Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10284


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AHBO XL. PMERO 28.
58000
^A^
Por tres mezes a ilialitados .
Por tres mezes vencidos ,
Porte ao corrcio per tres mezes. 750
6$O0u
ir;-

DIARIO
SEXTA FEIRA 5 DE FEYERE1R0 DE 1864.
Por anno adiantado.....19J00O
Porte ao correio por um aireo 3J00O
RNAMBUCO.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alejandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Araratv. "
Sr. A. de I^en.os Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oveira; Maranho. o Sr. Joaquim Marines Ro-
drigues; Par, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A
amonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SIBSCRIPCAO NO SCL
Alagdas, o Sr. Claudino Palro Dias; Babia, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Mar ios A Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada lo los os dias.
Igu:rassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
San o Anto, Gravat, Bozerros, Bonito, Caruaru',
Altinho e Garantiuns as ten-as reirs.
Pi d'Alho, Nazareth, Lfmoeiro, Brejo, Pesqooin,
Ingazcira, Flores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrob,
B<-a Vista, Otiricury e Era' as quartas feiras.
Serinhaem, Rio Pormoso, Tamandar, l'na, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feira.-.
llha de Fernando todas as vetea que para ali sahir .
navio. Pnmeira as I horas e 18 minutos da tarde.
Todos os estafetas partem ao '/, dia. | Segunda as 1 horas e \l minutos da manhaa.
EPHEMERIDES DO MEZ DE FEVEREIRO.
7 La nova as 3 h., 19 m. e 36 s. da t.
U Quarto cresc. as II h., 5 m. e 26 s. da m.
22 La cheia as 2 h., 41 m. e 8 s. da t.
PREAMAR DE HOJE.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o mi al Alagas a 5 e 25; para o norte at
a Granja 7e2 decadanaez; para Fernando nos
dias 14 dos metes de jan. marc., inaio, jul, sel. eoov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Reeife : do Apipuros s 6'/-. 7, 7 Uh 8 e
8 >/2 da m.: de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatio s 0 '/i da m.; do Catanga e Vanea s 7
da m.; de Bombea s 8 da m.
Do Reeife: para o Apipoeos s 3 '/z, 4, 4 '/,, 4 V?,
5, 5 Vi. 3 Vj e 6 da tarde; para Olinda s 7 da
manhaa e 4 'A da tarde: para Jaboatio s 4 da tar-1
de para Cachang e Vanea s 4 '/, da tarde; para (
BemHca s 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relacao: tercas e sabbados s 10 oras.
Fazenda: quinta* s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s II horas.
Dito de orphos: tercas e settas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas e settas ao meio|
da.
DIAS DA SEMANA.
1. Segunda. S. Ignacio b. m.; S. Brgida v.
i, Terca, i-g A Purificaco de N. Senftcra.
3. Quarta. S. Tito b.; S.'Braz b.
4. Quinta. S. Andr Corsino b. f.
"i. Sexto, s. gueda v. m.; S. Avilo b.
ti. Sabbado. S. Dorotha v. m. S. Vidas b.
7. Domingo. (Entrado.) S. Romualdo ab.
ASSIG.NA-SE
no Reeife, em a livraria da praca da Independencia
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 horaU 6 e 8, dDs proprietanos Manoel Figueiroa d*
da tarde. Faria 4 Fimo.
PARTE QFFICIAL.
govemo da novncii.
Expediente do dia 1 de fevereire de 1861.
O.'licioao brigadero coinmandante das armas. ifci. Os seaiitres agentes da companhia bra
fessoia da eadeira de instriirc elementar da vil- Ihoramcntos nao tardara a ser urna perfeita va de
la de Serinhem, Mara do "Rosario Pinheiro. rommunieaco terrestre.
Coranmnicou-se ao director interino da nslrun;o A coininunicaeo desta cidade cun a deBra-
pubhca. ganca, pela nova'estrada, que est en anda-
Din. O Sr. gerente da companhia Pernambu- ment,
cana nande dar transpone para Sergipe no vapor j l'mlnovo quartel para o 1 batalhao que esj.i-
Paratuba, en lugar de r destinado a passageiro va expo.tto s^>icissiudes do lempo no barraco
de estado Jos de lloara Vianna. jde NazaieM ereilou a dosmoronar-se.
Kemetlc inclusos cinco processos de conselho sileir;. de paquetes a vapor mandem dar transpor-
ta guerra, das pracas mencionadas na relacao iun- te pma-a Bahia, porconta do ministerio da mari-
la, alun di que \. Etc. se sirva de mandar cum- nha. no vanor nue so Asnera d. nnrt. ns imne-
que
prir as sentencias proferidas pelo conselho supremo
militar de jusiiga, nos mesaos processos.
Dito ao raesmo.(Jui-ira V. Etc. mandar alistar
nos corprs em guarnic.5o nesta provincia, so fo-
rera eoM deraclos ap.os para isso em inspeceo de
A ai
nha, no vapor que se espera do norte, aos impe
riaes marinheiros Custodio Taborda e Angelo Pin-
to, que vo depor em ura conselho de guerra como
testemunhas. Communcou-se ao commandante
da canhoneira ll.ijnliy.
Dit l Os senhores agentes da companhia bra- principal
portar no A n.
da mari- s cacho
de Araujo, importou
A i preta da pesca.
A e npreza do encanamento d'agua potavel
que comeguio, levar a efieito, e que nao tardar
muilu a bomecar os seus trabalhos.
quisico do segredo do processo Strauss
para o fabrico da borracha, que dispensando o
cinprngo
alargara
v. ao quartel
oos no quartel do r batalhao de infantana.Com- general de marinha.
niuncou-se ao coronel recrutador. ____
uOSLV Mocto"- da ihesourara de huate.- Expediente de secretarle de gorerne.
ST -tSm ,^\A-P&a!' ?? Vf ZT H nffl" *> Tigadeiro commandante das armas. -
lua^iS^^E^^m'S.r ^l-^.fc^H-. -P-
do urucury, j raro em muilos lugares,
a produccao deste genero que constitue o
ramo de exporlacao desta provincia,
yegacao de Porto de Mot, e o desvio feilo
iras do rio Xing outro beneficio que
j nos ltimos dous mezes do anno lindo
para o r.orte em viagem de instruccao.Comrau-
nicou-si- ao commandante da sobredita corveta.
Dito ao mes;no.Declaro V. S., para seu co-
nhecimento, e fin conveniente que, segundo cons-
tou de aviso ile 16 de Janeiro ultimo, porderreto
do dia antecedente, fora nomeado o Exin. conse-
lheiro Jos Peclro Dias de Carvatho, para o cargo
de min stro e secretario de estado dos negocios da
fazenda.
Dito ao mesrno. Nao havendo inconveniente,
que autonsou-se o
direclir do arsenal de guerra mandar fornecer
a guai la mencionada no pedido de que trata o offl-
cio de V. Etc., sob n. S07, lata de 30 de Janeiro
protimo lindo.
Dito ao mesmo. S. Etc. o Sr. vice-presidente
da pnvincia manda declarar V. Etc. que nesta
data se autorisou o director do arsenal de guerra
mandar satisfazer o pedido de fardamento para
os recrutas do nono batalhao, a que allude o seu
iim proseguindo no desenvolvimento ina-
nioral desta provincia S. Etc. conseguio
grandes saldos nos cofres pblicos.
doetaj omc,o,cumprido cora as obriac6es de seu f^-^gjglt^Jg re
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Annuindo ao que
oilkioile 30 de jane
mendo V. S. que,
nio havendo inconveniente, mande pagar Ests
tetio dos Anjos da Porciuncula, a quantia de rs.
iiJUOO, despendida nos mezes de novembro
dezemliro do auno protimo passado, com o susten-
to dos presos pobres da cadeiada villa do Cabo.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.Man-
de V. S. fornecsr corveta llahiunni, com brevi
um augmento de oito dez mil arrobas de borra-
cha, o que cedo se tornar uraa nova foute de
riqueza para esla provincia.
Algurnas matrizes novas fez construir, em
substitu*;ao de oulras que permanecan em rui-
nas.
Eas
terial e
amontoat
A regularidade do mercado de carnes verdes,
; que boje >e observa por sem duvida o efleito de
suas pro> idencias, ha muilo tomadas em face da
populaci) desta cidade.
Verem'ks amanhaa o que dir em sentido con-
rro o orgo da opposieo, o Jornal do Para,
que embofa nao tenha feto urna opposieo pro-
hade natural-
da medalha so-
leitoraes.
medidas o ser-
melhoramentos do
por que nao Ihe escassi-am a
inti-lligi-ni- a, a illustra^o e as maneiras para bem
Dito ao mesmo. S. Ktc. o Sr. rice-presidente satisfazer s etigencias do seu mandato.
da provincia manda transmiltir V. S. as duas in-1 DnuemoJ de poltica e da retirada do presidente
applicam fe i tura das laranginhas e trae disso ti-l
ratn proveitos. applaudiraii a resoluco tomada'
pela viee-presidenea, o os amadores Io entrudo!
ntolhado e molhante qnasi que Dcam louois de ale-
ma a cahacnha e o limao de cheiro ; a serin-
a o repucho e toda a cidade anima-s.r com
a pagodeiral molhadella.
Qoa de males, porm, nao resulta de semelhan-
te costuine Qnanta iiiilestia,quanto desgosto nao
apparece !
Seja cuino fr. nao compete a mira censurar a
loucura geral, meJo que nao me acoimem de
carranca, velhiirro e rat.io, e nao me anieacem
com mis n-lo tf, rutn ala
de Armstrong, que se dispara contra qualquer ora-
dor enfadonho t- soporfero.
_ Viva, pois, o entrudo ; tres vezeshtirrnh -por
tao alegre costuine e abano a desarrazoada, anti-
Piaitlii/. ) que de mais importante occorreu
o seguinte, que transcrevemos d'uma carta de pes-
soa amiga :
No dia 18 do mez passado a polica doDr. Ger-
va/.io realiaou a prisio do celebre criminoso Fran-
cisco Thoma7, d'Oliveira, que havia fgido da ca-
15 de
que
A prisio tornou-se difOcil, nao s porque o
Dr. chefe de polica s leve noticia del la duas ho-
mia-se sempro que algum especulador audaz d*
nacionalidade diversa se aproveitasse do quasi
abaodoao do nosso litoral para trazer-nos MSO
praga ; mas mima nos veio maginaeo que
y peruanos fossem os que primeiro trilhassem a
iv.r... .hairn sprin- t senda da infamia. Apezar de nao existir no li-
toral estacoes que zelem os interesses do fiseo, deia desta capital no dia 15 de noverabro passa nem torea publica para tazer ellectiva a respon- por deh-ito do eareereiro, que foi immediatamente
sahilidade legal dos delnquentes, teem estes re- preso, demittido e est sendo processado.
eebidouma boa licao, nao Ihes licandomats vea- Aquelle criminoso Francisco Thomaz est a
tade de se oceupar com a introduccao da moeda tempos conderanado a pena de morte pelo jury do
' ^' j m- 'fer,no da 'n lependencia pelo assassinato de un Ir-
Lm dos documenlos, que no dito peridico mao, e a nena j foi conlirraada pela relacu do
lepramos e diz respeito a este assumpto, um of- districto.
ftcio dirigido pelo governador e commandante mi-
litar da fronteira de Loreto, D. Claudio Stevcnson,
ao coronel prefeito d'aquella provincia, que publi- ras depois, cmo porqueTesta'' ddade" mdeadade
caremos no numero segrate. mattas, offerecendo assim os milhores recursos pa-
A poma do negro veo que encobre anda o ra oceultaco do criminoso,
diluviana e anachronica postura da constipadissima assassinato do subdito francez Eugene Peret. que Ninguem ajuiza a actividade que desenvolveu
cmara municipal. Acompanhar a maioria foi sem- noticiamos em o nosso numero 796, segundo in- a polica para prisio do criminoso partiam escol-
pre a minha divisa, exemplos do mcu narigueiro fonnacoes que ti vemos, j comeca a ser levantada! tas por todas as partes k estradas a cidade esta-
amgo o vice-consul Beanqoe Titi-jue Primavera I Foi encontrado o cadver desse negociante tendo va constantemente rodeada de piquetes etc
Gmlhon. ao pescoyo atado um garrafao cheio de vinho Mr. No dia 29 de novembro (15 dias depois'da fu-
Preparam-se passeatas carnavalescas e bailes do j feret foi assassinado; foi victima de algum hor- ga) urna das escoltas eoeontrou-se cora o crimino-
mscaras para os dias 7, 8 e 9 de fevereiro proti- rendo plano, que teria por nico Um por fora do so na provincia do Maranho e distante desta cda-
campadas transaccoes mercantis a csse denodado de 7 legoas, |iorra elle ainda escapou porque es-
campeao Mais de cuco mil pesos em sonante e lava montado cm bom cavallo e a escolta a p, mas
um revolver do finado, ja foram achados; estaram vio-se obrigalo a deitar o cavallo, macea cora rou-
enterradosl! pa, chapeo, sapatos, etc., e entranhou-se por urna
M resto da semma de 40 mil pesos, que elle malta que foi cercada e varejada por espaco de 15
conduza em especie, sera sem duvida descoberto, dias.
se a autoridade proceder, como cumpre, com toda So dia 7 de dezembro teve o Dr. chefe de po-
honestidade. Hcia noticia de que o criminoso j havia appareci-
mo vindouro. Do que houver dar-lhe-hei cota na
corres|M)iid'mcia de II de fevereiro.
- J temos carne no acoague, e, apezar dos
queitumes e censuras do Paiz, todos dizem por
ah que nao ha crise alimenticia, nem houvera.
Accrescente-se que nos em certas oceasioes vemos
o apparecimento de algnns gritadores pelo desejo
que elles teem de correr, gritar e apparecer. E o
manejo de que se usa para a consecuco de algum
tiin oceulto ; tivemos etemplos de qatro annos
esta parte.
O Pd; e a CoaHro acham-se trabados na lula
das carnes verdes'; o primeiro quer contrato e
companhia para fornecimento do gado ; a segn
..w.h am^mm^wm uw uut/ \i i i iiiiuiKJii jd lli|* il(;udliir
Apparecam os algozes, sejam descobertos os do no termo de Marvao d'aqui distante trinta e seis
tutores desse negro crime, que lancou o terror so- leguas. Alem das escoltas que j por all andavam
ir todos os negociantes estrangeiros da provincia foram expedidas outras, de sorte que foi o enmi-
autore
bre
litoral de Loreto, e com razan, por que nenhum
actualmente pode julgar segura sua existencia e
sua fortuna I Infeliz do paiz cm que se nao pode
da quer a livre concurrencia. Nao sei qual delles contar garantida a vida e a propriedade.
tem razio, como diz o Sr. Aranha. Os indios nao teriam a desgranada lembranca
Temos andado em mar de concertos ; ainda | de assassinar um trancez, que sempre os tratou
; nao nos esquecemos do do Sr. lielli e j se annun-: bem, como soem fazer todos os estrangeiros. Se o
l'tl A Aa ni'4,l'ii,i. ,, i.ll.i I .....i.l, i..,< llii-'.-nrliir nn Kiliinifn T\ni.t<.f que
noso preso ro lugar Angicos, limite do termo da
Independencia com o Cear, e distante desta capi-
tal para mais de noventa leguas, sendo a prisao ef-
fectuada por urna das escoltas que d'aqni parti
em busca do criminoso.
Tambera em virtude de requisic3o do Dr. che-
fe de polica acaba de ser preso no termo do Joa-
ic v^nrief?. de nolirK m da P"^1"5' ** transmiltir V. S. as duas in- ljenemof de poltica e da retirada do presidente ca o de madamoisella Josephine Paissoner nos assassinato partisse so nicamente dos indios, ha zeiro da provincia da Bahia, o criminoso desta pro-
wrBBttr^iiilMrmm clusas ordens do dia em ^plinta, sob ns. 383 e | esto proviicia, para passar-mos a outros assump- saloes do Club. I muito que mullos individuos, que os tratara com v.ncia Jos Tieobaldo da Costa, pronunciado des-
em vta rt inpluia Vnna o :WV expedidas pela repartifao do ajudantc ge- < O do Sr. Belli leve lugar no dia 33 do correte remarcavel crueldade, j nao existiriam. Os in- de 1860 por tentativa de morte no termo de S. Rav-
'J.ZZll m,^n^-.i if7i- neraL .Acaba de apparecer tiesto cidade uraa quadn- ,e em casa do Sr. Ravmundo Soma. dios sem ambiedes, sera ideas do futuro, nao con- mundo Nonnato.

Despaches do dia 30 de Janeiro de 1861.
Reqntrimenloi.
I-id iro Jos.'- da Silva Mascarenhas. Passe ti-
tulo.
Irraandade de N'ossa Senhora do Bom Parto da
dade, os genero* e aguada quo Ihe forem necessa-! '?reJl,des Sebastian da cidade de Olinda.nfor-
rios pira proseguir na commissao a que est des-, me,o Sr.^hesoureiro das loteras,
tinada.Comniuuicou-se^ao commandante dapre-

dita corveta.
Ao mesmo concedeu-se-lhe a autnrisaeao pedida
para comprar no mercado os barris de "carne sal-
gada necessarios para provimento da mesma cor-
v.'ta.
Dito ao coroael recrutadorMande V. S. por
em liberdade os recrutas Joaquim Macieira de
Oliveira e Domingos Jos Ferrcira, de que trata
o seuofflcio n. 27, de 26 de Janeiro protimo fin-
do.Communieou-se ao commandante superior da
g arda nacional do Lee i fe.
Dito ao mesmo.Mande por em liberdade, o
recruta Antonio Lenidas Ferreira da Silva que
jirovou isencao legal.
Dito a cmara rauuicipal de S. Bento.Recom-
mendo cmara municipal de S. Bento, quoman-
___de extra!, ir do livro competente e me remeta com
Joar,uim Jos Barbosa Lobato. Informe o Sr.
inspector da thesouraria provincial.
Jacintho Alfonso Dotelho.Informe o Sr. inspec-
tor da thesouraria provincial.
IHTEM0R.
ro ni si'tiMUM i \s io un
RIO lK PERXAIHBITCO.
PARA.
Be Ir ni. 27 de Janeiro dr 1861.
Eis i) Paran no porto remedado e concertado de
mesmo Paran moroso, co-
Iba de ratot eiros que tem invadido surdina as
lojas e as tabernas para Ihes roubar o milo da:
gavetas, as lia como tem assaltado de noute al-
guns viandantes, livrando-os do peso que podem
encontrar as algibeiras. Um inspector de quar-
teiro foi attcado urna noute destas, segundo di-
zem as gasetas, e depois de o terem engasgado
muito honraiamente,ou por brinradeira, saccaram-
Ihe o n-lojo ie corrente de ouro, e como o pobre
diabo, com esta operacao j estvesse quasi sem
folego, atiraram com a sua autoridade ao meio do
chao, sem que esta podesse conhecer o focinho
destes industriosos maganoes I roas ao menos ca-
bio era regra, jcomo o capito Tiberio do Fantasma
Braneo.
A polica j pode capturar algumas destas ob-
sequiosas cr. aturas, e segundo consta ja tem
ponta do fio qise a deve conduzir aos segredos de
to til associlirao.
Entretanto ua grande quantdade de candieiros
da illuminacaoL era una das ultimas noutes, foi
i quebrada c nlo pode isto partir se nao dos mes-
. mos venturosos que, como os animaes malficos e
.igourantes, buscam as trevas evitando a luz, para
melhor realisaijem os seus assaltos e a rapina-
gem.
e em casa do Sr. Ravmundo Soma.
Passou-se all urna imite deliciosa entre a apri- ceberiam o plano de garrotear um cidado pan-
morada e perfeita execucao ao piano de D. Este- tico, ura negociante, que sempre os tratou bem.
phania Freitas e as harmonas da voz extensa,: Dos sabe donde parte o monstruoso plano de cor-
branda e agradavel do Sr. Belli. Depois do con-1 tar o lio da existencia Mr. Peret, que tanto im-
certo houve baile, que durou at < duas ou tres' pressionava, pela sua intelligcncia e actividade
horas da madrugada. Boa sociedade e boa noite commercial a certos especuladores cujas ambi^oes,
foi aquella, era verdad.-. nunca serao saciadas It
O de madamoisella Paissoner ha de ser bom por O dedo da Providencia nao tardar a indicar
n'elle lomarcm parte os Srs. Belli e Savio; a be-1 os mandantes desse assassinato atroz.A Provf-
neticiada talrez faca fiasco. Dizem-m; que a boa | dencia vira sem duvida inutilisar cssa propaganda
moca nao sabe cantar e nunca foi cantora. As-
sim que abusam da nossa imcicncia e boa f os
dios sem ambiedes, sera ideas do futuro, nao con- mundo Nonnato.
Foi preso tarabem no termo de Pedro II por
ordem do Dr. chefe de polica, o reo Francisco Con-
de cxtral. ir do livro competente e me remeta com novo; mas sempre o mesmo Para mi moroso, co- 0 s. .....:,. p o ,,./. /flI1.r,,.i aP ^it^.
toda a urgencia copias em duplcala das actas de mecaiido a sua carrera do corrente anno cora urna X*Ly. 7V%tiLto T f? n iViiiTnnrdi
todo o proeesso da eleico para senador, que se demora de quatro das | c?J*' ** { miffi-i e
procedeu nocollegio dessa villa no dia 6 de de- A demora nesta occasiao di u muito que entender q> e soeeo d-sil boa firi
zembro ultimo, visto que at u presentetaes copias e pensar aos amigalhoes di poltica e das novi- rUH2a ,i s.-n-d. nlnun*
nao foram env adas a esla presidencia pelo secre- dades.
J
a
la rio do mesmo collegio. Offlcicu-so o mesmo Uns conjecturavam mudaneas importantes na poli
sentido cmara municipal da Escada. \ tica de paiz, outros a retirada do ministerio, outros
r.iscular s cmaras municipa.-s de Villa Bella, o mim !o com os potos rollados para o ai; outros
Jngaaeira, Flor w, Tacarat, Brejo, timbres, Boa- aindaodesarranjo no vapor que vsse para o nor-
VisU, Cabrob, Our;ury e Granito.Tendo a ca- te, e outros em lim taes lenibrangas que seus leito-
n ara dos deputados segundo me foi declarado por res nen podem acreditar!
aviso expedido pelo ministerio do imperio em 13 A final chega o vapor, a rnultidiio corre ao caes
de Janeiro prximo lindo, approvado as eleicoes da ra nova do Imperador e da de Belm, e nada
primarias e secundarias para a 12* legislatura, ha que mereca meneao, a nao ser a escolha dos li-
fitos no > districto eleitoral desta provincia, as- beraes Ottoni e padre Pompeo para senadores,
sim o coininunico cmara municipal de....... fu-ando por este modo d'ora avante estes augustos,
para seu conhecimet to, e atiin de que o faca cons- dignis.simos e grandes do imperio mais intretdos,
lar aos respectivos juizes de paz. cada um, com o seu osso atravessado na gulla !
Ofllco ao coiselho de compras navaes. Auto- Os prognostiscos dos polticos e dos amigos das
riso o conselho de compras navaes a promover nos novidales nao se realisaram, com especialidade
termos do seu regulamento a compra dos objeclos para esta provincia, o as apostas que os mais en-
mencionados cm seu oili.-io do 26 de anero pro- rarnicados fizeram, entraram para as algibeiras
ximo findo, visto que sao necessarios para provi- dos mais prudentes e pralicos as cousas deste
ment do almo^arifa.lo do arsenal de marinha co- mundo,
mo se declara en dito oulcio. Forte mana a dos polticos o dos novcllcros
Dito ao director das obras publicas.Inteirado quererm por torea adivml.ar o futuro I.....
do quanto Vine, expoz em seu officio de 30 de ja- E ns verdade para esta provincia apenas veio o
ii.-iro ultimo, sob n. 23, o autoriso a exceder em regula nento relativo navegaco do rio Amazonas
3OJ00O rs. o orcamento dos reparos do docel da para as embarcacoes hrasileiras e peruanas, e a
a .-iiii.l.-a provincial, visto ler-se de reparara tel- Borneagio do novo rail de direito para a comarca
la do respectivo retrato e retocar a pintura do mes- de Gurupa.
ir.o, segundo consta .lo citado officio que tica as- Grandes noxidades por certo......
sim rescindido Communieou-se ao inspector da a n esma nomeacao de vice-presidentes que se
ti .-souraria provincial esperara, para todos um enigma e lavatorio, como
para a tranquilida-
que por felicidade e
riqueza do seu sblo, nao precisa de tanta indus-
tria, onde ha tamanlia naturesa.
Do commercio) pouco ou nada puso adiantar
alm do que lite noticei pelos ltimos paque-
tes.
Fallou-se na abertura da quebra do eommer-
cienta Amonio Rodrigues Jnior, mas consta que
este negocio se arranjou amigavelment com os
credores, mediante a cessacao de juros e a pro-
longago de prasos rasoaveis para o pagamento do
passivo.
Por aqui o corimercio est escaldado OMR as
fallene.is, cujos resultados nao se cifrando mais
do que em despezis e conseguintemente era prejui-
zos dos inlere^sadok nao ha attiagido ao lim a que
a lei c a sociedadej liveratn em vista ; por tanto
nao se admirem por ah se esta praca for dando
de-i.- exemplos, rior certo mais proveitosos e ra-
estr.angeiros, especialmente os Francezes, que, se-
ja dito de passagem e para nosso consol, fazem
1 com noseo o que fazem com todo o mundo.
A companhia dramtica contina a trabalhar
regularmente ; n'estes ltimos tempos tem ella le-
vado scena algurnas composcoes da moderna
escola, fazendo boa escolha de dramas ou come-
dias. O emprezario mostra-se desejoso e infatiga-
vel em servir bem ao publico.
- A companhia de illuminaco gaz j annun-
cou o dividendo de 3120 por* aeco no semestre
, de julho dezembro, ou pouco mais de 6 por cen-
i lo. Foi este o primeiro dividendo e creado so-
mente com os recursos do primeiro semestre.
Os directores e gerente vio funecionando muito
bem e a companhia pramette muito aos seus ac-
cionistas, nirinente depois do ultimo contrato fei-
lo com o governo da provincia e mediante o qual
I foi o numero de combustores pblicos elevado de
i 200, que erara, pelo primeiro contrato, 500.
j Se o segundo contrato foi vantajoso eonipa-
j nina, foi ainda mais para a provincia, porque, pa-
i gando o thesouro a subveneao de 20:000-5000 an-
nuaes pelos 2tM) combustores, vera a pagar pelos
300 do accrescimo leito no segundo contrato
dezenove contos e tantos mil res.
Ve-se d'ahi a vantagem que para o thesouro re-
calves Matlao, pronunciado no termo de Campo
mior desde 1855 por crime de morte, e ainda de-
pois de preso, confessou francamente seu crime.
Acaba de ser pronunciado em Pod'O II por
crime de mon.e feilo em 1817 o capito Clemente
de Castro Nazareth, que pelo raesmo crime havia
sido preso e mandado processar por ordem do Dr.
chefe de polica, que j para all fez seguir um of-
que se tem a surdina feito lavrar entre a indiada ricial do exercito para ccndozir o criminosa para
contra lodos quantos nao nasceram na provincia esta capital por falla de prisao segura na villa de
de Maynas Pedro II, onde o capito Nazareth influencia, ri-
A Providencia, por cei lo, w. ani!n*gar 4 co e rodeado de amigos e patentes,
mostrar o erro e a enormidade dessa propaganda. Barlholomeu da Costa Brando, que em outu-
e nao ser, confiamos, complascente com seus au- bro passado havia dado urna facada em outro, aca-
,ores' : ba tambem de ser preso, e est pronunciado no art.
t A Franca um paiz forte, e Ilustrado ; lem a 205 do cdigo penal,
frente de seus destinos um dos menarchas_ mais I _\'o dia 2 do mez passado, o Dr. juiz de direi-
sabios do prsenle seculo. Napoleo III nao dei- to interino de Campo-Maior, pronunciou por crime
xar impune o sangue de um subdito seu, victima
da mais negra cotnhinaco. Dos tal nao ha de
consentir.
t O Sr. Varhagem, ministro do Brasil no Per,
j se ac.hava em Lima.
Achavam-se em Nauta os novos comraandan-
tes para o Pastaza e Morona.
O governo supremo, visto estarem declarados
meros transportes esses vapores, resolveu fossem
elles eommandados por offiriaes subalternos.
Dizia-se no litoral que logo .pie ali chegasse o
contra almirante Mariategui se estabeleceriara ca-
pitanias de portos, c outras autoridades, que har-
monisem a execuco pratiea da eenvenijo de 1858
existente entre a repblica e o Brasil.
t A presenca deste respeitavel aneiao ha de
contribuir para supprimir os abusos e excessos dos
governadores de districtos, que se julgam invulne-
de prevaricac.'io, o primeiro supplente do juiz mu-
nicipal, tenenti-coronel Florencio Alves da Fonce-
ca Mendes.
< No dia 28 do mez passado prestou juramento
c tomou posse o novo inspector da thesouraria da
fazenda Francisco Soterio dos Res.
O Dr. Antonio de Sampayo Almendra na qua-
lidade de segundo vice presidente, assumio a ad-
mraistracao da provincia 4 do mez passado, por
ler ido tomar assenlo na cmara dos deputados o
Exm. Sr. Dr. Leao Velloso.
J val por aqui eoraecando o invern; o Par-
nahiba vai enehendo eonsideravelmenle. >
Cftiivi.NaO?. occorreu que mereja meneao.
Pelo Dr juiz municipal da capital foi pro-
nunciado, no grao mximo do art. 192 do cdigo
criminal o llv.l, padre Vcrdeixa.
Rio Grande. -Nenhuma carta recebemos desta
raveis.
soaviis do que O at
to vilenlo
Nesle porto acha n-se actualmente
navios
de nina fallencia.
os seguntes
Na los
Puritano
Flor o IVb
AU .
t'nin
Progreiso
Prospero
'escarga,
tliale brasileiro.
Barca porliigueza.
Barca iogleta.
Patacho p-jrtuguez.
Mate brasileiro.
Brigue prussiano.
sulla do segundo contrato. O numero de roinlms- o Sr. Mariategui, para poupar maiores solfrimentos
lores pblicos devia ser augmentado s cora 200 aos no-sos compatriotas, contra quem nao se pejam
a cidade nao se podia dizer bem Iluminada ; se-' as autoridades de alguns lugares de pratiear as
loba com 500. O segundo contrato depende ainda mais negras injusticas.
da approvaeo da assembla legislativa provincial, Recentesnolicias de Quito,Equador, dao como
cujos membros nao a negaro por certo ao acto certa e irremedavel a guerra entre essa republi-
do governo, atienta a sua grande vantagem. HO* ca e a de Nova-Granada. 0 estado lnanceiro do
tem houve reunao da assembla geral dos aecio- Equador lastimavel.
[ nistas para a eleicao da nova directora. Nao sei Rcceiava-se ali, que entre Venezuela e Nova-
' ainda ilo resultada. Granada honvesse plano de annexar-lhes o Equa-
; De alguns pontos do interior da provincia, dor, para forraarem urna confederaeao. Sao re-
como sejam Vianna, Santo Antonio, Almas o Tury- ceios, que temalguma orgem, por quanto no Equa
ass, teiu-nos viudo noticias pouco satisfactorias i dor ha um partido, que deseja a monarcha, por
em relacao fgida de escravos de diversa^ fa-1 ser um systema mais proveitoso, e aquelle que po-
Deos leve s aguas do litoral quanto antes provincia, e um nico jornal que recebemos nada
diz de importante.
sem ordem do ministerio da unad;s mclhores. recommendacoesegaranta para n.r uarinhr'
efoi excedida a despeza com os homens polticos. I ,, ., ".. ,
ser creditada Vmc. sem ordem do
guerra, a quantia que
a capella dessa colonia. Diz-.'.e que fle oDr. Joao Mara de Moraes, como
Assim, pois, devolvo inclusas as duas ferias a vice-piesidente; eu o acredito porque novidade
que allude o seu officio de 15 do corrente, alim de que corre depois da chefada do vapor e assim o
que possa \nii-. solicitar a ordem de que fallo. : annumia hoje o Diario Oficial, o que nao nos diz
Dito ao juiz de paz mais votado do 1 districto o mesno Diario e eu anda menos, se o dito Dr.
da freguezia de l'na.Kespondendo ao seu oulcio t-, t; t-, |pf 5- ou C- vice-presidente, isto se go-
do 17 do corrente era que Vmc. me coinraunica verna io principio, no meio ou no fin da colloca-
ter deitado de installar a junta de qtialilicaco jao da conflaoca governamental progressista.
dessa freguezia, na 3' dominga de Janeiro, pelos At que alinal de contas l vai o Sr. Brusque
indivos nellc declarados, lenho a dizer-lho que I tomar assento na cmara temporaria, como depu-
procedeu Vine, irregularmenle convocando para.tado pela provincia do Amazonas; l vai sem que
aquelle fira, petioas entre as quaes, algurnas nem se souoesse ao certo at hontem, se ira ou nao
eiam elcitores nem supplentes, c (leixando de ueste vapor, porque as proprias despedidas de
convocar outras que o eram, como tudo consta do S. Exc, sendo bastante affectuosas e promeltedo-
e.:ital, que Vmc. mandou aflixar em 16 de dezem- ras, foram tambem hypotetbicas e um pouco enig-
bi o ultimo, e me foi apresentado por alguns clei-' maticas acerca da occasiao da sua partida e do seu
(Ores c supplentes dessa parochia, os quaes me re-1 regresso esla provincia.
ptesenlaram contra semelhante procedimento, re- que posso afilrmar que ha muito tempo nao
c.mmendo-lhe que guardados os preso* da lei,: veio ao Para um administrador mais fino e concen- cas da ultima qunz
convoque para a reunao da referida junta que irado .) ao mesmo tempo ameno e attencioso do [ as attencoes publicas!
deven ler lugar no dia 13 de marco protimo vio- que S. Etc.; com os seus bons modos e
-di-uro, que para isso designo, os eleitores e sup-; foi fazendo o que quiz e entendeu em referencia s das laranginhas, limloes
penles que He?eram os deputados da cmara ul- ^ pretencoes dos partidos, sem agradar nem dcsa-! como aqui chaman
ti namenje dissilvi.la. visto anda nao constar de \ gradar abertamente a todos t I constipacoes e deflil
N^vio carga.
, Barca ingleza.
ao fira do mez a escuna iu-
iverpool ; a barca portugueza
Porto, e o biate inglez Sol
rk.
nacional Graciosa, sabio a 2't
ernarabuco, e o brigue porlu-
i o para Lisboa,
[lente partir para Loreto e ou-
pelo rio Amazonas, o brigue
troupe mercadoiias de Inglaterra
para aquelle destino, e cujo navio acaba de ser
comprado i-embandi irado ueste porto era peruano,
pela quantia de qua ro mil libras Que tal o ne-
gocio que fez o ingle
O vapor Paran pirte hoje s 11 horas da noute
brigue escuna
o i
gu.'z Feliz Ventura,
Consta que breveii
tros portos do Per,
Prospero, que
para os portos do su
A provincia do Al lazonas
majs sei.
zendas. "As fugas sio em crescido numero cromo
que lavra una especie de insubordinacao. A poli-
ca central j deve ter dado as suas providencias.
Contina a calmara poltica. Nada mais me
occorre (ira Ihe referir nesta.
' O cambio fica 27 1/2 o 27 3/ d. por 13
sobre Londres.
O al-jodo lem-se vendido 22,5 por arroba
dinheiro e 23 prazo.
Sobre Portugal fica o cambio 95 por cenlo.
A alfandega rendeu do dia 2 ao dia 28 do cor-
rente cerca d 216 contos de ris.
O thesouro provincial rendeu cerca de 66
contos.
DIARIO DE PERNAMBUCO
der salvar essa, como outras repblicas mal
regidas, do completo auniquilamento para que
marchan.
Para. -A carta de nosso correspondente, publi-
cada sob a rubrica Interior, contm o que occorreu.
Maranho. Ao que diz nosso correspondente em
sua carta, que vai n'outro lugar, accrescentaremos
o seguinte que temos de caria particular :
A chefalura de polica marcha com muito
acert e prudencia, sob a direccao interina do Sr.
Dr. Sebastio Braga, juiz de dreito da comarca do
Alto-mearim desta provincia, no impedimento de
licenea do Sr. Dr. Arago e Mello.
A empreza do nosso thealro continua incansa-
vel era dar-nos provas de que o seu pessoal nao
difllculdades na execuco de qualquer
Parahyba.fk> Publicador transcrevemos :
Algodo.Vendeu-se de 21*000 a 22*000 1*
sorte; 19,5000 a 20000 2-, e 175000 a 18*0003'.
c Assucar.Vendeu-se de 2*200 a 2*300 a ar-
roba.
Couros.Vendeu-se de4J*600 a 4*800 a ar
roba.
PERNAMBUCO
REVISTA MARA.
Amanhaa tem a cmara municipal desta cidade
de proceder a apuracao geral dos votos para sena-
dor por esta provincia.
Por engao sahio hontem com a declarac/io
de termos sido remedido o artigo sobre loteras,
quando elle di redargo.
Aeha-se designado o dia 29 do corrente para
ter lugar a 1" s ;ssao judicaria do jury desta co-
marca do Reeife, sendo presidida pelo Sr. Dr. juiz
de direito da l* vara criminal Joo Antonio de
Araujo Freitas Menriques.
= Foram nomeados para o batalhao n. 52 de
infamara da guarda nacional do municipio do Ex.
sob proposta do respectivo commandante :
encorara difllculdades na execuco de
drama por mais dillicil e apparatoso que seja. e a Ouartel-mestre, Severino Pereira Filgueiras.
pontualdade com que sao cumpridas as diversas; porta-estandarte, Firmno da Cunha Miranda,
clausulas do respectivo contrato, urna prova de !. Corapanhia.
parlieipaeao dllrial torera sido approvados os no
v e eleitores, litando sem elTeito aconvocacao que
Vmc. fez |iara o dia 16 do corrente, como me de-
clara em sen ciado offleio, pois que a esta presi-
dencia e nao a Vrac. compete marear novo dia
para a installacao das juntas de qualificacao, quan-
do por malquer motivo deitam ellas de iunc-
cbnar no praio marcado por lei, como precei-
1a o aviso do ministerio do imperio de 18 de fe-
va re ro de iMili n. 04.
Dito ao gerente da companhia Pernambncana.
Pode Vmc. fazer seguir para os portos do sul o
vapor Parahiibv no dia e hora indicados cm seu
olfieio de hoje.
PortariJ.O rice-presidente da provincia, atten-
dendo ao que requeren o profesor publico de ins-
triceo elementar da povoaeo de Tamandar,
Virgilio Vicira da Costo Pinto, resol ve conceder-
llic 30 dias de licenc.i com seus vencimentos, para
tr.itar de sua satide."
Dita.O vice presidente da provincia, tendo em
vi:ta o resultado do concurso a que se procedeu
no dia 13 de jaieiro ultimo, resol ve nomear pro-
est em paz e nada
imuMiio.
S. Luiz, 3li dejanelre de 1861.
Nao posso respigir carga no campo das noli-
na. O entrudo tem absorvido
al a propria muntripalida-
reservas de volu a sua pachorrenta attenco para o lado
" tes de cheiro ou cabacinhas,
s aos taes envoltorios d'agua,
tos, e quiz pregar-nos nina
htrudo, aniquillanilo, por meio
dictatorial postura, o secular,
nunca a saz louvado costuine da caba-
cana e da entrudari;. Decretou a nossa antifebril
e anti-constpatorial idilirade i|ue se applicam
muleta de dez mil lis todo aquelle ou aquella,
Ique vendesse limoes de cheiro pelas ras. Era
O jo nal ollicial dirige hoje tima saudacao de verdadeira |K'ca de e
despedida S. Exc, e em seguida resume os actos i da mais tyranniea e
mais notaveis da sua administracao que considera folgazao, "e
os seguintes:
A reforma do collegio Paraense, que elevou a
nstrucco secundarla ao ponto do melhorainento
em qin se acha.
t A nova illuminaco desta cidade. 66a a medida ; excel ente na verdade. Mas, se se
0;rande edificio para o raatadouro publico, vendessem em casa; se nao se vendessem as
3ue mandou comecar desdo os seus primeiros fun- j ras e sim se desse i ? Se se brincasse o entra-
amen.os, e j deixa concluido. do at mesmo cora os proprios fiscaes, sera se dar,
O estabelecimento das lnhas de navegaco nem vender cabacinh is ? Se pintassem com ver-
ra ("liaves, Macap, Sourc e Arary, que j pro- melho os amedrenta dores higodes
para >
duzem avantajadus interesses provincia, pelo de- xandrino 1 Se me
scnvoMmento da produccao de gomma elstica, sympatico nariz do B
que prjvm, e que nos vem das Ibas prximas a niunicipalidade em
s do Pedro Ale
bessem largas seringadas no
cardo Mondes, o que faria a
lesafronto dos seus Bseaea f
Macapi. | Nada, porque s se prohiba a venda das larangi-
0 tracado da estrada do Capm que comecou nhas.
e cons'guio atravs dos maiores obstculos, sem ; Como v, a postu
una cuta geographiea da provincia, demonstram propunha, e o resu
que )raticavel um caminho, que alravessa cerca! tar-se o delirio cabac
de seteita leguas de nossas mattas, para commu-1 A postura nao foi
a nao attingia o fim a qu^je
ado seria crescer e augtuen-
nhal.
pprovada. fs mdicos solfa-
nicar-nos com Goyaz, e que a proseguirem os me-! ram um estridentei urrah '. As pessoas nne *'
\
As carias e jornaes de que foi portador o vapor 1u,! ,K)Je. mais do que nunca, acha-se ella coneei- Tenente, Baymundo deSa Brrelo.
Paran, entrado hontem dos portos do norte' do I,uada l,ara com t,)dos aquelles. que, levados ou
imperio, alcancam : do Para a 27, do Maranho ilr ora Por espintos mal intencionados, enchergas
29, do Piaubv 18 e do Cear 31 do passado, do! vam na Pessoa dn emprezario de ento quabdade-
Rio Grande 1 e da Parahyba 3 do corrente. bem ""proprias do seu carcter.
.lw.i:oH'w.Nenhuma noticia encontramos nos I Com a retirada do Furtado (.otMho desappare-
jornaes acerca desta provincia, dos quaes transcre- ra,n as repetidas desavengas e intrigas, que reina-
vemos o scuinte sobre o Per I val" nusso thealro; o com quanto reconhecarnos
Do Perii recebemos folhas rae alcancam : as'ser arlis,a do al?um valor WfaoMS conitudo,
do Lima e Cajamarca 10 de oulubro, de Moyo-
Alferes, Joaquim Pereira Lima.
2.* Corapanhia.
Capito, Antonio Pereira de Carvalho.
Tenente, Absalao Moreira da Costa.
Aiferes, David de SouzaRego.
3.* Companhia.
Capito, Conrado Moreira da Co.-ta.
Tenente. Candido Baplista de Araujo.
bamba 16 de novembro e de Loreto 16 do cor-
rente.
As noticias de maior vulto que nellas encon- j
tramos, sao :
t A nomeacao do Sr. coronel graduado 1). Fran-
Cisco de P. Secada, por decreto do 18 de setera-
bro. para prefeito da provincia litoral de loreto ;e
a de I). Benito Aran, |>or decreto de 29 do mesmo
mez, para secretario da dita prefeilura.
em velo ausentar-se do nosso thealro, pois, que | Atieres, Joao Jos da Costa Agr.
essas muitas qualidades, que o tornara recommen- 4.* Companhia.
davel como artista, desapparecem completamente, | Capito, Ravmundo Pereira Lima,
cm face da irratibildade do sen genio como bo- Tenente, Joao Moreira da Costa,
mem. Aiferes, Tiburcio Ferrcira Neves.
Consta que se pretende com a abertura da as- g Companhia.
semidea provincial, fazer com que appareca urna; Tenente. Manoe Rodrigues de Carvallk Brito.
lei aulorisando presidencia a rescindir o conlra- i Alteres, Joo Pinto Al ves Mariz.
to com o artista Germano Francisco do Olivera. 6.* Companhia.
alim de eleciua-lo com o Furtado Owlho, logo que j Capo, Antonio Ribeiro da Silva.
je. chegue do Para, onde se acha. A' vista dos repe- Tenente, Ignacio Jos Bandeira.
No peridicoLa opinin de Cajamarca
paramos com umatr;
do Catechista de 18
tratou largamente do
mais eivilisada da repblica reprova esses excessos ,. P?r isso que em suas raaos, esta o ach. b-
brutaes de que noss, s compatriotas teem sido vic- vre na sancc.onar qualquer le. que tenda i
MSS^1 mdlk InterS6'^ ^r^nnTZ^XGermano, pdo
S^T^^TS^tS^l^1,^^, ,|,,et,h0 pres,ou,com n L?E
cacao do thealro, cuja despeza moutou apenas |>ela
'1" No 'Demrala de Ma,,nas, de 14 de novembro, fea parle MMO raais ou menuda quantia orea-
encontra--e urna cominunicacn do govornador de u'1 Pra tai oora.
LoretS, a respeito da introduce.) de moeda falsa
r
o litoral, commnnicacao que precedida de um
artigo editorial, que transcrevemos pelos termos
O Sr. Germano, pois, tendo em vista unica-
| mente o seu amor arle, que professa, e dedicado
1 como por tudo que resulta em proveito geral, dis-
exn'resMvos de qu se reveste : pensou os grandes interesses, que podia ter na con-
//ios desta provincia, que em nada cluso daquella obra, e quiz tao somente dar urna
* ^llgUIl- -' ,- *~ A" "'" > nnw* cidrt nrAV) ltt Ana ^.l, ..a,I.Mr qe iii,.r.ic,l i 'illi-n.
'Valiam a prosp
os primeiros em dar o funesto exempiu -
introduzirem moeda falsa pelo Amazonas. Te--Veus"
/l5 iiesf'i/""[lint, .|ui. cm ........ ...~. ^.v,, u
--wdo de 5a patria teem sido prova de que sabe agradecer as merecidas atlen
Mpt.t~. -* nella coes, que '.he 'em prodigalisado o povo mATUr1
Sendo julgado apto para o servico, foi man-
dado assentar praca no corpo- de polica a paisano
Carlos Crol da Purificacao.
Tendo deitado de ser iostallada no dia mar-
cado por lei, ib juntos de qualificacao das freguc-
zias de Iguarass, Carusr e Ipojura, a presjden-
cia ordenou, quo se coavocasse para a reunao de
laes juntas no da U de marco prximo vindouro
que para esse ilm fica designado, os respectivos
eleitores e supplontos da actual legislatura, visto
haverem caducado es poderes dos que elegeramo
deputados a ass*mbla legislativa ltimamente dis-
solvida Orando assim sem efleito as ordens que
j se tiverem expedido para a reunio da ultima
daquollas juntes no dia 6 do rilado mez de marco,
como se ordenou, por offlc'.o de 20 de Janeiro ul-
timo.
\

^j


il larlo d Pcreaabaeo "* ftxta fcra 5 de Fevoielro de 8C4.
* Ohtiveram o exequtur imprtalas noi ao. Conrado
Srs, liarlos Luiz Fcpne Roeckerc Th o cr&v a ontt
liran-L-r. Frederlck Rock, 3 as Antillas daqnelles Infclitee, entre viuvas e
crian
as.
grao
O tultao da Turqua toaba do presentcar o seu
isir Fuad Pacha, com un magnifico dian.an-
. ir s ; .s da Silva Bra-
aero Denuljer |iara consulos.o 4* de Bromen c o g.\ Antonio Bentb ie Mora**, IRonso de Paul
i do ro Ducado do Oidembncgo nesta pro-I Albuquerque Maranbao, Estanislao Baptista Rodrt-
viuda, pe de Soma, i escravo a entregar a Marques
Dirigen-nos a seguinte noticia: llanos \ C.. Daniel Eduardo do Figueiredo, \nio- to av .liado em mais de 60:0005.
A beiii da moralidade publica, pedimos :o Sr.'nio Vicente ue Magalhaes, Joaquina da Cosa Lana,
subdelegado da freguesia do Recite, que tenha a Daniel Uuiino Coqujo, Francisco Sones Marques
avadada de frequentar dae 9 as li oras da noite da fonseca, desertor Felismino Jos Ferreira.
is do Amorim e a da Mooda. afuu de vi r se Seguem para o sul.
Ao
de ci
bolsa
E
S6de descohrir uin gracioso que dessas twm en Senador padre fnomas Pompee deSoiualira-.il. retra
ianio, toga pedradas de gnalas, de um sobntdo Bim. presidente do Para c depundo Dr. Frenis- rio-a
ojoe bota para ambas as ras, nos viziiihos que se co Carlos ie Araujo Brusnie e sua Familia,capitioI
vooni atordoaos com taes ncolas, podendo mes- de fragata Jos Mara Gallardo, Manoel Francisco O fce-r
rao acontecer qne venba passando algui m por estas de Meira Bastos, tetienlc Jos Thoophilo Cardoso, para
seu ministro Ali Pacha, deu-lhe para ajtula
lo de um palacio que est edificando, 1,000
23:000*.
o ministro da maana, o rol deu-lbco seu
o con nina cadeia de ouro c pedras pre-
as, e leve um i deasas jarritas na ca teca.
i Asnea, pois, pedimos ao Sr. subdelegado que
pelo amor moralidade publica, d alguns passei -
por asas ras, para ver se ooseobre quen o en>
pncadti, e assim evitar os inconvementcs sultam de tal grara.
Is*. pedem Ot Visaos.
Apezar da prohibirn expressa qne ha. ape-
zardo ler esta sido vuigarisada pela publicar'0 rc-
nente dos termos do rosillamente, ahi am,arece
por algumas ras o entrado no brinqoedode Unas
E' forca, pois, (pie a polica o vede absolutamen-
te fazendo exequive) a comuiiuaio da postara ; e
agora que alertamo-ta eom esta noticia, cenvda-
feMS a sua aiteucao providente para a ra da tilo-
ria, onde abundam as MM,
Foram aiilc-houtem examinados c aprrova-
dos era lingua nacional e arithmetica, preparato-
rios preliminares para a matricula do Curso Com-
moreiai Pernambucano, os segrales Srs.:
Antonio Martins Carvalho.
Antonio Jos Alvos de Carvalho
Manoel de Carvalho Soares Brandan.
Manoel Leite Pereira Bastos.
Francisco de Paula Rodrigues de Almeida.
Jos Joaquin Dias do Reg Jnior.
Jos Francisco Ranos.
Examinaran os Srs. professores do Gymnasio
Dr. Antonio Raugel de Torres Bandeira e leaente
Antonio Kgidio da Silva.
Antonio F. Lopes, I.uiz A. A. de Brito, I). Marimba to cimsuieravel, (pie nao sero siillrie.ilcs para
A. Peana, Antonio Joaquim Ramos Villar. Antonio1
Lourenco de Almeida, Olario Antonio dos Santos,
Vifcnto Forreira Dtas, Luiz Antonio Qotho, Brai
Sogueira Pinto, J. Joaqun, de Azevdo Pinto. Jos
toelho Ribeiro, Jos Antonio de Azevedo, Germano
Francisco de oliveira. Guimerme Cezar da Rocha,
cadelo Joo Lourenco Colares, Luiz Mcasman, ;i
soldad' de polica, 3 recrutas do exercito, 'i impe-
riaes marinneiro, S escravos entiegar.
Moviinento .la casa de deteneo do da do
fevereiro de 1861.
A saber
Existan). .
Entraran.
Sahiram ..
Existem ..
Racionaos.....
K-traii'.'oros. -
MoJberes......
Estrangeiras...
K-ri.lVOS......
Escravas......
339 presos
18 .
2
35S
2W
:i: .
i) >
I
70
.">
Alimentados eusla dos coles pblicos.. H7
Moviinento da enfermara no da i de fe-
voreiro:
Tiveram alta :
Manuel Francisco de Sapi'Anna.
Uemerto-sc-nos a seguate resposla dirigida a Matheus escravo de Miguel Felippe Souza Leao.
inem della carecer : Omr \mo w> m.\ :il ni: jankiuo, So ckmitkhio
K1 tao fcil dizer que a verdade mentira, publico.
ono fcil a um agento policial adiar infraccao Fabio Sessinio Bastos da Silva, Pernambuco. 23
de posturas, onde ella nao existe. anuo.-, solteiro, Btia-Vima, pbtysiea pulmonar.
Nao admira, pois, que a uoticia dada acerca {' do fevereiro.
Je nmi ceijueirn policial fosse tachada de c;lum- Geraldo, Pernambuco, 3 annus, S. Jos, bexigas.
iiiosa polo autor do facto apuntado. Entretanto o Catbarina, escrava, frica, ;W annos, solteira, Boa
laclo cm si to revejante que o bom do homein Vista, ascite,
aiuinuin, isto c, que tal facto nunca se passou, do solleiro, Sanio Antonio, repentinamente.
<1U3 rnnfessar que se enganou, como ualuralniente Manoel, Pernambuco, i hora, Santo Antonio, (igno-
!*
potera dizer.
y'.' que o horaum BJfl aun* passar por le:
eir nos plbos, nom pueiru na cabeca.
< Pois bem nao brgueraos por isso, lauto mais
anto o pobre do boteeiro (icou dosta vez iicnto
ra-se.)
Joao, escravo, Pernambuco, 4(1 annos, solleiro, Santo
Antonio, ascite.
Claudina Teixeira d"Annuneaejo, Pernambuco,
28 annos, casada, S. Jos, pulmonite.
e pagar os omilos, grabas as duas testemuiihis de Manoel, Pernambuco, 0 dia5. Kecife, espasmo,
visia, ipue conduzia em seu carro. > Joao, escravo, Pernambuco, I mes, Santo Antonio,
Da cidade do Ass, no Rio Grande do Norte,
3
convulsr.es.
i
mezes, Recife, conrul-
BO! escrevem com data de 20 do passado me/.
Sendo a primeira vez que escrevo para o Din- Lindolfo, Pernambuco,
rit de PernaMbuco, da morosidade do rocebimeulo ; sies.
delle (Diario) por estes centros das roinarcas do Caroliatk, l'ernambueo, lannos, solteira, Boa-Vis-
Ass, Mossor e Maieridade, que me quero occu-1 ta, plilysica.
par e quelsar, antes de tude.se bem que reconhero Tbeopbelina Maria do Espirito-Santo, Pernambuco,
qu 3 a remessa feita pela redaccao a mais puntual, \ 2i annos, solteira, Ba-Vista, tubrculos pulmo
sinrcomo tambem a i|ue feita pelas agencias
do Ass c Mossor: porquauto a boa juslica
aquella que cemeca por casa.
Os jornaes e noticias de Pernambuco, segundo
a tnarba regular dos vapores costeiros, podem
ch'.'gnr aqui no Ass no espaop de o dias o as
ta capital dcsta provincia de 3 a 4, por distar esta
idadedo Ass da villa de Maco 17 legoas, onde
aportara os ditos vapores da companhia Pernain-
bucana: entretanto gaslam estas e aqueJIas no icias
-20 2u, :<0 e as vezes muito mais dias!'!
P basta asseverar cm prova exuberante desse
ineu dito, que desde outubro do anno prximo pas-
sado, at hoje, a mala da correspondencia ofQcial
c f/articular esui paralysada na villa de Maco, por
falta de dinheiro para pagameuto dos estafetas na
'respectiva agencia !!!
Parece incrivel urna semelbante falla, e at
causa pojo manifesta-la ; mas una realidado, que
admrttc refntacao seria, e quo muito pode a at-
tenrao do Exm. Sr. Dr. Oljntho Jos Meira, | resi-
lente da provincia, a quepi compete velar nesse
rario do sorvico publico to nial c pessimaniuule
admit i?trado.
E" verdade, que temos (os do Assu) recibido
es aossos jornaes e cartas, vind^ n'alguus vanares;
mas isto devido portadores particulares, ou
Iie;5oas de nossa amizade, que nos traten qu indo
de Maca) veem para c : agora niesuio acaba o
Dr. Ignacio Dias do Lcenla, juit municipal e de-
Jogidode poltcia jeste termo, de mandar uui pro-
pri) a sna eusta buscar a correspondencia, que
pertence a este municipio, publica e parllculi i e
na i sendo o seu ordenado tao grande (600$) nao
podera elle hxet essa despeza daas vetes por met,
qne iiagando|Hr eada urna ii,Ihe absorveaquau-
tia do Mi-5 anniiaes.
8e a eollectoria gafal nao ton dinheiro que
cliguc a fazer face com o pagamento di- estafetas,
S. Exc. o Sr. presidente da provincia, cjue antarise
a mesa de rendas provineiaes da mesma villa do
Maco, a fazer euiprostimo da somraa precna ao
geme do correio capitio Jos VJcenie Lco.
E' preciso attender-se que o homeu serCinejo
taubem tlgura no ratbalogo des sen.-: Uuibem
conlritim para as desperas do estado; c nn pode
ser indilferente a sses movimenlos, com q
untreiem a soeiedade : uestes serloes nao se fre-
qmmtam theatrns lricos e dramticos i nao se va-
ja i^m caminho^ de ferro: ao etistem sociedades
de baila e folgancas; nao teinus ras e praca- pa-
ral'lyinpidisad.is p rlfuiainadas gaz nao timos
templos decentemente paramentados nao gOZ W10S
linalmeMe os eoniroodos, os praceres e diverti-
me-nlos das grandes idades; e poi SIO a maca
distraer,rio que tein o triste sertauejo, a b ilura
de importanlissimo JUhio do PimMHAWo n pri-
va-Io della, elle que oquer, que o paga e que o
aprecia tanto, condeuma-lo inju-.lamente i. mu
martyrol E umalyrannia. upi derpotiMiu Que
se exerre contra essa paveao de brasileiros 1;'!
A cklade do Ast dia da rapiUJ desta pre-
vinc:a'iH leguas; entretanto os i.-tafias detona
lesam 12 o 13 dias de vi.ig.ni! .Nao #ei se so
devido ao pessoal dos mesoios estarezas, que neste
caso,., pessimo, ou se ao mesquinho salario (|ue
gaiibain riles, e que |ior isto os nao incita a fazer
viagens regulares; soja porm como lr,o servieo
< pesnamente desempenhado, e nao pode d-i\ar
de seriisto muito prejudicial ao gowriw, poi ipie
as autoridades deste centro nao pdem recetor d
prcmpto.as comtnnnicaces e ordens necessirias
para o bi m natoapenho de seus deveres : ttivez
lah't qm s.Ute de-la cidade para a villa d* Mosso-
r, dalli para a de Campo Grande, c desea para
.aqui. percebe apenas a miseravel quaniia d. 5->.
taendo iie[eeirriilo 'ni leguas do vlagl :o Por
ceiio admira que tiaja lio severa economa para
csses mi-eraveis que tambem sao se.'vidons da
afio, ao passo que oulros e rom muito menos fa-
4ligis e piivates, vivem fea abundancia I...
Deusqottlra que estas poueas consideraedes
acun naseer providencias adequadas ao melhora-
iii- uto desse servieo.
Anda naolHios invern (eorpo, alma c vida do
tajlao), lias asjjresiimpeoes sao favoraveis ; ago-
".iHio ouco estar trovrjando no oriente.
He"AirngAO da polica :
letrado da parle do dia \ de fevereiro de
I8(i.
i'oran recomidos casa de deteneao no dia 3
4u cocante:
A' ord m do HIul Sr. Dr. chefe de polica, Ma-
noel Canelo da Silva, pardo e Antonio Manoel
dos Stntos, crjoulo, vindos do termo da Ksiada,
para recrutas.
a ordom do subdelegado do Recife, Gaoriel
Lopes de Araujo, pardo, por briga,
A'ordira do de Santo Antonio, os pardos. Mar-
ciano Ignez de Freilas, como suspeito de ser des-
ertor : Joi da Cruz Lima, por furto, e Antinio.
e-i-avo de Jos Fedro das Aleves, e Antonio, cri-
ouli), escravo de Constantino Jos Ka pozo,, ambos
por infraeeao de posturas; Felisberlo. laBibem
crirdilo, escravo de Atiino da Silva Leal, a reque-
rin enw d'este.
.'.' ordim do de S. Jos, as pardas Maria An-
in ia da OoneeicAo, There'/a Maria de Jess, am-
ias por briga ; Antonio Raziliano de Souza, afri-
icaro. paia areriguacoes poHciaea.
O ehefe da 2* seccio,
J. G. de MrtquUa.
Mo v-jraento do hospital de Xossa Senhora da
Concedi dos Lazaros, do 1 a 31 de Janeiro de
IWi4.
Exlstiin 12homens, e 13 mulher.-, existem 12
Jioneos .' 13 mulheres, total 2.
0 mordomo do mez,
A. J. Gomes do Corroio.
-' Paesageros do vapor nacional Paran, vindo
do ]?ar e portes intermedios; Roavntura Jesc
i.oimbra Je sampalo, Manoel da Silva Santos. Fir
nares.
Maria, Pernambuco, i dias, Recife, espasmo.
Benigna Cirneiro da Silva. Pernambuco, 12 annos,
selteira, lloa-Vista, luherculos pulmonares.
Francisco Correa, Pernambuco, 18 annos, solleiro,
S. Jos, tubrculos pulmonares.
Lucia, Peruambuco, 1 mez, Saulo Antonio, espas-
mo.
Maria Pelona do Carmo, Pernambuco, 38 annos,
solleira, Recife, perilonite.
los, Pernumbuco, 7 annos, S. Jos, phtysica.
UM POUCO OE TUOO.
A Cric publica o seguinte :
O.-, catlio icos da Prussia enviaram ao Santo Pa-
dre o seu reiralo sobro vidro.
Alii v se Pin IX assentado em um Ihrono com a
tliiara, e lindo na mao a bulla da definico do dog-
ma da luiuiaculada Coneeicao.
A' dircita leen-se estas palavras em caracteres
i'ollu'eus .vil/mas f.i>prtit>U vos ut eribaret ticHl
h di nm~ ii sua osquerda : fe'oo rogaci irote til
no* ilrfi'int /(,/,< lim.
Em um tanto do painel est Nosso Senhor dan-
do as chavos do reo a S. Pedro, com esta insenp-
cao : Tn et Petra*, el M/ier liunc petram edi/i-
cubo ecttSUHI iHeam, et lilii dabu cines n./nt nrlo-
ihih : e a direita do pontilieo a Virgem da Con-
ceicao. ,
(i ihrono esta collorado entre duas columna- sai
ruja l>ase Li;in-se e.-las palavras : Sicul ralainna
ktc ttttt Deus.
Durante muitos dias o painel foi exposto na sala
do capitolio.

Malla esl cheia de reminiscencias do Apostlo
S. Paulo, q je, como sabo-se, fura levada esta ilba
por um uaufragio.
0 lugar onde abordou, so chama anda hoje a
fitle do Aposlolf.
.Na ndade;exi>tea yriila de S. Paulo,Hiiual so li
gain as ma8 tocantes tradi<-(,-oes.
U Saato Apostlo tendo curado niilagrosanienli
o pai de Piblio o graooe numero de nutras pes-
soas, ba|iti.sou a este principe e sua familia, ocen
turiio o seus soldados, o? mariuheiros do navio
que o haviam transportado, assim como urna mul-
lida 1 de IIK,lte/.e>.
Erigi depois em sua gruta um oratorio que foi
dos Inspos de M;ilta e o lugar de reunan
loe pi m liros Res da era dos marlyres, al a po-
ca de (luosuintino.
iepeis do irinmpho dorbristianisnio, urna gran-
de igreja fui erigida entrada da grua, ijue COO-
ttnuoua ser venerada pelos liis; no anuo de 100
estabetecen-se ahi urna roUegiada,
Mr. G;ut Said, eseriptor mallez, qnerendo reunir
todas as ciicumsianeias (pie dizoin respeito a eatt
grua bislojica, as iradicco^s e os nionumenios
cotnpoz urna interessante brochura de I3G paginas,
publicada m Malta e que grandes elogios j leiu
granjeado.
i:\tialiimOt; esta fbula do Jm nal do Comiuerca
da i o te sendo i nesna assiguada pelo Sr. J. J.
Veiseira :
O l'HOTotlUAl'll/l.
So nao codsa diflicil
Ter Uros de Iliterato,
Gracas pbotogranhi,
Qualquer tolo tein retrato.
Entre os modernos artistas,
Por merc d'um machinismo,
Alruns ha que menos saben
As liroes do calbecismo.
A >jn de-te-. Iiomem gordo,
Cjue viulia l de seus millios,
Apresenlou-se pedindo
(Juc o pintaste com seus lilhos.
O photographo sorrio-se,
E relratou as enancas,
Mas no vellio, por descuido,
Ligadas lez duas paueas.
O que islo, homein de Dos ?
Pergunla o gordo enfadado
Fot o sol, responde o artista,
\o aso nao sou culpado.
O q ie de inin mi depende
Tem cunho de perfeico;
A prova est nos meninos
(Jue a todos agrailarao.
Bem podia ser ministro
Este grande retratista,
Poi: que ao sol imputar soubc
Sua curteza de vista.
L-se na Hevolurao de Sclrmbro :
O grande maestro Verdi. que nos todas as noi-
tes applaudiito cntliu-iaMiiados em S. Carlos, est
os Cfl
l.olll
Di
nest;
Celld
con
cao
de i
man
U
09
roes
.\
niui
N
mor
S
de<
nan
sadi
ve
t
I
mei
seu.-
D
este
por
mei
do Egypto acaba de encomm
Inglaterra um numero do arados a vapor
nstruir os recurso do todas as fabricas de
res.
l-se que a somma que S. A. qner empregar
especialidade de instrumentos de lavoora as-
a 900:000$, c que ao mesmo lempo mandou
ruir una immensa granja modelo, cuja direc-
er eontiada a agricultores inglezes, prvidos
dos os insiniiiientos o machinas agrcolas da
moderna nvenoao.
*
jn curioso de clculos e.-tatisticos enviou-nos
guintes aponlamentos, resultado de averigua-
a ipie elle teve a paciencia de proceder.
io sar infallivel o calculo, mas com certeza
0 aproximado da verdade :
i auno de 1803 houve em Lisboa 100,000 na-
DS.
ndo a popularao de 30H.000 habitantes, nieta-
estes sao fnicas, o tiestas dous tercos que
oraram, porque o outro terco sao senliora- e.i-
s serias; viuvas desoridas, e velbas na torcoi-
r.i i mel.
Dos 100,000 namoms. netade erain j amores
OS, enn-e-penles e ini'onseqili liles.
s outros ."iO.OOO cram noves.
-te-. 2.',(KK) tinham por alvo o stimo sacra-
to, mas apenas 1.000 chegaram a realisar os
desejos.
M outros 2't,"HN), molade lcarain adiados para
anuos, e dos 12,600 restantes 6,000 acabaran
kraieio, peita e snberao; 3/900 por esmoreei-
to de paixao, l.OtKl por lorniae- desengaos e
lant
tisti

para onde o mar no? impela. Passamos inda a
segunda noite (ubre as ai;uas, mas pelo menos
parecia-nos estar fra de pe igo.
Na tarde seguinte, alcancimosa trra; e a final
encontramos os habitantes, que'nos condnxiram
para a povoacao visnha. Entio tomamos al-
gura alimento, o que nc faziamos bavia tre=
dias.
Aehavamo-nos n'unia ilia chamada Tersrhel-
ling. Permanecemos alli at torca-feira seguinte.
e lomes depois transportadoi para Ilarlingen. Em
seguida parlimos |iara Amst Tdam.
0 Commercio do Porto cinta o seguinte:
Fallecen na sua residencia de Marino nerto de
' loiiiarf, o conde de Charlemonl, par de Irlanda,
e o ultimo do parlamenb) Irlandez do seclo
ultimo, que a uni;"io absoiveu no parlamento in
giec
Tinha nasrido a 4 de jane ro de 1774, e eslava
por Isso a completar noventi annos.
I'oi prineiro depulado na cmara dos communs
de Doblin como representante de Armagh.
Em 1779 per morte do sen pai que represeniava
um papel distincto no par miento e no pai/.. que
Ihe chamava, com a empbase propria de rlin-
detes o grande lord Charltmont cntrou na c-
mara alta de' Irlanda, que eslava a acabar.
Foi naneada memoro da cmara alta do parla-
mento nico da monarchia ingleza em 180i, e Bel
aos deveres da sua naciona idade c memoria de
seu pal votou constantemente com o partido li-i
bera, que queria a liberdate religiosa e a eman-1
cipacio dos catholicos.
0 Sr. Duarlc Coirahra tjael im nesi i cspITl v,t-
u,_ >s, amigos quo poera sua disnoi-
coeontos de ris eraqoalquer paite ,pie deuet
. tem dado por osse modo urna exhuberan-
le prova do muito que vale.
Como artista nao apparece urna vez em scena,
que nao soja coberlo de applausus.
Sua viuda a esta capital depois da ausencia de
algn anuos, veio registrar dous factos bem im-
portantes. Ao publico, o progrosso qne tem foito na
arte : um eximio artista. A elle, de que o bom
artista, o himemdo virtud'
Cvicas tem seini
por -i o apoio eamsade de urna populacao inteira. Guarbrgue~ig1!Tr lein entrado em algontespectculos, eera todos luoa cm |as|ro
ellos ha sido coberlo das maores ovacSes, como Poi tos do sulvapor brasileiro Pii/vii., comman-
l'iattisca, de 300 toneladas, capilo J. Kiaer,
equipagem 14, carga salitre; a .N. O. Bitber \ '
Terra .\'ova=28 das, escuna ingleza Margare!
133 toneladas, aapitao M. Nell, eojuipagem nt
carga 2089 barricas com bacalho ; a Johnslou
Paler & C.
Ivansea4'.i dias, brigue francez Emile, de 169
toneladas, capilo Wesemael, equipagem 10, car-
ga carvao: a Johnston Paler & C.
Naviot tahiot o dia.
Barcelonasumaca bespanooia Manuela, capilo
Gabriel Rementol, carga algodo.
iam Ga-
lera lido occasiao de lr em diversos jornaes desla
capital.
Para a rmpreza do Santa Isabel segu para o
Rio o Sr. Germano a contratar alguus artistas ; o,
se fr anda neeessaria se dirigir > Europa. Ar-
listado urna alta repuiacio como o Sr. Germano ,
e i i|uem muito devem quasi tolos o> theatros do
Brasil, e longo na pratiea de euipiezario, elle (leve
saber perfeilamenle o ipie necessano para o
Iheatro de urna cidade to altamente Ilustrada |
como ossa.
Amanbaa repete-seAs mull" es de llarmore.
dfente o eapilio de fragata Antonio Joaquira
Santa Karbara.
de -
EDITAES.
I riltim il lo commercio.
BDIT.L
O tribunal do commercio da provincia do Per-
nambuco convida aos senhores commerciantes na-
Em coiieiu'-ao m ii,,. pecoque~fu]a^> eontaio! eionaes matriculados e residentes neste dUtricto,
deFurtadoCoelho. e no seguinte vapor Ihe direi a comparecerem no da 17 de fevereiro prximo
mais algiima cousa. roturo, as '.i hora- .la manbaa, na sala da Associa-
cao (^ommercial Beneflcente, para procoder-se a
--------- eluicao de um depulado commerciante, que em
... ... ... ...._.. ... subslituico do depulado fallecido Jos Gonealves
1 Ira. Sr subdelegado do 2 estricto dAgua- Malveira.lem deservir at o ira do anno de i*w,
O conde de Cliarleinontteve 4 ftlhot que morre- \V'J^r^'J1:?"!^.I^:S.'< ^\ f^'^i^.^V:^r!?0:.^^^!"! 1""1P" 1 Mtava ao substituido, na forma ti-
rara (piando chegaram aos 80 annos.
F.' seu sobrinho o coronel James Molynens
fcild que Ihe succede nos ttulos e propriedades
a.-Miii ipie os habitantes do mesmo povnado Ihe
atiesto no mesmo sentido : uestes termos pede e
espera que V. S. se digne deferir-lhe.-E II. M.
Thomaz llassicb.
Atiesten qnerendo. Povoado dos Montes, 3 de:
1
i
,
Em Hcspanba falleceu D. Ventura de la Vega,
membro da academia real de Madrid, e um dos
mais distinclos escriptores liespanhees.
mu jo accordo entre os namorados, e os 1,000 res-
s tiveram nin lim nstimavel que outra e-ta-
:a lera do registrar.
Jornal do Commenio, de Lisboa conla o se-
guirle
ilaiilem se eslreiou em S. Carlos, o famoso loca-
dor de gaita pastoril, o Sr. Jos Picco, executando
a Cm/ Uita, da NoraM e a cavatina do Harbeiro
de frillia.
0
publico applaudio com grande enlhusiasmo o
rg'|) concertista, que maravilhou a lodos.
Cuno j noticiamos, o instrumento que tornou
ceh bre o Sr. Picco, urna pequea gaila de ma-
deira, que tem de comprimenlo tres pollegadas, e
lem tres buracos apenas.
Le l insignilicanie e tosco instrumento, ex-
trale o Sr. Picco os mais variados sons. as modu-
lares mais delicadas, escalas chromaticas de ad-
inii avel perfeico, e emlim todas as difliculdades.
todos os arrojos a que pode elevarse o mais per-
feit) instrumento.
C Sr. Picco, com um ou dous dedos, nao pode-
mo ; perceber bem, da mao esquerda, grada a exe-
cugio do som no exlremo da concavidade do ins-
trumento, e por este modo, eom um maravilhoso
aruneio, consegue dar ao som lodasas modulacoes,
(|Ut( se dira impossiveI aeren produzdos por tao
ine mipleto instrumento.
I ogo que o Sr. Picco sollou os primeiros com-
pasas do adagio da CVifrt Dir, o publico come-
toua palentear a sua admiraco, que rompeu em
estiepitosos applausos, acabado esse trecho, ap-
plansos que redobraram no allegro da cavati-
na do Barbeiro 4e Sevillui, cuja repeti(o foi
pcijida.
sao na verdade necessarias muita paciencia
c urna singular habilidade, para alcancar taes re-
sultados harmoniosos em una tosca gaila.
i > que urna flauta (Mide fazer, ludo realisa o
zuMelto na liocca do Sr. Pceo. A's vezes pare-
ce ii garganta do urna abalisada cantora, ouiras
vz3s, um rouxinol; aos tan agudns e estriden-
tes, snecedem-sc sons maviosos e suanissinios.
Mirprehende a iulinita quanlidade de sons (jue
0 !>r. Picco extrabe do seu instrumento, apenas
com tres buracos, san embargo de se aproveilar
do extrema da concavidade.
I' Sr Pceo lem siinpre o sen zufulelto na al-
gib "ira.do rollete, lira-o precisamente na occaso
de o levar bocea, a .piando ha intervallo, para o
preludio da orcheslra, logo o torna a nester na
algibeira, o se a pausa mu breve, conserva-o
eave as man
Jo saloandoude mao em mao a precioso gaila,
que umitas pessoas examinaran.
Cumpre advertir urna circumstancia importan-
Sr. Pirco conserva sempre rigorosa atli-
na;ao: o nao se julgue que alguma vez O som
spero; as notas nata agudas como um
(l.iii i iii).
Finalmente, o Sr. Picco um artista admiravel,
porque eonsegUM tornar nina singla gaita pasto-
ril, n'um instrumento perfoitissiuto.
Na quai la-feua dar o famoso ceg italiano o seu
segundo concert.

. No mar do norte oreorreu ha alguns das um
naufragio, que custou a vida a inatentas pessoas.
1 0) dos passageiros, que por milagro escapou d'es-
ta lerrivel calastropbe, refere, niiiua carta, os se-
guimos pormenores:
Foi na noite do qmuta-feira para sexta, diz
elle, que se deu o sini-iro. Tresentas pessoas,
ri Ir as ijri.i.-s se eoutava o capilo e o medico de
bordo, perecern victimas das ondas. Do WU-
"!/. que era um dos maiores navios de Ham-
burgo, s lirou urna parlo da popa, que nao pode
-' i destruida, em consequeneu da sua forte cons-
tril(\'ao.
Tmli.iuios sabido de Slado, bavia auinie dias,
conduzmdo .'tl.' a 320 passageiros. Apenas ga-
ndamos o alto mar, comeeoa a soprar o vento
I "-ie. Conservou-se sem interrapcio durante
muilos dias, augmentando constantemente da vio-
lencia. Em vez de avancar, o navio era irresisti-
v( Inieuie laucada sobre a costa.
Na noite de quinta-feira para sexta, o tenipo-
ni augmentou com tal impeiuosidade, (pie todo o
vtlame se despedacou repentinamente. Becoiava-
nos a cada momento ser esmagados na queda
des nastros, que sem cessar eslalavam. O pro-
prio casco do navio estalava tambem, e do modo
ip.o pareca fondor-so ao meio. \ una hora da
madrugada, o capitn laneou a sonda, c conheceu-
selque bavia dessele psd'agua, quandoo navio
deiiKindava dezoilo.
siamos por consequem a perdidos.
directivamente, passados alguns minutos, sen-
tinos um terrlvel choque; WUkemtbotirg naufra-
ga a.
lira preciso picar os maslros; estes quebra-
vai i-so como vidro, e os fragmentos, cahiado sobre
o o uivi-. abran grandes buracos, por ande as
vaias eutnivam na cubera.
] 'e repente scniio-sc nm formidavel estrondo;
o navio navia-se quebrado p*"'0 "icio. Todos
qiuntos se achavaiu proa foram engolidos pelas
om 19.
Eui menos de alguns segundos, tresentas pes-
uiavam com a morte. Eu eslava popa
outros passageiros. Nao se pode descrever o
ctacnlo ijue ento tinhamos dianlc dos olhos;
liohlens, uuilheres e cr-aneas appareciam por um
momento sobre o elemento enfurecido, desapparc-
cendo logo depois para sempre.
N e-ias aeeaeiSet cada um pensa em si e nos
i seusL
Nos mesmo achavanio-no,- n'uma silnaco mili-
to lainonl.ivel. A proa linba-se >ubmergido a pon-
to de tocar naareia, na quil se envara. Todava
conservavamo-nos ainda a sonerArie, e ter-nos-
Jiia-rnos lalvet podido conservar alli, seno fc*se a
violencia das vagas, que a cada passo, arrastava
novas victimas.
Salamos enlo para nina canoa, qne estava
envolvida nos cabos e nos restos da mastrea-
<;o.
He lodos os lados se viam passageiros morios,
e sentiain os gemidos dos feridos. Comprimidos
un conlra os oulros na canoa, esperavamos a ca-
da momento ser precipitados as vagas. Foi
a Austria acaba de perdern dos seus prinei-
paos poetas dramticos, Fr.'derico llebhel. mor-
to om Vionna com .Mi anuos de idade a 13 de
ilezeinbro.
Notavel por sua imaginaco, sua originalidade
e predileccao pelo hocivel e pela exageraeSo,
llebbel dt-ixa um certo nitmt ro de pecas represen-
tadas de 1841 1R56, poeias e algumas obras
didcticas sobre a litteratum.

Fallecen em Londres, victima d'um apoplexia
fulminanti'. o romancista popular inglez M. Ta-
ckeray. autor da famosa obra A (eir das rai-
dades.
Tinha ha quatroannos funiado o peridico Cor-
nhill Maqazm.

O jornal clerical francez o Echo de Bolonha, ees-
son asna publicado, que darara 24 metes, du-
rante a qual foi o seu respomavel condemnado 19
annos de prisao e 3ti mil frai.cos de multa.

A imperan iz dos Francezes.segurou ltimamen-
te a sua vida, na importancia de 200:000 libras
(900 eontos de ris). que foi segara por difieren-
tes companhias inglczas.
HALAN! DA CA XA FILIAL DO LONDON A
BP.ASILIAN BANK i LIMITED) EM PEBNAMU-
CO, 31 DE JANEIBO DE .804.
ACTIVO.
London A Braslian
Bank Londres .
Letras descontadas .
Diversas coulas cor-
reutes e oulros va-
lores .....
Lelras a receber .
Mobiha.....
Caita:
Em mooda corrente2,090:il'i?230
Deposilado'na caixa-
lilial do Banco do
Brasil.....
o27:84:t90
1,302:921,5070
399:I0V50o0
73:8830910
7:3445100
fevereiro de 1864.Lopes.
Atiesto qoeo BOppUeante morador neste quar-
leiro dasde INGO aonde lem vivido entregue aos
seus (rabalbos com o lim de inanter-se, tendo
sempre mostrado conducta muito regular tanlo
civil romo moral do modo a nao lar vea alguma
dado lugar a reelamacio de especie alguma a
respailo dos seus actos os que sao sempre mode-
rados aos bons costumes o que alllrmo em f do
mea cargo.
Manoel IUymundo da Cunha,
Inspector.
Poveado dos Montes, 3 de fevereiro de 1864.
Itelire-mc ao attestado retro.Dr.Faria.Joa-
nqmbuco e afixado na praca do commercio com a
lisia de que trata o art. 5""do citado decreto.
Secretaria do tribunal do commercio de Pernam-
buco 2o de Janeiro de 1864.
Joo Ignacio de Medeiros Bego.
LISTA.
Jos Jeronymo Monteiro.
los Joaqnim Dias Fernandes.
Luiz Antonio Siqueira.
.I.e Velloso Soares.
Manoel Ignacio de Oliveira.
Manoel Joaqnim Ramoso.Silva.
Antonio Jos Leal Heis.
Vicente Mondes Wanderley.
Jos Marcelino da llosa.
Joo Cardoso A) res.
Joo Ignacio de Medeiros Bego.
Antonio Valentim da Silva Barroca.
ao attestaao reiro.-ur. rana.-joa- E) as Bantistt da Silva,
quim Lucio Monteiro da Franca. Francisco Acciolv de Gouveia Lins.
Rehro-rae ao altestado retro. Povoacao dos Jo.; rtaptisla da Fonseca Jnior.
Montes, 3 de fevereiro de 1864. Jos Joaqnim de, ^ Curies de Paula.
Almeida Gandes. Antonio Jos do Castro.
Refiro-me ao attestado retro. Povoacao dos Mon-1 Antonio da Silva Ferreira Jnior.
tes. :i de fevereiro de 1864.Vigario Fausto Fre- j0,,. Francisco de S Leitao.
rodo Carvalho. .! Jos dos Santos Neves.
Keliro-me ao altestado retro. Japaranduba. d de, j_uz j0St Ro fevereiro de 1864.Keiip|ie. N'ery Alfonso Ferreira. Antonio AI ves Barbosa.
Roliro-me ao ailestado retro. Japaranduba, 3 de j0:0 ja va Faria
fevereiro do 1864.-Francisco Alfonso Ferreira. Manoel Joaqnim Rodrigues de Souza.
Reliro-tne ao altestado retro. Japaranduba, 3 de Gaido Nunes de Mello,
fevereiro de 1864.Domingos Allouso Ferreira. I j0;(juim da Silva Lopes.
Reliro-me ao attestado cima. Engenbo Trom-' Gabriel Antonio.
beta, 3 de fevereiro de 1864.Jos Gorgonio Paes j0:l0 pi0 e y,mos_
Barrete. r. Manoel Duarte Rodrigues.
Refiro-me ao attestado retro. Po-oado dos Mon- Vicente Jos de Brito.
tes, 3 de fevereiro de 1804. Joaquim Firmo de Manoel Antonio da Silva J/oreira.
Obveira. Antonio Joaquim Barios.Frandisc de B.x-tholomeu Trancisco de Souza.
Si(|ueira Cavalcanti.Francisco Marques Cuima-, j0;,quim Jos da Cosa Fajozes.
raes. -Tbomaz de Aquino Carvalho. Francisco josc pres Ferreira.
Ferreira da Silva Jnior.Antonio Lopes Firmi-
no.Jo- Antonio da Silva. Manuel Ferreira |
Jos Rodrigues Pereira.
Joao Pinto de Lemos Jnior.
Pinto.Diogo Pereira de Souza. Andro_ Nuues jo;;e Candido de Barros.
77:301*830 2,107:4175080 Accioli Lins.
(Estava sellado.)
4,:;i8:7735800
Vianna.Joaquim Ribeiro da Cruz.Joo Jos
Al ves de Oliveira.
Reliro-me ao altestado cima. Montes, 3 de fe-
vereiro de. 1864.Hygino Firmo das Chagas, es-
crivoda subdelegacia.
Reliro-me ao attestado suppra. Clementino
l'\-SIVO.
Capital.....
Depsitos e coulas
crranles. .
Letras a pagar .
Diversas mutas cor-
retites e oulros va-
lores .....
888:8885890
2,633:3835700!
065:063*790
4,338:7735800
Cajiano C. da Costa Moreira.
Antonio Luiz dos Santos.
Joao Jos de Carvalho Moraes.
Jos Pereira da Cunha.
Lourenco Luiz das Noves.
Candido C. Guedes Alcoforado.
Joaquim Francisco do Espirito Santo.
Jos Antouio Basto.
Ai gusto Frederico de Oliveira.
Antonio de Moura Bolim.
Jos Francisco I.avra Penna.
Arlonio Ignacio do R(!go Mederos.
II' i -minio Egidio de Figueiredo.
Felisberlo Ignacio de Oliveira.
Est. conforme.
Julio Guimarcs,
Olicial-maior.
Pernambuco; 4 de fevereiro de 1864.
W. i. Ilaijncs, accoiinlanl.
PUBLICARES A PEDIDO.
soat
com
espt
actualmente era Turin, porque deputado por urna n'esta situaco que passamos a noite. A's sele
das provincias italianas.
Culdavam que um maestro nao era capaz de ap-
parecer no seio da represeutaco nacional a de-
fender os inttresses da classe F.
*
lia quasi un mez que sahiram do porto de Nor-
folk cm Inglaterra 13 barcos piscatorios Iridiados
ao todo por 120 marinbeiros.
Como dcsd.i o dia da sua sahida teem reinado
grandes tenineraei nujuellas cosas o nao se soube
horas da noite, avistamos um barco que se diriga
para trra ; era de outro navio que dera cosa
como o nosso, e Irazia a sua equipagem. Segui-
mos aquello exemplo. Infelizmente, o barco era
limito pequeo para nos poder receber a todos.
Era preciso que dez dos nossos companheiros de
infortunio se consorvassem na mesma situaco,
emquanto o malor numero trata va de procura," um
lugar seguro. Eu fui dos que iquei.
) barco parti, mas o mar eslava tao baixo,
mais dclles, julga-so que indubitayelmente pc-re- j que pouco depois encalhou. De longe
ceram lodos no'meio das embravecidas ondas da-! nufragos sabir da canoa^e dlriiri'-"*''
quellc proceloso mar. (para a coste. _,"
Se esta desgraca se confirma, cerno provavel, i "* -..vui-se a n.iou
alm daperda das 120 vidas, baver aTM '*"' ; .
flmio Severino dos Sanios, .\jHoaifl Mara do Espi- (o desamparo das '."o ,.,,, ( !> tenhn njMla s osfir senao da nossa re-
: pessoas que comnn ,,J,>f0 "W ""nstrnimo? tima jangada, c pouco de-
i viipannam p0s r.^avmiio's tambera na Sreeeao da ierra,
MaranliHO, 30 de Janeiro ile 1864.
Ins se oceupam de poliiioa, outros de com-
mercio e nao pouoos de completa ociosidade ; as-
sim, pois, nao se estranhara que eu me entregue
a negocios theatraes, que tmjeeto de tao grande
ulilidade como qualipter ouro, porquanlo d'ahi'
lamben nos ven muita vanligen, especialmente
a civilisaeo e a moral.
A arle-dramtica 'piando bem dirigida a me-
Ihor escola pratiea que se polia inventar para o
povo extremar o bem do mal. pnnir o vicio e ele-
var a virtiile. E a nao sor assim o governo nao
dosponderia em todas as n.vdes muitos capitaes
para a sua sustentaeo.
No Hrasil muilo tem lucrado o governo com a
sustentaeo da arto draniat ca, mas nem assim
tem ainda dado-lhe toda a neeessaria proteccao,
porque alguns thealros inant'iem-se s a cusa dos
-eos proferios recursos; c en oniros a sobvencio
i-tfio diminuta, ipie mal ebega para as urgentes
necesidades.
O desla capital tom-se man :ido de annos a esta
parte smenle pelo bom gosDdo publico, que en
verdade muito amanto da arte dramtica, po-
rm, sea asserableaprovincial na sna prxima
reunan nSo consignar algniis eontos de ris,
muilo de crer que tenbamos de ficar privados do
nico diverlimenlo que lomos.
A empreza Colas A Coste Rocha a nao ter sido
amparada, como felizmente loi, pelos Srs. Duarte
Coimbra e Germano a muilo teria taqueado ; por
guante alm'de nao ser subvencionada leve a in-
felicidade de envolver na SU I organisaco o ger-
men da discordia, qne maior nao pode "ser i vida
dos nossos theatros, romo a admlssao nelles do
celebrrimoI.uiz Candido 'orlado Coelho.
Este Fnirtado Coelho, artista dramtico creado
da noite para o da, lano nais perlgoso arte
que ocholera-moibiis. A de -Irado na intriga, na
calumnia e na traioSo, mata eom mais rapidez a
empreza que tem a inlVIicid.ide de o contratar, do
que o eholera-inorbus 00 nina apoplexia fulmi-
nante.
Se recorpermos a histeria i\e todos os -theatros
do Brasil, onde se lem apresentado, descubriremos
esta verdade.
E isso acontece porque snn merilo artstico,
quer fazer-se notavid pelo |' tanusmo, procurando
Iludir aospapalvo- eom as t'umtas p/atTOf, pi-
inolismo e escola moderna.
Sua audacia, isto o seu | endalismo, excedo .i-
altura do sol. Em ludo o primeiro, o assim nao
admira o arrojo queja teve (m dizer que nao era
para existir no actual secuto e sim d'aqui cem
annos mais, no caso de que i hnmanidade conti-
nua.-se i romprehender o ca ninho da civilisaeo
o da moral! !
Furtado Coolho a fallar om civilisaeo e mo-
ral II
Nao admira, porque elle sempre o autor dos
elogia que Ihe apnarecen.
Os ctodos do Para, como vem chamando os
babitantes daquclla cidade, icabam do dar um
ensino conveniente, segundo o que venho de lr
em cartas c jornaes qne dalli reeebi.
No fin de meia duzia de recitas descarnou-se
tal qual e o resultado foi levar, e bem assim a
sua Dulcinea, amis horrivil pateada que se pede
imaginar, de modo que dtivido possa voltar a
aquolle Iheatro e cidade.
Teve de dar asgambias, e hontem aqui chegon.
dizem que com destino a Ilah.a. No Para encarre-
gou-se de justificar aos Sr Duarte Coimbra e
Colas & Couto Rocha.
Deixemos o homem que ja bem conh<""
seu genio intrigante, e nullidide art-" -cldo Por
pomo-nos do que mais nos oler' tiea, e oceu-
A alliancados Srs. Duar' '
as emprezas dos the?1 .o Coimbra e Germano,
Luiz, foi um p- "N* ,le Santa lsaDo1 c s-
tica. Ar'' 0.*r.de pasmo dado na arte drama
mi ..istas de mrito rea. o das syrapathias pu-
...* no Maranho cem Pernambuco, ellos sabe-
ro ele
dramtica
,-"tu disting
. n Me duvidar d" bom xito da soeiedade que
se po.
conlrahirain.
A na calmita pcitoral Anacahuite pcitoral de Kemp. Alegrem-se to-
dos aquelles que |ior espaco de annos iniein-.
29 447*4^ ,l'cm viyido agonialos. e ailbctospilos soffrimenlos
* da asthma e dos bronchios, Este excelente o
inoffensivo remedio vegetal altara promptamente c |
com iuvaravel teguraitca essos molestia! mesmo
as suas peioros lorma.-. Aarvoie donde o neo O najor Guslavo Jos do Reg, juiz de paz presi-
talsama l etrahido leen, .-.do yerdadeiramente a' lente da junta da quahl.cac.ao dos votantes da
artore da vida para mimares de pessdas que pe- rregueaa da l!oa-\ a. en virtude da le., etc.
reciam das alfecc.oes dos pulnoes e da garganta. 'ac saber aos Srs. elo.lores e sunplentes desto
l.impa o Taz remover todas as ir.ucosi.la.le> aru- Ir^-ue,,,,. que tendo sido dissohida a juntede
muladas nos vasos hronehios. foriiliea a membra- quaUBcacio respeciiva em
na da traca-arteria e do delicado tecido dos
mus o imparle um vigor verdad, iramento mara-
vilhoso a lodo o aparelho da rospiraco.
Kiicontra-se as drogaras de Caora o Harboza,
e .lo Bravo 61C
ila. quauucacao respeciiva em vinuue uo que ue-
pU|. lerminou o Exm. Sr. presidente da provincia, em
nara- oflicio de t"> do corrate, e por motivos do ir-
i.;ularidade na publicaco do editel e doier-
minando o mesmo Exm. Sr. que se convoque no-
va nenie os oledores o supplellles dosta treguezia
para 110dia 1" do marcse reunir.111 e elececem a
junta do que se trata, por isso que dando cum-
plimento as ordens recebidas os convoco para o
mencionado dia Io de margo, pelas!) horas, no
carpo da igreja matriz da dita freguezia, sendo ap-
PftACA DO RECIFE 4 OE FEVEREIRO DE 186%. *? 1',"^ > u a"s 1M fa"*rem sem mo-
OtofM ofciueN.
\s :i horas da lardo.
Assncar somenos3J100 por arroba.
Algodo da Paraniba (I18 de'-'."i i:iM por
arroba posto a fiordo.
de Macei45-00 por arroba posto 1
bordo.
Cambio sobro Parts-90 d| vista :HO rs. por fra neo.
Descont-t* 0|0 ao anno.
Dubourcq Jnior, presidente.
CninareSj secretaria
Alfandcga
Rendimento do dia 1 a 3 .......
dem do dia i.................
Elei lores.
T. etiie Decio de Aquino Fonseca.
Dr. Silvio Tarquinio Villas-Boa-.
Capilo Joaquim rrancisco Franco.
Dr. Joo Maria Sew.
Capilo Jo-.' Francisco Lavra.
M.jot' Manoel .los Santos Nunes de Oliveira.
Clonndo Ferreira Cato.
Di sembargador Dr. Francisco Balthazar da Sil-
veira.
Francisca Aeeioii de Gouveia Lins.
Joao llailholonicu Gonealves da Silva.
I Joo Pacheco de Queiroga.
74:997^430 Joaquim Augusto Ferreira Jacobina.
32:897*1304 Mi er Manoel do Nascimento Costa Monteiro.
---------- Heanlo Jos.' Martins Pereira.
10:.S-l'..5";li ,|..... Ilvgiuode Miranda.
Morliucnto la alfandcga
V'olumos entrados rom mandas...
e m gneros.
Volumcs sabidos
com
ruin
hiendas..
gneros..
------ 230
70o
Descarregam no dia 5 de fevereiro.
Barca ingleza Im J.irerioolcarvao.
Polaca nacionalMarianocnarq ie.
patacho ingle/. Sanl Pelerfarin ia de trigo.
Brgue ngleelle 0/ Ihe Mertynarcadorias.
Brigue inginaMelui "bacalho.
Salera francesa -UWcarvao.
Rarea inglezaGaselle=\<\fm.
i".-, ana inglezaMorgaretk baealbo.
Brigue brasileiroAmelia pipas o barra vacos.
Kecebeiloria de renda lutcraa
geraes de PeenanihiicA.
Rendimento do dia 1 a 3 ........ i:678$3S3
dem do da 4................. 944069
Joaquira Ramos c Silva.
j Dr. Lourenco Trigo de Loureiro.
Thomaz Garre!,
i Francisco Rulino Correia de Mello.
Flavio Ferreira Cato.
Mi jor Guslavo Jos do Rogo.
Vicente de Paula OHvira Villas-Boas.
Dr. Aprigio Justiniauo da Silva Guiniares.
I Dr. Jos Mmele Alvos Fenen.i.
Tenente-corooel Feliciano Joaquim dos Sanios.
Joaquim Claudio Monteiro Jnior.
Dr. Joao Honorio BBzerra do Menozes.
1 Joaquim Jorge de Mello.-
Dr. Joaquim de QUveita e Souza.
Capilo Main,! Porfirio de Castro e Araujo.
Svniphionio Olymnio de Oneiroga.
T oinaz de Carvalho Soares Brando.
Tenenletcoronel Antonio Carlos de Pinho Borgcsv.
Capitao Antonio Jos da Costa a Silva.
Dr. DemoMlirnes da Siveira Lobo.
I'i aiieiseo Antonio da Silva Cavalcanti.
Jetonymo los Ferreira.
Haooei Antonio Teixeira de Albuquerquc.
Manoel Joaquin l'ei i.audos de Azevedo.
-
____ M'"101'1 Francisco Honorato.
. -7--------" Antonio Carnoiro da Cunha.
Consulado provlnelal. Francisco Meodes Martins.
Rendimento do dia 1 a 3......... 12:0134193 Dr. Uenrique do Rogo Barros,
dem do dia i
3:8i; 15^8735791
Dr. Luiz de Ca vilho l'aes de Andrade.
Ai Ionio Jos do Caslro.
Francolino Xavier da Fonseca.
Manoel Jos da Silva liuin.aies.
Pedro Alexandrino de Barros Cavalcanti.
I.uiz da Costa Porto Cair.'iro.
Lllil .lose da Silva Guimaifies.
Dr. Eduardo do Barres Faleo Cavalcanti do A i bu
pioime l.acerda.
Capilo Joo Athanazio Botelho.
Dr Nabor Carneiro Beserra Cavalcanli.
Supplenles.
Nucios entrados no dia L
Pare portes intermedios7 dias e 7 horas c do
ultimo porto 9 horas, vapor nacional Paran, de
940 tonelada.-, coinmaiidanlj o capilo de fra-
gata Antonio Joaqun) de Santa Barbara, equi- Dr CaetanoXavier Pereira de Brito.
pagem 5(3. Dr. Manoel Joaquim da Silveira.
Babia6 dias, patacho nantonal onl !i"/^ d* ^opoldo Ferreira Martins Ribeiro.
SU toneladas. S?itSf w Pr *Zz*. I Manoel Tta *e % drignes Pinto,
Manoel Anlwo da Silva Ros-
ionio Ii ."' ferire'r* Jnior.
Rio de Jan.oiro^'i.V'iii'aVViriVue nacional Amelia,' Antonio Carlos de .i .7'ns ^J*-
loneladas, capilo Jos Pereira Rez^- "gj"8*^ H!&^S!S
equipagem 12, carga 4028 quintaos nespannesiDt.
de carne a Amoiim Irmao. Ar.toni
Rio
"''. 28 toneladas, capilo Joa.piim Amonio do Augusto (huidlo Monteiro Ca^.
Soccorro, equipagem li, carga 'arelo madeira c Antonio Eliseo Antunes Ferreira.
outros gneros; a Antonio L. do 0. Azevedo v C.
io Grande do Sul30 dias, brigue brasileiro Afa-
fra, de 279 toneladas, capilo Joaquim dos San-
tos Souza. equipagem 12, carga IIGG arrobas
de carne ; a Amorim Irmao.
Rio Grande do Sul.19 dias, barca nacional Pon-
bnilia, de 07 toneladas, capitn Joaquim Reinar-
do de Souza, equipagem l, carga 9600 arrobas
do carne ; a Amorim Irmao.
A iiouio Candido Guimaraes e Silva.
Andr Al ves Pies.
Antonio Joaquim de Barros Lima.
I!i oto Francisco da Cunlia.
Antonio da Silva Azevedo.
Dr. Jos dos Sanios Nunes de Oliveira.
Manoel Luiz da Veiga.
Csetano Aurelio do Carvalho Couto.
Manoel Firmino Monteiro.
aqu
lijiiique
no Per )09 dias, barca liamburgueza TI omaz Times.


Diario de Pernaiubnco Scxin fera & de Prvereirtf de IS*.
*

/
Tertatieio ScipiSo di Fons
Marmol Lti M (II
Pedro di- Alcntara e Silva.
Florencia Roo igues do Miranda Franco.
Pranc o i mu Ramos e Silva.
! limarles,
seo a | ase Ferreira.
Dr. Jouo Gancalvos da Silva Moutarreyas.
Francisco Antonio de Henales.
Dr. Joaqun da Tosa Honrado.
J napini Mondes de Souza Ferreira.
Manuel c u> Santos Vilal.
Hilario l'rnaao da Silva.
JoSo do Deus Qninlella.
Jos Clemente Pereira dos Santo;.
Josa Tlio naz di Aguiar.
Joan Tibircio Ja Silva Guiarais.
Jos Maiia Geraldes.
Joaquim (jalen.) Cucll.o.
JoSo Octivio Vieira.
Joa i Amonio dos Reis.
Luiz Molino Franco.
Luiz Josc Aotanes.
Manoel Antonia Simaes do Amaral Jnior.
Frederieo Velloso Koopp.
Manuel [tomingoea da Silva Jnior.
Manoel ( oellio da Silva.
MUtl Jun de Lomos Marros.
Capillo Manoe. de Mello e Albuquerque.
E para conslar inandei lavrar o prsenle que
sera afflxado nos lugares mais pblicos da fregue-
xia e publicado e pela imprcnsa.
Eu Fraacisco de Barros Correia,escrivo o subs-
crevi.
Freguesa da oa-Visla. fl de Janeiro de 1804.
Gustavo ose do Reg,
juiz. de paz presidente.
A cunara municipal dista cidade tendo de
proceder no di a 6 de fevereiro prximo viudiuro
a apuraoiio geral de votos para un senador que
deve dar esta provincia para prcencher a vaga
deixada nasenado pelo Exm. viseando de Albu-
querque, convida, de conformidrde com a ultima
parle do art. 89 cap. 3 da lei n. 387 de 19 de
agosto de 1846 ios cidados que quizerem assistir
a ditaapuraco,
Paco da camera municipal do Recife 30 de Ja-
neiro de 186'.Luiz Francisco de Barros llego,
presidente.Francisco Canuto da Boaviagem, se-
cretario.
tamben, remoller i gomes aos subdelegados doler-!
m i, para publica loa e mandarem foter as notifica-'
icessarias ao- Jurados, aos culpados e as tes-
temunhas que se acharen! boj mus dislrictos.
Reeife, i' de iV\,reiro de lHM
i: i l mi; lira Francisco de Paula Esleves Clemen-
te, escrivae dojorj osabscrevi.
l'i ancuco de Ai unjo Hunos.
Para o Hia le Janeiro.
Sahirn com brevid ule o br.'fue nacional Wnrr-
DECLARARES.
- O major Alexandre Augusto de Fras Villar, ja Cruz n I
juiz Je paz do 4" anuo do 1' diatricto da freguezia '
de S. Fre Pedro Gonealves do Reeife, faz constar s^s"
a quem interessar pessa que m audiencias de sea
uizo tero lugar as quaitas e sextas-reiras as 10
.oras da manhaa na praca do Corpo Santo sobra- --------------
lo n. 2,*>. primeiro andar, e em das anteriores
uando aquellas forera sanios ou feriados, asaros
-orno que despacha iodos os das utois a qualquer
lora e lugar onde for encontrado. Recife, 3 de
aneiro de 1864.
Conselho le compras na vaes.
Promovoo consol io no da 5 do corrente niez a
ta, recebe larga e eseravos ti rete .' trata-se com i
Mauoellynaeii de Oliveira & Pilto, largl? do Corito1
Santo n. I'j.
1 -
Para o lllo de Janeiro
Al o dia 8 do corrente pretende seguir o pata-
i cho Croman, tem a bordo parte do seu carraga-
ntento : para o resto que Ihe falla e eseravos a
(rala, para os quaes tem excedentes coamodos,
trata-se com es seus consignatarios Antonio Luiz
de liveira Azevedo .\ C, no seu escriptoiio ra
LEILOES.
iii:n,Ao
DR
MOVIS
iio.ii:
UMM de rede, li guardas-morrees de folha, 20 res'>'u;irda ioap de Jacaranda e amarello, san-
lanternas de patente, 400 navalhas de marinheiro, "f'os'famas S?1**. P"*f. marqiiexas ca-
tiO varoes de cobre de 3.4, 100 varoes de cobre de 5^*5 consol.os' canas para retornos de pa-
i|8, 100 varoes de robre de 5.8, 2 jogos de larra- ?de' ^fS08- n[*mi ue ;il*lbe,ra- d,los de P"f;
chas domodello de Whitworih cora sous utenci- d deiras avulsas, crystaes e outros mudos oli-
os, 30 arrobas de pregos de cobre de 4 pollega- J "__________________________________
horas
das, 8 arrobas de nregos de cobre de batel peque
no, 500 pucares de folba, 20 temos de medidas de
folha, 10 arrubas de er, 12 praiicbes de cedro
lascado, 106 fullias de zineo, tiOO remos de faia.
10 duzias do talwas le costado de pao carga, 10
duzias de tahuas de costadinho de pao carga, 10,
duzias de taboas de assoalho de pao carga, 4 pecas
de eabo de manilh, 8 duzias de taboas de pinho
da Soeria, de 3 pollegadas 8 duzias de taboas de v eeravo Dronrlo do servlrn em as outras sortes- s 9rmm serio pagos co-
dito de 2 pollegadas, 7 duzias de taboas de dito de wrar proprio n .trrtieo Mlhmhni
1 1|2 pollegada, e 12 duzias de taboas de dito de 1 o campo.
| pollegada. Pelo agente Euzebio se vender em
no.it:
Se\l -fei*a J do coi-rente as i 1
ra da Caricia a. o3.
Uuintarieira II docorreott ei, se ex-
traiiira, aulium parlo da teceeira e pri-
' Men a daqoarta totena do (ymnasio. do
coiibV^ona da igreja Rosario Ja treguezia ile Saolo Antonio.
Os liillietes o meios acham-se venda na
respectiva thesoorar?a S ra do Crespo n. ir
e as casas i-niniiilssiniiai.'as ra da Impera*
trizn. 44, lojadoSr. mentf; na ireila
n. 3, botica do Sr. Chagas; na eslreita do
Rosario n. 12. tjpograpBia do Sr. .Mira crua
da Cadeia n. 15, loja do Sr. Porto.
Os premios de frooojOOO at 10J000
sertto pagos urna hora depois da extrac^ao
ateas 'i limas da tarde, e os outros no dia
seguiite depois da distribuico das listas.
O thtsonreiro,
_______Antonio Jos Rodrigues de Souza.
AOS 5:000,000"
CASA A FOHTUiU
Bllhetes garantidos
A' ra do Crespo n. 23 r rasas du costurar
Quinta-feira, 11 do corrente, se extrahir a
ultima parle da tercelra e primeira da quarta lo-
tera do Gymnasio.
O abaixo assignado, reeommendaudo ao respei-
lavel publico a compra dos seus mu felizes bllhe-
tes garantidos, lembra-lhc a vantagein que ha em
receber os premios por inleiro, por quanlo quem
lirar a surte de 5:0005 em bilhete garantido nao
recebera sement 4:2iM)4, em virtude dos descon-
fa/Wlte de % do eorroiteperdan'-se ora relujo OLh l" HAS PAH/i 1864,
de furo c I cadflaeoill 3bolas, I i .\,i praca da ln,'.l"Deiidencia livratia ns. b'
wY'SW.!Ladi!.01 'e"" '""''' ,,,l,;."'a,,l;i e S, acliam-se a venda seRiiinies folhi-
>.nii Auna, e teve-se "or nuliciano da seguiiite (i) .j,.,... <.,., i? ..
que foi ichado de man.Vaa cedo por un. crioulo : ,rf,as 'Kl,a ,8,)i "Pressas Bt l.MWgraphia
entao pede-se a uemo Itftoa qne dirija-se ta eniexi oliente lypo e bom papel,
berna do Manguind, da calenda alia,m e ser l.. Follinlia de porta conlendo as inale-
reeompeaado pelo sea aebado, pu enlio declare Has do cutume r irn
soa morada para ser procorado. ni ,u .,i'i '' '.'" '' '.'
IAU de algibeira, sob a epigiaplie
i ohcilador AntonjoCarlos Perrira de
llurgos Ponce de Leab, ainla Icll i ai
gomas casas de partido e anearwga-ee
de qoaesquer nuestoes indiciaes ou exe-
cuedes por mau diiiceis que sejans, pe-
ra nte o foro dcsta ckladfl como fura del-
laipie na excedam de l-'i lec-ua-. tree
encontrado as alas da* audiencias ou
na ra Imperial sobrado n. 61, das 6 as
9 horas da maul.aa e das 4 horas da tar-
de em diante.
religiosa, contendo ajm das materia*
do costume os ste feassos da Paixao
'de H.....' Seirtio Jesus Cbrislo ; canti-
leos do mez Mariano; liymnos e jacuia-
lorias ao Saotissimo Sacramenlo; ex-
[ilicacoes de diversas gVaejes- cora
Seraphica : exercicio ao sagrado cora-
cao de Waria ; Bracio para visitar as
! igrejas no dia da Porciuncula ; orac5o
para esculla dos estados da vida ; dita
a Senbora da Conceicao ; e meditacoes
sobre a reforma da eonsciencia, rs. .
Dita de dita, sob a epigrapheVa-
Jriedade, cosiendo alm das materias do
costume : receitas uleis e necessarias
aos diversos mysterios da vida; physi-
ca e recreativa ao alcance de todos:
pilberiase ratices; poesas; charadas;
mximas e pensamentos colligidos por
um curioso.............
Ditas eclesisticas e de padre para
I resar o cilicio divino, redimida pelo re-
dentista Julio C. Pedrotta de volta de urna sua' ST8?*1 cone Penitenciario da S de
320
O dentista scientifico
que tira dentes sem dr, ao incl'to pu-
blico pernamliucann.
320
sua viagem donde foi chamado
Olinda.
. 640
Icihio um
Pela inspectora da airandega se faz publico,; Tambeni no dito dia contrata o conselho, sujeito bom escravo. pechincha, aproveitem.
que no da 6 do corrente, depois do meio> da, a l approvacao do Exm. Sr. vicepresidente da pro- ------------------w __ -.-------------------
porta da mesma serao vendidas em leilao 39o .ar-, v licia> 0 f(,ni0).,ento de carvao de pedra e de .VI LA O
robas de carne de charque, avallada a W* e ...rnento, por temno de seis mezes; e effectua este mSSiJ
apprcheadidas ao cap.tao do patacho hespanhol cmral0> bem C0BJ0 pr0move a referida compra e ,,..,, "*>+*
AwWw pelo official de descarga Jos Ilerculano. d,B objectos do material da armada, sohascondi- aMia-ieira ) (10 COrrentC J1S i i horas
" cr.es do estyllo, e em visu de propostas recebidas l'Ua da Cutleia I. 53.
DO
lllaie 'Camaraglbe de lote 38
(ouelladas, forrado e prega-
do de cobre.
Palo agente Euzebio se vender naquelle dia e
os
achara
4\f l'l rte ...iiTiiiiru de IHfiO: senfui a arremataran ___>.-j._.__.-.____.____.. til
de l'J de setemliro de 1860: sendo a arrematacao
Htre de direitos ao arrematante.
Alfandega de Pernambuce 3 de fevereiro de
1864.O 2o escripturario,
Caetano Gomes de S.
O Dr. Trislao de Alencar Araripe, offlria! da impe-
rial ordein da Rosa, |e juiz de direito especial do
coinmercio de .ta cidade do Recife e seu termo,
capital da provincia de Pernambuce, por Sua
Magostado Imperial e Constitucional o Sr. 1). Pe-
dru II, a quem Deus guarde, etc.
p 'ofendentes a apresenta-las.
Sala do conselho de compras navaes Io de feve
reiro de 1863.
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Secretario.
O ridadao Manoel da Silva
pu do 4" anno.
U Antonio do
que d as audiencias nos dias quarts e sabbados
s 10 horas da inanhaa, na casa de sua residencia
u i ra Direita n. 10, sendo as audiencias mudadas
mo de costume.
reco.s.
Bilhetes inteiros..... 6000
Meios bilhetes...... 3*000
Para as pessoas que comprarem
de 100 para cima.
Bilhetes........ {(4800
Meios......... 2 s 7M)
Manoel Martins Fiuza.
o Manoel da Silva Ferreira, juiz de hora o hiale Camaragibe. nrompt a navegar :
io do 2- districto da freguezia de San-; pretendentes qtieiran'i antecipar o exame e acha
Itec.fe, faz sc.enle a quem conv.er, ancorado defronte do caes do Hamos.
O
u,..,. cn.Vw u. "v". """y i'"". --^ oras da manliaa as oda tarde.
de nina como eiequcnte Joai|Uim Jos dos Santos i rje orj,.m j0 uz ae paz
Andrade, e deootra como executido Joaquim Pe- ;districl0 to rregnatt de Santo A...v
pie leado-so eito penhora, 0 nim. Sr. major Antonio Bernardo Quinteiro, faco I
i, pertoiiciiiie ao executa- stieute a quem convier. que a* audiencias desle
Fa.jo sabsr pelo_ presente, que por este juizo e p;ira as iterares qaando osmaixados'forem I
cartorio doescrlvao que este subscreveu, corre s;,ntos ou ftrJados e d ha todos os dias das 6
-urna Mecujio de sentenca, entre partes, a saber : h,jrasda manhaa s'lda lardo.
do 4" anno do 1
..Ogoezia de Santo Antonio do Hecife
reir da Mi va >ant"s, que "
n i quantia de J:073S341,
d ve que se acha recomida ao deposiloge ral em JLZ0 cont.nuam a ser as tercas e sextas-feiras as I
audiencia do da 14 de detembro de 18B4, pelo so- licilaior Manoel Kaymundo
do xequente, me fra feito
guiuie :
ti09 i dias do mez de dexembro de 1863. Bosta
cidade do Recife de Pernainbuco. em punlica au-
diencia, que aos feitos e parto tu a o Dr. juiz de
direita especial do conunercio Trislao de Alen ar
Araripe, nella pelo solicita lur .Ma noel I!a\ mundo
Penaforte, procurador db exei|uente, fra aceusa-
da a penhora que se segue.feila em dinheiro per-
PR EBIOS
Sabbado 6 do corrcnle.
Por ordem dacaixa filial por coala e risco de
Pos-
ora
Advocada.
p? r ri. i 2 horas ,la l;,ril'"'na ala P'ihliea do andar terreo quempcrlencer e por intervencao do agente Pos
o leiiarune, piocuraaor di casa que foi cadoia o ra do inesmo nomo, e tana, i rao a leilao os seguntes predios outr'or
no o equer.monio se- n)je do Imperador, e qoaado estes dias forero san- perienc.'iites a Sebasiiao Jos da Silva, a saber :
tes ou feriados, sero as audiencias nos dias ante- 2pl do sitio, terreno e casa de sobrado n. 42 na
riores. O mesmo juiz de paz despacha das 6 horas ra de Bonifica junto do Sr. Barroca.
da manhaa s 6 da tarde, nfiu so na cas,-, de sua O predio da fabrica c terreno de marinha nos
residencia na ra Xova n. 63, eomo em qualquer Alegados ao p da fabrica de sabao que foi do
lugar onde for encontrado.-O oscrivo, j Dellipo. Aos Srs. pretendemos a qualquer infor-
Silva llego I maeao o agente se acha^irompto a dar |H)is que os
OHKFIO (iK KA! comnetenles titules acham-so em inao do mesmo.
,. O leilao lera lagar sabbado 6 do corrente pelas
'?"''''-a' exe'l''l,!' '''luerendo quenaosoh- Itelacao das carias seguras viudas do norte pelo 12 libras da manhaa na pona da asseciacao com-
>apor .Paran, para os senhoros aliaivo drcla- mercal.
relos:
aos credor;s incertos, passaodo-se M edilaes do es-
tvlo.
Artonio Jansem de Mallos Pereira.
O quennrido pelo juiz assim defiri.
Extraki o presente do protocolo das audiencias Wall Cauan ffanles).
junio o setjiiint'i mandado de penhora. "> uolito Cassiano Overton Maia.
Cu l'.uistino Jos da Kouseca, cscrevente jura- Hiino Raymundo (lu maraes.
nifin.t i.i o escravi. Dr.Beraclio Vespaclano Kiock Itomano.
Cu Manoel de Carvalho Paos de Andrade, escri Joiqulm Ferreira de Carvalho.
vio o sanscrevi. >> Pedro Collares Moraira.
Porlaroa do deferimento dado a este requer- Jos Henriques Cordeiro de Castro Jonir.
ment o anifivao respectivo fez pasear o presente J"s Rodrigues de Souza (2).
editalcomc praza do de/, dias pelo qual serac ci- Londoo Brasilian Banks,
radas osereures Incertos para qne dentro do re- Miaoel Ji>s.: Dantas.
praxo oomparacan m^te juizo allegando o Minoel Pereira de Miranda (Eseada).
k a bem desea direito ejusuea, sw pana ------------- .
de revelia.
THEATRO
DE
SABEL
B para q le cheg e a noticia a quem ialeressar
i muid'i passar editaos que serao affixadose
publicados ios lagares do costume.
Daoa a paseado nasli nidada do Reeife, capital
di prorlneia de Pernainhuco. aos 3 de fevereiro de
1861,
Bu Minoelde Carvalho Paos d; Andrade. cscri-
vao o subsirevi.
/V. O Dr. Fraacisco de Araojo Barros, cavalleiro da
ijI urdem da liosa, juiz municipal da se-
da vara da comarca do lleeife, por Sua Ma-
gestade e Imperador, que Deus guarde, etc.
Faco saber que pelo Dr. Joao Antonio de Aratijo
Han "i ates, j lz de direito da primeira va- dr
ra criminal desta comarca, me foi coinniiinicido S;.
ido o dia 29 do corrente, petas 10 horas mase
da manhaa, para abrir a primeira -ao do jury, IvtrUraeBtos, qu se apresenteot, e que o program
trabalaara em das consecativos, havendo pro- nit ser debidamente publicado.
lid i ao i H-teio dos 48 jurad que tem de servir
n sobrado de mu andar
.em Santo Amaro.
Senunda-feira 8 do corrente.
flagate Atmeida dompeteoleaiante auloritado
fari leilao do sobrado de um andar sito em Sanio
Aipro ra do Lima ou travessa da funJicao do
'Sur, (Min o' palmos de frente. 06 de fundo*, cosi-
nhi fra. cocheira.quarlos para criados e osera-
, voi, cavaMarice ludo em ponto grande, murado
coin porto de ferro e fundo at o rio, cqmpre-
he idendo um viveiro, os pretndanles ixidem en-
tei|ider-se com o agente para qualquer nformacao-
eilao ter lugar d.fr inte da ass teia o com-
mhrcial porta dos Srs. l'alineira A: leltrao. as 11
horas.
GRANDES BAILES DE MASCARAS
Wabbado. Iomiiu^o. segiiuda
ter^a-felra.
(>, 7, 8 e 9 ilo corrente.
LEILAO
na musan era eoni'ormidade do artigo
> do rafularaento n. 120 de :i de Janeiro de
I Tos'ai" "i a.
i s sexos, algons dalles coin habilidades.
Seguida-feira 8 il i corrente
porta dos Srs. Palmeira & Beltro, as II
o dia.
horas
te do hotel de Franca.
Quando apresenta-se ao publico a cavado faz
gratis a pobreza as operaeocs.
Tk.M SKMllli: KM OHANIIK VKNOA OS Sgfjn.VTKs 1IE-
MI'.DIOS.
Mistura hygienica do Dr. |l!urhardat para ex-
trahir os dentes sem perfgo e fase-Ios amolescer e
cahir a quem nao quer ferro na bocea.
Ambrosia do Dr. Record para passar a dOr dos
denles em 2 minutos.
Pomada dos padres capurhinhos para curar eri-
sipela, escroto incitado, reuhmatismo. sarna, fon-
das etc.
Xarope mexicano para curar todas as molestias
do |>cito como thysica pulmonar, asthma, pucha-
ment, catarro, falta de respiracao etc.
N. B. u respeitavel publico pemambuenno que
o dentista scientifico Julio C. Pelrotta nao sahe
mais para o interior ; a sua morada lixa por um
mez na ra do Trapiche n. 44, segundo andar,
portante) aproveitem quem quer ser operado pela
sua sciontiHra o leve mo.
SIUNAKS no DENTISTA.
^ Estatura alia, barba preta a moda do Vctor
Emmaouel, idade nom moco neln velho, anda
Naiioitede (J do frrenle lera lu- 'U'.M ve,zes fa7,adon.,em semPr? comsi.8 r-
...... ,. medios, et secrctum arf exlruendis denles .vne do-
gar una reunan hmiliar eitraordi- aere.
na lia, pudendo os socios i|iie a ella Ruado Trapiche n leTronlc do ho-
eomparecer ircm mascarados ou nao. _________tcl de Pianca.
Hecife, o de fevmire de 1S(>4.______ Ahiguei.
I'recisa-se de um l'ortuguez do 12 li an- Aluga-sc a casa terrea n. 22 na ra Velha : a
nos de idade, quo tenha alguma praliea, ou mesmo tratar na ra do Seb n. i\.
O Dr. Aprigio Justiniauo da Silva Gui-
maries contina com o seu escrptoro
ra do Imperador n. 17, primeiro andar
(defronte da igreja de S. Francisco) c
pode sor procurado das li) boiras da ma-
nhaa as 3 da tarde. Reside i ra do
Seve (ilha dos Ralos) n. 10.
Club Pmiainbucano.
sem olla, para caixeiro de una padaiia : a traiar
na ra larga do Rosario n. 40.
ORIIKH TFKIIIKl
IIO i A IS Ul
A mesa regedora da veneravel orcem terceira
de N. S. do Carino convida a todos os seus charis-
Precisa-so do olliciaes de alfaiate : na ra da
Cadeia do Recife n. 38, primeiro andar.
Massa fallida de Amorliu. Fra-
goso. Wauios A C.
Aos senhores redores que atada nao apresen-
taram seus titules roga-se queiram faze-lo no pra-
simes irmaos para comparecerem na igreja de nos- so l" ^ dias, contados desta dala, sem o que de-
sa ordem, paramentados com seus ha'jilos, no dia xariio de ser contemplados como taes.
10 do corrcnle, pelas 2 horas da larda, para acom- O abaixo assignado julga nada dever nestl
panhar a procissao de c.nza, para o que fimos praca ou fra dola, nao obstante, porm, spessoa
,0^'!'v !qne se jnlgar sen eredor, aprsenle sua canu que,
Secretaria da ordem terceira do (.armo do He- sendo legal, sera paga islo no praso de oito das
cifo \ de fevereiro de 1884.O socrelario, da data deste : na ra dos Pires n. 10. Hecife !
Francisco Jos dos Santos Jnior. de fevereiro de 18G
Precisa se de una ama para lazer Oompanhia
a una senbora viuva, peesoa de boi s costamas :
a tratar na ra d'Aguas-Venles n. 21.
JOUO .uarques rernande-
Precisa se de 60041 premio de 2 OjO por oito
mesas, dando-se seguranca em um predio.
Alogam-se o segn lo e lerceim andares do
sobrado da ra da Lapa n. 13, por commoJo prc-
eo : a tratar na praca da Boa-vista n. 9.
O abaixo assignado faz sciente aos seus fre-
gttezes e deve-tores, eao respailare! corpo do com-
mercio, que no dia 1 do corrate mez venden o
- Doseja-se muilo fallar cem o Sr. Miguel Gal-'sm estabeledmeato decalcado ao Sr. .1 -e Mar-
een de lal. morador na freguezia de Sania Hita da qpes de Aiitsi Braga, (cando o mesmo senhor
provincia da l'araliiba, qui consta star actual- abrigado ao activo e passivo do mesmo cslaheleci-
menie nesta praca ; na ra do Livramenlo, em ment. Recife 3 de fevereiro de 1864
casa do Sr. Albino da Silva I. -al. j _________________F. J. Hcgallo Braga. ______
O abaixo assignado fas sciente aos fr.'guozes
e devedores, e ao respeitavel corpo do commercio,
que romdrnu o eslabelecimento de calcado do Sr.
Francisco Jos Regallo Braga, silo no largo do Cor-
po Sanio, e que lirn ao seu cargo o aclivo e pas-
sivo do mesmo eslabelecimento. o qual proffiette
continuar a servir bem, e com a mesma prompti-
do i|ae sempre seencoiiirou no espaco de 20 an-
nos que pertenceu ao Sr. Francisco Jos ib-gallo
Braga, pois mejotgo aatto para Isso, visto eu te-lo
administrado quatro annos. Hecife 3 de fevereiro
de 1801.lose Marques Airosa Braga.
As 8 horas da noite o theatro estar aborto,
i T.un sorteados e designados os cidados se- se ido que o director envidoo lodos os seos esfor-
itii i uta*-- ._
guiiit'- :
i'i ge aja de S. Pr. Pedro Concalves,
nio Rufin de Andrade Luna.
Misiel Cardse Ayres.
S inl i Antoal >.
Antonio Martins Soabra Lomos.
Agostinbo Jjs di Oliveira.
Dr. Amonio Jos AlvesFerreira.
Dr. Constan ino Rodrigues dos Santos.
Caetano Piulo de Veras.
Jos dos Sanios Neves Jnior.
Joaqiiim AntonioCarneiro.
Manoel Antonio de Jesus Jnior.
S. Ju.-.
Angelo Custodio dos Santos.
Fraaeiseo da Silva llego.
Dr. II tiiiII i Duperron.
Dr. Manoajda Cosa Honorato.
Manoel Joa(|um Ferreira Esteves.
Vista.
Dr. Cypriano Fenelon Guedes Alcoforado.
Dr. Antonio Ferreira Martins Ribeiro.
Antonio Ferreira da AnnunciacSo.
Con Ihoiro Dr. I.ourenco Trigo de l.oureiro.
Dr. Candido Martins de Ahneida.
Dr. Ctdso Tertulia io Pernaudes Qaintella.
Dr Cicero Odn Peregrino da Silva.
Dr. Cicero Alvares dos Sanios
Dr. Gustavo Baldumo de Moara Cmara.
11 eniugos Jos Rukigues.
tao (juimino Galhardo.
ul.lii o dos Sanios fonas de liveira.
Joaqgini Fcancisco I.,
oiim Javemio da Silva.
Cavalcanii Bu AJttaqaerqua.
loa j'iun Joj Silveira.
Dr. Eduardo Aogiisto de Oliveira
Sai ios Bastos
i. i2 Anti ni i Rodi igues de Ahneida.
Manoel Cocido Cintra.
aeUao Jut Lopes.
A togado-.
Antouio Cerdoso de Queiroz Fon.seca.
Domii gos a Mues V.llae i.
B de Si l.cilo.
Poco da Panella.
d i Silva.
Francisco ib Pauta do Reg Barros.
Joaqun) Francisco de Albuquerque Santiago.
Varzua.
Manoel Frarcicco de Carvilh i Raes de Andrade.
Jab 13
Civalcarrti de S lina I. 5b.
.1 i 6msm les s mos Pereira laslos.
i a i um Pereira Viamn.
uribee.
i m Itibeiro de Agolar Hontarroyos.
M.hioil Civ; Icantl de Albuquerque Los.
A iodos o- qaaos i a cada ora d p r si, bem co-
in a todos is ol ressaflos eoi geral, se convida
pna "omparecerein no primeiro andar da casa
ni sala das sessSos do Jary, tanto
. iendodia ehora, eomo nos mais (Has segun-
i > i ni qi an a durar a sessio, >ob as penas da lei
Hawai.
.. para qi.e clu'gio a noticia a lod >-, mamlci
il i ; ente que ser lid0 c afflxado nos lu-
is mais pblicos c publicado pola mpren-i,'
C
DF.
coi para que o publico encontr um salo digno,
para isso enbandeirou todo o theatr.
\- 9 horas em ponto principiar o baile.
Tocar una'banda de msica marcial das me-
llures que temos.
Pirro dos ramaroles e mirada yeral.
A 1" e 4" ordem serao consideradas galeras pa-
ra mnboras, sendo o proco mil ris (OOOj por olas a rntade dos compradores, os pretendentas
cada entrada. podem examinar o bataneo em mo do mesmo
i' ordem 8-3. sendo i entradas para senhoras e agente, o leilio ter lugar no dia 8 de fevereiro
Una loja de ferr^ens.
O agente Pestaa rara leilao da loja de ferragent
Ida ra da Cadeia do Recife n. (i'i, com o fundo de
16:OO0<5, vende era um so lote ou em pequeos
2 para cavalleiro.
3" dita ti:}, sendo o entradas para senhoras e
urna para cavalleiro.
Entrada para cavalleiro 25, damas mascaradas
gratis o sem o seren no salo &.
Sero lie!,nenie observado- os regulamentos do
heatro o poiicia.
prximo fuluro.
Mil I II IIII1.-IWIIMIIU. >mllff.IMI IMII !.
4
AVISOS MARTIMOS.
C0MPANH1A PKItNAMHUCANA
DE
.\avegav'o eo.stelra :\ vapor.
Ha em e Scryipe.
O vapor l'aniliyhii, conunan-
aSI>aO<^.\ danto Marlius, seguir para os
i portos do sul no dia o de feve-
i.iro as ,i horas da tarde to-
cando em Maeei o escalas, Pe-
nedo e Aracaj. Recebe carga al o dia \. En-
corainendas, paseoffeiros e dinheiro a Ireto at o
dis. da sabida as 2 horas da tarde : escrptorio no
Porlc do Mallos n. I.
'i ai sabir por estes dias para o Ass o palbabole |
b '~tn, recebe carga a frele muito commodo, e
patsagiros, oara o i|ne tem muilos bons commo-
do; : a tratar com ocapito a bordo, ou na ruada
Madre de Dos n. 2.
fara o Aruraly.
O bilte Nieoto l est prontas a seguir viagem
para o Araeatv : pode anda receber alguma car-
ga, para o que se trata com os consignatarios na
ruii da Cadeia n. 57.
Pretende-sacomprar a Sra. i>. Guilbermina
Rosa Silveira l.ages, soa. casa em S. Miguel dos
A rosados a. W: seagaem julgar-se com direito
a ella, annuncie, corto de que mais larde nao se
alten lera a reclamaco algiiiin.
:iul> CiOniiHcri-inl,
\ renniio familiar do crranlo ma li feverei-
ro tera lugar na noiie do dia 8 do meiin .
O abaixo assignado, [ande paz un exercicio,
da Iregnecia de s. Jos do lleeife, faz sciente a
quem ialeressar, qne as au lieneias eontianam a
ser as tercas esextis-feira! as 9 horas di da.
em ca n. 6, e despacha a qnalqner hora a b si i das partes.
Fran isc i Antonio das Chagas.
zorio de Lima Eston faz sciente ao publico
o principalmente ao corpo com n ircial aesta ira-
AMA !>E LKITE
Qaesa precisar de urna ama sadia e con. abun-
dancia ile leite, dirija-se a ra do Selio n. T->.
So boceo do .Marisco casa n. 7, primeiro
ca, que nesta data eomprou Celos Antonio da andar, ha doos esoravos bons para se vender: das
Costa Carvalh i s sua taberna d caes de Apollo n, 6s 8 da manhaa e das 3 as .> da tarde podem
57, ecom > p le ser que ai.'ii'ui ain 11 seja eredor ser vistos.
da mesma, por isso convida i qnalqnef pessoa
que esteja nesle caso para anresentar ai soas e il-
las 11 dito Sr. Carvalh >, ao praso fe res dias. na
mesma taberna, do contrario a nenhuma reclama-
ijo aadir mais. Reeife i de faver ro de 1864.
de iuglez e fraueez.
Bocha
Aluga-se i segaudo
do da ra da Craza. 10:
iii.i/.i'in du diui sobrado.
andar do sobra-
a tratar uo ar-
%opm.
AVISOS DIVERSOS.
O cirurgiao Leal mudou
a sua residencia da roa do
Queimado paiji a ra das
Criizes sobrado n. 36, pri-
meiro andar, por cima do
ariiiazeni Progresista, aon-
dC 0 aCliaraO COinO Sempre Alaga-seo siModa Pedra Melle, em Anmaens,
. i. _i i com excellente casa de vi venda, con. 2 salas do
prompto a qualquer hora pa- r, m,. 1,|liailos!erra,0 tiSlrih:ir^t {m,u.,r^
ra o exercicio de
Precisase alagar urna escora que seja boaco-
ilnheirae engommadeira, dando-se ') mensaes :
a halar na i na de Apollo n. 7. segundo andar.
AMA
Precisa-se de urna ama para comprar o coxmbar
para una pessoa s : na ra da Cruz n. ;>. pri-
meiro andar.
,4 ttetico.
Precisa-se alagar una ama de meia idade para
ea-a de um bomem soHeiro: i tratar na ruada
Snzalla Velha n. 70, tercoiro andar.
Precisa-se de um pequeo para caixeiro : a :
traiar na ra do Livramenlo n. 2..
BttUa
Joaqaim Pedro da Rocha Pereira, auiorsado
pela direcleria geral de instroceio publica, ensina
particularmente ingles o francez, no primeiro an-
dar do sobrado da ra Direita n. 'Si, onde pode
ser procurado.
usiav Uaocke, Allemao, vai para Europa.
OIJMM.
O padre Jos Esleves Vianna tendo oh-
lido liecnca do director geral da instruc-
eao publica para ensillar parliculanir'ii-
le prinieiras letras, lalim e francez. tem
di'terminado dar principio ao ensino das
ditas materias no dia 15 de fevereiro.
para o quo convida a todos os Srs. pais
de familia que quizerem confiar seus fi-
Ihos ae sen cnidado a comparecorom des-
de j em casa de sus residencia na ra 2|
de S. Bento. assini roiao se presta laui-
lien, a dar
pn\
par
sua pro-
ssmo, cliamado por escripia.
belfa vista e rnapnilico bsrmo: a tratar na ra das
Cr.i7.es, sobrado n. :i), perorado andar.
Saques.
M. J. Ramos c Silva & Genios sacan)
vista sobro a praca do Porto: na ra do Vt-
gario n. 10.
jornal das familias
SEGUNDO ANNO
Publicaran meiisal, illnslimla, lillcraiin. arlislira, para dente.-, locador de viola, nao
recreativa, etc., Ir;,.i'' andar porque leven urna prrmonn trnnxa
ornado de figurinos, vinhetas, gravaras sobro ac, '""''I''1 'I11''Sl! ignora as rs, mas costu na nos
aquarollas, sepias, pecas de msica, desonhos'.le domingos andar com catea branca engommada e
Jos da Silva Aroso, subdito portuguez, reti-
ra-sc para a Europa. _________
Aos senhores de engenta.
Offerece-semna pessoa para leccionar em qual-
quer eiiiionho prinieiras letras, grammatica portu-
gueza o arilhmetica : quem pretender, dirjase
ra Augusla n. 65, das G as 9 horas do dia, e das
4 em dian e, que se dir quem .
Tendo o abaixo assignado de ir Europa
traiar de sua saude, pede a qnem se julgar seu
eredor, apresenlar sua conta no largo do Carao,
esijuina da ra de Hurtas n. 2, segundo andar;
as-.m com pede s pessoas que tem penhores em
tea poder de os ir remir no praso do 15 das, do
contrario serao vendidos para seu pagamento. Re-
cife 'i Jo fevereiro de IHirt.
____________Narciso Jos da Costa Pereira.
I'recisa-se de urna ama para cozinhar em
casa de pouca familia : na ra da Hoda, sobrado
de um andar com venesiana> por cima da taberna
na esquina
Knsino particular.
L. EL It. Vianna tem aberta aula particular de
lalim na c.ivi n. 28, primeira andar, ra da Ma-
triz da Uoa-Vista, s 8 horas da manhaa.
jOSOOO de gralilcarao.
Na noite le segunda-feira perdeu-se urna cartei-
ra pequea contendo I80J as seguntes notas :
una de 10C5, outra de 50.5, quatro de 5Ji eoutra
de IOJ>, icnJose perd lo da ribaira em seguida a
ra do llaagel. Queimado, estreita do Rosario,
Trincheira e Nova : quem quer que tiver adiado,
e querendo restituir ao abaixo assignado, receber
a gral.ficacao cima, podendo entregar nessa ty-
pographia.
________francisco da Fonseca Silva Itelmont,
A viuva do finado Jacintbo Jos Caetano con-
signantes particulares, a procos com.nodos ; cuja
viuva moradora na ra da Cadeia do Recife n.
B, segundo andar.
i'recisa-se de um feitor para tomar conta de
um sitio, que entenda do plantacao de hortalice,
nieloes, etc., tomar conta de alguns prelus, e tra-
balliar com elles : quem cstver nessas crcums-
tancias, dnMja-se a roa Imperial n. 22, ou roa do
Queimado n. 38. a fallar com Etermeaegildo Eduar-
do Rege Manleiro.
Ilontem :t do correle desappareceu da ra
da Moeda r. 33, um menino por nomo Joaquina,
tendo una belide em um dos olhos : quem o achar
pode entregar na casa cima, que muito se agra-
decer.
A pessoa a quem for offerecido o 1J lomo do.
Girondinos vertido em portuguez, e roubado ha
poucos momentos ao seu legitimo dono, cujo nomo
tica nesta typographia, pde-o comprar, certo de
que ser inlemnsado. Nesta mesma typographia
encontrara com quem entender-se.
O Dr. Jeronyii.j Vilella de Castro lavares
contina a advogar no crime o cvel, commercial
s eeelesiasl co, em ten escripiorio na ra do i res-
po. sobrado de um s aular h. I. defroiilo da li-
vraria econmica do Sr. Noguera. Pode ser pro-
curado ale d horas da larde.
i'rec.sa-se alugar una escrava que saiba en-
gommar e cozinhar solfri vel mente, que nao tenha
vicios neni molestias, oa faz-se hjpotluca em al-
goma i|ue tenha as qualidades cima : a trataren!
Olinda, na padaria do Varadouro se dir quem faz
esta negocio.
Joao da Silva liamos, medico pela l'ni
versidadede Coimbra, d consultas em
sua casa das i as 11 b iras da mauba. e
das 4 us 6 da larde. Visita os deenles
en soas casas regularmente as horas
para isse designadas, salvo os casos ur-
gentes, que sero soccorridos em qual-
quer occasiao. D consultas aos pobres
que o procuraren! no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente da- 6
s 8 horas da nianlin.
T,-m sua casa de saiide regularmeole
montada para receber qualquer deente,
anda mesmo os alienados, para o que
tem cemmodos apropriados e nella |ira-
i tica qualquer operario cirurgca.
Para a casa de sai. le.
Primeira classe 3000diarios.
Segunda dita.... S*500
Terceira dita.... 25000
Este eslabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servicus ([ue tem pres-
tado.
O propietario espera quo elle conti-
nuo a merecer a confianea de que sem-
pre tem gozado.
Fugto no dia !; do corrente o escravo de.no-
! me Cosme, tem os signaes seguntes : cabra escu-
ro, bstanles marcas de bexgas no rosto, alio, i
costuma andar de alpercalas nos pos a maneira de sehora a fft, #Jb, 3| e'i'o. coberias de fusio
I serta nejo, e mnito reajustar catador, la/, palitos brancas a ;,,3, cintas com lustro para coborta com
(i palmos de largan a liiO o eovado, cambia.a de
Ao n. 29.
Nova loja dos baratriros ua rua do Queimado.
Ricas saias de fuslaoa .', camisas Inanias para
Preta-se para o Itio da l'rata o palhahote
pottuguez Si-nu 1, de lote de 120 toneladas ou
10,30:* calzas : trala-socom os seus consignatarios
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C. no seu
BSfriptorlo rua da Cruz n. I.
PARA O RIO DE JANEIRO
pretende sabir al 6 de fevereiro o patacho Cor-
r que Me falla e eseravos a frele, trata-se 6000 OS
consignatarios Patraein i\ BotlrSo, largo do Corpo
Saiton. i, primeiro andan
Para n llio Uraadr (Iti Sol
pretende seguir com milita brevidadea barca Afn-
caiw, pode aiada recebar alguma carga a frele :
rom o jos consignatarios Antonio Luiz
de Dlivcira Aleve lo A C. no seu escrptorio. rua
da i>uz n. 1.
.-.J'.IO, on .
lo todos os pninrosados, ruionlins C dejsaaeham os 1* e 1* amaros d. 2' anno, e qmm dos Sanios: elle ja acostamado a fugir,
mas aqu mesmo pelos arrabaldes da cidade, na
torca-feira, 2 do corrente, foi visto na praca da
bridas at 81 do dezemnn ultimo; SS^SS-V^J^ ** ^ ^i^- m^M por
[__j.___M*nn.\ _:.._ .... ..'.._ .:: l l'nt01' : muito loilge ; quem o pejiar o levar a rua do Quei-
mado D. 77, sera ircnernanionte recompensado.
Precisa-se da um caixeiro que tenha algiuna
pratica de taberna, da la i-16 sanos, eit Santo
Amaro confronte capella, taberna de Joaqaim
Soares de Moura.
ende-se 1<5000 iniiramont na K-|dan.ffl
fftria n. G c 8 i* piara ta liidrppu-
illc liria.
k- A pessoa quo deixou por esquecimente um
brulho encostado a urna das portas de nossa
typograpba, queira ter a bondade de vir busca-lo
na praca da tudapenaoncia ns. 8 e S, que dando
o- Hgnaes cortos e declarando o conteiido ,ht-
Ibe-ha entregue._______^^^^^^
Preeisaoe de uma ama para sasa de familia,
quo saba cozinhar si tiivrimento, e que
oatumes, cuja conducta afianzada,
i agar bem : a tratar m Olinda. oa pada-
ria do Var'ubraro.
Precisa-se de urna ama : a tratar na rua da
Cruz n. 2, primeiro andar.
Cas i
Aluga-se un.a e isa nova na rua do Principe n.
8, fregueiia da Itoa-Vsli rom ;l qaartoe, i salas,
co/inbn lora, cacimba e bom quiutal : a Iralar na
rua Nova n. .1.
l)-sc liinlicironjuros: na rua do
w.HIt'l II. (i.
oores para vestido a 320 o eovado, lias para vesti-
do a iSO, 360 e (i'0 o eovado.
A o n. 29.
Nova luja dnsliaratciros na rita do Queimado.
Tarlatanas de le -. hienda muito fina
a 720 a vara, cambraia para cortinado, poca de 22
varas, por 10,5. chal s de lia por :4>, -W, 5 o Si,
camisas inglesas para bomem a ;I8,&, ,">05 e 605.
a D. 21).
Nava loja dos baratriros na roa do Qiiriniadn.
Itieos pnto-, franjas de todas as quahda
trancas de ed. de algodao e de lia, manguitos e
camisinhas bordadas, collarinlio- e pnnhos, Ibflms
bordados, boloes de velludo, de seda o de fus(ap,
bandos de cabello, nieias de lds, leques : COJOS
artigos se venden por metade do seu valor por ser
para acabar.
Part o t'ti'iiiiviil.
Nti loja e irmazcm la rara rua da Imperatriz n. 56.
Vendc-sc fil de linho branca e de cores para vestuarios por ser bonitas cores a 160 rs. o eo-
vado, tarlatana de cores a 500 rs. a-vara, sargehm de cOres bonitas a 280 rs. o eovado, ganga encai-
Precisa-se de una .--.un i har com- nada a 3 rt. o eovado, talbl decores a MO rs. o eovado, manguitos coin patos e Otas de cores a
' na rua da Cade La d n. 8, segtiad* [ 000-rs., camisinhas para sonhora a 25.manguitos o gilas bordadas a grox a 15. ditos de fil a

<*
prar
andar.
115200. lelbullHM decores a^preta baratas : rua da Imperairii r;. 86, na loja da arara.
MH.
^r


I>!iui *Ic renauctibiif o Sexta clra 5 -!c.
k/sa >> casu
IMPERIAL NSTITITO
Maque sobre Portugal.
mercantil Poi tuoo^e nesta eidade, saca ef-
fectivamentc por lodos os paquetes sobre
o mesnw banco (para o Porto e Lisboa, por
ualquer soranta, vista e a prazo, po-
cndo kigo os saques a prazo seren des-
contados no mesmo banco, na razao de 4
por cento ao-anno aos portadores que as-
sim Hie convier : nas rnas do (Crespo
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro
DENTISTA DE PARS
19IllMt W-ll
Frederico Gautier, vi rurgiao dentista,
faz todas as operacSes de sua arte, col-
loca dentes artificiaos, ti do coin superio-
rda-ic e perfeicao, que :is pessoas enten-
didas lhe roconheceai.
Tan agua pos dentificio.
DE
NOSSA SENHOKA DO BOM C0NSEL1IO.
Rl'A DA lUROItt X. SO.
Sob a dlreccaodo abaixo assignadn acha-se funeeionando este hKlituto desde e dia 7
dejaueire prximo passado,selle se ensinam todas as disciplinas preparatorias para a
matricula do curso jurdico, desde primeiras lettras.
Todas as cadeiras acham-se proviias pelos inelkores profesores, cuja lista foi
publicada ueste Diario.
Reeencm-so pensionistas, n.eio-pensionlstas e externos, pagando na seguinte pro-
porcao:
y PENSIONISTAS.
Quartcl de casa, mesa e luz......................
MEIOPENSIOMSTAS.
dem de mesa..............................
EXTERNOS,
dem de cada preparatorio.........................
Os pensionistas e meio-peasionista i pagar.o os preparatorios que esludarem a razao
de 5*000 mensaes, bem como os externas d'tula primaria.
Para mal, esclarecimentos dirijan -se ao director, a qualquer hora, no Instituto, que
franqueado visita dos pas e correspondentes, bem como a todas as pessoas que isso
tiverem inieresse.
Recife, t* de fevereiro de 1S64.
1 Antonio Amisto Fkrhkiiu Lima.
eger
NOFISNA
1005000
45*000
26*000
TERNATO
DE
Estaheleddi na eidade de Recife
*ol> a ProteccSo do Suramo Pontfice Pi IX.
DirectorO bacharel coi malhematicas
BERNARDO PEREIRA DO CARMO JNIOR.
O director do intrnalo de S. Bernardo, nao tendo evitado esforcos ncm sacrificios
para proporcionar aos seus alumnos urna perfeita educacaa physca, moral, ntellectual e
religiosa, offerecendo-lhes urna habilacio com bastantes condieoes de salubridade, habis
professores que sao solicitos cm prepara-los convenientemente ao fim que se destinam,
medico pratico que Ibes faca conprehender os preceilos da hygiene e Ihes cure das doen-
cas, e finalmente um sacerdote Ilustrado e bonesto que Ihes explique os principios da re-
ligiiio thrsta, espera que assim constituido nao deixar o seu estabelecimento de mere-
cer dosSrs. paes de familias o auxilio e confianca com que j alguns o tcm honrado; e
Ihes roga, bem como todas as pessoas Interessadas, que se dignem de visitar o mesmo
seu estabelecimento, onde sempre encontrante franco ingresso.
Cadeiras de ensino :Primeiras lettras dividida em duas elasses, tendo cada urna o
seu professor, latina, francez, inglez, arithmetica, algebra e geometra, geographia, philo-
sophi a, rhetorica, desenlio c msica.
0 collegio teco a sua sede no esf acoso edificio n. 32 ra d'Aurora contiguo ao do
collegio dos orpbaos.
Nos estatutos do collegio, que csto a disposico de quem os quizer ler, se achara
consignadas as condicSes de entrad.i c matricula nas diversas aulas do estabeleci-
mento.
MKgtffc
/Tn-
AURORA BRILHAR1E
rgo
DA SANTA CRUZ N. 84.
Amigos do bom e barato.
A Aurora Brilhante este magnifico estabelecimento est na Boa-Vista disputando a
primazia, j pelo grande sortimento dos seus gneros de boa qualidade, j pela commodidade
de procos e por isso o seu propietario roga aos seus freguezes e amigos c ao publico em
geral que inandem comprar para melhor se certificaren! do annunco.
Queijos do reino novos a 2*400 e
Ditos de prato dem, a libra.
Ditos do sertao novos, libra a .
Chourieas novas, libra a .
Linguicas vordadeiras do sertao. libra
Presuntos novos de Lamego, libra a .
Macarro, talhariin e aletria, libra a
400 e.......
Caixas com 8 libras de estrellinha e
pevide nova a 2*300 e libra .
Sevadinha de Franca e sag a libra.
Ervilhas e grao de bico a libra .
Marmelada nova das melhores marcas
a libra.......
Caixinhas com ameixas com bonitas
estampas a 1*000 e .
Latinbas com ditas a i400, 2*400 e
Ditas rom ligas novos de comadre a
l40O e......
Ditas com frudas em calda a 640 e .
Ditas com peixe em posta ensopado
a 1*000 e......
Ditas com sardinhas de Nantes no-
vas a .......
Caixinhas com 4 libras de farinha de
aramia a libra......
Nozes e amendoa arroba 6* e libra..
Garrafas com refrescos de varas
fruclas a......
Azeite doce a t>40 rs. a garrafa e refi-
nado a......
Potes com mustarda a
Frascos com conservas novas a
Ditos com genebra de laranja e de
Hollandaa640 e .
Chocolate de varios autores a libra .
Toucinho de Lisboa arroba 9*000 e
libra.......
Charutos finos a 2*, SKI, 3*, 4*,
5*e6*a ca.xa de 100.
Saceos grandes com milho, farello e
farinha fina a 4, 1*500 e
Alpista arroba 4*500 e libra .
Espermacete superior a 600, 640 o .
2*600
640
720
730
400
500
480
480
240
120
720
2*000
4*000
2*000
300
1*200
360
640
240
500
800
:i2o
800
1*000
1*200
320
5*000
160
720
Copos lapidados para agua c vinhodu-
zia 4* e......
M.ilhos de grande soblas a
Barricas com uolaclinha nova a 4*
o libra a......
Di las Je soda de 8 I bras para lunche
ou doente a 2* e libra .
Ditas com bscoutos inglezes muto fi-
nos a .......
Manteiga ingleza flor a 800 e .
Dita franceza a 560 e 600 rs. e em
barris e meio a 520 e
Dita hollandeza muo nova a .
Banha de |>oreo a
Sal refinado o pote ....
Gigos com batatas hollandezas a .
Cha hysson o melhor que ha a
Dito miudinho a.....
Dito verde a 2*, 2*500 e .
Dito preto a !* 00, B* e lino a .
Caf de moca arroba 9* e libra.
Dito lavado arroba 8* e libra .
Vinhos finos do Porto caada 5* e
garrafa 640 e.....
Ditos de Lisboa c Figueira 3*200 a
caada e garrafa ....
Dito branco proprio para mesa a 560 e
Dito xerez e outros finos a
Caixa com vinho Bordeaux a 8* e 9*
e garrafa a.....
Serveja de boas marcas a duzia a 5* e
Gomma muito fina arroba2A500,2*e
Enxofre arroba 3*200 c libra .
Canad de azeite de carrapato a 2* e
garrafa a......
Dito de coco a 3*500 e garrafa a
Massos com palitos lixadospara den-
tes a .......
Tijolo para limpar f: cas a .
Ervilhas cm latas a .
Latas com ostras americanas a .
Vinhos engarrafados finos a garrafa
Tapioca nova arroba 3*800 e libra .
oiio com graxa n. 97 a ..
M
Em quanto o Sr. Jos Joaquim Radiosa nao viei
ou mandar da villa do O (para onile mudou-se oc-
curtamente} pagar os alugueis de nerto de dous
' annos da casa em que morou, na na dos Prazeres
! da Boa-Vista, ver o seu nome oeste jornal para
| melhor ser conhecido dos propietarios.
\ Mciedadc de seguros mutuos
de vida Installada pelo Bauco
tUniio na eidade do Porto.
Os agentes nesta eidade e provincia Antonio
Luir. de Oliveira Azevedo i C eseripiorio na ra
da Cruz do Recife n. 1, estao autorisados desde j
a tomar assignaturas e prestar todos os esclareci-
mentos pie forera necessarios, as pessoas que de-
sejarera eoncorrer para tao til e benfica empre-
zas, egurando um futuro lisongeiro aos associados
Aluga-se o 2^ andar do sobrado da ra do
Imperador n. 79, bastante fresco, e decente para
urna familia : a tratar com Antonio Jos Rodrigues
de Souza, na ra do Crespo n. 13.
Aluga-se um excellente armazem com um
I grande telbeiro e urna excellente chamin, proprio
para qaalquer estabelecimento de rcflnacao ou pa-
liara por ter sido ha mais de 15 annos empregado
nestes negocios, na rna dos Guararapes n. 26 : e
os pretendentes podem entender-se com Antonio
Alves Barbosa.
Precisa-se de urna ama para comprar e co-
zinhar : na ra do Imperador n. 69, primero
andar._________________________________
Viclorio Bruno va i para fra da provincia.
Precisa-se de urna ama que cozinhe e en-
gomme, para casa de pequea familia : na ra da
Cruz n. 47, primero andar.
Aluga-sc a casa n. 36 na ra da Matriz da
I Boa-Vista, lado da sombra, com 4 quartos, 2 salas,
cozinha fra,qc.intal murado, e cacimba propria :
a tratar na ra da Penha, sobrado de dous auda-
res n. 1._______________________________
Precisase de urna preta boa quitandeira, e
paga-se 16* mensaes : na ra de Hortas n. 166 se
dir quem quer.__________________________
Jos Pinto da Cunta, subdito portuguez, re-
tira-se para a Europa._____________________
OITerecese um italiano sulicientemente ha-
bilitado nooffico de cozinbeiro, p.ra (jualquer ca-
sa particular ou hotel, o qual trabalba em massas
e doces, forno e fogo : na ra do Trapiche n. 44,
segundo andar.__________________________
O abaixo assignado tendo justo a venda da
sua taberna sita na ra da Sanzalla Nova n. 2, com
o Sr. Jos Mara Machado, pelo presente declara
que, desta data em diante nao se responsabiliza
por qualquer transaccao feita em seu nome por
outra pessoa.
Recife, 1.* de fevereiro de 1864.
Jos Antonio da Costa Se(uiini.
Antonio Ferreira Leal, subdito S. M. Fidelia-
sima, retira-se paraa Europa cora sua familia.
O abaixo assijnado, juiz de paz do 4anno,
do 2" distrcto da freguezia de S. Fr. Pedro Gon-
alves do Kccife, faz acierte a quem convier, que
audiencias nos das quarlas e sabbados, s 4
horas da larde, na casa de sua residencia na ra
do Pilar n. 77: e despacha todos os dias das 6 ho-
ras da manlia s 6 da tarde.
________ Luiz Antonio Goncalvcs Penna.
Precisa-se de urna ama para casa de um es-
trangero : a tratar na ra da Cadeia do Recife n.
40, loja de relojoero.______________^____
Precisa-se de urna ama de leite -, na ra da
Cadeia do Recife n. 1. segundo andar._________
VESTUARIOS PARA O
CARNAVAL
Alugam-sc ricos dminos liordados de velludo
pelo baratissimo preco de 10* e 12* : na travessa
}; dosExpostos, sobrad n. 16, primeiro andar, As-
sim como tem um grande sortimento de vestuarios
a carcter, e dminos em muito bom estado, que
se alugam pelo barato preco de 5 e 6* : as pessoas
que o anno passado alugaram na travessa das
Cruzes, venban nesta casa, que acharao mais ba-
rato do que em outra parte.
Aluga-sc o armazem n. 4 da ra do Apollo, e
. o terceiro andar da casa n. 88 da ra da Impera-
';j iriz -, na roa da Aurora n. 36.
(vmnasio provincial.
At o dia 15 de fevereiro estaro aliertas as ma-
triculas das seguintes aulas do gimnasio provin-
cial : latim, francez, inglez, greg, allemo, rna-
thematicas, geographia o historia, cloquencia c
l"ii( a, phitoaophia, lingtia e litteratura nacional,
scicncias naluraes c msica.
Nesse estabelecimento, mediante a mdica
quantia de I* diarios, tem os alumnos internos ;
roupa lavada e engommada, medico, botica, luz,
penna, papel, tinta e criados para o servico.
Os meios-pensionistas pagara metadedessa quan-
tia, e os externos 15* por trimestre, iwdendo fie-
quentar as aulas que quizerem. O secretario,
Cabral.________________________________|
Precisa-se de urna criaia, forra ou esrrava, j
para servir a urna so pessoa na ra das Laran-
geiras n. 5, primero andar. ________________
Alugam-se as lojas do sobrado n. 44 em
a ra da Aurora: quera pretende-las din-
ja-se loja dos Srs. Bastos & Magalhaes,;
na ra Nova, que acl.aro com quem tra-
tar, i
Compra-s (lectivamente ouro e prata cm
obras vellias: na praca da Independencia n. 22
loa de bilhetes. ______^^
I Compram-se accoes do novo banco : na ra
draCadeiaescriptorion. 47.
Compra-se urna escrava que saiba bem coser
e engommar : a tratar na ra da Imperatriz nu-
mero 20.
Compram-sc accoes da caixa filia', do banco do
Brasil: na ra da Cruz n, 23, primero andar, es-
eripiorio.
Compra-se com algum uso tima mobilia de
Jacaranda de hora gosto : na ra do Imperador
n. 20.
Compram-se tres venezianas iguacs cm fei-
tio, cora algum uso : na ra do Imperador n. 20.
Compra-se a Coluraneid;t poema heroi-
co cmico (mpresso nesta eidade de 1829 a
18:tl : na liviaria da praca da Independen-
cia n. 6 e 8.
< cobre, latao c chumbo : no armazem da bola ama-
relia no otao da secretaria de polica.
Comprase urna escrava que seja moca e que
saiba lavar e engommar com perfeicao : na ra
larga do Bosario n. 34, botica.
VENDAS.
OITerece-se urna ama para coznhar, para ca-
sa de pouca familia : no becco Larga n. 27._____
erda dej"ia.
No dia 31 de Janeiro deste anno, desde a ra da
Cadeia de Olinda (casa do Dr. Antonio de Vascon-
cellos Menezes de DrummonJ) at os Arrombados,
das 7 s 8 horas da noite, pouco mais ou menos,
cabio do Descoco de urna serhora sem ella a ver, e
perdeu-se um fio de cerca 100 perolas grandes, |
tendo no centro urna cruz de brillantes, tambem
nao pequeos, a qual pouco abaixo do tamanho
de metade do dedo index : quem tiver achado esta
joia, e a levar sobredita casa, receber urna ge-
nerosa recompensa, l'ede-se anda aos senhores
ouiives e joalheros, que se Ihes for offerecida a
mesma joia, hajadeappreheiide-la da mao de quem
quer que seja, mandando disto dar parte aquella'
casa. Neste sentido, e para o mesmo fim, solicita-
se todo o auxilio possivel das autoridades policiaes
de Olinda, ou de nitro qualquer lugar quem che-
gar pos-a a noticia desse facto. Emfim muito se
agradecer todas as pessoas que para isso con-
correrein directa ou indirectamente.
o ji yo
avisa a rapazeada que est com um bello e elegante Vasdo mercado,
deposito de vestuarios, tanto a carcter romo a
phanlazia, na ra de Santa Isabel n. 9, sobre gosto
e preco j conhecido.
Veodem-se calxes vastos a
i ttOO: nesta typographia.
Veudo-se um terreno com 9 pequeas casas
terreas sitas na ra da Esperanca do bairro da
Boa-Vista, torna-se recommendavel e de interesse,
nao so pelo rend ment, mas tambem pela estrada
de ferro de Apipucos passar na trente do mesmo
terreno : a tratar na ra da Soledade n. 72.
Varrcduras de r.u-inlia e milho
por preco commodo : defronte da escadinha, no
armazem do Aunes n. 7.
Vende-se urna pequea taberna c com pou-
cos fundos, sita na ra da Soledade n. 8, freguezia
da Boa-Vista.___________________________
Farinha superior de Santa C.a(harina.
Vende-se em porcao ou a retalho, a bordo da
barca Iris, atracada ao trapiche do Baro do Li-
vramento, ou no escrptorio do Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo & C, ra da Cruzn. 1.
Batatas e cbolas.
liua da Madre de Dos ns. & e 9.
Vendem-se caixas esm duas arrobas de batatas
por 1*200, cento de cebla a 500 rs., as mais no-
6*000
1*000
320
m
[I
y-
300 -
800 ijj
32o m.
.'KM) >*
2*800
2*800
*500
320
280
800
480
640
1*000
800
6*000
15280
120
KOCUHADOii
nas villas do Cabo c Ipojuca
O solicitador Pedro Alexandrino da Costa Ma-
chado encarrega-se perante os foros cima, de co-
branzas e ludo o raais que for concernentc sua
prefini; tambem se encarrega perante ojuizo
criminal da defesade processos de qualquer nalu-
reza, e offerece gratuitamente seus servcos a to-
dos aqnelles que forera desvalidos. Pode ser pro-
curado todos os dias uteis em rasa de sua residen-
: ca, na villa do Cabo, e nesta eidade nos dias de
11 segunda-feira, nos eseriptorios dos Drs. Alfonso de
't00 ^ Albuquerque Mello, ra estreita do Bosario n. 34,
c Carlos Mavignier, ra do Imperador n. 61.
Na ra de Apollo n. 20, podem-se dar infor-
macoes do Sr. Joaquim Thomaz da Cunta. que re-
i side presentemente em Una.
Aluga-se a casa terrea da ra Augusta n. 81,
com 4 quartos, 2 salas, I quarto para despejo, quin-
! tal e cacimba fra : a tratar com Joao do Amaral
ltaposo, defronte da estae.io das Cinco Pontas.
ATTB(J0.
Custodio Jos Alves Guimaraes avisa ao respei-
i tavel publico e aos seus freguezes, que em vistas
\ de se achar seu estabelecimento em obras afim de
' alargar mais o campo para o gallo de novo cantar,
i afim de melhor poder servir seus bons freguezes,
! com ludo em quanto durar as ditas obras conti-
; nuar a servir seus freguezes no seu grande ar-
: raazem com frente para a ra do Imperador com
I entrada pela dita loja do gallo vigilante, ra do
' Crespo n. 7.
. .s&'SwlBBiit'jRWSiSR^
Precisa-se de una ama para todo o ag
servico do urna casa de familia: na ra -,
estreita do Rosario n. 31, terceiro andar.
O ceniiterlo publico
precisa de um jardineiro : a entenderse com o
respectivo administrador.
) bacharel Joao Francisco Teixeira
contina cem o seu escriptorio de advo-
gaeia ra do Queimalo n. 28, primero
andar, onde pode ser procurado das 9
horas da manhaa s 3 da tarde.
m wmwmm mmmm.
Aos seahores sacerdotes.
Precisase de um padre para coadjutor da ma-
triz da eidade do Aracaty, (-se boa vantagem, e
pode fazer mais de 2:000*, o que melhor que o
ordenado de ura juiz de direito : os prctendeutes
dirijam-se ra da Cadeia liua canon.
Precisa-se comprar urna canoa de um su pao :
trata-se na ra da Cadeia n. 57.
Aluga-se um bom sitio naCapunga, com boa
casa de vivenda com muitos commodos e bastan-
tes arvoredos de boas fructas, cacimba com bom-
ba, tanque para banho d'agua doce, a heira do rio
junto ao porto do Lasserre : a tratar na ra do
Brum, armazem n. 71.
O bacharel Americo Vello de Mendonca &i
i^ reside e tem aborto o leo escriptorio S
^J ra doLivramenlo n. 18, p andar. SR
AITodso de All>u|uci'que Mello
ha 19 annos advogadoj ante os auditorios e tribu-
naes desta eidade, j na corle e em outros lugares
do imperio, eraconsequencia de lerem-se augmen-
tado aqu seus afazeres, tcm transferido sua resi-
dencia da villa do Cabo para esla eidade ra es-
treita do Bosario n. 34, omle tem eslabelecido seu
escriptorio, e onde foi o d) Dr. Godoy, de cujos
trabalhos ficou encarregado o annunciante. Ah
oflerece os misteros de sua preAtso s pessoas de
quem mereea eonflaoca, la Ho destiy termo como
dos demais" desta c de out -as provincias para os
negocios e trabalhos a sercm desempenhados aqni,
garantindo o zello, lealdade e actividade que lhe
sao recouhecidos pelas pessoas que o conhecem.
Incumbc-se tambem de trabalhos para os termos
iroximos, onde tem solicitidorcs de inteira eou-
ianca. D consultas verhaes e por escripto, c
presta-se a ouvir seus consiituintes a todas as ho-
ras, e nas sextas-feiras das 9 as 4 na villa do Cabo
Aluga-sc O arinazeiii do sobrado da ra da'
Praia n. 57 : trata-se no 'ampo Verde, ra do'
Destino n. 20, sobrado do I ir. Miranda.________
Precisa-se de um bom cozinbeiro e de dous
criados activos : a tratar no sobrado n. 32 da ra
da Aurora.
Vende-se urna parte de urna casa terrea sita
na ra de Santa Tbereza n. 10 : quem pretender,
dirija-se mesma para examinar, e a tratar na
Capunga Velha cora a viuva do Sr. Joao Evange-
lista da Costa e Silva.
Vende-se um moleque de idade de 7 annos :
na ra Imperial n. 49.
Aluga-se a casa terrea da ra da Mangneira
n. 9 : a tratar da ra da Cidea n. 21, loja da Pri-
mavera. ___________
Antonio Jos Rodrigues de Souza alngaasoa
casa e sitio do Monteiro, cm freute ao otao da
igreja do S. Pantaleao, com bastantes commodos :
a tratar na thesouraria da.- loteras, ra do Cres-
po n. I.i.
seja-se saber onde reside nesta ei-
dade o Rvm. Francisco Rapbacl Feman-
des, da villa do Principe, a ao mesmo se
pede que anuuncie a sua morada.
Carros fnebres.
Ra \ova n. 3.
Agr, administrador deste estabclecimerito, de-
clara ao publico a aos seus amigos que tem con-
cluido o rico carro fnebre para adulto, de pri-
raeira ordem, o qual servir com o panno i v. foi
construido pelo mestre intalhador da obr;. de S.
Pedro, e a pintura e dourado do insigne artista
o Sr. Dornellas; obra de primor e apurado gos-
to, para o que esl patente todas as pessoas que
o queiram examinar no mesmo estabelecimento;
t'ndo tambem o fardamento dos criados feto de
nova com simplicidade e gosto, para por esta for-
ma melhor salisfazer as suas obrigacoes. O an-
nunciante nao pode deixar de tributar o sen reco-
nherimento todas as vezes que tem de se dirigir
ao publico c aos seus amigos, pois as pro vas de
sympathia e coadjuvacao que conslantemenUj tem
reteid I nao podem ficar no olvido, |ielo que Ihes
ser eternamente grato, esforeando-se semprj para
bem cumprir suas obrigacoes, para o que pede ser
procura lo no mesmo estabelecimento, ou ra sua
residencia, ra das Flores n. 19, a qualquer hora.
'oute Po Popular Pcrnanihucano.
* da directora convido aos senhores
De orden. -i em as 7 horas da noite do da
socios a compare,. reunirom em sesiao ge-
5 do corrente, Mim de ->elboran)entQ dj mes.
ral para tratarse acerca do ..
mi Monte Pi. -latabOGano
Secretaria do Monte Pi Popular Pe..
3 de Janeiro de 186t.
Bernardo Falcao do Souz i.
1." secretario.
Alugim-scduas boas casas na ra Imperial,
ns. 160 e 162 com commodos para grande familia,
e muito propras para armazens de sal por ter op-
timo desembarque no fundo, tendo urna deltas
rande quintal com telheiro proprio para fabrica!
de velas ou de qualquer especie. Urna casa na
ra do Cotovello n. 32, com bons commodos, e l-
timamente pnlada e cnida : a tratar na padaria
da ra Direitan. 84.
yro
do a
i*
A marqueza do Recife, viuva, lilhos e
genros do fallecido coronel Rento Jos La-
menha Lins, convidam as pessoas de sua
amisade a assstirem a urna mssa no dia 5
de fevereiro s 7 horas da manha na igre-
ja da Santa Cruz, por alma de seu neto, fi-
mo, irmao e cunhado bacharel Augusto La-
nienha Lins, fallecido no Rio de Janeiro, o
desde j se confessam sumraamentc gratos.

Precisa-se de dous caixeiros de 12 14 annos de
idade, com pralica do taberna ou sem ella : trata-
si MiaruaNovamti!._____________________
Precisa-se de uma ama para casa de pouca
familia i a tratar na ra Direita, loja de fazendas
n. 62.
t
Na fabrica da viuva Rufino da estrada de Joao
de Barros recebera-se encommendas de qualquer
artigo tendente a esta arte, assegurando-se boa
execucao e modiedade nos precos : a tratar no
otao da secretaria de polica, armazem da bola
amarella.
Arrenda-se o emrenho Ilapessoca na fregue-
zia de Tjucupapo, moente e corrente, com uma
grande praca de salinas, contendo 360 marinlias, o
sal que fabrica-se nao inveja-se ao do Ass, com
foruos de cal preta, tendo a pedra eom a maior fa-
cildade; tem seis sitios de coqueiros todos de
rroeto ; tambem se vende o referido engenho :
quem o pretender por qualquer das formas annun-
ciadas, pode-se dirigir ra da Gloria n. 70, que
achara com quem tratar.
Demandas na villa da Kscada.
Izidoro Camello da Rocha Cavalcanti faz sciente
que legalmentc autorisado para solicitar causas no
foro da Escada, encarrega-se de promover quaes-
quer questoes ou cobrancas de dividas por mdico
ajuste : quem pois de seus servcos quizer se uti-
lisar, dignar-se-ha procurado na villa da Escada,
casa defronte da Cadeia, e na eidade do Recife, en-
tender-se com o solicitador Burgos Ponce de Len,
ra Imperial, sobrado n. 64.
J. Borstelman val Macei.
- D-sc 14*000 pelo alguol de um esrravooa) AMA.
unfl mrava de 14 16 apnos, para o servico de O homem soltelro, estrangeiro ou brasileiro, que
ma ddua ims2 a tratar na ra do Li- precisar d uma am de boa conducu, para ser-
v amento n T I vgo inierno, dirga-se a ra da Gloria 31.
No escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C, na ra da Cruz n. 1, precisa-se fal-
lar cora o Sr. Luiz Soares Botelho, fllho de Jos
Soares Botelho e de Fortunata (andida de Souza,
e neto de Francisco Manoc; Je Souza, natural da
ilhade S. Miguel, o qual consta ler vmdo para es-
ta eidade em 1856, para lhe dar noticias de sua
uii e irniaos que se acham no Rio de Janeiro.
Professor de piano
Jos Coelho da Silva e Araujo, bem conhecido
nesta ridade, contina a leodoaar piano e msi-
ca vocal (Kir commodo preto : quem de seus ser-
vicos precisar, dirijase rna do Livramenlo n. 21,
segundo andar. j
Gelo,gelo, gelo.
Com a chegada da nova machina nao se expe-
rimenta mais falta de gelo fabricado com agua do
Prata, todos os dias a quaiquer hora, para por-
rdes grandes ou encommendas para fra da pro-
vincia dever haver aviso com antecedencia : ra
da Aurora junto a fundicao onde tem a bandeira.
Aluga-se uma ama qu i tenha bons costo mes,
e que :-e sujeite a dormir i m casa : na ra larga
do Rosario n. 33, segundo andar.
Giaiule liquidaea de fazendas al a
festa, para se lindar coalas, apro ei-
veilcm que deslas pechinchas nao ha
sempre : na rna da Inipcralriz, loja
carmazem di Arara n. 06, de Iou-
rento Pereira endesCiuimares.
Cobertores da Arara a 1$.
Vende-se cobertores de pellos a 1* e 1*600,
cobertas de chita a 2* ; na ra da Imperatriz n.
56, loja de Mendes Guimaraes.
A Arara vende rutina feita r batata.
Vende-se palitots de casemira a 4*500, 6* e
8*, calcas de 3*500 a 5*, palitots de panno a 10*,
ditos finos de 12* e 14, palitots de bnm de cor
a 2*500 e 3*, ditos de meia casemira a 3*500,
calcas de brim de cores a 2* e 2*500, ditas ran-
eas de llnho a 3*500 e 4, ditas de meia casemira
a 2*, coletos a 2*500 e 3*, camisas francezas a
1*600, ditas finas a 2* e 2*500, ditas de linto
prega larga a 35, seroulas linas a 1600, ditas de
I mlii i a 2* c 2*500 : na ra da Imperatriz n. 56,
loja da Arara de Mendes & Cumares.
Kriiii da Arara a -loo rls o
corado.
Vende-se brim pardo de linho com pequeo to-
que de mofo, quedepos de moldado larga, proprio
para calcas e palitots, a 400 rs. rs. o covado ;
brim branco de linho a 1* e 1*230 a vara, fustao
de cores para calcas, coletes e palitots a 500 rs
o covado : na ra da Imperatriz, loja da Arara n
56, de Mendes Cuimres.
Laziulia .fiarla Pia da Arara*
Vende-se laazinhas a Mara Pia muito finas, com
quadros c palmas de seda, para vestidos a 1560 o
covado, sedinhas finas a 500 rs. o covado ; na roa
da Imperatriz n. 56
Ol que prdiiiidui, lazinlias a 2 Vende-se laazinhas finas para vestidos a 280
e 320 rs. o covado. lencos blancos com barras de
cores a 200 rs., meias linas para senhora a 400 e
:ih> rs.. ditas croas a 400 rs., dius para homem a
160 e 200 rs.; na ra da Imperatriz n. 56, loja da
Arara.
A Arara vende as cassas a 200 rs. o (ovado.
Vende-se cassas de qtiadriuhos-a 200 rs, o cova-
do, ditas finas a 250 e 280 o covado, organdxs linos
a 240 e 280 o covado : na ra da Imperatriz n.
36, loja da Arara,
l'rrliraelia, sedinhas da Arara a 800 rs. o covado.
Vende-se sedinhas com quadros e lisas, escuras,
propras para quem est de luto, por ter uma s cor a 800 rs. o covado, ditas da mesma qualidade
de cores para vestidos a 800 rs. e ditas do listi-
nhas a 500 rs. o covado: na roa da Imperatriz n.
56, loja da Arara de Mendes Guimaraes.
Peeliinrlia na Arara, corles de chita a J-m Vende-se cortes de chita Iraneeza cora pequeo
toque de mofo a 2*500, cortes de rscado francez
com 14 covados a 3*, cortes de cassas francezas
pintadas a 2* o corle, ditos de barras a 2*, .".* e
4* : na ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara de
Mendos Guimaraes.
Caseinirasa 1600 o covado.
Vende-se casemiras de cores para calcas, cole-
tes e paletots, infestada, a 1*600 o covado, cortes
de casemira infestada a 1*600 e 25, e em covado a
15 : na ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara de
Mendes Guimaraes.
A Arara vende as laazinhas de 9 pal-
mos \ $200.
Vende-se laazinhas de urna s cor e quadrinhos
proprios para capas, rom 9 palmos de largura a
1,200 o covado, ditas para vestido a 280, 320 e
400 rs. o covado : na ra da Imperatriz, loja da
Arara n. 56, de Mendes Guimaraes,
Itales da Arara a 3\ 3500 e 4.
Vende-se baldes americanos, os melhores que
lem vmdo, de 20, 30, 35, 40 arcos a 35, .35500,
4* e 4*500, ditos de brilhantina a 4*, ditos de
madapol.o a 3*600 : na ra da Imperatriz n. 56,
loja da Arara.
Chitas da Arara a 210 rs.
Vende-se chitas a 240 rs. o covado, ditas fran-
cezas cora pequeo toque de mofo a 280 rs., ditas
limpas a 320, 980 e 400 rs. o covado : na ra da
Imperatriz n. 56, loja da Arara.
COMPRAS.
Vende-se ou permuta-se por predios nesta
cdade o engenho Velho da freguezia de Santo A-
maro de Jaboatao, o qual engenho acha-se livre e
desembargado de qualquer pendencia, e tem ter-
reno sufflciente para mitro engenho, tem ptimas
obras, trabalha cora agua; vendendo-se tambem
a safra novamente plantada, e igualmente todo o
gado, e aniuiaes: a quem o negocio cima con-
vier, dirija-se ao seu proprctario no mesmo en-
genho.
Compra-se uma preta, moca, que sai-
lia bem engommar : na estrada do Man-
guinho casa n. 21, antes dechegar a ponte.
VNDESE
<-oinpra-se os utencilios para urna pa-
daria : a tratar na ra Nova nume-
ro 39.
o diccionario da Moraes da 4* edicio, com pouco
uso, e (ier preco barato : na ra Nava n. 38.
Vende se
urna taixa de ferro fundido com pouco uso, com
seis palmos de dimetro, por preco razoavei : no
armazem da bola amarella no otao da secretaria
de polica.
No caes d'Apollo n. 55, compra-se
uma escrava moca que seja de boa conduc-
ta e saiba vestir e pontear meninos, paga-
se bem agradando.
Vestuario.
Veitde.se um vestuario de velbutina com
pouco uso c por commodo preco: na praca
da Independencia n. 5.
CWIPHIMETO
1 Silla branca.
A aguia branea dirige seus sinceros enmpr-
iik utos toda sua boa freguezia, estimando que
tivessem boas festas e entrada do novo anno, e
que este bissexto.seja para todos (inclusive ella) de
militas prosperidades, com farturadednheiro etc.,
para assim continuar a affluir, e satislaetoramen-
te provereni-sc dos variados e diferentes objectos
de gosto que constantemente se acham no niuli
d agola branca, pagando-os de prompto como brio-
samente eostumam. Em quanto jiorm a boa fre-
guezia assim louvavelinente procede, alguns mos
freguezes differentemente praticam, acanhando-se
rateramente em satsfazerem suas contas, passan-
do ate apressadamente pelo lado opposto e esm o
chapeo de sol aberto e inclinado para o lado d'aguia,
nestes maos freguezes a aguia branca bota-lhe os
pontinhos.
Finetas de ac e com pe-
dras.
Saibara todas as boas freguezias, e aprec aderas
do hora, que a loja d'aguia branca recebeu as bo-
nias e delicadas fivelas de acoe compridas, c que
tambera esto se acabando ; assim pois drijam-se
logo ra do Queimado, loja d'aguia branca n. 8,
para nao (carera sem essas bonitas fivelas.
PERFUMARAS novas
Mortlmcnio do bom.
E cousa j mui sabida, que a loja d'agui branca
c deposito de finas perfumaras, e alem do cons-
tante sortimento que nella sempre se acha, nota-se
mais que acaba de receber pela barca franceza l-
timamente chegada, um grande sortimento de lin-
dos e agradaveis objectos proprios e excellenles
para presentes, sendo bonitas caixinhas envernisa-
das com fechadura, espelho e perfumaras, outras
toda de vidro tambem cora perfumaras, lindos
boioes de porcelana dourada com maviosas e joco-
serias inserpotes, outros igualmente bonitos e de
diversos moldes sem nscripcao, mas todos eme
com fina banha para cabellos. Nesse especial sor-
timento vieran os bem conhecidos leos philoco-
me, de Lubra, ebabosa; assim como pomadas, cos-
metiques, sabonetes, opiata, finos extractos de agra-
daveis cheiros, etc. etc. Assim, pois, concorram
os bons freguezes paraa loja d'aguia branca, ra
do Queimado n. lo.
IH VI H DAGUIA
branca
scentificar sna boa freguezia sempre que recebe
novos e apreciaveis objectos, porm os seus afaie-
resdurante o mez passado a privaram dessa satis-
fa\o, e mesmo agora sendo-lhe irapossivel des-
crever minuciosamente a infinidade dos novos e
differentes objectos que ha recebido por lodos os
vapores, limit-se apenas a dizer que o ninlio d'a-
guia acha-se constantemente mu bem sortido, e
perconseguinte o ponto mais acertado para nelle
se achar e que de novdade e de bom se deseje ;
assim, poi>, continu a sua boa freguezia a dirigir-
se munida de dnheiro ra do Queimado, loja
d'aguia branca n. 8, que acharao exptendido e va-
riado sortimento de finas perfumaras, galanteras,
etc., etc., tudo isso vendido com barateza, agrado
e sinceridade.
costurarlas com msicas e sem
ellas.
A aguia branca acaba de receber lindas e deli-
cadas caixinhas com msicas e sem ellas, propras
e excellentes para um bom presente : como de sea
louvavel costme, a aguia branca da ruado Quei-
mado n. 8, vende-as por precos razoaveis.
FITAS BRANCAS FINAS
para debrunhar colletes, paletots e ves-
tidos.
Arham-se venda na ra do Queimado, loja da
aguia branca n. 8.
PEMHA0 H A<0
inglczas.
A aguia branca recebeu as superiores pennas de
ac inglezas, do afamado fabricante Perry, sendo
o sortimento grande, e das qualidades que mais se
apreciam, inclusive a amanlaca a balo etc. etc.;
cada caixa traz uma groza : os pretendentes, pois,
dirijam-se cora dnheiro ra do Queimado, loja
d'aguia branca n. 8.
Abotoadtiras de coma-
linas para colletes
Quem quizer botar em seu collete uma bonita
abotoadura oval, de fina cornalina, ha de chegar-
H com 2* loja d'aguia branca, ra do Queimado
numero 8.
cr:n->-o>:c:-rH2;
c
3 .
09 2 M
S -=? ET "
*9 b, 8* W :i ~ a
- t: w ? T- C ,
= X X o
||,lfii,
^ S.IS8S
*3e.Ew.9
O "1 O i O
1 M Ti "
rr^,3 zz 6>
O (6
t
SL'i
O.
-z -
a

09 C
V-
3|S
O. 09 o ^ o a.
ft i 5
-1
o
^ g13 v ">
a. a '
8 >
09 T3 =- g
3 S^ e.

,________ ->
-i
o
s
09 09
09 -I
09 ?
li
- 09
O!. .
o.
o
0
>
Vende-se a propriedade denominada Maltez, ^ita
na freguezia de Tracunbem da comarca de Naza-
relh, com uma legoa de frente e meia de fundo, e
pmporcoes (tara nella se levantar um hora enge-
i lio de fazer assuear, sendo que actualmente ren-
de ella mais de 1:000* que pagam os moradores
que tem : quem a pretender entenda-se nesta pra-
ca cora o Sr. Antonio Jos Leal Hes, na ra da,
(Cadeia do Recife n. 47.
yenda de urna hypotheca.
Os lquidalarios da niassa fallida de
Jos Antonio Rasto vendern a hypothe-
ca que tem nos cu^enhos Mallo Gmsso
e (lajabuss no termo de Serinhem no
valor de 31:835$911 rs.; tratar nas
rasas a rna do Trapiche n. 34.
Vende-se una arinacao sita na ra do Ara-
g0 n. .'12, muito boa para principiante : quem a
I retender] dirija-se a ra da Madre de Dos n. !*,
que achara com quera tratar. Faz-se todo negoejo.
Vende-fe a casa terrea da ra das Cinco
Pontas n. lu. e mais duas nos fundos desta, novas
e boas, com a frente para a ra das Carrocas, em
chaos proprios: nas memas se dir quem vende.
sLUV%S IMG IEL-
lica a oOO rs.
Na loja da Aurora da ra larga do Rosario n.
18, vendem-se luvas de pellica brancas e pelas
para homem e senhora a 300 rs. o par, ditas de
seda a 100 rs., ditas de ditas a 200 rs., de seda
muito boa, s o que tem ser a cor um pouco des-
botada, porm sao muito propras para os masca-
ras brincarem nestes tres dias do carnaval ; assim
como tambem temos (antojlas de diflerentcs cores
a prego commodo, lencos de retroz a 320 rs.. tam-
bem mullo proprios para os mascaras.
- Vende se uraa bonita mulatinha de 12 l.T
annos, sem achaques neni vicios, e com todas as
habilidades propras da idade : na ra da l.ia-
goeta n. 1.
s
*
-
0


Diarlo de Peruaiubuco Sexta felra de Feverelr de 1864.
qraxdg iu:yoli <[ o
NO
ARMAZEM
DO
0 homem do movimeuto nao estaciona.
iVANlt E SEMPRE
GUERRA AOS INIMIGOS
Nao se admilte a uuiao coniiucrcial;
Nao seqner a (liaba da allianca.
I\o se leme a furia dos corsarios,
Ust auno ha de ver hlssexlo.
Os eamhes estSo preparados.
FOGO! BOM FOGOI! ~- MELHOR FOGO!!!
Abaixo a lina d'agua do viuagre
Viva a liga de genuino Chcres com u Hambre!
Viva o conservador das couservas inglezas!!
Vivan os liberaes fruguezes do BALIZA!!!
Vivan lodos que lerem esle anuncio.
SENHOHES E SENHOHAS.
O proprietario do grande Anrtaztin do lializa establecido rua do Livramento nsL
45
CALCADO.
Eua Direita
45
Aproveltem rm qiianto lempo!
Borzeguins francezes de lustre pa-
ra homem................. 50000
Borzeguins francezes de cores pa-
ra meninas................ 25000
Borzeguins francezes pretos para
meninas.................. 25500
Sapatos de lustre para senliora.. 15000
Sapatos de lustre as avessas..... 500
;wm*
URIAO
MERCANTIL
!
RA RA VAIIJEIA IftO KKtIFE I. 53.
NOVO E
OBAHDB KMAZEM DE MOLKA!
RA HA CA1IEIA DO RECIFjE \. 3.
'Wfr
38 e 38 A, defronte da grade da groja, acaba de reduzir os presos de auasi todos o$ Tiniciros de vidro rom superior tinta a'ico rs.
gneros A tarifa abaixo publicada attesla bera esta verrlade.|
A guerra aos inimigos, est perianto, assim declarada.
As pesseas, ainda as mais exigentes que se dignarem rir este estabelecimento]
ficarSe por certa muito satisfeilas, nao s quanto s qualidades dos gneros, como com o|
trataaeento todo attenoioso que-se ibes dar.
Alm do cumprimento dos deveres da ba educacJo, kaver d'ora em diante ainda
maier capridio emsatisfazer loios quehonrarem esta casa.
Os gneros pelas qualidades e procos annunciados, sero offerecidos ao exame
dos Srs. compradores. Nao receie o publico qae se pratique o contrario, como en oulras
casas, que at annunciam o que nao tem..... O Baliza nao Ilude___
Ra do fuciiuado numero*
4B e 5.
est disposto a continuar a vender pelos precos
abaixo declarados, pois para principar o novo
anno. '
Caixas de obreias de cola muito finas a 40 rs.
Varas de franja de la de todas as cores a 40 rs.
Ditas de tranca de 13a de todas as cores a 20 rs.
Ditas de Irancelim branco muito superior a 20 rs.
Trancas de algodao brancas e de cores a 80 rs.
i Duzias de metas para senhora muito superiores a
3#8Q0.
. firozas de penna de aro muito linas a OO rs.
Caivetes de doas e tres folhas a 500rs.
Ditos de una folhaa 80 rs.
^"s para rap, muito bonitas de catangas, a
i 400 rs.
Capachos redondos e compridos a 500 rs.
(.airas com muito superiores obreias a 40 rs.
V*fia le franjas brancas e de cores, largas, a
Pares de botos para punho muito bonitos a 120 rs.
Carreteis de linha Alexandre com 200 jardas a
100 rs.
Cartees de linha Pedro V com 200 jardas a 60 rs.
Ditos de linha de 50 jardas a 20 rs.
Duzia de meias brancas para hoiacm a I (loo
Caixas com soldados de chumbo a 120 rs.
Tinleiros de v''
Ditos e barro a 100 rs.
Grozas de botoes oo louca praliados a 160 rs.
Tesouras muito linas para costura a 320 rs.
Ditas ditas maiores e melhores a 400 rs.
Esoovas para limpar dentes muito finas a 200 rs
Ditas para unhas a 800 rs.
Laa de todas as cores para bordar a Ti a Wsra.
Caixas com phesphoros de seguranca a 160 rs.
Cadernos de papel branco e azul a 20 rs.
Ameixas francezas em caixinhas e em frascos
de diversos tamaitos a 4,2oo, i,Ooo,
2,000,2,5oo e2,8oo rs. e a libra a 8oo rs.
Amendoas novas a 32o rs. a libra.
Azeite doce refinado a 8oo rs. a garrafa.
dem de Lisboa a Gio rs. a garrafa e 4,8oo
rs. a caada.
Alpiste a 16o rs. a libra, e 4,8oo rs. a arroba.
Arroz do Maranho, da India, e Java a 8c e
loo rs. a libra.
Aletria branca e amarella a 4oo rs. a libra.
Aramia verdadeira a 32o rs. a libra.
Batatas novas em gigos de 36 a 4o libras por
l,03e rs. e a 4o rs. a libra.
Biscottes inglezes Lunch a I8oo rs. a lata de
5 libras.
Licores inglezes e francezes em varos de di-
versos tamanlios a l.ooo, l,5oo e 4,8ooi
rs. a duzia.
Manteiga ingleza flor a 800 rs. a fibra e de s
libias para cima ser aberto umbarril na
presenca do comprador,
dem de 2.a e 3.a qualidade a 7oo, 6oo e 4oo
rs. a libia.
dem franceza a 560 rs. a libra, e em barril
por menos.
dem em latas a 20000 e a 15500 a lata.
Massa de tomate em barril a 480 rs. a libra.
dem em lata a 640 rs. a lata.
Mostarda ingleza 400 e 600 ris o pote.
Marmelada imperial dos melhores fabrican-
tes de Lisboa a 600 rs. a libra.
Parole do papa! amizade a OOO rs.
Caixas com 100 anvelopes muito
800 rs.
Cadernos de papel de cores.
u n-
Silabarios pertuguezes com
qualidades a 320 rs.
raxa em latas muito nova a 100 rs.
rtas e tabeadas para meninos a 60 rs.
superiores a
grande c pequeo, a
calungas*! todas as
nom
gneros
; commodds.
Manteiga ingleza especialmente escolhida Vinagre de
de primeira qualidade a 800 rs. a libra,
em barril se faz abatimento.
(Manteiga franceza a mais superior do mer-
cado a 560 rs. a libra, e 520 rs. em barril
ou meio.
Prezuntos inglezes para fiambre, de superior
qualidade, chegados neste ultimo vapor, a
720 rs. a libra.
Queijos flamengos chegados neste ultimo
vapor a 2)3000.
Queijo prato muito fresco e novo a 640 rs.
a libra.
Gaslanhas muito novas a 120 rs. a libra e
e 3,5000 a arroba.
Cha uxin o melhor que ha neste genero,
mandado vir de conla propria a 2(5800
rs. a libra.
Cha hyson muito superior a 2(3560 rs. a li-
bra ; cha hyson proprio para negocio a
1(9500 rs. a libra.
Cha preto muito superior a 25 a libra.
Biscoutos inglezes em latas com differenles
qualidades, como sejam craknel, victoria,
piquelez, soda, captain, seed, bornez e
outras muitas marcas a 15350.
Bolachinha de soda em latas grandes a 25.
Figos em caixinhas hermticamente lacra-
das, muito proprias para mimo a 15500.
Caixinhas de 4 e 8 libras de figos de coma-
dre a 15 e 25 cada urna.
Passas muito novas, chegadas neste ultimo |
vapor a 500 rs. a libra e 35 um quarto;
e em caixa se faz abatimento.
Ameixas francezas em latas de meia a 3 li-
bras a 800 rs.
por precos
Lisboa a 200 rs. a garrafa e Sardinhas de Nantes a 340 rs. o quartoe 560
15200 a caada. j rs. mea lata.
Azeite doce refinado em garrafas brancas a Latas com peixe em posta : savel, corvina,
800 rs. vezugo, cherne, linguado, lagostinha, a
Azeite doce de Lisboa a 640 rs. a garrafa e 15300 rs.
45800 a caada. Salmao em latas, preparado pela nova arte
Genebra de Hollanda a 500 rs. o frasco e de cozinha, a 800 rs.
55800 a frasqueira. Maca de tomates em latas de 1 libra a COo
Caixinhas com ameixas francezas, ornadas' ris.
com ricas estampas na caixa exterior, Chouricase paiosem latas de 8 c nieta libra
muito proprias para mimo, a 1520', 15500 por 75.
e 25- Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra e
Frasco de vidro com lampa do mesmo, con-, 85600 a arroba.
tendo meia libra de ameixas francezas, a Bolaxinha ingleza a 320 rs a libra e 45 a
15200. | barrica.
Marmelada imperial, dos melhores conser- Sal>u muit0 novo a 240 rs. a libre.
veiros de Lisboa, em latas de 1 e meia a Cevadinha de Franca a 200 rs. a libra.
2 libras a 600 rs a libra. Farinha do Maranbao a 120 rs. a libra.
Fruclas em calda das melhores qualidades Araruta verdadeira a 320 rs. a libra.
que ha em Portugal em latas hermtica- Cevadaa 120 rs. a libra e35 a arroba.
mente lacradas a 500 rs. jAlpistaa 160 rs. a libra e 45800 a arroba
Peras seccas muito novas a 640 rs. a libra. Da,atas muilo novas em gigos com 40 libras
Nozes muito novas a 160 rs. a libra. I por 15 e a 40 rs. a libra.
Amendoas de casca molle a 400 rs. a libra. Cebollas a 15 o molho com mais de 100 ca-
Avelas muito novas a 200 rs a libra. da um-
Amendoas confeitadas de diversas cores a,
800 ra. a libra.
Caf lavado de primeira qualidade a 300 rs.
a libra e 95 a arroba.
-aixas rom superiores iscas para charuto a 40 rs.'Champagne da marca mais superior aue
tem vtndo aonosso mercado a 185ogigo,
garanle-se a superior qualidade.
Vinho Bordeaux das melhores qualidades
que se pode desejar de 75500 a 85000 a
caixa e 720 a 800 rs. a garrafa.
Caixas com vinho do Porto superior de 95
a 10 a duzia, e 900 a 15 a garrafa; deste
genero ha grande porgao e de differentes
.arreteis de linha de cores com 200 jardas a 60 rs.'
Jaralhos muito tinos para voltarete a 280 rs.
lodinhas com allinetes francezes a 30 rs.
" irlas de allinetes francezes finos a 40 rs.
inivetes de cabo de madreperola de duas folhas
a 500 rs,
.uvas brancas de algodao finas a 80 rs.
liadas de linha frxa para bordar a 60 rs.
Tiu Deseobrinento Esputse!
Jiunilfc SrinitifiM iiiiiiiiiinaurnlr approva.
Macas e peras chegadas neste ultimo vapor, Caf,! do (-eara muito superior a 280 rs. a li-
muito perfeitas, s vista se faz o preco. ^ra e 85400 a arroba.
Cafe do Bio, proprio para negocio, a 85.
Arroz do Maranbao a 100 rs. a libra e 258C't
a arroba.
Arroz de Java a 80 rs. a libra e 29400 a
arroba.
prego
Conservas inglezas em frascos grandes a 750
rs. cada um.
Ervilhas francezas e portuguezas em latas de
1 libra a 640 rs.
Ervilhas seccas muito novas a 160 rs. a
libra.
Chocolate francez, o que ha de melhor neste
genero, a 15200 a libra.
Chocolate hespanhol a 15200 a libra.
Genebra de laranja em frascos grandes a 18.
Cerveja branca e prela das melhores marcas
que banometcado a 500 rs. a garrafa e
5J800 a duzia.
Vellas de spermaceti a 560 rs. a libra e
540 rs. se for em caixa.
| Vellas de carnauba refinada a 320 rs. o mas-
i so e a 95 a arroba.
| Doce de goiaba a 640 rs. o caixo.
I Macarelo, talharim e aletria a 480 rs. a li-
bra ; em caixa se faz abatimento.
Eslrellinha.pevide e arroz de massa para sop^
3 'ifiArc. o i;tn .un. .:_______ f i:l__
Marrasquino de zara a 8oo rs. o frasco e
85 a duzia.
dem de diversas marcas em latas menoret;
a 1,300 rs.
dem de Lisboa de qnalidade especial em la- i MagJ} Pai',|.fnPa' talharim e macarro
tas grandes e pequeas a 3,ooo e l,5oo rs-1 u" '"
Bolachinhas americanas, a 3,ooo rs. a barrio
e 2o rs. a libra.
Banhade porco a 44o rs. a libra, e em barril
a 4io rs.
Baldes americanos muito proprios para com-
pran a l.ooo rs.
Cha hiiixym, hysson e perola a 3,ooo, 2,8oo,
2,-oo. 2,ooo e l,6oo rs.
dem preto a 2,000, l,6oo e l^ooo re. alibra.
Chanpagoe a melhor do mercado a 12,oooo
gigo e a l,2oo rs. a garrafa.
Chool.ite francez primeira qualidade a I,loo
rs. ;. bra.
dem h.'spanhol a |,2oo rs. a libra.
Id m suisso a l,oi>o rs. a libra.
Cerveja branca marra Allsopps a 4,5oo rs. a
duzii, e a 4oo rs. a garrafa.
Cognac ioglez a 64o rs. a garrafa a 8oo c a
f.ooo rs.
Concervas inglezas em frascos grandes a 75o
rs. o frasco.
dem francezas de muitas qualidades a Uoo
rs. o frasco e a 5,0eo rs. a duzia.
Charutos neste genero temos grande sorti-
mento tanto da Baha como do Bio de Ja-
neiro a 1,6oo, 2,2oo, 2,5oo, 3,ooo e 4,ooo
rfi. a caixa.
Caf 4o Cear muito superior a 28o rs. a bra
ea#,ioo rs. a arrote.
dem de Bio a 3oo e 28o rs-a libra. f
Ceblas a 9oo rs. o molho eom mais de loo
cebla*.
Chourii^s e paios a 72o rs. a libra.
Cevadiul ia Cevada rattito nova a 8o rs. a libra.
Copos lapidados a 5 e 6,ooo rs. a duzia.
Doce de goiaba em latas a 4oo rs. a libra.
dem de caj em latas a 320 rs. a libra.
Ei v/llias franeezjs e portuguezas a Soo e 64o
r. a lata.
I'lem seccas a 16o rs. a libra.
Figos de comadre em caixinhas com 8 libras
por l Ooo rs.
FarinJita do Maranho a 12o rs. a libra.
Farinha oV trigo muito superior a 12o rs. a
libra.
Farelo era saceos grandes a 4,ooo rs. o sacco
Genebra ingleza marca gato a 1 ,ooo rs. a gar-
rafa.
dem verdadeira de Hollanda em frascos muito
grande; a 1,2oo rs. o frasco.
dem de Hollanda era frascos pequeos a 5oo
rs. o frasco.
dem de laranja a l.ooo o frasco.
Gomma do Aracaty a 8o rs. a libra.
Graxa a loo rs. a lata e I,loo a duzia.
Linguas americanas de grande tamaito
1,000 cada urna.
csiieJinlia e peiide, caixinlia
com 8 libras a 15600.
Nozes a 16o rs. a libra.
Peixe preparado do escabeche, da melhor
qualidade qe tem vindo ao mercado, a
15 a lata.
Presunto de lamego muito superior a 480
rs. a libra,
dem para fiambre tinglez) a 640 ris a
libra.
dem americano a 400 rs. a libra.
Papel almaco a 35000 a resma,
dem do peso a > a resma.
Palitos para dentes a 160 rs. o maco.
Dito dito do flor a 200 rs.
Ditos do gaza 25200a groza
Passas novas a 480 rs. a libra e a 15800 a
caixa.
Queijos flamengos do ultimo vapora 25500.
Dito loodrino a 900 rs. a libra.
Dito prato a640 re. a libra.
Sardinhas de Nantes a 320 rs. a lata. J
Dita de Lisboa a 6'0 re. em lata grande.
Sag muito superior a 240 rs. a libra.
Sal refinado,em potes de vidrb, a 600 rs.;
o poie.
Sabao massa a 120, 160, 200 e240rs. a!
libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Dito de Santos e 300 rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 110 rs. cada um.
Vassouras americanas a 64o rs, cada urna.
dem do Purlo a 400 rs, cada urna.
Velas de carnauba e composico a 320 rs. a
libra e a 105 a arroba,
(dem stearinas superiores a 560 rs. o
mago, e em caixa por menos.
Vinho do Porto, neste geneno temos o me-
lhor sortimento possivel, que vendemos
por precos muito haixos a 15 a garrafa e
a 10/ e 125 a duzia.
IdemCherry, eda Madeira em
Cognac inglez de superior qualidade a 800 n t?00!*-/ Iibr,a.e U a caxa cnm 6 libras
e 15200a garrafa. Palitos de dente hxados com flor a 200 rs.
f\ macen marcas acreditadas que j se venderamLicores francezes das seguinles qualidades :;
o masso, ditos lixadossem flor a 160 rs
o masso com 20 massinbos.
por ,4, e .ta.co.^ Duque | AJtaj. ^^ des Da.es, Go^ ;--glicina a 80r,
a.
Banhi de porco refinada a 480 rs. a librae
400 rs. em barril pequeo.
A Coiiiposieao Aiiarahuit
Peiora! de keni|i.
For capacho de muito tempo m lia nado cr-
ncamento om Tampieo pura a con Je
PULMONAR,
CTREKO, STHMA,
BRONCHITE, TOSSE CONVULSA,
CHUPO OU GARROTILHO, e
Inflamma9es da Garganta e do Pelto,
hto eom um resultado tTo feliz c verdaJci-
Wi aei tbroao o pao ou madeira d'uina
ore pie cliano Anacauiita, e cjuo b
cncontra no Mxico.
1 Compos9o Anacahuita Peito-
ral de Kerap c' nm Xarope rai lente difirante na sua coiiiposiro de
os os mais Peitoracs e Expoetorantes ma-
actaradot de fructos astringentes, cascas
e i lea, fcc., o incsmo nao conten nenham
lo Pnutico on outros quaesqiier ingre-
To'lasas molestias c affeccocs da "ar^anta
c peo encanto, mediante a accao deste in
ijiaravcl c i resistivcl remedio.
do Porto, Lagrimas do Douro, D. Luiz,
Camoes, Madeira secco, Carcavellos, Nec- e 105 a caixa.
tar de 1833, Duque Genuino. Marrasquino de Zara a 800 rs. a garrafa e
e &5W a caada. | 400 rs. |A(jqo 25 e 35
Tl1!^S^I,SS^5,^,S: xir> Mos,a,:(,a *" em P" em frascos "des, Presuntos do reino,' vindos de conta propri,
de casa particulada 400 rs. a libra; otei-
PolC- ro se faz abatimento.
j engarrafado a 640 rs. a garrafa e a 500 a 15 cada" u
" de barril. Sal refinado a 500 rs. o
Osscnhores que compiarcm de 1005000 para cima, tero o descont de 5 por cento, pelo prompto pagamento
CL
lIM
to<
na
COMMERC

L
RA RO Ol :i U lilf M. 4.5,
Paseando o-boceo da ConiiTogacao segunda casa.
NOVIDADE
i larris e em
A ^enda as boticas de Caors & Barboza,
ra jda Cruz, e Joo da C. Bravo & C, ra
caixa, a 125 a caixa e o barril conforme o da Madre delDeos.
tamaito
I lena de Figueira e Lisboa, em ancoras de
8 a 9 cauadas, por 285000.
Dito em pipa a 35000, 35500 e45ooo a ca-
ada
dem do Porto, denomiuado Baliza, a 55 a
caada.
dem idera em garrafes a 25500, com o I
garrafo.
dem de Bordeaux, das melhores marcas que Blido^ue venden o seu cstabelecimento
vem ao mercado, a 65 a caixa e a 640 rs. charutos da ra estreita do Bosario n.
I Para particulares.
Xo primeiro armazem da escadinha,
pssando a ponte, esquina da ra da Ca-
dia, vende se o seguinte :
Vfillio em saceos de 24 cuias a i. *^
Feijo dem dem a :t>. M
~ wmmmsm mmmm
= Jos Antonio Pereira declara ao pu-
de
16
, i. n P 1 A e ab "a rua d0,QUl(,ma.d0 n- & um armazem de molhadw denominado Ciarm Ommeraal.
onde o ri^peitavel publico encontrara sempre um completo sortimento dos melhores gneros que vem ao nosso mercado, osquaes
serao vendidos por precos mudo resumidos como o rcspeitavel publico veri pel.i tabella abaixo mencionada : garante-se obom oeso
e boa qualidade dos gneros comprados neste armazem.
agarrafa. ao Sr.lAntonio Monteiro da Cunha em 27
Vinagrede Lisboa a 15600,158oo e 25000 a de dezembro de 1863, e acha-se hoje na
caada. rua Noia n. 4 ofierecendo aos seos bene-
Idem idem,em garrafes com 5 garrafas, por vo'os freguezes as boas qualidades de cbaru-
15 com o garrafo. tos abaixo mencionadas, como sejam
Vinho de caj a 15 a garrafa. Este vinho Nbrmas|de Ha vana.
tem dez annos.
Barricas de breu com 8 arrobas, de superior
qualidade na roa da Cadcia do Recife n. 66 A,
oja^lde ferrageng de astotj

5
Vende se o enirenho S. Manoel, sito na fre
gnezia do Itio Formoso, e margem do rio Seri- *-
nhaem.o qual demarca com os engenhos Cacboei-1 ^
ra, Changoi e Gamelleira, me com agua e muito tz
copeiro, lem capacidade para safrejar 2.S00 paes: SC
annuaes, e se acha qnasi todo em mata virgem, C
distando do embarque l|2legoa: quem pretender,
dirjase rua do Vigano n. S, que achara com
quem tratar.
Cal de Lisboa
ehegada ltimamente ; na rua do Vigario n. 19,
primeiro aedar.
Lavas de pellica.
Chegaram para a loja d'aguia branca, rua do
Queimado n. 8. 1
b3 ai
a.

B-
So
ce

S
r
O
(V
B
2.
%
B
o
O.
i
GO
P-i
Ct>

O
Mississipt.
Almirantes.
Exposicjo.
Conquistadores.
Intervalk s.
Tritimph; mtes.
Melindres.
Flor de Flix.
Suspiros.
Guanabaras.
Delicias.
Parisienses.
Havana c Outras muitas (jualidadesquedei-
xa de mencionar.
ATTEV^AO.
|tc Cambraia de cor de superior qualidade a 240 rs.
o covado la.-ninlias para vestido de ricos gostos a
O o covadoi: s na rua do Queimado n. 43, es-
quina que volla para a Congregacao : cst-se aca-
bando.
Arroz do Maranbao, da India e Java a 80 e
l'H) rs. a libra e 25400 a 25800 rs. a ar-
roba.
Ameixas francezas em latas e em frascos a
15200 e 15600.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpista a 160 rs. a libra e a 45500 rs. a ar-
roba.
Azeite doce francez muito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa.
dem de Lisboa a 640 rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
Avelas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Batatas muito novas a 40 rs.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
15300 ris.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 25 rs.
a lata.
Ditas inglezas muito novas a 35000 a barri-
quinha e a 200 rs. a libra.
Banha de porco refinada a 440 rs. a libra e
eembarrila 4<6 rs.
Cha hysson, buchin e perola a 15600, 25,
25500, 25800 e 35000 a libra.
dem prelo muito superior a 25000 rs a li-
bra.
Cerveja prela e branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
e 55800 a duzia.
Cognac inglez fino a 900 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco.
dem, so de pepino, a 720 rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricante; da Babia
e especialmente da fabrica in portal de
Candido Ferreira Jorge da Costa, a 15800,
25000, 25200, 25500, 25800, 35000 e
35300 a caixa.
Caf do Bio muito superior a 260, 280 e
300 rs. a libra e 75500, 85 e 85500 rs. a
arroba.
Chouricase paios muito novos a 800 rs. a Palitos de dentes a 120 rs.
_ llbra-, dem de flor a 200 rs.
Cevadmba de Franca muito superior a 220 Palitos do gaz a 3)91300 rs. a groa.
rs. a libra. Pusu muito novas a 480 rs. a libra.
Levada a 80 rs. a libra.
a
Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lata.
dem seccas muilo novas a 200 rs. a libra.
Figos de comadre e do Douro em caixinhas
de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a
15800, 55500 e 280 rs. a libra.
Farinha do Maranbao a 120 rs. ;i libra.
Farinha de trigo a 120 rs. a libra.
Peras seocas muito novas a 600 rs. a libra.
Painco a 200 rs. a libra.
Queijos damengoa do ultimo vapor a 25400
ris.
dem prato a 640 rs. alibra.
Sardinhas de Nantes a 32" rs.
Sag muito alvo a novo a 260 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320rs. a libra.
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD1''''0'08 (le ,impar facas a 140 rs.
a 560 rs. o frasco e 65200 rs. a frasquei-
ra.
dem emgarrafes de 3 e 5 galocs a 5#SO0
e 75500 cada um com o garraf5o.
Gomma do Arccaly a 80 rs. a libra.
Graixa a 100 rs. a lata e I5I0O rs. a duzia.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa.
dem, qualidade especial c garrafas muito
grandes, a 15800rs. agarrafa.
dem garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, garrafa forma d pera e rolha de vi-
dro, a I50OO rs., s a garrafa vale o di
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
barrada de pouco a 800 rs a libra, e de 8
libras para cima se far urna difierenca.
dem franceza muito nova a 560 rs. a libra,
e em barril lera abatimento.
Massa de tomates em barril a 480 rs. a li-
bra.
dem em lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melhores conserva-
ros de Lisboa a 600 n. a lata,
Marrasquinbo de Zara, frascos grandes, a
800 rs.
dem regular a 500 rs.
Massas para sopa : macarro, talharim e ale-
tria a 480 rs.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Peixe em latas preparado pela primeira arte
de cozinha a 15 rs. a lata.
Palitos de dentes a 160 rs. o masso.
Villas de carnauba pura a 360 rs. a li-
bra.
dem stearinas muijfi superiores a 600 rs. a
libra.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste genero e de varias marcas, como
sejam : Velho de 1815, Duque do Porto.
Madeira, t). Pedro, D. Luiz 1, Maria Pa,
Bocage, Chamisso e outros a 800, 90o e
15000 a garrafa, e em caixa com urna du-
zia a 05000 e 105000.
dem em pipa, Porlo, Lisboa e Figueira a
480, 500 e 560 rs. a garrafa o 35, 35500
e 45 a caada.
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa,
dem de Bordeaux, Medoc e S. Juliena 700
e 800 rs. a garrafa, e 75000 e 75500 rs.
a duzia.
demMorjjaux cChateauluminide 1854, a 15
a garrafa.
dem moscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e
10200 rs. a caada.
Kirsk gana/as muito grandes a 15800 rs.
Alm dos gneros cima mencionados te-
mos grande poigSo de outros que deixanos
de mencionar, e que tudo ser vendido poi
pecas e carnadas, tanto em porces como i
retamo.
Quem comprar de 1005000 para cima le-
ra o abate de 5 por cento.
-<-.




4
Diarlo de i-e mamoneo Sexta felra 5 de Feverelro de iSnl.
ATTENCAO
9 i %it<-o m* v.xnmt 9
GRANDE SORTIMEXTO

ARMAZENS
PC3
db:
PROGRESISTA
RA DAS CHUSES W. 30
i:
RA DO CRESPO N. 9
\o bain-o de Saato Antonio.
PECHINCHA
e MIO KlflffjL IBOI YE
ARMAZEM
O fliAHUO 11% JI'EAII A IO
0.
PARA A FESTA.
lo-iquiii doN (iones de Monza sefentiiea a seus numerosos fregu
zes e ao publico em geral que acaba de estab'-l.ver um aoio armazem fie mol hados
ra do Creipo n 9, aonde se encontrar sempre os melhores gneros de estiva, que
se venderiio a retalho e por atacado, por menos dos que se venderem em or.tra qualquer
parte, afija ncando-se aquellas pessoas que omprarem nestes armazens a superior qua
iidade de gneros, precos commodos e bom acondicionamento.
O aipiazem da ra do Crespo situado no mclhor local desta cidade com e as-; praca, de engenho e lavradores pan que mandem suas relacoes para serem despachadas
scio que de necessidade manter-se com estes estabelerinientos, faz crer a seu pro- no armazem do Progresso do largo da Penha n. 10, afim de verem a grande vantagem
Francisco remandes Uarte dono deste muito acreditado armazem
de molhados, acaba de receber neste ultimo vapor os mui desejados gneros escolhidos
por elle na Europa, todos muito proprios para a festa os quaes est resulvido a vender por
| precos baratissimos como vero pela seguate tabella, e mesmo pede a \stios os Srs. da
DUARTE & C.
Participam aos seus numerosos freguezes e ao publico em geral que acabam de
ter de sua propria encommenda, o mais lindo e completo sortimento de molhados,
os quaes vendem por grosso e a retalho por menos 10 por rento do que outro qualquer! lihra.
annuncianle, como vero pelaseguinte tabella que abaixo notamos, garantindo os mes-; dem uxi
mos pro)rietaros nao s o peso como a qualidade de seus gneros.
AVISO.
prietario, qijie ninguem deixar de sortir-se n'um estabelecimento aonde se ?i
ceridade, para ir-se comprar aonde se nao offerecem tantas vantagens.
Seni
cidade, nao
encommend;
que tiram, tanto na superioridad.? dos gneros como nos precos asss resumidos,
os Srs. que nao poderem vir poderSo mandar seus portadores ainda que nao tenham pra-
e- este armazem no verdadeiro ponto de partida para os arrabaldes desta *> que sero to bem servidos como se viessem pessoabnente.
ser dilficd quelles see.hores que tem de partir nos mnibus darem suas | O interesse que tira o propietario deste acreditado armazem, j deve ser bem co-
s neste armazem, que sempre Ibes offerecer os mais agradaveis gneros. nhecido pelos seus numerozos freguezes, pois simplesmente consiste em servir bem e ga-
Ch perola i e especial qualidade a 2,8oo rs
a libra,
dem hysson multo superior a 2,7oo rs. a
Bolaxinha de soda e lunch em atas grandes nhar pouco, afim de conseguir a eontinuacodaquellas pessoas, que a primeira vez s dig-
a 2,ooo rs. cada lata.
narem honrar o seu estabelecimento.
iixiin a
dem hysson
dem dem a
2,?>oo rs. a libra,
a 2,3oo rs. a libra.
2,ooo rs. a libra.
dem preto te qualidade muito especial a Ceneja das melhnros marcas dD nosso mer-
Cognac de superior qualidade 8oo rs. a gar- Queijos flamengos chegados neste ultimo
rafa. vapor a 2,ooo rs.
dem muito superior a l.ooo rs. a garrafa dem do vapor passado a l,8oo rs.
Caf a 28o e 32o rs. a libra, e a 8,ooo e'Idem prato muito novos e de superior qua-
9,ooo rs. a arroba. ''dade a 4oo rs. inteiro, e a 5oo rs. a
2,ooo rs. a
dem dem u
Todos o senkores que comprarem para negocio ou casa particular de 100$ para
cima teriio mais 5 a 10 prr cento de abatimento, os proprietarios scientiGcam mais que champagne
todos os seus gneros sSo recebidos de sua propria encommenda, razSo esta para pode, rs a garrfa e ,8ooo rs~0 gigo rs a duzia
r por muito menos do queoutro qualquer estabolecimento. _^ ^ ^ J dem inferior a lo.ooo rs. o gigo e l.ooo rs.! Doce em calda a i>oo rs. a Lita.
libra,
cado deS.ooo a 6,ooo rs. a duzia, e 5oo Doce de goiaba fino em caixoos com 2
rs. a garrafa. l'bras por 6oo rs.
libra.
ferior a l,6oo rs. a libra,
melhor neste genero a 1 5oo Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e 8.600 dem mais baixo a 54o rs.
Manteiga ingleza flor a mais superior
Mnitnga inglesa flor a 800 rs. a fibra.
Ca.lanhas muito novas a 2,ooo rs. a caixa, e
:i 160 rs. a libra.
H 1 hho francez e em caixinhas de 7oo a
l.5oo rs. cada urna.
dem franceza a mais nova do mercado a 56o
rs. a libra, e 54o rs. em barril.
dem de porco refinada muito alva 46o rs.
a libra.
i ito para fianbre a 800 rs. a libra.
1 uxim niiudinho viudo de conta propria,
o meb or do mercado a 2,800 rs. a libra.
Llera hvson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a U
dem perola o melhor que se pode desejar a
2,7oo rs. a libra.
Mera preto muito fino a 2,5oo rs. a libra.
dem mais baixo pouco a 2,ooo rs. a libra.
1 mais baixo a l,8oo rs. a libra.
Vinlio de Alto Douro viudo do Porto engar-
rafadlo garante-se a superioridade deste vi-
nho. d ts seguintes marcas : Duque. Ge-
nuino, velho secco, especial lagrimas do-
l 1819, vinho especial D. Pedro V.,
vinho remo, Nctar superior de 1833, Du-
i(\ Porto ib' 1834. vinho do Pono vo-
ltio superior, madeira secca de superior
qualidade, vinho db Porto superior D. Lu-
1/. l.ce 1847. lagrimas do Douro espe-
cial, vinho ilo Porto de 1,00o a l,2oo rs.
a garrafa e de lo,ooo a 14,000 rs. a caixa
com urna duzia.
1a de soda especial encommenda e a
ni i\ a que ha no mercado a 2,2oo rs. a
lata.
I Bootl is inglezes das melhores marcas em'
440 rs. a botija, e em duzia ouembarrica
ter abatimento.
Massas para sopa maearro, talharim e aletria
a 48o rs. a libra e em caixa ter abati-
mento.
I i
do
mercado a 72o rs. a libra.
Araruta verdadeira a 32o rs. a libra.
Farinha do Maranhao muito alva e cheirosa
a 12o rs. a libra.
Sag muito novo 24o rs. a libra.
Sevadinlia de Franca a 2oo rs. a libra
Sevada rauto nova a loo rs. a libra.
Cominhos, ervadoce e pimenfe do reino a
36o rs. a libra.
Genebra de Hollanda a 5,5oo rs. a frasquei-
ra com 12 frascos, e a retaluo a 5oo rs.
cada um.
Vellas de carnauba e composico de 32o a 1"" a~ga7rafa" i dem de goiaba em caxas e diversos tama- dem de segunda qualidade a 64o rs. a libra. dem em botija hamburgueza a 4oo rs.
36o rs. a libraede lo,ooo a 11,000rs. a'chocolate francez,hespanhol e portuuez a; nhos e de diversas qualidad;s de 64o a.Manteiga franceza de primeira qualidade a Genebra de laranja a l.ooors. os frascos
arroba. a 9oo e 1 !oo rs a libra l.ooo rs. cada urna. 56o rs. a libra, e 52o rs. em barris ou grandes.
Genebra de Hollanda em. botijas de conta a' Charutos do's melhores fabricantes da Babia Emilias francezas muito novas de 48o a 61o meios. Vinho de caj o melhor que ha no mercado
Cha perola neste gnero nao ha na la a de-i a l.oco rs. a garrafa,
sejar, e de especial qualidade, mandado Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groza e 2o rs.
vir de conta propria a 2,8oo rs. a libra. a caixinha.
ede qualidades, especialmente escolhidos, r>-
de 2,ooo a 4,5oo rs. a caixa. dem portuguezas a 72o rs. a lata.
Farinha do Mftranliao muito alva a 14o rs. a dem seccas a 2oo rs. a libra,
libra Vassouras do porto com arcos de ferro a 32o dem huxim o mclhor do mercado a 2,6oo, dem de dentes lixados a loo rs. o maco com
. 1 dem de ararlita verdadeira a 4oo rs. a libra.! rs. cada urna. rs. a libra. ; 2o macinhos.
em estrelhnha, rodinha e pevide em caixi- Vmho do A|l() DoUro engarrafado o os mais Velas de espermacete da mellor qualidade. dem de segunda qualidade a 2,ooo rs. a Emilias seccas chegadas neste ultimo navio
nhas de 8 libras, muito bem enfeitadas de1 bem escolb dos, lagrimas'do Doro D Pe- a 600 rs. a maco. Hura. | a 16o rs. a libra, e em porco se fazaba-
2,5oo a 3,500 rs. a caixinha e a 600 rs. a fQ v> n ^uiz ^ ,)u enuilK) 'Nectar dem de carnauba e composico a 32o e 36o dem hysson muito superior a 2,5oo rs. a li- timento.
libra. I superior, Mahasia fina, Bastardo, outros' rs. a libra e lo,ooo rs. a arroba. | bra. Banha de porco refinada a 48o rs. a libra e
Doce de goiaba em caxas de diversos tama- a ll.ooo e 12 000 rs a duzia e 1 000 rs Tijolo para I impar facas a 14o rs. cada um. dem preto homeopathico muito fino a 2,ooo
nhos de 600 a l.ooo rs. o caixao
S.abo massa de 2oo a 24o rs. o melhor, em
caixa ter abatimento.
dem hespanhol a 28o rs. a libra.
I'eixe em latas muito novo ; savel, pescada,
corvina, salmo e outras militas qualidades
preparada de escabeche 2. a arte de cosi-
nha de l,2oo a l,8oo rs. a lata.
Ilgoa em caxas de 1 arroba, e 8 libras
a 8,000 4,000 e 2,ooo rs. a caixinha.
Barris do vinho branco de quinto, marca B
& Filho a *>().ooo rs. o barril.
Ilainwnda imperial dos mdhores conservei-
ros de Lisboa a 64o rs. a Utinhade 1 libra,
ha latas de 1 Sea libras.
Massa de tomate em latas douradas de 1 libra
a 64o rs. a lata.
Ameixas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas de l,5oo a 3,000 rs. a
caixinha, tambera ha latas de 1 '/* a 6 li-
bras de l,2oo a 4,5oo rs. a lata.
dem em frascos com lampa de rosca a l,6oo
i rs. o frasco.
l-il:i.h;isde 2 libras a 1.3oo rs. a lata. chocolate portnguez hespanhol, francez e
IJui um ezes craknel em lats de 5 e / libras. susso a i00 rs. a libra,
de 5,( 00 a 6.000 rs. a lata, e em libra a,(;onservas iogfoaa das segumtes marcase
1 rs- J Mixde-Picles e cetollas simples a 75o rs
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor j 0 frasco.
aS.Scors. cada um. jAncorctas de vinho polares a 5o,ooo rs., e
Id .n prato a 7oo rs. a libra. a 70 rs a garraf
Vinho ena pipa das mais acreditadas marcas Sardinbas de Nantes a 32o rs. a latinha.
nio sejamBA F., PRH, JAA, ontras Charutos das mata acreditadas manas de
42o rs. em barril.
militas marcas. Porto, Lisboa e Figueira ;
><>o, 56o. 64o e 800, rs., e o do
Porto lino em garrafa, e em caada a
3,oo" :;,i"n, 4,000 e 6,5oo rs. o melhor
do l'crto.
dem Bordoaux das mais acreditadas marcas
a garrafa, e a 8,000 rs. a caixa.
Garrafbes rom ?i garrafas de superior vinho
do Porto a 2,2oo rs. com o garrafo.
arrala de vinho da Figueira inais
proprio para a nossa estaco por str mais
cu a 2, loo rs. com o garrafo.
M. m cora 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
mogarralao.
Vi. 1 o mais superior que vem ao
nosso mercado a 5Gors. agarrafa, e a
i.3oo rs. a caada.
Ni irmacate as melhores neste ge-
nero ile 56o a 64o rs. o maco, e em cai-
u i r grande abatimento por haver
grande porco.
Aaei i'm barril muito fino a 64o rs.
a garrafa e 4,8io a caada,
dem francez refinada a 800 rs. a garrafa.
Ki -illia;, francezas e purluguezas a 64o rs. a
lata.
I! icetas eom doces seceos de Lisboa de 3oo
a 3,5oo rs. cada una.
Toucinho deLisboa a 3oo rs. a. libra, e a
9,000 js. a arroba.
Mozos muito aovas a Wo rs. a libra e 4,800
rs. a arroba.
Caf de I-.*, 2.a e 3." qualidade de 26o, 3oo
e 36o rs. a libra, doCeara de 7,800, 8,600,
1.2 10 rs. a arroba do melhor.
\rroz da India, Java eMaranho de 2,800 a
1 a arroba, ede 80 a loo rs. a libra.
Passas muito novas a 8,5oo a caixa e 5oo
a libra, ha c.aixas meias e quartos.
Franca a 24o rs. a libra.
'i muito novo a 28o rs. a libra.
2,5oo a 4,000 rs. a caixa.
Champagnhe a melhor do mercado de 12,ooo
a 24,ooo rs. o gigo, ede I,ooa2,ooors. a
garrafa.
Papel greve pautado ou liso a 3,5oo rs. a res-
ma.
dem de peso pautado ou lizo de 3,5oo a
4,000 rs. a resma.
iomma muito fina e alva a 80 rs. a libra.
\lilho alpista e Manso de 16o a2oo rs. a li-
bra.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a grosa e 2oo rs. a
duzia.
Vasos inglezes de 4 a 16 libras vasios, muito
proprio para deposito de doce manteiga
ou outro qualquer liquido de l,ooo a
3,ooo rs. cada um.
Licores das melhores marcas e mais finos
a l.ooors. a garrafa e em caixa ter abati-
mento.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa
e lo,5oo rs. a caixa.
Choarieas as mais frescas do mercado a 800
rs a libra.
Genebra de laranja em frascos grandes a
l,ooo rs. o frasco.
Serveja d mais acreditadas marcas de
R.Soe a 8,800 a duzia e de mais a 5oo rs.
a garrafa.
dem em botijas e meia, sendo preta da
muito creditada marca T de 6,5oo a 7,8oo
rs a duzia.
Ceblas em mullios grandes a 800 o molho
640 o cento, e a P.500 rs. a caixa
Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
Farinha do Maranbo a 14o rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 16o rs. cada um.
Cominho a 4oo rs. a libra.
Erva doce a libra.
Canella a l.ooors.a libra.
Batatas a 1,00o rs. o gigo com 32 libras liqui-
das e 3,ooo rs. a caixa.de duas arrobas.
a garrafa.
dem Cherry je Madeira a l,5oo rs. a garra-
fa e 16.ooo rs. a duzia.
dem Bordeam de diversas marcas de 8,000
a lo.ooo a jluzia, e 800 rs. a garrafa.
Bolaxinhas americanas a 3,ooo rs. a barrica,
e 2oo rs. a libra.
Batatas muito novas a l,ooo rs. o gigo, e 60
rs. a libra.
Banha de porco refinada a 48o rs. a libra, e
em barril a 44o rs.
Vinho em pipa de Lisboa, e Figueira, de3,ooo
a 4,000 rs. a caada, e 5oo rs. a garrafa,
dem de Lisboa em ancoretas de 8 a 9 cana-
das por 27.000 rs.
dem do Porto muito especial a .Voa rs. a
caada e 72o rs. a garrafa.
dem em garramos com 4 '/i garrafas por
2,5oo rs. com o garrafo.
Vinagre de Lisboa muito superior a 2,ooo
rs. a canaca,
dem mais baixo a l,5oors. a caada, e 2oo
rs. a garrafa,
dem em garrafoes com 4 garrafas por
1.2oo rs. tom o garrafo.
Manteiga ingleza a 600, 7oo, 800 e 9oors. a
libra de primeira qualidade.
dem franceza
a 6oe rs. a
a 56o rs a libra em barril, e
retalho.
Ameixas francezas em caixinhas com ricas
estampas ro exterior de l,2oo a 2,ooo rs.
cada urna.
dem em frasco de vidro de diversos taa-
nnos a l.Soo e 2,5oors.
dem em latas de 1 l'2e 3 libra a l,3oo e
2,3oo rs. c; da urna, e a 800 rs. a lihra.
Figos de com; dre em banzinhos de folln pro-
prios para mimos a 1,600 rs. cada um.
dem em caixinlias de folln a 32o rs.
dem em eaixas grandes a 2oo rs. a lihra.
dem em latas ermeticameoto lacradas de
l,6oo a 3.1100 rs.
o Maranhao a 80, loo e '12o
Arroz da India
rs. a libra.
Amcndoas de
rs. a libra.
AzeHonas supi
:asca mole muito novas a too
Toucinho de Lisboa e Santos a 3o rs. a libra. rs. a libra. i Vmho branco de superior qualidade proprio
Sevada muito nova a loo rs. a libra. Bolachmba de soda chegada neste ultimo para missa a 64o rs. a garrafa.
Peixe em latas grandes, savel, pescada, cor- navio a 1,35o rs. a lata, deste genero ha, Ameixas francezas em caixinhas elegante-
vina, e outras qualidades a l.ooors. cada grande porco e de differentes marcas, mente enfeitadas com ricas estampas a
la(a_ que se vendem todas pele mesmo preco a
Papel greve pautado e liso de 3,ooo a 4.000 vontade dos compradores.
rs. a resma. em em latas grandes a 2,000 rs.
Passas milito novas a 8,uoo a crixa e 48o rs. dem propria para lanche em latas grandes
a libra. a l,9oo rs.
Palitos lixados para dentes a I o rs. o maco. Marmelada imperial dos melhores fabncan-
Idem de flor a 2oo rs. o maco tes de Lisboa a 64o rs. a libra.
Prezunto para fiambre inglezes e americanos Frutas em calda em latas de l.ooo a 5oo rs.,
a 83o rs. a libra. n&>te genero ha diversas qualidades a es-
Idem do Porto a 48o rs. a libra.
Queijos prato de 48o a 600 rs. i libra,
dem londrinos os melhores que se encontram
neste mercado a 800 rs. a libra.
Id.
l,2oo, l,5oo e 2,000 rs. cada urna.
dem fr;mcezas em frasco de vidro com lam-
pa do mesmo contendo 1 '/ libra a 1,290
rs. s o frasco val quase o dinheiro.
dem em latas de 2 libras por l,4oors.
a retalho, e a 800 rs. a libra.
Figos de comadre muito novos em bahuzi-
nhos muito proprios para mimo al ,28o rs.
dem
tm flamengos vindos no ultimo vapor de Serveja das melhores marcas que v
2.800 a 3,ooo rs. mercado a 5oo rs. a garrafa e a 5,
duzia.
Sardinbas de Nantes muito novas a 32o rs.
a lata.
Sag muito novo a 2oo rs. a libra,
dem muito superior a 28o rs. a libra.
Salan maca de diversas qualidades a 2oo e
. 24o rs. a fibra.
dem inferior de 12o a 18o rs i libra.
Genebra de Hollanda em frasqueiras a 6,5oo
rs.
dem hamburgueza em ditas a5 800 rs.
em caxas para retalho a 16o rs. a
eolher. libra.
Champanha superior das marcas mais acre- Passas le carnada a 48o rs. a libra e em
(litadas a I,5oo rs. a garrafa e 15,ooo rs. quartD com 8 libras por 2,5oo rs.
o gigo. Bolaxinhas inglezas de superior qualidade a
em ao 2,000 rs. a barrica, e a 2oo rs. a libra.
000 rs., Chocolate francez o melhor que se pode de-
sejar neste genero a l.ooo rs. a libra.
a
dem preta superior a 060 rs. a garrafa e a
5,4oo rs. a duzia.
Vinho Bordeaux de differentes marcas, e as
melhores do mercado a 7.000, 7,5oo e
8,000 a caixa com urna duzia, e em gar-
rafas a 64o, 7oo e 800 rs., garante-se a
boa qualidade.
dem Figueira de superior qualidade a 48o
rs. a garrafa e 3,5oo rs. a caada.
dem de Hollanda em garrafoes grandes a dem de Lisboa a 2.8oo rs. a caada e 4oo
rioresa l,2oors. o barril.
Alpisla a 14o ifs. a libra e 4,600 a arroba.
Letria a 4oo rs
Biscoitos e bi
5,3oo cada um.
dem em botija a 4oo rs. rs. cada urna.
(anafr.es vasios de diversos tamanhos a5oo,
64o e I,2oo rs.
Gomma do Aracaty a loo rs. a libra.
Graixaa loo re. a lata, e 1,2o:) rs. a duzia.
Lie TOS fiaos francezes em garrafas e fras-
cos de diversos tamanhos de 600 a 800 rs.
cada um.
Marmelada imperial dolidos os conservei-
ros de Lisboa a 64o e 700 -s. a libra.
.Massa de tomate muito nova a 64o rs.
libra.
Marrasquino de Zara a 64o rs. o frasco.
dem i'in raseos greadoa a 800 rs
Cominhos muito novos a '00 rs. a libra.
Erva-doee a 24o rs. a lihra.
, Pimenta a 36o rs. a libra.
Ciavo da India a (ilo rs. a libra,
a libra. Cannella a l.loo rs. a libra,
lachinhas inglezas as ultimas Alfazema a 2oo rs. a lihra.
chegadas ao nosso mercado a l,2oo e 1, loo Sal refinado era frascos de vicro a 600 rs.
s. cada lata, | o frasco.
ATTENCAO
O propietario dos anrawnnit 4o Bwgresstata jamis dentara deofferocer aos seu
freguezes tudo o que for preciso para que sejam bem servidos, e como a festa se aproxi-
ma ptima 1 occasio dos seus freguezes experimentarem a rcalidade, que nunca dei-
axr de ser m; nlida pelo proprietario destes armazens.
FAZENDAS BARATAS
S7--MJA DO QUEI9IA1MI*9
Custodio, Carvalho A C.
I (.unliraia? organdys indianas pelo baralissinio prejo (le 300 rs. o covado ou
$jg 00 rs. a vara.
Grande .sortimento
I los mais linos UalSes do arcos para senhora e olo barato preeo de 3i5 cada um, ditos de ma-
apolao para meninas a 2,5500.
\ovlilale
Os mais lindos e mai~ finos r modeWios cortes de lia com ricas barras, tendo cada corle
jf '"v:il'"s '' l"'' l'aratissimo prc^o de 20jt.
de linhovara a -'iOO rs.
M '11 nas laazinlias para vestido o covado a ViO rs.
mmm mmmmmm mmmmmmmmm
Cal de i.isbou e potassa da
Ilnssla.
GAZ GAZ GAZ
or preco rednzldo.
Yi'Mi.'--..- gM da mclhor qmlithde pew
Id5 por lata de "> gales: no ar-
tes ilo Hamos n. 18 e ra do eg^mos, e se vendem a pro?.') mais barato do que
trapiche POVO n. 8. ntra qualquer'parte.
Vende-se na ra da Cadeia do Rocife n. 2fi. para
onde se tmidon i> antiiio o acreditado deposito di
nema ran, ii, ambos ns peero s novse
Lo a do beija-flor.
"lleias rnias para lioim 111.
Vendem-se nejas crau para liomein a i5 a du-
zia : na ra do Quiimado, loja do beija-ilur nume-
ro 63.
Meias para senhora.
Venten-M noUl para senhora a 35200, h& e
i5500 a duzia : na ra do ijueimado, loja do bei-
ja-flor n. 63.
Traiu-hilia para enfeites.
Vndese trancinlia para enfeites de vestidos ou
roupa de meninos, que Umbeo serve para enfeitar
eamisinba de teotra vende-se tranca branca
com io varas a 800 rs. a peca, com 20 varas a (100
rs., com 10 varas a 20'0 rs. : s quem tem na
loja da beija-flor da ra do Qiieunndo n. 63.
Trsouras finas para 1111I1.1 c cuslura.
Vendem-se lesouras finas para unlia e costura a
400, 500 o 6iO rs., ditas para costara a 800 1 s. :
na ra do Queimado, loja do beija-llor n. 63.
Facas c yarfos.
Vendem-se facas e garfos oi lavados a 2,5800,
dilasciavadas a 3,5, ditas de cabos pretos a 3tfJO0,
dita.- de cabos de l)alanco com 2 boloes para mesa
a 64200 a duzia : na ra do Queimado, loja do
beija-flor n. 63.
Esrovas para denles.
Vefldem-se (Motas para denles muito finas a
120. rilo, e oUO rs. : na roa do Queimado, lija do
beija-flor n. 63.
CaKiiilias rom grampas.
Vendem-.-e caixinhas de prampas a 40 rs. : na
ra do Queimado, loja do beija-lloi n. 03.
C.olarinhiis para lioninn.
I.aa para bordar.
Vcnde-se laa para bordar, de div r-a- eores, as
inais lindas que se pode encontrar a f>5-'iOO : s
quem vende por este preco na I ija do beija-llor
da ra do Queimado n 63.
Filas para debrum dr vc-liilos.
Vendem-se filas para ilcbnim di vestido de laa
pretas bordadas, com 10 varas, a 15100. dita de
silla preta a i200, dita de cor adamascada a
1,5200, dita branca de laa com M \aras a 'iixi rs. :
na ra do Queimado, loja do belja flor n. 63.
Tcntes travessns para neninas
Vendem-se petatea travessos dr borracha para
meniua a 400o 500 rs.: na ra de Qootnado, lja
do beija-llor n. 63.
Pajel de diversas qualiailcs.
Vende-se papel amizade a 640 e 700 rs., dito de
cores a 6(Hi rs., dito adamascado a 13, dito liranco
l 900rs., ditn belira domada a !5!00 : na ra do
'Queimado, loja do beija-flor n. 63.
Itoliics te niailreperola.
Vendem-se botos de madrepen la para collele,
ipie tamben servem para casar- de senhora a
100 rs. a abatoadnra : s quem vende por este
drogo i na ra do Queimado, loja do beija-flor nu-
1 mero 63.
1 uvas de Jearn.
Vendem-se lavas de Jouvin pira hornera c se-
ohora, chegadas no ultimo varor : na ra do
.Queimado, loja do beija-llor 11. 63.
rs. a garrafa.
dem do Porto de superior qualidade para
mesa a iO rs. a garrafa, e i.ooo rs. a ca-
ada.
dem fino do Alto Douro da colheita de 1833,
como sejam: D. Luiz, Feitoria velho, Nec-
tar, Carcavellos e Cames em caa de
urna duzia a 9,ooo rs.
Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto
a 1,000 rs. a garrafa e lo.ooo rs. a eaixa.
\ Duque do Porto, Madeira secco, duque ge-
nuino, lagrimas doces a 9oo rs. a garra-
fa e 9,5oo re. a duzia.
Garrafoes com vinho do Porto a 2,2oo rs.
cada um.
Vinagre de Lisboa de superior qualidade a
2oo rs. a garrafa e l.oo rs. a caada.
Azeite doce refinado em garrafas grandes a
800 rs.
dem de Lisboa a 64o rs. a garrafa, e em
caada a i,800 rs.
Presuntos inglezes para fiambre a Too rs. a
libra.
dem de lamego encommenda particular a
48o rs. a libra, e inteiro se faz abatimento.
Toucinho do reino o melhor do mercado a
320 rs. a libra, e eni arroba a 9,ooo rs.
Velas de espermacete de i, 5, e 6 por libra
a 560 rs., e em caixa se faz abatimento
dem de carnauba refinada a 32o rs. a libra
e 9,ooo rs. a arroba.
dem de carnauba pura do Aracaty a ioo rs.
a libra e lo.foo rs. a arroba.
Gomma muito fina e alva a 80 rs. a libra.
CU DE IJSBOl
Macas pira sopa estrelinha, pevide, arroz de
maca a 48o rs. a libra, e em caixa a 2,ooo
rs. cada una, macarraao, talherim, e ale-
tria a 4oo rs. a libra.
Amendoas de casca mole a ioo rs. a libra.
Awlans muito novas a 2oo rs. a libra.
Ervilhas francezas muito novas em tatas
grandes a 64o rs.
dem em ditas pequeas a ioo rs.
Maca de tomate em latas de 1 e 2 libras a
64o rs.
Salmo em latas de 1 11 libra a 800 rs.
Lagostinho em latas grandes a l,4oo rs. ca-
da urna.
Sardinbas de Nantes a 36o rs. a lata.
Cognhac inglez a 800 rs. a garrafa.
Licor francez das melhores marcas do mer
cado a 800 rs. a garrafa.
Batatas chegadas neste ultimo navio em cai-
xa com duas arrobas por 1,600 rs., e 4o
ps. a libra.
Concervaa inglezas a 75o rs. o frasco.
Sal refinado em potes a 5oo rs. cada um.
Mostanla inole.a a 1,000 rs. o frasco.
dem franceza a ioo rs. o pote.
Milbo alpista a 16o rs. a libra e 4,800 rs. a
arroba.
Graixa muito nova em latas grandes a i 20
ris.
Latas com peixe em posta ermeticamente
lacradas das melhores qualidades de pei-
xe que ha em Portugal a l,2oo rs.
Caf lavado de Ia qualidade a 32o rs., dito
de 2' a 28o rs. a lihra e 8,2oo rs a arro-
ba, dito de 3a a 26o rs. a libra e 7,8oo
rs. arroba.
Charutos suspiros dos melhores fabricantes
de S. Eelix a 2,5oo rs. a caixa com loo
charutos.
dem finos de diversos fabricantes a 1,60o.
l,8oo e 2,000 rs. a caixa com loo charu-
tos, Jo preco nao indica a boa qualidade
porra deem-se ao trabalho de' virem ou
mandarem e vero a realidade.
Il/.'i ?/l?f
CONSERVATIVO
DE
JOAQUN SOIAO IMIH SAATON
53-~LaniO do Tereo-23.
O proprietario deste armazem de molhados participa ao publico ea todos em geral
que tem um grande sortimento. de tudo quanto perlencente a molhados, e que tem
um armazem para soinnile nveher os gneros de niaior quantidade. faz suas especula-
rnos 0111 boasquadras, e que sempre pude vender por menos de 10 20 por cento u
que em entra quakpier parte, fjaranlrndoo proprietario qualquer genero sabido do seo
armazem, tanto em peso cuino em .pialidade.
Manteiga ingleza flor mandada vir por conta propria a 8po ro. a libra,
dem franceza, viuda pelo ultimo navio a 560 rs. a libra e 540rs. em barris.
Banha de poico refinada, propria para pastis a 180 rs. a libra, e em barril a 400 rs.
Veudcm-se narrti c..u cal de*-, V*j de espermacete e carnauba do Aracaty a 000 rs. o masso e 400 e 440 rs. a libra.
Vendem-se colar,nhos de Unto para hemom. de ^ vro.eticovia, em ,,e.lra. chega- ,;,f,, l;,vado uo H, do Gea,':i-
dkerao rntos, a 560 e 6>0_ rs. : na ra do Quei-
Diado, loja do beija II,r n. C.'l.
Cravnlas para srnbora.
Vendem-se grvalas para senhora, de diversas
cores. 1 300 rs., 800 fi 15 : na ra do Queimado,
loja do beija-llor n. 63.
lnles de annlin para mani|iiilo.s ir senbora.
Veiiilem-K' boloes de punlio para manguitos de
senhora, do diversos postos, a 200 rs. o par :
rua do Queimado, loja do beija-flor n. 63.
melhor deste genero, a 280 rs. a libra e 8&>oo a ar-
mV^iW0 lV\h\ l'i-Vichen0 Batatas'nevaa en. eaixas com 2 arrobas por 2000, arretalham-se a o rs. a libra.
...T !2 1 ,,uu/iVoUpI Toucinho desembarcado ltimamente a 3oo 1 s. a libia, em banil ou arroba a 8,5800.
!.'aV wiMi-lfJl. (le |4> 2,f 3, e 4a sorte a m)0t um 2)>u(Wf e l4m ., ini|.a
____________________________! A/.eite doce de Lisboa a 600 rs a garrafa, e de carrapato a 280 rs. a garrafa, e caada
Vendcm-so ovas do erfio i unto boas, che- 2000.
na rarm do t:orpo Santo n. 6. a nnSsTTrTlneSIl ft*? verdadeira JeHoJUnda; embotijas, de COOl. certa, mar. a gallo a 3G0 rs.
gadas ltimamente no vapor
larpo do f'.o
& Bcltrao-
.
Milho alpista o mais limpo que ha a 160 rs. a libra a SOOO rs., a arroba.
mm


Diario de Pcrnamhtico Sexta felra de I'everelr de 184.
{
?
UN1AO
1E
COMMERCIO
sr
?Sr
QtJEiKM
Defronte da loja do Pregnlea.
DITARTE AliMEIDA
acaba de abrir o seu grande esortido armazem de moldados denominado Unio e Com-
mercio. Este grande armazem um dos mais bem montados que temos em nossa praca,
nao s cm limpeza e aceio, como as qual: dados especiaos de seus gneros. 0 proprie
ario do Uniao e Commercio ofl'erece todos os senliores da praca. senhores de engenho
e lavradorcs a seguinte tabeHa, por onde vero a grande economa que Ihc resulla em
compnrem em to til estabelecimonto, afiancando o mc>mo todo e qualquer genero
sabido de seu armazem.
Bollinro francez em latas e caixinhas asmis! Erva-doce a ooo rs. a libra,
delicadas que tem vindo ao nosso merca- iCiampanha de 20 a 22,ooo o gigo.
ALLMCA
11111111 I
do de 7oo a 2,5oo rs. a caixinba.
Manteiga ingleza perfeitamente llr, mandada
vir de conta propria, a 7oo a 800 rs, a
libra,
dem ranceza chegada pelo ultimo navio a
56o rs. a libra, e em barril ter abatimen-
lo.
dem ingleza em potos de i a 16 libras a
800 M) a libra e o pote separado,
Cha uxim o melbor neste genero, mandado
Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groza e 2o rs. a
caixinha.
Milho alpista a 16o rs. a libra.
Cominho muito novo a 4oo rs. a libra, e
comprando de 8 libr?s para cima a 32o rs.
Gomma muito alva para engommar a 80 rs.
a libra, eem arroba se far.i abatimento,
Sag muito novo a 28o re. 1 libra.
Sabo verdadeiro bospanhol, que raras vezes
vem ao nosso mercado a 28o rs. a libra
57 RA DO IMPERADOR 57
Na bem conliccida loja que foi do Sr. Flix allaiate.
Paulo Feri'cira da Uva propreUrie deste novo estabelecimento, tendo
chegadoda Europa, aonde escothen um grande'e variado sortimento de molhados, tem
a honra do os oxpor ao respeitavel publico fiesta cidade pelos mais resumidos preons.
Em to ptima oecasifio, por estarme>s prestos a festa de Natal, o proprietario do
grande armazem Allianca ofl'erece aos seus amigos e freguezes que o conbccem desde
quando foi socio dos armazons Progrcssivo e Progressista as maiores vanlagens em com-
prarom em son armazem.
Hoje de novo estabelecido mais precisa da concurrencia de todos estes senhores
ao son estabolocimento. certos de que osla casa jamis deixaro de ser cumpridas as
grandes vantagons por ella offerecidas.
Maraes do lo a 16a rs. cada urna. Bolachinba de soda o lunch em latas grandes
Manteiga ingleza a mais superior noslc ge- a 2,ooo rs. cada lata.
ero a 800 rs. a libra, c comprando de 8 Cognac de superior qualidade a 800 rs. agar-
hbras para cima a 72o rs.. esta a mais rafa.
superior que pude haver. tambemhamais dem muito superior a i,000 rs. a garrafa.
baixas para menos presos. Caf a 28o e 32o rs. 1 libra, e a 8,000 e
dem franceza muito nova a 56o rs. a libra 9,000 rs. a arroba.
mo prego de
<". luja do
'nhos
na l
vir e conta propria a 2,8oo rs, a libra. Vinho branco o melbor neste genero a 800 rs.
dem hysson, grande, muito bom a 2,tioo rs. I a garrafa e 4,3oo rs. a caada.
a libra. Illen* Bordeaux de dilTorentes marcas, garan-
Idem preto muito fino, a 2,600 rs, a libra,
dem preto, mais bato, a 2,000 rs, a libra.
te-se a qualidado, a 8.000 rs. a caixa com
urna duzia, e a 7oo rs. a garrafa.
dem,"verde, miudinho, maisproprio para Garrafos com 5 garrafas de vinho do Porte
negocio, a 1,500 rs, a libra. i do Alto Oouro a 2,2oo rs. com o garrafao.
Banda de porco refinada muito alva a 46o dem com 5 garrafas de vinho Figueira, mais
rs, a libra, e em barril se far abatimento. proprio para a nossa estaco por ser mais
Biscoitos inglezes das seguintes marcas; fresco a 2,4oo rs. com o garrafao.
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travellies. | Mem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
Lunch, Cabin, e outras muitas marcas, a
1,4oo rs, a lata.
Bolachinha de sdo, especial encommenda, a
2,2o-3 rs, a lata.
Biscoito inglez Craknel em latas de 5, 7 e 15
libra!? a 5,ooo e 6,000 rs, e de l,2oo a
800 rs, a libra.
Queijos do reino pelo baratissimo preco de
l,too, 1 8oe e 3,000 rs os do ultimo
vapor,
dem prato muito fresco a 64o rs, a libra.
dem londrino muito fresa a 800 rs, a libra.
Vinhos em pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
48o, 56o, e 64o rs, a garrafa, e de 3,ooo a
4,5oo rs, a caada.
Marmol ula imperial dos melhores consone 1-
ros de Lisboa em latas de 1 e mais libras
a 7oc rs, a libra.
Peras secaas em caixinhas de 4,000 a 2,000
rs. cada urna.
Figos em caixinhas de 1 '/arroba e de 8 li-
bris i 8,000,4,ooo, e 2,000 rs, e a 3oo rs.
a libia, taambem ha serinhas para rnen
nos a 60 rs. cada urna.
Amendoas do casca mole a 30o rs, a libra, e
em arroba tera abatimento.
Sardinbas de Nautes a 32o rs, a latinha.
Toucinbo de Lisboa muito novo a 3oo rs, a
libra e em arroba a 9,ooo rs.
Massa de tomates a 64o rs, a libra.
Pimenla do reino a 34o rs. a libra.
Faada do Maranho a 14o rs, a libra.
Ceblas a 800 rs. o moldo, 64o rs. o cento
e 6,800 a caixa.
Tijollo para Impar facas a Ifio rs,
Ceneja das mais acreditadas marcas de 0,000
a 7,boo a duzia, e de 5oo a Geo rs, a gar-
rafa,
Prezunlo para fiambre muito fresco c novo
a 800 rs. a libra,
Genbni de laranja a l,ooo rs, o frasco,
Choucicas as mais frescas do mercado a 800
rs. a libra.
Cognac verdadeiin ingles a 9oo rs. a garrafa,
e 4o.5oo rs. a caixa com urna duzia.
Licores francezes e portugueses de todas as
marcas do 10,000 a 10,000 rs. a duzia.
Passas muito novas a aoo rs. a libra e a 8.5oo
rs. a caixa. Ha caixas, meias e quartos.
Batatas a 4,000 rs. o gigo com 38 libras e
2,oh 11-celas eom doces teooM de 3,000 a 3,5oo
rs. cada urna.
H lactolina ingleza a 32o rs. a libra,
Azeite francez e portuguez renado a 800 rs.
a gairafa, e 9,ooo rs. a caixa com urna* du-
zia.
Conservas inglezas das seguintes manan:
Mixed, Pickes, e ceblas simples a 800
re. o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes a 4oo
rs. o pote.
Nozes muito novas a 460 rs. a libra e i,800
rs. a arroba,
Vasos ingleses vastos de 4 a 16 libras, muito
o garrafao,
Sabio massa de superior qualidade a 18o,
2oo, e 22o rs. a libra do molhor que ha
Graixa em latas muita nova a 12o rs. a lati-
nha, e l,3co rs. a duzia.
Pewe em latas muito novo : savel, pescada,
curvin, salmo e outras muitas qualidades
preparados de escabexe, segundo a arte de
cozinha, de l,2ooa 2,ooo rs. a lata.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado e eseolhid 1 pessoalmente por um
dos socios que se acha em Portugal, das
seguintes marcas
LOJA BO PAVAO
Cseas puritanas.
m 9lf1ndcm'?e a81jnais m10dernas "" puritanas com bonitos desenhos pelo bmtissi
240 e 280 rs. o covado, por haver grande poreao, pechinoha : na ra da Imperatriz n
Pavao. r
Cassas persianas a 360 rs. o covado.
Vcndem-se as mais bonitas cassas persianas a imit.vao de Ha transparente con
leudos e inteirameate novos, pelobaratiseimo prego do 360 rs. o covado e nao dusbotam
Pavao ra da Imperatriz n. 00.
Gprgurfio de laa a 500 rs. o covado.
Vende-se gorgurao de laa de cor escura propria para vestido de senhora, palelot m
roupa para menino, pelo Larato preeo de 600 rs. o covado : na loja do Pavao ra da Impe atril n. 00.
As colchas do Pavao.
Vendem-se colchas de linho adamascadas com bonitos lavres de cor de rasa azul e i i
pelo baratissimo preeo de 35 cada urna : na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60.
Organdys a 240 rs. o covado.
Vendem-se organdys matisados fazenda muito fina, de bonitos desenhos, pelo bmmima ornea
de 240 rs. o covado : na loja do Pavao roa da Imperatriz n. GO.
As alpacas do Pavao.
Vendem-se alpacas de seda de cores muito fina propria para vestido de lenbora, -oniembar-
ques e roupas para meninos o dita branca muito fina propria para vestidos e paletot-, p,i' un es
to commodo : na luja do Pavao ra da Imperatriz n. 00.
Chitas do Payfto.
Vendem-se chitas escurase alegres fazenda muito fina, padroes modernos e que nao desbotam
pelo barato preeo de 320,300 e 400 rs. -o covado : na loja 4o Pavao ra da Imperatriz n. 00.
As laasinhas do Pavao.
Vcndem- e 54o rs. em barris ou meios.
Peras seccas muito novas a 48o rs. a libra.
Cha perola de especial qualidade a 2,8oo rs.
a libra,
dem hysson muito superior a 2,7oo rs. a
libra.
Mcm uxim a 2,5oo rs. a libra,
dem hysson a 2,3oo rs. a libra,
dem idem a 2.ooo rs. a libra.
Cerveja das melhores marcas do nosso mer-
cado de 5,ooo a O,ooo rs. a duzia, e 5oo
re. a garrafa.
Conservas inglezas a 75o rs. c frasco e8,6oo
rs. a duzia.
Doce em calda a 61o rs. a lata.
Enditas francezas muito novas a G4o rs.
dem portuguezas a 72o rs. a lata.
dem seccas a2oo rs. a libra.
cordaozinho a 200 rs.: na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 00.
Vestidos souembarques.
Vendem-se os mais modernos vestidos a soutembaruie com lindas barras e enMtes para rou-
pinho e mangas, pelo baratissimo preeo de o cada um : na loja do Pavao ra da Imperatriz n. tin
Cortes de laa com barra.
dem pelo de qualidade muilo espwial a Bassouras do Porto com arcos de ferro a 32o
2,060 rs. a libra.
dem idem inferior a I.Goo rs. a libra.
Chocolate francez, hespanhol e portuguez, a
Ooo e l,2oo rs. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
e de qualidades especialmente escolhidos,
de 2,ooo a 4,5oo rs. a caixa.
Farinha do Maranho muito alva a 14o rs. a
libra.
dem de araruta verdadeira a 4oo rs. a libra.
Vinho do Alto Douro engarrafado, e os mais
bem escolhidos, lagrimas do Douro, D. Pe-
dro V, D. Luiz 1. Duque genuino, Nctar
superior, Malvasia fina, Bastardo, e outros
a H.ooo e l2,ooo rs. a duzia e l,ooo rs.
Iho secco especi
: Duque, Genuino, Ve-,,38^;. Matlriraa Soo -. carra.
M, Lagrimas Doces de l 1819, vinho especial D. Pedro V, vinho J* e *6,ooo re. a duzia.
velho, Nctar superior de 1833, Duque do ,dem,Bordeaux,,le wt^ marCaS 5 8'000
Porto de 1834, vinho do Porto velho su-' ? lo,^ a duzia c *?** garrafa-
perier, Madeira Seeca de superior quali- Bolax"'has amer)(,anas a 3"00 rs- ^ barrica-
dade, vinho do Porto superior D. Luiz I' f ,a 2* !* 3 ''bra- ,
de 1847, Lagrimas do Douro, especial vi-, BatataS m",t0 novas a 1'000rs- 0' eCo
nho do Porto, de l.ooo a 1 2oo rs. a car- D ,- a',I)ia- ...
rafa e de lo.ooo a 12,ooo rs. a caixa ?om Baa fiSTJ^ *
urna duzia. T ui ,.- ^o
Vinho cm piqa de Lisboa, e l- igueira, de 3,ooo
Vassouras americanas aSoors. cada urna. 3 4,ooo;rs. a caada, e 5oo rs. a garrafa.
Velas de spermacete as melhores que ha no 'dem de Lisboa em ancoretas de 8 a 9 cana-
mercado a 5Go e G4o rs. o masso, e em i das por 27,ooo rs.
caixa se far nmjgrande abatimento, dem do Porto muito especial a 5,5oo rs. a
dem de carnauba e composicao, de 4oo a caada e 72o rs. a garrafa.
32o rs. a libra, e de lo,ooo re, a H,5oo,Idwii em garrafes com 4 Vi garrafas por
rs. a arroba, a\5oo rs. eun o garrafao.
Lare de Ia e 2f sorte de 8,3oo a 8,0oo rs. a Vinagre de Lisboa muito superior
arroba, e de 28o a 32o rs. a libra do me- rs. a caada.
lhor,
Arroz da India, Maranho e Carolina a 3,ooo,
2,8oo e 2,4oo rs. a arroba e a loo rs. a
libra.
Frasqucira de genebra a 0,800 rs. e a 5oo
rs. o frasco.
Azeite doce cm barril muito fino, a 04o rs.
a garrafa, e cm caada ter abatimento.
Papel greve pautado e liso a 3,5oo re. a
resma.
Genebra de Hollanda em botija de conta a
44o rs. a botija.
Passas corinteas a 000 rs. a libra e 12,8oo
rs. a arroba,
Ervilhas franceza e portugueza a 640 rs. a
lata de urna libra.
rs. cada urna.
Vellas de espermacete da melhor qualidade
a 56o rs. o maco,
dem de carnauba e composicao a 32o e 36o
rs. a libra e 10,000 rs. a arroba.
Tijolopara limpar facas a 12a rs. cada um.
Toucinho de Lisboa c Santos a 320 rs. a
libra.
Sevada muito nova a loo rs. a libra,
l'eixe em latas grandes, savel, pescada, cor-
vina, e outras qualidades a 1,000 rs. cada
lata.
Passas muito novas a lo,000 rs. a caixa e
5oo rs. a libra.
Palitos lixados para dentes a i4o rs. o maco.
dem de flor a 2oo rs. o maco.
Presunto [tara fiambre inglezes e americanos
a 85o rs. a libra,
dem do Porto a 48o rs. a libra.
Queijo prato a 64o rs. a libra.
Idem flamengo vindos no ultimo vapor a
2,oooo e 2,3oo rs. cada um.
Sardinbas de Nantes muito navas a 32o rs.
a lata.
Sag muito novo a 2oo rs. a libra,
dem muito superior a 28o rs. a libra.
Sabo mafa de diversas qualidades a 2oo e
2io rs. a libra.
dem inferior de 12o a 180 rs. a libra.
Genebra de Hollanda em frasqueiras a 6,000
ris.
dem hamburgueza em frasqueiros a 5,8oo
ris.
Idem de Hollanda em garrafes grandes a
a 2,ooo 5,5oo rs cada um.
; dem cm botija a loo rs. cada urna.
; dem mais baixo a 1,5oo rs. a caada, e 2oo Garrafes vasios de diversos tamaitos a 5oo,
rs. a garrafa. 64o e I.2oo rs
Idem em garrafes com 4 'i garrafas por; Gomma do Aracaty a 80 rs. alibra muito alva
l,2oo rs. com o garrafao. Graixa a loo rs. a lata, e l,2oo rs. a duzia.
Ameixas francezas em caixinhas com ricas Licores finos francezes era gairafas e frascos
I cstanpns no exterior de l,2oo a 2,ooo rs. 1 de diversos tamanhos de 6co a 800 rs. ca-
cada nina. da um.
dem em frasco de vidro de diversos tama-1 Marmelada imperial de todos os conserveiros
nhos a l.ooo e 2,5oo rs. de Lisbfta a 600 e Too rs. a libra.
Idem em latas de I I 2 e 3 libras a l,3oo c Massa de tomate muito nova a 64o rs. a li-
\ endem-se cortes de laa com barras maiisadas e enfeites para roupinho e manpas, o< mais li-
nos que existen) no mercado, pelo baratissimo preeo de 18,5 cada corte : na loia do Pavao Ma da Im-
ratriz n. 60.
Os soutembarques do Pavao.
Vemdem-se os mais modernos soutembarques de grosdenaples preto ricamente enii .... os, ditos
de cor de um tecido de laa com seda muito bem enfeitados, por preeo maito commodo : na loja do
Pavao ra da Imperatriz n. 60.
Capas doPavfio.
Vendem-se ricas capas pretas de grosdcnaple bastante compridas, fazenda superior e mais i
derna que lia no mercado, por preeo muito em conta : na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60. '
Crinolinas ou baloes americanos.
Vendem-se baldes americanos os mais modernos por serem muito fortes e bem armados de 20
arcos a 3, ditos de 30 a 3#>00, ditos de 35 a 4. ditos de madapolao francez de diversos tamanhos a
3, ditos de musselina com babado e sem elle podendo-se tirar os reos pelo barato prec<> de 4 e--
MSOO, ditos para menina, de arcos a 28, ditos de musselina a 3 : na loia do Pavao ra" da lmuera-
iriz n. 60.
i
Chapeos de sol do Pavao.
Vendem-se chapeos de sol de seda muito encorpada com rabo de cana e basteas de baleia polo
baratissimo preeo de 65,7 e&8, ditos marquezinhos para ^nliora e meniuas a 500: na loja do Pa-
vao ra da Imperatriz n. 60.
Cortes de laa do Pavao.
Vendem-se cortes delaas malisadas com desenhos muito lindos contendo IB corados cada corto
pelo baratissimo preeo de 75, ditos de cor de caf com palmas matisadas contendo 15 corados cada
corle pelo barato prefo de 65 : na loja do Pavao ra da Imperatriz d. 60.

*sr
Duarte A C., receberam de sua propria encommenda pelo brigue
FUxritida. chegado ltimamente de Lisboa os seguintes gneros todos de pri-
?erem escolhidos pelo Sr. Duarto chefe de nossa casa
daquella praca.
feteU meira qualidade por s<
\^ ltimamente chegado

Venladeiro vinho collares em ancore-
ras de S) caadas a 50,000 e 800
83

rs. a garrafa.
8,3ob rs. cada urna, a a 8oo rs. a libra.
Figos de comadre em eai\inli;is de 4, 8 e Iti
librrs a l,3oo, 2,5oo e 5,ooo rs. cada
urna caixa.
dem em caixinhas de folln a 32o rs
Idem em caixas grandes a 2oo rs. a libra.
bra.
Marrasquino de Zara a 640 rs. o frasco.
dem em frascos grandes a 8oo rs.
Cominhos muito novos a 5oo rs. a libra.
Erva-doce a 24o rs. alibra.
Pimenta a 36o rs. a libra.
libra.
a libra, e em caixa se far
abatimento.
Garrafes com 14 garrafas de genebra de
Hollanda a 5,5oo cada um.
proprios para deposito de manteiga, doce, Charutos de todas as marcas o dos melho-
e outro qualquer liquido, de 1 ,ooo a 3,ooo res fabricantes da Bahia de 3,ooo a 4,eoo
re, cada um, rs. a caixa.
. Toan; o lenoores que comprarem para negocio ou em particular M para
cimater3(. mais S a 10 por /b de abatimento; o prnp, irlario scientilica mti que todos
os seus gneros sao reiebidos de sua proptia encommenda, razao esta para poder ven-
der por muito menos do que em outro qualquer estabeleci ment.
Chocolate francez, hespanhol, suisso e por-: k,em em lalas OTmetimento lacradas de l,oo: Cravn ila India a 64o rs. a libr
tuguezal,ooors. alibra, ca28ors.ca- a 3,ooo rs. Cannella a lloors. a libra.
da pao de urna "4 Arroz da India e HarenkiG a 80, 100 e 12o! Alfazema a 2oo rs. a libra.
rs. a libra, e 2,5oo e 2,8oo rs. a arroba. Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs. o
Ameixas francezas em caixinhas elegante- Amendoas de casca mole muifo novas a 4oo! fraco.
mente eiifeitadas, com diversas estampas rs. a libra. Copos tinos para agoa a 5,ooo rs. a duzia.
no exterior da caixa de 1,500 a 3,ooo rs. Ceblas aovas a l,ooo rs. os molhos gran-. Chouricas novas a 72o rs. a libra.
cada urna; tambera ha frascos e latas de; des e a 7oo rs. o cento. I Mostarda franceza preparada e muito nova
differenles tamanhos que se vendem por Alpista a I le rs. a libra e 4.6oo rs. a arroba. I a 32o rs. cada um frasco.
mdico preeo. Mararrao, talharim 8 aletria muito nova a : Conservas francezas de superior qualidade a
Itaas para sopa: maearrao, talharim e ale-' o, e 48oK f lll'ra-. I 25 S SS *J'TZtl ^'^
tria a 48o re a libra e em paira sp f.ri Biscoitos e bolachmhas inglesas as ultimas Azeite doce a 04o rs. a garrafa.
cltegadas ao nosso mercado a l,2oo e, Sevadinha de Franca muito nova a 2oo rs. a
l,4oo rs. cada lata. I libra.
Vinho branco B i- Filhos, era barris de
quinto a 60,000 e 560 rs. a gar-
rafa.
Vinagre P R 11, em ancoretas de 9 ca-
adas a 18,000 e 2,000 re. a ca-
pada.
Passas em caixas. meias e quarlas a
8,000 4.0OO e 2,000, a 480 a libra.
.v. Peras seceos em caixas de quatro li-
<%& bras o melhor que se pode desejar
a 2,500, e (40 rs. a libra.
.A- Caixinhas de 4 libras e 2 com ameixas
1,000 re. a
gj^ Marmelada propriamente dito de mar-
de 100 latas a 600 rs.
Maca de tomates 1 mais nova que se
pode desejar a 640 rs. a lata eem
caixa de 100 libras a 600 s.
Ei vilha portugaeu a 700 rs. a lata,
c em caixa de 100 libras a 640 rs.
Passas corinthias para pudim a 640
rs, a libras, e 400 rs. comprando de
arroba para cima.
ATTENC&O.
Neste grande armazem de molhados vende-se em grandes poreos e a retalho,
fazendose differensa constderavel a quem comprar de 1005 para cima.
RIVAL
SEM SEGUNDO
GRAGEAS
deGELISe CONT
a 1.500 e 2,500 rs. a caixinba.
Chocolate portugus o melhor que
pode haver de boirhneste genero a
libra.
Nozes as msis novas que se pode di
sejar a 160 re. a libra, e comprara!
em barricas a 4,500 rs. a arroba.
Sebollas em caixas as mais novas
mercado a 6,500 rs. a caixa, a bi
rs. o molho, e a 640 rs. o cento.
Batatas em caixas de 2 arrobas muito ^
novas e grandes a 2.400 rs. a ca.\
Sexlinliascom figos proprias para mi- ^
mos de enancas a 60 rs. cada una :-):-;
e comprando em duzia ter gran,'
abatimento.



m,

Erva doce muito novas a 500 rs. a
bra, e comprando em arroba
10,000 rs.
Cominhos muito novos a 400 rs. a li
bra e 10,002 a arroba.
Licores portuguezes das marcas mais
acreditadas de Lisboa a 1,000 agar-
rafa e 10 a 12,000 a duzia, as quali- '
dades sao as Seguintes ; crenie 1 <
violetis, geroflez, rosa, absinli> \,
peiro, amor perfeito, amendoa araai
ga, percicot deturin, Lolein. D
gos. lim3o, caf, laranja, cidra, gin- />
ga. c;ine!la, cravo, ortela, pimei:'
c outros muitosde qualidades menos '"^
superior que sero vendidos por pn
eos em relacSo as suas quali
Os proprietarios afiancara que estes gneros sao mudo novos e Un
de primeira qualidade, tudo isto se vende nicamente no armazem Uniai
0^i Comraenio na ra do Quelmado n. 7, e largo do Carmo n. 9 armazem 1
gressivo.
Queijos i
do alemlejo, das ilhas e flamcngos, todos chegadi* neste ultimo Mpor. a ..jy^
'"''i 2,500 os flamengos e 800 ris a libra do alemtejo e das ilhas, unicamen- ivi
jg te no armazem Unio c Commercio, ra do Queimodo n. 7 e largo do Car- /
mo armazem progrcssivo.
Kl
\[. J. llamse Silva A- Genrs, tem
para vender em seu escriplorio na rui do
Vigario u. 10, o seguinle :
RiiMS e elegantes pianos.
Algodao da Bahia para saceos c roupa de es-
clavos.
Fio. de algodao para coser e pavio de velas.
Cen de. Lisboa em velas.
Core de Lisboa em grume.
Superiur vinho do Porto eui caixa de urna
du/ia.
dito dito em barris de 5o.
Collada Babia.
Mil VAN
gementes de hortalica.
de ferro
laperial (h uiedkiua
H11.1 do Qiieiiuado ns. 4f e 55,
loja de miudezas de Jos1 de Azcvcdo Maia & C, -._.. .1 1, -
principia o novo anuo a torrar miudezas pelos pre- ,PPro*ail'f' araumia
eos que a todos cansa admirariio, a saber : de rara.
Parea do sapatosdo tranca muito linos a i600. Segundo o relatorio feilo n: academia cm
Chegaram no vapor francez Guiene as novas se-' frascos de oleo babosa dos melhores fabricantes a' 4 Je fevereiro de 1840 pelos Srs profes-
mentes de hortalica na ra da Cadeia do ltecife r-
n. 86 A, loja de ferraiens do Bastos. I,l,ns maioros a 100 e 500 rs.
---------t. -n-r-wrfr ^^-t^. T .----------' frascos d'agna de Colonia muito finos a 400 rs.
i ARirRA FONTANA. Sabonetes muito finos a 160, 200 e 400 rs.
Farinha da muilo acredita ia marca,FrJJj^,Brandes de agaa deLubiD' omc\\m,
Fontana desembarcarla hoje, vende-se Lipis detinta enramada muito finos a 40 rs.
por preco mais commodo do uc cm ^T"vs'.'; lillha ,'.',n I*00 iarda?,a m rs-
Ditos de dita com 400 jardas a HO rs.
.%ozt:s
uua da Madre de lieos ns. o e 9
Vendc-se saceos rom oiio libras o> nozes pelo
barato preeo de 1*000, aproveilem a pechinrha,
sao novas.
PfiHIIHA
Custodio Carvalko Compa-
nkia.
9 9~Riiii do Quelmadof.
Nova laazinhas eseossezris muito lindas, fazen-
da encorpada, propria para vestido? de senhora e
en incinhae, pelo barato prego de 240 cada co-
vado.
marca
vende-se
que cm
qualquer outra paite : na ra da Cruz
n. 4 casa de i\. 0. Bielier &. C. succes-
sores.
Kua da senzalla iVova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a 110 rs., dem de Lovr
Moor libra a 120 re.
baratas para acabar.
Sedas de quadros e de listras a -120 rs. o cova-
do, lindas lias de quadrinbos a 360 o covado, su-
periores cassas de cores a 200 rs. o covado, ditas
muilo finas a 240 o covade : na loja das colnmnas,
na ra do Crespn, l.'l, de Antonio Correia de Vas-
concollos & C.
Frawoe de macass, oleo muito superior, a 100
Dim.is de dedaes brancos em caixas de vidro
390 rs.
Papis de apulbas a balo Victoria a 60 rs.
Banha transparente muito superior a 700 rs.
Dita Japoneza muito fina a 800 rs.
Duzia de tabonetes muito finos a 720 rs.
Papis de agolha com toque de ferrugem a 10 rs.
Crozas de botoes de madrepcrola muito finos a
560 rs.
Pecas de fita de cs, estreitas, com
320 rs.
Novellos de linha branca do paz a 30 rs.
C.arreteis de linha de cores muito fortes a 20 rs.
CartOes e caixas de clcheles francezes a 40 rs.
Botoadnras brancas e de cores rara rolletes a
120 rs.
Frascos de banha, pechineha, a 240 rs.
lionets para meninos, fazenda fina, a 2.
Caixas preparadas para costureirasa l5500, 25 e
.13000.
HassM de grampas lisas e finas a 30 rs.
LOBOS
da fabrica
de Santo Antonio no Porto, proprios para jdini e
46.
Vender.i-se globos de barro vidrau?
e Santo Antonii
frentes d< casas : na rua do Amorim n
Kua da Scazalla n. 42.
Veru\p.p t>m eaa-i <1 S D inUti, a. r Laixas de palitos do paz e de cera finos a 20 rs.
i^^uft^l^J'JLl^^^T^:' Dnm de facas e garfos de 1 botSo superiores
sellins e silhSes inglezes, ciindieiros e casti- 53500.
Caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela, Duzia de ditas e ditos de
chicotes para carros e montara, arreiog para n f),5'ino:
carros de um e dous cavados, erelogio.de S^^tKSgg^
ouro patente inglez. Caixas de rap rom espelho a'lOO rs.
sores llouillaud. Fotujuier c Ually, este for-
' ruginoso reconhecido superior a todos os
outros para curar : a chlorosis (pales cou-
leurs), e leucoriha (portes bluuches), a
'anemia (flaqueza de temperamento nos dous
sexos), dillicuidade de mensiruaco sobre
tudo as mofas, incontinencia de uri-
nas, etc.
E' o mais agradavel de tomar por sua
forma de pilulas assucaradas, e essencial-
mente mais cfficaz do que as outras prepa-
racoes ele, por ser muilo soluvel no sueco
gstrico, como consta do relaiorio lido re-
cntenteme na academia de medicina de
Paris pelo Sr. Flix Boudet, em nome de
) varas, a uma commisso composla dos Srs. Velpeau,
Uepeau, ouchardat, Trousseau, etc., to-
cando as experiencias feilas sobra os princi-
pacs seres ferruginosos com um sueco gas-
(1 ico fresco no laboratorio de Sr. Boudaut,
pelos Sis. Drs. Corvizait e l'arreswil, que
o lclalo de ferro e o mais soluvel e por
consequencia o mais eficaz.
Deposito geral: em Paris, rua Bourbon-
Villeneuve, 19.
Era Pernambuco, na casa de Caors & Bar-
bsoa, ruada Cruz n. 22.
Xo ariuazeui de fazenda bara-
tas de Kan RUA DO Ql'ElMADO N. 1!> VENDE-SE O SE-
GINW
Esleir da India
propria para forro de sala, de 4, S e 6 palmos de
largura, por menos preeo do. que em outra qual-
quer parte.
Lcnroes moendas para etpjfenho, machinas de vnpor
de panno do linho pelo barato preco de 2000. ,' e tachas de ferro batido e coado, de todos os
Lcnroes tamanhos para ditos,
de bramante do linho lino de um s panno, pelo
AGENCIA
rUNDICAO DE LOW-MOR.
Itua da Srnzalla nova n. 41.
Neste estabelecimento contina a l:a\.r
um completo sortimento de moendas e meias
superiores a
botoes flnissimos a
Algodao
para lceos de assuear
da llallis
o roupa de cscravo; tem
barato precede 3000.
Cobertas de chita da lidia
pelo barato pre.ro do 25000.
liraiiiaiile de Hubo
com dez palmos de largura, pelo baratissimo pre-
co de 25400 a vara.
Ilrelanlia de rolo
Pegas de bretanba de rolo, propria para saia,
com 10 varas, pelo baratissimo preeo de 35000.
Pecas do cambraia
adamascada com 20 varas, propria para cortinado
de cama, pelo baratissimo preco de 105000.
Peras de ramhraia
de salpicos, com 8 1/2 varas, fazenda superior
pelo baratissimo preco de 4$-
Fil liso lino
pelo barato prego de 680 rs. a vara.
Cortes de raiga
de ganga amarella de listras e de quadros, pelo ba-
ratissimo prego de 15200 o corte.
Toalhas alcoeboadas
para maos, pelo baratissimo prego de 35 a duzia.
tlnalliilii adamascado
proprio para loalha de mesa, pelo baratissimo pre-
go de 25 a vara.
Lencos de rassa
brancos finos proprios para algibeira, pelo bara-
tissimo prego de 25 e 25400 a duzia.
Taberna.
Vndese a taberna da rua larga do Rosario n,
Arados americanos e machinas para
lavar rcupa: cm casa de S. P. Johnslon A- C,
rua da Senzalla Nova n. 42.
ESCRAVOS F6ID0S.
No dia 13 do correte fugio da villa de tar-
reiros o escravo Euzebio, idade de 4-"> anuos, ftu-
ra regular, preto, cheio do corpo. com a barba
croscida, pernas finas, e anda quasi sem| re Liba-
do, me:tiilo a valente, icio alguas paneates na ci-
dade de Olinda, tem estado por vezes nesta cidade
do Recite, foi escravo do Sr. Dr. Lourcnco Aveh-
no de Albuquerque Mello, que o veudeu ao Sr.
Francisco Ferrao Castello Rranco, pruprieiarioda
engenbo Morim, e fugio pouco depois da compra :
i|uem o pegar leve-o ao referido senhor. ou a Va-
noel vea l'i 1 reir na rua da Moda n. "i. que se-
r generosamente recompensado.
para vender Antonio Luiz de Olive ira Azevedo & 38, com poneos fundos. 011 s a armago para bo
C, no seu. escriptorio rua da Cruz n. 1. lar outro qualquer 1 a tratar na mesroa
Desoppareccn desde o 1* de maioj de 1863, do
poder de seu senhor o tenente-coroneI Jos Vicen-
te de Medeiros proprietario de engeuho Pindoha
na comarca do Penedo provincia das Alapoas. o
escravo.' eremias, de cor cabra, estatura alta, cs-
padaudo desdentado de um lado mais qne de oulro,
muito ponea barba, ps grandes e ten itetras ea-
rogos de carne sobre opeito, bom sapateiro etcnv
na cidade do Recife urna irmaa moma de nome
Joaquina, liberta, para jtmtoa qual dizem iue se
evadir r quem o capturare ontregar en Pernam-
buco ao Sr. Jos Augusto de Araujo cidade do
Recife) en Macei ao Dr. Mariano Joaquiu. da
Silva, receber a quantia cima declarada.


Diario de Pernambneo Hexta felra 5 de Fererel de f 4414.
LITTERATRA.
Mauricio ilc Treuil.
TEIlCEllU PARTE
Uusa que pdt dar urna Idea do p rato a que chegaram
u Goosai entre Mauricio e a familia com i qual o
Sr.Closcau du Taiili o diera enlaear, oacarregou j
hi i m S*>ri)i<-f a Sophia de pedir ao marido os
trinta rail francos que Ihe lindara sido confiados.
Esueommis iu era bastaste espiabosa para So-
phia, porgue bem se lembiava do quo o marido
llie havia confessado. Nao ousou responder ao
pae, e foi ler com Mauricio offleina.
Tu bem sabes que en ja os nao timbodisse
Mauricio.
Sophia olhou para elle com inquietaeo, mas,
vendo-o > trabalhar, nao insistiu, c com bastante
thnidei fji levar aquella resposta ao pan.
Sorbier eslava com a inulber e com du Taiili na
occasio ;m que a lilha ebegou. Ao ouvir dizer
que o dinheiro h3o exislia, poz-se o vellio de p.
He.n !exclamou elle olhaudo, ora para a
inulber, ora para Closeau dn Taiili.
Oh! isso nao me admiradisse estese elle
artista!...
Mas se elle artista, foi o meu padrinho
quem nulo metteu em rasa.
Maj porque entao nao o condeca 0 Sr.
Closeau da Taiili, como agora o conhecoreplicou i
i prompto Agatha Sorbier.E talvez entendesse;
mal. mpossivel que o Sr. de Treuil extrava-
gancasso to grande somma.
E mpossivel, dizes bem acrescentou Izido-
ro Sorbiercom trala mil francos geri eu a m-
ziha casa de Pitbiviers dez annos I
Talvez elle tivesse dividasmurmurou Aga-
tha.
Sorbier tocn a carapainha, e maudou chamar o
genro Chegado elle disse-lhe :
Sophia certamente entendeu mal. Eu havia-
Ihe dito jue Ihe pedisse em meu nome aquella
q antia. que o padrinho Ihe entregara... E a res-
pista quo me ella trouxe que o senhor ja nao a
linha... Pareceu-nos que ella se enganou, e por
isso que o mandamos chamar para nos explicar
cono isto .
O Sr. Sorbier estava collocado no entro de um
semi-circulo, cujas extremidades eram oceupadas
pela muiher e pelo Sr. du Taiili. Sophia estava no
segundo plano diante de urna mesa coberta de pa-
pis o brincava com urna penna. A joven esposa
estava vermelha como urna roma, e lancou ao
marido o'hos supplicantes. Agatha Sorbier tinha o
rosto grave, secco e fri de um juii diante do ru.
Ist am interrogatorio ?perguntou Mau-
ricio.
E temos todo o direito de o interrogarre-
plicou A?atha.
veiro banqoeiro acenou-lbe que se callasse.
Oh I meu Deus I nao nada disso, meu cha-
ro Mauriciocontinuou o velhoestamos aqni
conversando em familia : urna somma de trinta
mil francos nao nenhuraa bagatella, que se dei-
xe ah esquecida no fundo de urna gaveta ou que
se gaste em al mogos de rapasiada. De ve certa-
mente saber o que feito de to grande quantia.
Se i-o perfeilameme.
Po s isso o que Iho |>edmos que nos expli-
que.
Sophia nao lbe disse ?... J nao techo os
trinta mil francos.
Ob I elle coufessaexclamou a sogra.
Entao porque eu j os nao tenho, quererla
que eu venlasse urna historia ? Dispuz delles, e
nada mais tenho a dizer.
Qu3ira attender-mereplicou IzidoroSorbier
todos .sabem que eu nunca tenho sido muito
agarrado a dinheiro, e que at nem Ihe dou gran-
de valar; mas cmfim trinta lindissimas notas de
mil francos cada urna nao se perdem assim fcil-
mente, nem voam da gaveta. L o dispor dellas,
isso outra eousa; mas como e em qoe T Eu tam-
bara tinta disposto dellas, apreseniou-se-mc um
Ijjbi negocio em que eu quera empregar alguns
capitaes. Aos trinta mil francos, que o Sr. Closeau
du Taiili tao mal fez em Ihe restituir, dava-lhes eu
essa applicaco, a qual renderia dequinze dezoi-
to por cento... Se a appl.cacao que Ihes deu
mais lu cativa, entao nao tenho nada a dizer, mas
disso duvido eu muito.
Mauricio bateu com os ps no pavimento.
Ab talvez o senhor comprasse a casa de
campo cue o nosso amigo quera offerecei sua
afilhada ?
Niio comprei nada.
Que lhes fez, pois?
Oh meu Deus atlre com isso para o capi-
tulo das dividasexclamou a Sra. Sorbier jo-
veo, os artistas so-o sempro, e esquecem-se de tra-
balhar, Danqueteiam-se, passeiam, gesam, e quan-
do chega o quarto de hora de (tabellis, pagam
com o que tem mais nao.
Socegue, senhora aqui est o Sr. Closeau du
Taiili, que me conhece ha muito tempo; elle que
Ihe diga tudo o que souber de mim.
Eu nao sei nada responden framente o
commerciante do Havre.
E crusou a perna esquerda sobre a direila. que
at entao eslava em sentido inverso.
Ja que o Sr. Cioseao du Taiili se recusa a '
prestar-me o sea lestemaaboreplicn Mauricio'
afflrmo com a minba patarra de honra, que niinra
Uve dividas de especie algoma.,. E custa-mc a
ter de accrescontar, que se o contrario fosse, os
poes de minba muiher seramos primeiros a quem
eu o dira.
Cada palavra desta conversa era um punhado
de plvora que se lancava a urna mina : a mais
tenue scentelha poda produzr forte exploso. Nao
sabemos que forca mysteriosa impellia os actores
desta seena, mu grado son, para um choque que
Mauricio previa e Agatha desejava. A conferen-
cia comeera mal, c cada replica mais a azedava.
Sophia poderla evitar que o destecho fosse fatal
porra nao tinha tercas para tomar a iniciativa!
Bastava a presenta da mo para a perturbar ; a
cada replica que ouvia quasi se sentia desfallecer,
e conservava-se muda e trmula.
.Nao duvido, nao duvidoproseguiu Izdoro
SorbierTomei informaces, e por esto lado estou
descansado; mas, anual de contas, os trinta mil
francos nao voaram... empregaramse, fosse no
quo no que fosse.
N'outro tempo, quando da nossa caxa sahia
urna quantia, sabia-se a applicaco que se Ihe da-
vareplicou Agatha speramente.
Mauricio levantou-se.
Ora Pela offleina do Sr. de Treuil vo lin-
das raparigas, modelos.. .disse du Taiili.
Mauricio voltou atraz, e encarando de face o
capitalista, com urna expresso que o fez tremer,
disse-lhc :
Senhor 1...
Com isto quero dizer tao smente que pes-
soas d'aquellas sao capazos de tudomurmurou
Closeau.
Era tenco mnha calarmereplicou Mau-
riciomas vista de to prfidas insinuacSes, po-
der-se-hia interpretar mal o meu silencio. Saibam,
pois, que o meu amigo Jacques Lambert careceu
d'aquella somma... Peguei nella e dei-lh'a.
Nunca a familia Sorbier, ate aquelle dia, oavlra
contar que houvesse alguem que tivesse dado trin-
ta mil francos.
Ah foi ao Sr. Lambert I murmurou Izido-
ro com um profundo suspiro.
Que o Sr. Lambert earecesso ou nao careces-
se, isso nao o justifica, senhorreplicou Agatha.
Xein eu pretendo justilicar-me, senhora.
E tem razao I Tirar de urna gaveta trinta
mil francos e da-los, nao eousa quo possa fazer-
se todos os dias, acrescentou Agatha com irona.
Xingueui Ihe quer mal, se bem que obrou mui le-
vianamente... Ah I ah Sr. Mauricio, urna fortu-
na de milhoes pouco durara era mos tao prodi-
gas. Bastavam dous ou tres amigos como Lambert
para tirar a camisa do corpo a ama familia.
Oh I O Sr. de Treuil nao tem mais de sete ou
oito, murmurou Closeau du Taiili com ar de inge-
nuidade.
Talvez leria sido conveniente consultar com
mnha lilha, continuou a Sra. Sorbier. Seu padri-
nho havia-lhe promettido una casa de campo...
nao sei qu, um castelliuho em Trouville ou em
Enghen... se ella tivesse a tal quantia talvez em-
pregasse de outro modo... Que dizes t a isto,
pequea ?
Nao sei, disse Sophia balbuciando, e mudan-
do de cor a cada momento, eu tinha vontade de
um aderece de perolas e rubis como o que tem a
Sra. Vtteaux, e contava, verdade, compra-lo com
aquelle dinheiro, mas ja que Mauricio dispoz delle,
posso bem dispensa-lo.
Muito bem, minha filha, multo bem I redar-
guiu o pae, emquanto que a mae a abracava com
transportes maternaes, mas esse desiiiieresse de
que das provas tao singulares, niio autorisava o
Sr. Mauricio a fazer o que fez... com o teu con-
sentimento, anda podera ser; mas dispiir de
quantia to forte sein nada te dizer... na ver-
dade muito para estranbar; porque, 110 flm de
contas, dispoz do que nao era delle I
Mauricio fez-se de mil cores; olhou para sua
muiher, porm ella voltou-se para a mae, como se
quizesse consulta-la com a vista. Se consultasse o
seu coracao, poria termo a urna disputa, quo muito
a faziasolfrer ; mas viu um rosto tao secco, duro
e irritado, que ainda mais urna vez se sentlu sub-
jugada por aquella influencia, e a tremer i ou os
olhos ne pavimento.
O senhor, disse Mauricio, pae ;de Scphiai
retiro-me, e n'outra occasio continuaremos i fal-
lar deste assuropto.
Que tem elle ? perguntou Sorbier, qilando
Mauricio Mofa da sala. Closeau du Taiili encOlheu
os hombros, respondendo :
Aqullo flato, ha de passar-lhe.
Quem 6 esse senhor Lambert, a quem Mau-
ricio deu os trinta mil francos de Sophia? perguu-
tou Agatha.
Quem ha de ser? um escultor, que vive com
urna rapariga de cabellos louros, muito linda, e
que cos uma vir frequentes vezes offleina de
Mauricio.
Entao est explicado o enigma redarguiu
a Sorbier.
E abracou apaixonadamcnte a lilha duas ou tres
vezes, murmurando a meia voz :
Pobre menina!
Sophia foi fechar-se no quarto, muito persuadida
emfim, ver representara opera que compozera ;
um terceiro estava prestes a embarcar para o
Oriente, afim de reanimar a imngiaacao j cansa-
da ; um outro, ainda, fazia as ultimas correles
a urna comeda de primeira orden destinada a ser
representada no theatro francez. Quanto a elle
Felippe, havia trabalbado todo o auno.
Oh todoselles lucamevivim Iexclamou
Mauricio.
Continuando a conversar, (ocou-se por acaso no
nome de llidois.
A proposito de llidoisdisse Felippe soube
por Mimi-Soieil o favor que'fizesle a Lambert. J
vejo que a riqueza tambem serve pira alguma cou-
0 que em tudo isto mais me satisfaz-aceres-
de que Mam co a atraieoava.
A aliercacao, que deixa.i.os narrada, fez pretenda \ cenm j,^ ~ ~ ,
impressao no espirito de Maunc.o \ .u claramente uc que viveres cer(.ado d( i ^
" grenou o canelo. Pois olla qac un. niila-
gre !... E sabes,-continuou, depois de um mo-
ni uto de silencio-que em todas as offleinas nao
Tema portante, esse desenlace, e nao ousava se ,,, seil5o nesla Iua generosiJa(]e? y[m>^
apressa-lo. fc, dema.s, por genio e educacao era |e| tem-na espalhado por toda a cldade, c tem-.c
in.m.go de disputas : antes quena sugeitar-se a grangeado a fama de magnnimo Mecenas. Se me
soffrer, do que expor-sc a scenas onde nao podiam qoerei jar metadt da lua fama me|ade do
de.xar de se trocar phrases picantes e o offensvas. I clla ,e cuslou, nao tens mais do que fallar, e en-
trego-te quinze mil francos... O a falla serio, o
cisiva, e tinha um vago presentmcnlo de que o re-
sultado Ihe seria funesto.
Todava pesava sobre elle urna tao grave aecusa-
cao, que, sem se rebaixar a seus proprios olhos,
nao Ihe era possivel flear do bracos cruzados.
Antes, porm, de tomar urna resolucao, quiz
ainda ver se o sogro daria mostras de se haver ar-
repentido do que dissera; e quiz tambem conhe-
cer quaes eram ossentimentosde sua muiher acer-
ca de um negocio em que ella tinha tauto nteres-
se como o marido.
velho Sorbier nao te ralhou ?
Nao re-pondeu Mauricio.
Dito isto, separaram-se, e Mai rico entrou no
palacete da ra Godot-de-Mauroy, onde tantas af-
fliccoes curta
Passaram-se anda alguns dias entre receios e
esperanzas. Mauricio conhecia muito bem que a
muiher viva constrangida e penalsada; mas tam-
Porem o velho nao se desdizia, e a fi ha conser- i,m ,,,. ... ., ...
i "e"' saI"a "iue ella nao tinha energa bastante oa-
vava-se silenciosa. Deste modo a posicao do man- r, s,0,,.ur n .,. #
. ,., ra sacudir o jugo materno e fazer i ausa commum
cebo era ma ; e como se senta offend.do, e por : com 0 mari|]o> quem o cessava de nam
censequenca azedado, nao tentou de prompto urna dar pac|enda e modera o>
explicacao cathegorica, com receo de que as cou- ,. ,. 7
sas fossem mais longe do que elle quera. I .^J* nou,e' depotsA de d,a a,nd:' raals ,ormen"
No maor auge desta desagradavel s.uacao, que ^ qae ^P^eden.es, appar^ceu um destes
Agatha nao se descuidava de agravar quanto po- co rec,ores omciosos a P10^ a Sorbier, que
dia, encontrou-se Mauricio urna manhaa com Fe- "2" uma ePrezajue acab.iva de crear-se
.. ______.... ... .de fornecimento de carvao.
Iippc. Arabos foram passeando ate darem com si-, .
go em Bougval, e na raesraa hospedara onde ha- ~ En,ra.va com mu" goslo-respondeu este
viam almocado no dia era que o Sr. du Taiili apre- ~po,"em na0 Psso- Pr(lae n'e cscaPu uma
sentara Mauricio pela primeira vez na Colombiere. Juan,,a c 1ue eu eon,ava- Treuil
Quantos successos decorridos desde ento. Que 3
infinita distancia a que separava o mancebo da-!, **Wt* manhaa entrou Mauricio no gabine-
quella poca tao risonha I I e do soro' e sfm ne ,orar no 1 elle hava di-
Poucos eram os niezes decorridos desde o seu l na vfPra' deu-",e Parte da resolucao em que
casamento com a rica lilha dos Sorbiers, e j via ^s,ava de adoPlar novo modo d vida e de por ca-
bera e cruamente realisado tudo quanto Felippe >a sua'.
naquelle mesmo lugar Ihe pronosticara. Nao ha-' ~ T,rarme """"a filha I-exclamou Agatha.-
Pnvar-me das suas caricias : arranca-la dos raeus
bracos
Oh I isso nunca
Sua lilha, senhora, vivera periodo si.masem
sua casa nao. Pode ser que eu enha defeitos, a
que o seu modo de pensar, sen ora, nao possa
amoldar-se; quero at admittir que o nao viver-
mos bem seja por culpa minha ; mas o que nao
admitte duvida, que nao podemos continuar a
viver em commum.
E irrevogavel essa sua resolucao ?pergun-
tou o sogro.
E tanto que hoje mesmo vou procurar casa.
via casado com urna mulber, hava-se feito escra-
vo de urna ferailia I
Mauricio estendeu os olhos pela paisagem que o
cercava; cada accidente de terreno Iho lemhrava,
nao sabendo porque mysteriosa influencia, uma
phrase da longa conversado em que a amizade de
Felippe to perspicaz e sincera se demonstrara.
Parecia-lhe ouvir ainda as vozes do amigo ; ver-
Ihe o gesto e o olhar.
O panorama nao era o mesmo que vira naquella
poca ; as arvores estavam despojadas do galas;
cardumes de passaros de arribacao cortavam os! Emquanto nao a arranjar viverei no campo com
ares escaros e pesados. A negrura melanclica; Sophia. Quanto aos trinta ral francos a que hon-
do horsonte harmonisava com os tristes pensa- tem alludiu na presenca do um estranho, nao Ihe
mentos que em tropel opprimiam o coracao do d isso cuidado, porque Ihe hao de ser pagos inte-
mancebo. I gralmente.
Tu que tens T perguntou Felippe, ao notar a Mauricio retirou-se, deixando o sogro assusta-
trisleza do amigo. do, porquedevemos confessa-lo em louvor do ve-
Nada !... sao recordares, respondeu Man- Iho commercianteo que elle mais amava neste
ricio n'um tom que fez tremer o seu amigo. mundo era o dinheiro ; depois do dinheiro era a
Ha alguma eousa que te mortifique l pela filha.
ra Godot-de-Maurny ? Talvez tendamos levado as causas muito lon-
Oh 1 nao I nao ha nada... O dia de hoje gedisse elle muiher.Li-lhe nos olhos... elle
semclha-scao de hontem, como o de amanha ha est muito resolvido a levar Sophia.
de semelhar-se ao de hoje p0s sim ; mas Sophia nao ha de ir com elle
Mauricio bem se lembrava dos trinta mil fran- respondeu Agatha.
eos que desejava entregar ao sogro, e acerca dos ^ e subu ao quarto da filha ; entrou precipitada-
quacs bem desagradaveis illusoes tinha soffrido.' mente e lancou-se-lbe nos bracos, soltando altos
Sabia que Ihe bastava abrir a bocea para Felippe gritos,
os por sua disposicao. Qh mjnha fl|ha ,
Tambem conhecia a necessidade de descarregar ricioqur separar-te de nos I... e tu consenies '
o coracao to repleto de amarguras no coracao do Eu !exclamou Sophia vivamente commo-
| amigo sincero, que nunca o desamparara na espi-1 vida com a aflliccao da nrie-ple acredila-lo t
Sophia tiuha lirado mal impressionada com o
; vel sentimento, mais forte ainda do que o peso do
seu solrimento.
Mais de uma vez olhou para Felippe com a voz
prestes a sadr-lhe dos labios, mas sem a poder
soltar.
Talvez lbe sellasse a bocea o receio de aecusar
tcitamente a muiher, se narrasse o seu molino vi-
ver ; ou talvez receiasse que a sua confissao des-
cora mais forca se Ihe arraigaram do novo na idea.
Cruzavam-se-lhe no espirito vagas inquctagoes,
que mal sabia definir ; e nem sera difficil fazer-
Ihe crer que toda a historia de Lambert nao tinha
sido seno ama farra em qne so ella acredilava.
Closeau du Taiili, a quem Sorbier contou os
projectos de Mauricio, recostou-se n'uma poltrona
e respondeu com toda a placidez
E isso o que os aflige ? Eu no seu lugar
havia de castigar o tal artista pela bolsa... So-
phia pens que casou com escripura dota], e por
pertasse no amigo lembrancas do passado e Ihe um artigo do contrato reservou se seu pae a ad
lesse nos olhos o ternvel -mim o auiusles, pala- i min'?ra?ao do dote della, median:e uma pequea
A mesada... Ora, aos discursos de seu genro, nao
tem mais do que responder-lhe com a lgica das
vras estas que a sua consciencia nao cessava de
repclir-lhe.
Para dar novo curso s suas ideas perguntou a
Felippe por rauitos dos seus conhecidos. l'ns ti-
nham esperanzas no futuro, outros viviam desani-
mados, l'm tinha acabado um quadro ; outro la,
FOLHETIM.
O PADRE DANIEL.
,;SIIMIS DA VIDA 110 CAMPO.
po
ANDRTIIEURIET.
Ao Sr. Camillo Fistie.
Meu caro Camillo, consent que ponha vosso no-
me no principio desta simples narraco. Tal fa-
lendo, iratico nm acto de justica, porque a con-
ecpto primaria vossa; a tendes achado nesses
doces caminhos da Touraine qm tantas vezes te-
mos juntos percorrido, e muitas paginas, quasi in-
teiratiieote. hao sido escripias sob vossa redaccao.
10 de setembro 183...
Fiz vinte annos ante-bontem, e dexci o semina-
rio para nao vollar mais a elle. Meu corafo sen-
tc-se clieio de alegra, e uma doce febre me agita,
desde que voltei a meu caro paiz meio-poatevino e
meio-toureno. Renovei meas conbecimentos com
i niinh.! propriedadezinha de Bruasseries. Tornei
a ver o Templiers, onde mora meu to; e ondeen-
rontrei Dionisia, crescida e mais linda que noanno
passado. Tem agora dezesete annos. Esta ma-
nhaa atravessei o prado que separa Bruasseries de
Templiers. Cheguei at junto a torrinha aguda
que olha Etableaax. D'ali se descortina tolo val-
le... Etableauxi direta semostra sobre sua ro-
chosa colina. Por baixo, alcm das rendadas copas
dos rastanheiros, Egronne, sinuoso e Icnu cami-
nha pe os prados, amas vezes oceulto sob amieiros,
outras rezes descoberto e quasi encandeando de
I-iz. A esquerda, bem no fundo, a aldea de Pres-
signy M abre como nm leque e o rio banha suas
ultimas casas. O sol se elevava n'um cu, d'um
azul sem mancha, e illuminava todo valle. Qui
fe.-la p;ra os olhos I Que lindo tempo eque alegri;
de assim viver-se!
Outro dia a noute, qua ido fui dizer adeus aupa
dre Bomban, nosso superior, achei-o como de eos-
luiiv, fechado na bibliotheca.< Ento, meu filho,
disse-me elle levantando a cabeca j encanecida ;
nos abandonaes ? Agradeci-lhe as atiene3es que
tinlia tido comigo, e depois Ihe fiz ver que nao me
senta com uma vocago decidida para o estado e< -
il.siaslico, e que trabalbaria por minha salvaco
vlvend j no mondo. < Mea filho, me responden
i oin voz lenta, fallaes do que nao conheceis : o
inundo submette o coracao a rudes provas e soii
daquel es que elle se compraz sobreludo era faze;
soffrer. Demas, ajunlou estendendo-me a mao,
Deus saber fazer com que suas ovelhas tornm ao
redil. Nao me despeco de vs. digo apenas 4- at
a primeira vista porque se devo acreditar! meu
coracao, haveis de voltar.
Pobre padre I Nao fazem dous dias que a pfesada
porta se fechou as minhas costas, e hoje o semi-
nario me parece j como um paiz longinquo e es-
tranho I
18 de setembro noute.
O relogio de Pressigny acaba de dar dez loras,!
a noute est calma, a casa silenciosa, s e i nao
posso dormir...
Hoje foi domingo. Nao fomos as vesperas > pas-
sei a larde em Templiers. O lempo estava c aro e
calmoso; os criados tinham obtido lieenca pelo
cou no dia era que caistes no Egronne ? Acaso ton-
caste tua samarra s ortigas ?
E seu estrondoso riso recomecou. Nao sabia o
que respondesse, e vexado por to infeliz recorda-
(o evocada em presenca de Dionisia, dexci que o
colosso mesacodisse a mo apenan do-a. o qual sen-
lou-se logo mesa junto de minha prima. Estive
calado durante a ceia, em quanto Beauvais lornan-
do-se ainda mais jovial por causa do vloho de meu
lio, inoslrava-se nexhaurivel de argueias e alegres
conios. Dionisia inostrava-se, como eu, preoecu-
pada, e pronunciava apenas una ou outra palavra.
cifras, e ver como elle capitula. Nao aeixe sa-
bir odinlieiro e cont que nao Ihe sahede casa a
filha.
Bem! muito bem !exclamou o banqueiro,
esfregando as mosvou experimentar.
Sophia contou Sra. de Vtteaux tudo quanto
se tinha passado. A joven esposa nao sabia que
partido lomasse, estava muito contra o marido, po- !
rm lemia levar a resistencia a ponto de se sepa-
raren!.
Elle tem um genio tao violento -dizia clla.
A minha amiga muito creanca-disse a
Sra. de Vtteaux.Aqui onde me v. j me pesam
vinle annos de villa em Pars, e podem beflH con-
kr-se porsessenta anuos de experiencia do mun-
do. Os mandos, minha Miara, ameacaoi muito
c ubran pouco. Acroste com Mauricio, e elle far
o mesmo que o Sicambro de que reta a historia.
C na Chaosse-d'Anlin, casos como csso reda-
tem-se a ama qaestSo de cifras, ou por outra, a
in.....i;aniento. Com o dote que tem pode ler ca-
sa, dar bailes de invern, ir para o campo no ve-
rao, ter coap montado, camarote no theatro lyri-
co, e passar vida divertida e commoda f Nao !
Logo esta resolvida a qnonlio E mister viver com
seus paes. e dize-lo bem claramente sen marido.
Pelo que tenho observado, elle ama-a. Ora o ho-
rnera que ama a mulber, sujeita-se a tudo qoaoto
cllaqur... faca-I he eonhecer os seus deajoa, e
elle eegamenle se sobmetter a elles. Se eu nao
resislisse vontade ib: meu marido desde os pi-
meiros dias em que me casei, que seria hoje de
mira ? Ora falle a vtrdade, que viver qur que
seja o seu cngaiolada n'um quinto andar, onde
nem uma amiga ousaria ir ve-la ? Sacrificios con-
jugaes desta ordem, j ha muito que perderain de
moda, minha querida; boje sao to desasados co-
mo m mangas baloes. Em casa de seus paes, com-
modidades, lux, diamantes, sedas, coups ; na
companhia de seu marido, vestidos grosseiros, e
quando muito, andar de mnibus... Escolba !
Mas elle mame tanto !murmurou So-
phia, j intimamente convencida pela amiga.
Oh I minba chara I O amor d-se melbor
n'um palacio do que n'uma agua furtada... com
o tempo va o amor, mas o palacio lira.
Quando Mauricio chegou a casa, achou a mu-
iher resolvida a nao aboudonar os paes. Nao po-
da entender-se, dizia ella, a razao porque o mari-
do quera separar-se delles.
Talvez as palavras que o ofienderam fossem um
pouco duras, mas por fim eram palavras que o
vento levava.
Entenda que nao valia a pena de dar-lhes tauto
valor, e, sobretudo, levar as cousas a ponto de se
separarem.
Contava ainda que seu marido considerara me-
Ihor, e que mais prudentemente inspirado, renun-
ciara a um projecto to extremo e injustilicavel;
mas se elle persistisse as suas ideas, ella se vera
obrigada, mau grado seu, a nao o acompanhar,
afim de nao tomar parte n'uma accao, que todos
censurariam,
Isso sao ligues de tua mae ? perguntou Mau-
ricio.
Minha mae chorou; tambem ser isso cri-
me?
Chegadas as cousas a este ponto de azedume,
era mpossivel haver uma discusso placida e ra-
zoavel.
Mauricio assim o entendeu e calou-se. Keceou
dizer alguma eousa, que autorisasse Sophia a ar-
gumentar com o respeito tidal. Hetirou-se, pois ;
o ao descer encontrou na escada o ex-negociante
do Havre, o qual saudando-o cora ar alegre Ihe
disse :
Pelo que acabo de saber temos, borrasca c
por casa I Ora vejam! E eu que julgava que vi-
viam como un casal de pombos 1 Mas isso ba de
passar-lhe nao se deixa assim uma vivenda
sumptosa e uma mnlher, que alm de linda le
abundancia de notas do banco.
Mauricio retirou-se sem Ihe dar resposta e foi
ter com o sogro.
Closeau du Taiili, seguindo-o com o canto do
olho, murmurou a sos comsigo :
Anda, anda, que vamos saldar contas! J te
rste, agora rio-me eu !
Mauricio participou ao sogro que j tinha casa.
Bem I respondeu o velho. Entao carecemos
de fazer as nossas contas... Espero que me con-
ceder vinte e quatro hora.... praso que nun-
ca neguei aos meus devedores.
Na seguinte manha, foi Mauricio inlroduzido
no escuro gabinete, onde Sorbier costumava tra-
balhar cercado de um labyriBtho de algarismos.
O velho, depois de mandar sentar o genro n'uma
cadeirade palhinha, abru vagaroso um livro enor-
me, e collocou no nariz uns oculos de armaco
de prala, de que costumava servir-se para ler;
feito o que, disse-lhe :
Ha de estar certo, meu caro Mauricio, do
que diz a escriptura do seu casamento com minha
filha?
Estou, pouco mais ou menos.
Neste caso nao ignora que ella se casou a
coberto do rgimen dotal, o que vem a ser o mes-
mo que dizer que seu marido em caso nenhum po-
de dispor do dote que Ihe foi eonslilUHlo em bens
de raz e em papis do estado.
Bem sei.
Muito bem. Sophia receben a quantia do du-
zentos o vinte e cinco mil francos, que emquanto
foi louvada a herdade da Bossette, sita en Cbevilly
provincia deToury, que rende conforme o contra-
to de arrendamento, junto a escriptura dotal, sete
mil e duzenlos francos annuaes pagos em semes-
tres ; recebeu mais um rendimento de tres mil
francos em fundos de tres por cento, que sua mae
Ihe deu para allineles : estas quantias, juntas ao
rendimenlo de um pequeo casal que lbe veiu por
parle do av, e que minha muiher e eu lbe cede-
mos em vida, faz um total de onze mil trezentos e
cincoenta francos de rendimenlo por ar.no, de que
cu tenho a administraran e pago a minba filha em
trimestres.
Mauricio havia assignado a escriptura sem a ler.
Como elle era pobre e a noiva rica, entendeu que
era do seu dever nao entrar em questes-de di-
nheiro ; e, para dizermos a. verdade, nunca elle
suspeitou que o sogro redigisce contrat to ave-
lhacadoi Por consequeneia so nesta oetasio co-
nheceu a sua verdadeira posico.
O sogro, voltando a folha do lvro, marcada com
o dedo-continuou:
Agora aqui temos a somma de quantias que
Ihe tenho entregado e a sua muiher por diversas ve-
zes e das que tenho pago por coula de ambos. Mon-
ta a vinte e tres mil sete cento* e oitenta
e dous- francos cincoenta o cinco ceut.mos, viudo
assiiaa dever-me, nos dezoito niezes deeorridos, a
Templiers; e a mesnu morada de Bruasseries
me era insuportavel. Dionisia espesa Beauvais
nesses tres das. J se lallava nesse casamento
quando voltei Bruasseries s mi ignorava isso.
Uma criada tagarella se encarref ou de me abrir
os olhos. Senli no coracao um grande golpe, pare-
ceu-me que uma espessa cerrarlo obscureca sbi-
tamente meu luminoso valle do Egronne. Passe
a noute chorando, c pela manhaa iitgi, sem ao me-
nos v-la pela ultima vez.
Entrei de novo na cidade n'uma calmosa noute.
Todos os habitantes estavam fra. Atravessei ras
quantia de seis mil e tantos francos. Pode confe-
rir as contas, a ver se esto exactas, devendo notar
que nao estas ainda calculados os juros das quan-
tia- que a ambos tenho adiantado.
Mauricio fez um gesto, como que dando-as por
conferidas, e o velho fechou o livro.
Bem pdde prever, meu caro Mauricio, que eu
exigira o prompto pagamento do mea desem-
bolso, no caso que continu a viver em micha ca-
sa; mas no caso que qnera separar-se, sera hora
veranos o modo por que me ha de embolsar. Creio
que nao desconhece o proverbio : .Contas de per-
lo, amigos de longe.. Devo tambera observar-lhe
que a geslo do dote de Sophia, me prtence, na
conformidade do que estipulamos na escriptura
anti-uupi'ial. Se se quizer separar, que oque ha
de fazer .' Pode reclamar pecante os teibunaes a
administracao dos bens de sua mulber, mas quaes
sao as raides que tem a allegar? Eu para contra-
riar a sua pretenco tenho a oppor o tacto de meu
caro genro haver dissipado trinta mil francos n'um
abrir e lechar de olhos, e apresentar as dividas
contralndas pelos dous, einquanlo viviam em com-
mum denaix do meu propno ledo. muito du-
vidoso que ganhc semelhante processo, meu
querido ^enro... Bem sei que esperanzado no fu-
turo e na riqueza que um da tem de pertencer a
sua mu ier, pode conlrahir dividas que Sophia por
flaqueza alliance...
Senhor! exclamou Mauricio, levantando-se.
O vello, pondo de leve a mao no hombro do gen-
ro, redarguiu :
Sente-se, sente-se, nada de se alterar. Esta-
mos fallando de negocios, devemos prever tudo e
chamar s cousas pelos seus noraes. Suppunha-
mos que para evitar um processo enfadondo, e du-
rante o qual talvez douvesse quem me aecusasse
de andar levianamcute no casamento de minha li-
lha, eu prescinda dos meus direilos de gesto: sa-
be o rendimenlo de quo pode dispor no prmeiro
annof Apenas uns cinco rail francos. -
Trabalharei.
Oh! pois nao! Pelo que teu ganho nos
dezoilo mezes decorridos, bem podemos calcular o
que da de gandar. Afflige-se I redarguiu Sorbier,
notando o movimenlo de Mauricio, nao se esqueca
de que estamos aqui como credor o devedor peran-
le o juiz de paz... Tem, pois, meu caro, para vi-
ver, os onze mil o trezentos francos de sua
mulber. J nao pouco, bem o sei; ba muitos ar-
tistas que s sabem mandrear e vivem com menos.
Sophia vivera na penuria; mas isso comsigo.
Talvez ne diga que quando comecei a minha car-
reira, anda comecei com menos. K verdade, mas
eu viva em Pithiviers e poupava ceilil a ceitil.
Arredile-me, meu caro Mauricio, pense seria-
mente no que faz.
Sim, senhor, hel-de pensarresponden Mau-
ricio.
Apenas elle sabiu, entrou Agatha no gabinete e
deu com o marido a esfregar as maos.
E ento t perguntou ella.
Oh I cortei-llie as azas : o conselho do padri-
nho valeu minasreplicou o banqueiro. Apresen-
tei-lhe as coutas e dei-lhe a entender que escusava
de contar comigo. Agora j elle sabe o que est
para Ihe acontecer, se quizer levar o seu projecto
avante. Pens que elle arada por c est.
Passaram-se dous dias, e Mauricio nenhuma al-
luso fizera conversa que linha tido com o sogro.
Agatha perguntou lilha se o raaridt lbe havia
dito alguma eousa ; ao qoe ella respondeu que elle
nao havadito eousa alguma acerca de se separarem.
Ficaram, pois, acreditando que Mauricio nao pen-
sava mais nisso. O mancebo nenhuma mudanca
mostrav no seu comportamento ; apenas sahia
com mais frequencia.
J esta manso ; vae-seacosturoandoaofreio
dizia a Sra. de Vitteanx.
N'essa mesma noute Sophia mosirou-se mais ca-
rinhosa com o marido. EUe olhou para ella apai-
xonado, e, dando-lhe um beijo na testa, disse :
Ento sempre ests resolvida a ir comigo ?
Como ? Pois ainda peneas nisso f respon-
deu Sophia tentando desprenderse dos bracos de
Mauricio. Mas elle releve-a replicando :
Ouve-me : Descobri um aposento perto da
minha antiga offleina ; habitaremos prximos de
Felippe e de Laura : eu trabalharei e viveremos
livres e felizes, junto um do outro. Oh tu nao
podes imaginar o animo e praaer que me d s a
idea de que vaes depender s de mim 1 Aqui pa-
rece-rae que me falta o ar Veras, minha Sophia.
quanto lias de de ser feliz. Conversei eom teu pae ;
devenio-;.lbe algum dinheiro, mas nao te afflijas, tu-
do Ihe hei-de pagar. Fique elle' com a sua rique-
za, nao Ih'a invejo, s te quero-a ti. Oh f a febei-
dade vale bem o sacrificio de um pone de luxo
intil L no nosso novo domicilio, e junto de
ti, figura-se-me que hei de rejuvenescer.
Quanioo amor tem de mais terno, a paixo de
mais vehemente, tudo Mauricio empregoa para
roramover Sophia. Duas vezes ella parteen hesi-
tar ; m:n a idea do que dira sua mae e a lembran-
ca dos eonselhos da Sra. de Vtteaux fizeram que
ella se nao demovesse. Dir-se-hia que era uma
chamma apagada por uma gola de agua.
Ab tu nao me tens amor I.exclamou ella
por Sm. empreando a phrase suprema das mulbe-
res quando sabem todo o valor do seu poder.
Que te nao tenho amor V exclamou Mau-
ricio comenihusiasmo.
Duas lagrimas Ihe rebentaram dos olhe. e es-
condeu o-rosto as mos. Sophia havia-lhe volta-
do as costas, mas bom Ihe via os gestee no es-
pe Iho.
_ Se tu. me tivesses amor redarguiu ella
nao rae bllavas em deixar a minha familia : vive-
rianios sempre aqui. Que o que nos falla ? Que
necessidade tens de trabalhar ? Fallas em dividas !
Alira com os plnceis ra ; j meu pae me dar
tudo oque eu quizer. No veno viajaremos-;.no in-
vern daiearemos. E se te der a maniade pintar
quadros,, eu t'os comprare* para fazer um mu-
sen...
E os meus amigos ? E a minha coneeiencia ?
E todas essas pessoas odiosas- que me esream t..
excftmou Mauricio. Pansas que rae possi-
vel nao ver, nao ouvir. nao sentir ? !
Bsm digo eu que me- nao amas replicou
Sophia Que importava tudo isso, se rae tu tives-
se amor ?
Mauricio tentou aindaconvence-la ; mas ella foi
iaOexmL
tliontiiiuar-s^ba.J
No instante da despedida, nossas vistas se incoa- bordadas de tojas assaz allumiadas, e chelas d'uma
traram, mas ella rpidamente voltou o rosto, o eu | mullido alegre, animada e viva, lugo depois entrei
entrei em Bruasseries agitado, tendo na cabera mi- no quarleiro solitario e obscuro que tica prximo
Ihares de projectos e o coracao cheio de vagos te- a cathedral. A velha egreja estenda sua graBde-
resto do dia; meu lio tinha ido cacar, e minha ta
adormecer leudo seu livro ile horas. Os sinos
de Pressigny tindam da muito tocado e acabivam
de se calar. Um zumbir de insectos em que se
distingua o grito agudo da cigarra, enchia os cam-
pos. Dionisia e eu, senlamo-nos ao p da torrinha,
junto dos framboeseiros. Conservamo-nos em si-
lencio. Senlia-ine feliz e com tudo; desejava an-
dar para expedir meu erabaraco. e ficava i timo-
vel. Tambem ella pareca perturbada. Dioui-
sia, disse afinal, quera pedir-te uma eousa qhe me
tornara bem feliz... colhe tn mesmo aquelI; rosa
e d-m'a. Ella ficou immovel.e eu, rubro de pjo,
nao ousava encara-la. De repente e sem que rom-
pesse o silencio, levantou-se e foi com vagar ro-
seira. Sua mo passou atravez dos ramos, mas ti-
rando a flor, deu um grito. Corri; sea braco se
havia ferido nos espinhos. t Nao nada, disse
ella, e quiz alTastar-sc. Tomei sua mo, pnz um
dedo trmulo na arranhadiira em que marejava
uma gotinha de sangue. Ella estremeceu e nossas
vistas se encontraran!. Deixou cair a rosa, cada
um de nos fugiu para seu lado, assustado de nos-
sas temeridades.
Passei o resto do dia a vagar no bosque. Pare-
cia-me, sempre que demorava o passo, sentir ain-
da na pona dos dedos a hmida imprcsso desses
ninsculos delicados, offendidos pelos espinliO|. Ao
cair da noute, na occasio em que rodea va Tem-
pliers, meu"tio viu-tne e chamou-me. Entrei no
salao, com os olhos baixos e tremendo da (jbeca
aos ps.
Dionisia estava inclinada para o fogo, pelo quo
nao poda ver seu rosto. Junto mesa posta, um
moco alto e louro, de hombros largos, de ar franco
e decidido, conservava-se em p. Vem ceiar com
nosco o com este m'jco, disse-me meu tio; tao o
conheces? Mal ousava levantar os olhos para o
recem-vindo, quaudo elle soltando uma gargal|iada,
exclamou:
Oh I como isso, Danielzinho, j le narjlem-
i bras de Simo Beauvais, de Pressigny, que le pes-
mores.
28 de setembro.
Simo Beauvais nao sabe de Templiers. Todos
os dias a casa resa com seu riso estrondoso. Meu
tio o affaga, os criados s fallara de sua forca, at-
ractivos e destreza. Dionisia participa do encan-
to, e cu, udabd para todo exercicio physico, sinto-
me ainda mais acaudado e tmido quando elle est
l. Elle vem perturbar a pacifica felicidade quo
saboreava silenciosamente.
Hoje coinecaraiii as vindimas no valle, l'm sol
magnifico dorava as vides de folhas j avermelha-
das. Os vindimeiros trepados ao longo dos decli-
sombra sobre os claustros e muros do seminario.
Trazendo em uma mo minha leve bagagem ; bati
na grande porta assaz conhecida e perguntei pelo-
superior. Levarani-me a bibliotheca. No fundo,
na extremidade de duas sombras muralhas de lk-
vros, vi-o lendo junto a sua lampadaunda. A bu-
lla de meus passos levantou a caliera e estenden-
do-me a mo, disse com voz calma Ento! nao
vos predsse que havieis de vollar *! S entao
sent que tudo eslava lindo e so Ihe respond com
solucos.
Quatorze annos depois. Marco 184__
Arrumando meus livros, achei o pequeo bre-
vios da encosta de Muris, chamavam uns aos ou-! viario de que usava em Templiers. Basta um pe
tros alegremente. Nos caminhos corriam carretas' queno objecto para desviar meu espirito e impeli-lo
carregadas de uvas, e um tirando cheiro de vinho emocoes defezasl Avista dessa encadernaco
nevo se exhalava do lugar. Dionisia, com a cabe- j escura, sent-me enternecer. Meu pebre coracao
(a cobeita de um largo chapu de palha, passava: sangrn como uma ferida mal cicatrizada. A' Tem
ligeiramente entre as cepas, e eu a seguia, feliz de pliers A despeito de minlia vontade, meu coracao
mover-me com ella no mesmo ar calmoso, e calcar! est sempre em Templiers. Em vo busquei fo-
a ara em quo seus ps lindara pousado. Durante Idear meus livros, Santo AgostirJio me pareceu
um momento ella parou debaixo de uma nogueira,
a calma tinha corado suas faces, o na sombra pro-
jeclada pelas alias do cha|>ii de palha, se via bri-
subtil e Bossuet severo. Deus n e soccorra, por-
que entregue a mim mesmo receio sucrumbir.
No seminario era sustentado p do enthusiasmo
Idar seus odos cor do violeta. Sbito, alguns da f, pela attraccn dos devotam ratos do apostu-
passos de nos, Beauvais appareceu conduzndo a lado, e pela disciplina da casa. Sacriliquei cora
carreta. Seu rosto jovial tinha essa expresso ga-1 transporte minha vontade. Nemnaram-me vigario
Ihofeira que sempre me embaraza. Em quanto os da cidade. O pulpito me esperava, via a mullido
vendimadores despejavam suas cestas cheias nos' atienta meus ps. Preparava, estudava meus
tonneis collocados as carrocas, o cavado impacien
tado pelas moscas, deu mostras de querer arran-
I car. Beauvais se pz diante delle, e tomou-lhe o
I brido, e era quanto o animal pinoteava e dava
I couces, com um s braco elle o fore,ava
mesmo lugar e sorria com ar soberbo.
| Dionisia furlo : tinha os olhos fixos em Beauvais
1 e seu rosto exprima uma singellaadmiraco. Sen-
ti-me humildad"; pela primeira vez a inveja pene-
trou-me o coracao e dexci bruscamente a cepa.
No seminario, 20 de outubro.
Nao, nao nasci para a vida do mundo, o padre
Bomeau linha razao. A prova, meu Deus, njo
foi longa I... Nao poda car por mais tempo em
sermes, minha mocidade inostrava-se toda era
raeus labios, quiz porra Deus darme, com um ge-
nio mediocre, uma alma menos ambiciosa que sen-
sivel. Meu lelo diminua ; deptisa cidade com
a ficar no I suas paixdes e suas ruidosas dislraceoos, me per-
Oldei para turdava c adalava. Acreditei qoo uma aldea des-
conhecida, oceulta entre as arvores, ooQviria me-
lbor s necessidades de meu cor.ico. Oblive um
curato em II.. nosconfins da Touraine, vinte
leguas de Templiers. Saudei est i promes sa de vi-
da pacifica, comprazi-mc nesta idi>ade me enterrar
aqu, com trinta e tres annos, esperando ao menos
que na aldea me seria permittido fazer fortificar
minb'alma ern proveilo de minha pobre parochia.
EstouemD... um anno. Tenho quatroecntos
par>rhianos disseminados em espalhados casaes. A
egreja est quasi solada, no centro, com a casa da
cmara e o presbyterio. Minha morada humilde
e velha, mas pacfica c conforme meus gostos. Por
detrazse estende uma cerca sombra e vasta. Que
me falta pois?...
Meus amigos deixaram de escrever-me. Tudo
i|ue resta de minha familia est em Templiers,
onde nao posso voltar. De vez em quando, o cor-
reio traz-me una pastoral ou circular impressa
com este subscripto. Ao Sr. cura de D... Na-
da de cartas intimas nada para Bnniel L.Fora de
minha parochia, estou morto; imuis parordanos
sao domens simplices e quasi todos analpdahetos.
' Apenas os vejo aos domingos, durante a semana
vivo solado. Mrria Lene, que- serviu meu ante-
cessor e que me serve, Mara Lene nao diz duas
palavras se quer por dia. Tem sempre como que
' urna venda de chumbo na fronte, e pa^sa o resio
de sua vida a enfadar-se pelo amor de Deiis. Nao
| tenho cao, Mara Lene aborrece os animaos. O
' mesmo jardiro, que tanto me agradava noanno
passado, tornou-se moroso, como minha vida.
: Meus collegv das parorhku visinhas sao todos- m-
Idos e teenv gostos sedentarios ; alm de que- seus
cabellos brancos attrahwfli meu respeito seta que
' attraiam oeu coracao.
Sinto-ra* atlacado do nostalgia da cidade. Os
1 cuidador da cidade deram lugar a outros. cuida-
dos. A -olidao me lera posto lente. Mjnha pa-
rochia parece um grande vergel em que somenle
! a naturesa impera, pacfica e fecunda. A cidade
I mais ou menos, sympathica a todas as voca-
1 ces, minha aldeia s duas cousas eomprehende :
trabalho mannaJ e o casamento. Nao tenho ce-
libaiaros de mais de trinta annos. Por toda par-
te, onde um lelo fumareja entre- as nogueiras,
cobre una familia, t teem meninos. A egreja, a
casa da cmara, e o presbiterio sao as nicas mo-
radas solitarias, ma- a egreja encerra Deus e em
cada domingo um rebanho do liis; a casa da c-
mara lea a escola, animada poli meninos ; mi-
nda dabitaeo, s, abandonada, e solitaria... Ah !
pobre pastor retirado ...Quando passeio nos oulci-
ros e nos caminhos cavados, de mim se apossam
os mais contrarios pensamentos... ambieo que
vem ainda sorrir era meus sonhos, uma Voz ihe
responde de meu livro : humildade I s recorda-
cocs de uma mundana alTeifo, a mesma voz res-
ponde caslidade;s munidades de intimidades:
Isolatnenlo e desapego. Entretanto os trigos se agitara com o vento o polvilhito: os passaros
que voam a seus oceultos ninhos nos ramos; s
mulheres que trazem, aos parreraes, a comida a
seus maridos ou filhos; os ramponezes que can-
tara ao longe, de novite, quando todo ruido tem
cessado, que m aizem lodos ? Casamento! fa-
milia I-
Se ao menos tivesse una creanca que educas-
se, iiitiuisse, e amasse, uma creanca que dor-
inisse-M.b meu tecto, que brincasse ,minha por-
ta, que enchesse meu lar de sua viva.alegra !...
Abril 184...
Hoje pela manha, no instante ea. que entrava
no presbyterio depois- de haver Jilo missa, fui
abordad} i>or urna muiher velha que a principio
niio eonheci. Era a. Bruere, a velha creada de
Dionisia. Nao tinha. tornado a ve-la depois que
fui para o seminario. Palpitou-rae o coracao e
coaheci me corara. Ella, tambem alguma eousa
acaudada por cau.-a de minha samarra, Mlianta-
arse, saudava. e nao sabia se devia chamar-me
Daniel ou Sr cura De certo, Sr. cura, uo vos
lembraveis de mim; me disso afinal; vim fallar-
vos por causa de- minha irma que jardineira.
em vossa parochia. Venho de Templiers, onde-
todos ves mand.-.m muitos ciunpcimentus. Minliai
ama me repetiu: Nao deises sobroludo de ir
em casa do primo. > Pobre linda senhora Sem-
pre m i.M'inh.i. e delicada principalmente depois-
que leve sua lhinha Dionisia, faz tres annos. do-
mingo de ramos Ah ninguera vss. esqnece-am
Templiers, as o mesmo Sr. Beauvais me d*se.
Ees uma le-bre que levareis ao. prinu-.., e a
menina I e* um ramalliete de violetas que ella
Ihesmo fe.
A lirtiew foi sempre tagarella. Sna tequacda-
de deu em tempo de restabclecer-m di minha
perturb.'ifo. Pude Sillar-lhe ento sem mostrar-
me muilo commovido, e contentar assim meu
fraco coracao, que acabava de aceordar sobresal-
tado dopois de um somno (le qntorse annos...
Vivem felizes om Templiers! Bem o pensava!
Como nio ser-se ali feliz J Beauvais atlene-wso
para cora minua prima. Tem moa Dlha que ado-
rara, e que o retrato vivo de sua mae, cajo do-
ce nome eruttlmente lem. A liruore nao mo pou-
pou detalhe algum ; contou-me ludo; a graca da
creanca, as preocupac> da mae. o augmento da
liroprielade. as proesas na cafa de Beauvais. Pa-
receu-mo ve-lo de novo, esse rival feliz, prujer-
lando sobre mim sua sombra, como tambem Dio-
nisia tiigueira, delicada e paluda, revi o tonino
passado...
I'ma lagrima rolou sobn- a branca orla do mi-
nha volla, e brilhou ali suspensa. Ob recorda-
ces, parque vos evoquei I Meu coracao, crias-te
ile^iapado do mundo, e enterneces-te com a lem-
brnnca d'uma muiher!
Kll'es teem uma lilhinha que se parece com sua
mae...

-

(CoiitinHar-srha.l
PEILN'^iliUCO.- 1YP. US M. F. F. & FILHO.



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EOQ5TTBZ6_RSJ7WD INGEST_TIME 2013-08-28T00:14:03Z PACKAGE AA00011611_10284
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES