Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10279


This item is only available as the following downloads:


Full Text
^
#J
ANUO XXXIX NUMERO 299.

Por tres nezes a dianta dos 5)000
JPtr (res nezes vencidos 6JO00

V^JHUl 1 UXlll V A/JJ I/AJCJUIUI/MV A/i *tfV'V*
ii
Por anno adiantado.....49$00O
Porte para o subscriptor. 3|00
DIARIO DE PERNAMBUCO.

i
ENCARRBGADOS DA SUBSCRIPCAO NO NORTE
Panhyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima 5
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracatv,
Sr. A de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Josa de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
EljcARREGACdSr-I>X' Sl-BSCRIPCAO NO SUL
Ajagas, o Sr. Claudino Falcio Dias; Baha, o
Sr. Jos Martins Al ves; Rio de Janeiro, osrs. Pe-
reira Martins & Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
setxtas-foiras.
Santo Aniao, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruaru',
Altinho e Garanhuns as lerdas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro. Rrejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaralu', Cabrob,
Boa Yista, Ouricury e Exu as quartas feiras.
SermhaVm, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
*ros, Agua Preta e Pimenteiras as quinta* feiras.
Ilha de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao /, da.
EPHEMERrDES DO MEZ DE DEZEMBRO.
3 Quarto mlng. as 8 h., 49 m. e J s. da m.
iO Loa nova a* i h., 29 m. e SO s. da t.
17 Quarfo rese, as 0 b., 20 m. e 32 s. da m.
24 La cheia as 11 b., 13 m. e 14 s. da t
PREA1AR DE HOJE.
Primeira as 7 horas e 42 minutos da raanhaa
Segunda as 8 horas e 6 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEUIOS.
Para 6 sal at Alagas a 5 e 25; para o norte at"
a Granja 7 e 22 de cada mez; para Peinando nos
dias 14 dos mezesdejan, marc., maio, juf, set enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipucos as 6 A, 7, 7 Vj, 8 e
8 >/i da m.; de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jabeato s 6 '/i da m.; do Caxang e Vanea s 7
da m.; de Bemtiea s 8 da m.
Do Recife : para o Apipucos s 3 '/,, 4, 4 '/*, 4 '/2,
5, 5 Vj. 6 Vi e 6 da tarde; para Olinda s 7 da
manha e 4 /, da tarde; para Jaboafao a.- 4 da tar-
de ; para Cachang e Vanea s 4 Vi da tarde; para
Bemfica s 4 da tarde.
I AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
I Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relelo: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quinta s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civei : tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde
DIAS DA SEMANA.
28. Segunda. Ss. Castor, Cesario, Agapio mm.
2. Terca. Ss. Trono, Primo mm.
30. Quarta. S. Sabinob. ni.; S.JAnisiob. ni.
[31. Quinta. S. Silvestre p. m.; S. Zotico m.
1. Sexta, cga Circumciso do Senhor.
2. Sahbado. S. Isidoro b. ; S. Argeo m.
3. Domingo. S. Aprigio b. de Bja.
ASSIGNA-SE
no Recife, em a livraria da praca da Independencia'
ns. 6 e 8, dos proprietarios Manod Figueiroa ik
Faria A Filho.
AVINO
Estando a terminar o crvente anuo, ro-
gamos aos nossos assignantes que esto em
atrazo para com a subscripeo do nosso
i
favor que tobomensejo Ihesdeu para urna satisfa- Irte da imprensa ingiera, que comtudo rtocou- Este importante servico norm acha-se heie anrnm- chamadas a fazer sacriflc* detorriMH
!!**?** a Pensar que a d-mora no fiara jamis no feliz soltado des expediente, ciado pela barbad pXffiorf Ru^JEta- pre^eranc.aTfcr? moral
Vem talvez anda a proposito-fallar uesta oc-
J
tavel desses dous ministros. O conde de Lavradio,
i ministro de Portugal nesta corte, contina ausente
I>KlQ, queiram mandar sati-sfazer pelo pre- daqui; epor esse motivo nenhum andamento tem
po estipulado, isto 6#000 por trimestre t'do o projecto de mediacao que cl-rei de Portugal
Vencido. Egiialmente prevenimos aquel- derecera Gra Bretanha e ao Brasil.
le que quizerem deixar de assignar que sd, -A- ^hUca *eral da EuroPa- e a excessiva espe-
restabelecimento de nonas relaces polticas com Chegan-se a dar como quasi certa a reirada do vendo"autorisado ebombarde ato de Km
este governo sobretodo devida ao carcter intra- conde ftonell do ministerio, altribuindo-se a este sem justa causa revoltn nrmente wKro*
tave desses dniK mnislrrw rnn. Ha l.vriHIn m nktrn vistnni a .__s. j________ ...... .., lc,unuu novameoie aqueiie-pwo
ministro vistas oppostas a reuniao de um congres- susceptivel contra as ranas estrangeirs. A m-
so contra a maioria do ministerio de que elle faz prensa tem altamente increpado este grave erro
1 4 ... _., d? ministerio PalmerstoB Russell, e alea Asso-
a publicacao oflicial daquella correspondencia ciacao dos amigos da Paz acaba de dirigir urna
era porem manifestar que o governo da rainha stipplra rainha. afim de que sua magestade re-
velo
o estivera de
modo algum em desaccordo na
Horaria p 8 da tirara da ... laie,,e ne.s,es u|,'mos annos lem reinado as quella questao, indo pelo "contrarioam daquillo Palmerston
w tnrarta n. btffla prafa da Indepen- clanes flnanceiras, tem contribuido para a crise que por prudec
ae.ncta, que se fizem as diversas altera- em que se acha os mercados monetarios da Euro- mendado.
fres qtur de entradas e sabidas, quer de j)a- Em Paris- Hamburgo, Frankfort. Turin e so-
transferencas de residencias, nao se achan-'
do
visados
que sua mage
irove esse acto tao_ brbaro do governo de lord
, mas nao provavd que esses proles-
ncia a opimao publica havia recom- tos pruduzam resultado algum favoravel, quando
. MTto que essa poltica fora previamente appro-
a imprensa ingleza tem unnimemente appro- vada pelo chefn do estado visto como taes decides
aqu, a Uxa do descont tem suhido enor- vado a poltica do gabinete nesta emergencia, em- sao sempre tomadas com' o ronheciment do nri-
.memento, sendo a do banco 8 V Receia-se mes- bora algumas folhas hajam condemnado o modo meiro ..sSmh ^i KKatal
ossos cau-eiros eempregados auto-, mo que va alm desse termo, visto como o pedido rude porque lord Russell exprimi as vistas dogo- estadedesse norae n ^ fmnerioZlLSto e c^a e
o tomar essas notas. Os Srs. cor- anda forte, e algumas transacees tiveram i verno brilannico nessa queslo. de maiTdTrento e LSa mil P
respndenos dos assignantes, de fura da ci-' og?r a 9 V 1>ara Brasil foi lirada do banco de
dauee provincia sao tambem prevenidos de > !SS^uTtJSTS^llS^i
que aevem mandar satisfazer aos respecti-
vos importes ateo fim do corrente mez.
casiao dos tratados de 1815.
O imperador dos Francezes admilte no ponto
de vista pratica a forra obrigatoria de muitos pon-
tos desse tratados, e governo de Sua Magestade
tambem admilte que certas partes desses actos fo-
ram modificadas ou esqueeidas e que oufias par-
tes esta actaalmente amoscadas ou em discus-
so.
O govern de Sua Magestade infere das ex-
pliea^oes dadas ao Sr. Drouyirde Lhuys, quina
opiniao do govorno do imperador k para todos evi-
dente que-ha muflas questoes nao resolvidas e que
Taes surta m :
Oconliiclonn Pbonadeve prolongar-se muito i a'niainentos ^"Europa!
e cto de opmioes, ver-se-hia talvez que as sprecia-
oes do governo de -ua magestade nao Merem
notavelincnte das do imperador dos francezes.
Porm se a simples manifeslagao de opntde e
votos nao pode producir nenhum resultado positi-
vo, parece evideufe que as deliberacoes de um
eragresso eonsisram em preten^es e podido
apresentados por uns e repelidos por oulros e
corno nao haveria em emelliam'e assembla ne-
Dhmna auturidade suprema, para tornar executo
ras as decisoes da maioria ; a congresso havia de
provawehnente separar-se derxando'mufos dus seus
membrt mais mal dkpostos entre s o que ante
da sua primeira reuniao.
Ora se tal deve ser a consequencia provawl
do congresi proposlo, segue-se que nao sera na-
tural que se podesse effect'uar urna reduc{5> dos
PARTE QFFICIAL.
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 34 de dezembro de-1863.
Offlcio ao inspector da thesouraria de fazenda.
Ao alferes do 7. hatalhao de infantaria Jesuino
Deocleciano de Souza Bruno, que vai commandar
o destacamento de Nazareth mande V. S. ajustar
conlas at o fim do corftrtte mez.
gado aquello ponto, que denota assaz a crise que governo ten, em,o asi* grande^eS ^.^ mem7^Vler ^ um" .ZitoJSeK
n m;..-i a ..- 7 J*' hao -e ,.e?a"l a v,K,ar dt ')(;rl0 os tra" ron,ra a vida de um outro subdito da rainha, o
ISo mercado de Liverpool o n9Sso alpodao tem balhos de urna tao importante reuniao, afim de que mesmo escndalo hade repetir-se
mais ?
A Dinamarca deve estar em guerra com a
Allemanha e as nac/ies queoutr'ora tomaram parte
na discussao deste assumpto devem ficar indiffe-
rentes a ella ?
A anarchia deve continuar a reinar
| O Sr. Dronj n de Lhuys record'a urna prcywfa
, ferft por lord Cfarendon, em urna das ultimas9ses-
' sOes do congresso de Paris. Mas ogoVerno de .na
magestade considera essa piosla como lend !t-
do porfim remetter para os boas oflicius de una
inglez I E' deste modo que lord Palmerston firma gir a todo o instante a mustio do oriente ? eSZSEkZE**
salvados ; mas afora o recurso d'um protesto bem
cabido, a sua posicao ser a da mais perfeita neu- o seu famoso principio e"que"um'suMU''r'i'tan"
libra, e o da Baha 26 1|2 d. por libra.
As acedes da estrada de ferro do Recife ficam
* 17, 18; as da Babia a S 17 3|4; e as de S.
Paulo com o premio de 1.
Os nossos fundos de 5 por cento a 99; e os de
4 1|2 por cento a 87 1|2 ex-dividendo.
O novo emprestimo acha-se com S 2 a 1 1|2
de descont, devido ao pnico geral que tem rei-
nado no Stock-Exchange nestes ltimos lempos.
Os proprios consolidados inglezes 3 por cento tem pos'sam surgir, afim de melhor protegero seu coin- sado": "o Dremio"do oiro firaraa47 .v's" e'do cam-
por esse motivo baixado a 90 1,2, e a renda fran- mercio, cujo desenvolvimento para este povo, sem ; bio sobre esta uraca aT6
ceza J por cento a 66 fr. 90. distincio de governantes e governados, o ponto O exercito do Potomac ermanacia inactivo em
rahdade, flcando-lhe sempre livre a acgo de in- nico pode proclamar Civis Romanas sum.
tervir quando assim convenha a sua poltica de re- O marechal Forey chegou a Lisboa no dia 1- do
miado egosmo Com eflcito as actuaes circums- corrente, de regresso do Mxico. Depois de al-
lnelas, dispondo d um poder naval immenso e guns dias de demora nessa capital seguir para a
achando-se extraordinariamente defendida, a Ingla- Franca, onde j esperado
trra tem todo inleresse em manter sua neutralida- j As noticias dos Estados-Unidos, por via de Nova
das graves comp_lica(5es polticas que j York, chegam at 26 de novembro prximo pas
de no meio
questao _.
A Italia e a Austria1 deven sempre conservar-

por cento garantidos 101.
NesU ultima quinzena seguiram
Unido para diversos portos do Brasil
teifo afim de que Ibes d o conveniente destino de-
pois de inspeccionados. Communicou-se ao Dr.
chefo de polica.
Dito ao director das obras publicas.Pode Vmc, navios*:
ndar layrar o termo de recebimento definitivo! De Liverpool TheTownof-, Liverpool (26)
das obras do 10. e 11. leos da estrada do norte, para Pernambuco.
deste Rein-
os seguiotes
do genera
potencias acerca da sua maior
no mundo ; mas hoje parece ha ver afrouxado nes- desses dous corpos de' exercito
se proposito de certo porque esta colhendoos fruc- ( No Tennessee, o general Grant ti vera um forte
* ;?,. P# ICa" i encontr com os confederados sb o coramando
tv^X,^^^^^! lf."!!!!* i d0.'eneral Bragg, fazendo-ll.es cinco mil prisio-
(mpreza Mamede) como pede em seu offlcio de
hontem sob n. 261, que lira assim respondido.
Dito ao conselho de compras navaes. Approvo
os contratos que o conselho de compras navaes, *
segundo declaren em seu offlcio do 21 do corrente,'
offeetuou com diversas pessoas para o forneci-!
ment no trimestre de Janeiro a mareo do anno!
prximo vindourp, de vveres, dietas, e outros
(injertes de consumo aos navios da armada e es-
tabelecimentos de marinha, tudo de conformidade '
com o termo que veio annexo ao citado offlcio,'
o governo bntannico, noreste nao haver accedido neiros e tomando-llies mudas pecas de artilliari
i?---- impera al)0leaon ; Es,a vi>ria Ihe cusan porm mais de quinhenlos
____ ^.: ,*fpAn'aod eva nos jornaes de Paris, o congres- homens entre morios e feridos. As tropas fede-
, (2b) para Pernambuco. ; so ten sempre lugar, havendo o governo francez raes conlinuavam a manarse em Knoxvlle a-
De Liverpool Tnumpho (26, para o Man- recebido ja respostas'afflrmativas d^ todos os gabi- chando si o fnTulgo a distancta dss^
w. ^ i netes menos aquelle que tica mencionado. Atllr- tas tem sido as neruiwiai A mnnrru rifmuna
De Liverpoo -Costerio., (27) pan a a Bahia. I ma-se at que o papa" o sultao, rei da Suecia, o ultimr oainzlna ^tnuanKimT^sl a*
De l.verpeo .Artistic, (28) pan Pernambuco. da Dinamarca, o da Grecia, o da Italia, o da Bel-' 3 teKl cntZH^
Do Brasil chegaram a Inglaterra : gica e a rainha de Hespanha, comparecerlo nesse Cem3E,0 um do partklw se nao alhaf coin
Ka Bahia %Sm (S%? ^Th bnlhan.e areepago. o' orculo das Tulherias nao plHamS"'Zido pTma* TSESL
Da Baha .Tarante., (2) a Elyde. fallou anda, depois da recusa que a Inglaterra ac- bem aproveitadas \.
Lupid, (2) a Liverpool. na de .dar ; mas nao tardar a faze-lo, logo que no At lioie a incela dos peneram onwicanos tem
foi apresentade sua ma- 1 drjaneiro prximo tiver de dirig.r-sc como de inteiram^ntenSo
De Cardiff Adrin
Do Para
No dia 2 do corrente
rainha no c inde costme s grandes corponc5es do" estado e pan
que anpunciar a realisacao ou a
detendo o mesmo conselho remetter a thesouraria Roepslonff, enviado do re da Dinamarca enearre- enlao se espera
a>: fazenda copia dos referidos contratos.Com-: pado do molificar a elevacSo desse soberano no desistencia da grande ideia aue ver Ca-
n.uii.cou-se ao inspector da thesouraria de fa-. throno dinamarquez. ^ so da .borlara do corpo legislativo. Presenle-
,'f- ia i, u p conde Russell assistia a essa audiencia, teado mente sua magestade imperial se acha em Comp*;-
Dilo a cmara municipal do Bu.que.Respon-, a honra de apresentar em seguida aquella mesma ne onde cereadolda sua rte e de numerososonvi-
dendo ao offlcio de 9 do corrente, em que a cama- augusta senhora, o principe de La Tour d'Auver- vas se diverte dando brilhantes cacadas e outros
ra municipal do Biuque consulta se e ncompati-. gne, novo embaixador francez nesU corte. divertmentos. Os embaixadorcs da Inglaterra Bus-
yel o cargo de colleclor que nessa villa exerce- Sua magestade rainha permanece anda na- sia, Prussia e Austria "
Jos Lesar de Vasconcelos Jnior, com o de agen-! quella residencia real.mas seguir brevemente para vidados.
te docorreio e destribuidor e partidor, tenho a di- (Osborne, onde se demorar todava pouco lempo. Neste
zer que em vista da doutrin? do aviso do ministe-, O prncipe e a urinceza de Galles acham-se actual-
rio da justiea de 21 de nutul.ro de 1861, sao com
efleitd inrompativeis senielhantes cargos.
Dito ad*juia.munieipal da 1.* vara.Remello
Vn.c. para terem o conveniente destino as guias
dos sentenciados indicados na rclacao junta, os ;
qnaes vieram do presidie de Fernando no hiate
Sergipano c vapor Jaguaribe segundo com-
momcou-me o eomn.andante do mesmo presidio
em oflicios de 18 e 20 do corrente.
Portara.O presidente da provincia attenden-
du ao que requereu o juiz municipal e de orphos
do tei njji-'1') Pao d'Alho bacharel Emigdio Mar-
qt>^ i lieeaca cpi "iciinentos, na forma da lei para
tratar uTsua sade.
Dia 26
_ Pintara.O presidente da provincia attendendo
M que requereu o Dr. Pedro Dornellas Pessoa,
Jnii'dico do hospital Pedro II, e tendo em vista as
informaeoes ministradas pelo provedor da Santa
Casa de Misericordia e inspector da thesouraria
^prilvinrial, resolve de conformidade, com a lei n.
863 de 6 de maio deste anno, aposenta-lo com o
ordenado correspondente ao lempo de servico que
lia prestado. Communicou-se ao provedor da
Santa Can de Misericordia.
** Mandi.ti-se passar guia ao alferes Joao Pereira
tiuedes de Araujn, que pertinceu ao balalhao n.
19 d
visto ter elle transferido a sua residencia para a
provincia da Parahyba.
Ao capillo do 1. balalhao de arlilharia An-
tonio Jos da Silva do Brasil, o o alferes do 1."
balalhao de infantaria Jos Guilherme Gnimaraes
ambos da guarda nacional lio municipio do Recife
concedeu-se passagem para a lista de
seren aggregados aos corpos que
designados pelo respectivo commandante
vislo terem sido considerados incapazes
active em in.-|"reao de sade.
Despachos dos dias 23 t 21 de dezembro
de 18C3.
Requertmentos.
Antonio Jorge Lopes dos Sanios. Passe pa-
tente.
Antonio Jos de ?ouza.Prove o snpplieante
tr-se destinguido no ensino.
Alexandre Barbosa da Silva Jnior.Informe o
Sr. juiz municipal do termo de Cabrob.
Bacharel Emigdio Marques Santiago. Passc
portara coneedendoa licenca pedida.
J.> .quiui Jos da Costa. Informe o Sr. director
das obras publicas.
Manoel unes Vianna. Opportunamente ser
attenlido.
Rufino Manoel da Cruz Cousseiro Informe o
Sr. inspector da thesouraria provincial.
mente en. Frogmorc, parto de Windsor, e ah ti- selha o gabinete deLondres a s'ustenur o tratado
de 1852 que garanti ao principe
gridade da cora da Dinamarca.
) o valor dos bravos soldlos
que elles rommandam. <"
Charleston mantinha-se sempri* c.onjn o ceno;
a 20 de novembro o forte Stmtrn rejpua anda.
DIARIO DE PERNAMBUCO
Temos vista cartas e jornaes da Europa dos
continua a ES? fo1 lK,rta(lor vaI)r %*M MaqdaleiM, com
encontrar numerosas sympathias, e' a impresa acn- rf? :. d: .Ha,n'"r?0 > A* 7, de Londres 8,
liguram no numero dos con-
paiz a questao dinamarqueza
se em attitude hostil ?
A occupaeo de Boma! r
deve perpetuar-se indefinidamente ?
O giverno do imperador establece anda es-
te quesito : devenios ante de novas tentativas
conciliatorias, renunciar a esperanca de alliviar o
encargo imposto s nacijes da Europa pelos arma-
nientos exeessivos, quealimentam1 o sentimentode
desconflanea reciproca ?
Sao estas na verdade as prineipaes questoes
que perturban! ou ameacam a paz dn Europa -, mas
ha oulra questao que, segundo o governo de Sua
Mage>tade, serve de base a todas as outras, e a
seguinle :
O cougresso geral dos estados europeas pode
com effeito resolver em sentido pacifico-o diver-
sos pontos em litigio ?
Eis a verdadeira questao que importa' aos go-
vernos dos difterentes estados considerar seria e
alternamente.
O governo de Sua Magestade pensa que existe
urna consideraco maior, que deve levar-nos > urna
concluso.
Depois da iruerra que desolou a Allemanha,
de 1619 1649, e depois das lulas successivas que
affligiram o continente europeu de 1793 1815,
foi possivel repartir os territorios e definir os di-
reitos por intermedio de um congresso, porque as
nafoes da Europa esiavam fatigadas de carnificina
e exhaustas pelos encargos da guerra, e porque as
naeoes que se manirn) em congresso, tinham, por
effeito das circumstancias, os meios de fazer exe-
cutar as suas decisoes.
Mas hoje, depois de urna longa paz, nenhuma
potem-ia i-star disposta a ceder territorio ao qual
tem direito em virtude de um tratado, ou a fespei-
to do qual pode invocar a posse.
Por exemplo, entre as questSes cima men-
cionadas como perturbando ou ameacando a Euro-
pa, as duas mais inquietadoras sao a da Polonia e
a da Italia.
Examinemos o estado actual
e vejamos
do Porto 11 e de Lisboa i:t do corrente. i Examinemos o estado actual destas questdes,
carao at o regresso da rainha de Osborne a esse de 1852que garantio~aoprinc7i>e~Ch stiano VinTe"-1 Nas pares r.ePecl,vas enecntraro os letores a 5.^* ,** Pvvel que um congresso possa
* .:...J. J. -?_,'.',u,"r?" nVnm coir,!Sl,",'iC'a de Londres e;as noticias commer-, daN,h,ef sollltao pacifica.
csm nn Hamhniwn n..r i..r,.,.., ..a., r.^.j^.. .i.. I Pelo que resucita Polonia, a questao nao e
casleilo.
O principe
e a prineeza real da Russia tem pro-
naeocs, evitanlo cuida-
trearamse por obter da
questao dos DucadosV O ^DmTte'b'^iunc^ parece TtVEfSSLV J"***- I ^^XS^Sl^^ftSSSiS^
aconselhar o rei Chri^tiana a revsi-ar i ronstiini- T corpo 'efe'tslativo francez coneluio a verih- -"lopiasse proviaencias de nalurtza reparadora
caan dos poderes. Das duas ultimas eleices qne I e essas Mv*? consegu.ram a i.romessa,
uninadas, una foi approvada
e a oulra, a do stimo circulo do
ver e de Saxe, alm m^^f >,,.iri, h,> i uone.nao i. considerada valida.
ral de que estao j encarregados os res do Hano-: SKifc,'"
ver e de Saxe, alm do imperador d'Austria e do no^i?^. B2S**>da
rei de Prussia que prestaram um forte corno de re- Jt T 'fd ",orte m-uimiu toda a sessao. De-
i"1" n velatorio da coinimssao
longado a sua viagem neste pao, parecendo que
desejam neste momento estar retirados da capital
da Prussia, onde el-rei Guilherme contina a re-
presentar um papel comprometedor para a dy-
nastia Hohenzollern.
A gazeta de Londres acaba de publicar acor- aconseinar o re uinstiane a re vagar
respoinlencia offleial havida entre este governo e cao recentemente promulgada na parte relativa ao ^v"1" UU5- i'Vueius-
o francez por occasiao da proposia do imperador Holstein,} no intuito de impedir a execuco fede- ,,,, ai,,Ua ser ,,x:l
Napoleao relativa a um congresso europeu.
N'um prximo despacho o conde Russell infor-
ma lord Cowley, embaixador da Inglaterra em
Paris, de que sua magestade a rainha recebera
urna carta autographa do imperador naquelle sen-
tido, a qual seria tomada pela rainha na devida
consideraco, se bem que sua magestade houves-
se, antes de responde-la, de submette-la aos con-
selheros da cora. Posteriormente esse ministro
escreveu ao mesmo embaixador assignalando o
vago da proposta imperial, afim de como infor-
n.ar-se do programma que previamente deveria
ser concerlado para regular os tra bal los do pro-
jectado congresso. Finalmente em 2o de novem-
bro prximo passado.o conde Russell dirigi o seu
ultimo despacho a este respeilo, annunciando ao
serva.
pois de lido o reaionoda commissao que apresen-
, tava valida a elcico, o marqnez de Havincourt
rn, *? S,fCdfra1, ,,as fln?es Ci'cu(msta"cias> | Proferio um discurso apresentamlo urna minuciosa
i complicado o conflicto dao- informacao dos factos. O commissark) do governo
infantaria da guarda nacional de Nazareth, | embaixador de sua magestade britannica era Pa
tornara ainda
ajlemao pela circumstann da preteneo do prin-
cipe de Augoustemburg: cesseraconvnienteque
a Inglaterra busca resaivar.
A Austria e a Prussia tem oficialmente declara-
do que respeitaro o tratado de Londres de 1852,
una vez que o re da Dinamarca satisfaca seus com-
promissos para com os Ducados ; e comquanto se
nao apposesseni recente suspensao do enviado di-
namarquez no seio da diate federal, nao reconhe-
ceram lodavia, como algumas potencias secunda-
re.' 1 '\ A 11.. i > > -. i. :.'. **_.__,. ..________ti i
Mr. Vernier, debalde tenloa modificar. [>or algu-
mas explicaces, a rapresso que causara na c-
mara o discurso de Mr. de Havincourt. Proce-
deu-se votacao e foram regeitadas as conclusoes
da commissao.
Segundo o Moniteur, na ex|K)sicao do estado fi-
nanceroapresentada pelo ministro Fould, aj.pare-
ceoconjuncto dos dficits, o qual se eleva a 972
milhoes, sondo portanto necessario fazer um em-
prestimo de 300 milhoes que se empregar na con-
sodaeao dos bonds do thesouro.
As despezas do Mxico elevar-se-lo no fim de
muitas
vezes renovada, de que tanto que a insurrecao
fosse reprimida, recorrera clemencia e coici-
liaeao.
Haver alguma vantagem em reiterar, em no-
me de um congresso, representacoes que j se f-
zeram com tao pouco xito f
E' provavel que um congresso possa assegu-
rar Polonia condieoes mais favoraveis sem oem-
prego combinado da forca ?
Gracas sua superoridade militar e inllexi-
vel saverdada, a Russia faz grandes esforcos para
a represso dos insurgentes.
E' provavel que a Russia no orgulho da forca
conceda o que recusou nos primeiros dias de des-
animo? Querer crear urna Polonia independenle
pelo simples pedido de um congresso "
So nao quizer. nao restari em perspectiva se
congr^ss geral.
.Nao podendo pois entrever a prolbilidad de
i resultados propicios de que se lisongeou o uipera-
' dor dos fr;mcezes qiatd propoz o congresso, o'
governo de sua magestade cedendo a- fortes con--*
viecoes e depois de madura dliberacac-; encntra-
se na impossiMIiddc de aceitar o convite de'sua-'-
agesLide imperial.
a Tenho a honra, etc. Russell.
* P S.Queira entregar urna copia da present
ora ao Sr. Urouyn de Lhuys. .
Af resposta dos soberanos da Russia, Saxonia e'
Wuttemberg foram publicadas no Moniteur.
O czar mostra-se favoravel ao aecrdo das po-
tencis e deseja o desarmamenlo' geral; mas de
opima que para ebegar a reunir-se o congresso,
se torn indispensavl que Xapotu indique as
questoes que se ho de examinar, o as bases do
accrdo que se ha de cstabeleeer.
L'm despacho particular ade Berne assegura que
o conselho-federal resolveu azfrr-sc representar no
congresso, em testera unho do seu agradec ment
pelo convite que Ihe foi' dirigido, manifestando aq
mesmo tempo a confianea que tem, de que conti-
nuar a ser garantida a nenlrlidid suissa.
A resposta que o rei da-Pfuuia deu ao baro de
Talleyrand na audiencia ddhvO, quando este ul-
timo Ihe entregou a carta de convite de imperador
Napoleao III, nao foi seguida, como se disse, de
urna carta particular do rei' ao imperador. El-rei
contentou-se em manifestar a conviego em que
.eetde que um congresso nao- pedera ter resulta-
do favoravel, se as potencias urimeiramente nao
enlrarem em um aecrdo sobro as questoes que all
se devem tratar, e sobre as principaes solucoes.
El-rei reforcou a sua argumentacao alludindo ao
congresso do Francfort. Foi est resposta verbal
do re que Mr. Bismark coiiiiniiiiica ao condu de
Goltz, assim como aos agentes diplmalas da Prus-
sia no estrangeiro
Em Inglaterra houve ltimamente um grande
meeting a favor da Polonia. Nessa occasiao adep-
taram-se e foram votadas as seguintes resolucoe :
!. Na opiniao do meeting a nica origem do
poder legitimo reside no povo; julgamos firme-
mente e declaramos que a Polonia; pela sua histo-
ria escripia com o sangue dos seus filhos, tem da-
do tantas provas de sua nacionalidade, que qual-
quer dominacao, por urna potencia estrangeira,
constitu! a mais injustilicaveJ das usurpaeoes e
contraria aos direitos nacionaes dos polacos, as-
sim como aos direitos das gentea
2.' Nos operarios, manifestamos a nossa profun
da e ardente sympathia peles sorimentos dos po-
lacos, c appellainos ardenleinente para o governo
afim de que de accordo com as outras potencias da
Europa, empregue todos os meios justiticaveis que
pode ditar o sentimento da siu justiea e de sua
nobre humauidade, para dar %. Poterna a sua inde-
pendencia e assun consolidara pada Europa.
3.' O meeting approva cor-dralmcnte o objecto
da liga nacional que trata de eslabelecer a inde-
pendencia da Polonia tt representa ao governo que
justo satisfazer s exigencias dos insurgentes
polacos reconhecendo o seu direito de belligeranle,.
e recusando qualquer sanecao-s pretences do
para a Austria, nem pa-
czar sobre a Polonia.
Qualquer destes quesitos foi rocebdo pela con-
currencia no meio do enlhusiasmo. Todos mani-
festavamo seu sentimento pela.causa de um pavo
ns, para nuc
Soposiaiml.HarSs0 ssEBBSi jJSssssssS^ ^^r\^^^^m^^^^.
despacho, nao aceitando mesmo en, principio a ES*JSS aSOSi^Sfi^ ?***W q-o erapres.i,
idea de um congresso suggendo pelo imperador. ,_i........?.! ;._, t"_"p-"" ut-a
prestuao mexica-
EXTERIOR.
|'OHHKNPOU.\E\(i.l DO ll V-
I1IO IK l'KHVtTIItl .
i.o\i>iti:%.
Londres, 8 de dezembro.
O Oneid, que ehegou de Southampton na ma-
nlia do primeiro do corrente, trouxe-nos a mala
do Brasil do mez prximo passado,sendo a corres-
pondencia distribuida no decurso daqu^lle dia. Ne-
nhuma noticia poltica de importancia acerca do
imperio foi aqui publicada,havendo alguns jornaes
ja referido em tempo o que publicara a Gazeta Of-
fni'il do Brasil respeilo do nosso conflicto com
este governo. o publico inglez identificou-se neste
particular com o governo imperial, apreciando
bellamente o escrpulo deste em nao fazer obra
por urna mediacao que est imperfetamente aceita
jalo gabi Hele de Londres, e j por vezes tem ma-
nifestado a conveniencia de que o governo britan-
nico d o primeiro passo para com o governo im-
perial : mas o orgulho desmedido dos ministros
Palmerston e Russell contina a embaraear urna
reronciliacao qualquer entre esses dous governos,
visto como esses dous estadistas nao querera con-
fi respeta o conflicto anglo-brasileiro. Sempro disse
quenada confi#a nesses ministros, anda quando
teve lugar a tenca do rei dos Belgas em nosso
anictc
ilifa
i
uc sua magesiaue oriianiuca em ra- r;a4 ,i, ----^^, r" m ',., _j-j .
tuc este communicasse ao gabinete ^^SS^SSSStlSJr>nUM
i o governo brilannico declinava a l\V^TAiUl^.^!m^.________,
li
. impor jnotraziao reembolso deste dteitT mas'apezar"da
iiioralmente a Confedeneao germnica ; masa^In- conlianca que Ihe inspira o iraraediaiorotabeleci-
- ment de um governo regular no Mxico, julga
que a Franca nao deve fazer depender a seguran-
, ca da sua fazenda, da liquidaco da divida mexi-
. cana,
cueao federal. n ., _
A situacao todava grave, porque o re Chris-', ^r'''!"^' r^10 d Mr. Fould
tiano tem nos ducados mais de trrata mil homens "%Ki'd ?*}a* a ')az da EuroPa nao na de
com os quaes pretende oppr-sc entrada das tropas n r i ?"?a' ,. .
allemaes, qualquer que seja o pretexto com oue ,_.? ra^moJr-"al. d?clar que o boato que circu-
ropa.
Declinando o convite imperial, o ministro dos
negocios estrangeiros da Graa-Bi-ctanha, comquan-
to reconhecesse a boa fe com que o imperador Na-
poleo busca urna solucao pacifica para as graves ^'^^^o^JZ^'Xil'Z^. lou da demi'ssao dt ,ord
questoes polticas que agitara a Europa, pronun- pMhn,^ l fundamento,
ciou-se pela ineficacia desse expediente atienden-
do '
(USputvuv.tito van svMiyanf ctbhp uivmuoo i|nw SOIIU*
toes. Borona
Quem acreditar que a Russia vira a resolver V" momento
favoravelmcnte n'um congresso a crise porque es- noljCa
t passando a Polonia, quando at boje tem resis
nao tem o menor
ciou-se pela ineficacia desse expediente atienden- .,.,. ') __. ,.
lo a posico parcial em que se achara as prraci- mh*l?^ 'ae^n-cumtanc.as a guerra pode O governo inglez recusou tomar parte no
[.aes potencias em relaco a essas u.esmas ques- lZ?Lt,1 ^ aD0 nor,e d Eurap:''. sendo ('2e congresso proposlo pela Franca.
u(.s. semeltianle estado de cousas pde em perigo a paz da o Morniny-Post diz a este respailo o seguinle :
une quer ser livre, e nuc Dar conseguir este lira
nao a hurail.acao para a Europa ou a guerra com : o t|,(n po|,pad() 'SiC}lci^ K
ssia. ... O correspondente do Times eraVarsovia foi ex-
As potencias que nao estao preparadas para, |g0 d d fi
coucorrer cora as despezas e seguir as aventuras i s u'.,jm desnichos da Phufnla annnnei ..n a
SfsS-dKiSrS "ein desejar sub,rahirt,n-1 ^XZS^miatiS.SZS'S
! os russos. O conde pe'rtencia a.urna das mais il-
i lustres familias do Posnama (ducado de Posen) e
represenlava com um grande numero dos seos
da.insurrecao, aquella
todos os esforcos que se
. tem feito para a germanisar, conserva ainda o seu.
lar o povo polaco com maiores rigores, surg rao cancU.r noiaco -<-u.
Sl^ISSft q?6 ped,rA'). "0V0 exarae- mas 'ue Foi um dos primeiroscampeoes da causa uto-
Europa.
Pde-se accrescentar que estamos verdadera-
mente n'um periodo de transigi. Se a insurre-
Elnro 11nc,'d VerSe"-a enlc *2 SS P688*8 d0 compatriotas nas filoiras
imperador la Russia sao realisadas. Se a revolu-; DroYWla UP nnesar de i
cao nao for vencida, ou se para o conseguir se tra- 'T "^'' "C ^1
mesmo deparo no> jornaes a
telegraphica de Compenhague, annunci-
ando que n'um conselho de ministros presedido
^'qtroTa Snieria so.vida de melhor s~ a ******
modo, quando o governo da rainha nao ignora que Urna tal situacao poltica pois gravissima, Un-
tada pela
augmenta de-
E-^t
- ,_..-----_.------------.------------__-----, ....m..^,, ya, n v un UU tlleme Ulll COnSelhl)
de Roma, e mesmo dos Principados Danubianos de ministros em Windsor sb a presidencia de
quetao perlo toca a questao do Oriente, quem bo- sua magestade a rainha, no qual o governo or- Iaos quesitos que estabeleceu, nao se demorar em
na fide din que ellas seriara praticamente resol- tannico tomar provavelmente urna seria resolu- responder definitivamente a carta que o imperador
vidas por esse projectado congresso t cao acerca da decisao cora que o governo dina-!dos Francezes dirigi rainha, convidando-apara
' potencias europeas
peito o segrate
Os ministros da rainha nao julgaram conve-
niente aconselhar a Sua Magestade que se fizesse
representar n'um congresso que considera como
urna utopia.
Eis a resposta da Inglaterra :
O conde Russell ao conde de Cromwell, em-
baixador inglez era Paris.Foreing-Offlce, 25 de
novembro.
t Mylord.O governo de Sua Magostado rece-
beu do Sr. marquez de Cadorc copia da nota diri-
gida a este ultimo pelo Sr. Drouyn de Lhuys, em
resposta que eu escrevera V. Exc. era 12 deste
mez.
O governo de Sua Magestade obtendo resposta
caria de convi-
te do imperador i rainha, a qual carta seinelhan-
te que apparecera no Moniteur e fra dirigida
confedeneao germnica.
nJ ^I.1n'',,!?,SaaM^^de reconh^e Plena-1 Ainda lieste case aS deliberaces:do "congresso
SKKSftSE r-LiSr2ft.fi! -riara rapdam^a *%*&* i"Wo
contrario para receiar que as potencias nelle re-1 caso deixar, o governo da India, porquanto o seu era diversas partes da Europa, e de es
presentadas venham a separar-se com grande res- estado de sade, abalado pela presente grave en- Paz 8eral ein ,,:iscs mais solidas que a
sentimento, o que aggravaria mais a situacao que fenndade, Ihe nao permittia continuar a vivcr bre as quaes, na sua opiuiao, asse
desamparara os direitos do papa; e a questao do ver de ser adoptada esseconselho desudo'.
Oriente sena novamenle ventilada a pretexto da Tem nesla capital feito grande sensacao a noti-
siiuagao poltica dos Principados. Ora, em taes cia da grave enfermidade de lord Elgin, governa-
circumstancias, nao e de esperar que de um con- dor geral da India. Suppde-se mesmo que a esta
gresso onde ligurarao partes com interesses op-' hora aquelle digno funceionario tenha deixado de ,
postes resulte a pacifieacao desejada, sendo pelo asistir, pois Acara em artigo de morte. Em todo Francezes lera de por termo a agitaco que reina
tabelecer a
aquellas so
, assenla actual-
se busca remediar. Demais um congresso que naquile clima. Sir J. Lavorence foi nomeado para mente-
nao viesse previamente a concertar os meies de substitui-lo, e este escofia tem merecido geral ap- imperador declara que a Franca desinte-
executar suas resolucSe?, cquivaleria a bem pouca provaco. ressada na questao; quo nao procura pelo que Ihe
rousa; pelo que ainda o governo brilannico en- j Lord Elgin tem prestado eminentes servieos ao diz respeilo, nenhum engrandecimenlo, e que os
tenda dever declinar o convite que em nome do seu paiz em missdes remolas, havendo oceupado os interesses a defender sao, nao os da Franca, mas
imperador Ihe fra feito. Alludindo nos tratados postes de governador do Canad, de embaixador da Europa.
de 1815, o conde Russell sustentou que sbbreelles inglez por duas vezes na China e urna no Japao, e O governo de Sua Mairestade pode tambem de
repon alada o edificio poltico da Europa. | finalmente de governador geral da India. Por oc- elarar que a Gra-Bretanha desnUeressada n
Quando ha das escrevi a minha ultima missiva casiao da relinda de lord Canning, o conde El- assumpto ; que nao procura nenhum engrandeci-
a opiniao corrente aqu era que este gabinete acei- gin foi nomeado contn sua vontade pan tao alte ment, e que s Ihe cumpre aconselUar a modera-
lana o convite do imperador Napoleao, urna vez posto, deixando vago o lugar do ministro dos cor- cao e a paz
que sua magesiade imperial formulasse previa-! reios que oceupava no ministerio Palmerstoa No Mas a Franca e a Gra-Bretanha sendo deste
mente um programma sobre o qual todava a Japao esse hbil diplmala se-ube alcancar para o modo desinteressadas, devem coro tudo considerar
Graa-Bretanha dara a sua opiniao. Neste sent- seu paiz condieoes mu favoraveis, e eongraear a qual a posicao, e qual ser n'um congresso o pro-
do se havia tambem pronunciado orna importante m vontado daquella naeao contra os estrangeiros-: cedimento provavel das nacoes que possam ser
Na verdade para temer que as questSes que
surgein tolos os dias e refleclein os variado suc-
cessos do momento, dem occasiao a discussoes fri-
volas, em vez de serem assumpto de deliberacoes
com carcter de ulilidade publica, no seio de um
congresso de viole ou trinla representantes, que
nao reconhecero nenhuma autoridade suprema,
nem se hmitaroa
Tomou umapar-
e a sua morte
regras de accao determinadas.
ftBPaS a "S: T* N^^eortoMe SmTmmS^SZ d"a Tnsurce^o
novas difieuldades. Propor-se-ha era primeiro lu-1 a imi)essibtidad ZZL Xni jffi
gar, saccionar por um novo tratado o estado acta
dante de campo de Langiewitz.
le nolavel em muitos combates,
urna perda para o movimento.
Urna proclamaeao do governo nacional publica-
da em Varsovia, desmente o boato espalhado pe-
los Russs, para mostrar, que as autoridades na-
cionaes dorara ordem aas-insurgentes para (tapl-
as armas.
A proclamafo declara que a salvacao da.causa
est nicamente na continuaco da lucia. Mostra
. e
a impessibilidade em.tfie se veem os Russos de
de ,^se da peninsula? O papa eos soberanos apa- :%^' a nao ^to assassinato o pela pi-
O Wandree de Vienna diz que na Lthuama Sa..
rentados cora os principes destituidos pederio, de
um lado, oppr-se a dar ao rei da Italia um titulo
que Ihe recusaram at hoje, de outro lado, o rei de
Italia oppr-se-ha de certo a um aecrdo que pa-
reca prohibir-lhe, ao menos implcitamente, a pos-
se de Roma e Veneza.
Mas tem a intencao de pedir a Austria, no
seio do congresso, que renuncie a posse de Veneza ?
O governo de sua magestade tem boas razes
para acreditar que nenhum representante da Aus-
tria assistira a urna asseinWa onde- semethante
proposta fosse discutida
O governo est informado que sesemelhante
projecto fosse previamente annuneiado, a Austria
recusara tomar parto no congresso ; e que se o
magicia, e nos palatinados d Podlaehia, SauuV
nier e de Lubl'u, os camponezes lomara cada vez.
urna parte mais activa na insurrecao. Fonuam,
depsitos e exeKttain-se nas manobras militaras.
No palatinad de Plock, os Insurgentes estiu.reu-
nidos era numera-de tres rail, son o commaado.de
Dubois e de evriek.
No distristo de Souza estao 1,500 s crdtns de
Brandt.
O numero das mulleres que em dez dias tem si-
do presa&em Varsovia per tnjarenv hielo, sobe-
a 987.
Urna orvespendeacia de Varsovia publicada,
assumpto se apresmosse sem previa notifleacao, o! pels czar, conta que no dia 28 se paesenceanv alia
ministro da Austria se retirara da assemhl.; uina nova execueo polilica.
le-1 O raartyr en um joven de i\ annos, Mr. Pio-
lo ou trowskj, que as autoridades mossovitas acensavam
le
de guerra.
< Ser possjvel reunir um congresso e convidar
para elle um representante da Italia, sem discutir
a situacao de Voiieza f O imperador seria o pri-
meiro a reconhecer a impossibildade de evitar a
discussao.
t Quanto. AHeraanha e Dinamarca verdade
que muitas potencias da Europa sao interessadas
Deesa questao; mas o concurso da Hespanha, de pedido deste, pan soecorror e animar a infeliz se
Portugal, da Italia e da Turqua nao parece anxi-' nhora.
liar unwsoluio satisfactoria; ese pelo que res-] Depois da leitun da sentenca de morte Pi.
peito a Polonia o a liaba nao se prev que so pos- trowski recebeu das maos do eamsco a camisa
sa Bhter um resultado propicio, haveria utilidade fatal, e marchou para o patbulo com passo firme,
en convocar um cougresso geral de todos os esta- conservando sempre a orus nas maos. Por cruel-
*os.da.Euri|pa para encontrar remedio a anarchia dade, ou por dureza do coneao do carrasco, a ago-
na durou dez minutes.
de fazer parte do governo nacional
No cortejo do condemnado not*va-se a soa mfc
e outras senhoras da sua faok'iia. Quando rhegou,
o momento fatal Piotrowsk indinou a cabera co-
mo para dizer o ultimo aiteus a soa mil, que ha-
via perdido os sentidos.
Um religioso da ordem dos Capochinhos, quo
acompauhava o condemnado aftaston-se entao
da Mol* Valachia ?
t So todas estas questoes, as da Polonia, da Ita-
lia, da Dinamarca e dos principados Danubianos,
podessem resolver se por urna simples manifesta-
Foram horriveis os movimentos convulsivos,, o
condemnado nao tinha a corda bem collocada no
pOKOfX
\
i


f
W*4*t


X
fij!""' .iy !;> >.-.-
Diario de PernamJjnco ... Qtiarfa fe|rn 30 de Dfembro de 1968.
t*
E
,jl_
tt*<<]bfeUK-c fUda vez. K(Oro*s- 4ntervlr'fevor-lV< Ifrtftcd doSelfteswlr-Holstem.
A primwra cmara de Dresde, depois de ter dis-
cutido una proposta de Mr. Wolk, resolveu mani-
ta^ satfa<^ com qo soube da declararlo
teita; pelo governo. ,
A niara alta propoz que o governo obrasse a
Vf\r An mniuir.vnnn, JA. j:_
A _
Vi luna mostrado na pHsao nina admira! fl*
mera o nao fura peasivet nrrancar-lhe urna nica
conlissio que compronjeiteje tquahjuer outra
pessoa.
OMornmpVott declara, quenas ultimas semanas
len sido deportado da Polonia 1,600 pessoas. Os favor da manutenco dos direitos de Holstein sobre
olliciaes superiores russos dizent francamente, (roe! 0*5rtTeSwig, e declarou que o povo da Saxonia, e
se procede fcim para despovoar sYstematicamcn-'os seus representantes estavaiu promptos a apoiar
10 i paiz. de qualquor maneira o goverao nesta tarefa, mos-
As pristiese eondemnactJee em Varsovia estao mu no caso em que fosse necessario recorrer
de tal maueira frequentos, que ja se llie nao pres- afcioj extremos.
(a attencao. ..Consta de Berlin que a commissao de Natioaal-
Por ofdem do rotnmissfirio da polica Rydzexvs-' vereien, tomou no dia 24 a resolucao de dirigir
ki, So eonduzidos a um posto de polica para se- un appcllo ao povo alleino.
que partera regularmente de Ver* Gru perleo-j transerovenjos do Jornal do Comraercio o .Dia- acompanhado dos Srs. ministrada ouriuua, vicc-
rentes a este servico. *, rio Offlcjal.. almiraute barao de Tamandar, camarista Martlris
O mesmo navio transportar Franca es milita-1 < Cora datas de Montevideo at 15 e Buenos-' de Almeida e cliefe do corpo de saude da armada.
res do corpo expedicionario, que acabam o servico Ayres 13 do correte, entrou hontera do Rio da embarcou na corveta vapor Nktheroky, onde fei
Este appello, timbrando aos principes a grave
responsabilidade que pesa sobre elles a respeito
da questo Sehlesv ig, convida o povo ai obrar por
si proprio. c excita todos os patriotas a fornecerem
fundos, armas o os raateraes neeessarios, promet-
iendo empregar convenientemente o dinheiro e pe-
dindo que se imponit e que se organise slida-
mente.
O Natienalverein formou para esse fim urna
commissao de sorcorros. Segundo escrevem de
tourgo. A*nda que temos rontianca nos sen'imcn-
tos dos lamburgueaes, e esfieramos que sao dario
ouvidos a estas palavras, nao quizemos deixar de
nos dirigir pela presento a todas as autoridades do
coin o j ducado do Lancmburgo, para que hajam de repri-
mir enrgicamente quaiquer demonstraeo que
possa?er |>rovouada per aquolla proclamaeo.
Diz o Moriiing-Post que a invasao do Holstwn
quaado mesmo se nao esteadesse ao Schleswig pro-
ducira aetualmenle na guerrarom a Dinamarca,
e accrescenta que s* potencias oooideulaes defen-
dera ni a Dinamarca.
O Times reeoHheee expressamente aos duca-
dos de Schlesw e de Holstein o direito de regular; rospusta ao discurso da eoroa.
a quesio da sueoessae, mas cen a coudicao nica em crise.
recorrerao ao auxilio da eonfederacSo
rom acollados todos atracilcs que nao trazem Un-
terna a noite.
Ultimamento um .luden receben trinta aroites
por urna desta contra roncow.
K sabido que Truozyuslvt fura ai'cusaJo pelos
Russos de ter na sua qualidade de tenente coronel
de gendarmera nacional condemnado seu pai
inorte.
A' falsidade desta acfusacao tornou-se evidente
pela scena tacante que honro- entre o pai e o fHho
sobre o patbulo. O pai pedia seu fllho que sal- Gotha, o duque Frederico de Holstein-Schlesvig
vasse a vida prestando juramento de obediencia propoz dieta federal que lomasse medidas para
aorzar, mas sen tiltio responden rom roz firme e proteger os ftinceionarws do ducado, que se recu-
intelligivei : Jncei fidciidade minha patria,hci sam aprestar juraiucMoao rei Christiano I.
de manler ome* Jni-amenroi > O Jnnmal Hebdmada ir orgao official do
Os jornaes -inalezes pubiwou a segninte corres- ducado 4o Lanemnnrfo. pnblica urna, circular di-
pondencia entre Ganbaldi e Vctor Hugo : rgida a todas as autoridades do ducado, eque
< A Mr. Vctor Hugo.Gaprera, fosto de 18W. concebida uestes termos :
t'jHHO amigo.Carecodemais de um niilhaodoes- O gererno sonbe que se espathou no paiz un
pgardas para os It'alianes. Estou corlo de qc proclaniacao impressa, coin data de 16 de novem-
ne querdreis ajudar fiara poder recolher os lun- bro de l, do paco do Dolzic, o que era assignada
ios necessarios. O diriheiro ser depilado na pelo duque Frederico de Schleswig-Wjlstein. Nesso
mo do Sr. Adriano liraari, nosso thesoureiro. documento dwflara o signaterio que toma ogover-
Vosso J. Garih.u.i. no dos ducades de Scbleswig-Holstein, e tambem
* !^o general GarlbaWi-Hautevflto, "Guernc- contm algumas expressoes dirigidas ao Lanem-
sey, W de novembre de 18C3. Charo taf*aldi
l'e^ho oslado ausente ;.este fado fet <-om que ea
TCcbesse larde a rnssl carta, e tarde recewrei
por'consequcncia aminha resposta. l'oders decer
to contar rom o pomo que vatho, e
pouco que possfl l'ma vez que juipacs cou^c-
niente, approvcKarei a primeira occasiao para lc-
Tantar a minha voz. Carecis de um millie do
espingardas : Cunbem vos falta c principalmente o
'milliFio de bracos, milhoes de cor-scoes e milhoes
de almas e earaeis do levantawcnto geral os po-
vs. Isso ha de succeder. Vossa amigo, Yictoh
:Hno.
Os jorr.aes inglezes patve-e quercrere renovar
proposito da Dinamarca, o esino quo pralica-
ram a respeilo da Polonia.
Algun-daquelles jornaes, Trente dos quaes se
nContra o Times, parocom querer impor i.
Franca c dever do intemr H"om as aftnas a favor
dos direitos da Pinaniarca, o SeMesvoig Hols-
tein fbi Invadido ias fiyjpas da Confedcracao
Germnica. F. este exactamente o fTstema qte, a
imprensa inpleza adoptou'quaudo intentou in-
srreico da Polonia.
O tConstilutionW rospondonde *o Trimr diz
3 Dinamarca antigs relacCes de -niisade, O dei-
x tambem de ser certo (pie as tem igualmente
coma Allematitia, sendo-para'respeitar avontade
dos povos, e devende ipesar-multo na balanza o di-
reito das gentes para ^ue a franca adtpte urna
resolucao.
Na Allernanha, as wensagons voladas as cania-
ras dos diffwvmos -estados-; as resolucoes los
niectings ; os appelles aodinhtuo paWico; os alis-
taMenlos, tudo seaprespiita em prrmeiro lugar, ero
manto que o principe Predorleo fl AugUStemJKtrg
nao permanece inactivo.
14 nomeou o sen ministro dos negocios estran-
geiros, c ocoronidPlaf, tomou nlii-namente a rcrcao dos iK-gorios militares. Dircgio-sc taiubcm
dieta paraqnc teme dclMtxude sua protec(;5o os
funecionarios qae se tem recusao a prestar jura-
ment de fedilidad aorei da Dinamarca.
Em diercrrtes pontos organisou-se caixas de
soecorros. Cfriawmenie houvc ema conferencia
militar entro es officiaes generaos e superiores dos
juatro estados qae attes do'a'ecimento do re
estaram encarrilados da oxccui;ao federal nos du-
cados.
A Rnssia estava representada por Mr. Maolke,
chefe do estado maior general, a Austria, polo ge-
neral Kzkowski; o'Hannover polo general Schuli,
c a Saxonia pela majar Brandwistein.
Escrevem de KM que a- eidade est cheiaV
tropas que rene de iodos os pomos. Entre os ha-
bitantes reina a mais viva nnKiiaeao. Diz-se que
estes ltimos mostram grande ndiflerenca |>ele
duque d'AogusteniDurg.
UmaOrden lo ministro da guerra da Dinamar-
ca chama as armas todos es soldados que fazem
parte dos corpos de tropas- n/.ie dovem oeoupar c
Holstein, Scliksr. g.e Jutland Septentrional. Estes
corjios sao t^tos om p de guerra.
lina ordeni do ministro da marinha, determina
o armamontodealguiis navis entre os quaes Dgu-
ram tres fragatas vapor, duas corvetas tambem
a vapor, duas dit;is coura^adas ; oitu canhoneiras
c cinco transportes. 'Esta esquadra deve dirigir-
se para a costa do fflolstoii:.
a Austria o censelho municipal de Vienoa
adopten a propsta, e volou una Dieusagem ao
imperador Francisco Jos, a favor das pretenoei
la Allernanha sobre o Smstein e principe de Ab-
gustereburg.
Os jornaes prussianos peLlicam a diseussao jue
durante tres sessSes -se prcl3ngou na cmara dos
deputados, sobre a -quesillo dos ducados.
A nuiof pane dos oradoras que toniararn parte
naquelle debate pronuncia!am-se com extrema vio-
lencia, nao s contra as protenijoes da Dinamarca,
mas tambera e principalmente contra a poltica
adoptada pelo ministerio, e f;ic foi resumido n'um
discurso de Mr. le Itomatk!
Um desses oradores, Mr. loeoby, que pcrtencia
ao gruji da opposico mais vaneada, chegou a
declarar que se o gaverno Rvesso consultado os vo-
tos e o desojo da uaro, o oxereito prussiano j es-
tara no lerntono dos ducados, o que se a cmara
tirosse cuinpridoo seu dev^r.para com o paiz, te-
lia comecado por taaer urna .aecusagao ao minis-
terio.
Operadores do partido libera! moderado nao so
mostraran) muiut mais favotaveis que o partido
progre. -ista poltica (listera".!!. Pas qoeixas da
oppesieao e das exfilkaooes dagwerno resulta qae
se a Dinamarca niw cumplir foni demora as obri-
gaces oue Ihe sao impostas pelo tratado de Lon-
dres, a l'russia e a Austmia naapodem deixar dse
jnlgar de.lip-i'l.T; rfus coDiprorai^os que contrahi-
.. .-liiaram aquello trado.
Jar. i!v;j ismark declarou na cmara que a Prus-
a Au tria esto de aorordo na questao dos du-
em 31 de dezerabro de 1863.
Os doenies cujo restabelecimento sa pode alean
car no paiz, foram mandados para os deposites de agraco.
convalescentes estabelecidos em Puebla, e Orizaba,
que leen Mas oondicoes hyetenteas.
Os trabamos docannnho d ferro continuam em
adiamntenlo. 0 tracado almde Jalapa j come-
ou e as reparares continuara entre Soledad e
'era Cruz. O marocha! Forey na sua passagem
por esta ultima eidade e antes de embarcar para
Franca destribuio certo numero de condecoraoe>
e medalhas militares aos offteiaes, soldados o en-
fermeiros que mais so distinguiram pela sua dedi-
oacao e obrigaoao, cada qual no postoque lhe fra
designado, no meio das grandes prova^oes da epi-
demia que rai tocando o seu termo.
Ha noticias de Nova-Ycrk que alcancam a 48
de novembro. Forster substituio Burnside.
Em resultado de urna denuncia descobno l.yons
umaeonsplragao formada no Canad, para se apo-
deraren! dos vapores do lago Eri, e para libertar
os prisioneiros confederados.
Os confederados foram arrojados pelos federaos
Prata o paquete fraacez Saintonge,. deixando
aquellas repnblicas n'um estado de ilumnente con-
recebido pela oUlcialidade dos navios da dlviso
do i* dislricto naval : pernoitop Sua MagesUde a
bordo, c s 4 >t horas da manha de 5 seguio bar-
t As negocia^oes enceladas cm Montevideo pelo ra fra a SitherokiL acompaoUado do vapor Ama-
enriado da Repblica ANraSna D. Jos Marmol, zonas.
por causa da violacao do territorio, de que j Km As horas montava Santa Cruz, e segurado en-
noticia os leitores, terminaran1! pelo rorapi monto de tre a ilha Coutuduba e Pao do Assucar. dirigio-so
relaedoi entre os dous governos, tendo-st o orlen- a corveta para o sul com destino a Illia-Grande.
tai recusado a retirar duas notas relativas a esta s. M que nunca abandonara o passadico.observou
luestao que o de Buenos-Arres pilgou olTeasivis. toda a costa at o instante de dar fundo na ensea
uida tiveram os cnsules argentinos ta
iental ordena do seu governo para se re-
sem opposicao.
Estao cortabas as communicacocs cm voita de
Knonville, e parece indubitavel um ataque de-
cisivo.
O general federal Grant derrotou os confedera-
dos commandados porBraggem Chalianaga. Mead
passon o Rapidan sem oppost^ao. Os confederados
em consequencia de sua derrota acham-se em po-
sicao r.miio desfavoravel. Os federaes perseguem
Brapg que ia em retirada depois de ter colindo
7,00 prisioneiros, 60 pojas de arttlharia e multo
material de guerra.
Bunswide conserva as communicacoes de Knou-
ville com Grant.
yo dia 14 bouve cm Rochdalle (Inglaterra) um
meeting em que se acharara raiss Bright e Colfc-
den. Esto ultimo prononofoa um discurso para de-
monstrar a impossibildade em que os confedera-
dos estao de se separar dos Estados-l'nidos.
Tratando depois dasqnestoos europeas pronun-
Em
Banda
tirares.
Ofeverno do Buenos-Arres fortificara a'iWia
de Martin Garca, reunindo ao mesmo tempo alli
mais tropas do que podiam ser necessarias para
guarnece-la; mas anda assiin entenda a < Tribu-
na pie se nao declarara guerra, e smente ae
fariam represalias em navios orienlaes.
Veremos.
da das Palmas, da liba-Grande. A corveta navegou
ao longo da costa, fazendo vela e vapor, na distan-
cia de duas railhas estimadas. s 8horas e 30 mi-
nutos montou a Guaritiba, s 10 horas a lage da
Marambaia, e aos 2o minutos depois do meio dia
den fundo na enscada las Palmas.
Immediatamente emharcou S. M. na sua ga-
leota remos, governada pelo Io lente da corve-
ta Cerqueira Lima, e, acompanhado dos Srs. mi-
nistro da marioha, barao de Tamandar, camaris-
Vem bto complicar anda mais a sitnacao, e ftartins de Almeida e chefe do corpo de saude
ha vendo alli varios e encontrados planos de reor- da armada, desembarcou na praia das Palmas e
ganisacao e reundicao dos diferentes estados pa- drigio-se para a de tLopo Mendes., transpondo
tinos, em pode infelizmente succeder que se tor- com o ardor do sol, que enlao reina va, a elevayo
ne geral a guerra, quereudo cada parcialidade que fica entre estas duas praias, e regressando pa-
aproveltar o ensejo para fazer triumpnar as suas ra bordo s 2 horas e 40 minuto-,
'deas. j c Ao chegar a bordo suspendeu a corveta o se-
D. os; Marmol devia vir agora ao Rio de Ja- guio para a ensoada do Abrahao, onde deu fundo
neiro em misso do governo de Buenos-Ayres. s 3 horas e 5 minutos, encontrando alli o vapor
Na Repblica Argentina, onde toda a vida po- Yjnraiuja. s 5 horas dirigio-se S. M. para trra
litica pareca concenlrar-se momentneamente as com a inesma comitiva ; ali visitou as obras da ca-
eleiijes, para as quaes convergiam lodosos esfor- pella de .\ossa Senhora Apparerida, para cujo au-
jos, nada mais occorrra que possa interossar-nos.' xilio deixou urna boa esniola. s horas e 30 m-
* as provincias remotas, depois da raorle de autos regressou S. M. o Imperador, sendo recebido
Penalosa, pouca importancia se dava a alguns res- na corveta pela ollleialidado da inesma o do vapor
tos de guerrilhas, pertinazmente perseguidos, e
que fcilmente seriara exterminados faliando-lhes
um chefe prestigioso para dar-Ibes unidade de
accao.
No Estado Oriental, pelo contrario, lavrava
cada vez mais funda a discordia no partido do go-
verno.
O senado persi ta em nao admittir os dous
ciou-se contra a rouniao de um congresso; em se- supplentes, que fariam pender a raaioria no sent
guida aecusou o governo britannieo de ter nga- *
nado os Polacos, e irritado os Russos; finalmente
mostrou-se fambem indignado ante a poltica in-
Yljranga. s o llorase i3 minutos da manha de
ti ouibarc ni S. M. com a sua comitiva na galeota
romos o seguio para as enseadas da Estrella i do
Cu, indo as 3 horas e 45 minutos a di vi sao naval
para a primeira dessas enseadas esperar o mesmo
augusto senhor, e alli chegande pairou at que s
7 uoras veio para bordo S. M. e toda a divisad ;
assiin coiiservou-se at o final sacrilicio da missa,
ao qual assistio S. M., o foi celebrado s 8 horas e
gleza no Oriente.
O eoagresso hespanhol debate o projeeto de
O ministerio est
do da actual administracao, e a cmara dos depu- 30 minutos.
lados eslava cora elle era conflicto aborto. A mi- s 9 horas c minutos, terminada a missa,
noria nao concoma s sessoes, nadase fazia, e nao segnio a divisao naval ao longo da Ilha-Grande,
X cado-i i- qu preparara os k-os neoossarios para
levar a oCcito immediatamunlo -a execu^ao fe-
, deral.
A'conimisfao permanente a assoeiaco da Gran-
. le AI lemanita convocou urna assomblta geral para
o propor e votar a seguinte i^solugao :
A associacSo do reino do Hannover declara:
I." Que cUegou o momento de zer valer os
direitos da Allernanha a respeto dos ducados do
Holstein e doSclteswR 5
2.* Que ha moiiw para reeooltecur o duque
le Au(/ustemburga como sohera legitimament
doSolileswigeliuLtein ;
< 3." Que a sanocao dada eca constituicao
dinauarqueza lesatjs direitos da Aiiemanli* e d'os-
tre as obrigafcies <;onlrahidas por alguns princi-
pes allemes.
A associacao exprhnk) com eonfianea a esperan-
za que ,tom de que todvs os principes allemes e
todo o povo allemao considere como o seu mas sa-
grado dover defender e proteger com todas as for-
jas da naco, os direitos da Altemanha sulire o
N'liIcswigjHolstein.
Honre nc dia 22 uina noa asserabla poputor
era Uipsick na sala Odoon, para tratar da uuestao
Schleswig-ItcNtoin. Estaram reuuidas na sala mais
q 1.700 pessoas e por falta de .casa deixou de ser
admiltido mn grande numero.
Depois do dous discursos elo/|tentes dos Ionios
fiiedermaun e Werllie, a asseinbia roten urna pro-
posta declarando que s a linlia masculina pode
succeder no Sclilcewlg-Holslein, que o tratado de
Londres nao poda prejudiear a |uelle direito, que
alen disso, o tratado de Londres tmha perdido a
sua furca obriga loria pela falta de cumpritnento das
proniessas foitas pela Dina ir arca, que por conse-
quencia a linha do Augustemburpo era a nica
herdeira legitima dos ducados de Schleswig c de
Holstein; que estes dous dueados se achavam se-
de que nao
germnica.
Na Dinamarca as juatro ordens que compoem
as cmaras, a nfhra, o clero, a elasse media e o
povo, votaram os rditos pedidos pote governo,
approvande a sua poltica.
Urna aita do Berlin Halla em era incidente
de que se onclae nao haver harnxmia ntreos
mendiros do gabinete. O conde de Entemburgo
declarou ulliuiamente na cmara dos deputados
pie nao -se dar andamento aos processos iutenta-
kis contra os fnncnionar-ios <|ue as eleiedes, vota-
rain a favor des candidatos daopposii^o.
sta declararan mullo dosagradou imprensa
feudal. A 'Correspondencia Provincial, orgao
racial, desmenlio o ministro do reino, e o Sr. de
Btsnwk disso depois na cmara dos senhores que
o governo sabor'faaer disiino;ao entre os funci'io-
aries quese detxaram levar por demasido zelo
pete servico do re, e os que so cumprirara o seu
dever cent m von'tade. No enlanto allirma-se que
a i.'cl.ua>;au lo miuistro do reino se baseava nimia
ordem especial do rei.
Segundo o tratado assignado em Londres a
14 de novembro, as illws Jonias ticam enllocadas
as condiooos de perpetua neutralidade. O art. 3*
estipula que as fortilicsges do corpo sejam demo-
lidas, antes de se retirarem as tropas inglezas. O
art. a" diz que a Wierdade religiosa mantida as
tilias Jonias e que os subditos d*stas ilhasqualquer
que seja a sua rogiao podero exercer cargos pu-
IjIoos, da mosma maneira que no romo da Grecia
Via dos prirauiros actos do novo soberano da
"recia foi protestar contra a divisao adoptada pelo
parlamente prego, contra os amigos ministros do
rei Otbon. O parlamento por corto aeceder aosde-
sejos do rei, inaugurando por urna jnsla separaeito
a era de concordia e de paz que a Grecia espora
do novo reinado.
Carlos de Alhenas do boas noticias acerca o>
estado do paiz a da popularidad; le Jorge I. Este
soberano vai brevemente a Corf, c suppe-se que
se daro on(o manifesta;>es contra as renovas
do. Inglaterra a respeilo das' foi tilicacoes.
Assegura-se que o governo hellenico pedir o
apoio' da Franca na questao das fortificares de
Corf, que a Inglaterra pretende destruir, e que a
Grecia deseja vivamente conservar.
Diz-se que o governo francez recusara envolver-
se neste negocio, allegando que nao Imita lomado
parte na eleicao lo rei Jorge, eleicao de que fura
simples espectador, com quanto tvosse depoisre-
conhecido espontneamente as qualidades do novo
rei. Que a Franca desejava continuar a permane-
cer, relativamente s oloices do governo helleni-
co com o governo britannieo, na mais completa
reserva.
A Grecia, que pensa em organisar o constituir
em bases solidas o seu exercito nacional, paree
que pedir ao governo francez alguns olliciaes pa-
ra instruirein aos seus soldados, e principalmente
um official superior, que podesse auxiliar o gover-
no na tarefa que se propoz de organisar o exercito
hellenico.
Contina a agitaco na Albania. A Porta
nrandou partir Ismail na qualidade especial n"a-
tardaria tal vez o povo a tomar parle na con-
tonda.
A mesma dirisSo que reina no seio dos pode-
res polticos parexia lvrar tambera no exerotto,
J havian chegado Lisboa SS. MM. Hit., cojo commandante ero chefe, o general Medina, so
de volla de em viagem provincia do Minho, recolheu inesperadamente a Montevideo, quoixoso
aps 21 das. i dos chefes seas subordinados.
Fallava-se feralmente em crise ministerial, Fieou o comniando entregue a Servando Go- Reis, em frente da qual deu fundo as 10 horas e
por sahirem os ministros Braancamp,Lobod'Avila! mez, que, dividindo as suas foro as om tres corpos, 59 ntinutos. s 11 e 5 minutos largou a galeota
e Mendos Leal. atravesson o Rio Negro para o norte, para onde com S. M. e sua comitiva, e dirigio-sc para aquel-
As eleijoes munir.ipaes lo Porto foram re- tornara a passar-se com os seus o general Flores. la eidade, onde desembarcou lo minutos depois.
ntidas e disputadas, perdendo afinal o governo. < Pelo paquete brasileiro Gerente, chegado S. M., guiado pelo Sr. Dr. juiz de direito, e
passando as 9 horas e 30 minutos pela igreja ma-
triz, e dirigio-se para a ilha da Saraeura.
s 10 horas e 10 minutos montou a ilha dos
Porcos, edeixaudo-a por bouiburdo navegou com
proa da Francisca, e tendo passado a do Calom-
bo, dando o competente resguardo podra deno-
minada Moleque, fez proa eidade de Angra dos
NOTtClXB COMMrBClXES.
Dos jornaes, que temos viste, extrahimos o
seguinte :
Havre, 6 de dezembrp.
Aigedae.As vendas da semana foram 30,870
balas de diversas qualidades e procedencias.
A importacao conslou de 4,010 balas.
Avallamos o deposito om 6,428 balas.
Assucar.Dejiois da alta que este artigo teve
as precedentes semanas, e das importantes trans-
accOes de que foi objecto, nao admira que tenha
agora pouca sabida, o que lalvez lhe sueceder
por abjura tempo, ainda que pouco.
Liverpool, 8 de dezembro.
Numerario.O banco de Inglaterra em 3 do cor-
rente elevou o descont de 7 por cento (laxa a
tfse o tinham elevado no dia 2 do mesmo) a 8 por
cont. A causa immediata desta etevacao, a gran-
de procura de ouro para exportaeo. Receia-se que
o banco contine a elevar a laxa.
Manehester.Em consequencia da alta do juro
o nosso mercado tem estado menos animado, po-
rm, os precos em geral conservam-se firmes.
boje dos portos do sul, recebemos dalas do Rio acompaulwdo por numerosas pessoas, dlrfgtu-se
Grande at 17 e de Santa Catharina al 18 do cor- matriz, onde fez oraco. e examinou a pia baptis-
1 ente. idsI. u, consistorios do Sacramento e Conceico, e
< De pouco interiJssam as noticias do Rio toda a igreja, sendo receliido polo Rvd. monsenhor
Grande. i>r. Breves, vigano da parochia, o por oulros sa-
< No dia 3 do crrente inaugurou-se na capital cerdotes.
o hsspiclo dos alienados, edificio devido ao zelo o < Depois encaminltou-se para o paco la cmara
esforjos dos roaos da Santa Casa da Miseri- muuicipal, onde foi recebido pelos vereadores, e
cordia. demorando-se pouco tempo sahio e foi at o fim da
O Crrelo do Sul descreve nestes termos eidade, donde vollou, vio a Carioca, e foi exami-
essa solemnidade : nar o convento de S. Bernardo e capella dos ter-
Estando presento o Exm. presidente da pro- ceiros de S. Framasco da Penitencia,
vincia, S. Exc. Rvma. e um numero crescido de Descerni, encaminhou-se pela ra de S. Ber-
outras muitas pessoas, o Sr. Dr. Fagundes, digno nardno e foi entrar na igreja do Carmo e na ca-
provedor da Santa Casa, que teudo comecado a pella dos Terceiros Carmelitas, onde foi recebido
obra debalxo do sua gerencia, teve o prazer de patos irmos da respectiva ordem, indo depois ver
realisa-la, tomou a palavra, e em phrseseloquen- 0 eaavento dos religiosos,
tes demonstrou a necessidade que trabamos de um s. M. dirigio-se ao hospital da Misericordia,
estabelecimento dessa ordem, agradece/ido o ge- onde foi recebido pelo provedor, medico, capelln
neroso concurso que urna obra to til quanto hu-, e mordomos, e visitou as enfermaras; e depois de
raanitaria merecer da philantropia e caridade dos j demorar-se alli algum tempo snbio fortaleza, que
haditantes de nossa provineiae foradeila. aobou em mao estado. Descendo, encarainhou-se
A obra do asylo foi comecada era Janeiro de f p0|a ra do Comraercio, entrou na groja de Santa
Assucar.O mercado est era completa apathia,. 1861, desde os alicerces, tendo de freule 138 pal- Luza, e tomando pelo Cruzeiro, procurou o cae
eos precos baixaram de 2/ a 3/ por 112 Ubras. A mos sobre 70 de fundo ; contm tres andares dos | d0 embarque, onde o esperava a galeoU, que par-
smM desU|iaral\saco no mercado foi o bance quaes o ultimo destinado ao recolltiuionlo das mu-1 to para bordo da corveta 1 hora da tarde, indo
do Inglaterra ter elevado a laxa do descont a 8 Iheres alienadas ficou concluido em dezembro de depois esta para o sul.
or oento. !#62, e para elle passarara treze mulheres ;ose- j Deraorou-se S. M. nesta eidade o curto cspao.o
Algodao.Desde a data da nossa ultima o mor- gundo andar, que e destinado para os alienados do. ,ie 2 horas; mas neste pouco tempo pode pereita-
cado tem estado muito irregular, e m 2 do cor- sexo masculino, concluio-se agora, e para elle sao mente aquilatar o grao de estima e de respeito com
rente quando o banco de Inglaterra elevou ataxa recdjhidos 17 alienados, que existera as antigs ,jUe era acoihido.
a 7 porrillo, o mercado paralysou completamen- recluses; o o Io andar Toi era parte destinado 1 p0r toda a parte era sua presenca saudada
te, sendo as vendas somonte 2,000 fardos. Porni para urna grande enfermarla de invlidos que alli | por gyrandolas, vivas enthusiaslicas sauda;o!S
desde soxla-feira 4 o
est mais
O total do
. mercado tem molborado e se fez, para onde sao agora estes infelizes remov-
firme. As.vendas boje &o a,00& faidos., dos No le V, andar destinados aos alienados de
algodao om ser do todas as qualidades ambos os sexos, existera 4o reclusos ouquartos
3:19,600 fardos centra 410.200 fardos no mesmo espacosos, com bastante luz e ar, alora de um gran-
pertedo de 186. de salo era cada una das enfermaras para osla-
Borracha.O mercado para este genero nao rom em coramum os que forera pacficos.
tem raelhorado. As vendas limitara-se a 27 tone- As folhas do Jaguaro referem o seguinte:
ladas aos seguinles precos : 1/14 pela fina velha,! 01 sargento Leito, do 4o regneuto de ca-
l/10 1(2 a 1/10 :t|4 pela fina nova ; i/8 a 1/10 vallara, foi accomraottido na noite do 1* do cor-
pela mediana; e /2 3|4 pela de eabeea de negro, rente, recebendo um balacn na mo direta;_e na
Cbegaram o Cupid do Para com 10 toneladas e noite de 3 foi tambem aggredido o Sr. capitao do
o i'Aracalv cora 75 toneladas. Fica ra hojeem ser mesmo 4" regiment Francisco Antonio Jacques,
465 toneladas. Em Londres o mercado est muito recebendo um tiro quo felizmente nao lhe accer-
frouxo.
Cacao. Veuderam-se 220 saceos do do Guaya-
quil a 60,6 por 112 libras.
Os precos do algodao regulou :
Pernambucoperf
Bom.........29 d a 29 '/: d
Mediano........27 /id
tara.
.is 2 horas regressou S. M. para bordo, e s 8
lioras sns|iendtu a divisao e senuio em linha le
comboi para o porto de Jeruuiirim, onde deu fun-
do s o lioras da tardo, luimediatamonte erabar-
cou S. M. e dirigio-se trra, onde dsembarcou
pouco depois, demorando-se o lempo necessario
para percorrer os pontos da rosta* a& 7 horas re-
gressou S. M., e as 5 horas da manha do da se-
guinte erabarcou de novo S. M. na galeota, e din-
gio-se para o porto de Arir, acompanhado pelo
chefe Parker, em mn escaler do vapor .lii:oa..
Ahi nao pode S. M. desembarcar por nao haver
fundo sufiicienlepara a galeota, nem haver nenhum
meio de desembarque. Costeou a galeota todas as
enseadas as vizinhaiioas de Arir, regressando s
6 horas. s 6 horas e 40 minutos suspendeu a di-
visao e seguio para O. at chegar em frente da ei-
dade de Mambucaba, passando por fra da ilha do
Ordinario.
Baha:
Bota .
Mediano. .
Ordinario .
piella provincia, sendo acompanhado de urna suf- ; Maranlio :
26 V d a 27 d
27 d 28 d
26 d a 26 '/ d
25 V4 a 26 d
li'.'.ienle Corea de tropas. A Turqua propoo-se en-
viar una nota as potencias contra os armamentos
extraordinarios que a Russia faz, declarando que
esta potencia poderia, como represalia, abrir os
Dardanellos s potencias onentaes.
Dizcni d'lrez que os Beduinos das immedia-
ooes de Mona roubaram os chefes. Radaina, a
quem se tinha julgado niorto, foi salvo pelos seus
criados.
O correio de Soulhampton trouxe noticia do
Mxico de 26 de oulubro e de Vera-Cruz de 1 de
novembro. A approxiinacao destas duas datas bein
indica j a rapidez das rommunica;oes entre estes
dous pontos, ainda ha pouco mui separados en-
tre si. 0 raovimenlo da concentracao das tropas
em vista las prximas operacoes no interior, sa-
via comecado.
29 /2 d a 30
* '/, d a M
No dia VS de oulubro o 20" batalhao de cacado-! ia|,ja e Mace i :
i Fibra longa.
Alcntara......
Itapieur .... .
Caxias.......
1 Maquina 1 :
Bom........
Mediano.......
Ordinario......
Os do assucar foram
Por 112 :
llianco........
Louro.........
Mascavado.......
Pernambuco :
Hranro ........
IiOiiro..........25/6
Mascavado........22/0 a 25/0
27 V d a 28 d
28 '/., d a 29 d
27 V* d
27 '/i d a 27 /2 d
26/0 a 30/0
25/6
21/6 a 25/0
26/0 a 30/0
As autoridades tomaram as devidas providen-
cias para prevenirem a continaaco de tantos e
to repetidos alternados, mas nao haviara anda
descobci lo os assassinos que tentarara contra o
sargento Leito, nem lio pouco o aggressor do ca- Algodao ; navegou rumo magntico de ESE. a
pitao Jacques. passar entre a ilha do Raymundo 0. ponta do Aoi-
j Grassava a secca com muita inlensidade em pno> e dirigise a entrada do .ibiaho, onde fun-
S. Leopoldo, e j liaba causado consideraveis es- (iOu as 16 horas da manha- Largou pouco de-
i tragos as planlacoes. i pois um esealer com os Srs. commandante de cor-
Fora suspeuso o escrivo de orpbos da cida- veta e 1 lente Martins, com deslino ao illiote do
de do Rio-Grande, em virtude de achar-se com as Abraho, alim de collpcarem um alvo de 6 ps
1 suas faculdades iutellecluaes em estado anormal, quadrados e determimarem com preciso a distan-
segundo o parecer dos mdicos que o exami- ca do mesmo ilhete corveta, dando o calculo 681
nara. bracas, para onde devera dirgir-se a artilhara a
L-se no Mercantil de Porto Alegre: fazer o exeroioo ordenado por S. M.
Os leitores devem lembrar-se de termos noti- Havendo regressado o escaler tocou-se a re-
ciado que o Sr. Dr. Pereira da Rocha, incorporador bate, tendo-se previamente passado nina regeira,
da companhia hydraulica desta eidade, mandara. ap,m de apresontar-se teda a artilliaria de estbor-
| aprontar na xarqueada do Sr. Dr. Chaves, de Pe- do ao alvo. Em 4 m'nutos se achara o navio
Iotas, algumas barricas de carne por um methodo prompto para combate, e com a devida permis-ao
simples. de S. M. deu-se comeco ao exercicio com bala ra-
Algumas dolas foram abertas no Ro-Grande, sa, atirando quatro pc^as raiadas, duas de calibre
passados oito mezes, e a carne foi adiada no me- 70 e duas de 30.
Ihor estado. t Oexeicioio foi dirigido pelo commandante em
Per este vapor chega-nos a noticia de que o, geral, e particularmente pelos olliciaes encarrega-
mesmo doutor mandou abrir em Pars outras bar- dos da batera. Diversas balas feriram a pedra
ricas que tinha reservado para urna experiencia
ros a n, o 1 osqnadro do 2o regiment sob as or-
4ens de um tenente-eoronel, c duas sec;5cs la 1*
jalara do 9a regiment de artilhara se dirigiram
Toluca : no dia 19 a divisan media parti de Pa-
chuca para Tula ; no dia 21, o general L'Heriller
se poz em marcha para Tejuxi; Del Ria, com o 1
liatalho de eacadores a p, o 2 le zuavos, nma
divisao do 12 de eacadores a cavado, duas bala-
ras de artilhara, a companhia de artfices engo-
nheiros e os empregados do servido administrativo
da divisao. Finalmente no dia4 sahiram para To-
luca dous batalhaes, dous esquadrdes, urna bataria
e os depsitos da divisao Mrquez.
Comtudo o commandante era chefe nao eslava
dispoeto a lomar a oflensira antes dos primeiros :
dus de noA-embro; quera, antes de manhSa ter
tudo disposto para o bom xito
O commando do Mxico devia ser confiado ao
general Neigra, tendo ob as suas ordens 3,500 ho-
mens de todas as arma.'.
Branco.........26A1 a 30/0
I^uro..........25/6
Mascavado........21/0 a 25/0
Lisboa, 12 do dezembro.
Agurdente.Este artigo durante a quinzena
linda esteve em completa apathia.
Iniporlarani-se 110 mesmo periodo 190 pipas pelo
vapor inglez Rokely, procedente de Glasgow
mais completa.
t Para o acto foramconvocados alguns mdicos e
chimicos enja opinio foi em extremo favoravel a
carne, pois declararan!: 1 Achar-se a carne em per-
feito estado de conservacao, denotando poder durar
muito tempo, ter a eflr e sabor agradaveis, e prefen-
vcl as carnes de porco proparadas, das quaes fazem
os operarios em Franca grande uso.
O conloado destas barricas linha ja passado
dous estos, um aqu, outro em Franca.
< O resultado satisfactorio desta experiencia d
10'barris'pelo Ville de Lisbenne, de S. Nazai- esperanzas ao Sr. Dr. Rocha, de que o nosso xarque
re; 40 pipas pelo Lara, de Londres ; 223 pelo Porque em difinltiva a preparacao a mesma, p-
Excclsior de Glasgow. | do ser ntroduzido em Pars e nos ceiros fa-
Algodao. Importaram-se 174 fardos pelo vapor lris da Franca com vantagens para os exporta
de Liverpool.
inglez iBraganza.
Venderam-se 6 saccas do "do Maranhao a 5tW
rs. e 35 fardos da India a 440 rs.
Fioam existindo 270 fardos do da India, pelo
qual pedem os possuidores os precos cima indi-
cados.
Assucar,Apenas se importaran! na quinzcaa 6
barricas pelo vapor Braganca, de Liverpool, e 7 j
pelo cLara de Londres.
As compras que houve para o consumo no refe-!
dores.
Faltam-nos smente um pouco mais de activi-
dade, e um pouco monos de desanimo.
Teve lugar no eemitorio da capital a exhuma-
ao dos restos mortaos do virtuoso conego Thom
,uiz de Abovedo, os quaes foram transportados em
urna urna para um dos ngulos do mesmo cemilo-
rio, celebrando-se nssa occasio um officio f-
nebre.
Esse acto religioso foi realisado por delibera-
As proximidades da .capital e seus arredores
foram fornicadas de modo que podessera ser def- ^pSK n^^ dnl^^to Mserirordfa ra
fundidas I-r l-^a ^n. _K, ^00^^,5,,^, ^f^'^^dV mmo Taifas transScCa^1m veSeracao a raemor do i Ilustre finado.
do entre o Mexiee e Nova Cruz, lizeram-se tambem
obras de defensa; e aquelle ponto deve ser Deca-
pado pela contra guerrilhado coronel Dopin, re-
forgado por diversos destacamentos, afinfde pro-
toger-se a oonimunieacao com o tloral Miatra os
bandos immipos, e cobrir os irabalhos dos cami-
nhoa do ferro.
Jalapa foi nceupado a 23 de oulubro por 100
i.omons das tropas alliadas, sob e commando do
general mexicano Sceaga. que deve conservar ao
mesmo tempo Perote, e Puente Nacional, com suas
forra!, compoetas de i batalhes de infamara, 4
pecas de arlilheria, i esquadrdes e 1 desucamen-
to de artfices.
Para proteger a estrada do Mxico Vera Cruz
com a menor forca possivel, e sem entre si afiastar
reduzido o numero dos
muias lropa6, foi reduzido o numero dos postes
oceupades, e dada solida guarnicSo aos postos con-
parados de fado e de direito da Dinamarca, e que servados, Ix'in como respoitavel armamento, e for-
esta separacao absoluta ora a nico meio effeotiva- necidos os de reserva de viveros e municSes.
mente, de ptjr ternto opproso inaudita exercida O estado sanitario rnntiniia a ser bom nos pla-
conlra a nacionalidade alloma nos ducados, e ga- nos elevados. Em Vera Cruz reina a mais com-
rantir a seguranca e poder da Allemanha. pleta ordem na eidade: a febre amarella quasi se
El-re do Hannover recebeu pessoalntento a de- extingui, asslm como as Trras Quemes, e a mc-
putacio dos collegios mimk-i|aos que tinham sido or ioteusidade do mal parece annunciar a na
encarregados de Iheentiegara mensagem a favor prxima e total extinecao.
do Schleswig-Hoisiein. O general Forey passou por Lisboa no sen re-
El-rei declarou i depulacao que continuarla a gre5.se Pranoa onde deve ter chegado j. Chegou tambem honlem dos portos do sul do
ceupar-se da questao do Holstein, como at agora, Espera-so a ohegada de um oomboio qae parti imperio o vapor Cruzeiro do Sul, sendo portador
e que a commissao federal respectiva examinara do Mxico, levando o* convalescentes que precisan- de jornaes alcanzando: do Rio 23, e de Alagoas
iuiparcialraenie a que>ian desuccesso. do do clima da Franca, sao mandados para suas 28 do crreme.
A caraira dos deputados de Stuthgard.lomou por familias ou para os deposito* dos seus regimentos. | Os ltimos vapores, entrados no porto do
imaniroiade a resolucao de convidar o governo a
consequencia dos altos presos pie pretendem os
possuidores.
Reexportaram-seno vapor ingles tCintra, para
Liverpool, e que foram carregadas depois do dia
26 de novembro, OS eaixas e 1,020 saceos.
No americano de Inglaterra soffrnu este artigo
urna baixa, om vista do que foram suspensas al-
gumas ordens para eompras de reexportacao, tt-
cando por isso o nosso mercado actualmente bas-
tante frouxo.
As colaces aetualmenle sao as segrales:
Pcrnambuoo, branco. 24100 a 16500
somenos. 1*701) a 1*900
masoavo. 1*500 a 1*650
Babia branco. 1*800 a 1*100
mascavo. 1*400 a 1*500
Rio c 1*400 a 1*500
Cacao.Nao bouve itnportaefo.
Fez-se urna pequea venda do da Babia a 35500
ris.
Couros.Nao houve entradas.
Nesta quinzena apenas se venderam 3368 cou-
ros de vaoca salgados, do Rio Grande, vindos pela
barca Minerva e brigue Saudade, a 99 ris por
459 gram.
1 'r
L-se no Diario do Rio-Grande:
< Tomos carta de Santa Victoria e fronteiras do
Chuy que alcancam ao Io do corrente mez.
t Havia chegado a Santa Tltereza ura vapor de
guerra oriental cora 200 pracas, para atacar ao co-
ronel florista Aguillar, o que nao alcancou faze-lo
por ter-se retirado d'aili das antes aquelle ofli-
cial.
A secca annquiUava tudo na f ron tetra; dei-
xando por este motivo de engordar o gado.
< 0 pouco mais que ha occorrido, tanto na fre
guezia como naquela parte da fronteira do Estado
Oriental, os leitores eueontraro na missiva do
nosso cor rospoodeiite, que adianto presentamos.!
.tfinai Geiaet.-Poucos collegios faltavam para a
concluso das eleiedes de um senador, os quaes
nada mais influiriara.
Fallecer na Campanha o fundador e princi-
pal redactor do Sul de Minas, cora o que cessou a
publicacio desse jornal.
Na povoaco do Cemiterio foi assaesinado
Bein viudo J.ieome de Heredia, por sua mulher.
S. Paulo.No dia 10 do corrento leve lugar a
eoilacao do grao de bacharel em direito 112
alumnos do 0 anno da respectiva Faeuldade, e
juntamente ura alumno do anno antecedente, qae
deixra entao de fazor acto.
prxima ao alvo, sendo o mesmo deslocado pelos
estilhaces do granito provenientes dos ricochetos
das lalas.
S. M. mostrou-nos muito satisfoito com o bem
resultado da revista no exercicio. Depois de se te-
rora dado 85 liros cessou o exercicio, e logo lar-
gou um esealer para a ilhota, alim de observar-lhe
os estragos, trazendo-se tres baldes com podacos
das balas, e a ha-tea do alvo partida, e havendo-
se notado 31 mocas na pedia o estar grande parte
Jella lascada, como pde-se reconhecer, pelas balas
raiadas de calibre 70.
O vapor Amazonas fez tambem exercicio, d-
rigindo os seus tiros para o mesmo illiote, nao p-
detelo faz-lo o vapor Ypiranga por cansa da gran-
de qnaniiilade de chTonmetros que traz a bordo
destinados ao trabalho hydrographico de que est
incumbido o commandante do mesmo vapor.
S. M. nao abandonara o passadico, apezar do
mo tempo que enlao reinara.
Seguio-sc ao exercicio, que final isou s 3 ho-
ras e 15 minutns, o jantar, sendo, como de costu-
me, convidados alguns offleiaes para a augusta
mesa. Nesta enseada pernoitou S. M., dirigindo-se
no dia seguinte, pelas 5 horas da manhla, para a
de Jacarecanga, ontle chegou as 6 horas. Embar-
cou immediatamente em sua galeota, que contor-
nou a enseada, pairando a divisao espera do
mesmo augusto sonhor, que rosgressou s 7 horas,
40 minutos e 15 seguodes, depois seguio paraONO,
passando pela ilha do Algodao, donde avistoa-se
a villa do Mambucaba. A's 10 horas montou a cor-
veta a ponta do Sandro e dirigio-se .cidade de Pa-
ral y. montando as 11 horas e 10 minutos a ilha
dos Meros, e s 11 horas e 50 minutos dos Man-
tiraentos, dando fundo ao meio dia em frente da
eidade de Paraty, e entre as ilhas da Bexiga e dos
Manliraentos.
Pouco depois largou S. M. para a referida ei-
dade, onde desembarcou 20 minutos depois, sendo
recebido com estrepitosos vivas, e no meio de
grande afluencia de povo, pela cmara municipal
e olliciaes da guarda nacional, que aoompanharam
o augusto visitante aos pontos princpaes da eidade
e fortaleza, pie achoit em mo estado.
A's 4 horas regressou S. M. para bordo, e dl-
rigindo-se depois alguns olliciaes trra ahi foram
conridados pelo tenente-eoronel commandante do
28 batalhao da guarda nacional a assislircm a nm
Te-Deum e a aceitaron! urna primorosa refeicao.
No diasegutnte, s 6 horas e 10 minutos da ma-
nha, suspendeu a divisao e seguio para a barra
do sol lia Ilha Grande, passando pela enseada lia
Cajahiba, e dirigindo-se ponte do Acai contor-
no 1 a mesma ilha pelo lado do sul, seguindo entre
Rio de Jcmeo.S. M. o Imperador voltou de sua a i da-do Jorge Grogo e a praia de Lopo Mendes a
viagem costa do Rio de Janeiro. O Jornal montar ponte dos Castellanos, passando entre a
do Commnrio dando conla dessa excursao diz o se- Guaiha-Grande e a praia da Cruz,
guinte : Aos 40 minutos depois chegou villa de Man-
2 10 horase tres quarlos da noite do dia 4 garaiiba, em cuja barra nao pode S. M. embarcar
f
F.<-ta gente deve *hir n'uma das embareagoes Rio, /orara porladors das segrales noticias que I do corrente, cont j noticiamos, 8. M. o Imperador, em sua galeota pelo muito mar que havia, prove-
niente do vento S. fresco que reinara na noite an-
tecedente j mao procurou-se pftr.alM/"^ uhy ao
abrigo das ilhas, dandoHundo entre as da Guateba
Grande e I'eqoetia, onde embarcoa S. M. em sua
galeota, dirigindo-se para a villa e desembarcando
5 minntos depois em ama praia fronteira a ca-
pella principal, por nao haver caes. Foi receido
peto juiz municipal e mais pessoas gradas do lu-
gar, dirigio-se capella e a fortaleza, regressou
para bordo havendo costeado o sacco que tem o
aome da villa, e como affluisse algum povo a praia,
nao desojando S. M. desembarcar, mandou arvorar
os remos por algum tempo e examinou mais mi-
nuciosamente o lugar.
As 5 horas chegou a|bordo, e em seguida are-
gou a divisao para o Abraho, fazendo forca de
rea e de vapor, dando fundo s 6 horas e lo mi-
nutos. Ahi jantou S. M., sempre acompanhado por
alguns offleiaes.
< s o horas da manha do dia seguinte sus-
pendeu a divisao e seguio para a barra de E. da
Ilha Grande, iicaudo o Ypiranga, alim de proseguir
nos trabalhos hydrographicos, de que, como cima
dissemos, est incumbido o respectivo comman-
dante.
A's 6 horas e 30 minutos, tendo a ponta do
Sineiro ao N., fez a divisao proa de E., segnindo
assiin at a Redonda, donde continuou com proa de
E 4 SE tiara as ilhas ue Marica. O vento que havia
soprado fresco de ENE rondara para E e adquirir
ntaior inlensidade, encapeilando-se o mar, e a cor-
veta que at enlao caminhara com a velocidado de
6,5, modificara-a para 4,5 : os balancos* se lorna-
ram pronunciados.
< Ao chegar em frente as ilhas de Marica, e
quando o limbo superior do sol rasara o horisonte.
mandou S. M. seguir era difeccad barra, sendo
enlo 6 horas e 45 minutos. Fez-se for;a de vela o
vapor, andaudo a corveta 10 milhas por hora. S. M.
apezar dos grandes halrteos, nunca abandonara a
tolda at dar a Sitheroky fundo neste poito ante-
hontem. ,
J era noite quando a corveta passou pela ter*-
taleza de Santa Cruz, indo fundear entre os navios
de guerra nacionaes, mostrando os mesmos as suas
posiges com tijellinhas.
Atracaran! immediatamente os eommaii'lantes
dos mesmos navios, o impector do arsenal de ma-
rinha, o chefe do qnarlel-general, o commandante
da fortaleza de Villegaignon, o chofe Parker,
commandante da divisao, e e primeiro constructor
naval.
1 S. M. digoon-se ceiar com- os offleiaes e pouco
depois largou em sua galeota para o pago do S.
Christovo acompanhado pelos Srs. ministros da
marinha, barao de Tamandar, camarista Martins
de Almeida e chefe do corpo de saude.
t Durante toda a viagem S. M. penhnrou os of-
fleiaes de bordo pela maneira affavel com que sem-
pre liatou-os.
Por decretos de diversas datas foram no-
meados :
O tunete Antonio Augusto de Carralho Maeedo
capitao piart.'l-mestre do commando superior da
guarda nacional do municipio de Santa Barlna,
na provincia de Minas-Geraes;
Jos Jacintbo de Carvalhct, escripturario serrn-
do de secretario da polica da provincia de Matic-
Grosso;
Para a 2- cadeira do i" anno da escola militar,
central, capitao do corpo de engenheiros, hachare
Francisco Carlos da Luz;
Para a 2 cadeira do 2 aflno, o lente interino da
j 2" cadeira do Io auno, Dr. Thomaz Alvos Jnnior -.
Para a i' cadeira do 3* anno, o repetidor da
escola central, major do corpa de engenheiros
Francisco Primo de Souza Aginar ;
2* cirurgio do corpo de saude da armada, o Dr.
Luz Alves do Banho;
Dito dito do exercito, o Dr. Pedro Mauricio da t
Coneeico Embiross; v
Juiz municipal e de orpbos do termo da Para- ^
hyba do Sul, no Rio de Janeiro, o Dr. Ladislao
Acrisio de Almeida Fortuna ;
Coronel commandante superior da guarda na-
cional da Chapada e Hiaeho, no Maranhao, t>
tenente-eoronel Joao Bento Moreira;
Dito dito da Carolina e Imperatriz, na mesma
provincia, o dito Amaro Baptisia Bandeira ;
Major ajudante do ordens de commando superior
do municipio de Guimares e Santa Helena, na
mesma provincia, o capitao Miguel Ignacio Gomos
Colho;
Tenente-eoronel chefe do estado-maior do rom
mando superior do municipio de ltabira, em Minas
(erais, Manoel Monteiro Chassim Drummond ;
Dito commandante do 2" batalhao de infantera,
do servico activo, na mesma provincia, Francisco
Teixeira doAmaral;
Caplao quartel-mestre do commando superior
do municipio da capital, na mesma provincia, o
tenenle Joo Antonio Alfonso:
Primeiro official da secretaria de estado dos ne-
gocios do imperio, o 2o dito Dr. Domingos Jaev
Monteiro;
1 Agente do correio de Macau, noR:o de Janeiro,
Jos Mara de Souza Vargas; 1 *
Ajudantes dos ditos de Caxias, /o Maranhao,
la\ mundo Mara de Carvalha, e deCurupur, na
mesma, Joaquim de Azevedo Mendnnca;
Fraileante da thesouraria de fazenda do Cear,
Miguel Francisco Monteiro Malakoff;
Segundos cscriplnrarios da dita de Matto-Grosso,
os praticantes da mesma Antonio Augusto Ramiro
de Carvalho e Manoel Kosciuscuszko Pereira da
Silva;
Amanuense da secretaria u ma dediu, '-
Joaquim da Costa Leite.
Foram demittdos por decretos de dniercntes
datas :
Dr. Francisco Januario da Gama Cerqueira. de
1" ollicial da secretaria de estado dos negocios du
imperio;
Joaquina Vieira Ferreira, de alteres alumno do
exercito;
Dr. Jos Corroa de Castro, de juiz municipal e
orphos do termo da Parahyba do Sul, no Rio de
Janeiro.
Foram transferidos:
Para a cadeira do Io anno da escola militar,
o lente da 1" cadeira do 2o anno, tenenle-coroiip!
do corpo de engenheiros Dr. Francisco Antonio Ra-
poso;
Para a 1* cadeira do 2* anno, o lente da i* ca-
deira do Io anno, major graduado do corpo d
engenheiros Dr. Jos Carlos de Carvalho;
Para a Ia cadeira do 3o anno, o lente da 2J ca-.
, deira do 2 anna, capilao do corpo de engenheiros
Dr. Henriqne de Amorim Bezerra.
Foi declarado de nenhum elfeilo, sob parecer
do conselho supremo militar, o decreto de 21 de
junho de 1858 nomcando o padre Francisco Anto-
nio Henriques Lopes, capelln alteres da repartile
ecclesiastica do exercito, por j ser a esse tenpo
parodio collado da freguezia de Santo Antonio de
Itacautbira, provincia de Minas-Geraes.
Foram reformados os alteres Miguel Ribeteo
1 do Nascimento, e Pedro Joo Evangelista dos An-
jos, este do 12 batalhao de infamara e aquelle .lo
corpo de cavallaria de Matto-Grosso, porsoffrerem
I molestias incuraveis que os tornam incapazes do
i servico militar.
Concedeu-se reforma com o respectivo sold
por inteiro ao cabo de esquadra do 1 regiment
de cavallaria ligeira Firmino Jos Lniz, visto enn-
j lar mais de 25 anuos de servico e achar-se incapaz
de conlinuar no mesmo servido.
Foi pordoado, de conformidade com a impe-
rial resolucao de 3 do corrente, tomada sobre con-
1 sulla lo conselho supremo militar de jiistica, ao
I individuo que com o nome de Manoel Luiz Claudi-
I no est enmprindo sentenea por crime de 1* deser-
co, 0. que Ezequiel Henricpic Pereira Brandao,
provou ser o seu escravo Benedicto, o resto do
tempo que lhe falla para eumprir a pena a que
1 fra conderansdo, aran #e ser enlregue seo
senhor.
Maadou-se aggrepar ao batalhao de infama-
', ria n. 23 da guarda nacional do servico activo da
I provincia do Rio de Janeiro, o tenente-eoronel
commaddante do batalhao 1.63 da provincia de
Minas-Geraes, Pedro Alvos de Souza Ceutinho.
Concedeu-se a Bento Francisco da Costa
Aguiar, amanuense archivista do tribunal do cora-
mercio do Rio de Janeiro, a gratificacao animal
\ de 300*, na conformidade do art. 44 do decreto- .
' n. 738 de 2 "> de novembro de 1850.
riveram merc da serventa vitalicia: r
Bernardo Pinheiro Teixeira, dos offlclos de ta-
' belliao do publico, judicial e notas, e escrivo do
civil, crime e oruhaes do termo de Maraoguape,
' na provincia do Cear;
i Francisco Galvo de Oljveira Franca, de officio
de 2* escrivo de orpbos do termo de Guaratin-
guet, na provincia de S. Paulo;
Jos da Silva Prado e Antonio Angosto de Arau-
jo, dos officios de partidores do termo da capital
1 da mesma provincia.
No dia 17 seguio para Montivido a concia
de guerra Imperial Marinhero, om viagem de ius-
truccao com os aspirantes do 2 e 3 annos da'es-
cola de marinha, a qual durar 30 40 das.
Os membros da commissao des negnt;ftite
importadores de gneros de estiva resolveram, do
pois de longa discussSo, quo se de^sse. a osjei
1 negociantes toda a liberdade as suaBransa. -c
I
\

>V-Mtf -J-
!*
1
? -
U.
) demasso a
suaSraasa
/^- W-
*m*


DI trio de rVrnambnoo tifiarla felra 30 de Betemhro de l*3.
J
ir
a

i
nao se sujetando elles a convenios e obrigacoes
impostas eoin o pr.jui dos seas iiitcresses.
Por decreto de 12 do corrate mes foi permit-
tido que o bachrel Antonio Herrulano 4c Souza
BanJeira, profossor de philosophia do curso de
preparatorios annexo Facuklade do Direito do
ttecife, continu no magisterio, com o augmento
da quarta parte do seu ordenado, nos termos da i*
uarto do art. 31 do regulamento approvado pelo
decreta n. 1,331 A de 7 de fevereiro de 1834 e do
art. 24 do regulamento de 8 'Je mak) de 1856.
A corveta Hahiana o vaso destmadn a fa-
zer a viagem de longo curso para rastruegao dos
gaarflas-marinha, levando as duas turmas de 1862
e 1863. Percorrer iirineiramente lodos os por-
tes e paragens da nossa costa, desde a Baha at o
Par, duvendo gastar ceiu dias nesta exeursu ;
seguir depois Europa, visitando varios portos
no Atlntico, Mancha e Mediterrneo, tocando por
ultimo tas litas Madeira, Tenerife e S. Vicente.
O seu eommaodante o Se. capilio de mar e
guerra Jos Secundino de Gomensoro, um dos
mais habilitados oficiaos da nassa armada para
desempeahar tSo importante commissao.
Coovecaram no dia 14 do crtente as sessdes
preparatorias da ramara dos Srs. depotados, leudo
havido t a sabida do vapor 8 sessdes, as quaes
(oram approvadas a eleieoes do 1* districto do Hio
de Janeiro, e 2*de & Paulo, 7* de Minas Ge-
raes, 1 do Ceara e da provincia de Santa Calhari-
iia, sendo, portante, reconhecides deputados es
Srs. : Saldanlia Marinho, Octaviano da Rosa, Jos
Oieteno dos Santos, Sal ya Garri, Jos Bonifacio,
Pauta Soma, Antean Moreira da Gusta Guima-
raes, Martnn Francisco, Francisco Gomes des San-
tos Lope, AfTuasoGelso, Manrique Limpo de Abreu,
Prederico A. Pamplona, Antonia Pinto de Mon-
donga, Jos Liberato Barrosa, ioo Silveira de Sou-
za e Joao de Soma Mello e Atoa.
A mesa pri visoria lirn assim composta :
Presidente.
Conselheiro hacharas de Gcs....... 34
Y ce-dito.
C. Oltoni......................... 33
1 Secretario.
Dr. Tito Franco................... 30
2- Dito
Dr. Pedro Luiz P. de Soma......... 31
3-Dito.
Dr, Henrique Limpo de Abreu....... 28
4* Dito.
Dr. Jos Angelo Marcio da Silva.....
NOTICIAS C0MMERCIAE8 E MARTIMAS.
Buonos-A>res, 12 de dezembro.
Cambio.Inglaterra, 50 {f|8 d.; Franca, 3,3a
frs. ; Hamborgo, 45 sh.; Genova 5,28 frs.; Hespa-
nha, 2 1|2 Ojo de premio ; Rio de Janeiro, #1 e
812 1(2 rs. ; Montevideo, 1|4 0|o do descont.
Pesos fortes.Ultima venda a dinheiro,......
27,85 es.
Descontos.O banco recebe 5 e desconta a 8
0|0ao auna
Na praca regulam de 7|8 a 1 % ao moz.
Montevideo, n de dezembro.
Cambio.Inglaterra, 52 1|4 a 52 5|8 d. ; Franca
O mercado estere animado durante a qawizena,
j rendendo-se para exportaeo e consumo
lodo o branco que havia de Mani e Cotnguiba,
velho, de 2*800 a 3$, e grande parte do maseavo
de Campas de 41300 a 2*800.
Dos branco, novo, de Peruambuc, vendoram-
se nicamente algnns somenos, de 3*800 a 3*a50,
e cerca de 300 saceos, branco, aos 20 e 30, para*
de
RSPAM-ltAO DA POLICA '.
(Extracto das partes do da 20 de dezembroj.
Foram recelhidos eaa de defeneo no da 28
do corrente:
A' onlem do Rlm. Sr. Dr. cnefe de polica, os
pardos MarHho Marcos Proessor da Costa, para
recrite, Manuel Francisco dos Santos como sus-
peito de ser desertor, vindos de Santo Antao; o
crioulo Jos, escravo do n. Clara Maria do Espirito
por
votos.
votos.
votos.
votos.
votos.
vutos.
As coftinfosSes, para veriticacao de poderes,
compoe-se como segu :
1* cummi.teacv Amazonas, Para, Maranhao,
Piauhy, Cetra e Rio Grande do Norte, os Srs. Fer-
nandas Moreira, Assis Figneiredo, C Ottonj, Ma-
dureira e Saldanlia Marinho.
2> commissao. Parahyba. Pernambnco, Ala-
as t Sergipe, as Srs. Pamplona, Furtado, Barbo-
sa de Oliveira, Kayul e Fia I lio.
3" commissao.Bahia, Espirito Santo, e Rio de
Janeiro, os Srs. Pinto o> Mendonoa, Joo Lcite,
Joaipiim Felicio, Paes Barrete e Ansiides Lobo.
4" commissao.Minas Geraes e S. Paulo, os Srs.
Arago o Mello, Jos Caetano, Valdetoro, Para na-
gua c F. Oetaviano.
5' comiaissao.Gayas, Matto C.rosso, Paran,
Santa Cathariua e Rio' Grande do Sul, os Srs. Joa-
quini de Mac-edo, Mello Franco, Luito da Cunha,
Oltoni e Marlinho Campos.
Dejiois das formalidad*)* logaes, subi ao con-
sellio supremo militar asootunca lavrada pelo con-
strio de guerra, contra os olliciaes do vapor Pa-
raeiue, p ira ler a deeisfio liual.
Fei reformado ao posto de major, o capitn
secretario geral docommando superior da guarda
acimut de Paraly e Angra dos Reis, no Rio de
Janeiru, Mmocl da Costa Cabral.
Diversas visitas foram feilas por S. M. o Im-
pandar, como se v djs seguimos extractos:
S. M. o Imperador, acompanhado dos seus se-
manarios e dos Srs. ministros da marinlia e da
guerra, general Cabral, liarn de Taraandar, mar-
qaei de Casias, inspector do arsenal de marinha e
.ncarrciado do (wartei general, embarcon bontera
(18) s e moia horas da manhaa nnqueile arse-
nal, e dirigio-M fortaleza de Santa Cruz, subindo
lalli ao Pico a examinar as fortificacoes em cons-
irnrco. Embarcando de novo, visitou S. M. a
fortaleza de S. Joo, seguindo depois para a Juru-
juba, onde, desembarcando, foi Praia de Fcra.
De voltaesteve anda S. M. na fortaleza de Gra-
goat, na fragata OmstiUtieo e no dique da ilha
das Odiras"
t As 4 horas o 10minutos da tarde desembar-
cou Sua Magestade no arsenal de marinha, retiran-
d-si.' Inga.
Honiem (31) s o horas da manhaa emUircou
S. M. o Imperador em S. Cliristovo na sua galeota
i rapar a acompanhado por seus semanarios e pe-
los Srs. ministros da marinha e da guerra, raar-
efuez de Caxias. bario de Tamandar e inspector
da arsenal de marinha, segnio para a Barra de
Jnliouiirim, de onde depois de ter pastado com a
soa comitiva para a galeota remos, subi rio a
cima a visitar o paiol da plvora da Estrella.
Reembarcando na galeota vapor foi Sua Ma-
geslade |ara Maua, onde chegou as9 horas; en-
trn no tremdi estrada de ferro e visitou a fabri-
ca da plvora da Estrella.
As 2 horas e60 minutos da tarde voltou de
llaa pela estrada de ferro, e dirigo-se na galeota
ilha do Bom-Jesus para examinar um novo de-
posito da plvora de marinha, all construido lti-
mamente.
As S horas e 10 minutes desembareou Sua
Magestade em S. Christovo de onde logo seguio
para a imperial quinta.
Foi nomeado commandante do brigue de
gnerra Tom-lno,o Io lente Manoel Carneiro da
I'unlia. .
Corra na corte que S. M. o Imperador visita-
r, dentro em pouco, alguns portos do sul do im-
perio al Santos, para cujo fim so prepara a cor-
veta Nitkenky.
L-se no Cornv'o Mu'UMfu'
regulam de 7|8 a 1 Ojo ao mez.
Fretes.Inglaterra. 40 oh. couros salgados e 35
ch, os fardos cora 5 Ok) de capa nominal ; Havre,
43 frs. coaros salgados, 0 frs. ditos secos e 45
frs. os fardos com 10 0|o de cana nominal; Mar-
seiba, 45 frc. couros salgadas, 90 frs. os seceos e
45 frs. os lardos com 10 0|n decapa ; Estados-Un-
as Hiais urgentes uacc*dades du consumo,
34800 a 44800. Depois da entrada do paquete Santo, par correceao, e Jos dos Antes, pardo
franeez nao nos enasta que houvossem vendas, uor' criine de ararte e deUaranjento.
aprosentenem os possuidores mais altas pretenyoes, I A' ordem do subdelegado do Recite, Amonio,
a que os compradores nao tem quorido njeiur-8e, crioulo, escravo de D. Franrisca de tal, por fgido.
A ordem do de Santo Antonio, Jorge, Afri-
cano, eseinro de Antonio Muniz Machado, por em-
briagues,
A ordem do de S. Jos, Antonio Estoves Fer-
nandes da Luz, pardo, por suspetto. era crime de
furto.
A' ordem do da Capnnga, Antonio Fernandas de
Miranda, pardo, para averiguaijoes.
O chefe da 2* seccao,
J. G. de Mnquita.
Moviniento da casa de detenco do dia 28 de
deiembro do 1863.
81 frs i Genova, 80 a 81 frs. ; Rio de Janeiro..... Os mascavos, continuando favoravets as Botinas
294)00;Buunos-Avres par. I "os mercados europeus poderao acoaipannara ana
Divida publica. Consolidada, 2,40 cts.; exig- que luouver. ___
veL 3,60 cts.: novos ttulos, 7,20 cls. Om do valor, Os brancos, irarem, sondo o nosso mercado por
interna 4 0in ; anglo franceza 4,30 a 4,40 OjO, e exclusivo consumidor, pouco se re*enle das cund-
Gounouilhod 4, a 4.05 Om do valor. w f6*-"8 das P1"*^* eslrangeiras, mJlumdo sobre elle
eseontos.-O banco Commercial empresta a 12 nicamente as circumstanciaslcaos ; nao e Tacil
e recebe a 6 0in no anno ; o banco Mau empres- irar isto prever qual sera a sua marcha futura. Os Miranaa, p
ta a 12 e recebe a 8 Om dem ; o banco inglez refinadores esto snppridos de qualidade interiores
empreste a 10 e recebe a S0) idem. Na praa lr algum lempo, linulando-se a procura a algnma
No Jornal io ComHrrcio de Lisboa', l-se : 185t 8 miHidts de Mbras.
Djus cncadores. compadre e afllhadov conlavam 1860
muluameute as proezas e phenomenoe que lioham 18tjl 13
lido occasio de admirar na cara. 1862 8 1|2 >
O afllhado, vendo que nao consegua assombrar J8tt;j IX
sep compadre, quiz darlhe o oliiuio golpe. Assucar.O mercado conunuoo ero boa aceeJ-
Compadre, disse elle, vi irma lelire qoe nao lacao, e as Iransaccdes animadas acerara subir ob
havia galgo que pudesse akanca-li, por qoealm precos de 2, 3 marcos por 100 libras. O deposite
dos quatro pes naluraes, tinha otifros qnatro no reduzido 2 mWiees de libra, offerece urna esco-
lonibo.de maneira que quando.se can*va de cor- Iha niuito limitada, e por isso o mercado tem este-
rer de um lado voltava-se do outio. do mais calmo nu* ettimus dia.
Muitas dessas tenho eu cagado, refondeu o Em novembro veaderam-se 8,300 saceos do as-
compadre de nm modo imperluroavel. socar maseavo de i'eraambueo, e 600 saceos e 300
Como assira? uerguoteu o arguonte admi-
rado.
Alando dous galgos costas com costas.
caixas de dilo da bahia.
lmporlacao de assucar do 1
outubrii :'
partida do lino.' Com ludo, se as entradas conti
uuarem pequeas, de crer que de Janeiro em
diante uielhure em preces.
% deposite (tea redasido al, sawsoe. Per-
uambuco, 2,000 ditos, 90t caixas e 300 barricas
de Campos.
Carne secca.-Jfa em deposito 2t;000 srrolia,
ti US. os lifiuus cun TV U w:>a|l >~~-v,i..- --- -- -_r- ax[^. ,n 1>: J.
dos, 8 ete. couros seceos e lOOps. os fardos com sendo 32,000 do Rio Grande e 190,000 do Rio da
5 0|o de capa em navio americano ; Brasil, carne ta-
secca l 1(2 a 6 112 rls.com 5 0 de capa.
A saber
Existiam .
Eutraram.
Sahiram .
Existem. .
a se-
Rio Grande, 16 de dezembro
Penco movimento houwe na praca nesta primei-
ra quinzena, mas como as entradas dos ltimos
dias tenham abastecido o mercado, provavel que
se desenvolvam as operacoes.
Cambio.-Saearam-se 'sobre Londres Sf 8^00
de 26 1(4 d.
Paris, 95,000 fr. a 365 rs. \
io de Janeiro, 70:0004 a 3 e 4 0|Q. I
Naciotues. .
Estrangeiros
Mulhres .
Estrangeiras
Escrava? .
Escravas .
338 presos.
11 >
7
342
247 preses.
25
' Publica o Cowmerciotlo Porto a que segu :
O governo italiano, ligando a maior importancia
experienciaa t agora muito satisfaloria da cul-
tura do algodo- as diversas provincias do reino,
| decidi realisar urna exposicao dos diversos pro-
] duelos desta materia, obtido em Italia durante o
> anno de 1863.
Esta exposicao ter lugar em furia nos prmei-
ro? dias de Janeiro de 1864.
Urna commissao quasi exclusivamente compos-
ta do ni i ni I) ros do parlamento foi encarregada de
tomar todas as dispoie,oes iifcensaras para que
1K59
1860
1861
1862
1863
53
44
58
5t
64
de Janeiro fim de
mllhoes de libras.
ii ser em ns de novembro-
2
i
9
7
342
1859
1860
18M
18
18*3
12
8
14
9
2
uiilhoe-j de libras.

quatro annos depois eixou de ser seu marido-
PUBLICAOES i PEDIDO.
Vende-se a primeira dd4S0O a 24700 e
gunda de 24 a 34. a
Couros.Ha em deposito : 3,000, cota-se de 250
200 res.
Fumo da Babia.Nao honre entradas. Vende-
ram-se 400 fardes aos pree. seguimos : patente
194, a 204, or 144 a 164, f 104 a 114, 84 a
44 3* 44500 a 84500. Alimentados a cus dos cofres pblicos. 126
f-vhu em ser cerca de 500 tordos de quatidaBe, Paasageiros do vapor inglez t Magdalena ,
; ordijaria na maior parle segundas e terceiras, vindo de Soathampton e portos intermedios :
- .-watiauaudo a falte de patente c flor de boa qua-, Haary Pastor Heteh, sua senhora e 1 criada, Phi-
tua, ju.uu a J ug). v :., a. lidade lip F. Needham, sua enhora e seu sobnnh Fre-
Moeda nacionalW\--*^W*to M^ ^^ 2g ueUmeals a derico Needham, Jos Goncalves Ferroira Costa,
/l|2 00de premio, e nestes ltimos das tem j^"*- '*""*' sua sennora e sua sobrinha, Joao BaptisU Gomes
WS!2% ummo fretamento para o Canal, pa-1 Para o Bltico : ura patacho dhiamarquez a *jg^Z^a^Frefre ISmm {fc! nN5 ^^ 1spedr-me pessoalmente dos no-
ra pmipfts ate-idos f..i i 50 sch e 5 Om oor tone- scb. U,"n/-r,. Joa, "efro'1 hreirc'J^, n i merosos amigos que me honraram e obseqina-
a louros ligados, foi a 50 scb. e mo por ^^ Buenos.Avres Uffl brg,ie meokleinbur- ren-a de Sa, Julin l Lockhart, Sarah Webber, D. rain duranU;nIIlin,,ia estada neirta ^^ |HC/)lhe!i
,.,,.-Fntronnn i Mariana de Pernambu- guez por 4 1,060, e um patacho dinamarquez por Mara Augusta Dubepx, Antonio Luiz de Fana qUt ine v^cuipeu, este falta involuntaria, e acet-
JS^J^S^SSi &SZ &> 4P5 iteposito houre pouca sabida, e apenas algumas, ww^^M n^nmU, ,,. Passa| - Jaaeiro e portos interme-
Machado de Soma, sua
. Manoel Ambrosio Tor-
m dito hanoveriano a 40 sh. : e um dito inglez a! res Portugal, Dr. Jnaquim Pereira Arraes, Jos Ja-
e carregando em Santos um cinllio Silveira N'ctto, Luiz Antonio Nogueira Mo-
' raes, Izidoro Lahman, Felippe Figueka de Faria,
Taban:Desde algnmas semanas atabaco bra-
sileiro .irha-sv em mellior aceeitafo, todava os-
esta exposicao seja, tanto quanto possivel, revestida preeos io sollveram una subida notarek- X vea-
de um grande carcter de interesse publico. das de tabaco dessa jualidade em novembro foraa*
Esta exposicao repetr-se-faa annualmente. de 5,200 bailas, e restara em ser 4,000 laHas.
Algodo.Na*bouv<-ram transaicoes em' algo-
0 Mbrain? Posl, jornal de Londres, diz que miss dad do Brasil, o- qaal r, sempre procurada! e oble-
Balfe, lha do celebre compositor de msica deste ria bons precos neste momento,
neme, em consecuencia da annullacio do seu ca- Cacao.Mais frotran, porm sem mudanra no
samento com sir J. Cramplen, actual ministro n- precos.
glez em Madrid, vai continuara sua carretea thca- Couros.-Como sempre acontece nesta estacan-
tral, que apenascomecada foi interrompida em S. do anio, as transacyoVs sao limitadas. 0 depositc
Petersburgo pelo seu casamento come horaem que acha-se excessivameiWe reduzido.
24800 a arroba, maseavo.
Caf.-Tem declinado os precos por estar abas- M sh. e 5 por rento ; e carregando em Santos um
tecido o retalho ; nao ha grande existencia em pri- brigue prussumo e dous ditos dinamarquezes a 50
raeira mo, mas tem tido poui procura, colando- sch. ,. ,m
se entre 5800 a 94200 a arroba. ParaXonstantinopla : un. lugre portuguez a 50
Carne secca.-Tem sido importantes as entra- setee5 por cento (para cafe).
dasdegadt*,eja montara acerca de trinte rail Para Gibraltar, a ordena : um brigue ingles a
rezes, incluindo as entradas para os Canudos c ou- sch. (para assucSr). .
tros pontos 'Para Lisboa, a ordens : urna barca portugueza
Nogcraosgados tem vindo magros, devido (a 40 sch (dem). .*--
grande secca que contina a haver na campanha.; Para Marselha ura brigue franeez a oO frs. e
Compraram se cerca de 60,000 arrobas de..... 10 por cento (idom), e urna barca franceza a M frs.
i*tf> -i* n Para New-York : um brigue sueco, urna barca
brmense, urna dita ingleza e um patacho dina-
, marquez a 40 sch., urna barca l>elga e urna dita
I dinamarquesa a 45 sch. ; e carregaado em Santos
um patacho dinamarquez a 47 sch. efid,
Para Valparaizo : urna barca dinamarqueza,
I carregando em Paranagu, por 550.
No consulado americano foi transferida por ad-
34200 a 34 c 2,200 arrobas de carne de espare
Iha vendeu-se neste parto a 24500 a arroba.
A seguir de promplo s temes a polaca-barca
Ligeira, e poucos dias depois um ou dous car-
regamentos.
A expnrtecao at o fim do corrento mez, inclmn-
docargas poreonla propria, deve elovar-se a cera
mil arrobas.
CaxacaEntraram na Nova Sociedade, de
teiu as miabas despedidas por este meio, os teste
munlios de meu sincero reconnecimento, e o fran-
co offerecimento i|ue llies face de ineus servicos
na corte.
Aproveilo a occasio para agradecer ao corpo
eleitoral do Io districto a demonstrante de con-
lianc i que me deu, elegendo-me um dos seu re-
presentantes, e farei quanto em mim couber para
corresponder as suas vistas na outorga de tao im-
Alfredo da Cunha Figueiredo, Jos Antonio Rocha | crame niandato.
Jnior, Adolpho Chaves, E. A. de Moraes, Fran-. Agradece igualmente aos Srs. oleitores da pro-
cisco Melchiades d< Cerqueira, sua senhora, 1 OHio* vincja os votos (|ue se dignaram dar-me na ulti-
e 1 escrava, Dr. Torqualo Augusto Pereira Reg, raa eki.a0 pira ^^0,. : esU)s Votos tem para
Miguel Marones Nogueira, B.;lmlro Baptista de; mim a mas alta signifi5a^ao, as condicoes em
Souza, Joaqmm Pereira de Souza, sua senhora c i que M fel a c\^0 sao votos que expr'imem a
filhos menores, 1). Eulalia Amelia de Frenas, Ale- |liais rJsla f0 e conOanca no meu carcter da
xandre Napoleao e seu filho Artuhr Napolcao,_Lar: pao desses dignos eleitores.que se nao illudrara
com o jogo o mais torpe da intriga e diffamacao
Para os Estados-Unidos___
> o Canal cN.........
o Mediterrneo......
o Cabo da Boa-Espe-
ranca............
pipas para .. ,------------------r-
a pina, e fica o restante em trato a 115-3000. ,".. ,r .
Couros vaceuns seceos As transaccoes estive- "La. Vend
ram mais frouxns, tan te por estnrem preeucbdas ate hoje^ (22)__:
certas necessidades, como por tornarem-se mais
exigentes os barraqueiros; e s se compraram,
que nos conste, urnas 6,000 pecas de 224 ate 235,
segundo a esculla, para Genova.
Ditos salgados.Cora quanto j hajam promptos
cerca de 20 mil couros, ainda nao se fixou proco
para este artigo, por noeslarem dispostosos com-
pradores a satiafazerem as exigencias dos xarquea-
dores.
As noticias pouco favoraveis que se tom rece-
bido dos mercados da Europa tem desanimado os
especuladores, que nao se resolvein a dar por lib
mais de 120 rs. *
Farinha de trigo.Pouco se fez neste genero, e
desde o dia 7 do corrente
55.100 saceos.
25,300 .
8,300
3,250
Total..... 91,980
Para mellior comparado dos precos publicamos
rom as ultimas cotajoes as que vigoravam sabida
do Paran.
7 de dezembro.
Lavado...... 74350 a 84200
los Ta vares da Silva Neves, 2 escravos de S
Albuquerque, A. Wenselam, Domingos Jos de
Faria, Antonio Augusto Pereira da Silva, Jo-
s Maria Baptista Carvalhn, I. de Souza Azevedo,
Francisco Joaqum de Oliveira, Joo Antonio Ma-
cliado, Manoel Rodrigues Taqnari, Andr da Costa
Miranda Bastos, Joao de Albuqnerque Mello, Jos
Carvalhn dos Santos, Dionizio Rodrigues de Mello
Castro, Horacio l'rpia, Joao Joaquira da Costa San-
tos, Joo Joamiim Aires G. Brue, Francisco Anto-
nio Sefone, 8 pracas do exercito.
Seguem para o norte :
Jos Jnaquim de Paira, Dr. Hilario Gomes No-
gueira Barlwza, r. Fabio Saptem Rento Por-
leHa, Miguel Francisco Monteiro Malakoff, 2- ca-
dete Antonio Pinto Moraes Castro.
Obituabio no da 29 de dezembro no cemite-
mo pl'blico :
M.winiiano, Pernarabuco, 7 mezes, S. Jos; hv-
dropesia
Antonio Fernandes do Oliveira, Portugal, 56 an-
nos, casado, Boa-Vista; colitc.
Superior..... 64830 a 75000
as"cota5ocVde'94 a "'para as melhores quali-! J" boa....... 54600 a 65700
dades eslo pouco firmes. I *" ordinaria.. 64100 a bSioO
Euii aram j por etonta 4 que noticiamos 3,tOV; t oa....... o**M) barricas, nao nrlaindo a vinda por cabotagem. 2 ordi
Fumo.As existencias em primeira rao eslo
reduzidas, e as vendas tein-se effectuado de 94 a
94500 a arroba.
Gorduras.Este artigo flea ura tanto dcsmorali-
sado, e tem poucos pretendentes. S nos consta I
ter havido um trato de cerca de 3,000 arrobas a i
:i4600 a graxa e 44600 o sebo. Parto do genero
desta transaceiio esperada nestes prximos dias,
por estar jprompta. ;
Sal.Esto artigo vai mal no mercado, o ha al-1
gnns carregamentos para dispor ; consta-nos j se
ter feito venda do urna carga a menos de 700 rs.
o alqueire.
A cspeeulaco s tem a esperar prejuizos.
17 -
Cambio.Sobre Londres, 26 a 26 i|4 d. Paris,
,'tt.) rs. Hamburgo, nominal. Rio de Janeiro, 4 e 3
0|0 90 dias. Babia, 3 0|0 90 das. Pernarabuco,
nominal. Moeda nacional papel, 6 0(0 de pre-
mio.
Fretes. Ro de Janeiro, 260 rs. Bahia, 360 rs.
l'ernainlmco, 460 rs. Inglaterra, couros salgados
50 sch. e 5 0|0 para o Canal. Cnza 45 sch. c 5 0|0
para o Canal.
Rio de Janeiro 22 de dezembro.
lioletim de 8 22.
Huante a quinzenahouve pouco movimento em
Verifteou-se hontem (20) em urna das salas o nosso nu.rcad0 e mirartacao, como de ordinario
_r. A. 11 a.......:.l..,l <., ili-trihmi^in > i .. _r_ i... i. i...,,
succede nesta quadra do auno, nao se dando tam-
bem alleraQc importante na posigiodos principaes
artgos
No dia 16, reunida a commissao dos negociantes
importadores de gneros de estiva, oceupou-se do
eonveiiiu de moldados c foi de parecer, apoz al-
gum debate, que se dcixasse aquellos negociantes
toda a liberdade as suas transaccoes, sem para
isso haver necessidade de novas convencoes ou de
nm contra convenio.
/rcoramisso entondeu qne qualquer medida
nesse sentido seria nociva liberdade do commer-
cio que applaude e que cada qual deve guiar e
22 de dezembro.
74350 a 84200
65900 a 75000
65650 a 65750
65H)0 a 65750
6**) a oiUlil
64000 a 651''0
Ha em ser 100,000 saccas.
Cambios. -Sommam os saques pelo paquete fran-
eez Estremadart:
Sobre Londres : S 400,000 a 27 l|i 27 3|8, 27
1|2 c 27 5|8 d.
Sobre Franca : 1,000,000 de francos, na maior
parte a 345 e 346 i s.
Sobre Lisboa eo Porto regula o segrate :
102 0|0 vista.
101 0|0 30 dias.
100 0|0 60 dias.
99 0|0 90 dias.
Apohces.=Negociaram se as geraes de 6 0|0 a
102 OO
Descontos. Nao houve Slteraco na laxa ante-
rior. Os bancos descontara a 90|0, c na pfaca ha
dinheiro de 8 a 9 1|2 0|0.
Accocs. Negm-iaram-sc as do banco do Brasil a
604 di-premio, do banco Rural eHvpothecarioa
665W0 de dito, da estrada de ferro de D. Pedro II
a 55 de descont, da companhia Brasileira de Pa-
quetes a Vapor a 1254 e 1204 cada urna, e da com-
panhia de Seguros Fidelidadc a 95 de descont.
Sahiram para Pernambuco : a 12, o brigue
Damiio ; 13, o brigue Princeza, ea barca ame-
ricana Mondamim; 14, o palhabote Superior;
13 o patacho &iJ/o 18, a barca franceza Auiobu;
20, o vapor Purahnhn, a barca portugueza Mar-
garitla, e o brigue auslriaco Morgarel*.
Achavam-se carga para Pernambnco, os
brigues Belirario e Amelia.
UM POUCO DE TODO.
0 senhor como se chama ? perguntava urna
senhora a um cacallriro\qu< a cumprimentava em
um salan, onde ambos se achavam em um deses
ltimos dias.
Minlia senhora, emeasa chamam-mo Lili, na
ra senh Carvalho mas V. Exc. me trata romo
ijnizrr !
O HBatfe historiador dis-nus qu"
um desses campanudos (jue por
trote.
contra a rainha pessoa: que tiveram bastante co
ragem para resistir mais violenta intimida^o e
milita dignidad-' para repellir uora desdem as sc-
ducc.oes da cornmco emiiregada na raais vasta
escala pela polica dos Srs. Silveira do Souza e
Abilio : sao votos que muito me lionram e lison-
gi'iam. qacimportam o iriuiuplio moral a dio idea
da estima e alteigao com que tanto me tem penho-
rado os nieus comprovincianos ; votos que eu
agradeco mais do que se os tivesso om dobro as
condicoes normaesde urna eleicao livre.
Ace'item, portante, os Srs. eleilores, os ineus
seniimentos do mais puro reconhecimento, e con-
ten que nunca esquecerei esta sua lisongeira de-
monstrac,o.
Recite 29 de dezembro de 1863.
Urbano Sabino Pessoa de Mello.
i:lelvS de senador.
WH.LEOIO DR CABROB.
Paes Rarreto 35 votos
Urbano 33
Brando. 35 >
Mollo|. 18 .
o cavalMro
ahi vao l>om
REVISTA DIARIA.
collcgio de Pedro II a solemnidade da distribuido
das premios aos alumnos do instituto dos meninos
-c.-gos.
Foi exer.utado o segrate programma :
Logo que SS. MM. entraram no salaoos alum-
ims do instituto tocaram o hymno nacional, come-
cando a solemnidade, apenas tomaram assento SS.
IM. :
. 1." Os alumnos tocaram um suptuor-phantesia
original dedicada pelos mesmos alumnos a S. M.
a lmperalriz.
A composicao do alumno Jos Pinto de Cer-
queira.
c 2.* Execnlado o suptuor, procedeu o director
do instituto teitura do seu relatorio.
t 3." Terminada a leitnra do relatorio cantaram
os alumnos um coro por elles dedicado SS. AA.
II. E' composicao do mestre de lintiua allema ^
das rnesmas serenissimassenhoras,GuilhermeLou-! "Ein ^,^0,^,,^^ dasnolicias desfavoraveisqne tambera no referido mnibus, peo que f
renco Schulze; as leltras sao do Or. Lanrindo Jos |trouxera MQuet- inglez Paran conserva-
da Silva Rabello.
Sobre o facto eoinrounicado, que hontem pu-
blicamos com relaco ao procediinenlo d'alguns
mocos finios no mnibus de Olinda, reclama o Sr.
Tradazimos do Fgaro o que segu :
Costumaes a lr r.s joniaes americanos?
Um delles annuncia urna great allraction em
Nova York.
Um certo doutor braneo, John Hogg, abolicionis-
ta decidido, descobrio o meio de cortar a questo
da i'scmvido.
Elle prova que o pai Adaocra um uegro, c sua
mnllier urna muala.
Os brancos nao sao, pois, seno negros degene-
rados : a concluso. %
Toda a alta sociedade da Nova-York, segundo
ilizem, afflue a tees conferencias, c applaude ao
doutor!
Madame Beecher Smwe derrama lagrimas de
alegra, e j tem molhado seus cento e dous lencos,
Que bello coraco !

O gendarme compas>ivo.
Um desses prende nm assassino, e algemandoo.
Ihe diz:
Infetizl Em vez de te deixares prender, por
fue nao te tentaste Trio?
Plalas vegetaes assroarada
de bcrap.
A saude dependo principalmente do estado do
estomago, do. ligado e dos intestinos. Vigorise-se
osorgos digestivos, regulari-e-se a aeco do figa-
do, restabele^a-se a aclividade notavel dos orgos
secrclivcs medante o uso das pilulas vegetaes as-
sucaradas de Kemp, c a dyspepsia, a constipado,
a flatulencia e as caimbras do ventre desappare-
cerao como por um encanto.
Nao podem existir estas enterinidades sem que
este saudavel aperitivo conserve o vigor e a regula-
ridade das funceoes intestinas.
As pilulas de Kemp osummamente agradaveis,
absolutamente iscraptas de toda a especie de subs-
tancias mineraes e adequadamente reguladas espe-
cialmente para as molestias peculiares do bello
sexo.
Achar-se-ho venda era" todas as principaes c-
ticas em Pernambuco e as tojas de Caors t Bar-
bosa & Joao da Costa Rravo.
COMMERGIO.
Em novembro rewteram-se 18,000 couros u>
Rio Crande do Sul. e 82Ctde Macei.
Jacaranda.Kalium sempre as qualidades finase
Em novembro iin|tortaraiiv-se 475 mil libras, v
venderam-se 33 mil librat. Em ser 1 > niilbaa>
de Huras.
Nbmof partidospatrr Brtml, desde 21
de novembro.
lioestrr para Pernarabuco c Batiia.
Pftil para Pernambuco e '""ara.
CtUharina para a Babia.
Skutuliu e Perle para o Rio de Janeiro.
Ceru e Johanna para Porto Alafre.
Jfitriu para o,Rio ( nde de Sul
Esto fOrr i.do para o brasil.
Dora e Hans Egrde para o Rio de Janeiro.
Abevdrolh para Santos.
Svperh para p iVio Grande do Sul.
Joheruna para o Maranhao e Para.
Cambios.
Sobre Londres, 3 mezes,12 marcos 103|4 schillings
banco por &.
prazo certo 13 3 1|2.
Sobre Paris, 3 mezes, 194 114 francos por 100 mar-
cos banco.
prazo certo 191 l|4.
Sobre Lisboa, 3 mezes, 45 7|8 schillings por
mil reis.
Descont 5 t|4, 5 3|4.
MOYIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 29.
Rio de Janeiro 17 dias, barca americana Mon-
damim de 390 torteladas, capitn Crowell,
equipngom 12 em lastro; a Phipps Brothers
Southampton e portos intermedios18das, vapor
inglez Magdalena de 1617 toneladas, com-
mandante Woolward, eqnipagem 131, carga fa-
zendas e outros gneros.
Rio de Janeiro e portos intermedios 6 dias e 10
horas do ultimo porto, vapor nacional Cruzei-
ro do Sul >, de 1:^00 toneladas, commandante
G. Mancebo, equipagem 60.
New-York 45 dias; patacho inglez Anna Bel-
lo de 153 toneladas, capitn Taylor, equipa-
gem 8, carga 200 barricas com farinha de tri-
go madeira c outros gneros : a Johnston Pater
&C.
Liverpool.50dias, brigue inglez Joaaita >, de
208 toneladas, capito J. Smuh-, equipagem 10,
carga fanda* c outros gneros ; a Rabe Seh-
mettau.
Navios sabidos no mrsmo din.
Rio de Janeiro pela RabiaVapor inglez Mag-
dalena, commandante Woolward.
Ubserracao.
Sahio e fundeou no lamarAo, A espera dos des-
pachos tendentes ao seu destino, a barca portu-
gueza Mara >.
EDITAES.
- Eu
eu nao sei nadar!
regalar os seus nezocios, tendo por raelhor bussu- \ Joao Maria dos Santos Almeida declinando de si a
la os seus interesses communidade da censura, visto que fora passagei-
No mercado do exportacao houvo hontem activa ro do mesmo mnibus. No en!anlo "este senhor
procura de caf, vendendo'-se para a Europa e os concorda em que se dera o Tacto eommumea o,
Estados-Unidos 53.000 saccas. | ma sendo dalle autor apenas om moco, que vinha
". tambera no referido mnibus, pelo que Tora elle
censurado e nao acompanhado pe;os comiianbeiro.
Gamo v-se, pois, o facto verdadeiro, e para
Em satisfarn ao promettido ao nosso amigo R.
P., oferecemos-lhe em bois Altai i melhores entra-
tas de anno noto a seguinte poesia que^a prima
esquiva dedica ao primo impertinente sob a deno-
minaco de
DESENGAO.
Porque te qnctxas ? Porque a flor dos labios
Te requeima nm suspiro de tormento?
Podem acaso as lagrimas que verles
Delir mea pensaraento?
Podem romper de urna cadeia os los
De airaba vida despartir o estarae? y
E sopitandoa ehamina em que me abrazo
P'Jem fazer que te ame?
Oh! nao te queixest Meloda estranha
Tea lamento nos ares se perder
Como som de alade abandonado
Que estalando yernera I
Oh nao chores lagrima consolo
. ..... vam-se os exportadores fra do mercado, e os pos-' Gomo v-se, pois^ o ratiu a .0iu,iu:...u, i-- UMnAo a enxiiaa iedosa amante ;
4.> Seguio-s a dislribmcao dos premios, to- suidores o querendo provocar as vendas |>or ; doer que tees effeitos da ma cria<:ao se d entro < .?Jn:ur^.L"!:ui':l "!
cuido o alumno Jos Pinlo de Cerqueira ao piauo. mej0 je unja j,ajKa ^ p,"e^0Si estavam resol vidos
melodum ao mesrao lempo alguns entre-actos por a eneostar os seus i0|es ate 0 mez segante. As no-
elte improvisados. \ tis, porm.que ante-hontem nos rieram de New-
. 3. Distribuidos os premios cantaram os alun-; y^ |)(!|a |j;irca ng|eza cMarigoi Irouxeram os
nos as Trevas e Laz de composicao musical do expor^jores a0 mercado, e as transac(j5es fecha-
.-iluurao Jos Pinto de Cerqueira, e poesia do Sr. Dr. TAm.K a preijos firmes, e mesmo com alguma
X---..!J- I.' J i. k?2liu> Uak..lln i
l.aurindo Jos da Silva Rabelle.
6. Ejecutada a cantata, um alumno e urna
alarana, por si e em nome d-s condiscipulos das
respectivas clawes, leram cada ura por sua vez,
urna breve e singella oracin de agradecimento
SS. MM. II.
t 7." Terminon a solemnidade com urna phanta-
sia executada pelos alumnos, e arranjaia para pe-
piena orchestra sobre motiva da opera de Mar-
<-o Yiseonti, polo prefessor V msica Raphael
Houve temliem boa procura de assucar, ven-
dondo-se at entrada do Estremadurc todo o
branco de Macei e Cotnguiba qne havia era ser
e grande parte do maseavo de Campos.
ltimamente elevando os possuidores as suas
pretenextes nao nos conste que houvessem vendas.
No dia 19 abrio-se o cambio para o paquete fran-
eez Estremadure (entrado a 18) a27 3|4 e 27 1|2
d., sobre Londres, e desde enlo temse saccado a
,te con, seohoras inolTeusivas e niguas Mas eeu^p^ggte (
Hontem pelo Cruzeiro do Sul recebemos NSo te quexes ,je mroi f 0 destino
ir va do Rio da Janeiro, a carta do nosso corre!- Mhlia usifema cruej f;uajidade
CHdho Machado. M __. ,. lestes algarisraos e a 27 1|4 e 27 5|8 d.
8. Era quanto SS. MM. viam ( trabamos aos, r gobr(j Fran a tem regalado o cambio aos extre-
aluraaas, expostos na sala immediata, era execnita- mQ$ de sw a 348 p<.: e sobre Lisboa e Porte, con-
Jo ao piano e harmnico om alegra; e, ao retira- j(|rme a i,be|ja i.gwiue :
j-e:n-se SS. MM. II., tocaram os mesaros alumnos o {m 0|0___a ^^
101 0|0....a30d.
por
pondente de Londres, de pie fora portador o va-
por franeez Estremadure t; a qual fra alli pa-
rar sem que o saibaiflns pelo que.
Todava para admirar quo o correio franeez, a
quem devido isto, aprsenle semelhante desar-
ranjo de endereco, de que podem provir inconve-
nientes nao pequeos para o.coinmercio em suas
rclacfcs de correspondencia.
Hontem um matulo embriagado, dando al-
gnmas pancadas era oulro, e sendo logo persegui-
! do, ao entrar da ra do Cabaga; foi seguro, atiran
' do-se ento ao chao para evitar desta sorte a pri-
sao sob flngonto de achar-se mais ehrio do que
estara. Sera embargo, porm, foi carregado per al-
guns urbanos presenta da autoridade competen-
te, o em seguida recothido casa de detenro para
Que arrancn para sempre de miaba alma
A f da lealdade I
Uem quizera mentir, dizer-te ainda,
Phrases de tanto amor que disse outr'ora ;
Quizera aquelles votos le ternura
Repetirt'os agora.
b\ nio nacional.
O nosso correspondente de Montevideo noe es-
creve o seguate *
A polica deste paiz acaba d prestar-nos un
importante servico dcscobrind* alguns ciinhos do
1.....-da brasileira de onro de 2(K c. de 101, e todos
is objeclos necessanos para a f ilajlirada 1 dessas
11 isaas moedas que tem nesta repiaalica pi incipal-
tn nte na campanha, grande curso. Sao ellas rain
liiirerfeites, e a liga de metal em que*e empregara
mu ordinaria. *
Da mesma procedencia :
. Devo nntirinr a pwda lotal da escuna brasi-
tloira Matteza, que raron na Ponle-Baixa, quan-
j|o i-ntrava neste porto. Todos os sacoafi
I,, foram promtame nte prestados, nao t
utiiidade alguma O nosso cnsul geral, qu
-,- transportou ao lugar do sinisln para fazer
<-1 I ir os salvados, ja os mandou por era leilio,
1 casco do navio.
Alm disso |erden-se nm bergantim ingles
tanca faftot Salvonsetoda a IrtpoJacao..
tiJa.yo recebemos jornaes.
Alugwu. -Nada occorretuiue mereja 111
100 0,0.... a 60 d.
99 0|0.... a 90 d.
Negociaram-sc as ajiolices geraes de 6 0|0 a
102 Ofi.
As acroesdo ba nea do Brasil snsienterani-se a
Mas pode o coraco deixar que s vozes
. De falsas esperau;as se alimcirtcni ?
. I Desvio d'olhos. dislraccao' dos labios
Para logo as desmenlem!
Amo, sim I fra em vao negart'o ainda,
Amo coran jamis se amou no mundo
Ardo em cliammas de um amor inextinguivel
Deauwr o mais profundo!
cozinhar a tnoaa.
Pelo delegado do Granito foi preso berato. Teu rival.... Queres saber-lheo nome?
de Alencar Rodovalho, por ser autor di marte de V se me pedes que o rlrer acabe*
um tal Francisco Xitth, em agoste de 1844, 90 en- Seu nome ... Mas nao vs que fra um crime!
genho de Gualter d'Atencar ArarijM. Pouco depois j Seu nome... s Deus sabe!....
de commellida a morte, segundo informa esse de- ... ..
legado, Liberata mnsfeno -sua rwitencte pa o Amo exilado, que lo reo caara,
60 depr^nte faTdV'banro Rural UypoH.ecario Crato, d'ondc. atoe imaraenie jiara a pow^-. MJ ca to tennosura Luite
alrlncaram hontem 66*500de dito; as da compa-! do Granito, por ter n aquella comarca assass nado Se %ol*e os ollms.
NOVO BANCO
DE
PERNAMBUCO
O novo banco de Pernambuco convida os
credores das massas fallidas de Mesquita & Butra,
Francisco Antonio Correia Cardoso a apresenla-
rem seus ttulos no banco para se proceder a res-
pectiva verificacao.
Alfaadega
Rendiment do dia 1 a 28........
dem do dia 29.................
493:7345632
8-.824J851
502:5395303
Movimento da alfamlega
Volumes entrados com fazendas...
com gneros.
Volumes sahidos
com
cora
fazendas.
gneros..
46
387
~12
90
433
102
Oescarregam no dia 30dedezembro.
Barca inglesa Bnolutiom -carvo.
Barca ingleza -Anne Seott -carvo.
Escuna hollandezaSprcM/an/e=diversos gneros
Brigue portuguezFlorinda -diversos gneros.
Reccbedorla de rendas Internas
geraes de Pernambuco.
Rend ment do dia 1 a 28........ 38.7584382
dem (te dia 29................. 3:692*330
O Illm. Sr. inspector da theseuraria de fazen-
da desta provincia mar. la fazer publico queperan-
te a mesma thesouraria, no da 30 do corrente mez
ao meio dia, sero arrematados a quem maior pre-
50 offerecer, 12 eavailos que trans)oriarani os em-
pregados do juizo des fritos da fazenda ridade
de Goianna, alim de se proceder alli a urna nova
avaliacio dos bens pertencentes ao extincto enca-
pellado de Itamb. Os pretendentes devero com-
parecer na casa da referida thesouraria no dia e
hora marcados.
Secretaria da ihcsouraria de fazenda de Pernam-
buco 23 de dezembro de 1863.Manoel Jos Pin-
to, servindo de aflicial-maior.
DECLAMCOES.
42:450*712
Consulado provincial.
Readimentodo dia la28......... 112:637*155
dem do da 29................. 5:687*358
1 brasileira d'pa^eteV Va^or725*7l**! urna mii.er pojada e um'horaem;e (erido a Jiver- he. *an
cada urna: as da estrada de ferro de D. Pedro II
5* de descont ; e a da companhia de seguros Fi-
delidade 95 te dito.
Nao bouve mudanza na taxa do descont; os
. bancos manteai-se a 9 0|0; e na praca, que se con-
qoo serva folgada. regahun de 8 a 9 i|2 0)0.
eram Agurdente.Entraram 388 pipas, a maior par-
te de Campos.
Cottram-sedeJS* a 60 por pipa. O deposito
o Ma- ^ comu a estrella que no azul scintilte
sas pessoas.
- A' 26 do nassado sahio do Havre, para .-
ranhio .Para, a barcateanceza-Marj. N^ela^,. fK^Sisa^efflamto passa
^K,"niand ; Perfumequo as.-.inaI
Llogo
nao excede de 800 pipas. Twn bavido
o Maranhao e Para, o brigne /ranees
i para o tara, o brigue t Beaujeu ; e
! namliuco, a gatera franceza Adte 1
I ter partido 10 do corrente.
0 vapor franeez, portador da mala de Bor-
alguma! dos, no corrente mes, e o Guicnue ..
O vator ingtez t Magdalena trouxe a seu
para Per- Oh I nao te queixes I Meloda estranha
que devia jeu queixume nos ares se perdVa,
Como o som do alade mal cuidado,
Quo estelando gomara!
PrA^"ncar-Em'raramdde Campos 3,608 saceos,' bordo.^da EBropaTl57 passagelros, sendo : 20 pa-
731 caixas e 73 barricas. De Pernambuco, Ma- ra Pernamfraco, 23 para a Baha, 86 para 0R10 e
oei, Cotnguiba e Bahia, nao ti vemos suppnmen-; Janeiro, f
tos. Avres-
para MontevidtiO e 32 para Buenos-
Oh I nao chores I A lagrima consol,
S qnando a enxuga ptedosa amante..
Mas essa... pode apenas e despeito
Qdmmar-te 00 semblante.
118:344*813
Hambnrgo, 5 de dexembro dr 1863.
Relatorio Commercial.
Q mercado oontraiia com pouca aniraafo, em
consequencia dos acentecimentos polticos, que im-
pedem toda a especulado.
Caf Os presos redusdos, e as entradas limi-
tadas dera 11 lugar a transaccoes mais considera-
vers, de maneira que o deposito desceu t mi-
lhdes le libras.
A differcnca entre os precni no Brasil e neste
mercado o qual nodeixa esperar por ora grandes
carregamentos para aqu, tem temado muito reser-
vados ios possuidores.
Desde o nosso ultimo mporteram-se 6,000 sac-
eos de caf de Santos, 7,630 ditos do Rio te Ja-
neiro, e 407 dib* da Bahia, o em todo o raez de
novembro 20,170 saceos.
As vendas de caf brasileira no mes lindo foram
de 51,600 saceos, do Rio e de Santos 6 V, ^ Va
schillings.
' real ordinario do Rio : 6 '/i> 7
Sania tasa le Misericordia o Recife.
A Illm junta administrativa da Santa Can d
Misericordia do Recife manda fazer publico que no
dia 31 do corrente, pelas i horas da tarde, na sala
de suas sess5es, vai praca o forneciraento de pao,
bolacha e carne verde, que houver de cousumii os
estabetecimentos de earidade no semestre de Ja-
neiro a junho do prximo anno. As propostas de-
vem ser em cartas fechadas, os pagamentos sern
fritos cenformo pe"n'"'rwn as forCas do eefre'e os
pretendentes sao obrigados a apresenlar dadores
que se responsabilisem |*lo Bel cumprimento do
contrato. ,.
Secreuria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cite 29 de deaembro de 1863.
F. A. Cavalcanti Cousseiro.
Escrivo.
Conseibo administrativo.
Oconselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra tem de comprar os objeoto*
seguintes :
Para o presidio de Fernando.
4 arrobas de velas de carnauba, 10 libras de
ditas de spermarcte, 6 arrobas de caf do de me-
llior mialidade, 3 caadas de vinho de Lteboa, 20-
libras da doce do goiaba, 4 caixites de sabao, 3
resmas de papel pautado, 4 caixas de pennas de
ac, 20 caetas de pao, 10 arrobas de sai, i pecas
de madapolao, 1 libra de linha de nevi-Ho^ li-
bras de manteiga ingleza, 20 ditas de cl-o, 20 ditas
de banha te porro, 6 arrobas te assucar retiaada,
600-meiosdesola, 300 vaquetas, 800 couros de
brro 24 caixas rom seda, 4 gamellas de cera.
amarella, 2 eaixc->s rom retraes de valros, 2 qnin-
tees de techas de ac para eneostar, dito de dita>.
para salto, 2 arrolas de dita cora oabeea pa-
~i~MLr Ati ts inglesas, 4 diizias-
rana ou pardav

Cotamos o caf
schillings.
lmportaclo de
novembro :
1859
1860
1861
1862
1863
caf de 1* de Janeiro ti
mliors de libras.
73
72 5|4
86 1|2
74 2|5
80 4|5
Em ser em flus de novembro
as de i Antonia Beierra de Menezes Lyra.
I Coronel Antonio Gomes Leal.
Bernardo da Rocha Bastos.
Joaquim Jeronymo da Coste Macliado,
Joao Vanderlev Navarro Lina.
Jos Mamede Alves Ferreira.
Luiz Antonio Vianna.
Manoel Pereira da Silva.
I
de marteilos, I, arroba de linha
26 livros em branco de sendo 2 de 400 folhas cada um eos-roais de urna.
H.dlanda, papel pantailo, lendo todo*, de compn-
mento 17 polegadas o 8 ditas de largura.
Quem quizor vender tees obiectos aprsente-
as suas prupostas em carta teraada na secniterii
lo conselho s 10 horas da manhaa da da % <
Janeiro do anno prximo rlndauro.
Sala das sessdes do r.oiiseuVi admuwstt^tivo pa-
ra forneciraento do arsenal de guerra 28 de de-
zembro de 186X
Antonio Pudro de S* Barreta,
Coronel presidente.
Jom AnUmv Pinto.
Tenente-eronel vogal.
OKMhIO liftMA^
Relaeao das cartea aejaraa viaas do snl pelo
vapor Crozeira do Sul pra oa senhores abai^
xo declarados

/
'
i

\
17._____.".___


T
telarlo de Pcrnambur. ... T*r^a clra 3 O de De*euJ>ro de ifci.
, \
I
i
Consu lado de Por tuga I
0 cnsul de Portugal tiesta provincia, tendo de
proceder ao arrotamento de todos os subditos por-
tuguexes, nella residentes, para a organisacao da,
cstatistica gerftl da popularlo portugueza reside.it-1
te ueste imperio, o qne tnuito Ihe recemm'jnela-,
do pelo governo de 8. M. F., convida e pede to*;
dos eslcsseus compatriotas, que remetan esto j
consulado t o dia 31 de dezembro prximo,
urna relacao contendo os seus nomes, idadcs, es-
rado, tiliacao, naturalidade e occupacao e *em as-
sira os Bornes das pessoas de sua familw, lncluin
do caixcircs e criados, com as respectivas desig-,
*ac5ese,oom as mesmas declaraeoes. __
As pessoas que nao souberem esccever e qne nao
tenham quem lites faca estas retacoes deverao vir i
ao consulado faze-las verbalmeMte, onde Ihes se-1
rao tomadas todos os dias uteis desdo as 9 horas
da manha at s 3 da tarde.
Os caixeiros ou outros quaesquer individuos
,ae nao estejam em asas portuguezas devem
mandar as relacoesrdirt'.vas a suas pessoas.
O cnsul de Portugal depois de lautas provas
trioUf aqui residentes, nao pode duvidar de que '
Ihe concederla mais esta que desde ja agradece.
Entretanto v-se na necessidade de lhes declarar
que o consulado nao reconhecer como portugue-
zes, nem presura auxilio algum em nome de seu
governo quelles que at o referido dia 31 de det
zembro nlo acutlirem a este convite.
Koga-se a todos os portuguezes que deem ttjda
a publicidade possivel a este annuncio.
*ara o Aracaty
) hiate Oous limaos pretende seguir com bre-
vidade, *,endo parte da carga, e para o resto tra-
ta-Se na ra do Amorim no escriptorio de Tasso
traaos.
LEILOES.
mm
AOS 5,000:000
iilui
Srs. t> pitaes te navios.
s 1* horas.
Os salvados do hiato nacional Jnguaribe > j
aBnunciados sero vendidos quarta-feira 20 do
eorrente pelas 12 horas da manha, pelo agente
Pestaa no largo do Corpo Santo, sem falta.
Precisase alugar urna ama forra ou escrava
1 de meta idade, que tenha boa conducta, e saiba co- i
zinhar c engommar bem : na ra das Cruzes n. I
36, primeire andar. Paga-se bem. |
U abaixo assignado, guardio do convento de
Terca-foira, 5 de Janeiro prximo, se ex- Santo Antonio desta cidade do Recife, declara ao
trahir, pelo novo plano abaixo publicado, respeitavel publico que os devotos de N. S. da Sau-
.nnita mili di ^i/nnda nterin Ha Santa de> erecta naportara do mesmo convento, estao
aquarupai eui*, na da Ninia autorisados a proeurar esmolas para o festejo da i
mesina Senhora, bem como zelar dita capella como
d'antes era; llcando por esta declaraco destruida
qualquer preveacao que por ventura possa haver
contra os mesmos. Convento de Santo Antonio do
Recife 21 de dezembro de 1863.
Fr. Baptista do Espirito Santo.
Guardio.
INTERNATO
DE
HOJE
DE
700fiigos com hat las hollaudczas.
Que o agente Pestaa faz por conta e risco de
quem pertencer como acuna fica dito 700 gigos
com batatas hollaudczas desembarcadas hontem,
assegurando ao mesmo tempo seren as melhores
que ha neste mercado, pois que j bem condecidas
sao : as 10 horas da manha, no armazem do
Annes.
, Casa de Misericordia no consistorio da igreja
de Nossa Senhora do Rosario da freguezia
de Santo Antonio.
Os bilhetes e meios acham-se venda na
respectiva thesouraria .rua do Crespo n. 15
e as casas commissionatlas ra da Impera-
triz n. 44, loja do Sr. ftmentel; ra Direita
n. 3, botica do Sr. Chagas; roa estreita do
Rosar n. 12, typograpliia do Sr. Mira e ra
da Cadeia n. 45, loja do Sr. Porto.
Os premios de 5:0000000 at 10,0000
sero pagos urna hora depois da extraccao
e os outros no dia seguinte depois da distri-,
buico das listas. 1
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Soiiza.
PLANO
para as partes ordinarias
loteras. '
3,400 bilhetes a 55000
Beniflcio, sello e commissao 2n |o
IBIIAO
DE
i ni grande sobrado de um an-
dar na cidade do Araeai y.
O agente Almeida far leilo reqaerimento dos
administradores da massa fallida de Seve Filhos
& C. e mandado do lllin. Sr. l)r. juiz especial do
commerrio, de um sobrado de um andar com 3o
palmos de largo tendo 3 janellas na frente, na ra
das Flores da cidade do Ararat y em chaos forei-
ros cmara municipal de dita cidade.
Seita-feira 8 de Janeiro de 1661
porta da associaco commercial s 11 horas ; os
pretendentes podein obter qualquer informacaodo
agente cima.
0 Sr. Jos Lopes Machado quoira apparocer
na ra do Amorim ni 35, segundo andar, qu se :
Ihe desr-ja fallar a negocio de seu interesse.
v Precisa-se alugar urna ama para cozinhar em ;
casa de pouca familia : na ra das Cruzes em
Santo Antonio n. 41, segundo andar.
das
17:0005000
3:4005000
DENTISTA DE PARS
19Raa Nora -1*
Fredcrico Gautier, cirurgio dentista,
faz todas as operacSes de sua arte, e col-
loca denles artiiciaes, tudo com superio-
ridade e perfeico, que as pessoas enten-
didas Ihe reconhecem.
Tem agua e pos dentificio.
Liquido
1 premio de
Idito
i dito
1 dito
4 ditos de
8 ditos de
14 ditos do
30 ditos de
1040 ditos de
1100 premiados
2300 brancos.
13:60050001 Aluga-se o primeiro andar do sobrado da
roa do Crespo n. 23 : a tratar na loja.
1005000.
405000
205000
105000
.5000
:xm*ooo
1:2005000
6005000
3005000
4005000
3205000
2805000 Precisase de urna ama de leito : na ra das
3005000
5:2005000
13:6005008
i onsuUlo provincial.
Pela mesa do consulado provincial se faz publi-
co que os 30 lias uteis marcados para a arrecada-
(ao bocea do cofre do 1" semestre do auno finan-
ceiro eorrente de 1863 1864 dos impostos da de-
cima urbana das freguezias desta cidade e da dos
Afogados, e de 5 OjO sobre a renda dos bens de
rail pertencentes corporacoes de mao morta se
prineipiam a contar do dia 1" de dezembro vin-
tlouro.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco
23 de novembro de 1863,
Antonio Carneiro Machado Hios.
Administrador.
Pela subdelegada da Varna se faz publico
que se acha depositado um cavallo castanho, intei-
ro : quem for seu dono, comparega, que provan-
do, Ihe ser entregue; e bem asara que se acha
rccolliid* casa de dotencio o preto Januario que
di sei OBcravu uc Joaquiu Manoel do Reg. O
subdelegado 1 supplente en exercieia,
Francisco Sotter de Figueiredo Castro.
Carreja.
Pela administradlo do correio desta cidade se
faz publico que as malas que tem de conduziro
vapor Cruzeiro to Sul para os portos do norte se
rao fechadas boje (30) as 3 horas da tarde : os se
guros at 2 horas e ns jornaea at meio dia.
AVISOS DIVERSOS.
0 cirurglo Leal mudou
a sua residencia da ra do
>g; Queimado paija a ra das
^ I Cruzes sobrado n. 36, pi-
g meiro" andar, por cima do
armazem Progressista, aon-
prompto a qualquer hora pa-
ra o "Ixercicio de sua fvo-
fissao. Chamado' por escripia,
O Sr. Jos Francisco Pinto Guimaracs, cirur-
giao pela escola real de cirurgia de Lisboa, trans-
ferio sua residencia para a ra Nova, n. 60, pri-
meiro andar, onde pode ser consultado todos os
dias uteis das 7 s 10 horas da manila, acerca das
doencas denominadas cirurgicas ou externas espe-
cialmente daquellas, em rujo tratamento mais fre-
quentemenle interven! a medicina operatoria.
AYISOS MARTIMOS.
COMPANHIA BRASJXEIEA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte esperado
at o dia Io de Janeiro o vapor
Princesa de Jotutillr, comman-
dante Antojo, o qual depois da
demora do costme seguir para
os portos do sul.
Desde j rerebem-se passageiros e ongaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das e dinheiro a frute at o dia da saluda as 2 ho-
ras, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de An-
tonio Luizde Oliveira Azevedo & C.
MMIHMa
Segu com hrevidade para o indicado porto o
veleiro brigue portOfOez Jovim Amelia, rapito
Rodrigo Antonio Uranco : quem quizer carregar,
dirija-se ao seu consignatario Antonio de Almeida
'jomes, ra da Cruz n. 23, primeiro andar.
Para Lisboa pretende sabir cem muita hrevi-
dade o patacho Jares, capitao Jos Marques Coe-
Iho Sobrinho, por ter parte de seu carregamento
tratado : para o resto que Ihe falta, e passageiros,
trata-se com os >cus consignatarios Palmeira &
Beltrao, largo do Corpo Santo n. 4, primeiro
ndar.
Gab neie medico cii urgico ra dos
Flores n. 37.
O Dr. Estevo Cavalcanti de Albnquerque d
consullas medico cirurgicas em seu gabinete das.
8 s 11 horas da manlia e das 11 at s 3 horas
da tarde, os chamados deverao ser por escripto e
dessa hora em diaule devur ser procurado na ca-
sa de sua residencia no Chora-Menino.
1." Partos.
2.* Mutcslias e pulle.
3.* dem dosolhos.
4. dem dos orgaos genltaes.
3400 bilhetes.
N. B. As sortes maiores de 4005000 esuio sujei-
las aos descontos das leis.
Thesouraria das loteras l.j de ddembro de
1863.O thesoureiroAntonio Jos Rodrigues de
Souza.
Approvo. Palacio do governo de Pernambuco
16 de dezembro de 1863.Joao Stloeira de Souza.
Este plano para ter vigor do 1 de Janeiro pr-
ximo eindiante.__________________________
~40S 5:000,000
cas4 4 mm\k
Bilhetes garantidos
A' ra do Crespo n. 23 e casas do costume
No dia 5 de Janeiro se extrahir a quarta parte
da segunda lotera da Santa Casa de Misericordia.
O abaixo assigoado recommendando ao respei-
tavel publico a compra de seus muito afortunados
bilhetes garantidos, lembra-lhea vantagem que ha
em receber os premios por inteiro, por quanto
quem tirar a sorte grande em bilhete garantido
nao receber somente 4:2005, em viriude dos
descontos de 16 por rento que Ihe farao' em. vista
das leis, mas sim os 5:0005, que vero a ser os
ditos 4:2005 e mais 8005 que pagar o abai\o
assignado, importancia de ditos descontos. Os pre-
mios serao pagos como de costume.
Precos.
Bilhetes inteiros..... 65000
Meios bilhetes...... 35000
Para as pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Bilhetes........ 55500
Meios......... 2575O
Manoel Martins Fiuza.
Precisa-se de urna ama que se queira sujei-
tar acozinhar e comprar na ra, paga-se bem
na ra de Santa Thereza n. 14.
ttociedade de seguros mutuo*
de vida Installada pelo Banco
Unio na cidade do Porto.
Os agentes nesla cidade e provincia Antonio
Luiz de Oliveira Azcvcdo & C esrrlpiorfa na ra
da Cruz do Recife a. 1, estao autorisados desde j
a tomar assignaturas e prestar todos os esclareci-
de-
Antonio Jos Rodrigues de Souza aluga a so-,
casa e sitio do Monteiro, em frente ao oita^ Ja | t-'
igreja de S. Pantaleo, com bastantes commoefi?.: 5a>
a tratar na thesouraria das loteras, ra do Cres- *^*"
PQ n. 13.
Establecido aa cidade do Recife
Sol a proteeco do su 111 mu pontfice Po t\.
Director0 bacharel em malhematicas
BERNARDO PEREIRA DO CARMO JNIOR.
O director do intrnalo de S. Bernardo, nao tendo evitado esforcos nem sacrificios
para proporcionar aos seus alumnos urna perfeita educacao phvsica, moral, intellectual c
religiosa, olTerecendo-lhes urna habitacao com bastantes condicot-s de salubridade, habis
professores que sao solcitos em prepara-los convenientemente ao fim que se destinam,
medico ortico que Ibes faca comprehender os preceilos da bygiene e lhes cure das doen-
cas, e finalmente um sacerdote Ilustrado e honesto que lhes explique os principios da re-
figiao thrlstaa, espera que assim constituido nao deixar o seu estabelecimento de mere-
cer dosSrs. paes de familias o auxilio e confianza com que j alguns o tem honrado; e
lhes roga, bem como todas as pessoas inleressadas, que se dignem de visitar o mesmo
seu estabelecimento, onde sempre encontrar franco ingresso.
Cadenas de ensino :Primeiras letlras dividida em duas classes, tendo cada urna o
seu professor, latim, francez, inglez, arilhmetica, algebra e gcographia, pbilosophia, rbc-
torira, desenho e msica.
O collegio tem a sua sede no espacoso edificio n. 32 ra d'Aurora contiguo ao do
collegio dos orphos.
Nos estatutos do collegio, que estao a disposicao de quem os quizer 1er, se acham
Consignadas as condicoes de entrada c matricula as diversas aulas do eslabeleci-
n-iento.

Trincbeiras, sobrado n. 17.
- Aluga-se a casa terrea da ra da Paz n. 28 :
a tratar na ra Direita n. 24.________________
Furto
Furtaram do Manguinho dous ca val los alasoes,
grandes, com os signaes seguintes : um grande
o bonita figura, frente aberta, tres ps brancos,
tem pintinhas brancas na anca e urna cicatriz na
anca esquerda ; como ha pouce se botou no carro
est cncabellando a marca que Ihe fez a coleira,
anda muito bem do baixo a meio; o outro gran-
de c est um pouco magro, te urna estrella na
testa, as dinas aparadas, e os dous ossos da anca
saliemes ou esporados : recompensase bem a
quem der noticia dos mesmos na ra da Cadeia do
Recife o. 35.
^ Aluga-se a casa terrea n 10 da ra do Ara-
gao, a qual s serve para algum estabelecimento
ou oOiciua : quem o pretender, dirija-se ao quar-
tel de polica tratar com o capitao Teixeira, ou
na botica n. 6 da praca da Bia-Vista, que achara
com quem fazer negocio sobre o dito aluguel; na
mesma botica ahi encontrar a chave para se cor-
rer a dita casa.
Precisa-se de um bom
vma qu saiba engommar e lavar :
sobrado n. 32, da ra da Aurora.
Offerece-se um rapaz portuguez para caixei-
ro de taberna, da qual tem alguma pratica : quem
precisar, dirija-se ra da Scnzala nova n. 39, ta-
berna da esquina.
C'ompanhia fele I i dude de
seguros martimos e ter-
restres es (i he I celda no
Rio de Janeiro.
AGB.NTES Eli I'KI'NAMM Y.
A11 Ionio Luiz de Oliveira Azevedo & C,
competentemente autorisados pela direc-
teria da companhia de seguros Fidel ida-
de, tomam seguros de navios, mercadu-
ras e predios no seu escriptorio ra da
Cruz n .1.
Precisa-se alugar urna ama para cozinbar e
comprar para casa de hornera solleiro : na ra do
Queimado n. 43. Prefere-se escrava.
Na ra estreita do Rosarlo,
precisase alugar um moleque.
hotel vigilante,
Flix de Cantalice tendo encarregado ao sen ad-
vogado o bacharel Luiz Augusto Crespo a cobran
c,a de todas as suas dividas activas, pede a todos
os seus devedores o obsequio de se enlenderem
com o mesmo seWior dentro do praso de 15 dias
ao presenta^afim de darem cumprimento s suas
obrigaedes, sol vendo os seus dbitos, sob penado
cosiniieiro ede urna se proceder judicialmente contra os mesmos sem
tratar no dislinccao de pessoa.
O bacharel Francisco Jos Marti os Penna, leu-
do sido ohrigado a partir urgentemente para a
provincia de Sergipe, ailin de tomar posse do lu-
gar de juiz municipal, para que foi nomeado pelo
governo de Sua Magcstade o Imperador, nao pode
ter occasio de despedir-sc dos seus amigos, col-
legas e constituinles, que honraram-n'o com a sua
-- Os admiistradores da
massa fallida de Seve Fiihos
& C, (MHividan aos credo-
res da mesma massa para no
nlt m\IE
mentos que forem neeessarios, as pessoas que
Praticara toda e qualquer operacao em seu ga-1 sejarem concorrer para tao til e benfica empre
bnete ou em casa dos doentes conforme lhes for I Ia segurando um futuro lisongeiro aos assoeiados.
mais conveniente.
Casas para alugar.
Urna loja e primeiro andar na ra das Cruzes,
urna casa terrea na ra da Alegra, um tereeiro
andar e soto na ra do Encantamento : a tratar
com Joo Ribeiro Lopes, ra da Cadeia n. 33, loja.
Os administradores da
massa fallida de Amorim, Fra
gzo, Santos Cconvidnn es
C' edores da mesma massa para
noprazo de 8 dias aprsenla-
rem os seus titulas, no escripto
rio da ra do Vinario n 21,
primeire andar, a Jim deserem
verificados, das 10 horas 4a
manlia as 3 da tarde, l'er
nambuc> 22 de dezembro de
1863. .
mm
Fe-mando Gazzol, subdito romano, retira-se
liara a Europa.
"ara
Segu ao indicado porto com a possivel brevi-
dade o veleiro hiate titulo Paquete, capitao Anto-
nio Mara da Costa e Silva : para carga, trata-se
com e consignatario Antonio de Almtida Gomes,
ra da Cruz n. 23, primeiro andar.
PIBA 0 RIO EE JANEIRO
pretende sahir com muita orevidade o patacho
Correa por ter a niaior parte da carga tratada :
para o resto que Ibe falta e escravos a frete, tra-
ta-se com os consignatarios Palmeira c Beltrao,
largo do Corpo Santo n. 4, primeiro andar.
Para a Baha
O palhabote Gartbuldi pretende seguir com hre-
vidade para este porto, tendo parte de seu carre-
ramento, e para o resto trata-se no escriptorio de
Tasso limaos na ra do Amorim.
Para o Rio de Janeiro
At o dia 30 do eorrente pretende seguir im-
pretervelmente o patacho nacional Beberibe, para
o re*to da carga que Ihe falta e escravos a frete
para os quaes tem excellentes commodos trata-se
com os seus consignatarios Antonio Luiz de Oli-
veira Azevedo & (1, no seu escriptorio ra da
Cruz n. 1.
Para a Babia pretende sabir com muita hre-
vidade o veleiro palacho Tliereza, capitao Joo
Oirreia Lima, por ter a maior parte para o resto yue Ihe falta, trata se com os consig-
natanes Palmeira & Beltrao, largo do Corpo Santo
n. 4, primeiro andar.
A 15 de novembro do anuo de 1863 fugio um
escravo crioulo de nome Miguel, de idade pouco
mais ou menos de 40 a 45 anuos, com os signaes
seguintes : altura regular, cheio do corpo, bastan-
te barrigudo, cor bem fula e um pouco descorado,
pouca barba, tem urna cicatriz nos peitos de una
espinba carnal, nariz um pouco chale, olhos nao
muito pretos, sabio vestido com camisa de algodo
americano, e nao tem officio seno de enxada :
quem o pegar leve-o ra da Praia n. 59, que ser
gratificado pelo Sr. Francisco Marques da Silva
em seu armazem de carne seeca n. 59.
Precisa-se alugar um preto captivo : na pa-
daria allemaa ao p da fundicao.
Precisa-se alugar urna escrava para vender
na ra : na Ponte Velha n. 25.______________
Acha-se recolhido cocheira do Varadouro,
em Oliuda, desde o dia 23 do eorrente, um cavallo
alaso grande, o qual anda va desnortiado : quem
se achar com direito ao mesmo cavallo, pode pro-
curar na mesma cocheira. __________
Do eogenho Tiuma furtaram a semana pas-
sada um qnarlo alaso, castrado de meio para
baixo, curto e bastante grosso, bem formado, fer-
rado e bem visivel, porm ignora-se o ferro, sem
andares, apenas passo e bom galopador, muito ar-
digo e passariuheiro, bastante carnudo e muito
mantedo : roga-se a qualquer pessoa que seuber,
dirija-se ao tereeiro andar da ra do Imperador n.
44, que ser bem recompensado.____________
Aluga-se urna boa casa em Jaboatao, com
mobilia, por tres mezes : na ra Direita n. 3, ou
no mesmo lugar, padaria Sebastopol.
Roga-se s pessoas que tiverein objectos em
deposite, no poder do abaixo assignado, os venham
resgatar at o uia 3 de se rem vendidos para seu real embolso.
Joaquira Araulia de Souza.
Carneiro fgido.
No domingo de manha, 27 do eorrente, desap-
pareceu um carneiro grande, castrado, de cor mel-
lado, do sitio em que mora hoje Fredcrico Chaves,
en l'arnameirim : quem o pegar, qwerendo fazer
o favor de mandar entrega-lo no mesmo sitio ou
nos Alilictos no sitio de Frederico Chaves Jnior,
que alem de se recompensar o trabalho, fica-se
ohrigado. i
0 dentista que tira dentes
sem dr.
Acha-se de passagem para Europa nesla Ilustre
capital o dentista Julio C. Pedrolla, doutor em va-
rias scicncias, e mora em casa particular, na ra
do Trapiche n. 12. Portanlo approveite quem quer
ser operado pela sua leve e segura mo. As se-
nboras e as familias nao tero incommodo de sa-
hir de casa apandar sol, o dentista vai em todas
as casas aonde for chamado. Quando apresenta-
se a cavallo ao publico as operacocs sao sempre
gratis para a pobreza.
Tem os seguintes remedios:
Mistura hygienica > do Dr. Iticaard para amo-
lecer os dentes perigosos e faze-los cahir sem ajuda
de ferro; < ambrosia do Dr. Uucdardat para fa-
zer passar a dr dos dentes em dous minutos ;
pomada dos padres capuchinhos > da trra santa
para curar erysipella, rheumatismo, escroto in-
chado e feridas; xarope mexicano para curar to-
das as molestias do peito como phtysica pulmonar,
asthma, puchamento, losse, catarro, falta de respi-
racao, etc.: na ra do Trapiche n. 12 hotel da
Europa.
Na ra do Destino n. 10 precisa-se de urna
ama que saiba comprar e cozinhar, para duas pes-
soas.
estima e confiancan'esta provincia; como, porm, ni,GA. lp AifA ,i:ac anvOCMlto- 5
espera voltar brevemente para transportar sua piaov-at' UllU lilao ttu l^oCUta Cg
familia para aquella provincia, pelo presente offe- canG ftnlnc un DQ-
rece ditas pessoas seu preslimo durante o lempo 1 vil! Uo OCllo lllUiUo 11U Co
em que alli esliver, e lhes assegura que, quando OT,infA1,iA /! nilll l\(\ r,f\vnf\
voltar, tratart de cumplir seus deveres, agora tlipiUllU Uel pid^-l UU \j\Jl \H)
preteridos pela presteza de sua partida. Aos seus Ci| 1 constituintes pede que se entendam com seus dig- kjalllAJ lli XI \UC xiUguoiU X.
nos collegas e amigos -Drs. Antonio Witruvio l'Aliv.aio \ nfim Aa aavam va
Pinto Bandeira Accioly e Vasconcelos e Jos Ro- (l UllVeildj (Ullll (W S616I11 \e-
berto da Cunha Salles, que lhes informarlo de i-fi/jo/lna
suas causas.
Precisa-se de urna ama livre ou escrava, que
teja boa engommadeira e se preste a todo o ervi
50 de una casa de familia, excepto o de cozinha:
na ra estreita do Rosario n. 31, tereeiro andar.
Ncsta lypographia precisa-se fallar ao
Sr. Fredetico Skiner escultor,______ _
Aluga-se o 2" andar do sobrado da ra do
Imperador n. 79, bastante fresco, e decente para
urna familia : a tratar com Antonio Jos Rodrigues
de Souza, na ra do Crespo n. 15.
O Sr. Luiz Paulino Cavalcanti de Al-
buquerque, tem urna carta nesta typographia.
Perdeu-se na noite de 24 do torrente una
pulseira de ouro, desde o largo do Pilar at o Cor-
Jeronymo Pereira Villar, achando-se melhp-
rado do sua" saude, tem resolvldo transferir seu
collegio para o centro desta cidade, c em quanto
naoarranja tima casa que oiTcrec.a maiores com-
modos, pretende abri lona na do Crespo, esquina
da ra do Imperador, sobrado de tres andares por
cima do armazem de molhados do Sr. Duarte, onde
os pais dos seus alumnos o cncontrarao.ccrtifican-
do-lhes, assim como ao respeitavel publico, que
contina a ensinar as mesmas materias do auno
lindo.__________________________________
O Dr. Antonio Vicente do Nascimento Feilo
sa, tendo de retirar-sc para a corle do Rio de Ja-
neiro, alim de tomar assento na cmara tempora-
ria, como deputado assembla geral por esta pro
vincia, avisa ao respeitavel publico, e com especia-
po Santo : quem aehou-e quizer restituir, dirija-se lidade aos seus constituintes desta e de outraspro-
ra do Pilar n. 56, que ser gratificado,
No dia 18 do correle desappareceu um par-
dinbo de 12 anuos de iJade, o qual ilefeiluoso de
um dos dedos de urna das mos, levou chapeo
branca de bata, calca velha de panno escuro; o
menino desappareceu em viagem da Luz para o
eogenho Saulo Amaro, na Vanea, suppondo-se ter
sido sbduzido por um sertanejo vendedor de car- .
neiros, j velho, com chapeo de couro : quem o.'PS de,'ue na usencia do Dr. Fetosa os negocios
pegar ieve-o ao subdelegado do Barro. 1 forenses a_seu cargo, c os que occorrerem de novo,
*-2-----------------------z------------.----------- proseguirao com a mais perfeita regulandade.
Precisa-se de 2:5005 a premio, dando hypo-1 ODr-Feitosa avisa, outro sim, ao respeitavel
vietas que o seu escriptorio na ra estreita de
Rosario n. 23 contina soba direccSo de seu com-
panheiroe collega o Sr. Dr. Joaquim Jos de Mi-
rauda. Os solidos estados do Sr. Dr. Miranda em
jurisprudencia, a pratica que possue dos negocios
forenses, oconhecimento que tem das causas do
escriptorio, onde trahalha ha cito annos, e o carc-
ter probo que o distingue, sao garantas sufilcien-
Troca-se lelha boa por lijlos de alvenaria
grossa : a tratar na ra do Mondego, olaria n. 13.
Precisa-se de urna ama para fazer e servico
interno c externo de urna casa: na ra das Lara-
geiras n. 5, primeiro andar.________
Aluga-se um sitio na Capunga velha, coiu
boa casa, contendo 4 qnartos, gabinete, cacimba
com boa agua, quartos para pretos, estribara e
I fructeiras, todo murado : quem o pretender, diri-
ja-se ra do Crespo n. 18, primeiro andar.
Aluga-se urna casa propria para os senhores
esludanles, sita na ra dos Coelhos n. 6, junto do
sobrado do fallecido Anacleto : a tratar na ra do
Mondego, olaria n. 13.
O Dr. Sarniento Fildo, medico operador yg
do hospital Pedro II, para maior com-
modidade das |>essoas que o honram com
a sua confianca, participa que ser en-
contrado todos os dias no referido bos-
fS pital das 7 s 10 da manha e dessa hnra
em vante na ra do Queimado n. 44, se- ^j,
7i* gundo andar, onde ha eslabelecido o seu ^
SKf consultorio, ou em casa de seu paiCam- g
H |io das Pnncezas.D consultas gratuitas
afe todos os dias no dito hospital, onde pra-
jra tica toda e qualquer operadlo de que os
^S pobres precisem para o seu restabeleci-
3% ment. Incumbe-se especialmente da
cura das molestias do dominio da medi-
cina operatoria, que se ha dedicado,
das affeccoes do ulero e da uretra.
mmm. wm* mm mmmr
Continuam a estar fgidos desde o dia 8 de
ontubro prximo passado deste eorrente anuo de
1863, es dous escravos mulatos pertencentes ao
abaixo assignado, sendo um de nome Odelon, cor
bastante clara, de 18 annos de idade, bem augura-
do e plido, cabellos sollos, rosto redondo, com bu-
co de barba, olhos, nariz e bocea regulares, dentes
limados na frente, ps grandes, um pouco pansu-
do, tem na canela- e no tornozelo do p urna cica-
triz, ja fechada, c dolado junto as costlas marca
de caustico, levou roupa de sobreceleute ; e o ou-
tro que o seduzio chama-se Thomaz, alto e grosso
do corpo, de 45 para 50 anuos, acaboclado, rosto
redondo, com algunas marcas de bexigas,mal en-
carado, olhos pequeos e morios, vista baixa, na-
ris e bocea regulares, falla descancada, Costuma a
embriagarse, muito sagaz, tem una peina mais
grossa do que a ulra, e nesta omitas marcas de
chagas j fechadas, conservando tuna pequea na
canella; este ca bocio foi escravo da Parahiba do
Norte, engenho Ita;iu, vendido nesta praca em
1856, e saba o caniintio do?erto, j por duas ve-
zas tem fugio, onde na primeira vez leve quatro
annos, e foi preso para aquellas bandas, e da nutra
em Agiia-l'rela, trabalhando como forro, de nome
mudado na estrada de Ierro, e supnoo-se andar por
.Igun engenho trabalhando como forro porque le-
vou enxada, foice e facao de corlar capim, ambos
sao trabalhadores de enxada, e inteligente no servi-
co de campo : roga-se s autoridades policiaes, ca-
pites decampo, ou qualquer pessoa que o virein
o mandem pegar e levar no Recife, ra de Impera-
dor, tereeiro andar n. 44, que sero bem recom-
pensados.
theca em urna casa
ser procurado.
Benedicto de
Babia a negocio.
: quem quizer aununcie para publico, que as pessoas que quizerem ouvir suas
_______________________\ opimoes, poderlo remetter-lhe para a corte suas
Sauta Rosa, Brasileiro, vai consullas por intermedio do mesmo Sr. Dr. Miran-
da, certo de que a resposta lhes ser enviada pelo
do receb-
se encarrega-
quaesquer nego-
pes n. 18, sobrado de um andar.
Para o lo de Janeiro.
O patacho nacional Capuam, pretende seguir
com muita brevidade, iem parte de seu carrega-
menarngajado, para o rosto que Ihe falta e es-
traves i freto paraos qnae# texn hons commodos
fr.ita-seeomos seus consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo 4 C* oe sea escriptorio roa
di Cruz a. L
Do primeiro andar do obrado n. 56 da ra
da Cruz furtaram no dia 29 do eorrente tun reld-
gio de ouro patente suisso n. G0I97, dcscoberto
com as inicaes M. A. M. S. entrelazadas, e oais
um trancelim grosso de ouro com passador com
podras : roga-se s autoridades policiaes e parti-
cularmente aos senhores relojoeirosa apprebenso
dos referidos objeptos.
4liUG%tt-SE
Juas grandes casas terreas na Ponte de Ucha, com
commodos em demazia e grande sitio : a tratar na
ra do Amorim no Recife n. 54.
IIOWEII lili
vola particular de latim e
francez.
O padre Flix Brrelo de Vasconcello com aula
particular de latim e francez na ra do Imperador
n. 35, segundo andar, da impreterivelmeute come-
co ao seu ensino na segunda-feira 11 do prximo
vindouro niez de Janeiro.' Tambera- d licoes de
arithmclica e grammalica portugueza o franceza
por casas de familia, e se contrata para ensinar la-
tim e francez em algum collegio particular, sendo
em horas que nao prejudiquem ao ensino em sua
casa, o qual principiar as 9 horas da manha, e
encerrar-se-ha as 2 da tarde em lodos os dias da
semana, excluidas as quintas-feiras que serlo da-
das aos alumnos para o estudo de gabinete, cujas
tarefas lhes serlo marcadas as quartas-feiras, e
ele-lias darlo conta as sextas, dia- em que deverao
apresentar-se na aula as 8 horas da manha.
O ensino do francez contina a ser gratuito aos
alumnos somente que com o annunciante estuJa-
rem o latim; advertindo, porm, que esta graca
I ser feita somente quelles que se matricularen!
I at o fim de Janeiro, tendo de perde-la quelles que
I vieren depois.
Os pagamentos serlo mensaes e sempre adian-
lados vista dos recibos.
Tambem recebe alumnos de primeiras letras,
nao porque ensine por si mesmo as respectivas
materias, mas porque lem em sua casa professor
habilitado para ensina-las.___________________
Aluga-se a casa terrea n. 8 da Kua da Man-
gueira : a tratar na ruado Queimado o. 38.
---------------1 O mesmo Sr. Dr. Miranda fica munido de pro-
GUirdd-liVI'OS. i curacao bastante para tratar de qualquer negocio
Offerece-se para qualquer casa commercial um iue JiBa rt!SPeil ao Dr- Fcitosa> 1ucr Particular
hbil guarda-I i vros, encarrega-se de qualquer es-11uer orcnse-____________________________
cripta por partidas simples ou Jobeadas : a tratar
na ra da Imperatriz n. 42, segundo andar._____
Precisase de um caixeiro de 12 14 annos,
que tenha pratica de taberna : a tratar na ra da
Roda n. 48.
Aluga-se o tereeiro andar do sobrado da ra
Novan. 19, com bastantes commodos para fami-
lia : a tratar na ra da Cadeia n. 62,' segundo
andar.
eu annuncie para ser procurado.
ttueui nao comprar por .#
Ricas chapelinas de seda para senhora, muito
bem enfeitadas e do ultimo gosto : na ra do
Queimado, loja n. 41.
^mmMnmmmm
Contina a haver pao de sentcio novo nos dias
quartas e sabbados de cada semana, na padaria
em Santo Amaro ae p da fundicao, na ra da Im-
peratriz n. 22, e ra do Brum, confronte o chafa-
Precisa-se oe urna ama que tenha bom leite rr n. 47; rua das Cruzes, deposito n. 39, na Pas-
para araamentar urna crianca de Ires mezes : a sagem, taberna da esquina do Sr. Bento, que vira
pessoa que cstiver nestascircumsUncias, dirija-se!parao Remedio, e no armazem progresso, largo
rua Direita n. 84, sobrado, para tratar do ajuste, (ja penha n. 10.
----------------I O administrador da casa de banhos do pateo
a casa da rua salas, 7 quar- cartes. hajam de ir trocar por novos at o da 31
Aluga-se por commodo
Imperial n. 213 com duas grandes
tos, cozinha fra, quintal e cacimba
padaria da rua Direita n. 84.
TINTURARA.
Tinge-se com perfeicao para qualquer
cor, e o mais barato possivel: na rua do
Rangcl n. 38, segundo andar.
D-se 1:5005 a premio sobre dypotlieca em
alguma casa : a tratar na rua de Hortas n. 4.
JMnttfWL
Maques sobre Portugal.
O abaixo assignado, agente do banco
mercantil Portuense nesla cidade, saca ef-
fectvaraente por todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
qualquer somma, vista e a prazo, po-
dendo logo os saques a prazo seren des-
contados 110 mesmo banco, na razio de 4
porcentoaoanno aos portadores que as-
sim Ihe convier : as ras'do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
A ma.
Precisa-s de urna ama para urna casa de pouca
famili 1 : na [iraca do Corpo Santo n. 17.
1. M. Royle vai a Parahiba.
a tratar na este mez; licando inutilisados se o nao fizerem.
Na rua da Cadeia do Recife
urna ama para cozinhar.
n. 13 precisa-se de
**lii*.*kiW< HK&KiBlf&K jw?J'*s4rj*V .
i& Trocam-se imagensdo Porto, escultura
^5 em madeira, na loja de Joaquim Luiz dos
p1 Santos,, rua de Crespo n. 1.
Festa da Senhora do Monte.
S. tve. o Sr. D. ahbade le S. liento
uVicfoi 1I0 com o 1 baixo assignado tem
removido a festa da Senhora do II o ule
do dia 31 do con ente mez, p-ia 17 de
Janeiro vindouro* nimia, 15 de de-
zembro de 1865.
Manoel Luiz Viiaes.
Aluga-se o armazem n. 4 da rua do Apollo, e
o tereeiro andar da casa n. 88 da rua da Impera-
triz ; na rua da Aurora n. 36.
Aluga-se o sobradinho da rua Imperial n.
40, com excellentes commodos para familia : a
tratar na rua da Cadeia n. 6, segundo andar.
Da-s 500$ a premio:
mero Vi.
. Antonio Jos Rodrigue de Souza, n'a
Crespo n. 15, precisa alugar u) moleque
na rua Augusta nu- servido de casa de familia, e que saiba '
re, sendo de bons costumes.
Liona dos mnibus.
Pergunta-se ao Sr. Claudio Dubeux o
labelecido as passagens dos mnibus
lear car- para a Capunga. se 500 rs. ou I I! I
Um prejudicado.

r
b#lea
rua do
para o
reco es-
o Recife
Ao n. 29.
\o>a loja dos barateiros ua rua do Queimado.
Ricas saias de fustaoa 5.5. camisas inglezas para
senhora a 2.5, 24500, 35 e 45, coliertas de fusto
brancas a 55, chitas com lustro para coberta com
6 palmos de largura a 640 o cavado, cambraia de
cores para vestido a 3tO*o covado, las para vesti-
do a 480, 560 e 640 o covado.
Ao n. 29.
Nova loja dos barateiros na rua do Queimado.
Tarlalanas de "todas as cores, fazenda muito tina
a 720 a vara, cambraia para cortinado, peca de 22
varas, por 105, chales de la por 35, 45, 55 e 85,
camisas inglezas para hoineni a 385,505 e 605-
A n. 29.
Nova loja dos barateiros na rua do Queimadt.
Bicos pretos, franjas de todas as quahdades,
trancas de seda, de algodo e de la, manguitos e
camisinhas bordadas, collariiihos e punhos, folhos
bordados, botSes de velludo, de seda e de fustao,
I bandos de cabello, meias do seda, leques ; cojos
I arligos se vendem por melado do seu valor por ser
para acabar.
MudaiiQa de estabeleci-
inento.
Flix Venancio de Cantalice avisa aos seus nu-
merosos freguezes d'aqui da provincia como de lo-
ra, que mudou seu estabelecimento de alfaiateda
rua do Imperador, para a rua Nova n. 19, no qual
est sempre prompto para cumprir com qualquer j
cneomenda tendente a sua arte.
ATIENCAO.
D. Dina da Silva Coulinho avisa aos pais de fa-
milia que no dia 8 de Janeiro prximo vindouro
tem de abrir sua aula qe instruccao primaria na
rua das Cruzes n. 2, primeiro andar, recebendo
alumnas exlernas, pensionistas e meio pensionis-
tas, assegurando que emitenbar todos os seus ex-
forcos na educacao e eniino de suas alumnas.
COMPRAS.
Compram-se casas terreas bem construidas e
em boas ras : a tratar na rua da Cadeia do Reci-
fe n. 49, sobrado._________________________
Comprase urna escrava que seja boa cozinheira,
sadia e de boa tigura : na rua do Queimado n. 39,
loja. _________,___________________
__Compra-se um preto de idade de 23 30 an-
nos, sem vicios : na rua do Coto ve I lo n. 31.
Comprare urna escrava que tenha habili-
dades- e de boa conducta : na rua da Cadeia n. 35.
i Compra-4e tima mulatinhade 12 14 annos,
sendo sadia e./oe bons costumes: na rua do Cres-
po, loja n. 15. ___________________,
Compra-se effectivamente ouro e prata em
obras vHhas: na praca da Independencia n. \t
loa de bilhetes. J_______
Compram-se duas moradas de casas terreas
que bpnhaiii quintal, as ras de Hortas, pateo do
S. fidroe Penha : a tratar na rua de Hortas nn-
neroH;
~
.

JUi


II
DUrU de reramUiico ~
mmr
cant_s de
Ranos' uovos.
j
i:
LOJA DE MIUDEZAS
ncommenda por'um dos raelhores fabri- E-llft UO QuOlIIiaUO.
i Pan, especialmente para este clima; ^ d r u
i quizer aproveitar a occasiio demunir-setter
xceileote -:
a ral Nova n.
de cores lisa a

piano por preco ce
80 rs.
Pede-se tada altento.
Custodio Jos Alves Guimaraes, dono da loja in-
titulada Gallo Vigilante, ra do Crespo n. 7, avisa
aos seus numerosos freguezes e ao respeilavel pu-
blico, que tedio de reformar no fin deste anno seu
estabelecimemo, equerendo liquidar grande quan-
tidade de diversos bjectos, esta rosolvido a vender
tudo por procos Qpattwimos, como sejam :
Petis coni 45 varas de franjas de linho a 35.
commo*Mlirija-se ^.^^^5 la praUe decores, caracol, a. fitas ooiniS vares de gallo de linho a 35-
FAHIMU
armazem da aurora brilhante, largo da San-
1 n. 84, ha saceos cora milho da turre a
e farelo a 3*800, 4* e 4*500, farinha a
eJJ5. ____
Qu*> n. L2, loja, tead*e
foO r ~\
Pecas de tranca de linho branca de caracol a
iOOrs.
Peca* de tranca de linho mesclada de caracol a
Pecas com 10 varas de fita de velludo cor de rosa
al*.
COA (atiaba nova e igual a de Muriheca
: mf armazem da aurora brilhante, largo
na Cruz n. 84. _________ .
_Prel c Wltho.------------ ****** *}mtis nu de velud0 Pret0 l*2(W
e 1*400.
Pecas oom 13 varas de fila de velludo lavrado a 1*
c 15*00
Peres com 20 varas de galo lavrado a 1*500.
IVas de franja brenca estrella a 1-3
Peq__6e*a]alafga para cortinados a 35.
\
(a roa do .
crava de 16 18 annos com urna cria mu- Pecas de fita de seda de cores a 360 e 800 rs.
Peres de franja de lia a 1*.
-Rndese a armacSo do deposito da na Nova fjgs de franja ^aprja e de cores *>
^ S*< ellos> a '<>nlad d0 COm- Peg t t^eKe,fS hS2"
, Vende-se urna escrava crioula de 30 annes,
Varas de bicos e rendas a 100 e 180 rs.
Varas de bicos pFetos a 110 e 240 rs.
^onit) figura, propna para todo serv'150, assim co- varas de bico ureto dalacgura de um palmo a
/mo cun mulatinho de 6 7 annos, filho da mesa: t 500 rs.
atreUir na loja de ferragens, ra da Cadeia do Varas de labyrintuo deum palmo de largura a
Keciti n. 56 A, de Bastos. ______________ 00 rs.
Varea do bonitas Otas para cintos a 500 rs.
La sortida pare bordar, libra a 4*.
Proco de cores sorlidos, peca a 160 rs.
Manguitos pare seabora, o par 800 rs.
Golinhas de bonitos gostosa 400,500 e 1*.
Salvas de metal principe a 1*500, 2* e 2*500.
Ditas com copos de metal proprio para meninos a
1*200.
Facas e garfos para sobre-mesa a 4* a duzia.
Ditas e ditos dita com cftbVde marfim a 6*.
Bandejas de todos os tamanhos milito finas a 1*,
1*200, lg400,1*680, 2*500, 3*500 e 5*
Ditas redondas para copo de 500 rs. pare 2*800.
Tesouras em cartelras, a duzia a 500 rs., 640 e
800 rs.
Peitos para eagnisas, a duxia a X*.
Camisinhas bordadas para senhora a 1*500 e
Chapelinas para senhora a 3*.
URIiO
MERCA
RA DA MDEI.i DO lt I.< I 0 I. ^. 53.
NOVO E
GBASTSB ARMAZEM DB BOLEADOS
"A RA DA CMDEI.I DO KEC IFE I. 5.
ftf* w*ai.#r_r
Francisco Fernandes Dnarte acaba de abrir na ra da Cadeia do Recifen. 53, um grande e sortido armazem de molhadoa de-
Diui pare menina a i*. nominado Urnao Mercantil. Neste grande armazem encontrar sempre o respeitavel publico um completo sortimeolo dos melhores
Chapeozinho pare meninas de escola ou passeio a gneros que ?em ao mercado, tanto estrangeiros, como nacionaes, os quaes serio vendidos em porces ou a retalbo por presos asss
FloresVacezas, caixos grandes, a 600 rs. Uommodos. ... __ ... ann
Luvas de seda com pequeo toque de mofo a 300 j Manleiga ingleza epeoinlmente escoltada Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e
rs. o par.
Toures de laa pare meninos a 500 rs., fil a 500 e
600 rs., de seda a 800 rs.
Sapatinhos de merino a 800 rs., e de laa a 500 rs.
V
abi
da
^f',!*"J -'"mi_ a 'vrmo^flUowtaTebon-acha aMOrsT Boisinhas de missauga para meninas de escola
Je-se urna porcao de lagedo de Lisboa, anda Varas de ^b^g |aros io rs i 800 rs.
o do navio: a tratar com E. R. Rabello, ra j Varas de {io bn*c0 e de eores iavrado a 100 5t3es dourados para punho a 200 rs. o par.
Ideia n. 55, primeiro andar.
ris.
IVeude-se um grande terreno com elaria todo Fivelas de ajo galvanisadas para simo a 1*500.
murarlo, em chaos propnos, na travesa dos Coe- Ricos cintos eom fivelas de pedrinhas a 3*.
|hos b 1 : a tratar no largo do Carmo, esquina da Grvalas de seda a 400, 600 e 800 rs.
_tia d e Hartas n. 2._______ Grvalas para lago a 800, I* e 1*280.
- Vndese urna arraacao de amarello envidra- Grvalas com bonitos passadores a 1* e 1*280.
;
f
Tinteiros de metal a 320 rs.
Trancelins para relogio a 100 rs.
Ditos de fita chamalote a 200 rs.
Escrivaninhas de metal a 3*500.
Colheres de metal para cha a 200 rs. a dazia.
Ditas de dito para sopa a 2* a duzia.
.... Grvalas de pona larga bordadas para senhoras a Botes de duraque pretos a 400 rs. a roza,
ada, propna para quaiquer esiaoeieiimenio na, .,. .Cartas hespanholas para jogos a 1*200a duzia.
na d a Imperatrlz n. 24, fabnca de chapeos de sol, p^*^ s a500 rs Casticaes brancos e amarefios de metal a i*.
Pi/iu l.in Conservadores de continbas pretas e brancas a Carteiras para algibeira a 500, 6008001 e 1*.
II 1/rMlliN '*000 Sabonetes muito linos a 1*200,1*600 e 2* a duzia.
1 t\ A U Url U voltas de perolas brancas e de cores, com cruzes, Fivelas para calca a 300 rs. a duzia.
baratas para acabar. \ a i&. Botoes de ac para calca a 320 a groa.
Jas de quadros e de listras a 320 rs. o cova- Voltas pretas a balao com cruzes a 1* e 1*500. Camnhas com alfinetes.grampos e clcheles a 320,
ndas laas de quadrinhos a 360 o covado, su- Voltas pretas de contas muito graiidas a Maria i 400 e aOO rs.
res cassas de cores a 200 rs. o covado, ditas \ Pa a 15800 e 25500. ; Fllas de borracha preUs e de cor a 120 e 160 rs.
> finas a 240 o covado : na loja das columnas, Voltas de coral pequeas e grandes a 600 e 2*400 a vara,
na nJ a do Crespo n. 13, de Antonio Correia de Vas- Macinhos de coral a 360 e 600 rs. i Lafs com dous massos de agafias por 800 rs.
concilios & C. O lavas de retroz preto e de cores a 160 rs. R"ncos de aljofares a balao a 320 o par.
-- Vende-se por preco commodo, por seu dono J *f ^pos enfeitados, a balao a 1* Aljng. pretos e de cores com pedr.nhas a 200 rs.
se retirar, acasa^daVa de Sania Rin 31, com. Pares de brincos pretos e de cores, "^ ^ ^^1 p.ra homtt. Lab .L
um grande sotao, pequeo quintal, cacimba meei-1 a 800 rs Fitas de velludo lisas e lavradas a 800, 1*, 1*500
ra, nma casa no fundo tambem com sotao, e a fren- {,L,e!> u? "orraiia para r. t,aco a wa .u. n...
.e>ra a ra nova de Santa R,.a : a traar na ra : l'en^dourados com pednnhas para regaCo a: J* ep gjjf^ m e ^ rs a ^
Velha n. 59, na Boa-Vista.--------------------------, Rcas guarni?5es de pentes dourad0s com cachos, Caixinhas para costura de senhora a 1*500,2*.
Koa d SPBialla ^0\'a n. 42. e pedrinhas e asmarrafas iguacs a 4* e 5*. | 3,4, 5 e6*.
... ,_ ,__j. Ricos nenies rtnnrartn* a "*J 2S.O0 e 3& i Compoteiras de vidro com pratos de metal a i e
Nesteestabetoeiiiienlovjndeii^ L** B %
ierro lado, libra a i 10 rs., dem de Lo* ; Bonitas guarnigoes de pentes com lago esmaltados, i Franja de laa para debrunhar topetes a 2* a peca
Moor libra a 120 rs.
GraBVii(uida<;a> de fazeRilxs at fe&ta,pafa^eHWorconlas,apro e-
vp.iiem que destaspfeHiinchas nao ha
seinpre : na roa da Imperalriz, loja
^armazem d^ Arara o. S6, de I ou-
renro Penira VendosGuioiares.
Cobertores da Arara a Ig.
"ende-se cobertores de pellos a 1* e 1*600,
bertas de chita a 25 ; na ra da Imperalriz n.
56, loja de Mendes Guimaraes.
A Arara veode as lazinhas de 9 pal-
mos al $200.
Vende-se lazinhas de urna s cor e quadrinhos
proprios para capas, com 9 palmos de largura a
1,200 o covado, ditas para vestido a 280, 320 e
Luvas de Jouvin brancas e de cores a 15500.
Luvas da Escossia brancas e de cores a 500.
Bonitos botoes para punhos a 160, 320, 480 e 800
ris.
jouuu, Buzias de bonitos botoes dourados a 480 e 960 rs.
4eobertas de chita a 25 ; na ra da Imperatriz o. Du*>as de bonitos bot6es de vidro a 480 rs.
I Golinhas brancas e de cores com continhas a 15.
, Sapatos de tranca do Porto a 15OOO.
Tesouras finas para unhas e costuras a 500
800 rs.
Escovas para dentes a 160, 320 e 480 rs.
Escovas para unhas, roupa, chapeo e cabello
800 rs.
400 rs. o covado : na ra da Imperalriz,' loja da i Bonitos toucadores com ps a 2*, 25500 e 45.
Mrara n. 56, de Mendes Guimaraes, de bfalo encastoadas em marfi
I iirliu da Arara a 400 ris o
covado.
' Vende-se brim pardo de linho com pequeno-to-
que de mofo, que depois de molhado larga, proprio
para caigas e palitots, a 400 rs. rs. a covado ;
ITiin branco de linho a 1* e 1*200 a vara, fustao
de cores para caigas, coleles e palitots a 500 rs.
. o covado : na ra da Imperatriz, loja da Arara n.
06, de Mendes Guimaraes.
LazlDha Mara Pa da Arara. Caixinhas de papel de beira dourada a 15200.
Vende-se lajjyhas a Maria Pia muito finas, com Caixinhas de pap.'l phantasia de cores a 15-
de seda, pare vestidos ,a 560 o Caixinhas com 100 envelopes a 800 e 1*.
com marrafas iguaes a 5*. Palitos de fogo, prova d'agua, a 15 a groza ou 120
Bonitas guarnicoes de pentes com laco para luto, rs. a duzia. ....
com marrafas iguaes a 3*. Assim como tem grande sortimento de muits
Bonitos pentes de tartaruga a 4* e 5*. niais oDjectos -que se tornara enfadonho mencio-
Bonitos pentes de massa virados imitando tartaru-, na-los, que tudo se vender muito barato para li-<
ga a 1*600 e 2*. Quidar : na ra do Crespo n. 7, e ra do Impera-
Penles de massa em caixinhas a 500, 640 e 800 rs. dorn. 59, junto ao passo, e casa da liquidacao.
Pentes para atar cabello a 80, 160 e 240 rs.
Htv 10 Ql Mhlio \. 63
Loja do belja-Oor.
Voltas do aljofares.
Vendem-se voltinhas de aljofares com pedra,
imitando a brilbanles a 1* cada urna.
Botoes para punhos.
Vendem-se botoes para punhos, muito bonitos
padrees, a 200 rs. o par.
Facas para meninos.
Vendem-se faquinhas para meninos, de cabooi-
tavado, a 240 rs. o talher.
Laa para bordar.
Vende-se laa de todas as cores para bordar a
Bengalas de junco e de canna a 640 e I5-'su. 65700 a libra.
Chicotes de junco e de baleia a 15 e 1*600. Facas e garfos.
Oculos de armagao de ago prateada, dourada e ba- Vendem-se facas e garfos de cabo preto cravado
leia a 500 e 1. a 2*800 a duzia, ditas de balanco de 2 botoes para
Duzias de colheres de metal principe para cha a mesa a 65200 a duzia.
15600 e 2*.
Duzia de colheres de metal para sopa a 35500 e
55500.
Pacotes de papel de cores pequeo a 640.
Caixinhas de papel amizade a 800 e 15-
Luvas de Jouvin.
Vendem-se luvas de Jouvjn chegadas pelo ulti-
mo paquete, tanto para liomom como senhoras.
Extractos ingieres.
Vendem-se extractos inglezes muito barato por
serem sido comprados em leilao a 240 rs. o frasco.
Escovas para denles.
Vendem-se escovas para dentes a 120 e 240 rs.
Joroe-nVa post a 5*, dito de ponta redonda e
borlota a 75500 : na ra da Imperatriz n. 56,
lojada Arara/le Mondes Guimaraes.
Oh que pechincha, lazinhas a 280 rs.
Vende-se lazinhas linas para vestidos a 280
e 320 rs. o covado, lencos brancos com barras de
cMgs "*"'...,.. -.-- para senhora a 400 e
50wL,., ditas cruas a 4U0 rs., ditas para homem a
eola** .0., ua ra da Imjieratriz n. 56, loja da
Arara.
quadros e pal
covado, sedinfas linas a 500 rs. o covado ; na ra Caixinhas de lacre a 200 e 400 rs.
da Imperatrifn. 56 Caixinhas de penua de ago a 800, 1*200 e 1*600 cada urna, ditas muito finas inglezas a oOO rs.
4 \vav-JP Ailo te MMc -a S AOu rs Caixinhas de obreias de rola a 80 e 120 rs. Toucas de laa.
vi Ti lhApn I S rhlill Frasquinhos de tinta azul ou encarnada a 320 rs. Vendem-se toucas de la para menino a 800,1*
ls capas PiY^cnhora a8*. ^chales LapeJ d(j c. fes Qu en,arnad0:, a 120 rs. e mm cada uma
Sapaliuhos de lia.
Vendem-se sapatinhos de laa para meuiBos a
400,500 e 640 cada par.
Tesouras.
Vendem-se tesouras para costura a 500 rs., ditas
para unhas a 400 rs. cada uma.
Collarinlios.
Vendem-se collarinhos de papel a 40 rs. cada
um, ditos de linho a 640 rs.
Penles de Iravessa.
Vendem-se pentes de iravessa para menina, de
borracha, a 500 rs. cada um.
Tocadores de Jacaranda
Vendem-se tocadores de Jacaranda a 2*500 e
2*800 rada um.
Escovas para ronpa.
Vendem-se escovas muito finas para roupa a 400
e 500 rs. cada uma
Espelhos com estojo.
Vendem-se espelhos com estojo para navalhas a
25, 2*500 e 2*800 cada um.
Aderecos pretos.
Vendem-se aderegos pretos a 2*200 cada ade-
reco.
Botes de perola.
Vendem-se botoes de perola para collete e vesti-
dos a 400 rs. a abotoadura.
ijnerin es|Tmpado a 'fg^W J* A^\ ; hincos c rosetas pinos a 160 e 240.
Iloioes altos de tinta ingleza a 160.
Filas e cordoes para espartilhos a 80 rs.
Baadores pretos para borzeguins a 160.
Caixinhas com 100 agulhas francezas a 240 rs.
Caixinhas com 100 agulhas da Victoria a 320 rs.
Carlas portuguezas e francezas a 200 e 320 rs.
Cartas de allinetes a 80 e 160 rs.
Massos de sujieriores palitos lixados^a 240.
Caixinhas vazias para guardar joiaV>B00, 400 e
500 rs. 1
Duzias de canudos de pomada a 240 rs.
A Arara vende as cassas a 200 rs. o covado.
AfcVnde-se cassas de quadrinhos a 200rs, o cova- Sabonetes rancezes a loo rs.
o. ditas finas a 250 e 280 o covado, organdys finos Frascos de agua de Colonia a 400, 500, 800, 1-3
a 240 e 280 o covado : na ra da Imperatriz n. 1*500.
M lija da Arara. Frascos de extractos a 400, 500,800 e 15.
Tlincha, sediuhasda Arara a 800 rs. o covado. Frascos de banha franceza a 400 500 800 e 15-
Vende-se sedinhascom quadros e lisas, escuras,, Frascos de patcholy a 40\o00t 800 el*,
proprias para quem est de luto, por ter urna s Frascos de oleo bahoa a -'00 e bOO vi
cor a 800^. o covado, ditas da mesma qualidade Frascos de oleo ph.locome a 800 el*,
jk ores para vestidos a 800 rs. e ditas de listi- Frascos de xjrc-io .de sanda o a 15.
mas a-500 rs. o covado: na ra da Imperatriz n.! Frascos do banha transparente a 800 rs.
Bl
Fra>cos de banha japoneza a 800 e 15.
Frascos de agua de Lavande ambreada.
Garrafas de agua de Lavandi' ambreada.
Garrafas de agua Florida legitima a 15500.
Garrafas compridas do agua de Colonia a 800 rs.
Frascos com banha e extracto juntamente a 1*280.
Cestinhas com 4 frasquinhos de extractos a 040.
ptima acqiiisleo de es-
tabcleciuiento.
Vende-se a loja de ferragens da ra da Cadeia
do Becife n. 64, com pequeo fundo e ainda bem
sortida, tanto de ferragens como de miudeas, as
quaes estiio em bom estado, vende-se s com as
mercadorias, e garntese oarrendamento da casa;
propria para algum principiante, nao s por ter
56, loja da Arara de Mendes Guimaraes.
Pechincha na Arara, corles de chita a 'OO.
Vende-se cortes de chita franceza com pequeo
toqne de mofo a 2*500, cortes de riscado rancez
com 14 covados a 3*, cortes de cassas francezas
pintadas a 2* o corte, ditos de barras a 2*, 3* e
4* : na ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara de
Mendos Guimaraes.
Casemiras a 15600 o covado.
Vende-se casemiras do cores para caltjas, cole-
tes e paletots, infestada, a 1*600 o covado, cortes
de casemira infestada a 1*600 e 2*. e em covado a
1* : na ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara do
Mendes Guimaraes.
A Arara rende roupa feita e barata.
Vende-se palitots de casemira a 4*500, 6* e pouco fundo como por estar ja afreguezada e ser
8* calcas de 3*500 a 5*, palitots de panno a 10*, uma das lojas mais bem localisadas desta cidade :
ditos lios de 12* e 14*, palitots de brim de cor os pretendentes podem dirigir-se mesma loja,
a 2*500 e 3* ditos de meia casemira a 3*500, nao s para examinarem o balingo como o estado
calcas de brim de cores a 2* e*500, ditas bran- das mercadorias.
.Cas de linho a 3*500 e 4*. ditas de meia casemira
a 25, coletos a 2*500 e 3*, camisas francezas a
1*600, ditas finas-a 2* e 2*500, ditas de linho
prega larga a 35, serouias finas a 1*600, ditas de
linho a 2* e 2*500 : na ra da Imperatriz n. 56,
loja da Arara de Mendes & Cuimaraes.
Baldes da Arara a 33, 3500 e 1(5.
Vende-se baloes americanos, os melhores que
tem vindo, de 20, 30,35, 40 arcos a 3*, 3*500,
4* o 4*500, ditos de brilhantina a 4*. ditos de
madaoolo a 3*600 : na ra da Imperatriz n. 56, caMg a ra d0 Trapiche B. 34.
loja da Arara.
Chitas da Arara a 210 rs.
Vende-se chitas a 240 rs. o covado, ditas fran-
cezas com pequeo toque de mofo a 280 rs., ditas
Ve/nda de uma hypothtca.
Os liquida (arios da massa fallida de
Jos Anin,o Basto vendeai a livpolhe-
ca que tem nos cBgcnhos Matto Grosso
e CajabllSS UO termo deSer'lBhem UO para cortinado, pelo baCKissimo prego de 10*000
valor de oi:835$9i. rs.; tratar as ^^
x armazem de fazendas bara-
tas de Mantos Coelho
BA DO QUEMADO N. 19 VENDE-SE OSE-
GINTE :
Esleir da India
para forro de sala, de 4, 5 e 6 palmos de largura,
por menor prego dg que em outra quaiquer parte.
Lencos
de panno de linho pelo barato prego de 2*000.
Lences
de bramante de linho fino pelo barato prego de
3*000.
Cuberas de chita da India
pelo barato prego de 2*000.
Lengos de cassa
brancos, finissimos, proprios para algibeira pelo
baratissimo prego de 2*000 e 2*400 a duzia.
Cambraia adamascada
Boa oecaslao.
Ainda se nao vendeu a taberna da ra da Con-
cordia n. 12 : quem a pretender, comparega na
limpas a 320, 360 e 400 rs. o covado : na ra da mesma, que se fara todo o negocio vista e a praso
Imueratriz n. 56, loja da Arara.
I Arare recebeu pele vapor nm sorliraent de ro-
tan vindo, a preco de
Vndese romeiras para senhoras de cambraia
de salpicos brancos e de cores e bordados a 1*,
A600 e^*, golinhas com botaozmlio a 08O rs.,
titas com peitos e botaozinho a 1*. camizi
\ i 11 lio verde
o mais superior que se pode desejar a 640 rs. a
meiras para senhora, dos memores gestos que 1 garrafa, em caada a 4*500 : na ra das Cruzes
le 13, 15600 e 20. n. 24, esquina da iravessa do Ouvidor.________
Brincos de balao.
Na loja da esneranra, ra do Queimado n. 33 A
vendem-se brincos baloes dourados finos, fazenda
i senhora a 1*, 1*600 e 2*, ave"r7taes" e'corpi-j para a festo, a 1* o par, ninguem daixa de andar
aSOOrs a ruada Impera-1 na moda; luvas de pellica de cores *irancas, fio
elstico branco e preto, trancinha para bordar, de
la e de seda, e enfeites nos gneros que se fazem
precisos paraos vestidas Maria fia.__________
no para menkias
triz n. 56, loja da Arara.
Tranca* de la pretas e de cores.
Sendo lisa a 80 rs. a peca, e de caracol a 100 rs.
a pega : na loja.de mladezas da ra do Queimado
n. 16.
Lavas de Jouvin
urancas e de cores para hornera e para senhora a
1*500 o par : na loja de miudezas da roa O Quei-
mado n. 16._______________
Tranca preta de lia.
Vende-.e tranca pretaide laa, lisa, para enfeites
' -o 's zuavos" e roupas de meninos a 120 e
jd9n.*.'s nca : s quem tem o beija-flor na ra
do Queimado 63.
Venda de navio.
Vende-se o bem conhecido hiato brasileiro Lin-
do Paquett, do 205 toneladas, todo construido do
madeiras do paiz, forrado de metal de composigo,
e prompto a uavegar para quaiquer parte, sendo
o navio do primeira marcha, e bem acreditado na
carreira do norte : a tratar com Antonio de Al-
meida Gomes, rna da Cruz n. 23, primeiro andar,
Vende-se um grande terreno com olaria, to-
do murado, em chaos proprios, na travessa dos
Coelhos n. 1 : a tratar no largo do Carmo, esqui-
na na ra de Borlas n. 2.
Pecas do cambraia
de salpicos, fina, com 8 1/2 varas, pelo baratissimo
prego de 4*.
Fil liso fino
pelo baratissimo prego de 680 rs.a vara.
Bramante de linho
fino com dez palmos de largura pelo barato prego
de 2*300 a vara.
Toalhas alcochotdas
para mao pelo baratissimo prego de 5*000 a du-
zia.
Pecas de bretanha
de rolo com 10 varas propria para saia, pelo bara-
to pregode35000.________________________
ItOIfl i: BIH1TO
Manteiga ingleza flor a 800 rs., franceza a 600
rs., chourigas novas a 7(0 rs., toucinho nevo a 320,
arroz a 100 rs., gomma do araruta muito alva e
nova a 100 rs., espermacete a 600 rs., vinho da
Figifeira e Lisboa a 400 e 500 rs. a garrafa, cana-
da a 3* e 3*800, do Porto a 640 a garrafa, cana-
da 4*5i>0, azeite doce a 640 a garrafa, de carra-
pato a 280, banha de porco refinada a 400 rs., nuei-
jos novas a 25 : na ra das Cruzes n. 24, esquina
da travessa do Ouvidor.
de bom fabricante
Lourengo IVreira Mendes Guimaraes vende bo-
tinas francezas para homens, a dinheiro vista,
por proco que admira vista da perfeigao da obre:
na sua loja do fazendas e roupas teitas : na ra
da Imperatriz n. 56.
de primeira qualidade a 800 rs. a libra,
em barril se faz batimento.
Manteiga franceza a mais superior do mer-
cado a 560 rs. a libra, e 520 rs. em barril
ou mao.
Prezuntos inglezes para ambre, de superior
qualidade, chegados neste ultimo vapor, a
720 rs. a libra.
Queijos llamengos chegados neste ultimo
vapor a 2*00.
Queijoprato muito fresco e novo a 640 rs.
a libra.
Gastantes muito novas a 120 rs. a libra e
e 30800 a arroba.
Cha uxia o melhor que ha neste genero,
mandado vir de conta propria a 25800
rs. a libra.
Cha hyson muito superior a 2560 rs. a li-
bra ; cli hyson proprio para negocio a
i0500 rs. a libra.
Cha preto muito superior a 25 a libra.
Biscoutos inglezes em latas com differenles
qualidades, como sejam craknel, victoria,
piquete/., soda, captain, secd, bornez e
ontras muitas marcas a i0350.
Bolachinha de soda em latas grandes a 20.
Figos em caixinhas hermticamente lacra-
das, muito proprias para mimo a 40500.
Caixinhas de 4 e 8 libras de Ggos de coma-
dre a 10 e 20 cada uma.
Passas muito novas, chegadas neste ultimo
vapor a 500 rs. a libra e 30 um quarto ;
e em caixa se faz abatimento.
Ameixas francezas em latas de meia a 3 li-
bras a 800 rs.
Champagne da marca mais superior que
tem vindo ao nosso mercado a 180 o gigo,
. garanle-se a superior qualidade.
Vinho Bordeaux das melhores qualidades
que se pode desejar de 70500 a 80000 a
caixa e 70 a 800 rs. a garrafa.
Caixascom vinho do Porto superior de 90
a 10a>.a duzia, e 900 a 10 a garrafa; deste
genero ha grande porco e de differentes
marcas acreditadas que j se venderam
por 14* e 150 a caixa, como sejam: Dnque
do Porto, Lagrimas do Douro, D. Lniz,
Camfes, Madeira secco, Carcavellos, Nc-
tar de 1833, Duque Genuino.
Vinho de pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
10200 a caada.
Azeite doce reQna]o em garrafas brancas a
800 rs.
Azeite doce de Lisboa a 640 rs. a garrafa e j
40800 a caada.
Genebra de Hol lauda a 500 rs. o frasco e'.
Sardinhas deNantes a 340 rs. o quarto e 560
rs. meia lata.
Latas com peixe em posta : savel, corvina,
vezngo, cherne, linguado, lagoslinha., a
10300 rs.
Salmao era latas, preparado pela nova arto
de cozinha, a 800 rs.
50800 a frasqueira. Maga de tomates em latas de 1 libra a 600
Caixinhas com ameixas francezas, ornadas res,
com ricas estampas na caixa exterior, Chourieas e paios em latas de 8 e meia libra
muilopropriasparamirao,a 1020", 10500 por 70.
e20. 1
Frasco de vidro com lampa do mesmo, con-
tendo meia libra de ameixas francezas, a
10200.
Marmelada imperial, dos raelhores conser-
veiros de Lisboa, em latas de 1 e meia a
2 libras a 600 rs a libra.
("rucias em calda das melhores qualidades
que ha em Portugal em latas hermtica-
mente lacradas a 500 rs.
Peras seccas muito novas a 640 rs. a libra.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Amendoasde casca molle a 400 rs. a libra.
Avelas muito novas a 200 rs a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra a
80600 a arroba.
Bolaxinha ingleza a 320 rs a libra e 40 a
barrica.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Cevadinha de Franga a 200 rs. a libra.
Farinha do Maranh3o a 120 rs. a libra.
Araruta verdadeira a 320 rs. a libia.
Cevada a 120 rs. a libra e^Ja arroba.
Alpistaa 160 rs. a libra e 45800 a arroba.
Batatas muito novas em gigos com 40 libras
por 10 e a 40 rs. a libra.
Cebollas a 10 o molho com mais de 100 ca-
da um.
Amendoas confeitadas de diversas cresa,Caf1!aKV3doftdBe Prime'ra qualidade a 300 rs.
800 rs a libra a l,bra e 9(*a arroba-
Ma0as e peras chegadas neste ultimo vapor, Cag.J ^SJ1^^^a 280 *li'
muito perfeitas, s vista se faz o preco.
Conservas inglezas em frascos grandes a 750
rs. cada um.
Ervilhas francezas e portuguezas em latas de
1 libra a 640 rs.
Ervilhas seccas muito novas a 160 rs. a
libra.
Chocolate francez, o que ha de melhor neste
genero, a 10200 a libra.
Chocolate hespanhol a 10200 a libra.
Genebra de laranja em frascos grandes a 19.
Cerveja branca e preta das melhores marcas
que ha no mercado a 500 rs a garrafa e
55800 a duzia.
Cognac inglez de superior qualidade a 800
e 10200 a garrafa.
Licores francezes das seguintes qualidades:
bra e 80400 a arroba.
Caf do Rio, proprio para negocio, a 80.
Arroz do MaranhSoa IOOrs. a librae 20800
a arroba.
Arroz de Java a 80 rs. a libra o 29400 a
arroba.
Vellas de spermaceti a 560 rs. a libra e a
540 rs. se for em caixa.
Vellas de carnauba refinada a 320 rs. o.mas-
soe a 9?? a arroba.
Doce de guiaba a 640 rs. o caixfio.
MacarrSo, talharim e aletria a 480 rs. a li-
bra ; em caixa se faz abatimento.
Esirellinha,pevide earroz demassa para sopa
a 400rs. a libra e 20 a caixa com 6 libras.
Palitos de dente lixados com flor a -2QO re.
omasso, ditos lixados sem flor a ICO rs.
e de outras muitas marcas a 10 a garrafa
e 100 a caixa.
Marrasquino de Zara a 800 rs. a garrafa e
90 a duzia.
400,480 560 rs. a garrafa, e 30, 30200 Mostarda ingleza em potes j preparada a
e 30500 a caada. 400 rs.
Vinho branco de superior qualidade, vindo Moslarda ingleza era po, em frascos grandes,
j engarrafado a 640 rs. a garrafa e a 500 a 10 cada um.
rs. de barril. Sal refinado a 500 rs. o pote.
o masso com 20 massinhos.
Anizete de Bordeaux, Plaisirdes Dames Gomma de engommar muito fina a 80f. a
libra.
Banha de porco refinada a 480 rs. a libra e
400 rs. em barril pequeo.
Charutos dos melhores fabricantes de S. F-
lix, em caixas inleiras ou em meias, do
10600, 20 e 30.
Presuntos do reino, vindos de sonta propria
de casa particular, a 400 rs. a libra; uIp-
ro se faz abatimento.
Osscnhores que comprarem de 1000000 para cima, tero o descont de 5 por cenlo, pelo prompto pagamento.
Chegado pelo vapor:
No para o vigilante, na do Cres-
po n. 1.
At que chegaram as milito descj.idas cascarri-
nas de todas as cores com uma fitinha de velludo
\ rna ilit Oiioimado n AS osa ll i lia flllft no centro, cousa muito elegante para enfeite, assim
lU l (l.l 110 VlieilUddO ll. 40, esquina que Cmodeoutras (!ua|,dades, e preces muito razoa-
volla para a l.ongrcgacao.
1:" pechincha.
Paletots de casemira a 5, 6, 7, 8, 12 e 145, ditos
de panno preto e azul a 9. 10, 12, 16 e 18,5, ditos
sobrecasacos de panno muito fino por 245 e 285,
ditos de alpaca preta e de cordao a 4, 5, 6 e ",
calcas de casemiras de cores a o, 6, 7 e 85, ditas le, ra do Crespo n. 7.
vejs : s no vigilante, ra do Crespo, n. 7.
Para dar de mimo.
Chegaram as riqusimas honecas de todos os
lmannos, vestidinhos ricamente enfeitados, cada
um emsua caixiuha, propriamente para um deli-
cado mimo, por baratissimo preco : s no vigilan-
pretas a 65o00, 8, 9 e 105, paletots de fustao e
ganga a 25, 25800,3 e 45, calcas e rolletes de to-
Para os senhores hachareis.
Chegou tempo a riquissima lita de chamalote
das as qualidades e por preco muito barato, ten- para cartas dos senhores hachareis, assim como
ces de puro linho a preco de 25800 e 35, cober-
tas de chita a 25210, coltarfnhos de linho puro a
600 rs. cada um, e outros muitos objertos que s
vista ; e para isso se pede a attencao dos fre-
guezes._________________________________
Vende-se farello de Lisboa, cal lti-
mamente chegada e earvo animal: na ra
do Vigario n. 19, primeiro andar.
branca, lisa, propria para abrir letras, ou para
sintos : s no vigilante, ra do Crespo n. 7.
Pellica de mamila.
Tambem chegaram os riquissimos pentes de
marrafa com pedrinhas,os lindos pentes de regaco
para meninas, meias de seda e sapatinhos proprios
para baptisados, meias de seda para senhora, litas
de laa para debrum, fita de linho, trancas de lia,
de linho e de seda, luvas de seda c pellica, e fio de
____________________________._____------i Escocia e camurca, allinetes de cabeca chata, car-
Cal de Lisboa teirinhas com todas as agulhas precisas para cos-
chegada ltimamente ; na ra do Vigario n. 19,. tura, fivelas de madreperola esmaltadas de ace
primeiro andar. P31"3 sintos, flores de todas as qualidades, caixinhas
-----------------------------------------;---------- com pastilhas de perfumara, abafadores de la
J QVli/*nv lif\ \l (1 lili'11 'II para senhora, toucas e sapatinhos de laa, pulseiri-
/l S MVUI UU TM vi< icf v nbas de borraena para segurar manguintos, litase
Ra do Imperador n. 28 e caes de Apollo n. cordes de borracha, sabonetes redondos, ditos
67, a 200 rs. a libra, e de 8 bras para cima chamados de familia, pomadas de todas as quali-
;J/w ___l- i dades e dos fabricantes mais afamadas, clcheles
a 50600 aarroba.
FARINHA FONTANA.
; pratiados muito finos, retroz de todas as qualidades,
Barricas com breu : na ra da Cadeia do Reci-
fe, loja de ferragens de Bastos.
Enfeites para caneca.
Sao chegados os mais ricos a delicados enfi
para cabera, que nao haver uma s senhora que
nao fique encantada do lindo gosio que produz taes
enfeites, pois foi uma pequea porcao que veio do
encommenda s para o vigilante, ra do Crespo
n. 7, pois a vista faz f.
Fitas.
Tamhem nrharo um grande sortimento das Blas
mais ricas do mercado, ede todas as larguras : s
no vigilante, ra do Crespo n. 7._____________
Camisinhas com manguitos a
l'NO so o Pavo.
Acaba de chegar para a loja do PavSo, um
grande sortimento das mais Unas camisinhas de
cambraia com manguitos e gollinhas bordadas,
que se vende a 15280: ditas de fil, tendo lam
bem manguitos e gollinhas, pelo barato preco do
15000 : s na loja do Pavo, ra da Imperatriz,
n. 60, de Gama & Silva.
Manteletes cortos a 3$000.
Acaba de chegar para a loja do Pavo, um bo-
nito sortimento de manteletes curtos de cambraia
e de fil bordados, que se vendem pelo batato
preco den5000cada um ; romeirasde cainbiaiae
de fil a 15600: s na loja do Pavo, ra da Im-
peratriz, n.60, de Gama & Silva.
Manteletes a 80000.
Vendem-se ricos monleletes de cambraia boi d -
dos com mangas a turca, pelo barato prreo de
htrinha da IllUltO acredita a marca pa, ditas para ctiapfo e ditas para unha, de todos
FoaUoa ncscuibarcada koje, vende-se ISfiffi^E^arW^J^
por preCO maiS ComOlOdo dO que em mette-se fazer lodo o negocio: s no vigilante, ra
do Cespo n. 7.
I ui chapeo por 400 rs.
S do Vigilante
Custodio Jos Alves Guimaraes, tendo arremata-
do nma grande porcao de chapeos de sol para me-
ninas, e querendo que seus fretfuezes partilhe de
tal pechincha, est os dando pela diminua quantia
de 400 rs.: quem deixar de comprar mesmo pa-
ra as senhoras irem ao banho cobertas do sol.
retroz em carretel" em novello, e de meada, d. 85000 : na ra da Imperatriz, n. 60, loja de I
todas as cores, escovas para dentes, ditas para rou-' & Silva.
quaiquer outra paite : na ra da Cruz
o. 4 casa de X. 0. Bieler & C. sueces-
sores.
ClL HE UsBIH
Vendem-se barris com cal des-
ta procedencia, em pedra, chega-
da hoje. e nnlca nova, que ha ao
mercado, na rna do Trapiche n.
13, armazem de Hanoel Tel_el-
ra Basto.__________________ _
ATTEI40o
No deposito de lauca da fabrica do Bar-
lialho, ra do Imperador o. 41.
30 0(0 menos do que em outra quaiquer parte. n. 7.
qouca vidrada de todas as qualidades, e lo boa
como a que vem do estrangiro e mais barata.
Woiitembarqucs de cores e pre-
tos ua loja do Pavo.
Acaba de chegar os mais ricos soutembarqnes
de grosdenaple preto muito bem enfeitados o di-
tos de um tecido de seda de cores sendo os mais
modernos que existem no mercado o vende-se por
preqo commodo : na loja do Pavo ra da Impe
ratriz n. 60 de Gama & Silva.
As capas do PavSo.
Vendem-se as mais modernas capas pretas para
senhora sendo ricamente enfeitadas e vende-se
por preco razoavel na loja do Pavo ra da Impe-
ratriz n. 60 de Gama& Silva.
Meias do Porto.
Vendem-se na loja de ferragens da rna da Ca-
deia Velha n. H, meias de linho e igualmente de
algodo, por prego muito commodo.
S no Vigilante, ra do Crespo 7.
Liaba.
Tambem arrematou uma grande porcao de linha
preta muito forte em massos de libra, que se ven-
de pelo baratissimo pre?o de 800 rs. cada nm : s
no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Botes.
Lindissimos botoes para punhos tanto para ho-
mem como para senhoras, pelo barato preco de
240 rs. o par : s no Vigilante, ra do Crespo,
PECHIICHA
Custodio Carvalho & Compa-
nkia
9Ruado Queimado9 9.
Novas lazinhas escossezas muito lindas, fazen-
da encorpada, propria para vestidos de senhora e
cnancinhas, pelo barato preco de 240 cada co-
vado.__________________________________
Hua da Senzalla n 42.
Vende-se, emeasa de S. P.JohnstonctC,
sellins e silhes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, flo do vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros, de um e dous ca val los, e relogios de
ouro patente inglez.
Gollinhas a 240 rs.
Vendem-se flnissimas gollinhas de cambra!,
bordadas, a 240 rs. : na loja do Pavo, ra da
Imperatriz, n. 60, loja de Gama & Silva.
DEFOSITO FRANCEZ!
I 19 Hua d'Apolio 19
B Espeelalidade de vinho
de Borden_
gBordeaux superior a du-j
zia 6#000.
Liioios, cognac, veriaouth o mais barato
que nunca appareeeo.
Em casa de Mills Lalham & L., na ra a>
Cruz n. 38, vende-se ferro galvanisndo do um doa
melhores fabricantes inglezes, proprio para cobers
tas de easas._____________________________
\'ozes e batatas.
Vendem-se saceos com oito libras de nozes pelo
barato preco de 15600, ecaixas com urna .nula
de batatas por 800 rs., nada mais barato vfcta da
boa qualidade : na ra da Madre de Dos ns. o uO.
Cal de Lisboa e potassa da
Rnssla.
Vende-se na ra da Cadeia do Becife n. 26, para
onde se mudou o amigo e acreditado deposito da
mesma ra n. 12, ambos os gneros sao no vos 8
legtimos, e se vendem a preco mais barato do que
utra quaiquer parle. ________
l(RAVO
Vende-se um escravo moco, crioolo, de bonita
figura, cozinheiro e marinheiro : quem o pn ten-
der, dirija se Antonio de. Almeida Gomes, ra da
Cruz n. 23, primeiro andar.________________
Vendem-se 10 pipas de muito l>m mel em
barris de S, prompto a embarcar : no armazem de
agurdente, ra nova de Santa Rita n. 19.
'%






Diario e Pemaiubiic Qukrta felra 30 de Oeztlabr de i.
ALLIAN&A
GRifDE



COMO MCWCA IIOUVE
HO
ARMAZEM
57 RA DO IMPERADOR 57
Nalbem conhecida loja que foi do Sr. Flix alfaiate.
Paulo Ferrelra da Silva proprietario deste novo estabelecimento, tendo
chegado da Europa, aonde escoeu um grande e variado sortimento de molhados, tem1!
a honra de os expor ao respeitavel publico desta cidade pelos mais resumidos precos.
Em 8o ptima occasio, por estamos prestes a festa de Natal, o proprietario do
grande armaran Allianca offerece aos seus amigos e freguezes que o conbecem desde
JO LARGO DA PEIHA IO
FraaclMc Wermamt* Dnarte dono deste muito acreditado armazem
de molhados, acaba de receber neite ultimo vapor os mui desejados gneros escomidos
por elle na Europa, todos muito propries para a festa os quaes esta restrivido a vender por
precos baratissimos como verlo pela seguinte tabella, e mesmo pede a todos os Sre. da
los armazens Progresivo e Progresista as maiores vantagens em com- W*> de ngenhe e hvradoresjwra que mandem suae relaces para serem despachadas
_ no arraazem do Progresso do largo .da Penha n. 10, afim de verem a grande vantagem
rarem era seu armazem.
Hojc de novo estabeledo mais precisa da concurrencia de todos estes sentares W* nm tanto na superioridad dos gneros como nos proco aasas resumidos,
ao seu estabelecimento. certos de que esta casa jamis deixarao de ser cumpridas as os S"- 1 *> P** vir poderlo mandar seus portadores anda que nao tenhara pra-
i tica, que serSo to bem servidos como se viessem pessoalraeate.
UN A O
o
-
COMMERCIO
j
grandes vantagens por ella offerecidas.
Manteiga ingleza a mais superior neste ge-
nero a 800 rs. a libra, e comprando de 8
libras para cima a 72o rs., esta a mais
superior que pode haver, tamben na mais
baixas para menos precus.
Iflem franceza multo nova a 600 rs. a libra
e 56o rs. em barris ou meios.
Peras sectas muito novas a 48o rs. a bra.
O interesse que tira o proprietario deste acreditado armaiem, j deve ser bem co-
Gotnac ele superior qualidade a 8oors. agar- .... ... ,
rafa. nnecM* pelos seus numerezos fregueses, pois simplesmene eoosiste em servir bem e ga-
Idem muito superior a 1,00o rs. a garrafa. jDoar pouco, afim de conseguir a conlinuaco daquellas pessoas, que a prmeira vez se dig-
Caf a 28o e 32o rs. a libra, e a 8,000. ej8*6 honrar o seu esUbelecimenu
9,000 rs. a arroba. L ..
Queijos flamesgos chegados neste ultimo
Cerreja das melhores marcas do nosse raer- j vapor a 2,000 rs.
cado de 5,ooo a 6,000 rs. a duzia, e Seo
rs. a garrafa. I dem do vapor passado a i,800 rs.
Cha perola de especial qualidade a 2,8oo rs. Consena8 ngiezas a 750 rs. o frasco e 8,60a dem prato muito wwos e de superior qua-
a l)ra- rs. a duzia.
dem hysson muito superior a 2,7oo rs. a;DoCe em calda a Soo rs. a lata,
libra.
dem uxim a 2,5oe rs. a libra.
dem hysson a 2,3eo rs. a libra.
dem idem a 2,000 rs. a libra.
dem prelo de qualidade muito especial a
2,000 rs. a libra.
dem idem inferior a i,600 rs. a libra.
Chocolate francez, bespanhol e portaguez, a
9ooe l,2oo rs. a Hbra.
Charutos dos melhores fabricantes da Babia
e de qualidades especialmente escomidos, I
de 2,000 a 4,5oo rs. a caixa.
Ervilhas francezas muito novas a 64o rs.
dem portuguezas a 72o rs. a lata.
dem seccas a 2oo rs. a libra.
Bassouras do Porto com arcos de ferro 32o
rs. cada urna.
Vellas de espermacete da melhor qualidade
a 600 rs. o maco.
dem de carnauba e composico a 32o e 36o
rs. a libra e 10,000 rs. a arroba.
Tijplopara limpar facas a 12o rs. cada um.
Toucinho de Lisboa e Santos a 320 rs. a
libra.
Faiinha do Maranho muito alva a lio rs. a;Sevada muito nova a loo rs. a libra,
libra.
dem de ararnta verdadeira a 4oo rs. a libra.
Peixe em latas grandes, savel, pescada, cor-
vina, e outras quahdades a i,000 rs. cada
lata.
Vinho do Alto Douro engarrafado, e os mais
bem escolhidos, lagrimas do Douro, D. Pe- Passas muito novas a Io,ooo rs. a caixa e
dro V, D. Luiz I. Duque genuino, Nctar
superior, Malvasia fina, Bastardo, e outros
a H.ooo e 12,ooo rs. a duzia e l,ooo rs.
a garrafa.
800 rs. a libra.
Palitos lixados para dentes a i4o rs. o maco,
dem de flor a 2oo rs. o maco.
dem Cherry e Madeira a l.Soo rs. a garra- Prosunto para fiambre nglezes e americanos
fa e i6,ooo rs. a duzia. a 8?0 rls a libra
dem Bordeaux de diversas marcas de 8,000
a lo.ooo a duzia e 800 rs. garrafa.
Bolaxinhas americanas a 4,000 rs. a barrica,
e a 3oo rs. a libra.
dem do Porto a 48o rs. a libra.
Queijo prato a 800 rs. a libra.
dem flamengo vindos no ultimo vapor a
2,8oo rs.
BdLata! 55? novas a ,00 re- gig0' e 6; Sardinhas de Nantes muito novas a 32o rs.
a lata.
rs. a libra.
Banlia de porco refinada a 48o rs. a libra o
em barril a 44o rs.
Vinho em piqa de Lisboa, e Figueira, de 3,ooo
a 4,000 rs. a caada, e Soo re. a garrafa.
dem de Lisboa em ancoretas de 8 a 9 cana-
das por 27,ooo rs.
Sag muito novo a 2oo rs. a libra.,
dem muito superior a 28o rs. a libra.
Sabo maca de diversas qualidades a 2oo e
24o rs. a libra.
dem inferior de!2o'a 18o rs. a libra.
Llera do Porto muito especial a S,8oo rs. a Genebra de Hollanda em frasqueiras a 6,5oo
caada e 72o rs. a garrafa.
Uta) em garrafoes com 4 V* garrafas por
2,fioo rs. com o garrafao.
Vinagre de Lisboa muito superior a 2,000
rs. a caada.
dem mais baixo a l.ooors. a caada, e 2oo
rs. a garrafa.
dem em garrafoes com 4 f garrafas por
1,2oo rs. com o garrafao.
Ameixas francesas <-m caixinhas com ricas
estanpas no exterior de l,2oo a 2,ooo rs.
cada urna.
Id^m em frasco de vidro de diversos tama-
itos a 1,80o e 2,5oo rs.
dem em latas de 11/2 e 3 libras a 1.3oo e
2,3oo rs. cada urna, e a 800 rs. a libra.
Figos de comadre em caixinhas de 4, 8 e 16
librrs a l,3oo, 2,5oo e 5,ooo rs. cada
urna caixa.
Idea em caixinhas de folha a 32o rs.
dem ern caixas grandes a 2oo rs. a libra.
dem em latas ermetinjente lacradas de 1,60o
a 3,000 rs.
Arroz da India e Maralo a 80, 100 e 12o
rs. a libra, e 2,5oo e 2,800 rs. a arroba.
Arnendoas de casca mole muifo novas a 4oo
rs. a libra.
Ceblas novas a l,oo rs. os molaos gran-
des e a l,ooors. ocento.
Alpista a 14o rs. a libra e 4,600 rs. a arroba.
Macarro, talharim e aletria muito nova a
4oo e 48o rs. a libra.
Biseoitos e bolachinhas inglesas as ultimas
chegadas ao nosso mercado a l,2oo e
1/oo rs. cada lata.
res.
dem hamburguesa em frasqueiros a S,8oo
ris.
dem de Hollanda em garrafoes grandes a
5,Soo rs cada um.
dem em botija a 4oo rs. cada urna.
Garrafoes vasios de diversos tamanhos a Soo,
fiio e l,2oo rs
Gomma doAracaty a 80 rs. alibra muito alva
Graixa a loo rs. a lata, e l,2oo rs. a duzia.
Licores linos francezes^m garrafas e frascos
de diversos tamanhos de 600 a 800 rs. ca-
da um.
Marmelada imperial de todos os conserveiros
de Lisboa a 94o e 7oo rs. a libra.
Massa de tomate muito nova a 64o rs. a li-
bra.
Marrasquino de Zara a 640 rs. o fraseo,
dem em frascos grandes a 800 rs.
Corainhos muito novos a 800 rs. a bra.
Erva-doce a 24o rs. a libra.
Pimenta a 36o rs. a libra.
Cravo da India a 64o rs. a libra.
Cannella a 1,100 rs. a libra.
Alfazema a 2oo rs- a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs. o
fraco.
Copos finos para agoa a S.000 rs. a duzia.
Chouricas novas a 72o rs. a libra.
Mostarda franceza preparada e muito nova
a 32o rs. cada um frasco.
Gonservas francezas de superior qualidade a
640 rs, o frasco e 7,ooo rs. a duzia.
Azeite doce a 64ots. a garrafa.
tidade.a 4oo rs.
libra.
inteiro, e a Soo rs. a
Sevadinha de Franca a 2oo rs. a libra
Sevada muito nova a loo rs. a libra.
Doce de goiaba fino em caixes com 2 V*
fibras por 600 rs.
dem mais baixo a 54o rs.
Manteiga ingleza flor a mais superior do
mercado a 72o rs. a libra.
dem de segunda qualidade. a 64o rs. a libra.
Manteiga franceza de primeira qualidade a
56o rs. a libra, e 52o rs. em barris ou
meios.
Cha perola neste genero nao ha nada a dc-
sejar, e de especial qualidade, mandado
vir de eonta propria a 2,8oo rs. a libra.
dem huxim o melhor do mercado a 2,600
rs. a libra.
dem de segunda qualidade a 2,ooo rs. a
libra.
dem hysson muito superior a 2,5oo rs. a li-
bra.
Idem-preto hemeopathico muito fino a 2,ooo
rs. a libra.
Bolachinha de soda chegada neste ullimo
navio a 1,35o rs. a lata, deste genero ha
grande porco e de differentes marcas.
Corainhos, ervadoce e pimenta do reino a
36o rs. a libra.
Genebra de Hollanda a 5,5oo rs. a frasquei-
ra com 12 frascos, e a retaJbo a 5oo rs.
cada um.
dem em botija hamburgueza a 4oo rs.
Genebra de laranja a l.ooors. os frascos
grandes.
Vinlio de caj o melhor que ha no mercado
a l'.ooo rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groza e 2o rs.
a caixinha.
dem de dentes lixados a loo re. o maco com
2o macinhos.
Ervilhas seccas chegadas neste ultimo navio
a 16o rs. a libra, e em porclo se faz aba-
timen to.
Banha de porco refinada a 48o rs. a libra e
42o rs. em barril. -
Vinho branco de superior qualidade proprio
para missa a 64o rs. a garrafa.
Oefroute da loja W Pregvl^a.
DUARTE ALMEIDA '

acaba de abrir o seu grande e sortido armazem do molhados denominado Unit e Com-
mevao. Este grande armazem um dos mais bem mentados que temos era nossa praca,
alo s era linfpeza e aceio, como as qualidades especiaes de seus generosh O pree*
tario do fJmao e Commercio offerece todos os sauhores da praca, senhores de ecgLiha
e leadores a segninte tabella, por onde verlo a grande economa que me resuItlToai
comprarem em tao til estabelecimento, afiancando o mesmo todo e qualquer gnero v'
B
ollinho francez em latas e caixinhas asmis
delicadas que tem vindo ao nosso merca-
do de 7oo a 2,5oo rs. a caixinha.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groza e 2o
vir de conta propria, a 7oo a 800 rs, a caiaba.
libra.

Erva-doce a 5oo rs. a libra.
Cbampanha de 20 a 22,ooo o gigo.
+~n
Milho alpista a 16o rs. a libra.
H .1
fdem franceza chegada pelo ultimo navio a
56o rs. a libra, e em barril tora abatimen- Com>nho muo novo a 4oo rs. a fibra
to.
comprando de 8 libras paraeinw a 32< 'rs.
. "N
rs.
dem ingleza em potes de 4 a 16 fibras a Gomma muito alva para engoramer a &
800 rs, a libra e o pote separado, a Iibra> e em a""** se far abatira
.. .. I Sag muito novo a 28o rs. a fibra.
Cha uxim o melhor neste genero, mandado
vir de conta propria a 2,8oo rs, a libra. ^ ^^ hespanM> ^ raraf
vera ao nosso mercado a 28o rs. a libra.
i o
dem hysson, grande, muito bom a 2,600 rs.
a libra.
dem preto muito fino, a 2,600 rs, a libra.
dem preto, mais baixo, a 2,ooo rs, a libra.
dem, verde, miudinho, mais proprio para
negocio, a l,5oo rs, a fibra.
Banlia de porco refinada muito alva a 46o
rs, a libra, e em barril se far abatimento.
Biseoitos inglezes das seguintes marcas;
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travellies.
Lunch, Cabin, e outras muitas marcas, a
l,4oo rs, a lata.
Bolachinha de sudo, especial encommenda, a
2,2oo rs, a lata.
Biscoito inglez Craknel em latas de 5, 7 e 15
libras a 5,ooo e 6,000 rs, e de l,2oo a
800 rs, a libra.
Queijos do reino pelo baratissimo preco de
l,6oo, 4 8oe3,ooo rs os do ultimo
vapor.
dem prato muito fresco a 64o rs, a libra.
Ameixas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas com ricas estampas a j dem londrino muito fresco a 800 rs, a libra.
l,2oo, 1,800 e 2,000 rs. cada urna. ....
I Vinhos em pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
que se vendem todas pelo mesmo preco a d fra f | 48o 56o, e 64o rs, a garrafa, e de 3,ooo a
vontade dos compradores. pa d() mesmQ ^^ l/f bra 2eo 4,800 rs, a caada.
Iem em latas grandes a 2,ooo rs. i-s. s o frasco val quase o dinheiro.
dem propria para lanche em latas grandes dem em latas de 2 libras por l,4oors.
a l,9oo rs. a retalho, e a 800 rs. a libra.
Marmelada imperial dos melhores fabrican- _. ,a nm^A,.a >. .
te* de I lina a 64o rs a libra g S de comadre mui, novos em bahuz-
te^ de Lisboa a bo rs. a lima. nhosmuito proprios para mimo al,28o rs.
Frutas em cilda em latas de 1,000 a Soo rs., ,,,__n ... .
neste genero ha diversas qualidades a t li em ca,xas Para reta,hf' 6 r. a
collier.
Champanha superior das marcas mais acre-
ditadas a l,5oo rs. a garrafa e I3,ooo rs.
o gigo.
Serveja das melhores marcas que vem ao
mercado a 800 rs. a garrafa e a 5,ooo rs.
a duzia
Passas de carnada a 48o rs. a libra e em
quarto com 8 libras por 2,5oo rs.
Bolaxinhas inglezas de superior qualidade a
2,ooo rs. a barrica, e a 2oo rs. a libra.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa em latas de 1 e mais libras
a 7oo rs, a libra.
Peras secaas em caixinhas de 4,ooo a 2,ooo
rs. cada urna.
Figos em caixinhas de 1 / arroba e de 8 li-
bras a 8,000,4,ooo, e 2,000 rs, e a 3oo rs.
a libra, taambem ha serinhas para men
nos a 60 rs. cada urna.
Arnendoas de casca mole a 36o rs, a libra, e
em arroba ter abatimento.
i Sardinhas de Nantes a 32o rs, a latinha.
Chocolate francez o melhor que se pode de-1 Toucinho de Lisboa muito novo a 3oo rs,
sejar neste genero a 1,000 rs. a libra. .h em mh a n N
libra e em arroba a 9,ooo rs.
Massa de tomates a 64o rs, a libra.
dem preta superior a 56o rs. a garrafa e a
5,4oo rs. a duzia. Macas para sopa estrelinha, pevide, arroz de
Vinho Bordeaux de differentes marcas, e as maca a 48 rs- a libfa, e em caixa a 2,ooo j pimenta do reino a 34o rs a libra
melhores do mercado a 7,ooo, 7,5oo e' rs: ^ uma, macarrao, talheiim, eale-' "menla ma a J4 re- a *>**>
8,000 a caixa com urna duzia, e em gar- j tna a rs- a lbra. \ Farmha do Maranho a 14o rs, a libra,
rafas a 64o; 7oo e 800 rs., garante-se a Arnendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.! Ceblas a 800 rs. o molbo, 64o rs. o cento
Bolachinha de soda e lunch era latas grandes, Sevadinha de Franca muito ora a 2oo rs. a
a 2,ooo rs. cada lata. I libra.
ATTENCiQ.
Neste grande armazem de molhados vende-se pm grandes porcoes e a retaih*,
fazentio se differensa consideravel a quem comprar de 100^ para cima.
boa qualidade.
___ __ .... IO ; Avelans muito novas a 2oo rs. a libra.
dem Figueira de superior qualidade a 48o
rs. a garrafa e 3,5oo rs. a caada. Ervilhas francezas muito novas em latas
wa a i k o~ a i. grandes a 6*o rs.
dem de Lisboa a 2.8oo rs. a caada e 4oo
rs. a garrafa. 1 dem em ditas pequeas a 4oo rs.
dem do Porto de superior qualidade para 'M dc tomate ,aU d 2 m
mesa a 5bO rs. a garrafa, e 4,000 rs. a ca- ^[0 rs
nada.
Salmo era latas de 1 libra a 800 rs.
Idem fino do Alto Douro da colheita de 1833, *L Unho em ,aUs ^ 4
como sejam: D. Luiz, teitorta velho, Nec- ^a uma 8 '
tar, Carcavelles e Cambes 1.11 caixa de
uma duzia a 9,ooo rs. Sardinhas de Nantes a 36o rs. a lata.
Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto Cognhac inglez a 800 rs. a garrafa,
a l,ooo rs. a garrafa e lo.ooo rs. a caixa. 0Qr fnm(.e/ (|as rae|horffi ^^ do mef
Duque do Porto, Madeira secco, duque ge-' cado a 800 rs. a garrafa.
f!5*S!dr ^ '""B.^.ehegate nesu. uKuno e i-
xa com duas arrobas por l,6oo rs., e 4o
rs. alibra.
Garrafoes com vinho do Porto a 2,2oo rs.
cada um.
Vinagre de Lisboa desuparior qualidade a Concervas inglezas a 75o rs. o frasco.
2oo rs. a garrafa e l,2oe rs. a caada.
Azeite doce refinado em garrafas grandes a
800 rs.
dem de Lisboa a 64o rs. a garrafa, c em
caada a 4,8oo rs.
Presuntos inglezes para fiambre a 7oo rs. a
libra,
dem de lamego encommenda particular a
48o rs. a libra, emteiro se faz abatimento.
Toucinho do reino o melhor do mercado a
320 rs. a libra, e em arroba a 9,ooo rs.
Velas de espermacete de 4, 5, e 6 por libra
a 560 rs., e em caixa se faz abatimento.
dem de carnauba refinada a 32o rs. a libra
e 9,ooo rs. a arroba.
dem de carnauba pura do Aracaty a 4oo rs.
alibra e lo,5oo rs. a arroba.
Gomma muito fina e alva a 80 rs. a libra.
Aramia verdadeira a 32o rs. a libra.
Farinha do Maranho muito alva O cheirosa
a 12o rs. a libra.
Sag muito novo 24o rs. a libra,
Sal refinado em potes a 5oo rs. cada um.
Mostarda ingle:a a l.ooo rs. o frasco.
1 dem franceza a 4oo rs. o pote.
t
Milho alpista a i60 rs. a libra e i,800 rs. a
arroba.
Graixa muito nova em latas grandes a 120
ris. R
Latas com peixe em posta emticamente
lacradas das melhores qualidades de pei-
xe que ha em Portugal a 1,2oo rs.
Caf lavado de Ia qualidade a 32o rs., dito
de 21 a 28o rs. a fibra e 8,2oo rs a arro-
ba, dito de 3a a 26o rs. a libra e 7,8oo
rs. arroba.
Charutos" suspiros dos melhores fabricantes
de S. Eelix a 2,5oo rs. a caixa com loo
charutos.
dem finos de diversos fabricantes a l,6oo.
l,8oo e 2,ooo rs. a caixa com loo charu-
tos, (o proco nao indica a boa qualidade
porm deem-se ao trabalho de virem ou
mandarem e verSo a realidad*,
e 6,5oo a caixa.
Tijollo para hmpar facas a 16o rs,
Cerveja das mais acreditadas marcas de 5,ooo
a 7,5oo a duzia, e de 5oo a 600 rs, a gar-
rafa,
Prezunto para fiambre muito fresco e novo
a 800 rs. a libra,
Genebra de laranja a l,ooo rs, o frasco,
Chouricas as mais frescas do mercado a 800
rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa,
e lo,5oo rs. a caixa com uma duzia.
Licores francezes e portuguer.es de todas as
marcas de lo.ooo a 15,ooors. a duzia.
Passas muito novas a 5oo rs. a libra e a 8,5oo
rs. a caixa. Ha caixas, metas e quarts.
Batatas a 1,000'rs. o gigo com 38 libras e
2,oeo a caixa com duas arrobas cadauma.
Boeelas com doces seceos de 3,ooo a 8,9oo
rs. cada uma.
Bolachinha ingiera a 32o rs. a libra,
Azeite francez e portuguez refinado a 800 rs.
a garrafa, e 9,ooo rs. a caixa com uma du-
zia.
Conservas ing!eas das seguintes surcas:
Mixed, Pickes, e ceblas simples a 800
rs. o frasco.
Mostarda ingleza preparada era potes a 4oo
rs. o pote.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra e 4,8oo
rs. a arroba,
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de manteiga, doce,
e outro qualquer liquido, de 1,000 a 3/>oo
rs, cada um,
Vinho branco o melhor aerte genero a 800 rs,
a garrafa e 4,3oo rs. caada.
dem Bordeaux de differentes accas, *aran-'
te-se a qualidade, a 8.ojo rs. a caixa com
uma duzia, e a 7oo rs. a garrafa.
Garrafoes com 5 garraf/"Ke flnho do Porto
do Alto Douro a %-oors. com o garrafao.
dem cora 5 garrafas de vinho Figueira, mais
proprio para a nossa estac3o por ser raais
fresco a 2,4oo rs. com o garrafao.
I
dem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs. ">
o garrafao,
Sabo massa de superior qualidade a 18o,
2oo, e 22o rs. a fibra do melhor que ha
Graixa em latas muita nova a 12o rs. a lati-
nha, e l,3oo rs. a duzia. %-
Peke em latas muito novo: savel, pescada, *
curvin, salmo e outras muitas qualidades .
preparados de escabexe, segundo a arte de
cozinha, de l,2ooa 2,ooe rs. a lata.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado e escolhido pessoalmente por um N
dos socios que se acha em Portugal, das
seguintes marcas : Duque, Genuino, Ve-
lho secco especial, LagrimasVDoces de
1819, rinho especial D. Pedro W, vinho
velho. Nctar superior de 1833 Duque do
Porto de 1834, vinho do Por' 1 velho sh-
perier, Madeira Secca de superior quali-
dade, vinho do Porto superior L. i,uu i
de 1847, Lagrimas do Douro, especial vi-
nho do Porto, de l.ooo a 1 2oo .s. a gar-
rafa e de lo,000 a 12,ooo rs. a caixa cora
uma duzia.
Vassouras americanas aiwors. cada um.
Velas de spermacete as melhores que ha no
mercado a 56o e 64o rs. o masso, e en*
caixa se far umjgrande abatimento,
dem de carnauba e composico, de 4oo a
32o rs. a libra, e de lo.ooo rs, a li,5oo V
rs. a arroba,
Cale de Ia e 2a sorte de 8,3oo a 8,600 rs. '
arroba, e de 28o a 32o rs. a libra do me-
lhor,
Arroz da India, Maranho e Carolina a 3,ooo,
2,8oo e 2,4oo re. a arroba e a loo re. a
fibra.
Frasqueira de genebra a S,8oo re. e a 5oo
rs. o frasco.
Azeite doce em barril muito fino, a 64o rs.
a garrafa, e em caada ter abatimento.
PapeJ greve pautado e liso a 3,5oo rs. 1
resma.
Genebra de Hoflanda em botija de conta a.
44o rs. a botija.
Passas cori oteas a Soo re. a libra e 12,8oo
re. a arroba,
Ervilhas franceza e portugneza a 640 rs a
lata de uma libra.
Chocolate francez, hespauhol, suisso e por-
tuguez a l.ooo re. a libra, e a 28o re. ca-
da pao de uma '/*
Ameixas francezas- em caixinhas elegante-
mente enfeitadas, com diversas estampas
no exterior da caixa de 1,500 a 3,ooo rs.
cada uma; tambera ha frascos e latas de
differentes tamanhos que se vendem por
mdico nrec.
Massas para sopa: macarrio, talharim e ale-
tria a 48o rs. a bra, e em caixa se' far \
abatimento. i
Garrafoes com 14 garrafas de genebra de
Hollanda a 5,5oo cada um.
Charutos de todas as mareas e dos melho-
res fabricantes da Babia de 3,ooo a 4,ooa
re. a caixa.
4
K
ATTEW9A0
Todos os senhores que comprarem para negocio oucasa particular de 100$ para
cima tero raais 5 a 10 por % de abatimeoto; o proprietario scientiftea mais que t"*-*
os seos gneros sao receetdos de sua propria eacommonda, razio esta para poder ^ven-
der por muito menos do que era outro qualqnar estabelecimento, *
\

^i*0*

u~
V.
i
.


1 t
H
l*rta de re*o&Mbc <*uai< fclm 3 4* Beienifcro de 19.
9 LARGO DO CARMO 9
GRANDE SORTIMENTO
DE
r
DO
PROGRESSISTA
RA RAS nirXKN 3f. 36

>^
PARA A FESTA.
DUARTE & C.
Participara aos seus numerosos freguezes e ao publico era geral que acabam de
tscel.eit de sua propria encommenda, o mais lindo e completo sortimento de molhados,
os quaes vendem por grosso e a retalho por menos 40 por cento do que outro qualquer
annunciante, como ver3o pela seguinte tabella que abaixo notamos, garantindo os mes-
s proprietarios nio so o peso como a qualidade de seus gneros.
AVISO.
Todos ossenhores que coraprarem para negocio ou casa particular de \Q04 para
cima terao mais 5 a 10 por cento de abatimento, os proprietarios scientiflcam mais que
todos os seus gneros sao receidos de sua propria encommenda, razo esta para pode
vender por muito menos do que outro qualquer estabelecimento.
4
*
Castanhas muito novas a 2,ooo rs. a caixa, e
a 16o rs. a libra.
Bolinho francez e em caixinhas de Too a
ILooo rs. cada tuna.
h\da francesa a mais nova do mercado a 56o
rs. ajibra, e^4o rs. em barril.
, dem de porco refinada multe alva ifio rs.
a fibra]!*
Pre/.ujitapTra Jfc.V^a 8oo rs. a libra.
("ha axim miudinho Vindoxte conta propria,
o'melhor do mercado a 2,8oo rs. a libra.
dem hyson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra.
>'-n perola o melhor que se pode desejar a
. 2,7oo rs. a libra.
Mem preto muito fino a 2,5oo rs. a Hbra.
dem mais baixo poux'O a 2,ooo rs. a libra.
dem mais baixo a l,8oo rs. a libra.
jj'inho do Alto Douro viudo do Porto engar-
4 rafado gamite-se a superioridade deste vi-
" nho, das seguintes marcas : Duque, Ge-
nuino, velho secco, especial lagrimas do-
,' res de 1819, vinho especial D. Pedro. V.,
_ ^ vinho velho, Nctar superior de 1833, Du-
que do Porto de 1834, vinho do Porto ve-
+ Iho superior, madeira secca de superior
* qualidade, vinho do Porto superior D. Lu-
izl.'de 1847, lagrimas do Douro espe-
cial, vinhoJb Porto de i.oooa i,2oo rs
a garrataiTde lo.ooo a U,ooo rs. a caixa
com um/duzia.
Vellas de carnauba e composico de 32o a
30o rs. a libra e de lo,ooo a ll,eoo rs. a
arroba.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
440 rs. a botija, e em duzia ou em barrica
tert abatimento.
Massas para sopa macarro, talbarim e aletria
a 48o rs. a libra e em caixa ter abati-
mento.
dem estrellinha, rodinha e pevide em caixi-
nhas de 8 libras, muito bem enfeitadas de
2,5ooa 3,5oo rs. a caixinha e a 600 rs. a
libra.
E
BA DO CEESPO N. 9
Uta fealrro de Manto Antonio.
oaqiilai Jos Comes de Monza sdentifica a seus numerosos fregue-
zes e ao publico em geral que acaba de establecer inn .novo armazem de molhados
ra do Crespo n 9, aonde se encentrar sempre os melhores gneros de estiva, que
se venderao a retalho e por atacado, por menos dos quee venderem em outra qualquer
parte, afliancando-se aquellas pessoas que comprarem oestes armazens a superior qua_
lidade de gneros, precos commodos e bom acondicionamento.
O armazem da ra do Crespo situado no melhor local desta cidade com o as
seio que de necessidade manter-se com estes estabelecimentos, faz crer a seu pro-
prietario, que ninguem deixar de sortir-se n'um estabelecimento aonde se encontra sm-
ceridade, para ir-se comprar aonde se n5o offerecem tantas vantagens.
Sende este armazem no verdadeiro ponto de partid para os arrabafdes desta
cidade, nao ser diflicd queHes senbores que tem de partir nos mnibus darem las
encommendas neste armazem, que sempre lhes offerecer os mais agradaveis gneros
Cha perola de especial qualidade a 2,8oo rs. dem muito superior a l.ooo rs. a garrafa.
a libra,
dem hysson rourto superior a 2,7oo rs. a ^^ a e 32 a Hbra, e a 8,000 e
libra. 9,ooo rs. a arroba.
Mem uxim a 2,Sco rs. a libra. 1 r. ~, mm__ .
Cerveja das memores marcas do nosso mer-
T
VOS ABMA/K^
CONSERVATIVO E C0NSEIIV4D0R
21 e 23Largo do Terco21 e 23.
Joaqum Simes dos Santos, proprietario destes estabelecimentos de molhados
participa ao publico e a todos em geral, que vende nos seus armazens os teneros por
menos de 5 10 por cento do que em outra qualquer parte, garantido-sc pela superior
qualidade.
Manteiga ingleza perfeitamente fl&r a 800 rs. a libra.
dem franceza, vinda pelo ultimo navio a 560 rs. a libra e 540 rs. em barris ou mete.
Banha de poico refinada, a 400 e 44o rs. a libra.
Velas de espermacete e carnauba a 860, 400 e 600 rs. a libra.
Gaf do Rio de l* e 21 sorte a 270 e 300 rs. a libra, e a arroba a 8500 e 9/000 rs.
Batatas em caixas com 2 arrobas por 2)5000, e a 4o rs. a libra.
Toucinho de Lisboa, a 32o rs. a libra, e a arroba a 90000, ou barril.
Cha de 1, 2, 3* e 4a sorte a 20800, 20300, 20000, e 40800 a libra.
Azeite doce de Lisboa a 30000 o galao, e a 600 rs a garrafa. .
dem de carrapato, a 280 rs. a garrafa, e a 2000 a caada.
Genebra verdadeira de Hollanda, marca gallo a 400 rs. a botija.
Milho alpista o mais limpo que ha a 100 rs. a libra a y 800 rs., a arroba.
Vinho verdadeiro Figueira e Lisboa, a 500 e 400 rs. a garrafa e a caada a 30500 e J0OOO.
dem do Porto, a 4*500 a caada.
E alm dos gneros annunciados ha outros muitos baratissimos, assim como
queijos novos, chouricas, servejas das melhores marcas, aletria, ameixas sevada, comJ-
nho, erva-doce, pimenta, sabao, canella, phosphoros do gaz, que tudo se vende por
menos de 5 10 por cento, a dinheiro contado.
LIQUIDACO
de farendas e roupas fetas, per precos baratissimos : na ra do Crespo n. 4.
dem hysson a 2.3o rs. a fibra.
dem idem a 2,ooo rs. a libra.
dem preto de qualidade muito especial a
2,oo rs. a libra.
dem idem inferior a l,6oo rs. a libra.
Champagne a melhor neste genero a 1,5oo
rs. a garrafa e 18,ooo rs. o gigo.
dem inferior a lo,ooo rs. o gigo e l.ooo r%.
a garrafa.
Bolachinha
>>- noy
lata.
ri 3oda
arque ha
especial encommenda e a
no mercado a 2,2oo rs. a
Biscoitos Nglezes das memores marcas em
i latinhas'e 2 libras a i,3oo rs. a lata.
Idem inf' raknel en latas de 5 e 7 libras
L o. ,oou is. a lat, e em libra a
:
cijos do reino chegados pelo ultimo vapor
de 2,ooo a 3,ooors. cada um.
Idem prato a Too rs. a hbra.
JfViiiho em pipa das mais acreditadas marcas
como sejamBA F., PRR, JAA, outras
muitas marcas. Porto, Lisboa e Figueira ;
"* de 48o, 5oo, 56o, 64o e 8oo, rs., e o do
Porto fino em garrafa, e em o nada a
3,ooo, 3,5oo, 4,oo e 6,5oo rs. o melhor
?lo Porto.
dem Bordoaux das mais acreditadas marcas
a 7oo rs. a garrafa, e a 8,ooo rs. a caixa.
Garrafoes com 5 garrafas de superior vinho
do Porto a 2,2oo rs. com o garrafao.
Idem com 5 garrafa de vinho da FLjueira mais
proprio para a nossa estaco por ser mais
fresco a i, ioo rs. com o garrafao.
Jdem com 5 garrafas de vinagre a I,ioo rs.
com o garrafao.
jfinlio branco o mais superior que vem ao
MfM mercado a 56ors. agarrafa, e a
4.3oo rs. a caada.
Velas de esparmacate as melhores Beste ge-
nero de 56o a 64o rs. o maco, e em cai-
xa ter grande abatimento por baver
grande porcao.
Azeite doce em barril muito fino a 64o rs.
a garrafa e 4,8oo a caada.
dem francez refinado a 8oo rs. a garrafa.
ft-vias franeexas e purtoguezas a 64o rs. a
lata.
Bocetos com doces seceos de Lisboa de 3oo
a 3,5ors. cada urna.
(tu i- mhV de Lisboa a 3oo rs. a libra, e a
m V),'oo js. afarroba.
JSozes "muito novas a 16o rs. a libra e 4,8oo
r*. a arroba.
Ca de 1 .*, 2. e 3. qualidade de 26o, 3oo
e 36o rs. a libra, do Cear de 7,8oo, 8,6oo,
e T.2oo rs. a arroba do melhor.
. VTToz da India, Java eMaranbio de 2,2oo a
3,o6o a arroba, e de 8o a 1 oo rs. a libra.
Passas' muito novas a 8,5oo a caixa e 5oo
a libra, ha caixas m/ias e quartog.
de Franca a 24o rs. a libra.
o a 28o rs. a libra.
Chocolate francez, bespanbol, e portuguez, a
Doce de goiaba em caixas de divtrsos tama-1 a 9o e '2o rs- a fibra.
nhos de 6oo a l.ooo rs. o caix5o. charutos dos memores fabricantes da Bahia
Sabao massa de 2oo a 24o rs. o melhor, em; e de qualidades, especialmente escolhidos,
caixa ter abatimento. dem hespanhol a 28o rs. a libra.
I
cado de 5,ooo a 6,ooo rs. a duzia, e Seo M
rs. a garrafa.
Consenas nglezas a 75o rs. o frasco e 8r8oo
rs. a duzia.
Doce em calda a 5oo rs. a Tata.
dem de goiaba em caixas o diversos tama<-
nhos e de diversas qualidades de 64* a
l.ooo rs. cada.urna.
Ervilhas frartcezas muito novas de 48o a 64o
dem portuguezas a 72o rs. a lata.
dem seccas a 2oo rs. a libra.
Vassouras do porto com arcos de ferro a 32o
rs. cada urna.
Velas de espermacete da melhor qualidade
a 6oo rso maco.
Farinha do Maranhfio muito al va a 14o rs. a
I libra
''. i, salmSS^^^MudLdades,Mem ^K2 fc|fcljJ^--Vinh& do Alto Douro en}arrafado, e os mais rs. a libra e lo.ooo rs. a arroba.
'-c ^^escclh. i..-, |>?rimas doDouro.D. Pe- -r- i ir,.
FiaSTmraf^^ arJyl P| %* ^ I, XjW*. ***> t-r ^^ ^, lunpar lacas a 4rs. cada um.
a 8,ooo 4,ooo e %ofamaiM^' ^eno1- Malvosj lina, Baajnlo, e outra 1uciu]|o desba e Sanb -s a 32( i rs. a libra.
'-<* !l.aoo Barris de vinho branco de quinto, marca B a garral.*" p#adauo*ow i 1;|'n.
& Filho a 60,ooo rs. o barril. ,,_ rv--------,.^__ P^ ~*T ri^m^"*' 9******+
Idem Cherry e Madeira a 17S00 1'
Mermelada imperial dos ratlhores conservei- fa e 16.000 rs. a duzia.
ros de Lisboa a 64o rs. a I .tinhade 1 libra,'.. m Dn ,. .. _
ha latas de 1 Vi e 2 libras. Idem, *>rAuan de diversas marcas de 8,000
a lo.ooo a duzia, e8oo rs. a garrafa.
Massa de tomate em latas douradas de 1 libra n 1 u a .
a 64o rs a lata Bolaxmhas americanas a 3,ooo rs. a barrica,
e 2oo rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas elegante- n .
mente enfeitadas de l,5oo a 3,ooo rs. a Batatas ?iu,to novas a l'00 rs- W0> e ^
caixinha, tambera ha latas de I l!i a 6 li- rs' a ra>
bras de l,2oo a 4,5oo rs. a lata. Banha de porco refinada a 48o rs. a libra, e
dem em frascos com lampa de rosca a l,6oo em b*rril a 4io re'
rs. o frasco. Vinho em pipa de Lisboa, e Figueira, de3,ooo
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e i a i,00 rs" acanada' e 5o rs" a ^rrafa-
suisso a l,2oo rs. a libra. Mem de Lisboa em ancoretos de 8 a 9 cana-
Conservas inglezas das seguintes marcas | daS por 27:00 rs*
Mixde-Picles c cebollas simples a 75o rs dem do Porto muito especial a 3,5o rs. a
o frasco. caada e 72o rs. a garrafa.
Ancoretas de vinho colares a 3o,ooo rs., e dem era garrafoes cora 4 4 garrafas por
2,5oo rs. com o garrafao.
FAZENDAS BARATAS
-HIA DO yi/E2i:?IADO--39
Custodio, Carvalho A C.
Finas cambraias organdys indianas pelo baratissimo prec<) de 300 rs. o covado ou
800 rs. a vara.
Orande sortimento
dos mais tinos baldes de arcos para sennora e pelo barato pr$o de 3J> cada um, ditos de ma-
dap*lo para meninas a 2509.
Xovldade
Os mais lindos e mais finos e modernos cortes de la com ricas barras, tendo cada corte
10 cerrados e pelo baratissimo preco de 205.
Fri de linho vara a 500 rs.
Modernas ISazinlias para vestido o covado a 440 rs.
liADffl II 1
7 RA DA IMPERATRIZ
\OVIEtIl> YOVIRA
a 1,000 rs. cania
a 72o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 32o rs. a latinha.
Charutos das mais acreditadas marcas da
2,5oo a 4,000 rs. a caixa.
Champagnhe a melhor do mercado de 12.000
a 24,ooo rs. o gigo, e de 1,2oo a 2,000 rs. a
garrafa.
Papel greve pautado ou liso a 3,5oo rs. a res-
ma.
dem de peso pautado ou lizo de 3,5oo a
4,000 rs. a resma.
Vinagre de Lisboa muito superior a 2,000
rs. a caada.
dem mais baixo a l,5oo rs. a caada, e 2oo
rs. a garrafa.
dem em garrafoes com 4 '/i garrafas por
i,2oo rs. com o garrafao.
Manteiga ingleza a 600, 7oo, 800 e Ooors.a
libra de primeira qualidade.
dem franceza a 56o rs. a libra em barril, e
a 600 rs. a retalho.
Gomma muito flna e alva a 80 rs. a libra.,
Milho alpista e painso de 16o a 2oo rs. a li- Ameixas francezas em caixinhas cora ricas
bra.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a grosa e 2oo rs. a
duzia.
estampas no exterior de l,2oo a 2,ooo rs.
cada urna.
dem em frasco de vidro de diversos tama-
,.,.. .1 nhos a l,5ooe 2,aoo rs.
Vasos inglezes de 4 a 16 libras vastos, mmto j
proprio para deposito de doce manteiga!'dem em latas de 1 1/2 e 3 libra a I,3oo e
ou outro qualquer liquido de l,ooo a 2,3oo rs. cada urna, e a 800 rs. a libra.
3,ooo rs. cada um. j Fgos de comadre em bauzinll0S ^ fo^ pr0_
Licores das melhores marcas e mais finos1 Prios Para mimos a l>Qo rs- un.
a 1,00o rs. a garrafa e em caixa ter abati- dem em caixinhas de folha a 32o rs.
ment.
,,.., dem em caixas grandes a 2oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa!
e lo,5oo rs. a caixa. dem em latas ermeticamente lacradas de
Chouricas as mais frescas do mercado a 800 00 a ,00 rs'
rs. a libra. Arroz da India e MaranbSo a 80, Ioq e 12o
rs. a libra.
Amendoas de casca mole maito novas a 4oo
rs. a libra.
Genebra de laranja em frascos grandes a
l,ooo rs. o frasco.
Serveja das mais acreditadas marcas de
5,5oo a 6,600 a duzia e de mais a 5oo rs. Azehonas superiores a l,loo rs. o barril,
a garrafa.
Alpista a 14o rs. a libra e 4,6oo a arroba,
dem em botijas e meias, sendo preta da Letria a 4oo rs. a libra,
muito creditada marca. T de 6,5oo a 7,8oo' ,_ ,. .
rs. a duzia. Biscoitos e bolachrahas inglezas as ulumas
chegada s ao nosso mercado a 1, 2oo e 1, 4oo
Ceblas era molhos grandes a 800 o molho K. cada lata.
640 o cento, e a 6,5oo rs. a caixa
_, ... Bolaxinha de soda e luneh em latas grandes
Pimenta do reino a 34o rs. a hbra.
Farinha do Maranho a 14o rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 16o rs. cada um.
Cominbo a ioo rs. a libra.
Erva doce a libra.
Canella a l.ooo rs. a libra.
a 2,000 rs. cada lata.
Cognac de superior qualidade 800 rs. a gar-
rafa.
Papel greve pautado e liso de 3,ooo*
rs. a resma.
Passas muito novas a 8,5oo a caixa e 48o rs.
a libra.
Palitos lixados para dentes a 14o rs. o maco.
dem de flor a 2oo rs. o maco.
Prezunto para fiambre inglezes e americanos
a 800 rs. a libra.
dem do Porto a 48o rs. a libra.
Queijos prato de 48o a 600 rs. a libra.
dem londrinos os melhores que se encentram
neste mercado a 800 rs. a libra.
dem flamengos vindos no ultimo vapor de
2,8oo a 3,ooo rs.
Sardinhas de Nantes muito novas a 32o rs.
a lata.
Sag muito novo a 2.00 rs. a libra.
dem muito superior a 28o rs. a libra.
Sabao maca de diversas qualidades a 2oo e
24o rs. a libra.
dem inferior de 12o a 18o rs. a libra.
Genebra de Hollanda em frasqueiras a 6,5oo
rs.
dem hamburgueza em ditas a3,8oo rs.
dem de Hollanda em garrafoes grandes a
5,5oo cada um.
dem em botija a 4oo rs. rs. cada urna.
Garrafoes vasios de diversos tamaitos a 5oo,
64e e l,2oo rs.
Gomma do Aracaty a loo rs. a libra.
Graixa a loo rs. a lata, e l,2oo rs. a duzia.
Licores finos francezes em garrafas e fras-
eos de diversos tamanhos de 600 a 800 rs.
cada mn.
Marmelada imperial de todos os conservei-
ros de Lisboa a 64o e 700 rs. a libra.
Massa de tomate muito nova a 64o rs. a
libra.
Marrasquino de Zara a 64o rs. o frasco,
dem em frascos grandes a 800 rs.
Cominhos nuito novos a Soo rs. a hbra.
Erva-doce a 24o rs. a libra.
Pimenta a 36e rs. a libra.
Cravo da India a 64o rs. a hbra.
Cannella a l.loo rs. a libra.
Alfazema a 2oo rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs.
o frasco.
se usando
n preparo*
>ara noiyas
ATTENCAO
i
G proprietario dos armazens do Progressista jamis deixar de offereeer aos seus
freguezes tudo o que for preciso para que sejam bem servidos, e como a festa se aproxi-
Batatas a l.ooo rs. o gigo com 32 libras liqui-1 ma ptima a occasiao dos seus freguezes experimentaren! a realidade, que nanea dei-
das e 2,5oo rs. a caixa de duas arrobas, ,axr de ser mantida pelo proprietario destes armazens.
Madama viuva Lecomte tem a honra de participar ao respeitav
pelo ultimo vapor francez um grande sortimento de objectos de pored
perolas, bromes, marfim etc., assim comoum rico sortimento de a "
tos quer de madeira, quer de metal novos modelos.
Cintas para senhoras e
Lindas cintas decouro e velludo enfeitadas com a co
em Paris, ligas de seda para senhora, nquissinia uuin
de costura ou sem ella, de tartaruga, madreperolas, narr
de IMres de laranja.
Pinissimos chicotes com cartas de marfim, sant
Perft
Perfuma.ias.jB. jais afaiimoda fabriles
OlMAiwohas para cafebte. '-*peanwz pa
"Bmyova.- para
.JPas para lioo[
Agua para \^?.r lentes. fintea de t;iHafi
Pos. '-^y'iUM de bfaloJ
Agua de colonia. jn^ ^> ispensorros pa:
Cneiros para lencos e gavetas. _>^W spellios grande
Agua para tingir e. \A ^ *oS)s
Na inesina casa contina-se a (> cabeikiras;> Unta Vflft^m
como qualquer cabello suppeste. Hfc^
Corta-ee cabello e risa-se por 300 rs. .
Leite authepolte, i^^^^
Appro\ado pelas academias de mediriua de faris e Loudt *. 'w"
Este leite cura em poucos dias as sardas, ephelides, manchas deg^idez, (ki
doas, cravos, borbulhas, borloejas, espinhos, etc., como consta do livrinho qu>o r.coftf
co tem um livro que indica o modo de applicar o leite anlephelico. a*"^C,\
O nico deposito na casa de madama viuva Lecomte. Vi^-1^J|
________7 RA DA IMPERATRIZ 7
ibricantes.
'P ^*
CHEGARAM
Os lindos-chapos de palha de Italia enfeitados com muito goslo acompanhados do compefont.'
veo de seda copa alta a Canotier para senhora : a toja das columnas ra do Crespo n. 3, de Antonio
Correa de Vasconcellos & C '
<'.,
Veade-se urna armacao de urna loja de mm-
deas, propria para qualquer estabelecimento : a
tratar na ra da Cadeia do Recife n. 7, toja.
a mm mu
PAKA i MDIS AS UOI.CSTIAS DO
wm 8 fu i s mam.
AGENCIA
DA
FNDICO BE LOW-MOOB.
Ra da Seaulla nova i. 42.
Neste estabelecimento contina a hav^r
um completo sortimento de moendas e mtias
moendas para engenho, machinas de .,,or
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
AS
Pitnlas Vcgetaes Azucaradas
De Kcmp
Compostas dos dois novos reslnoidcs chama-
dos Podophilisa c Leptajjdhina, e iuteira-
meute livres de Mercurio ou outros vennos
mineracs ou metallicos, sao de grande utili-
dade nos paizes clidos cm casos de
DISPEPSIA, ENCHAQUETA,
Constipagao ou PrizSo do Ventre,
PADECIMElfTOS DO FIGADO,
AfleccjJes Biliosas,
HEMORRHOIDAS, COUCA,
Ictericia,
FEBiE &ASTRO-HEPATICA,
B wtrasenftrmldadMiBlogaj.
Elias vo rpidamente substitnindo os aniigaa
purgantes drsticos. <
A renda as boticas de Caors & Barboza,
ESCBAYOS FGIDOS.
Fugio do engenho Pirau da comarca da ci-
dade de azareth em 20 do mes de maio do cor-
rente anno 1863, um mulajinho de nomo Manoel,
de idade 15 annos, levou vertido camisa e ceroula
de algodaozinho aral, tnn tanto descorado da eor,
' tem os ps feios e es dedos delles arrebitados, os
ps adiante largos e os calcanhares lino*, tem o
costume de andar eom acbela baixa, cahellos
estirados, de cabocolo : qnem o pegar e trotncr
em dito engenho ser recompensado rom 200.
.. Escravo fixgido.
OOjfOOO de gratificado.
Contina fgido desde Janeiro o mualo de nomc
Raymundo, natural do leo, estatura regular, idade.
de 18 annos, cabeca ehata, cabellos carapinhos.
testa grande, rosto oval, com una fstula na face
esquerda, maceas salientes, dentes limados pontn-
dos, bocea regular e principio de buco, ps e maos
que entregar a referida gratinVacjio.
queira.
Contina regida a escrava Felicia, com os
signaes seguintes : estatura regnlar, cor preta,
cara redonda, ps feios, pesooc raspado pouco.
falta de um dente na frente do lado da cima, levou
vestido de ganga azul sem forro no corpfcho, mais
nm vestido de chita miuda de assento branco o
um lencol de brim : quem a pegar leve-a ao bec-
codo Padre n. 4 que se gratificar.
IfKBB
o escravo Adao, de vihto e tantos annos de idade.
ru da Cruz e lo5n da C Bravo A C ma boa fiRnra cg0 mn omo : (am Pcar le"
STM^L A n P"0 fUa da Cade> D 33 IoJ' lue sera bem
da Madre de Dos. recompensado.
1
*
l\ JW-i



llri de PeraaMlme narta Mr 3# de nrrrmhr d ti#9.
^
:

-i-a
\
>
LITTEMTRA.
3

A loa de Pernambue*. ~
Horas de doce agona.
De melanclico enleio,
Que de lnguida harmona
Tingem-se os estos do seio !
Triste e s n'uma erma sala,
Eu m"cocaminho abraca-la
Viva --a imagem le meus sonlios ,
Alvas sombras se grupando
Vm joucas rae oasiando
D'alnta os sabaras tristonbos.
Lina mantilla amarclla
Xa escura sala realca
(lomo roupas de domella
Peregrinando na walsa;
Alva mao de tafet )
De namorada tala
Meu peito subtil tocando,
Do delirio a lava ardente
Vem gentil, vem levemente
Dentro em ininlia alma apagando.
Olho o ceu que magestade 1
Que volupias que fulgor!
Sobre a dormida cidade
Que molle docel de amor I
Em teus raios, meiga la,
Eu vejo essa mao tua,
Ol I paluda peregrina,
Que o teclado de minba alma
Vens desferir terna e calma
Coui teus dedos de neblina.
Que asseti nadas myriades
De nuvensiuhas que vio 1
Que somnmbulas sylphiades
Vagando na immensidlo !
Tenso *er em ti assira
Lindo busto de marfim
De urna nympba solitaria
Tendo os rebanhos do sol
No esmeraldino lcncol
Das campias da Trinacria.
E vaes passando sorrir
Esta paysagem de hroes
Que nao cram de dormir
A luz de tantos mil ses ?
Cerno a candida bedoina
Nos campos de Palestina
Descalca cantarolar,
Do samieljsustada ao ululo,
Aqu ali calca o tmulo,
Do um romeiro do Senn'ar.
Sob um trmulo docel
Dorme a amazona brasilca.
Preso da noute ao burel
Por seus ramaes de escumilba ;
Aqu brocados as nuvens
Sao vestes que dera Rubens
A urna aerea beldado,
Que estas nuvens que ficaram
Sao fum* que vomitaran!
canhoes da liberdade.
Onde a mae d'agua s'esconde...
O' la, diz-me, qnc trra
Tantos encantos encerra,
E um cu to lmpido aonde ?
L'Uasto, romer* a soledade,
* surgiste do nfer eoni rosto Ihano ;
Comtigo s'ergue altiva urna cidade
Junto d'um ocano outro ocano.
Castello colossal silencioso
Eutre as sombras da noute levantado,
Tendo as ondas ao prtico vultoso
Por columnas de marmore lalhado.
E por cupulo i,un vasto cea de leite
Povoado de nuvens de acucena,
Aonde ermas genljl, nua d'enfeite ;
Fada branca das noutes lio serena
E aqu e al I i canteiro solitario
Perfumando estes ares de sussim,
Eis rasgado dos sec'los o sudario,
Da Atlantida somnmbula um jardim.
De vez em vez que a onda se esmorece
Ouvcm-se as notas descantadas harpas -,
E' o genio das sombras que hymnos tece,
Soltando trra de seu manto as farpas.
Ou talvez o arfar de coracoes
Em mulles ledos segredando calmos
No lnguido delirio das paxoes ;
Ou das fadas da vida os longes psalraos.
La, p'ra o Oriente vaes ? diz Veneza
Que a mais terna canglo do gondoleiro,
Nem pompas do seu cu, sonham lindeza
D'esta fllha do slo brasileiro.

Hecife, 1863.
Jos Joboe de S. Fii-ho.
\
V

Rosa u| marmor pendida
Das noures ao mausolu.
Virg'em su'^io estremecida
De pmH que vnor llie deu,
0' lua.Vseu'plft.'lue es
Transparecenuor um vs
De nuvem sombra lia da na,
Semiamis, volupiosa^011!0
Se destoucanaV formosa
Em sena palacios de rocha !
De horisonte em^iorisoute
Vaes, la, cus-lem,
Da leve paluda fronte
Nada te murena a cacera.
O mundo feretto immenso
Que vae rolando sispenso
No espago seu cemiterio ;
Sobre o dormido gigante
Tu lampada vasquejante,
Posta aos umbraes do mysterio
Esta hora ai lindas iraagens
De meu berco beira-mar !
Como da noute as roupagens
Tu sabes l encantar
Como fugindo das sarg
Vm poisarna praia^Ss'gargas!
Como das nuvenVde l,
Qual sobre molles alfombras,
Terna segredas co'as sombras
Dos bravos da Paiar I
E l onde se desfraldam
Risonhas verdes campias,
Onde as virgen* se engrinaldam
De cmaras c boninas,
Solas um ramo de perolas*
Que as aguas pardas-cerulas
Dos lagos trmulo boia,
Nessas horas que a espessnra
Suspira a doce ternura
Das cantigas da saloia.
Gigante l se ergue a serra
Soberna de Itabaiana,
Portento de mnha trra,
Da trra sirigipana.
Clara fonte cor de leite,
Das aves doce deleite,
Rasga-Ilie a rgida entranha
As ptreas fibras affrouxa,
E em crystal se desabrocha
O coracao da montanha.
L, quando de longe trra
Monstro estes mares passou,
Do imo peito a livre serra
Cruel gemido arrancou.
E codendo dura sorte
Entoou seu canto de morte
A fada sirigipana;
Ouviram sua canco
As ralinhas do sertlo
Aos baloicos da emburana :
E ella tirou seus collares,
Tirou grinaldas da fronte,
E ao fim dos tristes cantares
Deu ludo s aguas da fonte.
Era tudo pedrarias,
Enfeites de alegres das
De minba patria deidade,
Que ella em pranlo abandonou,
E captiva sepulten
No tmulo da liberdade.
Por isso l sempre vaes
Carpir ignota saudade,
Quando d'eutre as nuvens saes
Branqueando a soledade ;
E soltndoos vus d'estanho
Tcstremeces nesse banho
Entre rochedos aberto,
E as florestas ululando
L em baixo icam-te olhando.
Bella noiva do deserto.
E tua luz se destendem
Cus de prata os areiaes,
Onde ollios meigos incendem
Os coracoes dos zagaes ;
E os srros l nevoentos,
E 6 riachos somnolentes
\
\
i

/
/
JULIETA,
ouo phautastlco.
(Conclusao).
V
A distancia conservava-se a mesma. Mas como
ia diminuindo o numero da gente que caminhava
para aquellos sitios, sabindo, como nos, de S. Car-
ios, eu toroei um resolucao definitiva, e eomecei
a dar grandes passadas para apanhar finalmente
aquella mulher que me fugia incessantemente
como esse eacador das lendas do norte, que foge
sempre sem perder um pice de terreno, mas sem
poder tambera desapparecer sua matilha in-
fernal.
era assim pude diminuir a distancia que me
esparava desse vulto extraordinario.
E o vulto pareca escorregar magestoso e som-
bro, sem que a bulha dos seus passos acordasse
um s echo as ras solitarias.
Chegamos ao Roci. Eu comecava a estar suado.
Despi, sem affrouxar o passo, o paletot que me in-
commodava, e pu-lo aos hombros.
Depois cemecei a andar com dobrada rapidez.
A senhora de negro raminhou pelo Roci na di-
reegao do passeio. Chegamos ao largo de Camoes.
Nenhuma pollegada lioha diminuido da distan-
cia que mediava entre nos.
E o vulto pareca escorregar magestoso e som-
bro sem que a bulha dos seus passos acordasse
un s echo as roas solitarias.
Eu apertava as mos na cabeca, porque senta
urna torrente de fogo a inundar-me o cerebro, e e
sazao a abandbnar-me quasi.
Entramos na ra Oriental do Passeio. Eslava
completamente s. A noute era sombra, e no es-
tado ero que eslava pareceu-me sinistro deveras o
aspecto dessa massa do passeio publico, involte
ii'um manto de trevas.
A qunze passos diante de mim caminhava sem-
pre elegante e distincto o vulto negro da minba
gentil desconhecida.
Perdi a cabeca, e doitei a correr, ltteralmonte a
correr atraz della. A bulha da corrida produzia
um som lgubre, e fazia-me estremecer de vez cm
quando. O suor escorra-me em fio pela cara a-
baixo.
Sahimos da ra Oriental do Passeio, entramos na
calcada do Salitre, chegamos esquina da traves-
sa do Moreira, e eu nao tinha conquistado uro pal-
mo de terreno.
E o vulto pareca escorregar magestoso e som-
bro sem que a bulha dos seus passos acordasse
um s echo as ras solitarias.
Quando ali chegamos a desconhecida entrou re-
solutamente na travessa, e eu parei. Senta o co-
racao palptar-me com violencia, e... ti ve medo,
confesso-o.
Era tao extraordinario o que me tinha succedi-
do, que este sentimento, devem confessa-Io, era
um pouco desculpavel.
Com tudo venci a timidez passageira, e entrei
resolutamente nessa ra to deserta.
Quando a mnha desconhecida chegou ao p de
urna casa solada no meio da travessa, parou, vol-
tou-se para mim, e bradou com urna voz melodio-
sissma :
Aroanha meia noute, debaixo desta ja-
ne! la.
Eu estaquei attonito de sorpreza.
VI
Decrcver-lhes a luto que se travou no meu es-
pirito, quando voltado para casa me fui sentar
mesa do trabalho, e eomecei a refleclir fria e pau-
sadamente na aventura nocturna, seria contar-lhes
a historia tenga e fastidiosa do combate da razio
com as minhas tendencias para o sobrenatural.
Dir-lhes-hei resumudo, que sem attender a ou-
ira cousa que nao fosse a sedcelo inexplicavel;
que me attrahia para esse ente incomprehensivel,
fui no dia segu nte meia noute ao rendez-vous
aprazado.
Soava nao sei em que relogio a ultima badalada
da meta noute, quando se abriu a janella, e appa-
receu ante os meus olhos deslumhrados o formoso
rosto da gentil desconhecida.
Balbuciei phrases 'sem sentido ; mas a lingua
pegou-seme ao cu da bocea; e nao pude dizer
urna palavra que se entendesse.
Porque me seguiu hontem ? perguntoa ella
com urna voz melodiosa e triste, como o geraer da
brisa nos cyprestes.
Porque a amo.
Sabe quera eu sou ?
Que me importa I Quem vae perguntar ao
anjo que nos affoga em sonho o nome com que o
distinguem as phalanges, celestiaes ?
E ama-rae ?
Hais do que a vida 1
S?!
Que poder incrivel tinha aquella mulher sobre
mim? Nao sei, sei que lhe respond com o olhar
iniluminado :
Mais do que Deus!
Nao eslranha o mysterio em que me involvo?
Nao sei. Este meu amor urna paix fatal.
Virgem ou devassa, candida ou profanada, anjo ou
demonio, amo-a ccgaraenle; sem me importar com
o passado nem com o futuro, desejando s ter o
presente meu, s meu. Este amor para mim um
vinho que embriaga, e se no fundo da taca encon-
trar veneno, que importa ? morrerei abencoando as
horas da embriaguez. Isto urna loucura ; bem
sei, mas se pedesse conocer a atona moral em
que o meu espirito tem existido I Se soubesse
como eu anhelo por estas emoces extraordi-
narias que devorara n'iira minuto a existen-
cia de um hornera I J v qoo pouco exigente eu
sou; nao me negu um raio dessa aureola de amor
que Ilic circunda a fronte. Essa luz tenuissima
transforma-la-hei em chamma esplendida; que
ha de Iluminar as trevas do meu vi ver prosaico,
Acceito o sen amo, 4e essas patarras nao o
exageram. Nao queir* penetrar so mysterio que
me involve. Quando fer neeessario, en mescia o
rasgarei, e confie em mim, hade encontrar-me
digna do seu amor. Entretanto crea e espere.
Adeus.
J? '" *
Nao me posse demorar nem um minute.
Oh! mas difame Bina palavra consoladora.
Este amor immenso nao encontrn echo no sen
coracao?
Amo-o.
Mas com um amor semelhante ao meu, ine-
brente, immenso.
Immenso ... como a eternidade.
E fechou a janella, deixando-me ficar esttico e
cada vez mais espantado da estranlieza dos seus
modos.
VII
Assim continuou todas as noutes aquelle amor
excntrico. Todas as noute en tomara a fi me
resolucao de nao tornar l, e sempre as badaladas
da meia noute me surprehendiam na travessa do
Moreira por baixo da janella fatal.
No lempo em que me succedeu esia aventura,
tratavam meus paes do meu casamento com urna
menina rica, que nao desgostava de mim, e por
quem cu, nao sentindo amor, nao senta tambem
antipathia.
Era ella urna menina capaz de inspirar urna
affeicao fraternal, mas nunca orna paixao a um
espirito arrebatado como era o meu.
Era bonitinha. mas um typo vulgar, horrivel-
mente vulgar. A pobre menina nao tinha culpa
disso. Demais a mais era o que se podja chamar
um bom partido; urna fortuna soffrivel, multo boas
qoalidades, e urna perfeita dona de casa.
Creio que juntava a isso tudo o fazer marmclla-
da perfeitamentc. Nao sendo muito guloso, nao era
eu o mais proprio para poder apreciar .dignamente
esta prenda, que a destinguia.
Nunca mais appareci em casa della, desde a
noute do S. Carlos. Um dia passei ocasionalmen-
te por l, e vi-a com os elhos vermelhos de cho-
rar. Comprimentei-a, ella correspondeu-me triste-
mente, e retirou-se da janella.
Ora adeus, disse eu comigo mesmo, foi deitar
assucar nos marmellos. Talvez all esteja um co-
racao I accrescenlei eu no monologo mental. Nao
creio, continuei, o coracao desarranja as cassaro-
las, e incommoda-a no varrer da casa.
Foram estas ideas falsas que me perderam, meus
senhores, ideas de um espirite estravagaute que
procurou sempre em regies naccessiveis a felici-
dade, que nunca pude encontrar, e que talvez ca-
minhasse ao meu lado sem eu dar por isso.
O meu espirite talvez fosse como o Rourire de
; urna comedia de Feuillet, o qual depois de ter per.
corrido o mundo em todos os sentidos, tica espan-
tado de encontrar a felicidade sentada ao canto da
j lareira de urna familia burgueza n'uma aldeola do
seu paiz.
VIII
Chamava-se Julieta a herona do meu romance
. de amor. At o nome era de fazer enlouquecer um
: entliusiasta como eu.
Essa aureola de poesia e de encanto com que
Shakspeare circumdou a fronte da paluda italiana,
pareca alravez das edades vir don rar com um
reflexo luminoso a fronto gentil de Julieta, que eu
! adorava.
Foi a nica informacio a seu respeito que eu
della obtive. Tudo o mais Acara para mim envol-
| vido n'ura mysterio que eu nem tentava pene-
trar.
Urna noule a nossa conversarlo foi tomando a
pouco e pouco um carcter mais ardente e langui-
. do. Palavras de amor entrecortadas, suspiros in-
j voluntarios vindo interromper o dialogo, longos
silencios durante os quaes eu senta o palpitar
apressado do meu coracao, em quante va a ima-
gem seductora de Julieta desenhar-se na janella
Iluminada caprichosamente pelo fulgor da la,
I tudo isto despertava em mira urna voluptuosdade
deliciosa, mas que rae fazia soffrer.
Urna vez em quanto ella fleava perdida nessa
' vaga contemplacao da la e da nouto perfumada,
eu involuntariamente aproximei-me da parede da
; casa, e ajudando-me com as grades da janella do
pavimento das tejas, pude trepar at ao parapeto
da janella, e de repente sem que ella parecesse
reparar na ousadia do meu procedimento, impr-
mi-lhe nes labios um beijo de fogo.
Os labios della estavam fros como os de urna
estatua.
Olliou para mim com um olhar mego e recuou.
Eu entrei no quarto e cai-lhe aosps, balbuci-
ando:
Julieta, amo-te.
E cobria-lhe as maos de beijos devoradores.
Ella olhava para mim com urna expressao inde-
flnivel. Nao podia dzer se era ternura, se ardor,
se frieza, o que esse olhar continha, sei smente
que quanto mais ella me Atara mais eu me senta
enlouquecer.
1 Vem meu amante, murmurou Julieta passan-
' do me o biaco roda do pescoco, e arrastando-me
com meiguice para urna porta entre-aberta, vem I
! sobre o lilaz florido do meu jardim embalsamado
descanta o rouxinol as suas trovas de amores
tudo mysterio nesta hora encantadora I Vem I
Abriu-se a porta e nos entramos n'ura jardim
esplendido.
IX
Era na hora mysteriosa em que das urnas das
flores se expandem no atraosphera thesouros de
aroma e de languidez, c em que o hornera absorte
julga escutor vagamente na esplendida immensi-
dade a longinqua harmona das espheras.
Na hora em que o rouxinol espalha sobre a
trra as perolas do seu canto, e em que a natureza
escuta embevecida o hyinno mavioso do seu inter-
prete sublime.
Porque nessa hora dormera as paixes terrenas,
e o mundo parece envolvw-se por momentos no
manto da sua virgindade, afim que Deus possa re-
conhecer a sua fetura, desfigurada pelo agitar
convulsivo do vermo pretencioso que se chama o
bomem.
E o Omnipotente immovel no throno da sua
grandeza, rev-se silencioso no espelho da crea-
cao.
Ohl como a la desenrola graciosamente o seu
manto luminoso sobre as alamedas desertas do es-
plendido jardim I Como os seus raios se baloicam
mollemente no berco fluctuante da folhageml Como
se miram descuidosos no crystal das fon tes 1
E as estatuas primorosas dos deusesdo paganis-
mo parecem espreiiar complacantes os mysterios
da voluptuosdade que se vo abrigar nos cara-
mancbes floridos I E entonto as acacias que lhe
assombreiam os vultos immoveis, innundara com
a chuva perfumada das flores vermelhas as pregas
ondeantes da sua roupagem marmrea 1
E eu e Julieta caminhavamos silenciosos por
entre os algreles, e a voz de rouxinol da balseira
despertava no meu coracao um rouxinol desconhe-
cldo que me falla va de amor e de ternura.
Inclmei-me para ella e beijei-a I B-nareceu-me
que senta ao tocar-lhe nos labios as azas brancas
do anjo da pureza que davam aquella fronte lmpi-
da um resplendor celestial.
Por um sentimento involuntario troquel o meu
annel pelo annel de Julieta.* Julguei que Deus
santifkjava nosso amor, e nos contemplava com
indulgencia
Mas qoando ergui os omos, rricaram-se-me os
cabellos de terror, e correu-me pelas veas um
calaWo. Fugfu-pie a ltiz don olhos, e o sangue
refluiu ao curagid.
Dettpparenram os floridos canteiros, emmude-
deu o rouxinol suave, sumiram-se as estatuas,
fugram as acacias.
Estendem-se a perder de visu.as ras sombras
de um cemiterio, de um lado e de outro avultarn
as pedras brancas das scpuHtiras.
O vento da noute faz ondear os cyprestes fune-
rarios, e o paludo claro da la vera beijar melan-
cbolico as ernzes tumulares.
O grito sinistro de mocho de vez em quando
perturba a paz dos morios; por entre a re va dos
sepulchros fulgara a lgubre phosphorecencia dos
cemiteros.
E' tude silencio em roda, ms ao longe comeca
a sentir-se um vago rumor, que parece o longin-
quo ruido de um exercito marchando.
E urna aragem de terror parece esvoacar por
entre os tmulos, dando vida s loisas, e voz ao
cyprestol.
Lgubres claroes abracara as cruzes das cam-
pas, e as figuras de pedra que guardam, sentinel-
las inanimadas, o somno dos finados, agtam-se
convulsivamente ao sopro de fogo daquella procel-
la desconhecida.
A sineto da ermida vbrou no meio do silencio ;
tres vezes eccoou na immensidade aquello som
terrivel.
E eu senta os cabellos erricarem-se-me e m
suer gelado me innundava a testa.
Entoo o coro de vozes cavas e profundas entrou
lgubremente o Dies ir o hymno da colera do
Deus.
E logo urna tenga procisso de phantasmas
brancos comecou a desfilar por diante de raim
n'um silencio aterrador.
Depois deram-se as maos e formaram em torno
de mim urna danca de espectros.
E eu senta os cabellos errcarem-se-me e um
suor gelado me innundava a testa.
Depois um dos vultos brancos destacou-se do
grupo e avancou para mim.
E eu qaiz recuar, mas os ps estovara pregados
no terreno e urna forca invensivel me domava.
O passo do phantasma nao. produzia ruido
algum, mas eu senta o vibrar no fundo do co-
racao.
Vinha involte no longo manto sepulchral, o or-
nava-lhe a fronte a grinalda virginal das rosas
brancas.
E eu reconheci as paludas feices da Julieta, da
mnha noiva de ha pouco.
Vae consummar-se o lgubre noivado, dis-
se-me ella sorrindo, vem meu paludo amante, vem
inebriar-te com as mysticas voluptuosidades das
sepulturas.
- O mocho cantar o nosso epithalamio, e no
cruzeiro do cemiterio serao as dantas dos tinados
o nosso baile nupcial.
Olha para a mysteriosa alcova, como nos
sorri de dentro da loisa entre-aberta a alva mor-
! talha do nosse leito de noivado.
E eu olhei e vi abrirse a garganta pavorosa de
um sepulchro, e sent que a mao de Julieta me
arrastava invensivelmente.
Eccoavam as lgubres alamedas as gargalba-
das dos finados, b mocho soltava o seu grito fne-
bre, e a la entornara sobre as campas a sua luz
to pallida.
E eu senta os cabellos errgarem-se-me de ter-
ror, e um suor gelado me innundava a testo.
Nao pude resistir, passou-me una nuvera de
sangue por diante dos olhos e ca desmaiado.
XI
Rebprto parou um momento como se se sentisse
opprimir pela recordaco terrivel dessa nonte.
Pouco mais Ihes posso dizer, meus senhores,
sei apenas que no da seguinte accorde no meu
leito, e que estive seminante doente. Apenas me
restabelec corri travessa do Moreira.
Da casa de Julieta nem sgnaes I Tudo tinha
desapparecido.
Julgueique fra victima de urna allucinacao,
mas ainda boje se rae representam tonto ao vivo
as scenas, a que assisti, que nao posso adraittir a
possibilidade dessa hypotbeso.
D'alii por diante nunca mais tive felicida-
de Em pouco lempo gozei e soffri muito. As
fibras da minha alma sujeitas a urna fortissima
tensao quebraram-se, e hoje vivo n'uma incrivel
atona.
A senhora, com quem minha familia me
quera ver casado, desposou um hornera menos
imaginoio do que eu, que a estremece, e a quem
ella eslima. Tem dous filhos, quo sao a alegra
da casa e o en I evo dos paes.
A minha imaguae.ao desregrada dexou-me
i so lado no mundo.
Roberto calou-se. Todos nos ficamos silencio-
sos, impressionados por essa lgubre historia. Mas
Frederico abracando sua mulher, e dando-lhe um
beijo na testa, disse para Roberto:
As aspiracoes da alma tem um limite, que
nao podera ultrapassar. o cu da felicidade tem
espheras inaccessiveis onde a natureza huma na
desmato, prostrada pela verlgem. Na familia, meu
amigo, resmese a suprema ventura. E' prosaica
nicamente para os que a nao comprehen-
dem. Nesses amores idaes chega o homem a
pontos em que para rae servir das phrases do
sceptico Musset:
O le verlige prend, ou l'air devient le feu
Et l'homme doit mourir oii commence le Dieu.
Lisboa. Julho de 1863.
Pinheiro -Chacas.
( Gazeta de Portugal)
Mauricio de Trenil.
PRIMEIRA PARTE
(Continuacao.)
V
Horas depois da conversa referida, Closeau du
Tailli, fechado com os conjuges Sorbier, eneetova
resolutamente a questo do casamento de Sophia
com o seu protegido.
Vamos, dis>e elle, nao deixemos para ama-
nhaa o que podemos fazer boje. J viram o Sr.
Mauricio de Trem; que tal o acharara ? .
Soffrivel... respondeu Agatha com frieza.
Muito soffrivel, accrescentou izdoro Sor-
bier.
Nao lhe acharara modos, linguagem e ares de
mancebo de boa sociedade ?
Siro, replicou a mulher.
Muile, addicionou o marido.
Closeau du Tailli bata com a bengala no chao,
costume nelle arraigado, sempre que senta con-
trariedade.
Hum I disse comsigo. Estes monosyllabos
sao de mu agouro I
Mas, sem desanimar, correu direite ao assalto,
semcIhaAca do guerreiro, que, no momento do pe-
rigo, manda atacar bayoneta.
Em resultado : visto que elle nao Ihes des-
agradou, vejo que nao ba inconveniente em faze-
rem-no seu genro.
Agatha calou-se. Sorbier, que nao tirava os olhos
da mulher, fazo mesmo que ella.
o caso de applicar o"provfrbo. contimrtfffaMfaadrinho prwdeflos aleje casemo
Closean. Qu cal... o sofrito Jfc hoje dUe **
Nos nao dizemj isso, ata Ilion Aginia cora vi- g j&ee a --, u<*r minha menina,
veza. .____a,JZZj-u- .-~.,.nfui cise
com
veza.
Certamente que nflf contirinou irbler.
Entao etpliquem-se, e, se teem motivos para
recesar o genro qoe Ihes proponho, digam-m'o.
Nos nio o recusamos, gaguejou Sorbier, um
tanto assustado do tom vivo do/n inierlocutor.
-Nao o recusara nem o acceuam, mas nada
concluem Pois inister acabar com isto : wn ou
nao depres*t se diz.
Nao >e diz to depressa. como lhe parece, re-
plican Agatha, tomando parte na discussf Tra-
_0 que
j dlssi rentou Closeau du
Como o meu padrinho indiscreto>! xcia-
mou Sophla, oceultando o rosto no se* mfWie.
Esta curta scena i tversaco.
Os Soi Tailli tiracaram-se
cora effusio? So^K^Bdora da generostoade do
padrinho, deu-lbe es merecidos agradecimentos, e
elleJicou autorisado a participar offlcialmentr ;i
Mauricio que'llie concediam a mao de Sophi, bem
como o encarregaram de o acompanhar Colin-
U-se do futuro de nossa fllha; toda a hestacao bire uo dja scgujnfe.
desculpavel. Itera sabe, meu primo, que e padn-1
nhode Sophia, que quasi seu pae... l'raa hor depois, quando Agatha se loi deitar
ar E por ismi iiiesuio que eu Ihes proponho o, sera poder expulsar do pensamento>as penas qu.
meiuamigo Mauricio : Sophia nao pode dar com soffria por causa do Sr. de Courtalin, interrogou
raelhorjnarido.
Eo tytha c na cabeca outro projecto,
Bem i... o Sr. de Courtalin, disse oSr. du
Tailli com Jeito ar de desprezo. Posso saber o mo-
tivo dessa escolha?
Eai primeiro logar elle .bario, e nao deisa
de ser agradavel para urna esposa nova e linda
chamar-se a Sra. baroneza.
Se essa a-razio, estamos bem. Mauricio
conde; Sophia chamar-se-ha Sra. condessa.
Condessa exclamaram os Sorbier.
Houve um momento de silencio, occasienado pela
sorpreza.
Condessa, sim I repetiu du Tailli, orgulloso
com esta primeira victoria. Mauricio nio usa do
titulo por motivos qoe lhe Taremos desvanecer. Se-
gundo o seu pensar, nobreza e pobreza nao se
alliam.
O campo da opposicao estova franco; Agatha
correu lica.
O Sr. de Courtalin tem os seus viute e cinco
mil francos de renda; talvez trinla mil.-.
Hum!... exclamou o Sr. du Tailli. E elle
tem-nos ?
IV: sejam viute ou mesmo quinze mil, se as-
sim oquer... Em todo o caso, sempre tem mais
quinze ou vinte mil francos do que o Sr. conde de
Treuil.
Para amparar este bote nio tinha escudo o Sr.
du Tailli.
Concordo ; Mauricio nao tem nada de seu.
Pobre moco I raurraurou Izidoro com ar de
compaixlo.
Mas possue talento, replicou vigorosamente o
Sr. du Tailli, e esse genero, bem explorado, pode
render-lhe, uns aunos por outros, pelo menos trin-
ta mil francos.
Trinla mil francos prorompeu Sorbier, trin-
ta mil francos de tintos I
E quarenta talvez.
Izdoro lilou os olhos na mulher. Nunca pela
idea lhe paseara que urna pouca de tinta applicada
ao panno podsse valor tanto dinheiro. Agatha
sorriu-se com ares de incredulidade.
Isso o que resta provar.
O ultimo quadro que elle expoz, replicou Clo-
seau du Tailli, foi comprado pelogoverno por seis
rail francos.
Um quadro deste tamanho por seis rail fran-
cos I
Sorbier estova como que assombrado : o que lhe
diziam fazia lhe andar o espirito por essesares.
Entao, se elle fuer dez ou doze quadros por
anno, arranja dez ou doze vezes seis mil francos ?
Com certeza... respondeu o capitalista.
Acabara de ganhar o terreno perdido, e muito
bem ganho. Agatha Sorbier assas o conheceu, e
assim redarguiu :
Eu nao digo que os pinceis do Sr. Mauricio
lhe nio dem para urna honesta subsistencia...
porm o Sr. de Courtalin deputado I Depulado j
r que muito.
E' nada.
Oh I exclamou Agatha com indignaco.
Pode nio ser reeiilo, e l se vae a cadeira de
deputado. Quanto a Mauricio, ha de conservar
sempre a sua posicao, porque a deve ao talento.
O Sr. de Courtalin priva com os ministros...
E Mauricio tem entrada na corte.
Trato-se actualmente de lhe dar um cargo
diplomtico de multa importancia...
O Monitor ainda nao disse era palavra a
esse respeito e o nome de Mauricio brilhava esto
manilla as columnas do jornal official... conce-
deu-se-lhe a cruz de honra...
A cruz da Legiao^e Honra e seis mil fran-
cos I murmurou Sorber.O que ahi vio de
cousas por um quadro I..'
A Sr.* Sorbier tentou um supremo esforco a ver
se attrahia a victoria fugitiva s bandeiras do Sr.
de Courtalin.
Isso muito bom ; disse ella, a cruz de
honra, os seus pinceis, nome de artista e o titulo
de conde Ha muitos genros que nao ofierecem
tontas vantagens ; mas, sejaos justos, pode ludo
isso comprar-se com o que possue o Sr. de Courta-
lin ? Tem trras, rendimentos proprios e com o
titulo de bario a justo influencia que lhe d a sua
qualidade de deputado. Esto na carreira de vir a
ser conselheiro de estado, embaixador, ministro!...
Ora tudo isso vale mais para nossa fllha do que os
pinceis do Sr. de Treuil, e, sobre tudo, quando os
pinceis teem dividas !..
Agatha Sorbier guardara este golpe terrivel.como
ultimo e decisivo. Era bomba de grosso calibre,
apoz densa chuva de metralha.
Izdoro Sorbier levanten a cabeca.
Dividas ? I exclamou.Pois elle tem divi-
das ? !..
O neceado supremo, de todos o mais ndeseulpa-
vel, segundo a theoria de Sorbier era dever.
Nao denunciava s imprudencia, demonstrava cri-
me ; era testemunho irrefragavel de carcter le-
viano, iudico certo de tendencias criminosas, con-
tra as quaes eram poucas todas as camellas.
O Sr. du Tailli bem viu que tinha perdido a ba-
talha, se nao empenhasse as ultimas torgas.
Pois seja assim;replicou concedamos que
elle deva; mas ao menos nao est, como o Sr. de
Courtalin, envolvido em emprezas industraes, que
fazem derreter notas de banco, como nev aos
raios do sol O seu bario nio administrador ou
cousa semelhante de nio sei que minas de chumbo
argentfero ?...
Das minas de Sant-Flavien, disse a Sr.*
Sorbierminas que dio grandes lucros.
Mas, antes que os dem, mister desembol-
sar capitaes, flque-o sabendo. Porm vamos a cal-
cular. Quante que querem dar a Sophia ? Creio
que cem mil escudos ?
Isso mesmo.
O Sr. de Courtalin deixar essa somma quie-
ta na bol>a do sogro ? De certo que os meus pri-
mos nao podem contar com isso, e muito se enga-
nariam se contossem. Logo, ah temos trezentos
mil francos, que o meu querido primo tem de
desaferrolhar do seu cofre, ao passo que Mauricio
nada recebera.
Nada?repetiu o velho banqueiro rom ac-
cento demonstrativa das innatas inelinaedes que
lhe carearam o cognome de Sorbier o Lobo.
Quero dizer que elle nao exigir se nio os
juros do capital e deixar ficar o dote em poder de
sea sogro... Mas anda isto nao tudoconti-
nuou o Sr. du Tailli. O Sr. de Courtalin, de quem
a minha cara prima tontos elogios faz, deixar So-
phia junto de sua mae ? Oh I nao cont com isso /
Apenas ella fosse mulher dYlle, deixaria de per-
tencer a sua mae. E Mauricio ha de viver com os
paes de sua mulher.
Junto de mim texclamou Agatha.
A me estremeceu de prazer; os dous golpes
liaviam sido vibrados mui certeros.
Terao um quarto na mesma casa, debaixo do
mesmo tecto, fechado com a mesma chave, se mi-
nha prima o quizer.
Pormreplicou Agatha, j meia abalada-
urna tia da provincia promette ao Sr. de Courtalin
duzantes mil francos, se elle casar com a nossa So-
phia.
E eu dou trezentos mil francos minha an-
illada, se ella casar com Mauricio.
Sorbier levantou-se de um salte.
Se ella casar com o Sr. du Treuil, d-lhe...
Trezentos mil francos; se nao, nao.
Os dous conjuges trocaram entre si um olhar
significativo. A lgica irrcsistivel deste argu-
mento reduziu ao silencio a opposicao de Agatha
Sorbier.
Curvou a cabeca e flcou muda.
Com eReito Iexclamou Izdoro.Desse mo-
do, rico o nosso caro Sr. de Treuil : resta smen-
te que faga a respectiva doacjojr sua futura, no
caso do morte.
Closeau du Tailli j nio duvdava do triumpbo.
Para mais o firmar accrescentou :
E, aqui entre nos, eu tenho minhas razes
para acreditar que Sophia nao desgosta drelle.
Agatha Sorbier, que s desejava fazer nma reti-
rada airosa, aproveitou o ensejo, e, apenando viva-
mente a mao do primo, replicn com vehemencia :
Entao por que nao disse isso ha mais lempo!
Tenho eu, acaso mais vivo desojo do que ver mi-
nha fllha feliz ? Se o Sr. Mauricio de Treuil lhe
agrada, tambem me agrada a mim.
Sophia foi chamada perante este areopago e ins-
tada a declarar os seus. intimo* sentimentos.
Falla sem receiominha filhalhe dizia a mae
edif
assim o marido
Dize-me, Izidoro, nao notaste o modo desde-
nhoso cem que nosso primo fallava doSr. deConr-
talint Elle de certo o detesta : sabes a cansado
seu odio ?
Nao sei; s sei que elle d cem mil escudos
a nossa ulna.
E Sorbier-o-Rico, virando-se para a outra banda,
adormecen.
Quasi neste mesmo instante se passavam duas
scenas bem diversas, em theatros dtferentes :*u-
em um quarto prximo ao dos Sorbier, a outra
poucas centenas de passos de Colombire.
Sophia, tinglado deitor-se, levantou-se de mans
apenas os paes se recolheram ao quarto, e, langa'
do um penteador pelos hombros, foi ter com Laui
a qual da janella eslava olhando para a able
celeste.
Laura, disse a donzella com voz lveme
agitada, nao sabes que vou casar ?
Ah I exclamou Laura, que por pouco nao des-
fallecen
E' verdade; minba me acaba de rkctir.tu-
do de accordo com meu padrinho. Tenho ttezentbs
mil francos para alneles.
Laura senliu calafrios por todo o corpo.
E t ama-lo ao menos ? Ama-lo bastante pa-
ra o fazeres feliz ? perguntou ella, apossando-se
das ruaos da sua amiga, e com exaltogao tal, que
denunciara o seu segredo, se fossem outros os ou-
vidos que a escutassem.
Eu ? disse Sophia, porque nio o hei de fazer
feliz ? Muitos me teem pedido em casamente e nao
tinham semelhante receio.
E' porque uenhum delles se parece com Mau-
ricio. T nao imaginas que sentimentos nobre- e
delicados elle encobre sob aquelles ares de jovia-
lidade. Ohl nao lhe maltrates aquelle coragao.
a mais leve arrauuadura tornar-se-hia em feriaa
mortal 1 .-
Ests hoje bem exquisita I Eu tambera sou
alegre e nao sou ra. heridas t A que vem aqui
frulas? O que temos a fazer ir aos bailes, ao
theatro italiano...
Laura exp-z a fronte ardente ao ar da npute.
Valumosas lagrimas, lhe indurara as*-p~i>e-
bras. ^ i
E quando o casaraentoY""ifcrgi^lou ella,
fazendo inauditos estorcos por mostrar-se riso-
nha. ,*
Vo publicar-se os banhos. Nenytempo te-
nho de escolher o enxoval. Ti >'. Sjudars. J
tenho copiado no pen- ...,,uio o modo pbf que hei
de iraegreja... e du. um effeito arrebata-
dor. .. *
Laura nem a ouva; redava-lh'o a febre. .
Escula-me, Sophia, replicou ella, interrbm-
pendo a amiga. Mauricio ha de dedicarse todo a
fazer-te feliz. Elle pobre e tem sollndo muito,
oh I muito I T es rica, s moga, s linda; dedii
ca-te toda a elle, d-lhe a felicidade que elle m-
ce As nossas familias eram unidas por amigos"
lagos de araisade---- Tenho-o visto mui de perto
abracar-se ao trabalho, lutar contra a adversidade
com torga e energa. Ama-o com todas as veras do
teu coracao, respeito-lbe o talento e nio lhe tornes
amargas as riquezas que levas em dote.
Sem duvida; respondeu Sophia, hei de com-
prar-lhe um lindo cavado inglez.
Suffocou um leve boceje, e, sentindo fro, con-
chegou o chale, dizendo:
Adeus. Parece-me que ja tarde ; sao horas i
de dormir. f
Abragou a amiga e sabio. .
Laura caliu de joelhos, e, elevando as mos, m- k
plorou as torgas de que careca, dizendo :
Meu Deas, apiedae-vos de mim 1 ,
Quasi a mesma hora, vagueara um homem
no meio da estrada, ao fundo da encesta que alra-
vessa por Naniarre. Perto de um marco, jazia
derribado por trra um coup, com o eixo que-
brado.
O coebeiro cocava na testa com gi to indeciso.
Todas as seges de Naniarre dam j^r f-
ra ; dizia elle, apenas se encontra um rrode ban-
cos. Se o senhor o qur.. .
Para me quebrar os ossos pelo r minne; obri-
gado I
O Sr. de Courtalinera elle .ni. .ra.i '-- .
visto desanimada ao longo da estrada. Depois de
olhar para urna e outra extremidad, lobrigou por
lira as iuzes de duas Linternas de um vinculo, que
ayancaya rpidamente do lado de Rclil. Depois /
foi ouvindo o rodar e tres minutos ;^fs projecta-
vain as duas Linternas o seu fulgor () coup
virado, e o dono do eou, -" -< *i
pela portinhola, ao triste deputado in-
te do nosso conhecido Closeau du i*im.
Como isso? Aqui e apeado! exclamou este.
Suba, meu caro senhor, suba !... Que lelicida'* "
a minha de perder ser-lhe til I
O Sr. de Courtalin deu urna pega de cinco fran-
cos ao cocheiro do coup invalid e foi collocar-
se ao lado do recom-chegado. ,
O Sr. du Tailli nio caba em si de contente.
r\ir vida minha I exclamou elle. A noute
est lindissma e o que mais falto me fazia era
nao ter com quem conversasse, em quanto fu-
mava. -
E, tirando um charuto, offereceu-o ao Sr. de"
Courtalin, dizendo :
Entlo quer saber o qoe se fez na Colom-
bire depois que de l sahiu ? Tratou-se um ne-
gocio de familia, no qual o seu nome nio foi es-
quecido.
Sim??
Nao sei se tem notado que a minha afilhada
mademoiselle Sorbier j est nos seus dezoito
annos ?
Oh nao possivel v-la sem o notar.
Por consequencia, lempo de cuidar em ar-
ranjar esta estimavel menina, e disso que nos
temos oceupado.
Entlo temos casamento ?
Casamento, verdade. Gsto de quem ade-
vnha s por meias palavras I
Os olhos do deputado forcejavam por traduzr
o que indicavam os de Closeau; este, porm, con-
servndole impassivel cora o riso nos labios, re-
plicou :
E ouso acreditar que o meu caro Sr. de Cour-
talin nio ha de desapprorar a esrolha que flzemos.
I-:' um nnivo tal como minha afilhada podia dese-
jar... Mas caluda I Quero deixar a minha prima
o prazer de lhe declarar o nome...
A Sra. Sorbier tem muita bondado... Sei que
sempre tive a felicidade de me ella contar entre os
us mais dedicados amigos.
Oh I quante a isso nao ha duvida ; provou-o
exuberantemente esta noute I continuou o capita-
lista com tom manboso, como quem deixa escapar
um segredo.
O deputado apertoo a mo do Sr. do Tailli.
Parece-me, redarguiu o bario, ao ver qoe o
seu companheiro nio continuara a conversa, que
o meu caro amigo se interessa pelo Sr. Mauricio de
reuil.
E' rauito... Coitado I to pobre I
Quer que o recommende ao ministro ? Vo
se fazer mudas obras de bellas-artes em Saint-Ger-
main i'Auxerrois e em Saint-ermain des Prs.
Obsequeia-me muito.
Tenho muito prazer em lhe ser til ;. e isso
negocio feito... o director das bella, artes l
meu amigo... /
Assim conversando, chegou o eop ra u> *
Lille e parou porta do Sr. de Courtalin.
Adeus, meu caro senhor ; at breve, dssa>o
capitalista ao deputado com ar amigavel e myste-
rioso.
Apenas a pesada porta do pateo se fechou, o
rosto do capitalista mudou de expressao, e com
gesto de irona e desprezo soltou dos labios estas
palavras:
Anda, anda, patito I Hoje, 24 de junho dw
1845, paguei eu a letra de cambio que sacasteis
sobre mim a 7 de Janeiro de 1843 I Picamos agora
de contos saldadas I
A que episodio de sua vida, tao recheada de ac-
tos pouco regulares, alludian Sr. Closeau du Tailli ?
E' o que vamos fazer saber ao leitor. *.
fCoBJimwr-'
PKRNAMBCOi- TYP. UR H. F.

V


._
1
1
r V. ^ r\^


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EDH4UTHP8_71ORE5 INGEST_TIME 2013-08-28T02:52:07Z PACKAGE AA00011611_10279
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES