Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10274


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ir
AMO XXXIX HOMERO 294.
Por tres diczps adiantados >$000
Por Ires mczes vencidos 6SO0U

DIARIO
OUARTA FEIRA 23 DE DEZEMBRO DE 1863.
Por anno adiantado.....198000
Porle para o subscriptor. 3$000
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPgO NO NORTE
Parahyba. o Sr. Antonio Alexandrino de Limai
atal.o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracatv, o
br. A. de Lomos Braga; Cear, o Sr. J. Jos'de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues: Para, os Srs. Manoel Hinheiro C; A-
t masonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
KNCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL
AjagAas o Sr. Clandino Falcao Dias; Bahia, o
Sr. Jos Martins Alvos; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
roira .Martins Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Eseada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-eiras.
Santo Antao, Grvate, Bezerros, Bonito, Cantara',
Altinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, TacaraM", Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas feiras.
Serinhaem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
s. Agua Prcta e Plmonteiras as quintas feiras.
lina de Fernando todas as vetes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao '/i da.
EPHEMERIDES DO MEZ DE DEZEMBRO
3 Quarto ming. as 8 h., 49 m. e 2 s. da m.
10 La nova as 4 h., 29 m. e O 3. da t.
17 Quarto cresc. as 8 b., 20 m. e 32 s. da m.
24 La cheia as 11 h., 23 m. e 14 s. da t.
PREAMAR DE HOJE.
Primoira as 10 horas e 34 minutos da manhaa.
Segunda as 11 horas e 18 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEAROS
Para-d'sulI al Alagas a 5 e 2T Pxra o norte at
a Granja a 7-e 22 de cada mez; para Femando nos
dias 14 dosmzes dejan, marc., maio,jul, set. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipucos s 6 '/2,7," 7 '/,, 8 e
8 '/i da m.; de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jabeato s 6'/i da ni.; do Caxang e Varna s 7
da m.; de Bemflca s 8 da m.
Do Recife : para o Apipuros s 3 '/,, 4, 4 A, 4 A,
5, 5/,, '/ e 6 da tarde; para Olinda s 7 da
manhaa e 4 '/_ da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
dfl^para Cachanga e Vanea s4 /ida tarde; para j
AUDIENCIA DOS TRIBNAES DA CAPITAL.
Tribunal do eommercio: segandas e quintas.
Relacao: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quinta s 10 horas.
Juizo do conunercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do eivel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DIAS DA SEMANA.
21. Segunda. S. Thom ap.;S. Tbemistocle m.
22. Terca. S. Honorato m.; S. Floro m.
21. Quarla. Ss. Migdonio, Mardonio mm.
24. Quinta. S. Dellino \>.<, SJMrsilla m.
25. Sexta, cjj Nascmento de K. S. J. Christo.
26. Sabbado. S. Estevao proto-martyr.
27. Domingo. S. Joo ap. e evang.
ASSIGNA-SE
no Recife, em a livraria da praea da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figueiroa d
Faria A Filho.
PARTE QFFIC1AL.
GOYERM DA PROVINCIA.
Expediente dit dia 19 de dezembro de 1863.
Offlcio ao Exm. presidente da provincia da Pa-
rahW.a. Accuso a recepcaodo offlcio que V. Exc.
f ni.; dirigi em 14 do corrente, acompanhado de
dous impressos do relatorio rom que V. Exc. abri
a MNM ordinaria da assembla legislativa dessa
provincia no corrente anno.
Dito ao Exm. presidente da provincia do Para.
Accuso recbido com o offlcio de V. Exc. datado
de do correte, dous exemplares do relatorio
jue V. Exc. apreseniou assembla legislativa
dessa provincia por occaso da abertura de sua
sessao ordinaria do- corrente anno.
Di|o ao commandanle superior do Recife.Com-
zjiumco V. Exc. para seu conheciihento, e alim
de que faca constar ao agraciado, que por decre-
to de 27 de novembro prximo lindo Sua Magesla-
lio reformado da guarda nacional deste munici|no,
Marcelino Jos J.opes*j|pil|orainente de reforma
no posto de major. \
Dito ao Dr. chcfe de polica.Declarando-me o
coronel commandanle da guarnico, era data de 17
Despachos do dia .9 de deientbro de 1863.
Reqiiertintntes.
Archanjo Chrispiano de Gouveia Cavalcante.
Passe podara concedendo a licenca requerida.
Apollinara Maria da Conceco. Remettido ao
Sr. desemitargador provedor da Sania Casa do Mi-
sericordia para attejder supplicante, de confor-
midade com a sua informacao de 18 do corrente.
Bernardo Vieira de Mello. Informe o Sr. des-
emoargador provedor da Santa Casa de Miseri-
cordia.
Bibiana Juviniana de Mello c Albuquerque.Re-
mettido ao Sr. desembargador provedor da Santa
Casa de Misericordia para attender supplicante,
de conformidade com a sua informacao de 18 do
corrente.
Clara Joanna da Fonceca Gama.Informe o Sr.
desembargador provedor da Sania Casa de Mise-
ricoi dia.
Padre Francisco Verissimo Bandeira.Defirido.
Francisco de Paula Beserra Cavalcante. Passe
patente.
Joanna Maria Ferrelra do Espirito Santo.Re-
mettido ao Sr. desembargador provedor da Santa
Casa de Misericordia, para attender supplicante
nos termos de sua informacao de 18 do corrente.
Joo de Olivcira Leite e Souza. Informe o Sr.
inspector da thesouraria provincial. /
Padre Jos Esteves Vianna.. Remettido ao Sr.
a ser conhecida, e respeitada como a propria In-
glaterra. Esta poderosa e magnilica instituico dos
paquetes no ultimo seculo, apenas exista em
germen.
Em 1730, Lequicn de Neuville, autor de urna
obra histrica sobre a posta, lvro curioso e muito
queles francezes do Brasil, e*dtcou ao publico in- Assim, fizemos ver une o nessoal administrativa 1 ..m i... a l
glez a vaningem de .ma commonicacao^imensal. do Rcino'Unido'e JEitaB&fttSKi R'^JSR.ZSff a <1UC ^^ pre-
W ,x ST da FraD?a; a,em dSS 6 ",uit ,nais "em WSSrrSSi descer dessa psito
J^rJUrOT^* raHP'da ana.'yS,e da Si,ua^ Cgndo uni comparativo feito o anno TmcolZT ^ T* d eS'ad' reCC",C'
"7......-..-- .------ actual com um resumo dos resultados geraes de passado, o alsarisnio medio de remuneraran dos i." .. _
S", ed,f,cS7TC"npreSS'J^'gaVa qUC d?Va advT "Wco I* comparados aos da* adrarais- agentes de toda a^ genre ,ls clev^e a ?000 fr JtSESSX SL* ^^ '*&P0
'ir a seus leitores que se designava pelo nome de tracao ingleza. a Inglaterra entre nos Zr.-mnln JS, a 8 Scrvi?0 d.a pSta teeeber <* HrMf*-
paquetes os pequeos navios para atravessar o O faci capital *> =......------- ------- ~ "re nos' poru"' nd0 excede a
mar. (1)
ralivo e, que os i
SSSSVuS "fie" t^Soutu" ^^orgera.^is,ruccaol,ub.ica;^raM,ed-er
Lro. ultimo, o ^M^SToaSo X- 5^!2S&J?" T?" dc sua ia,orm^ de 18
cadeia da villa de luo.uca, desd
Jiro ultimo, o soldado do stimo .._
aria Jos Felippe Bezerra Cavalcanti, cuja re
ZgjffR 'mnd^s^idnofrbu4 ^^^^or^mC^Xe^or.
do correte sob n. 215.
Jos Tavares Medeiros.Remettido ao Sr. des-
que respond
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
rente.
mettido ao Sr. director geral da inslruccao publi-
HU**.), emque ca> para attender ao suplican te de conformidade
importan, os objeclos que fomeceram para o ex- ^^ilia'gZZ
pediente da secretoria da polica, como se v dos Cra sua ,ntfCM de C* corrente.
ineni-ionados pajicis.Communicou-se ao Dr. chefe ^Jafcni
EXTERIOR.
de polica.
Dito ao director do arsenal de guerra.Commu-
nco V. S. que em offlcio de 11 do corrente de-
<-l:iroii-me O Exm. presidente da Parahyba liaveri
expedido ordens para seren enviados esse arse-1
al fki primeira va|Kr da com|inliia brasilera de
paquetes que pausar do norte, o resto das ferragens
dos reparos da fortaleza do Caliedello.
Dito ao capit.o do porto Paco apresentar V.
S. para o servco da armada, se para isso for jul-
A admlnItrat*o dos crrelos.
Existiam todava, desde, o comeco deste seculo muito mais do que-Ks, e fazem
paquetes (paquebots-poste) inglezesquefaziamduas ta muito maor |uaatidade de valores 3
vezes |>or semana, o ruis regularmente que po- de toglezes escrevram em 1861, 593 milhoes
diam, o servco entre Calais c Douvres. de carias, e tonaram 365 milhoes de mone>i-
A Inglaterra |iossuia enlao mais duas outras li- orders, ao passo q^ue 36* milhoes de France-
sas de paquetes regulares, os da Hollanda e os zes apenas escreveram 274 milhoes e tomarara 90
da Irlanda. Tres foram os modestos principios des- milhoes de vales. Se applicarmos a isto em seu n-
se gigantesco servco, a que a nvencao e os aper- gor o principio que cima annunciamo< a avala-
eiyoainentos da navegayao va|>or tem dado um cao da importancia dos povos pelo algarismo de
impulso uo vivo, e que sempre tem augmentado sua corresiwndeHpa, a dedueco de certo nao nos
lia um quarto de seculo. Hoje abrange quasi to- seria favoravel^llocar-nos-lua decididamente em
das as regioes habitadas, tributaras, era relacao segundo lugar.
produccao eao consumo, desse povo grande.e all- Felizmente pdSemos dizer. para salvar nosso
ve, que pode nao ser amado, mas deve ser admira- amor proprio, que esse principio nao urna exac-
do. I ara elle o mar converteu-se em urna rede ldao rigorosa e utathematica ;
ue domina este exame compa- 700 f?............"*' p""""' """ iM>uo i nlen,os> *>.u,! reclama o progresso scial,deque
lexesescrevem, termo medio, Ora, fra de duvida, para quem tem habitado
circular |iela |ws- os dous paizes, que a dil'erenca, outr'ora muito
grande, que se da va entre
Sl'A HISToniA K SITUAQAO ACTUAL.
(Concluso.)
VIII
gado apto, o recruta Manoel Rodrigues de Souza. A extraordinaria rapidez que a creacao dos ca-
Dio ao conimandante do corpo de polica.Pelo minhos de ferro deu ao servico da posta, coniri-
ofli. o de V. S., de 18 do corrente, flquei interado buio, conjunctamente com o es'labelecimento da ta-
cluide o sen engajamenlo e contrahido novo. modilicou c desenvolveu muito a forma desse ser-
Dito ao barao do Livramento. Tomando cm vgo.
consideraeao o i|ue expoz o director das obras pu- O principal resultado dessas modificar-oes foi se-
tilicas em offlcio de 27 de novembro ultimo, 7 e 17 parar gradualmente o servico da pasta de cartas do
eftgenheiro das obras do melhoramento do porto sas decahira rpidamente. Entretanto essa antiga
fBervasio Rodrigues Campello, autoriso V. S. a instituigo nao se destruio anda completamente,
' mandar elevar parte do caes da ra do Sol, como como alias se poderia suppr : a subvengo de 2o
M indica no parecer junto por copia, alim de con- centesimos que as nossas leu continuara a dar-lhe,
servar a necesaria regularidade com o terreno conserva-lhe ainda um resto de vida ; ha anda em
la referida ra, pereeftendo V. S. por esse excesso todaaextensao do imperio 1,900 cavados de muda,
de trabadlo a quantia de 8755000 era que foi or- mais oumenos bem montados. Feridos profundamen-
rado pela supraclada reparticao das obras publi- te cm seus nleresses pela marcha rresistvel do pro-
cas. Communicou-se ao inspector da iliesouraria gresso social, os mestres da posta iizerain. e fazem
provincial. ainda por vezes,ouvir reclamai;es,cuja legtiindade,
Dito ao director geral interino da nstruceao pu- no ponto de vista do direito estricto, difflcl con-
Mica.Era resposia ao offlcio de Vmc, datado de testar. Mas esse eco de um passado abatido, per-
filo corrente, sob n. 210, tenho dzer-lhe que de-se as inmensas c incessanles exigencias do
designo para examinar as materias preparatorias presente. Podena-se applicar taos queixas as
para o Curso Commercial Pernambucano os pro- celebres palavras de Piulo, de Arislopliene : Nao
fessores Antonio Egydio da Silva e o Dr. Antonio conseguirs persuadir-nos, embora mesmo nos te-
Itangi'l de Torres Bandeira, o priraeiro em algebra nhas |tersuadido.
e o segundo nos domis preparatorios. Mas, cumpre reconhecer que, de parte as recla-
/ Dii.i ao.i'ouselho de compras navaes. Pode o macoes colleclivas, c quanto aos individuos a ad-
eonsclho de compras novaes promover, nos termos miuislracao tem jiosto e p5s ainda tolo o empenlio
da seu regiilainento, a compra dos objectos indi- era minorar os sollrmentos que nascera dessa li-
cados era seu ollicio de 16 do corrente, a que res- quidacao.
pondo, visto que sao necessarios para provimenlo A passagem do servico das carias para os cami-
U> arsenal de marinha. nhosde ferro, exigi que se organisasse em substi-
Ditoaodireetor das obras publicas. Inteirado tuicao aos antigos correios, una seceo mixta, a
> quanto Vmc. ex|)oe em seu ollicio de 25 de no- dos escriptorios ambulantes que comprehende ao
vembro ultimo, sob n. 2:13, acerca do recebimento^ mesmo tempo o servico da correspondencia interior,
da obra do liu laneo da estrada do norte na en-"do transporte de cartas, e do material. Essa insli-
osta do monte denominado Tabatiuga (empreza tuicao estabelecida pelo governo de judio, receben ,
Mame .le|. tenho dizer em resista que em vista e ainda recebe frequentemente no presente reina lepara o transporte da correspondencia entre La- dados do r
las raafies apresentadas pelo empreiteiro daquella do, os desenvolvmedlos correlativos estenso das t\l .oT0?. i,om' ,r,J'' f a lcl dlV8 drt J1.1" Cl(!s n,on"
estrada, lia informacao junta porepia, mande vas frreas. II'O de 18.>1 (dem n:3,Oo7), relativa a execur-ao achara re
Vine, reeeber o predilo beo e paasar o competen- Em seu estado actual o respectivo servco divi-!
te ceriiliea lo. alim de que o mencionado emprei- de-se em duas circumscnpcoes principaes e cada j
Viro possa baver da thesouraria provincial a quera urna deltas sujeita fiscalisaco superior de um
se exjtede ordem neste sentido a importancia a que inspector, subdivide-se em muitas directoras, que '
tiver direito.Communicou-se ao empreiteiro Ma- corresponden! a cada una das grandes linhas da
mide. rede frrea.
Dito aos agentes da companhia brasleira de pa-' A primeira comprehende as ahas do norte de
queles vapor. Pudem Vmcs. fazer seguir para Lion, do Mediterrneo, e do Oeste; a seguda as do
os portos ilo sulo vapor Ah, boje a hora indicada Est, do Nord-Ouesl, do Su-douest e dos Pirineos, i
em sen ollicio desta data.Communicou-se ao ad- Cada director tem s >b suas ordens um certo nume-
ministrador do correio. ro de prcposios ambulantes e sedentarios, propor-
Portaria.O presidente da provincia, atienden- cionados s necessidades de servico. Alguns por
me.dos resultados anteriores parece aecusar tam-
bera era nosso favor una vantagem relativa muito
importante de 18(50 1801, soba relacao do pro-
ducto bruto cjue progredio em perto de 6 milhoes,
ao_ passo que a Inglaterra nao ganhou seuao
3,500,000 pouro mais ou menos. Todava justo
reconhecer que essa diminuido comparativa na
Je
< leudo em vista a informacao do director geral parece que os principaes delineamentos desse ser-
interino da inslruccao publica, datada de 18 do vico, indicados mesmo pela natureza das cousas,
oriente, sob n. 112, resol ve conceder-lhes a licen- podem ser reputados definitivos, e que todas assub-
tivasc.uleira-.Communicou-se ao director geral sem diflieuldade ligar-se s principaes arterias da
da inslniccio publica. nova rede, de um teeido mais eslreito e forte que
DitaO presidente da provincia attendendo ao o auligo.
que requereu Archanjo Crispiano de Gouveia Ca- Nao se poderia portante prever atualmente algu-
valcanl, continuo da secretaria do governo, resol- ma modillcacio fundamental, a menos que progres-
ve eonceder-lhc um mez d>: licenca com seus ven- sos inopinados na dircrcao dos balos nao viessem
cimento* para tratar de sua saude fra desta ci- determinar o estabelecimento de urna circumscrip-
dade.
K\|ieilii'iilf do secretario do governo.
5o aerea.
O genio scieiitifico dc nosso seculo ainda nao dis-
se sua ultima palavra, e menor a distancia que
Offlcio ao director geral da inslruccao publica separa esse futuro, por mais phaiitastico que pare-
S. Exc. o Sr. presidente da provincia (cando in ca, d siluacao actual que a que medea entre esta
irado pelo offlcio de V. S. de 18 do correte, sob e a do passado./
n. 111, dolaron, sido approvados simplesmente Os paquetes p posta (paquebots-poste) nao sao
Galdino Eleiiicrio Toixeira de Barros e Martinho a parte menos |nlcrcssanio da nova orgainisacao.
Jos de Jess, e plenamente Digna de Sania Rosa, Gragas aos recentes progressos da navegac/io a va-
enrolando a todos os venios suas plumas de fumo, ploracao postal, nao so leve todava considerar es-
elfeciuam em qualquer lempo e em todas as latitu- se grande servco publico urna medida absoluta
des, suas regulares e magestosas evolucoes. da civilisacao.
E testa rede que a Inglaterra joga a melbor par- O movmento artstico, ncontestavelmente mais
tida ; .assim, agora faz ella, sem hesitacao enormes pronunciado entre nos do que entre nossos visi-
sacnlicios annuaes para conservar a regularidade nhos, e que tambera vale alguma cousa, nao exer-
(iesses servicos martimos, cujo producto, na sita- ce no systema postal urna influencia tao viva, tao
?ao actual, tica ainda muito quera do algarisrao continua como o eommercio e a industria. Os lit-
das subvcngdes postaes. Aposentaremos a este teratos e os artistas escrevem menos pela posta, do
res|ieiio, alguns esclarecimentos bebidos era fon- que os cominercantos, e, infelizmente, tomam, e
tes authenticas, e arada quasi dcsconhccidos era sobretodo receb.im, muito menor porcao de moiwj-
r ranea, sobre os resultados financeiros dos ptiqiu- onlrrt.
bols-post inglezes no exercico de 1860, nico cu- A romparacao desses productos da correspon-
jos porracnores foram at agora publicados no Rei- dencia suggere-nos urna outra observacao que nos
no imido. Ao passo que1 a correspondencia nter- favoravel : esta superioridade da parte da Ingla-
na e os vales da posta produzirara um beneficio trra, nao se d igualmente em teda a extensao do
enorme, o servico da correspondencia e os das co- territorio. Alm da desproporcio muito sonsvel
ornas e eslrangeira, dava una perda de 410:000 que j assgnalainos, entre as tres grandes fraccoes
libras esterlinas (10,250:000 francos). do Vnitedkmjdom, nicamente as cidades c so-
A adminislraco entendeu que devia impr-se bretudo nos centros manufacturemos que se colhe
Mae sacrificio, no inleresse do eommercio, e das os elementos dessa superabundancia de cscriptos.
relacoes com lugares distantes. Assim o post-offi- No campo, ao contraro do que entro nos acontece,
ce era 1800 te ve de supportar em cada caria, enlre escreve-se menos : e isso provm de duas cansas
a Inglaterra e o Cabo, urna perda de cerca de nove que nos sao inleiraraente prove tosas : a densd-
pence; para as Indias Occidcntaes perto de um de de nossa populado agrcola, e a organisacao
schelling ; para a costa occidental da frica um mais larga e mais'completa de nossos carteros
schelling e oito iiencc ; e finalmente por carta en- ruraes.
viada aos Estados-Unidos por via de Galway, a A Franca, potencia cssencialmente continental,
perda sobe a perto de 6 schellings. A perda maor subvenciona mais liberalmente seu territorio rural;
refere-se a liuhas das ludias Occdentaes ; Pacili- a Inglaterra, potencia principalmente martima, re-
co e Brasil ; s com relacao a estas linhas ojxitf- serva a seus paquetes a melbor partem suaslibe-
oficesup|M)rtou um prejuizo de 198,800 francos. ralidadcs. A4ia> sao tejicas era suas preferen-
O ultimo relatorio do post-oflke (publicado era iras.
1862) que temos debaixo dos odios, contera ape- Se passarmos agora ao exame da siluacao res-
mas a enunciac.o geral e summaria dos resallados pectiva dos serviros, observaremos que a Inglater-
do exercicio de 1861. ra despende com'a posta mais do que nos. Assim
A perda no servico dos paquetes foi avadada em 1861 em um producto bruto de 91,675,000 fran-
approxunadamente no mesmo algarismo que o do eos a despeza na Inglaterra elevou-se mais de
auno anterior (470:000 libras esterlinas), posto te- 62,525,000 francos, isto mais de dous tercos
nha havido grande augmento em muitas dessas li- da receita, as passo que em Franca, onde a rnceita
nhas, espicialmente as da India, China e Aus- bruta foi no mesmo anno de 66,781,363 francos,
lra'ia- as despezas absorveram apenas 42,748,373 francos,
Apezar dessas perdas que tem trazdo em resul- isto os 7 11. Isto intuitivamente parece urna
lado diminuir muito nestes ltimos annos a diffe- vanlagem era favor da Franca, visto que'a dille-
renca entre o producto liquido de sua posta, e o da renca de I8ti|, que era de 21 milhoes no produelo
nossa a Inglaterra espera, sera milita impacien- bruto, redtizio-se a 5 no producto liquido. O exa-
cta, como se sabe, que se apasiguem as dscor- "
das americanas, e prosegue no empenho da orga-
alra dos mares, fazendo frente nsacao postal
a todos os dficit*. Ella usa em suas subvenyoes
postaos, de urna prudente e previdente lberalida-
de, bem certa de que essa scineute tao largamen-
te semeado, favoivcendo sua expansao commer-
cial e poltica, dar-lhe-ha cedo ou tarde, cem vezes marcha da receita ingleza devo em grande parte
mais. Ensistimos sobre esta face magnficamente ser attribuida a urna causa especial e transitoria, o
I intelligente da administraco ingleza, |iorque nos dficit rcasionado pela guerra da America. A
I da urna justa idea do carcter que convem s epe- avaliar;ao approxmada de nossos productos de
| raeoes postaes de um grande povo, c offerece nos 1862 prometi um resultado superior ao de 1861 ;
; muito em que meditar e muito a imitar. mais teremos diininuicoes inevitaveis, que alias
Mais recente, e, por isso mesmo, menos comple- nao nos devem assustar.
Ita, acertos respeitos, pie a instituicao ingleza, a Assim, pde-se prever desde j que o augmento
i dos paquetes da posla franceza, nao era todava da correspondencia e do numero dos artigos dc d-
! menos interesante, e no mais alto grao lsongeava nheiro nao ser sufflciente para encher "o dficit
j o nosso amor proprio nacional, em razo dos ra- que a redurcao do respectivo direilo al, nao po-
; mensos progressos que realisou com o impulso in- de deixar deacarrelar. Mas tara bem a experien-
lelligente e forte que Ihe deu o actual governo. cia dos dous paizes gera a certeza, em relagao a
O servico da Inglaterra e Mediterrneo, ensatado taes medidas, de que essa depreriaeo ser apenas
| no precedente governo, recebeuampios desenvolv- momentnea, c seguida de grande augmento.
j mentes. A quem quzer aprofundar este importan- Alm disso, ainda urna vez o diremos, um ser-
I le assumplo pie aqui apenas indicamos, recom- vico como o da posta, nao deve ser exclusvamen-
mendamos especialmente : as leis relativas ao te administrado em vista da remuneracao fiscal
transporte da correspondencia entre Marselha, a immediala.
, Corsega e a Sardenha (18501858, Holetim das Temos alcance mais elevado ; seu dever, seu in-
Vm ns. 2,296 e 5,482) o decreto imperial do 2 de teresse bem entendido, conservar-se incessante-
fevereiro dc 1855 que approva o novo contrato fe- mente na altura do movmento social, das necessi-
publico, salisfaz-las, por meio do sacrifi-
momentaneos, fecundos, de que o fisco se
ricamente recompensado mais tarde,
do servico |>oslal do Mediterrneo. -Nao eremos poder concluir melhor este estudo
Convm sobretodo fazer um parallelo entre esta do que exprimndo um voto em relacao a alguns
ultima le e a de 2 de judio de 1835, que tinha es- melrioramentos racionaes que esse servco parece
labeleeido os primeros paquete-, do Levante, para ainda reclamar. Ti vemos mais de urna vez a oc-
forraar nina Ja exacta dos inmensos progressos casao de asslgnalar a mais importante e radical
realisados nestes ltimos annos. Quanto orga- dessas morlificasoes.
nsacao das linhas poslaes do Brasil, Estados-Un- Tanto mais se aprofunda a materia, quanto mais
dos e Antilbas. (19 de selembro de 1857, 20 do fe- eneonlram-so motivos para lamentar que a revo-
verero de 1858 e 3 de juiho de 1861, Boletim das luijao tenha falseado o antigo principio de urna rc-
W, ns. 4,999 e 9,267) e a linda do Indo-China (22 partico distincta, independenie. A subordinaciio
de abril du 1861, n. 9,268) sao rrea;des muito re- dessa reparticao administraco, ou fiscalisaco
centes, todas napolenicas. Ellas estreitam osla- das financas," Ilgica.
Cos que prendera as colonias metropole ; consa- Entendemos, pois, que restituir sua antiga n-
gram e proclaman) os resultados de nossas expc- dependencia, esta reparticao seria eminentemente
dicoos longinquas, e, emim, atteslam de modo ir- conforme o rateresse publico,
refragavel a influencia acial da Franca era paizes Essa medida, merecera tanto mais ser medita-
que havam esquecido seu nome. da, quanto s atiribuicoes j tao vastas desse scr-
Graeas a esse desenvolvimento de nosso servico vico augmentarlo cedo ou larde com a juneco do
mariliino, nossas communicaces com as colonias servido detelegraphia particular que, na realidade,
libertaram-se de urna servido humilhante e dis- nao mais do que urna nova forma de transarle
pendiosa. de correspondencia, apropriada necessidade, cada
A correspondencia doSenegal o das Antilbas p- vez mais urgente, de communicaces rpidas. Esta
de de ora em diante chegar por meio de navios invenco, urna das mais bellas do seculo, longe de
francezes; e a propria Inglaterra, vista de un fazer concurrencia correspondencia pelos meios
aperfeicoamento que mesmo a seus nacionaes apro- ordinarios, parece estimulada,
veila, enfraqueceu suas proteeOM ao 'mono|iolio A reuniao da telegraphia particular posta
maridillo, e- em mais de um ponto, resignou-se a vivamente desojada por muito bous espirites, que
concurrencia. veem n'isso urna dupla vanlagcm : grande econo-
As llegadas alternativas dos ptiqnebols-poste mia para o thesouro, e portante, possibildade de
francezes no Indo-China e no Brasil oflerecem van- redueco da laxa telegraphica, reduccao;que de fac-
tagens perante asquaes o orgulbo inglez se rurva. lo seria vantajosa, mesmo no ponto de vista fiscal,
Assim, v-se actualmente os nababos anglo chine- porque augmentara consideravelmente a corres-
zes de Hong-Kong e da Victoria servirem-se, para |>ondencia.
a sua correspondencia com a metropole da linha Tal vez se note que nos referimos muito Ingla-
franceza : c em seu penltimo relatorio o honrado trra; entretanto a romparacao entre as duas re-
chefe do Posl-Ofire generosamente elogiou, o bem partieses poderia anda suggerr a idea de mais de
acondicionado, a commoddade e rapidez dos pa- um aperfeicoamento importante em relacao
_____________________________________, nossa.
augmento de despeza o publico.
Encontrarnos tambera nos ltimos relatoros do
Post-Offire um grande e philanlropco melhora-
mento que por si mesmo se recommonda a med-
tacao dos nossos honiens de estado ; refer rao-nos
ao estabelecimento dos Post-offiresacing-banks.qae
liga ao Post-Uffice a caixa econmica.
Ha muito tempo que se meditava na* Inglaterra
sobre esta grande operaco fmancera ; fra pro-
|>osta em 1806 |ior M. Wiilbbresd. Fundada era-
dles sob a relacao das
necessidades maieraes, tende a diminuir todos os
dias nos grandes centros de populacao : assim, por
exemplo, a vida era, ha viole annos mulo menos
caraem Pars do que em Londres ; boje nao se d
a mesraa cousa, e seria ao mesmo tempo de hu-
mariidadc e de lgica que o medio das remunera
coes augraenlassem em razo dessa caresta. O
servico melhor retribuido faz-se com mais zelo e
tFm.Diari Ofccial.)
PERWAMBGO.
REVISTA DIARIA.
O Sr. promotor publico, tendo em attencao a
. noticia que demos hontem sobre a morte da'prela
rapidez, e em definitiva, quem lira proveilo desse Luiza, que teve lugar no Caluc, em consequen-
cia de castigos recebidos de seu senlior, requereu
3ue para logo fosse exhumado e autopsiado o ca-
aver, a nao bastar o exame sobre o habito exter-
no, oque se procedesse immediatamente s dili-
gencias necessaras em ordem promover a pu-
nico legal contra os autores de sementante facto.
Do-nos a informacao de que a ponte de Be-
beribe acha-se, por seu estado de ruinas, incapaz
de prestar-se ao transito por ella, sendo tantos os
buracos e estando tao apodreeido o estivamente.
Nos dias 24 c 26 osblhetes de passagem de
ida e volta, da estrada de ferro, ale as estaedes de
Gameletra c Una, serio pelos precos segrales :
Garaeleira1 classe 5*800
Una.....
2* I 45200
3* 1 35008
.1* > 7520
2* 65100
3- > 45000
o citado offlcio.
(I) Do uso da posta entre os antigos e entre os, (2) Sevenlh
Franca a paizes' remotos, ondo j comeca de novo ', modernos. Pag, 77. (1861).
report on Ihe- Pu*sl-Oflice, pag. 17
lim, por ura acto do parlamento de 17 de mao de que de um momento para oulro pode ter lugar al-
lotil, essa inslituicao, logo nos primeros mczes,' gum desastre.
adquiri grande importancia. E, pois, orca que se trate de elTecluar os pre-
fin 31 de marco de 1862 o numero dos Post-Of' cisos concertos para remover o duplo inconvenien-
te saiiiuj-bankn, que functionavam no Reino-L'ni-! te que fica apontado, mesmo porque aquello povoa-
do, era de 2,532 ; havam recebdo no todo, de do concorrendo para a receita municipal, deve ser
91,265 depositantes, urna somma do 733,253 lili.' attendido em suas necessidades, mxime da ordem
si. (mais de 18 milhws de francos) da qual apenas! dessa ah indicada.
139,171 lib. linhan sido transferidas das antigs Amanhaa se extrahira, pelo plano das lote-
caixas econmicas. ras extraordinarias, a quarta parte da quinta lo-
0 resto, constituido por novos depsitos, d a teria em beneficio da igreja de Nossa Senhora do
medida da influencia poderosa o salutar exercida Guadalupe de Olinda, sendo o maor premio ris
em lo pouco tempo sobre a classe laboriosa por 10:0005.
essa feliz innovaco, que dividi a instituicao, para
a |Kr mais ao alcance do trabalhador, multiplican-
do assim as occasioes de economisar.
Assim, verficou-se desde o anno passado um
augmento consideravel na somma total, ao mesmo
lempo que una diminuicao sensivel no termo me-
doslo valor dos depsitos.
Este medio que nos antigos estabelecimentos era
de 4 lib. e 18 sch., desceu nos novos a 3 lib. e 12
sen., prova manifesta de que a inslituicao tende a
popularisar-se cada vez mais.
Estes primeros algarismos, relindos em 31 de
mareo de 1862, sao tantos mais dignos de atten-
MO, quanto certo que a maor parte dos Post-
U/fice saving-banks verdadeirameute coraecaram a
funecionar nos ltimos vezes de 1861, ou antes nos
tres primeros annos seguntes, e certo que o
exercico dej|1862 j!863 dar resultados muito
mais importantes.
Tudo islo bom, philanlropco e digno de serio
exame.
Devemos tamben) mencionar enlre os melhora-
meiiios desejaveis e possiyeis, certa rapidez no
trans|iorteda correspondencia cm relacao s com-
municaces Iransversaes, que nos pontos de bifur-
caeao exgem transferencia das cartas, qur do
carninhode ferro para as messaaeries e recproca-
mente, qur de um Irem par oulro.
Para tornar mais sensiveljior meio deum exem-
plo o melhoramento de que trata, faremos ver
como as cousas se passam actualmente em relacao
parte da correspondencia das linhas de Norman-
da, transferida pelo trem da posta, que sobe do
Ouesl-Rouen ao ponto de bifurcacao dc Mants,
com destino a Ouesl-Clierbourg.
Como pelas clausulas dos contratos actuaes da
administraeaocom os rattwajfi, mudos trnes mesmo
direVtos, nao transportan) cartas, resulta disso este
facto anormal, que a correspondencia transporta-
da mesmo exclusivamente tolos vehculos rpidos,
soflVcm por torca no ponto de interseccao muito
tempo de demora, annullando-se assim ludo o que
ganhava em presteza com a nova forma do ser-
vico.
Assim, sabemos por experiencia propria que as
cartas remettidas de Rouen, ou de qualquer das
estacoes intermediarias enlre essa cidade e a bi-
furcacao de Mants, por urna das estacoes inter-
mediarias entre Mants c Caen, e recprocamente,
nao chegam ao seu destino senao no dia seguinte;
ao passo que um viajante que liver o cuidado de
escolher a hora em que encontr um trem corres-
pondente na bifurcar;ao, pode realisarcm alguraas
horas esse mesmo trajtxto, que para urna carta
de um dia Esta anomala, que reproduz-se em
muitas oulras localidades, de toda a extensao do
territorio, iwleria fcilmente desapparecer ao me-
nos erh grande parte, reformando-se algumas clau-
sulas dos contratos, e com |tequeno sacrificio fi-
na nceiro.
Mencionaremos ainda um melhoramento que,
gracas a solieitude da administraco, pede ser
considerado em principio cousa decidida : o que
permute, mediante tima laxa addicional, fazer se-
guir as cartas pelos trena da posta al ultimo
momento da partida. Esta disposicao seria tanto
mais lgica e equidosa, quanto as demoras, na
maioria dos casos, sao justificadas pela necessi-
dade.
Reservamos para o lira urna medida importante,
que tem sido discutida, mas cuja opportundade
nos parece dgvidosa. Pergunta-se porque denois
de liaver dado, e com bom efleito, um priraeiro
passo nocaminbo da reforma postal em que os In-
glezes nos precederam, nao iremos com riles al
ao lim, reduzindo a taxa uniforme melado para
todo o imperio. Pde-se oppor a esta idea una
grande objeceo.
Quando os Inglezes realisaram de chfre essa
innovaco radical, sua teincridade foi mais appa-
renle que real.
Ilavia IransbordamenU do Post-Office em con-
seqtiencia da grande concurrencia de transporte
que fraudulentamente a mntagerif oprrava, e a
reduccao sbita taxa, semelhante a abertura de um
dique fez refluir a correspondencia para o meio
legal.
A nossa stuaco nao idntica. Ajulgar pelo
numero minio limitado dos transportes fraudulen-
tos, (31 parece que a reduccao de 20 cent., cor-
responde exactamente s necessidades sociaes, e
que ir mais longe seria em pura perda do thesou-
ro, sem sufflciente ndemnisaco no futuro.
Poste a repariico da posta franceza sejasuscep-
livel de aperfeicoamentos e melhoramentos impr-
tenles, pde-se dizer que, no seu lado, ocenpa pre-
sentemente entre as instituiroes do mesmo genero
(3t O numero desses fados que tinha sidoem
1861 e 4,963, reduzu-se em 4862a 3,827 ; e a
este respeito houve 3,315 conciliacfics, 225 absolv-
fijes 25 condemnacocs.
O Sr. Dr. promotor publico interpoz, cm 21
o 22 do corrente, perante Sr. Dr. chefe de poli-
ca, as seguntes queixas :
Contra Maria Virginia, por incursa no art. 201
do cdigo criminal.
Contra Theotonio Jos de Souza, por ncurso no
mesmo artigo.
Contra Odilon (estudante), por indiciado no art.
219 docod. crim.
Foram recebidas por estarem era termos legaes,
e remeltu-se-as para os subdelegados das respec-
tivas freguezias, que deverao proceder s diligen-
cias ulteriores.
Pelo subdelegado da Capunga, foi apprehon-
dida em um mucarabo onde mora Domingos Fran-
cisco, urna porcao de carne secca cm costado, co-
mo costumam cargue-jar os matulos, pelo que foi
ello rccolhido prisao.
Pede-se-nos esta publicacao :
Illin, Sr. Levo ao conheviraento de V. S. que
hontem pelas 3 1|2 horas da tarde man testara ra-
se symptomas de cnvenenamerito por substancias
narcticas nos sentenciados Bernardino da Costa
Leite, Antonio Joaquim Alves Pereira, Juvino Nu-
iles Perera, Gaspar, escravo, e detento Joaquim
Alfonso de Mello, trabalhadores da offleina da fer-
reiro. Procurando-se conhecer a causa de seme-
lhante nial, reconbeeeu-se ser devida a terem ellcs
comido alguns fructos do estr. monia ou ligueira
do inferno, na supposico de que erara maxixes.
O mencionado escravo Gaspar, encarregado de
preparar a comida dos trabalhadores da offleina
de ferreiros, cozinhou, por mandado do mcslre
Bernardino da Costa Leite, tres fructos do dito
arbusto, que sao cora efleito muito semelhantes ao
maxixe, e cujas propriedades todos ignoravara,
como eu tambera as gnorava, por nao ter at en-
tao conhecido ser o estramonio o arbusto que pro-
duzia semelhantes fructos, e que se cultiva va no
jardim desla casa, por causa da fragancia de sun>
flores.
Tratados convenientemente, estao todos, presen-
temente livres do _perigo.
Alera dos presot mencionados, tambera Oca-
rara incomniodados un meu escravo, e um menor
filho do sentenciado de nomo Jos Gomes, os quaes
provaram da comida preparada com taes fructos.
Mandei inmediatamente destruir todos os ps
de tao venenoso arbusto, que existan) no jardim.
Deus guarde a V. S. Casa de detenro 21 dc
dezembro de 1863. Illin. Sr. Dr. Abitio Jos Ta-
vares da Silva, chefe de polica da provincia.O
administrador, Rufino Augusto de Almeida.
Kstrarnonio ou figueira do inferno (slramoine
fr.), datura stramonium, L. Planta que d na
Europa, mui commuin no Brasil.
Caule de 2 a 4 ps, rylindrico, simples, inferior-
mente, dividido para cima : folhas grandes, ovaes.
com sinuosidades desiguaes as margens; flores
brancas, ou levemente roas, cheiro nauseante e
mulo mais esfregando-se as folhas, sabor acre e
amargo cmquanto verde ; mas secca quasi in-
odora e inspida. O fruclo urna capsula ovoide, e
ricaila de pona* espinhosas ; contera um grande
numero de pequeas sementes roxas. Pode usar
se loda a planta como remedio.
O estramonio, semelhante nos seus cffetos
bella-dona, excrce sua aeran sobre o systema ner-
voso. E* venenoso em forte dse, narctico cm
dse pequea.
Repartiqao da polica :
(Extracto das partes do da 22 de dezembro).
Foram recolhidos casa de detenciio no dia 21
do corrente.
A' ordem do lllm. Sr. Dr. chefe de polica, os
pardos Juvino Alves Ferrera, como desertor, Fran-
cisco Antonio dos Santos, como suspeito tambera
de ser desertor, Jos Soares de Lima, come re-
cruta, vindos do termo de Goianna.
A' ordem do subdelegado do Recife, Alexandre
Pocbcgeux Robery, francez, por briga ; Salusta-
no Gomos da Costa, branco, por suspeito em crimo
de deflorarnenlo ; Manoel, crioulo, escravo de Joa-
quim Francisco do Espirito Santo, requerlmento
deste.
A' ordem do de S. Jos, Maria Theodora da Con-
ceicao, parda, por oflensa moralidade publica, e
Joaquim da Costa, africano, por embriaguez e dis-
turbios.
A'ordem do-da Boa-Vista, Jos Luiz da Silva,
pardo, para averigoacoes noliciaes; Antonio, criou-
lo, escravo- de Anna Maranhao. requerimento
desta.
.
1


I
Diario de Pernamhuco miarla felra 3 de Dezembro de t83.


- r-
X
X
=
V u:-,!, n do da. (Taauisft, Bonifacio Bosnwe, c Tai razo ; tanto mais perqo as lirias tic
, da Silva, brinco, por brign. galla sao prohibidas polas posturas, c e:
Ochefo da i" m^-ojM
/. t. dt Mesiutta.
Passageiros do brgue portuguez Floiindu,
entrado do l.i>boa :Jos Joaqtrim, Francisco Do-
mingues Jos Domingoes.
Movimento da casa de dctenc,o do da 21 do i
dezembro de lfe63.
Exislian . 292 presos.
Entrarani. . 12 i
Sahiram . 9 >
Exstcm.... 198
A saber :
Naconaes. . 193 presos.
Estrangeiios . 34
Mulheres . i
Estrnngeras. 2 i
Eseravos . 37
Escravas . 7 293 >
Alimentados a casta dos cofres pblicos. .
Moviraeuto da enfermara no da 23 de
zembro.
eve ttaixa :
Bento Jos Rosa, tumor.
Tiverain alia :
Caspar, escravo sentenciai 0.
Antonio Chixo Cogominuo
Antonio, africano livre.
Francisco Jos de Assis.
Hcrnnrdino da Costa Lene
Virginio, escravo de Manoel Xavier Paes
reto.
leis miinicipacs.
O Sr. ? reinetle-nos a seguinte poesa :
Vem !
Oh! quauto expressa um olbar tocante
Que delicias
Tem,
Quando ao abandono lula o triste amanto
E as caricias
Veml
mais sublime quo o nascer da crenca
O dislinelivo
mim niio ubteram tao prompto soltara & ?en P1"0- | O "Sl^l da Iregoeaia do Santo Antonio desta
tegido, liaviam resol vido esperar : t -agaiiava-me. i cidade, em observancia ao artigo primeiro do htu-
dia 20 fui domingo, e na seguuda-leira indo eu lo nove das posturas de 30 de junho de 1849, o as.
s 9 horas para a polica, imagne-se <|nal nao fi retiradas ordens da illustrissima cmara munici-1
minha admiracao encontrando o mesmo carro, pal, faz pelo presente constar aos senhores pro-1
-' prietarios de madeiras depositadas acluaimcdte no,
Bem
Anda mais que
chama intensa
Do expressivo
118
de-
Vem.
E tu consenles n'um ardentc beijo
Q'eu ve ao co?
Mein ?
Eis os meus labios, cora a nudez do pejo,
Sem flor, nem veo;
Vem I
Dos seus labios o
nctar celeste
Eu o sorvi
conduzido pelo mesmo cocheiro, o qual de proposi-
to passando por bem junto mim, com ar de inso-
lencia e oscarnee, calca na cabeca seu agaloado
chapeo II!
Sem tugir nem mugir, segu meu cammlto para
a polica, onde soube que o egregio tribunal da
rehicao, Itftvla por accordao, mandado por em lber
"dado o mencionado cocheiro no mesmo dia 19, sem
ao menos ser ouvida a autoridade que o tinha
prendido, havendo para isto toda a possibilidade !''
Trago (le facto ao conhecimento do publico,
para que uo so esteja todos os das a clamar so
contra a falta de polica, e contra e deleixo desta :
o publico quo o moralise.
Itccife, 22 de dezembro do 1863.
O delegado,
Gstalo Jos do Hetjo.
PUBLICARES A PEDIDO.
caes'do Ramos, que fez favrar os respcciivos ter-
mos de adiada, pela infraecao ao citado artigo pe-
las madeiras all existentes.
E, para que nao appareea moraiicia sobre tal
infraeeo face publico pelo Diario, visto nao ter
sido possivei screm encontrados todos os donos
das madeiras que naquello lugar se acham.
Fiscalisaeo da freguezia no Santo Antonio, do
Recife, 21 de dezembro de 1803.
O fheal,
M. J. da Suva Ribeiro.
TITULO 9" DAS POSTURAS DE 30 DE JUNHO DE
1849.
Art. 1. Toda pessa que sem licenca da
cannra municipal, depositar as ras, pravas e
outros lugares pblicos do seu termo, qualquer
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Xavega?o eosleira a vapor.
Parahyba, Natal, Sanio, Aracaly e Cear.
O vapor Mamtnauape, com-
mandante Moura, seguir para os
Sortos cima indicados no dia 28
o corrente as 5 horas da tarde.
Recebar carga at o dia ft^En-
commendas, passageiros e dinheiro a fete at o
dia da sabida s 2 horas da tarde : escriptorio no
Forte do Mallos n. 1.
13:000$ vende-so menos urna parto de i:4085988
do um UerUeiro que ainda nao se acha habilitado :
o leilo ser efectuado quinta-feira 24 do corren-
te, s lOhoras em ponto na porta da 'associacao
commercial ; os Srs. pretendentes podem exami-
rna-lo com antecedencia ou informarem-sc do
agento. _.___________ .
Para o Aracaly
O hiato Dotw IrmSos pretende seguir com bre-
I vdade, tendo parte da carga, e para o resto tra-
ta-se na ra do Amorim no escriptorio de Tasso
Irmos.
LEILO
Sem
Que dos anjinhos Ihe enlodasse a veste,
Ah! miuha Houri,
Vem
Viver n'um mundo, onde ha magostado
Suprema !
UM POUCO OC TUOO.
O Sr. Y Jnior envia-nos o seguinte :
A LITA SASfflI.NOLESTA.
1
E' triste o espectculo de um povo que, na po-
ca adiantada em (pie vat a humanidade, nao tem
leu bstanle sabas ira fazer a sua felicidade e
con eguir o seu apereicoaiiieuto, ou, lendo-as, nao
iiuipre as m prescripcees e salta por cima dos
seus preceilos.
E nao ha que contestar uesta verdade, qne aca-
bamos de enuncia*. Urna sociedade sem leis um
Sobremaneira panhorado pelaaflabilidade e ami
zade, com que me trataram os habitantes da cida-
de do Olinua, durante o tempo que administrci o
convento franciscano daquella cidade, devia pes-
soalmeule despedir-me, o juntameute agradecer
i tantos e valiosos obsequios, atormento aquellos
; que mais se sacrilicaram por meu respcilo ; po-
Qucm ?; rm sendo a minha remocao para o convento da
Aquelle que o ser nos deu, quo a immensidade cidade do liecifo logo posterior Testa da padroci-
Extrema ... j ra, quando eu exista bastante oceupado na entre-
t Vem ga de varios ohjoctos tendentes mesma, e ao pa-
----- gamento dos funecionarios, a minha retirada ra-
Segundo a Lonbnrdut, de Milo, o archiduque pida jamis poda cumprir tao grandioso dever ;
Maximiliano eueoiiinif ndou ao pintor DeU'Acijua or isso Unco mo da iiii|)rensa para o fazer nao
um quadro de grandes dimenses, i epreseutando s ao povo olindense, mas tainbom (|uellas pes-
a deputacao mexicana offerecendo-Ihe a cora do soas quo me coadjuvarara com as suas esmolas,
Mxico. assim como aos dignissimos Srs. depulados provin-
ciaes na coucesso de loteras a beneficio da pro-
Em Vienna foram exhumados do eomilcrio de pa igreja, e ao Illm. Sr. presklento da provincia
Wobringen os restos mortaes de Beethoven e de na concesso da lei e concurrencia da sua parte
Franz Schubert, sob a direccao de Maenner-Ge- \ para o cabal dosorapenho do meu ministerio.
e pas-
ma da
Cadeia n. 26.
lara a Rabia pretende sahir com milita lire-
vidade o veleiro patacho Tkereza, capilo Joao
Correia Lima, por ter a maior parte da carga :
para o resto que Ihe falta, trata-so com os consig-
natarios Palmeira & Reltrao, largo do Corpo Santo
n. 4, primeiro andar.
sung Verein.
excepco de alguns ossos da cabeca, que, pro-
vavelmente, se extraviaram quando na autopsia,
que se fez a 27 de marco de 1828, foi serrado o
campo de lulas constantes, e um theatro de crinu-s cranc0 em muHog b^,^ 0 corpo de Beethoven
repetidos ; seta Ms so conseguira a felicidade appareceu itcir e foi collocado em um caixao
urna sociedade de anjos : e aquella em que ajei e j,, c|luniD0
letra mora e nio so cuiapre, os resultados sao os 0 cor :dc Scnnbert) a que fa|tavam algumas
mesmus, eoni o atres-inio da farca redieula da coste||as f0 tambem encerrado em um caixao de
existencia do um owitgo de leis sem pre^igio e de C|llin,b0
autoridado sem for^a moral. .No primeiro easo u' de fec),ados os ,ius fretros, foram tras-
o direile da fora no segundo o taW da |a,|ados ,,ara a Ciipe||a do cemiterio, onde (carao
inunoralidade, squecdo o principio da autort- at ()ue ^ conC|Uain os tmulos, que Ibes sao des-
&*e- ... ... tinados.
O Brasd, paz constituido e que insereveu o seu A (hretll de Colmia annun,.a f|ue a fam|ia je
nome no livro das nac.-oes livres, mdependeiites e |tethovon protesm eontra este facto, que consi-
avihsadas, le o seu corpo dolis; mas estas nao df|.a profanadlo da sepultura do grande
se cwaprea, e, multas vozes, a luz da publicnlade, coinpo;,it,^ c jfi ,,u"0 so ,tVe conhecimento pelos
aos olhos de todos o em face da autoridade com-: ornaes
nif4te-S)! erimes e viola-so a lei! _______ _
O cont i po vamos olfereeer aos pios leitores B^g^^^^*^^^^^^^^^^^^^!g^^^^,^^^^l^^^^^
tirar limpu o que acabamos de dizer. Ello foi-
mis referido pur um amigo, pessoa lidedigua, da
mane.il a seguinte :
U
Era urna tarde do mez de novembro uKimo,
o sol j dwliua-va rpidamente para o occaso c a
brisa fresca da tarde succeda ao vento moruo das
lloras que ose! dardrja a pino, e eu da va o meu
Porto.
Segu at o flm do corrente a mni velcira barca
objecto queembarace o transito publico', ser mu- portogueza Stfmpatkui: para alguma carga
tado em 55000 por cada objecto, quo ser remov- ageiros lraU-se com Bailar & Oliveira, i
do a sua casta para o lugar que pelo fiscal fr de-
signado ; salvo os objectos mercantes desembar-
cados e saludos d'alfandega ou os que tiverem de
ser embarcados e que nao forem volumosos, de-
vendo ser escollados immediatamente. >
Conseibo administrativo.
O conselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra tem de contratar o forneci-
mento do rancho da coropanhia dos menores do
mesmo arsenal nos mezes de Janeiro c fevereiro
do anno prximo vindouro.
Pao de 4 oneas, bolacha, assucar refinado de
segunda sorte, manteiga franeeza, cha hysson, ca-
f em grao, carne verde, dita seca, faritilia da tr-
ra, feijao preto ou mulatinho, toucnho de F-isboa,
azeite doce de dita, vinagre Je dita, arroz do Ma-
ranhao, bacalliao.
Para o arsenal de guerra.
Rrim da Russia, varas 300; 10 duzas de taboas
de pinho americano de I polegada.
Para o hospital militar.
Chinellas razas de couro, pares 60 ; bules de
folha para 12 garrafas de liquido 8 ; 60 colchos
com travesearos de panno de linho cheios de la
Convento de Santo Antonio da cidade do Recife tendo 9 palmos de comprimento o 3 e meio de
COMMNICADOS.
ao puhco.
Quando as leis eonredein ao governo o arbitrio
de demttir funecionarios pblicos de certas ge-
rarebias, sempre sob a presunipeo de |o fazer
passeio do eostuine |ielo baino da Boa-Vista, quan- por utildade publica, e de haver o funecionario
do, ao passar pela Suledade, vejo, defronto de um perdido a aptidao moral, que tinha para bem des-
juarlet iwe all exisU-, um crescdo ajuiitamenlo | em peonar o cargo, qnando d*efle foi investido,
de (kjvo, de envolta com o qual dislnguia-se al- bebaixo, pws, deste ponto de vista, que o mais
guos soldados, esses a quein o poder cuaiuetentc, commum, urna demissao accarreta sempre des-
armando e vesiindo de nina farda, tem incnml.ido. conceito, e at desmoralisacao ao empregado, e por
a seguraitea do estado e a tranquillidade publica. I isso tornase urna pena grave. Tanto assim tem o
Sou lidio de inuluer, e, \ms, fui accommetlido governo eutendido, que quando demitte a pedido
pela curiesidade ; e, cncaminhando-me para o ad-' do empregado, mi por qnalquer outra rircumstan-
juncto, acrtoTClei a um, empurrei a oulro, al que ; da alheia aptidao moral do demittido, costoma
pude obtor un lugar do qual vi o que se passava ,. deve sempre declarar esta circnmstancia na oc-
no meio do grupo e que attraliia lanas aiiemoes. I rasiao, em que dispensa-o do servico, para naosu-
Era urna lula terrivcl mire tres encarnieados geita-lo (al pena,
conlendures Era urna lula de sangue E o povo Quando porm o governo abusando deste arbi-
aapplauda, em vez dff obsta-la, eos agentes da trio demitte qualquer funecionario publico, nao
orca publica faziam coro, mundo seus 'MS aP- por falta de aptidao moral, mas por interesse, des-
plausos do povo i pclos particulares, ou em sunima por outra qual-
Era urna luta de dous contra um, e essa des- ,pier razo alheia ao interesse publico, e moral,
igr.aldade levou-me, em principio, a tomar o par- |0nge de desconceituar ao servidor do estado, elle
tido do que eslava em unidade, pos, na itnpossi- qoem se desmoralisa, <
biiidade de evitar a luta, lomei interesse |>or ella; | ma do governo est
petUndo tintamente 4 Providencia que ajudasse c sensatos, dos horneas' imparciaes, que despre-^
aijuelle que combalia lo corajosamente contra | saudo a cor poltica, aprecian) seus comprovincia-
dous adversarios. nos nicamente pelo seu coinjiortamcnto e boas
Tendo os tres lutadores parado por um mo-1 ijualidadcs.
ment, earando-so reciprocamente, pude ve-Ios j a opinio publica, pos, cujo juizo esl sempre
vontade o recouheci ento que aquello que eslava cima do governo, quem tem de julgar do pro-
em uaiJade, pela |>elle demasiadamente vermelha,. | cedimento do mesmo governo em casos taes.
era um e.-lra'igeiro, sendo brasileiros os outros | Qua| a razo das demissoes ullimainente dadas
s primeiro, segundo-e tereeiro vices-presidenles
sta provincia r
dous.
A indignadlo fez-me subir o sangue cabeca,
liveimpetos de meiter-me na luta, o que, por pru-
dencia, uo realisei, e todo abrasado em patriotis-
mo, como se estivesse preseociado os desacatos do
vapor Slrimboly no porto do Rio de Janeiro, mu-
dei logo de opinio, tomando o partido dos meus
liatririos, o que liz com tanto mais gosto quanto
va que, infelizmente, a niaiona dos circuins-
tantes tomava o pariido do eslrangeiro!
A uo ser o receio de alguma pateada formal
c de ver os meus collai iiibos amai rolados por meia
duzia de cascudos, eu loria,em um discurso ebeio
de energa e palridisino, feto appello ao bros dos
brasileiros que all eelavam, convidaudo-os a se
unirem a mim coaira o e.^lraugeiro.
E eu senta aperlos no eoraco c tristeza na
alma, por ver que um grande numero de degene-
rados brasileiros applaudia o eslraiigeiro que, em
nosso proprio paz, fazia correr o sangue de ilous
patricias nossos; mas... a pateada., os cascudos...
e nada liz, lomando a posieao de mudo espec-
tador,
111
A luta recomecou mais encarnicada e com
mais sauha e furor U sangue corra por umsem
numero de feridas que os lutodores liaviaiu rece-
ido, e as pontcagudas armas de que se serviam :
gotejavam sangue de queeslavam ensopadas I
Era una scena de canibalismo, e o povo e a
forca publica applaudirem-u'a !
O estrangeiro, mais liarte e mais desiro e
amestrado, levava graude i'autagem sidire os seus
dous adversarios, que pareeiam extenuados do for-
as e de alentos.
Um golpe certero e profundo atirado pelo es-
trangeiro, 1,'incou por tena um dos seus adversa-
rio-", que, rulando na arela, exbalou o ultimo sus-
piro!...
E (vergonha !...) os espactadores vicioriavam
o esiiiiugeirocom urna roda de palmas !
A iota duroii mais alguns momentos, e o ou-
lro bra^ileiro, todo crivado de leridas e sem ocon-
iii >u .lo seu infeliz companheiru, quo morrera
sua vista, deilou acorrer, caldudo a poneos pas-
tos de distancia desfallecidoe quasi moribundo
IV
O nosso amigo parou, como se tvesse lindado
sua narradlo, e nos, que, ao passo que elle conla-
v,i-nos io sangunokuita historia, amos em urna
tira de papel fazeudo a introdueco ipte l tica em
cima sob o algarismo I aprveitaado as im-
pressoea que tal narrago disputava em. nosso
espirito, nerguntamos-lhe, como qualquer leria
perguntodo:
E o povo, os soldados e a polica nao pren-
dern) esse cMrangeiro assassino, e nao o luvaram
para a casa dedetencao ?
Como disse elle admirado ; prender a
<]uem '.'
Ao estrangeiro que assassinou os nossos dous
patricios.
Mas, homem de Deus, uao vs que eu lenbo
fallado quasi sempre liguradamonte, a nao te disse
em principio, quem eram os combatentes !
Nao, s disseste que estes eram um es-
trangeirn e dous brasileiros.
Ab I perdoa, foi descuido meu. TranquHsa-
le, porque os tres combatentes aran : um gallo da
India, e dous da ierra. .
Entretanto, na persuaso de que so tralava !
de pessuas e nao de gallos, liz aquella introduc- '
dio na qul est envolvida urna censura auto-
ridade, por nao cumprir a lei...
Nada se perde, por isso ; se ella nao tem ap-1
aos
de
O Exm. visconde de Camaragibe um desles
pernambucanos aem conhecidos MO s na provin-
cia como em Iodo o Brasil; exercendo o lugar de
viee-prosidente, f-lo com tanta descripeo, que
agradou a populadlo sensata da provincia"; ainda
mesmo aos seus dsalTeicoados polticos.
O Exm. Sr. visconde um destes Brasileiros,
cuja vida particular e publica e sempre foi es-
coimada de quantos dol'eitos pdein por qualquer
forma mareara vida de um homem; um destes
funecionarios pblicos, que sendo austero no cum-
priincnto de seus deveres, todava lino, e urbano
no seu trato ; que possuindo urna boa fortuna, ad-
quirida por ineios legitimo, que o loma lampen*
denle, no orgulhoso, nao tem basolla, mas sim
modesto em todos os seus. aclos, qoali*ades estas
i\m seus piopros inniigos polticos l'has nao con-
leataaa; um desles pernambucanos, em sunima,
a|H*eciado pela parte pensadora de todos os credos
polticos do paiz.
o Exm. Sr. r. Portella igualmente bem co-
nliecido nesta provincia, onde exercen por tres
Vozes o lugar de vicepresidente com tanto tino
e illuslracao, que agradou o merecen a approvaco
de todos.
O Sr. Dr. Portella pelo seu eomportamento ho-
nesto, e urbano, goza -Bata provincia de eral
sympalhia e consideradlo.
0 Exm. Sr. bariio de Vera-Cruz, se bem que
nunca drigisse as redeas do governo, onde se po-
desse julgar de sua aplidp administrativa, todava
c um homem de um carcter probo, de urna vida
honesta, c de una intelligenca cultivada, sendo
alias mu proprietario rico, que vive com muila in-
dependencia e modestia.
E estes homens que o governo demitte
dos lugares de primeiro, segundo e tereeiro
vces-presidentes desta provincia, sem dar ao pu-
blico a menor razo justificativa do seu acte.
O governo portanio abusou escandalosamente do
arbitrio que Ihe do as leis do paz, porquanto em
Lies demissoes nao leve em vista o bem publico,
nao quiz moralisar ; mas s exercer una vingan-
ca niesquinha e torpe.
O governo portento nao dcsconceituou, nao des-
moralisou aos demittdos, porque estes coniinuam
mereeerdos|seusconcdados as consideraces e a
preeminencia devidas s excellentes qualidades
que os ornan). Esta glora bem entendida deve
acompanhar aos demittdos; lieando ao governo
os remorsos de semelhante acto, que o desmora-
lisa.
O lnqinrri.il.
No da 18 do torrente, s 10 horas do da pouco
mais ou menos, prend um cocheiro, porque ha-
vendo abandonado o carro e os cavaltos que con-
duzia, e ordenando eu que Imuvesse de collocar-se
no lugar em que devia eslar, respondeu-mc com
toda a insolencia e atrevmenlo que nao o faria, e
19 de dezembro de t863.
O guardin
Fr. Joao Baptttta do Espirito Santo,
Pilvlas
de
vegetacs assucaradas
hem'.
Qualquer urna pessoa que se snta attacada da
bilis etc. que fa$a uso destas admiraveis pilulas,
por este meio ter tomado a maior das precaugoes
contra todas as molestias epidmicas. Urna so
dsc pode salvar urna pessoa da febre amarella,
do cholera, ou das febres intermitentes biliosas.
Produzera um effeito verdaderamente maravi-
Ihoso em todos os desarranjos do figado e do
vcotre.
Ellas se compdem exclusivamente de substau-
medicina fortificante que
largura; 12 copos de vdro para agua; 12 bacias
de rosto; pratos 40.
Para a rompanhia dos menores do arsenal de
guerra.
GaJ, galoes 20.
Quem quizer vender taes objectos aprsente
as soas propostos em carta fechada na secretara
do conselho s 10 horas da manha no dia 30 do
corrente.
Sala das sesses do conselho rdministrativo pa-
ra fornecimento do arsenal de guerra 21 de de-
zembro de 1863.
tateme Pdro de S Barreto,
Coronel presidente.
Srbustiiio Antonio do Reg Barros,
Vogal secretarie.
Consulado provincial.
Pola mesa do consulado provincial se faz publi-
Para o Klo de nucir
At o da 30 do corrente pretende seguir im-
pretervelmonte o patacho nacional Beberibe, para
o resto da carga qne Ihe falta e emravos a (rete
para os quaes tem excellentes commodos tratase
com os seus consignatarios Antonio Uiiz de Oli-
veira Azevedo tS C, no seu escriptorio ra da
Cruzn. 1.
DR
Um grande sobrado de un an-
dar na eldade do Araealy.
0 agente Almeidafar leilao requerimenlo dos
administradores da massa fallida de Seve Filhos
4 Comandado do llm. Sr. Dr. juiz especial do
commercio, de um sobrade do um andar com 35
Irnos de largo tendo 3 janellas na trente,, na ra
s Flores da cidade do Aracaly em chaos forei-
ros cmara municipal de dita cidade.
Sfvta-lrira 8 de Janeiro de 1S6I
porta da assocado commercial s II horas : os
pretendentes podem obter qualquer informadlo do
agente cima.
AVISOS DIVERSOS.
Kio de Janeiro.
0 brgue brasileiro Trocador segu com muita
brevidade, pode receber carga e eseravos frete,
tratase com os consignatarios Marques, Barros &
C, largo do Corpo Santo n. 6.________________
cas vegelaes e ser urna ..
nunca debilita, pdem |wr isso ser administradas co que os 30 las uteis marcados pira a arrecada-
eom a mesma seguranca tanto s crianzas as mais j (_o Iwcea do cofre do 1 semestre do anno linan-
Para a Baha
O palhabote Garibuldi pretende seguir com bre-
vidado |iara este porto, tendo parte de seu carre-
gamento, e para o resto trala-se no escriptorio de
TassoUrmos na ra do Amorim.______________i
saldr com a maior breviiade o bem couhecido
brgue portuguez Relmpago : quem no mesmo
quizer corregar ou ir de passagem, para o que of-
ferece os melhorcs commodos, dinja-se ao consig-
natario Thnmax de Aquino Fouseca, roa do Viga-
rio n. 19, primeiro andar.____________
Para Lisboa pretende sahir com muita brevi-
dade o patacho Jareo, capitn Jos Marques Coe-
Iho Solrinho, por ter parte de seu carregamento
tratado : para o resto que Ihe falta, e passageiros,
tratase com os ^e_s consignatarios Palmeira _
Beltro, largo do Corpo Santo #n. i, primeiro
ndar. ____
tenras como aos homens mais robustos. Sao as
nicas plalas desta natureza que se acham acon-
dicionadas em frasquinhos de cryslal e sao mapre-
ciaveis como o melhor dos remedios para as pes-
suas de ambos os sexos, seja qual fr a sua idade.
Encontrar-se-ho etff todas as lojas de drogas e
na bolica de Bravo i C. c de Caors & Barbosa.
COMMERCIO.
NOVO BANCO
DE
PERNAMBCCO
O novo banco de Pernamhuco convida os
credores das massas fallidas de Mosquita i Dutra,
c Francisco Antonio Correia Cardoso a apresenta-
rem seus ttulos no banco para se proceder a res-
pectiva verificacao.
EM 22 DE DEZEMBBO DE 1863.
ceiro correle de 1863 1861 dos imposto, da de-
cima urbana das freguezias desta cidade e da dos
Afogados, e de 5 0|0 sobre a renda dos bens de
raz pertenrentes corporacoes de mo morta se
principian! a contar do dia Io de dezembro vin-
douro.
Mesa do consulado provincial de Pernamhuco
25 de novembro de 1863.
Antonio Carneiro Macliado Hios.
Administrador.
Pela ihesouraria provincial se faz publico,
que a arremataco da obra dos reparos de conser-
vadlo de que necessita a ponte do Anjo sobre o rio
Serinhem, foi transferida para o da 31 do cor-
rente.
Secretaria da thesourara provincial de Pernam-
huco, 17 de dezembro de 1803.
O secretario,
A. F. tFAnnunciarao.
Correio feral.
Pela administradlo do correio desta cidade se
faz publico que em vrtude da convenco postal
celebrada pelos governos brasileiro c francez, sc-
_.u __ ..r. ''^r;.ui>n<, _-*.,_ rSo expedidas malas para a Europa no dia 30 do
O banco de^sconto na presente semana a o.to por ^^ mM_ Ag CT'rfas ser5o rcKcebid3S ate S ho.
cento ao anno at o pras de quatro mezes, e a dez
eai se a^h_rporqae ackipor cerno at o de seis mezes
o juizo dos homens honestos" "
^. Alfandcga
Rendimento do da 1 a 21........ _17:663_663
dem dodia22................. 19:03iAo9o
136:69652o8
Jfovintento da alfaudega
Volnmes entrados com fazendas...
com gneros...
ras antes da que for marcada para a sahida do
vapor, e os jornaes at 4 horas antes.
Administraeo do correio de Pernamhuco 19 de
dezembro de 1863,-0 administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Voluntes sahidos
com
com
fazendas..
gneros...
234
584
Descarregam no dia 23 de dezembro.
Barca porlugueza.uVwi-cafo e barricas vasias.
Barca \n&euiBUt$k Qmia arvio.
Brgue escuna francezPiteissal.
Barca frauceza Solferinomercaduras.
Barca franeezaGuerrierca vo.
Itecebedoria de rendas Internas
geracs de Pernainbuco.
Rendimento do dia I a 21........ 32:0905080
dem do dia 22................. 1:6W_MX)
I liralio de Apnilo.
SOCIEDADE MELPOJIEXi: PERN.lMBlCANA.
De ordem do Illm. Sr. director, participo aos Srs.
socios que a segunda representadlo do mez de de-
zembro ter lugar quaria-feira com o drama em
tres actos O Mendigo Negroe a comediaA
Roda Viva.
Os Srs. socios que ainda uo satsfizeram suas
jotas e mensalidade, queram o fazer at o da do
espectculo na secretara da mesma.
Vicente Ferreira da Silva.
1. secretorio.
Para o Klo Grande do Sul.
Saldr com brevidade o brigue nacional Corum-
b, recelie carga a frele e eseravos : quem quizer
uelle carregar eutenda-se com Manoel Ignacio de
Oliveira & Filho, largo do Cogi Santo n. 19.
Para o Rio de Janelro.
0 patacho nacional Capuam, pretende seguir
com muita brevidade, tem parte de seu carrega-
oieuto eugajado, para o resto que Ihe falta e es-
eravos frete para os quaes tem bons commodos
trala-se com os seus consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo _; C., no seu escriptorio ra
da Cruz n. 1.
LEILOES.
<-9t i\_h:
33:7335380
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 21......... 82:266_931
dem do da '-'2................. :700$913
88:9(17*804
MOVIMENTO DO PORTO.
yavios entrados no dia 22.
Jlavre36 das, galera franeeza Solferino, de 376
toneladas, capilo L. Ainc, equpagem 16, carga
difierentes mercadorfas; a Tisset Frere C
Lisboa3o das, brigue portuguez Florinda, de i
223 toneladas, capitn Joaquim Augusto de Sou-'
za, equpagem 10, carga yinho, batatas e outros
gneros; a Amorim Irmo.
Sacio sabido no inesnw dia.
Rio Grande do Nortebrigue inglez Glaucas, ca-
pilo Williaii) Jones, em lastro.
DECLARARES.
NOS
Saldes do caes de Apollo
A meia noile tlcpois da missa do gallo.
O proprietario dos mesmos espera v bom aco-
Ihimento da rapazeada do bom gosto, por ser o
grande dia de festa; assim como das senhoras,
quando acabar a missa. Acharan o bello entrete-
nimento, de que nada deixaro a desejar os res-
pectivos divertimentos, nesles das de festo na-
cional.
~~ AVISOS MJLMTIMOS-
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do sul esperado
at o dia 30 do corrento o vapor
Cruzeiro do Sul, commandante o
capitao de mar e guerra Gervazio
Mancebo, o qual depois da demo-
niora do eoslume seguir para os portos do norte.
Desde j recebora-sc passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder condiizir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada : encom
i']m cn< iiii;;' de nianhSa c a
nolte.
1. Falque, querendo lipndar, far leilo de to-
das as fazendas existentes no seu arraazem da ra
do Crespo n. 4, constando de urna grande porco
de ronpa feita de todas as qualidades, calcado,
perfumaras, bengalas linas, chapeos para homens
c senhoras, urna immensidade de arligos de luxo,
sendo tudo vendido sem lmites e em lotes a von-
tade dos compradores.
ffoje s 10 lloras da ma-
nhaa
0 agente ALMEIDA competentemente autoriza-
do ar leilo das fazendas cima declaradas, e
convida aos seus freguezes e amigos aproveitarem
a occaso de se proverem de muitos arligos nc-
cessarios c outros proprios para presentes de
festo, cuja ac.quisico ferie por pouco dinheiro.
O mesmo agent para salisfazer o pedido de
muitos pessoas tem resolvido fazer uin leilo es-
pecial das 6 s 9 horas da noile.
0 cirtirg ao Lc>d mwloit
a sua residencia da ra do
Queimado para a ra das Ci a-
2es sobradp h h(T prime i rn
indar, por cima do anuazem
/Yof/rmi.s-tVi, aon'lc o qchurdo
como sempre prompto a quid
qw.r hora para o exercicio de
sua pr cripta.
lotera extraordinaria
Aes 10:0005000 e _:000000.
Corre anianhaa.
O abaixo assignado tem resolvido ex-
tra-ir no dia supra mencionado, vespera do
dia de nascimento do Redemptor du Uni-
verso, urna lotera extraordinaria, a qual
a quarla parte da quinta em beneficio da
igreja de Nossa Senhara do (uadelupo de
Olinda, e a sua extraeco ter lugar no con-
sistorio da igreja de N. S. do Rosario da.
freguezia de Santo Antonio.
Os bilhetes e meios acham-se venda na
respectiva thesourara i ra do Crespo n. Ii>
e as casas commissionadas ra da Impera-
triz n. i4, toja do Sr. Pimentel; ra Direita
n. 3, botica do Sr. Cbagas; ra estreita do
Rosarie n. 12, tyjtographia do Sr. Mira e ra
da Cadeia n. 45, loja do Sr. Porto.
Os premios de 10:0005000 at 20500O
sero pagos urna hora depois da extrcrao
e os outros no dia seguinte depois da dislri-
buico das lists.
0 thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
O Sr. Jos Francisco Pinto Guimares, cirur-
gio pela escola real de cirurgia de Lisboa, Irans-
ferio sua residencia para a ra Nova, n. 60. pri-
meiro andar, onde pode ser consultado todos os
dias uteis das 7 s 10 horas da manha, acerca das
doen^as denominadas cirurgicas ou externas e-; -
cialmente daquellas, em cujo tratamento mais Irc-
quentemente intervem a medicina operatoria.
Nesta tyjiographia precisa-se fallar ao
Sr. Frederico Skiner escultor,_________^^
Para o Illm. Sr. thesoureiro das loteras da
rrte Irr.
Ilernardino Alvcs Ferreira tendo perdido o meio-
lnllieie ti. 2866 da .'t' lotera para o melhorament
do estado sanitario, de cujo meio btlhete era pos-
suidor, pede ao mesmo Sr. thesoureiro a mcrce de
dar as providencias que julgar acertadas, acerca
da apresenlaeo do referido biIhete.
a pessoa que enlregou urna carta no arnia-
zem da ra aova de Santo Rita n. 19, viuda do-
Assd para Manoel Pereira Lentos, tenha a bonda-
de apparecer no mesmo armazem, visto ignorarse
sua morada.________________________________
Joaquim Pereira de Miranda retira-se para
Portugal.
Naques sobre Portuga
O abaixo assignado, agente do
mercantil Portuense nesta cidade, saca
fee vainente por todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
3ualqner somma, visto e a prazo, po-
endo logo os saques a prazo serem des-
contados no mesmo banco, na razo de i
por cento ao anno aos portadores que as-
sim he convier : as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. SI.
Joaquim da Silva Castro.
DO
('asco, aoparcllio e mais pertences do
hiale na ion I Jaguaribe.
iio.ii;
A rcquerniento do capilo do hiate nacional
Jaquarihe, Pedro Jos Francisco, e por despacho
do Illm. Sr. Dr. juz do commercio por intermedio
do agente Pestaa rao a leilo todos os pertences
do mosuio hiate, coussliudo em veame, pulame,
cabos, correntes, mastros, vergas, ferros, etc., os
quaes se acham no armazem do baria do Livra-
inenio na ponte nova onde ser elfectuadoo leilo
quarta-feira 23 do corrente pelas 11 horas da
manha.
LEILAO
'viul-i kan d-i \\ ist'i'ii-oi'il i;i do Hecife "lendas e dinheiro a frete at o da da saluda as 3 ;,.,
Milla tasa oa Mibentoiou ao neuia. h cia rua daCm n { escriptorio de sunra (l"0-
A Illm. junto administrativa da Santa Casa de Antonio ^ de oliveira Azevedo & C.
Misericordia do Hecife manda fazer publico, que a
prara do forneei ment de gneros que bou ver de
consumir os estobelccimcnlos pios cargo da mes-
ma santa casa, no trimestre de Janeiro marco
prximo futuro, annunciada para o da 17, foi
transferida para o dia i do corrente, e ter lugar
pelas 2 horas da larde na sala das sessdes da refe-
rida junta.
Secretoria da Santo Casa de Misericordia do Re-
cife 21 de dezembro de 1863.
O escrivo,
A. F. Caducante Couueiro.
Pela subdelegacia da Capunga se faz publico
-que se acha na mesma subdelegacia um crioulinbo
de anno e meio de idade, pouco mais ou
DE
Una caiva com mimlczas.
1IO.II.
O agente Pinto far leilao reqnerimento de
Guilherme Augusto Rodrigues Sote e por manda-
do do Illm. Sr. Dr. juiz especial do commercio, de
urna caixa com miudezas penhoradas Francisco
d Sales c Silva existentes no deposito geral
(casa em frente a secrelaria de polica) onde se
elTectuar o leilo s 11 horas em ponto do dia
LEILAO
plicadwao easo dos gallos, nao faJtarao outras e eu tiquei bem persuadido deque desengaados
que se posta npplirar. os protectores do insolent cocheiro, de que de
que se eu quizesse prendesse-o, que era o mais' qual nao sabe dizer o nome que deve ter, e ia sen-
que poda fazer-lhe. do victima de um matulo que tente va furla-lo,
Mandando-o efleetivamente conduzir para a casa cujo matuto pondo-se em fuga, dcxou dito criou-
d delencao pelas ordenanzas, dirig-me para a linho no caminho denominado Corredor do Bispo:
polica, aonde, apenas cheguei, v-me cercado do quem se julgar com direito a referida crianca, pr-
empenhos e pedidos para soltar o dito cocheiro, vando, Ihe ser entregue,
que enlao soube ser da viuv do fallecido neg-1 Pela subdelegacia de S. Jos, se faz publico,
canta Manoel encalves da Silva. ue se acha recolhido casa de delencao a preta |
Taes pi'didose empenhos continuaran! al o dia Sarcza, que diz ser eserava de Joaquim Lopes da;
19 s 10 Itoras do da, porm en nao ced ne- Cnnha, a qual fra apprehendida no engenho da
nhum, por entender que assim devia fat-lo. Scrra, freguezia da villa do Cabo ; quem fr seu.
Depois desta hora nao me importunaran! mais, legitimo sennor, provando, Ihe ser entregue.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE DE
PAQUETES A VAPOR. Quarta-feira 23 do corrente s 1
Dos portos de norte e esperado i q a(?ente Olimpio em seu armazem rua do
al o da 1 de Janeiro o vapor I imperador n. 16, vender em leilo e seguinte :
Princeza de Jomtille, eomman- 200 (>a|m0s de canos :de barro para esgoto das
dante Araujo, o qual depois da 1 agnas dos lelhados, 1 boi de carroca, aiwrsos
demora do costume seguir para trastes novos c usados, 1 realejo grande en 32
os portos do sul. pecas, urna porco de ojjectos americanos proprios
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a! para a presente estacie, 1 eabriolet omito bonito,
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever i burros e cavallos ottjectos de ottro o prata, I
ser embarcada no dia de sua chegada, en.>)mmen-c|..irjllo,a.COni chases de metal, urna porco de
menos, o das e dinheiro a frete at o dia da sahida as 2 ho-' pa|iols de seda pro(irioi para os dias santos de
Mudanza de estabeleei-
meiito.
Flix Venancio de Canta I ice avisa aos seus nu-
merosos freguezes d'aqui da provincia como de l--
ra, que mudou seu estobelecimento de alfaiale da
rua do Imperador, para a rua Nova n. 19, no qual
est sempre prompto para cumprir com qualquer
encomenda tendente a sua arte.
yjjj Precisa-se de urna ama eserava que se- y
ja boa engommadeira se preste a iodo o ^*
M servido de urna casa de familia, excepto Jif
g o de cosinha : na rua estreita do Rosario *j
(5 n. 31, tereeiro andar. &
mwmmwm mw.mm.w.K
Aluga-se o sobradinho da rua Imperial n.
10, com excellentes commodos para familia : a
tratar na ma da Cadeia n. 62, segundo andar.
Precisa-se de i:0005, pouco mais ou menos,"
mediante um juro regular, com hypothcca em es-
eravos ou predio a pessoa que quizer fazer este
negocio pode deixar o seu nome e residencia sobre
as iniciaes A. L. P. C. para ser procurado, na rua
do Ouro n. 69.
Dentista americano
De \cw-Vork. roa do mi-
rador n. 63.
Dr. W. H. Me. Grath, offerece ao res-
peitovel publico de Pernamhuco os ser-
vicos de sua protisso, todas as opera-
coes da bocea e denles sero exeetttadas
com o ultimo e muio melhorado princi-
pios de cirurgia dental.
Subdelegacia da freguezia da S. Jos> 11 de de-
zembro de 1863.
ras, agencia rua da Cruz n. I, escriptorio deAn-
tonio Luiz de Oliveira Azevede & C.
COMPANHIA PERNAMBUGANA
DE
Xavega?5o eosteira a vapor.
O vapor Jaguaribe, comman-
dante Lobato, segu a dia 26 do
ctrrente as 5 horas da tarde
para Macei e escalas Peaedo e
Aracaj. Recebe carga al o dia I
Encommendas, passageiros e dinheiro a fre-'
festa, e outros muitos
fadonho nenrionar.
artigos que sc,iornam en
ma
22.
te at o dia da sahida as 2 horas
criptorie no Forte do Mallos n. 1.
LE LA
DE
Diu sobrado de 1 indares
Senza'a ft\\* o. i4fe f
4|iiinta-relra 4 do eorrente.
O agente Pestaa logalmente auiorisado vende-
r em leilo e soasado de 3 andares a roa da
da tarde : es- Senzala Velha n. I'Q, com
Contina para alugar-se a casa n. 72 da rua
Imperial, com bstanles commodos : a tratar rom
Jos Dias da Silva, na rua do Imperador, sobrado
n. 2, eutrada pela rua de S. Francisco.
Ama.
Precisase aUma ama para urna casa de pouca
familh : na prajfr BarpoSantn. 17._______
Aluga-se o sobradinho de um andar da rua
da Penha n. 13: a raa Neva, lja da H. Domonte
T ?e inra quem alaga.
t~^ktlknado deelara ser morador na
Piedad* oa%efuezk de Muribeca, podendo ser
procurado para os misteres de sua profisso de so-
licitador, aa roa do Queimado n. 30, primeiro an-
dar, daaO horas do dia s 4
da larde, depois da
ii 29 palmos ,de frente e I chegada do vapor, e antes da partida.
88 de fundo, em chaos profMtt, no vator de..... Hermenegildo Eduardo Reg Monteiro.
^
.



i
'
r
1
Diario de Pernasnhuco
Qliatia feira t3 de Drzeniliro de 1863.

ESTRADA DE FfiRKO j AOS 10,000:000
RE(;iFE\S.FRV>CISCO CAS* 1)4 FORTUNA
.Nos sagm |iara viagoin de ida o villa as estacos de
U im-leira e Una, no trtiin ordinario do passa-
Iteiros, sero polo preco dos do viagein singel a
saber :
Gamoleira i* classo 35800
2- 44200
3' 35100
l'na 74200
* i 54100
3- 44000
AssignadoR. Austin,
_________________Superintendente interino.
GRAOTE
0 dentista que tira dentes
sem dr.
Achase de passageui para Europa nesta Musir
capital e dentista Julio C. Pedrolla, doutor em va-
rias srioneias, e mora em casa particular, na roa
JWSS "," 4ii d?fr0.8te h0teld segundo andar Porlanto approveite quem qner pnra-a corte-do Rio de Janeiro, nao pode pela bre-
*hrJ-,' Km-ii'"* l*V*.a 6*" mAt,M*5 vid.ae de sua via8e espedirpossoalmente de !
nhora e as famdias nao tona mcommedo *- toda s pesseas que o honran com a Ma antea-
h.r de ca* a-motor sol, o dentista vai era todas de,o que mullo sent, e por sm usa por mel des-
as easas aonde lar chamado. Quande aprsenla- t despedir-se de todos, e oflerece na mesma corte
se a cavallo ao publico as operac^es sao sempre o seu pouco presumo para ludo manto for do sen
gratis para a pobreza. servieo.
Tem reseguales remedios: -------rr-------------------------rr,----------;--------
Mulmm knienica do Or. Ricaartt paraamolecor -~ A"- casa terrea n 10 da ra do *ra-
os domes oengWs 0 faze-Ios rahir sera ajuda de S1 T"1 so 8enw Pra algurn esUbelecnneato
ierro; ambrosia do Br. Bnchardal para fazer pas- ou. n,c'na .: 4"* Pretender, ilinja-se ao quar-
sar ador dos deub em dous minutos ; pomada '"c polica a tratar com o capilao Teixeira u
dos pwlrrtt caputkinkos da trra santa para curar na b0,,ca D; 6 da Praa da Boa-Vista, que achara
,sipell,i, rheumathmo, escroto inrkado c fervlas; cm qoemaier negocio sobre p dito afuguel; na
xaropt mexicano para curar todas as molestias lo mesma jwlica ah| encontrara a chave para se cor-
|Mito como pkttsica poUnnnur. asthma, pnchatnen-, rer a ""
Bllheles garantidos
A' roa d Crcspu a. 23 c easas a eestanie
Amanhaa 24 de afrente se exirahir a quarla
parta da quinta lotera de N. S. do Guadalupe.
O abaixo assignado recommendando o respei-
lavel publico a compra lo seus inuilo afortunados
bilhetes garantidos, tambra-llie a vanlagein que lia [
em recebor os premios |ior inteiro, por quanto'
quem tirar a sorte grande em bilhete garantido
nao recebar soincule 8:4004, em virlude dos
desconlos de 16 por cenlo que I he faro em vista
das leis, mas sim os 10:0004, que vem a ser os
ditos 8:4005 e mais 1:6005 que pagar o abaixo
assignado, importancia de ditos desconlos. Os pre-
mios sero pagos como de roslume.
Presos.
Bilhetes inteiros..... 124000
Meios bilhetes...... 4000
Quartos........ :t4000
Para as pessoas que compra rem
de 1004 para cima.
Bilhetes........ 114200
Meios.........' 54600
Quartos. ........ 24800
Manad Martins Fiuza.
FAZENDAS DE BOM GOSTO
bTSo^uL efcS yO.** **"* m tm "* "* **" I-e .em viudo a Pernambuco.
Lindas sodas de cures a 24200 r*. o covado.
Ditas de ditas do quadrinhos a 14 e a 14200.
Morcantique carmezim cor da moda a 14200 o covado. '*-*-
Superiores cortes de blmule para noivas. | .*
Lindos cortes de crep de Hespanha com barra de cutes u mais lindas de se pnv-deseinr
Garles de laa com barra de ci'rr. JSmSf-
to.toue ailarro falla derespianlo, etc.: na ra Atoga-e um sitio na Capunga velha, com
do Irapiclie n. 44, segundo andar._____________ boa casa, contando 4 quartos, gabinete, cacimba
A |iessua que annunciou precisar de 1:0004 com ,,oa alfu;,> 'fuartos para pretos, estribara e
a proa, dirija-se ra da Praia a. i fnioteiras, iodo murado: quem o [irelender, diri-
ja-se ra do Crespn. 8-, primeiroandar.
Alnga-se o 2* andar
Imperador n. 711, bastante
do sobrado da roa do.
fresco, e decente para
Precisa-se de urna criada que saib engom-
tim'a familia : a tratar com Antonio Jos Rodrigues mar e cozinhar : na ra do Crespo n. IR, primei-
Oitos de laa com barra aijaille.
Linde* corles de grin*lin.'de seda com barra le gostos inleiranwnte novos.
Linda fazenda para vestidos donominada erepc de Hespanha dp cores mui lindas
Superiores fia e cores matisadas. 'jd^
Grande e variado orlima-vo de pensiles de foros para vestidos.
Hito de chitas francezas omito Anas escuras, claras e matisadas.
Lindas calilineas para vi stido,gostos inteiramente novos.
"laorancos bordados e eulras inntas fazer
Superiores corles de camliraTawancos bOMaoo e eulras muitas f.iz. ndasfc, Uosio para vertido de senliora
Para htjkiw fe niioras.
Superiores apas pretas a 204, 254, M4.. 404 c 50*. **W
Santicmuaripies de oaaibtata ricamente enlutados.
Oitos de cachemira de cores e brincos entortados rom muito gosto.
Lindas capas de caxiraira de cures as mais modernas quetem vindo a esta praca ^*%r'
Superiores toaros de cambraia e de seda preta.
Lindos postilboes do merino do edres.
GrarnJe e variado aortimonto de camisinhas bordadas
dem de chales de merino lisos de barra estampadas de qaadros e de crep a 44300, 9* 6* 7* 3* U e
Para cahe^a de senliora.
Superiores chapelinas de palha de Italia.
Lindoschajlnos de palha de Italia enfeitados com muitogosloe grande variedade para ecolher a
2fcaoHme. Variado sortimeoto de onfeiles denominados conservadores para cabera.
. / Bordados.
Grande sortimento de entremeios bordados'a 14.14200 e 14500 a peca.
Linda tiras bordadas largas a 24, 35 e i5 a peca. '
Calcas bordadas muito finas para senliora.
Superiores e modernas saias bordadas.
<*
km !
104.
124,0$ e 164-

fiab ntW metiro ci'-urjeicar ra f!os
Flores d. 37.
0 Or. Bslevao Cavaicanli de Albuinnerqne (|,
consultas medi cirurf icas em seu gabineie das
8 as II limas da manliaa e das 11 ale as 3 horas
da tarde, os chamados deverio ser |ior enripio e
dessa lioraem dianie diver ser procurado na ca-
sa de sua residencia no Chora-Menino.
1.* Partos.
1* Molestias de pello.
1.* dem dos othov
4. dem dos orgaos genitacs.
Pjaticar toda e qualuucr oporagao cni sen ga-
binete ou em casa dos dOentes conforme Ibes IYm
mais coofeiui'iiie.
= Na roa do Crespo n. W, luja, desoja saln-r-si
onde assisfoe lllm 8r. Brnz Maiiet, alim de rece
ber-se nina oncotmnanda que trouxo de Paris para
>er entregue a J"-<; clos Santos .\eves.
Uilbete ptriliri
^ety) a pessoa apa actimi o nielo bilhete u.
281 7t lotera para o mellKiraiuculo do otado
sanitario, n favor di e||rega-Trna ma ilo Trapiche
n. 40, sogurtmrSinom fot sera generosamente re
P'-dando hypo-
ler'annuncie para
se tratar.
Sspartilhos su|ieriores e oufras umitas fazendas de gostena leja das columnas ra do Crespo n. 13, de
Pechincha sem igual.
Antonio Correia de Vasconcellos
par* lodo Mrtilwwmv*ht poicx
familia: na rda Impprlal n. 31
<** gn> lmc*r.
Orna loja e primeiro ajxtor na ra das Cruzes,
urna casa terrea na wa da Alegra, um terceiro
andar e sotao na ra do Encantamento : a tratar
com Joao Riheiro Lopes, ruada t'^deia n. 33, lojo.
- Antonio Jos Rodrgaos e Souza, na ra do
Crespo n. 15, precisa alugar um moieque pan o
servido de casa de familia, e que saiha bolear car-
ro, sendo de bons costumt.
^r, Na.mae"'kj* da5 co,unwas vendase cortes de cainbraia orgamlys de barra de duas saias c de babados matisados com
corte a 04, 0,5, ioj e 1*4 o corle.
14 a
16, varas
cada
1 ro andar.
O Sr. Lab Paulino Cavalranti de Al-: *" ^ sMo 8 Jun,,J <" Hospital Portuguez,
tW>p,m|tK>. tem ama car!:, pesta typographa. SV^S^ ZJfft&\'*S:
A C'intHeereio e o publico em peni.
Joaqmm Pinto de Miranda, tendo arrematado
em leilo. por mandado do lllm. Sr. Or. juiz espe-
cial do eommereio, a arinaroe mais objectos da
loja de modas da ra Nova n. 50, que foi perten-
cenle a madama Rosa-Hardy, vem particqiar ao
respeii.ivel corpo do eommrcio e ao publico em
geral, que conlimn no mesmo cstat>elecimento
com o eommereio de modas e fazendas, fleando
na gerencia do r. terib estabelecmonto a merma
madama Rosa-Hardy, que fica com procoracao
bastante com todos os poderes para por elle ser
represen lado : e para que isto cliegue ao conheci-
inento ile todos os freguezes e do eommereio para
que ni,) se chame a ignorancia faz este que far
publicar por tres das. Recife, 20 de dezembro
de IKK
qureer
vender, leve-o ao mesmo sitio, que achara com
quem tratar.
i:nsino de prcparatprlos.
O barharel A. R. de Torres Bandeira,
professor de geographia e historia no
Gymnasio desta provincia, contina a
ensinar estes meamos preparatorios, e J
bem assim rhelorica o philosophia. Os-1
eorso esiao abertos para cada urna des-
las disciplinas, na casa da residencia do
annuncianlc, na eslreita do Rosario n.
M, torean o andar.
Sabio a luz a tradaeco da Kpiphania do pa-
dre J. Ventura, feta por um calholico. Dividido
em oito leturas, conlm este lvro a mais bella ex-
posc.lo do mysterio da vinda dos Magos ao prese-
pio de Belem. O nomo de seu autor o sea mais
RECIFE AO S. FRANCISCO.
Do primeiro dejaneirodel864 at outro avfeo, as partidas dos trens serAo recula-
das pela segiiinte talla.
t aliaixo as.-i^nado pde as pessoas que completo elogio.
titn lnlhetes encommcmladoso favor e ir K um livro utilissimo para
li;is:a-|ps atom'io tlia da vespera da ex-
tra-rio, pois t deixar de os vender at
esta Imra.
O thrsouretro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Os a ti ministradores da
viassa fallida deAmorim, Fra
(I zn% Sanios i Cconoid m s
v i'dores di mesma massa para
110 praZ de H das aprsenla- exemplar encadernado.
rem os seus ttulos, no escripia
rio da ra do Vigario n 21,
primeirc andar, afim de serem
verificados, das 10 horas da
m.inhda as'3 da tarde, Ver
nambuc- 22 de de.cmbro de
18(:J.
a edueacao moral e
religiosa das familias nao so pela sua" doulrina e
conhecmento de um dos maiores e mais consola-
dores uiysterios de nossa reJigiao, com pelas ora-
coes que acompanham a todas as leilurs. K um
interossantc oilavario para a celobracao da festa
dos Reis Magos.
O seu producto o destinado pelo autor para au-
xilio do collegio de orphiios, que o virtuoso hispo
do Cear est fundando na capital de sua (Hcese :
este annuncio portaalo um appello s almas
christ;>s para ipie concorram com urna esmola
para niA'im lao po e to louvavel.
Venera e na livraria da ra estreila do Rosario
n. 12, o nMivraria econmica de Xogueira, a 24 o
AMA.
Precisa-se de urna ama para r com urna seuho-
ra para o Rio : a tratar na ra da Iinperatriz nu-
mero 82.
ESTACOES
Cinco Ponas (partida)
Afogados .
Roa Viagom .
Prazeres .
ka .. .
Cali ....
l|Ktjuca. .
(inda. .
Timb Assii .
Escada ....
Frexelras .
Aripb. .
Riheirao .
Ganielleira .
Cuyamunca .
Agua Preta .
I'na (ebegada). .
Ili< VN *'A,\ 4 iMlliniu
Uias da trnlmlhi
a*.,!.,*
'i, ir*.
3 i...-r.
MlMIII
*rrciil n.i
*n* il ;.
.3 rl....
71
n
8
I:
9

t
9
1
10
10
11
It
II
12
v;
51
\
11
37
:i
10
25
M
53
20
38
57
17
35
56
2
I'Alll'K
"iT~7
M
30
50
3ol
Ci-. tu-- r.t-
'I. i. i-
3 laue.
o
5'
i
3
6,
6'
30
rth-
SO
57
24
40
I><'M>lltt
Mim Miaatam
Pusmgeirosde i.
e $' CtVUM
AMlH
231 -! -
45
5
23
7
7

8
8
8
9
.i
9
9
10,
0,
10
II
11
M!
12
w.
45
51
4
II
37
52
10
25
W
53
10
:w
57
'i
t n i) k.
II.
ESTACOES
TMKKN DI) IMI ilion
Olas d lri>hallio
*M : ni
I" 1,9..
3 ;....-
VM'iua (partida)
SbVAgua Preta......
lOjCiiyamhuca......
17nnnieieira.......
'itlltilieirao........
-lAri|>fl>i.........
iFrexeiras.......
IF.-r.-ida.........
iTimh Ass.....
-fOlinda.......-.,
Jpojnca.........
Jl-alo. .......
-Blha..........
-IPrazercs........
Boa Vagem .....
-jAfogados.......
< a neo Ponas (cheg.)..
HASHAA
II.
\i.
Urrciaon.!..
8 i'.i.-.i^i'i-
nn ie r
3 eluM.
' 1,4.
3 .I.*..-.
JIAMI.V
20
36
3
lo
24
30
8
8
8
9
10
10
10
11
II
II
ii
1
1
1 M. ; H.
__. 12
1
1
' 1
27 2
52 2
* 2 :i
M
25
50
10
:
45
15
40
3;
3;
3,
4
4,
4
4:
40
4
23
43
3
22
40
7
20
35
50
8
23
4!
58
9
US
DoItlill^l.N *,
: .aillos
l'ntsagriios de i', i.'
e 3 dusse
MANHAA
II. i. 11 1 i 1
2 2 2 3 3 3 3
6
6 36 4
7 3 0
7 10 a
7 24 5
7 30 0
TAIU1F
B 1\C O IMIO
ESTABE1.EC100 XACIDAOE 00 PORTO
Agmlrs mb fernambttte
%uionio i.n 1/ de Olivelra
Azevedo 4 t.
Sacam por todos os paquetes sobre o
mesmo banca a prazo ou vista, sobro a
caixafiliatcnt Lisboa, e agencias em Fi-
gueira, Coimbra, Avciro, Vizeu, Villa-
Real, Hcgoa, Vinna do Castello, Guima-
r.es, Barcellos, Lamego, Covilhaa, Braga,
l'enaflol, Braganca, Amarante, Angra,
llha da Terceira, lina de Faias, lllia da
Madera, Villa do Conde, Valonea, Bastos.
Oliveira de Azemeis, Chaves e Paite, 1
oito dias vista ou ao prazo que se conven-
conar, no seu eseriptorio ra da Cruz
n. 1.
Furlaram da ponte dos Carvallms, ni imite
do 20 do correle, um carneiro capado, branco.
muito grande, da raa d. laa comprida, sendo de
chifrese estes furados as puntas, haslanlo manso:
porlanto, as autoridades policiaes i; pessoas parti-
culares (|ue o apnrchende-lo o levar ao sobredilo
lugar casa de Flix llamos Cinelior. recebar* a
gratificacao de 103, ou dell der noticia corta e do
ladrao.
Alugam-sc duas inoi-Tignas na ra do Pro-
gresso por barato proco : i|uem as pretender diri-
ja-se ma da Praia, armazem de carne secea n.
34 junto a ribeira do peixo. ______
Precisase de 1:6004 a premio, dando-so por
garanta urna boa propriedade : (|ucm quizor an-
nunce para ser procurado.
COMPRAS.
II. Austin, superintendente interino.
24
43
3
23
42
27
40
53
10
28
43
.6*
2o --------------------.
3- Compra se urna oscrava do moia Idadeime
Jisaibabein cdlinhar : na ra do Crespo n. 18. no
! segundo andar.
Compnne urna negrinha do dado de id i 12
anatas, e outra do 23 30 annos : a tratar na tar
borna da ra da Praia do Caldein-iro n. 24.
Compra-se u.na burra (corre) em b.om esta"
do : na na da Praia n. 6.
O.i-so dinheiro a juros
II. 6.
& i m
_1
OITerccc-se urna ama das libas que entende de
todo o servieo : na roa da Penha n. 25, loja.
------------------------ l'm amigo do lllm. Sr. Jos Curado por nao
na ra do Rangel o encontrar* llio pede o favor de mandar por em
_________________ casa do Sr. eapilio ajndanle de ordena Miguel da
F. S. a bomba de carrinbo que foi para fazer o fa-
vor concertar, no estado em que ostiver.
Flix do Canlalice tendo encarregado ao seu ad-
Vigado o bacharel l.uiz Augusto Crespo a cobran
<;n do todas as suas dividas activas, pede a todos
os seus llovedores o obsequio de so ontonderem
com o mesmo seoHor dentro do praso de 15 das
au presento, alim de darem cumprmonto s suas
obrigac-s, solvendo os seus dbitos, sob pena de
se proceder judicialmente contra os mesmos Mn
eslinccau de pessoa.
Para se passar a fesla.
Aluga-se una casa no Caehang com muilos
comnKKlos e por proco muito barato : na ra No-
va n. 63.
ca
i ^a-i^a-^aa-^-^!^^^^^/ I ~ Compra-se nina escrava que lenha hatiil-
Continua a haver pao de senteio novo nos dias j Comprase una mulatinha de 12 a 14 anuos
quarlas e sabbados de cada semana, na nadara sendo sadia a de lions costamos: na ra do Cres-
em Santo Amaro ao pe da fundieao, na ra da Im-' po, loja n. 15.
peralriz n. 22, e ra do Brum, confronte o chafa-;
^lEIf' kEM MtJTlALIMDE- ^^-*-^-^|^-^^.w^...
A dirercao do BAXi) IMAO tendo oblida do governo de S: M. F. a autorisac.o para estabel o para o Remedio, e no armazem progresso, largo loa de b,lne,es-
riz n. 47, ruadas Cruzes, depsito n. 39, 'naPas- i Co",l'r.vso elTectivamonte ouro e prata em
(Mi| as Vl'IHrt
cer o seguro de vidas em mutualidades, faz publico que desde ja loma subscripcoes annuaes wr urna da Penha n. 10.
so vez, oVbaixo das seguimos condicoes
Com |terda de capital e lucros r
Dito capital smente;
Oito lucros somonte;

<|9iein nao comprar por 5
Ricas chapelinas de rada para senhora, muito
liem enfeitadas c do ultimo gosto : na ra do panheiro^ collega o Sr. Or. Joaquim Jos de Mi-
Quciniano, loja n. 41.
0 Or. Antonio Vicenta do N'ascmento Foito-
sa, tendo de relirar-se para a corte do Rio de Ja-
neiro, alim de tomar a.-sento na cmara tempora-
ria, cerno (lepulado assembla geral por esta pro-
vinciapovisa ao respeilavel publico, e com especia-
ldade aos seus ronstluintcs desla o de ootras pro-
vincias, que o seu eseriptorio na ra estreita do
Rosario n. 23 contina sobadireccao de seu com-
Francisco Jos do Souza Pinto morador na
ti\oaeaodc Cruang tom no engonho Vcrtente co-
marca'de Nazareth junto a povoacao de Viccncia
lo que rendeiro Jos Cabral de" Oliveira Mello
8954780, quem nabar comprar entenda-se com o
dito Pinto que todo o negocio far.
Precisa-se de urna ama quo saiba cozinhar
randa. Os solidos eslndos do Sr. l>r. Miranda em
jurisprudencia, a pratica que possue dos negocios
forenses, o conhecmento que tem das causas do
eseriptorio, onde trabalha ha cito annos, e o carc-
ter probo que o distingue, sao garantas sufllcien-
tes de ijue na ausencia do Or. Feitosa os negocios
forenses a seu cargo, e os que occorrerem de novo,
proseguirlo com a mais perfoila regularidado.
O Or. Feitosa avisa, outro sim, ao respeilavel
de vendo a primeira liquidacao ter lugar no i" de Janeiro do 1859.
As vantagens do emprogo do capitaes em mutiialidade, sao obvias, |iorjue nao somonte se co-
Ihe o juro do quantias diminutas, de que avulsas se nao |ioderia tirar nenhum resultado; mas alm
i .omprar, prefere-soescrava : a tratar no becco publico, queas pessoas que quizerem ouvr suas
la lloin n. 2, primeiro andar.__________________ opinioes, poderao rometler-lhe para a corte suas
l'csl i il.i enhnn do Hiinle consultas por intermedio do mesmo Sr. Or. Miran-
* e*,a V i? r i J da' eprl de o a P<* *W ser enviada jm-Io
S. t\c. Sr. II. aHliarte de S. lenlo
jirimeiro vapor que d'alli partir depois do recel
tli'ai'COitlocOlll 0 abaixo aSSixiiaddtCn lllcntol(!aC09su'la;?'"> comoalli secncarrega-
removido a fesla da Senltora do Monte ^X****" **"*
d (lia 31 do COrreille mez, Dapa 17 de m-ei",no Sr- r- Miranda fiea munido e pro-
i .... '/,.. curacao bastante para tratar de qualquer negocio
J ilieil'OXiadoOI'O (Jlioda, 15 de de- que diga rospeito ao Or. Feitosa, quer particular
zembro de 186o. i"or oren^-____________________
___________Wanoel Loiz Yirica. ;% VS.% f|E I^KITE
- Jos Ignacio dos Santos Coelho rai ao Rio de Precisa-se de una ama que tenha bora loite,
-*""'"'0-_______________ _______________ prefere-se sen fllho : na ra Oireita n. 53, loja de
Ao ii. 29. Ierreni-________________________________
.Viva loja des baraleiros na roa do Qoeinud. Precisa-se de urna ama para cozinhar em
Ricas saias do fustn a 34, camisasiuglczas para c**" P,,ca "tilia : na ra da Roda, sobrado
srfhora a 25. 23"IX), .'5 e 44, cobertas de uslo ^ um an,,ar' naesquina, com vonezianas, por ci-
luaiioas a 54, chitas com lustro para robera com nfa da taberna._____________________________
6 palmos do largura a 640 o covado, cambraia de Precisa-se de urna ama que saiba cozinhar e
.ros para vestido a 320 o covado, laas para vosti- engommar para casa de pouca familia: na ra
4M a 480, 360 o 640 o covado. nireita n. 5, primeiro andar, entrada pela ra da
Ao n. 29. Penh
\'a loja dos baraleiros na rna do Queimado.
occorrerem pela falla de~cumprimento'do coinpromisso social. r"~
As KquMaobea sao pelo systema das eompanbias bespanbolas, Tutelar e outras ; e para se poder
lser urna idea do que pode produzir urna entrada annual de 104, publica-se a seguinte tabella basca-
da sobre a experiencia de muitos annos decouipanhias desta natnreza :
Ew a annos Em 10 anuos Ew 15- aunas Em 20 annos Em 25 annos
Por um
Por urna
As entradas por urna s vez dao resultados muito superiores s annuaes.
Porto, 10 de agosto de 1863.Os directores do Banco L'niao, Jos da Silv.t Slnrhado.F. M. van
der Niepoort.
Agenles em Pernambuco : Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, ra da Cruz n. 1.
menino de 1 dia a 1 anno 1104 4005 9004
de 1 auno a 2 > 904 3005 7504
de i > a 3 864 2904 7204
de 3 > a 4 864 2804 7104
de 4 a 15 865 2705 7004
pessoa de 13 20 > 8155 2705 7004
> de 20 > a 30 > 86-5 2705 7104
de 30 a 40 864 2705 7205
de 40 a 50 . 904 3005 7504
2:i*X)5 4:7064
1:7005 3:7004
1:6004 3:5005
1:5604 3:4004
1:5505 3:3504
1:5404 3:3:104
1.5604 3:4004
1:6000 3:7004
1:8004 5:000|
O administrador da casa de banhos do pateo
do Carino roga s pessoas que possuem amigos
carteas, hajam de ir trocar por novos at o da 31
deste mez; (cando inulilisados se o nao lizorem.
Precisase de um copeiro : na ra do Trapi-
cbo Novo n. 22. _______
Aliga-M por preeo commndo o
silio dos 4 Icrs naSoledade, com boa
casa de sobrado, cwheira, estribara e
tiinque para banho e exceden^ agua:
triln ino incsnio sito das 4 botas s
7 da neite.
Precisase alugar una preta de boa condue-
la que saiba engommar bem e cozinhar : na ra
do Queimado n. 44, primeiro andar, paga-se bem.
VENDAS.
Vlnho puro do l>ouro.
Tendo viudo de mimo, para passar a festa, um
barril do vindo puro do Alio Oouro, mas por falla
do cobros so vendo o a dinheiro, na loja do ftnii-
leiro o lampista, ra estreila do Rosario u. 21.
Vende-se urna rama
coi pouco uso
franceza do amarello.
na ra da Santa Cruz n. 56.
Vende-se urna cabra (bicho) a qual do ex
cellento qnalidado e d diariamente urna garrafa
de leite : na ra da Solodade n. 27.
Varea de leite. m
. i.i._______a n runou-sena maurugauaoo aia isuo corren-
lorlatanas de todas as cores, azenda muito lina te l]o ^j,, da ^^^ a quart0 com os si
:. .20 a vara,cambraiaipara cortilao, I^J &' seiruintes: cor oedrez. umanlm rular mW
_^> varas, por 105, chales de laa por 35, 44, 54 e 84,
y camisas inglozas para homcm a 385, 505 e 004-
Ao n. 29.
Soeiedade de segiiros mntnos
de vida iuslallaila pelo Bnnco
l ii i o na eidade do Porto.
Os agentes nesta eidade e provincia Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo & C eseriptorio na ra
da Cruz do Recita n. 1, esto autorisados desde j
a tomar assignaturas c prestar todos os esclareci-
montos que forom necessaros, as pessoas que de-
sojaren! concorrer para to til e benfica empre-
za, segurando um futuro lisongeiro aos associados.
Aluga-se barato o segundo andar do so-
brado n. 44 em a ra da Aurora, que lti-
mamente fra concertado e pintado de no-
vo : quem o pretender dirija-se loja do
Bastos S Rege, na ra Nova, quo achara
com quem tratar.
DENTISTA DE PARS
19Ra Nava -19
Frederico Gautier, cirurgio dentisla,
faz todas as operaedes de sua arte, e col-
loca dontes artiliciaes, tudo com superio-
ridade e perfeicao, que as pessoas enten-
didas Ihe reconhecem.
Tem agua e pos denlificio.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da
rna do Crespo n. 23 : a tratar na loja.
Alugam-se as tajas dos sobrados do pateo do
Terco ns. 12 e 29 proprias para qualquer estatie
locimento por ser em boa localidade'e bem espa-
ciosas : a tratar na ra da Praia n. 36.
Trocam-se imagons do Porto, escultura
em roadeira, na loja de Joaquim Luiz dos
Santos, ra do Crespo n. 1.
Menino perdido.
Hontcm aesapprecea da ra dos Pires
i). "G junto a iai.\a il'agua. um moleque de
ame Feliciano, preo, idaJe de i annos i Antonio Jos Rodrigues de Soiiza~aluga a sua
Foi visla tima preta com o dito moleque casa e sitio do Monteiro. em frente ao oitao da
na Soledade em direceau a ponte de Uchoa, lr*if d S. Pantoieaot1#n bastantes commodos:
o moleqnelevava camisa azul e anda nao ^ay thesourana das lo.enas, ruadoCre*
falla : quem o levar a trasa indicada ser
"ratificado
Dase dinheiro a premio em pequeas o gran-, i
os quantias : na ra Augusta n. 43, se dir-____
Nora laja das Bartele* na ra ds Qneimade.
Itir.es protos, franjas do todas as qualidadcs,
trincas de seda, do algodao c do la, manguitos o
.i nisinhas bordida; rollarinho.- o puulios, folhos
IMrdados,J|0roeg do. velludo, de seda e de fustn,
"le cabello, mcias de seda, taques : cojos Precisa-se de um bom cosinheira e de urna
artigas se endem |r metade do seu valor por ser ama que saiba engommar e lavar : tratar no
liara acabar. sobrado n. 32, da ra da Aurora.
rao, com um O e duas rabiscas no quarto direito,
e no corredor da mi (lireita nina cicatriz de urna T?*?'" *,ngar T* pret T*5!* para
cstrepada, que nnnea mais criou cabello: roga-se T^^^Vu^TJ^Tl^ de T
a quem delle der noticia ou o apprehender que o 'am' !a.: nln, leve ao sitio do-Macaeo, na Boaviagem, que ser oelloiairo tranet.i._______________
recoinjiensado, ou procure na rna da Assumpco Jos Louronco da Silva faz ver ao publico
n. 44, segundo andar. Declara-se que o cavallo que por haver um do igual nomo, assignar-se-ha
cambado dos ps. I por Jos Louroncu da Silva Oliveira.
A pessoa que annunciou querer 2505 sobre
hypotheca de urna casa, na praca da Independen-
cia n. 16 se dir quem d.
Aluga-se urna boa propriedado de sobrado no
lugar da Torre, em muito bom local, muito Iresca
e com urna linda vista por cr porto do rio, c est
forrada de papel, com bstanles commodos para
urna grande familia, tendo banheiro, cocheira, es-
trillara para 6
tos arvoredos
C mUltO IJt'm naiaua, i/iijii [nuiniuuiiuij ^ i'.iiw
do Sr. Francisco Gomos de Oliveira; fleando a anaar
mesma propriedade confronte a Capunga nova :------------------------- r.------------------------------
quem a pretender, podera procurar a chave na ra if tica.
da Senzala velh;. n. 100, no primeiro andar, das !! Precisase do nm caixelro quo tenha alguma ara-
doras da manliaa s 3 i|2 horas da tarde, u na Iea. de ,'0l,('a : a faar na ra larga do Rosario,
Capunga nova (estrada de Jacobina) em casa do "tica de Banholomcu & C.
Vndese, una expeliente ^
vacca parida de pu^ dias, a 3
,}jr |iial d bsianle leite ; a tratar gg
^ na rna i\ova n. 39, priueiro^B
immmmmm wm,m
Knteites para cabera.
Sao chegados os mais ricos o delicados enfoito
para cabeca, que nao haver unta s senliora que
j nao fique encamada do lindo gosto mo produz lac-
enfeitos, pois foi urna pequea porco que wio a\>
encommonda s par* o vigilante, 'ra do Crespo
n. 7, pois a vista faz f.
Filas.
Tambem acharao um grande sortimento das fitas
mais ricas do mercado, c de todas as larguras : s
no vigilante, roa do Crespo n. 7.
Vende-se um bom escravo crioulo d" 25 an-
nos de idade, e se dir o motivo por que se vendo:
no becco do Lima em una padaria.
ptima acqiiisltpo de es-
tabelecimrnto.
Vende-se a loja de ferragens da ma da Cadeia
do Recife n. 64, com pequeo fundo p anda bem
sorlida, lano de ferragens como do uiiudozas, as
quaes osio oni bom osudo, vende-se s com as
mercadorias, e garanto-so o arrendanieuto da casa:
6 projira para algum principiaiilc, nao s hyc ter
Aluga-se o terceiro andar do sobrado da ra pouec' un,,i? como. Pr es!ar J;i /roiezada e ser
Precisa se de urna ar?.a livroou escra-
va. para todo o servieo de urna casa de
familia, a excedi de cosinha e que
saiba engommar bem : na ra estreita
do Rosario n. 31, terceiro andar.
S cavalos cacimba com bomba mui-! ~ Aiuga-se o terceiro andar do sobrado da ra i""-" "'" -"' i-" -' J- .y"-""-""' ><-"
i^ofunn grande ^abHaTaX Nvan- 19- com asuntes commodos para fami-1 Jn,a das N aa"^m *** c"1ad'' :
traadk nm iZnrffio oerto lia : a Talar na ra da Cadeia n. 62, segundo i PrSten<,t,"es P,dem J'^'r-se meso l.,p,
. itmy,J n f!TnXJL andar. K ""o so^ para examinarem o bal meo como o estado
das mercadorias.
Hna da SenzaHa n 42.
Vende-se, em rasa 4e S. P. Johnston & C,
sellins e silhes ingletes, eandieiros e casti-
servico de una casa de pouca familia
na na da Cadeia n. 62, armazem.
a tratar
um peiiiirao oe a i anoos, 0W) palote lQ^^
3ue lenha pratica de toberna : quem pretender,' -!- "^......" ,,
irija-se rna do l'ajaeio do Bispo n. 40.________j Al'Uiacao
Prenisa-so de 4:0005 a premio com hypolhe- Precisa-so do urna ama para comprar e'co, Vende-se urna rica nrmaejao envidracada, com
ca em um predio de grande valor: quem tiver zinbar para quatro pessoas : na rna da Praia nu-' todas as conmedidades, propria para qualquer es-
annunciepara ser procurado. mero 10. tabelecimento : na na Nova n. 36>

BMnnBBnnii
MDTfLADQl
O i






- ...
" '
Diarlo de l'craaiuliiico <|narta frira t3 de Dewmliro de 18S.
\
fe
NOY ESTABELECIMENTO DE MEDICINA HOMEOPATHICA
RA NOVA X. 43.
O Dr. Sabino O. L. Pinho mudou o seu CONSULTORIO- para a luja de marmore
ra Nova n. i3, onde continua a dar consultas todos os ajas trteis desde o meio dia ati
Choras. lm.. :^Sk.
Os enfermos, que o procorarem tngo na masJk da molestia, sem que hajam to-
mado qualquer remedio, nem allopahico, nem homeopatlHCO, pagarlo metade dos preces
estipulados. Esta coucesso tem por m facilitar a cura de molestias, que podem tornar
se complicadas pelos emprego intempestivo da therapeutica e ao mesmo tempo adquiru
para a homeopathia maior numero de adeptos pela bateza da cura.
Em attencao as pessoas pobres, que nao podem satrir de dia, o Dr. Sabino resol-
veu dar duss consultas por semanas as tercas e sextas-feiras das seis
Os chmadospaia visitas e conferencias *fevem ser dirjgidos por escripto ao con
sulturio desde 8 lra* do dia at ti da noite, na certeza de que ser3o attendidos na orden
de sua preeadeofe, salva a circumstancia de eminente perigd.
Chegado. pelo vapor:
H para o vigilante, rwa do Cres-
po m. 3.
Ate que cliegaraiii a* milito dosejadas casearn-
Iba de todas as cores coin una litinha de velludo
no centro, cousa milito elegante para enfeite, assim
como de nutras qualidades, e procos mullo razoa-
veis : s no vigilante, roa do-Crespo, n. 7.
Para dar de mira*.
Chegaram as riquissimas Ixmecas de todos o
tamaitos, vestidinhkwcament. enfei lados, cada
um em sua camnha, propriameute para un deli-
cado mimo, por baratissimo preco: so no vigilan-
te, ra d&flpsjio n. 7.
Para es senbsres baeharek.
Chegou Vfeoipo a riquissima OU de Cham&lote
para cartas dos senhores hachareis*. aS6im como
branca,.6*. propria para abrir tetras, ou para
sintos : s no vigilante, ra 4o Crespo n. 7.
Pentea de marrafa.
rmneo ctaegaram os riijuissimos pentes de
marrafa com widViiihas.os lindo pentes de regaco
para meninas, meias de-seda e<*|alinhos proprios
para baptSBB/Dteias de scdojjft senhora, fitas
de laa para debrum, fita de ISPP1 trancas de laa,
ae It
de linlio u de seda, luvas de seda e pellica, e fio de
uVERTMltlA Escocia e -amurca, alOnetes de caneca chata, car-
J a jwo, mflii!riiruntn tesil a nrimeirf Usirinhas com todas as agulhas precisas para cos-
0 nJg| njtogjjfOnppO dos melhores medicamentos, oesue a piumn- ^ _w|ag ^ madre|ro)a ,.srail|ladas de ace
at a tiMgesima^rvWninjsacrio.'''' -u parasintos, flores de todas as pialidades, caixinhas
E como os mdicos hespanhes e allemfies n3o cessam de certificar a major etr com pastiihas do perfumaria, a
cacia das
oceupa
linisacoes do tratamento das molestias chronicas, o Dr. Sabino se | para senhora, toucas e saPatinl,0\dne^nv>,ul.?f'ri:
^^ ,. ,,,,, ,,.:.,<. m.,;c olas nar ora at 200 V nhas de borracha para segurar manguintos, litase
__teeus ifedicamentos as potencias mais altas (por ora ate zuu. ). ^^^^ de imTi^ .-** redondos, ditos
alim de verificar por si mesmo a ferca dynamica, que se ine attrtDue. chamados de familia, pomadas de todas as quah-
Os mdicos que quimera experitoeiitar Uies dvnaminisacoes poderao dirigir ao dades e dos fabricantes mais afamadas, coichetes
,onsltofio suasWJ q* rio ^^^^^t^ Wopa^iS^-"1 ca'roeft'Z^WSSStSl
No mesmo consultorio se vend^a-DVissmia edico do T/mouro or^'~\t0Mas rores, estovas para denles, ditas para rou-
ou Vademcum do homeopatha, obra indispensavel a dos que querem usar aa numeo-1 pa djtas _a cna[M>0 e dilas p^ unna( de todos
.ialjja t t | os presos, e outros mais ohjectos, pie se tora
Tudo o mi.di2 resoeito nova medicina se acha abundantemente neste novo estabe- enfadonho annunoiar. e vista don rregoezes pro-
1UU0 o qu*"* leajiciiu o u> oiwnviuo mette-sc fazer todo o negocio: so no vigilante, ra
;imento. do Cesoo n. 7.
Sapatos para senhora a 240 rs., sapaies de cou-
ro de lustre francezes a :t*. borzeguins para ho-
mem a 25300, ditos francezes a 43, sapatos de ta-
pete para senhora a 640, para liomem a 800 rs.,
sapatos de marroquim com salto obra de 3* a
1*500, snalos de lastre para senhora a 800 rs. :
na ra dos Quarteis n. 2, junto a toja de funi-
leiro.
(ML m LISB04
\rendein-se barra eoiu cal des-
da liojr, e nica nova, que ha no
mercado, na na do Trapiche n.
13, armazem de Nanoel Tcixel-
ra Bast.
Meias do Porto.
Vcndem-se na loja de ferragens da ra da Ca-
deia Velha n. i i, meian.de linho e igualmente de
algodo, por preco muito commodo.
FARINHA FONTANA.
Facililla da muito acre lita a marca
Fontana desembarcada boje, vende-se
Pede-se toda altenco.
Custodio Jos Alves Gaimaraes, dono da loja in-
titulada Gallo Vigilante, ra do Crespo n. 7, avisa
aos seus numerosos fi uguezes c ao respeitavcl pu-!
blico, que tundo de reformar no fnn deste anuo seu!
eslabek'cimento, equerendo liquidar grande quan-
tidade de diversos objeclos, esl rosolvido a vender
tudo por precos baratissimos, como sejam :
l'cjas com 45 varas de franjas de linho a 3}.
DiUs com 45 varas de galao de linho a '$.
Laa sortida para bordar, libra a 44.
Froco de cores sortidos, peca a 160 rs.
Manguitos para senhora, o par 800 rs.
Golinhas de bonitos gostos a 400,500 e 15.
Salvas de metal principe a 1,5500, 2 e 2*500.
Ditas com copos de metal proprio para meninos
1**00.
Facas e garfos para sobre-mesa a 4* a duzia.
ilas e ditos diu com cabo de rnarhrn a 6*.
Bandejas de todos os tamaitos muito finas a 1*,
1*200, 1*400, 1*600, 2*500, :t*500 e 5*
Ditas redondas para copo de 500 rs. para 2*800.
Tesouras em carteiras, a duzia a 500 rs., 640 e
800 rs.
Peitos para camisas, a duzia a 2*.
Camisinbas bordadas para senhora a 1*500 c z*.
Chapelinas para senhora a 3*.
Ditas para menina a 2*.
Chapeozinho para meninas de escola ou passeio a
2*e3*.
Flores francezas, caixos grandes, a 600 rs.
Luvas de seda com pequeo toque de mofo a 300
Toucas de laa para meninos a 500 rs., fil a 500 e
600 rs., de seda a 800 rs.
1W IITOlL
LOJA DE MIIDEZAS
10 Ra do ueimado. 16
Pecvs de tran$a de laa preta e de cores lisa a
Pecas de tranca de laa preta e de core?, caracol, a
OOrs.
Pecas de tranca de linho branca de caracol a
OOrs.
Pecas de tranca de linho mesclada de caracol i
. 100 rs.
Pecas com 10 varas lie fila de velludo cor le ros
a i*.
Pecas cooi 10 varas de fita de velado preto a 1*200-
e 1*400.
Pecas com 13 varas de fita de velludo lavrado a I*
c 1*200.
Pecas com 20 varas de galao lavrado a 1*500.
P.cas de franja branca estrella a 1*.
Pecas de franja larga para cortinados a 3*.
Pee de lita de seda de cores a 360 e 800 rs.
Pecas de franja de laa a 1*.
Pegas de franja de seda preta e de cures a 3*.
Pecas de lita de retroz preta e de cores a 240 rs.
Pecas de bicos c rendas a 1*200 e 1*500.
Varas de bicos e rendas a 100 e 160 rs.
Varas de bicos pretos a 160 e 240 rs.
Varas de bico preto da largura d* um palmo a
500 rs.
Varas de labvrinth de um palmo de largura a
ur.s.
aecimento
HfflHSS _
Msicas para piano e canto de todas as forjas, e methodos dos melhores autores, e vendc-i
se baralissimo.
EXCELLENTISSIMAS SENHORAS,
Aprovecm as pectaiocJias da loja roa do Crtspo d. \7
DE
JOS GOMES VILLAR.
Para apurar diulieiro est veudendo baralissimo,
Aprovelteni todos.
Reccbeu de Xcw-York 2,000 baldes de 20 arcos e vende a 2-5500 cada um.
! itraordioaria pccliindia, sem igual.
Las de cores, de quadros a 280 e 400 rs. o covado.
Cassas de cores a 200, 240, 280, 320 o covado I!
Chitas francezas muito boas a 320 e 360 rs. o covado.
Madapoles, pecas de 20 varas a 75, 8*. 95, 105. IJ5 e 125 a peca.
Cambraias lisas', pecas de 8 I|2 varas a 2*500, 4-5,55, 65, 75, 5 a peca.
Capas preBS, manteletes pretos bordados a 20* e 32* rs.!
Sotambarques pretos de 25* a 305 rs.
Capas de casemira de cores a 255 c 305 rs.
Cap
Outras faxendas de inulto gosto.
PROTEJAM TODOS
spo
Im chapeo por 400 rs.
S M Vigilante
Custodio Jos Alves Guimaraes, tendo arremata-
do urna grande porcao de chapeos de sol para me-
ninas, e querendo que seus fretrucies partilhe de
tal perhincha, est os dando pela diminuta quanlia
de 400 rs.: quem deixar de comprar mesmo pa-
ra as senhoras irem ao banho coliertas do sol.
S no Vigilante, ra do Crespo 7.
l.lulia.
Tambem arrcmalou urna grande porcao de hnha
preta muito forte em massos de libra, que se ven-
de pelo baratissimo preco de 800 rs. cada um : so
no Vigilante, ra do Graspo n. 7.
Itotes.
Lindissimos botdes para punhos tanto para ho-
mem como para senhoras, pelo barato preco de
240 rs. o par : s no Vigilante, ra do Crespo,
BOJfl E IIAHATO
Manteiga ingkza flor a 800 rs., franceza a 800
rs., chouricas novas a 700 rs., toucinho nevo a 320,
arroz a 100 rs., gomma de araruta muito alva e
nova a 100 rs., espermacele a 600 rs., vinho da
Figueira e Lisboa a 400 e 500 rs. a garrafa, cana-
da a 35 e 35800, do Porto a 640 a garrafa, cana-
da 45500, azeite doce a 640 a garrafa, de carra-
palo a 280, banha de porco refinada a 400 rs., quoi-
jos novos a 25 : na ra das Cruzes n. 24, esqnina
da travessa do Ouvidor.
por preCO maS Commodo do que em | B'sinhas d"missuga para meninas de escola a
qaalqaer outra parte : na na da Cruil ^/^^ unhoa200rs opar.
n. 4 rasa de N. 0. Bieber k C. soeces- Tntetrosde rnui a 320 rs.
awrc" -_______________________________ Ditos de fita chamalote a 200 rs.
rri iyf\ T\fi Escrivaninhas de metal a 3*500.
1 A. IjUi-lIU i Colheres de metal para cha a 200 rs. a duzia.
Vende-se ttboado de peroba e canella de muite' Ditas de dito para sopa a 2* a duzia.
boa qualidade e por pre$o commodo: a tratar no Botos de duraque pretos a 400 rs. a groza.
Sapatinhos de merino a 800 rs., e de laa a 500 rs. ] vnras je bonitas fitas para cintos a 500 rs.
Varas de fita preta de borracha a 160 rs.
Varas de babados largos a 120 fs.
Varas de galao branco e de cores lavrado a 100
Forte do Mallos trapiche do Cunha.
Tranca* de laa pelas e de cores.
Sendo lisa a 80 rs. a peca, e de caracol a 100 rs.
a peca : na loja de miudezas da ra do Queimado
n. 16.
Luvas de Jouvin
brancas e de cores para liomem e para senhora a
1*500 o par : na loja de miudezas da ra doQuei
mado n. 16._____________________________
MMITA

Cortes de cambraias bordadas ; cortes de vestidos de blondo para noivas, com capel la. ej
manta. Chapeos Hara Pa a 125 cada um Meias para senhora a 4*, o*, 10* e 123
rs. a duzia. Bramante de linho, de 10 palmos, a 2* a vara. Bramantes belgas a 3* a vara ;
esguioesde linho linissimo ; bombazinas prelas para luto; merinos pretos etc. etc.-, da-
mascos de laa de 8 palmos de largura, proprios para colchas e para cortinas de salas.
oiuaiupaiaqeiso ouii.ssiiueuodui! asso b '-sbjs -sbuixh 'okSjoiojj
OJiaquip b 'seuiissiie-ieq sEpuozcj
i:|u.io|||i:. 1: ton p M:i|.)ii|i|.>Jl si: iiij|1.ao.uI\
soaiaoMvaisa a soMV3iawv\[iiad-
Cartas hcspanlHilas para jogos a 1*200 a duzia.
Casticaes brancos c amarellos de metal a 1*.
Carteiras para algibeira a 500, 600. 800 e 1*.
Salwnetes muito finos a 1*200,1*600 e 2* a duzia.
Fivelas para calca a 300 rs. a duzia.
Botoes de ac para calca a 320 a groza.
Cai-inhascmalfineles,grampos e coichetes a 320,
400e500rs.
. Fitas de borracha prctas e de cor a 120 e loo rs.
a vara.
j Latas com dous massos de agulhas por 800 rs.
Brincos de aljofares a balo a 320 o par.
i Altinetes pretos e de cores compedrinhas a 200 rs.
e320.
Camisas para homem feitas em Lisboa a 2*.
Filas de velludo lisas e lavradas a 800, 1*, 1*500
> 2* e 3* a peca.
m ra do Queimad U. 43, CSqUIlia que Ditas para *MJflp a 300 e 400 rs. a vara.
valla para a Congregaco. i^lfefi cS,urade Se"hr- '
E' pechincha. \ Con'iptciras de vidro com pratos de metal a 3* e
Paletots de casemira a 5, 6. 7, 8,12 e 144, ditos 4*000.
de panno preto e azul a 9, 10, 12, 16 e 18*. ditos Franja de laa para debrunhar tapetes a 2* a peca,
sobrecasacos de panno muito fino por 24* e 28*, Palitos de fogo, prova d'agua, a 1* a groza ou 120
ditos de alpaca preta c de cordao a 4, 5, 6 e "*, pg. a duzia.
calcas de casemiras de cores a 5, 6, 7 e 8*, ditas I Assim como tem grande sortimento de muitos
prelas a 6*500, 8, 9 e 10*, paletots de fuslao e mais onjectos que se tornara enfadonho mencio-
ganga a 25, 25800,3 e 45, caifas e rolletes de to- na-los, que tudo se vender muito barato para li-
das as qualidades e por preco muito barato, lun- qnidar : na ra do Crespo n. 7, e ra do Impera-
ces de puro linho a preco de 2*800 e 3*, cober- dor n. 59, junto ao gamo, c casa da liqutdacao.
tas de chita a 2*240, collarinhos de linho puro a -
600 rs. cada um, e oulros muitos objeetos que s
: vista -, c para isso se pede a attencao dos fre-
; guezes.______________________________
sass -w<
WMMW*
LARGO
DEPOSITO FRMEZ*
19 Kua d'Apollo 19
lspeelalldade de vinho
de llordoiix
SBordeaux superior a du-
zia (>,5>000.
l.iriiros, cognac, vermout o mais barato
Tranca preta de laa.
Vende-se tranca "preta de laa, lisa, para enfeitcs
J3^ de vestidos, zuavos e roupas de meninos a 120 e
'/|j 160 rs. a pega : s quem tem c o beija-flor na ra
I do Queiinado n. 63.________________________
Vende-se um cabriolel em pcrfeito estado :
j quem pretender, dirija-sc ra da Boda, cocheira
1 que foi do Sr. Paulino, que achara com quem
1 tratar.
que nunca apparrreu.
wmmw
'M\
m\
AURORA BRILHANTE
DA SANTA CRUZ N. 84.
Amigos do boiii e barato.
\ Aurora Brilhaute este magnifico estabelecimento esl na Boa-Visla disputando
primazia, j pelo grande sortimento dos f cus gneros de boa qualidade, j. pela commodidade
de precos e por isso o seu proprietario roga aos seus freguezes e amigos e ao publico em
geral que mandem comprar para melhor secertificarem do annuneio.
Manteiga ingleza flor primeira qualidade. Sorrejas de boas marcas e muitas.
Dita mais abaixo segunda dita. Queijos novos do vapor e do passado.
Dita franceza nova segunda dita. Dos de prato.
Cli superior preto, verde, hysson,QXm e pe- Ditos de manteiga novos.
rola
tamaitos.
,] Doces de goiaba caixoes de varios
^ Amendoas de casca dura c mole.
R Azcitonas novas em Larris c garrafas.
<* n-esuntos para panfila e fiambre.
iji Bolachinhas inglezas novas.
SBI Chouricas, palos e linguicas. *
va. Cognac verdadeiro.
^ Licores e champanlie.
y&i Charutos linos, lia finos em ludo.
yf Sebolas grandes em resteas.
b? Copos lapidados e lisos para agua e vmlio.
M Passas novas e figos tambem.
| Massas para sopa sao das novas.
; 5 Nozesja deste anno.
fx Farinha, milho, farello e arroz de casca em
"M saceos grandes.
: Toucinho de Lisboa novo.
,T< Chocolate j feilo que bello almoco.
_?, Azeite doce temos retinado tamlH'm.
Caixinhas enfeiladas com ameixas francezas.
Latinnas com ditas.
Latinhas com fructas.
Latinhas com biscoutinhos de muitas quali-
dades.
Latas com bolachinha de soda.
Lalas com pcixe ensopado.
Latas com marinclada nova.
Latas com massa de tomate.
Frascos com conservas.
Ditos com muslarda.
Ditos com gennbra de Hollanda c de laranja.
Ditos com sal refinado.
Vinbos puros da Figueira, nao ha melhor.
Ditos de Lisboa, nao ha melhor.
Dito do Porto, nao ha melhor.
Dito branco, nao ha melhor.
Dito engarrafado em caixa de urna duzia.
Ditos genuinos em caixa e a retalho.
\ liirora Brllhante te ni m bello sortimento
1 Aurora Brllhante tem nu hdUm sortimento
PECHIICHA
Custodio Varcalho 4 Cumpa-
nhia.
39ma do ttiieluiado2>.
Novas lazinhas escossezas muito lindas, fazen-
da encorpada, propria para vestidos de senhora e
cnanciulias, |>clo barato preco de 240 cada co-
vado.__________________________________
"Brincos de balo.
Xa loja da esperanca, ra do Queimado n. 33 A
vendem-se brincos balees dourados finos, fazenda
para a fesla, a 1* o par, ninguem daixa de andar
na moda; luvas de iiellica de cores e brancas, fio
elstico branco e preto, trancinh para bordar, de
laa e de seda, e enfeiles nos gneros que se fazem
precisos para os vestidos Maria Pia. _______
Tranca
Tranca
Tranca
Tranca
Tranca
Tranca
Tranca
Tranca
de laa preta lisa a 80 rs. a pecinha, s na loja de
miudezas da ra do Queimado n. 16, depressa an-
tes que se acabe.______________________
ATTN(*0.
Vende-se um sitio em Olinda, no lugar denomi-
nado Jogo da Bola, tendo urna grande casa de pe-
dra e cal, em chas proprios, com os com modos
seguiutes : tendo urna sala na frente e um terra-
co, um gabinete, seis quartos, sala de jantar e co-
zinha fra, um grande sotao com ifuatro quartos,
e janella para os oitdes, e tambem urna cacimba
com boa agua, coberta de lelha e murada, e dous
banheiros de pedra c cal, tambem alguns ps de
llores, tendo muitas arvores de fructo, pjr preco
commodo, visto a pessoa querer retirar-sc : quem
quizer, dirija-sc ao mesmo lugar que achara com
quem tratar a qualquer hora do dia.__________
Panno de algodlo teci-
do de Minas, fazenda larga e
encorpada, apropriada para o
servico da lavoura, quer para
roupa de escravos, quer para
saceos de assucar : grande
deposito no largo do Corpo
Santo n. 17, escriptorio de
Augusto F. de Oliveira.
\{[\ HO OU.nhlHi > 13
Loja do heija-fllor.
\ lias do aljofares.
Vendem-se voltinbas de aljofares com pedra,
imitando a brilhanles a 1* cada una.
Itoloes para puubos.
Vendem-se botoes para punhos, muito bonitos
padr5es, a 200 rs. o par.
Facas para meninos.
Vendem-se faquinhas para meninos, de cabooi-
lavado, a 240 rs. o talher.
La para bordar.
Vende-se laa de todas as cores para bordar a
65700 a libra.
Facas e garfos.
Vendem-se facas c garfos de cabo preto cravado
a 25800 a duzia, ditas de bataneo de 2 bolpes para
mesa a 6*200 a duzia.
Luvas de Jouvin. m
Vendem-se luvas de Jouvin chegadas pelo ulti-
mo paquete, tanlo.para homem como senhoras.
Extractos inglezcs.
Vendem-se extractos inglezes muito barato por
serem sido comprados em Mitin a 240 rs. o frasco.
Escovas para denles.
Vendem-se escovas para denles a 120 e 240 rs.
cada urna, ditas muito linas inglezas a 500 rs.
Toucas de laa.
ris.
Fivelas de ac galvanizadas para shIo a 1*500.
Ricos cintos com fivelas de pedrinhas a 3*.
Grvalas de seda a 400,600 e 800 rs.
Grvalas para laco a 800, 1* e 1*280.
Grvalas com bonitos passadores a. 1* e 1*280.
Grvalas de pona larga bordadas para senhoras a
1*280.
Passadores para grvalas a 500 rs.
Conservadores de conlinhas prelas e brancas a
1*000.
Voltas de perolas brancas e de cores, com cruzes,
a 1*.
Voltas prelas a balo com cruzes a 1* e 1*500.
Voltas prctas de conlas muito gradas a Maria
Pia a 1*800 e 2*500.
Vollas de coral pequeas e grandes a 600 c 25400
Macinhos de coral a 360 e 600 rs.
Oilavas de retroz preto e do cores a 160 rs.
Pares de grampos enfeitados, a balo a 1*.
Pares de brincos pretos e de cores, a balo, a
040 rs.
Penies de borracha para regaco a 800 rs.
Pentes dourados com pedrinhas para regado a
2*500.
Ricas uarnicfcs de penles dourados com cachos
e pedrinhas e as marrafas iguaes a 4* e 5*.
Ricos pentes dourados a 2*. 2*500 e 3*.
Bonitas marrafas com pedrinhas a 1*.
Bonitas guarnices de pentes com laco esmaltados,
com marrafas iguaes a 5*.
Bonitas guarnices de pentes com laco para lulo,
com marrafas iguaes a 3*.
Bonitos penles de tartaruga a 4* e 5*.
Bonitos pentes de massa virados imitando tartaru-
ga a 1*600 e 2*.
Penles de massa em caixinhas a 500, 640 e 800 rs.
Penles para atar cabello a 80, 160 e 240 rs
Luvas de Jouvin brancas e de cores a 15500.
Luvas da Kscossia brancas e de cores a 500.
Bonitos botoes para punhos a 160, 320, 480 e 800
Duzias de bonitos botoes douVados a 480 c 960 rs.
Duzias de bonitos boloes do vidro a 480 rs.
Golinhas brancas e de cores com conlinhas a 1*.
Sapatos de tranca do Porto a 1*600.
Tesouras finas "para unhas c costuras a oOOe
800 rs.
Escovas para denles a 160, 320 e 480 rs.
Escovas para unhas, roupa, chapeo e cabello a
SiR) i <
Bonitos toucadores com ps a 25, 2*500 e 45-
Caixas de bfalo encastoadas em marfim a 25.
Bengalas de junco e de can na a 640 e 15280.
Chicotes de junco c de baleia a 15 e 15600.
Oculos de armacao de ac praleada, dourada c ba-
leia a 500 o 1.
Duzias de colheres de metal principe para cha a
pre-
ttoutembarques de cOres e
tos na loja do .Pavo.
Acaba de clu-gar os mais ricos soutembarques
de grosdenaple preto muilo Un enfeilados c di-
tos de um tecido de seda de cores sendo os mais
modernos que existem no mercado e vende-se por
preco commodo : na loja do Pavo ra da liup e
ratriz n. 60 de Gama & Silva.
As capas do Pavo.
Vendem-se as mais modernas capas pretas para
senhora sendo ricamente enhiladas e vende-se
por preco razoavel na loja do Pavo ra da Impe-
ratriz n. 60 de Gama & Silva.
Para o dia de natal.
Camlslnhas com manguitos a
, ||j38 HO so o Pavo.
Acalia de chegar pa%r a loja do Pavo, um
grande sortimento das mais finas camisinlias de
cambraia com manguitos e gollinhas bordadas,
ditas de fil, tendo lam
fotica e armazem
drogas
de
tuda de urna hypotinca.
Os liquidalarios da massa fallida de
Jos Antonio Basto vendcni a hypolhe-
ca que tem nos cngeuhos Mallo Gn-sso
c Cajabuss no i crino ilc Scnnhcm no
valor de 3t:S3o$9H rs.; a tratar as
casas a na do Trapiche n. 34._______
Cal de Lisboa e potassa da
Rnssla.
Vende-se na ra daCadeia do Recife n. 26, para
onde se mudou o antigo e acreditado deposito da
mesma ra n. 12, ambos os gneros sao novos e
legtimos, e se vendera a proco mais barato do que
utra qualquer parte.__________________i____
Vendem-se toucas de
e 15280 cada urna.
Sapatinlios de laa.
Vendem-se sapatinhos de laa para meninos a
400,500 e 640 cada par.
Tesouras.
Vcndem-se tesouras para costura a 500 rs., ditas
para unhas a 400 rs. cada urna.
Collarinhos.
Vendem-se collarinhos de papel a 40 rs. cada
um, ditos de linho a 640 rs.
Pentes de travessa.
Vendem-se pentes de travessa para menina, de
borracha, a 500 rs. cada um.
Tocadores de Jacaranda
Vcndem-se tocadores de Jacaranda a 2*500 e
2*800 cada um.
Escovas para roupa.
Vendem-se escovas muito linas para roupa a 400
e 500 rs. cada una
Es|icluos com estojo.
Vendem-se espalaos com estojo para navalhas a
25, 2*500 e 2*800 cada um.
Aderecos pretos.
Vendem-se aderecos pretos a 2*200 cada ade-
reco.
Roldes de perola.
Vendem-sc boloes de perola para collete e vesti-
dos a 400 rs. a abotoadura.
15600 e'25.
Duzia le colheres de metal para sopa a .i*->uu e
5*500.
Paeotes de papel de cores pequeo a 640.
Caixinhas de papel ainizade a 800c 1*.
Caixinhas de papel de beira dourada a 15200.
Caixinhas de papel phantasia de cores a 15-
Caixinhas com 100 envelopes a 800 e 15-
Caixinhas de lacre a 200 e 400 rs.
. Caixinhas de penna de ac a 800, 15*00 e 15600
' Caixinhas de obreias de cola a 80 e 120 rs.
aa para menino a 800, 15 Prasqoinhos de unta azul ou encarnada a 320 rs.
Lapes de cores ou encarnados a 120 rs.
Brincos e rosetas pretos a 160 e 240.
FtZEMUS
c
Boies altos de tinta ingleza a 160.
Fitas e conloes para esparlilhos a 80 rs.
Eniiadores pretos para borzeguins a 160.
Caixinhas com 100 agulhas francezas a 240 rs.
Caixinhas com 100 agulhas da Victoria a 320 rs.
Cartas portuguezas e francezas a 200 c 320 rs.
Cartas de alfinetes a 80 e 160 rs.
Massos de superiores palitos lixados a 240.
Caixinhas vazias para guardar joias a 300, 400 e
500 rs.
Duzias de canudos de pomada a 240 rs.
Saheneles francezes a 100 rs.
Frascos de agua de Colonia a 400, 500, 800, 15 e
I55OO.
Frascos de extractos a 400, 500, 800 o lo.
Frascos de banha franceza a 400, 500,800 e I*.
Frascos de patcholy a 400, 500, 800 e 1*.
Frascos de oleo babosa a 500 c 600 rs.
Frascos de oleo phitocome a 800 e 15-
Frascos de extract de sndalo a 15-
Frascos de banha trans|>areiile a 800 rs.
Frascos de banha Japones, a 800 e 15-
Frascos de agua de Lavando ambreada.
Garrafas de agua de Lavando ambreada.
Garrafas de agua Florida legitima a 1*500.
Garrafas compridas de agua de Colonia a 800 rs.
Frascos com banha e extracto juntamente a 15280.
Cestinbas com 4 frasquinhos de extractos a G40.
Ra do Cantiga n. II.
DE
Joaquim Maiiinlio da Cruz Corris.
Vende-se o seguinte :
Salsa parrilla de Bristol.
''15: bem manguitos e gollinhas, pelo barato preco de Pastiihas assucaradas de Kemp.
cunada a 400 rs., biscoitos inglezes a 15400 ^ *0 na 1(1a do Pav3o rua da imperatrlz, Pastiihas vermfugas de Kemp.
de Gama & Silva.
Elixir de citro laetato de ferro do Dr. Tbermes.
Rob da Lafecleur.
Xarope depurativo d'odoreto de ferro de Guy.
Xaronc peitoral sedativo de Guy.
Queijo prato muito fresco a 760 rs. a libra, dito
flamenco do ultimo vapor a 3*000, manteiga in-
gleza flor a 800 700 rs. e a franceza a 560 rs.,
cha uxim muito bom a 2*560 e 2*400, caf de
primeira sorte a 280 rs. a libra e 8*500 a arroba,
banha refinada a 400 rs,,
a lata, bolaxnhaa 840 rs. a libra, v,n 10 duque_do w
Porto verdaue.ro a 1*500, Chamico 1*000 e 700
rs., Bordcaux fino a 640 rs., Pgie'r*J?nrotlW0 Manteletes curts a 3S000.
rs. a garrafa c a caada aj*, Lisboa a 40U1 rs. b d h- dop,v0 um bo-
a garrafa e a caada a Wi*,pL""cm" nito sortimento Je manteletes curtos de cambraia '....."
prela a 480 rs, genebra de Hollanda e de^ranja bordados, que se vendem pelo barato frnr^
Vendem-se ricos monteletes de cambraia borda- Extracto fluido de salsa parrilha de Bailys.
rih-Y_nr_ "7ritonMi5tfo~ agarraTa,' mas- dos com mangas a turca, pelo barato proco de x alcoolico de vellame.
Tt^Tfi^tofteS tniabt a1*): na ruada Imperatr.z, n. 60, loja de Gaina, Alem dess drogaS ha cwsUnt^ente um com-
& Silva. pleto sortimento de tintas, verna, ouro para dou-
Gollinhas a 240 T. rar, preparados chimcos e pharmaceutices que se
Vendem-se tinissimas gollinhas de cambraia, vendem or commodos procos._______________
bordadas, a 240 rs.: na loja do Pavao, rua da
Imperatnz, n. 60, loja de Gama & Silva.
a 80 rs., arroz a 80 rs.,
alio novo a 280 rs., sag a 280 rs., baUtos a 60
rs., estearinas a 560 rs., composicao a 310 rs., car-
240 rs. agarrafa, r-
sa de tomate a 640 rs., lata de doce de geial:
560 rs., caixo, palitos lixados a 160 rs., jlos
para limpar faca a 140 rs., sebolas, pimenla, albo,
cravo, cominhos, canella, erva-dOce, tudo sMHto
baratissimo; no asmazcm da Estrella largo di Pa-
nizo n. 14.
Na rua Imperial n. 62, vende-se um cabrio-
let de 2 rodas, em bom estado o barato, bem assim
na mesma rua dtias casinhas de n. 136 e 130.
Vende-se nnva escrava perfeita cosinheira e
.nrnmmadeira : na rua do Cabng n. 3, primcjro
andar. *
baratas para acabar.
Sedas de quadros e de lislras a 320 rs. o cova-
do, Kndas laas de quadrnhos a 360 o covado, su-
periores cassas de cores a 200 rs. o covado, ditas
muito finas a 240 o covad* : na loja dascolnmnas,
na rua do Crespo n. 13, de Antonio Corren de Vas-
concollos & (1___________________
Kua da Sen-alia i\ova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a HO rs., dem de Lo-
Moor libra a i20rs.
Xo armazem de fazendas bara-
tas de Mantos Cocino
RUA DO QUEIMADO N. 19'VENDE-SE O SE-
GUISTE :
Esleir da India
para forro de sala, de 4, 5 e 6 palmos de largura,
por menor pwco do que em outra qualquer parte.
Lencos
de panno de linho pelo barato preco de 2*000.
Lenfflfs
de bramante de linho fino pelo barato preco de
3*000:
Caberlas de chita da India
pelo barato proco de 2*000.
lencos de cassa
brancos, finissimos, proprios para algibeira pelo
baratissimo proco de 2*000 e 2*400 a duzia.
Cambraia adamascada
oS
-1
1
5 M
_sf f fra.
_. =-" a2
o o, al
3
0
a.*
=5 ?
C--3
(O <
lili-
s? <
"tfi-B-S
v -j

__
-
boa qualidade; na rua da Madre de Dos ns. 5
o
5 e9-
MTOS
iHi
finrricas com breu : na rua da Cadeia do Rci-
e,Sjja-k/erragens de Bx*>s.
1NJECCAO BROW.
Remedio infallivel contra as gnorrheas
antipas e recentes, nico deposito na bo-
tica franceza, na da Cruz n. 22, pre-
.\ozes c batatas.
Vendem-se saceos com oito libras de nozes pelo cortinado, pelo baratissimo preco de 10*000
barato proco de 1*600, c caixas com urna arroba _
de batatas por 800 rs., nada niais barato visja la ( v^ p A( rjmnrji,
de salpicos, fina, com 8 1/i varas, pelo baratissimo
proco de 4*.
Kilo liso lino
' pelo baratissimo preco de 680 rs. a vara.
! Bramante de llano
fino com dez palmos de largura pelo barato preco
, de 1*300 a vara.
Toalaas aleoehoadas
para mao pelo baratissimo preco de 5*000 a dn-
zia.
Pecas de kretanha
de rolo com 10 varas propria para saia, pelo bara-
to preco de 3*000.
Vende-se urna casa pequea com um terreno de
15 palmos de frente e 320 de fundo, na travessa
da rua do Principe na Soledadc : quem prelen-1
der, dirija-se rua do Brum n. 76, que achara
com qutiu tratar._________________________
S SENHORAS. I
Ricos cortes de laa de lindas cores e os mais
modernos ( Maria Pia) acabam de chegar a este
mercado pelo ultimo paquete da Europa, e vende-
se em portjao e a retalho per proco rapito
barato: na ruado Crespajoja que faisqu
rua das Cruzes n. 40.
1 o>9
m
3-
r3s:S:-*?a
.= 2.a)L&
3
siw
2 O m B .
_ ce -i e. ^ =. O
o as o m
O -i
a oj 5,
*
O
_>
a
|
i'
_ -o
3 O.CB-
8 38?
&>
5
S-3"?
as
-i
a>
i?
as
9
>
i
a*
5
ATTEMVU.
No deposito loScl fabrica do Bar-
Iwlho, rua do imperador 41.
30 0|0 menos do que em ixrtra qualpCrj^rt^-
Em casa de Mills Utham C, na rua d-
*i e muito Crnz n. 38, vende-se ierro galvanisado de um doa
Lna ira nwlhorcs fabricantes inglezes, proprio para cobers. nouca v.drada de todas as qnhdnta, e
como a que vem do estrangeiro e mais barata.

[
VOtlLADiOl


X
7

V
Diaria de rVriuiuImco liara Iclra 3 de Pezembro de A93.
3^
45
CALCADO
Ra Direita
45
Aproveitein eui quanto teuipo \
Borzeguins francezes de lustre pa-
ra homem................. 50000
Borzeguins franceze de cores pa-
ra meninas................ 20000
Borzeguins francezes pretos para
meninas.................. 20500
Sapatos de tustr para senhora..
Sapatos de lustre s avessas.....
500
Grande liquidact de faltadas al a
festa, para s fiadar caulas, apro e-
veilout qae dla lecbinclias n lia
. sempre : na ra da Impcratriz, toja
e armazcm d Ar*ra u. 56, de 1 ou-
remo Pcrrira Rendes Gumtaraes.
Cobertores da Arara a \$.
Vendc-sc cobertores de pellos alio 1*600,
roberas de chita > i& ; na ra da Imperatriz n.
56, loja de Mendes Guimares.
A Arara vende as latinhas de 9 pal-
mos ai $200.
Vende-se laazinhas de urna so cor c i|uadrinhos
proprios para capas, com 9 palmos de largura a i
UNIAO
V
s
MERCANTIL
RIJA DA CAHEIA DO RECIPE M. 53.
>.
NOVO E
GRiilTDB 'RUAZ'BM DE MOLHADOS
RA DA CADEIA DO ECIFE M. 53.
Francisco Fernandes Duarte acaba de abrir na ra daCadeia do Rerifen. ^^^
ARMAZEM DE MOLHADOS
PC
etuj.
nominado^r .;:,=: Neste gude armazem encontrar sempre o respeiUve. rabiieo --P^-^^pZs
eneros que vem ao mercado, tanto esirangeiros, como nacionaes, os quaes serao vendidos era porcoes ou a retamo por pieCos
200 rs. a garrafa
assas
commodos.
Manteiga ingle/.a especialmente
e Sardmhas deNantes a 3i0 rs. oquarloe 500
i rs. meia lata.
cscolhida. Vinagre de Lisboa a
de p'rimeira qualidade a 800 rs. a libra, j 1)51200 a caada.
,ado o covado, ditas para vestido a 80, 3i0 c, Manteiga franceza a mais superior do mer-1 800 rs. I
400 rs. o covado : m ra da Imperatrlz, loja da | rado a SAO rs. a libra, e 520 rs. em barril Azeite doce de Lisboa a 640 r. a |
Arara n. 36, de Mendes Guimares,
Brliu da Arara a *oo rls
50800 a frasqueira.
Caixinhas com ameixas francezas,
rotado.
Vendc-sc brim pardo de linho com pequeo to-
que de mofo, que depois de molhado larga, proprio
para calcas e |litots, a 400 rs. rs. o covado ;
brim branco 4e linho a Ij e IJWOO a vara, Tustao
SalmiSo em latas, preparado pela nova arte
I de eozinha, a 800 rs.
i Maga de tomates em latas de 1 fibra a 600
7,20 rs. a libra.
Queijos flamcngos cliegados neste ultimo
vapor a 20iOO.
de cores par* calcas, coleles e palitots a 500 rs. Que,j0 pralo muito fresco e novo a 040 rs.
o covado : a ra da Impcratnz, loja da Arara n.
36, de Menees Guimares.
Lasinha a Mara Pa da
a libra.
Arara. Castanhas
muito novas
Vende-*!laazinhas a Maria fia muilotinas, com j e 30000 a arroba,
quadros palmas de seda, para vestidos a 560 o Cha uxin O ineilior que
covado, sedinhas finas a 300 rs. o covado ; na ra
da Imperan z n. 56
A Arara vende as capas a 8,000 rs.
Vende-se ricas capas.para senhora a 8, chales
de merino estampado a *J5O0, lites finos matea-
dos de novo (tost a 55, dito de penta redonda e
a 120 rs. a libra e
a libra e 4$ a
lia
lorta a 7*500 : na ra da Iwperatru n. 56, Cha preto muito superior a 25 a libra.
lujada Arara de Mendes GuimarAos
Oh que |irchincha, laaxiuats a 280 rs.
Vende-se laazinhas finas para vestidos a 280
330 rs. a covado, lencos branoos com barras de
r.eres a 100 rs., meias finas para senhora a 400 e
3f0 rs., ditas cruas a 400 rs., ditas para homem a ; Bo|achinha de soda em
t60e 400 rs.; na ra da Imperatrlz n. 56, loja da Fjgos em ^nhas hermticamente
Arara.
A Arara vende as cassas OO rs. o eovad.
Vende-se cassasde (iuadTinhos a OO rs, ocova- *
do, ditas finas a 250 e 280 o -covado, organdys finos
.i 240 e 280 o covado : aa rua da Imperatriz a.
'56, loja da Arara.
IVcluiiclia, sedinhas 4a Arara a 800 rs. envai
Vende-se sedinhas cow adrse lisas, escuras,
proprias para j\oem est de luto, por ter urna t
cor a 800 rs. o covado, ditas da mesma qualidade
!e cores para vestidos a O rs. e ditas de Afc-
has a 500 rs.ocovade: a rua da Imperalrii o.
36, loja da Arara de Mendes Guimares.
I'echinclia na Arara, eortes de chita a 22fiO.
cado a 560 rs. a libra, e 520 rs. em barr
00 meio 40800 a caada.
Prezuntos infilezes para fiambre, de superior ^enebra de^ Hollanda a 500 rs. o fi
qualidade, cjjegados neste ultimo vapor, a
nrn*ulis rtis.
com ricas estampas na caixa exterior, Chouricas e paios em latas de 8 c meia libra
muitopropriasparamimo.a^^ Lisf)oa a m R a ][bn e
Frasco de vidro Com lampa do mesmo, con-! JjJOOO arrota.
tendo meia libra de ameix.s francezas, a Bolax.nba nglezaa320 rs
i Ai I nariic*.
lero ,. I ii ii o ^n00r Sag muito novo a 240 rs. a libra.
uioSa 25800 Marmelad? fl*"*1, ^.^Tl^ n* Cevadinha de Franga a 200 rs. a libra.. .
p. opna a 25800 de L,Sboa, em latas de 1 e meia a Farjn|w do ^nQ a ,20 rS- a ,brai
2 libras a 600 rs a libra i Araruta veru-adeira a 320 rs. a libra.
h rucias em calda das memores qual.dades Cevada a m fg a ,ibra e3)5[ a arroba.
que liaem Portugal em latas hermtica- jA,pistaa ieo rs. a libra e 45800 a arroba,
mente lacradas a 500 rs. | p^^^ muil)) novaSemgigos com 10 libras
Peras seccas muito novas a 640 rs. a libra.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Amewdoas de casca molle a 400 rs. a libra.
Avelias muito povas a 200 rs a libra.
Ametidoas confeiladas de diversas c&res a
00 rs. a libra.
MacSas e peras chegadas neste ultimo vapor,
. | muilo perfeitas, s5 i vista se faz o preco.
/,?! m, hgftsdecoma- ensera ngieMS di e a I ,> e 25 cada urna. b
. Pasis muito novas, chegadas oeste ultimo 0d"d ""
vapor a 390 rs. a libra e 31 um quarlo ; Ervilhas francezas c porluguezas eai latas de
e em cauta se faz abatimenite. '.' ora a 6*0 rs. -...,
Ameixas francezas em latas de meia a 3 |-Orvilhas seccas raito novas a 169 rs. a
bras a 8G0 rs.
Champagne ^la marca .
mandado vir de cotila
rs, a libra.
Cha hyson muilo superior a 25560 rs. a li-
bra ; cha hyson proprio para negocio a
l#5O0 rs. a 'ibra.
Biscoutos ingiezes em latas com diflerenles
qualidades, como sejam craknel, vicloria,
piqudez, soda, captain, seed, bornez e
diiiras militas marcas a 15350.
alas grandes a 25.
lacra-

<
P
H
<
e
H
Z
O
5
H
das, muito proprias para raimo a 15500. i
mais superior que ^co\m franeex^quei ha demefhor neste
tera vjn^ac, nosso,**, a^ 85o gigo. |S 8^ }& ^
garanle/se a superior quamude. | l ,... Mm
Vende-se cortes de cla franceza com pequeo! Vinho Bordeaux das melhores qualidades enebra de laranja era frascos f anfies a W.
toque de mofo a 25300, -caries de riscado rranwx i <,ae se p^]e desejar de 7^300 a 85000 a Cerveja branca e preta das melwoies marcas
com 14 covados a 35,cortes de cassas franceeas j a Zf qt... oanrafa Que
Mendos Guimares. a 10*R duzia, e 900 a l$i garrafa; deste
e
CasMraatj$rt00 o covado.
Vende-se casemiras decores para calcas, oole-
les e paleols, infestada, a 15600 o covado, cortes
de casemira Testada a 85600 e 25, e em covado a
15 : na rua da Ii|ieralrz n. 56, loja da Araya de
Mondes Guimares.
A Arara vende ftaja feita e batata
Vende-se fttlitots d-casemira a -45300, 'f5 c
85, calcas de J5500 a 55, palitots de panno a 405,
ditos linos de IU e 445, palitots de brim dei cor
a 25500 e 35, ditos de meia casemira a J5*00,
lia no mercado a 500 rs. a garrafa e
5*800 a duzia.
lOJRduzia, e90Oal|Vgarrafa;lesti genero da grande porco e de differente61 e 15200 a ganara,
marcas acreditadas que j se vendern'Licores francezes das seguints cualidades::
por 14 e 155 a caixa,eemo sejam: Duque
do Porlo. Lagrimas do Douro, D. Luiz,'
Camuee, .Yladeira secco, Cfircavellos, Nc-
tar de 4833, Duque Genuino. "Marrasquino de Zara a 800 rs. arrala e
Vinho de pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a 95 a duzia.
400,4SO e 560 rs. a gar-raTa, e 35, 3^200 Mostarda inglese -ern potes j pr-eparada a
400 rs.
por 15 e a 40 rs. a libra.
Cebollas a 15 o molho com maisde 100 ca-
da um.
Caf lavado de primeira qualidade a 300 -s,
a libra e 95 a arroba.
Cafe o Cear muito superior a 280 rs. ti-
b* e 85400 a arroba.
Caf do Rio, prapriopara negocio, a8#.
Arroz do Maranfcaoa 100 rs. a libra e 45800
a arroba.
Anroz de Java* 80 rs. a libra e 2*400-ai
arroba.
Vellas de spenmaceti a 560 rs. a Jra-e aj
3*0 rs. se fer em caixa.
Tallas de carnauba refinada a 320 rs. o mas-,
so e a 95 a arroba.
Doce de goifca a 640 rs. o caixo.
Macarro, UHiarim e aietria a 480 rs. a li-'
bra ; em caixa se faz batimeiilo-
4^strellinha^)evide e arroz demassa para sopa
a 400 rs. a libra e 25a caixa com 6 libras.
Palitos de dente lixados -com flor a 200 rs.
o masso, Sitos lixados sem flor a IOOts.
--i
O proprielaiio do grande armazeni do Baliza, considerando que apro-
\ima-se*a Testa, e que de algum modo deve mimosear aos seus freguezes, com alguma coli-
sa que revele o scu contentamento e gratidao, resoiveu exfir a venda quasi pelo custo da
entrada o seu rande sortimeuto de gneros, que como todos sabem, sao sempre capricho-
samentetescoUiido entre os da melbor qualidade do nosso mercado.
Sujctto a um severo reglamelo, o Baliza esl firme em seu.posto de liorna, e ja
mais crciMstancia alguma o far arribar do magestoso quartel em que se acha abrigado
espcraitto o inimigo semprv de frente.
Nascido em trras de Portugal, o Baliza Heve a fortuna de ver bem ced- esta bel a
(provino, f-'oi na infancia que aporluu em nosas plagas. entre nos frequentou a escola
priman,seus hbitos foifio aqui adquiridos, suasaleK'oes existem no meio deste '0\o,
tao generoso quanto hospitaleiro. .
A preferencra pm (icte the tem dado os Pernambucanos, um favor, e verdaue ;
mas' um favor que o-aliza tora merecido, continala a merecer sempre, a despeno da
narra surda que llieiazem oshomens das libras de tres quartas, e vinbos bkcados.....
Para se ganhar dinhewn nao de tnister illudir o povo. As fortunas adquiridas
por meios pouc licUos degradao a quena as possue.
Venliam,-.pois, aquellcs que ainda nao abasteceram as suas despensas nesta casa ve-
niGcar por si mesions quanto h de verdadeiro neslas palav as.
O Baliza -est a testa do estabelccimento e nada escapar s suas\islas (jue passa
cahir no desagrado dos seus benvolos freguezes.
e 3#500 a caada.
caicas de brim de cores a 25 e 25500, ditas iran-; vnho branco de superior qualidade, vindo Mosiarda ingleza n p, em frasco6^iande&,
cas de linho a5500-c 45, dias de meia ca*erara | .. engairrafal|o a 6M rs.arrafa e a 500 a Id cada un.
rs. defcarril. **l refinado a 506 rs. o pote.
r
a 25, coletes a 25*00 e 35, camisas francesas a
15600, dilas finas a 25 e 25300, ditas de tinlio
prega larga a 35, scrodles finas a 15600, ditas de
linho a 25 e 2500 : na-rua da Imperatriz h. "56,
loja da Arara de Mendes.& Guimares.
Balees h Arara U, 30500 e Ifl.
Vende-se bates amenieanos, os nn-lhores *uo
tem vimlo, de 20, .10,33, SO arcos, a :5, 353W,
43 e 43500, ditos le brilUantina a 43, dito ;de
madaniil.o a 3360(1: na-rua da Imperatriz n.-M, HM'LUOS HOVOS.
Chitas la trca a 240 rs. Os melhores que tem vindo a esta jraca fabrica-
Vende-se cliius a 240 r. o covado, ditas fran-! dos de encomme^da por um dos Eietoores fabn-
.eezas coni pequeo toque .de mofo a 280 rs., ditas : cantes de Paws, especialmente para ste clima :
Jiinnas a 320 360 e 400rs. 6 covado : na rua a quem quizer proveitar a occasiae de tnunir-se de
ilmi'eratriz n.' 56, loja da Arara. "m exi cliente piano por pre?o eommado dinja-se
A Arara recebeu yete var um serliiuenlo de ro- rua Nova n. 89 pruneiro andar.____________
meiras para scaora, dw melberes gestos que! Vende-*e farello de Lisloa, cal ulti-
ieni *indo, a pr< > !#, 10600 e 20. mmente chegada e carao animal: na rua
Vende-se romeiras para twhoras de cambraia 0 vigario n. l), primeiro andar.
de lpicos brancos e de ores c bordados a 15, i --------------- to ---------------
UOW e 23, colinhas com aozinlio a a80 rs, : taiaeLISWOa .
ditas com peitos e botioiinhe a 15, camizinhas nogada ltimamente ; na rua do Vtgano n. 19,
paraenhora a 15,15600 c 25, aventes e corp- primeiro a'hdar.________________________
olio jara meninas a 500 rs.: tu ruada Impera-,
triz l -56, loja da Arara.
o masso com 20 massinhos.
Anizele de Bornleaux, Plaisir des Damesj-Gomma de-engommar nauito fina a 80 rs. a
e de outras nanitas marcas a i-a garrafa libra.
e 100 a caixa. ..Banha de.perco refinada a 480 ce. a libran
40O rs. ni barril pequeo.
Charutos dos mellioresabricantes de S. F-
lix, emaixas inleiras ou era meias, de
10600, 2# e 30.
Presuntos -de reino, indos de conta propnia
de casa particular, a 4*0 rs. a tora; iniei-
rose fazfbatimenlo.
Os-scnhores que corspr-srem de IOO0W para cima, ter* o descont de 3 por A asnear- do Aln tetro
rita para debrum de vestidos. Rua ,j0 imperador n. 28 e caes de Apollo n.
Vende-se lila para debrum de vestido, a peca 2Qq a |ibfa e e g i5ras para ma
m U varas a 400 rs. : na rua do Quennado, lo- rpfth.
jua
dutoija-tlor.
a 50600 aarroba.
M\K DO OliMADO N; U.
Loja de fazenda de Angusto Frederico dos Saut-is Porto.
ESTOTRAS PARA SAIAS.
\ esto estabeleeiment chegou um ptimo sortimento de esleirs para sala, sendo de diversas lar-
gitra!! 6 palmse da mais superior qualidade .que se vendem por prefos mais mdicos que em
ouiraqualquer parte. S0UTEMBARQUES.
Os mais superiores soutembarques de casemira de cores ricamente enrollados acabam de chegar a
este estaboli'ci ment.
F.NPEITES PAtt\ BAILE de lindos goslos.
LUYAS DE PELUCA DE JOV1N para bomens e senhoras. .
6HAPBS DE PALIIA DA ITALIA para senhoras, enreiudos com flnissimas Dores a 145 e lo*.
CHAPEOS DE PALHA para meninas, enfeilados ricamente a 7*. .
CAMISAS INT.LEZAS para homem, colarihhos, peitos e punhos, ""''* *"JW0 a fluzia-
CAPAS DE SEDA PRETA para senhoras, bordadas e enfitadas de 225 a ~*-
Z'AVOS de seda preto para senhoras, enfeitados com o melhor gosto a 205-
CHAPEOS DE PALHA para homem a 33500.
CAMISIMIAS COM MANGUITOS E GRAVATA para senhoras, bordadas com muito gosto.
ATOALHADO DE LINHO para mesa fazenda suprior. ... ...
Pinos chapos pretos de seda, chales de diversas qualidades, grosdenaple preto e 4eni*nn
MAM linos, casemiras pretas c de cores, brim branco e pardo, linas laas.nhas para vestidos e outras
/imitas fazendas que se vendem por commodos precos. A mesma loja chegaram os
Uta* cortes de iSa de barra matlsada.
RilUPA FEITA
so
ARlA/En
dDH&l IDD OtillUAD-aD
LETREXKO VERDE.
Neste estabelecimenlo ha sempre um sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concur-
rentes, para o que tem um dos memores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
homens e meninos.
FAZENDAS BARATAS
1 -3UV RO -QUEMADO**
% Custodio, Caroallw A C.
M fentbraias organdys indianas pelo baratsimo preco de 300 rs. o covado ou
OS 500 rs. a vara..
raade sortimento
W dos mais fine* bdfes de arcos para senhora e pelo barato pteco de .15 cada um, ditos de ma-
Ot mais lindos e mais finos c modernos corle de lia com rica barras, tendo cada corte
0 covados e polo baratissimo prego de 205.
Fil de linho vara a 800 ts.
Modernas latinhas para vesUdo o covado aM.r
Casacas de panno preto, 35)5 e
Sobrecasacas idem, 30iJ e .
Paletos idem e de cores, 25d,
200, 150 e......iWOOG
Ditos de casemira, 20 m,me...... "ooo
Ditos de alpaca, 53 e. .
Ditos ditos pretos, 9)5, 16,
5,5 e........
Ditos de brim e ganga de co-
res, 4*500, 40, 3,5500 e. .
Ditos branco de linho, 00, *(5 e
Ditos de merino preto de cor-
305000 Colletes de fusto e brim bran-
25)5000 co, 30500, 3)5 e .
Seroulas de brim de linho,
20*00 e ......
Ditas de algodSo, 10600 e. .
Camisas de peitos de linho,
50, 40, 30 e.....
Ditas de madpolo, 30,
20500, 2^ e.....10600
Chapeos de massa, pretos fran-
cezes, 100, 90 e. .
40000 Ditos defltro, 50, 40,30500 e
Ditos de sol, de seda, 120,
30500
30500
30000;
20500
20000
10400
20500
80500
20000
Azeite doce rotando, fraocez e portuguez a j
800 rs. a garrafa.
Dito em barril, a 4,800 a caada e 640 rs. a
garrafa.
Arroz da tafo edoMaranhao a 120, i 00 e 80
rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 320 rs. a libra.
Ameixas -e diversos vazos a li5, 10500,
20500 c800 rs. libra.
Alpiste a *00 rs. a libra, e 40800 arroba.
Aietria a 480 rs. a libra.
Araruta verdadeiro a 480 rs. a libra.
Biscoitose bolachinhas ingle/.as recentemente
chegadas a 10300 a.lata com qualidades es-
peciaes.
Dito mais antigos no mercado a 10300.
Dito lunch od soda muito nova a 20000 ahi-
ta com 3 libras.
Dito de Lisboa muito proprio para doente,
visto sepem preparados para osee niister,
em latas -grandes e pequeas de 30000 e
10500 a lata.
Bolachinhasamericanas, em barricas a 30000,
e a libra 200 rs.
Banha de aireo refinada a 480 rs. a libra,
eem barril 440 rs.
Batatas aova* a 10300 o gigo, ea60rs. a
libra.
Cb perola qualidade especial a 30 a libra.
Dito hysson qualidade especial a 20800 a
a libra.
Dito uxim a 20600 a libra.
Dito hysson a 20400 a libra.
Dito dito a 20 a libra.
Dito nacional a 1/600 a libra.
Dito preto, muito superior a 20 rs. a libra.
Dito dito menos superior a 10600 a libra.
Chouricas e paios a 800 rs. a libra.
Champagne (marca aguia) do Conde de To-
r a 150 o gigo ou 103oo rs. a garrafa.
Charutos dos melhores fabricantes do Rio e
Bahia a 800, 10400, 20, 20500, 30,
30500, 40 40300, e 50 a caixa com 100
charutos.
Chocolate francez, de ranella la Romain.
Caf a 280 e 320 rs. a libra e a 80, 8/500 e
90 a arroba.
Cognac de muito boa qualidade a 10 a gar-
rafa.
Dito solrivel a 800 rs. a garrafa.
Cerveija da marca tenente em botija, (en-
commenda feita pelo propietario do Baliza)
qualidade esta que nao pode continuar
a vir em consequencia de ficar por preco
muito alto a 60500 a duzia de grandesbo-
manbos a 500 e 10 a garrafa e 40 o par
de garrafas grandes, que depois de vasias,
valem o que se deu por ellas ebeias.
Linguasi americanas de um tam:uilio aJmi-
ravel a 10 cada urna.
.Manteiga, neste genero ha capricho da parte
do proprietario do Baliza ter sempre o
numero de 6 a 10 bar is de manteiga a-
bertos, afim de satisfazer os seus amigos
e freguezes, sendo que o prec/i da man-
teiga verdaderamente flor de 900 rs. a
libra, e as domis qualidades a 800, (00
e 400 rs. a libra.
dem franceza a 560 rs. a libia, muito nova
c de cxccllente goeto.
Marmelada imperial dos melhores fabrican-
tes de Lisboa a 640 rs. a libra.
Massa de tomate a 640 rs. a libra.
Mostarda ingleza em potes grandes a G O
ris o pote.
Marrasquino de zara a 64o rs. o frasco.
Peixe em latas grandes,
10300 a lata.
Papel greve pautado e liso a 30300 a res-
| ma.
Pajitos liara (lentes a 160 rs. o maco.
Dito dito de flor a 240 rs. o maco.
Prezunto para fiambre vindo lodos os vapo-
res a 700 rs. a libra.
savel e gora a
do, 100, 70e..... 50OOO 110, 70 e. .
Calcas de casemira preta, 120, Collannhos de linho fino, ulti
100, 80e......70000
Ditas de cores, 90, 80 e.
Ditas de meia casemira de co-
res, 505OOe. ......
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 50, 40500 e
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40500, 40 e .
Ditas de ganga de cores,
40500
640
ma moda.......
70000 Sortimento completo de grava-
tas. I
40000 Toa,has parroslo, duzia, 110,
I 90 e....... 60000
40000 Atoalhado adamascado de li-
nho vara......10280
20500 Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....40000
30300, 30 e.....20500 ^ences de linho
.
Colletes de velludo preto e de
cores, 90 e. 70000
Ditos de casemira preta, 50 e 40000
Ditos de ditas de cores 50
40 e........30500
Ditos de setim preto. 50000
Ditos de ditos e seda branco,
60 e.......3*0
Ditos de gorguro de seda
pretos e de cores, 60, 50 e 40000
30000
20000
Cobertas de chita chineza..
Pennasd'aco, as mais superio-
res, a grosa...... 600
Relogios de ouro orizontaes,
900, 800 e......700000
Ditos de prata,. galvanizado,
patentes e orisontaes, 400 e 300000
Obras de ouro, adercos, meios
aderecos, pukeiras, ro zetas,
aneis e cruzes. A
tijas e 80 por vinte quatro m< as, e de ou-
tras marcas a 3*
zia de garrafas.
tras marcas a 30, 40, 50 e 50500 a du-
Conservas inglezas, a 800 rs. o frasco e 90
a duzia.
Doces (.francezes) em frascos lindamente enfei-
tados em calda de assucar e em alcool a
10 e 500 rs. o frasco.
Dito de goaba em latas e em caixes de di-
versos tamanhos e objectos pelo qual se
nao engeita dinheir avista do grande de-
posito que ha.
Ervilhas francezas e portugueza a 700 e a 500
rs. a lata.
Dita secc a 200 rs. a libra.
Figos novos a 320 rs. a libra e a 60 o barrili-
nho.
Fruta em caJda de assucar era latas a 500
rs. a lata.
Farinha do Maranbo, muito superior, a
16o rs. a libra.
Dita de trigo, a 120,140 e 100 rs. a libra.
Frasqueras com genebra de laranja, de
Hollanda, e de Hamburgo, de
precos conforme os tamanhos.
Gomma do Aracaly a 100 rs. a libra.
Dita menos superior a 60 rs. a libra.
Graixa a 120 rs. a lata e 10300 a duzia.
Licores francezes das melhores fructas da Eu-
. ropa em garrafas lindas e de diversos ta-
Dito do Porto em barril a 480 rs. a libra.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 2/800
e 30000.
Dito prato superior a 800 rs. a libra.
Sardinha de Lisboa muito bem preparadas
em latas grande a 640 rs.
Dita de Nantes a 320 rs. a lata.
Sag novo a 240 rs. a libra.
Sabo mass a 120, 160, 200 e240
libra.
Sevadinha de Franca a 200 rs. a libra.
Sevada a 120 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa, de Santos, a 320 e 360
rs. a libra.
Tijoto para limpar facas a 140 rs. cada um.
Vinhos, nci-tegeneno oarmazem Baliza tem
o melhor sortimento possivel, Lagrimas
doDouro, Maria Pia, Camoes, Bacage, D.
Pedro II, D. Pedro V, e Baliza, que so
vende muito barato em vista de sua sp.-
cial qualidade a I0>000, 120000 eI5000
a duzia.
dem esquesiti-s como sejam Clien y, e Vade-
ra, Vclmute, etc., de 150000 a 200000
duzia.
dem de Figueira, Lisboa e Porto a 30000,
40ooo e 40500 rs. a caada
dem de Lisboa de minha propria mana em
ancora de 8 a 9 caadas por 80000
a ancora, e da Figueira de 8 t a 9 ca-
adas a 280080 rs.
Vinagre de Lisboa em caada a 10600,108oo
e 20000 rs.
dem mais baixo a 10280 rs. a caada.
Idtm de Lisboa em garrafes com 5 garrafas
por 10200 rs. com o ganafo.
Vellas de espermacete superiores a 600 rs.
o maco.
dem de carnauba de 320 a 360 rs. a libra,
em arroba de 90000 a !O0ooo rs.
Vassouras do Porto com arcos do erro a 4oo
rs, cada urna.
diversos Vinhos de Bordeaux neste genero temos as
melhores qualidades que se fabricara em
Bordeanx, tanto bramo como tinto, c espe-
ramos por todos os vapores francezes, uns
pequeos barris contendo cada um de f 5
a 90 garrafas, e qne serao vendidas o maig
barato possivel.




5S*r!LZ il '' '''
-*
/
y
Diarlo ALLIANCA
COMO NITMCA IIOl \ K
r NO
/ ARMAZEM
57 RA DO IMPERADOR 57
Na bem conliecida loja que foi do Sr. Flix alfkiate.
Paulo rerrrlrr. da Wllva proprietario deste novo estabelecimento, tendo
O IAKCO 11% IMMIt 10
Ui\IAO
COMMERCIO
drogado da Europa, /aonde escolheu ura grande e variado sortimento de molhados, tem Frawsitasjo Vernaudes Binarte dono deste rauito acreditado armazem
,1,,.^^.^'^ # i ki a -a i i -i i molhados, acaba de receber neste ultimo vapor os mui desejados gneros escolhidos cvc WUus os sennores da praca, senhores de eonenlio
a liorna do os expor ao respe.tavel publico desla cidade pelos mais resumidos-precos. por elle na Europa, todos multo propries para a Testa os quaes est resulvido a vender por ,e lavradores a seguinte taclla, por onde vero a sranito *vm
precos baratissimos como veraopela seeuinte tabella, e mesmo pede a todos os Srs. da' "' am ,* ..?:. .. h Ue ecODOmwl Jlil
Defronte da loja do Preg ni>a.
DUARTE l MI kKll %
Mjha de abr o seu grande e sortido armazem de molhados denominado Unio e Com-
mercw. Este grande armazem um dos mais bem montados que teos em nossa praca
nao so era limpeza e aceio, como as qualidades especiaes de seus gneros. 0 proprie
tao do> Unio e Commercio offerece todos os senhores da praca, chores de engenho
neste ultimo vapor os mui desejados gneros escolhidos
,------ v.0. ,~.*, .........wU^.u^K.^v- ,, c,,vim r.un.pa, iouos muuo propries para a festa os quaes est resulvido a vender por ." """res a seguinie umeiia, por onde vero a grande ecoc
Em.iao ptima occasiao, por estarnos prestes a festa de Natal, o proprietario do pre?l>s barat,ssiino8 como verao pela seguinte ubella, e mesmo pede a todos os Srs. da' comprarem em to til diflu, ilu.' i r. .. U em
. V .Praca. de engenhe e lavradores para que mandem suas relacoes para serem despachadas! P ^ ^ um estaoeiecimento, afianzando o mesmo todo e oualuuer caero
grande^rmazem Allianca offerece aos seus amigos c freguezes que o conhecem desde no armazem do Progresso do largo da Penba n. 10, afim de veretn a grande vantagem' s^ido de seu armazem. *
OOandb foi socio .los rmaseos Progrcssivo e Progresista as maiores vantagens em com- 'JJ* m*?to ,M saPerioridade dos gneros como nos precos asss resumidos,' Bollinho franeez em latas e caixinha => m,k i rw i
os Srs. que nao poderem vir poderao mandar seus portadores ainda que nao tenliaa pra- delird-w nS tn S, S 1 Cominho a 4oo rs. a libra.
prtrem cm seu armazem. -tica, que serio (lo bem servidos como se viessem pessoalmente. dn S^qa S S T merCa' Em do,e 9 i ~ 2
Hoje de novo estabelecido mais precisa da concurrencia de todos estes senhores' interesse ** ra Proprietario deste acreditado armazem, ja deve ser bem co-! a *'000 rs' a **"**
-tabe.ceimento. certos de que esta casa jamis deixaro de ser cumpridasas'^ ^ *^eguezes, poissimp.esmenteconsiste em servir bem ega- ^Tl'tt^TT^Zr^
nhar pouco, afim de conseguir a.continuac5odaquellas pessoas, que a primeira vez se dig-
naren honrar o seu estabelecimento.
Queijos Qamengos chegados neste ultimo
vapor a 2,ooo rs.
libras por fioo rs.
dem mais baixo a 54o rs.
Mauteiga ingleza a mais superior neste ge- Cognac de superior qualidade a 8oo rs. a gar-
nero a 8oo rs. a libra, e comprando de 8 rafa.
libras para cima a 7*o rs., esta a mais ., ., -,
saporior qae pode haver, tambem ha mais Idem mu,l suPenor a 4 > rs- a arraIa-,.
I -as pa,a menos TO,. .Cafe a ^> e 3,0 rs. a libra, e a 8, e | ffnf %osVd^ior qua-
dem franceza muito nova aCoo rs.-a libra; y.oors- a arrona. lidafle a 4oo rs. inteiro, e a 5oo rs. a
e Sfiq rs. em barris ou meios. cerveja das melhores marcas do nosso mer- "la-
cado de 5,ooo a.6,ooo rs. a duzia, e 5ao d^ de ^^ filK) m 9^ % t,
rs. a garrafa.
Consenas inglezas a 75o rs. o frasco e8,6oo
rs. a duzia.
Doce em calda a 5oo rs. a lata.
Ervilhas francezas muito novas a 64o rs.
dem portuguezas a To rs, a lata.
dem seccas a 2oo rs. a libra.
Bassouras do Porto com arcos de ferro a 32o
Ts. cada urna.
Vellas de espermacete da melhor qualidade
a Uoors.'O maco.
Peras seccas muito novas a 48o rs. a libra.
CM pcrola de especial qualidade a 2,8oo rs.
a libra.
dem bysson muilo superior a 2,7oo rs. a
libra.
dem uxim a 2,5oo rs. a libra.
dr ii bysson a 2,3oo rs. a libra.
Mem idem a 2,ooq rs. a libra.
dem pelo de qualidade muilo especial a
2.000 rs. a libra.
li!"!ii ideal inferior a I,6oo rs. a libra.
Sevadinha de Franca a 2oo rs. a libra
Sevada muito nova a loo rs. a libra.
Continuos, ervadoce e pimenta do reino a
36o rs. a libra.
Genebra de llollanda a5,5oo rs. a frasquei-
ra com 12 frascos, e a retalho a 5oo rs.
cada um.
libra.
Champanha de 20 a .ooo o gjgo.
dem franceza chegada pelo ultimo navio a j
56o rs. a libra, e em barril ten abatiraen- h alpisla a !6 rs" a W>".
to- 'Paincoa 2oe rs. a libra,
dem ingleza em potes de 4 a 16 libras a
8oo rs, a libra e o pote separado,
Castanhas muito novas a 2,ooo rs. a canas-
tra e a 160 rs. a libra.'
Cha uxim o melhor neste genero, mandado
vir de conta propria a 2,8oo rs, a libra.
dem hysson, grande, muito bom a 2,6oo rs.
a libra.
Gomosa muito alvapara engommar a 8o rs
a libra, e en arriba se far abatimento
Sag muito novo a 28o rs. a libra.
dem em botija bamburgueza a 4oo rs.
Manteiga ingleza flor a mais superior do Genebra de laranja a t,ooors. os frascos' !*!em pret0 "to fino, a 2,6oo rs, a libra.
dem preto, mais bawo, a 2,ooo rs, a libra.
dem, verde, miudinho, mais proprio para
mwcado a 7o rs. a libra,
dem de segunda qualidade a 64o rs. a libra.
grandes.
' Vinho de caj o melhor que ha no mercado "SlS^' ""'"o. mais i
Manteiga franceza de primara qualidade a a i ooo rs a garrafa negocio, a I,5oo rs, a libra.
50^rs. a l*,. 5i rs. m tarris a ^ i Ma fc ..ta* muito alva a 40
rs, a libra, e em barril se fara abatimento.
a caixinha.
d 2,000 a 4,860 rs. a caixa.
Faiinha do Maranhao muilo alva a 14o rs. a
libra.
(Uiocolate rraacesi hespanhol e porluguez, a Iem de ^^^ e composi(.5o a 32o e 36o
Ooo e l,2oo rs. a libra. j a ,|bra e Ioooo ^ a a|Toba
Charutos dos melhores fabricantes da Babia jijlo para limpar facas a t2o rs. cada um.
i-, ue qualidades especialmente escolhidos,
, Toucinho de Lisboa e Santos a 320 rs. a
libra.
i Sevada muito nova a loo rs. a libra.
i
Idem de aramia verdadeira a 4oo rs. a libra. l>,'ixe ein latas grandes, savel, pescada, cor-
,.,... ,, vina, eoutras qualidades a l.ooo rs. cada
VimIio lo Alto Douro engarrafado, e os mais |ata.
Iiem es.-ulliidos. lagrimas do Douro. D. Pe-
dro V, I). Luiz I. Duque genuino, Nctar Passas muito novas a lo,ooo rs. a caixa e
superior. Malvasia ina, Bastardo, outros ^on rs- a libra.
a l,ooo e 12.000 rs. a duzia e t.ooo rs. Palitos lixados para denles a 4o rs. omaco.
y garrafa. ,, _.
dem de flor a 2oo rs. o maco,
dem Cherry c Madeira a 1,5eo rs. a garra- .. ,-.,'
fj e 16,ooo rs. a du/ia. ll'siinl P* fiambre ingle/es o americanos
a 800 rs. a libra,
dem Bordeara de diversas marcas de 8,000
.1 10,000 a duzia e 800 rs. garrafa.
B>* has americanas a l.ooo rs. a barrica. r-u,,,iin PnUo a 8o ri- a libra.
c a .00 re. a libra. I(],.ni fiamcngo vindos no ultimo vapor a
Btalas muilo novas a l.ooors. o gigo, e6o' 2,8o rs-
n- :l ,llM;l- Sardinhas de Mants muito novas a 32o rs.
Banda de pirco refinada a 48o rs. a libra o a 1:,la-
!" i,;'il a Ho rs. sag muilo novo a 2oo rs. a libra.
Vi.ihocm piqa de Lisboa, e Figueira.de 3(ooo dem muito superior a 28o rs. a libra,
a i.000 rs. a canada,-e 500 rs. a garrafa.
_ rt '..IIA Illllrl '------------------------------------------------------------------"------
seiaradn^^^^ W" d Ki carcas;
dem huxim o melhor do mercado a 2,6oo Ervilhas seccas chegadas neste ultimo navio i JwTCL 3S mar0aS' '
rs. a libra. a ifiors. a libra, o em porcao se faz aba- ",uu'
Bolachinha de sudo, especial encommenda, a
2,2oo rs, a lata.
Biscoito inglez Craknel em latas de 5, 7 e 15
libras a 5,ooo e 6,000 rs, e de l,2oo a
800 rs, a libra.
dem do Porto a 48o rs. a libra.
dem de segunda qualidade a 2,ooo rs. a timento.
II)f"i
dem hysson muito superior a 2,5oo rs. a li- ^ ^ P^ a 48o rs. a libra e
ord.
dem preto homeopathico muito fino a 2,ooo' Vinho branco de superior qualidade proprio
rs. a libra. j para missa a 64o rs. a garrafa.
Boladiinba de soda chegada neste ultimo Ameixas francezas em caixinbas elegante- QueJosdo r^in0 Pp| ljaratissimo preco de
na>io a 1,35o rs. a lata, desle genero ha mente enfeitadae com ricas estampas a e.i,ooo rs os do ultimo
grande porco e de differentes marcas, l,2oo, l,5oo e 2,ooors. cada una. vapor.
que se vendem todas pelo mesmo preco a dem francezas em frasco de vidro com tam- dem prato muito fresco a 64o rs; a libra
ventade dos compradores. pa do mesmo contendo 1 'i libra a 1,2 w Idem kmdrino muito fresco a 800 rs, a lima.
rs. s o frasco val quase o dinheiro. ... ,, ; ....
Vinhos em pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
48o, 56o, e 64o rs, a garrafa, e de 3,ooo a
comprad
Iem em latas grandes a 2,ooo rs.
Hwg*,?. lance emtogn,d "ZZZ&13U? ^^
a l,0oo rs.
armelada im,
tes de Lisboa a 6io rs. a lilira.
4,5oo rs, a caada.
**. "S^S^Tprl^?, 'S rs" Marmr f SS*" *" md"ores *^-
ros de Lisboa em latas de 1 e mais libras
Sabo mar ih- diversas qualidades a 2oo e
2io rs. a libra.
Idem de Lisboa em ancoretasde 8 a O orna-
das por 27.000 rs.
Itdn inferior de 12o a 18o rs. a libra.
dem do Porto muilo especial a 5,*oo rs. a
caada e 72o rs. a garrafa.
lma em garraftas com 4 '4 garrafas por
2.500 re. cuino garrafo.
Vinagre de Lisboa muito superior a 2,000
rs. a ciliada.
dem mais baixo a l,5oer. acanalla, e 2oo
rs. a garrafa.
Mem no rarrafes com 4 !j garrafas por
! ,20 rs. com o garrafo.
Aiii ixas francezas em caixinbas com ricas
eslaiipas.no esterior de l,2no ,i ii r...
cada una.
Genebra deHoManda em frasqueiras a 6,5oo
ris.
dem bamburgueza em frasqueiros a 5,8oo
res.
Idem de llollanda em garrafas grandes a
5,8oo rs cada um.
dem em botija a 4oo rs. cada urna.
Garrafes vasios de diversos tamanhos a 5oo,
64o e 1.2oo rs
Gomma doAracatv a 80 rs. abra muito alva
Graixa a loo rs. a lata, e l,2oo rs. a duzia.
Licores linos francezes em garrafas e frascos
de diversos tamanhos de 600 a 800 rs. ca-
da mu.
Marmelada imperial de todos os conserveiros
de Lisboa a)4o e 7oo rs. a libra.
Ina.
-4
dem em tasco de vidro de diversos tama-
nhos a 1,580 v ,'h o rs.
Idem em latas de I I 2 e : libras a I.Joo e! M.issa de tomate muito nova a 64o rs. a li-
.3oo rs. rada utna, p a 81 x rs a Bbra.
Figos de comadre em caixinbas de 4. 8 e 16
librrs a l,too, ..'inii e 5,ooo rs. cada
urna caixa.
dem -!incaixiniis de folha a 32o rs.
Mem em eaixas gndas a 2oo rs. a libra.
I.leo em lilas ermetimente lacradas de l.ioo
a 3.000 rs.
Arroz da ludia Maranhao a 80, I0O e lo
rs. a libra, e 2,5ooe 2,8oo rs. a arroba.
Amendoas de casca mole muifo novas a 4oo
re. a libra.
Ceblas novas a l,2oo rs. os mollios gran-
des e a 1,000 rs. o cento.
Alpisti a 1 ie re. a libra e 4,600 rs. a arroba.
Mirarro, lalbarim e aletria muilo nova a
4 i e 48o rs. a libra.
Biscoitos e. bolarhinbas inglesas as ultimas
rbegadas *o nosso mercado a l,2oo-e
1.4oo rs. cada lita.
Bniacbioha de soda e lunch em lats grandes
a .000 rs. cada lata.
Frutas em calda em latas de i,000 a 5oo rs., W neste genero ha diversas qualidades a es- "''
colher. Passas de carnada a 48o rs. a libra e em
Champanha superior das marcas mais acre- quart0 com 8 ,ibr'lS I,or 2'5o rs-
ditadas a l,5oo rs. a garrafa e 15,ooo rs.
o gigo. Bolaxmhas inglezas de superior qualidade a
~ -. 1 2ooo rs. a barrica, ea 2oots. a libra.
Serveja das melhores marcas que vem ao
mercado a 5oo rs. a garrafa e a 5,ooo rs. Chocolate franeez o metbor que se pode de-
a duzia sejar neste genero a l,ooo rs. a libra.
UTZe% 'aC 3 56 rS' a-gan'ara' C 31 **,,ara ** CStrelinha' P* a'-'-oZ de
0,400 rs. a uuza. Jnac;1 a i8 rs a J)rt e en| ^.^ a ^^
Vinho Bordeaux de differentes marcas, e as rs: ca<'a uma micarrao, tallierim, e ale-
melhores do mercado a 7,000, 7,5po e lriaa 4o rs-a libra
SPS T.T d"Za' ""I ar" Amendftas de casca mole a loo rs. a libra.
rafas a t4o, 7oo e 800 rs., garante-se a
boa quali.lade. Avelans muito novas a 2oo rs. a libra.
a 7oo rs, a libra.
Frats em caldas das seguintes qualidades:
ameixa, raiuha Claudia, peras, cerejas,
ginja, pecegos e alperch a 5oo rs, a lata.
Figos em caixinbas de 1 '/i arroba e de 8 li-
bras a 8,000,4,000, e 2,ooo rs, e a 3eo rs,
a libra.
Amendoas de casca mole a 28o rs, a libra, e
em arroba ter abatimento.
Sardinhas de Nantes a 32o rs, a latinha.
Toucinho de Lisboa a 36o rs, a libra e cm
arroba ter abatimento.
Manasqnfno de Zara a 640 rs. o frasco,
dem em frascos grandes a 800 rs.
Cominhos muito noyos a 5oo rs. a libra.
Lrva-docea 24o rs. a libia.
Pimenta a 36o rs. a libra.
Cravo da India a 4o rs. a libra.
Cannella a l.loors. a libra.
Alfazemaa 2oo rs a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs. o
fraco.
Copos linos para agoa a 5,ooo rs a duzia
Chouricas novas a 72o rs. a libra.
Mostarda france/a preparada e muito nova
a 32o rs. cada um frasco.
Conservas francezas de superior qualidade a
(i'iO rs, o frasco o 7,000 rs. a duzia.
Aceito doce a 64o rs. garrafa.
Sevadinha de Franca muito ora a 2oo rs. a
libra.
ATTENIJiO.
Neste grande armazem de moldados vende-se em grandes porcoes e a retalho
fazendo se dilfen nderavel a qaem comprar de 100^ para cima."
dem Figueira de superioi- qualidade a 48o Ervilhas francezas "muito novas em I:
rs. a garrafa e 3.5oo rs. a caada. grandes a 84o rs.
Idem de Lisboa a 2.800 rs. a caada e 4oo .iam nm A.^, ^
rs. a garrafa. em dltas Peluenas a 4oo rs.
Mein do Porto de superior qualidade para Maca de tomate em latas de 1 e 2 libras 3
mesa a 50 rs. a gnala, e 4,000rs. a ca- 64o rs.
oad I-, _
Salmap cm latas de 1 i libra a 800 rs.
dem fino do Alto Douro da compita de 1833, ,
como sejam: D. Luiz. Feitoria .velho, Nec- La?S,inno em latas grandes a l,4oors. ca-
tar, Carcavellos e Camoes em caixa de uma"
urna duzia a O.ooo rs. Sardinhas de Nantes a 36o rs. a lata.
Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto Cognbac inglez a 800 rs. a Traa
a l,ooo rs. a garrafa e lo.ooo rs. a caixa. .
n s n .., l,co'' anee/, das melhores marcas do mer
Duque do Porto, Madeira secos, duque ge- cado a 800 rs. a garrafa
mimo, lagrimas doces a 9oo rs. a garra- ..
fa e 9,5oo rs. a duzia. Batatas chega.las neste ultimo navio em ca-
1
Garrafes com vinho do Porto a 2.2oo rs xa com du:ls arrobas por 1,600 rs., e 4o
cada um. | : rs. a libra.
Vinagre de Lisboa de superior qualidade a Gonce vas inglezas a 75o rs o Hmb
2oo rs. a garrafa e l,2oors. a caada. 1
: Sal refinado em potes a 5oo rs. cada ura
AzeUe doce refinado em garrafas grandes a Mosti)r(]a ngle a |f000 K> 0 kiSco
dem de Lisboa a 64o rs. a garrafa, c em S""trm** a 4o rs- P0,p-'
caada a 4,8oo rs. ; Milho alpista a 16o rs. a libra e 4,8oo rs. a
I*resuntos inglezes para fiambre a 7oo rs. a
libra. Graixa rauito nova em latas grandes a 120
Idem de lamego encommenda particular a ris.
'48o rs. a libra, e inteiro se faz abatimento.
Massa de tomates a 64o rs, a libra.
Pimeula do reino a 34o rs. a libra,
Farinha do Maranhao a 14o rs, a libra.
3 Ceb&las a 4oo rs. a r*'stea.
Tijollo para hmpar facas a 16o rs,
Toucinho do reino o melhor do mercado a
320 rs. a libra, e em arroba a 9,ooo rs.
Lalas com peixe em posta ermeticamente
lacradas das melhores qualidades de pei-
xe que ha em Portugal a 1.2oo rs.
Velas de espermacete de 4, 5, e 6 por libra L .. s ,, ,., s
a 560 rs., e em caixa se faz abatimento.! c4' l,V.ad,lile qualidade a 3<
charutos.
a 560 rs., e em caixa se faz abatimento.!c^ la,7"Iode l* qualidade a 32o rs., dito
dem de carnauba refinada a 32o rs. a libra le .a 2,8,) ? a libra e s-- rs a arro-
c 9,000 rs. a amiba. a dlt0 (le a 26 rs- a libra e 7,8oo
dem de carnauba pura do Aracaty a 4oors.! rs- arroba-
libra e lo,5oo rs. a arroba. Charutos suspiros dos melhores fabricantes
de S. Eelix a 2,5oo rs. a caixa com loo
Gomma muito (ka e alva a 80 rs. a libra.
Cerveja das mais acreditadas marcas de 0,000
a 7,5oo a duzia, e de 5oo a 600 rs, a "ar-
rala,
Prezunto para fiambre muito fresco e novo
a 800 rs. a libra,
Genebra de. laranja a 9oo rs, o frasco,
Chouricas as mais frescas do mercado a 800
rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a Ooo rs. a garrafa,
e lo,5oo rs. a caixa com uma duzia,
Licores francezes'das seguintes marcas: Ani-
sete de Bordeaux, Plaisir des dames, e de
outras muitas marcas a lo,oeo rs. a duzia,
e a l.ooo a garrafa.
Passas muito novas a 5oo rs. a libra e a 8,5oo
rs. a caixa. Ha eaixas, meias e quaftos.
Batatas a l,ooo rs. o gigo com 38 libras.
Bolachinha ingleza a 4oo rs. a libra,
Azeite franeez e portnguez refinado a 800 rs.
a garrafa, e 9,ooo re. a caixa com uma du-
zia. .
Conservas inglezas das seguintes marcas:
Mixed, Pickes, e ceblas simples a Boo
re o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes a 4oo
rs. o pote.
Grao de bico a 16o rs .a libra, e em arroba
ter abatimento.
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 libras, muito
prop ios para deposito de manteiga, doce,
e outro qulquer liquido, de 1,ooo-a 3,ooo
rs, cada um.
Sabo verdadeiro hespanhol, que raras vezes
>em ao nosso mercado a 28o rs. a libra!
Vinho branco o melhor neste genero a 600 rs
a garrafa e 4,000 rs. a caada.
dem Bordeaux de differentes marcas, garan-
te-se a qualidade, a 8.000 rs. a caixa cora
urna duzia, e a 7oo rs. a garrafa.
Garrafes com-5 .garrafas de vinho do Porto
do Alto Douro a 2,2oo rs. com o garrafo.
dem com 5 garrafas de vinbo Figueira, mais
freS 57. 3 nOSSa estac* Pr ^is
fresco a 2,4oo rs. com o garrafa..
^ssLr*1 ****.a i-tors-
Sabao masM de superior qualidade a 18o
2oo, e 22o rs. a libra do melhor que ha
Graixa era latas muita nova a 12o re. "a lati-
nba, e l,3oo rs. a duzia.
Peixe era latas muito novo: savel, pescada
nrZ'.f mf C 0,,UraS mUlaS SSaoS
cozmha, del,2ooa2,ooors. a lata.
dem do Alto Douro viudo do Porto engar-
rafado e esenlhido pessoalmente mr*um
dos socios que se acha em Portugal, da*.
seguintes marcas : Duque, Genuino, Ve-
jLio^lVespecial- ^"iMas. Doces de
1819, vinho especiar D. Pedro V, vmcM
verao. Nctar superior de 1833, Duque do
pe. er, Ma.le.ra Secta de superior quali-
dade vinho do Porto superior I). Lni/ I
nL 1 -grim{,s ,l0 Dol,rn' especial vi-
nho do Porto, de 1,000 a 1 2oo rs. a gar-
afa1 cs de lo,ooo a 12,ooo rs. a caixa cora
uma duzia.
Vassouras americanas a 800 re. cada uma.
Velas de spermacete as melhores que ha no
mercado a 56o e 04o re. e masso. e ej
caixa se far umjgrande abatimento,
dem de carnauba e composico, de 4oo a
Caf de 1 e 2 sorte de 8.3oo a 8 600 rs a
ATla *ft lhmM0 Cawli"a a 3.000.
2.8ooe2,ioors. aan-olM e a loo rs. a
Frasquera de genebra a 0,800 rs. e a 000
rs. o frasco.
Azeite doce em bail muito fino, a 6, rs
a garrafa, e em aada ter abatimento.
Papel greve pautado e liso a 3*5oo rs a
resnta.
Genebra de llollanda cm botija de conta a
44o rs. a botija.
Bacallio a 14,*oo a barrica.
Brvilhas fianceza e portugueza a 640 re a
lata de uma libra.
Chocolate franeez. hespanhol. suisso e por-
luguez a 1,000 rs. a libra, e a 28o re. ca-
da pao de urna.1.
Garrafes vasios de 5 garrafas at 3 caadas
de $00ate l,3oors. cada um.
Ameixas francezas em cafxinbas elegante-
mente encelladas, cora diversas estampas
no exterior da caixa de 1,500 a 3,ooo re
cada uma: tambem h*frascos e latas de
differentes tamanhos que se vendem por
modleo- preco. '
Massas para sopa: macarro, talharim e ale-
tra a 18o rs. a Mbra, e em caixa se far
abatimento.
Garrafes com 14 garrafas de genebra de
llollanda a 5,5oo cada unv
Charutos de todas as marcas e dos, melho-
res fabricantes da Bahia. de 3,oe a 4.<>oo
re a caixa. -:
loo e 2,000 rs. a caixa com loo cfiaru-' Todos os senhore* ma -
. |o preco nao indica a boa qualidade mn terao miis Tn ^? 0/T^?01 para ne?oc' ou t particular do MW para
ndeem-se ao trabalno de Jiremo', S i^ so ^bdoa ^^5 o proprietario santifica raahqne todos
n.io.-nm n r5 a M,ujia Z~~ ** sao receDiaos de sua proona encommenda. rasan mu nara ivuIat v.
Aramta verdadeira a 32o re. a libra dem finos de diversos fabricantes a l'Boo
Farinha do Maranhao muito alva e chelrosa 1,8o e 2'000 re- a caixa C,m ,0 '"''a'"-'
a 12o re. a libra j tos,
0..,-. 1 porm oeem-se ao iraoaina ae.viremo't os i?enprn ><,, 4k .... Sag mudo novo 21o rs. a libra. mandaren c verojL realidade. Q Te/p?r SffmeS T^Zt^ PT" enctnfefl*, *m ^ri^
wr [hit muuo menos do que em oulro qulquer estabelecimento.
\
v
r



Diario ile PernamhiHd 4ftuarta fehra 23 da Dezearitro de I MIS.
'

r
i
ATTENCAO
9 TjARGO RO CAKJIfO 9
f GRANDE SORTIMENTO
DE
3
PARA A FESTA.
DO
PROGRESSISTA
RUI RAS CRIJXES M. 30
E
RA DO CEESFO N. 9
Me Inlii-i) de Meato Antalo.
lonquiui Jos Ciouies de ttouza scientifica a seus numerosos fregu^
aes e ao publico em geral que acaba de estabelecer um novo annazem de molhados
na do Crespo n 9, aonde se encentrar sempre os melhores gneros de estiva, que
se vender-o a retalho e por atacado, por menos dos que se venderem em outra qualquer
parte, afliancando-se aquellas pessoas que comprarem nestes armazens a soperior qua-
lidade de gneros, preces commodos e bom acondicionamento.
38RA DO IMPERftDOR38
n
<#i
k\
Agua natural de Condllae,
maito recommendada as affec^oes 4o tubo gastrointestinal, nos dosrinf, e hevic-a ominara, pela?
soas propriedades alcalinas, e o acido carbnico que naturalmente conten em suspeusin, de prrrc
mais commodo que a agua de Vichy, o de propiedades talvez superiores pela prtnri
acido carbnico. Injecfo Uro, agua di le Ckeeleu, cupahiba de Mege, injecaw Fugas de tttHatc
\dezmoo, muito recommendada as gonorrheas. Lerroy francez verdadeiro ;'na mesma casa tcm
algumas caixas de instrumentos cirurgieos para operacoes de Matieu e Charriere.
MOS A R]flAXRH'N
CONSERVATIVO E CONSERVADOR
21 e 23Largo do Terco21 e 23.
Joaquim Siraoes dos Santos, proprietario destes estabelecimentos de mt)I*i:t*los
participa ao publico ea todos em geral, que vende nos seus armazens os genero.-, p.*
O annazem da ra do Crespo situado no melhor local desta cidade com o- as- aeooSi de 5 10 por cento do que em outra qualquer parte, garantido-?.' pola m:>
qualidade.
seio que de necessidade manter-se com estes estabelecimentos, faz crer a seu pro- Manteiga ingleza perfeitamente flor a 800 rs a libra
, hn ^fl* aos seus numerosos freguezes e ao publico em, geral que gbanajf xa tf estabelecimenl0 a0Bd se en(Qnt dem fraoceza, vinda pelo ultimo navio a 560 rs. a librae 540rs. em barris ou mefi*.
receber de sua propria encommenda, o mais lindo e completo sortimento de moldados, i y e Banha de porco relinada, a 400 e 44o rs. a libra
os (jiia.-s vendeui por gi osso e a retalho por menos 10 por cento do que outro qualquer eeridade, para ir-se comprar aonde se nao offerecera tantas vantagens. Velas de espermacete e carnauba a 8G0, 400 e G00 rs a libra
aiinmiciante, como verao pela seguinte tabella que abaixo notamos, garantindo os mes- sendo este armazem no verdadeiro ponto de partida pan. os arrabaldes desta Gaf do llio de 1* e 2* sorte a 270 e 300 rs. a libra, e a arroba a 800 e 9/000 re
mos proprictarios nao so o peso como a qualidade de seus gneros.
AVISO.
Todos os senhores que comprarem para negocio ou casa particular de lOOfJ para
cima terao mais 5 a 10 por cento de abatimento, os proprietarios scientificam mais que
todos os seus gneros sao recebidos de suapropria encommenda, razo esta para poder
veuder por muito menos do que outro qualquer estabelenmento.
a libra,
i dem hysson multo superior a 2,7oo rs. a
| libra.
Castanhas muito aovas a 2,ooo rs. a caixa, e Vellas de carnauba e composico de 32o a; dem uxim a 2,5oo rs. a libra.
cidade, nao ser diffictl quelles seares que lera de partir nos mnibus darem suas ?*!?S^
^ r Toaciono de Lisboa, a 32o r s. a libra, e a arroba a 9)5000, ou barril.
encommendas neste armazem, que sempre lhes offerecera os mais agradareis gneros Cha de l1, 2a, 3a e 4* sorte a 2#800, 2^500, 20000, e 10800 a libra
O j.**.**! ***.*> r, ,dem *, superior a ,ooo r, a ,*. S^^Xt^T^C^mlSl]
a 16o rs. a libra.
Manteiga ingleza perfeitamente flor mandada
vir de conta propria a 8oo rs. a libra.
dem franreza amis nova do mercado a oGo
rs. a libra, e 54o rs. em barril.
dem de poreo refinada muito alva 46o rs.
a libra.
Prczunto para fianbre a 8oo rs. a libra.
Cha uxim miudinho virolo de conta propria,
o melhor do morcado a ,8oo rs. a libra.
dem hyson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra.
dem perola o melhor que se pode desejar a
,7oo rs. a libra.
dem preto muito fino a 2,5oo rs. a libra.
dem mais baixo pouco a 2,ooo rs. a libra.
dem mais baixo a 1,8oo rs. a libra.
Yifiho do Alto Douro viudo do Porto engar-
rafado garante-se a superioridade deste vi-
nho, das seguintes marcas : Duque, Ge-
nuino, velbo secco, especial lagrimas do-
ces de 1849, vinho especial D. Pedro V.,
vinho velbo, .Nctar superior de 1833, Du-
que do Porto de 1834, vinlm do Porto ve-
Itto superior, madeira secca de superior
qualidade, vinho do Pinto superior O. Lu-
iz I "de 1847, lagrimas do Douro espe-
cial, vinho do Porto de l.oooa l,2oo rs.
a garrafa e de lo.ooo a 14,ooo rs. a caixa
i'iiih urna du/.ia.
Bolachinha de soda especial encommenda e a
mais nova que ha no mercado a 2, loo rs. a
lata.
Biseoitos inglezes das melhores marcas em
latineas de 2 libras a l,3oo rs. a lata.
Idea inglezes craknel em latas de 5 e 7 libras
de 3,000 a 6.000 rs. a lat, e em libra a
800 rs.
Queijns do reino chegados pelo ultimo vapor
de 2,000 a 2,2oo rs. cada um.
dem prato a 7oo rs. a libra.
Vinho em pipa das mais acreditadas marcas
como sjamBdc F., PIIR, JAA, outras
militas mareas, Porto, Lisboa e Figueira;
de 48o, 5oo, 36o. 04o e 800, rs., e o do
Porto fino em garrafa, e em nada a
3,000, 3,5oo, 4,oeo e 6,5oo rs. o melhor
do Porto.
dem Bordoaux das mais acreditadas marcas
a 7oo rs. a garrafa, e a 8,000 rs. a caixa.
Garrafes rom o garrafas de superior vinho
do Porto a 2,2oo rs. com o garrafao.
dem com 3 garrafa de vinho da Figueira mais
proprio para a nossa estaco por r mais
fresco a 2,4oo rs. com o garrafao.
dem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
cora o garrafao.
Vinliobrancoo mais superior que vem ao
nosso mercado a 600rs. agarrafa, e a
4,2oo rs. a caada.
Velas de osparmacate as melhores neste ge-
nero de 56o a 64o rs. o maco, e em cai-
xa ter grande abatimento por haver
grande porejto.
Azeite doce em barril muito fino a 64o rs.
a garrafa e 4,800 a caada.
dem francez refinado a 800 rs. a garrafa.
Krvilhas francezas e purtuguezas a 64o rs. a
lata.
dem portuguez a 18o rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 36o a libra, e em
arroba lera abatimento.
dem de Santos a 32o rs. a libra.
Caf de l.\ 2.a e 3* qualidade de 26o, 3oo
e 38o rs. a libra, doCear de8,2oo, 8,*oo,
e 9.200 rs. a arroba do melhor.
Arroz da. India, Java eMaranho de 2,2oo a
^3,000 a arroba, e de 80 a loo rs. a libra.
36o rs. a libra e de 10,000 a il.ooo rs. a' dem hysson a 2,3oo rs. a libi-a.
arroba.
Genebra de Hollanda em botijas de cont a
440 rs. a botija, e em duzia ou em barrica
ter abatimento.
Massas para sopa macarro, talharira e aletria
a 48o rs. a libra e em caixa ter abati-
mento.
dem estrellinha, rodinba e pevide em caixi-
nhas de 8 libras, muito bem enfeitadas de
2,5oo a 3,5oo rs. a caixinha e a 600 rs. a
libra.
Doce de goiaba em caixas de diversos tama-
itos de 600 a I.ooo rs. o caixo.
Sabo massa de 2oo a 24o rs. o melhor, em
caixa ter abatimento.
dem hespanhol a 28o rs. a libra.
Peixe em latas muito novo ; savel, pescada,
corvina, salmao e outras militas qualidades
preparada de escabeche 2 "a arte de cosi-
nha de l,2oo a i,800 rs. a lata.
Figos em caixas de 1 arroba, '/j e 8 libras
a 8,000 4,000 e 2,ooo rs. a caixinha.
Frutas em calda de diversas qualidades a
000 rs. a latinha.
Marmelada imperial dos m-lhores conservei-
ros de Lisboa a 7oo rs. a l-tinhade I libra,
ha latas de I e 2 libras.
.Afassa de tomate em latas de i libra a 64 rs. a libra,
rs. a lata.
dem idem a 2,000 rs. a libra.
I dem preto de qualidade muito especial a
2,000 rs. a libra,
.dem idem inferior a 1,600 rs. a libra.
Champagne a meUior neste genero a 1.5oo
rs. a garrafa e 18,000 rs. o gigo.
dem inferior a 10,000 rs. o gigo e l.ooo rs.
a garrafa.
Chocolate francez, hespanhol, e portuguez, a
a 9oo e l,2oo rs. a libra.
Charutos dos melliores fabricantes da Babia
e de qualidades, especialmente escolhidos,
de 2,000 a 4,5eo rs. a caixa.
Farinha doMaranho muito alva a 14o rs. a
fibra
dem de araruta verdadeira a 4oo rs. a libra.
Vinhe do Alto Douro engarrafado, e os mais
bem escomidos, lagrimas do Douro, D. Pe-
dro V, Lub. I, Duque genuino, Nctar
superior, Malvasia fina, Bastardo, e outros
a ll.ooo e 12,000 rs. a duzia e l.ooo rs.
a'garrafa.
Idem Cherry e Madeira a l,3oo rs. a garra-
fa e 16 000 rs. a duzia.
dem Bordeaos de diversas marcas de 8,000
a 10,000 a duzia, e 800 rs. a garrafa.
Bolaxinhas americanas a 3,ooo rs. a barrica,
e 2oo rs. a libra.
Caf a 28o e 3o rs. a libra, e a 8,000 e Genebra verdadeira de Hollanda, marca gallo a 100 rs. a botija.
9,000 rs. a arroba.
Ceneja das melhores marcas do nosso mer-
cado de 5,000 a 6,000 rs. a duzia, e Seo
rs. a garrafa.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e 8.600
rs. a duzia.
Doce em calda a 5oo rs. a lata.
dem de goiaba em caixas e diversos tama-
nhos e de diversas qualidades de 64o a
l.ooo rs. cada urna.
ErviIbas francezas muito novas de 48o a 64o
rs.
Milho alpista o mais limpo que lia a 160 rs. a libra a 4806 rs., a arroba.
Vinho verdadeiro Figueira e Lisboa, a 500 e 400 rs. a garrafa e a caada a 3#5(X) e 35m o
dem do Porto, a 4500 a caada.
E alm dos gneros annunciados ha outros muitos baratissimos, asr. orno
queijos novos, chouricas, servejas das melhores marcas, aletria, ameixas sovada, i.i-
nho, erva-doce, pimenta, sabo, canella, phosphoros do gaz, que tudo se vende or
menos de 5 10 por cento, a dinheiro contado.
i Batatas muito novas a l,ooo rs. o gigo, e 60
Ameixas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas de 1,000 a 3,000 rs. a
caixinha, tamhem ha latas de 1 j a 6 li-
bras de l,2oo a 1,800rs. a lata.
dem em frascos com tampa de rosca a 1,600
rs. o frasco.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez c
suisso a l.ooo rs. a libra.
Conservas inglezas das seguinUs marcas:
Mixde-Picles e cebollas simples a 75o rs.
o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes a 4oo
rs. o polo.
Sardinhas de Nantes a 32o rs. a latinha.
Charutos das mais acreditadas marcas da
2,5oo a 4,000 rs. a caixa.
Champagnhe a melhor do mercado de 12.000
a2-4,ooo rs. o gigo, e de 1,2oo a 2,ooo rs. a
garrafa.
I Papel greve paulado ou liso a 3,5oo rs. a res-
ma.
dem de poso pautado 011 lizo de 3,5oo a
4,000 rs. a resma.
Banha de porco refinada a 48o rs. a libra, e
em barril a 44o rs.
Vinho em pipa de Lisboa, e Figueira, de3,ooo
a 4,000 rs. a caada, e 5oo rs. a garrafa.
ldom de Lisboa em ancoretas de 8 a 9 caa-
das por 27.ooo rs.
dem do Porto muito especial a 5,3o rs. a
caada e 72o rs. a garrafa.
dem em garrafes com 4 '
2,5oo rs. com o garrafao.
Vinagre de Lisboa muito superior a 2,ooo
rs. a caada.
dem portuguesas a 72o rs. a lata.
dem seccas a 2oo rs. a libra.
Vassouras do porto cora treos de ferro a 32o
rs. cada urna.
Velas de espermacete da melhor qualidade
a 600 rs. o mago.
dem de carnauba e composic^te a 32o e 36o
rs. a libra e 10,000 rs. a arroba.
Tijolo para limpar facas a 14o rs. cada um.
ToucinliO do Lisboa e Santos a 32o rs. a libra.
Sevada muito nova a loo rs. a libra.
Peixe em latas grandes, savel, pescada, cor-
vina, e outras qualidades a l,ooors. cada
lata.
Papel greve pautado e liso de 3,ooe a 4.000
rs. a resma.
Passas muito novas a 8,3oo a caixa e 48o rs.
a libra.
Palitos lixados para denles a 14o rs. o maco,
plem de. flor a 2oo rs. o maco.
Prezunto para fiambre inglezes e americanos
a 83o rs. a libra,
dem do Porto a 48o rs. a libra.
Queijos prato de 48o a 600 rs. a libra,
dem londrinos os melhores que se encontram
neste mercado a 8go rs. a libra.
garrafas por jjem namenos vindos no ultimo vapor de
2,8oo a 3,ooo rs.
Sardinhas de {tantea mnilo novas a 32o rs.
a lata.
Passas muito novas a 8,5oo a caixa e
a libra, ha caixas meias e quartos.
Sevadi11W.de Franca a 24o rS. a libra.
Sag muito novo a 28o rs. a libra.
5oo
Gomma mnilo fina e alva a 80 rs. a libra. Wem era frasco de vidr0 de (liversos lama.
M.lho alpista e pamso de 10o a 2oo rs. a h- nhos a >:i()0 e 2>5oo rs.
Doi;n0 ,u .,, o a Q 'dem em latas de 1 I 2 e 3 libra a l,3oo e
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a grosa e 2oo rs. a 4)3oo IS. cada uma) e a 8oo re> &
duzia.
: Figos de comadre em bazinhos de folha pro-
Vasos inglezes de 4 a 16 libras vasios, muito
proprio para deposito de doce manteiga I pr,os para ra,mos i'b0 rs' cada um-
ou outro qualquer liquido de l,ooo a!dem em caixinhas de folha a 32o rs.
3,000 rs. cada um. ldom em caixas grandes a 2oo rs. a libra.
Licores das melhores marcas e mais finos' dem em latas ermeticamente lacradas de
a 1,00o rs. a garrafa e em caixa ter abati- 1.600 a 3,ooo rs.
ment
Arroz da India e Maranho a 80, loo e 12o
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa; rs. a libra.
e lo,5oo rs. a caixa. ;, ,
, f Amendoas de casca mole muito novas a 4oo
Chouricas as mais frescas do mercado a 800! rs. a libra.
rs. a libra.
Genebra de laranja em frascos grandes a |AzeHonas superiores a l,2oors. o barril.
l.ooo rs. o frasco. Alpista a 14o rs. a libra e 4,600 a arroba.
Scrveja das mais acreditadas marcas de Letria a loo rs. a libra.
5a5earaaf?,SO ^^ ** *'" 5 **' Biscoitos e botachintas inglezas as ultimas
dem em botijas e meia^, sendo prelada! ^~nonto.ael,ioo
muito creditada marca T de 6,5oo a 7,8oo |
' Bolaxinha de soda e lunh em latas grandes
a 2,000 rs. cada lata.
a libra,
dem muito superior a 28o rs. a libra.
dem mais baixo a l,5oors. a caada, e 2oo'sag muito novo a 2oo rs.
rs. a garrafa.
dem em garrafes com 4 '/* garrafas por
l,2oo rs. com o garrafao.
Manteiga ingleza a 600, 7oo, 800 e 9cors. a
libra de primeira qualidade.
ldom franceza a 56o rs a libra em barril, e
a (?oo rs. a retalho.
Ameixas francezas em caixinhas com ricas
estampas no exterior de l,2oo a 2,ooo rs.
cada urna.
Fi:VRI41AO RO ROWJIAIV-RITA BHI
BKOI A ZH.
Este muito acreditado estabeleciraento est prvido de um completo snrtimento <*e
machinismos proprios do fabrico de assucar, a saber:
Machinas de vapores as mais modernas e mais acreditadas.
Rodas d'agua de ferro com seus pertences.
Moendas e meias moendas de todos os tamanhes.
Rodas dentadas, angulares e de espora.
Taixas de ferro batido e coado.
Boceas de fornalha pelo novo systema Wetson.
Alambiques de ferro fundido.
Fornos para cozer farinha.
Moinhos para moer mandioca.
Arados americanos, etc. etc.
A GRANDE GUSA
l'AKA TONAS AS MOLESTIAS 90
vsm e n is emim
AS
Sabo maca de diversas qualidades a 2oo e
24o rs. a libra.
dem inferior de 12o a 18o rs a libra.
Genebra de Hollanda em frasqueiras a 6,5oo
rs.
dem hamburgueza em dilas ao,8oo rs.
ldom de Hollanda em garrafes grandes a
3,5oo cada um.
dem em botija a 4oo rs. rs. cada urna.
Garrafes vasios de diversos tamaitos a5oo, da Madre de Dos.
64eel,2oors.
Gomma do Aracaty a loo rs. a libra.
Graixa a loo rs. a lata, e l,2oo rs. a duzia.
Licores finos francezes em garrafas e fras-
IMIulas Vegetaes Assiicanidas
De Remp
Compostas Uos dar novos rosinoitles chama-
dos PonopiLiSA c I.EPTAXDitiXA, c inteira-
jneiite livrea da Mercurio ou ontros venenos
mineracs ou metallicos, kao de grande uti'.i-
dado nos paizes clidos cm cazos do
DYSPEPSIA, EMCHAQOECA,
l'on>titagao ou Prizio do Ventre,
PEECIMENTCS DO FIGADO,
AffecPfles Biliosas,
HEMORRHOmAS, COUCA,
Ictericia,
FEBBE GSTEO-HEPATCA,
E outras cnferniiiliides anloga*.
Ellii vAo rpidamente siibstituiudo os antros
purgantes drsticos.
A venda as boticas de Caors A Barboza,
ra da Cruz, e Joao da C. Bravo A C, ra
GRAGEAS
deGELISe CONT
.,% lactate le trro
Apnrovadas da academia imperial de mcdU'iia
de Pars.
Segundo o relalorio feilo na academia vm
4 de fevereiro de 1840 pelos Sis. proles-
sores Bouilland, Fouquier e If.illy, tsti
ruginoso reconbecidosupeii'r a lodos
oulios para curar: a eMorosis (pales 1 -
leurs), e leucorrha ^perlesblanclie-), ;i
anemia ifraquezadetemperamenio m
sexos), difflcti'dade'de mnstruatn scl.ie
tudo as mofas, incontinencia de mi-
nas, etc.
. E' o mais agradavel de lomar pi 1
forma de pilulas assucaradas, e esse i-iai-
menle mais elFtcaz do que as outras pre| a-
iracOes ele., por ser mnilo soiurel 110 s
;gstrico, como consta do relalorio id* .-.-
centemenle na academia de medicina de
Paris pelo Sr. Flix Boudet, em nonte d.;
urna commisso composla dosSrs. Velpea,
'Depeatt, Bouchardat, Troosseao, etc., lo-
cando as experiencias feitas sobre m prinn-
paes seres ferruginosos com um sueco
trico fresco no laboratorio do Sr. Botidau.
pelos Sis. Drs. Corvizart e lianosw. rjue
o lactato de ferro o mais soluvel e
consequencia o mais effieaz.
Deposito geral: em Paro, roa Bonrl
Villeneuve, 19
Em Pcrnambuco, na casa de Caors & Bai-
bsoa, ra da Cruz n. 22.
AGENCIA
FUNDICAO DELOW-MOOR.
Itua da Seozalla ora a. -12.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
Marmelada imperial detrdos os conservet- e tachiS de ferr0 batido e coado, de todos os
eos de diversos tamanhos de 600 a 800 rs.
cada um.
Cognac de superior qualidade 800 rs. a gar-
rafa.
ros de Lisboa a 64o e 700 rs. a libra.
Massa de tomate muito nova a 64o rs. a
libra.
Marrasquino de Zara a 64o rs. o frasco.
dem em frascos grandes a 800 rs.
Cominhos muito novos a 5oo rs. a libra.
Erva-doce a 24o rs. a libra.
Pimenta a 36o rs. a libra.
Cravo da India a 64o rs. a libra.
Cannella a l.loo rs. a libra.
Alfazcma a 2oo rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs.
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston 4 C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
o frasco.
ATTENCAO
O proprietario dos armazens do Progressista jamis deixar de offerecer aos seus'
2' barattasimo.
Francisco Pinto da Costa Lima com
estabelecimento de alfaiate na ra larga
do Rosario n. 38, primeiro andar, rende
pannos mnito finos a i& e 4*500 rs. o
covado, fazenda que pela sua superior
qualidade val 9 e 10 o covado. As
pessoas que aproveltando & pechincha,
comprarem dos ditos pannos nodem que-
rendo mandar fazer as obras no estabe-
lecimento do anntmclante, pois scrao fei-
tas com presteza e por mdico preep,
tanto sobrerasacas e paletots, como
quetas e paletots para meninos.
Ceblas em molhos grandes a 1,00o o molho
e em restea a 4o rs. cada nraa,
Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
Farinha do Maranbo a 14o rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 16o rs. cada um.
Cominho a 64o rs. a libra.
Crva doce.
Canella a 1,000 rs. a libra.
Batatas a 1,000 rs. o gigo com 32 libras qni-,ma ptima aoccasiSodos seus freguezes experimentaren a realidade, que nunca dei- ^JS^Z^^^^SI^m ^Mn
das. axr de ser mantida pelo proprietario destes armazens. da iraperatriz n. 36.
ESCRAVOS FGIDOS.
Fu(,'io do engenho Pirana da comarca da -
dade de Nazareth em 2'J do mez de maio to .-o1 -
rente anno 1863, um mulatinlio de nonio Man n
de idade la annos, levou vestido camisa e cerouu
de algodSozinho azul, um tanto descoraJo da
temos ps feios c os dedos dilles arrehitados. > s
ps adiaste largos e os ealeanhares finos, ;
costume de andar rom a raiura baixa, cabellos
estirados, de cabocolo : qnein o pegar e trouxer
em dito engenho ser recompensado com 2005-
Escravo futido.
SOO^OOO de gralOeaio.
Contina fgido desde Janeiro o mualo de ii.ui <
Raymundo, natural do Ico, estatura regular, h'adi-
de 18 annos, caneca cbata, cabello* carai-m!' s.
testa grande, rosto oval, com una fistola 1
esquerda, macSas salienu-s, denles limatlo- 1
dos, bocea regular e principio de buco, |u'k i
pequeos, costumava andar calcailo, e intili
se livre : quem o apprehender, dirija s,- n,, ca
Cadeia do Recife n. 21, Luiz Antonio So |i
que entregar a referida gratificafao.
CJratlflca^o,
Acha-se fgido desde 13 do mez prximo pass-a-
do o escraw crioulo de nome Augusto, cum 18 an-
nos de idade, seoco do corpo, teni o branco ditf
olhos enfumacados, <|uando anda lo;.:,: 1 Ifib-s
dos ps, muito prosista, traja roupa muilo
tem sempre no nombro um panno de que faz 10-
dilha para gauliar pela ra: quem o appreliender
leve ra do Livramento n. 31, segundo andar,
que ser gratificado.
de boaa fabricante
Lourenco Pereira Mendes Guimares vende bo-
fregueze* tudo o que for preciso para que sejam bem" servidos, e como a festa se anroxi- tiBts ""ancezas para homens, a dinheiro vista.
* -.^. JL0:ic- a. __. *_--?____, ____:___._________ij.j. r!_JT_ por preco queadmlra vista da perfeie.ao da obra :
Fugio no dia 21 do correnle o preto
por occasio de ter ido a refinado buscar meia ai-
roba de assucar, para o qual tulla levado o i
nheiro, o preto tem os signaes segu ules : >
40 annos, pouco mais ou menos, altura retni.'r.
corpo secco, barba pouca, com falta de denlo na
frente, apenas tem 2 no lado superior, tcm urna
quebradura do lado direito, fot de engenho c ;.nr
isso julga-sa que tomara o destino do mal temi
ha uuatro mezes feito urna fuga, foi pegado no ra-
minho da Escada : quem o apprehender leve a
padaria allemaa ao pe da fundi^ao, que ser gra-
tificado.

LGIVELl


8
Diario de Pernaatbneo Quartfn felra *3 de. Dezembro de i 968.
AGRICULTURA.
ras em quatro mezes, e por isso se devc colhcr lo-
go que estivor madura; pois contina a dar sem-
pre. Esta nasce melhor plantando a rama.
Cara.
Depois da balate segue-se o cara, tbara bem
Alm de ama ba horta deve o fazendeiro ter
un hom pomar das fructas mais triviaes, para a
familia, con:o laranjas, limas, limoes doces, jabu-
ticaba?, carabucas, cajs, laranjas da trra, limoes
azcdos, cidra?, etc nos paizes qnentes; c nos fres
ou temperados, marmellos, macaas, pecegos, etc.;
Manual do agriculUr dos gneros ali-
mcnlirins OH lUClkodo da COltora cnhecida entre nos. Esta planu qr trra fofa,' comanlo que 'os referidos arvoredos se] So bem
, _-.-- .,. lori-m estrumada; porlanlo deve ser lavrada com o alinhados, o tratados. A abundancia de fructas
nUXta (IChlfS JCemS mh tenas arado, e adubada sufflcicntemente para dar boas; comesliveis nunca surperflua em urna casa aon-
raimadas OPIO SVSlCIHa VCSfttO-aill- cao0Cas Planta-se a mesma tbara partida em de se criam |K>rcos, que aproveitam todas as so-
i' .....! ,l O...II. tral-tp *'5eda?os de1m'!, Palmo quadrado, com a grossura.'bras do sustento dos homens. Passarei agora a
mal C UHUO Ut Lihtr t iraiai u de quatro dedos para o centro, ficando a casca na- tratar da cri.ico dos animaes domsticos.
ipa-
I ra cima. As suas cvas devetn ter tres palmos de
nina i outra. Colbe-se em agosto, quando seceam
as suas ramas. Conservam-se as suas tuberas ar-
i raneadas uin anno, por isso os fazendeiros, que
; quizerem ter tortura para suas familias, dovem
plantar grandes quarteis desta planta.
| Hlala ingleza.
No mez de setembro, depois do se capinar e lim-. e a batata ingleza originaria da Virginia, na
parWis as hervas que ntfle bouver, plante-o to-' A.,neJca do Norte. Fui levada Inglaterra por
clode airo?. nadisUinciadtrespalmosdeumasa'^^al'erRaleigb, c alu acclimatada por este
jad.
tlcthodo de cultura.
CAPITULO III.
(Continuaco.)
1.15*0
CAPITULO IV.
CRIACO DO CADO VACCUM E LANGERO.
Sendo 0 gado vaceum um dos |irincipaes instru-
mentos de abundancia dos vveres, pelo estrume
que presta cultura dos gneros alimenticio*, con-
vt'in que se trate dalle com todo desvello para
augmentar a sua produeco.
Nao poderei ser muito estenso sobre este artigo,
pois assim o exige a brevidade deste opsculo;
mas, nao obstante isso, indicarci algumas regras
"U""J "-------. i.(\,.rt ;,!,,,1 r>-------------..-----,------, 1 '*ai "< wii.->iainu I33V, iiiuiidiui alguinio i rii a?
vas quauto apa- i ^?J" ,*^,08;. Com aux,ll desl*ubercu' geraes, pelas quaes se guiar o fazendeiro na cra-
la nftphnvur re-'Ha, Ja esta salva das grandes fomesi, que ^ tratamonlo, e enfermidade dos referidos
,e naoctiovcr.re-^utrora devastavam a sua populacao. A batata Tados
oulras covas. pasta p6r-sc as cov
nbc os dedos pollegar e ndice. Se nao cnover, re- ^ outr ora devastavam a sua populacao. A naia ;
guc todo este terreno com agua do reg, de sorte ingleza da colheitas abundantes em terreno onde o j Fique des,)e j entea\do, que as regras aqui es-
uue fique gcralmente encharcado. Ao ponto que, J^'"*> Produz. Ella nao se da bem em paiz tabelecidas nao se ontendem com os criadores dos
fr nascendo o capim, ser .ogo capinado; e nunca ; BiiBfSA TS Zso?JZ! ^^t^l^^^
scdeixara o,auo tomar contado arroz, por que geada pianla-se em on.ubro, partido \> seu t^^J^^^^^^SSS^Z
esta plaa deve estar sempre hmpa. No arroz, e titiculo em vanos pedacos, com Unto que cada pe|0 dcs|a criac3o porque, condados na supera-
nia K.,^.ie- Um b ; e colh0-^. *luand(\ a s* bundancia n-uberdade dos seus pastos, entregara
- nalureza o cuidado da sua produeco. Estas regras
em oulra qualquer plantacao, mais economa
darse quatro capinas, doque dar-scuma smenle,
por que estando o capim rarificado, faz-se em um
dia o servico que nao se faz cm cinco, como mui-
ros vezes tenho experimentado, e alm disto a plan-
ta vegeta com dobrado vico. Nunca esqueca o
agricultor desia regra, se quizer que as suas pron-
tacoes prosperein. Advino mais o agricultor, que
nunca deixc o capim dar smente, pois enfraquece
muito o terreno.
Se nao houverem chuyas, deve o arroz ser re-
gado de oitocm oito dias ; mas advino que as rc-
gas devera ser feitas de manba, c nunca com o
sol qucnle
Quando o arroz quizer espigar, se nao chover,
se faro as rgas de quatro cm quatro dias, e as-
sim se continuar at seccar o grao. Estando ma-
duro e secco, corla-se bem rente.
quizerem comer grandes
berculos desta btala plantem-na em rgos com
estrume na distancia de dous palmos de rgo re-
g, e um palmo de cva cva. E' muito til a
sua cultura.
Todos os vegetaes cima mencionados, se plan-
tam no mesmo tempo do milho. Passarei agora
plantacao do feijo. No mez de Janeiro, as mes-
mas carreiras do milho, se limpar o terreno, em
quo quizerem plantar feijo. as Ierras fras fa-
rao a sua plantacao em Janeiro, o mais tardar al
o principio de fevereiro. Porm as Ierras quen-
tes ser em principio de marco, tres dias antes da
la nova. Se nao houver terreno devralo entre
as carreiras do milho, se plantar o feijo na di-
reccao das mesmas carreiras, plantando-se urna
cova entre duas de milho, poudo-se um punhado
de estrume em cada cva. fisto no caso da nao
estar a trra estrumada.) Ento se deitaro as
covas quatro graos de feijo, que se taparo com
I mu pouca trra, s quanto cubra o feijo. Passa-
0 do um mez ser capinado, ainda que tenha pouco
nicthodo de colher-seo arroz em espigas como mallo, e antes de estender os cipos, levar segun-
usam raulos lavradores, excepto quando for isto 'Vcamna' observando-se o que disse cima a res-
1 peito do arroz. () Estando seci*n o feiiao colhe-se
necessano, por ser a colhe.ta em tempo chuvoso. J, conduz.so para ca^a, e baS eu Jdia de s1
por que o arroz, sendo cortado rente do chao, d forte. Depois de balido guardase, nao em tulhas,
scca, ijue quasi sempre d a metade da coraeita, a*_em^quartos assoalhados, em lugar fresco, em
quando c bem tratado, c a Ierra boa. A scca
tambem deve ser tratada como a primeira planta.
Tratado o arroz por esta forma, o terreno que leva
urna quarta de planta pode dar de trinta a quareu.
la ali|iiLies, e ainda cincoenta comprehendida a
scca. Colinda a scca, deve-se arrancar a enxa-
da todas as touceiras do arroz para nao enfraque"
cero terreno. Collado o arroz, deve licar amon-
toado um dia para desapegar melhor o grao da
palha. Algumas pessoas deilam o arroz no terre-
no c o pisara com os bois para separar o grao da
palha. Eu nao acho hora este methodo, por que
os bois sujam o arroz com o excremento; por isso
aconselho, de bate-lo em bancos, em urna casa as-
soalhada e retocada. A palha que lica deve ser
deilada longc de casa, em lugar aonde uo vao
que entre o ar livremente.
Antes do apparecimento do bicho do feijo, os
fazendeiros o guardavam em quarlos depois de
batido, c bem secco. Hoje, porm, sao precisas
mais cautelas para se evitar o bicho, e sao : de-
pois de balido, scea-se bem ao sol; deixa-se fi-
car no terreiro at esfriar ; ento guarda-se era
um quarto espacoso, assoalhado, que tenha algu-
mas janellas abalustradas, de forma nue por ellas
possa entrar Jivremente o ar sufflciente para re-
frescar o feijo: deila-se ento nelle urna boa por-
s lem applicacao aos nossos fazendeiros agncul
teres, para quem o gado serve de agente de estru-
me para a sua cultura : e como estes lenham os
pastos mais acanhados, c proporco da extenso
do seu terreno Ihes indispensavel urna razoavel
economa no tratamento deste gado. Portento,
depois de feito o paste, sendo de gramma, regula-
ro os fazendeiros seis vaccas para cada um al-
Sucire de planta de milho, feito em paste, c sendo
e capim, gordura ou mellado, quatro vaccas: en-
tende-se aqui tambem um touro, c o producto das
vaccas al ;t edade de dous annos.
Logo que se flzer o pasto se far um curral pro-
porcionado ao gado que tiyer o fazendeiro, e assim
pode ter vinte vinte e cinco, ou trinta bracas em
quadro.
A um dos lados deste curral, mais retirado da
cerca quatro bracas, se collocar urna manjadoura
maneira de taboleiro, e sem grades. Este tabo-
leiro ser feito de tabones, e assenlado sobre es-1
teios de boa inadeira com o comprimento de vinte
a quarenta ou otenta palmos (conforme o gado
que tiver), com quatro palmos de largura, e com i
urna guarda nos flancos, e nos topas de um palmo
de altura; o taboleiro distar do chao quatro pal- j
raos. Neste taboleiro se deitar toda palha do
milho que se fizer. Assim que Ihu fr possivel
far um rancho de bas madeiras, coberto de te-
Ihas, taboinhas, ou sap, com a altura de dez pal-
mos, largura de trinta, e o comprimento de cinco-
enta cem ou mais palmos, que ser circundado
de um reg, fiara nao entrar a agua da chu-
va. Serve este rancho para agasalhar o gado as
nqutes de invern, pois as chuvas de noute res-
friam muiloo gado, o que I he faz bem mal.
Todos os dias tarde mandar recolher o gado
neste curral, e o soltar no dia seguinle s seis
horas da manba. No espaco de oito das o gado
cinit n;,7 < 1 ,ro U,,M T i oras ua mannaa. so espaco de oito oas o gauo
< ^ Ul" ,ud0, ,s,0> na0 se Pde-con- acostuma-se a dormir no curral, e vem esponta-
senar o feijo em grandes moutes para nao es-
quentar; e quando chegar a este ponto, ou appa-
recerem alguns bichos, deve logo ser posto no sol
para extngui-los, e guarda-lo na forma cima
dita.
Favas.
1 lantam-se as favas no mesmo tempo do milho.
Alguns agricultores as plantam misturadas com o
animaes para com-la, por que muito pestilente I '"VlrmL^Z^T'0 .eSS-, US* porqUe aS
,_ .,,. .... db ,rePam n milho, e o dernbam com o seu
I .tmliiMH a lam h:t nfvi' ovilar iinnnln Iho fur nnc. i\ca nnp ic*r. ........ .u. .___ __ _i__.___ #_ __
Tambem a familia deve evitar quanto Ihe fr pos
sivel respirar o ar infectado do vapor que sae da
palha do arroz, que muito nocivo saude. A
palha depois de estar podre bom estrume.
Por este etliodo podo o agricultor plantar um
dous, ou mais alqueires de arroz, com tanto que
tenha terreno adaptado para isso, como cima lica
explicado.
No anno segunte preciso eslrumar-se de novo
este terreno, por que o arroz enfraquece muito a
trra em que se planta.
Batata doce.
F. a batata doce urna das substancias alimenti-
cias mais nutriente, e mais saborosa que temos no
paiz. Tanto serve para sustentar os homens, como
os animaes, mui principalmente para engordar
porcos, e nutrir as vaccas de Icite, que com este
alimento do Icite abundante e gordo.
Mr. Monlevade, rico fazendero do municipio da
llabira ( provincia de Minas), sustenta com as ba-
tatas a sua escravatura, porcos, animaes cavallares
, e gado, gastando muito pouco das outras substan-
cias alimenticias.
Einum artigo publicado ha annos ( nao me Icm-
bra agora o jornal ).. ell fez ver, que cm um ter-
reno, que apenas dava cincoenta alqueires de
milho, sendo plantado do batatas, colheu no pri-
raeiro anno mil e otocentos alqueires de milho,
no segundo mil e duzentos, e no terceiro seiscen-
tos.
Os Francezes as suas colonias plantam grandes
campos de batatas; porm nos ainda nao aprecia-
mos como devamos, para o nosso interesse, este
precioso vegetal. Apeiias so v em nossas fazen-
das um ou outro canleiro de batatas para sobre-
mesa, .pando todos os agricultores deviain ter
grandes quarteis desta utilissima tbara.
Conheco varias qualidades de batatas doces;
mas dou preferencia a duas especies por carrega-
rein e darem boas tobaras, que sao : urna setue-
lhante denominadacoracao magoado, |>or ter
o interior roso, apezar de ser muilo maior, e a ba-
tata de marra denominada em Minas-batata de
tres mezes, apezar de nao ser to doce como a
antecedente.
Aconselho, por tanto, aos nossos fazendeiros que
planten) grandes quarteis de batatas, para fartura
nutriente c saudavel cea escravatura, com rae.
Jaco ou sem elle.
A batata um dos melhores alimentos para en-
gordar poicos. Cosinha-secm tachos, e no ponto
de principiar a desfazer-se ( delir-se), se lhe ajun.
ta um pouco de fub grosso, ou farello ; mexe-se
com nina p, e lira-se do tacho para oulra vasilha
al esfriar. A batata tcm um inconveniente, e
o nao se conservar por muilo tempo debaixo da
trra, como o inhame, a mandioca, e a taiova; po-
que. passado o mez de agosto, apodrece se nao se
colhc logo. Mas este inconveniente se pode reme-
diar, passando-a por urna leve fervura em um la-
cho, e pondo-se depois ao sol para seccar a hurai-
dade, para depois empaiolar-se. .
A batata nao exige terreno muito forte, nem es-
trumado : ella vegeta bem em terreno enxulo, so-
lido, e areento 5 por isso deve ser lavrado com ara-
do : c depois de lavrada a trra se plantar a ba-
tata em principio de setembro. As suas covas de-
ven) ter a distancia de oito a dez palmos de urna
outra ; plantam-sc os tubrculos pequeos, por que
peso: por isso aconselho que se plantem as favas
as beiras das cercas, aonde nao cheguem ani-
maes. Colhem-se depois do milho, quando j es-
taosceeas. Tudo o mais como Oca explicado
cima acerca do feijo. Ha diversas qualidades
de favas; mas as mais salmrosas sao as de Belem
brancas e vermelhas.
plantar as cercas
de seccar.
Aqui termino o catalogo dos gneros alimenti-
cios, que se plantam nos terrenos estrumados en-
tre o milho, e lora delle; o mais que tenho a di-
zer a este respeito pertence horticultura, sobre
o que direi alguma cousa no seu lugar compelen-
Esta qualidade se deve
s da horta para se comer antes
neamente oncerrar-se nelle lodos as noutes, e se
alguma rez nao apparecer, est doente, furtada, ou
mora.
Todos os oito das ser conduzido para as reas
da roca o estrume que se achar no curral. Junto a
este curral se far outro pequeo, com a entrada
para este, e saluda para fra, cora um coche, e
urna bica d'agua perto para se dar sal ao gado em
todas as las novas. As vaccas paridas tomaro
sal de oito em oito dias; mas em pouca quantida-
de. Alm dos pastos para apartamento do gado
haver un) pasto pequeo em que nao andaro
porcos, com um |>equeno capo de mallo, limpo
por baixo, para nelle se apartaren) as vaccas que
estiverem prximas a parir. Quando as vaccas
parirem, se Ibes dar um punhado de sal no quar-
to dia.dissolvido em agua, para secobrirem logo:
o que acontece dentro de um mez. Se algumas
vaccas demoraren) a laucar as pareas, ou secundi-
nas, se Ihes dar a beber um punhado de sal em
agua moma, e um pouco de fub; e logo as lanca-
rao. Logo que as vaccas parirem se mandar or-
denhar os quatro pcitos para nao se coagular o
Inte no ubre; o que nimias vezes acontece por
no niamarem os bezerros em todos os peitos, e
te. Kesta-me anda tratar de dois gneros ali-
menucios, de summa vantagem para o paiz, cuja mr isso ficam esses perdidos.
cultura se tem abandonado, e sao : o trigo e cen-
teio.
Trigo.
E a cultura do irgo urna das mais vantajosas
para o Brasil, pelo alto preco a que chega a sua
fannha no interior. J se cultivou o trigo em Mi-
nas, aonde elle vegeta bem, nos lugares altos;
hoje, porem, esta abandonada esta importante cul-
tura. Nao sei verdaderamente a causa desse nao
merecido abandono; pois nao do urna razo sa-
tisfactoria. Algumas pessoas me tem dito que a
ferrugem que da no trigo, a causa do seu aban-
dono, pjr embaracar esta a creaco do grao; mas
imlriix naccAic ].* L; i; i., i.. _____ ;________ .__ j?._
Se endurecer o ubre por esta causa, se fomenta-
r duas vezes ao da com um lenimento feito com
herva de colho pisada, sal, azeite, e banana de S.
Thom assada; na falta da herva de colho pode
supprimir-se com folhas de malvas verbasco, ou
grelos de vassouras.
No da seguinle ao do nascimenlo do bezerro se
deitar na sua lingua um pugilo de sal moldo
(quando apanhem os tres dedos,) para evitar a
craco dos sapinhos (aphtas.) e se continuar as-
sim por dez dias ; um sim, outro nao.
Mas se apezar de ludo islo fr a lingua affecla-
da de sapinhos, se deilar o bezerro no chao, e se
outras pessoas habilitadas para isso me tem dito cortante os sapinhos com urna thesourinha, c se
que a terrugem provm de se capinar o trigo com esregar a lingua com lifno assado e sal. Co-
insti unientes de ferro, e que para evitarse a fer-' nhece-se que o bezerro est com sapinhos, quando
rugen no trigo deve elle ser capinado mo. Eu,' se aprsenla triste, com a bocea aberta, babando c
porem, me persuado que a ferrugem provm de nao mama.
circomstanclas lecaes, ainda nao bem averiguadas [ Algumas vezes tambem sao os bezerros accom-
pcio^ agricultores do trigo. Sei que o trigo nao medidos de lombrigas (doenca deque niorrem
se da liera em paiz quelite, como tenho oxperi- muilos, nao se acudindo logo.)
mentado neste municipio as margeos do rio Mu- Os symptomas desta doenca sao : ranger os
riahe ; mas vendo malograda a minha expenen- denles, ventre entumecido, diarrha, e deitar lom-
cia, dei um pouco de trigo a um morador na ser- brgas na obra. Neste caso, sendo o bezerro o-
ra, que divide as aguas do Pomba e Muriah, e vo, se deixa mamar todo leite, e no outro dia deila
tendo elle plantado e capinado mo, teve o con-'. na obra todas as lombrigas, ou a maior parte
lentamente de ver o trigo espigar bem; mas, por deltas.
um nqualifiravel descuido, deixou os passarnhos Se ainda conlinuarem os symplomas, deila-se-
comer todo, de forma que perd a planta. Este lhe pela bocea, antes de mamar, sumo de limo
anno vou outra vez encelar nova experiencia. O com sal. Este curativo deve ser feito ao meio
trigo quer terrenos fros, e de boa qualidade. De- dia, quando o bezerro j tem digerido o leite para
ve ser plantado as provincias do Bio Grande do rao o talhar no estomago. Tambem bom reme-
Sul, Sao I aulo, e Santa Calharina, e nos lugares dio dar-se-lhe infuso de ortela com sal. (dom-
inis altes da provincia do. Minas; mesmo cm to-; tudo o melhor preservativo contra as lombrigas
das as oulras provincias, mas nos altos das suas dar-se ao bezerro todos os dias um pugilo de sal
serras. Estou persuadido que o trigo originario (quanto apanhem os tres dedos.) Se os bezerros
do Egyplo se dara bem em os nossos lugares bai- forera ccommctlidos de diarrha, se Ihes dar a
ios, situados dentro da zona trrida. I beber cosimento feito de I a baca com sal.
( ) Nem sempre a capina tem por lim lmpar o Voltarei ao meu assumptn. '
matto; a sua principal utilidade, depois de limpar | Far-sc-ha mais um pastinho separado para os
a planta, revolver a trra para que o calrico bezerros ah licarem at se desmamaren). Neste
penetre a sua raz, e descuvolva o seu crescmen- \ pasto haver urna coberta para abnga-los da chova,
to; porem ainda que o capim seja pouco se deve Se quizerem que as vaccas dm bom leite, Ihes
correr a enxada, e chegar-se trra ao pe da plan- ensinarto a comer batatas doces picadas e ba-
te, com que muilo se lucra. as de S. Thom maduras.
Dcyese plantar o trigo do meiado de abril at o O mesmo curral de guardar o gado servir para
principio de maio, pelo methodo da cultura de se ordenhar as vaccas.
arroz. A sua colheita de setembro oulu- O lele de quatro vaccas d um queijo, quando
bro. Deve haver lodo o cuidado com elle assim que ellas sao bem tratadas ; mas como se deve tratar
principia a apontar a espiga para evitar os passa bem do bezerro, e o leite, que se lhe d pode fa-
rinhos que o perseguem muito. Para reduzi-lo zer falta ao queijo, neste caso ser preciso o leite
fannha preciso levantar a pedia do monho mais de cinco vaccas para um queijo.
alguma cousa do que preciso para se moer o Na factura dos queijos deve haver o maior as-
railho. 1 seio ; e assim, quando se tirar o leite, se cobrir o
Cenleio. tao ou barril com um panno grosso, c sobre este
Exige o ceoteio o mesmo tralameolo que o trigo, panno se deilar o leite.
ecultiva-se no mesmo tempo, e pela mesma forma; O processo do queijo se aprender praticamen-
com a differenca, porm, de se poder capinar com te com pessoas que o saibam fazer, sem o que nao
enxada: em ludo mais como no trigo. !se fazem queijos bons. (
Horticultura. Do sro do lele guardado para o dia segrate
Nao meu intento tratar aqu especialmente da se ,ira nianteiga da nata que sobrenada no sro ;
horticultura; pois depende isso da vontade e indi- e e?le enlao sc da aos Porcos com que se nulrem
nacao do fazendeiro, que sc capricha mais ou me-' mite.
nos era ter urna boa horta. Comtudo direi aos fa- Quando ordenharem as vaccas, reservante um
zendeiros que a borla urna meia dispensa, e que peilo para os Lezerros, e estes mamar de tarde
concorre muito para a fartura, e sade da familia; tembem, at a edade de tres mezes. Como as vac-
poiso feijo sem couves nao to saudavel, como cas presas no curral oo pastara de noute, darse-
misturado com ellas. E assim deve o fazendeiro ha tarde s vaccas paridas batatas doces pica-
ter, preporco de suas tercas, bons caoteiros de das e banaoas maduras de S. Thom.
couves, repollios, alface, *mostarda, chicorea, al- Passados dous annos, ser preciso augmentar o
meiro, alhos, ceblas; e de hervas medicioaes, pasto, porque este gado crescer cortamente, se
como espnafro, cujas folhas sao laxantes, salsa fr. tratado com cuidado.
. hortense, aipo, herva tosto, funxo, cujas raizes sao o gado vaceum urna das criaeoes mais lucra-
san m as ramas mais oepressa e mais vicosas do. diurelicas e aperientes) herva ridreira, arthemisia, ti vas, e tal vez o ente irracional de que o homem
que sendo plantadas partidas em varios pedacos : endro, anuda, rlela, salva, alecrira, losna, sabu- lira mais utilidade ; pois da vacca se a prove ta
tambem se plantam as suas ramas, e nasccra muito' t-ae',T0 macedla gallega, rnangerona, mangericao,' carne, sebo, leite, cornos, unhas, couro, cahello c
ta mulher era muito pobre, o aggregada da dita
fazenda ; comprou urna vacca, e em IH32 tinha j
140 canecas do produelo desta vacca. Com parte
deste producto comprou urna fazenda, toda em ca-
pim gordura.
Em I85J ainda Uve noticia dessa mulher : ti-
nha ento immenso gado. Diro algumas pessoas
que isso urna felicitado excopcional. Nao
tanto assim; pois logo no primeiro anno perdeu
a primeira cria femea dessa vacca, mas deveu o
seu immenso producto salubridade do lugar,
fartura da pastagem e ao cuidado que ella tinha
com o seu gado.
Doenca do gado.
Depois de ter tratado das doencas mais com-
muns dos bezerros, tratarei agora das enfermida-
des mais triviaes dos bois e vaccas, sem querer
comtudo arrogar-me os foros de veterinario. Co-
nliece-se que a rez est doente quaodo est des-
barrigada, triste, com o pello arripiado, e com o
focinho secco. Qualquer desles symptomas, aioda
mesmo solados, indica doenca do gado.
Nestes casos d-se-lhe cosimento de folhas de ba-
tatas doces, com duas colhres de sal commum, e
meia unea de salitre ; e continua-sc todos os dias
at sarar. Sendo novilho de dous anoos para bai-
xo, se dissolver no cosimento smenle duas oita-
vas do salitre. Se a rez bater verilha, se obrar ou
ourinar sangue, dar-sc-lhe-ha quatro oncasdesal
de Glauber no cosimento de raz de ortiga de oica
(cansanco.) Se a rez se apresentar com o ventre
bichado, se lhe dar a beber sumo de folhas de b-
tala, ou urna porco de trra dissolvida em agua
fria, e flear presa sombra por dez horas sem
beber agua.
Duas horas depois que tomar a ierra, ou sumo
de folhas de batata, se lhe deitar pela bocea urna
garrafa de azeite de mamona.
Este remedio sempre til quando a rez est
inquieta, e apresentar symptomas de clica. Com
estas providencias conservar o fazendeiro o seu
gado sadio, sem muito trabalho. Se o fazendeiro
tiver os seus pastos intercalados de arvoredos
grandes para sombreiros, e dessecar todos os bre-
jos e lagas, como cima aconselbei, rara vez lhe
adoecera o gado. Sobre a qualidade de gado que
devem criar, cada um siga o que lhe parecer ;
mas aconselho que nao compren) vaccas nem teu-
ros com os cornos grandes e grossos ; pois estas
vaccas do pouco leite, c os bois sao fracos para o
trabalho. Aconselho mais : que de tres em tres
annos, reformen) o loaro ; pois nao mudando os
paes, degenera a raga ; comprem ento novilhos
toureiros, que sendo reformados todos os tres an-
nos, torna-se o gado verdaderamente tourino pelo
cruzamenlo. Vendara as vaccas velhas para o
corte, e reservem as novilhas para criar. Por es-
ta maneira se reforma ern nove annos todo o ga-
do na especie que se quizer, smenle com o cru-
zamenlo pelos touros de qualquer raca.
Carneiros.
Tem os carneiros o mesmo tratamento do gado
vaceum, com a dilTerenca de ser mais fraco para
resistir s bicheiras ; podem dormir no mesma
carral, mas em coberta separada, e cercada com
cinco varas para nao entrar e nao psalos; c por
isso sero fechados todos os das, para nao se mis-
turaron cora o gado.
O seu estreo dos melhores para a horta, prin-
cipalmente para ceblas e alhos.
As ovelhas paridas devem ficar no pasto dos be-
zerros um mez, ou mais, para os porcos nao come-
rem os cordeiros rcrem-nascidos; c com ellas de-
ve flear o carneiro at se cobrirem. Quando esti-
verem em vesperas de parir, sero recolludas no
mesmo curral dos bezerros, e ahi ficaro at os
cordeirinhos licarem robustos, como cima tica
dito.
Todos os mezes, no dia de la nova, se dar sal
aos carneiros : para isso se varre o terreiro, e se-
meja-se o sal nelle. Corta-se a sua la em marco
e setembro.
Deve-se capar os cordeiros assim que tiverem
tres mezes. Os fazendeiros escolhero para pastores
os da raca merino, e apartar as flhas, assim que
desmamaren), para outro pasto, aonde sc lhe dar
novo pastor merm, mas de outra fazenda.
Cada pastor pode ter trinta ovelhas, conforme a
forca do pastor, e pode chegar a quarenta o seu re-
banho, mas devem estar separados os rebanhos
para os carneiros nao brigarem.
Neste mesmo capitulo mencionarei o tratamento
do gado cabrum.
E' o gado cabrum o mais fcil de eriar-se, e o
mais dfflcil de conter-se; pois nao ha vahdos nem
cercas que o contenham, a nao ser agua, ou cerca
de acha s perpendiculares. Mas a facildade da sua
propagar c criar, a bondad da sua carne, c
do seu leite deve animar aos agricultores a cnarem
este gado, embora Ihes fique mais cusios otapume
de seu pasto.
Podem-se criar as cabras com os carneiros,
pastaren) e dorrairem juntos. O seu tratamento
o mesmo.
Os cabritos devem ser capados logo que tiverem
I dous mezes : sendo assim engordam crescendo, e
lica a sua carne mais saborosa. Da sua pelle pre-
parada se faz o cordavo cege, c se fossemos mais
! industriosos podamos faze-lo de lustro. Portante
me parece mais vanuijosa a sua craco para os
fazendeiros que tiverem raeios de coute-los em seus
1 pasto?.
CAPITULO V.
CRIAQAO DOS PORCOS.
E' o porco o animal mais incommodo de eriar-se
j jior estar sempre a focar e a desbarrancar os val-
lados e cavas do pasto no tem das chuvas; mas
como delle precisamos para adunar as nossas co-
midas, nao podemos dispensar a sua criara.
O methodo de tratar os porcos, actualmente se-
guido pelos nossos criadores de capados, algum
tanto iinperfelo, pois gaslam mais milho do que
preciso para se obter urna arroba de loucinbo, e
smenle tem desculpa, por uo acharem preco ao
milho nos lugares aonde se criam grandes por-
cadas.
as trras cansadas outro deve ser o syslema de
criar e engordar os porcos. Principiare pela cva,
que deve ser feila logo, por causa da economa que
resulla no engordar os porcos; pois muilos fazen-
deiros, por nao fazerem urna boa cva, chegam a
engordar com difliculdade os seus porcos.
Disse cima 110 capitulo II, que o curral dos por-
cos deve ser separado dos curraos dos oulros ani-
maes, e que deve estar distante ta casa por causa
da lama. K isto urna necessidade ; mas nao deve
estar to distante, que difficulte o seu tratamento ;
mu principalmente a cva, que deve estar perto
dos tachos em que se cozinha a sua comida.
Portante, logo que for possivel, o fazendeiro le-
vantar urna casa coberta de telhas, com a altura
de oito palmos nos flancos, vinte trinia de largu-
ra, e trinta cincoenta de comprimento, conforme
as tercas do fazendeiro. Esta casa ser assoalhada
com pranches de madeira de le, e a sua porta fi-
car para um dos testeiros da cva; e ser teda
cercada de acbas ou pranches lavrados, com urna
porta em um dos cantos da entrada, e outra que d
sabida para o pateo, aonde elles devem banhar-se
e beber agua.
em liberdade, torna-so caprichoso quando est pre-
so ; e por sso preciso variar a sua cernida; e
anda mesmo dar-I he vegetaes crs ao meio dia
para nao enfarar, o que atraa a sua ontrico. Nao|
se deve dar milho era grao aos capados, porque
perde-se a quinta parte desta substancia, o que re-
dunda em grande prejuizo no flm do anno : e as-
sim ma-se o imlho cm fub gresso, e misture-se
com qualquer vegetal cozido; e por esla forma se
aproveita toda a substancia do milho, e em quatro
mezes est gordos.
A comida dos capado?, para aproveitar bem, de-
ve sor variada : de manlia pode-se-lhes dar folhas
de inhame cozidas com fu|; ao meio dia bananas
de S. Thom maduras e cruas ; de tarde batatas,
inhames, ou taiovas cozidas com mui pouco fub.
Qualquer destas substancias secoze primeiro; de-
pois se lhe ajunta o fub, meche-se com urna p
por dous minutos, e poe-se no coche para esfriar.
As mesmas bananas, nao estando ainda maduras,
se cozinham; deita-sc fra a primeira agua, e nes-
ta ento se ajunta um pouco de fub, e faz-se como
ha pouco expliquei.
Junte aos tachos deve haver um coche grande
para nelle so depositar e esfriar a comida dos por-
cos. Nos tachos s Picar a comida em quanto es-
liver quenle, pois esfri.indo-se cria azinavre, o que
muilo nocivo aos animaes.
Na comida dos capados, quando estiver cozida, se
deitar um pouco de sal, de forma que lique mo-
deradamente temperada, nao s para Ihes abrir a
vontade de comer, como para obstar criacao das
lombrigas. Quando na cva se observar algum ca-
pado sera progresso na gordura, deve-se matar do
segundo ao terceiro mez; porque este nunca mais
engorda : o contrario se far com os que nutrirem
bem ; pois a estes se tratar at fiquem completa-
mente gordos.
(I) Na falla de madeira, que d esta largura, po-
de-se fazer o coche detaboes c gastalhos.
Eslas regras baslam para os fazendeiros compre-
prebenderem bem o tratamento dos porcos da
cva. Separado da cva vinte bracas, se far um
curral para os porcos de fra. Neste curral ha-
ver urna coberta para dorrairem agasalhados, cuja
coberta lera urna diviso para dormirera separa-
das as porcas paridas. Neste curral se deitar_ lu-
do quanto se tiver de dar aos porcos de manba e
tarde, como milho, bananas, batatas, abobnras,
etc. Eu costumo dar milho duas vezes na sema-
na, e nos outros das dou bananas de S. Thom
maduras ; mas as porcas paridas devem ser trata-
das parte, para podorem criar os leiles. Neste
curral se conservar um coche para se dar sal aos
porcos de quinze em quinze dias ; ev,oa agua em
que se dissolver o sal se ajumar Hjn pouco de fu-
b, o que os faz nutrir, e ao mesmo tempo os pre-
seiva das lombrigas. As porcas prenhes nao to-
maro sal, por que podem abortar. Quando as
porcas forera amojando, e estiverem prximas a
parir, dorraro apartadas no curral dos leiles, em
que haver urna pequea coherla para este lira :
e ah (carao as porcas Ires dias para os leitoes li-
carem mais robustos. Este curral se comnraoi-
car por urna portinha com o apartamento das
porcas paridas, o nelle se tratar das mesmas por-
cas e leiles como cima lira dito.
Os porcos que tem de entrar para a cva devem
ser capados em dias de la nova; mas nunca quan-
do houverem invernadas, que fazem arejar as feri-
dasc morrer os poicos. Estes capados magros
sero tratados separados dous mezes antes de en-
traren) para a cva. O curral dos porcos do pasto
se communicar com a cva pelo curral dos lei-
les, para passarem por ahi os capados de fra
quando isso fr preciso.
Tal vez parecam estas regras muito minuciosas c
superfluas ao fazendeiro impaciente, que qur
fazer muito cora pouco trabalho. Se alguera assim
o pensar, engana-se ; pois nenhuma utilidade pode
conseguir o lavrador do seu trabalho sem um me-
thodo na sua lavoura, e sem urna vigilancia conti-
na em todo complexo da sua fazenda : a criaco
principalmente deve estar sempre debaixo das vis-
tas de seu dono. Os feitores e administradores s
querem salvar as apparencias : rarissimas vezes
se acha um bom administrador. No lugar compe-
tente farei a descripc das qualidades que deve
ter um bom administrador.
Aves domesticas.
A criaco das aves domesticas da maior neces-
sidade em una fazenda, nao s para o uso diario
da mesa como para a dieta da familia quando est
doente; alm disto, o pirro das aves domesticas
as cidades populosas deve influir muito aos lavra-
dores, que moraron perto destas povoares, a
cnarem em ponto grande gallinhas e penis, para
os venderem nestes lugares. Da provincia de Mi-
nas, na distancia de trinta quarenta leguas ao
l'orto da Estrella, levam os Mneros gallinhas e
pers para vender, e Ihes faz muita conta, por que
nao cessam de tirar provelto deste commercio.
Das qualidades de gallinhas m parecen) melho-
res as indias, e cochnchinas, por quo sao maiores
e est sempre gordas, apezar de porem menos
ovos doque as nossas antigs gallinhas. As aves
aquaticas, como patos e marrecos, sao tambem far-
tura para a familia, e os marrecos pde muilos
ovos ; mas estas aves aquaticas nao servem para
os doentes, por serem muilo rheumosas. Fica mais
saboroso o pato mistieado com o marreco.
As gallinhas devei estar separadas dos porcos.
O seu pasto deve ser nos quintaos ou pomares, e
mesmo nos cafezacs, se nao forera distantes de
casa; maso gallinheiro deve licar um pouco dis-
tante da casa e dos curraes dos animaes domsti-
cos, por seren muito pestilentes. Alm diste o
gallinheiro deve ler repartimenlos para as outras
aves, e todo ello devo ser varrido de tres em tres
das, para nao pesliar as mesoias gallinhas.
A sua criago pode ser incumbida a um preto
idoso ou invalido.
CAPITULO VJ
s pretas, |>r serem melhores que as
bem ; mas assim augmenta mais o trabalho.
Quando a batata comeca a estender as suas ra-
mas, deve sercapinada enxada, as outras capi-
nas devem ser feitas mo. A sua colheita de
junlio ate fim dejulho : desse tempo por diante
fragaria, poejo, para socorrer as enfermidades nao estrume ; e do boi se aproveita sobretodo ainda o
se esquecendo de ter plantados em um cante da trabalho. portento nos deve merecer muita atten-
borla, ou na sua proximidade, dous ou tres ps de cao a crago deste animal,
mamona branca para os encalhes, doenca mu Para estimular o deseio dos agricultores pobres,
commum nos paizes quemes. Soca-se um caixo afira de cria rem este gado, vou contar urna peque-
antes de estar madura a mamona, deita-se-lhe urna na historia por mim observada. Tres leguas ao
junnua.eumutju.uu. uesse rapo por mame oitava de sal commum, espreme-se e d-sc em sudoeste do Ouro Prelo, na fazenda do Sallo, ro-
vae apodrecer. A batata de marara da boas tuba- nm clyster. niiee urna mulher de nomo Mara do Carmo. Es-
METHODO DE CULTURA DOS GNEROS ALIMENTICIOS
MUSAI'KOPRIADOS PARA RESISTIR AS SECCAS AS
PROVINCIAS DO NORTE, ESPECIALMENTE DO CRASA,
K PARA SL PRIHESI AS EALTAS DOS VVERES AS CRI-
SES DE PENHIIA.
Tem sido um problema de difflcil soluco a causa
da fome que de vez em quando alflige as provin-
cias do norte. Todos os que lm escripto a este
respeito attnbuem s seccas endmicas destas pro-
vincias a causa deste horrendo flagello. O Sr. Dr.
Gabaglia, porem, baseado em fados inconteslaveis,
observados por elle na sua residencia na provin-
cia do Cear, como incmbro da corainissu.scienli-
lica, attribue a outras causas a frae que lera asso-
lado esla e outras provincias suas visinhas.
Quem quizer ver isl satisfactoriamente discuti-
do, leia os seusEnsaios sobre as seccas do Cear
e flear plenamente satisfeito. Eu, porem, que
somonte tenho em vista ensinar o methodo mais
fcil c seguro de cultivar-se os gneros alimenti-
cios, mais proprios para estes climas ridos, res-
trragir-ine-hei nicamente a esto flm, deixando
para os profissionaes as discusses de materiaes
scientilicas, perlencentes meteorologa e physica
terrestre. Entre tanto nao posso deixar de apre-
ciar dev,lainent! os conselhos do Sr. Gabaglia so-
bre a eanalisaco e represas na provincia do Cea-
Este pateo" dever ser da mesma largura da casa, ra, que, atientas as circunstancias topographicas
e ladrilhado de pedras grandes, para os porcos o dessa provincia, podem ser vanlajosos recursos
nao focaren). O tanque, que ser tambem calcad para a sua lavoura. Voltarei ao meu assumplo.
de pedras, ter vinte palmos em quadro, e um de! Depois de ter escripto no capitulo III deste opns-
altura ; mas rampa da entrada lera urna declivi-' culo o methodo de cultivarse perennemente no
dade tal, que os capados gordos possara entrar e mesmo terreno com o auxilio do estrume, e depois
sahir com facilidadc. No centro da cva se eolio- de ter feito ver ao leiter as vantagens deste sys-
car um coche, de maior ou menor comprimento,! tema,nao posso demorar-mo nesta materia, rene-
preferencia
branr
as grandes faltas de mantimentos, sao as bana-
nas de S. Thom um grande recurso contra a
fome.
Tenho visto fazer-se uso dellas por esta forma :
cortara o cacho quando est de vez e principia ra-
diar a casca da banana; despencara-as e as dei-
lam a ferver em uina vasilha com agua; depoh
dcscascam e fazem com ellas una massa, manei-
ra de piro, para sc comer com carne, peixe ou
feijo.
A mesma banana "cosida, estando de vez, serve
para engordar porcos; mas em tedoeaso se deve
deitar fra a primeira agua da sua decoeco, por
ser sninmameiiie adslringcnte.
proscrevo as unirs qualidades de bananas,
que se tem introduzco depois destas; mas, nao
tendo a utilidade deslas, devem ser plantadas cm
pequea quanlidade, e smente para sobremesa,
como a maca c ouro. Da caiana, e da da ierra se
faz um doce rnui semelhante marmolada. As
bananas de S. Thom servem tambem para se dar
aos porcos, gado e aves domesticas; mas devem
eslar maduras como disse no capitulo III. Como
as banaheiras aqui sao destinadas tamben) para re-
frescar o terreno c proteger dos ardores do sol as
plantas que se tem de cultivar entre as suas car-
reiras, ou linhas, sero plantadas pela maneira se-
grate : escolhido o lugar, (que deve ser plano)
para a plantacao das bauaneiras, sealinhar lodo
elle em linhas roelas de norte ao sul, com a dis-
tancia de eincoenta palmos de una a outra linh
nestas linhas se marcante as suas covas de deze-
seisera dezeseis palmos.
No reir destas covas se plantar urna muda
de bananeira que tenha bornear (raz) ainda que
a muda seja pequea. Para duracao das bananei-
ras, devem ter as covas tres palmes de largtra-e
dous de profundidade. O cara ou raiz da bana-
neira se enterrar ainda um palmo mais abaixo da
superficie da cova, e se lhe deitar algum estrume
se se achar perto. Esta maneira de se plantar as
bauaneiras para refrescar o terreno intermedia-
rio, e para abrigar dos ardores do sol as plantas
nelle cultivadas.
E' certo que das 10 horas da manba s duas da
larde todas as plantas ficam expostas ao sol; e as
do centro desde as nove al s Ires ; mas nao so-
frem a sua influencia o dia injeird: o que j um
grande beneficio. Alm diste sendo a bananeira um
dos vegetaes que mais" abunda emsal alkalino, tcm
a propriedade de atlrahir a humidade da almos-
phera e diflundi-la na trra, lornando-a assim mais
fresca.
As plantas cultivadas entre as carroiras das ba-
uaneiras, tendo um espaco suflicent para correr
o ar, vegetara melhor que no terrero exiwslo aos
ardores do sol, c sem algum abrigo; alm desta
rircumstancia, a haslea e folhas das banaiieiras
sao um dos melhores estruraes que conheco: lodas
estes qualidades tendera a melhorar o terreno, e
torna-lo mais frtil. Entre as linhas das bananei-
ras se plantario smenle mandioca, inhames e
taiovas; mas os inhames devem ser das especies
mencionadas em quarto lugar no capitulo llijquc
mais parecido com a taiova; porque este inhame
d-se heni era terreno eoxulo. Todas estas plan-
las conservan) as suas tobaras alguns annos debai-
xo da Ierra; a mandioca tres annos, o inhame e a
taiova cinco e mais, como cima disse; c por isso
sao a melhor providencia para os annos de fome.
O inhame e a taiova se plantar em carreiras de
norte a sul, ilutando oito palmus das carreiras das
bauaneiras; e nos trinta e quatro palmos que fi-
cam entre as suas carreiras sc plantaro sete car-
reiras de mandioca.
Quaesquer destas plantas distante enlre si qua-
tro palmos para vegetaren) bem.
J disse cima que os cearenses, p os habitantes
das outras provincias do norte, que estiverem as
mesmas circunstancias, devem plantar bananaes
era grande quantidade para terem um abrigo se-
guro contra a fome; e assim o mais pobre fazen-
deiro deve plantar ao menos trezentas touceiras de
bananeiras, nao s para utilisar-se do seu fruclo,
como da sua sombra a beneficio das outras plan-
tas. Talvez algum pobre lavrador jnlgue excessi-
vo para suas tercas um bananal de trezentas teu
ceiras.
Nao porque nao o plantar de urna s vez,
por falta de mudas, que d a quanlidade de todas
estas covas, portante sero precisos dous anuos c
mais para a reprodueco V mudas quo possara
supprir a todas eslas covas, e dentro deste lempo
tem occasio opportuna para plantar todo esse ba-
nanal, seno fr descuidado.
C'istitnliriro.
Depois das bananeiras devem os habitantes do
Cear (o aquelles das mais provincias do norte
que a fome lem flagellado), plantar o castanheiro
e a arvore do pao no maior ponto que lhe fr pos-
sivel, pois sao dous grandes auxilios contra a
teme.
Planta-se o fructo do castanheiro; depois da ar-
vore procedente deste fructo, tiram-sa os galbos
esgalhados nos mezes de junho a agosto, antes de
saturen) os brotes, e plantara-se; o esta segunda
arvore que d ento o fructo em marco em gran-
de quanlidade. Estes fructos podem se conservar
muilos mezes sem alteraco, estando bem acondi-
cionados.
Arvore do pao.
Foi a arvore do pao um dos mais benficos pre-
sentes que recebemos da Providencia.
Quando os Inglezes a conbeceram no Otbaiti,
levaram para as suas colonias duas embarcaces
(anegadas de mudas. E nos to descuidados so-
mos, que quasi nao conhecemos esta preciosa ar-
vore ; e urna raridade cuidaren) nella os nossos
agricultores, excepeo de um ou oulm fazendei-
ro de gosto que a cultiva por lnxo nos seus jar-
dins.
A arvore do pao d os seus fructos por oito me-
zes consecutivos, o que nenhuma outra faz. Por
isso me parece que a sua cultura ser mui til as
provincias do norte. Os seus fructos comem-se
assado, e tem o sabor de pao, dundo se deriva o
seu nome. Plantam-se os seus rebentes. Ogo-
verno devia promover a sua cultura em grande
escala na provincia do Cear, cora que faria um
grande beneficio a esta provincia.
Nao se enfade o leitor cora estas minuciosida-
des; pois escrevo para beneficio dos pequeos
agricultores, e desejo siiiniuainente que este meu
trabalho Ihes seja til.
Pastagens.
Depois de ter exposto aos habitantes das pro-
vincias do norte, e especialmente aos do Cear.
o methodo de cultura dos gneros alimenticios
mais proprios para resstirem s seccas, e supprir
a falte dos viveros nos annos de penuria; tenho
deaconselhar a plantacao do bamb para pasto rt
gado vaceum. Esta especie de taqura, originada
da India, mui semelhante nossa taboca, com
a dilTerenca de nao ter espinos, e ser mais cuin-
prido o seu colmo.
Urna vez arraigada forma grandes touceiras, que
se augmentara por immensos rebentes.
com a largura interna de palmo c meio, e a altura
interna de um palmo (1). Este coche ser repar-
com a distancia de dous palmos e n)co de urna a
tindo o que j disse; smenle addcionari mais
alguns conselhos aos habitantes dessas provincias
lido em toda sua extenso por divisos de tabeas., alini de poderem cultivar os gneros alimenticios
que menos sintam as influencias nocivas das
outra diviso, para os capados nao entrarem nelle, seccas.
e cada um comer em seu lugar. Primeiro que ludo insisiirci ua factura dos ca-
Estas divisos devem sahir um palmo fra do naes e represas, aconselhados pelo Sr. Dr. Gaba-
cochc, e ser collocadas por cima do coche, de ma- glia, nos lugares era que fr admissivel este me-
oeira que se possara por e tirar fcilmente quando
for preciso lavar-se o coche; e assim as suas pri-
soes devem ficar um palmo lateral fra dos flancos
do coche.
Entre a cva e o curral dos porcos do pasto ha-
ver um pequeo curral com entrada pequea para
Ihoramento agrcola, para facilitar a cultura do ar-
roz no maior |>nte que for possivel, com o filo de
supprir a falla dos outros mantimpntos oos lempos
crticos; pois o arroz alm de ser um alimento sa-
dio, o mais proprio para os paizes calidos, por ser
de natureza temperante. Alm disto, as proxi-
por ella entrarem os Icites; e deste curral haver | raidades desses canaes, represas, e em todos os lu-
outra entrada para a cva, afim de aproveitarem gares mais frescos, se deve plantar grandes quar-
os ieites o resto da comida que sobrar dos ca-' leis de inhames e taiovas, que se guardante intac-
pados. tos nicamente para os annes de penuria, pois o
Antes de se por a comida no coche, so tirar te- inhame e a taiova se conservan) na trra cinco,scis
da a comida velha, que por acaso fique dos Ieites, e mais annos, conforme os lugares em que sao
e so deitar no coche do curral de fra para os por-! plantados.
eos do pasto. Isto muito necossario fazer-se para as vastas plaidos, de qne abunda o Cear so
os capados romerem bem ; pois nao obstante ser o plantaro grandes bananaes de bananeiras d S.
porco um aoimal voraz o immundo, quando vive Thom, porque sao as mais substanciaos, dando
Com paciencia e constancia se pode encher vas-
tes planicies desta gramnea, plantando os seus
rebentes ou mudas, na distancia de quinze pal-
mos em todos os sentidos; mas nao soltar o gado
nestes partidos antes de tres annos depois da sua
plantacao. F^sie pasto resiste secca mais forte,
muito substancial e ajqietecido dn gado, alm dis-
to o sen colmo ou haste serve para cercas, e delle
tambem, sendo distallado, se faz balates e esle-
ras.
Comtudo nao se devem descuidar da plantacao
das arvores e arbustos, recommendados pelo Sr.
Dr. Gabaglia nos seus Ensaios, romo carnaubas,
canna-fislulas, cardos, mamoeiros, jus, jnrsi
etc., pastos que os gados contera com svffregui-
dio.
CAPITULO VII.
CAUSA DAS SBCCAS DO CBARA'R MEIOS QI.E SE DEVEM
KMPREGAR PARA OBSTAR AS SIVS RKPETigHS.
Comquanto pertenca privativamente ao dominio
da nieteoNlogia o conheci mente dos phenomenos,
que contribuem para a formael das chuvas, o a
indagaco das causas que pd||F abreviar ou de
morar os seus perodos; ernnre de passagem
ncsla qucslo. por conhecer a ftliienria* que lem
as chuvln/n* produccao doMfeneros alimenti-
CM*.
i
(rowiiflr-r-A
'->
v:


PEHNAM

- 1YP. uK M. V. F. & PIUMi.
-Ja.-
ik


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ER8FEB361_Q6VFO2 INGEST_TIME 2013-08-28T00:38:19Z PACKAGE AA00011611_10274
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES