Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10280


This item is only available as the following downloads:


Full Text

"
AMO XXXIX HUERO 300.



"Por Ires mezcs iidiantados
i*r tres mczes vencidos .
5|000
6jO00

QUINTA FEIRA 31 DE DEZEM8B0 DE 1863.
Por anuo adanlado.....19$00O
Porte para o subscriptor. 3$000
I

e: (Parahyba, o Sr. Antonio Alejandrino de Lira'
Nal tal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Araratv, o
Srf. A. do Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oijiveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
ignes; Para, os Srs. Manoel Pnheiro & C; A-
zonas, o Sr. Jeronymo- da Costa.
VCARREGADOS DA SCBSCRIPCAO NO SUL.
AlagMrO^r. Ciandino Falcao Dias; Baha, o
Sr. Jos Martins Aires; Itio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins & Gas'parino.
PARTIDA DOS ESTAFETA*.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba $m segundas e|
sextas-feiras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bopjjp, Caruaru',1
_A.lt.inho e'Gajranhuns as ternas fefras.
EPHEMERIDES DO MEZ DE DEZEMHRO
3 Quarto micg. as 8 h*., 49 m. c 2 s. da m.
10 La nova as 4 h., 29 m. e SO i. da t.
17 Quarto cresc. as 8 h., 20 m. e 3*5 s. da ra.
Pao d Albo, Nazareth, -Limoeiro, Brejo, Pesqueira, 24 La cheia as 11 h\, 23 m. e 14 s. da t.
Ingazeira, Flores, Villa BellTaearatu\ Cabrob,|.
Boa Vista, Ouricury eExu' as quartas feras.
Serinhaom, Rio Pormoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Prcta e Pimenteirns as quintas feiras.
Ilha deFernaftfJn todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao Vi da.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 8 horas e 30 minutos da manha.
Segunda as 8 horas e 54 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTF.1ROS
Para o snl at Alagas a 5 e 25; para o norte at
a Granja 7 ?I3 dcada mez; futra Fernando nos
dias 14 dos ineze* dejan, maro., maio, jul, sel. enov.
. PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Aj.ipufos s 6 */, 7, 7 '/s. 8 e
8 Vi da m.; Olinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jabeato s6V. da m.; do Casanga e Varzea s 7
da m.; de Bemlira s 8 da m.
Do Recife : para o Api puros s 3 '/?. 4, 4 '/,, 4 /?.
5, 5 '/,, 5 '/; e 6 da tarde; para Olinda s 7 da
manha e i "A da tarde; para Jabnnln s 4 da tar-
de ; para CarAaf e Varzea s 4 >/2 da tarde; para
Bemfira s 4 datarde. |
DIAS DA SEMANA.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segunda e quintas.
Helacao: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Jaizo do couiraercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas e sextas ao mdp
,, .,. i^oBecife, ero a livraria da praca da Independen:
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora ,, 6 e g, dos proprietarios Manoel Figueiroa *
da tarde. |Fart fc Fimo.
2ft Segunda. Ss. Castor, Cesarte, Agapio mm.
29. Terca. Ss. Trotino. Primo mm.
30. Qa'rfa. S. Sabino b. m.; S.JAnso ft. m.
31. Quint*. S. Silvestre n. m.; S. Zotfco m.
1. Soit*. cJJ Circumrisao do Senhor.
2. Sabbado. S. I.-idoro b. ; S. Argeo m.
3. Dominga S. A'piigio b. deR.-ja.
ASSGNA-SE
AVISO
Estando a terminar a crvente
r-se na
barao do Livramento para o servico de reboque Francisco Vieira de Luna, para incumbir-seTIa os contendores estao j fora de perico e promptos
dos bateles de areia que se cxtralureni de porto. guarda da moiiilia do palacio da presidencia, ven- para ronimuarem a defender as suas ideas na im-
anno, ro~ desta cidade no prazo de seis meze*. j cendo 1304000 rs. de grattficaco animal, de con-! prensa.
f i I L > A n lili na nn a a__!__ -I- ___..___'-*. 1 *_____ _? l*\ xx I__
r/amos aos nossos astignanles, que esto em v ^'0 ao director do arsenal do guerra.Mande formidade com o aviso da rep.irtic.3o do imperio Do interior da repblica argentina tambera nada
mra com a subscripco do nosso .S- a.mtu['nacompanhia e aprendizes desse de 19 de jaueiro de 1853. ha de. vulto, afSta de urna sublevacao de Indios ann-
azo para
arsenal, quando houverem vagas, os menores Vi-
liarhL queiram mandar sati.fazer pelo pre- cente e'^a q^referTi. integ> ni
o 'Rulado, i'a/o t1, GMHKI por trimestre 19 de 22 do crreme, depois de satisfeitas as dis-
")." Egaalmente prevenimos aquel- ,.)o?'<5aes do regulamcnto.n: 113 de 3 de Janeiro de
qmzeremdejxojr de asonar que, s Dito ao raesrao.-Fica ap'provada a deliCeracao
1863.
eneldo
SCJE no.-Fics ida a d.
na Uvrana n. beSda praca da lndepen- que v. S. tomn, como me participou em seu offl-
dencia, que se fazem as diversas altera- ci n. 194 do 22 do crreme, a que respondo, de
fes quer de entrais e saliidas, Qiter de mandar admitlir nesse arsenal urna pessa para
qaer
transferencias de residencias, nao se ochan-
Ido os nossos caixeiros e empregados auto-
irisados a tomar essas notas. s Srs. cor-
respondentes dos assgnantes, flade e provincia, sao tambem prevenidos de
que devem mandar satisfacer os respecti-
}U importes al o fim do corrate mez.
ajudar ao cozinheiro da respectiva compauhia de
aprendizes, vencendo urna diaria de 800 rs.-
Communicou-se ao inspector da thesouraria de fa-
zenda.
Dito ao mesmo. Remello V. S. para os fins
convenientes a inclusa guia de mil pares de sapa-
tos manufacturados no presidio de Fernando e
Despachos do dia 28 de dezenbro de
Remurimentot.
Aristides Barbosa Cordeiro Feitosa. Passc por-
tara concedendo 3 afezes de licenca com venci-
mentos.
Augusto Theophilo da Cunha Pern. A' vista
da informaco, nao tem lugar.
Anna Maria de Jess. Informe o Sr. director
do arsenal de guerra.
Francelina Maria da Conceicao. Espere que
haja vaga.
Innocen ci Serfico deAssis Carvalho.Apr-
sente o menor ao Sr. inspector do arsenal de ma-!
rio ha.
Jorge Rodrigues Sidreira.Remettido ao Sr. di-
gos, com o sat correspondente roubo de gado
n'uma parte da fronteira.
O govemo argentino envin urna balieira com
ordern aos cotteg residentes na banda Oriental
de se retirare^ deixando os seus nacionaes de-
baixo da salva-suarda de una potencia amiga.
E este o qna^o poltico do Rio da Prata, salu-
da de S'iwtonaA veremos o que snecede.
ty se refere pus ao immedialo cumprimenlo da a cmara dos depurados da Prnssia nomeou
execue.io ederal, deixando provisoriamente do lado uma comfoissao. para examinar seriamente as in-
a quest-io de snccessao. Iluencias ejercidas pelo governo na ultimas elei-
>appols essas tres opinioes que.se fazem frente COes, o annuHar enlretanto- deferentes eleicoes,
na oii-ta, c no sabbado passado houve ma decisao entre as quaes a do anlwo ministro Von'der
sena entre as mesmas. Heydt
O enviado da Dinamarca junto dieta, o barao m Badn fot at
de Direkink Honfeld, aprcsentnu nesse dia a as-
senibia federal, as suas novas credenciaes como en-
\ iado do re Chrisliano IX. Ao mesmo terapo po-
rein, o enviado de Badn junto dieta, o Sr. de
Mool, o qual recebera do duque Frcdenco de Huls-
tein os jtoderes para representar o voto do Hols-
destinados a esse arsenal, na qual jastao compre- i recto/do arsenaTde guerra para attender ao sup-
hendidos os 180 pares fornecidos de conformidade pMeante nos termos do sua informaco de 26 do
com e meu offlcio de 9 de setembro ultimo, ao ca- corrente.
"
PARTE OFFICIAL.
GOVERW DA PROYOCIA.
pilao Jos de Cenpicira Lima, como consta do re-
cebido que aqu ajunlo.
Dito ao mesmo.Attendendo ao que requeren
Francelina Maria da Conceicao, autoriso V. S. a
mandar admiltir na compahbia de aprendizes
Jos Antonio dos Santos Lessa.Dirija-se the-
souraria provincial.
Jacintho Jos de Mello. Indcferido em vista da
iiiforniacao.
Joao Bento da Cruz. Dirija-se ao Sr. director
Expediente d dia 28 de dezemhro de 1863.
* Officio ao Exm. presidente da provincia do Piau-
, hy.Fiz-"negar a seus destinos os dous offlcios a
que a!hule* o de V. Exc. de 24 de novembro nlli-
mo, expeoi- ivla directora peral da reparli^ao
AridrSde e Joao Gonatia?. "ar.
DKo ao Exm. presidente da provincia da Para-
* IivIm.Pela leitura do oflicio do director do arse-
nV de guerra dolado de 21 do corrente, constante
da copia inclusa, ficar V. Exe. sciente da quanti-
dade de ferro o bronze vindo dessa provincia com
" destino ao mesmo arsenal no vapor Apa.
Dito ao brigadeiro comniandante das armas.A'
v. Exc. serao apresentados os remitas Liberato
. .Nimes da Silva e Joao Baptista do Nascimento, pa-
ra que Ihe d o conveniente destino depois de ins-
peccionados.Communicou-se ao coronel remita-
dor.
Dito ao mesmo.Pela leitura do officio do Exm.
presidente do Rio Grande do Norte de 11 do cor-
rente, constante da copia inclusa ficar V. Exc. in-
teirado de ler sido novamente preso o soldado de-
sertor da companhia de cavallaria Js Fernandes
de Lucena, que se acha recolhido cadeia da villa
dos Patos da provincia da Parahyba.
desse arsenal quando houvcr vaga, o menor Affon- do arsenal de guerra.
so Bezerra Cavalcante filho da supplcante uma vez Manoel Izidro do Sacramento.Indcferido vis
Iue esta satisfaca as disposices do regulamento ta da informaco.
3 de Janeiro d 1842. Rufino Manoel da Cruz Cosseiro. Informe o Sr.
Dito ao rommandantc
do.Approvo
me participou em seu oflcio h_ll3 de 4 de nojrem- | de direHo da comarca de Palmares, ou vindo o
bro ultimo, de reduzca 43000 diarios a contar do juz nranicipal formador da culpa.
1 daquolle mez em diante o jornal de 45 >00 que :__________________________________-
percebia o mestre pedreiro actualmente emprega-
do as obras desse presidio Antonio Morera da
Silva, que concordou em semelhante reduccao.
Fizeram-sc s necessarias communieacoes.
Dito ao commandante superior da guarda naci- '
nal da Boa-VistaConstando da secretaria do Boenes-Ajres 12 de deiesAr.
governo que estao preenchidos por Temistocles O paquete Saintonge deixa preoeeupado os espi-
Pereira Brando, Bento Jos de Sant'Anna Jos ritos com a prohabidade de uma guerra entre a
Joaquim da Silva Jnior, os postos de alferes se- confederacao Argentina e o Estado Oriental,
crelario e do alferes da 4* companhia do batalhao Msiiva estes receios o rompimento de rclacSes
n. 47 de infantaria da guarda nacional do muni- ofHciaes que acaba de ter lugar por causa de ne
mmandante do presidio de Fernn- i inspector da thesouraria de fazenda.
a deliberado quo V. S. tomn como j Vicont*Romo Ferreira. -Informe o Sr. Dr. juiz
EXTERIOR.
aberta no dia 2* de dezemhro a
dieta com una falla de throtio, manifestando de
Bianeira eloquente a poltica do govemo em favor
do SchleswiK-Holsteiii.
O rei da Uaviera, qiie por motivos-de sade fra
liara Roma, alim de all pas'sar olm'ermr, voltou
para Munich pedido do ministerio. Esse pedido
fundava-se na posico grave da AHemanha, e seus
tambeiii saud>. Com() sempre participa o 'ouroj Wrekiok. Juntamene rom Badn os estdV da YTruss"!'! 'mpondeu^o fbSvf"^ inperador
(ia> os..iliaco wliiicas. Os posos fortes tem-se Tliunnga, de Waldrek o Utdemburgo exigtrao o Napoteao (.ara uin congresso europeu d maneira
iinmediato reconhneimento do duque Fredenco c niuito obsequiosa, mas nao sera reserva lerroi-
(la procuracao do Sr. .lo Mohl.ao roesino tempoque nantl>i ao mcsmo tempu (|Ue a nS[tnsu fofa pe|a
a lirussia e Austria volaram peo reconheciment Austria um nao, apenas encoberto. Cora a ln-
| o Sr. de Direkink. A decisao (h dieta entretanto K|aterra recusara redondanH-nte, o congresso i
im a excinsao provisoria th ambos os competidores ,)assa pu|. p|,nament.' naufragado,
peto voto do Holstcin, o a sHspenso provisoria des- 4\a p0|onia a insUrreicao acha-so sivelmenle
i se voto em feral.
A dicta assim nao reconheceu por ora, nem o
duque Frederiro, nem o rei Cliristiano IX, c dcixou
aberta a questao.
Desde ento esperava-se, antes de hontem, 3 do
corrente, urna decisao da diela, devendo ser vota-
do sobre a questSo : tomar posse d.x ducado de
A sen-a coflnua a fazer estragos em toda a' lein na dieta, apiesentou" esses seus poderes, rcrla-
provmcia, naomente agricultura e pastos, mas U>anJ'> 9 seu reconhecimento c a excluso do Sr.
vendido a 27 e 8"i
/ iornal do Oummereio do Rio
< ( f v VO DIA-
RIO K PKKW TIIH < O.
Hamburgo, ;i de drzembro.
Talvez que relatorio sobre a sessode boje da
dieta de Franflprt, da qual se espora tima resolu-
cao decisiva A negocios de Schleswig-Holstein,
chegue ainda m tempo, para pdennos commuui-
ca-la aos noesos leitores em |*st seriptum. Entre
tanto temos sostente de rojaar-e negociaces pro-
visorias, de esperanzas e de receios, de esforeos e
contra esforeos, que se cruzara a grande questao
do da, e que al agora nao tem doixado a diela
proceder a uma accao efflcaz.
Pola nossa ultima os nossos leitores foram in-
formadiis da sBuico actual dn questao Schleswig-
llolskeiucza. Em conseque"ncia da mort.- do rei
Fredenco III da Dinamarca em lo de novembro, o
principe Chrisliano do Schleswig-Holstein, Souder-
burg-blue.-ksburg tinh.t assumi.lo o throno da mo-
. narchia cenlrai dinamarqfieza (o reino da Dinamar-
ca, e os ducados de Schhwwig, Holstein e Laenbur-
I go) sol base do protocolto de Londres de 8 de maio
de 18.2. Mas como a ordern de successo dos du-
cados, segundo a qual, com a morte do rei Frede-
cni estado d'expiraco.
A noticia que demos na nossa ultima da morfe
do rei de Wurtnmberg, felizmente lio se veri*-
cou, e foi um engao do telegra|ho.
P. S. O lelegra[iho acaba de trazer asognia-
te noticia de Francfort:
A sessao da dieta allema de boje fi transfe-
... .i> iiiiiiimiiiki na i.ii.ii'i.1 n i' mii.ii uv nium ------- .,~ "- -- -o r "----- -----/------- ----------- ------------
cipio da Boa-Vista para os aitaes sao indicados na gar-se o governo de Montevideo a dar satisfacoes i neo vil a coroa dos mesmos traspassa casa de
proposta a que allude o officio desse commando pela priso de wn grupo de Orientaes no territorio
superior, datado Je 2 de novembro ultimo, Jos argentino.
AI ves de Barros e Felippe Nerv da Silva Amorim, Nos jornaes de hontem vem orna extensa nota
haja V. S. de informar com urgencia que destino na qual o governo oriental expoe as razoes que
tiveram aquellos individuos. 'no assijtom para se nao considerar obngado a dar
Dito ao commandante superior da* guarda naci- satisfacoes pelo seu procedimento naquelle acto,
nal de Go-anna. De conformidade cum o disposto A imprensa contraria ao governo do general Mi-
no art. 45 do decreto n. 1,130 de 12 de marco de Ir pretende que chegou o caso de declarar a
Dito ao Dr" chefe de polica. Em officio de 26 1853, mande V. S. passar guia ao alteres Joao Pe- guerra. A Naylo Argentina, orgo directo do pre-
do corrente me commnnra V. S que o primeiro reir Guedes de Arauj^ que pertenceu ao batalhao sidente da repblica, suppoe, porin, que nao se
supplenle do delegado de polica desta capital o n. 19 de inanlaria dolnonicipio de Nazareth e se d tal caso, e que basta fazer alguma coma, isto e,
major Gustavo Jos do Reg, em oflcio de 24 do acha aggregadb a guarda nacional sob seu com- lomar alguma medida coercitiva para trazer o go-
corrente Ihe pedio exoneracao d'a-iuelle cargo, em mando superior. Visto ter elle transferido a sua verno de Montevideo a um terreno mais rasoavel.
razab do naver-se preenchido o lugar de delegutlo YesWeswnr|?ara a provincia da Parahvba como df- Seja como for, certo ipie as relacoes esto in-
em seguida ao fado que ltimamente e dra com clara no incloso reqnerimento terrompidas, e, segundo parece, difficilmenle se po
/
o raesrao primeiro supplente, |wr occasiao de uma
priso que poucos dias ante< havia feito, o que a
seu ver dava n".vo a suppr-se falta de confian-
za a seu resp/io, e desa|iprovaco d'aquelle seu
acto, commi /'ea-ine V. S. igualmente que recu-
sou essa e ^neraco declarando ao referido pri-
meiro su,,... te, nao s que aquelle prcenchimen-
to do lugar d. l.-legado que se achava vago, ne-
iiliunia relae > tinha rom o facto alludido, e no
r ..-dra muito regularmente, mas
niiava o menino primeiro supplente
toda a conflanca e considerago pe-
.a, telo e dedicarlo com que sempre
lesempenho dos deveres de seu car-
Dito ao commandante docorpo de polica.-Pode der evitar um conflicto internacional.
anda que, Con
a merecer-lli
la intelliger
se houve n.
V. S. fazer engajar no corpo sob seu commando o
paisano apresentado com o seu officio n. 526 de 24
dcste mez
Dito ao coronel recrulador.Recommendo V.
S. que sempre que recrutar individuos que alle-
guen! ser guardas nacionaes deste municipio en-
tenda-se com o respectivo commandante superior
alim de verificar logo se estao ou nao no caso do
ser recrutados.Communicou-se ao commandan-
te superior da guarda nacional do Recife.
Dito ao conselho administrativo.Dcvolvo inclu-
sos os riscos e papis a que s? refere
go; e
nio que
a* "' mi'
inter;.
t;
administrativo em seu officio n. 93 de 9 denovem
i desta re-posta de V. S. c da opi- hro ultimo, alim de que o mesmo conselho effeclue
i c.-r.-a d"aouelle funrcionario, cora a compra do nicho requisitado para a capella do
............o conformo, tenho a di- presidio de Fernando o qual deve ter a altura e
xer ie" ni' ..... procedeu V. S. renisan.lo-llie a largura indicadas no officio do commandante do
exon^ ..u que pedio, e para a qual nao ha motivo presidio, de 3 do corrente, constante
algum. Jun,a-
a Dito .olven.lo a V. S. o requerimeiito de Bazilio Xa- do que ponderou Vmc. em data de 20 do mez pas-
"er de Souza, soldado do nono batalhao de infan- sadn, e informou o engenheiro director das obras
"aria, bem como as informedes da rontadoi a des- publicas com referencia ao aijude de Villa-Bella,
sa^iesourari.i que allude o seu officio numero
92(rde 15 d i corrente. e as do brigadeiro comman-
?
O Sr. D. Jos Marmol, negociador da nao conse-
guida satisfacao, foi nomeado ministro plenipoten-
ciario junto de sua magestade o Imperador do Bra-
sil, e creio que parte neste paquete para a corte
imperial.
Parece que o objecto principal da sua misso diz
respeito aos successos que so desenvolveu na ban-
da oriental.
Segurado a poltica at agora observada pelo ge-
neral Mitre, e as suas ideas manifestadas desde ha
muito tempo, devenios suppor que o que se procura
o conselho o meio de executar o pensaraento da Confedera-
rao do Sul, da qual deve fazer partea Repblica
do Uruguay.
S assim que se explica a nenhuma proteccao
que se deu revoluco capitaneada |h>Io general
Flores, ao passo que nao se guardou escrupulosa-
da copia mente a neutralidade, fazendo a vista grossa sobre
as emprezas particulares, preparadas pelas syra-
patinas do povo para levar debis soccorros aos
compauheiros da causa.
Por mais que o governo de Montevideo proclame
o contraro, necessario reconhecer que se o ar-
gentino tivesse dado o menor apoio revoluco,
com dinheiro s, e deixar fazer, ha muito lempo
mostrar para isso autorisado a quantia de 4003000,: que ella tera consuramado o seu trinmpho.
para seren applcados ao concert de que precisa o' Infelizmente o que parece husear-se nao que a
referido acude, licando a administraco dessa obra revoluco venea, mas sim a destruico dos bandos
a cargo de VmcOlficiou-se thesouraria provin- polticos, aflm de que o cansaco da guerra civil, e
cial para fazer entrega dos 400,3000. da marcha, que a sua consequencia, facilite a
Dito ao juiz municipal da V vara desta cdade. fonnaco de um novo systema, conforme as ideas
triplicante ainda resta a fazen- Communico Vmc. para seu conheeimento que em que lera tido sempre todos os estadistas argentinos,
fritas com a sua alimentario officio de 18 do corrente, partcipou-me o comman- sem se Icmbrarcui de que o systema federal nao
ue pertenceu a companhia de danle do presidio de Fernando terem sido remett- pode accoramodar-se nem como nosso carcter,
nesta data determino ao inspector da thesouraria
Tovmcial, que entregue Vmc. ou a quem se
'Jante das armas e do director do arsenal de guer-
,-a de 24 e 28 de novembro ultimo, o autoriso a
mandar pagar ao snpplicante a importancia do pe-
<>ni>o que Ihe perlcnce e fui recolhido a essa Ihe-
" ouraria e dos juros que ti ver vencido mesma im-
portancia, d'aqual deve ser deduzida a quantia de
y7o!5049 rs. que o su
da pelas de-pezas f.
durante o lempo que pertenceu a companhia
menores d'aquelle arsenal. dos para esta capital disposicodo chefe de poli- nem com a nossa educado poltica.
Dito ao mesmo.Tendo em vista a sua informa- ca os sentenciados Francisco l'onciano de Oliveira Noticia a Tribuna que o Sr. D. Andr Lamas re-
rao dr 24 do corrente, sob n. 94o, dada acerca do c los Miguel Rodrigues, o Io para ser suhmetlido ceben novas credenciaes, para reatar as negocia-
requerimento, que devolvo do porleiro do hospital novo julgamento na provincia da Parahyba e o cues interrumpidas ; nao de crer, porm, que o
militar Joao Joaquim Rabelln Pessa. autoriso V. 2o por ter obtido perdo do resto da pena que eslava governo argentino passasse por mais esta humi-
S. a raanJ .r pagar ao supplicante a gratificacao curaprindo no mesmo presidio. Ihaco.
que Ihe foi descontada, relativamente ao mez de Dito ao mesmo.Com copia do officio do com- Entre tanto augmenta a anarchia no partido do-
ovembro ultimo, em que pordoente deilOU de mandante do presidio de Fernando datado de 15 minante em Montevideo. Por causa da votaco
comparecer no mesmo hospital para exercer as do corrente, remello Vmc. alim de que providen- que houve no senado a 21 do mez prximo passa-
funeces do seu emorego. c'e C0lu0 fot" de Ici acertidao apresentada pelo sen- do, repellindo os supplentes do tres senadores, for-
Dto ao mcsmo. Com copias do officio do bri- tenciado de justica desta provincia Peflro Joaquim mulou-se uma aecusaco contra os membros que
cadeiio commandante das armas de 24, e do di- de Santa Anna, que regressou do mesmo presidio faziam parte da commissao que propoz a resoluco,
por ter finalisado a sentenca que foi condem- e parece que se trata de leva-la a effeito.
nado. A acredilarmos as opinies manifestadas pela
IMto ao mesmo. Participando-me o comman- imprensa, nao chegaremos ao Io de mareo, poca
dante do presidio de Fernando em officio de 18 do em que termina a actual presidencia, sem que se
corrente, que remetiera para esta capital o sen- d um conllicto entre os poderes que acabara, sr,
tenciado de jusliea Flix Ferreira de Carvalho como tndo leva a crer, a revoluco se manlm pre-
Cerqneira, que solfro de alienaco mental, e nao ponderante na Campanha.
pdc ser conservado no mesmo presidio por falta A. presenca do general Medina em Montevideo
de a.-omniodaces"; assim o communico Vmc. de-.i lugar a commeutarios, snppondo uns que veio
para seu conheeimento. chafado pelo governo, e outros que por causa de
rector do hospital militar de 23, tudo do mez cor-
rente, remello V. S. em duplcala para os ne-
tvssai ios exames as coalas das dspotas miadas
do mesmo hospital, relativamente ao mez de no-
/roturo ultimo.
Dito ao mesmo.Mando V. S. abonar aos nego-
ciantes Cama 4 Silva, a contar do primeiro de Ja-
neiro at junho do auno prximo vimlouro a pres-
taco mensa! de 404000 rs., que pretende consig-
nar-lhes de seu sold como se v do reqnerimento
HolMein eLuiemburgo para o duque Fredenco? ou rfda para segunda fera, 7 do corrente, em-conse-
occiipacaodos mesmos pel.V.confederaca.) para o so- (|lltn(.ia d uma vromU rommnm annunewda
Drraim legiiimo a averiguar ?ou execucao, a qual p^ Austria o-Prussia, a qual provavelmenle,- con-
envolvena de facto um reconhecimento, ao menos lra a opinio da maioria das respectivas romnrM-
provisorio do re Chrisliano ? A sessao foi entre- soei so referir a uma simples exe/uco fed-ral
tanto adiada para hoje, tendo sido promulgada en- no Holstein.
Iretanto, no dia 2 de dezemhro, noSclilesiviga nova
constiluicao Dano-Schelswgueza, um passo que
tornar quasi nm facto consumado a violaeao das
obrigaces dinnmarquezas para com a Allemauha,
segundo o protocollo de Londres, e exiga novas
pouderacoes das duas grandes.potencias allcnvias.
Otnio at hontem de noitc se pensava gcralmenle,
a dieta resolvera hojeprovavelmente a occufiaco,
e se a %xecuc5o, esta soraente debaixo da reserva
expressa contra qualquerconsequencia a deduzir da.
mesma em favor da successo de Chrisliano IX.
Entretanto grande a irrtacao *em toda a Alle-
manha por causa do andamento rajador das neg-
ciaces na dieta, censurndose a falta de preciso;
na sua resoluco tomada no sabbado passado. So-
bretudo no sul a irritarn e exasperado chega-
ram a um fal ponto, que os ovemos debalde len-!
tam de mitigar por meio de declaracos calmantes dos deputados presentes '< a a cadeira da re-
nos seus prgaos ofliciosos. sidencia, e chama o- 0m de secretarios os
Ao mesmo lempo tem-se estendido sobre toda a Srs. : I." Arsli.' j ; f", Assis Figueiredo ;3",
Allcmanha urna rede de commissoes as quaes elei- Perera de Se f, Limpo do Abreu, que Ihe
las por assemblas do povo, juntara contribuicoes \ pareceram i ., mo?os.
e tomara nota do nomes de voluratarios, alim de i Ds menik s assim desfamados oceupam na me-
fornecer dessa maneira ao duque de Schleswig- os resptictivos lut'ares.e abre-se a sessao.
Holslen os meios para tomar posse da sua heranca, O Sb./iiksiokntk convida os ars. deputados pre-
sen) que os governos ousassem de so opporem a sentes a mandarem a mesa os seus-dplomas. Es-
isso. tes sao entregues c relacionados pelo Sr. Io secre-
Em Golha, onde por ora reside o duque Frode- tari
rico, e onde j nomeou um ministerio, constante (Pmesmo Sr. 1 secretario d conta da seguinlc
do conselheiroSamwer para os negocios eslrangei- relfyao dos diplomas recebidos :
ros, do conselheiro Trank para os ditos do interior,
e do coronel u Piat para os negocios militares,
acha-se o ponto central do movimente, que cada .
vez se orgarasa mais slidamente.
m a nica axeepcao dos feudaes da Pros- tlcnco Augusto Pamplona.
IOS defendera as pretendes dinaraarque-' 2 distncto.Domingos Jos Pi
or julga-las legitimas, mas porque veem Antonio Machado e Justino Domn
Augusteinburgo, nao podia ter sido removida pelo
acio do dito protocollo, sem consentiraento dos
aguados legtimos, das dietas de Holstein e Schles-
wig, assim como da dieta allemaa, e esse consen-
tinienlo naoliver lugar, simultneamente com o
rei ChristianoK, o principe herdeiro de Schleswig
Holstein-Sonderburg-Augtisleniburg, Frederico fun-
dado na ordem de.successo legitima dos ducados
tinha lomado o governo dosses ltimos por meio
de lima proclamaco datada do palacio de Dolzig
na Siberia, com o nome de Frederico VIH. ,
ComoDs nossos leitores tambem j sabem, fora
o duque de Coburgo que e..i primeiro lugar rceo-
nhecerao duque Frederico, unindo-se a esse passo
os governos de Weimar, Badn, Meiningen, Reuss,
Waldeck, Altemburgo e Oldemburgo.
Desde entao tambem Brunswik deelarou o reco-
nhecimento do duque de Schleswig-Holstein, e
esses governos estao se empenhando na dieta al-
lema pelo reconhecimento de parle da mesma, e
pela execucao effectiva do direito legitimo, e even-
tualinente por forea, ao menos nos ducados do
Holstein e Lanemburgo, perten.-entes Confede-
rado Allemaa.
Ao lado dos cima mencionados governos alle-
mes, acha-se um segundo grupo, islo a Baviera
Wurtemberg, Saxonia, e os dous Hesse, que jul-
gam pororaupoDortana uma decisao definitiva na
questao de successo, e que a mesma deve Bear
aberta, mas por isso mesmo pensara entre tanto
ser necessario, que a confederacao antes de ludo
tome em penhor o objecto litigioso, saber os du-
cadus Holstein e Lanemburgo, islo ocrupando os
mesmos e administrndoos provisoriamente em
nome da confederacao, para entao deliberar a
quesio de direito de successo, e entregar os du-
rados finalmente ao pretndeme, por cuja legili-
midade aconfedrrar.o se decidir.
Entre esses "governos, a Baviera, o mais em fa-
vor do direito do successo do duque Frederico ; os
outros a seu tempo deixaram deterrainar-se a de-
negar esse direito de successo, consentindo no pro-
tocollo de Londres ; agora porm declarara todos
de accordo, que nao p dem mais considerar essa t
disposico como obrigatoria, depois de que a Dina-j pet0 urna mtorpellacao ao governo.
marca nao somonte nao curaprira as suas ohnga- Entretanto, os proprios ducados, nos quaes a
goes para com a Alleuia.iha, mas rumpera as raes-1 presSa policial e militar lomara impossivel qual-
mas da maneira a mais desdenhosa. quer demonstrarlo publica, moslram-se apparen-
Hetcrem-se a esso respeito so'iretudo a sanecao, I temente calmos. Mas o rnovimento, nao obstante,
cumpnda em 19 de novembro pelo re Chnstiano manitosti-so por passo* signilicadvos. Assim a cir-
I\ da nova le constitucional dano-schlesuigueza, cumstancia, que, cora pequeas exceproes, todos
a qual ein contradicho alerta das rstnmlacors al-; os empregados pblicos allemes no Holstein, jui-
lemaa-dinainarqtiezas dos anuos de 1851 e 18o2m-1 ze;> administradores, mestres e ccclestasticos, re-
eorpora o Sddeswig na Dinamarca. Como isso, I cusaram prestar o juramento de fidelidade ao rei
deefaram desse lado, acha-se destruida pela pro- ChrisUano IX, de maneira que era Copenhague se
una Dinamarca o proticollo de Londres, e aconfe- virara obrigidos a retirar provisoriamente o regu-
deracao tem mao livn/em todo o respeito para de-1 lamento relativo ao cumprimenlo desse juramento,
cidir a ordem de successo. o mesmo acontece com os empregados allemes no ,'iUIZ
Lm terceiro grupo formara as duas grandes po-1 su[ do Schleswig ial '
(encas allemas, c a ellas se une o Hannower. i j mesai0 ;odo> as camaras, que nao foram
Como os nossos leitores se lemhrarao, a Austria e convidadas para se reunirem, e cuja assemlila
Prussia pertencem entre os assgnantes direitos do confidencial em Kiel fra inhibida, nao deixaram
protocollo de Londres, e a quest) de successo que de ter uma reuno em Hamburgo, na qual se de-
acaba de romper, lhes sananamente inoportuna., dararam pelo duque Frederiro, ao qual enviaram
Ao governo prussiano, |>orque este so receta novas um en.lereco de fidelidade. Nessn reunio s falla-
dilficuldades para o sen regime interior |or causa rani qualro dos raembros das camaras. Apezar
do rnovimento nacional provocado na Allemauha por (|sso tU(irt> em Copenhague nao se pensa ainda na
essa questao ; ao da Austria porque a sua poltica rama condescendencia. S um momento pareca
IlfTERIOR.
\SSKMIILKV I.KKVI,
CMARA DON MMIOIU
DKPITAIMH. -tf*
PUIJIEI1U SESSAO l-nEPAnATOniA Ettf4 DE df.zem-
ano de 18t">3.
Presidencia do Sr. Pinto <>4 JfntrfOfcf.
s onze horase meia da pt^maa acham-se pre-
sentes 53 Sis. deputados ekfclos. -
O Sr. Pinto de Mendonca, cr>m o mais vellio-
No movimento a favor da successo allema. e
como isso da separaco de Schleswig e Holstein da
Dinamarca tem desapparecdo todas as differcncas
de partidos, a assembla nacional e a assemlila
grande allema, protestantes e catholicos, liberaes
e conservadores, demcratas e aristcratas dao-se
a mao, com
sia, os qoa
zas, nao por _
era qualqu t movimento nacional d'a Alemanha
um perigo para o seu governo momentneo na
Prussia. E assim como as meos, assim as repre-
sentaeoes nacionaes.
Onde as mesmas se achara reunidas actualmen
Para.
Ambrosio Leito da Cunha, Tito Franco de Al-
roei.Ja e Domingos Antonio Rayol.
Maranhao.
1* dstricto.Antonio Marcellno Nunes Goncal-
ves.
2o districlo.Joaquim Gomes de Souza, Francis-
co Jos Furtado c Virato Bandeira Duarte.
Cear.
1 dstricto.Antonio Pinto de Mendonaa e Fre-
nlo Braga, Joao
Domingues da Silva.
Leandro Chaves de Mello Ratis-
3" districto.-
bona.
Rio ficande do Norte.
Amaro Bezerra Cavalcanti e Jos Moreira Bran-
da.) Castello Branco.
te, ellas se pronunciaran! enrgicamente pela cau- Parahyba. '
sa dos ducados o do seu duque, como as camaras : I dstricto.Jos da Costa Mat-hado Jumor, Lin-
de Wurtemberg e de Darmstad, que queriam em- 'o'pfio Jos Correa das Neves, Diogo \elho Caval-
pregar lodosos meios poss veis para levar o duque canti do Albuquerque, barao de Mamanguape,
Frederiro ao throno, se preciso fosse pela torca, Anisio Salathiel Urneiro da Cunha e Filinto Hen-
assim tambem a cmara dos deputados na Prussia, riqiie de Alnieida.
que declarara uma questao de honra de todos os. ^dstricto. -JoaoLeite Ferreira
governos da Alemanha de fazer com que os'duca- \
los coiiseguissem a sua independencia nacional. '
Timbera na Austria o Rechsratk dirigi a esse res-
f f
incluso, o capito do corpo de guarncao desta pro-' Dito Francisco de Paula Correia de Aranjo. desintellgcncias daquelle general com os seus che-
vincia jW Joaquim de Barros, que lestacou para Remello Vmc. a inclusa copia do officio que em fes subalternos.
a villa de Tacarat.Communicou-se ao brigadei- 22 do corrente m>'dirigi o commandante da guar- Sobrea atitude dos exercitos nada se sabe ao
ro commandante das armas. cao, para que d com urgencia as providencias; certo, nao tendo o general Flores escripto nina pa-
bilo ao inspector da thesouraria provincial.' necessarias no sentido de serem derribados dous lavra aos seus amigos de Buenos-Ayres nos nlti-
Respondendo ao officio que V. S. me dirigi em p> de eoqueiros existentes no quintal da casa em mos 20 dias.
24 do corrente sob n. llli, tenho a dizer que ap- que funcciona a Faculdade de Direito, visto que Invocando o testemunho de pessoas vindas da
u-ovo a arreinataco frita por Joao Carlos Augusto tora essas arvores de damnificar o edificio do los- Campanha Oriental, diz-se'qe na sua passagem na
da Silva do tornecimento por um trimestre aos pital militar, se cahircm impellidas pelo vento, povoaco de Dtirasmo, tomara aquelle general 500
nresos Slbres da casa de delenco cora o abate de como se receia. fardamentos, 50 arrobas de plvora o algum arma-
\ or rento nos precos do contrato existente, o sob ; Dito a supplenle do delegado da capital major ment do governo, e que se Ihe tinhara incorpora-
fianca do proprielano Jos Lopes da Rosa. Gustavo Jos do Rejo. Envo Vmc. para seu' do 80 infantes de uma torca sahida de Sallo, sob o
Dito io mesmoPode V. S. mandar entrega rao conheeimento a inclusa copia do officio, com que commando do coronel argentino Lmela.
Adre los Antonio dos Santos Les** em duas pres- i respondo ao que em 2(5 do corrente me dirigi o Os vapores que vem do litoral confirinam a no-
uefie* eunfoniM indica em sua informaco deM'jDr. chefe de polica, comninnicando-me o pedido ticia de que estactonain partidas de revoluciona-
jinrommle sob n I>I7 08 does co.itos dr r.-is vo- i que Vmc. ihe fizera de sua oxoneraco do cargo ros em toda a campanha ao norte do Rio Negro,
tente do 1 supplente do delegado dessa capital, c vis- estando reduzidos os J
/oes ahi declaradas, pelas quaes Ihe foi rados as povoacrs.
da e da plena confirmaco Tendodeixado entrevera imprensa do Montevi-
que s rarsmas acaba de dar esta presidencia era do que o governo paraguayo entrara era nina al-
deinonstracao da confianza e consideraco qnc llanca offensiva e defensiva, apressouse este gover-
Vmc. Ihe merece, de esperar que Vmc. contine no em fortificar a ilha de Martiin (arria, reforcan-
a prestar os seus Iwns serviros polica desta ca- do a sua guarnicao.
pital, quando a isso fr chamado. Ao mesmo tem o ministro da justica foi a En-
Portara. 0 presidente da provincia, attenden- tre-Rios para ler uma conferencia cora o general
do ao que requereram o capito de 1* batalhao de Urquiza, que talvez nao seja cslranho a esses suc-
artilharia Antonio Jos da Silva Brasil e o alferes cessos.
do 1* de infantaria Jos Guilherrae Guimaraes, I De poltica interna pouco pode adiantar-se que
arabos da guarda nacional do municipio do Recife, despert o inleresse dos leitores ejlrangeiros.
resolve, de conformidade rom o disposto no art.! Ainda queum pouco afastado o periodo marcado
69 da lei n. 602 de 19 de setembro de 1830, con-: para os comicios pblicos, comecam a agtar-se os
rrder-llies passagem para a lista de reserva, afim circuios, e a questao eleitoral est j na ordem do
rom aggrrga.los aos carpos que Ihe forera de- j dia com o calor cora que aqu se trata os negocios
signados pelo respectivo commandante superior, I mais triviaes.
^loT^"artigo'J" da ledo oreamento vigonte do suplente do delegado dessa eaftal, e vis- estando reduzidos os do governo a viverem encer-
. tiara o wlte'gio do Born Couselho em Papa.-ara. I ta das razoes \\i declarafl-
I Dito & cnsul de Hannover. Acensando rece-1 essa exoneracao recusada e
.1^0 oflcio iue me dirigi o Sr. Win. Otto em
' !?o correnll tenho a declarar-lhe era resposta
<|Ue dli cuinprimento as ordens imperiaes r.-lali-
v* a'sua nomraro de C3nsul do reino de Hanno-
ver nesta provincia. Fizeram-so a este resp.ito
as necessarias communieacoes.
DjJo ao cnsul da Italia. Recehi ooilicio que
em 22 do corrente e sob n. 4, me dirigi o Sr.
Eduardo P. \Vil ne>/i provincia, tenho a dizer-lhe em resposta que
*'primeira opportaoidade ser encamiahado
presenca do governo imperial como
Tuesiitu Sr. vipe cnsul a petieo de graca
dito italiano Vicenle Poncio Kern-ira.
lwb ao ins|Mctor do arsenal de marinhaMan-
,!,. V S. calafetar o convz da canhonheira a va-
nar *-iinnv,-romo requisltourd respectivo comman-
oiririo 28 do correute.
no.Respondo ao seu officio nume-
o corrente, declarando-lhe que (lea
)ntrato que V. S. celebroii com o
a
soliritou o
do sub-
interna, a qual como sabida tem era vistas um es
tado central drntiro ao dinamarquez, s colheria
embaraces de uma cooperaclo para dissoluco do
estado central dinamarquez!
As duas potencias por isso desojarn antes nao
impedir a successo segundo o protocollo de Lon-
dres ; mas a agitacao nacional recente pelos direi-
to* do duque Frederico nao as deixa d.-clarar-se
.-iberiamente ; e por isso como resulta de nina de*.
claraco do Sr. de Bismark na cmara dos deputa-
que se eslava inclinado a concessoes concilia-
doras.
O bario de Scheel-Plessen, at agora presidente
da cmara'do Holstein, tinha sido chamado para
Copenhague, e alli Ihe fra oferecida a pasta de
ministro pelo Holstein. O Sr. de Scheel-Plessen,
pertence ao partido poltico dos ducados, que mais va Campos.
promplo est para entrar as vistas dinamarquezas,
e nao se opporia a uma unio commum dos duca-
dos com a cora dnamarqueza, mas que exige a
dos de Berln, e de expressdes concordantes do con- p|ena autonoma interior de Schleswig"o Holstein,!
de Rrr'iberg no Reichsrath de Vienna, ellas con- e a primeira condieo que o Sr. Scheel-Plessen fize '
primeira condieo que
ra, foi naturalmente a revogacao da nova constitui-
co dano-schleswigueza. A sua exigencia foi apoia-
da pelas mais vivas representacOes de lodas as
grandes potencias ; mas o rei Chrisliano recusou,
e, depois de rompidas as negociaces, a constitui-
C'Ia il'IIH.vrhlii^n'mii.i/'i .mnn i., .w.-i ftitn f. ti mi.
3dstrictoChrisliano Benedicto Otloni.
4o distrlcto.Domiciano Leite Ribeiro o Joi das
Chagas Lobato.
6 districlo.Joaquim Felicio dos Santos.
7 districlo.Alfonso Celso de Assis Figueiredo
e Ilenruue Limpo de Abreu.
Santa Catharina.
Joo de Souaa Mello e Alvim.
KI.K.ICA.i DA PARAHYBA.
O Sr. Cari-kiroda Ci.nha (pela ordena requer
que a mesa Ihe envo os diplomas dos deputados
cao dano-schleswigueza, como j est dito, foi pu- .u.e ,
blicada no Sehleswi" P*-''0 dls,nFto Os armamentos militares do governo dinamar- Sk- An*no n Mrlia dia que, nao sendo op-
m o emprego ulterior de todas as for- Prtu"0 quenmento do preopinante visto co-
stram de maneira alguma a intencao '"> pelo remmento, 'nstalladaja mes* Htmrt e
W NT... M ~W ..m dia nu recebidos- os diplomas, deve segu.r-se inmediata-
quez, fetos com
SIS, nao mostrara
e fazer concessoes. Nao se passava um da que
nao tronxesse novas tropas das ilhasdinamarque- men,e e,wcao da mesa interina, pedia ao Sr. prc-
ainaa em execucao o pooe ser revog.tua, e nao e em loaas aj frnntcias ,j0 Hl
anda um facto consumado, o por essa razao o tra- ,jos caminhos de ferro o ao
tado de Londres deve provisoriamente ser conside- a fa dnamarqueza aelualn
rado como obrigatorio para a Prussia e a Austria. calcuada em Jo mil borneas.
visto terrm sido considerados incapaan do servico
a.tivoem insneceao desade.Coraraunicoii-seao
commandante soperior da guarda nacional do Re-
cife.
Dita.O presidente da provincia resolve no-
mear o continuo da secretaria do governo Lufe
As personalidades que formam o adubo dessas
dis.ussrs causaram um duello enlro o redactor
principa! da Noco Argentina e ura coHaborador
da Tribuna, sendo o resultado receberem ambc
nma estocada, e nada se adianlar sobre o melhbr
meio de proceder em materia de eleicoes. Avrjljos
S
i

\

-X
^
nio Manoel de Arago e Mello.
Pernambuco.
1" districlo.Francisco Xavier Paes Barreto.
Alagas.
2" dstricto.Jos Angelo Marco da Silva e Aris-
tides da Silveira Lobo.
Sergpe.
Io districlo.Felippe Lopes Netto, Leandro Be-
zerra Monteiro, Francisco Leite Billencourl Sam-
paio e Thomaz Alves.
i" districlo.-Luz Antonio lkirbosa de Almeida.
Baha.
1 dstricto.Joo Jos Barbosa de Oliveira.
3o dstricto.Zacharias deGes e Vasconcello-
e JuSiniano Baptista Madureira.
Espirito Santo.
Antonio da Silva Nunes, Antonio Pereira,
e Jos Ferreira Sonto.
Rio de Janeiro.
Io districlo,Joaquim Sa'.danha Marinho, Fran-
cisco Octaviano de Almeida Rosa e Jos Caetano.
des Sanios.
2o dislricto.Pedro Luiz Pereira de Souza.
3o dislricto.Joaquim Manoel de Macedo, Jos
Fernandes Moreira e Joo Manoel Pereira da
Silva.
4- dstricto,Pedro de Alcntara Bellegard e
Antonio de Aranjo Jacobina.
Minas-Geraes.
Io dislricto.Francisco de Paula da Silveira Lo-
bo e Manoel de Mello Franco.
2u dislricto.Antonio da Fonseca Vianna, Theo-
philo Benedicto Ottoni e Martinho Alvares da Sil-
vieram no seguinte acerca do protocollo.
O protocollo de Londres declarara ellas
acha-se era p e cae com as obrigaces que a Di-
namarca, em troco tomar para cora a Alemanha,
relativamente posico dos ducados de Schleswig
e Holstein.
O protocollo de Londres por consequencia cada-
cou desde que a Dinamarca nao cumprio essas
obrigaces, e a Prussia e Austria llcam lvres de
lodas as obrigaces que o dito protocollo lhes im-
pem, logo .fue seacharprovado haver a Dinamarca ]
rompido os sea, deveres. ,-|,.,
A constiluicao dano-schleswigueza e um romp-; zas para os ducados .* Sobretodo .desde os ltimos sidente a execucao literal do regiment, reserva-
meulo desses devcres.niasat agoraella nao entrn uas aciiam-se coltocadas tropas com artilharia das paia ocrasiao competente quaesqncp reclama-
anda em execucao o pode ser rev^ada, e nao eni'todas'as frontera* do Hol>tein, as estaedes cesque se hajam flefazer
Ion dn rio Ftha n S* Pt)iDENTE:hnlendo qae nao ha ques-
ilmente no HolSeS' &> **&"* a disculir- Sr- *o** P' lo ***
..ins Houtein, e ^^ para|iv,)a do Norte pedio-qne se Ihe ds-
A vahdade desse tratado porm nao im|iede, que a
.-onfederaco sustento cntrrtanto os seus direitos no Tambem trablha-so com toda a pressa no arma- districlo : assim o fiz, nao vendo_ molivo para Ihe
Holstein e'Lauemo.urg.1, nlervindo era .-onformda- memo das forliffcacos de Friedrichstadt, de Ron- negar a reqnisicao ; portan,, nao ha e nem pode-
de da constiluicao federal, contra quaiquor leso. dshorgo e do assim clwinsdoDanewrko, uma li- haver, segundo ma parece^ discusso alguma a
dos deveres fe eraes da Dinamarca (totalmente w- nha de defensa no Schleswig meridional. Apezar' esle respeito.
dependentes desse tratado) nos ronimon ducados, de ludo isso, nao. se lera por provavel, que a Dina- O Sn. Carneiro daCcnha :Sr. presidente, nao
Urna seimMUante intervencao j se achava resolv- marca opponha resistencia armada a um corpo-fe- me sorprende a exhiMcao desses papis falsos so-
da pola confederacao, ainda antes de fallar da quos- deral que entrar, em qnanto este nao atravessar as bre a mesa, a que osjtossos competidores do o no-
tao de successo, em lempo de vida do rei Ifcede- fronleiras rto.Schleswig. modo diplomas. Ea represontao do ultimo
rieo VII; o seu sueessor, Chrisliano IX, -tambem .A imnrensa.de Copenhague verdade, que com acto dessa farca, ridionla que se ensaiou no con-
osucressor .la sua poltica, c uo existe motivo al- isso ameacn, mas minio beut se sabe que a Ing!*- vento do Carino da capital da Parahyba...
gum para nfn dar seguimento exocmjo toderal trra Franca t Russia at agora muito.decuJWa-i O Sr. Silveira Lobo ".Mas por ora nao se tra-
ja resolvida. \ moole-se diwftirarara contra isso. ] ta desta questao.
A proposla m dina, apoiada pela. Pnjssia e Aus-! tumos
mm
Tr


btarlo reroambuco -- ftuinta fera 31 de Dt*cni|ti de t#S.



"***". do no?5fts eleu-ors. Quc-
rconslrar iji documentos
a qitestao l
aJO alO*.
l'ii Sh. Itaprr.ui : Mas ulo lia nada en dis-
cusso.
O $*. C.Vrneiro dxCinma :Sr. presidente, for-
tiuitemlo o meu protesto nao fago mais.. do que
panhar os precedentes desta casa.
preparatorias de 18til, aprescntando-se uin
lidort'3 llvcssem apresentado diplomas, pn'ro'.'I.vmc e Serrino, os Srs. Pamplona, FurWdo, Barbosa de
llova cumplir a dspo.-igu i o regiment, Olivetra, Rayol cFialho,
afiVn I n nos, n*nfLilc$~, toinsaembs parto
as discnssdes e votagocs da casa.
'"lista pela imprensa que aeleigo da 3o circulo
do Cear contestada por falsificagoes que se diz
tercm havMo no livro das acias, c lambem por du-
plcalas que tiveram lugar ein duas freguezias
dessc districto, a de Misso Vclha e a do Bar-
dtpldinata polaprovincia doMaranhifo, alguns Sis. balito.
dcputados pediram a palavra e offereceram un | Declaro, Sr. presidente, que nao pretendo fazer
protesto contra a sua vahdade.
qoesto sobre o volar oa deixar de votar; mas pe-
Nesta discusso tomaram parte os Srs. eowsc-' co cmara que faca a devida jusliga, consideran-
llieiro Furtado e Theophilo Ottoni, alm de outros. do-nie e aos meos collegas eleltes pelo 1 distrelo
Cerno, pois, se me pode lolher hoje de- igual di- do Cear as mesmas condieocs em que est o Sr.
reito T Dr. Hatisbona pelo 3 districto, porque me parece
O S*. StivEina Limo : Mas n5o se deve antici-1 nao ser desconneldo que a respeito deste senhor
par a discusso da legitimidade ouwao legitimida-' prevalece m as mesmas raides que a nosso res-
de dos diplomas, pera,
O S. Caiineiro da Ciniia :Nao vou discutir a Se a cmara decidir que o Sr. Dr. Ratisbona p-
qtesto, vou apenas mostrar com a lisia dos ve- do discutir e votar, o nos nao, eu me sujeitarei a
readores da cmara municipal da capital queesse essaderiso; sentindo somente nao poder conyen-
locnmento falso est .^signado por supplentcs al- cer-mo de que ella soja justa, porque, como disse,
li nao juramentados I... os nossos competidores nao apresentaram diplomas,
O Sr. Silvkiiia Lobo : Esta a discusso da
materia.
U Su Cabkuhoua Ciniia :Sigo nesta materia
es precedentes da casa...
Im. Sr. DErtTADo :JA proleslou.
O Sr. Cuineiro ia Ci sha :Mas o nobre de-
putado nao me pode tragar a Imha dentro da qual
levo fazer o mea protesto.
O Sn. Silveiiia Lobo :Nao, scnbor, mas quero
a regularidade da discusso.
e estamos no mesmo caso do Sr. Ratisbona. "Pero,
portante, V. Exe. que consulte a cmara se o Sr.
Dr. Ratisbona pode tomar parte nos trabalhos da
casa, discutir e votar, com excluso nossa, que tam-
bem apreseniamos diploma, sobre os qiaes nao ha
contestadlo alguma por cummuwcacao oflicial.
O Su. Presidknte :A mesa procedeu de con-
3" connnisso.Babia, Espitilo-fSaulo c Rio de
Janeiro, os Srs. Pinto de Mondones, Joao Loile,
Joaquim Felicio, Paes Brrelo e Anstides Lobo.
4' commissao.Minas-Geraes e S." Paulo, os Srs.
Arago e Mello, Jos Caetano, Yaldetaro, Paran-
gu e F. Octaviano.
5* commissao.Goyaz, Malto-Grosso, Paran,
Santa Calharina e Ri Grande do Sul, os Srs. Joa-
quim de Macedo, Mello Franco, Leitao da Cunha,
Ottoni c Martinho Campos.
O Su. Presidente convida a prestaren) juramen-
to aos memoras eleilos para as referidas commis-
soes.
O Sr. Solt manda mesa diversos documentos
concernentes eleicao da provincia do Espirito-
Santo.
O Sr. Ottoni manda mesa duas representagoes:
nn barra de QknaVia o brigue nacional Especula-
ilnr q.in soguta ein lastro para o rio Itajahy.
Nada mais sabe o commandante a este respeito,
por ler occorrido o sinistro na occasio de sua
partida.
DIARIO DE PERNAMBUCO
Hontem tarde fundeou em nosso porto o vapor
francez Extremadure, procedente do Rio de Janei-
ro e Bahia. com dalas do primeiro at 24 e da se-
gunda al 27 do correte. Dos jornaes colhcraoa o
que segu.
,Rio de Janeiro.Teve lugar a nona sessao pre-
paratoria da cmara dos Sr. deputados, sendo
nella approvadas as eleirSes do 1 districto de
Minas, 2 de Pernambuco, da Babia, 2o do Ma-
da Babia, 2 do _
urna do Sr. Dr. Gaspar da Silveira Martms acerca ranhao, e as das provincias de Goyaz e Para e re-
da eleicao do 2 districto da proviacia do Rio Gran- conhecidos deputados os Srs. : Drs. Francisco de
de do Sul, e outra doSr. Dr. Jos Antonio de I-'i-
gueiredo acerca da eleicao do 2 districto da pro-
vincia, do Cear.
O Sr. S.u.danha Marinho manda tambera mesa
urna representaco do Sr. Frcderico Carnciro de
Campos acerca da eletgo do 3 districto da provin-
cia do Rio de Janeiro.
Os documentos e as representacoes sao enviados
s respectivas commissoes de poderes.
O Sn. Presidente convida aos Srs. deputados a
NOTICIAS COMHERCAES E MARTIMAS.
Rio de Janeiro, 23 de dezembre.
Ultima hora.
Cambio.Incluindo transaegoes poaco impor-
tantes efectuadas hoje sobre Londres a 27 1|4, 27
3|8 e 27 i|2 d. e sobre Pars a 346 rs., sommam
os saques pelo paquete francez Estretnatlure :
Sobre Londres : 430,000 a 27 lii 27 3i8, 27
i|2 e 27 5|8 d.
Fecliou o cambio firme sobre essa praca de 27
i|4a27 3i8d.
Sobre Franja: 1,200,000 francos, a 344, W, 46
e 48 rs.
Sobre Lisboa e o Porto regolou o seguiote :
102 0[0 a visU.
101 0|0 30 dias.
100 0i0 60 dias.
9'J 0|0 90 dias.
Apelires.Das geracs de 6 0|o negociaram-se
boje ll'ia 102 Oto
Dcsconros.Nao liouve mudanca na laxa ante-
rior : conserva-senos bancos a9 0|o; na praca
regulares a 9 \\ 0q.
Melaes.Exportaram-se em moeda desdo a ga-
ida do paquete inglez Paran at hoje (23) os va-
lores seguinies:
pardos Muxiliiiano Gunealv
gaez ; Cosme, escravo de
raes, requerirymto
A' ordem do de S. Jos,
Oliveira, branco, dispoeicao do coronel recrlita-
dor ; Carlos da Silva, pardo, para correccao.
A' ordem do da Boa-Vista, Antonio Jos Perora
Pires, portuguez, por offensas physicas.
A' ordem do da Varzea, Jaaaario, crioulo, esla-
vo de Manoel Joaquim, por futido.
O chefe da 2- seceso,
/. G. ie desquita.
Movi ment da casa de detencao no dia 29^16
dezembro de 1863 :
Destinos.
Brdeos
Pernambuco
Ouro.
29,2104000
,4o05000
O Su. Cahneiuoda C.imia :Par apresentarodividuo se aprsenla protestando contra elle, alm
meu protesto necessario que fundamente e d as. de que nao consta que tenba havido duplicata no
razoes em que o baseio... 3" districto da provincia do Cear.
formidade com o regiment da casa. O Sr. Dr. Ra-, reunirem-se amanha hora marcada no rgimen-
lisliona aprsenla uro diploma a respeito do qual' to, e levanta a sessao as duas horas e meia da
nao ha a menor reclamaoao ; e nenlnim outro in- tarde.
Total.
O Sn. Araoaoe Mki.i.o : Receia que a commis-
sao nao seja bastante perspicaz para conhecer da
questao ?
Nao se d o mesmo acerca do Ilustre mepibro
e dos scus collegas, porquanto publico que hou-
ve duplcala na 2 districto, c outros se acham na
mo ii: j \ moiik.
41 de dezembre.
Pelo ministerio da fazenda foram expedidos os
(pedidos pela cmara municipal legHi
nnnte coustiluida dos vereadores eflectivos, e que
08 dos nossos contrarios sao assignados por sup-
plentcs nao juramentados I,..
Im Sr. DrrTADo :Em occasio opportuna.
O Sn. Cah.neiro da Cima : Emlini, como os, turma de eleilos, nao est no caso de ser admitlidn
nobres ileptiiadi s moslram-se desejoso> de ver ter-: a volar, e fui por is:o que a icesa nao ocpateniplou
minada esta disiusso para se passar eleicao da j na rclacao dos que devem votar para a eleicao da
mesa e da conimss3o de verilicacao de poderes, | mesa.
guerra, communicando, para
devidos eifeitos, que, em de-
querimento dos empregados da se-
supremo militar, que acom-
districto. panhou o seu aviso de 14 de outubro prximo pas-
0 regiment claro quando se exprime assim. sado, resolveu este ministerio declarar .jucos emo-
(L). E para mim fra do duvida que, tendo la- lumentos que teem de pagar aqueltes dos referidos
vido no districto do honrado niemhro mais de urna empregados (jue lveram augmento de veneimen-
Ijinilo-nie a estas |ioucas observares, olTerecendo
as como un proleslo vivo contra a falsidade do
instrumento com que se pretende nesta casa ferir
atacar o nosso direilo.
EI.EICAO IioESI'IRIIo SANTO.
0 Su. Solza Pinto (pela ordem):Sr. presi-
dente, pretenda igualmente, como o Ilustre ra-
dor que acaba de sentar-se, dirigir algumas obser-
vacws a mesa acerca da regularidade plom.i que foi apresentado pelo Sr. desembarga-
dor Sonto como candidato deputacao pela pro-
vincia do Espirito Santo. Assim procedeudo, mo
parece que. nao se discute a validado das eleifdes,
O Sr. Braca :D-se o mesmo a respeito do 3"
districto.
O Sn. Presiden :Perde-me; o que ha rela-
tivamente ao Sr. Dr. Racbona o que acontece
tambem com o Sr. Pereira da Silva e outros, cujas
elcicoes se conteslam, mas os contendores nao aprc-
sentam diploma algum, c por isso foram adniittidos
na rclacao dos votantes para a mesa.
O Su.' Ratisbona : Sr. presidente, por ora nao
se discute a eleicao do 3." districto da provincia
do Cear.
O Sr. Braga : Nem eu procurei discuti-la.
O Sr. Ratisbona : Por esta razo deixo pas-
porqne semelhante trela prtente exclusivainen-1 sar sem resposta as obse vac,oes que acaba de fazer
te commissao de poderes mas pergunta-se, de-1 o honrado orador. Quanto, porm, questo que
ve a mesa como tambem pergniitou em 1800 o ] elle agilou, cu acho que, nao s o honrado orador,
honrado membro por Minas-Geraes o Sr. Oltoni,
aceitar um diploma laxado de irregular e visiwl-
niente millo 1 Devem os legtimos o genunos re-
presentantes de urna provincia ser privados de
cencorrer para os actos da cmara- s porque ap-
parece um cidadao com um diploma intuitivamen-
te irregular ? Esta a questo que foi ventilada
em 1860 pelo Sr. Ottoni; trata-se entao do di-
ploma de nm candidato pelo Maranhao, e essas e
outras rcflexoes foram fetas por esse honrado de-
putado por Minas, e diversos oradores, impugnan-
do a aceitaco do mesmo diploma. Creio, pois,
qoe o nobr membru pela Parahyba nao estava f-
ra da erdem, romo naquclla occasiio nao esteve o
nobre deputado por Minas. Decidise enlones-
sa poca, porm, que desde que apparecesscm
duas luri'v.'. 4e gjeitof, somente portencia com-
nfssao de podereT*aerificar a legiiimidadc dos di-
plomas, c pois nao, o dado insistir sobre esse
ponto. Mas a||c)veilarei tambem a occasio para
iroteslar corno > '"'nslre orador que me procedeu,
jzendo idntico o IV - ment nullo, expedido uo. ^reador <|ue, con-
vocando outros e larde do u nuracao, man-
daram ao Sr. desembargador diploma
que acaba de ser apresentado mesa,
O Sn. Su.va Nines : Diplomalilho da fraude c
da mais escandalosa intervenco oflicial.
O Su. Peiikiua Pinto :Faco este protesto, Sr.
presidente, porque nao justo, repito, que nos,
que somos os legtimos representantes da \. .jvin-
ca do Espirito Santo, nos que apresenlamos os di-
[domas enviados pelos vereadores effeclivos da c-
mara municipal da capital da provincia, tejamos
excluidos de concorrer com nossos votos para a
formacao da mesa e outros actos importantes da
cmara.
O Sr. Solt. interessante a aecusa^o de
nullidade que acaba de fazer ao diploma om que
me apresentei o portador de um papel destituido
do menor valor, o portador de um diploma cenhe-
cidamcnle falso, como hei do provar com docu-
mentos incontestavois que aqu trago.
OSn. Silva Nlnes: lambcm da nossa parte
os ha.
O Sn. Solt :Venliam ellos : isso o que eu
qtiero, s desojo que se suba esclarecer a verdade,
nao quero seno que se desmacare a impostura ; e
Sanca cortos de que nao sena eu que disputarla
esse lugar se nao livesse conscienciado meu direi-
10; serta incapaz de apresentar-me aqu com um
documento nullo...
O Sa Peiikiua Pinto:Nem nos.
O Su. Soi to : Entretanto, tendo-me sido lo dis-
putada, por tricas, |>or immoralidades e Ilegalida-
des, osla eleicao, devia acabar por esta ultima
fraude.
O Sr. Silva Nines :Nao houve s fraude, bou-
ve rohtpressao inaudita, como mosirarenqa.
O Su. Soito :Discutiremos isso, desejo-o mili-
to; mas, como eudev.i obedecer aos precedentes
da casa e ao regiment, nao posso-agora fazer mais
do que proferir oslas palavras como contra-protes-
to, e pedir mesa Ucnca para mandar commis-
sao de poderes que for'eleita os documentos que
provam a falsidade, que agora denuncio, dos di-
plomas contrarios.
O Su. Ottoni :Fui chamado de algum modo
discusso...
U Su. ("aiineiiio da Ciniia : Invoque! a autori-
dade do V. Exc.
O Sr. Peiikiua Pinto :E autoridade mu va-
liosa.
o Su. Ottoni :... por um honrado menibro
que aprsenla um diploma de deputado |>elo dis-
tiii to eleitoral da provincia da Parahxba, invocan-
do o loen te.-ieiiiiinlioe autoridade. Outro honra-
do iik-../Jiro, que lamlxin aprsenla diploma pela
provincia do Espirito-Santo, do mesmo modo se re-
ferio a mim,\e allegou o que eu bavia perguntado
ni sessao do 1B60 se acaso quabpier individuo
ajiresenlando-seMia casa com um diploma sem no-
nnuma authenticJlade devia ser admittidoa discu-
tir e a votar. Mis o honrado membro encarrefou-
se mesmo de dar a eipiieacSomoeu leriadeiiar;
acamara ent.yf resolveu,era j aresto, que todos
aou lies individuos que se apresentas.-em como um
papel chamado diploma fossem admiltidos c tives-
siin ssenj^ sendo considerado como diploma o tal
pape, o rcmeUido commissao de poderes.
Eu quera que o presdeme da casa livesse au-
toridsde, cm certos casos, para repeHir desde logo
aquellos que nao tivessem aenhuma presumpeo
legal; mas, repito, decido-se o contrario, entn-
deu-se ue todos esses papis ossem considerados
como diplomas e remullidos respectiva commis-
sao. Po* consegiiinle naila temos a fazer actual-
mente. (Apoiados.)
0 Sn. Pereira Pinto :Estamos de accordo.
O Sr. Ottoni :Eu ealei-me, ouvi ao honrado
membro, |wquo emiim ludo quanto for facilitar a
lberdade da discusso na rasa acto ma vantageai (apoiado) mas devo ponderar que,
na forma des precedentes, nada ha por ora a fazer.
Nem V. Exc, Sr. presidente, lem que decidir a res-
peito dos papis quu foram apresenlados como di-
plomas, s Ihe ncombe envia-los commissao. Be-
<]ueiro, portante, V. Exc. a execucao do regimen-
t ; procedamos i eleicao da mesa e das commis-
fides de poderes; ellas nodroi|naesos diplomas
que sao legaes, e quina os que devem ser re|ellidos
por falsos ou illegaes. (Apoiados.)
CUEIClo 00 CEAR.
08b. Braca JrMos (pela erdem):Sr. presi-
dente, jior occasio de se ler a retacan dos deputa-
dos que enviaran) os scus diplomas mesa iiotei
que o Sr. tr. Ratisbona 6e ada va na lista dos de-
putados faifa pelo Sr. secretario para tomar parte
as disciissoes e votaees da cmara, -notando ao
mesmo tem| meus col lenas ete tos pelo 8a ditrieto da provincia
do Cear, achavam-sc em urna lista distincta,eomo
que liavendo contestefSo a respeito da nossa elei-
cao. Desejava, ps, ser esclarecido daraziio pela
jual a mesa faz esta dislinccao.
L;M.\ Voz: muite clara.
O gu. Brac.a :iVao isto urna qnesto simples,
porque, Sr. presidente, se acaso os nnwos compe-
como tambem todos que apresentaram diplomas,
nao bavendo em competencia diplomas guaes, de-
vem ser admiltidos a tomar parte nos trabalhos da
casa. (Apoiados.)
Eu fundo esta doutrina na presumpeo de que
aquello que aprcseula diploma, nao sendo contes-
tado por outro diploma expedido pelo poder com-
ptente, tem a seu favor a presumido da legit-
midade da sua eleicao. (Apoiados.)
0 meu diploma est neste caso. Tem apparc-
cldo, cerlo, coHtestac.es a respeito da elei(;ao
do 3. districto do Cear; mas nem ellas fo-
ram apresentadas cmara municipal aparado-
ra, e nem consta que tenham sido enviadas esta
cmara.
E, anda mesmo quando o fossem, nao |>odiani
destruir a priori a presumpeo de direilo que mi-', alm da immorredoura
lila a favor do meu diploma. (Apoiados.)
Fundo anda esta doutrina na disposicao do art.
tos |iela ultima reforma por que passon a dita se-
cretaria, devem ser calculados na razo da dilfe- pcr,,,',"a
renca dos respectivos vencimentos c nao da sua | Qa'rt0
totai.dade. da ,:ruz
Paula Silveira Lobo, Paula Santos, Mello Franco, i
SouzaCarvalho, Silvino Cavalcanti, S e Albuquer-
que. Zaeharias de Ges, Casemiro Madureira, Jus-1
liniano Madureira, Padua Fleury, Rodrigues de
Moraes, Tilo Franco, Rayol, Leilo da Cunha, Fur-,
lado, Gomes de Souza e Virialo Bandera.
Nessa mesma sessao fteou adiada, por 24 horas,
a discusso do parecer sobre as eleices doPauhy.
Por decretes de datas diversas foram ub-
meados :
Juiz de direilo de Gurupa, de entrancia, no,
Para, ojuiz municipal Joao Nepomuceno Xavier taie.ercaao urme.
de Mendonca ; cas de cafe- ,.
Juiz municipal e de orphos de Itaborahy e San-: .. _B"/"a- 2J \ dezembro.
lo Antonio de S, no Rio de Janeiro, o Dr. Jerony-' ..Cambio.-Rogulou :
mo MaftinsdeAlmeida;
Inspector da thesouraria de fazenda da Babia, o
contador da mesma, Bernardo do Coulo Bruin ;
Contador da mesma, o inspector da de Minas-
Geraes, Jos Innocencio Pereira da Cosa ;
itispeclor da de Minas-Geraes, o dito da do Pa-
ran, Sebastiao Jos Cavalcanti;
Dito da do Paran, o chefe de seceo da mesma,
Lucas Antonio Monteiro de Barros ;
Primoro escriptnrano da thesouro nacional, o
segundo Jos Baptsla da Silva |
Segundo dito, o terceiro, Miguel Benevides Sca-
bra de Mello
Terceiro
Prata.
57U000
I
73,6604000 3745000
Vender*** 3,000 sac-
A saber
Existan. .
Entraram. .
Sahh-am. .
Existen. .
Nacionaes. .
Estrangeiros
Mulheres .
Estrangeiras
Kseravos .
Escravas .
342 presos
'
17
345 .
248
S6
2
2
60
7
345
>


>

i

is.. U
i nuil**
i Alimentados a cusa dos cofres pblicos
Movimento da enfermara do di 30 do-
de 1863.
Teve alia :
Joronyrao Ferreira de Albuquerque.
Teve baixa :
i Antonio Francisco da Silva, rheumalismo.
ni L ^ t. Obitiario do da 30 de dezembro no cemite-
28 d. pir 15 ; sobre Pars de 340 a 343 rs. por Ir.. tKBtKO~-
e sobre Lisboa de 9." a 100 0|o- -. Joaquim,'Pereambuco, 10 annos, Poco da Panella,
Fretes.-Para Bramen ellambiirgo 47 1,2 a 52 es(|uenenca. ^
IrS sch. ; para Gibraltar 7o frs. o 10 0,0; para o Luiza Maria,, TrBdjMk) escravil Pernamliucni
Cana o por o inglc 42 1|2 a 4o sch.; para o Con-, ann so||ei Boa_v ta stro-interile.
S9K?? Sv^Si JSSZL^nr?S.a^lM Prancisco- Pernambuco, l'anno, Santo Antoni
o 0|q ; para Marselha e Genova /. a no frs. e 10
0|0 ; para o Mediterrneo 73 93 frs. e 10 0|<);
e para Londres 65 sch. o 5 0|f).
Achava-se carga para Pernambuco, a pola-
ca hespanhola Elegancia.
Chegaram, procedentes de Pernambuco :
14, a polaca italiana Linda, com 3 dias ; o 16, o
ro dito, o qoarto JoSo Schimldt Nolasco patacho inglez Dispatch com 4.
da Cunha Sahw para Pernambuco, a lo,
o dito, o praticantc Jos Rodrigues Pereira Pe"ro *
.v.ite-coronel commandante do bat:
geral da conlabihdadc do thesouro, a respe to da* 27 de infantera da guarda nacional do P
hcencas deajes empregados, resolveu-se outros.m, ,enen[e Firmno A|JS dQS San,os
ordenar que fossem ellas reguladas pelo disposto nln .,.n ,ln i,,,h.- o A, _,, ,
espasmo.
Em soluco a urnai representado da directoia Tenente-coronel commandante do
batalhe n.
Pauhy, o
que tessem ellas reguladas pelo disp
nos arts. 53 e 36 do decrelo do 20 de novembro
de 1830 n. 7:16, procedendo-sc aos descontos de
Dito dito do batalho n. 28 da mesma provincia,
o capito Clementino de Sonza Martins ;
Dito chefe do eslado-maior do commando su-
que iraum os mesmos artifios de 1/5, 'A e h rom ior de Mamanguape e pi,ar na Par:vhvba, o
rolacao somente aos ordenidos, por serem a gra- cantj0 jjr pruncUm Am
liAe|des consideradas de effectivo exercicio, como
geralmenle se tem observado, e nao deverem para!
isso ser abandonadas pelo lempo das mesmas l-:
capitao Dr. Francisco Antonio de Almeida Albu-
querijue ;
Mayor commandante da I* scccSo
Pernambuco, Dr. Jos Cardoso de
seca ;
i inicial da secretaria de polica da corte, o con-
selhero Paulo Fernandes Vianna ;
Foi reconduzido o consclneiro de estado Eu-
9e reserva de
Queiroz Fon-
cencas. Oimmunicou-se recebedoria.
A' seceo de fazenda do conselho de estado,
relator o Sr. visconde de Itaborahy, para consultar
sobre o requerimento em que Robilhar de Marig-
ny propese a incorporar dentro deum aono,ej zModQneTrOCoutt^ camm
de confornudade com os principios por elle expos- bargador da relarao do Rio de Janeiro, no lugar ffV
tos na memoria annexa, urna eompanhia interna- de FbresMeme da -mesma a0 toral.
conal franco-brasileira, cujo i.m e promover a in-, 1 Foi d,mJtlido Antonio
o brigue D.
PERNAMBUCO.
Matlozo de Ahdrade
REVISTA DIARIA.
Hoje completa "este Diario o trigesmo-nono anno
de sua existencia, o qual foi sem duvida um dos
mais afanosos desta empreza em seu variado mo-
vimento ; pois teve de lutar alm do mais com
difficuldados monientosas e de grande alcance, pa-
ra nao deixar a posieo que mantinha no sentido
de conveniencia dos seus numerosos subscriptores,
accrescentando a osla situacao o estado pessmo do
commercio do paiz, oslado que acabrunhou a todas
emprezas, agourentaudo-lhes a expanso na-
A vida do jornalisla sempre cheia de fadgas c
iroduccao de bracos lvres'o commercio, o crdito (amarado l^r^e^nQ''l rtTecretaria 'dTnoli- contrariedades ; e d'ahi o motivo de |>oucos per-
em geral, e particularmente o crdito territorial, ^'b corte secretaria oa pon ^^^ ^^ ^.^ ^ ^ anno ^ v(da
l_ra.auxiliar a colonisa^ao c a agricultura no im-, Foi reformado no posto de major Francisco marya. uroa nova gloria, todava esta cercada de
Jos TeixeiraLyra", major "desigaado do batalho S!***? m'Jrt3,rio-
.i- nr.ni.ri. in a. L--. ^,4 h, nn- 'dea quem exerce
peno.
,- ~".' ,,_ .. .____,. de infantera n' .10 da gnanfa "nacional da provin-
bpuodtosda ruigem imperial.Imatestemunha ca do Rio de Janeiro
ocular refere-nos os segumtes episodios, que nio Tiveram nwrca serventa vitalicia :
foram os nicos mteressanles da viagem de S. M. Pruri A,Vi;sda s| ^ officjos ^ ,idor
o Imperador a Angra dos Res e distribuidor do termo de Ipojuca, na provincia
de que s pode formar urna
eSse difficil sacerdocio entre
nos.

Nesta cidade visiten S. M. em seu pobre do-
micilio a familia do finado Manoel Caetano de Lima,
o infatigavel constructor da capolla de nossa Se-
nhora Apparecida, e delxou-lhe urna boa csmola,
lembran^a da honra que
de Pernambuco
Antonio Manoel Barbosa de Menezes, do offkio
do 1' tabelllo, e mais annexos do termo de Can-
tagalo, na provincia do Rio de Janeiro;
Bernardo Gomensoro Ferreira Teixcira. do olli-
' ,J.a- .___. Pm.oi ,,. 5 ci0 de *" tebelliodo publico, judicial e notas, e
Paseando pelo largo do Cruzeiro notou S. M. mas aimexos do ter|l*B d(j JJu5o ^ ^rn, na
4." do regiment desta cmara, combinada com a a necessidade que all bavia de um chafariz, para inesm
do art. 8.* cujo abasleciniento abundam perto excellentes i.'. t..,...',;',
Diz o primeiro destes artigos : aguas.
Por esta relaeo sero chamados os deputa- Pouco depois agenciava-se urna snbscrip;aq para
dos tara dar seu voto em escrutinio secreto, pela essa obra til, o cada qual folgava de auxilia-la
forma disposla no cap. VII, para presidente^ vice-, com ai sua> quota i ma no d 2 ^(^^ da a|hlldega
Quando S. M. saltou em trra bi incava na fj.,i,ja
praia nm menino de 12 annos de idade. 0 impa- u_ r.immivr.
rador chamou-o, perguntou-lhe se j sabia lr, c
qual a familia a que |>ortencia, e respondendo
presidente e secretarios, que tm de servir ate a
eleieju) da mesa de que trata o cap. II, a qual deve
fazerse na primeira sessao depois da abertura da
assea.bla goral.
Nao sero admittidos a votar os deputados
por disti ictos em que houver mais do urna turma
de cleitos, os quacs tambem nao tomar parte cm
outros trabalhos da cmara, sendo-lbes apenas
periniltido discutir a eleicao que lhes disser res-
peito, desde que aprsentela diploma, retiran-
do-se, porm, do salao sempre que se tiverde
votar.
Nao ha, porm, mais de una turma de eloitos,
nao se apresentam deputados com oulros diplomas,
e eonseguintemente nao pode haver a menor du-
vida a semelhante respeito.
Depois, temos a disposicao do art, 8.u, assim
concebido
a que |M-rtencia, e respondendo c
mesmo que andava anda na escola, S. M., com pa-
ternal carinho, recommendou-lhc persevoranca c
emulado no cstndo.
Na visita que fez S. M. ao forte da cidade
acompanhnu-n, entre os curiosos, um velhq que
volta reptan jubiloso sor aquella a primeira vez
qoe dava tal passoio, tendo nascido em Angra, e
representando mais de meio seculo. Se nao fosse
o imperador, accrescentava o bom homem, nunca l
i ria.
Pelo ministro da fazenda expedio-sc aviso a di-
rectora geral da conlabilidade, communicando
ler-sc resolvido em conselho de ministros que 0
Quando a materia de alguma das commissoes producto da subsorpeo e donativos nacionaes re-
cohcluir o seu parecer annullando a eleicao de, colhidos ao thesouro se empreguem as dspotas
um ou mais deputados de qualqucr districto o mes-1 das fortillcaeoes ou reparos do fortalezas e outras
mo parecer flear adiado pan ser discutido e vo- obras da mesma natureza feitas na cOrtc e as
lado depois da abertura da assembla geral, na provincias, auterisadas pelos ministros da guerra
rao, porm, admiltidos, so o requerem, a defender I ministerios, por conta do producto da dita subs-
sua eleicao, quando dola se tratar em sessao or- cripeo e donativos, eseriptin ando-se a sua impor-
dinaria, fallando o numero do vezes c na ordem tancia em artigo eiperlaC
que permiti o regiment. Expedio-se tamhem una circular as lliesoura-
0 Sn. Braca : Eu pens como V. Exc; mas rias, declarando,para a devida inlelligencia e exc-
peco-lhe que tenha a iNindadu de ler a dociso lo- riicao, que as nomeacoes interinas nao esto su-
Isto posto, fechando o referido espaco, agrade.ee-
mosaos nossos subscriptores a sua franca coope-
; raco ; e confiado de que nos seja ella continuada,
em devida correspondencia, asseguramos-mes que
| tudo envidaremos para nao desmerecer a conlian-
f ca, que havemos logrado captar nesse periodo lon-
! go de vida jornalistica pelo cumprimente de nossos
compromissos.
Com o prazo de trinta dias acha-se a concur-
so o provimento da cadeira de diguidade de chan-
tre da s de Oliuda.
Hontem, por volta das 2 horas da tarde, as
torres das igrejas do Recite annunciarain ao sen
bairro, que um incendio acabava de manifestar-se,
o immediatamente tudo se poz em alvoroco para
acudir ao estabelecimento do Sr. Placido, com luja
de colchociro ra da Cadeja.
O fogo manifostou-se eiinima porco do palha,
Anlc-hontem (22) s I i horas da noite foi iu- Mdo oecasionado pela queda de alguma braza do
lia do Enge-1 fogao da cozinha do primeiro andarla qual fica
sobro a sobreteja, na parlo posterior, era Ifa
.loarjuini Antonio Teixcira, do ollioio deescrivo
privativo dos fetosda fazenda da provincia do Pa-
ran.
- Foi aposentado Antonio Jos de Almeida Ga-
da
jettas ao pagamento de emolumentos proporcio-
naos, mas to somonte aos dos de foilio e registro.
Ao Sr. mador leaqoim de Lima o Silva, presi-
dente da commissao directora da Praca do Com
mada pela cmara em 23 de abril de 1861.
0 Sr. Ratisronv :Decidise nessa sessao que,
no caso de urna eleicao de deputados em que hou-
vesse duplcala de diplomas, nao era applicavcl a
disposicao da parlo 3.a do art. 8., mas sim a do
art. 4. pare i"
O Sr. Biiaa : Emendo, pois, que tanto
cerno o honrado membro podemos discutir
votar.
0 Sn. Ratisbona : Estou de accordo nisto
julgo-mo com o direito de tomar parte nos traba j ros d agricultura, commercio e obras publicas,
Ihos da casa. en 9 de dezembro de 1863. Tenho presente o of-
0 Su. Braca : Como eu c os meus collegas. Picio que me dirigi a commissao da Praca do Com-
0 Su. Hatisbona : Nao contesto, porque nao mercio datado de 26 de novembro prximo lindo,
discuto anda a eleicao do 3. districto. acompanhado de urna petico assignada por 150
eleicao da mesa. das principaes casas commerciaes desta cidade,
Procedc-se eleicao da mesa, c sahem cleitos os i ponderando as conveniencias c necessidades de
formado o Sr. subdelegado da freguezia do Enge-
nho-Velho deque na ra de S. Christovo, defron-
te do matadouro publico, eslava o cadver de um
homem que lora assassinado,
irigindo-se esta autoridade ao lugar, sonbo
que a victima era um francs do nome Julio, tra-
bajador da casa de Barlholoineu Dias, na inesma
ra, em cuja frente achava-so o cadver.
A's 9 horas dessa noite Julio estava na taber-
na de David Jos de Souza, sita no mesmo lugar,
onde teve urna altercacao com Jos Francisco da
Silva, por antonomazi Vermelho. Qucixando-se
Julio de que elle roubara-lhc roupa e devia-llie
5005, Silva respondeu-lhe que nao o provocasse e
mandoti-o retirar-s>. Pouco depois Silva sabio em
direrciio casa de Barlholomeu Dias, onde tam-
bem trabalbava como sapateiro, e s 10 horas sc-
guio Julio polo mesmo caminho.
Momentos dc|iois as pessoas que tinham Pica-
do na taberna ouviram gemidos, e, saliindo para
ver quem os sol la va, descobriram Julio estendido
na ra, j som falla o apone gemendo, com urna
feria profunda no lado esquerdo do peito.
i Dando o subdelegado busca no qliarlo onde
Silva morava, e nao eneontrando-o, mandou exa-
minar a sua ferramenla de trabalho, na qual o
dono da oflleina de sapateiro nolou flta de urna
faca que Silva usava.
i Dorain-se todas as providencias necessarias
para a captura do assassino, requisitendo-a da
subdelegacia da freguezia de Santa Auna, rujos
cnicos Silva frequenta, costumando mesmo per-
"oUfin alguns delles, onde conta algtms amigos
o 'SWiiilii'ii'os constantes.
rain presos Manoel Vicente Ferreira c Jos l
e posterior, era 'tfas esla-
va a referida palha.
0 fogo iiodia ser terrivel se nao fosse o prompto
soccorro de alguns particulares, que intrpidamen-
te se apresentaram a exlingui-lo, e o consegui-
rn!.
Comparecern! o Dr. chote de polica, delegado,
subdelegados do Recite, S. Jos e Santo Antonio,
director da repartigo das obras publicas, ence-
nbeiros da inesma, Dr. Jos Mamcde, muitos cida-
daos que prestaram servicos, e as bombas do arse-
nal de marmita (2), do de guerra e da alfandega,
prestando esta c urna das primeiras o melhor ser-
vido.
0 incendio nao tomn tnaiores proporcoes por es-
lar localisado em um ponto onde nao bavia venti-
laeao.
Notou-so que apenas appareceu urna forga de
polioia de 16 pracas ao mando de um tenente.
Tambem eoinpareceu o coronel Lobo, fardado,
mas no lim.
O Sr. Placido pouco soureu, mas o Sr. Gustavo,
caiellereiro que mora no primeiro andar do pre-
dio, por cima da teja do incendio, foi quem Picou
mais prejudicado por se Ihe lerem estragado al-
guns trastes e oulros objoctos de sua sala de uso
particular.
0_distinelo e afamado pianista, joven Arlhur
Napoleo, araba do chegar esla cidade, vindo
dos portes do sul.
Este eximiiiio artista velo aqui com teneao de
dar alguns concertos miisicaes, mas segundo nos
consta n jo acha muita faclidade para os rea-
isar, visto o nosso theatro publico achar-se fecha-
Celso de
Srs. :
Presidente (36 cdulas, sendo urna em branco.)
/.ai-arias de Ges e Vasconcellos, 34 votos.
Vicepresidente (36 cdulas.)
Cliristiano Benedicto Ottoni, 34 votos.
1 secretario (33 cdulas.)
Tito Franco de Almeida, 30 votos.
2o secretario (33 cdulas).
Pedro Luiz Pereira de Souza, 31 votos.
3o secretario (31 cdulas.)
Honrique Limpo de Abreu, 28 votes.
1- secretario (31 cdulas.)
Jos Angelo Marcio da Silva, 27 votos.
Supplentes.
Joaquim de Saldanha Marinho e Alfonso
Assis Figueiredo.
KI.EK'.Ao DAS COMMISSOES DE l'olil iu:-.
Procede-so eleigo dos 25 membros que devem
compor as cinco commissoes de poderes, e sahem
'teilos os Srs.:
Ottoni................. 33
Saldanha Marinho......33
Lerna da Cunha....... 33
Jos Caelano.......... 33
F. Octaviano.......... 33
Mello Franco.........33
Furtado.............. 33
Paranagu............ 33
J. Madureira..........33
Joaquim de Macedo___ 32
Arago e Mello........
Falho................
Rayol................
Paes Barrete..........
Martinho Campos......32
C. Oltoni.............. 31
Barbosa de Oliveira___31
Joaquim Felicio........
Valdetaro...........,
Arlslides Lobo......
Assis Figueiredo.......
Fernandes Moreira.....
Pamplona.............
Pinto de Mendenca.....
Joao Leite............
Era seguida prorerie-se ao &orteamento destes
membros, a quera sao distribuidos os diplomas pelo
modo scguinte :
1* commissao.Amazonas, Para, Maranhao, Piau-
hy, Cear e Rio Grande do Norte, os Srs. Fernan-
des Moreira, Assis Figueiredo, C. Ottoni, Madureira I
e Saldanha Marinho.
2* commissSo.Parahyba, Pernambuco, Alaga
votos.

32
32
32
32
31
30
30
30
30
29
29
29
! ponan* a mesma Praca um lio complementar do
| tolegrapho elctrico que o govrrno imperial man-
I dou enllocar entre Sania Cruz e a cidade, e que
mais larde tem de ser levado al Cabo-Frio; e em
maneta rnmpre-me declarar V. Exc, para que
se ilitine levar ao eonhothnento dos referidos ne-
gociantes, que, reconhecendo as vantagons para o
commercio do eatabeteetmento de um tal meio de
I oommunroaco, ser tomado na devida eonsidera-
eao semelhante pedido quando estiver collocada a
linha deque se traa.
Dos guante V. ExcPedro de Alcntara
Bellegarde.Sr. Jos Joaqoim de Lima e Silva So-
briiiho.
15
Chegou ante-hontem esta corte, vinda da al-
deia de S. Jos do Douro, ao norte da provincia
de Goyaz, urna familia de Indios composta de seis
hmens e duas mulheres, mostrando urna destas
ter 40 e a ouira 60 annos mais ou menos.
Tres mezes c vinle e nm dias gastou esta gente
em realisar a p essa longa viagem, afim de vir
queixar-se a S. M. o Imperador da espoliacao fcila
em suas trras por pessoas cstranhas no lugar em
que as possnem.
Nessa afanosa viagem amparava-lhes o moral a
crenea firme de que sena attendida a sua qtieixa
tra/.ida directamente s fimbrias do throno : do
physico tratavam alimentando com caga e pesca
at a provincia de Mina, de onde at a corte re-
correram caridade publica. Tres vezes tambem
sojeitaram-se a trahalhar por dous dias, destinan-
do o salario ao provimento de alguns objectos in-
dispensaveis, visto que deixaram sitas chocas tra-
zendo apenas 63 para os gastos de viagem."
Trouxeram para mimosear S. M. o Imperador
um arco e flechas, e para S. M. a Imperalriz um
pngate.
Orno bagagem trouxeram pequeas malas fa-
bricadas de folhas de Olho de Beviti, c para defeza
e uso na caga urna arma de fogo c urna faca.
Hontem foi o chefe da familia recebido pelo Sr.
ministro do imperio, a quem spresentou a sua
queixa, e, segundo consta-nos, nao se demorar
entre nos mais de dons ou tres dias dias. voliando
sua aldeia rom benignas recommendagoes do go-
verno imperial.
Er-ta gente foi hospedada na secretoria da poli-
ca, e all tem recebido o melhor agasalho.
Refere o commandante do vapor Guarany, en-
rado hontem de Paranagu c escalas, que no dia
10 do corrente, s 11 horas da manha, perdeu-se
eslacocL _
rliv o insigne pianista, que
'0 quarto de Julio foi fechado, Picando as cha- tluisiasu.ou da outra vez que aqui es
ves em mi do respectivo subdelegado. \ fff. ac,,,l"do, H. e i*f??e,CM??1
Bahia.Tomou posse da administrago da pro-
vincia o consolheiro Manoel Maria do Amaral, no
dia 15 do corrente.
Nesse mesmo dia entrn noexereicieinteri-
no de chefe de polica, o Dr. Antonio de Araujo de
pelo nosso publico,
menagem ao veril
tanto nos deleilou c en-
esteve, e que lo
enticamente applaudido
UM POUCO DE TODO.
V l aos leitores, a quem saudamos e agrade-
cemos benevolencia, os seguimos versinhos que
extrahimos para Ibes offerecer moda itrennes
pelo anno novo que amanha comeca:
Ora at que a sene quiz
Meus bous dosejos cumpridos;
Vao agora achar maridos
No prximo anno feliz
Mocas bellas e engracadas
Al mesmo as mais prendada* I
Aqueltes, e nao sao pouco,
Que, por falta de dinheiro,
Atrat dclle um anno inteiro
Andam sempre como loncos ;
Que, quacs outros faricocos,
Xe-sas ras a vagar
Buscam meios de o pilhar.
De fartar sua ambig >,
Em tal fartura o tero
Que os far admirar I
Os doentes e aleijados f
Com gra nde y
satisfaeo V-
De seus o '.-- *\,
.-araifo,
E dos mdicos >se %
livran, -
Das ramas Iro '
saltando t
E os que sadios forem
Tal sade anda tero
Que de gordos, rechouebudos-
Nem mover se podero.
Diplmalas q-ue no offlcie
Para nada sao capazes,
Ver-se-ho nesse exercicio
Cada vez mais perspicazes :
a vista mui apurados,
Ficarao acreditados!
E aquelles que com aneia
Desejam ser flgnroes,
Vero em tal abundancia
Lhes vir condecoragoes,
Que j nao tere lugar
P'ia tedas aecommodar I
llavera tal quantidade
De peliscos e bora vinlio,
Que cada qual seu copinho
Sorver bem a vontado :
E por bem da humanidade
Ha de haver multa folgan
Dansar alegre o povo,
Por teda essa abastanga,
Que promette o anno novo.
Orna polka ou conlradansa 1
Mas se ataan, qual tyrai..
Quizer inda fazer mal,
Fazendo o anno novo
A muitos seja fatal;
Mostrando-so soberano
Naquillo que nada val;
Para no lim do negocio
Viverelle ein santo ocio:
. A este para qu,. l -- _
Fazer mal a tantos entes, f %
Que tenha urna dor de deinw
To forte e desesperada,
Que cahindo, qual espada, 4
A peana role no chao, *
Nao Ihe pegue mais entao
Emquanto nao fiear manso, <
Deixando o inundo em dcs^ariso
Vi ver com satisfagol "
------
O Commercio do Porto publica o que segu : .
Os jornaes inglezes contam que o marquez de
Burle, que tem actualmente 17 annos, o concluio
os seus estudos em Eton-Collge, lera sua dispo
sicao no dia da sua maioridade urna somma, em
dinheiro de coudo, de 2 milhdes de libras atar*
linas (9,090 cuntes de ris) dos seus rendimenlos
capKahsados.
\

i
\
)

I

O famoso navio Great Stern, o grande Leriathan
dos mares, que tanto chamou a^attencao publica
em Inglaterra por suas enormes tinnensoes, guan-
do foi laucado ;i agua, pois tem quasl Iriplicad.i
eo amigo sempre de prestar no- grandeza da maior nao de linha, com c\pacidade
lade.ro mente, e de animar o ad- m receber k seu nordo |0000 pessoas cr^hK
unrar todos aquellos a quem Deus eslampou na;Lsde m| aPeidentes s conseguio fazer ama via-
rronte o sello do genio. d(, inglatcm a ?0va-York, na qual esleve a
Estamos que a digna associacao de curiosos (Ira-1 *onto dp pcrdpr va spr wndido em n|a ,,u.
Bulco, juiz municipal da segunda vara da capital. mM* '|ue a aliamos lo citar, *e ter convidada b|jra m ijver|M)0| no ja \\ e janeiro prximo.
- No dia 16 falleceu, em Jequilaia, o Dr. Her-1 |'ara ^M hm de secundar o omnente ans-1 E. Vl>n(li(lo a insf;,nrias de ous cn-dores da
culano Antonio Pereira da Cunha, juiz de direito I u'lue ',c'*Da "-apomr a estas plagas, na se exi- companhia que o mandou construir, que, conven-
da comarca de branles, quando vinha em viagem i m'r\:l presiar mais este tesiomuniio de adnesao e i ;.i A~ .;i;.i.j- ^ m.;^c ostul
para a capital, para tralar-se de urna robre grave Ancb a u'n lalf.,Uo slra,J9- qo tom sido nni-
que padeca | versalinento coadjuvado nao so por todos que pre-
- Nesse mesmo dia entraram | barra a crvela l)rill' "'grandecimonto das artes liberaos,
como por todas as pessoas mais disttnctas da so-
D. Januaria, o brigue-barca Itamarac e o hiate
Cayrit.
Em sessao da assembla geral da Caixa Com-
mercial foram eleilos para a mesa :
Presidente, Theodoro Teixeira Gomos.
Vtee-dito, Jos C. F. Espinheira.
Secretarios, F. A. Sampaio Vianna.
Jos Lopes da Silva Lima.
A' 23 locara no porto da capital o vapor in-
glez h'epler, que faz o servie entre Liverpool e o
Brasil.
Arribaram para refrescar : 16, o brigue
portuguez Douro, de Setubal para Montevideo j e
19, a gatera ingleta Hurricane, de Londres para
a Australia, com 20 passageiros.
L-se no Diario :
t No dia 13 (k) corrente, no logar denomiuado
Alambique da freguezia de S. Goncalo dos Campos
do termo da Cicnoeira, Manoel Ferreira Garc i
por raolivo de questo com Felippe Thomax Perei-
ra, matn oste com urna terrivel lacada e ferio
gravemente a Joaquim Pereira Rosa, irmao da vic-
tima, e que appareceu em seu soccorro.
O criminoso poz-se em fuga, porem persegui-
do em vincule de ordens do delegado daquello ter-
mo, e com o auxilio de pessoas da localidade, foi
felizmente capturado e recolhido a cadeia da ci-
dade da Cachoeira. Est respondendo ao compe-
tente iirocesso pela subdelegara do districto da
eulpa.
. No mesmo dia no districto da Capella do Al-
meida, do termo de Maragogipe Minoel Jos de
Oureira, roceiro, matou com urna foicada sobro a
caliera a Cineinato Adolpho da Costa c Almeida
por motivo de allercagio que com elle ti vera acer-
ca de plantagScs. 0 criminoso poz-se em fuga
porem, perseguido por pessoas do lugar e agentes
da autoridade, foi felizmente preso no mesmo dia,
na Cachoeira d'onde j deve ter seguido para o
districto da culpa.
Esse infeliz mogo era fillio do tenente coronel
Gustavo Adolpho da Costa e Almeida, tambem all
assassinado no dia 8 de dezembro do anno pas-
sad<
ciedade.
Aguardamos, entretanto, anciosos a occasio de
ouvir mais una vez o joven pianista Arlhur Na-
poleo, e votos tasemos para que este celebre ar-
tista nao encontr a menor diluoiildade na conse-
cuco dos s>jus generosos intentos.
O resultado dos collegios do Recite, Pao
d'Alho, OJinda, Iguarass, Cabo, Escada, Limooiro,
Nazareth, Santo Anto, Serinhem, Goianna, Boni-
to, Rio Formse, Barroiros, Caruar, Brejo, Cim-
bros, Garanhuns, Papacaca, Buique, Flores, Villa-
Itella, logazeira, Tacara't c (^abrob, exeluidas
(orlas as duplcalas, forma assim a lista para se-
nador :
ConeibeJre Francisco Xavier Paes Barrete. 1370
Dr. Joaquim Saldanha Marinho.*......... 1157
Dr. Amonio Vicente do NascimentoFeitosa.
Dr. I'rlwno Sabino Pessoa de Mello.....
cidada inutilidade de maiores sacrificios para con-
servar um navio que a experiencia reprovou, o
abandona aos seus credores, para pagar aos quacs
se ter de o fazer desmanchar e tirar o producto
possivel do seu material.
I
A Gazeta de Oarlsruke publica os seguintes da-
dos estatslicos relativos ao reino da Dinamarca c
aos ducados de Schleswig e Holslein, seguudo o
censo de 1860.
Estes dados sao, na actualidade, de muite inte-
resse :
O reino da Dinamarca, propriamente dito, conta
1,600:550 habitantes.
A Islandia, a Groenlandia e as Ibas Ferocs, que
sao suas colonias, contam ao todo 124,000 habi-
tantes.
O ducado de Schleswig tem 410,000 habitantes,
o ducado de Holstein 544,000 e o ducado de Lauen-
87 burgo 50,200.
720 i Assim, os ducados contam todos urna populacic
Dr. Francisco Carlos Brandao............ 694, de 1,004:000 habitantes, ao passo que a Dinamar-
A' hordo do vapor inglez Magdalena segui- j ca, cora as suas colonias, nao excede de 1,724:400.
rain para acorte os cinco ltimos imputados ge-1 A massa total da populagao no reino e nos du-
/
i
i'i. >
raes desta provincia, os Srs. Drs. Urbano, Silvino,
Ignacio do Barios, Godoy e Brandao.
Foram transferidos para a reserva os Srs. ca-
pitao Antonio Jos Silva do Brasil, e alteres Jos
Guilherme Guimares, este do primeiro batalho
de infamara e aquello do primeiro do artilhara do
municipio do Recite.
O agente Olimpio far leilo hoje era seu ar-
mazem ra do Imperador n. 16, de cabriolis,
pianos, movis c de diversas obras de folhas ame-
ricanas.
Passageiros do vapor francez Extremadure,
procedente do Rio de Janeiro :
Matiiilde I.ong, Bernardino Gomes do Carvalho.
Giuseppe Milanolo, Osear Ferreira dos Santos Li-
ma, Egydio Celano, Ncalo Immediato, Jas Gandi-
do Marinho e um escravo, Andr Long, Augusto
Frommel e Joao da Coste Souza.
Repauticao da polica :
(Extracto das partes do dia 29 de dezembro).
Foram recelhidos casa do detencao no dia 28
do corrento:
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio, os
cados liiiherana na sua grande maiorir, nois s
contam uns 21,000 habitantes que profes ni ou-
tras religides. ,' t
No Schleswig falla-se o dinamarqujz n'uma ter
parte do ducado e o allemao no resta '
I
ca
,4ll
navios, a de Schleswig 1,569 e a do Holstein 1
Vctor Hugo, diz o Jornal do Horre, aceite* a
propostas de M. M. Pagnerre e Lacroix, paralim
novo volme que provavelmenle se intitulara
Shakspeare. .
O Ilustre poeta, por um sentimento de conve-
niencia tal vez exagerada, assignar a obra nica-
mente com as suas iniciaos. :
Este trabalho pie nao muite longo, apparere-
r em flus de fevereiro. _
E' pago na razie de*i,5flo traocm popfol>- -^_
que para unrvolume de dimensao oillina'
r o prego totel a perto de 50,000 frar
de ris).

s


r,
Diario de Pcrmmbitco Quinan tctr 31 de Dezembro e 1S8S.
i
Hcmcttcnutvt*'

DA.
AS Bk.^. .,
Campanarios derrocados.
Hidentes tardos collinas.
Por toda arte ruin,
Muitog valles, ramios prados
Palacios abandonados,
Bosques do amena espessora.
Pontea d'agua sempre pura,
Ras e pracas desertas,
Casas de musgo cobertos,
Sao de Olinda a formosuro.
,1
'i
PUBLICARES A PEMBO.
Malsa parrilla*.
As enfermidades extern s produzem militas ve-
tes resultados terriveis, o a massa viciosa do
sangue, que a causa das mesinas, nao se purift-
ca do sen veneno mediante o uso*to/ salsa-parri-
Iha de Bristol (o alistersivo mais* poderoso de
quantos se conhecem) os doentes nao s busca-
riam allivio em vao, massim tambera transmitti-
riam suas enfcruiidade* a seos fillios como urna
heranca maldita. As pessoas de ambos os sexo
achari" ... todos os periodos da vida, que este ad-
niiravel e iucomparavel remedio vegetal cura
d'uma maneira rpida e radicalmente as chagas,
erupcScs, ulceras, infiarameoes, glndulas, rheu-
niatismo e todas as molestias anlogas, iacluindo
as affeccoes morcuracs quo desfigurara ou con-
trahem as feicoes.
Adiar se-ha venda em todos os estobeleci-
inentos pharmacenticos do Brasil, e em Peraam-
buco as casas dos Srs. Bravo 4C.e Caors & Bar-
1 OnSUUUO (le /'Urttiyai 0 biate floui Awos pretendo seguir combre-
0 cnsul de Portugal tiesta provincia, tendo de vidade, tendo parte da carga, e para o resto tra-
procoderao arrola ment de todos os subditos por- Me na ra do Amonni no escriptorio de Tasao
tugelas, nella residentes, para a organisacao da Irmos.
estatistica geral da popolacao portugueza residen- l*ara Hlo dr Janeiro
te acste inferi, o nemoiio Ihe recomroenda- AJ fl dja ^ do Mmnte ore,endl, ^j, ro.
do pelo governo de S M F., convida t; pede aJo- preterivelmente o patacho nacional tobtr, para
dos estes seas eompalrio as que remellara esto |0 dacarga^e ,be falu e mr, freto
consulado M o (ha 31 de dezembro prximo, os quaes*,em excellenles commodos trato-se
urna re^ anteado os seas nonies, idades, es- com os seus consignatarios Antonio Liria do Ob-
lado, fiuacao, naturalidade e oecupacao e bem as- veira Azpvedo & c m Ma m.rn,mio mi ^
sim os nomos das pessoas de sua lamilla, indura q^,, ^
do caixeiros e criados, ci m as respectivas desig- .. :------------------.---------------------
Para a Babia pretende sabir coiu umita bre-
vidade o veloiro patacho Thereza, capitao Joao
Correia Lima, por ter a inaior parle da carga :
para o resto que Ihe falta, tratase eom os coosig
nacSes e cora as mesmas declarad*.
As pessoas que nao souberem esc rever o que nao
i lenham quem Ihes faga estas relajos deverao vir
, ao consulado faze-las verbalmentc, onde lhes se-
rao tomadas todos os dias uteis desde 9 horas! natanes l'almeira & Beltrao, largo do Corpo Sanio
I j._____%.?. .a i .... n I nrimpirn nndir
da manhaa at as 3 da tarde
Os caixeiros ou outros quaesquor individuos
que nao estejam em casas portugueza* de vera
mandar as relacoes relativas a suas pessoas.
n. 4, prmeiro andar.
Para a Babia
O palhahote Gurtbntdi pretende seguir com bre-
vidade para este porto, tendo parte de seu carre-
O cnsul de.Portugal depois de tantas provas igamonlo, e para o resto trata-so no escriptorio de
de deferencia que lem recebido de seus cumpa-, T,aSl. irmsnc r rt a,
que lera receido de seus compa
; trilas aqu residentes, nao pode duvidar de que
; Ihe conceder.) mais esta que desde j agradece.
Entretanto v-se na necessidade de lhes declarar
Tasso Irmios na ra do Amorini.
Kio de Jauriro
Segu com brevidade o palhabole Piedade, capi-
que o consulado nao reconhecer como portugue-, ta0 Marques Vianoa : recebe carga a frete : a
tes, nem prestara amibo algum em nome de seu tralar com Caetano Cyriaco da C. Morcira & Ir-
governo aquellesque at o referido da 31 do de- ma0i no |ad0 d0 co, gante n. S3, ou com o ca-
! zembro nao aoudirem a este convite. pitao,
Roga-se a todos os porluguezes que deem toda
a publicidade possivel a esle annuncio.________
> COMMEECIO.
I
NOVO BANCO
DE
O novo banco de Pernammico convida os
credores das massas fallidas de M.'sipiita & Dutra,
c Francisco Antonio Correia Cardse a apresenta-
rem seus ttulos no banco para se proceder a res-
pectiva verificacao.
Alfaadega
endimento do da 1 a 29........ 50i:-i>o03
dem do dia 30................. 19:7595301
5i2:318580i
iluviuieato da alfaadega
VolumAj entrados com fazendas...
J cora gneros...
'lii,\'- 'iJii-V-- cora fazendas..
cora gneros...
564
33
122
5ti
157
xDefccarregam no dia 31 de dezembro.
BarV B^TAnneSt-oit -carvao.
* EieniiMiglet*- f'lle -'^"oado e oleo.
' PataQRn inglezCar/Ai^-.,^
EsMna hollandeza;A>iriff . Jf(*reed<>rla de renilas Internas
geraes de Pernainbuco.
Rendimento do dia 1 a 29........ 42:4504712
dem do dia 30.........."....... 3:003535.
45:43iO
..
MOVIMENTO DO PORTO.
AVu W5 entrados no dia 30.
Rio de Janeiro e Ihhia 6 dias, vapor francez Es-
Itemndwre, de 1,1B7 toneladas, commandante H.
d>' Somer, equipagem 116 carga differentes ge-
III'IIIS.
MontevideoK dias, polaca nacional Mnrnho, de
2til toneladas, capitao Jos dos Santos Pereira,
equipagem 13, carga 13.500 quintaes hespanhes
de carne ; Amorim Inniio.
Nanoi siiidott o mesnu din.
Borcause portos iotermedHis=>vaaor francez Es-
Uonttt, comiflsndanlr II. de Somer.
Portos J'i uorte vapor brasileiro Cruzeiro do Sul,
commandante o capillo de mar e guerra G. Man-
cebo.
"Z
EDITAES.
*
i): ra Joao i I'urificacao Marques Perdigao, co-
DOgo rer ale de Santo Agostinho, por gracia
dp l),'n (V- Sauta S A|otolira, hispo de l'er-
. consdho de S. M. I. e C.
. reverendissimos conegos e sacerdo-
spado, sadeo paz em o Senhor.
rema resolucao de Sua Uagostade Iiiipc-
'* jullio do 1H20, foi servido o mesmo
ilior ronfirmar o al vara das ultimas fa-
,;'>- BlM aos concursos e pro-
, ...sdos beaefieoa vagos; e como presentemente
..,... a cadeira >le dignidade de chantre
da Sb de Olin la, pelo fallccimcnlo do respectivo
roprietario, e as resultas que bouverem : pomos
concurso, pelo presente edital, a referida digni-
dade i: as resultas, qur de dignidade, e qur de
inda prebenda o prebenda inteira. em virtudcde
decreto de 2i de setembro de 1850.
?Todos ^ reverendissimos conegos e sacerdotes,
.' ipiizerem concorrer, apresentein-se no praso
ii< trinta dias, contados da fixacao do presente
< dital, com OS seos reqtierimenlos instruidos das
habilitacos exigidas pelo referido alvar, e mais
'I camentos que lhes llzerem a bem ; precedendo
timbera a< Bossai informacoes particulares de
rile t iwtihus: e fi-ilo o concurso, proporemos
Sua Mageatad o Imperador tres dos mais bene-
merilos c dignos, conforme os sagrados caones
e concilio irldentino.
liado em Olinda sob o nosso signal e sello aos
::i le dezenihro de 1863.
ii o padre Joaqnim d'Assumpcao, escrivao da
cmara episcopal o mbsereri.
Joo hispo de Pernambuco.
a.
o
3
-
g
I
g
X
O
n
n
s
S-
- 3
P
o
3
2
n
I
3 5
i
I
&
-5
N S
V
O"
o
3
f
s?
a.
v
03
*>
-i
o-
o
&
>
S
a
o
i
o:

Rio de Janeiro.
O brigue Trovador segu por-estes dias, recebe
! s escravos a frete : trata-se com os consignata-
. ros Marques Barros & C, largo do Corpo Santo
numero 6.
AOS 5,(Kio:ooo
Terfa-feira,. 5 de Janeiro prximo, se ex-
traliira, pejb bovo plano abaixo publicarlo,
a quarta parte da segunda lotera da Sania
Casa de Misericordia no consistorio da ireja
: de Nussa SeuBora do Rosario da freguezia
de Santo Antonio
Os biluetes o meios acliam-sc renda na
respectiva tliesouraria ra do Crespo n. 15
, e as casas cominissionadas ra da linpera-
, triz n. 44, loja do Sr. Pimentel ; ra Direita
! b. 3, botica do Sr. Chagas; rtia estreita do
Rosarii n. 12, typograpbia do Sr. Mira e ra
da Cadeia b. 45, loja do Sr. Porto.
Os premios de 5:000*000 at 100000
serao pagos urna liora depois da extracto
e os oufros no dia seguinte depois da distri-
buido das lisias.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
PLANO
para as' partes ordinarias das
loteras.
3,400 bilhetes a 5000 17:000iOO(J
Bcnilicio, sello e commissao 2q | 3:4005000
INTERNATO
DE
i a a m
; st
O
sS
P3
C/3
5
g
_ g: g S| 1DAUE
- S
P'
ESTADO
B o o
- a.
' S3 "1 o.
a -
^.-1 3
s o"
I a
1 V CT
- a. d
g e> ft9
.
I I
3?.
a. o
r5^
>
BJ
-i
o
v
3
o-
e
s

.
m
E
B
o

2!
-
r;
T

o
>
>
O
w
(Z3
LEILOES.
Lt^
DE
Movis, cabriolets, eannos de
barro, pianos, e outros
muitos gneros.
iio.ii:.
Quinli-feia 31 do correle, s 10
hors.
O agente Olimpio, far leilo em seu armazem
ra do Imperador n. 16, do seguinte : mu bonito
cabriolet de quatro rodas, un dito de duas rodas,
um bonito piano de gosto antigo, uin dito de mesa,
uina mliilia de amarello, cmodas, apparadores,
consollos, camas francezas, marquezas largas e es-
treitas, guarda roupas, lavatorio de mogno e de
amarello, quadros com moldura dourada, relogios
de parede, diversas obras de folha americana e
outros muitos objectos que se torna enfadonho men-
cionar.
Lie raido 13:6005000
1 premio de 5:0005000
1 dito 1:2005000
1 dito 6005000
1 dito 3005000
4 ditos de iO000 4005000
8 ditos de 40,3000 3205000
14 ditos de 205000 2805000
30 ditos de 105000 3005000
loio ditos.de 55000 5:2005000
Esiahrlfriilo na riiladc do llccife
Hob a proteeeao do smnmo pontlflce Po IX.
DirectorO hachare! em iualhcmatitas
BERNARDO PEREIRA DO CARMO JNIOR.
O director do ioternato de S. Bernardo, nao tendo evitado esforeos nem sacrificios
para proporcionar aos seus alumnos urna perfeita educacao physica, moral, intellectual o
religiosa, ofierecendo-llies una habilacao com bastantes condico.-s de salubndade, habis
professores que sao solcitos em preparados convenientemente ao fim que se dostinam,
medico praticoque lhes faca comprehender os preceitos da hygiene e Ib* cure das doen-
M, c finalmente um sacerdote Ilustrado e honesto que llies explique os principios da re-
ligio thrlstaa, espera (pie assini constituido nao deixar o seu estabeloeiiuento de mere-
cer dog Srs. paes de familias o auxilio e conflanca com que j alguns o tem honrado; e
lhes roga, bem como todas as pessoas Interessdas, que se dignera de visitar o mesmo
seu cstabelecimento, onde sempre encontrarao franco ingresso.
Cadeiras de ensino :Primeiras lettras dividida era duas classes, tendo cada urna o
seu professor, latim, francez, inglez, arithinetica, algebra c geographia, pbilosophia, rhc-
torica, desenlio e msica.
O collegio tem a sua sede no espacoso edificio n. 32 ra d'Aurora contiguo ao do
collegio dos orpbaos.
Nos estatutos do collegio, que esto a disposicao de quem os quizer ler, se aeham
consignadas as condicOcs de entrada o matricula as diversas aulas do cslabded-
raento.

1100 premiados
2300 brancos.
13:600-5000
^
k

z
1.
a
M
W
O
i onsul ilo provincial.
Pela mesa do consulado provincial se faz publi-!
DE
120 accoes da wHiipanliia Vi-
gilante.
O agente Almeida legatmonte autorisado far
leilao de 120 accoes da companhia Vigilante re-
boque.
Terca-reira li de Janeiro de 1861, s M ho-
ras do dia.
co que os 30 lias uteis marcados para a arrecada- ,
cao bocea do eofre do Io semestre do auno finan-
Era seu escriptorio na ra da Cadeia do Kecife
cao
ceiro corrente de 1863 1864 dos impostos da de-
cima urbana das freguezias desta cidade e da dos
Afogados, e de 5 0(0 sobre a renda dos bens de
raz pertenceutes corpora?oes de mao morta se
principiara a contar do dia 1 de dezembro vin-
douro.
IiEILAO
DE
l'm grande sobrado de iiia an-
dar na cidade do Araratv.
0 agente Almeida lara leilo reqoerimenlo dos
Mesa do consulado provincial de Pernambuco ajininiMradort,s da ,,,,,, faida (1 S,.u, piUl0S
zo de novemhro de 1863.
Antonio Carneiro Machado Hios.
Administrador.
Consclho administrativo.
O conselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra tem de comprar os objectos
seguintes :
Para o presidio de I-Vinando.
4 arrobas de velas de carnauba, 10 libras de
ditas de spermacele, 6 arrobas de caf do de ine-
Ihor qualidade, 3 caadas de vinho de Lisboa, 20
libras de doce do goiaha, 4 caixoes de sabo, 3
resmas de papel pautado, 4 caixas de pennas de
ac, 20 caetas de pao, 10 arrobas de sal, 3 pecas
de madapoln, 1 libra de liana de nevello, 20 li-
bras de manteiga ogleta, 20 ditas de cha, 20 ditas
de ba'nha de poico, 6 arrobas de assucar relinadn,
600 meios de sola, 300 vaquetas, 800 couros de H SUl l'&SlUClLCin. (Ul 1'lUl
forro, 24 caixas com seda, 4 gamellas de cera r\ i
amarella, 2 caix,',(.s com retraeos de vidros, 2 quin- (illOimiUlO PUIJI l\ Y\li\ (U1S
tacs
& C. 0 mandado do lllm. Sr. Dr. juiz espeoial do
coinmercio, de un sobrado de um andar Bem :'">
palmos de largo l.-mlu 3 janellas na frente, na na
%ks Flores da cidade d.i Aiaeaty eni obaoc fecei-
ros cmara municipal de dita cidade.
So\la-fciia S de Janeiro ileiSb
porta da assoeiaeao conmiercial s 11 huras os
pretendentes podem obter ipialquer informadlo do
agente cima.
AVISOS DIVERSOS.____
0 cinu'^iao Leal inudou
do
3400 bilhetes.
N. B. As sortes maiores de 4005000 eslo sujei-
tas aos descoStos das leis.
Thesouraria das loteras lo de dezembro de
11X63.0 thesoureiroAntonio Jos Rodrigues de
Souza.
Approvo. Palacio do governo de Pernambuco
16 de dezembro de 1863.Jialo Silccira de Souza.
Esle plano para ter vigor do Io de Janeiro pro-
i ximo em diante.
AOS 5:ooo,ooo~
m\ l)\ P0BTU.NA
Bilhetes garantidos
A' ra du Crcspe n. 23 e casas do eastimir
N'o dia 5 de Janeiro se extrahir a quarta parte
'da segunda lotera da Santa Casa de Misericordia.
O abaixo assignado recommendando o respei-
tavd publico a compra de seus muito afortunados
bilhutes garantidos, lembra-lhe a vantagem quo ha
em receber os premios por inteiro, wr quanlo
quem tirar a sorto grande em bilbete garantido
nao receber somente 4:2005, em virlude dos
descontos de 16 |>or rento que Ihe faro en vista
das leis. mas sini os 5:0005, que vem a ser os
ditos 4:2005 e mais 8005 que pagar o abaixo
asciguado, importancia de ditos descontos. Os pre-
mios serao pagos cuino de costume.
Precos.
Bilhetes intdros..... 65000
Meios bilhetes...... 35000
Para as pessoas que compraren)
de 1005 para cima.
Bilhetes........ 55500
' Meios......... 25750
M'inoil Martn Fiuza.
Precisase de una ama que se queira sujei-
tar acozinhar e comprar na ra, paga-se bem:
na i na de Santa Therc/.a n. 14.
________________________a____________
Mocledade de vida iustallada pelo naneo
I.'nio na cidade do Porto.
Os agentes Resta cidade e provincia Antonio
l.uiz do livdra A/e vedo ii, ('.., escriptorio na ra
da Cruz doltecife n. 1, esto autorisados desde j
a lomar assiftnaturas e prestar todos os esclareci-
ineutos que forera necessarios, as pessoas que de-
sejareni eoncorrer para to til e benfica empre-
sa, segurando um futuro lisongeiro aos associados.
Msicas para piano e canto de todas as torcas, e methodos dos melhores autores, e vende-
fe baratissimo.
EXCELLENTISSIMAS SENHORAS,
Apioveitcm as pechinchas da loja ra do Crespo b. 17
DR
JOS GOMES VILLAR.
Para apurar dinhriro est Temiendo baratissimo'.
Aproveiteui todos.
Iteeebeu de New-York 2,000 baldes de 20 arcos e vende a 25500 cada um.
I xtraordiiiarin pedum-ua, sem igual.
Laas de cores, de quadros a 280 c 400 rs. o covado.
Cassas de cores a 200, 240, 280, 320 o covado 1 !!
Chitas francezas muito boas a 320 e 360 rs. o covado.
Madapoles, pecas de 20 varas a 75, 85, 5. 105. 115 e 125 a peca.
Cambraias lisas, pecas de 8 1|2 varas a 25500, 45,55, 6-5, "5, 85 a |
ro, z caixas com seda, 4 gamellas de cera r\ i
relia, 2 calios com retraeos de vidros, 2 quin- UllOllliaflO \)t\Ji\
iacs de tachas de ac para cncostar, 1 dito de ditas r\ IV
para salto, 2 arrobas de dila com cabeca na- t'l'lLZeS SODIIUIO 11. 00, 1)1*1-
parapalmilhar, 4 duziasde facas indezas. 4 duzias -,
andar, por cima do
m
itcaini
Companhia Odelidadc de
seguros inaritiinos e ter-
i-estres estabelecida no
Kio de laneiro.
AC.ENTKS KM CEI'XAMBUCO
Amonio Luiz de Olivrira Azcvcdn & ('.,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomara seguros de navios, mercado-
ras e predios no sen escriptorio ra da
Cruz ni.
wmmm
."};
de marlellos, 'l2 arroba de linlia efua ou parda. 111011*0
26 livros cm braneo de papel de Ilollamla paulado,
sendo 2 de 400 folhas cada um e os mais de incia
Hullamla. papel pautado, tendo todos de comple-
mento l7polegadase 8 ditas de largura.
Quem Jquizer vender tacs objectos aprsente
as suas propostas em carta fechada na secretaria
do conselho s 10 horas da inanhaa do dia 4 de
Janeiro do anno prximo vindouro.
Sala das sesses do conselho administrativo pa
ra "
zembro de 1863.
Antonio Pedro de S Batreto,
Coronel presidente.
los Antonio Pinto.
DECLARARES.
cuna
armazem Progrossista, aon-
de o acliarao como sempre
prompto a (pialquer liora pa-
ra o exercicio de sua pro-
sata das sessoes do conselho administrativo pa- n -, ni i
i fornecimento do arsenal de guerra 28 de de- flSSaO. tiMlimttO pOr eS(*l*l])til,
O Sr. Jos Francisco Pinto liiimaraes, cirur'
giao pela escola real de cirurgia de Lisboa, trans"
ferio sua residencia para a ra Nova, n. 60, pri'
ineiro andar, onde pode ser consultado todos os
dias uteis das 7 s 10 horas da manh, acerca das
doencas denominadas cirurgicas ou exlernas espe-
cialmente daqudlas, em cojo tralamenlo mais tro-
quentemente intervem a medicina operatoria.
(iab nele. me ico ciiur^ico ra nos
Flores n. 37.
O Dr. Estevao Cavalcanti de Albuquert|ue d
lt4*l>E
xm
AT
.;
"VAGA
Tenenle-ceronel roga I.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
:-/
Santa Casa ile Misericordia do Hccife.
Alllm.junta administrativa la Santa Casa de
Misericordia do Recite manda fa/.er publico que no
<|i:i 31 do corrente, pelas 4 horas da tarde, na sala
/je suas sessoes, vai praca o fornecimento de pao,
bolacha e carne verde, que houver de consumii os
.-al.eledinentos de earidade no semestre de ja,
iteire a junho do prximo anuo. As propostas de-
k-era ser em carias fechadas, os pagamentos serao
feitus conforme permiltirem as forcas do cofre, o os
.vndenles sao uhwgadaa a apresentar fiadores
iu.' se res|wnsabilisem pelo M cumprimento do
contrato. ..... ,.
Secretaria da Santo Casa de Misericordia do Re-
<-ife 2!) de dezembro de 1863.
F. A. Cavalcanti Cousseiro.
Escrivao.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria da fazen- j
di manda fazer publico que perante a mesma the-
-cir aria, no dia 2 de Janeiro vindouro ao meio
4i i serao arrematados a quem maior preco offe-;
iv.vr, mais dous cavallos que transportaram os
_< roegados do juizo dos feitos da fazenda a cida- ,
nova avaliaco des bens perlencenles ao extracto
*4,-i Mpellado'de Itamb : os pretendentes deverao
..'.rptfreccr na casa da referida repartico no dia
* bore .arcados. _______^___;
i Sel -tarto da thesouraria de fazenda de Per-
tVmbuco en 30 de dezembro de 1863. Scrvindo
. l'-dTletol r, aior, Manoel Jos Piulo.
KKHO 'F.**A'.
ftciar.io das tartos seguras rindas de sul pelo
Tapar francez ililiaiadarn para os srnliores
fabaiio declarades :
./ ..nio.\lv.'>de llarvalhal.
y ruando llonso Cuclho.
i?. GabrielSeares Raposo da Cmara.
Ju#tinrt los da Silva Campos.
.1 .s Fdici.wo Nonmlia Fistol.
l)>!aiirieia Ciomes de Je>ns.
/_ ivla. subdelegada da Varzea se faz publico
. jcarun depositad um cavallo castanho, intei-
' i** i,..-----_^, .....ipareca. que provan-
-<* entregue; e bem aeaiui que se ada
asa de doteneao o pre.to Jauuario que
vo de Joaquim Manod do Ri^o. O
I- snpplentc cm exercicio,
ucisco Sotter de Figuciredo Caslro.
PVATT1?T,I?1 A A^Ai^Ali consultas medico cirurgicas em seu gabinete das
AV *^ A -''-' i vJMA 8 s H horas da manhaa e das 11 ate s 3 horas
Dos portos do norte esperado da tarde, os chamados deverao ser por escripto e
at o da 1 de Janeiro o vapor dessa horaein diante devora ser procurado na ca-
Prtncezn dante Araujo, o qual depois da 1. Partos,
demora do costume seguir para 2." Molestias de pelle.
os portos do sul. ;.. Mera dos olhos.
Desde ja recebem-se iissageiros e engaja-se a i. dem dos igaos gemaos,
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever Pracar toda e qualquer opera^ao em seu ga-
ser embarcada no da de sua diegada, encommen- bnete ou era casa dos doentes conforme Ibes ro-
das e dinheiro a frete at o dia da sahida as 2 lio- mais conveniente.
ras, agencia ra da Cruz n. i, escriptorio de Au-;------------------------------------------------------
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C. Casas para alllgar.
.______________________________________| Urna loja e prmeiro andar na ra das Cruzes,
J lUllik & urna casa terrea nn na da Alegra, um terceiro
M i ?5 *.-% andar e sotao na ra do Encantamento : a tratar
Segu com brevidade para o indicado porto o com Joao Ribeiro Lopes, ra da Cadeia n. 33, loja.
velero brigue portuguez Jovrm Amelia, capitao n nmiwi*1tttdnvt du
Rodrigo Antonio Braneo : quem quizer earregar,: u* uu tu humui'hii li> u
dirjase ao seoconsignatario Antonio de Almeida mass(l fulUflu (Ir, A moHm, Fltl -
Gomes, ra da Cruz n. 2.!, prmeiro andar. I ,
- Para Lisboa pretende sabir cera muita hrevi- i 0"O, SlllOS ( COilVld < 'S
dade o patacho Jareo, capitao Jos Marques Coe- ,., />///r/>u //(t mPSTM inflan IMIYtl
IhoSobrinho, por ter parte de seu carregamento L Ctttl? t* fA WCAIIlH mU5fXpu?U
tratado: para o resto que Ihe falla, e passageiros,' j| q n jvj 30 (le H ftX (IJ)reSCnta-
trala-sc com os seus consignatarios l'almeira A .
Ildtrao, largo do Corpo Santo n. 4, prmeiro rem OS 8CUS tllUUIS, ttO CSCrl)W
rio da rna do Vigatia n 21.
primeirc nndnr, nftm de sern
verifico dos, das 10 horas do
manhaa as 3 da
nambuc 22 de
ndar.
ara
Segu ao indicado porto com a possivel brevi-
dade o velero biate Lndo Paquete, capitao Anto-
nio Mara da Costa c Silva : para carga, trata-se
com o consignatario Antonio de Almdda Gomes,' 1 SI>>.
ra da Cruz n. 23, prmeiro andar.
tu nle, Per
dc.embro de
Predsa-sc alugar um preto captivo : na pa-
; daria alleraaa ao p da fundicao._____________
PARA 0 RIO LE JANlIRu ****** { ven
pretende sabir com muito brevidade o patacho na rua na |>onIe velha n. 25.
Correa por ter a maior parto da carga tratada :
' andares, apenas passo e bom galojiartor. muito ar-
; digo e passarinbeiro, bastante carnudo e muito
O patacho nacional Capuam, pretende seguir m^nteud^ ropa.PC a ,|Ua|q.,er pessoa que setiber,
Para o Rio de ianelro.
com muita brevidade, tem parle de eii carrega-: d^.. |-^ anil.r (la rila("j,; imperador n.
ment engajado, para o resto que Ihe falta e es- u b rci.()nip,.ns,do.
cravos a frele para os quaes lem bons commodos *.'. ------------i--------------------=--------
trata-se com os seus consignatarios Antonio Luii | Aluga-se urna boa casa em Jaboatao, com
de Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio rua mobilia. por tres mezes : na rua Direita n. i, ou
da Crui n. I. 'n" rnesmo lugar, paaria Sebastopol.
0 dentista que tira dentes
sem dr.
Acha-se de passageni para Europa nesta illuslre
capital o dentista Julio C. P.ulrotta, doulor em va-
rias sci> ncias. D mora em ca-a particular, na rua
do Trapiche n. 12 Portante approveite quem qoer
ser operado pela sua leve o secura mao. As 80-
nhorasc as familias nao '.erao incommodo de sa-
bir de casa apandar sol. o dentista vai em todas
as casas amule for chamado. Qu.indo jtpresenla-
se a cavallo ao publico as operacoes sao sempre
gratis para a pobreza.
Tem os segu rites remedios:
Mistura hygienica do Dr. Iticaard para amo-
Iccer os dentes perigosos e faze-los rabir sem ajada
9e Ierro: < ambrosia do Dr. Rucliardat para fa-
zer passar a dr dos dentes em dous minutos ;
i pomada dos padres capuchlnhos da trra santa
para curar erysipella, rlieninatisnio, escroto iri-
diado e feridas; xarope mexicano para curar to-
! das as molestias do pealo como phlysica pulmonar,
Jasthma, puchamento, losse, catarro, falta de respi-
rieao. etc.: na rua do Trapiche n. 12 hotel da
RUiropa.
Na rua do Destino h. 10 precisa-se de una
ama que saiba comprar o cozinhar, para duas pes-
soas.
AaLUGvtl-SE
las grandes casas terreas na Ponte de l'cha, com
commodos em deniazia e grande sitio : a tratar na
rua do Amorim no Reeife n. 5i.
C0WKI1 IU
Aula particular de latini e
franrez.
0 padre Flix Brrelo de Vasconcellos com aula
particular de latim e francez na rua do Imperador
n. 35, segundo andar, da impreterivelmente come-
co ao seu ensino na segunda-feira II do prximo
vindouro mez de Janeiro. Tambera da lines de
arithmelca e grammatica portugueza e franceza
por rasas de familia, e se contrata para ensinar la-
tim e francez em algum collegio particular, sendo
em bufas que nao prejudiquem ao ensino em sua
casa, o qual principiar as 9 horas da manhaa, e
encerrar-se-ha as 2 da tarde em lodos os dias da
semana, excluidas as quintas-feiras que serao da-
das aos alumnos |ra o estudo de gabinete, cujas I
tarefas lhes serao marcadas as quartos-feiras, e i
dolas darao coala as sextas, dia em que deverao
apresentar-se na aula as 8 horas da manhaa.
O ensino do francez contina a ser gratuito aos
alumnos somente que com o annuncante estuda-
rom o latim ; advertindo. porin, que esta graca
si'ia feito smenle aquellos que se matricularem
at o Un de Janeiro, tendo de perde-la aquellos que'
vieren depois.
Os pagamentos sero mensaes e sempre adian-'.
lados vista dos recibos.
Tambem rtcebe alumnos de primeiras letras,
nao porque cnsine por si mesmo as respectivas
materias, mas porque lem em sua casa professor
habilitado para easinalas.__________._________|
Aluga-se a casa terrea n. 8 da rtia da Man-
gueira : a tratar na rua do Queimado n. 38.
Antonio Jos Rodrigue de Swua, na rua do
Crespo n. 15, precisa alugar um moleque para o
servico de casa de familia, e que saiba bolear car
ro, sendo de bons costumes.
peca.
Capas pretas, manteletes preloa bordados a 20 e 325 rs. !
Solanibarques preloa de 25-3 a 304 rs.
Capas de casemira de cores a 255 o 305 rs.
Outras fazendas de milito gosto.
PaOTEJAM TODOS
Cortes de cambraias bordadas; caries de vestidos de blondo para noivas. com capella e
.manta. Chapeos Mara Pa a 125 cada um I Meias para senhora a 45, 34. 105 e 125'
rs. a duzia. Bramante de linbo, de 10 palmos, a 25 a vara. Bramantes belgas a 35 a vara ;
esguiSes de linbo fmissmo ; tiombazinas pretas para luto ; merinos pretos etc. etc.; da-
mascos de lade 8 palmos de largura, proprios para colchas e para cortinas de salas.
oiuatuuaiaqeisa ouiissiiueiJodihi asso e '-sejs "seiuxa 'ovaajojd
o.ii.i'|iii|i i: si:in|-s!ii:ji.,q sepuazej
i:ju.io|i|: ) toa p i3.>Hji|o.xl se uid)|.>tujriy
soaiaoxivaisa a so\v3 uiKVMuad^i
sss k:\
Ao n. 29.
.Nova loja dos baraldros na rua du Quriiuado.
Ricas saias de fustaoa 55. camisas Inglesas para
senhora a 25, 25500, 35 e 45, cobertas de fusto
brancas a 55, chitas com lustro para coberta com
6 palmos de largura a 040 o covado, cambraia de
cores para vestido a 320 o covado, laas para vesti-
do a 480, 500 c 640 o covado.
Ao ii. 29.
Nova loja dos baraleiros ua rua do Qnrimad.
Tarlalanas de todas as cores, fazenda muito lina
a 720 a vara, cambraia para cortinado, ucea de 22
varas, por 105, chales de lia |tor 35, 45. 55 e 85,
camisas inglezas para hornera a 38f;3Qf e 605-
A n. 29/
Nova loja dos haratrirus na rua do Qurimado.
Mesa pretos, franjas oe-wdas as quahdades,
trancas de seda, de algodao e de la, manguitos e
camtsinhas bordadas, coltorinhos o panhos, fomos
bordados, hotoes de velludo, de seda e de fnsto,
bandos de cabello, meias de seda, loques ; cajos
artigos so vendem por melado do seu valor por ser
para acabar.
i mmm wm m w:msm
*m O Dr. Sarment Fillio, medico operador **
^ do hospital Pedro II, para maior com- **?
9 inodidade das pessoas que o honrara cora -fa
H a sua confianca, participa que ser en- -J
B contrado lodos os dias no referido los- ?,A
H pital das 1 i\~ 10 da inanhaa e des-a han .^!
"*^jf. em vanas na rua do Queimado n. 44, se- \?/
', gundo andar, onde ha cstabelecido osen *,'
jfg^ consullorio, 011 em casa de seu pai Can- |gt
v po das Princezas.D consultas gratuitas **5
JR todos os dias no dito hospital, onde pra- "VH
*40, tica toda e qualquer operaeao de que os .^J
>^ pobres precisem para o seu reataoeleci- '-i
$$ ment. Incumbe-se especialmente da
vja^ cura das mobstias do dominio da med-
^i cia operatoria, que se ha dedicado,
jt das alteccoes do ulero e da uretra.
Aluga-se um sitio na f>piinfa velha, con
boa rasa, contendo 4 qnartos, gabinete, taran'
com boa agua, qnartos para (netos. estribari,.i
fructeiras, todo murado : quem o pretender. dir.
ja-se rua do Cwape n. 18, prmeiro uwlr.
FOLHINHAS PARA 1864,
Ka otaca da Itjderjendencia livraria ns. U
e 8, acliam-se venda as sejrtiintes fnlhi-
nhaspara 1804 iuipressas tiesta typograpliia
em excellenle lypo e bom papel,
Folliinlia de porta conlend as mate-
rias do costume, rs........KO
Dita de algibeira, sob a epit;i ap!te
religiosa, cometido alm das maleras
do cosime os sete passos da l'aixao
de Nosso Senlior Jess Cbrislo ; cnti-
cas do mez Mariano; liymtius e jacula-
torias ao Santissinto Sacramento;, ex-
plicacoes de diversas orafOes; coroa
Serapliica ; exercicio ao sagrado cora-
r;5o de Maria ; orafo para visitar as
igrejas no dia da ForciimcuhL>warao
pata escolha das estadosihf vida ; dita
a Senliora da Cootei
sobre a reforma da consaiea
Dila de dila, sob a
riedade, contendo alrra^H
coslume : receilas '-.'.eH^P
aos diversos mysterios da vida; physi-
ca e recreativa ao alcance de todos:
pilherias e ral ices; poesas : charadas;
mximas e pensamenlos coligidos por
um curioso. ..........
Ditas eolosiasticas M de padre para
rosar o .oificio divino, redigida pelo re-
veredi) conego penitenciario da S dt>
Olinda...........(i 40
Flix le Cantalice tendo encarrilado ao seu ad-
VOgado o l.acliarel Luiz Augusto Graspo a cobran
ca de todas as suas dividas activas, pede a todos
os seus deredores o obsequio de se enlenderem
com o mesmo senhor dentro do praso de 15 dias
ao presente, aliin de darem cumprimento s sua<
obrigacoes, sol vendo os seus dbitos, sob pena de
se proceder judicialmente contra os mesmos sem
dislinccao de pessoa.
- Os admiiiistriidores da
massa fallida de Seve Filhos
& C, convidam aos credo-
res da mesma massa paramo
praso de oito dias apresenta-
rem os seas ttulos no es-
criptorio da pra^a d> Corpo
Santo 11. 17 (de Augusto F.
d'Oliveira) afim de seren ve-
rificados.______________
O Dr. Antonio Vicente do Nascimento Feito
sa, tendo de retirar-se para a corte do Itio de Ja-
neiro, afim de tomar assento na cmara tempora-
ria, cerno deputado assembla geral por esta pro-
vincia, avisa ao respeilavel publico, e com especia-
lidade aos seus constituintes desta e de outras pro-
vincias, que o seu escriptorio na rua estreita de
Horario n. 23 contina sob a dirorcao de seu com-
panheiroe collega o Sr. Dr. Joaquim Jos de Mi-
randa. Os solidos estudos do Sr. Dr. Miranda em
jurisprudencia, a pratica que possue dos negocies
forenses, o conhecimento que tem das causas do
escriptorio, onde trabalha ha cito annos, e o carc-
ter probo que o distingue, sao garantas tuffieien-
tes deque na ausencia do Dr. Feitosa os negocios
forenses a seu cargo, e os que oecorrerem de novo,
proseguirao com a mais perfeita regularidade.
O Dr. Feilosa avisa, oulro sim, ao respeilavel
publico, que as pessoas que quizerera oavir suas
opinioes, poderao remetter-lhe para a corte suas
consultas por intermedio do mesmo Sr. Dr. Miran-
da, certo de que a resposta lhes ser enviada pelo
primeiro vapor que d'all partir depois do recebi-
raento da consulta; assim como all se encarrega-
r da direceo de revistas ou de qnaesquer nego-
cios forenses.
O mesmo Sr. Dr. Miranda fica munido de pro-
curadlo bastante para tralar de qualquer negocio
que diga respeito ao Dr. Feitosa, quer particular
quer rense.____________________________
Quem nao comprara por 5#
Ricas chapdinas de rada para senliora, muito
liem enfeitadas e do ultimo gosto : na rua do
(jucimado, loja n. 41.______________________
Contina a baver pao de sonido novo nos das
quartas e sabbados de cada semana, na padaria
em Santo Amaro ao p da fundicao, na rua da 1ra-
peratriz n. 2i, e rua do Brum, confronte o chafa-
riz n. 47, rua das Cruzes, deposito n. 39, na Pas-
sagem. taberna da esrpiina do Sr. Bento, que vira
para o Remedio, e no armazem progresso, largo
da Penha n. 10.
O administrador da casa de banhos do pateo
do Carmo roga s pessoas que possnem antigos
cartOes, hajam do ir trocar por novos at o da 31
deste mee; licando inutilnados se o nao Bzerwn.
gar um preto corinheira 1 na
I
3*0
Do primeiro andar do sobrado n. S6 da rua
da Cruz furtaram no dia 29 do rorrente mu rclo-
go de'ouro patente suisso n. (0197, descohorto
cora as- iniciaos M. A. M. S. entrdaeadas, e mais.
nm trancelim grosso de ouro com 'passador com
pedras : roga-se s autoridades pohraes e parti-
cularmente acs senhore* relojeeircisa appretuJnsao
dos referidos objectos.


ttiaiio le 3kri naiufeuc -* intua [eir 3i de lsVezeiuhro de 8tt8.
I
Precisa-se alagar urna ama forra ou cscrava
de rada tdde, qoe tenha boa conduela, e saiba co-
inhar engommar bem : na ra das Crutcs n.
36, primeiroandar. Pagase bem.
t) abaixo assignado, guardiao do conveuio do
Santo Antonio desta ridade do Recife, decMb. ao
respeilavel publico que os devotos de N. S.1Riu-
de, erecta na portara do nissino convento, cstao
autorisados a procurar esmolas ara o festejo da
mesma Seahora, bem como rolar dita capella como
d'antes cr*; ficando por esta declarado destruida
qualquer prevencao que por ventura possa haver
contra s mesmos. Convento de Sanio Antonio do
Roerte 21 de dezembro de 1863.
Fr. Oapt'sU do Espirito Santo.
__________________Guardiao.___________
Precisa-se alugar uina ama para cozinhar em
casa de pouca familia : na ra das Cruzes em
Santo Antonio n. 41, segundo andar.
Roga-sc s pessoas que tiverem objectos cm
deposito, no poder do abaixo assignaAi, os venbam
resgatar at o oia3 do Janeiro vindouro, sob pena
de seren vendidos para seu real embolso.
Joaquim Aranha de Souza.
C'araclro fgido.
"So domingo do manilla, 27 do corrente, desap-
pareccu un carneiro grande, castrado, de cor mel-
lado, do sitio om que mora boje Frederico Cbaves,
cm l'arnameirim : quem o pegar, querendo faxer
o favor do mandar entrega-lo no mesmo sitio ou
nos Afilelos no silio de Frederico Chaves Jnior,
que alem de se recompensar o trabalbo, lica-se
obrigado. t_________
&M
DENTIST DE PARS
i9Ra Nava-19
Frederico Gautier, eirnrgio dentista,
lar todas as operaocs de sua arte, e col-
loca dentes artificaos, tudo com superio-
ridade e perfeigao, que as pessoas enten-
didas Ihe reconhecem.
Tcm agua e pos dentificio.
cozinhar e
na ra do
Precisa-se alugar urna ama para
comprar para casa do bomem solteiro :
Quoimado n.,43. Prefere-se cscrava.
Na ra estreita do Rosarlo, hotel vigilante,
precsase alugar um molcque. |
Troca-se telha boa por lijlos de alvenaria
grossa : a tratar na ra do Mondego, olaria n. 13.1
Aluga-se o primeiro andar- do sobrado da
ra do Cresi n. 23 : a tratar na luja.__________
Antonio Jos Rodrigues de Souza aluga a sua
casa e sitio do Monteiro, em frente ao oito da
igreja de S. Pantaleo, com bastantes commodos :
a tratar na thesouraria das loteras, ra do Cres-
po n. 15.
Aluga-sc usna casa propria para os senhores
cstudanies, sita na ra dos Coelhos n. 6, junto do |
1 sobrado do fallecido Anacido : a tratar na ra do
Mendego, olaria n. 13.
"tinturara.
Tinge-so com perfeico para qualquer
cor, e o mais barato possivel: na ra do
Rangel n. 38, segundo andar.
D-se 1:5005 a protno sobre hypotheca em
alguma casa : a tratar na ra de lionas n. 4.
CASA DE SAUDE
Em Sanio Amaro
lio lar. Silva Ramos.
nico estabelecimento desta nalureza
que existe entre mis, montado do modo
que pode com todo o commodo e zelo tra-
tar qualquer doente, que nella seja reco-
[Udkk
^O^edifico magestoso c conserva-se
em perfeito estado de limpeza e conve-
nientemente mobiliado.
Os doentes sao separados, segundo os
sexos, natureza das molestias e condicoes
sociaes.
Ha (piarlos fortificados para os aliena-
dos, e urna enfermara para as partu-
rientes.
O proprietario encarrega-se de qual-
quer operacao.
O estabelecimento franqueado qual-
quer pessoa que o queira visitar.
Primeira elaSse 36000 diarios.
Segunda dita.... 26500
Tereeira dita.... 2*000
Para que qualquer doente seja ali rece-
bido, basta que se mande onomedo doen-
te a da pessoa que o remeta, com a de-
claraco da morada.
O proprietario aceita contratos annuaes
com qualquer que queira ter um ou mais
leitos a sua disposigao.
45
CALCADO.
Ra Direita
Aprovcieiu ciu pian i o lempo!
Borzeguins francezes de lustre pa-
ra homem................. 55000
Borzeguins francezes de cores pa- ^/
ra meninas................ 25000
Borzeguins fraueczes pretos para
meninas.................. 2i>00
Sapatos de lustre para senhora.. 15000 &, Verdadeiro vi alio" collares" em nco're-
Sapatos de lustre s avesaas1..... 500, Jpa -retas de 9 caadas a 50,000 e 800
rs. a garrafa.
raneo B Filhos. em barris de
quinto a 60,000 e 500 rs. a gar-
S#

Precisa-se de urna ama de leite:
Trincheiras, sobrado n. 17.
na ra das
Aluga-se a casa terrea da ra da Paz n. 28 :
a tratar na ra Direita n. 24.
1
?
11
Furtaram do Mangnnho dous cvalos alasoes,
grandes, com os signaos seguintes : um grande
o bonita figura, frente aberta, tres ps brancos,
tcm pintinhas branca na anca c urna cicatriz na
ancaesquerda ; como ha pouco se botou no carro
est enc.ibellando a marca que lhe fez a coleira,
anda milito bem do babeo a me; o outro gran-
de e esl um pouco magro, teni urna estrella na
testa, as dinas aparadas, e os dous ossos da anea
salientes ou esperados : recompensa-se bem a
quem der noticia dos mesmos na ra da Cadeia do
Recife n. 35. ____________
. Aluga-se a casa terrea n 10 da ra do .ira-
gao, a qual s serve para algum estabelecimento
ou ofiieina : quera o pretender, dirija-se ao quar-
tel de polica a tratar com o capito Teixcirn, ou
na botica n. 0 da praca da II la-Vista, que achara
com quera fazer negocio sobre o dito aluguel; na
mesma botica ahi encontrar a chave para se cor-
rer a dita casa.
Precisa-se de n:n boni cosinlieiro ede urna
ira que saiba engoniuinr e lavar : tratar no
sobrado n. 32, da ra da Aurora._____________
Precisase de urna ama livre ou escrava, que
seja boa engommadeira e so preste a todo o serv
co de urna rasa de familia, excepto o de rozinba:
na ra estreita do Rosario n. 31, lereeiro andar.
Nesta tyiograph~precisa-sc fallar ao
Sr. Frederico Skiner escultor,
Aluga-se o 2o andar do sobrado da ra do
Imperador n. 79, bstanlo fresco, e decente para
una familia : a datar com Antonio Jos Rodrigues
de Souza, na roa do Crespo n. 15.
0 Sr. Lufa Paulino Cavalcanti de Al-
buquerque, tcm urna carta nesta typograpliia.
Perdeu-se na noile de 24 do corrente urna
pulseira de ourp, desde o largo do Pilar at o Cor-
po Santo : quem aehon e quizer restituir, dirija-se
ra do Pilar n. "o. que ser gratificado,
Precisa-se de 2:3006 a premio, dando hypo-
tlieca em urna casa : quem quizer aiinuncie para
ser procurado.
Benedicto de
Rabia a negocio.
.Sania Rosa, Brasileiro, vai
Precisa-se alugar nina escrava para o servi-
go interno o externo do una casa de familia, pagan-
do se 205 mensacs : a tratar na ra los Guaiara-
pes n. 18, sobrado de um andar.
Guarda-I i vros.
OlTerece-se para qualquer casa commercial um
hbil guarda-livros, encarrega-se de qualquer es-
cripia por panillas simples o dobradas : a tratar
na na da Bnneralri n. 42, segundo andar.
Aluga-se o lereeiro andar do sobrado da ra
Nova n. 19, com bastantes commodos para fami-
lia : a tralar na ra da Cadeia n. 62, segundo
andar.
Aluga-se por commodo prego a casa da ra
Imperial n. 213 com duas grandes salas, 7 (piar-
los, cozmba lora, quintal e cacimba : a tralar na
padaria da ra Direita n. 84.
("T*
.\
'i
Xa roa da Cadeia do Recife n. 13 precisa-se de
urna ama para cozinhar.
MNBK- GKIKS&Sfiai
|g Ti'oeani-se imagensilo Porto, escultura >
r em madeira. na loja de Joaquim Luiz dos S
jfx Sanios, ra do Crespo n. 1.
Festa da ttenhora
Fv. Sr. D.itl
*< *SS F&, fZ*
do Hoii<.
S. F\-... Sp. D. i'b.ulc le S. lenlo
i acord coi o biii assisiiadn Ichi
removido a testa da Seahora do Monte
do dia 31 do carrate mez, p ra 17 Janeiro vinduuro- ti linda, 15 le de-
zemhro ile 1S(J3.
Mauoel Laiz Vi rae*.
Maques sobre Portugal
O abaixo assignado, agente do banco
mercantil Portuense nesta cidade, saca ef-
fectivamente por todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto c Lisboa, por
qualquer somma, vista e a prazo, >o-
dendo logo os saques a prazo seren des-
contados no mesmo banco, na razao de 4
por cento ao anuo aos portadores que as-
sm lhe convier : as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. al.
Joaquim da Silva Castro.
Ama.
Precisa-se de urna ama para una casa de pouca
familia : na praca do Corpo Santo n. 17. _
"mvENgAor
D. Dina da Silva Coulinho avisa aos pas de fa-
milia que no da 8 de Janeiro prximo vindouro
tcm de abrir sua aula de instruccao primaria na
ra das Cruzes n. 2, primeiro andar, recebendo
alumnas externas, pensionistas c meo pensionis-
tas, assegurando que empenhar todos os scus ex-
forcos na edueaco e ensino de suas alumnas.
Fugio do lugar Marros da provincia da Para-
hiba do .Norte o escravo Anselmo, crioulo, idade
.'lOannos, corpulento, cabera, olhos e bocea regu-
lares, dentadura perfeita o* alva, nariz grosso e
chato, barbado, conserva suissa, testa quadrada e
lisa, canellas linas, notem lalho algum de chicote
em seu corpo. Essc escravo perlence ao abaixo
assignado, fugio no dia 14 oo corrente, foi preso
na xan de eapoeiras do termo da villa de l'o d'A-
iliu, e recolbido cadeia daquella villa disposi-
cSo do delegado da mesma, c foi pelo mesmo en-
tregue aos portadores por quem o mesmo abaixo
assignado mandou receber; isb no dia 20 do cor-
rente e no dia 22 do mesmo tornou a fugir. Con-
fessou essc escravo em sua chegada ir para o Re-
cife dirigido por una pessoa que ao mesmo abaixo
assignado repugna declarar pessoas de sua fa-
milia ahi moradoras, e tambera a um seu corres-
pondente para exportarem-no como seu escravo,
mudando-sc-llie o nnme. Nao posso crer que nao
s as pessoas pertenecntes a familia daquelle como
o seu correspondente sejam capazos de annuirem
a nm procedmenlo tao revollantel O abaixo as-
signado protesta contra quem assim proceder nos
termos da le; egenerosamente gratificar a quem
o apprebcnder, que se podar dirigir no lugar Bar-
ros ao mesmo abaixo assignado, e ahi nessa cidade
aos Illins. Srs. majar Francisco Camello Pessoa de
Lacerda c Manoel Ignacio de Oliveira Lobo. Tem
mais o abaixo assignado a declarar que esse seu
escravo niuto couhecido por diversas pessoas
Dessa cidade como bem sejam os Srs. Jos da Sil-
va Loyo, Domingos Jos Ferreira, major Luiz da
Cosa Portocarreiro, coronel Jos Harta Ildefonso
Jacome da Veiga Pessoa e ouiros muilos.
__________ Jos da Silva Pessoa.
inda esl fgido o cabra Seraphim, do 3i
anuos, pouco mais ou menos, altura regular, cheio
do corpo, rosto em proporcao, ventas arregazadas,
tarn serrada, mareas de' bexigas, falla manso, e
costuma fumar cachimbo, tem um signal visivel no
p esquerdo por lhe faltar os tres dedos do meio,
tem apenas tres cotosioHos, tem nabas, diz elle ser
de afio, lalvez ande raleado para incubrir e in-
culcar de forro; esle escravo foi comprado no dia
20 de novembro prximo passado, c desappareceu
no dia 7 do corrente, foi comprado a Manoel Pa-
checo Couto, residente no Olho d'Agua dos Bredos,
comarca do Rrejo da Madre de Dos : peco s au-
toridades daquelle lugar e do Buique, oude elle
iciu conbecimento, e a qualquer pessoa particular
a eaptora do mesmo, e leva-lo a seu senbtf na ra
do Arago n. 8, que pagar todas as despezas, e
gratificar generosamente, e protesta contra quem
o liver occullo.Jos Duarte Coulinho.
LOJA DE MIUDEZAS
16 Ruado Queimado. 16
I'ee-s de tranca de ia preta e do cores lisa a
Pecas de tranca de lia preta e de cores, caracol, a
. 00 rs.
Pecas de tranca de linbo branca de caracol a
1 100 rs.
Pegas de iranca de linbo mesclada de caracol a
100 rs.
Pegas com 10 varas de fita de velludo cor de rosa
a 15.
Pecas com 10 varas de fila de veludo preto a 15200
elt00.
Pecas com 13 varas de fita de velludo lavrado a 15
e 15200.
Peas com 20 varas da galo lavrado a 15300.
Pecas de franja branca estreita a 15.
Pecas de franja larga para cortinados a 35
Pegas de tita de seda de cores a 360 e 800 rs.
Pegas do franja de Ia a 1.5.
' Pegas de franja de seda preta e de cores a 35.
Pegas de fita de retroz prela 6 de cores a 210 rs.
Pegas de bicos e rendas a 15200 e 15500.
Varas de bicos e rendas a 100 e 160 rs.
Varas de bicos pretos a 160 e 240 rs.
Varas de bico preto da largura da um palmo a
300 rs.
Varas de labyrintho de um palmo de largura a
300 rs.
Varas de bonitas fitas para cintos a 300 rs.
Varas de fila prela de borracha a 160 rs.
Varas de babados largos a 120 rs.
Varas de galo branco e de cores lavrado a 100
ris.
Fivclas de ac galvanisadas para sinto a 15300.
Ricos cintos com fivclas de pedrinhas a 35-
I Grvalas de seda a 400,600 e 800 rs.
* Grvalas para laeo a 800, 15 e 15280.
Grvalas com bonitos passadores a 15 o 15280.
Grvalas de pona larga bordadas para senhoras a
15280.
Passadores para grvalas a 300 rs.
Conservadores de continhas prelas c brancas a
15OOO.
Voltas de perolas brancas e de cores, com cruzes,
Deseja-se fallar, a negocio de. sen particular -*1*- ... ,.KA.
interesso, com a Sra. I. Alexandrina, mana do Sr. VOttas pretal a balao com cruzes a 15 e 15500.
Jos Antonio de Souza Paes, de Paje de Flores : "olUs prelas de erratas muito graudas a Mana
declare por esle Diario a sua residencia. I ia a 15800 e 25300. <,,
----------------------. ., ,------- V ollas de coral pequeas e grandes'a 600 e 2'i(Hi
de mna ama de meia idade para Macnnos ,it cora|'a 360 e ttWrg#
raa.
Duarte de C, receberam de sua propria encommenda pelo _
g? Flor inda, chegado ltimamente de Lisboa os seguiotes gneros todos de pri- f*
3g roeira qualidade por serem escolhidos pelo Sr. Duarto chefe de nossa casa jgp
*^ ltimamente chegado daquella praca.
Nozes as msis novas que se pode de-
sejar a 100 rs. a libra, e comprando
em barricas a 4,500 rs. a arroba.
Sebollas em ca'rxas as mais novas do
mercado a G.500 rs-. a caixa, a 800
rs. o mollto, e a 640 rs. o cento.
Batatas em caixas de i arrobas muilo
novas e grandes a .400 rs. a caixa.
Sextinhas com figos proprias para mi-
mos de ciiancas a 60 rs. cada nina
.e comprando em duzia ter grande
abatimento.
Erva doce muito novas a 500 rs. a lr-
bra, e comprando em arroba a
10,000 rs.
Cominhos muito novos a 400 rs. a li- ?3i
bra e 10,002 a arroba.
Licores portuguezes das marcas mais ''
acreditadas de Lisboa a 1,000 a gar-
\ .'. & !
Precisase de urna ama de meia idade para
cozinhar e engommar em casa do hornera solteiro:
na ra do Cost n. 2, segundo andar, no Forte do
Mallos._________________________________
Al usase
, a loja n. 30 da ra da Cadeia, esquina defronte da
I ra da Madre de Dos, propria para qualquer est-
belecimento, tendo armazem no fundo da mesma
loja com couimunicagao por dentro e portas para
a travessa da Scnzala, aiugando-se tanibem o pri-
meiro andar da mesma casa, e abi acharao cora
quem tratar.
Joo da Silva Ramos, medico pela um-
versidade de Coimbra d consultas em
sua casa na ra Nova n. 50, das 8 s 10
horas da manha e das 4 s 6 da tarde o
recebe igualmente convites para dentro
ou fora da cidade com o fim de se en-
carregar de qualquer servigo de sua pro-
flssao.
Os chamados devero vir por escripto. 'W
KSH >5t^7S*&*!&*!!% X<*?Xl'(g\
Coziuheiro.
Na ra da Lapa n. 3 ha um cozinhciro para casa
particulado qual sabe fazer tudo que ha de sua
occiipacao. ________________
Vinagre R R, em ancoretas.de 9 ca-
adas a 18,000 e 2,000 rs. a ca-
ada.
Passas em caixas, meias e quartas a
8,000 4.000 e 2,000, a 480 a libra.
Peras seceos em caixas de quatro li-
bras o melhor que se pode desejar
a 2,500, e 640 rs. a libra.
Caixinhas de 4 libras e 2 com ameixas
a 1.500 e 2,500 rs. a caixinha.
Chocolate portuguez, o melhor que
pode haver de bom neste genero a
1,000 rs. ahbra.
Marmelada pVopriamente dito de mar-
mello, a 640 rs. a lata e em caixas
de 100 latas'a 000 rs.
Maca de tomates a mais nova que se
pode desejar a 040 rs. a lata e em
caixa de 100 libras a 000 rs.
&g Eivilha portugueza a 700 rs. a lata.
jj@| e em caixa de 100 libras a 040 rs.
Passas corinthias para pudim a 640
rs, a libras, e 400 rs. comprando de
arroba para cima.
i
rafa c 10 a 12,000 a duzia, as quali- .
dades sao as seguintes-: creme de ^^
violetas, geroflez, rosa, absintho, ves-
e outros muitos de qualidades menos '^^
superior que serao vendidos por pre- WM
eos em relaco as suas qualida- ^^
des.
Precisa-se
cozinhar cm casa de pouca familia : na ra da Ro-
da, sobrado da esquina, de um andar, com vene-
zianas, por cima da taberna.
O Dr. Cosme de S Pereira conti- |g
8 na a residir na ra da Cruz n. 53, 18
Io e 2o andar, onde pode ser procu- jjg
g rado para o exercicio de sua profis-1
igs sao medica, e com especialidade
I sobre o seguinte
Io molestias de olhos;
2o de peito :
3o os orgos geniti )
urinarios. I
Em seu escriptorio os doentes se-
rao examtuados na ordem de suas
entradas comecando o trabalbo pelos j
doentes de olhos. I
Dar consultas todos os dias d sj
0 as 10 da manha, menos nos de-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
cb que julgar conveniente para o
prompto restabe lee ment dos scus
doentes.
CJi
HU

OO;
P


\

O /'
r-
<^>
1 .
3
o
i-i Criado.
Precisase de um criado : na ra do Queimado
n. 32, primeiro andar.
Holcque.
Precisa-se alugar un nioleque de 14 16 anuos
de idade : quem tiver, dirija-se ra do Queima-
do n. 32, primeiro andar-
- Preeisa-se de una ama para comprar e eozi-
nharpara casa de homem solteiro : na ra da Cruz
n. 17, lereeiro andar.
Precisa-se de uina ama livre que saiba eozi-
nhar.engommar o comprar, e que tenha boa con-
duca para casa de pessoa solteira : na ra da
Senzala, sobrado amarello n. 124, psimeiro andar.
Aluga-se um prelo escravo, bom crucial do
pedrero, e garante-sc a conduela por ser muilo
conhecido nest praca, e por prego muilo razoa-
vel : quem quitar annuncie.
Na na da Cruz n. 16, segundo andar, preci-
sa-se de urna ama para cozinhar e comprar, e 011-
tra para o servigo interno de urna casa de pouca
familia.
Oitavas de retroz preto o de cores a 160 rs.
Pares de grampos enfeitados, a baio a 15-
Pares de brincos pretos e de cores, a balo, a
iO rs.
Penles de borracha para regago a 800 rs.
Pentes dourados com pedrinhas para regaeo a
25300.
Ricas juarnigoes de pentes dourados com cachos
c pedrinhas c as marraras iguaes a 45 c 55-
Ricos penles dourados a 25, 25300 c 35-
Bonitas marrafas com pedrinhas a 15-
Bonitas guarnigoes de pentes-cora lago esmaltados,
com marrafas iguaes a 35.
Bonitas guarnigoes de pentes com lago para luto,
com marrafas iguaes a 35-
Bonitos penles de tartaruga a 45 e 55-
Bonitos pentes de massa virados imitando tartaru-
ga a 15600e 25
Pentes de massa em caixinhas a 300, 640 e 800 rs.
Penles para atar cabello a 80, 160 e 240 rs.
Linas (le Jouvin brancas e de cores a 15300.
Lavas da Escossa brancas e decores a 500.
Bonitos boloes para punhos a 160, 320, 480 e 800
ris.
Dalias de bonitos boloes dourados a 480 e 960 rs.
Duzias de bonitos boloes de vidro a 480 rs.
Golinhas brancas c de rres com coulinhas.a 15-
Sapalos de Iranca do Porto a 15600.
Tesouras linas'para unhas e costuras a 300
800 rs.
Eseovas para dentes a 160, 320 e 480 rs.
Escovas para unhas, roupa, chapeo e cabello
800 rs.
Bonitos toucadores com ps a 25, 25500 e 45.
Caixas de bfalo eneasloadas em martim a 25.
Bengalas de junco e de canoa a C40 e 15280.
Chicotes de junco e de baleia a 15 e 15600.
OcuIhs de armaeao de ac praleada, dourada e ba-
leia a 300 e \-.
Duzias de eollieres de metal prncipe para cha a
15600 e 25.
Duzia de colheres de metal para sopa a 35500 e
35500.
Pacotes de papel de cores pequeo a 640.
Caixinhas de papel amizade a 800c 15-
Caixinhas de panel de boira dourada a 15200.
Caixinhas de papel phanlasa de cores a 5-
Caixinhas com 100 eovelopcs a 800 c 15-
Caixinhas de lacre a 200 e 400 rs.
Caixinhas de penna deago a 800. 15200 c 15600
Caixinhas de obreias de cola a 80 e 120 rs.
I'rasquinhos de tinta azul ou encarnada a 320 rs-
Lapes de cores 011 encarnados a 120 ns.
Brincos e rosetas pretos a 160 e 240.
Boioes alios de tinta ingleza a 160.
Filas e conloes para espartilhos a 80 rs.
Enliadoros pretos para borzeeuins a 160.
Os propietarios afiancam que estes gneros sao muito novos e tudo ge)
de primeira ipialidade, tudo isto se vende nicamente no armazem Unio e
Commercio na ra do Queimado n. 7, e largo do Carmo n- 9 armazem pro- &s'y
gressivo.
Qujos
do alemtejo, das ilhas e llamengos, todos ahogados neste ultimo vapor, a ..,/.;
2,500 os llamengos e 800 ris a libra do alemtejo e das ilhas, unicamen- ga
te no armazem Uniao e Commercio, ra do Queimodo n. 7 e largo do Car-
mo armazem progressho. /


".'
MI I8>4
GR ANGEI AS antiblennorrhagicas de D
INT. do HQSP. dos VENREOS o PARS
Supriores tods u preparafles conhecidtsal hojicontra as OonorrbeM c Bl.r.norrh^l.i as mafs nlenl*rlMldM.*-
Birtiio seguro epromplo, sem nauseas, nem clicas, nem tremor. Facis a tomar cm scgreio sera tisana
Injecgo curativa e preservativa
Inf.Wl, cura com rapidez um Jora os escorrimenlos contagiosos de ambos sexos. Florea brancas. AdstrinMote
balsmica caalicidMe, iartttea os tegumento e os preserva de .lualijuer alteracdo. PAH1S. 5, rae du larcht-St-llonort.
Deposito gcral em Pernambuco na da Cruz n. 22 em casa de Caros & Barboza
meio por cenlo, dando-se por garanta urna pro-
predade rrae rende mais de 1:0005 por anuo :
(jiieni quizer dar annuncie.
Alexandre Jos de Hollanda Cavalcanti, mo-
rador na cidade da Victoria, faz publico que desta
data em diante se assgnar Alexandre Jos Mara
de Hollanda Cavalcanti.
3--RUA ESTKKITA DO R0SARI0--3
Francisco Pinto Ozorio contina a col-
locar dentes artificiaos tanto por meio de
^ molas como pela pressao do ar, nao re-
cebe paga alguma sem que as obras nao
liqucui a volitado de seus donos, tem pos
e mitras preparagoes as mais acreditadas
para cunservagao da bocea.
Aloga-se o
-^ Aluga-sc o armazem n. 4 da ra do Apollo, e
triz ; \arua da Aurora n. 36.
Alg?-^ sobradinhb da ra Imperial n-
40, com expelientes commodos para familia : a
tratar na ra 'da Cadeia n. 62, segundo andar.
Continuara a estar fogido* desde o dia 8 de
outubro prximo passado deste corrente anno de
4863, os dous escravos mulatos percncentes ao
abaixo assignado, sendo um de nome Odelon, cor
bastante clara, de 18 anuos de idade, bem agura-
do e plido,.cabellos sollos, rosto redondo, com bu-
M de barba, olhos, nariz e bocea regulares, dentes
limados na frente, ps grandes, um pouco pansu-
do, ten na canela e no tornozelo do p urna cica-
triz j fechada, e do lado junio as rstelas marca
de (Mstico, levou roupa de sobrecelente ; e o ou-
tro que o seduzio chamase Thomaz, alio e grosso
do corpo, de 45 para 50 anuos, araboclado, rosto
redondo, com algumas marcas de bexigas, mal en-
carado, olhos pequeos c morios, vista baixa, na-
ris e bocea regulares, falla descangada, costuma a
embriagar-se, minio sagaz, tem una peina mais
grossa do qiie a entra, e nesla militas marcas de
(hagas j fechadas, conservando urna pequea na
canella; este cabonlo foi scravo da l'aiiiltiba do
Xiriv, engenho Itapu, vendido nesta praga coi j
1856, e sabe o camnno do serian, j por duas ve- \
zea leui fgido, onde na primeira vez leve quatro,
-innos, e foi preso para aquellas bandas, c da outra
ra ABa-l'reta, abalbando como forro, de nome
mudaos nastrada ile ferro, e supnoe-se andar por,
;.tgum uceiiho tralialbando como forro porque le-
vou enxpda, folce e faeSo de cortar capira, ambos
sao trabajadores de enxada, c inteligente no servi-
go de earapo: roga-se s autoridades policiaes, ca-
pites decampo, ou (fualquer pessoa que o virem
o mandeni pegar e levar no Recife, raa do Impera-
dor, lereeiro andar n. 44, que serao bem recom-
pensados.
3Iudaiica de estabeleci- .
menta
Flix Venancio de Cantalice avisa aos sea nir-
nwrosos freguezes d'aqni da provincia romo de Jo-
ra, jiue mudou seu esxabelecimenlo de alfaiate>da
ra do imperador, para a ra Nova n. L9, no quaj
esl sempre prompto para cutnprir com qualquer
Mieoincn.lt tendente a sua arte.______________ Precisa-so de urna ama para o servigo interno
Da-se JWOJ a premio ; na ra Augiwlaiiu- de jma casa de jiequena familia "*
mero W. Ajado .n. 32, primeiro aadar
is pretos para borzeguins a
. Caixinhas com 100 agullias francesas a 240 rs.
- Preeisa-se tomar 600#0d0 a premio de tira e Caixinhas com 100 agulhas da Victoria a 320 rs.
Cartas portuguezas e francezas a 200 e 320 rs.
Carlas de allinetes a 80 e 160 rs.
KaMOS de superiores palitos lixados a 240.
Caixinhas vazias para guardar joias a 300, 40p e
500 rs.
Duzias de canudos de pomada a 240 rs.
Sabeneles francezes a 100 rs.
Fraseos de agua de Colonia a 400, 500, 800, 15 e
13500.
Frascos de extractos a 400, 300,800 c 1.
Frascos de banha franceza a 400, 500,800 e i&.
Frascos ds palcholy a 400. 500, 800 e 1*5.
Frascos de oleo babosa a 500 e 600 rs.
Frascos de oleo philoconie a 800 e 1$.
Frascos de extracto de sndalo a I -%.
Frascos de banha transparente a 800 rs.
Fraseos de banha japoneza a 800 e 1<5-
Frascos de agua de Lavando ambreada.
Garrafas de agua de Lavande ambreada.
Garrafas de agua Florida legitima a 13500.
Comprase uina escrava que seja boa cozinheira, Garrafas compridas de agua de Colonia a 800 rs.
sadia e de boa bgura : na ra do Queimado n. 39, Fraseos com banha e extracto juntamente a 13280.
COMPRAS.
Grande liquidad.') de fa/.cn las ate a
Cesta, para se Hadar eonlas, apro> ei-
veilcm que dealas pccliiuciias nao lia
scinpic : na na da Impera.riz, loja
e Jirmnzem di Arara n. 56, de Iou-
retteo Pcrrira Stcades Gaiaiarcs.
Cobertores la Arara a ijjf.
Vende-se cobertores de pellos a 13 e 13600,
eobertas de chita a 23 na ra da Iiiqieratriz n.
56, loja de Mondes Guimares.
A Arara veudoas laaziahas de 9 pal-
. inos a I 200.
Vende-se laazinhas de una s cr e quadrinhos
proprios para capas, com '.) palmos de largura a
1,200 o covado, ditas para vestido a 280, 320 e
400 rs. o covado : na ra da Imperan iz, loja da
Arara m 56, d Mendes Guimares,
Brlm la Arara a 400 res o
covado.
Vende-se brim pardo de liriho rom pequeo lo-
que de mofo, que depois de moldado larga, proprio
para caigas e pattots, a 400 rs. rs. o covado ;
brim branco de linbo a 13 o 13200 a vara, fusiao
decores para calcas, colles e palilots a 500 rs.
o covado : na roa da Imperalriz, loja da Arara n.
56, de Mendes Guimares.
Lazinlia Uaria Pia la Arara.
Vende-se laazinhas a Mara Pa niuilo linas, com
quadros e palmas de seda, para volidos a 560 o
covado, sedinhas linas a 500 rs. o covado ; na ra
da Imperalriz n. ."(i
i Arara vende as capas a 8,000 rs.
Vende-se ricas capas para senhora a 83, chales
de merino estampado a 23500, ditos linos matisa-
dos de novo roslo a 55, dito de pona redonda e
borlla a 73500 : na ra da Imperalriz n. 56,
loja da Arara de Mendes Guimares,
I
rlUE'lIfrlU
baratas para acabar.
Sedas de quadros e de listras a 320 rs. o cova-
do, lindas laas de quadrinhos a 360 o covado, su-
periores cassas de cores a 200 rs. o covado, ditas
muito finas a 240 o covada : na loja das eolnmnas,
na ra do Crespo n. 13, de Antonio Correia de Vas-
concollos ti C.
Vende-se por prego commodo, por seu dono
se retirar, a casa da rtia de Santa Rita n. 31. cora
um grande soto, pequeo quintal, cacimba nieei
ra, una casa no fundo lamhem com sotan, e a fren-
te para a ra nova de Sania Hita : a tralar na ra
Veiha n. 50, na Boa-Vista.
Trancas de lita pelas t de cores.
.sendo lisa a 80 rs. a peca, e de c;.. w-ol a 100 rs.
a peca : na loja de miudezas da ra i\ Queimado
n. 16. \ .
Lavas de Jouvio
brancas c de cores para homem e pjf i senhora a
13500 o par : na loja de miudezas u.i% 11a do Quei-
mado n. 16.
Queijos, Queijos
Chegou .10 armazem da Aurora Bri,
', da Sania Cruz n. 84, queijos milito '
I Alenlejo, dito praloe do reino, viudos
assim como alelria, macarro e lalhari
branca propria para (loen.
Balanca.
Vende-se uina balanca decimal nova, um >. ra-
do de lomo, grande, tres duzias de tahuas de lotiro
do forro de refago de 18 palmos, cal de Lisboa en* *
p para caiar, por pregos commodos : na ra da
fJadeia Ve I ha 11. 50. _____________________
Vende-se a taberna do paleo de Trgo n. II
a tratar na mesma. 0 motivo da venda se dir m
comprador. i
Vende-se na cidade de Olinda I casa no Va-
Oli que iii'cliinclia, laazinhas a 280 rs. radouro com cacimba e solio, quintal murado e
Vende-se laazinhas linas para vestidos a 280! chaos proprios, 1 dita na ra do Carino, com ptf
0 320 rs. o covado, lengos brancos com barras de' cores a 200 rs., meias linas para senhora a 400 e '' ditas na ra de Ilaixo, ludo prori
Compram-se casas terreas bem construidas e
em boas mas : a tratar na ra da Cadeia do Reci-
fe n. 49, sobrado.
IIUGUEI.
sobrado de oa aadar
soto, na rtia Vcllia
coxeira e muito boas emomo-ws c
moderna; e vende-se a uiolulia de Ja-
caranda que nclte existe, cuja casa
muito propria para algnma familia
que vettlia de lora: a tralar na ra
loja.
Ceslinhas com 4 frasquinhos de extractos a C40.
Compra-se um preto de idade de 25 30 an-
nos, sem vicios : na ra do Cotovello n. 31.
Comprase, una escrava que tenha habili-
dades e de boa conducta; na ra da Cadeia n. 35.
Compra-se una mulatinha de 12 14 annos,
0. 15, COm sendo sadia o de lions costumes: na ra do Cres-
po, loja n. 15.
Compra-se effeciivamenle ouro e prata em
obras vellias : na praga da Independencia u. 22
loa de bilheles._______
Compram-se duas moradas de casas terreas
que tenham quintal, as ras de Hurtas, pateo de das mercaduras.
S. Pedro c Penha : a tratar na ra de lionas nu-
mero 4.
ptima u<-<|iisi>-o le es-
tabelecimento.
Vende-se a loja de ferragens da na da Cadeia
do Itecife n. 64, com pequeo fundo e anda bem
sortida, lano de ferragens como de miudezas, as
quaes esio em bom estado, vende-se s com as
racreadorias, e garante-sc o arrendamento da casa;' 8 e propria para algum principiante, nao so por ter dj(os |inos ^ m |*Xpalilots de I nm de cor
.^,',CH"n.'1-'r0-r,)re?rji- a/reC"efdV/Cr a *0 e33, ditos de meia easemira a 34500,
uina das lejas mais bem localisadasdesta ridade : ca)as de ,,rim de cor(>s 25 e i&m ^ ,,.'
os pretendentes ppdem dirigirse a mesma oja, ^de ,,, ^^ w d nieja easemira
nao so para examinaren o bakngo como o estado 25> coleU,s ^ e^ c;|misas francezas a
15600, ditas linas a 23 e 23500, ditas de linho
500 rs., ditas ernas a 100 rs., (lilas para homem a
160 e 200 rs.; na ra da Imperalriz n. 56, luja da
Arara.
A Arara vende as cassas a 200 rs. o covado.
Vende-se cassas de quadrinhos a 200 rs, o cova-
do. ditas linas a 250 e 280 o covado, organdys linos
a 240 e 280 o covado : na ra da Imperalriz n.
56, loja da Arara.
I'ccliiiulia. sedinhas da Arara a 800 rs. o covado.
Vende-se sedinhas com quadros e lisas, escuras,
proprias para quera est de luto, por ter urna s
I cor a 800 rs. o covado, dlas da mesma qualidade
de cores para vestidos a 800 rs. e ditas de lisli-
nhas a 500 rs. o covado: na ra da Imperalriz n.
56, loja da Arara de Mendes Guimares.
I'nliiii.lia na Arara, corles de chita a -J->500.
Vende-se cortes de chila franceza com pequeo
toque de mofo a 25500, cortes de riscado francez
com 14 covados a 33, cortes de cassas francezas
; pintadas a 23 o corle, ditos de barras a 23, 33 e
43 : na ra da Imperalriz n. 56, loja da Arara de
Mendos Guimares.
Caseuiiras a 1-3600 o covado.
Vende-se casemras de cores para calcas, cole-
tes e paletees, infestada, a 13600 o covado, cortes
de easemira infestada a 13600 e 23, e em covado a
13 : na ra da Imperalriz n. 56, loja da Arara de
Mendes Guimares.
A Arara vende roiijia feila e batata.
Vende-so palilots de easemira a 43500, 63 a
Compram-se Diarios : na fabrica de cigar-
ros no pateo da Penha n. 6, a 43 a arroba.
Vende-se urna armaeao do urna loja de miu- prega larca a 33, seroulas finas a 1600, ditas de
dezas, propria para qualquer estabelecimento : a linho a 23 e 23500 : na ra da Imperalriz n. 56
O Dr. Carolino Francisco de Lima San-
tos, contina a rosidir na ra do Impe-
rador n. 17, 2 andar, onde pode ser pro-
curado a qualquer hora do dia e da noite
para o exercicio de sua prefisso de me-
dico ; sendo que os chamados, depois de
meio dia at 4 horas da tarde, devera ser
eixados por escripto. O referido Dr.
uso abandonando nunca o estudo das
molestias do interior, prosegiv?, com o
maior afflnco, no das mais difIloes e deli-
cadas operagoes. como sejam dos orgos
ourinarios, dos olbos, partos, etc.
VENDAS.
tralar na ra da Cadeia do Recife n. 7, loja.
Vinko verde
o mais superior que se pJo desejar a 640 rs. a
garrafa, em caada a 43500 : na roa das Cruzes
n. 24, esquina da traves'sa do Ouvdor.
Yenda de navio.
Vende-se o bem conhecido hiale brasileiro Lin-
do Paquete, de 205 toneladas, lodo construido do
madeiras do paiz, forrado de metal de coraposigo,
loja da Arara de Mendes & Cuimares.
Ilalues da Arara a :t>, 33500 c i.
Vende-se balos americanos, os melhorcs que
tem viii.m.de 20,30,35, 40 arcos a 33, 35500,
43 e 4350'), ditos de hrilliantina a 43, ditos de
madapoln a 35600 : na ra da Imperalriz n. 56,
loja da Arara.
Chitas da Arara a 2 0 rs.
Vende-se chitas a 240 rs. o covado, ditas fran-
cezas com pequeo loque de mofo a 280 rs., ditas
"impas a 320, 360 o 400 rs. o covado : na ra da
loja da Arara.
1 escra-
vo com 19 annos, 1 negra com 11 12 anuos, l
silio na estrada Nova rom baixa de capim, 1 ta-
berna c os pertcnecs de una pequea reliuago :
a tralar na mesma taberna, ra de tfaihias Fer-
reira n. 1. 01 na ladeira de S. Pedro com o Sr.
Luiz Jos Piulo da Cosa.
Fardo c milho.
No armazem da aurora brilhante, largo da San-
ta Cruz n. 84, ha saceos com milho da trra a
35900, e farelo a J3800, 43 e 43500, farinia a
43500 e 53-_________________ __________
Na ra do Queimado n. 12, loja, vende-se
una escrava de 16 18 airaos cora uina cria mu-
latinha.
Vonde-so aarmaco do deposito da ra Nova
n. 58 cora gneros ou sem ellos, a vonlade do com-
prador.
Vende-se una escrava crioula de 30 annos,
bonita figura, propria para todo servigo. assim co-
mo un mulatinlio de 6 7 annos, lilho da mesma:
a tratar na loja de ferragens, ra da Cadeia do
Recife n. 36 A, de Bastos.
Laftafa.
Vende-se urna porcaode lagedo de Lisboa, anda
a bordo do navio: a tratar com E. R. Rabello, ra
da Cadeia n. 55. primeiro andar.
Vende-se ora grande terreno com alaria todo
murado, em chaos proprios, na travessa dos Coc-
idos n. I : a tratar no largo do Carmo, esquina da
ra de Horlas n. 2. _____
Vende-se una armagao de amarello envidra-
cada, propria para qualquer eslabelerimento : na
fu da Imperalriz n. 24, fabrica de chapeos de sol.
Kua da Scozalla >ova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a HO rs., idemde Low
Moor libra a 120 rs.
S
Pianos novos.
Os memores que tem vindo a esta praga fabrica-
dos de encommenda por um dos mclhores fabri-
cantes de Pars, especialmente para esle clima:
quera quizer aproveitar a occaso de munir-se de e Proml)to a navegar para qualquer parto, sendo Imperatriz n. 56
um exoeiieute piano por prego commodo diria-se navio de Pri,neira marcha, c bem acreditado na'
ra Nora n. 19 primeiro andar. carreira do norte : a tralar com Antonio de Al- A *r" receben pelo Tpor um sormenlo de ro-
meida Gomes, ra da Cruz n. 23, primeiro andar. meiras para sruliora, dos mclbores gostos que
tem viudo, a prcro de Id, 1.-S600 e 25.
Vende-se roineiras para senhoras de canibraia
de salpieos brancos c de cores o bordados a 15,
lsOO e 25i golinhas com botozinho a 380 rs.,
ditas cora peitos o botozinho a 15, caraizinhas
para senhora a 15,15600 e 25, aventaes e corpi-
nho para meninas a 500 rs. : na ra da Impera-
; triz n. 56, loja da Arara.
FAliMU
Saceos com /arinha nova e igual a de Muriheca
da')Sa:rrnnrT846,n "* ^^ bTMtt*' hTg Vc,,de-Se a tabernada rua de *** 2, bem
urania i.ruz a. o*._____________________ afreguezada para a trra : a tratar na mesma ; e
Vende-se unta mnlatinua : na ra da Cadeia faz-so toda vantagem ao comprador por seu dono
Recife n. 56 A.
ter necsidade de relirar-se para fra.

KELOGIOS,
Vende-se em casa de Jolinslo'ij Pater
C, ra do Vigario, n. 3. um .bello soiL- 1
metilo de relogios de miro p'atente i/f-V*
glez, de um dos mais afamados fabricantes
de Liverpool, e lambem urna variedade d
bonitos trancellins para os mesmos. (
I

INJECCAO BROW.
A
Remedio infalvel contra as ^norrhos
antigs e recentes, nico deposito na 1k -
tica franceza, rita Ta Cruz n. $, pn
Co2.
.V-
Fita par:r-(2ei>ruM le *^.
Vende-se lila para debrura de vesiii^''
com 11 va/as a 400 rs. : na ra do Qn
ja do beija-flor.
^m
p
. w
^ ^n ;


Diario de l'cruaiubiico tilinta eira 31 tic Dczcmliro de 1S3.
AMAZEM DE MOLHADOS
)
m
DE
^Wc
anoet Aeco c/e


*** 2
0 proprietario do grande armazeni do Baliza, considerando que apro-
\ima-se a fesla, e que de algum modo deve mimosear aos seus freguezes, com alguma coli-
sa que revele o su contentamento e gratido, resolveu expr a venda^juasi pelo custo da j
entrada o seu grande sortimento de gneros, que como todos sanan, sao sempre capricho- j
samenteiescolhido entre os da mcllior qualidade do nosso mercado.
Sujeito a um severo regulamento, o Baliza est firme em seu posto de honra, e j'
nais circunstancia alguma o far arribar do magestoso quartel em que se ada abrigado
pccudo o inimigo sempre de frente.
Nacido em trras de Portugal, o Baliza teve a fortuna de ver bem cedo esta bella j
icia. Foi na infancia que aportou em nosas plagas. entre nos frequentou a escola
..'. \,J-oti hbitos foro aqui adquiridos, suasaleicoes existem no meio deste povo,
"toso quanto hospitaleiro.
^m dado os Pemambucanos, um favor, verdade;
,fercnca pois que
.i la
a surd;
"liza tem merecido, e continala a merecer sempre, a despeito da
,)S homens das libras de 0*"- nuailas, e vinhos falsificados.....|
As fortunas adquiridas
!*_>
Para .ihar dinheiro nao de mister Iludir o povo.
meta po. .i lcitos de^rado a quem as possue.
Y.'iiham,|pois, aquellos que anda nao abastecern as suas despensas nesta casa ve-
rificar por si mesmos quanto lia de verdadeiro nestas palavras.
0 Baliza est a testa do estabelecimonto e nada escapar s suasvistas que passa
cabir no desagrado dos seus benvolos freguezes.
grandes
Moslarda ingleza em potes
ris o pote.
Marrasquino de zara a 6o rs. o frasco.
Peixe em latas grandes, savel e
10300 a lata.
aGlO
goras
Azeite doce refinado, francez c portuguez a
800 rs. a garrafa.
Dito em barril, a 4,800 a caada e G40 rs. a
garrafa..
Arroz da India cdoMaranho a 120,100 e 80
rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 320 rs. a libra.
Amebas em diversos vazos a 1, IjJiiOO,
2*500 e 800 rs. a libra.
alpiste a ICO rs. a libra, e 40800 a arroba.
Alotria a 480 rs. a libra.
Araruta verdadeira a 480 rs. a libra.
Biscoitose bolachinhas ingle/as recentementc
chenda?.. I $500 a lata com qualidades es-
peciaos
Dito ma' mtigos no mercado a 10300.
Dito lunci. ni soda muito nova a 20000 da-
la c ni iibras.
~" '- +' muilo proprio para doente,
m preparados para esse mister,
grandese pequeas de 30000 e
, lata.
americanas, em barricas a 30000,
-Mu pg. _
porco minada a 480 rs. a libra,
i:.....'< 140 rs.
isa 15500 ogigo, e a(0 rs. a
i-
: erla qualidade especial a 30 a libra.
i hysson qualidade especial a 2800 a
i libra.
no uxini a 20600 a libra.
to hysson a 2*400 a libra.
.it dito a 20 a libra,
uo nacional a 1/600 a libra.
,to preto, muito superior ai 20 rs.a libra. p
Dito dito menos superior a IJflOOi libia. ^^ de ^^ muitn bom das
Chouricas e pita a 800 rs. a libia. cm ^ ram,e a C40 n
Champagne (marca aguia) do Conde de To-
f re a 150 o gigo ou 105oo rs. a garrafa.
Charutos dos melhores fabricantes do Rio e
Babia" a 800, 10400,20, 20500, 30,
30500, 40 40500. e 50 a caixa com 100
charutos.
Chocolate francez, de canda la Romain.
Caf a 280 e 320 rs. a libra e a 80, 8/500 e
'..-> a arroba.
Cognac de muito boa qualidade a 10 a gar-
rafa.
1^) sollrivel a 800 rs. a garrafa.
%rveija da marca lente em botija, (en-
r commenda feita pelo proprietano do Baliza)
qualidade esta que nao pode continuar
a vir em consequencia de hcar por preco
muito alto a 60500 a duzia de grandes bo-
tiias e 80 por vinte quaJjo meias, e de ou-
marcas a 30, 40, 50 e 50500 a du-
zia de garrafas.
Conservas inglezas, a 800 rs. o frasco e 90
a duzia.
noces (Trancezcs) em frascos lindamente enlu-
tados em calda de assucar e em alcool a
10 e 500 rs. o frasco.
manhos a 500 e 10 a garrafa c 40 o par
de garrafas grandes, que depois de vasta,
valem o que se deu por ellas cheias.
Linguasi americanas de um tamanho admi-
ravel a 10 cada urna.
Manteiga, neste genero ha capricho da parte'
do proprietario do Baliza ter sempre o
. numero de 8 a lObarris de manteiga a-
bertos, alim de satisfazer os seus amigos
e freguezes, sendo que o preco da man-
teiga verdaderamente flor de 900 rs. a
libra, e as domis qualidades a 800, 600
e 400 rs. a libra.
dem franceza a 560 rs. a libra, muito nova
e de excellente gosto.
Mannelada imperial dos melhores fabrican-
tos de Lisboa a 640 rs. a libra.
Massa de tomate a 640 rs. a libra.
Papel grave pautado c liso a 30300 a res- j
ma.
Palitos para denles a 160 rs. o maco.
Dito dito de flor a 240 rs. o maco.
PrezuntO para fiambre viudo Unios os vapo-
res a 700 rs. a libra.
\ Dito do Porto em barril a 80 rs. a libra.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 2/800
e30000.
Pedc-se toda atteuco.
Custodio Jos Alves Guimaraes, douo da loja iu-
lilulada Gallo Vigilante, i ua do Crespo n. 7, avisa
aos seus numerosos freguezes o ao respeitavel pn-
btico, que teodode reformar no fin deste anno seu
estabelecimclho, equerendo liquidar grande quan-
lidadc de diversos objectos, e.-la rusolvido a vender
ludo por procos boratissimos, cont sejam :
Pecas com 45 varas de franjas de linho a 3.
Ditas com 4o varas de galaode linlio a ']&.
Lia sortida para bordar, libra a '$.
Froco de cores sonidos, peca a 160 rs.
Manguito* para senhora, o par 800 rs.
Golinhas de bonitos gostos a 400,500 e 15.
Salvas de metal principe a 15500, 25 e 25500.
Ditas com copos de metal proprio para meninos a
15*00.
Facas c garfos para sobre-mesa a 45 a duzia.
Ditas o ditos dita com cato de marlim a 65.
Bandejas de todos os tamaitos muito tinas a 15,
15200, 1 jlOO, 15600, 25500, 35500 e .'5-
Ditas redondas para copo de 500 rs. para 25800.
Tesouras em carteiras, a duzia a 500 rs., 6i0 e
800 rs.
I Vi tos pan camisas, a duzia a 25.
Camisinhas bordadas para senhora a 15500 e 25-
Chapelinas para senhora a 35-
Ditas para menina a 25-
Chapeozinho para meninas de escola ou passeio a
25 c 35-
Flores francezas, caixos grandes, a 600 rs.
Luvas de seda com pequeo toque de mofo a 300
rs. o par.
Toucas de laa para meninos a 500 rs., fil a 500 e
600 rs., do seda a 800 rs.
Sapatinhos de merino a 800 rs., e de laa a 500 rs.
Bulsinbas de missauga para meninas de escola a
800 rs.
Botoes dourados para punbo a 200 rs. o par.
Tinteirosde metal a 320 rs.
Trancclins para relogio a 100 rs.
Ditos de fila chama lote a 200 rs.
Escrivaniubas de metal a 35500.
Colhercs de metal para cha a 200 rs. a duzia.
Ditas de dito para sopa a 25 a duzia.
Botoes de diiraque prctos a 400 rs. a groza.
Cartas hnspanliolas para jogos a 1521X1 a duzia.
Caslicaes brancos e amarellos de metal a 15-
Carteiras para algibeira a 500, 600, 800 e 1 j>.
Sabonetes muito finos a 15200,15600 e 25 a duzia.
Fivelas para calca a 300 rs. a duzia.
Botoes de aro para calca a 320 a groza.
Caixinhas com alfinetes,'grampos e clcheles a 320,
400 e 500 rs.
Fitas de borracha prelas e de cor a 120 e 160 rs.
a vara..
Latas com dous massos de agulhas por 800 rs;
Brincos de aljofares a balo a 320 o par.
Allinetes prclos c de cores compedrinhas a 200 rs.
e 320.
Camisas para homem feitas em Lisboa a 25-
Fitas de velludo lisas e lavradas a 800, 15,15^00
25 e 35 a peca.
Ditas para sinteiro a 300 e 400 rs. a vara.
Caixinhas para costura do senhora a 10500,25.
3, 4, 5 e 65-
Conqiotciras de vidro com pratos de metal a 35 e
45000.
Franja de laa para debrunhar tapetes a 25 a peca.
Palitos de fugo, prova fago, a i* a roza ou 120
rs. a duzia.
Assim como tem grande sortimento de muitos
mais onjeclos que se tornara enfadonho mencio-'
na-los, que ludo se vender muito barato para li-
quidar : na ruado Crespo n. 7, e ra do Impera-
dor n. 5fljunto ao passo, e casa da liquidacao.
HUlllO QiIlM N. 6*
l-oja do be I ja-flor.
\ ollas do aljofares.
Vendem-se voltinhas de aljofares com pedra,
imitando a brilhantes a 15 cada urna.
Bolocs para puuhos.
Vendem-se botoes para punhos, muito bonitos
padrees, a 200 rs. o par.
Facas para meuiuos.
Vendem-sc faquinhas para meninos, de cabooi-
tavado, a 240 rs. o lalher.
La para bordar.
Vende-se laa de todas as cores para bordar a
65700 a libra.
Facas e garfos.
Vendem-se facas e garfos de cabo preto cravado
a 25800 a duzia, dilas de bataneo de 2 botoes para
mesa a 65200 a duzia.
Luvas de Jouvin.
Vendem-se luvas de Jouvin chegadas pelo ulti-
mo paquete, tanto para homem como senhoras.
Extractos inglcies.
Vendem-se extractos inglezes moito barato por
seren sido comprados em fellao a 240 r*. o frasco.
Escovas para denles.
Vendcm-c escovas puradontos a 120 e 240 rs.
cada urna, ditas muito linas inglezas a 500 rs.
Toucas de la.
Vendem-sc toucas de la para menino a 800,10
e 15280 cada urna.
Sapatinhos de la.
Vendem-se gapatiohos de la para meuiuos a
400,500 e 040 cada par.
Tesouras.
Vendem-se tesouras para costura a 500 rs., ditas
para uulias a 400 rs. cada urna.
Cu I lanudos.
Vendem-se collarinhos de papel a 40 rs. cada
um, ditos de linho a 640 rs.
Penlcs tic travessa.
Vendem-se pentes de travessa para menina, de
borracha, a 500 rs. cada um.
Tocadores de Jacaranda
Vendcm-sc tocadores de Jacaranda a 20500 e
25800 cada unr. .
Escovas para roupa.
RA Di CADEIA DO RECIFjE M. 53.
NOVO E
OEAWDB ATLUSBU DE lOLHADOS
UA DA CADEIA DO RECIFE H. 3.
Francisco Fernanes Duarte acaba de abrir na ra da Cadeia do Recifen. 53, nm grande esortido armazem de molbados de-
nominado Unio Meraml. Neste grande armazem encontrar sempre o respeilavel publico um completo sortimenlo dos melhores
gneros que vemao mercado, tanto estrangeiros, como nacionaes, os quaes sero vendidos em portos ou a rclalho por procos asss
com modos.
Manteiga ingleza especialmente escolhida Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e Sardinlias deNanlesa3iO rs. oquartoeoGO
10200 a cariada.
de primeira qualidade a 800 rs. a libra,
em barril se faz abatimento. lUB
Manteiga franceza a mais superior do mer-
cado a otO rs. a libra, e 520 rs. em barril
ou meio.
Protuntos inglezes para fiambre, de superior
qualidade, chegados nesle ultimo vapor, a
720 rs. a libra.
Queijos flamengos chegados neste ultimo
vapor a 20(300.
Queijoprato muito fresco enovoafiiOrs.
aditua.
Caslanhas muito novas a 120 rs. a libra e
e 30000 a arroba. .
Cha uxin o meihor que ha nesle genero,
mandado vir de conla propria a 20800
rs. a libra.
Cha hyson muito superior a 20360 rs. a li-
bra ; cha hyson proprio para negocio a
10500 rs. a libra.
Cha preto muilo superior a 20 a libra.
Cistolitos inglezes em latas com dill'erenles
qualidades, como sejam craknel, victoria,
piquelez, soda, captain, seed, bornez e
ou tras militas marcas a 10350.
Bolachinha de soda em latas grandes a 20.
Figos em caixinhas hermticamente lacra-
das, muilo proprias para mimo a 10500.
Caixinhas de 4 e 8 libras de figos de coma-
_jlLB.al0e20cada urna.
Passas muito novas, chegadas neste ullimo
vapor a 500 rs. a libra e 30 um quarlo ;
e em caixa se faz abalimento.
Ameixas francezas em latas de meia a 3 li-
bras a 800 rs.
Champagne da marca mais superior que
tem viudo ao nosso mercado a 180 o gigo,
garanie-se a superior quajidade.
Vinho Bordeaux das melhores qualidades
que se pode desejar de 70500 a 80000 a
caixa e 720 a 800 rs. a garrafa.
Caixas com vinho do Forlo superior de 90
a 10* a duzia, e 900 a 10 a garrafa; deste
genero ha grande poreo e de differentes
marcas acreditadas que j se venderam
por 14J> e 150 a caixa, como sejam: Duque
do Porto, Lagrimas do Douro, D. Luiz,
Camoes, Madeira secco, Carcavellos, Nec-
lar de 1833, Duque Genuino.
Vinho de pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
ibra
ibra e
0a
a caada. rs. meia lata.
Azeite doce refinado em garrafas brancas a Latas com peixe em posta ; savel, corvina,
800 rs. < vezugo, cherne, linguado, lagosliuha, a
Azeite doce de Lisboa a 640 rs. a garrafa e 10300 rs.
40800 a caada. .Salmoem latas, preparado pela nova arte
Genebra de Hollanda a 500 rs. o frasco e de cozinha, a 800 rs.
50800 a frasqueira. Maga de tomates em latas de I libra a COO
Caixinhas com ameixas francezas, ornadas ris.
com ricas estampas na caixa exterior, Chouricase paiosem latas de 8 e meia
muilopropriasparamimo.a 1020 ', 10500 por 70.
e 20. i Toucinho de Lisboa a 320 rs. a
Frasco de vidro com lampa do mesmo, con-1 80600 a arroba.
tendo meia libra de ameixas francezas, a Bolaxinha ingleza a 320 rs a libra
10200. | barrica.
Marmelada imperial, dos melhores conser- ^g muito novo a 240 rs. a libra
veiros de Lisboa, em latas de I e meia a Cevadmha de Franca a 200 rs. a libra.
2 libras a 600 rs a libra. 1 *"* do -Maranbao a 120 rs. a libra.
Frucias em calda das melhores qualidades V'ar"la 'jj"*'"8*0 |?;a ,,bra-
que ha em Portugal em latas hermtica-, Vf :1( a a *rs" a '''a e ?J^ .
nienle lacradas a 500 rs. i A1P,slaa {G0 rs- a ,,bra .e 4*8(l a ''l0,ja-
Peras seccas muito novas a 610 rs. a libra.! Batatas muito novas em gigos com 40 lilirns
Nozes muilo novas a 160 rs. a libra. L P0,1' ,'5 e, a w n.\ a ,lbra- ,A.
Amendoas de casca molle a 400 rs. a libra. Cebollas a 10 o molbo com mais de 100 ca-
Avelas muilo novas a 200 rs a libra. da um*
Amendoas confeitadas de diversas cores a Caf lavado do primeira qualidade a 300 rs.
800 rs a libra a llhra e 9 a arroba.
Macase peras chegadas nesle ultimo vapor,''Caf (, Cear muilo superior a 2 0 rs. a li
muito perfeilas, s vista se faz o prego.
Conservas inglezas em frascos grandes a 750
rs. caa um.
Ervilbas francezas c porluguezas em latas de
1 libra a 640 rs.
Ervilhas seccas muito novas a 160 rs. a
libra.
Chocolale francez, o que ha de meihor neste
genero, a 10200 a libra.
Chocolate hespanliol a 10200 a libra.
Genebra de taranja enj'frascos grandes a 15.
Cerveja branca epreta das melhores marcas
que ha no meicado a 500 rs. a garrafa e
5800 a duzia.
bra e 80400 a arroba.
Caf do Rio, proprio para negocio, a 80.
Arroz do Matanhaoa 100rs a librae 108C8
a arroba.
Arroz de Java a 80 rs. a libra c -251011 a
arroba.
Vellas de spermaceli a 560 rs. a libra o a
510 rs. se for cm caixa.
Vellas de carnauba refinada a 320 rs. o mas*
38 e' a 90 a arroba.
Doce de guiaba a 640 rs. o caix
Macarrao, talharim e aieti a a 480 rs. a li-
bra ; em caixa se faz abalimento.
Estrellinba.pevide e arroz de massa para sopa
a 400 rs. a libra e 20 a caixa com 6 libras.
Cognac inglez de superior qualidade a 800 pa|Uos de de||le ,ixados com ,. m rs
e 10200agarrara. o masso, ditos Tixadossem flor a ICO rs.
Licores franceses das seguintes qualidades:, 0 masso com 20 massinhos.
Ani/ete de Bordeaux, Plaisir des Dames Gomma de engommar muito fina a 80rs. a
e de outras muilas marcas a 10 a garrafa |[,ra
e 100 a caixa. Banba de porco refinada a 480 rs. a libra o
Marrasquino de Zara a 800 rs. a garrafa e 400 rs. em barril pequeo.
90 a'duzia. Charutos dos melhores fabricantes de S. F-
lix, em caixas inleiras ou cm meias, de
10600, 20 e 30.
do reino, vindos de con t propria
U'i-
rose faz abalimento.
400,480 e 560 rs. a garrafa, e 30, 30200 Moslarda ingleza em potes j preparada a
e 30500 a caada. 400 rs.
Vinho branco de superior qualidade, vindo Moslarda ingleza em p, em frascos grandes, Presuntos do reino, vindos de cont proj
j engarrafado a 640 rs. a garrafa o a 500 a 10 cada um. de caja particular, a 400 rs. a libra; in
rs. de barril. Sal refinado a 500 rs. o pote.
Os scnbores que comprarem de 1000000 para cima, terao o descont de 5 por cento, pelo prompto pagamento.
;grande
Dita de Nantes a 320 rs. a lata.
Sag novo a 240 rs. a libra.
Sabo massa a 120, 160, 200 e240
libra.
Sevadinha de Franca a 200 rs. a libra.
Sevada a 120 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa, de Santos, a 320 e 360
rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 140 rs. cada um.
Vinhos, neste geneno o armazem Baliza tem
o meihor sortimento possivel, Lagrimas
do Douro, Maria Pia, Cames, Bucage, D.
Pedro II, D. Pedro V, e Baliza, que se
vende muito barato em vista de sua espe-
cial qualidade a 100000,120000 e 150000
a duzia.
dem esquesiU'S como sejam Cherrv, e Madei-
ra, Velmute, etc., de 150000 a 200000
duzia.
dem de Figueira, Lisboa e Porto a 30000,
40ooo e 40500 rs. a caada
dem de Lisboa de minha propria marca em
ancora de 8 '/* a 9 caadas por 280000
Ka ra do Queimailo n. 43, esquina que
Yolla vara a (.onicgacio.
li" pechincha.
Paletots de casemira a o, 0, 7, 8, 12 c li5, ditos
de panno preto c azul a '.l. 10. 12, 1G c 185, ditos ,
sohrecasacos de panno mnito filio por 245 e 285,
ditos de alpaca preta cdo conlao a i, S, 6 e "5,!
calcas de casemiras de cores a 5, 6, 7 c 85, ditas
putas a C530O, 8, 9 e 105, paletots de fustao e
canga a 25, 20800,3 e 45, calcas e colletes de to-
las as qualidades e por prero, muito barato, len-
Ces de puro linho a preco de"25800 e 35,.cober-
.; tas de chita a 20240, collarinhos de linho puro a!
Vendem-se escovas muilo finas para roupa a tO 600 r5 ca(]a ,, e outros muitos objectos que s
Barricas com breu : na ra da Cadeia do Reci-
te, loja de ferragens de Bastos.
lTra Ipscobriuieiiio Espantoso!
0 Mualo Sricntififo tiiiiiiiimaaicatc o approva.
c 500 rs. cada urna
l'.spi'lhos com estojo.
Vendem-se espelhos com estojo para navalhas a
25, 25500 e 25800 cada nm.
Ailercros pelos.
Vendem-se aderecos pretos a 25200 cada ade-
reco.
Boloes de perola.
Vendem-se botoes de perola para collete e vesti-
dos a 400 rs. a abotoadura.
a vista ; c para .::o se
guezes.
pede a attcneao dos fre-'
Vende-se farello de Lisboa, cal lti-
mamente chegada e carvo animal: na ra
do Vigario n. 19, primeiro andar.
Cal de Lisboa
chegada ltimamente ; na ra do Vigario n. 19,
primeiro andar.______________________
Assucar do Man tetro
Acaba dftSS? JaTa *TpvIo. am Ra do Imperador n. 28 e caes de Apollo n.
grande sortimenlo das mais finas camisinhas de 67, a 200 rs. a libra, e de 8 libras para cima
cambraia com manguitos e gollinhas bordadas,! a g^iOO aarroba.
que se vende a 15280: (litas de fil tendo tam
Camisinhas coiu luangnltos a
Bem manguitos e gollinhas, pelo barato preco de
15000 : s na loja do Pavao, ra da Imperatrlz,
n. 60, de Gama 4 Silva.
Manteletes cortos a 3$000.
FARTNHA FONTANA.
Farinha la muito acreta a marta
Fontana rcsenibarcaiia hoje, vende-se
ia de chegar para a loja do Pavo, um bo- por prCCO maS ColUIDOtln do M em
nilo sortimento de manteletes curtos de cambraia ua|qiicr OOtl'O paite '. lia TUa (la Olll
e de tilo borlados, que se vendem pelo barato,4ua'4"" F ...,.
! proco de:5000 cada um ; romeirasde cambraiae II. 4 Casa (le l\. 0. Bieler & C. SOCCCS-
I de fil a 15600: s na loja do Pavao, ra da Im- S0PCS>
! peratriz, n.OO, de Gama & Silva.
a ancora, e da Figueira de 8
nadas a 280000 rs.
1
i a 9 ca-
Ao de goiaba em latas e em caixoes de di-
DLiiEusum
Yendeiu-sc barris com cal dcs-
ta procedencia, cu pedra, chega-
da hoje, e nica nova, que ha no
mercado, na ra do Trapiche n.
13, armazem de Manoel Teixel-
ra Basto._________________
nao.
po
, e*fcita
his fian
1 lata.
n;
as e portugueza a 700 e a 5001
e 2i5000 rs.
I dem mais baixo a 15280 rs. a caada.
^s novos a
0.
_ libra.
320 rs. a libra e a 60 o barrili-
jcca a 2dD rs. a
lhaalado'Maraiio; muilo superior, a
^^miWolW".-!^
' om genebra de laranja,
Dita ie
dem de Lisboa em garrafoes c>m i garrafas
por I|5200 rs. com o garralao.
Vellas de espermacete superiores a 600 rs.
o maco,
cm calda de assucar em latas a 500 ^ ^ ^^ ^ m ^ m r$ ^ ^^
era arroba de 9,51000 a !0ooo rs.
Vassouras do Porto com arcos de ferro a 4oo
rs, cada urna.
Vinhos de Bordeaux neste genero temos as
melhores qualidades que se fabricam em
Bordeaux, tanto branco como tinto, e espe-
ramos por todos os vapores franceses, ons
pequeos barris contendo cada um de 85
a 90 garrafas, e qne ser3o vendidas o mais
barato possivel.
Manteletes a 8*5000.
Vendem-se ricos monteletes de cambraia borda-
! dos com mangas a turca, pelo barato preco de
851IOO : na ra da Imperalm, n. 60, loja de Gama
' & Silva.
fiortinlias a 240 rs.
Vendem-se finissimas gollinhas de cambraia,
bordadas, a 240 rs.: na loja da Pavao, ra da
Imperalriz, n. 00, loja de Gama & Silva._______i
\'ozes e batatas.
Vendem-se saceos com oito libras de nozes pelo
barato prego de 15000, e caixas com urna arroba i
de batatas por 800 rs., nada mais barato a vista da \o VpOSltO C lOUC! a fall Ka (O liar- |
boa qualidade : na ra da Madre de Dos iy. 5 e9. | |,a|hO,"ma lio mpcralor n. H.
Cal de Usboa e potassa da 30 0|0 menos do ne em ontra mialqner parte. |
Rnssia. :-ouca vidrada de todas as qualidades, e tao Iwa
Vende-se na ra da Cadeia do Recite n. 26, para j como a que vem do cstrangeiro e mais barato.
onde se mudou o amigo e acreditado deposito da j ^niI#<,m|,:11. mesma ra n. 12, ambos os seeros sao novos e I
A Couiposifao Amu'aliiiita
Pcioral de Kemp.
Tor esparo de mnito tempo se lia nziulo e
tiimilniifclii cm Tampico pam .1 onn Je
TSICA polmone,
CATAEEHO, ASTHMA,
8R0NCHTTE, TOSSE COHVLSA,
CRPO OU GARROTILHO, e
Inflamma9oes da Garganta e do Peito,
r iito com mu resultado Vio feliz e verdadei-
liimeutc assombroso o pao ou madeira d'unia
arvore i que CDMMO Asacaiiuita, c que s se cncontra no Mxico.
A Composigo Anacahuita Peito-
ral de Kemp e um Xwok delicioso, intei-
1 amento d inrente na sua composi<;ao do
todos os mais reitoracs c Expectorantes ma-
nufacturados de fructos astringentes, Cascas
e mises, itc., o mesmo nao conten ncnlium
Atub J'nissico ou ontros quaesquer ingre-
dientes venenoso?.
Todas a* molestias c affccQoes d.i garganta,
c dos pulniocs dcsappareccm como por 11111
mgico encanto, mediante a acco deste in
.'.miparavol c irrcsistivcl remedio.
a. car- ,
os gneros
legtimos, e se vedem a preco mais barato do que
utra qualquer parte.
Vendem-so 10 pipas de muito bora mel em
tos na loja do Pavo.
Acaba de chegar os mais. ricos soutembarques
I de grosdenaple preto milito bem enfeitados o di-
tos de um tocido do seda de cores sendo os mais
venda as boticas de Caors A Barboza,
na da Cruz, e Joao da C. Bravo A C, ra
.! da Madre de Dos.
de
r,rimdaS fcde e diverso6
oenora 60/a hora."
s. alataeiMOOaduzia,
es das melhores fructas da Eu-
rafas lindas e de diversos la-
. .7. .. i_____. _--_,-_. j. ii ue un [Otilio iiu >eui ue lili!-* >i-uu n,> iii.ub an cnecailos os mais neos i
2Z uTno' S ad ?sn" BIUl mo,1ernos "ue exislcni "'""'^ "f! "* P" bf ^n.ao hara n
aguldente, ra nnxa de Santa HiU iyt_.;-------- piv(,() rn|nm0(lo na |oj, ,, Pav3o rua ja lmpc g^ (^uT^nrantada do lindo g0
12 de bom fabricante ; ratriz n. 60 de Gama & Silva. enfeites, pois foi urna pequea |
lnfeites para cabeca.
Sao chegados os mais ricos e delicados enfeites
urna s senhora que
gosto quo produz taes
a porciio que vcio de
Loureneo Pereira Mcndes Guimaraes vende bo- j As capas do Pavo. encomnenda s para 'o vigilante, "rua do Crespo
tinas francezas para homens, a dinlieko vista., Vendem-se as mate modernas capas pretts para n. 7, pois a vista fax f.
por preco que admira avistada perfeicao da obra : 'senhora sendo ricamente eofeitad* e vende-se Fitas.
na sua loja de fazendas e roupas teitas : na fu por preco raznavel na loja do Pavo rua da Impe- Tambemacharao um grande sortimento das fitas
da Imperatriz n. 56. / I ratriz n. 60 de Gama & Silva. (mais ricas do m^rca1!0. e ^e t0(las as larguras : s
---------Tr--------1t----i---------------- no vigilante, Ma do Crespo n. 7.
Meias do Porto. i -zte
Vendem-se na loja de ferraeens da rua da Ca- Cruz
I 'Cliegailo pelo vapor:
S para o vigilante, ma do C es-
lo u. S.
i At que chegaram as muito desejadas cascarrh
Ibas d<: todas as cores com una liliniui de velludo
no centro,cousa muito elegante pina enfee, assim
como de outras qualidades, 0 prefOS muito ra.'.oa-
veis : s no vigilante, rua do Crespo, n. 7.
Tara dar de mimo.
Chegaram as riqusimas bonecas de todo; 09
tamanlios, vestidinhos ricamenti enfeitados, cada
um enisua caixinha, propriamea'e para nm
cado mimo, por baratissimo prefo : s no vigilan-
te, rua do Crespo n. 7.
Para os senhores barhaifis.
Chegou tempo a riquissima fita de clian
para cartas dos senhores hachareis, assim i
branca, lisa, propria para abrir letras, ou pan
sintos : s DO vigilante, rua do Crespo n. 7.
Pciilea de marrafa.
Tambcm chegaram os riqusimos pentes de
i marrafa com pedrinhas.os lindos peales de regace
' para meninas, meias de seda e sapatinhos proprios
I para baptisados, meias de seda para senhora, fitas
: de laa para debrum, fita de linho, trancas de laa,
i de linho e de seda, luvas de seda e pellica, c fio de"
; Escocia e camurca, alfinetes de caneca chala, cu
teirinhas com todas as agulhas precisas pan
tura, fivelas de madreperola esmaltadas i'e
parasintos, flores de (odasas qualidades, "'V
com pastilhas do perfumara, abftadore*, fle laa
para senhora, toucas e sapatinhos do'v.a, pulseiii-
nhas de liorraeha para segurar majirguinlos, filase
cordes de borrachr, sahoneterredondos, ditos
chamados de familia, puntadas) de todas as quali-
dades e dos fabricantes mais Munad, clcheles
pratiados muito finos, retrox de tooasas yualidades,
retroz em carretel e em novello, e de meada, de
todas as cores, escovas para denles, ditas para rou-
pa, ditas para chapeo e ditas [tara unha, de i
os precos, e outros mais objectos, que se tornarla
enfadonho annunciar.e vista dos freguezes pro-
mette-se fazer todo o negocio: s no vigilante, ma
do Ccspo n. 7.
I m chopeo por 400 rs
S no Vigilante
Custodio Jos Alves Guimaraes, ten* arremata-
do urna grande porgio do chapeos de sol para me-
ninas, e querendo que seus freiruezes partilhe de
tal pechincha, est os dando pela diminuta quaillia
de iOO rs.: quem deixar de comprar mesmo pa-
ra as senhoras irem ao hanho cobertas do sol.
S no Vigilarle, roa do Crespo n, 7.
BJuha.
Taiiibem arremalou tima grande porcao de liaba
preta mnito forte em massos de libra, que se ven-
d nelo baratissimo preco de 800 rs. cada nm : s
no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Hlotes.
Lindissimos iioies para puuhos tanto par- ho-
mem como para senhoras, pelo barato proco .le
240 rs. o par : s no Vigilante, rua do Crespo,
n. 7. ^____
~ r^2'",*/v*BL.'
PUI]liIA
Custodio Carvitlhn CDmpa-
nhia.
99Ruado luelniado -89.
Novas la.izinhas escossezas muilo lindas, fazen-
da encorpada, propria para vestidos de senli-
cnancinhas, pelo barato pre^o de 240 cada co-
vado.
------


Tranca preta de la.
Vende-se tranca preta de laa, lisa, paraenfites
de vestidos, zuavos e roupas do meninos a iO) e !
I60r* a peca-: s quem tem o beija-flor urua deia Velha n. H, meias de linho o igualmente de melh
do Queimado n. 63. 1 algodao, por prejo muilo commodo.
de Mills Latham C, na rua d-
vse ferro ^lyanisado de um doa
es uglezes^rapjio para cobers
-4.
>.
V
OBI
Kua da Senzalia n 42.
Vende-se, em casa de S. P. JolinstonA C,
sellins e silhoes inglezes, carjdieiros e casti-
gaes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arrcios para
carros de um e dous cavaHoft. s de
ouro patente inglez.

\
tr


Diarlo de Pernamlmc Quinta felra 31 de Oexembro de I S3.
V
ALLIANQA
eRAIDfi
57 RA DO IMPERADOR 57
Na^bem coiihecida loja que foi do Sr. Flix alfaiate.
Paulo Ferrelra da Silva proprietario deste novo estabelecimento, tendo
chegado da Europa, aonde escolheu um grande e variado sortimento de molhados, tera
a lionra de os expor ao respeitavel publico desta cidade pelos mais resumidos precos.
Em to ptima occasilo, por estarmos prestes a festa de Natal, proprietario do
grande armazem Allianca offerece aos seus amigos e freguezes que o conheeem desde
PECHNCHA
COMO WUWCA HOlVE
-% NO
ARMAZEM
IO LARGO DA PEIHA O
Francisco Feraaades miarte dono deste muito acreditado armazem
de molhados, acaba de receber neste ultimo vapor os mui desejados gneros escolhidos
por elle na Europa, todos muito proprio para a festa os quaes est resulvido a vender por
precos baratissimos como verlo pela seguinte tabella, e mesmo pede a tedos os Srs. da
;vo e Progresista as maiores vantagens em com- PPL de engenhe e lavradores para que mandem suas relagoes para serem despachadas
, no armazem do Progresso do largo da Penha n. 10, afim de verem a grande vantagem
rarem em seu armazem.
Hojc de novo establecido mais precisa da concurrencia de todos estes seahores 1 t'". tanto na superioridade das gneros como nos precos asss resumidos,
estabelecimento. certos de que esta casa jamis deixaro de ser cumpridas M os Srs- 1ue n3 Poderen>vir P*^ seus portadores ainda que no tenham pra.
ao seu
grandes vantagens por ella offerecidas.
Manteiga ingleza a mais superior neste ge-
nero a 800 rs. a libra, e comprando de 8
libras para cima a 72o rs., esta a mais
superior que pode haver, tambern ha mais
baixas para menos precos.
dem franceza muito nova a 600 rs. a libra
e 56o rs. em barris ou meios.
Peras seccas muito novas a 48o rs. a libra.
Cha pcrola de especial qualidade a 2,8oo rs.
a libra.
rs. a duzia.
dem hysson muito superior a 2,7oo rs. ajDoee em ^j a 500 rs. a iata.
Ervillias francezas muito novas a 64o rs.
I dem portnguezas a 72o rs. a lata,
dem seccas a 2oo rs. a libra.
libra.
dem uxim a 2,5o rs. a libra.
(tan hysson a 2,3eo rs. a libra.
dem idem a 2,ooo rs. a libra.
dem preto de qualidade muito especial a
2,oeo rs. a libra.
dem idem inferior a i,600 rs. a librY
i tica, que serlo to bem servidos como se viessem pessoalmente.
O interesse que tira o proprietario deste acreditado armazem, j deve ser bem co-
Cognac de superior qualidade a 800 rs. a gar- i .... __, ., ,
. ,.afa iBneciao pelos seus nunaerozos freguezes, pois simplesmente consiste em servir bem ega-
Idem muito superior a i,000 rs. a garrafa. nbar 90C, afim de conseguir a continuaco daquellas pessoas, que a primeira vez se dig-
Caf a 28o e 32o rs. a libra, e a 8,000 e \Mrein ,lonrar seu estabeleciraeato.
9,ooors. a arroba. 1*_,. ,
IQueijos flamengos chegados neste ultimo
Cerveja das memores marcas do nosso mor- vapor a 2,ooo rs.
cado de 5,ooo a 6,000 rs. a duzia, e Soo
rs. a garrafa. i *"em vaPr passado a 1 ,800 rs.
Consenas inglezas a 75o rs. o frasco e 8,600! Wen P^to muito novos e de superior qta-
lidade a 4oo rs. inteiro, e a 5oo rs. a
libra.
Doce de goiaba fino em caixes com 2 %
fibras por 600 rs.
dem mais baixo a 54o rs.
Chocolate francez, hespanhol e portugYez,
9oo e -1,200 rs. a libra. \
Bassouras do Porto, com arcos de ferro a 32o
rs- cada urna.
Vellas de espermacete da melhor qualidade
a 600 rs. o maco.
a dem de carnauba e composigo a 32o e 36o
rs. a libra e i0,000 rs. a arroba.
Toucinho de Lisboa
libra.
e Santos a 320 rs. a
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia Tijolopara limpar facas a 12o rs..cada um.
e de qualidades especialmente escolhidos,
de 2,ooo a 4,5oo rs. a cma.
Faiiuha do Maranho muito alva a i4o rs. a
libra.
dem de araruta verdadeira a 4oo rs. a libra.
Sevada muito nova a loo rs. a libra.
Peixe em latas grandes, savel, pescada, cor-
vina, e utras qualidades a l,ooo rs. cada
lata
Vinlio do Alto Dourn engarrafado, e os mais
bem escomidos, lagrimas do Douro, D. Pe- Passas muito novas a lo,ooo rs. a caixa e
dro V, D. Luiz I. Buque genuino, Nctar j 5oo rs. a libra.
superior, Malvasia fina, Bastardo, e outros
a 1 l,ooo e 12,ooo rs. a duzia e l,ooo rs. i>alitos fixados para dentes a i4o rs. o mago,
a garrafa.
, dem de flor a 2oo rs. o mago.
Mea Cheny e Madeira a I,5oo rs. a garra-'Presuntu para fiambrc nglezes eamericanos
fa e I6,oo rs. a duz.a. j 85o a ,i|)ra
Idem Bordcaux de diversas marcas de 8,000
a lo.ooo a duzia e 800 rs. garrafa.
dem do Porto a 48o rs. a libra.
Queijo prato a 800 rs. a libra.
Idem flamengo vindos no ultimo vapor a
2,8oo rs.
Batatas ma|to novas a l,ooors. o gigo, e6o ^^^ (,c Nanfcjs muit0 novas a 32o rs.
n lata.
Bolaxinhas americanas a 4,ooo rs. a. barrica,
fe" a 3oo rs. a libra.
rs. a libra.
Banha de porco refinada a 48o
em barril a 44o rs.
"}
a libra o
I Sag muito novo a 2oo rs. a libra.
dem muito superior a 28o rs. a libra.
Vinho em piqa de Lisboa, e Figueira, de 3,00o
a 4.000 rs. a caada, e Soo rs-. a garrafa. L ,. ,. .... a .
0 i Sabao maca de diversas qualidades a 2oo
...... 24o rs. a libra.
dem de Lisboa em ancoretas de 8 a 9 cana-!
das por 27,ooo rs. jldem inferior de 12o a I8o rs. a libra.
dem, do Porto muito espacial a 5,5oo rs. a Genebra de Hollanda em frasqueiras a 6,5oo
ranada e 72o rs. a garrafa. ris.
il. ni em garrames com 4
2,5oo rs. como garrafo.
garrafas por
Vinagre de Lisboa muito superior a 2,ooo
rs. a caada.
Idea mais baixo a 1,5oe rs. a caada, e 2oo
rs. a garrafa.
Ide^Xem garrames com 4 garrafas por
1 ,2(/Nrs. com o garrafo.
Vioixas frah^eza^ em >-aixinhas com ricas
estnpasno exterior de l,2oo a 2,000 rs.
cida urna.
Idem em frasco de vidro de diversos tama-
nhos a I,5o e 2yaoo rs.
dem em latas de 1 1/2 e 3 libras a l,3oo e
2,3oo rs. cada urna, e a 800 rs. a libra.
Figos de comadre em caixinhas de 4, 8 e 16
librrs a l,3oo, 2,5oo e 5,ooo rs. cada
urna caisa.
dem em caixinhas de folha a 32o rs.
Ideal era caixas grandes a 2oo rs. a libra.
dem em latas ermetimente lacradas de 1,60
a 3,000 rs.
Arroz da India e Maranho a 80^ 100 e 12o
rs. a libra, e 2,5oo e 2,8oo rs. a arroba.
Amendoas de casca mole muifo novas a 4oo
rs. a libra.
Ceblas novas a I,2oo rs. os molhos gran-
des e a l.ooo rs. o cento.
Alpista a 14e rs. a libra e 4,6oo rs. a arroba.
Maarro, talhnrim e aletria muito nova a
4oo e 48o rs. a libra.
Bfscottoa e bolachinhas inglesas as ultimas
anegadas ao nosso mercado a l,2oo e
l,4oo rs. cada lata.
dem hamburgueza emfrasqueiros a 5,8oo
ris.
dem de Hollanda em garrames grandes a
5,Soo rs cada um.
dem em botija a 4oo rs. cada urna.
Garrames vasios de diversos tamaitos a Soo,
64o e 1.2oo ra
t.
Gomma do Aracaty a 80 rs. alibra muito alva
Graixa a loo rs. a lata, e l,2oo rs. a duzia.
Licores finos francezes em garrafas e frascos
de diversos tanianhos de 600 a 800 rs. ca-
da um.
Marmelada imperial de todos os conserveiros
de Lisboa a 94o e 7oo rs. a libra.
Massa de tomate muito nova a 64o rs. a li-
bra.
Marrasquino de Zara a 640 rs. o frasco,
dem em frascos grandes a 800 rs.
Cominltos muito novos a 5oo rs. a libra.
Erva-docea 24o rs. alibra.
Pimenta a 36o rs. a libra.
Cravo da India a 64o rs. a libra.
Cannella a 1,100 rs. a libra.
Alfazemaa 2oo rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs. o
fraco.
Copos finos para agoa a 5,ooo rs. a duzia.
Cinturicas novas a 72o rs. alibra.
Mostarda franceza preparada e muito nova
a 32o rs. cada um frasco.
Gonservas francezas de superior qualidade a
640 rs, o frasco e 7,000 rs. a duzia.
Azeite doce a 64o rs. a garrafa.
Dolachinha de soda e lunch em latas grandes j Scvadinha de Franca muito noTa a 2oo rs. a
a 2,000 rs. cada lata. I libra. ; i
Manteiga ingleza flor a mais superior do
mercado a 72o rs. a libra.
dem de segunda qualidade a 64o rs. a libra.
Manteiga franceza de primeira qualidade a
56o rs. a libra, e 52o rs. em barris ou
meios.
Cha perola neste genero nao ha nada a de-
sejar, e de especial qualidade, mandado
vir de conta propria a 2,800 rs. a libra.
dem huxim o melhor do mercado a 2,6oo
rs. a fibra.
dem de segunda qualidade a 2,ooo rs. a
libra.
dem hysson muito superior a 2,Soo rs. a li-
bra.
dem preto homeopathico muito fino a 2,ooo
rs. a libra.
Scvadinha de Franca a 2oo rs. a libra
Sevada muito nova a loo rs. a libra.
Cominhos, ervadoce e pimenta do reino a
36o rs. a libra.
Genebra de Hollanda a 5,5oo rs. a frasquei-
ra com 12 frascos, e arctalho a 5oors.
cada um.
dem em botija hamburgueza a 4oo rs.
Genebra de laranja a l.ooors. os frascos
grandes. -
Vinho de caj o melhor que ha no mercado
a l,ooo rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,3oo rs. a gro
a caixinha,----------'
Z *u i.
dem de dentes lixados a 160 rs. o mago com
2o macinhos.
Ervilhas seccas chegadas neste ultimo navio
a 16o rs. a libra, e em porglo se faz aba-
timento.
Banha de porco refinada a 48o rs. a libra e
42o rs. em barril.
Vinho branco de superior qualidade proprio
para raissa a 64o rs. a garrafa.
Ameixas francezas em caixinhas elegante:
mente enfeitadas com ricas estampas a
1.2oo, l,5oo e 2,000 rs. cada urna.
Bolachinha de soda chegada neste ultimo
navio a 1,35o js. a lata, deste genero na
grande porco e de differentes marcas,
1S2&211Z& mesu10 **a "francezas em frasco de vidro com tara-
vontade do. comp. adortb. pa ^ mesmo ^^ if% ,jbra a ( ^
Iem em latas grandes a 2,ooo rs. rs. so o frasco val quase o dinheiro.
dem propria para lanche em latas grandes dem em latas de 2 libras por l,4oors.
a l,9oo rs. a retalho, e a 800 rs. a libra.
Marmelada imperial dos melhores fabrican- ...
tes de Lisboa a 64o rs. a libra. ^Ll T mu,t0 nov?s em. S'UZ1"
nhos muito profinos para mimo al ,28o rs.
Frutas em calda em latas de l,ooo a Soo rs.. m
neste genero ha diversas qualidades a es- Id'm em ca,xas Para reta,,, a I0 a
coluer. "Dra-
Champanha superior das marcas mais acre- Passas ,de 2"jft 48 rs- a libra e.em
(litadas a 1,5oo rs. a garrafa e 15,ooo rs. (Iuart0 com 8 llbraS Por 2'5o rs-
o gigo.
_ Bolaxinhas inglezas de superior qualidade a
Serveja das melhores marcas que vem ao 2,000 rs. a barrica, e a 2oo rs a libra
mercado a 000 rs. a garrafa e a 5,ooo rs.
a duzia Chocolate francez o melhor que se pode de-
.,,. f sejar neste genero a l.ooo rs. alibra.
dem preta superior a 56o rs. a garrafa e a;
5,4oo rs. a duzia. Ma,.as para sopa estrelinha. pevide, arroz de
Vinho Bordeaux de differentes marcas, e as *ia^*a a 't8,s- a bbra, e em aixa a 2,ooo
melhores do mercado a 7,ooo, 7,So e rs; caJa uma- niicarrao, tallierim, eale-
8,000 a caixa com urna du?;3, e era gar- ; tnaa rs- alibra.
rafas a 64o, 7oo e 800 rs., garante-se a Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra
boa qualidade.
TJ ^- j i-,. ,n Avelans muito novas a 2oo rs. a libra,
dem Figueira de superior qualidade a 48o
rs. a garrafa e 3.5oo rs. a caada. Ervilhas francezas muito novas em latas
...... a' grandes a 64o rs.
dem de Lisboa a 2.800 rs. a caada e 4oo
rs. a garrafa. dem em ditas pequeas a 4oo rs.
UN1AO
t-
COMMERCIO
^
TBtJ-
rmLJWE: mTmmjm.
dem do Porto de superior qualidade para M de UjmU );m hu ,
mesa a bbO rs. a garrafa, e 4,ooo rs. a ca- pio n
I e 2 libras a
nada
Salmo em latas de I /a libra a 800 rs.
dem fino do Alto Douro da colheita de 1833, i,OM,ni,nMn i... 1 1
como sejara: D. Luiz, Feitoria velho, H* ''Turna I[ *' *
tar, Carcavellos e Camoes em caixa de
urna duzia a 9,oou rs. Sardinhas de Nantes a 36o rs. a lata.
Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto Cognhac inglez a 800 rs. a garrafa.
a 1,00o rs. a garrafa e lo.ooo rs. a caixa. ,
0 Licor francez das melhores marcas do mer
Duque do Porto, Madeira secco, duqne ge- cado a 800 rs. a garrafa.
nuino, lagrimas doces a 9oo rs. a garra- n_' ...
fa e 9,Soo rs. a duzia. ,Balatas cbegtfas neste ultimo navio em cai-
Weirone da loja de Pregnlea.
HITARTE AliMEIDA
caba de abrir o seu grande e sortido armaiem de molhados denominado UniSo e Com-
mercto. Este grande armazem um dos mais bem moudos que temos em nossa praca.
aao s em limpeza e aceio, como as qualidades especiaes de seus gneros. O proprie
tario do Unio e Commercio offerece k todos os senhores da praca, senhores de engenbo
e -lavradores a seguinte tabella, por onde verao a grande economa que lhe resulla em
comprarem em t2o til estabelecimento, afiangando o mesmo todo e qnalqer genero
sabido de seu armazem.
r
Erva-doce a Soo rs. a libra.
Champanha de 20 a 22,ooo o gigo.
n
ollinho francez em latas e caixinhas asmis
delicadas que tem vindo ao nosso merca-
do de 7oo a 2,5oo rs. a caixinha.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de conta propria, a 7oo a 800 rs, a
libra.
Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groza e 2o rs, a
caixinha.
Milho alpista a 16o rs. a libra.
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
56o rs. a libra, e em barril ter abatimen-: Cominho muito novo a 4oo rs. a libra, e
to. comprando de 8 libras para cima a 32o rs.
dem ingleza em potes de 4 a 16 libras a Gomma muito alva para engommar a 80 rs.
800 rs, a libra e* pote separado, a 'ibra> e em arroba se far abatimento
,. /. Sag muito novo a 28o rs. a libra.
Cha uxim o melhor neste genero, mandado .
vir de conta propria a 2,8oo rs, a libra. SabaG verdadeiro ^^ ^ ^ vjaeg
dem hysson, grande, muito bom a 2,6oo rs. WB a nSS mercado a 28 a Ubr'
/
a libra.
dem preto muito fino, a 2,6oo rs, a libra.
Idem preto, mais baixo, a 2,000 rs, a fibra.
dem, verde, miudinho, mais proprio para
negocio, a l,5oo rs, a libra.
Banlia de porco refinada muiu> *i a 46o ^ _
rs, a libra, e em barril se fe* auatimento. rf?P g f^'
Vinho branco o melhor ueste genero a 8
a garrafa e 4,3oo rs. a caada.
dem Bordeaux de differentes marcas -
te-se a qualidade, a 8.000 rs*>
"a, e a 7oo rs. a "nr"
luna-
do Alto Douro a 2,2oo r.
o do h
o garra I
l
Garrames com vinho do Porto a 2,2oo rs.
cada um.
xa com duas arrobas por 1,600 rs., e 4o
rs. a libra.
ATTENCAO.
Nesla grande armazem de molhados vende-se em eraris porgfie
fazendo se diffeivnsa consideravel a aucm comprar de IOft/ <
Vinagre de Lisboa de superior qualidade a Concervas inglezas a 75o rs. o frasco.
2oo rs. a garrafa e 1,2o rs. a caada. I .
Sal refinado em potes a 5oo rs. cada um.
Azeite doce refinado em garrafas grandes a Mostan1a jngle :a a 0Q0 h Q frasco
000 rs.
.,,,.. dem franceza a 4oo rs. o pote.
dem de Lisboa a 64o rs. a garrafa, e em '
caada a 4,8oo rs. j Milho alpista a 16o rs. a libra e 4,Soo rs. a
Presuntos inglezes para fiambre a 7oo rs. a _., .
libra. Graixa jnuito nova em latas frandes a 120
dem de lamego encommenda particular a ris.
48o rs. a libra, e inteiro se faz abatimento. i
! Latas com peixe em posta ermeticamente
Toucinho do remo o melhor do mercado a lacradas das melhores qualidades de pei-
320 rs. a libra, e em arroba a 9,ooo rs. xe que ha em Portugal a 1,2oo re.
Velas de espermacete de 4, 5, e 6 por libra n .. ,. ....
a 560 rs., e era caixa se faz abatimento. C^ la?d('de { *"ide 30 n' dlt0
dem de carnadba refinada a 32o rs. a libra de ^ a *? \,ibra e 8-,-00 rs a arro"
e 9,ooo rs. a arroba. ba ^ 3 a 26 rs- a1,bra e 7.8(>o
dem de carnauba pura do Aracaty a 4oo rs.! re- arwba- .
a libea e lo,5oo rs. a arroba. Charutos suspiros dos melhores fabricantes
de S. Eelix a *2,5oo rs. a caixa com loo
Gomma muito fina e alva a 80 rs. a libra. charutos.
Araruta verdadeira a 32o rs. a libra. He* finos de diversos fabricantes a 1,600.
Farinha do MaranhSo muito alva e cheirosa J*80? e 2,0o a c1x;i Cflm !o cbaru-1
a 12o rs. a libra. to^' P1^0 n5 inilK'a a "0fl quaudade
,0 porm deem-se ao trabalhe de virem ou
Sag muito novo 24o rs. a libra. i mandaj-em e vero a realidade.
Biscoitos inglezes das seguintes marcas;
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Traveles.
Lunch, Cabin, e outras muitas marcas, a
l,4oo rs, a lata.
Bolachinha de sudo, especial encommenda, a
2,2oo rs, a lata.
Biscoito inglez Craknel em latas de 5, 7 e 15
libras a 5,ooo e 6,000 rs, e de l,2oo a
800 rs, a libra.
Queijos do reino pelo baratissimo prego de
l,6oo, 1 80a e 3,ooo rs os do ultimo
vapor.
Idem prato muito fresco a 64o rs, a libra..
Idem londrino muito fresco a 800 rs, a libra.
Violtos em pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
48o, 56o, e 64o rs, a garrafa, e de 3,ooo a
4,5oo rs, a caada.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa era latas de 1 e mais libras
a "00 rs, a libra.
Peras secaas em caixinhas de 4,000 a 2,ooo
rs. cada urna.
Figos em caixinhas de 1 l% arroba e de 8 li-
bras a 8,000,4,ooo, e 2,ooo rs, e a 3eo rs.
a libra, taambem ha serinlias para men
nosa 60 rs. cada urna.
Amendoas de casca mole a 36o rs, a libra, c
em arroba ter abatimento.
Sardinhas de Nantes a 32o rs, a latinha.
Toucinho de Lisboa muito novo a 3oo rs, a
libra e em arroba a 9,000 rs.
Massa de tomates a 64o rs, a libra.
Pimenta do reino a 34o rs. a libra,
Farinha do .Maranho a 14o rs, a libra.
Cbelas a 800 rs. o molho, 64o rs. o cento
e 6,Soo a caixa.
Tijollo para hmpar facas a 16o rs,
Cerveja das mais acreditadas marcas de 5,ooo
a 7,5oo a duzia. e de 5oo a 600 rs, a gar-
rafa,
Prezunto para fiambre muito fresco e novo
a 800 rs. a libra,
Genebra de laranja a l.ooo rs, o frasco,
Chouricas as mais frescas do mercado a 800
rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa,
e lo,5oo rs. a caixa com urna duzia,
Licores 'francezes e portugue/.es de todas as
marcas de lo.ooo a 15,ooors. a duzia.
Passas muito novas a 5oo rs. a libra e a 8,3oo
rs. a caixa. Ha caixas, meias e utos,
Batatas a l,qoors. o gigo com 38 libras e
2,oeo a caixa com duas arrobas cadauma.
Bocetas com doces seceos de 3,ooo a 3,Soo
rs. cada urna.
Bolachinha ingleza a 32o rs. a libra,
Azeite francez e portuguez refinado a 800 rs.
a garrafa, e 9,ooo rs. a caixa com urna du-
zia.
Conservas ingle/as das seguintes marcas:
Mixed, Pickes, e ceblas simples a 800
rs. o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes a 4oo
rs. o pote.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra e 4,8oo
rs. a arroba,
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de manteiga, doce.
e outro qualquer liquido, de 1,000 a 3,ooo
rs, cada um.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira, mais
proprio para a nossa estarlo por ser mais
fresco a 2,4oo rs. com o garrafo.
dem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
o garrafo,
Sabio massa de superior qualidade a 18o,
2oo, e 22o rs. a libra do mHior qu ba
Graixa em latas muita nova a 12o rs. a lati-
nha, e l,3oo rs. a duzia.
Peixe era latas muito novo : savel, pescada.
curvin, salmo e outras muitas qualidades
preparados de escabexe, segondo a arte de
coznha, de l,2ooa 2,ooo rs. a lata.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado e escolhido pessoalnn.te por ora
des socios que se acha em PoiYigal, das
seguintes marcas : Duque, Geo>" -io^ Ve-
lho secco especial, Lagrimas. .>.nes de
1819, vinho especial D. Ped V, vinho
velho, Nctar superior de 11 ^...... '
Porto de 1834, vinho do Por*
penar, Madeira Secca de supe,
dade, vinho do Porto superior
de 1847, Lagrimas do Douro, r
nho do Porto, de liooo a 1 2rv
rafa e de 10,000 a la,^ ,s. a c?
urna duzia.
Vassouras americanas a 8do rs. cad u o-
Velas de spermacete as melhores que ha
. mercado a 56o e 64o rs. e masso, e ei>
caixa se far umjgrande aba'... ^to,
dem de carnauba e composiglo, de 4 00
32o rs. a libra, e de 10,000 rs, a 11 Soo
rs. a arroba,
Caf de Ia e V sorte de 8.3oo a 8.600 rs. a
arroba, e de 28o a 32o rs. a libra do me-
lhor,
Arroz da India. Maranho e Carolina a 3,ooo.
2,800 e 2,4oo rs. a arroba e a loo rs. a
libra.
Frasqueira de genebra a S,8oo rs. e a Soo
rs. o frasco.
Azeite doce em barril muito fino, a filo rs.
a garrafa, e em caada ter abatimento.
/
Papel greve pautado e liso a 3,5oo rs. a
reme.
Genebra de Hollanda em botija de conta a
44ors. a botija.
Passas corinteas a 5oo rs. a libra c 12 800
rs. a arroba, \
Ervilhas franceza e portugueza a 640 rs a
lata de urna libra.
Chocolate francez, hespanhol, suisso e por-
tuguez a l.ooo rs. a libra, e a 28o rs. ca-
da pao de urna *,t.
Ameixas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas, cora diversas estampa
no exterior da caixa de 1,51)0 a 3,000 n
cada urna; tambem ha frascos c latas <*
differentes taraanhos que se ven-' m por
mdico prego.
s
* -
Massas para sopa: macarrlo, t iiarim '
tria a 48o rs. a libra, e era'caixa s.
abatimento.
Garrames com 1 i garrafas de genebr
Holanda a 5,5oo cada um.
Charutos de todas as marcas e dos melb
re fabricantes da Bahia de 3,ooo a 4 060
rs. a caixa. \
ATTEM^AO i /
Todos os senhores que comprarem para negocio""^ casa particular o
cima terlo mais 5 a 10 por /o de batimento; o nj-pprietario scientifica m
os seus gneros slo recebidos de sua propria encommenda, ralo esta par
der por muito menos do que em outro qualquer estafcetecimaoto.



Diario de Pernamhuco ->' ninta felra lie Bezem
j.
9 LAIU.O HO CVRHO 9
R GRANDE SORTI \1ENT0 J
DE
ARMAZENS
DO
PROGRESSISTA
RIJA HAN lilT2KEW A. 30
PURA A FESTft.
DARTE & C.
Participara aos scus numerosos freguezes e ao publico em geral que acabara do
receber de sua propria encommenda, o mais lindo e completo sortimento de molhados,
os quaes vendem por grosso e a retalbo por menos 10 por cento do que outro qualquer
_ nmeiante, como vero pela seguinte tabella que abaixo notamos, garantindo os mes-
mu. proprietarios nao s o peso como a qualidade de seus gneros.
AVISO.
Todos os senhores que comprarem para negocio ou casa particular de I00# para
cima teo mais 5 a iO por cento de abatimento, os proprietarios scientificam mais que
todos os seus gneros sao recebidos de sua propria encommenda, raz5o esta para pode
vender por moito menos do que outro qualquir estabelecimento.
Castanlias muito novas a 2,ooo rs. a caixa, e Vellas de carnauba e composicao de 32o a
a lio rs. a libra.
Bolinbo francez e em cai.vinhas de 7oo a
1*506 rs. cada urna,
''em franceza a mais nova do mercado a 56o
s. a libra, e 54o rs. em barril.
. de porco refinada muito alva i6o rs.
Id.
into para fianbre a 8oo rs. a libra.
- tpiidinho vindo de conta propria,
-rcado a 2.8oo rs. a libra.
juaiinade a 2,6o rs.
dem perola o melhor que se pode desejar a
i,7oe rs. a libra.
dem preto muito fino a 2,5oo rs. a libra.
Idn mais baixo pouco a 2,oo<> rs. a libra.
dem mais baixo a l,8oo rs. a libra.
Vinlio lo Alto Douro vindo do Porto engar-
raf* ^acinte-se a superioridade deste vi-
n ^seguintes marcas : Duque, Ge-
iiuiiKr.^Jlio secco, espacial lagrimas do-
ces de 1819, vinho especial D. Pedro V.,
vinho velio, Nctar superior de 1833, Du-
que do Porto de 1834, vinho do Porto ve-
Itio superior, madeira secca de superior
qualidade, vinho do Porto superior U. Lu-
iz. 1 Me 1817, lagrimas do Douro espe-
cial, vinho do Porto de l,oooa l,2oo rs
a garrafa e de lo.ooo a li.ooo rs. a caixa
com urna d^'.ia.
36o rs. a libra e de lo.ooo a H,ooo rs. a
arroba.
Genehra de Hollanda em botijas de couta a
440 rs. a botija, e em duzia ou em barrica
ter a batimento.
Massas para sopa macarro, talharim e aletria
a 48o rs. a libra e em caixa ter abati-
mento.
E
RA DO CRESPO N. 9
SJo balrro de Santo Antonio.
Joaqulm Jos Gomes de Nouza scientifica a seus numerosos fregu,
zes e ao publico em geral que acaba de estabelecer um novo armazem de molhados
ma do Crespo n 9, aonde se encontrar sempre os melborcs gneros de estiva, que
se venderlo a retalho e por atacado, por menos dos que se venderem em outra qualquer
parte, affiancando-se aquellas pessoas que comprarem nestes armazens a superior qua_
lidade de gneros, precos commodos e bom acondicionamento.
O armazem da ra do Crespo situado no melhor local desta cidade com o as-
seio que de necessidade manter-se com estes estabelecimentos, faz crer a seu pro-
pietario, que ninguem deixar de sorur-se num estabelecimento aonde se encontra sin-
ceridade, para ir-se comprar aonde se nao offerecem tantas vantagens.
Sendo este armazem no verdadeiro ponto de partida para os arrabaldes desta
cidade, nao ser dilicil queHes senhores que tem de partir nos mnibus darem suas
ncomroendas neste armazem, que sempre lhes offerecer os mais agradaveis gneros
Cha perola de especial qualidade a 2,8oo rs. dem muito superior a l,ooo rs. a garrafa.
dem hysson muito superior a 2,7oo rs. a ^ a 28 e 32 rs- a ,ibra' e a 8' e
libra. i 9,ooo rs. a arroba.
Mein uxim a 2,5oo rs. a libra.
dem hysson a 2.3oo rs. a libra.
AON ARMAKEAS
CONSERVATIVO E CONSERVADOR
21 >e 23Largo do Teroo-21 e 23.
Joaquim Simes dos Santos, proprietario deites estabelecimentos de molli.i
participa ao pubco e a todos cm geral, que vende nos seus armazens os gneros por
menos de 5 10 por cento do que em outra qualquer parte, garantido-se pela ta\
qualidade.
Manteiga ingleza perfeitamente flor a 800 rs. a libra.
dem franceza, vinda pelo ultimo navio a 5C0 rs. a libra e 540 rs. em barris ou meio.
Banha de poico refinada, a 400 e 44o rs. a libra.
Velas de espermacete e carnauba a SCO, 400 e GOO rs. a libra.
Gaf do .Rio de l1 e 2 sorte a 270 e 300 rs. a libra, e a arroba a 80500 e 9/000 rs.
Batatas em caixas com 2 arrobas por 2)5000, e a 4o rs. a libra.
Toucinho de Lisboa, a 32o rs. a libra, e a arroba a 9(5000, ou barril.
Cha de |'t 2a, 3a e 4a sorte a 2/5800, 2(5500, 2/1000, e 15800 a libra.
Azeite doce de Lisboa a 3i5O00 o galo, e a OO rs a garrafa.
dem de carrapato, a 280 rs. a garrafa, e a 20OO a caada.
Genebra verdadeira de Hollanda, marca -gallo a 400 re. a botija.
Milho alpista o mais limpo que ha a 100 rs. a libra a 45800 rs., a arroba.
Vinho verdadeiro Figueira e Lisboa, a 500 e 400 rs. a garrafa e a caada a 35-iOO e 35000.
dem do Porto, a 49500 a caada.
E alm dos gneros annunciados ha outros rauitos baratissimos, assim como
queijos novos, cbouricas, servejas das melhores marcas, aletria, ameixas sevada, comi-
nho, erva-doce, pimenta, sabao, canella, phosphoros do gaz, que tudo se vende por
menos de 5 10 por cento, a dinheiro contado.
LIQUIDAGO
do azendas c roupas feitas, por precos baratissimos : na ra do Crespo n. 4.
Bolachinhn
ms:
laU.
ie soda especial encommenda e a
|ue ha no mercado a 2,2oo rs. a
das memores marcas em
i libras a l,3oo rs. a lata.
;s craknel em latas de 5 e 7 libras
a 6.000 rs. a lat, e em libra a
do reino chegauv,~ pelo ultimo vapor
..., >,ooo a 3,ooo rs. cada um.
dem idem a 2,ooo rs. a libra.
dem preto de qualidade muito especial a
2,ooo rs. a libra.
dem idem inferior a l,6oo rs. a libra.
Champagne a melhor neste genero a 1.5oo
rs. a garrafa e 18,ooo rs. o gigo.
dem estrellinha, rodinha e pevide em caixi- ,. ,
nhas de8 libras, muito bem enfeitadas de Idem ,nfe"or a U><**> rs. o gigoe l^oo rs.
2,5oo a 3,5oo rs. a caixinha e a 6oo rs. a i a 8arra,a-
libra. ^ Chocolate francez, hespaithol, e portuguez, a
Doce degoiaba em caixas de diversos tama-! a 9oo e l,2oo rs. a libra.
nhos de 6oo a l.ooo rs. o caixo. Charutos dos melhores fr-tes da Babia
Sabo massa de 2oo a 24o rs. o melhor, em! ?,,e qualidades, especiantes :olhdos,
caixa ter abatimento.
dem hespanhol a 28o rs. a libra.
de 2,ooo a 4,3wo rs. a caixa.
Farinha do Maranho muito alva a 1 io rs. a
libra
dem de araruta verdadeira a 4oo rs. a libra.
Ceneja das melhores marcas do nosso mer-,
cado de 5,ooo a 6,ooo rs. a duzia, e 5eo
rs. a garrafa. j
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e 8,6oo
rs. a duzia.
Doce em calda a 5oo rs. a lata.
dem de goiaba em caixas e diversos tama-
nhos e de diversas qualidades de 64o a
l.ooo rs. cada urna.
Ervimas francezas muito novas de 48o a 64o
rs.
dem portuguezas a 72o rs. a lata.
dem seccas a 2oo rs. a libra.
Vassouras do porto com arcos de ferro a 32o
rs. cada urna.
Velas de espermacete da melhor qualidade
a 6oo rs. o maco.
Peixe em latas muito novo ; savel, pescada,
corvina, salmo e outras militas qualidades.
preparada de escabeche 2. a arte de cosi- Vinho do Alto Douro engarrafado, e os mais
nha de l,2oo a l,8oo rs. a lata. bem escolhidos, lagrimas do Douro, D. Pe- Tiolo para, Qpar faoas Uo re- cada um
... ., k in,r.J dro V, D. Luiz I, Duque genuino, Nctar i J
tigos em caixas de 1 arroba, /. e I libras] superorj M;i|vasa ^ e outrog
a li.ooo e 12,ooo rs. a duzia e l.ooo rs.
a garrafa.
A Filho a 60,ooo rs. o barril. I Uem cherry e Madeira 1[ioo ,,s a garra.
Mannelada imperial dos m Inores conservei- fa e 16 oo rs. a duzia.
ros de Lisboa t Moma 1 tinhade 1 libra,' ,(lem Bordeaux ^ &mm marcas de gooo
ha lats de 1 '/2 e 2 libras. a ,0>000 a duziaj e ^ ,.$ a garrafa
Massa de tomate era latas douradas de 1 libra Bolaxinhas americanas a 3,ooo rs. a barrica,
a 64o rs. a lata. e 2oo rs_ a ,ibra_
a 8,ooo 4,ooo c 2,ooo rs. a caixinha.
Barris de vinho hranco de quinto, marca B
dem de carnauba e composicS} a 32o e 36o
rs. a libra e lo,ooo rs. a arroba.
Toucinho de Lisboa e Santos a 32o rs. a libra.
Sevada muito nova a loo rs. a libra.
Peixe em latas grandes, savel, pescada, cor-
vina, c outras qualidades a l,ooors. cada
lata.
Papel greve pautado e liso de 3,ooo a i.ooo
rs. a resma.
FAZENDAS BARATAS |
| 9~ltUA DO QCEI9IADO9
Custodio, Carvalho A C.
Finas enmbraias organdys indianas pelo baratissirao pre^o de 300 rs. o covndo ou
fiB 300 rs. a vara.
^ Cirandr sortloaento
I dos mais finos baloes de arcos para senhora e pelo barato preco de 34 cada um, ditos de ma-
dapolao para meninas a 300.
^ovidade
Os mais lindos e mais linos e modernos corles de laa com ricas barras, tendo cada corte
0 corados e pelo baratissimo prego de 208.
Fil de linho vara a 300 rs.
Modernas laazinias para vestido o o.vado a UO rs.
1
Ameixas francezas em caixinhas elegante- Batatas muit0 novas a { rs ^
mente enfeitadas de l.uoo a 3,ooo rs. a a[|lla "
caixinha, tambem ha latas de I */* a O li-
bras de l,2oo a 4,5oo rs. a lata. Banha de porco retinada a 48o rs. a libra, e
em barril a o rs
dem em frascos com tampa de rosca a l,6oo
rs. o frasco.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso a l,2(>o rs. a libra.
Vinho em pipa de Lisboa, e Figueira, e3,ooo
a 4,oo rs. a caada, e 5oo rs. a garrafa.
dem de Lisboa em ancoretas de 8 a 9 cana-
das por 27,ooo rs.
Conservas inglezas das seguintfs marcas
Mixde-Picles e cebollas simples a 75o rs j dem do Porto muito especial a 5,5oe rs. a
o frasco. I caada e 72o rs. a garrafa.
Ancoretas de vinlio colares a 5o,ooo rs., e Ide*" om garrafoes com 4 '/a garrafas por
2,5oo rs. com o garrafo.
Vinagre de Lisboa muito superior a 2,boo
rs. a caada.
Idem prato a 7oo rs. a libra.
v-' em pipa das mais acreditadas marcas
como scjamBA F., PBB, JAA, outras
militas marcas. Porto, Lisboa e Figueira ;
de 48:i, Soo, 56o, 64o e 8oo, rs., e o do
Porto lino em garrafa, c em o nada a
X.OOO, 3,ooo, 4,oeo e 6,5oo rs. o melhor
ik) Porto.
dem Bordoaux das mais acreditadas marcas
a 7oo rs. a garrafa, e a 8,ooo rs. a caixa.
Garrafoes com B garrafas de superior vinho
do Porto a 2,2oo rs. com o garrafo.
a 6oo rs. a retalho.
Iilem com 5 garrafa de vinho da Figueira mais Gomma muilo fina e alva a 8o rs. a libran fran(.ac Pm ,aixhas com ricas
proprio para a nossa estaeo por str mais M.lho alpista e pa.nso de 16o a 2oo rs. a h- Ameixas francezas ea cmmfm com rica.
a 72o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 32o rs. a latinha.
Charutos das mais acreditadas marcas da
2,5oo a 4,ooo rs. a caixa. I jdcm mais baixo a i,5oo rs. a caada, e 2oo
Champagnhe a melhor do mercado de 12,ooo; b
a 24,ooo rs. o gigo, e de l,2oo a 2,ooo rs. a! dem em garrafoes com 4 \'t garrafas por
garrafa. j^oo rs. com o garrafo.
Papel greve paulado ou liso a 3,5oo rs. a res- Manteiga ingleza a 6oo, 7oo, 8oo e Ooors. a
"'a* libra de primeira qualidade.
'''tnoo6 rs?arSaad U *" ^ ^^ I,dem franceza a 56 re- a libra em barri1' e
fresco a 2, too rs. com o garrafo.
dem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
con o garralao.
Vitihobrancoo mais superior que vem ao
nosso mercado a 50o rs. a garrafa, e a
4,3oo rs. a caada.
Velas de esparmacate as melhores neste ge-
nero de 56o a 64o rs. o maco, ecra cai-
xa ter grande abatimento por haver
grande porco.
Azeile doce em barril muito fino a 64o rs.
a garrafa e 4,8oo a caada.
dem francez refinado a 8oo rs. a garrafa.
Ervilhas francezas e purtuguezas a 64o rs. a
lata.
Bocetas eom doces soceos de Lisboa de 3oo
a ^eo rs. cada urna.
noiHnho deLisboa a 3oo rs. a libra, e a
\ooo js. a arroba.
St i s muito novas a 16o rs. a libra e 4,8oo
^ a arroba.
Caf de l.1, 2-*e 3.* qualidade de 26o, 3oo
e 36o rs. a libra, doCear de 7,8oo, 8,6oo,
i3 U.2oo rs. a arroba do melhor.
KrAi da India, Java e Maranho de 2,2eo a
' ;{.ooo a anba, e de 8o a loo rs. a libra.
>.*sas muito novas a 8,5oo a caixa e Soo
i libra, ba caixas meias e quartos.
.nimba le Franca a 24o rs. a libra.
Tti mui'vnftvn a S8o rs, a libra.
JX
bra.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a grosa e 2oo rs. a
duzia.
estampas no exterior de l,2oo a 2,ooo rs.
cada urna.
dem em frasco de vidro de diversos taa-
nnos a l,5oo e 2,5oo rs.
Vasos inglezes de 4 a 16 libras vasios, muito
propriq-fara deposito de doce manteiga dem em latas de 1 l/2e 3 libra a I,3oo e
ou abo qualquer liquido de l.ooo a! 2.300 rs- <*&* Bma e a 8oo rs. a libra.
3,ooo rs. cada um. pg0S de comadre em bazinkos de folha pro-
Licores das melhores marcas e mais finos; pnos-para mimos a 4,6oo rs. cada um.
a l.ooo rs. a garrafa e em caka ter abati- dem em caixinhas de folha a 32o rs.
ment0- I .
i dem em caixas grandes a 2oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa _- -^ ...
e lo 5oo rs a caixa. dem em latas errnebeamente lacradas de
.' .o 1 -6oo a 3ooo rs.
Chouncas as mais frescas do mercado a 8oo
rs. a libra. Arroz da India e Maranho a 8o, loo e 12o
Genebra de laranja em frascos grandes a r&- a llbra*
l.ooo rs. o frasco. Amendoas de casca mole muito novas a 4oo
Serveja das mais acreditadas marcas de rS- a W)ra#
5^oo a a garra a. Alpista a 14o rs. a libra e 4,6oo a arroba,
dem em botijas e meias, sendo preta da Letria a 4oo rs. a lmca.
muito creditada marca T de 6,5oo a 7,8oo .. ...
pg a dazia Biscottos e bolacbjQhas inglezas as ultunas
ebegadas ao nosso mercado a 4,2oo e l,4oo
Ceblas em molhos grandes a 8oo o molho &. cada lata.
640 o cento, e a (?,5oo rs. a caixa
Bolaxinha de soda e lunch em latas grandes
a 2,000 rs. cada lata.
Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
Farinha do Maranho a 14o rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 16o rs. cada um.
Cominho a 4oo rs. a libra.
Erva doce a fibra.
Canella a l,ooo rs. a libra.
Cognac de superior qualidade 8oo rs. a gar-
rafa.
Passas muito novas a 8,5oo a caixa e 48o rs.
a libra.
Palitos lixados para dentes a 14o rs. o maco.
dem de flor a 2oo rs. o maco.
Prezunto para fiambre inglezes e americanos
a 85o rs. a libra.
dem do Porto a 48o rs. a libra.
Queijos prato de 48o a 6oo rs. a libra.
dem londrinos os melhores que se encontrara
neste mercado a 800 rs. a libra.
dem fiamengos vindos no ultimo vapor' de
2,8oo a 3,000 rs.
Sarci..has de Nantes muilo novas a 32o rs.
a lata.
Sag muito novo a 2oo rs. a libra.
dem muito superior a 28o rs. a libra.
Sabo ma?a de diversas qualidades a 2oo e
24o rs. a libra.
dem inferior de 12o a 18o rs a libra.
Genebra de Hollanda em frasqueiras a 6,5oo
rs.
dem hamburgueza em ditas a5,8oo rs.
dem de Hollanda em garrafoes grandes a
5,5oo cada um.
dem em botija a 4oo rs. rs. cada urna.
Garrafoes vasios de diversos tamanhos a Soo,
64o e l,2oors.
Gomma do Aracaty a loo rs. a libra.
Graixaa loo rs. a lata, e l,2oo rs. a duzia.
Licores finos francezes em garrafas e fras-
cos de diversos tamanhos de 600 a 800 rs.
cada um.
Marmelada imperial de U dos os conservei-
ros de Lisboa a 64/> e 700 rs. a libra.
Massa de tomate muito nova a 64o rs. a
libra.
Marrasquino de Zara a 64o rs. o frasco.
dem em frascos grandes a 800 rs.
Cominhos muito novos a Soo rs. a libra.
Erva-doce a 24o rs. a fibra.
Pimenta a 36o rs. a libra.
Cravo da India a 64o rs.* a libra.
Cannella a l.loo rs. a libra.
Alfazcma a 2oo rs. a libra.
1
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs,
o frasco.
7 RA DA EMPERATRIZ 7
\ovi%m:s HOVIDADES
Madama viava Lecomte tem a honra de participar ao respeitavel publico que acaba de recobei
pelo ultimo vapor francez um grande soriimento de objectos de porcelana, crysla, tartaruga, ma perlas, bromes, marlim etc., assim como um rico soriimento de alQnetes de peito e flveias para cin-
tos quer de madeira, quer de metal nevos modelos.
Cintas para seuhoras e meninas.
Lindas cintas decouro e velludo enfeitadas com a competente bolsa, tal e qual Mt se osando
em Pars, ligas de seda para senhora, riquissimas caixinhas para presente de fesla com pftparos
de costura ou sem ella, de tartaruga, madreperolas, marroquim, etc., capellas brancas e para notaras
de flores de laranja.
Finissimos chicotes com cartas de marlim, sndalo, etc., para homens e senhoras.
Perfumaras.
Perfumaras dos mais afamados fabricantes de Londres c de Pars.
Oleo e banhas para cabello. Pos de arroz para refrescar.
Sabonetes finissimos. Escovas para dentes e cabello.
Ditos inferior. Ditas para limpar pentes.
Agua jara limpar denles. Pentes de tartaruga de penlear.
Pos. Ditos de bfalo dito.
Agua de colonia. Suspensorios para homem.
Cheiros para lencos e gavCtas. Espelhos grandes e pequeos.
Agua para tingir cabello de todos os fabricantes,
Na mesma casa conlina-se a fazer cabelleiras, tanto para homem como para senhora, a.--m.
como qualquer cabello suppaste.
Corta-ee cabello e frisa-se por 300 rs.
Leite autkepelico.
Approvado pelas academias de medicina tic Pars e Londres.
Este leite cura em poneos dias as sardas, ephelides, manchas de gravidez, tez queimada, no-
oas, cravos, borbulhas, bortoejas, espinhos, etc., como consta do livrinbo que o acompauba, cada fras-
co tem um livro que indica o modo de applicar o leite antephelico.
O uuico deposito na casa de madama viava Lecomte.
7 RA DA IMPERATRIZ 7
GHEGARAM
Os lindos chapeos de palha de Italia enfeitados com muito goslo acompanhados do competenM
veo de seda copa alta a Canotier para senhora : a loja das columnas ra do Crespo n. 13, de Antonio
Correia de Vasconcellos & C
ATTENCAO
AGENCIA
DA
FUNMCAQ DE LDW-MOOR.
Ra i* Si'iualla nova a. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para ongenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos.__________________
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston & C,
na da Senzaa Nova n. 42._____________
ESCHAVO
Vende-se um cscravo moro, crioulo, de bonita
figura, cozinheiro emarinhelro: quem o preten-
der, .dirija-se Antonio de Almeida Gomes, ra da
Cra* n. i'i, primeiro andar._______________
flto rmr.rm de fazendas kara-
ta* de Mantos Codito
RA DO QUEMADO N. ll VENDE-SE O SE-
GLLNTE :
Esleir da India
para forro de sala, de 4, o e 6 palmos de largura,
por menor preco do que em ontra qualquer parte.
HBfM
de panno de linho pelo barato preco de 2000.
taftw
de bramante de linho fino pelo barato preco de
3JA00.
Cobertas de chita da India
pelo barato preco de 20000.
Lencas de eassa
braneos, finissimos, proprios para algiborra pelo
baratissimo preco de 2000 e 2J*00 a duzia.
Cniliraia adanascada
para cortinado, pelo baratissimo preco de OJOOO
a peca.
Pecas do eambrila
de salpicos, fina, com 8 1/2 varas, pelo baratissimo
preco de i.
Pili Um Gm
pelo baratissimo preco de 680 rs.a vara.
Bramante de lina*
; fino com i ."'i-nos de largara pelo barato preep
de 2300a vara.
t Toalhas alcorhoadas
ida.
O proprietario dos arnt^ea -o Progresista jamis deixar deoffereeer aos seus; P "^o peio baratissimo precede R4000a d
freguezes tudo o que for preciso para rrae sejam bem servidos, e como a (esta se aproxi- r'*' p e bretaafci
Batatas a 1 ,ooo rs. o gigo com 32 libras liqai- ma ptima a occasiao dos seus fregjezes experimentarem a reabdade, que nunca dei-1 de rolo com 10 varas propria para saia, pelo bara-
das e 2,5oo rs. a caixa de duas arrobas, axr de *er mantida pelo proprietario tiestep armazens. I to preco de 3*000.
Venda de urna hypotheca.
Os liquidatarios da massa fallida de
Jos Antonio Basto veudem a hypoiin'-
ca que tem nos engentas Matto Grt>sse
e Gajabuss no termo de Serinhem no
valor de 3i:835$9H rs.; tratar .
casas a ra do Trapiche n. 34.
ESCRAVOS FUriuOS.
Fugio do engenbo P; u da comarca da n-
dade de Nazareth em V m mez de maio do ro -
rente anno 1863, um-nfulatinho de nome Manoel.
dedade 15 annos^^levon vestido camisa c eerwila
de algodozinho azul, um tanto descorado da cor,
tem os ps feios e es dedos delles arrebilados, os
pes adiante largos e os calcanhares finos,- km o
costume de andar com acabeca baixa. cabelios
estirados, de cabocolo : quem o pegar e Ujnei
em dito engenho ser recom|>ensado com 208*.
Escravo fgido.
tOO^OOO de gratlfieaco.
Contina fgido desde Janeiro o mulato de nomo
Raymundo, natural do Ico, estatura regular, idade
de t8 annos, be?a chata, cabellos carapinho?,
testa grande, rosto oval, com urna fstula na face
esquerda, macaas salientes, dentes limados poniu-
dos, bocea regular e principio de buQO, ps e maos
peouenos, costumav aadar calcado, c intitnlnva-
elivre: quem* apprehender, dirija-se ra da
Cadeia do Recife n. 21, Luiz Antonio Sequetra,
que entregar a referida graUflcacao._________
wmm.
o escravo Adao, de vinle e tantos anos de idade,
boa figura e rgo de mn olho : quem o pesar lo-
ve-o ma da Cade n. 33, loja, que ser hem
recompaasado. _________
A 15 de novembro doanuo do 1863 fugio nm
escravo crioulo de nome Miguel, de idade ponco
mais ou menos de 40 a 45 annos, com os signaos
seguintes : Hora regalar, cheio do corpo, bastan-
te barrigudo, cor bem foto e um poueo descorado,
pouca barba, tem urna cicatriz nos pellos de uiiki
espinha carnal, nariz uro pouco chato, olhos
mnito pretos, saho vestido com camisa do ais
americano, e no tem offleio senao de en\
qnem o pegar leve-o ra daPraian. 59. qtio
gratificado pelo Sr. Francisco Marques da Silva
era seu armazem de carne secca n. 59.
\
i
t
/


-8K.
J


i



f
Diario de Pernmiibnco intua felraJNf de laerrnibi'O de i 1#3.
-ar
LITTERATDRA-.
--------------------------1----------------------------------------
Mauricio de Treuil.
PHIMK11IA lAHTK *W^
(Conlnuagao.)
VI
De 1821 al 18i2 foi Closeau du Tail primero
io da (Irma Closeau, Lesfussis & C, armadores
negociantes no Havre, o homein mais feliz de toda
a Normandla. Rico, sagas o ponto escrupuloso nos
ios, astucioso em occultar os seus vicios
ixo da mascara do'bondade, membro de uma
aran eommercial recreativa para aos domin-
gos se divertirem. jnlgava Closeau du Tall ter a
fortuna presa ao ten carro. Das novo horas da
manhaa as seis da tarde oceupava-se do son nego-
cio com assiduldade e avidez de ganhar ; fra des-
sas horas, frequentava urna casa que tiuha aluga-
jada por detraz do Saint-Adresse, onde se entre-
cava ao mais devasso viver. No mez de Janeiro de
18H subiu elle ao apogeu da sua gloria. Foi elei-
o juiz do tribunal do commcrcio e presidente da
Sorirditde dos Amigos das Arles e do Recio. E,
como se isto nao bastasse, teve tambera por esse
lempo a ventura de nao desagradar a urna modis-
ta, com loja na ra de Paris. Todava,*a hora da
$01 decadencia social havia soado. Fizera elle
consideravel fortuna cm negocios rif>'lc0 regulares,
o, nao satisfeito com ter distrahido grandes sn>
mas aos direitos, juntou ainda as suas operacoes
iljfitas o contrabando de negros, que elle fazia
transportar do Senegal para a Havana, onde os
venda por bous pregos aos plantadores hespa-
nlies. Urna tomadia, que deu causa a um proces-
so, obrigou-o a interromper tao innocentes espe-
culares commerciacs.
.Na manhaa postedpr noute em que Closeau
duTailli conduzira a Paris, no seu carro, o deputa-
do, nao descansou o capitalista em quanto nao foi
ter com Mauricio, a quem acbou trabalbando.
O' l, meu joven amigo; olbe para mim I
T.ciu alguma noticia a dar-nie ?
Muito boa, excellento, a mais sublime de
quantas noticias ha Os paes accedem ao pedido
que o meu amigo faz da mito de mademoiselle Sor-
ber c eiicarregaram-medeo apresentar esta tarde
ua Cotombire ... Esl casado meu amigo I
Ah Iexclamou Mauricio, suspirando.
Tudo o que Felippe llie dissera na vespera se
lili' apresentou em tropel no pensamento, e a noli-
ca dada pelo capitalista causava-lhe- mais inquie-
tacao do que prazer.
Tao trio acolhimento nao podia escapar a du
Tail.
Com a fof luua I Ora vejam como o meu ami-
go recebe uina noticia deslas Ireplicn elleCo-
nhecoalgucni que, se cu llie dsse tao grata noticia
lien ia lonco do contente I
Tamben ou o es teu, e, se o nao demonstro
porque, desde o momento era que o meu amigo se
enearregou da miiiba causa, logo a tive por ga-
nlia.
Closeau du Tail sorriu-se.
E fez bein em conliar na m inda pericia. Le-
vei a piara de assalto, porque, se me deniorasse,
pouco que fosse, acha-la-bia inexpugnavel. O meu
amigo tinha um rival perigoso__
O Sr. do Courtalin?
Em corpo e alma!
Elle ama mademoiselle Serbier?
Ama-lhe o dote, o que vem a dar na mesma!
respondeu Closeau, encolhendo os hombros.
Sim ? Pois cu pens de outro modo. A peior
rondicao que cucontro neste casamento o tal
dote!
Nao diga criancices Iexclamou o capitalis-
taPois ha quem busque um diamante para o meu
amigo, encontra-so, d-se-lhc, o quer recusa-lo
como pretexto deque elle muito perfeilo I Pre-
ferira acaso um bocado de granito? Quereria an-
tes urna rustica pastora que s possuisse urna roca
c uns tamancos ?
Nao; -respondeu Mauricionao sou tao da-
do ao genero pastoril mas a riqueza da sua al-
iada um ven lancado sobre a sua belleza ; of-
fusca-a e quasi a anniquilla. Que bao de dizer?
Qae caso por nteresse ; e semelhante dea causa-
mi! amarguras!
.Nao dizem, nao. O que bao de diior de s
que um mancebo de juizo, e, se alguem o censu-
rar, aeredite-mc, mea amigo, porque Ibe teem
inveja...
OSr. du Taiili vrou-se para um quadro sacro,
que peiua d^parede, c conlnuou :
Olbe para aquella Virgen): o resplendor de
ouroque Ibe circumda afronte divina, diminuc-lbe
acaso a belleza ? Sophia semelha a virgem ; o dol
supprc-lbe a aureola.
Mauricio passoa a vista de quadro sacro para os
Buhares de objectos curiosos que Ibe enchiam as
paredes da offieioa, objectos que tantas vezas, pela
influencia mysteriosa que exercem as cousas que
se amam, llic haviam acalmado o espirito, sugeito
a suidas irritacoes e a internos deslenlos.
Quede lembrangas lhe naocvocavam ellos ao pon
smenlo De qtiantis horas laboriosas nao tinha
a presenta dees aligerado.o peso Quantos dias
faustos ou infaustos, esclarecidos com um sorriso
ou moldados com umi lagrima !...
O manc;.bo nao polia destacar d'al os olhos,
quando Ibe feriram os ouvidos os maviosos sons de
um piano.
Mauricio ia a pegar no cbapu ; narou e escu-
to..
Era iura a tocar o *Adeus. de Sehubcrt.
Nunca ,. in>trumeuto algum sabiram notas tao
ternas cmeK 'losas; dir-se-hia que aos sons do
piano se juutavV os queixumes mysteriosos de
una alma afilela P
Hio de ver 1 hio de ver Idizia elle-Ainda
sei rimar!
Para dar rpais lustre a esta fesla de familia, os
Sorbier haviam convidado pressa algnns dos seus
mais ntimos amigos, e entro elles Guilliermv Gi-
raudede Courtalin.
Laura tanibem nao foi esquecida, o apresentou-
K na Colombire com o corago despedazado c o
rosto risonho.
Closeau du Taiili, apenas viu chegar o barao,
correu a elle, e, dando-lhe o braco, disse-lde :
Espcravam-no com impaciencia, Sr. barao. o,
sobro todos, por ininlia estimavel prima....
E verdadeacrescentou esta.A presenca
do nosso melhor amigo era indispensavel nesta fes-
la de familia.
Logo que levo a bondado do me convidar, ti-
nha dircito a contar comgo. Nem o ministro em
pessoa me obrigaria a faltar respondeu o barao.
inclinndose para beijar a mao da Sra. Sorbier.
Agatha suspirn.
Quantos quadros nao sacrificara ella para obter
um genro que tralasse cara a cara com o ministre!
Por algumas palavras que hontem lhe disse.
continuoa du Taiili -j sabe que se trata do ca-
samento de S*phia, mas quero que seja minha pri-
ma quem llieannuncie a escolba que ella tez. Pe-
la minha parte, s direi que o noivo tao apro-
piado que fra impossivel acha-lo melhor.
O Sr. de Courtalin, nao duvidando que o noivo
tao elogiado nao fosse elle, olhou agradecido para
a Sra. Sorbier; mas lendo-lhe na tristeza e enleia-
mentodo rosto o contrario do que pensava, baixou
os olhos, inclinou-sc, sem responder, eno sesen-
liu bom.
Vamos, minha chara Agatha ;contiauou du
Taiili, gosando interiormente o prazer de ver as-
sim torturado o seu rivalvamos, falle !
Oh! meu eus !disse entao a SorbierO
genro deque se trata nao 6 nenhum grande de
Hespanha, como parece dar a entender meu pri-
mo. Desculpemo-lo .om attngSo sua exaltada
amizade. O genero que o Sr. Sorbier escolheu
o joven pintor que o Sr. barao aqu viu, hontem, o
Sr. conde de Trcnil.
O Sr. do Courlaln sorru-se e replicou :
Com elTeito, tem razao, porque nao nenhum
lord ou principe, e eu at ignorava que fosse con-
de ; mas, emlm, dizem que elle tem seu talento
artistico.
Bem viu Closeau, pela pallidez do barao, que o
golpe fra hbilmente dirigido. Esfregou, pois, as
maos, e, apoando-as familiarmente nos hombros
do deputado, dissc-lhe :
Eu bem saba, Sr. barao, que a nossa esec-
illa mereca a sua approvagao, e, se lhe occaltei o
nome, foi para gosar de sua sorpreza : agora ve-
nha cumprimentar o meu amigo.
Mauricio andava pelo braco de Gulherme Gi-
raud, que, apenas viu o artista, nao cessou de lhe
apertar enrgicamente a mao.
Por vida minda, meu edaro I Tu es um feliz
patife... nm feliz maroto.quero dizer Mademoiselle
Sorbier e um milhao de appetecer I Safa!... Tu
nao s desles artistas qne se cegam com toda a
qualidade de metal... Nada, nao, tu sabes o valor
de cada um delles... e fazes bem !... O talento vale
muito, mas o dnheirodispensa-o! D'aqui em dian-
te, em lugar de fazer quadros, has de compra-Ios.
Eis-te entrado c para a ordem!
*
'Veja..,......j nao tenho o annel que me ] A Sra. Sorbier callou-se, como se quizesse sabo-
rear o efTeilo do seu discurso.
Laura cooservou-se eguaimente silenciosa: a
Como r A opalatlo minda raae ? ievoleneia arreciada alardeada por Agatha rom-
Ve-la-ha no dedo'de Sophia. Ella vai ser sua pntnia-lhe o coragao c avoxava-a. Antevia urna
emola, mas Cnridade nem sombra della.
A nica cousa de que carece, minha querida
menina, para habitar dAnaixo do mesmo tecto de
esposa, pertence-lhe o annel....... Urna amiga,
mesrao de infancia, nao tinha direitos a elle.
No da segunle publicaram-se os banhos de piraba fTIa e do meu genro, continuoua Sra. Sor-
Mauricio com Sophia.
K'M0.^ aS repi": *?.."*" t,lh0S- P* I Aal1'3. *"'a J PWcr
Sophia quiz que Laura a acompanhasse egreja
e Laura havia acceitado, porm das antes do casa-
mento a tia da joven penisla foi atacada deuin
congeslao cerebral e poucas horas viveu.
bier, do um encargo que eqotvaJha a mgempre
go; adiado elle-e j o oslaa sua prlRn?a em
mnlia casa nao d lugar a reparos, o, por conse-
quencia, n < ollerece dtfflculdades. .,
Portanio, a seuhora qur dar-me Um lugar
em sua casa, um empreo?
- Sim
Lauta toda coberta de d ecom o rnracn cte>io ~~, m'Uin emPrtJlf0 lue assogure o seu futuro
wuia, loua coociu ue ao ecom ocoiacao cseio e cohoneste a sua estada junto do Sr. de Treuil. O
de dor. rougiou-so em casa de Sorbier, o qual Ibe lugar que lhe deslino, se fosse n'uin collegio, eda-
offereceu temporaria hospilalidade. mor-se-hla sub-inspectora, aqu chama-se despen-
A malfaflada donzella ficava sosnha, sem um
nico protector natural que a guiasse e amparasse
como careca una menina de vinle annos.
Mauricio tinha-lhe sincera affeicao de irraao.
seira.
Ad despensera?
Sim, minda tilda. Nao porque eu careca do
j quem me ajude a governar a casa, porque, gracas
c a Deus, ainda estou em boa edade e bastante vt-
assim propoz sua noiva o ficarcm com ella na !2S!*2 ^ernar, porem cedo-lbe com gosto
sua co.nnanha overno domestico, so por Ibe dar abrigo, e b-
sua compannia. Vra-la oV ppnesa posicao a qi? a sua mocidade e
Esse tambem o meu mais vive desojo, abandononloxeoe. Ficara sen cargo a roupara
porm bem v que ficamos a viver com meus c ;i vlKllanci-"> ios criados. Todas as mandilas vira
paes, eque, por.an.o, carecemos do consentimen.o ^S^[^^P^
aelles- reservo o que Torero objectos de inaior vulto.
Nao ha nada mais fcil; cu rae incumbo do E nada mais exige, sendoi a f
o obter ^e futuro, se minha llha viera ter filiaos, po-
Porm o mancebo breve se desenganou de que *%$&> V^ttSfiSSi
era mais difOcil do que havia julgado. o favor desconhece o proverbio:Quem trabalha merece
que pediu, e que se limitava a dar-se a Laura paga.
apenas um quarto onde ella podesse viver ao abri-! ~^Senhora exclamou Laura toda angustiada,
go da familia, encontrn una inflndade de emba- j j^ \-0> minha cara. se nos ,he occupar.
'"a50s- i nios o seu lempo, mister que Ih'e relrbuamos.
. .2n>> *'-: &5ff S 25. ^Z ZSS2
milia -disseram a Mauricioimporta va o memo te paga, mas eu tomo sobre mim oelovar o seu or-
que tomar, sobre si una grave responsabildade, i denado a mil francos.
que podia acarretar muitos desgostos no futuro. AI Laura s?,u,iu ro'to a^gu^o de vergonha; ou-
... .... v*u com silencioso pasmo e nao nodia articular pa-
cohabitacao em coramum havia necessariamento |avra. "fwi."F
do trazer consigo urna multidao de inconvenientes,' A Sra. Sorbier conlnuou:
que nao eram ficis de prever. Quem poda asse-1 Comer nossa mesa, menos quando tiver-
verar que os genios de Sophia e de Laura se har-1mo* ?en,c de rra i nestcs das Janlara n scu
mon.sassem muito lempo ? E, alm d.sso, Laura j perdao, senhora, disse Laura, nterrompendo
era muito menina. Ninguem duvidava da sua pu- Agalha agradeco-lhe muito o arranjo que me pro-
reza de costumes e elevacao de sentimentos e P0e e 'an,enio de todo o meu corago os cuidados
a prava eslava em elles Sorbier a haverem acoln- qa^ ua^,r "h* caim' P"*" nSo f0SS0
do c protegido at ento. Mas, no fim de conlas, p0is recusa?
ella tinha valo annos c nao pouca formusura. A Porque nao posso accetar. Quando lho ped
prudencia pedia,, pois, que se prevenisse oque ''ospitalidade, foi sopor poucos dias. Tenho as
podia succeder para nao pagar pelos artos estfa- p"^ dSd|'ulas' ,,n I***0 deixar do vo,tar a
nhos. O inleresre que Laura inspirava a Mauricio, I '_ Regeita o projecto que formamos, s para
sem terem parentesco de qualidade alguma, nao que pndesse viver com Sophia, c sabendo quanto
poderia dar que fallar a quem nao os condeces- n,in,,a Iba deseja t-la junto della?
se? Com que pretexto se desculpariam tantas LZ3S5 t0"'?' l,orque recelo n'io poder
. .corresponder a conhanca que em mim deposita; e.
pravas de amisade aos praguntos que as estra- demais desde, hontem tome a firme resoluco de
nhassum ? E, por amisade para com Laura, nao voltar ao scu piano.
se deva evitar que a maledicencia a abocanhas- Laura havia-sc levantado, Agatha Sorbier fez o
se? Se Sophia e Mauricio tivessem os seus cin- '"*"'." O fim desta eslava pleuainenteconsegui-
____... p,l id0- Laura nao acceilava, e Agatlia polia dizer a
coenta annos e quatro ou cinco Olhos, poder.am I.Maurico, que se a sua protegida deixava de viver
chamar Laura a si e dar-lhc o cargo de aia ; mas,, com elles, era por nao o ter querido. Eslava at
infelizmente, nao aconteca assiui e forgoso era que disPosta a accusa-la de ingrata.
os jovens noivos dessem ouvidos voz da razo, o Lt* 2S,Be ('U "ao fez be,n' disse e!,a com
. .. tom adocicado, no momento em que Laura baixava
a razao ordenava que deixassem viver Laura como a cabera para retirar-se. Urna casa que lhe olfere-
pudesse, sem, com ludo, dixarem de coutinuar a ce o su teclo, olferece-lhe mais do que um abrigo,
protege-la como at ento.
ra dizer:
um dote a Laura, se, estando ella em sua casa,
viesse um da a escolder noivo.
Sorbier nao delxou de a|ar as ideas da mu-
llier; desojara, porm, que houvesse um meio de
concbalas com as de Mauricio ede Sophia. Nao
seria possvcldizia ellerecolher a orpbaa a t-
Pois tu tambero pertences a alguma ordem ?
A urna or/em de arrebatar ; verdadeira e
suprema ordem respondeu Guilherrae, sem dar
pelo chiste da perguntaTu vers Mas antes ca-
reces de um cavallo. eu me encarrego de com-
pra-lo... Por eraquante, basta nm cavallo de mela
raga. Iremos ao bosque de Bolonha. Apresentar-te-
hei aos meus amigos. Pullulamaos ceios nos pas-
seios pblicos !.. Ede que calibre, meu amigo, do
que calibre I... Filhos familias, todos tao espiri-
tuosos o divertidos como eu Celaremos juntos
amudadas vezes. Iremos passar a Badn a cstacao
calmosa ; moda ; e o salo de palestra delicio-
so. Cacadas no outono..Has de ir comigo s mi-
udas trras do Marvejols. L vers urnas mil gei-
ras de lapadas e urna niatilha de caes inglezes...
Tu vers Oh que deliciosa vida!... Has de quo pareca provar quanto or
ler casa... dar jantares ; e, sobretudo, nao le es- inteuces, e quiz encarregar-se de a participar a
queras de ter boa despensa : sem despensa nao ha Laura. J por difierentes vezes havia ella dito
amigos. Alguns bailes, dirigidos por mim, darao donzella que nao se esqueci della, nem do seu
- portas de futuro, mas estes meo-segredos, dilados-dizia
d-lhe protecefto, presta-Ido garanta moral.
Laura elevou a fronte.^j Cum gusto de'dgnidade,
Agatda Sorbier conlnuou anda por mu.te lempo que.udik -- ... sua iulerlocutora, respon-
com um tom alambicado e enternecido, econio;dea :
Confio quo nunca carecere de semelhanle
dizem cortos cantores de romancescom Mf la- garanta, porque as minhas accoes bao de dspen-
crtmosn. Amava Laura tanto como se ella fosse ""?a," ,.
_. AH,. I Ea donzella desceu ao jardim.
sua nina; apertava-se-lhe o coragao por se ver Careca de respirar; porm, apenas entrou no
obrigada a combater as boas lences de Mauricio, terraco, enconlrou-se com Felippe.
porm a sua experiencia obrgava-a a contrariar ~ 0ra gracas Deus I disse elle, rindo, que
os impulsos do Seu corac.ao. Ora, toda esta linda SJcva^SroT tmWnK!'' *Wd5 que S"f"
prosa, traduzida cm linguagem vulgar e cha, que- ^^pdaiieracj* que as feigoes da don-
que Agatha Sorbier nao quera dar zella apresentavam, perguntou :
Que tem ?
Nao nada... nm bocadnbo de emocao...
l'm bocadiubo! Tremc-lbe a mao... c est
branca coma a cal!
Acabo de estar com a Sra. Sjrbier; a con-
versa cania sobre um [ionio que produziu em
mim um efTeilo desagradavel___fallou se de sol-
dadas.
creancice, bem o sei; eu deva nao
lulo de despensera e depois eleva-la s funeces Oh I
de meslra? Os salarios pagos cohonestaran! a esta- ~ E' uma
da della em os <. *-- ~,i nm j ,azer caso' mas l>arece que me escaldava o sangue
,ff,n,i 1 f' f ,Ue mUnd0 nas arl-ri;,s! Demsabe quea suscep.ibilidade est
se ofTendesse, satisfaziam-se os generosos impulsos na razo do que se soITre.
docoracao. j Soldada! Pois ffeieceui-lbeuma soldada? E
Agalha adoptou esta lembranca com um ajdor, I Por um emprego que me queriam dar.
Na casa de Mauricio?
Oh! |ior favor, nao me diga nem uma pala-
vra em desabono delle. Mauricio nao sabe nem
deve saber cousa alguma... Oh! calle-se! Elle
acola esl!
Com elTeilo, Mauricio sabia com Sophia pelo na-
: minha resignaco no meroee essea ft2f,^^Jr-Jg5*tt f.
em que conversando comllaurico lhe cont! pu
co mais ou menos isto que agora lhe eonto, disse
elle que eu era philosopha...
Eagauou-se, Laura ; elle devera cdamar-lde
christa.
Ol
louvores
que lhe diga a causa que me impelle a ir para
jninba casa, apesar das magoas que l me espe-
ram ? E' o mal estar, por no diier cousa peior,
que sfii sinto, depois di conversa que tive com
a senhora Sorber. A proteccao que ella me offe-
rece causa-mo grave peso ; nao me sinto bem
aqu: parecc-mc que o ar me falta.
Ento ve recoinecac a dar l;es ?
Amanha mesmo.
E contina a viver no sou aposento do quin-
to andar na na Doua ?
Contino; l que tenho vivido, soffrido e
chorado : quero-lhe muito !
E nao a assusla a solido era que vae vi-
ver ?
Mentia, se dssesse que nao; porm com o
tempo hei do acostumar-me.
E corra que ha de ter animo para tanto ?
Conlo. Diga-me, pao reflertu anda no po-
der qnasi mgico deslas tres palavras : o dttir or-
dena-o f
Ese um da vier a adoecer ?
Nao sou a primeira a Ijuem tal acontece.
Fcil era do ver que^dosde alguns minutos, se
travara forte combate no espirito de Felippe. Por
luid
rde
Slg reu-
jos de dar jantarps jara contar o
do que^'/aconteoaB W^^^\
Na seguinte senj|oa r ^ .,
nies das quintas-
Iridoro Sorbier fu fechar-so no seu gabinete, eu>
ja recordacao nem as gndolas de Veneza, nem
Pedro em fio-
aba ndonou
um s momento : J e calcula com avidez a cor-
respondencia e conlas do scu roniniandilariode
Pjtliivers.p aspira com delicias o ar viciado e as
emanaeocs' endmicas do infeste cubiculo.
A Sra. de Treuil, mira e remexe uma duza de
ca xas atulhadas do chales, eslofos, enfetes e va-
riedades de dixes comprados em todas as ierras
por onde passou.
Mauricio corre a cdade em busca dos seus ami-
gos e trata de por em ordem a officina, que na sua
ausencia mandara preparar no terraco de um pa-
vilhao.
Estas tentativas para por tudo em ordoni, inter-
rompidas de momento momento, ha vilo dias que
eomecaram, e Deus sabe quando so ultimaro.
Cerla manhaa, cm quanto Agalha Sorbier esla-
va tirando as capas aos candelabros, que breve li-
ndara de Iluminar as suas rounies semanaes, e
ao lempo que Sophia tirava da caixa um chapen de
rica palha da Italia, que tinha comprado erfi Flo-
renca, o qual doria fazer a sua apparicao ?os Cam-
pos Elysios, dentro de um coup tambem nore>,
viu-se entrar na sala um ineniao de sedas, rendas
e velludos.
Om, disse donzella com gestos de qanrliavia \*^2$E?frZ2P alegra saudaram a cnega-
......i- lo montao de sedas ambulantes. Agatha cSo-
Ella
tomado diflnitiva resoluco :
Laura, edamomeFelippe Dnvernay
quatro cinco mil francos de. rend mente e gando nor '.
annualmenle pouco mais desta quantia. Estas H 1;', ., ,ea
duas verbas juntas do o uecessaru para duas pes- "" S1" E Pssivel ? disse a lilha.
o ..:------:.,_ .i------:. t-----' ,_u- ._': l aun, sou eu ; sou eu mesma, respondeu a
tenho pllia correram ao se encontr.
A minha presada Sra. de Villcaux
raje.
luatiwannos; o meu graio j o rnhece. Apraz- ^ ^'0vf' b-agfdo ? a?bs- -Nao F?n,avan|f
lio que eu teja seu marido ? m S?*"**' na. assim,? **a marido escre>
Laura fez-se vermelha como uma roma. *fu"" p.ara .eu ,r ,cr co ellc a v,e,nna : fu,> mas
- Visto isto,Jisse ella, forcejando por se sor- so *"9 SSJSfS,Jfnw! ,,araPar,s-
ir-pede-rae a miaba mao ? ^ ~ fc. ^'u" era V'?,0 ?
_ u..P Ein \ lenna, em Praga... ou talvez
Praga.
nao sei bem onde. Se por l
vez em Pes-
me demoro,
Pego.
Laura nao pode reler as lagrimas ; deixou-as _
correr era fio c s pode exclamar: i- n' ., r |,ato.m-> os ares de Par,s"
- Ah I senhor i quanto bondoso! | EnUolu"'a?em,Pr a1ui ?
- N'islo nao ha boudade"; pronunciou a bocea : er ~3,1 ^lai"* do.s nossos arranjos... Os criados
o que o corago lhe ordnou. E" muito provavel i s,' la desasados respondeu a Sra. Sorbier.
que me conservasse solteiro, so a vsse feliz, Lau- L.,7,h gnos f*0- E,n In,n,,s ca*a ,ambcm
ra ; mas, apesar de toda a sua resignagao, vejo! T co,m do lauto para cima I Eu nao sei
bem que o nao O meu carcter um Unto t"" "5Ji!!!)SA,vem ; 'ua"i >,nf'. ,nPrro d.u;
singular : o que ha poueo me disse deu-me a co-
nome aos teus tarus e te abri rao as
cem palacetes... Na primavera, iremos s corridas ellapela mais viva amisade eram ditos com na ', (,ue va para Jai'di'"- Laura tomando Fe-
tz^-^jr ,,adrin,l01 na: a,r,as*% ,ar'por assim *>moih;,a; em -- Z\^tittsttiEZS!sSL.
se qnizercs .Ilustrar o teu nome, entra tambem nas guiar, que o mais acre fel amargara menos ao donzella. Creo que as tengoes da Sra. Sorbier
corrndas. Nao ha cousa que mais eclebridade d coragao da sua protegida. eram h?as Sea o menor desojo de olTender. E
boje : o nome de lord Seymour deixa muito aps de ., .. | nem vejo motivo para ella me querer mal, porque
si o de Raphael. relippe Dnvernay, depois de tralado o casamen- cu nenhum mal lhe fiz... Mas, se ella na reali-
lo do seu amigo, frequentava a casa da familia (|ade minha amiga, para que me fallou cm solda-
A ebegadade Courtalin, acompanhado por Co- Sorbier. Assistiu, pois, a mujias deslas scenas da? Se eu/ofe fifa-talvez me -^fc**^ pa-
. nv,o mm, da c,,,fa ao JS -, ,,;," S. *Z!?Z Si 7SSST1S SZ? .%!5
seu amigo. | qualidade 'de conselheiro e n'outras como mero Muito l>em o sei... Que nao tinha Jiratertur nem
Ao tempo que Mauricio recebia parabens de to- esperiador. ExpermenUva uma especie de des- as> lo! Cr ella que eu oignoro'? Agradocer-lhe-
das as pessoas reunidas na Colombire, eslava ^0ft0' ^ '**' tenia niesquinhez, mas nunca ha a maisJeve-proT ue amisade (|ue ella me tes-
Laura s com Sonhia Occunava-se esla om se seu rescntimentn se traduza em colera, porque temiinliasse, mas fallar-me em'raeassoldadar I Ho-
enfeitar aTZUia ZZ2aLT 7> reconhe<''a'l"e o par Sorb.er, dolado de um egois- Je amiga, amanha criada!.. E criada de quem?
enfe.tar de modo quo a simplindade e a modestia mo innato, nem o comprehemloria, se o elle Meu-, Sonto de quem ? 01.! quanto me custou reter as
-Maurcioescutou Hgnv instantes, com o coragao
perturbado. Nsv
Parecia-lhe que uma voz intima lhe gritava :
-* Para!
-Eatao, vamos ?ihe perguntou o Sr. du
Taiili.
Miuricoestremeceu, como se acordasse de um
pesadello, e, impellindo a porta com violencia, res-
pondeu :
Vamos I
E desceu a escada precipitadamente.
A familia Sorbier, prevenida por Closeau da vi-
sita de Mauricio, eslava a postos quando elle chc-
gou.
A aprcseniago fez-se na forma costumada. Sor-
bier tratou de compr o resto, dando-lhe ares de
bondade singclla. O seu viver era simples e limi-
tadodizia elle-a um curto circulo de amigos;
os seus gostos eram moderados e sem ostentacao"
o Sr. de Treuil do eerto acharia aquelle viver ex-
tremamente inesqunbo e montono, se o compa-
rasse existencia animada e ruidosa dos artistas.
J trabalhei; hoje descansodisse o velbo
banqueiro, terminando o seu curio discurso.
Mas, senhor, eu quero Irabalhar, -respondeu
Mauricio -e viver asshn retirado tambem me con-
vm muito. *
Agatha Sorbier, lamentando nao casar sua filha
com o Sr. do Courulin, nao podia deixar de rece-
tor o artstt*com fra polidez.
Sophia fez escudo da timidez e acanhamento de
uma meniua em cireumstancias anlogas.
Closeau du Taiili eslava Jouco de contente ; at
ullava em fazer uro HJ-mno para o dia do noivado.
rivalisassem com a elegancia e o bom gosto. Quan-
do Laura ia a atar-lhe uma fila, pegou-lhe Sophia
na mao, e, aponlando para um annel que a sua
amiga tinha no dedo, perguntou-lhe :
Isto que ? Ainda le nao vi esta joia.
E' uma opala, respondeu Laura, fazendo-se
vermelha.
sasse de dureza de coraylp. O egosmo de Sor- lagrimas pmstes a banh'ar-me as Taces I
b.erdizia Duvernay a sos comsigo compassi- Todo o corago de Laura se denuncou nestas
vo : concede cem escudos por auno, um talber ao palavras c trasbordou como agua em vaso mais
canto da mesa, um quarto na agua-furlada, e o fl"<' cheio. Felippe langou a vista para o lado da
d.sso conlenta-se com os servigos de uma Colombire, murmurando a mea voz :
Que uma opala vejo eu........ E* la ha
pouco lempo ?
Laura trou o annel do dedo, e", dando-o a Sophia,
disse-lhc :
Olha bem para elle; trago-o no dedo, mas
nao meu.
Que queres dizer ?
Que elle me foi cnlrcgue por alguem que
esteve hontem aqu.
Pelo Sr. Mauricio de Treuil ?
Este annel foi de sua mae.......e elle in-
cumbiu-me de offerecer-t'o..... Se o tu acceilas,
ser uma prava de que o ten coragao lhe perten-
ee........J tem, bem o sabes, o consentimento
da tua familia, porra elle qur dever a sua felei-
dade a ti mesmo.
Sophia pegou no annel e metteu-o no dedo.
Oh meu Deus
scena de romance !..... Os artistas sempre teem
lembrancas muito singulares!
J eslava vestida e mirava-se a um espelbo.
Esta rosa ao meu peito Dca-me muito bem....
parece collocada aqui por acaso.
Deu o brago a Laura e desccram.
Crs que elle me tenha amor ?
Sim creio, respondeu Laura.
E, chegando ao ultimo patamar, deixou o brago
despensera activa e icjosa o com uma 'aia para os
netos, poupando assm os gastos de mestre de lin-
guas, de msica e de desenlio. Quanto Sorbier,
o scu egosmo mais declarado: nao qur aceei-
tar economas momentneas, que podem acarre-
tar-lhc maiores desppzas no futuro. Elle contem-
porisa ; ella decide.
Agatha Sorbier havia esrolhido o da da assig-
natura da escriptura de casamento de sua filha pa-
ra commuDicar a Laura as propostas que o mando
havia imaginado.
Que rara, que raga aquella
Oh Nao Ihes quero mal! replicou Laura.
Desculpo-os; talvez nunca soffressem, e por isso
nao sabem oque o soffrmento cusa; ignoram
quanto a mais leve picadura punge a quem j tem
o corago ulcerad*.
Se elles o sinbessem e ferissem, replicou Fe-
lippe, ento nao seriara entes humanos, eram fras
damnmhas!
Deram alguns passos movedica sombra das
tilias, pisando as estrellas de ouro com que o sol,
Uma hora antes da chegada do tabelliiio e das modificado pela folbagem, esmallava as arcadas'
testemunhas, raandou chamar a donzella c fechou- "*uas.
se con. ella s no quarto. Amanha, disse Laura, abandonarei aCoIom-
Assente-se minha filha, lhe disse ella, indi- '"ere.
cando-lbe uma radeira. Mandei-a chamar para lhe E volla para Paris?
dar parle de um projecto, de que depende o seu fu-! Fara a ra Douai. J l nao encontrarei a
,nr0- 8tea amiga, nica companheira na minha soldao,
Quena dizer, senhora; estou cerla que s mo mas ao menos encontrarei Irabalho e com elle ho-
dara novos motivos para agradecer-lhe o interesse uv*to subsislenca.
que por mim tem tdo. i Como assiin Concede tao poucos dias
Esl ssinba, minha filha, e na edade emque, perda que soffreu ?
mais carece de proteegao; com a minha pode con-! Adraira-se, c talvez lhe pareja que esta pres-
tar, porem ha um meio de a tomar ainda mais ef-| sa de voltar a ferir o teclado preto e branco do
licaz.
nhecer que a nica mulher a quera eu deva ligar
a minha sorle. O amigo alfecto que lhe consa-
grava mais se avivou Se o quzer, poremos em
commum a sua resignagao e a minha philosophia,
o scu corago puro e ingenuo e a minda experi-
encia, e vejamos se assira ligados podemos ser
felizes.
Laura fitou os olhos em Felippe e conservou so
muda.
Hesita na resposta ? conlnuou elloPor-
que nao segu o meu exemplo ? Falle-me com
egnol franqueza. Se tal como sou, cora as quali-
I dades boas e ms que tenho, lhe nao sirvo para
marido, diga-o. Beeaia acaso que eu lhe fique
rom menos amisade ?
Nao, nao nada disso. Eu nao posso aspi-
rar a maior ventura do que a de conliar-lhc o cui-
dado do meu futuro, porque entregue elle a si,
nada tenho quo receiar. Porm, antes que eu
acceite ou recuse a felcidade que mo ollerece,
mister que lhe faca conhecer um segredoj s
depois de Ih'o declarar_- te decidir jne.
E cr que, sabido de mim esse segredo, as
minhas intengos se modifiquen] ?
Creio.
Pois engana-se.
Como! Enlo sem saber...
Nao diga mais nada. Approvo quo julgue
ser necessario devlarar-me isso a quo chama um
segredo, porque mais rae prava com isso a delica-
deza dos seus sentimenles e a pureza do seu cora-
go, porm eu nada quero saber. De hoje oito
dias, i re ler comsigo ; se a sua mo apenar a mi-
nha, Laura, ser minha esposa, e agradccer-lhe-
hei a conlianga que lhe mereco, por rae querer
confiar a sua sorle.
Dito islo, relirou-se.
Laura seguiu-o com a visla, em quanto o pode
ver, e depois exclamou, chcia de suave emo-
cao :
Que coragao lo nobre I Como elle adivi-
nhou o meu I
Ao mesmo tempo que a conversa, que deixemos
relatada, cstabeleca novas e honestas relages
entre Laura e Felippe, eslavam conversando
n'outrp silio do parque o Sr. de Courtalin e Gu-
lherme Giraud. Dizia este quelle :
Est visto que perdeu a partida, meu caro ;
o que, porm, mais admiro a sua constancia :
depois de perdida a batalha, nao abandona o
campo !
E para que o hei de abandonar ? Nao s nao
o abandono, mas edifico abarracamentos e esta-
belego-mc aqui para sempre.
Oh Isso s o faz um corago heroico !
Corago heroico nao, espirito sagaz sim !
Nao comprebendo. '
Vou ajudalo a coraprehender. A senhora
Sorbier nao gosla do genro que lhe arranjou o Sr.
duTailli.
Ento parcce-lhe.
Tenho toda a certeza. A razo ignoro-a;
porm o que cerlo que o padrinho de Sophia
rombateu a minha candidatura, como costuma-
raos dizer em extylo parlamentar. Ora, so o Sr.
da Treuil desagrada me, e. muito, a filha tam-
bem nao morra de amores por elle.
Assiin ser ; comtud% hasta rao vinle c
quatro hora-s paran rTsofver a accta-lo por ma-
ride.
OS-, de Courtalin cncelfieu os hombros e re-
plicn :
E bastaro tres mezes para o perder com-
pletamente no conceito della. O amor que ella
Ibe tem semelha-se a uma fogneir de palha : bas-
ta que eu Mi.- lance umorvalbo de lisonjas e ah o
temos apagado.
Que Lovelarc que o meu amigo !
Ora, Sorbier tem niilhoes de seu e a filha
encantadora.
Adoravel !
Ku tenho trnia e seis annos c eslou testa
da einpreza de minas de Auvcrgno : logo, lenho
todo o direlto de fazer a corte filha e de nao des-
presar os niliioes do pae. Quanto aqui I lo, tenho
lempo para esperar occasio propicia ; mas, como
industrial, careen de apilaos, que me hablitem
a langar no ocano da bolsa o chumbo argentfero
das. minas de Saint-Flavien. Por consequencia,
nao me dou por vencido ; e, por meio de uma linda
de conduela moderada, em (pie farei transpasecer
a melancola de nm corago contristado, obterei
amigos dentro da praca.
Qua diplmala i
E' mister que alguem pague ajoraba derro-
ta, e sao os Srs. Sorbier e de Treuil qTte^a ho de
pagar. Eis-aqni, tem n meu amigo asmSespor
que persisto em me llcar no campo : approva-as ?
Completamente.
Ento vamos assignar as escriptaras de ca-
samento.
Dito isto, entraran) ambos no salo, onde j es-
lava reunida a eompanhla.
D'ahi a una hora eslava assignda a escriptura
de casamento de Mauricio de Treuil com made-
zias de vezes ao dia !..". Quo labvrintho I que
tropel de cuidados Ceios de pessoas a receber ;
milharcs de visitas a pagar ; um sem numero de
indagages a fazer I... Deixei enancas, encontr
senboras ; outras, que licaram solleiras, acho-as
casadas Que louga lista de escndalos na minha
ausencia !... E, por cumulo de desgraca. estou de
lulo por um primo, com quem eu cunta va para me
narrar as novidades !... E' auditor do conselho
de estado, serviu-me de gazetas vinle e oito annos;
ataldava as suissas cora urna graga I c agora
nho dar com elle casado l... E os morios !
da hontem fui correr procurar uma amiga,
vivia na na Verneuil, e disseram-me que I
agora no cemitero de Pre-Lachaise I '
nao estou era mira I Era lourinba e alep
um rouxinol Oh horrorosa a facliu..-
que se morre !... Parece qne por ca
uma molestia que os mdicos ha pouo rf*
ram... Ora digam-me, contar* '-
este invern ?
Oh'-Silh,.
vetando-se urna pausa u._____ .
bem dizer alguma cousa.
Pois eu ainda hei de ver. Em na. j
prazer. Se fosse a dar ouvidos ao meu gosto, bar-
liansava-ine... nem mo vesta ; mas, emfira,mis-
ter e que nos sacrifiquemos pelos outros. Que
seriadas pobres modistas, se nao livesseraos com-
palxio deltas ? A minha fez-rae dez vestidos de
passeio, que sao dez verdadeiras maravilhas : eu
Id'os mostrarci. Mas sao muito simples; moire,
velludo egracs, lodos guarnecidos a rendas. As-
sm mesmo, lizeram dastante sensaco nos Campos
Elysios. A duqueza de Brcourt qur mandar fazer
iguaes para ella... Condecora esta querida du-
queza ?
Nao, mas lenho uma amiga que muito
amiga della, respondeu rom audacia a. SorbV,
sem que al ento tivesse ouvido pronunciar
aquelle nome. ^
E uma senhora completa. Olios lindsimos;
muito espirituosa. A sua casa uma das mais
agradaveis de Paris. Se quizerem, apresenta-las-
hei a ella.
Se queremos Aceitamos com muito rero-
nheci ment.
Com tudo, nao quereriamos abusar da sua
bondade, replicou Sophia, cujo roracao ingenuo
palpilava s com a idea de ser apresentada em ca-
sa de uma duqueza.
Abusar Nao diga sso, mn. cara ; a du-
queza eeu somos dous corpos com Vma s alma.
Admira que nao nos vissem a amo?'
embaxada ingleza. Nao me deixou i
le ; e porque eu eslava incommo''-
tambem ella nao quiz dancar... Qi
Deus Sempre bailes !... Se '
que de Bolonha, pens que mor,
eostuma montar cavallo ?
Har vezes, respondeu Soplm
na sua vida andar cavallo.
Havenios de dar alguns passe;
O visconde de Blangv quem me
deroj euliroempr ... ., ..u-lle-
elle nao ha perigos. ,^rts ,,i0 solTri su
nyeis, porem fiujiie acostumando, e ag.
nbanceiras -como o melhor cavalleiro. Tambem
titos eostuma acompanhar o pequeo Fireville c o
Sr. de Marvejols...
O Sr. de Marvejols ? perguntou Agatha, a
quem este nome recordava confusas lemb..*
Elle nao se chamma Gulherme ?
E' verdade ; assiin se chamava outr'ora, res-
pondeu a Sra. de Villcaux, com um sorriso, mas
fui eu que t rhrismei: de Gulherme fiz William ;
muito mais bonito.
Ah I 'oSr. Gui... quero dizer, o Sr. William.
e seu conhecido ?
no baile da
.^.aa a nou-
de um p,
uligas, meu
>e e
Laura inclnou a cabega, sem responder. Nunca
slragao
amisade.
O Sr. de Treuil lem-lbc muita amisade, mi-
nha filha, continuou Agalha Sorbier. Apenas elle
soubo a desgraga que lhe succedeu, quiz leva-la
paca sua casa, islo para a nossa, visto que elle
vera viver comnosco.
En sei quanto o Sr. de Treuil bondoso, res-
ponden Laura, cujo corago palpilava violenta-
mente.
Porm nao conveniente para si, minha fi-
lha, que, nova e formosa como viva junto de dous
de Sophia e foi sosnha internar-se no parqne. Che- es|*osos jovens, sem ler com elles gru aJfum de
gada que foi ao um sitio sombro, cabiu junto de pare,"1Pc?- .* 4
umaarvore e deixou correr as ^m^^^^^^^^^^^^^
fio. Olhou tara o dedo onde rivera a opala e Bem o sei, minha filha, bem o sei; e por
exclamou: isso que, fazendo-lbe eu comprehender a inconve-
Oh! meu annel! mea querido annel I niencia de semelhante projecto, sabia de antemio
O sacrificio quoconsummra exhaurira-lhc as B*!*!*!^' Forera a n.ioba_Sopha
m u junara iiinr o teclado prelo e branco do de casamento de Mauricio
meu piano, depois da perda irreparavcl da crea- moisella Sophia Sorbier.
tura que ueste mundo mais me eslmava, indi- Passados quatro dias foi
-disse ellaparece uma sentir grande inclinag per Agalha, e/por con- co de corago ressequidoe dura." Liillw'weInaMagdalenl^e n'esft ino^W^Strttram OS
t artuhe smnr. ioom scquencia, desconfiava de lana demonslraco de > --------*.....-'--------*
olhos uma surpreza, qne rae pouco favoravel, e lnovos para a Italia,
vejo que se contrista de encontrar no corago de
uraa mulher esla apparente iusensibilidade. Diga,
nao verdade ?
Felippe, depois.de pensar breve espago, respon-
deu :
Admirei-me, confesso-o, mas eonhege-a mui-
que consumraara exnaunra-inc as ,em por si uma ainlsade verdadeira, e" fflig.a-s
forgas, mas sahiu vencedor o seo animo varo- toda, so tivesse de separar-se da sua amiga
nil. Elevou a cabega, banhou a fronte e os olhos Laura.
na lmpida agua de uma fonte, L. .euair-se T Eu ,a"lbem nic nao afflgirei menos, e, com-
companhia. Uido, reconhego que e indispensavel a nossa sepa-
Mauricio que nao a tinha ainda visle, foi
encontr da donzella.
^k-*.*..* ., *dedo, SJEB&Vt&'BA!?,
-ragao.
jo EHgana-se minda querida Laura : pens ter
W desroberto um meie, que, slisfazenrlo es impuiaos
SElNDA PARTE.
Vil
Sao passados seis mezes.
Mauricio e Sophia vi vem no palacete cora os
Sorbier.
Os noivos viajaran) pela Italia, sos a principio,
to i)tm, e enro estou rerto de que so um mol- depois acoinpanbados dos paes de Sophia, quo nao
vo serio e mu poderoso aobriga a obrar d'essej podoram resistir por mais de seis semanas s sau-
" r.i dades quo senlam pela filha.
(Mingada -replicou Laura, apenando a mao Vo I tarara todos Pranga depois de haverem de-
de Ielippo as suas palavras provain-uie .pie me morado em aples a mor parte do lempo
estima, e en rareco lano de o acreditar, sobrelu- A familia Sorbier recolheu-se da terra classlca
donoslaonasiao! Querque lhe diga? Ha annos .lasarles cora impressoes de viagen de especie
que estou habituada a Intar contra a desgraca. diversa.
Sdil e"a. ""' UT' {? ? n,es,no ,|1"' i"'voro Sori,itr no|ou n"e Roma oceupava uma rea
.icoulada pelo vendaval, dblenle e tonio a elevar quasiegual da Beatuie o muito propria para ex-
ite. As lagrimas ohainam por mais lagri- plorares agrcolas.
putarae.
i
mas e amollerem a quem as verle, tirando-lhe as-
sm as forgas de que carece para arrosiar ooni o
infortunio. Ainda sou joven, e, todava, j apren-
d na escola do soffrimento a vencer as tenden-
cias do corago. Nao me deixo conjugar pela mo-
lancolia, que tantas doguras nos causa, mas do-
guras traigoeiras, que nos enervara, cansara e on-
rraip.eccji. Limpo, pois, os odos e corro s rai-
"^"^CSSMterias. Os pesares nao me sa-
bem dpToragao, verdade ; mas, embalados pelo
trabalao, l licam dormindo ou pelo menos dormi-
tando. \S aos felices dado condecerem os mvs-
I teriosos>praaeres que as lagrimas produzem,
A mulher o que mais admiran foi a quantidade
extraordinaria de tecidos inglezes, popelins, cam-
braias c brctaohss, quo viu venda om Leorne.
Qnanto a Sophia, o qne mais lhe prenden a at-
tenco foi uma danga napolitana, que se propfie a
introduzir nos sUloes de Paris, onde deve fazer di-
tineta figura a par da redowa.
O palacio sent-se anda daedegada recente dos
seus habitantes : mallas e calzas nas ante-safas e
corredores; os ntoveis ainda cobertos; os lustres
com saceos do gaxo.
Os rcrem-r.liegados tratam de se accommodac ;
reina desordem por toda a parte e cm ludo.
E' a minda sombra. Se cu Ibe der
crdito, tem por mim uma paixo louca... isto
diverte-me : onde cu eslou, esl elle. Quando nao
pode vr-rae escreve-me; osramlheleschovem-n.e
em casa ; mas, a proposite de William, eu conheco
um mancebo que a adora, minha cara.
A mira ? perguntou Sophia, fazendo-se en-
carnada como uma roma.
Ah I cora Est lindo Ento cerlo?
Assevero-lhe...
- ^'ao negu, meu anjo! Elle cenfessou-mo.
Anda hontem me fallou elle de si, minha amiga.
E com que phrases !... E' um deputado... amigo
do Sr. Marvejols...
Ah exclamou a Sra. de Treuil.
Que magnfico ah I Mademoiselle Plessv, ac-
triz da Comedia Franceza, daria bom dinhei'ro s
por esse ah I S as ingenuas de primeira classe
os podem assim pronunciar com tanta hvpocrisia.
Valha-me Deus. minha chara Matliilde ; iu-
ro-lhe... '
Oh nao jure. *>orquc jurara falso E de
que serve nega-lo ? E que peccado ha nisso ? Se
o Sr. de Courlaln a ama, que que isso prona >
Que elle tem muito bom gosto. Digno fora elle de
censura, se, tendo-a condecido, Ide nao tivesse af-
fegao.
Sophia langou os odos para um espeldo collo-
cado em frente della e concluiu que a Sra. de Vit-
teaux tinha razao.
Tenho d do Sr. de Courtalin, coilado con-
tinuou a Sra. de V.tteatix, creio que elle a amava
anda antes do seu casamento. Depois. para a e>-
quecer, langou-se na lolitica. mas iiopode bani-ia
do coragao. Desde que soube da sua vinda da lla-
na, nunca mais teve socego, semelha uraa alma
errante... Rfae, minda cara ?... E razao tem.
E bom que essa horrorosa raga de horaens solTra
tambera alguns tormentos. Desde que conhec o
Sr. de Vitteaux, aborrego-os, abominos sem ex-
cepgo Parece-me que, se todos cn>s se langas-
sem aos meus ps, cu os doixara morrer sem me
compadecer nem de mu s delles. Pensara osta
senhores que nos fazem alio favor era nos am;
Se somos lindas, nossa a culpa ? Se o soim o
prove to nosso ; devenios nsar e abusar da i ;-
sa fonnosura, e assim o farcinos ambas, se o Aii-
zer, minha querida ami *a. Tenho c na callega
grandes projectos para esle invern... Ha vemos
de visiiar-nos lodos os dias I Da ra Godot-de-
Manroy a ra de Anjou-Saint-Honor sao douspas- '
sos. As minhas Manios s sexlas-reiras sao mui-
to coneorridas... ambas nos fareinoss honTa.->da
casa e exigirei que todas as minhas amigas ametn
a minha especialissima amiga Sophia; se nao o '
fizerem assim, fico e mal com todas ellas.
Oh I minha chara Matliilde !... '.. "
I
(Cmttiuvar-tr-ha.)
PERNAMBl'O.- 1-Y^ ug V
, -xj .-.



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZZ7DGGBM_4Z60H2 INGEST_TIME 2013-08-28T01:21:17Z PACKAGE AA00011611_10280
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES