contrircao
vai-se acabando. ,
(Do Publicador.)
Salsa de BrisU'.
A salsaparrilha de Bnslol. Poucos remedios
lia qu-* tenliam produzido tantos beneficios no mun-
do como este. E a uuica preparacao que ataca
invariavelinenle no sangue a ongem das cntorm,-
dades ulcerosas e eruptiveis extinguindo ao mesn o
jenipo a causa eo elTeito
Podemos, pois, conlladamente amanear que con
sua purilU-adnra influencia, a corrupcao se trans-
forma em IncorroptiMlidade. As chagas eserophii-
lesaa a todas as molestias exlernas glandulares e
MI m coinmuns aos paiaea trpicos ceden
uromptameiile sua poderosa agencia. Seus efft i-
los curativos as affeccoes do flgado e no rneum-
tismo nao sao menos sorprendentes.
Acha-se a venda as boticas de Caors & Barbosa
e J. da C. Bravo & C
COMMERCIO.
Alfandega
Reudi monto do dia 1 a 9 ........
dem do dia lt>.................
275:5I0&I.*2
24:112*31
209:628*517
Hollnenlo da alfandega
Voluu es en'rados com lateadas...
com geuiros...
Volumes saludos com azendas... 231
< com gneros... 207
------ 4!t8
nescuicgam nodia II de fevereiro.
Calera franee/.al lilecar vio.
Urigus fraoceaEmitedem.
Barca brasilcira/frrawiua diversos gneros.
Galera portugueza-Afoni Famaidem.
Briguj hrasikiro.tic/"i -diversos gneros.
Kxporlaeo.
Escuna ii Bien Margare!, carregou para o Canal
2,300 saceos oiu 13,000 arrobas de assucar mas-
cavado.
Patacho inglet S. Georgt, carregou para Clyde
00 saceos i: mi 3.000 arrobas de assucar blanco
1,100 ditos com 14,600 ditas de dito mascavado e
10 ditos co.n 53 arroba i e 24 libras dealgodao.
Brigue poriuguex S. Manuel I, carregou para o
Porto 82 barricas e 2.015 saceos com 10,160 arr >-
tai c M libra- de muev branco. 200 saceos com
1,000 arrolus de dilo mascavado.
Ilniuez porlugiie?. Activo, carregou para Lisboa
por S. Migu.il, 1,130 saceos o 321 barricas com
9,8M arrobas e 'i libras de assucar branco. 550 ?r-
rbas e -Mu barrii-as com 6,W2 arrobas e 1 libra
dedito mascavado e 12 cascos rom 1,846 medidas
de agurdenle
Heceoedorla de rendas Internas
gerae de Pernambueo.
Uendi ment di dia I a '.I ........ 9:00356 i I
dem do di i 10................. 584o78
9:5885199
Consulado provincial.
Reniimento do dia 1 a 9 ......... 34:00750
dem lo dia 10................. 2:9075187
36:914*171
MOYIlttENTQ DO PORTO.
A irius eatrao nodia 10.
II'li ila Ha leira29 di;.-, brijiue inglM VPMttr,
de JK toneladas, caiMlio Newloo, equipagom
II. cm LlO : a ordem.
Terrii Nova ni das, brgue ingla Grecia*, le
lid lone adas. (apila- l'lielep Scstcr. eipiipagl m
8..i.(!L'a. 2.li barricas com baealUQa Saua-
dan Brother i\ C.
Sil, ios takiditt no Mfsmo dia.
CaiaEscuna ingteza Maraarei, capilao J. Me.
Eeil. carga nssucw.
Li-Im,i -Barca portugueza Corsa, capito Rodrijo
JoK|Um Carneiro, earga assucar.
Li.-boaBrigue porluguez Activo. capHio Augm-lo
Venceslao dos Santos, carga a-sucar e agur-
denle.
Obsenarao.
Sospend 'ii ilo lamara i para a I'arahiba o pa a-
rb nglM l'ndine, capilao Jan..- Huflrmao, c(in
;i ine-ma KU'ga <|tie liouxe de Tena Nova.
EDITAES.
De erdem do Illm. Sr. inspector interino dos-
*a alf tndega, l)r. Luiz da Carvalho Pitea de And a-
de, se fa/. publico a quooi inleressar possa, que Ja
dala lale i -I0 dias romeean a ler execueao as
di-jiu-ic/'- os artigo* I 22 do decreto n. 3217
ile !l dedezeiebro de IHil, relativas aos iBlrepos-
ios, trapiel rs,' armazens alfandegadoc, oqual W
publico no Diario de Ptntawtbueo n. I i de 19 de
janciro prximo passado.
( leccj da alaidega de Pernambueo 5 de fe-
rereirode IrtG'i-O 2 escripturario,
Gaelano Gomes de S.
DECLARARES.
?*.mil;i Casa da Misericordia lio
Rccife.
A Illm." junta administrativa da Santa Casa da
Mi-cricordia doBeeifa manda fazer publico, que
ni da II do correine pelas i horas da laide
ni sala de sua- sess& tem de ir praea as n n-
ila- das casas abaixs declaradas, perlencentes ao
I... 11- nonio de orpliaos por lempo de um lies
inno*, a contar do 1* de julho prximo futuro i m
liante.
Os prelendentes derem comparecer aeompanlia-
<1os de seu> fiadores o, manidos de cartas desl;s.
Praca de Pedro II.
N. I particular e 33 publico, segundo
miar f......... 48350)0
K I dilu e 33 dilo, sala...... 2205030
Kua do (jueimado.
\. I ditoe :;-> dilo. luja. .. .. 3325C0O
Ba do lm|ierador.
S. i dilo e 81 dito, dnu- andares- .. 1:202:000
Largo do Paraizo
N. i dito e 29 dito, duus andares .. 902-5000
lina das Larangeiras.
N. 5 dilo e 17 dito, casa terrea .. 2055 XW
Ra Velha.
N -i dito e 32 dito, casa terrea.. .. 2013300
BuadeS. Goncalo.
K II dilo o 22 dilo. casa torrea .. 1835900
RJM do Pires.
V 13 dito a 38 dito, casa terrea .. 1O45O00
Beeeo das Bolas.
N. 30 dito e 16 dito, dous andares. .. 4035< 00
Una da Capa.
N. 40 dilo e 11 dilo, casa terrea.. .. 1605000
Ra da Moeda.
N. 44 dito e 21 dilo. casa lerrca.. .. 2515000
Ba da Cacimba.
N. 66 dito e 12 dito, casa torrea.. .. 1235000
N. (7 dilo c 10 dito, casa terrea.. .. 825000
Ra do Vigario.
N. 72 dilo e 27 dito, dous andares .. 6035000
lina da Sen/ala Velha.
N. 78 dilo e 136 dilo. dous andares.. 651*000
N. 80 dito e 132 dilo, dous andares 410*000
X. 81 dilo 18 dito, casa terrea.. .. 192*000
x. 82 dito e 16 dito, casa torrea.. .. 201*000
Roa da Guia.
X. M dilo e 29 dilo, casa terrea.. ... 125*000
Ra do Pilar.
X. 91 dito e 105 dito, casa terrea.. .. 163*000
X. 92dilo e 104 dito, casa terrea.. .. 16:15000
X. 93 dito e 101 dito, casa terrea.. .. I7:t50(>0
N. 94 dilo e 99 dito, casa terrea.. .. 254*000
N. 95 dilo e 89 dilo. casa torrea .. 237*000
X. 97 dito e 10 dilo, casa torrea. .. 162*000
N. 99 dilo e 106 dilo. casa terrea .. 168*000
N. 100 dilo e 104 dilo, casa terrea. .. 16:1*000
N. 102 dilo o 100 dilo. rasa terrea. .. 163*200
N. 103 dilu e 98 dilo. casa terrea .. 182*000
A. 104 dilo c 96 dilo. casa terrea.. .. 173*200
.X. 105 dilo e 94 dilo. casa terrea.. .. 173*000
Rosarinho.
N. 3 particular, casa e sitio..... 322*90
Mirueira.
X. 4 dilo, sitio ...... 213*000
Secretaria da Sania Casa da Misericordia do Re-
cito, 6 de fevereiro de 1864.
O escrivo,
F. A. Cavalcanti Cousseiro.
Arsenal de guerra.
De ordem do Sr. director dcsie arsenal nmtra-
ta-se na forma do aviso circular do ministerio da
guerra de 17 de mareo de 1860 a manufactura do
fardamento abano declarado.
Para o cor|H> de guurnicio desta provincia.
Sobrecasacas de panno azul............ HO
Calca- de panno azul.................. HO
Panetas le brim..................... i 17
Caigas de brim....................... 363
Camisas de algodaozinho............... 365
Divisas.............................. 36
i >s similores ajoe (|uii:erem arrematar, apresen-
tcni suas proposlas no dia 16 do corrento, com as
competentes cartas do lianca legalisadas, em cujas j
cartas devoran os fiadores declarar (pie se respon-
sabilisain. mili so pela materia prima em caso de
extravio, como |K>r qualquer falta comiiiellida pelo
arrematante.
Alin das formalidades exigidas, devem os pro-,
ponentes, e gen ladofBI declararem nas mesmas
cartas suas residencias.
Arsenal de guerra d Pernaudiuco, 9 do feve- i
reiro de 1864.
Manoel Jas tf Azevedo Sanios.
SermiiiIii de amanuense.
Arsenal de guerra.
l>e arden do Sr. director desle arsenal conlra-
la-se na forma do aviso circular do ministerio da
guerra de 17 de mareo de 1860, a manufactura do
artigo de equipameni abaixo declarado.
Mochilas de brim da Itussia........... 250
Os similores que quizerem arrematar, apresen-
li.'in suas proposlas no dia 13 do correnle, com
as competentes cartas de lianca legaUsadas, em
Cujas carias d-verao os fiadores declarar que te
respoosabibsam nem s pela materia prima en
c i-o de extravio, cuino por (nalquer f.dta coininet-
tida pelo arremalanle.
Alta) da- forinalidadi's exigidas, devem os pro
|h>nenii's o -iii- Badores declararem nas mesmas
cartas suas residencias.
Arsenal de guerra de Pernambueo. 9 de feve-
reiro de 1864.
Manuel Jos d'Azevedo Santos.
Servindo de amanuense.
Arsenal de guerra.
De ordem do Si", director So arsenal de guerra
desta provincia, convido aos propietario-, coong-
ualarios, e commandantes de navios que quizerem
conduzir os artigos abaixo declarados, eompa-
recerem na directora desle arsenal das 10 horas
da manhaa as 3 da larde para iralarem o respec-
tivo (rete.
A saber:
Para 0 Ceara.
30 arroba- de plvora gTOSM (em 15 barris.i
.'in.iMMi eartOXM desembalados do alarme 17 i em
3 eaixoes.)
4,000 pederneiras (en I eaixao.i
Para o Piauln.
W arrutas de plvora tina (em 26 b.irris peipie-
llOS.)
Para o Maranba.i.
3 cuahetes Manado 3,ooo cartuxos embalados
para espingardas raladas de 14."' o 8.
1 cofre cociendo 66.000 capsulas fulminante.-.
Arsenal de guerra de Pernambueo, 9 de feve-
reiro de 1864.
Manad Jos !'Azeveilo Santos.
Servindo de ainauuen-e.
Sabbado 13 do corrate, peraate o nim. Sr.
juiz de paz do Io districto da freguezia da Boa-Vis-
ta se ha de arrematar um cavallo penhorado a Se-
basiio da Luz, por eieeocao que Ihe movt Maxi-
minio Marlins da Silva Bofges, para oque faz pu-
blico por ser a ultima praca.
Consulado provincial.
Pela mesa do consulado provincial se faz publi-
co que o< 30 dias uleis marcados para a arracada-
i-jii a bocea do cofre dos impostos de 4 0|0 sobre
U casas de commercio fra da cidado, prtasu de
algodo, txpographias. coebeiras. cavallanccs, Ro-
lis, botequins. casas de pasto e fabricas, da 8 O|0
sobre i-onsullorios mdicos e clrnigicos. escripto-
rios c eartorios, de 12 0|0 sobre casas de coininer-
DtO Bfl grosso o a retamo, armazens de reeollier.
de depsitos o trapiches, de 50* sobre casas de
buhar, modas, chapeos e roupa feila estrangeira,
e de eommisso de eaeravw, de 3005 sobre con-
panbia- anonv na- e ayencias.de 200*8Obre rasas
de cambio, d 100* sobre correctores cuminerciaes I
e agentes de leilao, de 500 rs. por toncllada de al-
rareagas e canoas aberias,dd 305 por eseravo em-
pregado no ser vico das mesmas, de 10 0|0 sobre o
planto docapim, e o de carro-, cariocas e mni-
bus perlencentes ao auno linanceiro vigente de
1863 a 1864 lindam-se no dia 19 do crlente, 11-
cando Mijeitus a multa de :t o;o sobre seus dbitos
o- que pagaren depois daquelle dia.
Mesa do consulado provincial de Pernambueo 9
de fevereiro de 1864.-- > administrador,
Antonio Carneiro Machado Bios.
Consulado provincial.
Pela mesa do consulado provincial se faz publi-
co que os 30 dias uleis marrados para a cobranra
bocea do cofre do semestre do atino linancei-
ro correnle do imposto de200|0 do consumo de
aguarde ate das (regutfUs desta eidade, dos Abo-
gados, S. 1-ouren^'o da Malta. Santo Amaro de Ja-
boatao, Vanea e Muribeca, llndam-se no dia 19 do
andante mes, cando sujeilos respectiva multa os
que pagarem depois des-e da.
Mesa do consulado provincial de Pernambueo 9
de levcieiry de 18ti'i Oadministrador,
Antonio Carneiro Machado Bios.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo para fornecimenlo do
arsenal de guerra lea de comprar os objectos se-
guintes :
Para o presidio de Fernando.
Farinha de mandioca por medida legal, 800 al-
queires.
Para a eompanliia de cavaliaria.
Ca-eiiiira encarnada 7 l|2 eovado-,
Quem qui/.er vender laes objectos apreseniem as
suas propostas em carta fechada na secretaria do
conselho as 10 horas da mauliaa do dia 15 do cor-
renle mox.
Sala das commissies do conseibo administrativo
ra furnc-imenlo do arsenal de guerra 8 de feve-
reiro de 1864.
Antonio Vaho de Sn Barrete,
Coronel presidente.
Sebastian Antonio to Heno tarros,
Vogal secretario.
(aiiiseii) adniiiiistralif.
O conselho administrativo, para fornecimenlo do
arsenal de guerra, lem de comprar os objectos se-
guintes :
Para o stimo bataibao de infamara.
Panel almai;o, resmas 6 ; pennas de ac. caixas
6; (lilas de ave, 200; caivetes 2; linla prcta,
garrafas 6 ; lapis de pao. duzias 6 ; area para es-
cripia, libras 6 ; colleerao de cartas para prinri-
piantes, 36; laboadaa, 36; grammaticas portugue-
sa de Mi ateverde, 12; compendio do arithmetica
por Avila. 12 ; traslados. 36 ; lapis de pedra, 18 ;
caixinhas de instmncnlos tiara desenlio linear, 4 ;
compendio de metrologa. 10; doutriua chrisma. 10.
Para o nono batalhiu de infantaria.
Itonets, 50 ; mantas de la, 5i>: brim branco,
varas 450 ; algodaozinho, varas SIS.
Quem quizer vender laes oUeelM api esenlem as
suas propostas om carta fechada na secretaria do
conselho, as 10 horas da manhaa no dia 12 do cor-
renle mez.
Sala das sessoes do conselho administrativo para
fornecnnento do arsenal de guerra de fevereiro
de 1864.
Antonio Pedro de S Barrito,
Coronel, presidenle.
Jos Antonio Pinto.
Tsenle-coronel, vogal.
Directora das tbrts milita os.
Tendo a directora das obras militares de man
dar construir um grande cano de seglo, que (leve
principiar no quartel da Solada do, e ultimar na
praia do Hospicio : assim como de mandar cons-
truir latrinas no dito quartel, e no do 9" balalhao,
e fazer em cada um desles quarleis um reservato-
rio d'agua : convida as pessoas que se quizerem
propr a fazer estas obras, apresenlarem suas
proposlas na mencionada directora nos dias 9, 10,
e l do correnle mez, onde poderao ohier as ex-
phcaees de que necessitarein rotativamente as
mencionadas obras.
Directora das obras militares de Pernambueo 6
de fevereiro de 1864. Luiz Francisco de Paula
de Albuquerque Maranhao, amanuense.
l\ira Lisboa
pretende sabir imprelerivelinente a 15 do corren-
le o brigue porluguez Soberano por ter quasi todo
o seiicarregameiiio prompto, apenas pode racener
a frote cerca de :|I)0 sucos con assucar e passa-
geiros : irala-se rom o consignatario T. de Aquino
ronseea Jnior, ra do Vigano n. 23, primeiro
andar.
' ara o /lio de Janeiro
pretende segoir^om muita brevidade o palhahote
nacional PtUte, tem parte do seu carregamento
a bordo : para o resto que loe falla e escravos a
I: ete. para os paos ton cxccllenles cominodos, tra-
ta-e con os -cus ceiisignatarios Anlonig Luiz de
GNivcira Azevedo ^ C, no seu escriplorio ra da
Cruz ii. 1.
LEILOES.
IEILtAO
di:
PREDIOS,
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado dos portee do norte
al odia 16 do correte o vapor
Apa, coimnandante o primeiro
lenle Alcaufurado, o qual de-
pois da demora do coslume se-
guir para os portes do sul,
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada: encom-
mendas e diuheiro a frete at o dia da sabida s 3
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriplorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo A C.
COMPANHIA PERNAMBUGANA
DK
\avegavo rosteira a vapor.
Parahjba, Natal. Mace, .Iracal.v, Ccara,
f Arararu'.
No dia 12 s 5 horas da larde
segu um vapor da rompanhia
para os portos cima indicados.
Keccber carga at e dia 11. En-
comiendas, passageiros e dinhei-
ro a frele abJo dia da sabida s 2 horas da lar-
de : escriplorio no Porte do Mallos n. I.
eOMPilHIi
iio.ii:.
Por ordem da calza filial e \ or conta e risco
de quem perlencer ir.o leilao os seguinles pre-
dios outr'ora nerteaeentea Sebisiio Jos da Sil-
va, a ser duas lerdas partes do ^itio, terreno e ca-
sa do sobrado u. 42 na ra do Uemlica junto ao
Sr. Barroca.
O predio da fabrica e terreno de marinha nos
A togados ao p da fabrica de abao que foi do
! Dellino.
i >s Srs. pretendemos devem examinar com an-
tecedencia e para qualquer informaco o agente
Pestaa est prompto. pois que tem em seu poder
os competentes documentos, o leilao lera lugar
quiutt-ieira 11 do correnle pelas 12 horas da ma-
nhaa na porta da associacao commerrial.
DK
Nevis t 'oHtrvs minios irliiio.
MI
O agente Olimpio em seu armazcm ra do
Imperador n. 16, far leilao de movis e oulros
arllgoi que se torntil enfadonho mencionar.
Idilio
m%m*
DAS
MESSAGERIES IMPERIALES
do correnle es-
liera-se da Euro-
pa o vapor fran-
Bmra, coimnan-
dante Aubrv de
la No, o qual
depois da demora
do eoslumo se-
guir para o Kio de Janeiro locando na Haba.
para passagcns etc., trata-se na agencia ra do
Trapiche n. 9.______________________________
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do sul esperado
at o dia 14 do correnle o vapor
Prineeza de ioimilie, coinuian-
daiite o primeiro lenla Araujo,
"r2525B\SP 0 qual depois da den.ora do Cos-
ame, seguir para os portos do norte.
Desde j receliem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encomnien-
das e dinheiro a frete at o dia da taida M 2 ho-
ras : agencia, rua da Cruz n. 1, eseriptoro de An-
tonio l.uizde Oliveira Azevedo & C._____
co.MPAMiiA im:hnambu<;\na
DE
\avt'av<> cosicira a vapor.
I Iba de remando.
O vapor Mamaiiijnafie.coimnan-
dante Moura,segu no dia lodo
correnle as 11 horas da manhaa.
Recebe carga ate o dia 13. En-
eomtnendas, passageiros edinhei-
10 horas do dia da sabida : escrip-
torio no Porte do Mallos n. I._________________
GOMPANHA PEflNAMBUC \NA
DK
!avegaro cosicira a vapor.
Parahjba, Natal, llaco. Aracah, Cear r Acarani.
O rapor Jaguaribe, comman-
danle Lobato, seguir no dia 12
do rorrete s .' horas da tarde,
para os portos cima indicado-.
Recebo carga d.-de j al odia 11.
Bnromnendas. passageiros e dinheiro a frete ate
odia da sabida s 3 horas da tarde : escriplorio
no Porte do Halles n. 1.
Cear.
.Vestes qnntroilias MfOe 0 palliabote Garibtltli
a tratar com Tasso Irmos.___________________
PARA 0 RIO DE JANEIRO
sahe imprelervelnieiite no dia 20 do andante o
veleiro patacho Corroa, por ter a bordo a majar
parle de sen carregamento: para o resto que Ihe
falla e escravos a frete, tratas.' com os consigna-
tarios Palmelra & Delirio, largo do Carpo Santo
n 4, primeiro andar. Adverte-se que recebe g-
neros estraiigeiros.
Frela-se para o Rio da Piala o palliabote
portuguez Serrq /. de lote do 120 toneladas ou
10,000 caixas : irala-se com os seus consignatarios
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu
escriplorio na da Cruz n. I.__________________
KIOIIE JAVEIKO
O brigne Bettzaru w*gue com muita brevidade
tortor mcio carregamento tratado i pira o reato
e escravos a frete. trata se com os eonsifroaiarios
Marques, llanos ,\ ('.., largo do Corpo Santo u. ti.
Wc\ia-fcira li do correntc s II
horas la manhaa.
O agente Simoes far leilao a requ.-cimento dos
administradores da massa fallida de Manoel Jos
I de Paria e mandado do Illm. Sr. Dr. juiz especial
Ido commercio, de 13 ttulos de dividas, na im-
portancia de o: 78450o" rs. perlencente a referida
I massa, os quaes podem ser examinadas no cscrip-
Al o dia 14 lorio do mesmo asente rua da Cadeia n. 2S,
aonde ser efleduado o leilao.
L2
~-
.^.^
DK
Uniii lojii de ferragens.
O agente Pestaa far leilao da loja de ferragens
da rua da Cadeia do llecifen. b4, com o fundo de
16:000,5, vende em um s loto ou em pequeos
lotes a vontade dos comprador -s, os preteadentes
podem examinar o balanco em mo do mesiiio
agente, o lelSj lera lugar ao dia 8 de fevereiro
' prximo futuro.
Em consecuencia de ser ene o dia improprio
'] por ser dia de eiilrudo hca transferido o leilao pa-
ra o dia 12 do correnle o *)ua' principiara as 10
horas em ponto.__________________________
LEILAO
M
l'iua varea com cria.
Salibadn \'. do corrate ao meio dia.
O agente Olimpio na porta |-l > seu armazem
| rua do Imperador n. 16, vende a em leilao una
meca bastante gorda com cria de um mez.
LEiLU)
di:
Fazendas e miudezas.
TciTH-l'cirii 16 itctrmte.
IO horas cm ponto.
Cals Irmos quemado liquidar, farao leilao por
, inlervencao do agento Pinto, du todas as fazendas
I r miudezas existentes em seu armazem rua da
Cruz n. 51, onde se elfeetuara o leilao nodia e ho-
la cima mencionada.
Para Lisboa.
0 brigue portuguez IW/x Fiaiiet-
rente, capitn Jos Perreira l.essa,
val sabir com muita brevidade por
:ler a maior parle do carregamento
prompto. para carga e passageiros
para os qu.ies tem excedentes eoinmodos trala-sc
com o consignatario E. K. Habello, rua da Cadeia
n. 55-_____________________________________
l'ara o Miude Jaueim.
Sahir com brevidade o brigue nacional Miner-
va, recebe carga e escravos a frete : trata-se com
Manoel Ignacio de Oliveira & Pilbo, largo doCor|o
Sanio n. 19.________________________________
Para o IKio le Ianciro
Al o dia 8 do correnle pretende seguir o pata-
cho Oipiimi, tem a burdo parlo' do sen earrega-
inento : para o resto que Ihe falta e escravos a
frele, para os quaes tem excellenles eoinmodos,
Irata-se com os seus consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo iV C, no seu escriplorio rua
da Cruz n. 1._______________
I PAR4 0 PORTO
pretende seguir com muita brevidade o brigue na-
cional Amelia, tem parle de seu carregamento
prompto : para o resto que Ihe falla e passageiros.
para os quaes lem excellenles c immod.s, trata se
:com os seus consignatarios Antonio I,uiz de oli-
veira Azevedo A; C, no seu escriplorio rua d Cruz
; numero I.
LISBOA Si PORTO
A galera portngneaa Nova Finita segu rom bre-
vidade, recebe carga para aiabOf os portos : tra-
ta-se com os consignatarios Barqucs-, llano- & c,
largo do Corno Sanio o v.
' AVISOS DIVERSOS.
Associacao Irpograpliica
Pernaiiibiicana.
I).'ordem da presidencia, doiiiniifl 14 do cor-
rente, s 10 horas da manba r no bigardo costu-
nie. b.iver sessao extraordinaria da assembla
goral.
Os Srs. membrns do eonsclbo lamhcm sao con-
- para reunirem-se em sessao extraordina-
ria as 11 lima- do dia.
Secretaria daAssoeiacio Typograptiiea Pernam-
bucana, B de leveroiro de 1*64
Cartel Diat, I" ncreiario interino.
0 cirurgio Leal niuou
a sua residencia da rua do
Queimado pajji a rua das
Cruzes sobrado n." 36, pri-
meiro andar, por cima do
armazem Progressista, aon-
de o acharao como sempre
prompto a qualquer hora pa-
ra o exercicio de sua pro-
fisslo, chamado por escripia.
~ Aluga-se a casa torrea n. 10 da rua do Ara-
go, proaria para taberna ou para qualquer nutro
estabeleeimenlo : a tratar com o capilao Teixeira,
no quartel de polica, ou na botica n. 6 da praca
da Boa-Vista, que ahi se encontrar a chave para
ver a referida casa.
:- wm m )*om *Mn:m
O lar. Vnionio. de Vas- .;.
.;. i-oncellos Mcnczes I c raj
'' l*,',,,n,,,0,IM' contina no -""
ri cxcrciclo da advocada, J
,"*V na do Imperador n. 43, &
)K primeiro andar, iodos os
;^ diai litis, dasoazc horas -;.
. da manhaa s <|iiniro lio- -,-
>^ ras da iarde. 12ni ouira :
Q (|iialquer occaslwo. e para 9
* casos ursentes oder ser 8
procurado em sen doinl- )s*.
W cilio ciiad'Anroran. 9. 4,
lljlfri* + -:-
0 lia c liare I laxiniano I,0|ps la*
cliitilnalhoja 110 seu esniplorio da na
ltlttfPNaP h. 7i, irimetri amlar,
onde nne >er in-oeurad das s 3 lio-1
rs da tarde para o que lar concernen-i
leao c\ereie'o de sh ^rotissa. j
Na rua da Crux 11. 1(4, p. ecisa-se fallar wm ,
oSr. Sebaslio Antonio dv Alluquerque (eala-
dante.i
Preparatorios eoniple-
nentiires
i'int 1'oiiimfiTal.
O barharel A. II. de Torres llandcira.
profi'ssor de geograpl.ia e historia no
(iwnnasio desta provincia, propoe-se a
i tainar as linguas franceta e ingleza,
preparatorio* complementares para o
Curso Coinmercial; eofferece o seu pres-
limn especialmente aquellos que se quei-
ram habilitar nesaes preparatorio, com o
intento de matricularse no sohredilo
curso.
As aulas comefaro do 1 de fevereiro
em dianle, na casa da residencia do an-
riur.ciaiile, rua entreita do Rosario n. 31,
lerceiro andar.
AImiih de Pernambueo.
Os Srs. asignantes do lbum de Pernambueo,
que ainda nao receberain os ltimos nmeros, te-
nhan a bondade de os mandar buscar na lilho-
grapliia de F. II. Carla, rua da Cadeia do Kecito
n IB primeiro andar.
ajaana
Corre lioje.
Ouinta-feira 1 i do Cirenle mez, se ex-
trahir, a ultima parte da terceira e pri-
meira da quarta lotera do Gymuasio, no
consistorio da igreja de Nossa Senhora do
Rosario da freguezia de Santo Antonio.
Os bilhetes e meios aeliam-se venda na
respectiva thesoiuaiia rua do Crespo n. 15
e nas casas coiniinssiDii.nlas rua da Impera-
triz n. 44, hoja do Sr. Fimentel; rua ireita
n. 3, botica do Sr. Chagas; rua estreita do
Rosario n. l, typogrophn do Sr. Mira erua
da Cadeia n. 45, toja do Sr. Porto.
Os premios de 5:0000000 ate i 00000
sero pagos urna hora depois da extracco
al s 4 horas da tarde, e os outros no dia
seguinte depois da distribuirn das listas.
0 thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
AOS 5:000,000
CAS* DA FOKTliNA
Bllheies aran t i (Ion
A' roa da Crespo n. 2'i t casas da cosame
11 mi:
Quinta-eira, II do correnle, se cxlrahir a
ultima parte da terceira e primeira da quarta lo-
tera do Gvmnasio.
O abaixo assignado, recommendando ao respei- elUCina O almanak IIMl, PCr,l('Sia>llC,
lavcl publico a compra dos seus mu feli7.es bilhe-
Uan de. sahir dos prrlos de Bft'sa
toiiiineiii I, fabril <> larirola, conlea-
tes garantidos, lembra-lhe a vantagem iue ha em -------------a7- .,-_-- .
receber os premios por intoiro, iior ipianio quem!uw l|'' s ciiiuref,nno>, rn-i iiiio> r
tirar a sorte de ."iiOOOJi em l.ilhele garantido nao 1 negociantes, inclusive US inoililfaroi's
receber soniente 4:200, em virlude dosdescon- i^.-i .. .. J..., nt...
tos de 16 T.que Ihe farao em vista das leis, mas haVldaS ate M de dcZCUlbro Oltllif;
sim os 5:000$ que vem a ser os ditos 4:2004 e
mais 8005 que pagar o abaixo assignado, impor-
tancia de ditos descont?, aconlecendo o mesmo
com as outras sortes. Os premios seo pagos co-
mo de coslume.
Precoa.
Bilhetes inteiros ..... 64000
Meios bilhetes...... *t)oo
Para as pessoas que comprarem
de 1004 para cima.
Bilhetes........ MMt
Meios......... 24750
Manoel Ktartint Fiuza.
*ende-sea i $000 11 ni ni 111 en le un li-
vraria 11 ( e H d praca da lndepen-
deRi'ia.
Joao 1'.aciano de Abren, Maria Paula de
Abreu, e 1'mbelina Al ves Correa de Abreu,
agradecem cordialmente as pessoas que se
dignaram assistir aos ltimos sulTragios de
seu mui presado pai e sngro Jos Joaquim
de Abreu, e de novo ronvidam a assistir
urna missaque lera lugar no dia sexla-feira
12 do correnle pelas 6 horas da manhaa na
igreja da ordem lerceira de S. Francisco, e
ahi se resar um memento, pelo que eterna
mente gratos Ibes Piraran._____________
0 haeharel Tliom Fernaiides Madeira de
castro mudou o seo ecerintario de advogacia da
ma do Imperador n. 71 para a niesina rua n. 77,
primeiro andar : e contina advogar no adminis-
trativo, commercio, civel, rrime e ecelesiasiieo.
Criadtt
Prerisa-sc de um criado, preferndo-se portu-
guez, para casa de um moco solteiro : a tratar na
rua do Tambi n. 30.
AhiKa-seuma casa na Canuaga, rua da Aini-
zade, com :i quarlos, agua de beber, quintal muilo
grande, acabada e pintada ha poucos dias : a tra-
ar na rua da Imperalriz n. 7i.
SANTO AMARO
Os encarregados da fesla de Santo Amaro, em
sua capelladas Salinas, nao podendo realisa-la do-
mingo, 11 do correle mez, como eslava determi-
nado, a transferirn! para o domingo seguinte 21,
sendo -ue o programla ser em breve publicado.
Nos abaixo gssignados, socios da BO-
ciedade ds carnes verdes, que tiesta praca
gyrava sob a lirma de viuva Anaclelo de C,
commiinicamos aos senhores fazendeiros e
vendedores de gado nas feiras de Guarila.
Hedas de Fogo, e de Santo Anto, que
por fallenmenln da viuva de Anacleto Jos
de Mendonra, deliberamos a cuntinuaco da
ip.esma sociedade. soba firma do socio caixa
l.ilianio Candido Hibeiro & C, (genro dos
fallectdosi. conlinuando cm vigor e sob a
responsabilidad)' da presente lirma todas as
transaeces feitas durante a extmeta lirma
de v.uva Anacleto dr C. Recite, 9 de feve-
reirode 18i. Libanio Candido Ribciro,
Rent) dos Santos Ramos, Joo Jos de Me-
deiros Mello, Antonio Moreira de.Mendonra,
Ignacio Ferreira (iuilnares.
a i <; %-si:
una boa propriedade de sobrado 110 lugar da Tor-
re, em milito bom local, multo fresca, com urna
linda vista |ior ser nerlo do rio, ecst forrada de
papel, com bastantes commodos para grande fa-
milia, tendo banheiro. rocheira, egtrbaria para 6
cavallos, cacimba com banho, mullos arvoredo
novo>, urna gratule baxa de eapim bem tratada,
cuja propriedade |>erto do Sr. Francisco Gomes
de Oliveira, cando a mesma propriedade confron-
te a Caponga nova : quem a pretender, podera
procurar a chave na rua da Seiualla velha n. 100.
no primeiro andar, das 10 horas da manhaa as 3
da tarde, ou na i'.aponga nova, estrada do Jacobi-
na, em casa do Ama ral Jnior, antes ou depois das
horas marradas, onde poder embarcar para ver
a mesma casa, e aluga-se por prrro commodo.
O abaixo assignado, morador na freguezia da
Gloria de Goit, previne ao publico que nao pode
seu s>gro Domingos Vaz da Costa Agr, fazer Irn-
saccao alguma em relaco aos bens que Ihe lica-
ram por morle de seus lillio-, cuuhados do mesmo
abaixo assignado. por quanlo somenle lem elto o
usofruclo de laes bens, em virlude de haver pas-
ando a segundas nupcias, o que o abaixo assigna-
do faz publico para evitar dnvidas futuras.
Manoel Joaquim de Lentos Vaseonccllos.
Anda est por alugar o segundo andar do
sobrado da rua das Aguas-Verdes, 6 lamhcm se
alugam duas mei-aguas dentro de um sitio na es-
trada de Joao de Uarros. e para o mesmo se preci-
%o.s tereciros franelNcauos.
Tendo chegado do Porto os verdadeiros cordSes! sa j", umfeilorque Irabalhe de enxada o que sej
rasado. Tamhem anda est por
de esparto, pcrtemvnlo a veneravel ordem do pa
triarrha S. Francisco, |ior isso avisa a lodos aquel-
los que quizerem comprar por mdico preco irem
rua larga do Rosario n. 28, fabrica de sellim.
Aluga-se o sobrado n. 43 da rua Imperial,
canlo da travessa do Lima, altos e baixos, lem for- mero 2o\
no e telheiro para nadara, bom quintal e excellen-
le agua de gasto : a tratar na rua do Hospicio n
.j'0, das 7 s II horas da manla, e das ;t s 0 da
larde.
venderse duas
sotenas de pedra de Lisboa: ha rua das Cruzes
njh_______________________________
Aluga-se urna o i em S. Jos, do Hanguioho
confronte a igreja : : lar na rua Augusta nu-
Carros fnebres.
No estabeleeimenlo de Pinto de Magalhes largo
do Paraizo n. 10, existora carros para todas as or-
dens estabelecidas no rcgulamento. sohresabindo
os de primeira oidein para defuntos e anjos, pelo
apurado gosto de arebitelura a riqueza de ornatos,
sem duvbla alguma os melhores ora existentes.
No inesmoestabelecimcnto encarrega-se de qual-
quer enterro de maior ou menor poinpa, con-
tento dos inieressados. com promptldao e procos
ratoaveis.
Lava-se, engomma-se, cozinha se com promp-
lidao : no pateo do Terco, loja do sobrado n. 42.
Por ordem da direceo da sociedade Philar-
tisiica, avisa-se a lodos os socios netla libados, que
domingo 14 do correnle o dia de sua inslaliacao,
na casa da sociedade. na do Imperador, n. 23, se-
gundo andar.O I" secretario interino,
Thom. Joaquim Mascarenhas llamos.
Appareceu no sitio das tortas da eidade de
Olinda urna pavoa : quem for seu dono, dirija se
ao mesmo sitio, cuja frente ao lado da igreja do
Amparo, no sobrado de varanda de ferro, que dan-
do os signaes Ihe ser entregue._______________
Aluga-se o primeiro andar e loja da casa n.
30 da rua da Aurora: quem a pretender, dirija-
Wocledade dramtica Rccrelo e se ao secundo andar da mesma.
l'nio Familiar.
De ordem do Sr. director participo aos senhores
socios que o opcctaculo extraordinario leo lugar
no dia 13 do correnle, e a disiribuieo de seus
respectivos bilhetes ser feitanos dias II e 12, na
casa da sede desta associacao.
Sociedade dramtica Recreio e l'niao Familiar
10 do fevereiro de 1864.
Jos Marlins Monteiro.
I" secretario.
t'aixeiro.
Precisa-se de um menino de 12 a 14 annos com
pralica de taberna ou sem ella : na Capunga, ta-
berna junto a padaria.
O abaixo assignado tendo justo a venda .i
sua liberna sita na rua da Sentada nova n. 2, ao
Sr. Jos Maria Machado, pelo presente declara
que desla data em diante nao se resp n-abilisa
por qualquer transaceo feila em seu nome por
outra pessoa. Ilecife 1 de fevereiro de 1864.
Jos Antonio da Costa Siqneira.
Precisa-se alujar um preto para servicio de
casa : na rua da Imperatriz n. 75._____________
Continua a estar para alugar a luja da rua
Nova bem ronhecida e afregnezada para ferra-
gem por baixo do sobrado n. 37 : quem pretender
dirija-se a loja do Panela Publico n. 7, que fara
todo negocio.
o
INTERNATO
DE
mm-mm
^S%r^
Esialielcriilo na cidadr do Iterife
Hoh a Protecco do Miimmo Pontlflce Pi IX.
Director --0 liacharel cm matlicmaticas
BERNARDO PEREIRA DO CARMO JNIOR.
O director do intrnalo de S. Bernardo, nao tendo evitado esforcos nem sacrificios
moral, intellectual e
cas, e finalmente um sacerdole Ilustrado c honesto que Ibes explique os principios da re-
figiao (hrlsta, espera qoe assim constituido nao deixar o seu estabeleeimenlo de mere-
cer dos Srs. paes de familias o auxilio e COnOanea com que j alguns o tem honrado; e
Ihes roga, bem como lodas as pessoas inleressadas, que se dignen) de visitar o mesmo
seu estahelecimenlo, onde sempre encontraran franco ingresso.
C.adeiras de enstno :Primeiras lettras dividida em duas rlasses, tendo cada urna o
seu professor, lalim, francez, inglez, arilhmetica, algebra c geometra, geograpbia, philo-
sophi a, rhelorica, esenho c msica.
Ocollegio biu a sua sede no esparoso edificio n. 32 rua d'Aurora contiguo ao do
collegio dos orptaes.
Nos estatuios do collegio. que esto a disposi^ao de quem os quizer ler, se aciiam
consignadas as eendicSes de entrada c matricula nas diversas aulas do eslabelec-
menlo.
.taa^v- <*-
'xxzrz \>-


lilaila de Fcrnambuco QiiEufa fclra 11 de Fevereiro de 1S*14.
INSTITUTO
IMPERIAL
i NOSSA SENHOIU DO BOU CONSELHO. ||
RA Di AURORA X. .
Sob a direeeodo abaixo assignado aeha-se funcionando esle Inslituto desde o da 7
de Janeiro prximo patudo, e oelle se enshiam todas as disciplioaa preparatorias para a
matriculado curso jurdico, desde primers lettras.
Todas as endeiras aeliam-se prvidas ,>elos melhores professores, cuja lista ja oi
publicada neste liavio.
Recebem-so pensionistas, meio-pensio listas e c.x-ernos, pagando na scguinle pro-
PrC''' PENSIONISTAS.
Quarle! de casa, mesa e luz...................... 1005000
W MF.IO-PENSIOXISTAS.
dem de mesa............... .............. '455000
EXT SRNOS.
dem de cada preparatorio..... .................. 205000
Os pensionistas e meio-ponsionistas pagaro os preparatorios que esludarcm a razao
de 55000 mensaes, bein como os externos d'aula primaria.
Para mais esclareciracntes dirijam-sc ao director, a qualquer hora, no Instituto, que
franqueado visita dos pas e correspondentes, bein como a todas as pessoas que nisso
tiverem iateresse.
Hecife, Io de fevereiro de 1864.
\ntonio Avgisto FF.nnF.mA Lima.
.^jd or.r. rvcsv .cor\ ^gi.l. oC1.. jQ3L1
PIIOTOGIUPII!. A ARTISTICV
Ra Nova n. 25 esquina da Caniboa do Carino.
Os Srs. Eugenio & Mauricio tem a bonra de participar ao respeitavel publico desta capital que
do da Io de l'evereirocllesestabolecem os seus procos do modo sejuinte:
12 cartoes de (visita .... I2>000
25 ditos 2 posieoes.....2O50OO
SO ditos 3 ditas.....353000
100 ditos 4 ditas ... 503000
Cada duzia em maior.....85(100
Retratos n. 1.......153000
Ditos n. 2........SKSOtN
Ditos n, 3..... 03000
As reproducooscada nma 25. .'3 o 55000
E les tem recebido um grande sortimento de quadros e molduras para retratos grandes e cartoes
de visiu, assim como tambem lbum para photogaphia queelles podem vender muito cm conta.
ofllcioas esli alienas todos os dias das 9 s 4 da tarde.
&mwm
Naques sobre Portugal.
O abaixo assignado, agente do banco
mercantil Portuense Desta cidade, sacaef-
Ceetivamento por todos oe paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
qualquer somina, i vista e a prazo, pc-
dendo logos saques a prazo sereno des-
contados no mesmo banco, na razao de 4
|ior cento ao anno aos portadores (pie as-
sim Iho convier : as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51. *
Joaquim da Silva Castro.
mm
li.'-a ai
Em quanto o Sr. Jos Joaquim Barbosa nao vcj
ou mandar da villa do O' (para onde mudou-se oc-
cultamente) pagar os alugueis de perto de dous
annos da casa em que morou, na ra dos Prazeres
da Boa-Vista, ver o seu nome neste jornal para
melhor ser conhecido dos propietarios.
Noetedade de seguros mutuos
de vida iustallada pelo llauco
Unlo na cldadc do Porto.
Os agentes nesta cidade e provincia Antonio
Luiz dcOliveira Azevedo & C escriptorio na ra
da Cruz do Recife a. I, esto autorisados desde j
a tomar assignaturas e prestar todos os esclareci-
mentos que forem n>cossarios, as pessoas que de-
sejarem concorrer |iara tao til e benfica emprc-
zas, egurando um futuro lisonceiro aos associados
Aluga-se um excellenle armazem com um
grande lelheiro e urna excellente chamin, proprio
para qualquer eslabeleeimento dereflnaeaa ou pa-
[ daria por ter sido lia mais de 15 annos empregado
estes negocios, na ra dos Guararapes n. 2o : c
os prctendentes podem entender-se com Antonio |
Alves Barbosa.
Aluga-se o armazem n. 4 da ra do Apollo, e ,
oterceiroandar da casa n. 88 da ra da Iinpera-
triz : na ra da Aurora n. 36.
DE
PARTIDAS DCBMDAS
0FFRRK3DA8
A ASSOCIACAO G0HRCIAL III..WICEMK
DR
Pi:il\.tNBLCO
POR
Tercciro escriturario da ihesouraria
de fazenda de Periiamhuco e coiupctentemeule au-
torisado para c\erooi o pro-
fessoralo particular le aritlmielica namcsiua
provincia.
Acba-se esta obra nos pelo da typogr.ipliia
Coinmercial, donde em breve sahir 'luzda pu-
blicdade em ntida impresso e sob o formato de
8o porluguez.
Compoe-sc esta obra de um vi lume, dividido em
urna parte theorica e outra ortica, de fcil alcan-
ce s pessoas que se queiram deJear ao esludo da
eseriluraco.
A res|>ectiva assignalura acha-sc aberta em to-
das as linarias desta cidade, ao preco de 55000
por volume.
*mmm
*:<.&?>
mm:MMmmimmmMmmmm
ROPA
NO
A R M A Z E M
TE
W^$ ^ ^Wb
K
*d
! DENTISTA DE PARS
19Ra Nova-19
Frederico Gautier, cirurgiao dentista,
faz Unas as operaooes de sua arte, e col-
lora dentes artiiciacs, ludo com superc-
ridade e jierfccao, (pie as pessoas enten-
didas Ibe reconbecem.
Tem agua e pos denlificio.
ATTKN(l\0
aura id ^iriamiUDD
i LETREXRO VERDE.
| Neste eslabeleeimento ha sempre um soi timento completo de roupa feita de
| todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concor-
| rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim come tambem tem um
| grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
| homens e meninos.
g Casacas de panno preto, 353 e 3050001 Ditos de setim preto. .
| Sobrccasacas dem, 30,5 e 25*000 Ditos de dtos e seda Dranco>
| Paletos idem e de cores, 25$, 6,-5 e.......
i 205, 15i5 e......I0500G Ditos de gorgurio de seda
I Ditos de casemira, 204, 15, pretos e de cores, 5, 50 e
12)5, 1 O e...... 7(5000 Colletes de fustao e brim bran-'
3i5500| (^,3,5500,3,5 6 ....
Setoulas de brim de linho,
Q-)W
}j Ditos de alpaca, 5,5, 43 e
33000
43000
As
nOUIDACAO
Gimnasio pro>ucil.
/t o dia 15 de fevereiro estarao aberlas as ma-
triculas das seguintcs aulas do ryinnasio provin-
cial : latim, franeez, inglez, grerb, allemo, ma-
thematicas, geocraphia e historia, eloqueneia e
Custodio Jos Alvcs Gu.maraes avisa ao respei- philosophia, lingua e literatura nacional,
tavel publico e aos seus freguezes, que em vistas; ^.'ncias naturaes e mdsica.
de se achar seu eslabeleeimento cm obras abm de Nesse cai^ietimenio, mediante a mdica
alar6ar mais o campo para o gallo de novo cantar, | (ia de {& dar0 lem os a|mnos in,t.rn0s ;
afim de melbor poder servir seus bons freguezes,, ro |ava(,a ,, engnmmada, meiiico> b([cit |uz,
com ludo em quanto durar as ditas obras conti- ,jn|a J (.riados 0 S(rv|1,,
miara a servir seus fregueies^no seu grande ar-, 0s Ineos-pensionistas pagain mettdedeVsa quan-
mazemeom frente para a ra do Imperador <<""! ta>e os externos 155 por trimestre, pod.ndo fre-
entrada pela dita hoja do gallo vigilante, ra do: quentar as au|as que (,uzi.rem. 0 secretario,
Crespo n. 7. chroi
Alugam-se as tojas do sobrado n. 44 em
a ra da Aurora: quem pretndelas diri-
j.i-M' i luja dos Srs. Bastos & llagalhies,
na ra Nova, que achart com quem tra-
tar.
Cabral.
DVLOJVDEJ. J. kELLER.
9 HITA DA IMPEBATRIK
9.
Em priineiro lugar convida-
estabelecim.nto de ter a hondado
cellente morada^junio e as coadic
pra-la.
IgualnieDtn> eonvlda-sc
aos Srs med'cos dentistas, logistas e propietarios de cstab.'l.'cimentos artsticos p.'ira virem comjprar,
por menos do seu valor, as melhores c mais acreditadas ferramentas (pie ha no mercado.
O respeitavel publico em geral
encontrar um variado e muito rico sortimento de irinquedos. rutilerias, armas paa caca com
pertences, apparelhos para cha, estoj a de barba e de malhematica, ferros para cortar e imprin
lhos e jara corlar hahados, seringas, esporas, enroles etc., etc.
BpQ
Arrenda-se o emtenho llapessoea na fregue-
zia de Tijucupapo, moenie e eorrenle, com urna
grande praca de salinas, contendo 300 marinhas, o
sal que fabriea-se nao inveja-se ao do Assii, com
Corsos de cal preta, lendo a pedra com a maior fa-
cilidade; tem seis sitios de coqueiros todos de
fructo tambem se vende o referido engenbo :
quem o pretender i>or qualquer das lrmas atinun-
ciadas, pdese dirigir ra da Gloria n. 70, que
achara com quem tratar.______________________
- Na ra lo Vicario n. 10. escriptorio de M- i ^^"l { 1sta ,,,r vindo para cs.
J. llamos e Silva A Genios, deseja-se fallar tom ,a (.(]ade {m ihe dar noticias de sua
os herdeiros do fallecido Antonio Felippe Doi moni aiij rmaos M acham no RjiJ de Jancro.
Pessoa, que residem na liba de Itamaraca, a neg- ---------------------------------------------------------------------------
ci de sais interesses._________________________ l'rofeSSOV (le piO-HO.
- A pessoa a quem for olferecido o 1" lomo do j05e Coelho da Silva e Araujo, bem conhecido
roubado ha n0(a fdade, contina leceionar piano e mus-
vucal por commodo pre?o : quem de seus ser-
1' vicos precisar, dirja-se ra dol.ivramento n. 21,
Ditos ditos pretos, 93, 73,
53, i3 e......
Ditos de brim e ganga de co-
res, 43500, 43, 33500 e. .
Ditos branco de linho, 03, 53 e
Ditos de merino preto de cor-
do, 103, 73 e.....
Calcas de casemira preta, 123,
103, 83 e......
Ditas de cores, 93, 8$e. .
Ditas de meia casemira de co-
res, 53000 e.....45000
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 4t5500 e. ,
Ditas de brim branco e de co-
res, 53, 45500, 45 e .
Ditas de ganga de cores, 33 e
Colletes de velludo preto e de
cores, 93 e......
Ditos de casemira preta, 53 e
Ditos de ditas de cores 53
55000!
550O0*
45000!
25500
I 25400 e......25000
1 Ditas de algod, 15600 e. 15400
Camisas de peitos de linho,
I 43, 35 e......25500
Ditas de madapolo, 25500,
55000 23 e........15GOO
Chapos de massa, pretos fran-
75000 cezes, 103, 95e. 85500
75OOO Ditos de fltro, 55, 45,35500 e 25000
Ditos de sol, de seda, 125,
113, 75 e......65000
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda....... 640
Sortimento completo de grava-
tas. 5
25500 Toalbas para rosto, duzia, 115,
e........75000
75000 Chapos deso, de alpaca, pre-
45000 tos e de cores.....45000
Lencwes de linho.....35000
''-5000
25500
No escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C, na ra da Cruz n. I, precisa-se fal-
lar com o Sr. Luiz Soares Botellio, lilho de Jos
Soares Botelho e de Fortunata Cndida de Souza,
I e neto de Francisco Manoel de Sauza, natural da
45 e........35500 Cobertas de chit chiheza..
encontrar com quem entender-se.
i'gundo andar.
seus
ir f-
s 1
tetras
luintes
(MSILTOIUO WJHtMIRIRGICO
DO
DR. PEDRO DE ATTMIYDE LORO MOSGOJSO,
rli:il O. IA I i:i ICO I OPKRA1IOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fundfto 3
O Dr. LoboMoscoso horas da manlia, c das G e meiais 8 botas da noite, excepeo dos cias santiCcados
Pharmacia especial horneopatilica

No mesmo consultorio ha semine o mais appropriatlo sortimento de ca
tubos avulsos. assim como tinturas de varias ftymnamisacOes e pelos presos seg
Caiteirasde 12 tubos gr nulos. I000
i de 24 tubos grindes. 180060
de 30 tubos grandes. 245KX)
> de 48 tubos gnndes. 305000
i de 60 tubos gnndes. 385000
Prepara-se qualquer carteira coDirmo o pedido que se fizer, e com os n medios
que se pedir.
Um tubo avu'so ou frasco de tintura de meta ooca 13 00.
Sendo [ara cima de 12, custrao os precos eslabejecldos para as cartelrasJ
lia tubos mais pequeos cada um a 5'X> ris.
LIB6.
A melbor obra da homeopathia, o Maiual de Medicina Hnmeopatbicodo D\ Jahr,
dous grandes vulumes i ora diccionario .
Medicina domestica do Dr. tlering,
Heper torio do Dr. Mello Mora. s. .
Diccionario de termos de medicina
Os remedios deste estbeleciment sao por dentis conhecidos e dispensan)
O bacharel Joao Goncalves da Silva
Montarroyos tem escriplorio na ra S8>
treita do Rosario n. 17, onde pode ser
procurado das 9 horas da manhaa s :i
da tarde dos dias uteis.
Gelo, gelo, gelo.
Com a chegada da nova machina nao se expe-
i rmenla mais falta de gelo fabricado com agua do
Prata, todos os dias a qualquer hora, para por-
grandes ou cncommendas para fra da pro-
vincia devera haver aviso com antecedencia : ra
da Aurora junto a fundirao onde lem a bandeira.
Alupa-se o segundo andar o grande sotao do
predio da ra de Apollo n. 3i, t( ndo no andar 3
.-nas, o quarlos e grande cozinha. e no solio ellas,
(piarlos e cozinha : a tratar na ra da Cadea do
Itecife n. 64, loja._________________________________
Aluga-se um bom sitio na Capunga nova,
com urna casa de excellentcs cotimodos, estriba-
Precsase dedouscaixeiros de 12 li annos de ra, cocheira, tanque para banho, jardim e diver-
idade, com ortica de taberna ou sem ella : trata- sas frticteiras, no qualj morou por muito lempo
se na raa .Nova n. til.
CAMBRAIAS! CAMBRAI&S!
t-PIUA DO 9VEIJ9IADO9
Custodio, Carvalho & C.
Atten^o.
Cambraias brancas com grandes llores para vestido cada corte tem 6 1|2 varas c urna
vara de largo pelo barato preco de ')& cada um corte, esta barata fazenda pelo preco e qua-
lidade muito coiivm a urna casa de familia, pois se pode applicar a diversas obras.
Para acabar.
Organdys finos cscocezes a 240 rs. o covado, nicamente para acabar.
Fil Fil de linho liso lino a 300 rs. a vara.
O ccmitcrlo publico
precisa de um jardinciro : a entender-se com o
respectivo administrador.
mmm

O bacharel Joao Francisco Teixeira a
contina com o seu escriptorio de advo-
gacia a roa do Qoeimado o. 28, priineiro
andar, onde pode ser procurado das 9 Z
horas da manhia s 3 da larde.
'A
os Srs. John Lilly e Francisco de Alhuqnerqiie
c Mello : quem pretender, dirjase ao escriptorio
da viuva de Manoel (oncalves d;i Silva, na ra da
Cadeia do Hecife n. 3t._________________________
Cahelre.
Precisa-se de um caixero de l'i 20 annos de
idade, nacional ou estrangeiro, que lenha alguma
piatica de fazendas, para nina loja fra desta pra-
m quem osttver neslas circums ancias, dirija-se
a roa da Cadeia n. '.'i, toja de Alfredo A Matheus..
"O solicitador Antonio Carlos Pereira de
Burgos Ponrc de Len, ainda aceita al-
raunas casas de partido e encarrega-se
de qoaesquer nuestdes judieiaes ou eie-
coodes por mais diilicois que sejam, pe
rente o foro desta cidade como ora del-
la pie nao excedam de 15 lemas. K'elle
encontrado as salas das audiencias ou
na ra Imperial sobrado n. 61, das l as
9 horas da manhia e das i horas da tar-
de em diante.
AMA
O liomem solteiro, estrangeiro cu brasileito, que
Kw^< >*-* <'- .**.** w -y v |irc,.sar je uina ama de boa conducta para servi-
- Aluga-se o pnmeiro andar do sobrado da nlo,.nosdi.ja-se ruada Ghria n. 31.______
amboa do Carino n. 8 : a tratar na loja de Ras- '' !---------------------------------------------------
Egidio Celane, subdito italiano, retira-se pa-
ra lora da [irovincia._____________________________
Aluga-se cas:i terrea o. I 4 na ra
Formoza : a tratar na ra do Trapiche Da-
mero '-'rl.
Camboa
tos & Magalhacs.
O abailO assignado lem constituido seus bas-
tantes procuradores, limante sua ausencia, em
204000
103000
Tendo o abaixo assignado de ir Europa
to de seren novamente recommendados aS[essoai que quizerem usar de remedios ver- tratar de sua saude, pede a quem se julgar seu
dadeiros, enrgicos e duradores : lia ludo do melhor que se pode desojar, globos
dadeiro assncar de leite, notaveis pela sua b< a conservaco, tintura dos mais acn
estbelecimenios europeos, a mais exacta e acontada preparacao, e portnto a maior cner- ieu |)(1(lL,r de os ir remil. no pras0 de 15 das, de
contrario sero vendidos para seu pagamento. Re-
cife 4 de fevereiro de 186i.
Narciso Jos da Costa Pereira.
Precisa-se de urna ama para cozinhar em
casa de pouca familia : na ra da oda, sobrado
de um andar com venesianas por cima da taberna
na esquina. _____________ ________^^^____
Ensino particular.
L. E. EL Vianna lem aberta aula particular de
latim na casa n. 28, priineiro andar, ra da Ma-
triz da Boa-Vista, s 8 horas da manhaa._________
Precisa-se de um feilor para tomar conta de
um sitio, que entenda de planlacao de horlalice,
meldee, etc., tomar conta de alguns pretos, e ira-
balitar com elles : quem estiwr apotas circums-
i'oTlO tanc'*8i Jirija-se ra Imperial n. 22, ou ra do
i nn or>000 ,j0 n,,g0 Monleiro.
portan-
de ver- credor, apresentar sua conta no largo do Carmo,
ditdos esquinada rua.de Moras 11. 2, segundo andar;
assim como pede s pessoas que tem penhores em
gia e corteza em seus effeitos.
Casa de mude para cscravos.
Ueccbe-se escravos para tratar de qu: Iquer enfermidade ou fazer-se-lbe q
operacio, para oque o annunciantejulga-se suiricientemente habilitado.
Otratamento o melhor possivel, tano na parle alimentar, como na mt
funecionando a casa a mais de quatro annos, ha muitas pessoas de cajo conceito
pode duvidar, que pdera ser consultados por aquellos que desejaiem mantUr seus
doeotes.
Paga-se 25000 por dia durante GO dias ed'ahi em diante I05QO.
As operaoes sero previamente ajuste das, se nao se quizerem sujeitr aos
razoaveis que costuma pedir o annunciante.
ualquer ca5a
da
dica, e
se nao I
Xa ra do Crespo n. t."i, se aluga urna boa
a tlencao.
O professor particular, residente na ra
n. 68, avisa aos pais de seus alumnos, que por in-
eommodo de saude Iransferio a ; bertura da sua
aula para o din 22 de fevereiro
y**wmm* WMmmm
^3K O bacharel Americo Netto de Memlonca ag
f^i reside e tem aborto o sen escriptorio ^*
ra doLivramento n. 18, lu indar. sR
Precisa-se de 11 m bom eenoheiro e de dous
criados activos : a traUr no sobrado n. 32 da ra
da Aurora.
feitioT"
SS9 u advogado Dr. Manoel do .Nascimenlo 9
H Machado P-irtella, contimia 1 ter O seu S
jgi{ escriptorio no priineiro andar da casa n. }E
S 83 da ra do Imperador.
lil.ilWSil
Monte Pi Popular Pcrnaiiiliucauo.
-------- primeiro lugar ao Sr Antonio Martins de Carva- mho a 2-3 e spuu : na ra a impcratriz
Iho AzevedS. em segundea seu caixeiro Joao l'i- M" d* Arara de Mendos cV Cuimariu^
Uireila nhero da Bocha. Recife, 10 de fevereiro de IlriiiU da Arara a 400 r
1864.Joo Marques Fernandos.
Antonio da Silva Main, subdit porluguez.
ianili; liquidac- tic fazendas al a
fesU, para se fiatlar cotilas, apro ci"
veitem que dt^las pecltinchas nao ha
sempre : na ra da Imperalriz, loja
eaiinazcui di Arara n. 56, de l tui-
renco i'en'ua HenilesGuimares.
Cobcriores da Arara a l.
Venile-se cobertores de pellos a 15 e 13600,
cobertas de chita a 23 : na ra da Imperatriz n.
5'G, loja de Mondes Guimares.
I Arara vende roupa feita e btala.
Veni.c-se palitots de casemira a 43500, 63 e
B3, cal fas de 33>*>00a .'ir5, paiitots de panno a 103,
ditos finos de 113 e 143, palitots de brim de cor
a 23900 e -, dos do meia casemira a 33300,
cairas de brim de chics a 25 e 25'iO, ditas bran-
casde linho a 33500 e 43, ditas de meia casemira
a 23, c iletes a 13300 e 33, camisas (ranelas a
t-ii'.uo, (lilas linas a 23 e 25500, ditas de linho
prega larga a 35, seroulas linas a 15600, ditas de
linho a 23 e 25OO : na ra da Imperatriz n. 56,
cis o
com pequeo to-
ooTado.
Vende-se brim pardo de linho
vai Europa, c 'leva poreeu criado Agnel Pimenta que de mofo, quedepois de molhado larga, proprio
i.. *.ni,K para calcas e palitots, a 400 rs. rs. o covado ;
" '_________________________________________i brim branco de linho a 15 c 13200 a vara, fustid
cor, e o mais barato posstve
Hangcl n. 38, segundo andar.
na ra do
de cores para calcas, coletes e palitots a 800 r
o covado : na ra da Imp
56, de Mendos tiuimres.
TINTURARA.
Tinge-se com perfeico para qnalquer | P^vado : na ruada topen
Lazinlia Mni-la Pia da Arara.
Vende-se laziuhas a Maria Pa muilo finas, com
quadros e palmas de seda, para vestidos a 360 o
covado, sediahas finas a 300 rs. o covado ; na ra
da Imperatriz n. 36
Oh que prrhidia, lazinbas a 280 rs.
Vende-se lazinbas linas para vestidos a 2801
Compra-se urna preta, moca, (|ue sai- e 3q r.; 0 covado, lencos brancos com barras de
ha bein ciigninmaf : na estrada du Man- cores a 200 rs., meias finas para senhora a 400 e
casa n. 21, anles de ebegar a ponte. 800 rs., ditas croas a 400 rs., ditas para hemem a
COMPRAS.
Nao se tendo reunido numero de socios para a h airradando
b como fui annun- '' "" '
gumiio
No caes d'Apollo n. 55, compra-sc
urna cscrava mofa que soja de boa condue-j
ta e saiba vestir e pontear meninos, paga-1
essio geral no dia 5 do corrente
ciado, o Sr. director manda de novo convidar aos
seiibo'res socios alim decomparecerein na casa das obr
a e sitio no Monleiro, com frente para o oitao I se'SSoes, no da II, pelas 7 horas da noite, para se loa de hilhetes.
igreja. assim como o segundo andar do sobrado tratar a
Comprase effectivamente ouro e prata em
iras velhas: ua praca da Independencia n. 22
n. 79 da ra do Imperador.
precos
Pedido. i
O abaixo assignado pede a seus devedores que
venham pagar seus dbitos na ra larga do Rosa-
ro n. 18, al 0 da 16 deste mez, senao verao seus
nones por extenso neste Diario. Hecife 11 de
fevereiro de 1864.
Joaquim Ferreira da Silva. j
Precisa-so alugar urna ama que saiba cozi-
nhar e engomniar : na ra do Crespo n. 18, no se-'
gundo andar.__________________________________ 1
Jos Antonio Lopes Guimaries val provin-
cia do Cetra, levando em sua companhia urna
lilha._____________________________________________
Arrenda-se um sitio no lugar Jacar, que vai
para a eslrada d'Agua Fria, com casa de pedra e
cal, ltimamente construida, o muilos arvoredos de
fructo e boa trra : a tratar na ra Dreita n. 64,
primeire andar.
Sr. Antonio Adolphe Leite do Reg tem
urna carta viuda de Garantan*, no cartorio do es-
erivio do commerco Manoel Maria.
Precisa-se de um menino porluguez de 10 a
12 annos, com alguma pratiea de .padaria ou sem
ella, dundu liad ir a sua conduela : nt ra da Sen-1
zalla Velha n. ilO.
i.\ici\u ai
PORTIGIEZ b LhllUlll EM ER-
KA1B0CO.
De ordem do Illm. Sr. presidente convido os
senhores membros do conselho deliberativo para
a sesso ordinaria que deve ter lugar seta-feira
12 do corrente, s 6 1|2 horas da tarde.
Secretaria do conselho delil>erativo do Gabinete
Porluguez de Leitura cm Pernambuco 9 de feve-
reiro de 1864.
P. I. Tinoco de Souza.i
Io secretario.
Criado.
Na ra Formosa n. 2, precsase de um criado
escravo ou livre que nao seja moior de 14 annos.
O Dr. Casanova pode ser procurado em seu
consultorio especial honieopalhico no largo da ma-
triz de Santo Antonio n. 2. No mesmo consulto-
rio ha sempre grande sortimento de medicamentos
em tinturas e em glbulos, deixando elogiar os! mazem do dito sobrado,
nossos medicamentos pidas pessoas que os tem ex-'
permentado e continuam a servir-se em nossa
botica. Temos tambem obras accominodadas a
intelligencia do povo.
negocios importantes ao Monte Pi, espe-
rando que os meamos senhores >e lignario compa-
recer, visto a urgente necessidade.
t1OMPRl-SK
lati e chumbo : no armazem da bola ama-
no oitao da secretaria de polica.________^_
Secretaria do Monte Po Popular Pernambucano C0,L
9 de fevereiro de 1804. r-------------,
Bernardo Falc.io de Souza. Compra-se papel Diarios
l. secretario. na ra da Senza
a 120 rs. a libra
a Velha n. 48, deposito^_______
\luca-se o segundo andar do sobra-; Comprase um sell.m inglez cun arreos,
,ln -1-. ... ,li rrn/ .41) i tratar no ar- estando em bom estado : na ra do Queimado.es-
a iraiat no ai | ( ,,r() tBdar
160e 2X) rs.; na ra da Imperatriz n. 56, loja da
Arara.
I '.rara vende as cassas a 200 rs. o cotado.
Vende-se cassas de quadrinhos a 200 rs, o cova-
do, ditas finas a 230 e 280 o covado, organdys linos
a 240 e 280 o covado : na ra da Imperalriz n.
56, loja da Arara.
Perliiiic/ia, sodiiilias da Arara a 800 rs. o rovade.
Vende-se sedinhascom quadros e lisas, escuras,
propriai para quem est de luto, por ter urna s
cor a 803 rs. o covado, ditas da mesma qualidade
de cores para vestidos a 800 rs. e ditas de listi-
nbas a 500 rs. o covado: na ma da Imperatriz n.
36, loja da Arara de Mendos Guimaries.
redunda na Arara, corles de chita a 2#00.
Vndese corles de chita ranceza com pequeo
toque de mofo a 2&3IX). cortes de riscado irancez
com 14 covados a 3, cortes de cassas francezas
pintadas a 25 o corte, ditos de barras a 2,5, 3,5 c
Precisa-se de um caixeiro para taberna oque
da mesma tenha pratiea : a tratar na ra na Paz
lumero 2.
Otferece-se urna homem com todas as haliilita-
coes para tomar conta de um sitio, oqual sabe de-
sempenhar qualquer ser vico que se Ibe enlrogar :
a tratar na ra da Iniperatrir. n. 42.
Mwm
m
D-sc 3:000^ a juros
gusta n. 3&
a tratar nfi.rua Au-
Aluga-se urna casa terrea piulada de .aovo, I
sita na rui da Gloria n. 80: a tratar nc irua da,
Imperalriz n. 62.
Anssenlutics advogadtseaca-
tiemicos
Na livraria popular, -r.'.ia do Imperaor, existe
urna obra 'o 4 Joaquim Joronyino da Costa Machado faz pu-
blico que se retira para o Rio de Janeiro no pri-
meiro paquete, e se acha na ra do Trapiche nu-
mero 11.
OLIMIA.
O padre Jos Estoves Vianna tendo ob-
tdo licenca do director geral da inslruc-
cao publica paraensinar particularmen-
te primeiras letras, latim o franeez, tem
determinado dar principio ao ensino das
ditas materias no dia 15 de fevereiro,
jiara o que convida a todos os Srs. pais
de familia que quizerem confiar seus fi-
Ihos ae seu cuidado a compareecrcn des-
de j cm casa de sua residencia na ra
de S. Bento, assim como se presta tam-
bem a dar liepes em casas particulares.
Saq
M. J. Ramos e Sva & Genros acam
vista sobre a praca do Porto: na roa do Vi-
gario ja. 10._______________________
Conrado Hrandis c Heuri'jue Peter, ailemaes,
raliram-sc jwra a Europa.
__Comprase urna escrava que saiba bem coser 43 : na ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara de
Aluga-se o sitioda Pedra Molle, em Apipucos.g engommar : a tratar na ra da Imperalriz nu- Mendos Guimares.
com excellente casa de vivenda, com 2 salas de mero SO.______________________________ Cascmiras a 1 ;5600 o covado.
frente e 6 quarlos, terraoo, estribara, frncteras,! ......,. uma ,-scrava q'ue saiba engom- Vend -se cascmiras de cores para calcas, cole-
bella vista e magnifico banho: a tratar na ra das, na rua nov;l Je Sa|Uil Klla u- 13i tes P ,)aletots, infestada, a 13600 o covado, cortes
Cruzo, sobrado n. 39, segundo andar.________""* ... (imKS & Medciros. de casemira infestada a 13600 e 25, c em covado a
_________ 13 : na roa da Imperatriz n. 56, loja da Arara de
~^^g^ggs^g^B Mondes Guimares.
VENDAS. _____ A Arara vende as laa/.iulias de 9 pal-
-----------------------------------------; I mos a 1$200.
Vemleiti-sc calxoe vaslOS a Vende-se lazinbas de urna s cr c quadrinhos
Precsase de uma ama para casa de familia,
que saiba cozinhar soffrivelmente, e que seta de
bons costumos, cuja conducta afi.incada, nao se
duvida pagar bem : a tratar em ('linda, ua pada-
ria do Varadouro. _____
D. Felismina Claudimira de ilello Lins, pro-:
I). relisiiiina i.iauuimn.i u: uuiiu l.iik>, fio- i i.,.....nhl.
fessora jubilada, tendo obt.do do ixm. Sr. prest-: l$OQ: ncsla j pograptiia.
denle da provincia licenca paraensinar particular-1 yende-se uma escrava de nacao, moca, pro-
mente as primeiras letras e prendas domesticas.faz ja a sorv,.0 (|e casa je familia : a tratar na
ver aos pais de familia que quizrem se ulilisar rua da (;adeia n. 35, terceiro andar,
de seus serviros, que se achara alerta a sua aula
do dia 1* de marco em diante, en. Santo Amari-1
nho, casa confronte a do Sr. Luiz Annes, podeudo
garantir a lodos que Ibe quizerem confiar as suas
Dinas o melhor desempenho de suis obrigacoes, e
perianto o adiamntenlo em pouco lempo de todas
Coclieira
as suas alumiias.
proprios para capas, com 9 palmos de largura a
1,200 o covado, ditas para vestido a 280, 320 e
400 rs. o covado : na rua da Imperatriz, loja da
Anua n 56, de Mendes Guimares
Balos da Arara a 35, 3;00 e i&.
Vende-se balos americanos, os melhores que
lem vin.lo, de 20, 30, 35, 40 arcos a 33, .3500,
! 43 e 43300, ditos de brilhanlina a 43, dlos de
madaiKilio a 33600 : na rua da Imperalriz n. 56,
eslabeleeimento
Qaem quitar comprar a taberna da rua de Joo
Fernandos Vieiraa. ii, propria pata principiante,
dirija-se taberna grande da Soledade, ou no lar-
go da Santa Cruz n. 84.______________________
Prccsa-se de urna aiua que cozinhe e ea-
gomme, taca os mais oitcos de urna casa de
pouca fazutia : na rua dos ftrs n. 27.
Vende-se a cocheira da rua do Imperador n. 2o, loja da Arara.
! lar na rua do Crespo 0. 14, loja.___________! Vende-se chitas a 240 rs. o covado, ditas fran-
, --------tt------,, ,-, ,. c..|..,rta de dous an- rez:ls c0,n pequeo toque de mofo a 280 rs., ditas
- Venae-se mi a parto do sob .do de dous an ^ i.^ e m^ oeova(]o na fua da
dares, sito na rua do Vigario n. 17 a irawr i ___,.~m* i~:. j. i___
Imperatriz n. 56, loja da Arara.
rua Xva n. 43, segundo andar.
Plvora. Vendem-se 32 travos de fundo, de 40 palmos
Vende-ae*) 100 barris para cima : no escrp- de compridoe 8 pollegadas de grossura : a tratar
lorodeRatheABidoulac, rua do Trapiche Novo na fabrica de chapeos da praca da Indopc-nwBCia
.a. 18, pmiiuirandar. ns- "* *"'
,..;..


GRANDE REVOLUTA

Diarlo de I'cruaulHico Quinta fclra l i de Fcverciro de 1864.
NO
ARMAZ
DO
0 homem do moyimeiio nao estaciona,
AVANTE E SEMPRE
GUERRA AOS INIMIGOS
Sao se admiti a uniao coiuniercial.;
Nao scqiKT a liaba da allitmea.
Nao se teme a furia dos corsario*.
Ksteanno ha le ser ufcsexto.
Oh canhdes estiio preparados.
FOGO! BOM FOGO!! MELHOR FOGO!!!
Aba i a liga d'.-tguu no vinagre
Viva a liga d genilo dieres coia u liamlirc!
Viva e conservador d: s conservas inglezas!!
Vivan os liberis cgtcze> do BALIZA!!!
Vivan lodos que lerem estcaannncio.
SENHOliES E SENIIORAS.
O proprietaro do grande Armtzem do liahzn estaheleeido i na do L'uTaiaento r s.
45
CALCADO.
Rua Direita
45
.tprovriiciti eni quantfo icnipo!
Rorzeguins francezes de lustre pa-
ra humem................. 50000
Rorzeguins francezes de cores pa-
ra meninas................ 20000
Rorzeguins francezes pretos para
meninas.................. 26500
Sapatos de lustre para senliora.. 14000
Sapatosde lustre s avessas..... f>< 10
&la
este cstabelecimen o,
jeneros, como cora o
lina do indinado nmeros
4 c ft,
: est disposlo a continuar a vender pelos procos
ahaixo declarados, pois para principar o novo
i anno.
Caixas de brelas de cnla muilo finas a 40 rs.
Varas de franja de laa de todas as cores a 40 rs.
Ditas fe tranca de laa de todas as cores a 20 rs.
Ditas de trancelim raneo muilo superior a 20 rs.
Trancas de algodio brancas e de cores a 80 rs.
Duzt'as de metas para senhora muito superiores a
:15800.
' Crozas de pennade ac muito finas a 500 rs.
, Caivetes de duas e tres folhas a 500 rs.
Ditos de urna folhaa 80 rs.
Caixas para rap, muito bonitas de calungas, a
! 100 rs.
Capachos redondos e compridos a 500 rs.
I Caixas com muilo superiores obreias a 40 rs.
Varas de franjas brancas c de cores, largas, a
160 rs.
Paros de botffes para punho muito lionitos a 120 rs.
Carretas de linha Alexandre com 200 jardas a
100 rs.
Carmes de linha Pedro V com 200 jardas a 60 rs.
Ditos de linha de 50 jardas a 2*4 rs.
Duzia de meias brancas para homem a i600.
Caixas com soldados de chumbo a 120 rs.
Tintsiros de vidro com superior tinta a ICO rs.
Ditos de barro a 100 rs.
> Grozas de botoes oe louca pratiados a 160 rs.
; Tcsouras muito finas para costura a 320 rs.
Ditas ditas maiores e melhores a 400 rs.
Ecovas para limpar denles muito linas a 200
Ditas para unhas a 800 rs.
Laa de todas as cores para bordar a 75 a libra.
Caixas com phosphoros de segurancaa 160 rs.
RA HA CADEIA 1IO RBXTFE M. 5.
NOVO E
rs
S8'e38, defronte da grade da groja, acaba de reduzir os procos de quas todos os
reoeros do seu magnifico deposite.
A tarifa abaixe publicada aResla bem esta verdade.|
A guerra aos inimigos, est portanlo, asair. declarada.
As pessoas. ainda as mais exigentes, que se dignaren vvr c
ficarlo por certa nimio satisfeilas, nao s qua*to s qualidaes dos g
iratamento todo ailencioso que se Ihes dar.
Ahita doenmprimentodos deveres da boa edueaco, aver d'oraen diante aijidaCadernos'de papel branco"e1uBTfi"r!
maior capricho erasalisfazer todos que honraran esta casa, Pacote de papel amizade a 600 rs.
Os generes pelas qualidades e procos anunciados, serao offercoidos ao exime ^^rom im anvel0PS mu,t0 mtmm
dos Srs. compradores. Naor-eceieo publico -que >e pratiqoe o contrario, como em otaras Cadcmos de papct decores, grande c pequeo, a
casas, que atannunciam o que nao tem-----O Miza nio illude----- | 40 rs.
,, .. i .. Silabarios portufuezes com calungas de todas as
Ameixas francezas em caix.inhas e em frascos Ltccres ingtezcs e francezes em vazos d de diversos tamaitos a 1,200, i ,600, versos tamaitos a l.ooo, l,5oo e 4[8oo Graxa em latas muito nova a 100 rs.
2,000,2,5oe2,8oo rs. ea libra a 8oo rs.; rs. a ditzia.
OSAMD3 AEHASB1 DE MOLHADOS
RlTA DA CAREIA RO RECIFE A'. 5.
Francisco Fernandes Duailc acaba de abrir na ra da Cadeia do hecifen. j:t, um grande e sortido armazem de molhados de-
nominado luido Mercantil. Nesle grande armazem encontrar sempre o respeilavel publico um completo sorlimenlo dos melhores
gneros que vem ao mercado, tanto esirangeiros, como nacionaes, os quacs sero vendidos em porgeos ou a retalho por precos asss
com modos.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e Sardinhas de Nantes a 340 rs. o quartoe 560
10200 a caada. | rs. meia lata.
Azeile doce relina.lo cm garrafas brancas a Laias com peixe em posta : savel, corvina,
800 rs. | vezugo, cherne, linguado, lagoslinha, a
Azeite doce de Lisboa a 640 rs. a garrafa e [ 10300 rs.
40800 a caada. Salmoem latas, preparado pela nova arle
Genebra de Hollanda a 500 rs. o frasco el deeozitiba, a 800 rs.
5,5800 a fi asqueira. .Mar de tomates em latas de 1 libra a 600
Mai)':eiga ingleza flor a 8w rs. a libra c
libras para cima ser aberto um barr
presenpi do comprador.
dem fraaceza
Amendoas novas a 32o re. a libra.
Azeite doeeeQuado a 8oo rs. a garrafa,
dem de Lisboa a G4o rs. a garrafa e 4,8o
rs. a caaafia.
Alpiste a 16o rs. a libra, o 4,8oo rs. a arroba.
Arroz do Maranhao, da ladia, e Java a 8c c
loo rs. a'fibra.
Aletria branca e amarella a 4oo rs. a libra.
Araruta verdadeira a 32o rs. a libra.
Ratatas novas em gigos de 3G a 4o libras por
11 l,ooo rs. <; a 4o rs. a fibra.
Biseottos ieglezes Lunch a 18oo rs. a lata de
5 libras.
IJem de diversas marcas em latas metieres
a 1 ,9m rs.
Llera de Lisboa do qnabdade especial cm la-
tas grau l<*s c pe quenas a 3,ooo e l,5oo rs.
Bolachinhas americanas, a 3,ooo rs. a barrica
e 2oo rs. a libia.
Banhade porto a 44e rs, a libra, e cm barril
a 4oo K.
Baldea americano.' muito projirios para com-
pras a 1,03o rs.
Cha huxynt, liyss* n e perola a 3,ooo, 2,8oo,
,.*oo, 2,000 e I.Goo rs.
Ilem preto a 2,oo), l,6oo e l.ooo rs. alibra.
Chanpagne a melhor do mercado a 12,oooo
gigo e a l,2oo rs. a garrafa.
Chocolate fraacez pruneira qualidade a I,loo '"lem de peso a i$ a resma.
Cartas e tabeadas para meninos a 60 rs.
I Caixas com saperiores iscas para charuto a 40 rs.
ue 8 Carreteis de Kaha de cores com 200 jardas a 60 rs.
I na Baralhos muilo linos para vullarete a 280 rs.
Kodinhas com alflnets francezes a 20 rs.
Idm de .a e 3.a qnalidade a 700, Coo 4oo 9ar,.as de a"**" francezes finos a 40 rs.
r alibra. Caivetes de abo de madreperola de duas folhas
a 500 rs. libra, e emharril Lavas brancas de algodao finas a 80 rs.
Manteiga ingleza especialmente escoihida
de primeara qualidade a 800 rs. a libia,
em barril se faz abatimento.
Manteiga trancen a mais superior do mer-
cado a 5O rs. a libra, e 520 rs. em barril
ou meio.
Prezuntos inglezes para fiambre, ce superior
qualidade, ebegados nesle ultimo vapor, a
720 rs. a libra.
Queijos flamengos chegados ne;te ultimo
vapor a 2#(00.
Queijoprato muilo fresco e nove aGiOrs.
a libra.
Qastanhas muito novas a 120 rs. a libra e
e 3(5MOOa arroba.
Cha uxin o melhor que ha nesle genero,
mandado vir de conla propri; a 25800
rs. a libra.
Cha byson muito superior a 20500 rs. a li-
bra ; cha hyson proprio para negocio a
10500 rs. a libra.
Cha preto muito superior a 25 a libra.
Riscoutos inglezes em latas com ilifferentes
qualidades, como sejam craknel, victoria,
piquelez, soda, capiain, seed bornez e
oulras militas marcas a 10350.
Rolacbinha de soda em latas grandes a 20.
Figos em caixinhas hermticamente lacra-
das, muito proprias para mimo a 10500.
Caixinhas de 4 e 8 libras de figos de coma-
dre a 10 e 20 cada nma.
aiPassas muito novas, chegadas neste ultimo
vapor a 500 rs. a libra e 30 um quarlo ;
e em caixa se faz abatimento.
Ameixas francezas em latas de moia a 3 li-
bras a 800 rs.
Champagne da marca mais superior que
tem vindo ao nosso mercado a 180 o gigo,
garante-se a superior qualidade.
Vinho Bordeaux das melhores qualidades
que se pode desejar de 70500 a 80000 a
caixa e ^iO a 800 rs, a garrafa.
Caixas com vinho do Porto superior de 90
Caixinhas com ameixas francezas, ornadas
com ricas estampas na caixa exterior,
muitopiopriasparamimo,a 1020-, 10500
e20.
Frasco de vidro com lampa do mesmo, con-
tendo meia libra de ameixas francezas, a
10200.
Marmelada imperial, dos melhores conscr-
veiros de Lisboa, em latas de I e meia a
2 libras a 000 rs a libra.
Fructas em calda das melhores qualidades Ararola verdadeira a320 rs. a
que ha em Portugal em latas hermtica- C?v?da a !? rs" a 1bura e JS
mente lacradas a 500 rs. | Alpista a 100 rs. a libra e 40SOO
Peras seccas muito novas a 640 rs. a libra. Ra'3^ m1'^ novas em ?'8s ci>m 40 libras
Nozes muito novas a 160 rs. a libra. I Por W e a 'l(' rs; a llbl'a- oft
Amendoas de casca molle a 400 rs. a libra. Cebollas a 10 o molbo com mais de 1 Ota-
reis.
Chouricas e paios em latas de 8 e meia libra
por 70.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra e
80000 a arroba.
Rolaxinha ingleza a 320 rs a libra e 40 a
barrica.
Sag muilo novo a 240 rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 200 rs. a libra,
1-arinha do Maranhao a 120 rs. a libra.
ibra.
arroba,
a arroba
rs. a libra.
I lem bespanaol a l,2oo rs. a libra,
dem suisso a l.ooo rs. a libra.
Cerveja branca marca Allsopps a 4,5oo rs. a
duzia, e a too rs. a garrafa.
Cognac inglez a 64o rs. a garrafa a 8oo e a
l.ooo rs. .
Concervas inglezas em frascos grandes a 75o
rs. o frasco.
])tr menos,
dem era latas a 20000* a 10500 a laja.
Maua de tomate cm barril a 480 rs. a libra.
Idei i em lata a 640 rs. a lata.
Mostarda ingleza 400 e 600 ris o poie.
Marnelada imperial dos melhores fabrican-
tes de Lisboa a 600 rs. a libra.
Ma vasquino de zara a 8oo rs. o frasco e a
H > | duzia.
Mas;.as fiara sopa, taJharim e macan So a
480 rs. a libra,
dem firtas, eslrelinlta c pevide, caixioha
cem 8 libras a 10600.
Noztsa 16o rs. a libra.
Peixe preparado de escabeche, da melhor
qualidade ijue tem vindo ao mercado, a
frfa lata.
Presunto de lamego muito superior a 480
lt. a libra.
dem para fiambre (inglez) a 640 ris a
Jura.
Idea americano a 400 r. a libra.
Paj 11 almaco a :t?uoo a resma.
Miadas de ima frxa para bordar a 60 rs.
SALSAPAERILHA
Avelas muito novas a 200 rs a libra.
Amendoas confeiladas de diversas cores a
800 rs. a libra.
Macaas> e peras chegadas neste ultimo vapor,
muito perfeitas, s 'vista se faz o prego.
Conservas inglezas em frascos grandes a 750
rs. cada um.
Ervilhas francezas e portuguezas cm latas de
1 libra a 640 rs.
Ervilhas seccas muito novas a 160 rs. a
libra.
Chocolate francez, o que ha de melhor neste
genero, a 10200 a libra.
Chocolate hespanhol a 10200 a libra.
Genebra de laranja em frascos grandes a 19.
Cerveja branca e preta das melhores marcas
que ha no meicado a 500 rs. a garrafa e
da um.
Caf lavado de primeira qualidade a 300 rs.
a libra e 90 a arroba.
Caf do Cear muilo superior a 280 rs. a li-
bra e 8;>400 a arroba.
Caf do Rio, proprio para negocio, a 80.
Arroz do Maranhao a 100 rs. a libra e 20800
a arroba.
Arroz de Java a 80 rs. a libra e 29400 a
arroba.
Vellas de spermaceli a 560 rs. a libra e
540 rs. >e for em caixa.
Vellas de carnauba refinada a 320 rs. o mas-
so e a 9,5 a arroba.
Doce de goiaha a 640 rs. o caixHo.
Macarro, talharim e aielria a 480 rs. a li-
bra ; em caixa se faz abatimento.
Eslrellinha,pevide earroz demassa para sopa
a 400 rs. a libra e 20 a caixa r< m 6 libras.
dem francezas de muitas qualidades a 5oo
rs. o frasco e a 5,5oo rs. a duzia.
Charutos neste genero temos grande sorti-
mento tanto da Rabia como do Rio de Ja-1 ga|
neiroa I.Ooo, 2,2oo, 2,5oo, 3,ooo e4,ooo
rs. a caixa.
Caf do Ceari muito superior a 28o rs. a libra
e a 8,ooo rs. a arroba.
Hem do Rio a 3oo e 28o rs. a libra.
Ceblas a9oo rs. o molho cora mais de loo
ceblas.
Chouricas e paios a 72o rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 2oo rs. a libra.
Cevada muio nova a 8o rs. a libra.
Copos lapidados a 5 e 6,ooo rs. a duzia.
Eioce de goi-iba era latas a 4oo rs. a libra,
dem de caj em latas a 320 rs. a libra.
Ervilhas francezas e portuguezas a 5oo e 64o
rs. a lata.
|lem seccas a 16o rs. a libra.
Figos de comadre cm caixinhas com 8 libras
por 16oo rs.
Parlaba do Maranhao a 12o rs. a libra.
Farinha de trigo muito superior a 12o rs. a
libra.
Farelo em saceos grandes a 4,ooo rs. o sacco
Genebra ingleza marca gato a 1 ,ooo rs. a gar-
rafa.
Palitos para tientes a 100 rs. o maco.
Dito dito de Cor a 200 rs.
Dito; do gaz a 24200 a groza
Pasiis novas a 480 rs. a libra e a l800 a
nixa.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 20500.:
Pito londrino a )00 rs. a libra.
Dito prato a 040 rs. a libra.
Sar lindas de Nantes a 320 rs. a lata.
DiUide Lisboa a 640 rs. em lat grande.
Sagi muito superior a 240 rs. a libra.
Sal refina Jo, era potes de vidro, a 600 rs.
o pote.
a 120, 1G0, 200 e240rs. a
DE BRXSTOL.
jroeaa >!e
i:SCKOF tTJLtMS,
TTLCER.Ag,
CHACA A\TIAS,
ENFERMMBES SYPHWTICAS,
Erysipelas. Rbeuraatismo,
Nevralgias, Escorbuto,
etc., ee., etc.,
tota gnuigcadu o dado <> alto re-
noinc i
Salsaparrilha de Bristol
por ludis partes do
hmente devidaa ;i
universo, sao to
libra.
Toiiinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Dito de Santos e 300 rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 140 rs. cada um.
Vassouras americanas a 64o rs, cada urna,
dem do Porto a 400 rs, cada urna.
Velts de carnauba e composico a 320 rs. a
libra ea 100 a arroba.
TJr.ica Legitima c Original
SALSAPARRILHA DE BRISTOL,
r.M UiUi.v EXCLl'SnrAlMXn I'Olt
I.WMA.V & KEnr DE AOVA YORK,
Mediante a r, ia do Dr. C. C. BristoL
venda as boticas de Caors A Rarboza,
dem verdadeira de Hollanda em frascos muito
grandes a 1,2oo rs. o frasco,
dem de Holanda em frascos pequeos a 5oo
rs. o frasco,
dem de laranja a l.ooo o frasco.
Gomma do Aracaty a 8o rs. a libra.
Grau a loo rs. a lata e I,loo a duzia.
Linguas americanas de granie tamaito a
l.ooo cada urna.
dem stearinas superiores a 560 rs. o rua da Cruz, e Joo da C. Rravo C, ra
maco, e em caixa por menos. Vinno do Porlo, neste geneno temos o mc-;
llur sortimento possivel, que vendemos'
por precos muilo haixos a 10 a garrafa e
a 10/ e 12 a duzia.
IdentCherry oda Madeira em barris e cm ^SS^in^^^^S^. IJsbM a Gi0 ''s-
caixa, a I2> a caixa e a barril conforme o reih, com urna Ugoa de frente e meia de fundo, e. Araruta verdadeira de malarana a 320 rs. a
tillando proporcoes para nella se levanlar um bom enge-'
Ideiii de Figueira e Lisboa, em ancoras de nho du fazer assucar, sendo qoe actualmente ren-
8 a 9 caadas, por 280000. dc eMa Inais 1:00* *!ue Pa8am. os moradores
AWISJEM
5?800 a duzia.
a laduz"ia7e'(k)"aT0VgariVfardesleCogMC inglez de superior qualidade a800 ^aH^Vd^^Hxlidc'sVom nftr'a 200 rs.
genero ha grande porcaoe dedifferentes| e J^ouagrrala. o masso, ditos lixadossem flor a 160 rs.
marcas acrediadas que j se vendern) i Licores francezes das segumles qualidades :; omassocom20 massinhos.
por 14 e 150 a caixa, como sejam: Duque Anizete de Bordeaux, Plaisir des Dames Gomma de engommar muito lina a 80rs. a.
do Porto, Lagrimas do Douro. D. Luiz,' e de outras muitas marcas a 10 a garrafa |j)ra<
Cames, Madeira secco, Carcavellos, Nec- e 100 a caixa. Banha de porco refinada a 480 rs. a librae
lar de 1833, Duque Genuino. Marrasquino de Zartt a 800 rs. a garrafa e 40Ors. em barril pequeo.
Vinho de pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a 9# a duzia. Charutos dos melhores fabricantes de S. Fe-
400,480 e 560 rs. a garrafa, e o0, 30200 Mostarda ingleza em potes j preparada a i lix, em caixas inteiras ou em meias, de
c 305(10 a caada. i 400 rs. 10600, 20 e 30.
Violto branco de superior qnalidade, vindo Mostarda ingleza em p, em frascos grandes^ Presuntos Jo reino, vindos deconta propria
j engarrafado a 640 rs. a garrafa e a 500 a 10 cada um. de casa particular, a 400 rs. a libra; iutet-
rs. de barril.
i Sal refinado a 500 rs. o pote.
Sfc
rose faz abatimento.
Os senhores que compraron de 1000000 para cima, tero o descont dc 5 por cenlo, pelo promplo pagamento.
CLAROS
COMME
IRLA 1IO OUEIMADO X. 45,
Passando o boceo ca Congregado segunda tasa.
NOVIDADE.
Pereira Rocha & C. acabara dc abrir na rua do Queiraado n. 13 um armazem de molhados denominado Claiim Caminen o,
onde o respeilavel publico encontrar sempre um completo sortimento dos melhores gneros quo vm ao nosso mercado, osquaes
serJo vendidos por precos muilo resumidos como o respe:tavel publico ver pela tabella abaixe mencionada ; garante-se o bom peso
e boa qualidade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do Maranhao, da India e Java a 80 e
100 rs. a libra e 20400 a 208OC rs. a ar-
roba.
Ameixas francezas em latas e em frascos a
10300 e 10000.
Amendoas com casca muilo novas* a 280 rs.
a libra.
Alpista a 160 rs. a libra e a 40600 rs. a ar-
roba.
Azeite doce francez muito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa.
a garrafa.
Chouricas e paios muito novos a 800 rs. a
libra.
Cevadinha dc Franca muito superior a 220
rs. a libra.
Cevada a 80 rs. a libra.
Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lata.
Palitos de (lentes a 120 rs.
dem de Ilr a 200 rs.
Palitos do gas a 24300 re. a prosa.
Passaa muito novas a 480 rs. a libra.
Peras seccas maito novas a 600 rs. a libra.
Painco a 200 rs. a libra.
que tem : quem a pretender enfenda-se nesta pra-
Dtto em pipa a 30000, 30oOO e40ooo a ca- ,.a com o Sr. Antonio Jos Leal Reis na rua da
nada 'Cadeia do Medre n. 47.
50 a
dem do Porto, denomiuado Raliza, a
caada,
dem idem em garrafes a 2050), com o
garrafo. I
dem de Bordeaux, das melhores marcas que
vem ao mercado, a 60 a caixa e a 640 rs.
a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 10600,108oo e 20000 a
caada,
dem idem.em garrafes com 5 garrafas, por
13 com o garrafo.
Vinho de caj a 10 a garrafa.
lem dez annos.
Cal de Lisboa
chegada ltimamente ; Da rua do Vigarlo n. 19,
primeiro andar.__________________________
ca DE Slii
Vendem-se barra com cal dcs-
tn procedeuefa, em pedra, chega-
da boje, e unir nova, que ha no
mercado, na rua do Trapiche n.
13, armazem de Manoel Tclxel-
Este vinho "">________________________
Vndese o cnirenho S. Manoel, sito na fre-
__________frupzia do Rio Formoso, e margem do rio Seri-
nhaem.o qual demarca com os engenhos Cachoci-
V'ende-sc ou permulase por predios nesta ra, Chango e Gamellcira, rae com agua e muito
jeidad o engenho Vtlho da frcguezia de Santo A- copeiro, lem capacidade para safrejar 2,500 paef
A loja da Aurora na rua do larga do Rosario nuu* ,c Jalwatao, o qual epgenho aclia-se livre e annuaes, e se acha quasi todo em mata virgem.
n. 38, reeebeu riquisslmos enfeiles Maria Pia, desembargado de qualquer pendencia, c tem ter- dislando do embarque l\i legoa: quem pretender,
ou mais modernos que tem chegado poii desta reno Mifllcienlc para oulro enpi nho, lem ptimas dirjase rua do Vigano n. 5, que achara core
qualidade sao es prinieiros que tem vindo a este obras, trabalba com agua; vendendo-te tambero quem tratar.____________
mercado, qual prar algum desta qualidade lenha a boodade de, f*e anlmaes : a quem o negocio cima con-1
mandar quanlo antes pois vicnm poucos e estao vier' dirija-se ao seu proprietario no incstno cu-'
se acabando porque esle (orara amostras que re- 6enl1, _________________________________
cebemos e nao *i quando roceberomos mais. Vndese o sitio dos Arcos, no lugar dos Re-
Enteites.
Z ~ '" ,. medi< s, com boa ca>a de vi venda e grande em ex-
rarraba supcrisr de 5anu talhanna. tensa, do terrono, e cacimba, a casa sita a maior
Vende-se em porcao ou a retallio, a bordo da parte m chaos proprio*, tambera se vendem qua-
l.nvas de pellica.
r.hi-garam para a loja d'aguia branca,
Queimado n. 8.
libra.
Avelas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Ratatas muito novas a 40 rs.
Riscoutos inglezes de diversas marcas a
10300 ris.
Rolachinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a lata.
Ditas inglezas muito novas a 30000 a barr-
quinha e a 200 rs. a libra.
Banha de porco refinada a 440 rs. a libra e
eembarrila 410 rs.
Cha hysson, huchiit e perola a 14600, 20,
24500, 20800 e 30000 a libra.
dem preto muito superior a 20000 rs a li-
bra, i
Ceneja pela e branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. ;i garrafa
e 50800 a duzia.
Cognac inglez fino a 900 rs. a garrafa. '
Conservas a 720 rs. o frasco. |
dem, so de pepino, a 720 rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
dem seccas muilo novas a 200 rs. alibra. Queijos flamengos do ultimo vapor a 20400
Figos de comadre e do Douro em caixinhas ris.
de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a dem prato a 640 rs. a libra.
10800, 54500 e 280 rs. a libra. Sardinhas dc Nantes a 32" rs.
Farinha do Maranhao a 120 rs. a libra. Sag muilo alvo e novo a 260 rs. a libra.
120 rs. a libra. Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Farinha de trigo a
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD
a iiOO rs. o frasco e 60200 rs. a frasquei-
ra.
Mein em garrafes de 3 c 5 galoes a 50500
e 70500 cada um com o garrafo.
Gomma do Ancaty a 80 rs. a libra.
Graixa a 100 rs. a lata e 10100 rs. a duzia.
Licores muilo finos a 700 rs. a garrafa.
dem, qualidade especial e garrafas muito
grandes, a 1 >800 rs. a garrafa.
dem garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, garrafa forma de pera e rolha dc vi-
dro, a 10000 rs., s a garrafa vale o di
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamentc flor, desem-
barrada de punco a 800 rs a libra, e de 8
libras para cima se far nina differenca.
dem francesa muito nova a 560 rs. a libra,
e em barril lera abatimento.
Massa de tomates em barril a 480 rs. a li-
bra,
dem em lata a 640 rs.
lijlos de
Vallas de
bra.
dem stearinas muito superiores
libra.
impar facas a 140 rs.
carnauba pura a 300 rs. a li-
s a 600 rs. a
barca M, alrs -ada ao trapiche do Baro do I,-
vramento, ou no escriptorio de Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo & C, rua da Cruz n. 1.
tro me radas dc casas confronte a mesma casa dos
Arces, em chao foreiro : a tratar na rua do Seve
n. 2, )u na ruado Encantamento n. 11.
rua do [ Charutos dos melhores fabricantes t a Rabia
______ c especialmente da fabrica imperial de
I\T I iVfT X \ HHWT Candido Ferrara Jorge da Costa, n 10800,
lllftPJ?A_l>___.U J3I\U%V. 24000,84800, 20500, 20800, 30000 e
Remedio infallivel contra as gnorrheas 30500 a caixa.
antigs e recentes, nico deposito na Ixt-iCaf do Rio muilo superior a 260, 280 e
tica franceza, rua da Cruz n. 22, pre-1 300 rs. a libra e 70500, 80 c 8 >: 00 rs. a
co 30. j arroba.
Vinho do Porlo engarrafado o melhor qu
ha neste genero e de varias marcas, como
sejam: Vclho de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D.Pedro, D. Luiz I, Maria Pia,
Rocage, Chamisso c oulros a 800, 000 e.
10000 a garrafa, c em caixa com urna du-
zia a 04000 e 100000.
dem em pipa, Porlo, Lisboa e Figueira a
480, 500 u 500 rs. a garrafa e 30, 30500
c 40 a caada.
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a gai-rafa,
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julen a 700
e 800 rs. a garrafa, c 70000 e 70500 rs.
a duzia.
dem Morgaux cChatcauluminidc 185', a 10
Marmelada imperial dos melhores conservei-! a 8*"**'
ros de Lisboa a 600 rs. a lata. I(lem moscatel a 800 rs. a garrafa.
Marrasquinho de Zara, frascos grandes, a Vinagre de Lisboa a 200 rs, a garrafa e
b 10200 rs. a caada.
800 rs.
dem regular a 500 rs.
Massas para sopa : macarro, talharim e ale-
tria a 480 rs.
I Nozes. muito novas a 160 rs. a libra.
Peixe em latas preparado pela primeira arte
de cozinha a 10 rs. a lata.
'Palitos de dentcs a 160 rs. o masso.
Kirsk garrafas muito grandes a 10800 rs.
Alm dos gneros cima mencionados te-
mos grande pon;3o de outros (pie deixanos
de mencionar, e que tudo ser vendido por
pecas c carnadas, tanto cm poredes como
retalho.
Quem comprar de 1000000 para cima tc-
ra o abate de 5 por cento.
a-'


Diarlo de i'ernambiico -- 4|uinia feira 11 ATTENCAO
9 I i Alt O II MI CAKJ9IO 9
GRANDE S0RT1MENT0
DE
ATT1
A OS
DO
PEHEVCHA
(O NUMCA HOITE
no
ARMAZEM
PARA A FESTA.
DUARTE & C.
Participam aos seus numerosos freguezes e ao publico em geral que acabara de
receoer de sua propria encommenda, o miis lindo e completo sortimenlo de molhados,
os quaes vendem por grosso e a retalho por menos 10 por cento do que outro qualquer
anmincianle, como vero pela seguinte tabolla que abaixo notamos, garantindo os mes-
aros proprietarios n5o s o peso como a qualidade de seus gneros.
ATINO.
Todos os sensores que compraren Para negocio ou casa particular de 1000 para
cima tero mais 5 a 10 por cento de abatimento, os proprietarios scientiBcam mais que
todos os seus gneros s3o recebidos de sua Propria encommenda, razo esta para pode
tender por milito menos do que outro qua'luer estabelecimerito.
PR06RBSSISTA
RIJA SI AS < it i rzES A. :i o
E
RA DO CRESPO N. 9
No bairro de Manto Antonio.
Joaquina Pos Cime de Souza tem a honra de par apar ao respei-
tavel publico, que tem resolvido vender os seus gneros de primeira qual dade por meos
10 a 20 por cento do que outro qualquer annunciar, como se ve do anente annuncio,
asseverando o proprielario destes armazens a aquellas pessoas que frepientarem estes
estabelecimentos, que nunca terao occasiao de reclamar qualquer ger ero, visto ter-se
adoptado n'esias casas o ptimo systema de s se negociar com gneros especialmente es-
comido^.
Manteiga ingleza flor a 8oo rs. a libra.
Castanhas muito novas a 2,ooo rs. a caixa, ii
a I(}o rs. a libra.
Bolinho francez e em caixinhas de 7oo :t
1.5:-)o rs cada urna,
dem trancen a mais nova do mercado a 56o
rs. i libra, e 5io rs. em barril.
dem de porco refinada muito alva 46o rs.
a libra.
Pre.uirto para faabre a 8oo rs. a libra.
Cha utim raiudinho vindo de conta propria
o melhor do mercado a 2,8oo rs. a libia
llera hyson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra,
dem perola o melhor que se pode desejar i
2,7oo rs. a libra,
ldeio preto muito fino a 2,5oo rs. a libra.
dem mais bailo pouco a 2,ooo rs. a libra.
dem mais bao a l,8oo rs. a libra.
Vin'io do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado garante-se a superioridade deste vi-
nho. das seguintes marcas : Duque, Ge-
taino, voltio secco, especial lagrimas do-
cea ile 1849, vinho especial D. Pedro V.
vinho vellio, Nctar superior de 1833, Du-
que do Porto de 1834, vinho do Porto ve
io superior, madeira secca de superior
nialidade, vinho do Porto superior l) Lo-
K 1 de 1847, lagrimas do Douro espe-
tial, vinho do Porto de l.oooa l,2oo rs.
a garrafa e de lo,ooo a l.ooo rs. a caix?
com urna duzia.
Bo' ichinha de soda especial encommenda e a caixinha, tambem ha Utas de 1
m iis nova que ha no mercado a 2,2oo rs. a Dras (le no a 4> 3oo rs a ata
tota- dem em frascos com lampa de rosca a l.Coo
Biscoitos irglezes das memores marcas ero rs 0 frasco,
l;itinhas'ie2 1ibrasal,3oo rs. a lata |Chocolate portugus, hespanhol, francez e
Hen ingleses craknel em latas de o e 7 libras suisso a 1>20 rs a iDra>
de 5,000 a 6.000 rs. a lata, e em libra Conservas inglezas das seguintes marcase
Mixile-Picles e cebollas simples a 75o rs
Vellas de carnauba e composico de 32o a
36o rs. a libra e de lo.ooo a H.oeo rs. a
arroba.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
440 rs. a botija, e em duzia ou em barrica
ter abatimento.
Massas para sopa macarro, talharim e aletria
a 48o rs. a libra e em caixa ter abati-
mento.
dem estrellinha, rodinha e pevide em caixi-
nhas de 8 libras, muito bem enfeitadas de
2,5ooa 3,5oo rs. a caixinha e a 600 rs. a
libra.
Doce de goiaba em caixas de diversos taa-
nnos de 600 a 1,000 rs. o caixo
Sabo massa de 2oo a 24o rs. o melhor, em
caixa ter abatimento.
dem hespanhol a 28o rs. a libra.
Peixe em latas muito novo ; savel, pescada,
corvina, salmfio e outras militas qualidades
preparada de escabeche 2 a arte de cosi-
nha de 1 00 a 1,80o rs. a lata.
Figos em caixas de 1 arroba, '/ e 8 libras
a 8,000 4.000 e 2,ooo rs. a caixinha.
Barris de vinho branco de quinto, marca B
& Filho a GO.ooo rs. o barril.
Marmelada imperial dos*m Inores conservei-
ms de Lisboa a 64o rs. a 1 tinbade 1 libra,
ha latas de 1 'i e 2 libras.
Massa de tomate em latas douradas de 1 libra
a 64o rs. a lata.
'Ameixas franrezas em caixinhas elegante-
mente enditadas de 1,5oo a 3,ooo rs. a
Vi a 6 li-
CHA
hysson.i uxim e perola a 2 400, 2,600 o
2,80^ rs. a libra.
CAF
muito superior, do Rio e do Cear a 8,000
e 8,400 a araoba e 300 rs. a libra.
VINHO
de Lisiaba e da Figueira a 3,500 e 4,000 a
a caada,
do Porto engarrafado de diversas marcas a
1.000 Irs. a garrafa.
Bordeau de diversas qualidades a 7,000,
8,000,| 9,000 o 10* a duzia.
CHAMPAMIE
CONSERVAS
inglezas a 8,500 a duzia e 760 rs. o frasco.
SAL REFINADO
em frascos de vidro com tres libras a 600 rs.
PEIXE
em latas ermeticamente lai radas a 1,000
rs. cada urna.
PORVOS
do Porto muito bem conservados a 500 rs.
a libra.
MUSTARDA
preparada muito nova a 400 rs. o frasco.
MARMELADA
dos melhores conserveiros a 640 rs. a libra.
KSl'EKM ACETE
ibra, e em caixa
10 i;Aituo 11% n:\ii t 10
Francisco Fernando Duarte dono deste muito acreditado armazem
de molhados, acaba de receber neste ultimo vapor os mui desejados gneros escollados
por elle na Europa, todos muito proprios para a festa os quaes est resulvido a vender por
precos baratissimos como vero pela seguinte tabella, e mesmo pede a todos os Srs. da
praca, de engenhe e lavradores para que mandem uas relaces para serem despachadas
no armazem do Progresso do largo da Penha n. 10, alim de reren) a grande vantagem
que tiram, tanto na superioridade dos genero* como nos precos asss resumidos,
os Sr. que nao poderem vir poderSo mandar seus portadores anda que nao tenham pra-
tica, que sero tao bem servidos como se viessem pessoalmente.
O nteresse que tira o proprielario deste acreditado armazem, j deve ser bem co-
nhecido pelos seus numerozos freguezes, pois sraiplesmcnte consiste em servir bem e ga-
nhar pouco, alim de conseguir a continuado daquellas pessoas, que a primeira vez se dig-
narem honrar o seu estabelecimento.
Queijos flamengos chegados neste ultimo
1 vapor a 2,ooo rs.
dem do vapor passado a 1,80o rs.
dem prato muito no vos e de superior qua-
lidade a 4oo rs. inteiro, e a 5oo rs. a
i libra.
[ Doce de goiaba fino em caixos com 2 '/
libras por 600 rs.
dem mais baixo a 54o rs.
Manteiga ingleza flor a mais superior do
mercado a 72o rs. a libra.
Arar uta verdadeira a 32o rs. a libra.
Fariitha do Maranhlo muito alva e cheirosa
a 12o rs. a libra.
Sag muito novo 24o rs. a libra.
Scvadinha de Franca a 2oo rs. a libra
Sevada muito nova a loo rs. a libra.
Cominhos, ervadoce e pimenta do reino a
36o rs. a libra.
Genebra de Hollanda a 5,5oo rs. a frasquei-
ra com 12 frascos, e a retalho a 5oo rs.
cada um.
dem de segunda qualidade a 64o rs. a libra. dem em botija hamburgueza a 4oo rs.
Manteiga franceza de primeira qualidade a Genebra de laranja a l.ooors. os frascos
56o rs. a libra, e 52o rs. era barris ou grandes.
meios. Vinho de caj o melhor que ha no mercado
Cha perola neste genero nao ha nada a de- al ,00o rs. a garrafa.
sejar, e de especial qualidade, mandado Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groza e 2o rs.
m* sudenor a 3,000, o 0,00 rs.. Mlia a IJOO. W*>, 600 e i.000 r, f^rS^S^*"-
a melhor que temos neste mercado a 20,000 j mum superior a 500 rs. a i
rs. ogigo. a550rs.
CERVEJA (.11 ARITOS
a caixa.
da India e
arroba e
Soo rs.
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
a 2.5oo rs. cada um.
alera prato a 7oo rs. a libra.
Vinho em jiipa das mais acreditadas marcas
no sejamBd F., PRIl, JAA, oatrat;
is. Porto, Lisboa e Figueira
le k8o, 5oo, 060, 64o 0800, rs., e o do
Porto lino era garrafa, e em ornada 11
J.OOO, 3.5oo, 4,ooo e 6,5oo rs. o melhor
do Turto.
ldfm rordoanx das mais acreditadas marcas
a 7oo rs a garrafa, e a 8,000 rs. a caixa
Garrames com 5 garrafas do superior vlnhji
do Porto a 2,2oo rs. com o garrafo.
Uem com 5 garrafa de vinho da Figueira mai 5
proprio para a nossa estai;o por ser mai;
fresco a 2.4oo rs. com o garrafo.
dem oom ;i garrafas de viuagre a l,2oo rs.
cora ogarralao.
Vtto branco o mais superior que vera ao
nosso mercado a 56o rs. a garrafa, e 1
|,3oo rs a caada.
Velas de esparmacate as melhores neste ge-
nero de 060 a Oio rs. o maco, cen cai-
xa ter grande abatimento por ha*e*
grande porco.
Azeiie doce em barril muito fino a 6io rs.
a garrafa e 4,8oo a caado.
dem francez retiido a Roo rs. a garrafa.
Ervthas fraacezas e purtuguezas a 64o rs. a
lata.
: loces s secos de Lisboa de 3ou
a 3,5oo r-. cada urna.
Toocinho deLisboa a 3oo rs. a libra, e a
9,000 js. a arroba.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra e 4,800
rs. a arroba.
Caf de I-.*, 2.a e 3.a qualidade de 26o, 3oo
c 3 o rs. a libra, do Cear de7,8oo, 8,600,
e 9-2oo rs. a arroba do melhor.
tiro', da India, Java eMaranbo de 2,800 i
3,000 a arroba, e de 80 a loo rs.*a libra.
fcttsas muito novas a 8,Soo a caixa e Soo
a libra, ha caixas meias e quartos.
>:vadinha de Franca a 24o rs. a libra,
ag muito novo a 28o rs. a libra.
o {rasco.
Aii'-oretas de vinho colares a 5o,ooo rs., e
a 72o rs. a garraf
Sardinhas de NantfiS a 3o rs. a latinlia.
Charutos das mais acreditadas marcas de
2.Soo a 4,000 rs. a caixa.
Champagnbe a melhor do mercado de 12.000
a 24,oon rs. o gigo, e de I,2oo a 2,000 rs. a
garran.
Papel greve paulado ou liso a 3,Soo rs. a res-
ma.
dem de peso pautado 011 lizo de 3,5oo a
4,000 rs. a resma.
Gomma muito fina e alva a 80 rs. a libra.
Milho alpista e painso de 16o a 2oo rs. a li-
bra.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a grosa e 2oo rs. a
duzia.
Vasos inglezes de 4 a 1G libras vasios, muito
proprio para deposito de doce mauteiga
011 outro qualquer liquido de l,ooo a
3,ooo rs. cada um.
Licores das melhores marcas e mais finos
a l.ooo rs. a garrafa e em caixa ter abati-
mento.
Cognac verdadeiro ingle/, a 9oo rs. a garrafa
e lo.Soo rs. a caixa.
Ghouricas as mais frescas do mercado a 800
rs a libra.
Genebra de laranja em frascos grandes a
t,ooo rs. o Irasco.
Servis das mais acreditadas marcas de
5,Soo a ti.Soo a du/.ia c de mais a Soo rs.
a garrafa.
dem em botijas e meia, sendo preta da
muito creditada marca T de 6,Soo a 7,8oo
rs. a duzia.
Ceblas em molhos grandes a 800 o molho
640 o cento, e a O,Soo rs. a caixa
Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
Farinha do Maranho a 14o rs. a libra.
lijlo para limpar facas a 16o rs. cada um.
Cominho a 4oo rs. a libra.
Erva doce a libra.
Cancha a 1,000 rs. a libra.
Batatas a 1, ooo rs. o gigo com 32 libras lqui-
das e 3,ooo rs. a caixa de duas arrobas.
duzia.
GENEBRA TOICINHO
de Hollar da em frasqueiras a 5,500 e 500 mujt0 novo a 9,000 rs. a arroba e 300 rs. a
rs. o frasco. ii)ra
ROLACIIINHA KRVILHAS SEt.CAS
de soda 'i'"3' L 1 Jtll PALITOS PARA HESA
inglezas ekn barricas a 4,000 e 240 rs. a ... ... .....
ljunu muito bem felos a 160 rs. o maro.
BISCOUTOS VINAGRE
em latas de todas as qualidades, a I.oOO rs. de Lisboa PRR a 240 rs. a garrafa e 1.600
cada late- :l 'aada.
AMENDOAS DE CASCA
as mais novas do mercado a 240 rs. a libra.
FARINHA DE ARVRLTA
verdadeira e muito nova a iOO rs. a libra e
10,000 rs. a arroba.
ERVA DOCE
muito nova a 300 rs. a libia e 9,000 rs. a
arroba.
COMINHOS
; os mais novos e mais superiores a 400 rs. a
libra.
NOZES
muito novas a 160 a libra e 5,000 rs. a ar-
1 roba.
SAL
; o melhor que pode haver neste genero a
2*0rs. a libia.
MASSA DE TON ATE
[em lalinhas de 1 libra por 6 >'> rs. a lata.
SABO MASSA
ueste genero ha sem;re 1.111 grande sorti-
mcnto variando o prero de 120 a 210 rs.
por libra.
que se vendem todas pelo mesmo preco a
vontade dos compradores.
Iem em latas grandes a 2,ooo rs.
dem propria para lanche em latas grandes
a l,9oo rs.
Marmelada imperial dos melhores fabrican-
tes de Lisboa a 64o n. a libra.
Frutas em calda em latas de l.ooo a Soo rs.,
neste genero ha diversas qualidades a es-
colher.
Champanba superior das marcas mais acre-
ditadas a l.Soo rs. a garrafa e 15,ooo rs.
o gigo.
Serveja das melhores marcas que vem ao
mercado a Soo rs. a garrafa e a S.ooo rs.
a duzia
dem preta superior a 56o rs. a garrafa e a
S,4oo rs. a duzia.
Vinho Bordeaux de differentes marcas, e as
melhores do mercado a 7,000, 7,Soo e
8,000 a caixa com urna duzia, e em gar-
rafas a 64o, 7oo e 800 rs., garante-se a
boa qualidade.
dem Figueira de superior qualidade a 48o
rs. a garrafa e 3,Soo rs. a caada.
dem de Lisboa a 2.800 rs. a caada e 4oo
rs. a garrafa.
dem do Porto de superior qualidade para_
mesa a 560 rs. a garrafa, e 4,000 rs. a ca-'
nada.
dem fino do Alto Douro da colheita de 1833,
como sejam: D. Luiz. Feitoria velho. Nc-
tar, Circavellos e Cames em caixa de
urna duzia a 9,ooo rs.
Tendo o proprielario des armazens do progressista deliberado nao concordar Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto
com a liga 1 a Unio Commercial, Clarim. Allianra. etc., etc., etc., declara que s con- a l,ooo rs. a garrafa o lo.ooo rs. a caixa.
corda em alllar-se aos seus freguezes, fazendocom estes una liga deioteresses re aproos, Duque do Porto, Madeira secco, duque ge-
tendo os seus alliados a (acuidade de comprarem por precos muito em coat o bom liam- nuino, lagrimas doces a Soo rs. a garra-
bre, o formillavel qneijo e a sabulosa bobebinba de sola, que fazem urna boa allianra fa c9,5oors. a duzia.
com a superior .hanipanhe e o porto fino, nicos que saben imitar a iiniSo destes ar-(Garrames com vinho do Porto a 2,2oo rs.
os seus concurrentes. Vinde, senhores, a s armazens, aonile podis den- cada um.
1 explendide sartimento de saborosos alimentos, escoihenk os que mais Vinagre de Lisboa de superior qualidade a
ARROZ
do Maranho a 2,600 e 8.000 a
100 rs. a libra.
CEVADA
muito noval a 2,500 a arroba e 100 rs. a
libra.
niEIJOS FLAMENCOS
viudos no ultimo vapor, sempre por menos
100rs. (O que outro annunciar.
GOMMA.
muito supe "for em sacros com quatro arro-
bas a 2,1)00 e 100 rs. a libra.
CASTANHAS
piladas muilu novas a 320 rs. a libra.
PASSAS
as mais w as do mercado a 8,000 a caixa e
e SOO rs a libra.
AMEIXAS
franrezas em latas de I e Ii2 libra a 100 rs.
a libra.
SARDINHAS
deNantes rhuito novas a 300 rs. a lata.
a 2,600 dem de denles lixados a 16o rs. o maco com
rs. a libra. 2o mariones.
dem de segunda qualidade a 2,ooo rs. a'Entinas seccas chegadas neste ultimo navio
libra. a 16o rs. a libra, e em porcio se faz aba-
Idem hysson muito superior a 2,5oo rs. a li-! tmenlo,
bra. i Banh de porco refinada a 48o rs. a libra e
dem preto homeopathco muito fino a 2,ooo I 42o rs. em barril.
rs. a libra. Vinho branco de superior quahdade proprio
Bolachinha de soda chegada neste ultimo | para mssa a 64o rs. a garrafa,
navio a 1,35o rs. a lata, deste genero ha Ameixas francezas em caixinhas elegante-
grande porco e de differentes marcas, mente enfeitadas com ricas estampas a
JflAIS ATTE\Vio
Exi.s e alm d'esles gneros, um explondido sortimenlo de phosphoros, fumo, al-
i pista, leras em calda e secas, figos, copos linos para agua, massas para .-opa. a/.eile. ca-
nela, pimenta, velas de carnauba, banba de porco, papel, e antros mudos gneros, de es-
tiva, que lo os sero veudos por mdicos procos.
mazeos com
tre um muit
vos apetecer
diiiheiro uestes estabeiecimentos.
certos deque nunca leres occasiao de arrepender-vos di-gastar o vosso
GR ANGEIAS antiblennorrhagicas de DUfAND
Ex INT do HOSP. dos VENREOS de PARS 4? PREMI01854
Superiores a (idas as preparares conhecidas al hoje contra as Oonorrhaaa e Bl*nnorrha$i as mais i: teosas e ratMldM*
EfTeilo seguro e protnptu, sera nauseas, nem clicas, nem tremor. Facis a lomar em segredo sem tisana
Injecco curativa e preservativa
Infalltvel, rur|i nun rapidez srm dore* o eworrimenlo.s contagiosos de ambos setos. Mori brancas. AUlrinnenle a
balsmicaitm cmttUcidade, forlilka os tegumento* t os preserva de qualquer aller.tc.4o. TAUIS, 5, ru < u HarcheShtiomor.
Deposite
geral em Pernambuf rua da Cruz n. 22 em casa de Caris A Barboza
LOJA DO BEIJA FLOR.
Boles df pnnhn para niangui M il>' spnliora.
Vendeto-fe bot5es do ininho |ra mnganos de
Meias rruas para linuiriii. senhora, do diversos ^ostos. a iOO rs. o pac : ua
Yendem-sc miias rruas para liumema 23 a du-; rua do Qneiinado. luja do beija-l or n. 63.
zia : na rua do Queimado, loja do beja-flor nume- tacas r (arfa
2oo rs. a garrafa e l.oo rs. a caada.
Azeite doce refinado em garrafas grandes a
800 rs.
dem de Lisboa a G'o rs. a garrafa, e em
caada a 4,800 rs.
Presuntos inglezes para fiambre a 7oo rs. a
libra.
dem de lamego encommenda particular a
48o rs. a libra, e inteiro se faz abatimento.
Toucinho do reino o melbor do mercado a
320 rs. a libra, e em arroba a 9,000 rs.
Velas de espermacete de 4, 5, e G por libra'
a oOrs., e em caixa se faz abatimento.
dem de carnauba refinada a 32o rs. a libra
e 9,ooo rs. a arroba,
dem de carnauba pura do Aracaty a 4oors.
a libra e to,5oo rs. a arroba.
Gomma muito fina e alva a 80 rs. a libra.
eslampas
1,200, t,5oo e 2,000 rs. cada urna. *
dem francezas em frasco de vidro com tam-
pa do mesmo contendo 1 *'% libra a i ,2oo
rs. s o frasco val quase o dinheiro.
dem em latas de 2 libras por i,4oors.
a retalho, e a 800 rs. a libra.
Figos de comadre muito novos, em bahuzi-
nhosmuito proprios para minio al ,28o rs.
dem em caixas para retalho a 16o rs. a
libra.
Passas de carnada a 48o rs. a libra e em
quarto com 8 libras por 2,5oo rs.
Bolaxinhas inglezas de superior qualidade a
2,ooo rs. a barrica, e a 2oo rs. a libra.
Chocolate francez o melhor que se pode de-
sejar neste genero a l.ooo rs. a libra.
Macas para sopa estrelinha, pevide, arroz de
maca a 48o rs. a libra, e em caixa a 2,ooo
rs. cada urna, macarraao, talherim, e ale-
trii a 4oo rs. a libra
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Avel.ms muito novas a 2oo rs. a libra.
Erviltas francezas muito novas em latas
grandes a 64o rs.
dem em ditas pequeas a 4oo rs.
Maca de tomate em latas de 1 e 2 libras a
64 o rs.
Snlmo em latas de i '/ libra a 800 rs.
Lagostmbo em latas grandes a l,4oo rs. ca-
da urna.
Sardinhas de Nanles a 36o rs. a lata.
Cognnac inglez a 800 rs. a garrafa.
Licor francez das melhores marcas do mer
cado a 800 rs. a garrafa.
Batatas chegadas neste ultimo navio em ca-
xa com duas arrobas por f,6o rs., e 4o
rs. a libra.
Coacervas inglezas a 7oo rs. o frasco.
Sal refinado em potes a 5oo rs. cada um.
Mostarda ingleia a 1,000 rs. o frasco.
dem franceza a 4oo rs. o pote.
Milho alpista a 16o rs. a libra e 4,8oo rs. a
arroba.
Graixa muito nova em latas grandes a I2d
ris.
Latas com peixe em posla ermelicamente
lacradas das melhores qualidades de pei-
xe que ha em Portugal a l,2oors.
Caf lavado de Ia qualidade a 32o rs., dito
de 2a a 28o rs. a libra e 8,2oo rs a arro-
ba, dito de 3a a 26o rs. a libra e 7,8oo
rs. arroba.
[Charatas suspiros dos melhores fabricantes
de S. Eelix a 2,5oo rs. a caixa com loo
charutos.
dem finos de diversos fabricantes a l,6oo.
l,8oo e 2,ooo rs. a caixa com loo charu-
tos, {o preco nao indica a boa qualidade
porm deem-se ao trabalho de virem ou
mandarem e vero a realidade.
ro 63.
V
38RUfl DO IMPERADOR38
as para seubora.
Yendcm-se nidias para sonhora a 33200, o
55O0 a duzia : na rua do Qneiinado, loja do bel-
ja-flor n. t:>.
Ira H'nlia para rnlVili's.
Teae-M irnsiaba para enfriiM deveUMoson
rouna de menina, qoe tambem serve para enfeitar
camisinlia do smliMia ; Vttode-se Iranc. branca
com 40 varas a ilOOrs. a neja, com 20 varas a 500
rs., rom 10 varas a 2(30 rs. : s quem lom na
loja d btiija-flor da rua do Queimado u. 03.
Testaras linas para nnlia > cuslura.
Vendeni-se lesouras linas para unha e costura a
400, soo e co r^., dias para costara a 500 rs. :
na rua do Queta do, loja do heija-ior n. W.
Ksruvas para denles,
covas para denlos muito linas a
na na do Queimado, loja do
Vendvm-so o:
. 340, e 500
a-flor n. 63.
Ca
Vcndom-se fu
rua d" Queimad), loja do Imja-llor n. 63.
Injrcruo lirn, ugua .
un, mailo rocvinnni-iidada uas gonorrheas. Lemy francez vcrdailoiro ; na mosma casa
11 is carias de instrumealM cirargicos para .iporacoes de Maiieu e Cbarriere, ____
tem
VTEM^Alli
1
Cal de Lisboa e potassa da
Rassia.
Yende-se na rua da Cadeia do Recite n. 26, para
onde >e mudou o antigo e acreditado deposito da
Yondem-se CO
diversos (joslos,
mado, loja do h
cores, a 600 rs,
loja do beija-llor
Col: rinlios para hiiiiicm.
prctas Imrdada
lira 1
1 liara a Oongriacio : est-se ac- logitimos, e se vaadam a preco mais barato do que 12'H). dita
tando. vm qualquer;parte. I rua do Qneiinado, loja do bcija-flor n. 63.
CONSERVATIVO
DE
JO.iQllll NIJflAO non AUTO
23-Lirg-o do Terco-23.
O proprietario desle armazem de molhados participa ao publico e a todos em geral
que tem um grande sortimenlo de tudo qoanU) perlencente a molhados, e qoe tem
um armazem para somentc receber os gneros de maior quantidade, faz suas especula-
ces emboasquadras, e que sempre pode vender por menos de 10 ;'i20 por cento du
Vendem-se botaos de nwdrejterelt para collete, i|ue em outra qualquer parte, garantindo o proprielario qualquer genero sabido do seo
que tamben sema para .asnos ,), senboraa a,.mazen)) tanto em peso como em qualidade.
tt\!S*imf&e&ffirIJfifip m?lezafl mrd;,v,rprC0SiT,a 8?a libr?-
nie?0 03. dem franceza, vmda pelo ultimo navio a 560 rs. a libra e o40 rs. em barris.
Lana Ir Jomm. Banba de poico reuaaoa, propria para pastis a '(80 rs. a libra, eem barril a 400 rs.
Yendem-so luvas de Jouvin para homem e se- Velas de espermacete e carnauba do Aracaty a 600 rs. o raasso e 400 e 440 rs. a libra,
nhora, chegadas no; almo vapor: na rua do Caf lavado do Rio e do Cear, o melhor desle genero, a 280 rs. a libra e 8fi5oo a ar-
Queimado. loja do beija-llor n. (3. u
Vende-se una grande cusa terrea na Batatas novas em caixas com 2 arrobas por 20000, arrota!ham-se a 4o rs. a libra,
estrada de Joao de llam. cun _'; andes Toucinho desembarcado ltimamente a ;too rs. a libra, em barril ou arroba a 80800.
ounnioiios. grande quinta c.im bastantes Cha de Ia, 2a. 3a e 4a sorte a 2*800, 25500, 25000, e 15600 a libra,
aa fnicteias que dan fructos quem preten- Azeite doce de Lisboa a 600 rs a garrafa, e de carrapato a 280 rs. agarrafa, e caada
rom JO varas, a 15KM), dita de Jer ,li, ija-se a mesma casa que achara com 20ooo.
inlias ruin yranipas.
ixinhas do prampas a 40 rs.
Yendem-se facas e partos oiiavados a 2j8(K),
ditascravadas a '.li, ditas de cali is protos a 3200,
ditas de cabos de balando eom 2 boles para mesa'
a 64200 a duzia : na rua do (Jueiniado, loja do
beijallnr n. li!.
La para burilar.
Vcnde-sc laa para bordar, do diversas coros, as
mais lindas que so pode eneontrar, a iioOo : s
quem vende |tir osle preco ni loja do beija-llor
da rua do Qicimado n 63.
Papfl de diversas i|ii; Hilados.
Yende-se papel amitade a (M o MO rs., dito de
coras a 600 rs., dito adamascado a i. dito branco
a IMX) rs.. dito beira domada a 15200 : na rua do
Queiutadi). loja do borja-flor n. I3.
I'enles Irnesstis pira ineniias
Vendom-se |ienies travossos de l)orraoba para
menina a ioOe SOO rs.: na rua do Queimado, bija
do boija-flor n. 63.
Ilolors de nadrep-rola.
ai 'jubos de linlio para beinem, de
1 580 o litO rs. : na rua do Quei-
ija-ll.r n. 63.
I'.r nalas para senliora.
Veiidem-sc gr ivalas para sonhora, do diversas
O e l : na rua do Qneiinado.
n. 63.
Filas lara debriim de veslidn.s.
Yendem-se lii s para debrum de vestido d
petihincha a S40 rs. o covado.
1:-ni braia de eor de superiw qualidade a 240 n.
mvi lo I'.a/.inlias paia resti ki de nv* gnstosa ,
o ovad: so na roa do Queimado n. 43, > mesma rua n. 12, ambos os gneros *J5^]S*Jr;. Ll.^"?^ iTwJSTmO r* <\wm ,1'M,;"'- ^M do 5 fio do Sr. Dou- fienebra verdadeira de Hollanda. em botijas, de conta certa, marca gallo a 300 rs.
rado. I Milho alpista o mais limpo que ha a 160 rs. a libra a 50000 rs., a arroba.
ea de
.- .


f'
v MWBpMMNMtfMHI
Dl.nrt de lcrnsm>noo Quinta felra II i!e l'evrrelr. de 184.
mMmib>
ft
[
-
umao
COMMERGIO.
da loja do Pregtii^a.
Defroate
ill'AKTK AIjUIEIIIA
acaba de abril- o seu grande e sortido armaam de molhados denominado Unido e Com-
ALLIANCA
(.iiimii:
.1 iuJi
57 ra do imperador
Na bem conhecida loja que ibi do Sr. Flix alaiate.
57
Paulo Ferreira da Mil va proprielario doste novo estabelecimento, temi
ande escolheu um grande e variado sorlimento de n filiados, tein
m?rao. Esto grande armazem um dos mais beni montados que temos em nossa praea. ,.,1Pl,.,,,n ^a V-n,'
ojo s era mueza e aceio, como lias qualidades especiaos de seus gneros. 0 proprie! .r-: "d *~"l~'
^ dD ?aK (nmrio offerece todos os entura da praca, Saibores de engenho Ia honra 2 ao SfiSS T "Z;"sum,,,M E2 .
lavratlores a seguinte tabella, por onde ve*) a grande economk, que Ihe resulta em'_____*.*> I*"S 0CCTM!g' i. Mtamog Pf"** ***' ..P,0LPnetar,?J0
comprarem em tao til estabelecimento, atiancando o mesmo
sahido de sen armazem.
Bollinho francs em latas e caixinhas as mais
que o cor hecem desde
as maiores vanta ?ens em com-
Erva-docc a 3oo rs. a libra.
delicadas que tem viudo ao nosso merca-1 Champanha de 20 a 22,ooo o gigo.
do de 7oo a 2,5oo rs. a eaixinha.
Manteiga iugleza perfeitameute Ilr, mandada
vir de oonta propria, a 7o a 8oo rs, a
libra.
t m franceza cliegada pelo ultimo navio a
56o rs. a libra, e em barril ter batimen-
to.
dem ingleza em potes de 4 a 16 libras a
8oo rs, a libra e o pote separado,
Cha uxim o melhor neste genero, mandado
vir de conta propria a 2,800 rs, a libra,
dem hysson, grande, limito bom a 2,(oo rs.
a libra,
dem pr?to muito fino, a 2,6oo rs, a libra.
dem preto, mais baixo, a 2,ooo rs, a libra.
dem, verde, miudinlio, mais proprio pan
negocio, a l,5oo rs, a libra.
Banha de poico refinada muito alva a 46o
rs, a libra, e em barril se far abatimento. proprio para a nossa estaco por ser mais
Biscoitos inglezes das seguintes marcas; fresco a 2,4oo rs. com o garrafo.
Craknet, Soda, Ceede, Captain, Travellies. j Mem com 8 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
Lunch, Cabin, e oulras rauitas marcas, a ; garrafo,
l,4oo rs, a l.iU. Sabo massa de superior qualidade a 18o,
Bobchmlu de s.ho, especial encommenda, a ( 2oo, e 22o rs. a libra do melhor que ha
2,2oo rs, a Uta iiraixaem latas muita nova a 12o rs. a lati-
Biscoito inglezij-aknel em latas de 5, 7 e lo nna> e 1,3o,, re a (juzja
libras a 5,000 e 6,ooo rs, e de t,2oo a \>etKe 'em ^ mui',0 nov0 .' save,;
loToahiTrTene3^ gn,nile armMt,ni Alliam-a olTerece aos seus amigos e fivguczes
wuo e quaiquer genero quam,0 f() SOl.0 (ios armazens Progressivo e Progresista
prarem em seu armazem.
Hoje de novo estabek'cidd mais precisa da concurrencia de todos (stes senhores
ao seu estabelecimento. certos de que esta casa jamis deixarao de ser cumpridas as
grandes vantagens por ella offerecidas.
Macaes de 4o a Itu rs. cada urna. Bolachinha de soda e lunch em latas grandes
Manteiga ingleza a mais superior neste ge- a 2,ooo rs. cada lata.
ero a 8oo rs. a libra, e comprando de 8 Cognac de superior qualidade a 8oors. a gar
libras para cima a 72o rs., esta a mais rafa.
superior que pude liaver, tambem ha mais dem muito superior a 1 ,ooo r-s. a garrafa.
baixas para nenas presos. Caf a 28o e 32o rs. a libra, e a 8.000 e
dem franceza muito nova a 56o rs. a libra O.ooors. a arroba.
e 54o rs. em barris ou meios.
Pena seecas muito novas a 48o rs. a libra.
Cha perola de especial qualidade a 2,8oo rs.
a libra,
dem hysson muito superior a 2,7oo rs. a
libra,
dem uxim a 2,5oe rs. a libra.
do Alto Douro a 2,2oo rs. com o garrafo. i 'Tj^T \*'* "" S^
dem com 5 garrafas de vinho Ficueira mais' 1em ,dem a?t00 rs\a llbra-
dem preto de qualidade muito espewal a Bassourasdo Porto enm arcos de ferro a 32o
2,00o rs. a libra. rs. cada urna,
dem idera inferior a 1,600 rs. a libra. Vellas de espermacete da melhor qualidade
Chocolate francez, hespanhol e portuguez, a a 56o rs. o maco.
Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groza e 2o rs. a
caixinha.
Alilho alpista a I6o rs. a libra.
Oominho muito novo a 4oo rs. a libra, e
^ comprando de 8 tib? S para cima a ors.
Gomma muito alva para engnmmar a 80 rs.
a libra, c em arroba se (ara abatimento,
*ig muito novo a 28o rs. a libra.
!>abao verdadeiro hespanhol, que raras vezes
vem ao nosso mercado a 28o rs. a libra
Vinho branco o melhor neste genero a 800 rs.
a garrafa e 4,3oo rs. a caada.
demBordeaux de differentes marcas, garan-
te-se a qualidade, a 8.000 rs. a caixa com
urna duzia, e a 7oo rs. a garrafa,
iarrafes com 5 garrafas de vinho do Porto
LOJA DO PAVAO
Cassas puritanas.
Vendem-se as mais modernas cassas puritanas com Ijonitos desenhos pelo baratsimo proco de
240 o 280 rs. o covado, por haver grande pun-ao, pechineha : ua ra da ImpenUz n. 60, loja do
cora os desen!.os
bolam : na lija
Pavao.
issas persianas a 3G0 rs. o covado.
Vcndem-se as mais bouitas easeaa persianas a imilaijao de laa transparente
tecidos e niciramenle novos, pelu baralissiino precx) de .'iO xs. o covado e nao des!
Pavao ra da Imperalriz n. GO.
Gorgurito de laa a oOO rs. o covado.
Vendc-se gorgurao de laa de Cor escura propria para vestido de senliora, palelot para lium.-ui
roupa para menino, pelo barato preso de 500 rs. o covado : na loja do Pavao ra da Imperalriz n 60
As colchas do Pavao.
Vendem-se colchas de linho adamascadas com bonitos lavores de cor de rosa azul e Lrai 1
pelo baratissimo preeo de 51 cada urna : na loja do Pavao ra da Imperalriz n. 60. '
Orgaiidvs a 240 rs. o covado.
Vendem-se organdys malisados fazenda muito lina, de bonitos deseuhos, pelo baratissimo i n i
de 240 rs. o covado : na loja do Pavao na da Imperalriz n. 60.
As alpacas do Pavao.
Vendem-se alpacas de seda de cores muito fina propria para vestido de senhora, sonlen
ques e roupas para meninos c dita branca muito fina propria para vestidos e paletots, pjr preco mi i-
to conunodo : na loja do Pavao ra da Imperalriz n. 60.
Ceneja das melhores marcas do nosso mer-
cado de 5,ooo a 6,ooo rs. ;i duzia, e 5oo
rs. a garrafa.
Conservas inglezas a 75o rs. o Irasco e8,6oo
rs. a duzia.
Doce em calda a 64o rs. a lata.
Krvilhas francezas muito novas a 64o rs.
dem porttiguezas a 72o rs. a lita.
dem seecas a 2oo rs. a libra.
8oo rs, a libra.
Queijos do reino pelo baratissimo preoo de
i,6oo, 1 8 ayer*
dem prato muito fresco a 64o rs, a libra,
dem londrino muito fresco a 8oo rs, a libra.
V nlios en pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
48o, 56o, e 64o rs. a garrafa, e de 3,ooo a
4,5oo rs, a caada.
Marmelada imperial d(s melhores consrvet-
eos de Lisboa em latas de i e mais libras
a 7oo rs, a Iftra.
Peras secaas enf caixinhas de 4,ooo a 2,ooo
rs. cada um.i.
Figos em caixinhas de 1 i arroba e de 8 li-
bras a 8,000,4,000, e 2,000 rs, e a 3oo rs.
a libra, taambem ha serinhas para meni^
nos a GO rs. cada urna. ,
Amendoas de casa mole a 36o rs, a libra, e
em arroba ter abatimento*.
S; rdinhas de N.mtes a 32o rs, a latinlia.
Toucinbo de Lisboa muilo novo a 3oo rs, a
libra e em arroba a 9,000 rs.
Missa de tomates a 64o rs, a libra.
Pimenta F; riiilia do Mai anluio a 1 k< rs, a libra.
Ceblas a 800 rs. o moilio, 64o rs. o cento
i- S.Bas a caixa.
Tijollo para lunpar facas a 16o rs,
Cerveja das mais acreditadas marcas de 5,ooo
a 7,5oo a duzia, e de 5oo a 6so rs, a gar-
rafa.
Prezunto para Hambre muito fresco e novo
a 800 rs. a libra,
GniCDra de laranja a 1,000 rs, o frasco,
Ch oh ricas as mais frescas do mercado a 800
rs. a libra.
Cognac varadeiro inglez a (loo rs. a garrafa,
e 4o,5oo rs. a caixa com urna duzia,
Liares francezes e portaguezes de todas as
marcas de lo,000 a IS.ooars. a duzia.
Passas muito aevat a 5oo rs. a lilira e a 8,5oo
rs. a caixa. Ha caixas, meias e catarlos.
Batatas a i,000 rs. o gigo com 38 libras e
2,oeo a caixa comdaas arrobas cadauma.
Bocetas com doces seceos de 3,ooo a 3,5oo
rs. cada urna.
un acomba ingleza a 32o rs. a libra,
Aaeite francez e portuguez refinado a 800 rs.
a garrafa, e t.ooo rs. a caixa com urna du-
lia.
Conservas inglezas das seguintes marcas:
nfixed, Pickes, e ceblas simples a 800
rs. o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes a 4oo
rs. o pote.
No;'.es muito novas a 160 rs. a libra e 4,800
l*. a arroba,
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de manteiga, doce,
e outro quaiquer liquido, de 1,000 a 3,ooo
rs, cada um.
. pescada,
curvin, salmao e outras muitas qualidades
preparados de escabexe, segundo a arte de
cozinha, de l,2ooa 2,ooo rs. a lata.
IJem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado e escolhido pessoalmente por um
das socios que se acha em Portugal, das
seguintes marcas : Duque, Genuino, Ve-
Ibo secco especial. Lagrimas Doces de
8I9, tinho especial D. Pedro V, vinho
velho. Nctar superior de 1833, Duque do
Porto de 1834, viuho do Porto velho su-
perior, Madeira Seaca de superior quali-
dade, vinho do Porto superior D. Ltiiz I
de 1847, Lagrimas do Douro, especial vi-
9ooe I,2oo rs. a libra.
As laasinhas do Pavao.
Veadem-se laasinhas com palmos de largura de urna s cor e de quadrinhos pelo barafjssin o
proco de l,J(XI o covado, ditas enlejiadas com 4 palmos de largura a 500 rs, ditas malisadas mi itu
linas de bonitos decidios a 540 rs., ditas a 320 e :t(i0 rs., ditas de quadrinhos a nnilacao d
..a 400 rs. o covado. ditas a Mara Pa com palmiiihasdeseda a i>O0rs.,dilas transpareni"; com 1
nhas matisadas a 'iO rs., dilas de <|uadros grandes a iO rs. o eovado, ditas pretas transoaientes de
cordaozinho a 200 rs.: na loja do Pavao ra da Imperalriz r. 60.
Os soutembarques do Pavao.
Vemdem-sc os mais modernos sooiembsurqaea de grosdenaples preio ricamente eaRiiaoos 'itos
de cor de um tecido de laa com seda muito bem enfeiUdos, por prejo muito commodo na b a do
Pavao ra da Imperalriz n. 60.
Capas do Pavao.
Vendem-se ricas capas prclas de grosdenaple bastante compridas, fazenda superior o mais mo-
derna que ha no mercado, por preco muito em couta : na loja do Pavao ra da Imperalriz n. 60.
Crinolinas ou baloes americanos.
Vendem-se baloes americanos os mais modernos porserem muito fortes e bem armado- de
arcos a ditos de 30 a 3*500, ditos de 33 a 4,5, ditos de maapolao francez de diversos tamanl os a
M, ditos (le musielina com babado e sem elle podendo-se tirar os arcos pelo barato pr.-co de 4 t
45300, ditos para menina, de arcos a 25, ditos de musselina a 35 : na loja do Pavao ra da Innea-
triz n. 60.
Cortes de laa do Pavao.
Vendem-se cortes delaas matisadas com desenhos multo lindos contendo 15 covado* cada carta
pelo baratissimo preco de "5, ditos de cor do caf com palmas matisadas contendo 13 covados caJ
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia rs. a libra e Io,ooo rs. a arroba,
e de qualidades especialmente escomidos, Tijolopara limpar facas a i 2o rs. cada um.
dem de carnauba e comj)OSicao a J2o e 360 corte pelo barato preco de 65 : na loja do Pavao ra da Imperalriz n. 60.
de 2,000 a 4,5oo rs. a caixa.
Familia do Maranho muilo alva a 14o rs. a
libra.
dem de araruta verdadeira a 4oo rs. a libra.
Vinho do Alto Douro engarrafado, e os mais
bem escolhidos, lagrimas do Douro, D. Pe-
dro V, D. Luiz I. Duque genuino, Nctar
superior, Malvasia fina, Bastardo, e outros
a ll,ooo e 12,ooo rs. a duziae l.ooo rs.
a garrafa.
dem Cherry e Madeira a 1,5oo rs. a garra-
fa e 16,ooo rs. a du/ia.
dem Bordeaux de diversas marcas de 8,000
a lo.ooo a duzia e 800 rs. garrafa.
Bolaxinhas americanas a 3,500 rs. a barrica,
e a 24o rs. a libra.
Batatas muito novas a l.ooors. o gigo, e6o
rs. a libra.
O Pavao vende para a quaresma.
vende-se na loja do Pavao, ra da Im-
Grande sorlimento de fazendas pretas para a quaresma,
peratriz n. 60, de (ama & Silva.
Toucinbo de Lisboa e Santos a 320 rs. a
libra.
Sevada muito nova a loo rs. a libra.
Peixe em latas grandes, savel, pescada, cor-
vina, e outras qualidades a l.OOO rs. cada de re,roz Pre,' superior grosdenaples preto, sendo de 15600, 15800, 25000, 25200, 25300 e WtvO
lata.
Vendem-se ricas capas pretas muilo bem enfeitadas com mangas e sem ella : soulambarmics de
grosdenaples prelo muito bem enfeitados; manteletes grandes a iiuila^ao de capas, ditas do li
r- prelo, pelerinas de fil preto bordados, ricas romeiras de reiroz enfeitadas com ridrilho. ricos rhah s
Passas muito novas a lo.ooo rs. a caixa e
5oo rs. a libra.
Palitos lixados para deutes a lio rs. o maco,
dem de Ilr a 2oo rs. o maco.
Presunto para fiambre inglezes e americanos
a 85o rs. a libra,
dem do Porto a 48o rs. a libra.
Queijo prato a 64o rs. a libra,
dem flamengo vindos no ultimo vapor a
2,oooo e 2,3oo rs. cada um.
Sardinhas de Nantes muito novas a 32o rs.
a lata.
rafa e deTo^wwa^^ooo'ra.^ caixa com Ba"l,a de ?0I'C0 n'finada a 44 rSl a libraa ***"^ novo a 2o rs- a 1J,a-
urna duzia.
em barril a 4oo rs.
dem muilo superior a 28o rs. a libra.
a2oo
I Vinho empiqa de Lisboa, e Figueira, de 3,000 j Sabo mata de diversas qualidades
\ assouras americanas a 800 rs. cada urna. a i.ooo rs. a caada, e 5oo rs. a garrafa.' 4o rs. a libra.
Velas de spermacete as melhores que ha no' 'dem de Lisboa em ancoretas de 8 a 1) cana-j dem inferior de 12o a 18o rs. a libra.
mercado a 56o e 64o rs. e masso, e em das por 27,ooo rs. Genebra de Ilollanda em frasqt eiras a 6,5oo
caixa se far umjgrande abatimento, : dem do Porto muito especial a 5,5oo rs. a ris.
Ilem de carnauba e composicao, de 4oo a caada e 72o rs. a garrafa. dem hamburgueza em frasqueiros a 5,8oo
32o rs. a libra, e de lo,ooo rs, a U,5oo dem em garrafes com 4 '/i garrafas por ris.
rs. a arroba, 2,5oo rs. com o garrafo. Uem de Ilollanda em garrafes grandes a
Caf de Ia e 2* sorte de 8.3oo a 8,600 rs. a Vinagre de Lisboa muilo superior a f,ooo 5,5oo rs cada um.
arroba, e de 28o a 32o rs. a libra
lhor,
garrafas por
do me-
, dem mais baixo a 1,5o rs. a ranada, e 2oo
arroz da India, Maranho e Carolina a 3,ooo.',. rs* a Karrafa-
2,8oo e 2,4oo rs. a arroba e a"loo rs. a lden\em Sar,aff,es f,,m *
lit,ra. 1,2oo rs. com o garrafo.
Frasqueira de genebra a 5,8oo rs e a 5oo Aracixas francezas em caixinhas com ricas
rs. o frasco. estanpas no exterior de l,2oo a 2,000 rs.
Azeite doce em barril muito fino, a 64o rs. ..^dauma. .....
a garrafa, e em caada lera abatimento Mi'm em frasco de Vldr0 dc l,,TerS0S tama-
nhos a 1,5oo e 2,5oo rs.
1 dem em latas de 1 1 2 e 3 libras a l,3oo e
2,3oo rs. cada urna, e a 800 rs. a libra. I
Papel greve pautado e liso a 3,5oo rs. a
resma.
Genebra de Ilollanda em botija de conta a
44o rs. a botija.
I'assas eorinteas a 5oo ra. a libra e !2,8oo
rs. a arroba,
Frvilhas franceza e porlugueza a 640 rs. a
'ata de urna libra.
Figos de comadre em caixinhas de 4. 8 e 16
librrs a l,3oo, 2,5oo e 5,ooo rs. cada
urna caixa.
dem em caixinhas de folha a 32o rs
dem era caixas grandes a 2oo rs. a libra.
Chocolatefrancez, hespanhol. suisso e por-' Memem latas ermetimente lacradas de l,6oo
tuguez a l,ooo rs. a libra, e a 28o rs. ca- a 3-" rs-
da pao de urna "4. Arroz da India e Maranho a 80, 100 e 12o
rs. a libra, e 2,5oo e 2,80o rs. a arroba,
/.mei.vas francezas em caixinhas elegante- Amendoas de casca mole murro novas a 4oo
mente enfeitadas, com diversas estampas j rs. a libra,
no exterior da caixa de 1,500 a 3,ooo rs. Ceblas novas a 1,000 rs. os molhos
cada urna; tambem lia frascos c latas de des e a 700 rs. o cento.
differentes tamanhos que se venden por Alpista a lie rs. a libra e 4,6oo rs. a arroba.
gran-
modico preco.
M.issas para sopa: macarrq, talharim e ale-
tria a 48o rs. a kbra, e em caixa se far
abatimento.
C.arrafoes com 1 i garrafas de genebra de
llull.inda a .'i.'iu.i cada um.
Charutos de todas as marcas e dos melho-
res fabricantes da Bahia de 3,000 a 4,eoc
rs. a caixa.
Macarro, talharim e aletria muito nova
4oo e 48o rs. a libra.
Biscoitos e bolachinhas inglesas as ultimas
chegadas ao nosso mercado a l,2oo e
l.ioo rs. cada lata.
dem em botija a loo rs. cada urna.
Garrafes vasios de diversos tamaitos a 000,
6o e l,2oo rs
Gomma doAracaty a 80 rs. alibra muito alva
Gtai.xa a loo rs. a lata, e l,2oo rs. a duzia.
Licores finos francezes em garrafas e frascos
de diversos tamanhos de 600 a 800 rs. ca-
da um.
Marmelada imperial de todos os conserveiros
de Lisboa a 600 e 7oo rs. a libra.
HaaM de tomate muito nova a 64o rs. a li-
bra.
Marrasquino de Zara a 640 rs. o frasco,
dem em frascos grandes a 800 rs.
Cominlios muito novos a 5oo rs. a libra.
Erva-docea 24o rs. a libra.
Pimenta a 36o rs. a libra.
Cravo da India a 64o rs. a libra.
Canneila a l.loors. a libra.
Alfazema a 2oo rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidn a 600 rs. o
fraco.
Copos finos para agoa a 5,ooc rs. a duzia.
Chouricasnovas a 72o rs. alibra.
Mostarda france/a preparada e muito nova
a 32o rs. cada um frasco.
Gonservas francezas de superior qualidade a
640 rs, o frasco c 7,000 rs. a duzia.
Azeite doce a 64o rs. a garrafa.
Sevadinha de Franca muito nova a 2oo rs. a
libra.
o cavado, sendo muilo boa fazenda para o preco, superior mourenlique prelo, sendo foseada I;
e muito encorpado, sarja preta hespanhola muilo eucorpad. a 25000 o covado: todas estas fazendas
vendem-se por prejo muito mais barato do que em outra qualf|uer parte.
Ricos vestidos pretos.
Vende o Pavo.
Vcndem-se os mais ricos corles de vestidos de f.'rosden;iples preto, ricamente enfeitados a velada
a mitarao de vesiidos ;i soulambanpjes, irazendo cada corle lodos os enfeites precisos: fazenda mui-
lo moderna, e vende-se por pm;o muito em conta, na loja 3 armazem do Pavao, ra Ja lameratrii
n. 60 de Gana & Silva.
KU4 DO .QUEMADO Y II.
Leja de fazendas de Augnslo Frederico dos Santos Porto.
Fazendas pretas para a quaresma.
Ricos cortes de moreantii|Ufi prete para vestidos fazenda superior.
Cortes de vestido de seda preta com barras.
Capas pretas de seda bordadas e enfeitadas de 25 a 00&.
Capas de seda preta com mangas ricamente enfeitadas.
Soutembaniues de seda preta e casemira de^cor com lindos enfeites.
Zuavos de seda preta de muito gosto.
I'annos prelos, casemiras pretas, setim preto, grosdetiaple preto de diversas qtuKdades i;!
superior.
Chapos de pallia d'Italia para menina ricamente enlutados de 75 a 125.
Camisas para homem francezas e inglezas de algodao e dc linho.
Atoalhado de linho fazenda superior.
Camisinhas de cambraia a Garibaldi para senhoras.
Na mesma casa tem grande sorlimento de fazendas dc seda. laa. linho e algodao que li
vende por muito commodo preco.
Chegaram tambem a excedientes
ESTEIH A* PARA SAIGAS.
Xa ra do (|uc mado m. II.
ATTENQftO.
ATTfi^iO
Neste grande armazem de molhados vende-se em grandes porces e a retalho,
fazendo-se dill'erensa consideravel a quem comprar de 100# para cima.
ffl

Todos os senliores que airaprarem para negocio ou casa particular M$ para
cima tero mais i a 10 por u o de abatimento ; o proprietario scientilica tqxs que todos: o
os seus gneros sao recebidos de sua proprii encommenda, razo esta para poder ven- j^=-.5'|E|- der por muito monos do que em outro qualqur estabelecimento.
o a. = g S c.
FECHMCHA
Custodio Varvalho Compa- iimaaa-1
tlhia. nuTie: dejiorlallfa : na ra da Cadea do Recife
'i 3 -lina do Quelniadot?
MOTAS
gementes de hortaliza
n. 56 A, loja de ferragens dc Batios.
a.
* Cn C
B9
a."3
Novas lazinhas eseoSMCU muilo lindas, fazen-
da cncorpada, propria para vestidos de senhora e
rna/icinhas, pelo barato precio de 240 cada cc-
vado. __________
GAZ GAZ CAZ
por preco' reduzldo.
Vinde-se gaz di melhor qnalidcde pelo
pre o de 105 |or lata de 5 galoes : no ar-
mazem di Caes do Hamos n. 18 e ra do
Trapiche Novo n. 8.
No aamazem do afete Euzebio, ra da Ca-
deia 11. .Vt, existem para venderse diversas obras
de m;ircineria, novas, bem acabadas e de bom
gosto, sendo de Jacaranda, um rico santuario, pia-
no iiij.'lcz, mohiha completa, cabide e par de con-
solos deannrHI >, dous guarda-vestidos, o melhor
pie i possivel acha--se, se<-reiaria, me*as para
advugido, ditas clsticas para. 20 pessoas, lavato-
rio, aparadores, sofs. cadeiras, um guarda-livro,
ou pequeo guarda-reupa com vidro na frente,
par de eoosotes e jardineira 1e mogno com tampo
de pedra, obra bem ectalhada.
Acodas da Bahia
para saceos de assucar e roupa deescravo; tem
para \endtr Antonio Luiz de Oliveira Azevedo &
C, no seu euriptoria roa da Cruz n. 1.
t ^ a r j-
S.O co -, 2
5 2 2 3 ?S g ^
Fariolia da muito acredita !a marca "I"al 1
FARINHA FONTANA.
tf.rB

S en
O ^
2 o STs So.
r-
CCS ^
i"fiia
e
M
-

er
g-B
M
Fontana fcsembarcatla hoje, vende-se
por preco mais commodo do que em
quaiquer outra parte : na ra da Cruz
r. 4 casa de X. 0. Bicber k C. succes-
sores.
Hua da Senzalla Aova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado h'bra a i 10 rs., idemdeLow
Vloor libra a 120 rs.
-
|
CA CD
05
m
ese ~
s; S bj
3 3 2.
CA CS w
-, bj
a. -t ~i
""5 o B
b -a o>
09 utJ
O TI CB
U B U
09
a
S
2
<1
-1

O
o
a
a:
B.
03 -
-3 g
3s?
3
65 .
6
09

FAZKMIAS
baratas para acabar.
Sedas de quadros e de listras a 320 rs. o cova-
do, Hndas las de quadrinhos a 360 o covado, sa-
jeriores cansas dc cores a 200 rs. o covado, ditas

e
se
CLOROS
Vendem-se globos de barro vidrado da fabrica
muito Anas i 240 o covade : na loja das comnas, de Santo Antonio no ltorto, proprios para jardim e
na ra do Crespn. 13, de Antonio Correia de Vas- frentes de casas : na ra do Amorim n 46.
concollos i C.
Vende-se um carneiro todo branco, castrado
Carne do sol.
A verdadeira carne do sertao a 320 rs. a libra
AGENCIA
DA
FUNDICO DE LOW-MOOB.
Ra da Senzalla nova n. 12.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coadt, de todos os
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston dt C.
ra da Senzalla Nova n. 42.
o ^ fcd
o w r- EL o
o o
se -
td pu p-
o O SS 30. P
i to - s
2. D

o P
oo 'M <-+-
pe S5 i-t-o
i
RIVAL
SEM SEGUNDO
Ra lo 4|iieiniado ns. 49 e ...
I loja de miudezas de Jos dc Azevedo Maia & C,
. principia o novo anuo a turrar miudezas pelos pre-
| eos que a todos causa admiracao, a saber :
i Pares de sapalosde tranca niito linos a I5G00.
Frascos de oleo babosa dos melhores fabricantes a
240 rs.
Ditos maiores a 400 e oOO rs.
Frascos d'agua de Colonia muto tinosa 400rs.
Sabonetes muilo tinos a 100, 200 e 400 rs.
Frascos grandes de agua de Lubin, o melhor,
IISOO.
Lapu de tinta encarnada muilo finos a 40 rs.
Nuvellos de linha com 800 jardas a 120 rs.
Ditos de dita aun 400 jardas a MI rs.
Frascos de macass, oleo muilo superior, a 100
Duzias. de dedaes lira neos em caixas de vidro
320 rs.
I'apcis de agulhas a balio Victoria a 60 rs.
Banha transparente muilo superior a 700 rs.
Dita Japoneza muito lina a 800 rs.
Duzia de sabonetes muilo finos a 720 rs.
Pa|ieis deagulha com toque de ferrugem a 10 rs.
Grozas de botos de madreperola muilo linos a
560 rs.
Pecas de fita de cs, estrellas, com 10 varas, a
320 rs.
Novellos de linha branca do gal a 30 rs.
Carreleis de linha de cores muilo fortes a 20 rs.
Carmes e caixas de clcheles francezes a 40 rs.
Botoaduras brancas e de cores para colieles a
120 rs.
Frascos dc banha, pechineha, a 240 rs.
Booets para meninos, fazenda lina, a 2.
Caixas preparadas para costureiras a 1,5500, -2 e
aitn.
Massos dc grampas lisas e linas a 30 rs.
Caixas de palitos do gaz e de cera finos a 20 rs.
Duzia de facas e garios de 1 botao superiores a
54500.
Duzia de ditas e ditos de 2 botoes finissimos a
65500.
Grozas de palitos do gaz a 2,3200.
Arca preta muilo lina a 100 rs.
Caixas de rap com espelho a 100 rs.
\ende-sc umanegrinha de 11 anana, c um
moleque de 7 : para ver e tratar, no sobrado n.
27 da ra Imperial, das 6 as 9 da manhaa, e das 3
da larde em diante.
P
CD
Vende-se urna armacao env misada e toda
envidracada e parafusada, propria para loja dc
Venda de urna hypothtca.
Os liquidalarios da massa fallida de: barcado7'muiio"'iadmo
Jos A n Ion i o Rasto vendem a livpolhe-
ca que tem nos engenhos Hallo Grosse
c (lajaliussi no lermo de Serinhem no
valor de 31:83o$911 rs.; tratar as
casas a ra do Trapiche n. 34.
.,-'.>j>Jt?)f KUl'gfll1 Hfi
Para particulares.
No primeiro armazem da escadinba,
passando a ponte, esquina da ra da Ca-
dea, vende-se o seguinte:
Milho em saceos de 24 enias a 4. Wf
Feijo dem idem [a 35- y^j
Parinha de mandioca de S. Matheus. SU
Kua da Senzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston C,
sellins e silhes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
ESCBAVOS FGIDOS.
SOOf de gratificaco.
, Desoppareceu desde o 1" de maio de 1863, do
I poder de seo sennor o tenentc-coroneI Jos Vicen-
i le de Medeiros proprietario de engenho Pm!>.' a
i na comarca do Penedo provincia da- Alagoas, o
; escravo Jeremas, de cor cabra, estatura alia, es-
I padaudo. desdentado de um lado mais quede outro,
muito pcuc'a barba, ps grandes e tem algnns ta-
j reos de carne sobre o peito, bom sapatt iro ct< m
na cidade do Recife urna irmSa crmula de corr.o
. Joaquina, liberta, para junto a qual dizem qa
t evadir : quem o capturare entregar em Perer.m-
bucoao Sr. Jos Augusto de Araujo (cidade do
' Recife) em Macei ao Dr. Mariano Jttqiim da
Silva, recebar a quantia cima declarada.
.No dia 18 de Janeiro panado logia o escr&va
Miguel, crioulo, de idadede 45 50 anuos, ja Um
cabellos braneos e usa de meias suissas, tem uui
principio de gomma no peito de um dos ps, usa
de alpargatas; muito regrlsta e iniiula-se forro.
Esle prelo natural do Ico, d'onde veio para aqur
ser vendido, e por algum lempo perlencen ao Sr.
Jos uilherme Guimaraes; consta que levara em
sua companhia sua amazia, de nome Mara, parda
acabocla Ja, alta, e com falla de denles na frente ;
esta parda costuma embriagar-se. Pouros dias
depois da fuga foram encontrados perto do erje-
nho Camaragibej pede-se, portante, s autoridades
competentes ou a quem delle livor noticia, (le ap-
prehende lo e leva-lo casa de seu sennor iigni I
Perera Leal, na ra da Cadela do Reeim n 1'.',
que serao bem recompensados.
Desappareceu no dia 2 do correte o mulato
denomeAndr, idade 35 anuos,-pouro mais cu
menos, baixo, cheio do corpo, com man as de I e-
xigas, quando falla fica com o olbo csi|uerdo un a
fechado, cabellos nagaforina encarolados, e covtu-
ma bolar cheiros ou banha, ps grandes, groan**
largos, levou vestido cal^a de brim lino com qo
dros aznes, e camisa sacro de risradn encarna I \
lilho dn serra do Teixeira, veio do Araraly cm-
e bem fallante : quem o
apprehender, queira traze-lo ra da Cadeia do
Recife n. 49, sobrado, ra do Trapiche, armazi u
de assucar de Manoel Teixeira Bastos, ou ra '.i
Alegra n. 9, a seu senhor Jos Antonio Raslo, qua
alm de se lcar agradecido, ser recompensado.
ii\nm
Fugio Jo engenho Guerra de Ipojuca um preto
de nome Jos Muniz, esutura haixa, poma bu I .i.
tem um p inchado; levou vestido calca de azulao,
camisa de algodo branco e enrollo em urna bata,
encarnada, levou mais urna foice de mear, e ar.-im
foi vislo no engenho Agua-Fra de Ipojuca.
e minio manso, com eangalha ecassuaes, por com-, no armazem da Aurora Brlhanle, largo da Santa; miudezas ou para quaiquer estabelecimento, na I carros de um e dous cavallOS, e relogiOS de
modo preco : na ra da Gloria n. 94.
1 Cruz n. 84.
ra da Imperalriz n. 53 : a tratar r.a mesma loja.' ouro patente inglez.
Escrava fgida.
Ansentou-se da casa de seu senhor a escrava de
nome Seraphna, preta, croula, reprsenla ter 35
annos, levou vestido de laa com llores verdes, cos-
tuma embriagir-sc, foi escrava da vinva de Fran-
cisca Mathias Perera da Costa; par algunias cu-
tras vezes tem fgido e eostuma andar pelo raes
de Capibaribe, Monteiro e Afflirtos: quem a i '-
gar leve t ra da Cadeia n. 35, que ser recem-
pensado.
MnaiMiBaaaaMaaa



s
LITTERATUBA.
ii
olsvltlia.
11
.-.u.)
rtlaslre pi r s las
As duas iranias anta velhas soffrem euccessivi
mente o marlyrio, tem demonstrar a menor rf
queza. Das ires tilias de Sapiencia, una un'u
Ihe resta, urna crianca que apenas entrn na vid
e que. ainda nao conlieee as suas amaitinas.
Entretanto, 011 soja vorgonha, ou piedade, o rji-
perador avista desdi enanca, suspende as suas or
** l^ 'stro por sna, den, uMaii;is Te,a de novo o na podori
,l por u alto nasemoa.,, a, a- ^ p||a ^ ^^ f ^ ^^ g. JJ ^
una cousa milito fcil. Que diga simplesmentc
ha de < hogar l -Ma, acompanhada das >;i i- tres
Mlias, cujj primognita tem apenas sabido da in-
taaeia. seu i exhortarles atlraliem ao
ciirfstianism um ;;. .. ro de damas roma-
na*. O i idor Adriano, informado pelo perfei-
t' da eidade da una | resee e dos effeitos que esta
tem produnw), ordena que Sapiencia com tareca
lidias. Decidido a redil-
zi-las, por tolos os uieos a sen alcance, ao culto
paga" pelo -ouvor e lisonja, e mostra-lhes
paternal interesse. Kilo pergonta a miie quies os
tomes das Qlhas e a sua edaJe. Esta purgunta
. Sapiencia urna iJa iateirameulo ines-
p rada
Volta-se para suas fillias :
Diario de Pernanibuco giiliitfn felra 11 tle FeTPrelro de 1 *4.
- comigo ? Ido cm paz, e voltae para vossas casas
- com felicidade.Que immensa afllicrao traliiu-se
alna iranquilla generosidade desta phtetZo sim-
Assit
signa-seum pacto fa-i Consola(jae sobre ella, e de liom grado concorda so
tal; I eusta de tormentos eternos na outra vida, o nm Vi;., i,>r,L ,, ,. ,..,.i,.,>r ,i seu
t Grande Diana
Picar satisfeito.
H is una outra voz, a voz de Esperan], cntn
gando, depois de F, a caneca ao ctelo, ainda sb
tai luvir i sua Irmaa que Ihe sobrevivera.
O' Caridade minba querida, c de presenta
nica irmia nao vos assusteis das amcacisdes-
Ic Ijranno, nao lemaes os .-upplicios ; tratae di
Imitar a inabalavcl lidelidade das vossas irniaas,
que roa precedem no paraso.
De inais, sua miento est ali para sustntala q
anima-la ? Caridade resiste s sollicitaooes adoci
cadas do imperador ; logo depnis sua colera ; c
um terrivel segredo eleva um muro invisivel entre
deu-os, vejrnosos deaejos, a esperanca que ainda fugio noa mosteiros.
Ihe resta na ana vida terrestre. pos da suaorigem pagaa,terviam de auxiliares i paiidece e recna; porqoe, longe de
Matronas: -Nao queris Ocar em liorna com- religiao, e oflereciam ao m.-smo lempo urna agr- suas acedes de g rafa e oraeSes, ell<
nosro ?
O nosso garante, sobre esto ponto, o proprio tentador aprcscnia-se.
traductor do theatro de llrotsvilha, o finado Mr. !'': eusta de tormentos eieiiius ..a uu... >,,a. u mm o elogio caloroso que o Traductor do .
( Car,os Magnin, cujas sal, as conjoctnras forneee- Jgp ^SA ESStVS tt&XglF*' "^ > ^
., pies! Sim, ellas pedemvoltar com felicidade para; rama pnmeira idea. Nena poca de ceoslo, ao; mu aa alegras serio passageiras enertur- Na nonte fa edade media atiianir an M
as suas casas, como mulheres que vio acolher as os jogos scenicos, banidos da soeiedade leiga por badas. A esposa nao tarda em eomprehender que ,]im.,."|meil[c una estrella potica mais pura e mais
caricias dos seus Albos. Quanto aquella que per- O da rudeza de costones, cneonlraram um re- Ul" i-rrivel _sogredo eleva um muro invisivel entre briltaantt*.
- cim -......ta...... = sa ;w*g' ...........,,, ..........Mjn., *
leva all a., .)/,.,,,.
poe-se a va- __________
davel distraer.) aos espiri os que ainda amavam f ''r M"'""!" m condoiniiado. Descobre-se O Bj*
os orazerea intellectnaes i le,,"' ; 0i dl)C,'s l*508 'm'! ,a," llle ciislJirain, dis-, 0 QUE yaE pELQ HUN00
os prazerea iBietiectoaes. solvem-se. A sombra de um mosteiro sepulta para
llrotsvitba era deste numero. Aos tinto e tres sempre a joven mulber que vae, no seto do Deus, A cmara dos Srs. deputados foi presente o se-
minha anuos de -edade,om toda a Borda juventude, tinha achar a paz que momentneamente perden ao puinte relatorio do ministerio da fazenda, confec-
j deixado o mundo c abracado a vida claustral. Que n,|ll;'cl" das PW mundanas. O infeliz tica s (0|Mtoirespectivo ministro :
. pm ] com scus remoraos c terrores em face do Iwrrivel! ognsios e aigmssimos s..-nliores representan-
Sapiencia :De modo neiilium.
Murenas : H .pial o vosso designio ?
Sapiencia Picar aqoi, para ver se a
supplica o votos serao ouvidos.
Matronas:Que pedia f Que despjacs
" ~ I com scus remraos c terrores em face do liorrivel
Era crodor que est de poseo da sua aasignatura. Oa
Sapiencia : Morrer por Jess Cliristo, quando urna dessas irremediaveis dores que atormcnlam prazerea da victoria serio pelo inferno? Vae elle'
circumstancia motiva va a sua determinacao
acabar a minba oracao.
Matronas :O nosso dever esperar, para tam-
bero dar-roa a sepultura.
Sapiencia : Como vos aproo ver.
Passam-se qnarenla dias. Entao a mae marly-
nsada na pessoa das liihas, eleva ao cu, ao lado
11.a rdeme e acceza mas durante tres dias. a. ella ,em f M ',alavra do l l,risl'
t Nao vos aiiraz, minbas liihas que en
t l | V- com al'" Pfb,e,n dt cliammas'ceream a cianea sen. tora-la. Miracu
aiillimtlica f (i) losa protecr,-10 estende-se sobre ella. Em summa
i nos perguntassem se a orcasiao era rl,, rr<111,.a ,.ra| ,, ? 0 forro podia ma(ar 0
martyrcs. Cbcgou o momento fatal.
i urna vida inieira ? um
(Sea que nos inslruem de
1 perfeieoes da nossa natureza e da vaidade das es-
jperaneas humanas ? ou un.a dessas quedas terri-
veis, cujas conlusoes s a tnao do medico celeste
pode curar ? N'.o se sabe : mas a calma que res-
da sepultura deslas, urna supplica quasi que po- pra no estvllo da donta religiosa, as preoecupa-
. finalmente, ao borror dos tormentos, lina fora- d'^^-bia dizer urna intimado suprema, porque c5es litterarias que parccein dominar exclusiva-
ella tem f na palavra de Lbrislo, e credora legi- mente o seu espirito as piucas linhas que escre-
tima, misa pedir-lbe que a ella conceda a recom- veu sem estar dominada pelas fcicoes poticas, nao
pensa prometlida. permMteai rappor que um impuls violento de co-
NeMfl ponto, o autor eleva-se pelo eslyllo e pen- racao a tivesse lancado as austeridades da vida
ademada; as nao .succedia assim no dcimo se- mar,vrcs" Qte^oxk o momento fatal". smenlo, mais alia magesiade do esplritualismo monstica. Nio se estara tal vez mallo longo da
culo. Augmenta-se a atteneao e a curio.-idalodos o imperador deixou a scena ; Autiocho, o pre- ebristo. verdade, contando-se a sua historia desta ma-
c.'iiectaloit.-: ceitamenie todos sao do parecer de fl.j,0 lia eidade, que violento e cruel, fez tudo para '' Adonai-Emmanuel, tu que ab cierno a divin- ,ltjra
Fi.\a prir.:otei!ita das tres irnias. que apre>sa-se irrtalo contra as heroicas cbrisla'as, preside aC dade do Creador de todas as cousas gerou... Hrotsvitba, nascida na classe da soeiedade cm
en responder: Simplicio t O'Christo que a amavel serenidade dos an- que o descanco das mitos permute ao espirito re-
Sim, minba mae, e nos vos ouviremos com aa- Anocbo .-Caridade, descobri a vossa caneca' a **e harmonia dos astros te alegrem que \ J' ja^tz^flij*i aobre^ai mesmo,j
ti *facao. tao dura como o marmore, e eutregae-a ao ctelo a scieocia de tudo quanjo se pode saber, a que e^e, ardentes para o bello. Bem depivssa ella
Sapiencia :O imperador j que desejaes sa- ,j0 a|,,oz_ tudo quanto composto da materia dos elementos deveria desgostar o espectculo do mundo e das
beracdailo das mnhas jovens liihas, Caiidade Caridade:Para is^o, longe deresistir-vos, obe- se rena para louvar-te I
compleou um numero de annos deduzdo igual- de(|) ^ a|eg|.jaas V()#:iasnrjenj. t Lembro-me da,que prometteste a todos aquel-
mente par ; Esperanca, um numero lambem iedu-, ;1| jencia. _fi ^ra, minba Giba, agora que de- 'es que, por causa do teu santo uome, renuncias-
vemos alegrar-nos em Christo. Quanto a mira, \scm ao Pozo dos bcns terrestres, que scriam re-
no Itnho mais o menor receio, certa, como estou, compensados centuplicadamenlc, e recebenam por
di vossa victoria I cora a vida eterna. Fiz o que ordenaste ; perd
i Caridade : Dae-n.e um beijo, minba mae, c ro-! sem rmurar as albas a quero de, a luz. .Nao
gae a Christo por miaba alma que deve voltar pa- \,ardes-1' Cl,r,s, em realisar "elme'1,e f ,ua
ra e||(, promessa. Mas que, quanto antes, livre dos lagos
'sapiencia:-Que aquelle que vos deu a vida '"poreos, eu lenhao prazer de ver as minhasfi-
Augii-tos e dignisaimos
tes da naeo.
t lalgando conveniente informar-vos do que se
a dessas grandes decen-1aonr sea espaceso sorwrdouro e engotir avie- passou na repaiiicao dos negocios da fazenda du-
, I lima ? Nio; grapas aratervencio de mn grande i ante os oito mezes decorridos depois da apresen-
ie repente acerca oas m-1 saiUo ;l aventura'acabou mais agradavelmente A lacio do relatorio de 8 de maio do anuo paseado,
cadeira episcopal de Cesrea esta enlfio occupadi 0 da proposta para a fixaeo da receita e despeza
por um dos mais venerados padres da egreja do do exercicio de 186118('*>, tenhn a honrado
zido, poim mpar em numero par; V, pele con-
trario, um numero excedente par em numero im-
par.
Adriano :Com scmelhante resposta, mi dei-
xa.'s eemp tmiente ignorar o que vos perguntei.
3apiencia, condoendo-se da ignorancia do seu
improvisado discpulo, consente cm expriinir-se
em tormos um pouco menos enigmticos. Da sua ^^ ^^^ dj (]e receber ^ ,has recebidas no cu, ellas que sem hesitar ofe-
resposta as,,, modiQcida a aba.e por u, n que feci.te e, ^^ ^ ,
^r^Z^A^Z L %Z 2S -Glorificado sejaes. o Christo I Ique -unifica oro* termina a pee*, acaban-
ssssssKtt;^ t^c^T^z::^ --. ia -ida no
ar ihmeiica. Ella explica o que se entende per rm (tua mae.
Wtaura sxcedente ou deduzitlo; impur em numero A ostentacaoorgulhosado estoicismo pagitoj nos
ta um momento em parallelo com esta scena tao
par, ou pai en numero impar, etc.
O imperador Ailriano. que. amava, como sabi-
do, os etorcicios de espirito, loma certamente al-
gum gosto por estas defines; mas o auditorio
toma tnuito m,is. l'in sussurro lgeiro corre as
suas filciras. aquem exaliar quer a mancira
anjuohon cujo episodio esta intercalado na pega,
quSr e vasto saber do autor, lio versado, diz-se, te (ra.'ellj0 S0|.i
rus sciencias do quadricium como as do tnvium (,-'o ^ noule
(i), estes dous grupos de todos os conhccimonlos eusade cumpriineut0 deveres.
humano< cuja reunio compSa o todo das sel? ar- ; da> blnhlda m |agrimas d(J a|cgra pe|o ,rium_
sublime na sua simplicidade, mostrar-vos-ha a s
i pequenez 1
Dae-me um beijo, minba mae.
Encantadora ingenudade da enanca de oi o an-
nos, que vae alravessar a morlc para desperar na
vida elerna, como atravessaria o somno
noute para encontrar-se
drama
Hecebei-a, Senhor, na vossa gloria. Amen.
t Amen. Repetem no auditorio piedosas vo-
zes.
Os espectadores, entregues s suas mpresses,
deixaram os assentos. Todos os cora^oes estao en-
ternecidos, e muitos olhos cheos de lagrimas. Ger-
berge volta-se para urna religiosa que at entao
d > cada ^ conservara immovel, escondida por detraz das
o uo muii'i i e
suas paixr.es vulgares, que contrastava trio peno-
samente comesse t>|>o de prfeicao, cuja rcalidade
s se aeha no seio do proprio Deus.
O dom do genio, este lom quasi sempre fu-
nesto quelles que o receberam da Divindade,
arrastava-a fra das vias eommun para as vere-
das que conduzem gloria, mas algumas vena
tambem para o abysmo, como mais de um triste.
exi'iuplo, sobretodo entre as mulheres, tem-n'o
provado. Fortanto ella procurou um porto no
qual podease estar cm salvo dos perigos.
Outr'ora, os primeiros mosteiros tinham sido
sanctuarios de sciencia epiedade ; alo se perde-
r a tradircao. c, no meto las trovas que envol-
viam a soeiedade humana no dcimo seculo, as
poucas luzes que ainda restavam, brilhavam no
fundo dos claustros. Foi na abbadia de Ganders-
heim, cuja historia faz o ob ecto de um dos seus
poemas, que Hrolsvitha vei) pronunciar os votos
quciam darans affectos da sua alma um fim divino
c sua vida inteira a paz r;ue exigcm, para fruc-
tificar cm liberdade, as oecupaedes intetteetuaes.
Digna filba de S. Rento, cuja regra impunba as
suas discipulas, a paz da meditacao e da oracao, o
onus de um trabalho til, a joven religiosa propoz-
se a fazer servir fructo ios seus estudos edi-
ficafio dos fiis. A sua frica mi nao podendo
arrotear a trra, applicava:e sem duvida a essas
copias de antigos manuscriptos que nos conserva-
ran!, muito imperfeitamenti, ah I o thesouro cru-
elmente mutilado da anligu dade ltteraria.
Na soeiedade dos bellos gmios cujas obras pas-
oreamento da receita e despeza que, tendo-vos si-
Bstudar as obras de um autor entrar em so- do presente na seaeio do anno passado. deve ser
eiedade, viver com elle proprio: com o sen pea- discutida e votada na actual.
smenlo. Comtudo, incompletamente satiaMta Pelas razoes ponderadas no meu relatorio,
com esta Intimidade intellectnal, a nossa curiosi- avalie a receita do exercicio de I861865, a
dade quereria anda representar a sua pessoa ; que se refere a proposta, em 5l,O0O:UO0-3000 e a
resusclta-la por assim dizer atreves dos serulos, e despeta em 57,8w:407J>766.
tas-la comparecer materialmente diante de nos. Este resultado nao foi oblido, quanto recei-
Se, se trata principalmente de urna autora, a pri- ta, pela combinacao rigorosa da renda dos exerci-
meira pergunla que se faz, esta : Era for- cos anteriores.
mosa ? A avalacio feita pelo termo medio da dos tres
l'ma gravura junta primeira edieao das suas annos ltimos, conforme determina a le, dava a
obras, impressa no principio do seculo XVI, re- importancia de 48.71.1:701)3000, excluidos os de-
presenta Hroisvitha ajoelhada diante do impe- psitos: este calculo, povm, era fallivel, porque
radorthon o Grande, e ollereeendolhe. respeito-1 alguma das causas, que actuaram para a elevacao
smente a colleecao das suas composieOes; esta da receita n'aquelle periodo, nao se podiam mais
figura monacal, esboeada em pessimo perfil, anda reproduzir.
quando fosse authentica e devida, como suppoz- Xestas circumstancias forcoso era recorrer ao
se, ao desenlio de Alberto Durer, pouco adan- rneio, de queja se havia lancado mi, para esti-
lara, riar-se a receita de 18631861, isto tomar pa-
Comtudo, ousamos afllrma-lo; sim, Hrotsvitha ra baso do orcamento a arrecadacao do ultimo
era bella. O genio sempre bello, quaesquer que exercicio eonhecido no thesouro, ca'lcular por ella
sejam os traeos do rosto que o seu olhar luminoso a dos mezes restantes, dando-se ao semestre addi-
e profundo realca, esse olhar basta para transli-: conal a mesma importancia do exercicio anterior ;
gura-lo e derramar sobre elle um encanto domi-| ou duplicar a somma da do 1" semestre tambem
nador que nada eguala. Com os olhos baixos, do ultimo exercicio e avahar a do semestre addi-
talvi'z a humilde freir fosse insignificante ou feia, i cioaal e a dos depsitos em quantia egual a do
ignoro-o ; mas, logo que elles se faziam ver, llrols- anterior.
O primeiro arbitrio deu o resultado de......
13,923:233*187, constante da tabella n. 5 do rela-
torio, e o segundo o de i6,3i3:2i7500O.
Qualquer destes algarsmos mostrava um des-
crescimento consideravel na receita do exercicio
de 18621863, decreseiment proveniente de cau-
sis conhecidas e j expostas no referido relatorio.
Mas, se nao era licito esperar augmento de
vitha era formosa, crede-o.
O correr do tempo que. com maior ou menor
rapidez, mas inevitavelmente, faz emmurchecer
qualquer belleza, respeitou todavia na religiosa de
Gandersheim a da intelhgencia. Depois de Sa-
piencia, ultima peca do seu theatro, parece que
ella abandonou esta forma de composi^ao ; mas a
sua vea potica nio eslava exhaurida. Felo con-
trario ; produzia sempre, e oceupava-se de objec-
tos que, pela *ua Importancia, nao eram smenos renda pelos ^mos motivos quo i elevaram no
tinham sido tratados por ella. Ora, exercicio de 1861I8bi, tambem nao se devia re-
aquelles que ja
diminuicao, por seren
tn liberaes.
Finalineiiie o silencio reslabeleccu-se. A repre-
sentagao contina.
Ninguem admirase ; nio o primeiro que tem sa-
bido des-a penna elegante, nao menos hbil em
pintar, sob todas as suas formas, os movimentos
docorac,io como os triumphos da virtude ebristaa.
A religiosa, modesta e com os olhos baixos, in-
elina-se diante das doutas personagens cujos cr-
. pho ; mas em quanto os scus olhos seguem a jo-
) ven victoriosa al ao cu que a espera, a n. tureza
arranca-lhe um grito de amor desasocegado
< L.'inbra-te da tua miio.1
Prescindindo desta digressao scientifica, muito j
propria da poca, nada de mais natural nein de i
mais sublime nos sentimento; do que todo este O drama contina. Urna ultima secnaconduz- cunspecto elogios Ihe dio animo,
drama, de que procuramos dar aqu urna su(cinta nos alguma distancia do Roma, a um desases lu-1 Homens cheies de saber e virtudes, diz ella-,
analyse. J 8ares *"l'ros em que os liis iam occultar as se- qUe nao invejeis os triumphos alheios, e que pelo
O imperador, depois de ter esgolado deballe os pulluias dos marlyres. | contrario, como verdadeiros sabios, os felicitis ;
meios brandos para obter tanto da mae como das Ajulada de algumas piedosas mies de tamlia,' nao a mim, bem o sei, mas ao dispensador da
filhas que abjurcm a sua eronca, manda lanca-las que companharam-na, Sapiencia ali colljca as gracia a cujas inspirafiies obedezo, que tendes lou-
n'uma escura prisio. Ellas sahem d"ali, mais for- Ires jovens filhas no seu leito fnebre, cono outr' vado, persuadidos de que o pouco conhecimento
tes do que nunca, para reapparecer na sua presen- ra, tirando-as brandamente do eolio maternal, dei- do qual sou dotada, de um alcance muito supe-
ra, c soflrer, dessa segunda vez, a prova das amea- tava-ai adormecidas no seu ber?o. r0r a meu fraco genio femenil. (3)
cas c dos tormentos. Sapiencia nao entregue: O'trra recebe estas ternas flores quenas-; Depois elevando os olhos para o cu, accrescen-
aos algozes, mas rondemnada ao mais liorrivel ceram das minhas entranhas. Conserva-hs com u com fervor
supplicio que se possa inventar para urna mao.' ternura no teu seio formado da mesma materia at
Como a Judia heroica de que falla o antigo icsta- o dia da ressurreicio, em que, como csp<|ro, re-
monto, ver as suas filhas rasgadas pelo Ierro, con- verdecerio com mais gloria.
sumidas pelo fogo, perecer na sua presenca, ca-| A torra cobre as santas reliquias. Est acaba-
hindo Ihes os pedagos em horriveis torturas que da a tarefa de Sapiencia ; comtudo nao er trega-se
urna nnica palavra proferida por seus labios |tode-1 ao egosmo das grandes dores; anda se interessa
ra fazer eessar; c esta palavra, longe de dita la s j por oulrcm.
tenras victimas, ella empregar instantemente a i As caritativas matronas a quem agradece a sua
suprema autoridad* das suas exhortacoes, esfor- assistencia, pro|>oem-llie ficar junto delta, Sapien
cose supplicas, para que nao seja pronunciada.
(I) Traducfiode Mr. Carlos Magnin.
2) A arithmetica, a geometra, a astronoma e
a msica estavam eomprebendidaa no qnadrivhm
a grammatica, a rethorica e a lgica no triaum.
ca recusa.
Matronas :Porque recusaes ?
Sapiencia :Com medo do que nao
o interesse que me teslemiinhaes.
Nio bastante que tenhaes passado
is fatigue
FOLHETIM.
O PADRE DANIEL.
ISTMOS DA VIDA DO CAMPO.
pon
ANDR THEBJET.
IV
fCONTINTAQAO.;
Tambem ella se affastou preoccii|iada e nternou
se pensativa as alamedas do jardn). Nada ilisse,
t
s noutes
cuja pureza, associada s grandezas monea do
drama que vem de excitar tio vivas commocSes.; sentimento christao, dias suas produccoes um
carcter incgnito s chronhas e aos poemas bar-
batos, que nesse tempo appareciam cm loda
parte.
V
As primeiras composices de Hrotsvitha sao mar-
races em versos latinos, t rados geralmente das
piedosas legendas que corr im o mundo e encan-
utan as imaginares ingenuas dessa poca. El-
les offerecem menos inlererse que o seu theatro.
A forma narrativa nio tem, para commover os
nimos, o mesmo poder que a forma dramtica,
sendo que o talento do autor nio tmha ainda che
gado ao mais alto gru de naluridade. Todavia,
ha iiellcs excellentes passajens ; o estylo puro,
e, finalmente, a glora de llrotsvilha nada perde-
deriinse um bom traductor izesse por seus peque-
nos poemas o que fez por seus dramas o cstima-
vel sabio cuja recente |wrda o instituto la-
menta.
Os entendidos louvam p irticularmente aquelle
que tem por assumpto a de;olta(ao de S. Diniz ;
outros recommendam-se por certo atlractivo ro-
manesco. Tal a historia tocante de um rapaz
que o enlevo de umapaixio funesta entregou ao
demonio. Vale a pena que nos demoremos um ins-
tante.
Alcona passa-se na Asia, no quarto seculo. O
atrevido ousou levantar os olhos sobre a joven e
bella hlha de um eidadao di Cesrea, e fazer se-
cretamente o voto de alcancar o seu amor e de
obter a sua mi. Pensamelo duplicadamente sa-
crilego, porque aquella a quim elle ama, destina-
da por seus paes austera \ ida das virgens chris-
tias. j a desposada do S-uhor; e elle, lancado
de todas as classe* sociaes. \egeta ao lado do bol
que lavra a trra, do cao qiu guarda os rebanhos :
escravo.
Ella nao pod pertencer- he ; elle o sent, elle
o v, e Cea desesperado. A accasiio opporluna ;
0 mais moco delles
Chura bem'a sua ;
Chora bem a sua,
1 '. o faz com razio !
Pois ama a mais linda
Que existe em Liao...
Porque, depois desta ultima copla vieram lagri-
mas aos olhos de Diomsia ? porque a melanclica
historia do mais moco dos tres associou
S aquello que tudo pode, aquelle que outr'
ora soltou a lingua da burra de Halaam, todo o
louvor devido. Gloria n excehis Uco !>
E o mesmo coro respondeu :
Amen.
IV
A representacio dramtica que acabamos de
descrever levo com effeito lugar, ha nove seculos
na abbadia de Gandersheim.
Nada nos autorisa a afllrma-lo. Mas se o facto
nao muito authentico, tambem nio imprati-
cavel. _________________ ______
(3; Epstola dedicatoria das obras dramticas de
Hrotsvitba.
por um sentimento ainda mais nessoal, celebra a ; 'l'w se esperava inais abundantes no corrente an
fundacio do nobre mosteiro de Gandersheim, as- \ no e no fu uro. nao duvidei estimar a receita do
- ... ._.,_ ..- -ij-, das suasexercicio de
morte veto l110 fica J"o-
im cmo os diversos episodios da vida das suas! MfJwnto 18bi-18bj em al,000:000000, co-
mis Ilustres abbadessas. Quando a
arrancar-lhe a penna da mao, ella tinha perto de
setenta anuos de edade.
Esta morte, presumivel, foi branda e socega-
da como o somno quo termina o dia til do bom
operario. Na verdade, nao nos oceulta a ap-
plicacao que Hrotsvitha dava ao seu saber;
ella egualmento comprehendeu e cumpriu, tanto
quanto Ihe era possivel, a mssio proscripta ao genio
neste mundo, de derramar entre os homens o
amor do bello e do justo.
Tinham-se passado seculos sem que essa voz
piedosa, a forte tez de Gandersheim. como ella
chama a si mesma, se fizesse mais ouvir, e a lem-
branca de Hrotsvitha, perdida na noute do passa-
do, donnia com oulras tantas esquecidas junto de
si, quando um manuscripto contendo os seus dra-
mas e a maior parte dos seus poemas, foi desen-
terrado, do p de algum mosteiro, pela erudcio
allemaa. cujo enthusiasmo patritico o reslituiu
publicidade. A imprensa, no rneio das magnificas
ooras primas da an:iguidade, que resuscitavacom
desvelo, nao despresou, em plena renascenr;a, re-
produzir ao lado do latim de Tereucio o da sua
humilde imitadora.
A fama da religiosa saxonia penctrou desde cu-
tio nos diversos paizes da Europa. A Inglaterra
envejou esta gloria femenina d'Allemanba, e qliz
dispula-la. Na Franca, sem vulgarisar.se entre o
povo, ella condecida dos homens de lettras. O
exemplar das obras de Hrotsvitha que possue a
bibliotheci inazarina, e que parece ter pertencido
ao poeta Felippe Desportes, cuja assignatura l-se
na primeira folha, bastara para testifica-1'o :
Desportes, condusido i Polonia pelo duque d'Au-
jou, re eleito desee paiz, d rolla para a Franca
tinha certamente trazido da sua dupla viagem a-
travs d'Allemanba, estapreeiosa acquisico. Mais
larde, a Ilustre freir, qu fazia tanta honra
suaord^m, atlrahiu a attencio dos sabios bene-
dictinos de Saiut-Maiir ; mas somente boje que
bellos trabalhos de erudi^io ltlerara tornaram
popular o seu nome. Grabas a osles interessante-
estudos, contemplando de longe, as profuudezas
do passado. essa figura de mulher sozinha no rneio
das trovas, a vista repousa com um sentimento de
se em seu
pensa monto com o a'ltivo soldado que combata na
Crimea ?... Ah 1 se o primo visse cahir essas pre-
ciosas lagrimas !...
Na tomada de Malakof, Daniel foi no/icado sar-
genlo-mr, e pouco depois voltou Franfa. O pri-
mo nao achou que fosse occasiao de faze-lo vir
para junto de si, mas Ihe escreveu pcJindo-lhe o
retrato e dobrou a mensalidade para es: o fim. Al-
gumas semanas depois o retrato chegou Tem-
mas bavia pensado muito com a leitura desta car- ,,|ei-.s. Daniel se tinha retratado co;
ta, toda resoando com os ruidos da guerra. Re-
passava cm sua memoria a altiva e jovial lingua-
gem do pupillo do padre, e ensaiava representado
sentado sob a tonda polindo suas armas, ou com
fiolainas e mochila s costas, com a bayoneta, cal-
ada lancando-se ao inimigo.
Pensava a noute nelle anda, quando depois da
Seia foi encontrar-so no pequeo muro do vergel,
'onde se via o verde valle do Egronne at Pres-
s'Snv' ..
O sol se punha, por traz de Templiers, e dos pi-
nlviros do bosque de Conrtils, e Pressigny meia
oceulta lelos alamos, e cordada por sua alta t jrre,
pareca transfigurada pelos ltimos ratos" do puen-
te ; as amelas da torre, estavam fingidas de cor de
rosa, os toctos de ardosia tinham alegres e e aras
cores arroxeadas, os vidros a cor viva da purpura,
e Dionisia -onhava com o Oriente.
n a cabeca
de-ec berta, e a mao direita apoiada na bayoneta
de sua espingarda.
A mi do padre pegando no retrato trema de
tal forma que por dez minutos ficou sem poder
examinar a physionoinia de seu pupillo reproduzi-
da pela photographia. Elle o reconhc eu afinal e
seniiu-se orgulhoso. Desceu entao e moslrou o re-
trato Reauvais e ionisia.
Eis um moco bonito t exclamou Seauvais.
Dionisia contempiou ailenriosamenti esta joven,
e enrgica figura, rujas fcicoes se d -.tacavam
fumo do lcteo fundo da chapa.
O innocente padre de novo impresa onou-se por
este silencio, subiu desconsolado para ua torrinha,
onde coliocou o retrato defronte de sua cruz ne-
gra. Entretanto se as verbinas que guarneciam
sempre no esto janella do primo, ;e os lilazes
l)epui. voltando-se para o lado de Etableaux, | fallassem, dinam que entao eram coi i frequencia
aeus olhos deslumhrados de ratos e cores, senta- regados.
se melanclica ao aspecto do valle aperlado e jai Dionisia, durante os passeos quotidanos do pa-
escurecido entre suas duas eueostas cobertas de dre, Ihes prodigalisava agua fresca sem para elles
mes desde j a pensar nisso. Tenho cm vista um e habitar voluntariamente Templiers... Guar-
partid, e nesse dia conversaremos respeito... daremos com nosco Disinisia .. U moto ueste mo-
llouve um grande silencio. Reauvais que se via ment est em Angora c nao deve vir antes de um
j separado de sua filba, levantou-se para occultar ; mez, nos tornaremos a (altar a respeito, mas en-
sila emocao, e foi dar urna volta pela granja. Dio- i trelanto. cialuda !
nisia eslava corada. O padre, paludo e embara-; E elle sahiu.
gado, balbuciou algumas palavras, pretextou ter | O padre se levantou pre;sa e com nova febre:
de ler o breviario e desappareceu. Nao, nio, nada do Delelang, disse coinsigo
Chegado que foi torrinha o infeliz primo fe-; mesmo, e necessario que des a vez Irobalbemoa.
e.bou-se |Kir dentro com dobrada volta na chave.; E depressa escreveu iuiel as seguintes li-
Estava lvido, e o sur Ihe corra por suas faces nhas :
magras. Ollum o retrato de Daniel. Pede j urna licenca de tres mezes, aqu te es-
Est lindo nossos sonhos. meu pobre amigo! peiam para cacar. Vem o i lais breve que te for
Ihe disse alto. : possivel!
Depois comerou a passeiar inteiramente absorto.
Apoz alguns instantes de silencio :
Assim, continuou elle, o primeiro que appa-
recer peder roubar-me Dionisia, Reauvais Ih'a
Tomou um bilhele de cem francos quo tinha em
reserva, feeliou-o na carta, e correu ao correio de
Pressigny.
Quando voltou o coraco II e bata, e disse brus-
nogueiras e carvalhos.
A voz frara c crystalina do Egronne se elevava
no silencio da noute como urna queixosa melnlia,
quo as verdes raaa acomnanbavam por momentos
com seu enfadonho coaxar.
Enrapusada em sua negra capa, urna pastora
descia a colina de Etableaux, paslorando sua
frente um rehanho de vaccas ; onviain-seos doces
mugidos das novilhas, via-so o ci vigilante ror-
rer sem descanco da pastora ao rebanho, e corren-
do, soltar um latido sonoro, a que responda n os
cies do casaes.
Em um interrallu de silencio, a pastora sr poz
a cantar, e sua voz lnguida, sua rustica me'opca
chegaram distinrtas al Dionisio. A pastora can-
lava una bailada local muito popular em Touraine
e no Poiton, e das quaes eis as primeiras coplas:
Sao ires os rapazes
Que vio para a guerra,
Que vao para a guerra
A si defendendo:
Peta amante chara
Lagrimas vertendo.
olhar, por isso que seus olhos contempl|avam a par-
da photographia pendente da predc.
As cousas estavam nesse ponto.
Reauvais tornava-se de da em dia inais obeso
a Rruere cnvelhecia, e amerava a ter intervallos
de silencio ; Petit Pinson crescia, punna >Chapea
de banda, e mostrava-se bello aos domingos na
praca de Pressigny.
O padre pensava em Daniel acabando a educa-
cao de Dionisia, e Dionisia cada vez mais acanha-
da e arisca, militas vezes sonhava sozii ha no ver-
gel, la fazer dezoito annos. N'unia nbutn de ju-
Iho de 1857, Reauvais depois de ter efeiado, disse
com um ar serio e enternecido, abracando sua
lilha :
Esls crescida, mimosa, ests grande, e eu
vou ficando velho. Nio quero que dejas freir,
dar, e tudo fiear acabado Terei, com medo de camente Beauvaia diante do Dionisia :
Reauvais, fgido para o seminario, a debulhadora' Escrevi nesta manha ,meu pupillo para que
me ter levad o braco, terei criado esta menina veuba cacar em Templiers, : espero que chegue
como minba filba, e por loda conipensaeao lleau- antes do Um do mez.
vais apenas me dir muito obrigado e a dar a v
um eslranho I... E ter elle razio ? Bem pen- ',
sado tudo, que direitos tenho eu sobre ella, e es- Tinham apenas decorrido Ires semanas, quando
tes pensamentos que tenho serio proprios de um urna manha. estando ainda aa cama o padre, ou
padre?... Sim, mas meu coracao sedespedaca viu a voz grossa de lleau va s que Ihe gri lava do
quando cuido em tal casamento. Vio arrancar-nie jardim :
esta segunda Dionisia, s a verei com cerimonias, l! primo.
ella ir viver comdesconhecidos, c quando meu' Correu janella... Danie com pequeo umfor-
pobre Daniel vier, nao podere mais dar-lhe es- me, o bonet posto sobre a orelha, una medalha na
posa que Ihe tinha escolhido ; nao unirei essas casa da farda, Daniel com es bracos estendidos
duas erianeaa, eaaee dous coracoes que formei um para a torrinha eslava junto de Beauvais. O pri-
para o outro. Tambem minba timidez estpida I meiro agitou seu braco mulita do, entrou e vestiu-se
Porque nio fallo com franqueza Reauvais e nio como pode.
Ihe communico meus projeelos ?... Ah Reau- la descer, quando a porla abriu-se, c Daniel e
vais I Ouco-lhe o riso irnico com que acolheria Reauvais invadiram o quarto Ah I a relia paga-
minha projiosta I Se Daniel ao menos tivesse al- va bem a partida, elles se conservaram por algum
eaiiculo as dragonas!... Mas um simples inferior... tempo abracados.
Reauvais nio o aceitar I Nao, nao pode er ; so- Com a breca disse Peauvais enternecido,
utos pobres c ella erica. Nio posso dizer : sio nio acabareis boje? Vinde, Sr. Daniel, deixae que
ricos I... ,o primo se vista.
0 primo nio se deitou, c apenas amanheceu sa-1 O primo vestiu-se pressa. soltando de vez em
ho para respirar ao ar livre. Quando pelas oito quando alegres exelamacoes, Jepoisdesceu. Achou
horas Dionisia foi torrinha regar as verbenas, viu no paleo somonte a Reauvais, que Iho disse alegre-
que a cama do padre nao tinha sido desfeita, e H- mente :
cou pensativa... Ide procura-lo, pois elle foi-se. Porque nao
No dia seguirte, logo cedo, Reauvais enlrou no Ihe sentaste praca na cavalla~ia?...
quarto do primo, e despertando-o bruscamente,
ilisse :
Dizei, primo, nao sabis urna cousa ?
Nao, respondeu espantado o padre.
Pois bem, vou dizer-vos isso,continuou Beau
Porque?... perguntoiisorprezo o padre. Fi-
gurae-vos que eslava mostraiulo-lhe meu novo ca-
vallo, animal que ninguem ousa montar...
Entio?
Entio, continuou Reau .-ais, montou-o, e e-lo
vais confidencialmente, achei um mando para Dio-. longe.
nisia... Adevinbas quem T O padre c Reauvais correram para fra da her-
Infelizmente os receios, que se nutriam a res-
peito da diminuicio da renda no de 18621863,
nao eram infundados.
A tabella, que junto sob n. 1, mostra que a
receita arrecadada no mesmo exercicio segundo
os dados existentes no thesouro, de...........
16,285:357,1632, perfazendo o total de..........
l!),27o:7012il com os depsitos. E, bem que
a.nda faltem balanceos, na maior parte relativos
aos mezes do semestre addicional, de presumir
todava que na poca do encerramento do exerci-
cio a receita nio v alm de 47,500:0005800, eli-
minados os depsitos.
Isto posto, nenhuma alteracio deve soffrer
amelle orcamento. visto que nio pode servir de
base receita deste exercicio.
A renda arrecadada no corrente exercicio de
136-3186i, conforme a cschpturacJto do thesou-
ro, de 13,405:1663266 e os depos'itos de.......
2,135:6905882 (tabella n. 2).
t Atiento o limitado numero de batneos deste
exercicio que existem no thesouro, nenhum juizo
seguro se pode formar a respeito dos seus recur-
sos, e conseguintemente, tambera por este lado,
nenhum motivo ha para alterar-se o algarismo em
que eslmei a receita publica para o futuro exerci-
Cto de 1864-1865.
O da despeza porm deve ser augmentado.
i Foi oreada a despeza do ministerio da fazen-
da para o dito exercicio de 18641865 em......
1!):131:1'.I8-55I2; mas ltimamente contraliiu->e
um novo empreatimo em Londres para o rescate
dos de 1824 e 1843, e emilliram-se diversas apoli-
ees, parte em permuta de accoes da estrada de
ferro de D. Pedro II. e parte por venda ao banco
do Brasil, nos termos do contrato de 24deoutu-
bro do anno passado; operares estas de que me
oceuparci no lugar competente.
Resultando, poja, novas despezas na importan-
cia de 482:5065223, sendo a principal a dos juros,
fina elevada a somma da do referido ministerio a
19.613:7043735 como se v da tabella n. 3.
(Continuar-se-ha.)
niel. Em Pressigny, deram f que morriam de
sede, e o padre em ultimo lugar (maldito seja o que
dsso pensar mal I) entraran) na primeira taberna.
Tocaram os copos.
A' guerra da Crimea I disse Reauvais.
A' volta I exclamou Daniel.
Elle nio se cansava de mirar o primo, e este
contemplava sem eessar a Daniel. Como se arha-
vam mudados! l'ra com seu cumprido e macilen-
to rosto enrugado, faces cavadas, doce sorriso e
cabellos grisalhos ; o outro forte, robusto, resoluto,
mostrando em toda sua pessoa que sua divisa era
Nio tendes mais paes ? disse a Daniel o es-
quecido Reauvais, a quem o primo havia contado
m iis de vinte vetea a historia de seu pupillo.
Nio, senhor respondeu Daniel ; meu pae,
que era carpina, morreu caindo de urna cumieira.
e minba mae morreu oito dias depois... c, ajuntou
ol liando o padre :
Foi o primo que me recolheu.
Isto foi dito altivamente e com urna simplicidade
que tocou Beauvais.
Perdi disse este commovido.
O padre enfadado e contente por esta explicacio.
de Murets e Reauvais observou que Diouisia nao
viera saber o que tinha sido feito delles.
Quera ? perguutou a meia voz Daniel ao
primo.
-- E' minha filha Dionisia! exclamou altiva-
mente Beauvais.
Ah disse Daniel; tendes filha ? O primo
nunca m'o disse.
Sobre que vos esrrcvia entio ? Aposta que
nem ao menos tratava a respeito de meus ca-
vallos ?
Acaso poderci escrever muito com a mi es-
querda ? inteiroinpeu o primo.
Chegaram, e como Daniel quizesse ir mudar
roupa, Reauvais o empurrou para a sala. A mesa
vintenio para traz. Daniel cumprimentou-a res-
petosamente sem Timidez, mas sem afloileza, e sen-
tou-se mesa. Ficou junto de Dionisia, mas ou
por sentir-sc acauhado vista dessa moca, com
quem nio COOtava, ou |iorque o rosto um lauto al-
tivo de Dionisia Ihe infundisse respeito, ficou silen-
cioso. Todavia se mostrava mudo e eonstrangido,
nao eslava inteiramente calmo, e logo no primeiro
servico trabio sua emocio quebrando, ao pegar,
um pealo que Ihe haviam passado. 0 sangue su-
O padre achou que esse instante era horrvel e dade. Daniel voltava galope, anda tinha na mao biu-lhe ao rosto.
abriu os grandes olhos. seu basti de viagem, mas s,u bonet tinha licado Oral disse Beauvais, nao vos importe isso !
Nio sois vos quo o adevinhareis, continuou na estrada. Levaram o cava lo para a estribara e 1 Dionisia aproveitou a occasiao para romper o s-
Reauvais; tendes sempre o nariz e o espirito sobre no mesmo passoforam ver o lonet, depois foram a j lencio.
os livros, nao conheceis ninguem do paiz.. Acaso Hruasseres, e conversando wguiram o curso do O prato eslava de ha muito rachado ; disse
era fiques para tia, e vou tratar de ver- t um ma-:| nao reparantes na leira de Pressigny n'csse manee- Egronne, de modo que tora n al Pressigny. A ella.
rido. | bo cora quem conversei por muito tempo junto hora c o caminho eram esquecidos, gracas as per- Assim... minha senhora... comeeou Da-
E como Dionisia nm instante interdicta comeeou ponte ? gunlas e respostas, sorpresas e exelamacoes. Eram niel, querendo desculpar-se.
O Sr. Delelang ? reeordacOes, gracejos, risos, silencios deliciosos. Olharam-se, coraran, ainda mai>,e fiearam cala-
E' filho de um negociante de Anglcs. De- Reauvais nem por um imp'lio loria nesse nio- dos. Felizmente o padre veiu em sou auxilio, e
ram-me -toques seu respeito. rico, camponez ment abandonado o major, romo chama va a Da-' mudou a conversa.
a soltar gargalhadas, Reauvais exprimiu-sc com
su voz grossa :
O que te digo serio, e desejo que te acostu-
monte rosto franco e accentuado, olhos par-! aproveitou o ensejo para anda urna vez apertar a
dos e scintillantes, bigodes nascentes, alvos denles mao de Daniel. Na sobremesa, a moca deixou a
que s diziam sade, e cabellos negros naturalmen- sala de jantar. Entio Reauvais accendeu seu ca-
te crespos... E o primo maravillado repeta a j chimbo, Daniel preparou um cigarro, e eomeearam
Reauvais : a conversar sobre o Oriente e a guerra.
Vedes esse rapaz ? pois fui eu que o eduquei I Que fazia Dionisia durante este tempo? Assen-
carreguei-o em meus bracos, lembras-te ? tada debaixo de una copada figueira, no extremo
Vettaram lentamente a Templiers pela encostai do vergel, pareca toda oceupada a considerar os
arabescos luminosos que o sol desenhava na rea
atreves das arvores, mas se seus olhos seguiam at-
lentamente os movis recortes da sombra, seu es-
pirito vagava em outros lugares.
Os peusamentos que a absorviam pareciam ser
de una natureza complexa, porque as vezes um
sorriso desusa va rpidamente por seus labios, e ou-
Iraa vezes um vivo rubor corra de suas faces a
sua frente, Havia em seu mimoso rosto una sin-
gular mistura de alegra e preoecupacao. Dionisia
eslava a romper com o ideal a que annos inteiros
a tinham por assim dizer ligado. Tinha sonbado
H niel como elle realmente nao era, e a transtecio
do sonlio para a rcalidade Ihe era ao mesmo tempo
doce e diflicil. A irigueira moca, a despeiio do
eslava posta, mas Dionisia l nio eslava. O primo, phjUigraphia mandada ao primo, tinha imaginado
scnliu que corava. Daniel sacudia-se perto da ja-1 qui Daniel era louro, com olhosazues e melancoli-
nella aberla, Reauvais se pozra mesa. Era en-, ca physionoma; o verdadeiro Daniel tinha intei-
trelanto necessario que Dionisia apparecesse. Ella ramente oulro ar. Era magro, baixo. trigueiro o
enlrou no momento em que Daniel dava as costas j nada melanclico. Preciso, pois, era apagar as
para a porta. vagas feicoes do antigo retrato e substitu-las pela
Preparaste-nos um bom almoco? exclamou j magein do original vivamente revelada. Reconhe-
Beauvais, | cer.do que o Daniel de carne e osso nada fieava a
Daniel vollou-se apressado c viu Dionisia... A dever ao imaginario Daniel, nem por isso Dionisia
coinnioc de ambos se trahiu por um lgeiro mo- deixava de sentir a perda de seu sonho; mas en-
vergonhado de lio persistente preoecupacao, aba-
nou a cabera, passou pelas faces coradas as mio-
zinhas, e buscou dar outra dirercao a seu pensar.
Eslendia a cabeca por sobre o muro, e olhava os
campos que se iiulia ceifado o trigo. Enlio o can-
to de urna codorniz no reslolho, lembrou-lhe que
en tempo de caja e que Daniel viera a Templiers
cacar; ouvia os chamados das pastoras o suas vo-
zes Ihe traziam memoria a rancio dos Ires mocos
que iam jaira a guerra e a cancao conduzia de no-
ve o pensamento para Daniel.
Daniel, Daniel I dizia a fresca voz da represa.
Daniel, grita vara os gaivoes alravossando como fle-
chas o cu azul.
B assim levou odia.
(Continuar-se-ha.)
PF.RNAM8UC0.- ITP. ufi al. F. F. & FILMO.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EDPD1WXZH_253LKP INGEST_TIME 2013-08-28T02:59:44Z PACKAGE AA00011611_10289
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES