Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10283


This item is only available as the following downloads:


Full Text

w
*
AflHO XL KUMERO 27.
Por tres inieze. Hiiautados 3JJ000
Por tres mne: vencidos tJOOO
Poiie ao con eid por Ires niezes. >750
O*

.! /'/

>
i
i I'
::
DE
/-
/> ^*~S,' *>! r' .
0U1HTA FEIRA 4 DE FEVEREIRO DE 1864.
Por anno adiantado.....19$00O
Porte ao correio por um anno 3$00U
RNAMBUGO.
EN'CARREGADOS DA SURSCRIPCO NO NORTE
Parahyba. o Sr. Antonio Alejandrino de Lima!
Natal, o Sr. AntonioMarques da Silva; Araraty. o
Sr.A. teLenoa Braga; ("...ir. e Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao. o Sr. Joa(|iiitn Marque* Ro-
drigues; Para, os Sis. Maee! Pinbetro & ; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
EM'.ARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO STT.
Aiaga;, o Sr. Claudino Falcio Dias; Bahia, o
Sr. Jos Marlins Aires; Rio de Janeiro,-os Srs. Pe-
reir Martins A Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Oliuila, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu'. Goyanna e Parahyba as segundas e
sextu-foiras.
Santo Anto. Grvala. Rezerros, Bonito, Garuara',
Aitiaho e Garanhum as lerdas feiras.
Pao d'Alho, Nazaceth, Limoeiro, Brejo, ivsqueirt.
pgazeira, Plores, Villa Bella, Tacaratu-, Cabrob,
Boa Vista, Ourifury 9 Exu' as queras Cairas.
SenAhSem, Rio Formoso, Tamaodar, Una, Rami-
ros. Agua Preta e Pimeateiras as yiinta* feiras.
Ilha de Fernando todas as vezas que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao V dia.
EPHEMERIDES DO MEZ DE PEVEREIRO.
7 La nova as .1 h., 49 m. e 88 i. da t.
K\ Quarto crcsc. as II h.. 3 m. e 26 s. da rn.
22 La eheia as 2 h., II m. e 8 s. da t.
PREAMAR DE HOJE.
Pnmeira as 0 horas e :0 minlos da tarde.
Segunda as i horas e i minutos da roanha.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEROS.
Para o sal at Alagas a o e 25 para o norte at
a Granja 7 e 22 de rada mez; para Femando nos
dias H dos mezes dejan, marc. maio, ju), set cnov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recito : do Apipncos as 8 % 7. 7 >/j. 8 e
8 '/ da m.; de Olinda as 8 da m. e 6 da tarde ; de
Jaboatao as C '/2 da m.; do Ca nanga e Vanea as 7
da ni.; de Henifica as 8 dam.
Do Recito : para o Apipnros s 3 /,. i, 4 5, 5 "i. 5 Vj e 6 da tarde; para Olinda s 7 da
manha e 4 '/ da tarde ; para Jaboatao s 4 da tar-
de ; para Carhang e Yarzea as 4>/,da tarde; para
Bemfiea s 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TP.lbTNAES DA CAPITAL.
Tribunal docommercio: segundas e quintas.
Kelaclo: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphao: tercas e sexta s 10 horas.
Primeira vara do civel : tergas e sextas ao meio
da.
Segunda vara do eivel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DIAS DA SEMANA.
1. Secunda. S. Ignacio b m.: S. Brgida \
2. Terca tffls A Parificado de y Senbon.
3. Ona'rla. S. Tito b. : S." lira* b.
I. Quinta. 8\ Andr Corsieo b. r.
\la. S. gueda v. ni.: S. Avilo b.
6. Sabbado. S. Dorotha r. m. S. Vida. b.
7. Domingo. (Entrado.) 3. Romualdo afc
ASSIGNA-SE
no Rerife, em a livraria da prara da Independencia
os. 6 i 8, dos propridtanos Manoel Figueiroa
Faria : Fitho.
PARTE 6FFIGIAL.
H1MVH KIO lp.v Vt.HKNli-
R\ < OH VSI.IM IO
E Oltlt \S PIKI.K AS.
hbcmbo n. 3,198 de 16 m EZKMiiiio as 1863.
Azyreua M i para minearan de ajfr-
mensores.
Hu por bem approvar as nstraccdes pata no-
meacio de agrimensores de trras publicas que
rom este. bailara assignadas por Pedro de Airan-
tara Bellgarde. do meu conselho, ministro o secre-
tario'da eaUdo dos negocios da agricultura rom-
inorriue obras publicas, que assim o lenha Mtton,-
dido e faca excctilar.
Palada do Rio de Janeiro, aos 16 dias di. mez
de dezembro de lNt:i, 12" da independencia e do
imperio. -Com a rubrica de S. M. o Imperador.
Pedro de Alcntara tetlrgarde.
NSTniCCOES PAIU NOMEAi;O DF AGRIMENSORES.
Art. !. Somente poderSo ser empregados como
agrimensores as medices de Ierras publicase
paticulares, feitas porordem ou com participaeo
do goverio:
1." Os engenheiros geogr.iplios com carta passa-
da pelas escola? nacionaes;
2.* Os habilitados com carta de curso completo
da academia ou escola de marinita da corte;
.)." Os pilotos de carta pela mesma escola ou
academia, ou por ellas reconhecido;
i." Os agrimensores habilitados com titulo na
[urina destas instrucedes;
*. Os que, como taes, tivercm sido empregados
pelo goveruo at esta dala.
Art i." Os comprehendidos em os ns. 1, 2, 3 c
!i do artizo antecedente, para podercm exercer as
funecoes. sao obrigados a apreseniar os documen-
los comprobatorios de sua habilitacao, para serena
registrados no ministerio das obras publicas, ou
as provincias as secretarios das presidencias.
pe M qu es Ibes tiva.
\rt. 3 Os conhecimentos esperiaes exigidos
Sa-a se obter carta de agrimensor na forma do
0 do art. Io. sao os seguinles
I." Malhemaihicas elementaros, metrolog i, lo-
po^raphia, noyes de astronoma ed"senho linear ;
2. Pratica do uso dos instrumentos e trabalhos
de campj.
l m programma especial designar circumstan-
eiadaraenle as doutrinas do> paragraplios Ulece-
denles.
Art. 4" Ojiando houver concurrentes solicita-
ra > do t lulo de agrimensor, serio examinados por
na coramissao de lre .nembros habilitados, con-
forme es SS I, 2. :t e 4 do art. L*, e presidida pelo
mais Rrrduaili
Esta BWHBissio ser nomeada na corte pelo go-
verno e as provincias pelos respectivos presi-
dentes.
Art. .'i." Examinados individualmente tml is os
po-mlanies, tanto na parte Uieorica, como na pratt-
ea, a cacunlsso examinadora organisara um >|iia-
dro de todos os pontos do programma com as qua-
lilicace; de habilitacao em cada um pelos ns. de II
-i ;t. Este qoadro eom lodos os documentos e tra-
balhos escripias, oo grficos dos concurrente, se-
r prsenle directamente ao ministro da agricul-
lura, eeoimercio e obras publicas na corle. ; as
provincias por intermedio dos presidentes.
Art. 1* Os conenrrentes qao liveren approva-
rao pela- escolas sii|i"nores nacionaes em qual-
quer das doutriaas do programma, pdem set dls-
pensados dos respectivos exames, laocaooo-se a
not ano erica a vista dos documeatoi que exlnbi-
rem. e procedciido-se ao exame somente as don-
trinas que faharem para completar o programma
de que trata o art. 3."
Art. ".' Sedas iaformafdes e proras resultar
Labihiacao, serio expedidos pela secretaria de es-
tado dos aeg co- la agricultura, commeroio e
obras publica- os ttulos aos concurrentes, devendo
estes afiles apreseniar folha corrida.
Art. 8.' Os titules de eagenheire geographo, pi-
loto ou agrimensor passados em paites estranfei-
ros s poderao ter valor depois de nm exame coral
pelo qual se verlOV|Ue a ideutidade e eapael lade do
titu ado.
Art. '.i.1 Seis nuces depois da pnbKcaeSo destas
instrneedes as eapitaas das provincias, tica iohi-
bnli o \;reieiu da agrimensor, na forma do art.
i queMeeajae nao verem regnlarisade set i t-
tulos, ou provado suas habililacdes de conformida-
de com M prsenlos instrucefl '-
Palacio do Rio do Janeiro, em 10 de dezembro
da 1883.Pedro de Alentara BeUega
y. I. Directora das trras publicas e colotlisa-
cTm.Rio de Janeiro.Ministerio dbs negocios da
agricultura, coi in ercioe obras publicas, em ik de
dezembro de 1863.lllm. Sr. Pica approv; da 0
programma .un o, erganisado nesta data pela '-' di-
rcctora deste ministerio para a execucao do art.
3* das insiruccoes relativas nomeacao de agri-
mensores, approvadas pelo decreto n. 3,198 de 16
do rorrete mez.
11 :- guara- .i V. S.Pedro de Alcntara BeUe-
s.-. director da 3* directora.
r;;oi;i:\\l.\l\ DAS DO l'l'.INA- \ QUI si: RBFBRE 0 ABT.
I!" da.- l.NSTiil i.ijk.s KARA \ K0HRACA.....I SORI-
M NSOBBS, ARtlVADA l'Kl.o DBRET0 K. 3,193 DI
1 i nv. i UEMBRO DO CORMCm e.\n
I Mathemaliats etem -Arithmetica, til-
gebra al equa;iic>- do 2" gran, logarilhmos, geo-
a plana e trigonometra rectilnea.
2.' Metrologa. -Systetna nacional antig", mtri-
co e ingles; ecalculo dos complexos.
:!.' Tofvgrapltia. -DcserTpciodos seguales ins-
trumentos: bussola, plancheta, esquadro de agri-
mensor, pintametro e nivel d'agna e de bolla de
ar, sextante c tlieo.lolitlio.
4." Ha ironumi'i.Descripcao deesphe-
ja Celesi) de s 'Uscircuios; longitudes c latitudes
terrestres; rotco diurna e movimento animal da
trra ; su;, figura i dimensoes medida de tem[io
verdadetro, medio o sideral.
.'i. Oeunho linear. Desoripcao e uso dos ins-
trumentos empregados no desenlio linear ; cons-
truci^io de escala- ; cores convencioaaes, e copia
i.nhos topogiaphicns.
0.' trafica do uso dos instrumento e trabalkot
de cumio.RectiQca;ao dos instrumentos mencio-
nados, le.-antanieiilo da planta de um terreno por
ntereepces, triaogulacSes, ou acaminlianicnlo;
nivelaniciito de urna exiencaaqualquer; construc-
c,ao de.-tes traballios e memorial dos raesmos; de-
lei loinacao da agullia c da lattitude.
I ircelnijJirectona, 24 de dezembro de 1863
Pedro dt Alcntara oeUeaarde.
AM\\\<\ DA PB0\l\IA.
Ilipedienle do dia 30 de Janeiro de 1884.
oilicio ao brigadeiro commandante las armas.
A' vista das infonnaco-^s constantes das copias jun-
h o i e 2, ministradas pela Ihesouraria de
tazeoda com referencia ao ofDcio de V. Exc. 2.280
de 11 oe dezembro ullimo, a que respondo, nao
pode ser ,iaga pelos cofres goraes e si ni pela
nomias Billas do8" batalho de intant.iria, aquan-
tia de 18^., despendida pelo mesmo balalhio rom
0 c.irret do respectivo tardamente, ; sobre que
di ns documentos que devoto).
Dito ao Dr. ebefe de policia.llaja V. S. di mi
nislrar a informaeo que a presidencia exigi de
V s. por offlcio d 1' de selembro do anno p
lo, acerca de um rcqiierimcnto do major Uercti-
ano Sanc'io da Silva Pedra.
Dito ao eonsellieiro presidente da relacao.
Queira V. S. nierpor o seu parecer sobre a materia
do incluso oilicio. que em 23 deste mez. dirigio-me
o promotor publico da comarca do Bonito.
Dito ao Inspector da ihesouraria provincial.
Km vista do competente certificado, mande V. S.
pagar ao arreiu.it inte da reconstruccio da bomba,
iiuedesabou na estrada de Pao d'Alho. no lugar
denominado Mozambique, a importancia da pri-
meira preslaco, que lem direito por liaver exe-
cutado motade das obras do sen contrato, segundo
consta de oilicio do director das obras publicas.
Dilo ao mesmo.Mande V. S. pagar nos termos
de sua in'ormarao do honleni sob n.31. a quanlia
de 275421), en que, segundo a ronla junta. qfl"
yeio amie.xa ao oilicio do director geral interino da
nstruecao pubiiea, n. 14 de lit do corrente, im-
portan) as despezas feitas com o expediente da bi-
blioiheca publica, no trimestre de outubro de-
zembro do anno prximo passado.Communicou-
M ao director geral interino da instruego pu-
blica.
Dilo ao capilao do porto.Mande V. S. por em
liberdade os retratas Manoel Alfonso de Sania
Rosa e Manoel Sebastian Bastos Lima, que Miara
jaleados ineapazes do servico, em inspeccao de
sade, segundo V. S. declarou em seu officio n. 10
de 28 do corrente.
Dilo ao mesmo.Faco apreseniar V. S.. para
ter o conveniente destino, depois do inspeccionado.
0 remita de marinha Manoel Germano da Chagas.
Communicou-sc ao Dr. chefe de policia.
Dilo ao director das obras militares.Compre
que V. S. me informe se ja deu principio a obra
do cano de csroIo desde a Soledade al a praia do
Hospicio, cujo orcamento foi approvado |Kir aviso
do ministerio da guerra de 14 de outubro do anno
prximo passado, |ue se refere o oilicio desla
presidencia de 31 do mesmo mez, devendo no caso
contrario dar comeco a essa obra quanto antes, de-
clar.indo-me os motivos pelos quaes ainda o nao
fez.
Dilo cmara muiicipal de Olinda.Cumpre
que a cmara municipal de Olinda, remetta-me
com a possivel brevidade. como se Ihe exigi em
officio d 15 do corrente, a copia da acta da ins-
lallaeSo do eollegio eloitoral dessa cidade para a
eleicao de um senador a que se proeedeu no dia 0
de dezembro ullimo.
Dito io juiz iniiuiri|ial do Rio Formoso.Defe-
rindo o requeriniento de Jos Joaqun) da Silva Br-
relo, determino Vmc. que o faja entrar no exer-
eicio da servenlia, dos oBetos de partidor e conta-
dor desse lermo, independente de titulo que apre-
sentar no prazo de 3 mezes contados do dia 17
do correle.
Dilo ao superintendente da estrada do ferro.
Tenho presente o oilicio que o Sr. superintendente
da estrada de ferro dirigime em 20 do corrente,
conimunicando-mc que, tendo offlciado ao enge-
nlieiro fiscal da mesma estrada, em 23 desle mez.
sobre os inconvenientes e al prejuizos, que soffre
a companliia com a falla de adopcao t>or liarle do
governo ueomamedUa para inlemnisacoes dos
fretes devoto- por Iransporles de tropas oulros
agentes pblicos, e que nao tendo al aquella data
recebido solucaoalguma no sentido de sua reclama-
cao, declara-me que os transportes daquella nature-
za. que liimv.rem de ser feitosdo lde fevereiroem
diante, o serio por meio de biHieles vencidos as
estacos da estrada, os quaes serio emitlidos as
condicoes estipuladas no conlrato celebrado entre o
governo e a companliia. i-to c, pelo decreto n.
1,030 de 7 de agosto de I8,'2. arls. 13, 14 e 15.
Inieirado do que me coinmtmira o Sr. superin-
tendente, a chamando ames de tudo sua attencio
para a uiaiieiia pumo conveniente, com que trou-
te ao conhecimento desla presidencia o objeeto do
-eu citado oilicio, a que respondo, cabe-me dizer-
be que. tendo sido adnnltido desde o comeco do
rafego dessa estrada, ara os transpones de ro-
a.- e o,uros agentes pblicos, a concesse de
passes que serviriam de documenios jus-
lucatiros par ser a conpanhia, logo que o re-
idamasse, embolsada do sua importancia no que
Dxeedesseui as doas passagens em cada irem, a
que o governo lem direilo. deve continuar e-.-a
pratica al qne o governo imperial, i cuja delibe-
i aeao vmi submetter a reprosenlacao do Sr. supo-
rintendenle, resolva a semelhante respeito, como
julgar mais acertado
Entretanto, devo ponderar ao Sr. superinton-
ilenle que, tendo sidosioente exigencia e inicia-
tiva do engenheiro fiscal do governo. como ssseve-
la este funecionario em sua informaeo datada de'
boiiiein, que a importancia dessa cotila figura ha
o lempo na reccia da estrada de ferro, de
i stranhar a allegaeio feila de nao ter sido a com-
panhia anula indemnisad i de semelhante despeza,
nao tendo jamis apreseotado para este (ira a com-
l>etenie contar
Finalmente, e em vista do que ainda declara
i.quello engenheiro, pacer que nenhum raoti\ i
plausivel iiuiia o Sr. superintendente para dirigir-
te 8essa presidencia sobre o objeeto de qu se
jraia por nao ler receblo prompta solucioao offl-
no qne em 23 do crranle remetiera aquella en-
(enheiro e que tendo sid por elle recebido no do-
i migo noite (24) foi enlielanto. presente no dia
M'guinle.
Dito ao mesmo.Com a inclusa copia da infor-
i i.acao ministrada boje pelo administrador do cr-
relo, respondo ao oilicio que o Sr. superintendente
da estrada de ferro dirigi a esta presidencia em
- de iiovcuibro |vxi..... lindo, na paite relativa ao
forte das cartas recen das pela rompanbia da us-
na estrada por intermedio daquella reparticio; e
iinanto a isencao dos imposto9geraes e provineiaes
ru a me.- na eomnanhia paga e de que traa i
1 rimeira pt re do citado officio, deve ella requerer
i os podores competentes certa de que era aeme-
l'ianle piel, ncao encontrar neste governo toda a
coadjuvacao que Ihe fr possivel.
Dito aos agentes da companhia Itra-ileira de pa-
qoetes a vapor.Podem Vmcs. fazer seguir para
os portos do norte, o vapor Apa amanliaa a Iioa
indicada em seu officio de boje.
Portara.O vice-presidente da provincia, atlen-
dendo ao que requeren o juiz de direito da comar-
ca de Goyanaa, bachar?l Francisco Gon^alves da
i ocha, resolve conceder-tlHi um mez de Ikeoea
com vencimentos para tratar de sua sade nesta
capital.
Dita. -Os Sis. agente^ da companhia Brasileira
i s paquetes a vapor, manden) dar passagem de
1 roa para a Bahia por ennta do ministerio da ma-
rinha no vapor Paran ao imperial marnhelro a-
roel Bispo II que foi considerado incapaz do servi-
co, em inspeccao de sa ido.Communicou-se ao
commandante da ranlmneira fajahtf.
------
Despachos d dia 110 de Janeiro de 18C.
Urque i ment*.
Baeharel Francisco Gencalves da Rocha.Pas-
se-se portara concedendi a licenca pedida.
Goncallo Jos** de Sant'Anna.Informe o Sr. co-
lonel recrutador.
Joaquim Maria do Monlc Informe o Sr. coronel
"ecrutador.
Jos Joaquina da Silva Brrelo. -Aojuiz muni-
cipal do termo do Rio Formoso, expedio-se ordem
lo sentido, que requor, e marco o praso de 3 mezes
aullados de 17 do corrento para apresentacao do
respectivo titulo.
Jos Herculano Thomaz de Aquino.Em vista da
informacio nao lem lugar por ora o que requer o
upplicanle.
Olindma Marcelina de Carvalbo. Aprsente ao
Sr. inspeclor do arsenal de marinha o menor de
que se rala ecertulao da respectiva idade.
Tranquilino da Cruz Ribeiro.-Xao leu i lu-
gar.
(MattflDO DAS ARMAS.
Qaartel feaeral dn ciinmiaul das armas le Per-
uamliuro, na cidade. do llecife. 2K de Janeiro
te 1844
Onim do da n. 291.
0 general coinniamlante das armas determina
que na inanhaa do dia I" de fevereiro prximo
vindonro se pasee revista geral de mostra em seos
respectivos quarleis, aos cornos movis do exerci-
to aqu existentes, ao de guarnicao e coni|ianhias
soladas pela ordem seguinlc : As G horas a com-
panhia deartiOces as fi 4|2 ao "- batalho de in-
famara : as 7 a companhia de avallarla ; as 7 1|2
ao i de infamara ; as 7 3|4 ao *> da mesma ar-
ma ; as 8 ao corpo de guarnicao ; e finalmente as
H :i|4 ao 4 batalho de arlilharia a p.
O mesmo general declara para que lenha o de-
vido cffeilo, que approvou o engajamento que a 27
do corrente contrado para servir por mais seis
annos, precedendo inspeccao de sade nos termos
do decreto e regulamento do f de maio de 188,
o soldado da 4J companhia do 2" batalho de in-
famara Manoel Gregorio, conforme panicipou o
respectivo Sr. commandante em ofllco n. 78.
.issignado.Solidonio fB$ Antonio Pereira do
l.aijti.
Conforme.Jos hjnario de IMstros Raje Hea-
teiro, capilao encarregade do detalhe.
1 de fevereiro.
Ordem do dia n. 292.
O general commandante das armas faz eerto pa-
ra conhecimento da guarnicao e envides Ras, que
passou de doente prompto o Sr. coronel Joo
Guilherme de Bruce, a quem determina que reas-
suma o commando do 7* batalho de infamara. II-
cando por ora dispensado de comparecer noquar-
lel por precisar de alguns dias de ronvalescenca.
Faz igualmente certo, que se apresenlou vindo
da provincia da Babia, o Sr. lente Jos Alcibia-
des Carneiro, que ficou reunido ao sobredito ba-
talho selimo que perlenre.
Assignado.Solidonio lote Antonio Pereira do
Lean.
Conforme. Jos ynario de Maestros Reyo Mon-
fetro, capito encarregado do detalhe.
2
Ordem do dia n. 293.
__ O general commandante das armas em execu-
cao do disposto no art. 2 das ioatraceftes do 1" de
maio de 18.'W publicadas na ordem do dia do exer-
cito n. Si, determina ao Sr. major cmnmandanie
do corno de guarnicao desta provincia que consi-
dere addidos ao mesmo corpo. al terem o conve-
niente destino, o 2 sargento Jos Francisco da Sil-
va, c os soldados l.uiz Ignacio de Jess e Trajano
Justino de Oliveira, queem inspeccao de sade fo-
ram julgados ineapazes do servico do exercilo. e
nao teem ainda linalisado o lempo de servico. lis-
ta disposieao ser observada por lodos os Srs.
commandantes de cornos e companhias soladas
desta guarnicao, com as pracas que se aeharem
em idnticas Vircumsiancias,
Assignado.Sotdono fet Antonio Pereira do
Lago.
Conforme.Jote hjnnein de Modtirot ley Moa-
teiro, capilao encarregado do detalhe.
biiqnerqur. depulado eleilo pelo Jh di>tricto da
provincia de ivrnambnco.
Acham-seambern sobre a mes;,, p vao I
da i mmissaode poderes varios documcuios rela-
tivos a eleicao da paroema de i'irassinunga. do 3
distrieto eutoral da provincia de S. Paulo.
<> mi. iv.i-n,i mi: declara que achando-se au-
sente 0 Sr. Saraiva, um dos membros Horneados
pua.i coromisso deconstitnicaa e poderes, noma
para soliiiu-lo o Sr. Paranagu.
'Mi. FiiuiKiiiA nv vinca : Tendo lido o que se
O Se. FiAi.iio :Assim o pretendo fazer.
No iba 31 recriidc-ceu o meu iiKommodo, mas
anda aun leria rimlo cmara como parecer
da eommissao c o meu vol em separado, se nao
visse que sendo qoasi 2 horas da larde, quandoo
conclu, haveria lempo para discutidos com os ou-
tros honrados membros da eommissao, que de-
viam assignar o parecer at o levanlamento da
sessi i.
Por ronsegnintc, disse eqtfe mim ninguera sof-
fre eom a pequea demora na apres-
ten! publicado em um dos joinaes diarios da corte parecer, e, pelommi -, Dearemos tnals habilitados
a respeiit das eleieons do 3* distrieto da provin- para enlrarmos na sua apreciado qnandosedls-
cia do Cear.eu vejo que com lodo o fundamento cutir o que for olTerecido pela eommissao prima-
se diz que fora falsificado o livro das acias do col- nenie,
leg-oda liarbalha... O nobre depulado ucrescentou aUula que cu me
O Sa PAHKioeta : Gom todo o fundamento, nao linha retirado, que rae tinham procurado por toda i
apoiada | a casa, e como que reparando em o ter eu feilo
OSn. LmenATO :Nao ha nenhum fundamento sem dar satisfacae aos meas nobres collegas.
para teo. ^ Ku linha pedido os documentos para estuda-
0 Su. l-'; n \ Vii,\ :... e, segundo o parecer los : e desde quecstavam em meu poder, acredl-
da 1* commssiio de |ioderes, esse livro se acha na le e acredito que nao prerisava pedir licenca
secretaria dttsta cmara, remedido pelo presidente ningnem para lvalos para minlia casa.
pelo preside
daquella provincia.
Sendo este fado por sna nalnreza multo grave,
e_dependendo delle a approvacao ou nao approva-
cao dos diplomas de que sao portadores os Srs.
Drs. Pompeo e Ratisbuoa, requeiro cmara que
se digna normar a nina eommissao de 3 de seus
membros, ou se parecer mais conveniente de 2 no-
tarios pblicos, alim de que se proceda a um exa-
me minucioso sobre esse livro.
0 Su. Sai.danha Maiumio:Peco a palavra.
O Sa. F. i>a Vkiua : Bei|ueiro' mais que pelo
ministerio do imperio se peca a correspondencia
do presidente da provincia do Ceara acerca das
eleicoes do 3o distrieto, alim de que seja apresen-
lada a cmara dos Srs. depulados.
O Su. Sai.daniu M.muxiio :Esla na casa.
Vem mesa, lido, |ioiado. e fiea adiado na
ninguem para lvalos para
Accrescenlou ainda o nobre deputado, que nao
quiz ai tribu ir a urna estrategia o meu procediinen-
to ; agradece ao nobre deputado a Juslica queme
cao quer relativamente necessidades do merca
diju ainda com referencia ao systema econ-
mico, aprsenla inconvenientes de momento.
Kll'eciivainente. de todas-as necesidades de que
carecedor o Brasil, a que menos urge por urna
reforma a que diz respeito a circulacao daquella
0)' la e como tal a ialencao que manifesta o ga-
vera,, oeste -entido, |ior curio mopporiuna e sem
aaptae) ,i< circumslancias do-paiz na aciualida-
de, em que a substituido- pela moeda divisional
de bmmu aadapoee iolluir de modo benfico na-
rejacos, a que parece querer-se assim facilitar e
garantir.
De lodos os meios circulantes que possue o Bra-
sil, a moeda de cobre o que aprsenla realidade
em si, c offerece ao possuidor por sua natorea
intrnseca um valor effeclivo e correspondente ao
representado em sua denomioacao.
Alm de que, sera embargo de baver sido tal
moeda impregada em pequea escala nos paga-
_ ---*- j------- i *w->^ .tupi b*aun Ull |>
rez, ponpie so eu julgasse que S. Exc. me allribuia n.nliw ,. ..... ,
a inlenco de lazer qualqur estrategia a favor de j mLn,5'. a""la COin.lud,> aM a""" Ito delta
una das turnias de eleilos que reclamara assento nomovinento relativo s iransaccOes do uso ordi-
nario di vida.
na casa, entieestalla cu em meu direito.
O Sn. pREsinKXTK :O nobre depulado s tem
a palavra para explicar o motivo do seu procc-
dimento.
O Su. FiAi.no :Mas, tendo-se irrogado urna cen-
sura ao meu procedimento, tenho o direito de de-
fender-me.
(lia vanos apartes.)
Sr. presidente, tenho como ponto de f que a
vermeacto dos poderes dos membros d;sla casa j0 ,|Ue t, poSsa :
1 urna das mais serias Jas nossas funecoes ; cnten- -
E, pois, a sua substituido por outra de diverso
metal nao Iraz utilidade real, e menos melhorara
a siiuacao do mercado na parle que se liga ao seu
curso ; no enlamo que delta deve provir um dis-
pendio nunca menor talvez de uns duxentos ce-
ios de ris, em consequencia da mo d obra, alm
com a respectiva conduc-
frma do regiment pera sabbado, por ler pedido do que em ama eleicao lio cotestada'iomo" a do i4' e ,J'!rder na venda da mesmi moed*- C0i Pre"
a palavra o Sr. Saldanha Marnho, o seguinte re- que se trata, nao deva de leve prestar minha as-1 C provavelraenle ser em condirrjes de altrahir ao
queriinenio : signatura a um parecer que nem tinha anda a de preferido na operacao.
Itequeiro que seja nomeada urna eommissao nenhum membro da eommissao, sendo apenas um
de tres membros desta casa, ou de dous notarios esboce. -';, ,u quem se tenlia queixado, comeffeilo, di'
pblicos, para examinaren o liere das acias do! Poderia accresrenlar oulros reparos s palavras inconvenientes resultantes da circulacao da moeda
eollegio da Barbalha. do 3" distrieto da provincia do nobre denotado: tarmimurni nfirm auui. na- i 4. ..u _r- L______ .
ro ,--------........^ representada nella o valor nominal
correspondencia do presidente do Ceara a respeito cedimenlo. que Ihe d assignado pela lei : ao passo que M
das eleicoes do 3 distrieto desta provincia, afim de1 O S:t. Aiustides I,ono:-Sr presidente, venho dias se levantam clamores e se apontam mates
ser presente a cmara.Ferreira dn \'eija. dar urna explicad ao nobre deputado pelo 4" dis-
de-
collegioda Barbalha, do 3" distrieto da provincia do nobre depulado; lerminarci, pfirm. aqui, pa- \ l1pmhrp nr.n ...____
do Leara, argido de estar falsificado. ra nao contrariar aos desejos de V. Exc, e me pa-1 "e ., "a quem
- Que se peca pelo ministerio do imperio toda a recer ler dilo quanlo basta para explicar meu pro- j uewaamentc represen!;
irrespondencia do presidente do Cear a respeito cedimenlo. i que 'he o assignado pel
is eleicoes do 3" distrieto desta provincia, afim de O S:t. Auistuiks l.ono :-Sr. presidente, venho dias se levantam clara
r presente a cateara.At-rrira da Vtittk : dar urna explicaca ao nobre deputado pelo 4" dis----------'iiwhBiM nns ___ nrn
0 Sa F.ai no :-Peco licenca cmara c ao no- trido da provincia da Bahia acerca do parecer que eSsencial'sSiraO' o"* mcos circuanles, dos
re deputado pela pruviiu ia do Ceara que foi meu foi lavrado pela eommissao de poderes de que Ilz 1uaes ,olavia se na d com a applicaco do de-
vido remedio.
bre
collega na 2* eommissao de poderes durante as parte, sobre esse mesmo distrelo.
scsses preparatorias, para fazer ligeiros reparos Deu-so um ligeiro equivoco, verdadeiro lanso ,, .. ____
ao que disse S. Exc. na sessao de 31 do passado, e de penna, na copia do parecer, a respeito de duas ra- 1iando M om,Ue providencia tao palpitan-
que apparece publicado no suppleniento ao Jornal freguezas, rujo adiamento a commiss.o pedia. to, original que se pretenda tratar de preferencia
do Commercio de honlem. | A eommissao, Sr. presidente, pedia o idiamento de urna medida meramente luxuosa, que se nao
(.omecare, Sr. presidente, notando algumas de duas freguezas. entretanto que pela redaccao ; n'Commenda or consideraco aliriim de iiiidiik
iiiexact.does no que avancou o nobre depulado. do parecer, parece que se pede o adiamento de urna r,-C0lnratnua P"r considtragao aibuma de utilidade
Disse S. Exc. que tendo no da 28 de dezembro freguezia e de um eollegio. |utica.
terminado os seus esludos sobre as eleicoes do 1, exactamente sobre e-te poni que versa a du-1 Sem embargo, porlanto, de j terem eslado em
d,s,,l'"''. da- Pf0V,DC" <\P-Tahyba do Norle, nes- vida B pe a palana para que lique consignado CX|(0ji(,^, na pra(.a do commercio do Kio de Janei-
na casa, que foi o pensamentoda eommissao pedir
o adiamenlo das duas freguezas e sao do eol-
legio.
rieses sentido liz urna altcracao na concluso do
O engao do nobre depntado neste ponto esl na parecer, pedindo que ti piern adiadas as eleicoes
dala. Nao fui no dia 28, mas no dia 29, que o no- j das freguezas doBomfim e do Podri.
bre depntado approximou-se de mim, cerca de 1 O Su. Dantas :Eslou salisfeilo com a explica-
hora da tarde, e eonvidon-me para essa reuniao.! cao do nobre depulado.
se dia convidara seus collegas da romanasen para
urna reuniao em casa de um de nossos Ilustres
collegas, afim de que all vissemos o resultado dos
: seus l raba I los.

INTERIOR.
rio ni-: jam:iko.
ASSEUBLEA filAL
CMARA HOS >l \PI1)ttI S
DKPITADOS.
SESSAD KM I DE JANEIRO de 186L
Presidencia do Sr. /.neuritis.
As 11 lloras da manliaa. feila a chamada, achan-
do-se presente numero sudicienle de membros,
abre-te a sessao.
I. se e approva-se a acia da antecedente.
O Sa. 1' Si:.....tmiio da coiila do seguinte
KXI'KDIKNTr..
l*m offlcio do ministerio do imperio, enviando
o offlcio coa qne a presidencia da provicia das
romettoalguns doeuraenl isrelativos soe-
enrrencias havidas na eleicao primaria a que se
proeedeu as villas do Passo d" Caraaragibe, Al i-
laia e Santa I.u/ia do Norte.A eommissao de po-
deres.
Ouiro do mesmo ministerio, enviando o offlcio
no rjnaj a presi lencia da provincia de Uinas-Ge-
raei comniunica ter designado o da 28de feverei-
ro prximo futuro para proee ler-se eleicao pri-
maria das paraehias de s. Sebastiae de Correales,
Chapada, Agoa-Suja e Salto-Grande do (>" distrieto
eleitoral, e Sant'Anna da liana do Rio das Velhas,
do "". mesilla eommissao.
Ouiro do mesmo ministerio, remettendo, com o
offlcio da presidencia da provincia de atiiuo-Ge-
raes, as actas das eleiaoes primarias das parochias
da villa do Patrocinio e Santo Antonio do, Palos.
A DOeeata eommissao.
Ouiro do mesmo ministerio, enviondo os offlcios
rom o- quaes a presidencia da provincia de Hato-
Grosso, remelle copias nao s (lo- dous offlcios que
Ihe dirigi o 1* juit de paz da parochia de N ssa
S. da Conceieiu da villa do Diamantino, sobre" o
ali.miento da eleicao primaria da nie-ini parochia,
como tambem do qne Ihe foi enviado pela jeareara
municipal da rotonda villa. cominuni<4ndo-lbe
arhar-se concluida aquella eleicao. magma
eommissao.
Outro do mesmo ministerio, enviando, com o of-
ficio da presidencia da provincia do Hio de Janei-
ro a acia da organisacio da mesa do eollegio de
Valonea, e as das eleh.*oes primarias das parochias
de Sania Isabel do Kio Pelo, Ipiabas. Nossa Se-
nbora da Gloria de Valonea, Santa Thereta e Rio
Bonito.a mesma eommissao.
Outro do mesmo ministerio, remettendo, rom os
offlcios da presidencia da provincia do Itio de Ja-
neiro, as acias da organisacao das metas dos eol-
legio.- ilaTNlrella, liezende, Itagoah) e Santo An-
tonio de S, e as das eleicoes primarias das paro-
chias de S. Francisco Xavier, S. Pedro e S. Paulo,
Banana!, Sanio Antonio de Sa, Santi.-siina Triuda-
de de Macad e S. Jos da Boa-Norte.i mesma
eommissao.
Outro do mesmo ministerio, enviando, com o of-
ficio da presidencia da provincia do Rio de Janei-
ro, a acia da organisacao da mesa do eollegio elei-
toral da villa do Piraliv. mesma eommissao.
Ouiro do mesmo ministerio, remetiendo o offlcio
da presidencia da provincia do l'ianliv aeonipanha-
do das infoiinace- prestada] pelo juiz de direito
da comarca do Principe Imperial sobre as eleieoes
primarias das parochias do mesmo noine. da lude-
pedeneiae de Larvio.A mesma eomn issio.
Ouiro do mesmo ministerio, participando baver
recebido o oilicio em que esl cmara coininunia
que pode coineear OS seus trabalhos por haver nu-
mero suficiente de membros, o Iransmittindo a
relacao nominal dellr-, a qual fez eliegar augus-
ta presenea de S. M. o Imperador. Intoirada.
Outro do 1" secretario do senado, enviando a co-
pia aulhenticada falla com que S. M. o Imperador
abri a primeira sessao da 12* legislatura.A eom-
missao de re-posta falla do Ihrono.
Aeaa-ee sobre a mesa, e vai eommissao de po-
deres o diploma doSr. Silvine Cavalcanli de Al-
A casa, ou grande numero dos seus membros, sa-
be que solfro em minha sade ha alguns dias, en-
fermtdade tao seria, que s por amor ao cumpri-
mento dos meas deveres que tenho viudo aqui.
Disse eu cutio ao nobre deputado que nao me
seria possivel talvet, depois de ter estado na cma-
ra al aquella hora assistir a essa reuniao : que
podan ir os oulros nossos collegas, e quo depois
de terem entre si conferencia do DM li/.e-se S. Iac.
a graea de transniiiiir-me esse seu parecer com os
documentos respeciivos.
O nobre depulado parecen nao satisfazer-se rom
O Sr. Ahistidks Lobo : -Creto que essa alte-
racao que o nobre deputado quera. Pe jo que o
parecer seja presente a nobre commissio respec-
tiva.
1'ltlMKlA PARTE DA ORDEM D0MA.
BLaiClo i\s commis-oi:-.
Continua a eleicao das commissoes. e saben)
eleilos .
l'i iincirn de orramento e tontas (85 cdulas).
Os Srs. C. Ottorii. 58 votos Carvalbo liei-. B7 |
Raiol, 38.
F.i.i'.ievoDi-: i'iaiwMin i 0.
ro as amostras do novo padro monetario de bron
zc, importa que se abra de mo da sua execucao
pelos moa vos produzidos.
A moeda de cobre est garantida em si mesma.
pois offeroce igualdadc de valor ao mesmo metal
nao araoedado; e nesias condicoes preerivel
aquella pela qual se quer subsiitui-la.
PERHAMBDCO
REVISTA DIARIA.
No disc urso com q^ue o Exm. monsenhor Muniz
lavares abri a sessao anniversaria do Intlih i'
Arckeologico c Geoijraphico Pernambncano, e qoe
esla minha reflexao, disse que nao me seria possi- O Si. I" Sbcrctahio, obtendo a palavra pela or- Arckeologico c Geoijramico Pernambncano, e qoe
! vcl entrar no conliecimeiilo da materia, compulsar dem, procede leitura do seguinte parecer, qne : demos a estampa em nossa oiiava pagina testo
I todos os documentos e formar um uizo sobre giles approvado -em debate : Diario, do dia 28 do passado, vara) revi-
em pouto tompo. Reeonheeoa dflferenca que ha I '', a commissio de consliluicio e poderes, a
entre a capacjdade do nobr deputado c'a minha qoem foi presente o di| loma do Sr. Silvino Caval-
para bem eoinprelieuder as ipiesloes/ Canti de Albuquerque. deputado pelo V distrieto
O Su. Pamplona -.\u foi neste sentido que liz eleitoral da provincia de Pernamhuco. achando-se
a mi na ebser vacio. conforme rom as actas da eleicao do mesan dis-
OSb. Pialho: -Mas entend que era do raen de- tricto, e de parecer que se Hiede assento, bem
ver nao prestar a nimba assignatura a um pare-
cer da commissio, sm negocio serie, sem ter lido
^ao menos algumas horas pan medita-lo.
: o nobre depntado respondeo-me, alm de ou-
Iras observacoes, que desta manetra nao se podo-
iaapreseniar o parecer mesa no dia segointo,
ultimo era que toriainos de exercer as nossas func-
Punderei i S. K\c. que faria o que podes-
se; ma- que po'.ieo me importara que esto nego-
cio passasse i ser considerado pela commissio
pe man uile. desde que eu nao pudesse rom um
' voio eooscieneioso asseverar o que dizia o pa-
recer.
como aos Srs. l'rbano Sabino Pessoa de Mello, de-
putado pelo 1" distrieto : Ignacio de Barros nrre-
lo, pelo .!', e Jos Lean lio de Godoy Vasconceltos,
p do 'c. que. apezar de nao a presentaren! OS seus
respectivos diplomas, estn rom tudo no mesmo
caso do Sr. Silvno.
Sala das commissoes, Idejaaeiro de 18M.
/-'. J. Fartado.**l. B. di Almeiaa e Sllca.
l.iii-se em seguida e foi a imprimir o parecer so-
bre as eleieoes do 3" di-liirto da provincii do Bio
de Janeiro, concluindo da segointo maneira :
# 1." Que adiada a diseQSSiO das eleieoes das
freguezas do Porto das divas, do Haborahy, de
Perguntou-me S. Exc sobre que nonios versava Suruhji e Pan.....|oer do d i Mag Santa Auna. The-
a minha duvida disse-lhe que linha lido os folhe-
tos qu acerca desta eleicao leem sido publicad ,e
. que entre oulros assumptos desejava esclarecer-
lo acerca das eleicoes de Jacoea e Inga.
Disse anda no seu discurso o nobre deputado
que eu prometti iraxer no dia segrate urna nota
dos ohjeclos de minlias duvidas. Perdoe-ino S.
Ese nao e-la lombrado do ipie enlo se paSSOU
Eu nao Ihe prometti iraxer nota alg una. pedi-lhe
que apresenlasse o sen parecer com os doenmen-
' tos que tivesse, pois qoe me jolgava com o direito
1 de fazer sobre elles um exame mais aprofundado.
Com effeilo, passou-se o qoe arabo de dizer en-
! Ir 1 e 2 boras da larde do dia 2'.'.
No dia 30 aprasentei-me na cmara muitoin-
(Commodado, ponjae quera prestar lodo o respeito
e alinelo ao Irabalbo do nobre deputado.
Na secretaria disse-me S. Exc. : Alli eslaoos
pape- relativos eleicio da Parahyba. Pergun-
to-lhe pelo parecer ; 'i es|iondeu-m : Est com
o nosso collega depulado pelo Haranhab.
Eu eslava nesla occasiao tend o parecer da
eleieio de Sergipe, uando o nobre deputado pela
provincia do Maranho entregou-me o esboco do
parecer do S. K\c. ipie nao linha nenhuuia .i.-.-ig-
nalura, nem mesmo a sua.
reza e Santa Isabel de Valonea o BemposU do da
Parahibado Sul, sejara approvadas as eleieoes de
todas as nutras freguezas, assim como todas as se-
cundarias, edeclarados depulados pelo '.i- distrieto
eleitoral do Itio de Janeiro os Srs. Drs. Joaquim
Manoel de Macado e Jos Fernandes More ra.
2." Que fique adiada a discussao acerca do 3"
depulado do referido distrieto.
Sala ilas eomini--oes. em \ de Janeiro de
isi'ii.Parlado. tote Bomfanio.
0 Si. 1 -ecietai iiy, obtendo a palavra pela or-
dem. leu dous oilicio- do Sr. Antonio Manoel de
Mello, datados de e 'i do corrente. participando
naquelle ter sido nomeado por decreto de 12 do
auno passado para 0 Cargo de ministro da guerra,
e pedindo nesle a desigaaeao do dia e hora para
apreseniar a proposta d
lixacao de forjas deterra. ame
le 18li'i a 18l>).Inleirada vent
-o tiveram lugar com prejuizo do pensamento d^
mesmo discurso; e pois, tendo de rectificados,cha-
mamos a attencio dos leitores para elles, afim de
desapparecer aquello prejuizo: e para isto nos ser-
viremos das palavras do mesmo Exm. monsenhor
Allribuiram-me um Deas artista, quando nao
se iratava de fazer obras, e siin repartir dons, mu-
dando arbitro em atlisl i.
> Bm vez de insolente Ganlez, imprimiram m-
potente '' nuez.
Ariiiiiins em lugar aruspir
O Irabalho escravo t ponco e imperfetto, escre-
vi en ; mas foi publicado ponco tmperfeito.
Escrivi tambera Yttpmcci, ao passo que sahio
Vespmrio.
Estes sao os mais u 'lavis, e que me enver-
gonham. fois que este meu eseriplo pode br-e M
ra da provincia.
Ped ui-nos esla publicacaO :
t Os paizes cujas administiaeOes se reseatea dr
mais juslica sao concordes em abolir a ronce
de lotera pela razio de que. e~ beneficios ipie
cnlliem os governos desla especie de renda pul
e desmoralisador e anima por dentis o vicio e a
prevariraco; mas nos paize- em que a d
ca de renda se torna wntivel, ellas se lera conce-
dido, e nesla classe aeha-ee o Brasil parMtaaar-
menle esla provincia. Minias concessoes de lote-
ras lem sido feilas pela no-sa assemMea provin-
cial ecom tanta proluso ajea, timas embaracam a
andamento das outras a apenas no anno Ibm
1863 pode ain-se exlralr 27 partes, .jue preast-
ram para a renda geral 35:190fOUO 1 para a pio-
viocial S:l"i>-i(KKi. produziodo igualmente par* o>
beneficiado- 37:6U08000, sendo :436|00g>a l>ene-
licio das Obras do Gymaasio e 28 Itt-jOU |
dilTerenles obras pas, isto para as matrizes. con-
para o auno fitianeciro de I ,|"-'' Saoto Casa de atserjeordia no enlamo
quanlo ao primeira ; e quanto ao segundo marca-
se o dia 5 do corrente, 1 hora da larde.
r porte.
Continuando a disrussao do parecer sobre as
elen oe-do :: distrieto da provincia de S. l'aulo.
eom a emenda apoiada, vem a mesa a seguinte
emenda, que foi tala, apoiada e posta conjnacav
inenti' i ni discussio :
Que se approve a eleicao da freguezia de Per-
sinunga, presidida peto juiz de paz no impedi-
Aeliei me enlo com um longo pareor cuma
inmensa papelada, e conclu que nao seria o estu-
lto de una ou duas horas que me habilitara a jul-! menta do l* fttbnro da Lia.
gar denme qneslio lio importante. Por conee-l A discussio ficou adiada pela hora.
giiinte iratei de relirar-me para a casa, alim de Oraran) os Sis. Costa Piulo, Jos Boiiilario e N-
com mala soreg esludar aquella materia. loas.
E nao me arnqiendo de ler as-im procedido. A ordem do dia de anianba a seguiste :
porque na verdade a eteico do 1" distrieto da Pa- |/ parto.Conlinuaco de nomearSo de com-
rahyba do Norte era digna de um estudo,niode raissoas.
2i horas, mas de 21 dias, e talvez mesmo de i\ 2.' parle.Conliuuaiao da discussae do parecer
re o 3* distrieto deS. Paulo; discussio do dito
mezes.
1 sobre
(Jim voz : -Peca entao o adiamenlo por Si dias. sobre o Io de Sergypc :' e :i" ditos do Cear ; do
0 Sh.Ottom : -Eiuelhor ainda, por 21 metes ; Rio Grande do norie, 2 dilo do Rio Grande do Sul
dOUS anuos.
0 Su. Kim.iio : De mais, romo confessa o no-
bre depulado. um das pomos em queeu linha du-
vida na a eleicao de Jacoea, e o nobre depntado
veio no dia 2 coiifessar que justamente documen-
tos limito importantes acerca desla questo tinham
por esquecimento lieado sobre a sua meta.
O Su. Pami-lonv -.Nao alieram coasa abjuma
o esboce do parecer.
O Su. Fialho :Eu linha o direilo de estadal a
que.-ln ; e, se o nobre deputado leve, os papis
quiote dias em seu poder, que mudo era que os
tivesse eu tinte e quatro horas f
i) Su. Piii:-u>i.ntl: : Peco qut>(|V- a sua explica-
co nos termos, aytifi concisos
na parle, que ficou adiada em 2ii de dezombro pr-
ximo pascado, a discussio do parecer da commis-
sio de poderes sobre a eleicao de 3 distrieto de
Rio de Janeiro.
Levantoti-se a sessao s 1 lioras da larde.
DIARIO DE PEP.WAIVIBUCO
Entre as neMclea da que foi portador o ultimo
vapor, procedente do sul do imperio, nao deixa
de ter lugar satienAo a que se prende i lobstitu-
co da moeiV, a> Dobre; porqaanj m lubsloi-
que na lei do orcamento vigente apenas se con-
naran W:000e\ para coacertos das matrizes, quan-
lia que nSo Cbega para concertar mais que Iresou
quatro, es ando alias em l.om eslado apenas ipialro
ou cinco matrizes de ti'i que lem a provincia : no
entretanto qae durante o mesmo anno tjataeeire
consignarara-se para as iksprtat de ibeairo......
3P.lbt)f00Dpara a suslentafao dos espectculos.
jiorquanlo foi elle construido a preparado i aa|
sas da provincia, e isto despeito de que para i-!u
se eflectoar estamos comprando a agua que Mu-
ios, que boje ja podia ser gratuita, se se con-
mia- a ov litar o plano do Exm. viseea
Boa-Vista, que tomando por eoata da pro>incta
li()0 aecoe; da companhia do lleboribe mandou
converer em novas acedes O dividendo Ojee Ihe-.
coubessem I mas deixeroos e-e erro (alai ue nma
das ailmi islracoes que Ibes succedeu e ronclnse-
mos estas bubas, sustentando que tristes d no
matrizes sanio (ora a pequea renda das lotera-
que muito se tem de-envolvido durante a admini--
Ira^ao do Sr. Antonio Jos Rodrigues aSoan,
arrancn as do descrdito em que s- acbavaai
renseemo por urna probidade toda pr bir 27 lo erial no anno que ha ponco lerminoti.
Per considerar irregular o procedimento que
leve o jui'. de paz mais volado do pnmeiro dislrir-
'o da Dreguetia de Una em convocar para orgaui
saijo da respectiva junta de cpialdicacao cuja ias
lallaco can leve lugar na lereexrn aemtaga
mez de Janeiro ultimo, pessoas que nem er
tores. nem supplenles, deixando de (tze-l
a outras |i o eram, segundo ronsia do edital adl<
vi lo por aqiiellejniz de pa?. em l' it eetei
do anno prximo passado, recommendnu S. Exc. o
Sr. vi "'i- tuardados o< pr



filarlo de Pernsmbnc* Quinfa fetra -I de FovoitIi-o de 1864.
_-J
Ja lei, convoque nevamcnte para a r'imi7'
niesma. junta uu dia l.'l do arco pwxiiuo vmlon-
ro oupplenlcs que elegeram os depotudos da <-anir.
ulti'namout dissolviia; visto m> coolar ainda
de |iarticpacio otHotal haverem sido- approv;idos
os imwos Mello*, cmnideraode asstneem neina
coosocaoaa (|iie fez para o dia l ilo crreme oez,
pois Jim <; a presidencia que compel! marcar novo
dia para a installaru das juntas de qualificcjio
quando pi>r qualqucr motivo deixam ellas de func-
enmr no |irazo ixado por lei como precettua o
aviso do ministerio do perio de 18 de fevereiro
de (860 numero 49.
Ki ordenada a soltara dos recrutas Ion] lian
Maeieira le Oliveira, Domingos Jos f'erreira e
Antonio Lenidas Ferreira da Silva, visto tercm
presentado sene-o lefal. .
Foi orneada a Si I). Maria do Ktsaro Pi-
nhelro para professora da cadeira de instruscao
elemental da villa de Serinhem.
Con o tiiu de Catar du sua saude conceileu-
se ao professor publico de instrueco elementar da
poviaeiode Tamaadare'', Virgilio Vieira da Cunha
Pinto .i ilias delioeaca con veocinealos.
Pela subdelegada da fregueua de S. Jote foi
preso, ca virtude de orden da delegada do p>ri-
meiro districto, Matheus Jos Rodi raes, crimiroso
de tentativa de mente contra Joo Patricio da
Silva.
Na madrugada do da 2 foi roabade o arma-
ana do Uceo do Goncalves, n. 136, freguezia do
Rec fe. do qiial levaram os ladr* 10(4800 em
cobre, teudo para ene fin destruido urna das ta-
bean de urna porla, por onde aebaram fcil en-
trada.
Sobre a tosta dos Arrombados rcmettem-nos
a seguinte noticia :
So dia 30 noite bou re na capellinba dos Ar-
romliados em Olinda as vesperas do costme, de-
pois do que mbio um balo, tocando por essa oc-
casim a msica do 1 que se achara postada ao la-
do da greja.
Celebrou-sea festa no dia 31, pregando o ex
D. abbade Paim : tarde tiveram logar as cara-
luadas, e a noite e Te.-Denm.
Findoeste foi tirada a bandeira, sendo condu-
zida por quatro meninas vestidas de branco, e
acoi: ipanh.ida por diversas senhoras trajadas da m >s-
ma forma al casa da Eim. Sr." D. Lenidas, js-
posa do Sr. coronel Ihgiuo.
Segunda-feira repetiram-se as cavalhadas i
noite foi queimado um encllente fogo de artificio.
Um apreciador.
De Caruar escrevera-nos o segrate ;m
data de 90 do passado :
Pelas 11 horas da noite de 17 do correte le-
ve lugar no paleo da feira desta cidade o diveiti-
iiieato intitulado bumba meu bol que terttii-
nou |>or urna luta renhida entre a polica e algi.ns
vadles, que por c:i temos tanibcm fin grande js-
cala, distinguindose bastante entre estes o decan-
tado Guubiiuba,
tora etleito (aven o pao!
Felizmente, porm, a presenta do Sr. Dr. Sli-
guel Bernardo Vieira d'Amorim muito concorrju
para que nao tivessemos de lamentar consequen-
cias mais desastrosas, teudo havido apenas li-
gninas cabecas quebradas, empurres, etc.
N'e dia inmediato (18) tomou posse de de e-
gado de (Milicia deste termo o mesmo Sr. Ur. Vini-
ra d'Aniorim, proseguindo na diligencia de ta-
ra/tV esses turbulentos, para que naoeucomin>-
dein mais os pacilicos habitantes desta boa tena.
Doos o ajude.
Admira como ainda boje ha pessoas, e alias
de ui.ia certa posicao na sociesdade, que se inleros-
sem, que se empenhem monao coni a respectiva
autoridade para vr-se na ra semelhantc brinc-
deiral
Esperamos, |>os, que o Sr. Dr. Vieira d'Anio-
rim, agora que se acha na delegada, prc>viden< ie
ele modo nao presenciarinos mais espectculos
daquclla ordem, e que os seus autores tenhan a
p-iga devida.
A' julgarmos o Sr. Dr. delegado pela sua con-
ducta anterior, muito devemos esperar da sua rec-
luan, imparcialidade, e iocancavel zelo pelo scr-
vh'o publico.
I-ni das prximamente passados, dirigindo-se
uin ollicial de justica ao Altinlio para seren citi-
das itlgumas testemunhas indigitadas, para depu-
ren i em um processo por crime de furto de cavsl-
los n'aquelle mesmo lugar, succodeu ter sido o r:
feride offkial basUnteniente maliralado de pali-
vras jior alguem d'alli.
Consta-me que sendo o caso certificado pelo
referido oflicial e preenchidas as demais lorma i-
dades, o respectivo juiz mandou auloar. O resulta-
do de tudoisto Ihe irei contando paulatinamente.
Eaviam-iios o seguale :
Um todos os panes, em todas as pocas, a
existencia de vas de communicacao foi semp -e
um avanco para a civilisa^ao, por tanto admira o
mi estado em que se conserva a estrada Je Olin-
da, principalmente de Santa Thereza Ponte ila
Tacaruna, que sem medo do errar, podemos dizer
juee.'t intrausilavel, pelos immens" e grand-
simos buracos, verdadeiros precipicios, ondo nai -
fraga a pericia e cuidado do boleeiro que couduz
qnalquer vehculo de transporte.
verdade que na ponte da Tacaruna Santo
Amar i. de algum modo se tem procurado reparar
esse grande defeito ; mas como isto fcilo 1 Ti-
pande-se os hnracoscom lama de mangue ou con o
cbamam vulgarmente cemento pertuu/tbncuno, ad-
rada os boles nos ditos buracos, sem ao menos
ser Mecada, de maoaira que, antes de seccar a ar-
gama; sa de lama, os carros que pe>r sobre el a
passam, ficam presos como passaros no vis
Ha pouco demolio-se urna casnh.i que servo
outr'ora de barrena dita ponte ; e os seus de ;-
trocos bem poderiam servir para entulhar os refe-
ridos juracos melhormente do que a tal lama, que
no fin de piucos dias se conveile en una
nomma pretae subtil, (cando a estrada no estaco
de pe igo eminente.
Assim, pois, chamamos a attencao de quem for
conpelente, para que tome emeonsideracaoaquel-
la obra, mormenle quandoOlinda vai apresentainlo
um aspecto lisongeiro de melhoramento, que pa-
rece ir sahindo da decadencia em que tem jazido
l>or tanto tempo vamos ter agua, devenios tan-
Icm ter estrada.
< Confiamos muito na sabia administracao do
Exm. >r. presidente.
llEPARTiejAO DA POLICA \
Extractodas partes dos dias i e 3 de fevereiri
le I86s.
Foram recolhdos casa de detencao noalia 1
do cor -ente : F
A' ordem do Dr. juiz municipal da vara" Fran-
cisco Jos de Santa Anna, branco, para cumprir a
pena de 2 annos de prisao.
..A'ordem niaM^ 0 Kecife, os pardoj
Jofe Francisco dos Anjos e Sebastio llodrigo ds
Almeida, ambos por briga, Manoel Antonio de
Aguiai, como indiciado en crime de tentativa de
inorte, e /oaquim, crioulo, escravo de Balthar oliven a, requer ment deste.
A' ordem do de S. Jos, Graciliano Marques de,
Jess, pardo, para averiguaces policiaes.
A' ordem do da Boa-Vista, Delpbina, crioula,
escrav.i de Henrique eraldo, por infraccao de pos-
turas.
A' ordem do do Poco, Antonio Jos da Cosa,
branco, por ofensas phvsicas.
Dia S
A' ordem do Dr. delegado da capital, Matheu;
Jos Rodrigues da Silva, pardo, e Luiz, crioulo, es-
cravo de Jos da Costa Amoi im, ambos sem decla-
racao do motivo.
A' ordem do subdelegado do Recife, Ilenr,
Tylcs, inglez, reuoerimento do respectivo cn-
sul
A' ordem do de Santo Antonio, Marliniano, criou-
lo, esc-avo de Fabio Alcxandtino H. e Silva, por
infraccao de posturas.
A' orilern do de S. Jos, Manoel Ignacio, por o-
fensas physicas.
O chefe da t* scelo,
/. G. de Metqutta.
Casa ok dktkm:\o.Movniento da enfer-
iiiariala casa de detencao do 1* ?l do jaaetro
e 1801.
Existiam................ 19
Emraram................ ;6
Saliiram................. 3i
Foi removido para a casa de
sado................ 2
Falleceu................. l
Existem................. is
Molestias nella tratadas :
Asthma............. 3
Rheumatismo........ 5
Sarnas.............. !5
Intermitientes........ 8
Pleuriz.............. i
Syphilis............. 4
Paraplcxia........... 1
Cbagas.............. S
Feridas contusas...... 1
Fcrimentos.......... 3
Hydropericardite...... i
lionorrlia........... 3
Anemia............. 3
Odenl !- .1...........
Jfevralgia............
Hexigas .............
Febre be liosa........
Peleurodinia.........
Existem em tratainento a saber :
Joa Praaeieeo Itorges, asthma.
Mo ..unes Daraascono, sarnas.
, Belarmino Alves ItaptisU de Carvalho, sarnas.
, Antonio da Silva Rocha, rheumatismo.
! Joaquim Jos.- do Santa Amia, intermitiente.
Manoel Francisco de Santa Anna, inlermittente.
Flix Jos Rodrigues, inu-rnitteiite.
Jos' Ferreira da Sil*a Pinto.sarnas.
Joaquim Benedicto da Silva, pleuriz.
Manoel Thomaz de Oliveira, syphilis.
Joao Luiz de Souza, paraplcxia.
Manoel Joaquim do Espirito Santo, pleurodinia.
J""' Sabino de Lima, chagas.
Jos Correa de Mello, rheumatismo.
Manoel de Fieitas .Vgucira, syphilis.
Benedicto, escravo de Augusto de Oliveira, feridas
contusas.
Matheus, escravo de Miguel Loil I-eo, ferimenlo.
Francisco, escravo de I). Pamphiln, syphilis.
= Casa de drttmva.Consum ram-se com o
sustento dos presos pobres recolhidos casa de
detencio tarante onm de Janeiro prximo nas-
sado4,324 raeese gastaram-se com as BflnBU us
segiiintes [roneros, a saber :
Paos de 3 oncac 4M4.
AsstiCdi-.'O libias e 8 oncas.
Caf em pSTO libras e 4 oncas.
Farinha71 alqueiivs e 1 decimos.
Feijao I i alqueirese II !' decimos.
Toiicinlio181 libras e t oocas
Axeite doce garrafas e 02 oitavas.
Vinagre -W garrafas e 22 oncas.
Carne farde- 1,381 libras.
Dita secca-276 '/, libras.
Bacalho69o libras.
(kmsumiram-se com as dietas na enfermara
desta casa os seguintes gneros a saber :
I'ks de trigo (3 oncas)763.
Cha7 libras e 24'oitavas.
Assucar67 libras e 8 oncas.
Arroz58 libras c 10 oncas.
Galinhas23 afeirase 2'quartos.
Farinha4 alqueires i 8 decimos.
Carne verde480 libias.
Hovimento da casa de detencao do dia 1* de
fevereiro de 1864.
Existiam...... 337 presos
At aos i'i annos sonha-ae com bolos e bonecos;
Dos Ki tos "J'i com aves, lores, 0 virgens j
Dos 20 aos M) con spectaculos, e mulheres ;
Dos 30 aos 50 com dnheiro c pjlitica;
Dos 50 pdr diante com a morte.
L-se no Correin do Sh o seguinte :
Urna carta de Jaguarao d a seguinte noticia :
Falleceu no dia 15 do corrente, em sua fazenda,
o decano dos habitantes do Herval. o Sr. Bonifacio
Jos Nunes, com 120 annos de idade.
Sua iuconsolavel esposa ( que ainda vive e conta
mais de 112 annns,) lilhos c genro lamentam sen-
sivelmente essa perda, aixe, com quanto natural
vista da idade, gosava anda de todas as facnlda-
des intellectuaes, e por isso derramava por sobre
todos as doces caricias de bom esposo, boiu pai e
! bom amigo.
Opalz, e principalmente esta provincia, tambem sobre os mritos, como sobre s defeitos, que sero
ha de praolear sua morte', pois era o chefe de fa- sem duvida corrigidos no futuro, deste nosso pri-
milia que, capitaneado pelo Exm. Sr. bario do Ser- meiro apparecimento no vasto congresso das ra-
ro Alegre (seu genro), primeiro que todos se apre- dustrias do mundo.
sentara em defeza do throno na revolucao de 1835. Este livro, til sob varios pontos de vista, rerom-
Que o attestem os manos dos hroes majores Jero- mendar-se-ha por si mesmo ; e mais um bom
nimo Jos Nunes e David Francisco Pereira, e le- servico que o conselheiro Moreira prestou ao
nente Pedro Jos Nunes, mortos no campo de ba- paiz, lora do circulo ordinario das funccOes diplo-
o trabalho foi por elle dividido fi as larefas
distrihnidas, senndo a espeeialiade das aptidoes
iei:linieas de cada um. Alguns estrangeiros co-
ntiendes no Brasil com umita distinecae foram
tambem poslos em contribuicao para este exame
comparativo dos grandes progressos da industria
de nossos dias. Todos pozeram maos obra com
boa vonlade e talento, como o atiestam os resulta-
dos de suas pesqaUas e apreciacoes consignadas
em urna serie de relatorios mais oa menos interes-
santes.
J) conselheiro MoreirJ fez preceder esta collee-
'.ao de trabalhos parciaes de um importante rela-
torio seu, que contm a svnihese das innovacoes
mais salientes que distinguiram a exposicSo de
1862, a noticia circunstanciada das providencias
que foram necessarias para dar realce aos nossos
productos, e muitas consideracoes luminosas, tanto
Entrarain
Sahiram .
A saber
Existem...... 338
Nacionaes.....
Estrangeiros...
Mulheres......
Es t rail ge-i ras...
Escravos......
Escravaj......
230
31
5
1
66
5
338
148
de fe-
Alimentados custa dos cofres pblicos.
Movimento da enfermara no dia 2
vereiro:
Tiveram baixa :
Manoel Ignacio Berro de Mello, syphilis.
Mariano, escrava de Augusto de Oliveira, tumor.
Joaquim, escravo de Bailar & Oliveira, contusoes.
Movimento da casa de detencao no dia 2 de
fevereiro 1864:
Existiam .
Entraran).
Sahiram .
Existem
A saber :
Nacionaes. .
Estrangeiros).
Mulheres. .
Estrangeiras .
Escravos .
Escravas .
33" presos.
5 >
4
339
229 presos.
32
4 >
1 >
68 >
5
talha.
Alm de 15 filhos quecriaram, aceitaram nove
engekados, a quem deram e-ducacao igual, c lti-
mamente ainda conservam duas menores.
Poarala fazenda de criaciio de gados, eagenbo de
farinha eedaria de lijlo,'que ludo administrava
por si. n.o obstante a avancada idade. Sua casa
sempro estove de portas abortas para receber a po-
bresa, e todos os viajantes que ali chegavam, no
aue tmba especial satisfacao. Sua morte cuchen
e luto os municipios de Jaguarao, Bag, S. Ga-
briel e S. Borja, e o desta cidade, onde tem nume-
rosos descendentes.
0 Sr. P. Jnior pede-nos esta publicacao :
sYLMIIDE.
Minha Sylphide. eu te peco
Alivio p'ra minha dr !
Ja n'alma sinto o excesso,
Que revela intenso amor.
D-me um sorrso o poema
Dos leus lanos de carmim :
D-me um olhar de Moema,
Em qu'eu lea amor sem lini.
Sim, da-m'olhar esperancoso,
Que falle do meu futuro ;
Que nelle eu veja, ditoso,
Teu protesto ingenuo e puro.
Perdi, Sylphide, eu qnizera *
Dous anueis dos leus cabellos,
Para em nossa primavera
Nao tlorirem jamis zelos.
De joelhos eu le imploro
Perelao... Inda mais desejo,
Desculpa porque te adoro;
Nao crime dame um beijo t
Seja emfim a minha gloria
No teu peilo enthronisada ;
Seja la esta victoria,
Sendo a minha desposada.
A Revoluro de Setembro publica :
NSo ha cousa e|ue me camjele mais o sangue que
o sorrso glacial de urna mulher.
Urna eonversacao fra e desanimada faz-me ti-
ritar.
Ha cousa que se pareca com o fri da morte ?
Que belleza se encontra n'um quadro fri sem
essa vida que Ihe sem dar os grandes artistas?
maticas.
CIIK0MC4 .11 IH( IU1I1
TRIItl \\I. IM COnMERCIO.
SESSAO ADMINISTRATIVA EM 1 DE
FEVEREIRO DE 1864.
HUttlDBHGtt 1)0 EXM. sn. OONHLBUaO
SetLZA.
As 10 horas da manha, reunidos os Srs. depu-
tado Lemos e Rosa o Sr. conselheiro presi-
dente declaren aberla a sessao para mero expe-1
diente, e designou o deputado Lemos para servir
de serretario.
KXI'K.rHK.NTE.
Foi prsenle a cotacao oflicial dos precos cor-
rentes da praca, relativa a ultima semana.
Archive-se.
DESPACHOS.
No rceiuerimento de Domingos Alves Matheus,
visto pelo Sr. desembargador fiscal, pedindo ma-
lricular-se Matricule-se.
No de Jos Alves Barbosa, Bernardino Alves
Barbosa e Jos Alves Barbosa Jnior, pedindo o
registro do seu contrato de socidade. visto pelo
Sr. desembargador fiscal Declarem a naturah-
dade.
No da companha Pernambucana, pedindo o re-
gistro dos seus novos estatutos e do decreto de ap-
proyacao Registre se.
No de Bernardino Jos Monleiro, visto pelo Sr.
desembargador tscal, pedindo matricular-se De-
clarem a naturalidade.
No de Medronlio & Marlins, pedindo o registro
do seu contrato de socidade Seja ouvido o Sr.
desembargador fiscal.
No de Innoceneio Aniunes de Faria Torre?, ofli-
cial escriturario da secretaria Satisfaca o pa-
recer fiscal.
No de Silvino Guilherme de Barros. Brasileiro,
de 33 annos de idade. commerciante de assucar o
outros gneros era grosso. pedindo raatrieular-se
Seja ouvido o Sr. desembargador fiscal.
No de Gaspar Antenio Vieira Guimaraes e Fran-
cisco da Silva Fonseca, pedindo o registro do dis-
trato de sua socidade Seja ouvido o Sr. des-
embargador fiscal.
No de Jos da Silva Loyo & C. pedindo o regis-
tro da nomeacao de seu caixeiro Adoipho Roberto
Koop Registre-se.
No do Joaquim de Souza Maia fc C, pedindo o
peira existente cm seu sobrado de um andar sito
a ra do Rosario da Boa-Vista, por una mu? cor-
rida; diz que a casa do peticionario nao tem as di-
mensoes das posturas, mas que em iguaes circuns-
tancias j lem a cmara concedido a outros, o que
elle requer.-Conccdeu-se.
Foi approvado um parecer da cominissao de po-
lica, no sentido de conceder-se quo Flavio Ferreira
Callo, arrematante do imposto de aflericoes, subs-
litua um dos fiadores desse contrato, como requer,
por outro, urna vez que o arrematante e seus fia-
dores assignem novo termo saccando-se novas le-
tras.
Despacharam-se as peticoes de Alexandre Iota
da Silva, Dionizio Antonio de Alcntara, Francisco
de Araujo Barros, Joao Tbom de Jess, Jos Tho-
maz Pires Machado Porlella e outros, Liboro Go-
mes da Silva, Manoel Antonio Teixeira, Manoel de
Souza Tavares, Manoel Figoeirade Faria & Filho
c levantoa-ae a sesso.
En, Francisco Canuto da Boa-Vagem, secretario
a cscrevi.-llarros llego, presidente.Henriques
da Silva.Barata de Almeida.llego Maia.Leal
Scve Gameiro.

llevlso do jury do Recife, fella
em 13 de Janeiro de 184.
iContiniia-ao.)
Dr. Jos Rodrigues Pereira '
Tenentc Joao de Si.jueira Campello.
Joaquim Dativo Telles de Souza.
Jos Pedro das Nevos.
Jos Marcellino da Silva Braga.
Jos de S Leitao.
Jos Francisco de S Leitao.
Jos Goncalves Torres.
Jos Paulo da Fonceca.
Jos Baptsta da Fonceca Jnior.
Dr. Jos Joaquim de Souza.
Jos Izjdoro Pereira dos Reis.
Dr. Joao Pedro Maduro da Fonceca.
Dr. Jose Baymundo da Cosa Menezes.
Dr. Jos Joaquim de Moraes Sarment.
Jos dos Santos lleves Jnior.
Joaquim dos Santos Neves.
Justino Pereira de Farias.
Jos llygino de Souza Galvao.
Jos Pereira Teixeira.
Joao de Freilas Barbosa.
* Joaquim Pires Machado Pcrtella.
Jos Soares de Azevedo.
Joaquim de Almeida Pinto.
Jos Candido Viegas.
Jlo Ferreira Vilella.
Perguntai a urna mai se ha cousa que Ihe pro- registro de urna letra e protesto Registre-se.
339
Alimentados a custa dos cofres pblicos. 147
y.
M
' 3 *
9 sr 3 w
1 i -i 5 = i


: : :
: :
i !
s
>
i*
K
>
u
Mauulim.
I I I Feminiuo.
O I i i- i I I;
C
y.
>
Masculino.
Friiuiiiiw.
'A
-I
E
-
H.I
MateuUm.
I'rminino.
a

Masculino.
Feminino.
o S
|1
I I I
I I I
g j Masculino.
1
l'i minino.
31 i
TOTAL.
r
=
=
Li
-
9>
e
ADVERTENCIA.
Na tolalidade dos docnles existem 177 aliena-
ndo 8 homens e 27 mulheres.
Foram visitadas as enfermaras estes dias :
Pelo Dr. Ramos s ti 1|2, 6 3|i, 6 1|2, 6 1|2, 6
3|4, 6, e 8 3|4 horas da manhaa.
Pelo Dr. Sarment s 7 3ii, 8, 7 lii, 7 35, 8
l|i. 8 1|i, e7 1|2.
Fallecern! :
Balbina Constancia do Amor Divino, phtjsica pul-
monar.
Maria Rosa de Lima. idem.
Candida Maria da Gooeacao, queimadura,
M POUCO DE TDO.
Querem Vv. Exc?. saber a que sanios se bao de
apegar quando se virctn afilelas em difieren!
circnni- ancia- '
Eis o que nos diz um almanack religioso que
lemos presente:
Em casos de vertigema S. Raimundo.
Na snrdeza Sania l.uflolfe, virgem.
Na falta de vistaa Santa Luzia
as clicasa Santa Rolendis.
Na difamacoa S. Joao Nepqmuceno.
No fluxo de sanguea S. Lucio, S. Bernardo
S. Gido.
as tempestades-a Santa Barbara, marlyr.
as mordeduras de caesa Santa Quiteria
Meca.
as tossesa S. Braz, hispo e marlyr.
Nos incendiosa S. Marcal.
Nos maos partosa S. Romiio Nonato.
Nos padecimentos de peitoa Santa gueda,
virgem.
as tormentas e naufragiosa S. Christovo,
marlyr.
Quando quizerem wr realisado algum impouivef
invoepiem o auxilio de Santa Bita, virgem.
Se desojaren achar noivo soccorram-se a S. Joao
Evangelista.
E se finalmente houverem perdielo as ligas, as
bolinhas, amadeixade cabellos ou as carias dona^j
morado resem a Sanio Antonio de Lisboa.
Segundo a Biblia a innocencia um vaso de ou-|
ro que guarda um ralo do co, urna faisca puris-
sima da omnipotencia.
Os poetas a vestem com todas as cores da capri-
chosa phantasia, e a enllocan) n'um throno de nn-
vens ao lado dos anjos e fluctuando nos vaporosos
sonhos da virgindade.
Cm grande philosepho disse :.1 innocencia o
berro.
Os primeiros annos sao o mais formoso symbolo
da innocencia.
Por que sao tao bellas s flores 1
Por que vivem innocentes.
As aves voam pelo espaco e cantam ao nascer
do dia se sao a harpa dos bosques.
Ellas vivem como as flores, e s vexes nasrein e
morrem como ellas no mesmo dia.
As aves e as flores vivem pouco tempo por que
a innocencia nao pode viver no mundo.
I'm menino quando merre um anjo que busca
a sua patria.
duza mais terrivel impressao que sentir frias as
maos do tilho a quem acaricia e cuja vida est em
perigo...
Nada sinto mais fri que o invern, e um olhar
feminil que me nao acende o coraco.
Deve ser horrivelmente fri o re'morso.
Nunca se tica mais fri que quando se reconhe-
ce um desengao.
lina deslas chronicas diarias fria quando nao
ha acontecimentos que aquecam ou estmulos
que incendem a imaginaco do chrenista.
Ao iracar estas linhas' transformei-me n'nma
bola de gelo, o o leitor tica ele certo fri como a
noite de hoje.
A mao pode definii -se o nosso fac totum.
A mo do avaro lo impassivel como o sen co-
raeia.
A mao de urna donzella tem semprc milhares de
cobicosos.
.Vi hornera honrado lodos Ihe estendem a mao.
Ha horneas de maos maculas, e outros que leni
a unha na palma da mo.
Costana dizer-se no levanta mao deste as-
sumpto.
Qoando a gente deseja verse livre de um im-
portuno d-lhe de mao.
Aquelle'que nos oliendo buscamos assenlar-lhe a
mo na cara.
Os namorados costumam pedir a mao das suas
futuras.
Os liberaes do com larga mo.
Os sovinas sao aperlados de mos.
A Providencia tem una mo occulia para nos
amparar.
Olho v, mao pilha, p foge, a norma de murta
gente.
O homem irado diz ao inimigo se te deito a
mao.
A postura favorita dos madracos ter as mos
cruzadas.
O que protege a outro d-lhe a mo.
Pela maei se fez namoravel Mucio Scvola, e de-
pois Toria, Iturzaela c Poianro.
Cora a mo deu um jalen urna bofetada em
Chrislo.
Napolcao fazia da mo tabaqueira.
Para demonstraren! o seu respeito os filhos bei-
jam a mo de seus pn i.
A mo o primeiro agente de grandes crimes, e
figura nos primeiros actos da vida. Apparcce nos
juramentos, no matrimonio, na confissao. e com
ella fazemos o signal da cruz.
Do Jornal do Commercio do Ro de Janeiro, ex-
trahimos o que segu subscripto pelo Sr. J. J. Tei-
xeira :
O l'EniTO.
A' sua nova berlinda,
Quera banqueiro unir
Dous ginetes escolhidos,
Para mais sobre-sabir.
Criadores, traficante.'-.
Com a noticia folgaram,
E s portas ilo ricaco,
Mil cava I los rclinchram.
Sendo o cocheiro versado
Em materia cavallar,
Aviso te ve do amo
Que viesse a consultar.
Entre as parelhas presentes,
Algumas eram mu bella?,
Mas pelo conselho dado,
Ecollieu-se a peior dellas.
Ilouve acaso erro d'eseolha ?
Nao. senlior, cem vezes nao,
Pois o cocheiro sabia
Que redeas tinha na mo.
Se nao foi dado vender
Cavados de qualidade.
E que foi dado comprar
Perito sem probidade.
Este perito vendido
Tem os seus imitadores,
O peior que nos lejvam
A perder grandes valores.
No de Hygino Augusto de Miranda, salisfazendo
o despacho desle tribunal de 7 do prximo passa-
do mez Passe o titulo, prestando depois o jura-
mento.
SESSO JIDICIARIA EM 1 DE FEVEREIRO
DE 1864.
mmT*nfflHB DO KXM. sn. e:oNSKi.HEino
anua.
Secretario, Julio Guimaraes.
Al hora da Urde, o Sr. presidente abri a ses-
sao, estando presentes os Srs. desembargadores
Villares e Silva Guimaraes, e os Srs. depulados
Lemos e Rosa.
Lida, foi approvada a acta da sesso de 17 de
dezembro ultimo.
Foi lido o oflkie de 19 de dezembro prximo
passado, de< Sr. conselheiro presidente da reta-
cao, designando o Sr. desembargador Loureii-
S) Santiago para rever a appcllaco que pendo de
ecisao deste tribunal, entre partes .
Appellante, D. Maria Hila da Cruz Neves; ap-
pellados, os curadores lscaes de C. J. Aslley & C.
_Assgnou-se o accordo proferido em sesso de
17 de dezembre, na revista entre parles :
Recrreme, Guilherme Berg ; recorrida, a coin-
panliia de seguros Seguridade.
DKSMlUClO DE DIA.
Appellantes. o Dr. Felippe Nery Collago & C.;!
appellado. Geraldo Henriques ele Mira.
Appellantes* Aranaga Hijo & C. : appellado?. os
curadores liscaes de Antonio Cesario Moreira
Dias.
Appellantes, os curadores da viuva Amorim eS
Filhos ; appellado, Henrique Augusto Millet.
Appellante, Antonio Francisco Chaves; appclla-1
do, Marcelino de Salles Correia.
Appellantes, o Dr. Jos Cantoso de Queiroz Fon-1
seca e outros ; appellado, David William Bow-
man.
Appellantes, Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
& C.; appellados. Joo Francisco Pardelhas e ou-
tros.
Primeiro dia til.
PASSAKNS.
Appellantes, Sauuders Brothers & C.; appella-
dos, Jolinston Paler & C.
Do Sr. desembargador Villares ao Sr. desem-
bargador Guimaraes.
Appellante, Manoel Goncalves da Silva ; appel-
d's. os curadores tacaos dei Amorim, Fragoso, San-
tos & C.
OlUciou-se ao Sr. conselheiro presidente da rela-
co pedindo juiz.
m;i;i wiis.
Aggravante, Joaqu'm Elviro Alves da Silva ; ag-
gravado, Manoel Alves Ferreira.
Aggravante, o depositario da massa fallida de
Amorim, Fragoso, Santos & C. i aggravado, o
juizo.
Nao tiveram proviinento.
Aggravante, Miguel Jos Barbosa Guimaraes;
aggravado, o juizo.
DI.sTIIIBrii;OKS.
Appellante, D. Leonor Clara Eugenia de Lima :
appellado, Bernardo Jos de Barros.
AoSr. desembargador Silva Gainaraes.
Appellante, Virgilio de Castro Oliveira e Joo
Maria de Oliveira ; appellado, Jos Alves da Silva
Guimaraes.
Ao Sr. desembargador Villares.
Nada mais houve.

de Pars
nos escreve o Sr.
cxlrahimos o se-
De nma carta que
conselheiro Torres Homem,
guite :
...... Li rpidamente o volumoso livro que o
cemselheiro Carvalho Moreira acaba de imprimir,
com o titulo de Internacional Expostcao de 1862
GAlUa MIMCIPAL.
SESSO EXTRAORDINARIA AOS lo DE DEZEM-
BBO DE 1863.
Presidencia do Sr. Barros Reg.
Presentes os Srs. Reg e Albuquerque Henri-
ques da Silva, Gustavo do Reg, Barata de Almei-
da e Gameiro, faltando com causa o Sr. Mello, e
sem ella os mais senhores, abre-se a sesso, c foi
lida e approvada a acta da antecedente.
Lu-seo seguinte
EXPEDIENTE :
Fin aviso expedido pelo ministerio do imperio,
communicando haver S. M o Impetrador por decre-
to de 21 de novembro ullimo exonerado o visconde
de Camaragibe, o barao de Vera-Cruz, e a Joaquim
Pires Machado Portel la do cargo de vice-presiden-
te desta provincia.Inteirada.
Dous ofllcios, um da mesa do collegio eleiloral
desta cidade, e outro do secretario da mesa cleito-
ral do de Pao d'Alho, os quacs foram abei los em I
presenca da cmara, c continham as copias das!
actas das eleigies que tiveram lugar nos' mesmos
e que tem de ser remeltido neste vapor ao governo collegios para os 9 depulados ascmbla desta
imperial. provincia, que d o 1 districto.
E' um trabalho que faz honra sua actividade,! Em seguida procedeu-se a apuraco geratjHa-
inlelligencia c zelo no desempenho dodifllcil en- vrou-se a acta, e mandou-se expedir diplomas aos
cargo que Ihe confiaram. eleitos.
Nomeado presidente da commissao que devia Continuando o expediente, leu-se um ofllcio do
representar o Brasil na ultima exposicao de Lon- Dr. miz de orphos, communicando ter reassumido
dres, o conselheiro Moreira aehou-?e s, presiden- no dia 12 do corrente o exercicio de seu cargo.
te de sua pessoa, porque nenhum dos membros da Inteirada.
commissao pfxle comparecer. Outro do administrador do cemitetrio pnblico,
Isso, porm, nao o desanimou ; soube crear re- communicando que tendo a commissao encarrega-
cursos, e achar collahoradores que supprissem do- da pela mesa regedora da Ordem Tercelra do Cr-
neamente a commissao ausente. Existiam nessa mo, mandado dar principio ao acabamonlo da obra
occasiio em Londres alguns Brasileiro*. que entre- das catacumbas que naqucllc esiabclecimento lem
gavam-se com aproveitamento ao estudo das ap- a mesma Oraem, aulorisasse a cmara que se des-
plicafSes de diversos ramos de sciencias positi-
vas : o nosso diplmala os reuni, dirigio-se ao
eu patriotismei, convidando-os a colher da exposi-
cao as luzes e informacoes que ossem de vanta-
pem pratica para nosso paiz.
sem guias para enlerramenlos as mencionadas
catacumbas.Ao procurador.
Outro do engenieiro cordeador, informando o
requerimento, no qual Jos Jeronymo da Silva pe-
de para que Ihe seja concedido substituir a Ira-
Jos Mana Machado de Figueiredo.
Dr. Joaquim de Aquino Fonceca.
Jos Egydio Ferreira.
Joo Maria de Albueiucrque Oliveira.
Dr. Joao Francisco Teixeira.
Dr. Jos da Cunha Teixeira.
Joo Manoel de Castro.
Jos Alexandre Ribeiro.
Dr. Jos Flix de Brito Macedo.
Joa da Fonceca Araujo.
Jos'- Jeronymo de Souza Limoeiro.
Jos Candido de Souza Castro.
Dr. Joao Ferreira da Silva.
Dr. Joao Victorino de Souza Costa.
Dr. Jeronwno Salgado de Castro Accioli.
Jos Elias de Oliveira.
Jos- Luiz Pereira.
Dr. Joao Diniz Ribeiro da Cunha.
Dr. Jos Roberto da t unha Salles.
Jos Barbosa de Miranda Santiago.
Joo da Cunha Soares Guimaraes.
Jos Joaquim da Cosa.
Joaquim Lopes Machado.
Joaquim Cardn Ayres.
Dr. Joo Goncalves da Silva Montarroyos.
Dr. Joaquim Jos de Campos.
Tenente-eoronel Jos Antonio Pinto.
Joao Xavier da Fonceca Capibarbe.
Joo Xavier Faustino Ramos.
Jos Alfredo de Carvalho.
Joo Baptista Cesar.
Tenente Jeis Pedro da Silva.
Jos Antonio Pereira da Silva.
Jos Conegundes da Silva.
Joaquim Jos de Souza Serrano.
Joo Joaquim de Siqueira Varejao.
Jovno Epiphanio da Cunha.
Joaquim Pedro dos Santos Bezerra-
Joo Antonio da Silva Pereira.
Jos.' Francisco de Salles Bavera.
Joaquim Teixeira Peixolo.
Jos Pires Ferreira.
Januario Constancio Monteiro de Andradc.
Joaquim Jos de Farias Neves Jnior.
Joaquim Pedro Brrelo de Mello Rogo.
Jos Thomaz de Aguiar.
Joaqoin Jos de Miranda.
Jos Ribeiro Guimaraes.
Dr. Joo Honorio Bezerra de Menezes.
Jos de Barros Correia Selle.
Dr. Joo Capstrano Bandeira de Mello Filbo.
Dr. Julio da Silva Guimaraes.
Dr. Joaquim da Costa Dourado.
Dr. lote Zacharias de Carvalho.
Dr. Jos Lourene;o Metra de Vasconcellos.
Juo ValeiKim Vilella.
Jos de Vasconi'ellos.
Jos Alfonso dos Sanios Bastos.
Joo Athanasio Bolclho.
Joao Baptista de Castro e Silva.
Joo dos Santos Port.
Joo Hermenegildo Borges Diniz.
Joaquim Augusto Ferreira Jacobina.
Dr. Jos dos Anjos Vieira de Amorim.
Dr. Joaquim Jos da Fonceca.
Dr. Jorge Dornellas Ribeiro Pessoa.
Dr. Joaejuim de Oliveira e Souza.
Ur. Jacintho Pereira do llego.
Dr. Jos Eustaquio Ferreira Jacobina.
Joo Pinto de Lemos Jnior.
Joaquim Francisco I.avra.
Joee Mara Kreire Gameiro.
luvencio Angoste deAlbayde.
Joaqoin deGusmao Coellio.
Jos Cavalcanti de Albuquerque.
Jos Goncalves de Medeiros.
Jos Joaquim Aniunes.
Joaquim Juvencio da Silva.
Dr. los dos Sanios Nunes de Oliveira.
Joo da Silveua liorgos Tavora.
Dr. Joaquim Jos de Miranda.
Dr. Jos Sergio Ferreira.
Jos Antonio Vieira de Souza.
Dr. Jos Honorio Bezerra de Menezes.
Joaquim Antonio Carneiro.
Dr. Joaquim Antonio Carneiro da Cunha Miranda.
Joo da Silva Farias.
Joo Bernardino de Vasconcellos.
Joo Pedro de Jess da Matia.
Joo Gregorio dos Sanios.
Joaquim de Albuquerque Mello.
Jos Henriques Machado.
Jos Henriques da Silva.
Mr. Joa Ladislao Pereira da Silva.
Joaquim Henriques da Silva.
Jos Baptista de Castro c Silva.
Jos Rento da Cosa.
Jos Marcelino Alves da Fonceca.
Joaquim Jos Alves de Albuqueniue.
Dr. Joo Jos Pinto.
Dr. Joao Jos Pinto Jnior.
Dr. Jos'' Maria Carneiro do Albuquerque Lacerda.
Dr. Joo Maria Seve.
Dr. Joo Juvencio Ferreira de Aguiar.
Joaquim Jos Silveia.
Joaquim Ignacio Ribeiro Jnior.
Tenentc-coronel Jos Lucas Soares Raposo da Ca-
riara.
Jos Velloso Soares.
Jos Antonio Bastos.
Jos Francisco do Bego Barros.
Dr. Joaquim de Souza Reis.
Joo de S I.eilo.
Jos Joo de Amorim.
Joo Paulo Ferreira.
Jos Goncalves da Porciuncula.
Joo Cesar Cavalcanti de Albuquerque.
Jos Francisco Pires.
Joo Francisco do Reg Maia.
Jorge Vctor Ferreira Lopes.
Jos Theeidoro de Sena.
Jesuino Fcrrcra da Silva.
Dr. Jos Bernardo Galvao Alcoforado.
Dr. Jos Bernardo Galvao Alcoforado Jnior.
Jos Cesario de Mello.
Joao Luiz Vctor Leuthier.
Joaquim Pires Carneiro Monteiro.
Joaejuim Francisco de Albuquerque Santiago.
Jos Marques de Amorim.
Dr. Joaquim Francisco de Miranda.
Jos Camello do Reg Barros.
Jos omingues Codiceira.
Dr. Jos Mamede Alves Ferreira.
Dr. Jos Rodrigues do Passo.
Jesuino Rodrigues Cardoso.
Dr. Jos Roberto do Moraes e Silva.
Jos- Antonio de Brilo Bastos.
Jos Antonio de Oliveira c Silva.
Joaquim d'Assumpco Queiroz.
Joaquim Correia de Araujo.
Joao Antonio Ciarlos da Silva.
Joao Francisco do Reg Maricoia.
i Taran*.
seo Je barros llego.
Dr. Joaquim Elviro de Moraes Carvalho.
Major Jos Carlos Teixeira.
J Joaquim Ribeiro de Aguiar MonUrro*ov
Jos Thomaz Pires Machado Porlella.
Jos Joaqoim dos Santos c Silva.
Jojiijuim Pedro Carneiro Campello.
i Jos Caetano de Albuquerque.
, Jo: Mendes do Carvalho.
Ignacio de Lira.
| Jos Francisco de Souza Leo.
Joao Luiz Ribeiro de Farias.
Jovno Coelho da Silva.
Jos Francisco Pereira da Silva.
Jos Francisco Pereira da Silva Jnior.
Jos Gome- dn Sanios Pereira Bastos.
Joao Manoel Carneiro de Lacerda.
Jos de Souza Leo.
Jo! Maximino Pereira Vianna.
Joaiuim Pereira Vianna.
Jua Carneiro Rodrigan Campello.
Dr. Jeronymo Vilella de Castro Tai
Luiz Antonio de Siqueira.
Luiz Antonio Vieira.
Luiz Antonio Goncalves Peuna.
Luiz Cesario do Rogo.
Luiz Jos Pereira Simoes.
Ladislao Jos Ferreirx
Luiz Jeronymo Ignacio dos Sanios.
Luiz de Fianca uliveira Lima.
Luiz de Azevedo Souza.
Luiz Pereira de Farias.
Dr. Luiz Salazar Moscoso da Veiga Pessoa.
Dr. Luiz de Carvalho Paes de Andrade.
Luiz do Reg Barro-.
Lu Melanio Franco.
Lu/. Antonio Rodrigues do Almeida.
Dr. Luiz Carlos de Magalhes Breves.
Dr. Ixiurenco Tiigo de Loare!**.
Luiz Amavel Douburcq Jnior.
Dr. Luiz Lopes Castello-Braneo.
Dr. Luiz de Albuquerque Martins Pereira.
Lu;: de Moraes Geunes Ferreira.
Lu Francisco ele Barros Reg.
(Continnar-te-ha)
NOVO BANCO BE PEKY1MHC0.
Habiltele de Noto Kan de Pernanfeoea m 30 >
jaoeira de 18CI.
ACTIVO-
Apolice* da divida publica........ 573:i80iM0
Eslradade ferro de Pedro II...... I2.0lii"i
Eiiaeia de leo da Baha........ |:ii 07V47'.
Depsitos......... 72:OUUUlO
Joias depositadas...... :, ~:Uf}
Aec'j.'s depositadas..... 6:%0BtVH
Ttulos depositados...... W:t758
Lenas caucionadas..... 49 .Tatjian
Letras descontadas..... 70!:WOilM6
Letras protestadas..... 290:078%4
Letras receber...... 59:27(469*
R*mei*as........ 72 ."ii7i>'k
Bae o da Babia N/C..... 63:5Htft48
Jos Anlonio de Figueiredo Ju-
ni.rdo BiodeJaoelro. 270:187H
Aluguel de casa...... 2:362.'hk>
Fomecimenio....... .TOUljM)
Despezas geraes....... I2:40012!l
Caixa.......................... 1.170:44(4727
Reis. 3,686:324*763
fASSIVO.
Capital.......... 2,000:0U 1*100
Emissao......... J.fO:tM4nuO
Depsitos da direccao .... 72.ur4 Con!.is coi rentes cora juroa I Xi.':>M2Vi
ConiM corrente.imples.......... I08:OOIkW
Fue: o de reserva...... 102:321*190
Ttulos em cauca o..... 92:41 liMl
Banco da Baha S/C 38:091*381
Brasilian and Portoguese Bank
(Lendres.).................... 4:32;ilii
Knovles & Fusler, ( m L. odre* ) 15A2T'
Sanan........................ 7.M9A76
Manas fallidas a cargo do Banco. 22:207*3X1
Dividendos........ i.imjiiu-)
Juros.......... 33:S13*fDS
Premios de saques e remessas 1:7I7-V*4
Juio da garanta de emiiaio 2l;.>li*:t
Desconlos........................ U3:mjt*274
Re. 3.686:324*76.':
726:321*180
...-H400
2:6o8*000
Estado da caixa.
Em curo a mocad-
do .
Era imi.'is do Un -
semro nniurei de
10-VOOO. .
Em linas menores
de 1(4 .
Km notas da caixa
filial do Banco do
Bnsil .... 129:120*000
Em notas do Noto
Bj ico de Ter
IMiii Imco snelo
De 200-:, 161:400*
De 100* Da oO* tt-MH
-----------277:7oO*O00
Eos 1 rala e cobre. 29:091*917 1,170 4V4727
Ili-iiauslraoa da rwissa.
.1000 iotas do valor de 200*000 600.00li.Va
i:M> HX4IKI0 .-iiimNi-V
2000 > > .*i4oixi i-k^ooo-v
Rif OOOO-VM)
O guarda lvros
tan Jnaguim Prn^iPiitlo.
CORRESPONDENCIAS.
Senhores redactores.Yon cumprir oeiue disse
em 111 nha correspondencia in>enda no Diario de
21 do corrente mez, com re la cao ao cerco de mea
engenho, e sou toreado a isto pelo aranxel do Sr.
Peregrino, publicado no Oaarif de 26 do rorr,
no jiul aianzel, aquelle senhor inculcando-sede
santo pretende que eu seja o diabo. mas ni
Sr. Peregrino quem me julga, porque hooants ro-
mo e Sr. Pere'gnno nao podem julgar-me, sim o
publico a quem me dirijo para que li<|ue cuofcreea-
do mais o Sr. Peregrlao, supposte que ja seja bem
couhecido____
Diz 1 Sr Peregrinoque infelizmenle nesta
ra airada de preeonceilos ainda se considera n n. >
instrumento de vinganca a autoridade, qne deJa
cumplir a risca seus deveres; e coma uiiut:
do coi. tra a propriedade', honra e vida do eidado
a ai-cao da justici, quando ella se faz neressaria e
nao presta culto potentados.Na verdade, s mu
Sr. Peregrino, que faz garbo de valenta, ten rora-
gem de avancar asemelhante defeza; pornn co-
do to restricto no cumprimento de seus deverps
como autoridade cm IH60 nao prenden ae Un. 40
Borboleta que passeava de publico em sen
to, e at dizem que entretinha reUres de i nfu
coui e le!!!
Negar o Sr. Pere-grno isto l
Quando cu dis-e que a honra e vida do riebadate,
na po:a presente nao eslava segura, narre o t
occoit ilo. protestando leva-loaostriboaaes tmtti *
o liz; .v-se, pois, que nao foi una aotondado le-
gal qu.' dentro da rbita da lei proeurou puoir o
crime: mas sim. um intruso delegado prevarica-
dor, instrumento de vinganca, que sainado Airado
seu dislrii-to veio em districto alheio, nao preMiiler
um criminoso, mas sim, prestar-se a viagaNras
particulares, viudo em nome da lei insultara m
culada 1. correado casas i noitr tora das tarasque
a lei permute, deitando portas abaiso, espanranio
escravos que nenhum crime comraetteu, pr-naVn-
do e s litando horas depois, tudo isto por amor a
justica e punicao dos criminosos "I Aoade achoa
o Sr. Peregrino lei alguma que aulorisasse para se
punir criminosos, se H aticasse insultos da ordem
dos que pralicou em meu engenta ? Esta lei lalvez
o Sr. Peregrino cneonlrasse as instruccJes do ea-
pito Florida, ou la para as bandas do Japo, eode
se pode encontrar leis iguaes e autoridades como o
Sr. Peregrino.
Diz anda o Sr. Peregrino as seguimos palavra*:
com autorsac,o do Sr. Dr. chefe de pexVia. (ex
a polica deste termo urna diligencia, alias de pren-
der un criminoso de morte no engenho lasaaim
o qual ahi se acha va nomisiado desde ene pla-
ticara o crime, como notorio e nao pode ser con-
testado pelo Sr. Joaquim Manoel, viste ter sido m
conlrado pela polica o criminoso, que infelizote ale
pexle eivadir-se.
Des as palavras v-se que o Sr. Peregrino roo-
fessa, i|ue fra prender um criminoso em districto
alheio por ordem do Sr. Dr. chefe de poiicia, lio
obstarlo haver naquelle districto delega*) e snbaV-
legado em exercicio ; est provado qne o Sr. Pere-
grino ainda prevaricador, visto como nao sabe-
mos de lei alguma patria, que autorise ao Sr. Dr.
chefe de polica mandar um delegado e dona solide-
legados entrar em districto alheio para prunVt un





fefel
Diario de Pma^feuc Quluia letra -1 le Feverrlio e IS**.
i

i
f
i.

i
J
/
suppisio criminlo, rjue se diz ier couiOlcHido um
enm I ca ,.,|.! ilosdequan-
1j all osi.i morando de publico, a vista e face da
todas as autoridades daquelta poca t boje. So
o Sr. Dr. efcefe di- polica lenhajnrisdic-
eao n loda provincia para mandar prender, toda-
va o cdigo do processo criminal e regulamento
n. I:i)il" :i i de Janeiro de IMS, que regulara a
materia, nao autorisam ao Sr. Dr. chefe de polica
para soinelhante ordein, sendo ipie e.sle argumen-
to lirado das eis citadas, est de aeeorilo cora o avi-
so de 0 de agosto de 1851, que reprova cheles de
polica fazen m procseos por criines que nao sao
coiiimelli.lo- ;i,t- o;,plaes; d'onde resolta, quo de
conlornidadi' com a dila lei citada a jurisdiccao
dos cheles do policia. as provincias nao sao lio
elsticas como alguem entende; nao contesto que
po lena irdenir as pristes dentro da provincia, (as
sempre as autoridades do districto de conformida-
de COli a lei que nao admille que um delegado ou
suIjJalegado cxerca funceoes em districto alheio,
salvo M seg jimento de criminosos i|iie acabara de
eomi.ieitercrimes; portanto a defeza do Sr. Pere-
grino ara orpo de delicio para elle, tanto mai?
quando duvido que o Sr. Dr. chele de policia lhe
Uresse tal ordenado.
Neja o Sr. Peregrino os hotos que narrei em
minlia correspondencia, sobre isto respondo-lhe,
que perante o Sr. Dr. juiz de direito pende a quei-
m que dei contra o Sr. Peregrino e os dous sub-
delegados que o aeompanharam; juntei a ella o
documento que me deram dous homens bem co-
nhecidos nesta capital, que de passagem naquella
noile se acha* ;uii oeste meu engenho.
Sao dous sonhores que os nao conheco, mas sei
que sao moradores na Ibura, e pessoas de nrobi-
dade ; sendo ura d'ellos prente do Sr. conselheiro
Paes lirtelo juntei mais o auto de vistoria que
prova cabalmente o estado lastimoso do meu at-
ento, nao obstante ludo isto, o Sr. Peregrino nega
<|ue iiilo bouveraui desacatos no cerco !! I
Diz anda o Sr. Peregrino < que ou me esqueca
desses lions temos que j vo... Quem se deve
esquecerdo tom terapo passado, o Sr. Peregrino,
aqu me lembra d'um antigo adagio da cigana :
chama-I he antes que te chame ; pois bem, o bom
lempo j pasMiu, estamos no lempo das luzes e da
justica, ah iiende em juizo a roinha queixa, e ve-
remos se o Sr. Peregrino sera eliz com ella.
Continuando dit ainda o Sr. Peregrino < desde
rrespondencia se achava assignada pelo
r. Joaquim Manuel, bem conhecido nesta trra
pelo amor e respeito que presta propriedade,
honra e vida do cidadao, julgava-mo dispensado de
responder, a nao ser o que cima levo dito. >
Esta* palacras de euro j estao cima respondidas,
todava direi jae desali ao Sr. Peregrino a pon-
a r em minlia vida qur publica, quer particu-
lar, um laclo que desabone a minha homa sol)
pena de passir por vil calumniador. Se o Sr.
Peregrino qjer referir-so ao facto que den origem
a minhi prisao, uniea vez que em minha vida
fura meu engenho cercado (excepto o cerco ftito
peto Sr. Peregrino,} esse facto nao me pode des-
abonar, vista como perante o tribunal competente
metra niinlia innocencia, de cuja sentcnca nao
houvo appellrcao, nempor parte do Dr.juiide di-
reito e nem pela a do Dr. promotor, tal era a mi-
nha innocenc.a.
Nunca me escarna!sei de que a polica cumpra
com o se;: de.er, o que nao posso admillir que
seja agento de policia autoridade tal como o Sr.
Peregrina que em vez de respeilar a lei o pri-
Miro a presi lu-la.
Se o Sr. I'i regrino admille qoe qualquer m -
putae/ui vaga feita a qualquer cidadao o posea su-
geiiar ao de;ar e a deshonra, euto permiita-ini-
que lhe diga, que S. S. nao est isento do que me
quer attribuir, porque da mesma mam-ira carrega
& S. e .m inqiutacoes de alta indagaran...
A c; ra do Sr. Joaqun) da Silva Costa, publica
da na correspondencia do Sr. Peregrino, em nada
tora i minha honra, nada prova ella a favor do Sr.
Peregrino, aites prova o contrario do que S. S.
pretende, porquanlo o Sr. Peregrino pergunta na
sua carta aoSr. Cosa se o escravo Jos esta homi-
siado era minha casa, e o Sr. Costa responde que
ean vtii lido ha atritos amos por sua mai. per-
genia mais se o dilo escravo i autor d'um cerlo
-sbiato, o Sr. Costa responde que nao sabe,
iinenle a imputaeao vaga que lhe fl-
zeram; e eu de minha parle r.nca neguei e nem
i ter comprado em 18i7 o escravo de que a
mesma caria ir.ila. quando a senhora do eseravo
por :ei lerosa in'o vendeu, por una falsa imputa-
ban, qtic'n'aquella poca por mais deligencias que
MOHO i policia nao pode descubrir prova cuutra o
-vii. e nem se diga que deshonra comprar-se
um eseravo em CtroutnBlaueias laes. quando nunca
DM reeiisei apreseuta-ln a policia se me. fosse exigi-
do por motos lgaos e nao pela maneira inslenle
orno agora se fez, o por urna autoridade ncoin-
ile.
enhndo preciso pela -na provomeo ; o mais (ira
para adianto, se o Sr. Vianna anda me antier
aggcedir.
Sitio do Arrala!, ;i de fevereiro de 1801.
Francitro Jorge de Soicu.
Ilrsi Incito da asscmbla (jeraI legislativa de 2o de
junho de 1831.
Art. I. Ficam dispensados do servico da 2" li-
nha os juizes de paz e seus olliciaes, os vereadores
e iimis empregiios as cmaras muuicipaes, du-
ranta o ejercicio dos seus empregos.
A % 2." Nao sao compreheudidos no artigo pre-
cedente os najares e ajudantes dos coros da 2* li-
aba como ofllciaes da i", cujo servico incompa-
ti ve I com os empregos designados uu mesnio ar-
tigo.
Salsa de Brlstol.
a SALSA euinu.Hv de biustoi..
Triota annos de triumplianles resultados bao
dado a este antisptico vegetal nina repulaco in-
commensuravclmente superior a todas quantas se
conhecem para a cura das escrophulas e de todas
as ii ais classes de enfermidades ulcerosas e erup-
tveis.
O; mdicos os mais eminenes, os os periodistas
os escriptores de medicina sao outros tantos tes-
tumunhos da sua efQcacia quasi maravilhosa.
Ti m salvado o continua a salvar as vidas e os
membros de milhares de pessoas. Nunca foi ad-
ministrada em vo, a n la mesmo nos casos os
mai; terriveis e obstinados.' E' o nico remedio
para as escrophulas, crysipelas, herpes, chagas
as >ernas, abscessos, tumores, molestias syphilti-
cas e mercuriaes, assira como toda a casta de rao-
lesti >s de pe le
Emquanto exislem tres mita^oes e filsiQcaeoes
dest;, medicina, por tinto preciso evitar engao,
proc irando a original o verdadeira as lojas de
Caors & Barbosa, e de Joo da] Conceico Bravo
&C.
1 ilito ao Dr. Antonio VaKoaceltos Mcnezes de
Di uinmond.
1 dito ; a Bailar A Oliveira.
'' caixdes : a la-tos A Lima.
i pacote ; a J. If. I'uiiceca.
1 empapanado a Milis Laman.
liipori'aco.
Barca ingleza Santa Clan, carregou para Grae-
nock .*>,080 saceos com 29,030 arrobas de assucar
mascavado.
Bana francesa Antrnae, para Marseille, carre-
gou 5..I70 saceos cun 28,250 arrobas de assucar
mascavado.
Barca franceza Guerrier, carregou para o Canal,
;i,:W saceos com ItiOO arrobas de assucar mas-
cavado.
Barca ingleza CoMtaMOO, para Liverpool pela
Parahyba, carregou 2,100 saceos com 10,500 ar-
robas de assucar mascavado.
Brigue portuguez Esperan, carregou para o
Porto, l,80:i saceos e lli barricas com 10,250 ar-
robas de assucar branco e 500 saceos e 11 barri-
cas com 2,G10 arrobas e 10 libras de dito masca-
vado.
Brigue inglez Ilebe of lhe Exe, carregou para o
Canal, :i,5O0 saceos com 17,300 arrobas de assucar
mascavado.
Recebedoria de rendas Internas
geraes de Pernambnco.
Rendi ment do dia 1............ 7.133000
dem do da 3 ................. Htt*G83

Tenlio ies|)ondido as palacras Peregrino. Agora poco licenca fcOS Sis. redaclo-
i para dizer duas palavras, a respeito da nota
que S. S. se dignaran! por em minha correspui:-
i 'iicia de 21 do crlenle, nao s era relacao ao
Sr. l'eiivnno, eemoiambem em relacao ao Sr. Dr.
uza Leao.
Olanlo a primoira jiarle parece-me, ano hojt
com o que levo dit), os Srs. redactores, eonnece-
rao o -.'.i eiuano; quanto a segunda parte digo,
qjande tratei de Domingos de Souza Ceo,
.eiilior traza leligio de ierras cmi-
ca portanto claro ijue nao poda ser applieado
ao I -a n. Sr. Dr. Domingos de Souza Leao, que
mi ni um letii ura*. mas sira, Domingos
de Son/..i i
Pecj -lijes a pubcaco da presente no seu cor.-
ce toado jornal.
nho Jasmim, 2> de Janeiro de 18M.
Joiijiiim Mnnoi'1 do AajO Hurreto.
tur?*.Revendo as paginas de seu
iiuado Diario, de 12 do crreme, nellas de-
com urna re|>lica, que fazia um senhor de Ga-
ruara, (que he ignoro o nomo). iervindo-aa ile mi-
nha puhlicar.ao do Diario de 22 do passado, como
escodo para deten ler-se dos Srs. J. Baplista e pro-
i publito daquella comarca.
Ijn respoua a este senhor, sem nomo, tenho a
-dizer i|Oe se maiiuei dar MBella publieidade, nao
oi para nenbum se servir dola como escud para
se debater com quem quer que seja, pois nao que-
ro que os Srs. promotor publico e Joo Baplista e.t-
len lam que fiz em alTronta delles, pois nao os c )-
ule'.o, e dizem-mc seren Benhores honestos e de
probidade; se disse que Manoel Corsno era o rae-
Ihor snmen de Carnar, replico que fleandocer-
to o senhor sem nome, e os Srs. promotor publico
o BapBta que nao o digo em affronta a ne-
nnum cidadoda cidade de Caruar.
Silla do Uuique, 22 de Janeiro de 1864.
Antonio Enreia Cavalranti ll'idega.
PUBLIGiCOES A PEDIDO.
COMMEBCIO. ^
PRACA DO RECIFE il OE FEVEHEIRO DE 1861.
CotaeSes ofllciaes.
s 3 horas da tarde.
Algcdo do Aracaty l nesta) priraeira sorte i\i
por arroba.
Dubojwcq Jnior, presidente.
Quimaraes, secretario.
1:6784.1
Consulado provincial.
Rendiraento do dia 1............. 8:89&|3S8
dem do dia 3................. 5:1175801
12:013*15'.
M0Y1MENT0 DO POETO.
Navios sakidos no dia 3.
Baha patacho nacional Tkereza, eapito Joo
Correa Lima, carga azeite e outros gneros.
Liverpool pela parahybabarca ingleza Constan-
ce,^ capilao C. BecliardsoD, carga assucar.
Nao houverain entradas.
Alfandega
Rendimento do dia I...........
dem do dia 3 .................
23:563*931
31:433*199
74:997*430
EDIT1ES.
Movlmento da alfandega
Volumes entrados com fazendas... 4:t
. 163
com gneros.
Volumes sabidos
c c
com
com
fazendas.
gneros..
96
80
4 Ai'
(Mi
176
Hosla a buje cipili o Sr. Francisco Jos
Vianna.
Calb meu menino,
Calla meu amr,
Dos fros que leu le-.
Soffrei-os com dr.
No dia 23 de Janeiro, que pacficamente segua
cu paia minha casa, o Sr. Vianna, de camisa e
ceroulo, gritn chamndome, attendi-o chegando-
ine |iara a cerca e'le debrucadoda janclla desua
. iftrnou com gnios a instar ijue enirasse, dis-
lio que cliegasse elle all., pois era seu o nego-
ciu: perguntou-inc do mesmo modo se cu eslava
con medo, vista do que dea o andar : com m.110-
;j ilos disse-iu : o Sr. Vianna repetidas vezes
ii eslava doudo ou maluco, e se pensava que
i ra os Wanderleys e Antonio Henriques de
Miranda.
Agora avalie o publico quem ser o doudo, o ma-
luco e 0 moralisado.
I'e izmeiile pelo; esforcos dos gritos doSr. Vi: li-
no, os seus vizinhos firaram de posse da sua civil
inodeslia, par da sua patente,' idade, e exemplar
pai de numerosa Umilia.
i.unnto a noticia que no meu arante) dei ao pu-
blico, de qut tanto se agoniou o Sr. Vianna. nao res-
laduvida.ser falsa,mas por que o Sr. Vianna nao
n='-igiou quando a:abou de escrever era aquelle
tempo a sua parte ao publico.
0 Sr. subdelegado da fregueza do Poco da Pa-
I olhe para o procedimiento dos cobradores da
sisada do Arraial, para que nao torne a repetir a -eena que deu-si com o Jorge; por isso que em
mo, n) era o Sr. Vianna capilao e sun
. liif.o da cas;i amarella. o bem .....salvar a
me leve oSr. subdelegado
maj ir Maia, inteligencia dos nwradores do po-
lial. e a corrolwiacu do Sr. leneote
rinno em seguida ordenar em alias roaos de
aijada de casa da morada de seus lilho e
iiiho, dontr I, que nao le-
n luiila a cambada do Arraial, pois que
; i bastando paun, usasse de Com e farro.
ora .espoudido ao Sr. Vianna o que
Descarregam no dia 4 de fevereiro.
Patacho inglez Sonl Peter arnba de trigo.
Baria ingleza Town of Liverpoolcarvao.
Galera frauceza Uhltearvo.
lan a inglezaaselle=iaem.
Brigue inglezBelle of tlie Mersy mercaduras.
PaU.cho nacional/'a/mufarinha de trigo.
Polaca nacionalIfarMtocharque.
K-e ma ingleza Stamboulmercadorias.
Brigue inglez J/cl/wi^bacalho.
Importaco.
Con inuago do manifest do vapor inglez (Jneida.
1 caixa fazenda de la e seda ; a T. Chris-
liaiao.
1 caixa meias, etc.; a E. A. Burle 4 C.
2 caixas fazenda de seda e 1 volunte amostras;
a ib nrique Ii caixas fizt nda de la, 1 dita miudezas ; a
Penetra A Araato.
2:! caixas e 82 fardos teeido de algodao, 2 caixas
tecido de seda, 1 dila fazenda preta. 1 dita dila de
la, I dita dita de linho, 1 fardo fazenda de la e
algolo, 1 embrulbo amostras; a J. Ilvder t C.
1 caixa fitas de seda ; a X. O. Itieber & C.
I caixa roana; a A. F. de Oliveira.
3l> dilas cha ; a Mills l.atham.
1 dita objectos particulares ; a \V. F. Cope.
2.) barris manleiga, 20 caixas fruetas verdes, 40
dilas vellas de cera ; a Thomaz de Aquiuo Fon-
cecn.
lo caixas castanhas, 4 ditas doces, 1 dila peixe ;
a Tliomaz do Ajumo Funceca Juniur.
1 volume amostru; a Ch. Lectora.
1 dito ditas; a Southal Mellors A; C.
1 dito ditas a O. A. Eastwod.
2 ditos ditas; a F. Sauv
1 dito ditas ; a Ferreira A Matheus.
1 dito ditas ; a E. A. Burle & C
1 dito dilas; i |>aton Nash & C.
1 caixa; a F. G. de Oliveira.
1 dita amostras: a Bailar & Oliveira.
1 embrulho papis; a Bailar y Oliveira,
1 caixa objoetos de escriptorio ; a London Bra-
zilinBank.
2 ditas ditos a J. Pater k C
1 volume a -ilustras; a Babe Scbmettau & Q
1 caixa lirros; a Paln Nash.
i ditas calcados; a J. P. dos santos Porto.
i ditas ditos; a J P. Arantes.
I dila diuheiro : a Amorim lemos.
i dilas e 1 embrulho litros : a J. Noguera de
Sor za.
50 barris sardinbas; a M. J. Hamos c Slta &
Genros.
1 caixa lvros ; a B. F. de Sonta.
14 caixas doce e 8 ditas fruclas a Marques Bar-
ros A; C.
6 volumes passas, 10 ditos e 3 caixas figos ; a
C. J. A. Gaim raes. I
Patacho inglez St. Pater, entrado de New-"York,
consignado a leni\ Forster (1, maiiifestou o se-
gu ile :
1.119 barril a> farinba de trigo, 15 ditas
10C barrilinbos banha, 200 barriquinhas bo
nh;s e 000 r.smas de papel de embrulho
ci'iiMgnatarios.
Brigue inglez Meline, entrado de Terra-!tova,
consignado a J. Pater & C, manifestou o seguinle:
2..121 barricas e 264 meias ditas bacalho
ore era.
Ilate nacional Sant'Anna, entrado do Ara
consignado a B. C. do Amaral, rnanirestou
guite :
65 caixas un M arrobas de velas de ceita de
carnauba, 28 saceos com 112 arrobas de cera de
carnauba, 29 melhos com 723 cournhos de cabra;
a J. de S Lei to Jnior.
73 meios de sola ; a Luz Antonio de Siqucira.
4 sceos de farnha de mandioca ; ao padre Jos
G. da S. Carneiro.
17 molhos (om 200 courinhos de cabra ; a Joo
J. Alves.
I. encapado com 16 esleirs grandes, 10 ditos
com 230 ditas de palha; a Lino deFarias.
; caixes com 130 libras de pennas de cma, 7
ca sas com 9 arrobas de velas de carnauba, 10
molhos com 250 pelles de cabra ; a Francisco G.,
de M. Jnior.
39 sacro.- ce ni 116 arrobas de cera de carnauba
e 111 caixas com 142dilas de velas de dita ; a fia-
ra de M. G. da Silva.
100 saceos com uOalqueires de milho ; a ordem.
8S saceos com 302 arrollas e 2 libras de algo-
dV'. 13 caixas com 13 arrobas de velas de caruau- j
ba a Prente Vianna & C.
Vapor nacional Ax, entrado dos portos do sul,
maiifestou o seguinle :
Do Rio de Janeiro.
i enero esirangeiro j despachado para consu-
rao
1 coxote chapeos ; a Joaquim Alves.
'; caixas diversas mercadorias ^ a J. Jos Ta-
vates.
(eneros nacionaes.
ii jocazes loucinho ; a Jos Joaqcim de Lima
Bairo.
1 caixote livros ; a Guiraares & Oliveira.
I caixote cigarros, 15 latas fumo : a ordem.
Da Babia.
Genero estrangeiro j despachado para con-'
su no.
I caixas fazendas de laa ; a Adamson Ilowie
a r..
1 caixa livros; a Fcnelon Silva Monte.
lleneros nacionaes.
7 volumes charutos ; a Palmeira & Bellro.
100 latas assncar; a Hondas & C^ilbo.
1 caixo charutos ; aFernandes A Irmao."
2 ditos ditos ; a Belmiro Baptisla de Souza.
Encommendas
! volumes, a C Jos Alves Gome?.
1 dilo : a Marques Barros & C.
1 dilo; a VI. Philoiueno F.
1 dito; a J. I. de Lima Bairo.
1 dito : a G. i. do Reg.
f tJL,
i acol-
aos
;aty,
) se-
Trlbunal do eommerclo.
EDITL
O tribunal do commercio da provincia de Pcr-
nambuco convida aos senhores coramerciantes na-
cionaes matriculados e residentes nesle districto,
comparecerem no dia 17 de fevereiro prximo
futuro, as 9 horas da manba, na sala da Assoca-
cao ommercial Beneticente, para proceder-se a
eleco de um deputado commerciante. que em
siiii.-iiiuico do depulado fallecido Jos Concalves
Malveira. tem de servir al o lim do anuo de 1806,
tempo que fallava ao substituido, na forma do ti-
tulo nico do cdigo commercial e decreto de 5
do selembro de 1830. E para constar mandou o
sobredito tribunal fazer este que, assignado pelo
seu secretario, ser publicado no Dtorao t rer-
nambnco e aflixado na praca do commercio com a
lista de que trata o art. 5o do citado decreto.
Secretaria do tribunal do comm?rcio de Pernam-
buco 25 de Janeiro de 1864.
Joo Ignacio de Medeiros Reg.
LISTA.
Jos Jeronymo Monteiro.
Cose Joaquim Dias Fernandes.
>uiz Antonio Siqueira.
Jos Velloso Soares.
Manoel Ignacio de Oliveira.
Manoel Joaquim Bamos e Silva.
Antonio Jos Leal Res
Vicente Mondes Wanderley.
Jos Marcelino da Rosa.
Joo CardosoAyres.
Joo Ignacio de Medeiros Reg.
Antonio Valentim da Silva Barroca.
Elias Baplista da Silva.
Francisco Accioly de Gouveia Lias.
Jos Baplista da Fonseca Jnior.
Jos Nanea de Paula.
Antonio Jos de Castro.
Antonio da Silva Ferreira Jnior.
Jos Francisco de S LeUio.
Jos dos Sanios Neves.
l.uiz Jos Rodrigues de Souza.
Antonio Alves Barbosa.
Joo da Silva Faria.
Manoel Joaqun) Rodrigues de Souza.
Candido Nones de Mello.
Joaquim da Silva Lopes.
Gabriel Antonio.
Jou Pinto de I.emos.
Manoel Duai le Rodrigues.
Vicente Jos de Brito.
Manoel Antonio da Silva Horeira.
Barlholomeu francisco de Souza.
Joaquim Jos da Cosa Fajozes.
Jos Pires Ferreira.
Jos Rodrigues Pereira.
Joo Pinlode I.emos Jnior.
Jos Candido de Barros.
CantUM C. da Cosa Moreira.
Aniouio Luiz dos Santos.
Joo Jos de Carvallio Moraes.
Jos Pereira da Canda.
Lourenco Luiz das Neves.
Candido f.. Guedes Alcoforado.
Joaquim Francisco du Espirito Santo.
Jos Antonio Basto.
Angosto Prederico de Oliveira.
Antonio de Moura Rolim.
Jos Francisco Larra Penna.
Antonio Ignacio do llego Medeiros.
Herminio Egidio de Figneiredo.
PelisberlO Ignacio de Oliveira.
Est conforme.
Julio Gaimaraes,
Olicial-maior.
A cmara municipal desta cidade lendo de
proceder no dia 6 de fevereiro prximo vindouro
a apuraco geral de votos para um senador que
deve dar esta provincia paca preeneber a vaga
dcixada na senado pelo Kx.ni. Visconde de Albu-
querque, convida, de conformidrde com a ultima
parle do arl. 85 cap. 3" da lei n. 387 de 19 de
agosto de 1846 aos cidados que quizerem assisiir
a dila apuraco,
Pago da cmara municipal do Recife 30 de Ja-
neiro de 1864. Luiz Fraucisco de Barros Reg,
presidente.-Francisco Canuto da Boaviagem, se-
crelariu.
O Dr. Trislo de Alencar Araripe.ollicial da impe-
rial ordem da llosa e juiz de direilo especial do
commercio nesta cidade do Recife de Pernambu-
co por S. M. Imperial etc.
Fago saber aos que o presente odital vireni e
delle notieia tiverem que no dia 15 de fevereiro
do prximo futuro auno se ha de arrematar por
venda a quem mais der, em praca publica dosto
juizo o seguinle :
Januario, crioulo, de 30 annos |miuco mais ou
menos avahado em 000$, o qual fura penborado
por execugao de Antonio Jos Alves da Fonseca,con-
tra Candido Thomaz Pereira Dulra : e nao baven-
do lancador que cubra o prego da avaliaciio a arre-
matarn ser feita pelo prego da adjudicagio na
(orina da lei.
K para que ebegue ao conliecimento' de todos
mandei passar o presente que sera publicado pela
imprensa e aflixado nos lugares do custume. Re-
cife, 18" de dezembro de 180.1.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimento,
escrivaoo subscrevi.
IVittfo de Alencar Araripe.
Pela inspectora da alfandega se faz publico,
que no dia 6 do correnlc, depois do raeiu dia,
porta da mesma, sero vendidas em leilo 395 ar-
robas de carne de charque, avahada em 1:580,5. e
apprehendidas ao eapito do patacho hespanhol
Amelia pelo oflicial de descarga Jos Herculano
Thomaz de Aquino; cujo leilo se faz de conformi-
dadocon) o nico do artigo 756 do regulamento
de 19 d selembro de 1860; sendo a arremataeo
livre de direitos ao arrematante.
Alfandega de Periiamliuco 3 de fevereiro de
1864.O t" c:-criplurario,
Caetano Gomes de S.
4830t)0
220JOOO (
3324000
1:21-12:000
2055000
2045000
1835000
Os pretendentos doren comparecer ieXmoannht'!
dos de seos Sadorcs ou munidos de carian M
Praca de Pedro II.
N. i parlieular e ;. publico, segundo
andar .. ........
N. 1 dito e 33 dilo. sala......
Ra do ijueimado.
N. 1 dito e 35 dilo, loja. ..
lina do Imperador.
N. 2 dito o 81 dito, don- andares- ..
Largo do Panizo
N. 4 dilo e 2u dilo, dous andares
Ra das Larangeiras.
N. 8 dito e 17 dilo, casa lenca .
Ra Velba.
N. 8 dito e 32 dito, casa terrea..
Ra de S. lionealo.
N. 10 dilo e 22 dito, casa terrea.. ..
N. II dito e 24 dito, casa terrea.. ..
Ba do Pires.
N. 13 dito e 39 dito, casa terrea
Ra da Madre de Dos.
N. 33 ditoe 8 dito, casa terrea
N. :id dito e 2 dilo, casa terrea.. ..
Boceo das Boias.
N. 38 dito e 16 dito, dous andares. ..
Ba da Lapa.
N. 40 dito e II dilo, casa terrea.. ..
Ba da Moeda.
N. 44 dito e 21 dito, casa terrea ..
Ba do Azeite de Peixe.
N. 03 dito el4 dito, um andar.. ..
Ra da Cacimba.
N. 60 dilo o 12 dito, casa terrea.. ..
N. 67 dito e 10dilo, casa terrea.. ..
Ra do Vigario.
N. 72 diloe 27 dito, dous andares ..
. Tua da Senzala Velba.
N. 78 dito e 136 Jdito. dous andares..
N. 80 dito e 132 dito, dous andares..
N. 81 dito e 18 dito, casa terrea.. ..
N. 82 dito e 16 dito, casa terrea.. ..
Ra da Guia.
N. 84 dito e 29 dilo, casa terrea.. ..
Ra do Pilar.
N. 91 dilo e 103 dito, casa terrea.. ..
N. 92ditoe 104 dilo. casa terrea.. ..
N. 93 ditoe 101 dito, casa terrea.. ..
N. 94 dito e 99 dito, casa terrea.. ..
N. 95 dito e 89 dito, casa terrea ..
N. 97 diloe 10 dito, casa terrea.. ..
N. 99ditoe 106 dito, casa terrea.. ..
N. 100 dilo e 104 dito, casa terrea. ..
N. 101 dito e 102 dito, casa terrea. ..
N. 102 ditoe 100dilo,casa terrea. ..
N. 103 ditoe 98 dito, casa terrea ..
H. 104 dito e % dito, casa terrea.. ..
N. 105 dito e 94 dilo. casa terrea.. ..
Rosarinho.
N. 3 particular, casa c sitio......
Mirueira.
N. 4dito, sitio.. ......
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, 30 de Janeiro de 1804.
O escrivo,
F. A. Cavalcanti Cousseiro.
Conselho de comprasnavaes.
Promoveo conseibo no dia 5 do crrenle mez a
Programla.
As H doras da noile o laealro estar iberu1,
sendo que o director envidou lo los os i
Jos para que o publico encomie um sali digno,
para isso enlandeirou lodo o thealr.
As 9 horas em ponto principiar o baile.
Tocar urna bunda de msica marcial da* me-
Ihores que temos.
Proes des imilKl entrada feral.
A I* e 4*ordem serio considerada- galeras pa-
'J02000 ra ^''10-'1. sendo o preco mil res (15000) por
; cada entrada.
2' ordem BJl sendo 4 entradas para senhoras e
2 para cavalleiro.
3* dita 65, sendo 5 entradas para senhoras c
una para cavalleiro.
Enlrada para cavalleiro 25, damas mascaradas
1835O0() ?rat|S.e sem o serem no salo 15.
Sero fielmente observados os regulamentos do
1045000 thca,ro l)olic'-
2005000
1815000
40.15000
1605000
2515000 ,
5025000
123A000
825000
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegaeio costelra i vapor.
Marei e Sergipe.
O vapor Parakidia, comman-
dante Marlins, seguir para os
I porlos do sul no dia 5 de feve-
reiro as 5 horas da tarde to-
cando em Marei e escalas, Pe-
nedo e Aracaj. Recebe carga at o dia 4. En-
6035000 commendas, passageiros e dinheiro a Irete at o
dia da sabida s 2 horas da tarde : escriptorio no
Forte do Mallos n. 1.
0515000
41050H0
1925000
2OI50OO
ASSIT
Vai sabir por estos dias para o Ass o palbabote
iMinm'^ '**'"' recee cart?a 'relt mui, commodo, c
1205000 passageiros, para o qne tem muitos bons commo-
./a.,w. dos : a ,ra,ar com ocapiio a bordo, ou na ruada
11,15000 Madre de Dos n. 2.
1635000--------------------------------------------------------------
1735000 Para o Aracaty.
2545000 O hiate Nicolao I est prestes a seguir viagem
2375000 Para o Aracaty : pode ainda receber alguma car-
1625000 Ua> para o que se trata cora os consignatarios na
1685000 ruada Gadeian.57. _________
l,;]50i90 Preta-se para o Rio da Prata o palhabote
c*inrt rw^nguez Serra I, de lote do 120 toneladas ou DE
'^"'!95 10,000 caixas : trata-se cora os seus consignatarios <^?-n ^=a ->-i.-- r\ z-7-i'i /Sil
1825000 Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu W^t^t *& )fll ^t/#
17.1o2(0 escriptorio ra da Cruz n. 1. 23!) ^ 5^S> J ^5=2/
i/iitjmjHj'
I hora o luai > Com n- igt -. pr impto navegar : n*
'ura
ancorado de fronte do rae- do Ra
.
PR E.DW8
Sahbniltf S lo <*orreli.
PonBrdem da caixa I1I1.1I por cunta risco d-
quera perlera er e |M>r inlerrencao do agente Pes-
ua, rao a leilo os seguinle predios inixftn
peiti-Hcentes a Sebastian Jos Silva, a sal.-r :
2|' do siiiu, terreno e easa de -'lirado n. 4* na
ra de Bemliea junio do Sr. I!.irn>c.i.
<) predio da fabrica e torios de marinha ikm
Afogados ao p da fabrica
Dellino. Aos Srs. pretndeme* a qualquer infor-
ni.'uo o agente se achaprompioa dar pois ojoeo
competentes liinlos acham-i-cm iiio d mesmo.
o leilo tora lugar sahhado 6 ii afanan p 12 horas da mandan na porta da *soriaro eoaa-
iiierci.il.
Um sobrado de uiu auiLir
em Santo Aman.
Segiinda-feira 8 o carrale.
O agente Almeida oompelenlemente autorisaaTo
fara leilan do sobrado de uro andar -iloem Santo
Amaro ra d 1 Lima ou traressa da fundirao do
Slar, com 55 palmos de frenli-, !W de tundo*. eoM-
nlia fra. cocheira, quartos para criados e estra-
ves, cavalUrico ludo em ponto grande, murado
com |iorlo de ferro e fundo al o rio, rompra-
hendendo um rireiro, os prelendenles podem en-
tender-se com o agente para quaiquer inforoMeao.
leilo lera lugar defronte da assoeiacio eosa-
mereial porta dos Srs. Palmeira 4 Bellro. as II
horas.
LEILVO
322JW90
2135000
PARA 0 RIO DE JANEIRO
pretende sahir at 6 de fevereiro o patacho Cor-
ran por ter a maior parte da carga : para o resto
que lhe falta e escravos a frele, irala-se com os
consignatarios Palmeira & Ilellro, largo do Corpo
Santo n. 4, primeiro andar.
Para o Rio brande du Sul
pretende seguir cora muila brevidade a barca Afri-
cana, pode ainda receber alguma carga a frota :
compra dos seguintes objectos do material da ar-! trata-se com os seus consignatarios Antonio Luiz
mada : 1 bomba de Japy com 900 palmos de cauo j de Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio, ra
grosso de chumbo, e 200 palmus de dito lino, 6 pha- da Cruz n. 1.
res de luzes naluraes, verde c encarnada, 20 ar
robas de murro, 50 esgunbos, 40 pecas de linha
de barca, 100 verlidores, c.irvo de cok, 1,000 fe-
meas de rede, 12 guardasmorrOes de folha, 20
raeatj-
0 hiate Santa Rita lem parte da carga prompta:
para o resto, traase com Tasso Irmo?, ra do
O agent Almeida far leilo por coala e
de quem perlenrer de diversos escravos de
os sexos, alguns delles cora habilidades.
Segunda-reir N d carrale
porla dos Srs. Palmeira & Bellro, s II
do dia.
hora-
3
DE
lantemas de patente, 400 navalhas de marinheiru,' Amorim n. 33, ou com o mestre no trapiche do
50 varoes de cobre de 3|4, 100 vares de cobre de algodo. _______________________
4|8, 100 varSes de cobre de 5|8, 2 jogos de tarra-: para |(a|,a pretenda sahir com muila bre-
chas do modello de Wtutw orth com seus utenei- vdade o veleiro patacho Thereta, eapito Joo Cor-
lios, 30 arrobas de pregos de cobre de 4 pollega- rea [jmai ))or ter a maior parle ja rarga .,ara e
das, 8 arrobas de pregos de cobre de batel peque- resto que lhe falla trata-se com os consignatarios
no, 500 pucaros de folha, 20 temos de medidas de i>a|nieira & Uehro, largo do Cori Santo n. 4, 1
folha, 10 arrobas de er, 12 pranchdes de cedro anjar.
lascado, 400 folhas de zinco, 600 remos de faia, I ------'---------------------------;------------------
10 duzias de taboas de costado de pao carga, 10 Tara 0 Hio de JilllCIPO.
dozias de taboas de costadinho de pao carga, 10 Satura com brevidade o brigue nacional Jfttnr*
duzias de taboas do assoalho de pao carga, 4 pecas va, recebe carga e escravos a fete : trata-se com
de cali de manillia, ii duzias de taboas de piuho Manoel Ignacio de Oliveira & Fillio, largo do Corpo
da Suecia, de 3 pollegadas, 8 duzias de taboas de'Sanio n. 19. *
dito de 2 pollegadas. 7 duzias de lalioas de dilo de
i 1|2 pollegada, c 12 duzias de taboas de dito de 1
Urna loja de femgm
O agente Pestaa fu leilo la toja t f^rragan
da ra da Cnoia do Reciten. 64, com o fundo*-
16:0005, vende em um s lote ou em pequeos
lotes a vontade dos compradores, es pretea-lentes
piidem examinar o balanco em mo do nwsaao
agento, leilo tori lugar no lia 8 de fevereir
prximo fu Uro.
pollegada.
ara o lllo de .lancho
Al o dia 8 do corrente pretende seguir o pata-
LEILOES.
Tambem no dito dia contraa o consclbo, sujeito cho Caann, (em a bordo parle do seu carrega-
approvaco do Exm. Sr. vicepresidenle da pro- ^enl : l'ara o resto que lhe falta e escravos a
vieta, o fornecimento de earvo de pedia e de 'rele, para os quaes tem excedentes eommodos,
cemento, por tem|Mi de seis mates; e cllctua este "'ala-se com as seus consignatarios Antonio Luiz
contrato, fcem como promove a referida compra de Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio ra
dos objectos do material da armada, sob as condi- da
goesdo satyilo, e em vista de nropostos receidas i
al as 11 horas da manhaa, para o que convida aos
pivtenJentes a aprcsenia-las.
Sala do conselho de compras navaes Io de feve-
reiro de 1803.
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Secretario.
0 cidadao Manoel da Silva Ferreira, juiz de
paz do 4" anno do 2 districto da fregueza de San-
io Antonio do liecife, faz sciente a quem convier,!
que d as audiencias nos dias quartas e sabbados
as 10 horas da manlia. na casa de sua re>idencia
na na uireita n. 10, sendo as audiencias mudadas
para os dias anteriores quando os marcados forera
santos ou feriados, e despacha todos os dias das 6
Ii iras da manba as 6 da tarde.
De ordem do juiz de paz do 4" anno do Io
districto da fivguezia de Santo Amonio do Recife,
o illm. Sr. major Antonio Bernardo Quinleiro, faco
AVISOS DIVERSOS.
0 cirurriao Leal mudou
a sua residencia da ra do
Queimado pai^i a ra das
Crnzes sobrado n. 36, pri-
meiro andar, por cima do
armazem Progressista, Mu-
de o acharao como sempre
prompto a qualquer hora pa-
ra o exercicio de sua pre-
fissao, chamado por escripia.
GKVM)E E u/mo
LEILO
HOJE.
Uiiinta-fclra 4 doeorrente as IO
horas da manhSa.
J. Falque, querendo acabar com o resto das fa-
sciente a quem convier. que as audiencias deste zendas exislenies no sen armazem da ruado Cres-
juizocontinuama sernastercas e sextas-feira-as pon.4, como sejam esnartimos, casaveques de
2 horas da tarde, na sala publica do andar terreo fustao.ma as para viagem, um neo sortimento de
da casa que fui cadeia e ra do mesnio nome, e f"as df seda e de velludo cabidos para modistas.
boje do Imperador, e quando estes dias forero san- bengalas, esc ivas para cabello e facto. urna ero-
tos ou feriados, sero as audiencias nos dias ante- penada mecnica completa, colanuhos de linho,
ores. 0 mesmo juiz de paz despacha das 6 horas camislnhas e manguitos, um cofre de ferro era
da manba as 6 da tarde, nao s nacas:: desua perleito estado, chapas de zinco com lelreiros
residencia na roa Nova n. 63, como em qualquer proprias para legistas, que scrao vendidos sem
lugar onde for encontrado.-O escrivo, limites. -- ,-,-..
Silva Reo. agente ALMEIDA fara loilao das fazendas aci
An iipii' v u i r 'ma declaradas, e ciuiviJ.i aos Srs. logistas para
UUntlU ijLIiAI.. I aproveitarera a occasio de se proverem de laes
RftlaCn das Callas MglTM CXslenteS aitigos e por procos commodus.
n;i arhninislrnc&o d. ctrreia desta
cidade paraos seiilinres aliaivo de-
clarados
LEILO
DE
'!') barris com unho Unto de Lisboa.
1EOJE.
O agente Pestaa vender por couta e risco de
Juera pertenec i.'i han is de 5" com vinho tinlu
e Lisboa mai ta bem acreditada no mercado c a
sabir da alfandega o qual ser vendido em um ou
mais totea a vontade : qninta-feira 4 de fevieiio
no armazem do Annes as 10 horas da inanhaa em
pomo.___________________
LEIUO
SO
lilho.
DE
saceos com
MOJE.
O agente Pestaa vender em leilo por couta e
risco de quera pertencer cerca de 80 saceos cura
milho em um ou mais lotes vontade : hoje 4 do
corrente, pelas 10 horas da manhaa no armazem
do Annes defronte da alfandega.
Antonio de Castro Alves.
Coronel Antonio Comes l.eal.
Anlonio Jos II, nrique de l.ima Jnior.
hnaventura I.eilao de Almeida (2).
Krnesto Dias Monteiro.
Carlos Jos Cantoso.
Francisco Moreira da (vista.
Francisco Xavier de Mallos Telles.
Tenenie Gaspar Jos de Miranda.
I). i/.i,ior.i Senbormha Lopes.
(naci Francisco Pereira da Silva (Jaboaio).
Jeronymo Ribcaro de Bosjza,
Capilao Joaqun) de Albtiquerque Mello.
Padre Joaquim Mauricio Wanderley.
Jos Gomes da Frota.
Jos Joaquim Alves de Amorim (2).
Jos Joaquim Freir de Carvalho.
Manoel Jos do Nascimento.
Manoel Mximo dos Santos.
Manoel da Silva Mendonca Vianna.
dineral Solidonio Jos Antonio Pereira do Lago.
Victorino dos Santos e Silva.
Correi.
Peto administracao do correio se faz publico que
as malas que deve conduzlr o vapor cosleiro Va-
rahiba cora destino aos portos do sul al Sergipe,
fechain-se boje (5) as 3 horas da tarde em ponto. Sexta-ft'ira 8 do i'iirri'nU1 as
Inspecco do arsenal de marinlia. sm marra*.
Faz-se pufdlco que a commissao de peritos exa-' O a-jente Olimpio vender em lellao em seu ar-
omando na forma determinada no regulamento mazem na roa do Imperador n. lo o seguinle :
annexo ao decreto n. I3M de .'i de fevereiro dc mobilias de Jacaranda, guarda roupas, apparado-
ISoG, o casco machina, caldeiras, apparelho, mas- res, guarda louca de Jacaranda e amarello, san-
treaeo, ancoras e amarras da vapor Paralaba da fuarios, camas francens, pianos, marquetas, ca-
conipanlna Pern imbucana de navegaeao costeira, bids, sofas, consolos, caixas para relogios de pa-
achou lodos esses objectos em regular'eslado. de, berros, relogios de algibeira, ditos de pare-
luspeccao do arsenal ede marinha de Pernam- de- cadeiras avulsas, crystaes e outros muiios ob-
buco 1" de fevereiro de 1H04. Jects-____________________________________
II. .i. Barbosa de Almeida.
Insnector.
HE
MOVIS
11 \\i lloras.
DECLAHACOES.
Manta Casa da Misericordia do
Recite.
A Illm.'junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recite manda fazer publico, que
no dia 4 do prximo mez de fevereiro pela- 'i o-
ras datjrdc na sala de suas sessoes tem de ir
praca as rendas das casas abaixo declaradas, per-
lenceutes ao patrimonio de orpbos por tempo de
um a tres annos. a contar du 1" de julho prximo
futuro em diante.
THEATRO
DB
GRANDES BAILES DE MASCARAS
Wabbado. domiiis- segunda c
terca-feira,
6, 7, 8 c ) do concnle.
Miiiucl Candido de Medeiros Pinto, lendo obtido
de S. Exc. o presidente da provincia, o theatro de
si mi Isabel, para dar pelo carnaval quatro bailes
malcarados, avisa aos amadores destes bellos di-
vertimentos, que se apresc-ntem, e que o program-
la ser devidatnente pudkatlo
Sexli-eira ii do corrente s 11 horas
ra di Cadeia n. 53.
DE
1 'ni escravo proprlo lo scrvlcn
do campo.
Pelo agente Euzebio se vender em leilo um
bom escravo. pichincha, aproveitem.
LEILO
Scxta-feira 5 do corrente s 11 horas
ma da Cadeia u. o3.
DO
Hiate Camarosioe de lole 3
tonelladas, forrado e prega-
do de cobre.
Pelo agente Eurebin se vender naquelle dia e
11 uvl
Acaba de, sabir dos prelts de f/>a
ollicini o alnianak civil, ecclrsia>tict,
commercixl, fabril c aurcula, conten-
do todos os empreadas, engeihos e
negociantes, iuc'.Hsne as moiliticaries
havidas at 31 de dezeniiiro iltiat;
vende-se a 1$000 uoicamente na li-
vraria n. 6 e 8 d-i praca da Indepen-
dencia.
Quinta-fi.'ii a 11 ilo corrate mez, se ex-
trahir, a ultima parle da terasssM e pri-
rai-ira da quarta lotera do Gymnasio.
consistorio da igreja de Nossa Senhora do
Rosario da fregueza de Santo Aaaaaio
Os bilhel.es e meios acham-se venda na
respectiva :hesouraria ra do Crespo n. 15
e as casas commissimiailas rua da Impera-
triz n. 41, loja do Sr. PneoteJ rua Uireita
n. 3, botica do Sr. Chagas: na estreita d
Rosario n. l, typographia do Sr. Mira e rui
da Cadeia n. 45, loja do Sr. Porto.
Os premios de 3:000,5000 at I0J000
ser3o pagos urna hora depois da extrae
at s 4 horas da tarde, e os outros 'no dia
seguinte depois da disminuirlo das lisias.
O tl'.i'Simviro,
____ Antonio Jos Rodrigues de Souza.
AOS 5:00
CASA DA FOKTIM.
S*illie A' rna do Crespo n. 23 t casas do rosliime
Quinla-feira, H do correnlc, se extrahir a
ultima parte da lercelra e primeira da quarta lo-
tera do Gymnasio.
O abaixo assignado, recommendando ao respet-
tavel pubhci. a compra dos seus mu Mizos bilhe-
tes garautidos, lembra-lhe a vantagem que ba em
receber os premios por ioteiro, por quanto quem
tirar a sorte de 5:0005 em bilheie garanti nao
recebera somonte i:.'004, c;n virtnde dos descon-
tos de lli |que lhe farao em visia das leis mas
sim os 5:0000 que vem a ser os ditos 4:9004 e
mais 800.5 que pagar o abaixo assignado, impor-
tancia de ditos descontos, acontecundo o nesmu
com as outras sorles. Os premios serio pagos
um de costlnne.
Presos.
Bilhetes inteiros..... 6*000
Meios bilhetes. ...... 3*000
Para as pessoas que compraren)
de 1004 para cima.
Bilhetes........ 54S01)
Meios......... t*750
Manoel Martins Fiuza.
m
i ii i
SSBHHHK^lssStt-
0 solicitador Amonio Carlos Pcrcfra
Burgos Ponee de Len, ainda umita
guuias cansas de partido e enearrega
de quaesquer questoes indiciaos ou i
cucos por mais dOcefa quo sejam, Do-
rante o foro desta cidade como fora am-
ia qne aSo excedam de l'i leguas. K'elle
encontrado as salas das aiiilmncias ou
na rua Imperial sobrado n. Oi, das 6 as
9 hora; da manhaa e das i horas da tar-
de om diante.

Aluga se urna ama que tenha bons cosue
e que se sujeite a dormir em casa : na rua larga
do Rosario n. 33, segando andar.
-


.
TTENTIo
t>Uvto de t*ernaiuhuco ifcutafa fclra 4 le Fevereiro Uc 1SOJL.
i
Segumla-feira, 8 de fevereiro
ABERTURA
D
de m\i.
HOSObsuh
DENTISTA DE PARS
l!lKua Nova -t9
Frederico Gautier, drarge dentista,
faz todas as operaris de sua art;, e COi-
loca denle.-artiliiK.es, tudo COD1 superio-
ridad.' e perfeicao, que as pessoas enten-
didas Ihe reconheeein.
Tem agua e pos denuncio.
RA DO TRAPICHE
52 n. r^w S9k. mi
LJ"
4=
MDRIC ARNOL LT previne ao respeiiav.il publico/que tiesta data acha-se aberto este sea novo estabele-
rimento. As pessoas que quizerem honra-lo com sua presem.a acha-lo-uao todo montado de novo. OS (Jl'ARTOS sao os mais
decentes possiveis; a limpeza e a oileridide no servico, assim como a aincnidade e o agrado dos dooos e dos empringados nada dei-
\aiao a dosejar aosscnhores viajantes.
N>sle estabelecimento acham-se reunidos um CAFE e um RESTAURANT. 0 CAF ser sempre prvido
das bebidas e dos licores de primeira qualidade.
O propri.'tario achando-se relariocado com os primeiros fabricantes de PARS e de ROHDEAUX, recebe todos esses gneros
Acbar-
muito l*oin,
f primeira mao, por isso acha-se liabili ado para poder vende-tos por prcco mais barato do que cm .pialquer outra casa,
se-ha cerv.'j.i das manas as mais afamadas n.-sa prara : e 09 amadores do JOGO DE B&HAR bao de adiar um, novo e mui
no qual pudento destrahir-se agra.la-volm ?nte.
O RESTAURANT ..char-se-lia prvido das melliorcs conservas da Europa, am de satisfazer o gosto de seus
freguezes, Tciam-se pensionistas e ma ida-sc comidas para fra por precos razoaveis.
As pessoas que quizerem dar jantares em suas casas acharao sempre o MEDERIG ARNOl LT as suas disposin.es, me.liaMe
ajusfe pf-vio.
(ivmnasio proviucbi!.
Al o da 1 > de fevereiro estarlo alienas as ma-
triculas das seguimos aulas do gymnasio provin-
cial : latim, (ranees, inglcz, grego, allemao, ma-
thematicas, geographia e historia, eloquenca
potica, phosophia, lingua c lilleratura nacional,
seiencias Batanes msica.
Nesse estabelecimento, mediante a mdica
qoantia de 1-5 diario.-, leo os alomaos internos;
ruima lavada e engommada, medico, Iwlica, luz,
peana, papel, tinta e criados para o servico.
Os meos-pensonstas pagam metade deesa quan-
tia, e os externos l.*5 por trimestre, podendo fre-
quentar as aulas que <(uizcrem. O secretario,
Caliral.___________________________________
Precisa-se de urna criada, luna ou .'.-nava,
para servir a urna so pessoa : na ra das Laran-
geiras n. 5, pr.meiro andar.
Alugam-se as tojas do sobrado n. 44 em
a ra da Aurora: qaem pretende-las dri-
ja-se luja dos Sis. lia-tos ^ Magalbies,
na ra .Nova. .|ue adiarlo com quetn tra-
tar.___________ ___________________
- Offereec-se urna aula" para cozinliar. para ca-
sa de pouca familia : no beceo Larg* n. 27.
INTERNATO
DE
mmmw
btatelecMs na ridade -lo Rerife
*oli a Proteeco do Kiuiinia Poniflce Pi IX.
DirectorO barlnrel cm uialhcmaticas
BERNARDO PEREIRA DO CARMO JNIOR.
O director do intrnalo de S. Bernardo, nao temi evitado esforcos nem sacrificios ',<"
para proporcionar aos seus alumnos urna perfeita educacao physca, moral, intellectual e
religiosa, offerecendo-lhes urna babilacao com bastarte? condiede* de salubridad.', habis ?0
proles-ules i|iie sao solcitos em pnpara-lis convenientemente ao lim .|ue SO destioam, ^s*.
medico praueoqae Ibes faca oemprebender os preceitos da hygiene e Ihes cure das doen- .-jEs
c.as, c finalmente um sacerdote Ilustrado n bonesto que Ihes explique os principios da re- CSp
figiao ibrlsta, espera que assioi co istituio nao deixara o seu estabelecimento de mere- x
cer ii i familias o auxilio e eonflanca com que j alguns n tem honrado; e
Ibes roga, bem como todas as pessoas interessadas, que se dignem de visitar o mesmo
sea estabelecimcnlo, onde semprc cncontrarao franco ingresso. 3Z
Cadeirs de ensino :Pnmeiras letlras dividida em duas classes, ten.lo cada urna o
seu professor, latim, Iraocet, loglez arithtnetiea, algebra e geometra, gcographia, pililo- Nvj
aophi a, rbetorica, deseabo o msica.
Ocollegio tem a sua sede no spacoio edificio n. :2 ra d'Aurora cortiguo ao do
coilegio dos orphaos.
Nos estatatos do coilegio, qne estc a disposicao dequem os quizer le, se a cha m
consignadas as condicOes de entrada e matricula as diversas aulas do eslabeleci-
nenlo.
'


O (teiifcfeta scieutico
que lira deotes sem tldr, ao incito pu-
blico pcn-aniliur-ano.
o dentista Julio C. Pedrotta de volia de urna si.a
sua viageni donde foi cnamado no interior por
muito commendadors e senbores dqei-
genlio, icha-se oulra vei disposieao do resp.il i-
vel publico d.sia Ilustre capital na casa particu-
lar n. Vi, segundo andar, rna do Trapicho defron-
tc do hotel de Franca.
Qusndo apresenta-sc ao publico a cavallo f;.z
iiratis a pobreza as operaedes.
;;!: EM GRANDE VENDA OS SEGUINTKS W:-
UBDIAS.
Mistura hygienica do l)r. |ltuchardat para ct-
trahir os denles sem perigo e fazo-Ios amolescer e
cahir a quem nao quer ferro na bocea
Ambrozia do Dr. Record para passar a dr d)s
dente en -' minutos.
Pomada dos padres capuchinhos paracjrar et i-
Mugun-seduas boas casas na ra Imperial
; ns. |60 e lli com commodos para grande familia,
e omito proprias para armazeos de sal por ter p-
timo desembarque no fundo, leudo urna di lias
[ grande quintal com telbeiro proprio para brica
de velas ou de qoatquer especie. Urna casa na
ra do Cotovello n. 32, com bons commodi s, e l-
timamente piolada e cauda : a tratar na padaria
da ra Direita n. 84.
A marqueta do Ke.-ife, viuva, liliios e I
genros do Tallecido coronel Bjnto Jos La- {j
menta Uns, convida.ni ;>s pessoas de sua |
amisade a assistirem a urna miss no .lia 5 K
de evereiro as 7 horas da maoha na igre- |
ja da Santa Cruz, por alma de sen neto. |-
Iho, irmao e cimbado hachar. I Angosto l.a-
nienha l.ms, fallecido no Itio de Janeiro, e
desde j.i se confessam summaroonte gratos.
erda dcj'ia.
No da ni de Janeiro deste anno, desde a ra da
Cadeia de Olinda .casa do I)r. Antonio de Vascon-
Icellos Menezes de Drummondl atos Arrombados,
das 7 as 8 horas da noite, pouco mais ou menos,
cabio do pescoco de urna senhora sem ella o ver, e
perdeu-se um lio de cerca 10(1 perolas grandes,
' lendo no centro urna cruz de brilhantes, lamhem
nao pequeos, a qual pouco abaixo do taiiianho
de metade do dedo ndex : quem tiver adiado esta
' joia, e a levar sobredlia rasa, receber urna gc-
| nerosa recompensa. Pede-so ainda aos senbores
i ouiives e joalheiros, que se Ihes for offererida a
I mesma joia, hajadeapprehende-la da mao de qaem
qner que seja, mandando diso dar parto aquella
casa. Neste sentido, e para o mesmo fim, soliciia-
se todo o auxilio possivel das autoridades policiaes
de Olinda, ou deoutro qualquer logar quem che-
gar possa a noticia desse facto. Emflm muitose
agradecer todas as pessoas que para isso con-
correrem directa ou indirectamente.
o ji lo
avisa a rapazeada que est com um bello e elegante
uno a
gosto
cultamente) pagar os alugueis de perlo de ilous c prcco ja e conhecido.
annos da casa emque morn, na ra dos Prazeres Precisase alagar urna ama forra ou captiva:
.la Boa-Vista, ver o seu nome neste jornal para na ra das Trinchciras n. 1*.
melhor ser conhecido dos proprie O ceuilterlo publico
precisa de um lardineiro : a entender-so com o
tivo administrador.
Z& O bacharel Joo Krancisco Teixeira i
Maque sobre Portugal.
O abaixo assijfnado, agente do banco
mercantil Portoenae nesta cidade, sacaef-
fectivaniente por todos os paquetes sobre
o mesino banco para o Porto e Lisboa, por
qualqner somiiia, vista e a prazo, po-
dendo logo os saques a prazo seren des-
contados no mesmo banco, na razo de 4
por rento ao anno aos portadores que as-
sim Ihe convier : as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
!;. Ti
00
Em quanto o Sr. Jos Joaquim Jarbosa nao viej deposito de vestuarios, tanto a carcter com
mandar da villa do O' (para onde mudou-se oc- l'hanlnzia, na ra de Santa Isabel n. !, sobre
Wuciedade de seguros mutuos
de vida in.stallatla pelo llanco
I nio na cidade do Porto.
Os agentes nesta cidade e provincia Antonio
I.uiz deOHveira Aievede A ', escriptorio na roa
da Cruz do Rerife b. 1, estilo autorisados desde j
a tomar assignaturas e prestar lodos os esclarec-
LviA. m
O padre Jos Estoves Viamia leudo oto- |
tido iicenca do director geral da nslriic- s
cao publica para cnsin i particularmen- 8
le primeiras letras, latim o franecz. tem SgJ
d.'lermiiiado dar principio ao ensino das ^g
.litas materias no din 15 de fevereiro, g
para o < 11. ennvida a todos os Srs. pas SB
de familia que quizerem confiar seus fi- B
Ihos aa son cuidado a corapareeorem des- l
de j em casa de sua residencia na ra
de S. liento, assim como se presta lam-
hem a dar licoes em casas particulares.
ATTENCM.
Custodio iv-- Aires Guiarles avisa ao respei-
tavel publico c aos seus freguezes, que em vistas
de se achar seu estabelecimento em obras aim de
alargar mais o campo para o gallo de novo cantar,
alim de melhor poder servir seus bons IregneSM,
com ludo em qnanlo durar as ditas obras conti-
nuara a servir seus freguezes no seu grande ar-
mazem com frente para a ra do Imperador com
entrada pela dita loja do gallo vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Saques.
M. J. Hamos e Silva AGenros sacam
vista sobre a piara do Porto: na ra do Vi-
gario n. lo.
AMA DE LCITE.
Quem precisar de urna ama sadia e com at>im-
'lancia de leite, dirija-se rna do Sebo n. 35.
No becco do Marisco casa n. 7, primeiro
andar, ha .1 ios eseravos bons pan vender: das
Bas 8 da manba e das 3 s 5 da larde podem
ser vistos.
l nsujo de lutflcx e francez.
Joaquim Pedro da Rocha Pereira, autorisado
pela directora geral de instrucc.o publica, ensina
particularmente inglcz e franecz, no primeiro an-
dar do sobrado da ma Direita n. 9:1, onde pode
ser p'ocurado.
Precsase alugar urna escrava que seja boa co-
zinheirae engommadera, dando-se 205 mensaes :
a tratar na ra de Apollo n. 7, segundo andar.
AMA
. Precisa-se de urna ama para comprar c cozinliar
para urna pessoa s : na rna da Cruz n. 9, pri-
meiro andar.
AtLenco.
Precisase alugar urna ama de meia idade para
easa de um homem solteiro: a tratar na ruada
Senzflla Velha n. 70, lerceiro andar.
Precisa-se de um pequeo para caixeiro : a
tratar na ra do Livramento n. 83._________
Aluga-seostiodaPedra Molle, em Apipucos,
com 'xccllente casa de viveuda, com 2 salas do
- I'r.'cisa-se de otliciaes de alfaiate : na ra da frente e li.piarlos, terraco, estribara, (rnefeiras,
bella vista e magnifico bando : a tratar na ra das
Cruzes, sobrado n. 39, segundo andar.
Gustar Haucki, Allem.io, vai para Europa.
J. Borstelman vai Mace.
Cadeia do Hecife n. 38, primeiro andar.
Antonio de Farias randao Cordeiro vaioao;
Itio de Janeiro. f
Hassa fallida de Imorlni. l'ra-
oso. S:7itos & C.
Aos senbores credoros que ainda nao apivsen-
taram seus ttulos roga-se queiram faze-lo no pra-.
so de s das, contados desta data, sem o que dei-
tarao de ser contemplados como tacs.
^^Kj1RS *Kkwwro"<*l^SlW5jpt
W. Precisa-se de urna ama para todo o W
^Q servico do una casa de familia: na rna gj
^P estrena do Rosario n. .11. lerceiro andar. 8R
mmmmmmmmm
Antonio fos rerreira, subdito portuguez, vai
ao Rio de Janeiro.
COMPRAS.
Foi
doar
vira m
advo- tS
contina com o seu escriptorio de advo
V4 gacia rna do Queimado n. 8. primeiro
andar, onde p.le ser procurado das 9 2S
'J\
Aos sealiores sacerdotes.
Precisa-se de um padre para coadjutor da ma-
triz da cidade .lo Aracaty, d-se boa vanlagem, e
pode fazer mais de 2:000#, o que melhor qi.....
menlos que forem necessarios, as pessoas que de- 3^ doras da mabla s 3 da larde,
sejarem concorrer para tao til e bencina empre- gg,
zas. egiirando um futuro lsongeiro aos associados
Aluga-se o i- andar do sobrado da ra do
Imperador n. 79, bastante fresco, a decente para
urna familia : a tratar com Antonio Jos Rodrigues
de Souza.na ra do Crespo n. 15.
Aluga-se um excellente armazem com um
grande teTheiro e urna excellente chamn, proprio I",'),'r,":l "', & Efft PrtondeuUs
para qualquer estabelecimento d. r,n^,l .,', '''njam-se a ra da Ladea do Recite n.fl
daria por trr sido ha mais de 18 annos empregado
uestes negocios, na ma dos Guararapes n. M e
os pretendentes podem entenderse com Antonio
Alvos Barbosa.
Precisa-se de ama ama para comprar .: co-
zinliar : na ra do Imperador n. 69, primeiro
andar.
lina canoa.
Precisa-se comprar urna canoa de um s pan :
trata-se na ra da Cadeia n. .'17.
Precisa-se de urna ama para cozinliar c
comprar para homem solteiro : na rna de Qnei-
nudo n. :, loja.
- Victorio Rriino vai para fra da provincia, i ~ Aluga-se um bom sitio na Capunga, com boa
casa de vivenda com muitos commodos e bastan-
com bom-
ra do rio
na ra do
- Precisa-se de una ama que cozinhe e en- tes arvoredos de boas finetas, cacimba coi:
gonime. para casa de pequea familia : na ra da ^ ,,.,,,,.,,,,., |,;ul|10 d-agua doce a berj
Cruz n. 'i/, primeiro andar.
junto ao porto do Lasserre : a tratar
Aluga-se a casa n. 30" na roa da Matriz da Brum, armazem n. Ti.
res n. i.
tarros fnebres.
Iluu \ova ii. :J.
Precisa-se de urna preta boa qilandeira, e
paga-se u mensaes : na ra de Hotlas n. Iii se
dir quem quer.
Jos.' Pinto da lamba, subdito portuguez, re-
lira-so para a Europa.
OAerece-se um italiano sofficientemeate ha-
bilitado no ollicio de coznheiro, p ra qualquer ca-
clara
clu
mena ordeno, o qual servir com o pauno tico, (o
construido pelo mestre intalhador da obra de S.
Pedro, e a pintura e dourado do insigne artista
ico Nett de Mendonca y
sen escriptorio g*
^ ra ilo Livramento n. 18, I" andar. H
Mmmyrnmmmm :m-m
O majnr Alexandre Augusto de Trias Villar.
joiz de paz do V anuo do 1" districto-da fregueaia
de S. Frei Pedro Goncalves do Itecife, faz constar
a quem intoressar possa que as audiencia- de seo
raizo lera i lagar as qaartas e s ixtas-feiras as 10
horas da inauha.i na praca do Corpo Santo sobra-
ido o rico c^ro fundir Jff a-ii.Uo "le ... ^l X" l^ M ''"a d Tra'J,C"t "' Huando aquel.es forem santos ,, feriados, assim
como que despacha todos os .lias atis a qualquer
Compra-se effectivamente ouro e prau em
obra- velhas: na praca da Independencia n. 22
loa de liilhetes.
Compram-se acedes do novo banco : na ra
da Cadeia escriptorio n. i7.
Compra-se una escrava que saiba bem coser
e engommar : a tratar na ra da Imperatriz nu-
mero 20.
Compram-se aeces da caixa filia! do banco do
Brasil: na ruada'Cruz n, 23, primeiro andar, es-
criptorio.
execu^ao e modicida.le nos precos : a tratar no '____________________________________
oilao da secretaria de polica, armazem da bula Compram-se tres venezianas iguaes em fei-
amarella.________ to, com algum uso : wa ma do Imperador n. 20.
Arrertla-se o cncenho Itapessoca na fregu- Compra-SC a Columneida poema licroi-
zia de Tijucupapo, moente c corrente, com urna co cmico impresso nesta ..lado de 16129 a
grande praca desalmas, cuiitendo 366 marinhas, o iuoi ... |v,.,,.a ,ia nr,..n .]., in,i,.npndpn-
sal que fabrica-so nao inveja-se ao do Ass, eom *., -na 'Miaild ua prai.a ua indi penaen-
fornos do cal preta, lendo a pedra com a maior fa- ria "______________________________
cldade; tem sois sitios *aeeoqueiroe todos del 4 ^ fructo : tamben se vende o referido engentto:l ^".Tm^JW-1"!!!^
quem o pretender por qualquer das turmas annun- cobre, lano e chumbo : no armazem da bola ama-
wadas, p ide-se dirigir a ra da Gloria n. 70. que rellano oitao da secretaria de polica,
achara com quem tratar.
laeuiaudas na villa da lascada.
Isidoro Camello da Mocha Cavalcanti faz scieute
que legal.....ate autorisado para solicitar causas no
foro da Escada, encarrega-se de promover ana. s-
qner questes ou c .brancas de dividas por mdico
ajusto : qaem pois de seas servicos quizer se ati-
lisar, digar-se-ba procnra-lo na villa da Escada,
casa defronte .la Cadeia. o na cidade do Recife, en-
tender-se como solicitador Burgos Ponce de Len,
ra Imperial, sobrado n. r.i.
O abaixo assigaado julga nada dever nesta
praca ou i.ira dola, nao obstante, porm, apesnoa
que se inlgarscu credor, aprsente sua coma que,
sendo legal, ser paga ; isto no praso de oito das
da data deste : ua ra dos Pires n. 10. Recife 1-
de fevereiro de IN.
Joo Marques Pernandes.
VENDAS.
vcndcni-sc cals.5cs vasios a
lli'MM): uesta typographin.
ATTfi^iOa
l>e<[*liinclia a 840 rs. o corado.
Cmbrala de cor de superior qualidade a MA rs.
o cov.ido liazinhas para vestido de ricos gastosa
UOo covado : m na ruado Queimado n. 43, es-
quina que volta para a Congregado : est-se aca-
bando.
Vende-se urna armaeo sita na ra do Ara-
ii MI muito boa para principiante : quem a
pretender^ dirija-se a rna da Madre de Be n. I,
que ai-har com quem tratar. Paz-se todo negocio.
Vende-se ama pequea taberna e com pou-
cos fundos, sita na ra da Soledade n. 8, freguezia
da Ra-Vista.
FABIMI
sinVr^croto i^c ^do Tu ."atiTmo; s fe ? Sr- J- j j ^' ^ Pj a'""^ ^
fa+Ql,. to, para o que esta patente a todas as pessoas que
o quei am examinar no mesmo istabelecimento;
ten.lo lainbein o far.laniento dos criados hito de
novo com simplicidade o gesto, pira por esta fr-
segu
- O abaixo assignado lendo justo a venda da hora e lugar onde for encontrado. Recife, 30 de
sua taberna sita na rna da Banzafla Nova n. i. com Janeiro de IHi.
O Sr. Jos Mana Machado, pelo presente declara | Apparecendo boje L de fevereiro, na ra da
Xarope mexicano para curar todas as molestias
do peito como thysica pulmonar, asiluna. pucha-
ment, catarro, falla de respiracao etc.
S. i. .i respeitavel publico prnamburano que
o dentista selentifico Julio C. Pelrotia nao sa ie
mais para c interior ; a sua morada fixa por um
mez na ra do Trapiche n. 44, segundo and; r,
ma melhor satisfazer as anas obrigacoes. O an-
nuncianle nao pode deixar de tributar o sen reco-
nhecimento todas as vezes que tem de se dirigir
no publico e aos seus amigos, pois as pravas de
sympatbia c coadjuva^'o que constantemente tem
portanlo aproveitem quem quer ser operado pela ,Bf,.e coadjuvacao que constantemente tem
sua seienlilica e leve mao recebido nao podem licar no olvido, pelo que Ibes
signaes do m.Mi-n ""'' eternamente grato, esforcaudo-se sempre para
ICst.itura illa, barba preta a moda
Emmaniel, idade nem moco nem
muitas vezes fardadoe tem sempre comsigo ie
i sera eternamente graio, esiorraiiuo-se sempre para
la de Vctor 'J,'nl C1""l)nr suas obrigaces, para o que pode ser
velho 'inda Procura' n0 mesmo estabelecimento, ou na sua
conisi'"n ie. residencia, rna das Flores n. 19, a qualquer hora.
medies, ?f secrttum mi txtraendi denles sute oo- '
Itore.
Roa do Trapicke n 44 ilcfroiilc do ho-
. le de Fianca.
Alnguel.
Aluga-se i casa terrea n. 22 na roa Velha : a
tratar na ra do Sebo n. 24. |
Jos Antonia da Costa Sequera.
Antonio Ferreira Leal, subdito S. M. l-'nli-li^.-
sima, retira-so para a Europa com sua familia.
O abaixo assignado, juz de |iaz do 'raimo.
do S* districto da fregoeziaiBe S. Fr. Pedro Gon-
calves do Recife, faz sciente a quem convier, que
d audiencias nos das quartas e sabbados, s 'i
horas da larde, na casa de sua residencia na ra
do Pilar n. 77 ; e despacha todos os dias das G ho-
ras da manba s ii da tarde.
Luiz Antonio Goncalves Pehna.
Casa.
Aluga-se urna casa nova na rna do Prncipe n. ~ Sf''S l""a S? |)^!a.casa. d; unl. es"
8, freguezia da Roa-Vista, com 3 quartos, i salas, ', ;'T,rr a ra,ar na lua (la udcia do Uce,fc "
cozinha fra, cacimba e bom quintal : a tratar na | jjgJ^j;0 reiojoeno._______________________
ra Nova n. :t.
Dase dinheiro a juros: na ra do
Kanu'I n. G.
Piecisa-se de una ama de leite ; na ra da
Cadeia do Recife n. 1, segundo andar.__________
VESTUARIOS PARA O
CARNAVAL
Alugam-se ricos dminos bordados de velludo
pelo baratissimo oreen de 105 o lii: na Iravessa
iuExpoetoa, sobrad n. 10, primeiro andar, As-
s
tregar, pagando o presente.
Amos* de Albuquerquc Mcilo
ha 19 anuos advogadoj ante os auditorios e tribu-
nacs desta cidade, j na corle e em outros lugares
do impere, emeonseqoeocia de lerem-se augmen-
tado aqu seus afazeres, tem transferido sua resi-
denciada villa do Cabo para esta cidade' ra 68-
treita do Rosario n. 34, onde tem estabelecido seu
escriptorio, e onde foi o do Dr. Godoy, de cojos
Irabalhos Bcoa encarregado o annunciante. Ahi
olTercce os misleres de sua profissao s pessoas de
quem mereca conlian.a, tanto deste tormo como
dos dcmais desta c de outras provincias para os
negocise Irabalhos a serem desempenhados aqu
garanlindo o zoilo, lealdade e actividade qne Ihe
sao reconhecidos pelas pessoas que o conhecem.
Incumbe-se tambem de irabalhos para os termos
prximos, oude lem solicitadores de inteira eon-
iianca. D consultas verbacs e por cscripto, e
presia-se a ouvir seus constituintes a todas as ho-
ras, e as sextas-feiras das 9 as 4 na villa do Cabo
Aluga-se o armazem do sobrado da ra da
Praia n. 37 : irata-se no lampo Verde, ra do
im 00810 tosa um grande 'sormento"de ves'tuarios | "eslinon. 30, sobrado do Dr. Miranda.
| a earacter, e dminos em muito bom estado, que
se alugam pelo barato prcco de 5 e 65 : as pessoas
que o auno passado alugaram na travessa das
! Cruzes, venham nesta casa, que acharao mais ba-
rato do que em outra parte.
Aluga-se o armazem n. 4 da ra do Apollo, e
o terceiro andar da casa n. 88 da ra da Impera-
triz : na ra da Aurora n. 3t>.
IMPERIAL I\STITIT0
DE
NOSSA SENHORA DO ROM CONSELHO.
RI A h\ II ICOII \ \. 50.
Sob a direcgaodo abaixo assignado aeda-se funecionando este Instituto desde o dia 7
de Janeiro prximo passado, e nclle se easioam todas as disciplinas preparatorias para a
m; ti ii na do curso jurdico, desde prinmiris letlras.
Todas as cadeiras acham-se providas pelos melliorcs professores cuja lista j foi
publicada neste Diario.
Recebcm-se pensionistas, raeio-pensicnislas e externos, pagando na seeuinte oro-
(Wrcao:
PE.NS 0NISTA6.
Precisase do um bom coztnlieiro c de dous
criados activos : a tratar no sobrado n. 32 da ra
da Aurora.
Aluga-se a casa terrea da ra da Hangueira
n. 9 : a tratar da ra da Cadeia n. 21, loja da Pri-
mavera.
Antonio Jos Rodrigues de. Sonta alaga a sua
casa e sitio do Monteiro, em frente ao oitao da
Lavase .; engomma-.se roupa, tanto de se-', 'RreJa dt s- Pantaleo, com bastantes commodos :
ndora como de homem, com pereicao : na ra
Imperial, casa n. 43-
a tratar na tdesouraria das loteras, ra do Cres-
K) n. 13.
ftart;l de casa, mesa e luz
dem den. .te cada preparatorio .
MEI0-PLNSI0NISTA8.
EXTERNOS."
1005000
435000
205000
.(^^""'onistas e raeio-pensionisUs ptgarao os preparatorios que estudarem razao
le 55000 mensaes, l>em cerno os externos .lViula primaria.
Para ais esclarecimentos dirijam-se ao director, a qualquer hora, 1.0 Instituto, que
0 rranqueado a visita dos pas e correspondentes, bem como a todas as pessoas que nisso
tivurem interesse.
Recife, 1 da fevereiro de 186 i.
Antonio Augusto Fcnutnu. Lua.
wm
'
l'KOl.lKAIMHilA
as villas do Cabo c Ip O solicitador Pedro Alexandrino da Cosa Ma-
chado encarrega-se perante os foros cima, de co-
| brancas e ludo o mais que for concernente sua
profiasio; tambem se encarrega perante ojuizo
criminal da defesade processos de qualquer nalti-
reza, e olfercce gratuitamente seus serviros a Io-
dos aquellos que forem desvalidos. Pode ser pro-
curado todos os dias uteis em casa de sua residen-
cia, na villa do Cabo, e nesla cidade nos dias de
segunda-feira, nos escriptorios dos Drs. Alfonso de
Albuqucrque Mello, ra estreita do Rosario n. 34,
e Carlos Mavignier, ra do Imperador n. 61.
Na ra de Apollo n. 20, podemse dar infor-
macSes do Sr. Joaquim Tdomaz da Cunha, que re-
side presentemente em Una.
AMA
Aluga-se urna oxecllunte ama para fazer todo o
sorvico de casa por ser escrava : quem della pre-
cisar, dirija-se ra dos Pires n. 54.
Aluga-se a casa terrea da ra Augusta n. 81'
com 4 quartos, 2 salas, 1 quarto para despejo, quin-
tal f cacimba fra : a tratar com Joo do Amoral
Raposo, (lfrontc da estotra das Cinco Ponas.
Deseja-se saber onde reside hsa ci-
dade o Rvm. Francisco Raphacl Fernan-
dos, da villa do Principe, e ao mesmo se
pede que aun une ie a sua morada.
ATTENQAO.
Na noite de 2 do corrente perdeu-se um relogio
de ouro c 1 cadeia com 3 lilas, 1 no mel e as ou-
tras as ponas, vindo do Poco at a entrada de
SanfAnna, e tere-se por noticia no dia seguate (3)
que foi adiado de inanha cedo por um crioulo :
entao pede-se a nem 0 adlOU qne dirija-so la
iierna do Hangninho, da calcada alta.que sera bem
recompensado pelo seu achado, ou entao declare Est:i se acabando a brioha igual a de Uoribeca
sua morada para ser procurado.______________ .,.,- Itratissin.o : no armazem da Au-
No dia 13 do corrente fugio da villa de llar- roa llrilhantejlargo da Santa Cruz n. 84._______
reros o cscravo E tiebio, idade de 43 annos. alta- = <;, a.,.,,,,,.. \>,.v0\,~, ,i,..q>n ,,. ,,
ra regular, preto, cheio do corpo, com a barba .. ,.T" J Auu"0 feretra ...l,n,i ao |m-
crescida, pernas linas, c anda quasi sompre beba- |l1"1 'liU' voihI.mi 0 seu estabelecimento ib-,
do, mettdo a valente, tem alguns parentes na ei- charutos da rna estreita do Rosario n. Ki
dade de Olinda, lera estado por vezes nesta cidade ao Sr. Antonio Monteiro da Cunha em -27
do Recife. foi escravo do Sr. Dr. l.ourenco Aveh- ,lr ile/eiiihru ,1.' ISIii A icln s,. hoio m
no de Albuquerque MeUo, que o venden ao Sr. ,/'u"wu, '' "'' '"'
Francisco Ferrao Castello Branco, preprietario do ra Nova n. i offerecendo aos seus bene-
engenbo Morim, e fugio pouco depos da compra : volov freguezes as boas qualidades de charu-
quem o pegar leve-0 ao referido senhor. ou a Ma-; tos abaixo mencionadas, COMO -.am :
noel Alvos Ferreira na rna da Moeda n. >. que se- v, ,,..,. ,i ii.,,..,,,
rgenerosamente recompensado. '""~ "L Hvana-
Mississipi.
Almirantes.
xpcisicio.
Conquistadores.
[otervallos.
Triuiuphantes.
Melindres.
Flor de S. Flix.
Suspiros.
Guai abara-.
Delicias.
ParisiMises.
llavaua e outras mttias qaadadesquedei-
xa ile mencionar.
gene
- D-se 145000 pelo alnguel de um escravo ou
una escrava de 14 a 16 anuos, para o servico de
ama casa de dona pessoas : a tratar na ra do Li-
vramento n. '..
AMA.
u homem solteiro. estradgeiro ou brasileiro, que
precisar de urna ama de boa conduela, para ser-
vicios internos, dirija-se a ra da Gloria 11. 'II.
Precisa-se de 6005;| premio de 2 OjO por oito
mezes; dando-se s. guranca em um predio.
No escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C, na ra da Cruz n. i, precisa-se fal-
lar com o Sr. Luiz Soarcs llotelho, lillio de Jos
Soares Rotelho e de Fortunata Candida de Souza,
e neto de Francisco Manoel Je Souza, natural da
ilhade S. Miguel, o qual consta ter vindo para es-
ta cidade em 806, para Ihe dar noticias de sua
ui.'u e irmos que se acham no Rio de Janeiro.
Professor de piano.
Jos Cocido da Silva e Araujo, bem condecido
nesta cidade, contina leccionar piano e msi-
ca vocal por commodo preco : quem de seus ser-
vicos precisar, dirija-se ra do Livramento n. 21,
segundo andar.
O abaixo assignado faz sciente aos seus fre-
goezes e dovol'jt -, i'ao respeitavel corpo do com-
mercio, que wy dia 1 do corrente mez venden o
seu estabelecimento decalcado ao Sr. Jos Mar-
ques de Airosa Draga, (cando o mesmo senhor
obligado ao activo e passivo do mesmo estabeleci-
mento. Recife 3 de fevereiro de 1864.
F. J. Rcgallo Draga.
- O abaixo assignado faz sciente aos freguezes
e dotadores, c ao respeitavel corpo do comnicrcio,
que comprou o estabelecimento de calcado do Sr.
Francisco Jos Regallo Rraga, sito no largo do Cor-
po Santo, e que licou ao seu cargo o activo e pas-
sivo do mesmo estabelecimento, o qual prometi
continuar a servir bem, e com a mesma prompti-
dao que semprc se encontrn no espaco de 20 an-
nos que pertenceu ao Sr. Francisco Jos Regallo
llraga, pois mejulgo apto para isso, visto cu te-lo
administrado qualro annos. Recife 3 de fevereiro
de 1864.Jos Marques Airosa llraga.
JORNAL DAS FAMILIAS
SKGL'NO ANNO
Publicarn niciisal, Ilustra la. litl.'raria, artstica,
recreativa, etc.,
ornado de tigurinos, vinhetas. gravaras sobre ac,
aquarellas, sepias, pecas de msica, desenhos de
irabalhos sobre talagarca, de crochet, do tricot, laa
c bordados, moldes de vestidos, capas, o em geral
de tudo o que > concernente a Irabalhos de senho-
ras. Coniinua-se a receber assfgnatnras na livra-
ria econmica ao p do arco de Santo Antonio, on-
de j se acham os Io e 2o nmeros do anno, e
colleccoes completas do 1 anuo.
Monte Pi Popular Pcnianihuraiio.
Do ordem da directora convido aos senhores
socios eonipai'ecrrein as 7 horas da noite do da
3 do corrente, aflm de se reunrom em sessao ge-
ral para tratar-se acerca do molhoramenlo do mes-
mo Monte Pi.
Secretariado Monte Po Popular Pernambucano
3 de Janeiro de 1864.
Rernardo Fako de Souza.
i." secretario.
(IIIIIOS
Vcndem-se globos de barro vdrado da fabrica
de SatitaAntonio no Porto, propros para jardim e
frentes de casas : na ra do Aniorm n 40.
lgndit
da lialna
para saceos de assucar e roupa de cscravo; tem
para vender Antonio Luiz de Oliveira Azevedo &
C, no seu escriptorio ra da Cruz n. I.
Vende-se a propriedade denominada Maltcz. fita
na fr. guezia de Tracunhaem da comarca de Naza-
reth, com urna legoa de frente e meia de fundo, e
proporeoes para nella se levantar um bom enge-
nho de fazer assucar, sendo que actualmente ren-
de ella mais de 1:000-5 que pagam os moradores
que tem : quem a pretender entenda-se nesta pra-
ca com o Sr. Antonio Jos Leal Reis, na ra da
Cadeia do Recife n. 47.
I'ariiiha superior de Santa Camarina.
Vende-se em porcFio ou a reta I lio, a bordo da
barra Iris, atracada ao trapiche do Raro do I.L-
vramento, ou no escriptorio de Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo 4 C, ra da Cruzn. 1.
Batatas e ceblas.
ilujii d:t Madre de lieos ns. 5 c 9.
Vendem-se caixas asm duas arrobas de batatas
por l200, cento de cebla a oOO rs., as mais no-
vasdo mercado.
Taberna.
Vende-se a taberna da ra larga do Rosario n.
Precisa se de urna ama que saiba perfeita- 35, com poneos fundos, ou s a armacao para bo-
mentc engommar e coznhar: na ra da Concor- lar outro qualquer negocio : a tratar na mesma.
(lia '*'__________________________________| Vende-se a casa terrea da ra das Cinco
Precisase de tuna ama : a tratar na ra da Ponas n. 104, e mais duas nos fundos desta, novas
Gelo, gelo, gelo.
Com a chegada da nova machina nao se expe-
Cruz n. 24, primeiro andar.
Procisa-sc dedouscaxeiros de 12 14 annos de
rimenta mais^aa de gelo fabricado "coru "agua di) idade> C01" Pralica de taberna ou sem ella : Irala-
Prala, iodos os dias a qualquer hora, para por- sena ra Novan. 61._______________________
cues grandes ou encoinmendas para fra da pro- Precisa-se de una ama para casa de pouca
vincia devera haver aviso com antecedencia : ra familia : a tratar na ra Direita, loja de fazendas
(la Aurora junto fundieao onde lom a bandeira. n. 62.
e boas com a frente para a ra das Carracas, cm
chaos propros: as mesmas se dir quem vende.
Vede-se um terreno com 9 pequeas casas
terreas sitas na ra da Esperanea do bairro da
Boa-Vista, torna-se rccommendavel e de intei
nao s pelo rendimento, mas tambem pela estrada
ile ferro do Apipucos passar na frente do mesmo
terreno : a tratar na ra da Soledade n. 72.______
Varrcduras de f rinlia e inilho
por pre^o commodo : defronte da escadinha, no
armazem do Annes n. 7.


Diario de Iei aambtuo milita cira 4 de Fcvcreiro le ibi-t.
GUARDE KIVOI4 Vw
no
ARMAZEM
no
0 liomem do movimiento nfto estaciona.
%Xmi E SEHPUE
GUERRA AOS INIMIGOS
Xio se aduittle a uuio commereial.
Xo o (jiiiT a ilialia da allianca.
Nao se teme a "uria dos corsarios.
Este auno ha de ser blssexto.
Os canhdes estilo preparados.
FOGO! B03I FOCO!! MELHOR
Aba\o a liga d'acaa no vinagre
Viva a Ubi do genuino Clieres com o liambre!
Viva o conservad >r das conservas i nuezas!!
Vivara os liberaes fregnezes do BALIZA!!!
Vivara todos que Icrcra este aununcio.
SENUORES E SBNHORAS.
GALLADO.
45 Roa Direita 45
Aprovehem em iiauto c tcinuo!
Boraeguins frann-v.es ile lustre pa-
ra bomem................. 55000
Borzegutns francezes de cures pa-
ra meninas................ 2000
Borzoguins francezes pelos para
meninas................... 25500
Sapatos de lustre para sennora.. 15000
Sapatos de lustre as avessas..... 500
HIT
UNIA9
MERCANTIL
KIA HA CA1IEIA DO EIEC'IFE. W 69.
NOVO E
GRAND
~:
SMJZBU DE 1COLSDO.S
FOGOM!
Una do 4|iiciinado unmeros i
4 c ...
est disposto a coulinuar a vendar polos piceos i
abaixo declarados, pois para principar o novo
anno.
Caixas de obreiasde cola muilo finas a 40 rs.
Varas de franja de lia de todas as cores a 40 rs.
Mitas de tranca de 13a de todas as cores a 20 rs.
Ditas de tranceln hranco muilo superior a 20 rs.
Trancas de algodio brancas e de rnres a 80 rs.
Dosm de metas para senbora muito superiores a
35800.
(rozas de penna de aro muilo linas a ">00 rs.
Caivetes de duas c tres follias a 600rs.
Ditos de urna folha a 80 rs.
Caixas para rap, muito bonitas de calungas, a
100 rs.
Capachos redondos c compriosa 500 rs.
Caixas com milito superiores obreias a 40 rs.
Varas de franjas brancas e de cores, largas, a
14 rs.
Pares de botos para punbo muito bonitos a 120 rs.
Carretela de liona Alexandre com 200 jardas a
100 rs.
Cartdes de linha Pedro V com 200 jardas a 60 rs.
Ditos di- liona de 50 jardas a 2U rs.
, Duzia de mcias brancas para bomem a 15600.
(j propnetano 1I0 grande .Irmainit do //: estaoefcctdo a rsa do Ltvramcnto ns. Caixas com soldados de chumbo a 120 rs.
-18 e 38 A, defronte da grade da igreja, acara de reduzir os precos de quasi todos os Tinteiros de vidro ron superior tinta a icors.
eneros do seu magnifico deposito. rwttfEiai^JS ,
i 1. li. j .. ,, 1 .,, .. ,), 1, broaas de boloes ue om-a pranados a Ido rs.
A tarifa abanto publicada atiesta bem efe wii te.| Tesooras muito Unas pan costura a 320 rs.
A guerra aos imnigOS, est portanlo, tssim declarada. Ditas djtasmaiores e melbores a 100 rs.
As pecanas, anda as mais exigentes, que se dignarem vir este estabeleeimento. Escoras liara liaapar dentes muito linas a 200 rs
licariSo por cert muito satisfeilas, nao s (piantosqualidades los gneros, como com o }las i';'"a unhas a 800 rs.
, 1 h, n._-, Laa de todas as cores para bordar a 75 a ibra.
trataniento Kido atlencioso que se Ibes dar. caixas, 01ll phospnor dc SLio; ,00 rs.
\lera do cumprimento dos deveres da boa educ icio, haver d ora em diante anda Cadera s de papel braneo e nal a 20 rs.
maior capricho em saltatazer todos que honnrem eala casa. Pacote (e papel annzadc a 600 rs.
Os gneros pelas Qualidadea e procos annunciados, serSo offereelilos ao exainc C'A^vfom ,t a"v|,|"i'^ "u"t0 superiores a
dos Srs. compradores. Nao receieo publico jue se pralique o contrario, como em oulras Cadernct de papel de cores ande e pequeo a
O Baliza nao Ilude____ o rs.
.... ,. Silabarios portuguetes com calumas de todas as
Licores inglezes e francezes em vazos de di-; qualidades a320 rs.
versos tamaobOS a l.ooo, 1,500 e 4,8oo Graxa e n latas muito nova a 100 rs.
rS a duzia ("artas c taimadas para meninos a 60 rs.
Ifantiffa in.'l/i Ib.r n xr> 1; n lihn a .1.. o 9?ixaa c)m suPeri anteiga mgieza ii.u a tfoors. .1 iimaedeg carretei i de llnba de cores com 00 jardas a Or
libras para cima sera aberto um barril na Baralboi muito Anos p;ira voliareie a 2*0 rs.
presenea do comprador. Rodinha 1 com alflnets francezes a SO rs.
dem de i.' e 3." qnatdade a 7oo. 600 c 4oo .:art.as d! j'flnetes franceres linos a 10 rs.
_,. ~ i|... Caniven s de cabo de madreperola de duas folhas
is. a iiiii ii. ;l .jn(|
[den francesa a 560 rs. a libra, e em barril Uvas bancas de algodio linas a 80 rs.
por menos. Miadas !e liaba frxa para bordar a 60 rs.
dem em latas a 20000 e a 10500 a lala.
tfassa de tomate embarrila tOrs. a libra.
RA IIA CA1IEIA IO 1XEVJPK X. 53.
Francisco Fernandes Duarte acaba de abrir na ra da Cadeia do Kecifen. 53, um grande e sortido armazem de molhados di
nominado l'nio Mercantil. Niste grande armazem encontrar sempre o respeitavel publico um completo sortimenlo dos melbore
gneros que vem ao mercado, tanto estiangeiros, como nacionaes, os quaes serao vendidos em porcoes ou a relalbo por piejos assa;
commodos.
Manleiga ingleza especialmente escolbida Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e Sardinhas dcNantesa340 rs. oquartoe ii>
de primeira qualidadea 800 rs. a libra, 1^200 a caada. | rs. meia lata.
em barril se faz abatimento. Azeite doce relinado em garrafas brancas a Latas com peixe em posta : savel, corvn,
Manleiga franceza a mais superior do mer- j 800 rs. vivugo, eberne, linguado, lagostinba, .
cado a 5(50 rs. a libra, c o0 rs. em barril Azeite doce de Lisboa a GiO rs. a garrafa e;' 1#;HiO rs.
ou meio. \ -5800 a caada. Salmao em latas, preparado pela nova art
Prezuntos in;lezes para fiambre, de superior Genebra de Hollanda a 500 rs. o frasco e i de cozinha, a 800 rs.
qualidade, chegados neste ultimo vapor, a 55800 a frasqueira. Maca de tomates em latas de l libra a 60t
/O rs. a libra. Caixinhas com amcixns francezas, ornadas! ris.
Queijos Oamengos chegados neste ultimo com ricas eslampas na caixa exterior, Chouricase paiosem latas de 8 e meia bbi>
vapor a 2# e 25. Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra i
Frasco de vidro com lampa do mesmo, con- 85C0O a arroba,
tendo meia libra de ameixas francezas, a.Bolaxinlia ingleza a 320 rs a libra e kb 1
lf?200. barrica.
Uarmelada imperial, dos melbores conser- 5ig*jnoito novo a 210 rs. a libra,
veiros de Lisboa, em latas de I e meia a ^evaduiha de Irania a 200 rs. a libra.
2 libras a 000 rs a libra. i familia do .Maranhao a 120 rs. a libra.
Fructas em calda das melbores quululades Aramia verdadeira a 320 rs. a libra,
que liaem P0rlug.1l em latas hermtica-.Cevad:i a 12 rs- a l'bra e?tf a arroba,
mente lacradas a 500 ra. Alpislaa ICO rs. a libra e 558(0 a arroba
Peras seccas muito novas a 010 rs. a libra, i Ba,alas mui10 novas em fi'Bos Com W b
Nozes muito novas a 100 rs. a libra. | ,por ^ c a ',0 n; a llbra-
Amendoasde casca molle a 400 rs. a libia. Cebollas a 13 o molbo com mais de 100 c;
casas, que ate annunciam o que nao tem.
Ameixas francezas em caixinhas eemfrasco
de diversos lmannos a l,2oo, l,0oo,
2,000, 2,5qo e2,8oo rs. e a libra a 800 rs.
Amndoas novas a 32o rs. a fibra.
Azeite doce refinado a 800 rs?a garrafa.
dem de Lisboa a G lo rs. a garrafa e i,8oo
rs. a caada.
Alpiste a 16o rs. a libra, e 4,800 rs. a arroba.
Arroz do Maranhao, da ludia. eJavaaSc e
loo rs. a libra.
Aletria branca e amarella a loo rs. a libra.
Aramia verdadeira a 32o rs. a libra.
Batatas novas em gigos de 36 a 4o libras por dem em lata a 6 4o rs. a lata.
I.ooo rs. c a 4o rs. a libra.
liisioil' s ingl< zi'S Lunch a 18oo rs. a lala de
Queijopialo muilo fresco e novo a 640rs.
a libra.
Castanbas muito novas a 120 rs. a libra e
e 35000 a arroba.
Cha uxin o melhor que ha neste genero,
mandado vir de conta propria a 25800
rt, a libra.
Cha hyson muito superior a 25560 rs. a li-
bra ; cha hyson proprio para negocio a
15300 re. a bra.
Cha prelo muito superior a 23 a libra.
Biscoutos inglezes em latas com differentes
qualidades, como sejam craknel, victoria,
piquelez, soda, caplain, seed, borne/, e
oulras muitas marcas a 13350.
Bolachinha de soda em latas grandes a 23.
Figos em caixinhas hermticamente lacra-
das, muito proprias para mimo a 1/1500.
Avelaas muito novas a 200 rs a libra.
Amendoas confeiladas de diversas cores a
800 rs. a libra.
Ifacas e peras chegadas neste ultimo vapor,
muito perfeitas, s vista se faz o preco.
Caixinhas de 4 e 8 libras de figos dc coma- r ,mm" P. s" o l"'.^
dre a 15 e 23 cada urna. ^^F^!** Cm fraSC0S grande* a 7S0
portuguezas em latas de
dem de diversas marcas em latas menores
a l,3oo rs.
dem d Lisboa de qualidade especial era la-
ta [nenas a 3,ooo e 1,5o 1 rs.
riolacliinlias ai.n ricanas, a 3,ouo rs. a barrica
e Sm rs. a fibra.
Banhade puno a 44o rs. a libra, e em barril
106 rs.
Baldes ainciiun is muito proprios para" com-
pras ; 1,000 rs.
Cha huxym, bvssoo e perola a3,ooo, 2,8oo,
2.500," 2,oooe l,6oo rs.
dem pretoa .ooo, l,6ooe l.ooors. alibra.
Cbanpagtte a melhor do mercado a 12, o ion
gigo e a 1,2 o rs. a garrafa.
ulate franjez primeira qualidade a I,loo
rs. B libra.
[dem bespanhol a I 2oo rs. a libra.
dem lojiio a l.ooo rs. a libra.
Cerveja branca marca Allsopps a i,5oors. a
duzia, e a loo rs. agarrafa.
Cognac inglez a 64o rs. agarrafa a 800 e a
l,ooo rs.
Coacervas inglezas em frascos grandes a 75o
rs. o frasco.
dem francezas de muitas qualidadea a Soo
rs. o fiasco e a 5,Soo rs. a duzia.
Cttartjkn ueste genero temos grande sort-
mento tanto da Baha como do Rio de Ja-
neiro 1 1,6oo, 2,2(X), 2.000, 3,oo e 4,000
rs. a cana.
Cafe dn Cear muito superior a 28o rs. a libra
e a 8,000 rs. a arroba.
dem do Hio a 3oo e 28o rs. a libra.
1 ilas a 9oo rs. o molbo com mais de loo
ceblas.
Chouricas e paiosa 72o rs. a libra.
Cevadinhi de Franca a 2oo rs. a libra.
Cevada rruilo nova a 80 rs. a libra.
Copos lapidados a 5 e 6,000 rs. a duzia.
Doce de goiab* em latas a loo rs. a libra.
dem de caj em. latas a 320 rs. a libra.
Ervilhas Irancezas e portuguezas a 5oo e 64o
rs. a lata.
dem Beatas a i60 rs. a libra.
Figos de comadre cm caixinhas com 8 libras
por IGoo r.
Farinha do Maranhao a 12o rs. a libra.
Farinha de trigo muito superior a 12o rs. a
libra.
Farelo em saceos grandes a 4,000 rs. o sacco
Genebra ingleza marca gato a 1,000 rs. a gar-
rafa.
dem verdadeira de Hollanda em frascos muito
grandes a 1,2oo rs. o frasco.
dem de Hollanda em frascos pequeos a ioo
rs. o fiasco,
dem da aranja a l.ooo o frasco.
Gomma do Aracaty a 80 rs. a libra.
Graxa a loo rs. a lata e I,loo a duzia.
Linguas americanas de grande tamanho a
l,ooo cada urna.
Musanla ingleza 400 e 600 ris 0 pote.
Uarmelada imperial dos melbores fabrican-
tes de Lisboa a 600 rs. a libra.
Marrasquino de zara a Seu rs. o irasco e a
83 a duzia.
ipa, talharim e macarro a
180 re. a libra,
dem linas, eslrelinba o pevide, caixinha
con 8 ilnas a 1)5600.
a 16o rs. a libra.
'Vi\e preparado de escabeche, da melhor
qualidade que tem viudo ao mercado, a
I >a lata.
Presunto de lamego muito superior a 480
rs. a libra.
Mein para fiambre (inglez) a 640 ris a
libra.
dem americano a 400 rs. libra.
Papel almaco a :'>000 a resma.
dem de peso a -2-\ resma.
I'alitus para denles a 160 rs. o mace.
Dito dito le flor a 20fl re.
Ditos do gaz a 25200 a groza
Passas novas a so rs. a libra e a 1^800 a
caixa.
(lueijos Damengos do ultimo vapora 2-j.'iOO.
Hito londrino a 900 re. a libra.
Dito prato a 640 rs. a libra.
Sardinhas de Naotes a 320 rs. a lata,
[lita de Lisboa a 640 rs. em lata grande.
Sag muilo superior a 240 rs. a libra.
Sal refina lo, em pules de vijro, a 600 rs.
o pote."
Salan massa a 120, 160, 200 c240rs. a
libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Dito de Santos e 3oo re. a li ira.
lijlo para limpar facas a 140 rs. cada um. j
Vassouras americanas a 64o rs, cada ama. j
Ileni do Porto a 400 rs, cadi urna.
Velas de carnauba e composico a 320 rs. a
libra e a 105 a arroba,
Mein stearinas superiores a 5G0 rs. o
maco, e cm caixa por menos.
Vinbo do Poilo, nestegeneno temos o me-
lhor sortimenlo possivel, que vendemos
por precos muilo baixos a 15 a garrafa e
a 10/ e I2 a duzia.
IJemCherry, eda Madeira em barris e em
caixa, a 125 a caixa e o barril conforme o
tamanho
SALSAPARRILHA
BE BEISTOL.
T-
As
U]a
Passas muito novas, chegadas neste ullimo
vapor a 500 rs. a libra e 33 um quarto ;
e em caixa se faz abatimento.
Ameixas francezas em latas de meia a 3 li-
bras a 800 rs.
marca mais superior que
tem vindo ao nosso mercado a 185 o gigo,
garante-se a superior qualidade.
Vinbo Bordeaux das melbores qualidades
que se pode desejar de 75500 a 85000 a
caixa e 720 a 800 rs. a garrafa.
Caixas com vinbo do Porto superior de 95
a 109 a d
rs. cada um.
Ervilhas francezas
1 libra a 640 rs.
Ervilhas seccas muito novas a 160 rs. a
libra.
Chocolate francez, o que ha de melhor neste
genero, a l.yioo a libra.
Chocolate hespanbol a 15200 a libra.
da um.
Caf lavado de primeira qualidade a 300 rs
a lLrae95a arroba.
Caf do Cear muilo superior a 280 rs. a li-
bra e 85400 a arroba.
Caf do Hio, proprio para negocio, a 85-
Arroz do Maranhao a 100 rs. a libra e 2M 1
a arroba.
Arroz do Java a 80 rs. a libra e 2iOO *
arroba.
Vellas le spermaceti a .'>60 rs. a libra e
540 rs. se for em caixa.
Vellas de carnauba retinada a 320 rs. o ma-
so, e a 95 a arroba.
. Dce d'3 goiaba a 640 rs. o caixao.
Genebra de laranja em frascos podes a I. Macarro! talharim e aletria a 480 rs. a
Cerveja branca c preta das melbores marcas
que ha no met cado a 500 rs. a garrafa e
50800 a duzia.
bra ; em caixa se faz abatimento.
Estrellioha, pevide e arroz demnssa para gop:
a 400 rs. a libra e 23 a caixa com 6 libras
11
ANTIGS,
U)ES oTPfflUHG*
Brysipelas, Rb.eumatisnio,
Nev^a'g-' orbnto,
ce, <-.. C^ ..
' e dado o
Sal
;'i

re-
saparrillia de Bristol
duzia, e 900 a |J a garreft; deste Cognac inghoz de superior qualidade a 800 ^SEr. WS
genero na grande porcaoe de differentes e l?>- OOa gartafa. v Qmsj0 djlo8 ,ixados S(ni tl-r a |C0 rg
marcas acreditadas que ja se venderam Licores francezes das segundes qualidades : omasso com 20 massini
por 14$ e 15> a caixa, como sejam: Duque Anizele de Bordeaux, Plaisir des Dames Gomma de engomar muito fina a 80rs. 1
do Porto, Lagrimas do Domo, D. Luiz, I e de oulras muitas marcas a 15 a garrafa ^ra
Campes, Madeira secco, Carcavellos, Nec- e 105 a caixa. Banha de porco refinada a 480 rs. a libra
tar de 18.33, Duque Genuino. Marrasquino de Zara a 800 rs. a garrafa el 400rs. em barril pequeo.
Vinbo de pipa: Porto, Figoeira e Lisboa, a O a duzia. charutos dos melbores fabricantes de S. K
400,480 c 560 rs. a garrafa, e 3 \, 3 ylOO Moslarda ingleza cm potes j preparada a -lix, em caixas inteiras ou em mcias, fl<
e 35500 a caada. 400 rs. 15600, 25 e 35.
Vinbo braneo de superior qualidade, vindo Moslarda ingleza emp, em frascos grandes, Presuntos do reino, vindos de cenia prop
j engarrafado a 640 rs. a garrafa e a 500 a 15 cada um. de casa particular, a 400 rs. a libra; Bte
rs. de barril. Sal refinado a 500 rs. o pote. rose faz abatimento.
Os senhorefl que comprarem de 1005000 para cima, torito o descont de 5 por cento, pelo promplo pagamento.
GOMMEBC
por b das part do univere
Einen e devid
1 Ifld
iiea Legitima c Original
SALSAPARRILHA BE BRISTOL,
PltEPARADA UCLUOIVA)IE)n COI!
L.4.\M
IX KE.MP
DE SOTA V0KK,
Medias / a reoeiado !>,: C. ('. Bristol,
venda as boticas de Caors A Barboza,
1 :ruz, e Joo da C. Bravo 4 C, ra
delDeos.
ra da
da Madre
propria ia
largura, i"
dem dc Iigueira eLisboa, em ancoras de querparte
8 a 9 caadas, por 285000. Lniccs
L'ito cm pipa a 35000, 35500 c45ooo a ca- de panno dp linho pelo barato proco de 20000.
nada
dem do Porto, denomiuado Baliza, a 55 a de ^raman
caada.
ItlJA M% 0C7KOIAIIO M. 4*,
Passaudo o becco da Congregado segunda casa.
fjlTfl
mim de mamm
NOriJJADE.
\o .-un 1:1/<>:n de fazcodas bara-
InsileNautos < oelho
RL'A U QUEIMADO N. 19 VEXDE-SE 0 SE-
GDINTE :
Esleir da luda
la forro de sala, de 4, 3 cli palmos de
r menos proco dg que cm outra qoal-
Pereira RrrhaA C. acabam de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de molhados denominado Clarim Ommereia
onde o respeitavel publico encontrar^ sempre um completo sortimento dos memores gneros que vem ao nosso mercado, osquai
1 vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel pubco ver pela tabella abaixo mencionada ; garante-se o i om pet
e boa qualidade dos gneros comprados ueste armazem.
Arroz do .Maranhao, da buba e Java a 80 e
100 rs. a libra e 25400 a 25800 rs. a ar-
roba.
Ameixas francezas em latas e cm frascos a
10200e 15600.
Amendoas com casca muilo novas a 80 rs.
a libra.
Alpisla a 160 rs. a libra e a 45COO rs. a ar-
roba.
Azeite doce francez muito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa.
dem dc Lisboa a 610 rs. a garrafa.
Aramia verdadeira de matarana a 30 rs. a
libra.
dem idem em garrafoes a 25500, com o
garrafo.
dem de Bordeaux, das melbores marcas que
vem ao mercado, a 65 a caixa e a 640 rs.
a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 15000, I58oo e 25000 a
caada. 1
dem idcm.em garrafoes com 5 garrafas, por! a(jamasca(]J
pelo barate
rom dez pa
Pecas d(
com 10 var S
Leiiccs
e de hnhojino de um s panno, pelo Avel.as muito grandes c novas a 180 rs. a
libra.
'Batatas muito novas a 10 rs.
15 com o garrafo.
Vinbo de caj a 15 a garrafa,
tem dez annos.
barato preco de 30000.
Cobertas de chita da India
preco de 25000.
Ilrainaute de linho
mos de largura, pelo baratissimo pre-
co de 2^400 a vara.
Ilrelanha de rulo
bretanlia de rolo, propria para sala,
i pelo baratissimo preco dc 35000.
Peras do eamhraia
com 20 varas, propria para cortinado
Este vinbo
de cama, pe 10 baratissimo preco de 105000.
de salpicos.
pelo barati;
X
Barricas de bren com 8 arrobas, de superior
qualidade : na ra da Cadeia do Recile n. 5b A,
oja Ide ferragens de Bastos|
Vendo-se o euirenho S. Mauoel, sito na fre-
gnezado BioFormoso, e margem do rio Seri-
nhaem.o qual demarca com os engenhos Cachoei-
ra, Changos e Gamclleira, mee com agua e muito
copeiro, ten capaclade para tafrejar 2,">00 paes
annuaes, e se acha quasi todo em mala virgem,
distando do embarque 1|2 legoa: quem pretender,
dirjase ra do Viga rio n. 3, que achara com
quem trita".
Cal de Ushoa
chegada ltimamente ; na ra do Vigario n. 19,
prime-tro anar.__________________________
Papel
de fiume prev 35600, almaco braneo e perlina
e35'J00: :io armazem dc T^so Irmio I
I Ci-
si
fe- PC
"-S O
w *-* B-
g ^^^ e"*
tfi V- p .
p^- S
0 t Ti 1
p
p
00
as
M
(V
T>"
k
ca.
I
o-
S. 2
o
B
co
i*
O
<"0
, pelo barato
F
O.! de ganga an
Hf ratissimopr
^-
CO
-
-;
fifi
00
co
proprio nara
co de i.j .1
lissimo prec
y
Pecas de ramhraia
com 8 1/2 varas, fazenda superior
simo preco de 45.
Fil liso lino
breco de 080 rs. a vara.
Cortes de caira
arella de listras e de quadros, pelo la-
ico de 15200 o corte.
Toalhas ahucheadas
para mos, 1 elo baratissimo prec,o de 55 a duzia.
Atoalhado adamascado
toalha de mesa, pelo baratissimo pre-
lara.
Lencos de eassa
I brancos linob proprios para algibeira, pelo bara-
11 de 25 e 25400 a duzia.
vwmmm .
Para parlieiilares.
No pr nieiro armazem da escalinha,
passando a ponte, esquina da ra da Ca-
deia, veude-se o scguinle:
1 MOCOS de 24 cuias a 45.
em idem a 35-
w-*
Milho ei
Feijao u
W#*M

I
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
15300 ris.
Bolacbinbas de soda, latas grandes, a 25 rs.
a lata.
Ditas inglezas muito novas a 35000 a barr-
quinba e a 200 rs. a libra.
Banha de porco refinada a 140 rs. a libra e
eembarrila 4l0 rs.
Cha bvsson, htichin e perola a 15600, 25,
25300, 25800 e 35000 a libra.
dem preto muito superior a 25000 rs. a li-
bra.
Cerveja preta e branca, das melbores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
c 55800 a duzia.
Cognac inglez lino a 900 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco.
dem, sdfi pepino, a 720 rs.
dem, s de azeitonas. a 75(1 rs.
Charutos dos melbores fabricantes da Babia
e especialmente da fabrica imperial de
Candido Ferretra Jorge da Costa, a 15800,
2(8000, 25200, 25500, 25800, 350OO e
35300 a caixa.
Caf do Rio muito superior a 260, 280 e
300 rs. a libra e 7 5500, s^ e 85300 rs. a
arroba.
Chouricasepaios muito novos a 800 rs. a Palitos de dentes a 120 rs.
libra. dem de llr a 200 rs.
Cevadinha de Franca muito superior a 220 Palitos do gaz a 25200 rs. a grasa.
r?. a libra.
Cevada a 80 rs. a libra.
Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lala.
dem seccas muilo novas a 200 rs. a libra.
Figos de comadre e do ouro em caixinhas
de oito libras e canastrinbas de i arroba a
158(10. 55500 e 200 rs. a libra.
Farinha do Maranhao a 120 rs. a libra.
Farinha de trigo a 120 rs. a libra.
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD
560 rs. o fraseo e 65200 rs. a fi;asquei-
ra.
dem em garrames de 3 e 5 galoes a 5)95*00
e 745OO cada um com o garrafo.
Gomma do Aftcaty a 80 rs. a libra.
Graixa a 100 rs. a lata e 1510O rs. a duzia.
Licores muito linos a 700ra, a garrafa.
dem, qualidade especial e garrafas muito
grandes, a [800rs. agarrafa.
dem garrafas niai.- pequeas a 800 rs.
Idem, garrafa forma de pera e rolda de vi-
dro. a 1^1000 rs., s a garrafa vale o di-
nheiro.
Manteiga ingleza perleramente flor, desem-
barcada de poOCO a 800 rs a libra, e de-8
libras para cima sefar nina differenca.
dem franceza muito nova a 560 rs. a libra,
e em barril lera abatimento.
Massa de tomates em barril a 480 rs. a li-
bra.
dem em lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melbores conservei-
ros de Lisboa a 600 rs. a lata.
Marrasquinbo de Zara, frascos grandes, a
800 rs.
dem regular a 500 rs.
\lassns para sopa : macarro, talharim e ale-
tria a 480 rs.
.No/es muito novas a 160 rs. a libra.
Peixe- em latas preparado pela primeira. arte
de cozinha a 15 rs. a lata.
Palitos de dentes a 160 rs. o masso.
libr-
l'assas muito novas a 480 rs. a libra.
Peras seccas muito novas a 600 rs. a
Painco a 200 rs. a libra.
Queijos Oamengos do ultimo vapor a 2441
ris.
dem prato a 640 rs. a libra.
Sardinhas de Nanles a 32' rs.
Sag muilo alvo e novo a 260 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
lijlos de limpar facas a 140 1 s.
Vellas de carnauba pura a 300 rs. a li
bra.
dem stearinas muito superiores a 600 rs.
libra.
Vinbo elo Porto engarrafado o melhor qi
lia neste genero o de varias marcas, con
sejam: Vellio do 1815, Duque dPon
Madeira. I). Pedro, I). Luiz I, Maria l'i
Boeage, Chamisso e outros a 800, 90(
I40OO 1 garrafa, e em caixa com una d
zia a 94000 e 105000.
dem em pina, Porto, Lisboa e Figueira
480, 500e 560 rs. a garrafa e3.5, 345'
e 45 a caada.
dem brarco de Lisboa muito fino a 500 1
a garrafa.
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julicn a 7(
e 800 rs. a garrafa, e 75000 e 75500 r
a duzia.
i dem Morgaux e Cbateaulumini de 185 4, a I
a garrafa.
dem moscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs, a garrafa
I *200 rs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a 15800 rs.
Alm d >s gneros cima mencionados 1
mos grande poreo de outros que deixai
de mencionar, e que tildo ser vendido ,
pecas e carnadas, tanto em porcoes come
retalho.
Quem comprar de 1004000 para ima t
r o abate de 5 por cento.


^v
Diario de crnambuco Quinta felra 4 de Fcvereir de tS4.

ATTE
mml 9 LARGO lili CAUJ9IO 9
pi
i
LO
GRANDE SORTIMENTO
DE
pea
ce
PROGRESSISTA
rija has nu/i;s \. ae
E
RITA DO CRESPO N. 9
\<> balrro de Manto Antonio.

zes e ao
rua do Ci
parte,
lidade
P-i
PARA A FESTA.
DUARTE & C.
Participam aos seus numerosos freguezes e ao publico em geral que acaham de
al
de
O
scio que
prietario,
ceridade.
COMO ffUWCJA IIo i:
NO
ARMAZEM
fflP""'
O fj iltCU DA lK\llA O
Francisco remandes I> uare dono deste muito acreditado armazem
se vender: o a retalho e por atacado, por menos dos que se venderem em outra qualquer de molhados, acaba de receber neste ultimo vapor os mui desojados gneros escolhidos
ancando-se aquellas pessoas que compraren! nestes armazens a superior qua' por elle na Europa, todos muito proprios para a festa os quaes est resulvido a vender por
gneros, precos commodos c bom acondicionamento. presos baratissimos como vero pela seguinte tabella, e mesmo pede a todos os Srs. da
armazem da rua do Crespo situado no mellior local desta cidade com o as- praca, de engenhe e lavradores para que mandem suas relacoes para serem despachadas
de necessidade manter-se com estes estabelecimentos, faz crer a seu pro- no armazem do Progresso do largo da Penha n. 10, afim de verern a grande vantagem
que ninguem deixar de sortir-se n'um estabelecimenlo aonde se encontra sin- que tiram, tanto na superioridade dos gneros como nos precos asss resumidos.
pan ir-se comprar aonde se nao oTerecem tantas vantagens. jos Srs. que nao poderem vir podero mandar seus portadores ainda que nao teuham pra-
Stfinle este armazem no verdadeiro ponto de partida para os arrabaldes desta! tica, que serd to bem servidos como se viessem pessoalraente.
cidade, nao ser difficil quelles senbores que tera de partir nos mnibus darem suas O interesse que tira o proprietario deste acreditado armazem, j deve ser bem co-
encommejidas neste armazem. qae sempre lhes offerecer os mais agradareis gneros, nhecido pelos seus nnmerozos freguezes, pois simplesmente consiste em servir bem e ga-
Ch peroln de especial qualidade a -2,800 rs.! Bolaxinha de soda e lunch em latas grandes nhar pouco, afim de conseguir a continuado daquellas pessoas, que a primeira vez se dig-
oaqulni los .omos de Wonza scientifica a seus numerosos fregu
tublico em geral que acaba de estabelecer um novo armazem de molhados
espo n 9, aonde se encentrar sempre os melhores gneros de estiva, que
a libra.
rceber de suapropria encommenda, o mais lindo e completo sortimento de molhados, dem hvson muito superior a 2,7oo rs.
o quaes vendem por grosso e a retalho por menos 10 por cento do que outro qualquer i libra.
-' dem uxini a 2.5oo rs. a libra,
dem ornan a 2,3oo rs. a libra,
dem ideni a 2,ooo rs. a libra,
dem pretp de qualidade muito especial
2,ooo rs. a libra,
dem iden inferior a l,6oo rs. a libra.
a anunciante, como vero pelaseguinte tabe.la que abaixo notamos, garantindo os mes-
ntos proprietarios nao s o peso como a quidade de seus gneros
AVISO.
Todos ossenhores que comprarem_para negocio ou casa particular _dej 000 para
orna tetrao mais 5
t idos os seus gneros
a 2,ooo rs. cada lata. narem honrar o seu estabelecimenlo.
Cognac de superior qualidade 8oo rs. a gar- Queijos flamengos chegados neste ultimo
rafa. vapor a 2,ooo rs.
dem muito superior a l.ooo rs. a garrafa dem do vapor passado a l,8oo rs.
Caf a 28o e 32o rs. a libra, e a 8,ooo e dem prato muito novos c de superior qua-
a 10 por cento de aoatimmto, os proprietarios scientificam mais que Ch l n
ros sao recebidos de sua propria encommenda, razao esta para pode rs \ *fh c 18>000 5f0 a l'500
9,000 rs. a arroba.
Ceneja das melhores marcas do nosso mer-
a 4oo rs. inteiro, e a 5oo rs. a
vonder por muito menos do que outro qua quer estabelecimento.
Manteiga ingleza flor a 8oo rs. a libra. Vellas de carnauba e composirao
Cistanfias muito novas a 2,ooo rs. a caixa, e 36o rs. a libra e de lo,ooo a 11,
a I to rs. a libra.
H nho francez e em caixinhas de 7oo a
l,5eo rs. cada urna.
le'em. fianceza amis nova do mercado a 56o
rs a libra, e 54o rs. em barril.
l:.em de porco refinada muito alva 46o rs.
a Tibra.
Prezunto para fianbre a 8oo rs. a libra.
Cha axim iniudinho vindo de conta propria,
o melhor do mercado a 2,8oo rs. a libra,
l a hfson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra,
i ;n parola o mellior que se pode desejar a
2,7oo rs. a libra.
Moni preto muito fino a 2,5oo rs. a libra,
dem mais baixo pouco a 2,ooo rs. a libra,
dem mais baixo a l,8oo rs. a libra.
dem inferior a lo.ooo rs. o gigo e l,ooo rs.' Doce em calda a 5oo rs. a lata.
lidade
libra,
cado de 5,ooo a 6,ooo rs. a duzia, e 5o Doce de goiaba fino em caixes com 2 /
rs. a garrafa. I libras por 6oo rs.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e 8.600 dem mais baixo a 54o rs.
rs. a duzia. Manteiga ingleza flor a mais superior do
a arrala.
de 32o a
1 Chocolate francez, hespanhol, e portuguez, a
a 9oo e J ,2oo rs. a libra.
mercado a 72o rs. a libra.
Araruta verdadeira a 32o rs. a libra.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
a 12o rs. a libra.
Sag muito novo 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca a 2oo rs. a libra
Sevada muito nova a loo rs. a libra.
Cominhos, ervadoce e pimenta do reino a
36o rs. a libra.
Genebra de Hollanda a 5,5oo rs. a frasquei-
ra com 12 frascos, e a retalho a 5oo rs.
cada um.
arroba.
Genebra de Hollanda em botijas ^ conUtai Ch^ros^TehVesfebricantes da Bahia
S 'USpX m I c de f" *** plmente escolhidos,
tera abatimento. de 2 nnr a 4 ^nn r a r,;
Maesas para sopa macarro, talharim e aletria ^ do iSS^JSs a
libra
a 48o rs. a libra e em caixa ter abati-
mento.
dem de goiaba em caixas e diversos tama- dem de segunda qualidade a 64o rs. a libra. dem em botija hamburgueza a 4oo rs.
nhos e de diversas qualidades de 64o a Manteiga franceza de primeira qualidade a Genebra de laranja a l.ooors. os frascos
l.ooo rs. cada urna. 56o rs. a libra, e 52o rs. em barris ou grandes.
Emilias francezas muito novas de 48o a 64o meios. Vinho de caj o melhor que ha no mercado
rs. Cha perola neste genero nao ha nada a de- al ,00o rs. a garrafa.
sejar, e de especial qualidade, mandado Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groza e 2o rs.
vir de conta propria a 2,8oo rs. a libra. a caixinha.
lata.
Vinho do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado gaiante-se a superioridade deste vi-
Idem portuguezas a 72o rs. a
dem seccas a 2oo rs. a libra.
Vassouras do porto com arcos de ferro a 32o \ dem huxira o mellior do mercado a 2,6oo dem de dentes lixados a 16o rs. o maco com
dem de arjaruta verdadeira a 4oo rs. a libra.! rs. cada urna. rs. a libra. 2o macinhos.
lem esireiiinna, rouinna e poiutem caixi- VJ|lho do Art ^ engarrafado, e os mais Velas de espermacete da mellior qualidade dem de segunda qualidade a 2,ooo rs. a ErvilLas seccas chegadas neste ultimo navio
nhasde8hbras,mu.to bemenfe.tadas de bemesedhidos,lagrimas do Doro.D. Pe-; a 600 rs. o maco. ^ libra. a 16ors. a libra, e em porco se faz aba-
2 &00 a J.ooo rs. a camua e a 000 rs. a, df0 y> D Lnjj, { fa^ genuino, Nctar ,dem Je carnauba e composic) a 32o e 36o;dem hysson muito superior a 2,5oo rs. a li- timento.
n a' k a a- m, superior, Malvasia fina, Bastardo, e outros rs. a libra e lo.ooo rs. a arroba. 1 bra. Banha de porco refinada a 48o rs. a libra e
a 1 l.ooq e 12,ooo rs. a duzia e l.ooo rs. Tijolo para limpar facas a 14o rs. cada um. dem preto hemeopathieo muito fino a 2,ooo 42o rs. em barril.
Touiinho de Lisboa e Santos a 32o rs. a libra. rs. a libra. Yririio branco de superior qualidade proprio
Sevada muito nova a loo rs. a libra. Bolachinba de soda chegada neste ultimo: pan missa a 64o rs. a garrafa.
Peixe em latas grandes, savel, pescada, cor- navio a 1,35o rs. a lata, deste genero ha Ameivas francezas em caixinhas elegante-
vina, e outras qualidades a l.ooors. cada grande porco e de differentes marcas,- mente enfeitadas com ricas eslampas a
lata. que se vendem todas pelo mesmo prego a 1,2)0, l,5oo e 2,000 rs. cada urna.
nhos de 600 a l.ooo rs. o caixao nrraf.j
Sabo massa de 2oo a 24o rs. o melhor, em |dem *CherVv e M;uIera
caixa tera abatimento.
dem hespanhol a 28o rs. a libra.
Peixe em latas muito novo ; savel, pescada,
corvina, salino e outras muitas qualidades
preparada de escabeche 2. a arte de cosi-
nha de l,2oo a l,8oo rs. a lata,
nho, das seguintes marcas : Duque, Ge-;Fig0s em caixas de 1 arroba, 'i e 8 libras
nuino, velho secco, especial lagrimas do- a 8,000 l.ooo e 2,000 rs. a caixinha.
ees de 1819, vinho especial D. Pedro V., Barris de vinho branco de quinto, marca B
vinhi velho, Nctar superior de 1833, Du- x Filho a 60 000 rs o barril.
que lo Porto de 1834, vinho do Porto ve- Marmelada ,mperial dos mZres conservei- Vmho em l"')a de L,sboa' eFreir.o3,ooo
lho superior, madeira secca de superior ros de l-isboa a 64o re. a latinhade 1 libra,
qoalidade. vinho do Porto superior D. Lu- ha latas de 1 2 e 2 libras.
izl de 1847, lagrimas do Douro espe- Massa de tomate cm latas d.mradas de 1 libra
cia., vinho do Porto de l,oooa l,2oo rs. a 64o rs. a lata,
a garrafa e de lo.ooo a 14,ooo rs. a caixa Ameixas francezas em caixinhas eleganle-
cona urna duzia. mente enfeitadas de l,5eo a 3,ooo rs. a
Bolacbinha de soda especial encommenda e a caixinha, tambem ha latas de 1 j a t li-
nfais nova que ha no mercado a 2,2oo rs. a, brafi de 1,908 a 4,5oo rs. a lata.
lata. dem em frascos com lampa de rosca a l,6oo
Biso lezes das melhores marcas em rs. o frasco.
'nimbas uV libras a l,3oo rs. a lata. I Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
iir.'lezes craknel em latas de 5e 7 libras, suisso a l,2oo rs. a libra.
de 5 000 a 6.000 rs. a lata, e em libra a i Conservas inglezas las sefruintes marcase
1 rs.
do r no chegados pelo ultimo vapor
a 2,;oo rs. cada um.
dem prato a 7oo rs. a libra.
V nho em pipa das mais acreditadas marcas
como sejmBA F., PBB, JAA, outras
moitjis marcas. Porto, Lisboa e Figueira ;
5oo, 56o, 64o e 800, rs., e o do
Porto lino em garrafa, e em 'caada a
3,ooc>, 3,5oo, 4,000 e 6,800 rs. o mellior
Id Porto.
dem Bordoaux das mais acreditadas marcas
i Tuo rs. a garrafa, e a 8,000 rs. a caixa.
raDes com 5 garrafas de superior \nho
do Porto a 2,2oo rs. com o garrafo.
Id 111 Ctim 5 garrafa de vinho da Figueira mais
proprio para a nossa estaco por ser mais
o a 2,4oo rs. com o garrafo.
Id :m com 3 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
a o garrafo.
Vi 1I10 branco o mais superior que vem ao
nosso mercado a 56o rs. a garrafa, e a
4.3oo rs. ? caada.
di i'sparmacate as melhores neste ge-
nero de 56o a 64o rs. o mago, e em cai-
grnde abatimento por haver
granile porgao.
A> .'i te toce em barril muito fino a 64o rs.
a garrafa e 4,8oo a ranada.
Id m fiance/. retinado a 800 rs. a garrafa.
ilhas francezas e puriuguezas a 64o rs. a
lata.
eom doces seceos de Lisboa de 3oo
a 3,500rs- <-ada urna.
TcJieinbo deLisboa 3 3oo rs. a libra, e a
9,000 .is. a arroba.
v>-.<:s muito novas a 16o rs. a libra e 4.8oo
rs. a arroba,
de !.*, 2.* e 3.1 qualidade de 26o, 3oo
o rs. a libra, do Cear de 7,8oo, 8,600,
/.oo rs. a arroba do melhor.
\iroz da India, Java eMaranho de 2,8oo a
i a arroba, ede8oaloors. a libra.
Pissas muito novas a 8,5oo a caixa e 5oo
a libra, hi caixas meias e quartos.
,1 do Franga a 24o rs. a libra.
": moito 1 ovo a 28o rs. a libra.
mwmm mmmm mmmn mmmm mmm
i FAZENOAS BARATAS
1 H--RUA IM1> llSiMADO*
Custodio, Corvalho & C.
n.....illliulin nrnatjl indianas pet baratissimo prco de 300 rs. o covado ou
tS SOO rs. a .-ara. ______
Grande soilmcno
18 dos mais linos k15es de reos para sen! ora e relo baralo prero de 3,5 cada um, dilos de ma-
SM dapclao para meninas a 2*300.
!tovl>la Os mlis lindse mais finos e moderaos cortes de laa com ricas barra?, tendo cada corle
a 20 covados e pelo.baratissimo prego de 20*.
Mixde-Pids c cebollas simples a 75o rs
o fraseo.
Ancoretas de vinho colares a 5o,ooo rs., e
a 72o rs. agarra!
Sardinhas de Nantes a 32o rs. a latinba.
Charutos das mais acreditadas marcas de
i,500 a 4,000 rs. a caixa.
Champagnhea melhor do mercado de 12.ooo
a 21,000 rs. o gigo, e de I.Soo a 2,000 rs. a
garrafa.
Papel greve paulado ou liso a 3,500 rs. a res-
ina.
dem de peso pautado ou lizo de 3,5oo a
4,000 rs. a resma.
Gomma muito fina e alva a 80 rs. a libra.
Milbo alpista e painso de 16o a 2oo rs. a li-
bra.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a grosa e 2oo rs. a
duzia.
Vasos inglezes de i a 16 libras vastos, muito
proprio para deposito de doce manteiga
ou outro qualquer liquido de l,ooo a
3,000 rs. cada um.
Licores das melhores marcas e mais finos
a l,ooors. a garrafa e em caixa ter abati-
mento.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa
e lo,5oo rs. a caixa.
Qtouricas as mais frescas do mercado a 800
rs a libra.
Genebra de laranja em frascos grandes a
l.ooo rs. o frasco.
Serveja das mais acreditadas marcas de
5,5oo a 6,500 a duzia o de mais a 5oo rs.
a garrafa.
dem em botijas e meia, sendo preta da
muito creditada marca T de 6,5oo a 7,8oo
rs. a duzia.
Ceblas em molhos grandes a 800 o molh
40 o cento, e a 6,600 rs. a caixa
Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
Farinha do Maranho a 14o rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 16o rs. cadaum.
Cominho a 4o rs. a libra.
Erva doce a libra.
Canella a l.ooo rs. a libra.
Batatas a 1,00o rs. o gigo com 32 libras liqui-
das e 3,000 rs. a caixa deduas arrobas.
a 1,5oo rs. a garra-
fa e 16.rioo rs. a duzia.
dem Bordpaux de diversas marcas de 8,000
a lo.oorj a duzia, e 800 rs. a garrafa.
Bolaxinhas americanas a 3,ooo rs. a barrica,
e 2oo ra, a libra.
Batatas mijito novas a l.ooo rs. o gigo, e 60
rs. a libra.
Banha de porco refinada a 48o rs. a libra, e
em barril a 44o rs.
le Lisb
a 4.ooolrs. a caada, e Roo rs. a garrafa.
dem de \
das por
dem do Porto muito especial a 5,No rs. a
canana
dem em
2.3oo rs. com o garrafo.
Vinagre d
rs. a caada.
dem mais
isba em ancoretas de 8 a ) cana-
27.000 rs.
72o rs. a garrafa.
garraffies com 4 '
garrafas por
Lisboa muito superior a 2,000
baixoa l,5oors. a caada, e 2oo
rs. a garrafa.
dem em jarrafoes com 4 r garrafas por
l,2oo r;. com o garrafo.
Manteiga ingleza a 600, 7oo, 800 e Ooors.a
libra de primeira qualidade.
dem franieza a 56o rs a libra em barril, e
a 600 r. a retalho.
Ameixas francezas em caixinhas com liras
estampa no exterior de l.2oo a 2,000 rs.
cada un a.
dem em frasco de vidro de diversos tama-
nhos a 1,600 e 2,5oo rs.
dem em atas de I i/2e 3 libra a |,3oo e
2,3oo rs. cada urna, e a 800 rs. a libra.
Figos de enmadre em bazinhos de folha pro-
prios para mimos a I.(00 r. cada um.
dem emcaixiahas de folha a 32o rs.
dem emfcaixas grandes a 2oo rs. a libra.
dem em latas ermeticamente lacradas de
I.600Ia 3.000 rs.
Arroz da India c Maranho a 80, loo e 12o
rs. a libra.
Amendilas de casca mole muito novas a loo
Papel greve pautado e liso de 3,ooo a 4.000 vontade dos compradores.
rs. a resma. Iem em latas grandes a 2,000 rs.
Passas muito novas a 8,5oo a caixa e 48o rs.: dem propria para lanche em latas grandes
a libra. al,9oors.
Palitos lixados para dentes a 1 o rs. o maco. Marmelada imperial dos melhores fabrican-
Idem de flor a 2oo rs. o maco. tes de Lisboa a 64o rs. a libra.
Prezunto para fiambre inglezes e americanos Frutas em calda em latas de 1,000 a 5oo rs.,
rs. a
Al pista
tibra.
Azekoras superiores a 1.2oo rs. o barril.
a 14o rs. a libra e (,600 a arroba.
Letria a loo rs. a libra.
Biscoil
is e bolacbinbas inglezas as ultimas
a 85o rs. a libra.
dem do Porto a 48o rs. a libra.
Queijos prato de 48o a 600 rs. a libra.
dem londrinos os melhores que se encontram
neste mercado a 800 rs. a libra.
dem flamengos viudos no ultimo vapor de
2,800 1 3.000 rs.
Sardinhas de Nantes muito novas a 32o rs.
a lata.
Sag moito novo a 200 rs. a libra.
dem muito superior a 28o rs. a libra.
Sabo maca de diversas qualidades a 2oo c
2io rs. a libra.
dem inferior de 12o a 18o rs a libra.
Genebra de Hollanda em frasqueiras a 6,5oo
rs.
dem hamburgueza em ditas a-i.800 rs.
dem de Hollanda em garrafes grandes a
5,5oo cada um.
dem em botija a 4oo rs. rs. cada urna.
Garrafes vanos de diversos tamanhos aooo,
64o c l,2oo rs.
Gomma do Ara aty a loo rs. a libra.
Graixa a loo rs. a lata, e l,2oo rs. a duzia.
Licores finos (rancezes em garrafas e fras-
cos de diversos tamanhos de 600 a 800 rs.
cada um.
Marmelada imperial de t' dos os consenti-
ros de Lisboa a 64o e 700 rs. a libra.
Massa de tomate muito nova a 64o rs. a
libra.
Marrasquino de Zara a 64o rs. o frasco.
dem em frascos grandes a 800 rs
Cominhos muito novos a Seo rs. a libra.
Erva-doce a 24o rs. a libra.
Pimenta 86o rs. a libra.
Gravo da India a 84o rs. a libra.
Cannella a l.loo rs. a libra.
Alfazema a2oe rs. a libra.
neste genero ha diversas qualidades a es-
colher.
Champanha superior das marcas mais acre-
ditadas a l,6oo rs. agarrafa e I5,ooo rs.
o gigo.
Serveja das melhores marcas que vem ao
dem francezas em frasco de vidro com tam-
pa do mesmo contendo l '/s libra a l,2eo
rs. s o frasco val quase o dinheiro.
dem em latas de 2 libras por l.ioors.
a retalho, e a 800 rs. a libra.
Figos de comadre muito novos em bahuzi-
hosmuito proprios para mimo al,28ors.
dem em caixas para retalho a 16o rs. a
libra.
Passas de carnada a 48o rs. a libra e
quarto com 8 libras por 2,5oo rs.
Bolaxinhas inglezas de superior qualidade a
2,ooo rs. a barrica, e a 2oo rs. a libra.
em
mercado a 5oo rs. a garrafa e a 5,000 rs. Chocolate francez o melhor que se pode de-
a duzia. sejar neste genero a i,000 rs. a libra,
dem preta superior a 660 rs. a garrafa e a, Magas para sopa estrelinha, pevide, arroz de
5,4oo rs. a duzia.
Vinho Bordeaux de differentes marcas, e as
melhores do mercado a 7.000, 7,5oo e
8,000 a caixa com urna duzia, e em gar-
rafas a 64o, 7oo e 800 rs., garante-sea
boa qualidade.
dem Figueira desuperior qualidade a 48o
rs. a garrafa e 3,5oo rs. a caada.
dem de Lisboa a 2.800 rs. a caada e 4oo
rs. a garrafa.
dem do Porto de superior qualidade para
maca a 48o rs. a libra, e em caixa a 2,ooo
rs. cada urna, macarraao, talherim, e ale-
tria a 4oo rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Avelans muito novas a 2oo rs. a libra.
Ervilbas francezas muito novas em latas
grandes a 64o rs.
dem em ditas pequeas a 4oo rs.
Maca de tomate em latas de 1 e 2 libras a
64o rs.
Salmao em latas de I libra a 800 rs.
mesa a 560 rs. a garrafa, e 1,000 rs. a ca- Lagostinho em latas grandes a l,4oo rs. ca-
ada, da una.
dem fino do Alto Douro da colheita de 1833, Sardinhas de Nantes a 36o rs. a lata,
como sejam: 1). Luiz. Feitoria velho, Nec- Cognhac inglez a 800 rs. a garrafa.
chepadas ao nosso mercado a l,2oo el ,4oo Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs.
is. (ada lata. j 0 frasco.
ATTENCAO
O proprietario dos armazens do Progressista jamis deixar deoffereeer aos seu
freguekcs todo o que for preciso para que sejam bem servidos, e como a festa se aproxi-
ma joptima a occasio dos seus freguezes experimentarem a realidade, que nunca dei-
axr de ser mantilla pelo proprietario destes armazens.
Loja do bciji-!loi'.
Meias cruas para oniein.
Lia pare bordar.
Vende-se lia para bordar, de diversa- cores,
as
craaspa hornera a t| a du- ,n:,is "* 1ua ,PW encontrar, a WoOO : s
aao.loia dobeita-tlor nume- (!IR,,n nJa? P9r *** P"*S? ^ na loJa do l*U-nor
Ven
zia : 1 a rua do Oueimado, loja do beija-lior nume
ro C3.
Meias para seuhora.
dem-M metas para senliora a 33200, h, c
a duzia: narua do Queimado, loja do bei- P*J" Lontadas rom O varas, a 15100, dita
n (j; teda prela a 15200, dita de cor adamascada
linho vara a 500 rs.
1 nas lazinhas para vestido o covado a VM rs.
GAZ GAZ GAZ
por pre^o redmldo.
Ven! e-s gaz da melhor qualuLde
Cal de Lisboa c potassa da
llnvsii.
0 de lf>> por lata de > gaioes no a mesm;l ni;, n. 12j jm^g os g0noros sao novos e
mazem do Caes do Ramos n. 18 C rua do legtimos, e se vendem a prego mais barato do que
Trapiche Novo n. 8. utra rmalquerparte.
Vei
ja-doi
ram-inlia para enfeites.
Vehde-se trancinlia para enfeites de vestidos ou
roup. de menirics, que lambem serve para enfeitar
cami iiitia de senliora ; vende-se tranca Inania
com iO varas a 800 rs. a peca, com 20 varas a 500
rs., com 10 varas a 260 rs. : s quem tem na
loja I beija-llor da rua do (jueirnado u. C.t.
icsoiiras linas para uuha t cusm,i.
Vi ndem-se tesouras finas para unlia e costura a
da rua do Oueimado n 63.
Filas para dclinim de M'sliilus.
Vendem-se lilas para debruD de vestido de laa
dila de
tar, Cnrcavellos e Cames em caixa de
urna du/.ia a 9,000 rs.
Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto
a l.ooo rs. a garrafa e lo.ooo rs. a caixa.
Duque do Porto, Madeira secco, duque ge-
nuino, lagrimas doces a !)oo rs. a garra-
fa e9,5oo rs. duzia.
Garrames com vinho do Porto a 2,2oo rs.
cada um.
Vinagre de Lisboa de superior qualidade a
2oo rs. a garrafa e l,2oo rs. a caada.
Azeite doce refinado em garrafas grandes a
800 rs.
dem de Lisboa a 6 lo rs. agarrafa, e em
caada a 4,800 rs.
Presuntos inglezes para fiambre a 7oo rs. a
libra,
dem de lamego encommenda particular a
48o rs. a libra, e inteiro se faz abatimento.
Toucinho do reino o melhor do mercado a
320 rs. a libra, e em arroba a 9,roo rs.
Velas de espermacete de 4, 5, e 6 por libra
a 560 rs., e em caixa se faz abatimento.
dem de carnauba refinada a 32o rs. a libra
e 9,ooo rs. a arroba,
dem de carnauba pura do Aracaty a 4oo rs.
a libra e lo,5oo rs. a arroba.
Gomma muito fina e alva a 80 rs. a libra. I
Licor francez das melhores marcas do mer
cado a 800 rs. a garrafa.
Batatas chegadas neste ultimo navio em cai-
xa com duas arrollas por l,6oo rs., e 4o
rs. a libra.
Concei vas inglezas a "."o rs. o frasco.
Sal refinado em potes a 5oo rs. cada um.
Mostarda ingle :a a 1,00o rs. o frasco.
dem franceza a 4oo rs. o pote.
Millio alpista a 16o rs. a libra e 4,800 rs. a
arroba.
Graixa muito nova em latas grandes a 120
lis.
Latas com peixe em posta ermeticamente
lacra las das melhores qualidades de pei-
xe que ha em Portugal a l,2oors.
Caf lavado de Ia qualidade a 32o rs., dito
de 2' a 28o rs. a libra e 8,2oo rs a arro-
ba, dito de 3a a 26o rs. a libra e 7,8oo
rs. arroba.
Charutos suspiros dos melhores fabricantes
de S. Eelix a 2,3oo rs. a caixa com loo
charutos.
dem finos de diversos fabricantes a 1,60o.
l,8oo e 2,ooo rs. a caixa com loo charu-
tos, |o proco nao indica a boa qualidade
porm deem-se ao trabalho de virem ou
mandarem e vero a realidade.
15200, dila branca de lia com 11 varas a 400 rs. :
na rua do Oueimado, loja do beija-tlor n. Glt.
IVnles Ir.nfssos para meninas
Veadcm-ee pestes traveseos de borracha, pan
meniua a lOOe BOO rs.: na rua do Queimado, loja
do beija-tlor n. (l.
Pajld de diversas qualidades.
Vende-se papel araado a 646 e 700 rs., dito de
coras a 600 rs., dito adamascado a 15, dito branro
V
dita
dita
(1
bei
400. 500 e G'iO rs., ditas para costura a 500 rs.:
oa rua do Queimado, loja do beija-llor u. 63.
lacas e garios.
;ndem-se facas e partos oitavados a 25#no.
Bravadas 1 a">. ditas de cabos pretos a 35200,
oabos de bataneo com 2 boioes para mesa
a 6,]l2iM) a duzia : na rua do Queimado, loja do
beijillor n. 63.
Ksrovas para denles.
\eadem-M estovas para denles muito finas a
, 210, e BOO rs. : na rua do Queimado, loja do
altor n. 63.
Caixiiihas com grampas.
Yendem-se caixiuhas de grampas a 40 rs. : na
rUj do Queimado, loja do beija-llor n. 63.
failarinlios para iioiiinn.
\'endem-se colarinlios de linho para henem, de
diversos gostos, a 560 e 0*0 rs. : na rua do Quei-
mado, loja do beija-lbr n. 68.
t.raalas para senliora.
Vendem-se grvalas para senliora. de diversas
cores, a 500rs, 800 e 15 : na rua do Queimado,
loja do beiia-flor n. 63.
Boioes de pnnlin para manpulos de senliora.
Vendem-fc botes de punho p.irn manguitos de
senliora, de diversos gostos, a 200 rs o par : ua
rua do Queimado, loja do beija-tlor n. 63.
a !HX) rs.. dito beira domada a 15200 : na rua do
Queimado, loja do beija-llor n. 63.
lUiloes de madreprrola.
Vendem-se botftes de madreprrola pan collelc,
aoe lambem servem para easacos de senliora a
400 rs. a abatoadura : su quem vende por este
drero na rua do Queimado, loja do beija-tlor nu-
mero 63.
lanas de Jonvin.
Vendem-se lavas de Jouvin para homcm c se-
nliora, chegadas no uliimo vapor : ua rua do
Queimado, loja do beija-llor n. 63.
ral iie I.BDIH
CONSERVATIVO
DG
JOAQl'Ul LUiO m*H HAXTOH
23-Iargo do Terco-23.
O proprietario deste armazem de molhados participa ao publico e a todos em geral
que tem um grande sortimento de ludo quanto perteneente a molhados, e que Iem
um armazem para somente receber os gneros de maior quantidade, faz suas especula-
rles emboasqoadraa, e qne sempre pode vender pnr menos de 10 20 por cento du
qoe em outra qualquer parle, garanlindoo proprietario qualquer genero sabido do seo
armazem, tanto em peso iVimo em qualidade.
Manteiga ingleza flor mandada vir por conta propria a 800 rs. a libra,
dem franceza, viuda pelo ultimo navio a S60 rs. a libra e 540 rs. em barris.
; Hanlia de porco refinada, propria para pasleis a 480 rs. a libra, e em barril a 400 rs.
Vendem-se barris com cal des- i Velas de espermacete e carnauba do Aracaty a 600 rs. o masso e 400 e 440 rs. a libra.
a procedencia, cm pedra, chega-
da hoje, e snica nova, que ha no
mercado, na rua do Trapiche n.
13, armazem de Jlauocl Tcixei-
ra Basto.
Caf lavado do Rio edo Cear. o melhor deste genero, a 280 rs. a libra e 84Soo a ar-
roba .
Hatatas novas em caixas com 2 arrobas por 2f$000, arretalham-se a 4o rs. a libra.
Toucinho desembarcado ltimamente a 3oo rs. a libra, em rjarril ou arroba a 8^800.
Cha de Ia, \ 31 e 4a sorte a 2.5800, 20500. 20000, e 10600 a libra.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa, e de carrapato a 280 rs. a garrafa,
20ooo.
. e caada
Ustx. saz. ga. gaz, ; 20ooo
SismadSVnSS: tcbKmni*:Genebra verdadeira de Hollanda, em botijas, de conla certa, marca gallo a 360 rs.
Apollo n. 2. 'Mtlho alpista o mais limpo que ha a 160 rs. a libra a 55OO0 rs., a arroba.

*
*


Diario de Pcrnamhiico Quinta -4 felra de l'everelro de 1S4.
i
mi!
AURORA RRILHAN1E
LARGO DA SANTA CRUZ N. 84.
Amigos do bom e barato.
A Aurora Brilhante este magnifico cstalelecimento est na Roa-Vista disputando a
primaria, j pelo grande sorlimento dos seus gneros de boa qualidade, ja pela co-nmodidade
de Drecos e por isso o seu proprietario roga aos seus freguezes e amigos e ao publico em
geral que mandem comprar para melhor se cci ticarem do annuncio.
LOJA
AAO
Qutijos do reino novos a 25400 e
Ditcs de prato idem, a libra. .
Ditos do sertao novos, libra a .
Chouricas novas, libra a
Linguijas verdadeiras do sertao, libra
l'iv untos novos de Lamego, libra a .
! Macarrao, talharim e aletria, libra a
I We.......
i Canias com 8 libras de estrellinha e
povide nova a 25500 e libra .
Soy.ulinha de Franca e sag a libra.
Erv.lhasegraode bico a libra .
Mamelada nova das melbores marcas
a libra.......
Caixinhas com ameixas com bonitas
es lampas a i 600 e.....
Latiahas com ditas a 15400, 25400 e
Ditas com figos novos de comadre a
15400 e......
Dita. com trocas em calda a 640 e .
Dita;, com pwxe ca posta ensopado
a IJOOOe......15200
Ditas com sardinbas de Xantes no-
vas a .......
Caixinhas com 4 libras de farinha de
ar.iruia a libra......
Nozes e amendoa arroba 65 e libra..
Garrafas com refrescos de vanas
fructas a......
Azeile doce a 640 rs. a garrafa e r.Ml-
naio a......
Potes com musanla a
Frascos com conservas novas a
Ditos com genebra de laranja e de
Hollanda a 6i(l e
Chocolate de varios autores a libra .
Toucinho de Lisboa arroba 95000 e
lll.-a.......
Charutos Unos a 25, 25500, 35, 45,
Si e 65 a caixade 100.
Saccts grandes com milho, farello e
tu nha lina a 45, 4*500 e .
Aipisla arroba 45500 e libra .
Espermacete suprior a 600, 640 e
5600 Copos lapidados para agua e vinho du-
640
720
720
400
500
480
480
240
120
720
25000
45000
25000
500
360
640
240
500
800
:i2(i
800
15000
I52OO
320
550OO
160
720
zia 45 e
Molhos de grande sebolas a
Barricas com bolachinha nova a 45
e libra a......
Ditas de soda de 5 libras tara lunche
ou doente a 25 e libra .
Ditas com biscoutos inglczes muito fi-
nos a .......
Manleiga iugleza flor a 800 c .
Dita franceza a 560 e 600 rs. c em
barris e meio a 520 e
>ta hollandeza muito nova a .
ianha de porco a
>al retinado o pote ....
3igos cem batatas hollandezas a .
'.lia hysscn o melhor que ha a
Dito miudinho a.....
)ito verde a 25, 25500 e .
Dito preto a 15t00, 25 e tino a .
ijf de moca arroba 9fi e libra.
)ito lavado arroba 85 e libra .
Vinhos Unos do Porto cariada 55 e
garrafa 640 e.....
Ditos de Lisboa e Figueiri 35200 a
caada e garrafa ....
Dito branco proprio para mesa a 560 e
Dito xerez e outros finos a
Caixa com vinho Bordeaux a 85 e 95
e garrafa a.....
Serveja de boas marcas a duzlaa 55 e
Comma muito fina arroba25500,25e
Enxofre arroba 35200 e libra .
taada de azeite de carral alo a 25 e
garrafa a......
rito de coco a 35500e garrafa a
Massos com palitos lixados para den-
les a .
lijlo para limpar facas a .
Ervilhas em latas a .
Latas cora ostras americanas a .
Vinhos engarrafados finos a garrafa
Tapioca nova arroba 35800 e libra .
o ao com giaxa n. 97 a ..
65000
I5OOO
320
640
15400
300
540
800
320
500
1.32! "I
35H)0
25800
25HOO
25500
320 \
280 :
I
800 i
480 ]
640
I50OO
800
65000
15280
120
280
480
160
140
640
640
15000
140
320
Cassas puritanas.
Vendem-se as mais modernas cassas puritanas com bonitos desenhos pelo baratsimo preco de
240 e 280 rs. o covado, por haver grande porcao, pechincha : na ra da Imperatriz n. 60, loja do
Pavao.
Cassas persianas a 360 rs. o covado.
Vendem-se as mais bonitas cassas persianas a imitacao de laa transparente com os desenhos
tecidos e inleiramente novos, pelo baralissimo preco de 360 rs. o covado e nao desbotain : na loja
Pavo ra da Imperatriz n. 60.
Gorgurao de laa a 500 rs. o covado.
Vende-se gorguro de 13a de cor escura propria para vestido de senhora, paletot para homem
roupa para menino, pelo barato preco de 500 rs. o covado : na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60.
As colchas do Pavita.
Vendem-se colchas de linho adamascadas com bonitos lavres de cor de rosa, azul e branco,
pelo baralissimo preco de 55 cada urna : na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60.
Organdys a 240 rs. o covado.
Vendem-se organdys matisados fazenda muito fina, de bonitos desenhos, pelo baralissimo preco
de 240 rs. o covado : na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60.
As alpacas do Pavao.
Vendem-se alpaaas de seda de cures muito fina propria para vestido de senhora, sontembar-
ques e roupas para meninos e dita branca muito fina propria para vestidos e paletots, pjr preco mui-
to commodo : na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60.
Chitas do Pavao.
Vendtm-se chitas escuras e alegres fazenda muito fina, padroes modernos e que nao desbotam
pelo barato preco de 320,360 e 400 rs. o covado: na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60.
As liuasinhas do Pavao.
Vendem-se laasinhas com 9 palmos de largura de urna so c6r e de qoadrinhos pelo baratissimo
preco de 15200 o covado, ditas enlejiadas com" 4 palmos de largura a 500 rs., ditas matisadas muito
fiuas de bonitos desenhos a 560 rs., ditas a 320 e 360 rs., ditas de quadrinhos a unitario de sedinha
a 400 rs. o covado. ditas a Maria Pa com palminhas de seda a 500 rs., ditas transparentes com palmi-
nhas matisadas a 440 rs., ditas de quadros grandes a 240 rs. o covado, ditas pretas transparentes de
cordaozinho a 200 rs.: na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60.
Vestidos soutemharques.
m:wmmmm mnmwummMKmmwmm
M. J. Ramos e Silva & Genros, tem
para vender em seu escriplorio na ra do
Vigario O. 10, o seguinv :
Ricos e elegantes pianos.
Algodo la Bahia para saceos e roupa de es-
cravos.
Fio de algodo para ceser e pavio de velas.
Cera de Lisboa em velas.
Cera de Lisboa em grume.
Superior vinho do Porto em caixa de urna
duzia.
Dito dito em barris de 5".
Colla da Rahia.
Para carnaval.
O Pavao vende.
Vendem-se tafetaes de todas cores proprios para
vestidos e roupa para mascara, pelo barato pr<^o
de 400 rs. o covado, gaoguelim cor de rosa, aa-
da muito bonita a 320 rs. o covado, verdadeiro
velludo cor de caf para domin a 15 o covado,
sctiin branco liso proprio para vestido a 500 rs. o
covado : isio na loja do Pavo, ra da Imperatriz
c. 60, de fiama & Silva.
is roneiras do Pavo.
VuaiW ne finissimas romeiras e pelerinas de
eambraia bordadas a croch, e ditas de fil pelo
..baratissimo preco de 25 cada urna camisinha com
a e manguitos a 15280, ditas de fil a 15, finis-
imas gollirhas Itordadas a roch a 500 rs., ditas
de fil a 401) rs. : isto na loja do Pavao, ra da
Imperatriz i. 60, de Gama & Silva.
XOZES
MOVAS
sementes de hortalica,
Chegaram no vapor francez Guien as novas se-
mentes de hortaliza : na ra da Cadea do Recite
n 56 A. loja de ferragens de Bastos.
FAEINHA FONTANA.
Farinha da muito acredita la marca
fontana esembarcada hoje, vende-se
por preco mais commodo do ine em
qualqaer outra parte : na ra da Cruz
n. 4 casa de N. 0. Bieber k C. succes-
sores.
Vendem-se os mais modernos vestidos a soutembarque com lindas barras e enfeites 'para rou-
pinho emangas, pelo baratissimo preco de 55 cada un : na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60.
Cortes de laa com barra.
Vendem-se cortes de laa com barras matisadas e enfeites para roupinho e mangas, os mais fi-
nos que existem no mercado, pelo baratissimo preco de 185 cada corte : na loja do Pavo ra da Im-
ratriz n. 60.
Os soutemharques do Pavao.
Vemdem-se os mais modernos soutemharques de grosdenaples preto ricamente eniei[cos, ditos
de cor de um teeido de la com seda muito bera enfeilados, por preco muito commodo : na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60.
Capas do Pavao.
Vendem-se ricas capas pretas de grosdenaple bastante compridas, fazenda superior e mais mo*
derna que ha no mercado, por preco muito em coma : na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60.
Crinolinas ou baloes americanos.
Vendem-se baIScs americanos os mais modernos porserem muito fortes e bem armados de 20
arcos a 35, ditos de 30 a 35500, ditos de 35 a 45, ditos de madapolo francez de diversos tamanhos a
35. ditos de musselina com babado e sem elle podendo-se tirar os arcos pelo barato prego de 45 e
45500, ditos para menina, de arcos a 25, ditos de musselina a 35 : na loja do Pavo ra da Impera-
triz n. 60.
Chapeos de sol do Pavao.
Vendem-se chapeos de sol de seda muito encorpada com cabo de cana e hasteas de baleia pelo
baratissimo preco de 65,75 e 85, ditos marquezinhos para senhora e meninas a 25500: na loja do Pa-
vo ra da Imperatriz n. 60.
Cortes de laa do Pavao.
Vendem-se cortes de lilas matisadas com desenhos muito lindos contendo ISeovados cada corte
pelo baratissimo preco de 75, ditos de cor de caf com palmas matisadas contendo 15 covados cada
corte pelo barato preco de 65 na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60.
tiua da Senzaila Aova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de I
ferro coado libra a 110 rs., idem de Low
Moor libra a 420 rs.
FAZEMrAS
Rna da Madre de lietis ns. 3 e 9
Vende-se aaccos eoai eito libras de nozes p-^o
Paralo preeu de 15000, aproveitem a pechincha,
&ao novas.
baratas para acabar.
Sedas de quadros e de listras a 320 rs. o cova-
do lindas laas de quadrinhos a 360 o covado, su-
pe -ores cassas de cores a 200 rs. o covado, ditas
muito finas a 240 o covade : na loja das columnas,
na ra do Crespn. 13, de Antonio Correia de Vas-
co acollos & C.
nacftaa.
laixas com mara> a 25 e a retalho para todo o
pr-sco, a 40, 80, 120 e 200 rs. : no armazem da '
Ai rora Brilhante, larpo da Santa Cruz n 8i.
Taboado.
Vendc-se tabordo de peroba e canella, de boa
i|u ilidade, e por preco muito era conta : no trapi-
che do Conlu, no Forte do Mattos. j
IIIV DO QUINADO Y 11.
Loja de fazenda de Augusto Frederico dos Santos Porto.
ESTE1IMN PARA A Ii VS.
A este estabelecimento chegou um ptimo sorlimento de esleirs para sala, sendo de diversas lar
guras at 6 palmos e da mais superior qualidade .que se vendem por preos mais mdicos que em
outra qualquer parte.
SOITEMBARQUES.
Os mais superiores soutemharques de casemira de cores ricamente enfeitados acabam de chegar a
este estabelecimento.
ENFEITES PARA BAILE de lindos goslos.
I.I'VAS DE PELLICA DE JOVIN para horaens e senheras.
CHAPEOS DE PALMA DA ITALIA para seuhoras, cubilados com finissimas flores a 145 e 165.
CHAPEOS DE PALEA para meninas, enfeilados ricamente a 75.
CAMISAS IXGLEZAS para homem, colarinhos, peitos e punhos, de linho, a 425000 a duzia.
CAPAS DE SEDA PRETA para senhoras, bordadas c enfeitadas de 225 a 505000.
Zl'AVOS de seda pretos para senhoras, enfeilados com o melhor gostoa 205-
CHAPEOS DE PALHA para homem a 35500.
CAMISINHAS COM MANGUITOS E GRAVATA para senhoras, bordadas com muito gosto.
ATOALIIADO DE LINHO para mesa fazenda superior.
Finos cliapos pretos de seda, chales de diversas qualidades, grosdenaple preto e de cores, panno?
pretal finos, casemiras pretas e de cures, brim branco e pardo, finas laasinhas para vestidos e outras
umitas fazendas que se vendem por coramodos precos. A mesma loja chegaram os
Ricos cortes de la de barra niat Isada.
Duarte & C, receberam de sua propria encommenda pelo brifue
Wtonda, chegado ltimamente de Lisboa os seguintes gneros todos de pr:-
meita qualidade por screm escolhidos pelo Sr. Duarto chefe de nossa casa
ultimami-nte chegado daquella piafa.
Verdadeiro vinho collares em ancore-
retas de 9 caadas a 50,000 e 800
rs. a garrafa.
Vinli luanco B d- Filhos, em barris di
quinto a 00,000 e 5(J0 rs. a gar-
rafa.
Vinagre P R R, om ancoretas de 9 ca-
adas a 18,000 c 2,000 rs. a ca-
riada.
Passas em caixas, meias e quartas a
8,000 4.000 e 2,000, a 480 a libra.
Peijas seceos em caixas de quatro li-
bras o melhor que se pode desejar
a 2,500, e GiO rs. a libra.
Caixinhas de 4 libras c 2 corn ameixas
a 1.500 e 2,500 rs. a caixinha.
Chocolate portugoez, o melhor que
pode haver de bom neste genero a
1,000 rs. a libra.
Mamelada propriamente dito de mar-
mello, a 640 rs. a lata e em caixas
de 400 latas a 000 rs.
Maca de tomates a mais nova que se
pode desejar a 040 rs. a lata e em
caixa de tOO libras a 000 rs.
Ervilha portugueza a 700 rs. a lata,
e em caixa de 100 libras a 640 rs.
Passas corinthias para pudim a 640
rs, a libras, e 400 rs. comprando de
arroba para cima.
Nozes .as msis novas que se pode de-
sejar a iOOrs. a libra, e comprando
em barricas a 1,800 rs. a arrol
Sebollas em caixas as mais noval
mercado a 0,500 rs. a caixa, a 800
rs. o molho, c a 040 rs. o cento.
Batatas em caixas de 2 arroba muito
novas e grandes a 2.400 rs. a caixa.
SiMiiihascom figos proprias para mi-
mos de crianras a 60 rs. cada urna
e comprando em duzia ter g:
abalimento.
Erva doce muito novas a 500 rs. a li-
bra, c comprando em arroba a
10,000 rs.
Cominhos muito novos a 400 rs. a fi-
bra e 10,002 a arroba.
Licores portuguezes das marcis mais
acreditadas de Lisboa a 1,000 a gar-
rafa e 10 a 12,000 a duzia, .as q
dades sao as seguintes : ceme de
violetas, geroflez, rosa, absintlm.
peiro, amor perfeito, amendoa aj
ga, percicot deturin, botefin, moran-
gos. liman, caf, laranja, cidra, gin-
ga, canella, cravo, ortela, pimenta
e outres muitos de qualidades menos
superior que sero vendidos poi-
cos em relaro as suas qualida-
des.

Os propietarios afianram que estes gneros sao muito novos e ludo d>
de pnmeira qualidade, tudo ist se vende nicamente no armazem Unio e
Commercio na ra do Queimado n. 7, e largo do Carmo n. 9 armazem pro-
gressivo.
Qiuijos
do alemtejo, das Ibas e flamengos, todos chegados neste ultimo vapor, a
2,500 os flamengos e 800 ris a libra do alemtejo e das ilhas, unicamen- r
te no armazem Unio e Commercio, ra do Queimodo n. 7 e largo do Car- -J/pt
mo armazem progressivo.
GRANULOS e XAROPE
D'HYOROCOTYLE ASITICA
de J. LEPINE
Das experiencias feitas na India, e em
Franca, resulta que as affecces da pelle, e
todas as que resultam d'om vicio orgnico
sao promptamente curadas por este novo
medicamento. Segundo um relatorio feito
na academia imperial de medicina de Pars,
elle fni julgado util e eficaz nao .'tmente
as affecres leprosas e em algtmas outras
molestias da pelle rebeldes, mas tambem
as escrfulas t a syphilis. E enlim, al-
guns praticos distinctos, e especialmente os
Srs. Devergie, Cazenave e Hillairet, mdi-
cos do hospital de San Luiz, de Pars, af-
fectados ao trata me rito das molestias cu-
tneas, empregaram as preparsces d'Hy-
drocotyle com um notave! successo contra
os eczemas, o preriasis, o impetigo e as di-
versas variedades de dartros, contra as af-
fecces syphilecticas recentes ou antigs,
a lepra, as ulceras, escrofulosas e outras,
os rlieumatismos chroncos, ele.
Deposito geral em Paris: E. Wmnmn
& Labelonye, pharmaceuticos, ra Bourbon-
Villeneuve, 19.
Em Pernambuco deposito geral: na casa
de Caors A Barbosa, ra de Cruz n. 22.
i.nvas de pellica.
I Chegaram para a loja d"aguia branca, ra do
I Queimado n. 8.
AGENCIA
FUNDICAO DE LOW-MOGR.
Ra da Senzaila nova i. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos._________________
ridos americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston 4 C.
ra da Senzaila Nova n. 42.____________
Vende-se urna parte de urna casa terrea sita
na ra de Santa Thereza n. 10 : quem pretender,
dirija-se mesma para examinar, e a tratar na
Capunga Velha com a viuva do Sr. Joao Evange-
lista da Costa e Silva._______________________
Vende-se nm moleque de idade de 7 annos :
na ra Imperial n. 49.
ESCRAVOS rGIDOS.
SOO# de gratlflcacio.
Descppareceu desde o 1 de maiojde 13C3, do
poder de seu senhor o tenente-coronel Jos Vicen-
te de Medeiros proprietario do engenho Pradeba
na comarca do Penedo provincia das Alagoas, o
escravo Jeremas, de cr cabra, estatura alta, es-
padaudo, i esdentado de um lado mais quedeoutro,
muito pou:a barba, ps grandes e tem alguns tem
reos de carne sobre o peito, bom sapateiro e orne
na cidade do Recite urna irraaa cnoula de n-sae
Joaquina, liberta, para junto a qual dizem que su
evadir : quem o capturare entregar em Peruam-
bucoao Sr. Jos Augusto de Araujo (cidade do
Recite) em Macei ao Dr: Mariano Joaqun da
Silva, receber a quantia cima declarada.

^ \
4."
I
LISTA GERAL.
DOS PREMIOS DA ^. PARTE DA I. LOTERA, CONCEDIDA POR LE PROVINCIAL N. 330 DE 19 DE ABRIL DE 1854, A IGREJA MATRIZ DE S. JOS DO RECIFE, EXTRAIIIDA EM 3 DE FEVEREIRO DE 1864.
77:
i
.\s. UK.vb. Na i HFMS. XS. Pl IEMS. XS.
1 M na Rf 342 Si MI
.! 68 46 12
10 72 n lf.
11 N H 17
15 80 H Mf 22
n 8.- 83 28
ii __ 97 c.-; 37
M 99 6 43
27 201 68 44
31 __ 2 _ 80 IS
U i 84 47
H __ 12 88 . 49
18 __ M 89 52
OQ 17 m 400 M
tn 20 18 105 2 56
SI 20 Si 3 59
so 24 6 - 63
8 2--; 13 64
89 20 14 67
83 __ 30 __ 18 69
M __ n 17 74
'i ._ 43 a 20 75
77 M io v 21 84
n __ 46 22 m 85
u __ n 3005 30 u 87
? G __ 57 5 33 90
91 ^_ 59 ' 36 98
;.:i _. 60 __ 37 603
:;; mm. 67 __ 38 4
N _. o'.l _ 4o 14
M __ 70 __ 44 15
101 1 77 io 20
79 j1 28
n ^m 82 :.2 3u
ii t% 59 45
i:i _. 9:! 60 - 47
li N 61 51
ll> 9'j _ 64 52
l'l 91 _. 88 65
M 301. _ 68 1W 9
M 40,1 4 -_ 70 8# 71
gl 5^1 7 _ 72 7o
2< 12 81 l'i
28 lo _ 83 80
II 16 a> 84 10* 82
.19 __ 20 __ 83 5* 86
10 25 .^ 92 93
u __ 26 _ 96 N
48 __ 29 _ 99 98
W M 91 500 700
M __ .)! 3 1
:i:| _. 3.; 6 10* 3
41 7 3* 8
XS. PREMS. XS. PREMS. XS. PREMS. XS. PREMS. XS. PREMS. XS. PREMS. XS. PREMS. XS. PREMS. NS. RPE.MS. XS. PREMS. XS. PREMS XS. PREMS. XS. PREMS. XS. PREMS. XS. PREMS NS. PREMS. XS. PREMS.
709 55 879 55 1022 55 1204 35 1375 55 1510 55 1635 55 1787 5 1922 35 2107 55 2264 Bj 2406 BJ 8843 BJ 2705 55 2866 5J 3069 55 3028 55
13 81 26 9 78 --- 13 38 88 31 14 __ 65 / 49 7 74 73 30
17 N 105 28 13 80 --- 14 42 93 32 16 __ 66 11 50 18 86 74 34
18 88 55 88 16 81 18 48 '.'i 33 19 * --- 69 m 12 405 54 21 iO 76 u
24 87 32 21 SOI 83 __ 16 49 99 39 20 __ 70 5 1 16 5J 55 27 88 78 46
26 91 __ 53 27 55 88 --- 17 53 1805 40 23 __ 71 10 , 20 57 20? 28 2906 81 51
30 92 _ 54 36 - 87 _ 19 56 11 42 29 --- 72 8| 21 60 55 32 9 82 53
31 93 mmm 55 41 88 . 24 m 61 205 13 43 30 __ 76 25 - 67 37 19 _ 86 58
36 94 _ 56 - 42 89 _ 29 1005 63 55 16 18 89 105 81 __ 28 71 _ 44 24 92 62
40 98 _ 62 43 90 105 35 55 66 17 53 34 55 84 _ 29 74 _ 50 25 95 65
43 99 ^_ 63 45 92 35 38 67 20 62 35 88 n 32 77 -*- 51 36 97 66
44 913 __ 64 105 50 M 39 70 21 66 44 _ 89 __ 33 82 . 54 29 3100 mm 69
46 .15 _ 68 55 53 98 _ 41 71 23 67 47 _ 91 42 83 _ 56 31 2 _ 78
47 17 __ 73 60 99 _ 44 72 27 68 51 93 46 84 _ 58 34 3 80
49 _ 18 _ 77 63 1401 _L 18 74 29 72 205 35 96 _ 48 105 2602 ... 59 36 6 84
30 _ 21 _ 80 66 2 ^^ 47 __ 77 30 73 6005 56 __ 97 __ 18 3| 6 _ 62 45 8 87
53 105 22 _ 81 68 3 52 205 78 32 76 '5 60 99 50 9 _ 67 1:2005 48 13 92
58 8f 24 ... 87 75 8 _ 57 5f 81 38 77 61 2300 88 10 _ 73 35 49 25 90
59 27 ^^ 91 76 105 10 _ 38 82 .16 78 6 i 6 - 53 11 aai 74 53 26 3300
61 __ 32 96 78 55 11 405 61 M 84 37 85 69 7 57 12 _ 80 54 27 1 _
<;:i 41 _ 98 80 12 '5 64 aaa 92 38 91 74 12 60 13 105 83 405 58 29 4 ^^,
64 __ 42 _ 99 82 __ 15 63 ^_ 1700 39 98 75 17 61 14 55 86 55 61 32 --- 1 ___
78 _ 44 _ 1101 _ 84 16 _ 66 ^_ 2 42 99 82 20 69 15 87 65 37 7 .^
79 _ 45 __ 7 __ 86 17 __ 67 _ 3 50 105 2001 86 27 71 17 ^_ 92 66 39 8 _
81 ^_ 47 _ 8 _ 88 18 ^_ 68 _ 5 51 55 5 89 29 74 23 ^ 99 63 42 8 _
83 __ 52 __ 10 __ 89' 20 __ 69 __ 6 - 55 6 105 91 31 75 28 2800 205 72 43 --- 10 .^
83 __ 53 BB 12 --- 96 21 405 72 _ 9 57 10 55 93 32 79 30 __ 6 55 73 45 H 405
86 _ 60 ^_ 29 _ 1303 23 55 73 ^^ 19 __ 58 17 96 33 80 32 _ 7 75 59 16 55
91 ^. 62 _ 30 105 4 25 79 21 __ 64 22 105 99 36 81 105 38 __ 12 7i5 62 17
93 a 88 ^_ 31 55 o 26 105 80 - 24 M 66 23 55 2205 44 83 105 43 13 79 65 21 _
800 66 _ 33 9 28 55 82 _ 27 fH. 69 24 8 45 85 35 44 __ 14 80 69 22 __
3 ^, 67 . 86 14 31 83 _ 32 _ 70 32 10 46 105 86 47 M 15 98 71 26 _
7 5:0005 68 __ 36 17 405 32 __ 84 __ 34 72 40 18 48 35 87 49 _ 22 3002 205 72 27
8 5 73 __ 37 18 205 37 __ 85 _ 35 105 75 42 19 56 91 52 _ 23 3 55 73 28
12 75 _ 41 20 55 38 aaa 91 __ 36 35 76 46 20 59 93 "~ 57 _ 29 7 82 29
14 . i 76 105 45 105 24 39 aaa 92 ^_ 37 79 47 21 61 - 95 61 M 32 9 _ 84 38
20 ^_ 78 55 47 55 29 43 93 __ 39 83 _ 53 22 66 98 65 _ 33 105 a 85 39
21 81 55 31 50 M 97 _. 41 8i 58 23 69 2501 67 36 55 15 90 42
29 > 83 ^ 57 205 36 52 ^_ 99 ^ 43 85 __ 61 26 73 3 __ 98 38 81 93 44
32 89 58 35 44 55 _ 1600 _ 48 87 64 27 74 8 __ 70 39 2>5 98 45
41 p. 90 __ 59 45 60 _ 1 56 88 205 63 30 76 9 __ 73 44 31 3200 47
42 a 91 105 63 46 61 aaa 3 62 96 55 68 31 77 10 _ 74 46 33 3 49
44 93 55 65 47 68 4 67 1900 71 33 78 12 75 50 35 4 52
45 __ 94 7 48 75 __ 5 _ 69 1 73 36 80 13 _ 79 51 1 1 39 6 56
54 am 95 M 69 52 76 ... 6 Mi 70 6 77 37 81 19 _ 80 1005 52 45 9 --- 61
57 a 99 --- 72 54 78 --- 12 --- 72 9 81 u 83 23 83 55 55 14 10 62
58 _ 1003 K* 75 58 85 aaa 14 --- 73 12 87 47 105 91 105 29 89 36 5 13 76
64 nai 4 Sf 76 62 93 16 --- 74 13 94 48 105 93 55 31 91 58 53 14 78
69 __ C 86 tt 98 20 --- 75 13 95 1005 51 55 94 32 93 61 53 15 81
71 m 7 88 66 1504 aaa 21 79 16 2101 55 88 - 95 34 94 63 64 16 90
76 aaa 11 91 70 8 __ 30 82 18 4 60 97 39 2700 94 66 19 --- 96
77 a^i 20 93 71 8 __ 31 --- 86 20 6 62 2405 40 4 63 7 23 97
78 21 1201 72
0 mcttJo, SenrUmo Jost' de Moura.
Pern.Typ. de M. F. de Faria & Filho.1864.

DU.


Diario le Ptroamhnco Qunia felra i l F*19-tr de I *>-_.
/
f
LITTERTMRA.
OQUE VE PELO MUNDO.
'.-. tradujimos o segu nt a
pelo awnmpto
lifTKi de sel I do :
, i) : liin muilc mal a
i mnl-
i ii al d
. cjm i anda nao dcscobriram

entrar om seus dominios, ou que
era sua sitoar-ao adquirida pelas
-tas ilua- ciencias ja lera p sto ei i
i.! | or desacreditar a sna ai -
iiridac'c. Has assim con i wlade que nenhnia
'uve, neahiimgowrno teve anda quearrepe-
de le procurado conformar o seuesta.li
legal ais principios J raooobecid -i laeconomi'
poliiir;., as&un tambera n3a lia di i em que a meter-
gia, vinda denote, nao ado j mcio de prealar
rvicfs eminentemente olis qnr aos ouiros ri-
is positivos interes-
an. A eleelricidade, o magnitisnn
I ir '.-tro. o ronhecimenlo gcral do mundo, no si n-
tido mais lato da palavrn, dcvem j muito ao- Ira-
as dos ii eteorologistas a navegacao e o? inte-
resses qne ella representa c as centenas de milha-
M d' bonicos que ella emprega, nao Ib. deveni
menos
U; Auii.-.'iea'DasrqttMLiera oceupado da me-
i orolo.jia ha muito mais tempo o com mais segi-
ineulo do que se tem feto na Europa, forara es
iriiiieiros a tirar dslla uro grande partido debaixo
do ponto de vista pratiro. Para reconhecer as en-
adas que a naiureza tragn MI mares o que per
tanto lempo lieiram ignoradas, para tornar mais
lapida e mais segura a marcha desses navios que
transportan! tantos milhares de homens e de rique-
zas, a meteorologa tem contribuido,n'uma propoi-
c,o consideravel, para os progressos que os nave-
Hadaros e os sabios americanos tem imprimido
ueste ramo la actividade humana. Sem a moloc-
rulogM, sem os seus observatorios, sem os seus
trabalnos, toria sido possivcl ao tenente Maury n-
ligfr cssas .iailing Dtreelions, esse guia dos mares
que se torne u rlassico para todos os martimos, e
esse livro tao original e tao instructivo que ele
intituiou Thi Geornraphy of thc fea, a geographa
do mar, que tantas vezes sentimos nao ver tradu-
cido em fraccez, quando qnasi si nopassadia
que nes nao revelle o recurso esse livro, para
nao di.ier os plagiaras, por meio dos quaes tantas
roputaedes procuram fundarse sua cusa? Sen
a meteorologa e o que ella j tem cnsiuaiio, poda-
ra nunca o lente Maury prestar o servco que
eeMa da prestou, quando, sendo empregado eo
observatorio deWasbinglon, foi nsultado pelogo-
verno sobre a sortc possivcl de dous navics que li-
nham partido earregados de tropas para aCaliforni i,
e que os re).dorios de mar annuncavam torera sido
descobertos no meo de um teirivel p de vento,
desmaslrea. os, fazendo signaes de afflicrao se n
que ti'osse sido possivcl ir em seu soccerro? Es-
tudando os iliversos diarios de bordo que llie foran
euniuijnicados ea manera como o furacao se tiulia
conducido, e tsente Maury redigiu para dous bar-
co;, dt vapor xpedidos a toda a pressa algum.is
iiistrucces, que fixavam em quatrocentas ou qui-.
iihentis legaas ao largo o ponto onde havia probi-
uidale de encontrar aquelles navios se nao lives-
semsiccunli.do tcnipestede; e cffertivamcrle
encontraram-nos no ponto indinado, quasi no rro-
uiento era que ostavam para sossobrar, arremes; a-
dos pelo furaeiio fra de Iodos os rumos que seg le
a navegacao, quasi sem eeperaea. Algurnas horas
mais, eos mil homens que forain felizmente salios
deafpparecerlam para sempre. Da mesraa sorle,
ueste golph) du Mxico, onde os ventos de norte
tantas veze.- causam crueis slnislros, qnanlosra-
ri *, qjatitos homens tem sido salvos p.?los utus
avisos que o tclegrapho electrice, correntio ecu
mais veloci lado que a propria tempestade, ia levar
No'-a-Orl. ans, i Mobile e a mitras partes, por ur-
dan dos observatorios meteorolgicos de NOVB-Yo i
ou de Boston
Na Eu-o,ia, deixamo-nos preceder pelos Esta-
dos-lindos para a organisaro de semelhanes
servidos. Assim deva acontecer. No estado actual
da aciencia, nao se sabe anda tirar nm verdadeiro
partido de toas indicaeoes senao rom a condiao
da podar e lende-las a vastos espacos, oque se
redur. a dizer que para seguir fructuosamente os
estadba Deteorotogieo era primeiro uocessario
luiiseguir que diversos governos, diversas nacio-
nalidades, diversas adrainistraodes iodapendeolea
uinaii das outras. so entendessem entre s para >la-
i ni ao trabalho commum a sua unidade e o iu
rafa*. Hoje este delicado problema est resolvido,
t rom o poder que sabemos dar a masas instiiui-
edea scienlifieas o administrativas, devenios espe ar
i|ae nao s nos collocaremos par dos Estados-
resulton a eslabUidade dos Imperios a florescencia
vatorios esto agora ugadM entre al e em coinnurai
j caedes repetidas todos os dias, de modo que nesta c engrandeciinento das n
! vasta extensio de costas aio pdoj sobrevlruaaa
s iieriurbarV atmospherma que nao seja no me*-
; mo instante sabida de urna a outra ovlrcmidade
! do continente. E' ndnbitavel que esta riqueza de
Jes nao lardar a produzir uteis descober-
las para a sciencia pura, mas j degrande bene-
ficio para a nnumeravci popnlacSo de pescadores e
de inaiinlii'iros. que cirrulan as costas deste
vasto liitoral. c s islo bastante para a tornar
preei
Quando o mundo parece marchar para um abys-
mo, quando a pavolueio, como um incendio, pro-
cura envi'lver ludo em suas chammas. sem exeep-
Ahuinaiiidadefonnou enUO um SO povo, OS DO- mar os proprios thronos, quom dir que no re-
vu- unta su naeo, as naedes ama .-o faraUia, as fa. cinto dos claustros se esteja machinando esses
iiulias um s corpo, cuja"caneca era o veterano de l'laHos inguinarios, que >o pdem convir um
i, ,.. i f ,. i i._--i v i genio verdadoiramenie ;arilinblino? Deixemns os
Roma,ochefev,8,veldaegreja. Nesses bellos tem- ,|lU.. ,,lM1 pll,s nos8remonlamos iSpFmeiras
pos de trinmphos e conquista- para f, a despeito edadesdomundo : por que se no seto da primeira
raesmo do imperio sanguinario ib N.-ims o II-o- familia houve um tlaim ; no i lojUsloNo
rlecii.....-; nessesdia soffier, do un, lu- "'" ':i,am ; entre os filhos do primeiro rei, se-
._. piindo o coraran di- IKmk Imuvo um Ammon in-
lai --uav''r de i ;'" ""l"lldas masmpr- caS|U090 e llm A|,.,|,m Tl.MU:. prilIM,ira C0III.
ras, d ampnitheatros, as catacumbas tue munhad catbolica um Judas: que muitoqae
lempl ... que pasmosa resignaelo, ",, o qoe Adeudado, que obediencia v. foi jostamtnte lA%'ffi!&
desse contraste de ideas e pensamentos, dessa bita do no lamaral dos prostbulos Trate-sede extir-
Iravada entre a verdade e o erro, entre a razio e a par os errtts que os corypheos daimpiedade es-
lia muito mais lonipe doquernlre nos. conde, por
i n da cosa lem lido mais occa-
sioes de confiar nossiguaes que o Ilustre almran-' f.desse choque elctrico prodosidO pela ignorancia
le Filzroj faz levantar todos os dias em grande c orgulho de uns, e pela sabedoria e huroildade do
numero de portes para indicar a todos as apparen-' ontros, quesahiu a luz da verdade que illuminou
cias do tempo, quantos homens foram arrancados o mundo inteiro.
miar-so, toWou-a por modelo e copiou-ll,e as pala^ dbnda para chorar dosrmodo I O dinheiro ha de
as phrases os modos easld Parecen-lhe, apparocer Oh 1 nois eu nao o hei <- arranrtl
pois auepara, fazer boa figura nesse apetecido dando dVsubio um gX: J
Edn devu aliar, pensar e obrar como fallara, E eu scm me tembrar! t'nde linha eu a ca-
pensava e obrava a ara. de Vitieaux. Oppor-se i,.,,,. ... (neilia ("tP ,i h,,,. ip-
aos usos admitiidos nos mais elegantes aaWes de veo i, h a r'..nbert etiuheiro e te
Pars tora descer ao nivel da mais rels bnrjue-1 Km' fo^ ^ fa|,
ta po. e.m-e ,,,,,1,-m, iralou de dobrar o esmrit* uin costiimava guardar o sru di-
a roodu, adoptando linguagnm sarcastica, leviana n nual havia mettidoa somma n.irJ
dcoraaraesraafacili1adocoraquehavaaa ?iarS\\^JJSJ
tado as mangas largas e a rlnobne da ,,nil,:sa,|. ,,,, a9 rm,|,cra illrt00.|jJM
aomandoa seenaido baile, portaLpin- a|gumas pecas de ouro parajusur os irinta mil
francos, e, entregando tildo a Mimi-Sol.il.
Cont
tpu-a a sen modo, isto representando o Si-, de
Courlalin man brancq do que a nev e iransfr-
datnd i o gerfero em animal feroz c damninho.
prestes a m n ; e des le bera.
Em toda esta historia s um ponto vm S rbier
mui claro : era o risco em que eslava a sua cruz
de honra, se .Mauricio se ndispozesse como amigo
de qnem elle a esperava.
o Sr. de Courtalin tambera nao eslava mui soco-
gado acerca do resultado que poda causar a un-
a pongos nfallveis durante os ultimes furacoes
que -t manifestaran) nos mares da Europa? E
quanto raaisoservieo se estender, tanto maores
i os beneficios que a sciencia o a himandade
d'ali bao de tirar.
O progreso.
(Conchudo),
ll
Bera difterente desse genio que traz a ferocida-
de no semblante, a indignaejo caractersada n'uns
olhos do fogo, a ra va nosses labios palpitantes, a
valenta n'um vulto gigantesco, e o furor em um
gladiu mmenso que lhe pesa ao cinto, ve-la-heis
Inclyla filha de Sa> trajando a candida rou-
pagem da innocencia, com a fronte insembrada de
louros, bella, meiga, compassiva. deixando enlre-
palham por toda aparte, mas nao se pretenda re
m liar o mal com o mal. destruir o rrro rom o
erro, e para c mseguir-se nm Um duvidoso nao se
empregnem meios qoe se oppdem aos principios; prudencia que eommetten e, para se desengaar
da lgica e do bora senso-como os selvagens de apresentoase em casa de Sotbier. o molo porque
Ulisiaoa qoe 'para colherem o ceocortavam a mi reeebido tranqoillisou-o completamente. Palla-
palmeira pela raiz. (3i ram-lho, gracejando, do incidente que Uvera lugar
no baile, e Isidoro Sorbier disse-lhe r|uu eslava
I meio res dvido a unir o seu nome eos seus- capi-
. '"' taes ao dos emprezaros das minas de chumbo, e
sempr e s mpre para razer frucuflcar esse don marcou da e hora an ,|,,pu,ado para n-atarem dc-
precioso, que -ii.. m-.-b.-u.v penhor sagrado das |inilameilU. dosi i negocia A esta pr i rosnen-
a lavoura, a industria, o commercm. a nave, maos do mesmo Dous ele deve aspirar ao inaior ,,,, S|, ,,,. 0,ul-ta|in com oulr; as>Cverando ao
O genero humano unido por um so laco, estrei-
tado pela vinculo da fraternidade e do amor c le-
vado pelo salutar idea de bem o do inters!
mu hasteou a bandeira da civilisa^l
Eslreilarain-se as relafes, cullivaram-.-e as lel-
Iras
Voltando porta ao assumpto digamos de nina
voz, se nos licito, queohomem deve tral.al
-------,---------- i r ----- i ul-u ws... '"^ ..n. itfiu nuil ou.it), assu... .inou av
gaeo, tudo tomou um ailmiiavel incremento. Ter- '*? U(-, I"'1' V".":, compalive rom o principio in- seu amig0 (|U mllS|r0 oilava inclinado a conce-
"* I.' l liTt'llIi 1 llllr.t am virtu.ln ,1., .no! .,11.. iiIiok .. _.
ra- a onto desconheeidas foram porscrutadas, e gpft Se'^ busca ^SA^ASt
os proprtos mares virara com espanto rasgadas as divina no ergastulo do corito, a alma humana
suas eiiiranbaspela intrepidez dos nautas. susceptivel do deaenvolvimonlo mais elevado, de
n .-. .-. .- >..j. ^i. m....n i i aspiraces as mais sublimes ; semelhanca e ima-
Ospaizes ale cntao acercados pela mu. alba da bar. tr,'m ;. |,lls ,.M, ,-. ,m,Uhll ,. Ullla- rorca in.
bariaabnrain as suas portas,o franquearam os seus visivel que adirlge para elle : Dous a perfeio
man-- a livre navegacao da Europa civilisada. En. absoluta, ella deve sor a pcrfeieo relativa. Has
curtaram-se as distancias, facilitaram-sc os meios como poder o hornera tornar elTeclivo cssa tem
de communica,o ^vo,. jomaran, asseato na ^TtS^SSOS^S&
tribuna universal, e ah foram discutidas todas as riedade ?
qnestdes, resolvidos os probTelfias, cDla sokicao era ... ____
,. ... ., ,". i Antes de ludo cuiniir.> ostal.il.'.or. que em ma-
uma ch.mera aos olhos da antiguidade. Dalo es-.-s lena de dever, a le deve ser collocada em prh
ver, atravez de um semblante jovial, urna dorura admiraveis inventos, cssas maravilhas dos genios, meiro lugar : a razo pouco lem a fazer, quando
indisivcl, urna bond.ide sem limites no momento eSse progresso espacioso em todos os ramos da vi- se trata de verdades previamente estabeloeidas,
faustoso em que dovia despertar o mundo do le- ,
(hargo a que eslava condemnado.
Patarras i.o outras desse brado fermto das
ta
ou que seacham boui definidas por um principio
de legislaeo eterna e invanavel. A palavra de
\olveram-se os seculos, c as geracoes viram tro- i)tlls> orculo supremo da verdad.-, o tliermo-
carem-se os mythos cas divindades, que afinaram metro das nossas acres. onhxrot de todas as
conqnislas, parases lio arrebatadoras, olhar tao as l\ras dos Horneros e dos Horacios, pelas subli- intelbgencias. Desconhecer Olvidar aquilloque
suave, semblante to enternecedor, nao iiodiam ler mes verdades do Homem-Dcus ; os praseres do ha de ,na,s "*" c "1,l'rl-,"; l,:,r;' ,'1"'' moraL
em vista fazer rojar o sangue, era juncar os cam-' vinho e da boa mesa pela austeridade dos cenobi-! A razio est circumscripta dentro de certos
pos de cadveres. A persuasao, o amor e a carida-' tas, e a soberba estatua do Jpiter tonante pelos limites, donde nao poder jamis alTastar-se sem
de eis a sua divisa. vulto- mascilentos dos ascticos. Que contraste ? dar um p*sso para abvsmo-
Ella talln, e a sua voz reperculiu longe, bem que "elhamorphnse ? I I I Eleve-se o hornera pela razao, mas humilhe-se
longe, em todas as regios do globo. O Persa, o E oraundo segua, e o homem collocado na van- pnmeiramente peta te.
guarda da rivlisarao pareca ler no livro do fulu-' A f a s garanta que elle pode deparar no
ro emmfi.' I a gloria minha.... Falalidade !' naufragio da vida, o sen salvo-conduclo na pergr-
0 genio do seplcsmo tocou-lhe com m5o gelada nariio do, m,,n1do- na ransico da exstenca arlua I
. ... .... para a eternidade futura. Elle vive da fe, porque
a fronte altiva, e elle desmaiou palhdo e convulso ,,ara eHe crcr (. viver E- esta a verdadeira vida,
enlre os bracos impuros da descrenra. Foi no cujos sao alimentos as doutrinas e a ortica do
.secuto XV11I, nesse seculo de subversito, que o ph- bem. E poisabi se resume toda a sua gloria, ah
I losophismo apoiado no poder dos sceplros levantou. seu aPanaB10-
se andar contra todas as instituiedes, e qual anjode A sciencia da religio, sciencia tanto mais su-
blime, quanlo se dirige ao nosso aperfeiroameoto
1 moral, nos ensina desconfiar das nossas naves
rabe, o Etiope, o Ctunez, o Europcu, emfim, to-
dos acordaram, eos olhos entr'abertos de longo e
pesado dormir, mal podiain divisar o orgao da ce-
leste mensagem.
Ser um sonho ? urna illusao ? Todos duvida-
ram. Pobres de espirito.
Nio comprehendiaia o alcance de to sublime
lhe :
Ah tem' v.nno-, depressa quanto mais
chogaf mais affliccdes poonar ao pobre
Lamber!.
A rapariga ria cchorava ao raesmo'tempo.
Saltn ao pescoco de Mauricio e abracou-o sem
poder fallar, o de repeute, levando a mao u algi-
lieira, exclamou :
D la por onde dr, mas eu vou entrar em
um catoche I...Como elle vae lic.tr contente "...
E sahiu ligeira como urna corra.
Ah Idiese Mauricio com o coraeo repleto
de prazer o primeiro da de felieidade que te-
nbo tido muta olDcina !
Trabalhava com incrivol ardor, quande; entrn
Sophia, que desejava eslrear um oeup novo, cu-
ja forma e cores aaviam sido indicadas pela Sra.
de ViHeaux.
mandato; nao saldara quo urna nova era se abria cxlcrmini0 parccia auerer ludo uestruir.
para ellas, c que deviam represenur um novo pa- Todos sabeill muito bem que ^^ chegou a
pe na scena universal.
ua perieirao. se sem possuir-se ue um santo Horror, que scenas uuuk, m.us jugusi.i, e ao incsimi lemiio nidia
s desannareceram a^' lutuosas (torga repetir) nao presenciou o solofran-' Mommodada intelligoncia vulgar ? Que a outra
i, uesappartctiain as i v v / f nos pode offererer mais solidas garantas em rela-
ss das cruzes se humi- cez ? l-oi nessa poca que em urna sessao de um ^ a0 mi0 uUimo ,in ? Entreunto urna com-
obedecer a voz do Eterno.
O iramenso colosso, cujo poder nao conhecia ou-
gacSes intellecluaes, das luzes da propria razo.
vertigem e o delirio dos homens assm confiados e a amoldar o nosso progresso as sciencias pro-
E o christianismo saudou os poros como aquel- as nicas luzes de sua propria razao. Nesses dias fanas pelos principios inimulaveis da lei natural e
le que devia ergue-los do p. arranca-Ios da tor- nefasitos, de tristes e lamenlaveis oceurrencias, de; u'vin;'-
peza, do marasmo, e das Irevas para guia-los quo o verdadeiro crente nunca deveria recordar- j E haver ahi por ventura urna sciencia mais su-
luz da verdade, ao carainho da pcrfeieo. | se sem possuir-se de um santo horror, que scenas' hume, mais augusta, e ao raesmo tempo mais
Eminudeceram os orculos,
figura-, e as frontes coroada
Iharain ame as maravilhas do Senlior : forra era 'nsituito clevaram-se gritos e vociferar-es quando pela aberrara.)! -O seculo XVliltemlrilliado urna
Hernardin de Saint Pierre pronuncias1 a o nome de senda maravilhosa, mas pouco hsongoira aos intc-
L), us, esse nome, que o grande Xevloo se compra-! r,?ssc,s ogreja; e grandes genios a quem por
... ,, direilo caba a importante tarefa da regeneracao
sia de pronunciar, inclinando a caneca (i,; social, se tem collocado em urna attitude inteira-
tros limites a nao ser o seu proprio querer, cahiu Quem o diria ? I Entretanto Voltaire, Montesquieu. j mente hostil.
ao leve sopro d'Aquello, a quem obedecem os elej e Rousseau tinham a palavra ntreos applausos da Em gcral a sociedade j parece repellir quaes-
memos, e cujo acene. tremem as potestades do populara. Ellos se ufanavara de eslrear urna nova! (lu.i:r '*?" que nao estojara consagradas nos pre-
..__. ... r *, ,. ... ccitos doutrinacs dos corvpheus modernos.
ab>smo ; e sobre as suas ruinas cresceu frondosa ordem de colisas, de i .-alisar erafim o grande desr q Brasil, esse vergel americano, onde vicejam os
e florescente a mysteriosa arvorc, cuja sombra de- deratum a reforma. A patria dos Fenelon, dos talentos, j nao mudo espectador no grande par-
va abrigar milhes e milhoes de homens, cujas rais Bossuct e dos Hacine tornou-se um vasco cemiterio.' lamento social: elle j emitte sua opiniao, discute
zes penetraran, at as profundezas da torra, cujo-1 .onde, no dizer de um grande pensador (i, forara ^ f gj SSHti&SSgSi
ramos se estenderiam por todo o mundo, cujo c.mo engolldas duas geracoes, onde as ridades naoeram- ura rjngir-se ao grande painel do mundo Ilustra-
I Ani i*i i ri\L tocara a celeste abobada.
Mudou-se a face da trra, c a oiviliaacio de en-
volta com as doutrinas invadi a sociedade j qua-
si reduzida ao ultimo aniqulamento moral, e um
completo naufragio de coslumes. A accao civilisa-
dora das doutrinas catholicas banio a ferocidado e
a barbaria, moderou os ostiimos, illustrou a ra-
zo. e o selvagem surdindo do corceo das raonla-
nhas veto por sua vez receber o obulo que lhe per-
'encia na dispensar., de tao ricos thesouros.
E gracas esse benefi -o influxo, que pasmosa
mudanca senooperou? I (Mais prodigioso que a
Ijra do fabuloso Orpheu", na phrase de immorla1
marquez de Santa Cruz, o christianismo que em
senao ruinas fumegantes e moni oes de cinzas.as es-' do. Elle tem j brotado do seu seio fecundo lias-
colas desertas e sem mestres, e sobre tudo as pro-' t-ntes intelbgencias, quem a Kurrpa tem rendido
nriedades invadidas e deslocadas. suas homenagens: mas, gracas ao espirito emi-
pri-daue. invaaiuas e uestocaaas. nenlemento religioso que cara.terisa e povo brasi-
Foi urna orgia insana, una embriaguez do pen- leiro-inda "fl ,cnM J* la,.,,en.la- f^ P*"*8
...... j : negra?, donde resumbra a impiedado na lingua-
samento, um delirio da razao. Tocados a este ex- _,_, hiriferinn de pr|1(llMjnn. sc algurnas theorias
'remo de desespero forra era reconhecer, qoe a re- j mais ou menos eivadas de erro sao propaladas mais
ligiao a pedra angular do edificio social. A Pro-: livremenle. i-to nao senao o effeito de nina inlel-
videncia havia suscitado um grande hornera era o l_encia escandecida do algiim mofo inconsidora-
.,,,.. ., do. o que-alias bem se pode explicar. O Brasil
genio das balalhas, o semideos do mundo. Appa. pois empnnhar o lbaro So progresso, e eonqnis-
recou a reacoio das ideas religiosas. Napoleao re-' tara um lugar no catalago das na.-es civilisa-
habilitou o culto. |das. Pos-a elle nessa briosa empieza .pie lhe afer-
III vora o^raimo conservar-sc ao abrigo do habito im-
. I puro da descrenca, robustecer a sua l, harmoni-
Quando se ha estudado a marcha dos acontec- sar as suas sciencias e a sua illustraco com as
mcHtos e seguido passo passo o moviraento in- leis supremas da moral, alim de que veja reali-a-
dcr-lhe a cruz de honra, e terminou dizendo :
Elleamanha d reuniao e eu quero apre-
senlar-lhe o mou charo amigo.
O enraco do velho palpilou de prazer, mas an-
da assim, na resposia de agradecimento, l se de-
nunciou a alma interesseira do coornicreiante.
Est muito bem rdisse elle -para que posaa-
mos tratar como ignaes, assignarei a escriplurade
seu socio no mesmo da em que tornos collegas
na ordem da I.ego de Hoinyi.
O Sr. de Courlalin, conhecedor do terreno que
pisava, quiz moslrar-se verdal leiro amigo, e aun
djsse, .pie tendo o governo de mandar fazer pin
tuca- nao sei em que palacio, elle se havia empe-
nhado pelo Sr. do Treuil e obtivera que lhe con-
eedessem a exooucio dos qnadros de urna gale-
ra, oque pedera dar-lhe cousa de trmta mil
franeos.
Pode ganbar trila mil franco; ?pergun
tou Sorbier. espantado.
Sm. se elle aceitar.
Oh se aceita !exclamou Isidoro com
geni I de quem nao pede coueeber que baja quem
recuse ganbar lio grande somma.
t.li tgada a hora de jantar, olboii Sorbier para o
genro rom olhos astutos, dizendo-lhe :
Que responderla o Sr. mjm genio, se lhe an-
nunciassem que o ministro cargo de quem estao
as obras de arte lhe d a pintar urna galera em
pm dos palacios?
I magalera a mira?-exclamou Mauricio
cora olhos a transbordar de enlhusiasrao.
A si sim '..., V. sabe a qnem deve tao alto fa-
vor, Sr. zeloso ?ac escenlou a sograao Sr.de
Courlalin. que veo aqu em pessoa esla manhaa
trazer-nos esta boa nova.
Querain agradecer-lhe da minha parte, res-
pondeu Mauricio, porm nao aceito.
Se um raio calnsse junto dos dous esposos, nao
os deixava mais a-sombrados, l'm delles deu alio
pulo na cadeira, outro poz os olhos no tecto,
pasmados e cheios de conslernacao. Ficaram mu-
dos por minutos, depois proromperam n urna tenr
pestade do pergunlas e aduioestacoes.
Porque que elle nao aceitava urna (orluna
daquellas ? Nao eram, por cerlo, as oceupacoes
quelh'o vedavam.'oude lhe provinl.a tao aeset-
bida susccptihilidade ?... Oh t elle de certo havia
de considerar nielhor e agradecer, como lhe cum-
pria, a benevolencia de um amigo que provava
querer obsequa-lo quanlo poda o a toda a fami-
lia. As observaces rruiavam-se urnas com ou-
tras sem darem lempo a resposias nem a replicas.
Manrcio aproveilOO-se da primeira pausa para
pergunlar :
Ento devras nao comprehendem os moti-
vos que tenho para recusar ?
N... res|Minderara hs dous a um tempo.
Nesse raso, escusadas sao mais palavras.
Acabado o jantar. levantou-se Mauricio e reti-
rou-se para a sua eutema. .
A familia toiaccordeem o declarar louco. v.
orgulho, dira um. E' preguica, dza outro. So|*ia
era a nica que advinhava a causa da recusa do
marido; mas, em lugas de-o desculpar, aceusa-
va-o l comsigo. Nao era demasiada austeri.iaue
l>or urna mera galantera admittida na boa socie-
dade ? Querena o marido-que ella vivesse na ca
pilal do mundo civilisado como religiosa austera
no ilescrlo da Thebaida .
Mauricio entrou na officina com O coracao coc
Iristado. ..
Oh que gente aquella murmurou elle.
Kstaria atli ha cinco minutos, e anda nial acur
mado d eraogo que sentir, quando O entrar
Minii-Soleil. ,.
Ah gracas a Deus que o encontr uisoe
ella.
Mimi-Soleil, de ordinario lo aleare, tinha
Parece-me que est muito alegrelhe di-se
ella.
K na verdade que esion I ...Acabo de livrar
um amigo de urna grande afJlicco, grabas a si,
minha 9ophia...Aquelles trinta mil francos, que
son padrinho me entregoo ha dias, emprestei-os.
Foi a nica respo.-la de Sophia; mas pronun-
ciou-a de modo tao singular, quo nao oscapou ao
marido.
Ento Isto desgosta-a ?
A mim nao...mas meu pac pode pedir-Ib.-
eontai deste dinheiro.
N.'iii disso mais se lembra; o dinheiro nao
dello K, demais, e.-.-a c.nisideraQo deveria fa-
zer com que eu nao acudiese a um amigo ?...A
minha Sophia de cerlo approva o que fiz, porqu.-
no mou lugar tambera faria o mesmo.
Sem duvida. Mas o nielhor nao dizermo-
nada... Se fosse s comigo, tudo eslava muito
bem, mas com meu pao...
Foi interrumpida pelo rodar do coup, que en-
tra va no pat.- j. Sophia correu a urna das janel-
las pira o ver.
Como lindo!disse ella.Quo prazer nao
tenlic em estn-a-lo por um dia de sol como este !...
Quer vir comigo ?
Vamos sos *
Ssinbos.
Eutao com muito gosto*. China que qoeira
ir, cont comido.
Havia grande concurrencia nos Campos Ely-
sios : todos os conhecidos de Sophia acharara que
O coup era de muito bom gosto. Os trinta mil
francos de Closseau du Tailli es ( passeio durou at noute.
O Sr. de Courlalin encontrn no salao do opera,
nessa mesma neute, Guilherme de Marvejols. que
andava passeiando com ares de importancia. Ojo-
ven petimetre deu o braco ao Reputado.
Estou nos meus dias fehzesdisse elle.A
senhora de Vitteaux est c e despediu-me ha
pouco do camarote com modos rao familiares, qne
asss rae provan que nao lhe sou indifferenle. E
o meu amigo como vae com os seus negocios ? Em
que lem e.-sa campan ha, de que ha lempos ra
falln, em que (mancas e amor tinham egu.e i
parles ?
Oh I a esse respeilo ha mtiilo que contar.
Pelo lado da dama- tudo vae bem.
-J?
Devagar I Nao-d s minhan palavras unv
sentido mais lato do que o que ella teem I... Son-
muilo bem acolhido na casa, a qualrpier hora que
me aprsente. Tanto a mae como a lilha nao veem-
sena pelos meus olhos ; approvam o que appro-
vo, condemnam o que condemno. Nenhuma aellas
ousa enfiar um vestido scm pedir antes a minha-
opin o. Especialmente a me, lem por mim ceguei-
ra tal, que me concede infallibilidadeohre todos
os pontos. Ora, j v, meu charo, que a Sra. do
Treuil urna praca que tem por cidadella a Sra,
Sorbier.
Muito bem f O-meu amigo poz- cerco cida-
della.
Eu apenas tinha um inimigo efenlro da pra
ca i era o Sr. du T.'iilh ; mas, per urna causa que
ou i.-noro, j o nao posso contar como tal. l) Se.
Mauricio de Treuil, esse faz-me a honra de ter
zelos de mim. E muito capaz de levar as coi:
ao extremo, bateno-se comigo, se me eu presta--.-
i asna sua mana, mas en j nao son tao enano.-,
que lhe levante a luva. Ora o papel que elle tomou
dados c grandezas, de glorias e triumphos, qne
s. j.im a express.i d.-slas sublimes palavras U ' verdade, e riilude. ( i)
ultima analvse a mesma caridade, proclaraou a certo e varia vel da sociedade, nao ha de mister 'das as suas mais gratas e.-perancas, c soja a sua
diguidade do homem, rehabilitou a influencia social longos raciocinios para chegar-se a urna conclu- ,:
da mulher aviliada e escravisada pelos poetas e pe- sao que nos d urna idea mais ou menos exacta do
ios proprios pbilosophos.e entoou hymnos de amor, que ohoniem considerado em suas relacoes, o
cnticos de alegra e religioso cnthusiasmo perante no seu desenvolvimento moral e intellectual.
os alteres ergeidos sobre as ruinas do pagodes. Dolado de iulellgencia e liberdade elle cstorca-
Aa grandezas e maravilhas de Jeovalh succederam se para MapUar a esphera dos seus conhecmen-
as virtudes e os milagres do Messias. A sociedade los, c elevar-se toda altura de sua dgndade. O
como ura phantasun lvido e esgroviuhado levan seu pcnsaincnto como o vo altanciro da ave, nao
lou-se sacudindo as vestes torpemente pollmdas no se satisfaz em torno das realidades qun o acer-
lupanar dos vicios e da idolatra : ella passou da cam. e transpondo os seus limites eleva-se do visi-
vida ephemera [.ara a vida da realidade ; um cam- vol ao invisivel, do finito ao iulinilo, do temporal
Lindos, mis at que dentro em pouco lhe passare- ponais vasto seabriuaos seus olhos,uma arena mais ao eterno. Ahi perdido, como um alomo, na am- porque, longe de lhe agrailen-rem a generosidade
.uusadiano. O servico meteorolgico est ag ra | Ilustrada, ondeos combatentes tinham de lutar com plido doespaeo, mil vezes naufraga nuin mar SjJ^^0*^^^J^n|So^inii
Jos Leandro Mohn- Soauhs.
lliiiiriiiu de Treuil.
TKIICKII1A l'AIITK
XI
Mauren., cuino dissemos, por motivos de delica-
deza, nio quiz ler o que o Sr. de Courtabn havia
OSCriptO no loque de sua niulher. e nao fea bem.
tao as feicestranstornadnspela alllicco eos olhos ut. lelosoha de levado a fazer loucuras, e, quando
arrasados de lacrimas. v'r atacado por todos os lados, comprometter-se-
Mniircio pegou-lhe nanio, exclamando : lia com sua nanlber, exigindo dalla coneoseots, s
*- Oh I meo Deus I que o que tem quaaa so oppori a. sogra. O pouco crdito qoe
__ Urna grande desgrasa !... Has lalves nos ps- ninfa tem esgotar-se-ha noste ultimo esforco. Era-
sa valor... Lamberl est perdido... qua rte durar esta-.lta, j comerada, desappareeo
__ _ambortf .cu da scena. mas. ao lindar o ultimo acto, appare-
lt. ni sai..-o nosso viver.... Conheofl perfoito.- copara fechar o-drama.
mente Bidois, aquello honrado mojo que lauta- ve
Culis i do
Ohl mas
urganisadii conectivamente cm toda a pa-te da u- asarmas da razo esclarecida pela luz do Evangelbo- de illusess.. U'ahi essa iminensidade de syste- eentissimas, eaSra. Sorbier narrava esse mei
ropa que faz face ao mar do Norte ou io Allanli-' onde banida* as theorias do philosophismoanti-chris- nas absurdos, de doutrinas heterodoxas, qne re- dente com pbrases to lovianas 8 chistosas, que
cuj a ultima lacuna que anda subsista ha pouco tao ver-se-hio proclamados os dogmasleatholcos na vestidas com o manto da verdade tantas vezes II. causanam sumroo espanto a qnem a conheeeu em
I ilhivicr*"
tri'.iiio, fii pioonohida pela inaugurarlo de um linguagem arrebatadora dos Agostinhos e na une-: ludem os espiritos menos cautos indusindo-as ao,
Oservatoiio meteorolgico era Lisboa, cuja di-ec-
lau se a. 1 a cargo de um disiinclo sabio de l'or-
ugal, o Sr. I'radesso da Silveii a. E' una das pri-
.iiei as obras do joven rei, que. antes de subi ao
tl_.no se tinha dedicado inarinha e sabia por
.-xpcrieiic u a utilidade que pode provirde uiu; tal
uistiiuiQo ; urna obra para a qual zelosamtnt
loncorreu o actual ministro do reino, o Sr. Uraim-
lanji, 8U(ual, leudo sido educado em Franca, pode
julgar pessoaliuciitc do bem que fazem os no: sos
grandes eslabelecimentos scientifjcos.
t Desde a Noruega at Marrocos, todc-s os obscr-
erro.
E. com effeito, a boa da senhora atravessra os
dias da moci.la.le sem .|ued>se causa a que a
maledicencia lhe abocanhasse a honra. Chogara
Sio estes osenxortos, ouas verrugas que agar- aos nfrenla annos sem se iatrometter era nenhn-
^o maravilhosa dos Bernardos.
Foi desfarleque o christianismo em sua marcha
sempre crescente e animada tornou-se a religio ranas ao corpo da sociedade, e alimentando-se de ma Tniriga amatoria e toda entregue ao governo
dos povos : e o proselvtismo religioso acompanhan- s,,a "losma substain-ia a desligiirain e delialiam ; domestico ; e nesto edade pode diz. r-se qne ella
. tal 6 a Imguagcra do r
do o andar dos lempos tornou-se um campo vasto a||Q5|o ios raosteTOS.
de gloriosas coqunistaspara aegreja. O homem ci
tal a linguagem do autor dos Jfserares em sua abdicara aqnalidade de mulher formo-a sem nim-
ia haver tomado. Porm, oluseada ecomo seduai-
PrazaDeusque fossem oslas as calamidades da pela Sra. de Vitleaux, a qual a phantasia lbe|
vilisado rcconl.ecen os seus deveres, respeitoii o- (.u,. liv.s.-emos lamentar nos aunaos da historia represenlava como typo da sociedade mais aristo-
direitos dos seus semclhentes, sentio a necessida- | Outros males, outros abusos porventura mais ter- cratica do circulo era que arei.sa desejava agre-
(3) Lenibranca de um auter, cujo nome me es-
capa.
(Vi Palavras de um autor ultimamente reprodn-
de da obediencia e subor.linacao legitima aquelles rlveis importa corrigir.
que se arhavam investidos da sopremaeiadopoder,
e dessa doce alliuira. dessa ro.-iprocidadede dirci-
tos c obrigaoes, dessa admiravel harmona emfim
FOLHETIffl.
O AS ii Eli ir A11\ SIS.
VIH
(eoncLtsSa)
Taes eram suas disppsiooea, quando, assaltado
de .r.-ser ti montos sinistros' entrou n;. barra indo
i irmi'l O ehamavn. Quanto mais elle se tios-
irava sombro e pensativo, mais Flix dava sabida
in louca petiilanoii, a sua exuberante vi-ac-
|l Ib. E le o chasqueava de-piedosamente po- ter
;rolhido com tanta prudencia a herdeira de Ro-
wnilwrg.
- larris rico, bem rico, lhe dza, e com di-
nheiro joupado rom as demandas teieis com que
dar i vosi condessa uma.cora de diamantes...
Mas, por mais riro que possa.-s ficar por esse hy-
mi leu, nio tercis nunca com que pagar-me islo...
K o Infflii mancebo, pronunciando estas iierigo-
-as palavras. se aprazia a fazer srinlillar, como um
l--aii.. t mysteriosa amethista. Edmundo, ta-itur-
m v son bro, tinha eessado de responder, nio
si-i por monossyllabos, seus insolentes gravjos.
iabe-sj como ficaram s-dopois di partida do
ti i o do ranteiro. A direila t a esqoerda tinlura as
altas rita m .-iras do rio, sol ellos a corrent i pro-
fi oda c rpida. Flix, advertido muitas vez;s por
irnir-o, nom por isso deixava do fazer inclinar
* barca |wr lenca bravata, ora de um, ora de ou-
trr lado. Edmundo callou-st. Em sua alma eome-
fermentar urna nova vida, em que se con-
fnudiam una especie de tmida esperanca urna
ai gustia mesrlada de alegria.
. 11 Mrquez de Santa Cruz.
(.) Mr. Villers. o maior panegervsla da reforma, zidas por um dos nossos distnctos litleratos.
zes tem visto em nossarasa....
Sm, sm: mas diga o .pie ha.
Pois eu o digo Bidois viu-se ha
tres mezes n'uma posioo melindrosa...
nio pense que por estravangancias que lizesse;
foi por una desgraoa de familia. Para Ihe^iccu. ir
dirigiu-se a Lamberl, c-qnat, depois do aar-ine
tudo quanto tinha. lhe endossou urnas letras ue
cambio. liidois tinha um prente, era quera es-
lava esperancado. O prente morrou de repeoien
deixou lodos os seus Mu a urna criada qoe viva
com olio. Chega o veneiinento das letras. r oustei
paga-las ; c tudo arrestado e ja nada temos... pe-
bre Bidois faz d Lamber! foi procurar l-.bppe ;
disseram-lbe qne anda a viajar com a mulher c
que nao se recolhe estesquinzedias. Vae ser tnoo
arrematado. Lembrei-me de si e vim procura-to;
apezar de Lamberl me dizor : D.-iv.-tT disso,
Mauricio agora uraricaeo.- perdes o lempo.
Mas por ISSO mesmo que esta rico que- o venho
procurar.
De quanlo precisa J
Oh de muito!.. .Trinta mil francos.
Oh diabo !.. .trinta 4iiil francos .Onde hei
de ir por elies f .
.Miini-Solcil olhou atorrada para o mancebo:
i u',o duas lagrimas se lhe doslisaram pelas faces. Com
um moviraento febril aconebegoo o chale ao po-
mo... o. balbueiando, replicou :
Se o que peco o contraria., eu nao sabia...
desculpe-me> _
E nao pode dizer mais. Os solucos surlocavam-
na. .
Nao se alllija-replicou Mauricio.-Esta
Bravo !
Agradeco c aceito os seus elopos, meu charo
Guilhoriiie.
Wllliam meu amigo : acostume-se a fli.i-
niar-me Williaim I' exclamou o Sr. do Manejte.
Pois bem, meu cara William; se pelo bdo
fominino tenho motivos para viver contente, nao
din -i outro tanto pelo lado masculino. Ol!' que
homem que o Sorbier I Por mais que se llie falle
com o mol nos labios, nio ha abrauda-lo. Para o
deslumhrar acenei-lhe com a lita encarnada c o
homem hoje est quasi convencido de que a me-
rece, e, nodiaein qoe en Ih'a levar, laivezme di-
ga que o governo foi bem roncoiro cm lhe fazer
jusiica. Xo i'lminuiu nem um ceilil somma das
suas pn-toncoes Aprosenlou-me o sen u!'un.itum
lioanceiro em guita de nota. Ah! qoe Trtaro
que elle Talvez nunca losse a (ocmosa fbula
de Lafonlaii-e. mas [mr instineio sabe fazer a par-
dilla que tez o leo. Tive de sugettr-me a lu-
do... As minhas pobres minas, para vireniater
valor no morcado, rarocem de um nome, e a mim
nunca me esquecerao estas palavras de um nosso
famoso banqueiro : Emqualquec negocio em que
o ir. Sorbier entre com doz mil francos, nao te-
nho eu duvida em entrar com cem mil esculos.
Dito isto, pucliou odeputndo pelo relogio.
Ento retira-se fpergunlou Cuilherme
A Sr." de Treuil e sua mae estao aqiii.
Bem sei. mas o Sr. Sorbier est no seu gar-
lan, te minha espera. Hoje os negocios. am_--
nhlaosprazeres.
(Co_f#Mioir-.^-/o'..
Um brusco moviraento de Flix poz de repente
a proa da barra em directa opposicao com a cor-
ronle urna das bordas mergulboo al tlr d'agua.
Flix perdou o equilibrio, o, depois de vaos esfor-
COS para segnrar-se, esrorregando pesar seu,
mergulhou n'agua. Quando voltou tona d'agua,
o impulso de sua queda tinha Falto com que a bar-
ca tivesse avancado, c elle se achava em sua es-
leir algurnas bracas alraz. Esforcou-se para al;
canea-la, mas a impetuosa sabida da corrente a fa-
zia vagar ansas depressa, e sobre esta barca rpi-
damente arrestada, urna mi nao se ergua para
ajii.la-l.i, nom um remo lhe era estornudo. Sob os
movimentos reiterados du seus bracos, urna espe-
cie de turbilb. se firmara, onde elle se debata
penosamente. Sons vestidos molnauos, suas pesa-
das botas chelas d'agua premiara seus movininn-
los, e puchavam-n'o para o fundo. A barca ligeira
vagava sempre.
Basta, Edmundo Parae por amor de Deus I..
J estou por demais castigado... J nao tenho for-
ras. .. Me afopo I... Nao posso mais!...
Ante os olhos de Edmundo se ergueu n'esse mo-
mento urna imagem de ha minio familiar, imagem
nuda vi -Iba qne eHe mulos s.-rulos, aquella mesma aqualica,Ja e vinha,
que sua mundana curiosidad.' tinha ido disputar
s Irevas danerropole egvpoia, e que desde enlo
ennservava no fundo do sin alma, borrando-a com
um culto silencioso. No seu logar e no de Flix
nao exisliain mais do que duas sombras, dous im-
pal| aveis pbantasmas Selhos, o principe desher-
dad i em face do usurpador Amasis. Ento, tao
fri como o espectro de sel s sonhos. sem emoco
e sem moviraento, em p, com os bracos cruzados,
ol.- s fazia jlhar.
VIn seu rniao hilando rom a morle. L'm terror
indelinivcl so fez visivel n'esse instante fatal nos
hornera que vae afogar-se : era um terror especial, mais movimont.. nem supplica. A agona ja a en-
de confrangimentos mais pungentes. K.-bx aoa- rijava, e estendida assim para o con. a quera na-
bava de lor no rosto de seu irino Edmundo um .recia pedir vinganra. ameacava o assassino toima-
pensamento que foi bastante, em menos de um se- do immovel.- A onda anda urna vez mergulhou
gnnl... paragelar sua alma. Tremen, como devera cssa mi enrugada e cobria-a com seu sombro e
iremer os aojos, quando seus olhos penclram o fri leniol (testa vez eslava tudo acabado,
fundo abvsmo infernal. Suas illusoes fraternas, Que tempo es|eve Edmundo rom os olhos tixos
sua conflanca quasi filial se extinguiram ao mes- sobre a mo\el corrente, sem cuja complicidad.'as
mo lempo 'um grilo do agonia. Em quanto o prfidas insinuaeos de seo inu anjo jamis to-
primogcnilo dos dous irmos llcava em p, impas- riam prevalecido? E' o qnem nem elle proprio
sivel, na proa da barca. Flix continuava a bara- podena dizer Os nivus de i m cao o tiraram des-
fustar na liquida rede, que pouco pouco o ia ato- sa eontemplaeio em que se tbysmava ; desperton
gando. Seus olhos fallaran) um dialogo que ne- de repente, alagado de suor, como se sahisse de
nhuraa lingua humana poder jamis escrever. um sonho penoso. Reroorsos e temoreseram
Ks-o dnetto de seus olhos, no seio dessa solido em seus nicos compeaheiros. Sen solamente o ater-
que tudo se callava, sustentado no meio d'ura bor- rou. n gemido pungente sabiu-lhe. do peitn, e
rivi-l silencio, que era o grito qneixoso da ave agarrando a eabooa com ai ibas as mos precipir
da laga vinha interroinpcr. tinha alguma cousa tou-se no rio...
de lgubre que fazia aportar o coraro. Nunca Edmundo obteve o perdao de Julietta.
A uma braga da barca, qnando'muio, foi quo Tem-se visto algurnas vezes o amor sobrevver a
Flix, exhaurido, mergulhou. No momento em que estima. O amor uma escusa ento para si pro-
a onda passou sobre sua caneca, seus longos ca- prio, elle nao se explica, como Deus- porque .
bellos se espaiharara e sobrenadaran) um inomon- Julietta, porm, nao amava Edmundo; apenas o
to. Como o ramalheie sombro do alguma planta honrava cora ama especie de culto. Ora enganan-
como urna cousa mora, se- do sua conlianea, ella havia inoorridon'ess
gndo o fluxo da agua. prez que a mulher a menos forte expetmentar
O braco estendido, a mao sempre agitada, que sempre vista de nma Iraqueza viril, e sobreludo
pedia soecorro, se levantaram anda uma vez. Por quando esta fraqueza a loro no quo .' o mais no-
um movimento involuntario. Edmundo se inrlinou bre altrbuio de sua naiureza foimnil : a con-
para agarra-ios. Baslava-lhe estender ( braco, e flanea implieita c scm reserva om oulrem.
seu irino licaria salvo.. mas na mao direila do IX
homem que se estava afogando, um paludo rato do Passei a noute em fa.e deste forraidavel maco
sol dardejou por acaso, e os retlexos de uma rhain- do papis. A alva mostrava-so no hor-onte quan-
ma arrox.-ada feriram os olhos do Edmundo, em dome levante!, juiz severo, por pronunciar ao
quanlo urna voz intima lhe dizia : t ,\rl0 tpte culpado uma condcmnaeo sem appello. Quanto
rom leu dedo de limo a obra do cv. majs reconbeca nelle nobreaa natural c facul.la-
Elle recuou .. e a mao de Flix desappare- des poderosas, menos me sei.lia inclinado a per-
desse erro grosseiro .pie sslabelece moa dffferenca nm da o ultimo, do anuo de 1812, dia de S. Sl-
enlre o beiii .pi.-se nos fazco mal que se podena | vestre em que me asseutei ao travesseiro do
facer, entre os culpados desejos o bem que se
nos lem querido?
Como pode esquerer que em toda existenria
lude haver um momento supremo em que as
materias de que um homem feto, ardendo re-
pentinamente, e consuininilo-s". .eixam ver despi-
elementos constituitivos de sua naiureza
real ?
Irritado, despresando-o, eu sentia-me InOexivel,
quando urna mao macia e fresca pousou sobre mi-
nha fronte ar.lente. lina voz asSSZ conhecda me
iolerpellava com o assento da mais terna repre-
coiide Edmundo lt... para assstir as suas agonia-.
1V|K>is da confis-o ipii- elle mo havia t'cio. esta
alma naturalmente altiva tinha pouco pouco di-
ng do o seu voo para as reglOOS colestes. Ella a
s mesma tesleniiinhava que se o crmc havia sido
grande, a expiacao tinha sidocruol.
Eu lomava o pulso esquerdo do moribundo. ^
notava seu gradual enfraqpecimento. As pulsa-
(jdes pararam e cti <|ue o condo tivesse morrido;
elle porm pelo contrario se levantou e pode fistir
sentado era seu leilo. Seus ofhos granderaenlc
abertos se elevavam na direccio do con sua mi
olhns e no rosto de Flix. Nao era modo de uma ceu. doa-lo. Multiplicava sen filme pela somma de
morte imtnineiite, nao era o terrivel sobresalto do' Inda tomou a v-la. mas ento ella ja nao tinha suas virtudes. Como poda elle ler-se fascinado
hensao: Ponpie, meu querido eoraco, passas- direila egoalmonle pareca buscar no ar um mvi-
.-v q objecto de que quera apostar-so. Todo seu
ro po mostrava-se agitado em inlervallos deseguies
p eonvutsdes spasmodicas. Sbito, cora um a&-
senlo apaxonado :
irino, irino! exetamou em nonwt do bous
de clemencia salva minha alma ioraiortal'...
Tua mao, racu irmo, dame tua m.io! Nao a re-
cuses ou eu sere cO-uamnado!...
l'.-iremcci da caboga aos ps. Foram nona,
quasi palavra por palavra, a supplica extrema do
infeliz Flix no momento em qne a vida lhe fugia,
o ri qoe a hora do castigo (nal tinha ehegado.
Knganava-mc, porque um sonriso celeste voi..
Iluminar ;\s foices do moribundo. Com a mo
que conservava estendida, atlranln seus labios
nio sei o que de occul que cobriu de frvidos
!.. ijos. Depois cabindo para traz, o conde Kd
mundo exhalou sen ultimo suspiro.
E' de- esperar que esteja na paz do Senhor.
te esta noute era claro ? Quantas Vezes nao me
tens lito que a noute Inlmiga do homem?...
Esta palavra veto do cn exclafflel apertan-
do sobre meu coracao minha pobre mulher es-
pantada.
Nao. dizia comigo. a nout. nao amiga do
homem. E a medida quo via 00 exterior augmen-
tar a luz do dia, sontia-me cada vez mais aproxi-
mar-mo dessa clemencia nfinila, que faz lu.nr o
mesmo sol para os bous, como para os inus.
i Prepara.-j o earru' exclame! a despeito
das supplieas de minha dgCO (irelchen. Seria In-
digno do litlo de medico, se antes de cuidar era
meo proprio descanco, nao fosse dar a esse Infeliz
a paz que elle aspira .
O ende me receben era p. Olhamo-nos.
Meus I.ra.os se ihrirain e elle se lancou sobre meu
peilo.
Emfim exclamou ello soltando um suspiro de
allivio. Sobre esta alma rida e pela primeira ve]
depois de tantos annos aeabavam de desear os do-
ces orvalhos da piedade humana
Calemt os tristes dias que se segniram Esta
prcroce velMce deelinava rpidamente Chegou
E. D. Fe*
.

4
PRRNAMBl'GO. TYP. U& J, F. 9. t'lLHO,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ELH1EHE9V_9FRUBK INGEST_TIME 2013-08-28T02:09:39Z PACKAGE AA00011611_10283
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES