Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10270


This item is only available as the following downloads:


Full Text
'".) ""

AMO XIXiX HUMERO 299.
Por tres mezes adiant.idos SSOOQ
Per Ires mezes vencidos 6sO0
SEXTA FEIRA 18 DE DEZEMBRO DE 1863.
Por anno adantado. .
Porte para o subscriptor.
19S00O
3$00
ENCARHF.GADOS DA SUBSCRIPQO NO NORTE
Parahybn, o Sr. Antonio Alejandrino de Lima'
Natal, o Sr. Antonio Marines da Silva; Araratv, o
Sr. A. de Lomos Braga; Cear, o Sr. J. Jos di'
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
KNCARRKGADOS DA SUBSCRPCAO NO SL
Alagoas. o Sr. Claudino Falcao Dias; Baha, o
Sr. Jos Marlins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins A Gapariuo.
EPHEMERIDES DO MEZ DE DEZEMBRO.
3 Quarto ming. as 8 h., 49 m. o 2 s. da m.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo c Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Paraliyba as segundas e
SantoXnTGravat, Bezerros, Bonito, Caruaru'J ^ n0 *> da
Altinho e Garanfuns as tercas feiras. 17 Quarto cresc. as 8 b., 20 m. o 32 s. da m.
Poftalho, Nazareth. Limoeiro, Brejo, Pesqueira, 21 La chcia as 11 h., 23 m. e 14 s. da t.
tfzeira, Flores, Villa Bella,Tacarald*, Cabrob,
Ingaze
Boa Vista, Ouricurv e Exfi as quartas reirs.
Scrinhem, Rio Fortnbso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
flha de Fernando todas as vetes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao '/j da.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as G horas e 54 minutos da manhaa.
Segunda as 7 horas e 18 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES C08TEIR06.
Para o sul at Alagoas a 5 e 25; para o norte at
a Granja 7 e 22 do cada moz; para Fernando nos
dias 14 dos mezes dejan, mar?., maio. jul, set. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recite : do Apipucos as G'/?, 7, 7 '/,, 8 e
8 Vi da m.; de Olinda as 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboalao s 6 Vi da m.; do Caxang e Varzea as 7
da m.; de Bemfica s 8 da m.
Do Recite : para o Apipucos s 3 '/?, 4, 4 A, 4 Vi,
5, 'A, 'A e 6 da tarde; para Olinda s 7 da
manhaa e 4 'A da tarde; pira Jahoatao s 4 da tar-
de ; para Cachang e Varzea s 4 'A da tarde; para
Bemfica s 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal docommercio: segundas e quintas.
Relajo: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tercas o sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1
da tarde.
DAS DA SEMANA.
14. Segunda. S. Agnello ab. m.:S. Pompeo m.
15. Terca. Ss. Ceciliano e Clirisiniano nim.
16. Quarta. S. Ananias, Mizael e Azarias mm.
17. Quinta. S. Floriano m.; S. Colonieo m.
18. Sexta. S. Tlieotimu m.: S. Basstano m.
19. Sabbado. S. Daro m. ; S. Paulilte m.
20. Domingo. S. Foligonio b. ni.; S. Julio m.
ASSIGNA-SE
no Recife, em a livraria da praca da Independencia
nora.ns. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Figueiroa *
Faria 4 Filho.
PARTE QFFIGIAL.
uOYEKWO i)A PROVINCIA.
F.\prdieitc d dia 1 de dViernhro de 1863.
Oflieio ao Exm. presidente da provincia da Pa-
rahyba.Reeeb o oftlcio Je V. Exc. datado de 4
8b correnle, e em resposta cbeme dizer-lbe, que
foi entregue no arsenal de guerra dcsta provincia
a quantidade de bronzo e ferro, de que faz men-
raoo mesmo director no offlcio constante da copia
inclusa.
Dito ao Exm. presidente da provincia do Cear.
Em resposta ao offlcio de V. Exc, sob n. 29, e
data de 2 de novembro ultimo, cabe-me dizer-lhe
que os objectos, a que V. Exc. allude, sao os de
que trata o aviso da repartico da guerra de 25
tlaquelle mez, constante da copia inclusa, os quaes
anda nao vieram da corte
\ Dito ao brigadeiro commandante das armas.
Dito ao engenbeiro fiscal da estrada de ferro.
-Transmiti a Vine, para seu conliecimcnto, co-
pia do aviso expedido pela repartico da agricul-
tura, commercio e obras publicas, em 27 de no-
vembro prximo (indo, sb n. 51, dando solueo as
duvidas propostas em seu oflieio de 20 de junho
ultimo sobre a verddeira intelligcncia que se
de ve dar s disposicoes do aviso de 5 do mesmo
mez; por virtud? do qitnt iMerin n gnverno impe-
rial a preteneo da companhia da estrada de ferro
desta provincia um augmento do seu material
rodante necessario para o trafego da linha, e esta-
beleceu clausulas para a redueco da despeza
com o pessoal technico e administrativo da mesma
nos, precedendo inspeccao de sade, nos termos
do decreto o regulamento do Io de maio de 1838,
o soldado da 8* companhia do 2' batalhao de in-
famara, Eleuterio de Souza Pialo, conforme parti-
cipou o respectivo Sr. commandante em oflieio n.
1187.
u mesmo general determina que o Srs. offlciaes
dos corito aqui existente^, promovidos por decreto
de 28"de'novembro ultimo para corpos estacionados
fra da provincia, fiquem addidos aos em que ora
serrato, al-' que sigam para os seus destinos.
AssignadoSolidonio Jos Antonio Peretra do
Ligo.
ConformeJos Ignacio de Medeiros Rajo Mon-
teiro, capitao ajudante de ordens encarregado do
Tinbam ido esperar SS. MM. a Grijo cSr.
ministro da inarinh, e seu ajudante Sori, oSr.
Km vista do incluso relatorio, que me ser devol-l e as.e ?*"vao dos jobos, do termo
Tido, relativo as contas do conselho econmico do pre!a- Jo|e *Wberto Casado Lima, resolv,
* batalhao de infantaria pertencentes ao 1 se- ** 2 mc0* de l.cenca para tratar
estrada.
Dito ao thosoureiro das loteras.-Faca Vmc. | detahe.
correr exlraordinariamente, c sem prejuizo das Dia 16
que j forara ordenadas, urna parte da lotera Ordem do din n. 276.
concedida >reja do Nossa Senhora do Amparo O general commandante das ariins. tendo remi-
da cidade de Guian na. vdo visitar o presidio de Fernando, como um dos
Portara.-O presidente da provincia, atteBden- pontos militares de reconhecida importancia, se-
do ao que requereu u tabellie do publico judicial gue neje para alli, e de conformidade com o du-
de Agua posto no art. 11 do regulamento, que baixou com
e conce- o decreto n. 293 de 8 de maio de 1843, deixa en-
de sua carregado do commando da guarnico desta cidade,
me patenteia a vereaco do municipio do Porto,
. i'rovas tanto mais apreciadas quanto mais esjionta-
Tlnago H')rta (que j ha das se acharan nesta ci- pa*, tanto mais gratas minha alma quanto n'cl-
dade), o governador civil do districto do Portoc as se coinprebende oque termo de mais caro no
seu secretario peral, o general da diviso com o inundo, meu augusto pai, meu presado irmao e a
chefe do eitado-inaor, e a cmara do concelho de liosa coin que o cu alegrou o rwju lar, e o filho
"*?* com que Dos abencoou o meu Ihalamo.
o Alto da Bmdeira fcra 8. MMv recebi-' |>oueluida esta ceremonia SS. JA^. satairauLde- u
das em casa do Sr. Diogo Jos de Micdo. Era haixo do palio, pelo mesmo modo iiorquetlnlianTen
immensa a multidao que alli so agglomerava. lrado no pavilho e subiram para a carruagem
D esde aifuelle sitio at Santo Ovidio (em Villa Ioudo-so em marcha o cortejo, o qual nao foi pos-
Nova do Gaya) achava-se todo o transito guarne- 'el por na devida ordem pelo grande numero de
cido com (Huirs do mastros de bandeiras pnrtu- Pssoas que estavam agglomeradas na praca, e ser
guoias o italianas, e escudos com as iniciaes L M., conveniente evitar demoras porque a alraosphera,
solirepujadas por urna cora real. Estava tambom carregada de nuvens, ameacava chuva.
inestre de 1862, e de conformidade com o aviso da
'repartico da guerra de 25 de novembro ultimo,
d V. Exe. as necessarias providencias afim de
ki mi
que, a caixa de economas licitas daquelle bata-
lhao seja indemnisada da despeza feila com velas
stearnas pelo referido conselho, que dever res-
ponder s observaeoes cuntidas em dito relatorio
Dito ao mesmo.Em cumprimento do aviso do
ministerio da guerra de 25 de novembro ultimo,
junto p.r copia, d V. Exc. as suas ordens para de paquetea vapor mandem dar transporte para
que seja corregido um pequeo engao que se no- a previnna do Para, no vapor Prmreza de Jorn-
ia na conta de carne verde, apresentada pelo con '< l'.or co.n'a do ministerio da guerra a
selho cconomieo do 9 batalhao de infantaria, re- hlhas do capitao do cor|io do guarnico
lativo a* i' semestre do anno civil de 1862, in- y* Malinas Vieira d<^ Aguiar, sendo u
saude. e a testa do archivo militar, o Sr. coronel Luiz Jos
Dita. O presidente da provincia, resol ve conce Ferreira, que passar o commando interino do 2"
der ao Bferas Joao Francisco da Cimba a exone- batalhao de infantaria ao Sr. capitao Antonio Ma-
racjio do lugar de director dos indios da aldeia de ra de Castro Delgado. Os Srs. commandante de
Panema na comarca de Garannuns, e nemeia corpos e companhia* soladas, de fortalezas, e che-
para o mesmo lugar a Lourenco Bezerra de Albu- ks de estabelecimentos militares, durante a au-
qHerque Maranhao. Communicou-sc ao director sencia do mesmo general, que ser de poneos dias,
geral e ao nomeado. se dirigiro ao referido Sr. commandante da guar-
Dita.Os Srs. agentes da companhia Brasileira nicito sobre todos os objectos que tenderem ao pu-
alh a msica que foi da guarda municipal.
Em casa do Sr. Micdo, mudaram SS. MM.
os vestidos de viagem, roceheram os cumprimen-
tos das autoridades, corporacoes, etc. que alli ti-
uham ido para esse tim, e de'pois de lomarem urna
refeicao seguiram SS. MM. caminho do Porto.
A s 3 horas e meia di tarde as salvas da forta-
leza da Serra do Pilar e do vaiwr de guerra Lyn-
ce, os miniares de tugete estalando no ar, o os
repiques dos sinos annunciavam que os reaes vi-
blico servico.
Acompanham o referido general para aquello
presidio, fazendo parte de sua comitiva, alm do
do Ama- seu ajudante d'ordens de pessoa, os Srs. capitao
commandante da companhia
duas
sitante se achavam dentro dos muros da cidade
invicta.
Chegados ao largo da Ribeira
do pavilho que ahi eslava erguido, forrado de
damasco e adornado de tropheus e escudos de ar-
mas, foram SS. MM. recebidos debaixo do pa-
lio a cujas varas pegavam os vereadores do muni-
cipio.
Tendo el-rei e a rainlia tomado os lugares que
Ibes perteneiam o Sr. visconde de Lagoaca, presi-
dente da cmara, recitan aseguinte elicitaciio:
Senhor IA' distinctissma honra que "a V.
M. apraz conceder-nos com o duplicado din do de-
de cavallaria Manoel sempenhar a sua real palavra, vindo ao Porto
2 lente coinman- acompanhado de S. M. a Sra. D. Mara-Pia, nossa
urna dellas
unantia de ?3200 rs que demaisse nacou por 53 e,n companhia do mesmo capitao. danle Interino da companhia do artfices, Jos An- aooraita rainha, e de dar mais urna prova da de-
arrobas p 12* libras a 7>0r* nue inrmrtando em Dita.Os Srs. agente da companhia Brasileira Ionio Ribeiro de Freitas, que serao substituidos i cidida e especial proteccao quo a V. M. merecem
3753760 rs., figuraram no balancete por 3779t')0.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda. -
Declaro V. S. para seu conliecimcnto e fin con-
veniente, que, com aviso de 5 do corrente, remet-
leu-ine o Exm. Sr. ministro da fazenda os ttulos
do uoineaco de Jos Mendes Pereira de Vascon-
celos, Joaquim Antonio ile Mendonca Pereira, Jo-
s Felippe de Moraes c Silva, e Francisco Urcisi-
no de Carvalho Pacs de Andrade, para prateantcs ^uiz de franca Lemos, que vai reunirse ao con-
da alfandega dcsta capital. tingenie do mesmo batalhao em servico n aquella
de paquetes a vapor mandem transportar at o nos respectivos commandos aquello pelo Sr. teen-'. as uossas industrias, como mananciaes de riqueza
Cear no va|ior Princezn de Joincille em lugar de te Manoel Joaquim Machado, e este pelo Sr. 2* te- publica, querendo honrar a exposcao agrcola,
proa destinado a passageiro de estado a Manoel nenie Olympo Aurelio de Lima e Cmara. ; qu Joaquim Soares,.que consta ser desvalido. | Assignado. -Solidonio Jos Antonio Pereira do
Dita.Os Srs. agentes da companhia Brasileira Imijo.
de paquetes a va|r mandem dar transporte por Conforme.Jos Ignacio de Medeiros Reg Mon-
conta do ministerio da guerra, no vapor Apa para tetro.
as Alagoas ao soldado do 8. batalhao de infantaria Dia 17
Ordem do da n. 277.
Tendo-sc apresentado no dia 16 do corrente ao
capital da rica provincia do Minho, corresponde
esta invicta e seinpre leal cidade com o mais pro-
fundo reconhecimento, respeilosa dedicacao e
muita lealdade.
O immenso jubilo e extraordinaria- stisfafao
que por esta occasiao solemne experimenta urna
povoacao ciosa sempre das suas liberdades e
Dito ao mesmo-Fxtem ni secretaria desta provincia.Communicou-sc ao brigadeiro com- Exm. Sr. general commandante das armas o Sr, |exempcoes, mas nao menos empenhada no es-
presidencia a? portaras nomeando praticanles da
recebedoria desta provincia Jos Dellino da Sil-
va Carvalho, e SilvinoClaudiano de Alboquerqtic
Sobreira, as quaes para terem a devida execucao,
me foram remettidas com aviso de 5 do correte
expedido pelo ministerio da fazenda.
Oque L'ommunico V. S. para seu conheci-
mento e fin conveniente.
Dito ao mesmo.Ao tenente do corpo de guar-
mandante das armas. i Dr. Joaquim da Silva Gusrao, que, por decreto: plendor do tbrono, nao pode descrever-se, e ape-
Dita.Os Srs. agentes da companhia Brasileira de 28 de novembro, foi nomeado 2- cirurgiao do as se comprebende pelas eaaonttneSes festivas
de paquetes a vapor mandem dar transporte para corpo de sade, como se acha declarado na ordem,e acclamacdes entliusiaslicas, tao geraes como es-
a corte no vapor Aptt, por conta do ministerio da do da do exercito n. 377 de 5 do corrente, o co-'. ponlaneas, que oeste momento cercam V. M.
guerra ao 2. tenenle do 4. batalhao de artilharia ronel commandante da guarnico determiua que j O Porte, senhor, v na generosa sympathia
a p Alexandre Rodrigues de Souza, que vai es-: o mesmo Sr. doutor, em quanto nao tiver destino,J'9116 v; se compraz manifestar pela cidade de
tudar na escola militar.Fizcram-se as necessarias faca o servico nesta guarnico. ] P;p ,.r X.' ^ar';)j Alberto, o grande i
EXTERIOR.
communcacoes. Assignado.Ltuz Jos Ferreira.
Dita. Os Srs. agentes da companhia Rrasileira Conforme.Jos anaci de Medeiros Reg Non-
airad desta provincia Joao Antonio da sTlva%e de paquete a vapor fagam transportar para a cor-. teiro.
vai destacar no presidio de Fernando, mande V. S. ,e no vaPor Apa, por coOta do ministerio do impe-; m^mwmmmmmamwmmmmmmm^mmmmmmmmmwmmmwm
ajualar contas at o fim do corrente mez, e passar- nu pitao da guarda nacional alienado, Joa-
Ihe a competente guia de soccorriment. 1ul.m Antonio Seve que vai ser recolhido ao tos-
Dito ao inspector da thesouraria provincial. P'cio Pedro II, e o soldado do 9.- batalhao de in-
Devolvo V. S. as duas contas juntas em duplica- tantaria Antonio Jos da Silva, quo na qualidade
{a, que vieram annexas aoseu offlcio de 13 de no- de enfermeiro acotnpanha o predHo capitao; fi-
vembro ultimo, sob n. 564, relativamente s des- caudo sem effeito a portara expedida neste sen-
pntas relias nos mezes de agosto e setembro deste ",l0 ?m o 1." do corrente.Communicou-se ao bn-
anno, com o curativo dos presos pobres dacadeia gadeiro commandante das armas,
da cidade da Victoria, afim de que. nao havendo Dita.O Sr. gerente da companhia Pernambu-
' inconveniente, c conforme indica o chefe de poli- cana mande dar transporte para o presidio de
ca em oflieio n. 1,608 de 10 do corrente, mande femando no vapor Juguaribe ao 2." cadete do 9." i
pagar ao pharrnaceulico Manoel Joaquim das Tre- atalhao do infantaria Luiz Leopoldino Arcenio
i'kki:ki>o\i:\< i v io dia-
rio 1E PERMMIIKO.
POKTItU..
Porto, 26 df noYeuibro.
A' hora em que escrevemos l vai caminho de
vas Marinl wr elle autorizada, nao Barbosa, e bem assim conduzir para o mesmo pre- Braga el-rei o Sr. i. Luiz, a rainha a Sra. D. Ma- do enthusiasmo um ac
a quantia de 2N9381K) ronslante das mencionadas s'''io 2 volumes e oulros tantos caixoes contendo ra Pa e sua real comitiva. Sahiram desta cida- ,no. com que aprouve
contas e sim a de 1811700 visto ter-se de abater artigos de fardamento, sendo aquelles com deslino! de I hora da tarde de hontem, pernoilaram em tar-nos, como penhor de um .
s pracas do 2." batalhao de infantaria e estes Villa Nova de Famalicao no palacete do Sr.com- exulta recebeudo pela primeira vez dentro de seus
para s do 7. da mesma arma e do 4. batalhao | mendador Jos Francisco da Cruz Trovisqueira c inexpugnaveis muros a rainha (idelissima, illha
de artilharia a p.Cotnmunicou-se ao brigadeiro devem hoje entrar na capital da provincia do Mi- de um grande re, modelo de virlude, neta de
.__ interesse
que \. M. toma |>ela causa que ella to corajosa-
mente e cusa d# tantos sacrificios soube defen-
der a monarchia representativa fundada na carta
constitucional. Esto povo que se ennobrece com
tantas tradicciJos de gloria, regosija se contem-
plando em V. M. o rei justo e sabio, que cedendo
ao paternal enipcnho de seu coracao magnnimo,
e seguindo o virtuoso oxemplo de sua augusta
me a Sra. D. Maria II e de seu excelso irmao o
Sr D. Pedro V, ambos de saudosissima e sempre
chorada memoria, ha de m.anter inviolavel aquel-
lo cdigo sagrado, em que o seu augusto legisla-
dor alliou e conciliou para sempre em tao justas
raias o direito dos povos e o poder dos res.
A cidade invicta, que com loda a naeSo ccle-
brou anda ha |iouco com viva commoco e subi-
onlecimento auspiciosssi-
Divina Providencia felici-
tar-nos, como penhor de um futuro venturoso,
a Mimma de 1083100 da qual 553200 sendo des-
pendidos com o cscravo Raymundo Joaqiiim, de-
vem ser satisfeitos por seu senhor, c 52j>900' com
.Manoel Joaquim de Lima, que segundo declara o
juta de direito daquella comarca, tem parte em um
engenbo, e est para receber urna heranca de 5 a
6:0003000, e |M>r isso nao pode ser considerado
como preso pobre.Communicou-se ao Dr. chefe
de polica. i
Dito ao inspector do arsenal de marinha.Em
vista do que V S. expoz em sua informacao n. 596,
de 11 do crrente, o autorso a mandar em pregar a
barca n. I desse arsenal, na esravacao das areias '
accuniuladas nos lugares em que o empreiteiro da
obra da ponte do Ueril'e, obngado a dar ao rio a
profunddado exigida em seu contrato; aceitando
V. S. em bem da fazenda nacional, a indemnisacao
que elle offereceu em olnVio de 3 deste mez da im-
portancia das despezas de costeio da mesma barca
os dias em que estirar empregada naquelle ser-
vico.
Dito ao mesmo.Mande V. S. fazer os concertos
commanle das armas.
Dita. 0 Sr. gerente da companhia Pernam-
bucana de navegacao faca transportar para o pre-
sidio de Fernando no vapor Juguaribe o sentencia-
do de juslica Antonio Joaquim de Souza. Fize-
ram-se as necessarias communcacoes.
Despachos do dia i'i de dezembro de 1SU3.
Reipteriinentos.
Bibiana Juviniana de Mello e Albuquerque.
Informe o Sr. desembargador provedor da Santa
Casa de Misericordia.
Candido Rosa de Santa Anna.Dirija-sc ao seu
commandante.
Clara Joanna da Fonseca Gama. Informe o
Sr. desembargador provedor da Santa Casa de Mi-
sericordia.
Francisco Antonio das Chagas e Bernardo Jos
da f.osta Valente. Em vista do disposto na lei
de que necessitam duas das boias destinadas ao provincial n. 350 e do que a este respeito informou
balisamento do porto desta cidade, como requisitou o director da repartico das obras publicas em
o capitao do |iorto em oflieio n. 140 de 11 do cor- oflieio de 14 do corrente, sob n. 254 nao tem lu-
renteCommunicou-se ao capitao do porto- gar o que podem os supplicantes.
Dito ao mesmo.A vista da ana informacao a Felicidade Maria da Conceico.Remettido ao
595, de H do corrente, autorso V. S. a mandar Sr. director para attender a supplicanta* nos ler-
fazer os reparos de que necessita o pharolda bar- mos de sua informacao,
ra, como solicitou o capitao do porto em offlcio da-
tado de 3 deste mez, sob n. 139.Communicou-se
ao ca to do porto.
Dito ao director do arsenal de guerraDeferin-
do o requerimento de Jos Francisco Marinho, au-
torso V. S., de conformidade com a sita infor-
inieo n 178 de 10 do corrente, a mandar abonar-
Jbe, a contar dcsta data em diante, e nos dias uteis
de elfectivo trabalho, o salario de 23800, que, per-
cebia, como mestre da otllcina de 4' classe desse
arsenal antes da redueco que se fez, neste venci-
mento em vista do officio dessa directora datado
le 30 de dezembro do anno prximo pastado.
Communicou-se ao inspector da thesouraria de fa-
zenda.
Dilo ao capitao do porto.A' V. S. serao apre-
sentados com este oflieio os recrutas de marinha
Exequicl Honorio Gomes Palmeira, Theodoro Izi-.
dro do Sacramento e Manoel Joaquim do Nasci-
ment, para que Ibes d o conveniente destino de-!
pois de inspeccionado.ConimuDcou-se ao Sr. Dr.
chefe de polica.
Dito ao commandante do corpo de polica.Ao
soldado Candido Rosa de Sant'Anna, que conclmo !
o seu eugajamento, como consta do seu offlcio
n. 506 de 12 de corrente, pode V. S. mandar dar l
baixa. .....
Dito ao juiz de direito do Pao do Amo.Remeti
Vine, a portara que Ihc dirigida pelo Exm.
Francisco de Paula Cabral.Informe o Sr. di-
rector do arsenal de guerra.
Joaquim Francisco Borges Uchda.Prestc-se o
supplicante primeramente ao exame de historia
sagrada, doutrna rhrista e methodb decnsino.
Joao Romarieo de Azcvcdo Campos.Informe
o Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Miguel rchanjo Mindello.Passe portara con-
cedendo a licenca pedida.
Manoel Nunes Vianna.Informe o Sr. inspector
da thesouraria de fazenda.
Maria Francisca dos Anjos Curado.Informe
o Sr. desembargador provedor da Santa Casa de
Misericordia.
Ullisses Pernambucano de Mello. Passe porta-
ra concedendo a licenca de conformidade com a
informacao.
COMANDO DAS ARMAS.
Quarlrl general do commando das armas de Per-
namhufo, 1o de dczrmhro de 18T.
Ordem do da n. 275.
O general commandante das armas faz publico,
para sciencia da guarnico e devido elfei[o .
i." Que o governo imperial foi servido, por avi-
so expedido pelo ministerio da guerra de 5 deste
presidente do supremo tribunal de justiea, para o mez, Hxar o valor da racd da ctape para a tropa
{'un nella declarado. de linha em servico nesta provincia, no primeiro
Dito ao juiz municipal da primeira vara desta semestre do vindoura anno de 1864, a 350 rs. (tre-
cidaik.Cora copia do oflieio do Exm. presidente zentos e cincoenta rs.), c o da rafao da forragem
' da Parahyba de 5 do corrente, transmute Vmc. para a cavalhada da companhia de cavallaria a
a guia do sentenciado daquella provincia Vicente 800 rs. (alto centos rs. ) ; o quo constou de oRkro
Ferreira da Costa Veneno, e deste modo tica satis- da presidencia datado de hontem.
feit a requisicio constante do seu offlcio de 7 de Que approvou o engajamento, que no dw
novembro ultinio. i do corrente contrahio para servir por mais ses an-
nho. : oulro monarcha magnnimo, cuja memoria o l'or-
SS. MM. partiram de Lisboa na manhaa do tu venera e respeita, e esposa cnifim de V. M. em
dia 18 em comboio especial No Carregado, de- tudo dignissima.
pois de receberem os cumprimentos da cmara Cabendo-me, pois, por fortuna minha, a im-
municipal, entraram SS. MM. na sua carrua- merecida honra de mais urna vez ser interprete
Sem. Chefsram ao Cereal pouco depois do meio dos sentiuiente deste municipio, o fazendo os
ia, e Alcobaca, s 7 horas da larde. Hospeda- mais ardentes votos pela permanente prosperidade
ram-se em casa do Sr. Antonio Xavier da Costa de V. M, de S. M. a rainha, de S. A. o principe
Veiga. | real, do el-rei o Sr. D. Fernando, do serenissimo
Seguiram viagem no dia i9cehegaram a Con- Sf- infante I). Augusto e de toda a real familia,
deixa, onde pernoitaram, s 8 horas da noite. No P*'C0 a V. M. se digno acceitar as chaves da clda-
dia 20 enlcaram era Coimbra s II horas da ma- de como testemunho do nosso amor e lealdade, e
nhaa e sahiram meia hora depois do meio dia com ellas a rendida honienagem do nosso rcs|ieito
para Oliveira d'Azemeis, e ahi se hospedaram no acatamento.
palacete do Sr. Rernardo Jos da Costa Basto. Sr. visconde de Lagoaca entregou nesta occa-
Sahiram de Oliveira d'Azemeis s 9 horas o sio a el-rei, que Ih'as devlveu respondendo neste
meia da manhaa do dia 21 chegaram SS. MM.. theor :
ao Alto da Bandeira 1 hora da tarde, e, final-; Das maos dos honrados representantes d'estc
mente, entraram nesta cidade pelas 3 horas. municipio recebo as chaves da invicta e sempre
A viagem de SS~ MM. foi urna continuada leal cidade do Porto, para as restituir a queni com
ovacao. Por todas as trras por onde passaram 'auto befo, valor c Iblelidade tem sabido nos mais
foi extraordinario o enthusiasmo dos povos. aportados transes defende-las e guarda-las.
Em Alcobaca, onde SS. MM. entraram j da Grande a minha satisfac'io vindt com a rai-
noitc estava a villa loda Iluminada. Varios arcos nha, minha amada esposa, ciimprir a promessa des-
triumpliaes erguidos as ruase pracas, diz urna ta visita, e pela mesma occasiao coroar os brilhan-
carta d'alli escripia, apresentavam um aspecto tes resultados da exposico agrcola, ltimamente
magnifico. O magesteo templo do antigo mostei- electuada na capital da rica e laboriosa provincia
ro de Alcobaca brilhantementc Iluminado, tanto do Minho.
exterior como* interiormente, produzia um cffeito Commove-me profundamente a manifestacao
surprehendente. dos sentimnntos deste povo, to independenle no
Em Coimbra, foram SS. MM. recebidos de- seu patriotismo, como umbroso na sua dedicacao.
baixo do-pallio nos pacos do concelho, pela cama- Fica-me no coracao a memoria deste dia. Os lacos
ra municipal, e ahi descancaram e tomaram algu- de amurque reciprocamente unem os portuguezes
ma refeico. aaj seus soberanos, e o cdigo das suas liberdades,
Depois de receberem as felicitacoes de todas as por este modo se tornara cada vez mais estreitos e
autoridades, conselho de decanos', lyceu, cabido, mais solidos.
coinmissao dos estillantes da universidade, e ou- Inallcravel me tem acompanhado, e aos ineus,
tras corporacoes, SS. MM. vieram mostrar-se o affeclo popular as mais acerbas dores e nos mais
aos habitantes da cidade de urna das janellas dos auspiciosos jbilos.
pacos do concelho, e receberam nessa occasiao as Praz-me recordar esse affecto, agradecendo
demonstradles de respeito e-affecto, que os portu- Providencia, a par de outras ditas, a ventura ines-
guezes costumam tributar aos seus monarchas. timavel que juntamente com a grata obngao de
Diz o Conilubrcense que, as numerosas bandei- sustentar as previdente instituicoes obra sua, me
ras col locadas desde a ponte sobre o Mondego, se- iegaram os feitos e as tirtudes de meu grande avd,
Enindo pelas ras da Calcada e do Visconde da de rainha desvelada o Virtuosa mi, de meu saudo-
uz, e largo de Sanso, oflerociam urna vista so e sempre chorado irmao.
agradavel. A' Portagem e entrada da ra da Transjiondo, como esses meus excelsos prede-
Sophia, tinhara sido construidos dous apparalosos cessores, as muralhas d'esta heroica cidade, illus-
arcos. trada por tantos antigos brazdes c tantos modernos
As janellas de todas as habitaeoes acbavam-se sacriicios, nao |m>sso esquecer que ao seu nome es-
ornadas do cobertores, e muito povo de todas as to para sempre ligados os dous soldados coreados,
classes percorria as mas da cidade. que se glorificaran! preparando a liberdade de dous
Na Mealhada, entre a concurrencia do povo que povos, ha muito adiados, agora irmos ; e folgo de
deseja>a beijar a mito de SS. MM. apparcceu rae norar quo do entre os tropheus guerreiros sur-
um vellio vestindo o uniforme do antigo regiment geni aqui as palmas pacificas da industria nao me-
d; voluntarios da rainha, o qual mal poda j nos prestantes,
apostar disvelfB com a possanfe soflreguidao dos Amigo dos
seus conterrneos. El-rei foi ento ao encontr
Dtqiois de cerca de quarenta trens vinham os
soldados de cacadores a cavallo ser viudo de bate-
dores.
Duas carruagens da casa real conduziain os ca-
maristas e as damas da rainha.
Seguia-se a carruagein descokerta tirada a duas
parellias em que vinham SS. MM. Era procedida
e seguida por oito batedores da casa real, fardados
com libr de grande gala e montando soberbos e
bem ajaesados cavallos.
O Sr. D. Luiz I vesta o uniforme de coronel de
cacadores 5 e trazia urna das espadas que seu av,
e apelados junto j duque de Braganea, usara no cerco do Porto.
ASra. D. Maria Pa trajava vestido de glac liso
verde-mar guarnecido a rendas pretas, mantelette
de btonde preto, e chapu de seda branco, com plu-
ma da mesma cor, e regalo arminho.
Nos lugares em frente de SS MM. iam os minis-
tro o reino e da marinha.
Seguiaiu o carro de SS. MM. as carroagens da
Exraa. cmara, o Sr. general Ferreira e seu estado-
maior corpo, de guarnico e muitos oulros trens
oceupados pelas pessoas 'mais consideradas da so-
ciedade porlnense.
As tres horas e meia chegou o cortejo igreja
de Nossa Senhora da Lapa, em cujo largo espera-
vam SS. MM. os soldados do antigo regiment dos
voluntarios da rainha.
No espacoso adro da igreja foram SS. MM. rece-
bidos debaixo do pallio a cujas varas pegavam os
Miembros da mesa da irmandade de Nossa Senhora
da Lapa.
A' entrada do templo estava o Sr. bispo da dio-
cese cora o cabido revestidos em pontifical. As va-
ras do pallio foram cutao entregues ao cabido.
Cbegando SS. MM. capella-mr ahi ajoelbaram
sobre duas almofadas de velludo e o Exm. prela-
do aspergio-os dejiois de Ibes dar a beijar o Santo
Lenho. Era seguida, tirando a mitra e depondo o
bago pastoral subiu ao altar-mr o entoou solem-
nemente o Te-Deum laud/imus o que loi repetido
pela orchestra.
Aojado do Evangelho elevava-se um throno, a
que SS. MM. subiram. Alli se conservara! de p
durante todo o Te-Deum menos o versculo Te-er-
go o qual ouviram ajoelhados, no meio do presby-
terio, ininistrando-llies as almofadas. os Srs. cama-
ristas.
Na capeila-mrcslava o Rvra. cabido, grandes do
reino, as Exraas aias de SS. MM., e os Srs. cama-
ristas. Junto grade da capella-mr, do lado do
Evangelho, viam-sea Exma. e a real irmandade de
Nossa Senhora da Lapa. No da Epstola estavam
os niembros da relacao e o auditorioecclesiastico.
Findo o Te-Deum SS. MM. descerara do throno c
foram ajoelhar-se djante do monumento que encer-
ra o coracao do Sr. 1). Pedro IV. Depois foram
acompanh.idos at porta do templo por todos os
que lorinavara o prestito, e ahi se despedirn! do
Exm prelado.
SS. MM. entraram no coche e seguiram com todo
o cortejo para o Paco da Torre da Marca, onde en-
traram por volta das o horas da tarde, no meio de
calor isas saudacoes do povo que alli estacionava.
SS. MM. foram noite ao tbeatro de S. Joao, on-
de foram acolhidos com salva de palmas. Repre-
sentou a companhia portugueza o drama Joanna a
Douthi.
Os vivas levantados pelo Sr. governador civil
caria constitucional e familia real foram respon-
didos com enthusiasmo.
O Sr. D. Luiz I vesta o uniforme de almirante,
e a Sra. Maria Pia trajava um vestido de seda
cor de rosa, decotado e guarnecido rendas de
Bruxellas. O collar, broche, brincos, braceletes,
ponte, pulseiras, erain de esmeraldas, rubis e bri-
Ihantes, e tinha a banda da ordem da Conceico,
presa no hombro direito por urna rica fivella de
brilhantes.
Recitaram versos os Srs. Antonio Pinheiro Caldas
Guiraares e Alexandre da Conceico.
Antes de comecar o lorceiro acto SS. MM. tendo
de retirar-se, entraram na tribuna real, a compri-
menlar o publico, que corresponden a tao honrosa
deferencia cora entliusiaslicas aeclamacoes. Asse-
nhoras apta vara os lencos.
Os festejos pblicos foram contrariados nesta
noite pelo tno lampo. A chuva e o vento inipedi-
rain de acceuder as lluminacSes que nao era de
gaz, e estas mesmo porderam todo o seu brilhan-
tisnio.
O Diovimenlo de povo as ras dos festejos era
immenso. Algumas msicas tocaram era diiTeren-
tes locaes.
No dia 22 foram SS. MM. e sua comitiva ouvir
missa capella de Nossa Senhora da Lapa, onde,
como sabido, existe o coracao do Sr. D. Pedro IV.
O Sr. D. Luiz I trajava o uniforme de coronel de
cacadores 5, uniforme que usualmente vesta S. M.
imperial o duque de Braganca, no terapo do cerco
do Porto.
O Sr marquez de Ficalho, ajudante de ordens de
el-rei, tambem vesta o seu antigo uniforme de
igual posto que exerecu junto do immortal dador
da carta constitucional.
Comojia Nspera, formaran! alas dentro do tem-
plo, os antigos voluntarios da rainha a Sra. D. Ma-
ria II. Depois da missa foram SS. MM. orar em
frente da urna que guarda o coracao do duque de
Braganca.
A's duas horas da tarde houve no paco a recep-
cao de gala.
O Sr. D. Luiz vesta de marechal general, com a
gra-cruz da Torre-Espada, que a insignia mili-
tar que condecora as armas do municipio do Porto,
e a Sra. D. Maria Pa trajava um riquissimo vesti-
do de velludo encarnado com riquissimas bordado-
ras ouro. Ornava-lhe a fronte um diadema de
brilhantes.
Para o jantar, entre outras pessoas, foram con-
vidados os Srs. governador civil, general da dvi
bispo da dioeese
si o, bispo da (hcese e presidentes da Exma. ca-
ue trabalham se chamou o Sr. re. mar e da relacao.
Na mesa que comprchendia 45 talheres, estava
que
D. Pedro V. Da do veterano, e dirigiu-lhe as mais affectuosas ex- bem este nobilissimo ttulo, que por glorioso tenho, ao lado de S. M. el-rei o Sr. ministro do reino. Ao
pressoes. como aquello que neste seculo melhor em si con>-! lado deste foi, como distinecao cidado d Porto,
Em Oliveira d'Azemeis estava a villa embandei- substancia o dever dos res, o encargo das socie-| collocado o Sr. presidente da Exma. cantara,
rada o quando alli entraram os reaes viajantes dades, fundamento da civilisaco. Ao lado de S. M a rainha estava o Sr. ministro
achavam-se todas as janellas adornadas com co- Sou por extremo sensivel s solemnes- puowas da marinha, o ao tado deste o Rvia bispo da dio-
bertores de damasco. de publica sympathia que tenho recebido^o s qpe cese do Porto.
S. M. el-rei propoz o seguinte notavel e honroso
brinde cidade do Porto :
Brindo cidade do Porto, cidade notavel nos
fastos da nossa historia, cidade quo se exalta pelo
commercio, cidade que se tem trophos guerreiFos
que a ennobrecem oulros nao menos dstinclos Ibe
tem levantado a industria, cidade a que meu av-
fogqu o seu ""^o2" cidado que deu o berco li-
Derdade, cidadeem que cada pedra urna idea e
onde todas cstao dizendo qjie um punhado de ho-
mens, tendo por bandeira juslica e razao, valem
um exercito invencivel, cidade emfim que por tan-
tos ttulos se elevou disrketa entre as mais dis-
tinctas.
Brindo cidade do Porto. >
O Sr. visconde de Lagoaca agradeceu da ferina
seguinte :
Senhor! Ainda mais urna vez me cabe a
inmerecida honra de ser interprete dos habitantes
deste municipio para agradecer V. M. a subida
honra com que V. M. approave distingu-la nesta
tao solemne occasiao.
Mas, Senhor, como agradecer V. M. de um
modo que corresponda s benvolas e bonrosissi-
mas palavras com que V. M. acaba de elevar esta
cidade ? Expressoes nao as posso encontrar e s se
pode corresponder a tao subida demonstraco de
consideracao, cora a provada dedicacao, respeito,
amor c lealdade que os portuenses tributam ao seu
soberano ; ainda desta vez provaram elles, como
hao de provar sempre, que nao desmereceram das
palavras que a augusta mai de V. M. se dignou d-
rigir-lhes no titulo mais honroso que possue o
nosso archivo municipal, o Porto sempre o
mesmo.
S. M. observou que os habitantes deste muni-
cipio todos como que porfa procuraram corres-
ponder e mostrar o seu profundo e respeitoso reco-
nhecimento pela visita cora que V. M., acompanha-
do da nossa adorada rainha se dignou honrar-nos :
pela minha parte commemorarei este dia como um
dos mais felizes da rainha vida por me caber a glo-
ria de em nome desta invicta e sempre leal cidade
saudar V. M.
Viva el-rei o Sr. D. Luiz I.
Nesta noite assistiram SS. MM. no toeatro de S.
Joao a recita da companhia lyrica.
No intervallo do 1. para o 2." acto levantarara-
se da platea enthusiasticos vivas a SS. MM. o Sr.
D. Luiz I, Sra. D. Mara Pa, e o Sr. D. Fernan-
do, e a S. A. o principe real.
No intervallo do 2.* para o 3. acto, o Sr. Gui-
Iherine Braga recitou urna poesa que foi muito ap-
plaudida.
O Sr. D. Luiz I vesta o uniforme de almirante
com a gra-cruz das tres ordens militares portu-
guezas; e a Sra. D. Maria Pia trajava vestido de
seda azul, guarnecido de rendas brancas. Os brin-
cos, ponte e as pulseiras eram de brilhantes. O
broche era uraa esmeralda de grandeza notavel
cercada de brilhantes. Trazia a banda da ordem
de Santa Isabel.
A noite pouco melhor estove de que a anterior.
Chuven. mas nao fazia vento, o que permittio ac-
cenderem-se as illuminacoes, as quaes, como de
prever, estiveram ms.
No dia 23 examinou el-rei as obras da nova al-
fandega, em Miragaia, e acompanhado de S. M. a
rainha visitaran] o recoihimento das orphas de S.
Lazare, o recolhimeiilo das meninas desampara-
das c o ostabelecimento da creche, onde S. M. a
rainha acariciou as creancinhas.
A' noite, antes de ireo para o thcalro Baque!,
percorreram SS. MM. as ras em quo se flzeram
festejos. O lempo tinha melhorado, e as illumina-
coes estavam brilhantes. Quatro bandas marciaes
tocavam as principad ras Iluminadas. Depois
das onze horas tora lugar na ra dos Clrigos o
fogo de artificio que termnou por ura lindo bouquet
de 100 duzias de fugete.
Conta-se que el-rei o Sr. 1). Luiz, depois de re-
colher-se ao paco com S. M. a rainha, sahira em
traje desconhecido a ver as illuminacoes. Nao
athrmarnos, puivm, eremos ser verdadeiro este
boato.
No dia 24 almocou el-rei e sua comitiva com os
individuos que pertenceram ao antigo regiment
de voluntarios da rainha, e quexislani nesta cida-
de. Eram mais de 100 e quasi todos comparece-
rain fardados. Reuniram-se no quartel da guarda
municipal c d'ahi foram encorporados para o
paco.
Admittidos os voluntarios na sala de recepcao,
appareceu el-rei com o uniforme de cacadores 5.
Trazia a graa-cruz e collar da Torre Espada. Sa-
tisfeitos os devidos cumprimentos foi aborta a sala
do almoeo. Os voluntarios ocruparam os lugares
que Ihes estavam destinados na mesa. A' direita
do Sr. D. Luiz ficou o baro de Grtmanceilos, ac-
tualmente governador docastello da Foz do Douro,
e foi coronel do dito regiment de voluntarios.
No brinde que el-rei fez aos voluntarios disse
que folgava de ver em torno de si aquclle punhado
de bravos, que tanto traballuram cora seu augusto
ave em pro! da liberdade; que estimava entmn
alguns em altos cargos, mas senta que nutro?
tivessem pobres; porm que decertonaocontin
riatn a ser olvidados, e se Ihes faria justiea. S. SI.
lindou por clizi-r Brindo aos voluntarios da rai-
nha.
0 Sr. barao de Grimancellos agradeceu a honra
que estavam recebendo os voluntarios da rainha ;
e em nome de todos reiterou os protestos de amor
pela actual dynastia. Findou a resposta, levantan-
do um viva a el-rei.
Findo o almoeo, cujo servico, em parte, foi feito
por pessoas da real comitiva, os voluntarios volta-
rara para a salado recepcao. Pouco depois appa-
receu sua magestade, que tirando do pcto a cora-
uienda da Torre e Espada que ento trazia, conde-
coren com ella o Sr. baro de Grimancellos, o
qual agradeceu a honra que acabava de receber.
Nesta occasiao, o Sr. Mosqueira, commandante da
guarda municipal, e que tora capitao dos volunta-
rios, levantou vivas a sua magestade a rainha, ao
principe real, ao Sr. D. Fernando, a carta consti-
tucional, familia real; ao libertador da Italia, e
familia real italiana. Em seguida abrio-se outra
sala, na qual os voluntarios cumprinicntaram res-
petosamente sua magestade a rainha, retirando-so
logo depois.
De tarde foi el-rei visitar o hospital da Santa
Casa da Misericordia. Nao fez como oSr. D. Pe-
dro V que nunca prevena as suas visitas. O Sr.
D. Luiz foi esperado a porta pelo provedor, Miem-
bros da mesa, e varios embregados- do hospital.
Examineu tudo detdamente e sahio satisfeito.
noite suas mageslades foram ao baile da Asso-
ciaco Commercial. Aproveitamos parte da dis-
crpeo que d'esta festa brilhante faz o jornal o
Commercio do Porto. o mais explendido. o mais
rice baile que se tem dado n'esta cidade, e at se
afllrraa que Lisboa nunca o tivera igual.
A grandeza c vastas proporcoes do edificio cor-
respondan! as magnificencias e riquezas dos ador-
nos, por modo que a admiracao pairara como que

(
iauu
usto
fiuJay


.*


nforlft e vrnambnco Sexta fe Ira 18 t Dexciubro de M3.
confund no Imnienso c brflhanUssinte qnadro 'Os tapates mnifeiamiNii a magnificencia destos
que ;i pmidia 1 adornos".
Asumas de luz, quo mais do dous mil lunu s cu- 0 salao do tftrilc tornaran, por sobre aquclle festivo movimento de em volta um estrado do dous degrus,"tapetados, e
cerca de 40 menos do 600 senlioras; as galas que cowo que a numero de 300 e tantas.
disputar primazias se osteiitavam em todas as sa-
las e galeras ; a sumptuosidade grandiosa da fes-
la, formaran um conjuncto magostse de brilban-
tismo, que deslumhrara a vista e desaljava jubiloso
alvoroco.
O servico era o mais profuso e delicado, com
No extremo opposto entrada, leranlava-sc so-
bre um estrado o doel, de veludo carmezim, do-
minado por una coroa real. Sobre o estrada es-
tavam as cadeiras de espaldar para Suas Mages-
tades.
Este salo domado com 16 grandes espelbos,
quanto nao podesso ser regular no mtodo to ex- era Iluminado por 15 lustres, com 442 bicos de
traordinaria reuniao, nao obstante os esforcos para gal. As jancllas tinliam transparentes uns com as
sao empenhados pelas pessoas ecarregadas de o iniciaes L. M. sobrepujadas por urna coroa real, e
dirigir. outros cornos escudos de PortugaleItalia.
As H horas da noite foram suas magostados re- A galera superior que esl em volta do salo
cbidos pela drecco da assocacao commerclal era guarnecida de seda amarclla, com sanefas de
porta do edificio -da Bolsa, musselina branca, apandadas junto as columnas
A entrada de suas magestades na sala da toilette em forma de cortinados, cadindo em 15 pontas que
fui annunciada por girndolas de fugelos. As lanas sao as columnas.
msicas mamaos loearam o hynino real.
O Sr. I). Luiz vestia o uniforme de coronel de vo-
luntarios da rainha, com a inedalha das eampa-
nhas da liberdade, o a gra cruz e commenda da
Torre c Espada.
Sua magostado a rainha trajava de azul c hran -
co, e com elegante simplicidade. Tinlia um ri-
quissimo colUr de saphiras e brilbantes, broche, c
peale do brildautes e urna Tita das mesmas podras
orlanilo o decote do veslido.
Dopois que Ibes fui servido o cha na sua toilet-
te, suas magHStades, atravessando as salas, entra-
ran! no salao do baile ao som do hymno roal, can-
tado por coros e acompanhado pela orchestra, co-
mecando logo o bailo.
A primeira contradanca dancou sua magostado
el-rei com a Sr.'J). Mara l.ui'za do Cont e Cas-
tro, mana do Sr. governador civil, e sua magosta-
do a rainha com o Sr. vsconde de Lagoaca, presi-
dente da municipalidad' portuense.
El-rei valsou com a Sr." D. Ernestina Passos Pi-
nientel, sobrinha do Sr bario do Grimancellns, c
a raiuha rom o Sr. conde do Valle dos Res, tildo
do Sr duque do l/nil.
Para a segunda contradanca ronvidou el-rei a
Sr." viscondessa de Pereira Machado ;e a rainha o
Sr. Anselmo Jos Rraamcamp, ministro do reino.
Por parte de cl-rei receberam iguaes honras a
Sr.* marqueza de Monfalim (ti Iba do conde de Te-
lena ), a Sr.' D. Adclaide Villar Calheiros, a Sr."
1). Julia Saundeman, e finalmente a Sr.a condossa
de Kezende.
A mesma distinecao, por parte de sua magesta-
A sala daceia eslava de una magnificencia ad-
mravcl e deslumbrante.
Tin ha ao correr duas mesas parelellas, e no topo
airavessada, sobre um estrado de dous degraus, a
mesa de Suas Magesiades, do arranjo da qual se
encarregou o Sr. Joaquim do Souza Guimaraes.
Tinha esta mesa, um rico plato de prata, que o
mesmo Sr. comprou em Vienna d"Austria, e que
pola primeira vezserviu. urna peca de primoro-
so traballio artstico, ede muito gosto.com 18 bra-
cos que seguravam 18 velas das cores italianas o
portuguesas.
Tinha esta mesa tres valiosas serpentinas de
prala. Todo o servico da mesa era deste metal
excopoiio dos talheros que cram de nuro.
Aos dous ladjs do plato viam-sc dous cakes que
liguravam duas columnas, no pedestal das quaes
so viam os escudos da Italia, Portugal, Hraganoa e
Saboia.
Tinha a sala quatorxe cspelhos, tres grandes
lustres de erjstal, e as jancllas, quo ficam prxi-
mas da abobada com transparentes, em que se
viam as armas de differenles uaces.
As duas mesas paralellas, lindam dous ricos pla-
tos de piala e crystal, dous elegantes vasos do
mesmo motal com Dores, e 24 serpentinas do pra-
ta. Os aparadores que cstavam rentes parede e
parallelos com as duas mesas, lindam oilo serpen-j
linas de prata, e numerosos objectos de copa des-
te mesmo metal.
Ao fundo da sala, e em frenle da mesa real os-
la va outro aparador com um grande plato de pra
la e crystal, cinco serpentinas, e grande numero
Par este foi olTorerid o lihrllo da acensarlo no litas** e sonhos da maridado, que aquellos Indios Tomaram
processo da fatlencia do rea Joaquim Franjeo de vormcltv ., ainda so dcscerraui aos sorri- deram buscci
MoJIo Sanios, pedindo a sua cundetuiiayau s penas
do grao medio do art. 26.1 do cdigo criminal.
Tratando-se do processo de responsabilidade ras-
aos embriagadores que dio urna idea do sorriso
dos anjos, que aquellas almas ainda so envolvem
ilvos mantos da inenence. As mogas, quei-
taurado contra o juiz de paz Jos Theodoro de Li- rara ellas perdoar-nos a franqueza se parecom com
ma, qualiflcou-sc o responsadilisa-lo, dando-se visia jas sombras perdidas em noites de' luarnao som-
ao Dr. promotor publico para olforecer testemu- bras das crencas scandinavas, que riem e daucam
nhas seasjulgara bemda aecusacao. com frenes, mas sim das creneas indianas, que
Levaiitou-se a audiencia por urna hora da larde. -
De Nazarelhcommunicam-nososeguinte :
A cmara municipal procodendo hoiitem a
apnraeao goral dos votos dos diversos collegios
do 2 dislrictoeleitoralpara deputados provineiaes,
encontrn na acta do collegio de Goianna, entre
onlras cousas, maior numero de votos dados aos
diversos candidatos, do que podia produzr o nu- formar milagrosamente um pedaco de marino-
mero do elcitores considerados presentes, d onde re em nraa estatua sublime : o buril tambem d
se evidenciara a fraude; mas cingndo:sc as suas j vida I
funredes restrictas na le, somnioii, nao obstante, i Vsquasi acreditareis que o marmorc se trans-
aqucllos votos, e protcstou pela nullidade daquelle | forma em homem.
collegio, afim de ser apreciada pela assembla pro- Cruel engao !
suspirara a doras tardas da noi'te as ramas de
seus bosques ou as flores de suas balsas.
lora vida, mas a vida descorada e inspida da
urna sociedade pouco coinmunicativa.
Que vale a vida, quando nao ha prazer
rectas e cantos ? *
Alguns genios do passado chegaram
e riso,
trans-
de a rainha, couberam aos Srs. ministro da mari- de objectos de prata.
nha, conde de Valle de Reis, Antonio Bernardo de N'os ngulos da sala viam-se ricos jarrees da
llrito e Cunha( escrivao da mesa grande da alfan-'. India.
dega, e fllho de um dos sui no governo do Sr. I). Miguel) e por ultimo ao Sr. | Para que se possa tazor idea do servico de vi-
marquez de Monfalim. \ nhos, bastar dizer-se que entre os mais preciosos
Durante a ccia de suas magestades, os quatro do paiz o esirangeiros, appareeeu vinho do Porto
priraciros cantores da companhia Ivriea executa- do 1785, Madeira e Xerez engarrafada ha 40 an-
ram a cantata, que para esla occastao foi exprs-; no*,
smente composta pelo Sr. Hyppolito Ribas. A guarda de honra era de infantera 18, e com
Suas magestades retiraram-se s 4 horas da ma- bandeira.
drogada, agradecondo el-rei ao presidente da As- At) sabir da oseada cstavam postados os porta-
socaco Commercial ( o Sr. viscoude do lagoaca) machados da guarda municipal.
fosla que a corporaco do coramereio do Porto As msicas marciaos que all tocaram erara as
Ido florecer, o a sua augusta esposa. de infamara n. 18 e lacadores n. I.
Dopois da saluda de suas magestades contnuou O edificio do Banco Commercil, na ra do Par-
o baile, qne durou animadissimo at ser dia. Eram reir Burgos, eslava lindamente Iluminado a gaz.
' huras da manha. Na ra das Flores e largo da Paira repeliram-se
O edificio eslava profusamente empavezado o il- as illuminacoes das non tes antecedentes.
laminado no exterior. Para so fazer idea da extraordinaria concurren-
0 atrio revestia-se de numerosas dandeiras por- cia, bastar saber-so que por vezes o cordo do car-
tuguezas e italianas, o escudos, uns com as inicaos ruagens das pessoas que iam para o bailo, ehega-
I.. M e outros com as armas de Portugal e Italia, va desde o edificio da Bulsa at ao largo da feira
Na frente interior da entrada via-se ura bosque de S. Beato,
formado dos mais raros arbustos. I Va i extensa esta carta. Para nao fatigar muito
Estavam disseminadas |>elas ramagens setenta | mais os leitores vale-nos as noticias da quinzena
aves, omp ildadas, das mais bellas da America e da: resumirem-se a pouco mais do que aos aconteci-
Europa. Na parto superior d'cste piloresco quadm mentos derivados pela visita de SS. MM. E nao
viam-se, como que dominando o todo, urna garoa admira.
real e um pavo, cm airosa postura. Na parte n-1 Os preparativos para a recenejk) dos reaes
ferior nadavamom duas grandes conedas naturaos i viajantes lizeram esquecer os trabalhos em que
alguus j>eixes encarnados. j muita gente andava empenhada para a eleicao ca-
Do meto de alguns dos arbustos rbenlavam lu- raararia, que foi transferida para domingo 29;
mes de gaz. acalraaram a agitaco produzida polo projectado
Todo o atrio eslava profusamente Iluminado regulamento doconselliodo instruecaopobhca.que
cora lustres e numerosas luzes de gaz. supprimia algumas cadeiras de ensino na academia
No pequeo pateo, que tic-a ao lado, e no pavi- j polytechnica do Porto; e, finalmente, affrouxaram
monto em que comeca a ese ida, levantava-se um : o intoresse com quo estava sendo tralada a emma-
grande tropbeu marcial dominado pelos escudos randada concesse do privilegio para a formacao
de Braganca o Saboya, sobre-pujados por una co- de um banco nypotheeario.
roa real e coflocados entro asbandeiras portugueza Fallecen s 11 doras da noite do dia l, na sua
c italiana. casa da Viella da Neta, o Sr. Jos da Silva Passos,
Toda a esradaria estava adornada de grande e o vice-prcsidonle da junta do Porto em 1846 e um
ricas jarras com flores, e a gradera lateral d ella, dos doniens mais netaveis do pariido progressisla.
cm luda i sua continuaco, enfeilada cora derasi Tinha 61 anuos e niorreu sem uenhuma cominen-
entrelaradas. I da, habito on titulo nao obstante ter em varias
a. -- i i j 'pocas exereido grande influencia junto dos go-
As luzes de numerossimos lustres de crystal vernos
iliuminavain prousamcnle aquella parte do edi- T.-un'hem nao grangeou fortuna; conservou ape-
n',. -,i as os bous herdadus de seus pas. Foi homem
,a?>?ir^^eT,',Cara.?aTadrVCga,ap0raiV0. d ,,ma *" rara, lirmc nos sous
loda>.> paleras, salase salees do edificio principios democrticos. Era de urna memoria
.,,,: t' ^ f.l.falCn' i,eSt:,Va? tS^3h- ,C vas,a *c muit t'noadministralivo. J ha al-
qiiadrns c espelbos, e illnminadas por urna linda
vincial quando ti ver de verificaros respectivos po- O marraore seinpre marmore, como vida
deres. desta bella lnda a vida de urna estatua.
Fornecem-nos o offlcio, que para acautelar Tem llores, certo : mas ha flores deseoradas,
direitos e bens de urna alienada, foi pela subdelc- tristes e sem perfumes: nos cemiteros tambem
gacia da Capunga dirigido ao Sr. Dr. jnz de or- nascem essas lidias da natureza, que invejam suas
pililos desla comarca. i irmaas dos campos e jardiu?. Para estas ha bri-
Illm. Sr. Vaga por este dislrkto em estado | sas naraoradas e momas da tarde, sonhos e canlos
de perfeita loucura Carolina Correa Dnarte de Al- dos poetas; para estas ha sempre perfumes exqui-
buquerque, branca, solteira, e maior de 50 annos, sitos, mas para aquellas sniente despuntara lagri-
possue alguma cousa, andava acompanhadado um mas enemas,
pardinlio seu escravo, por nome Elias, a quem Que flores terOImda?
constantemente maltratara. Nao lem ubi certo, de Farece-nos que sao as primeiras.
presente acha-se ella no lugar da Baixa-Verde, Fallou-so da ultima representaco theatral que
deste districto. aqui houve : e com quanto sejamos do numero
Mandei arrecidar os objectos a ella pertencentes desses que applaudom o animam toda e qualquer
constantes da relaoo junta, os quaes remeti V., tendencia ao desenvolv ment do til e do agrada-
se e juntamente o "referido pardinho. vel; que bradam aos prmeiros exforcos das in-
Consta-me outro sim que alm dos objectos re- telligenciasirmos, coragem e avante I- nos, di-
meitidos, outros exstem em |>oder dos individuos i zamos, que concorremos para isto com o pouco
cujos nomos, consta de urna outra relacao tambem que nos permitiera as forcas, nao podemos concor-
junla, sendo joias de ouro e prata, mobilha, roupa! dar que fosse bom o desempenho do drama. All
branca e preta, o mais arranjos de casa. E por que i ludo confundio-se : o sentimental e temo com o s-
no estado cm que se acha ella nao |>ossa adminis-1 rio e robusto de urna accSo; o engracado, com o
trar seus bens, cumpre-me assim communicar | fro e indifferente. Nada de mmica ; acanhamen-
V. S. a tal respeito afim de que providencie como to extremo; as partes mal sabidas e mal executa-
fr de lei. idas' Felizmente houve urna scena cmicacrill-
O resultido dos collegios do Recife, Pao | ca de mulo espinto, que agradou-nos bastante |>e-
d'Alho, OliiHhi, Iguarass, Cabo, Escada, Limoeiro,! lo seu desempenho.
Nazareld, Santo Antao, Serinhaem, Goianna, Boni- j Os actores sao todos rapazes que comecam e es-
to, Rio Formse, Barreiros, Caruar, Brejo, Cim-1 trandos arte: nos nada exigimos aponamos
- bres, Garanhuns, Papacara e Buiquo excluidas to- apenas os defeites, devidos talyez mos ensaios, a
das as duplcalas, forma assim alista para senador: falta de conselhos ede interesse.
Conselheiro Francisco Xavier PaesBarreto. 1122 Alguns das dopois da representaco no thea-
Dr. Joaquim Saldanha Marinho........... 1052 trinho de Olinda, alguns mc^os com o flm de se
Dr. Antonio Vicente do Naseimento Feilosa. 886 divertirem e de oirerecerem algumas horas mais
Dr. Urbano Sabino Possoa de Mello....... 654 agradaveis ao bello sexo, reuniram-se e deram
Dr. Francisco CarlosBrawlao............. *7 um pe No lugat Gamelleira, do districto policial da i das.
Malhadinba, foi assassinado Manoel Francisco de A idea apparereu no dia 2 do cerrente, c s oito
l.ma com um tiro de pistola que Ihe disparou Dio-' horas desse dia a msica convidara s aucas e ao
nizio de tal, por have-lo encontrado em adulterio I praier.
cora sua mullier, consegrando elle fagir 9 pesqui-! Houve pouca concurrencia : as senhoras apre-
zas policiaes. sentaram-se com simples toilettes, mostraram-se
No dia ljdu crrenlo, pela noite, penetra- contentes e dispensaram todas essas etiquetas de
ram alguns larapkis em urna casa na ra dos Mar-, bailes e partidas, comprohendendo assim o espirito
tyrios, onde inora o Sr. Joaqnim Bastos, que ora do diverlimento.
se acha no campo cem a familia. Consegrando Foi como urna verdadeira reuniao familiar, sim-
abrir a janella da cozinba quo deita para o quin- pies, modesta, e que agradou bastante,
tal, nao podoram comtudo entrar na sala inferrer, j Deixando no olvido pequeas contrariedades, a
em razo de ler tcado a porU da cozinha fechada; | noite do dia 2 prometta alguma cousa para as se-
e por isso coiiientarara-se em quebrar alguna loue guinles.
ca, que entao existia na cozinba, depois do que Matar o tedio imraenso destas longas noites sem
sahiram. | la; acordar estas bellas almas de virgens do som-
Polos rastoa que deixaram llcar desenhados na no do indiferentismo; proporcionar os meios de
areia, eolligo-se que sallaram pelo moro para a i soeiabilidade e uniao, eis o que tiveram em vista
casa vizinha, e segundo consta, |>or mais algumas, I os ditos mocos.
pos que diversos moradores da mesma ra disto I .\o dia 5 leve lugar o segundo diverlimento; e, I
queixam-se. como no primeiro, s se lizeram os convites nesse
Repartido da policu : mesmo dia para eonvoneer todas da simplicida-1
(Extracto da parte do dia 17 do dezembro). |(je ,. fim (ja reuniao.
Foram recolhidos casa de detencao no dia 16 j pjao tendo havido motivo de queixas com os con-1
do corrente. vites primarios, ninguom se persuadi que os se-'
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, os: gundos fossem mal recebidos, por nao serem foitos
pardos Jos Francisco da Silva, como desertor do com a|guns as de antecedencia, como se se rn-
osla indieacao no sentido litteral, o
sea minuciosa a'ura escrptorio e a lodos
os oulros aposentos, mais intilmente.
Veuderarn urna colleccao de lvrosa ura livreiro
chamado News e repartiram a heranca entre os
legatarios.
Comtudo, a singularidade da indicaeao e a inu-
tilidade das suas iuvesiigacos levam os dous.^co-
Uemen a conversar rauitas vezes sobre o caso, por
modo que n'um bello dia leve um delles a idea quo
entre os livros ha muito vendidos hara urna edi-
cao in folio dos Sermes de Tillotson.
A prubadilidade de i|uo tindam a'cliado a expli-
caco da palavra Till instigou os dous gentlennun
a fazor averiguaeVs.
Foram a casa do livreiro, quo declarou ter ef-
ectivainente comprado os Sermoas de Tillotson;
purni, examinando, verificou que a obra tinha
sido vendida a um lidalgo de provincia. Mas, de-
pois de mais aturado exame, vio-se que o compra-
dor, nao tendo gosiado do lvro, o reenviara pelo
correio.
Folheou-se o volume c encontraram-se entre as
paginas olas do baneo, que formavara a somma
indicada no testamento.
**
Durante o anno corrente teem sido aberlas a ex-
plorado em Franca cerca de mil kilmetros de
caminho de ferro.
A inslrucco primara tem tido grande desen-
volvimiento cm Franja, onde as escolas sao fre-
quentadas por uns cinco milhoes de meninos, sendo
gratuitamente a torga parle delles.

J saino de Inglaterra para o seu destino o ulti-
mo dos cinco navios encarregados de transportar
o cabo telegrapdico que dove ser posto a entrada
do golpho prsico at Mekra.
A extensao total do cabo de 1,2.10 milhas nu-
ticas, que foram fabricadas na razio de 50 por se-
mana.
O seu dimetro, incluindo as capas, de 1 '/z
pollegada.
O peso de 400 arrobas por m Iba, com a mes-
ma flexibilidade da corda.
Acredila-se que a operacao da collocagaacome-
car no principio de Janeiro prximo.
Por meio deste cabo licar, dentro de poucos
mezes, telegraphieamcnte unida India com a In-
glaterra.

Na Blgica foi concedido um privilegio indus-
trial para um processo, por cujo meio se fazem
productos de borracha e guita-percha, pela mistu-
ra das duas gommas e seus similares.
Estes productos sao muito parecidos na cor e
forma ao marfim, e resistem aecao de todas as
variedades de clima, da agoa a ferver e dos te-
cidos.
vasta e de
guns annos tinha mor ido para o mundo poltico.
Accommettido de urna alienacao mental ha-
va-se lomado inimigo d'aquellos a quem mais
quera o amara.
| Dos foz-lhe muita merc era o chamar a si.
O seu cadver deu-se a sepultura no cemiterio
Ida Lapa.
Das provincias tambora nada ha a nao ser a al-
' leraeo do soreg publico no Peso da Regoa na
eleicao da cmara. Nao so sabein ainda prome-
nores, mas eremos ter sido cousa de pouca im-
portancia.
mercado do assuear est muito animado em
consequencia das reoxportagoes para Inglaterra.
As quantdades ca negadas diurnamente para
aquello mercado foram para Liverpool 83 caxas |
mascavoda Baha pelo vapor inglcz Fntnlfot o 74
ditas 4 403 saceos da mesma procedencia; 399
saceos e 37 barricas do Maranhao; e 23 caixas do' -los Pereira Coelho
Rio pelo vapor Cintra ; para a liba da Madcira 20! Obituario bodia 13 de drzrmbro no cemite-
saecus pelo brigue Gtulierme. R pchlioo :
Ha mais algumas vendas para reoxportacao do Joscpha Mara da Concewao, Pernambneo, 30 an-
do lastres de crystal, que pendiam do tocto, e nu-
meronn lustrinas collocadas as paredes
Tixlas as janellas quo dSe para o pateo interior
lindara transparentes, uns cora as iniciaos L. M
e outros cora os escudos de Braganca e Saboia.
A primeira sala, guarnecida de espelbos e qua-
ros, e mobilia de estofo de soda adamascada de
raarello e azm\ era illuminada cora tres lustres
e crystal.
A segunda, guarnecida de quadros c mobilia de
estofo* de brocatel de Lyon, branco o encarnado,
era illnminada por um grande lu>tre de crystal.
A tereeira, guarnecida de onza es|>elhos ricos,
tres consolos dourados, mobilia de estofo de da-s
masco encamado e elegantes plynlos nos ngulos,
era illuininada com serpentinas e lustres doura-
dos.
As cortinas destas tres salas eram ricas.
\ sala chamada dos reiratos, era a nica que
nao luida tapete para se poder ver o rico mosaico
de preciosas maderas da America, que forma o
pavimento.
Netta sala estao os retratos dos senhores D. Pe-
dro IV, D. Pedro V. Mara II, D. Fernando II e
D. Ufa i.
Todos os estofes da mobilia desta sala o cortinas
oram de damasco amarelln. Dous grandes lustres
de crystal de coros projeetavam-lbe abundante luz.
A sala de toilette das senlioras era guarnecida
de quadros eespeldos; mobilia com estofos de
velludo violeta, e adornada e Iluminada com mui-
to gosto.
jtfPhdestinada para el-rei 'fumar ora guarne-
C^pe Heos quadros ; consolos c espelbos doura-
^Hmobilia com estofos do seda adamascada ;
cortinas da mesma seda ; quatro jarrita da China,
o Iluminada com um lustre de crvstal de muitos _
lames. f Sahiram: cm 13 o patacho Jouffiliinu para o
A sala de toilette c gabinete de Suas Magestades, R Grande |ior Cadix, a barca inio para o Para
que o Sr. viseonde de Pereira Machado tomou |e a galera Maa para o Maranhao.
exorcito; Jos de Moura Vareio, Henrique Luiz
de Souza, Manoel Balbino do Naseimento e Manoel
Antonio Joronymo', crioulo, vmdos do Limoeiro,
para recrutas ; os pardos Joo Fernandos do An-
drade, Jos Marques da Silva, vindos de Goianna,
tambem para recrutas.
A* ordem do subdelegado do Recife, Jorge Ver-
Ion, hollando/., Alfredo Allui, inglez, e Manoel
I.uiz da Silva, pardo, todos |Kr disturbios -, Vicen-1 __ j*0i genhor i
le Duarte I'inheiro, tambera pardo, para correceo.
A' ordem do de Sanio Antonio, Argemiro Eleu-
tasse do ura baile.
. A reuniao estero fra : os toilettes j nao guar-
davam a siraplicidade da primeira, e algumas
senhoras al se apresenlaram com vestidos de
seda
Um men amigo pedindO ama senhora que Ihe
dsse a honra de dancar com elle urna quadrilha,
; ella rospondeu-lhe.
torio da Silva, pardo, por disturbios.
A' ordem do de S. Jos, Luiz de Souza Barbosa,
pardo, para correceo ; Andr, crronlo, escravo de i
Mara da Conceica Santos, requorimenlo desta.
A' ordem do da Boa-Vista, Florindo Jos Baplista,
branco, por briga e forinMatfasr
0 chefe da 2* seceo,
/. Ct.iteSterqnilu.
Movimento da casa de detencao no dia I6de:
dezembro de 1863:
Existiara. . 322 presos
Enlraram . 15
Sahiram. . 28 .
Existem. . 309 .
A saber:
Nat ionaes. . 201
Estrangciros . 38 >
Mulhercs . 6
Estrangoiras . 2 >
Esclavos . 55 .
Esclavas . 7 .
Esse ruto senhor to prosaico!
.Nao nes culpeni: so alguma decepyo de perto
nos offendeu, creiam, principalmente as senho-
ras, que nao conservamos o menor ressenti-
meuto.
A parte o que dexamos dito, tudo o mais cor-
reu beni: algumas lindas senioras tbrilhantaram
o diverlimenlo, peipjeno e modeste, que provavel-
mente ser o ultimo por falta de animaco e esp-
ritu de sociatiiidade.
Olinda voltar por sera duvida aos terapos de
outr'ora.
llavera vida, mocas c llores, mas ser esmaga-
dor e cruel o tedio e o aborrec ment.
0 Sr. Y. Jnior remette-nos a seguinte poc-
309
Alimentados a costa dos cofres pblicos..
Movimento da enfermara no dia 18 do
zembro.
Tcvo alta:
sia
lis
de-1
assucares do Rio e da Babia.
Os procos dos assucares regulara :
Pernarabuco, branco..
> somenos.
> masca vo.
Babia, branco.......
masca vo.....
Rio .......
Com relacao aos portos do Brasil.
Abrirara termo de carga: em 13
3*060 a
15700 a
15350
15700 a
15250
15400
25450
159 0
15100
15800
15400
15100
nos,, solteira, Boa-Vista ; tubrculos pulmo-
nares
Januaria, Pcrnambuco, 24 horas, Santo Antonio ;
espasmo.
Manoel Laurindo de Anuda Cmara, Pernambuco,
25 anuos, solteira, Boa-Vista ; bronco pneumona
aguda.
Anua, Pernambuco, 2 annos, S. Jos, frialdade.
Lourcnco Cordeiro de Lima, Pernambueo, 40 an-
o brigue uos, solleiro, S. Jos; tubrculos pulmonares.
sua eonta adornar, estavam de urna riqueza e
siimpiwsidade deslumbrante, o segundo a poca
de Luiz XIV.
A sala estava guarnecida com cinco magnficos
i'>;ielhos ; mobilia dourada cora estofos de selim
adamascado decores; alraofadas bordadas a ma-
tiz ; serpentinas douradas com cinco himes rada
nina, em forma de tulipa; ricas jarras de Sevres,
io Japao e de lapis-azuli, com llores artifu.iaes de
Grastantino, e naturaos de estufa; cortinas e sane-
las de seda de Lyon raatisada, o urna rica costu-
rara de bello charSororn estofo de prata de exccl-
lentes lavores.
No centro via-sc urna jardneira dourada com
pedra marmore-leite, sobre a qual estavam nina
eserivantnhade prata, urna penna de miro o dous
ricos a I wiiis, nm do Sr. vsconde de Pereira Ma-
cliariu e outro da /ssociacio Commercial, e que
o im-smo que a senhora D. Mara 11 c o senhor D.
Pedro V horaram com as suas assignaturas quan-
do visit.iram aquelle edeio.
Estes dous all.tins foram honrados com as assig-
naturas de Snas Magestades.
(i gabinete tinha lavatorio c toucador com todos
os seus pertences de prata e de primoroso gosto. O
toucador era de pu rosa e amaranto, e notavel co-
mo obra artstica. A guarnicao deste gabinete
coinpunha-se de om neo espelbo, soph e cadeiras
cora estofo de setm branco adamascado e azul, c
cortinas de damasco aznl lovo, com Kistort de
renda adamascada. Era illmminado com serpenti-
nas de prata.
A sata de toilette era Iluminada por um rico
Jjislro de eryatal de cores e liwriBa douradas.
S. Manoel I para Pernambuco; em 14 a barca Antonia Mara Machado Freir, Pernambuco, 38
Alfredo para o Para; em 19 o briguo Mello 11 annos, viuva, Boa-Vista ; phtysica pulmonar,
para Pernambuco. | Maria, Pernambuco, 1 mez, Recife ; espasmo.
Enlraram : em 21 de novembro a barca .Mi- francisco, Pernambuco, 6 dias, Santo Antonio ;
nerwi do Rio Grande em 49 dias; em 22 o bri-1 espasmo,
gue Saudade do mesmo porto, era 70 das. 17
Andr, escravo, Pernambuco, 9 annos, Boa-Vista;
gasiro interile chronca.
Maria Francisca da Soledade, Alagoas, 30 annos,
viuva, Boa-Vista ; hydropesia.
TI ES MI DADA I...
T os mudada, querida,
Oh! sim, espor rainha vida,
Nao eras outr'ora assim;
E porque esta mudanea ?
A rainha doce esperanca
Nao murches, nao Ihe des fim...
Eras tao apaixonada I
Mas boje... t s mudada I
s hoje fria p'ra mim....
Cansn amor em teu peito?
Ou que motivo que ha fcito
Que t sejas fria assim ?
Ciumes ? Porque, querida ?
Sers acaso vencida,
Ters acaso urna igual ?
Nao receies, leus encantos
Sao |ieregrinos, sao lautos,
Que nao podes ter rival.
Trepada l no oileiro
Vo algum mais altaneire
A aguia altiva receiou ?
Acaso j foi ciosa
Da rasteira flor a resa.
Que alto as folhas desbrochou ?
Nao recaves, leus encantos
Sao peregrinos e tantos
Que nenhuma os tem assim ;
Nao mudes mais, querida,
No mudespor minha vida-
Nao sejas mais fria assim....
PERNAMBUCO -
REVISTA DIARIA.
Tove honlem lugar a ultima audiencia que no
correnlo anno judiciaria deve dar a 2* vara das
de direito.
No processo em que fora acensado por crime de
rosisiencia, comjireheBdido na 1* parle do art. 116
do cdigo criminal, o cidado Joao Francisco dos
Anjos, pubtieou o juiz a sentenca final em que,
A Gozeta do Meio Dia conta o seguinte :
Claudina Maria da Silva, Pernambuco, 35 annos, g0 Cahi Um rai n!l '^^ de. P*
solteira, S. Jos; anemia. r '0 nico mal que fez foi furar a abobada, porm
_______ 9 Kntes de desapparecer accendeu todas as velas.
Ul POUCO DE TODO.
De Oliuda remettcm*nos os seguintes:
NOTAS TINTA.
Alguem ha pouco escreveu:
Olinda ressuscitou do marasmo.
Tambem leve a sua redempeao.
Motas, msicas, llores, amores,tumulto, vida.
E nao negamos: a antiga cidade dos bravos, que
outr'ora se comprazia melhor weom o rufar caden-
ciado das caixas de guerra; que delxava a seus so-
Quando o sacristao pela manha abri a igreja,
achou o altar Iluminado, como para a celebraco-
da missa.
Um Kerosentiro pede-nos a publicacao da sua
autobiographia seguinte:
la nao posso, raen Dos, com a tal menina 1
Aquclle diabindo mens peccados !
Nella ponho meus nicos cuidados,
Mas que querem ? se o anjinbo me fascina !....
em tal moflna,
m passados...
namorados I
pela do-'"" "esiruciave, uesgracada sina I
cara e en levo das arias ternas e senlimentaes da' gg a veio t,Mm,um nq ;,_-
escola italiana, mais suaves e doces ao desusar de ?ei d?Sha-K?nh^l nS riei
Osummario instaurado ex-offirio contra oes- suas paludas noites de hiar, mais lnguidas ao ar- .feSC Sr^*
envao do juizo especial do commercio, Manoel Ma- quejar suspiroso das ondas do ocano om suas J' ^ P a-
ria Rodrigues do Naseimento, foi jnlg.ldo impro- praias o arrecifes. r assim, sera ter quem nisso me conquiste,
cedente, recommendando-se ao mesmo serventua- Agora, porm com grande magua de coracao o E minha vida tima comedia bta,
rio conforme requerera o Dr. promotor publico a dizemos, o somno do indifferenUsmo pesa sobre es-1 Onde faco ura papel. -. quo papel triste I
exacta e litteral observancia do arf. 2o do decreto tas ruinas magestosas, e nio acordajtos doces sen-I ____
n. 413 de 10 de junho de 1845, que se acha intei- tmenlos do prazer e doce descuido da mocidade! Escreve o Commercio do Porto o que segu :
dem e que nao foram guardadas, absolveu o reo e
condemnou a municipalidade as cuitas.
CHRONCA judiciaria.
TRIIHVVI, IM> CON9IERCIO.
SESSAO ADMINISTRATIVA EM 17 DE DEZEM-
BRO DE 1863.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. C0.NSELHKW0 K. A.
DE SOUZA.
As 10 horas da manha, reunidos os Srs. deputa-
dos Rogo, Lemos, Malvera o Rosa, o senhor pre-
sidente declarou aberta a sessao, sendo lida e ap-
provada a acta da ultima.
EXPEDIENTE.
l'm ofllco do meritissmo tribunal da capital do
imperio, de 7 do corrente, acompanhando urna re-
lacao dos commerciantes matriculados all duran-
te o mez de novembro prximo passado.Accuse-
se a recepcao e archive-se.
Foram presentes as eotaeoes offlciaos dos preeos
corrontes da praca das semanas lindas.Archi-
vem-se.
DESPACHOS.
Um requerimenlo de Southall Mellors & il, pe
dindo pcrmisso para princpiarem do 1 de julbo
ultimo a escri|ituraoo do seu lvro Diario que aca-
ba de ser legalisado.O tribunal nao podo autori-
sar o que requerera.
Outro de Antonio Jos Teixeira Bastos, pedindo
o registro da escriptura anle-nupcial que aprsen-
la.Como requer.
Outro de Joaquim da Silva Costa, com o parecer
do Sr. desembargador fiscal, pedindo o registro da
escriptura de compra de urna casa. O mesmo
despacho.
Outro do gerente da companhia Pernambucana,
tambem com o parecer, |iedrado o registro dos no-
vos eslalutos da mesma companhia.Mostr como
tem pago ou averbado os direitos fiscaes.
Oulro de Soveriano Bandeira de Mello, pedindo
passagera dos livros Diario e Copiador de Arsene
Augusto Ferreira que sao de sua propriedade.
(lomo requer.
Outro de Jos Moreda da Silva c Joo Jos da
Silva Villar, pedindo o registro do seu contrato
social.-Vista ao Sr. desembargador fiscal.
SESSAO JUDICIARIA EM 17 DE DEZEMBRO DE
1863.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. OMOfeLMM F. A.
DE SOI ZA.
Secretario, Julio Guimaraes.
A meia hora da tarde, a Sr. presidente abri a
sessao, estando reunidos os Srs. desembargadores
Villares, Silva Gniraaraes, Rcis e Silva o Arcioli,
e os senhores depulados Bogo, Lemos, Malvera e
Rosa.
Lida, foi approvada a acta da sessao antece-
dente.
Foi lido o offlcio do 15 do corrente, do Sr. con-
selheiro presidente da relacao, designando o Sr.
desembargador Antonio Baptsla Gitirana, para re-
ver una revista que pende de deciso deste tri-
bunal.
Foram assignados os accordos proferidos na ses-
sao de 14 do corrente, entre partes :
Apiellanto, Fustaquio Antonio Gomes ; appella-
do, Manoel de Barros Cavalcanti.
Appellanie, Ignacio Barroso de Mello; appella-
do, Antonio de Azevedo Villarouco.
Appellante, Francisco da Cunda Machado Pedre-
sa : amellados, Ferreira & Araujo o MonieroLo-
|m:s & C.
JII.OAMENTOS.
Becorrento, Guilherrac Berg ; recorrida, a com-
panhia ile seguros martimos Segurjdade.
Sorteados os Srs. deputados Rosa, Reg e Le-
mos.
Relatado o felo polo Sr. desembargador Silva
Guimarcs.
Foi condemnada a companhia de seguros.
Appellanie, Domingos Francisco de Souza Leao;
appellado, Danto Jos da Costa.
Sorteados os Srs. deputados I*inos e Bosa.
Relatado o feito pelo Sr. desembargador Silva
Guimaraes.
Foi confirmada a sentenca appellada.
Appellante, Francisco Pedro da Cruz Nevos ;
appellado, Antonia Jos Conrado.
l>esprezarain-se os embargos.
DESIONACAO DE DIA
Sr. consellieiro presidente da rotaeao requistando
juiz.
O Sr. desembargador Villares apresentou para
seguirem ao Sr. desembargador Caetano Santiago,
a appellacSo que pende por embargos, entre par-
tes :
Appellanie, Antonio Goncalves da Silva : appol-
lados, Mello, ixmo cv C.
AC,i;iia\
Do juizo especial do commercio.
Aggravanto, Manoel Joaqirim Baplista ; aggra-
vado, Joo de Almeida Lima.
Aggravanto, o Dr. Angosto Carneiro da Silva
Santos; aggravados, os administradores da massa
fallida de Antonio Jos de Figueiredo.
Nao tiveram provimento.
Nada mais pudendo tratar-se por estar a hora
adianlada, o Sr. presidente encerrou a sessao o de-
clarou que estavam dadas as ferias.
C0MMOTCAD0S.
Nao se pode contestar o direito quo tem o gover-
no de destituir dos cargos do pura confianca aquel-
lea quo nao a merecom mas nem por isso deixa
qualquer cidado de ter o direito de moralisar os
actos do governo.que significara falta de confiara;.
nesle ou naquelle individuo.
Para eiercer este direito que vamos ligera-
mente apreciar o acto do governo relativamente a
demisso dos vicc-presidenles desta provincia.
Era sem duvida a consequencia lgica da con-
ducta do governo essas demissOes, ellas, ellas devo-
rara ser dadas desde muito lempo, apenas o go-
verno creou essa poltica desastrada que unto tem
prejudicado o paiz ; mas dcploravel que o gover-
no, o primeiro responsvel pela morafidade publi-
ca, se atrasse era vas de encoslar es lioiuens *
mais aptos, os que memores garantas davara
sociedade, os mais prestimosos cidadaos para cha-
mar aos" altos encargo do eslado homens descon-
ceituados uns, e sem consideraco de sor vicos
outros. ^
O Sr. Dr. Joaquim Pires Machado Porlella, que
tem servicos de longa data, quo tem mrito cima
do commum, que tem tres vezes oceupado a cadei-
ra do presidente com honra para si e proveito para
a provincia, guiado sempre pelos sentiroentos de
moderaco e justica, nao podo merecer a eonlian-
ca do governo actual, nao pode navegar uo barco
da situacao I Chegamos a esta triste rondcao !
Esse nobre cavaHeiro nao pedta transigir com
urna actualidade, que so arrasla na delirio o no-
desmando, e por consegrante nao pode ser vico- ,'
presidente de Pernarabuco, emquanto ella durar. /
Damos ao Sr. Dr. Porlella os devidos parabens ; ,
porque no futuro nao poder elle nem os outros
dorainidos exhibrem mais honroso attestado de
moralidade o independencia do que dizerfomos
demillidos de vice-presidentes durante o dominio ..
da liga.
Esta^ demssdes, portante, nao significa cousa
alguma para a poltica, nao revella condires de
estabihdade da situacao, ao contrario demonstra
que ella se extorce em seus ltimos paroxismos.
Recife 17 de dezembro de 1863.
PUBLICARES A PEDIDO.
.% publico eaganado.
Tendo-se annunciado para 12 e *6 do corrente
a arremataco dos bens que foram penliorados a ,
D. Vicencia Ferreira de Albuqnerque Naseimento,
e por execucao do abaixo assignado, dcixou de ir
no dia 12 pela exeentada ler requerido ao juiz pa-
ra pagar, mandando elle suslar a exeeuco en-
gaando assim a boa f do juiz aosentou-se de-
pois para Olinda, para ver so assim deixava de
pagar antes das ferias, mas sendo de novo citado
por una preealoria sen genro o Sr. capito Ti bur-
eta Hilario da Silva Tavares (que tambera fez um
papel importante nosla farca), como depositario,
deixou outra vez de ir no da 16 porque a exceu-
tada mandn ura filho seu casa do abaixo assig-
nado dizer-lde que poda ir receber o dmheiro ao
escrptorio do Sr. Dr. Campos, e na mesma orra-
siao mandou insuita-lo e ameaca-lo pelo proprio-
seu filho.
Do alto da imprensa, pos, peco mesma senhora
que me mande pagar o que anda me dove, e os
insultos os guarde |>ara a fesla que esl prxima,
e faca delles bons guisados.
Recife, 17 de dezembro de 1863.
Jos Ferreira de Moura.
Anncahiiita pHforal le Keini.
Una simples tosse pode chegar a ser mortal se
nao se alaldar a tempo, porm evtar-se-ha com-
pletamente o perigo fazendo-se uso immediato da.
anacahuite peiloral de Kemp, a qual mediante a
sua benfica influencia faz ceder rpidamente a ir-
ritarlo dos pnlmdcs e garganta, e reslabelecc sua
aeeao vigorosa, regalar e saudavel.
Os que dizcm que a asthma incuravel rauito se
engaa.
Esla fortificante composioao vegetal subjuga essa
allliciiva molestia, ainda mesmo quando debaixo
das formas as mais obstinadas e aggravantes. As
anginas nunca torminarao em bronchites, a l isse
era phtysica, nem a rouqudao em asthma, se dos-
de logo de seu principio forem atalhados com este
balsamo vegetal suavisador e sedativo, seus be-
nficos effeilos sao promptamente notados as en-
ferniidades dos pulmoes, dos vasos bronchios c da
pleura.
Pde-se achar venda em todas as boticas c ta-
jas de drogas.
Nao pretendamos trazer ao conhecmUto do
publico o desregrament e inepcia de urna autori-
dade, que, comecando agora o seu tirocinio, mal
Appellante, D. Miquelina Maria do LiMHnento,' sabe apreciar a importancia, que so liga ao seu en-
herdcjra de Felippe Nery dos Santos ; appellado, i cargo, e dest'arfe respeita-lo.
Elias Marinho Falco de Albuquerque Maranhao. Queremos fallar do Sr. Soveriano Jos de Mort-
Appellantes, Jos Goncalves Malvera c outros ; ra, actual subdelegado interino da freguezia de
appellados, James Crabtre & C, Santo Antonio, cojo precedimento para eontnosro
Appellantcs, os administradores da fallencia de' foi o mais irregular e disparatoso, no seguinte
Faria & C.; appellado, o Dr. Francisco de Paula j acontecimeirto :
dos Santos Alleluia. Tendo vindo hoje a nossa taja o Sr. Maximino
Appellantes, os curadores da massa fallida de' da Silva Gusmo engeitar nm corte de la que nos
Amoriin, Fragoso, Santos & C.; appellados, Cals i havia comprado, pretextando ne chegar pera ves
Irmaos. tido do sua senhora, snceeden que este senhor
Designado o primeiro dia til. i com expressoes pouco movaes e ao mesmo lempo
passagkns. ameacadoras, lovou-nos a nos rotirarmos de toda a
Appellantcs, Antonio Luiz de Olivera Azevedo 4 prudencia era que haramos procedido' para con
ramenle em vigor na conformidade do art. 10 8
m da lei n. 1,177 de 9 de setembro de I82. Re-
corre-se ex^ftlrio para a relacao do districto.
Igual despacho se deu ao suinmario de respon-
sabilidade que se instaurara contra o mesmo ser-
vciituarta por denuncia do Dr. promotor publico.
csses ardentes caraees e essas almas tranquillas! Em 17% deu-se um singular incidente"cm fo-
nos glos que as cercara. ; glaterra, a proposito de um testamento.
Quem nos dlra o contrario ? Dons gentlemen, nomeados testamenteiros de um
Olinda tem mocas, mas as mocas se rctiram da seu amigo, quando examinavam os (tolos, encon-
sociedade, o a rusto podereis dizer que aquellas' traram urna folha de papel em que se lia 700
lindas frontes de qtiinze annos ainda tem douradas' libras sterlinas em Till !
C., agentes da companhia de paquetes brasileiros
vapor ; ajjpellados, Joao Francisco Pardelhas o
outros.
Appellante, Antonio Francisco Chaves ; appella-
do, Marcelino de Salles Correa.
Appellantes, o Dr. Jos Cantoso dcQueiroz Fon-
seca e outros ; appellado, David "
man.
elle, e desf arte pozemos em praca o capricho que
em taes circunstancias sempre se nos desperta.
c nao aceitamos mais, como estovamos resolv-
dos, o mencionado corte de la, por isso que ten-
do nos dito ao Sr. Gusmo que o troravamo*
quando o caixeiro chegasse da ra. este senlior
William Bow-' entendeu que nos induziri mais depressa a fazer-
mos semolhante troca, ameacando-nos recorrer i
Appellanie, Francisco de Paula Carneiro Leao; polica, para a qual com toda a flcugma, o reinet-
appellado, Manoel Antonio do Carvalho.
Do Sr. doserabargador Silva Guimaraes ao Sr.
desembargador Villares.
O Sr desembargador Silva Guimaraes averbou
suspeicao na appcllaoaoenlre partes :
Appellante, D. Mana Rila da Cruz Noves; ap-
pellados, os curadores liseaes da massa fallan de
C J. Astley.
E o Exiu. Sr. conselheiro presidente officiou ao
temos incontinenti.
Sanio, pois, exacerbado o Sr. Maximino Gu?m
cora essa nossa resolucao, e volteado rom urna
ordeaanca do predtto subdetegado. exigio-nos a
entregada prefo pelo qoal havia elle comprado o
vestido.
Insistindo nos em nao acceder mus a essa ordem
ou como se queira chamar, do Sr. subdelegado, re-
" o Sr. Gusmo, voluudo
f
j
Ao corpo eleitoral do qtiarto
districto.
Curaprindo um dever sagrado, venho pela ira-
prensa render os meus sinceros agradecimentu*
ao ilhistro corpo eleitoral do quarlo distrelo desta
briosa provincia, pela disidila honra que me con-
forto, elegendo-me depulado assembla provin-
cial ; honra, que tenho em valor tanto maior, (plan-
to sempre conheci a distancia do meu mereeimeu-.
to em relacao a altura e importancia do mndalo,
que to livremento me tai confiado, e quanto
tambem assas reconheeida a independencia dos-
dignos eleitores do mesmo districto.
Recebendo a expresso singela do meu justo re-
conheeimento, crea o benemrito corpo eleilorol
do quarto districto, que considero a minha eleieai-
como urna grande divida que acabo de contratar;
e como nunca poderei amorlisa la. pois quo as di-
vidas do coracao sao insoluveis, protesto consrva-
la perpetuamente na memoria com a generosidadu
dos meus honrados credores.
Caruar Io de dezembro de 1863.
Joaquim do Rogo Barros.
'i
i
lira-se inmediatamente
*.
1
L
J


!!.. .

.t
Diario de PernajnJjuc Sexta ir Ira tS 4e Uciemhrt* de I **a.
I'*
depois r.Hii a im;srn i Lapdenle o inepta autorJa-
dc, :i qual chufando so osso estabelociuwnto, en-
ftico o riiliculamentc dirige-so n.s as seguintes
exnfcssiJcs :tmpnnho que entregue ao Sr. Maxt-
mi un Gamito o prn;o pi-lo qiud elle Ihe comproa uin
corte le lita para vestido, ib petar e desobediencia,
. c ruin i quer nao nao quiaessoinos cumprir essa
disparates! ordom do urna auloridadu inconsca
do seus llaveros, "iiteudeu o Sr. Soveriano Jos
do MouM, que estavamos na meihor quadra de ar-
llrariedadea, o desCarle deu-me vozde prisao.
Ora, nao sea Jo das ailribuicdes do una autori-
dade policial-a deeiso de urna tal questo, sasci-
tada por compradores imprudentes, e por issoque
- wn-no ha vamos vendido a fazenda com m f,
dando corlo numero do .'vados e.apparecendo ou-
tro, ras sha lidiamos vendido, com ello vem em
cortes, recorremos inmediatamente ao muito dis-
iento Dr. chele de polica, o qual nos tendo nuvido
m.iiuloH jnrantmento chamar o mesmo srjfoddega-
do, rdaxou a ordein de prisao que eHe ai havia
dado,
Justlra soja feita ao carcter honrado e digno
? lotTa a eslima do Sr. Dr. Abilio ; e o publico
apreciando o procedimenlo misera va) de Sr.'Moua,
"firme ajuisando de que hornera se houve de lancar
mao para a elle se eommutier-urn encargo Cao dis-
tincto como o de subdelegado, encargo que a inep-
cia do Sr. Moura fa-lo desconbeoer.
O Sr. Moura que reluca no seu bello procedi-
menlo para comnosco, e o tomando por thermome-
tro dos sous desvos o actos dasregrados saiba cor-
rgir-so.
MI), 18 de dezembro de 1863.
Manuel da Silva Antunes,
J i>.; Haptista Itilioir de Paria, c nlihavcndolau- Paraalaliin pretend itiilr com multa bre-
gador teta de ser adjudicada por 1:6004- | vidado o veleiro patacho Therezn, capillo Joio
O coBselho econmico da fortaloza do Brum Crrela Lima, por ter a maior parte da carga :
convida as pessoas -pie quizerem prnpor-so a for- paran resto que rhe falta, tratn-sa Gn Os cotreig-
necer no semestre do anno de 1864 os gneros nataries Palmeira & Beltrao, largo do Corno Santo
abaixo (toclarados, apresentem Blas propostas at n. 4, primeiro andar.
o dia 23 do corrento na secretrria da referida for- -..------tt I...1.,
laleca : arroz puado, assucar retinado mnartvi- *Lap.a *l rte aneUM
nho, azdle doce, bacalho, caf de caroco, carne *>fll-30 do corrente pretehdo segtiir im-
aecca, carne verde, rarinha de mandioca, fcijao, I pretenvelmente o patacho. nacional/Jriw-iftr, para
lenha, manteiga franceza, paos de 6 oncas, ditos o resto da cArfa rfofe Ihe- falla c-c#rayos a frete
Ierri-frlra: 22 Eia-seu escritorio ra da Cadeia do Recife n.
48, as 11 hora.
ilo Ifasciraonj
LEILiO
sendo
COMME&CIO.
NOVO BANCO
DE
O novo banco de f'ernambnco convida os
redores das massas fallidas de Mosquita A Dutra,
< Francisco Antonio Correia Cardoso a apresenta-
rein seus ttulos no banco para se proceder a res-
(lectiva verifieaco.
Alfandega
lien Junen (o do dia i a IS........
dem do dia 17.................
323:138 W47
32:024*217
355:182*764
flovlmento da alfandega
Volumes entrados com fazendas...
com gneros...
Volumes sabidos com fazendas... 117
cora gneros... 18
299
Descarregam no dia 18 de dezembro.
Brgue escuna francez Pltenix cemento.
Brgue inglez C/(iCM=carvao.
Escuna diiiamarquezaAeolus farinba.
Barca inglezattitish Queencarvo.
linca francetatintrriercarvo.
Patacho portuguez Jareo sal.
Barca inglezaDante b?calho.
Barca ingleza -Lora bacallio.
HeechcdoHa de rendas internas
geraes de Pernambuco.
Rendimento do dia I a 16........ 19:9664130
dem do dia 17................. 1:5154918
de 4 oncas, toucnlio do reino e vinagro
lodos os generas de boa qualidade.
Filijipe Hrgaos do.- Santos Jnior,
2 lente agente.
Faz-se publico que se acha depositado no jui-
io de ausentes do termo de Oltnda os objectos se-
guintes : 1 bonct de palha para enanca, i par de
para os quaes tora excedentes commodos trata-so
com os seus consignatarios Antonio Luiz de Oli-
vera Azevedo ^ C, ao 9eu esenptorio ra da
Cruz n. 1.
Ro de Janeiro.
O brfgue brasileiro Trovador segu com Inulta
brevidade, pode recebnr carga e escravos frete,
meias para mulher, 3 covados de nscadinlio roxo ,raU.S8 com 0i consignatarios Maniuea, Barros Si
francez, 9 covados de chita franceza, 1 lenco de ris- q |ar0 ,j0 rjor,)0 Santo n. 6.
cado, outro dito de chita, 3 1|2 covados de algo -------------------------------------------- ------
doznho, 3covados e 3 quarlas de algodaoznho, PATl BT DP. TANF.IBl
3 varas de madapolao, 3 varas de dito em 3 corles TaftA U JUU IIA allliau I
de urna vara cada um, 4 varas de madapolao, 1 *W impretenvelmenle ao ***^ arrate o
chapeo de f.dlro, 1 par de metas para homem, 3 brigue Almirante, so recebe escravos a freio, para
covados de chita'amUla, 1 camisa de madapolao, os quaes ^.M^^ ^'
1 chales de laa encarnado, 1 calca de brirn bran- e a
co, 1 calca de gnga rscada, oiltra dita de brlm Aiovedo & C, no seu escnplono, ra da Cruz nu-
branco, e i lenco de chita ; cajos objectos foram mero _____________.------------:-------
achados as 8 horas da noito do dia 11 do corrente Vara a Huilla
mez no lugar do Varadouro da cdade de Olinda ; rj palhabote Guribaldi pretende seguir com bre-
e se acham depositados no referido juizo : a pes- vdade para este porto, tendo parte de seu carre-
soa que for seu dono, comparos reclamados. gameoto, e para o resto traia-so ao escriptorio de
Faz-se publico que se acha recomido ao de- Tasso|lrmaos na ra do Amorim.
psito publico do-termo de Olinda, erdem do -----r-------- '-aw^%i/
juizo de ausentes, tira menor de nomo Lul, que */% %. lilSI4f m
representa ter Vdadc 7 amros, pouesmais ou me- m tmm^
nos, d(! cor preta, nariz chato, olhos pretos, cab.;- sahir corr a malbr bre\n lade o bem Conhecldo
ca grande, arcillas regulares, o qual diz ser escra- brlgue portuguez Reldmpftno : qaem no memo
vodc (krdoso de tal, morador no Kecife, e que foi quizer carregar ou ir d passagem, para o que or-
encontrado vagando pelas ras da mesma cdade : fereco os melhores commodos, dirjanse ao consig-
a pessoa que for seu senhor eompareea reela- aaUrio Thomaz de Aquino Fonseca, raa do Viga-
ina-lo. rio n. 19, primeiro andar.
No da 19 da corrente. depols da audiencia do -fj,. n_..,jA Jrt Q.,1
Illm. Sr. Dr.juil municipal da 2' vara, tem de ser 110 01"111(16 O ijlll.
arrematado a quarta parte do slo n. 40, no lugar g0g,ie brevemente a barca nackmal Palmita, de
de Bemflca, avilada dita quarta parte em 62o04, prmeira marcha : recebe carga por fretes latan
e vai praca por execueao de Antonio Valenlim 0 irata-so com Bailar diOliveira, ra da Cadeia
da Silva Barroca, contra D. Senhornha Joaquina n jg,
de Almeda Leal, c mais herdeiros de Manoel Car-: -' __ ..h,. ,.^j., ^,h; ..m m.,., i,-..
eiro Leal, escri vo Cunha. T *** "* Pretendesahir com muta IMW-
- Pecante o lllm. Sr. Dr. juiz de orphos vai daJe- Pat.acho J"rfn> eal,ita. Josi' Mar1ues Coc"
praca sexta-' '
da casa da
zer lancar,
na sala das
e ver o cscripto edital em mao do porteiro,
Conselho de e*uipras navaes. i'ara o Rio Grande do ftitl.
Contrata o conselho no dia 21 do corrente mez Salar com brevidade o brgue nacional Corum-
a lavagm de roupa dos estabelecimentos de ma-1 b, recebe carga a frete e escravos : quem quizer
rinha no trimestre prximamente vindouro de ja- nelle carregar entenda-se com Manoel Ignacio de
neiro marco, e o fomecimenlo durante este mes- Oliveira & Filho, largo do Criri1" Santo n. 19.
mo lempo dos seguintes objectos de fardamento. I ^. nu.i. j.mU
Para os aprendizes arliiices. in aneirf'
Bonets de uniforme, bonets para o servco, blu- palacho nacional Capaam, pretende seguir
sas de abjodo azul, blusas de brim branco, calCas com muila brevidade, tem parte de seu carrega-
de panno azul, calcas de brim branco, calcas de melo engajado, para o resto que Ihe falta e es-
algodao azul, camisas de algodSozinho branco, co- cravos a frete para os quaes tem boas commodos
Lectores de Ifu.cotchoes de linho chelos de palha, trata-se com os seus consignatarios Antonio LfJiz
DE
Unta easa de campo.
Tcr{a-feira22 ie dezembro.
O agente Pinto farleilao s II horas do dia
cima dito de urna casa edllcada na errada do
Monleiro, perlo da iwvoacao, sobre pilares e ali-.
cerees de pedra o cal, com 2 salas o 6 quartos,
quartos para prelos e estribara tora para 8 ca-
rallos, carimba com boa agua e baixa de capto), o
referido leilao ser effecluado no dia e hora ci-
ma dito na ra da Cruz n. 38, onde podero os
prclendentes obter quabpier infocmaco a res-
jieito.
" ~AVISOS"?BSOS.
Lotera extraordinaria
* Aos 10:000^000 t 2:000000.
Corre no dia 24.
Xt'O VN1.O
ESTAhELECIDO .VA CDADE bo POHtO
i Agrilles em Peraarahne
Antonio L.HZ de Oliveira
Azevedo \ C.
Sacam por todos os paquetes sobre o
mesmo banco prazo ou vista, sobre a
caixa filial em Lisboa, e agencias era F-
guelra, Goimhra, AvWro, Vizeu, Villa-
Real, Regoa, Vianna de Castcllo, Guma-
res, Barcellos, Lmelo, Covilha, Braga,
Penaficl, Briganca, Amarante, A tigra,
liba da Tercera, Ilha de Palas, (ma da
Madera, Villa do Conde, Valeaca, Bastos,
Oliveira de Azemeis, Chaves c Fafe, a
oito dias vista ou ao prazo que se conven-
cionar.no seu escriptorio ra da Cruz
n. 1.
I;
Festa da en hora do Monte.
S. Ble. a Sr. I), nhliane de S. hea
nVaccortlo com o abixo assignatlo tem
AramsM)
colchas de algodo, frdelas de panno azul, fro-
ndas de algodaozinhn, grvalas ou lencos de seda
preta, lences de algodaoznho, sapatos, saceos de
guardar roupa, e travesseiros de linho cheios de
palha.
Para os imperiaes marnheiros e aprendizes dilos.
de Oliveira Azevedo & C, no
da Cruz n. 1.
seu escriptorio ra
Consulado provincial.
flendmento do da 1 a 16......... 53:5704549
dein do da 17................. 7:9425009
Para Yh I p;i raizo.
Segu ate o da 20 do corrente mez a barca
americana lnoh Perrkhead, recebe-se passageiros
BoneVde^nno^
calcas de algadao azul/calcas de brim branco, na- S.0^ ?ShCpn 8
misas de algodao azul, calcas e frdelas de panno Iram j_______________________________
azul, lencos de seda preta para gravata, polainas Para O ''0I0
-!___Z du pa""' prC''?apa,eS C SaCCS dC l0"a de mar'' A 8rca portugueza S. Manoel II segu imprete-
nhagem. nvelmento para o Porto no dia 24 do corrente, e
. a .a os lu''"e,ro? aavaes. s recelie passageras, para os quaes tem excel-
Bonets de chapa e palla, calcas de brim branco, ,tfnles V)mmolio$ a lratar no escriptorio de M. J.
calcas de panno azul, camisas de brim branco,
frdelas de panno azul, fardas de brim branco,
grvalas de couro de lustro, polainas de panno
O abaixo assiona.io tem resolvido ex- [ removido a fesla ta Senliora do ote
tianir no da supra mencionad, vespera do ,i_ a:, o d.. p*i.Kni.. n. *..,.-, 17 .a
dia la nascimeno do Hedemptor do Uni- V ^ J! Cf,rre"1: T u .
verso, urna lotera extraordinaria, a .jual J"WM(lwrr lMI*, ib-de de-
a quarta parte da quinta em beneficio da zembro de 1865.
igreja de Nossa Senliora do Guadelupe de Manoi'l I.ui/, Viriles.
Olinda, ea suaextr.iccio ter lugar no con- .. ll.L.. m_ -----------;-----r
sistorio da igreja deN S. do Rosario da' se1nhor m?r. Palco ,,tt
fregue/ia de Santo Antonio. I Terco n. 2, qoeira dm^ir-se a esla Iv-
Os billietes e meios acliam-so venda na pographia que se Ihe precisa fallar,
respectiva thesotirai-ia ra do Crespo n. 15
e as casas commissionadas ra da Im|>era-
triz n. 44, luja do Sr. Pimentel; ra Direita
n. 3, botica do Sr. Chagas; ra estrella do Manol Jose Porejra faI |(llI)licir por h;(V(>r
Rosana n. 12, typographia do Sr. Mira e ra outros de igual hme, lem-se assignado desde pnn-
da Cadeia n. 45, loja do Sr. Porto. co tempo, depois de sua residencia necia; e assg-
Os premios de 10:0000000 at 20^000 aar-se-ha Manoel Jos da Cosa Pcieira._______
sero pago* urna hora depois da extraeco Quem precisar de um bom cozioaeiro, diri-
e OS OlftrOS no dia segUnte dej>0S da Stri- Ia ?ea ra da Lapa n. 3, gao o achara para tratar.
buico das listas.
0 thesoureiro,
Anlonio Jos Rodrigues de Souza.
- I'recisa-se alugar um preto para carrtfar
urna caixa com fazendas : na ra Xova n. 52. Na
mesma casa preersa-se fie boas costureiras e de
urna ama para todo o servco.
AOS 10,000:000
C\S\ l)\ FORTUNA
BilheAe garanihlos
A' roa di Crespo n. 23 r casas do cnstume
Ao dia 24 do corrente se exlrahir a quarta
parla da quinta lotera de X. EL do Guad;itu|x>. ,
O abaixo assignado recommendando o respe-
tavel publico a compra de seus inuito afortunados
bilhetes garantidos, lembra-tlie a vantagem que ha
em recebar os premios |or qnanlo
i|ucm tirar a sorte grande em bilhete garantido
receber somonte 8:4005, em vrlude dos
0 lr. Antorno Vt-enl do ICTscinoAo Felo-
itirac-se para a corle do Wn de Ja-
neiro, aflm de tomar ausento na rniii.ua tempora-
ria, crtiao ile|)tildn asembla0ral por insta pro-
vincia, avisa ao rcspcilavfl publico, e com especia-
lidade ads seus constitniites clesa e deutraspro
vincins, (pie o seu escriptorio na ra estreta d*
Rosario n. 2.1 crailina sob a direcr-ao de seu com-
pmiheiro c colfeaa o Sr. Dr. Joqwlm Jos de Mi-
randa. Os snlidiis otndos do Sr. Bri Miranda em
Jurisprudencia, a praliea qo possne dos negocios
forenses, o conhecimenlo que reni das causas do
escriptorio, onde trahalha ha rito annd?, c o carc-
ter probo que o distingue, sao garantas suflieien-
li's de que na ausencia do Dr. Fclsa os negocios
forenses a sen enr^n, e os que occorrerem de novo,
prosegnlrio com a mais perfeila regulandade.
O Be. Feilosa avisa, oulro sini, ao respeilavcl
pnbliei. (pieas pessoas que quizerem ouvir snas
opinioes, poderao remetter-llie para a corle suas
consullas |ir itilermedo do mesmo Sr. Dr. Miran-
da, cerlo de que a res|Ksla Ihes ser enviada |lo
primeiro vapor que d'all partir denota do recebi-
menlo da consulta; assm como all se encarrega-
r da direccao de revistas ou de qinenpier nego-
cios forenses.
O mesmo Sr. Dr. Miranda Oca munido de pro-
rnraeao bastante para tratar de qunlqper negocio
(pie diga re.vpcilo ao Dr. Feitosa, quer particular
quer forense. ______
- Jos Azevedo de Andrade faz
sci' nli' ao co'pn do commercio desta
pr M-a e a scu> fregueze^ em gr I, que
Iransferin.sen rsl b lecimento de fa-
zendas s'to i H.i do Crespo toja n. 20
A para a de n. 18 ta mesma ra
G1:512VM
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 17.
Hio (liando do Si ti 2i dias, brigue-escuna nacio-
nal Ct/sne, de 2j'7 toneladas, capilao Jos Mon-
tero de Almeida, e-juipagem 14, carga 12,000 os contratos se effectuarao sob as condicoes do es-
arrob.-is de carne ; Amorim Irmfio. ,' tylo, inclusive quanto aos objectos de fardamento
llalna16 dias, brigue ingle S'irunnah lmar, de de acompanbarem as respectivas propostas as
preto e sapatos.
Para os africanos lvres.
Calcas e camisas de algodao azul.
Para as africanas lvres.
Camisas de algodaoznho c salas de algo lao azul.
convida o conselho aos prelendenles a apre-
sentarem suas propostas naquelle da al s 11
horas da manhaa em cartas fechadas; sendo que
Kamos e Silva & Genros, na ra do Vigario n. 10
larca Lima 1
Sahc em poucos das para o Porto por ler parte
da carga engajada: para o resto e passageiros.
trala-se como? consignatarios Carvalho 4t Noguei-
ra, na ra de Apollo n. 20, ou com o capilao na
praca.
LEILOES.
o-l.'l toneladas, capilao 1. C. Mann, equipagem 9,
em lastro ; Williain & Hell.
Saansea53 das, barca franceza Guerrie, de 132
toneladas, capitn Blandie, equipagem 10, carga
carvo de pedra ; orden).
Smio . -llo Grande do Sul brgue portuguez S. Jorge de
Aceiro, capilao C Jos dos Santos, carga sal.
Observacoes.
Suspendan do lamaro para Antuerpia a barca
inglezn Droijtian, capilao C. J. G. Kaglehde, com a
niesina carga que Irouxe do Iquique, no Per.
dem para a Parahyha barca ingleza Chowdean,
capilao Willam Dionc, com o mesmo lastro que
tiouxe do Rio de Janeiro
LEIIiAO
1 do corren fe
amostras das fazendas, ede serem os de manufac-
turaeo feitos de forma convenienle, e segundo as
medidas dadas aos contratantes.
Sala do conselho de cmpras navaes 16 de do- 0 testamenlerode Henry Gbson far leili. por
zembro de 18b.i. interxenco do agente Peslana, de boa porco de
Alexandre Rodrigues dos Aajos. (aros COnteailo cada um 50 pipas de algodao en-
Secrctario. : corpado para saceos, os melhores que tosa sido
Consulado provincial. | importados neste mercado, e de diversas fazendas
Pela mesa do consulado provincial se faz publi- nglezasde linho e de algodo, para fechar conlas
co queos 30 lias uteis marcados para a arrecada- IIOf K
cao bocea do cofre do 1 semestre do auno finan- s ,j horas da raanhia em ponto, no seu arma-
Luiz Goncalves Agr, Mara Francisca do
Espirito Santo Agr, Manoel Goncalves Agr,
Hara Thereza Aga, Luiz Goncalves Agr
Jnior, Ignez Maria do Espirito 'Sanio Agr
e Antonio Goncalves Agr muito agradecen]
as pessoas que asMstiram e acompanharam
ao remtero publico o enterro de seu pre-
sado filho ermo,com csiiecaldade a irman-
dade do Espirito-Santo do Colleglo que gene-
rosamente se prestou e de novo s convida
para a mssa do stimo da que ter lugar
najcapella do cemilero pelas 7 horas da ma-
nhaa do dia sabbado 10 do corrente.
Maque soa>re a*orlngal.
O abaixo assignado, agente do banco
nicrcanlil Portuetise nesla cidade, saca ef-
feciivainente por todos os taqueles sobre
o mesmo banco para o Portoe Lisboa, por
maltraer somma, vista e a prazo, pu-
dendo logo os saqnes a prazo serem des-
contados no mesmo banco, na razio de 4
por cento ao anno aos portadores que as-
smlho convier : as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 34.
Joaiiuim da Silva Castro.
*clcdn dr vida Installada pelo Ranro
Unio oa eldade do Porto.
Os agentes nesla cidade e provincia Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo & C escriploi io na ra
da Cruz do Recife n. 1, eslao autorisados desde ja
a tomar assgnaturas e prestar todos os esclarec-
montos que forera necessarios, as pessoas ipie dc-
sejarem concorrer para to til e benfica eatprr-
za, segurando um futuro lsongeiro aos associ.ulos.
nao recebera somenie B:a* em virtuue nos, John Wetson.engenhei roda America do Nor-
descontos de 16 por cento que Ihe farfio em vista ^ lej (estados confederados) que estove nesle impe-
das leis, mas sim os 10:0004, que vem a ser os | n ccrca de cinco anuos, estando para ir Euro-
DENTISTA DE PARS
19-Rna \nva -t
Frederco Gautier, cirurgio dentista,
faz todas as operacoes de sua arle, I col-
loca denles artificiaes, indo com superio-
ridade e perfeicao, que as peanas enten-
didas Ihe reconlieceni.
Tem agua e pos denllicio.
ditos 8:4003 e mais 1:6005 que pagar o abaixo
assignado, importancia de ditos descontos. Os pre-
mios scrao pagos como de coslume.
Preces.
Bilhetes nleiros..... 125000
Meios bilhetes...... 65000
Quartos........ 35O00
Para as pessoas que compraren)
de 1005 para cima.
Hilheles........ 115200
Meios......... 55600
Quartos....... 25800
Mannel Martins Fiuza.
Innocencio Smoltz, subdito Italiano; retira-
se para fora da provincia._____________________
Jos Joa xero da Sra. vnva de Manoel Goncalves Silva,
bem como gerente do armazem de assucar do
pa, avisa a seus freguezes que vai comprar machi-
nas para descascar mandioca, e oulras para purifi-
car o assucar : topado e desle modo de seus
amigos por nao poder faze-lo pessoalmenle. sabio-
do para Europa no vapor de Janeiro ; oferece seu
fraco presumo ipielles que julgarem dever apro-
veitar esta ocrasiao.
OITerece-se una mulher honesta para ama
de easa de homem solteiro para serviros internos :
quem precisar, dirija-so ra da Matriz da Roa-
Vista, casa n. 54, que se dir.
Precisase de 1:0005 a premio, dando-se por
aramia urna ba propredaue : quem quizer an-
imo -ie para ser procurado.
Precisa-se alugar um moleque para todo o
servco de urna casa de familia, ensinando-se a
cosnliar nao o saliendo : na ra da Praia n. 4."t,
eaes do Apollo, perlencenie a mesma senliora. Re- segundo andar._____________________
____'imperial luslilulo de \ \ do Kom < on-
W. A. Oslwrne sabe do ni|)crio.
EDITAES.
Jos Pedro das N'eves, juiz de paz presidente da
mesa parochial da freguezia de S. Frci Pedro
Goncalves da cdade do Recife etc.
i'aeo saber aos
Ievendo-se no d
ceiro corrente de 1863 1864 dos impostes da de-
cima urbana das freguezas desla cidade e da dos
A togados, c de 5 oo sobre a renda dos bens de
raz pertencentos corporacSes d(^ mao morta se
principiam a contar do da* 1" de dezembro vin-
douro.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco
25 de novembro de 186.1.
Antonio Carneiro Machado Hios.
Administrador.
Arrematado.
zem, ra da Cadeia do Recife.
ILKILlAO
i'm grande sobrado de um an-
dar na cidade do Aracaty.
O agente Almeda far laan requeriinento
dos administradores da massa fallida de Sevc Fi-
; lhos 4 C. e mandado do Illm. Sr. Dr. juiz especial
; do commerro, de um sobrado de um andar com
s Si>. eletores e supplentes, que Rada a audiencia do dia 18 do corrente, do Sr. 35 palmos do largo tendo 3 janellas na frente, na
ia 17 de Janeiro do anno de 1864 Dr. juiz municipal da 1." vara, escrvo Baptisla, ra das Flores da cidade do Araeaty em chaos fo-
"lunicpal de dit,~ '
1IOJF.
s, ainua na,, arHuauo, j,* m da ^,,,..,-0 commerrial s 11 horas ;
ta em cada o.lao c.n terreno fe- prelenden,es 1)odcmofiter qaalqo
ugar denominado Campo Grande, a'
j lerceira dominga) proceder-se a reviso da qua- ser vendida a casa terrea de lijlo e cal, coberla reirs a cmara municipal de dita cdade.
lilieae.'io era coiiformdade do art. 25 da le de 10 de tellias, com 51 palmos de fundo e 38 de frente,
de agosto de 1846, convido aos abaixo assignados 2 salas e 4 quartos, anda nao acabados, 4 janellas
para que comparoeam na igreja matriz do Cor- i *0_ frente, e I por
pa Santo pidas 9 horas da manlia, afim de proce- \ reiro, sita no '
qualquer informaeo do
pena de incorrerem na mulla conforme determina
.a le.
Eletores.
A i. ionio lime.- de Miranda Leal.
Ca tao Cyriaco da Cesta Moreira.
Jos Pedro das .\eves.
Jos Marques da Costa Soares.
Joau Francisco Marques.
M.noel Francisco Marques.
Antonio Jos da Costa.
Antonio Henriime Mafra.
Rslevae Jorge Baptisla.
l.uiz Anlonio Goncalves Penna.
Jos Francisco de S Leilao.
Manoel Jos Bapti.-ta.
Ileiculano Jos Rodrigues Pinheiro.
Dr. Manoel Francisco Teixeira.
.Manoel Estanislao da Costa.
Anlonio Jos Silva do Brasil.
Supplentes.
Innocencio Xavier Vianna.
Manoel Amanco da Sania Cruz.
Manoel da Silva Neves.
Joaqun Alves da Silva.
Alexandre Augusto de FrlasVillar.
Antonio Theodoro dos Santos Lima,
(jntasele da Silva Neves.
llenediclo Jos Duarte Cedrim,
-loiqum Jos de Santa Anna flarros.
<; isiiie Jos dos Sanios Callada
ManOel da Silva Mondonea Vianna.
Jos Isidoro Perera dos Res.
Joo Baptisla da Silva.
Dinz Anlonio Ferreira Marques.
Pelro Alexandre FerroiraFlores.
I.aiuiano Jos.: da Costa.
Masad Joaquim dos Prazeres,
E para constar mandei passar o presento para
a -i- ifflxado nos logares mais panucos da frejrne-
r.i t. o ser publicado pela imprensa.
Freguezia de S. Fre Pedro Gonealves do Reci-
te 16 de dezembro de 1*83.
Bu Innocencia da Cunha Goianna, escrivao que
n escrevi. ....
Jos Pedro das Neves.
em virlude da execueao que move a Santa Casa de
Misericordia do Recife, contra Paulino da Silva
Mindclo e sua mulher.
O conselho econmico do 7 batalho de in- '
fantaria contraa para o 1" semestre do anno vin-
douro, para fomecimenlo do rancho do mesmo os
gneros alimenticios seguintes : assucar mascavo
refinado hlnas, arroz pilado libras, azeite doce
garrafas, bacalho libras, caf modo libras, carne
verde libras, carne seca libras, farnha de man-
dioca da trra e de fora alqueires, feijo preto e
mulatinhoalimeires, lenha achas, manteiga fran-
ceza libra, pao libras, toucinho libras, vinagre
garrafas, todos estes gneros serao de prlmeira
qualidade : aspessoasque quizerem contratar taes
gneros apresentaro suas nropostas na secretaria
do referido batalho s 10 horas do dia 22 do cor-
rente, onde se effecluar a mesma arremclacao.!
Quartd as Cinco Ponas em Pernambuco 16' de
dezembro de 1863.
F. G. de Miranda Lisboa,
Tenenle agente.
i\
kN
t\
J1
Aeees.
0 agente Almeda far leilao requeriinento
dos adminisiradores da massa fallida de Amorim,
Fragozo, Santos & Com indado do Illm. Sr. Dr.
juiz especial do commercio de 42 accoes da com-
panhia vigilante e 20 ditas da estrada de ferro.
ttabhado I!) do corrente
A' porla da associacao commercial s II horas
do dia.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado dos portos do norte
at o da 18 do corrente o vapor
Apa, con 11 nan dan te o primeiro
tenenle Alcanforado, o qual de-
pois da demora do costume se-
guir para os (Mirtos do sul.
hk
lOO barris com vinho braneo
marea III.
SIiIi.kIo 19 do cor ron 'o.
O agente Pesiaba vender por conta e risco de
quem perlencer 100 barris de 5" com vinho bran-
co de i.i-lioa chegado ltimamente em um ou
mais lotes a vonlade: sabbado ll do crreme
pelas 10 horas da manhaa no largo da alfandega.
IKIIIO
rm
I II V I4H1IIM
Seginda-feita 21 do corrente
O agente Pestaa legalmente autorsado vende-
r por conta e risco de quem perlencer todos os
Desde j recebem-se passageiros e engaja-sc a ^neros existentes na taberna s.u na Iravessa das
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever : 'w ?ente elToctuara o leilao se-
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen- gunda-feira 21 do crreme pelas 10 horas da ma-
das e dnhero a frete at o da da sahida as 2 ho- nrm om Vo-_______________________
ras, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de An-
tonio Luiz do Oliveira Azevedo S C.
Parto.
*B
DECLARACOES.
Segu al o tim do corrente a mu vdeira barca
portugaeaa SympaHiia : para algtima carga c pas-
DK
= Hojft linda t audiencia do Illm. Sr. Dr. juiz
i itielpal da primera vara tem de ser arrematada
a cus terrea n. 66 na ra de Joo de Fernandes,
peakorada a Bento Jos da Cosa por execueao de Irmaos.
sageiros trnta-se com Bailar
Cadera n. 26.
D-se dnhero a juros:
n. 6.
na ra
sclho, ra da Aurora n. 50.
Como consta da declaracao feta |ior meu cimba-
do, o Dr. Joaquim Barbosa Luna, no Diario de Per-
No dia 15 do corrente desappareceu da com- nnmbnco de 9 do corrente, foi-me por elle transfe-
panhia de uns portadores da nvgoetn da Glora rda a propriedade e direccao deste instituto.
do Got, um menino pardo claro de idade de 10 A longa pratira que lenho do mov ment desta
annos, vestido de camisa e ceroula, com urna fe- casa, em que jwr espaco de cinco annos exerci as
rda em nina perna. conhecdo por Miranla : quem funecoes de vice-dreclor: a estima e consideraco
o encontrar, leve na estreta do Rosario, Iaaar- com que muitos pais de familias sentare me hn-
na do Sr. Pocas, uno se recompensar._______
Antonio Jos Rodrigues de Souza aluga a sua
casa e sitio do Monteiro, em fenle ao oto da
igreja de S. Pantaleo, com bstanles commodos :
a lratar na thesoiiraria das loteras, ra do Cres-
po n. 15.
Alnga-se o primeiro andar do sobrado da
ra do Crespo n. 23 : a tratar na loja.___________
Antonio Jos Rodrigue.' de Souza, na ra do
Crespo n. 15, precisa alugar ura moleque para o
servco de casa de familia, eque saiba bolear car-
ro, sendo de bons costumes.
Denfem americano
De Xew-York, na do lm-|
rador n. i:.
Dr. \V. 11. Me. Gralfe, oflererc ao res- ?
peilavel publico de Pernambuco os ser- i!
| vicos de sua prolisso, todas as opera- S
ces da bocea e denles serio cxeculadas 5
com o ultimo c muito melhorado prioci- |
pos de cirurgia dental.
mm
Agencia de passaporte.
Claudino do Reg Lima, despachante de passa-
portc, tra-os para dentro e fra do imperio por
commodo pn-co, e com presteza : na ra da I rala onipri.z;i) ,,,, conlnua so|, a illVocacao o proicccao
rarain; e sobretodo a animaeaoque tive de algnns
amigos, com espeeialidade do Illm. Sr. Dr. Jos
Soares de Azevedo, a cujo cargo est confiada a
direccao identifica do eslabelecmento, resolve-
rara-ine a lomar sobre nieus hombros tamanha
m
n. 47, segundo andar.
!jrfi 4' &W* fe?:
a* O bacharel Alfonso Xavier Fortes de
R Rustamante, relirando-se para o Ro de
0K Janeiro.nada fica a dever nesla provincia. Wfc
latf '^\ Ji' "iar"**^' t* W 'T' s* '4 \' *t
i w
de N. S. do Rom Conselho.
'ijr* j^ *i'US^ Nao lenho a pretoacio de exceder a altura a que
a direccao d meu cunhado elevou o eslabeleci-
mento, mas pretendo desvelarme para que nao
perca elle o grao de crdito que Ihe dcixou, pro-
metiendo por mira c por ininha senhora todo o dis-
vello para com os meninos que nos forem confia-
dos, tanto na educarn scientitica como na moral e

Precisase alugar urna esclava que saiba co-
znhar o diario de urna casa e mais servco, sendo religiosa.
de boa conduela : quem a t ver drija-se ra da No dia 7 de Janeiro prximo achar-se-ha, pos,
Saudade n. 17, (pie adiar com quem tratar. de novo aborto o eslabelecimento concurrencia
;--------;---------------;:--------------- dos alumnos, lano internos como externos, conti-
Eslalli'leCimiMllo lie rarrO> runCbrCS, nuando no mesmo predio da ra da Aurora n. 50,
nmrii:o
na os
palco do Paraiz* ns. 10 e 12
Achamse elft-clvamenle neste eslabelecimento
carros para lodas as ordens marcadas no respecli-
vo regulamenlo, sobresahndo os de primera or-
dein. lano para defunlo como para anjn, os mais
ricos e ornados que se pode desejar, com todos os
ornatos precisos. Tambem ah se encarrega de
quaesquer armacoes fnebres e enterro?, fornecen-
do-se lodo o necssario sem incommodo das par-
tes, todo por precos commodes, presteza e fidel-
dade.
Piecisa-se de ura cvlindro americana dos
modernos, com nouco uso : quem tiver annucie.
A cominisso interina da igreja nova do Se-
nhor Bom Jess dos Marlyrios, de ordem do Sr.
Dr. provedor de candas, convida a todos os ir-
maos da referida irmandade para no da 20 do
onde passarei a residir com minha familia. Reci-
fe 12 de dezembro de 1863.
Antonio Augusto Ferreira Lima.
lnsino de preparatorio.
O bacharel A. R. de Torres Randeira,
professor de geographia e historia no
Gyranasio desta provincia, contina a
ensinar estes mesmos preparatorios, e
bem assim rhetorica c philosophia. Os
cursos eslao abortos para cada urna des-
las disciplinas, na casa da residencia do
aimunciante, ra estreta do Rosario n.
31, terceiro andar
Alugam-se duas casas terreas na cidade nova
em Santo Amaro, na Iravessa do Lima, com 4 quar-
corrente. s 10 horas da manhaa, reunidos prore- ,QS e t M|as cada umaj con, gM cozinha fra,
der-se a eleico da nova mesa regedora que id-
nnnisira a tgreja do Senhor Rom Jess.
Preeisa-sc. de um molei|ue de 16 a 18 an-
nos : quem o tver para vender, quera dirigirse
rita do Trapiche n. 12.____________________
quintal
rora n.
grande c murado : a tratar na ra da Au-
O Dr. Jos Liberato Barroso, partindo para o
Rio de Janeiro tomar assenlo na cmara tempo-
raria, deixa encarregados de suas causas aos Drs.
Aprigio Justiiiiano da Silva Guimares e Joo Jos
Ferreira de Aguiar : a tratar em seu escriptorio '. re|Ki?a jas familias nao s pela sua doulrina e
na ra do lm|ierador n. 17. Durante a sna cslada ronhecimento de um dos maiores c mais consola-
no Ro de Janeiro encarrega-se de qualquer nejo- m)res mvsterios de nossa religio, como pelas ora-
Sabio loe a tradueco da Epipbania do pa-
dre X. Ventura, feta por um calhofico. Dividido
em oito leluras, conlm esle livro a mais bella ex-
posicao do myslero da vlnda dos Magos ao prese-
pio de Belem'. O nome de seu antor o seu mais
completo elogio.
nm livro nlihssimo para a educacao moral c
Um aMio a CapaMga Telha.
OliveraFVurda O ageate Almeida autorwado pela vrova do fal-
unvcira, ru^aa teeido Ju5o ErangelisU da f>>da e Silva vender
-----------1----------:em teilao-um grande sitio no lugar da Canuaga!,
Para O Araeaty Velha, eom nma b4a casa de podra e cal conten- !
O Mate Dous IrmRo* pretende seguir com bre- do 3 salas e 8 qoarlos, eoshiha fra, casa para '
vidade, teaoo parte da carga, e para o resto tra- escravos e foitor, 2 tanques, vivoro, a margont do
ta-se na roa do Amorim no escriptorio de Tasso rio, muitas arrores de frueto lrn caaio coqari-1
ros, larangeiras. sanotizeiros, goiabeiras ele.
co relativo a sva |iroftsso de advogado.
O Dr. Carolno Francisco de Lima San-
tos, contina a residir na ra do Impe-
rador n. 17, 2 andar, onde pode ser pro-
f curado a qualquer hora do da e da noite
para o exercicio de sila profissao de me-
dico ; sendo ano os chamados, de|H>is de
meto dia at 4 horas da tarde, devem ser
dei vados por escripto. O referido Dr.
nao abandonando minea o esfudo das
{ molestias do interior, prosegue, com o
malar atllnco, no das nrais dinVeisa deli-
cadas operacSes. romo sejam dos orgas
ourntarias, das orhos, parios, etc.
1 ces que acompanham a todas as leluras. nm
interessante oilavario para a celebracao da festa
dos Res Magos.
O seu producto destinado pelo autor para au-
xilio do coHeglo do orphos. qne o virtuoso hispo
do Cear est fundando na capital de sna diocse :
este annunrio portaato nm appello s almas
christas para que roncorram com urna stnola
para nm llm to po e to louvavel.
Vende-so na livrara da ra esfreila do Rosario
n. 12, e na livrara econmica de Nogneira, a W o
exemplar encadernado.
Aluga-sc o armazem e primeiro andar da
casa n. 142 da ra da Scnzala Vlha : os pretcn-
demes dirijam-sc a praca do Corpo Santo casa n.
6, segundo andar.
Atreneao.
Alnga-se o terceiro andar do sobrado n. 28 da
Giovannr Vascio de Maratia. sulidito iralia- ra do Queimado, com cntnatodos para familia : a
no. rttira-se para fora da provincia. trat juna Joja-
0 Sr. Luiz Paulino CavaJcaoti de Al-
baqoerqoe, tem urna caria nesta typographta.
Precisa-se de ura liora cosinlieiro e de urna
ama que saiba engommar e lavar : tratar no
sobrado n. 32, da ra da Aurora.
Alugam-se as rasas terreas na ra da
Calcada n. 48 e ra Vvllia n. 2 : a tratar
na na do Sebo n. 24.
Precisa-se de tima ama escra va que se- *J?
ja boa engommadeira se preste a "do o ***
K servco de urna casa de familia, excepto N^jf
j^ odecosinha : na ra estreta do Rosario i^
jM n. 31, terceiro andar. j|$;
rnmMmmmm m*~
Gal).uele me ti o
Flores u. 37.
O Dr. Estevo (^avalcanli de Albuqtierque d
consullas medico cirurgicas em seu gabinete das
8 s 11 horas da manlia e das 11 al s 3 horas
da tarde, os chamados deverao ser por escriplo o
dessa hora em dianle dever ser procurado na ca-
sa de sua residencia no Chora-Menino.
1." Parios.
2." Molestias de paite.
3. dem dos olhos.
4." dem dos orgos gentaes.
Praticar toda e qualquer operaea ea seu ga-
binete ou em casa (los doenles confofnarUies for
mais convenienle.____________________w^^_____
Tendo-se alugado ura cavallo russ>"Tedrez.
com signaes no peito de tra lia I bar era carro rom
selim de meio uso e estribos de metal priaripe, a
um peruano que falla bem bespaahol, e cigar-
rero e charuleiro por nome Manoel Lessa, e por
nao ter apparecido no lempo tratado, desconfia-se
terse evadido com o cavallo e por isso roga se as
autoridades polciaes de o remellerem coebeira
da ma da Sanzalla Velha, de Jnaqnim P. da
Silva.
Alugase para passar a fesla um sitio na Var-
zca margem do ro Capibaribe, no lugar Amhol,
perto do Cachang por ficar no caminho do mes-
mo, com casa que tem commodos para grande fa-
milia e escravos, lugar para carro; tambem se
permuta por ontro em Beberibc. ou casa no Reci-
te : a tratar em Olinda, sitio defronte da igreja do
Guadaliqie.
Alugam-se ditas me i-aguas no neceo das Rar-
reiras : a tratar no mesmo berro n. 2.
Precisase de urna ama lvre ou escra-
va, para todo o servco de urna casa de
familia, a excepcao de cosinha e que
saiba engommar bem : na ra e.-lreila
do Rosario n. 31, terceiro andar.
Aluga-se o terceiro andar do sobrado da ra
Novan. 19, com bastantes commodos para fami-
lia : a tratar na ra da Cadeia n. 6, segundo
andar.________________
Alagase o lerceir andar da ra larga de
Rosario n. 24, amito fresen e eoaa -grandes com-
modos para familia por preco muito commodo : a
tratar no segundo andar ilo mesmo._______M
Precisa-se de urna ama para comprar e co-
sinhar : na na do Qudmado loja n. 42.


'


:
Diarlo de rternamtaico %r\tnUkv 1$ de Dezemhr* de 18SS.
-
'
'.
FAZENDAS DE BOM GOSTO
Superiores cortes de seda de cor a 305, 60#, 705,80#, 905 e 1005 cada corto, os mais modernos que tem vindo a ernamfcnco.
Ditos de moreantique de cores e pretos.
Lindas sedas de cores a 25200 rs. o covado.
Ditas de ditas de quadrinlios a 15 e a 15200.
Moreanlique carmezint cor da moda a 15200 o covado.
Superiores cortes de blonde para noivas.
Lindos cortes de crepo de Huspanha coin barra de cores as mais lindas que se pode desejar.
Cortes de laa com barra do cor.
Ditos do laa cora barra aquille.
Lindos corles de grinadmo de seda com barra de gostos inteiramente noros.
Linda fazenda para vestidos denominada crep de Hespanha de cores mui lindas.
Superiores laas de cores malisadas.
Grande e variado sortimento de percales de cores para vestidos.
Dito de chitas francezas mnito Anas escuras, claras e malisadas.
Lindas catilinetas para vestido, gostos inteiramente novos.
Superiores cortes de cambraia brancos bordados e eulras muitas fazendas de bom gosto para vestido de senhora.
Para hombros de senhoim
Superiores capas tretas a 205, 235, 305, 40 e "03.
Santiembarques de cambraia ricamente enfeitados.
Ditos de cachemira de cores e brancos enfeitados com muito gosto.'
Lindas capas de caximira de cores as mais modernas que tein vindo a esla praca.
Superiores zuavos de cambraia c de seda preta.
Lindos postilhoes de merino de cores.
Grande e variado sortimento de camisinbas bordadas
dem de chales do merino lisos de barra estampadas de quadros e de crep a 45300, 35, 65, 75,85, 95 o 105.
Para cabera de senhora.
Superiores chapelinas de palha de Italia.
Lindos chapeos de palha de Italia enfeitados com muito gosto e grande variedade para escolher a 125,145 c 165.
Modernos enfeites de flores chegados no ultimo vapor francez.
Variado sortimento de en fui tes denominados conservadores para cabera.
Bordados.
Grande sortimento de ntremelos bordados a 15,15-00 e 15300 a peca.
Lindas tiras bordadas largas a 5, 35 e 15 a peca.
Calcas bordadas muito linas para senliora.
Superiores e modernas saias bordadas.
Espartilhos superiores e outras muitas fazendas de gosto na loja das columnas ra do Crespo n. 13, de Antonio Corrcia de Vasconcellos
Pechincha sem iffual.
XOVOES
DE
PARTIDAS DOBRADAS
OFFEKECIDAS
A .ISSOCLMlO COMERCIAL BENEFICENTE
DE
PKn.VlMBI (O
POH
Tereeire escriturario da titesouraria
de fazenda de Pernaubuee e competentemente aa-
lorisado para etereer pro-
fessorato particular de arillimelica na mesma
provincia.
Acha-se esta obra nos
Commerrial
Akigam-se as lujas dos sobrados do pateo do
Terco lis. 12 o i) proprias para qualquer estube
lecimento por ser cm boa loealidade e bem espa-
cosas : a iratar na ra da Praia n. :16.
Precisa-Si alugar una preta de boa condue-
la tiue salba engominar bem e eoziubar : na ra
do Queimado n. 44, primeiro andar, pagase bem.
Arltluuetlca, algebra e ceonie
tria.
O professor de mathematicas no gymnasio pro-
vincia I pretende abrir um curso particular estas
sciencias, no da 4 de Janeiro do anno vindouro,
se houver numero sufnciente de alumnos: os pre-
lendentes dirijam-se casa de sua residencia na
ra Direita n. 74, para se matricularem.
No lugar lie Campo (mude
Urna casa de taipa coberla do telha, porta e ja-
nella, no lado do norte, pertencente a Manoel Fer-
nandos Simos, lem de ser arrematada em praca
DrekK di tvnrr.i.iii-iodia ,7 do iwnte porta do Sr. juiz de paz
, d'onde embre?eTah, aX^^ ^ras da
blicidade em ntida impressao e sob o formato de i "J^Ii:________________________________
s portuguez. .Na ra da Mocda n. o, segundo andar, pre-
Lomitoe-se esta obra do un volume, dividido em c'sa-se de um caixeiro para escripia que seja de-

uma parte theorica e outra pratica, de fcil alcan-
ce as pessoas qoe se queiram dedicar ao estudo da
esenturaco.
A respectiva asignatura acha-se abena em to-
das as livrarias desta cidade, ao preco de 55000
por volume.
Continua venda o
res do costume.
n. 2 do RAIO, nos luga-
Aluga-se a loja do sobrado boira do rio, e
ao norte do gdzotritro, morada muilo fresca,
tem commodos para familia, quintal murado, ca- botica de Bartiiolomeu &~C.
cimba, e o aluguel muito barato : podem tratar '_ Ahwi >. .< .... m.
ivun n Sr V*lunn-> n mnemn o.,h^o^ AlUga-se UIIM caa 110 MI
sembaracado cm seu servido, e de miiito boa con-
dulale que d fiador da mesma.
Na ra da Mocda n. 5, segundo andar, preci"
sa-se de urna ama para tomar cunta dadireccao de
urna casa, mas que saiha cozinhar, engommar, co-
ser com perfeicao, e pie seja perfeita em todo o
seu servico, dando fiador a sna conducta.
Sapatos para senhora a 340 rs., sapatoes de cou-
ro de lustra francezes a 35, borzegulns para ho-
mem a 25500, ditos francezes a 45, sapatos de ta-
pete para senhora a 840, para homcm a 800 rs.,
sapatos de marroquim com salto obra de 35 a
15500, snalos de lustre para senhora a 800 rs. :
na ra dos Quarleis n. 22, junto a loja de funi-
leiro.
Veodem-sc barra eom cal des-
ta procede acia, em pedra, cliega-
da boje, e nniea nova, que ha no
increado, na rita do Trapiche n.
13, armazem de Uauoel Telxel-
ra liasto.
Botica.
Precisase de um caixeiro que tenha alguma pra-
tica de botica : a fallar n ra larga do Rosario,
Na mesma loja das columnas vendc.se cortes de cambraia organdys de barra de duas saias
corle a 65, 85,105 e 125 o corlo.
^>
SEGUROS DE VIDA EM MUTUALIDADE.
Adireccao do BANCO UNIAO leudo obtida dogoverno de S. M.F. a autorisacao para estabele-
cer o seguro de vidas em mutualidades, faz publico que desde j toma subscripcoes nnuaes por urna
so vez, debaixo das seguintes condicoes :
Cbm perda de capital e lucros;
Dito capital somonte;
Dito lucros smente;
devendo a primeira liquidadlo ter lugar no 1 de Janeiro de 1859.
As y.anu,6ens do emprego de capitaes em mutualidade, sao obvias, porque niio somonte se co-
Ihc o juro de quantras diminutas, de que avulsas se nao pocleria tirar ncnhnm resultado; mas alm
disso, este rcndimento e augmentado pulo capital ou lucros, ou ambas as cousas, conforme as condicoes
da suttscnpcao, dos que fallecen). Tambem partido pelos socios sobreviventes tudo aquillo que os' so-
cios morosos nos seus pagamentos, sao por este motivo obrigados a pagar, bem como caducidades que
occorrerem pela falta de cumprimento do compromisso social.
As liquidaces sao pelo systema das companhias hespanholas, Tutelar e outras ; e para se poder
fazer urna idea do que pode produzir urna entrada annual de 105, publica-se a seguinte tabella basca-
da sobre a experiencia de muitos annos de companhias desta natureza :
Em o annos Em 10 annos Em I o annos Em 20 annos Em 2o annos'
e de babados malisados com 14 a 16 varas cada
Acaba de chegar esta cidade um machi-
nista j cx|>erimeiitado com 20 annos de pratica,
tanto as olicinas do Sr. Fausscth, em Liverpool,
como nos engenhos da Ilha de Cuba do Sr. conde
de Orely, e em muitos outros onde lem tido oc-
casio de plantar a sua inveneao chamadacarre-
telpara transferencia do bagaco da canna so-
mente com o motor que a faz noer sem outra
despeza mais que a compra do mesmo carretel,
poupando-se assim o servico de 20 escravos.
Pirsuadindo-se o referido machinista que a ma-
china de sua inveneao que a tantos annos tem
produzido os melhorcs resultados seria tambem
proveitosa nesla provincia, vem oflerecer seu
presumo a qualquer pessoa que dola queira usar
tanto nesta cidade como no interior da provincia.
Para semelhante (Im podem-se dirigir ra da
Imperatriz n. 52, aonde o mesmo machinista
empregado em concertar machinas de costuras,
espingardas, bombas e tudo que pertence a su
arte.
Precsa-se de urna
Aguas-Verdes n. 10.
ama : na ra das
Por um menino de 1 dia a i anno 1105 M0# 9005 2:6005 4:7005
de 1 anno a 2 > 905 3005 7505 1:7005 3:7005 i
* i de 2 > a 3 865 2W5 7205 1:6005 3:5005'
do 3 a 4 865 2805 7105 1:5605 3:4005
de 4 a 15 > 865 2705 7005 1:5505 3:3505
Por urna pessoa de 15 20 . 865 2705 7001 1:5405 3:3305
do 30 > a 30 865 2705 7105 1.5605 3:4005
i de 30 a 40 > 865 2705 7205 1:6000 3:7005
de 40 > a 50 905 3005 7505 1:8005 5:0005
As entradas por urna s vez dio resultados muito superiores s annuaes.
Porto, 10 de agosto de 1863.Os directores do Banco Uniao, Jos da Silva Machado.F. M. tan
dtr Niepoort.
Agentes em Pcrnambuco : Antonio Luiz de Olivcira Azcvedo & C, ra da Cruz n. 1.
Msicas para piano e canto de todas as foreas, c methodos dos melhores autores, e vende-j
RJse baratissfmo.
EXCELLENTISSIMAS SENHORAS,
A|noveiteiH as peeliinehas da loja ra do Crespo d. 17
DE
JOS GOMES VILLAR.
Para apurar dinliciro est vemlendo liaralissimo,
Aproveitciu todos.
Rccebcu de New-York 2,000 baloes de 20 arcos e vende a 25500 cada um.
Ixlraonlinaria necliiiiclia, sem igual.
Laas de cores, de quadros a 280 e 400 rs. o covado.
Cassu de cores a 200, 240, 280, 320 o covado !!
Chitas francezas muilo boas a 320 e 360 rs. o covado.
Madapoles, pecas de 20 varas a 75, 85, 95, 105, 115 e 125 a peca.
Cambraias lisas, pecas de 8 I|2 varas a 2-).'00, 45,55, 65, 75, 85 a peca.
Capas relas, manteletes pretos bordados a 205 e 325 rs. I
Sotambanpies pretos de ">5 a 305 rs.
Capas de casemira de cores a 255 e 305 rs.
Outra fazendas de multo gosto.
PROTJAME TODOS
Cortes de cambraias bordadas ; cortes de vestidos de blonde para noivas, com capella ei
fmanta. Chapeos Marta Pa a 125 cada um I Meias para senhora a 45, 55, 105 e 125^
rs. a duzia. Bramante de hubo, de 10 palmos, a 25 a vara. Bramantes belgas a 35 a vara ;
esguioes de linho linissimo ; bombazinas pelas para luto ; merinos pretos etc. etc.; da-
mascos de laa do 8 palmos de largura, proprios para colchas e para cortinas de salas.
Goncalo Joao da Silva Fortes esposo da
finada Joanna Princeza Fortes, agradece a
todas as pessoas que se dignaron honrar
com as suas presencas as exequias da dita
finada c pelo presente convida as mesmas
pessoas que se dignem comparecer no dia
19 do frrente s 7 horas da manhaa na
gruja do Corpo Santo, afim de assislirem a
missaque deve ser celebrada por alma da
mesma finada, pelo que desde j Ihe d os
devidos agradecimentos.
Contina a haverpaodc senteio novo nos das
quartas e sabbados de cada semana, na padaria
em Santo Amaro ae p da fundicao, na ra da Im-
peratriz n. 22, e ra do Brum, confronte o chafa-
riz n. 47, ra das Cruzes, deposito n. 39, na Pas-
sagem, taberna da esquina do Sr. Bento, que vira
para o Bemedio, e no armazem progresso, largo
da Penha n. 10.
O Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
Io e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
so medica, c com especialidade
sobre o seguinte
Io molestias
2o
3o i

oiuoiupa|,iqeiso ounssuuuijoduii assa e wjg -sciuxa 'oeaaiojj
'OJjoquip i: 'seuijssejuii sepuaze.4
i:|iij(tj|i:) c.iou ep sui|3D|i|add se uiai|daojiIv
soHia-JNVHisa a S0MV3iaKVNHad-^
M
de olhos;
de peito :
dos orgos geniti
urinarios.
Ein seu escriptorio os doentcs se-
rao examinados na ordem de suas
entradas comecando o traballio pelos
doentcs de olhos.
Dar consultas todos os dias d s
0 as 10 da manhaa, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
crio que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
com oSr. Valenca no mesmo sobrado.
Aluga-se nina pequea casa terrea na ra do
Gazometro, quasi junto ao rio, tem quintal mura-
do : a tratar com o Sr. Valenca, sobrado beira
do rio e ao norte da mesma fabrio, que aluga ba-
rato.
Furtaram do engenho Tinoco em Serinhcm,
no dia de dezembro, um cavado rugo pombo,
pequeo, com urna malha vermelha no lado es-
querdo do pescoco, o casco do p esquerdo hranco,
anda bem baixo e inteiro : quem o apprehender
ou der noticias dedo no mesmo engenho Tinoco,
ou jia estrada nova do Cachang, no sitio de Tho-
maz Cavalcanti da Silveira Lins, ser generosa-
mente recompensado.
Aluga-se um sitio no lugar do Caminho No-
vo, ra da Espcranca, quem vai para o Manguinho,
tendo boa casa e muito fresca, com 6 quartos e 4
salas no andar terreo, 3 salas no salo, o qual tem
11 janellas, e por isso torna-se muito fresco, casa
para banhos, duas grandes cacimbas com agua de
beber, casa para criados, estribara, e o sitio todo
murado e com larangeiras de umbigo, fructa-po e
jaqueiras : a tratar na ra do Destino n. 16.
1 achori-iiilia gal^i.
r-csappareceu no dia 13 do corrente tarde, do
Hospicio, sitio n. 10, onde mora Eduardo P. Wilson
Jnior, una cachorrinha galga, cor o*c veado : ro-
ga-se a quem a adiar leva-la ao mesmo sitio, que
ser recompensado, ou quem della der noticia.
O administrador da casa de banhos do pateo
do Carino roga s pessoas que possuem autigos
cartees, hajam de ir trocar por novos at o da 31
deste moz; licando inutilisadus se o nao flzerem.
Precisa-se alugar urna preta para vender na
ra : quem tiver para alugar, dinja-sc ra da
Gloria n. 27.
Oabaixoassiguado, encarregado da cobran-
za judicial dos dbitos da botica do Sr. Joaquim de
Almeida Pinto, previne ao Sr. Jos Goncalves da
Porciuncula que perdeu as rcceltas, para rujo pa-
gamento fui Smc. citado, tendo ellas sua tirina,
menos una que est assignada a seu rogo por seu
sogro Fortunata Jos Dias de Sampaio, bem como
urna ordem que o mesmo Sr. Porciuncula havia
dado para receber a quantia de 205 l11"' eonta de
seu debito, tendo-se verificado essa perda do lugar
de Aplpucos at a Casa Forte, no dia 10 do cor-
rente. O abaixo assignado protesta contra quem
pretender fazer uso desses documentos, que a nin-
g110111 podem utilisar. Hecife 14 de dezembro de
1863.Caelano Mundos da Cunha Azcvedo.
Os abaixo assignados decla#am que encarre-
garam o Sr. Andr Avelino Sobreira de Mello da
cobranca dos bilhetes do nosso beneficio. Hecife
14 de dezembro de 1863Jos Bernardino de Bar-
ros.Jos Antonio dos Santos Porto.
Manguinho, 110 entrar
para os Afflietos, primeira casa a esquerda, com 6
quartos, cozmha e cacimba com boa agua de be-
ber, alguns arvoredos de fructos : a tratar defron-
te da igreja de S. Jos do Manguinho, portao ao p
da taberna.
Perdeu-se no dia 15 do corrente urna carta
que era para ser entregue ao Sr. Burgos Ponce
de Len, eslava escripia as costas da carta com
lapis encarnado o seguinte : ra do Trapiche n. 14
a fallar com Jos Mendes de Preitas : quem a
achou far o obsequio de entregar na mesma ra
do Trapiche que muito se agradecer.
Aluga-se a casa terrea 11. 36 da ra da Matriz
da Boa-Vista por barato preco : na ra da Penha,
segundo andar do sobrado 11. i.
COMPRAS.
Meias do Porto.
Vendem-sc na loja de ferragens da ra da Ca-
deia Velha n. 44, meias de linho e Igualmente do
algodo, por preco muilo commodo.
Vistas lias.
Aloja da aurora na ra larga do Rosario n. 38
reeebeu bonitas vistas sendo de Lisboa, Porto e
1 diversas, tambem reeebeu estampas muito linas
. em ponto grande sendo a inorte do justo, a 11101 te
I do peccador, inferno e paraizo, assim como recc-
l beu retratos de D. Luiz I, D. Mara Pa, D. Pedro
II e a familia.
Hem deleito
i Borzeguins de bezerro e vaqueta com batera.
Ditos todos de couro de vernz.
Ditos de pellica gaspiados de verniz.
Ditos de merino gaspiados de verniz.
Ditos de bezerro sem batera.
Fabricados em Paris, por procos que chega a
todos : no armazem da arara, ra da Imperatriz
numero 56.
FARINHA FONTANA.
Facililla la muito acredta a marca
Fontana 'csemliaica por prcro mais commodi do que cni
qualquer outra parte : na ra da Cruz
n. 4 casa de i\. 0. Bietier &. C. succes-
sores.
Compram-se Diarios : na
Rosario n. I, taberna do Pocas.
ra estrella do
i ou liu iia a vender-se
a guia do processo criminal, obra indispensave,
Na ra da Gloria n. 89, compra-se urna me-1aos delegados, subdelegados, jnzes municpaesl
sa de jantar elstica em bom uso at a quantia i supplentes, etc., para a formcao dos proeessos
de 705. criininaes e diligencias policiaes; na qual o autor
------- trata de capitular as diflercntes disposicocs do co-
_ 10 ''? d'g0 ,l0 processo criminal, lei de 3 de dezembro
de 1841 c regulamentos respectivos, de modo que
Comprase nina escrava de mua
saibabem cozinhar : ua ra do Crespo n. 18, no
segundo andar.
Precisa-se comprar una escrava de bonita
figura c moca : na ra de Aguas-Verdes n. 18.
Compram-se tres casas terreas anda novas,
com commodos para familia grande, em chaos
proprios, na Boa-Vista : os prelendentcs drijam-
se ra da Cadeia n. 51, armazem do agente Eu-
zebio.
Compra-se para cncommenda alguns escra-
vos, molecotes de 15 a 20 anuos, bonitos e sadios :
a tratar com Tasso Irmos, ra do Amorim n. 25.
Compra-se urna escrava que tenha habili-
dades e de boa conducta : na ra da Cadeia n. 35.
Comprase urna mulatinha de 12 14 annos,
sendo sadia e de bons costumes: na ra do Cres-
po, loja n. 15.
Vende-se una
papel, ue pauta de
ra do Imperador n. 29,
loja.
Vende-se um cabrolet em perfeito estado :
quem pretender, dirija-se ra da Boda, cucheira
que foi do Sr. Paulino, que achara com quem
tratar.
Ao n. 29.
Nova loja dos liaratciros na ra do Queiuiado.
Velludo de cores fazenda muito boa o covado
3500O,' baloes de panno 35200, ditos de arcos
35OOO, 45000 e 55000, laas de duas larguras
para vestido o ovado 500 rs., chitas francezas o
covado 360 rs., melim branco para forro de
vestido o covado 120 rs., tarlatanas de todas as
cores a vara 720 rs.
A o n. 29.
Xova luja dos harateiros na ra do Qitcimado.
Cassa lisa pede de ovo a peca 75500, cambraia
lisa muito tina a peca de 17 varas 105, cam-
braieta peca de 12 jardas 75000, cambraia adamas-
cada para cortinado a peca de 22 varas 105000,
meias finas para senlioras" a dnza 45000, chales
de laa ponta redonda 325500.
Ao n. 29.
Nova loja dos harateiros na rita do Queimado.
Bcos pretos de linho a vara 120, 160,240, 3201
rs., franjas de seda a vara 80 c 160 rs., galoes SjlCCOS G OfiSUCOT '. .TldO
de seda de algodo e de laa para enfeites de vesti-
do a peca de 10 e 15 varas a 400. botoes de seda
de velludo e de fuslao duzias 120.
Compra-se efleclivamente ouro e prata em
obras velhas : na praca da Independencia n. 22 mado n. 16.
loa de bilhetes.
torna fcil o conhecimento dessas mesmas dispo-
seoes s mencionadas autoridades; escripia pelo
Dr. Vicente Ferreira Gomes, juiz de dircilo, etc.,
1 volume em oitavo encadernado25 : na ra do
Imperador n. 73.
TABOADO
Vende-se taboado de perolia e canella de muito-
boa qualidade e por preco commodo: a tratar no
Forte do Mattos trapiche do Cunha.
Trancas de laa prclas e de cores.
Sendo lisa a 80 rs. a peca, e de caracol a 100 rs.
a peca : na loja de miudzas da ra do Queimado
n. 16.
Luvas de Jouvin
brancas c de cores para homem e para senhora a
15500 o par : na loja de miudzas da ra doQuui-
VENDAS.
Klntos i a alata
A loja da aurora na na larga do Rosario n. 38,
reeebeu ricos sinlos traviata, bordados, os de
inelhor gosto que chegado a este mercado, grava-
tnhas com laco e ponas bordadas para senhora,
enfeites Mara Pa, tambem de muito bom gosto,
boas luvas de Jouvin brancas muito frescas para
homem e senhora, tudo isto se vende barato : quem
duvidar venha ver.
1
1 B. I UE M. i
Na ra do Queimado n. 43, esquina que
volla para a frtgKfigit.
i:" iiechlncha.
Paletots de casemira a o, 6, 7, 8, 12 e 145, ditos
' de panno preto e azul a 9. 10, 12, 16 e 185, ditos
sobrecasacos de panno muito fino por 245 e 285,
ditos de alpaca preta e de cordao a 4, 5, 6 c 75,
______________________ calcas de caseniras de cores a 5, 6, 7 c 85, ditas
machina de pautar e riscar i urelas a 65500, 8, 9 e 105, paletots de fustao e
10 20 resmas iior dia : na an8a a 2>S, 2 das as qualidadcs e por preco muito barato, lun-
ces de puro linho a preco de 25800 e 35. rober-
as de chita a 25240, coliarinhos de linho puro a
600 rs. cada um, e outros muitos objectos que s
vista ; c para isso se pede a altenco dos fre-
guezes.
Panno de algodo teci-
do de Minas, fazenda larga e
encorpada, apropriada para o
servico da lavoura, quer para
ronpa de escravos, quer para
deposito no largo do Corpo
Santo n. 17, escriptorio de
Esta para alugar o terceiro andar da traves-
a do Queimado n. 1, muito fresco ecomexeel-l luo'iKcrfi 1? iln Olivnvo
lente vista; a tratar com Joao Manoel da Cunha -'-* *-
Aranjo no cstabelecimento por baixo.
?ssa -as
^m*
Que bella pechincha.
At que chegou recentemente a taberna da tra-
vessa do Queimado n. 1, nos fundos do Preguica
a muilo desejada carne do serlao a 320 rs. a libra,
saccas grandes com arroz de casca a 45600; s
barato.
Aluga-se para casa de familia urna excedente
escrava moca e de boa conducta, a qual tem to-
das as habilidades precisas : a tratar na ra do
Pires n. 54.
Na ra Formosa n. 14precisa-se de urna mu-
Iher que saiba cozinhar.
Quarto hataihao de artilli.iria ap.
O censelho econmico do batalho contrata para
o primeiro semestre do anno de 1864 os gneros
alimenticios abaixo declarados, para fornecimento
de suas pracas, a saber: arroz pilado, assucar
mascavado refinado, azeite doce, bacalho, carne
secca, dita verde, farinha de mandioca, feiiao pre-
to, ou mulatinho, manteiga, pes de 6 e 4 oncas,
loucinho, vinagre -, sendo todos estes gneros do
primeira qualidade : os contrllenles apresentem
suas propostas em carta fechada secretaria do
batalho at o dia 24 do corrente.
Quartel na cidade de Olinda 17 de dezembro de
1863.
Manoel Goncalves Bodrigues Franca,
2o tenente agente.
Aluga-se a casa da ra da Concordia n. 69
A, com 2, salas, 3 quartos e um soto, quintal e
cacimba ; urna dita na travessa do Monteiro n. 4,
om 2 salas, 3 quartos, quintal e cacimba : quem Precisa-se de urna criada que saiba engom-
as pretender alugar, dirija-se ra da Praia nu- mar : na ra do Imperador n. 17, segundo andar,
mero 24.______________________________________
TINTURARA.
Tinge-9e com perfeico para qualquer
e o mais barato possivel: na ra do
Rangel n. 38, segundo andar.
Mudanci de estabeleci-
mento.
Flix Venancio de Cantalice avisa aos seus nu-
merosos freguezes d'aqui da provincia como de to-
ra, que mudou seu estabelecimento de alfaiate da
ra do Imperador, para a ra Nova n. 19, no qual
est sempre prompto para cumprir com qualquer
encomenda tendente a sua arte.
No sitio n. 8 junto ao Hospital Portuguez,
comprase um negro de boa conducta, e que en- j
tenda bem de plantario : quem o liver e quizer
vender, leve-o ao mesmo sitio, que achara com
quem tratar.
A casa de estabelecimento n. 8 da ra da
Camfioa do Carmo, pertence a Agostinho Ferreira
Campos desde o dia 15 do raez passado (novembro.)
Hecife, 17 de dezembro de 1863.
Aluga-se barato o segundo andar do so-
brado n. 44 em a', ra da Aurora, que lti-
mamente fra concertado e pintado de no-
vo : quem o pretender dirija-se loja de
Bastos com quem tratar.
mmmm imm m* mmr
O Dr. Sarment Filho, medico operador
do hospital Pedro II, para raaior com-
modidade das pessoas que o honrajn c_mi
a sua confianca, participa que ser en-
contrado todos os dias no referido hos-
pital das 7 s 10 da manhaa e dessa hora
em vante na ra do Queimado n. 44, se- 3g
gundo andar, onde ha estabclecldo o seu ,
consultorio, ou em casa de seu paiCam- a
po das Pnncezas.D consultas gratuitas 5
lodosos dias no dito hospital, onde pra- (
tica toda e qualquer operao de que os fl
pobres precisen) para o seu restabeleci- ^
ment. Incumbc-se especialmente da 3
cura das molestias do dominio da med- jgj
cia operatoria, que so ha dedicado,
das afieccoes do tero e da uretra. $1
Precisa-se saber se existem nesta provincia
os subditos do estado pontificio Guiliano Sabati-
ne e Alexandrc Sabatine, a negocio de seus inte-
resses : queiram dirigir-se ra do Imperador,
armazem de louca n. 41.
Precisa-se de um copeiro :
che Novo n. 22.
na ra do Trapi-
AMA.
Precisa-se de urna ama para cozinhar : na ru:
larga do Rosario n. 12, segundo andar.
lrV
Armacao.
Vende-se urna rica armacao envidracada, com
todas as commodidades, propria para qualquer es-
tabelecimento : na ra Nova n. 36.
Ranos
novos.
Os melhores que tem vindo a esta praca fabrica-
dos de cncommenda por um dos melho'res fabri-
cantes ile Pars, especialmente para este clima :
quem quizer aproveitar a occasio do munir-se de
um escolente piano por preco commodo dirija-se
ra Nova n. 19 primeiro andar.
Cal de Lisboa e potassa da
Rnssla.
Vende-se na ra da Cadeia do Recifc n. 26, para
onde se mudou o anligo e acreditado deposito da
mesma ra n. 12, ambos os gneros sao novos e
legtimos, c se vendem a preco mais barato do que
utra qual quer parte.
A ma.
Precisa-se de urna ama para urna casa de pouca
familia : na praca do Corpo Santo n. 17.
Aluga-se um bom sitio na estrada do Hospi-
tal Portuguez, com urna boa casa de vivenda, con-
tendo os seguintes commodos : 4 quartos, 2 salas,
cozinha e despensa a parle, senzala, estribara, co-
cheira, cacimba com sua respectiva bomba e tan-
ques : quem pretender, dirija-se ao sitio n. 1 na
dita estrada, a tratar com o seu proprietario.
No escriptorio de Hallar & Olivuira
urna carta vi ma do Rio Grande do Sul
existe
para a
ATTTEait'AO.
Na ra estreita do Rosario n. 38, primeiro
dar, precisa-se de urna ama para cozinhar,
gominar e fazer compras.
an-
en- tr
Aluga-sc o armazem n. 4 da ra do Apollo, e
o terceiro andar da casa n. 88 da ra da Impera-
triz ; na ra da Aurora n. .36.
Illni-* Sr* D. Claudia Dias Gama, cujo anuncio
faz-sc por Ignorar-sc sua morada._____________
Aluga-se urna casa nova e pintada, propria
para passar a festa por ser perto da praca, na pri-
meira entrada para a Capunga, antes de chegar a
S. Jos do Manguinho : a tratar ao p da mesma.
Precisa-sede um menino de 12 a 14 annos :
na taberna da ra larga do Rosario n. 3.
i:' naratlsslmo.
Francisco Pinto da Costa Lima com
estabelecimento de alfaiate na ra larga
do Rosario n. 38, primeiro andar, vende
pannos muito linos a 45 e 45300 rs. o
covado, lazenda que pela sua superior
qualidade val 95 e 105 o covado. As
pessoas que aproveitando a pechincha,
compraren) dos ditos pannos podem que-
rendo mandar fazer as obras no estabe-
lecimento do annunciante, pois sero fei-
tas com presteza e |ior mdico preco,
tanto sobrecasacas e paletots, como ja-
quetas e paletots para meninos.
iiua da Senzalla 11 42,
Vende-se, em casa de S. F. Jolinston & C,
sellins e silhes inglezes, candieiros e casti-
ces bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavallos. e relogios de
ouro patente inglez.
ATTWo.
- Vende-so um carro de 4 assentos para um
avallo, em bom estado : a tratar com o major
QuinteiroJ em seu escriptorio na ra Nova.
Vende-se o diccionario bibliograpliiro de Portu-
gal c Brasil, obra em 7 voluntes de Francisco Inno-
cencio da Silva, no largo do Paraizo n. 14.
ATTEjAO.
\o deposito de louca da fabrica do Bar-
ballio, ra do Imperador n. 41.
j 30 0|0 menos do que em outra qualqucruarte:
Louca vidrada de todas as qualidades, e tao boa
! como a que vem do estrangejro'6'mais barata.
Vende-se a casa teirea sita na ra de Hortas
n. 5o : a Iratar na ra Imperial n. 33.
Aluga-se por preco cmiudo o
sitio dos 4 leoes na Soledade, com boa
casa de sobrado, esrheira, estribara e
tanque para hauioe eicellent* agua:
tratar no mesmo sit o das 4 horas s
7 da neite.
Vende-so sement de coentro muito nova a
240 a garrafa, ole* de ricino a 460 a libra : no
largo do Carino, esquina da ra de Hortas n. 2.
Vende-se um par de dragonas decaixo, una
banda e um fiel de espada, tudo novo e de apura-
do gosto, para olhcial da guarda nacional, pela
metade de seu valor : na ra do Cabug, loja de
Ramos A Lima n. 1 C.________
\ozch e batatas.
Vendem-se saceos com oito libras de nozes pelo
barato preco de 15000, e caixas com urna arroba
de batatas por 800 rs., nada mais liarato vista da
boa qualidade : na ra da Madre de Dos ns. o c 9.
Joao Haptista Goncalves Bastos e Joo Ber-
nardo da Costa Reg Monteiro, outr'ora estabele-
. cidos com loja de fazendas na ra Nova n. 47, sob
Ausentou-se no dia 13 do corrente mez, o es- a firma de Bastos A Reg, fazem-se publico e eom
cravo Luiz, de estatura baixa, e j de idade, levou especialidade ao respeitavel corpo do commercio,
vertido camisa de bata asul, calca branca, eliapo que tendo expirado o seu contrato social no dia 3
de pama pintado; roga-se a tedas as autoridades d corrente dissoiveram amigavelmente a socieda- j Kua da policiaes capitaes de campo a captura do me*Hio, de, licando todo o activo e passivo cargo do so-; Mlo, V *' ,
podesdti o levar a qualquer hora n Santo Amaro ci Bastos e do Sr. Antonio Leite de Magalhes INesle esDieC4mentO veodem-se: tachas de
a sea senhw Manoel Custodia Perioto Soares, u Bastos, conforme o contrato que nesta data cele- 'errO COado libra a 110 rs., dem de Low
na praca de-Gerpe Santo. braram. Becife 16 de dezembro de 1863. Moor libra a 120 rs.
Sal de Lisboa
Vende-se superior sal de Lisboa, a bordo do bri-
gue Constante : a tratar com Manoel Ignacio de
Qhveira A Filho, largo do Corpo Santo n. 19.
Cevada.
Vendem-se saccas com cevada muito nova e por
menos do que em outra qualquer parte : no es-
criptorie de Manoel Ignacio de Olivelra A Fllho,
largo no Corpo Santo n. 19.
l'n chapeo por 400 rs
S m Vigilante
Custodio Jos Alves Guimaes, tendo arremata-
do una grande porcao de cha|)os de stil |ra me-
ninas, e qoerendo que seus fresuezes partilbe de
tal pechincha, est os dando pela diminuta quantia
de 400 rs.: quum deixar do comprar mesmo pa-
ra as senhoras irem ao banho cobertas do sol.
S no filaste, roa do Crespo 7.
Llnha.
Tambem arrematou nma grande porcao de Hnha
preta muito forte em massos de libra, que se ven-
de pelo baratissimo preco de 800 rs. cada um : s
no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Bot5es.
Lindissimos botos para punhos tanto para ho-
mem como para senhora*, pele barate preco de
240 rs. o par : s no Vigilante, ra do Crespo,
n. 7.
^^^i^i^^B
=
L


I
Diario de I'ciuaiubucu Se&t* feir 19 ilc Uezeubio de 1*4 3.

\
45 Eua Direita 45
A|u'oveiein 4*111 quaoto lempo!
Grande liquidar:; de fazo I; s at a
fcsiji, para se f udar coalas, apro ei-
veileui qae tiestas perliiiicnas uha
sempre : na ra da Imperatriz, loja
e arinatea d< Ar..ra n. 56, de I ou- Borzeguins francezes d lustre pa-
reaco Pcrcira Mciulcs Gu*iuarcs. i a bomem.................
Cobechares da Arara a lg. Borzeguins francezes de cores pa-
Vende-sc *ertores de pellos a 14 c 14600, ra meninas................ 2$000
^SSStSC ',a ,n,Per:,lr ^eguinsfrancezes preto, para
A Arar* vende as laazinlias de 9 pal- sapatosTe iuVu'e 'para'senhora 1'.
OS a 12U0. Sapatos de lustre s avessas;-----
VSWJe-C laazinhas de urna s cor e quadrinhos ---------jr---------------------------------------------
lllegado pelo vapor:
fi para o vigilante, ra do Cres-J
po n. .
At qae cliegaram as muito desejadas cascarri- i
llias de todas as cores coiu una litiuha de velludo
no centro, cousa multo elegante para enleje, assim
55000;
25500
loOOO'j
500.
proprios para capas, com 9 palmos de largura
l,M0o covado, ditas para vestido a 280, 320 e
400 rs. a cnvado : narua da Imperatriz, loja da
Arara n. oti, de Menaes Gniirrais,
Brlm da Arara a 400 rls o
covado.
Vende-se brim pardo de buho com pequeo to- como de outras qualidades, e. preces muito razoa-
que de mofo, que depois de molhado larga, proprio veis : s no vigilante, ra do Crespo, n. 7.
para caigas e palitols, a 400 rs. rs. o covado ;! part jar de mimo,
brim branca de lindo a i$ e UWOO a vara, fustao | Chegaram as riquissimas bonecas de todos os
de cores p*ra calcas, colotes e palitos a oOO rs. taannos, vestdmhos ricamente enreitados, cada
* ra da Imperatriz, loja da Arara n. am cmsua caixinha, propriameute para um del-
36, de Mwi'fcs Guimare.
I.azluaa ft Marn Pia da Arara.
Vende-se laazinhas a Mara Pa muito finas, com
quadros e palmas de seda, para vestidos a 360 o
covado, sodinhas finas a 500 rs. o covado ; na ra
da Imperatriz n. 56
A Arara vende as capas a 8,000 rs.
Veade-se ricas capas para senhora a W, chales
de merino estampado a 300, ditos finos alisa-
dos de novogoslo a 5A, dito de (tonta redeuda e
bellota a 7^500 : na ma 4a Imperatriz n. 56,
tajada Arara de Mendes Gainia raes.
Ota que itecUinrh*, (iaiinkas a 381 rs.
Vende-se
cado mimo, por baratssimo preeo : s no vigilan-
te, ra do Crespo n. 7.
Par* es senhores hachareis.
Chegou tenqto a riquissima uta do cbamalote
para cartas dos senhores hachareis, assim como
branca, lisa, propria para alo ir letras, ou para
sintos : s no vigilante, ra do Crespo n. 7.
I'enlea de marrafa.
fambem chegaram os riquissimos pentes de
marrad com pedrinhas,os lindos (tentes de regaco
para meninas, meiasde seda e sapalinnos proprios
para baptisados, meias de seda |>ara senhora, fitas
de lita para debrum, fita de linho, trancas de 13a,
de Ir'iu e de seda, luvasdc seda c pellica, e fio de
Un. Itescoimmciito Espantoso!
Mundo Sfirslififo uiianmaaeate ti approva.
ma laazinhas finas para vestidos a 80
320 rs. o covado, lencos brancos com barras de e-** e camurca, alfinetes de cabeca chata, car
cores a 200 rs., meias finas para senhera atOe ietnnnas com todas as agulhas precisas para cos-
300 rs., ditas cruas a MO rs., ditas para homem a lura> velas de madreperola esmaltadas de ac
160e 200 rs.; na ra da Imperatru n. 56, laja da P*ra sintos, flores de todasas qualidades, caisntias
Arara. Cffm pastilhas de perfumara, abafadores de liia
A Arara veaie ascatsas a 200 rs. o covado. p*ra wnhon, >ues sanatlnhos de laa, pnbeiri-
Vende.se cassasdo quadrinhos a 200rs, ocova- "h^e Tr',e1ha,? "W"' ngu.nts, tase
do>dtaslinnsa23080ocovade,organdvsfinos Z^lsL fon^.^'T^ r^mdo^ f?
a 240 e 280 o covado : na ra da Imperatriz n. a,"af?!*efa"* Piadas de todas asquali-
(i loja da Arara fabricantes mais afamadus, cotchetes
Perbiiica sci*kM,4* Arara a 00 rs e corada: Pr,a"ados n''t<''*, retrozdetodasasqualidades,
rerumeua, seaataasaa arara a WHirs. o eovaa. retroz cm carretel eem novel lo, e de meada, de
\ende-se sedinhascom quadros e lisas, escuras, todas as cores, estevas para denles, ditas para rou-
?op,'^para !"cSla de hilo, porter unta so pa,ditas (tara chapn)c ditas para unha, do todos,
cor a 800 rs. covado, ditas da mema qualidade, os piceos, e outros mais ol.jeetes, que se tornara
i coreLB?r* veS,uJo? a m rs- d."as dt .Us"- enfadonho annueciar, e vista dos frecuezes pro-'
nhas a 500 rs. e ovado: m rna da Imperatriz n. mettc-se fazer lodo o negocio: s no vUJilaote, ra
06, loja da Arara de Mendes'Guimaraes. do Cespo n. 7.
Pcchiiicha m Irara, corles de chita a 25*00.
Vende-se cortes de chita franceza com pequeo
toque de mofo a 2500, eotues de riscado francez
com I i covades a 3J, cortes de cassas francezas
pintadas a 24 e corte, ditos de barras a 25, "15 e
45 : na ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara de
Mendos Gwataraes.
Casemiras a i$600 o eovado.
Vende-seeaseiniras de-cores para calcas, cole-
tes e paletets, infestada, a 15600 o covado, cortes
de casemira intestada a 560O e 25, e em covado a
15 : na ra da lm|terariz n. 56, loja da Arara de
Mendea (rmuaracs.
A Arara vende tuqia frita e liama.
Vende-so palilots de casemira a 5500, 65 e
85, calcas de '15500 a 55, palitots de panno a 105,
ditos finos de 125 e itti, palitots de brim de cor
a 25500 e 35, ditos de meia -casemira a 35500,
calcas de hrim de cores a 25 e 25*00, ditas bran-
cas de lfnho.135500-e \&, dias de meia casemira
a 25, coletes a 25500 e 35, camisas francezas a
15600, ditas finas a 25 e 25500, ditas de linho
prega larca a 35, serouias linas a 15600, dilas de
linho a 25 25500 : na ra da Imperatriz n. 56,
loja da Arara de Mendes & Cuimaraes.
Balees dtf Arara a H, 3,5500 4.
Vende-se fcalocs americanos, os melhores que
lem vniio,deO, 30,54. 40 arcos a :*5, 31800,
15 e 45509, ditos de brilhantina a 45, ditos de
madapolae a 35000 : na ra da Imperatriz n. 56,
loja da Arara.
Cirilas la Uara a 210 rs.
Vende-se chitas a 240 rs. o covado, ditas fran-
cezas com pequeo toque de mofo a 280 rs., ditas
limpas a 3SO, 360 e 400 rs. o covado : na ra da
Imucralriz 56, loja da Arara.
I liara reccJieu pelo mptii- un sorlimenlo de ro-
inciras ara senhora, dos melhores gastos que
lem viada, a proco de 1$, 1;5600 c 23.
Vende-se romeiras para senhoras de cambraia
de salpicos ltrai>cos e de cores e bordados a 15,
l600 e 25, geaVihas com botaozinho a 58() rs.,
ditas com pedos e iwiaoanho a 15, camizinhas
para senhora a 15,15600 e 25, aventaes e 1 orpi-
nho para mononas a oOOrs. : na ruada Impera-
triz n. 56, leja Para o dia de nata].
Queijo prato muito fresco a 760 rs. a libra, dito
flamenco do ultimo vapor a 35000, mantciga 11-
gleza llr a 800 e 700 rs. e a franceza a 560 rs.,
el'. nxim muito bom a 2$560 e 25400, caf de
pnimeira sorte a 200 rs. a libra e 85500 a arpaba,
banha refinada a Wl rt, biscoitos inglezes a 15400
a laxa, bolaxinhaa240rs. a libra, vinlio duque do
Porto verdaoeiro a 15500, Chamico 15000 c 300
rs., fiordeaux fino a 640 ra., Kigueira puro a ihO
rs. a garrafa e a caada a 35300, Lisboa a 400 rs.
a ganrafa e a caada a 25800, sorreja branca e
prrtaa 480 rs., geneltra de Hollanda e de laranja
a 480 rs. o frasco, vinagre de Lisboa a 200 rs.,!
azeite doce a 600 rs., talharim, estreUinha e alctria
v 480 1*., farinha do reino e de Maranliao a 120
rs. a lilrt-a, gomma a 80 rs., arroz a 80 rs., touci- Ja Madre de Dos.
nho nov a 250 rs., sag a280rs., btalas a 60. _'_____ __
1 -.. estearinas a 560 r^., entnposicio a 520 rs., car-,
oaba a -K'-o rs., azeiloaaa a 240 rs. a garrafa, mas-;
sa do tomate a 640 rs., lata de doce de goiaba a 1
.')60 rs., cat-xao, palitos lixados a 160 re., lijlos
.-i-ara liutpar Jaca a 140 rs., selllas, pimoata, albo,
ravo, comsiios, canella, erva-dce, tudo muito
Caratissimo; oo armazem da Estrella largo do Pa-
t:aizo 11. 14.
FAZENDAS BARATAS
f UVA WO O^JKiMADO*1
Custodio, Cafculho A C.
Finas camhraias organdys iudianas pelo baratsimo preep de 300 rs. o covado ou
500 rs. a vara.
Grande sortimeato
dos mais finos La loes de arcos para senhora e pelo barato proco de 35 cada uui, ditos de nia-
dapolao para meninas a 25500. '
Xovidade
Os mais lindos e mais liuos c modernos cortes de laa com ricas barras, tendo rada corte
20 covadus e pelo baratssimo preeo de 205-
Pil de linho vara a 500 rs.
Modernas laazinhas para vestido o covado a 440 rs. ,-
mmmmmmm wmmmsm mmmmmmmmmmm
RL\ DO OIEUIADO W, il
Loja de fazeuda de Au^usio Frederico dos Sal s Porto.
ENTEIIMK PARA SAIGAS.
A este estahelcimente chegou um ptimo sortimento de esleirs para sala, sendo de diversas lar-
guras al 6 palmos e da mais superior uualdado .que se veudem por presos mais mdicos que em
oulra qualquer parte.
SOUTEMBARQUES.
Os mais superiores soutembarques de casemira de cores ricamente enfeitados acabam de chegar a
este estabelecimenlo.
FSFEITES PARA BAILE de lindos goslos.
UVAS DE PELLICA DE JOVIN para nomens e senhoras.
HAPEOS DE PALMA DA ITALIA para senhoras, enfeitados com finissimas flores a 145 e I65.
CHAPEOS DE PALHA para meninas, enfeitados ricamente a 75.
CAMISAS INGLEZAS para homem, colarinhos, pcitos c punhos, de linho, a 425000 a duzia.
CAPAS DE SEDA PHETA (tara senhoras, bordadas e enfeitadas de 225 a 505000.
Zl'AVOS de wda pretos para senhoras, enfeitados com o melhor gosto a 205.
CHAPEOS DE PALHA para homem a 35500.
CAMISINHAS COM MANGUITOS E GltAVATA para senhoras, bordadas com muito goslo.
ATOALHADO DE LIXHO para mesa fazenda superior.
Finos chapeos pretos de seda, chales de diversas qualidades, grosdenaple preto e de cores, pannos
pretos linos, casemiras prelas e de cores, brim faranco e pardo, linas laasnhas para vestidos e outras
umitas fazcadas que so vendem por commodos procos. A mesma loja chegaram os
it Icos cortes de la'de barra ma Usada.
ROUPA FBITA
NO
ARNAXEH
DE
ARMAZEM DE i^IOLHADOS
1
4
r
r
ee
fe
1

H
<
ti
H

w


ti s
M
.
&[)-
<\i
A C:iii|iosi(aao \naca!ini Peitoral de Kemp.
Por cspro le muito tcmjio se lia uziilo e
tcnsanicate cin Tampico para a cura de
IETREIRO VERDE.
Neste estabeleoimento ha sempre um sortimento completo de roupa feiu le
todas as qualidades, tambe se manda faaer por medida, vontade dos concur-
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tetnuoi
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para s-nfaoras,
: uomens e meninos.
-J
O (HV^ietario do grande ariuazeui do Baliza, considerando que apro
xima-sc a fesai, e que do algum motlo tleve mimosear aos seus froguezes, cOm alguma cou-
sa que revote o sea contenuimento c gratido, resolveu ex por a \entla qoasi pelo costo da
entrada o *?u grande sortimento de gneros, que como todos sabem, sao sempre eapriebo-
samente. Sijeito a um severo regulamento, o Baliza est firme em seu posto de liorna, e j
mais circumstancia atguma o fara arribar do m'agcstoso quarlel em que se ada abrigado
espenaado o inimigo semtpre de frente.
Nascido em torras de Portugal, o Baliza leve afortuna de ver bom cedo esta bella
provincia. Foi na riaru-ia que aportou em nosas plagas. entre nos frequentou a escola
primaria,seus toditos fot o-aqu adquiridos, suasaHeices existem no me0 to generoso quanla Uospitaleiro.
A preferencia pois qae lhe tem dado os Pernambucanos, um favor, verdade;
masr um favor-fue o Baliza tem merecido, e continuar a merecer sempre, a des- tito da
gaeira surda que lhe fazemos bomens das libras de tres quartas, e vintoos falsificados.....
Para se gaiihar dinlwiio nao de mister Iludir o jiovo. As fortunas adquiridas
l*or meios pouee Batos degradao a Venham, pois, aquellos que ainda nao abasteceram as suas despensas nesta casa ve-
rificar por si meanos quanto b de verdadeiro nestas palavras.
O Baliza est a testa do estabclecimento e nada escapar s suasvistas q ue passa
cahir no desafeado dos seus benvolos freguezes.
t
TSICA PIMONAB,
CATARRHO, ASTHMA,
BRONCHITE, TOSSE CONVULSA, 1^
CRPO O WLWBBL\% e
Inflajama9des da Garganta e do Pelte,
o isto cono Jim resultado tio bliz c verdade-
rameute sombroso o pao oh tnadeira d'uma
arvorc :i .:e chamiio Anacae-Ita, c que
se cncmitra no Mxico.
Casacas de panno preto, 33|e
Sobrecasacas idem, 30$ e. .
Paletos idem e de cores, 2J,
200, 15^ e......10^000
Ditos de casemira, 205, I '>$.
m, 10,5 e......
K Ditos de alpaca, 55 e. .
S Ditos ditos pretos, 95, 75,
55 e........
Ditos de brim e ganga de co-
res, 45500, 45, 35500 e. .
Ditos branco de linho, 05, 35 e
J* Ditos de merino preto de cor-
75000
35500
35500
35000
A Composi9o Anacahuita Peito-
ral de Kemp e' um Xarope deeioto, intei-
rainciite diferente na ana cons|io6ic;7o le
t nnfactiinuVM le fructos astringeotea, cascas
e rauca, Jbc,ie meamo ao couteu enlnini
Acido Prutmeo ou outros quaesquer ingre-
dientes venenosas.
Todas as lunJost^is c afteccocs da garganta
e ilos pulmocs doeappareccn como por um
mgico encanto, tn&Jiante a aceao dcste in
'iiii;tiavel e irrcsistivcl remedio.
venda as boticas de Caors & Barboza,
ra da Cruz, e Joao da C. Bravo A C, ra
dao, 105, 75 e
Calcas de casemira preta, 125,
105, 85 e......
Ditas de cores, 95, 85 e. .
Ditas de meia casemira de co-
res, 55500 e.....45000
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 55, 45500 e 45000
Ditas de brim branco e de co-
res, 55, 45500, 45 e 25500
Ditas de ganga do cores,
305000 Golletes de fusto e brim feran-
255O0O| co, 35500, 35 O 2**10
Serouias de brim de linho,
25*00 e...... 25*00
Ditas de algodo, 15600 e. 15400
Camisas de petos de linho,
55, 45, 35 e.....25S00
Ditas de madapoiao, 35;
25500, 25 e..... I5<50
Chapos de raassa, pretos fcran-
cezes, 105, 95 e. 85500
45000 Ditos de fltro, 55, 45,35500 e 25000
Ditos de sol, de seda, 125,
55000 115, 75 e......45*10
CoUarinhos de linho fino, utti-
"5000 ma moda....... 040
75000 Sortimento completo de grava-
tas. 5
Toalhas para rosto, duzia, 115,
95 e........ 05000
Atoalltado adamascado de li-
nho vara...... 15280
Chapos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....
Azeite dore -raimado, fraacez e portuguez a
800 rs. a garrafa.
Dito em barril, n 4,800 a caada e OiO rs. a
garrafa.
Arroz da Indi c do Marariio a 120,100 o 80
rs. a libra.
manbos a 500 e 15 a garrafa e 45 o par
de garrafas grandes, que dspois de vasia?,
valem o que se deu por ellas cheias.
Linguasiamericanas de um
ravel a 15 cada urna.
tama nho admi-
I Amendoas de-casca mole a 280 rs. a libra, i Manteiga, ueste genero ha capricho da parto
Ameixas om iversos vazos a 15, 15500, do proprietario do Baliza ter sempre o
mp
numero de 0 a 10 Larris de manleiga a-
bortos, aim de satisfazer os seus amigos
e freguezes, sendo que o preeo da man-
teiga verdaderamente flor de 900 rs. a
libra, e as domis qualidades a 800, oo
c 400 rs. a libra.
35500, 35 e.....255001 Lencaes de linho.
a?lta para debriina de vestidos.
Vendc- eoin 11 varas a WO rs. : na ra do Queimado, lo-
ja ia heija-tlor.
GRAGEAS
deGELISe CONT
Colletes de velludo preto e de
cores, 95 e......
Ditos de casemira preta, 55 e
Ditos de ditas de cores 55
if e........
Ditos de setim preto. .
Ditos de ditos e seda branco,
0 e.......
Ditos de gorguro de seda
pretos e de cores, (5, 55 e
45000
5000
5000
, Coberlas de chita chineza.. .
75000 Pennasda?o, as mais superio-
45000 res, a grosa......
Belogios de ouro orizontaes,
35500 905, 805 e......705080
55000 Ditos de prata, galvanizado,
patentes e orisontaes, 405 e
55000 Obrasdeouro.adereos, meios
aderecos, pulceiras, rozetas,
45000 aneis e cruzes.
00
3O50O0
25500 e 800 rs. a libra.
Azeitonas novas a 15200 o barril.
! Alpiste a 100.rs. a libra, e 45800 a arroba.
! Aletria a 480 rs. a libra.
Araruta verdadera a 480 rs. a libra.
Biscoitose bolachinhas ingtezas recentemente
chegadas a 15500a lata com qualidades es-
peciaos.
Dito mais antigs no mercado a 15300.
Dito lunch ou soda muito nova a 25000 ala-
! ta com 5 libras.
jOito de Lisboa muito projHio para doenie,
visto ferem pajarados para esse mister,
em latas grande* e i^tpiunas de 35000 e Moslarda ingloza cm potos
15500 a lata. res o pote.
flelachinhas americanas, em barricas a 35000, Marrasquino de zara a Go rs.
1 a libra 200 rs.
Baflha de porco reiuada a 180 r*. a libra,
e Jim barril 410 r.
Batatas novas a 15000 o gigo, e a 00 rs. a
libra.
35 a libra.
a 5800 a
dem franceza a 500 rs. a libra, muito nova
e de excedente gosto.
Marmeiada imperial dos melhores fabrican-
tes de Lisboa a 040 rs. a lilira.
Massa de tomate a 610 rs. a libra.
grandes a til';
o (rasco,
savel
c gors a
lo laetatc de Ierro
A|iprovadas da academia imperial de medicina
de Pars.
Segundo o relatorio feito na academia em
i de fevereiro de 1840 pelos Sis. profes-
sores Bouillaud, Fouquier e Bally, este fer-
ruginoso reconhecido superior a todos os
outros para curar : a chlorosis (pales cou-
a
tauMiiha com inaugultos a
tgtHO so o I"av:io.
Acato de rhegar para a hija do Pavio, um .
grande sorlimenlo das mais linas camisinhas de 'CUIs), e leiKOrihea (perles blanches,.
camhraia com manguiios e gollinhas bordadas, anemia (flaqueza de temperamento nosdous
que se vende a 13280: ditas de fil, tendo i.nn sexos), tlTicu>dade de menstruacHo sobre
pelo barato preeo de tudo nas mofas> incontinencia "de
as, etc.
E' o mais agradavel
1-5000 : so na loja do Pavio, ra da Imperalrlz,
n. 60, de Gama St Silva.
Manteletes curtos a 3$000.
Acaba de cliegar para a loja do Pavo, um bo-
l 11-
de lomar por sua
forma de pilulas assucaradas, e essencial-
nito sorlimenlo de manteletes curtos de cambraia mente mais eilicaz do que as outras propa-
e de lil hontadea, que se vendem pelo haralo I rares etc., por ser muito soluvel no sueco
proco de .UUOO cada um; romeira* de cambraia ei irM *!.w a* 1-1- .:.- -
peratriz, n. 60, de Gama 4 Silva.
Manteletes a 85000.
Vendem-se ricos monteletcs de cambraia borda-
dos eom mangas a lurra, pelo barato proco de
83000: na ra da Imperatriz, n. 60, loja de Gama
& Silva.
Golliahas a 240 rs.
Vendem-se finissimas gollinhas de cambraia,
bordadas, a 240 rs.: na loja do Pavio, ra da
Imperatriz, n. 60, loja de Gama & Silva.
[m gstrico, como consta do relatorio lido re-
centemente na academia de medicina de
.ATTENQAO.
Vendem-se colleccdes da Dona Liga de n. 1
16 : na roa do Imperador n. 67.
g' de gslo
Vende-se um deposito com poucoa fundos, pro-
prio para principiante : a tratar na ma Imperial
numero 124. ______________________________
Vende-se farello de Lisboa, cal lti-
mamente ehegada e carvao animal: na ra
do Vigario n. 19, primeiro andar.
Pars pelo Sr. Flix Boudet, em nome de
urna commissao composla dos Sis. Velpeau,
Depeau, Bouchardat, Trousseau, etc., to-
cando as experiencias feilas sobre os princi-
paos seres ferruginosos com um sueco gas-
trico fresco no laboratorio do Sr. Botidaut,
fuhtdicAci do bowiiiai-rija imi
BREYI Mo 3
Este muito acreditado estabelecimento est prvido de um completo sortimento de
machinismos proprios do fabrico de assucar, a saber:
Machinas de vapores as mais modernas e maig acreditadas.
; Bodas d'agua de ferro com seus pertences.
I Moendas e meias moendas de todos os tamanhos.
Bodas dentadas, angulares e de espora.
; Taixas de ferro batido e coado.
Boceas de fornalha pelo novo systema Wetson.
j Alambiques de ferro fundido.
Fornos para cozer farinha.
Moinhos para moer mandioca.
Arados americanos, etc. etc.
Cli penila qualidade especial a
Dito bfison qualidade especial
a libra.
Dito iixii a 25000 a libra.
Dito hysaoii a 25400 a libra.
Dito dito a 25 a libra.
Dito nacional a 1/000 a libra.
Dito preto, muito superior a 25 rs. a libra.
Dito dito menos superior a 15600 a libra.
.Chourieas novas a 480 rs. a libra.
Champagne (marea aguia) do Conde de To-
ro a 105 o gigo ou 15 re. a garrafa.
Charutos dos melhores fabricantes do Bio e
Babia a 800, 15400, 25, ztfWO, 35,
35500, 45 45500. e 55 a caisa com 100
charutos.
Poixe em latas grandes,
15^)00 a lata.
Papel greve pautado e liso a 35300 a res-
ina.
Pasaos a 85500 a caxa e 480 rs. a libra,
muito novas.
Palitos para dentes a 100 rs. o maco.
Dito dito de flora 240 rs. o maco.
Presunto para fiambre viudo lodos os vapo-
res a 900 rs. a libra.
Dito do Porto em barril a 480 rs. a libra.
tjueijos (andrinos chegados no ultimo vapor
a 800 rs. a libra.
Dito llamengos do ultimo vapor a 2/200 e
250OO.
Dito prato superior a 040 rs. a libra.
Dito dito monos superior a 480 rs. a libra.
Sardinha de Lisboa muito bem preparadas
em lats grande a 040 rs.
Dita de fiantes a 320 ra, a lata.
Sag novo a 240 re. a libra.
80, 200 e240
I Chocolate francez, de canella la Bomain.
, Caf a 280 e 320 rs. a libra e a 85. 8/500 e, Sabo massa a 120,
I 95aarroba. libra.
Cognac do muito boa qualidade a 1.5 a gar-, Sevadinha de Franca a 200 rs. a libra.
rafa. Sevada a 120 rs. a libra.
Dito solbivel a 800 rs. a garrafa. Toucinho de Lisboa, de Santos, a 320 e 360
Corveija da marca tenente embotija, (en- rs. a libra.
commenda feita pelo proprietario do Baliza) Tijolo para limpar facas a 140 rs. cada um.
qualidade esta que nao pode continuar. Viudos, nettegeneno o armazem Baliza tem
BOU K BAHATO
Manteiga ingleza flor a 800 rs., franceza a 600
rs., choiiricas novas a 700 rs., loucnlio nevo a 3*0,
arroz a 100 rs., gomma de araruta muito alva e
pelos Srs. Drs. Corvizart e Barreswil, que! moendas para engenho, machinas de vapor
yenda de urna hypothtca.
Os liquidalarios da massa fallida de
Jos Antonio Basto umleiii a hvpolhe-
ta que tem nos enscohos Matto Gri'sso!novaa*oo ra.',*armaeete a 6oors., viniio da
e Cajabnss no termo de Scrinhem no 'ff^aSS?A^?.WS'S:
da 43SO0, azeite doce a 640 a garrafa, de ca ra-
pato a 280, banha de porco refinada a 400 rs., quei-
jos povos a 23 : na ra das Cruzes n. 24, esquina
da travessa do Ouvidor.
1 .^^_^^^^^_^_
Vende-se urna carroca nova c muito bem
construida: para ver, na fabrica de carros do
francez Carlos, no fim do boceo das Barreiras, e
para tratar, na ra Nova 11..51; e tambem se ven-
de um boi novo para o sci vico da mesma.
Vende-se manteiga ingleza flor a 13 e 800
rs.. dita hollandeza muito tina a 880, dita franceza
a 600 rs., banha de porco a 460, queijos chegados
valor de 31:S33$911 rs.; tratar nas
casas a ra do Trapiche n. 34.
AGENCIA
D
FUNMCAO DE L0W-M00R.
Ra da Sentada nova 1. -12.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
e tachas de ferro batido e coado, de todos os. g ultimo. vapora 23300c 23100, toucinho do scr-
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Jobnston & C,
ma da Senzalla Nova n. 42.
Xao percaiu a occasio
O cidadao que quizer andar bem calcado por
dirija-sc luja da arara, que
o lclalo de ferro o mais soluvel e jior
consequencia o mais eilicaz.
Deposito geral: em Pars, ra Bourbon-
Villeneuve, 19.
Em Pernambuco, na'casa de Caors A Bar-
bsoa, ra da Cruz n. 22.
K de boni fabricaste
Lourenco Pereira Mendes Guiniares vende no-! pouco dinheiro,
tinas francezas para nomens, a dinheiro vista, vista dos cobre?, vende por melado do seu valor,
por preeo que admira vista da perfecao da obra:, borzeguinsde pellica, merino, couro de lustro, va- g- ^ .. ... -
na sna loja de fazendas e roupas teitas : na ra queta e bezerro, obra que admira: na ra da Im-10/j 1 e nuras Para c,ma
da Imperatriz n. se. peratriz n. 56. a 55600 aarroba.
to especial qualidade a 240, carne do mesmo lu
gar a 360, linguicas do Serid a 320, chouricas no-
vas a 800 rs., paios novos a 560, macarrao, talha-
rim e estrelinhas a 480, nozes novas a 240, passas
a 480, llgos'a 240, alpista a 160, e outros inuilos
gneros muito em conta : no largo do Carmo, es-
quina da ra de Hortas n. 2.
Assucar do Afontetro
Ba do Imperador n. 28 e caes de Apollo n.
a vir em consequencia de ficar por proco
muito alto a 65300 a duzia de grandes bo-
tijas e 85 por vinte quatro m ias, e de ou-
tras marcas a 35, 45, 35 e 65560 a du-
zia de garrafas.
Consenas inglezas, a 800 rs. o frasco e 95
a duzia.
Doces (francezes) em frascos lindamente enfei-
tados em calda de assucar e om alcool a
15 c OO rs. o frasco.
Dito de goiaba em latas e em caixes de di-
versos tamanhos e objectos pelo qual se
nao engeita dinheiro avista do grande de-
posito que ha.
Ervilhas francezas e portugueza a 700 e a 300
rs. a lata.
Dita secca a 200 rs. a libra.
Figos novos a 320 rs. a libra e a 65 o barrili-
nho.
Fruta em calda de assucar em latas a 300
rs. a lata.
Farinha do Maranho, muito superior, a
16o rs. a libra.
Dita de trigo, a 120,140 e 160 rs. a libra. |
Frasqueiras com genebra de laranja, de
Hollanda, e de Hamburgo, de diversos
precos conforme os tamanhos.
Garrafoes vazios, de 600 a 152oo.
Gomma do Aracaty a 100 rs. a libra.
Dita menos superior a 60 rs. a libra.
Grana a 120 rs. a lata e 15300 a duzia.
Licores francezes das melhores fructas da Eu-
ropa em garrafas lindas e de diversos ta-
0 melhor sortimento possivel, Lagrimas
doDouro, Mara Pia, Camoes, Bocage, D.
Pedro II, D. Pedro V, e Baliza, que se
vende muito barato em vista de sua espe-
cial qualidade a 105000, I250OO e155000
a duzia.
dem esquesitos como sejam Clien v, o Madei-
ra, Velmute, etc., de 155000 a 205000 a
duzia.
dem de Figuera, Lisboa e Porto a 35000,
45ooo o 45500 rs. a caada
dem de Lisboa de minha propria marca em
ancora de 8 'i a 9 caadas por 285000
a ancora, e da Figuera de 8 2 a 9 ca-
adas a 285000 rs.
Vinagre de Lisboa em caada a 15600, 158oo
e 25000 rs.
dem mais baixo a 15280 rs. a caada.
Idt ni de Lisboa cm garrafoes com l> garrafas
por 15200 rs. com o garrafao.
Vellas de espermacete superiores a 000 rs.
o maco,
dem de carnauba de 320 a 360 rs. a libra,
em arroba de 95000 a 105ooo rs.
Vassouras do Porto com arcos de ferro a 4oo
rs cada urna.
Vinlios de Bordeaux neste genero temos as
melhores qualidades que se fabricam em
Bordeaux, tanto branco como tinto, a espe-
ramos por todos os vapores francezes, una
pequeos barris contendo cada unf de 85
a 90 garrafas, e qne serao vendidas o mais
barato possivel.
'
)
-
4.t w



iHvrl* Ir lrrit;>mI>o< r> -- Hr\i iern 18 de l^/tmhr > 1*3.


STDfD Jllf AB*
LOJA DE MIUDM5AS
16 lliiii do (iueimado. 16
Pctle-se toda at'eiico.
-todk Jos Alvos Guimares, dono da loja in-
titulada Gilo Vigilante, ra do Crespo u. 7, avisa
nos m'us numerosos freguezes e ao respeitavel pu-
blico, que tundo de reformar no lini deslo anno sea
eslaLeleeimeuio, e (merend liquidar grande quan-
dade de diversos objectos, esl rosolvido a vender
tudo por procos baratissiinos, como sejam :
Pe is de tranca de kia piHa -c de ures Usa-a iv.;ascom 45 varas 4o franjas de linhoa 3J.
80 rs. Ditas -oom 45 taras Pecas de tranca de laa preta e de cores, caracol, a Laa surtida para bordar, libra a 4J.
100 rs. Froco de oores sonidos, pega a 160 rs.
Prcas de (ranga de linlio branca de caracol a jungados pata senhora, o par 800 rs.
100 rs. Goltobas de bonilos goslos a 400, 00 e 1*.
Pecas de tranca de lian mesclada de caracol a Salvas de metal principe a 1*500, f& o 2*500.
lOOrs. Hitas coin copos de metal proprio para meninos a
Pegas com 10 varas do fila de velludo cor de rosa
LNIO
< MI HCMCA HOITVJE
NO
ARMAZEM

a 14.
Peca* com 10 varas de fita de vellido preto a 1,5200
e 1*400.
Pocas com 13 varas de fita de velludo lavrado a 15
I 1*200.
Bogas com 20 varas de galio lavrado a 1500.
Pecas de franja branca estrena a I*.
Pegas de franja larga para cortinados a 3*.
d lita de seda de cores a 300 e 800 rs.
boas de franja deSa a 1*
focas de franja de seda preta o de cores a 3*.
Pagas do lita de rotroz preta o de cores a 240 rs.
Pecas de bicos e rendas a 1*200 o 1*500.
Va; as de bicos e rendas a 100 o 160 rs.
Yaras de bicos pretos a 160 o 240 rs.
Yaras de luco piolo da largura de um palmo a
500 rs.
Varis de labvrintho de um palmo de largura a
160 rs.
Varas de bonitas fitas para cintos a 500 rs.
Varis de fila preta de borracha a 160 rs.
Var i> de bahados largos a 120 rs.
Varas de galao branco e de cores lavrado a 100
i is.
Ptelas de ago galvanisadas para sinto a 1*500.
Ricos cintos com fivelas de pedrinlias a 3*.
Grvalas de seda a 400, 600 e 800 rs.
  • Gravaos com bonitos passadores a 1* e 1*280.
    1*200.
    Facas e garfos para sobre-mesa a 4* a duzia.
    Ditas o ditos dita com cabo de niarlim a 6*.
    antlejas de todos os tamanhos muito finas a 1*,
    1*200, ij>400, 1*600, 2*500, 3*500 e 5*.
    i Ditas redondas para copo de 500 rs. para 2*800-
    ' Tesouras em carteiras, a duzia a 500 rs., 640 e
    800 rs.
    Paitos para camisas, a duzia a 8*
    Camisinhas bordadas para senhora a 1*500 e I*.
    Cliapolinas para senhora a 3*.
    Ditas para menina a 2*.
    Chapeozinho para meninas de escola ou paseeto a
    2* e 3*.
    Flores francezas, caixos grandes, a 600 rs.
    Lavas de seda com pequeo toque de mofo a 800
    rs. o par. I
    Toueas de laa para meninos a 500 rs., fil a 500 e'
    600 rs., de seda a 800 rs.
    Sapatinhos de merino a 800 rs., e de Jaa a 400 rs.'
    Bolsinhas de missauga para meninas le escola a
    i 800 rs.
    Botos rtourados para punho a 200 rs. 6 par.
    Tintciros de me(al a 320 rs.
    Trancclins para relogio a 100 rs.
    Ditos de fita chamalole a 200 rs.
    Escrivaninhas de metal a 3*500.
    Colheros de metal para cha a 200 rs. a duzia.
    Ditas de dito para sopa a 2* a duzia.
    Uotoes de duraque pretos a 400 rs. a groza.
    O MKU PKllil O
    Grvalas de pona larga bordadas paraseuhoras a QarIas hespanholas parajogos a 1*200 a duzia.
    1*280. Caslicaes brancos e amarellos de metal a 1*.
    Piadores par grvalas a 500 rs.
    Conservadores do continhas pretas e brancas a
    ! iOOO.
    Viilias de perolas brancas e de cores, cora cruzes,
    a 15. ^
    Vallas piolas a balo com cruzes a 1* e 1*500.
    Valias protas de contas muito gradas a Mara
    Piaa l-5800e 2*500.
    Vultas do coral pequeas e grandes a 600 e 2*'i00
    II cintos do crala IfiOefiOOrs.
    Olla s de rotroz prclo o de cores a 160 rs.
    Pares de gram|ios enfeitados, a baio a 1*
    Pares de brincos prolus c de cores, a bati, a
    6V0 rs.
    l'enios i!e borracha para regago a 800 rs.
    Pentes domados com pedrinhas para regago a
    2*500.
    Rieas ifiarnicocs de pontos dourados com cachos
    idrinhas e as marraras iguaes a 4* e 5*.
    liii i peales dourados a 2*, 2*500 e 3*.
    Bonitas narraras com pedrinhas a 1*.
    las gaarngucs de pentoscom lago esmaltados,
    rom marra fas iguaes a 5*
    Carteiras para algbera a 500, 600, 800 el*.
    Sabonetes muito Tinosa 1*200.1*600e,2*adtuia.
    Fivelas para calca a 300 rs. a duzia.
    Botoes de aro para caiga a 320 a groza.
    Caixinhascmalfine(es,grampos e clcheles a 320,
    400 e 500 rs.
    Filas de borracha pretas e de cor a 120 c 160 rs.
    a vara.
    Latas com dous massos de agullias por 800 rs.
    Brincos de aljofares a balo a 320 o par.
    Allinctcs pretos c de cores com pedrinhas a 200 rs.
    ! e 320.
    Camisas para liomem foilas em Lisboa a 2*.
    , Fitas de velludo lisas c lavradas a 800, i*, 1*500
    23 e 3* a peca.
    Ditas para sintiro a 300 e 400 rs. a vara.
    Caixinhas para costura do senhora a 1*500,2*.
    3, 4, 5 e 6*.
    Conipotciras de vidro com pratos de metal a 3* c
    4*000.
    Franja do laa para debrunhar tapetes a'2* a peca.
    , Palitos de fogo, prova d'agua, a l*a groza. ou 120
    rs. a duzia.
    ba-
    Bonias guarnirVs de pcnles com lago para luto, AsnB| como tcm pranae sorlimento demuitos
    ! mais objectos que se tornara enfadonho mencio-
    na-los, que tudo se vender muito barato para li-
    quidar : na ra do Crespo n. 7, e ra do impera-
    dor n. 59, junto ao passo, e casa da liguidaco.
    I" IllJillOOtilMtlHl V 65
    roja do beija-flor.
    Vallas do aljofares.
    ' Vondem-se voltinhas de aljofares com pedra,
    imitando a brilhanles a i* cada urna,
    iloles para punlios.
    Vendem-se botoes para puncos, muito bonitos
    padroes, a 200 rs. o par.
    Facas para meninos.
    Vendem-se faqninhas para meninos, de cabooi-
    tavado, a 240 rs. o talher.
    Laa para bordar.
    Vonde-se laa de todas as coros para bordar a
    '65700 a libra.
    Facas e garles.
    Vendi-m-so facas c garfos lo cabo preto eravado
    a 25800 a duzia, ditas de balango de 2 botoes para
    mesa a 6*200 a duzia.
    Lavas de Jomn.
    Vondem-so luvas do Jouvin chegada* pelo ttlti-
    , mo paquete, tanto para hornera como senhoras.
    Exlrarios inylrzes.
    i Vondem-se Mirados inglezos muito barato por
    I serem sido comprados em loilo a 240 rs. o frasco.
    Estovas para denles.
    Vendem-se escoras para denles a 120 e 240 rs.
    rada una, ditas muito finas inglezas a 500 re.
    Toncas de laa.
    Vondem-se toueas do laa para menino a 800.1*
    o i*i*> cada una.
    Sapalinlios de
    i Vondem-se sapatinhos de
    I 400,500 e 640 cada par.
    Tesouras.
    Vondem-se tesouras para costura a 500 rs.. ditas
    ' para unhasa 400 rs. cada urna.
    Cullarinlms.
    Vendem-se rollarmhos de papel a 40 rs. cada
    um, diiosde Hamo a 640 rs.
    Peales de Iravessa.
    Vendem-se peales do Iravessa para menina, do
    borracha, a 500 rs. cada um.
    Tocadores de Jacaranda
    Vendem-se locadores de Jacaranda a 2*500 e
    2*800 cada un.
    Escavas para roupa.
    Vondem-se escovas muito finas para roupa a 400
    e 500 rs. cada urna
    Espelltos com estojo.
    Vendem-se espolhos com estojo para navalhas a
    2*, 2*500 e 2*800 cada nm.
    Adereces relos.
    Vondem-se adrenos pretos a 2*200 cada ade-
    rezo.
    Rotees de perola.
    Vondem-se botoes de perola para collcte e vesti-
    das a 400 rs. a abotoadura.
    cun marraas iguaes a
    Bonitos ponlos do tartaruga a 4* e 5*.
    Bon.tos pontos do massa virados imitando tartaru-
    ga a 1*600 e 25.
    Penles do massa em raiXinhas a 500, 640 e 800 rs.
    Puntes para alar cabello a 80, 160 e 240 rs.
    Luvas ilo joovin brancas o de cores a 14500.
    Luvas da INcossia blancas o decores a 500.
    is .atn botos para pnofaos a 160, 320, 480 e 800
    reis.
    Bnzias do bonitos botoes dourados a 480 e 960 rs.
    Dtui i de bonitos botos de vidro a 480 rs.
    Golinbas lirancas o do cores com continhas a 1*.
    la itos de tranca do Porto a 1*600.
    linas'|ara unhas c costuras a 500 e
    800 rs.
    E .vas para denles a ICO, 320 e 480 rs.
    Em I..I-. para nonas, roupa, chapeo e cabello a
    ROO rs.
    los biucadores com pos a 25, 25500 e 4*.
    Caixas do bfalo encasilladas em niarlim a 2*.
    ilas de junco c do caima a 640 o 1*280.
    ites de junco c do baleia a 1* c 1*600.
    O. :is de aimaco de agn prateada. dourada c
    a : 900 o \>.
    Duzas de coiliercs e metal principe para cha a
    1*600 e 2*.
    Du/ia do coiliercs do metal para sopa a 3*500 e
    1300.
    Paroles ile papel do cores pequeo a 640.
    l'aixinhas to papel amizade a 800e 1*.
    Caixinhas de papel de bera dourada a 1*200.
    abas do papo! phanlasia de cores a 1*.
    ibas com 100 envelopes a 800 e 1*.
    Caixinhas de lacre a 200 e 400 rs.
    Caixinhas de peona de ago a 800. 15200 c 15600
    C ixinlias i!, i.Siria.- de cola a 80 o 120 rs.
    pannos de lala azul ou encarnada a MO rs.
    Lih!S de cores ou encarnados a 120 rs.
    ' i- o rosetas prolosa 160 e 240.
    altos de Unta ingleza a 160.
    i e conloes para ospartilhosa 80 r>.
    idon.- pretos para borzoguins a !(>
    C.iixinhas com 100-agullus francozas a 210 rs.
    ilii\!i!ias coin 100 aglllhas da Victoria a 320 rs.
    i- porlaguezas o francezas a 200 e 320 rs.
    Ca .i- de allinctes a 80 e 160 rs.
    II i >os de superiores palitos lindos a 140.
    Caixinhas razias para guardar joias a 300, 'i00 e
    I rs.
    ii i de canudos de pomada a 2'i0 r-.
    tieles francezes a ion rs.
    ira.....i do agua de Colonia a 400, .'00. 800. lie
    3130.
    i! extractos a ioo. ;;oo. 800 o 15.
    :os de banba francoza a 400.100, 800
    Frascos de patrholva 4tH). 5IM), 800 e I*.
    e*rMite da loja do Pregnl^a.
    III A Ti: ilHFJlll
    acal de abrir o seu grande e sortido arma^m de molhados denominado Unio e Com-
    mercw. Este grande armazem um dos mais ixaa mw.tailns que temos em nossa praca,
    n5o s em limpeza aceio, como as qualidades e9peciaes de seus gneros. O pronrie
    Francisco Fernn les Hitarte dono deste milito acreditado armazem i tario do Unlao e Commercto offerece todos o* genitores da praca senbwes de movnlia
    de molhado*. acaba d*rectl)er ueste ultimo rapor m .i desejados geros escolhidos te_1(,nrp_ ___Mnt_ :ih_q ^ nnAa va. >~.
    por elle na Europa, todos muilo proprTns para a festa os quaes esta resulvido a vender por ,e 'ardores a segumte tabeUa, por onde verao a grande econonuo qw Ihe resulta em
    preces baratissimos.como vero pela segumte tabella, e mesmo pede a tfldos os 8rs. da comprarem em to til estabeleciment, afijua-audo o mesmo todo e aua4miflf em
    praca, de engenbe e Jawadflres para que mandem siias relaces para serem despachadas, i i^w*""TO
    no armazem do Progresso do largo da Pfinha a. iO, afim de verem a grande vantagem (s*111*0 ^ seu "Mn-
    que tiram, tanto na- superioridade dos gneros como nos procos asss resumidos, Bollinho franaez em iatase caixinbas asmais'Cominho a 4oo rs. a libra,
    os Srs. que nao poderem vir podero mandar seus portadores anda que nao tenbam pra- delicadas que tem vindo ao nosso merca-
    tica, que sero to bem servidos como se viessem pessoaimente. do de 8oo a 2,ooo rs. a caixinha.
    interesse que tira e propietario deste acreditado armasem, j deve ser bem co-!_/ L.__,
    ^ Manteiga tngleza perleramente flor, mandada
    nhecide pelos seus numerozos freguezes, pois simplesmente consiste om servir bem e ga- vr e ^^ pr0praj a 7oo a 8oo rs, a
    nhar pouco, afim de conseguir a continuadodaquellas pessoas, que a ptimeira vez se dig-, nDra-
    dem franceza chegada pelo ultimo uavio a
    56o rs. a libra, e em barril ter abatiraen-
    Queijos flamengos cl>egados neste ultimo Sevadinlia de Franca a 2oo rs. a libra
    vapor a 2,ooo rs.
    narem honrar o seu estabelecimento.
    Sevada muito nova a loo rs. a libra.
    Cominhos, ervadoce e pimenta do reino a
    36o rs. a libra.
    dem do vapor passado a Ijoo rs.
    dem prato muito novos e de superior qua-
    lidade a ioo rs. mteiro.e a Soo rs. a
    libra. fienebra de Hoilanda a 5,5oo rs. a frasquei-
    Doce de goiaba fino em'caixoes cora 2 /' ra com f frascos' e a re,alho a 5o rs-
    libras por 6oo rs.
    dem mais baixo a 5io rs.
    cada um.
    dem em botija hamburgueza a 4oo rs.
    dem ingleza em potes de 4>a 16 libras a
    8oo rs, a libra e o pote separado,
    Casta nbas muito novas a 2,000 rs. a canas-
    tra e a 160 rs. a libra.
    Cha uxim o melhor neste genero, mandado
    vir de conta propria a 2,8oo rs, a libra.
    dem hys9on, grande, muito bom a 2,6oo rs.
    a libra.
    Ma.e,ga ingle, jor a .ais superior do Geneora de laraoja a ,,ors. os a-SgS&Sj;
    mercado a 72o rs. a libra. grandes.
    dem de segunda qualidade a 64o rs. a libra.! ., dem, verde, miudinho, mais proprio para
    Violto de caj o melhor que ha no mercado ,. ... l
    m.;o f.., j .im. r.vnu.uia i .1____ .......r ^ negocio, a 1,500 rs, a imra.
    laa.
    la para meninos a
    e t*.
    os ao
    lo oleo babosa a 500 e 000 rs.
    os de oleo philocome a 800 o 1*.
    Frascos >le exlracto do sndalo a 1*.
    os do b.inlia transparent a 800 rs.
    i- do h.inlia japoniza a 800 e 1*.
    Frascos de agua de*Lavando ambreada.
    lian.ilas de agua do lavando ambrrada.
    liar rafas de agua Fl.it ida Irgima a l**>0">.
    ifascomprida-; ,- .un ib) Colonia a 800 rs.
    ,": .-.-os coin banba i- extracto jiinlainoiito a 1*280.
    alias com 4 frn<-|uinhos do extractos a Ci.
    '^.Q

    r*ffl'!
    ' Si
    _. w v.


    = -j.
    s- a ^_. a ~ v. k
    7. 5:s-5" 'd -9J
    - s
    = 5. ~


    I
    ~ a
    -. s ~- 5.5
    ;
    3 2 M
    -- 3 & '
    3 ?5 ~
    -5
    2 3 g.
    - J. ss
    '/' zrr S.
    .- O
    "2 3
    g sr g ,
    * 1 C.B'
    " as
    * o-1 '"
    s

    -.
    sa. tr:
    -

    /
    -i
    a
    o. o
    a.BT*
    5
    3 553
    "O
    S ?
    -,
    "2?
    6


    J-

    -1
    =:
    L


    lio armazem de fazeudas bara-
    -.s de autos Coelho
    llt'A DOQOBWAW H. 19VENDE-SEOSE-
    tiOUTB :
    Esleir da India
    para torro de sala, do t, I o 6 palmos de largura,
    por menor proco do i|ue em outra ijualquer parte.
    Lencos
    de panno de linho pelo barato preco de 2*000.
    Leaccs
    de bramante de linho fino pelo barato preco de
    3*000.
    ('.(ilcitas de chita da India
    pelo barato prego de 2*000.
    Lencos de cassa
    brancos, Qnissimos, proprios para algibeira pelo
    baratissimo preco de 2*000 e 2*400 a duzia.
    Camhraia adamascada
    para cortinado, pelo baratissimo prego de 10*000
    a pega.
    Pecas do eambraia
    de salpicos, fina, com 8 1/2 varas, pelo baratissimo
    j proco de 4*.
    Fil liso fia*
    pelo baratissimo preco de 680 rs. a vara.
    liramante de linho
    fino com don palmos de largura pelo barato preco
    do 2*300 a vara.
    ioallias aleochnadas
    para nio pelo baratissimo prego de 5*000 a du-
    zia .
    Peras de bretanha
    de rolo com 10 varas propria para saia, pelo bara-
    to prego do 3*000.
    A Plno iarso de ; Em casa de Mills Latham *('.., na ra d-
    V)r;io Santo" n. 1'., oo a bordo do palhahoto Via- Cruz n. 38, vende-se ferro galvanisado de um doa
    ni.) o brigoe Minerc, ancorados no caes do bao ; nielhores fabricantes ingieres, proprio para cober.'
    3
    _
    f
    S
    3

    w

    Farlnlia de mandioca.
    Vonde-se farinha de mandioca da melhor e
    rrpiHi wvk (fno ha neste morcado :_ no cscriptork'
    tiu Main 'i hjepcio deOIiveira
    a 1,000 rs. a garrafa.
    Manteiga francesa de primeTi qmlidade a
    56o rs. a libra, e 52o rs. em barris ou .... (,., aw I Banlia de porco refinada muito alva a 46o
    meios. x>a,,tos. d. M a 2-,0 rs- a roza e 2o re-, rs, a libra, e em barril se far abatimento.
    a caixinha.
    Cha perola neste genero nao ha nada a de- Idemdedentes lixados a 16o rs. o maco com Biscoitos inglezes das seguintes marcas;
    sejar, e de especial qualidade, mandado 2o macinhos. Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travellies.
    vir de conta propria a 2,8oo rs. a IHira. Lunch, Cabin, e outras muitas marcas, a
    dem huxim o melhor do mercado a 2,6oo, Ervilhas seccas chegailas nrste ultimo navio i4oo ^ a lata
    rs a libra a ^^ls- a 'l'>ra' e em PorCao se 'uz a')a"
    Bolachinha de siido, especial encommenda, a
    2,2oo rs, a lata.
    rs. a libra.
    Bolachinha de soda chegada neste ultimo
    t;
    t
    n
    )mpradf
    dem de segunda qualidade a 2,ooo rs. a \ tmenlo.
    I'ia- Banba de porco refinada a 48o rs. a libra e
    dem hysson muito superior a 2,aoo rs. a b- 42o ^^ cm barril. Biscoito inglez Craknel em latas de 5, 7 e 15
    bra. libras a 5,ooo e 6,ooo rs, e de l,2oo a
    dem preto hemeopathico muito fino a 2,ooo Vinbo branco de superior qualidade proprio 8oo rS a |brai
    para missa a 64o rs. a garrafa.
    ... i Queijos do reino pelo baratissimo preco de
    Ame.xas francezas em ca.x.nhas elegante-, 16o i 8o e 3,ooo rs os do ultimo
    navio a 1,35o rs. a lata, deste genero ha mente enfeitadas com ricas eslampas a
    grande poeco e de differentes marcas, l,2oo, l,5oo e 2,ooo rs. cada urna,
    que se vendem todas pelo mesmo preco a dem francezas em frasco de vidro com tam-
    vontade dos compradores. Pa do mesmo contend) I / Hbi a a l,2io
    rs. s o frasco val qoase o dinheiro.
    Iem em talas grandes a 2;ooo rs. dem em latas de 2 libras por 1,4oo re.
    dem propria para lanche em latas grandes a remlho, e a 8oo rs. a libra.
    a l,9oo rs. ...
    , ... ., ... Figos de comadre muito novos em bahuzi-.
    Marmelada imperial dos me bores fal.ncan- |lh(JS muilo ,)n,,,ri0; mr mimo al 28o rs.
    tos de Lisboa a 64o rs. i libra.
    ,, .. dem em caixas para retalho a 16o rs. a
    frutas em calda etn latas de l.ooo a leo rs., yjjra
    neste genero ha diversas qualidades a es-
    colher. I'ass;is de carnada a 48o re. a libra e em
    , -i quarto com 8 libras por 2,5oo rs.
    Champanha superior das marcas mais acre-; r
    (litadas a l,5oo rs. a garrafa e 15,ooo rs. ., .... ,., ,
    0 rt Bolaxinlias inglezas de superior qualidade a
    vapor.
    dem prato muito fresco a 64o rs, a libra,
    dem londrino muito fresco a 8oo rs, a libra.
    Vinhos empipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
    48o, 56o, e 64o rs, a garrafa, e de 3,ooo a
    4,5oo rs, a caada.
    Marmelada imperial dos meibores conservei-
    ros de Lisboa em latas de 1 e mais libras
    a 7oo rs, a libra.
    Frntasem caldas das seguintes qualidades:
    ameixa, rainha Claudia, peras, cerejas,
    ginja, pecegos e alpercb a Soo rs, a lata.
    Figos em caixinhas de 1 V* arroba e de 8 li-
    bras a 8,ooo, 4,ooo, e 2,ooo rs, e a 3eo rs,
    'I llltl"!
    2,ooo rs. a barrica, e a 2oo rs. a libra. | xmfM1(1n (lt, Imn mni n 28o rs a hk- e
    Serveia das meibores marcas que vem ao r. \ Am^doas 2?Sl '
    mercado a 5oo rs. a garrafa e a 5,ooo rs. CI,ocolate francez mt'lhor que se pode de-, em arroba lera abat.mento.
    a du/.ia seJar neste eenero a 1 ,ooo rs. a libra. Sardinhas de Nantes a 32o rs, a latinha.
    IdefmZe' mS 8 58 FS" a ga,Tafa C 3 "S KISE ,'St,rKnh;l' ?eV,'' 3T' dc' Toucinho de Lisboa a 36o rs, a libra e em
    o,4oo r.>. a duz,.,. maca a48ors. a librare emca.xa a 2,(.oo arroba ter abatimento.
    Vinho Bordeaux de differentes marcas, e as '*s: cai a uma m,can;1;,- tallienm, e ale-.
    meibores do mercado a 7,ooo, 7,5oo e tr,a a 4,K' rs- a l,bra i Massa de tomates a 64 n> a l,bra-
    8,ooo acaixa com urna duzia, e em gar- Amendoas de casca mole a loo rs. a libra. Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
    rafas a 64o, 7oo e 8oo re., garante-se a
    boa qualidade.
    dem Figueira de superior qualidade a 48o Ervilhas francezas muito novas em latas Ceblas a 4oo rs. a restea.
    rs. a garrafa e 3,5oo rs. a caada. grandes a 64o rs.
    dem de Lisboa a 2.8oo rs. a caada e 4oo ,dem cra d*itas pcquen;,s a 4oo rs.
    Erva-doce a Soo re. a abra.
    CliamiMnha de 20 a 22,ooo o gigo.
    Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groza e 2o rs. a
    caixinha.
    .Milloi alpista a 16o rs. a libra.
    Painco a 2oo re. a libra.
    Gomma muito alva para engommar a 8o re.
    a libra, e em arroba se far abatimento
    Sag muito novo a 28o re. a libra.
    Sabo verdadeiro bespanhol, que raras vezes
    vem ao nosso mercado a 28o rs. a libra.
    Vinho branco o melhor neste genero a 6oo rs.
    a garrafa e 4,ooo rs. a caada.
    dem Bordeaux de difTerentes marcas, garan-
    te-se a qualidade, a 8.000 re. a caixa com
    [ urna duzia, e a 7oo rs. a garrafa.
    Garrames com 5 garrafas de vinho do Porlo
    do Alto Douro a 2,2oo rs. com o garrafao.
    dem com 5 garrafas de vinho Figueira, mais
    proprio para a nossa estaco por ser mais
    fresco a 2,4oo rs. com o garrafio.
    dem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
    o garrafao,
    Sabio massa de superior qualidade a 18o,
    00, e 22o rs. a libra do melhor que lia
    Graixa em latas muita nova a 12o re. a lati-
    nha, e l,3oo rs. a duzia.
    Peixe em latas muito novo : savel, pescada,
    curvin, salmo e outras muitas qualidades
    preparados de escabexe, segundo a arte de
    cozinba, de l,2ooa 2,ooo rs. a lata.
    dem do Alto Douro viudo do Porto engar-
    rafado e escolhido pessoaimente porcino
    dws socios que se acha em Portugal, das
    seguintes marcas : Buque, Genuino. Vo-
    ltio secco especial, Lagrimas Doces de
    1819, vinho especial D. Pedro V, vinho
    velho. Nctar superior de 1833, Duque do
    Porto de 1834, vinho do Porto velho su-
    perior, Madeira Secca de superior quali-
    dade, vinho do Porto superior U. Lui> I
    de 1847, Lagrimas do Douro, especial vi-
    nho do Porto, de 1,000 a 1 2oo rs. a gar-
    rafa e de lo.ooo a 12,ooo rs. a caixa coin
    urna duzia.
    Avelans muito novas a 2oo rs. a libra.
    Farinha do Maranhao a 14o rs, a libra.
    rs. a garrafa,
    dem do Porto de superior qualidade para Maca de tomate em latas de 1 e 2 libras a
    mesa a 530 rs. a garrafa, e 4,000 rs. a ca- 64o rs.
    Tijollo para hmpar facas a 16o re,
    Cerveja das mais acreditadas marcas de 5,ooo
    a 7,5oo a duzia, e de Soo a 600 rs, a gar-
    nada.
    dem fino do Alto Douro da colheita de 1833,
    Salmo em latas de 1 i libra a 800 re.
    vn .uU,uuu.c,u, e,o.w, Lagosnbo era latas grandes a l,4oors.ca-
    como sejam: D. Luiz, Fetoria velho, Xec- Jja
    tar, Careavellos e Camoes em caixa de
    urna du/.ia a ),ooo rs. Sardinhas de Nantes a 36o rs. a lata.
    1
    Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto Cogiihac inglez a 800 rs. a garrafa.
    a l.ooo rs. a garrafa e lo,ooo rs. a caixa. f ,
    Licor lranc.cz das memores marcas do m cr
    Duque do Porto, Madeira seco, duque ge- cado a 800 rs. a garrafa.
    nuino, lagrimas doces a 9oo rs. a garra- n ...
    fae 9,5oo rs. a duzia.
    Garrames com vinho do Porto a 2,2oo rs.
    cada um.
    Vinagre de Lisboa de superior qualidade a Concervas inglezas a 75o rs. o frasco.
    . 2oo rs. a garrafa e l,2oo rs. a caada. .!,,., .
    8 Sal retinado em potes a 5oo rs. cada um.
    Azeite doce refinado em garrafas grandes a Mostarda ing|e:a a ,)000 rs. 0 (ra8COi
    800 rs. 1
    I dem franceza a ioo re. o pote.
    dem de Lisboa a 64o rs. a garrafa, e em.
    caada a 4,8oo re. Mtlho al|ista a 16o rs. a libra e 4,8oo rs. a
    ___ arroba.
    Presuntos inglezes para fiambre a 7oo r& a
    libra. Graixa muito nova om latas grandes a 120
    dem de lamego encommenda particular a ris.
    48o re. a libra, e inteiro se faz abatimento.
    rafa,
    Prezunto para fiambre muito fresco e novo
    a 800 re. a fibra,
    Genebra de laranja a Don rs, o frasco,
    Chouricas as mais frescas do mercado a 800
    rs. a libra.
    Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa,
    e lo.Soo rs. acaixa com urna duzia,
    Licores francezes das seguintes marcas: Ani-
    sete de Bordeaux, Plaisir des dames, e de
    xa com duas arrobas por l,6oe rs., c 4o1 outras muitas marcas a lo.ooo rs. a duzia,
    rs. a libra. e a l.ooo a garrafa.
    Passas muito novas a Soo re. a libra e a 8,5oo
    re. a caixa. Ha caixas, meias e quartos.
    Batatas a l.ooors. o gigo com 38 libras.
    Bolachinha ingleza a 4oo rs. a libra,
    Azeite francez c portuguez refinado a 800 re.
    a garrafa, e 9,ooo re. a caixa com urna du-
    zia.
    Consenas inglezas das seguintes marcas:
    Mixed, Pickes, e ceblas simples a 800
    do Livramonio.
    tas de casas.
    Toucinho do reino o melhor do mercado a
    320 rs. a libra, e em arroba a 9,ooo rs.
    Latas com peixe em posta emticamente
    lacradas das meibores qualidades de pei-
    xe que ha em Portugal a l,2oo rs.
    Velas de espermacete de 4, 5, e 6 por libra ,. ,, ,, ^ oa a .
    a 560 rs. e era caixa se faz abatimento!, ^ la?d^le *!?|l,dadcaaJM rs' dlt0
    dem de carnauba refinada a 32o rs.. libra' ,de *,.,a ^J*- a "ll)ra .c *'?Z rs a-arHro"
    e 9,ooo rs. a arroba. ( ba d,t0 ,e a ^ re- a ,,bra e 7>8|)0
    dem de carnauba pura do Aracatv a 4oore. I rs" arroDa- :.
    a libra e lo,5oo re. a arroba. Charutos suspiros dos melliores fabricantes
    de S. Eelix a 2,Soo rs. a caixa com loo
    Gomma muito fina e alva a 80 rs. a libra. charutos.
    :Araruta verdadejra a 32o rs. a libra Me r,nos (,e d'** fabricantes a l,6oo
    Farinha do Maranhao muito alva e cheirosa
    a 12o rs. a libra
    Sag muito novo o 24 rs. a libra.
    re. o frasco.
    Mostarda ingleza preparada em potes a 4oo
    rs. o pote.
    Grito de bico a 16o rs a libra, e em arroba
    ter abatimento.
    Vasos inglezes vastos de 4 a 16 libras, muito
    proprios para deposito de manteiga, doce,
    e outro qualquer liquido, de 1,000 a 3,ooo
    re, cada um,
    Vassouras americanas a 800 rs. cada urna.
    Velas de spermacete as meibores que ha no
    mercado a 56o e 61o rs. e masso, e em
    caixa se far umjgrande abatimento,
    dem de carnauba e composico, de 4oo a
    32o rs. a libra, e de lo,ooo rs. a ll,5oo
    rs. a arroba,
    Caf de 1" e 2a sorte de 8.3oo a 8,600 rs 1
    arroba, e de 28o a 32o rs. a libra do me-
    lhor,
    Arroz da India, Maranhao e Carolina a 3.ooo.
    2.800 e 2,4oo rs. a arroba e a loo rs. 1
    Tihra.
    Frasqueira de genebra a 5,8oo rs. e a .'ioo
    re. o frasco.
    Azeite doce em barril muito lino, a 64o rs.
    a garrafa, e em caada ter abatimento.
    Papel greve paulado e liso a 3,5oo rs. a
    resma.
    Genebra de Hoilanda em botija de conta a
    4iors. a botija.
    Bacalho a 14,5oo a barrica.
    Ervlos fiauceza e portugtieza a 640 rs a
    lata de urna libra.
    Chocolate francez, hespanhol, suisso e |>or-
    tuguez a l,ooo rs. a libra, e a 28o rs. ca-
    da pao de urna 7*.
    Garrames vastos de 5 garrafas at 3 caadas
    de Soo at l,3oo rs. cada um.
    Amcixas francezas em caixinhas elegante-
    mente enfeitadas, com diversas estampas
    no exterior da caixa de 1,500 a 3,ooo rs.
    cada urna; tambem ha frascos e latas de
    differentes tamanhos que se vendem por
    mdico preco.
    Massas para sopa: macarro, talharira e ate-
    tra a 48o rs. a Mbra, e em caixa se far
    abatimento.
    Garrafoes com 14 garrafas de genebra de
    Hoilanda a 5,Soo cada um.
    Charutos de todas as marcas c dos meibo-
    res fabricantes da Babia de 3,ooo a l,ooo
    re a caixa.
    ATTEW^AO
    |,8ob e 2,ooo rs. a caixa com loo chara-'
    Todos os senhores qne eomprarem para negocio ou casa particular de 100(5 para
    tos, [o preco n3o indica a boa qualidade cima tero mais 5 a 10 por % de abatimento; o pruprwtorio uawrtifiaa mats que todos
    porcmdeem-se ao trabalho de virem ou! os seus gneros sao recebidos de aua propria encommenda, raziio te para poder, nen*
    1 raandarem e verao a realidade. i der.por muito menos do que em outro qualquer estabelecimento.

    1


    Diario de Pcraambaeo SMa felra 18 de Ilezembro de 18S.

    LAllC-O DO CA1VWO 9
    GRANDE SORTIMENTO
    DE
    PARA A FESTA.
    DO
    PROGRESSISTA
    RA HAN CKITZES \. 36
    E
    BIJA DO CRESPO N. 9
    No bairro de Manto Antonio.
    loaqiiim los Gomes de ttonza seientiica a seus numerosos fregu,
    zes e ao publico em geral que acaba de estabelecer una novo armazem de molhados
    ra do Crespo n 9, aonde se encentrar sempre os melhores gneros de estiva, que
    Se venderlo a retalho e por atacado, por menos dos que se venderem em outra qualquer
    parte, affiancando-se aquellas pessoas que comprarem nestes armazem a superior qua.
    lidade de gneros, procos commodos e bom acondicionamento.
    O armazem da ra do Crespo situado no melhor local desta cidade com e as-
    38RA DO IMPERADOR 38

    N
    Agua natnral de Condllae.
    muilo recommendada as affecces do tubo eaatro-intesimal, nos dosri,, e lxica i i ,-l
    suas propnedades alcalinas, e o acido carbnico qoo nalnralmente contm em suso
    ^^^l0/|Ue,aag-S^K,'C*y'ed?^rT^,ades,a,vez 'uperiores pela gran-l
    acido carbnico. Injec(ao llrou, agua de le Ckeeleu, cupahiba de Mece injecc&o F-
    dezinoo, muito recommendada as gonorrheas. ,nA francez verdaV.7oTn!-> n ''' a ?,-
    algumas caixas do instrumentos cirurgicos para operaos de Matieu e Cltarriere.

    E CONSERVADOR
    21 e 23-Largo do Terco21 e 23.
    Joaquim Simes dos Santos, proprietario destes estafreiocrnwnlos de
    participa ao publico e a lodos em geral, que vende nos seus armazens
    menos de

    5 40 por cento do que em outra qualquer parte, garaado-se "pela
    Participam aos seus numerosos freguezes c ao publico em geral que acabam de
    Qualidade
    o que de necessidade manter-se com estes estabelecimentos, faz crer a sen pro- Manteiga ngleza perfeitamente llr a 800 rs.
    'I
    (I
    rotaba* de sua propria encommenda, o mais lindo e completo sortimetito'de molbados, Pnetario, que ningtiem deixar de sortipse num estabelecimento aonde seencootra sin-
    os quaes vendem por grosso e a retalho por menos 10 por cento do que outro qualquer ceridade, para ir-se comprar aonde se nao offerecem tantas vantagens.
    no verdadeiro ponto de partida para os arrabaldes desta
    a libra.
    annunciante, como vcrSo pela seguinte tabella que abaixo notamos, garantindo os mes-
    mos proprietarios nao s o peso como a qualidade de seus gneros.
    AVISO.
    Todos os senbores que comprarem para negocio ou casa particular de 100$ para
    cima lero mais 5 a 10 por cento de abatimento, os proprietarios scientificam mais que
    todos os seus gneros sao recebidos de sua propria encommenda, razo esta para poder
    vente por muito menos do que outro qualquer estabelecimento.
    Cast.inhas muito novas a 2,ooo rs. a caixa, e Vellas de carnauba e composico de 32o a
    a 16o rs. libra.
    Manteiga ingL'za perfeitamente flor mandada
    vir de conta propria a 8oo rs. a libra.
    dem france/.a a mais nova do mercado a 56o
    rs. a libra, e 54o rs. em barril.
    Mem de pono refinada muito alva 46o rs.
    a libra.
    Prezunto para fianbre a 8oe rs. a libra.
    Cha- uxim miudinho vindo de conta propria,
    o melhor do mercado a 2,8oo rs. a libra.
    dem hvson de superior qualidade a 2,6oo r&.
    a titira.
    dem perola o melhor que se pode desejar a
    ,7oo rs. a libra.
    dem preto muito fino a 2,ooo rs. a libra.
    dem mais baixo pouco a 2,ooo rs. a libra.
    dem mais baixo a I,8oo rs. a libra.
    Vinho do Alto Douro vindo do Porto engar-
    rafado gar.tnte-se a superioridade deste vi-
    nho. das seguintes marcas : Duque, Ge-
    nuino, velho secco, especial lagrimas do-
    res -le 1819, vinho especial D. Pedro V.,
    vinho velho, Nctar superior de 1833, Du-
    que do Porto de 1834, vinho do Porto ve-
    lho superior, madeira secca de superior
    qualidade, vinho do Porto superior D. Lu-
    iz 1 "de 1847, lagrimas do Douro espe-
    eia!, vinho do Porto de l.oooa l,2no rs.
    a garrafa e de lo,ooo a 14,ooo rs. a caixa
    com urna duzia.
    liolacliinha de soda especial encommenda e a
    mais nova que ha no mercado a 2. loo rs. a
    lata.
    Wscoitos inglezes das melhores marcas em
    latinhas de i libras a l,3oo rs. a lata.
    Idea inglezes c.rakiiol em latas de 5 e 7 libras
    de 5,000 a 6.000 rs. a lat, e em libra a
    8oors.
    Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
    i!e ,ooo a 2,oo rs. cada um.
    dem prato a 7oo rs. a libra.
    Vinho em pipa das mais acreditadas marcas
    eomo sejamB& F., PRR JAA. outras
    umitas manas. Porto, Lisboa e Figueira ;
    de 48o, ooo, 36o, 64o e 8oo, rs., e o do
    Porto Gno em garrafa, e em o nada a
    :i,ooo, 3,5oo, i.oeo e 6,5oo rs. o melhor
    do Porto.
    36o rs. a libra e de lo,ooo a 11,ooo rs.
    arroba.
    Genebra de Hollanda em botijas de conta a
    440 rs. a botija, e em duzia ou em barrica
    ter abatimento.
    Massas para sopa mararrao, talharim e aletria
    a 48o rs. a libra e em caixa ter abati-
    mento.
    dem estrellinha, rodinha e pevide em caixi-
    nhas de 8 libras, muito bem enfeitadas de
    2,5oo a 3,5oo rs. a caixinha e a 6oo xs. a
    libra.
    ' Doce de goiaba em caixas de diversos tama-
    itos de 6oo a 1 ,ooo rs. o caLxo.
    Sabo massa de 2oo a 24o rs. o melhor, em
    caixa ter abatimento.
    dem hespanhol a 28o rs. a libra.
    Peixo em latas muito novo ; savel, pescada,
    corvina, salmo e outras muitas qualidades
    preparada de escabeche 2 a arte de cosi-
    nhade l,2oo a l,8oo rs. a lata.
    Figos em caixas de 1 arroba, '/ e 8 b'*as
    a 8,ooo 4,ooo e 2,ooo rs. a caixinha.
    Frutas em calda de diversas qualidades a
    5oo rs. a latinha.
    Marmelada imperial dos melhores conservei-
    ros de Lisboa a 7oo rs. a Ltinhade l libra,
    ha lalas de4 'i e 2 libras.
    Massa de tomate em latas de I libra a 64o
    rs. a lata.
    Toueinho de Lisboa, a 32o i s. a libra, e a arroba a 90000, ou barrii.
    que sempre lhes offerecer os mais agradaveis gneros Cha de i\ 2a. 3a e i sorte a 2^800, 25300, 20000 e 10800 a libra
    dem muito superior a 1 ooo rs a carrafa ^zerte,doce d Lisboa a 30000 o galo.e a 600 rs a'garrafa,
    nutio supettor a t.oqo rs. a garrafa. Idem de ^.^^ a m rs. agarrafa< e a 2(KK) a J^
    libra,
    Sendo este armazem
    cidade, nao ser difcil quelles senbores que tem de partir nos mnibus darem sua*
    encommendas neste armazem,
    Cbl perola de especial qualidade a 2,8oo rs.
    a libra,
    dem hysson muito superior a 2,7oo rs. a
    libra.
    Mem uxim a 2,5oo rs. a libra,
    dem hysson a 2,3oo rs. a libra,
    dem idem a 2,ooo rs. a libra,
    dem preto de qualidade muito especial a
    2,eoo rs. a libra.
    jdem idem inferior a l,6oo rs. a libra.
    Champagne a melhor neste genero a 1.ooo
    rs. a garrafa e 18,ooo rs. o gigo.
    dem inferior a lo,ooo rs. o gigoe l,ooo rs.
    a garrafa.
    dem fraoceza, vinda pelo ultimo navio a 560 rs. a libra e 540 rs. em barris ni
    Banha de porco retinada, a 400 e 44o rs. a libra.
    Velas.de espermacete e carnauba a 860, 400 eOOO rs. a libra
    Cafe do Uto de Ia e V sorte a 270 e 300 rs. a libra, e a arriba a 80300 e l/ooo g
    Batatas em caixas com 2 arrobas \m 20000, e a 4o rs. a libra.
    Ameixas francezas em
    mente enfeitadas de
    caixinhas elegante-
    l,3oo a 3,ooo rs. a
    caixinha, tambem ha latas de I '/j a 6 li-
    bras de l,2oo a 4,oo rs. a lata.
    dem em frascos com lampa de rosca a l,6oo
    rs. o frasco.
    Chocolate portugus, hespanhol, francez c
    suisso a I ,ooo rs. a libra.
    Conservas inglezas das seguintfs marejs:
    Mixde-Ptcles e cebollas simples a 75o rs.
    o frasco.
    Mostarda ingleza preparada em potes a 4oo
    rs. o pote.
    dem Bordoaux das mais acreditadas marcas
    a Too rs. a garrafa, e a 8,ooo rs. a caixa.
    Garrafoes com 5 garrafas de superior vinho
    do Porto a 2,2oo rs. com o garrafao.
    Idem com 5 garrafa de vinho da Figueira mais
    proprio para a nossa estato por str mais
    tasco a 2, 4oo rs. com o garrafao.
    dem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
    com o garrafao.
    Vinho brancoo mais superior que vem ao
    nosso mercado a 6uors. agarrafa, e a
    i,2oo rs. a caada.
    Velas de esparmacate as melhores neste ge-
    nero de 36o a 64o r^. o maco, e em cai-
    \a ter grande abatimento por ha\er
    grande porco.
    Azeile doce em barril muito fino a 64o rs.
    a garrafa e 4,8co a caada.
    dem francez refinado a 8oo rs. a garrafa.
    Er\ilhas francezas e purtuguezas a 64o rs. a
    lata.
    dem portuguez a 18o rs. a libra.
    Toueinho de Lisboa a 36o a libra, e em
    arroba ter abatimento.
    Mem de Santos a 32o rs. a libra.
    Caf de 1.a, 2.a e 3.a qualidade de 26o, 3oo
    e 36o rs. alibra, doCear de8,2oo, 8,4oo,
    e ).2oo rs. a arroba do melhor.
    Arroz da India, Java eMaranho de 2,2oo a
    3,ooo a arroba, e de 8o a loo rs. a libra.
    Sardinhas de Nantes a 32o rs. a latinha.
    Charutos das mais acreditadas marcas da
    2,5oo a 4,ooo rs. a caixa.
    Champagnhe a melhor do mercado de 12.ooo
    a 24,ooo rs. o gigo, e de 1,2oo a 2,ooo rs. a
    garrafa.
    Papel greve paulado ou liso a 3,5oo rs. a res-
    ma.
    dem de peso paulado
    4,ooo rs. a resma.
    ou I izo de 3,5oo a
    ! Gomma muilo fina e
    Milho alpista e painso
    bra.
    alva a 8o rs. a libra,
    de 16oa2oo rs. a li-
    Palitos do gaz a 2,2oo rs. a grosa e 2oo rs. a
    duzia.
    Chocolate francez, hespanhol, e portuguez, a
    a Ooo el,2oo rs. a libra.
    Charutos dos melhores fabricantes da Babia
    ede qualidades, especialmente escomidos,
    de 2,ooo a 4,5tx> rs. a caixa.
    Farinha do.Maranho muito alva a 14o rs. a
    libra
    dem de araruta verdadeira a ioo rs. a libra.
    Vinhe do Alto Douro engarrafado, e os mais
    bem escolhidos, lagrimas do Douro, I). Pe-
    dro V, D. Luiz I, Duque genuino, Nctar
    superior, Malvasia fina, Bastardo, e outros
    a H,eoo e 12,ooo rs. a duzia e l.ooo rs.
    a garrafa.
    Idem Cherry e Madeira a l,5oo rs. a garra-
    fa e 16 ooo rs. a duzia.
    Mem Bordoaux de diversas marcas de 8,ooo
    a lo,ooo a duzia, e 8oo rs. a garrafa.
    Bolaxinhas americanas a 3,ooo rs. a barrica,
    e 2oo rs. a libra.
    Batatas muito novas a I ,ooo rs. o gigo, e 6o
    rs a libra.
    Banha de porco refinada a 48o rs. a libra, e
    em barril a 44o rs.
    Vinho em pipa de Lisboa, e Figueira, rle3,ooo
    a 4,ooo rs. a caada, e 5oo rs. a garrafa.
    Edn de Lisboa em ancoretas de 8 a 9 cana-
    das por 27.ooo rs.
    dem do Porto muito especial a 3,5oa rs. a
    caada e 72o rs. a garrafa.
    dem em garrafoes com 4 garridas por
    2,5oo rs. com o garrafao.
    Vinagre de Lisboa muito superior a 2,ooo
    rs. a caada.
    Caf a 28o e 32o rs. a
    9,ooo rs, a arroba.
    Cerveja das melhores marcas do nosso mer-
    cado de 5,ooo a 6,ooo rs. a duzia, e 5o
    rs. a garrafa.
    Conservas inglezas a 75o re. o frasco e 8 rs. a duzia.
    Doce em calda a 5oo rs. a lata.
    dem de goiaba em.caixas e diversos tama-
    itos e de diversas qualidades de 64o a
    l.ooo rs. cada urna.
    Ervilhas francezas muito novas de 48o a 64o
    rs.
    Mera portuguezas a 72o rs. a lat.
    dem seccas a 2oors. a libra.
    Vassouras do porto com arcos de ferro a 32o
    rs. cada urna.
    Velas de espermacete da melhor qualidade
    a 6oo rs. o maco.
    Mem de carnauba e composico a 32o e 36o
    rs. a libra e 10,000 rs. a arroba.
    Tijolo para limpar facas a I4ors. cada um.
    Toueinho de Lisboa e Santos a 32o re. a libra.
    Sevada muito nova a loo rs. a libra.
    e a. 8,000 e:??,?bra wdadeira de Hollanda, marca gallo a 400 rs. a botija.
    Mtlho alptsta o mais limpo que ha a 160 rs. a libra a 40800 rs., a arroba
    Vinho verdadeiro Figueira eLisboa, a 500e 400 rs. a garrafa e a caada a :):<>0 e o-
    Mein do Porto, a 4500 a caada.
    E alm dos gneros annunciados ha outros mudos baratsimos, asffi
    queijos novos, chourtcas, servejas das melhores marcas, aletria, ameixas sevada
    nho, erva-doce ptmenta, sabao, canella, phosphoros do gaz, que ludo se vende r
    raeiwsde 5 10 por cento, a dmhetro contado. '
    IH
    2oo
    dem mais baixo a l,5oo rs. a caada, e
    rs. a garrafa.
    Mem em garrafoes com 4 garrafas por
    l,2oo rs. com o garrafao.
    Manteiga ingleza a 600, 7oo, 800 e 9oors. a
    libra de primeira qualidade.
    Mem franceza a 56o rs a libra em barril, e
    a 600 rs. a retalho.
    Ameixas francezas em caixinhas com ricas
    estampas no exterior de l,2oo a 2,ooo rs.
    cada urna.
    dem em frasco de vidro de diversos taa-
    nnos a l,3oo e 2,5oo rs.
    dem em latas de I 1 2e 3 libra a l,3oo e
    2,3oo rs. cada urna, e a 800 re. a libra.
    Pei.xe tm latas grandes, savel, pescada, cor-
    vina, eoutras qualidades a l,ooors. cada
    lata.
    Papel greve pautado e liso de 3,ooo a 4.000
    rs. a resma.
    Passas muilo novas a 8,3oo a caixa e 48o rs.
    a libra.
    Palitos lixados para dentes a 14o rs. o maco,
    dem ile llr a 2oo rs. o maco.
    Prezunto para fiambre inglezes e americanos
    a85ors. a libra,
    dem do Porto a 48o rs. a libra.
    Queijos prato de 48o a 600 rs. a libra.
    Iileitt londrinos os melhores que se encontrara
    neste mercado a 800 rs. a libra.
    Mem llamengos vindos no ultimo vapor
    2,8oo a 3,ooo rs.
    de
    Sardinhas de
    a lata.
    Nantes muilo novas a 32o rs.
    Sag muilo novo a 2oo rs. a libra.
    Mera muito superior a 28o rs. a libra.
    Sabao maca de diversas qualidades a 2oo e
    24o rs. a libra.
    Mem inferior de 12o a 18o rs a libra.
    Genebra de Hollanda em frasqueiras a 6,3oo
    rs.
    dem hamburgueza em dilas a5,8oo rs.
    Mem de Hollanda em garrafoes grandes a
    5,5oo cada um.
    dem em botija a 4oo rs. rs. cada urna.
    Garrafoes vasios de diversos tamanhos a5oo,
    64e e 1,2oo rs.
    Gomma do Aracaly a loo rs. a libra.
    Figos de comadre em bazinhos de folha pro-
    prios para mimos a 1,600 rs. cada um.
    Vasos inglezes de 4 a 16 libras vasios, muito
    proprio para deposito de doce manteiga I
    ou outro qualquer liquido de i ,00o a Mem em caixinhas de folha a 32o rs.
    3,ooo rs. cad um.
    Licores das melhores marcas e mais finos
    a l,ooors. a garrafa e em caixa ter abati-
    mento.
    Passas muito novas a 8,5oo a caixa e
    a libra, ha caixas meias e quartos.
    Sevadinha de Franca a 24o rs. a libra.
    Sag muito novo a28o rs. a libra.
    3oo
    dem em caixas grandes a 2oo re. a libra.
    dem em latas ermeticamente lacradas de
    I.600 a 3,ooo rs.
    Arroz da India e Maranho a 8o, loo e 12o
    rs. a libra.
    Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa
    e lo,5oo rs. a caixa. ,
    rhnriP.m.'./ a j Araendoas de casca mole muito novas a 4oo
    Lhouncas as mais frescas do mercado a 800 rs. a libra
    rs. a libra.
    Genebra de laranja em frascos grandes a
    1,000 rs. o frasco.
    Serveja das mais acreditadas marcas de
    5,5oo a 6,5oo a duzia e de mais a 5oo rs.
    agarrafa. *
    dem em botijas e meia, sendo preta da
    muito creditada marca T de 6,5oo a 7,8oo
    rs. a duzia.
    Ceblas em melhos grandes a 1,000 o mollw
    e em restea a 4o rs. cada urna,
    Pimenta do reino a 34o rs, a libra.
    Farinha do Maranho a 14o rs. a libra.
    Tijolo para limpar facas a 16o rs. cada um.
    ComiBho a 64o rs. a libra.
    Erva doce.
    Canella a l,ooe rs. a libra.
    Batatas a 1,00o rs. o gigo com 32 libras liqui-
    das.
    Azeonas superiores a l,2oo rs. o barril.
    Alpista a 14o rs. a libra e 4,6oo a arroba.
    I Letria a 4oo rs. a libra.
    Biscoitos e bolachinlias inglezas as ultimas
    chegadas ao nosso mercado a l,2oo e l,4oo
    m. cada lata.
    Bolaxinha de soda e lunch em latas grandes
    a 2,ooo rs. cada lata.
    Cognac de superior qualidade 800 rs. a gar-
    rafa.
    Graixaa loo rs. a lata, e l,2oo re. a duzia.
    Licores finos francezes em garrafas e fras-
    cos de diversos tamanhos de 600 a 800 rs.
    cada um.
    NOVA LIQIDACO
    de blendas inglezas, francezas, allemaa e suissas,
    qae se prelendem liquidar antes da festa do na-
    tal, por precos baratissimos, afim de apurar di-
    akmto, sendo a maior parle destas faiendas in-
    teiraucutc novas, chegadas pelos ltimos vapo-
    res ; de todas se do amostras, duixando penhor;
    na loja e armazem do pavao, ra da Imperatriz
    n. 00, de Gama & Silva.
    As laaihihiis do pavo.
    Yen palmos de largura, sendo lisas e de quadrinhos,
    proprias para vestidos, capas souiania.iucs pelo
    barato pre() de 13200 o eovado, ditas com 4 pal-
    m, lisas e *U ipiadrinhos a SOO rs., ditas garibal-
    dinas a 400 rs., ditas enfeitadas do quadrinhos a
    160 rs., bareges matisados muito finos aSOOrs.,
    liazitihas transparentes com palmas de seda a oOO
    fs., ditas matisndas a 320 rs. o eovado : s na loja
    do pawio, ra da Imperatriz n. 60.
    Grosdenaplrs a 1:500, na loja do pavao.
    Fazenda a 15500, 13600, 13800 c 23000 : s na
    oja. da f avio, roa da Imperatriz n. 60.
    O pav3o vende os cortinados.
    VcrrdenT-se ricos cortinados adamascados pro-
    prios para janellas, c camas para noivos, pelo ba-
    rato preso de 93000 e par : na ra da Imperatriz
    n. 60, loja do paviio.
    Fusto do pavo.
    Vende-se fuslao branco para vestido e roupa de
    meninas a 300 rs. o eovado, dito de palminnas a
    12 rs., tarlatana de palminnas a320rs., fil blan-
    co liso, c tarlatana branca e de cores a 800 rs. a
    vara : na ra da Imperatriz n. 60, loja de Gama 4
    silva.
    A carnauba do pato.
    Vende-se cora de carnauba em saceos, por preco I
    muito em conta, ou mais barato do que em outra
    qualquer parlo : a tratar na ra da Imperatriz n.
    00, loja de Gama $ Silva.
    A 10$000, s o pavao.
    A'Sonlamliarque.
    Vestidos a lOgOOO. so na loja
    do pavo.
    Vendem-se os mais modernos vestidos de laazi-
    nhas transparentes com lindas barras bordadas a
    Soutan-enbarqHe, trazendo cada um o enfeitc pre-
    ciso para o corpo, sendo fazenda chegada pelo ul-
    timo vapor francez, muito propria para o tempo de
    festa, e vendem-se pelo baralissimo preco de 103,
    na loja do paviio, ra da Imperatriz n. 60', de Gama
    & Silva
    os Heos vestidos a sontainhar-
    3ne, que chcgarain para a loja
    o pavo.
    Chegaram pclooltimo vapor francez os mais
    rices vestidos soutambarqne, sendo com as saias
    j feitas e ricamente enfeitadas e guarnecidas,
    tendo a precisa fazenda para fazer o corpo; com
    sen*, competentes sc-utambarques primorosamente
    enlejiados, vindo ludo em um s carto, assim co-
    mo as mais modernas camisinbas com manguitos e
    punhos a balao ricamente enfeitados, e vendem-se
    |Mir preco favoravcl : na loja c armazem do pavao
    na ra da Imperatriz n. 60, de Gama A Silva.
    Os niodernlssimos vestidos do
    pavo.
    Acaba de chegar um variado sortimento dos
    mais modernos cortes de laazinhas, proprias para
    vesdos, tendo as barras primorosamente matiza-
    das, trazendo bada um corte seu ligurine para
    amostra; e vende-so na loja do pavao, rita da Im-
    peratriz n.60, de Gama & Silva.
    ifl
    AD
    Na ra do Vigario armazem n. 7, lia para
    der os seguimos arli/os:
    Panno de ajgodao da lialua.
    Vinagre do Turto.
    Vinho especial do lidiare.-, em ancoretas.
    Dito dito do Porto em etixu de 1 c 2 d
    melhor que lia no mercado.
    Dito particular do Cartaxo, coi ancoretas.
    Pregos caibrats.
    Pomada de sebo.
    Linda de roriz.
    Diversas qualidades de vidros proinio,; nara
    tica.
    Sabao nacional do lito de Janeiro.
    Velas stea rias.
    Farinha de mandioca de S. Matheus.
    Barricas com bren : na ra da Ca.leia do Reo
    fe, loja de ferragens de Bastos.
    Trnitra preta de lalT
    Vende-sc tranca preta de lia, lisa, pai
    de vestidos, zuavos e roupas de meninos a : i
    160 rs. a pc?a : s quem tem o beiia-flor na ra
    do Queimado n. 63.
    m
    ff^* Ra do Crespo n. r.
    Xa loja de Marcelino & C... n n
    harece de laa de rdres moho ; a -
    rs. o eovado, ditos lisos com 8 pahms de
    largura, ricos soutembarqi.:es de ra -
    braia bordado c outras niuii;..- faj
    de gosto proprias para o trmpo de fv.-ta
    ebegadat neste ultimo vapor, precos inci-
    to em conta.
    m*
    m
    i
    baratns pai
    a acnhar.
    Sedas de qnadros ede lis'ras a 320 rs. o ova-
    do, lindas litas de quadi inlios a 360 o torad -w-
    pariores cseas de cores a 200 rs. o tova
    muito finas a HO o covada : na loja das r
    na ra do Crespo n. 13, de Antonio Ojrrcia di
    concollos & C.
    PERCALAS DE LAA
    a 3O rs., s o pavo
    Vende-se esta nova fazenda de laa denominada
    precala, tem 4 palmos de largura, com os mais mo-
    Mi.mii mi 11 __-_i i j deruos padres, de quadros e lislra*, com lindas
    Marmelada imperial de t'dos OS conserve-; corea, proprios para vestidos, e sendo una das a-
    zendas mais modernas que ha para a festa, e ven-
    ESCBAVOS FGIDOS.___
    Escrav fgida.
    Ftigio nodia 6 do corrente da casa de se
    nhor, o bacharel Trajano Viriato de Ifpdii'n
    escrava Urcula, mulata, de 24 anim- de dude, i.a-
    tural do Sobral, estatura e corpo reculares, iauu*
    bastantesgrossos, cbelos corridos o nmit
    lados. Roga-se as autoridades polii-i.vs i ..:
    de campo a captura d*Ua, e entreca-la i Dom
    dos Passos Miranda, na ruado ilosjiirio n. .
    qual gratificar generosamente, protestando-
    igualmente contra quem a livor aceitado.
    ros de Lisboa a 64o e 700 rs. a libra.
    Massa de tomate muito nova a 64o rs. a
    libra.
    Marrasquino de Zara a 64o rs. o frasco,
    dem em frascos grandes a 8oo rs.
    Cominhos muito novos a ooo rs. a libra.
    Erva-doce a 24o rs. a libra.
    Pimenta a 36o rs. a lihra.
    Ciavo da India a 64o rs. a libra.
    Cannelta a l,loo rs. a libra.
    Alfazema a 2oo rs. a libra.
    Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs.
    o frasco.
    ATTENCAO
    a
    de-se pelo barato preg de 360 rs o eovado : na
    loja do pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
    Silva.
    Ah bretanhas do pavo.
    Vende-se bretanha de algodao em pecinbas de
    rolo, cada peca com 10 varas, pelo diminuto preco
    de 33*00 cada pefa, assim como lencos brancos
    murto superiores a 25 a duzia : na loja do pavao,
    ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
    O pava* vende para Inte.
    Vende-se nissimo setim da China, fazenda sera
    lustro, proprio para vestidos de senhora, para ca-
    pas c roupa para homcm, tendo esta fazenda seis
    palmos de largura e sendo muito love, vende-se
    pelo baralissimo preco de 23200 o eovado, garan-
    tindo-se que nao se torna ruca, e vende-se unica-
    , mente na ra da Imperatriz n. 60, loja do pavao.
    O pavao vende caries de calca.
    Vendem-se cortes de calcas de casemira de co-
    res a 23400, ditos de cachemira da Escossia a
    23*40, ditos de ganga a I360o, ditos de brim de
    urna s cor a 25240, ditos de castor a 15280, ditos
    .de casemira preta a 45000 c 55060, ditos de case
    fP,PEelarVd08 arnmenS doProgressista jamis deixar deofferecer aos seus ^"mplratriz n.gl freguezes tudo o que for preciso para que sejara bem servidos, e como a festa se aproxi- --------- ri a h tu -------------
    ma e ptima a occasio dos seus freguezes experimentaran a realidae, que nunca d.-i- chegada ul,iraaSeTte% ru*aT Vigario o. 19,
    No dia 8 do corrente fugio da rasa de seu senli r
    o escravo Romualdo, de cor parda, tem orle i
    serrador, altura regular, barba serrada, um ;
    cheio do corpo, ollios pequeos, a vista um I
    espantad*, Talla moderada, tem eicatrizes de I
    no corpo, rendido de nina das veninas, I
    calca de inetiin branco e camisa (H chita, jul:
    ter ido para a cidade do Ip, donde veio para i sfa
    cidade ser vendido : roga-se a polica teda ri
    cia em dito escravo, assim como a todos os
    taesde cami ou a qualquer pessoa que o pejf.i:,
    serio generosamente recompensados, levando-c ;i
    casa de seu senbor na Capunga vellia, eu n-i i
    mazem de madeiras na ra nova de Stnli
    n. 13.______________________________
    Desappareceu no dia 7 do corrente o e.-i ra-
    lo cabra, de minie Seraphim, de 34 anuos, ponni
    mais ou menos, altura regular, cheio do
    barba serrada, marcas de bexigas, com slgnal *i-
    slvel no p esquerdo por Ihe faltar os tres dedw
    do meio, diz elle ser de nascenca, falla manso. <> --
    turna fumar cachimbo, levou a roupa que tiulia,
    paletot, jaqneta e sapatos, talvez ande calcadu par..
    se inculcar de forro; esto escravo foi comnrxlo
    no dia 20 do novembro prximo passadn ,n M;nut
    Pacheco Couto, residente no olho fagua
    dos, comarca de Pajc de Flores; ha suppo
    de que fosse para cima pela estrada de ferre-, al-
    vez seduzido para algum fim : pede-sc aos caw-
    taes de campo e autoridades policiacs a raptnia
    do mesmo, e juntamente aosscnhnres capiti's dr,
    navios e mestres de barcacas tenham atiendan aos
    signaes cima ditos: na ra do Aragao n. f se pi ;-
    tiflcar generosamente.
    axr de ser mantida pelo proprietario destes armazens.
    primeiro andar.
    Desappareceu no dia 13 do corrente nm m
    leque de nome Luiz, deidade 7 amos, pern.t-1-
    tas, nariz chato, levando vestido um roupao de
    musselina branca, tem falta do dentes na fn
    pede-se s autoridades policiaes e eapa,'
    po do o pegarem e leva-le loja da ra da fdi-ia
    do Retife n. 64, que se recompensar; a
    se protesta proceder contra qualquer pessoa iiue
    tenh aonactado.
    ^


    8
    Diario de Peraambnco Siesta elr.i 18 de Isezembro de 1 65.



    LITTERTORA.
    Mauricio de Treui!.
    PIUMEIRA PAUTE
    III
    (Confirma cao.)
    Se os olla aceitasse, perdido era o Huelo da sua
    economa, c aisla, iecusaudo-os, respondeu:
    Nao, nao os quero; eumreguc-os e faca-os
    rend
    Desde este momento flcou Agatha sendo senhora
    jala da casa.
    A sua educacao muito inais esmerada do que a
    de Izidoro, seus ares distinctos, a elegancia relati-
    va das suus ruaneiras c linguagem, mais faziam
    certa timidez. Agatha com poucas palavras ven-, mandila, o fllho mais velho donosso antigo coat''
    ceu a resistencia do marido.
    OSr. Closeau du Tailh-disse ella vive
    possue um milhao de scu e nao tem fi-
    em Paris
    Ihos.
    Izidoro comprchendeu o pensamento da mulher
    e deo-se por convidado.
    Mas Agatha oceultou ao marido o motivo real
    que a levara a desojar tanto habitar em Paris. Nao
    lhe disse que o seu mais ardento desejo era mos-
    trar a Heloisa que na > era menos do que ella, e
    ver se o acaso propicio lhe promettia salpica-la
    lambem de lama com uin rico trem, cujos caval-
    los rucos e cochoiro com libr cor do azeitona ja
    phantasiava na idea.
    Sorbier gosara por este lempo de maisdecemj
    mil francos de renda e nao gastava annualmenle
    cima de dez ou doze mil, somma esta bastante
    para collocar a sua casa na frente das quo mais
    miliar as snas virtudes econmicas c lhe ganha-
    . .___. _____ non f,, gasiavam em Pithiviers. Tinha um carro de um
    ram amisade do mando, que pouco c pouco loi
    J vistes Sophia ?
    cido Griffaut. O puro ar dos campos, os aromad' Ainda nao... Deve ser-lhe apresentado esta
    eos perfumes das collinas, as vividas cmanacoes tarde.
    das flores, eram menos suaves o menos pura* aos E' muito linda, pode dizer-se at formosa.
    pulmes do banqueiro do que o eram o cheir n- E tambera isso ser om mal ?
    salubre e a almosphera viciada deste gabinete Nao sei.
    aquecido por urna estufa. Vamos Felippe Eu nao te entendo. Rica,
    Os lempos tinham mudado. Agatha j nao parti- pobre, bonita, ludo te desagrada !
    Ihava cora, o marido o peso dos negocios. Passava Nio te quero prses. J lena adquirido urna
    o lempo no salao e so una vez por mez entrava no boa reputacao; agora careces de provar que s
    gabinete, onde o marido consummia todas as ma- digno della.
    E se
    tas?
    eu morresse antes de saldarmos con-
    ifconheceudo asuperloridade da mulher.
    Esta, conhecedora da sua influencia, de nada se
    descuidara para a augmentar, c com tanta habil-
    dade se l.ouve, que no fim de tres annos de casa-
    da j Sorbier nao decida negocio algum sem a
    consultar.
    Se o casamento de Izidoro nao lhe deu em re.
    sullado os beneficios com que elle contara para
    ;anhar os processos, deu-lhe a vantagem de ga-
    libar o apoto de urna nulucr, cujos conselhos,
    dictados menos por bondade de eoracao do que por
    um tacto mais lino e de maior alcance para com-
    prebender os verdadeiros interesses sociaes, de
    modo que, sem adquirir inimigo podesse obter os
    niesmos ou maiores resultados, conconeram po-
    derosamente para attenuar ou ocrullar melhor os
    ferozes insnctoa que elle at entao claro demons-
    trava as usuras que praticava, e deste modo fez
    que e Lanqueiro obtivesse maiores relacocs eope-
    rasse negocios em niaior cscalla.
    Pouco a pouco conseguiu ella convencer o ma-
    rido de que urna bondade estudada c at de vez
    em qr.ando certa generosidade bem calculada se-
    rian o modo de angariar novos freguezes, que
    pudessem dar-lhe valiosos interesses, caso este que
    no poderia dar-se, se elle continuasse com o anu-
    yo systema, qnc s servia para os assuslar e fazer
    ugir. Agatha, nao querendo desanimar o marido
    com reformas muito decisivas, foi-o predispondo
    lentamente, fazende-ihe ver que era misler verter
    algumas gotas de azeilc na machina para que ella
    ]>odcsse fuucciouar, e veio a adquirir tal imperio
    sobre o marido, que cinco annos depois do seu
    casamento fez que elle cedesse, por um acto que
    prela espontaneo, urna somma, cujo pagamento
    arruinara una familia do lavrador, se a senlcnca
    fosse executada.
    Perdc mil escudos,disse ella ao marido
    r.orm ganha um conselho.
    Esta resliluieio lata um resultado immenso.
    Ensina-nos o Evaogelho que o paraizo mostra mais
    alegra por um peccador que se arrepende do que
    pur dez justos que nunca se apartaraiu da senda
    da virlude.
    cavallo. urna criada de cosinha, outra de sala,
    um coclieiro e um criado de todo o servico. Dar
    de jantar tuna vez por semana o tres bailes no
    carnaval.
    A quinze de,selembro, dia de annos de Sophia,
    havia grande gala. Este luxo, tao pouco usado
    em cidades pequeas, baria {sido suspirado por A-
    gatha, e por este meio conseguiu ella rehabilitar
    o marido completamente peanle a opiniao publica.
    Depois de elle ter excitado geral arersao, chegou
    a excitar inveja, e por fim veiu a ser o homem mais
    importante da localidade.
    Anles de partir para Paris, mister era liquidar
    os negocios da casa e acabar os processos por ella
    tentados. E' o que Sorbier tratou de fazer, porra
    fazia-o com morosidado tao calculada, que bem
    dava a conhecer o desejo que tinha de prolongar
    quanto iwdesse a sua estada em Pithiviers.
    E nao seria possivel persuadir a mudar para
    ali o Sr. Closeau du Tailli e fazer solidarios os
    .nteresses por meio de urna sociedade ?
    Este projecto, emitlido por Sorbier no flm de nm
    jantar, em quanto Sophia andar ali brincando,
    assuslou Agatha.
    So se havia sugeitado a sacrificar mocidade e
    gosos n'uma pequea cidade, longe de paren-
    tes c amigas; se cuidadosa se hara consagrado
    a accumular, mesmo a custa de priraedes, urna
    fortuna immensa, nao foi com a idea de a gosar
    um dia em theatro mais vasto ? E fatal duvi- fins do mez de junho de 1845.
    nhaas.
    A Sra. Sorbier tinha dia marcado para recejices
    ia a opera, apparecia no bosque de Holonh, e cer-
    to.diaen! diadcfelicidade edetriumphot leve a
    ventura suprema, ao voltar du ngulo da ra Lalli-
    le para a ra Provenco no seu coup, de encontrar
    a pe a sua inimiga Heloisa I
    Que irona, que ares de despreso na saudacio
    que dirgiu sua riral t Os cavallos iam a trote
    urna das rodas escoou por urna pequea poca e le-
    ves tomos de lama salpicaran! o vestido de He-
    loisa.
    Este momento, tao curto como o relmpago, cora-
    pensou superabundantemente a mulher orgulhosa
    c de eoracao mesquinho dos longos soffrimentos a
    que se conderanara em Pithiviers.
    As quintas-feras receba a Sra. Sorbier nos seus
    salos boui numero de visitas, mas de ordinario
    nenhuma deltas exceda a classe dos financeiros
    mediocres, e, salvo algumas ali levadas pelo acaso
    pertencentes lugares administrativos poltica ou
    a aristocracia do banco s se encontraran} na-
    quelle circulo nomos vulgares e quasi desconhe-
    cidos.
    E' escusado dizer que o Sr. Closeau du Tailli era
    um dos mais ntimos da familia.
    Sophia, a quem os paes hariam ensnado a res-
    peilar o padrinho, enchia-o de pequeos presentes,
    taes como suspensorios, bonets bordados gregai
    chinchas turca, e receba em troca esperanzas de
    herdar.
    Vae dando, rae dando; diza-lhe o pae, as
    dadivas sao capitaes collocados a juro.
    Closeau du Taillia ia recebendo e nao responda
    nem patarra.
    Eis aqu a familia com quem Closeau du Tailli
    quera por em relacocs Mauricio du Treil pelos
    Mauricio apeitou a mao de Felippe, dizendo-lhe :
    Mas para mercela misler que me appli-
    que ao esludo c aperfeicoamento das minhas obras
    e para o conseguir carece de lompo, porque s elle
    pode dar desenvolvimento ao pouco ou amito ge-
    nio que possuo; c como queres t quo elle me nao
    falli emquanto nao for obrigado a trabalhar para
    rircr ?
    - Pois Irabalha e soffre!replcou Felippe com
    desabrimento. Ters das amargurados, bem o
    sei, mas se mereceros gloria, has de obt-la! Nao
    to rendas amarrado de ps e inos; nao abdiques
    os leus gosos de artista e o leu genio por un mi-
    lhao Sabes bem o contrato que queres fazer ? Nao
    te dao um milhao sem que des tambera alguma
    cousa em troca, e tremo pela paga que le bao de
    exigir.....Se realmente to sentes com um boca-
    dinho de animo e de amor pola arte, luta, mas
    conserrate lirre I
    E se as forcas um dia me abandonarem ?
    Morres, mas morres com honra (
    Mauricio callou-se; Felippe aspirou pressa
    alguns sorvos de fumo, feilo o que redarguiu com
    irona :
    Ali! se te sao precisos lacaios porta e botas
    de verniz para calcares; se desojas esplendidos
    palacios e jardins; se a tua indolencia te torna
    necessario um trem para passear nos Campos Ely-
    sios; se o fausto do salos burguezes allumiados
    por duzias de candelabros para fazerem ver engu-
    lir cha meia duzia de estupidos te seduzem bros e
    mocidade; se a esperanca de entrar n'uma sala de
    baile, dando o braco a urna mulher coberta de
    diamantes, basta a fazer-le feliz; se nao imaginas
    A verdade desta proposito, consagrada pela ob-
    serraoao plilosophiea, inanfesiou-se nesta occa-
    sio. Doran mais louvores a Sorbier por este ac-
    to de munificencia, nico na sua vida, do que ha-
    viam testeniunhado a outros por milharcs de actos
    de dedicado c beneficencia. Scu nome foi pronun-
    ciado por todas as boceas c assentaram que elle
    havia sido victima de negras calumnias. A Sra.
    Sorbier nao se contenlou com este primeiro triuui-
    plio : adquirir para seu marido o reconhecimen.
    'o de alguus ceutos de pessoas, tentou assegurar-
    1 lio a estima e cousideracio de numero mais ele-
    vado. E couseguiu-opurgraade quantdade de ser-
    vicos de pouea monta, que prestava em nomo de
    Sorbier, c por una habilidade de virer que nunca
    uesmentiu em nenhuma das suas acedes.
    Obteve deste modo que as portas da cmara mu-
    nicipal de Pitliviers se franqueassem seu mari-
    do, e elle pagoua sua eleicao com um jantar, para
    o qual couvdou todas as autoridades da cidade.
    Agatha poz de parle, nesta occasiio, a coslumada
    ce momia. O jantar quo apresentou deslumbrou o
    sub-prefeto e o administrador.
    Aex-amiga de Heloisa Ronin, a inimiga intima
    -da mulher de Sabalier, levantou cutio urna ponta
    do vea edeixou transpareccr a razio do seu pro-
    ceder anterior. Por acaso achava-se em Plhirers,
    no dia do jantar, o Sr. Sabalier : Agatha arranjou
    as cousas de modo que elle foi convidado, e tirou
    dos armarios, onde tinha fechada a sete chaves,
    una magnifica baixella, comprada, ou antes obti-
    da a peso, e cujo brilho e valor devia convencer
    Heloisa de que mademoisclla du Portal tambem
    era rica. A casa do banqueiro abrira-se pela pri-
    meira vez para nao se fechar mais, porque a Sra.
    Sorbier breve marcou dias para chas c recepoes,
    o que acabon de transformar a opiniao publica :
    Soiiier-o-Lot'O chamon-se desde entao Sorbier-o-
    Bico.
    Entrava Agatha no sexto anno do seu casamen-
    to e contara rinte e nove annos, quando um a-
    routocimenlo inesperado desviou o curso dos seus
    daque favorarcl acaso guiara Heloisa a Pitki-
    riers ?
    Porm objectou ella_ao marido que-
    rera meu primo trocar Pars por um ermo como
    este?
    A este respeito j eu o sondeirespondeu
    Sorbiere elle nao se bola fra de acceitar. Se
    isto se realsar, se vicr virer comnosco, temo-lo
    seguro. Quanto educacao de nessa filha, man-
    daremos vir de Paris urna mestra de piano, ou-
    tra de inglez, firar mnito bem educada e gas-
    jimos muito menos.
    Veremos replicou Agatha, disposta a com-
    bater e resistir, at ultima, o tal projecto.
    l'm acontecmento impreristo auxitiou-a pode-
    rosamente a vencer sem combale.
    am.go, de um irmao, e ousaste pensar seriamente Muitos rigores dessc _eDero se pra,iraram du-
    era ser mando de urna rapanga que anda hontem rante olongo parlamento e notempo de Cromwell,
    te nao conheciaeboje le enriquece! Temes mais c continuaran ainda depois da reslauracao de
    dever reeonhecimento a um amigo do que dovelo Cario, jj. ^
    llhcr A revolucao de 1688 nao tronxe inmediatamen-
    te a publicidade dos debates parlamentares. Os
    jornaes do reinado de Guflherme III mal contm
    Ffln~n!>Baldam?'laV 0Utr mnnd,"7rTl,deU de lonf?p cm '* m discurso destacado.
    Felippe, ruido-La que rom esse teu fallar em Guillienne 111 nem aos proprlos membros do
    pagamento ? A riqueza com que an .copadamente parlamento conceda a liberdade da palavra. c nao
    h"lf ^""Vl '0010 de "" Ia -'^S C, .' de so raoslr" menos absoluto do que os seus prede-
    banqueno! Eu nao te empresto, digo-te : aceita. cessores(l)
    u,"^2f Mim' q,"?to s '^f 'ZST ",n *C o discurso proferido na cmara dos
    Mauncio, meio vencido por tanta magnan.mi- coiomuns por sir J. blaiglH contra o bil para a
    n; m- k i i^,mn, nr. n,,A ca naturalisacao dos protestantesestrangeiros, foi sen-
    ...oT; ? iXa n'"!h:l ^n^ Cm PnL^?* ,encia'l a scr nueimado pelo carrasco. o mes-
    tiata e da tua pintara. Quatro nw Jin- mo ann0 U111 esrj |orch'niad0 D de ,.,.
    ver em caso de mu.la nocessidade .^orne-se do uma gevera rc rellt>|ls;lo |er ,ido 8 au(!fu.ia de
    ^!VI!C-SB eoinaegna passeando porewes fallar das sesses da cmara em um folheto que
    campos; depois pincelada te ralba !----fc pouco pU|,|cara '
    3 V,ZZ HaS de V'\ V" Um ar"S,a fi,m05" E"ta' No dia '^'"'e I**" na cmara uma pronos-
    estamos de accordo ? ,, .rohibindo a todos os escritores tratarem, na
    - Pois bem ; rerei. e amanhaa dou-te resposta sua, b| -(;s J ^ d
    - Amanhaa?... Entao sempre vaes esta tarde bates e das esscs do parlamento.
    M a i a i .. ir,n i, .i. A mesma prohibico renovou-sc em 1C9.', 1697
    pZttS^ttLSJS^ 5S "SS5* 1" -*K em
    te, na estrada, junto de alguma arvore ; se o velu- D eaeiwta nara o nartidn iifotta a
    culo vicr do lado de S. Germano, entre e tollo ^ d^da^nl fhnlS
    c,___,h .. .., que fcilmente se conformasse com taes ]>rohib-
    "" Zel]- V'er u 'fd0 ?e K I;-;, ^ ^ &<-* Eram frequentes as suas infracC6es, o lord
    - Subo o rou a Marly, d.re.lo a casa de Sor- Mohun> de f|UCm'e||e fal,ou pm U|na suas ear.
    Felippe pegou no chapu e replicou : | '"VnTrri^v nt^'Z, ESfiSt vez no
    ^Jfrol!rr, d S '"aS ,emP ; SCU- "S&SS ff c lemn d alompaleccr
    sara nos de gastar lantas pa arras. I no dia i8 d f > d ,7()i a barra da' fama.
    Mauricio sornu-se, aperloua mao do amigo e ra ; nao compareceu, e o procurador geral ass.g-
    tomou lela planicie, na direccao da estrada.que, ou una orden, de prisao'para que elle fosse cap-
    atraressando Rueil e ISanterre, segu a P.iris.. turado em J me fosse enc0B_
    O certo que o mancebo nao tinha anda reso- lrado H *
    lucao asente. Em I7M, o conde Nothingbam queixou-se na
    Nao poda de.xar de reconhecer a justeza das camara dos de pSb|,CJMi5 um de seus
    objeccoes que tehppe tao mmente lhe prepoz*- discursos sem autorisacio.
    ra -, mas, por outro lado tinha P^&: o discurso fra cscripto por Sw.ft, e o infeliz
    r.tooscTinselhosV.opos.l.rosdeUo^eauduTaill,, impressor que prestou os seus prelos estove al-
    de modo quo racillara entre pareceres diametral- -um tCni|o na cadeia
    mente opposlos^ | Efn i7|2( g|r Roberto Walpole publicou um
    Se Felippe nao lhe dissera o que dlse, tena ido pamph|et0 ,nliUl|ado Hesum,ia historia Jo ultimo
    Mauricio direito a Marly, porque nao admitlia que ^^o e temia lantoas COnseqiiencas desea
    urna simples risita o empenhasse a cousa alguma, audada e niandU mprinir a sua broc|lura D.i
    eia mu disposto a quebrar com <" PrclimiM, Slia propria casa e distribuiu os exemplares, mas
    se as condiges do casamento lhe desagradassem. n5o os ven(]a pub|icaineD|e_
    O seu carcter, por natureza dado a ntem|K>- Em ,7|8 os edilores de douj jornaes de Exetcr
    nsar, desde a vespera lhe baria aconselhado e e foram processados r u.rem kUo imprimr e ,e.
    expediente ora, o nico fructo da vehemencia gundo se disse, alterado os discursos dos membros
    com que Felippe se oppozcra ao casamento foi que, do par|amcnt0
    goso mais nro quo o de acompanhar ao bosque de em lugar de se gorernar pela propria rontade, eu- primt!ro obedeccu ao mandado de compareci-
    Bolonha uma mulher com riqussimo chale de ca- tregou ao acaso a dirercao do passeo. | menl0 barra dos communs e foi imniediatameu-
    Tal era a dis|>oscao do espirito de Mauricio, |e o ndo entendeu que era prudente
    quando chegou a estrada de S. Germano._____^ sublrabir-se justica parlamentar ; porm certo
    de ser preso mais dia menos dia, escreveu ao pre-
    IV
    Ha as margeos do Sena, entre o Rueil e Bougi
    ral, prximo a uns campos de trigo, um prediosi-
    nho, onde barqueiros e artistas costumam ir alm-
    far e jantar.
    Dous ou tres gabinetes de verdura precedem a
    porta da entrada, e deus ou tres quarlos mobilia-
    dos com simpliridade offerecem cama s pessoas a
    quem a chuva ou qualquer outro motivo obrig.i a
    passar ali a noute.
    Desta casinha de um s andar, edificada junto do
    caminho marginal, rom-se barcas de carga subin-
    do ou descendo o Sena, e canoas perpassando em
    frente da illia de Ahgre, por detraz da qual se
    agrupam ostectos arennelhados e cinzentos dapo-
    voayao de Croissy.
    A paisagem risonha verde, e engracada; cer-
    ca-a um cinto de collinas copadas e suaves. Nada
    falta a este cantinho de trra para o lomar encan-
    tador : sublime vista de agua, lindas graciosas or-
    lando o horisente, mysteriosas c dilatadas sombras
    animacao causada pelos carallos a rebocar os bar-
    cos, os gritos dos kxirquciros excitando os animaos
    e o mormento dos nadadores apparecendo e des-
    apparecendo na superficie d'agua, e pouco depois
    repensando na reir o fumando eom descanso, lu-
    do, emfim, ali concorre a encantar olhos e ouvidos.
    No eslo, e especialmente nos domingos, ao por do
    sol, as praias c completa a anjmacao; de ma -
    nliia, em dias de trabalho, a paisagem socega-
    da e bella como os mais lindos sitios da Italia.
    Ora, no dia que se seguiu a aquelle cm que Co -
    seau du Tailli levo com Mauricio a conversa queja
    narramos, eslavam dous mancebos sentados a som-
    bra de um caramanchao do restaurante, que j des-
    crevemos. Era um delles Mauricio de Treul, e ou-
    tro Felippe Duverney.
    Filippe, encostado a um pilar, lancava ao ar de
    vez em quando o fumo do charuto; Mauricio toca-
    Chcgara a poca da eleico da camara de Pethi-
    viers; Sorbier nao foi releito. Agatha indignou-
    se contra semelhante ingratdao, e nao lhe foi dif.
    fie I convencer o marido de que elle estava sendo
    victima de urna intriga infame e odiosa, e islo sa-
    liendo ella muito bem o que dra causa nao
    reelecao do marido. L'm par de obrigages re-
    formedw, meia duxia de emprefitiino com juros
    mais mdicos, dous ou tres jamares dados a lem-
    po, teriam evitado aquella denota.
    Agatha bem o saba, mas aconselhou o contra-
    rio, a fimdizia ella ao marido de o por fra
    de tutela de uns poucos de intrigantes, que o que
    queriam era tirar-lhe a camisa do corpo.
    Logo que se fez a eleicao e o marido flcou de
    fra, nio cestn ella de formular recrimina-
    eoes.
    Nao te reelegerem, dizia ella ao mari-
    do a ti, o mais rico capitalista da Pithiviers; a
    ti, que tens de dia c de noute trabalhado na boa
    administracaodos dinheiros pblicos; a ti, o cida-
    dao generoso que deu trezentos francos para re-
    paros da escola municipal e cem escudos para
    aformoseamentoda egreja ; a ti, emfim, que hos-
    pedaste o prefeito de Loiret, quando inspeccionou
    o dislriclo. e o hispe de Orleans, quando vislou a j va com as ,, dS dedos na mesa de pinn0j em
    docese Nio havia memoria de eleitores que com guiza da ,ambor Tjnham dlante dtJ s dous C0p0Sj
    tao negra ingratdao houvcssem^ jamis pago os assucar) urna garrafa com agua c outra com cog-
    nac.
    bons officios de tao prestante cidado E ters
    ainda animo perguntava ella ao marido de vi-
    ver em urna cidade que recompensa deste modo
    os leus servicos ? Oh I nao c possivel 1 con-
    cluia ella t
    E, com effeito, foi decidido entre os dous que
    procederan! quanto antes a liquidarlo dos seus
    negocios c abandonariara Pithiviers para todo o do um gole de grogue.
    sempre.
    Apenas Agatha se vu senhora do terreno, a-
    pressou os preparativos da partida, e tanta foi a
    actividado qus desenrolveu, que no flm de qua-
    tro ou cinco mezes toda a familia haria aban-
    Mimi Soleil est com Jacques na ilha; disse
    Felippe, rompendo o silencio, nao roltam aqu an-
    tes do sol pesto; estamos sos; se tens alguma cou-
    sa a dizer-me, dize-o.
    Querem .jue eu case, disse Mauricio, sorren-
    pensamenlos : deu luz uma menina, e n'ella i donado a provincia para se estabelecer na capital
    conecntrou desde entao todos os seus cuidados, | famosa, onde Agatha tinha toda a esperanca
    oda a sua ambicio.
    Lembrados estatu os leitores do velho nego-
    ciante do Havre, em quem a viva imaginacodo
    St. du Porttil fundava parle das suas esperan-
    cas.
    O Sr. Closeau du Tailli, cora quem Sorbier ha-
    via entrado em relacocs commerciaes para com-
    pra de farinhas dos Estados-Unidos, foi escolludo
    para paJnnho, e deixou o Havre s para assstir
    reuno dada pelo Sr. Sorbier, "por occasio do
    baptisado da (Iba. Em recordacao de uma meni-
    na do Sr. Closeau du Tailli.fallecida em creanca,
    pozeram recem-nascida o nome de Sophia.
    A senhora Sorbier, vendo-se com uma riqueza
    que s ella e o marido sabiara a quanto montava>
    maede uma filha nascida muito a proposito e que
    promettia rir a ser formosa, pensou entao em
    executar um projecto que ella s haria concebido
    e desde muito lhe germinara na mente. Fallou,
    pois, ao marido em se irem estabelecer para Pars,
    a Ora de dar a Sophia a educacao que exiga a
    posieao dos paes. Tinha Sophia entao oito an-
    nos.
    Sorbier, tendo apreciado a nolarel aptdao da
    mulher para tudo, submettia-se opiniao d'ella
    sera discutir nem objuctar. Agatha em sua casa
    dar sentencas tao positivas, como seu pae as dava
    sentado na cadeira de juiz. Porm a idea de a-
    bandonar Pithiviers, berco da sua fortuna, e a
    casa onde untas riquezas accumulara pouco a
    pouco, assustoo o marido e deu-lhe animo para
    combaler o projecto da mulher, se bem que com
    de se encontrar com Heloisa e offusca-la com o
    seu brilho.
    Na poca em que Closeau du Tailli fallou pela
    primeira vez a Mauricio em o apresentar fa-
    milia Sorbier, j os emigrados de Pithiriers ve-
    viam em Paris ha oitoou nore annos. Habitauam
    no invern o primeiro andar de um vasto edi-
    ficio situado na ra GoJot-de-Mauroy e no esli o
    seu palacete de Marly. O velho carro e o caval-
    lo branco, que os havia acompanhado na emigra-
    cao, tinham sido substituidos por um rico e bri-
    Ihante coup puxado por dous soberbos carallos
    do Mecklembourg; a familia tinha-so augmentado
    com uma aia ingleza, um criado de p e uma des-
    pensera, que governara a casa debaixo da su-
    prema vigilancia de Agatha Sorbier. Os saldes li-
    nham-se franqueado e haviam-se dado bailes, a
    raidade de Agalha, tanto temp* represada pela
    forja de ventado que a si mesma se impozera,
    rompeu emfim os diques o arrastava na sua tor- j Derdeu de moda.
    rente o marido, impellindo-o violentamente para
    um genero de rida to contrario sua inclina-
    cao.
    O nico allirio que o infeliz exprerimentara
    contra o tedio que d'ello se apossara, no meio
    d'esse tumultuoso mormento que tanto aborre-
    ca, era ir fechar-M n'um pequea gabinete, que
    reserrara n'um recanto do scu magestoso ano
    Que t cases I... Com quem ?
    A di vi ti lia.
    O rifo diz : te-hel as manhas que leus. Dizc-me que casa fre-
    quentas, dir-te-hei o nome da la noiva.
    Hoje rou a Marly casa do Sr. Sorbier.
    Fleippe olhou alternamente para Mauricio e re-
    plicou :
    Laura vae muito a casa de Sorbier ; ser
    Laura ?
    Nao.
    Ainda bem, ella pobre.
    Mas em Marly nao ha s Laura.
    E' verdade, ha tambem a filha da casa, ma-
    damoisella Sophia. Ser por acaso ella?...
    Justamente.
    Peior; cssa muito rica.
    Alio, meu caro Felippe, v se podes ser lgi-
    co. Laura pobre, Sophia rica: bem vs que
    tima mulher ha de forzosamente ser uma dessas
    duas cousas.
    Nao me parece tanto assim, porm o que nao
    admiti controversia que o verdadeiro artista nio
    de re ter prises.
    Ali I ah 1 ahi temos uma tirada centra o ca-
    samento. .. Tem cautclla; cssa theoria, por ve I lia.
    ataba s costas, e, ao rollar a casa, ourir um
    lacaio estpido annunciar : Senhoia, o juntar est
    na mesa entao nao hesites. Para todo esle mn-
    tao de felicidades, ceracio, espirito c inlelligencia
    sao surperfluos predicados. Eras pintor; abdica e
    s millonario.
    Mauricio bateu uma punhada na mesa.dizendo:
    Com os diabos! Eu nao le peco sermoes;
    peQO-te conselho.
    Para que? Para o despresares? Eu nao
    tenho loja aberta dessa fazenda.
    Felippe arremessou o charuto e bebeu um copo
    de grogue.
    Com effeito, o Sr. Closeau du Tailli fez-te um
    servico de amigo! Subir a tua oftlcina parale
    encher a cabeca de chimeras !replicou Felip-
    pe. -Nmguem, e especialmente um artista, dere
    acceitar a sua fortuna de um casamento assim fe-
    to e com uma creanca a quem nem conhece. Quem
    iraz muito tambem exige muilo. Se solveres a tua
    dirida, ha de ser custa do teu eoracao e do leu
    pensar. Nao esse o futuro que para ti eu tinha
    sondado. Agourara-to um porrir de combates,
    lalrez de soffrimentos,de priraces, com certe-
    za, e, no fim de longos e rigorosos esforeos, um
    nome, um nome honrado e immorredouro... Mas
    tu tens medo, e era podes nega-lo. O combate
    assusta-te, porque os teus appetites sao rulgarcs e
    quebram-te forcas. Sogueo teu destino, s rico I
    Mauricio estremecen.
    Acertei, nao assim ?continnou Felippe.
    Se cu fr rico, hei de trabalhar.
    Nao trabadlas!
    Oh!
    Nao digo-t'o eu. Ninguem enche os bolsos
    de ouro sem a condijao de encher tambem a cabe-
    ca de tolices. Aipda nao comprehendeste que a
    uecessidade o agulhao do trabalho ? No dia em
    que esta pona de aro deixar de te espicacar, eis-te
    adormecido. O talentolembra-tc bem do que te
    digo, e r que nao fallo do genio, deste dom fatal
    que Deus s reserva para os seus martyreso ta-
    lento uma planta agr, que nao cresee, se nao
    fr regada com suor, e para desenvolver-se e che-
    gar a ser grande e forte -lhe mister o rento pleno
    do humano soffrimenlo. Aquelle que tentar res-
    guardar-la com sedas e velludos fa-la definhar e
    seccar.
    Dito isto, levantou-se, e, passando diante do ca-
    ramanchao, quebrou, distrahido, alguns ramos de
    acacia. Depois continnou com violencia :
    Queres casar com Sophia! E nao vs que o
    marido de Sophia, a monos que nao seja duque e
    par, ter s costas toda a familia Sorbier, o pae, a
    me, a filha e os primos, se os houvor ? Encolhes
    os hombros 1....... Pensas que nao sers preso
    com osgrilhes do tal milhao? Como, tu marido
    de uma familia !....... Oh! intoleravel! Ha
    pouco que te fallei *de Laura e disse-te que ella
    pobre.......... Tu ganhas para um, para dous
    nao chega.......... E os cuidados de uma casa
    sem dinheiro nao se coadunara com um espirito
    que carece de toda a sua liberdade........ Pois
    bem ainda assim, se forzosamente tivesse de cs-
    colher entre Sophia e Laura, aconselhar-tc-ia que
    casasses com Laura. Com ella, apesar de pobre,
    haras de ser mais feliz do que com Sophia... Tem
    rerdadeiro coraco de mulher, nobre e depurado
    no soffrimenlo : o amor do que bom e justo, e o
    sentmenlo do bello, rirera par a par em seu ex-
    cellente eoracao, como duas pomhas pousadas no
    mesmo ramo florido.
    Sentou-se na erra sombra de uma arrore e es
    pern.
    sidenle da cmara nos termos mais humildes so-
    Eslava o sol quente, e o mancebo cntregara-se |jf ando 0 per(jri que anna, ,jue ||w foj conce.
    s reflexes.
    No mais forte referver dolas, encostou a cabeca
    a uma raz, fechou os olhos e adormeceu profun-
    damente.
    Acordou sobresaltado ao ouvir que o chamavam.
    Olbou e fin diento de si o Sr. Closeau du
    Tailli, forcejando por abrir a portinhola de um cou-
    p, cujos carallos fogosos eram retidos por um co-
    cheiro de libr.
    Mauricio levantou-se de um salto.
    Que faz ahi ? perguntou o capitalista.
    Pens que estara a dormir, respondeu Mau-
    ricio.
    Isso posso eu afllrmar... Entao esqueceu a
    risita que tinha de fazer a Marly 1
    Pelo contrario, estara pensando muito nclla...
    e por isso que me reiu o somno.
    Temos epigramnu munnurou Closeau du
    Tailli. Quando entrar na Colcmbire, parece-me
    que ha de ter poucos deseios de sabir.
    Pois assim semelliante ao jardim de Ar-
    mida ?
    Pode muito bem ser. e para Ih'o provar que-
    ro introduzi-lo... Suba !
    Mauricio olhou para as duas extremidades da
    estrada ; nenhum vehculo agitava o p nem do
    lado de Marly, nem do de Paris.
    Entao exclamou :
    Vamos; a sorle assim o qur !
    E subiu para o coup.
    Quando atravessava Rougiral, cruzou-se com o
    mnibus que chegava de S. Germano.
    Mauricio seguiu-o com a vista, "dizendo eom-
    sigo :
    Se vieras mais cedo cinco minutos, nao roe
    casava por certo.
    (Continuar-seha.)
    Assim ; assim murmurou Mauricio.
    Em quantocsliveres trabalhando na la ofli-
    cina, nao estar ella ociosa..... Tu tens os teus
    piuceis, ella o seu piano.
    Oh! pois nao! Eu em casa a trabalhar,
    ella por esses ras a dar lices!
    E' por isso mesmoreplicou Felippe, balen-
    do o n aue nao deves casar!... Ouve;acres-
    centou elle um momento depoiseu pouco tenho
    de meu, bem o sabes, mas, emfim, asse pouco pode
    chegar para dous : reparlamo-lo entre nos.
    Felippe I
    N3o quero agradeciraentos. Tu fazias o mes
    A tribuna e a imprema parla-
    mentar na Inglaterra.
    (SIPPI.KMRNTO AO RTICO SOBIIE OS VKTERANOS DA
    IMI'IIKNSA Mll.lTANTI I
    Supponhamos que de repente se supprime a pu-
    blicacio dos debates do parlamento : que calami-
    dade para o publico em geral e para osjornalisias
    em particular I...
    Nao seria um lia ge I lo egual s trevas do Egypto
    no reinado de Phara ?
    Os redaclores das folhas publicas, nao sabendo
    com que encher as suas columnas, talvez tivessem
    a teniacao de seguir o exemplo de um jornalista
    de Leicester, que em falta de materia, nao se lem-
    brou de cousa melhor do que reimprimir para re-
    creio dos seus leitores alguns captulos da Biblia!...
    Esse completo do almoco de cada dia, foi por
    muito lempo um fructo prohibido na Inglaterra.
    No comeco do reinado de Jorge III, era moliro
    de uma continua guerra enlre a cmara dos com-
    muns e os jornaes.
    Os membros das duas cmaras consideraram
    como monstruosa infraccio dos seus*privilegios o
    facto de se publicar os seus debates, e queriam
    que o parlamento fosse secreto como uma loja ma-
    snica ; o publico, pelo contrario, goslava de sa-
    ber o que se fazia e dizia l 'dentro.... afinal oi o
    publico quem vencen.
    Os amigos amigos extractos dos debates do par-
    lamento sao obra de sir Simio d'Ewes, que no
    lempo da rainha Elisabett, lomava nota na cama-
    ra dos communs, ajudado de abreviacoes stensgra-
    pbieas e cujos cadernos, que depois foram passa-
    dos i limpo, existen) boje no museu britannico.
    Ahi se encontra curiosos exemplos da eloquencia
    parlamentar daquclla poca.
    O primeiro volme do jornal da camara dos
    communs d cotila de todos os seus debates, desde
    que subiu ao throno Jaime I at a suspensao do
    parlamento, no reinado de Carlos I.
    A publicaco das notas tomadas por um dos
    membros do parlamento tambem serviu para dar
    noticia dos debates da sesso de 161. A rolumo-
    sa collecco de Kushworth, e depois a do Grey,
    contm a tnaior parte dos debates do lempo das
    guerras ciris.
    Em 1641, o parlamento permiltiu que se publi-
    casse as suas discusses relabras abolicao da
    camara estrellada.
    Quem as quizer Icr, encontra-as no Diurno das
    duas cmaras deste grande e venturoso parlamento
    desde 3 de novemhro de 1640 at 3 de novembro
    de 1841, mandado imprimir por William Cooke, e
    posto lirraria de Holbourn.
    Essas relaces tornaram-se depois somanaes ;
    mas eram publicadas por ordetn da camara, e por
    consecuencia nao se assemelbam s que se publi-
    cara nos nossos das.
    Em 1641, publicaram-se tambem as sessoes do
    parlamente de 3 a 10 de Janeiro, e o editor, Nalh
    Butter, cuja folha se intitulara o Pyde Bull, adrer-
    te que a narra ci que elle faz c mais exacta do
    mo que eu, so os nossos. lugares esliressem troca- que qualquer outra.
    dos. Sao mui dirersos os nossos gostos. O que eu i Todava, a pablicacao nao autonsada dos deba-
    dido.
    No auno seguinte. uro jornalista de Exeter foi
    encarcelado por motivo anlogo, e em mareo de
    177, Eduardo Cave soffreu egual castigo por ter
    as suas ultimas noticias, dando coma das sessoes
    do parlamento.
    A 28 de fevereiro de 17i8, a camarades com-
    muns prohibiu expressamente que se publirassem
    os seus debates e sessoes por meio de impressos
    ou de manuscriptos, ameacando de severas penas
    quera infringisse essa prohibico.
    Eduardo Cave (de quem j fallamos cima,) pro-
    I prietario e fundador do Geiitlemens Magazine, ti-
    i nha o eostume de enviar a seus amigas, em diver-
    I sos pontos da Inglaterra, o extracto dos debates do
    ; parlamente as suas ultimas noticias, que tanto
    ! eireiilavam nos cafs e tavernas, como nos sa-
    I loes. Como homem inlelligente e industrioso, Ca-
    ve emprehendeu que taes narracoes impressas e
    mais exactas teriam grapde aceila;o. Puldicou
    de|iois no seu Gentlemen's ilagazine do mez de
    abril de 1734 um resumo da precedente sessao do
    parlamento, e no numerodo mez seguinte inseriu
    os discursos por extenso, sem com tudo designar os
    oradores senao pelas iniciaes dos nomes.
    Em agosto de 1735, comecou com regularidadc
    uma publicaco mensal dos trabadlos das cmaras
    e com quanto a sua ana I > se nao fosse perfeila, at-
    iranto bastantes leitores.
    Mal deixava entrever o nome dos membros do
    parlamento, e mui las rezes passava-os completa-
    mente em silencio.
    Pouco a |hhico foi se tornando mais afouto; pu-
    blicara os nomes dos oradores, e chegou a auda-
    cia ao ponto de dar conta dos debales do parla-
    mento mesmo durante a sessao. O London Maga-
    zine tomou o exemplo de Care ; era penetrar na
    caverna do leao t
    To inaudita lemeridade chamou a altcncio da
    camara dos communs, e ella disi>oz-se a castigar
    os autores dessas publicacocs, que incornam no
    seu desagrada Pdiam ser inexactos, e podiam
    ser fiis; mas em todo o caso, os membros do par-
    lamento e seus mandatarios estimavam mais que a
    verdade ficasse indita.
    A 18 de abril de 1738, o presidente (lhe spea-
    lar), Mr. Onslow, chamou a si esse negocio, e com
    toda a colera dadignidade offendida fez vera enor-
    midade dessas escandalosas indiscripces, e exi-
    gi que se pozesse termo a esse abuso.
    A discussao moslrou qual era a opiniao do par-
    lamento sobre o uso de se relatar as suas sessoes.
    Sir. William Yonge uniu as suas queixas s do
    presidente, c exclamou :
    Os autores dessas pnbliracoes, que revelara
    e arranjam como Mes parece tdo quanto dizemox
    e fazemos, nen ao menos tem a desonlpa de esta-
    rem terminadas as sessoes, e se nao forera puni-
    das, as nossas votacoes e discursos sero apregoa-
    dos as mas em quanlo anda nao estrennos
    funecionaudo neste recinto. Boberto Walpole,
    tomou a patarra nessa questao, e disse : Tenho
    lido relaces dos nossos debates onde me altribuein
    patarras inteiramente contrarias s minhas ideas.
    Tenho lido outras, as quaes todo o espirite, toda
    a razio, e toda a sciencia pertcncem a um dos la-
    dos da camara, ao passo que o outro ladp todo
    baixeza e ridiculo, e entretanto, quando se tratou
    da eleico, pronunciaram-se contra o partido que
    tinba a seu favor a lgica e a justica...
    O principal argumento contra a publicaco dos
    dbale-* do parlamento era a sua inexactidao ; mas
    um certo Mr. Pultenay chegou a sustentar que o
    publico nao tinha o direito de saber o que se pas-
    sara na camara.
    A absoluta prohibico de dar conta dos debates
    da camara dos communs nassou com unani mida-
    de de votos ; porm essa medula s serviu para
    excitar mais a curiosidade publica, e essas publi-
    caces dos debates parlamentares rendiam tanto
    aos jornalislas que clles nao podiam concordar em
    renunciar a ellas. Becorreram a diversos estra-
    tagemas.
    No seu Magazine de junho de 1738, Cave pu-
    blica os debales do senado de Lilliput e designa os
    oradores iranspondo as lettras dos nomes.
    A Chromca de Saint James offereceu aos seus
    leitores os debates da cmara de Utopia.
    London Magazine deu aos oradores aomes ro-
    manes, havia um discurso de Octavio Augusto so-
    bre a laxa das rendas, e mostrava-se como Julio
    Cesar fallou tres horas sobre es impostes eccle-
    siasticos.
    Perguntava-se a razo porquo a camara dos
    communs nao obsta va a publicaco desses deba-
    tes, fazendo executar a ordeni que exclua os es-
    tranhos de lugar de suas sessoes. Provarelmen-
    te ella reputara essa medida anli-censtitucional ;
    mas como o poro foi muitas vexes expulso da sala
    dos communs, convm entrar em pormenores a
    este respeito.
    dad
    csame
    ou
    tem. T nao tens nenhuma necessidade de te ca-
    sar; o que t eareces de trabalhar.
    E para eu trabalhar que esteu meio dis-
    (ConHnmr-se-ha).
    Agora ds-me
    Est bom!
    nada!
    E bem pouco ou nada o que te dou....
    E podes te acreditar que eu aceitara o te
    tudo e ficas sem liberou-se que nenhum membro do parlamento da-
    ra copia dos seus discursos, nem os faria impri-
    mir sem perraissio do presidente.
    Dez das depois rotou-so ainda sobre uma reso-
    " .... ____. .a .,;, a i tmcn talirafir a nr<>iMta do Sr Closeau du natrimoio?...... j lucao no mesmo sentido ; mas todas essaa medidas
    sent, todo turnado de massos de papis, deli- pos o a abracar a propesta W. uo. canda Pa ^..j^, s6Xteotni a ph rases cara- foram mal observadas, pois a de fevereiro de
    vros de registros de letras, e de dianos erazoes lam. panudas, nao poderemos nunca entender-nos. Uma! 164 a camara dos communs leve de excluir do
    de lombadas verdes, e d'ali se diverta em dirigir! Ah foi o amigo das arles que te metteu em OScrvacio : recete que haja em ti mais soberna e: seu gremio sir E. Dering, por ter publicado uma
    > su casa rnmmereitl de Pithiviers testa da' cabeca cssa bella idea ? talvez raidade do que verdadeiro pundonor. Hesi- collecco de discursos, obra cssa, que oi condem-
    qual se achara, na qualidade de socio era com- \ Foi. aceitar este pequeo servic. da rao de um nada a ser queimada pela mao do carrasco.
    (1) Como todos os homens que rhcgam a posi-
    cocs que nunca deriam oceupar, Guilherme III s
    tratara de faier a sua rontade importando-so bem
    pouco tempo que cada cousa tivesse no seu lugar.
    Encantado pela espirituosa conversacao do joven
    Swift, quiz testemunhar-lhe a sua saiistoeao no-
    raeandoo... capitio de carallarl L. o futuro dea o
    de S. Patricio leve o bom seoao de rejeitar tal
    posto.
    i
    /
    V

    !
    i
    PBNAMBUt.- 1YP. i>E *. f. f. k FlUlO.
    U
    (


  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID EEN7KXZRS_YCG711 INGEST_TIME 2013-08-28T00:54:27Z PACKAGE AA00011611_10270
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES