Diario de Pernambuco

rai rada uta
?iin-es>os qui- se deiam na parle, oriental.
dos aonos de As Iwas qualidades do cavalheiro Leal, ja conne-
s de conloe- cido no Rio da Prata, sao urna garanta efflcaz de
e letaeOendo-' que cssas relaeoes se eslreilarao
: com vanlagcns para os interesses polticos e com-
merciaes desla parte da America meridional.
Por causa da sorproza ipie fez o general Lucas
Moreno de una reuniao de emigrados em urna lina
sido arre- argc-ona, originou-se um novo interdicto entre
da aira |artc os haposlos ; este governo e o de Montevideo.
arfado werum, sqios do
a rdade da Victoria,
a cmara mu-
gal oAVio dc3
recae por excesso de um voto no candidato do par-
tido opposto ao Sr. Berro ; mas se forem chamados
os supplentes por Montevideo e Suriano, a cousa
cada vez mais, | muda de figura, obtendo a maioria de um voto o
candidato do lado moderado.
Nao estando completa a casa, a primeira medi-
da deveria ser a chamada daquelles supplentes;
mas a maioria actual, abusando de sua posicio,
pois que nao a real, se tem esforcado em pro-
ltimamente, a commissao
do, no qual existia um bem sonido armazem de
comestlveis.
As estaefies navaes estrangeiras se deve nao to-
mar o fogo maiores proporyes. Dos uossos na-
vios desembarcaran! duas bombas e perto de 30 ho-
mens com os respectivos ofHciacs.
Aeha-sc entre nos desde odia 17 do correte o
rico estanciciro brasilciro general Xetto.
O chefe da revolucao, como lhc aconselhou o club
de Buenos-Ayres, protcstou contra o emprestimo
Mau em nome della, e declaran que considerava
todas as elasses. O discurso que recitou o director
o Sr. conseluciro iobim, foi ouvido rom atienco,
e sobresahio pelas ideas positivas e eonselhos subs-
tanciosos que continha. Depois deste discurso,
que durou tal vez perto de urna hora, seguio-se ou-
tro de um dos novos doutores, o Sr. Antonio l'eli-
cio dos Santos Jnior, que da parte dos seus colle-
gas agradeceu a SS. Mil. Imprtaos a sua augusta
presenta, e ao director, e aos lentes e seu bom
trato e as sua sabias llccoes dorante os annos es-
colares.
Receberam o grao de doulor os Srs. : Onofre-
Domingues da Silva, Joaquim Antonio de Mesqui-
ta, Joaquim Mariauno do Macedo Soares, Luiz Al-
ves do Banhe, Dionizio Carlos de Azevedo Reis,
Emilio Augusto Pereira Guedes, Raymundo Mon-
des Vianna, Joao Pedre de Miranda, Antonio Jus-
tinianu das Cliagas, Lourenco Mara de Auneida.
Ba(itista, Jos Marciano da Silva Pontcs, Antonio-
t-'ulicio dos Santos Jnior o Jos Augusto Pereira
Lima.
as-
0 general Acha tinha sahido de Oruso em direc-
cao a Cochambamba, com todo o sea exercito.
Em Janeiro se eomecar a cunhar a nova moe-
da de boa le.
Pera, Uma, 18 de outubro. No anno passado
se exportaram pelos porlos que a repblica tem
no Pacilico 30,003,891) pesos.
Ainda no se pode conhecer com exactidao se
estes algarismos cresccram oudimiuuiram no pre-
sente anno.
As eleicocs para renovar o terco das cmaras
crastinar o negocio.
A acreditrmos o que transpira no publico, o ge- nomeada para dar o seu parecer declaran que.
w neral Mitre limiu-se a reclamar a entrega das oes- sendo D. Joaquim Erasquin e D. Vicente Nubel
"""ZL- re- sas e lilil rl lomados na ilha rfii, o castigo do j ,os supplentes em questao), prenles do presidente
iiarte.se chele que os capturan, violando a soberana do ter- da repblica, isto primos carnaes, sendo, aiun
TJt\2r\mmk^l> ritono argeutino, devendo submetter-se ao arbitrio disto, o primeira innao carnal de outro senador
mii-mi-h do eoveruo imperial a classo de satisfacao que o qUe j tem assento, e socio do segundo, nao po-
to Bonito. governo orieuUl deve dar por esse facto ao pav- diam ser chamados, porque havia incompatibit
u aroximo lindo,- Ihao anjentino.
i to ler eacrifto *forahaos dessa
de manifesla, vista do artigo da consliluicao que
Berro contes- estatuioque o Estado Oriental jamis ser o pa-
haems.l'ode Vine.,
de 3docor-
a J-#r Ifcgael dos Aajos
d SrtfeN- Bom J -sus
to S. pacato a aa|*orttncU
lne da sefoada lo
a avw das <*>ras da-
a iwian m #!**""
tm ao inspec-
aoeadento
to instrucrao
Jw^" Fraadsco to Souza.
Uceara cmo
tratar to Ma auto.Onunu-
aaiastrnrcao
da CotMpaahia Prrnambu-
r.u to ministerio da
^ue >-%air |ara o |ccsi-
. lu i K-as e volamos em
*'aajecte*coastaatrs da
ao mesmo presidio.
a aumMii retMauBtrarrs.
Srs. aaealeUa Jaipia'"* ***?
, a aaar natos dar a Caetano Pinto
__kiall ct'trtc em lu-
bbbTTh mp a to estado, se honver |
A essa exigencia parece que o Sr.
so tou que nao reronhece direito para cssas reclama- trimunio de pmoa ou familia alguna.
caes, porque nao houve violacao de territorio, em j Este manejo tem incommodado bastante aos no-
fazo de ser roinmum o dominio dos rios, aceitan- mena que nao estao dominados pelo ceg espirito
to em todo o caso o arbilramenlo do governo do de partido, os quaes deploram quc_ o principa
Paraguay, se se persistisse em crr que era ponto corpo legislativo da nac/io d assim tao deplorave
as tres baleeiras cm que
fallei na
ITr^lu u-nAM-m vis- menorUuvida, porque se expeduam decretos de- este perseguio
jil^iT^Vtarto Pimcn-! clarando traidoras, as pessas que teeio passado ,rrespondencia passada, exige tima completa sa-
res.dve no-! | duviduso, e |K)i seu luriiu pede que o governo ar
gentino castigue e expulse de Buenos Ayres as
commissoes de emigrados orienlaes que d'ora em
diantc auxilelo a revoluciio.
Por esse motivo commissionou-se o Sr. U. Jos
ManiK.I. com carcter confidencial, para que ajus-
te esta questao, o qual devia sabir honlcm para
Montevideo.
opiniao geral que esta uegociacao terminara
pacificamente, porque o general Mitre faz alardo
de moderaran, (wr isso mesmo que conhece o pro-
posito deliberado com que o governo de Montevi-
deo procura complicar os negocios internacioiiaes,
aliui de levanur um pouco o espirito decaludo de
seus sii.-lenlailores.
A impreiisa de Ealre-Rios contina na sua vio-
lenta linguagem, atacando o governo nacional; po-
rwu indubilavel que o general l'rqulza esta na
melhor iutelligencia com o general Mitre, de modo
que |H.r emquanto nao deve haver serios recelos
de novos disturbios.
As rcenles noticias que temos do theatro da
guerra fazem esperar, de um momento para outro,
que leiiba lugar urna batalha.
O exercito do governo sofre grandes desercoes
de cheles importantes, sobre rujo facto nao h
como nullos lodos os actos do governo em relacao que cessou de funccionar no ultimo anno piu.ci-
ao mesmo emprestimo. P[aram no dia -l de ouiuoro. cem al8uma esc,la-
Sc triumphar e chegar a ser gorerno, ha de re- cao e desordem.
Ilectir as graves consequencias deste facto, edes-
truir este protesto que Ihe quebra todo o crdito o
o impossibilita de marchar desde que estabelece
um precedente que naoofferecc garanta a nenhnm
contrato que tenha necessidade de ftzcr, pois que
o seu sticcessor com mais razio poder dcsconhe-
cer o seu emprestimo, como elle desconheceu o de
seu antecessor, que um governo legal c reconhe-
cido por todas as nacoes.
Passarei agora ao estado vizinho.
Koram promovidos a guardas-inarinhas os
pirantes seguinles:
Luiz Pelippc Saldanha da Gama, Euzobio do
Paira Legey, Eliczer Coulinho Tavares, Alfonso
Henriques da Fonseca, Joaquim Raymundo de
Lamare Sobrinho, Jos Vctor de Lamare, Joao
Juslino de.Proenca.Uuintino Francisco das Cha-
gas, Francisco Jos de Lima Barros, Jos Dorotheo
da Silva, Carlos Miguel Conrado, Antonio Augusto-
de A raujo Torreao, Gregorio Ferreira de Paiva
Joo de Gomensoro Wandenkolk.
INTERIOR.
rio B a .%-!: i ko.
As repblicas do Prata, como Saturno, parecem 'I"":,..:,^ P(,rtr (lo Hio (,
fatalmente impel.idas a devorar seus pronrijjjt- KSe* d?Me?e
hos, por mais servieos que elle lhes tenhami pi e Hcnr Fr68 0 do Mtga
exeuiplo da sciso que lavra no partido que su
tenia ao governo, sendo inexplicavel e niusta esta
opposcfw movida ao magistrado da repblica.
O P'aiz, redactado de novo pelo Sr. Acha, tem
estigmatisado vehementemente este proceder, e
por isso parece que o deputado Carreras se dirigi
ao governo, segundo declara o mesmo peridico,
para obter a su.-pensao de sua publicacao; o que
nao eonseguio, como era natural.
l'ma representacao contra o senado se enche
de assignaturas e vai ser apresentada acamara dos
deputados, que apoiou a mocao do representante
Costa, propondo a aecusaco m nome do povo, dos
senadores D. Jaime Estfazulas, D. Vicente Vas-
quez, D. Juan Caravia e 1). Juan Brid, pelo crime
de violacao da constituicao. Sao elles os membros
da coinuisso que deram o parecer cima men-
cionado.
Alm desta difflculdade que embaraca o gover-
no, creada pelos seus propnos correligionarios po-
lticos, est elle tamliem bracos com uma questao
externa que nao aprsenla menores perigos. O go-
verno argentino, nao se dando por desalfrontado
pela violacao do seu territorio com a entrega vo-
luntaria e ant. cipada dos emigrados orientaos que
se apresentaram ao general Lucas Moreno, quando
tororre-to,
-Mgaato latalloo H
to irsas para o lugar
a oafonuidade do
to IH-".Fzeram-se
4a Braviara, resolve rorrigir
atama, derlarando que
moJi para o lalalliao n.
ariuaal do muni I>i aulio Ferreira da
lsso explica
rujo principal i
os movimenlos do general Flores,! j0u iodia 23 o Sr. Jos
sorco evitar o derramamento de uma mi;sao confidencial
sangue estril, pois se elle consegue que passem
liara u seu exercilo os chefes de cavallaria cm
queiu nuis rouliaura tinha o general Medina, co-
mo succedeu com os commandantes Mora, Mada-
naga, este a frente de um esquadio de liezenUis
ptaaaa, capilo (iirdozo e outros olliciaesue pres-
Ugio na tropa, isso equivale a umabaiallia ganlia-
da, nao so |>elo relorro quo leva suas lileiras, mas
"rMtteFernira daltamU-m pila desinoralisaco que se introduz nos
.n ^.^-ivv.ii - m-------"'"- .marda' INdo Tte do Rio-Negro tamhem nao podem as
*' forcas do governo apartai-se das povoacoes sem
serum corridas por partidas da revolucao.
. .... -aj-j Ha das sabio dePajsand o capitao Romero
tolla* liaaan ae i"*- C0|U M MW.IX> para sorprender uma reuniao de
aVaaar^iWM. colorados, c, nao sei como, foi buscar la o veio
-.a* o sr. |*oie-, UjS(^ueado
(Mato
Manoel cncarregado de
junto deste governo que
*>
CaauMBO.Inor-
MnawtMr to tomar aria proxiarial.
"Iiialii i fa fp Mtqdiranle o qm-
I-e 1- toartif I- da lei de d"
toK
to Caaeeirao.laforme o Sr.
toen-rra
i:wifi Baerra to Amara!.In-
a. toxaartator icovedor da Santa
se sabe prender-sc aquello snecesso
Ao mesmo tempo se acha reunida a esquadra
argentina na ilha de Martim Garcia, que vai ser
armada. Estes factes denunciara que lalyez em
breve se desenvolvam aconteementos mui uiipor-
i.inies aqui, a que o Paraguay tambera nao sera
cslranho Sao novas complcacoes que se tecem
com imp'irturbavcl severidade ; porque o gosto de
certa gente, que por infelicdade tem inlluencia
na imprensa, e talvez mais alto, se exacto o que
se propala, consiste em emmaranhar tudo, em per-
turbar a paz por toda a parte, em nonio da ordem
c da felieidade dos povos, que aquelle circulo o
primeiro a sacrificar ao triumpho de seus prc-
jectos.
Poder i o Sr. Berro vencer todos estes embaracos
iBifil AMfcaa Garra da Silva.Passe-
>a aeaara aadia.
Ihiarte da Cosa.I u-
pd-r arott-torda Sama Ca>a
o Sr.
to Sa x Aaaa.laforme
to anaa to Ifa^ara.
Vuaaa. lataraM! Sr. dir.rl.ir
;ndo elle o sorprendido e morto pelo mais temiveis do que a propria revolucao ? E dig-
roinmandante Rodrigues, que, ao mesmo tempo, no de lastima que um partido imcoutr'ora se dis-
Ibes touKHi urna cavalhaua que ia para o exercilo' tngalo por sua disciplina se haja desvairado a tal
do gem-ral Medina. ponto que nao conheca os perigos que corre com o
MaM inoineiito recebo os peridicos de Monte- seu fraccionamento. O general Flores nao teria
vioVoale Itoiilem, e entre elles vem ura bolelim da podido reunir "JOO homens se nao fosse a desuiiiio
ir-forma 1'iuifiia. contendo comuiunicacoes do ge-! dos chefes do partido blanco, qur civeis, qur mi-
acral Mediua. anuunciaudo que vai em persegu-1 litares.
rio do exercilo revolucionario, o qual se vio for- Saliendo como muitos delles desmoralisavam a
cado a inteinar-se na serra de Minas, de|K)is de ler adininistracao Berro, contra a qual fallavam aber-
sotliido grande inorlaiidade em suas lileiras. lamente, entendeu, eenlendeu bem, que nao adia-
ra senn uma op|iosicao tibia, quando nao fosse
to.
Vavtrr Htoar*,Iteferito.
to anata Rasa.latofanto.
na ttt '- dio. laforui.' o Si
PW-
'i
aaiwtis mis.
to nvaaVro dr !>*".
toWaf7V
I eaaaaaaaaate tos armas, taz publico
.imii jii e ennvrnirntos
{artel general,
Atagas. oato se arhava
EXTERIOR
Oino al ao presente as parles olliciaes do go-
verno de Montevideo teem sido depois desmentidas
[elos fados, d.veraos esperar alguna dias para sa-
ber a verdade do occorrido.
Mas desde ja me iuciine a crr que esse bolehm
loi calculado |iara produzir clfeilo na vespera da
partida do paquete inglez.
Entretanto o certo que chegamos ao periodo
em que. pela constituicao, deviam ter lugar as
eleicoes |tara representantes e senadores, por ha-
verm teriiiiuado os poderes da aelual assem-
bla : eatas eWcdea nao podem elfectuar-se de
meneira |ue vamos acharmo-nos sem poderes
ronsUtucionaes, entregue o paiz a duas autoridades
de facto.
'ahi nasrc que j em Montevideo se agilam.uns
para cessar o mando de D. Bernardo Berro, c ou-
tros para prorogar-lhe os seus poderes.
Por isto, o governo convocou os supplentes dos
senadores por Montevideo o Soriano, primos-ir-
nios do presidente, e o senado oppoz-se a convo-
carlo, fundado em que havia incompalibilidade
lejal, eniiegaiulo o assumpto a decisao da assem-
lilea geral eui sessi'ies ordinarias.
Tambciii a assembla votou um decreto autori-
Praariwn to Paala Barros, sando o poder executivo para celebrar operai-Ses
toexerrtoa. 3tlto l to de crdito, alfcclando as rendas genios e as pro-
to Itobataniao de in-' pnedades publicas, para allender s despezas da
ao qual ficou guerra.
As cartas particulares que temos visto de Moo-
r ArfaiVi fVrr#ra to' tevido aaaaM que a derrota do general Flres e
! uma estrategia para tirar o general Medina das
to JMtm-m ItVaa JNoa-; posicies vantajosas que tinha tomado. Veremos
to toas rae arrogado do quein tem razan.
- 28 de novembro.
____________i i Por um mal entendu antecipei um dia a data de
' minha correspondencia, c embora osla circums-
Uncia pouco iullua, visto nao ter sido confirmado o
.Miccesso annunciado no bolelim da Reforma, nio
" i quero deixar de accrescentar o pouco que desde
entao tem occorrido.
Tendo continuado na provincia de Entra-Ros as
manifestaedes de desacato autoridade nacional,
a e os desvarios da imprensa, mandn o governo
geral submetter um conselho de guerra os mili-
Uros que as-igiiarain aquellas manifestacoes |
mas o general l'rquiza, com frivolos pretextos, vae
mtofrsa. El Chache ara-
nda, aa alada aoe Ihe
karohal aa ataarugato do
. Jl. I i ***
Bada wt par maa*1*". *
i |,ania rivii aa lenaali-
pat aacaaf aaaaaato eataaa Ircn-
aiaaia to aenar, nao
da gaerratia aaa araba
para
demorando a execuci'io de taes ordens. Nestas cir- cala-
indiAVreaea completa, c os aconteementos teem
provado quo nao errou cm seu juizo. Assim se
pdem explicar todos os revezes das forcas legaes,
e o descnvlvimenlo da reveluco. Quando eo-
nhecerain o erro era j mui larde, e ainda assim
perseverara na sua loueamareha. Todava oexer-
eito tem-se emendado alguma cousa e por issotem-
sc conseguido algumas vantagens.
Quando sabio o ultimo paptele o general Flores
tinha passado para o sul do Rio Negro, e se achava
em frente do general Medina, esperando-ee a cada
momento a noticia de uma batalha. Depois ma-
nobran elle de modo a interpor-se entre aquelle
general a capital de que esteve alfastado 16 le-
guas apenas, e quasi apanha o general Lamas, que
tinha sabido com .*>00 homens para ncorporar-se
ao exercito.
Por urna diflerenca de 2 horas nao soffreu esto
infeliz general um terceiro re vez.
Dizem os joruaes, e narram as partes olnciaes
do genetal Medina, que para obrigar Flores a um
combate, a vanguarda do exercito legal, as ordens
do general serrando Gomes, reforcada com varios
contingentes, se lanrou sobre ello;" mas que os re-
voltosos levantaran) acampamento, e foram fugindo
em direcciio a serra de Minas, soffrendo na perse-
guico tenaz, com que eram incommodados de per-
to, numerosas e sensiveis perdas, entre as quaes
se, contara os dous irinos Vera, o outro comman-
dante, alm de uma grande carreta com municoes
c roupa para o exercito.
Parece que o general Flores com este movnien-
to penoso, por terrenos mu escal>rosos, procura a
junecao ile varios partidarios, principalmente a de
Fausto Aguilar, que um auxiliar indispensavel;
porcm Medina de opiniao que elle se dirige di
rectamente ao departamento do Cerro Largo para
por-se em communcaco com a fronteira do Bra-
sil, afim de receber della novos reforcos que desta
vez provavel nao Ihe fallera iwr causado desgostu
que ha de produzir na provincia do Rio-Grande a
medida impoltica e inexequivel que o governo
oriental acaba de tomar facultando nicamente pe-
los pontos habilitados a passagera de gado deste
paiz para o imperio, no momento era que ella
se costuraa praticar todos os annos em grande es-
cumstancias parece que o governo traa do tornar
responsavel por semelhantes actos o governador
de Entro-Rios, e sem duvida para preparara
opiniao publica que a Aarw Argentim publicou
um artigo violento contia o caudilho enlreriano.
Ao mesmo tempo communica o governador de
Corrientes ao governo nacional, que o batalhao de
infamara mandado crear desappareceu na sua
quasi totalidade com a maor parte dos olliciaes,
asa se poder saber qual a mo oceulta fue os mo-
re, nem o rumo que levaran). Pensara uns que
estes soldados com as suas armas terao passado
i Banda Oriental, para engrossar as lileiras do povos.
exercilo revolucionario ; outros altribuem esta de*
serco cm masa a trabalhos secretos do general
L'rquiza, quera continuara a supiJr mancom-
munado com os governos de Montevideo o do Pa-
raguay, para a realisacao do plano de formar das
verdade que este decreto nao foi ainda appro-
tado, por mais brilhantc que seja a aureola que os
cinge.
Nao me cansarei em citar os numerasos exem-
plos que poderia apresentar. Limito-me a lembrar
o general Cesar Dias, que se cobrio de louros
frente da divisao oriental na batalha de Caseros, e
que pouco tempo lempo depois era fuziladoem sua
patria, que entao tinha illustrado : e o celebre
caudilho general Penalosa, conhecido pelo seu no-
mo de guerra, o Chacho, que acaba tambera de
ser passado pelas armas, cm Olla, na provincia da
Rioja, onde foi sorprendido por um olflcial subal-
terno, chamado D. Ricardo Rera, e o que outr'ora
foi um dos mais ardentcs em combater a tvrannia
do monstro que por tantos annos esmagou com
so as inaos de ferro aquellos paizes.
Com a morte de Penalosa, na verdade, as pro-
vincias se viram livres do llagello da guerra civil
que ha multo as debilita ; porque as montoneras
se dissolveram por falta de chefe audaz como
aquelle ; mas a nodoa do sangue desse homem
desvairado por uma idea poltica a que servia com
dedicajcao, o que, prisioneiro, foi assassinado, se
pode assim dizer, sem forma alguma do processo,
ha de custar a lavar-se da face da naco argentina,
nao obstante a imprensa e o governo terem-se
apressado a condemnar este critne odioso do agen-
te da forca publica.
0 ministro da guerra pao quiz partilhar a res-
ponsabilidade de um tal acto, que tem sido ropro-
vado geralmente, e-#xpedio um decreto censuran-
do-o com vigor, anda que ^e jnlga que isto nao
basta, e que mister processar o seu autor, em-
bora se liouvesse tornado digno de elogios pela
bella operacao que concebeu e executou, e que deu
era resultado o apresionamento do chefe dos re-
voltosos.
A alegra, pois, qne se sent pela pacficacao do
paiz est nublada por este fatal successo, e os ami-
gos da actualidad sentem que um tao completo
triumpho se tenha assim manchado.
Livre deste pesadelo, que o incommodava bas-
tante, o governo nacional parece inclinado a pro-
ceder cem mais vigor para reprimir a attitude da
provincia de Entre Rios, onde os pronuncamentos
militares contra a autoridade central continuam
mais atrevidos, sem que o general L'rquiza saia de
sua indifferenca.
A linguagem da Xacion Argentina, orgo do go-
verno contra este general, em um artigo recem-
publicado, me induz a crer que as cousas se pre-
parara para uma tomada de rontas. Se submettera
l'rquiza, ou se enllocar testa de urna nova re-
volucao agora que perdeu o excedente auxiliar que
tinha cm Penalosa ? Brevemente receber solucao
este problema, e entao veris se a minha opiniao,
que se inclina para a primeira, c razoavel.
O congresso concloio suas sessoes ha poneos
dias.
As eleicoes municipaes devem ter lugar hoje, e
as de representantes, bem que se tenham da fazer
d'aqui ha dous mezes, j preeccupam bastantes os
espi ritos.
Os dous lados que as disputam sao partidarios
da actualidade, e s estao separados por pe menas
differencas.
Reina alli uma secca como ha muitos annos nao
se observa.
O gado, o trigo, e mais productos do paiz tem
j solTrido extraordinariamente. At na capital j
ella sensivel, e por isso se comecaram a fazer
preces na matriz, e em S. Francisco, para olHer-se
alguma rhuva.
Apezar de todas estas contrariedades do tempo,
de todos os males da guerra civil, e da desunio
dos fillios do paiz, alegra observar o grande tosen-
volvmento que vai-sc manifestando nessa j in-
mensa e populosa cidade.
No da 2.1 do corrente teve lugar a recepcao of-
fical do nosso ministro residente, o Sr. Pereira
Leal.
Neste acto, feilo com toda a solemnidade dese-
javel, proaunciou o presidente da repblica um
mui notavel discurso em rostosla ao do nosso re-
presentante, pelo qual se conhece que as relaeoes
entre os dous estados se mantm no terreno de uma
cordialidade conveniente.
O Sr. Andr Lamas pedio e obteve demissao do
lugar de agente confidencial do governo oriental
naquella repblica.
Das repblicas do Pacifico temos as segumos
noticias :
Chile, i" de mcembro. O presidente convocou
as cmaras legislativas para 20 do mez findo. Estao
cm discusso os projeetos sobre as guaneiras de
Melloncs, o da construeco de um quebra-mar
no porto de Valparaso," e os orcamentos para
1861.
Debate-se tambem um interessante projecto so-
bro a compra de terrenos indgenas no territorio
da Araucania.
Uma numerosa populacao de industriaes e agri-
cultores comeca abluir para aquellas localidades,
attrahidas |>elas vantajosas espeeulacScs que se p-
dem comprchender.
Parece que o governo chileno envin ordem ao
seu ministro no Mxico para se retirar daquclta ca-
pital, devendo ir esperar nova resoluco nos Esta-
dos-Unidos.
O caminho de ferro central j rende de 900
1,000 pesos por dia. Um agente de Mr. Brasscy,
que o principal eontratador dos caminhos de fer-
ro na Europa, se acha em Santiago, e propoz ao
overno a prolongacao da via frrea do suj por
alca al Chillan e Concepcin, obrigando-se a
2j de novembro de i 803.
Foram nomeados o capito de fragata Jos Pe-
reira Pinto para o lugar de capitao do porto da
Grando do Sul, por
Io tenente Jos
enrique r roes para o do delegado da capitana de
Porto-Alegre ; sendo ds|>ensado o capito de fra-
gata Manoel de Oiveira Paes da commissao para
fra ltimamente nomeado, por adiarse
que .
doente, pelo que obtivera licenca para tralar-se.
Por eulro decreto da mesma data foi concedido
ao fapitao de fragata Antonio Caetano Ferrai re-
forma no posto de capitao de mar o guerra com o
respetivo sold, por contar mais de |W annos do
servico e estar impossibiltado do coninuar nelle,
em consecuencia das molestias que soffre.
Escrovem-nos do Bananal:
Foi preso no da 0 do corrente em seu
sitio,
de S.
L-sc na :Sentinetla de Campos do 18 do cor-
rente :
No da 13 do corrente um hospede do Sr. An-
tonio Jos Rodrigues Fluminense, que dizia ctaa-
mar-se Alexandre Duarte de Oliveira, natural da
Baha, snicdou-se com uma forte dse de opio.
c Das pesquizas feilas peloSr. Dr. Sampaio re-
sultou a declaracao por elle feila de que nmrria.
Kira ser honrado, e para nao ser pesado ajgaeaa.
eclarou mais que para a sua morte ninguno em>
Campos eoncorrera directa ou indirectamente.
Inslitiiio herdeiro ao Sr. Jos Goncalves Pe-
rigrino Silva, a quem deixou muia e boa roupa o
algumas cartas, cm uma das quaes pedia que se o
achassem ainda vivo Ihe cravassem um punbal no
peno em vez de Ihe ministraren) soecurros.
Um veo mysterioso, pois, cobre a causa verda-
dira da sua morte I >
28
Por decreto de 2o do corrente concedeti-se re-
forma .nos majores Antonio Maria Cabral de MHIo-
e Francisco Joaquim Pinto Pacca, este do corpo
de cavallaria do Mallo-Grosso o aquelle do le
eslado-mainr de i'classe ; bem como ao capitao
do 4o batalhao de infamara Francisco Caetano
Soares, todos na conformidade do i* do art. 9*
da lei n. 64H de 18 de agosto de 1852, visto sonre-
ren) molestias ncuraveis qne os tornara icapaze*
do servco activo.
Sr.
dous
perto da cidade de Bananal, na provincia
Paulo, Joaquim de Magalhaes Couto, em virtude
da requisigao do Dr. chefe de polica da provincia
do Rio de Janeiro, como um dos indiciados no
crime de moeda falsa ullimamente descoberto no
municipio de S. Joao do Principe, na fazenda Rio-
Abaixo.
A prisao foi effectuada por olnciaes de justica
auxiliados por uma forca de permanentes da pro-
vincia do Rio de Janeiro, que foi posta disposi-
Co do Dr. Joo Udislo Japi-Ass de Figueiredo
e Mello, juiz de direilo da comarca, o quaj pessoal-
mente dirigi a diligencia. O dito Magalhaes adia-
se tambem processado por crime de ronbo de es-
cravos.
Este individuo, que consta ser um dos cnert
dos moedeiros, escapara busca dada pelo
chefe de polica da provincia, retirando-se
das antes. Os seis individuos que foram presos
nessa diligencia sao : Feliciano Dias Valladao e
um filho, Joo Pedro de Souza, cadete Fres e
mais dous, cajos nomos ignoramos.
Pela polica da corte foram presos e remetimos
aiii.'-hotitein para a provincia, disposico do res-
pectivo chefe, Gil Eustaquio da Molla, Joao Jos
Pinto de Azevedo, Bernardo Joaquim Marques
Parante, Antonio Pereira da Costa Jnior e Fran-
cisco Teixeira de Souza Pinto.
26
O mestre de 1' classe do corpo de ofllciaes mari-
nheiros Manoel dos Santos Tavares foi por decreto
de 12 do corrente reformado com o respectivo sol-
do c as honras do posto de 2o lente da armada-
na forma dos arts. 12 e 13 do plano que acompa.
nhou o decreto n. 2,109 de 20 de fevereirode 18o8,
Por portaras de 21 do corrente foram nomea-
dos : .
Manoel Jos de Oliveira Franca, para agente do
correiodo Desemboque, na provincia de Minas, por
demissao concedida a Joaquim de Paula Machado
Manoel Pereira Villaca, para ajudante do de llaju-
b, na mesma provincia, por demissao concedida
a Jos Manoel Perejra Guimaraes; Pedro Lomes
Prenle, para ajudante do da villa da Chapada, na
provincia do Maranho. por demissao dada a Fran-
cisco Joo Pimentel.
Reunram-sc hontem ao meio-dia, na praca do
eommercio, alguns negociantes importadores dos
gneros denominados de estiva, e os membros da
commissao fiscal do convenio de molhados, afim de
deliherarem sobre algumas dsposic5es .tendentes
a harmonsar sobre essa convenci os interesses
de ambas as partes.
Foi apresenlada e lda a proposta seguintc :
t Os abaixo assignados, D. Antonio de Aranaga,
Emilio Privat e Jos Pedro Martin, commerciantes
importadores e commissarios desta praca, e Jos
Lo|>es da Costa Moreira, Domingos Ferreira Pinto
e Nuno Freir Dias Salgneiro, commcrciantes da
mesma e representantes da convenco particular
de 7 de setembro do corrente, entre os commor
A cmara municipal de Marica nomeou nina
commissao composta dos Srs. visconde do Itnbo-
rahy e Drs. Joao Manoel Pereira da Silva e Luiz
Francisco da Veiga, para agradecerem ao conde
de Malraesbury e outros membros do parlamento
inglez a maneira porque defendern! a poltica
brasileira na questao suscitada pela legaco in-
gleza nesta corte.
Os dous individuos cojos nomes ignorramos
presos com outros quatro no municipio de S. Joao
do Principe pelo crime de moeda falsa, chamam-
se Manoel Francisco Cardoso e Jeronymo Pires.
Como implicado no mesmo crime foi ante-hon-
lem preso na corte, e remedido para Ntherohy
disposico do chefe de polica da provincia. Ma-
noel Jos de Souza Ribeiro.
29
Em 25 do corrente :
Tiveram merc do foro de moco lidalgo com
exercicio na casa imperial Antonio Delllm Simes
da Silva e Carlos Delllm Simes.da Silva;
Foram nomeados cavalleiros da ordem de S.
Bento de Avz os capites Felisberto Augusto do
Souza e Joaquim Martina Fontes.
Foram apresentados os padres : Joaquim Fer-
reira Ramos, na igreja parorhial de Nossa Snhora
da Conceieao do Arroyo, e Joaquim Lopes Rodri-
gues, na do Divino Espirito Santo da rirtade de Ja-
guarao, da diocese do Rio Grande do Sol; e o pa-
dre Candido Augusto de Mello, na igreja parorhial
da cidade do Serr, da diocese o provincia de Mi-
nas-Geraes.
Permitto-se aos parochos collados Jos Eimgdo
Jorge de Lima, na freguezia de Nossa Senhora do
Desterro de Ilambv, do municipio de Itaborahy. e
Tito Pereira de Carvalho, na da Santissima Trin-
dade o Santa Auna, do municipio do Santo Anto-
nio de Sa, da provincia e bispado do Rio de Ja-
neiro, permtitarem entre si as respectivas fre-
guezias.
Foram naturalsadoscidadosbrasileiros os sub-
ditos porluguezes Joaquim dos Santos Souza o pa-
dre Francisco de Miranda Pinto.
Sob a presidencia do Sr. D. Antonio de Aranaga
reunirain-se hontem na praca do Commercio va-
rios negociantes importadores desta praca e a com-
missao li solverem sobre a proposta apresentada na reiinilo
de 2a do corrente e qne publicamos no dia se-
guinte :
Servio de secretario o Sr. Domingos Jos de
Campo Porto. Enlrando em discusso a propasta
oraram sobre ella alguns negociantes, sendo a final
approvada com a -egninte emenda apresentada
pelo Sr. Campo Porto :
Proponho as seguales alteraces no accerdo
entre os tres negociantes importadores i Si s. Ara-
naga, Privat e Martin ) e a commissao do convenio
dos negociantes de molhados :
t No art. 2. Na escolha on designacao dos ne-
gociantes a quem os importadores pdenlo vender,
ctaite7d7raoihados'por atacado, q'nerendo harmo- \ liaver accordo com uma commissao de imporia-
nisar os disscntimenlos qne lera havido entre as dores, que tambem se encarregara de especificar a
duas elasses, concordaram.para intercssecommuin. i qnahdade dos gneros que poderao ser vendidos
as seguinles clausulas : aos atacadistos e varegislas
1." Os prazos das vendas de mercaduras cha-1 t No art 1. Que a raliheacao deste contrato
raadas da estiva, cffectuadas pelos importadores e seja levada a effeito rom a maior promptidao.
que actualmente erara de 10 metes para vinho, e Augmenle-se o sega inte artigo :
8 mezes para os mais gneros, passaro, por pro- i t Art. 5." Sera vedado aos negociantes atacadis-
posta dos commercanies importadores, a ser de las que recebem gneros do exteriora censigna-
6 mezes para o primeiro artigo e 4 mezes para os, cao ou conta propria, poder vender aos aregMas,
oulros. Para sso se conseguir ser deduzido um | ou mesmo ficar com esses gneros, entendendo as-
mez em Janeiro de 1861, outro cm julho do mes- rao anno, e assim por diante at o ultimo semestre serio os mesmos a quera os importadores poderao
da 1805, fazendo os coramerciantes importadores, | vender.
durante ese tempo, o descont relativo difieren-1 Decidise que a commissao a quo se refere
ca dos prazos actuae.-. De I de Janeiro do 1866 proposta supra fosse a mesma signataria da
_._^---------: .i .!. posta.
a
T0-
vado pela cmara, a quem est submettido polo po-1 pnaifnif, com capites proprios, que o Chile re-
dor executivo; p-rem e umaameaca erguida sobro I embolsar era 20 e 40 annos, abonando-lhe um ju-
os inierosses radicados, que, bem que impotente,' ^ je 6 iO ao anno
nao deixar de produzir seu elfeito. I l
Esta providencia, como j provou o Sr. Villalba' Estas condic&es vantajosas ainda vao ser modili-
no relatorio que apresentou quando ministro da fa-' cadas.
zenda, prejudlca igualmente os dous paizes, e por-' Cosa Rica, 26 de setembro. EsU repblica se
tanto para lamentar que o actual governo a to- mantera tranquilla, e sem tomar parte na guerra
masse irrellectidamenle, arriscndose a perder dos demais estados centraes.
svmpathas externas, que muito e muito deve No dia 1S de setembro se festejou com entnu-
cltivar no interessa da paz e bem-ostar destes siasmo o anniversario da independencia.
Nicaragua, 1J de setembro.O pai* esU eotbamo
Ha mui fundante esperanca* que elle reconside- em consefinenca da gderra.
rando o assumpto como convengo deixemorrer as O general Martnez contina no exerciclo da
amaras. presidencia
Os jornaes de Buenos-Avres publicaran, e os Htiuhtrai, ib de setembro. O novo presidente,
desta banda transcreveram, uma interessante cor- general Medina, funecionava sem opposicao. For-
em diante os prazos serao os cima convenciona-
dos sem descont algum.
1 Por sua parte cm compensaran, os com-; Julgou-se hontem e foi pelo supremo tribunal de
mercintes importadores concordam' com a con- ustica negada a revista que os Srs. Gomes Freir
reacia citada na parte relativa a s venderein os do Andrade Tavares e outros interpuzeram dos ac-
generos que receberom commissao ou de conta cordos da relacao do Rio proferidos a favor do Sr.
propria, s firmas commerciaes das casas de mo- visconde do Bomlim.
I hados por atacado, que a commissao da referida ; Foram juizes revisores do processo os Srs. con-
convenco apresentar como taes, em qualquor tem- selheiros barao de Pirapama, relator, Pantoja e Br-
os, seja'm ou nao signatorios della. to ; e o relatorio dorou ceiea de 4 l| horas.
3.* As dausulas cima s terao vigor no case Fundamentando seus votos, declararam os mes-
dos signatarios da convenco, e maioria dos im- mes senhores que nao proceda a nollidade do con-
portadores as assgnarem, ficando para isso, on- trato, e por consequencia do processo, por nao ser
carrcffados : a commissao, do conseguirem asas- apphcavel a questao a peculiar legislacaosobre or-
signattuas dos convencionistas, e os tres impor- phaos, e que a allegada leso nao se collige dos
tadores abaixo assignados, as da maioria dos ou- autos, visto como os clculos e os. dqcunieoios.au-
U^os importadores recH,0S fi!it"oem-se intimamente, nao podendo-se
4 -A ractificacao leste contrato ser feka at por tanto dizer que a relacao do Rio, reformando a
o um do corrente mez. Rio de Janeiro, I de no- senleoca de primeira instancia, fez injust.ca noto-
vembro de 186'! "a aos recerrentes, observando o Sr. barao de 11-
(Segnem-se as'assignatnras). rapama que prescinda, como coslnnnv^^'Z
Por propona do Sr. Boge foi adiada a discusso no exameo na apreciacao das provas, entenaenno
desta p-oposta para o dia 28 do corrente, em quo quo ao supremo tribunal de jnstica nao e licito
,1o novo re rounirao os negociantes importadores rare-lo. ,-,;,,.
e a commissao fiscal .lo convenio. l^^ui^"^0,""siliTra Veia SU
______ | os Srs. eonsemeiros Almeida, Siqneira, veiga^Mi-
Tiveram ordem de apromptar-se |wi a sabir em va Tavares-, Ernesto Franca, (
commissao as corvetas Nitherohn e Imperial
revista.
O-Sr.Cornelk) Franca nao votou per ter inter-
JPtt- Simes e Machado Nunes, que tambem negaran) a
rinhiro e a canhoneira Par*aliyba.
27
Foi nomeado inspector da iwgadoria das tropas
da corte o pagador da mesma Domingos Jos Al- j
vares da Fonseea, e pagador da referida, pagadoria
o fiel do Iheaonreiro geral do tbesouro nacional
Antonio Eulalfo do OtTreira Pinto.
vindo seu irmo no julgamento.
Por decretos dfe 27 e l do correte :
Foi removido o jnlz municipal e de orphSos Er-
nesto Goncalves Martns, de termo das Larangcira*.
na provincia de Serglpe, pam os termos reunidos
Etfectuou-se hontem o acto solemne do doutora- do Carmhanha e Tfoiite Alto, na provincia da B-
enlo, na augusta presencade SS. MM. Imperiacs hia por assim o haver pedido,
e ante uma numerosa concurrencia de pessoas do
Foi rcconduzido o bacharel Jos Manoel de Fre-
(
' I


Diario de reroaaihnco Tere fefe I* de Dpwmr.ro de 180.
ronos dos fe*chraram:e esperando verseas fiflios para rommissTw encarregada de tratar cent a do ron*- cuntribuindo ctarmiito para lo bo dsposiyo e
. .. __ .J._______E_ ______ __.,t. i. J_ n. ilnc lunnuiohii iin mnlhiilnc nc mniiviKniii fellZ reSLllado a imneira riicn.i eamiave rom
darem-lbe urna lienta paternal, e recebe-U da-
adla que respeitavam Unto, enrontraram sua
casa reduzida a cinzas, e essas cinco desgranadas
acataras, sem vida, queimadas pelo fogo e redu-
ndas a ossos lmente I Fez-se auto de corpo de
dclirto. e hontem 26 entregou-se tetra os cornos
desses infelizes.
. O roaior de seas Unos leria 10 annos, e o
menor 61
I-e-se na mesma fulha de 31 :
Pessoa fidedigna coinnranica-nos o seguate :
Ib moco do Rio de Janeiro, e que da villa Chris-
tina se diriga as Aguas-Virtuosas, foi accorarnrt-
. ndo por urna onca pintada n serra de Joao Go-
de La- ates, prximo au rio Lambarv, a qual aerrubou-o
de S. "
bastido Jos ias.JoaquimJose Dios.Jos Fian-
aio dos negociantes de motilados os motivos que feliz resultado a maneira digna e amigavel 'com cisco Xavier.Antonio Jos da Fonseca.*
esta oppunha em anonir emenda do 8r. Campos que vess distmeto collega, S. Exc. o Sr. mimslro O gerente da companhia de navegaeao iacuhy,
Porto, na parte relativa nos gneros que os ataca- do Brasil na Repblica do Uruguay, preparou que tem feito uso desse combustivel, oertiHcou a
distas recebessem por conta propria. nossas mutuas reacSes em tal sentido. sua ulilidade nos termos seguales .
Fallaram os Srs. Privat, S Passos, Boje, Scb- Entretanto, felicito me de que S. M. o lome- Desde que so pi iucipiou a extrahir o carvao
midt, Leal, Aranaga e Hime, e tendo tambem obli- rador do Brasil tenlia tido a beui flxar-se na dis- da mina do arroio dos Ratos,* companhia Jacuby
do a palavra o Sr. Campos Porto, cliamou a atten- tincta pessoa de V. Exc. para constituido o digne do navegaco a vapor tem seiupre applicado esse
cSo dos seus collegas para a posiyo que Ihes cum- interprete de suas elevadas vistas e deseus benevo- combustivel no uso de suas caldeiras com prefe
pra assumir. e pedio licenca para apreseular a los seutimeutos para com a afia argentina, que
seguinte proposta, que movou, edenomiuou: cordialmente lli'as retribue por meu intermedio,
Convenio dosneaotiantes importadores de gneros de fazendo sinceros votos pela felieidade do sua au-
estiva : gusta pessoa e pela prusperdade o bem estar do
1.* Qae os negociantes importadores de gene- generoso pavo brasileiro.
ros de estiva se obriguem a nao sujeitareui-se s ------------
condices do convenio dos negociantes de molha-; Partiram boje s i Va.horas da manhaa, segun-
reuea a leulia, que at enlao usava, lieaudo su-
bentendido que, se a couiuauhia nao roconhecesse
vaulagem na appJieaco desse combustivel, nao se-
ria, como tem sido, a primeira na escala dos eou-
sumdores.
i Se, como verdade, o carvao dessa mina nao
tem aiuda atingido a un grao de pureza tal que se
ocavillo abaixo disnar o ste, a ponto de ser dos, vendendo os seus gneros a quem melbores gundo lia vamos noticiado, acrvela Niiherohy c possa igualar ao New-Castle, a que tanto se appro- ultimo, expondo
iieimi< enrnatrari meia' leeual disiante do lugar condices offerecesse, embora nao fosse signatario a fragata Amazonas. I xima, nao e menos verdade que as ultimas datas ,errao de |la i(
3 ,. ..;* i.m.... JLi\L.i,Wt. do convenio de molhados. I ------------ foraecidas antes da obslruccao da mina, era con- 0 desnacbn em
oade aa den esse lamealavel incidente.
t O feroz animal j se preparava para devorar
a |.resa: felizmente, porm, os grites continuos
deste o assustaram, a ponto delle fugir por enlre
as matas.
J por veaes se tem encontrado oncas aessas
alturas, e mesmo na serra, caminlio que desta ci-
e' dade se dirige as Aguas Virtuosas; nao lia muito
- que uin descuidado viajante ia sendo victima de
que uin descuidado viaja
urna dessas implacaveis feras.
2-
Foramelcitos deputados geraes pela provincia de
Govaz os Srs. : ^^
Dr. Andr Fleury............... 289 votos.
Dr.Theodoro Rodrigues de Moraes. 276
secretario eral
aacioaal da ea-
14c Barras randa, leneale
4 cera ** eavallaria n. 5
I a araara de S. Pedro de
FaVemlark, lente
de reserva n. 12
fomecidas antes da obslruccao da mina, era coo-
Por decretos de 23 c 30 de novembro e i do cor- secuencia da paralysaeo dos trabalhos, reconhecia-
renle : se urna superioridade s primeiras carnadas, o quo
Foi aposentado o juiz de direito Joaqaim Ber- deootava que aa raaior profuudidade se encontra
guerra destinado viapem de nstruecae dos aspi-
rantes, que pasearan! ltimamente para o 2" e 3-
anno da respectiva osela.
Por portaras de S do eorrente foram no-
meados :
l'ratiranies da nossa alfandega : Jos Mondes
Pereira, Jos Felippe de Moraes e Silva e Frau-
eisi i Ursioinio de Curvadlo Paes d'Andrade ;
Ditos da receliedoria de rendas : Jos Delphi no
da Silva Csrvalho c Silvino Claudiano de Albti-
querque Sobreira.
Pelo ministerio da jastca baixou a seguate
derisw :
Bio de Janeiro, 20 de novembro de 1863.
Illin e Exm. Sr.A Sua Magestade o Imperador
foi presente o offieio de V. Exr. de 8 de outnbro
a consalla do juiz municipal do
llapieiirumirim, que duvidou ciuiiprii
o despacito em que o juiz de direito da comarca
por provimentoem correicao ordenaai ue os li-
vros lindos de notas dos tabellies pulfceos do ju-
dicial fossem recolhidos ao archivo da cmara
do convenio de molhados.
2." Quo a reduccao dos prazos por que sao
vendidos os gneros seja feita tal qual dispoe o ar-
tigo 1" do projecto dos Srs. Aranaga, Privat e
Marlin. nardes da Lunha ; m o combustivel mais limpo da corpos esli'a-, mutiici|ial, (v>nrirme detortnina o art. da lei de
3, Que so nomeie urna commissao composta Foi designada a comarca do Rio-Claro, de 1" eu- | olios. 30 de outnbro de 183 : o mesmo augusto senhor,
de um memoro de cada urna das nacionalidades traocia, na provincia de S. Paulo, para nella ter : Ja falla de coulieciineutos scieittieos para teodo ouvido o conselheiro consultor dos negocios
de que se comp5c o corpo de negociantes importa- fixercteto o juiz de direilo Antonio Barbosa Gooies IraUr a respeito, suppro expendeodo aquellos que t jstcai |l()Uve por bm approvar a deciso que
dores, alim de que se encarregue de coafeccionar >ogueira. teubo colhido coin apratica de cinco annos, e por areferidaconsultadeoV.Exc.de accordo com
as bases deste couveoio, recollier as assignaturas Foram removidas : i isso reitero o que cima disse, islo e, que a com- e parecer d0 desembargador procurador da cora
dos seus collegas e velar pela flel execufao deste O juiz de direito Joaquim Pedro N iliaca, da co- panlua tem reconliecido vauUgem 110 uso dosse da relacao do dislricto dessa provim-ia, deelaran-
compromisso. : marca de Paracat, de 1* eotrancia, para a de Sa-, combustivel em qualquer das caldeiras dos oito do que os bvros fmdos de notas que devem ser
Posta em discussao esta proposta pediram a pa- pucahy, do ^, ambas na provincia de Minas-Ge-1 vapores de sua propriedade, quas todos dilTereates entregues aos socreUrios das cmaras municipaes
lavra sobre ella diversos negociantes, sendo aflnal raes; ^____/._ .___. _, __.,.._ naiorganisacao. ^ ^ ___' para serem guardados nos respectivos archivos em
4a Crac Carneara, leaente roro-
> reraa t ca^llaria da
4a frenada 4a Paran ;
4c liandr aiajor cumman-
4ecavalaria da guarda na-
fraawia :
J. Correa, aajor commau-
a. S 4a dita guarda aaciona
approvada. 1 iuiz municipal Antonio de Padua Hollanda Ca-
Procedendo-se deuois eleico da commissao valcanti, no termo de S. Miguel, na provincia das
indicada oa proposta', foram escollados por accla- Alagoas, para o da Cruz Alta, na de S. Pedro do
macao os seguintes senhores : Rio-Grande do Sal, por assun o baver pedido.
Allemao, Schmidt: Brasileiro, D. Jos de Cara-! r oratn nomeados :
pos Porto; Hespanhol, D. Aotonio de Aranaga O juiz municipal Jos Antonio Alves de Brilo,
Francez, Marn : Inglez, Jordn Crevvse ; Ralano juiz de direito da comarca de Parao, de r en-
Zignaco ; Xorte-americano, Joao Merveu Carrere; traocia, na provincia de Minas-Geraes;
Porlii"uez V. P. de S Passos. 1 O juiz municipal Constantino Jos da Silva Bra-
ga, juiz de direito da comarca do Paracat, de 1*
entraocia, na mesma provincia ;
O bacbarel Vital Fcrreira de Moraes Sarment,
juiz municipal e de orphos dos termos reunidos
de Santa S e Joazeiro, na provincia da Babia;
O bacbarel Francisca Brandao Cavalcanti de
Manoel Fui- Albuquerquo, juiz municipal e de orphaos do ter-
*ftan4e rriaiaim Maldonado para agente do qulm" de Almeida Nogueira, Minas-Geraes Anni- BO de Iuojuca, na provincia de Peruambuco;
rr o de S F?andsco d Pan a no Rio do Janei- \ bal Antunes Maciel Jnior, Rio Grande do Sal ; O bacbarel Manoel Januano Bezerra Montene-
1 Loiz Pereira Dias, Rio Graode do Sul \ Jos Gon- gro, juu municipal e de orphaos do termo de Cani-
ca! ves de Oliveira, Maranh3o ; Eduardo de Almei-
da MagalhYs. Minas-Geraes; Jorge. Candido So-
Por portaras de 30 de novembro rindo foram no-
meados :
Hermenegildo Lopes Reis, para o lugar de agen-
te do correr da villa de Jaicoz, na provincia do
Piauliy. vago por demissio concedida Joaquim
Manoel 4e Lima;
Francisco Jos da Silva Coqueiro, para agente
do rorreio da viHa de S. Raymundo Nonato, no
Piauhy, vago por nao haver aceitado o lugar Luiz
Correa de Lima;
Manoel da Fraga Pimentel, para o lugar de
agente do correio da Laga Vermcllia, em Sergi-
pe, vago por demissio concedida Francisco Pe-
reira Vaniche
Tomaram hontem o gao de hachare! cm setn-
elas mathematicas e physicas os Srs. Marianno
Alves de Vasconcelos, natural do Para ; Joao Dias
Cardoso de Mello, Rio de Janeiro ; Antooio de
Paula Freitas, municipio neutro; Alfredo de Esra-
ragnelle Taunay, municipio neutro
correio __
ro, vago por demissio coocedtda a Domingos Coe-
Ihode Faria Magalhaes;
Joaquim Jos da Silveira, para ajudante do cor-
reio da Laga Vermelha, em Sergipe.
, Maaod 4a Cunta e Manoel
1 4r Cararfa*. ateces ajudaales de ordens
4a asara nacional dos
e rataieira na mesma
m* rarlMT* 4e Cacvalho. eaailao qnarlel
1 sopenr 1 provincia :
J-*4c Alaada. cap lio rinir-iao-
i4o sofwo.'r e provincia ;
Prs iarcia. ca|Hlio quar-
4a guarda nacio-
nal 4>
WantMIcr. lente cortmel da
4a provincia 4c Santa Catharina
Por deemos de 14, 20 e 24 de novembro
Foi dispensado de todo o servico, por tempo in-
c determinado, na conformidade do art. 61 da lei de
19 de setembro de 1830, o rommandante superior
da guarda nacional da capital da provincia de S.
Paulo, Ignacio Jos de Araujo; c desigoaodo o co-
ronel de P ludia Jos Amonio da Fouseca Galvao
para exercer o reerido cargo, oa forma do art. 62
da mesma lei.
Concedeu-se passagem, como aggregado, para o
1" uaialho de reserva da guarda nacional da pro-
vincia de S. Paulo Manoel Antonio Bittencourt
tenenle-coronol chefe do estado-maior do comman-
do fUperior da guarda nacional da capital da mes-
ma provincia.
Foi suspenso do exercicio por tem indetrnii-
nado o lenente-coronel commaudantc do liatalhao
de infantaria n. 15 da guarda nacional da provincia
do Piauhy, Joaquim Domingues Moreira.
Naacs Mtrara. lente coronel da
I 4a proviacia de Miaas-Geraes, no
raaitio 4a guarda nacional
a l*4o de maj^r ;
4c Castro, aaajor da guarda na-
4 a*e dr Janeiro, ao posto de
de reforma, no poste
Jaa liOpes. capio refor-
aariaaai 4a provincia de Pernam-
Reuniram-se hontem os assignanles da piara do
cominercio, alim de elegerem a commissao direc-
tora que tem de servir uo auno prximo futuro de
1864. ,
Recclicram-se 110 cdulas, sahindo eleitos os
Srs, :
pina-Grande, na provincia da Paraliyba ;
O barbare! Antonio Hennques de' Almeida, juiz
uher Barbosa, Maranbao
Brink, municipio neutro
Coutinho, Bio do Janeiro
da Silva, Rio de Janeiro.
; Gustavo Adolpho Ton- municipal e de orphaos do termo de Maranguape
i: Luiz Martins da Silva na mesma provincia ;
1; Luiz Carlos Marianno O bacbarel Jos de Araujo Bacellar Jnior, juiz
Em Sania Catharina saldr o presidente da pro-
vi m ia a visitar as colonias do norte.
Ali entrara, como j noticiamos o, corsario con-
federado Alabama com a barca Tascaloosa, alim de
prover-se de mantimentos finos.
virtudeda loi de 30 de outubro de 1830, sao ni-
camente 05 4w enrieles de paz para tal fim ru-
bricados por un dos vereadores, e nao os dos la*
Por
dos :
portaras de 7 do crrente foram nomea-
Carlos Prospero Ratton, para praticante do the-
souro nacional; o guarda da alfandega de Para-
nagua, Leonardo Moreira dos Sautos, para fiel de
armazem da mesma alfandega.
Por decreto de i' do inw. passado foi aprsenla-
de o padre J0.I0 Biplista Mor, na igreja paroebial ii,!tlu/.ir nias de 17'>5,
de Nossa Senhora da A"iuu;>cJj de L'.aeapava, da 0 rendiinenlo seja sai
diocese do Rio-Grande do Sul.
Entrou esta manhaa do Rio da Prata o paquete
inglez tlersey com dates do Dneeos-Ayres at 29 c
Montevideo 30 do passado.
O successn mais importante occorrido na Rep-
blica Argentina sem duvida a morte do general
Penalosa, o famoso caudilho que as planicies da
Rioja e nos sertoes de S. Juan zombava das foreas
do governo central, e muitas vezes veoeido, ounca
esmagado, roapparecia sempre, sem que, vivo elle,
podesse jamis extinguir-so o facho da guerra
civil.
Foi cm Canete, na provincia de S. Juan, que o
Chacho se vio derrotado pelo major Igarjahal.
Poucos dias depois em Olla, na Rioja. vio-se sor-
prendido ealcancado pelo implacavel iainigo, que
sem pejo espingardeou a sen prisioneiro.
A ditliculdade de escoltar este atravz de um
paiz infestado por bandos armados quo teotariam
tudo para liberta-lo, mal pode atteauar um acto
municipal e de orphos do termo de Baependy, n,
provincia de Minas-Geraes.
Por portaras de i do eorrente foram nomeados-
4" esenpturarios do llicsouro nacional os pralicana
tes do mesmo tbesouro :
Virissimo Julio de Moraes, Joao Carlos de Oli-
veira Guimaraes, Alfredo Francisco de Araujo,
Carlos Amcrico dos Reis. Kodrigo Antonio Pereira
da Cnnlia, c os platicantes da recebedoria Antonio
Luiz Caetano da Silva e Jos Alfonso de Lima Fcr-
reira.
a
pasto como ag-
4a reserva da guarda
epan
>. a Joao Augusto Enlacio de Lima
4e infantaria da referida
a 4a*r Icnaro 4a Silvrira. lente
4c lafiarlrri* 4a guarda nacional
1*4 do res ccti vo corpo.
4a TMMia vitalicia :
1 Mae Harreen. 4o> oficios de
4a tyraw 4 Rio Fnrmoso, na
ra-a. oos <4acio-4e partidor
4eCaraar. na mesma
Veador Jos Joaquim de
Lima eS. Sobrinho...
Dr. Caetano Furquim de
Almeida............
Vicente Cyrillo Rodri-
gues de Castro......
D. Antonio de Aranaga.
Jorge Thompson.......
J. M. Glover..........
A. I^ehcricv...........
J. C M. Carrere.......
David Moers..........
10o votos brasileiro.
86
1 *-- Caiaiaries Bastos, dos ottin.-
e auariainr 4aleraw de Ubos. na
de Salles Silva, dos otarios de
| a-ano termo e provincia.
latea* de Fi cites o resto
itara leanarir a pena de 2H
ilutar a que lu condemna-
4e r*aaiav da provincia
portuguez.
hespanhol.
inglez.

francez.
americano,
allemo.
te4e nara o inuierial
a nena 4e um Mi > '
le a eaetade
Ferreira Pm-
ar eeateaca 4eja municipal da
e raarma4a acta jaiz de direilo da
4m snaaMsjn 4a corte.
aaconalda
a seguate
99
105
106
100
102
103
98
3
Fallereu hontem com 68 annos de dade o Sr.
conselheiro Jos Paulo de FigucirOa Nabuco de
Araujo, ministro do supremo tribunal de justica
desdo 1832. Era commeodador da ordem de Chris-
10 c cavalleiro das do Cruzeiro e Rosa, e tinha si-
do successivamente decano dos aggravos da casa
da supplicaeo, juiz das despezas della e dos falli-
dos, procurador da cora, ajudaote do intendente
geral da polica, regedor das justigas, desembarga-
dor da mesa do desembargo do paco, consciencia
e ordem, deputado junta do commercio e pres-
deme da rclarfui da corte.
Por portara do ldo correte foi demittido Luiz
11 Azcredo Coutinho Duque Estrada do lugar de
praiirai.le da quarta directora geral da secretaria
le astada dos negocios da guerra, sendo nomeado
para substitui-lo Eduardo Carlos Rodrigues de Vas-
conrellos.
Por portera de 3 do corrate foi uooieadoalum-
no pensionista do hospital militar da provincia da
Babia Dimes da Silveira Bastos Varella.
6
O supremo tribunal de justica offlciou hontem
ao governo imperial, pelo infuislerio da jusiira.
communicando que a vaga que all sedera com o
fallecimento do Sr. conselheiro Jos Paula de Fi-
gueiroa Na'mco de Araujo toca ser preenchid t
i|ue a imprensa portenha estigmatisou e o mesmo pe|0 sr. desembargador Francisco Jos Coelho Ne-
' govorno se vio obrigado a desapprovar para afas- tj ja relacSo da Bahia, e presentemente o mais
tar de si a respoosabilidade. antigo das relacoes do imperio.
Comtudo a morte de Penalosa parece assegnrar 8 -
Repblica Argentina o remanso e a paz, pelo por deliberacao de 5 do eorrente a presidencia
menos emquanlo nao apparecer novo chefe rapaz Ul, \\\0 j, Janeiro adiou para 17 de j ">eiro a eiei-
de reunir em torno du si os elementos inamma- ,^0 ,ios nteaAros da assembla provii Jlal, que se
veis que tero atada, sabe Deus por qnanto lempo, acbava marcada para o dia 20 do eorrente nnz.
aquellas re-
4e
oanaiversa-
c dipnandi--
4fwcacto passar
1 a eaaa a f. aar tem de formar, como me
14a justica em avi-
i a curao 4e ca-
, rom 12 boceas de
a- 1. 3 e e os de eacado-
- i. i 4 avaraa narMnal sal. meo com-
I anan 1 1 f paVaal li rir---------*- aos-
14e Saal'Aaaa, a 4 oras 4a larde
mes forem a-
i*-Sr
-Fraactss l>-o G>\iu
asdaas
a infliria e ca-
i4a, e Sr caread Jaein
l a >. ceamsti 4a V liaha
c ca forcaat jaeea me
Em 30 de novembro prximo passado foi Bo-
rneado ajudante da inspeceo do arsenal de mari-
nba da corte o capilao-tcneote Luiz da Cunta Mo-
reira, cm lugar do capito-tcnente Jos Raymundo
de Faria, que embarcou na crvela Imperial Alnri-
nkeirn.
Na mesma date concedeu-se Aotonio Gomes
de Mattos Jnior demissao do empre.go de director
das olticinas de machinas do arsenal de marinlia
da certa, romo pedir.
Em 3 do crreme inez foram nomeados, o aju-
dante do director das officinasde machinas do ar-
saaal de marinha da corte, primero tenentc Car-
los Bracoonet. |iara o lugar de director das mes-
mas omeinas, e o primero lenle Francisco Jor-
ge da Silva Araujo. para substitui-lo naquelle em-
prego.
Por decreto de 3 do eorrente fizeram-se as pro-
mores seguintos. com anliguidade de 28 de no-
vembro do eorrente anno :
Corpo de estado uiaior de primeira classe.
Para tenentes, os alteres Manoel Correia da Silva
e Clao Augusto dos Santos Rxo.
Arma de arilbaria. Para primeiros tenentes,
os segundos ditos Antonio Tiburcio Ferreira de
asan, Domingos Francisco dos Santos, Joao Nc-
Imhi.ui i-no de Medeiros Mallet, c Francisco Jos
Texeira Jnior.
de ser una ameaca constante para
gioes.
Afora este facto outro nenhum memoravcl se
dra no interior. Nao assim no exterior. O governo
argentino exigi d) oriental una satisfacao por
violaciio de territorio, apezar deste baver posto em
liberdade toda a gente aprisionada n'uma ilha, ar-
gentina na verdade, porm nleiramente deserte e
sem polica alguma. Para este lim tinha D. Jos
Marmol sido enviado em misso especial Monte-
video, e a esquadra argentina fieava toda reunida
em Martin Garca.
No mesmo Estado oriental continuava a guerra
civil, sem que seja possivel conhecer exactamente
a posico das duas parcialidades. As follias de
Montevideo dao oulra vez Flores como derrotado
c definitivamente perdido, mas infelizmente parece
ainda longe o termo da guerra. Piares evrtaae um
encontr cem o general Medina, veio poslar-se en-
tre este e a capital; nao se adiando, porm, com
tercas para tentar um gol|>e decisivo, pareca dii i-
gir-'se para a serra de Minas, talvez em procura
de mais elementos de guerra.
Ao mesmo tempo lula va o governo de Montevi-
deo com a difliculdade de outro genero. 0 senado
lbe era hostil |>ela maioria de um voto, e procura-
va estorvar a entrada de dous supplenles que fa-
riam pender para o outro lado a balanca. Assim
se deixou passar a poca marcada na constituicao
para as elcices sem adia-la. lim priaetaai pira
que as cmaras haviam sido convocadas, e no meio
desta confuso resolveu a cmara dos representan-
tes aecusar em nomo do povo quatro senadores
como reos de lesa-conlituicao.
No dia 6, s 9 horas da manhaa, entrou em An-
gra Sua Magestade, tendo tocado as Palmas e
nseada de Abralio.
Sua Magestade desembarcou, ouvio missa, e dv
pois de percorror algunias ras do lugar, retirou-
e para bordo e seguio s 4 horas desse mesmo
dia para Jerumirim.
Ac.miianharam a corveta Xithsroliy, a fragata
Amazonas e a caulionoira Ypiranju.
Por caria imperial de 3 do eorrente foi nomeado
commeodador da ordem da Rosa Mu Delasbre, di-
rector da contabilidade geral do ministerio da ma-
rinha de Franca.
Foram naturalisados cidados brasileiros os sub-
ditos porluguezes Manoel Domingues da Nova c
Jo.o Rodrigues Garcia.
bollies pblicos do judicial, -me na guarda dos
seus livros se regulara pelas disposic5es da Ord.
I liv. 1" tit. 78 e 97.
Dos guarde V. Exc. Joao Lmz Vieira Can-
saasie de Sanana*,&r. presidente da provincia
de Maranbao.
Pelo dito da agricultura foi publicad a se-
gui nte portara :
Sua Magestade o Imperador lia por bem or-
denar quo os agentes do corroio nunca possam a
titulo de, iHircentag^in do rendimeuto da agencia
era cada trimestre, embora
uperior a 380*, e quando o
rendiinenlo de uin 011 mais trimestre do mesmo
exercicio nao cbogue para que por aquolte titulo
0 oommandante do vapjr inglez Cecilia, proce-, ue porcentagem p#ssa ser deduzida a quantia de
dente do Rio da Prata, com 2i das de viagem, 174, embora em outros seja excedente, nemiwr
entrou hontem orn nosso porto a bordo do vapor s.sSe poden preenrber de qual pier delud,
nacional Brasff, alim de pedir reboque para o seu ^ sa|Vo se o exeesso for no ultimo trimestre,
navio, que se ada e:u noisas aguas, catre Gua- | e (|uando no flm do exercicio se verificar que
ratiba o a Gavea, cj:n avarias 00 maeluuisnio, c o readimente da agencia foi do 1:4005 ou mais,
sem poder, por falta de vento, entrar vela, como e o agente era qualquer trimestre tiver menos de
veio qaasi toda a viagem. 1173#, om razo da regra quo cima tica estabele-
cida, o administrador respectivo providenciar
L-se no Correio do Sul de 29 do passado : paja ana Ibes seja preenchida a quantia de 700.
Acabamos de ter noticia de um deploravel sondo por este modo cnmpndo 3 4" do art. 2o
desastre, acontecido no districto de Santa-Cruz, no (]a jej n. 939 d, 6 de setembro do 18."7. Excep-
municipio do (No-Pardo. lua-se, porom, a byaotaSM em que o agente, em
1 O Sr. GuiBierme Lewis apromptra nao ha Cujo prejuizo fosse a dilferenca. tenha perdido
mtiito tempo anda urna bonita residencia em sua omprego. porque nesse caso sbmente ter o dire-
fazenda do Faxinal, entre o Rinca d'El-re e a to a que llie seja preenchida a quota da gralilica-
freg_uezia de Santa-Cruz, quando a vio arder toda, cao que lbe houversidolixada no titulo de sua no
e nao s ella, porm parte da sua auliga vivenda, i meaco, regulando-so pelo teuitio que
bou ver ser-
vido'no exercicio.se por ventara, porcenlagem
recebida nao tiver rhegado para tanto.
t Palacio do Rio de Janeiro, em 24 de novem-
bro de 1863.Pedro de A cantara bellegarde.
Bahia.O resallado dos 29 collegios conheci-
dos forma assun a lista para um senador :
Conselheiro Zacarias----- 2230
Uito Saraiva........... 2I6S
Coronel Spinola......... 1978
Pelo 4. districto achavam-se cleitos deputa-
dos provinciaos os Srs. : coronel Joao Gualberto
Dantas, Drs. Domingos R. Seixas, GusUvo A. de
S, F. B. de Seuzi Barbosa, Pi Xavier Garcia de
N. e Angelo Custodio dos Santos, capitao Bento Al-
vino de Carvalho, e padres Antonio L. Alves Boa-
No Jornal de o do correnle Iranscrevemos do
Mercantil de Santa Catharina a noticia de achar-sc
naoueile porto uin corsario americano confedera-
do para refazer-se de mantimentos.
Somos informados agora de que um clipper ar-
mado batea denominado Toscarora. Este navio
foi apresado pelo Aluhama. mellendo-lbe o com-
mandante deste 3 pecas de 12, 23 pracas de tripo-
laciio, e o seu immediato como coinmandanle, o
cou ao servigo daquelle vapor como deposito de
riveras, em cuja procura tora aqaolle porto.
O Toscarora tinha sahido de Santa Catharina,
como lita tora ordenado, sem poder levar os man-
tiinentos que tinha comprado, por exigencias que
dizein lbe foram feilas por parte do cnsul ameri-
A respeito de todos estes successos encontrarao cano all residente.
osleitores inleressantes pormeuores uas cartas
dos nossos correspondentes. Hontem, s II huras.da maulia. comegou a
Ao apre>entar as suas creiienriaes ao presidente funecionar o conselho de guerra a que tem de
da Repblica Argenlina, proferto o ministro brasi- responder os capiles-teneutes elphim Carlos de
leiro em Buenos-Ayres o discurso seguiite : Carvalho o Basilio Antonio de Siqueira Barbedo, e
Exm. Sr. presidente,Ao ter a honra de por os oliciaes de Calenda Olympio Ignacio Cardan e
as tnos de V. Exc. a credencial com que meu jus Antonio de Souza Guimaraes, comtnandante,
excelso soberano, S. M. o Imperador do Brasil, se immediato, eserivo e coinimssario do vapor Pu-
diguou acredilar-me como ministro residente na raense.
Repblica Argentina, julgo de meu mais imperio- Prucedeu-se a leitura da defeza escripia daquel-
so e ao mesmo lempo mais grato dever, aproveitar |es officiacs, devendo efecluar-se no dia II do cor-
esta solemne occasiao para reiterar a V. Exc. a rente, s 10 1/2 horas da manhaa defeza oral,
expresso des seiilimeiitos de cordialidade que o Coinpde-se o conselho julgador dos Srs. Antonio
governo imperial tem abrigado e manifestado sem- Leocadio do Coulo, presidente, capitaes de mar e
pre pela prosperidade e bein desta importante por- guerra Jos Mara Rodrigues e David Petra de
cao de nosso cominele, e para assegiirar-lbe ao Barros, Capillo de fragata Jos Antouio de Siquei-
mesmo lempo, como me cumpre que porei o maiur ra e capiles-teneutes Thomaz da Cunlia Vascon-
0 paiol dos mantimentos com to las as reservas do
anno, e mnita parte da sua mojilia, Dteosis e ou-
tros ohjcctos.
O fogo parecer ao principio de nenhum mo-
mento. Manifestara-se na chamiii e tora imme-
diatamenle aba fado; porm quando o suppunham
extineto, tinha elle passado para o cininadeiramen-
to do edificio novo, e rompa com urna intensidade
espantosa do meio do colmo que cobria essa parte
da casa, em quanto niio chegavam as tullas que
deviam formar-lhe definitivameate o tecle.
Por fortuna acontecen isto de dia, e nao houve
a lamentar-sc perda de vidas ncm ferimentos gra-
ves; porm imagine-se essa familia toda em deso-
lacao e angustia, oito 011 dez enancas e meninas a
trahalhar com ardor febril e um valor superior a ventara e Ricarda Buffea Ferreira da Silva,
seus annos para ajudar seu velho pai, que quasi Fallecer o antigo negociante americano John
s iabutava contra o voraz elemento Siuilh Gillmer, que durante algum tempo exerceu
A casa fiea situada ao alto de urna vistosa 0 cit.0 t\c cnsul de sua naca*,
collina, e s ao sop desta pedia encontrar-se | Durante os ltimos dias cahiram abuodaates
agua. De l, por urna encosta ingremo e quebra- chavas sobre a capital, e urna forte trovoada na
da, conduziam-a grandes c pequeos nessas horas noite de 3 do corrate.
Teve lugar no dia 30 do passado a collacao
do^ro de doulor em medicina desenove est-
dantos do 6 anno da respectiva faculdade, oraado
por parte da mesma o cooselheiro Araolia Dantas,
e pelos doutorandos o acadmico Aatono Augusto
Guimaraes.
- A mesma faculdade encewou os seus traba-
lhos no dia 1 do correnle, nomeando ao professor
Dr. Jos Antonio de Freitas, para escrever a me-
moria histrica do anno acadmico.
Sergipe e Alagos.Nada occorreu que mereea
de desesperada hita, cm que a desgraea os feria
quasi sos, a um sexagenario, a urna senhora e
algnmas criaocas.
Computa-s'e n'alguns contes de reis o prejuizo
dessa inesperada catastrophe. >
L-se no Correio do Sal do Rio-Grande :
Escrevem-nos de Carapava. O subdelegado
da villa de Cacapava e o* Dr. promotor publico,
tendo noticia qu'e nos fundos da chcara de Jos
Antonio daMotta eSilva.meia legua distante daquela
villa, tinha-se descoberloo cadver de urna mullier
entercada em urna arvore, ioimediatamente, Ho-
rneados os peritos, dirigiram-se ao lugar indicado
e de facto acharara o cadver de urna mulher sus-
pensa pelo Descoco por urna guasea atada ein urna
arvore, como qoe de joelhos sobre urna lage, es-
0 corpo em estado de putrefaceo adianta-
mencao.
NOTICIAS COMMKBCIAES E MARTIMAS.
Rio Grande, 28 de novembro.
Foram um pouco regulares as transaccoes da
praca no decurso deste mez, porm nao provenien-
te de alguma animaco que as descovolvesse. e
sini pela necessidade'i|ue tinliara os armazeneiros
tando
da: e penarte muitas testeinunhas procedeu-so_a e sortirem-se, e por encontraren! a praca umpou-
auto do corpo de delicio, recoolieceodo-se nao j co tornenla do varios gneros e pela commodida-
havor o mnimo signal de ser assassinada. j de dos precos a quo os roaltsaram. Do ulterior
Dada sepultura ao cadver, o subdelegado, c tamben houve alguns pedidos.
Le-se no Mercantil de Sania Catharina de 22 do
mez passado :
O Exm. Sr. presideotc da provincia, tendo
partido anie-hoi.tcm no vapor Maracan, para vi-
sitar as colonias de Itajahy, regressou da fortaleza
de Santa Cruz em consequencia de achar Tundeado
no anroradouro da Caeira um corsario dos estados
confederados da America do Norte.
esmero cm procurar que cada dia se estreitein
mais os vnculos de anuzade e de boa viziobanca-7
que felizmente existein eotre os estados america-1
nos, cujos interesses sao idnticos.
Se no fiel desenipenho da honrosa misso que
me est confiada fosse tao feliz, Exm. Sr. presi-,
dente, que conseguisse, como me atrevo a espera-
lo, fazer partilhar naco argentina, c ao seu il-
lustrado governo, a sincera e sympathica benevo- [
lencia do governo brasileiro, te'rei correspomlido
devidamenle a conlianca depositada em mim, c s
cellos e Francisco Jos de Siqueira, vogaes.
9
Eatrou hontem dos portos do sul o vapor Broa*,
trazendo datas de Porto-Alegre al 1, do Rio-Gran-
de at 2 e de Santa-Catharina at 4 do correnle.
No dia 22 do passado terminou a eleico dos de-
pulados assembla provincial do Rio-Grande.
Cootiauava-se a experimentar alli com bom re-
sultado o carvao fossil da mina do arroio dos Ba-
tos, sobre o qual tora enviada presidencia da pro
principalmente o inteligente e activo Dr. promotor,
cujo zelo pela justica in -ansavel, procederam as
ndagaces pela visinbanca alim de descobrircm
de quem era o cadver, e qual a causa da morte,
e vieran) tnicamente ao conhecimento de que era
elle de urna filha de Ignacio Roraao da Silva, por
nomo alaria, que haviaum mez mais ou menos ti-
nha fgido da casa paterna por seduecoes cstra-
nbas, ignorndose qual o destino que tomara.
c Feito o auto do corpo de deheto, aquellas au-
toridades cm pessoa dirigiram-sc a urna roca, onde
acoava-so Ignacio, e o trouxeram preso e iucom-
municavl, c procederam ao ioterrogatorio do
oiesoio, nao descobrindo criminalilade alguma
contra este.
c Trata-sc de formar a culpa aflrn de chegar-sc
inteiramente ao descobrimento da verdade; o Dr.
promotor publico nao sepoupa de indagar e syn-
dincar os faetos para perfeito complemeoto da
justica.
t O que achara ella, porm, e o que ser mais
horrivel, o atteutado que arrebatasse a vida a urna
infeliz mulher, ou o que pelas mos de um ente
desuado ao amor e aos scntimentos temos com-
mettesse a atrocidade do quebrar os los da pro-
pria vida f
DIARIO DE PERNAMBUCO
grandes e pacificas iutences do meu augusto so- viueia a seguiute informaco dos machinistas do
berano, realisando simultneamente o mais vebe- va|ior Fluminense, dirigida ao respectivo comman-
ineute de nieus desejos. < danto :
Para colher tao lisongeiras como fundadas es- j II mi. Sr. Em virtude da:
alli permitlido perancas
cont, Exm. Sr. presidente, com as ins-, hontem pelas 5 horas da manhaa acenderam-se as
forualhas do vapor do commando de \. S-, com o
carvao das minas do arroio dos Ratos, e s 6 1/2
horas, tendo seto libras de vapor, seguio-se a ex-
e da puudonorosa naco argentina. perimenter o dito carvao, conseguindo conservar
0 presidente da confederaco responden : sempre o manmetro do vapor entre1 seis e
1 Tenho a maiur satisfacao em receber a ami-
gavel credencial com que vosso augusto soberano,
S. M. o Imperador do Brasil, teve por bem acredi-
tar-vos junto ao governo da naco argeatiua, oa
(.odia demorar-se mais do que 24 horas, Ondas as
quacs dereria aquello navio sahir barra fra.
Depois de ter o commandante do corsario se-
raido no escaler para esta capital, resolveu S. Ex.
regressar e adiar a sua viagem ao Itajahy, c ao
meio-dia pouco mais ou menos desembarcou S.,
Exc de bordo do Maracan, vendo-se logo cerca-! quabdade de seu mimslro resideote, e de aceitar
do das exigencias do cnsul dos Estedos-nidos ao mesmo tempo os sviupathicos votos e a exprs-
naraaue iiroliibisse que o capito do corsario em- i sao dos cordiaes seatiaientos que por tal motivo
barcasse us comesveis que havia comprado. haves maoifeslado era favor da prosperidade e
. Nao sabemos que razos poderosas allegou o bem estar da repblica.
cnsul dos Estados-luidos ; o que sabemos que Assistem-me a conflanca, Exm. Sr. ministro.
S Exe mandou prohibir o embarque desses co- de que a honrosa misso de que fustes encarregado
mesur*, a que a iodos pareceu urna barbaridada, contribuir mni cfilcazineiite a estrear mais as
ta*7 Segar comer aos que leu fome um acto, lizmente existera enlre ambos ospaizes; porque
amara ama das obras de misericordia ensnadas este amizade, alera de mndar-seemioteres
iwdt raawairinain muos, e em deveres de reciproca con
. Eatretante de vemos suppdr que S. Exc. obrou, gloriosamerite sollaua por actos u hd*
rnafTmr as iaslroccas que tem do governo geral, cao brasileira. como benficos ao povo argentino,
ana aosce caso sera o respoosavel dessa barbari-1 e sua perpotuidade e a garanta mais solida da paz
que desgostou a lodos quanto a presencia-
Rciiniraiu-se huuiasa aa praca do commercio di-
versos negi>ciantos imp-.^rtadores, para ouvtrem da
das nacionalidades do Rio da Prata, sol. a base da
suo integridade, o da sua ordem constitucional.
1 Para realisacao desta pacifica c uohre poltica.
pudens conter, Exm. Sr. ministro, cora toda a coope-
raco possivel por parte do governo argentino.
Recebemos jornaes do sul do imperio, pelos va-
pores inglez Paran e brasileiro Princtz de Join-
ville, chegados hontem, com datas : do Rio at 9
c da Babia at 12 do eorrente.
Sob as rubricas Po7r 0/ficial, Exterior e Inte-
rior encontrarao os leitores. por extenso, o que
demais importante ha, alm do que apenas en-
contramos o que segu.
Jmaas Geraes.O resultado dos 52 collegios co-
nhecidos, sem os votos em separado, compoem as-
sim a lisia triplico;
Conselheiro T. Ottoni 1,733
Dr. Marti nho Campos... 1,609
Dr. Silveira Lobo...... 1,599
PoramFallecer o abastado capitalista baro
bras; era todas as experiencias feitas de limpeza' da Tibagy com 68 anuos.
de tomainas, introdueces de agua na alimntelo' S. Paulo.So dia 14 do passado fot assassiuado
da caldeira, dando a oachioa 2a e 26 rotacSes por facadas, no camiauo de sua roca, o fazeadeiro
minuto, queimou-se tres tonelladas do dito carvao Jos Antonio da Costa por um seu escravo, que de-
em 11 horas de bom fogo, pouco mais de igual pois de telo enterrado no raatto, foi cas* rou-
quatidade do quo se costuma a queimar sendo car-
vao inglez, deixaudo um residuo de 25 26 0)0, e
sendo necessario os foguistas emprogar mais es-
focos, tanto no trabalbo do fogo como em botar as
bar mais de 4:000501)0 rs. de urna gaveta, fugin-
do cavallo.
A bexiga lavrava com intensidade em diver-
sas localidades da provincia, tendo j ceifado al-
rizas ao mar, pelo meos de tres era tres horas, j gumas victimas.
t Temo portento a ponderar V. S. que o dito-1 No dia 18 desse mez den oDr. Bernardo Ga-
carvo serve regularmente para as nossas viagens vio un sumptuoso janlar ao Sr. Saunders, geme
do costume, loruando-se. indis|*nsavel o augmento
de dous carvoeiros, pois qoe os foguistas durante o
do banco inglez.
Bio de Janeiro.Encerraram-se,
no dia 30 do
veis, o que a todos pareceu urna barbaridada 1 contribuir mni cfflcazmenle a estrear
nao pode ser admitiida pelo direito das gen-1 relacoes de amizade c do boa vizinhanea
Vjnr miiniT aos nue tem tome um acto lizmente existera enlre ambos ospaizes: uuniuc ..~, k-~ t~- -~ o---------------
iteresses cora seu quarto nao se podem distraliir era outro sar- passado, os trabalhos da assembla provincial,
veniencia- foi vico, por sel preciso mais actividade no trahatho. No collegio de Pedro II foram premanos
aSaW-l Temos mais a ponderar que o residuo deste; os seguintes alumnos, naturaes da nossa pro vi n-
carvao nao se pega as- greltias nem soja muito os ca : 6. nao de intrnalo, Paulo do Amerim Sal
tubos das caldeiras, sendo esta urna das memores gado Nelto ; 2." anno do extrnate, Antonio Mu
niaTavares. '
Foi exonerado, seu pedido, de ajudante do
modormo da casa imperial o Dr Amonio de Aran-
particnlaridades deste carvao. ,
. Dos guarde V. S.Borde do vapor Flumi-
nense em Porto-Alegre, 8 da novBinhro de 1863.-
Illm. Sr. Pedro CoraPirode Araujo Feio, commau- jo Ferreira Jacobina,
dante do vapor Flum>nrnse.^-Oi machinls'as, Se-, A corveta Imperial
Marinheiro. o vaso de
As entradas dos gneros estraogeiros foram na
maior parte em pequeas partidas; e constaraia de
agua raz, azeile de Portugal e Mediten aneo engar-
rafado, alcairo, bacalbo, cerveja, ca, chumbo
de mnicao, figos, genebra, maateiga, maesas, no-
zes, fructas seccas.ein calda, pinho americano,
queijos fiamengus, sardianat em latas, vidas do
coinposi^o, vinagre, 2 ca regamentos de vinho
Catalo, 1 de Lisboa e varias partidas do Porto.
De gneros naciooaess ti vemos o supprimenlo
de urna carga de assucar de Pernambiico. impor-
tantes partidas de caf e fumo c urna dita pequea
de melado.
Fiea uovamente reduzidoo deposito de farinlia
de trigo, regulando as actuaos existencias por 4.000
barricas, porm breve Picar o mercado mais abas-
tecido por seren esperados de New-York cerca de
5,000 voluntes em tres navios, c que estas com
suas viagens vencidas.
As circumstancias sempre favoraveis ao com-
prador em que se tem adiado o mercado para este
genero, oo tem permiitilo a alta aa sua realisa-
cao, e certas marcas de crdito com custo tem 0I1-
tido melhores precos, pois se venderam em taimo
urnas 300 barricas SSSF, que s por estar um
pouco secca, nao obteve mais de 19A e 20$ a bar-
rica, sendo alias bom genero.
O carvao continua a ter o mesmo deposito, e, os
consumidores estao lodos bem prvidos, mrniente
a companhia dos paquetes. Nao queremos animar
o futuro sobre este combustivel, porera parece-nos
que dous a tres carregamentos que ch>gassem de
fevereiroem diaotealcancariam boa realisacao.
Aespeculacao do sal contera, a ser iofeliz, e ja
vai com mos resultados, bavendo boje um deposi-
te no mar de cerca do 40,000 alqoaires, o a ultima
venda que se fez, cora rusto, obteve 750 reis o al-
queire.
O alrasamento em que se achara os trabalhos da
safra, e os depsitos que todos os xarmieadores
tem, mais prejudica suas eolacoos que sao pouco
firmes, e que as estadas as obriga a sacrificar.
Fiea o deposito do assucar mais reduzido : fize-
ram-se regulares vendas, favorecidas pelos presos
a que se resolveram os possuidores a entregar, e
alguns por quererem concluir farturas.
A cachaca vai em alia, o seu deposito pequeo
c nao nos consta que baja partidas a chafar.
Sabio o fumo do marasmo em que ha mezos es-
teva collocado ; boxve importantes entradas, c as
vendas foram satisfactorias, (cando uns restos por
realisar-se. por nao satisfazer o comprador.
De vinhos Hcaa praca abundantemente prvida.
As ultimas vendas dos calales foram de 218* a
20O401W, e de Liste de 2505 240*000 os me-
lhores autos, de 280* 290*000 os broncos.
Acha-se o mercado em geral bem snprido, me-
nos de pequeos atfigOS de estiva, r do fazenda.
m-mente dealgodo. dasquaes quasi todos osar-
mazeos inglezes esto desprovidos.
Pouco so nos afferece a dizqr sobre os princi-
pies productos de exitorlaco.
Os couros vaceuns seceos conservaram a de-
manda ; na primeira quiaaena compraram-se cor-
ea de 30,000 couros a 225 rs., e miste segunda
26,800 mrahem a 225 rs.; exceptuando cerca 4c
1,000, que pela sua especialidade na escotha e pe-
so, se deu de. 225, rs. ato 235 rs. por libra.
Continuara as remesss da rampanha, e ultima-
mente os barraqueiros cm Pelotas tem estado bem
JLEGVE
JBBSBBmamBJWmamBmmaaBBBmaBBBmBBmmmmmmimmflmmmj*mma*mmmmmjammjBtm>-'-
1


M

Diarlo de rcrnambuc* Terca felra i a 4e Dezeiubro de 1.

Destina
Lisboa......
Una Terceira.
Mu do Payal
Pemanimco.
Baha.......
Total..
Oaro.
Prata. Papel.
10:213830
umjaao
144*5*0
113:1004000
I
2004000
W4000
30,9(100
i
I
i
4:000,5000
10:000^000
160:5074550 270*000 14:0004000
Cheg aram orocedentes de Pernambuco :
29, o patacho ReTjulii, cora 8 das, e o briguc John
Jfary, com 9; I, os brigues Belisario, e ham-
bargaca Patato, com 9.
Sahiram para Purnambuco : 28, o patacho
Carm: 98. o bngoe Trovador; 1, o dito por-
tognet rtico; a 2. o dito dito Improviso; c a 6,
a larca portuguesa Mara.
Acia vara-se carga, para Pe mam buco : os
brigues IJhrral, Damo e Amelia.
idiliiii, II ile dezembro.
CambiaRegulou : sobre Londres 27 3|4 d.
por 14; sobre Paris 340 rs. por fr.; sobre Ham-
burgo 630 rs. por m. b. ; e sobre Lisboa e Porto
de 95 100 v
Pretes.Freiou-se um navio para o Canal e nm
porto da Gra-Breunlia c um porto no Continente
meida Cavaleante, brancos, Manoel Thomaz, pardo,
vindos de Serinhaem, como sentenciados; Dioni-
sio Ferreira do .Nascimento, crioulo, para cor-
reccao.
A' ordem do subdelegado do Iteeife, Jos Gomes
d'Oliveira, pardo, Carolina Francisca do Espirito
Santo, crioula, por briga; Henrique, Belga, Jos
Domingos da Silva, cabclo, Francisco Jos da
Silva, crioulo, por disturbios.
A' ordem do de Santo Antonio, Manoel Antonio
da Rocha, pardo, por infraccao de posturas, Alexan-
dre Jos Victorino da Silva, crioulo, por insultos.
Perdeu os perfumes, a seiva e a vida,
E flcou pendida na baste myrrada,
As cores perdeu e a linda folhagem
Ao sopro d'aragem ao val' foi lancada 1
Os habitantes de Berln nao despresam nenhum
nieiu de manifestar o seu descontentamente da
linha do poltica seguida pelo governo prussiano.
Nao pedendo servir-fe do orgo dos jornaes,
aproveitam todas as passagens dos escriptores e
poetas allemaes significativas. No theatro real de
Berln dava-se Kabaleund Jieve (Intrigae amor)
A' ordem do da Boa-Vista, Ignez Pires, africana, de Slnller.
por briga. J Na passagem
A' ordem do da Capunga, Jos Hypolito da Silva, a Fernando:
imiln nir4 pnrmrfttn E" rt c.-thrtt
crioulo, para correccac.
Dia 13.
A' ordem do subdelegado do Recfe, Jos Mar-
ques, pardo, por insultos, Joaquim Jos da Costa,
crioulo, sem declaracao do motivo.
A ordem do de Santo Antonio, Luiz Pereira de
Franca, pardo, por embriaguez e disturbios.
A' ordem do do S. Jos, os pardos Theodoro Ixi- i
dio do Sacramento, e Manoel Joaquim do Xasci-1
ment, ambos por suspeitos em crime de furto;
Amaro, escravo de Graciano Mafra, por fgido.
A' ordem do da Boa-Vista, Manoel Rodrigues.
e Amsterdain ambos incl. a 30 sh. para Campello, pardo, Domingos Simpliciano da Silva, [
crioulo, por briga, e Paulo, africano, escravo de
Bento Bezcrra, por ferimentos.
O chefe da 2* seccao,
/. G. de Mesquita.
Mevimento da casa de detenerlo do dia 12 de
dezembro de 1863 :
ou Hambargo 47|6 d. ou para Gibraltar e
m Mediterrneo at Triestre inclusive
*T.ecana.
Gbegaram, procedentes de Pernambuco :
I, o briguc inglez lrooking, com 3 das ; e 3, o
patacho oldetnburgucz Albatross, com 2 .
Sahiram para Pernambuco : 1, a barca n-
gteca JUbimu, e o briguc dito Sarannah ; e 5, o
Mmimka III, e o patacho Viereza.
PER1UMBPC0
REVISTA DIARIA.
A saber
Existiam .
Entraram. .
Sahiram .
Exslcm. .
Nacionaes. .
Estrangeiros
Mulheres. .
Estrangeiras
Escravos .
Escravas.
318 presos.
16 >
19 >
315
213 presos.
32
2 >
2 >
m .
7 >
313
Demos i leitora publica urna serie dos artigos
; sobre a administrarlo dos corrcios em Franca,
I caja publicarlo neste* Diario concluimos na sema-
na f oda; e estamos que da sua apreciacao se le -
rao todos compenetrado de quantas va'ntogens
. rcftivil urna adminisiraco bem montada desle
*** jramo 4o servico publico, mormente neste imperio,
" ooe se dcsconhecc csse caracterstico, e porlanto
V e essiinoo servicc prestado por essa repartico. nnnngos (escravo) de Albino da Silva Leal; di-
Com eftetto.na inr parte das agencias interiores
Alimentados a custa dos cofres pblicos.
Movimento da enfermara no dia 13
zombro.
Teve baixa:
. 134
de de-
le*!
*V
*a9ajSV
o phenomeno de nao chegarem a posse
respectivos donos as cartas e os jornaes que
estaaonam para a competente distribuirn.
este phenomeno, urnas vezes con-
meramente particulares da agencia,
a imeresses de partidos, e anda finalmente
oa:ras deteixo sem qualiucaco bastantemente
emnpreheusiva d'clle, a ponto de se deixar de fa-
aer entrega de taes objectos por seno querer le-
vantar do sea ssscnki o Sr. agente, que muitas
retes para curta de tudo apenas sabe soltear.
Ora, alm de outras, as causas que mais actuam
e prororam scmclhaiite situaro ueste ramo de
ervico, sao sea duvida a insufuciente paga, que
perrebem os serventuarios. c a quasi nulla respn-
salnlitUde dos ageutes. Mas comprehende-se que
sao inconvenientes estes, que se podem sanar com
arana (acilidade: pois os lugares de agentes po-
dem ser aceamulados aos de colleclores; os quaes
seao emprimados de fazenda, e fazendo parte das
rendas panucas o porte dos papis expedidos pelo
corre*, moito naturalmente por elles deve ser
r abra do esse imposto.
Ja ha lempos i i vemosde olfereccr esta lembran-
<;a a un alto funecionario, c este cutio objectou-
nos ser da ger.-ncia do ministerio da fazenda o que
diz respeito a rollecta, c do imperio quanto se
r.-fere aos correios; mas, como v-se da mesma
aatureza da cousa, esta objeceo resolve-sc mui
famiiiente paT urna le. que faca 0NN> cssa dis-
occao de collecta e de porte de correios, affecto
esto ao ministerio de commercio, agricultura e
tras publicas e aquella ao da fazenda.
Ab-m de que, sendo os colleclores empregados
afaacaoVis, a existencia em suas maos do rendi-
teato do rorreio nao corre o risco que ora se da :
i ais penga, como lem acontecido, at ao ponto de
W\po-ld<arle j os gran-
' ds abusos n -i-i um. cuja rcgularidade posili-
' vameate reroinin<-iMada pelo artigo da eonslitui-
Dia 13 de dezembro.
Existiam. ... 315 presos
A saber
Entraram. Sahiram. . 9 0 a
Existem. . 324
Nacionacs. Estrangeiros Mulheres Estrangeiras Escravos Escravas . 220 32 2 i 6 7 t 1 1
da peca em que lady Melford diz
E' o soberano que vos d esta espada ?
O actor responde:
E' o estado que m'a deu por mao do soberano.
A estas palavras urna trovoada de applausos
rebentou na sala; c esta pequea mas significativa
oemonstraco, foi tres vezes renovada, antes do
actor poder continuar.

O numero total de cartas transportadas pelo
correio em 1862, foi de 300 milhoes.
O numero de peridicos, mpressos etc., foi de
1!K) milhes.
Em 1861 o rendimento dos coi reos foi de 66
mijhdes de francos. Sendo a despeza de 42 mi-
lhoes, foi o producto liquido de 42 milhoes de fr.
(4:320 contos de ris).
Em 1862 calcula-se em 97 milhSes de francos a
rcceita, sendo por isso muito maor que cm 1861,
o producto lquido.
...
O numero de despachos telegraphicos particula-
res, expedidos em Franca em 1862, foi de......
l.")21:000, e o seu producto de 5.300:000 francos
(932 contos de ris).
O numero de despachos offlciaes foi de 500:000,
3ue representam um valor de mas de 2.000:000
e francos (360 contos de ris).

Comecam algumas pessoas a acreditar que as
antigs armas de fogo sao mais mortferas que as
modernas.
Tra-se esta conclusao dos srguintes clculos:
Em Austerlitz a perda dos Francezes foi de 14
por cento, a dos Russos de 30 c a dos Austracos
de 44.
Em Wagram os Francezes perderam 13 por
cento e os Russos e Prussianos 14.
Em Watcrloo perderam os Francezes 36 por
cento e os alijados 33.
Em Magenta os Francezes perderam 7 por cento
e os Austracos 8.
Em Solferino os Francezes e Italianos perderam
7 por cento e os Austracos. 8.
COMMNICADOS.
Em os jornaes desta cidade ha apparecido o meu
nomo de modo que me seria desfavoravel, se mo
nao fosse possivel offerecer ao respeitavel publico
documentos sufficientes provar que ha um flm
; oceulto e maligno, qualquer que seja, da parte do
Sr. Antonio Pinto de Azevedo, quando me convida i
ir ao seu armazem da ra da Pria, alim de dar-1
| llic solueao da venda das casas em Garuar, pois |
i com as cartas abaixo, das quaes csto reconhecidas j
: as firmas, mostr haver feto ao dito Sr. Azevedo, I
{ fiel entrega da importancia por quanto rcalisei a
venda das casas alluddas; sendo que o inesmo me
agradeceu o modo vantajoso como consegu a rea-
yem a mneosidade em que elles se engendran),
impedindo por esta forma a sua reproduceao. An-
da nao se encontra um s caso em que ellas le-
imam deixado de produzr o desejado effeito de i
urna maneira satisfactoria. Em virlude de se a-
charem exemplas de ingredientes irritantes, nao
causam ellas dr ou incommodo de qualidade al-
guma, e por meio da sua accao balsmica suavi-
sam o ventre c o dexam no estado de urna salu-
bridade perfeita. As criancas as confunden) f-
cilmente com outros onfeitos ordinarios em ra-
llo da sua apparencia e sabor, e gostam dellas
tanto quanto gostam do proprio doce.
A' venda as boticas de Bravo Barboza.
COMMERCIO.
NOVO BANCO
DE
PERNAMBUCO
0 novo banco de Pcrnambuco convida os
credores das massas fallidas de Mesquita & Dutra,
c Francisco Antonio Correia Cardoso a apresenta-
rem seus ttulos no banco para se proceder a res-
pectiva verificacao.
Alfandega
Rendimento do dia 1 a 12........
dem do dia 14.................
234:001585 o
16:988*278
270:9905133
Movimento da alfandega
Volumes entrados com fazendas...
com gneros...
Volumes sahidos
com
com
fazendas..
gneros..
325
------- 325
87
224
311
Descarregam no dia 15 de dezembro.
Barca inglc/.aUlitUh Qwf=carvao.
Briguo ingk'z (l/nunis -carvao.
Brlgue escuna francez Plieiujc diversos g-
neros.
Patacho hespanhol-FM<;- carne secca.
Escuna dinamarquezaAo/usfarinha.
Barca ingleza/ipvrfor-farinha e bolachnha.
Barca ingleza- rvuW/rfarinha.
Brigue portugaeiRelmpagodiversos gneros
uecebedorla de rendas Internas
geraes de Pernambuco.
Rendimento do dia 1 a 12........ 15:2165460
dem do dia 14................. 1:8145628
Ch8uIa Pela mesa do consulado provincial se faz publi-
co que os 30 lias uteis marcados para a arrecada-
cao a bocea do cofre do semestre do anno finan-
ceiro crreme de 1863 1864 dos impostes da de-
cima urbana das freguezias desta cidade e da dos
Alegados, e de 5 0(0 sobre a renda dos bens de
raz pertencentes corporacocs de mao morta so
principiam a contar do dia de dezembro vm-
douro.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco
25 de novembro de 1863.
Antonio Carneiro Machado Hios.
Administrador.
Consulado de Portugal
0 cnsul de Portugal nesta provincia, tendo de
proceder ao arrola meu to de todos os subditos por-
tugueses, nella residentes,para a organisacio da
eslatistica geral da populacao portugueza residen-
te neste imperio, o que muito Ihe recommenda-
do pelo governo de S. M. F., convida e pede to-
dos estes seus compatriotas, que rcmetlam esto
cpnsuladoat o da 31 e dezembro prximo,
urna relacao contendo os seus nomes, idades, es-
tado, liliacao, naturalidade e oceupacao e bem as-
sim os nomes das pessoas de sua familia, inclua
do caixeiros e criados, com as respectivas desig-
naedes c com as mesmas declaracoes.
As pessoas que nao souberem escrever e que nao
tenham quem Ihes faca estas relacScs deverao vir
ao consulado fazc-las verbalmente, onde lhes se-
rao tomadas todos os das uteis desde as 9 horas
da manliaa at s 3 da tarde.
Os caixeiros ou outros quaesquer individuos
que nao eslejain em casas portuguezas devem
mandar as relaces relativas a suas pessoas.
0 cnsul dej'ortugal depos de tantas provas
de deferencia que tem recebido de seus compa-
triotas aqui residentes, nao pode duvdar de que
Ihe concedera mais esta que desde j agradece.
Entretanto v-se na necessdade de lhes declarar
que o consulado nao reconhecer como portugue-
zes, nem prestar auxilio algum em nome de seu
governo aqucllesque at o referido da 31 de de-
zembro nao acudirem a este convite.
Rogase a todos os portuguezes que deem toda
a publicidade possivel a este annuncio.
P
17:0305488
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 12......... 39:4145265
dem do da 14................. 3:4155153
42:8285818
324
Alimentados a custa dos cofres pblicos.. 135
Movimento da enfermara no dia 14 de de-
zembro.
Teve baixa :
Virgino (escravo) de Manoel Xavier Paes Barretto;
syphilis.
Passageiros do vapor nacional Priaceza de Jo-
incille, vindo do Ro de Janeiro e portes interine- )isa5a0 u0 seme|nante contrato.
fii .. .... I Tenho procurado paular o meu procedmento
Alfredo Alcoforado Jos Pcrelra da Costa Molla, po|as regras do just0 e ao honesto, e merecer a
Manoel Luiz Domingues, Antonio de Miranda Los- cslima das pessoas nue me conhecem ; motivo por
ta, Miguel Archanjo da Cruz Mumz, Jos Joaquim que busco as co|uranas deste jornal, afim de pro-
de Almeida Pernambuco, Rvm. Fr. Manoel do var que ainJa n5o mo jescarriei jj0 triho seguido.
Amor Divino, Bento de Santa Florencia, Antonio, Ju|g0 sufficient estas linhas para fazer dcsappa-
de Santa Anglica, e 1 criado dos mesmos, Pra- recer qua|quer impressao menos favoravel que
xedes Gomes de Sv-uza Pitanga, Joao de Souza Go-1 pssa ter pr(K]uzu0 0 annuncio do Sr. Azevedo,
mes Pitonga, Jos Francisco de Barros, Vidrotla conlra 0 qual posso procurar o desaggravo legal.
Recife, 14 de dezembro de 1863.
Guelo Fe Gio, Charles A. Austin, Joaquim de A.
Maia, Francisco de Vasconcellos Mondonga, Alc-
xandrino Maria de Vasconcellos, Jos Epiphanlo
Pedro Paulo dos Santos.
Illm, Sr. Pedro Paulo dos SantosPernambuco,
de Almeida Durao, Manoel Joaquim de Menezezes : 17 jg novembro de 1859.Incluso achara Vmc
Amorim. urna procuragao bastante, com todos os poderes,
Seguem para o norte. autorisando para Vmc. ahi poderpassar una escrip-
Alferes Bento Luiz da Gama, Herculano da Ro- turaao Rvm. Sr. vgariode urna casa com a frente
clin Pinto, Dionisio Francisco de Mello, Manoel de (j0 pe,|ra e ^ a|, Ile;;sa c,nade, pela (juanta de
cayidoim|ieno.arii'-'o que todos os
dna>.
i-->..
ir.
Ito
rra-
1 aamhaa-
IS pipas. v. a>-s pmt
bm erende iatoror
e a> qac ine-nio as estacoes mais importantes pou
co caso fazem, afaW d ser esta a sua disposicao
catatar.
E" pro|iosiio de correios, nao podemos anda
orna ouira vez deixar de notar com pezar, que
se lew porte pelos jornaes e outros impressos ex-
peaiai por interincdio das difTereulcs estacos;
>< Ktotanl'i mais para notar quanto scmellianle
majosieiio |iouco avultando na cifra das rendas
uMha-, tonia-sc assm vergonbosa e op|iressiva
a sua penv|icao.
" rergonlioso por certo este estado para um
pie carece de illustraco, mxime 110 :
das provincias onde apenas existem es-
colas de instrucc.io elementar.
os diis infriii"ido Caslro. Joaquim Cabral deMedeiros, Jos da Cosa 3005, ,,Ue est
is iinilortanlesnou- puzebio, Florenlino Ta vares da Costa c sua mu- Vmc, receber 1
asslin tratada comige e os quaes
_ ao passar a escriptura, e me os re-
Iher, bacharel Candido Jorge S. Barbosa. | metiera por pessoa digna de sua conlianca, logo
Passageiros do vapor inglez Paran, vindo que 0 negocio se realisar.
do Rio de Janeiro:
Manoel Basto de Abreu Lima, Dr. Fabio Augusto
Bayma, Alexandre M. Bayma, I. P. de Souza eS,
Sebastian Verges, e 1 escravo.
UM
dos
POUCO OE TUDO.
Hstados-Unidos noticia o se-
0 Carrea)
guintc :
Xo dia 23 de setembro ultimo teve lugar na Vir- reponder"
.'" g'nia (territorio de .Nevada) una partida de boxe, Pl.;mi,|',n
taMtar. .Nos outros, a zcs (pUgi,at(l)) que terminou por um'a sanguinolenta !daoCo ,ue s
sobre tal circulacao : ella se (iPSordem aao com que s
do as luzes ao nonto mais I t'1 ![.,.. ... .. n_..,. jb. ^________..____da venda da c
Muito estimo que logre feliz sadc e toda a I-
lustrissima familia.
N". B.Assim como Ihe autoriso mais para ven-
der duas outras casinhas de taipa na rua da Ma-
triz, achando qliem compre, e sou de V. S. amigo,
attencoso, venerador e criado
Antonio Pinto de Azevedo.
Illm. Sr. Pedro Paulo dos Santos.Pernambuco,
16 de dezembro de. 1859.Recebi a sua cstmadis-
sima carta de 12 de dezembro corrente, e passo a
Priineiramcnte muito Ihe agradeco a prompti-
se servio de remetter-me o importe
casa da
a
l
TI
cr
i*
o
-1
o
w
c
I
c
i?
2
n
a

a.
l?
g"
MOVIMENTO DO POETO.
Navio sahido no dia 13..
CearVapor francez de guerra Fulminante, com-
mandante Le Besconte de Coatpont.
Navios entrados no dia 14.
Rio de Janeiro e portes intermedios 7 dias e 16
horas do ultimo porto, vapor nacional Princeza
de Joinville, de 917 toneladas, commandante 1.
tenente Francisco Manoel Alves de Araujo, equi.
pagem 58.
Rio de Janeiro e Babia 6 dias, vapor inglez Pa-
ran, de 1720 toneladas commandante Jellicoe.:
Baha13 dias, barca ingleza Albinus, de 626 te-1
neladas, capilao C. Watson, cquipagem 15, em
lastra de piassava; a Johnston Pater & C.
Observaro.
Suspendeu do lamarao para Bahia, o patacho
inglez Despatch, capitao Grozier, com a mesma:
carga que trouxe de Boston.
Fundeou no lamarao o brigue braslero.Wann/io
III, mas nao teve communicacao com a trra.


o

c
a
5"
V3
5
3
c
1
n
w
9
Q.
c
p
B5
V
-i
cr
o
5
o

-
ti
F I

a.
o
V.

\c
~ 14 --

IDADE

B
a
='


9n
a-
n
o
o
a
-
3 O
- u k.
0 0 O
. 3V. t
S.H 13
Q.O V
i 1 M P S 1 -9 o. "i g"
ESTADO
2
>
>
O
vi
a
zr
3
3"
a
w
3
cr
?
r
1
O
w
o
>
Vi
I
o
o
DECLARACOES.
Sania Casa da Misericordia do
ccifp.
Alllm'juuta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico que no
dia 17 do corrente pelas 4horas da tarde, na sala
de suas sessoes, tem de ir praca o fornecimento
dos gneros abaixo declarados que houvcr de con-
sumir os dilTerentes estabelecimentos pios cargo
da mesma Santo Casa no trimestre de Janeiro
marco prximo futuro, a saber :
Estabelecimentos de candado.
Assucar refinado lino, arroba
g
I i
S3
A
* I
I
3

o
> m-
!* re-*4. veta -. 4e Pw-
* ae ha prurara. pnral-
afra. tan arham | t ra Ta aar maaia
jar ana aawate para al
las mmente levando Tuzes Va"Vponlo'ma' I "Tom^ilv e llillv Mac Praih sin imn nihilistas 'da venda da casa da ll(!ll(,,,i(,'a- e j'inlamehte o I Dito refinado segunda sorte, arroba.
com a irradiacao dos seus eflVilos e-1 -fi-M, H'Rora^mSSrttaS Dito em torrao, arroba.
aifamados no )est, de sorte que o combate dostes Sr Jos joanuira de Sant-
ir ^~_k-. _. 1 .;j dous celebres boxeurs atlrahio ao valle de \Vashoe1
__** lr ta *w '* a,nda urna multidao consderavel do Carson City, de Gal
a M-ressao implcito 110 porte Hill, de Washoe City e de todos os pontos do ter-
ral untaste recabe em grande narte sobre a r,or0 '
agricuHura, que no entonte ja rga 10 por cento Ao co,n 0 combate> fa duas horag da ,arde
mais de mil pessoas estavam grupadas em volta da
arena-, e encelada a lula, Daly tornou-se o favori-
to do publico e lizeram-se consideraveis apostas
por elle.
.t a
.rtar-1
1 Irv n-^
aCVc4_lmta 1.....111 t>
a tt 4l e C 4_ e I tala
amyr miitataa*.
Vi. l
^entft7
e irii|>usH-ao sobre os seus
cultura quando assim rontrbtie, mal cunta como
}so correspondente a essa concurrencia com o
frac* 1 beneficio da viaco publica, que todava em
gcral quasi nulla entre nos; no entretanto que
<> haUaiiies das cidades usufruem de quantes
<-omi!KKh o de ipianlas vanUi^'ons a civili>acao St
arcojaaralar u'ellas, por exetnplo, boas ras, illu-
miaacaa, thealros. etc., etc.
Sesia siluario, pois, s pessoas do centro s
resta o recreio da leitura; mas este momo Ibes
taaVuliado por tal modo, carecendo, para elTecti-
vaaMaie gosareiii-no, de pagarem um imposto
equivab-nie 20 por cento dos livros e jornaes que
subscrevem, ao pam que as da cidade os rece-
fcem pelo preco da suisciipco lo smente.
I3M amtaas rtra, esta desigualdade nao deve subsistir sem
e PM.7M tatas que ajqareca ja um remedio, que a extinga por
ofensiva e oppressora em sua existencia. A jus-
tica absoluto o reciauu.e a atlencao que os legisla-
tajres erem ler a quem a somm de gosos se re-
l~, paria retos coafnbuintes na proporco da sua con-
Ici- irmnicao, fas esperar a extnecao do porte de jor-
naes e 4 outros iiupressos, mesmo porque d'ahi
rejafcario outros lieuelicios de ordem publica.
~-_ft"ta deve ler lugar a apurarn geral dos vo-
taa para membros assembla provincial pelas
amaras munici|iaes dos- respectivos dislnctos,
a qmem incumbida esta funeco.
O Kvm.* Sr. padre mestre Lino do Monte
1 par 275. Camelo foi quem preguu no acto religioso que
a Ufo* eetarou-fe na casa de detenrao no domingo ul-
e nao Fr. Gamillo do Monte Carmelo, como
foi publicado nesta Revista por engao de
nauiLiu.
_ Fram exonerados de vice presidentes desta
proymeia os Exms. Srs. visconde de Camaragibe,
j"*** Vfr* Crus e Dr. Joaquim Pires Machado
Pertrlla, que oceupavam na classificaco ordinal
a L: 1- e 3. lugares.
A caanoaetra francesa Fulminante seguio
t'Anna Guerra, que me
entregou a dita quantia.
Agora Ihe peco que quem faz nm favor acaba
de fazer dous, como V. S" me diz cm sua carta que
ha quom dsse 605 por outra das duas que diz a
Arroz pilado, arroba.
Bacalhao, arroba.
Toucinho de Lisboa, arroba.
Velas de carnauba, arroba.
Sabo, arroba.
procuraco e que mora a um anno desde j Ihe; Caf cm grao, arroba,
autoriso'toda a minha conlianca e a bem da pobre, CM preto, libra,
preta para V. S. poder fazer tudo qnanto estiver
em seu alcance, pois tem a procuraco bastante
pois eu dou por bem satisfeito tudo quanto V. S.
naSr am ?' u ^unda'"ve* lda> as probabilidades jzer devcndo exigir des morador os loguis que
2ffm^HBisetnMst9 no em,,uan,IM,nh0 o mii^
elle o alcancen MM murro no rosto que foi -A me (em t d nt0 for de seas ser.
e que fez com que se attnbuisse ^ qmm |,iePp0.ssa pre:!lar. Mui0 estimo que
logre feliz sade e tudo quanto Ihe respeita. Sou de
iaJ*t,
m. n.

declarado desleal
a victoria a Daly.
Este desenlace foi o signal de um tumulto indes-
criptvel; aquellos que tinham interesse de urna
ou outra parte atacaram-se mutuamente com furia;
e mais de vinte tiros de pistola foram disparados,
cinco pessoas feridas gravemente e dous cavallos
mortos.
Segundo a narracao de urna lestemunha ocular,
foi isto um pnico, urna confuso, um salve-se
quem poder, dos mais extraordinarios : a gente
que estova a p, os cavalleiros, as carruagens de
toda a qualidade, atropellavam-se, procurando o ra-
mnho mais curto.
Muitas pessoas ficaram seriamente contusas, e
entre os ferdos citam-se dous dos principaes intc-
ressados no drama : um Mexicano chamado Epe-
tacis Maldonado, mais conhecido pelo appellido de
Muchacho, apostador phrcnelico, que recebeu qua-
tro balas e que de certo nao escapa, e Harry La-
zaras, um dos hroes do sport americano, ferido
com duas balas.
Este ultimo lilho de Izzy Lazarus de Buffalo,
que tem no Centre street, em New-York, urna ta-
berna frequentada por boxeurs, e polticos de baixo
andar.
miago urde para o Cear.
O Sr. Y Jnior remette-nos a seguinte poesa:
A FLOR.
A flor to mimosa, que outr'ora entre as llores,
Do sol aos queimares corava a folhagem;
A flor to garbosa, que outr'ora lardiuha
Mova-se asinha ao sopro da aragem ;

.-
.nffe francs Estremadure trouxe sea
oran, da Europa, 199 passageiros, e recebeu em
amo porto 15 para os do sul.
r? eB*ano sabio em nosso numero de hon-
Jf"1 "*. parle do registro do porto, o A flor to gentil, qu'nda hontem vivia,
ue^escuna FUeUdade. j E os ares enchia de gratos perfumes ;
julgadas as provas dos exa- A flor, que era outr'ora cercada d'amores,
praceaso de habilitacao para o magis- A's outras mais flores causando ciumes;
leo primario, sendo os dous concurrentes appro- i -
naos siatptesmente. A flor, que tao linda de cures diversas,
Tere logar tambera hontem o comeco do **is folhas dispersas em bello contraste,
exame de capacidade para o mesmo magisterio do o sfinro da brisa, que nella rocara,
sexo feminino, sendo produsida a prova escripia (ienUI St embalava no alto da hade;
wSnSto^oktabHtonda apeDaS Sr* -1 A. "r- >ue era ^ *e*i e altiva,
RaAancAO da polioa R amores esauiva- rn8'ndo d'amar,
Poram recomidos, i casa de detencao no dia 12 Por fim sempre amou, por flm se renden,
ao corrale : E o seio ofTreceu um lindo cantor ;
A' aroma do Film Sr. Dr. chefe de polica, Ca- Mas, ai I... a infeliz, a flor desgracada
nao Rodrigues da Silva, Pedro Celestino d'AI- Morreu abrasada as chammas d'amor f...
le
V. S. atlencioso, venerador, criado c amigo.
.tnteNiO Pinto de Azevedo.
Illm. Sr. Pedro Paulo dos Sanios.Pernambuco,
25 de Janeiro de 1860.Muito estimarei que V. S.
logre i'liz sade eludo quanto Ihe pertenec.
Recebi a sua estimada carta remetiendo o im-
porte da venda das duas casas da preto Benedicto
por mao do Sr. Manoel Pereira de Sant'Anna, pois
estou muito satisfeito com tudo, o que muito Ihe
agradeco o trabalho que teve V. S., pois aqui me
tem a seu dispor para ludo quanto fr de seus ser-
vicos, por ser de V. S. seu venerador c criado.
Antonio Pinto de Azevedo.
(Estao reconhecidas.)
PUBLICARES A PEDIDO.
Lendo o Diario Pernambuco de hoje, nao posso
deixar sem explcacao urna correspondencia do
Sr. Dr. Julio Augusto da CostaiGuimares, official-
maior da secretoria do tribunal do commercio.
Quem conhece o Sr. Dr. Julio sabe, que nao
possivel v-lo trahir os segredos, e faltar con-
lianca devida ao seu emprego.
S. S. nao tem necessdade de defender-se,
E o Exm. Sr. conselheiro Firmino Antonio de
Souza, presidente do tribunal, nao o pode desco-
nhecer, como magistrado de altos conhecimeutos,
de reconhecida generosidade e fortuna.
Lastima-se, que S.Exc. queira privar o publico
da satisfaccao, do estudo e aproveitomenlo, que
deve provr dos seus trabalhos, seforem elles da-
dos luz.
} Publique S. Exc. toda sua correspondencia, to-
dos seas papis, em particular todas as suas deci-
soes sobre aggravos e empates, fazendo conhecer
a materia, e as razdes pro e contra.
Isto agradar muito aos entendidos, e aindamis
aos advogados e magistrados.
Recife, 9 de setembro de 1863.
0 apreciador.
Pasillhas vermfugas de Hcmp.
As pastilhas vermfugas de Kemp sao por sem
duvida alguma, infinitamente mais eftlcazes e uteis
do que todos os mais remedios per gosos e nau-
seabundos que existem para a expulso das lom-
brigas. Elles nao sement expellem e deslrem
esses incommodos parasytas, mas tambom remo-
Mantega franceza, idem.
Tapioca, idem.
Farinha de mandioca da trra, alqueiro.
Vinho tinto de Lisboa, cunada.
Dito branco idem, caada.
Vinagre idem, caada.
Agurdente, caada.
Azeite doce, caada,
Dte de carrapato, caada.
Farelo de Lisboa, sacca.
Patrimonio dos orphos.
Assucar refinado, libra.
Cha preto, libra.
Caf em grao, libra.
Manteiga franceza, libra.
Arroz pilado, libra.
Bacalhao, libra.
Batatas, libra.
Carne verde, libra.
Peixe fresco, libra.
Toucidho de Lisboa, libraa
Farinha de mandioca da trra, alqueire.
Feijo,alque,ire.
Azeite doce, garrafa.
Vinagro, garrafa.
Sal, cuia.
Lenha em achas, cento.
A le tria, libra.
Pao, libra.
Bolacha, libra.
Os pagamentos scro feitos mensalmente. Os
pretendentes devem comparecer cora suas propos-
tas em cartas fechadas, que sero dstinctas, sendo
aceitas propostos especies para o fornecimento de
pao e bolacha.
Sao os mesmos pretendentes obrigados apresen-
tarem fiadores idneos que se responsabilisem pelo
fiel cumprimento dos contrates.
Secretoria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, I i de dezembro de 1863.
F. A. Cavalcanti Coussciro.
Escrivao.
Correia geral.
Pela adminstracio do corris desta cidade se
fas publico que as malas que tem de conduzir o
vapor nacional Princeza para os portes do norte,
serlo fechadas hoje (15) as 3 horas da tarde: os
seguros at 2 horas, e os jornaes at meio dia.
Pela subdelegada da Vanea se fax publico,
que se acham depositadas duas vaccas, sendo ama
castanha, lisa, magreirona, e outra alvacento, bai-
xa e grossa : quera for seu dono, compareca, que
provando, Ihe sero entregues.
Varzea 14 de dezembro de 1863.-O subdelega-
do 2a supplente era exercicio,
Jos Joaquim da Costo Guimaraes.
Qaarta-feira 16 do corrente, Anda a audien-
cia do iuiz de pax do 2* districto da freguesia de
Santo Antonio, iro praca varios bens penhora-
dos Manoel Jos d'Assumpcao por execucao de
Jos Joaquim da Silva Calmarles.
Quarta-feira 16 do corrente, linda a audien-
cia do juiz de paz do 2o districto da freguezia de
Santo Antonio, iro praca varios bens penhora-
dos a Joaquim Emilio de Medeiros por execucao
de Jos Bernardo de Sena.
C'onselho aduiiDistraiKo.
O conselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra, tem de comprar os objectos se-
guintes :
Para o arsenal de guerra.
'"olla da Bahia, 5 arrobas, lio amarello 50 no-
vi'lios, llanella para soadores doselins oOcovados,
linhas de barca para caixa de guerra 20 pecas,
bo de linho branco de I l|2 pelegadas 2 pecas,
lencesde. zinco que preencham o numero de 1,600
palmos quadrados.
Para a enfermara dos menores do mesmo arsenal
Colxoes com travesseros cheios de palha 13,
gaz 6 galoes, para o arsenal, zarco 9 arrobas.
Quem quzer vender toes objectos aprsenle
as suas propostas em carta fechada na secretaria
do conselho, s 10 horas da manhaa do dia 16 do
corrente.
Sala do conselho administrativo para forneci-
mento do arsenal de guerra, 9 de dezembro de
1863.
Antonio Pedro de S Brrelo,
Coronel presidente.
Sebastio Antonio do Reg Barros,
Vogal secretaria.
Qaarta-feira 16 do corrente, rinda a audien-
cia do juiz de paz do 2 districto da freguezia de
Santo Antonio iro praca varios bens penhoradas
Frankhn Pinto de Sorbona, por execucao de Jo-
s da Silva Olivera.
ORKrMO.rEKA'..
Relacodas carias seguras > indas do sul pelos va-
pores Princeza> e Magdalena para os senho-
res abaixo declarados :
Antonio Alves de Miranda Guimaraes.
Antonio Correia de Vasconcellos.
Ernesto Ignacio Cardini.
Francisco Jos da Silveira.
Julio da Silveira Lobo.
Joaquim Cavalcanti de Albuquerque (Jaboato).
Joaquim Gilseno de Mesquita.
Joaquim Cardoso de Almeida.
Joo Silveira de Souza.
Dr. Jos Sergio Forreira.
Luiz Antonio Vianna.
Manoel Ribeiro Bastes.
Antonio Jos Ferreira Braga.
D. Constanca Custodia Venancio de Souza (Ma-
ranho).
Christovo Gomes Pereira.
D. Eufrazia Mara de Jess.
Francisco Morcira da Cunha.
Francisco Xavier de Martes Telles.
Tenente Gaspar Jos de Miranda.
Joaquim Alfonso Maciel.
Joaquim Leopoldino Barrete Maciel.
D. Joanna Francisca Paes Barrete.
Jos Joaquim F. de Carvalho.
Jos Joaquim Alves do Amorim (i).
Jos Maria da Costa Pinto.
Jos Mendos Vieira.
Maneel Ignacio Pras.
Pedro Marinho de Almeida e Silva.
Vuva de Ventura Pereira Penna.
,BNETE ptico de recreio
Caes 22 de Novembro
N.iO
Em frenlc ao passadico da Recife.
HOJE DE DEZEMBRO DE 1863
Grande apresentaco de novas e importantes vis-
tos de divorsas partes do universo, como sejam
vistos de movimento onde se v um irimpmm to-
cando violo, um rlquissimo ehafarii deitando
i
/
l
l
ILEGVEL)


I ti -

Diario de Pernanibuco Terca felra 15 de Dezeiubro de 1863.
dan-
te netas
as respeta
% da preco
BRASTT.F.TRA
paooteTa VAPOR.
. W wprmli aa parteado marte
J|^a\ atradu Mdeearreaae o vapor
M^L ***** Aara itunde, o qiul 4c
roo sejara I palsoira c 1 par re rosetas Jo ouro
an 14 brillantes e nuis objectos de ouro e pra-
ta: aa II horas do da cima indicado cm seu
esrriptorio ra da Crui u. 38.
AVISOS DIVERSOS.
LEIUO
DE
aaccas com algodo ava-
riadas.)
IHnrta-feira 16 de dezembro ao meio
da em ponto.
O agente Pinto far leilao por conta e risco de
quem pertencer de 60 saceas com algodo avaria-
do, as quaes se acham depositadas no trapiche do
algodio onde se effectuar o leilao ao meio dia em
poni do dia cima dito.
LEILAO
freguezia de Santo Antonio.
Os bilhetes e raeios acham-sc venda na
respectiva thesoararia ra do Crespo n. 15
e as casas commissionadas ra da Impera-
triz n. i i, lojadoSr. I'imentel; ra Direita
n. 3, botica do Sr. Chagas; ma estreita do
Rosara n. 12, typographia do Sr. Mira e ra
da Cadeia n. 45, loja do Sr. Porto.
Os premios de 10:000*000 at 20/1000
a*~e*~a>' sej" e*ssa, organdys, casemiras, chapeos de serao Pa80S uma hora depois da extracto
laAC feltro e de massa para homem, ditos de laa, ditos
DE
Fazeadas franozns e niiu lezas
Para liquidar.
Qnarta-frira IB da corrate.
Cab Irmaos querendo liquidar sua casa lano
leilao por inteiveneao do agente Pestaa de todas
as mercadorias existentes em seu armazem como
Lotera extraordinaria
Vos 10:000iK)00 e 2:000/1000.
Corre no dia 24.
0 abaixo assignado tem resolvido ex-
trahir no dia supra mencionado, vespera do
dia do nascimento do Redemptor do Uni-
verso, uma lotera extraordinaria, a a quarta parte da quinta em beneficio da
igreja de Nossa Senhora do Guadelupe de
Olnda, e a sua extrae?io ter lugar no con-
NOYES
IIB
PARTIDAS DOBRADAS
OFFBBECIDAS
I ASS0CIAQA0 COMMERCIAL BE.WICENTE
DE
i*i:ii\ wiiii reo
POR
OJ
Terceiro escriturario da Uiesoiiraria
sistorio da igreja de N. S. do Rosario da d faienda te Peruambueo e competentemente au-
- Jos Azevedo de Andrade faz
scinte aeco'po do commercio desta
pi'ica k a scun fregue/.es em ger I, que
transferir o seu est-b Icciraeiilo de fa-
zciidassilo ra do Crespo loja n. 20
A para a de n. 18 da mesma ra.
Ana para ser alunada.
Uma parda moca com todos os roques! tos para
uma casa de familia, sahe coser, engommar, vestir
uma senhora, e tratar do criancas : pode ser pro-
curada a pessoa que est encarregada de a luga-la.
no estabelecimentodos Srs. Quinteiro & Ag*, na
ra Nova, das 9 hora:
tarde.
taV ua Anujpt 4
JUMA PHLWMBt-CvNV
a vapnr
a aade
Scae a dia 16 as II horas
4a ataaniit tapar Jupa araV,
te Labal. Recebe
carta al o dia 13. KociHiinx n
das, lossagaro- e diabetro a fre
a M horas
-a. I.
de seda para senhora, luvas, hicos, pentes de tar-
taruga de encllente gosto, ditos de alisar o de bu-
falo, muitos outros artigos que tudo se achara pa-
tente e ser vendido sem a menor duvida nem li-
mite para liquidacao da mesma casa : quarta-fei-
ra 16 do corrente pelas 10 1|2 horas da manhaa
no seu armazem ra da Cruz.
3M | cap al o dia 15. Eacoouaea- bLIjbLAO
W fas, parcriariro- e diaheiro a fre- DE
esrxiplorio l'ma fabrica de deslilacao e seus pertcnces, uma
___________ diia de sabio e seus pertcnces, uma grande
t mmat m w wwi/\ propriedade c diversos terrenos, gneros de
f m 0 J JANE [RO dislilaeao, botijas e garrafas vazias e garrames.
t ^ n corrente o' agn,e Almeida autorisado pelos Srs. admi-
eeefce rteratna a fretr nara nistra,,ores liquidatarios da massa fallida de Joa-
dos trata -i com <,uim ^u*10 Meoteiro da Franca, far leilao da
Lua dV Oveira Pr,friedade Ja r" ^ova de Santa Bita n... na
da Cruz nn ' I sabio, tendo tambem uma grande casa de morada
. com todos oscommodos nao s para familia como
revi- proporres para acommodar empregados necessa-
^Oae- os para taes eslabelecimentos, uma magnifica
carrecaaMoto cysterna para conservar 800 pipas de liquido, al-
A longa pratica que tenho do movimento desta
casa, em que por espaco de cinco
par Mr vane de
"ra,
Ihebka, efiassagrtros, gans terrenos annexos a im-sm propriedade, um
*,a^nas r^>l**fira. dito na ra Imperial, diversos gneros como ge-
*2nrp Saaaa a. V, araneiro nebra. vinlK de caj, essencias, grande porcao de
____^____________ botijas, garrafas e garrafcs vazios.
Quarla-feira 16 do corrente.
A' porta da assoriaco commercial s 11 horas
os preleadentes poderao examinar os estabeleci-
nK-ntus |>ois se acfiam abortos para esse fim.
Porta
relra barca
carga e pas-
dtOKveira, ruada
Ite (nuide do Sul.
aacsoaal fiaba irm, 6e
carta por freles baixos
4 Obaaira. roa da Cadeia
LEILAO
ls 10 hars em pona.
Uma armario de amarello envidracada e ou-
tros objectos,
yaarla-feira 16 te dfiembro.
O agente Pinto far leilao requerimento de
Cals A Irmaos e por mandado do lllm. Sr. Dr. juiz
aesaar rom nre- esper4al do commercio da armacao de amarello
" carrT i envidracada, I balcao, 1 banca, 2 cadeiras. 1 ca-
f bid, 2 armarios, 6 chapeos para meninos, 7 tou-
m 2i enfeites para cabeca, 3 chapeos de castor,
e 90 caixas de papelo objectos pertencentes a
madama Kosa-Hardy e exislentes na loja do sobra-
do da ra Nova n. 0.
LEILAO
aaaair com bre-
e para o resto tra-
a fcnpaarin de Tas>o
e os outros no dia seguinte depois da distri-
buico das listas.
0 thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
_ O Sr. Jos Francisco Pinto Guimaracs, cirur-
giao pela escola real de cirurgia de Lisboa, trans-
ferio sua residencia para a ra Nova, n. 60, pri-
meiro andar, onde pode ser consultado todos os
dias uteis das 7 s 10 horas da manh, acerca das
doencas denominadas cirurgicas ou externas espe-
cialmente daquellas, em cujo tratamento mais fre-
quentemente intervem a medicina operatoria.
CLUB PERNaIBCANO
A reunido familiar tem lu
gar na noite de 17 fio correnke
mez
Caita filial de Loudon e Krasilinu Itank
(limtlcd em i enianibuco.)
A caixa filial de London e Brasilian Bank em
I*,.. i ii ,w",w !" \-wii UJ IIC11II1U3 S?11B?> faz CtTtc ? Sub,,co e raa'f cspe'' dos> tnt0 na etucaco scientilica como na moral
m Cllc il.n/.ll*iil..r.-- orn entilo nr. rt*IOa1
Na dia 7 de Janeiro prximo achar-se-ha, pois,
torisado para exercer e pro-
fessorato parlicnlar de aiillimelica nanicsina
provincia.
Acha-se esta obra nos prelos da tvpographia
tommercial, d'onde em breve sahir 'luz da pu-
bhcidade em ntida impressao e sob o formato de
porluguez.
l^ompdo-se esta obra de um volume, dividido em
urna parle theorica e oulra pratica, de fcil alcan-
ce as pessoas que se queiram dedicar ao estudo da
escrituracao.
A respectiva assignatura acha-se aberta em to-
das as hvrarias desU cidade, ao preco de 5\5000
l>or volume. ______
Imperial Instituto dei\. S. do Cuh-
sellio, ra da Aurora n. 30.
Como consta da declaracao foita por meu cu-
ALUGA-SE
Una boa propriedade de sobrado no lugar da
Torre em mtiilo boui local, milito fresca e esla
forrada de papel, com hasta Mes conimodus para
uma grande familia, tendo cocheira, cslnhai ia.ba-
nbeiro, boa cacimba, muitos arvoredos e novos,
urna grande baixa decapim e muito bein tratada,
cuja propriedade a que foi anteriormente do so-
licitador Manoel Pereira Magalhes, quem a pre-
tender dirjase a ra da Sonzalla Velha n. 100, no
primeiro andar, das 10 horas da manhaa s 3 da
tarde, que se promette alugar por preco razoavel
pedendo levar a chave para examina-la.
Alugam-se as lujas dos sobrados do pateo do
da manhaa 1 hora da Terco ns. 12 e 29 proprias para qualquer estabe-
lecimentopor seren boa localidade e bem espa-
i;osas: a tratar na rua da Praia n. 36.
Naques sobre Portugal.
O abaixo asignado, agente do banco
mercantil Portuense nesta cidade, saca ef-
fectivamente por todos os paquetes sobre
e mesme banco para o Porto e Lisboa, por
qualquer somma, vista e a prazo, po-
dendo logo os saques a prazo serem des-
contados no mesmo banco, na razio de 4
porcentoaoanno ans portadores que as-
sim Ihe citnvier: as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
Soeiedade de seguros mutuos
de vida iustallada pelo Banco
l 'olio na cidade do Porto.
ja
a tomar assignaturas e prestar todos os esclarec-
^^r^^-^mfS^S 'n?nt0S qUe fren'ne'-VoVs pessoas que de-
com que muitolfpas faimS5 Mn?S me K' f^1" co"correr Para ,a ul" ? benfica empre-
raranl; e sobret^o a animacSo u tive de algus ("' Segarand Um fulur0 llsonge,ro aos as50e':,dos-
amigos, com especialidade do lllm. Sr Dr. "Jos j3Sf8'ljf
Soares de Azevedo, a cujo cargo est confiada a, m
direccao scientilica do estabe leci ment, resol veram- M \\hfi 1 |\Tfl II- PARlN
me a tomar sobre meus hombros tamanha empre- W-" "^1 UUIHIIIO
za, que contina sob a invocacao e protecco de
N. S. do Bom Conselho.
Nao tenho pretencao de exceder a altura a que
a direccao de meu cunhado clevoo. o estabeleci-
menlo, mas pretendo desvelar-me para que nao
perca elle o grao de crdito que Ihe deixou, pro-
metiendo por mim e por minha senhora todo o dis-
vello para com os meninos que nos forem conlia-
Kal.
araaaal Cm-mm-
afeMte eseraaas: pata quizer
caai Maasel Igaacio de '
awajar raaiais m
A FahM. tara* do Orpo Saaaa aT I*
DE
"i obrado de um audar em
Manto Amaro.
QuarU-feira 14} do corrente.
O agente Almeida competentemente autorisado
Tari leilao de mn sobrado de um andar sito em
Santo Amaro rua do Lima ou travessa da Fundi-
rlo do Star, com 4o palmos de frente e 96 de fun-
do, oosinha tora, cocheira, quarlos para
eseravos, cavallarice, ludo em poni
4 C, a ea t .mpaariu rua
x-suir
-u anmja-
falla e es-
imndos
l.uiz ra<, com portao de ferro, com fundo
cialmente aos seus deposltadores em conta cor-
rente que se v na rigorosa obrigacao de alterar
as suas condiccocs deste modo de deposito, nao
smentc pelos"proprios inleresses da caixa, como
tambem pela conveniencia do publico, como a ex-
periencia o tem mostrado.
Portanto fiquem as ditas condiccoes desde o !
de Janeiro prximo futuro em diale, modificadas
como segu:
Smentc se receben) quantias de 50$ para
cima.
Nao sao contados juros sobre quantias deposita-
das por menos de 7 dias.
Os juros fiquem reduzidos a razao de 2 por cen-
to ao anno capitalisados como d'antes.
As retiradas do dinlieiro podem ser effectuadas
a vista sem distincejio de quantias e sem previa
parlicipacao obrigada c sim obsequiosa se isto Mr
possivcl.
Os depsitos a tempe fixo as condiccoes so as
seguintes:
Pelo tempo de 30 dias vencerao juros a
raiao de 4 0|0 ao anno
69 5 0|0
90 6 0|0
180 e alem 7 0(0
\o lugar de ( ampo Grande
L'ma casa de taipa coberta de tena, perla e ja-
nella, no lado de norte, perteneente a Manoel Fer-
nandes Sinsdes, tem de ser arrematada em praca
no dia 17 do correte porta do Sr. joiz de paz
do segundo distrieto da Boa-Vista, s 9 horas da
manhaa.
de novo aberto o eslabelecimento concurrencia
49Rua Xova-19
Frederico Gautier, cirurgio dentista, |
faz todas as operacSes de sua arte, e col- gg
loca dentes artiliciaes, tudo com superio- 2
ridade e perfeieao, que as pessoas enten- %S&
didas Ihe recoiiliecem.
Tem agua e pos dentificio.
WBSm
Antonio Jos Rodrigues de Souza aluga a sua
casa e sitio do Monteiro, em frente ao oilo da
Hontem 13 do corrente a noite, um portador
que da Capunga segnio para o Beberibe em um
cavado de cor rufa, novo, com canga I ha, deitan
do-se a dormir pelo sea estado de embriaguez, de-
sapparereu o cavado o cangalha : por isso roga-se
a quem o liver achado leve-o ama do Queimado
n. 2.1, que ser gratificado.__________________
- Aluga-sc ou vende-se um pequeo e bello si-
tio no becca do Maxixe, freguezia dos Afogados,
com diversas e odorferas fructeiras e uma boa
casa terrea de ljelo, com excedentes commodos
para familia, e alguns pequeos beneficios, achan-
do-se tudo no melhor estado possivel : a traiar na
rua doRangel n. 61, ou na povoacao dos Afogados
cm casa do annunciante Querino Josi; dos Santos.
O abaixo assignado deixou de ser caixiiro
do lllm. Sr. Antonio Joaquim de Mello no dia 12 do
corrente, e agradece-lhe muito o bom tratamento
que teve durante o tempo de quatro annos que foi
sea caixeiro.
Joo de Almeida Lima.
Precisa-se alugar una prela de boa conduc-
ta que saba engommar bem e cozinhar : na rua
ilo Queimado n. 44, primeiro andar, paga-se bem.
dos alumnos, tanto internos como externos, cont- i '8reJa dt S. Pantaleao, com bastantes commodos:
nuando no mesmo predio da rua da Aurora n. 50,, a tratar..na ibesouraria das loteras, rua doJrcs-
onde passarei a residir com minha familia. '' P g; _______
Recife 12 de dezembro de 1863.
_____Antonio Augusto Ferreira Lima.
Milita attenco.
m-f
Acaba de chegar a esta cidade um machi- quartas e sabbados de cxda
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da
rua do Crespo n. 23 : a tratar na loja.
i Antonio Jos Rodrigue:' de Souza, na rua do
( Crespo n. 15, precisa alugar um moleque para o
Avisa-se ao respeitavel publico que nao faca servico de casa de familia, c que saiba bolear car-
transaecao alguma com*a letra de 1:0003 vencida ro> sendo de bons costumes.
em maio, aceita pelo Sr. Pedro Alexandre de Mat-
tos e proveniente de arrendamento do engenho'
Macaco, por quanto essa letra foi raptada ao pro-!
prio donle sacador junUmente com o seu facto
na oc' asiao om que csteve agazalhado na noite de
quinta para sexta-feira, gratifica-se generosamen-1
te a quem apresentar na Estancia casa n. 4, um
signal qualquer que conslitua prova de quem seja
o autor do sobredito rotibo, o qual consta no todo
dos seguintes objectos : palito! de panno preto ,
cjm umacarteira contendo 103, alguns papis e
a referida letra, um collete de fustao de cor com
salmeos trancos, uma calca de merino de cordao'
e cha|wo inglez de palhinha branca e bengala,
duas saias uma de madapolao c outra de sarja, 0 Sr. Luiz Paulino Cavalcanti
preta, um corpmho branco guarnecido com enfei- buquerque, tem urna carta nesta tvpograiihia.
tes de tr.\ncas pretas e mais 13 que estava sobre --------------------------------^-!-!-----
uma mesa de marmore. | Precisa-se de um bom cosinheiro ede uma
vaiavi^l^l.i^^i^iiJ,i^i^>--i^i^T' ama 1ue s:ii,'a engommar e lavar : traiar no
&t%M&M&3lM'%\3 sobradon.32,da rua da Aurora.
Contina a ftaverpode senleio novo nos dias Curso de
Dentista americano
[De \on-Vork. na do
rador n. G3.
Dr. W. H. Me. Grath, offerece ao res-
peitavel publico de Pernambuco os ser-
vaos de sua prolisso, todas as opera-
coes da bocea e dentes serao executadas
com o ultimo e muito melhorado princi-
pios de cirurgia dental.
ra criados e nista Ja exj)enmenuto com 20 annos de pratica, em Santo Amaro ae pe da fundicao, na rua da Im- pectivo professor estabeleccu um modic.
grande, mu- lanto as offleinas do Sr. Fausscth, em Liverpool, i peratriz n. 22, e rua do Brum, confronte o chafa- para ensinar perfcaincnte esse bello idi
) at o po, .corno nos engenhos da liba de Cuba do Sr. conde |rizn. 47 rua das Cruzes, deposito n. 39, na Pas- crever 4r traduzir e fallar granimalin
comprehendendo um viveiro, alguns terrenos pro-: dc Orely, e em muitos outros onde em tido oe- sagem, taberna da esquina do Sr. Bento, que vira experiencia acaba de o demonstrar e
ximos que e vendem *m separado. casao de plantar a sua nvenco chamadacarre- para o Remedio, e no armazem pregresso, largo as pernambueaas que fallara a di
fara Valnarain.
O leilao tera lugar porta da associaeao com
aaereial s II horasdedia acuna.
ez a larca
ruisag*iros
a tratar
Param A d rua do
1II epae
24 4aaraea4e,
r*%. aara as ajaaes em ev a tratar aweatnpaanadeM. J.
* i iinv aarai da Vicario a. Id.
telpara Iransfereacia do bagare da canna so-
! mente com o motor que a faz aieer sem outra
. despeza mais que a compra do mesmo carretel,
poupande-se assim -o trrico de 20 eseravos.
; Persuadindo-se o referido mchinista que a ma-
china de sua invencio que a tanles annos lea
produzide os melhores resultados seria tambem
Quarla-fCira ludo COrreilie S \ I TrO-, proveitosa nesta provincia, vem offerecer sen
da Penha n. 10.
no
ttw de Janeiro
hreridade a pata-
de s<*a earrega-
r ae falta e escra
eaari'Wealri cumnw
fMaaifntataii'K Aadmin
&C,ai seaeserptario
ras m ruada (ladeia n. SI.
DR
t an sitio e casa de vi venda
principio da estrada rio
Mangainho e esquina da rua
da lotizado, era chao
proprio.
: sem limite.
Por inlervencae do agente Euzebio se vender
in leilao naquellc dia e hora o sitio casa de vi-
venda cuja iropriedade -cm ch.o proprio, tendo de completo elogio.
m- vender em um s lote, aito se duvidar no case K um Iivko utilissimo para a educacao moral
de liau.-r .u.-in qm-ira se fazer a venda em tres lo- religiosa das .familias nao s pela su doutrina e
;- na 1/2 palmos de frente, sera 72 palmos conhecinieutodc um dos .ata ores e mais consola-
laciuindoa casa um *>te, o segundo ser de. 100 dores mysterios de nossa religiao, como pelas ora-
ar a esquina com 200 palmos de fundo, e o ter- c<5es que acompanham a totas as leiluras. um
zade cer-a de 21 9 nteressante oitarario para a celebrago da fosta
i presumo a qualquer jiessoa que detki queira usar
tanto nesta cidade como no interior da provincia.
Para semellianle fim .podem-se dirigir rua da
Imperatm n. 52, aonde o mesmo niachinista
enifiregada em concortar machinas de costuras,
| espingardas, bombas e tudo que |rtence a sva
arte.
Sahifi luz a traduccao da Epiphania do pa-
dre J. Ventura, feita pac m caihouco. Dividido
em ojio lennras, conidia este livro a mais bella ex-
posicao do.mysterio davinda dos Magos ao prese-
pio de Belem. O nome^Se seu autor o seu mais
para Parla por ter parte
e passageirus.
eaprtio tu : l"**"?*5 a -W. C9 *&> o fHndo a extremar com
i a sitt do Sr. Gadault, pelo que sao convidados -os
--------------- preleadentes ao previo exaiae, na verdade ser
RLI nn acquisiro de aproveitar a oppor-
recebe mmitie.
liEIItlO
&IIIIS
ae
Um caira americano de 4 rodas com arreios
para um cava I lo.
Qniuta-frlr.1 19 de dezembro.
O agente Pinto far leilao por conta de quem
perteneer de ara rabriolet americano novo de 4
rodas cora rreios para um cavado, as II horas
do dia ariata dito no trapiche do Barbosa em fren-
te ao Carpo Sanio, ande poderao os pretenden tes
ciiaanirtu o referido carro na vespera e entre-
espera e dia do leilao, podendo entenderein-se
o atento agente em seu escriptorio rua da
Cruz a. M.
dos Reis Magos.
0 seu producto destinade pelo autor para au-
xilio do collegio de orphos, que o virtuoso hispo
do Cear est fundando na capital de sua diocese:
este annuneio portanto um appello s almas
curislaas para que conrorram com uma esmola
para um fim o po e tao louvavel.
Vende-se na livraria da rua esrcita do Rosario
a. 12, e. na livraria econmica de .Vogueira, a 23 o
exemplar encadernado,
- Precisa-se de uma ama de leite : na rua es-
treita do Rosario sobrado n. 8, segundo andar.
.. lingua italiana para as meninas e
r senhoras, no novo auno lectivo de 1864. O res-
co ordenado
ionia, a es-
granimalicalmenle. A
ni duas meni-
pernambucanas que fallam a dita lingua com
muila graea como qualquer senhora italiana. Aba*
GalMtete medico eirume* rea dos li-28Jol8C<5806 c ,enICS da f:,c,lllla,e des'a
Rlnmc Q7 cidadedo Itecife hzeram ao respectivo professor a
flOreS O. o/. honra de o consultar a respeito, as diversas obras
O Dr. Estevao Cavalcanti de Atbuquerque d ^e direito de habis jurisconsultos italianos. As
consullas medico cirurgicas em seu gabinete das senhoras que desejarem esludar cm suas casas essa
8 s 11 horas da manhaa c das U at s 3 horas bella lingua e suas poesas, antes que chegiiem as
da tarde, os chamados deverao ser por escripto e companliias l\ ricas esta provincia, tem as suas
dessa hora em dianle dever ser procurado naca- orden* o respectivo professor, homein de toda edu-
sa de sua residencia o Chora-Meuino. cacao e respeito, rua da Soledade na Boa-Vista
1. Partos. n. 66. O mesmo protessa as linguas latina, greca e
2. Molestias de pelie. franceza, e as falla correctamente.
3.- dem dosolhos. v
4. dem dos orgaos genitaes.
Praticari toda e qualquer opora^ao cm seu ga-1
bnete ou era casa ds doentes conforme Ihes fr "
mais con*vjnienle.
Ao n. 29.
Nova leja dos bartenos na rua te Queimado.
Velludo de cores fazenda muito boa o covado
.13000. bales de panno 3320Q, ditos de arcos
33000, 43000 c 33000, liias de duas larguras
para vestido o covado iiOO rs., chitas francezas o
covado 360 rs., nwtim braneo para forro de
vestido o ewado 190 rs., tarlatanas de todas as
cores a vara 720 rs.
Ao a. 29.
Nova loja des baratearas na rua do Ojteimailo.
Cassa lisa pede de ovo a peca 73300, cambraia
lisa muito fina a peca de 17 varas 13, cam-
braieta peca de 12 jardas 73000, cambraia adamas-
cada para cortinado a peca de 22 varas 103000,
Attcn^ao. ^
Bai Santo Amaro de Jabalao ha carro v
de aloguel c cavados por pre^o comino-
do, as pessoas ou familias que necessita- jm
rem de viajar dirfjam-se eoxeira 110
mesmo logaron poner dirigirse rua *"
Direita casa de Joaquim Antunes da '*5
Silva.
Aluga-se a casa terrea n. 26 da rua da .Ale-
gra: a tratar na ruada Impcratriz n. 40.
A pessoa que annunciin precisar fallar ao
Sr. Jos da Silva Capella para infonnacoes pode
dirigirse rua da Cruz n. 36.
Precisa-se alugar urna prela para casa de
pequea familia, para fazer compras e cozinhar :
na ruado Brum, caldcrarja n. 40.
^'S? fina!.par se?hl?ra_dlIzia a **000, Aluga-se um sitio na Capunga velha, com
boa casa, contendo 4 quartos, gabhietB, cacimba
com boa agua, quarlos para prelos, estribara c
fructeiras, lodo murado : quem o pretender din*
ja-se roa do Crespo n. 18, primeiro andar.
^ Na travessa do Costa junto a fumlicao ero
Santo Amaro, ha algumas casas pequeas' para
alugar : traia-se na mesma travessa 11. 2 ou ">.
Arithmetlca, algebra c gcouie
tria.
0 professor de mathematcas no gymnasio ""o-
vincial pretende abrir um curso particular destas
sriencas, no da 4 de Janeiro do anuo vindouro,
se houvcr numero sullcienlc de alumnos: os pre-
tendentes dirijam-se casa de sua residencia na
rua Direita n. 74, para se matricularen!.
ATTTBIVCAa.
Aluga-se um bom sitio no Manguinho, com bas-
tantes arvoredos de fruclo, boa casa de vitanda,
casa fra com quartos para pretos, estribarla, ca-
cimba com boa agua, e tanque com casa para ba-
nhos: quem o pretender, drija-sc rua Nova,
loja de calcados n. 7.
O irmao juiz da irmandade de N. S. da Sole-
dade da freguezia da Boa-Vista pela segunda vez
manda convocar mesa geral para o dia lo do cor-
rente, as 4 horas da larde, afun de se proceder a
elcicjo da mesa regedora do anno prximo futuro,
visto nao se ter reunido no da marrado numero
SHfllciente do irmaos. Pelo que o irmao uiz roga
encarecidamente aos nossos irmaos queiram acce-
der a este convite, em honra de nossa gloriosa pa-
droeira.
Consistorio da irmandade de N. S. da Soledade
da Boa-Vista 13 de dezembro de 1863. O eseri-
vao da irmandade,
Salvia DO Piulo Brandiio.
Quem qnizer Dar 2OO3 a juros sobre hypo-
theca em uma casa de vivenda c uma de rancho,
toda em muito bom estado, na freguezia dos Afo-
gados, queira deixar uma carta na mesma typo-
graphia com a? iniciaes M. P. C.
Precsa-se de um moleque de ii a 14 annos
para fazer o servico de casa : quem o liver para
alugar guaira dirigir-se rua Nova n. 2'i.
Aluga-se o segundo andar da casa da roa de
S. Francisco n. 68 : a tratar na rua do Queimado
u 8, primeiro andar.
Aluga.se um moleque com dade de 12 a 14
annos, por preco commodo ; na rua dos Mal Itrios
n. 2, segundo andar.
AoSr. subdelegado do Recife, pede-se que
por amor a moral publica e pojo das familias, se
digne fazer corrigir a dous individuos moradores
na travessa da fundicao (meia dozia de passos do
sua casa), que com as obcenidades que constante-
mente proferem. nao s privara as familias mora-
doras na rua dos Guaranaes de ehegnrem s ja-
nellas, como anda dentro de casa Ihe sao feri I 9
os ouvdos, pelo que ha de mais immoral c torpe;
e como ainda 110 domingo (13), soccedesse que in-
do pessoa all moradora admocstar a i:;n dedos
liara que so corrigisso, fosse por elle injuriado o
ja se baja pedido providencias a um inspector do
quarteirio da freguezia, sem que se obtivesse re-
sultado; faz-seo presento, esperanda-se de sen
zelo pelo servico publico, providencias. Assim o
esporamOs inenmnnxlados.
Caixeiro
Na taberna grande da Soledade precisa-se de
um caixeiro com pratica ou sem ella.
Sitio.
Arrenda-se o sitio lortas, junto ao palacio do
Sr. hispo em Olnda. com cacimba de ba agua do
beber, e muitos arvoredos que se achara carrega-
dos de frnctos : a traiar na rua dos Onaraj-anes
n. 46. '
Agencia de passaporte.
Claudino do Reg Lima, despachante de passa-
porte, tira-os para dentro e ora do imperio por aq veii
commodo preco, e com presteza : na ruada Praia
n. 47, segundo andar.
de laa ponta redonda 323300.
Ao d. 29.
Xeva loja dos barateros na rua do Queimado
Bkos pretos de lnho arara 120, 160, 240, 320
rs., franjas de seda a vara 80 e 160 rs., galSes
de seda de algodo e de lia para enfeites de vesti-
do a peca de 10 c 13 varas a 400. botocs de seda
liKIlil
IM
VIWAA
O abaixo assignado, encarregado da cobran-
ca judicial dos dbitos da botica do Sr. Joaquim de
Almeida Pinto, previne ao Sr. Jos Goncalves da
Porciuncula que perdeu as receilat, para cujo pa-
gamento foi Srae. citado, tendo ellas sua firma,
menos uma que est assignada a seu rogo por seu
sogro Fortnate Jos Das de Sampao, bem como
uma ordem que o mesmo Sr. Porciuncula havia
dado para receber a quantia de 203 por conta de
seu debito, tendo-se verificado essa perda do lugar
de Apipucos al a Casa Forte, no da 10 do cor-
_ far leilao por conta de quem rent- a,jaixo assignado protesta contra quem
de 3 carros de passeio americanos vn- Pre^n^^ '"er uso desses documentos, que a nin-
a> New York uo patacho inglez Merseu, dos Kuem podem utilisar. Becife 14 de dezembro de
ais andemos que lera viudo a e.ta praca ii86-' <>aelano Mendes da Cunha Azevedo.
e aauto eleaaates, os quaes serio vendidos cada| Os abaixo assignados declaran que encarre-
nat ae per m na porta da associaeao commereal, garam o Sr. Andr Avelino Sobreira de Mello da
"fe* *' corrente pelas 11 horas da ma- cobranca dos bilhetes do nosso beneficio. RecifeJ
14 de dezembro de 1863.Jos Bernardino de Bar-
ros.Jos Antonio dos Santos Porto.
3 carra* fe aasseit anericaaos aara
assir a festa.
Qaiata-feira 17 do corrente.
ae aeaarao expostos a concurrencia
a ajaal desde j o agente espera.
LEI.LAO
l m
M
aonrado de 11 m an-
a cidade do Ararat}.
Almeida far leilao requerimento
da massa fallida de Seve Fi-
*Ca ataaiaili) da IHm. Sr. Dr. juiz especial
_**yt**' ** vm "**> de um andar com
JS patatas de largo tanda 3 jaaetlas na frente, na
na das Flores da cidade do Aracaty era chais fo-
rearus a caaaara nnnicipal de dita cidade.
Sntihra, 8 de janeare te 1S6L
aporta da aaaocucao caaunercial s 11 horas ; os
podenioMer qualquer informaco do
Anda estar por alugar a casa da rua do Am-
paro da cidade de Olinda para se passara festa,
cora 5 quartos e 3 salas : quem quzer, dirija-so
mesma rua, na taberna por baixo do sobrado.
Prccisa-sc saber se existem nesta provincia
os subditos do eslado pontificio Guilane Sabati-
nee Aiexandre Sabatne, a negocio de seus inle-
resses : queiram dirigir-se rua do Imperador
armazem de louea n. 41.
Precisa-se de um pequeo porluguez de 12
14 annos para caixeiro de taberna, se no liver
pratica tambera serve : na rua da Paz n. 2.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado de es-
quina da rua Bella n. 37: a tratar na luja de ou-
rives junio a igreja do Rosarlo da freguezia de
Santo Antonio.
PAIIA A FESTA
Aluga-se uma das melhores casa no Cachang
confronte a igreja, murada com caes & portao para
o rio, pintada e caiada de novo: a tratar na rua
do Queimado, loja n. 43.
Ainda se precisa de uma ama : na rua da
Senzala nova n. 39, taberna a quina vollando pa-
ra o becco Largo.
O Dr. Antonio Vicente do Nascimento Feito-
sa, tendo de re tirar-se para a corte do Ro de Ja-
neiro, atim de temar assento na cmara tempora-
ria, cerno deputado asseinbla geral por esta pro-
vincia, avisa ao respeilavel publico, e com especia-
lidade aos seus constituintes desta c de ou tras pro-
vincias, que o seu escriptorio na rua estreita de
Rosario n. 23 contina sob a direccao de seu com-
panheiro e collega o Sr. Dr. Joaquim Jos de Mi-
randa. Os solidos estudos do Sr. Dr. Miranda em
jurisprudencia, a pratica que possue dos negocios
forenses, o conhecimento que tem das causas do
escriptorio, onde irabalha lia rile annos, e o carc-
ter probo que o distingue, sao garantas sufficien-
tes de que na ausencia do Dr. Fetosa os negocios
forenses a_seu cargo, e os que occorrerem de novo,
prosegoirao com a mais pe feita regularidade.
0 Dr. Feitosa avisa, outro sim, ao respeilavel
publico, que as pessoas que quizerem ouvir suas
opinies, poderao remetler-lhc para a corte suas
consultas por intermedio do mesmo Sr. Dr. Miran-
da, certo de que a resposta Ihes ser enviada pelo
primeiro vapor que d'alli partir depois do recebi-
raenio da consulta; assim como all se encarrega-
r da direccao de revistas ou de quaesquer nego-
cios forenses.
O mesmo Sr. Dr. Miranda flca munido de pro-
curaco bastante para traiar de qualquer negocio
que diga respeito ao Dr. Feitosa, quer particular
quer forense.
nho Roncador na freguezia deS Lourcneo da Mal-
ta, do coronel Jos Pires Catnpello porexecuco
que Ihe move Jns Jeronymo Monleiro pelo ju'izo
commercial, escrvao Paes deAndrade, faz-se certo
a quem convier, que o dito engenho tem de ser
arrematado por seis annos como foi determinado
pelo juizo, sendo que o dia da arrematacao ser a
19 do corrente como j fra publicado por edilal
do mesmo juizo.
Aluga-se o sitio da Capunga, perteneente
Sra. vuva Torres : a tratar na rua Direita, loja de
cera defronte de N. S. do Terco.
Deseja-se fallar com pessoa encarregada dos
negocios, nesta cidade, da Sra. D. Candida Mara
Pedrosa, na rua Nova n. .11.__________
Alugam-se as casas terreas na rua da
Calcada n. 48 e rua Velha n. 22: a tratar
na rua do Sebo n. 24.
rmandaile de Yossa Senhora Alai dos
Homeiis.
Por orlemda mesa regedora convido todos os
nossos irmaos a reunirem-se era mesa geral alim
de se traiar de assumptos de grande nteresse pa-
ra a irmandade, quarla-feira 16 do correnlo, s 6
horas da tarde, no consistorio da greja da Madre
de Dos.0 escrvao,
Joaquim Gerardo de Bastos.
Casan para se passar a festa.
Ainda no Cachang existe por se alugar casas
para se passar a festa, entre as quaes uma nova:
quem pretender, dirija-se rua do Queimado n.
14, que poder dar infonnacoes.
Precisa-se de um pequeo para caixeiro de
loja de ferragens, de queja tenha abruma pratica :
a traiar na rua do Queimado n. 69.
Aluga-se barato o segundo andar do so-
brado n. 44 em araa da Aurora, que lti-
mamente fora concertado c pintado de no-
vo : quem o pretender dirija-so loja do
Bastos & Reg, na rua Nova, que achara
cora quera tratar.
Aluga-se a casa n. 36 na rua da Matriz da
Boa-Vista: a tratar na Ponte Velha, taberna n. :J9
O Sr. Jos Francisco de Souza Jnior tera
uma caria que se diz de seu particular interesse,
na rua da Madre de eos n. 12.
Precisa-so de um moleque de 16 a 18 an-
nos : quem o liver para vender, queira dirigir-se
rua do Trapiche n. 12.
Aluga-se a cocheira da rua Imperial 11. 112 :
a tratar na rua Direita n. 6.
D-~, ,Dr" ios6 UbtinU)Barroso, parlindo para o
Rio de Janeiro lomar assento na cmara tempo-
raria, dexa encarregados de snas causas aos Drs.
Apngio Justraiano da Silva Guimaracs e Joo Jos
Ferreira de Aguiar : a tratar em seu escriptorio
na rua do Imperador n. 17. Durante a sua oslada
no Rio de Janeiro encarrega-se de qualquer neg-
cio relativo a sua prolisso de advogado.
Precisa-se alugar um preto para o ser-
vico de casa : na rua da Cadeia do Recife
n. 20.
Precisa-se de um pequeo para caixeiro de
deposito com alguma pratica : a tratar na rua da
Senzalla Velha n. 48.___________
Agoslinho Martins Campanho subdito por-
(uguex vai a Europa.
Aluga-se a casa da rua de S. Francisco n.
27 : tratar na rua da Florentina 0. 32.
ATTMQAO.
Jos Mariano de Albuquerque ainda tem para
alugar o sitio da Torre : a traiar com o mesmo na
rua do Imperador n. 12.
Caixeiro
Precsase de um caixeiro que tenha pratica do
taberna : na rua das Cruzes n. 39.
Precisa-se de uma ama para rozuhar e en-
gommar em casa de duas pessoas, e que d conhe-
cimento de sua conducta : a tratar no becco das
Boias n. 2, quarlo andar no Forte do Mallos, das
4 horas em diante.
Na tarde do dia 9 do corrente, desde rua
Direita at rua do Sebo, perdou-se um par de
ocios de aros de ouro, com vidros partidos e do
graos differentes : quem o achou querendo 1
tuir leve-o rua Direla n. 91, Io andar, que ser
recompensado.
No escriptorio de Amorim Irmaos, rua da
Cruz n. 3, deseja-so fallar com o Sr. Antonio Joa-
quim da Costa Santiago, cuja morada se ignora.


Mario de Penuimbneo Terca Iclr 15 de Dezembro de 1SSS.
Venda tic urna hypvthrxn.
Os liquidalarios da massa fallida de
Jos Antonio Itasto venden i liypolhe-
aljofares con pean, _Be j^ B#s eBeCnb0S lUtlo Gl'i>8S0
es a 15 cada urna. i ^ o l-
parlpub. e Cajabussu no terne de Serinhaem no
i para pannos, muito bonitos' va|or r> 31.835$9i1 TS. ; IralnT lias
Ha 1)0 LHItlM R. 65
l.*ja da> be I ja-flor.
Vahas a aljafare
Mi
aaatoas.a** rs.opr
Vaos para ramas.
Tradra rr furninhv para meninos, de cabo oi-
u vado, a O rs. o talaer.
Lia para bardar.
Vcadr f lia de todas as cores para bordar a
ATOO a libra.
Facas e garfas.
Vwf ir facas e garlos de cabo preto cravado
a SjaMadaria, aitas de bataneo de i boloes para
a **K> a ntia.
Lavas de Jan.
Vcadesa-se hrras de Jnnvin chegadas pelo ulti-
;, tanto para Horoem como senhoras.
Eitrartos ialrzes.
Vcadca :c extractos inglezes maito barato por
stao comprados era leilao a 240 r*. o frasco.
Escaras para denles.
Vradnn ~f escaras para denles a*l20 e 2(0 rs.
rada urna, ditas anulo linas inglezas a S00 rs.
tacas df l.
Veadei-se toacas de lia para menino a 800, i<|
< I ** cada una.
piliili lia.
Vraaeaw sanabas de lia para meninos a
tM.9Me0a0 cada par.
i VraaVa rr lesearas para coslura a 500 rs., dius
, rara aafcasa MW rs. cada ansa.
CiHariaair.
V.mif se mWinrtir de papel a 40 rs. cada
a. di*-de basto a 40 rs.
Pases de travesa.
TiaaVan nr avales de traressa para menina, de
a 9M rs. cada as.
dejacaraad
'i asta re swaderes de Jacaranda a 24500 e
cada asa.
bravas para rsapa.
VeadcssH* escaras muilo finas para roupa a 400
eSMrs. cadaaau
Isprlhir r estaje.
Talm rr esaHlms ron estojo para navalhas a
-4. i&m e 24000 cada bol
lanacas prctos.
Veadrai-se adrenos relos a 24200 cada ade-
am
alies de arala.
Veadeaae MaVs de aerla para collcte e vesti-
das a M0 rs. a astotoadiira.
cusas a roa do irapiflie n. 34.
Cal de Lisboa e pofassa da
Hnssla.
Vende-se na ra daCadeia do Recife n. OT, para
onde se mudou o amigo e acreditado deposito da
mesma ra n. 12, ambos os gneros si novos e
legtimos, e se vendem a preco mais barato do que
utra qual(|uer parle.___________
AGENCIA
a*
FNDICAO DE L0W-M00B.
Ra da Scnzalla noia 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos.
-"^aifir i ir- icaaora a 240 rs., sa|tates de cou-
34. borreguins para lio-

-aasaar aaam aafaaaa raVra aat- r* c safan- Iraaentes a
,, jM.afcr : aa tan larga da ato- aeai a 2-*-'*m. ditos franeezes a 44. saja tos de ta
' pase jora man i a 640. para lioinem a 800 rs.,
' __aajaj....
1431 -jalos de lustre para senhora a 800 rs. :
nn |H Ouartois a. 21 junto a laja de fum-
Fj,. >sr
Lea*
aaa-ti : aa raa 4a
riKi A VKSTi
RM<- franceses em oainhas cara diversas os-
an eilerior da caixa, e em latas as mais
- lora aiiiiHi. e inuito proprias para en-
f. Br* l_V>w a 24 as raixinhas: na ra do Queimado n.
7. arsaaaeaa atino c camiercio, e jaleo do (armo
W arauaxai progressivo.
Meias do Porto.
Vendem-se na toja de ferragens da ra da Ca-
leta Vellia n. 44, meias de linho e igualmente de
algodao, por preco muilo commodo.
Venderse manteiga ingleza flor a 14 e 800
rs.. dila hollandeza muito fina a 880, dita franceza
a 600 rs., banha de norco a 460, queijos chegados
no ultimo vapora 24300e 24100, taiiciaho do scr-
tao especial jualidade a 240, carne do mismo lu-
gar a 360, linguieas do Serid a 320, chouricas o-
ras a 800 rs., paos noves a 560, macarrio, lalha-
nm e eslrelinhas a 480, ores novas a 240, passas
a 480, figos a 240, alpista a 160, e oulros muitas
gneros muilo em conta : no largo do Carmo, es-
quina da ra de Hurlas n. 2.________________
"No deposito de lonca da fabrica do Bar-.
Iialho, roa do Imperotlor n. 41.
30 0|0 menos do que em outra qualquer parte.
I.nur.i vidrada de todas as qaalidades, e tao boa
como a que vem do estrangeiro e mais barata-
Fita para debrnn de vestidos.
Vende-se fila para debritm de vestido, a peca
com II varas a 400 rs. : na ra do Queimado, lo-
ja do beija-flor._____________________
Carrosas.
Vende-se duas carrocas para cavallo : a tratar
na ra do Sebo n. S4, taberna._______________
50YlQn)A?0
de fazendas inglezas, francezas, allemaas e suissas,
que se pretendem li(|uidar antes da festa do na-
tal, |>or precos baratissiiuos, alim de apurar di-
nheiro. sendo a inaior parte destas fazendas in-
teiramenle novas, chegadas pelos ltimos vapo-
res ; de todas se dao amostras, dcixando penhor :
na loja e annazem do pavao, ra da lmperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
As laazinhas la pavao.
J'endem-se as modernissinias laazinhas com 9'
palmos de largura, sendo lisas e de quadrinhos,
proprias para vestidos, Capas soutambaques pelo
barato preco de 14*00 o covado, ditas com 4 pal-
mos, lisas e de quadrinhos a 500 rs., ditas garibal-
dinas a 400 rs*, ditas enfeiadas de quadrinhos a
360 rs.. baivgcs matisados milito finos a 500 rs.,
laazinhas transparentes com palmas de seda a 500 ,
rs., ditas matisadas a 320 rs. o covado : s na loja
do pavao, ra da lmperatriz n. 60.
rosdcnaples ;t 1:300, ua loja do pavo.
Fazenda a lAoOO, 14600, 14800 e 24000 : s na
oja do pavao, ra da lmperatriz n. 60.
0 pavo vende os eorlinadas.
Vendem-se ricos cortinados adamascados pro-
pelo ba-
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston & C,
ra da Scnzalla Nova n. 42.
Vendo-se um cabriole! em bom estado : na
na ra da Roda, coebeira quo foi do Sr. Paulino,
na qual achara com quem tratar.
Um coneito e especifico para
expellir os Vermes,
Pastilhns rmifngas
DE KBMP.
Os Inennoe a podein :'i grites, porqjM
eaa b4< b cUttir, sabor v r :iirial:i-
veis. A elegftaeia, i saguridude do nc-
ca, o ioffeti8ivo dns
Pastilhas Vermfugas de Kemp
A PAIt DA SI'V
ATTENCAO
9 liAKCnO DO CARIflO 9
GRANDE SORTIMENTO
DE
PARA A FESTA.
Participan! aos seus numerosos freguezes e ao puMico em Reral (pie acabam de
receber de suapropria encommenda, o mais lindo e completo sortimento de molhados,
os quaos vendem por grosso e a retalho i>or menos 10 por cento do que oatro qualquer
annunciante, como verao pela seguinte tabella que abaixo notamos, garantindo os mes-
mos proprietarios nao s o peso como a qualidade de seus gneros.
AVISO.
Todos os senliores que comprarem para negocio ou casa particular de 1005 para
cima torito mais 3 a 10 por cento de abatimento, os proprietarios scientificam mais qtn*
todos os seus gneros sao recebidos de sua propria encommenda, razo esta para poder
veinliT por muito menos do que outro qualquer estabelecimenlo.
Castanhas muito novas a 2,ooo rs. a caixa, e
a IGo rs. a libra.
Composiro exrlMMTamfMie Vegetal,
s3o estas poi? ns suas nu-lhores e mais
completas de todas as reeommendacGes
ijue se p'ss fazer e c>in justa razan as
ooBoob na categora (Puin favorito niii-
VCl'S.ll.
A MijJtifivfaiiidc ilas
Pastilhas de Kemp
sobro todas as prermragos deatrhadna
para o mesmo fiii devido sua sim-
ples composioao ao si-u aroma agrada-
vel o rapidez o infallibilidade com
que alcanea a destniioo total das
LOMBRIGAS.
venda as boticas de Caors & Barboza,
ra da Cruz, e Joo da C. Bravo 4 C, ra I I(Jem (Q muit0 fill0 a 2 5oo rs a libra
da Madre de Dos.
a-----------ip--------:--------.~- i dem mais baixo pouco a 2, Tranca* de laa pelas e de cores. ^
Sendo lisa a 80 rs. a peca, e de caracol a 100 rs. \ dem mais baixo a 1,8oo rs. a libra,
a peca : na loja de raiudezas da ra do Queimado
Manteiga ingleza perfeilamente flor mandada
vir de conta propria a 8oo rs. a libra.
dem franceza a mais nova do mercado a 56o
rs. a libra, e 54o rs. em barril.
dem de pono refinada muito alva lato rs.
a libra.
Prezunto para fianbre a 8oo rs. a libra.
Cha uxim miudinho rindo de conta propria,
o melhor do mercado a 2,8oo rs. a libra.
dem hyson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra.
dem perola o mellior que se pode desejar a
2,7oo rs. a libra.
artSalV aaaas.
i. i^ aaOna-
i i j~#- 1
riliEUSBOV
\r9rm-*c toarrla coa cal dev
* la prwccatoara. cu podra, cfaega-
da h|r. r naira nova, qnr ha no
do. ata raa do Traplf Iir o.
B *
prios para janellas, c camas para noivos
rato preco de 9JW00 o par : na ra da lmperatriz n, ic.
n. 60, loja do pavao. Lnvas de JOMVn
Fastio ds pavao. brancas e de cores para liemein e para senhora a
Vende-se fuslo liranco para vestido e roupa de .^q 0 na )oa (le n,U(jezas da ra doQuei-
meninas a 300 rs. o covado, dito de palmiuhas a ^Q n ',6
;ia rs.. Urlataaa a palminhas a 320 rs., filo tran-
co liso, e tarlatana branca e de cores a 800 rs. a
vara : na ra da linperalriz n. 60, loja de Gama &
Silva.
A carnaha do pavo.
Vende-se cera do carnaUi em saceos, por preco
TII11S
hu 4a Stsualla 42.
Vendp-se. on casa de S. I'. Johnston & C.,
din- e sillines in;_i'/.>. candieirose casti-
racs Itroozeado.-. lunas inglezas, fio devela,
dsiosars para carros c montara, arreios para
cams e na c dou< cavallos. erologiosde
luiente inglez. __________
tt= Veti'V'-se hiscoulos i:i,'lozos em latas,
o. A. l'astw.id. ruada Cadeia
Vinho do Alto Douro viudo do Porto engar-
rafado garante-se a superioridade deste vi-
nho, das seguintes marcas : Duque, Ge-
nuino, velho secco. especial lagrimas do-
eos de 1810, vinho especial D. Pedro V.,
vinho velho, Nctar superior de 1833, Du-
que do Porto de 1834, vinho do Porto ve-
lho superior, madeira secca de superior
qualidade, vinho do Porto superior D. Lu-
izl.de 1847, lagrimas do Douro espe-
cial, vinho do Porto de l.oooa l,2oo rs.
a garrafa e de lo.ooo a 14,ooo rs. a caixa
com urna duzia.
Ghegado pelo vapor:
S para o vigilante, ra do Cres-
po a. 3.
At que chcgarain as muito desojadas cascarri-
aaW an anta, ou mais barato do (|ue em outra |nas e todas as cores com una lilinha de velludo,
qualquer parle : a tratar na ra da lmperatriz n. no centro, cousa muilo elegante para enfeile, assiin |
60. loja do (lama & Silva. como de outras quahdades, e precos muito razoa-
_ ^ veis : s no vigilante, ra do Crespo, n. 7.
A lOrSOOO, S 0 paVaO. Parada.demi.no.
\,c Checaram as riqnissimas Inmccas de lodos os
A ouiaHMiarquc. tamanhos, vesiidinhos ricameni. enjetados, cada Boiachmha de soda especial encommenda e a
%'estidos a tO|0. s aa loja tuacmsoteaiiinha, propriamente para un. de-. niaisnova que ha no mercadoa 2,loo rs. a
do pavao. <"ado mimo, por baratissi.no preco : s no vigilan- ^
Vendem-se os mais modernos vestidos de laazi- te, ra do Crespo n. 7 ... .* ,
nhas transparent^ com lindas barras bordadas a Paraos srnhores barharris. Biscoitos inglezes das mclhores manas em
S.Hilan-'onbarquo, irazendo cada um o enfeile pro- Chegou tempo a ri(|uissima lita de chamalote |atinhaS de 2 libras a 1,300 rs. a lata,
ciso nira .i corpo, sendo fazenda rhegada polo ul- para cartas dos senhores hachareis, assim como.
limo vapor francez, muilo pn.priapara o tempo de branca, lisa, propria para abrir letras, _ou para ,m in|
tosa o vendom->o pelo haralissi.no preco de I0A. sinlos : s no vigilante, ra do Crespo n. 7.
laMal e coalas TmIos
a loja do pavao. ra da lmperatriz n.00, de Gama
& Silva
de
ezes crakncl em latas de S e 7 libras
ooo a 6,ooo rs. a lata, o em libra a
8oors.
Vellas de carnauba e composico de 32o a
36o rs. a libra e de lo.ooo a 11,ooo rs. a
arroba.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
440 rs. a botija, e em duzia ou em barrica
ter abatimento.
MM0M para sopa macarro, talharim e aletria
a 48o rs. a libra e em caixa ter abati-
mento.
dem estrellinha. nulinha e pevide em cai'xi-
nhas de 8 libras, muito betu enfeitadas de
2,5ooa 3,5oo rs. a caixinha e a 6oo rs. a
libra.
Doce de goiaba em caixas do diversos tama-
nhos de 6oo a l.ooo rs, o caixao
Sabo massa de 2oo a 2io rs. o melhor, em
caixa ter abatimento.
dem hespanhol a 28o rs. a libra.
Peixe em latas muilo novo ; savel, pescada,
corvina, salmo e outras muitas qualidades
preparada de escabeche 2 "a arte do cori-
nhade l,2oo a l,8oo rs. a lata.
Figos em caixas de 1 arroba, 'e 8 libras
a 8,ooo 4,ooo e 2,ooo rs. a caixinha.
Frutas em calda de diversas qualidades a
5oo rs. a lalinha.
Marmelada imperial dos m-Madres coaservef-
ros de Lisboa a 7oo rs. a 1.Imitado 1 libra,
ha latas de 1 e 2 libras.
Massa de tomate em latas do 1 libra a 64o
rs. a lata.
Ameixas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas de l,5oo a 3,ooo rs. a
caixinha, tambem ha latas de I */ a 0 li-
bras de l,2oo a i,5oo rs. a lata.
dem em frascos com tai upa de rosca a 1,6oo
rs. o frasco.
hegados pelo ultimo vapor
cada um.
Peutea de auna.
Tambem chegaram os riqissimos penls
- m-
OS reos
o; r<*Hpra c venda la asatar s oulros gneros. | tjnc. <|lie
an bnio til para W necocianl s e senhores de i do pavao
Mis raa an toara de vista pdese' Chegaram pelo ultimo vapor francez os ma.
vater aosqn.-r aatoaa* afriat ros vestida i soutombaraue, sendo com as sa.as Esceca e camurea "da cnar ^f,'f' ^ vinho em pipa das mais acreditadas marcas
nomica ao pe do j feilas e ricamea.e Cdtoltad^.g*^ emnlmsjom Mas.tj^! SlgS,!"*^ como sjam B & ., PRR, JAA, outras
.. v.i.l... soiitinihir- marrafa com pednnhas.os indos pe les de regaro qup:os do reino chesa
vestidos a soaiamoar menilias, meias de seda c sapatn.hos proprios vuuj'""lJ*1
C chegaram para a loja ;ara baplisados, meias de seda para senhora, lilas de 2,000 a 2,200 Th.
de laa para debrum, lita de liaba, trancas de laa,;
is de linho e de seda, luvas de seda e pellica, e ho de dem prdtO a 700 rs. a IIDra.
r
t- aj-: vende--* na li
are. ae SaaK Ansaaio.__
iTorTiaado bordados.
!la-j :* rwriinad.-; Iionlados para camas fran
rfi-- < o ora aortas : aasavaa somenle na ra
,. (antlanas a. W. h-ja d<- C.iiiiiarcs A; *
Cal de Lisboa
a*- rVtrada ntliaiMarrilr: aa ra do Vigario n. 19,
Eai rasa ae Mills Uiliam C na ra d-
Crw a. veede-se Ierro plvani>ado de um do
_jfc,mu. bUicant<-> inglezes, proprio para diert
aadaoaa.
Ul" l"- lllill> III'Hl 1*1 ll t* t rt lilil "ooo ..< inn-.f,.....-.- ~ |-. fc-^.-.-v.,-------------' --------- n_- -
'" ambos a balaoricamente enfeilados, c vendem-se nhas de borracha para segurar manguintos, filase
- : K>r nreco favoravel : na loja c armazem do pavao cordes de borracha, sabonctes redondos, ditos
1 na ra da lmperatriz n. 60, de Gama & Silva. chamados de familia, pomadas de todas asquaU-
Os modernissImoM vestidos do
Taae
raade da Woledade
l'ariaha f arclls.
\< aaV-c fariaha de aundi-jca a \ a sacca e a
KV4i :>;Hk> BMiil" uov.___________________
%'ista> Isas.
A Ha -la anrora na ra larga da Rosario n. 38
aitas vi i .-
aaaaa.aal
em, ulo araade >*a
*!<..'. inf.-iao. |..: ,i/... .--imco.no rece- iendas mais modernas que ha para a festa. e ven-
ara rrtral.r- !< I. I.uiz I. I. Mara Ha, O. Pedro iemSe pe|0 barato pr -(-o de 360 rs o covado : na
Mea familia. loja do pavao, ra da lmperatriz n. 60, de Gama &
muitas mareas. Porto, Lisboa e Figueira :
de 48o, 5oo, 56o, 64o e 8oo, rs., e o do
Porto fino em garrafa, e em o nada a
3,ooo, 3,5oo, 4,ooo e 6,5oo rs. o melhor
do Porto,
dades e dos fabricantes mais afamadas, clcheles m
pratiados muito finos, relroz de todasas qualidades, (deni Uordoaux das mais acreditadas marcas
pavao. retroz em carretel e em novel lo, e de meada, de j a -]00 vs a garrafa, e a 8,ooo rs. a caixa.
Acaba de chepar um variado sortimento dos todas as cores, escovas para dentes. ditas para rm-,
mais modernos cortes de laazinhas. proprias para pa, ditas para chapeo c ditas para unha^ de todo | Garrafoes com 5 garrafas de superior vinho
com o garrafo.
linho da Figueira mais
proprio para a nossaestacao por str mais
livsco a i,4oo rs. com o garrafo.
vestidos, tendo as barras primorosamente matiza- os precos, e outros mais ohjectos que se lornaria p fa( 2 2q ^
das trazendo bada um c.te seu ligurino para enfadonho annunc.ar, e a vista dos heguezes pro-,
Mnoslra c vende-se na Ion do pavao, ra da Ira- mette-se Tazer todo o negocio: so no \ ig.lanle, ra k|em wm j fa d(. vj|
paatrta n.60, de G:ma & Silva.
PERCALAS DE liA
do Ccspo n. 7.
'. aaaa*
1*>a2|laa1
aaaadaraaaa. aanaa-
Vff-VAV SP
a taberna datravessa da na das Cruzes 6 com 'dem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
Vende-fe*" S fazenda Z Sa deuominada poneos fundos e bem re****. e gglMOO COffi 0 garrafo.
,,i.- 11 jasa, a morte cores ^oapara vestidos, e sendo urna dasfa- a tratar na mesma^______________________I nosso mercado a Ooo rs. agamia, e a
-------------------;-----57------. i 4,2oo rs. a caada.
Assucar do Montara
1 Ra do Imperador n. 28 e caes de ApoHo n. i Velas de asgarmacate as melhores neste ge-
nero de 56o a 6io rs. o maco, e em cai-
xa ter grande abatimento por baver
grande porco.
Azeile doce em barril muito fino a 6 lo rs.
a garrafa e 4,8oo a ranada.
hZEMKS
baratas para aeabar.
As bretaahas do pavSo. 67, a 200 rs. a libra, e de 8 libras para cima
Vende-se brelanha de algodo em peeinhas de a 55600 aarroba.
rolo cada peca com 10 varas, pelo diminuto preco
de 35200 cada peca, assim como lencos blancos
SfV de qoadros ede listras a:0 rs. o cora- ^y*" ^e/,-^ a aulia na loja do pavao,
alfada- b>,q^nntas a 380 o codo su- da g f n ^ e Gftma & jjfm
P-n-c ra-sas a> core- a 100 r>. o covaaa, mus -i~ .
7tt2ltt^oS^ Vende-se SZ \Xn WSaa, fazenda sem
A?cT tapiro, proprio para vestidos de senhora, para ca-
* _______________^_________ pas e roupa para homein, tendo esta fazenda seis
dem francez refinado a 8oo rs. a garrafa.
FAJLDTHA FONTANA.
Fanaka da niite acre>ila a marca
foataaa desembarcada kojr, vende-se
par prer mais cammoin do ane em
fial^irr Mira parte : raa da Cni
Na ra do Qucimatlo n. 43, esquina que Erviuias francezas.e purluguews a 64o rs. a
paimos"de largura e sendo muito leve, vende-se YOlt Uac CoU^rCgaCaO. lata.
pelo baratissimo preco do 25*50 o covado, garan- B' neehlneha. ,a n.
tindo-se que nao se torna ruca, e vende-se nica-: "Jfir, \ 7 \* e 14 ditos' dem portuguez a 18o rs. a libra,
mente na ra da lmperatriz n. 60, loja do pavao. < Paletots de casen ira a 5, 6 7 8, e w, o os. i 6
i de panno preto e azul a 9. io 12, *o,"w;m Toucinho de Lisboa a 36o a libra, e em
0 avie rende corles de caira. sohrccasacos de panno muilo flno por 2W e m
Vendem-so cortes de ealraa de casemira de cV ditos de alpaca preta c de cordao a 4, &, o e 7#
de eacliemira da Escessla a calcas de cascmiras de roresa o,{,, 7 e t, mas
1MI0. ditos de brim de prelas a 64S0O, 8, 9 c 105, paletots de fuslo o
res a 25400. ditos
.. A las. de !. 0. Bieber k t soeces- .um ^y^----; %% K^ M
arroba ter abatimeuto.
dem de Santoaa 32 rs. a liUa.
Caadla a a vemder-se
a pasa da mutis criminal, obra indisponsavel
de
mira
na
suWHefados, juites municipaes. V.l d. I Uhn**
eat, jara a bnaacia dos processos ''" r mm"o
oHisearias ponaej ; na anal o autor Vende-se superior sal de Lisboa, a bordo do bri- .
!< capitular a< diff.rentes dispos.cfte.s do co- pue Constante : a tratar com Manoel Ignacio de
a ooprasaa criminal. W de 3 de dezembro (Xiveira & Filho, largo do Carpo Santo n. 19.
a> MI c iijiiliairanr i especlivos, de modo que
tarsl a naaasriaira'i dessas mesmas dispo
Caf do 1.a, 2.a c 3. qualidade de 26u, 3oo
e 36o rs. a libra, doCearda8,2oo, 8,4oo,
. I e 9.2oo rs. a arroba do melhor.
600 rs. cadaum. e otros mnilos ohjectos que so .
i vlsia | e para sso se pede a attencao dos fre-1 Arim a inmSr jaYa eMaranhaO de 2,2oo a
1 guezes.__________________________------' 3,000 a arroba, e de 8o a loo rs. a libra.
easemira preta a U0O0 o UOOO. ditos de case- das as qualidades e por preco muito ''t0' '*"-
iraOnadecr a 55501): s na loja do pavao, ces de puro linho proco de.UW i ;* ;
da lmperatriz n. 00, de fiama & Silva. 5a de chita a 2*240, coltannhos de l.nho puro a
nn re raiia um o muros minios oh ectos one so
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso a l,ooo rs. a libra.
Conservas inglezas das seguintes maros:
Mixde-Picles e cebollas simples a 75o rs.
o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes a ioo
rs. o pote.
Sardinhas de Nantes a 32o rs. a latinha.
Charutos das mais acreditadas marcas da
2,5oo a 4,ooo rs. a caixa.
Champagnhc a mettior do mercado de 12.ooo
a 24,ooo rs. ogigo. ede l,2oo a 2.ooo rs. a
garrafa.
Papal grato paulado ou liso a 3,ooo rs. a res-
ma.
dem de peso pautado ou lizo de 3,.*oo a
4,ooo rs. a resma.
Gamma muito fina e alva a 8o rs. a libra.
Milho alpista e painso de 16o a 2oo rs. a li-
bra.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a grosa e 2oo rs. a
duzia.
Vasos inglezes de 4 a 16 libras vasios, muito
proprio para deposito de doce manteiga
ou outro qualquer liquido de l.ooo a
3,ooo rs. cada um.
Licores das melhores marcas e mais fiaos
a l,ooo rs. a garrafa e em caixa ter abati-
mento.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa
e lo.Soo rs. a caixa.
Chouricas as mais frescas do mercado a 8oo
rs a libra.
Genebra de taran} em frascos grandes a
l.ooo rs. o fmco.
Scrveja das mais acreditada* marcas de
5,5oo a ..loo a doria c u>ma* a 5oo rs.
a garrafa,
dem em botijas e metas, sendo preta da
muito crediUda mar T de 6,Soo a < .800
rs. a duzia.
Kua da Senzalla Aova n. 42.
Pianos noyos. Passas n 1t0 ^.^ a 8 Ci00 a caixa e 5oo
Os mclhores que tero vmdo a esta plaCi rica- nuartos
dos de encommenda por um dos melhores (abr- a lltira. Da catx.ts metas e quariOS.
raaa>aVatat-a-?
*ir,V SBeaaaaadas aul 1 dades; escripu pelo
lar. Vacase rarwifa C.mm-, jiz de direMo, ele..
1 vdkmtetm utavo ew*dcp::id<>55 : na ra do
laaa^nilar n.73.
Neste estabelecimento vendem-se: Jchastk ^^iS^^T^AZn^ Sevadmha df Franca a te rs. a libra.
icbolas em molhos grandes a 1,00o o momo
e em reskaa ^ftr,gj.^ai^21'j'^r
quem qnizer aproveitar a occasi.*
* I Efe SS,:* m*'"' Sag muito novo a 2*> rs. a libra.
ferro
, Moor libra a 120 rs.
Pimenta do reipo a 34o rs.
Farinha do^IaranMoa 14o
Tijolo para limpar facas a 16o r$. cada um.
Cominho a 64o rs. a libra.
Erva doce.
Caneuaai.oo^rs.ahbra. .
Batatas a 1.000 rs. o gigu com 3. libras hqm-
I das.-
t
i


w


_
mn

tolnrin de MiMwt ->- Terca Mm e*eil>ro de 18M
B0D M?&i
8*
ESTABELEOMENTO COMMERCIAL
DE
CUftEIMIl R FIIMH(J\0 DE MET4ES,
Mito as raa do Rrun n. 40 Jauto
a fadielo do *r. Bowoao- perteneente a
Villa? Iraio **: C.
Sesle stabeteamento eueontrarao os freguezes um eompleto sortimento
ta que a respeito as artes de cadereiro, fmileiro, latoeiro, ferreiro e
i, e os abaixo assstgnados que o dirigem, promettem servir a todas as
dignaran de os procurar, eom promptidao, sinceridade e pre-
rasoavets. O dito estabelecimento estando montado em ponto
no que diz respeito a pessoal, como em materia prima, e tendo
habis ookiaes, pode exccutar cora toda a perfeirao c seguranca qualquer
tendente as artes cima mencionadas e aflbitamente pdem os abaixo as-
ao publico que nenhum outro estabelecimento Ihe pode
c mais perfeito do que elles, viste que recebem de sua
iiupiii Liiuiimil rl" as materias empregadas em ditas obras.
Alaaabiqnes simpas e continuos de to- Sinos de 16 libras a 8 arrobas.
osa os tamanhos e dimenccs.
Machinas de cobre para destilar e res-
tilar espirito at 40 graos pelos sys-
temas de Logier c D^rosne.
Caraporas e serpentinas de cobre, e
estanh, avulsas.
Tawas e tachos de cobre para engenho Bombas para cacimbas,
erefinacio. de repucho. _
farocs de cobre c todos os cobres ne- Bombas para destilares.
cessanos para o fabrico do assucar. "Ditas para regar jardins, hortas e
Obres para rodas de moer mandioca.; capim.
Machinas econmicas para lavar roupa Ditas para navios e barcacas de vanas
aaehW possivel. I qualidades e dimencoes.
Cobre eaa lenco e arrodellas, estanho em barrinha, chumbo em barra,
tened e caaos de todas as grossuras. __
^^ Vlaga humo C.
Parafuzos de bronze e ferro para ro-
das d'agua.
Torneiras de bronze e bronzes para
engenho.
Encanamentos de cobre e chumbo de
todas as grossuras.
aspirantes e
CONSERVATIVO E CONSERVADOR
21 e 23Largo do Terco--21 e 23.
Joaquim Simoes dos Santos, proprietario destes estabelecimentos de molhados
'participa ao publico e a todos em geral, que vende nos seus armazens os gneros por
menos de 5 10 por cento do que em outra qualquer parte, garantido-so pela superior
i qualidade.
' Manleiga ingleza perfeitamente flor a 800 rs. a libra.
' dem franceza, viada pelo ultimo navio a 500 rs. a libra e 540 rs. em barris ou meio.
Banlia de porco relinada, a 400 e 44o rs. a libra.
Velas de espermacete e carnauba a 860, 400 e 600 rs. a libra.
Caf do Rio de Ia e 2* sorle a 270 e 300 rs. a libra, e a arroba a 80500 e 9/000 rs.
Batatas em catxas com 2 arrobas por 2*5000, e a 4o rs. a libra.
Toucinho de Lisboa, a 32o i s. a libra, e a arroba a 90000, ou barril.
Gh de 1\ 2\ 3a e 4a sorte-a 2,*800, 20500, 20000, e 40800 a libra.
Azevte doce de Lisboa a 30000 o galo, e a 600 rs a garrafa.
dem de carrapato, a 280 rs. agarrafa e a 25000 a caada.
Genebra verdadeira de Hollanda, marca gallo a 100 rs. a botija.
Milho alpista o mais limpo que ha a 160 rs. a libra a 46800 rs., a arroba.
Vinho verdadeiro Figueira eLisboa, a 500 e 400 rs. a garrafa e a caada a 30500 e 30000.
dem do Porto, a 4'aoOO a caada.
E alm dos gneros annunciados ha outros muitos baratsimos, assim como
queijos novos, chouricas, servejas das raelhores marcas, aletria, ameixas sevada, comi-
nho, crva-doce, pimenta, sabio, canella, paosphoros do gaz, que tudo se vende por
menos de 5 10 por cento, a diuheiro contado.
38RA DO IMPERADOR38
gata aalaral de Concillar.
*.....f IiIt ios aHerfes do tubo gastro-intestmal, nos dos rin?, e bexica ominara, pelas
wriffedcsaJcahiasTeo acido carbnico qne naturalmente contem em suspensao, de preco
Modo rae a atoa de !'*, e de propriedades talve superiores pela grande jnantidade de
rtomro imteae Brtu, agua d l Cketteu, cupahba de Mege, i*jtc<;ao Fnges de talo
-,,,. aaito recomieodada as gonorrheas. Urroy francei verdadeiro ; na raesma casa lem
i|n canas de istrnefts rinirg icos para operaooes de Matien e Charriere.
*! /LWIlgM
lar
>aaV
ialo9-
Xa raa 4o \ ipario armaiein o. 7. ha para ven-
der c*. epiiut"> rticos :
>ann.leinr. jmmo ^ nMnMa da Babia.
'* l"i%L Vuufrr I-arto.
t t cut* a i ,*-'. Vinh esfecial do Collares, em ancorlas.
* u mi ? *to do Porto em caitas de l e 2 dunas, o
n, em ancoretas.
laataaaaa.
lOaaatn.
__i de rariz.
Bhrarsasqutidades de vidros proprios para fco-
39i. nw e hw atetar pie ha no merca
<- .*r paricular do Cartaxo,
ali
i u.am a 3<*" <
uloo wu-tonal do Rio de Janeiro.
Velas acarias.
a Fanulu le Buadioea de S. Matheus.
y
0 GALLO CANTA
J sabido jue, quando cliega o vapor da Eu-
ropa, o gallo canta annunciando aos seus numero-
sos freguetes as galanteras de maisgosto e da ul-
ana moda qoe por elle recebe, como sejam :
Camsinhas par* stnkoras.
Rifjnissimas camisinhas com manguitos e gr-
vatinhas para senhoras : so no Vigilante, ra do'
Crespo 7.
Cirijolinht/s. '
Riquissimas eirigolinhas ou gravatinbas, sendo
rousa de muitogosto, e a primeira vez que appa-
rece para as seuboras de liom gosto : sno\ igi-
lairte ra do Crespo n. 7.
Pmtes ie comcka.
Ha para chegar riquissimas guarnieres de pen-
' lo* df lindo gosto. tanto para atar, como para mnr-
; rafas, por precos razoaveis : s no \tgtlame, roa l
do Crespo n. 7."_________________
Tranea preta He laa.
Vende-se tran?a pret de liia, lisa, para enfmtes \
de. vestidos, zuavos e mapas de meninos a 120 e .
1C0 rs. a peca : s (juera lem o beija-flor na ra ,
do Queimad'o n. 6-1. i
Na ra Imperial, defronte do chafara, vendem-
sc as scguinles mercadorias, pelos baratsimos
precos :
nana de marroqnim 185, urna pelle IJGOO.
Duxia de beierro 40*, Mina pelle 3*300.
Duzia de motas cruas para homem 1J800, par
160 rs.
Duzia de mcias brancas para senhora 2*300, par
0 rs.
Duzia de baralhos de cartas portuguezas finas z*,
baralho 260 rs.
Duzia de baralhos de cartas francezas 3*200, bara-
lho 280 rs.
Duzia de pentes em masso para atar cabello 15700,
um masso 200 rs.
Duzia de ditos em caixnha 4*300, urna caixlnha
300 rs.
Borracha para borzeguins, jarda 1*800.
Fitas de lita para borzeguins, peca 180 rs.
, Ditas de seda n. 11|2, peca 210 rs.
F velas para sapatos, groza 400 rs.
Fitas lavradas n. 4, peca I*.
Ditas largas n. 6, peca 1*600.
Ditas ditas n. 7, peca 1*800.
Dis ditas n. peca 2*.
Ditas ditas n. 12, peca 2*300.
; Duzia de sapatos de tranca escossez 18*000, par
1*600.
fc^* Rna do Crespo n. 5.
Na loja de Marcelino & C, vende-s(
baroee de laa de cures milito finos a 320
rs. o eovado, ditos lisos com 8 palmos de
largura, ricos soutembarqnes de cam-
braia bordado e outras muitas fazendas
de gosto proprias para o tempo de finta
ebegadas ueste ultime vapor, precos mui-
to em coi lia.
CAVALLO
Vende-se um cavallo cor russa, muito
novo, gordo e grande, com todos os uta-
res : tratar na cocheira de Jos Furni ass
ra do Imperador.
\<> armazeni de fazendas bara-
tas de Mantos CocHio
UA DO QUEIMADO N. 19 VENDE-SE 0 SE-
GINTE :
Esleir da India
para lorio de sala, de 4, 3 e 6 palmos do largura,
por menor preco do que em outra qualquer parle.
Lencos
de panno de linho pelo barato pre^o de 2*000.
LcBCes
ue bramante de linho fino pelo barato preco de
3*000.
Culteras de chita da India
pelo barato pre?o de 2*000.
Lencos de eassa
brancos, finissimos, proprios para algibera pelo
baratissimo preco de 2*000 e 2S400 a duzia.
Cimbris adamascada
para cortinado, pelo baratissimo preco de 10*000
a peca.
Pecas do cambraia
de salpicos, fina, com 8 1/2 varas, pelo baratissimo
preco de 4*.
Fil liso fino
pelo baratissimo preco de 680 rs. a vara.
Bramante de linho
! fino com dez palmos de largura pelo barato proco
de 2*300 a vara.
Toalhas alenchoadas
para miio pelo baratissimo prego de 3*000 a du-
zia. *
Pecas de brelanha
de rolo com 10 varas propria para saia, pelo bara-
to prego de 3*000.________________________
GRANDE
PECHINCIIA
Madapolao francez o mais superior que tem vin-
do a este mercado, vende-se a 600 rs. a vara, sen-
do em peca: na ra do Queimado n. 16, casa de
Gui maraes & Bastos.
rede-sc toda alirm-o.
Custodio Jos Alvcs Guimaraes, dono da loja in-
titulada Gallo Vigilante, ra do Crespo n. 7, avisa
aos seus numerosos tregeles e ao reapeilavcl pu-
blico, que tendo de reformar no fin desto auno seu
estabelecimento, equerendo liquidar grande quan-
lidade de diversos objectos, eslrosolvidoa vender
tudo por precos baratissimo?, como sejam :
Pegas com 45 varas de franjas de linho a 3*.
Ditas com 45 varas de galo de linho a 3*.
Laa soi tida para bordar, libra a 4*.
Froco de cores sortidos, pega a 160 rs.
Manguitos para senhora, o par 800 rs.
Golinhas de bonitos gostos a 400, BOO e 1*.
Salvas de metal principe a 1*500, 25 c 28300.
Ditas com copos de metal proprio para tneeim
1*200.
Facas e garfos para sobre-mesa a 4* a duita.
Ditas o ditos dita com cabo de marlim a ti-j.
Bandejas de todos os tamanhos nmiio Unas .i 15,
1*200, 1J400, 1*600, 2*300, 35500 e
Ditas redondas para copo de 500 rs. pata ftleOO-
Tesouras em caiteiras, a duzia a 30 i>, 640 t
800 rs.
Peitos para camisas, a duzia a 2*.
Camisinhas bordadas para senhora a 1*900 e ^5-
Chapelinas para senhora a 3*.
Ditas para menina a 2*.
Chapeozinho para meninas de escola ou pas-
2* e 3*.
Flores francezas, caixos grandes, a 600 i -
Luvas de seda com pequeo toque do moto a '"
rs. o par.
Toucas de laa para meninos a 500 rs., filo a
600 rs., de seda a 800 rs.
Sapatinhos de merino a 800 rs., o de laa a SOI
Bolsinhas de missauga para meninas de eseoia a
800 rs.
Botoes dourados para nunho a 200 rs. o par.
Tinteiros de metal a 320 rs.
Trancelins para relogio a 100 rs.
Ditos de fita chamalote a 200 rs.
Escrivaninlias de metal a 3*300.
CoPaeres de metal para cha a 200 rs. a duzia.
Ditas de dito para sopa a 25 a duzia.
Botoes de duraque pretos a 400 rs. a (.-roza.
Cartas hespanholas pora jogos a 15200 a (luz.a.
Caslicaes brancos c amarellos de metal a I*.
Carte'iras para algibera a 300, 600. 800 < l*.
Sabonetes muito finos a 15200,15000 e S* a d
Fivelas para calca a 300 rs. a duzia.
, Botoes de ago para caiga a 320 a groza.
' Caixnhascmalfinetes,gramps e oolotiels a w,
400 e 300 rs.
Filas de borracha prclas e de cor a 120 i: IC
Latas com dous massos de agulhas \w 800 rs.
Brincos de aljofares a balo a 320 o par.
Alnetcs pretos e de cores compedrinhas a -'
e320.
Camisas para homem feilas em Lisboa a 2-5.
Fitas de velludo lisas e lavradas a 800, 15, W0C
2* e 3* a peca.
Ditas para sinte'iro a 300 c 400 rs. a vara.
Caixinhas para costura de senhora a 1*900,7*.
3,4, 5 e6*.
Compoleras de vidro com pratos de metal a >5 e
4*000.
Franja de laa para debrunhar tapetes a 2* a peca.
Palitos de fogo, prava d'agua, a 15 a troza ou 20
rs, a duzia.
Assim como tem grande sortimenlo de muitos
mais objectos que se tornara enladonlw mom o-
na-los, que tudo se vender muito barato para li-
quidar : na ruado Crespo n. 7, e na do Impera-
dor n. o9,jontoaopasso, e casa da liquidaca.__
Sebolas'em rosteas a 600 rs. o ecnfu, jiii f
novas, viudas no Sijmpathta : lia ra do \i.
n. 8.
ESCRAYOS FGIDOS.
TARO AI K)
Vende-sc taboado de peroba e canella de muito
boa qualidade e por prego commodo : a tratar no
Forte do Mallos trapiche do Cunha.
Escrava fgida.
Fugio no da 6 do frrente da casa de .-n:
nhor, o bacbarel Trajano Viriato de Mnleii:
escrava Orela, mulata, de 21 annos de iilaile,
tural do Sobral, estatura e corpo regulare-, lal
i bastantes grossos, cabe'los corrillos c muitoi
' tados. Ruga-se as autoridades polieiae- o eapil
' de campo a captura della, e entreea-la D<'niir;
dos Passos Miranda, na ra do Hospicio n. :
qual gratificar generosamente, proteslaii''
; igualmente contra quem a livor aceitado.
-f-
i
tib-
ios
_
c
LISTA OERAh
K a
72
LOTERA, CONCEDIDA POR LE PROVINCIAL PARA A EDIFICACO DA CASA
DEZEMBRO DE 1863.
DO GYMNAZIO PERNAMBUCANO (3.1 CONCESSAO), EXTRAHIDA EM I'i DE
PREMS. NS.
PRE1IS. NS. PREMS- NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS., NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. N& PREMS.
3*
10*
3*
10*
3*
200*
5*
737
39
47
52
34
55

60
62
63
69
70
72
73
74
76
77
78
87
90
91
98
803
6
7
8
11
13
15
19
20
21
26
29
30
40
41
43
49
48
50
51
52
56
62
76
81
88
93
96
902
3
4
10*
35
10*
10*
35
20*
5*
903
6
9
12
15
17
18
25
27
36
39
to
M
46
47
48
33
58
01
62
80
81
82
83
85
88
90
95
1000
1
2
3
4
5
14
26
31
32
33
40
42
50
91
53
60
02
66
74
75
78
80
81
81
10*
5* 1083
87
91
93
98
1103
5
6
7
10
12
II
17
19
20
22
30
32
33
39
41
47
50
51
52
33
33
61
70
79
83
90
92
93
94
1200
3
4
5
10
13
16
17
19
20
24
30
38
40
43
49
52
53
3*
10*
10*
3*
3*
10*
9*
1005
3*
3:0005
55
USB
61
63
67
70
74
75
87
88
96
99
1300
1
4
6
18
20
29
34
38
40
41
42
43
47
30
54
35
37
39
63
64
69
70
73
75
76
79
81
84
90
95
96
98
1404
6
8
14
16
100*' 28
3*' 91
-! 56
5* 1459
60
64
65
67
68
73
40*
55
20*
3*
83
83
89
97
98
1500
5
7
8
10
15
17
19
23
3i
41
42
43
44
48
53
61
63
6o
66
70
74
83
93
94
97
1600
3
6
14
as
23
26
27
31
32
36
39
42
43
3* 1645
47
61
63
74
75
76
79
85
87
88
89
90
20*| 93
5* 1701
o
7
10
19
26
30
35
36
37
38
49
46
48
49
64
7
71
72
74
79
80
105
40*
3*
20*
3*

89
92
93
94
1803
4
7
8
14
13
20
21
29
30
3* 1831
W 34
37
39
44
46
W
50
sa
38
61
68
69
70
71
72
75
78
80
81
82
86
91
93
97
98
1903
13
18
23
27
31
37
40
51
57
58
59
62
66
72
75
76
78
81
86
94
95
97
99
2003
4
35
405
35
10*
5*
5005
3*
2009
10
13
16
17
18
21
24
27
28
30
43
49
31
53
56
60
64
65
67
68
69
70
71
72
77
81
82
96
2101
3
6
9
14
15
19
20 40*
21 55
22
23
25
28
31
32
36
39
42
44
49
90
98
99
61
2162
63
65
66
69
76
77
78
80
82
M
87
89
91
95
98
2201
i
7
16
19
37
10
43
49
57
36
60
62
64
70
78
79
80
88
94
96
2303
*.
o
14
21
23
24
32
34
39
48
91
52
94
53
57
35
105
2363
69
76
80
H
96
97
99
2400
8
20
21
23
29
30
32
35
36
38
42
46
47
52
54
65
68
69
72
75
79
80
81
90
91
93
93
97
98
99
2506
10
12
13
14
15
16
19
20
23
24
29
26
30
m& NS.
55 23.11
3.1
M
38
40
46
~ 52
53
105 38
5* 62
n
64
78
87
88
98
2601
3
4
8
12
19
16
22
23
25
28
35
^~ 40
43
44
~"" 45
^~ 46
~~ 48
^~ 54
M
00
~~ 96
" 57
^ 61
62
65
67
^" 70
71
72
73
75
10* 79
V 80
. 87
88
90
10* 92
105
35
10*
3*
205
105
55
205
9*
10*
3*
1:090*
2694 Bf 9888 m
702 __ M
3 u
1 ji 13
6 - BS
13 .1
13 B3
16 Bl
17 .).>
18 -
21 39
22 (VI
23 - H ~
26 M n ! -?5
28 _ 73 1
29 _ 78
39 205 S7
30 3-5 SS
52 90
55 ^ 91
56 _ 93
58 405 2902
59 9* 3
64 11
65 20
66 28
67 :n
70 35
74 37 _
75 n
77 H ...
78 41
79 44
84 51
86 B9
93 5.)
96 37 0*
98 38 Bf
99 II 100*
2802 66 *
| ^^ (7
4 __ 72
6 _. 70
7 _, 81
10 m. 83
14 _4_ 86 -
19 .*- 87
20 _ 88
29 _ 90
26 _ 9\
3 u 99
33 3000
39
O tcriTlO, Sevtriamo Jos? de Mouro.
Pern.Typ. de M. F. de Fatia & JYMa.~lM3.


UTTE1AT1A
Diario de l'eraambnco Ttrca felra 15 de Dezembio de 9A3.
repetir a propbecia de Isaas
Nprto Deas vira e vos salvar
E este espectculo offcrecido aos olhos,
i instrucgao verbil
j Queixam-se de seas males; desjam, e alguroas vam a sua fraqueza, mas o seu amor; suas ch-
veles pedem ao Senbor a cara; mas, os seas sus- gas sao a tua salvagSo. Neste estado elle o me-
servia piros sao hypocrits e os seus desejos nao s3o sin- dico carldoso, que era sua misericordia apaga os
entre- j ceros.
viva neste povo a idea do futuro Saas orages nao passam de mentiras: a bocea
excitara sua t uioava suaoragao; e *> pronunciar, o coragao desmente-as; aconte-
. JT! .L.",L'?V sustentara assim cc.lhes 0 que acontecia a Agoslmh0i do orava
a a nossa, e como elles oram : ternera muito e rauito que Deus
os ouga immcdiatamcnte e os cure das enfermida-
des, sobre as quaes gemcn com o sentiraento de
urna dr fingida.
Esli fatigados das enfermidades, e entretanto
amaro-nas ; sentem o seu peso, e temem serdellc
tZTs^L^lT^ d ^ ^^ mraCU'0Sa deseus ^en<^"es"t'semp^be7
ie e a podndae, e com isto se com- ta para lodos, accessivel a todos, cfficaz para todos;
por quanto nao mais um anjo que agita as suas
aguas mysteriosas, mas oproprio Deus quera cum-
pre todos os seus mvstcros. Nao se trata mais de
ccra-
***-* htniamcato e a columna do testemu-
hv fi-araliro e prophetieo, em quinto Ihe nao
ava o fundamento, e a columna do tcstemanho
totoatoiiea, por neto do qual fundase e eleva-se
*wa pe4ra angular, que o Christo, e raagni-
w o d t religi.ii consta i.
Afera enapreheade-se fcilmente, que o paraly-
tieo, que havia 58 annos, acava-se sob os porti-
c*> ** !****, sifoifieava a humanidade culpada
a peceador, rolierto de ama mullidlo de gran-
des e (Mw, peccados. Mesmo o numero dos
asmo de sua eafermidade, que nao indifferente-
meate designado pelo evangelista, confirma esta
aaliipiiarao ; a saber: que o tarah tico represen-
lava cada grande peer dor.
Ie frito, o d. Mi. diz S. Agoslinho, marca a per-
fetra* 4a le en todas as suas obras. Porquanto,
raatimit leda, o n. 40 nao senao 10 quatro ve-
es. E" pms cora razio, que as santas Escripturas
e pe vida justa, santa, perfeita ; por-
" felle eje* vive najustica e santidade ob-
serva ettctaateate os 10 mandamenlos do Deas
e canteados nos quatros livros do Evan-'
VSal- M
Ora, aie se pode observar era pouco nem mui-
M a ka divisa, sen a cardade para com o proxi-
por que Jess Chrsto disse, que nos
desle duplo amor consistem toda a
tees prapbitii, A iiielle, pois, que nao lem o
asnar de Meas e do protimo. est na ordem do n-
! aneana 1; ae abserva a perfecio da lei, da
al 1 passue ioteiro ronbecimento e f.
Sepis ta. M iaro're a perfeicao da f, e se a
aaaio
I teus neceados, e cura-te de todas as enfermidades
l esplriltiaes.
Por sua raorte livra-te de urna inevitavel e pr-
xima, e por sua corta de espinhos te grangea urna
cora de graga e de gloria.
Se pois, nao somos espirilualmente curados, nao
| podemos, diz S. Chrysostomo, allegar a razao do
I paralytieonao temos comnosco o homm. Chris-
taos catholicos, nos o temos sempre; porque o Ho-
mero Deus est sempre com a egreja e na egreja, a
qual temos a felicidado de pertencer. A piscina
prazem; sentem-se degradados
tal se gloriucam.
e aviltados, o de
Como as almas santas achar-se-hlam soberana-
mente desgranadas em distancia de Deus, e nao : uma purifieacao, que torna-se intil para todos,
poderiam viver ura s momento em companhia do j desdo Quo ura ha com ella aproveitado. Quanto
peccado, assim estes peccadores, por um deplora- Pi> grande a bondade de Deus, e como prospe-
vel contrato, parece que smente sao felizes com
o neceado, e sem elle nao podem viver.
E o animal mmundo, diz a Escriptura, aclia
tambem a sua felicidade e as suas delicias em
rebolcar-se na lama.
Queris, meus irmos, pertnittir-me a prova de
sua culposa vontade ?
Attendei, eu vos pego: quera deseja sinceramen-
te sarar, coraega por privar-se de quanto foi causa
de sua molestia.
Porque, pois, esses peccadores nao fogem as Iei-
luras mas, os espectculos corruptores, as ainisa-
des licenciosas, os entretenlmentos lascivos, em
que o seu corago corrompe-se, e a sua carne se
ha tornado tao insolente e lio rebelde ?
ra em seus beneficios! Quando mesmo todos os
homens da turra viessem ao mesmo lempo a estas
fontes christaas da graga, todos sera excepgao ahi
achariarn a sua cura.
Semelhante luz do sol, que ha seis mil annos
Ilumina quotidiananienle o mundo, sem nada ha-
ver perdido de sua abundancia e activiJade, a ope-
ragao do espirito, a graga, que Jesas Christo dei-
xou nos sacramentos, nada perde de suas riquezas
e de suas virtudes, qualquer que seja o numero
dos homens, que dos mesmos sacramentos parteei-
pern.
Trata-se apenas de querer, o querer sinceramen-
te c a nica condigo exigida para sarar : querer a
cura certeza de obte-la. Disto quiz o Salvador,
Porque nao se affaslam dos bailes, das conversa- 1ue Dcasscmos seguros, nao pedindo ao paralytieo,
pee
Veari

goes, dos jogos, de todos esses climas empestados,
dessas reges corruptas, era qHc se respira um ar
senio pelos dous preceito*"dalf0n,a8OS0' Pes,l">le, saturado de irreligio e li-
bertmagem, onde hao cabido rail e mil vezes, onde
s podem perder-se, e onde, como Daniel de si
proprio disse, suas chagas nao podem deixar de
degenerar em uma espantosa e terrivel podrido?
Que obrigagio ahi os leva ?
Que lago os prende, que cadeia os captiva?
S a cadeia de sua m vontade, que fa-los ama-
rem as proprias enfermidades que deploram.
Em segundo lugar o que qur sarar chama m-
dicos, applica remedios, usa de cautellas sujeita-se
a tratamontos longos, difficeis, e muitas vezes raui-
to mais dolorosos e muito mais incominodos do
que a propra molestia.
Porque, pois, os peccadores nao fazem o mes-
mo?
Porque pelo contrario despresam a palavra di-
vina?
Porque detestam as leituras piedosas, a compa-
nhia dos santos, a oracao, e vivera longe dos sa-
cramentos, estes reservatorios,verdadeiras piscinas
cheias pelas fontes do Salvador, as qaaes espar-
giu a virtude curativa de sua graga, estes remedios
poderosos, certos, infaliveis, que libertara de todo
o mu habito, das paixes inveteradas, e de qual-
quer enfermidade espiritual ?
Porque nao vio ?
Porque nao correra ?
Quem Ihes fecha a entrada do santo lugar?
Quem Ihes embarga o caminho, e.os mantm
neste deploravel estado de fraqueza, de que se
queixam ?
Sua vontade, e s sua vontade, mas dura do que
o ferro.
Sao, pois, doentes voluntarios; sao fracos. ln-
guidos, cobertos de chagas. |orque qaerem.
A elles, pois, dirige o Senhor esta pergunta :
Queris ser curados ?
A esta pergunta respondeu immediatamente o
paralytieo :
Ah! Senhor, se quero ? Se anda nao eston
curado, c porque nao tenho pedido. Son s, e nao
tenho homem para ajudar-me a mergulhar na agua
saiutar, quando agitada pelo anjo E em quanto
me esforco para de rastos chegar a ella, um oulro
mais gil atira-se ans de mim, oceupa o posto, e
cantad)-, esle paralytieo, que linlia o n. 40 menos
da humanidade culpada, que t-
da lei de Deus gravada por
ao coracao de todos os homens;
o duplo amor, ondgao essencial
Mo da lei. E cinseguintementc
#w ba de adararei, ae este enfermo fosse
arare e lacapaz de dar um s passo, e que a hu-
por Hle representada fosse aviltada e
de seas vicios, impotente
de andar aas viasdasalva-
CMteraa>
Mir.fi v adsMravel a constancia desle pa-
J laaaibaeate hara |rmanecide ai 38
P""* 4ea, pois, faz-k) desesperar
e fuerte ahinikwir os prticos da
auw o fez Depois de Untas
t malos esforros inuteis, de
sea chegar ae banbo salu-
eara-lo, posto que sempre frustrado
a expectalira, eiie nao eessa de esperar.
Oh! rurghi para nos carstios! exclama S.
espera. annos a sua cura,
e aas, quando temos orado
sem que sejamos ouvi-
e perdemos toda a-
pois, de que, en-
vel dos enfermos da pis-
saaareKaeateaba attrahido os olhares e a
Salvador. Elle havia sido tao cons.
pasmem se, entre os que
dos soccorros celestes (e todos
s os airanrem os que os
com MfeUaria.
par saas bellas disposicoes o paralytieo
as em que eslava o povo gen-
io Messias. Os Judeus eram
de rwawiiMi ; mas, nao sentiam
e, exeepeio de algumas almas
es amares da f filos so"
a mysierMsa piscina, aem suspiavam pela
Pelo contrario, a gentili-
d*de,pao ^me daptanenle levada a desesperar
ja peta soperslicao dopaganis-
aaatriaas da philosophia2
aaaaaade
cwamsa, elle tmha ao espirito, e no coragao o
iarto; e da toado de saa opprcs>au espiritual
ant saa eneraridao puMica era como que a
a ftporai levaatara um grito de
oSemwr, eaj. idea, feemprivame dacura-
de desolario para Deus, soliei-1
Ka
edar:
Entio diz-lhe o Salvador :
Levanta-te, que o mando eu; toma o tea leito,
e anda. >
Isto significa:
Homem infeliz, toma coragem ; se nao tens
comligo o homem. por ti Deus. Tens junto ti o
homem pelo qual suspiravas em vio ha tantos an-
pois, far o Kedemptor, vindo nos. Mas, o homem que tawbem Deus, e que
st^uraatoate o esperavam, e que por um acto de sua vontode te eura anda melhor,
a saa viada, pois que se per- do que se houvesscs descido piscina; porque foi
de sen aaseimenlo. os tenha o mesmo Deus, que deu a estas aguas tanta virtu-
aa rofTaprao e ao sea orgu- de, e que neste momento communca-a sua pala-
- aos Gentos por intor-' >Ta, a qual substkue agua. Por ella s curado ;
de seas aprtelos, para offerecer Ibes a sal- sae pois, c anda. >

Oh palavra de virtude e de poder! exclama S.
o mysterio de miseri- Cyrllo. Como ella bem nos revela Deus naquelle,
rom que o Salvador que a pronuncia! Nao c proprio do homem, mas
paralytieo, enfermo havia de Deus, fallar assim.
e do qual j qmo sl0 aecreseenta S. .igostinho, Jess Chris-
J-e bndaa ** V**** io nao deu uma ordem ao paralytieo, mas ope-
JT^ e nsencor- Toa p^jg um proagj0. e no mcsmo instante o ho-
mem foi curado.
nP"rahtico, fae jazia em sen leito
beaevoleaeu; sna miseri-' Ora> humanidade inleira, que o divino Salva-
a noarrdit Ihn greca, aa- oor diriga esse discurso, na pessoa do paralytieo
que a representa va.
Havia cerca de quarenta sculos, que a humani-
para cura-lo, mais do que a sua vontade sincera.
Jess Christo quiz dizer-nos tambero, que por sua
parte nunca falta, e que nelle est o homem, que
deve sustentar os nossos passos mal seguros: tudo
depende do nosso sincero desejo, e de nossa deci-
dida vontade.
Com effeito, meus irmaos, vistes o que aconteceu
ao paralytieo. Sua resposta ao Salvador foi um
desejo sincero, e ama humilde supplica para ser
curado.
Ora, apenas havia elle acabado do manifestar
esse desejo e de pronunciar essa supplica, a graga
da cura Ihe foi concedida : Levanta-te, e anda.
ra, esta palavra mysteriosa, que retumba boje
sob os prticos maravilhados da piscina, ama vez
sahida da bocea augusta do Salvador, jamis ees-
son nem cessar de ter na egreja um echo omni-
potente.
Todo aquelle que qur ser curado do seus vicios
desde qoe se dirige xom toda a sua alma ao Ho-
mem Deus, ouve e sent em si a forga divina, que
o faz resuscitar.
O Salvador, depois de ter pelo poder de sua pa-
lavra curado o paralytieo, nio Ihe impoz senao
duas cousas, para prova da cura que acabara de
obter; tomar o seu leito aos hombros e cami-
nhar.
Ora, estas duas ordens nao foram dadas ao doen-
te, seno em attencao ao peceador que elle repre-
senta va.
Depois de haver recebido a cura dos sen* pecca-
dos, preciso anda que elle carregue o seu lei lo,
e nde. Coui etfeito, o leito da alma corpo.
Assim qnando o corno vicioso e corrapto a alma
jaz nelle como que era um leito de dor, softredora
e enferma; razio por qoe a Escriptura di*, qne o
eorpo corruptivel aggrava a alma.
omar seu proprio leilo significa pois levantar
da Ierra, da corrnpgao, sen proprio corpo, ruduzi-
lo escravidao, e subjnga-lo ao peso da mwtifica-
cio ebristaa.
O Salvador aerescentou ao paralytieo : e an-
da. > Ora, esta segunda ordem, como observa S.
Agoslinho, poda panfcer intil ao paralytieo :
porquanto, seguramente, depois de haver recudido
a eura, nao era necessariov que recebesse ordem
de deixar a piscina.
E', pois, ao peceador que elle se dirige, quando
a sua alma ha sido purificada do peccado. E, pois,
a ti, meu irmo peceador, j resuscitado para a
graga, que o Salvador diz atviti, afTasta-te dos
lut'ares funestos, das occasioes perigosas, do* com-
panhias de escndalo, causas de tua molestia ha
tantos annos Anda, sen que jamis pares no
novo caminno da salvago-eterna, que comegaste a
percorrer, e procura corrigir-te mais e- mais de
leus liabitos viciosos ; andh, nao creas, que ter
feit tudo, haver renunciado ao peccado o aos teus
vicios; procura crescer na virtude de- dia em
dia.
Assim como o paralytieo tinha tomado- ao serio
a pergunta que Ihe dirigir o Salvador se que-
ra ser curado da mesma sorte nao poa em du-
vida a efficacia da sua palavra ; como havia sido
humilde e modesto em sua resposta, foi egualmen-
te prompto era obedecer.
Lcvantando-se, pois, immediatamente, de todo
fortificado e curado, toraou s costas a sua barra,
e entrou a percorrer a cidade.
De balde os Judeus, quo nao podiam negar este
milagre operado pelo Salvador, procurara occulta-
lo e obscurecer sua gloria, duendo ao paraljti-
co j curado : Lembra-te, que heje sabbado, e
que nao te licito percorrer a cidade com a tua
tolos : f Vale mais
homens.
Tondo os Judeus pergunlado ao paralytieo quem
o havia carado, elle respondeu : Nio conhego
0 Salvador, logo que operou este miligre, sub-
traliira-se muliidao dos enfermos, que enchiam
a piscina. Sua intenco era ensinar-nos, que en-
tre a turba dos enfermos d'alma, figurados por es-
tes enfermos de corpo, isto entre os peccadores,
e no commercio dos in.ius e dos impos, o homem
nao pode elevar-se ao conhecimeato de Deus.
Este Deus est ein tola parte; mas, como acn-
obedecer a Deus do Qiie illo, pela pritio perpeina, pela morte mesmo, a
'justiyi humana condemna para sempre, condeni
na irrevogavelmei.te o culpado, e, quanto della
aepende, pnva-o para sempre do commercio de
seus semelhanles eda soriedade.
as, multo inexacto, diz S. Gregorio, que o
peccado seja negocio d'um momento : a aegao do
peccado momentnea, mas a sua intervencao
eterna.
E qual o peceador, que nao desojara em seu
coragao viver sempre para peccar sempre? Santo
Agoslinho diz lamhom : Se os peccadores nao
peccam sempre, nao a vontade que Ihes falla
roas os meios, a forga, o lempo, a vida ; e, se elles
teceu ao para.y.co, nao se pode v lo, nem gozar ^m porgue' t^SK .fiSoT """
ue sua presunga, ueiii uror-se vcrdadeiramenle a
elle, seno era seu templo.
E foi precisamente no templo, que Jess Christo
eucontrou pouco depois aquelle a quera havia res-
dade esta va lnguida e decnte, pedia o homem para barra s costas.
ajuda-la a recobrar a saude, mas era o Homem Mas> 0 paralytieo nio Ihes da attengio, e conten-
Deus; porque o simples homem, ou a le judaica e j ta.se com dizer-lhes : 0 que me curou, orde-
a plulosopl.ia pagia, havia declarado desesperada nou-mo que carregasse o meu leito. Bella res-
posta diz S. Gaudencio. Grosseiro em sua f,
pois que era Judeu, mas grato pela cura que roce-
bera, o paralytieo coraega a publicar esto milagre,
porque sentia-se insufflcente para disputar com
os maus calumniadores, e dar-lhes a razao do
mandamento de Jess Christo.
asna cura.
elle Siao, ou a egreja judaica, havia por grande nu-
do qoe ser cu-. soero de annos implorado o Homem Deus Salva-
l dor; tinha o seu norne sempre na bocea, como era
coragao e seus desejos, e ohteve afinal v-lo
em sea seio. Mas, elle nasceu para toda a
humanidade, e nao smente para Siao. Cora effei-
to, quando os Judeus orgulhosos e incrdulos re-
jeitarara-n'o, o consignaran!, na pessoa de Plalos,
aa aos dos Gentos; e Plalos, como o represen-
tante de um senbor do mundo, recebeu em nome
da mundo mlelro.
Nao foi s aos Judeus, que o raoslrou, mas a to-
do o universo, qnando proferiu estas mysteriosas
paUvras :Eit o homem. Palavras magnificas pe-
ha, lo Eterno mandadas sua bocea, e com as quaes
do carao, jaiz duer a humanidade :
rereber a rara Es o liomem. que tao vivamcnle has pedido
: ha tantos scalos, o homem de que tinhas necessi-' as aecusagdes e os saicasmos de nossos antigos
; petrado- dade, o homem pcrfeilo, o homem Salvador, o Ho- companheiros de desordens, nem ronsideragao al-
teas per- mem Deus. V, como elle humilde, doce e mi- guma de honra ou interesse.
Era dizer-lhes : t Aquelle que fez em mea fa-
vor um tao grande milagre, lera maior autoridade
sobre mim do quo vos. O que me deu a vida tem
mais do que vos direilo rainha obediencia.
Nos tambem, meus irmaos, na pratica da morli-
ficagao e da penitencia, no exerricio das virtudes
christaas, na fuga das assemblas do mundo, no
amor da solidioe da oragao, cousas todas que em-
prehendemos depois de nossa cura espiritual, nao
devemos consentir que nos detenham as conversa-
ges nem os pretensos costumes do mundo, nem
Xia. diz S. sencordioso. Nio le eseandalises por v-lo coroa-
i- do deespinhos.dilaceradode varadas.coberto de op-
vrtfn-
aartaaToa-
A verdadeira conveniencia, a verdadeira honra
e o interesse real obedecer a Jess Christo, cum-
probios. Acha-se rediuido a este estado, porque prir a vontade de Deus, qne usou de misericordia
nioqBX.. ^ j a nosso respeilo ; nio pensar II eonJQra dos [MtaoieT rlretanto a lactaria haaiana codn
E*to$ humilhaedes e estes soffrimentos nao pro- lioraens. e repetir cora a corajosa ousadia dos anos- o culpado ama pena eterna ; porquanto, pelo
liluiJo a sade.
Viide, diz S. Chrysoslomo, o bello cxemplo de
reconhecnieuto e do jiedade, que nos d este ho-
rnera de bem : tendo recobrado a sade, nao volta
aos seus vicios, nao se abandona dissipagao e aos
prazeres, nao exhibe a sua ocosidade nxs ras e
pragas da cidade ; vae direito agradecer a Deus
em seu templo a graga recebida.
Ora, Jess, que reencontra o paralytieo no tem-
plo, descobre-se e manifesta-se, at o ponto de o
paralytieo reconhecer nelle o verdadeiro Deus c o
Salvador.
E ei-lo que sem perda de lempo vac dizer aos
Judeus : i Foi Jess que me curou.
Que bello rasgo de gratidao e de amor Logo
que reconheceu Jess Christo, elle nao pode mais
conter-se ; sent imperiosa necessdade de annun-
cia-lo a todos.
Como sao bellas estas palavras Foi Jess quem
me curou Sendo Hebrou o paralytieo, sendo e
hebraico a sua hngua, elle sabia mui bem, que
Jeus significa Salvador. Era, pois, como se dis-
sesse : O Salvador salvou-me. Recebi a sade
daquelle que a salvaco personificada, que tem
o poder como o nomo da salvaco.
Com esta pregaeao quiz o paralytieo, nao s
glorificar Jess Christo, mas anda tornar-se til
aos Judeus, indicando-lhes no Salvador o verdadeiro
medico das almas como dos cornos, e exhortando-os
a aproveilareiu->e de tal.
Mas, que obstinara criminosa da parte dos Ju-
deus Em quanto seu irmo Ihes annuncia ura
Salvador na pessoa do Christo, elle s pensara em
calumnia-lo e persegui-le como um inimigo. En-
tretanto, era um bello espectculo ver este paraly-
tieo carregando a sua barra s costas em signal do
milagre operado em seu favor Superior ao medo
de ser perseguido pelos Judeus, nao teniendo o seu
odio, elle vae por Jerusalem annunciando o poder
e a gloria de Jess Christo, dzendo, no mais vivo
transporte de reconberimento e alegra, a quantos
encontra.
Ha trinta e oito annos eslava eu paralylico, e
Jess curou-me em um s instante.
Da mesma sorte mais tarde S. Paulo, resuscitado
para a graga por um milagre anda maior do Se-
nhor, tendo o corpo perfeitamente escravo ao espi-
rito, e em sua carne os eslyginas da paixo e Ja
cruz de Jess Christo, annoncia ao mundo sua glo-
ria e grandezas, repetndo a todos:
A graga de Jess Christo curou-me ; sou um
milagre vivo do seu poder c do seu amor.
Felizes nos, meus irmaos, ss tambem trouxermos
sempre, como quer o grande apostlo, em nosso
corjio a mnrtificago de Jesusr tragando assim em
nos e en aossas boas obras a sua vida I Superio-
res entio s doutrinas do mundo, tyrannia do
respeilo humano, seremos acodados e zelosos em
fallar de A*sus Christo, para anaunca-lo, exalta-lo,
faze-lo conbecer e amar, mais anda por nossas
obras do-qae por nossas palavras-; porque assim,
que lerenw secura a vida eterna.
SEGUNDA PARHE.
Quando e> Salvador encontrn no templo o pa-
ralytieo, que-havia carado, dsse-lRe estas palavras
graves e temveis :
t Allende-,, agora que ests cunado : nao peques
mais, para que no futuro nao l> acontega cousa
peior.
Ora, estas-pencas palavras encecram duas impor-
tantes lges> Indicara-nos claramente, que a ton-
ga enfermidade do paralytieo era a. consequencia e
a punigao dos seus peccados. Meto que elle nao
poda recobrar a sade do corposom detestar os
vicios da su&alma, o Salvador tocou o sea coragao
com a gracav eomo fez mais tardi a res|eito de
Magdalena -.. levou-o secretamentra-arrepender-se,
e em quanto-alternamente curava. da paralysia o
sea corpo. purificava internamente do peccado a
sua alma.
Mas, por ventura todas as molestias originam-se
do peccado?' Nio todas absolutamente, diz S. Chry-
sostomo, popt'rm a maior parte.
D'aqui, pois, aprendamos, continua o mesmo pa-
dre, que se-con effeito verdade 8 cousa certis-
sima, que Deus manda enfermidades- corporaes, ou
com um lira de humildade como- a S. Paulo, ou
para exercilar a paciencia e a virtude como a Job,
ou para servir de correegao como- a Ezechiel, ou
para a mamestagao de sua gloria.como aocego de
nascenca, a* mais das vezes sao taes enfermidades
castigos d peccado.
Mas, nestas enfermidades, logo-que cada um se
senle lgeiramente indisposlo no eorpo, recorre aos
homens da arle : pelo contrario, (piando mesmo se
tem a afna mu talmente ferida pelo peccado, nio se
senle desprazer algum, e nem mesmo em tal se pen-
sa. Razio porque Deus, em pumro do peccado da
alma, fere e pune pela molestia oo corpo, para quo
esta molestia corporal nos chame a pensar da al-
ma, o a procurar o remedio e >i cura, redundando
assim a afaego da carne em vaniagem do espiri-
rito.
O que lia de certo, diz Beda, que nio adoe-
cemos seuo por uma economa particular da Pro-
videncia, sempre til, muita vet oceulta, mas nun-
ca injusta. 0 quo ha anda do certo que ser-
vir a Deus e cumprir a sua lei til ao corpo e
vantajoso alma; e que o proceder chrstio, bom
para conservar-nos a graga, tambem til pora
conservar-nos a sade e prolongar-nos a vida.
Estas palavras : Evita a reincidencia no pec-
cado, porque poderia acontecer-te alguma cousa de
peior encerram uma segunda advertencia, anda
mais grave. De feito, o que pode ser esse peior,
com que o Salvador ameaga o paralytieo? Pode
ura peceador soffrer neste mundo maior punigio
dos seus peccados. do que passar trinta e oito an-
nos, quasi toda a sua vida, nos diversos tormentos
de uma molestia dolorosissima? Nao, cerlamente;
mas, no outro mando pode haver mais sevendade.
E precisamente desta punigao da outra vida,
vista da qual trinta e oito anuos de ponas e de to-
das as punigdes possveis da vida presente nada
sao, desta punigio das puniges, digo, desle cas-
tigo dos castigos, deste tormento dos tormentos,
que o Salvador ameagava, na pessoa do paralytieo,
o peceador rebelde e obstinado, que so acaba de
peccar acabando de viver. Elle quera tambem
confirmar esta terrivel verdade, que o supplicio
da outra vida o maior, e eterno.
Apparegam agora, diz S. Crysostomo. aquellos
que ousam brincar a proposito dos supplicios da
outra vida, que julgam raciocinar espirituosamen-
te, quando dizem : Que justica de Deus esta, que
pune o peccado d'um instante com uma oterndade
de tormentos ? onde a proporgio entre a pena e o
castigo ?
_ Que ougaro, na historia deste da, a refuta-
gao brilhante de seus sophismas. Tinha o paralyti-
eo peccado trinta e oito annos, pois que foi punido
durante trinta e oito annos? Nao, cerlamente; en-
tretanto, elle havia commettido peccados d'ura ins-
tante. Comprehendam, pois, por aqu, que no jui-
zo de Deus nio se calcula o lempo, que o homem
gasta om peccar, e sim julga-se conforme o espiri-
to desordenado o perverso com que pecca.
Mas, nao s no juzo de Deus, quo as cousas
assim se passam ; o mesmo se d no proprio jnizo
dos homens.
De feito, o homicidio eommette-se em um s
Ora, que senlenga mais justa, contina S. Gre-
gorio, da que aquella que condemna a soffrer
sempre aquelle que teve vontade de peccar sem-
prc i
E para que fallar d'uma vontade passada, quan-
do no inferno a vontade de peccar permanece
no peceador sempre presente e viva ?
Ha urna grandsima differenea cnlre aborrecer
o peccado e arrepender-se delle para a salvagao.
i ara aborrecer o peccado basla muita vez sua pro-
pra monsiruosidade e a severidade do castigo ;
mas, para um arrependimento saiutar, mister a
graca, que faga-o detestar eomo uma offensa
Ueus, e esta graga nao penetra nos abysmos eter-
nos ; preciso um principio de amor de Deus, e
este amor, que forma os penitentes, impossivel
ao homem separado de Deus no outro mundo.
>ao, diz S. Irinu, que Deus colluqne arbitra-
riamente o peceador Beato, funesta situagao de nao
mais poder participar de sna graga e de sen amor :
mas, que a homem peccando, apostasia e sepa-
rarse voluntariamente de Deus, e voluntariamente
colloca-se fura de sua soriedade.
Ora, se cm tal estado morre, nelle permanece
sempre ; porque faltam-lhe os meios de reconcilia-
cao e do pordao, que s se arham na egreja c peto
egreja durante a vida.
Fica, pois, neste estado de perfeita apostasia **
Deus, no qual livremenie e por propra esculla sr
collocoti.
Assim, um homem que em pleno dia arrancaste
os proprios olhos, ficaria cego, nao porque a luz
o cegasse, mas porque voluntariamente collocou-se
na impossibihdade de gozar do beneficio da luz
D aqu este mysterio horrirel, c mnito certo, do
reprobo, que aborrece o peccado, sem que delle se
arrependa; que searrepende, sera delesta-lo ; que
o detesta, detestando ao mesmo tempo a peniten-
cia ; porquanto o seu dio ao peccado nao o
amor do arrependimento, e o odio ao arrependi-
mento nao o amor do peccado.
Assim, detestando o arrependimento, el le quizo-
ra sempre arrepender-se, e detestando o peecadu
elle quizera sempre peccar. Emquamo- a vontade
esta sempre immutavelmcnte ligada ao peccado e
sempre em estado de peccado, justo que esleja
sempre em estado de pena, c que um pecrado sem-
pre vivo, sempre duradouro, um pecrado imroor
tal e eterno, seja punido por um casogo- dame>
ma natureza.
Justica santa, justiga eterna de meu Deus '
affastae de nos tao grande mal Emimanto esta-
mos na trra, tomae sobre nos todas as satisfages,
que nos sao devidas.
Em nada nos poupeis ; fazei-nos pagar alio ul-
timo bolo a divida immensa, que para comnosco
contratamos por nossos peccados. Sim, sim; pu-
ni-nos pelas humilhaeoes, pela miseria, pelas mo-
lestias, pela morte, nos aceitamos tudo con reco-
nhecimento e alegra neste mtin lo ; mas, ah pou-
pae-nos no outro 1 Pni-nos, flagellae-nos, immo-
lae-nos no lempo ao vossos justos rigores ; mas,
Senhor meu Deus, pelo sangue precioso de Jbsus-
Christo, perdoae-nco e solvae-nos na eternidad '
Amen.
0 QUE V*E PELO iUNOO.
Do um dos folhetins de Cesar Machado extracta-
mos os segrales trechos, que se rerommendam a
leftura :
Dous homens de letlras, em Lisboa um, o outro-
no- Porto, estilo ajudando- por um notavel impulso
c-movimento romntico-. Rebetloda Silva em Lis-
boav Arnaldo Gama no Parto.
Hoje tudo tende a dar literatura tres formas
nicas, o romance, o artigo) a comedia.
A comedia nao sabera por c faze-la, e o artigo-
esti sera autoridade ; o romanee, porm, lem o.
raelliores cultores, o Mananlo,observando bem, o
romanee de nossos das- coutm o artigo e a co-
media.
Nos bons tempos da Mevista l'mtersnl Usbo-
muse, o Sr. Rehello da Silva eonseguio pelo seu ta-
lento prestigioso que um romance portuguez diana
tasse em interesse e era popularidade a eslima s
conoedi-la at entio s eaptivadoras novellas his-
torieas de Alexandrc. Domas, e porventura ao livro
admirare! de Cinq-Mans, do- coade Alfredo de
Vign-y.
Durante um momenta a irapcesso romntica pa-
reaeu querer dominar |ooa: uns poucos de es
cniplores, e dos melhores- do paiz, lentarain no ge-
nero estreias auspiciosa*:: um hornera de sciencia
it^o Sr. Andrade Corro,.seduzio>sedaidadeen-
iroter as senhoras de semana eu semana com o
dassieo t contina no prximo aumero e deu-
nos Um auno na corte, romance- rujo movimento
de aegio se aproxima pulo -numero de lances e fe-
liz- dlsposigo das scenos- das cotwposiges mais fes-
aijadas dos mestres do- romn ttuilleton : a Moci-
(Hide de D. Joo V, ponm,. deve confessar-se, ds-
(anciou-se de todas as-obras do lempo em celebri
dade, e alcangou pela frescura e gragas do estvlo
aloquenle de Rebelle-nao s, a admiragio conscienr-
oiosa da gente que faz a barba, mas a svmpathia.
espontanea e ingenua, das seductoras creaturas a.
ijpem nossos paeschamavamgalantemente amis-
bella porgio da humanidade i
Nao enveHiecemaertos espiritos, que tecm o con
do de guardaren! eternamente o vigor do impro-
viso e o fogo scinMIante do eothusiasmo; os dotes
que na aflamado romance de Rebello da Silva. Ihe-
alranearam tio merecida voga, encontram-se oom
a mesma forga, a mesma vea analylica, a mesma.
descrpgao minuciosa e esculptur.il, e, mais-que
tudo, a mesma verdade humana, no livro do. gran-
de escriplor Lnarimas e- tbrsonros, publicad, lti-
mamente no Porto.
O romance longo, mas escripto e delineado coto
uma conscientia primorosa: podem algunsvaquera
a arte incoramoda, zchar um tanto tongas as des-
rripedes, ma que engenho, que colorido, que re-
cursos de verdade eloquenle ellas revelara r
E o talento do autor da Mocidade de k Joo V
em toda a amplidao c em toda a vasta pompa da
sua phrase inspirada.
Tenho para mim que Rebello da Silva foi creado
como um gigantesco ensato; veio aa mundo, des-
tinado aos triumphos da palavra como aos da es-
cripia, a poltica assim como ltleratura, ao jor-
nal, ao professorado, tribuna, ao livro; deve
haver-lhe um instante tintado o genio naquelle
corpo frgil; mas a chamma sagrada alravossou
entregue aos venios gloriosa sempre, sempre ex-
pandida, as lulas, como defendida pelo noli me
Mayar dos poetas I
L-se no Commercio do Porto :
Na primeira rnunio que ltimamente leve a
sociedade Photographca de Londres. Mr. Smilh
apresentou photographias e daguerrcolypos quo se
suppoe foram fcilos em Soho (bairro de Londres >
por Mateo Bulln, e James Walt no scalo pas-
sado.
Assim o faz acreditar a biographia de Bulln
publicada em 478.1.
De modo que a seren certos estes dados, o in-
vento que tanta celebridad* deu a Mr. Daguerre,
era j conhoeido em Inglaterra ha mais de um
secuto.

Mr. Shr.rt, inventor das bombas carregada rom
fogogrego, fez em Charleston experiencias tfti-
ciaes para averiguar se oslas bombas rebentam ou
nao anles do momento preciso.
De doze qne se experimentaran!, nove derara o
resultado que se quera.
Alm destas experiencias fez-se a de submergir
alguns tubos eheios do fogo grego, e via-se qao
nem assim se apagara.
PKRNAMWCO TYP. UK M. F K. A FILHO.


MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10267


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO XXXIX HOMERO 287.
rr tres nes adiantudes 51000
Per tres nes vencidos 6$O00
TERCA FEIRA 15 DE DEZEMBRO DE 1863.
------------
Por anne adiantado.....19S00O
Porte para o subscriptor. 3$000
DIARIO DE PERNAMBUC0.
ESCAUBCAMS DA SU1SCRIPCAO NO NORTE
Sr. AMmma Alexandrino de Lima'
da Silva; Araraiv. o
; Ceara, Sr. J. Jos de
Sr. JAaqnim Marques Ro-
bara, as Oes. Maaaei Piaadro & C: A-
Sr. iuanjaa da Caita.
DA StltSCRlTCAO NO SUL
_ Falcan Di<; Babia, o
Arres; Rio de Jaaeiro. os Srs. Pe-
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda. Cabo e Escuda todos os dias.
Ignarassu', Goyanna e Paraliyba as segundas e
sexUs-feiras.
Sanio Anto, Grvala. Bezerros. Bonito, Caruarn',
Altinho e Garanluins as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazaretli, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira. Floros, Villa Bella, Tacaratu', Cabrob,
Boa Vista. Ourirury c Exu as quartas feiras.
Serinhem, Rio Formoso. Tamandarc, Una, Barrci-
ros. Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
Ilha de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao '/, da.
EPHEMERrDES DO MEZ DE DEZEMBRO.
3 Qoarto ming. as 8 h., 49 m. e 2 s. da m.
10 La nova as 4 h., 29 m. e 20 i. da t.
17 Quarto cresc. as 8 h., 20 m. e 32 s. da m.
24 La chc as 11 h., 23 m. e 14 s. da t.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 4 horas e 30 minutos da tarde.
Segunda te 4 horas e 54 minutos da manhia.
PARTIDA DOS VAPORES COSTE1ROS.
Para o sul at Alagas a 5 e 25 para o norte at
a Granja 7 e 22 de cada mez; para Fernando nos
[das 14 dosmezes dejan, marc,, maio,jul, set. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipucos as 6>/t, 7, 7 '/:, 8 e
8 Vi da m.; de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jabeatao s 6 '/z da m.; do Caxang e Varzea s 7
da m.; de Bemfica s 8 da m.
Do Reeife : para o Apipucos s 3 '/i, 4, V, Vi,
o, 5 >/, 5 >/* 6 da Urde; para Olinda s 7 da
manhaa e 4 da tarde; para Jaboalao s 4 da tar-
Jde; para Cachang e Varzea s 4 '/* da urde para
I Bemfica s 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal docommercio: segundas e quintas.
Relacao: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sexus s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas e sexus ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quarUs e sabbados a 1 hora
da tarde.
DAS DA SEMANA.
11. Segunda. S. Agnello ab. ni. S. Pompeo m.
45. Terca. Ss. Ceciliano e Chrisliniano mm.
16. QuarU. Ss. Ananias, Mizael e Azarias mm.
17. Quinta. S. Floriano m.; S. Colonico m.
18. Sexta. S. Theotimo m.; S. Bassiano m.
19. Sabbado. S. Daro m. ; S. Pautillo m.
20. Domingo. S. Foligonio b. ni.; S. Julio m.
ASSIGNA-SE
no Recife. era a livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figueiroa d
Fara & Filbo.
PARTE OFFICIAL
Jt?E lLu nra,'("an,es, e outros empre- Paragrapl.o nico. Nao obstante a disposicao tonio Manoel de Mello, do meu consellio, ministro Laur/ano Ulderico de Oliveira Lima
gados de 1- entrancia das alfandegas de Albuquer- dcste artigo, a quota que cabena a fazenda pu- e secretario de estado dos negocios da guerra, que Jos Alcibiades Carneiro
bhca, se fosse contemplada na qualidade de ere- assim o tenha entendido e o faca execuUr. Palacio do Rio de Janeiro era 28 de novembro
dora ch>rographaria, sera satisTeita no caso do Palacio do Rio de Janeiro, era 28 de novembro de m:i.-Antonio Manoel de Mello
proceder-se a algum rateio, fieando era reserva na de 186.1, 42" da independencia e do imperio.-
caixa a differenca nos termos do art. 888 do co- Lom a rubrica de Sua Magestade o Imperador.
que, Iruguayana, Rio-Grande do Sul, Parana'gu,
Sanios e Parnabiba, que tiverem de responder aos
concursos perante as Iherourarias das respectivas
provincias para lugares de 2* enlrancia das mes-
mas alfandegas ou de oulras roparticoes de fazen-
!
de Jaadrxi.Mmisterio dos e-
ca 12 deaovciaaro de 186-1. .
a S. H. oaaaerador a reprcscnlaco' oa- sera pcrmiitido ansenlarem-sc de suas repar-
tienes, precedendo requcrimenlo e aulorisacao dos
inspectores das ihesourarias que Ihes assignaro
un prazo razoavel, nao excedendo de tres mezes
digo do commercio.
Art. 8. A quitaran plena dada ao fallido em vir-
tude do art. 870 d cdigo do commercio nao o
desobriga da responsabilidade para com a fazen-
da publica ; o que todava nao obsta a concessao
de pre|ia rolnos a anexo a
de varias ronsidera-
a interioridade em
leales das Farulda-
a etceorio de art I*. decla-
a. 7W de'12 de setembro de
* ie rearinvulos dos
de Pedr H, ruj. diqtosiro
fcr ado HUeramenic applirada.
ar ha por tem mandar
de nter constar aos supl- .
de brante*.
fot leJiueate execu
do ci-
dospro
araaariWias aa razio dos
de redro H, ooaser- nacional, iransmilte aos Srs. inspectores das the- plenles aos empregados do juizo dos eitos a por
e marea a de 1:2UO por "ranas de fazenda, para sua inlelligencia e exe- centagem devida segundo as disposicoes em vigor,
Cnerreaiaai as professo- I cucao, e para que facam constar a quem convier,,' conforme as diligencias efectuadas.
ranrgin. as instmccoes juntas regulando a maneira porque: Ro de Janeiro, em 20 Je novembro de 1863.
augmento qne os procuradores da fazenda podero nlervir as \ Mrquez de Abrantes.
nran.Maus do co legio de fall'''a* quando a mesma fazenda fr nel- dem idem. Ministerio dos negocios da fa-
deereloque las interessada por divida activa da nacao. !zenda.-Rio de Janeiro, em 20 de novembro de
aimexos s Reci.nhecida a necessidade de conciliar, quanto 1863.O marques de Abrantes, presidente inter-
asavsaKH Teaci- ***$*, nquidarao das massas fallidas, na fr- no do tribunal do thesouro nacional, em confor-
do collegw de Pe- na do cdigo do commercio, com a prompU arre- midade da deciso desta data transmittida the-
vwmenius daeao e privilegios da divida activa da nacao, souraria de fazenda da provincia do Rio Grande
para ida c volu, sem prcjnizo dos vencimentos in- de sua rehabilitacao, a qual nao ser extensiva
legraes que compelirem aos referidos empregados mesma fazenda.
durante o mesmo prazo, e correndo por sua conta I Art. 9. A moratoria, vista do art. 903 do co-
as desperas de viagem. digo do commercio, s poder ser concedida pelo
hsses vencimentos, porm, nao serao alonados tribunal do thesouro nacional pelo que respeiu
aquelles que se utilisarem da |>ermisso sobredta divida activa da nacao, na conformidade do art.
para lins esiranhos aos concursos em lodo ou em 2' J 9o do decreto n. 736 de 20 de novembro de
parle do lempo que Ibes for marcado.Mrquez 18^0 ; mas esta disposicao nao obsta concessao
da moratoria de que trata o art. 898 e segulntc do
citado cdigo.
Art. 10. Os pagamentos scro realisados por
Antonio Manoel de Mello.
A' cotmnissarios de 2* classe.
Os commissarios da 3* :
Januario Travassos da Costa.
Manoel da Silva Campos.
----- A' commissarios de 3* clusse.
iiei por bem graduar nos postos immediatos os Os commissarios extranumerarios :
oiiiciaes do exercito chefes de classe mencionados Francisco Teixeira de Oliveira.
nELAQ.vo dos OFFiciAKs qi'f. por dkcreto desta da- na relacao que com este baixa assgnada por
ta sao promovidos para os differentes corpos tonio Manoel de Mello, do meu consellio, mini
Cintilar s thesourarias.Ro de Janeiro, em
pro- 20 de novembro de 1863.O marquez de Abran- guia do escrivao do juizo da fallencia, e da res-
s que es. presidente interino do tribunal do thesouro pectiva cobranra se abonar as reparticoes com-
aar- j nacional, transmute aos Srs. inspectores das the-; plenles aos empregados do juizo dos fetos a por-
|rt" lempo.
assim < referido
ao pedido dos signa-
SDaraiaer de OmJa.Sr.
de INrato de S. Paulo.
Miaisterio dos ae-
aaaeaaVfade 1863.
a* aviso -le V. Exc
s-uUuetteu con -
a rearesealacTio da sec-
aeerea" da duvida
a aboao do veaci-
a rrjarti. o do im-
everao os mesmos Srs. inspectores, visto serem do Norte, ordena aos Srs. inspectores
meramente facultativas as disposicoes das refer- thesourarias que observem o seguinte
das demais
-vSuinte :
das instruecoes, quando se tratar de cobradlas,: 1. A classilicacao f"iu no modelo que acompa-
sotiretudo de sommas avuludas, por selhelhante nhou a circular n. 22 de 20 de maio deste anno,
liiuk, proceder com toda a prudencia, examinan- para o mappa das fallas dos empregados na repar-
do e resol vendo sempre de accordocom os prbcu- ticao, naoautorisa por modo algum o pagamento
rador.-s llscaes das thesourarias, se convir ou nao de vencimentos de lempo relativo suspensao dos
segundo as circunstancias especiaes de cada fal- mesmos empregados, visto que consequencia ne-
lenria, intentar no juizo dos feilos os sequestros e cessaria della a cessacao de todos os veucimentos
acaiesexecutivas, proseguindo nelles at real em- embora no mappa das fallas se considere justifica-
bolso, ou tomar as medidas conservatorias que da a proveniente de suspensao*. o que nao altera a
permute o art. 830 do citado cdigo, promovendo regraa csse respeito eslabelecida.
entao no mesmo juizo um simples sequestro para 2.- As falus motivadas pelo comparecimento
seguranca da fazenda, ou finalmente deixar de re- dos empregados a dos e funcees eleitoraes s
correr as medidas conservatorias. se devem considerar justificadas, e dar direilo a
Tomadas ounaoesUs, nadaItsla- *qm es pro- '-veiicTtiientos, quando o servico para que forem
ofalurein curadores da fazenda se apresentem no juizo da chamados esliver declarado por lei obrigalorio, e
porwcasuo fallencia nos termos das referidas instrnceoes para delle naopoderem legalmente escusar-se os mes-
da secretaria administrativamente, segundo a natureza desse mos empregados ; salvo, todava, o caso de exer-
se anadn pagar Ju,j, cobrarem a divida activa da nacao, constan- elcio de um dreito poltico a quo tenbam de com-
faltaram por motivo e de conlas correnics, certidoes, letras de mora- parecer comocdados, e somente pelo tem stric-
dedarar a V. Exc. que por lor,a, mlhetes da alfandcga ou outros ttulos, sem lamente indispensavel para esse fim.
perturbar as operacoes regulares da liquidacao e 3." As faltas desta naturraa, bem como outras
do aaao passadw loi
ar us etupregadas, ru-
de iralilM-aciu, lent
|ior motivo jus-
a oatem cuw venci-
tal eraacacaa, leado a natureza
como aroalece a
: e ota densio r coafonne con-
de aaao passado, ciuda na-
Eir. oae a decislo do refe-
saMMe as gralincacoes
*. e cajus serviiNh, sejam
e aao as graiilicaces.
r- eaaaaees precarias.
Exr.Mm-fntz 4e Olinda.
e *a retarie de estado dos negocios
onerar as massas fallidas com despezs nteis, que sepossam dar por motivo de servico publico
desde que o dreito da fazenda certo c incontes- obrigalorio, a que sejam convidados os' emprega-
' .....-, 1 dos, na liv|iolhe.se de que a thesouraria as julgue
hm ues circumuancias os administradores das justificadas, serao classiliradas em columna dis-
reendas massas bao de sem duvida eviUr litigios ncta, que se accrescentar no mappa com o tita-
e des|>ezas, satisfazendo logo a divida ou reser- lo-servicos diversos,explcando-seem observa-
vando na caixa a importancia integral da mesma cao especial a natureza dos servicos e as faltas
se alguma questao se mover sobre preferencia en-
tre a fazenda e outro eredor tambera privilegiado,
como previnem os arls. 5", 6" e 7" das instruc-
ces ciUdas.
Emjodo o caso os mesmos Srs. inspectores or-
denarlo que se promovam, e os procuradores-fis-
caes de ve rao promover no juizo dos feitos as ac-
edes competentes, anda mesmo depos de se te-
servieos
relativas a cada um.
No caso, porm, de que os Srs. inspectores te-
nham justos motivos para nao julgar justificadas
as faltas dadas a pretexto de servico publico, fa-
rao descontar os vencimentos dos que as commet-
terem pelo lempo em que durarem, classifican-
do-as na columna dasmo justificadas,salvo
sempre os recursos legaes aos que se sentirem in-
An-
...inistro
e armas do exkrcito. j e secretario de estado dos negocios da guerra,
Pd u"l!.de fstado-maior general. que assim o tenha entendido e faca executar.
J f*. 'n:1re,clia' de campo, o brigadeiro Francis- Palacio do Rio de Janeiro, em 28 de novembro
SShS i va B,tencourt- "8^63, quadragesimo segundo da independencia
i ara ongadeiro, o brigadeiro graduado Ernesto e do imperio. Com a rubrica de Sua Magestade o
Augusto Cesar Eduardo do Miranda. Imperador. Antonio Manoel de Mello.
Corpo de engenlteiros.
Para coronel, o coronel graduado Jos de Paiva
e Silva, por antiguidade.
Para tenente-coronel, o major Antonio Pinto de
Hgueiredo Mendos Antis, por merecimento.
Para major, o major graduado Jos Maria Ja-
cinlho Habello, |>or antiguidade.
Para l- lente, o 2 tenente Eugenio Adriano
Pereira da Cunha e Mello.
Corpo de estadotnaior de 1* classe.
Para coronel, o coronel graduado Luiz Guilher-
meWoor, por antiguidade.
.lara tenente-coronel, o major Franklim Anto-
nio da Costa Ferreira, por merecimento.
Para majores:
O major graduado Joaqun Jeronymo Barro,
por antiguidade.
0 capito Appolonio Peres Carapello Jacoinc da
Gama, por merecimento.
Para capitaes :
Os lenles Antonio Florencio Pereira do Lago
Domingos de Araujo e Silva.
Para tenente, o alferes Luiz Antonio de Miran-
ra Frenas.
Corpo de sau'de.
1 ara cirurgiao-mr de brigada, o Io crurgio
Joao Pires Farinha, por merecimento.
Para 1 cirurgiao, o 2" crurgao Julio Cesar da
Silva. e
Arma de cuvallaria.
1 regiment.
I ara coronel commaudante, o coronel graduado
do 2 regiment Joo Francisco Menna Barrlo,
por merecimento.
2 regiment.
i ara tenente-coronel, o tenente-coronel gradua-
do do mesmo, Aaj Ferreira da Silva Jnior, por
merecimento.
Para major, o capito do mesmo regiment, Jo-
s Antonio Correa da Cmara, por merecimento.
I ara capito, o tenente do 3 regiment, Joa-
quim Soares de Figueirdo, para a l1 companhia.
. 3 regiment.
I ara capito, o lente quartel-mestre do mes-
mo regiment, Jos Colho Borges, para a 6" com-
panhia. B v
a" regiment.
Para capito, o tenente do 4o regiment,
rao Pacheco de Azambuja, para a 8* o
ny
nliia.
Jero-
corapa-
naaajMliiHiu no juizo da fallencia, se os inte- justamente VTeidkados.-Mar'quez V 'branles.
roses da lazenda |iengarem em consequencia de
de Jaaeire.Mraislern dos ne-
eai 14 de aoveaAro de 1863
. r naa. Sr..vrax rercaidu o oMcio de V
Car. de t de ii irada utaaM, acoaqianhado
o jaez de pu MaaoeJ
ava jayedido
d* enaVp eiertoral. pelo fado de
f* falMlicacitt de artas
por decisio do
Maa
fundada suspeita de extravio de bens u de ou-
tros fados.
nanlo porm s dividas provenientes de letras
mercamis. negociadas em differentes pracasdo m-
'IIMSIIHKI A .USTI/A.
2a secrao.Ministerio dos negocios da jusilla.
Rio de Janeiro, 17 de outnbru de 1863. Illm. t
RKLAQAO DOS OFFICIAF.S DO EXERCITO, CHEFES DE
CLASSE, QUE POR DECRETO DESTA DATA SAO PRO-
MOVIDOS A GRADlA(:Xo DO POSTO INMEDIATO.
Corpo de enijenheiros.
Para coronel graduado, o tenente-coronel An-
dre Cordeiro de Negreiros Lobato.
Para major graduado, o capito Jos Carlos de
Carvalho.
Corpo de estailo maior de 1J classe.
Para coronel graduado, o tenente-coronel Ma
noel Ignacio Brieio.
Para lenle coronel graduado, o major Gastao
Luiz Henrique d'Escragnolle.
Para major graduado, o capito l'inbelino Al-
berto de Campos Limpo.
Arma de artilharia
Para tenente-coronel graduado, o major Emilio
Luiz Mal le t.
Arma de cavallaria.
1 ara coronel graduado, o tenente-coronel Au-
gusto Frederico Pachaca.
Para tenente-coronel graduado, o major Egas
Muniz Tello de Sampaio.
Para major graduado, o capito Joao Pinheiro
Guedes.
Arma de infantaria.
Para coronel graduado, o tenente-coronel Ma-
noel Lopes Peccgueiro.
Para tenente-coronel graduado, o major Do-
mingos Jos da Cosa Pereira.
Para major graduado, o capito Constantino Jo-
s da Costa.
Palacio do Rio de Janeiro, em 28 de novembro
de 1863. Antonio Manoel de Mello.
Hei por bem passar a effectivos no corpo de cn-
genheiros os ofliciaes aggregados ao mesmo corpo,
mencionados na relacao, que com este baixa, as-
signada por Antonio Manoel de Mello, do meu
conselho, ministro e secretario de esUdo dos ne-
gocios da guerra, que assim o tenha entendido e
o faca executar.
Palacio do Rio de Janeiro, em 28 de novembro
de 1863, 42 da independencia e do imperio. -
Com a rubrica de Sua Magestade o Imperador.
Antonio Manoel de Mello.
RELAQAO DOS OFFIC1AES AUGRKCADOS AO CORPO DE
ENUENHE1ROS. 01 E POR DECHETO DESTA DATA PAS-
SAM A EFFECTIVOS NO MKSMO CORPO.
Tenente coronel :
Thomaz da Silva Paranhos.
Capitaes :
Francisco Xavier I/)[ies de Araujo, e Joaquira de
Souza Mursa.
Palacio do Rio de Janeiro, era 28 de novembro
de 1863. -Antonio Manoel de Mello.
Joao Pires.
A' escriraes de 3* classe.
Os escrivaes extranumerarios :
Domingos Custodio de Almeida.
Francisco Rodrigues de Almeida.
Na mesma data tambera foram promovidos por
portaras :
' fiis de classe do corpo de fazenda da
armada.
Os fiis de 3" classe :
Felppe Lopes da Silva.
Joao Alves de Oliveira.
Marciano Antonio Izdro.
A fiis de 2 classe.
Os fiis de commissao :
Antonio Joaquim de Macedo Cavalcanti.
Manoel Antonio Massarona.
Thomaz Borges de Castilla.
Carlos Ernesto Frederico Weiel.
Antonio Joaijuim de Paula Reis.
Por decretos de hoje fui nomeado 2o cirurgiao
do corpj de sade do exercito o doutor em medi-
sequestros
feeiuados nos referidos lugares, deverao os procu-
por V. Exc. as duas duvidas ollerecidas pelo
juz de dreito da comarca de Alcntara, sobre o
las dc radores da fazenda apresentarse no juizo da fal- art. 13 do cdigo criminal, declarando.
jury, lencia para os effeitos determinados no art. 7 das j.. x0 devendo atlender-se, por ser r.
1 ciadas insirurcoes, os quaes sendo autorisados fianca, s crcumsUncas attenuantes, as
regulada a
?, as quaes s
m U prsenle o dito pelo cdigo do commerciu, salvam, sem prejuizo pdera ser apreciadas no julgaraento e nao na for-
lda I WJkllc lnl.ro^cTlAC n rlirmh. ^-_- j_ _...... _.-_ j .. ..
a'V. Exc. que a sua deci- das massas fallidas e seus inlercssados, o dreito
v ane fuese aiaaravel o da fazenda, e dos outros credores, qualquer que
adobad lu arra.adi a diM juiz de paz ; s-ja a solueao de Ues duvidas pelo poder compe-
aetas ans. 4 da Id de 3 de de/.embrodo tente, isto pela assembla geral, ou pelo poder
V*L iadaaqadaMtadeaidejaadrodelKl2. judicial, se a ul respeito alguma questao existir
i a aaueDaria. eaeefdaaado-se
: f, aaaadu a appc^
i ayuadKK que nao se
antaacavd.
Exe. para sea coaheci-
maco da culpa, mas devendo atlender-se tmente
natureza e carcter dos crimes comprehendidos
no art. 101 do cdigo do processo criminal, con-
forme declarou o aviso n. 42 de 27 de Janeiro de
18o, deve-se entender que nao pdera prestar
a V. Esc-Mm-fuez de MaaiB.-
da armnacu du Ceac.
o de Jaaeir>). Miaistcrio dos
tm 3 de aoveadaw de 1863
e Ena SrTca4t re aavdo dunda acer-
ata tm aae as revenado aspas eomecam
a aercepra da e-agiaa por iateiro.
a Ul rejyet a seeeo dos aegoeios do
a que
da s bul-
as Ui^aas lomar pos-e
kiiove por beat
readaraa de 2. do
, aae a ptnimi da raagruacorre do dia
exeeuean. pendente dos iribunaes de jusl.ca civil do imperio. |ianca ,odos os que como autores m cLtmploes fo-
se nica- Marque, de branles^ rmi r-u|pados dos crimes especificados no citado
artigo do cdigo do processo criminal, quaesquer
i.vstrlccoes a o e se iiF.FEiu. a ciRciLAiin. 35 des- que sejam as penas que em julgamento Ihes te-
ta data as THEso RAHiAs de fazenda das pro- nham de ser iniposus; porlanto, um menor de 14
vint.ias. i annos que corainelter um critnc inafllancavel, nao
Art. !. .Nos casos em que a fazenda publica fr tendo sido preso em flagrante, pode s-lo depos,
interessada as quebras |ior divida proveniente de antes mesmo de pronunciado, nos termos do art.
letras, notas promissorias e crditos mercanlis, os 175 do cdigo do processo criminal.
| seus procuradores, depos de feitos os protestos ne- 2. Tendo sido o crime commettido pelo menoa
cessanos na forma da legislacao era vigor, pode- antes de completar 14 annos de idade, deve ser
rao comparecer no juizo da fallencia, afim de pro- punido de conformidade cora o art. 13 do cdigo
f o embolso da mesma fazenda na forma do criminal, visto que o juiz lera de atlender para o
cdigo do commercio e das presentes instruc- estado do menor na poca do crime e nao na do
Cue- julgamento, nao podendo influlr sobre a natureza
Faragrapho nico. Estas instrucces sao exten- do delicio e da pena a circumslanca de ler o me-
sivas a qualquer oulra divida activa da nacao que or passado a idade de 14 annos por causa da de-
nao for de origem mercantil em tudo quanto pos- mora do processo.
escrivao
guerra de Mallo Grosso. sendo nomeado
substitui-lo Francisco de Moraes Jardim.
Etc. para os ios roa ve-
Deus guarde V. Exc. Joao Lins Vieira Can-
sansao de Sinimba'.Sr. presidente da provincia
do Maranho.
2.* secrao.Ministerio dos negocios da justica.
Ro de Janeiro, 16 de novembro de 1863.Illm. e
FAIE\B4
sam ser applicaveis.
Art 2.* Os ditos procuradores tomaran parte
as deliberaces dos credores da fallencia no res-
pectivo processo, como os demais credores, excep-
to, sol* pena de responsabilidade, naquella em que
se tratar da concordata e quitacn.
Art. .! As disposicoes do art' 830 do cdigo do Ba. Sr.A Sua"Magestade o Imperador loi pre-
m_ j------' C*mrarc, o extensivas a fazenda publica nos sent o offlco de 11 de setembro do correnle anno,
ymez ae miman. casos de que traa o art. i', salvo todava Ojpri- em quo V. Exc. communieou que, em resposta a
os aej;..cio> aa vilegio do foro. consulta do promotor publico da comarca do As-
,' j cuncordaU nao obrigatoria para s, declarara que o promotor publico nao pode or-
! com a fazenda publica. (Cdigo do commercio, donar ao carcereiro quo Ihe d certidao, por que
;*rL.8*'V nao lera jursdccao, o deve, quando precisar de
| Art 5.' A jursdccao contenciosa do juizo dos qualquer nformacao relativa a cadea, requercr a
da fwFaii-Itiodc Ja- feitos continuara em seu inlero vigor para as autoridade policial competente. 0 mesmo augusto
.Oakaraaeade questoes respectivas, quando nao se iwssa obter senhor, tendo ouvido o conselheiro consultor dos
do the- administrativamente no juizo da fallencia o em- negocios da juslca, houve por bem aoprovar a de-
Sr^iaKfednres das, bolso ou cumpninento das obngaces activas da eiso de V. Exc, mandando ao mesmo tempo de-
evtda mieuigeacia j na^ao. i clararle que o requenmcnlo a autoridade poli-
dala, enastantes Art 6* Levantando-se questao no juizo da fal- ca| incumbida da inspecQo das prses, tem lugar
atareas ca-1 leacia sobre a divida ou sua classilicacao, a fa- quando a nformacao versa sobre a economa e re-
as praacaates zenda sera todava contemplada como credora pri-
j vilegiada, nos termos da lei de 22 de dezembro de
1761 til. 3* S 14, al vara de 12 de maio de 17.t8
55 10 e II, lei de 20 de junho de 1774 55 34. 37, 39
e 41, al vari de 24 de julho de 1793 % 1 e mais
disposicoes vigentes.
Art /.* Na conformidade dos arts. 886 e 890
do cdigo do commercio deduzir-sc-ha do producto
dos bens hypothecados a quantia sufllciente para
satisfarao por inteiro da divida fazenda publi-
ca, se para Unto dr esse producto, fieando, po-
rm, consignada na raixa at que o poder compe-
tente declare se a mesma fazenda tem dreito de
da-
de!
trapuavana. kio-Graadedo
ePiraatuli, aaraaslaga-
e ou-
z de branles.
k ana lar n. 53
uta
de Ja
aaO
do
. a aiditiaifnlo s
de 3 de aunv, de 1*81 c-rdena ane se
f aaaa :
quando a informac.
gimen interno das mesmas prisdes, mas quando o
promotor lver de requerer a respeito de um pre-
so medido em processo, deve o requer monto ser
dirigido ao juiz da culpa, a quem est o preso ira-
medialamento sujeito.
Deus guarde V. Exc-/o<7o Lins Vieira Can-
sanso de Sinimbu'.Sr. presidente da provincia
do Rio Grande do Norte.
preferencia rom credora privilegiada.
.VIVIMTERin D.\ (JlEHRl.
Hei por bem promover para os differentes cor-
pos e armas do exercito os ofliciaes mencionados
na relacao. que com este baixa assgnada por An-
Corpo de Matto Grosso.
Para major, o capito da companhia de Minas
Geraes, Jos Maria de Siqueira Cesar, por anti-
guidade.
Companhia de Minas Geraes.
Para capito, o lenle do 1 regiment, Fran-
cisco de Lima a Silva.
l'nra tenentes da arma.
Por antiguidade.
Os alferes:
Placido Fialho de Oliveira Ramos.
Jos Mendes Jaeques.
Gaspar Jos Menna Brrelo.
Dionysio Jos de Oliveira.
w Por estudos.
Manoel Jacintho Ozorio.
Jos Pereira Das.
Arma de infantaria.
2 batalho.
Para major, o capito do corpo de guamcao do
Ceara, Joaquira da Rocha Moreira, por mereci-
mento.
Para capito, o tenente do mesmo batelhao Au-
relio Joaquim Pinto, para a Ia companhia.
4o batalho.
Para capitaes, o tenente do mesmo baUlho
Joao Baptista do Reg Barros Cavalcanti, para a
4" companhia; o tenente do 11 batalho Francis-
co Xavier Correa da Conceicao, para a 5* compa-
nhia ; o lente do batalho de cacadores de Govaz
Joao Baptista da Silva, para a 6" companhia ; o l-
ente do 9 batalho Francisco Borges de Lima,
para a 8' companhia.
5 batalho.
Para capito, o tenente do mesmo baUlhao Jos
Tluago da Silva, para a 8' companhia.
9 baulho.
Para capito. o tenente secretario do mesmo ba-
talho Jos Francisco de Moraes e Vasconcellos,
para a 2' companhia.
11 batalho.
Para capitaes, o tenente do mesmo batalho In-
noceneio Eustaquio Ferreira de Araujo, para a 1*
companhia; o lenle quartel-mestre do 8 bata-
lho Manoel Ferreira da Funseca Lyra, para a 8-
companhia.
13 baulho.
Para capito, o tenente do 3- batalho Francis-
co Bibiano de Castro, para a 8' companhia.
Corpo de guarnicao do Cear.
Para capillo, o tenente do mesmo corpo Fran-
cisco Antonio Pereira, para a 2* companhia.
corpo de guarnicao do Piauhy.
Para major, o capito do 13 baulho Jos An-
tonio da Silva Lopes, por antiguidade. | Por merecimento
Para capito, o tenente do 7 batalho Caelano Carlos Balthazar da Slveira.
Xavier de Oliveira, para a 4' companhia I Arthur Slveira da Molla.
Corpo de guarnicao do Amazonas. Pedro Benjamim de Orqueira Lima.
Para major, o capito do II batalho Francisco I A 2* tenentes.
Os guardas marrabas:
Jos Gomes dos Santos.
Gaspar da Silva Rodrigues.
IIMMlItlK i \ AGRICULTU-
RA :on ti ERCIO
E ORRAS PURLICAS.
DECRETO N. 3,189 DE 25 DE NOVEMBRO DE 1863.
Dri modelo para o bataneo das operacies das com-
painhas de seguro mutuo, e fixa o prazo de um
anno pura sua publicaro.
Nao tendo sido compr'ehendidas na disposicao
do art. 2 do decreto n. 2,679 de 3 de novembro
de 1860, as companhas de seguro mutuo, e nao
Ihes sendo applicaveis os modelos prescriptos pelo
2 do art. 1" do citado decreto, para os balancos
das operaees das companhas e sociedades ao-
nymas mercanlis, e convindo outrosim exacta e
fiel observancia do S 9 do art. 2 da lei n. 1,083 de
22 de agosto do referido anno, que aquellas com-
panhas organisem uniformemente o balanco das
suas operacoes, c na mesma poca o publiquem e
facam delle romessa ao governo, hei por bem de-
cretar, de conformidade com a minha inmediata
resoluco de 22 de agosto ultimo, tomada sobre o
parecer d sereno dos negocios do imperio do con-
selho de estado, exarado em consulta de 9 de ju-
nho oo anno passado, que as companhas de segu-
ro mutuo organisem, publiquem e remellara an-
imalmente ao ministerio dos negocios da agricul-
tura, commercio e obras publicas o balanco das
respectivas operacoes, na forma do modelo anne-
xo ao presente decreto.
Pedro de Alcntara Bellegarde, do meu conse-
lho, ministro e secretario de esUdo dos negocios
da agricultura, commercio e obras publicas, assim
o tenha entendido e faca executar.
Palacio do Rio de Janeiro, em 25 de novembro
de 1863, 42 da independencia e do imperio.Com
a rubrica de Sua Magestade o Imperador.Pedro
de Alcntara Bellegarde.
GOVERM) DA PROVINCIA.
Por decreto de 21 de novembro ultimo, houve
S. M. o Imperador por bem exonerar o viscondede
Camaragibe, o bario de Vera-Cruz e o Dr. Joa-
quira Pires Machado Porlella do cargo de vice-pre-
cina Joaquim da Silva Gusrao; e concedeu-se sidentes desta provincia.
Francisco Pereira de Moraes Jardim a demisso
que |>edio do lugar de escrivao do arsenal de
para
MI.tlgTERIO IDA ntHIMIA.
RELAQAO DOS OFFICIAES DO CORPO DA ARMADA E CLAS-
SES ANNEXAS, PROMOVIDOS POR DECHETOS DESTA
DATA.
A' capitaes de fragata.
Por antiguidade.
Os capitaes tenentes :
llodrigo Antonio de Lmate
Marcos Jos Evangelista.
Joo Paulo da Cosa Nette.
Por mereriineuto.
Joaquira Rodrigues da Costa.
A capitaes tenente-i.
Por antiguidade.
Os 1- tenentes :
Antonio Manoel Fernandes.
Joronymo Pereira de Lima Campos.
Jos Henriques da Silva Froes.
Jos Avelino da Silva Jaeques.
Joo Carlos de Souza Jaeques.
Jos Nolasco da Fontoura Pereira da Cunba.
Por merecimento.
Joao Soares Pinto.
A {"tenentes.
Por antiguidade.
Os 2"' tenentes :
Pedro Antonio do Monte Bastos.
Frederico Guilherme de Lorena.
Jos Antonio de Alvarim Costa.
Francisco Soares do Andrea.
Joaquim Xavier de Oliveira Piraentel.
Henrique Messeder da Rocha Freir.
Antonio Manoel Perdgo Fernandas.
Carlos Frederico de Noronha.
Constancio Garcindo de Souza Hrito.
Eduviges de Souza Mascarenhas, por antiguidade.
Para tenentes da arma.
Por antiguidade.
Os alferes:
Mathias Barboza dos Santos.
Coriolano de Castro Silva.
Joo Pedro Correa.
Joo de Santa Anna Meira.
Liberato Jos Feliciano da Silva Kelly.
Francisco Antonio Nogueira de Batimn.
Joao Paulino Lopes de Seixas.
Severiano Rabello da Silva Pereira
Jos Libanio de Souza.
Manoel Joaquim de Oliveira Curxaluz.
Pedro Francisco de Toledo Ribas.
Antonio Mauricio da Fonseca Lessa.
Por estudos.
Francisco Vctor de Mello e Albuqnerque.
Jos Vieira de Souza.
Julio Pompeu de Barros Lima.
Roberto Ferreira da CosU Sampaio.
Francisco Jeronymo Goncalves..
Napoleo Jansen Muller.
Felinto Perry.
Pedro Nolasco Pereira da Cunha.
Jos Antonio Correia de Mello.
Manoel Lourenco de Castro Rocha.
Manoel Augusto de Castro Menezes.
Jos Ignacio Borges Machado.
Os pilotos :
Augusto Cesar da Silva.
Domingos Moreira da Silva.
Manoel Terencio Correia da Slveira.
A'primeiro cirurgiao.
O 2 cirurgiao :
Dr. Hermogenes de Miranda Ferreira Souto.
A' commissarw de 1* classe.
O commissario de 2 classe :
Augusto Cesar Lisboa de Aguar.
Coiitinuaro d expediente de dia 10 de deztmbre
de 1863.
Oflicio ao presidente da caixa filial do Banco do
Brasil nesta capital.Pelo offieio que V. Exc. me
inderecou hornera, fiquei inleirado de haver a di-
rectora do Banco do Brasil, ordenado que, do dia
31 do correnle em diante, nao se contassem juros
s quantias recolhidas nessa caixa filial em conta
correntes, o queem virtude dessa ordem nao ven-
cer mais juros as que foram ah recebidas, pro-
venientes dos donativos para as urgencias do esU-
do, disposicao do ministerio do imperio.
Dito ao director geral dos Indios.Para cumpri-
raento do aviso da secretaria de esUdo dos nego-
cios da agricultura, commercio e obras publicas, de
18 de novembro ultimo, constante da copia junta,
haja V. S. de informar sobro o que pede no incluso
requerimento, Manoel Valentira d*s Santos, raaioral
dos Indios da Escada.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.De
conformidade com a sua nformacao de hontem.
sob n. 915, dada com referencia a da contadoria
dessa thesouraria, mande V. S. abonar ao tenente-
coronel Francisco Camello Pessoa de Lcenla, se-
cretario do cora mando das armas desta provincia,
a quantia de 40000, que se llie resta, para remon-
ta da cavalgadura que por dreito Ihe compete, e
para esse fim devolvoos papis que vieram anne-
xos a sua citada informaco.Comuiunicou-se ao
brigadeiro commaudante das armas.
Dito ao commaudante do presidio de Fernando.
Faca V. S. regressar esta capital na primeira
opporlunidade. o preso Joaquim Monteiro da Ro-
cha, que ja finalisou a sua sentenca, segundo de-
clarou o juiz municipal da 1* vara desta cdade.
em offlcio de 9 do correnle.
Dito cmara municipal da villa do Granito.
Anda nao foram approvados pela assembla legis-
lativa provincial, os artigos de posturas de que tra-
ta cmara municipal da villa do Granito, em sen
oflicio de 10 de novembro ultimo, que lica assim
respondida
II
OfBcio ao conselheiro presidente da relacao.
Em additamento ao meu offlcio de 9 do correnle.
transmiti V. S. o auto de exame que veio junto
ao offlcio do juiz munieipal do termo do Ouricurv.
de 11 do mez passado, no qual se faz menco do
cadver de Francisco Pereira Ferragom, e nao de
Franco Pereira Ferraz, como disse aquelle juiz
municipal.
Dito ao desembargador provedor da SanU Casa
de Misericordia do Recife.Fico inleirado pelo seu
offlco de 9 do crreme, de que tendo V. S. urgen-
te necessidade de sahir para fra desU capital, por
quinze ou vinte dias, deixava no exercicio do seu
cargo o vice-provedor bare do Livramenlo.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.Em
resposta ao seu offlcio de 5 do corrente. sob n. 887,
recommendo V. S que mande satisfazer, pelo
modo e maneira indicada na inclusa relacao. as
quantias que teem de ser pagas peles cofres dessa
thesouraria, e consum da nota, que veio anne&a
aquelle seu citado offlcio.
Dito ao mesroo.Comrounico V. S., para seu
conhecimento e eiecncao, que attendendo ao que
\


atinar com a-------
que a nuvem prcnhe do tempestados, que para so- mesmo ao presidente.
bre as nossas cabecas ha de rebentar mais dia me- duz quanto o barao so tem empenhado para i
nos dia trazendo novos transtornos. belecer a paz, assim como que scus esforcos
O Sr Manoel foi liontem recebido em Monte- fragaram diantc das exigencias do chefe da
video.
nrovinciv do Corrientes, Entre-Rios e Banda respondenda trocada entro o Sr. barao de Man, fas desta repblica partam contra o Salvador, ao
SrtMtol urna nova Baciooalidade. aVdernoncerto general Flores, o presidente da repblica. Consis- mando do general Xalrech.
SI 55 Smp?Su regios, nao fcil te ella em tres cartas, urna de nosso compatriota Salvador 21 desetmbro.- Toda repblica, com
verdade mas inclinme acreditar ao general, outra deste em resposta, o outra do excepcao da capital, eslava oceupada por forcas de
Destes dcumentos so de- Guatemala superiores a seta mil homens, as quaes
rosta- sitiavara j a praca, depois do terem tomado alguus
au- fortins fra della.
revo Todas as presumpeoes sao favor do triumplio
lucao. de Carreras.
Ao periodo em que o Sr.Mau diz: noseequi-! Algumas reacedes tinham apparecido ullima-
voque, general, seu triumpho por meio das armas mente a prol do general Barrios,
impossivel, materialmente iinpossivel., respon- Guatemala. A entrevista que teve lugar entre
deu aquelle : que pensa diversamente e que v a' os gencraes Carrera e Barrios, para se combinar
inevilavel derrota de seus inunigos, onde elle di-' nos termos da paz, nao produzio o desojada ef-
visa a impossibilidade material de seu trumpho. feito.
as aqu pa-se prematuramente da questao eleitorat, por ow naattutoa nara a E tambem tenho sido sompre de opiniao que o' Equmlor, 30 de setembro Continua em guerra
"Ti- que cansa da sancho de urna nova le. sobre a ma-. Passo o da ma rea lo pela eons gw pa a a a| ^ ^ ^ .^ ^ ^ com a ^ ^ c em com m.
ceaso; ao-. teria. mjm ^ .. ,,. j f/Sn Ln ^p.^i -f -fiad! i 3 adiado-a >eios de que dispde; quando multo prolongar a tenor entre o poder temporal e o eccles.ast.co.
O Nacional c o Triduo sostentara as, Itoas de de nove, brs sertei "*"""* Sranue lula C0IU varia for,,,n* lr mu.lo tempo; mas a Botnia, 23,fe onlabro.- As eleicoes para sena-
exclusivismo dos partidos, nao admiMindo candi-, para tempoma.^oppoi tuno principal para que dewraca de seu paiz, que no dores e deputados foram mu. disputadas, trium-
Xarier Ribeira professor Porm tal o furor das plxes, l/e acen-
to Tafloaritinca. dea o fogo da guerra civil permanente no Hio ua
aa to a5O, Prata.
-ral da tasfroe- Segundo as participacoes do inspector e com-
iVS en dau de 20 mandante geral do exercito em campo, o lente
i ler a referido proessor Puebla, que o que com mais actividade secunda-
eavrf de tres mete*.' va as operaees de Chacho, tratava do internar-se
edito compravando a as planicies da Rioja; porm tildse tomadoop-
ao director geral portunas medidas, julga-se que nao escapara a per-
seguidlo que se Ihe faz.
de Fernando. Alm desse acontecintento, nada occorreu
lee-eatce o provincias que possa interessar o leitor estrau-
iaMunm a* pesas a geiro.
TaYto justica mea Na provincia de Buenos A y res iumrnisa occu-
ja* gasas aqni pase prematuramente da o
ten.
Estamos passando por urna horrivel secea, que
as produz muitas e graves enferinidades.
MOvri:vini:o.
30 de novembro de 1863.
Passou o dia marcado pela constituicao para a
V. S. as guia de on-
*roi Hlas oesse pro-
! (Miada r. Ijrua-
rc o batalhao
da ridadede
, fura aeomna-
mm to" S. aVaetoie, qociemde sahir
i V S. Fraarisco da fiau ridade no
daturas que nao representcm o unitarismo mais
1 puro, isto os defensores da localidade do Buenos-
: Avies, c a AVi.vw Argentina defende a poltica atra-
za'da, e seguida pelo general Mitre, de trazer a um
centro commura todos os homens patriotas e intel-
1 ligentes prescindindo dos amigos odios, e leudo em
\>ta os interesses geracs da naeSo, para extirpar
1 o espirito estreito da localidade. _
Um destes .lias levo lugar a recepcao ofl-
do imperio do
t hmas da urde.
deler V. S..como
de do corronte, cial do ministro |ilenipotenciario
e aseeto, ior oito ou dez Brasil.
mmq vEgem lora do muni-1 Esse acto produzio agradave
>rirui|ianhiui o seu ofU- imperio
foi convocada extraordinariamente.
Toda a deliberac/to que se tomar agora se resen-
,r:l W^mmf nArT'13S^,,'-!Kimld' >adc. Em um delles reduzio-se completamente a
,i i todo o tempo por em duv.da a suah i ^ q ^ ^^ em ^ ^ ^ manifL.sU. tcr a ordem.
lim dola le encontrar empobrecido e fraco.
Houveram ltimamente dous incendios nesta cl-
pliamlo por lim o partido liberal.
Houve, com tudo, una mortc e quarenta feridos,
nao obstante ter apparecido um batalhao para con-
de rom bastante fundamento. Ae senado cabe com-
pletamente a culpa e responsabilidade ; porque do
proposito deixou de formar casa em varias sessdes,
para nao tomar conhecimento deste assumpto.
Existe alli um partido adverso ao presidente da
repblica, que se equilibra com o lado que o sus-
Como a questao presidencial a mais mi-
lenta. Como a ,
sensaeao nesta so- portante, e toca ao presidente do senado substituir
cieda.le porque desmonte os rumores' que Taziam i aquello emquanto nao for eleito outro competente-
.iirx -l>e-' circular da ralla de harmona entre os governos do I mente, se concebe quanto interessa a designacao
e da Repblica \rgentina, por causa dos deste. Com|iosto como est o senado, a nomeacao
n
Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E66D2XT8G_K6NKP5 INGEST_TIME 2013-08-28T00:17:01Z PACKAGE AA00011611_10267
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES