Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10286


This item is only available as the following downloads:


Full Text
K
s
*.;
AMHO XL. WDMEBO 20.
Por tres ioezes .- ilimitados MOOO
Por tres wezes vdci1os 6gU00
Porte ao correio por tres mezcs. 5750
SEGUNDA FEIRA 8 DE FEVERE1R0 DE 1864.
Por anno adiaotado.....i9$00O
Porte ao correio por am anno 3JJ00O
DIARIO DE PERNAMBUCO.
ENCARREGADOS DA SIBSCRIPQO NO NORTE
Pirahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima!
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty,
Sr. A. de Lemns Braga Cear, o Sr. J. Jas fi
Oliveira; Maranhao. o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
mazonas, o Sr. Jerouymo da Costa.
EN IARREGADOS DA SFBSCRIPCAO NO SUL
Alaga.'., o Sr. Claudino Palead Dias; Baha, o
Sr. fos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins y Gasparino.
EPHEMERIDES DO MEZ DE FEVEREtRO.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Igoarassu', oyanna e Parahyba as segundas el
aexlas-feiras. 7 La nova as 3 h., 49 m. e 'fi s. da i.
Samo Anto Grvala, Bezerros, Bonito, Caruaru'J 14 Quarto cresc. as 11 h., 5 m. e 26 s. da m.
AIIIIOIO e U'trtnhllrw noc lniv-i, r....*._. I .__. _
Altinho e Garanhuns as torras feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, LimoeJnx Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Relia, Tararalu', Cabrob,
Boa Vista, Ourioury e Exu' tas quartas feiras.
Sennhem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua l'reta e l'imenteiras as quintas feiras.,
lina de Fernando todas as vezes que para ali sahir .
navio. Primeira as .1 horas e 42 minutos da tarde.
Todos os estafetas partem ao '/ dia. | Segunda as 4 horas e i minutos da manha.
22 La cheia as 2 h., 41 m. e 8 s. da t.
PREAMAR DE BOJE.
PARTIDA DOS VAPORES OjSTSTOOS.
Paraosul at Alagas a 5 e25; para o norte at
a Granja 7 e 22 de cail.i mez; para Fernando DOS
dias 14 dos nena dejan, marc- maio, jal, set. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Reeife : do Apipoeos s 6 '/2, 7, 7 '/j, 8 e
8'/z da m. de Olinda s 8 da m. u6 da tarde ; de
Jaboatao s 6 '/2 da m.; do Caxan t e Vanea as 7
da ni.; de DeMBoa as 8 dam.
Do Reeife : para o Apipucos s 3 '/? 4, Vi. 4 Vi,
5, 5 '/t, 8 Vj e 6 da tarde; para Oirndia s 7 da
manha e 4 >/2 da tarde ; para Jaboatao s 4 da tar-
de ; para Carang e Varzea s 4 '/i da rarde; para
Bemfica s 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS THIBUN'AES DA CAPITAL
Tribunal do commereio: segundas e quintas.
Relago: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commereio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DAS DA SEMANA.
s. Seguida. S. Joio da Malta; S. Juvencio b.3
'.. Terca. S. Apolonia v. na.; S. Ansberto.
10. unirla de cinza. S. Silvano b.
11. Quinta. S. Paulo I eremita : S. Lzaro b.
II Sexta. S. Marrello p. m.; S. Kulalia v. m.
13. Saldado. S. Gregorio p. S. Benigno b.
14. Domingo. Ss. Auxencio, e Kpbebo mm.
ASSIGNA-SE
no Reeife, em a livraria da praca da Independenda.
n. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figueiroa d*
Faria & Filho.
PARTE QFFICIAL.
(DVERYI) Di PltOVIMIV.
Ktpedieute do dia 1 de fciereiro de 18Ci. i
Ulflcio lobrigadciro commandantc das anuas.1,'
Sirva-sc V. Exc. de mandar apresontar ao e mi-
mar lan te da canhoneira Ijatalnj, alim de t r o
conveniente destino o individuo de notne los
Francisco Ribeiro, que segundo V. Exc. me cum-
luunicou em seu offlcio n. 218 de 3 do corrente,
deelarou pertencer armada, tendo descriad do
brigiie barca Ilumarac.Cotnmunicou-se aocom-.
mandante da canhoneira Itajahy.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Attendendo ao que no incluso requerimento expoz.
o es ripiurario do arsenal de guerra Francisco Se-'
rapf ico de Assis Carvalho, autoriso V. S. a
man lar pagar ao supplicaute os seus vencimentos, I
relativos aj mez de Janeiro ultimo, em que por i
doante deixou du comparecer ao servico de sua '
repaniefio, considerndose assim abonadas as fal*
4al p>r elle dadas naquelle mez.
l)i.o ao mesmo. Nao ha rendo inconveniente
mande V. S. pagar, em vista da folha junta em du-
plcala, os vencimentos relativos ao mez de Janeiro j
ultin o, aos olHciaes encarregndos do recrutatm nto
os municipios .Jo Reeife e Olinda.
Dito ao inspector da thesouraria provincial. ,
Recommendo V. S., que, em vista do incluso
pedido, mande adiantar ao thsoureiro pagador da
reparticao das ooras publicas, conforme solicituu o
respectivo director em offlcio de hontem, sol n.
24, i quaniia de 7:8O0 rs., para occorrer as des-
pezar com as obras por adminislr..cao cargo da-
quell.i repartidlo no corrente mez.Communieou-
ae ao diredor das obras publicas.
Dito ao commandantc do presidio de Fernando, i
Ke-nelta V. S. com urgencia, como soliciton o
inspector da thesouraria de fazenda em oflirio n. I
20 de 12 de Janeiro ultimo, os balanceles e docu-
mentes de receita e despeza eita pelo almoxarifa-
do desse presidio nos mezes indicados na requisi-,
rao da respectiva contadoriit constante da copia
inclusi.
Dito ao engenheiro fiscal da estrada de ferro.
Tenho presente o offlcio de 28 de Janeiro prximo
fiado, jm que Vmc. pede providencias para que j
cesso o trr.nsto de urna passigem nivel, que o
propridano do engenho Utinga estabeleceu no lu-!
gar denominado Zamboa, por embaracar ahi o
anov ment dos tres da estrada de ferro.
Em resposta i-abe-me dizer Vmc. que nao len-
do tide o izoverno geral em vistas prejudicar, mas
antes promover os interesses da agricultura com
a concessao que fez para o estnbclecimento da via
errea, e nao sendo iateiramenle prohibidas as
passigms nivel, quando fjrem indispensavis
em vis.a do que dispoe o art. 13 do regulamcnto
que baxou com o decreto n. 1930 de 26 de aliril
do 1S5" deve a adminisiracao da estrada de fer-
io entender-se com o predito proprictario do en-
genho ('tinga, sobre a melhor maneira de harmo-
nisareni os seus interesses em relaeSo ao ohjeeto
de q e se trata.
Dito no promotor publico da comarca do Bonito.
Com a parecer por copia do conselheiro presi-
dent du rela^o ministrado ud 1* do corrente, res-
pondo consulta feita por Vmc. em 23 de Janeiro
proxim _lindo, relalivamenl; ao assassinato do
preso Juo Ribeiro.
fM'o.i juiz de paz e meml.ros da junta de qua-
difica.jao da fregoezia de Quipap, sede de Panel-
las.Nao tendo acompanhado a lista da qualillca-
<;ao dos votantes dessa freguezia. que Vmc. me
enviou com o seu.offlcio de 30 de Janeiro ultimo as
rdaces de que trata o art. 3' do decreto n. 2863
de 21 de dezembro de 1861, cumpre que hi'as re-
mella de conformidad.- com a 2' parle do citado
artigo.
Dito aos agentes da eomnaohia brasileira de ua-
quetos vapor.Pdem Vmcs. fazer seguir para
ospertos do sul o vapor Paruv, a hora indicada
em seu offlcio de boje.
Portara.O Sr. gerente da conipanhia Femara-
Jjucana mande dar passagens para o Cear no \a-
ior que tara al i seguir no di i 22 do corrente, em
ag.it de r destinado passageiros de estado ao
padre Gal/ndo Firmo da Silveira Cavalcante, e de
proa seu criado Joo Miguel.
Dia.O Sr. gerente da rtmpauhia IViin.in! u-
cana mande dar urna pascagooi at o Rio Grande
do Norte em um dos vapores dessa companhia em
lugar de r destinado passageiro de estado ao
Dr. Vicente Ferreira Gomes, juiz de direito de S.
Jo= de Mipib.
Dila.Os Srs. agentes da companhia brasileira
de paquetes mandem dar transportes para a corte
por conta do ministerio da guerra no raporJ'ora-
mi a mulhcr e .'! fllhos menores do voluntario do
exercito Cl;mcnlino de Paula Souza Malagueta de
que trata a portara de 29 de Janeiro ultimo.
K\|ie liente do secrrlarin do goTfrao.
Oflicioao Dr. Francisco Braadao Gavaloante de
Alhuquerque. S. Exc. o Sr. vice presidente da
provincia manda acensar a reeepeao do offlcio do
i" do corrente em que V. S. comnunica ter soasa
'ie'-i. a data entrado no exercicio do cargo de juiz
municipal o de orphaos do termo de Ipojaca.
Cominunicciu-se ao inspector da thesouraria de la-
aenda. i
Dito ao Dr. Francisco Antonio Cesarlo d'A/.e-
vedo.S. Exc. o Sr. vice presidente da provincia
manda acensar recebido o offlcio de 26 de Janeiro
prximo (Indo, em que V. S. comnunica ter en-
trado no exercicio do cargo de juiz municipal a de
orphaos do termo de Garinhans no dia 26 de de-
zembro ultimo.Communi.'ou se ao inspector da
thesouraria do laaenda.
Despaches do dia 4 de frverriro de 1S6I.
RequrritncntQS.
Padre Antonio Ferreira de Carvalho.Infome
o Sr. thesoureiro das loteras
Bacharel Agostinho Ermlinlo de Leao.Passe
portara concedendo a licenea pedida.
Domingos Jos Magalha.-s! Informe o Sr. juiz
de capellas e residuo.
Flix Ramos Lieulier.Informe o Sr. insprcor
do arsenal de marinha.
Irmandade de N. S. do l.ivramento da Villa do
Pao d'Alho.Informe o Sr. thesoureiro das lote-
ras.
J.-uino Arcanjo de Allmniierque Pimentel.
Pende de decisao do governo imperial.
INTERIOR
RIO lK J % VKIBO.
assemblea i.Kiai.
(IHIVRI in si:miohi:s
lKPI TUMIS.
SESSAO EM 11 DE JANEIRO de 1864.
Presidencia do Sr. Zackarias.
- 11 ,'; horas da manhaa, feita a chamada, e,
liavuido numero legal, brese a sessao.
I. e e approva-se a acta da sessfio antece-
dente.
O Stt Io Skciiktahio den conta do seguinte :
EXPEDIENTA.
Um offlcio do ministerio do imperio, enviando
o oflicio com o qual a presidencia da provincia do
Rio de Janeiro remette a arta da organisaco da
mesa do collego eleitoral de Nossa Senhora da
Cont:ei(o do Rio-Bonito.A oommissi) de pode-
res.
(Juatro do mesmo ministerio, participando ter
expedido as ordens necessarias as respectivas pre-
sidencias para que tejara executadas as rosoluces
desta cmara approvando as eleicoes do 2* e 4o dis-
trictos da provincia do Rio de Janeiro, 2 da de
Pernambuca e 6 da de Minas-Geraes.Inl-irada.
entro do mismo ministerio, enviando a repre-
s intacSn do cabido da S caihedral de s. Paulo,
podindo augmento de vencimenlos, e bem a.--iiu a
copia do oflicio do respectivo diocesano que acom-
panhou aquella representacao.A' commissao de
piiaes e ordenados.
Oulro do mesmo ministerio, enviando a repre-
s Miiacao dos irmaos mesarios da irmandade de S.
l'omingos, padroeiro da freguezia das Torres da
I rovincia do Rio-Grande do Sul, pedindn dispensa
i as leis de amorlisacao para possur bens de raz
t o valor de 10:0005 ; ebem assim a copia dos
cilicios da presidencia da mesma provincia e do.
respectivo juiz municipal que acompanharam
aquella representacao.A'commissao de fazenda.
Oulro do ministerio dos negocios da agricultura,
commereio e obras publicas, remetiendo o reque-
rimento em que Manoel Agostinho do Nascimento,
porteiro archivista da reparticao especial das ter- i
ris publicas na provincia de 3. Pedro, pede sua
aposenladoria.A commissao de pensoes e orde-
nados.
Outro, do Sr. ministro da agricultura, commer-
eio e obras publicas, pedindodia e hora paraapre-
s.nitar o rotatorio da reparticao a seu cargo.Mar-
c-sc o dia de hoje hora e meia da tarde.
Um requerimento de Antonio Ferreira Fran?a,
pedindo para fazer acto do 1* anno da faculdade
du direito doS. Paulo, que frequentou como ovin-
te.A commissao de instruccao publica.
Oulro de I). Mara Antonia Andrade de Bulhoes
Fibeiro, pedndoquesejato reconhwidos validos os
exames de preparatorios fetos por seu filho na es-
CDla central, alim de se matricular no curso jur-
dico de S. Paulo.A mesma commissfio.
Cinco de Possidonio da Silva Nazareth, Antonio
da Costa Pinheiro Franca, Leocadio Luiz de Var- i
gas Dantas, Pedro Antonio de Paiva e Joo Paiva
dos Anjos Espozel, pedindo o lugar de continuo
desta cmara.A commissao de polica.
Dous de Joo Jos da Silva e Pedro Gomes de \
Alcntara, pedindo o lugar de guarda das galeras ;
di mesma cmara. mesma commissao.
PRIMEIRA PARTE DA ORDEN D DIA.
UBCSo DAS COMMISSOES.
Contina a eleico das commssoes e sahem ele- j
tes:
Commereio, industria e artes. (62 cdulas.)
Os Srs. Tavares Bastos,53 votos; Souza Carvalho,
5 i; Marcondes, SI
Islrvcrw publica (65 cdulas.)
Os Srs. Mariim Francisco, 34 votos ; Souza Ban-
dera.il Barbosa de Olivei-a, 48.
Satide publica. (63 cdulas.)
Os Srs. Manoel Joaquim, 50 votos; Mello Franco,
4!l; Flores, 42.
Ettatistica, colonisaco, catechese e civilisaro dos
Indios. (62 cdulas.)
Os Srs. Souto, 52 votos; Silva Pereira, 47 ; Lei-
tao da Cunha, 27.
Agricultura, minas e. bosques. (62 cdulas.)
Os Srs. Jos Jorge, 48 votos; Ferreira de Moura,
4-s; Ambrosio Machado, 47.
SEGUNDA PARTE DA ORDEM DO DIA.
KLKICAO D8 SE1IGIPE. (! dtStlictO.)
_ Procedeu-se votacao do parecer da 2" commis-
sIiO de poderes sobre as eleifoes do 1* districto de
S>!rgipe, cuja discussao flera encerrada na sessao
antecedente, e approvado, menos a 4* concluso.
sendo rejeitadas todas as-emendas.
O Sk. Phesidk.ntk declara deputados pelo refe-
r io dislriclo e provincia os Srs. Francisco Leite
de Bittencourl Sampaio e Felippe Lopes Netlo.
Vem mesa a seguinte dedaracao de voto ;
Ueclaroque votei contra o parecer da commis
s;o sobre as eleicoes do Io districlo de Sergipe.,
Duros Brrelo.
Aebando-se na sala immediata os Srs. iiMiiislros
da guerra*> da agricultura, commereio e obras i
publicas, sao introduzidos com as lormalidades do'
tylo, cada um por sua vez, lomara a esquerda da
mesa, e ahi procedem leilura des relatorios de.
si as respectivas repartiese*, depoisdoque retiran-1
se com as mesmas formalidades.
Os relatorios sao enviados s com|etentes com- i
m.ssoes.
BLncIo do CKAB. (2 dislriclo.)
Entra em discussao o parecer da 1" commissao
de puderea sobre as eleicoes do 2 dislriclo da pro-
vincia do Cear.
3 Su. Ribrum da I.iz : Rogo V. Exc. o obse-
quio de mandar trazer os papis relativos eleicao
de que se trata. ( satisfeito.)
sr. presidente, venho defender a elei?ao dos tres
Ofalletros que aqu se apresentam com diplomas
de dopulados pelo i' dislriclo da provincia do
C ara, oppondo-me as conclusoes do parecer da
Ilustre rommissio, por eslar convencido que ellas
n.:o exprimen! a verdade desta eleico.
Rem sei, Sr. presidente, que as vozes que aqu
se levantam contra os pareceres de commssoes
nao produzein milita impressao ; nao fizem echo,
porque de ordinario esses pareceres sao approva-
do s com muito pequeas alterables, principalmente
em materia dessa ordem. Mas sei tambem, porque
t.'nlio ouvido de meml.ros minio importantes da
m; ioria, de declaracoes solemnes, milito categri-
ca;, que a cmara actual ha de proceder com toda
a lectido, com a mais rigorosa justica, na verifi-
caran das eleiedes.
Essas declaracoes solemnes aniniam-me a fazer
ligninas observables a respeilo do parecer que se
ac la em discussao. E se, como pens, sao ellas
sinceras e leaes. acredito que a cmara dos Srs.
denutados ha de votar contra parte das cniclusoes
deste parecer, approvando as eleicoes das fregue-
zias de Santa Cruz e do Sobral, e reconhecendo
deputados pelo 2" districto da provincia do Cear
os tres cavalleiros a que meteiiho referido.
Pens mesmo, Sr. presidente, que a maiorla da
cmara actual nao lera oceaslio mais propra para
dar prova de lealdade dessas declarares do que
volando agora pela approvacao destas duas elei-
cs.
Sou o primeiro a reconhecer a illustra.}oe ree-
lijan dos Ilustres membros da comniissa. que deu
0 parecer que se discute; mas bao de estes illus-
tr.s deputados permit ir que eu declare que o pa-
recer a respeilo das eleiedes de Santa Cruz e do
Sobral, nao s foi inexacto quanto a exposicao e
u redaeaos dos factos, como anda injusto na ap-
pl cacao das regras e principios de direito relativa-
mjote a osses fados, panana mesmo nesta legisla-
tura essa> regras e esses principios teem servido
i pira a solacio de questoes da mesma natareza por
m ni., muito diverso daquelle por que resolveu a il-
listre commissao.
O Sn. NntAI:Apoiado.
OSn. RiBKinooA Luz :Eu disse, Sr. presidente
3ue a Ilustre commissao foi inexacta na exposifo
os factos, e o vou demonstrar.
A Ilustre commissao declara em seu parecer,
! que a eleirao de Santa Cruz se fez no dia proprio,
estando presentes o 1* juiz de paz, os eleilores e
1 sipplentes; mas que, havendo qualicacoes Indas
e passadas em julgado, fez-se a eleicao pela quali-
lica.o do anno de 1861. em consequencia de urna
portara do presidente da provincia, com data de 7
di agosto, que ordenou ao.juiz de paz que lizesse a
c lanuda por esta quallica^ao.
Este fado inexacto, e a sua nexattidJio prova-
sa, j pelo relatorio do presidente da provincia, e
jn pelas pelas pecas ofllciaes que acompanharam
e;;se relatorio.
O presidente da provincia em o sea relatorio de-
clara que teveum offlcio do 1" jai? de paz da fre-
t
Santa Cruz, em que este parlicipava ano rando que a qualificaca
cao do anuo de 1863 e a do anno de 1802 presidida pelo referido'1
Nao se
nao bouve
de 1883 p
coniquanb
de reruiM
plantario i
mos da leiJ
cumstanci:
a de 1862
o de 1861 nao tinha sido
juiz de pa?, mas hu por
guezia de
a qualilica
nao estavakn concluidas. j oulro.
:oncloio a qualificacao de 1862 porque ; Nessas circumstanci.ns, decidi a 3resideneia re-
junta de rerlamac.ao, nao se concluio a commendando ao 3* juiz de paz que lizesse n etei-
lo mesmo motivo. A de 1861. porm. ee pela qualificacao ltimamente linda. Neste
nao (vase havido conaelho municipal sentido exoedio ordem acamara mmicipal dizen-
estava concluida, porque nohouve re- do que, verificado, que a qualificacao de 186t nao
Iguma para esse conselbo, e, nos ter- tinh.i os meamos defeitos das aulras, por ella se li-
v-se que urna qualificacao nestas cir- zesse a eleicao.
5 inteiramente valida, e que utas sao Portante i se v
t a de 1863.
i ja se v que a presidencia expedio es-
conlirmou o acto da presidencia,
d.'srespeitado no
O Sil. I URANO :
Sergipe pelo principio da aulori.la.le.
O Su. Riumno d\ Liz .A eleicao
do que-
correios;-
para quera
certeza
Presidencia, e mu en vejo de que se repet.r mui breve essa faita (fiHia da.
parecer da eojnmissen. falta de clinheiro) e tornar o centro a> vr-se pri-
i vado dos jornacs e noticias por outros- longos qua-
tro meaos I E com uue descosto e m salisfac.
eleicii
i tro mezes f E com que desgosto e m saiisfacao-
0 em todos os sentidos, os subscriptores da. cidade da
sas ordens em consequencia de refiresentaco de
Ora, ser do islo assim, claro que a eleicao nao membros do partido liberal e de t.m offlcio do 3"
se poda I xer pelas qualilicacoes de 1862 e 1863, juiz de paz.
porque ni i estavam concluidas, e sm pela de 1861, Disse, porm, a nobre commissao que a presi-
porqne erii essa a nica e ultima valida, visto co- denca expedio essa ordem, esquecondo-se da dis-'
mo as outras nao existiam. Entretanto a Ilustre posicao mencionada no aviso de 5 de maio de
commissat declara em o seu parecer que es>as ou- 1862, o qual declara que, |*lo fado de ter o juiz
tras duas |
concluida
fez pela qual
da portar
candidatos que aqui se apresentam
pelo 2" districto do Ceara.
di tSSSS^ err rommu,n y^ Imperatrize villas de Pao doa Ferros," P^ro AlegrV.
da nateridado; bojelenpeco a applicago do erro Apndyeontfos pontos, nao receberao seus j5a-
lommum e do principio da autondade, desses rhs I
principios novos; en beneficio da eleicao dos tres | ja nQ Mo de suas transaeces commerciaes,
con diplomas por que eslon convencido que essas, naosero elles
... to tolos, dcixcm a merc de urna adminislracao
iSZESSi .u. MT' ra!ar1-'1* '^^ ,al' ,"om,, a 'lue diz resPilu anc ^ villa^de
uas outras freguezias do 2* districto do Ceara; nao Maco
>mo sobre mim essa tacen ; os nobres raembros Anda repito o que disse na minha primeira
rao da ele- missiva de 20, que esses desvalidos estfelas sao
umenmenle mal pago;; porquanto os dous que seguiram i de
e jiorlan- ario para o centre, o primeiro (Jos Antonio de
Nao detconhe)o, Sr. presidente, que no relatorio j \ disposico deste aviso nao pode ter aimlieaco que eu declare cmara dos' Srs. ARESs qu! o&TiUM^LKMia'v IttPSSi'n"
LETCSL Pf??-*?-0?!!*^^?!^!?:I?*>"flo; ponim sn nao possoconce-; nao^obstante nao pertencer maior da casa, eu do, (Antonio Ribeiro i''-
me prete que ha urna apreciacao muito injusta Parece-me, pu.>, .,. ,
e parcial do procedimento do presidente do Ceara,. refere ao caso em que a eleico milla sem ser j de migar as eleicoes com toda a redkio e severi- sabe, quanto soffreo nebre como So eminente
suppondD alguns dos meus Ilustres collegas que as; |K)r defeito pessoal do eleito. dado sem attender as conveniencias de partido, phoso h m ?l sta nS SmoSieo^^e
dec.soesiexped.das ein 3 o 7 de agosto sobre a e ei-1 Note a cmara ainda que, nao obsnnte a dispo- nao ha occasiao melhor e mais propra para dar do coTlra seria essa ge^.e maUPb'e^7ecZ^n
?/z!fif fJ^^t^i^JL!" sii:^ do aviso de 1862, que nao Julgo appllcavel umaj'rova solemne da sinceridade desslisraani- sada de sus pesados^traDalhoT Tecomea
das < Es|eramos terminar nossas qaeixas contra a
o que pessima adminsuaco dos correio na agencia da
cao aa ireguezia de santa Cruz o foram com o tnn sieso do aviso de 1862, que nao julpo applleavel ) urna prova solemne da sinceridade dessas t
de dar tfanho de causa a parcialidade que trium-1 questo, levando o presidente do Cear o fado ao, festacoes do que votando pela approvac-ao
phou nc r districto; e essa apreciagao injusta conhecimento do governo imperial, este em aviso I eleicoes de Santa-Cruz e Sobral, aporovai-V
em vista da exposicao que fez o mesmo presiden- de 5 de selembro do anno passado deelarou que dar ingresso nesta casa aos Ires legtimos r
... passado deelarou que
te da provincia e dos documentos que a acdhipa- approvava completamente o proced! wnto do mes-
nham. mo presidente.
Em 15 de julho o 1 juiz de paz Joao Jos da O Sa. Maiitim FnANcisco : Eu creio que o
Silva K >is, da freguezia de Santa Cruz, parlicipou juiz de paz nao perde a competencia para dirigir
ao presidente da provincia o fado, que ja refer, de a eleicao, embora nao seia qualiflcado no anno da
nao est.irem concluidas as qualificaeoes de 1862 e eleicao.
1863, e aquella autoridade respondeu a este juiz l o'Sr. Ribeiro daLi.z : .Nao esti.va qualiflcado
de paz sin 3 de agosto, declarando que, se nao es- no anno em que foi eleito.
tavam concluidas aquellas qualilicacoes. fosse feita O Sr. Maiitim Francisco : Ma; se ti ver sido
a eleicajo pela qualilieajo ultima que estivesse con- eleito antes ?
cluda e acabada. O Sr. Priimiiiu : Attencao!
I-ogo depois, porem, o 2* juiz de paz, esse que e O Sr. Rihriho da Liz : O nobr> deputado sa-
acounado de ter sido subonndo e peitado. mas que be que para ser juiz preciso ter qualidades para
realmente nao o fora, pela parcialidade conserva- eleitor. Se nao pode ser eleiter quem nao est
dora, r^presentou tambem ao presidente da pro- qualiflcado, tambem nao pode ser ju z de paz.
vincia dizendo que o 1 juiz de paz tinha exercido Por conseguinte, ainda quando fi sse applicado
o emprego de collector, que tinha sido pronunciado o aviso de 1862, temos outro destrt indo comple-
a 8 de junho de 1860, condemnado a 28 de julho e lamente a sua doutrina. .
appellafdo da sentenga. e absolvido em 1861, sen- E aqui permita a nobre comniissfo e a cmara
do por conseguinte eleito quando eslava pronun- que eu invoque um principio adoptado a respeilo
da eleicao da provincia de Sergipe, o principio do
ciado.
Con; alta va entao ao presidente da provincia se erro co'mmuin.
Maco, por que S. Exc. nao deixara de providen-
ciar o seu melhoramento; tanto mais quando a
legtimos repre
se?.,:!n.!fs Lrt "rovincia-
tta um r.tcto, Sr. .presidente, que me tinha es- transmissao de suas ordens s autoridades centraes
querido referir,um faeto muito nolavel que est soffre infallivelraente; e mesmo sbese que ame-
no aominio publico. Consta jior toda a parte que souraria geral ja tem dinheiro (o grande busilis)-
a eieicao uo 2- districto, assim como todas as elei- em cofre, o os rendimentos da alfandega continuam
enes ao eari, foram all dirigidas pelo Sr. padre em augmento
Pompeo, chefe do partido liberal. Sabe-se, est No dii 24 do corrente, no logar denominado
na consciencia de todos, que o Sr. padre Pompeo Riacho-Fundo, freguezia de Sant Anna do Mallos,
era candidato pelo 2 districto do Cear ; sabe-se deste termo, Joo Carueiro, tendo urna altercacao .
igualmente que, nao obstante os cuidados cora com Flix de tal, deu-lhe cinco facadas ; o oflen-
que elle dirigi essa eleicao, perdeu-a e, tendo-a dido casado, tem mulber e tres filhnhos; das
perdido, mudou a sua candidatura para o 3 dis- facadas una mortal e por isto elle est com ura .
n n v- p na sepultura e outro fra: depois do aconteci-
u sr. j-amclona :.Nao foi por essa razao. do o offensor montn a cavalU) e quasi
O Sr. Ribkiro "-----------
ro. Ao menos este fado est na consciencia pu-
blica, e um fado de que se tem fallado.
Eu trago esta circumstancia para mostrar que a
eleicao do 2o districto do Cear era urna eleicao
perdida, na opinio do chefe do partido liberal
_ a cavalU) e quasi que veic
u sn. kibkiro da Un : -Consta e ha carus que entregar-sc priso nesU cidade, onde fra eflec-
dizeui que tendo perdido a eleicao do 2 districto, tivamente preso pelo delegado de polica, e juiz
nao tinha remedio sean apresentar-se pelo lercei- municipal Dr. Ignacio Dias d Lacerda, que soube-
fiizer a diligencia de modo a ..evitar conflictos e des-
gostos.
Semine que urna autoridade qualquer proce-
der assim, apraz-nos confessa-lo.
O invern que nestas pocas oceupa a maior
essa qeicao era valida ou milla, e em 2- lugar se, Naturalmente a nobre commissao ha de defen- n aquella provincia, lao perdida, que elle julgou attencao dos sertanejos est- um perfuito corlesq !
sendo milla a eleicao do dito juiz de paz que der a qualificacao feita por esse juiz de paz milla- dever transferir a sua candidatura do 2 para o 3* Velhco que ninguem'o enlende; e Deus queira,
presidio as qualilicacoes de 1861, 1862 e 18b3. mente eleito |>elo principio do erro commum, por- districto. que se salve a patria, e mA sejam esses engaos
eram Validas essas qualilicacoes. que, estando as qualilicacoes fetas, de vem ellas { E jkjis, Sr. presidente, de admirar que apre- algura fatal prognostico de ura 1845 I Se assim r.
O presidente da provincia respondeu que as qua- prevalecer. sentndose tres cavalheiros com diplomas dados sera um tremendo golpe de estado ou urna disso
lihcaedes de 1862 e 1863 erara millas porque ti-. Mas note a nobre commissao que, se o erro com- pela cmara municipal do Sobral, se apresentem luefn da cunara de rail diabos
nham sido presididas por um juiz de paz incom- mum pode influir a resputo do ju z de paz, que oulros tres a disputar-lhe essa eleicao, e que esta Os gneros alimenticios j vao suhindo de
ptente; e e ueste ponto que eu acho que houve presidio a qualificacao sem ter sido legalmente seja considerada nulla pela Ilustre commissao. Os preco.
equivoco da parte do presidente da provincia, por eleito, deve influir com mais fundamento em rea- nobres deputados pela provincia do Cear se N3o sou mais extenso por que quero aprovei-
que essas qualilicacoes nao eram nullas s por es- cao ao presidente da provincia, se i que este er- achara presentes, elles pdenlo contestar estes tar um particular, que rae 'est atrepellando os ou-
se laclo, e sun tambem porque nao estavam con- rou, e ao governo imperial que approvou o sup-, factos, e eu desejo muito ver a eontesUcao, por- vidos; dizendo que se nao demora mais um mi
cluidap e terminadas, como acabei de expor. De- posto erro. Assim, a doutrina do er -o coiimium que nao quero que o publico solfra desagradavel uto.
darod, porem, isso o presidente da provincia; mas mais applicavel presidencia e ao coverno impe-! sorpresa em presenca de urna decisao que esteja' Valha-nos Deus com gente importuno, e aqui
.&'. T^?'s' se.n ln'rmado que a qualificacao de rial do qne ao juiz de paz. (Apoiados. de encontr a elles. uro por hoje. Adeus.
Sr. presidente, limito-me a estas consideracoes Rei-ahtiqao da polica :
e vou reraetter a mesa nina emenda para que se- Extracto da parte do dia 6 de everairo de!864.
jaui approvadas as eleicoes de Santa t ruz e do Foram recolhdos casa de detencao no dia B
Sobral, o reconhecidos deputados os tres cava-, do corrente :
Iheirosque se apresentaram aqui com diplomas. A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Jos
(Apouulm muito bem. muito bem.) Luiz da Rocha, branco. os pardos Beato Pereira da
Nema mesa, elida, apoiada, e entra conjunc- Silva, Roberto Rezerra da Paixao, todos como.
1861 llinha sido presidida pelo mesmo l-juiz de Note-se anda que a applcaro muito mais
paz, |>rem na qualidade de 1" igualmente doulli- propria, porque do erro pratirado pela presidencia
rao quatriennio. mo obstante estar pronunciado, e pelo governo imperial resultou obra, fez-se urna
urna vez que tinha appellado da sentenca, decidi eleico. realisou-se um acto muito importante,
que eita valida essa qualificacao. e que por efla, a { Senhores, eu disse que inuilos principios que
ultima concluida e acabada, se lizesse a eleico. i teem prevalecido este anno nesta casa para resol
lamente em discussao. a segrate emenda
( Que sejam approvadas as eleicoes de Santa tambem pardo, sem declaracao do motivo.
Cruz e Sobral, e reconhecidos deputados os Srs.! A' ordem do Dr. delegado da capital, Adelia Ma
Dr. Justino, Draga
Machado. Ilibeiro da Luz.
(Conlmuay-se-ha.j
J V, portanlo, a cmara que isto que acabo de ver questoes em um sentido, foram tomados pela
exporl muito diverso do que expoz a Ilustre com--, nobre commissao para resolver quesioes idnticas
missijo uo seu parecer, e sem duvida por ter ella j era sentido inteiramente diverso. (Apoiados.) A
expelo, e apreciado inexactamente os fados que nobre commissao aprsenla, como fado de rauda
opiidu pela nullidade desta eleico, persuadindo-se importancia, o terem-se expedido estas ordens
que (iiiliam havido qualilicacoes validas e acabadas respeilo das freguezias de Sania Gnu e sobral as
em 1862 e 1863. proximdados da eleicao, quando j tinha havido
Aullustre commissao firmou-se, pois, neste equi- convoeac.o dos votantes.
voct^ commettido pelo presidente da provincia, \ Mas nao se lembrou a nobre comm ssao de que,
quando julgou nullas aqubllas qualilicacoes pela na eleico de Benevenle. da provincia do Espirito
ncmpetencia do juiz de paz que as presidio, sen- Santo, o presidente no dia 27 de julho expedio urna
as tambera nullas por nao estarcra concluidas, portara annullando aquallifiraco de 1863 c man-
abadas. i dando que a eleicao se lizesse pela do anno ante-
eleicao, Sr. presidente, da freguezia de Santa rior. A cmara dos Srs. deputados approvou essa
z nao tem. pois, este defeito que Ihe acbou a eleicao, e ninguem reparou quo a coivocarae dos
Ilustre eommissao. defeito que ella quahflcou de votantes fora feita 30 das antes, c que nao era
innnavel nullidade. possvel haver novo aviso aos meamos votantes.
Tem. e verdade, dous pequeos defeitos; mas jejo ?ou eu> sr. presidente, o mais proprio pa-
dfeilos que iiiesiiio a Ilustre commissao nao jul- ra recommendar e pedir a coherencia e solidane-
g*u de grande importancia, enlendeo que nao eram dade que de vem haver em todos os actos desla ca- da a sessao, foi apresentado um protesto contra o !
II I i II U'- n"r*a 'iliimllir n o Lucio nn ^ ^^.^.j- ______-_ s- ..._______ _^_^_ J_ I .r r
cmplices em furto de cavados, e Cosme Genuino,
bastantes para annullar a eleico.
Estes dous defeitos cousistera em terem entrado
ra a urna algumas cdulas que nao estavam fe-
i hadas de lodos os lados, e em ter a mesa paro-
qlual deixado de mencionar na ultima acta o nu-
inero dos votantes que trabara fallado.
Este primeiro defeilo, que a Ilustre commissao
reeonhece j de pouca importancia, realmente o ,
0 nao pode annullar a eleico, porque temos um
aviso de 96 de selembro expedido ao presidente
da provincia de S. Paulo,
PEMAMBOCO
REVISTA DIARIA.
Ante-hontcm procedeu a Cmara Municipal
apuracao dos votos para ura senador, ficando a lista
triplico coinposta dos Srs. conselheiro Francisco
; Xavier Paos Brrelo, Dr. Joaquim Saldanha Mari-
; nho e Dr. Antonio Vicente do Nascimento Feilosa.
Ao pubficar-se o resultado, e tendo sido levanta
i da a sessao, foi apresen!;
mar, condcoes estas indispensaveia para dar | proeesso eleitoral, o qnal foi mandado inserir na
prestigio e forea s suas deliberaras; mas lem- acu peto Sr. vereador llego e Albuquerque, que
'bro a nobre commissao o fado que se deu na fre- assumio a presidencia de tima segunda reunio'
guezia de Renevente: leinbro ainda mesma no- dos seus collegas.
bre commissao, que julgou dever des( rezar as or- Tendo o reernta oncalo Jos de Sant'Anna .
dens daapreaideaeia confirmadas pelo coverno un-' provado isenco legal, expedio-se ordem para ser
perial, qm Beata casa se annullnti ;. eleicao da elle posto em liberdade.
Mandou-se contratar para o servico do corpo
de polica os paisanos Felippe Nery Cvalcanti e
fregnezh de Monean, da (.rovincia d) Maranho,
presidida pelo I* juiz de paz e feita n; matriz, co-
n"j manda a le, pelo nico pretexto de ter sido
ria da Rocha Lyra, branca, para correceo.
A' ordem do subdelegado do Reeife, Andemend.
Andrensen, inglez, requerimento do respectivo
cnsul.
A' ordem do.de S. Jos, Clorndo Francisco de
Souza Marques, branco, por inf-arco de posturas
e Manuel de Nascimento, pardo, sera declaracao
do motivo.
A' ordem do da Roa-Vista, Joaquina Mara.do.
Espirito Saalo, parda, por embriaguez c desor-
den!.
O chefa da 2* seccao,
J. G. de Mesquita.
Passageiros do vapor Pmahyba, sabido para,
Aracaju":
Jos u> Moura Vianna, Jos dos Santos.Rarao>
de Oliveira. Rernardino Lqpes de Oliveira Fran-
cisco Estoves Alves, Francolino Jos de Sant'Anna,
Viclorio Bruno, Manoel Goncalves de Almeida Lei-
te. Manoel Joaquim Goa^alVes Fernandes.o Jcs-
Nonos Ouimares.
- Movimento da casa, de detencao do dia.S. du
revecoiro de 1864.
Manuel l'atroniano
Alves de Figueiredo, que fo-
tso, em inspeceo
em que se declara ter- desobedecida a ordem da presidencia que manda- rain considerados anlos liara fs
minaniemente que o fado de encontrarem-se ce- ra fazer a dita eleico na casa da cam ira. do sade
dulas dentro da urna, que -nao eslejaui lechadas 0h senhores, pbis era ura caso se annulla urna e conformidade com a proposta do Dr. clic-
de lodos os lados, nao pode trazer a nullidade de eleico pelo facU de ter o juiz de paz desobedec- fe de policia, concedeu-se Aurelio Cvalcanti da,
una eleicao, e qne obrigafao do presidente da do ordem da presidencia e em ou:ro caso por Kocha Wanderlej acxoneraco que pedio do car-
mesa mandar quo estas listas sejam echadas pelos ,r obedecido? So nao ohedecesse, .(i.ereria a no- g0 de subdelegado do districto de Larangeiras.2?
votantes no acto de serem entregues na urna. bre commissao que se annullasse a eleico, e o 3a freguezia de Nazareth
O segundo defeito insignificante, em vista do
parecer da mesma illustre commissao, dado res-
peilo do 3o districto do Cear, porque na eleicao
de Missao-Velha, occorrendo o mesmo fado, de
na., se ter mencionado na acta os nomes dos vo-
lantes que deixaram de comparecer ultima cha-
mada, deelarou a commissao a existencia desse de-
feito ; mas concluio pela approvacao da eleicao.
Portanlo, esse defeito nao tem importancia.
Vamos examinar a eleico de Sobral, que a no-
bre commissao julga que tambem deve ser annul-
la.la.
juiz fosse responsabilisado; e porque obedeceu,
deve ser annullada.
0 Sr. Su.i>\mi\ Muiifiio :Atlendiu ao pare-
cer da commissao ?
O Sn. Rihkirii n.v Liz : O parecer da illustre.
commissao foi modificado por urna emenda ollere-
cida por um nobre deputado pelo Maianho e que
i a commissao adoptou.
Devo declarar que, com quanto n mo preze o
1 carcter e Ilustrarn dos nobres dep atados, tam-
i bem muito prezo a coherencia e dignidade da ca-
A saber :
Exstiam. ..... Entraran!.... Snliiram .____ 346 pre*os. 11 >. 13 ..
Existem....... . 344 ,
Nacionjcs Kstrangeiros.. Mulhwes..... Kstr-tgoiras.. Bseanme..... Bsaanva..... .214 3 8. 1. 63
mura. Emendo, |iois, que, dada urna decisao
Nessa eleicao os actos se passaram como a no- i qaakmer Dor i-sta cmara, deve servir de aresto s
bre commissao referi O presidente da provincia 0pnioes Individuaos tnn trabalhos desta ordem, e
mandou proceder a eleicao pela qualificacao do an- as eommissdes devem obsrvalo.
no de 1861, por considerar nullas as de 1862 e o sr Sai.danha Marinho :Mas preciso que
'863. sejam acompanbadas de todas as comlicoes.
Mas note a cmara que este acto do presidente i O Sr. Hibkiro da Liz :As condi-Vs sao as
nao foi pratcado com o lim de dar ganho de cau-! mesmas, nao fazem differenca.
sa ao partido conservador, pois foi provocado pelo, o Sr. Sai.oamia Marinho :'E" o que nao est
partido liberal. (Apoiados.) Ahi eslao os documen- provado.
Su. Pnamnanm :Attencao !
tos, que provam claramente que nao foram os con-
servadores os que solicitaran! aquclle acto.
linda su, Sr.
A' presidencia representarara dous membros do Drt)sjeiltl. L
partido liberal, que as qualilicacoes de 1861, 1862 v ;
e 1863 eran, nullas por tere.., sido presididas por jTdel.irs con" ,s,
um juiz de paz eleito. sen, estar ^;, pirecer da illustre comn.isso um cmptolo
pee iva parocb.a, ofTerecendo u.na cert dao da nao ao aulorjade, (riiTeipu
qual. .cacao_ desso tari*de az A v sta distaj, a eu 'vi SvonSo aqui pelo nobre dep ido ,,'r
344.
Aliineiit.wu>ii cusa (lo>-jofre.s.pii6ucG6..
M'ivimeti j da enfermara no. dta 6
vereiro:
Ti ve laiju:
heumatismo.
147
de fe
Director, Luiz de Franca e Souia.
O Su RiRKino da Liz : Nao
eslas consideracoes q e deve- ser i Vico-director, Justina Miguel da Costa,
u parecer da illustre commisiao a (esiiei- 4.* secretario, Jos MartHis Monteiro.
13 era... nullas, por terem sido presididas por fc( de dM,ls conclusoes. Eu observo da parte do l dito, Jos Tbeodomjro da Costa Monauro.
des-1 Thesoureiro, Manoel Carpinteiro da Suya.
Ja que I Censor, Vicente Ferreira da Silva,
iqui pelo nobre depudo |ior Per-1 Procurador, Elpidio Rebcllo.
nambueo quando na ultima sesstralou da olei-
Co da provincia de Sergipe.
All, o nobre deputado, apezar do roconhr.ccr
que o presidente da provincia nlu t rrmln, rons-
.No Collegio das Artes fizeram exmes. de
francez, no dia 5 4 approvados plenamente c 8 simplesinentc-.
Aebando-se Trilticiado em tentativa de morte,
foi preso pelo subdelegado da freguezia d?.Reeife
Marca I Rezerra de l'aula, morador em Maman-
guape.
Pelo delegado do Bonito foi preso Pedro
Francisco de Lima por ter ferido gravenente An-, Jos FaLricto Gomes
tonio Raptista das Santos, na noite- de 2J em as Ti vetara alia :
proximidades da villa desse nomo. Antonio da Silva Rocha.
Actva-se em nosso porto, procedente da Ba- i Antonio. Francisco da- Silva.
hia, a corveta Alecto, vapor da maiii.lia ngleza. --Obm-ario dow*G DJt vaivuiURO, to cbI No dia de fesla foi ferido ei distrlrto da Vic-1 pinico.
toria Jos-Joaquim de Lima por um.liro sobre elle ; Jos-Joaquim oV Apru. Pernambuco, 6gtannos,
disparado por Manoel,Quixaha; o qaal evadrado-se viuvo, Santo Antonio ;. eongeslo cerebral,
para o. Ronito. foi ahi preso a rcquisico do subde-.; \nJooio, est ravo, _Afripa. 80 anuos, soltewo, Boa-
legado da Victoria, onde temd ser processado. '
INw exoneracao pedida por varios membros
do directorio da sociedad Recreio t l'niao Fami-
liar, tendo-se procedido ;\ elicao competente, fcou
o directorio cootposto da maneira seguinte :
Vista : coug6tR0 cerebral.
mesma presidencia deelarou por urna portara que,
se cora elfeeito as mencionadas qualilicacoes fo-
ram presididas por aquello juiz de paz, nudamente
eleito, nullas estavam.
Note-se que os dous membros do partido liliei al i
na representacao que rae redro, pedirn, pro- drLan^,n^mP.^e,s,\lu?!vres_rt,v. !*" l,M
Hdonia para que n eleicao se Hana pela quall.i-1 S'oCes* "' od,
cacao de 1860, tend- o desembarace de declarar s
3ni; pediam semodiante cousa por ter sido alten-
i.lo |iela lelaeao do districto naquelle anuo um
recurso de 700 e tantos votantes.
A presidencia mandou que se Uzease a eleicao
pela qualificacao ltimamente- Onda que estivesse
legal Porm loso depois voto-lhe s mos urna re-
presentac-o do 3" juiz da paz, em que expunha os
mesmo? dettilos n<}>ado>" Os eleic_3o do. (* e derla-
juiz munieiiKd, quiz que
do presiden e ; c nao foi
s o nobre deputado quo argumenou cora o prin-
cipio da autoridade, argumentou igualmente o re-
lator da commissao que deu parecer sobre a mon>
cionada eleico do districto de Sergipe,
O Sr. Uruano :Eu nao reconheri quo o presi-
dente tinha errado.
O Si Ribeiro da La, :_v. Exc dofendeu a
eleicio de Sergipe com o prineipto dt autoridade;
ijao foi urna, eleicao o;je se defendese cora a ex-
BK POUCO DE TUDO.
Le-se no. Commereio do Porto :
A soctedade de geographia de Pars, que roats.
antiga da todas as da sua especialidade as diHe-
rentes parles do mundo, celebfou ullimaiaente
era banquete o seu 42* anniversarie.
O conde Walewski, presidente da sociedade.
propendo um brinde a sad do imperador, disse
Director da scena, Francisco de l*aula Ijma. no seu Sfieifh
Do Ass, no Rio Grande do Norte, escrevem- i Ha muito lempo que. se diz :A poltica a
nos em data de Si) de Janeiro prximo passado: I geographia.
i Persuadido que Vmcs. aeollveram benegnamen-, EITeclivamente, senhores, se a historia no*
te a minha prmeirajraissiva, Ihos endereco segn- ensina os factos, no. estudo profundo da geogra-
da, sem que mesmo veja ella estampada as cor I pliia, que quasi sempre preciso procurar a~
bminas do seu Diario, e se nisto ha_culpa, mo ab-
solvam da pena, com a conlinuacao da pubJici-
dade.
f Desencantou-se finalmente a marclta da cor-
respondencia Quicial e particular, que desde todo o
mez de mimbro do anno prximo uassado, se acha-
va paralysada e aceumulada na villa de Maco; e
aqui chegou no dia 26 do ccrrente, onde ficando a
competente, seguio para o centro a demais t
Nada mais digne te mereces a attencao do m
causas.
t No pre sent como no passado, os grandes de-
signios da Inglaterra, a que por convenci se
chama a sua poltica tradiceional, teem por ponto
de partida a sua conilguracao geographica. Para
os compre! ender, para os apreciar, para os pre
ver e para os prevenir, nao se deve nunca perder
de vista, que a Inglaterra urna ilha.
E se a Russa n5o estivesse equilibrada sobre
duas pactes do mundo, participando igualmeqle-




Marti de Pernaubnco ftegnuda felr.i H de Fevereiro de tset.
r
de itnbas; so & lVtlonia, se,ilinlia avavrada da
eivilisacao, nin fasse unt contineau -euid'':-iu-
boeadura. bloqueado por visianos pod
muo escrupulosos; se a Turqu nao lo a a
guarda do precioso estreito quo separa a Europa
la Alia; se a Hespanha nao fosse guarda do um
estrello nao menos precioso o banliado por dous
mares que a pfte em coniaelo com os dous lumis-
plierios; se a Suecia e a Dinamarca, bauhadas
por dous mares menos benellcos, nao tivesse na*
guarnios a navegado do norte; se a Austria
nao fosse simultneamente ltenla slava, croata,
na lgyare, ele. e ine-ino laiina. tocando ao mes-
mo lempo no Oriente e no Occidente; so Gre
cia alo fosse un hit Wnawgn; ae a Italia nao fos-
se wna atractiva penvnsula que desalia todos os
appetites: sea Allemauha. por falla de desembo-
caduras Importantes, nao estivesse sujeita i nm
uyama de cowenlracae fue a enlrava; se a
l'rnssia ato fo.-se una mangueira milito estrella e
Jiiuito eomprida, etc., e Analmente, se o novo
mundo nio estivesse amis de 3000 legis do
amigo,acreditarieis v6s que as vistas, ai len-
delicias, os recetos, as esperaucas, as aspiraces,
ni ma palavra, a poKtica de tod*s osles eslados
nao soi i;, absolutamente diOerenle do que te n si-
do c do que ?
K' por isto que a gcographia tcm sempre sido a
ciencia de predileccao dos homens chamados pela
Providencia a geverar os pavas.
O Sr. Robert pede-nos a iusercao desla poesa
C...
Mea Deus, meu Deus queco pode un so instante
Impassiv-d mirar-te, alma divina,
Sein de amores morrer, so desses olhos,
Que em tapia se alo -azara, tu derramas
Keitictiro nm olhar, doce, exprossivo;
lu olhar, que traduz tua alma de logo,
E nos vai Mirar dentro no peito
lnvencivel paixao. paixo ignota,
Quo ohornera sent, qu'expiirair naosale?!.
Sim quem pode a um teu mgico sorriso,
Que fac <;huva dos cus desoer de flores ;
Vencer i. Inspiracao dos teus encantos
Queesoerebros confunde, exalta, queima,
Do nina M coracts, doma os caprichos
Da verti&ens de amor, delira e mata ti...
(Jbwii pode ao contemplar teu rosto anglico,
Km que de Deus o esmero, o alto cuidado
Hevela-se supremo em cada trace,
Nae sentir-s captivo d leus mimos
"lolmeao Uwsouro de teus dotes M...
Vera, morena, morena, raeus amores
A *na*'iilitia habitar, ella i len mundo ;
Veame cm doce abandono, entre os meHS bracos,
Contar-me ao coracao os leus segredos,
Que a brisa do crepsculo em dces cantos
Fugitiva contara aos meus ouvidos!I...
Vera coi fallas sumidas, e de mdo
Tremendo, mas de amor ce; a. abrazada,
Buer-me, elhos pisados, em desmates,
Abre o teu coracao aos meas afferto*,
< Ja nao pos) ser d'outro. eis-me, son tua.
Rmorraaaos de amor n'um goso extremo 1!1
E como fra doce entao nesse xtasi,
Em fue as almas, que se ainam, se entrelacam,
Vaarmes para o cu da phaiitasia,
4oa4e o amor nos chana e nos esperaMI.
E esse arntubo santo, e em santo fogo
Xassos pellos unidos, abrazados, .
E m teu seio minh'alma reclinada
Be coraco euvir-te as harmonas l!l...
Vem, morena, moreaa, rneus amores.
Soberana, tu que es des ineus destinos,
A uinh'alma habitar, encher de encantos;
Vera colombo de minhas aventuras,
Descubrir no meu peito novos mundos
Que por ti de paixes e amor povoara !!...
raedores 1800, l regiment de .utilitaria IWXV 1
hatalhia dn cngenticiros '.IDO, tere,) da guarda civil
800, i regiiiientos de laucoiro 1000, uin regimen-
t de artillara de motitanha KOO, 2cs'qnadroes da
;narda civil atiO i total da terca regular 21500 ho-
nens, 1300 cavados 140 boceas de fogo.

Mr. -tales Schmidl, director do observatorio de
Athenas, descubri um cometa e um planeta novos.
('ontam-.se 6 dos primeiros e cinco dos segundos,
que foram descohertos no anuo passado.

Hoje reconhecem-se 83 planetas em volta do sol:
Mercurio, Venus, Terra, Marte, Jpiter, Saturno,
Urano, a Septum, rom o nomo do planetas maio-
res : e Ceres, Pallas, Juuo, Vesta, Astrea, Hebe,
Iris, Flora, Mtis. Il\gi.i, Parlhenope, Victoria, Eg-
ria, Irene. Eumonia, Payeba, Thetis, Melpmene,
Kortuna, Massalia, LtllcU, Calliope, Thalia, Th-
mis I'hocea, l'roserpma, Euterpe, H> liona, Ainphi-
trite. Urania, Baphroaina, Pomna, i'nlymnia. Cir-
ce, Leueolbea, Athalanki, Filies, Leda. Leticia, llar-
inonia, Daphne, Iris, Ariana, Nysa, Eugenia, Hes-
lui, Aglaia. Doris, Pales, Virginia Nemaua, Eu-
ropa, Calypto, Alexandra, Pandora, Mella. Une-
msyne, lymbia, Concordia, Danae, Echo, Erato,
Eusonia, Angelina, Maximiliana, Maia Asia, Loto.
Hesperia, Pauopea, Niobe, Ferouia, Clytia, Gala-
th i, c Freia, com o nomo de planetas menores, es-
tanceados entre Marter e Jpiter.
quorque Mello acerca das aMeracoes das horas da
partida dos irens >la estrada de ierro Jeiiroi >
da. Neiihuma altera^ao faz a gerencia da dita es-
trada na tabella que regulan movimento dos trens
sem .iniiuncia-la com antecedencia de oito das,
como exige o art 3'J do regulamenlo liscal, o ijue
fcil verificar-se nos jornaes d'esta cidade.
O tem porque se regula a estrada de ferro
i o que marca o relogio das offieinas do Darbalho.
Por mtete urna vez tem a adminisiracao tentado
regular-se pela torre do arsenal, contienda por
Midakoff, mas sao lao repetidas as irregularidades
do relogia que all ha que nao, haveria possibili-
dade de manter por aquella torre um relogio cario
Miiao peto tyslcma de dedo, de que tanto falla o
Sr. Alfonso.
O amigo da verdade.
de Arruda Falco, c Floriano Com!; de. Brito; pois
que perfeito -mor so tenlio aos meiis fllnos e pos-
to uue crealura perfeito temor a Deus.
Exm. Sr, Jess Christo odesprenlimento soffrcu
callado, quando rhegou, ao ponte de ser ferido,
fallou dizendo : se ti fiz mal, diz em que, e se ti
fiz bem, para que me feres ; elle tremeu, e temeu
a morte, quanto, e como nao iremerei e temerei
eu.
S. Exc. cheio de luzes, e independencia c de
honesta descencia, far justica ile imbuirse do
quanto levo dito, para meu crdito, o i descrdito.
Tenho-me manifestado S. Exc, como um vulto
do povo, perseguido a tantos annos por quasi todos
os pontos da vida, e como tal sempre responsavel
perante a lei.
Sitio do Amia], i de fevereiro de 1801.
Francisco Jorge de Souza.
Vi-te, morena, e en disse aos meus destinos,
Bis a estrella, que doura-me a existencia ;
A llor, que me embalsama o peito e a vida,
Com o frescor e pertames da innocencia.
Quando noute la danca nos-minores,
Faliei-te em conlidencta, era de amor :
Tu me olbaste, sorrindo ; ali I que dilirio !t
Que doce nal a e divinal calor I! I
E quanta esp'ranra que vi eu brotar-me
Meta riso aos labies teas menina ;
E que fugo de amor dentro um meu peito
Do teus olhos vasou-me a luz divina;
Pe rm rootcm de ti longe, meu anjo,
Que dr meu peito me rasgava entao
Ei a a saudade que en senta inquieta,
Solitaria a gemer no coracao.
Era neile, morena, e que silencio I!..
Cantara o echo a sos da solidao,
E da noite gema ao longe o vento.
Morena que aOIiccao 11..
Entao n**a mudez de envolta eu triste
Sent quanto cu te aniava o te amo anda ;
E por ver-te distante, e nao gosar-te.
Que tormento, meo Deus, que dr inunda
l.e-se no Direito.:
Entre os pnmeiros monumentos da lingua latina
tiguram : a Cineao dos Sacerdotes rabes ; as leis
de Xnma e Servio Tiillio ; os Cantos dos Salios ; as
leis das doze tabeas t epitaphio dos Scptoen; : Co
lumna de Caio Duilio ; Decreto das bacchanaes;
Vareas atelantas ; Axamenti.
Os primeiros trgicos entre os romanos foram :
I.ivio Androniro, Ennio, Paejvio, Lueio Arelo, Thes-
pis. Estpiilo e Solverres.
11- i.riineiros poetas dramticos : Neio Nevio.
Plauto o Terencio.
Os primeiros picos: Livio Andronico, NeioNe-
vi, Enrio (feto Macio, Publo Terencio Varriio,
Alalino, Oslio. Lucio Vario Volcio, Ravidio e Vir-
gilio.
Os pnmerns poetas sal y icos : Ennio, Pacuvio,
(iio Lncilio, Varrao e Valerio.
En'reos grimmaticos : Licinio, Quinto, Lupia-
Entre os historiadores contam-se : Caio Fabio
Pictor, que foi o primeiro gue escreven idioma la-
tino; sesjuirani-o Catan o Censor, Eslibonio Libao
Poelhumio, Tierno. Celio, Altipato. Lucio, Sirena,
Sylla, etc.
Entre os primeiros que cullivaram a eloquencia
enconiram-se : Marco Bruto, Clao o Antigo, os
irmaos Gracchos, Sulpicio Galba, Sylla e Mario.
Os primeiros qneensinaram philosophia em Ro-
ma foram Carmedes, Diogenes e Christalo.
O primeiro grammatico Crales de Morales.
(te primeiros cmicosjm tarcantos os Histrioens,
tatnbeiii subiram ao palco, a instancia de Julio
Cesar, Dcimo Lobero e PablioSyro.
d Cntmnercio do Porto e inta o seguinte :
Segundo dizerri de S. Petersburgo, acaba de ser
irmada entre a Ruana e a China a convenci re-
lativa ao estabelecimento do telegrapho elctrico
ritre aquellas duas potencia.
O fio tetogr ijibico que actualmente chega ao cen-
tro da Siberia Oriental, deve chegar no fim de tres
annos at Pelin.
Desde enta >, enviandn-se de Pars capital da
China um despacha, podeni reoeber-sc a resposta
delie dentro de 10 horas I
Desde Kiakhta at Pekin, o telegrapho ser sub-
terrneo.
Oa Buscos foram j .-intensados a construir cer-
ro numero de blockan* nara proteger as estacSes
ielegrapbicas que se levantaren; em territorio
cliinez.
De uta jornal europen extraamos o que seguo :
O prncipe Soullatolf enviado do czar adoeceu
perigosamente n Pars, e para o tratar /o cha-
mado M. Dupuytren.
Restahetecid o principe, pagon generosamente
a 5 fariiativc e denois Ih 3 dissa :
Tendei'. doutor, urna grvala qne vos nao fie?
J>om.
-* Per qu.: *
Pir qu. branca e. suja-se milito, e |>or isse
vu mandarei de 6. Petersburgo urna grvala pre-
ta, encarnada que vos ha de fcar muito melhoi
i niez depote, M. Dupuytren recebia a tal gr-
vala prula e encarnada, qje era a graa-eru,'. da or
tlem te S. Wladimr.
A .Vajio escreve :
(i roneemo total de a-scar na Europa sobe em
rada armoa enorme porcao de i 1,260,000 de tonela-
da* inglesas, vindo a corresponder por eabec,
clenlo med", a .10 libras e mea em Inglaterra, I i
em Franca, 7 nos estados aduaneiro?, 3 e rneia n
Austria, 2 libras na Russi,.
O exercto regalar da ilhadc Cuba eom[H'e-se do
s regimentoi de infantari! 14,000. 2 batahoes de
KMWKX JUDICIARA.
Til IIII \ 11. DA RELAV*0.
SKSSAO EM DE FEVEREIRO DE 18lii.
ninWMCU I") KXM. Sil. IMNSKI.IIKIllO
SILVKill.V.
As tOberas da nianhaa, presentes os senhores
Jeseinbargadores Caetauo Santiago, Gitirana, Reis
t Silva. Motta, Porett, Accioli, e Doria, faltando os
senhores dusembargadores Lourcnco Santiago,
Ucha Cavalcanti e Assis. com causa participada,
abrio-se a sessao.
< I Sr. desembargador Guerra, procurador da co-
rea, nao compareceu.
Passados us feitos e entregues os distribuidos,
deram-se os seguintes
' Jl'LGAMENTOS.
Apiwllucao crime.
Appellante, o juizo ; api>ellado, Raymundo, es-
cravo.
A' novo jury.
Apitellarao circl.
Appellante, D. Joann'i das Neves Quaresma
Duarte; appellado. Joaquim Francisco Duarte.
Conlirmada a senlenea.
|)U.iukm:ks i:ivkis.
Appellante, a parda Manoela, por seu curador ;
appellado, Joao Agostinho do Nascimento.
Mandou-se averbar a dizima.
aanuouu.
0 Sr. desembargador Gitirana passou ao Sr.
desembargador Lourenco Santiago
U napmacSe cioeit.
Appellante, Jos Francisco de Souza Lima ; ap-
pcllada, Mara Francisca Olimpia Baptista.
Appellante, Venancio Nogueira de Souza ; ap-
icllada, D. Caetana Nogueira de Souza.
(i Sr. desembargador Motta passou ao Sr. des-
embargador Peretti
A appelliirao eicel.
Appellante, D. Josephina Cavalcanti de Albu-
querque ; appellado, Hurnardo Jos de Barros.
| O Sr. desembargador Peretti passou ao Sr. des-
embargador Accioli
As appellacoes ricis.
Appellante, Jos Bruno de Almeida Vallad.io ;
appellado. Francisco Antonio de Vasconcellos.
Appellante, Joao Paes Barrete de Albuquerque ;
appellado, Mauoel Ignacio de Albuquerque Mara-
nhao.
Appellanle, Antonio Parara Monleiro ; appella-
do, Jos Raymundo Vieira.
O Sr. desembargado! Accioli as Sr. desembar-
gador l'eha Cavalcante
As uppAlares civeu.
Appellante, Jos Gomes dos Santos Pereira de
Bastos ; appellado, Dr. Francisco Elias do Reg
Dantas.
Appellante, Jeronymo Jas Figueira de Mello;
appellado, l'nofre Miiniz Hibeiro.
O Sr. desembargador Doria ao Sr. desembarga-
do!' Caetauo Santiago-
As uppelUti'oes ciceis.
Appellanlo. o cnsul porluguez ; appellados, os
credores do espolio do Uado Jos Bibeiro de Fa-
ras.
ippellantes, I). Auna Mana da Conceicao e ou-
Iros ; appellados, Francisco Joaquim Dantas e ou-
tros.
Dcaanuco drdia.
Assignou-se dia para julgamento dos seguintes
feitos :
AppeHneSes tiris.
Anpetlaate, Dr. Joaquim Antonio Carnero da Cu-
nta Miranda; appellado, Francisco Accioli deGou-
veia Lins.
Appellante, o bario de Murbeca ; appellado,
Francisco Casado da Honscca.
I)Istiuhiii(;\o.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago
O reamo conunerctal.
Becorrente, o juzo ; recorrido, Julio da Costa
Rbeuo.
A's tl}i encerrou-se a sessao.
Caixa tlial do banco do Hrasil em Per-
uaniliuco.
BALAN!'.ETE EM .'iO DE JANEIRO DE 186i.
ACTIVO.
AcctowiiUu iin basteo d> BrtuiL
Entradas nao rca-
lisadas de 10,009
aeooes localisa-
ilas na jirovin-
cia...........
Letrtu ilrs, nnimiiis.
Com duas assigna-
turas residentes
no lugar do des-
cont....... 884:871^807
Com urna M dita
dito....... 8l:S078'J
Wi:24O5O0O
766:07M96
ltrat iniii iniuulas.
Por euro, prata e
' ttulos cominer-
ciaee....... 5: 3*140
Por oulros ttulos 12:094*320
|-:-217iOO
Istrus a reaber.
Saldo desla canto. 301:882*413
Conliis crrenles.
Saldo desUcoBto. 320: OwatM.
Saldo de vaiiaseou
tas........ 1,982:998*834
Caixa.
Pelo- seguintes va-
lores: ,
Km moeda de ou-
ro de 22 quila-
te..,........4,228:183*620
Em olas do the-
-i ni ro dos valo-
res de 10S000 e
superiores. 4W:000*000
Em moeda de to-
so ........ 8*622
Em aotas da pro-
pa caixa____4,593:320JOOO .'.27:510*.-)42
CORRESPONDENCIAS.
Sis. redactores.Havia feito firme proposito de
dttsprezar a Untos quantos escriptos apparecessem
relativos pulitiea de.-la villa da Boa-Vista ; una
vez que o autor delles, nfio leudo a necessara co-
ragem de assigna-los para c.u regar com a respon-
sabilidade de suas desvairadas phrases ou passar
por um solemne de&aettidOi conservasse-se atraz
da porta mas deparando no Proyressista n. 128
de 7 de Klaaabro deste an'uo com um rommunea-
do assignado pelo tmaistensenoticiando a ma-
neira por que cerreram no alto larto inclusive a
Dea-Vista, a? eleieoes de 9 de agosto; nao posso
deixai d< preseiiidir da ininlia resolueao; ate mes-
nio por que pela Baiaegio do tal mstiforio com o
titulo de communicado, lubrigo alguns sgnaes ca-
ractersticos de quem seja esse laiun que por su-*
demasiada fraqueza de iutelligeue.ia entrou-lhe nos
cascos a idea de que devia ser poltico.
Neesa parte tem elle razao, segundo sustenta cer-
to escriptor 0 louco o mais feliz dos homens,
por que quando possuese da idea deque e mouar-
cha, papa, cardeal, hispo, etc., mngueui o contra-
ria, oquer por fas ou por nefas gozar das honras
correspondentes a cathegoria que idealmente oceu-
pa. Bem precisavamos do apparecimento dos re-
ligiosos .auristas nesta villa, a ver se a palavra
evanglica ouvida iior cortos alborcadores e espe-
cialmente pelo Uoavisiense, os tomata ao skut
erat \ poriu certo de que tao cedo nao teremos
esse salular remedio contine o mentecapto Boa-
vistease a cscrever quanto ipiizer, por que o pu-
blico mellior que eu conhecer a fon;a da sua pro-
tervia, e o entregara ao desprezo de que digno.
Mas, romo ia dizendo, Srs. redactores, nao posso
dexar de, afastando-me do meu proposite, respon-
der as aproxes mentirosas do microcepnalo Boa-
cistensc, que para queiiuar incens ao coronel Luiz
do Carvalho Brandao, nao leve ceremonia de des-
lejadamentu cscrever <|u ealfl reunir na sua a-
zenda Curips, para mais de quatroce.utos cavallei-
ros com os quaes entrara na villa.
S o Boiiristense devoto incensador da mentira
pedera seinelhante falsidade cscrever 11 I O coro-
nel Carvalho, verdade que na villa entrou acom-
panhado de cavalleiros ; mas de quantos? De cin-
cuenta apenas^ a maor parte dos quaes montados
em cavallos emprestados I E se nao fabuloso 0
numero de qualrocentos inventado pelo petalogico
Boavisteiue, responda-me elle ou alguem por elle,
qual a razao per que tendo o coronel Carvalho
quatrocentos correligionarios, cujas circunstancias
os habilitavam para merecer diplomas de eleilores,
escolheu de preferencia a estes para compor a sua
chapa a Jos Mamede <;ordeiro, Joao da Costa Agr,
Francisco Correa Guerra, Bernardo Pereira do Ro-
sario e outros que como os tres penltimos Irajara
continuamente camisa e ceroula, dispensando-se
at de sapa tos pelo uso que fazem das alpergatas?
E demais seu capiulo Chrispiniano depois de cor-
rer Seca e Meca (como disse o Boavistente) couse-
f uio apresentar cento e poucos voUntes, para que
o coronel Carvalho, que entrou na villa cora qua-
trocentos cavalleiros, alm de oitocenlos volantes a
p, reunido ao juiz de direito Butaque o delegado
Jamme. precisou de eutpregar forea armada, obs-
tando- que os conservadores tivessem iogresso na
matriz I
O argumente lgico, o Boavistense repulsus
terilates vinbus -responda-me, se capaz refutan-
do-o.
As eleicoes da Boa-Vista corrern, pela maneira
por que descreveu-as o distncto teuente-coronel
Joao Jos Rodrigues Colho, uo Otarte >le Pemam-
bucu a. 2SS de 6 de novembro deste auno, e por
um seinellianle processo, jiodena o coronel Carva-
lho Brandao e o juiz de direito Huarque fazlas a
seu dedo, usurpando o campo eleitoral do raeamo
tenente-coronel Joao Jos e seu lllioo capilao Chris-
piniano, verdadeiras influencias do termo, que
para lerem a sen lado a maior parte da populacao,
nao precisavam de correr Seca e Meca, como o co-
ronel Carvalho Brandao, que procurou o auxilio e
protercao do coronel Autonio Luiz Ferreira do
termo lio Joazeiro, e no (apira Grosso a do collector
das rendas geraes Raymundo Luiz de Souza Motta.
E mal delle (Carvalho se por ambos Ihe nao l'ossein
mandado! votantes, como todos sabana, e nem elle
mesmo o ousar negar I !!
Se o Boavistense apezar da solemne desmentido
que Ihe dou relativamente ao que escreveu acerca
da etoicao da Boa-Vista, nao quizer ampiar carrei-
ra, continu com as suas inventadas lergversa-
eiea, que por minia parte pasear a salvo.
Em relacfw aos seus escriptos ohservarei o anti-
go aphorismoa palavras loucas envido* mocos.
AaespidM phrases emprestadas pelo grosseiro
Iliiai tense ao tencnte-ccronel Joao Jo.- Rodri-
gues laidlho, nao merecem as honras de urna res-
posta ; entrego-as portante ao despreso, como ao
vil anonymo que as vomitn.
Soueom r.sp.'ito. de Vs. Ss. muito respeitadore
obrigado criado,
Manoel Jos da Silva Braya.
Boa-Vista, 31 de dezembro de 1863.
Srs. redactores.Apreciando lempos o proce-
dinento e bons costuines do Sr. delegado deste
termo Manoel Germano de Miranda, tenho.i honra
, de mencionar ueste conceitnado Otarte, une nao
! s o Sr. alteres Miranda digno para exercer o
cargo de delegado de politia, como digno de exer-
cer um mili o mais elevado. Buiquenscs chorein
a sabida deste honradissmn enpragndo, porqne,
nenlium mais encontrareis que teuha igual pro-
ceder.
Queiram Vs. Ss. dar publcdade as presentes
linhas despensaude algunias fallas que Helias
acharem.
Buique, 26 de Janeiro de 1861.
Josc Garta de Souza Pudilha.
Hlm. Sr. subdelegado do 2" dii tricto d'Agua-
Prela.Thomaz Bassich, subdito austraco, a bem
de seu direito precisa que o inspector do quartei-
rao do povoado dos Montes, aondi morador o
supplieaiite atieste ao p deste qual a conducta que
tem o supplicante tanto civil como moral, e bem ,
assim que os habitantes do musmi povoado Ihe i
atteste no mesmo sentido : nestes termos pede e i
espera que V. S. se digne deferir-lhe.-E B. M. I
Thomaz Bassich.
Attestem querendo. Povoado dos Montes, 3 de
feyereiro de 1864.Lopes.
Atiesto que o supplicante moralorneste quar-
teirao dasde 1860 aonde tem vividn entregue aos
seus trabalhos com o lim de m inter-se, tendo
sempre mostrado conducta muito regular tanto
civil como moral de modo a nao te vez alguraa
dado lugar a reclamacao de especie alguma a
respete) dos seus actos os que sao sempre mode-
rados aos bons costumes o que afli mo em f do
meu cargo.
Manoel Raymundi da Cunha,
lnspt ctor.
Poveado dos Montes, 3 de fevere ro de 1864.
Reliro-me ao attestado retro.Dr. Faria.Joa-
quim Lucio Monteiro da Franca.
Ib'liro-me ao attestado retro. Povoacao dos
Mpnles, :i de fevereiro de 1864. J( s Joaquim de
Almeida Guedes.
Reliro-me ao attestado retro. Potoacaudos Mon-
tes. 3 de fevereiro de 1864.Vigar o Fausto Frei-
r de Carvalho.
Reliro-me ao attestado retro. Jap: randuba. 3 de
fevereiro de 1864.Felippe Nery Alfonso Ferreira.
Reliro-me ao aitestado retro. Jai aranduha, 3 de
fevereiro de 1864.-Francisco Alfonso Ferreira.
Refiro-me ao attestado retro. Japiranduba, 3 de
fevereiro de 1864.Domingos Alfonso Ferreira.
Refiro-me ao attestado cima. Eagenho Trom-
beta, 3de fevereiro de 18 ,4. -Jo.- iorgouio Paes
Barrete.
Reliro-me ao attestado retro. Povoado dos Mon-
tes, 3 de fevereiro de 1864. Joaquim Firmo de
Olivein. Antonio Joaquim Barros. Frandisco de
Stoneira Cavalcanti.Francisco Marques Guima-
ries. Thomaz de Aquino Carvalho. Francisco
Ferreira da Silva Jnior.Antonio Lopes Firmi-
no Jos Antonio da Silva. Minoel Ferreira
Pinto.Diogo Pereira de Souza. Andr Nunes
, Vianna.Joaquim Bibeiro da Cruz.Joao Jos
Alvesde Oliveira.
Re[o-me ao attestado cima. M rales, 3 de fe-
vereiro de 1864.Hygino Firmo d s Chagas, es-
! cri va o da subdelegada.
Reliro-me ao aitestado suppra. Cleinentino
Accioli Lins.
' E.-tava sellado.)
Salsa parrllia de Bri.lal.
A salsaparrilha de Bri-lol: ose mas dos paizes
trpicos sao o laioratorio de todas as enfermeda-
des cutneas e ulcerosas. E' esta, pos, a razio por
que esta preparacao, que os subjuja com urna se-
guridade proverbial, lilteralmen e indispensavel
tanto no Brasil como no resto da America Hespa-
j nhola.
As escrfulas em todas as suas :erriveis formas
P rompa mente suecumbem mediante a applicaco
! deste poderoso agente detersivo, as chagas se cu-
rara, as empees desapparecem, as conjunturas
conlrahidas recobrara sua elasticidade, as uillain-
magOcs e tumores se desvanecen), os cancros se
atalhain, os abeesssos se seccam e o rheumatismo
se allivia por meio da salutfera opera^ao deste
grande purilicador e curativo vegetal; nao sup-
iprirarado, mas sim, extinguindo completamente.
A verdadera salsa de llristel u preparada por
. I.amuiau (5 Kemp, Nova-York, e icha-se venda
as lojas de Caors e B;irbosa e Bravo 4 C.
COMMERCIO.
PRACA DO RECIPE 6 OE FEVEREIRO DE 1864.
Cota^dcs offlcl3.es.
As 3 horas da lardt.
Cambio sobre Londres90 di vist 27 7i8 di por
1*000.
Cambio sobre Pars90 df vista 34) rs. por franco.
Duhnurcq Jnior, presidente.
"nimante! sicretaro.
.llfandegn
Re'ndimento do dia I a o........ I">8:1825767
dem do dia 6................. 38:4455218
196:827*985
Hollnenlo Voltimes entrados com fazendas...
com gneros..
Volumes sahidos com
com
fazendas..
gneros..
230
384
814
Passivo.
BumodoBratii ctmtado eafitoL
VaUufoiiiecidope
la >'ai xa Matriz.
Euussao.
Valor om circula-
cao........
IMrat a pagar.
Por diuheiru toma-
do a premio. .
Por Baques.....
Diversos.
Saldo de ririsaWT
tas........
Ganlios e uerdas.
Lucros sujeitos a
lquidaeao. .
11,592:901*213
2,000:000*000
7,798:8809000
21:0005000 21.000*000
1,677:495*503
98:72>57I0
11,592:901*813
O guarda livros,
lynario Nunes Correa.
COMMNICADOS.
O Sr. AffouNo de /mlbuquerqiie
ello e a estrada de ferr.
Srs. redactores.A censura jocosa que fez bontem
no Diario de Pernambuco o Sr. Aflbnso de Albu-
PUBLICARES A PEDIDO.
Exm. Sr. presidente Domingos de Souza Leo.
Com o mais profundo respeito, dinjo-me V.
Exc. pela raziio seguinte: Era 1836 zorobei do
espancaini'iito que me prometterain os Srs. liuiutu
Joaquim Correa Lima Wanderley Passarinho.e seu
genio o famigerado de sangue humano, o Sr. Frc-
derico Velloso da Silveira, mas cu Sr. presidente
apanbei, e corr rindo mansamente para a minlia
easa as 6 horas e mea da tarde; o motivo, consta
dos ineus escriptos pelo Diario de Permwtbiico.
desde setembro de -1861, al o dia 23 de Janeiro
do cnenle auno.
Antes de apandar, fui avisado pelos rteinbos
os Srs. Rufino Jos Fernandes de Figueiredo, Da-
miao Concalves Rodrigues Franja, e Raphael dos
Anjos Pereira. Agora sou por oulros avisado,
!ue os mesmos espadanrhins, querem por mellior
urina me esljorduarem, munidos de revolvez, para
no caso de eu resistir me matarem.
Exm. Sr., eu esiou morao para taes jolas, o por
I isso nao se so podere correr, e pela incerteza as-
i sent direitinho que apanhando somonte, curar
as ferdas, e bom ijue seja sempre im o devino
respeito, sein colisa que duvida faja, entregar a es-
te governo dos 9 filhos que tenho, 8, o que faz 9,
entregar ao meu muito prente Jos Flix da C-
mara Pimentel, seu protector dos estudos; a minha
mulher anda bem bella, com o feto que tem no
ventre, para a casa da mai. c cu entao entrarci no
bando dos cabelleiras, por horas, das, mezes, ou
annos, at fazer esta nodoa de nobreza para gran-
| deza da minha raca, viste que al este seclo, nao
a tem; dest'arte os homens desta actualidade das
cousas ligadas por seus adiamntenlos at os ser-
loes mais longes, ficarao contentes.
Ser este meu obrar, contra todos os meus prin-
i cipios, poroi que remedio se ser preciso para
! addicionar-se historia do Brasil, para maores
luzes das academias.
Nao deitarei antes do que, de rogar aos meus
patricios os Srs. Manoel Figueira de Paria, Manoel
Jos da Costa, bario do Livramento, Thomaz de
Aquino Fonseca Jnior, suas altencoes para os meus
filhos, nao obstante a caridade do governo; e se a
soi te me fr de morte, meus lllhos terao de mais
deveres dos Srs. Drs. juiz de orphaos e curador
geral, e particulares Srs. Drs. Antonio Joaquim
Ayres do Nascimento, meu sobrinho Joao Ferreira
Oescarregam no dia 8 de levereiro.
Galera franeezaUMocarvo.
Barca inglezaGasette'uiem.
Brfgne francezEmiteraercador as,
Escuna ingleza-Mary-ireth bacalho.
Patacho inglezGnrijian pedra.
Brgne brasileiroAmel -diversis gneros.
i ni p o i- Cacao.
Pataobo inglez Marfatil, cnlradc de Terra Nova,
consignado a J. Pater & C, maniftstou o seguinte:
2,089 barricas bacalho ; aos m ;smos.
Brigue francez Btete, entrado d; Swansea, con-
signado a J. Pater \- C, manfeslou o segniale :
209 toneladas earvao de pedra, I caixa ponebo,
1 dita licores, i barril biler, 1 barril e 100 caixas
genebra, 1 barril vermuth. 1 barril aniset, 3 ditos
bebidas espirituosas. .*i baixas vinbo tinto, 1 cai-
xote clianipanlia. SO barris manteln, 10ditos e 10
meios alcatro, 700 gig0sr batata-, 68 ditos ceboia-.
20 ditos garlie : a ordem.
Barca brasileira Powimka, entrada do Rio Gran-
de do Sul, consignada a Amorta) li maos, aunifes-
tou o seguinte :
10,966 arrobas de charque, 1 .0 barricas com
770 arrobas de sebo coado e 414 arrobas de graxa
cm bexigas ; a ordem.
23 saceos covada. 4 meias pipas tainhas ; ao ca-
pitao do mesmo Joaquim Bernardos de Souza.
Brigue brasileiro Mafia, entrar o do Rio Gran-
de do Sul, consignado a Amorim li raaos, inanifes-
teu o seguinte :
10,166 arrobas de charque ; a 8reata.
Patacho brasileiro Uous Amigos entrado da Ba-
ha, consignado a Amorim Irmos, manfeslou o
seguinte :
4,023 qunlaes de charque, 8t couros vaecuns
seceos e 62 saceos farello ; a ordem.
Vapor brasileiro Paran, ntralo dos portes do
DM10, manfeslou o seguinte :
49 rolos com 24 arrobas de salsa ; a Palmeira A
lleltrao.
26 gaollas com 99 bichos e pas ;aros; a Conra-
do Brandis.
I caixa com 2 airlas de ciringa em obra ; a
Jos Brito Soares.
Eneommendas.
1 caixote ; a Rayinundo demente Valente.
2 caixoes ; a Prxedes da Silv? Gusmao.
I encapado ; a Manoel Joaquim Ramos e Silva
& Genros.
I encapado ; a Ferreira 4 Malheus.
1 caixote ; a Fr. Joaquim do Espirito Santo.
1 caixote ; a Jos Antonio Ernesto Par-Ass.
1 encapado ; a Manoel Clemenlino Carneiro da
Cunha.
1 embrulho ; a Ferreira & Matheus.
1 encapado ; a Amorim Irmos
2 caixotes ; a Antonio Jos de Azevedo.
3 paneiros ; ao Dr Sabino Olegario Ludgero
Pinho.
1 caixote ; a Joao Pedro C. Moreira.
2 volumes; a Antonio de Almeida Gomes.
i saeco ; a Joaquim Josa de Ci nipos.
1 embrulho ; a Geraldo Hemieues de Myra.
1 caixa ; a TlieodoroChrstan.-en.
I caixote ; a Joaquim da Rocha Moreira.
Brigue brasileiro Amelia, entrido do Rio de Ja-
neiro, consignado a Antonio Luiz de Olireira Aze-
vedo & C, manifestou o seguinte :
eneros estrangeiros j despachados para^
consumo.
100 cunhetes ac, 2 caixas palitos, 633 saceos
farelo, 20 duzias de pranchoes de pinho, 10 barr-
cas barrilha, 4 volumes com urna cama de mogno,
130 pipas vasias e um caixao com araendoas^co-
berlas em latas; a ordem.
Genero nacional.
1 caixao cha, 10 pipas graxa, 30 barricas sebo,
100 meias barricas restes cora quartos de ditas
dentro, 20 volumes movis, caixas com 3 pedra-,
70 latas e 274 rolos fumo a ordem de diversos.
Vapor nacional Mamaaaape, entrado dos portos
do norte, manifestou o seguinte :
De Natal.
32 saceos com 177 arrobas e 8 libras de algo-
dao a Justino Jos de Souza Campos.
133 saceos com 793 arrobas e 14 libras de algo-
dao; a J. da Silva Castro.
4 saceos com 22 arrobas e 16 libras de algodao;
a ordem.
1 ancoreta com 8 caadas de mel; a S. B. de
Mello.
De Maco.
20 saceos com 87 arrobas de algodao, 2 caixoes
cora 2 arrobas de velas de carnauba, 1 dito com 7
arrobas de carne secca, i dito com 30 libras de
resina de angico, 2 ditas com 52 libras de peonas
de emma, 3 couros salgados; a Jos Turquato de
S Cavalcanti.
Do Aracatv.
4.1 saceos com 211 arrobas' e 2 libras de algo-
dao ; a Francisco Gomes de Mattos.
212 siccos com 889 arrobas e 2 libras de algo-
dao ; a Prente Vianna C
13 saceos com 77 arrobas e 22 libras de algo-
dao ; a Vianna & Guimaraes.
tiii taceos com 317 arrobas e 4 libras de algodao-,
a ordem.
Brigue brasileiro Beluario, entrado do Rio de
Janeiro, consignado a Marques Barras & C., mani-
festou o seguinte :
Gneros estrangeiros ja despachados para con-
sumo.
4 caixas armacoes para balQes, 1 dita charutos,
60 pipas vasias, 480 saceos farelo, 20 pipas, 25 bar-
ris e 10 caixas viuho, 20 ditas canella, 3 volumes
com 10 pedras de marmore; ordem de di-
versos.
Gneros nacionaes.
6 duzias de taboas de canella e peroba. 15o sac-
eos caf, 40 barris toucinho, 1,400 saceos com
2,700 alqueires de farinha de mandioca, 10 pipas
vinagre, 10 ditas graxa, 800 caixas sabo, 64 bar-
ricas sebo, 43 latas e 283 rolos fumo; a ordem.
Sumaca nacional Hortencia, entrada da Baha,
consignada Palmeira & Belirao, manifestou o se-
grate :
Genero despachado para reexportacao.
16 cascos azeile de palma; ordem.
Mereadorias estrangeiras despachadas para con-
sumo.
60 barricas cerveja ; a Palmeira & Beltrao.
3 ditas com 173 arrobas de potassa ; a Manoel
Joaquim Ramos e Silva & Genros.
6 cascos azeite de palma, i barrica soda, 40 di-
tas cerveja, 20 pecas de aniagens. 2 fardos cober-
tores ; ordem.
Mereadorias nacionaes.
1 caixao charutos ; a L. A. Pereira.
1 dito ditos ; a Marcelhno & C.
3 ditos ditos ; a Manoel Joaquim Ramos e Silva
iV Genros.
50 saceos vasios; a Belmiro B. de Souza.
24 fardos fumo, I caixao charutos, 1 dito azeite
floce ; a Palmeira & Beltrao.
CM) fardos panno de algodao, 21 ditos fumo, 25
caixoes e 415 caixmhas charutos, 48 barricas se-
bo, 1 dita louca, 3 camas franeezas. 14 cadeiras
usadas, 1 quartinheira, 1 armario envdracado com
roupa ; a ordem.
1 sacco fio de algodao ; a Lima & C.
Exportaco.
Sumaca hespanhola Manuela, carregou para
Barcelona 591 saceos com 3,328 arrobas e 20 li-
bras de algodao, e 139 cascos com 4,711 medidas
e 650 saceos com mlho.
Polaca hespanhola Eduviges. carregou para Bar-
relona 814 saceos com 4,355 arrobas c 27 libras
de algodao.
Barca franeeza Pyrrhas, carregou para o Medi-
terrneo 4,450 saceos com 22,250 arrobas de as-
sucar mascavado.
ALFANDEGA DE PERNAMBUCO.
PAUTA DOS P11EC0 DOS GENEnOS SI JEITOS A D1AKIT0 DE
EXI'OIITAC.AO. SEMANA DE 8 A 13 Do MF.Z DE FE-
VKUKIItO DE 1864.
.Mereadorias. t'nidades. Valores.
Abanos.........cento 15400
Agurdente de cana.....caada 640
dem n-stilada ou do reino 640
dem eavaea......... 420
dem genebra....... .720
dem alcool ou espirito de agua- 720
ardente.........
Algodao em earoco.....arroba 5*750
dem em rama oii em laa. 23*000
Arroz com casca. ...... 15000
dem descascado OJO pilado t 25000
Assucar mascavado...... 2-5000
dem branco......... 3*300
dem retinado....... 4*160
A/.eite de amendokn ou memlu-
bim.........ciliada 2*000
dem de -coco....... 1*6Q0
dem de mamona...... 800
Balates alimenticias.....arroba,.- 1*200
Bolacha ut diara, propria para
embarque....... 3*000
dem lina......... 7*000
Cafe bom........ 85000
dem esculla ou restolhe... 7*008
dem torrado.......libra 440
Caibros.........um 380
Cal...........arroba 188
dem brama....... 500
Carne secca (xarqne) .... 25siki
Carneiros........um 35000
Carvao vegetal......arroba 15000
Cavernas de sienpira .... una 85(MK)
Cera de carnauba em bruto. libra 250
dem idem em velas .... :;>
Cha........... 15500
Charutos........cento 2*500
Cevados (porcos)......um 155000
Cocos (seceos!.......cento 3*500
Celia...........libra :m
Couros de boi, salgados ... 170
Idem.idem seceos e.-pichados. io
dem dem verdes...... 110
dem idem cabra curtidos. um 330
dem idem de onca..... cento 10*000
Doces seceos....... ufara 15000
hleui en galea ou massa. .'(20
blein em calda...... 800
Espanadores grandes .... um 4000
[dem pequeos....... 2*000
Esleirs para forro de estivas
de navio........ cento 15*000
Estopa nacional...... arroba 1*800
Farinha de de mandioca. alqueire 2JBO0
Idem de aramia..... arroba 5*0C
Feijao de qualquer qudlidade. 1*800
l'iechaes........ nm 5*000
Fumo em tulla, bom .... arroba 145000
dem ordinario ou reslolho 85500
dem em rolo bom...... S50H)
Idi ni .u'ilinarro ou reslolho ."l-iooo
Galliutias........ urna 600
Goniina......... arroba 15900
[pecacuanba (raz)...... 25*000
Lenha em arhas...... cento 1*500
Toros.......... J15IKW
Linhas e esteios....... un 8*000
Mel ou melaco....... caada 200
Milho.......... arroba 15500
Papagaios........ um 25500
Pao Brasil........ quintal 5J0M
dem de jangada...... um 5*000
Pedras de amolar..... urna 840
dem de Mirar....... 4*000
dem de rebato...... 1*100
l'iassava......... molho 120
Ponas, ou cliifres de vaneas ou
novilhos ......... cento 55800
Pranclioes de ainarello de dous
costados........ um 205000
deas de louro....... 105000
Rap.......... libra 15000
Sabio........... 120
Sal.......... alqueire 400
Salsa parrlha....... arroba 255000
Sebo em rama....... > 55000
dem em velas....... > 7500
Sola em vaqueta...... urna 25M)0
Taimas de. amarello..... duzia U05000
dem diversas....... 7115000
Tapiocas. :....... arroba 25800
Tatajuba.......... quintal 25000
Travs......... urna 0500(1
Onbas de boi....... Cento 25000
Vassouras de piassava. ... 105000
Ditas do timb...... 85000
Ditas de carnauba..... 8*000
Vinagre......... caada 500
Alfaiulega de Pernambuco, 6 de fevereiro de
1864
i .asignados):
O 1. conferente, Florencio Domingurs da Silva.
O 2. conferente, Jos Thomaz de Campos Qma-
resmaa.
Approvo. -Alfandega de Pa.riimbuco, 6 de fe-
vereiro de 1864. Paes d'Andrmle.
Conforme. O 4." escripturarlo, Joo dos San-
tos Porto.
Heceltedorla de rendas Internas
geraes de Pernambuco.
Rendimento do dia 1 a 5 ........ 3:2725151
dem do da 6 ................. 801*775
4:176*926
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 5 ......... 19:535*263
dem do dia 6................. 3:905*722
Assucar..
Couros.........
Arroz..........
Azeite doce.....
Bacallao.......
23:440*085
PRAQA DO RECITE
tt DE I I \ I III I IO DE 1*4.
As 3 horas da tarde.
Revista semanal.
Cambios........Os saques da semana regulara m
de 27 Vi a 27 '/ d. per 15<'0U
sobre Londres, de 340 a 341 rs.
por fr. sobre Pars; sendo 30,000
sobre aquella praca, e 700,000
fr. sobre esta tamhem houveram
sobre Lisboa a 95 por cento de
premio, sendo sobre Hamburgo
a 660 rs. por M. R. nominal.
Algodao........O desta provincia vendeu-se de
23*500 a 245000 por arroba, o
de Macei posto a bordo a ris
24*300, e o da Paralaba, do
mesma modo, de 25* a 552t'0.
Vendeu-se de 3*400 a 45:100
por arroba do branco, de 3*100
a 3*200 do smenos, de 2*700
a 2*850 do mascavado purgado,*
e de 2*500 a 2*600 do bruto.
Agurdente.....Vendeu-se de 805000 a 82*000
apipa.
O.s seceos salgados veiideram-se
a 170 rs. por libra.
8 pilado da India vendeu-se
a 2*700 por anadia, e o do Ma-
ranhao de 2*700 a 3*200.
0 de Lisboa vendeu-se de 25900
a 3*000 por galn, e nao ha do
do Estreito.
Rctalhou-se de 12* a 14*500 a>
barrica tirando em dc|>ositO'
10,600 qunlaes.
Bailas......... Vcndcram-se de 800 a 1*100-
por arroba.
Uolachinlia......dem a 2*800 a barriquinha.
C*M..........Hegulou de 7*200 a 8*000 |r
arroba.
Carne secca.-----A do Rio-Grande do Sul retalen-
se de 1*800 a 3*600 por arro-
ba, e a do Rio da Prata de 2*700
a 3*500: licando cm ser 52,760
ai runas da primeira, iaclusive
20,000 arrobas da nova que an-
da nao abri preco, e 28,930 da
segunda.
Cha............ Vendeu-se de 1*900 a 2*100 a
libra.
Carvo de pedra. dem a 12*500 a tonelada.
Cerveja......... dem de 4*900 a 5*600 per du-
zia de garrafas.
Farinha de trigo. A de Philadelphia e New-York
vendeu-se de 15*000 a 17*000
por barrica, a de llall more de
15*000 a 16* e a de Trieste de
20*000 a 215000 ; cando em
deposito :t.ooo barricas da pri-
meira, (inclusive um carrega-
menio entrado nesta semana
400 da segunda, 400 da tei eeira,
e 5,200 da quarta.
Vendeu-se de 12*000 a 15*00
a sacia.
Vendeu-se de 320 a 340 rs. a .
botija.
Louca..........A mglcza ordinaria vendeu-se
com 310 por cento de premio
sobre a factura.
Mantciya....... a franeeza vendeu-se de 490 a
a 500 rs. por libra, e a ingleza
a 700 rs. a dita ; cando em ser
1.500 barris de ambas.
Venderam-se a 7*200a caixa.
Vendeu-se a 1*900 o clao,
dem de 5*500 a 5000 a caixa.
Hten a 14*000 a arroba.
Ouejos........ Os tlamengos venderam-se a rs.
2*100 cada um.
Sabaa..........o amarello vendeu-se a 150 rs.
a libra, e o do Mediterrneo a
240 rs.
Toucinho.......O de Santos vendeu-se de 5*000
a 6*000 por arroba, e o de Lis-
boa a 8*100.
Vinagre........0 de Portugal* vendeu-se de
115* a 120*000 apipa.
Vinhos......... Os de Lisboa venderam-se de
220* a 225* a pipa e os de ou-
tros paizes a 210*.
Volas.......... As de composicao venderain-se
a .'i20 rs. o pacote de seis velas.
DosconlOS....... O rebate de letras regulou a 8
por cento at 4 mezes nos ban-
cos, e de 6 a 7 por cento fra.
Para o Canal inglez a 376
por tonelada e para Liverpool
V pelo alKodo.
Feijao..........
Genebra........
Maesas........
Oleo de linhaea..
Pasas.......
Presuntos.......
Frote
MOVIMEOTO m PORTO.
Silvios entrados no dia 6.
Rio de Janeiro15 das, barra nacional Herman-
an, de 523 toneladas, capitao Agostinho Antonio
Pereira, equipagem 14, carga barricas vasias e
lastro ; a ordem.
Babia12 das, sumaca nacional Hortensia, de 93
toneladas, capitao Antonio Das de Lima, equi-
pagetr 8, carga charutos e outros gneros
Palmeira i Beltrao.
Rio de J.mciro22 das, barca portogneza Pdit,
de 339 loueladas. capilao Luiz A. Peixoto Reis,
equipagem 18, em lastro : Antonio Luiz de O.
Azevedo A C.
Rio de Janeiro23 das, brigue oldemburguez
Motee, de 364 toneladas, capilao Augusto Kulin.
equipagem 10, em lastro; a Tasso & Irinao.
Rio de Janeiro18 das, barra ingleza Dianna, de
391 toneladas, capilao Ceorge Coldwel, equipa-
gem 13, em lastro ; a Southal Mellors & C.
Sahidos no mesmo dia.
Mediterrneo por Cdizbarca franeeza Pyrrlius,
rpita) Alberto, carga assucar.
Marseille-barca franeeza Antoine, capitao Hachn,
carga assucar.
Barcelonapolaca hespanhola Educiges, capitao
James Csale, carga algodao.
EDITAES.
Tribunal do coinmerclo.
EDIT..L.
0 tribunal do eommtrcio da provincia de Per-
nambuco convida aos senhores commerciantes na-
cionaes matriculados e residentes nesle dlstrirto,
eomparecerem ro dia 17 de fevereiro prximo
futuro, as ') horas da manbaa, na sala da Asrocia-
cao ommercial Bendceme, para proceder-se a
clecao de um deputado commercante, que em
substitucao do deputado fallecido Jos Connives
M.alveiii.tein de servir ale o lim do auno de't866r
lempo i ue faltava ao substituido, na forma do ti-
tulo nico do cdigo commercial e decreto de 5
de setembro de 1850. E para constar mandou o
sobru.0 tribunal fazer este que, assignado indo
seu secretario, ser publicado no Diario de Per-
nambuco e allixado na praca do commercio com a
lista de que traa o arl. 5 do citado decreto.
Secretaria do tribunal do commerciode Pernam-
buco 2 de jaueiro de 1864.
Joao Ignacio de Mtdeiros Reg.
LISTA.
Jos Jeronymo Monteiro.
Jos Joaqun) Das Fernandes.
Luiz Antonio Siqueira.
Jos Velloso Soares.
Manoel Ignacio de Oliveira.
Manuel Joaquim Ramos e Silva.
Antonio Jos Leal Reis.
Vicente Mendes Wanderley.
Jos M i red i ii. i da Rosa.
Joao Cardoso A y res.
Joao Ignacio de Medeiros Reg.
Antonio Valenlim da Silva Barroca.
Elias Baptista da Silva.
Francisco Accioly de Gouveia Lins.
V


Diarlo de Prrnatnhufo --' *f/r,nul;i felf^l de Vewtrtvro de i ftl.
}
Jos-i Baptista da Fom.-cc:. Juniar.
Jos'' Niu.!'. du i1
Antonio.I -tro.
Antonio da Suva l'Yrrvi .1 Jnior.
Jo-.' Kr:ur:sc i I" Sa L( I
Jase los S.iui i Naves.
Lu.'. Jos liotlripuos de Soma.
Antonio Alvos la rijosa.
Joan da Silva Faria.
Mai oul Joa |iiim Rodrigues di Souza.
Candiilo Nunea de Mell i.
Joni|i]im d.i Silva Lopes.
(la briol Antonio.
loao Pinto de Lem is.
Ifai el Doartu Rodrigues.
Vicente Jos de Itrito.
Mainel Auionio da Silva .Woreira.
Bai't ioIoiiii d francisco do Souza.
i ni Jos da Cosa Fajotes.
Jos Pires Forreira.
Jos Rodrigos l'ereira.
loao Pinto le Lemos Jnior.
Jos Candido de Rarros.
Caetano C. da Costa Moreira.
Antonio Luizdos Santos.
Joao Jos de Carvalho Moraes.
IH V reir da Cunha.
Loiireneo Luil das Nev;.
('.and do C. Ouedes Alcotorado.
Jbaqoim Francisco do Espirito Santo.
Jos.' Antonio Basto.
Augusto Frederieo de Oliveira.
Antonio de Moura Rolim.
Jeee Francisco Larra Penna.
Amonio Ignacio do Rogo Medeiros.
Herminio Egidio de Figa^irudo.
Pelislerto Ignacio de Oliveira.
Miguol Jos do Abreu.
Est conforme.
Julio fiuimares,
OOicial-maior.
O Dr. Tristao do Alencar Araripe, offleial da ri-
perial ordem da Rosa e juiz de direito especial
do .-oramercio desta cidade do Recife e seu ter-
mo capital da provincia de Pemnambuco, por
S. .'I. Imperial e Constitucional o Se. D. Pedro.I,
a > uem Deus guarde, etc.
tac) saber pelo presente, que no da i i de fe-
ver ei o de 1861 se lia de arrematar por venda,
quem mais dr, depois d audiencia respectiva, a
parle da casa terrea, sita na ra daSoledade n. >),
com moa porta ejanella na frente, duas salas, dous
piarlos, corintia fra, quintal murado, cacimba
propria, avaliada em 1:0135460, a qual perten-
cente a Jos (ioucalves da Silva e sua n ullier. e
vai praca por execucao que contra o mesmo en-
canalla Jos Peres da" Cruz, e na falta de licitar-
tes ser arrematada pelo preco da adjudicado con
o abMimento respectivo da lei.
E para que ebegue a noticia todos, mand-i
passar editaes, que sero afvaos e publicados nos
locares do eoslume.
Dailo e passado nesta eidade do Recifo de Per-
naml neo, aos 17 de dezembro de 1863.
Ku, Manoel de Carvalbo Paes de Andrade, escri-
vao o subscrevi.
Tristao de Alrncar Araripf.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, offlcial da ini-
perial ordem da Rosa e juiz de direito especial
do commereio desta cidade do Recife e seu te -
ino, capital da provincia de Pernambuco, por S.
II. Imperial e Constitucional oSr. D. Pedro II, a
qu.'ii) Deus guarde, etc.
loo saber aos que o presente edital virem e
Jelle noticia tiverem. qoe no da 8 de fevereiro se
lia di arrematar por venda, quem mais dr, en
prae,a publica doste juizo, oseguinle :
I 111 sobrado de dims andares, sito na ra do Ran-
ee! n lt, tendo ile vio de largo 19 palmos e ce
fund 58, porta larga no andar terreo para cochu-
ra, e o 1" andar varamla de ferro com dnas janei-
las na trente, duas salas e 11 m qnarto, e a soba
com duas e um qnarto. tendo lambem trapeira co n
dous piarlos e um sali' que serve de cozinli 1,
quintil em aborto que c communicac.au oulia
casa que deita para a ra do I.ivramenle, avaliaco
em 8 0003000, a qual fra penliorada por execu-
cao do (inbnel Antonio contra o Dr. Ignacio Nety
da Fcnceca.
E rao bavendo lancador que cubra o prec.o da
avalis(3o, a arrcmaiacao m-r feita pelo valor da
adjud cacao com o abaliinenlo da leu
E para que chegue ao conhecimento de lodo;,
mand a passar editaes, que serio publicados pea
impre isa e allixados nos logares do costume.
Recife, 5 de dezembro de 186.'t.
E11, Manoel Mara Rodrigues do Nascimento, e-
crivan o sulsrrcvi.
Tristaode Alencar Araripe.
Pela inspectora da alfandega se faz publico
que io dia II d correr te, depois do meio dia. a
boM ik mesma, serio vendidos em leilao l pe-
d lona, pesando 40-1 libras, avaliadas em
ItilJiOO, approlien-lidas pelo guarda Joaquim Ri-
lar lo Ferreira no dia- 23 de Janeiro prximo pas-
sado; sendo a arrematarlo livre de direilos ao
arrematante.
Alfandega de Pernairbuco 6 de fevereiro ic
1864 O 2 escripturario.
Caetano Gomes de S.
De ordem do Illm. Sr. inspector interino des-
ta alftndega, Dr. Luiz de Carvalho Paes de Andn-
oV, w bu [nitilicoa quem interessar possa, queda
data deste a 30 dias comecata 1 ter execoeio as
lisposiciJes dos artiros 1 S lo decreto n. 32 7
de 31 le dezembro de 1S6:!, relativas aos inlrepcs-
tos, trapiches,e armazens ilfandegados, o qual loi
IiuIjIico no Otario de Pernambuco n. 14 de 19 le
Janeiro prximo passado.
'>.' seecfio da alfandega de Pernambuco o do f:-
^creiro de 1864.O i eseriptorario,
Caetano Gomes de S.
O Dr. >.uiz de Albuipienpie Martins Penna, di-
led-ld do primeiro districto da cidade do Roe -
re 1 a Pernambuco en vinude da le etc.
saber a quemcoavicr que se acha em sen
int.-irj vigor o rgulamento de 12 de fevereiro de
!'<;'), 1 para ciencia di.-to abaixo se publica a in-
tegra do mesmo
Art 1." B' expressacaeota prohibido o jogo de
eiitrudoe o lanear-se agja sobre as pessoas que
transitaren) pelas mas, quer seja isso l'eilo bx
meio ile va-o- mi sering, quer pelo empregodis
diamiulas lunas de clieiro, o bem assim o uso de
tintas, lamas e outros objetos, que tem sido em-
bregados em lio perniciiso jogo.
Ar. 2. Sao permitilo.', os grupos de mascar t-
dos earaelerieados |jor ipialquer modo porm se n
alraseea e speeialmeflb das que digam respeito a
refiie e lem miaistroH.
Art. 3. Nos differentes caracleres com que na
apresentarcm os maseras nao ser permiti o
usar de nutras armas que nao sejam as fabricadas
de papelo on madeira 'ragil.
Art. k Nao pormoifc algum permittido a ii-
trodjiccao de escraros no meto dos mascaras, e is
que enere oiles forem encontrados serio presos e
e irredonadoe.
Art. 5. s mascaras portar-se-hao com decei-
cia, alo praiieario insu'tos e Ihes niio ser pe -
mittido vagar pelas roas depois das 8 horas da
oile.
*rt. 6. Aquelles que formarem reunios pa-a
bailes nos theatros, prohibido dar assobios, gii-
praticar assuadas.
Ser respeilado o segredo dos vestuarios e mas-
caras, e ninguem podera dirigir-llies pergunlas e
travar com elles conversacoes que nao sejam de-
e.oites e dignas de repetirse as melliores reu-
nidos. Do mesmo modo se havero os mascarts
um para com os outros, e principalmente para
com as familias dos camarotes a que sedirigirem.
Art. 7. Toda a pessoa mascarada que por al-
gum modo olTemler a decencia, provocal ritas e
perturbar a ordem man ida nos saldes ser mal-
dado retirar immedial ai tente.
Ai l, 8. Na falta de observancia das providencias
astean) a polica proceder contra os infractorss
como desobedientes.
E para constar se passeu o presente que sea
-ptiulicado pela impreuss. Recife 5 de feverei'o
de 18i4.Fu Francisco de Rarros Correia, escii-
*\io que escrevl.
suas ManoatM em carta fecaada na secretaria|do
eOQSelho, as lo horas da manhaa no dia 12 do cor-
rente ,
Sala das scssodsdoeonselhoadministrativo para
fornecimento do arsenal de guerra o de fevereiro
. de 1864.
Antonio Pedio de S Ittineto,
Corono), presidente.
hU Antonio Pinto,
Tenenle-coronel, vogal.
c 011 sellan de comprasnavae.
Nao tendo havido hontem geasio do conselho, por
nao se torera reunido iodos seos memhros, fa^o
publico de ordeni doSr. presidente, que flcou, pois,
adiada ou transferida para II do coi rente mez, s
11 horas da manhaa, em que se promover a com-
pra nao s dos objectos do material da armada
annunciada para essa sessio, mais anda dos sc-
guinles :
200 tubos de metal patente para caldeiras,
de 2 >j pollegadas de diamelro exterior o 7 ps e
2 pollegadas de comprimento.
200 barras de catitoneiras, cu ferro angular, 2 %
de canto e 3/ de grossura.
.) barras de ferro de 3 pollagadas de largura o
1 t de grossura de um lado e Vi de grossura de
outro, proprio para grelbas.
4 chapas de 7 ps e o pollegadas de comprimen-
to, 3 ps e U jiollegadas de largura, o V de polle-
gada de grossura.
4 chapas de o ps e 3 pollegadas de comprimen-
to, 3 pes e 2 pollegadas de largura, e '/ <1 P"e-
gada de grossura.
i chapa de 3 ps e 6 pollegadas de comprimen-
to, 3 ps c 6 pollegadas de largura e V pollegada
de grossura.
3 chapas de 6 ps e 6 pollegadas de comprimen-
to, 3 ps e 7 pollegadas de largura e V* de pollegada
de grossura.
79 chapas de o ps de comprimento 2 ps de
largura, o / a Vi de grossura.
E 1 chapa de (< ps a 6 pollegadas de compri
ment, 0 ps c 6 pollegadas de largo e V de polle-
gada de grossura.
. Sala do conselho de compras navaes. 6 de feve-
reiro de 1864.
O secretario,
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Relaco das carias seguras existentes
na arlminislracao i correi* desta
cidade para esseuhiires abaiio de-
clarados
Tenente-coronel Antonio Gomes Leal.
Alferes Boaventura Leilao de Almeida (21.
Krnesio Dias Monteiro.
Francisco Moreira da Costa.
Francisco Xavier de Mallos Filho.
Hypolito i*milano Ewerten Maia.
Ignacio Francisco Pereira da Silva (Jaboato).
Joaquim Cabral de Mello.
Capito Joaquim de Albupuerque Mello.
I Jos Joaquim Alves de Amorim (i).
Manoel Jos Dantas.
i Manoel Jos do Nascimento.
t Manoel Mximo dos Santos Torres.
' Manoel Pereira de Miranda (Escada).
Manoel da Silva Mendonca Vianna.
1 Thomaz Garrett.
COMPANHIA PERNAMUUCANA
DR
\;n<*2:i('n coslelia a vapor.
Parabtba, Natal, .Uarn, Aracah. cara,
Araracn'.
No da 12 s i' lioras da tarde
M
Urna- luja d( ierrageas.
&& O afele Pestaoa far leilao fia loja de ferragens
segu um vapor da companhia da ra da Cadcia do Recife n. 64, com o fundo de
Rara os portos cima indicados. 16:0005, vende en um s lote ou em pequeos
eceber carga at o dia II. En- lotes a vontade dos comprador >s, os pretndanles
commendas, passageiros e dnhei- podem examinar o bataneo em mito do mesmo
ro a (rale al o dia da saluda s 2 horas da tar- agente, o leili 1 ter lugar no dia 8 de fevereiro
de : escriptorio ao Forte do Maltos n. 1. prximo futuro.
AISSU7
TIIEATRO
DE
S. ISABEL.
GRANDES BAILES DE MASCARAS
Nabbado. dominio, segunda e
terca-feira,
6, 7, 8 e 9 do corrente.
Miguel Cauddo de Medeiros Pinto, tendo obtido
de S. Exe. o presidente da provincia, o Iheatro de
Santa Isabel, para dar pelo carnaval quatro bailes
mascarados. avisa aos amadores destes bellos d-
vertlmentos, que se apresentem. e que o program-
ma ser devidamento publicado.
Programma.
As 8 horas da noile o thealro estar aborto,
sendo que o director envidou todos es seus esfor-
cos para que o publico encontr um salo digno,
para isso enhandeirou todo o theatr.
As '.i horas em ponto principiar o baile.
Tocar urna banda de msica marcial das me-
lliores que temos.
I'rrro dns camarotes t entrada grral.
A i' e 4* ordem serio consideradas galeras pa-
ra senhoras, sendo o preco mil ris (l000) por
cada entrada.
2' ordem 85, sendo 4 entradas para senhoras e
2 para cavalleiro.
3* dita 65, sendo 5 entradas para senhoras e
urna para cavalleiro.
Entrada para cavallein>:25, damas mascaradas
gratis e sem o serem no salao 15.
Sero lielmente observados os regulamentos do
heatro e polica.
Val sabir por estes das para o Ass opalhabote
drlitlOj recebe carga a fete muito commoo, e
paasageiMB, para o qne tem muilos bons comino-
dos: a tratar com o capito a bordo, ou na ra da
Madre de Dos n. i.____________________________
Freta-se para o Rio da Prata o palhabote
portuguez Serra I, de lote de 120 toneladas ou
10,000 raixas : trata-se com os seus consignatarios
Antonio Luiz de Oliveira Ar.evedo & C, no sea
escriptorio ra da Cruz n. 1.___________________
PARA 0 RIO DE JANEIRO
pretende sabir at 6 de fevereiro o patacho Cor-
reia por ter a maior parte da carga : para o resto
que Ihe falta e escravos a frote, trata-se cora os
consignatarios Palmeira & Reltro, largo do Corpo
Santo n. 4, primeiro andar. ___________
Para o Rio Granee do Sul
pretende seguir cora muita brevidade a barca AYri-
cana, pode anda receber alguma carga a frete :
trata-se com os seus consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo 4 C, no seu escriptorio, ra
da Cruz n. 1.__________________________________
Para Rio de Janeira.
Sahira com brevidade o brigue nacional Miner-
n, recebe carga e escravos a frete : trata-se com
Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, largo do Corjio
Santo n. 19._________________________
Para o Rio de Janeiro
At o dia 8 do corrente pretende seguir o pata-
cho Capuait, tem a bordo parle do seu ca/rega-
mento : para o resto que Ihe falta e escravos a
frete, para os quaes tem excellentes commodos,
trata-se com es seus consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio ra
da Cruz n. 1._____________________________^
PARA 0 PORTO
pretende seguir com muita brevidade o brigue na-
cional Amelia, tem liarte de seu rarregamento
prompto : para resto que Ihe falta e pas.sa;eiros,
para os quaes tem excellentes commodas, trata-se
com os seus consignatarios Antonio Luiz de Oli-
veira Azevedo 4 C, no seu escriptorio ra d Cruz
numero 1.
rara o Hio de Janeiro
pretende seguir com muita brevidade o palhabote
nacional Piedade, tem parte do sen carregamento
a bordo : para o resto que Ihe falta e escravos a
frete, para os quaes lem excellentes commodos, tra-
ta-se com os seus consignatarios Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo Cruz n. I._____________________________________
Para Lisboa
pretende sahir impreterivelmente a 13 do corren-
te o brigue portuguez Soberano por ter quasi todo
o seu carregamento prompto, apenas pode receber
a frete cerca de 300 saceos com assuear e passa-
geiros : trata-se com o consignatario T. de Aquino
Pooseea Jnior, ra do Vigaro n. 23, primeiro
andar.
Gear.
Nestes quatro dias segu o palhabote Gonbnldi
a tratar com Tasso lrmos.
JLKIlilO
DE
PIMIIOS.
! 11 i 111 a-IV ira 11 dr corente.
Por ordem da caixa filial e por conla e risco
de quem pertencer rao leilao os seguintes pre-
dios outr'ora pertencentes Seb.siio Jos da Sil-
va, a ser duas tercas partes do sitio, terreno e ca-
sa do sobrado n. 42 na ra do lenifica jimio ao
Sr. Barroca.
O predio da fabrica e terreno de marrana nos
Afogados ao p da fabrica de aabo que foi do
Dellino.
Os Sea, pretendemos devem examinar com an-
tecedencia e para qualquer informacio o ageute
Pestaa est prompto, pois qoe lem em seu poder
os competentes documentos, o leilao ter lugar
quinta-feira 11 do corrente pela; 12 horas da ma-
nhaa na porta da associacio coi unercial.
LEILOES.
AYISOS DIVERSOS.
0 cii'urgiao Leal mutlou
a sua residencia ila na do
(taimado pai^i a ra das
Cruzes sobrado n. 36, pri-
meiro andar, por cima do
armazcm Progressista, aon-
de o acharao como sempre
prompto a qualquer hora pa-
ra o exercicio de sua pre-
fissflo, chamado por escripta.
Consultaces cirurgicas.
60, Roa Nova, 60.
O Sr. Jos Francisco Pinto Guimara's, cirurgio
pela escola real de cirurpia de Lisboa, asss ro-
nherido nesta cidade, onde a tan numerosas qno
brillantes curas, como a hom numero de opera-
cocs at entao desconhecidas na pratica da cirur-
gia Pernambucana Ualha, esfana, enlerelomia, re-
secado de todo o maxillar superior, d'ametade do
Masillar inferior, ennrlearo de vm carpo fibroso
ulermo com o peso de 20 onca>, etc.), une longo
exercicio de trinta e tantos aaooH, que tecem o re-
conhecmento de tao relevantes ervir;os prestados
a humanidade soffredora. e exnrimem o glorioso
impulso por elle dado a arte d> curar, em nnsso
paiz ; sendo lambem o primeiro que nelle tem era-
pregado os anesthesicos tether, (hloroformo,amu-
lena para facilitar a execucaodellas, nem um fal-
lecendo n'nma serie de 40 o|ierados da segunda
operacao, e, d'entre as outras, algumas sopor elle
tem sido praticadas ncsla provincia, e talvez fos-
sem as primeiras que tiveram lugar mesmo no
Imperio, segundo se deprehende las estatislicas da
obra de Sijraud Du Climat et Des Haladies Du
Rrsilimpressa era Pars em 1R44: transferio o
seu consultorio para a ra Nova n. 60, primeiro
andar em que |>de ser consultado todos os dias
uteis das 7 s 10 horas da manba, acerca das
doencas denominadas cirurgicas on externas com
espeiialidade daquellas. em cu o Iralapienlo mais
frequentemente iutervem a medi?ina operatoria.
Qatuta-feira ll do cmale mex, se ex-
traliir, a tiltinr) parte da terceira c pri-j
tiiiira da quarta lotera dn (iyumasio, no I
consisturia da igreja de Nussa Senhora do !
Rosario da fregue/.ia de Sanio Antonio.
Os bilhetes e raeios acham-se ;'i tanda na
respectiva thesouraria ra do Crespo n. t5 j
e as casas commissionadas ra d;i Impera-1
trizn. 'ii, lujado Sr. Piraentel; ra Direita
n. 3, botica do Sr. Chagas: na estreita do
Rosario n. ii, hrpomphn do Sr. Mira e ra
da Cadeia n. 45, luja do Sr. Porto.
Os premios de 5:0000000 at 10^000
serSo pagos urna hora depoifl da extraeco
at s i lioras da tarde, e os ontros no dia
seguinte depois da distribuico das listas.
O thesouri'iro.
Antonio Jos Rodrigues de Souza. i
AOS 5:0(M),(MK)
CASA DA PORTUNA.
Bilhetes garantidos
A' ra do Crespo n. 21 e casas do costume
Quinta-feira, II do corrente, se extrabira a
ultima parle da tercelra c priraeira da quarta lo-
tera do Gymnasio.
ti abaixo assignado, recommendando ao respei-
lavel publico a compra dos seus mui felizes bilhe-
1 tes garantidos, lembra-lhe a aatagea que ha em
receber es premios por inteiro, por quanto quem
tirar a sorte de 5:0601 em bilhete garantido nao
! reeeber -rnente 4:200i, em virtude dos descon-
tos de lt> % ijue Ihe farao em vista das leis. mas
sim os 5:0UOA que vem a ser os ditos 4:2005 e
' mais 800,8 que pagar o abaixo assignado, impor-
tancia de ditos descontos, acontecendo o mesmo
com as outras sortes. Os premios serio pagos co-
mo de costume.
Precos.
Bilhetes inteiros..... 6J000
Meios bilhetes...... :1400o
Para as pessoas que comprarem
de 1004 para cima.
Bilhetes........ :,:M)
Meios......... 25730
Manoel Martins Fiuza.
Advocara.
0 Dr. Aprigio Justnano da Silva Gui-
marcs contina com o seu escriptorio a
ra do Imperador n. 17, primeiro andar
(defronte da igreja de S. Francisco) e
pode ser procurado das 10 horas da ma-
nhaa s 3 da tarde. Reside '"> *
Seve filha dos Ratos) n. 10.
ra do
Club Pernambucano.
Na noite de 1) do corrente ter lu-
gar urna reuoiat fainiliar evtraotdi-
ara, podendo os soeios que a ella
eomparecer re mascarados ou nao.
Recife, lide fevereiro de 1864.
liKilFH TESUIIHl
DO (iini .
A mesa rej-edora da veneravel ordem terceira
de.N. S. do Carino convida a todos os seus charis-
sirnos junaos para comparecerem na igreja de nos-
sa orJem, paramenladoj com seus hbitos, no dia
10 do correte, pelas 2 horas da tarde, para acom-
pauhar a procisso de cinza, para o que fimos
convidados.
Sei 1 riaria da ordem terceira do Carmo do Re-
cife i de fevereiro de i8t>4.O secretario.
____ Francisco Jos dos Santos Jnior.
I'recisa-srde um:i ama para fazer companhia
a una senhora viuva, pessoa de bons costme* ;
atraUr na ra d Asnas-Verdes n. 21.
Alu^am-se o segundo e tereeiro andar do
sobrado da ra da Lapa n. 13, por comaaodo pre-
c-i: a tratar na praca da_ Boa-Vista a. 9.________
Deseja-se muilo fallar com o Sr. Mlfuel Gal-
1-1-7 di' tal. morador na freguezia de Santa Rita da
provincia da Harabiba, que consta estar aclual-
menie nesta praca : na ra do Livramento, em
casa do Sr. Albino da Silva Leal.________________
1.I11I1 Commercial,
A reooiao familiar do corrente mez de feverei-
ro lera lugar na noite do dia 8 do mesmo._______
Glorio de Lima Kston faz aeteale ao publico
e principalmente ao corpo commercial nesta pra-
ca. que nesta data coraprou Carlos Antonio da
Costa Carvalho a sua taberna do caes de Apollo n,
.'7. e como pode ser que alguem anda seja credor
da mesn, por isso convida a qnabmvr pessoa
que esteja ueste caso para presentar as soas cos-
tas ao dito Sr. Carvalho, no praso de tres dias, na
moma taberna, do contrario a nenbuma reclama-
cao annuir mais. Recife 4 de fevereiro de 1864.
Aluga-se o segunda andar do sobra-
do da ra da Cruz n. 40: a tratar no ar-
ina/.i'io do dilo sobrado.
A luga-se o si lio da Pedra Mulle, em Apipucos,
com exccllenle casa de vivenda, ruin 2 salas de
frente e 6 quartos, terrado, estrujara, frneteiras,
bella vista e magnifico banho: a tratar na roa das
Cruzes, sobrado n. 39, segundo andar.__________
TORNAL DAS FAMILIAS
SEGUNDO ANNO
ililii ar.i mensal. Ilustrada, Ulirraria, arliatira,
rerrealiva. ele.,
ornado de fgurinos, vinhetas, gravuras sobre ac,
aquarsllas, sepias, pecas de msica, desenaee de
(rabal hos sobre talagarra, de crochet, de tricot, la
c bordados, moldes de vestidos, capas, e em geral
de ludo o qoe concernente a trabal hos de-senho-
ras. Contin*a-se a receber assignaturas na forra-
ra econmica ao pe do arco do Santo Antonio, on-
de j se aeliam os 1 e 2* nmeros do 2* anno, e
collec!;oes completas do Io anno.
- D se dinheirt a juros i na na do
Rantsel n. 6.
A pessoa que deixou per esqueciroeoto um
erabrulh encostado a uina das portas de nossa
typographia, queira ter a bondade de rir busca-lo
na praca da Independencia ns. 6 e 8, que dando
ossigiaes cerlos e declarando o contedo ser-
Ihe-h: entregue. __________________
Precisa-se de urna ama para casa de familia,
que saiba cozinhar soffrivelmente. c que seja de
bons (oslumes, cuja conducta aliancada, nao se
duvida pagar bem : a tratar era Girada, ua poda-
ra do Varadouro.
Um sobrado de um andar
em Sauto Amaro.
HO JE.
O agente Almeida dompetentemente atttorsado
far leilao do sobrado de um andar sito em Santo
Amaro ra do Lima ou travessa da fundicio do
Star, com 53 palmos de frente. i>6 de fundo*, cosi-
nha fra. cocheira, quartos para criados e escra-
vos, cavallarice ludo em ponto grande, murado
com portan de, ferro e fundo at o rio, compre-
lieii.leudo um viveiro, os pretendentes |>odem en-
tender-se com o agente para qualquer informaco.
O leilao ter lugar defronte da associae,o com-
mercial portados Srs. Palmeira i Beltrao. as 11
horas.
LEIUO
..al
Acaba d* sahir dos pr'los de no'sa
ollii'iin oalmauak civil, ccclcsia>tico,
comincrci-l, fabril ear cola, conten-
dolodos os empreados, engenhos e
negociantes, inclusive as modilicacoes
havidas at-ti de dezembro ultimo ;
vende-sea 1$'08 unicimente na li-
vraria n. 6 e 8 du praca da Indepcn-
dencin.
l'IIOilill iPIII \ ARTSTICA
Ra Xova n. 25 esquina da Camboa do Carmo.
Os Srs. Eugenio 4 Mauricio tem a honra de participar ao respetavel publico desta capital que
do dia 1* de fevereiro clles estabelecera os seus precos do modo seguinte :
11 cartees de {visita.....12&000
25 ditos 2 posiejies.....20000
80 ditos :i ditas 354000
100 ditos 4 ditas.....50*000
Cada duza em maior.....85000
Retratos n. 1.......154000
Ditos n. 2........254000
Ditos n, .1.......404000
As reproduces cada urna 24, 3.5 e 56000
Elles tem recebido um grande sortimento de quadros e moldaras para retratos grandes e cartees
do visita, assim como tambera lbum para photographia que elles podem vender muito era conta. As
otlicinas estao abenas todos os dias das 9 s 4 da tarde.
DK
MF
DECLARACOES.
CenseJbfl administrativo.
O conselho administrativo, para fornecimento lo
arsenal de guerra, tem de comprar os olqectos le-
grantes :
Para o stimo batallad de infamara.
l\i| el alniaco. resmas 6 ; pennas de ac, caixas
(i; ililas .! ave, 200; caivetes 2; tinta Dreta,
garrafas ft ; lap de y 11, iucJai l>; area para na-
i:ri|*i, libras 6; coller-o de carias pan prinri-
(lantos. 36 : latinadas, 06 ; graminaticas pnrlugue-
i de Monte v-rde, M ; COOipMdfO di^ ai ilhmet ca
\\ caixinaaa de laHrleoloa para desenlio linear, 4 ;
compendio de mclrologia, 10; douirina ctrisla. 10.
Para o nono batalhao de infamara.
H ineis, KO ; mantas de lia, '0 ; brim branco,
varal tM ; algodaozinho. varas 2*5.
uem quiter vender taes objectos apresentem as
Grandes bailes do carnaval.
ttabbario. dominso. segunda e
terca-feira.
O propriclaro dos mencionados saines tem pre-
parado com toda a pompa e brilhantismo os bal-
es destes dias ; s 8 horas da neite sahira da ra
do Imperador urna banda de msica completa de
prmera liaha acompanhada de alguns mascaras
direito aos saines do caes d'Apollo, aonde ter lu-
gar os ditos bailes ardendo nestes dias todas as
vistas ltimamente chegadas de Pars, e o adminis-
trador offerece ao respeilavel publico um completo
sortimenlo de vestuarios para se alucar por preco
coramodo : na ra do Impera lor n. 52, e a noite
nos sales. Toda e qualquer mulher tem entrada
gratis, excepto as que forem vestidas de homem.
Sera compridn o regulamento do Illm. Sr. Dr.
chele de polica.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA BBASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
r esperado des portos do norte
at o da 16 do corrente o vapor
Apa, commandanto o primeiro
lente Alcanforado, o qual de-
pois da demora do costume se-
guir para os portos do sul,
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder condnr.ir, a qual dever
ser embarcada no da de sua chegada: encom-
mendas e dinheiro a frete at o da Ja sabida s 3
horas, agencia na da Cruz n 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
COMPANHIA BBASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do sul esperado
at o dia 14 do corrente o vapor
Princeza de loinriUe, comman-
dante o primeiro tenente Araujo,
o qual depois da demora do cos-
tme, mguira para os portea do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sabida as 2 ho-
ras : agencia, ra da Cruz n. 1. escriptorio de An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
O agente Almeida far leilao por conta e risco
de quem pertencer de divoraoa eaeravos de ambos
os sexos, alguns delles com habilidades.
IIOJE.
porta dos Srs. Palmeira Ac Beltrao. as 11 horas i
do dia.
OLIMM.
O padre Jos K-teves Via
lido licenca do director ge*
cao publica para ensinar p
le primeiras letras, lalim e
determinado dar principio
ditas materias no da 15
para o que convida a todos
de familia que qui/.erein c H
Ihos a seu cuidado a comp:
de j em casa de sua resid
de S. Bunio, assim como se
bem a dar licoes em casas
ma leudo ob-
il da iiislrnc-
iriicularmen-
francez. tem
ao ensiiio das
de fevereiro.
os Srs. pas
fiar seus 11-
recerem dea-
meia na ra
presta tara-
pai ticulares.
Quarta-feira 10 do corrente s II ho-
ras ra da Cadeia n. 5S,
M
ni;i(e Camaragibe de lote 38
tonelladas, forrado e prega-
do de cobre.
Pelo agente Ensebio se vender em leilao pelo
maior preco que se achar o liiate Cmurajtie,
prompto a navegar e como assim est, oaejoottc
dia e hora era ponto, cujo liquido producto ser
recolhido ao deposito por mandado do Illm. Sr.
Dr. juiz especial do commercio. a re pulimento
de credores.
Saqiu
LEILAO
Dividas de Fajozes liinlor.
Quarta-fi;ira 10 do correte.
Por ordem dos administradores da maaaa fallida
de Joaquim Jos da Costa Fajozes Jnior e Pajoso*
Jnior e Azevedo autorisadss pelo Il]m. Sr. Dr.
juiz do commercio rao de novo leilao as dividas
activas pertencentes a raesnia massa : quarta-fe-
ra 10 do crrante pelas 10 horas da manliaa na
porta da associaco commercial.
A relacao acha-*c em mao do agente Pao tana
para ser examinada.
IdaGIIdAtt
tuarta-fclra lO do rorrete s
O horas.
O agente Simoes fara leilao requerimento dos
administradores da massa fallida de Manoel Jos
de Faria e mandado do Illm. Sr. Dr. juiz especial
do commercio de 13 ttulos du dividas ua impor-
tancia de 5:7844057 rs., pertencentes a referida
massa, os quaes podem ser examinados no escrip-
torio do mesmo agente, ra da Cadeia n. 28 aon-
de ser effectuado o leilao.
KIOIIEJAHEIRO
O bngne Bensorto segu com muita brevidade
por ter meio carregamento Iratado : para o resto
e escravos a frote, tratt-se cora os consignatarios
Marques, Barros & C, Largo do Corpo Santo n. C.
LEILAO
Para Lisboa.
O brigue portuguez BW/n t1ms-
rense, capito Jos Ferreira. Lessa,
vai sahir rom umita brevidade por
ter a maior parte do carregamento
prompto, para carga e passageiros
para os quaes tem excellentes commodos trata-se
com o consignatario F. R. Rabello, ra da Cadeia
n.55-
Uuarta-fcira O do rorrete s II
horas da manhaa.
A' ra da i adra n. l, armazeiu.
De nina casa terrea n. 96 na ra Imperial, chao
proprio, rende 2404000 por anno, e outra na
ra do Aeouguinho n. 8, chao foreiro, rende o
mesmd.
Por niervencao do agente Euzebio se aender
pelo maior prc;o naquelle dia e hora, as casas li r
reas cima descriplas: roga-se aos preten>len-
tes queiram examinar com antecedenci. allin
de aproveitar urna Ijoa compra, garanle.---o ^ero
vendidas, e sao livres do menor onus
M. J. Ramrw e Silva A denros saram :'i
\ ata miIiiv a praca do Porto: na ra do Vi-
gario n. 10.
Precisa-se de (imcaixeiro que tenha alguma
pratica de taberna, de 14 a lo anuos, em Santo
Amaro confronte a capella, taberna de Joaquim
Soares de Moura.
Peda dejoia.
No dia 31 de Janeiro deste anuo, desde a ra da
Cadeia de Oliada (casa do Dr. Antonio de-Vaseon-
cellos Menezes de Druniraoml) ateos Arrumbados,
das 7 s 8 lioras da noite, pouro mais ou menos,
cabio do pesclo de urna senlioia sem ella I ver. e
| perdea-se um fio de cerca 100 nenias grandes,
leudo no centro una cruz de brillantes, tambem
nao pequeos, a (pial pouco abaixo do tamaito
de metade do dedo ndex : quem liver adiado esta
jola, e a'levar sohredita casa, reeeber urna ge-
nerosa recompensa. Pede-se a nda aos saibores
ourives e joalheiros, que se Ihes for olTerecida a
1 mesma joia, hajadeapprehende la da mi de quem
quer que seja, mandando sTiaM dar parte aquella
casa. Nes'e sentido, e para o mesmo fim, solicita-
. se todo o auxilio possivel das autoridades polciaes
!de Olinda, ou de outro qualquer lunar a quem che-
gar possa a noticia desse faci. Emfim muito se
agradecer todas as pessoas que para isso con-
correrein directa ou indirectamente.
)*#* mmmmwM
'.;.' O hacharel AmericoXetto de Mendonca ^|g
CB reside e lem aborto o seu escriptorio
3R r,i:i do Livramento n. 18, I* andar.
MMMmmMMMmm
Precisa-se de um hom co; inheiro e de dous
criados activos : a tratar no sobrado n. t da ra
da Aurora
Precisa-se de um ou dous canoeiros forros
ou captivos para carregar materaes dos Heme-
dios para ti Uecife : a tratar Bl ra larga do Bo-
, sano n. 16.
jjffl (i advocado Dr. Manool .lo Nascimento
' 9'Machado Portella, contina a ter o seu
lijj escriptorio no primeiro anJarda casa n.
j 83 da ra do Imperador.
Alug se a casa terrea n. 10 da ra do Ara-
gao, propria para taberna ou una qualquer outro
eslabelecimenlo : a tratar com o apilad Teixera,
noquartel de polica, ou u bo'iea ll. 6 da praca
da Boa-Vis a, (pie ahi se encont ara a chave para
ver a referida casa.___________________________
A pessoa qoe (pieria liypoihecar um preto ou
urna preta, ou outra pessoa q ie ipiiaer o roesmo
negocio, dirija-se ra do Oue mado n. 4. segun-
do andar.
m
liqiidacaO
DA LOJA DE J. J. kELLER.
9 RA DA IMPERATRIZ 9
Km primeiro convido as pessoas que tiveram vontade de comprar um bem acreditado estabeleci-
mento de ter a bondade de o visitar. Muito bem montado como est esta minha loja com a excellente
morada junta e as condic.cSes muito razoaveis bao por certo animar os pretendentes para compra-la.
Os Mr*, loglistas.
Tambera convido para vir comprar por muito barato come os Srs. mdicos e dentistas, tambem
todos os danos de ostabelocimentos artsticos de aproveitar a occasiao de comprar |ior menos do seu
valor as muito acreditadas ferramentas. posso dizer as melhores nesta pra^a.
O respeitarel publico em coral
encorara upi infinito at muito rico sortimenlo em brinque Jos. cutlerias, armas para casa com seus
pertences.iapparelhos para rlia, esiojos de barba e de malhemalica, ferros para cortar e imprimir fa-
llas rompara cortar babados, seringas, esporas, chicote etc., etc.
insii/roiii!i m:nii;iHiKiiii.ico
DO
DR PEDRO DE ATTAHYDE LORO MOSCOSO,
til..... O P til I I lito IB Ol'l ll IDOR.
j 3 Ra da Gloria, casa do Fundao 3
Dr. Lobo Moscoso d consullas gratuitas aos pobres lodos os dias das 7 s i
horas Ja manhaa, e das 6 e meia s 8 horas da noite, exeepro dos dias santificados
I Pharmacia especial homeopathica
JNo mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimenlo. de bartoiras
tubosiavulsos, assim como tinluras de varias dymnamisaces e pelos precos seguintes
Carteiras de 12 tubos grandes. 14JO0O
j> de 24 tubos grandes. I8000
de 36 tubos grandes. 4^000
de 48 tubos grandes. 106000
> de 60 tubos grandes. 350000
Prepara-st qualquer carteira conformo o pedido que se li/.er. e com os remedios
quesc pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia anca U 00.
I Sendo pata cima de 12, custaro os precos estabelo-edos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
I LIYKOSo
A mellior obra da horneopalhia, o Manual de Medicina Homeopatbico do Dr. Jabr,
dous glandes voluntes cun diccionario............ 205000
Medicina domestica do Dr. Ilering............ i00000
Repertorio do Dr. Mello Moraes............. 60000
Diccionario de termos de medicina......., 30000
Os remedios deste estabelecimento sao. por demais|conhccidos e dispensam portan-
to de serem novamente recommendados as pessoan que quizerem usar de remedios ver-
daderos, enrgicos e doradores : ha tudo do melhor que se pode desojar, globos de ver-
dadeiro assuear de leite, notaveis pela sua boa coi iser vacuo, tinturados mais acreditados
estabelecimentos europeos, a mais exacta e aecurada prepara^ao, e portanto a maior ener-
ga e cortan eut swjs elTeitos.
Casa de saitde para eseravos.
Recebe-se escravos para trata de| qualquer eufrmidade ou faxei'-se-lhe qualquer
o[)i'r.i.fio, para oque o annuncianlojulga-se suluctentemenle habililado.
O ti alimento o melhor possivel, tanto, ti parte alimentar, como na medie, a
fuflceionando a casa a mais do quatro anuos, ha militas pessoas do cojo lonceito se nao
pode dovidan. que pdem ser consultados por aquelles que desejarem mandar setts
doentfts.
Paga-se 25000 por dia durante 60 dias e d'ahi em dtante 10500.
As operaces sorilo previamento ajusUtlas, se n3Q so qukerem sujeitar aos precos
razoaveis que costuma pedir o annutniante'.
*mm '


Diarlo
..........1
* ic Fevereho de f se4.
J
MUITAATTENCAO!
NOYES
DE
PARTIDAS DOMADAS
OFRRKClDAS
A ISSOCIAOO COUMbKW AL l EMBCENTE
MmmmmmmwMmmmmmmmm
Segunda-feira, 8 de fevereiro de 18fii.
ABERTURA
i/w
DO
HOTEL DE L'IMVERS
RA DO TRAPICHE N. 2
% m. .>% i
;jt
O CAF ser soinpre prvido
mXa\iYAW\* ARJ\ULIj1 previne ao rcspeilavel publico/que nesla data acha-se aberto este sen novo estabele-
cimento. As pessoas que quizercm honr<-lo com sua prescnca acha-lo-bao lodo montado de novo. OS QUARTOS sao os mais
docentes possiveis ; a limpeza e a eeleridadc no servido, assim ionio a amcnidade e o agrado dos donos e dos cmpregados nada dei-
xaro a desojar aos senliores viajantes.
N este estabeleciment acham-se reunidos um LAr jL e um RES! AURAA 1
das bebidas e dos licores de primen a qualidade.
O proprietario arhando-se relacionado com os primeiro* fabricantes de PARS c de BORDEAUX, recebe todos esses gneros
de primeira mo, por isso acha-se habilitado para poder vcnde-los por proco mais barato do que em qualquer outra casa. Acliar-
se-lia cerveja das manas as mak> afamadas cesta praca; e os amadores do JOGO DE R1LIIAR ho de adiar um, novo e muito bom,
no qual podero destrahir-se agrada-velmente.
U RESrAlJRAiNl aclur-sc-ha prvido das melhores conservas da Europa, afim desatisfazer o gosto de s.m
freguezes, que acharao sempre comidas mi i variadas.
Tomam-se pensionistas e manda-se comidas para fura por procos razoaveis.
As pessoas que quizerem dar jantare; em suas casas acharao sempre o MDRIC ARNOULT as suas disposioies, mediatte
ajuste previo.
M
l'IUMIH O
POB
Terreiro escriturario da Ih souraria
Je fazenda de Peruainbuco e eeiuueteiileuirnle au-
torisado para eiereer i prs-
fessoratu particular ir aiilbui lica naniesma
proviuria.
Acha-se esta obra nos prelo da typographia
Cemmercial, d'onde em breve saiir luz da pu-
blicidadt: em ntida imprcsso e sob o formato de
8o porluguez.
Compoe-so esta obra de um volume, dividido em
urna parte theorira e outra pralic;, de fcil alcan-
ce s pessoas que se quelram dedicar ao esludo da
escrituracao.
A respectiva assignatura acha-se aberta em to-
das as livrarias desta cidade, ao preco de 35000
por volume.
ROPA FEITA
NO
AIIAI1.11
tff

IMPERIAL IVSTITl 10
DE
NOSSA SENHORA DO ROM CONSELHO.
KI'A DA AIHORA \. 50.
Sob a direccaodc- abaixo assignado acha-se funecionando este Instituto desde o dia 7
de Janeiro prximo pausado, e nelle se ensinait todas as disciplinas preparatorias para a
matrcula do curso jurdico, desde primeiras Ultras.
Todas as cadeiras acham-se providas pelos melhores professores, cuja lista j foi
publicada neste Diario.
Recebem-se pensionistas, meio-pcnsionistis e externos, pagando na seguate pro-
porrao:
PENSIONISTAS.
Quartel de casa, mesa ( luz..................... 100,5000
MElO-PKNSn.NISTAS.
dem de mesa.............................. 433000
EXTERNOS.
dem de cada preparatorio......................... 203000
Os pensionistas c meio-pensionistas pagar.io os preparatorios que cstudarem razio
do 5^000 mensaes, bem como os externosd aula primaria.
Para mais esclarncimentos dirijam-se ao director, a qualquer hora, no Instituto, que
e franqueado visita das pas e correspondentes, bem como a todas as pessoas que nisso
tirerem interesse.
Recite, Io de fevereiro de 18G4.
Amonio Air.isTo FERnEinx Lima.
Maque sobre Portugal.
Oabaixo assignado, agente do banco
mercantil Portuense nesta cidade, saca ef-
fectvamente por todos os piquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
qualquer somma, i vista e a prazo, po-
dendo logo os saques a prazo serem des-
contados no mesmo banco, na razio de 4
por cento ao anno aos portadores que as-
sim Ihe convier : as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
^Wm !i TO&fet
4D*
-4
SgammjmmX'm
mmStWs OB9iB8ai _
g DENTISTA DE PARS
49Itua Nova-19
Frederico Gautier, rirurgi;o dentista,
i faz todas as operaedes de sua arti>i e col-
" loca denles artificiaes, tudo com snperio-
ridade e perfeicao, que as pes oas enten-
didas Ihe reconhecem.
Tem agua e pos dentificio.
aira idd ty'aiMiDU
I.ETHEIRO VEXt.DK.
Neste estabelecimento ha sempre um" sortimento completo de roupafau de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos cencor-
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande e vanado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras
homens e meninos.
Casacas de panno preto, 35 e 3050001 Ditos de setim preto
Sobrecasacas dem, W e. 25*000, Dtos de ditos
Paletos idem e de cores, 25(5,
dOOOi
3*500
3*500
20*, 15* e......10*00
Ditos de casemira, 20*. 15*,
B l**> m<>...... 7*000
Ditos de alpaca, 5*, 4*e .
M Mitos ditos pretos, 9*, 7*,
& W. i:> e......
Ditos de brim e ganga de co-
res, 4*500, 4*, 3*500 e. .
Ditos branco de linho, 6*, 5* e
Ditos de merino preto de cor-
dao, 10*, 7* e.....
Calcas de casemira preta, 12*,
10*, 8*e......
Ditas de cores, 9*, 8* e. .
(vmnasio provincial.
.\t o dia i.i de fevereiro eslari abortas as ma-
triculas das seguinlcs aulas do gynnasio provin-
cial sdatim, francez, nglez, greg, allemao, na-
thematicas, geographia e historia, eloquencia e g
potica, phiiosophiajinguac literatura nacional, & Ditas de meta casemira de C-
sciencias ualuraes e msica.
.Nesse estabelecimento, mediante a mdica
quantia de 15 diarios, tem os alun nos internos;
roupa lavada e engommada, medici), botica, luz,
penna, papel, tinta e criados para o servico.
Os meios-pensionistas pagam metide dessa quan-
tia, e os externos 154 por trimestre, podendo fi e-
quentar as aulas que quizerem. O secretario,
Cabral.
Alu(ram-se as lojas do sobrado n. ii em
a ra da Aurora: quem pnlende-las dir-
ja-se loja dos Srs. Hartos & Magalhacs,
na ra Nova, que acharao com quem tra-
______lar.____________________________
No escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedoi C, na ra da Cruz n. 1, orecisa-sc fal-
lar com o Sr. Luiz Soares Botelho, filho de Jos
Em quanto o Sr. Jos Joaquim Barbosa nao viej Soares Botelho e de Fortunata Candida de Souza,
011 mandar da villa do O' (para onde mudou-se oc- e neto de Francisco Manoel de Soma, natural da
>, cultamente) pagar -os alugueis de perto de dous ilhadc S. Miguel, o qual consta ter mido para es-
SS annos da casa em que morou, na ra dos Prazeres i ta cidade em 1856, para Ihe dar ncticias de sua
P ; da Boa-Vista, vera o seu nome neste jornal para uiai e irmaos que se acham no Bio d; Janeiro.
IQ melhor ser conhecido dos proprietarios. -----
res, 5*000 e.
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordao, 4*500 e. ,
Ditas de brim branco e de co-
res, 5*, 4*500, 4* e .
Ditas de ganga de cores, 3* e
Bj CoHetes de velludo preto e de
e seda branco,
G* e.......
Ditos de gorguro de seda
pretos e de cores, <>*, 5* e
CoHetes de fusto e brim bran-
co, 3*500, 3* e .' .
Seroulas de brim de nho,
2*480 e......2*000
iuw\ Dltas d,! ald5. 06OO e. .
nnn Camisas de peitos de linho,
4*000; uttye......
Ditas de madapolo, 2*500,
5*000 2*e. .......
Chapeos de massa, pretos fran-
7*000 cezes. 10*. 9* e. .
7*000 Ditos defltro, 5*, 4*, 3*500 e
Ditos de sol, de seda, 12*.
II*, 7* e......
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda.......
Sortimento completo de grava-
tas.
2*500 Toalhas parroslo, duzia, 11*,
4*000
4*000
2*500
1*400
2*500
1*600
8*500
2*000
t;*ooo
640
le........
cores, 9* e...... 7*000 Chapeos deso, de alpaca, pre-
Dttos de casemira preta, 5* e 4*000 tos e de cores. .
*
7*000
WK)
Lences de linho. .... 3*000
3*500 Cobertas de chita chineza.
;**:
2*000
Socledade de seguros muflios
de vida Installada pelo Banco
i 'nlo na cidade do Porto.
Os agentes nesta cidade e provincia Antonio
Luiz de Oliveira Azeveda & C escriptorio na ra
da Cruz do Becife i. 1, estilo autorisados desde j
', a tomar assi<;naturas e prestar lodos os esclarcci-
! mentos que forem necessarios, as pessoas que de-
sejarem concorrer para to til e benfica emprc-
Prof8*or de pa no.
Jos Coelho da Silva e Araujo. bi ni conhecido
nesta cidade, contina leccionar piano e msi-
ca vocal por commodo preco : quem de seus ser-
vicos precisar, dirija-se ra do Liviamento n. SI,
segundo andar.________________
Gelo,gelo, gelo,
Com a chegada da nova machina nao se expe-
do sobrado da ra do coes grandes ou encomniendas para ora da pro-
*!
m
*\%%\%\.
DE
DE
IV. *.",.
J. VIGNES.
ra do imperador
Os pjftMfedesJa aatiga fabrica s.o boje usas eon tecidos fiara que seja r
superktricUd'', va/tfagfins o garantas que effereeei 1 aos coupradana, qoi
que.tJiestem defiaiUvainente conquistado sobro todos os que tem tpptuv.
o un 1 iecldo. uaciimismo que obedecen) todas as voatades e caprichoa das pianistas, sem
nunca 'atoar, [wi s^remaJjiMdos de proposito, e te -se feito ltimamente melhoramentos miwrtan-
necessario insistir sobre a
, ilidades estas incontesta-
conquistado sobpj todos os que lem afpareddo nesta praca ; pos-
Aluga-se o 2" andar
Imperador n. 79, bastante fresco, e decente para
urna familia : a tratar com Antonio Jos Bodrigucs
de Souza,,na ra do Crespo n. lo.
Aluga-se um excellente annazem com um
grande lelheiro e urna excellente chamin, propro
para qnalauer estabelecimento dereDnacoou pa-
llara porier sido ha mais de 15 annos empregado
uestes negocios, na ra dos Guararapes n. 26 : c
os prctendentes podem entender-se com Antonio
Alves Barbosa.
VESTUARIOS PARA O
CARNAVAL
Alusam-se ricos dminos lardados de velludo
pelo baratissimo prego de 105 e 125 : na travessa
dos Kxpostos, sobrado n. l, primeiro andar, As-
sim como tem um grande sortimento de vestuarios
a carcter, e dminos em muito bom estado, que
se alugam pelo barato preco de 5 e 6& : as pessoas
que o anno passado alugaram na travessa das
Cruzes, venham nesta casa, que acharao mais ba-
rato do que em outra parte. ____________ Aluga-se o segundo andar c grande sotao do
Aluga-se o armazem n. 4 da ra do ApoIlTe predio da ra de Apollo n. 34, lendo no andar :t
oterceiroandardacasa n. 88 da ra da Impera- Jas, 5 quartose grandeeosinha.e o sotao ulas,
triz ; amada Aurora n. ;ti. quartos e cozinlia : a tratar na ra da Cadeia do
_ llecifg n. (ii, loja.
vincia dever haver aviso com antee dencia : ra
da Aurora junto a fundicao onde ten a bandeira.
Massa fallida de Amorim. Fra-
goso, Mantos fc C.
Aos senhores credores que ainda nao apresen-
taram seus ttulos roga-se queiram laze-lo no pra-
so de 8 dias, contados desta data, sem o que dei-
xarao de ser contemplados como Caen.___________
Antonio Jos Bodrigues de Sou -.a aluga a sua
casa e sitio do Monteiro, em frente ao oitao da
igreja de S. Pantaleao, com bastante:, commodos :
a tratar na thesouraria das loteras, ra do Cres-
po n. lo.
lleseja-se saber onde reside esta ci-
dade o Bvm. Francisco Baphael Fernn-
des, da villa do Prncipe, e ao mesmo se
pede que annuncie a sua morada.
fi
lissimos para o clima deste paiz ; ipianto s vozes sio
veis nos ouvij--: dos apreoiaderes.
corres
melodiosas e llautadas, e por sto muito agrada-
uelhores
por precos muito razoaveis.
EiiMiit.parlular. O ceinKerlo publico
L. i. H. Vianna tem abena aula particular de precisa de um jardine.ro : a entenderse com o
latim na casa n. 28, primeiro andar, ra da Ma- respectivo administrador.
tri.da Boa-Vista, i* 8 horas ta maehaa. ^M,y^*mySf ?s?as:*isr;vsr*s iseeMSi
A viuva do linado Jacinlbo Jos (>aelano con-
tiiis com o mesmo uegocia de coznha para as-
signaaites particular**, pr qual -' moradora na ra da Cadeia do Becife n.,
8, segando andar_________ 1
Brocisa-se de um sitor lata tomar ^-onta de
um tiiio, que eateoda de planta*;ao de hertalice,
mel5es,;c., tomar nonta e alguns pretos, e tra-
balhar eam elles : quem **st.ver nssas uncas, dtfia-se ra ImperijJ n. 22, ou ra do
Queiniaiki n 38, a fallar coa Mermenegildo Edtar-
do Reg Menteiro._______
Hontem'J do corrente iesajipareceu da rut
da Moeda a. 3.3, um menino par nome J^quim,
leudo urna Iietide em um dos albas : quem o achar
pode entregar ua casa cima, que muito se agra-
decen.
0
hachare!
Joo Francisco Teixeir >M
%
contina com o seu escriptorio de advo-
gacia na do Queimado o. 28, primeiro
andar, onde pode ser procurado das 9
horas da mauhaa s 3 da larde.
1
mmm
Precs-e de urna ama pira csunhar.e/eom-
Becfe u. 18, seguido
prar na ra da i>iea do
andar.
Aos senhores sacerdotes.
Precisase de um paire para coadjutor da ma-
tr'. da cidade do Aracatv, d-se boa vantagem, e
po.le fazer mais de 2:0005, o que *' melhor que o
ore enado de um juiz de dreito : os preteudeutes
dirijam-se ra da Cadeia do Becife n.S7.
ATTENCAO.
Jos Moreira da Silva vende o terreno sepa-
rado pela linha frrea, que licou alm do sitio da
ra Imperial, sendo o dito terreno murado pela
Custodio Jos Alves Guimaraes avisa ao respe-! frente do poente. com 730 palmos, tmdo alguns
'!!!.P-U.u^oc.aos..sf>ll.! rotTuezes, que embistas arvoredos e um excellente viveiro d(^ muita pro-
duccao. Outro terreno defronte da casa grande,
com'os fundos para o oeste, tendo alguma cantara.
CAMBRAIAS! CAMBRAIAS!
YRA IO Ql jEI?IADO"!99
Custodio, Carvalho & C.
Attfenco.
Cambraias brancas com grandes llores para vestido cada corte tem G l|2 varas c urna
vara de largo pelo barato preeo.de :t cada um corte, esta baiata fazenda pelo preco e qua-
lidade muito convm a urna casa de familia, pois se pode appliear a diversas obras.
Para acabar.
Organdys finos escocezes a 240 rs. o covado, nicamente para acabar.
Filo de linho.
Fil de linho liso fino a 300 rs. a vara.
COHPRl-SE
cobre, latoe chumbo : no armazem dabolaama-
rclla no oitao da secretaria de polica.
Compra se urna vacca tourina que seja boa
leiteira, e um ne-re idoso sem achaques, o que
saina tirar leite : a tratar na ra da Imperatriz n.
13, loja de ralbado.
Compram-se Diarios para gmbrullio a 34800
a arroba : junto ao quartel de polica, ra larga
do Bosario ns. 15, 17 c 19.
Com|.ra-se urna escrava que seja moca e que
saiba lavar e engommar com perfeicao :'na ra
larga do Bosario n. 34, botica.
Comora-se papel Diarios a 120 rs. a libra :
na ra da Senzalla Velha n. 48, deposito.
Compra-se na rita da Imperatrl] n.
28. -i balite de sola de 4 t|2 palmos.
Fugio do entrenho Guerra de Ipojuca um preto
de nome Jos Muniz, estatura baixa, pouca barba,
tem um p inchado; levou vestido cal^a de azulao,
camisa de algod-lo branco e enrollo em urna bata
encarnada, levou mais urna foice de tofar, e assim
foi visto no engenlio Agua-Fra de Ipojuca.
D-se a juros 800.8 com hvpotheca em casa :
na ra Imperial n. 80.
3 'S

o- a
a. u
- -1
" I g I O
a
5
-
o


s a
c o
0 =,
W _u m m
^ 3 -* *;
VENDAS.
tavel
de se achar seu estabelecimento em obras afim de
alargar mais o campo para o gallo de novo cantar,
afim de melhor |wder servir seus. bons fregueses,
com tudo em quanto durar as ditas obras conti-
nuar a servir seus freguezes no seu grande ar-
mazem com frente para a ra do Imperador com
entrada pela dita loja do gallo vigilante, ra do
Crespo 11. 7. _____________
Arrenda-se o eneenho. Itapessoca na fregue-
za de Tijncupapo, moente e corrente, com urna
grande praca de salinas, con tendo 360 marinhas, o
sal que fabrca-se nao inveja-sc ao do Ass, com
tornos de cal preta, tendo a pedra com a maior fa-
cilidadc; tem seis sitios de coqueiros todos de
fructo ; tambem se vende o referido engenho :
quem o pretender por qualquer das lrmas annun-
ciadas, pode-sc dirigir a ra da Gloria n. 70, que
achara com quem tratar.
Joo Marques Fernandes, subdito de S. M. F.,
va i Portugal.
Precisase alagar nina ama para cozinhar o
fazer o mais serricQ de casa de pequea familia :
ja aterrado ; tem perto desembarque, e faz quina na ra das Cruxes, em Santo Antonio, n. l, se-
para a nova ra, tendo de frente 8,871 palmos, gundo andar.______________________________
Vm terreno com aUeerees para duas casas, na ra Preeisa.se de ama criada para servir a duas
da Concordia, confronte as casas do Sr. Manoel senhoras eslran'eras : na ra de Apollo n. 19,
).endo o auai&o assigna lo de ir Kurou*
lratar.de sua. sau-ie, .pede a quem se juigar seu junto a porto _
redor, aoresentar suaeonta 110 largo do Carao, flrum, armazem n. 74.
esquina dt ra de Hojeas n. :!, segundo andar,
assim como |ede s pess^s qut tem penhores em
seu poder de os ir recnir 0 praso de 15 dias, da
contrario serio vendidos para seu pagamento, Be-
cife 4 de fevui/iro de 1864.
Narciso Jos da Costa Pereira.
Urna canda.
l'recisa-se comprar lima canoa de um s pao :
traia-se na ra da Cade a n. .'i7.
Aluga-se um bom sitio na Capunga, com boa
cas de vivenda com mu tos commodos u bastan-
1 tes arvoredos de boas fnieias, cacimba com bom-
ba, tanque para banho d'agua doce, a beira do no
do l>Mflm : a tratar na ra do
Precisare 4s um moco e lo 20 anuos pa
ra ser caixeiro para tora da cjdade : quem pro-
dtcner, dirija-se Irmandade doDiviw)Espri-
to-Santo erecta no conven-
to de Santo Antonio.
0 escrivao, por ordena da mesa regedra, .eonvida
a todos os irmaos para acompan'iarem a prpcjsso
de cinta, no dia 10 do correle, s 3 lioras da
tarde.
Becife, 7 de fevereiro de 1864.
0 escrivao,
Manoel Caldoso d* Souza.
RIiAdOT-
Pede-se a eerto senhor, morador naque|la ra, o
lavor nos declarar cora a sua assignatura por esta
folha, se anda est resolvido e munido de i'rovas
em qualquer "lugar qau nos seja preciso, apresen-
lar aquelle juiaraenio fjun nos consta ter dito por
certa pessoa, nossa amiga, que o mesmo senhor
dis ser o autor de eerto papel spparecido naquella
;nia em um das dias da semana linda.
Pede um amiga do culpado.
Pa ra da Cadeia da Recito n. 13, lerceiro an-
dar, pre*!ia-se de urna ama para cozinbar, prefe-
i>,s > ranJi/a
Precisa se de urna ama para urna casa de
pouca familia, para todo o servco de casa depor-
tas dentro, do cozinhar e eii|;'ommar : na ra
-Nova n. 49, junto a igreja da Cunceico, se dir
quem precisa.
Xa ma do Viga rio n.
J. Ramos c Silva Genros,
10, escriptorio de M-
. deseja-se fallar cor
os herdeiros do fallecido Amonio Felippe Dormont
Pessoa, que residem na ilha de Itamarac, a nego-
cio de seus interesses. .
.. A pessoa a quem tor offerecido o 1" tomo do
Girondinos, vertido em portuguez, o roubado ha
poucos momentos ao seu legitimo dono, cuje nome
tica nesta typographia, pde-o comprar, cert-o de
que ser Indemnisado. Nesta mesma typographia
encontrar com quem entender-se.
Autunio de Jess : a tratar na rua estrella do Ho-
sario com o mesmo Mnteira, em seu armazem.
- Precisa-se fallar com o Sr. Joan Marques
Hacalho Jniora negocio de seu inleesse, 11a rua
da Cruz n. I, escriptorio de Antonio Luiz de Oli-j
veira Azevedo & C. _________|
O abaixo assignado, como proi orador bas-
tante de Joaquim Francisco do CspiriO Santo, de-'
clara que o hiate Camaragibe est hypjlhecado ao'
seu constituinte, e quo a venda voluntaria que o
proprietario pretende delle fazer em loilao, tem de
passar a propriedade do mesmo ao comprador com
lodos os seus onus como de le; faj.-se esta ob-
servancia a quem o queira arrematar, para que
nao -, chame a ignorancia. Recito 6 le fevereiro
de 1864.
Manoel Jos Goncalves Braga.
primeiro andar.
Vendein-se caisies asios a
lffUOO: nesla i\ pographia.
_ Vende-se urna armaco sita na rua do Ara-
g.o n. 32, muito boa para" principiante : quem a
pretender dirija-se rua da Madre de Dos n. I,
que achara cora quem tratar, faz-se todo negocio.
casa terrea na
com grandes
cjm bastantes
quem preten-
Ven le-se urna grande
estrada de Joao de Barros,
comnvulos. grande quintal
frocteiras que dao Bracios
Precisase de olliciaes de sapateiro para .1.,.. diia-M 1 mc.-hai-i mm
obras de senhera : no largo da ribeira de S. Jos Ut ,"J' "C a. >ma f sa.,lue rt "
omero 15. quem tratar, deironte do sitio do Sr. Dou-
rado.
Oabaixo assignadojulga nada dever a pes-
soa alguma, mas se por acaso alguem se julgar I-------------------------------------------------------------
seu credor ainda mesmo por qualquer titulo que ~ >l0 aamaaem do agente Euzebio, rua da Ca-
seja, haja de apresentar-se na rua do Queimado 2?*_"li~' eVst,;m.Para.VCDder"?e ^divei-sas obras
n. 41, ipie sendo legal, ser incontinente pago.
Recito 6 de fevereiro de 1864.
____ Jos Joaquim de Pinito Mendonca.
No largo do Corpo Santo n. 6,
dar, precisa-se de um cozinheiro ptimo*
de mnreneiria, novas, bom acabadas e de bom.
gosto, sendo de Jacaranda, um rico santuario, pia-
j no nglez, mobilia completa, cabido e par de con-
I solos de ama relio, dous guarda-vestidos, o melhor
' ] que possivel achar-se, secretaria, mesas para
advogado, ditas elsticas para 20 pessoas, lavato-
todo o servico rio, aparadores, sofas, cadeiras, um guarda-livro,
ou pequeo guarda-Napa com vidro na frente.
- D-se comida para tora por prego muito di- rua do ,mporador n. 7, para a Illes
uto : na rua D.re.ta n. 71._______________- l(rjmtiro a'ndar e Cc||1|i|,,ua ^^
Precisa-se de una ama para
de una casa : na rua da Concordia n. 6o.
- O bacharel Thoin Fernandes Madeira de | ^S^^J.JS^S^h.^ mogao com *"**
Castro mudou o seu
escriptorio de advogacia
esma rua n. 77,
at no adminis-
D-se 3*j$000 mensaes peto alu^uel de urna irativo, commercio, civel, crime e ecclesiastico.
ja de pedra, obra bem entalhada.
re'Sfcapva.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da
Cairboa do Carmo n. 8 : a Iratr na loja de Bas-
tos & Xagalhac*.
Precisa-se de una ama para cozinhar : na rua
largtdo Rosario ii. 12, segundo andar._______
Aluga-se una casa terrea, rua do Ouro n.
22; i tratar com o solicitador Manoel Luiz da
'eigi, ouconi Francisco Jos Leile na rua do Im-
perador.
Na fu do Crespo n. I, 8e aluga ama boa
asa e sitio no Monteiro, com frente para o ojlao
da igreja.. assim como o segundo andar do s.^brajo
u- rt da ra do Impprador.
"1^lug.1,I2"seduas bos casas na rua Imperial
ns. ion J02 com commodos paia grande familia,
e muilo pronrias para rmaseos de sal por ter p-
timo desembarque no fundo, tendo urna dellas
grande quintal com telheiro propro para fabrica
de vi las ou de qualquer especie, l'ma casa na
raa co Cotovello n. 32, com bons commodos e ul-
tinia'nenti) pintada e caiada : a tratar na nadara
da na Direita n. 84. ________
Precisa-se de urna ama para cozinhar em
casa 3o pouca familia : na rua da Roda, sobrado
de nm andar eom venesianas por cima da taberna
na esquina.
- Precisa-se de urna ama para casa /gm| la na rua Direita n. 62.'
O Dr, Jeronymo Vilella de Castro Tavares
contina a advogar no crme e eivel, commercial
e ecclesiastico, em seu escriptorio na rua do Cres-
po, sobrado de um so andar n. 1, defronte da li-
viana econmica do Sr. Nogueira. Pode ser pro-
curado al 3 horas da larde.
Precisa-se alugar urna escrava que saiba en-
gommar e cozinhar solfrivelmenle, que notenna
vicios nem molestias, ou faz-se h>|iotheca em al-
guma que tenha as qualidades cima : a tratar em
Olinda, na padaria do Varadouro se dir quem faz
esse negocio.
Advocada.
O bacharel Joo Goncalves da Silva
Mutarrovos tem escriptorio na rua es-
tregado Rosario n. 17, onde pode ser
proc.mv do das 9 horas da manhaa s 3
da tarde Jns dias otis.
preta que saiba cozinhar e engommar, e de um
moleque de 15 16 annos, que saiba fazer com-
pras e o servico interno de urna casa de familia :
na rua larga d'o Rosario n. 2rt, scgundi andar.
Acha-ie ainda em branco o assento do bap-
tisado de urna lilha do Sr. Francisco Ferreira da
Rocha Leal por falta do nome de sua sen hora, que
na oceasao nao souberam dar.O vig irlo, ,
V. H. de Rezinde.
Aluga-se urna casa
36 : a tratar com a viuva
vramento n. 28, sobrado.
Vende-se una bonita mulatinha de 12 para
19 annos. sem achaques e com todas as habilidades
proprias da idade.
terrea na rua Nova n I
lainha. na rua do Li-
AVISO.
facintlio Moars de Menezes
faz sciente a quem possa interessar que se despe-
dio da casa dos Srs. Vaz & Leal, desde o dia 6 do
corrente mez de fevereiro de 1864.
rozlnhelro.
Aluga-se um bom cozinheiro : trata-sc na rua
dos Quarteis n. 10.
*
- Na praca da Independencia ns. 14 e 16 ha
para alugar-*e um mualo de 20 annos de idade,
propro para qualquer ser rico.
Precisa-sc de dous caixeiros de 12 14 ai,.js de
idade, com pralica de taberna ou sem ella : iraia.-
se na rua Nova n. 61.________________________
Aluga-sc o armazem do sobrado da rua da
Praia n. El: trata-se no Campo Yf-rde, rua do
Destino n. 20, sobrado do Dr. Miranda.
I
0 abaixo assignado precisa fallar .1) Sr. Jorge '
Seocovich, subdito austraco, a negocir de grande
urgencia : na rua da Cruz, casa dos Srs. Bieber
& C. n. 4._______________Thomaz Ba-sich. |
A mesa regedra da irmandade do Senhor 1
Bem Jess dos Passos da freguezia d<; S. Pedro
Goncalves do Recife, em virtudc do convite oa
mesa regedra da veneravel ordem teneira de S.
Francisco, convida a todos os irmaos pr ra compa-
recerem no dia 10 do corrente, pelas i horas da
COMPRAS.
Compra-se urna preta, moca, que sai-
ha bem engommar : na estrada do Man-
guinho casa n. 21, antes dechegar a ponte.
Vende-se
No caes d'Apollo n.
urna escrava moca que seja
56, compra-se
de boa conduc-
tarde, na igreja do Corpo Santo, afim de acompa- 6 saiba vestir e pontear meninos, paga-
nhar a procissaode cinza.O escrivao,
___________________Jos da Cunha._________
Jos da Silva Aroso, subdito porluguez reti-
ra-se para a Europa.
se bem agradando.
Compram-se tres venezianas iguaes em fei-
tio, com algum uso : na rua do Imperador n. 20.
Compra-se effectivamente ouro e prata em
obras velhas : na praca da Independencia n. 22
loa de bilhetes.
Aos senliores de engenho.
Offerece-so urna pessoa para leccionar em qual-
quer engenho primeiras letras, gramm; tica portu. Compra-se urna escrava que saiba bem coser
gueza e arithmetica : quem pretender, dirija-se e engommar : a tratar na rua da Imperatriz nu-
rua Augusta n. 63, das 6 as 9 horas de dia, c das mero 20.
4 em diante, que se dir quem .
tiCOI s.
aeaeeSes da caixa filia!
Adverte-se ao Sr. agente de leiloc;, Euzebio,
encarregado do leilo do hiate C lor do annunco 110 Diario de PenumLuco n. *, Brasil:. na rua da Cruz n, 23, primeiro andar, es-
datado de hoje 0 de fevereiro, que sem despacho cr'Ptono-__________________________________
do lllm. Sr. nr. juiz de direito do commercio, nao Compra-se a Coluimicida poema ht'ioi-
nov'3 fazer o leilao annunciado, ponjut o mesmo .,imwn imnivsso nesli cidide de 182A a
hiat^ja arrestado por mandado do mismo lllm. i-ow'mitn mpit.vso nesta cia.iue ac ronra
Sr. Dr.jui de dreito do commercio. ; esta ad- I83' "* arara da praca da Independen-
verienna faz -JL'm amigo do Sr wWv, fia n. 6 e 8.
um sof, una mesa redonda de meio de sala, um
par de canslos, tudo de madeira de amarello, em
bom uso, por preco o mais commodo possivel :
quem pretender dirjase ao largo da Peona n. 14,
que achara cim quem tratar.
Vende-se um escravo da Costa, de 38 40
annos, sem defeito nem achaque, bom canoeiro e
pescador, perito vendedor de leite, por dar sempre
boas contas e ser de muta vergonha, muito habi-
litado ao servico de campo, e ao comprador se di-
r o motivo por que se vende : a tratar na cidade
de Olinda com o deao Dr. Joaquim Francisco de
Fara, rua do Amparo n. 40. .
Para o carnaval.
\a loja e armazem da arara rua da
Pmper li-iz 11. 56.
Vende-se lil de linho branco c de cores para
vestuarios |or ser bonitas cores a 160 rs. o cova-
do, tarlalana de cores a 500 rs. a vara, sargelra
de cores bonitis a 28"0 rs. o covado, ganga encar-
nada a 320 rs. o covado, tlela de cores a 320 rs. o
covado, manguitos rom patos e fitas de cores a
300 rs., camisinhas para senhora a 23. manguitos
e gollas bordadas a grox a 15. ditos de fil a
15200, velhut as de cores o preta baratas: rua
da Imperairiz n. 36, na lujada arara.
\ 111I111 puro de Lisboa
a 33 a caada, e 400 rs. a garrafa, queijos frescos
a 2, manteig.i ingleza flor a 720, franreza a 340,
caf a 200, chi uxim a 25600 e 25400, preto a
15600, esperm cete a 340, do Aracaty a 320, tou-
cinho novo a 280, chourica a 640, arroz a 100 rs.,
alpista a 140 rs., azeite doce a 640 a garrafa, vi-
nagre de Lisboa a 200 rs., cavallinhas a 60 rs.,
sabio massa a 200 e 240 rs., gomma a 80 rs., fa-
rdo e milhoa 35300 o sacco, em cuia a 160 rs. ;
no armazem di estrella, largo do Parazo n. 14.


Diario de Pcruanibuco -Segunda (eir 8 de Veverclrc de lSu I.
CIMV1IE BEVOIiU^O
NO
ARMAZE
no
0 homem do movimouto nao estaciona.
AVANTE E SEMFRE
GUERRA AOS INIMIGOS
Xo se admiti a uiiiaii rom ni ere i al.
Nao sequer a (liaba da a lianca.
Nao se teme a furia dos corsarios.
liste auno ha de ser Mssexto.
Os eanhdes est preparados.
FOGO! BOM FOGO!! ~ MELHOR FOGO!!!
AImxo a liga d'agna no vinagre
Viva a liga do gcnniui Chores com o hambre!
Viva o conservador las conservas inglezas!!
Vivan os liberaes freguez<;s do BALIZA!!!
Yivam todos que lerem esle annuncio.
m
SENHORES E SENIIOHAS.
45
CALCADO.
Ra Diroita
45
Aproveitem ciu quanto lempo ?
Borzeguins franeezes de lustre pa-
ra homem................. 5)5000,
Borzegoina franeezes de cores pa-
ra meninas................ 25000
Borzeguins franeezes pretos para
meninas.................. 2,5500
SapatosHe lustre para senhora.. 1 (OiO
Sapatos de lustre s avessas..... 500
DNIAO
MEROANTI
lllli HA < AHKIA HO ItliM TFK 3. 53.
NOVO E
RAMDB AKMASSM DE UOUSUk

s
nmeros
do Baliza establecido raa do LivraTftealo ns.
ile reduzir os presos de quasi twdos os
de diversos tamanUos a l,2oo, 1,600,
2,ooo, 2,5oo e2,8oo rs. e a libra a 800 rs.
Amendoas novas a 32o rs. a libra.
Azeite doce refinado a 800 rs. a garrafa.
dem de Lisboa a 64o rs. a garrafa e 4,8oo
rs. a caada.
Alpiste a 16o rs. a libra, e4,8oo rs. a arroba.
Arroz do Maraaho, da lodia, e Java a 8c e
loo rs. a libra.
Aletria branca e amarella a 4oo rs. a libra.
A.-aruta verdadeira a 32o rs. a libra.
Batatas novas em gigos de 36 a 4o libras por
i.ooo rs. e a 4o rs. a libra.
Biseoitos inglezes Lunch a I800 rs. a lata de
5 libras.
dem de diversas marcas em latas menores
a l,3oo rs.
dem de.Lisboa de qnalidade especial em la-
tas cndese pequeas a 3,000 e l,5oo rs.
olathinhas americanas, a 3,ooo rs. a barrica
i 2<>o rs. a libia.
Banlia de porco a 44o rs. a libra, e em barril
a 4oo rs.
Baldes americanos muito proprios para com-
pras a l.ooo rs.
O proprietario do grande Armazem
38 e 38 A, defronte da grade da igreja, acaba
gneros do seu magnifico deposito.
A tarifa abaixo publicada atiesta beta esta verdadej
A guerra aos inimigos, est portanto, assim declarada.
As pessoas, anda as mais exigentes, que so dignarem vir este eslabeleciaienlo,
carao por certa muito satisfeilas, nao s quanu as qualidades dos gneros, como com o
tratamento todo altencioso que se Ibes dar.
Alm do cumprimertodos deveres da boa educaeio. haver d/oracm diante aindaSTe ZffiJS^VmL* ** **"
inaior cap* ichoemsaUsfazer todos que honrarem esta casa. !Caas Com to anwlopes muito superwres 1
Os gneros pelas qualidades e precos annunciados, serao olTereoklos ao exame s* rs-
dos Srs. compradores. Nao receieo publico que se prauque o contrario, como em jiras Ca^fnos de P3!** "" "s, graade e <>eqeno, a
casas, que al atinunciam o que nao lera.... O Bat* 5o Ilude.... S!tl,^s portUueBe6 cora caluogas de todas ag
Ameixas franeezas em caixinhas eem frascos Licores ingtezes e franrezesem varos de ^ gSSSSSmSwm a too re
\ersos tamauhos a l.ooo, l,5oo ei^o Carlas e tabo'adas para meninos a i rs.
rs. a duzia.
Mantciga ingiera flora 800rs. a libra e de s ,
I bras para ma ser aberto umbarril S&tlirJSSS7LSS!t!i "'
r resenea do comprador, carias de alflaetea rance** nos a 40 re.
Ide n de .* e 3/ qnalidade a 7oo, 600 4 rs. a libra. i a 500 r,
"r2? a 56 r6- 'Ln' e Cm b3ff" ttBS!SSnSi S r,
dem em latas a 2,5000 e a 15500 a lala.
Mas de tomate em barril a 480 rs. a libra.
Ider.1eml.-1ta a 640 rs. a lata.
Moslarda ingle/a 400 e 600 ris o pote.
Marmelada imperial dos meihores fabrican-
tes de Lisboa a 600 rs. a libra.
Manasquino de zara a 800 rs. o frasco e a
8> a duzia.
Massas para sopa, talliarim e maearro a
480 rs. a libra.
dem finas, eslrclinha e pevide, eaixinha
com 8 libias a 15600.
Nozes a 16o rs. a libra.
Peixe preparado de escabeche, da melhor
qnalidade que tem vindo ao mercado, a
I:'. a lala.
Presunto de latnego muito superior a 480
Coi huxym, liysson e perola a 3,000, 2,8oo,' rs. a libra.
2,5oo, 2,ooo e l,6oo rs. I dem para fiambre (inglez) a 640
dem preto a 2,ooo, l,6oo e l.ooo rs. alibra. 'ib"a.
dem unericano
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e Sardinhas deNantesa 350 rs. oquartoe 660
15200 a caada. rs. meia lata.
Azeite doce refinado em garrafas brancas a Latas com peixe eni posta: save!, corvina,
vezugo. cherne, linguado, lagostinha, a
qtwlidade, obegados neste ultimo vapor, a
- 720 rs. a lif*ra.
Queijos flamengos chegados neste ultimo
vapor a 2(5600.
Queijo prato muito fresco e novo a 640 rs.
a libra.
Castanhas muito novas a 120 rs. a libra e
e 3<5O0O a arroba.
Cha uxin o melhor que ha neste genero,
mandado vir de costa propiia a 2800
rs. a libra.
Cha byson muito superior a 2&60 rs. a li-
bra ; cha iiyson proprio par "negocio a
1,5500 i-s. a libra.
Cha preto muito superior a 25 a libra.
Biscoutos inglezes em Utas com differenles
qualidades, como sejam crakrid, victoria,
piquelez, soda, captain, seed, bornez e
outras muitas marcas a 15350.
Bolachinha de soda em latas gn.ndes a 2/1.
Figos em caixinhas hermticamente lacra-
das, muito proprias para mimo a 15500.
Caixinhas do 4 e 8 libras de figos de coma-
dre a l5e 2,5 cada urna.
Passas muito novas, ciiegadas neste ultimo
vapora 500 rs. a libra e 35 um quarto ;
e em caixa se faz abalimento.
Ameixas franeezas em latas de meia a 3 li-
bras a 800 rs.
640 rs. a garrafa e
500 rs. o frasco e
I53O0 rs.
Salmiio em latas, preparado pela nova arte
de cozinha, a 800 rs.
Mar de tomates em latas de i libra a 60(;
ris.
Chourirase paiosem latas de 8 c meia libra
. por 7,1
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra e
8,5000 a arroba.
ingiera a 320 rs a libra e 45 a
RA DA i AIIEI V UO UJKC1FK X. 53.
Francisco Fernandes Duarte acaba de abrir na ra da Cadea do Hecifen. 5:j, um grande e sortido armazem de molhado de-
nominado L'uto Mcrcanltl. >este grande armazem encontrar semprc o respeilavel publico um completo sortimento dos meliore*-
generos que vem ao mercado, tanto esirangeiios, como nacionaes, os quaes serao vendidos em porgues ou a retadlo por pregos asss
j em barril se far abalimento.
(Manteiga franceza a mais superior do mer- 800 rs.
cado a 560 rs. a libia, e 520 rs. em barril Azeite doce de Lisboa a
ou meio. 45800 a caada.
Preztmtos imjleces para fiamire, de superior Genebra de Hollanda a
55800 a frasqueira.
Caixinhas com ameixas franeezas, ornadas
com ricas estampas na caixa exterior,
muilopropriasparamimo.a 1520", 15500
e25.
Frasco de vidro com lampa do mesmo, con*
tendo meia libra de ameixas franeezas, a Bolaxinhi
15200. | barrica.
Marmelada imperial, dos meihores conser- Sa8" .muil novo a 2*0 rs. a libra.
veiros de Lisboa, em latas de 1 e meia a Cevadinhi de Franga a 200 rs. a libra.
2 libras a 600 rs a libra. Farinha do Maranh5o a 120 rs. a libra.
: Fructas em calda das meihores qualidades Araruta verdadeira a 320 rs. a libra.
que ha em Portugal em latas hermtica- levada a 120 rs. a libra e 25 a arroba.
mente lacradas a 500 rs. Alpistaa f60 rs. a libra e 45800 a arroba
Peras seccas muito novas a 040 rs. a libra. Batatas muito novas em gigos com 40 libras
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Amendoas de casca mohe a 400 rs. a
Avelas muito novas a 200 rs a libra.
Amendoas confeiladas de diversas c6resa!Caf,avado (le primeira qualidade a 300 rs.
800 rs. a libra. j a libra e 95 a arroba.
Macas e peras chegadas nesle ultimo vapor, Caf do Cear muito superior a 280 rs. a li-
muito perfeitas, s vista se faz o prego., Dra e 85400 a arroba.
Conservas ingieras em frascos grandes a 7S'Caf do R0' proprio para negocio, a 85.
Arroz do Maranhoa 100 rs. a libra e 25800
a arroba.
1 libra a 040 .*""
Kivilhas seccas muito novas a 160 rs. a
libra.
Chocolate francez, o que ha de melhor neste
genero, a 15200 a libra.
Rita do (Inclinado
41 e ..
est disposio
abaixo
anno.
Cairas de obreiasde cola muito finas a W rs.
Varas de franja de laa de todas as cores a 40 rs.
nilas de (ranea de lia de todas as cotvs a 20 rs.
Ditas de tranceln branco muito superior a 20 rs.
Trancas de algodo brancas* de cores a 80 rs.
Duzias de meias para senhora molo superiores a
(JroMS de penide ac -mito finas a SOO rs.
Cantales de duas c tres foihas a SOrs.
Hilos de urna folka a 0 rs.
Caixas para rap, norte barrita* de caueas, a
100 rs.
Capachos- redondos e cempridosa. 300 rs.
Caixas com uiuo superiores obreias a 40 rs.
; Varas de franjas braacas 4e cores, largas, a
i WO rs.
Paros de hotes para panhomuflo bonhosa 120 m.
t Carreleis 100 rs.
Cauris de tiha Pedro V com 200 jardas a 60 rs.
Ditos de linha de ."iO jardas a a rs.
utia de meias brancas para hwmem a 1S600.
Caixas com soldados de chumbo a 120 ra.
Tiateiros de vklro <-o\ superior tinU a 1*0 rs.
Ditos de barra a tOO rs.
Crozas de botos oe toura pran'ados a 109 rs.
Tesouras muilo finas para costura a 390 rs.
Hitas ditas maiores meihores a 400 rs.
i Ecovas para iiia|ar derUes muito finas a 200 rs
Drtas para unhas a 080 rs.
Lita de todas as eores para bordar a 75 a M>ra.
Caixas com piosphoros de seguranca a 160 rs.
por 15 e a 40 re. a libra.
ibra. Cebollas a 15 o mollio com mais de 100 ca-
i da um.
' Caixas com superiores iseas para charuto a 40 rs. V, .
l'.arret's de linha de eores com 200 jardas a0 rs. Cnampagne da marca mais superior que
tem vindo ao nosso mercado a 185 o gigo,
garanle-se a superior qualidade.
Vinho Bordeaux das meihores i|ualidades
que se pode desejar de 75500 ;i 85000 a
caixa e 720 a 800 rs. a garrafa.
Caixas com vinho do Porto superior de 95
a 10* a duzia, e 900 a 15 a garnfa; deste
genero ha grande porgaoe de differenles
marcas acreditadas que j se 'enderam
por 149 e 155 a caixa, como sejain: Duque
do Porto, Lagrimas do Douro, D. Luiz,
Cames, Madeira secco, Carcavellos, Nc-
tar de 1833, Duque.Genuino.
Vinho de pipa: Porto, Figueira e Jsboa, a
res a
Chanpagne a melhor do mercado a 12,oooo
gigo e a l,2oo rs. a garrafa.
Chocolat! francez primeira qualidade a I,loo
rs. a libra,
dem hespanhol a l,2oo rs. a libra,
dem suisso a l.ooo rs. a libra.
Cerveja branca marca Allsopps a 4,5oo rs. a
duzia, e a loo rs. a garrafa.
Cognac inglez a 04o rs. a garrafa a 8oo e a
l.ooo rs.
Conccrva ingieras em frascos grandes a 75o
rs. o frasco.
dem franeezas de muitas qualidades a 500
rs. o fraseo e a 5,5oo rs. a duzia.
Charuios nest genero temos grande sorti-
mento tanto da Babia como do Rio de Ja-
neiioa l,6oo, 2,2oo, 2,5oo, 3,ooo e4,ooo
rs. a caixa.
Caf do Cear muito superior a 28o rs. a libra
e a 8,ooo rs. a arroba.
dem do Rio a 3oo c 28o rs. a libra.
Celwlas a 9oo rs. o molho com mais de loo
ceblas.
Chouricas e paios a 72o rs. a libra.
Cevadinha de Franga a 2oo rs. a libra.
Cevada muito nova a 8o rs. a libra.
Copos lapidados a 5 e 6,ooo rs. a duzia.
Doce de goiaba em latas a 4oo rs. a libra.
dem de caj em latas a 320 rs. a libra.
Ervilhas franeezas e portuguezas a 5oo e 64o
rs. a lata.
dem seccas a i 6o rs. a libra.
Figot de comadre em caixinhas com 8 libras
por 16oo rs.
Farinha do Maranhlo a 12o rs. a libra.
Farinha de trigo muito superior a 12o rs. a
libra.
Farelo em saceos grandes a 4,ooo rs. o sacco
Genebra ingiera marca gato a 1 ,ooo rs. a gar-
rafa.
dem verdadeira de Hollanda em frascos muito
grandes a l,2oo rs. o frasco.
dem de Hollanda em frascos pequeos a 5oo
rs. o frasco,
dem de laranja a l.ooo o frasco.
Gomma do Aracaty a 8o rs. a libra.
Graxa a loo rs. a lata e i,loo a duzia.
Linguas americanas de grande tamanho a
l.ooo cada ama.
Os Casos
OS MUS AKGRAVAMKS
i:
D'mua prf.iua/ durafao
ESCRFULAS,
OU ERUPCDES ESCROFULOSAS,
Ulcem de lodit i especie,
SVI'HILIS.MU MAL VENREO,
Arroz de Java a 80 rs. a libra c 28400 a
arroba.
Vellas de spermaceti a 560 rs. a libra e
540 rs. se for em caixa.
Vellas de carnauba refinada a 320 rs. c mas-
so e a 9 a arroba.
Doce de goiaba a 610 rs. o caixo.
Maearro, Ulharim e aletria a 480 rs. a li-
bra ; em caixa se faz abalimento.
Eslrellinha.pevide earroz demassa para sopa
a 400 rs. a libra e 25 a caixa com 6 libras.
Palitos de denle lixados com flor a OOYs
Licores francezes das seguintes qualidades: S'cm 20 mtiZs ** '" m"*
^nStr^t&rc^l^gS,G^
Chocolate hespanhol a 15200 alibra.
Genebra de laranja em frascos grandes a 19.
Cerveja branca e preta das meihores marcas
que ha no mercado a 500 rs. a garrafa e
5*800 a duzia.
Cognac inglez de superior qualidade a 800
e 15200 a garrafa.
e 105 a caixa.
Marrasquino Je Zara a 800 rs. a garrafa e
95 a duzia.
400,480 560 rs. a garrafa, e 3J, 35200 Mostarda ingleza em potes i preparada a
e 35500 a caada. | 400 rs.
libra.
Banha de porco refinada a 480 rs a libra e
400 rs. em barril pequeo.
Charutos dos meihores fabricantes de S. F-
lix, em caixas inteiras ou em meias, de
15600, 2,H e 35.
T-i^xrEEft i'S, "wattcm p-em *-", ~ tas*?- w*
a 400 rs. a libra.
Papel almaco a 35000 a resma,
dem le peso a 25 a resma. '
Palito.'! para (lentes a 160 rs. o ma^o. .
Dito dito de fior a 200 rs.
Ditos lo gaz a 25200 a groza.
Passas novas a 480 rs. a libra e a i 5800 a
cai.va.
Queijcs flamengos do ultimo vapora 25500.
Dito londiino a 900 rs. a libra.
Dito prato a 640 re. a libra.
Sardinhas de Nantes a 320 rs. a lata. ',
Dita do Lisboa a 640 rs. em lata grande.
I Sag muito superior a 240 rs. a libra.
[Sal refinado, em potes de vidro, a 600 rs.
o pote.
Sabao massa a 120, 160, 200 e240rs. a'
libn.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Dito d( Santos e 300 rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 140 rs. cada um.
Vassouras americanas a 64o rs, cada una,
dem do Porto a 400 rs, cada urna.
Velas le carnauba e composico a 320 rs. a
libra e a 105 a arroba,
dem stearinas superiores a 560 rs. o'
maco, e em caixa por menos.
Vinho do Porto,'neste geneno temos o me-!
lhor sortimento possivel, que vendemos
por precos muito haixos a 15 a garrafa e
a 10/ e 125 a duzia.
dem Cherry, e da Madeira em barris e cm
caixa, a 125 a caixae o barril conforme o
lamadlo
dem de Figueira e Lisboa, em ancoras de
8 a 9 caadas, por 285000.
Dito em pipa a 35000, 35500 e45ooo a ca-
ada
dem do Porto, denomiuado Baliza, a 55 a
caada,
dem idem em garraoes a 25300, com o
garramo.
dem de Bordeaux, das meihores marcas que'
vem ao mercado, a 65 a caixa e a 640 rs.
a garrafa.
Vinagre Je Lisboa a 15600,158oo e 25000 a
caada.
Idtm idem.em garrames com o garrafas, por
15 com o garrafao.
Vinho de caj a 15 a garrafa. Esle vinho
tem dez annos.
TUMORES,
HIiilli-o<'.
BERTOEJAS,
OPHTHALMIA,
Hydi-iijiisia,
Empigons,.
RESPES,
iarlros,
LKVSim.lS
ESCORBUTO,
Tiulia.
CHAGAS ANTIGS,
Rheitmatsmo Chronico,
mmmm geral,
Ncrvoijidadc, Ncvnilias.
P1LT1 BB APETITE. Fffll,
SUPPRESSAO DAS REGRAS, ou.
AMENORRHEA,
j engarrafado a 640 rs. agarrafa e a 500
rs. de barril.
a 15 cada um.
Sal refinado a 500
rs. o pote.
&
de casa particular, a 400 rs. a libra*; intei-
ro se faz abatimiento.
Osscnhores que comprarem de 1O05OOO para cima, terSo o descont de 5 por cenlo, pelo prornpto pagamento.
L \\
COMMERCIAL
BA O }1JEOIAIIO M. 45,
Passiindo o becco da Goiigir.icao sogunda casa.
NOriDABE.
Pereira Rocha & C. acabam de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de moldados denominado Claiim Conmerc
de o respeilavel publico encontrara sempre um completo sortimento dos meihores gneros que \em ao nosso mercado osauaoB
rao vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencionada ; garaote-se o'bom oeso
joa qualidade dos gneros comprados neste armazem. v
paios muito novos a 800 rs. a
Barricas de breu com 8 arrobas, de superior
qualidade : ni roa da Cadea do Recite n. 56 A,
oja Ide ferr.igens de Rastiis|
Vendc-so o entrenho S. Manoel, sito na fre-
guezia do R>o Formo, e margem do ro Seri-
nhaem.o qual demarca com os engenhos Cachoei-
ra, Changoa e Gamellera, me com at-ua e muito
copeuo, tem capacidade para safrejar 2,500 pies
annaies, e se acha quasi todo em mata vrgem,
distar do do embarque l|2 legoa: qnem pretender,
dirija se a ra do vi-
quem tratar.
-:#
! o
o
%
0
^
B
80
O
p-
igarion. 3, que achara com
Cal de Usboa
chegada ltimamente ; na ra do Vigario n. 19,
primeiro andar__________________
I.uva* de pellica.
Chegaram para a loja d'agua branca, ra do
Queimado n. 8.
p.. SS
o p .79
te1 i B s
B a. ct>
0 g p-(V
o p
CO rXi ^
OC) S5 p
p-
o


p-
0?
&
o
0
P-
P
0
1'.
o.
p
J
O
Repicao das Irinas,
EMACIAgAO,
Ou mnmgn cmmto geral n'nniedoexliuln vicite do xtuiyue,
INFlAMMACuES CRRONICAS,
Affec9es Chronicas do Figado,
\- 'M COMO IOOJA8 As MAIS MMIUIAMKS MO-
ikstias, im(IN''ii'Ai.mi:nii; QJDAKDO sao
CAUSADAS, l.l i-koim zm\s l'KLO Mil
i.ivhk i -(i DO Mi.iici ido OC
Quimro,
A.Klm romo Inmbnn pela rrcjnrulr um .lo AII.
8BNIOO < milniK |in.|iiiru,'i-. MiMWpaBl
Toda estas Enfermidades prompta e efBcat
mente cedem A benfica, poderosa e
purificantes qualidades da muf
justamente afamada
MI-SlPIRjllJH (IR RKHL
A venda as botfcas de Caors Barboza,
ra da Cruz, e Jo3o da C. Bravo 4 C, ra
da Madre deJDeos.
masqu
Na roa do Queimado n. Si, loja em frente do
Livramento, vende-sil um lindo vestuario de ser-
j (anejo por preco comimodo, proprio para o diver-
limento do CarnavaL
O
t>
0
Su
P
Vende-se urna
eos fundos, sita na n
da Roa-Vista.
pequea taberna e com pou-
a da Soledade n. 8, freguezia
Palitvs de dtutes,
Vende-se na ra
140 rs. o maco, c de
lidiados e muito Ixins.
da.Cadeia do Recfe n. 25 a
10 para cima a ISO rs., sendo
onde
ser
e boa qualidade dos gneros comprad
Arroz do Maranhao, da India e Java ; 80 e
100 rs. a libra e 2*100 a 25800 rs. a ar-
roba.
Ameixas franeezas em latas e em frascos a
15200 e 15600.
Amendoas com casca muito novas a 2M) rs.
a libra.
Alpista a 160 rs. a libra e a 45600*rs. a ar-
roba.
Azeite doce francez muito fino em gai rafas
grandes a 960 rs. a garrafa.
dem de Lisboa a 640 rs. a garrafa.
Ararula verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
Avelas muito grandes e novas a 180 i-s. a
libra.
Batatas muito novas a 40 rs.
Biscoutos inglezes de diversas marcis a
15300 ris.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 2 rs.
a lata.
Ditas inglezas muito novas a 35000 a barri-
quinha e a 200 rs. a libra.
Banha de poico refinada a 440 rs. a libra e
eem barril a 410 rs.
Cha hysson, htichin e perola a 15600, 25,
24500, 25800 e 35000 a libra.
dem prelo muito superior a 2,5000 rs a li-
bia.
Cerveja pela e branca, das meihores 111a vas
que vem ao mercado, a 500 rs-. a garrafa
e 55800 a duzia.
Cognac inglez fino a 900 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco.
dem, sude pepino, a 720 rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos meihores fabricantes da Baha
e especialmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa, a I58X),
25000, 25200, 25500, 25800, 3500)e
3/JRJ00 a caixa.
Caf do Rio muito superior a 260, 283 e
300 rs. a libra e 70500, 85 e 85500 rs. a
arroba.
Chouricas c paios muito novos a 800 rs. a Palitos de denles a 120 rs.
_ lb!^-, dem de flor a 200 rs.
1 muito superior a 220 Palitos do gaz a 25200 rs. a grosa
rs. a libra.
Cevada a 80 rs. a libra.
Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lata,
dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
Figos de comadre e do Douro em caixinhas
de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a
15800, 55500 e 280 rs. a libra.
Farinha do Maranhoa 120 rs. a libra.
Farinha de trigo a 120 rs. a libra.
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD
a 560 rs. o frasco e 65200 rs>. a frasquei
ra.
dem em garraoes de 3 e 5 gales a 5,5500
e 7^500 cada um com o garrafao.
Gomma do Arcaty a 80 rs. a libra.
Graixa a 100 rs. a lata e 15100 rs. a duzia.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa.
dem, qualidade especial e garrafas muito
grandes, a 15800 rs. a garrafa.
dem garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, garrafa forma de pera e rolha de vi-
dro, a 1.5000 rs., s a garrafa vale o di
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
barcada de pouco a 800 rs a libra, e de 8
libras para cima se far una differenca.
dem franceza muito nova a 560 rs. a libra,
e em barril lera abalimento.
Massa de tomates em barril a 480 rs. a li-
bra.
dem em lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos meihores conservel-
ros de Lisboa a 600 rs. a lata.
Marrasquinho de Zara, frascos grandes, a
800 rs.
dem regular a 500 rs.
Massas para sopa : maearro, talliarim e ale-
tria a 480 rs.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Peixe em latas preparado pela primeira arte
de cozinha a 15 rs. a lata..
Palitos de dentes a 160 rs. o masso.
libra.
Passas muito novas a 480 rs. a libra.
Peras seccas muito novas a 600 rs. a
Paineo a 200 rs. a libra. m
Queijos flamengos do ultimo vapor a 25400
ris.
dem prato a OSO rs. a libra.
Sardinhas de Nantes a 32" rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a titira.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra,
lijlos de limpar facas a 140 rs.
Villas de carnauba pura a 360 rs. a li-
bra.
dem stearinas muito superiores a 600 ir. a
libra.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste genero e de varias marcas, como
sejam : Velho de 1815, Duque do Porto.
Madeira, D. Pedro, D. Luiz I, Mara Fia,
Bocage, Chamisso e outros a 800, 900 e
15000 a garrafa, eem caixa com nina du-
zia a 9.-5000 e 105000.
dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a
480, 500 e 560 rs. a garrafa e 35, 35500
e 45 a caada.
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa,
dem de Bordeaux, Medoc e S. Juliena 700
e 800 rs. a garrafa, c 750OO e 75500 rs.
a duzia.
dem Morgaux eCbateauluminide 1854, a. 15
a garrafa,
dem moscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisbca a 200 rs, a garrafa e
1*200 rs. a caada.
Kirsk garrafas imito grandes a 15800 rs.
Vlm dos gneros cima mencionados le
mos grande porc.3o de outros que tleixan u
de mencionar, e que ludo ser vendido po-
pecas e carnadas, tanto em porcoes como ;
retamo.
Quem comprar de 1005000 para nma te-
r o abate de 5 por cont.


Diario de Pernambnco Megunda lelra H de i'evfrplio de 184.
&^l
ATTENCAO
9 1 AIM.O IIO CABRIO ti
GRANDE SORTIMENTO
DO
DK
PECHTNCHA
CHJIO MIWJUA HOl VE
ARMAZEM
PROGRESISTA
RIJA DAS CBU25ES V. 36
E
RA DO CRESPO N. 9
No balrro de Manto Antonio.
lonqulm los Gomes de Mouza scientilica a seus numerosos fregu
zes e ao publico em geral que acaba de estabclecer um novo armazem de molhados
ra do Crespo n 9, aonde se encentrar sempre os melhores gneros de estiva, que,
se venderlo a retalho e por atacado, por menos dos que se venderem em outra qualquer de molliados, acaba de receber ntste ultimo vapor os mu desejados gneros escomidos
parte, affiancando-se aquellas pessoas que comprarem nestes armazens a superior qua j pcr ellena Europa, todos muito proprios para a esta os quaes estrajulyido a vender por
lidade de gneros, precos commodos e bom acondicionamento.
O armazem da ra do Crespo situado no melbor local desta cidade com o as-
O MltC^O HA PE1HA O
Francisco Fernandes Dnarte dono deste muito acreditado armazem
seio que e de necessidade manter-se com estes estabt'lecimentos, taz c er a seu pro-
prietario, que nngucm deixar de sortir-se n'um estabelecimento aonde se encontra sin-
\ ceridade, para ir-se comprar aonde se nao olTerecem tantas vantagens.
Sendt este armazem no verdadeiro ponto de partida para os irrabaldes desta
cidade, nao ser diffieil aquellos senbores que tera de partir nos mnibus darem suas
encommendas neste armazem, que sempre lHcs offerecer os mais agradaveis gneros.
Cb perola de especial qualidade a 2,8oo rs. Bolaxinha de soda e lunch em latas grandes
Participam aos seus numerosos freguezes e ao publico em geral que acabam de a libra. a 2,ooo rs. cada lata.
ecebcr de sua propria encommenda, o mais lindo e completo sortimento de momados,' dem hysson muito superior a 2.Too rs. a Cognac de superior qualidade 8oo rs. a gar-
PARA II FESTA.
DUARTE & C.
preces baratissimos como vero pela seguinte tabella, e mesmo pede a todos os Srs. da
praca, de engenho e lavradores para que mandem suas relaces para serem despachadas
no armazem do Progresso do largo da Penha n. 1 0, afim de verem a grande vantagem
que tiram, tanto na superioridade dos gneros como nos precos asss resumidos,
os Srs. que nao poderem vir poderao mandar seus portadores ainda que nao tenham pra-
tiea, que serao to bem servidos como se viessem pessoalmente.
O interesse que tira o proprietario deste acnxlitado armazem, j deve ser bem co-
nhecldo pelos seus numerozos freguezes, pois simplesmente consiste em servir bem e ga-
nhar pouco, alim de conseguir a continuacaodaquellas pessoas, que a primeira vez se dig-
I narem honrar o seu estabelecimento.
Queijos flamengos chegados neste ultimo
6 qrtaes vender por grosso e a retalho pur menos 10 por cento do que outro qnatquer: libra.
anunciante, como vero pela seguinte tabula que abaixo notamos, garantlndo os mes- dem 2.5oo rs. a
*> proprietarios nao s o peso como a qualidade de seus gneros
AlISO.
i a i/wb 2,000 rs. a libra.
Todos os senkores que comprarem para negocio ou casa particular de 100* para I(lem i(lem inferior a i6oo rs a Iibrj
libra.
dem hysson a 2,3oo rs. a libra,
dem idern a 2,ooo rs. a libra.
rafa,
dem muito superior a l.ot>o rs. a garrafa
Caf a 28o e 32o rs. a libn, e a 8,ooo e
,ooo rs. a arroba.
dem preto de qualidade muito especial a Cerveja das melhores marcas do nosso mer-
cado de 5,ooo a 6,ooo rs
rs. a garrafa.
vapor a 2,ooo rs.
dem do vapor passado a 1,8oo rs.
dem prato muito novos e de superior qua-
lidade a 4oo rs. inteiro, e a 5oo rs. a
libra,
a du/.ia, e Seo' Doce de goiaba fino em cauoes com 2 '/
libras por 6oo rs.
440 rs. a botija, e em duzia ou em barrica
ter abatimento.
Massas para sopa macarro, talharim e aletha
a 48o rs. a libra e em ca xa ter abat-
meato.
Winho francez e em caixinhas de 7oo a
IJfoO rs. cada urna.
Hemfranreza amis nova do mercado a 50o
rs. a libra, e 54o rs. em barril.
Mem de porco refinada muito alva 46o r5.
a libra,
freziiato para Ganbre a 8oo rs. a libra.
2 uxim miudinho vindo de conta propria,
o meltior do mercado a 2,8oo rs. a libn.
Bem hyson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a abra.
Mom perola o melhor que se pode desojar a
2,7oo rs. a libra.
tem preto muito fino a 2,5oo rs. a libra.
Mein mais baixo pouco a 2,ooo rs. a libra.
dem mais baixo a l,8oo rs. a libra.
Xpho do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado garante-se a superioridade deste \i-
abo.das s>giiintes marcas : Duque, Ge-
mino, velho secco. especial lagrimas do-
cto de 1819. vinho especial I). Pedro Y.,
inho velho, Nctar superior de 1833, Du-
fiie do Porto de 1834. vinho do Porto vu-
Vto superior, madeira secca de superior
foalidade, vinho do Porto superior D. Lu-
a f de 1847, lagrimas do Douro espe-
cial, vinho do Porto de l.oooa l,2oo n.
a garrafa e de lo.ooo a 14,ooo rs. a cai\a
a urna duzia.
i lDte'iinhi de soda especial encommenda e a
mais nova que ha no mercado a 2,2oo rs. a
to,a- : dem em frascos com tampa de rosca a l,6oo
isaHtos inglezes das memores marcas em rs 0 rrasW).
blinhasde 2 libras a l,3oo rs. a lata. i Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
.Heno inglezes craknel em latas de 5 e / libr is suisso a j 00 rs. a [bra.
?te 5,ooo a 6.000 rs. a lata, e em libra aConscrvas rip-|tzas das seguintes marcase
8oo rs. | Mixde-Picles e cebollas simples a 75p rs
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor 0 fraSl,,
a 2,5oo rs. cada um. | ncoretas Uem prato a 7oo rs. a libra. j a 7^0 rs. a garraf
Tinto cm pipa das mais acreditadas marcas Sardinhas de Nantes a 3o rs. a Jatinha.
do
Arar uta verdadera a 32o rs. a libra.
Farinha do Marawiio muito alva e cheirosa
a '12o rs. a libra.
Sag muito novo 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca a 2oo rs. a libra
Sevada muito nova a loo rs. a libra.
Cominhos, ervadoce e pimenta do reino a
36o rs. a libra.
Genebra de Hollanda a 5,5oo rs. a frasquei-
ra com 12 frascos, e a retamo a 5oo rs.
cada um.
cana terao mais 5 a 10 por cento de abatimento, os proprietarios scientificam mais que champagne a melhor neste genero a 1 5oo Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e 8.600 dem mais baixo a 54o rs.
lodos os seus gneros sierecebidos de sua propria encommenda. razao esta para pode I rs. a garrafa e 18,000 rs o gigo rs. a duzia. (Manteiga ingleza flor a mais superior
axtar por muo menos do que outro qualquer estabelecimento. j dem inferior a 10,000 rs. o giaoe 1,000 rs. Doce em calda a 5oors. a lata. | mercado a 72o rs. a libra,
antena ingleza flor a 800 rs. a fibra. Vellas de carnauba e composicao de 32o a' a garrafa dem de goiaba em caixas diversos tama- dem de segunda qualidade a 6io rs. a libra. dem em botija hamburgueza a 4oo rs.
Castanhas muito novas a 2,ooo rs. a caixa, e 36o rs. a libra e de lo.ooo a 11,000 rs. a' Cnocoiate franccz hespanhol e portuguez a "'ios e de diversas quali lades de 64o a' Manteiga franceza de primeira quahdade a Genebra de laranja a l.ooo rs. os frascos
a 60 rs. a libra. arroba. a !>oo e 1,2oo rs. a libra l.ooo rs. cada urna. 56o rs. a libra, e 52o rs. era barris ou grandes.
Genebra de Hollanda em botijas de contt a' Charutos dos me|hores fabricantes da Babia Ervilhas francezas muito nc as de 48o a 64o meios. Vinho de caj o melhor que ha no mercado
lata.
Cha perola neste genero nao ha nada a de- a 1,00o rs. a garrafa,
sejar, e de especial qualidade, mandado Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groza e 2o rs.
vir de conta propria a 2,8oo rs. a libra. a caixinha;
Vassoras do porto com arcos de ferro a 32o dem huxim o melhor do mercado a 2,6oo: dem de dentes lixados a 16o rs. o maco com
rs. cada urna. rs- a ^Dra- 2o macinhos.
e de qualidades, especialmente escomidos, rs-
de 2,oooa 4,5oo rs. a caixa. dem portuguezas a 72o rs. a
Farinha doMaranhao muito alva a 14o rs. a dem seccas a 2oo rs. a libra,
libra
dem de araruta verdadeira a 4oo rs. a libra,
dem estrellinha. rodinha e pevideem cam- vinn0 do A|,0 [)onro engarrafado eos mais Velas de espermacete da raelhor qualidade dem de segunda qualidade a 2,ooo rs. a Ervilhas seccas chegadas neste ultimo navio
nhas de 8 libras, muito bem enfeitadas de bem escolhidos lagrimas do Doro D Pe-' a 600 rs. o maco. W>ra. a 16ors. a libra, e em porcio se faz aba-
2,5ooa 3,5oo rs. a caixinha e a 600 rs. a
libra.
Boce de goiaba em caixas de diversos tama-
nhos de 600 a l,ooo rs. o caixio
SabSo massa de 2oo a 24o rs. o melhor, em
caixa ter abatimento.
dem hespanhol a 28o rs. a libra.
Peixe em latas muito novo ; savel, pescada,
corvina, salmo e outras militas qualidades
preparada de escabeche 2." a arte de cosi-
nha de l,2oo a l,8oo rs. a lata.
Figos em etitts de 1 arroba, ','* e 8 libras
a 8,000 4,000 e 2,000 rs. a caixinha.
Birria de viaho branco de quinto, marca B
d- Filho a 60,ooo rs. o barril.
Marmelada imperial dos m Inores conservei-
ros de Lisboa a 64o rs. a Ltinhade 1 libra,
ha latas de 1 '/ e 2 libras.
Massa de tomate em latas douradas de 1 libra
a 64o rs. a lata.
Ameixas francezas em caixinhas elegante-
iin'Hte enfeitadas de l,5oo a 3,000 rs. a
caixinha, tamhem ha latas de 1 V* a 6 li-
bras de l,2oo a 4,5oo rs. a lata.
dro V, I).- Luiz I, Duque genuino, Nctar dem de carnauba e composic3? a 32o e 36o | dem hysson muito superior a 2,5oo rs. a li-
rs. a libra e lo,ooo rs. arroba. I>ra-
ljalo para limpar facas a 1 io rs. cada um. j dem preto homeopathico muito fino a 2,ooo
como sejamBA F., PBB, JAA, outras
militas marcas. Porto, Lisboa e Figueir 1;
4e 48o. 5oo, 50o, 64o e 800, rs., e o lo
Pnto 'ino em garrafa, e em caada a
3,000, 3,5oo, 4,ooo e 0,5oo rs. o melhor
do Porto.
IfeoiBor Joaux das mais acreditadas marcas
> 7oo :s. a garrafa, e a 8,000 rs. a cai:;a.
Can iin 5 garrafas de superior vinho
do Por lo a 2,2oo rs. com o garrafao.
tem com 5 garrafa de vinho da Figueira mais
proprin para a nnssaostaco por str mais
fresco a 2,4oo rs. com o garralao.
Wena com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
wm o garrafao.
Twihobran.'oo mais superior que vem ao
nosso mercado a 56o rs. a garrafa, ( a
4,3oo rs. a caada.
Teias de sparmacate as melhores neste ge-
nero de 56o a 64o rs. o maco, eem sa ter grande abatimento por ha- er
frandi! porcio.
Azeite dnce em barril muito fino a 64o rs.
a garrafa e 4,8oo a ranada.
Mein fran;ez refundo a 800 rs. a garrafa.
Ervilhas franczas e purtuguezas a 64o n. a
lata.
osetas eom docts soceos de Lisboa de loo
a 3,5oors. cada urna,
foivinho deLisboa a 3oo rs. a libra, e a
100 js. a arroba.
Rofces muito novas i 16o rs. a libra e 4,800
is. a arroba.
Cate de i:\ 2. e 3.1 qualidade de 26o, .'loo
f: 36ors. alibra, doCear de7,8oo, 8,Coo,
c 9.2(-o rs. a arroba do melhor.
Arroz da India, Java eMaranho de 2,8co a
:i,ooo a arroba, ede8oaloors. alibra.
fassas muito novas a 8,5oo a caixa e 5oo
a libra, ha caixas meias e quartos.
Sevadinha de Franja a 24o rs. a libra.
Sag muito novo a 28o rs. a libra.
Charutos das mais acreditadas marcas de
2,.*)oo a 4,ooo.rs. a cala.
Champagnhe a melhor do mercado de 12,ooo
a 2 i.ooo rs. o gigo, e de l.too a 2,000 rs. a
garrafa.
Papel greve pautado ou \bo a 3,5oo rs. a res-
ma.
dem de peso pautado ou lizo de 3,5ooa
4,000 rs. a resma.
Gomma muito fina e alva a 80 rs. a libra.
Milho alpista e painso de 16o a 2oo rs. a li-
bra.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a grosa e 2oo rs. a
duzia.
Vasos inglezes de 4 a 16 libras vasios, muito
proprio para deposito de doce manteiga
011 outro qualq"er liquido de l.ooo a
3,ooo rs. cada um.
Licores das melhores marcas e mais finos
a l.ooors. a garrafa e em caixa ter abati-
mento.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa
e lo.ooo rs. a caixa.
Chouricas as mais frescas do mercado a 800
rs a libra.
Genebra de laranja em frascos grandes a
l.ooo rs. o frasco.
Serveja das mais acreditadas marcas de
5,5oo a 6,5oo a duzia e de mais a 5oo rs.
a garrafa.
dem em botijas e meias, sendo preta da
muito credilada marca T de 6,5oo a 7,8oo
rs. a duzia.
Ceblas em mejhos grandes a 8oo o molho
640 o cento, e a ,6oo rs. a caixa
Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
Farinha do Maraoh5o a 14o rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 16o rs. cadaum.
Cominho a 4oo rs. a libra.
Erva doce a libra.
Canella a l.ooo rs. a libra.
Batatas a l.ooo rs. o gigo com 32 libras liqui-
das e 3.000 rs. a caixa de duas arrobas.
Toueinho de Lisboa e Santos a 32o rs. a libra.
r.. a libra.
dem de flor a 2oo rs. o mico.
a 85o rs. a libra,
dem do Porto a 48o rs. a libra.
Queijos prato de 48o a 600 rs. a libra,
dem londrinos os melhores queseencontram
neste mercado a 800 rs. a libra.
superior, Malvasia fina, Bastardo, e outros
a ll.ooo e 12,ooo rs. a duzia e l.ooo rs.
a garrafa,
dem Cherry e Madeira a l,5oo rs. a garra- Sevada muito nova a loo
fa e I6.000 rs. a duzia.
dem Bordeaui de diversas marcas de 8,000
a lo.ooo a duzia, e 800 rs. a garrafa.
Bolaxinhas americanas a 3,ooo rs. a barrica,
e 2oo rs. a libra.
Batatas muito novas a l,ooo rs. o gigo, e 60
rs. a libra.
Banha de porco refinada a 48o rs. a libra, e
em barril a 44o rs.
Vinho em pipa de Lisboa, e Figueira, de3,ooo
a 4,000 rs. a caada, c 5oo rs. a garrafa,
dem de Lisboa em ancoretas de 8 a 9 cana-
das por 27,ooo rs*.
dem do Porto muito especial a 5,5oa rs. a
caada e 72o rs. a garrafa.
dem em garrafoes com 4 ''% garrafas por
2,5oo rs. .com o garrafo.
Vinagre de Lisboa muito superior a 2,ooo
rs. a caada,
dem mais baixo a l,5oo rs. a caada, e 2oo
rs. a 'garrafa.
dem em garrafoes com 4 'i garrafas por
l,2oo rs. com o garrafao.
Manteiga ingleza a 600, 7oo, 800 e Ooors. a
libra de primeira qualidade.
dem franceza a 56o rs. a libra em barril, e
a 600 rs. a retalho.
Ameixas francezas em caixinhas com ricas
estampas no exterior de l,2oo a 2.000 rs.
cada urna.
dem em frasco di vidro de diversos taa-
nnos a 1,5oo e 2.5oo rs.
dem em latas de 1 1 '2 e 3 libra a 1,3oo e
2.:Iimi rs. cada urna, e a 800 rs. a libra.
Figos de comadre em banzinhos de folha pro-
prios para mimos a l,6oo rs. cada um.
dem em caixinhas de folha a 32o rs.
dem em caixas grandes a 2oo rs. a libra.
dem em latas ermeticamente lacradas de
1.600 a 3.000 rs.
Arroz da India e Maranho a 80, loo e 12o
rs. a libra.
rs. a libra.
Bolachinha de
soda chegada neste ultimo
Peixe em latas grandes. sav;l, pescada, cor-
vina, eoutras qualidades a l,ooors. cada grande porco e de ditferentes marcas,
lata que se venden! todas pelo mesmo preco a
Panel greve pautado e liso c e 3,ooo a 4.000 vontade dos compradores,
rs a resma. Iera em latas grandes a 2,oeo rs.
Passs muito novas a 8,5oo 1 caixa e 48o rs. dem propria para lanche em latas grandes
alibra. a l,0oo rs.
tnnento.
Banha de porco refinada a 48o rs. a libra e
42o rs. em barril.
Vmho branco de superior quahdade proprio
para missa a 64o rs. a garrafa,
navio a 1,35o rs. a lata, deste genero ha 1 Ameixas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas com ricas eslampas a
l,2oo, l,5oo e 2,000 rs. cada urna.
dem francezas em frasco de vidro com tam-
pa do mesmo contendo 1 ''libra a 1,2eo
rs. s o frasco val quase o dinheiro.
Palitos lixados para dentes i 14ors. o maco. Marmelada imperial dos melhores fabrican-
tes de Lisboa a 64o rs. a libra.
Prezunto para fiambre ingleses e americanos Frutas em calda em latas de l.ooo a 5oo rs.,
neste genero ha diversas qualidades a es-
colher.
Champanha superior das marcas mais acre-
ditadas a l,5oo rs. a garrafa e 15,ooo rs.
o gigo.
dem flamengos vindos no ultimo vapor de Serveja das melhores marcas que vem ao
2,8oo a 3,ooo rs.
Sardinhas de Nantes muito novas a 32o rs.
a lata.
Sag muito novo a 2oo rs. a libra,
dem muito superior a 28c rs. a libra.
Sab3o maca de diversas quididades a 2oo e
24o rs. a libra,
dem inferior de 12o a 18o rs a libra.
Genebra de Hollanda em fr; squeiras a 6.5oo
rs.
dem hamburgueza em ditas a5,8oo rs.
dem de Hollanda em gar-afes grandes a
5,5oo cada um.
dem em botija a 4oo rs. rs. cada urna.
Garrafoes vasios de diverso tamanhos a5oo,
64o c l,2oo rs.
Gomma do Aracaty a loo n. a libra.
Graixa a loo rs. a lata, e 1,2oo rs. a duzia.
Licores fines francezes en garrafas e fras-
cos de diversos tamanho.. de 600 a 800 rs.
cada um.
mercado a 5oo rs. a garrafa e a 5,ooo rs.
a duzia.
dem preta superior a 56o rs. a garrafa e a
5,4oo rs. a duzia.
Vinho Bordeaux de dilferentes marcas, e as
melhores do mercado a 7,000, 7,5oo e
8,000 a caixa com urna duzia, e em gar-
rafas a 64o, 700 e 800 rs., garante-se a
boa qualidade.
dem Figueira de superior qualidade a 48o
rs. a garrafa e 3.5oo rs. a caada.
dem de Lisboa a 2.800 rs. a caada e 4oo
rs. a garrafa.
dem do Porto de superior qualidade para
mesa a 5(30 rs. a garrafa, e 4,000 rs. a ca-
ada.
dem tino do Alto Douro da colheita de 1833,
como sejam: D. Luiz. Feitoria velho. Nc-
tar, Carcavellos e Camoes em caixa de
urna duzia a 9,ooo rs.
Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto
a IjOoo rs. a garrafa e lo.ooo rs. a caixa
Marineada uiipena de bdos os onsenei- Madeira secco, duqae ge-
ros de I isboa a 04o e 7-JO 1 a libra. ^ ,agrimas doces a ,)oo rs_ a4 garbra.
fa e9,5oors. a duzia.
Garrafoes com vinho do Porto a 2,2oo rs.
cada um.
Massa de tomate muito niva a 64o rs. .a
libra.
Marrasquino de Zara a 64c rs. o frasco,
dem em frascos grandes ; 800 rs
Cominhos muito novos a 5)0 rs. a libra.
F.rva-doce a 24o rs. a libra.
Pimenta a 36o rs. a libra.
Cravo da India a 64o rs. a ibra.
Cannclla a 1,100 rs. a librt.
Amendoas de casca mole muito novas a 4oo
rs. a liten.
Acetonas superiores a l,2oe n. o barril.
Alpista a 14o rs. a libra e 4,600 a arroba.
Letria a 4oo rs. a libra.
Biscoitos e bolachinhas inglezas as ultimas Alfazema a 2oo rs. alibra.
chegadas ao nosso mercado a l,2ooe l,4oo Sal retinado em frascos de vidro a 600 rs.
K. cada lata. | o frasco.
ATTENCAO
O proprietario dos armazens do Progresista jamis deixar derfferecer aos seu
freguezes tildo o que for preciso para que sejam bem servidos, e como 1 festa se aproxi-
ma optiipa a occasiao dos seus freguezes experimentarem a realidade, que nunca dei-
axr de ser mantida pelo proprietario destes armazens.
Loja de beiju-flor.
Meias eruas pata lioinrm.
Vendem-se meias cruas para homem a i& a du-
da : na ra do Qui'imado, luja do buija-flor nume-
ro 63.
Mrias para son hura.
Vendem-se meias para sonhora a 35200, \> e
ifiooa duzia
ja-flor n. 63.
lia para boniar.
Vende-se Ifia para bordar, da diversas cores, as
HUS lindas que M pude encoatrar, a 65500: s
quena vende por este preco na loja Jo beija-llor
da ra do Qucimado n -.
Filas para delirara 1 e vestidos.
Vendem-se lilas para detiru 11 de vestido de la
1,8100, dilade
naruudoQueimado, ioja du bel- *T^%W Z\ adamascada a
1500, dila brama de laa com 11 varas a 400 rs. :
Tranrinha para enfeites.
na ra do {ueimado, loja do jeija-lloi 63.
38RA DO IMPERADOR38
Agua natural le Con lilac.
anulo-re:oinmondad. as arTeccSes do tubo f astro-intestinal, nos dos rins, e bexica ourinaria, pelas
suns proiriedades alralias, e o acido rarborico que naluralin.tute onlm em snspenso, de preco
neis coruniodo que a agua de Vichy, e de prc prtedades tal vez superiores pela grande quantidade de
acido r.nthmico. Inj-r.(So llrou, agua d l Chteleu, cupaliiba de Mege, injecQo Fugas de tanato
tkzinoo, muito rerommendada as gonorrh *as. Le noy francei verdadeiro ; na mesma casa tem
aJgumas caixas de instrumentos cirurgicos para operaeoes de Matieu e Charriere.
Algudfo da Hall a
ara sacaos de assucar e ronpa deescravo: tem
ara vender Antonic Lmi de Oliveira Aievido &
*C, no-sen escriptorio ra da Cruz n. i.______
I>cch!ncha a t '; aia de cor de superior qualidade a SW rs.
eovad" ISaiinhas para vestido de ricos go?tos a
to ri vado : s na ra do Qneimado n. 3, es-
f-.ina qas volta para a Owigrvf;*o est-s< aca-
iiAdo.
Cal de Lisboa e potassa la
Rnssia.
Vende-se na ra daCadeia do Recite n. 26, para
onde se inudot o antigo e acreditado deposito da
mesma ra n. 12, ambos os gneros sa novse
legtimos, e se vendem a pre^o mais barato do qne
utra qualquer parte. ____________________
Farinha superior de Santa Catharina.
Vende-se em porcao ou a retalho, a bordo da
barra JW, atracada ao trapiche do Barao do I.i-
vramento, ou no escriptorio do Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo & C., ra da Cruzn. 1.
Vende-se trancinha para enfeites de vestidos ou ppnlfs |mpssos .,,., mmm
roupa de meninos, que lambem serve para enfeitar ,. ... ___*rT.. ,% i1,.u .r,
rs., com O varas a 260 rs. : s quem tem na dobcija-llor n. 0..
loja d beija-llor da ra do Queiniado n. 63. I Pr*l Mmm qualidades.
Tesnu; as unas para unha e coslura. VendX "*!? ami?!,dc 'P ? ^ r.-' "0 de
Vendem-se tesouras finas para unha e costura a ? *f.1 dl, ^"'T"1o4 2JA d,', l'?",
400, 500 e 640 rs.. ditas para costura a 500 rs. : ***> r%- ?'* ^j dorajto a li : na ra do
na ra do Queimado, loja do beija-flor n. 63. I Quemado, loja do be.ja-flor ... t..l.
Facas e garfos. ,. "n"s mli-rpfr.la.
Vendem-se facas c garios oilavados a 2800, | ^"222" ]m[M* """""^rola para collete
ditaseravadasa3A,ditasdeeaboSpretosa3*200, J'ie lamcm serven, para .asaros de senl.ora a
ditas de cabos de bataneo com 2 botocs para mesa
Vinagre de Lisboa de superior qualidade a
2oo rs. a garrafa e l,2oo rs. a caada.
Azeite doce refinado em garrafas grandes a
8oo rs.
dem de Lisboa a 61o rs. a garrafa, e em
caada a 4,8oo rs.
Presuntos inglezes para fiambre a 7oo rs. a
libra,
dem de lamego encommenda particular a
4,8o rs. a libra, e inteiro se taz abatimento.
Toueinho do reino o melhor do mercado a
320 rs. a libra, e em arroba a 9,ooo rs.
Velas de espermacete de 4, f5, e 6 por libra
a 560 rs., e em caixa se faz abatimento.
dem de carnauba retinada a 32o rs. a libra
e 9,ooo rs. a arroba,
dem de carnauba pura do Aracaty a loo rs.
a libra e lo.Soo rs. a arroba.
Gomma muito fina e alva a 8o rs. a libra.
dem em latas de 2 libras por I,4oors.
a retalho, e a 8oo rs. a libra.
Figos de comadre muito novos em bahuzi-
nh:OS muito proprios para mimo a 1,28o rs.
dem em caixas para retalho a 16o rs. a
libra.
Passas de carnada a 48o rs. a libra e em
quarto com 8 libras por 2,5oo rs.
Bolaxinhas inglezas de superior qualidade a
2,ooo rs. a barrica, e a 2oo rs. a libra.
Chllate francez o melhor que se pode de-
sejar neste genero a I.ooo rs. a libra.
Macas para sopa estrelinha, pevide, arroz de
ma^a a 48o rs. a libra, e em caixa a 2,ooo
rs. cada urna, macarrao, talherim. e ale-
triaa 4oo rs. alibra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Avelans muito novas a 2oo rs. a libra.
Ervilhas francezas muito novas em latas
grandes a 64o rs.
dem em ditas pequeas a 4oo rs.
.Maca de tomate em latas de 1 e 2 libras a
6'io rs.
Salmo em latas de 1 V 'bra a 8oo rs.
Lagostinho em latas grandes a i,4oo rs. ca-
da urna.
Sardinhas de Nantes a 36o rs. a lata.
Cognhac inglez a 8oo rs. a garrafa.
licor francez das melhores marcas do mer
cado a 8oo rs. a garrafa.
Batatas chegadas neste ultimo navio em cai-
xa com duas arrobas por l,6oe rs.. e 4o
rs. a libra.
Connivas inglezas a 7oo rs. o frasco.
Sal refinado em potes a 5oo rs. cada um.
Mostarda ingle-.a a l,ooo rs. o frasco.
dem franceza a 4oo rs. o pote.
Millo alpista a 16o ps. a libra e 4,8oo rs. a
arroba.
Graixa muito nova em latas grandes a 120
ris.
Lats com peixe em posta ermeticamente
lacradas das melhores qualidades de pei-
xe que ha em Portugal a l,2oo rs.
Caf lavado de Ia qualidade a 32o rs., dito
de 2* a 28o rs. a libra e 8,2oo rs a arro-
ba, dito de 3* a 26o rs. a libra e 7,8oo
rs. arroba.
Charutos suspiros dos melhores fabricantes
de S. Eelix a 2,5oo rs. a caixa com loo
charutos.
dem finos de diversos fabricantes a l,6oo.
l,8oo e 2,ooo rs. a caixa com loo chare-
tos, Jo preco n5o indica a boa qualidade
porm deem-se .ao trahalho de virem ou
mandarem e vero a realidade.
1 'M'i f\
a 65200 a duzia : na ra do Qucimado, loja do
beija-flor n. 63.
IscoTas para dentes.
Vendem-se evcovas para denles muito finas a
120, 240, e 500 rs. : na ra do Queimado, loja do
beija-flor n. 63.
C.aiiinhas com grampas.
Vendem-se caixinhas de grampas a 40 rs. : na
ra do Qucimado. loja do beija-flor n. 63.
Colarinlios para homem.
Vendem-se colarinbos de lindo para hemeni, de
diversos gostos, a 560 c 6v0 rs. : na ra do Quei-
mado, loja do beija-lbr n. C3.
Cravatas para sendera.
Vendem-se grvalas para sendora, de diversas
cores, a 500rs, 800 e \ : na ra do Queimado,
loja do beHn-flor n 63.
Roldes de pnnho para manguitos de sendera.
Yendim->e botoes de pnnho para manguitos de
senkon, de diversos gostos, a 200 rs o par : na
ra do Queimado, loja do beija-flor n. 63.
400 rs. a abatnadura : s quem vende por este
drago na roa do Queimado, bija do beija-flor nu-
mero 63.
Lavas de Jouvin.
Vendem-se luvas de Jouvin para homem e sc-
nhora, chegadas no ultirm vapor : na ra do
Queimado, loja do beija-flor n. 6.1.
C\L HE MSBOl
SERVATIVO
DE
JOAgLIlfl MI .ti AII IMIK SANTOS
23Largo do Teroo23.
O proprietario deste armazem de molhados participa ao publico e a todos em geral
que tem um grande sortimento de tudo quanto pertencente a molhados, e que tem
um armazem para somente receber os gneros de maior quantidade, faz suas especula-
res em boas quadras, e qne sempre pode vender por menos de 10 20 por cento du
que em outra qualquer parte, garantindo o proprietario qualquer genero saludo do seo
armazem, tanto em pego como em qualidade.
Manteiga ingleza flor mandada vir por conta propria a 800 rs. a libra,
dem franceza, vinda pelo ultimo navio a 500 rs. a libra e 540 rs. em barris.
Banha de porco retinada, propria para pastis a 480 rs. a libra, eem barril a 400 rs.
i.! dP I Velns de espermacete e carnauba do Aracaty a 600 rs. o masso e 400 e 440 rs. a libra,
* en(le..sel..Hi OOalU- ~ Rjo ^ 0 mdho[ dcsle ^ 280 fS a lbra e g^ .
taprocedenefr.. cm pedra, nega-
da liojp. e nica nova, que ha no
mercado, na ra do Trapiche n.
IS, armazem de Wlanoel Teliel-
ra Basto.
roba.
Batatas novas em caixas com 2 arrobas por 20OOO, arretalham-se a 4o rs. a libra.
Toueinho desembarcado ltimamente a 3oo r s. a libra, em barril ou arroba a 8*800.
Cha de Ia, 2\ 3 e 4a sorte a 2*800, 25500, 2*000, e 1*600 a libra.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs a garrafa, e de carrapato a 280 rs. a garrafa, e caad*
. 2*ooo.
Radas ltimamente no vap>r "^T^j."" Genebra verdadeira de Hollanda, em betijas, do conta tarto, marca gaoa360rs.
nfi?n" 'Ummm MHho alpista o mais limpo que ha a 160rs. a libra a 3*000 rs.. a arroba.
Vendem-se ovas do se-fio muito boas, rhe-




Diarlo de Pernambnco Segunda fefra de Feverclro de l se 1.
A
.
urviiAO
COMMERCIQ.
e fronte da lo ja do Pregulea.
ni %rti: ui/jueiim
acaba de abrir o seu grande e sortido armazem de molhados denominado Unido e Com-
tercio. Este grande armazem um dos mais bem montados que temos em nossa prafa,
nao s em limpeza e aceio, como as qualidates espcciaes deseus gneros. 0 proprie
ario do Unio e Commemo offerece todos o> senhores da praca, senhores de engenho
e lavradores a seguinte tabeHa, por onde ver.) a grande economa que lhe jesuta em
compraran em tao til estabelecimento, afiancando o mesmo todo e qualquer genero
sahido de seu irmazcm.
Bollinho francez em latas e caixinhas as mais E-va-doce a 5oo rs. a libra,
delicadas qus tem vindo ao nosso merca-
do de 7oo a 2,5oo rs. a caixinha.
Manleiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de conti propria, i 7oo a 800 rs, a
libra,
dem franceza cliegada pelo ultimo navio a
ALLIANCA
GRIIDE
57 RA DO IMPERADOR 57
Na bem conliecida loja que foi do Sr. Flix ailaiate.
Panlo Perrelra da Nllva proprietario deste novo estabelecimento, tendo
chcgado da Europa, aonde eswdheu um grande'-'e variado sortimento de molhados. tem
a honra de os expor ao respetare! publico desta cidade pelos mais resumidos pregas.
Em to ptima occasio, por estarmos prestes a festa de Natal, o proprietario do
grande armazem Allianca offerece aos scus amigos e frcguezes que o conh xem desde
quando foi socio dos armazcns Progressivo e Progressista as maiores vantagens em com-
prarem em seu armazem.
Cliampanha de 20 a 22,ooo o gigo HJc (,c novo aheleado'mais precisa da concurrencia de todos est;s MfeOTM
Pililos do gaz a 2,3oo rs. a croza e 2o rs a ao seu estabc|ec"nenw- cortos de que esta casa jamis deixaro de ser cumpridas as
*
OS desenfco*
na tuja
ta.
caixinha.
Milito alpista a 16o rs. a libra.
Cominho muito novo a 4oo rs. a libra, e
comprando de 81ibr*s para cima a 32o rs.
56o rs. a libra, e em barril ter abatimen- Gomma muito alva para engommar a 8o rs.
to. a libra, e em arroba se far abatimento,
dem ingloza em potes de 4 a 16 libras a Sag muito novo a 28o rs. a libra.
8oo rs, a libra e o pote separado.
Cha uxim o mulhor neste genero, mandado vem ao nosso mercado a 28o rs. a libra
vir de tonta propria a2,8oo rs, a libra. Viihobranco o raelhor neste genero a 8oors.
dem hysson, grande, muito bom a 2,6oo rs. a garrafa e 4,3oo rs. a caada.
a libra. 1(*}m Bordeaux de differentes marcas, garan-
Idem preto-milito fiuo, a 2,6oo rs, a libra. te-se a qualidade, a 8.000 rs. a caixa com
dem preto, mais baixo, a 2,ooo rs, a libra. 1 urna dnzia, e a 7oo rs. a garrafa,
dem, verde, miudinho, maisproprio para Grrafoes com o garrafas de vinho do Porte
negocio, a i,5oo rs, a libra. do Alto Douro a 2,2oo rs. com o garrafo.
Banha de porco reQnada muito alva a 4o Wem com .' garrafas de vinho Figueira, mais
rs, a libra, e em barril se far abatimento. proprio para a nossa estacao por ser mais
Biscoitos inglezes das seguintes marcas; fresco a 2,4oo rs. com o garrafo.
Craknel, Soda, Geede, G&ptain, Travellies. j Wtm com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
La:ich, Cabin, e outras muitas marcas, a, |J garrafo,
D '*90.r'a latJ- .. Sal .ao massa de superior qualidade a 180,
'ico, e 22o rs. a libra do mclhor que h
grandes vantagens por ella offerecidas.
Maraes de lo a I6u rs. cada urna. Bolachinha de soda e lunch em latas grandes
Mantciga ingleza a mais superior neste ge- a 2,000 rs. cada lata.
ero a 800 rs. a libra, e comprando de 8 Cognac de superior qualidade a 8co rs. a gar- a
libras para cima a 72o rs., esta a mais1 rafa.
superior que pode haver, tambem ha mais dem muito superior a 1,000 rs a garrafa.
baixas para menos precos. '' Caf a 28o e 32o rs. a libra, e a 8,000 e
Sabo verdadeiro hespanhol, que raras vezes I(,em,' franceza n,lllit0 II,IV;| ';i,} rs. a libra 9,ooors. a arroba.
e o 4o rs. em barns ou meios. Cerveja das melhores marcas do nosso mer-
Peras seccas muito novas a 48o rs. a libra. cado de 5,ooo a 6,000 rs. a i.uzia, e 5oo
Cha perola de especial qualidade a 2,8oo rs. rs. a garrafa.
a libra. Consenas inglezas a 75o rs. o frasco e8,600
dem hysson muito superior a 2,7oo rs. a rs. a duzia.
libra,
dem uxim a 2,5oe rs. a libra,
dem hysson a 2,3oo rs. a libra,
dem idem a 2,ooo rs. a libra.
2,ioo rs, a lata.
Biscoito inglez Craknel em latas d 5, 7 e 15
libias a 5,ooo e 6,000 rs, de i,2oo a
800 rs, a libra.
Queijos do reino pelo baratissimo preco de
I,6oo, l 8oe e 3,ooo rs os do ultimo
vapor.
dem pialo muito fresco a 64o rs, a libra,
dem londrino muito fresco a 800 rs, a libra.
Vinhos em pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
48o, 56o, e 64o rs, a garrafa, e de 3,ooo a
i.ooo rs, a caada.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa em latas de 1 e mais libras
a 7oo rs, a libra.
Pena sccaas em caixinhas de 4,000 a 2,000
rs. cada urna.
Figos em caixinhas de i '/j arroba e de 8 li-
bras a 8,000, i.ooo, e 2,coo rs, ea 3eo rs.
a libra, taambem na serinhas para meni"
nos a 60 rs. cada urna.
Amendoas de casca mole a 36o rs, a libra, e
em irroba ter abatimento.
Sardinlias de Nantes a 32o rs, a latinha.
Touciiio de Lisboa muito novo a 3oo rs, a
libra e em arroba a 9,000 rs.
Massa de tomates a 64o rs, a libra.
Pimenta do reino a 34o rs. a libra,
Farinlia do Maranhao a 14c rs, a libra.
Cbelas a Hoo rs. omolho, 64o rs. o cento
e 6.3(1) n caixa.
Tijiillo para Imipar facas a I o rs,
Cerveja das mais acreditadas, marcas de 5,ooo
a 7,5oo a duzia, e de 5oo a 600 rs, a gar-
rafa,
Prezunto para fiambre muito fresco e novo
a 800 rs. a libra,
Genenra de laranja a i,000 rs, o frasco,
Chotiricas as mais frescas do mercado a N< o
rs. a libra,
Cognac verdadeiro inglez a Ooo rs. a garrafa,
e lo,5oo rs. a caixa com urna duzia,
Licores francezes e portuguezes de todas as
marcas de lo,ooo a 10,000 rs. a duzia.
Passas mullo novas a 000 rs. a libra e a 8,5oo
rs. a caia. lia ca xas, meias e quartos.
Batatas a l,ooo rs. o gigo com 38 libras e
2,000 a laixa com duas arrobas cadauma.
Un.'lis-on doces seceos de3,oooa 3,5oo
rs. cada urna.
Bolachinha ingleza a 32o rs. a libra,
Azeit francez e portuguez retinado a 800 rs.
a garrafa, e !),ooo rs. a caixa com urna du-
zia.
Conservas mgleas das seguintes marcas:
\Ii.\ed, Pickes, e ceblas simples a 800
rs. o frasco.
M o tarda ingleza preparada em potes a 4oo
rs. o poie.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra e 4,8oo
rs. a arroba,
Vasos inglezes visios de 4 a 16 libras, muito
irios para deposito d<3 manteiga, doce,
e outro qualquer liquido, de 1,000 a 3,00o
rs, cada um.
Griixa em latas muita nova a 12o rs. a lati-
jiba, e 4,3oo rs. a duzia.
Peixe em latas muito novo : savel, pescada,
(urvin, salm3o e outras muitas qualidades
])reparados de escabexe, segundo a arte de
zinha, de l,2ooa 2,ooo rs. a lata.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
. rafado e escolhido pessoalmente por um
des socios que se acha em Portugal, das
eguintes marcas : Duque, Genuino, Ve-
Iho secco especial, Lagrimas Doces de
819, vinho especial D. Pedro V, vinho
'elho. Nctar superior de 1833, Duque do
Porto de 1834, vinho do Porto velho su-
perior, Madeira Secca de superior quali-
dade, vinho do Porto superior D. Loii 1
de 1847, Lagrimas do Douro, especial vi-
nho do Porto, de 1,000 a l.2oo rs. a gar-
rafa e de lo.ooo a !2,ooo rs. a caixa com
urna duzia.
Vas somas americanas a 800 rs. cada urna.
Velas de spermacete as melhores que ha no
. mercado a 56o e 64o rs. -o masso, e em
caixa se far umjgrande abatimertfo,
dem de carnauba e eomposico, de 4oo a
Doce em calda a 64o rs. a lata.
Ervilhas francezas muito novas a 64o rs.
dem portuguezas a 72o rs. a lata,
dem seccas a2oo rs. a libra.
dem preto de qualidade muito espeoial a Bassourasdo Porto com arcos de 'erro a 32o
2,ooe rs. a libra.
dem idem inferior a l,6oo rs. a libra.
Chocolate francez, hespanhol e portuguez, a
9oo e 1,2oo rs. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Rahia
e de qualidades especialmente escolhidos,
de 2,ooo a 4,5oo rs. a ixa.
Farinha do Maranhao muito alva a 14o rs. a
libra.
dem de araruta verdadeira a 4oo rs. a libra.
Vinho do Alto Donro engarrafado, e os mais
bem escolhidos, lagrimas do Douro, D. Pe-
dro V, D. Luiz I. Baque genuino, Nctar
superior, Malvasia fina, Bastardo, e outros
a H,ooo e l2,ooo rs. a duzia e l,000 rs.
a garrafa.
dem Cherry e Madeira a 1,5oo rs. a garra-
fa e 16,000 rs. a duzia.
Idem Bordeaux de diversas marcas de 8,000
a lo.ooo a duzia e 800 rs. garrafa.
Bolaxinhas americanas a 3,5oo rs. a barrica,
e a 21o rs. a libra.
Batatas muito novas a 1,000 rs. o gigo, e 60
rs. a libra.
Banha de porco refinada a 44o rs. a libra o
em barril a 4oo rs.
rs. cada urna.
Vellas de espermacete da melhoi qualidade
a 56o rs. o maco,
dem de carnauba e eomposico a 32o e 36o
rs. a libra e lo.ooo rs. a arrota.
Tijolopara limpar facas a 12o rs. cada um.
Toucinho de Lisboa e Santos i 320 rs. a
libra.
Sevada muito nova a loo rs. a lijra.
Peixe em latas grandes, savel, pescada, cor-
vina, e outras qualidades a l.ooo rs. cada
lata.
Passas muito novas a lo.ooo rs a caixa e
5nq rs. a libra.
Palitos lixados para (lentes a f 4o rs. o maco.
dem de flor a 2oo rs. o maro.
Presunto para fiambre inglezes e imericanos
a 85o rs. a libra,
dem do Porto a 48o rs. a libra.
Queijo prato a 64o rs. a libra.
Idem fiamengo vindos no ultimo vapor a
2,0000 e 2,3oo rs. cad um.
Sardinhas de Nantes muito novas a 32o rs.
a lata.
Sag muito novo a 2oo rs. a libra,
dem muito superior a 28o rs. a libra.
Slio maca de diversas qualidades a 2oo e
24o rs. a libra.
LOJA DO PAVAO
Cassas puritanas.
(a Jnndem'se asma,sm,od,ir,as w puritanas rom bonitos Jesenhos pelo baratissimo iireeo
UOe M) rs. o covado, por haver grande i>orcao, pechincha : na ra da Iniperalriz n. 80. m
Cassas persianas a 3G0 rs. o covado.
Vendeni-seasmais Lumias cseas persianas a imitado Je lia transparente com
tecidos e inlciramente novos pelo baratissimo preco de 3(50 rs. o covado e nao desbolam
Pavao ra da Imperalrii n. 60. """^
Gorgurao de laa a 500 rs. o covado.
Vende-segorguraodelaade cor escura propria paraveaido de senhora, paletot para
roupa para menino, pelo barato preco de 500 rs. o covado : na loja do Pavao ra Imperati
As colchas do Pavao.
Vendem-se colchas de linho adamascadas com bonitos lavres de cr de rosa a'ul e t-aam.
pele baratissimo preco de 55 cada urna : na loja do Pavao ra da Itnpuralriz n 60 "
. Organdys a 240 rs. o covado.
a ^.nVendem-?c.organdp. "laiisa.los fazenda muito lina, de bonitosdesenhos, pelo baratissimo nren
de 40 rs. o covado : na loja do Pavao na da Imperatril n. 60.
As alpacas do Pavao.
Vedem-se alpacas de seda de cores muito fina propria para vestido de senhora, stmtemhar-
|ues e roupas para meninos e dita branca muito fina propria para vestidos e paletots, pjr orecu m-
to commodo : na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60. y .> *m*~
As laasiias do Pavao.
Vendem-se laasinhas com 9 Dalmos de laronra fie nma si, <>Ar < juawhMu. r..i i...........,ttm
MI
i-Jinita.
nhas matisadas a i'iO rs., ditas de quadres'grandes a MOfS. o tV^^'Mu"prm'sT^mtntK k
cordSozmho a 200 rs.: na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60.
Os soutembarques do Pavao.
yemdem-se os mais modernos soutembarques de grosdeoaples preto ricamente cni..,.,, H
de rtr de um tecido de laa com se,da muito bem enfeitados, por preco niuilo comaKKlo : na lou.
Pavao ra da Imperatriz n. 60. ^
Capas do Pavao.
Vendem-se ricas capas pretas de erosdenaple bastante eompridas, fazenda superior mal mo-
derna que ha no mercado, por prero muito em conta : na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60
Crinolinas ou baloes americanos.
- J5^SS!f*Mm?S2?^!!? / 'jais modernos porsercm muito fortes e bem armados de 20
arcos a j*. ditos de JO a 35o(K) ditos de 35 a 4, ditos de madapolao francez de diversos tatna.ibos a
.;,^'1" m"s''elln;l "mbabadoesem elle podendo-se tiraros arcos pelo barato preeo Z u
ii-iOO,^.tos para menina, de arcos a i&, ditos de musselina a 11$ : na loja do Pavao ra' da Impera-
triz b. 60.
Cortes de laa do Pavao.
Vendem-se cortes de laas matisadas com desenhos muito lindos contendo Scnvados rada corte
peto baratissimo preco de 7j5 ditos de cor de caf com palmas natisadas contendo 15 covados ida
corte pelo barato preco de 6 : na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60.
O Pavao vende para a quaresmai
Grandesortimento de fazendas prelas para a quaresma, v;nde-sc na loia do Pavao na (Li.Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Vinho em piqa de Lisboa, e Figueira, de 3,ooo
a 4,ooo rs. a caada, e 5oo rs. a garrafa.
Idem de Lisboa em ancoretas de 8 a ) cana-i dem inferior de 12o a 18o rs. a libra.
das por 27,ooo rs. Genebra de Hollanda em frasqueii as a 6,!oo
dem do Porto muito especial a B,5oo rs. a! ris.
caada e 72o rs. a garrafa. dem hamburgueza em frasqueiros a 5,8oo
.12ors.a libra, e de lo.ooo rs, a ll,5oo Idem em garrafoes com i '/i garrafas por ris.
rs. a arroba. 2,3oo rs. com,o garrafo. I Wem de Hollanda em garrafoes grandes a
Ule de Ia e 2 sorte de 8.3oo a 8,6oo rs. a Vinagre de Lisboa muito superior a 2,ooo 5,5oo rs cada um.
irroba, e de 28o a 32o rs. a libra do me- j rs. a caada. l dem em botija a ioo rs. cada urna.
In0r> dem mais baixo a 1,5oo rs. a caada, e 2oo I Garrafoes vastos de diversos tamaitos a 5oo,
Armzda India, Maranlutoe Carolina a 3,ooo. !,,rs- aSarrafa- m io e l,2oo rs
i!,8oo e 2,4oo rs. a arroba e a loo rs a' m em Prrafes *'om 4 garrafas por Gomma do Aracaty a 8o rs. alibra muito alva
libra.
Frasqueira de genebra a 5,8oo rs. e a ooo
is. o frasco.
AziMte doce em barril muito fino, a G4o rs.
s garrafa, e em caada ter abatimento.
Parl greve pautado e liso a 3,5oo rs. a
resma.
Genebra de Hollanda em botija de conta a
Passas corinteas a 3oo rs. a libra e !2,8oo
rs. a arroba,
Er ilhas frameza e portugneza a GIO rs. a
ata de urna libra.
Clncolate francez, hespanhol, suisso e por-
uguez a l.ooo rs. a libra, e a 28o rs. ca-
ja pao de urna [U.
Ameixas fraficezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas, com diversas estampas
no exterior da caixa de 1,500 a 3,ooo rs.
cada urna; tambem ha frascos c latas de
differentes tamanhos que se vendem por
mdico preco.
Massas para sopa: macareno, tallnrim c alc-
ria a 48o rs. a libra, e em caixa se far
abatimento.
Ga.'i-aloes com 14 garrafas de genebra de
Hollanda a 5,8oo cada um.
Cli irutos de todas as marcas e dos melho-
-ss fabricantes do Babia de 3,ooo a 4,oo
rs. a caixa.
1,2oo rs. com o garrafo.
Ameixas francezas em caixinhas com ricas
eslanpasno exterior de l,2oo a 2,ooo rs.
cada urna.
Idem em frasco de vidro de diversos tama-
nhos a I,oso e 2,ooo rs.
Idem em latas de 1 1 2 e 3 libras a l,3oo e
2,3oo rs. cada urna, e a 8oo rs. a libra.
Graixa a loo rs. a lata, e l,2oo r.\ a duzia.
Licores linos francezes em garrafas e frascos
de diversos tamanhos de oo a 8oo rs. ca-
da um.
Marmelada imperial de todos os conserveiros
de Li6b6a a 6oo e 7oo rs. a libia.
Massa de tomate muito nova a ti' <> rs. a li-
bra.
o covado, sendo muito boa fazenda para o preco. superior menrentique preto, sendo fazenda lana
e milito encorpado, sarja preta hespanhola muito eueorpada a iOOO o covado: todas ests tiswdti
vendem-se por prego muito mais barato de que am outra qualquer parle.
Ricos vestidos pretos.
Vende o l:vo.
Vendem-se os mais ricos cortes de vestidos de grosdenaples preto, ricamente oofeitadits a vvlude
a imitacao de vestidos a soutambarques. trazendo cada corte lodos os enfeiles precisos; fazenda mui-
to moderna, e vende-se por preco muito em conta. na loja e armazem do Pav.o, na da mrvratru
n. 60 de Gama & Silva.
RIA DO QUEMADO N. H. 1
Leja de fazendas de Augnslo Frcderico dos Sautos Porto.
Fazendas pretas para a quaresma.
Hicos cortes de. moreantique preto para vestidos fazenda superior.
Cortes de vestido de seda preta com barras.
Capas pretas de seda bordadas e enfeitadas de *&& a 50.
Capas de seda preta com mangas ricamente enfeitadas.
Soutembarques de seda preta e casemira de cor com lindos enfeites.
Zuavos de seda preta de muito gosto. *
Pannos pretos, casemiras pretas, setim preto, grosdenaple preto de diversa^ nualiUaJ.: lude
superior.
Chapeos de pallia d'Italia para menina ricamente enfeitados de 7 a 125.
Camisas para liomem francezas e ing-lezas de algodao e de linho,
Atoalhado de linho fazenda superior.
Catoislnhas de cambraia a Garibaldi para .-. nhoras.
Na mesina casa tem grande sortimento de fazendas de seda, laa? linho e algodao que md *
vende por muilo commodo preco.
Chegaram tambem a excellentes
i:nikih\s para najlan,
1\:i ra do Qneimado n. II.
Figos de comadre em caixinhas de 4, 8 e !(> Marrasquino de Zara a ti40 rs. o frasco,
ATTEUT^AO
Todos os senhores cue comprarem para negocio ou casa particular jO& para
cima terao mais 5 a 10 por u/o le abatimento ; o proprietario srientifica tvais que todos
os sous gneros s3o recelados de sua propria encommenda, razao esta para poder ven-
der por mnilo nenos do que em outro qualquer istabelecimento.
M. J. Ramoso Silva A Genros, tem
para vender em seu escripUirio na ra do
Vicario u. 1U, o seguinte :
Ricos e elegante pianos.
Algodao da Rabia para saceos e roupa de es-
01 avila.
Fio de algodao para coser e pavio de velas.
Ora lie Lisboa em velas.
Cera de Lisboa mi grume.
Superior viaho do Porto em caixa de urna
duzia.
Dito dito em harria de 5*.
Colla da lia na.
Iirrs a l,3oo, 2,5oo e 5,ooo rs. cada
una caixa.
Idt m em caixinhas de folha a 3o rs
Idttm em caixas grandes a oo rs. a libra,
dem em latas ermetimentc lacradas de l,tioo
a 3,ooo rs.
Arroz da India e Maranhao a 80, 100 e 12o
is. a libra, e 2,6oo e 2,8oo rs. a arroba.
Amendoas de casca mole murfo novas a loo
ts. a libra,
olas novas a I ,ooo rs. os molhos gran-
es e a 7oo rs. o cento.
isla a 14o rs. a libra c 4,fioo rs. a arroba.
Ib(arrio, talharim e aletria muito nova a
ioo e 48o rs. a libra,
oitos c bolachinhas inglesas as ultimas
legadas ao nosso mercado a l,2oo e
,4oo rs. cada lata.
Ce!
Alp
Bis.
c
I
dem em frascos grandes a 8oo n.
Cominhos muito novos a oo rs. ;i libra.
Erva-docea 24o rs. a libra.
Pimcnta a 36o rs a libra.
Gravo da India a 6o rs. a libra.
CanneJIa a l,loo rs. a libra.
Alfazema a 2oo rs- a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 6oo rs. o
Braco.
(kipos Iiims para agoa a 'i.ooo rs. a duzia.
Chouricas novas a 72o rs. a libra
Mostarda france.-a preparada e muito nova
a 32o rs. cada um frasco.
Gonservas francezas de superior cualidade a
640 rs, o frasco e 7,ooo rs. a duzia.
Azeite doce a 64o rs. a garrafa.
Sevadinha de Franca muito nova a 2oo rs. a
libra.
ATTENQO.
i Neste grande armazem de molhados vende-se em grandes porcoes e a retalho,
azendo-se diiTerensa consideravel a quem comprar de 100^ para cima.
RIVAL
SEM SEGUNDO
lina do <|ueiiuado ns. l e ...
MOVAN
sementes de hortaliza.
Chegaram no ^apor francez Guiene as novas se-
mentes de horUlica : na ra da Cadea do Recife
n. 36 A, loja de ferragens de Ilaslos.
FARINHA FONTANA.
Farinha da muilo acre lita a marca
Fontana i'csemhai cala hoje, vende-se i Lapu POP preCO mais COUimodu do que em Novelli s de linha com 800 jardas a 120 rs.
flllIflnVr nutra narlA na na qu.liqiiei tlin pai te na ra (la 11 UZ frasco,, de nuasa, oleo muilo superior, a 100
It. 4 casa dC i\. 0. Bieber k SUCCCS- DmhaUta dedaee brancos em caixas de vidro
H20 rs.
AGENCIA
DA
FNDICO DE LOW-WIOOR.
Kua da Semilla nova n. 12.
Neste estabelecimento contina a haver
loja d< miudeas de Jos de Azevedo Maia & C, I um completo sortimento de moentas e meia^
prmeiii-aonovoannoaturrarniiudezaspeospre- moendas para engenho, machinas de vapor
eos iiu! a todos causa adunracao, a saber : j 1 .-, j j. .j .
'an* le sapatos de tranca muito tinos a 1600. ie tochas de ferr0 halldo e coado' oe lodos os
Frasco de oleo babosa dos melhores fabricantes a tamanhos para ditos.
240 -s.
Ditos i laiores a 400 e 500 rs.
Frasco d'agua de Colonia muito tinosa 400rs.
XAROPE
deLABELONYE
l'haruiacculico da primeira elasse
i-:m IMi-Is.
Ksle medicamento empregado ha mais dej
Batatas e ceblas.
Bina da Madre de Dos ns. de8.
Vendem-se caixas esm duas arrobas de batata:
por 15200, cento de cebla a oOO rs., as mais n-
vasdo merciido.
Vndese ou permuta-se por predios nesta
cidade o cnpenho Velho da frepuezia de Santo A-
maro de Jaboatao, o qual engei.ho acha-so livro e
..o>v u up'Fg u.d.a uc dcSenibargado de qualquer pendencia, o tem ter-
20 anuos, com successos constantes, pelos rrno sufticiente para outro engenho, tem ptimas
melhores mdicos em lodos os paizes, con- obras, trabaIha com agua; vendendo-se tam*>em
ta as molestias do coracao, as hydropisias a safra novamenic plantada, e igual ment toda o
8 as allecces do pei/o, acaba de receber ipado- c.a!in,aes a "uem o negocio cima coa-
" r >_ '""uu t|er dinja-se ao seu proprietario no mesmo en-
uih novo suffragio por nao ler por ora ap-! gento.
parecido outro igual para curar nfallivel-'
mente ludas as dpeniib do coraran organi-,
cas ou inorgnicas, nipilarnos, hydropisi.i>
geraes ou parciaes. liydruihorax. asilimas j
chronicas, bronebites nervosas, e luxosj
chronicos, aphonia (exlinecio da voz), ele!
As gazelas medicas fallatn calorosamente
sobre os eleitos preciosos do Xarope de
Ltibclomje, quetem hoje adquirido um dos
primeiros lugares no quadro dos medica-
mentos os mais afamados e da therapeulica
universal, como o declaram os celebres m-
dicos francezes: Andral pai o lilho, llouil-
aud, Cottereau, Desruellos, Fouquier, Le-
maire, Marjolin, Pasquier, Rostan, Rous-
____ESCRAYOS FGIDOS,
tOg de gratlfleavo.
Desoppareceu desde o 1 de ma o de !863, do
poder de ser. senhor o tcnente-coronel Jos Vicen-
te de Medeiros proprietario de engenho Pindola
na comarca do Penedo provincia das Alagoas o
eseravo Jeremas, de cor cabra, estatura alta, es-
padaudo, desdentado de um lado mais quede outro,
muito pouca barba, ps grandes e tem algons ca-
rolos efe carne sobre o peito, bom sapateiro etem
na cidade de Recife urna irmaa cnoula de nome
Joaquina, liberta, para junto a qual dizem que se
evadir : quem o capturare entregar em Pernam-
laieo ao Sr. Jos Augusto de Araujo (cidade riano Joaqoia) da
declarada.
Sabonejtes muito Dnos a 160, 200 e 400 rs.
Frasco: grandes de agua de Lubin, o melhor,
nuno.
PJiMiI%(II V
Cusldiiiit Carvalko & Campa-
nhia.
Itirailo <|urlmado -Z?.
Now.s lazinhas -M-ossezas ir.uito lindas, fazen-
da ene irpada, propria para vestidos de senhora e
cnancinhas, u-;lo barato preco de 240 cada co-
vado.
GLOBOS
V.ndem-se globo; de barro vidrado da fabrica
de Santo Antonio nrios para jardim e
frentes de catas: i a ra do Ainorim n 46.
GAZ GAZ GAZ
por preeo rednzldo.
c-sc gaz la melhor qualidde pelo
pro o de 10.5 por lata de 5 galoes : no ar-
rnattDi do Caes ) Ramos n. 18 e rita do
Trapiche Novo n. 8.
sores.
Hua da Senzalla Aova 11. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferio coado libra a 110 rs., dem de Low
Moor libra a 120 rs.
FAMAS
baratas para acabar.
Sedas de quadros e de listras a 320 rs. o cova-
Papis Ide agulhas a balo Victoria a 60 rs.
Hanha transparente minio superior a 700 rs.
Dita Jajponcza muilo lina a 800 rs.
Duzia le jabonetes muito linos a 720 rs.
Papis de agulha com toque de ferrugem a 10 rs.
Grozas de boties de madreperola muito finos a
560 rs.
, Pecas le fita de cs, estreitas, com 10 varas, a
320 rs.
Novellus de linha branca do gaz a 30 rs.
Carretcis de linha de cores muito fortes a 20 rs.
Cartoe.- e caixas de clcheles francezes a 40 rs.
para colietes a
eoncollos & C.
Hua da Senzalla n. 42.
Caixas preparadas para costureirasa 1#500,2 e
Massosde grampas lisas e finas a 30 rs.
Caixas
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johtston 4 C.
ma da Senzalla Nova n. 42.
Vende-se a prupriedade denominada Maltez, tita
na freguezia de Tracunliacm da cornaca de Naz.i-
reth, com urna legoa de frente e meia de fundo, e
proporcSes para relia se levantar um bom enge-
nho de fazer asnear, sendo que acta mente ren-
do ella mais de 1:0005 que pagam os moradores
que tem : quem a pretender entenda-sj nesta pra-,
ca com o Sr. Antonio Jos Leal Iteis, na ra da
Cadeia do Recife n. 47.
VKNDESE
o diccionario de Moraes da 4' edicao, com pouco
uso, e per preco barato : na ra Nova u. 38.
seau, Delaberge, Parmantier, Puche, Ther- ?^l!2JS!lLJ?rJ!r
.. ... i ,, -,- Silva, recebera a quantia acuna i
Jim, Vidal de l'oiiiers). etc., e oulros fa-i------r;,. '.---------.
Imll-ilicis iln mais clchies Js dl;l de Ja,lelro PSSSadO ruglOO t'UTav
cuilaticos dos mais celei es. MpMl c|.ioul de l(1.ldo (lc t m .mi(, j l(,ul
Vende-se em garrafinhas de vidro verde, cabellos brancos e usa de meias ,-ui .-as, taja um
trazendo um rolulo, fundo cor de violeta principio de gomma no peito de um dos ps, u?a
clan, jaspeado, no qual sobresahe o nome ? alpargatas, muito regrista e intitula-so forro..
IjthrlniiH' n o-irff-iln da oarnfi trn7 ntm ^"te preto e natural do Ico, donde veio para aqu
uwtionyi, o gargaio ua garraia traz urna, ser vendd0i e por a|gom lempo pertencen ao 8r.
tira azul jaspeada, com a Iirma de Labe-: Jos Guilherme Guimaraes; consta que levara em
lonye, e a rolha coberla com urna capsula | sua compant.ia sua amasia, de nome Marn, parda
de melal branco com a inscripgao Sirop acaboclada, alta, e com falta de denles na frenfr;
ie Digilitale de Labelcnye, pharmacien,
Pars.
Deposito geral: em Paris, ra Bourbon-
Villeneuve, 19.
Em Pornanibuco.na casa de Caors & Bar-
beous a ra da Cruz n. 22-
mmmmm-'mmmmm
Para particulares. '.;-
No priineiro armazem da escadinha, v^v
passando a ponte, esquina da ra da Ca- .
M| deia, vende-se o^seguinte:
v5 Milho em saceos*de 24 cuias a i3
T? Peijo dem idem a 3iS-
Veode-sc para segunda e terga-feira um ex-
cellente domin de velludinho de bom gesto em
cor e modello, que se f.u negocio por todo e qual-
quer prego : na ra do Livramento u. 10.
Vende-se em casa <1p S P JnhnstAn A. r -al!5asJ(,,' I'alilos do Paz e de cera inos a 2 rs-
i-!" -TiV^-^?i. .?l? .:' Ou-jae facas c garios de 1 boto superiores a
sellins e silhoes inglezes, candieiros e casti- siaOtJ.
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela, Duzia 11
chicotes para carros e montara, arreios para ^Ww
Grozas
canos de um e docts cvallos, erelogiosde ^Z^ZHhZZ
ouro patente inglez. Cainas le rap com espelho a
e ditas e ditos de 2 botos finissimos a
le palitos do gaza 2,5200.
le rap com espelho a 100 rs.
LUVAS UE PEL
lira a 500 rs.
Na loja da Aurora da ra larga di
Venda de urna hypothtca.
Os liquidalarios da massa fallida de
Jos Antonio Itasto vendem a hypolhe
,.,ca que tem nos engenhos Mallo Grnsso
38, vendem-se luvas de pellica brancas e pretas e CajabusS HO ICI'IHO de SerinhiieiQ nt)
para hoinem e senhora a .iOU rs. o pir, ditas de n. .,.,.., .
se-laa 100 rs., ditas de ditas a 200 rs, deseda.Valor de 1:8tto$!H1 FS. tratar as
muito boa, s o botada, porm sao muito proprias pan os masca---------------------------------------------------------------
ras brincaren! oestes tres dias do carnaval ; assim Carne do sol.
como tambem temos lanteiolas de differentes cores A verdadeira carne do sertao a 320 rs. a libra :
a [rogo commodo, lencos de retroz a 3O rs, tam- no armazem da Aurora Brilhante, largo da Santa
bem muito proprios para os mascaras. i Cruz n. 84.
esta parda costuma embriagar-se. Poneos dias
depois da fuga foram encontrados peno do enge-
nho Camaragibe; pede-se, portanto,as autoriu.nles
, competentes ou a tpiem delle liver n 'liria, i.'e ,
| prehende-lo e leva-lo casa de seo senhor Migeet
I'ereira Leal, na ra da Cadeia do Keeil'e n. t,
que serao bem recompensados.
l'ugio no dia 29 de Janeiro do corrente atino
o eseravo Tiburcio, Mozambique, de idade .121
nos, alto, magro, olhos com costuras de queiina-
dura de fogo, ps grandes e feios, eom o umbigo
crescido, e se diz achar acontado no engenho san-
ta Rita de Jos Francisco de Barros Ulna, fregue-
zia de S. Lourengo da Matta, cujo eseravo foi ar-
rematado em praea publica |x>r execueao de Jos
Joaquim Alves contra os herdeiros dfl Fiar.eiva
Correia de Barros, senlwres do engenho cima
mencionado : roga-se s autoridades e capitaes le
campo a apprehensao do referido eseravo, e entre-
gar na ra Jas Urangeiras n. 21, a sen senhor,
que recompensar generosamente.
Desappareceu no dia 2 do corrente o adale
de nome Andr, idade 3o annos, ponco inris a
menos, baixo, cheio do corpo, com marras (1* l<-
xigas, quando falla Dea com o olho esquerdo m*io
fechado, cabellos na gaforina encarolados, e co.-tu-
ma botar cheiros ou banha, ps grandes, grossos
largos, levou vestido caiga de brim fino com qua-
dros azues, e camisa sacco de risradtt encarnado;
filho da serra do Teixeira. veio do AracaO) em-
barcado, muito ladino e bem fallante : quem
apprehender, queira traze-lo ra da Cadeia ai
Recife n. 49, sobrado, ra do fraplche, ai tnazem
de assucar de Hanoel Teixeira Bastos, ou ra da
Alegra n. 9, i seu senhor Jos Antonio n.isto,' (,\m
alm de se tirar agradecido, ser recompensad!.





s
LITTERATURA.

' "
Diario de l*f rnambnoo So2 Al flins reverso* de hroes.
, nr,\i:.
cariaba dos La Vigne era dependencia de nina;
sntis- 'deola 1ue se esI,!lu'ia pela matta. Ella Barraran
os I ao lugar gritando : pega issassiuol A bosfl
ie os fantico- do rom:
oM un nnari os seidas do genero Kbrrivi
n" ., ,,, n5 tflI,i..m dwra, viuva de nm modo to inesperado, precii i-
imtatc. ivosde i/iinrf istandieinaoteiiiiam ,,,.,.,,
..........:., i., loo-se ao encontr delles. Accnsou ao lidalg
oh) ido, va. para quaronta annos, Francisco La
guipara b roe de i,nn das suas elucubres,j'"' P"*> manda Elle so leve o temi
emqte.M rrivelera exagerado at ao burlesco, Plso para forliOear-sc na cabana; queriam di-
_. lo I>1 .111
tu
,.. qQo M rulado de Barba Azul
b l.-nz Xi de eroqnem taine. Podiam fazer, leste
faetnoroso, o lypo monstruoso do crimeimplataveb
in nBinado coin a cru 7.a astuciosa urna especie de
lliulo f irado de Yago ; salvo o direito, de Insi-
mular o lado inteiramenle ignobil do ladrao, e de
a| rescu ar, como consequenriis de un plaiio de
eatararinaeio vingadora, os medonhos alternados
do assassiuu.
li que comeco para um romance de scenas vio-
let'ias I julgue-se pelo mcu simples esbozo.
UM fus do remado de Henrique IV, um joven
lidalgo, partiu para Pars afim de reunir-se cur-
te, en tan em Pontainebleau. Este elegante e rico
pMndO era um apaixonado carador. Pelonmi-
nlio, bastante selvoso, nao llie faltaram tenti roes
c; ncgeliras, c a ellas de tal forma se abandi nou,
que aclou-sc noul>nha, separado de todos os
laos, perdido no meio da malla.
Depois de procurar ao arraso por algum totopo,
itascobru aliual una casinba de camp nez, n.ora-
d., de humildes carveeiros. A poasada era mes-
i.uinha para elle, nobre ronde ou visconde, mas
nao hav.a onde escoll.o.r, e o crepsculo vinlia vin-
ile. Elle entrou, e aciiou-se em presenca dt um
Feche esse cofre i chave c guarde-a, disse ja jusliceiro. Montou logo a cavallo c foi direito ao apresentarao ao espirito do leilor, no decurso ra por deinais elevada reir nrnmmnrfar-sp pm
desta narrativa. A chronica chega a aflirmar, que uma t,ora lao inconveniente
os espinhos Iriumphaes do bandoleiro brego, por No dia seguinte, profundo pasmo dos caixeiros
vezes, impcdenam e soiiimo do salteador bourgo- nao |iam ningaem < A solida gaiola, rom quanto
Illlt'7. CI > llik.ln H i.lrla n/.q Ar ,.l.7~r. I 1
conhecer aos primeiros raios da la Persegu!
o em vio: o fugitivo tinlia dOMapat eeldo. nas vascas da morlo ao velbo, atarantado por en- dominio habitado pelos culp; dos.
Kra Francisco La Vigne. contra-la em tal estado contera alguna roupa que Venho visi|;ir a sua iorada dlsse ce ao
Kntretanto o tiro tinba despertado os pastor naodesejo que alguem use depois da minha mor- proprietario, que foi-lho ao encontr.
que moravam as proximidades, por 8SO que a te........Jure-me que ha de mandar depositado E" muita honra, excellenlissimo.
I- contigo na sepultura sem o abrir !
O lidalgo proiiielleu. por juramento solemne.
E' mesmo por causa da honra, senhor.
.Elle mandn que Ibe mostrasseiu todos os ai.
nt]?*' ., simada a trinta ps do chao, nao tinh'a guardado o
Este ultimo linha nascidoem Montigny sobres passarb sem azas
Arnianson, perto de S. Regina. Filho de um rico q p|gano ossuia uma fa(.a rom a (D,ia
carniee.ro, prefera a profissio das armas a de curtado em liras a sua rapa e caleoes; fabricando
Itivador. que lbe nrepunha o pa -. -nado por uma espeni de corda cum eJses ^.^ ,inha
exeCBUr aria ultima vontade, e Mana logo expiran seMto,, MUs o quarlos. 'ra i uniea porta pintada? a-"11 &*[ > .pan8ue, dos animaes^ seniia-e lo- ,|,,ci(ll) p,,|a j;ineMa d( vestia e seroulas. Koi nes-
1 mais nobre, ^ simples najo que elle voltoopara casa, na pon-
Apaixonado tedeDalllv. Come iiuer que tosse, ali o turnamos
sem eoMlso, perdida para sempro, mas cruel- (.om li(|lli.;a permaiieceu foi. iai|;l na 8M pr,,son_
nenie satisfoiu de acarrear vivo para sos tumba, ,.,,. oui;_ mMU\:t.\:i abrir, o visconde objectoo
quein a tinba para ali arnstado. qne U,M perdiJo a chave. O governador insisti
La Vigne ludo ouvio de dentro domovel, com os um 1,n||..(|. 13>m mi,.m0
ta-lo u represalia, aposar dos protestos da n*a cabellos errieados de horror. O qoe faser 1 Gri- L dentro est minha imante, balbueiouo
do defunto, cjue proclamava a sua innocencia. Ao lar Era por cerio entregar-se a roda. Tiravani-o r;iIe||r10
amanheeer, o ajuntameato da gente que o bloqui a-: d'a. poram lomaodo-o sem ovlda por algum '
va engrossoo-se coin todos os lenbadores das c r- drao, o prenderiam. Na inquiricao a que se proce- (
cumvisinbancas. Fallaram em i|ii.iinar-lbe o re- desse appareceria a sua abomUutvel identida
fugio para frralo a sabir. Com a carabina pro n-1 de! Preferiu r.onscrvar-se quedo, na esperanca de
la a alirar, apreseiitouse elle janella, declin >u que a camareira que o introduzia em casa, perce-
scus ttulos e qualidade e conjurou aos amotia- beria que elle nao linha deixado o escondrijo nem
veneivelmente impellido a derrama-lo mais nobre,
com glora, conforme enlio julgava. Apaixonado l(
pelaequifacao lornoo-se logo um dos primeiros a achar um mea depois levando uma vida de i-
cavalleiros da Boorgegne, easoa sclemaa hlp- dalgo, porm muito despresado pelosseusnobres
pica reunida a sua boa posicaode forluua. po-lo aur,,K,,s j0 lUro It.nil)0 que agora desconllavam
logo de relacoes amigaveis coro qoasi lodos os n- do scu modo de vida
dalgos do paiz, os quacs considerando suflicienles q faew e ,|(,0 eBo mnemj, liueralinenle uns
Ella muito deseja nao ser reronherida taes qualidades para fazer esquecer o villao, nao vinle malfeitores. A Trente delles, disfarcado, ex-
pelo senhor. "'' [M a rain em admitti-lo na sua aristocrtica p|rava as Irinla leguas em derredor. Sua cons-
E' justamente a ella qu! procuro.
O patricio julgou que em ledo o caso,
de uma pleba, de uma vas alia, seria
dos que fossem buscara juslica, s nao lbe dav; m
crdito. Coartado, por transaccao, decidiu-se a
eoosentir que o levassem casa do governador le
Melun. Em caminho, o seu sequilo, que andar
em sua busca, enconlrou-o no meio desle bando Je
vlloes e quiz desbarata-lo. Elle impedio que i al
se lizesse, exigi que Mara La Vigne, cuja rc\c-
lacao o tinba salvo, o seguisse para ser recompen-
sada com magnificencia por elle, porque era um
dos maiores'possuidores de trras dol.yonoez.
O marido da linda denunciante soube de todi>s
estes pormenores em casa de uma prenla, on le
se tinba refugiado depois da emboscada que tinlia
lalhado. Edificado pela affeirao da mulher, elle
nao cahiu em dar signaes de vida, emquanto n5o
achou meio de realisar os projectos de vinganya.
que meditava contra ella. Digamos em louvor
M u, que duranle todo este ongo tem|K). a|rn|as
par chegado a velhice, de urna bella c rubicunda contentou-se com urna dupla atrocidade ; foi es-
trangular a prima, que o oceultava mais o filho,
para que ninguem soubesse o que era delle e pa-
ra roubar-lhes uma quantia menos m, gracasl
qual |iOde vver longe do paiz.
Quando vollou incgnito, soube que Maria La
Vigne, sua legitima mulher, acaba va de casarjse
Ij na hora depois, o visconde principiava a : dor- um velho fidalgo, a quera havia ella dour^do
de novo o brasao ; as liberalidades do visconde
lyonnez, salvo por ella, continuavama enrique-
ce-la.
a habitarlo. Como nada coslumava recommen-
dar-lbe a respeilo desta obrigacao, nao mais pensou
em tal.
O bandido licou emparedado por espaen de viole fWnbada, que prosterooo-se
dor, clamando : piedade e
seus solucos.
eompanhia. Al o casaram na sua classe rom taMl(. preoeeopacao era augmentar a felicidade
mademoiselle de I Autel, de Bagarreles-Auxerre, com que rodeava a mulher, a qual, por singular
o rapto Bina de um lidalgo bstanle pobre, porem lido por eeguelra porm, sincera, ignorava a origem crimi-
conside- u"' persoaagem no lugar. ... noVa das riquezas em augumento de seu terno es-
.-i' E que Larrefour. desde sua primeira mocidade, Bnco
rado romo uma brincadeira s-m consequenna pelo nrnmrti fr varnain mn>i*ian>HontA mn- .,.,
- promi na ic r Lor.igt.in marcial e excentnio mu- \s dissensoes da minondade de Luiz XIII lendo
seu egual em brazao, anda que seu superior em do de vida para o futuro. De resto, foi por algum chegado ao seu auge, rebentou a guerra rivil no
poder. Deu pois ordem a La-^'igne para que abrs- lempo milita honesto. INivernez. Carrcfour,' mordido pela ambicio, reu-
se o quarlo. donde sabia uma nvca semi-na, des- Lomprou uma linda casa perloda ponte de Mail- niu ,ogo uan(os tralanles MOy e M ter Com a
I y, e para la se rctirou rom sua nova desposada, duqueza de Nevers para propor-ll
c quatrohoras; depois sentiu que levavam-llie o
envoltorio. Conduzirara um no oulro para a egre-
ja, onde o corpo de Mara jazia ja no fundo da co-
va: descerara o cofre ao lado do caixao. fechan
,, ,..-,. ,| .,,verna. luu aos pea uo govoraf creatura perfeita em lodos os pontos, como aflir-; de uma com|)anhja re rarahineiros. Obtem 400
juslica !. por entre mam meas documentos. pist0|as c ordem |ara toier KUarniCa0 em Chatcl-
Seus poderosos amigos nao consentiram que le- Sansav. O seu bando, porm inspira tao pouca
Appareceu depois um vellu paludo e ameacador ^" existencia pacifica
me or n vprlwnnii iisiica ou vimnnea' ^^'^"^"eos instinetos guerreiros, e o en- deu-lhe ordem para voltar para junto da Sra.de
que por sua vez cla.nou .j jstira ou Mnganca viaram a (.orle do du()UC de LorraiIu., para alis-, >ivernais. |rri,a'do com o que considera um ul-
ra- eonflaoca, i|uo o lenentc-general, o Sr. de Cojange,
r par
que
do-se a abertura com uma pedra grande que nao ergnendo Martha meia desm nada, para aperta-la ^^^^^*SS!^SSt desotedeceu e fez correras pelo
, ..............-' *..,. _- ._ contra o peito. ordens do lente la Horhebaron que o conhecia paiz pnr sua propra ronla. Marca res
Os soldados do rei tinham- > trazido e invadiam
o rastello.
paiz por sua propria conta. Marca resgates s al-
ha muito lempo. ... deias lomando iior base os roes das estaturas, que
Esta abandono do lar conjugal, por justihcado, vae pedindo por onde passa. Por longo tempo, ar-
nao menos deten.unou a perda do ardente moco.: ruinou 0 Auxerrois com as suas nielhodicas ex-
caiiiponiza, de uma menina e de um pegureiro.
Kxplicou a esla gente, de apparoncia modela e
nonrada, de que modo se tinba perdido da escolta,
pudiu-llit 1 ccia frugal e sobretudo uma cama >ara
^sar a noute jiorque cahia de cansaco. Apres-
saram-so em satisfazer o scu desejb.
Casar com a pobre menina deshonrada ou ser Elle prorurou dislrahir-sr, por todos os meios, do j ac,es.
foi sellada, em consequencia da noule nao deixar
concluir as exequias.
Ao estrondo da tumba fechando-sc sobre elle,
francisco, morto de ter ror, esbocou um ivo de
chamamertUi, uue foi sulTocado
niaio. Quando readquirio os sent
frer todas as torturas morac
iormentosnbvsr.os de um bomem enterrado vi- Pda sua viclima. Optou porUntO pelo hyniini
vo. Havia tres horas que se estorcla de desespero, eassim foi que uma filha de rtnhate.ro, tornou-o. j ^ a b|,a a fund() conhfcCmenU) -
e que Ja-Uta pareciam tres seculos, quando come- em viscondessa. Succedeu, porem^ cousa anda i ^ a^ ue lodas asanirnanhas ojiano, sea | s0|,"):idos seus confia o cuidado de servir d escol
ta ao enviado.
Cham-
na sua
mando do
mar-
.. gador. Km pouco tempo corrigiu sua nffellelda-: dlJ Gallerande, um dos seus fiis para Trojes.
a,so j de com tal destreza e finura, que ninguem tinlia afim dc prevcnir 0 marido. Carrefour fica-lhe
cou.a perceber poreima delle um rumor sur- mais extraordinaria, e foi qoe a affeicaodo mari-
do. Depois relumbaram passos por sobrj u cofre, do pela mulher foi augmenta ido, adquirindo ella
cuja fechadura procuraran) arrumbar I Ia admiraeao e respeilo de toos.
geito em trapacear, valeu-lhe dos cantaradas o al-
cunba de Cigano. (I) i A duas leguas de Xevers, o partidario agarra
O Sr. de la Rochebaroo, avisado dos aclos cul- pe|a g0ja ao ,narquez.
paveis da sua praca, e recejando alguma affronta Pe|a morle Mofere elle, declaro-me pelo
Nao lenbas medo, insinuavam a uma pessoa A nefasta influencia de La-Vigne para com e pol- causa delle, remetteu-o para o seu castalio de re fa?a.0 |)rsi0neiro e vou leva-lo ranha mae.
(l
mecer no nico compartimento do sobrado ('esta
lia'iitacan Iwspilaleira, quando ouviu bater de va-
gar na sja porta. Abjuro tanto admirado, abriu
senlindo no escuro a mao de uma mulher 'gar-
rar-lheno braco.
O senlior muito moco e bonito para ei dei-
xar depieveni-lo do <;iuc Iho querem fazer, mur-
murou-ilio alguem ao ouvido com emorao. A sua
brilhanle cquipagem untou os seus hospederos.
Quirem mata-lo para o roubarem. Eu son jora
delles Ii pouco tempo ; estao combinando com
mu marido que acaba de chegar do matto, para
sorprendo-lo quando o senhor tiver pegad) no
stano. Resgurdese I fortifique-se contra elles !
Deis o defenda I Como estavam da parte dc f-
ra, por laixo da sua janella ; eu enlo aproveitei
para subir, porem nao tardam a entrar... Adt us
Apon fechou-se sem bulha.
apenas leve um s instante de estupor; era um
bravo I A principio p;nsou emsafar-se pelajnel-
la :epuridavam-se em baixo 1 Esta porta de sal-
vae,S>lauto mais precaria quanto podiam perse-
gui-le, pareceu-lhe, pois, fechada. Sondou a por-
ta, que achou muito fraca, e empurrou para junto
dellacon o menor bsrulho possivel um gr;.nde
bahd- Tinha por cosiume nunca separar-se em
viagem, de sua esjiad;. o da carabina dc caca. Cer-
tificou-se de que estavam em bom estado, con-
fiando na sua coragem, esperou.
Bmfin; passos furtivos pararam no patariar ;
deiwis ainJa mais furtivamente, porm em vio,
procuraran! introduz r-se no quarlo inlwn.bei-
rado.
-^- O do visconde.
Kntrar para tirar uma coberta de cama para
meu filho c minha nra, respondeu a voz despei-
tada do velho hospcdeiro.
- V se d'aqui, importuno, eu nao abro a wrta
a t'Sta hora I V-se ou senao cuidado I
Nesta poca as pravas e verifleacoes dos fallc-
cimentos nao mereciam grande attenro ; ella acre-
ditara estar morto seu primeiro marido, rondem-
nado alm disso por contumacia, em virlude da
cumplicidade que tivera no crime abortado na flo-
resta de Foutainebleau, e por conseguinle apres-
sara-se em desembaracar-se de um nome man-
chado.
Francisco La Vigne regosijou-se rom este c^so
de bigamia ; offerecia-lbe desle modo uma arma
para torturar uma das duas victima-, quo tinha de
fazer, conforme prometiera a si mesmo.
Uma carta annunciou a Maria a sua existencia
e volta ; ameacava revelar-sa a todos, se recuss-
0 joven fidalgo! se recbelo occultamenle. Ella que receiava al-
gum escndalo odioso e fatal consentiu na entre-
vea.
O miseravel conhecia perfeilamente a pobre mu-
lher, cuja alma horrorisava-se com as cluminas
reservadas adultera na outra vida mais cujo cor-
po anda mais tema, por ser mais prximo, o ni-
forcamcuto destinado neste mundo bigama. Sjb
a impressao do terror, que Ihe causa va uma de-
nuncia, constrangeu-a, elle, a que Ihe pertencesse,
sem deixar de ser do seu segundo marido. Uma,
camareira devotada introduzia-o s occullas em
casa da ama, e, em caso de sorpreza ou de evasao
Impossivel, fechavam-o em um grande cofre, onde
Maria guardava seu dinbeiro e roupas precio-
sas. s vezes ello ficava um da inteiro assim en-
cerrado, respirando por uma fenda hbilmente
dissimulada na lampa.
A infeliz atormentada pelas suas visitas, caricias
e pedidos de dinbeiro, acabou por suecumbir aqs
remorsos, vergouha e ao terror de ser descoberta
; com elle pelo velho lidalgo, scu senhor e amo, o
qual por interesses flnanceiros era obrigado ir e
deu-lhe Carrefour, rgo de furor.
Esla affronta merecida, para um ente lao iras-
civel, era o ultimo peso deitadu na concha do mal
da I -llanca desta vida ; tambera nunca mais o bem
nelle sob'repujou.
to-
que bata com os deutes uns nos ouiros. A rapari-, castellao desappareceu por contra pancada,
ga afflancou-me que a ama guardava alia dentro as maldito pensou em precipitar a vmganea que es-
suas economas. Agora nio tem raais preciso ad Perava, om prime.ro lugar, do choque resultante de
paira. Seremos nos quera aproveitaremos..... X.n-1 com o severo justice.ro do Lyonnez, e em
guem ha de saber; havemos de por outra vez a segundo lugar, da antipalh.a originada de ord.na-
pedra no seu lugar, e como s sacristo nao preci- \ nodo um casamento obrigade entre um fidalgo or-
samos, para entrar, de arrumbar nenhuma porta, 'gulhoso e uma humilde canponeza. Uncebeu
portante animo! ,um l,lan0 verdadeirameute iniernal.
'.. ..i-. I ... .i. .... t.i ,.m,o udHka Reuniu uma duza do vagabundos, e correu
Ao dizer esta phrase a lampa cedeu. Do caixao | Tendo rebentado em Lyon algumas perturba- da Lorrune roubando e matando al s portas
entreaberlo saina entao uma furibunda blasfe- roes civis, o governador es;rcveu ao visconde, de Francfort. Na poca da celebro feira desta ci-
mia...... Os dous violadores de sepultura voaram agora seu amigo intimo, para que com os seus> dadr, imaginou, para espoliar cora seguranca a um
as azas do mais horrendo medo, acreditando te- fosse prestar-lhc soccorro. A viscondessa licou no mercador ambulante, do estratagema seguate :
. f t. j j. ,i,: lu dos caminhos puronde os commerciantes
rem o diabo nos calcanhares. castalio na companhia de algumas criadas e Oftonatolrqg pusavem, qoando voltavam para casa
La Vigne, luz da tocha que elles haviam aban- La-Vigne, cuja hyppocrisia tioha sido tao hbil que com os lucros ; costeava a cata de ora matagal,
donado, esvasiou o cofre, onde, com effeito, se linha oddo nersuadi-la de que, se a inha em outro tempo nico lugar propicio para um assalto nestas para-
deiudo era rima de dinheiro e enfeites de pre- raptado, fra para preparai -Ihe a felicidade ac-
co. Teve o sangue fri e forra de empurrar a |iedra toaL
tumular para o seu devido lugar, e, anda que mor- Na (arde ^ par|jda do inarJdo encontrou el|a
to de forae ecansare-, pode tomar o cani|H> antes da 0 escudeiro em um lugar remoto do immenso jar-
aurora. | ira. E+h cahe a seus ps, derlara-lhe que a a-
Rochetaille, nao longe de Langres c reprehenden- q^ | iraiares.ine assim nao possivel
do-o speramente, fez-lhe entrega da sua baixa. exc|ama 0 sr. de Gallerande, procurando desen-
Expulso-o para sempre da minha companhia,; vencilbar-se.
concluio. Juro-lhe que me ha de seguir... senao ma-
Organisare. uma por minha conta, respon- I(W)
ra, sem que
arda em febre. Quanto ao instigador da tentativa
sacrilega, um moco que era criado da finada
encontrado allegado no dia immedialo.
Por este tempo o visconde, que deva a vida; seu criado.
gens muito frecuentadas. Tudo eslava era fazer
se com que a victima procurasse algum tacto. No
extremo opposto morava um vellio|ermitao. Carre-
four foi ter rom o solitario, e, como era mui elo-
quente, o persuad- o dc i|ue, para rumprir uma
piedosa peregrinacao, era-lhe necessario o seu bu-
rel. O caritativo velho erapresta-lho, com o quo o
falso anachoreta voltou margem da estrada,
esprcila de alguma presa e com ares de quem des-
Pela manhaa poseram o sello no tmulo de Ma- dora, lembra-lhe que estove metade de uma nou-
ia. sem que de nada descouassem. sacristo em seu poder, e pede-lhe o que poda ter-lhe
,iva ^Martha'esmaga-lhe com o seu despreso, dizen- canea de uma boa caminhada.
, foi do-lhe que se naquelle mesm, instante nao deixas-1. Lhega um mercador com appare...-
, se o dominio, escTeveria, logo pela manba, ao seu fuj-rar^ea^taft^ sanio
| esposo para prevcni-lo da inexphcavel audacia do ^HffiJ?^*0' a
apparencias opulentas,
habito,
bom padre ?
perguntou ao falso eremita.
Ah I quer me dar ordens em minha cisa voltar continuadamente de Melun, seu domicilio
Pois vou j acabar com isso vou matar o uso- legal, s villas e burgos circumvisinhos. Em vab
tente. rogou e supplicou a Francisco La Vigne que se
fiim, vamos por ludo abaixoe iaala-lo,apoia- fSse embora e a deixasse passar na sua salvacao
rain com lora feroz. eterna. Elle metta o caso a bulha cruelmente, re
B o velho camponez junto com o zagal piepa- dc-brava-ihe os terrores, Icinbrava-lhc continual-
Francico laca cin t cobra 3er Da cidade, onde fui procura de meu me-
aquella cujo triste lira retracei, de.xou acorte para ^g" fomo um ,jgre mmfAa da sua aleina- UlC0 Pa[a um companheiro meu de cento e quinze
retirar-separa as suas trras do Lyonnez. Anda- j da reaialencia c lava a mancha no sangue, apu-. '"^^'Knn^
va cata de nm escudeiro que fosse capaz de d.s-, nhalando aimarg-1 ,an|0 ^ de ^ e raizos,
trahi-lo na sua retirada, que teve por causa de L.pffin^D^e^Je^ea& em oaimal A esta pergunta, Carrefour respondeu com um
uma paixao. Quasi um mez depois do nocturno tJSSST^^Mi^ "'" ^P6', longo discurso sobre as vantagens moraes e
dramde Melun, apresentou-se um pretndeme ao, ^rES^^IrSaaf Sassiuo, va para o \ s^ do rgimen o, anac relas De mais ac-
.ugar e que foi aceito por dar todas as garantas gg^SS* ** J/S* tanS"o abto que li ozimo fina, .U
Midas. \^^^!%X^J^nWZ t d'onde eslao, melbor do que elle exphea a
Era aindaFranc.sco La Vigne que tinha com- cozinna gllrahida pela honivel lula, e rompila
prado ou furtado a baixa e mais papis de um suas atrocidades deitando fog> habilaco
official inferior.
Os camponezes porm o ; garram, quando ja a
Elle tinha perfeilo conhecimen.o do personagera jg* -^JrJ* $&
por quem Mana o trahira em outro tempo. em impia ronca confessa-Ihes, o furioso, com esear-
quanloque o fidalgo at ignorava a existencia de neo lodosos seus chines reetntes e aatigos.
semelhante hornera do nada, desse ladrao, que em Mandara um correio^ a.Lyon para avisar ao vis-, husca-la. Antes de dar es-
outro tempo liaba mostrado os calcanhares a sua ^ ^hea t'S no'u e 'L o de dor' e' r va I *' ^ fi *<% f crupulusamen.e o
espada. Dcil, esniri.uoso. insinuante ?rancisc "&, ^.n* "1Lt Jh bat.iloaov. solitario. Quando elk contenta-
nao tardou
O mercador rede fallaciosa tentacao de inter-
rogar este orculo. Segu pela mata dentro o fin-
gido ermilo que o apunhala encontrando-lite tao
sement cincoenta escudos, por ter sido paga a
maior parle do seu negocio em uma letra de cam-
bio paga ve! em Pars. A quantia a receber era de
sutllcienle importancia para obrigar o temerario
seu nove
cer, adquirindo
elle.
rani-se para cxecuiar as suas ameacas.
No mesmo iuslanle a extremidade de urna escada
encostada da parte de fra da janella.
Promjito como o raio, o lidalgo descarngao
mosquea a acertar, atravez da porta, tira o liah,
elanca-so pela escada abaixo com o ferio em
punho.
Ti opeca no cadver do dono da casa, ferido com
o tiro que elle tinha disparado, mas tao felizmente,
quo evita o (oreado do zagal e o traspassa de lado
I lo.
Depois sabe rpidamente, mesmo naoccasilode
avistar o le.ceioo assassiro, que vinha pela escada
ab&ixo para fugir diante do vencedor, fcil de re-
mente que o tinha denunciado, dizia-lhe que es-
va condemnada, sem remissio, e prevcnia-lhe d
que eslava espera da sua morte, para saquear
incendiar a habilaco. Por fim, o coracao da desesj
perada tomou-se de odio concentrado roulra se i
brbaro perseguidor.
Ella atlingio o periodo lethifero da consum.
Qo. Lina noule era que Francisco atormenlav
seus supremos momentos, o segundo marido chegoj
de improviso de uma das suas viagens, pelo qu
seu predecessor teve de refugiar-se a toda reas
no cofre acouladur. A agonisa/ite veudo-o cheg.i
e esconder-se o seu carrasco, tambem pensou vinj
gar-se de urna maneira lerrivel.
. FOLHETIH.
O PADRE DANIEL.
ESTUDOS DA VIDA DO CAMPO.
POR
ANDB&THKURIET.
i
(COHTINUACAO.)
Abril 184...
Q le horrivel desgraca t... Pobre homtm, onde
eslas agora?... Sempre estou a ver la vista tao
profunda! Que querena dizer-me? Possa Dfus le
jugar rom misericordia I Uma pobre viuva pi jada
jji bre rre?nca I
E.am tres horas depois do meio dia. Eslava na
egreja < nde se cantava o ofllcio de trovas. Iloje
Suiola-feira santa. A porta inteiramente .berta
a va passa gem a primavera. O tempo eslava fres-
co co no branda a paz de uma ronsrieneia de
poaro recoariliada com Deus I As flores con que
as pi nhor ea.b ilsamavam o ar. Eslava sentado i o lu-
g; r do cosiume no meio das creancas. As mulhe-
re* se tinham collocado diante do coro. Cada
creanca tinha irazido um malho de pu para de-
mislrar eslrondosamente a ronslernacio de Jeru-
salm. Esta circumstancia, unida a primavera, os
to'nava mais turbulentos que nunca. O Darielzi-
nbo sobre lodos se mostrava mai desinquiete. E'
uma er anea de oito annos. Eu o tinha dist ngui-
ik de b i muito entre seos camaradas por seu lindo
roto, ar esiierto, e por chamar-se tamhem V. aniel.
Elle jiai lamenlava com seu mais prximo v zinho
e Irabathava para se collorar ameu lado. Csme-
nians adc.'i i'iam tao depressa que se os ama J,
sejnd-i o rito de quinta-feira santa, se tinli; apa-
gado as primeiras vollas de rraamarella, e eu me
iransporlava em espirito a Jerusalm. O Danielzi-
i' > liiilia conseguido pr-se junto mira, e logo a
el pura d ar, o perfume das flores, o can o dos
psalmne tinham fechado seus olhos, e elle ai oa va
sobre meu braco a cabera somnolenta. Tirha-se
aiiagado a penltima vi lia. J os malhos impa-
i eomeeavam I. se fazerem ouvir, quardo de
repente h-uve um burburinho na egreja. Voltei a
c-ilicca, uma mulher la correndo. Todas ai mais
se levautavam, se juntavam, e depois saliiam
pf isa, Aiguem chegou-se mim. Sr. cura,
0 rarpfriteiro Peyr (pae do Danielzinho) que, col-
loraodo o i amanele na rumieira da casa nova, aca-
1 di c Ir na ra e morrer! Sahi mesmo eom a
obrepelii e corr rasa nova. Todos se enfileira-
um verdadero imperio ^|BS itt^^WSf ^ ^
Duranle um mez foram ii uleis todas as pes-
quizas. Emlim. umamanhi, um amigo do in-
D'ahi por diante, o visconde foi sem sentir ro- conso|ave| pae de Martha disse que linha reco-
lando pelo inclinado caminho do vicio. Um dia nhecido o feroz Francisco i as raias de um ma-
encontrou a lilha de um vinhateiro, scu vassallo: tagal da vizinhanca. Ovelhi vinhateiro mandou
.. i .. .._.____ partieinacao disto a seu nobre genro. Mzeram
oareceu-lhe adoravel; julgou que ella podena ser- ^.^ v,ugar illdicado cm effeilo agarra, am
vir romo uma compensarlo das suas magoas amo |,a_vigne no mais denso dos espinhos e das sar-
rosas de Paris, e por isso encarregou a Francisco cas. Admirado da figura do visronde, que j pe-
de corrompe-la. Martha tinha lano de ajoizada recia um espectro, porque se linava de pesar, ello
Os oflerecimentos do intermediario resisti pouco- Julgad era
como do bella.
foram repel idos com indignacao. La Vigne acon-
selhott entao ao poderoso senhor, que empregasse
a violencia, pelo que, logo que obteve a sollicitada
ordem, arrancou de noute a mora do terto paterno,
e levou-a ao castalio do visconde.
O infeliz pac fui immediatamente
Lyon. este monslro
seffreu o supplicio do azeite f .'rvendo.
CAItllKFUU i.
Eis-aqui um emulo de Gui le y.
Se o famoso compadre Bao livesse exi-tido no
tempo de Henrique IV, a cmanguentada palma do
banditismo fraucez, no XVII seculo, pertcnceria
I sem conlestaco ao capilao Carrefour. Existe, com
Lyon. para efToito entre alguns actos andana destes dous han-
queixar-se ao governador da provincia. Este era didos certas scmelhanras, que por si memas se
ram a minha aproximacao, e vi estendido, em qu
estado, meu Deus! um homem que abriu sobr
mim seus grandes olhos, mergulhou urna profundk
vista em minha vista, e quando tomava-lhe as mos
moveu os olhos e morreu. Sua mulher, ao lade,
era uma immovel estatua. A mullido gritava,
ella s estava muda. Coilada est pejada I Tira-
ram o cadver, levaram a viuva, mas antes de parf-
tir, levanlou os olhos para a cumieira da casa era
que o ramalhete posto por scu marido fazia fluctuar
seus lacos festivaes.
Peyr nao tem aqu parentes; nao era do paiz.
A viuva apenas lera um irmocheio de ilhos. To-
dos sao pobres de fazer d. O albergue de Peyr
nem mesmo Ihe perlence. Felizmente tenho anda
a mor parle de minhas trras de Bruasseries, map
o que pode fazer o dinheiro aqu t Ali I o que sa
meus pezares vista destas dores?... Miseravel]
e me lamentava !
Quando despedi-me da viuva, foi despertada mi|
nha attoncSo pelea gritos lamentosos do pequeo
Daniel, que ha pouco dorma tao soregadanieiite
sobro meu braco. Tomei-o pela mao e leve-o para
o presbiterio. Dcilei-o em meu quarto. Durme
agora. As lagrimas seccaram sobre suas faces, que
enlabuzaram todos.
O' meu DeusJ Por ventura tua providencia que-
rcr fazer brotar consolares para mim de uma
lao horrivel desgrara? Acaso ds-me Daniel comti
feslas ?
Dez das depois.
Que a paz do Senhor se eslenda tambem sobre
ella |K>r seculos de seculos I... A mulher de Pey-
r seguiu seu marido cora sete das de intervallo.
Enierrei-a junto dcdle rom a enanca que trazia no
seio. Ella nao se deitou desdo o da seguinte do
successq. Nao coma, nao fallava. O medico des-
enganou-a desde o primeiro dS que a viu. A vis-
ta de seu filho Ihe era indifferente. (ainitudo na
hora suprema, pegando na mao de Daniel, olhou-o
com uma ternura indisivel, depois poz esta mao na
micha sem dizer palavra. Acceitei o legado.
Maio 184...
Occupo um novo quarto. Cedi o meu a Daniel,
por ser mais arejado o alegre. Parece-me que mu-
dei dc prcsbylerio e de parorhia. A serenidade
voltou-me desde tata abrigo esla creanca sob meu
tacto.
Pens ainda bastantes vezes em Templiers, mas
sem amargura e perigo. Se Dionisia tem uma me-
nina, lenho um menino. Nossos destinos, pois, se
parecem. Seja Deus louvado, por me haver man-
dado esta creanca.
Mcu Danielzinho esta ainda intratavcl, ainda no
est domesticado. E" um passarinho que apanhei
enqiennado e que sabo que nao foi aqu creado. E'
como essas flores que se transplanta j em boto, e
que levam tempo a cobrarem vico, mas, por mais
selvagem que seja, alegra e d vida a minha
casa.
Em quanto satisfaco assim meu coracao e sabo-j E sen pensamento mudou le dlreccao sem ces-
reio essa inexperada palernidade, me louvam, ga- sar de ser conimovido.
baiu e abenepam em minha parochia. Ah! Sr. A creanea rom effeito cresi ia em edade, entrava
cura, como bom o qae fazeis I Deus vos recom-' em seus dexeseis annos e breve teria dc separar-se
pensar I Eu me humilho anta Deus todas as i delle. Tinha pouco pouco percorrido o circulo
noutes. Deixam-me tomar essa creanca. dao-m'a,' assaz restricto dos estudosfamiliares ao padre. Fi-
minha... uma crenca viva e bella I Posso nu-zra sua pri.neira communhi, linha aprendido o
tri-lo, mante-lo, guarda-lo em minha casa e elles; francez; a historia anjiga c a de seu paiz; o padre
nao me pedem cousa alguma em paga de tal lbe- 'o vira as vezes animar-.-e s narrace> das bata-
souro, e julgaui que nada Ibes devo I A mim que Ihas, outras vezes enfadado, e sulfocando um boce-
agradecem e louvam I... jo quando se trata va de disse tacSes philosophicas,
Ah 1 ninguem sabe toda a raima, toda a felici- e presentir que a vida estudiosa c contemplativa
le este joven hospede me Iraz em suas raaos nao Ihe agradara, e que o demonio das aventura i
' o impedira para a ac.ro. Quando esta necessida-
de de vida arliva se desenvilvesse, o quo se tor-
nara o pobre primo? Daniel Ihe era necessario
dade que
abertas e estendidas... Tenho um filho
II
por emprestirao, sempre tor-
Este genero de probidado,
que ralla a milita gente honrada, nao deixa de ser
singular em um ladrao.
Elle, pois, foi grande capital o apresentou a
quem de direito era, o seu titulo ao portador. Os
seus modos singulares, porm, excitaram descon-
fianza. I'erguntaram-lhe, que mereadorias tinha
entregue ao representante do negociante parisien-
se em Francfort. Nenhuma indicacao a respeilo
bou vera elle encontrado na sua victima. Contra-
disse-se; entao a um signal do amo, todos os enton-
gados do armazem agarraram-o e o levaram para
um quarlo do lerceiro andar, onde o ferbaram tao
hermticamente como na Haslilha. O dia eslava a
acabar, por isso reservaram-se para no dia seguin-
te entrega-lo juslica, que nesse lempo era senho-
(I) Esteepithftto, considerado mndcrno, ap-
phcado a Carrefour no Inventario gemidos ladroes
por M. 1). C. Lyonnois, obra, cuja primeira edicao
dala ele I6U. seu appelhdo era bem conheeido
e fazia allusao, tanto as suas propenses desregla-
das romo as suas tretas.
A sua gente prestou-lhe sororro, conduzindo o
captivo, nao para casa de Maria de Mediis, po-
rm para o castalio do Cigano, em Mailly, onde
foi elle estrictamente cncarcerado.
Informados desta traicao, o Sr. de Collange e to-
da a nobreza niaerneza, que era pelos principes,
rorreram era soccorro a testa de trezenlos caval-
leiros, alira de inveslirem contra a habilaco de
Carrefour.
Vendse em grandes apuros, o audaz bandido
apparece encouracado na muralha e dirigindo-se
aos assallantes :
mais pequea tentativa de assalto, decla-
rou elle, precipito o cadver do marquez no
fossos.
Foi preciso capitular. Compraram a peso de
otiru a liberdade do Sr. de Gallerande, o qual o
primeiro uso, que della fez foi condemnar torca
o capto dos carabineiros. Elle soffreu esse cas-
tigo, em effigie, em Villa Nova do Rei. A paz,
que foi assignada, fez-lhe recejar ser substituida a
rea.idade imagem, com o que desde entao se-
guiu completamente o exemplo do compadre Guil-
lery. Drigindo um magote de desesperados, apre-
sentava-se noute as grandes administraedes
ruraes, impondo ordinariamente a cada um dos
rendeiros o pagamento da quantia de cincoenta es-
cudos.
Eram concedidos dous das para ar ranja-la, se
a nao tinham elles comsigo ; passado este praso,
eram infallivelmenle morios pelo cigano, fizessem
o que fizessem para escapar-lhe. Se o denuncia-
vam, o mesmo lim trgico os esperava.
As vezes tinha suas alternativas de bondade
inexplicaveis. Uma manba, encontrou-se nos ar-
adores de seu covil com um fidalgo, que tinha co-
nheeido oulr"ora, e que estava com uma rara de
lazer piedade.
Onde vae to triste ? perguntou-lhe .
Ao inferno. Ha cinco annos, que uro mise-
ravel processo me est arruinando. J nao lenho
mais nada a excepcao de uma corda para en-
forcar-me ; no enlanlo preciso de duzentos escu-
dos para nao ser expulso do teclo dos meus ante-
passados.
Carrefour consolou ao demandista afilelo e em-
prestou-lhe a quanlia rom que elle nao centava
mais.
O bom apostlo foi dissipar o dinheiro era pa-
godes no Auxerre -, depois, indo casa do Sr. de
Gallerande, offereceu-su para entregar-lhe o seu
in..igo Cigano, mediante uma boa recompensa o
adjutorio de uns cem archeiros. O marquez arei-
tuu e acompanhou o judas com trinta fldalgos de
sua inlimidade. Dirigram-se para a habilaco
descoberta pelo nobre tratante, porm a polica
occulia do rapitao dos ladroes o houvcra preveni-
do a tempo, a sua gente reunida sorprendeu os
que julgavam toma-la de sorpreza. Seguiu-se
apenas uma ligera esraramura, em que houve
alguns Qdalgos ferdos.
No seguinte mez' em revendita, Carrefour assal-
lou o solar do seu denunciante e devedor, malou-
Ihe tres criados, levou-llie a tapecaria no valor de
40(1 escudose infallivelmenle olera malado.se
au fosse estar este, por acotas ausente.
O Cigano agarrou depois disto em um dos cas-
lelloes, que linha aeompanhado o Sr. dr Galleran-
de e o obrigou a fazer-lhe o traspasso, por label-
li.u, dos seus litlos de renda para a casa da c-
mara de Paris. O roubado, logo que se viu lim,
deu queixaao re ; o bandido, porm, que o tinlia
seguido incgnito, o apanhou uma noute noarra-
balde de S. Germano.
(Continiiar-sc-lui.)
Aqui nra o pequeo diario do padre Daniel. As' como o pao. Elle seguiu coi i uma vista mrlanco-
:-...... ijca a belleza rresrente de sua edade e va com es-! com passo rpido cuidando as nexprimiveis an-
cadenciada, quo se aproximava dos passeiadores.
AlcaacOO-08 depressa e passou por elles rpido.
Urna forra occulla pareca impelli-lo para diante
Tudo er'a expressivo ero sua pessoa e pareca
dizer :
Mas depressa L em baxo vou sorprender
alguem Ali me opera uma alegra I
O padre tinha continuado a marchar em sentido
inverso, Daniel, porm, parara e seguia o soldado
com olhos vidos. Quando o viu desapparecer na
sombra:
t Primo, exclamou de repente, queris saber
uma cousa ? Queria ser soldado I
O primo guardou silencio.
Primo, tornou a crianca, acaso vos desagra-
do?. ..
O padre sempre mudo, prosegua seu caminho
do.
rient
tica, ...
essa tarefa com dedicae-ao. Toda a ternura desde' em Daniel os primeiros germ tas de uma vocacao,
muito accumulada em sua alma, c que nao sabia e se espantava ao pensamento de acha-la.
onde empregar-se, toda se entornava sobre o filho A essas inquietaroVs juntavam-se os tormentos
adoptivo. Elle se ocenpava de seus vestidos e ali- diarios que Ihe eausavam as temeridades e gostos
meiitos, com esse alegre ardor de uma mae ainda avenlureiros da crianca. Danel brincan com o pe-
novica a quem o amor faz adevinhar o que a ex-, rigo como com uma flor ; nada 0 espantava e sus-
periencia nao Ihe pode cnsinar. De dia, levava penda. gil, robusto e sempre alegre, era o cha-
as horas a v-lo brincar; de noute, a v-lo dormir, mariz da aldeia; viam-no i todas as festas e era
Pensava ainda algumas vezes em Dionisia, mas todas as corvetas. Tinha akuma cousa da vivad-
esse prnsamento nao trazia-lhe nenhum pezar nem dade, bellfta e timidez de estilo,
remorso. Dionisia se mostrava entao ao padre' Urna vez linhain-uo levad, ao presbyteno todo
como a mi feliz de uma cream;a em quem mais' pisado por uma queda de cavado, que havia inon-
larde deviam reviver essas graeas e essa llor de lado em osso e posto a galopa atrave dos samos.
mor.dade to amadas ouir'ora. Transportan-so Ouln vez quasi qoe se afojava na comporta do
imaginariamente a Templiers. via crescer a crean- moinho onde se laneara e m Tgulhara para salvar
ra, ouvia suas alegres risadas no fundo do vergel,' uma enanca.
e Desees sonhos associava seu destino quellu de O infeliz o limido pruno sispirava o senta cada
s,.u filho. diavendo-o sabir, todas as angustias quo sent
No meio deesas preocruparr>es e doces sonhos uma mae por seu filho unicj. De cada vez que o
passaram-se rpidamente seta annos. A Uniere ; via sabir de casa, o pobre padre tinha vontade de
veiu anda uma vez al)... e nessa orcasiao trouxe dar-lhe absotv.ca. in articulo mnrlis, mas como
muito ms noticias. Dionisia nao podra se resta- tambera eram deliciosos os m >mentos que sucod.am
beleeer completamente das molestias que tinham ao temor passado TI Que doee alegra Ihe rerres-
sobrevindo de seus partos, pelo conlrario, pareca cava enlao o coraran t
se enfraquerer cada vez mais. Esta visita dcixou Uma tarde passeiavam juntos na estrada roM. As
o padre inquieto e melanclico. Depois da partida ultimas cures do puente se am desv.inerendo : o
da Hruere, passeou muito tempo no jardim. Sen-; valle comecava a oscurece"; mas as linlns no l.o-
tia o coracao ene de uma tristoza ao mesmo tem- rsonte ainda se mostravam c araraentoem um ceu
no doce h amarga. Daniel, j grande, se Ihe veiu alaranjado. lina forma negra, vigorosamente la-
reunir. drram algumas Voltas sem fallar, dejis Ihada, se moslrou no caminho, do lado do poentc,
elle perguiitou-lhe de repente : e se ouviu o ruido de passo-... O moco contera-
| Que tendps, primo ? (o padre me Ihe tinha' plou um momento esta sulnla apparifao e ex-
feito tomar o habito deste tralamenlo familiar). '
O primo levanlou o brar/i para passar-llie a miio
tela rabera.
Tenho a ti
respondeu.
Primo, olha um sold: do I Com effeito en
um soldado de infamara, eom o sanco s costas,
os brajos cmbalancar do emente pela marcha
cupado a introduz.r feixes Qde trigo na machina.
Mal tinba sabido do presbyierio e j o primo o
buscava por toda a parle :
Onde est Daniel ? perguntou elle a Mara
Lene.
Esta alcou os hombros :
Quem pode sab-lo 1
Onde esta Daniel 1 -perguntou anda a uma
crianca que brincan sua frente.
- Na debulhador elle bota e trigo.
Desgracado exclamou o padre, e febricitan-
te corre para a egreja. Os vizinhos imaginaram
que tinha-succedido alguma desgraca a Daniel; e
antes que o padre uvera chegado granja, j o
haviam precedido, e sinislros rumorea circulavam
na aldea. Todos corriam a debulhadura e iam ja
emendo. O cura chegou nesse entretanto, e pelo
ar espantado dos assstentes acredilou que alguma
desgrasa houvesse succedido a seu pupilo. Fra
de i, laucase na granja, penetra at junto da ma-
china, e ali estupefacto v Daniel quo sera se ini-
por;ar cora o ruido, nutria a debulhadora, e intro-
duzia os feixes de trigo com sua vivar.idade ordi-
naria. Correr elle, agarra-lo, lanca-lo para Iraz,
fui para o padre obra dc um segundo. Cada qual
seu primo. O padre licou a principio romo aniqui
lado por tal golpe, depois temou o caminho da egre- espntava-se de sua exaltaco. Elle proprio, como
ja e ali ficou ajoelhado duranle uma hora : sahio um lorto quo despertaste, lancava em torno de
um tanto fortificado, mas nao calmo, e audou at s vistas inquietas. A debulhadora movase sem-
e que ne-
tucttidade.
cl.a'r e fatigar seu corpo para acalmar asagitacoes
to seu espirito. Pelas duas horas da manhaa, a
noute pelos campos. Na volta rec.usou rear, desceu l pre impellido nao sei porque perturbaco
ao jardim o passou grande parte da noute mar-1 cessidadts de explicar sua ridicula impet
agarrou bruscamente um feixe, e o introduzki coro
mao trmula na bocea da machina :
frasean do ar o penelrou, e cuidou de repousar __ y.-Je vede exclamou elle, eis como Da-
ura pouco. Despcrlou s quatro por um ronco es-
tranho que parlia de uma granja vizinha do pres-
byierio. Era o ruido de uma debulhadora que se
liiiha trazido na vespera aldeia e cujo mechros-
me! se prenda nieta Dizei-me se nao e fcil aqui
uma pessoa aleijar !
E iropellindo impacientemente o feixe, inlrodu-
ziu egualmente a mao, que senliu attrahida pelo
mo novo para o paiz tinlia excitado a admiraeao j ma,mnismo, deu um grito 6 retirou o braco san-
de Daniel. Esle surdo ruido alfec.tava ainda mais
o svstema nervoso mui irrilavel ilo padre. Voltou
ao jardim e poz-se a pensar em Dionisia. O rartei-
ro passava todos os dias ao meio dia; sem duvida
grento c mutilado.
Levaram o padre para o presbyierio. I m trilho
de sangue marran sua passagera. Um horlelao
montou a cavallo e correu cidade ver um me-
traziauma nova caria e segundo eila, resolvera e djc0) en,qUamo a parlera tazia o primeiro nala-
pariiria se preciso fosse para Templiers. la de um ^^^ q pajre depois de uro longo desmaio, vol-
para oulro lado do jardim, afim de fatigar-se e sof- tou ^^^ 4 pouco a s. Dosde logo viu o rosto
frer mellior lempo de espera. A bulha dadebu- I balido de Daniel e procurou sorrir-lhe enfra-
Ihadora o persegua. Enlrou no quarlo, cnchou sua ; qaocjo, porm. pela hemorrhagia, fechou os olhos
mala rom una arlividade febril, afim de estar lorn0u a desiuaiar. Ailnal chegou o medico, e
prompto ao meio dia. i jeclarou que era necessaria a amputaco imrae-
Daniol, entretanto, nao sabia que pensasse. Dos- diata a uraco mutilado. Quando acabou a opera-
de vespera seu primo mostrava-se intratavol. Por |..a0) 0 primo perguntou que horas eram ; eram
vezes tinha querido interrgalo, seus gestos de ua's horas. Daniel Ihe entregou uma carta de
mpaciencia o tinham impedido de faze-lo. de novo |jeauvals. O pobre padre leu-a logo ; s. tontnha
esta linha : Dionisia est morta cntodecla-
rou queror dormir, fez que lodos se afastassem e
arriscou-se a perguntar
- Por Deus, me-.i primo, que tandas ?
Daixa-me estar s. respondeu bruscamente o jc3u'sc sobre seu eito ainda ensanguentado.
Daniel interdicto sahio para a ra ende achava | (Cont*var-se-tm.)
sempre nova distraecao, e como a debulhadora o _.,------==:----- -.; -. Pll uf>
altrahia, dirigiu-sc punja o flrcu logo todo os-'. PBftSAMBUOO. TYP. U. ?-* PILHO.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EHSV2H47M_F5TKSS INGEST_TIME 2013-08-27T20:54:13Z PACKAGE AA00011611_10286
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES