Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10273


This item is only available as the following downloads:


Full Text

AMO XXXIX HUERO 293.
Por tres mezes adiantados JOOO
Par Ires mezes vencidos .
6SO0
TERCA FEIRA 22 DE DEZEMBRO DE 1863.
Por anno adiantado. ,
Porte para o subscriptor.
19$000
3$000
DIARIO DE PERNAMBUGO.
v
ENCARREGADOS DA SUBSCRR?CO NO NORTE
. Parah?,b*. Sr- Antonio Alexandrino de Lima'
ISatal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracatv
Sr. A. do Lemos Braga; Cear, o Sr." J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaqnim Marques Ro-
f dngnes; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
KNCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL
Alagas, o Sr. Clandino Falcao Dias; Rahia, o
Sr. Jos Marlins Al ves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Marlins A Gasparino.
EPHEMERIDES DO MEZ DE DEZEMBRO.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Oiinda, C?bo e Escada todos os dias.
IgSs;?asyanna e Parahybanas sefnndas e|3 Qaart0mia-u8h-49m-e2s-dam-
Sanio Ant.o, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruaru', !0 Lua nova as 4 h., 29 m. e 20 s. da t.
Altinho e Garanhuns nas tercas reirs. 17 Quarto cresc. as 8 h., 20 m. e 32 s. da m.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira, 24 Lua cheia as 11 h., 23 m. e 14 s. da t.
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrob,
Boa Visla, Ouricury e Exu' nas quartas feiras. |
Sennhem. Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agu Preta e Pimenteiras nas quintas feiras.
Ana de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao '/lia.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 10 horas e 6 minutos da manha.
Segunda as 10 horas e 30 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagas a 5 e 25; para o norte at
a Granja 7 e 22 de cada mez; para Fernando nos
dias 14 dos mezes dejan, mar, maio, jul, seL enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipucos as 6/ 7, 7 /,, 8 e
8 '/i da m.; de Oiinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jabeatao aso/ da m.; do Caxang e Varzea s 7
da ni.; de Bemfca s 8 da m.
Do Recife : para o Apipucos s 3/, 4, 4 >/4, 4 /,,
5, 5 /?. Vi e 6 da tarde; para Oiinda s 7 da
manhaa e 4 '/i da tarde; para Jaboato s 4 da tar-
de ; para Cachang e Varzea s 4 Vi da tarde; para
Bemfca s 4 da tarde.
AUDLENCIA DOS TRIBUNAS DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relacao: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos : tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DIAS DA SEMANA.
21. Segunda. S. Thom ap. ;S. Themistocle m.
22. Terca. S. Honorato ni.; S. Floro m.
23. Quarta. Ss. Migdono, Mardonio mm.
24. Quint. S. Dellino b.; S. Tarsilla m.
25. Sexta, cfc Nascimento de N. S. J. Christo.
86. Sabbado. S. Estevo proto-martv r.
27. Domingo. S. Joao ap. e cvang.
ASSIGNA-SE
no Recife, em a livraria da praga da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Figueiroa di
Faria & Filho.
PARTE 0FFICIAL.
TIIMSTI ItIO A TI iHIMI \.
DECIITO N. 3.185 DR 18 DE NOVEMBRO DK 1863.
D nova organisaco escola ile machinistas esta-
belecida no arsenal de marinha da corle, alte-
rando as disposicoes do regulamento mandado
observar peto decreto n. 2,542 de 3 de marco de
1860.
Attendendo que de maior conveniencia para
a industria do paiz facilitar a divulgago dos co-
nhecimentos essenciaes ao manejo e direccao das
machinas a vapor : hei por bem dar nova organi-
sacao a escola de machinistas estabelecida no ar-
senal de marinha da corte, e determinar que, de-
rogado o regulamcnto mandado observar por de-
creto n. 2,542 de 3 de marco de 1860, seja exe-
vutado o que a este acompanha, assignado pelo
chefe de diviso Joaquim Raymundo de Lamare,
do meu conselho, ministro e secretario de estado
dos negocios da marinha, que assim o tenha en-
tendido e faga exccutar.
Palacio do Rio de Janeiro, em 18 de novembro
de 1863, 42 da independencia e do im|>crio.Com
a rubrica de S. M. o Imperador. Joaquim Ruy-
mundo de Lomare.
Art. 16. Os aprendizes, operarios do arsenal e solve conceder-lhe 2 mezes de licenga com venci-
outros que frequentarem a escola, vencondo esli- menlos para tratar de sua sade onde Ihe con-
pendiodos cofres pblicos, ficarosujeitos a servir vier.
na armada, como ajudantes ou machinistas, pelo Dita.O presdante da provincia, attendendo ao
lempo, aqu/'lles de seis, e estes de quatro annos, que requereu Miguel Archanjo Mindello, professor
quando o governo exigir os seus servicos. | publico da 2" cadeira de instruego primaria da
Art. 17. O professor propor ao ministro da ma- ; freguezia de Santo Antonio desta cidade, resol ve ramu a
Despachas da dia 17 de dezenbro de 1863.
Requerimentos.
Barao do Livramento. -Dirija thesouraria pro-
vincial cujo inspector lem ordem para contratar a
obra de que se trata.
Francisco de Paula Cabral.-Bemettido ao Sr.
nal de guerra para atlender ao
Arl. 18. Os adjuntos de que precisar a escola
para seu regular andamento, serao fornecinos pela
intendencia a vista de-pedidos do professor, rubri-
cados pelo inspector.
Art. 19. Haver um livro para matricula dos
alumnos, e outro para os termos dos exames.
rinha, por i itermedio do nsiiector do arsenal, tu- i conceder-lhe 30 dias "de liceiica"com"vencimentos, s'iHil'icante fI.Vm
do o que julgar til ao ensino. para tratar de sua sade, onde Ihe convier, deven- ^TdrtlJtoTInlLT ln?mT i88"
1 do ser contada a referida licenca do dia 7 de ja- dorTTOy??'"^me o Sr. desembarga-
neiro vindouro em diante.-Coromunicou-se ao MariajL*aJ^/lt3 d? Misericordia.
director gera. interinada i nstruccao publica. SffSS3T?3f 1 do^'fes*
Offlcio ao Dr. chefe de polica. Pelo offlcio de SSSi^S din*,0.r da l*rtge das obras
V. S. de 19 do correnle, Aquei sciente de ter o de
mus uos nMRt ler o ue- oar n .. .,!,. -___J5J correnIe nao tem lu-
Art. 20. Fica derogado o regulamento que bai- legado de Goianna capturado o sentenciado Sil-;8 Manoellri.lro a,PC i c
xou com o decreto n. 2,542 de 3 de margo de 1860 vestre Rodrigues Veras que se havia evadido do P0"|';',,,Vr aacramenl-I"''"-me o Sr.
e mais disposices em contraria. presidio de Fernando.Communicouse ao Dr. juiz i ',?, .
Palacio d Rio de Janeiro em 18 de novembro municipal da 1* vara do Rocife.
de 1863.Joaquim faymundo de Lamare. Dito ao conselheire presidente da relaco.
Transmiuo por copia V. S. para seu conhecimen-
to o aviso expedido em 5
JIKGI LAMK.VTO A Ql'B SK IIKKKI1E 0 DECRETO DESTA
DATA, DANDO NOVA OROANISACAO ESCOLA DK MA-
CHINISTAS ESTABELECIDA NO UMMU DE MARINHA
DA CORTE.
Art. 1. A escola de machinistas estabelecida no
arsenal de marinha da corle continuar a ser regi-
da pelo director das offleinas de machinas do mes-
ino arsenal, que o governo designar.
Art. 2.a Nesta escola ensinar-se-ha :
.- > S !* A conhecer as propriedades do vapor
d'agua ; sua prodncco ulilisacilo nas machinas
a vapor ; a construeco e uso dos manmetros, ba-
rmetros, thermometros, salinmetros, dinamme-
tros, indicador de WaU e outros instrumentos ; os
elementos de physica e mecnica, indispensaveis
comprehensivo das doutrinas cima especificadas
2. A nomenclatura das pegas componentes
dis machinas a vapor, apparelhos vaporisadores e
propulsores; modo como funccionam, e princi-
paes coniliedes a que devem satisfazer.
3." A conduzr e dirigir as machinas com as
cautelas convenientes, e de maneira, nao s a pre-
venir e evitar os accidentes a que as mesmas sao
sujeitas, mas anda a obter o mximo effeito til
com a mnima despeza.
4. A reparar as avarias e desarranjos que
mil _frequentemcnte solfrem os machi nismos, e
que sao susceptiveis de com-erlos a bordo.
3 5." A discernir os diversos syslemas de ma-
chinas a vapor em uso, especialmente daquellas,
cujo emprego ulilisado na navegaeo, e as van-
tageas e defeitos de cada um.
Art. 3." Em quanlo nao se designar compendio
apiopriadu para o ensino deslas materias, leccio-
nar o professor por meio de apostillas, e visla
dos modelos e machinas existentes no arsenal.
Art. 4.* O ensino ser theorico o pralico, de mo-
do que os preceitos e regras explicados tenham a
mais completa applicagao.
Art. 5. Poderao frequentar a escola, preceden-
do autorisaco do inspector do arsenal, e satisfeilas
as condiyoes estabelecidas no seguinte artigo :
1." Os aprendizes e operarios do arsenal que
ontarem dous annos de pratica pelo menos nas
offleinas de machinas do mesmo arsenal.
2." Os machinistas, adjuntos machinistas e fo-
/ gtiislas dos navios da armada ; devendo os ltimos
contar pelo menos dous annos de pitica.
3" Os machinistas nos navios do commercio e
foguistas que tiverem, pelo menos, dous annos de
.pratica.
4." Os individuos que, niio pertencendo a alguma
das ehisses cima enumeradas, pretenderen! dedi-
car-se profissao de machinista, c contarem, pelo
' menos, tres annos de exercicio, com aproveila-
inenio, em urna oflicina de machinas.
Art. 6. Para ser admittido matricula re-
4]uer-se :
1." Ser Brasileiro, maior de 15 annos de idade,
de coiisliluico robusta e propria para a vida do
mar.
i:' Saber ler e escrever, arilhmetica pratica at
proporeOei inclusive, geometra pratica al a me-
Art 7." Nao serio admittidos matricula, que
uvera abrirse no 1 de marco e encerrarse no
ultimo dia do mesmo mez, mais de 50 alumnos.
AMn dos alumnos matriculados, poderao frequen-
tar as escolas discpulos ouvinles, cujo numero se-
r lixailo pelo professor.
Art. 8." As IfeBet duraro hora e meia, e tero
lugar em tres dias de cada semana, oceupando-se
os alumnos, pelo mesmo lempo, nos outros tres
dias, em desenliar machinas c pecas de machinas
a va|ior.
Arl. 9." O ensino ser prestado em urna das sa-
las do arsenal, nas ofticinas de machinas, ou a
bordo ile algum navio a vapor, conforme fr mais
conveniente para a explioacao das materias, de
que se houver de tratar. I
Art. 10. Os alumnos que o respectivo professor
julgar habilitados serao examinados por umacom-
iiiissao roniposta de dous engenheiros machinistas
c um lente da escela de marinha, que presidir o
acto, lodos nomeados pelo ministro, a qual, em
tnes exames e na classificacao da capacidade pro-
fissional dos examinandos, conforme estes se pro-
puzerem a servir nos navios da armada ou com-
mercio, observar o disposto no regulamento que
baixou com o decreto n. 3,186 de 18 de novembro
de 1863, ou no que acompanhou o de n. 1,324 de 5
Art. II. Os aprendizes, operarios do arsenal e
mais alumnos da escola, que forem approvados
nas materias especificadas no presente regulamen-
to, obterao um titulo, que Ihes dar direito a se-
T rem admittidos, ha vendo vagas, como ajudantes-
inaclunislas de 2* ciasse no corno de machinistas
quisitos para tal ciasse exigidos no respectivo re-
gulamento.
rt. 12. Os discpulos ouvinles, que requerercm,
poderlo prestar exame, seguindo-se a seu respeito
o preceiluado no arl. 10.
Art. 13. O inspector do arsenal enviar secre-
taria de estado dos negocios da marinha urna rela-
3o dos alumnos e onvintes approvados, acompa-
ihada das necessarias deelaracoes, alim de se Ihes
mandar pastar |>ela escola de marinha as compe-
"r tentes carias.
Arl. li. Os alumnos reprovados poderao frequen-
tar a escola por mais um anno, Ando o qual serao
despedidos se nao se moslrarem habilitados por
novo exame.
Arl. 13. Sent despedidos da escola os alumnos
que deixarem de frequenla-la sem causa justifica-
da por mais de um mez, e os que derem provas de
mo comportamento.
GKVERKO DA PROVINCIA.
Endiente da dia 17 de dezenbro de 1863.
Offlcio ao commandante superior da guarda na-
cional do Recife.Deferindo o requenmento do
capito da soeco de reserva da guarda nacional
do municipio do Rio Formoso Joaquim Elviro Al-
ves da Silva, autonso V. Exc. a mandar aggrega-
lo ao 2o batalho de reserva deste municipio de
confurmidadi com a sua informacao n. 132 de 15
do corrente, visto ter-se mudado para o districto
do mesmo batalho.
Dilo ao commandante da praca.'-Mande V. S.
por disposieao do Dr. chefe de polica, afim de
terem o conveniente destino, o bah e mais objec-
los de que trata a parte do ajudante da fortaleza
do Brum de 3 do corrente, a que allude o offlcio
do brigadeiro commandante das armas de 3 do
correnle. Communicouse ao Dr. chefe de po-
lica. ,
. Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
A Manoel Ferreira do Prado, mande V. S. pagar
a quantia de 5005 por que vendeu ao inspector do
arsenal de m: rinha, una canoa de amarello com
lodos os pertences, para o servigo da fortaleza de
Itamarac, como se v da cont junta em duplca-
la, que para e.ise fim me foi remedida pelo men-
cionado inspector, com offlcio de 15 do correnle,
sob n. 598.Communicou-se ao inspector do arse-
nal de marinha.
Dito ao mesmo.O bacharel Joao Gonzaga Ba-
cellar, participou que em 8 do corrente passou ao
1" supplente o exerricio do cargo de juiz munici-
pal e de orphaos do termo de Ipojuca, e no dia se-
guinle, entrn no exercicio de igual cargo no ter-
mo do Cabo, para onde foi ltimamente removido:
o que communico V. S. para seu conhecimento.
Dilo ao mesmo.Communico V. S. que o ba-
charel Ernesto de Aquino Fonscca, reassumio em
12 do corrente o exercicio do cargo de juii de or-
phaos desta capital.
Dilo ao inspector da thesouraria provincial.
Inteirado do quanlo V. S. expde em seu offlcio de
4 do corrente, sob n. 585, com referencia a nomea-
cao que fizera, por ser urgente, e que o procurador
fiscal dessa thesouraria enteude pertencer-lhe, de
um perito para avahar por parte da fazenda'es
bens deixados pelo fallecido Jos Antonio de Bri-
to, sujeitos ao^ello de heranga e legados, teuho a
dizer-lho em resposta que cssa nomeacSo em vista
da lei, compelo ao administrador d consulado
provincial, que a dever fazer anda mesmo nos
casos urgentes.
Dito ao mesmo.Para ser paga quando a assem
_ do correnle pelo minis-
terio da guerra em solugo a duvida suscitada
pelo brigadeiro commandante das armas, acerca da
interpretago que se deve dar a disposigo do art.
3ol do cdigo do processo criminal, cuja execugao
se recommendou ao mesmo brigadeiro em vista
do que V. S. representou em offlcio de 21 de julho
_ Conceigo.Informe o Sr.
desembargada provedor da Santa Casa de Mise-
ricordia.
Maria da Annunciago Cavalcanti.Informe o
Sr. desembargador provedor da Santa Casa de
Misericordia.
Sebastiae Accioli Santiago Ramos.-Passe por-
tara concedendo a licenga na forma requerida.
Umbelina da Silva Queiroz. Em vista do dis-
posto na lei prwincial n. 350 e do que a este res
Registro de ttulos de delegados. .
Registros de ttulos de subdelegados .
Vistos em passaportes......
Lcgitimagoes..........
Registros de legitimaedes.. .
Passaportes. ..."..*....
Registro dos passaportes......
Termos de nanga........
Certidocs...........
Passes da va frrea.......
Langamenlos de contas......
Busca............
Matriculas de vehculos.....,
Notas de emolumentos......
Langamentos no livro dos culpados.
ndice dos mesmos........
Assentamentos de crimes e factos no-
taveis..........
Assentamentos dt; criminosos captu-
rados. ......
Assentamentos de desertores. .
Copias de diversas pecas offlciaes .
2
6
148
9
9
204
204
2
2
62
48
2
I
22
21
27
11
65
Somma.
3167
Emolumentos arrecadados no mesmo mez :
ultimo, quando ao tribunal da relacao foi apresen- ffij". ?'"^.d repar ig;io das obras
lado o sargento do 7 baulhSo de infamar a Elov ^ar o m,eT.S 1 >'r do,corrente na0 ,em ,u-
de Oliveira Mallos, para o Jm de obter habeascor-, g" qae ^^ a sPP"'cante.
pui.Kemetteu-se copia do mencionado aviso ao i n- Jj
commandante da praca. ,. no/uenmentos.
Dito ao commandante da praca. Mande V. S. rii,0 ,Sn?,^0sn0Ha'lr.es na t\eF^a. de
com urgencia destacar na villa de lguarass 8 So" *nhli,Bfor*eoSr- d,rec,or ?eral da instruc-
pragas commandadas por um Inferior allm deas-; ^rhru,v3 a- u,..a n n n.
sistir os trabalhos do jurve guardar a respectiva JE!*0 d* Mercs G<>n?alves Guerra.-Pas-
cadeia.-Communicou-seo Or. chefe de polica. I fahJj?" Ril n, D ,
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.- i Lf'Kl*. ?$ Pi,d' s(!e?mr-
Communico V. S. que o promotor publ.co a K?M^fc^~lDdeflLd comarca do Limoeiro, bacharel Virginio Carneiro a*,"*S* ,d* F"nseca.-Estando cene uido
da Cunha e Albuquerque, entrou era 17 do corren- .^jLT^0Ut-- W d re8ula'.nent0.d?
te no goso da licenca de tres mezes que obteve. il ,* ?;' idf!r,rre''ueira ao J?*60 ,raPeriaL
Dilo ao inspectoT da thesouraria provincial.- .J"* Barbosa.-Revalide o presente
Accuso recebido o offlcio de hontem sob n. 606, em 7"^ u. k', Dor A D
q_ueV.S me participou haver Antonio da Silva J^w Hypolito Pereira de Moraes. Passe pa-
Gusmao, dando por garanta os seus bens, arrema- i-------____.... ti
lado por um anno, e por 292 r.s cada lampeao a! b*?2SL "rra de Albu1uer(lue Maranhao.-
illuminago da cidade de Goianna, e em resposta I ^,'1^'v n e
tenho a dizer que approvo essa arrematago. JJiWii'S? 9*}* ,[nforme Sr ms-
Dile ao commandante superior de Oiinda eIgua-^rda'hesourana de fazenda. .
rass.-Em vista da iuformago da contadona da' .,Jfaia fc-spirito Santo.-Informe o Sr. inspector
thesouraria de fazenda junt por copla nao pode daJIar,a ie. ?z^.
ter lugar o pagamento dos vencimenlos dos guar- ..R,>ra,"d ** e Sant Anua- Informe o Sr.
das naconaes mencionados no pret de 13 e fe de iaii5J"elA ?"l?rca de.Goian,na-
novembro findo, que acompanhou o offlcio de V. a0e^r'na Mafa d Conceigo. Informe o Sr.
S. de 30 do meste mez. I dsem'arga Dito ao director do arsenal de guerra. A o-, ">"._ ^r _y
co n. 176 que Y. S. me dirigi em 4 do corrente
respondo declaando-lhe que as menores Mauricia vhiutii 'I a ni niuirii
eBernardina filhas da africana livre Rosa I devem | lUrAnl l^.lf II\ MILI LIA.
ser entregues esta que j se acha emancipada e Resumo do expediente feito pela secretaria
como tal habilitada para educa-las. de polica, dcr.antk o mez de novkmbro prximo
Dito ao commandante do corpo de polica.Em findo.
vista da inspecgo junt ao seu offlcio n. 515 desta Officios dirigidos. Nmeros deofficios.
De passa|K>rtcs
De legitimacoes.....
Termos de (langa.....
De certidocs......
De matriculas de vehculos.
De buscas.......
4085000
8J.280
25000
45000
15120
15000
Somma.
4245400
Secretaria de polica de Pernambuco, 1* de de
zembro de 1863.
O secretario,
Eduardo de Barros Falcao de Lacerda.
PERNAMBOCO.
REVISTA DIARIA.
data |)de V. S. mandar engajar o paisano Manoel Ao presidente da provincia .
Antonio de Siqueira para o servigo do corpo sob Ao t da relaco. .
seu cominando. | Ao commandante das armas. .
Dito ao commandante da canhonera Itajahy. Ao commandante do corpo de poli-
Devolvo V. S. o requerimento a que allude o seu cia......._.....
offlcio n. 164 de 17 do corrente para que o entre- Ao commandante do presidio de Fer-
gue ao 1 cirurgiao da armada Dr. Pamphiio Ma-1 nando ,.......
noel Freir de Carvalho, declarando-lhe que deve Ao chefe de polica da Parahvba. .
encaminha-lo directamente ao inspector da thesou-' Ao t < do Rio rande do
raria de fazenda a quem elle se dirige. Norte. .
Bito ao coronel recrutdor.Mande V. S. apre- Ao t t do Piauhy .
sentar ao commandante da praga, alim de seren Ao do Crar.
bla legislativa provincial marcar .uot visto per- ,.ntl m CQmm:in,i*n a praga, alim ae seren ao do Oara. .
icncer a exercicios j encei, mande U fro- S?**n!! efrc,t0 forem ,con"dera,1?, a>>tos Ao "" I*".
cessar nao a divida de 1685 contante dos apis, [K^f^? sau^ os ^utas Lujz de tranca Aoju.z de d.re.to do Cabo.
que devolvo, e me foram remedidos com offlcio do
chefe de polica n. 1,286 do 27 de agosto ultimo, mas
sim a de 845, em que, segundo o parecer da con-
tadoria dessa thesouraria a que se refere a sua in-
formago de 15 de setembro subsequente, importa
o aluguel da casa, que no termo de S. Benlo, ser-
vio de quarlel e priso, a contar de 29 de feverei-
ro de 1861 at 30 de junho deste anno, por dever
esse ajuguel ser pago na razao de 35 mensaes,
como informa o mencionado chefe, em offlcio de
hontem, sob n. 1,637, e nao na d 65. como se v
de tacs papis.Communicou-se ao Dr. chefe do
polica.
Dito ao mesmo. Em vista da inclusa cont, que
me foi remedida com offlcio do chefe de polica n.
1,644, e dala de liontem, mande V. S. pagar ao
capito Jos Pereira Teixeira, nao havendo incon-
veniente a quanlia de 625600, despendida com o
sustento dos presos pobres da cadeia de Caruar,
durante o mez de novembro ultimo.Communicou-
se ao Dr. chefe de polica.
Dito ao mesmo.Para seu ronhecimento e fim
conveniente, transmiti V. S. a inclusa copia do
contrato, celebrado com o emprezario do theatro
de Santa Isabel, Antonio Jos Duarte Combra, para
continuar na mesma empreza por mais dous an-
nos. Communicou-se ao director do mesmo
theatro.
Dito ao mesmo.Aaloriso V. S., de conformida-
de com a sua informago de hontem, sob n. 604, a
contratar com o barao do Livramento a obra da
ponte do Becopeba na estrada do Pao d'Alho, me-
diante a quantia e condigoes constantes do orga-
menlo e clausulas respectivas, visto nao haver
apparecido licitantes essa obra, nas tres vezes em
que foi praga, segundo const de sua citada in-
formagoCommunicou-se ao director das obras
publicas.
Dito ao mesmo.Transmiti V. S. para seu
conhecimento e execugao na parle que Ihe tocar,
a inclusa copia do contrato celebrado com Manoel
Gongalves ISunes Machado, para a conslrucgo da
estrada comprehendida entre o Bujary e a cidade
de Goianna.Communicou-se ao director das obras
publicas.
Dito ao capito do porto.Fago apresentar V.
S., alim de que Ihes d o conveniente destino, de-
pois de inspeccionados, os remitas de marinha,
Jos Marques da Silva o Joao Bernardo de An-
drade.
Dito ao commandante do corpo de polica.Au-
toriso-o a excluir do corpo sob seu commando, os
soldados Chrijpim Jos Bezerra, Serapio Coleces-
le Jordao, Sebastio Correia de Mello e Joaquim
Alvcs Monteiro, em vista do que informou V. S.
cm offlcio n. 513 desta data.
Dito cmara municipal de Oiinda.Declaro
cmara municipal da cidade de Oiinda, em res-
posta ao seuofflcio do 15 do corrente, que approvo
a arremat rao do imposto de 40 rs. por cada p
de coqueiro de quo trata o termo de contrato que
acompanhou o citado offlcio.
Portara.0 presidente da provincia, tendoem
visla o que requereu o offlcial de descarga da al-
fandega desta capital, Sebastio Accioli Santiago
Ramos, e bem assim o que a esse respeito infor-
maran! os chefes das repartieses competentes, re-
da Silveira, Antonio Lino Gomes da Silva Maia e
Jos Luiz Teixeira deque tratara os seus officios de
n. 3 e 7 e datas de 12 17 do con ente.uffleiou-
se neste sentido ao commandante da praca.
Dito ao juiz de direito de Nazareth.Pelo seu o-
lirio de 30 do mez lindo liquei inteirado de se ha-
ver encerrado a 2' sesso ordinaria do jury desse
termo e aguardo mappas estatisticos a ella rela-
tivos.
Ao
Ao
Ao
Ao
Ao
I Ao
Portara. O presidente da provincia resol ve cor- Ao
rigir a portara de 15 do corrente, declarando que Ao
o nome do subdelegado nomeado para o dislricto Ao
de S. Caetano da Raposa Joao Maria Umbelino Ao
de Miranda, como all se cscreveu.Communicou- Ao
se ao Dr. chefe de polica.
presidente do tri-
bunal do ju-
ry.....
especial do com-
mercio. .
da 1* vara. .
da 2 dita. .
de Oiinda. .
do Rio Formoso.
de Sanio Anto. .
de Palmares. .
do Rondo. .
de Pao d'Alho. .
de Limoeiro.
Dita.O presidente da provincia conformndose Ao
com a proposta do Dr. chefe de polica n. 1,640 Ao
de 16 do correnle, resolve nomear supplenles do Ao
subdelegado do dislricto de Arariba, 2o da fregue-
zia do Cabo os cidados seguintes :
1. Bacharel Jos Maria de Albuquerque Lima.
2." Joao Lins Gongalves Ferreira.
3. Major Virginio Barbosa da Silva.
4 Silvestre Dantas Lima.
5.* Manoel Olympio Carneiro Leo.
6." Antonio Netlo Carneiro Leo.
Communicou-se ao Dr. chefe de polica.
Dita. -O presidente da provincia attendendo que
nao se acha organisado o batalho n. 27 de infan-
laria da guarda nacional do municipio de Caruar
Ao juiz municipal da primeira vara
Ao
Ao
Ao
Ao
Ao
Ao
Ao
Ao
de Oiinda.
de Serinhera. .
do Rio Formoso.
de Barreiros.. .
de Agua-Pret. .
de Santo Anto. .
< da Escada .
de Nazareth. .
de Cimbres. .
t de Villa Bella. .
de Porto Calvo. .
Ao promotor publico do Recife
Ao de Palmares. .
Ao de Garanhuns.
Aojuiz de orphos da capital,
e de conformidade com o dsposto nos avisos da Ao director do arsenal de guerra. .
reparligaodajusligade 4 de Janeiro de 1855 e 15 Ao commandante da comoanhia li;
de fevereiro de 1860, resolve promover alteres de cavallaria.
panhia iixa
94
5
19
Algueo chama a nosa attengao, e nos nosso
turno provocamos a da polica, como a competen-
te, para esses mancebos inconsiderados que se enl-
locara em varios pontos de diOerenles ras pela
noile; e d'ahi vo atirando cm alias vozes obsce-
nidades que revoltam, sem guardaren! o devido
decoro as familias que prximas inorara, nem s
senhoras que passam.
A isto nao ha comento possivel, seno instar pa-
ra que a polica nao tolere semelhante pratica de
ma enaguo, vtsio que a repressao est na sua com
petencia.
A sociedade dramtica Recreio e Unio Fa-
miliar deu no sabbado a sua representago de
inaugurago, levando scena um drama e urna
comedia, cujo deserapenho esleve nas forgas de cu-
riosos que representara pela primeira vez.
O theatro est va bem arranjado e com gosto em
i suas obras artsticas; as quaes sao todas feitas pe
los propnos socios, sendo para sentir que seja to
exiguo em suas proporgoes o edificio em que es-
tbeleceram o mesmo Iheatro.
I Havendo sido dado luz no Ro de Janeiro,
j um pequeo Manual do agricultor dos gneros ali-
' mentios, escripto pelo Rvm. Antonio Caetano da
: Fonceca, Ilustrado Jgricultor da provincia de Mi-
nas-Geraes, no qual ello demonstra os meios para
a cultura mixta desses gneros, nas trras canda-
das, pelo systema vegelo animal, e para a criage
e trataraento do gado, apressamo-nos a dar lugar,
em a nossa oitava pagina, parte mais importante
desse livro, attendendo aos bons resultados que
podein oblr os agricultores da nossa provincia e
das demais do norle, com o melhodo erapregado,
com vantagens reaes, por seu autor. Em o nume-
ro de koje encontrarlo os leitores o comego desse
trabalho.
O resultado dos collegos do Recife, Pao
d'Alho, Oiinda, lguarass,Cabo, Escada, Limoeiro,
Nazareth, Santo Anto, Serinhem, Goianna, Boni-
to, Rio Formoso, Barreiros, Caruar, Brejo, Cim-
bres, Garanhuns, Papacaga, Buiquc, Flores, Villa-
Bella, Ingazeira eTacarat, excluidas todas as du-
plcalas, forma assim a lista para senador:
("onselheiro Francisco Xavier Paes Barreto.
1263
1118
946
690
596
Barros Car-
do mesmo batalho os cidados abaixo declarados:
2.a Companbia.
Tenente o aderes da 6* Pedro Antonio de Azevedo
Barros.
5.* Companliia.
Capito o tenenle cirurgiao Basilio d
rea.
6.a Companhia.
Aderes o guarda Joaquim de Barros Silva.
8." Companhia.
Capito Jos Peregrino de Miranda.
Communicou-se ao respectivo commandante su-
Ao commandante da canhonheira fa-
j'ih'J...........
Ao commandante da canhonheira I-
guateny....... .
I Ao capito do (wrto.......
Ao provedor da Santa Casa da Mise-
ricordia. .........
Ao mordomo do hospital Pedro II. .
Ao inspector da thesouraria de fa-
zenda. ..........
Ao inspector da thesouraria provin-
cial.
perior. Ao administrador do correio. .
Dita.-0 presidento da provincia attendendo que Ao agente da companhia brasileira de
nao se acha organisado o batalho n. 43 de infan-' vapores....... .
tarta da guarda nacional do municipio de Seri- Ao chefe da estaco das cinc-Pontas.
nhaem e de conforraidade com o dsposto nos avi- Ao de Ribeiro. .
sos da reportigo da jusliga de 4 de Janeiro de 1855 Ao capito Francisco Borges Leal. .
e 15 de fevereiro de 1860 resolve promover a ca- Ao recYutador geral. ...
pto da 3a companhia o cidado Francisco Manoel A Joao Carlos Augusto da Silva." ." .
deSouza e Oliveira e tenenle da 4a do mesmo Ao administrador da casa de deten-
batalho Candido Manoel de Souza e Oliveira. ^...........
Communicou-se ao respectivo commandante su- Aos delegados da provincia. '. '. '. '.
PcLior- ~ i Aos subdelegados da provincia. .
Dita.O presidente da provincia attendendo ao Minutas de ofncios........
que requereu Saunders Brothers & C, negociantes i>artes diarias. ". ,
desta praga, resolve, nos termos do 4 do art. 486 0|flcs reservados. .'.".*...
do regulamento de 19 de setembro de 1860, con- Edite ... ....
ceder-lhes licenca para carregarem no patacho in- Extracto das partes diarias "para jor-
glez James Hnll, com destino a Parahyba, frsenlas | j^^ ,
barrica eom farinha de trigo, devendo esta porta-
ria ser apresenlada nas repartigoes competentes.
Officios registrados ....
Termos de juramentos. .
Despachos de ntquerimcnlos.
Registros dos mesmos, .
Dr. Joaquim Saldanha Marinho...........
Dr. Antonio Vicente do ascimento Fetosa.
Dr. Urbano Sabino Pessoa de Mello.......
Dr. Francisco Carlos Brando.............
Amanha d a sociedade theatral Melpomene,
no Apollo, a sua lerceira apresentago, subndo a
scena o Mendigo Negro, produego do Sr. Firmino
Candido de Figueiredo, da qual j dissemos algu-
mas palavras era apreciago quaodo noticiamos o
seu apparecimenlo da luz" do dia. No entretanto
devenios dzer que ha de agradar, pois ha lances
nesta produego, que |>or verdaderamente dram-
ticos, lio de produzir elfeito scenico com satisfa-
go dos espectadores.
Fecha o espectculo a comedia a Roda Viva.
Por portaras da presidencia:
Concedeu-se um mez de licenga, com vencimen-
tos, ao continuo da secretaria do governo Archanjo
Chryspiano de Gouveia Cavalcanti;
5 Permitlio-se aos professores, de instruego pri-
maria padre Francisco Verissimo Bandeira, de Bo-
1 nilo, e Martinho da Silva Cost, de Nazareth, per-
mutaren) suas cadeiras;
Designou-se aos professores Antonio Kgiilio da
2 Silva e Dr. Antonio Rangel de Torres Bandeira,
para examinarem nas materias preparatorias do
i Curso Commercial, sendo o primeiro em algebra e
1 o segundo nas demais.
Pelo delegado de Goianna foram presos : Ma-
2 noel Joaquim Carneiro, por estar pronunciado no
art. 257 do cdigo criminal; o Luiz Alexandrino
2 de Paiva, por ter dado nma facada em Umbeliua
1 Mara Joaquina, sera gravidade.
Falleceu, no da 15 do correnle, no Catuc,
1 da freguezia dos Afogados, a preta Luiza, escrava
1 de Luiz Gonzaga de Senna, em consequencia de
t uma surra que o mesmo senhor Ihe dra.
1 O Sr. Francisco Fernandes Duarte, que tem
4 armazein de moldados no largo da Pcnha n. 8, aca-
1 ba de abrir um novo estabelecimento desses g-
neros na ra da Cadeia n. 53. Por essa occasio
03 dirigi elle ao publico a seguinle circular:
4H Francisco Fernandes Duarte, eslabelecido com
49 armazein de moihados no largo da Penha n. 8, re-
470 conhecendo que, para satisfazer seus numerosos
301 fregueses e em geral ao publico desta cidade e
15 provincia, que to benignamente o tem tratado o
3 tanta confianga Ihe tem prodigalisado, necessitava
dar maior desenvolv ment o seu primeiro arma-
75 zem, acaba do abrir um novo, na ra da Cadeia do
21 bairro do Recife n. 53, onde o respeitavel publico
1, encontrar seiupre um grande sortiinento de gene-
184 ros alimenticios, de todas as qualidades e paes,
184 I por quanlo lem os uethores corrapondenles. era.
diversos paizes da Europa, que Ihe fornecem, por
prego* a levar vantagens a qualquer outro esta be
lecimento, o que ha de raelhor na sua especiali-
i dade.
i O aceio que presidio aos arranjos do novo es-
| tabelecimeuto, e mais que tudo a promptido e a
inteireza porque serao tratados os freguezes, de-
inovora-o a convidar o respeitavel publico para
urna visita ao mesmo, certo de que sem duvida Ihe
dar protecgo e preferencia na compra dos gene-
ros que precisar, e que elle vende por pregos roui-
lo commodos, como se pode evidenciar da tabella
junt. >
( Ante-honlem (20) du-se na casa de deten-
13 gao um caso de envenenamento era sete pessas,
i que por ignorancia coineram alguns (rucios do
straraonio ou ligueira do inferno, suppondo jcome-
rem maxixes.
Este arbusto cresce expontaneamenle em qual-
3uer terreno inculto; sendo, que para a casa de
etengo foram transportados com varias especies
de trombeias cultivadas nos jardios pela sua fra-
grancia.
Un servente da offieina de ferreiro, encarrega-
do de preparar a comida dos empregados da Res-
ma, cozinhou ires destes fructos com uma porgao
de fejao, sup|>ondo que usava de maxixes, que os
corapanheiros denominavara inglezes.
Cinco Irabalhadores da mencionada oflicina, e
dous menores, que comeram dessa feijoada, dentro
de cinco minutos apresentarara todos os syrapto-
mas descriptos pelo Chernoviz, quando trat dos
envennamenos pela belladona, straraonio, taba-
co, etc.
O estado de delirio completo durou por doze ho-
ras, cedendo aiinal ao trataraento aconselhado cm
casos taes.
Eslo todos livres do perigo.
Depois d'araanha se extrahir, pelo plano
das loteras extraordinarias, a quarta parte da
quinta, da igreja de Nossa Senhora do Guadalupe
de Oiinda, sendo o maior premio de 10:0005000.
Pedem-nos a pnblicago do seguinte que nos
dizem ser copia de uma carta particular escripia
por pessoa de criterio da provincia de Alagas :
Depois de estar na capital, de volt ao Pendo,
alguns dias, retirou-se para essa provincia o Rvm.
visitador e vigario geral padre Gamillo de Men-
donga Furtdo.
Referir-lhe os valiossimos servigos prestados
a est igreja per esse dislincto sacerdote, sera di-
zer-lhe oque est na consciencia publica, e talvez
nao apreciar devidaroente os esforgos que tera elle
feito em honra do seu alto ministerio, e esplendor
do clero alagoanoi
De incontestvel illuslrago, o padre Mendon-
ga Furtdo tem sabido encaminhar os negocios
ecclesiaslicos desta provincia, que lamentaveJmen-
le se achavam nas trevas, cora lucidez, prudencia,
energa e penetrago.
Dotado felizmente de mudo tino, e clrcums-
pecgo, elle tem sabido, piano, piano, ir desarrai-
gando abusos inveterados, e quasi preceituosos,
que se davain na adminisirago dos negocios ec-
clesiasticos da parte deste bispado ; e nao sera no-
taveis escolhas lem elle podido conseguir o seu
mais profundo desidertum.
Sera pretender de um s golpe emprehender,
seno a reforma total do clero, pelo menos o seu
melhoramento, de to palpitme necessdade, o
Rvm. visitador mudo j tem conseguido pelos
meios brandos para com aquellos que euvem, e
desejam seguir os seus dictmes ; e pelos consig-
nados nas leis cannicas, para com os que se jul-
gara cima do boin senso, o regularidade, que de-
vem caracterisar o digno, edistincto sacerdote, que
Ihe curapre, mais que ludo, zelar seu proprio nome,
pela sua propria dignidade.
Fazundo valer toda forga de que est revesiido
seu carcter, na qualidado de delegado do venera-
vel diocesano, o padre Mendonga Furtdo nao tre-
pida diante dos meios, que as leis ecclesiaslicas
pdem ao seu alcance quando entende, que deve cor-
rigir ; ao passo que suave, e pulidamente declina
de toda energa quando encontra docildade, e n -
bre obediencia.
Nao estou aqu queimando podre incens
esse prestante sacerdote ; a sua administrago
nesta provincia poe-ine felizmente a salvo da inju-
ria de, so me considerar thuriferario de quem nao
lem merecimentos.
Quem souber, que ha bem pouco tempo os ar-
chivos de certas parochias eram a expressao do
nullus ordo, et sempternus horror e hojo os v or-
ganisados regularmente ; quera souber das irregu-
laridades, que se davam nas adminstrages de
certas, c determinadas parochias, os desmandos, e
procedimenlo reprehensivel de alguem, que fazia
da casa de Dos-espelunca latronune hoje t
marchar as cousas mais ou menos approxmada-
mente ao lira nobre, que pretende chegar o Rvm.
visitador... ha de sem duvida maravilhar-se de
uma tal transformado.
Como sabe, de gresumir que o padre Men-
donga Fuado tenha criado descontentes, porque
nao ha quem queira a justiga cm sua port ; c
d'ahi essa celeuma adrede levantada contra elle
que qur esraagar o clero alagoano .'Felizmente
os homens sensatos, e entre ellos uma grande
maioria de clrigos, em toda provincia faz a ver-
dadeira justiga s boas intenges do Rvm. visitador
em pretender melhorar, tanto quanto Ihe possivel,
o estado lamentavel em que jaziam os negocios ec-
clesiasticos desta parle to importante do nosso
bispado.
Por minha parte serei incansavel em fazer a
devida justiga ao carcter probo o justiceiro do
muito distmeto sacerdote, que cima de tudo pro-
cura promover, com dignidade, a felicidade espiri-
tual e temporal da igreja alagoana..............
O guarda nacional, de que tratamos em nos-
s^ Revista de hontem, pertence ao primeiro bata-
lho de infamara da guarda nacional do Kecife, e
nao ao primeiro de artilhhria, como all se acha.
A barca portuguesa Maria, em sua viagem
do Rio de Janeiro para o nosso porto, encontrou
ua lat. 10* o 14 N. e long. 35 o 240. a galera in-
gleza Dorotky Joleson, de Coquimbo para Swan-
sea, com 49 dias de viagem, o sem novidade
bordo.
Repartilo da polica :
(Extracto da parte dos dias 20 e 21 dedezom-
bro).
Foram recolhidos casa de detengo no da 18
do corrente.
A' ordem do subdelegado do Recife, John Boe-
Irie, inglez, requisigao do respectivo cnsul;
Jorge, eriouio, escravo de Francisco Severiano
Rabelk> A' ordem do de Santo Antonio, os crioelos Jos
Joaqmm dos Santos, por embriaguez ; Ignacio,
escravo de Joao Ferreira Ramos, como autor da
desorden) ha vida na noile do da 9 do correnle, na
cua Nova.

A
-.


Diario de Pernambnco Terra tetra t tic Dezembro de i 83.
i
.V orden do de S. Jos, Caspar, crenlo, escravo |
00 Dr. Gaspar, por fgido. '<-- I
Da 20.
A' ordem do subdelegado do Recife, Dionzio Be-
nedicto, croulo, por embj agiic o insulta
A' ordem do de Sanio Antonio, Joaqoim, criou-
lo, escravo de Antonio Jos Bittencourt, a requer
ment deste.
A' ordem do do Peres, Jos Francelno Ribeirc
de Barros, branco, para correceao.
Ochefe da i* seccao,
/. G. de Mesquita.
Movimenio da casa de detenco no dia 19 d
dezembro de 1863:
Aeredfcavsm milites fne ella era fnriwada pe-
las efe**, eme se tinlia podido salvar a opoea
da conquista dos l^utius, <* quo twoatn sido aco-
midas pelos Imperadores gregos vm goxernaram
depois deJIes. Dizia-so que Mahomet II as
eolhera depois da conquista de Conslanlinopla,
no palacio do patriarcha c em diversos con-
venios da cidade, e as fechara no seu novo pa-
lacio.
Estas stqiposroes c erencas ara de encontr
assercao do hisioriador Doras, que escreveu o
seguinte
os mais forpi'.s.'fazendi asim rojar do alte para o
.o da |K>|it!lare Inftao mi\to de immnralida-
de, corrupcao tttnpre agradavel aos gevernos
fracos, estpidos e degradados I Pois bem, como
seja neeessario nao dcixar triumphar a mentira,
eu o provocado levanlarei a luva.
A carta do Sr. Manoel Barbosa de Mello, publi-
cada no Progressista, um desses innmeros re-
sultados me o presidente da provincia tem obtido
em Ipojaea cen e soccorro de seos agente:
sombra da forja para all mandada, e a poder
prodigalidade foram feitas
Em tcstvmnnlio de verdade. O tabelliao pu-
blico,
Antonio tos Santos Pinheiro.
S. 3.
Illm. Sr. Manoel Matheus Cavalcanti.Calcada'
lo de dezembro de 1863.
Tanto as mais como os proprio* Uhiaho nunca
desesperara deltas, por que se as primeiras tcem
completa confianza as paslilhas, estes ltimos as
tomarn com o niaior prazer possivel. Desde que
estas admiraveis e ineomparaveis paslilhas foram
descobertas, todos os demais vermfugos asquero-
Tondo V. S. lido e assignado um protesto que Ihe sos teem sido quasi inteiramente abandonados c
apresentei, o qual foi publicado uo Diaria de Per- desterrados por lodea-
nambuco do 1 de dezembro torrente, e tendo-me as paslilhas- vermfugas de Kemp se acbam lin
A saber
Existan). Entraram Saliiram. . 303 | 0 19 >re i >
Existera. . 289
Nacionaes. Estrangeiros Mulher Estrangeiras Escravos Escravas . 192 30 1 2 56 8 i > > >
ameacas, que com prodigalidade foram .
- Todos os livros foram carregados em carros, fuelles com cujo concurso nao era possivel con-' tura o seu voto decidisse entre elle e seus adver- tempos.
e diseminados por toda a parte. Com a menor Ur-se. arios polticos, elendo not no Progressista de 12 A venda na loja de Bravo & C.
quantia se compravam dez manuscriptos de i A historia dessa carta agora referida pete Sr. do correte urna caria de V. S. na qual diz que nao Barbosa.
Aristteles de Platao livros theologicos e de Barbosa de Mello, na declararlo que acaba de en- pretenda volar contra o partido progressista desta
todo o genero. | viar-me, e qae vai ser publicada sob n. 1, declara- freguezia, queira a bem da verdade e debaixo de
O viajante de la Valle qne visitn Constantino- cao escripia r |r elle Armada, que
e de Caors &
encerra um sua palavra de honra declarar-me ahaixo desta se
289
Alimentados a custa dos cofres pblicos..
Movimento da enfermara no dia 20 de
zembro.
leve ha ixa :
l'rsulino Francisco de Castro, sarnas
caa prometten nesse'temp 5>00 piastras (30,000' cado no Diario de Pernambueo, e, em visLde taes De V. S. amigo obrigado e criado,
I francos) a quein rouhasse estes livros, e o Balio deelaracoes, (verpuntarei ondese acba a verdade ? Francisco Jos da Costa e Silva.
' de Veoeza junto Porta Ottomana, offereceu De que lado est a mentira ? E' qne os agentes Illm. Sr. Francisco Jos da Costa e Silva.Pas-
I para a nisma cousa 10,000 piastras ou 60,000 do presidente entenderam que o Sr. Barbosa, urna so a responder V. S. dizendo ser verdade tildo
francos. v z ,oa Julga'-c tambem que os sabios, que o papa suaconsciencia, nao teria a coragem de contestar acompanhando ao Illm. Sr. commendador Manoel
120 Nicolao 'mandn em 14.53 a Constantinopla e a csse mesmo acto, logo que se achasse livfe da Jos da Costa porque resolveu-se fazer o protesto
de- (recia, c aos quaes promelleu urna recompensa presso era que as aineacas governalivas o eolio- no qual me assignei sem que a isso fosse eu cons-
' de 5:000 ducados, se podessem trazer-lhe o ori-' caram. frangido.
1 gnal hebreu do evangelho de S. Matheus, se i As respostas sob ne. 2 e 3, dos Srs. Bento
persuadirn! e persuadiram o papa de que esse Costa Martns, Manoel Matheus Cavaleanti, devem
Movimento da casa de detenco do dia 20 de original eslava na bibllotheca do Serralho. De-
pois adquirio-se a certeza de que o original do dito .
evangelho nunca fura cscripto seno ein lingua ^
jrega.
pezembro de 1 '63. Existlam Entraram. Sahiram . 289 presos. 4 1 '
Existem. A saber : Nacionaes. Estrangeiros Maltieres . 292 195 presos. 30 1 >
Estrangeiras Escravos Escravas . 2 56 8
291
Alimentados a custa dos cofres pblicos. 118
Movimento da enfermara no dia 21 de de-
zembro.
Tiveram alta :
Vicente Antonio Gomes da Silva.
Antonio Francisco de Suza.
Tveram baixa :
Bernardrno da Costa Leite, envenena ment.
Joaquim Alfonso de Mello, dito.
Jiivino Nunes Percira. dte.
Gaspar (escravo sentenciado) dito.________^^^
agora convencer os intriganles que a mentira, ba-
scada na fraude c na violencia, obtem, de ordina-
rio, um tiiumplio ephemero ; e dessa resposta ve-
r o publico sensato que aquel les senhores, sem-
pre coherentes em seus principios, e sempre fiis
Transcrevcmos da Naciio o seguinte : a verdade, ratillcam hoje, o que dsseram no
Ditera algumas folhae francesas que as imme- protesto por ellos firmado, e revlam com clareza,
diacoes do Paris se vai constituir um jardim,' a ignominia e vileza com que procederam ueste
que representar em relevo a Francae urna grande negocio os agentes da adrainstraeao.
parle da Europa occidental e da frica septen- | jne Ihes cada toda a honra que resulta de taes
irional. ,. manejos
Havera ahi um mar em miniatura e rios ali-1 >a falta de razes legitimas para justificar essa
mentados por una maquina vapor; os canaes,'egunda farca cleitoral de Ipnjuca, o eleitor mes-
is estradas e os raminhns de ferro achar-se-bao rio do presidente da provincia pretende que nao
i ahi indicados com a maior exactido; as cordilhei- poderiain funcrionar como supplenteOsSrs. Isido-
ras apparecero ahi designadas com a sua altura ro Camello deSiqneira Cavaleanti Jnior e JosSa-
relatva. i D'no 1,a Horha wanderle.y, por se acharcm muda-
Assim, por cxemplo, as montanhas que Uve-! dos da freguezia, mas ainda nisso, esse eleitor toe-
' rem de altura 3,000 metros apparecero no relevo' sano falta, como de costume verdade.
com 3." D Sr. Isidoro (Camello de Siqueira, verdade,
compren um engenho na freguezia de Agua Preta,
No ultimo congresso de estatisiiea que se reuni para onde pretende mudar o sen domicilio; po-
em Berlin houve nma proposta para introduccao rm, at agora, ainda acha-se habitando l'reguo-
immediata do kalendario gregoriano russo. fia de Ipojuca, com sua familia, sendo que por
este desejo, Isso alli que deveria exercer os seus direilos de
ELEGI
eiiuiis mesamos que
de festejar Nossa Se-
uhom da Coiiceiglo erecta
no arco do Recife para o
anuo de 1804.
Juiz por eleicao.
! O illm. Sr. Manoel Alves Gonc'alves Ferreira.
Pode V. S. fazer o uso que Ihe convier. j 0 n ** por eleigo
Sou de V. S. amigo, venerador c obrigado, A Exma. Sra. D. Anna Mimiulina das Neves, filha
Manoel Matheus Cai-alranti. ^ Z*- Sra. D Mana Rila da Cruz Neves.
Aflrmo ser a assignatura suppra a minlia pro- n {"1 I*1" 1('e)[0':'',0
pra "v 'O Illm. Sr. Manoel Jorge da Silva.
Villa de NossaSenhora dO\ 17 de dezembro' _** porAvoC5
de 1863.
Manoel Matheus Cavaleanti.
Reconheco verdadeira a assignatura snppra, por
ter visto o proprio signatario esrrev-la.
Villa do Nossa Senhnra do O' de Ipojuca, 17 de
dezembro de 1863.
Em testemunho de verdade. O tabelliao pu-
blico,
Antonio dos Santos Pinlieiro.
(Estavam sellados.)
s? i -3 3- S1 m
'/5 1 3 3 -1 p fr 7-' i 3







3 1 .
>
>
si - 00 P- Masculino, i II
: ce l < 11 Feminino. '
f 1 - . 1 S Masculino. en 1 -i 5?
X m i * 1 i . Fentiuiuo. B 1
I -1. H, 4. Masculino. > &
1 1 M . ?^ Femini no. > m
I. . . * Miiteulino. 1 K al
I Si . - Femini no. 3 3 >
1 1 SI . 1 1 . i i . 9 2 Masculino. X
ti, . ! o Feminino. >
I I
TOTAL.
PUBLICARES A PEDIDO.
Aos lllms. Sr. facultativos em medici-
na mi imperit do Brasil
LAMAN & KEMP,chimicos pharmacentcos com
drogara estabeleeida A. D. 1808 ns. 69, 71 e 73
lie nareceu ler incom- cidadao, na'eleicao que leve lugar no dia 1 de de- Water Street e n. 19 O d. Slip em Nova York, res-
1 altencao de VV. SS. aos
A Exma. Sra. D. Clementina Ayres Bego, esposa |
do do Illm. Sr. Joo Percira do Reg.
Escrivao por eleicao
O Illm. Sr. Jos Antonio Pinlo Serodio.
Kscrivaa |ior elei^n
A Illma. e Exma. Sra. I). Maria Augusta Scolla
Fraga, esposa do Illm. Sr. Antonio Joaquim Gon-
calves Fraga.
Escrivao por devojcao
O Illm. Sr. Americo Nunes Corra;
Escrivaa por'devocao
A Illma. e Exma. Sra. D. Ephgen'ia da Silva Madu-
ro, esposa do Illm. Sr. Dr. Joo Pedro Maduro
t da Fonscca.
Thesoureiro.
O Illm. Sr. Antonio Francisco Correa Cardoso.
Procurador geral
O Illm. Sr. Dr. Francisco Pedro da Cruz Nevos.
Procuradores
Os lllms. Srs. :
Joaquim Antonio Pinto Serodio Jnior.
Ignacio Pedro das Neves.
Francisco Gomes de Miranda Leal.
Jos da Silva I-ovo Sohrinho.
Pharmaceutico Pedro .^ureliano da Cruz Muniz.
Pharmaceulico Antonio Francisco das Neves.
algmua tendente a indemnsaeao, qualquei4 que
seja a natureza rnn que se funde-para tal flnj.
Conforme,
A. F. iVAnnunciacdo.
Olllm.Sr. inspector da thesouraria provincial,.
em cumprimento da ordem do Exm. Sr. presiden-
te da provincia, manda farer pnblico, quo no dia 7
de Janeiro prximo futuro, peranle a junta da fa-
zenda da raesroa thesouraria, se lia le arrematar, a
quem por meno* Ifaer a coaservaco do 3o lauco da
estrada do sul, |>or lempo de um iinno e pela quan-
tia de o:0004000.
A arrematacao ser fett na forma da lei n. 343
de 15 de maio de 183*, e soo as clausulas espe-
ciaes abaixo declaradas.
As pessoas que se propozerem a essa arremata-
cao eomparecam na sala das sessoes da referida
junta, no dia cima mencionado, pelo meio dia e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandn publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da ihesourana provincial de Pernam-
buco, 13 de dezembro de 1863!
O secretario,
A. F. irAnmimiaiiin.
Clausulas especiaes para a arrematacao.
1.* A conserraco da parte da estrada do snl,
comprchendida entre o marco 12,000 bracas do
engenho Massangana, ser arrematada por um
anno, pela quantia de 5:0005000, constante do
orcamento.
i* O arrematante dar principio as obras no
praso de 13 das, contados da data da arrematacao,
guiando-so em ludo pelas prescripces do orramen-
t c pelo disposto no novo rcgulmento de 31 de
agosto de I83.
3.* O pagamento effeuar-se-ha em prostaedes
mensaes ignaes, de conforuiidade com o art. 22 de
mesmo rcgulmento.
4.* Para tudo mais que nao se arha mencionado-
as presentes rlansulas, nem no ornamento, se-
guir-se-ha o que dispe o regulamnto de 31 de.
agosto e a lei de provincial n. 486.
>. O arrematante nao ter dreito a reclamaran
alguma tendente indemnisacao qualquer que seja
a natureza em que se funde para tal fin.
Conforme,
A, F. dAnnunciaco.
I
governo do czar'nao annuio a
cuja realisacao precipitada Ihe pareceu ler incom- emanan, na eleicao que teve lugar no da 1 oc ne- ";"" *" e b. w >
venientes, porin, parece disposto a adoptar un zembro correte, Senielhaiitemente o Sr. Wander- penosamente chamara
processo que conduza a mesmo lira, de|iois de um ley, naquelle lempo era habiUnte da mesma fxe- segrales factos :
certo praso. guezia, e como tal competente para votar, e s- I.A lmitima salsaparbilha de bristoi. com-
Trata-se nicamente de supprimir no kalen- mente ahandonou-a depois da eleii/ao, afim de evi- posta de substancias j milito conhecidas como go-
darlo lodos os 29 de fevereiro dos airaos bis- tar a realisacao das ameacas que Ihe foram feitas zando de propriedades depurativas; entrando em -joaquim t.ardoso de Almeida.
sextos, o que aproximar o kalendario actual do pelos agentes do presidente, como signatario do soa eonfecco urna quantidade de espirito de vi-
| kalentario gregoriano um dia todos os qualro protesto que tanto incommodou os inleressados na nho sulliciente para garantir a sua conservaco
annos. fraude eleiloral. nos crines calidos.
De modo que em menos de meio secutse: Portante, para que essas murria-, essa detur-, II.A legitima sa.saparmi.ha de bmstol_ prc-
ter vencido, sem |erturliacao, nem desar- pacao da verdade ? Deus, em seu amor pela parada cuidaiosa e scientificamente (mediante a
ranjo, a difierenca de doze das que existe enlre juanea permitte que o intrigante, em sua cegueira, receita de um medico de talento reronhecido, o
as datas. | neni ao menos veja o mal que a si proprio faz. Dr. C. C. Bristrof da crdade de Buffalo no estado
E' verdade que o kalendario juliano ter Um-; Se a mudanca dejlomicilio como creio, urna de Nora York) por urna casa de antiga e bem es-
' bem urna leve e progressiva niodificaco lodos os razao de Inhabilitaran para que um supplente com- talielecida reputac.ao.
quatro annos, porra reconbeceu-se que era o me- parees a formacao da mesa, porque motivo de ni.A leoitima SAi.sAPAnim.itA de bristol tem
do que otTereeia menos inconveniente e que mais exrepeao foi admittido a votar e fazer
fcilmente |>odia ser imposto ao povo. coma que alcunharam de mesa paroch
Annnncia-se, que no prximo anno ter logar juca, o Sr. barao de Guararapes, deliniti
Jos Pedro dos Santas Neves
Horacio Tiburcio da Cruz Muniz.
Juiza protectora.
A Illma. e Exma. Sra. D. Maria Rita da CmzNeyes,
vitiva do pharmaceutico Antonio Pedro das Ne-
ves.
Recife, 8 de dezembro do 1863.
O arcediago vigario Placido Antonio da Silva.
DECLARACOES.
motivo de Rl.-A leoitima saUftMHOUU de bristol tem | m SeMore* redactores da ftrirfawara
parte dessa sido apresentada ao publico durante o espaco de do um volver de lhospelacidadi.de
il de Ipo- mais de apreciando as luas qualidades (|ue pos
iitivamente TRINTA E UM ANNOS 1 (,*rsino de Villa-Nova, tenho a declai
Senhores redactores da Revista Diaria Passan-
Caruar, e
possiie Manoel
declarar por este
nico daquclla
as nobres ac-
porque sao


(300:000 lib. st) S eAlbuqncrquo e Antonio Carlos de Almeida, cia da
Os constructores do cabo. MM. Class, Elliot que nem eram eleitores nem supplentes ? E' ne- America do Norte,
e C.\ prestani-se a adiantar a'onlra metade. Cor-! cessario ter perdido toda a razao America Central e
vencionaram alm disto, nao receber o primeiro Pretende emlirn o cleilur metario do presidente 1 America do Snl.
pagamento sean depois de collocado o cabo, e da contestar a preseuea da forja armada em Ipnjuca,, V.A legitima salsaparhilha de bristol usa-
Ir.nismissao do primeiro despacho. tpai de i.mpor SOS recalcifrantes, elevando gasa da em qnasi todos os principaes hospitaes civis,
Asseguia-se que o novo cabo poder transmiltir contestacao a cathegoria de calumnia poltica, urna nublares e da marinha, pblicos, privados e de ca-
oito palavras |R>r minuto, e que a taxa ser fixada vez que a diminntissima forca que l vio; foi a que ridade, e as casas de saide as Antilhas e no
em 5 .liillings por palavras (1^125 ris). regularmente se manda para' qualquer eleicao, continente americano.
O governo dos Estados-lnidos presla-se a pagar Nao admira que quem, em tudo, tem procura-: VTA legitima salsaparrikha db brist.ii. 6 re-
uma subvencao anuual de 75:000 dollars, (70 con- do, como nica sal vaca > possivel, o caminho da ccitada pelos seos collegas naVtfhas de Coba e
lluique, 3 de dezembro de 1863.
Antonio Ferreira Cavaleanti Bodega.
COMERCIO.
spaclios que
pedir.
Est portante afliancado o futuro linanceiro da
empreza, resta saber s o novo cabo funectonara
mellior que o amigo.
AUVEKTKNCIA.t
Na totalidade dos doentes existem 175, sendo
alienados 9 homens c 26 niulheres.
Foram visitadas as enfermaras estes das :
Pelo Dr. Villas-Boas no impedimento do Dr.
DorneJIas s 7 l|i, 7 1|2, 8, 7 20, 8, 8, 7 3|4 da
niauha.
Pelo Dr. Sarment s 8 1|4, 8 1|2, 8 10, 9 i|4,
0, 9,8 3|4, 9 horas.
Fallecern!:
Joanna Maria Nobre, pnrotite gangrenosa.
Joscpha Mana da Conceicao, tubrculos pulmo-
nares.
Maria Francisca da Soledade.hydropisia.
COMMUNICADOS.
Mr a librrituledo rota, o prt'sidente da provincia
mandn para alli mais deseseis do 2" batalho de
linha ; e porque este numero parecesse ainda in-
siilliciente aos seos eorajosos satlites, enviou mais
vinte do !l\ formando assim a diminutsima torca
de 41 praeas, para o enramando das quaes foi pre-
ciso mandar un capitn, e creio mesmo qne iria
onde a salsa acaba do ser introdozida, e especial-
mente pelos facultativos os mais eminentes e dis-
tinclos ueste imperio do Brasil.
Vil-As curas devidas legitima salsaparrilha
de Bristol em casosde escrfulas, escubnto,
Khcumatismo,
Chagas antigs,
Enfermidades venreas c mer-
curiaes, morpha c todas as molestias provenien-
uina brigada se as exigencias do coto lrra a re-
---------------- clamassera.
Nao se assustem os progressistas. Nao ha o me- Do exposto ver o publico, quem me dirijo, tes de um estado caquetieo do sanguc, s5o authen-
nor ajuste, nem concha vo de natureza alguma en- qne o presidente da provincia, ou o seu espoleta, ticadascom altestados fidedignos einnegaveis, da-
Ireos vermelhos e os genuino*. Conservain-se dis- no intuito de justificar o que injustilicavel, fal- dos espontneamente por pessoas oecupaudo todas
lanciados por suas antigs harreiras. Os votos da- Ion ahertamente verdade, nao tendo peijo da fa- as posicoes sociaes.
dos por aquelles ao Sr. Urbano Sabino liverain, zer uso de documentos que ura hornera de senti- Noca:
NOVO BANCO
OE
PERNAMIIITCO
banco de Pernamhuco convida os
massas fallidas de Mesquita & Dutra,
Antonio Correia Cardoso a apresenla-
rem seus ttulos no banco para se proceder a res-
pectiva verificai;rio.
Alfandcga
Hend ment do dia 1 a 19........
dem do dia 21.................
388:0085394
29:o55S209
417:66:15663
Hoy intento la alfandega
Volumes entrados com fazendas..
c com gneros...
va, porin, identidade de circumstancias. Nenlium
partido racional, que comprdu-nde a grande le
Obitauo mbu S'de'dezk'mbro'jio cemite- Idas conveniencias polticas deixaria, era igual con-
nio pi-BLico : junctura, de dar seus votos ao candidato guerrea-
Mara Luiza da Conceicao, Pernambueo, 50 annos,! do pelo inimigo conunum.
solleira Jus ; hvdropisia. I Os vermelhos fizeram o que entenderam tlever
Dia 21.
Um prvulo encontrado na porlaria do convento
do Carino : Santo Antonio.
Joaquim Nunes de Franca Galvo, Pernambueo, 7
annus, S. Jos; Cobre perniciosa.
Mara Archangela de Lima, Pernambueo, 10 an-
nos, olteira, Santo Antonio ; gastro intente.
Ermiua, Pernambueo, 7 annos. Boa-vista ; ane-
mia.
com
com
fazendas.
gneros..
76
310
Descarregam no dia 22 de dezembro.
Patacho portuguezJarrosal.
UR rOUCODETODO.
O Sr. R. P. envia-nos o seguinte :
AO LIAR.
Do doceCapiharibe
Sempre as margens passeio,
Vendo a la como exhibe
O rosto paludo, e ebeio,
E faz dancar luzes mil,
Qual immensa pedraria.
Sobre a correte sombra,
Com um aspecto gentil.
E eu s silencioso,
.Yessas noites de luar,
Vendo o rio pressuroso
Correndo ao seto do mar,
Lamento nao ter amada.
Que aos meus bracos corra assim ;
E de amar-mo d-me o sim,
Sui i indo, eomo urna fada I
Certa menina tortuosa,
J inocnlia, nao pei|ucna,
Do pudor abrui do a rosa
Em cada face morena,
Junto de uiim ver quizera
Enchendo-me de delicias
t^om as mais ternas caricias
Por urna affecao sincera !...
Com as raaos d'ella entre as minhas
A meiga voz Ihe escutando
Prdiga de palavrinbas,
Que alma nos vao deleitando,
Ot I quem rae dra assim T-la,
De iiiinlia Ierra essa fillia,
Cojo oihar fagueiro brilla ;
Qual no co fulgida estrella
Com taes pensamientos n'clla,
Ao raar, to qne diriso
Juico vr-lhe a imagem bella,
C'iim sympa tilico sorriso-,
E snto iiHn v-la mais,
Como onfr'orn, todo dia :
Entao com melancola,
Coro saudades, dou mit ais I..
L-se na Heme de f'hutruction publique:
A biblotheca do palacio Top-Capou, qno ha
pouco licou tfduzida a cinzas, foi sempre nm proble-
jm para os sabios da Europa que a juujaram rheia
ej-iquezas litterarias da antiguidaae.
iso de James Wyckcff mesmo por parecer yolumes sahidos
verdade, urna significarlo poltica : nao bavia com-; nientos, anda os mais rasteros, aeaqhar-se-ha de urna cura quasl inerivel, fizemos estorcos espe-
munidade de ioloresses, nem ilo principios ; ha- exhibir em pnblico, alientes os mofes fraudulentos caos para obter as provas as mais incontestaVeis, ------ ,ig0
pelos quaes foram oldidos. e portante mandamos tirar o retrato photographico
Recife 21 dezembro de 1863. daquelle infeliz ( o qual pode ser visto em todas
Manoel Jos da Costa. as boticas ) e pulilicainns nm relatorio do urna con- parca norluguezaMariacafo c barricas vasias.
DOCUMENTOS. sulla de exame feita na pesaos de James Wickoff |jar( N. I. por un certo numero de eminentes mdicos, con-
lllm. Sr. commendador Manoel Jos da Costa. forme vai confirmada pelas certidoes authenticas
lous magistrados residentes mais prximos,
como pelo offleial maior do condado em que
a/.er. Inspiram-se era deas generosas, e nao fo- Nossa Senhora do O', 15 de dezembro de 1863. dos dou
am captados por consderacoes, que se nao casem j Constando-me que se acha publicada em um jor- assim co
om a dignidade de seus principios. Fizeratn n nal una carta por mira assgnada. apresso-me em elles resi
cora a dignidade de seus principio;
que na Inglaterra c na Franca se pralica mulas declarar a verdade e como isso teve lugar,
vezes. Nao exigem nem tratidao de nin^uem, Eslava no proposite firme de acnmpanhar V. S.
nem fazem caso das aloardas (tos novelleiros. Os era os negocios elotoraes, assim romo anda O es-
vermelhos n.i) mendgam alliancas, mas nao regei- ton ; eis senao quando, fora de uiinlia casa, se me
tara, e at considerara bemvinds todas asaequisi- apresenta una caria para que eu a transcrevesse
ees honeslas c mportaules. As mais eslaves coa- o assignasse, cujo conledo lodo contrario ao pro-
(cees sao as que se operara, sem premedtacao ccdmiento que tenho ti do e presumo continuar a
nem acerado : c assim como nao cabe as torcas ter. Hellexionei o oppuz-me a copiar c assignar
de uinguera fazer juneeocs seu arbitrio, tara- dita carta, porra acliando-inc s esera ter a quem
bem impossivel conlcr a corrente das ideas quan- consultar entend assim fazer. Hoje, porm, ven-
do estas se encaminbam a um lira. No fluxu e n;-
fluxo das ondas ha urna grande lei que se nao
transgride. Por igual se d no fluxo e rcfluxo das
ideas. O tenipo das theoras estrepitosas passou.
do que se lauca rao dessa carta para contrariar
um acto por mim pralica do por livre vontade, ve-
nho declarar positivamente que fui illuddo senao
dem, ao qual vai afflxada a certidao do
magistrado em chefe da cidade de Bfalo.
Este relatorio foi lavrado naquelle lempo pelo
r. Thoraaz Lee, e por alie devidamente ajurainen-
lado peranle o magistrado em chefe da cidade de
Nova-York, cuja assignatura foi atlestada e reco-
nhecida petes seguintes representantes consulares :
O cnsul de S. M. I. o Imperador do Brasil;
O consol de S. M. cl-rei de Portugal;
O cnsul de S. M, a rainha da Graa-Brctanha :
O cnsul de S. M. I. o imperador de Franca ;
O eonsul de S. M. Catholica a rainha de Hes-
panha.
Assim como timbera pelos cnsules do Mxico,
Barca inglezaBtitsh Qecn=carv;io.
Recehedoria de rendas internas
geraes de Pernambueo.
Rendimcnto do da 1 a 19........ 7:0904836
dem do dia 21................. 5:0005144
32:0905980
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 19......... 74:295*318
dem do da 21................. 10:9705792
82:2665010
Hoje lia 011 deve haver um s pensamento em lo-' entao me cerravam. Deckiro, portante^ i|ue assig-
dos os Brasileiros honestos acabar cora o reina-
do da corrupcao e do escndalo; regenerar a ve-
reda constitucional. V.
conslrangido a isso, atientas as circumstancias que Chile, Per, Buenos-Ayres, Nnva-Granada, Vene-
CORRESPONDENCIAS.
Srs. redactores.Em o 6cu jornal do Io de de-
zembro eorrente, eu e a grande maioria dosqeJei- j |(.0
teres e supplentes da freguezia de l|Kijuca, publi- '
nei o protesto publicado no Diario de Pernambueo
do 1 de dezembro deste anno.
l>e V. S. venerador e criado,
Manoel Baiiosa de Mello.
Reconheco verdadeira a assignatura supra por
ler visto o proprio signatario escrev-la, o que
dou f.
Villa de Nossa Senhora do O' de Ipojuca.
dezembro de 1863.
Em testemunho de verdade. O tabelliao pu-
MOVIMENTO DO PORTO.
Xaco entrado no dia 21.
zuela, Equador, Uruguay, S. Salvador e Hayti.
VIH.O preco da legitima salsaparrilha de Rris-i
tol, longe de ser exorbitante, como asseveram al- Rio Grande do Sul30 das, patacho nacional D.
caraos umao publico, era que recapitulando os
motivos quo nos forcavam a nao exercer os direi-
tos de cidados activos na eleicao primaria para
senador, protestamos contra es'ses motivos de vio-
lencia, e contra a tenacidade do presidente da
provincia e ehefe de polica, era pretenderen! con-
quistar o voto popular, por meio da fraudo e das
bayonetas. Esse protesto foi firmado pelos cida-
dos, cujos nomes ahi se leem, sendo por isso a
responsabilidade de todos ; porm, como a tolda
do presidente oProgressista de 12 do corrente,
entendosse por conveniente atlrbuir-me exclusi-
vamente a paternidade daquelle acto, com o lim
de apresenlar-me ao publico como infiel verda-
de, julgo do meu de ver responder essa provoca-
eo, nao sob a cobarde capa do annimo, porm,
Antonio dos Sanios Pinheiro.
N. 2.
Illm. Sr. Bento da Costa Martns.Mercez, 15 de
dezembro de 1863.
Tendo Vmc. marchado de accordo coroigo nos
ltimos moviraenlos eleitoraes desta freguezia sem
que a isso fosse constrangido, e tendo igualmente
assignado o protesto publicado no Diario de Per-
nambuco do Io de dezembro do corrate anno, e
lendo hoje no Progressista de i 2 do corrente urna
carta de Vmc. em resposta a outra, e em sentido
quasi que contrario ao que sempre me dcclarnu
Vmc. ; queira, portante, me explicar esso proce-!
dimento alini de que nao contine a verdade a ser
confundida.
De Vmc. amigo, venerador e criado,
Manoel Jos da Costa.
sob minlia propria firma, c com a pleniude de nn-
nba responsabilidade legal. Illm. Sr. Manoel Jos da Costa.Era resposta a
O presidente da provincia por seu eleitor mesa- carta de V. S. tenho a declarar que nao tenho at
rio contesta a asseveraco por nos feita, de que o presente contrariado um s ponto sobre que rae
tintiamos em nosso favor a maioria dos supplentes, pergunta V. S., e que nesse proposito continuo ,
fundado as tres carias publicadas no mesmo que assignei o protesto publicado no Diario de Per-
Progressista, sendo urna do Sr. Manoel Barbosa nambueo do Io de dezembro do corrente anno, e
do Mello, outra do Sr. Bento da Cosa Martins 0 a que de minha resposta ao Sr. barao de Goararape3
terceirado Manoel Matheus Cavaleanti, as quaes se v que eu affJrinei nao ir a eleicao por marchar
todos asseveram que nao pretendila temar parte de accordo com V. S.
na ele icio ; e o primeiro (o Sr. Manoel Barbosa Pode fazer desta resposta o uso que Ihe con-
de Mell) que nao assignara o protesto publicado vie.r.
no Diario de Pernambueo. De V. S. amigo, venerador e criado,
E' lanientavel que o presidente da provincia e Bento da Costa Martns.
seus bravia, no empenho de darem urna cor, anda
mesmo paluda, esse montad de traflcancias qne ter
giras, pelo contririo muito razoavel tomando-se
em consideracao que o frete at o Brasil e os di-
reilos desla alfandega augmenlam o custo della
mais de m m<7 res cada garrafa.
IX.A legitima salsaparrilha de Bristol, o Ana-
15 do' cahula peitoral de Kemp, as pirulas vegetaes as-
sucaradas e as paslilhas vermfugas do mesmo au-
tor podem ser receidas em virtude do despacho
de S. Exc. o ministro do imperio lancado em 3
de novembro de 1863.
Os facultativos receitarao estas preparacoes,
se as acharem utels s molestias que tratarem.
X.Em quanto existem tres differentes imita-
coes e falsilicaeoes da nossa original e legitima
salsaparrilha de Bristol, participamos-Ibes que a
verdadeira vende-sc :
Rio do Janeiropor Brrini & C-H. Prins &
CA. A. Moura Henriques.
BahiaGermano & C.
MaceiClaudinho Falcan Dias.
PernambueoCoars Barboza.J. da C Bravo
&C.
ParahybaThomaz da Cunha.
NatalDomingos Henriques Oiiveira.
CearBotica do Morcira.
MaranbaoFerreira & C.
' ParaV. Sedeschi, successoresRosa & Filhos.
S. Panlo37, roa do Rosario.
Porlo-Alegre Martel, Vicente Porto, successor,
e as sub-auencas em todas as partes do imperio
do Brasil.
Luiz, do 217 toneladas, capto Joao Manoel da
Silva, equipagem 10. carga 12.000 arrobas de
carne secca ; Marques Barros 4 C.
.Vicio sabido no mesmo da.
ParahybaPatacho inglcz tama Hall, capiliio John
Triend, carga faruha de trigo.
EDITAES.
constituiram a eleicao parochial de Ipojuca no 1
do corrente mez, nao trepidem no emprego das
mais abjcctai falsidades, e na adopcio de meios
Pastllhas vermfugas de Kenap.
Todos os mediros qne espcrialmrnle se teem de-
dicado i rara das molestias das enancas,
asseveram que as pastilhas vermfugas db Kemp,
o remedio o mais excedente e eOlca que at bo-
je tem sido mohecido. Acharase eiias exclusiva-
Reconheco verdadeira a assignatura suppra, por' mente preparadas ooraas substancias vegetaes as
r visto o proprio signatario escrev-la, o que mais salutferas. O seu sabor delicioso, aao cau-
san) nauseas nem dores, etc., produzem seu effei-
to completamente sem que seja preciso logo inme-
diatamente uuar denenhuma especie de purgantes.
dou f.
Villa de Nossa Senhora do 0' de Ipojuca, 18 de
dezembro de 1863.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provincial
em cumplimento da Ordem do Exm. Sr. presiden-
te da provincia, manda fazer publico, que no dia 7
de Janeiro prximo futuro, peranle a junta da fa-
zenda da mesma thesouraria, se ha de arrematar
a quem por menos fizer a obra dos reparos preci-
sos das pontos daTacaruna, Santo Amaro, Arrum-
bados eVaradouro na estrada deOlinda, avaliados
em 736.5300.
A arrematacao ser feita na forma da lei pro-
vincial n. 343 de 15 de mato de 1854, e sob as
clausulas epeciaes abaixo declaradas.
As pessoas que se propozerem a essa arremata-
SSo, eomparecam na sala das sessoes da junta, no
ia cima mencionado, pelo meio da, competente-
mente habilitadas.
E lra constar se mandou afflxar o presente c
publicar pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
bueo, 15 de dezembro de 1863.
O secretario,
.!. F. dAnnunciarao.
Clausulas especiaes para a arrematacao.
!. Esies reparos serao feitos d conformidade
com o orcamonto .; instrucedes doeagenheiro, im-
portado era 7365300.
1* O arrematante dar principio aos trabalbns
no praso de 15 dias e os concluir no de um nu z.
contados da data da arrematagao.
3.a O pagamento effecluar-se-lia em urna s pres-
tado, no llm da obra.
V Para ludo o mais que nao cstiver speciiea-
do; seguir-se-ha o que dispoe a lei n. 886.
5." O arrematante nao ter direto a reclamacao
Pela thesouraria provincial se faz publico que :t
arrematacao do sostente dos presos pobres da casa
de detenco, foi transferida para o dia 24 do cor-
rente.
Secretaria da thesonraria provincial de Pernam-
bueo, 17 de dezembro de 1863.
0 secretario,
A. F. dAnnnnciucao.
Pela thesouraria provincial se faz pnblico,
que a arrematacao da obra da reconstroeco de
de urna parte do caes entre as pontes da fundica
de Star 6 C, foi transferida para o dia 24 do cor-
rente.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
bueo, 17 de dezembro de 1863
O secretario,
A. F. dAnnunciacao.
Conselho admioisf ratlvo.
O conselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra tem de contratar o tornee i-
ment do rancho da companbia dos menores do
mesmo arsenal nos mezes de Janeiro e fevereiro
do anuo prximo vindouro.
Pao de 1 onyas, bolacha, assucar refinado de
segunda sorte, manteiga franc.eza, cha bysson, ca-
f em grao, carne verde, dita seca, familia da Ier-
ra, feijo prelo ou niulatinho, loucinho de Lisboa,
azeito doce de dita, vinagre de dita, arroz do Ma-
rauho,bacallio.
Para o arsenal de guerra.
Brim da Russa, varas 300; 10 duzias de laboas
de [ii 11 lio americano de 1 polegada.
Para o hospital militar.
Chinellas razas de couro, pares 60; bules de
folha para 12garrafas de liquido 6 ; 60 ooirlioVa
com travs -eiros de panno de linho cheios de la
tendo 9 palmos de comprimento e 3 e meio de-
largura ; 12 copos de vidro para agua ; 12 bacias
de rosto; prates 48.
Para a companbia dos menores do arsenal de
guerra.
Gaz, galoes 20.
Quem quizor vender tees objectos aprsenle
as suas propostas em carta fecliada na secretaria
do cnsclho s 10 horas da manlia no dia 30 do
corrente.
Sala das sessdes do conselho rd ministrad vo pa-
ra fornecimento do arsenal de guerra 21 de de-
zembro de 1863.
Antonio Pii-o de &i Brrelo,
Coronel presidente.
Sebastao Antonio do Reg Rarros,
Vogal seeretarie.
Consulado provincial.
Pela mesa do consulado provincial se faz publi-
co que os 30 lias uteis marcados para a arrecada-
cao bocea do cofre do 1" semestre do anno linan-
ceiro corrente de 1863 1864 dos impostes da d-
cima urbana das freguezias desta cidade e da dos-
Afogados, e de 5 0|6 sobre a renda dos bens de
raiz perteneentes eorporaces de mao mora se
principiara a contar do dia Io de dezembro vin-
douro.
Mesa do consulado provincial de Pernamlnico-
25 de novembro de 1863.
Antonio Carneiro Machado Hios.
Administrador.
hVifbrdoria de itMsi inlernas.
Pela recebedoria de rendas internas geraes-
se faz publico, rae no corrente mez rtnda-se o pra-
so para o lugamente dos impostes (aneados do
exercirio de 1862-63; a saber: renda dos pro-
prios nacionaes, foros de terrenos e de marinha,
dcima addicional de mao morta, imposto sobre
lujas, casas de descont, etc., dito sobre casas de
movis, raspas, etc., e taxa dos escravos; seguin-
do-se dejiois a cobranca executiva : outro sirar
qne no mesmo mez finda-se o praso fio pagamento
i sem mulla, relativo ao Io semestre do exercicio de
I863-64 dos seguintes impostes : decima addicio-
nal de mae morta, imposte sobre tojas e casas de
descont, e dito espeeia! sobro casas de movis,
roupas, etc., fabricados em paiz estrangeiro.
Recebedoria de Pernambueo 3 de dezembro de
1863.O administrador,
Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
Pela subdelegada de S. Jos';, se faz publico,
que se aclia recolhido casa de detencn a preta
Xareiza, que diz ser escrava de Joaquim Lopes da
Cunha, a qual fora anprehendda no engenho da
Serra, freguezia da villa do Cabo ; quem fr seu
legitimo senhor, provando, Ihe ser entregue.
Subdelegara da rreguezia de S. Jos, II de de-
zembro de 1863.
Pela subdelegacia da freguezia de S. Jos.'-,
se faz publiai, que tora apprehendido um chapeo de
palhinha para senhora; quem fr seu dono dando
os signaes, Ihe ser entregue.
subdelegacia da rregnezia de S. Jos, II de de-
zembro de 1863.
Pela ihesouraria provincial se faz publico,
que a arrematacao da obra dos reparos de conser-
vaco de pie necessita a ponte, do Anjo sobre o rio
Serinhaem, foi transferida para o dia 31 do cor-
rente.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
bueo, 17 de dezembro de 1863.
O secretario,
A. F. dAnnunciacii*.
Correi geral.
Pela adranistracao do correio desta cidade se
faz publico que em virtude da convenci postal
celebrada pelns governos brasileiro e francez.
rao expedidas malas liara a Europa no dia 30 do
corrente mez. As cartas serao recebidasat 2 ho-
ras ante da que for marcada para a sabida do
vapor, e os jomaos at 4 horas antes.
Administracao do correia de Pernambueo 19 do
dezembro de 1863,-0 administrador,
Domingos dos Passos Miranda.

i

-*i
i


'
1

.....
Mario de Peraaanfouco Terca felra" 39 de Dezembro de i 83.
AflSOS MAEITDSOS.
COKPAWHIA BBASILEIBA
DE
PAQUETES A VU'OK
Dos porto* do sui o esperado
*&' o dia 39 lo corrale o vaftor
Cruzeiro do Sal, commandante o
ca|nt;> ilc mar e ftuerra Gervazio
Mancebo, o qoai depois da dcrb-
inura do eostume seguir para os portos de norte.
Desde j recebein-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzrr, a anal devora
sor emburrada no diado sua cWgada: eneom-
inendas, e dlnlieiro a frete al o da da sahida s 3
horas, agencia na da Cruz n. 1, escriptorio de
Antntno l.niz He Oliveira Azevedo & C.
COMPANHIA BRASILEIEA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte esperado
at -i da I* de Janeiro o vapor
Prmctaa de Jotntle, comnian-
danto Araujo, o qual depois da
demora do eostume seguir para
os porios do ul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o va]ior peder conutir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, cncoinmcn-
aas c dinheiro a frote at o dia da sabida as 1 ho-
ras, ap-ncia na da Cruz- n. I, escriptorio do A-
Como Lu de Oliveira Azevedo & C._________
0MPANH1A PEELNAMBUCAIU
M
!\avegaeo roste!ra a vapor.
O vapor Jaguar ibe, comman-
daute Lobato, segu no dia 26 do
crrente as ti lloras da tarde
l>ara Macis e escalas Penedo e
Aracaj. Recebe carga ate o dia
22. Enrommendas, passageiros e dinheiro a fre-
le at odia da sabida as tiraras da tarde : es
criptoria no Forte do Mattos n. 1.
OSr. Jrw Francisco Pinto Guiri larfcts, rrnr-
gio pela escola real de cirurgia de Lisboa, tran-
ferio sua residencia para a ra Nova, n. 60, pri-
meiro andar, onde pode ser consultado todos os
dias uteis das 7 s iU horas da maoh, acerca das
doeneas denom i natas cirurjjioas oti externas espe-'
cialmente datpiclias, em rujo tratamento mais r-
qoentemonte nlervcm a medicina operatoria.
FOLHINHAS PARA 1864,
vallos, cacimba com boa agita c baixa decapim, o
referido leilo sera elleetuado no dia e hora ci-
ma dito na roa da Cruz n. 3, onde poderlo os
preloadentes obter qualquer informado a res-
poito.
JRV\UK
LEILAO
Km eoaiiaaiaeo de manhaa e a
j kw, Jnr>,<-e" .,-,-, em excellentc typo e bom papel,
4. *alque, qneren.lo inpudar, faro Mao feto- Fulhinlia dp wirLi cinlPniiVii ra-
das as fazendas sientes no seu armazem da rua u,l'm Pru conien Js male-
d Crespo n. 4, constando da pina grande porco nas ,lu COSlume, TS.........
deroupa feita de todas as qualidades, calcado, Dita de algibeira, sol) a epigraphe
P?'?.m*rtog. bengalas finas, chapeos para bomens religiosa, contundo alm das materias
e stnhoras, urna immenstdade de artigos de luso, ,irt r(Vitm. ns *pt iukwk Ai Viiv'n
sendo ludo vendido sem limites c em lotes a von- 0Slue s sele Pa**'s. da raixao
tade dos compradores. ,aQ INosso senlior sus Consto ; canti-
loip s i i) hnrn* tin i//- cosdo lmz Ma,ian; l,"ymnus e J*cula-
mmujv U* J v riUI 5 iia //*'/- tori* ao Sanssimo Sacramento; ex-
tlilQ- plicaees de diversas ora^oes; cora
n. to,r,. Seiaphica ; exercicio ao sagrado cora-
u agente ALMEIDA competentemente antorisa- fn d Mara mmtfcn nar visiisr as
dofara leito das fazendas cima declaradas, e ^ MMlfJ ?ra para ,*,s,lar 5*
convidados seus freguezes e amigos aproveitarin 'rejas no da da Porcilincula ; oracao
a occasiao de se provorem de muilos artigos ne- para escolha dos estados da vida ; dita
cessarios e outros proprios para presentes de a Seilliora da CoCclo ; e medilacoCS
a,etja acimisicrio farao por pouco dMTetro. sobre a reforiIW ^ conseieacia. I* .
leii'? ea-i ^ila ,Je di,a' *.. epigrapheVa-
AOS O,(MK):000
CkS\ 1)4 tMTWk
\
Bllhetes garani idos
A' roa do Crespo n. !3 e rasas do costiimc
Ao dia S4 de crrenos se extrabir a (marta
parla da quinta lotera de N. S. do Guadalupe.
Oabaixo assignado reeommendando o respei- _
tayel publico a compra di scus muUo afortunados rua ]Nova n- *d
NOY ESTABELECIMENTO DE MEDICINA HOMEOTATHICi
RUA \OVA I. 43.
O Dr. Sabino O.
IVa praca da Independencia livraria m. 0 bilhetes garantidos,|embra:ih7a"vaiaem'qe'ha' 2 horas.
S folhl- em reeeber os premios por inleiro. iwr ouaiito Os
L. Pinlio mudou o seu CONSULTORIO para a loja
onde continua a dar consultas todos os dias uteis desde o
de rnarmor
meto dia ata
e 8, aciin-se venda as seguidles un-:ora renwer os premios |K>r inleiro, por quanto
idMispara 186iimprcssas nesla Ivpogranhia 'l'J1'1" lllar 'sorte grande em bilbete garantido
em oTCAiloiia irnn o i.nm r>,...i nao recebera soincute 8:4""
smente 8:400,5, em viriude dos n
descomes de 10 por rento que Ibo faro em vista estipulados.
Os enfermos, que o procurarem logo na inrasSo da molestia, sem que haiam
mado qualquer remedio, nem allopathico, nem hnmeopathico, pagarlo metade dos pn
Esta concessSo tem por flra facilitar a cura de molestias, que podem
to-
preo
turnar-
0 mesmo ageMe para satisfazor o
; muitas pessoas tem psolvido fazef um
pecial das 6 s 9 horas da norte.
320
Presos.
Bilhetes inteiros..... 12,5000
Meios bilhetes...... i(KK)
Qua'o*........ 3,5000
Para as pessoas que compraren
do 100 para cima.
Bilhutes........ II 200
Mios......... 53600
Quartos........ 28(K)
_____ Uuno'l Martin* Fiuza.
veo dar duss consultas por semanas nas tercas e sextas-feiras das seis as sete horas da
notte.
I Os chamados para vlshos e conferencias deven ser dirjgidos por escripto ao con-
sultorio desde 8 horas do dia at 8 da noite, na certeza de que serio attendidos na ordero
de sua precedencia, salva a circumstancia de eminente perigo.
ADVERTENCIA.
CUMPANIIIA PEUV.4MBUCANA
DK
Xax'^aro costelra a vapor.
I'arahjba, Kalal, Hacia, Aracat e Crar.
O vapor Mtmmgiwpr, com-
mandante lloara,segar para os
portosacima indicados no dia 28
do crreme s 5 horas da tarde.
. Hecfber car^ at o dia 26. En-
roinincndas. passageiros e dintieiro a frele at o
dia da sabida s 2 horas .la tarde : escriptorio no
Forte do Mattos n. 1.
Para o Aracaty
ti Mata Doms Innos pretendo seguir eoai bre-1
vjdade, to*4q parte da carga, e para resto tra-
ta-e na rua do Amorim no escriptorio de Tasso
Irmos.
Porto.
Segiie al o fim do orrenlc mtii vclcira barca
poi tugueza Sgmpatliia : para alguma carga e pas- do dia em seu escriptorio na rua da Cadeia do Re
MOJE.
Terca-feira 9 lo corrate u;t
rua 1 Cadeia n. AI.
s 11 horas.
E' sem I mite.
Pelo agente Euzebio se vender em lerao di-
versos objeetos de ouro e prata para ultimar con-
las, e bem assim otiras de inarcineiria.
LGIUO
I)E
Itt niela-aguas e una caixo de
pedra e cal.
O agente compelenleiuonte autorisado far lei
lao de um caixao para casa em altura de reeeber
travejamenlosito na rua da Concordia n. 67; com
40 palmos de frente e 70 de fundo, em cujo ter-
reno estao collocadas 4 meia-aguas que rendem
S mensaes cada urna ; 9 meia-aguas silas por
traz do mesmo terreno (Iravcssa da Palma) de
ns. i 12 que rendem cada urna 10 por mez o
3 ditas em frente das niesmas do ns. 1 3 que
rendem 12 mensaes cada una.
IIO Terra-feira 22 do frrente s 10 horas
sciros trala-se
Cadeia n. 26.
com Bailar & Oliveira, na da cif a- *8-
Para a Babia pretende sabir com milita bre-
vidartu o veleiro- |>alaclio Tliereza, capilo Joo
Correia Lima, por ter a inaior parte da carga
1)0
para o resto que Ibe falta, tratase com os consig- E
natai es Palmera & Belto, largo do Corpo Santo CjISCO, apaPClh C IH8S perleilCeS (lo
n. 4, primeiro andar. l- r ,
luale na'ion I .laiiuanlio.
Para o Rio de Janeiro
At odia 30 d-> crrente pretende seguir im-
preterivetimnte o patacho nacional Beberibe, para
o resto da carga que Ihe falta e escravos a frete
para Ol qnaes tem excellentcs eommodos trata-se
veira AzeveJo i C, no seu escriptorio rua da
Cruz n. 1.
riedade, coNlendo alm das materias do
cosUime : recentas uleis e neccssarias
aos diversos myslerios da vida; plivs-
ca e recreativa ao alcance de todos :
pilherias e ralices; poesas; charadas;
mximas e pensamentos colligidos por
um curioso...... .......
Prccisa-se de nina criada que saiba Mfeot>
mar : na rua do Imperador n. 17, segundo andar.
TINTURARA.
Tinge-se com perfeico para qualquer
cor, e o mais barato possivel: na rua do
Rangel n. 38, segundo andar.
Atuga se a casa confronto a S. Jos do Man-
guinlio : a tratar na rua Amrusta n, 26.
A (Hssoa que annuncioo procisar de l:OO
a premio, dirija-se rua da Praia n. !>.
Aluga-se o 2" andar do sobrado da roa do
Imperador n. 79, bstanla fresco, e docente para
urna familia : a tratar com Antonio Jos Rodrigues
de Souza, na rua do Cresi>o n. 1.").
O Sr. Luiz Paulino Cavalcanti de Al-
buquerque, tem urna carta nesta typographia.
ilirairo de Apello.
S0CIU0ADE IELPOIEaE PEIIMHBLCA.N4.
De ordem do Illm. Sr. director, participo aos Srs.
socios que a segunda represenlacao do mez de de-
zembro lera lugar quarla-fcira com o drama em
tres actosO Mendigo Negroe a comediaA
Roda Viva.
Os Srs. socios que alada uao satisfizeram suas
joias e mensalidade, queiram o fazer at o dia do
espectculo na secretaria da me.-nia.
Vcenle Frrreira Ja Silra.
1." secretario.
0 novo consultorio est prvido dos melhores medicamentos, desde a primeir
ate a trigsima dynaminjs-acao.
Aluga-se urna casa em Jaboato, com muitos E como os mdicos hespanhes e allemes n5o cessamde certificara maior effi-
SXSXSVlA Seba,toS"a S'nn,t4r,rSma|S ^'"^'^.do tratamento das molestias chronicas, o Dr. Sabino se
-p-;----- iuwar na p.iuana tatopoi.___ oceupa agora de elevar os seus medicamentos s potencias mais altas ( or ora at 200 M
vidade de sua viagem se despedir pessoaimente de .)!, JH _'_?"! .?l,lzerem xperimcntar taes dynaminisacoes podcr3o dirigir ao
hnmeopathico
.. usar da homeo-
pauua.
Tudo o que diz respeito nova medjeina se acha abundantemente neste novo estabe-
aecunento.
Aluga-se a casa terrea n 10 da rua do Ara-
)! gao, a qual serve para algum estabelecimenlo
ou ollicina : quem o pretender, dirija-se ao (piar-
te! de polica a tratar com o capilo Teixera, ou
na botica n. 6 da praca da II--Vista, que achara
com quem fazer negocio sobre o dito aluguel; na
mesma botica ahi encoulrar a chave para se cor-
rer a dita casa.
\
SEGUROS DE VIDA EM MUTUALIDADE.
-- Precisa-se alujar um escrara,
para lodo servic ile una c sa de poica'
familia : lia rua Imperial ll. 3$. A direccao do BANCO UNIAO loado obtid. do governo de S. M. F. a autorisacao para cstabele
-------------------------------------------------------. c* o seguro de yidna esi mutualidades, faz publico que desde j toma subseripcoes nnuaes por urna
Casas para alllgar. so vez, debaixo das seguiutes condicoes :
Urna loja e prmotro andar na rua as Cruzes, Com peda de capital c lucros;
una casa terrea na rua da Alegra, um tereoiro Dito capital somonte;
andar e sotao na rua do Encnnlamento : a tratar Dito lucros smente ;
com Joo Bibeiro Lopes, rua da Cadeia n. 33, loja. devcDd prnieira |iqui(lag5o ^ ,ugar na ^^ de {m
- Oflerecc-se una inullier idosa c de bunstos- As vantagens do ernprego de capitaes em mutualidade, sao Olivias, porque nao smente se co-
tumos para ans de qualquer pequea familia: i meo piro de qnantias diminutas, de que avulsas se nao imxIits tirar ncnlmm resultado; mas alm
tratar na rua do Sebo n. ."i. disso, este rendimento e augmentado pelo capital ou lucros, ou ambas as colisas, conforme as condicoes
da subsenpeao, dos que fallecem. Tambcm partido pilos socios sobreviv.-nlcs tudo a<
No largo da Santa Cruz n
um rapaz p;
de taberna,
iquilloqneos so-
como caducid*les que-
bastantes ar-
a tratar na
outras;e parase poder
, .. seguinte tabella basea-
da sobre a experiencia de muilos annos decomiianhias desta nalur. za :
Km o annns Em 10 annns Em lo annos Em 20 minos Em !'> anuos
fiiarta-felra 3 do corrate.
Ao (Mwmercio e ao publico cm nero'.
Joaquini Pint de Miranda, toado ammattdo
A reqnerimento do capitao do hiate nacional e!n le/lao, por mandado do lilm. Sr. Dr. juiz eaa-
Jayimribe, Pedro Jos Francisco, c por despacho f'i'1 T >ft""Wi a a/macao e mais objeetos da
do Illm. Sr. Dr juz do comineroiu por intermedio l0Ja *. nK)l,;,S(la r,,a I ->0, que foi parten.
! do agente Pestaa rao a leilo lodos os pertences cclUe.il madama Kosa-Hardy, vem partciiwr ao
do mesmo hiate, consistmdo em veame, noliame. rel^"i,Vtl corpo do coinniercio o ao publico em
estabelecimento
Por um menino de
de
de
de
de
pessoa de
de
de
de
Por urna
1
i
2
3
4
15
20
30
40
dia
auno
I
2
3
4
15
20
30
40
50
auno
II0J
905
805
865
865
8t5
865
865
905
4005
3005
2W5
2805
2705
2705
2705
2705
3005
9005
7505
7205
7105
"005
7005
7105
7205
7505
2:005
1:7005
1:0005
1:5605
1:5505
1:510*
1.500*
1:6000
1:800*
Ifii le Janeiro.
O brigue brasileiro Trovador segu com umita
Irevidade, pode reeeber carga c escravos frete,
trata-se com os consignatarios Harqo.es, Barros &
<".., largo do Corpo Santo n. 6.
cabos, oorrentes, mastros, vergas, ferros, etc., os
qnaes se acbam no armazem do baro do Livra-
"mento na ponte nova onde ser effectuado o leilao
quarta-feira 23 do corrente pelas 11 horas da
manba.
Para a Baha
O palhabote Gartbaldi prolonde seguir com bre-1
vidade para este porto, tend) parte de seu carre-1
eainoota, e para o resto trata-se no escriptorio de
Tasso'.lrinaos na rua do Amorim.
ft%ll t ILl^BOA
sahir com a maior lii'evi lade o bem condecido
hrigne portagOM Relmpago : quem no mesmo
nitor carrear ou r de passagem, para o que of-
ferece os mclliorcs eommodos, dirija-sc ao consig-
natario Thomaz de Aquino Fonseca, rua do Viga-
lio n. 19. prmeiro andar.
l'ara Lisboa pretende sabir com umita brevi-
dade o patacho Jareo, capilo Jos Marques Coe-
lii'j S ibrinho. por ter parto de seu carregamento
tratado : para o resto que Ihe falta, e passageiros,
trata-se com os seus consignatarios Palineira &
lleltro, largo do Corpo Santo n. 4, prmeiro
iilar.
ara o Hio rande do Su\.
Saldr com brevidade o brigue nacional Coratn-
b, recebe carga a fele o escravos: quem quizer
uelle carregar eatenda-se com Manoel Ignacio de
Oliveira & Filho, largo do (>>r|io Santo n. 19.
Para o Itlode fauclro.
O patacho nacional Capmun, pretende seguir
com muita brevidade, tem parte de seu carrega-
mento engajado, para o resto que Ihe falta e es-
ravos frele para os quacs tem bons comminlos
trata-se cornos seu? consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio rua
-da Cruz ll. I.
Para o Porto
A barca portagnesa S. Manoel II sogue imprete-
iivelmenle para o Porto no dia 24 do corrente, e
s recebe passageiros, para os i|iiaes tem excel-
li-ntes eommodos : a tratar no escriptorio de M. J.
llamos c Silva & Genros, na rua do Vigario n. 10
LEILAO
DK
LEILOES.
com o commercio de modas e fazendas, ienrio
na gerencia do n ferido estabelecimento a mesma
madama llosa Hardy, que fica com procurago
bastante com todos os poderes para por elle ser
representado : e para que sto chegue ao conbeci-
mento de lodos os fn'guezes e do commercio para
que nao so chame a ignorancia faz este que far
publicar por tres dias. Heeife, 20 do dezembro
de 1863.
lina taiva com mni'iczas. -------------------------------------------
Quarta-feira 83 de dezembro. 1? ^k^PW^^f'S
U agente Pinto far leilo requerimento de ?ji aJ/ ^ >S^oS
Ouilherme Augusto Rodrigues Sete e por manda- O aliva a^ianul,. nulu iuaU
dodo Illm. Sr. Dr-juizespecial do commercio, de u ato,8n,u,,, Pf* M P0"0 I"1
una raixa com miudezas penhoradas Francisco ', tm '"metes encommen.Jatlos o favor de ir
de Sales e Silva e existentes no deposito geral l>USca-ls at O BMM0 dia da vosper.i da ex-
(casa cm frente a secretaria de polica) onde se; traeca, pois so deixar de OS vender at
cllectuara o leilao s 11 horas em ponto do da ,,. -, i,,.,-..
supra dito.
As entradas por urna s vez dan resultados milito superiores as nnnuaes.
Porto, 10 de agosto do 1863.Os directores do Banco Uniao, Jos da Silva Machado.F. M. ra*
der Aif/worf.
Agentes em Pernamlmco
MajQfl
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, rna da Cruz n. 1.
Antonio Jos
LE LAO
DE
Im sobrado de 3 andares na rua da
Senza'a \ellia n. 142
4|ulata-feira 84 do corren le.
O agente Pestaa legalmente autorisado vende-
r em leilao o sobrado de 3 andares da rua da
Senzala Velha n. 142, com 29 palmos de frente o Cinild)', DOr CXIIXQ
88 de fundo, em chaos proprios, no valor de.....
15:000* vende-sc menos urna parte de 2:4085988
de um herdeiro que anda nao se acha habilitado :
o leilao ser effectuado quinta-feira 24 do corren-
te, s 10 horas cm ponto na porta da associaco
commcrcial ; os Srs. pretendontes podem exami-
nado com antecedencia ou informarem-se do
agente.
O tlirsoureiro,
Rodrigues de Souza.
IEIIAO
EjKUAO
I HA T.tici-:itv\.
iio.ii:
O agente Pestaa legalmente autorisado vende-
r por conta e risco de quera perteucer todos os
{Teneros existentes na taberna sita na travessa das
Cruzes n. 6, onde c agente effeetnar o leilo se-
gunda-fera 21 do corrente pelas 10 horas da ma-
nba em ponto. _____
DE
Um grande sobrado de tint an-
dar na eidade do Araeaty.
O agente Almeida far leilo requerimento dos
administradores da massa fallida de Se ve Filhos
& Ce mandado do Illm. Sr. Dr. juiz especial do
commercio, de um sobrado de um andar com 35
palmos de largo lendo 3 jauellas na frente, na rua
das Flores da eidade de Aracaty em chaos forei-
ros cmara municipal de dita eidade.
Seila-feira 8 de Janeiro de 1861
porta da associacjio commercial s 11 huras; os
pretendentes podem obter qualquer informacao do
agente cima.
i ni sitio na CJapiimga Velha.
agente Almeida autorisado pela viuva do fal-
lecido Joo Evangelista da Cosu e Silva vender
ni leilo um grande sitio no lugar da Capunga
Velha, com urna boa casa de pedra e cal conten-
do 3 salase 8 (piarlos, cosinha fra, casa para
.'-eravos c feitor, 2 tanques, vveiro, a margem do
rio, muitas arvores de fructo bem como coquei-
i-is, larangeiras, sapotizeiros, goiabeiras etc.
IfOJK.
Em seu escriptorio rua da Cadeia do Recite n.
48, as ll horas. ^______
LEILO
u
DE
rasa de campo.
IIOJF.
O agente Pinto far leilao s 11 horas do dia
cima dito de urna casa edificada na estrada do
Mnntcro, perto da povoacao. sobre pilares e ali-
corees de |edra e eal, cora 2 salas e 0 quartos,
qliarlos para pretos c estribara fora para 8 ca-
AVISOS DIVERSOS.
lotera extraordinaria
Aos 10:000,-3000 c :000;>000.
Corre depols d'amanha.
0 abaixo mmgoado tem resolvdo ex-
trahir no dia supra mencionado, vespera do
dia do nascimento do Redemptor do Uni-
verso, urna lotera extraordinaria, a qual
a quarta parte da quinta Mn beneficio da
rgreja de Nossa Senhora do Guadelupe de
Olinda, e a sna extraccio ter lugar no con-
sistorio da igreja de N. S. do Rosario da
freguezia de Santo Antonio.
Os bilhetes e meios acham-se venda na
respectiva thesouraria rna do Crespo n. 15
e nas casas commissionadas rua da Impera-
triz n. 44, loja do Sr. Pimentel; rua Direita
n. 3, botica do Sr. Cbagas; rua estreita do
Rosari n. 12, typographia do Sr. Mira e rua
da Cadeia n. 45, loja do Sr. Porto.
Os premios de 10:000|JOOO at 200000
sero pagos urna hora depois da extraeco
e os outros no dia seguinte depois da distri-
buico das listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souaa.
Ocirurg o Lml mudou
a sita rediivnci'i da rua do
Queimadn para a rnad-isCru-
zes sobrado n 36, prinuir-
do armazem
Proijressista, aonde o achrate
eomosempre prompto a qual
qur.r liora para n exercicio de
sua pmfissdo; chamado por es-
cripta.
Os administradores da
massa fallida dr,Amorim, Fia
Q"Zo, Santos e Cconvid un s
c -alores di mesma massa para
nopmzo deS dias aprsenla-
rem os seus ttulos, no escripto
rio da rua do Vigario n 21,
primeirc andar, a fim de screm
verificados, dos 10 horas da
manhaa as 3 da tarde, l'er
namhuc > 22 de de.embro de
1863.
Aluga-sc um sitio na Vanea com
voredos de fruclo e pcrlo do iianlio
rua Augusta n. 20.
Aluga-sc um sitio na Capunga velha, rom
boa casa, conlendo 4 (piarlos, gabinete, cacimba
com boa agua, quartos para pretos, estribara e
fructeiras, todo murado : quem o pretender, dir-
ja-se rua do Crespo n. 18, prmeiro andar.
Prensa-so de una criada que saiba engom-
mar a cozinhar : na rua do Crespo n. 18, primei-
ro andar.
No sitio n. 8 junto ao Hospital l'orluguez,
emnpra-ae una negro de boa conducta, o que en-
lenda bem do plautaeao : quem o ti ver c quizer
vender, leve-o ao mesmo sitio, que achara com
[tpiem tratar.
Precisase de um bom cosinheiro ede urna
ama que saiba engommar e lavar : tratar no
sobrado n. 32, da na da Aurora.
Antonio Jos Hodrigties de Souza, na rua do
Crespo n. 15. precisa aloyar um motoaiio para o
serrina de casa de familia, oque saiba bolear car-
ro, sendo de bons costumes.
Francisco da Silva Cantoso retirando-se para
o liio de*Janeiro deixa por seu procurador o Sr.
Joo Hara Cordoiro Lima e encarregado a li-
qaidacao de sna casa.
~ Pctle-se ao lilm. S cnsul de
Tor n^al tliuncsft rsuf ;i sens em-
pMfitfs fie uliuiltiini a fallar-lhe as
pessoas que o pcotnrain, pois cllcs s
n iiiM-miiloin r-i7i.ln -i hup-ii lhe>i con- > Primaz,a' J;i l'l t-,rani, sortimcnto dos seos gneros do boa qualidade, j pela commodidade
llit> tuII ^| de procos e por isso o seu proprietario roga aos seus freguezes e amigos e ao publico em
4:708*
3:7004
3:5004
3:400*
3:.I50I|
3:3:i04
3:4004
3:7004
5:0004
AURORA BRILHARTE
LARGO
DA SANTA CRUZ N. 84.
Amigos do bom e barato.
A Aurora Brilbantc este magnifico estabelecimento est na Hoa-Vista disputando
vm.0 olcudidn.
Francisco Jos de Souza Pinto morador na
povoacao de Cruang tem no ongenbo Yertenlc co-
marca de Nazarelh junto a povoacao de Vicencia
do que rendeiroJos Cabial de' Oliveira Mello
8',.')478, quem quizer comprar entenda-sc com o
dito Pinto que to lo o negocio far.
~P"
e
| "ff, Seral (|ue mandom comprar para melhor secertificarem do annuncio.
Manlega ingiera flor primeira qualidade. Servejas de boas marcas c muitas.
Dita mais abaixo segunda dita. Queijos novos do vapor e do passado.
Dita franceza nova segunda dita. Ditos de prato.
Cha superior preto, verde, hysson.uxm e pe- Ditos de manteiga novos.
cozinhar
no becco
cisa-se de una ama que H ilia
coinprar, prefere-so escrava : a tratar
da Boia n. 2, prmeiro andar.
Fesla da Nenhora do Monte.
S. Ble. Sr. D. abbade 'le S. liento .
di'accoidocom onbaiuassignadoIcm\W.
removido a fesla da Senliora do lonte3
do dia
31 do coricnt-' mez, para 17 de
jmeiro viiiilouro Olinda, lo zembro de 1865.
Ha noel Luiz Viie*.
Nesta typographia precisa-se fallar ao
Sr. Frederico Skiner escultor.
n. 6.
D-sc dinheiro a juros : na rua do Rangel
Fugio no dia 21 do corrente o preto Luiz,
por occasiao de ter ido a relinaijao buscar meia ar-
roba de assuear, para o qual tinha levado o di
nheiro, o preto tem os siguana seguimos : idade
40 annos, pouco mais ou menos, altura regular,
corpo secco, barba pouca. com falla de denles na
frente, apenas tem 2 no lado superior, tem urna
quebradura do lado direiio, foi de engenho e por
sso julga-sc que tomara o destino do mato, tendo
la ijuatro mezes feito umi fuga, foi pegado no ca-
minho da Escada : quem o apprehcndcr leve
padaria allemaa ao pe da fundido, que ser gra-
tificado.
it-s
a 'iii m
Felii de Cantalice temi encarregado ao seu ad-
vogado o bacharel Luiz Augusto Crespo a cobran
5a de todas as suas dividas activas, pedo a todos
os seus devb.loreso obsequio do se ehtenderem
com o mesmo senhor dentro do praso de 13 dias
ao presente, alim de darem cumprimento s suas
l']n. O bikcharel A. 11. de Torres llandcira,
professor de geographia e historia no
Gymnasio desta provincia, continia a
ensilar estes mesmos preparatorios, e
bem assim rbctoiica o philosopbia. Os
^ cursos eslo abertos para cada urna des-
jgj tas disciplinas, na casa da residencia do
^ annuncianle, rna estreita do Rosario n.
g3 31, tereoiro andar.
gjBMffii nm wwwii...
W^**^f^ ^T^^* ^^^^^\ *^^^^% ^W^^^f^^^^^ *r>^^\ Jw* %V*TP^^^ **^v* ^r^v\ ^^^^^ ^^^^^
Sabio luz a traduccSo da Epi|hania do pa-
dre J. Ventura, feita por um calholico. Dividido
cm oito leitiiras, conten este livro a mais bella ex-
pomi'ao do mystorio da viada dos Magos ao prese- j
po de Belem. O nomo de seu autor o seu mais
completo elogio.
um hvro ntilissmo para a educaco moral e
religiosa das familias nao s pola sua doutrina e
conhecimento de um dos maiores c mais consola-
dores mysterios de nossa rcligio, com i pelas ora-
coes que acompanbam a todas as leituras. E um
interessante oitavario para a cclebraeao da fesU
doslteis Magos.
O seu producto destinado pelo autor para au-
xilio do collegio de orphos, que o virtuoso hispo
do Cear est fundando na capital de sna diocese : i
este anmrticio portanto usn appello s almas
christaas para que concorram com urna csmola
para um fim lo pi e to louvavel.
Vonde-se na livraria da rua estreita do Rosario
n. 12, o na livraria econmica de Noguoira, a 25 o
exemplar encadernado.
Aluga-se o armazem n. 4 da rua do Apello, e
o tereoiro andar da casa n. 88 da rua da Impera-
triz ; na rua da Anrora 36.
A casa da rua da Palma n. 24 acba-sc justa
e contratada por venda com os berdoiros do finado
Joaquim Loies Pereira Gnimares : quem livor
rola.
Doces de goiaba caixSes de varios tamanlios.
Amendoas de casca dura e molo.
Azeitonas novas MI barris e garrafas.
Presuntos para pancllae fiambre.
Itolachinhas inglezas novas.
Chouricas, paios e linguicas.
Cognac venladoiro.
Licores c cbanipanbc.
Chanitos finos, ha linos em tudo.
Soblas grandes em resteas.
Copos lapidados o lisos para agua e vinho.
Passas novas e figos tambem.
Massas para sopa sao das novas.
Xuzes ja dcste anno.
Farinha, milho, farello o arroz de casca em
saceos grandes,
'oncinho do Lisboa novo.
Chocolate j felto que bello alinoco.
Azeite doce temos refinado tambem.
A
A
Caixinhas enfetadas com ameixas francezas.
Latinhas com ditas.
Latinhas com fruclas.
Lanlias com biscoutinbos de muitas quali-
dades.
Latas com bolacbinba de soda,
lalas com peixe ensopado,
lalas com inarmelada nova.
Latas com massa de tomate.
Frascos com conservas.
Ditos com musanla.
Ditos com gonobra de Hoilanda c de laranja.
Ditos com sal refinado.
Vinhos puros da Figueira, nao ha melhor.
Ditos do Lisboa, nao ha melhor.
Dito do Porto, nao ha melhor.
Dito branco, nao lia melhor.
Dito engarrafado em caixa de urna duzia.
Ditos genuinos cm caixa c a rctalho.
liirora Brilhante (rin uin bello sorlimento
turora Hrillianle tena non bello sortlmento
mmmmmmmmmwmm
3-RL.4 ESTREITA
ROSARIO-3
obrigacoos, solyondo os scusdebiaas, sob pena de i^^aVwTaiaacoafawwbre este p'rodio, diri-
proceder judicialmente contra c 5 sem jaTn^^atr" dias rua da Aurora 3C.
disiinecao de pessoa.
Inein nao comprar por &$
Ricas eha|ielinas de feda para senhora, muilo
bom enfeiladas e do ultimo gusto: na rua do
Queimado, loja n. 41.
ANA.
Prccsa-so de urna ama para ir com urna senho-
ra para o Rio : a tratar na rua da Imperatrz nu-
mero 82.
Francisco Pinto Ozorio contina a col-
locar dentes artificiaos_tanto por moio de
molas como pela pressao do ar, nao re-
cebe paga alguma sem que as .obras nao
liquem a vontade de seus denos, tem pos
e outras preparaedes as mais acreditadas
para conservajao da bocea.
O Dr. Carolino Francisco de Lima San-
tos, contina a residir na rua do Impe-
rador n. 17, 2 andar, onde pode ser pro-
curado a qualquer hora do dia o da noite
para o ejercicio de sua prolisso do me-
dico ; sendo que os chamados, depois de
meio da at 4 horas da tarde, devem sor
deixados por escripto. O referido Dr.
nao abandonando nunca o ostudo das
molestias do interior, proseguo, com o
maior afflnco, no das mais dilliceis e deli-
cadas operacoes. como sejam dos orgws
ourinarios, dos olhos, parios, etc.
Para se passar a fesla.
Aluga-sc urna casa no Cachang com muitos
eommodos e por preco muilo barato : na rua No-
va n. 03._____________________________________
Precisase de um menino de idade de 10
12 annos, para caixeiro de taberna : na rua dos
Guararapes n. 8. ____________ _
Precisa-e de urna ama que tenha bom leito,
prefere-se sem fltho : na rua Direita n. 53, loja de
ferragens.___________________
Ofiereco-se urna ama das Ilhas que entonde
todo o servieo : na rua da Penba n. fB, loja.
de
fin amigo do Illm. Sr. Jos Curado por nao
o encontrar Ihe pede o favor de mandar por em
casa do Sr. eapito ajudante de ordens Miguel da
F. S. a bomba do carrinho que ro para fazer o fa-
vor concertar, no estado cm que cstiver.
Precisa-se do um pequeo de 12 14 annos,
3ue tenha pratiea do taberna : quem pretender,
irija-se rua do Palacio do Bisio n. 40.
Precisase de urna ama que saiba coainhar o
engommar para casa do pouca familia : na rua
nireiia n. 5, prmeiro andar, entrada pela rna da
Penha.
Procisa-se de urna ama pan cozinhar em
casa do pouca familia na rua da Uoda, sobrado
de um andar, na esquina, com venozianasr por cie-
rna da taberna.
1


I
Ola rio de reruambnco Tn^ felra M*Df/eikw de 18S.
FAZENDAS DE BOM GOSTO.
Superiores cortes de seda de cor a 505, 605, 70*. 80*, 90* e 100* cada corte, os mais modernos que tem vindo a Pornambuco.
Ditos de moreantique de cores e pretos.
Lindas sedas de cores a 25200 rs. o covado.
Ditas de ditas de quadrinhos a 15 e a 1*200.
Moreantique carmezim cor da moda a 1*200 o covado.
Superiores cortes de Monde para noivas.
Lindos cortes de crep de Hespanha com barra de cores as mais lindas que se pode desejar.
Cortes de lia com barra de cor.
Ditos de lia cora barra aquille.
Lindos cortes de grinadine de seda com barra de gostos inteiramente novos.
Linda fazenda para vestidos denominada crep de Hespanha de cores mu lindas.
Superiores lias de cores matisadas.
Grande e variado sortimento de percales de cores para vestidos.
Dito de chitas francezas muito finas escuras, claras e matisadas.
Lindas catilinetas nara vestido, costos inteiramente novos. ... .
Superiores cortes le cambraia'brancos bordados e eutras muitas fazendas de bom gosto para vestido de senhora
Para hombros de sennoras.
Superiores capas pretas a 20*, 25*. 30*, 40* e 50*.
Santiembarques de cambraia ricamente enfeilados.
Ditos de cachemira de cores c brancos enfeiudos com muito gosto.
Lidas capas de casimira de cores as mais modernas que tem vindoa esta praca.
Superiores zuavos de cambraia e de seda preta.
Lindos postilhocs de merino de cores.
Grande e variado sortimento de camisinhas bordadas *.
dem de chales de merino lisos de barra estampadas de quadros o de crep a t*a00, o*, o*, 7*, *, a* e IU#.
Para cabera de seiinora.
Superiores chapelinas de palha de Julia. .... ... .. .. ,p.
Lindos chapeos de palha de Italia enfeilados com muito gosto e grande vanedade para escolher a 12*, ity e 10*.
Modernos enfeites de llores chegados no ultimo vapor francez.
Variado sortimento de enfeites denominados conservadores para cabera.
Bordados.
Grande sortimento de ntremelos bordados a 1*, 1*200 c 1*500 a peca.
Lindas tiras bordadas largas a 2*, 3* c i* a pifa.
Calcas bordadas muito linas para senhora.
SS&^Sff^^^mUBB^ de gosto na loja das columnas ra do Crespo n. 13, de Antonio Correia de Vasconcelos
Pecliicha sem igual.
Na mesma loja das columnas vendc.se cortes de cambraia organdys de barra de duas saias e de babados malisados com 14 a i6 varas cada
corte a 6*, 8*, 10* e 12* o corte.
Furtarom do engenho Tinoco em Serinhaem,
no dia Oe dezembro, um esvallo ruco pombo,
pequeo, -coro urna malha wermelha no lado es-
querdo de pescoco, o casco-do p esquerdo lira neo.
anda bombaixo e inteiro : quem o appreheuder
oo der noticias dello no mesmo engenho Tinoco,
ou na estrada nova do Cachang, no sitio de Tlio-
maz Cavalcanti da Silvewa Lins, ser generosa-
menle recompensado.
Para olllm. Sr. tfceseuiftPi)4as3(*erias da
corle lr.
Remar** Alves Ferreira iene perdido o meto
bilhete u.2866 da 39 lotera para o melhoramento
do estado 5auitario.de cujo meo bilhete era pos-
suidw, pede ao mesino Sr. hesoureiro a merc de
dar as providencias que jalgar acertadas, acerca
da apresentocao do referido bilhete.
Aluga-se um sitio no lugar do Caminho No-
vo, ra da Espcranca, quem vai para o Manguinho,
tendo boa casa c muito fresca, com 6 quartos e 4
salas no andar terreo, 3 salas no sali, o qual tem
11 janellas, e por isso torna-se muito fresco, casa
para banhos, duas grandes cacimbas com agua de,
beber, casa para criados, estribara, e o sitio todo; Portugal,
murado c com larangciras de umbigo, fructa-pio e
jaqueiras : a tratar na ra do Destino n. 16.
O administrador da casa de banhos do pateo
do Carino roga s pessoas que possuem antigos
carines, hajam de ir trocar por novos at o da 31
deste mez; licando inutilisados se o nio Gzerem.
A pessoa que entregou una carta no arma-
sen da ra nova de Santa Rita n. 19, vinda do
Ass para Manoel Pcreira temos, tenha a bonda-
de apparecer no mesmo armazem, visto ignorar-se
sua morada.
Joaquim Pereira de Miranda retira-se para
COMPRAS.
Comprase urna escrava de meia idade que
saibabem coznhar : na ra do Crespo n. 18, no
segundo andar. _____________________
Compra-se urna escrava que tenha habili-
na ra da Cadeia n. 35.
Compra-se effertivamente ouro e prata em
obras velhas: na praca da Independencia n. 22
loa de bilhetes. j
Ao u. 29.
Nova loja dos baralciros na ra do Queimado.
Velludo de cores fazenda muito boa o covado dades e de boa conducto :
3*000, bales de panno 3*200, ditos de arcos' Compra-se urna mulatinha de 12 14 annos,
3*000, 4*000 c 5*000, lias de duas larguras gendo sadia e de lions costumes: na ra do Cres-
para vestido o covado 500 rs., chitas francezas o; po |0ja n. 15.
covado 360 rs., melim branco para forro de
vestido o covado 120 rs., tarlatanas de todas as
cores a vara 720 rs.
Ao n. 29.
Nova loja dos barateiros na rua do Queimado.
Cassa lisa pelle de ovo a peca 7*500, cambraia
lisa muito fina a peca de 17 varas 10*, cam-
braieta peca de 12 jardas 7*000, cambraia adamas-
cada para cortinado a peca de 22 varas 10*000,1
me i as liiias para senhoras' a duzia 4*000, chales
de lia pona redonda 32*500.
A* 1. 29.
Nova loja dos barateiros na rua do Queimado.
Bicos pretos de linho a vara a 120, 160, 240, 320
rs., franjas de seda a vara 80 c 160 rs., galocs
YENDAS.
Vende-se urna armario de taberna por pre< o
commodo : a tratar na rua Imperial n. 162.
Vende-se urna cabra (bicho) a qual de e:
cellento qnalidadu e d diariamente tuna garra!
de leite : na rua da Soledade n. 27.
"afeites para cabeea.
Sio chegados os mais ricos e delicados enfeilet-
RECIFE AO S. FRANCISCO.
Do primeiro de Janeiro de 1864 at outro aviso, as partidas dos treiis serao regula-
das pela seguinte tabella,
Precisase de um copeiro i na rua do Trapi-
che Novo n.22.___________________________
Aluga-sc
encommenda s para o vigilante, rua do Cresp
n. 7, pois a vista faz f.
Fitas
Tambera achario um grande sortimento das litis
por preco c Sitio (IOS 4 ledes na Soledade, COHI boa mais ricas do mercado, G de todas as larguras
... \ ., no vigilante, rua do Crespo n. 7.
casa de sobrado, cochura, estribara e, VVndc-se um ^ e8ccrionlo d0
23 ar
tanque para banllO C eicellciltf agua : nos de idade,e se dir o motivo por que se vende
tratar no mesrae silo das i horas s no becco do Lima em
7 da neite.
.Vende-se urna escrava perfeita cosinheira
engommadeira : na rua do Cabug n. 3, primerb
andar.
Cinco Ponas (partida)
Afogados .
Boa Viagcm
Prazeres .
lina
Cabo
Ipojuca. .
Olinda. .
limbo As.
Estada .
Kreteiras .
Aripib. .
Ribeiro .
Gamelleira
Cuyambura
Agua Prela
l'na (chocada
sejarcm concorrer para to til e benfica empre-.
za, segurando um futuro lisongeiro aos associados.
mmm s
\ nnvn tlfiQ 111.1*5 A?A
da Penba n. 10.
Ausentou-sc no dia 13 do correnle mez, oes-
cravo Luiz, de estatura baixa, e j; de idade, levou
vestido camisa de bata asul, calca branca, chapeo
de palha pintado; rogase a todas as autoridades
policiaes c capilaes de campo a captura do mesmo,
podendo o levar a qual pier hora em Santo Amaro
a seu senhor Manoel Custodio Peixolo Soares, ou
na juaga do Corpo Santo.
O Dr. Antonio Vicente do Xaseimento Feito-
sa, tendo de relirar-se para a corle do Rio de Ja-
neiro, alim de tomar astalo na cmara tempora-
ria, como duputado assuuibla gcral.por esta pro-
vincia, avisa ao respeiUvcl publico, c com especia-
lidade aos seus constitiiintes desta e de outras pro-
vincias, que o seu escriptorio na rua estreia do
Rosario n. 23 contina sob a direceao de seu com-
panheiro e collega o Sr. Dr. Joaquim Jos de Mi-
randa. Os solidos estados do Sr. Dr. Miranda em
jurisprudencia, a pratica que possue dos negocios
forenses, o conliecimenlo que tem das causas do
escriptorio, onde, trabalha ha cito annos, c o carc-
ter probo que o distingue, sao garantas suffleicn-
tes de que na ausencia do Dr. Feilosa os negocios
forenses a seu cargo, e os que occorrerem de novo,
proseguirao com a mais perfeila regularidade.
O Dr. Feilosa avisa, outro sim, ao rcspeitavel
publico, que as pessoas que quizerem ouvir suas
opinioes, poderiu remeltcr-lhe para a corle suas
consultas por intermedio do mesmo Sr. Dr. Miran-
da, cerlo de que a respesta Ihes ser enviada pelo
primeiro vapor que d'alli partir depois do recebi-
inento da consulta; assim como all se enearrega-
r da direceao de revistas ou de qnaesquer nego-
cios forenses.
O mesmo Sr. Dr. Miranda fica munido de pro-
curaco bastante para tratar de qualquer negocio
que diga respeito ao Dr. Feitosa, quer particular
quer rense.
(al nele medico cirurgico rua dos
Flores n. 37.
O Dr. Estevio Cavalcanti de Albuqucrque d
consultas medico cirurgjcas em seu gabinete das
8 s 11 horas da manhaa c das 11 ate s 3 horas
da tarde, os chamados deverie ser por escripto e
dessa hora era dianle dever ser procurado na ca-
sa de sua residencia no Chora-Menino.
1." Partos.
2. Molestias de pelle.
3. dem dos ol los.
4. dem dos orgaos cenilaes.
Pratcar toda e qualquer operacao em seu ga-
binete ou em rasa dos doentes conforme lites fr
mais conveniente.
= Na rua do Crespo a. 19, loja, deseja saler-se
onde assiste o Illm. Sr. Braz Maciel, aflm de rece-
ber-se urna encommenda que trouxe de Paris para
er entregue a Jos dos Santos Neves.__________
EXCELLENTISSIMAS SENHORAS,
Aproveitem as pccliiuchas da loja rua do Crespo n. 17
JOS GOMES VILLAR.
Para apurar dinheiro est vendendo baralissinio,
Aproveitem todos.
Reccbcu.de New-York 2,000 baloes de 20 arcos c vende a 2o00 cada um.
I xtraordinaria pecliineba, sciu igual.
Lias de coros, de quadros a 280 e 400 rs. o covado.
Cassas de cores a 200, 240, 280, 320 o covado I 11
Chitas francezas muito boas a 320 e 360 rs. o covado.
Madapoles, pecas de 20 varas a 75, 8,5, 93, 105, 115 c 125 a peca.
Cambraias lisas, pecas de 8 I|2 varas a 25500, 45,55, 65, 75, 85 a peja.
Capas pretas, manteletes pretos bordados a 205 e 325 rs. I
Sotambarques pretos de 255 a 305 rs.
Capas de casemira de cores a 255 e 305 rs.
Outras fazendas de multo gosto.
PROTEJAM TODOS
Cortes de cambraias bordadas ; cortes de vestidos de blonde para noivas. com capella
'manta. Chapeos Maria Pia a 125 cada un I Meias para senhora a 45, 35, 105 e 125
rs. a duzia. Bramante de linho, de 10 palmos, a 25 a vara. Bramantes belgas a 35 a vara ;
esguioes de linho finissimo ; bombazinas pretas para luto ; merinos pretos etc. etc.
mseos de laa de 8 palmos de largura, proprios para colchas e para cortinas de salas.
oiuo(up.i|oqeiS3 otmssuuBiJodiU! ossa e '-seis -scuixg 'oeSoajojd
-OJiaqmp e 'seiuissutMeq sepadzej
't:|U4uj||i:.) caou ep i:i|.>n|iiojd se Ul|9AOJdv
soaiaoMvuisa a so\[V3iai\[VMnad-^
Alugam-se na fregaetia da Varzea 4 me-
radas de casa de lijlo acalada de novo, bem a
iiiar^em do rio, assim como no mesmo lugar o si-
tio que foi do Dr. Ibiapina eom commodos para
grande familia: quem pretender dirija-se rua
do Queimado loja de Carvalho, Custodio & C.
Bilhete perdido.
Roga-se a pessoa que achon omcio bilhete n.
2861 da 39 lotera para o melhoramento do estado
sanitario, o favor de entrega-lo a rua do Trapiche
n. 40, segando andar, que ser generosamente r-
ci mpensado.____________________________
Precisa-se de urna ama para comprar e co"
zinhar para quatro pessoas : na rua da Praa nu-
mero 10.
H Precisa-se de 2:5005 a premio, dando h>tpo-
iheea em urna casa : quem quizer annuuoie j)Mra
se tratar.
Mudanza de estabeleci-
niento.
Flix Venancio de Cantalice avisa aos sens nu-
merosos freguezes d'aqui da provincia como de f-
ra, que mudou seu estabelecimento de alfaiate da
rua do Imperador, para a rua Nova n. 19, ao qual
est sempre prorapto para cumprir cora qualquer
encomenda tendente a sua arte.
I'recisa-se de orna ama escrava que so-
ja boa engwnmadeira se preste a iodo o
servico de urna casa de familia, excepto
de cosinha : na rua estreita do Rosario
31, terceiro andar.
Aluga-se o sobradinho da rua Imperial n.
40, com xcellentes commodos para familia : a
tratar na rua da Cadeia n. 62, segnodo andar.
O Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na rua da Cruz n. 53,
i" e 2" andar, onde pode ser procu-
rado pata o exercicio de sua profis-
so medica, e com especialidade
sobre o seguinte
Io molestias de olhos;
2o de peito :
3o os orgaos geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rao examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d
0 as 10 da manha, menos nos de-
mingos.-
Platicar toda e qualquer pera-
co que julgar conveniente para o
prompto restabelccimento dos seus
doentes.
ssr
Sapalos para senhora a 240 rs., sapatoes de con-
ro de lustre francezes a 35, borzeguins para ho-
rneen a 25600, ditos francezes a 45, sapatos de ta-
pete para senhora a 640, para hornero a 800 rs.,
sapatos de marroquim com salto obra de 35 a
15500, sapatos de lustre para senhora a 800 rs. :
na rua dos Quarteis n. 23, junto a loja de funi-
leiro.
UIE USBOl
vendem-se barra com eal des-
ta procedencia, em pedra, chega-
da hoje, e nnlca ora, que ha ao
mercado, na rna do Trapichen.
13, armazem de Manoel Telxel-
ra Basto._______________________
Meias do Porto.
Vendem-se na loja de ferracens da rua da Ca-
deia yelha n. 44, meias de linho c igualmente de
algodo, por preco muito commodo.
FARINHA FONTANA.
Familia da milito acre Jila a marca
Fontana k esembarca por preco mais commodo do que em
qualquer outra parte : na rua da Cruz
n. 4 casa de \. 0. Bieber k C. succes-
sores.________________________^
TABOADO
Vende-se taboado de peroba e canella de muito
boa qualidade e por preco commodo: a tratar no
Forte do Mallos trapiche do Cunha.
Trancas de laa pretas e de cores.
Sendo lisa a 80 rs. a peca, e de caracol a 100 rs.
a peca : na loja de miudezas da rua do Queimado
n. 16.
Luvas de Jouvin
brancas e de cores para hornera e para senhora a
15o00 o par : na loja de miudezas da rua do Quei-
mado n. 16.
ROUPA UTA
1 Na rua do Queimado n. 43, esquina que
\olia para a Ceugregaco.
i:" pechlncha.
Paletots de casemira a 5, 6, 7, 8,12 e 145, ditos
de panno preto e azul a 9, 10, 12, 16 e 185, ditos
sobrecasacos de panno muito Tino por 245 e 285,
.,"; ditos de alpaca preta c de cordao a 4, 5, 6 e "5,
da 45o00, azeite doce a 640 a garrafa de cam- ca, d(J casemiras de coresa 5, 6, 7 e 85, ditos
1 pato a 280, banha de porco refinada a 400 rs., que s a ^^ 8> 9 e |0) pa,etots de fuslo e
jos novos a 25 :na rua das Cruzes n. 2V, esjuma panga a ^ iym, 3 e 45, calcas e colletes de to-
das as qualidades e por preco muito barato, len-
ces de puro linho a preco de 25800 e 35, cobcr-
tas de chita a 25240, collarinhos de linho puro a
600 rs. cada um, e outros muitos objectos que s
vista ; e para isso se pede a attencao dos fre-
guezes._________________________________
Tranca preta de la.
Vende-se tranca preto de laa, lisa, para enfeites
de vestidos, zuavos e milpas de meninos a 120 e
160 rs. a peca : s quera tem c o beija-flor na rua
de Queimado n. 63.________________________
Mulo* travlata
A loja da aurora na rua larga do Rosario n. 38,
recebeu ricos sintos traviato, bordados, os de
uiclhor goslo que chegado a esle mercado, grava-
tinhas com lao e pontos bordadas para senhora,
enfeites Maria Fia, tambera de muito bom gosto,
boas luvas de Jouvin brancas muito frescas para
homem e senhora, ludo islo se vende barato : quem
duvidar vcnlia ver.
Vende-se uqi cabriolet em perfeito estado :
quem pretender, dirija-se rua da Roda, cocheira
que foi do Sr. Paulino, que achara com quem
Halar.
Panno de algodfio teci-
(lo do Minas, fazenda larga e
IMM K I11MATO
Manteiga ingleza llor a 800 rs., franceza a 601)
rs., chouricas novas a 700 rs., toucinho nevo a 320,
arroz a 100 rs., gomma de ararula muilo alva e
nova a 100 rs., espermaecte a 600 rs., vinho di
Figueira e Lislwa a 400 e 500 rs. a garrafa, cans -
da a 35 e 35800, do Porto a 640.a garrafa, cara
Maques sobre Portugal.
Oabaixo assignado, agente do banco
mercantil Portuense nesto cidade, saca ef-
fectivamente por todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto c Lisboa, por
qualquer somma, a vista e a prazo, po-
dendo logo os saques a prazo serem des-
contados no mesmo banco, na razo de 4
por cento ao anno aos portadores que as-
sim he convier : as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
ttoefedade de seguros mutuos
de vida Installada pelo Banco
Uniao na cidade do Porto. 19 Kua d'Apollo i9
Gs agentes nesto cidade e provincia Antonio, __J _.____n___u ._ v|nilo
Luiz de Oliveira Azevedo & C escriptorio na rua : M speciamiauc tu vinno
da Cruz do Recie 1. 1, esto autorisados desde ja de Koraeux
raSYqtK^ s?P?nor a du-|
da travessa do Ouvidor.
DEPOSITO FRANCEZ!
zia O
Licores, cognac, veruioulh o mais barato
que nunca appareeeu.
tmK
Contina a naver pao de senteio novo nos das
quarlas e sabbados de cada semana, na padaria
em Santo Amaro ae p da fundicao, na rua da Im-
pcralriz n. 22, e rua do Rrum, confronte o chafa-
riz n. 47, rua das Cruzes, deposito n. 39, na Pas-
sagem, taberna da esquina do Sr. Bento, que vira! ^ .. rnvrnlhn TnH a-
para o Remedio, cno armazem progresso, largo, OUSOttXO ^aiVaiHU LUmpu
nit ia.
9Huado luelmado?.
i>i;nii\cin
Novas laazinhas escossezas muito lindas, fazen- j
\ da encorpada, propria para vestidos de senhora e
cnancinhas, pelo barato \>rcqo de 240 cada co-
' vado.
Na rua Imperial n. 62, vende-se um cabrio- olwvnnvUi.i nrYinnvvi let de 2 rodas, em bom estado e barato, bem assim t"llXOI p na raesma rua duas casinhas don. 136 e 138. I^^.yj^ ^ \lWOim qUer pHKl
Uiiiicosde baiao.
.Na loja da espcranca, rua do Queimado n. 33 A
vendem-se brincos ba'loes dourados finos, fazenda
para a Cesta, a 15 o par, ninguem daixa de andar
na moda; luvas de pellica de cores e brancas, fio
elstico branco e preto, trancinha para bordar, de
laa e de seda, e enfeites nos gneros que se fazem
precisos para os vestidas Maria Pia.__________
ATTENCAO.
Vende-sc um sitio era Olinda, no lugar denomi-
nado Jogo da Bola, tendo urna grande casa de pe-
dra c cal, em chaos proprios, com os commodos
seguntes : tendo urna sala na fenle e um terra-
do, um gabinete, seis (piarlos, sala de jantar e co-
zinha lora, um grande sotao com quatro quartos,
e janella para os oites, e tomlicm una cacimba
com boa agua, coberta de telha c murada, e dous
banheiros de pedra c cal, tambem alguns ps de
llores, tendo muitas arvores de frucio, por prego
brad'n. 44 cma rua da Aurora, "que ulli- commodo, visto a pessoa querer retirarse : quem
mmente fura concertado e pintado de no- quizer, dirija-se ao mesmo lugar que achara com
vo : quem o pretender dirija-se loja de quera tratar a qualquer hora do da.
Aluga-sc barato o segundo and;>r do so-
Bastos & Reg, na rua Nova,
com quem tratar._______________
quo
achara
O Dr. Sarment Filho, medico operador
do hospital Pedro II, para maior com-
modidade das pessoas que o honram com
a sua confianza, participa que ser en-
contrado todos os dias no referido hos-
tfi pital das 7 s 10 da manhaa e dessa hora
|g em vante na rua do Queimado n. 44, se- tf&
^* gundo andar, onde ha estobelecido o seu *7
jg consultorio, ou em casa de seu paiCam- jgg[
g i das Pnncezas.D consultas gratuitos 5
!_3 tira toda e qualquer operavo de que os 2SS
cS5 pobres precisem para o seu restobeleci- =
HK ment. Incumbe-se especialmente da 8
j cura das mobstias do dominio da med-
__2 cia operatoria, que se ha dedicado,
IH das affeccoes do ulero e da uretra.
Ama.
traeisa-se de urna ama para urna casa de pouca
faauli.i : na praca do Corpo Santo n
17.
Pr-isa-e de 4:0005, pouco mais ou menos,
mediaate omjmro regular, com hypotheea e m es-
craros oh predi* : a pessoa que quizer azer este CeatiDa para alugar-se a casa n. 72 da rua
negocio pode deixa.r o seu nome e residencia abre c Imperail, ni bstanles commodos : a tratar com
as iniciaos A. L f, C para ser procurado, na ra Jos Das *a va, na roa do Imperador, sobrado
do Ouro d. 69. n- 2> adiada pela rua de S. Francisco.
Alugam-se as lojas dos sobrados do pateo do
Terco ns. 12 e 29 proprias para qualquer estobe
lecimento por ser em boa loralidade e bem espa-
cosas : a tratar na rua da Praia n. 36.
Precisa-se alugar una preto de Loa condue-
to que saiba engommar bem e coznhar : na rua
do Queimado n. 44, primeiro andar, pagase bem.
mmsmmmmmm
I DENTISTA DE PARS
19Kua Nova-19
Frederico Gautcr, cirurgiao dentista,
faz todas as operacoes de sua arte, e col-
leca dentes artificiaes, tudo com superio-
ridade e perfeicao, que as pessoas enten-
didas lile recoii'heceiii.
Tem agua e pos dentillcio.
Vende-se urna casa pequea com um terreno de
15 palmos de frente e 320 de fundo, na travessa
da rua do Principe na Soledade: quem preten-
der, dirija-se rua do Rrum n. '76, que achara
com quem tratar.___________________
roupa de escravos, quer para
saceos de assucar : grande
deposito no largo do Corpo
Santo n. 17, escriptorio
de
Augusto F. de Oliveira.
SO na taberna do Plmcnta.
rua do Amorlm n. 30
Nozes, libra 200 rs.
Qneijos de prato, libra 700 rs.
Ditos ftamengos do paquete 25700
Aletria, macarrao e lalharim 400 rs.
Vinagre de Lisboa puro a 200 rs. a garrafa.
Vinho Figueira puro 480 a garrafa.
&D
AS SENHORAS.
Ricos cortes de la de lindas cores c os mais
modernos ( Maria Pia) acabam de chegar a este
; ulereado pelo ultimo paquete da Europa, e vende-
' se em porcao e a retalho por preco muito e muito "~..... ""_"
barato: na ruado Crcspo.loja que faz esquina para Soutemoarques
rua das Cruzes n. 20.
(U ul a 44j-j^i:
Na rua do Vigario armazem n. 7, ha para ven-
der os seguintes artigos :
Panno de algodo da Rahia.
Vinagre do Porto.
Vinho especial do Collares, em ancoretas.
Dito dito do Porto em caixas de l e 2 guias, o
melhor que ha no mercado.
Dito particular do Cartoxo, em ancoretas.
Pregos caibraes.
Pomada de sebo.
Linha de roriz.
Diversas qualidades de vidros proprios para bo-
tica.
Sabo nacional do Rio de Janeiro.
Velas stearinas.
Farinba de mandioca de S. Hatheus.
Aluga-se primeiro andar do sobrado da
rua do Crespo n. 23 : a tratar na loja.
Escravos bons
Tres escravas, sendo urna mucamba rccolhida
de idade 18 annos, com boas habilidades, i cscra-
vo para todo o servico por 6505, 1 dito liom cria-
do e cozinheiro : na travessa do Carino n. 1.
ptima acqulslco de es-
Antonio Jos Rodrigues de Souza aluga a sua I tabelecliucnto.
casa e sitio do Monlciro, em frente ao oito da* Vende-se a loja de ferragens da rua da Cadeia
igreja de S. Pantoleo, cm bastantes commodos : do Recife n. 64, com pequeo fundo c ainda bem
a tratar na thesouraria das loteras, rua do Cres- sortida, tonto de ferragens como de miudezas, as
po n. 15.
Precisase de urna ama livre ou escra-
va, para todo o servico de urna casa de
familia, a excepcao de cosinha c que
saiba engommar bem : na rua estreia
do Rosario n. 31, terceiro andar.
quaes esto em bom oslado, vende-se s com as
mercadorias, e garante-se o arrendamento da casa;
propria para algum principiante, nao s por ler
pouco fundo como por estar j afreguezada e ser
una das lojas mais bem localisadas desta cidade :
os pretendentes podem dirigir-se mtsma loja,
nao s para examinarcm o bal inco como o estado
das mercadorias.
Aluga-se o terceiro andar do sobrado da rua
Nova n. 19, com bastantes commodos para fami-
lia : a tratar na rua da Cadeia n. 62, segundo
andar.
Botica.
Precisa-se de um caixeiro que tenha alguma pra-
tica de botica: a fallar n rua larga do Rosario,
botica de Rartholomeu i C.
Tranca
Tranca
Tranca
Tranca
Tranca
Tranca
Tranca
Tranca
de laa preta lisa a 80 rs. a pecinha, s na loja de
miudezas da rua do Queimado n. 16, depressa an-
tes que se acabe.
de cOres c pre-
tos na loja do Pavao.
Acaba de chegar os mais ricos soutemharques
de grosdenaple preto muilo bem enfeitados c di-
tos de um tecido de seda de cores sendo os mais
modernos que existera no mercado c vende-se por
preco commodo : na loja do Pavao rua da Impe
ralriz n. 60 de Gama & Silva.
As capas do Pavo.
Vendem-se as mais modernas capas pretos para
senhora sendo ricamente enlejiadas e vndese
por preco razoavel na loja do Pavo rua da Impe-
ratriz n. 60 de Gama & Silva.
Venda de urna hypothtca.
Os liquidalarios da massa fallida de
Jos Antonio Basta venden! a bypotlie-
ca que tem nos engenhos Mallo (n-sso
e Cajabussii no termo de Serinhaem no
valor de 31:835$911 rs.; i tratar as
casas a roa do Trapiche n. 34.
Cal de Lisboa e potasaa da
Rsala.
Vende-se na rua da Cadeia do Recife n. 26, para
onde se mudou o antigo e acreditado deposito da
mesma rua n. 12, ambos os gneros si novos e
legtimos, e .se vendem a preco mais barato do que
utra qualquer parte.
i
/


^r~^^
Diario de Pcrnanibuco Tere eAra de Dczembro de i8.
?
Chegado pelo vapor:
H pata o vigilante, ra do tres- ^
At que chegaraiu as muito desejadas cascarn-1
lhas de todas as cures cora urna fitinha de velludo (Api'O vciciu COI quaulo te
n Borzeguins francezes de lustre pa-
ra hornern................. 50000
CALCADO
fiua Direita
45!
ipo!
como de ontras qualidades, e precos rauto razo*
veis : so no vigilante, ra do Crespo, n. 7.
Para dar de o.
Chegaram as riquissimas bonecas de todas os
lmannos, vestidinhos ricamenK enfeitados, cada
um em sua caixinha, propiamente para um deli-
cado mimo, por baratissimo preco: s no vigilan-
te, ra do Crespo n. 7.
Para os senhores backareis.
Chegou tempo a riquissima fita de ehamalote
para cartas dos senhores hachareis, assim como
branca, lisa, propria para abrir letras, ou para
sintos : s no vigilante, ra do Crcsi>o n. 7.
Peuteade narrafa.
Tambero chegaram os riquissimos pentes de
marrara com pedrinhas.os lindos pentes de regaco
para meninas, meias de seda e sapalinhos proprios
para baptisados, meias de seda para senhora, titas
de la para debrum, tita de linho, trancas de laa,
de linho e de seda, Invas de seda e pellica, e fio de
Escocia e comarca, alfinetes de caneca chata, car-
teirinhas com todas as agulhas precisas para cos-
tura, liwlas de madreperola esmaltadas de ac
para sintos, flores de todas as qualidades, caixinbas
com paslhas de perfumara, abafadores de laa
para senhora, toucas e sapatinhos de laa, pulseiri-
nhas de borracha para segurar manguintos, filase
corAies de borracha, sabonetes redondos, ditos
chamados de familia, pomadas de todas as quali-
*fdes e dos fabricantes mais afamadas, cojehetes
(paliados muito finos, retroz de todasas qualidades,
retroz em carretel cm novello, e de meada, de
Borzeguins fraHcezes de cores pa-
ra meninas................
Borzeguins francezes pretos para
meninas..................
Sapatos de lustre para senhora..
Sapatosde lustre savessas.....
25000
20500
it000
500
ALLIANCA
B.WDE
Grande liquidara- de fazcmlas al a
fcsl, para se (indar contas, a|ro ei-
vcilcm que tiestas per hinchas ita< ha
serapre : na ra da luiperalrii, loja
e armazcm d Arara 56, de lou-
renco Tcrcira Memlcs Guimares.
Cobertores da Arara a 10.
Vende-se cobertores de pellos a 1$ e 15600,
cobertas de chita a 23 ; na ra da Imperatriz
57
ARMAZEM DE MOLHADOS
DE ^
n.
".odas as cores, escoras para denles, ditas para rou-
pa, ditas ,ra chapeo e ditas para unha, de todos ^--^ que denoto demolhado larga, proprio
, e cutres mais objectes, que se torn _'_!._.:._.'. mn -_. n mh:
na ra
56, loja de Mendes Guimares.
A Arara vende as laazinhas de 9 pal-
mos al $200.
Vende-se laazinhas de urna s cor c quadrmhos
proprios para capas, com 9 palmos de largura a
1,200 o covado, ditas para vestido a 280, 320 e
400 rs. o covado : na ra da Imperatriz, loja da
Arara n. 36, de Mendes Guimares,
trina da Arara a 400 rls o
covado.
Vende-se brim pardo de linho com pequeo to-
57 RIJA DO IMPERADOR
Na beni oonhecida loja que foi do Sr. Flix alfaiate.
Paulo Perrelra da Silva propietario deste novo estabelecimento, tendo
chegado da Europa, aonde escolheu um grande e variado sortimento de molhados, tem
a honra de os expor ao respeitavel publico desta cidade pelos mais resumidos precos.
Em to ptima occasio, por estarmos prestes a festa de Natal, o proprietario do
grande armazem Allianca offerece aos seus amigos e fregueses que o conhecem desde'
quando foi socio dos armazens Progressivo e Progressista as maiores vantagens em conr
GR
trv~
3
rarem em seu armazem.
os precos,
enfadonho annwnciar, e vista dos freguezes pro-
mette-se fawr todo o negocio: s no vigilante, ra
do Cespo n. 7.
I chap por 400 rs.
Si no Vigilante
Custodio los Alves Guimares, tendo arremata-
do urna grande pnrcao de cfcajios de sol para e-
ninas, e onerendo que seas freuuezes partilhe de
tal pectaadha, est os dando pela diminuta quanH*
iI. Wt>rs..: qnem deixari de comprar mesmopa-
ra as senharas irem ao banho cobertas do sol
S no Vigilante, ru 4o Crespa n, 7.
Llalla.
Tamben arrematou urna grande porco de mha
preta mmto forte em massos de libra, que seveo-
4e pelo (baratissimo preco de 800 rs. cada um.: s
no vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ilolocs.
LintJissimos botoes para punhos tanto para ho-
mem-oetno para senhoras, pelo barato preo de
240 irs. o par : s no Vigilante, ra do Crespo,
o. I:
4 aoBisinhas con manguitos a
l|HMO.M)o Pavao.
Acaba de chegar para a loja do Paveo, um
granle sortimento dos mais finas camisinhas de
cambraia com manguitos e gollinhas bordadas,
que-sc vende a 158*0: ditas de fil, tendo lam
bem manguitos e gollinhas, pelo barato jweco de i
H5O80 : s na loja do Pavao, ra da Imperatriz,
Manteletes curtos a 3$000.
Acaba de chegar para a loja do Pavo, m bo-
nito sortimento de manteletes curtos de cambraia
e-de lil lardados, que se vendem pelo barato
preco de:500 cada >um ; romeirasde cambraia e
fi4 a 3600 : s a loja do Pavao, ra-da Im-
peratriz, n. G0, de Gama & Silva.
Mantktes a 80000.
Vendem-se ricos monteletes de rambratotborda-
dos com mangas a turca, pelo barato proco de
KJW#0: na ruada Imperatriz, n. 60, lojade Collinkas a 240 rs.
Veodem-se finissimas gollinhas de cambraia,
bordadas, a 2iO rs.:. na loja do PavS, ra da
Jmporatriz, n. 60, lojanie Gama & Silva. '.
Koa da Sen zalla n. 42.
-Veade-sc, em casa de S. P. Johnston-C,
selline e silhes ngezes, candieiros e tsti-
caes kronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e dous -cavallos. e relogios -de
ouro ptente inglez._________________
'Veade-sc sement 4a coentro muito nova a
240 aanrafa, oles de rtno a 460 a libra : o
Jargo do Carino, esquina da ra de Hurlas n. 1
.ozes e batatas.
Vendenvse saceos rom jarato preo* de 15600, e -ancas com urna arroba
de batatos par 800 rs., nada mais barato vista da
fcaa quahdack : na ra da Madre de Dos ns. o e$.
-Vende-se nina rica c excellcnle
amarao de ainarcllo eavernisatla de
forma* cirealarpropria para qualqncr
tfiabeieciwenU: para v^r e tratar na
ra a Pra^ n. 14._______________
Cal le Lisboa
chegada ltimamente ; na ra do Vigario n. 19,
primeiro andar. ______^_______
liara calcas e palitots, a 400 rs. rs. o covado
brim branco de linho ij t*00 a vara, fustoo
4e cores para calcas, coletos e palitots a 500 rs.
covado : na ru da Imperatriz, loja da Arara n.
36, de Mendes Guimares.
Liazlnha Mara Pa da Arara.
Vende-se laazinhas a Maria Pia muilo finas,_ com
quadros e raimas de seda, para vestidos a 500 o
covado, sedinhas finas a 500 rs. o covado ^ na ra
da Imperatriz n. 5S
A Arara vende as capas a 8,00| rs.
i Vende-se ricas capas para senhora a 8$, hales
de merino cstamftxlo^a 25300, ditos fiaos natisa-
dos de novo gosto a 55, dito de ponto redaoda e
borloto a 75300: a ra da Imperatriz 3b,
loja da Arara de Mondes Guimares.
Oh que pecbmeha, laazinhas a 28* re.
Vende-se laazmhas finas para vestidos a 280
e :I20 rs. o novado, lencos brancos com tonras de
cores a 200 rs., meias finas para senhora a 400 e
500 rs., ditas creas a 400 rs., ditos para homem a
160 e 200 rs.; na cua da Imperatriz n. -30, loja da
Apapi
A Arara vende as cassas a 200 rs. o cwade.
Vende-se cassas de quadrinhos a 200 rs, o cova-
do, ditas finas a50 e 280 o covado, organdys finos
a 240 e 280 ovado : na ra da Imperatriz n.
.ti, loja da Arara.
IVrliiiiHia, seWuhas da Arara a 800 rs. ovado.
Vende-se sedinhas com quadros e lisas,-escuras,
proprias para qaem esto de luto, por ter urna s
cor a 800 rs. encovado, ditos da mesma qualidade
de cores para vestidos a 800 rs. e ditas de listi-
nlias a 500 rs. o-eovado: na ra da Imperatriz n.
56, loja dq Arara de Mendes Guimares.
IVrliitirlia na Acara, corles de cWta a2i5o00.
Vende-se cortes de chita franceza cora pequeo
toque de mofo a 25300, cortes de riscado rancez
com 14 covados a 35, cortes de cassas francezas
pintadas a 25 o-corte, ditos de barras a 5, ->5 e
45 : na ra da .Imperatriz n. 36, loja da Acara de
Mendos Guimares.
Caseniras a 1 :>(100 o covado.
Vende-se easemiras de cores para calcas, cole-
tes e paletots, infestada, a 15600 o covado, cortes
de casemia infestada a 15600 e 25, e em covado a
15 : na ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara de
Mendes Guimares.
A Afara weade roupa fcito e batata.
Vende-so palitots de casemira a 45500. 65 e
85, calcade 3*SOta 55, palitots de panno a 103,
ditos linos de 145 e 145, palitots de brun -de: cor
a 25500 c 35? ditos de meia casemira a SfSOO,
brim de cores a 25 e 25-"KX, ditas Eran-
' Hoje de novo establecido mais precisa da concurrencia de todos estes senhores
ao seu estabelecimento. cortos de que esta casa jamis deixaro de ser cumpridas as
grandes vantagens por ella offerecidas.
Manteiga inglesa a mais superior neste ge-
nero a 8oo rs. a libra, e comprando de 8
libras para cima a 7ors., esta a mais
superior que pode haver, tambem ha mais
baixas para menos precos.
dem franoeza muito nova a Goo rs. a libra
e 56o rs. em barris ou meios.
Peras seccas muito novas a Wo rs. a libra.
i Cha perolade especial quaMade a 2,8oo rs.
I a libra.
dem hysson muito superior a 2,7oo rs. a
libra.
dem utim a 2,ooe rs. a bra.
dem hysson a 2,3oo rs. a febra.
dem idem a 2,oeo rs. a fibra.
Cognac de superior qualidade a 8oo rs. a gar-
rafa.
dem muito superior a l,ooo rs. a garrafa.
Caf a 28o e 32o rs. a libra, e a 8,ooo e
9,ooo rs. a arroba.
Cerveja das melhores marcas do nosso mer-
cado de 5,ooo a 6,ooo rs. a duna, e Bw
rs. a garrafa.
Consenas inglezas a 75o rs. o frasco e 8,6oo
ts. a duzia.
Boce em calda a 5oo rs. a lata.
Entibas francezas muito novas a 64o rs.
Mem portuguezas a 72o rs. a lata.
adem seccas a 2o rs. a libra.

as
ca
r 0
se w
a S (6
r 9
w
z
% o ff
fe
fi
B
9 W I ***
*9>
9
w o o
> 08
i. r5
> 9 H S
&s a
9 > s ^
> m
i P
m


xima-
| "Bassouras do Porto com arcos de ferro a 3o
dem prelo de qualidade muito especial aj rs caJa uma
2,ooe rs. a libra.
dem idem inferior a i,6oe rs. a libra.
Chocolate Granees, hespanhM c portuguez, a
9ooel,2oo rs. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
e de ^saudades especialmente escomidos,
de 2,ooo a 4,5oo rs. a catea.
Farinha 4o Maranhomuit Jtlva a lio rs. a
libra.
dem desraruta verdadeira a 4oo rs. a libra.
Vinho do Alto Douro engarrafado, e os mais
bem esoalhidos, lagrimas dDouro, D. Pe-
dro V, t. Luiz I. Duque genuino, Nctar
superior, Malvasia fina, Bastardo, e outros
a 11 ,oo e 12,ooo rs. a duda e 1 ,ooo rs.
a garrafa.
dem Chem e Madeira a I,Seo rs. a garra-
fa c I6,ooo rs. a duzia.

Barricas eom breu : na ra da Cadeia do Reci-
fe, loja de ferragens de Bastos.
Pianos uovos.
Os melhores que tem vindo a esta praca fabrica-
dos de encommenda por nm dos melhores fabri-
cantes de Pars, especialmente para este clima :
quem quizer aproveitar a occasio de munir-se de
um excellente piano por preco commodo dirjase
a ra Nova n. 19 primeiro andar.__________
Vende-se uma carroca nova e muito bem
cfltwtruida: para ver, na fabrica de carros do
raseez Carlos, no lim do bcco das Barreiras, e
pan iratac, na ra Nova n. 51; e tomliem se ven-
de um boi novo para o servico da mesma.
Vende-se farello de Lisboa, cal lti-
mamente chegada e carvo animal: na ra
do Vigario n. 19, primeiro andar.
A asnear do Monteiro.
Ra do Imperador n. 28 e cae de Apollo n.
67, a 200 rs. a libra, e de 8 libras para cima
a 5*600 aarroba. _________,
Fita para debrum de vestidos.
Vende-se fila para debrum de vestido, a peca
com 11 varas a 400 rs. : n*rua do Queimado, lo-
ja do beija-flor.
calcas d.. .
cas'de linho a 35300 e 45, dias de meia casemira
a 25, coletes a 25300 e 35, camisas francezas a, dem Bordean de diversas marea* de 8,ooo
15000, ditas tinas a 25 e 25300, ditas de linho a |0>000 a duzia e 8oo rs. garrafa,
prega larga a 35. serouSas finas a 15600, ditas de
da
inlo a 25 e 25500 : na ra da Imperatriz n. 36,
luja da Arara de Mendes Guimares.
aloes da Arara a 35, 3*500 e 10-
Vende-se baloes americanos, os melhores qtje
lem vindo.de 20,30,35, 40 arcos a 35, 35>w(,!
45 e 45300, ditos de brigantina a 45. ditos de
tnadapola a 35600 : na ra da Imperatriz n. *,
Aoja da Arara.
Chitos da Arara a 210 rs.
Vende-se chitas a 2iO rs, o <-ovado, ditas fran-
eezas com pequeo loque de mofo a 280 rs., dita
kupas a 320, 360 e 100 rs: o ovado : na ra
Imperatriz n. 56, loja da Arara.
A Arara recebeu pelo vapor um sorliiiienlo de ro-
ladras para senhora, dos nifliwrcs goslos que
Ir vindo, a prefo de U, If^OO e 25.
Vende-se romeiras para senhoras de cambraia
de salpicos brancos e de cores e bordados a 15,
lfiOO e 25, golinhas com botiiozinho a 580 rs.,
ditas com peitos e botaozinho a 15. camizinhas
para senhora a 15,15600 e 25, aventaes e corpi-
nho para meninas a 300 rs. : na ra da Impera-
triz n. 36, loja da Arara. _____^______
Para o dia de natal.
Queijo prato muito fresco a 760 rs. a libra, dito
flamengo do ultimo vapor a 35000, manteiga in-
gleza llor a 800 e 700 rs. e a franceza a 360 rs.,
cha uzim muito liom a 25360 e 25400, cafe de
primeira sorte a 280 rs. a libra e 85500 a arroba,
banha refinada a 400 rs., biscoitos inglezes a 15'00
a lata, bolaxinha a 240 rs. a libra, vinho duque do
Porlo verdaaeiro a 15300, Chamico 15000 c 700
rs., Bordeaus fino a 640 rs., Figueira puro I 480
rs. a garrafa e a caada a 35300, Lisboa a 400 rs.
agarrafa e a caada a 25800, serveja branca e
preta a 480 rs., genebra de Hollanda e de laranja
a 480 rs. o frasco, vinagre de Lisboa a 200 rs.,
azeile doce a 600 rs., talharim, estrellinha e aletria
e 480 rs., farinha do reino e de Maranho a 120
rs. a libra, gomma a 80 rs., arroz a 80 rs., touci-
nho novo a 280 re, sag a 280 rs., batatas a 60
rs., estearinas a 5 nauba a 360 rs., azeitonas a240rs. agarrafa, mas-
sa de tomate a 640 rs., lata de doce de goiaba a
560 rs., caixOj palitos usados a 160 rs., lijlos
para limpar faca a 140 rs., sebolas, pimenta, albo,
cravo, cominhos, canella, erva-dce, tudo muito
baratissimo; no armazem da Estrella largo do Pa-
raizo n. 14.
A miao.
Vende-se uma rica arma'cao envidracada, com
todas as commodidades, propria para qualqucr es-
tabelecimento : na ra Nova n. 36.
Bolaxinhas americanas a 4,ooo rs. a barrica,
e a 3oo rs. atibra.
Batatas muito nwas a l.ooors. o gigo. eOo
rs. a libra.
a libra o
Vellas de espermacete da melhor quaMade
a oo rs. o maco.
Mem de carnauba e composicao a 32o e 36o
rs. a libra e te,ooo rs. a arroba.
Tijolo para limpar facas a 12o rs. cada um.
Toucinho de Lkboa e Santos a 320 rs. a
libra.
Sevada muito noxa a loo rs. a libra.
eixe em latas grandes, savel, pescada, cor-
vina, e outras gualidades a l.ooo rs. cada
lata.
Passas muito novas a lo.ooo rs. a caixa e
5oo rs. a libra.
Patos lixados para dentes a lio rs. o maco.
dem de flor a 2oo re o maco.
Presunto para fiambre inglezes e americanos
a 85o rs. a libra.
dem do Porto a 48o rs. a libra.
Queijo prato a 8oo rs. a libra.
dem flamengo vindos. no ultimo vapor a
2,8oo.
Sardinhas de Nantes muito novas a 32o rs.
a lata.
Sag muito novo a 2oo rs. a libra.
0 proprietario do grande aruiazeiu do Baliza, considerando que apro-
...j-se a festa, e que dealgum modo deve mimosear aos seus freguezes, com alguma cou-
sa que revele o seu eontentamento e gratido, resolveu expr a venda quasi pelo custo da
entrada o seu graude swtimento de gneros, que como todos sabem, sao sempre capneno-
samentejescolirido enlre os da melhor qualidade do nosso mercado.
Sujeto) a um severo regulamento, o Baliza est firme em seu posto de honra, e ja
mais drcwnstancia alguma o far arribar do magestoso quartcl em que se acha abrigado-
esperando o inimigo sempre de frente.
Nascidoom trras de Portugal, o Baliza teve a fortuna de ver bem cedo esta bella
provmoia. Foi na infancia que aportou em nosas plagas. entre nos frequentou a escola
primaria,seus hbitos fono aqui adquiridos, suasaffeires existem no meio deste povo,
tao generoso qnanto hospitaleiro.
A preferencia pois que lhe tem dado os Pernambucanos, i um favor, verdade;
mas um favor que o Baliza tem merecido, e continuar a merecer sempre, a despeitt) da
guenra surda qe lhe fazem os Itomens das libras de tres quartas, e vinhos falsificados.....
Para se ganhar dinlieiro nao de mister iliudir o povo. As fortunas adquiridas
por meios pouco lcitos degradao a quem as possue.
Venham, pois, aquelles que anda nao abastecern) as suas despensas nesta casa ve-
rificar por i esmos quanto b de verdadeiro nestas palavras.
O Bafea est a testa do estabelecimento e nada escapara s suasvistas q ue passa
cahir no desagrado dos seus benvolos freguezes.
Banha de poico refinada a 48o rs.
em barril a 4io rs.
Vinho em piqa de Lisboa, e Figueira, de 3,ooo dem muito superior a 28p rs. a libra.
a 4,ooo rs. a caada, 5oo rs. a garrafa. Sab-Q maga de is.miS qua|dades a 2oo e
dem de Lisboa em ancoretas de 8 a 9 cana-
das por 27,ooo rs.
dem do Porto muito especial a 5,oo rs. a
caada e 72o rs. a garrafa.
i.
2,ooo'
dem em garrafoes com 4
2,5oo rs. com o garrafo.
Vinagre de Lisboa muito superior a
rs.'a caada.
dem mais baixe a l.ooo rs. a caada, e 2oo
rs. a garrafa.
dem em garrafoes com 4 'ft garrafas por
1,200 rs. com ogarrafo.
24o rs. a libra,
dem inferior de 12o a 18o rs. a libra.
Genebra de Hollanda em frasqueiras a 6,5oo
ris.
garrafas por'Wem |iamburgueza em frasqueiros a 5,8oo
ris.
dem de Hollanda em garrafoes grandes a
5,5oo rs cada um.
dem em botija a 4oo rs. cada uma.
Garrafoes vasios de diversos tamaitos a 5oo,
C4o e l,2oo rs
Gomma-doAracatv a 8o rs. alibra muito aha
. : Graixa a loo rs. a lata, e l,2oo rs. a duzia.
Ameixas francezas em caixmnas com ncas Lcores fmos francezes em garrafas e frascos
estanpasno exterior de l,2oo a 2,ooo rs.
cada uma.
de diversos tamanhos de Coo a 8oo rs. ca-
da um.
de Lisboa a 94o e 7oo rs. a libra.
Massa de tomate muito nova a 64o rs. a
l-
FAZENDAS BARATAS
*KUA DO UEIMA"*
Custodio, CarvaUw & C.
Finas cambraias organdys indianas pelo baratissimo preco de 300 rs. o covado ou
m 500 r,. a vara. ^^ Mr(i.e|l4
m dos mais finos bal5es.de arcos para senhora c pelo barato preco de 3# cada um, ditos de ma-
mm dapolo para meninas a 2*500. ^wldae
O. mais lindos e mais finos e modernos corles de laa com rica, barras, tendo .cada corte
840 covados e pelo baratissimo preco de a)#.
Fil de linho vara a 500 rs. %u
dem em frasco de vidro de diversos tama- Marmclada impeHal de todos os conse veiros
nhos a 1,5eo e 2,5oo rs.
dem em latas de 11,2 e 3 libras a l,3oo e
2,3oo rs. cada uma, e a 8oo rs. a libra, j Dra-
Figos de comadre em aixinhas de 4, 8 e 16 Marrasquino de Zara a 640 rs. o frasco,
libiTS a 1,300, 2,5oe e 5,ooo rs. cada \em em frascos grandes a 8oo rs.
Cominhos muito novos a ooo rs. a libra,
dem em caixinbas de folha a 32o rs. I ...
Erva-doce a 24o rs. ahbra.
dem em caitas grandes a 2oo rs. a libra. ^^ ^ ^ ^ ^ ^ .
dem em latas ermetimente lacradas de 1,6oo, ^ ^ inda ^ ^ ^ g
a 0,000 rs.
Arroz da India e Maranho a 80, 100 e 12o Cannella a l.loo rs. a libra.
rs. a libra, e 2,5oo e 2,8oo rs. a arroba. Alfazema a 2oo rs. a libra.
\mendoas de casca mole muifo novas a 4oo i .. fnn
re a libra. Sal refinado cm frascos de vidro a 6oo rs. o
fraco.
Ceblas novas a l,2oo rs. os molhos gran- ,
des e a 1 .ooo rs. o cento. Copos finas para agoa a 5,ooo rs. a duzia.
Aloisia a 14e rs. a libra e 4,6oo rs. a arroba. Chouricas novas a 72o rs. a iiDra.
Macarro, talharim e aletria muito nova a.Mostarda franceza preparada e muito nova
4oo e 48o rs. a libra. | a 32o rs. cada um frasco.
Biscoitos ebolachinhas inglesas as ultimas Gonservas francezas de superior ^oalidade a
chegadas ao nosso mercado a l,2oo e
l,4oo rs. cada lata.
640 rs, o frasco e 7,ooo rs. a duzia.
Azeite doce a 64o rs. a garrafa.
Bolachinha'de soda e lunch em latas grandes (Sevadinha de Franca muito nova a 2oors. a
a 2,000 rs. cada lata. ">
ATTENQAO.
Neste grande armazem de molhados vende-se em grandes porees e a retalho,
fazendo se differensa consideravel a quem comprar de 100 para cima.
Aeite doce mefinado, francez e portuguez a
800 rs. n garrafa.
Dito em barril, a 4,800 a caada e 640 rs. a
garrafa.
Arroz da India e do Maranho a 120,100 e 80
rs. a libra.
Amendoas desasea mole a 280 rs. a libra.
Ameixas em .diversos vazos a Id, loOO,
20500 e 800 rs. a libra.
\zeitonas novas a 1^200 o barril.
Alpiste a 160 rs. a libra, e 4$800 a arroba.
Aletria a 480 rs. a libra.
Araruta verdadeira a 480 rs. a libra.
Biscoitos e bolachinhas inglezas recentemente
chegadas a I500a lata com qualidades es-
peciaes.
Dito mais antigos no mercado a I .300.
Dito lunch ou soda muito nova a 26000 ala-
ta com o libras.
Dito de Lisboa muito proprio para doente,
visto serem preparados para esse mister,
em latas grandes e pequeas de 3000 e
1^500 a lata.
Bolaehinhas americanas, em barricas a 3$000,
e a libra 200 rs.
Banha de porco refinada a 480 rs. a libra,
e em barril 440 rs.
Batatas novas a 10000 o gigo, e a 60 rs. a
libra.
Cha perola qualidade especial a 30 a libra.
Dito hysson qualidade especial a 20800 a
a libra."
Dito uxim a 20600 a libra.
Dito hysson a 20400 a libra.
Dito dito a 20 a libra.
Dito nacional a 1/600 a libra.
Dito preto, muito superior a 20 rs. a libra.
Dito dito menos superior a 15600 a libra.
Chouricas novas a 480 rs. a libra.
Champagne (marca aguia) do Conde de To-
r a 100 o gigo ou 10 rs. a garrafa.
Charutos dos melhoresiabricantes do Rio e
Bahia a 800, 10400, 20, 20500, 30,
30500, 40 40500. e 50 a caixa com 100
charutos.
Chocolate francez, de canella la Romain.
Caf a 280 e 320 .rs. a libra e a 80, 8/500 e
90 a arroba.
Cognac de muito boa qualidade a 10 a gar-
rafa.
Dito soffrivel a 800 rs. a garrafa.
Cerveija da marca tenente em botija, (en-
commenda feita pelo proprietario do Baliza)
qualidade esta que nao pode continuar
a vir em censequencia de ficar por preco
muito alto a 60500 a duzia de grandes bo-
tijas e 80 por vinte quatro m> ias, e de ou-
. tras marcas a 30, 40, 50 e 50500 a du-
zia de garrafas.
Consenas inglezas, a 800 rs. o frasco e 90
a duzia.
Doces (francezes) em frascos lindamente enfei-
tados em calda de assucar e em alcool a
10 e 500 rs. o frasco.
Dito de goiaba e.m latas e em caixes de di-
versos tamanhos e objectos pelo qual se
n3o engeita dinheiro avista do grande de-
posito que ha.
Ervilhas francezas e portugueza a 700 e a 500
rs. a lata.
Dita secca a 200 rs. a libra.
Figos novos a 320 rs. a libra e a 60 o barrili-
nho. -
Fruta em calda de assucar em latas a 500
rs. a lata.
Farinha do Maranho, muito superior, a
16o rs. a libra.
Dita de trigo, a 120,140 e 160 rs. a libra.
Frasqueiras com genebra de laranja, de
Hollanda, e de Hamburgo, de diversos
precos conforme os tamanhos.
Garrafoes vazios, de 5oo a 102oo.
Gomma do Aracaly a 100 rs. a libra.
Dita menos superior a 60 rs. a libra.
Graixa a 120 rs. a lata e 10300 a duzia.
Licores francezes dasmelhores fructas da Eu-
ropa em garrafas lindas e de diversos ta-
manhos a 500 e 10 a garrafa c 40 o par
de garrafas grandes, que depois de vasias,
valem o que se deu por ellas cheias.
Linguasjamericanas de um tamanho admi-
ra vel a 10 cada uma.
Manteiga, neste genero ha capricho da parle
do proprietario do Baliza ter sempre o
numero de 6 a 10 barris de manteiga a-
bertos, afim de satisfazer os seus amigos
e freguezes, sendo que o preoo teiga verdaderamente flor de 900 rs. a
libra, e as demais qualidades a 800, 600
e 400 rs. a libra.
dem franceza a 560 rs. a libra, muito nova
e de excellente gosto.
Marmelada imperial dos melhores fabrican-
tes de Lisboa a 640 rs. a libra.
Massa de tomate a 640 rs. a libra.
grandes a
CVO
Moslarda ingleza em potos
ris o pote.
Marrasquino de zara a 64o rs. o fiasco.
Peixe em latas grandes, savel c gors a
10300 a lata.
Papel greve pautado e liso a 30300 a res-
ma.
Passas a 80500 a caixa ~8 480 rs. a libra,
muilo novas. -/
Palitos para denles a 160 rs. o maco.
Dito dito de flor a 240 rs. o maco.
Prezunto para fiambre vindo lodos, os vapo-
res a 900 rs. a libra.
Dito do Porto em barril a 480 rs. a libra.
Queijos londrinos chegados no ultimo vapor
a 800 rs. a libra.
Dito flamengos do ultimo vapor a 2/200 e
20000.
Dito prato superior a 640 rs. a libra.
Dito dito menos superior a 480 re. a libra.
Sardinha de Lisboa muito bem 'reparadas
em latas grande a 040 rs. .
Dita de Nantes a 320 rs. a lata.
Sag novo a 240 rs. a libra.
Sabo massa a 120, 160, 200 e240
libra.
Sevadinha de Franca a 200 rs. a libra.
Sevada a 120 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa, de Santos, a 320 e 360
rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 140 rs. cada um.
Vinhos, neite geneno o armazem Baliza lem
o melhor sortimento possivel, Lagrimas
do Douro, Maria Pia, Cames, Bucage, D.
Pedro II, D. Pedro V, e Baliza, qw se
vende muito lwrato em vista de sua espe-
cial qualidade a 100000,120000 e |5$W0
a duzia. '
demesquesiUscomosejamCherry, ejtfadei-
ra, Velmute, etc., de 150000 a 200000
duzia.
dem de Figueira, Lisboa e Porto a 30000,
40000 c 40500 rs. a caada
dem de Lisboa de minha propria marca em
ancora de 8 s a 9 caadas por 280000
a ancora, e da Figueira de 8 s a 9 ca-
adas a 280000 rs.
Vinagre de Lisboa em caada a 10600,108oo
e 20000 rs.
dem mais baixo a 10280 rs. a caada.
Idtm de Lisboa em garrafoes com 5 garrafas
por 10200 rs. com o garrafo.
Vellas de espermacete superiores a 600 rs.
o maco.
dem de carnauba de 320 a 360 rs. a libra,
em amiba de 90000 a !O0ooo rs.
Vassouras do Porto com arcos de ferro a 4oo
rs, cada uma.
Vinhos de Bordeaux neste genero temos as
melhores qualidades que se fabrican) em
Bordeaux, tanto bramo como tinto, e espe-
ramos por todos os vapores franco/es, uns
pequeos barris contendo cada um de 85
a 90 garrafas, e qne sero vendidas o mais
barato possivel.


/



".-srr*
-m: j .'. "



Diario de l'rroansbnoo Tfr

B3DTD iilIMIL1
LOJA DE MIUDEZAS
16 Ruado Qumado. 16
Pcdc-sc toda afeudo.
Castodio Jos Alves Guimaraes, dono da toja in-
titulada Gallo Vigilante, ra do Crespo n. 7, avisa
aos seos numerosos treguares e ao respeitavel pu-
blico, que tundo de reformar no fin desto anno seu
etriakelcuiueulQ, equerendo liquidar grande quan-
lidade de diversos otjectos, est rosolvldo a vender
ac tranca e .afreta e da ota* lisa a ^^i'K^SS 7!nK.
Pecase de lia preta e de cores caracol, a ^ZT ffjJ^bS fi *
Froco de cores sonidos, pefa a 160 rs.
Manguitos para, senhora, o par 800 rs.
Golinbas de bonitos gostosa 460, 300 e i.
Salvas de metal principe a 1JM500, ti e 2*500.
Ditas com cotos de metal proprio para meninos a
Facas e garlos para sobre-mesa a 45 a duzia.
Ditas o ditos dita com cabo de marlim a 65.
liandejas de todos os tamaitos muito linas a 1,
1-'U0, 1,400, UCOO, ioOO. 500 e 5*.
Ditas redondas para copo de 500 rs. para 2860.
Tesouras em carteiras, a duzia a 500 rs., 640 e
| 880 rs.
Peitos para camisas, a duzia a ti. '
Caraisinhas bordadas para senhora a 1500 % ]f.
Chapclinas para senhora a ' Ditas para menina a ti.
de linho branca do caracol a
de linho teselada de caracol a
de velludo cor de rosa
loo rs.
Pecas de tranca
100 rs.
Pnca de tranca
lUOrs*
Pecas com 10 varas de fila
a 15.
Pecas com 10 varas de fita de veludo preto a 1*200
,iuwo. J
Cv.ni 13 varas do lita de velludo lavrado a U
3200.
is com 20 varas de galao lavrado a 1500.
lVius de franja branca estrella a I A.
1' is de franja larga para cortinados a 3*.
le fita de seda do cores a 360 e 800 rs.
Pifas de franja de laa a 1*.
Ricas de franja de seda preta e de cores a 3*.
dt lita de retroz prota e de cores a 240 rs.
Pocas de Mcos e rendas a 13201) o 15500.
Vws de Reos e rendas a 100 e 160 rs.
is de bicos pretos a 160 e 240 rs.
Varas de bieo preto da largura de um palmo a
r.iMJ rs.
Varas de labvrintho de um palmo do largura a
im rs.
is de bonitas fitas para cintos a 300 rs.
de lita preta de borracha a 160 rs.
V- ras de babados largos a 120 rs.
Ya^is de galao branco o de cores lavrado a 100
PiwUs de ac galvanisadas para sinto a 15500.
I'.'i is cintos com livelas de pedrinbas a 35-
Grfttatas de seda a 400, 600 e 800 rs.
Grvala* para laco a 800,15 e 15280.
ijra.'atascoin bonitos passadores a 15 e 15280.
Grvalas de poma larga bordadas parasenboras a
PECHINCHA
COMO Xl\l llOi VE
NO

ARMAZEM

HITARTE Al HRIIIA
acaba de abrir o seu grande e sdrtido armazem de molhados denominado Unio e Com-
merco. Este grande armazem um dos mais bem montados que temos em nossa praca
nao 36 m tapeta e aceio, como as qualidades especiaes de seos gneros. 0 mPr\e
dereceb^r~r^Tumnw^ai>or os mutosejados gneros escoSs 1** io Unio e &Hrcio offerece todos os senhores da praca, senbores de engeuho
O i AKG.O DA PJHSUA IO
Francisco Fernn des Daarte dono deste mnito
UNIO
COMMERCIO
L"^r^^
Defrnnte da leja do Pregarte*.
acreditado armazem tarto do Unio e
25 e .35-
riores franuiv..i>, vaiAu i;rauue>, a mw i. ~*-------r *------------------------------- i'<"
Lvas de seda com pequeo to rs. o par. | praca, de engenbe e lavradores para que mandem suas relaces para seren despachadas I u,m*"dreui em m
Toncas de laa para meninos a 500 rs., filo a 300 e no armazem do Progresso do largo da Penba n. 10, afim de verem a erande vanta<*em sa'"do de seu armazem.
I 2L2S2SEl5221*!!S Pr?prios S? .S?.S iuaes est .resu,vid. a vcllder P.r Ie ,avradores a *"Qte tabella, por onde verao a grande economk. qne ihe resulta i
ut estabelecimento, afwncando o nwsno todo equalqaer genero
152H0.
IV-idores para grvalas a.*i00 rs.
Conservadores de comiiibas pretas c brancas a
rjoo.
Vi tas de perol as brancas e de cores, cora cruzes.
a 1-1
Volias pretts a balao com cruzes a 15 e 15300.
ts pretas de contas muito gradas a Mara
Piaa !800 e 25500.
Vo tas de coral pequeas e grandes a 600 c 25400
M.uinhos de coral a 360 e 600 rs.
D. vas de retroz preto e de cores a 160 rs.
Pares de graipoos enfeitados, a balao a 15
Pares de brincos pelos o de cores, a balao, a
I rs.
Puntes da borracha pata regaco a 800 rs.
l'entes lourados cun pediinhas para regaco a
i -;
Hicas ;nami$5es de pentes dourados com cachos
e podriahas e as atarrajas imaes a 45 c 55-
Bicos petites dourados a 25. 25300 e .'5-
11 mitas marraas com pediinhas a 15.
Bonitas gparnigfli'S de pentes com laco esmaltados,
tn iii.ni;l:is iguaes a 35.
Biiiitas goarntfdM de pentes com laco para luto,
" i*im marrafas iguaes a 'M.
Bonitos, pentes do tartaruga a 45 e 35-
1> i los i entes da mas virados imitando tartaru-
ga a 15600 e 25-
Peines de massa em caixinhas a 500, 640 e800 rs.
H itJ jiai i atar cabello a 80, 160 e 240 rs.
s de Jiuvn brancas c de cores a 15300.
L i da Escossia brancas e decores a 50f(.
Bonitos botOcs para pannos a 160, 320, 480 e 800
res.
\i jas de bonitos kotes dourados a 480 e 960rs.
" lilos Ijotoes de vidroa 480 rs.
illas brancas e do cores com continhas a 15-
S atas de tranca do Porto a 15600.
linas i.ara unlias c costuras a 500 e
! ts.
E ovas para denles a 160, 320 e 480 rs.
E ivas para unba-, roupa, chapeo c cabello a
I rs.
- toucadores com ps a 25, 25300 e 45-
i'.r've- de Iwifalo encaminadas em marlim a B5.
i >uaba de janeo e do cama a 640 e 15280.
i le baleia a 15 e 15600.
0 de nrmacio de ac prateada, dourada e ba-
. i 900 e .
Du'.ias i!i' cnlhiinta da motel principe para cha a
2J.
1' : de de metal para sopa a 35300 e
S5Uft
Pj iles de papel de cores pequeo a 640.
C:ii\inhM de papel ainizade a 800 c 15-
ijaixinbai de papel de beira dourada a 15200.
abas de papel pbantasia de cores a 15-
ibas com UM) envi-lcqies a 800 e 15-
inbas de aerea MO e 100 rs.
itliasde peona de aro a 800, 15200 e 15600
is de olirei.is de rola a 80 e 120 rs.
| lanos de tinta azul ao encarnada a 320 rs.
i de cores oa encarnados a 120 rs.
- c rosetas pretos a 160 e 240.
- altos rio tinta ingteza a 160.
1 e conloes para esparlHhos a 80 rs.
En iadorw pretos para bor/eguins a 160.
:i- com 100 agullus francozas a 240 rs.
abas com l'M agidlus da Victoria a 320 rs.
Gai tas porUifuezas e francozas a 200 o 320 rs.
i isd'j alfin ites i 38 a ISO rs.
U >os de Buporiores palitos usados a 240.
ihac vazias para guardar joias a 300. iOO e
Dus'as de canudos de |>om.ida a 2i0 rs.
S.iiiii tes fraucezes a IOO rs.
t: s de agua de Colonia a 400, 500, 800, 15 e
600 rs., de seda a 800 rs.
Sapatinbos de merino a 800 rs., e de laa a 590 rs.
Bolsiubas de missauga para meninas de escola a
i 800 rs.
Botos dourados para punho a 200 rs. o par.
Tinteirosde metal a 320 rs.
Trancelins para relogio a 100 rs.
Pitos de fila chamalote a 200 rs.
X-onvaninlias de metal a 35500.
Colheres de metal para cha a 200 rs. a duzia.
Ditas de dito para sopa a 25 a duzia.
Botos de diiraque prelos a 400 rs. a groza.
Carlas hespanholas para jogos a 15200 a duzia.
Casi caes brancos e amarelos de metal a 15.
Carteiras para algibeira a 500, 600, 800 e 15-
Sabonetes muito finos a 15200,15600 e 25 a duzia.
Fi velas para calca a 300 rs. a duzia.
Kotes de ac para calca a 320 a groza.
Caixinhas com allinetes,grampos e clcheles a 320,
400 o 500 rs.
Fitas jde borracha pretas e de cor a 120 e 160 rs.
a vara.
Latas com dous massos de agulhas por 800 rs.
! Brincos de aljofares a balao a 320 o par.
i Altinetes pretos o de cores com pedrinbas a 200 rs.
I e320.
Camisas para bomem fcitas em Lisboa a 25-
i Fitas de velludo lisas e lavradas a 800, 15,15300
25 e 35 a peca.
Ditas para sinteiro a 300 e 400 rs. a vara.
Caixinhas para costura de senhora a 15500,25.
3,4, 5 e 65-
Coinpotciras de vidro com pratos de metal a 35 e
45000.
Franja de laa para debrunhar tapetes a 25 a peca.
Paulos de fogo, prova d'agua, a 15 a groza ou 120
' rs. a duzia.
Assim como tem grande sortimento demukos
i mais otijpclos que se tornara enfadonho mencio-
na-los, que todo se vender muito barato para li-
quidar : na ra do Crespo n. 7, e ra do Impera-
dor n. 39, junto ao passo, e casa da liquidacao.
KllA 110 OIIKU-O N- 63
!.,}: do beij.i-flor.
tollas iln aljofares.
Vendem-se voltinhas de aljofares com pedra,
imitando a brilbantes a 15 cada urna.
Iliiiiics para punlios.
Vendem-se botoes para punhos, muito bonitos
padrSes, a 200 rs. o par.
Facas para meninos.
Vendem-se faquinhas para meninos, de oabooi-
tavado, a 240 rs. o talher.
Laa para bordar.
Winle-se laa de todas as cores para bordar a
165700a libra.
Facas e garios.
t, Vondem-se facas e garios de cabo preto era vado
a 11800 a duzia, ditas de balance de 2 botoes para
mesa a 65200 a duzia.
Linas de Jouvin.
Vendein-se Iotas de Jouvin chegadas pelo ulti-
mo paquete, tanto para homem-como senhoras.
Eilraelos iiirjlczes.
Vendem-se extractos nglezcs muito barato por
: sido comprados em lellio a 240 rs. o frasco.
Escoras para denles.
Vendem-se cscon^js para dentes a 120 e 240 rs.
cada una, ditas mimo linas inglezas a 500 rs.
Toncas df laa.
Vendem-se toncas de laa para menino a 800. 15
e 15280 cada urna.
Sapaliiilms de laa.
Vendem-se sapatinbos de lia para meninos a
MO, 500 e 640 cada par.
Tesouras.
Vendem-se tesouras para costura a 300 rs., ditas
para unhas a 400 rs. cada una.
Collarinbos.
Voiideni-so collariubos de papel a 40 rs. cada
witi> linlin -. l'.'.ll M
tanto na superioridade dos gneros como nos pregos asss resumidos,
portadores aii
pessoalmente.
interesse que tira oproprietario deste acreditado armazem, j deve ser bem co-!
nhecide pelos seus numerozos freguezes, pois simplesmente consiste em servir bem e ga-
nhar pouco, afim de conseguir a continuadlo daquellas pessoas, gue a primeira vez se Uig-
narem honrar o seu estabelecimento.
que mam,
os Srs. que nao poderem vir poderlo mandar seus portadores anda que nao teuliam ..ral fc35*2 Z^f S aSma'S
tica, que sero tao bem servidos como se viessem pessoalmente. Tia SS.q S v a- BuS8 merca'
ao de 8oo a 2,ooo rs. a oaixinha.
Manteiga ingleza perfeitamnte flor, mandada
vir de conta propria, a 7oo a 8oo rs, a
libra.
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
5 to.
dem mgleza em potes de 4 a 16 libras a
8)o rs, a libra e o pote separado,
Castaulias muito novas a 2,oou rs. a canas-
tra ea 160 rs. a libra.
Cha uxim o melbor neste genero, mandado
vir de conta propria 2,8oo rs, a libra.
dem hysson, grande, muito bom a 2,6oo rs.
a libra.
Queijos flamengos chegados neste ultimo
vapor a 2,ooo rs.
dem do vapor passado a l,8oo rs.
dem prato muito no vos e de superior qua-
lidade a 4oo rs. inteiro, e a 5oo rs. a
libra.
Doce de goiaba fino em caixoes com 2 i
libras por 6oo rs.
dem mais baixo a 54o rs.
Sevadinha de Franca a Soo rs. a lfl>ra
Sevada muito nova a loo rs. a libra.
Cominhos, ervadece e pimenta do reino a
3o rs. a libra.
'Genebra deJiollanda a5,5oo-rs. a frasquei-
ra com 12 frascos, e a.retaluo a 5oo rs.
cada um.
Manteiga ingleza flor a mais superior do
mercado a 7o rs. a libra,
dem de segunda quaJidade a 6io rs. a libra.
Manteiga franceza de primeira qualidade a
56o rs. a libra, e 52o rs. cm barris ou
ineios.
Cb perola neste genero nao ha nada a de-
sejar, e de especial qualidade, mandado
vir de conta propria a 2,8oo rs. a libra,
dem buxim o melbor do mercado a 2,(5oo! Ervilhas seccas chegadas neste ultimo navio
dem em botija hamburgueza a 4oo rs.
Genebra de laranja a l,0ixrs.
grandes.
Viiiho
a l.oc igai
Banha de porco refinada muito alva a 46o
a caixj,, rs, a libra, e em barril se far abatimento.
dem de dentes bxados a 16o rs. o maco com Biscoitos inglezes das seguintes marcas
2o macinhos. Craknel, Soda, Ceede, Captain. Travellies!
Lunch, Cabin, e oulras muitas marcas, a
os frascos ,dera preto muitG fino> a 26u rs- a ,ibra-
Itfem preto, mais bai.\o, a 2,ooo rs, a libra.
io de caj o melhor que ha no mercado ldem' v?r(K ^j1"1'''''. mais proprio para
l.ooo rs. a garrafa. ne80CI0' a l>* > a libra-
Palitos do gaz a 2,3oo rs. a
rs. a libra. a 16o rs. a libra, e em porcao se faz aba-
dem de segunda qualidade a 2,ooo rs. a timento.
Illil"! '
dem hysson muito superior a 2,5oo rs. a li- ^ J ZZn^ 48 ^ "^
bra. j
dem preto homeopatbico muito fino a 2,ooo Vinho branco de superior qualidade proprio
rs. a libra. para missa a 64o rs. a garrafa.
l,4oo rs, a lata.
Bolach'mha de sudo, especial encommenda, a
2,2oo rs, a lata.
Biscoito inglez Craknel em latas de 5, 7 e lo
libras a o.ooo e 6,ooo rs, e de l,2oo a
8oo rs, a libra.
este ultimo Ameixas francezas em, caixinhas elegante-! Qu i genero ha mente enfeitadas com ricas estampas a vano *
tes mareas, l,2oo, l,5oo e 2,ooo rs. cada urna. '
baratissimo preeo de
ooo rs,, os do ultimo
Bolacbinbfl de soda cliegada neste
navio a 1,35o rs. a lata, deste
grande porcao e de dilTerent
que se vendem todas pelo mesmo preoa a dem francezas em frasco de vidro com tam- dem prato mnito fresco a 64o rs, a libra.
pa do mesmo contendo 1 'a libra a 1,2 rs. s o frasco val quase o dinheiro. ,,- ..,-. ....
Vinhos empipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
i il extractos a 400, 500.800 o 15.
i'.- js de banha franceza a 400, 500.800 e 15.
I-i i=eos de patcbolv a 400. 500, 800 e 15.
Frascos de oleo baiioaa a .'i(Ki c 600 rs.
d oleo pliilucome a 800 o 15.
Fi : os fie extracto de sndalo a 15-
Fr il' banha transparente a 800 rs.
Fi eoa le hanlia jaiwaeza a 800 e 15.
!' Neoj de agua de Lavando amhreada.
Garrafas de agua de l.avande ambreada.
Garrafas de agua Florida legitima a 15300.
Garrafaseoamridas -igii i de Colonia a80o :-
is com banha o extracte lanamente a 15280.
i'i tinhas com 4 fr.- juinhos de extractos a 040.
um, ditos de linho a 640 rs.
Pentes de Iravessa.
Vendem-se pestes de iravessa para menina, de
borracha, a 500 rs. cada uin.
Tocadores de Jacaranda
Vendem-se tocadores* de Jacaranda a 25300 o
25800 cada um.
Estovas para roupa.
Vendem-se escovas muito finas para roupa a 400
o 500 rs. cada urna
Esprlhos com estojo.
Vendem-se espedios com estojo para navalhas a
25, 25300 e 25800 cada um.
Atlerecos pretos.
Vendem-se aderecos prelos a 25200 cada ade-
rezo.
Boloes de perola.
Vendem-se botoes de perola para collete e vesti-
dos a 400 rs. a abotondura.
vonlade dos compradores.
lem em latas grandes a 2,ooo rs.
dem propria para lanche em latas grandes
a l,9oo rs.
Marmelaila imperial dos memores fabrican-
tes deLIshoa a Gio rs. a lilna.
Frutas em calda em latas de l.ooo a 5oo rs.,
neste genero ha diversas qualidades a es-
collier.
Champanha superior das m;ircas mais acre-
ditadas a l,5oo rs. a garrafa e 15,ooo rs.
o gigo.
dem em latas de 2 libras por l,4oors.
a retalho, e a 8oo rs. a libra.
Figos de
comadre muito novos em babuzi-
nli"smuito innprio- para mimo a 1,28o rs.
caixaspara retalho a 16o rs. a
Mem cm
libra.
Passas de carnada a 48o rs. a libra e
quarto com 8 libras por 2,5oo rs.
em
Bolaxinhas inglezas de superior qualidade a
2,ooo rs. a barrica, e'a 2oo rs. a libra.
Serveja das memores mareas que vem ao
mercado a 5oo rs. a garrafa e a 5,ooo rs. (-,,ocol;de francez o melhor que se pode dc-
a du/.ia ( sWr neste genero a l,ooo rs. a libra;
dem preta superior a 56o rs. a garrafa e a Maca
5,4oo rs. a duzia.
Vinho BornUK de dilfeivnes marcas, e as
melhores do mercado a 7,ooo, 7,5oo e
8,ooo a caixa com urna duzia, e em gar-
rafas a boa qualidade.-
icas para sopa estrelinh.i, pevide, arroz de
maca a 48o rs. a libra, e em eaixa a 2,ooo
rs. cada urna, mcarrao;tali).;rim, eale-
triaa 4oo rs. a libra
48o, 56o, e G4o rs, a garrafa, e de 3,ooo a
4,5oo rs, a caada.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa em latas de 1 eiais libras
a 7oo rs, a libra.
Frotas em caldas das seguintes qualidades:
ameixa, rainha Claudia, peras, cerejas,
ginja, pecegos e alpercb a 5oo rs, a lata.
Figos em caixinhas de 1 "a arroba c de 8 li-
bras a 8,ooo,4,ooo, e 2,ooo rs, ea 3eo rs,
a libra.
Amendoas de casca mole a 28o rs, a ibra, e
em arroba ter abatimento.
Sardinhas de Nantes a 32o rs, a latinha.
Toucinho de Lisboa a 36o rs, a libra e em
arroba ter abatimento.
* n p <
h32

*
>3P"r,l|||8f|^|Hw
z
: = e> -,
n S a. x S
-. ~ ^ S
-j _- j. j,
.-. -
75

z--
3 55 S. o .
/. a
<
-
' =
:- S.
r z
~
-i

j
hSia.
a. ~-
ir. ~ ~
>-: -.-
13
rs a
O .
a ai
-5
O

i*
3
09
g-
9

\o irwilSSl le fazendas bara-
Iswde atttflx Coelho
l! A 1)0 QUEIMADO N. 19 VNDESE OSE-
GlINTE :
Ksirii ,i da India
para Farro aia, de i, 3e C palmos de largura,
por menor prei;o do ijue em outra qualquer parte.'
Loncos
de panno de linho pelo barato preco de 25000.
Lentcs
de bramante de linho lino pelo baralo pre^o de
35OOO.
Cuberas lie chita da India
polo barato prego de 25000.
Lencos de cassa
brancos, Onissfmos, proprios para algibeira pelo
baratissimo preco de 25000 e 2511 a duzia.
Cambraia adamascada!
para cortinado, pelo baratissimo preco de 05000
a pega.
Pecas do cambraia
de salpicos, fina, com 8 1/2 varas, pelo baratissimo
preco de 45-
Fil liso fino
pelo baratissimo preco de 680 rs.a vara.
Bramante de linho
flno com dez palmos de largura pelo barato preco
de 25300 a vara. v
Toilbas alcochnailas
para mo pelo baratissimo preco de 55000 a du-
zia.
Pecas de brelanlta
de rolo com 10 varas propria para saia, pelo bara-
I Massa de tomates a 64o rs, a libra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra. Pimenta do reino a 34o rs. a libra,
Avelans muito novas a 2oo rs. a libra. Farinha do Maranho a 14o rs, a libra,
dem Figueira de superior qualidade a 48o Krvilhas francezas muito novas em latas
rs. 1 garrafa e 3,360 rs. a caada. grandes a 64o rs.
"n. a'garnn3 2'8 "' ***** 8 4 Idem em dilas Pe(luenas a 4f"^ "
dem do Porto de superior qualidade para Maca de tomate em latas de 1 e 2 libras a
mesa a O rs. a garrafa, e 4,000 rs. a ca- 64o rs.
Il'ill'i
Salmo em latas de 1 '
dem fino do
1 libra a 800 rs.
randes a 1, 4oo rs. ca-
N. l'-'iosilo tic loan da fabrica do Bar- lo pre^T'jSoo!
n UUIO, na do It|cralr U. 41. | Km casa do Mills Utham C, na ra d-
'> 0|0 menos do nne em outra qualquer parte. Cruz. n. 38, vende-sc ferro gajvanisado de um doa
e todas as qualidades, e to boa melhores fabricantes inglezes, proprio para cobers
lem fino do Alto Douro da colheita de 1833,', rt^ .- .
Como sejam: 1). Luiz, Feitoria vell.o. Nec- La8,)stir'" em latas gri
tar, Carcavellos e Camoes em caixa de uma'
urna duzia a 9,ooo rs. Sardinhas de Nantes a 36o rs. a lata.
Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto Cognhac inglez a 8oo rs. a garrafa,
a l,ooo rs. a garrafa e 10,000 rs. a caixa. ...
, Licor francez das melhores marcas do mer
Duque do Porto, Madeira secco, duque ge-; cado a 800 rs. a garrafa,
nuino, lagrimas doces a Ooo rs. a garra-'
Batatas chegadas neste ultimo navio em cai-
xa com duas arrobas por l,6oe rs., e 4o
rs. a libra.
.
Concervas inglezas a 75o rs. o frasco.
i Sal refinado em potes a 5oo rs. cada m.
Mstarda ingle.a a l,ooo rs. o frasco.
I dem franceza a 4oo rs. o pote.
Milbo alpista a 16o rs. a libra e 4,8oo rs. a
arroba.
como a que vem do estrangeiro e mais barata.
tas de casas.
fa e 9,5oo rs. a duzia.
Garrafes com vinho do Porto a 2,2oo rs.
cada um.
Vinagre de Lisboa de superior qualidade a
2oo rs. a garrafa e l,2oo rs. a caada.
Azeite doce refinado em garrafas grandes a
800 rs.

dem de Lisboa a 64o rs. a garrafa, c em
caada a 4,8oo rs.
Presuntos inglezes para fiambre a 7oo rs. a
libra,
dem de lamego encommenda particular a
48o rs. a bra, e inteiro se faz abatimento.
Toucinho do reino o melhor do mercado a
320 rs. a libra, e em arroba a 9,ooo rs.

Velas de espermacete de 4, 5, e 6 por libra
a 560 rs., e era caixa se faz abatimento.
dem de carnauba refinada a 32o rs. a libra
e 9,ooo r*. a arroba.
dem de carnauba pura do Aracaty a 4oo rs.
a libra e lo,5oo rs. a arroba.
Qomma muito fina e alva a 80 rs. a libra.
Araruta verdadeira a 32o rs. a libra
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
a 12o rs. a libia
Sag muito novo 24o rs. a libra.
Cbelas a 4oo rs. a restea.
Tijollo para simpar facas a 16o rs,
Cerveja das mais acreditadas marcas de 5,ooo
a 7,5oo a duzia, c de 5oo a 600 rs, a gar-
rafa,
Cominho a 4oo rs. a libra.
Erva-doce a 5oo rs. a libra.
Champanha de 26 a 22,ooo o gigo.
fr^g** a 2-3< a groza e 2o rs. a
Milho alpista a 16o rs. a libra.
Paincoa 2oo rs.a libra.
Gomma imito alva para engommar a 80 rs
a ubra, eem arroba se far abatimento
Sag muito novo a 28o rs. a hora.
Sabo verdadeiro hespanhol, que raras vea
vem-ao nosso mercado a 28o rs. a libra!
Vinho branco o melhor nerte genero a 600 rs
a garrafa e 4,000 rs. a caada.
dem Bordeaos de difTcrentes marcas, garan-
te-se a qualidade, a 8.000 re. a caixa com
urna duzia, e a 7oo rs. a garrafa.
Garrafes com 5 garrafas de vinho do Porto
do Alto Douro a 2,2oo rs. com o garrafao.
dem cora 5 garrafas de vinho Figueira, mais
proprio para a riossa estacao por ser mais
Iresco a 2,4oo rs. com o garrafao.
dem com 5 garrafas de vinagre a 1 2oo rs
o garrafao,
Sabo massa fe superior qualidade a 18o,
2oo, e 22o rs. a libra do melhor que ha
Graixa em latas muita nova a iers. a lati-
nha, e l,3oors. a duzia.
Peixe em latas muito novo: savel, pescada
curvm, salmao e outras muitas qualidades
preparados de escabexe, segundo a arle de
cozmha, de l,2oo a 2,000 rs.a lata.
dem do Alto Douro viudo do Porto engar-
rafado e esoolhido pessoalmente por um
das socios que se acha em Portugal, das
seguintes marcas : Duque, Genuino, V-
iL.,fecC0, especial' L;,i>,,-'ms Doces de
1810, vinho sspecfal D. Pedro f vinho
wlho. Nctar superior de 1833, Duque do
Porto de 1834, vinho do Porto veluo su-
perior, Madeira Secca de superior quali-
dade, vinho do Porto superior I). L,ti/ I
uL^ .',L:'grmaS d0 huw' WPKWlvi.
nho do Porto, de l.ooo a I 2oo re. a gar-
rafa e de Io,ooo a 12,ooo rs. a caixa com
uma duzia.
Vassouras americanas a 800 rs.'cada uma.
Velas de spermarete as melhores que ha no
mercado a 5Goe 64o rs. e masso, e em
caixa se fara umjgrande abatimento, .
dem de carnauba e composicao, de 4oo a
2o rs. a libra, e de lo.ooo re, a 11 5oo
rs. a arroba, '
Ctft de e2 sorte de 8.3oo a 8,600 rs. a
arroba, e de 28o a 32o rs. a libra do me-
Arroz da India, Maranho e Carolina a 3,000,
2j8oo e 2,4oo rs. a arroba e a 1oo rs. a
Prezunto para fiambre muito fresco e novo
a 800 rs. a libra,
Graixa muito
ris.
nova em latas grandes a 120
Latas com peixe- em posta ermeticamente
lacradas das melhores qualidades de pei-
xe que ha em Portugal a l,2oors.
Caf lavado de l1 qualidade a 32o rs., dito
de 2a a 28o rs. a libra e 8,2oo rs a arro-
ba, dito de 3 a 26o rs. a libra e 7,8oo
rs. arroba.
j Charutos suspiros dos melhores lubricantes
de S. Eelix a 2,5oo re. a caixa com loo
charutos.
dem finos de diversos fabricantes a 1,600.
l,8oo e 2,ooo rs. a caixa com loo charu-
tos, [o preco nao indica a boa qualidade
porm deem-se ao trabalho de viren ou
mandarem e vero a realidade.
Genebra de laranja a 9oo rs, o frasco,
Chouricas as mais frescas do mercado a 800
rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa,
e lo,5oo rs. a caixa com uma duzia.
Licores francezes das seguintes marcas: Ani-
zete de Bordeaux, Plaisir des dames, e de
outras muitas marcas a lo.ooo rs. a du/.ia,
e a l.ooo a garrafa.
Passas muito novas a 5oo re. a libra e a 8,5oo
rs. a caixa. Ha caixas, meias e quartos.
Batatas a l.ooo re. gigo com 38 libras.
Bolachinha ingleza a 4oo rs. a libra,
Azeite francez c portuguez refinado a 800 rs.
a garrafa, c 9,ooo rs. a caixa com uma du-
zia.
Conservas inglezas das seguintes marcas:
Mixed, Pickes, e ceblas simples a 800
rs. o frasco.
5oo
Frasquera de genebra a 5,800 rs. -e a
rs. o frasco.
Azeite doce em barril muito fino, a 64o rs
a g.irrafa, e em caada ter abatimento.
Papel greve
resma.
pautado e liso a 3,5oo re.
Mstarda ingleza preparada era potes a 4oo
rs. o pote.
GrSode bico a 16o rs a libra, e em arroba
ter abatimento.
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de manteiga, doce,
e outro qualquer liquido, de 1,000 a 3,000
rs, cada um,
Genebra de Hollanda em botija de conta a
44o rs. a botija.
laealhaoa 14,5oo a barrica.
Ervilhas franceza e portugueza a 640 re a
lata de uma libra.
Chocolate francez, hespanhol, suisso e por-
tuguez a l.ooo rs. a libra, e a 28o re. ca-
da pao de uma '/.
Garrafes vasios de 5 garrafas at 3 caadas
de 5oo at l,3oo re. cada um.
Ameixas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas, com diversas estampas
no exterior da caixa de 1,500 a 3,ooo re
cada uma; tambem ha irascos e latas de
differenles tamanhos que se vendem por
mdico preco.
Massas para sopa: macarrao, talharim e alc-
tria a 48o re. 9 abro, e em caixa se fara
abatimento.
Garrafes com 14 garrafas de genebra de
Hollanda a 5,5oo cada um.
Charutos de todas as marcas e dos melho-
res fabricantes da Bahia de 3,ooo a 4,eoo
rs. a caix.
Todos os senbores que comprarera para negocio ou casa particular de 1005 para
terao mais 5 a 10 por % de abatimento; o proprietario srieutifica mais que todos
os seus gneros sao recebidt de.sua propria eiicominefida, raz.10 esta para poder ven-
der por muito menos de que em outro qualquer estabelecimento.
cima
1

C
(



Diarlo de PeruaMbuc* Terca fclra 99 de Dezcmkre de I8S.
'
'

ATTENCAO
9 IiVRf.O no CMK.nO 9
GRANDE SORTIMENTO
DE
PARA A FESTA.
ARMAZENS
DO
PROGRESSISTA
RA I % N (KlZfiS *. 3G
38RA DO IMPERflDOR-38
s
O
*\
RA DO CRESPO N. 9
\o bairro de Manto Antonio.
Voaqnlm Jos Gomes de Monza scientifica a seus numerosos freguc_
zes e ao publico em geral que acaba de estabelecer um novo armazem de raolhados
rua do Crespo n 9, aonde se encentrar sempre os melhores gneros de estiva, que
se venderao a retalio e por atacado, por menos dos que se venderem em outra qualquer
parte, afliancando-se aquellas pessoas que comprarem nestes armazens a superior qua-
lidade de gneros, preeos commodos e bom acondicionamento.
O armazem da rua do Crespo situado no melhor local desta cidade com w as-
seio que de necessidade manter-se com estes estabelecimentos, faz crer a seu pro-
Participara aos seus numerosos freguezes e ao publico em geralI que acabara de! ^ n-um a^iedmento aonde se encontra 3n.
teber de sua propna encommenda, o mais lindo e completo sortimento de molnados, ** b
Agna natnral de Condllae,
muito recommendada as affeceoes do tubo (rastro-intestinal, nos dos rins, e Lxica ourinaria, pela?
snas propriedades alcalinas, e o acido carbnico que naturalmente contera em susawisao, de preco
maiscommodo que a agna de Vichy, e de propriedades tal vez superiores pola grande quanii'!.
acido carbnico. Injeceao llrou, agua d t Chceleu, cupaliiba do Mcge, injictao Fuaat de tnato
d zinoo, muito recommendada as gonorrheas. Lerroy francez verdadeiro ; na mesma casa Irm
algumas caixas de instrumentos cirurgicos para operacoes de Matieu e Charriere.
retener He sua propr
01 quaes vendem por grosso e a retalho por menos 10 por cento do que outro qualquer
annuaciante, como ve rao pela seguinte tabella que abaixo notamos, garantindo os mes-
mos proprictarios niio s o peso como a qualidade de seus gneros.
% VISO. .
Todos os senbores que comprarem para negocio ou casa particular de 1005 para | mialidade a 2 8nn rs
>rn maU S a i(\ nnr <-in!n ,1 .hatimontn n< nrnnriptarins se ent ficam mas OUe ^ P?roia Qe (SP<*I<<1 quaiiuaae a 2,800 ra.
cima tero mais 5 a 10 por cento de ahatimento, os proprietarios scientificam mais que
todos os seus gneros sao recebidos de sua propria encommenda, razo esta para poder
vender por muito menos do que outro qualquer estabelecimento.
a libra.
dem hysson multo superior a 2,7oo rs. a
libra. -,
Cast.nhas muito novas a 2,ooo rs. a caixa, e Vellas de carnauba e composico de 32o a dem uxim a 2,,1oo rs. a libra.
a 16o rs. a libra.
Manteiga ingleza perfeitamente flor mandada
vir de conta propria a 8oo rs. a libra.
dem Irancera a mais nova do mercado a 56o
rs. a libra, e oio rs. em barril.
dem de porco refinada muito alva 46o rs.!Mass?s para sopai maearro, talharim e aletr
a 48o rs. a libra e em caixa ter abati-
mento.
36o rs. a libra e de lo.ooo a H.ooo rs. a dem hysson a 2,3oo rs. a libra,
arroba. dem idem a 2,ooo rs. a libra.
dem preto de qualidade muito especial a
Genehra de Hollanda em botijas de conta a 2,000 rs. a libra. #
440 rs. a botija, e em duzia ou em barrica wem \em inferior a l,6oo rs. a libra.
ter ahatimento.
a libra.
Prezurito para fianbre a 8po rs. a libra.
Cha uxim miu*dinho viudo de cunta propria,
o melhor do mercado a 2,8oo rs.' a libra.
dem hyson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra.
dem pcrola o melhor que se pode desejar a
2,7oo rs. a libra.
dem preto muito lino a 2,3oo rs. a libra.
dem mais baixo pouco a 2,ooo rs. a libra.
dem mais baixo a 1,800 rs. a libra.
Vinho do Alto Douro viudo do Porto engar-
rafado gar.inte-se a superiot idade deste vi-
nho, das seguate* marcas : Duque, Gc-
tuiiiin, velho secco, especial lagrimas do-
ces .le 1810, vinho especial D. Pedro V.,
vinho velho, Nctar superior de 1833, Du-
que do Porto de I8:j, vinho do Porto ve-
Ino superior, madeira secca de superior
qualidade. vinho do Porto superior D. Lu-
i/. I "de 1817, lagrimas do Douro espe-
cial, vinho do Porto de l,oooa I,2oo rs.
a garrafa e de lo.ooo a ll.ooo rs. a caixa
cora urna duzia.
Bolachioha de soda especial encommenda a
ni lis nova que ha no mercado a 2, loo rs. a
lata.
B:scoitos inglezes das melhores marcas em
latmhasde 2 libras a l,3oo rs. a lata.
Idea inglezes craknel em latas de o e 7 libras
de K,ooo a 6.000 rs. a lata, c cm libra a
Suo rs.
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
de 2,ooo a 2,2oo is. cada um.
dem prato a 7oo rs. a libra.
Vinlio em pipa das mais acreditadas marcas
como ljattBdt F., l'Hll, JAA, outras
{ militas marcas. Porto, Lisboa e Figueira ;
de 48o, 5qo, 66o, 64o e 8oo, rs., e o do
Porto, fino em garrafa, e em nada a
3,ooo, 3,5oo, i,ooo c 6,5oo rs. o melhor
do Porto.
dem estrellinha, rodinha e pevide em caixi-
nhas de 8 libras, muito bem enfeitadas de
2,5oo a 3,5oo rs. a caixinha e a 6oo rs. a
libra. J
Doce de goiaba em caixas de diversos tama-
nhos de 6oo a l.ooo rs. o caixo.
Sabo massa de 2oo a 24o rs. o melhor, em
caixa ter abatiraento.
dem hespanhol a 28o rs. a libra.
Peixe em latas muito novo ; savel, pescada,
corvina, saliuao e outras muitas qualidades
preparada de escabeche 2 "a arte de cosi-
nha de 1,200 a l,8oo rs. a lata.
Figos em caixas de 1 arrolla, ls% 8 libras
a 8,ooo i.ooo e 2,ooo rs. a caixinha.
Frutas em calda de diversas qualidades a
oo rs. a lalinha.
Marmelada imperial dos m- Ihores conservei-
ros de Lisboa a 7oo rs. a Ltraba de 1 libra,
ha latas de 1 e 2 libras.
Massa de tomate em latas de I libra a 64o
rs. a lata.
Amcixas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas de l,5oo a 3,ooo rs. a
caixinha, tamhem ha latas de 1 j a 6 li-
bras de l,2oo a 4,Soo rs. a lata.
dem em frascos com tampa de rosca a I,6oo
rs. o frasco.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso a l,ooo rs. a libra.
Conservas inglezas das seguintfs mareas:
Mixde-Picles e cebollas simples a 75o rs.
o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes a ico
rs. o pote.
Sardinhas de Nantes a 32o rs. a latinha.
Charutos das mais acreditadas marcas da
2,uoo a 4,ooo rs. a caixa.
Champagnhe a melhor do mercado de 12,ooo
dem Bordoaux das mais acreditadas marcas 1 Jjjjj0 rs" ^ e (le >*00 a *'000 rs- a
a 7oo rs. a garrafa, e a 8,ooo rs. a caixa.!
Papel greve paulado ou liso a 3,5oo rs. a res-
ma.
ceridade, para ir-se comprar aonde se nao offerecem tantas vantagens.
Sendo este armazem no verdadeiro ponto de partida para os arrabaldes desta
cidade, nao ser difftcil aquellos senhores que tem de partir nos mnibus darem suas
encommendas ueste armazem, que sempre lhes oflferecer os mais agradaveis gener os
dem muito superior a l,ooo rs. a garrata.
Caf a 28o e 32o rs. a libra, e a 8,ooo e
9,ooo rs. a arroba.
Cerveja das melhores marcas do nosso mer-
cado de 5,ooo a 6,ooo rs. a duzia, e Seo
rs. a garrafa.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e 8.600
rs. a duzia.
Doce em calda a 5oo rs. a lata.
dem de goiaba em caixas e diversos tama.-
nhos e de diversas qualidades de 64o a
l.ooo rs. cada urna.
Ervilhas francezas muito novas de 48o a 64o
rs.
dem portuguezas a 72o rs. a lata.
Garrames com 5 garrafas de superior vinho
o Porto a 2,2oo rs. com o garrafo.
hlem com 5 garrafa de vinho da Figueira mais
profiri para a nossaestacSo por ser mais
fresco a 2,4oo rs. com o garrafo.
dem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
com o garrafo.
Viuliohrancoo mais superior que vem ao
nosso mercado a 600 rs. a garrafa, e a
i.ieo rs. a caada.
Velas de esparmacate as melhores neste ge-
nero de 56o a 64o rs. o maco, e em cai-
xa ter uninde ahatimento por haver
grande porcSo.
A/."itc doce em barril muito fino a 64o rs.
a garrafa e 4,80o a caada.
dem francez refinado a 800 rs. a garrafa.
Ervilhas francezas e purtuguezas a 64o rs. a
lata.
dem portuguez a 18o rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 36o a libra, e em
arrolia ter ahatimento.
Id .m de Santos a 32o rs. a libra.
Caf de I .*, 2.* e 3.1 qualidade de 26o, 3oo
e 36o rs. alibra, doCear de8,2oo, 8,4oo,
e 9.2oo rs. a arroba do melhor.
Arroz da India, Java eMaranhS de 2,2oo a
;i,ooo a arroba, e de 80 a loo rs. a libra.
Passas muito novas a 8,5oo a caixa e 5oo
a libra, ha caixas meias e quartos.
Sevadinha de Franca a 24o rs. a libra.
Sag muito novo a 28o rs. a libra.
dem de peso pautado ou lizo de 3,5oo a
4,ooo rs. a resma.
Gomma muito fina e alva a 80 rs. a libra.
Milho alpista e painso de 16o a 2oo rs. a li-
bra.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a grosa e 2oo rs. a
duzia.
r
Champagne a melhor neste genero a 1,5oo
rs. a garrafa e 18,ooo rs. o gigo.
dem inferior a 10,000 rs. o gigo e l,ooo rs.
a garrafa.
Chocolate francez, hespanhol, e portuguez, a
a9oo e l,2oo rs. a libra.
Charutos dos mellwres fabricantes da Bahia
e de qualidades. especialmente escomidos,
de 2,ooo a 4,5oo rs. a caixa.
Farinha do.Maranho muito alva a 14o rs. a
libra.
dem de araruta verdadeira a 4oo rs. a libra.
Vinhe do Alto Douro engarrafado, e os mais
bem escolhidos, lagrimas do Douro, D. Pe-
dro V, D. Luiz I, Duque genuino, Nctar
superior, Mataste fina, Bastartk, e outros
a H,eoo e I2,ooo rs. a duzia e l.ooo rs.
a garrafa.
dem Cherrv e Madeira a l,5oo rs. a garra-
fa c 16 000 rs. a duzia.
dem Bordoaux de diversas marcas de 8,000
a Io,oooaduza, e8oo rs. a garrafa.
Bolaxinhas americanas a 3,ooo rs. a barrica;
e 2oo rs. a libra.
Batatas muito novas a l,ooo rs. o gigo, e 60
rs. a libra.
Banha de porco refinada a 48o rs. a libra, o
em barril a lio rs.
Vinho em pipa de Lisboa, e Figueira, de3,ooo
a 4,000 rs. a caada, e Soo rs. a garrafa.
dem de Lisboa em ancoretas de 8 a 9 ana-
das por 27.000 rs.
dem do Porto muito especial a 5,500 rs. a
caada e 72o rs. a garrafa.
dem em garrafocs com 4 garrafas por
2,3oo rs. com o garrafo.
Vinagre de Lisboa muito superior a 2,ooo
rs. a caada.
dem mais baixo a I,5oors. a caada, e 2oo
rs. a garrafa.
dem cm garrafes com 4 "i garrafas por
l,2oo rs. com o garrafo.
Manteiga ingleza a 600, 7oo, 800 e 9oors. a
libra de primeira qualidade.
dem franceza a 56o rs a libra em barril, e
a 600 rs. a retalho.
Ameixas francezas em caixinhas com ricas
estampas no exterior de I,2oo a 2,000 rs.
cada urna.
dem em frasco de vidro de diversos taa-
nnos a I,Soo e 2,5oors.
dem em latas do 1 1.2 e 3 libra a l,3oo e
2,3oo rs. cada ama, e a 800 rs. a libra.
Figos de comadre em bazinhos de folha pro-
Licores das melliores marcas e mais finos
a 1,00o rs. a garrafa e em caixa ter ahati-
mento.
Vasos inglezes de4 a 16libras vasios, muito. P3tA
proprio para deposito de doce manteiga I P P a ra,mos a l,bo rs> cada um'
ou outro qualquer liquido de l,ooo a' dem em caixinhas de folha a 32o rs.
3,ooo rs. cada um. dem em caixas grandes a 2oo rs. a libra.
dem em latas ermeticamente lacradas de
1,60o a 3,000 rs.
Arroz da India e Maranhao a 80, lo e 12o|
Cognac verdadeiro inglcz a 9oo rs. a garrafa; rs. a libra.
e 10,000 rs. a caixa. .___-. i. n
__. Araendoas de casca mole muito novas a 4oo
Lnouncas as mais frescas do mercado a 800 rs. a libra.
rs. a libra.
Gcnebra de laranja em frascos gra'ndes aAze',onas pertows. I.oon. obarril.
1,000 rs. o frasco. Alpista a 14o rs. a libra e 4,600a arroba.
Serveja das mais acreditadas marcas de 1 Letria a 4oo rs. a libra.
5,5oo a 6,5oo a duzia e de mais a 5oo rs.
a garrafa,
dem em botijas e meias, sendo preta da
muito creditada marca T de 6,5oo a 7,8oo
rs. a duzia.
Keholas em molhos grandes a 1,00o o molho
e em restea a 4o rs. cada urna,
Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
Farinha do Maranhao a 14o rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 16o rs. cada um.
Commho a 64o rs. a libra.
Crva doce.
Canella a 1 ,ooe rs. a libra.
Biscoitos e bolachinhas inglezas as ultimas
chegadas ao nosso mercado a 1,2oo e l.ioo
K. cada lata.
Bolaxinha de soda e lunch em latas grandes
a 2,ooo rs. cada lata.
Cognac de superior qualidade 800 rs. a gar-
rafa.
dem seccas a 2oo rs. a libra.
Vassouras do porto com arcos de ferro a 32o
rs. cada urna.*
Velas de espermacete da melhor qualidade
a 600 rs. o maco.
dem de carnauba e composica i a 32o e 36o
rs. a libra e i0,000 rs. a arroba.
Tijolo para limpar facas a 1 io rs. cada um.
Toucinho de Lislxa e Sanios a 32o rs. a libra.
Sevada muito nova a loo rs. a libra.
Peixe em latas grandes, savel, pescada, cor-
vina, e outras qualidades a l,ooo rs. cada
luta.
Papel greve pautado e liso de 3,oo a 4.000
rs. a resma.
Passas muito novas a 8,5oo a caixa e 48o rs.
a libra.
Palitos lixados p.ra denles a 14o rs. o maco,
plem de flor a 2oo rs. o maco.
Pre/.unto para fiambre inglezes e americanos
a 83o rs. a libra,
dem do Porto a 48o rs. a libra.
Queijos prato de 48o a 600 rs. a libra,
dem londrinos os melhores que se encontram
neste mercado a 800 rs. a libra.
dem flamengos vindos no ultimo vapor de
2,8oo a 3,ooo rs.
Sardinhas de Nantes muilo novas a 32o rs.
a lata.
Sag muito novo a 2oo rs. a libra.
dem muito superior a 28o rs. a libra.
Sabo maca de diversas qualidades a 2oo e
24o rs. a libra.
dem inferior de 12o a 18o rs a libra.
Genehra de Hollanda em frasqueiras a 6,5oo
rs.
dem hamburgueza em ditas a5,8oo rs.
dem de Hollanda em garrafes grandes a
5,000 cada um.
dem em botija a 4oo rs. rs. cada urna,
Garrafes vasios de diversos tamanhos a 5oo,
64o e l,2oo rs.
Gomma do Aracaty a loo rs. a libra.
Graixa a loo rs. a lata, e l,2oo rs. a duzia.
Licores finos francezes em garrafas e fras-
cos de diversos tamanhos de 600 a 800 rs.
cada um.
Marmelada imperial de t' dos os consenti-
ros de Lisboa a 64o e 700 rs. a libra.
Massa de tomate muito nova a 64o rs. a
libra.
Marrasquino de Zara a 64o rs. frasco,
dem em frascos grandes a 800 rs.
Cominhos muito novos a 5oo rs. a libra.
Erva-doce a 24o rs. a libra.
Pimenta a 36o rs. a libra.
Cravo da India a 64o rs. a libra.*
Cannella a i,loo rs. a libra.
Alfazema a 2oo rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs.
CONSERVATIVO E CONSERVADOR
21 e 23largo do Terco21 e 23.
Joaquim Simes dos Santos, proprietario des'tes eatabeleeMentos de moHiadns
participa ao publico e a todos em geral, que vende nos seus armazens os genero* por
menos de 5 10 por cento do que em outra qualquer parte, garanti'!o-o pela saperh i
qualidade.
Manteiga ingleza perfeitamente flor a 800 rs. a libra.
dem franceza, viuda pelo ultimo navio a 560 rs. a libra e 540 rs. em bar is ou meta,
Banha de porco retinada, a 400 e 44o rs. a libra.
Velas de espermacete e carnauba a 860, 400 e 600 rs. a libra.
af do Rio de 1* e 2* sorle a 270 e 300 rs. a libra, e a arroba a 8oG0 e*9/000 rs.
Batatas em caixas com 2 arrobas por 20000, e a 4o rs. a libra.
Toucinho de Lisboa, a 32o rs. a libra, e a arroba a 9^000, ou barril.
h de Ia, 2a, 3a e 4 sorte a 2800, 20500, 20000, e 10800 a libra
Azeite doce de Lisboa a 30000 o galio, e a 600 rs a garrafa,
dem de carrapato, a 280 rs. a garrafa, c a 2000 a caada.
Genebra verdadeira de Hollanda, marca gallo a 400 rs. a botija.
Milho alpista o mais limpo que ha a 160 rs. a libra a 4800 rs., a arroba.
Vinho verdadeiro Figueira e Lisboa, a 500 e 400 rs. a garrafa e a caada a 30500 c 3.;
Idera do Porto, a 41500 a caada.
E alm dos gneros annunciados ha outros muitos baratissimos, assim romo
queijos novos, chouricas, servejas das melhores marcas, aletria, ameixas sevada. w ...-
nbo, erva-doce, pimenta, sabo, canella, phosphoros do gaz, que tudo se vende por
menos de 5 10 por cento, a dinheiro contado.
FlHfDI^AO DO BOWJ9IAN-RIA ilO
BRUUI \. :iH.
Este muito acreditado estabelecimento est prvido de um completo soitimentf de
machinismos proprios do fabrico de assucar, a saber:
Machinas de vapores as mais modernas e mais acreditadas.
Rodas d'agoa de ferro com seus pertences.
Moendas e meias moendas de todos os tamanhos.
Rodas dentadas, angulares e de espora.
Taixas de ferro batido e coado.
Boceas de fornalha pelo novo systema Wetson.
Alambiques de ferro fundido.
Fornos para cozer farinha.
Moinhos para moer mandioca.
Arados americanos, etc. etc.
Um confeito e especifico para
expeilir os Vermes.
*iv
as Tes
DE KEMP.
i)IS
amas
Os ncjiiiiiis a pedoin gritos, porqne
lian -io do eliclrn, sabor o er ugruda-
veis. A elegancia, i seguridude de ac-
gSo, o inoffensivo das
Pastilhas Vermfugas de Kemp
A l'AU I>A SA
foi;>losi^5o exclusivamente Vegetal,
b6o estas pois as mas nelliores e mais
completas de tudas as recommeutbtces
que ?e pOBB fazer e cm jnsia raza." M
coBocSo na categori* d'uui f>.ivoritu uni-
vcrsal.
A Biipcrioridade das
Pastilhas ele Keinp
sobro todas as preparneoea destinudns
para o uaMipo fita devidio sim sim-
ples coiiiposiefio Ao Kou irona agradn
vel e rapidez e intallibilidnde com
que aicanca a de6tin<;o total das
LOMBRIGA8.
venda as boticas de Caors Barboza,
rua da Cruz, e Jo5o da C. Bravo A C, rua
da Madre de Dos.
AGENCIA
DA
FUNDICAO DE LOW-MQOB.
Rua da Seualla nova i. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston A C,
na da Senzalla Nova n. 42.
FAZ&VDiS
o frasco.
ATTENCAO
O proprietario dos armazens do Progresista jamis deixar deoflfereeer aos seus
freguezes tudo o que for preciso para que sejam bem servidos, e como a festa se aproii-
Batatasal,ooors. o gigo com 32 libras liqoi- ma ptima aoccasio dos seus freguezes experimentaren! a realidade, que nunca dei-
das, laxr de ser mantida pelo proprietario destes armazens.
baratas para acabar.
Sedas de qnadros e de listras a 320 rs. o cova-
do, Nndas lias de quadrinhos a 360 o covado, su-
periores eassas de cores a 200 rs. o covado, ditas
muito firas a 240 o covada : na loja da colnmnas,
na rua do Crespo a. 13, fe Antonio Crrela de Vas-
concoitos & C.
de bom fabricante
Lourenco Pereira Mendes Guimaracs vende bo-
tinas francezas para horneas, a dinheiro vista.
por precoqueadmira avista da perfeicao da obra :
na sua toja de uzeadas o roupas tenas : na rua
da IroperatrU 56.______^_________
Una i SenztHa Rtova n. 42.
Ntste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a 110 rs., idem de Lew
Moor libra a 120 rs.
GRANULOS e XAROPE
d'hydrocotyl: asitica
de J.LEPINE
Das experiencias feitas na India, e mi
Franca, resulta que as alleofBes ita pe le. u
todas as que lesultam d'um virio orgnico
sao promptarnenle curadas por este rmvn
medicamento. Segundo um rebtlorto Teit
na academia imperial de medicina de l'ai .
elle foi julgado til t effScaz uo twii i
nas'aH'ecres leprosas e em ttif/MMM outras
molestias da pcllc rebeldes, mas tndem
as escrfulas e a sgpkiUs. E enfim, ,.'-
gtins praticos distinctos, e especialmente
Srs. Devergie, Cazenave e Hillaiict, mdi-
cos do hospital de San I.uiz, de Pars, af-
feclados ao fralamenlo das molestias
taneas, empregaram as prepaisees 'Hy-
drocotyle com um noiavol boccomo a i ".i
os eczemas, o preriasis, o impeligo e asib-
versas variedades de artrat\ contia as nf-
l'ecijes sjrphilectieas rcenles u anti
a lejira, as ulceras, escrofulosas e outras.
os rlieumatismns chronicos, ele.
Deposito geral em Parte: E. Fottmiei
& Labeloiii/c, pliarmaceuiicos, rua Bourhon-
Villeneuve, I i).
Km l'crnambuco deposito goial : na ca-a
de Caors & Barbosa, rua de Cruz n. -2-2.
K" baratisslmo.
Frani-ico Pinto da Costa Lima c
estaljelecimentu de alfaiate na rua larjta
do Rosario n. 38, primeiro andar, vend
pannos muito finos a i5 c kfSOO rs. u
covado, (azenda que pefa Sua superior
qualidade val 95 c I0 o i ovado. A>
pessoas que aproveitando a perhim-ha.
comprarem dos ditm pannos podenique-
rendo mandar fazer as obras no esl
leciraento do annunriantc, pois serao fri-
tas rom presteza c por milico preco,
tanto sobrepasaras e paleto^ como ja-
quetas e palilots para meninos.


ESCRAVOS FGIDOS.
Foro do engenho Pirana da tWMMPta da -
dade de Xazareth tai i') do KM de maio di o -
rente anno 1863, um mulatinho de dooic Mai
de idade jo annos, levou vestido camisa e re
de algodaozinhu azul, um tanto daacondo da i
tem os pos icios e es dedos dclles arrobi:..i i-
ps adianie largos c os calcanhares linos, l ; '
costunie de andar com a caneca baixa, car. ns
estirados, de calmelo: qnem pefar e tii'i.scr
era dito engenho ser recempensado cojii 201$.
Escravo fgido.
'OOgOOO de grallficato.
Contina fgido desde Janeiro o mulato t!c n Raymundo, natnral do Ico, estatura regalar, i'l.'.di-
de 18 annos, cabeca cbata, cabellos carapii
testa grande, rosto oral, com orna fisiu!,i na
esquerda, macaas salientes, denles Uados i
dos, bocea regular e principio de bico, (jes e i
pequeos, costtimava andar calcado, e intituava-
re livre : quem o apprehender, dirija-sc rua da
Cadeia do Hecife n. SI, a Luiz Antonio Scqneira,
que entregar a referida gralificacao.
Ciiraliflcaeo,
Aeha-se fgido desde 15 do mez prximo paga-
do o escravo crioulo de norae Augusto, cum i ;.-
nos de idade, secco do cofpo, tem o bramo dos
othos ennimacados, qnando anda levanla os d
dos ps, moHo prosista, traja roupa muito
tem sempre ao hombro um panno do que fa 1
dilha para gaultar peta rua ; quem o appicli>ci! r
leve rua do Llvramento n. l, begundo andar,
que ser grarifleado.
i -;
Ifc.
iimii


8
Diarlo de Pernambiico Terca felra tt de Dezembro de 193.
LITTERATORA.
da par, a fonte da riqueza nacional, o a mae da Alera disto, evitar, com o inaior cuidado, a ap-
prosperidadc publica, como se acha entre nos tao proximago de charco e lagoas ; porm, so infeliz-
_ | abatida? Como a vemos fio atrazada f Ah causa mente as conslrucges da sua fazenda j estiverem
.... -....te ,i. n,.vmhr .1* 48fi admiraCao, que no Brasil, no paiz o mais frtil do collocadas nostas circumstancias, dcver melhorar
A doulruia do aviso de 5 de no -rabo 1 mund col|ocado ^ s van|aj seu cslado anormal nt0 lh0 fr ^^ de.
e contraria a ultra e ao espirito dos arts. si ,_ _____ _,__.____
e 222 o' cdigo criminal.
(Concluso.)
; o commercio, ondo gosamos de variados climas,' seccando por meio de canaes, abortos em linha
em que se podem acclimalar os vegetaes raais uteis' recta, todos os lugares apaulados da fazenda.
| do globo, se veja a agricultura em tal abandono
Nao podemos concordar com a opiniao d'aquel-' Podamos abastecer as nages eurjpas de caf, res prximos da sua residencia ; mas tambera aos
Esta medida nao se limitar somente aos luga-
les, que s qiicrem considerar no arl 211) o deflo- J cacu, fumo, algodo, ail, agurdenle, assucar,
cha, toucinho, carne, gomnia, trigo, centeio, etc.
ele. etc. Exportamos apenas alguns destes gene-
ros em ponto minsculo; e vergonhosamenle com-
pramos os oaros do cstraugeiro. E porque ludo
isto? Porque os nossos estadistas nao se impor-
tam com a agricultura. Porque os nossos eleitos,
em vez de pro|>orem meios de faze-la surgir do
abatimento em que jaz, gaslam todo tempo til
das sessoes em questes frivolas de urna poltica
ramelo consentido pela offendida. O Ilustrado
oaeriptor doCormo Mercantilo Sr. J. B. ('..,
ncliaando-se este modo de pensar, assini se ex-
prime : O estupro clasificado no arl. 10 nun-
ca se presume feilo com violencia, porque para
esta l est pena especial no arl. 222, e da propria
naturesa das penas de um c outro arl. compara
das, claramente se deduz que o legislador no arl-
219 somonte teve em vista punir o estupro consen-
tido pela nulher, porque, com raso, reconhecen- egoislica sem utilidade alguma para o paiz. Em-
do que o facto cnlo no mella perrersidade do llm passam-se legislaturas inleiras sem um bene-
delin mas smentc urna pena, que por sua nalureza
se traduz em mera reparago. E o pensar do
Exm. Sr. ministro da justica, manifestado em seu
relatorio. Quando o estupro praticado por meio
da soduceao, diz S. Exc, o legislador limita-se
punir quando a paciente menor de 17 annos
tarugos 219, 220, 221 e 224).
O dellorainento nao a copula, bem como a ce-
pula nao o defloramento : sao dous factos dis-
li netos, dos quaes um pode apenas ser a conse-
quencia do outro. O legislador no art. 222 nao
pune a violencia^ preciso attender bem; o que
elle considera como delicio, c por tanto sujeito
urna pena, o facto da copula praticada com vio-
lencia, o que bem differente. A violencia um
dos elementos constitutivos do crime, mas nao
|w>r si s o mesmo crime. Se ao defloramento pra-
ticado com violencia nao se seguir a copula em
que art. do cdigo dever o ru ser incurso ?
A circular de 23 de marco de 1853, que man-
dou executar oFormulario sobre a marcha dos
procestos crinunaesordonz que sobre o crime de
estupro se facam os seguintes quisitos :
1. Se houve defloramento;
2." Qual o meio empregado;
'!." Se houve copula carnal;
Vo Se houve violencias para fim libidinoso;
o. Quaes ellas sejam.
Y-se que a Ilustrada commisso nomeada para
i infeccionar o referido Formulario, cuja frenlo
se achou o eximio jurisconsulto brasileiro, o Exm.
Sr. couselheiro Pimenla Bueno, interpretando jus-
tamente o pensamenlo do legislador criminal, sus-
teulou nina opiniao inteiramente contraria do
aviso de 5 de novembro. E se o tribunal do jury
respondersim; houve defloramento, o meio em-
pregado foi a violencia, porm nao tem lugar a
copula, que pena applicar o juiz de direito As
do art. 222 1 nao possivcl, porque nao existe o
crime es|>eclicado ueste artigo: elle ha de neces-
saiianiiiite sujeitar o ru ao mximo do art. 219.
Pelo menos esta a lgica da lei.
E demais, se o legislador, olhando como um
crime o facto dedeflorar mulher virgem menor
de 17 anuosnao fez dilTcrcnca em ser o deflora-
mento com ou sem violencia, como poder a auto-
ridade interpretativa distinguir onde o legislador
nao distinguiu i Com que direito? Assiin obrando
a esphera do poder legislativo se viria quolidiana-
mente invadida |>elas reiteradas usurpac.oes do po-
der exeeulivo: nisto que se basa o principio
inconcuso de eterna verdade queubi lev non dis-
tmguit nec nos destingucre debemus.
Da comparacao das penas, do art. 219 e do art.
iii s resulta, quanlo a nos, a incongruencia do
legislador nos diflbrentes artigos desta sccgo do
cdigo.
i. Guennes da Silva Mello.
flcio real para a agricultura. Com tudo em uos-
sas mitos estilo os meios de alcanearmos alguns
melhoramentos para a agricultura; e sao ellos:
pastos, e a todos os outros terrenos comprehendi"
dos as suas possessocs.
Esta cautela tera a vanlagcm de tornar salubre
a sua residencia, o toda a fazenda, evitando o des-
cnvolvimento do gaz mephico, que se forma Bella
pela decomposigo dos vegetacs, causa principal
das febres intermitientes, typhoides, e de todas as
febres de mu carcter. A inaior parle dos nossos
fazendeiros, por nao refleetirem nestas verdades,
ou por nao quererem perder um pouco de tempo,
soffrem immensos prejuizos, tanto com as enfer-
raidades om seus escravos, como no gado.
Tenbo observado rauitas vezes, que os esgotos
das aguas estagnadas na proximidade das habita.
cues, tem melhorado consideravelmente o seu es-
negarmos o nosso mandato aos deputados que nao lado pestilente, tornando salubres os lugares que
trabalharem a beneficio da agricultura, elegendo outr'ora eram infestados das febres intermitientes
a aquelles candidatos que melhores garantas oftV
recerem a ese respeito.
Nenhuma considerado deve arrancar o nosso
e typhoides. Por isso mesmo deve haver o maior
cuidado na limpeza dos terreiros, nao consentindo
nelles entulhos e aguas estagnadas; para o que
tres qualidadcs de grarama, a larga se deve plan- sempre com as linhas das estacas de nascente a Inharae.
tar para o gado de criago, nao obstante ser algum poente, para que o sol penetre o centro das carrei- *" n'iame a tbara mais vantajosa para engor-
tanto pestilente quando noresce,e quando bru; a ras; o que indispensavcl para a producido ^^^^Zf^Z^Z^^.
goiva e a muida servem para os animaes do traba- mantimento. Neste caso se collocaro tres bausas, tmenle era grandes quarteis para essas crises;
Iho, por serem mais substanciaes; mas nao resis- duas as extremidades da linha, e urna no centro, n,as> nara sc llw vantagem desta planta, deve-se
lem unte criacao como a larga. Tambem o ca- m lagar mais elevado para a direceao das es- const,rvar Intactos os seus quarteis por quatro ou
pim amargoso bom pasto, e mais saudavel que taCas.
a grarama larga; mas este capim nao se d bem Entilo dous, quatro ou seis trabalhadores, dos
em todos os lugares. E' o capim natural das Yer- mais inlclligentes, principiarlo a covar (cada um
lentes do Pomba, Muriah, e mais outros triout- ora sua carreira>,'cm toda extensaoda linha.
cinco annos, como dlrei quando tratar da fome
das provincias do norte.
O inhame conservase na trra muito annos nao
sendo o lugar enxarcado, porque ontao o calor es-
quqpta a agua, e apodrec. Estando em terreno
. e.^trumado e fresco, eresce cada anno urna cabeca
nos do no Parahiba. Exislem no Brasil mais qua- Estas covas distarao entre si tres palmos; terao das suas tobaras, pelos quaes se contara os seus
lidades de capim, exticas e indgenas, como o co- de largura palmo e meio, e de profundidade um annos.
lonia, ribeirao, angola, angolinha; mas estas qua- palmo. Os lorrSes quesahircm destas covas serao <> inhame requer terreno areento, fresco e estru-
.idades nao servem para pastos dos possuidores de desfei.os com o o.ho da enxada para nao ...niara- ^S^^/K^j^^^^
poucas ierras, porque resistem a criacao como a carem o milho no seu nascimento. Depois de co- saboroso para a mesa. A segunda, branca, d
gramma; com tudo servem para os animaes de vada toda a roca, se deitar em cada cova um pra*! maior caneca que o rxo. A terceira, tambem
voto consc.encioso. Basta de servilismo. Nos so- devera lcr u"'a "Mita sufflcrate para escor-
iremos muitos males, porque nao conhecemos os r
nossos direitos : e se os conhecemos, nao osamos
delles. Se assim fizermos, teremos legisladores
que trabalharao a beneficio da agricultura; o por
Conbeco qne nao possivcl conservar-se sem
lama os terreiros onde andam animaes, principal,
mente porcos ; mas este inconveniente pde-se
consegunte a beneficio do paiz. Entretanto, em rmediar- aPartando-se da proximidade das habita-
quante nao chegam essas
que lancemos mao dos meios que estiverem ao
nosso alcance para conseguirraos os melhoramen-
tos que precisamos.
E' com esse intuito que deliberei escrever este
pequeo tratado sobre a cultura dos gneros ali-
menticios, que lo atrazada se acha no Brasil, sen-
do ella a principal fonte da sua riqueza, c o gor-
men da sua futura prosperidade. Para consegnir-
mos, porm, felizes resultados, preciso deixar
rifes o habito, quasi nmade, de abandonarmos a
nossas ierras, assim que licam raneadas, para
procuradnos novas fazendas nos sertOes incultos.
Este systeraa tera muitos inconvenientes; e sao :
1, os lavradores, adiando maltas brutas para
cultivar, nao se esmerar em aperfeicoar o me-
thodo de cultura de que usam; 2, devastara as
uovas mattas sera atienderem o futuro ; 3, espa-
lha a populacao, e assim atraza a prosperidade do
Brasil, e diminue a sua torga; 4o, obsta educa-
cao religiosa e civil, barbarisando os coslumes'
pelo isolamento em que ficam das rclacoes sociaes,
corno acontece com os moradores dos serlde das
nossas provincias : e assiin urna populacao muito
espalhada nao pc-Jc contribuir para a defesa do
estado, quando isto preciso.
Continuemes, portanto, a habitar os lugares ac-
tualmente cultivados prximos do lttoral, e ahi
mesmo nao faltaro trras para a cultura dos g-
neros alimenticios, em abundancia tal que poder
sustentar o dwcuplo da populacao que actualmente
sustenta, se se adoptar o systema de cultura que
aprsenlo aos agricultores brasileiros. E assim
deixemos a colonisaco assalariada, que somente
serve para gravar o thesouro sem utilidade alguma
da agricultura. Convidemos colonos espontneos e
bem morigerados, que venham em familias e nao
solados; proporcionemos-lhes meios de se estabe-
lecerein porto das vias de communicacao, como os
grandes rios c boas estradas ; e veremos em pouco
tempo augmentar-se a nossa populacao maravillo-
samente. Sirvam-nos de exemplo os Estados-Uni-
dos, cujo augmento de popularo.cm poneos annos,
estribara, por dar edrte abreviado, principalmen- to de estrume, de manciraque um alqueire chegue
leo angola. Todava o fazendeiro que ti ver na sua para trinta e duas covas.
fazenda brejos que nao possa dessecar, deve nelles Acabadas de estrumar as covas, mandar abrir
plantar o angola, atlm de aproveitar o torreno; novas covas enl |n|ia rccla no centro do vo que
mas nao soltar a criacao neste pasto sem que este fiCa( e devem ter a distancia de quatro palmos cn-
capim esteja maduro, por ser ento muito pesti- tre ^ 0 outro (anl0 ,jas cova> estrumadas.
lente. Nos mezes de setembro ou outubro, quando ca-
lla em Minas um capim, a que chamam impro- hirem as primeiras chuvas, so plantar, primeira-
priamente cabeca de touro. Este capim d em tou- mente o milho as covas estrumadas, depois man-
ceiros pelas estradas e caminhos velhos; tera as dioca as covas nao estrumadas. Como muitaa
folhas semelhantes as do capim rabo de burro; mandioca plantada em todo este terreno, para gas-
mas sao mais delgadaas, e raais rnacias, e eresce o da familia, plantar tambem inhames, taovas e
at altura de tres palmos. O gado o pasta bem. mangaritos no lugar das covas niio estrumadas,
Parece-me que este capim deve ser mais subslan- mas para estas tunaras escolher o lugar mais
cial; portanto se deve plantar nos pastos velhos e fresco.
trras caneadas, por so dar bem em terrenos pisa-1 Quando se plantar o milhoK-Or(planiador deitar
dos da criacao. A sua propagacao se pode fazer em cada cova oilo gr5os gpaihalbs as covas, e
por meio das semenles, que madurecem em janei- nunca menos, e cobrr cm Ierra estes graos. O
ro e fevereiro. Deve ser queimado, ou capinado o mHho espalhado as covafs, vica e se restolha me-
providencias, cenvm S os terreirs e <* curraes ^neniados por
qualquer especie de gado. Alera disto os porcos
devem ter um terreiro separado de outra qualquer
criacao ; porque este o mais difflcil de conser-
var-se limpo sem um trabalho diario, em razao do
milho em espigas, e mais alimentos que se Ihes dei-
tam todos os dias. Porm, um fazendeiro diligente
c econmico, pode traz-lo limpo com mui pouco
trabalho, mandando todos os dias ao anoutecer
aju ntar as pal has. retraeos e sabugos, e deposila-los
na estrumeira geral para seguir o seu destino.
Depois disto ter o fazendeiro todo o cuidado em
tornar mais pura a agua para a bebida da sua fa'
milia, e para o uso da cozinha, e assim nao se ser-
vir de aguas que tenham a sua orgem em brejos;
mas sim daquellas que manarem de tontes cor.
rentes, canalisando-as nes lugares pantanosos pa-
ra nao participarem da sua qualidade nociva.
A vida do agricultor nao se limita somente na
acquisicao de cabedaes ; ella deve abranger urna
esphera mais ampia e mais elevada; porque deve
ser laboriosa, e alegre e tranquilla : e assim o la;
vrador deve associar o til ao agradavel. Portanto*
na construcco dos seus edificios, deve observar
toda a symetria que frcompativel com a regula,
ridade das suas obras.
As casas secundarias, como paies, scnzallas,
lendas e estribaras, devem formar um pateo qua-
drado ou quadrilongado, conforme o permiltir a
situaran do lugar. Todos estes edificios devem ser
unidos, c burilados de urna varanda, que possa
abrigar da chuva a todos que lidarem dentro des-
te pateo. Alera disto deve haver um chafariz de
agua limpa dentro desta varanda, e prximo as
senzallas para o uso dos escravos ; e assim tam-
bera um cocho ou gamelo para de noute lavaren)
os ps, o de manha o rosto e bracos.
Como o mcu fim neste livro a reforma ,'das fa-
zendas velhas, e o melhoramento das trras canea-
das, nao tratarei da creacao das fazendas novas,
senao de passagem ; para as quaes podem servir
militas instruccoes dadas aqui. Direi sempre que o
terreno em que te tem de scmea-lo.
Temos multas outras qualidades de capim; mas
o nosso desmazelo tanto, que ainda nao temos
experimentado, nem propagado essas qualidades
era os nossos campos artificiaos, de que poderia-
mos tirar muito proveito.
Feilo o pasto, deve o agricultor fazer um grande
bananal, o qual deve couter de duzentas mil tun-
ec ras de bananeiras de S. Thom, conforme as suas
torcas.
Mas cogi c nao poder fazer de urna vez deve
lhor, porque os ps que se arrancam nao abalam
os que llcam. Assim que o milho tiver quatro fo-
lhas, ser capinado; o quando tiver dous palmos
de altura; ser rcstolhado pela maneira seguinte :
Cada trabalhador tomar a sua carreira e seguir
por ella, arrancando o milho mais fraco que achar
as covas, e deixando nellas cinco ps de milho so-
mente. Qando o milho principiar a laucar os gar-
fos, levar segunda capina, e se llie chegar trra
ao p. Tlvez alguem diga que estas minuciosida-
des gastam muito tempo, e atrazam o trabalho. Se
principiar cedo, afim de ter mudas para continua-lo. \ alguem assim o (tensar engana-se; pois que do
Esta bananal deve ser alinhado, e as suas covas \ um grande resultado na cultura do milho, por que
distarao urnas das outras vinte palmos para todos os na colheita |iodem dar o duplo e o triplo do que
lados Estas covas devem ter tres palmos de dia-' dariam pelo outro systema. E' verdade que as co-
metro, e dous de profundidade. Basta plantar urna! vas n0 pnmeiro anno gastam algum tempo na sua
s muda em cada cova, ainda que seja pequea, e! factura e estrumacao, porque devem ser fundas e
pr-sc-lhe um pouco do estrume, que dentro de \ ,ar6as P3 Hr coaler prato de estrume ;
um anno dar novas mudas. Em quanto as baa- i mas "ani Pr dianle nao Precis0 P^r-se mais es-
neiras nao cobrem o terreno pela perfilhaco das ilrume nas covas I*01" fiear a terra estrurnada pela
mudas, pode se plantar entre ellas milho, batata, I continuacao de por-se estrume nella, quando o ga-
inhames, taivas; ao menos jwr dous annos. d o ar sufliciente para aduba^la geralmenle ; e
aos admiren economistas da Europa. Entretanto nao criador de urna fazenda nova disponde de meios
so receie que esse augmento de populacao, nos lu
K a banana de S. Thom um poderoso recurso
contra a tome nos annos de penuria, e ao mesmo
tempo um grande auxiliar para engordar (torcos e
aves domesticas, estando maduras. Nos annos de
falla de mantiraentos fazem da banana verde cosi-
da una massa, que coraem cora carne, peixe, ou
feijo, como explicare! quando tratar do Cear no
capitulo VI. O gado come-a bem ensinando-se-lhe;
e as vaccas que a comotn do bom leite; mas de-
vem estar maduras essas bananas. Os nossos fa-
zendeiros ainda nao apreciaram, como deviam, a
cultura deste til vegetal, do que o celebre Hura-
boldt faz um grande elogio.
Kecommendando, entre outras, a banana de S.
Thom, por ser raais substancial, nao prescrevo a
cultura das outras variedades para a mesa; pois
sci <|ue d Caiana e a da torra se faz saboroso doce,
que imita a marmelada.
A cultura da banancira mui commoda cfcil:
pouco atraza os outros serviros; porque, em quan-
to estao novas, admitiera outras plantas entre as
suas carreiras; e quando esto fechadas as suas
AGRICULTURA.
Manual Jo agricultor dos gneros a-
nititicios ou methotlo da cultura
uti\la dcslfs gneros lias trras
cansadas pelo svslema vegeto-ani-
mal c modo de* criar e Irahr o
gado.
Mefhodo de cultura.
CAPITl'1.0 1.
INTRODUCTA O.
Contidera$et yeraes e especiaes sobre a agricultura.
Antes de entrar nas particularidades especiaos,
que fazem o objecto deste opsculo, julgo conve-
niente dizer alguma cousa a respeito da agricultu-
ra em geral, e da sua applicaco em particular, a
respeito do seu atrazo, c abandono no Brasil.
E a agricultura a profissao mais nobre, e mais
til ao genero humano.
Attribuem uns a sua descoherta China, outros
ao Egypto; porm o certo que neste ultimo paiz
ella foi apereicoada, aonde tambera se inventou o
arado.
Deve-se agricultura a civilisacao do genero
humano; pois antes dos homens descobrirem os
meios de multiplicaren! os graos para a sua sub-
sistencia, nao podiam viver em sociedade; por-
que Ihes era ndispensavel andarem errantes,
maneira dos nossos indgenas, em busca de caga,
e frucla* para a sua alimentagao.
Depois da descoberta da agricultura, poderam
os homens rcunir-se em um lugar, porque a terra
traballiada pelos seus bragos Ihes dava alimento
necessario em pequea extencao de terreno. E
assim reunidos cm maior numero, foram adoban-
do os seus coslumes, estatuindo leis, inventando
e aperfeicoando as artes e sciencias at chegarem
ao estado de perfeicio cm que actualmente se
acham.
a agricultura a sciencia mais chegada nalu-
reza ; pois sendo ligada com as sciencias naturaes,
tera tanto elasterio, que o individuo de entend
ment mais limitado nella acha emprego, e meios
de sustentar a sua vida, o a de sua familia, ao
mesmo tempo que a intelligencia mais sublime,
no seu exercicio, acha o mais bello enlretonimen-
to, contemplando os segredos da nalureza, e as
niara vi I has do Creador.
A agricultura sustent o commercio, anima a
navepaco, promove as aberturas das estradas,
entretem relacj5es amigaveis entre os povos do
universo, augment a populacao do estado, cria
bons costumes, stbelece a tranquiilidade publi-
ca ; finalmente faz a prosperidade do nma nacao.
E sendo a agricultura a nutriz do povo, o germen
gares j cultivados e caneados, nao se possa sus-
tentar por falla de vveres, so os meus patricios
adoptarem sem preveneao os meus conselhos. El-
les podem utilisar ao mais pobre lavrador, e ao
mais rico fazendeiro ; porque se encominham a
melhodisar melhor o nosso systema de agricultura,
e a identifica-lo mais com a nalureza.
A pratica que tenho adquirido em vinte annos
de observacoes e experiencias me tem habilitado
para poder assegurar ao Icitor a vantagem desta
systema.
Os gneros alimenticios, cuja maneira de plantar
explico no capitulo 3o, tecm sido por mim experi-
mentados desde o milho at a araruta, comprehen-
deudo nesse capitulo as tbaras de mais vantagem
liara sustentar os homens e animaes domsticos ;
e entre ellas, aquellas que principalmente servem
de um deposito preventivo para os annos de pe-
nuria, como o inhame e a taiova.
I'ara sustentacao dos homens e animaes domes-
ticos prefiro o milho por ser mais substancial, e
mais commoda a sua manipulace.
Nao obstante ser esle tratado destinado para a
cultura dos gneros alimenticios, tratarei nelle de
passagem da cultura do caf nas torras caneadas,
pelo auxilio do estrume, com o filo de que os do-
nos dessas trras nao hqucm privados do lucro
que d esse imprtante genero de exportarlo, por
I hes faltarcm mattas virgens.
Tenho esperanca de que no futuro se ha de cul-
tivar o caf com o estrume nas trras caneadas,
com grande interesse para os lavradores, quando
estes conhecerem a vantagem deste systema. En"
tretanto, se algum algum leitor escrupuloso duvi
dar da veracidade do que escrevo, experimente o
objecto da duvda antes de me condemnar, e de-
pois julgue-me com imparcialidade.
Como o meu fim neste opsculo promover o
bem dos agricultores brasileiros, darei no lugar
competente alguns conselhos a respeito da educa-
cao e tratmento dos seus escravos, e familia
assim espero que nao levem a mal estes meus con-
seibas. Sendo o meu desejo ser bem entendido de
todos, c como escrevo esle tratado para utilidade
dos agricultores menos abastados, e por consequen
cia menos instruidos, usarei cm todo elle dos ter-
mos mais vulgares e mais communs da agricultura
brasileira.
Addicionarei no fim um resumido tratado de
medicina, extrahido da obra do Dr. Buchan, tiran-,
do dola somente a symptomalhologia (que me pa-
rece intelligivel), o seu receituario, c dos nossos
mais celebres mdicos. Espero, portanto, dos meus
patricios favoravel arolhimento desle met imper-
feite trabalho, attendendo ao fim a que me dedico
CAPITULO II.
KSTABEI.KCI.VE.NT0 DE l'MA FAZENDA.
0 primeiro cuidado de um fazendeiro deve ser
tornar o mais salubre *ossivel o lugar da sua resi-
dencia. Para conseguir este flra, se tiver de cons-
truir os seos edificios, escolher lugar enxuto e
soalheiro, o qnal deve ser exposto aos ventos do
norte e poente.
competentes, depois de fazer moinho e monjlo,
deve fazer um engenho de serra, com que econo- ^iras, nao precisara ma.s campias : e por isso
misar muito servico, e despezas. Alm disto deve J fazen,,e'ro mata pobre pode ter um bananal de
ter toda reserva na destruirlo das mattas, derri- duzentas toucciras.
bando somente os terrenos que forera mdispensa- Entretanto o fazendeiro escolher um terreno, que
veis para pastos e cultura. Por nao se observar possa lavrar, estrumar e cultivar na proporco de
esta regra, hao, neste municipio (S. Paulo de Mu- cincoenta bragas quadradas (pouco mais de sete
rah) muitas fazendas devastadas, a com mui pou- bragas em quadro), por cada pessoa que tiver de
cas mattas para a plantcao do caf, nao obstante! sustentar; de sorte que, o terreno de um alqueire
ter-se desenvolvido a sua cultura mais activa ha 23 de planta de milho (100 bracas em quadro) suffl-
annos pouco mais ou menos.
O mesmo tem acontecido com os municipios do
Pomba, c Iba, aonde quasi nao existem mattas
para a cultura do caf.
Depois de ter o nosso fazendeiro applicado os
cente para dar mantimento que chegue para sus-
tentar vinlc pessoas com fartura, capados e ani-
maes domsticos, que concorrem para a sustenta-
gao da mesma familia.
Este terreno deve ser cscolhido no lugar mais
meios cima ditos para tornar raais saudavel sua! J"10, df Casa' >uan, for Pss,vel> Pla comm-
habitaeao, deve esforgar-se por fazer um bom pas- ,** do ,rabalho; mas na sua escolha deve *
to: urna vez que os seus beneficios tera do con- ,e,nder as seu,n,e lualidades e sao : que seja
correr eflieazmente para a fartura da sua familia, i p,ano' C9,n al8uma declividade, que seja de trra
e ao mesmo lempo, tem de dar-lhe urna renda i massaPu. se for possivel, que se possa regar quan-
vantajosa, a proporgao das suas torgas. Sendo o do fr PrecisO- Estas qualidades serao preferiveis
meu uraco intento enslnar ao fazendeiro os meios proximidade da casa; porque ellas sao essenciaes
de tornar feriis es terrenos esteris por cangados, Para a produego do mantimento.
aprovetando-os intelligentemente para o que ser-1 Escolhido o terreno para a cultura, deve ser este
virem, acouselherei que escolha os lugares raais repartido em quadrados de 2,500 bragas quadradas
cangados da sua fazenda para fazer um pasto capaz (50 bragas em quadro). Estes quadrados serao di-
as covas ficam marcadas pelos ps de milho que se
arrancara, quando for necessario fazer nova plan-
tago.
de sustentar tanto gado, quanto seja preciso para
dar extrurae sufliciente para adubar o terreno da
sua plantarlo, reservando os lugares que ainda
tiverern algum matto virgem, e capoeira para le- quando for preciso,
nha, e madeiras de construegao. Este pasto deve
comprehender a metade, terga, quarta, ou quinta
parte da sua fazenda, conforme a sua extencao, e
o numero de boceas que tera de sustentar. Esle
pasto deve ter boa aguada, e ser perto da sua resi-
dencia. E' provavel qu nao poder faz-lo de
vididos por caminhos de dez palmos do largura ; e
no ngulo, ou canto de cada quadrado, haver urna
rea de dez bragas em quadro para se por estrume
Estes caminhos sao indispensaveis para pafsarem
por elles os carros com estrume, e com os manti-
mentos nas eolheitas.
E' de summa importancia cercar-se o terreno da
cultura com muro de laipa, pedra, ou achas,assim
' como o bananal para evitar-se o estrago dos ani-
uma so vez; mas deve augmentado proporgao da maes silvestres e domsticos nas plaas.
criacao que tiver, c dividi-lo era tres parles; nao Nas fazendas, em que ha samambaias, isto de
so para apartar a criagoque deve estar separada, maior necessidade; porque nessas preciso soltar
como para reveza-la de um para o outro pasto, os porcos nas capoeiras, e ensina-los a comer a
quando fr necessario. j raiz da samambaia, que alm de nutri-los, se ex-
A' medida que se for fazendo o pasto, se plantar tingue completamente,
nelle algumas arvores de grando copa para som- CAPITULO UI.
bra, como o caja, anduag, nogueira da India, ga- cultura dos mantimkntos.
melleira, etc. Estas arvores se plantaro alinhadas Depois de cercado o terreno destinado para a
A plantago do milho nao deve ser apressada,
porque o milho deve espalhado na cova para dar
inaior tronco, e encorpar melhor. Emlim a resto-
Ihago tambem gasta algum tempo, mas pouco,
pois o trabalhador em pouco teni|io percorre a sua
carreira.
Urna circumstncia me fez adoptar esta maneira
de plantar oito graos de milho era vez de cinco ou
seis, como usam os mais lavradores : e o ter
observado que nos climas ardentes, o milho sempre
falha nas covas, porque certos bichinhos comem o
olbo do milho, e assim tirando o grao inutilizado,
falham nas covas, nao s um, como dous ou tres ;
por isso nao raro ver-se muitas rogas, em que a
inaior parte das covas nao tem mais de dous a tres
ps de milho; o que diminue consideravelmente a
sua colheita.
O melhodo de plantar o milho alinhado com a
distancia de oito palmos de carreira a carreira, e
de tres de cova a cova, tem a vantagem de levar o
terreno mais um tergo de covas ; c por consegun-
te de dar mais a torga parle do milho que dara se
fosse plantado pelo methodo que usam actualmen-
te os agrwullore^; alm disto duplica o terreno,
porque no vo das carreiras se pode plantar man-
dioca, inhames, taovas araruta e mangaritos, como
abaixo moslraroi quando tratar da plantago deslas
tbaras.
O terreno de cem bragas cm quatro assim planta-
Jo de milho,pdc dar de quatrocentos quinhentos
alqueires de milho pelo menos, correndo lempo re-
gularmente. certo que leva o dobro de milho de
plant ; mas conlendo o terreno a mesma exten-
so de superficie, obtem-se grande resnltado pela
economa do trabalho que se em prega na sua cul-
tura, conseguindo-se o duplo pelo-menos do seu
producto.
Pareec-me ter dito quanto bast sobre a cultura
do milho; passarei agora das tibaras. Disse ci-
ma que entre as carreiras do milho se ahririam
covas, distando quatro palmos das mesmas carrei-
ras, e outro tanto entre as covas para a plantago
da mandioca ; mas fallando genricamente, nao ex-
pliquei a maneira da sua plantago, o que vou ago-
ra fazer.
Depois que o fazendeiro tiver marcado e covado
o terreno para plantago do milho, reservar a
parte mais rida para a mandioca, c araruta, tiran-
do o terreno mais fresco para a plantago do inha-
me, taiova c mangaritos.
Feito isto escolher um ou dous trabalhadores
mais habis para marcar as covas da mandioca,
que, como j disse cima, distarao urnas das outras
Suatro palmos, e aps estes seguiro outros cavan-
o a Ierra tres palmos ao redor da marca.
Nao ser preciso este trabalho se aterra tiver
sido lavrada com o arado; porque o que se exige
a trra fofa para o desenvolvimento da raiz da
mandioca.
A capina da mandioca deve ser logo depois ou
ao mesmo tempo da capina do milho. No acto de
capina-la se achegara trra ao redor do tronco para
cobrir as suas raizes.
Quando a rama tiver dous palmos, se quebranto
junto trra, as ramas que excederem duas para
engrossar as suas raizes. No mez de agosto se
decolaro as suas ramas, e se deilaro tora da roca
em um ou mais montes, para nao brotaran dentro
della. Como a plantago da mandioca deve com-
prehender somonte a quarta parte do terreno es-
trumado, tica ainda muito terreno, para a plant-
gao das outras (libaras, c assirNfesc deve plantar
t'ambi'm algumas carreiras de mandioca aipim ou
mansa, como a mata-tome da rama vermelha, e a
esparralbada da rama branca : e corno as raizes
destas duas especies tem pequea extensao, se
plantaro com tres palmos de distancia de cova a
cova, c quatro das carreiras de milho. Em tudo
mais se observar o que cima flea dito sobre a
plantago da mandioca. Estas duas especies nao
sao para polvilho, nem farnha, mas sim para so-
bre-mesa, para se cozinhar com carne, e para os
ranea, mas tem as folhas algum tanto listradas, e
quando se separa o talo da cabeca tica o lugar cor-
tado cor de rosa disfarcada, e a sua cabeca d de-
dos como a taiova.
Esta especie tem a cabeca maior que as antece-
dentes ; e de grande vantagem para engordar
liorcos, mas nao to saborosa eomo as anteceden-
te-. A quarta, Rualinente, lem as folhas mui pa-
recidas com as da taiova, rpie sao radiadas at
forquilha do talo. de cor arroxcada, e mui sc-
melhante ao inhame ou taiova silvestre.
Esta especie foi inlroduzida ha poucos annos em
Minas, e a donominam inhame de dez arrobas. O
seu tronco, ou a caule, quando tem alguns annos,
da grossura de urna hastea de bananeira, pouco
menos. E a especie que me parece durar mais
sobre a terra, e por isso deve ser cultivada rom es-
mero, pois o mais vanlajoso que conhego, e ser
tambem um grande auxiliar para engordar porcos.
Alm disto nao quer terreno hmido, e dase bem
om lugar enxuto, comanlo qne seja esirumado;
esta circumstncia s o faz recom r.endavel.
Este inhame deve ser plantado em grande quan-
tidade, e deixar-sc intacto na ierra cinco, seis e
mais annos paA se aproveitar as suas tbaras, es-
pecialmente nos annos de grande penuria, em
que ello somente pode ser a salvago do povo, co-
mo direi quando tratar da fome, que por vezes
tem devastado as provincias do norte.
A cultura do inhame deve merecer muita atten-
cao do agricultor providente, que deseja ter um
recurso infallivel nos annos de falta de mantimen-
tos. Portanto escolher do terreno cercado e es-
irumado o lugar mais fresco para plantar o inha-
me. Pde-se plantar duas carreiras entre as car-
reiras de milho, cujas covas distarao urnas das ou-
tras tres palmos; mas as duas especies ultimas, do
que cima fallei, distarao entre si quatro palmos,
c se plantar una s carreira entre as de milho.
No mez de agosto ou de setembro se farao as suas
covas em linha recta, com a profundidade de um
palmo, e outro de largura. Se a trra nao estiver
estrurnada, se deitar em cada cova um prato de
estrume : quando calaran as primeiras chuvas, se
far sua plantarn. As mudas ronsistem nos olhos
o assim urna cahega pode dar tantas mudas, quan-
tes olhos tiver, cobrindo-se com fierra o (pie nao
tiver grlo. Tambera se pode plantar o inhame e
taiova entre as carreiras das bananeiras, c vege-
tam bem at as bananeiras fecharan.
Taiova. >
Depois do inhame segue-se a taiova, perlpnren-
le mesma familia das aroideas. Esta preciosa
tbara devia merecer mais considerarlo do que
actualmente tem dos agricultores, nao s pelo sa-
boroso goslo das suas raizes, como pelo das suas
folhas, que do ptima rea, e servem para mo-
flios ; alm disto tem a vantagem de conservar-
se muitos annos na terra : portanto torna-se urna
segura providencia para os annos de fome.
A sua plantago como a do inhame grande ;
deve ter a distancia de quatro palmos de urna a
outra cova, no centro das carreiras do milho ; as
suas covas tambem devem ser estrumadas, como
as de inhame grande; e deve ser plantada nos lu-
gares mais frescos.
O agricultor deveesrnerar-seem plantara maior
porgo desta tbara. Ha duas especies de taiova,
una cora dedos, e outra sera elles. Esta de
mais vantagem, por dar maiores raizes, c serem
estas mais saborosas.
de cem palmos cm todos os septidos. Plantados cultura dos gneros alimenticios o fazendeiro far! escravoicomerem rozida noute com melago, o
por esta forma refrescara o pasto, e dao sombra roga-lo no mez de junho se eslver em capoeiras,
aos animaes. I ou em julho se estiver em capim. No mez de agos-
Advirto desde j que ne consintam os seus pas- to se queimara este terreno, c depois ser encoiva-
tos sem arvoredos; pois os pastos limpos pesteiam rado, e limpo da madeira que tiver e ser lvrado
todo com o arado, depois se abriro as covas pela
maneira seguinte.
Pela primeira vez somente, que se plantar esle
muito os animaes nos mezes calmosos; alera disto,
os pastos arvorejados por esta maneira conservara
melhor o capim, porque as arvores os abrigara
mais ou menos dos raios do sol.
Em quanto a qualidade do capim que deve ser
terreno, farse-ba urna boa porgo de estacas, que
serao fincadas a mcete em linha recta de nascente
que d urna boa cea.
Plantaglo da araruta.
Sendo a araruta a tbara que d o polvilho mais
substancial, nao deve o fazendeiro descuidar-se da
sua plantago entre as rarrreiras do milho Esta
planta requer terreno massap mediocremente es-
trumado. Deve-se plantar com a distancia de pal-
Mangaritos.
Depois das laiovas segue-se o mangarito. o
mangarito tambem da mesma familia da taiova e
inhame, e egualmente se plantaro entre as car-
reiras de milho. As suas covas distarao entre si
dous palmos, e por isso se podem plantar tres car-
reiras entre as do milho ; mas para dar boas t-
baras, deve ser cavada e estrurnada a trra, em
que se houver de plantar. Ha duas qualidades de
mangaritos brancos e roxos : os brancos sao mais
saborosos, e dao maiores tbaras, por isso acon-
selho a cultura desta qualidade.
O mangarito, assim como a araruta, se deve
plantar todos os annos. porque todos os annos de-
ve ser colhido, o que nao acontece ao inhame c a
taiova, que se conservam mullos annos na terra,
e as suas tbaras cresccm com o andar do lempo.
Ia-me esquecendo de fallar na abobora verme-
lha c mnrango, qne se plantam nas mesmas co-
vas de mistura com o milho ; mas nos lugares em
que se plantaren) as abnhnras, nao se plantar cou-
sa alguma entre as carreiras do milho para dar
maior desenvolvimento s suas ramas ; aconsclho,
porm, que se estrume a superficie do todo o ter-
reno em que se quizer plantar a taboras e moran-
eos, para darem tans fructos; pois mais vale dez
ps em terreno estrumado, que cem cm trra
agreste.
Aqui roncluo a crtumeragO das plantas que de-
vem ser plantadas entre as carreiras do milho, no
tempo da sua plantago, Tirando o feijo, que tam-
bem se planta entre o milho, para tratar-so delle
no lugar competente.
Tratarei agora das que devem ser plantadas to-
ra do milho ; mas ao mesmo lempo que elle, como
o arroz, etc.
o arroz um dos principaes alimentos do ho-
rnera ; pois a maior parte do genero humano se
sustenta do arroz : sendo um alimento, ao mosmo
tempo substancial e temperante, mui til o seu
usnos paizos ardentes ; e por isso deve ser adop-
tado para almogo da osera valora nas provincias do
norte. Tambem pode servir para a rea, mas nao
deve ser quotidianamente, pelas causas apontadas
no capitulo IX notratamento da escravatura e tra-
balhadores. Portanto, nao s por esta circums-
tncia, como pela facilidade da sua cultura, e sua
grande exporlago, devia ser plantado em maior
quantidade do que actualmente se faz. As pro-
vincias do norte principalmente deviam augmentar
a sua cultura como um recurso cfDcaz contra a to-
me, que os opprime quasi todos os annos. Temos
actualmente diversas qualidades de arroz; mas a
que me parece mais til o arroz miudo de casca
amarclla, porque alm de carregar bem, rende
mais que as outras qualidades no pilar. Este ar-
roz tem mais outras tantagens, o sao : dar se bem
em terreno enxuto; resistir ao sol ; e nao deitar
quando fica maduro, como acontece com o arroz
branco, e com o modernamente ntroduzido, o que
chamamarroz do governo ;e assim me parece
que deve ser preferida esta especie a todas as ou-
tras ; mas cada um siga o que melhor Iho parecer.
A cultura do arroz nao dcixa de ter seus incon-
venientes, principalmente se plantado em luga-
res paludosos ; ento a causa das febres intermi-
tentes e typhoides nos trabalhadores, que o culti-
vam ; alm disto, a palha do arroz postea aos ani-
maes que a comem Para obviar cslcs inconvenien-
tes, aconselho aos agricultores que esrnlnam um
mo e meio entre urna e outra cova quanto caiba a ,crrpno p,ano dt Ini, DraCJts quadrada$i a dez ou
enxada ; e por isso se pode plantar tres carreiras quinze mi| bracas quadradas, conforme as torgas
entre as carreiras de milho. A sua plantago deve do agrCI,|,0r, em lugar onde possa nt regado com
fazer-se em julho e agosto, na occasiao da snaco- farj|dade ; quero dizer : qne lenha, oa possa ler
i Iheita. Plantam-sc os tubrculos pequeos que nao m r.,.ro .i,, asni* or rima Dcnnis nivele ete ter-
feito este pasto, nao direi cousa alguma decisiva- > Pcnle com a distancia de quinze palmos de urna! se poden, ralar e tambem os seus talo! picados. Tira- ^^m Urna Jen^ d^lividal^ Jo ^r
mente. Cada um plante o que Ihe parecer con ve- oulra estaca, c de oito palmos de linha a linha. | se o seu polvilho como o da mandioca. este polvi- a agua Eolio lavre com o arado todo esle lerre-
nienle, e melhor se der na terra cm que se plan-' ^^ estacas servem para no primeiro anno desta I"0 mui substancial esaudavelparaosdoentesecon- no ; quebr todos os torros ; e esirume-o com
a ,-uiiiiri iiirinir..,,. ,. i- j i valeseenlcs,scrvcm opii mmente para os biscoutos e mnita (* tar, porque rauitas vezes, a ma.or parte dessas "ra d.ng.rein os cove.ros na direegao das car- p5oSi qUt sa0 saborosos e nutrientes. A fcm> ou raniU P6ua,oaae-
trras, esto cheas de capim melado, ou gordura; rcras> aWm de nao (carera com sinuosidades. Nos bagago que fica do polvilho serve para os porcos, o
e nesse caso, deve-sc consrvalo. Mas aonde elle'annos seguintes nao sao precisas estas estacas mais, os nutre muito. Esta tbara nunca senerde'por (Continuar-e-*.)
nao existir, aconselho que se p.anle gramma, por porque ficam os signaes das covas na erra. S^^JSrtSVS^l JSS^'SSi
que resiste mais criagao, por ser a qualidade de | Ainda que o terreno lenha algum tombo, ou pe- s podo ser nos mezes de julho e agosto. Nos ou-
f
7

t
y.
-
capim que dmais pasto em pequeo terreno Das queno espigode norte a sul, ser estc.atravessado tros mezes, ou est podre ou verde.
PBRNAMBUCO.- IYP. E M. V. f. & FILIMX.
~>
Y
v


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E9Y87ZP5C_JTESOX INGEST_TIME 2013-08-28T00:03:09Z PACKAGE AA00011611_10273
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES