Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10255


This item is only available as the following downloads:


Full Text
1TO0 XXXIX NUMERO 275.
Por tres nezes adiantados 5S000
Pr tres mezes veocidos 60OO
DIARIO
mi imnoi
->i SEGUDA FEIRA 36 DE MEMBRO DE 1863.
Por anno adiaatado.....19$00O
Porte para o subscriptor 3$00U
*
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPfO NO NORTE
Parahyba. o Sr. Antonio Alejandrino de Lima'
Natal, o Sr. Antonio Marques daSiiva; Araratv,
Sr. A. de Lomos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaqnim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C.; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SFBSCRIPCAO NO SUL
Alagas; o Sr. Clandino Faleao Dias; Baha, o
-Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins di Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.'
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Aniao, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruarn',
Altinho e Garanfiuns as tercas eiras.
Pao d'Alho, Nazareth. Limooiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas feiras.
Sennbaem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
Ilha de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao '/, da.
EPHEMERrDES DO MEZ DE NOVEMBRO
3 Qnarto ming. aos 8 m. e 26 s. da t.
H La nova as 4 h., 34 m. e 14 s. da m.
i8 Quarto cresc. aos 12 s. da m.
5 La cheia as 5 h., 16 m. e 80 s. da m.
PREAHAR DE HOJE.
Primeira as 4 horas e 30 minutos da tarde.
Segunda as 4 horas e 54 minutos da manhaa.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sol at Alagas a 5 e 25; para o norte at
a D!*a a 7 e ** de cada lnez' l,ara Fernando nos
dias 14 dos mezes dejan, marc, ruaio, jul, sel. enov.
PARTIDA DOS QMKffitJS,
Para o Reeife : do Apipucos as 6'/,, 7, 7 /i, 8 e
8 V da ni. de Olinda s 8 da m. e 6 da larde; de
Jaboalao as 6 '/j da m.; do Caxang e Varzea s 7
da m.; de Bemflca s 8 da m.
Do Reeife : para o Apipucos s 3 t/fc 4. 4 "A, 4 /
' l- l'* e 6 da Urde i ?"> 0linda as 7 da
manhaa e 4 >/i da larde para Jaboato s 4 da tar-
de ; para Cachang e Vanea s 4J/, da larde: para
Bemflca as 4 da urde
AUDIENCIA DOS TRIBL'NAES DA CAPITAL.
Tribunal docommercio: segundas e quintas.
Relaco: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda : quinta s 10 horas.
Juizo do comraercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do nivel : tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DIAS DA SEMANA.
30. Segunda. S. Andr ap.'; S. Trovano b.
1. Terca. S. Nahom prof.; S. Eloi b.
2. Quarta. S. Bibiana v. m. S. Policiano.
3. Quinta. S. Francisco Xavier ap. das Indias
4. Sexta. S. Barbara v. m. S. Osmundo.
5. Sabbado. S. Pedro Chrysologo b. "
6. Dominga S. Nicolao b.; S. Leoncio m.
ASSIGNA-SE
no Reeife, em a livraria da praca da Independen'.-
ns. 6 e 8, dos proprietanos Manoel Figueiroa de
Faria, & Filho.
PARTE QFnCIAL.
fiOVElftO'DA PROVINCIA.
Expediente do dia 26 ir aoveiabro de 1863.
Offlcio ao commandanle superior da guarda na-
cional do Reeife. Convido Y. Exc. o os offlciaes
disponiveis da guarda nacional sob seu commando
superior, para asslstirera ao cortejo que nesse pa-
lacio so tem de fazer a effigie do S. M. o Impera-
dor s 12 horas da manhaa do dia 2 de dezembro
prximo vindouro, anniversario natalicio do mes-
mo augusto senhor.Igual convite foi feito as re-
arlices publicas, autoridades e ao corpo consu-
ir da provincia.
Dito ao brigadeiro commandante das armas. -
ciai subalterno que se jacha destacado na cidade
de Nazareth.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Mande V. S. pagar, nao havendo inconveniente, a
quantia de 7:000000, a que tem direito a compa-
nhia Pernamburana de navegacao cosleira corres-
pondente a subvenco do corrate mez, com que o
governo imperial auxilia aquella companhia, visto
haver ellacumprido com ascondicoes do seu con-
trato, segundo consta de offlcio do respectivo ge-
rente datado de hontem.
Dito aomesmo. Nao havendo inconveniente e
cm vista do incluso pedido, que me foi enviado
pelo brigadeiro commandante das armas com offl-
cio de hontem datado, sob n. 2,200, mando V. S.
adiantar a quantia de 200J, parjoccorrer as des-
pezas miudas daquelle estabelecimeuto no mez de
dezembro prximo vindouro.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.Ao
negociante desta praca Manoel Ribeiro de Carva-
lli", mande V. S. pagar a quantia de 157600, des-
pendida com o sustento dos presos pobres da ca-
deia do termo de Garanhuns durante o mez de se-
tembro ultimo, urna vez que nao bajar inconveniente
e esteja em termos a inclusa conta que para esse
lirn me foi remedida pelo Dr. chefe de polica com
offlcio Je hontem, sob a. l,57l.Cominunicou-se
ao Dr. chefe de polica.
Dito ao commandante interino da guarda nacio-
nal de Tacaratu.Tendo recebido com o offlcio de
V. S. de 28 de outubro ultimo, o mappa da torca
da guarda nacional dessa comarca, cumpre que me
enve com toda a brevidade a do armamento exi-
gida por circular de 14 de agosto, 2 e 23 de outu-
bro ultimo e 19 do corrente.
Dito ao mesmo.Remetta V. S. at o fin de Ja-
neiro vindouro, os mappas da forca e armamento
do batalho sob seu commando, que djvem ser
pn-sentes assembla legislativa provincial, acom-
panhados das informacoes do eslylo.
Dito ao juiz de direilo de Garanhuns.Informe
Vmc. qual o numero de jurados ltimamente qua-
liticados em cadaum dos termos deS. Bento e Bom
Conselho dessa comarca.
Circular todas as cmaras munieipaes da pro-
vinciaTransmitlindo cmara municipal de...
os modelos de que trata o art. 29 da leM 546 de
30 de junho do auno passado, recommendo-llie que
me remetta at o ultimo de Janeiro vindouro o ba-
taneo, orcamento e contas que devem ser animal-
mente apresentadas assem >la legislativa pro-
vincial e bem assiin urna exposicao das necessida-
des do seu municipio aliin de screm levadas ao co-
nhecimento da mesma assembla.
Despachos do dia 26 de novembro de 1863.
Requerimentos.
Antonio Tertuliano dos Santos.O spplicante
sera attendido se houver vaga.
Eduardo Antones de Albuquerque Mello. In-
forme o Sr. juiz municipal do termo de Cimbres.
Francisco Antonio das Chagas. Informe o Sr.
director das obras publicas.
Francisca Silvio* de Pinho. Informe o Sr- des-
embargador provedor da Santa Casa de Miseri-
cordia.
Gonralo Rodrigues de Almeida Leite. Infoame
o Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
(kironel Jos Cavalcanti Ferraz de Azevedo.
Informe o Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Joanna do Espirito Santo. Pode seguir.
Manoel Pedro Alexandrino.Avistada informa-
cao da thesouraria de fazenda nao pode ser atten-
dido.
Paulina Rita de Barros.Informe o Sr. director
do arsenal de guerra.
Pedro de Alcntara Pinheiro. Passe portara
concedendo a licenca pedida.
Sociedade Phil'Ariisla.Passe portara appro-
vando.
EXTERIOR.
4 "OKRKSPODXEXCI AS 1MI IUV-
KIO VE l'KKVimil'C'O
HNMiiMBMM.
Londres, 8 de novembr.
No dia 4 do eorrentc recebemos nesta capital a
mala do Brasil vinda pelo paquete Mngdalcna, que
chegou Southampton nesse mesmo dia. Esse
paquete iespachou 25,000:0:0 trazidas dos por-
tos da sna procedencia. O cambio das nossas pra-
cas sobre a de Londres foi aqu rotado entre 27 d
|4 e 27 d 3|8.
Henlmmas noticias polticas de importancia re-
cebemos aqui do imperio, nem o publico inglez as
espera at a abertura da assembla gcral cm Ja-
neiro prxima, quando provavclmente Sua Mages-
tade o Imperador se referir na falla do throno ao
estado actual do conflicto anglo-brasilero. Depois
do que expuz em urna de minhas antecedentes car-
tas acerca dos commentanos feitos por urna folha
do govorno, por occasiao de nosso recente empres-
timo nesta praca, a imprensa oftVial nao so tem
oceupado do Brasil, nao havendo sido poupado pelo
UtiUy News c outros jornaes que destruiram ca-
balraajM as aecusagoes feitas pelo Marniny Pott,
jornal serai-offlcial queacima alludi. Os fundos
do nosso novo cmprestirtwficain 1(2 a 3[4 de
premio.
Os fundos pblicos do Brasil de 5 |o tlcain
101, e "< de 4 1]2 "|. 80 7|8. Consolidados in-
glezes 3|93l|8 Fundos portuguezes 3 "i 49
3|8. Italianos 5 |. 72 3|8. Sardos 5 -| 90. Hespa-
nhoos 3 | 54. Austracos 5 |o 67 IJ2. Russos 5
|0 93. Venezuelanos 6 | 61 3|4. Estas sao as
cotacoes ultimas, e os ttulos de divida publica so-
bre que tem havido maior pedido.
As acedes das nossas estradas do ferro se ada ni
pelos seguintes precos :
As da Baha a 18 3j4 S# 19, islo com S 1
a 1 1|4 de descont ; as do Reeife 17 a
18, isto.com o desconto.de 3 a 2 ; e as de S.
Paulo com o premio de 1 3|4. O pouro desen-
volvimeolo no trafico da eslrada da Babia, e a de-
mora por parte do governo imperial na extensas
da garanta do juro, sao as causas da depreciaran
daquelles fundos. #
O algodao de Pernambnco conserva precos al-
to.*, variando entre 27 d e 31 d por libra. Esse
genero de produccao bfasiMra contina a ter
grande pedido em Liverpool, e em razilo da sua
superioridade e escassez mantm aquella alta co-
laco.
A importacao desse artigo, procedente do Bra-
sil, subi este anno 130 mil saccas, sendo mais
17 mil do que no anno precedente.
Segundo os clculos da associaco Cotn Supply
a produeco desse genero no Brasil ser no anno
do 1864 de 18o mil saccas, com que o mercado de
Liverpool espera j ser abastecido so por parte do
imperio. O total das saccas daquelle producto,
importadas no corrente anno naquelle mercado,
sobe 1,860,000.
Os outros productos brasileiros aqui venda se
acham pelos seguintes ptwos :
Cacao 47 s 59 s per cwt ou 1 i libras inglezas.
Caf primeira qualidade 74 s 83 per cwt; dito se-
gunda qualidade 69 s 73 d ; e ordinario 62 s 69
per cwt. Pao Brasil 70 s a 75 s por tonelada.
Assucar braneo de Pernambnco e da Parahyba 23
s 26 s 6 d per cwt; masca vado 17 s 22 s 6 d per
cwt. Dito tranco da Baha 21 s 26 s ; e mascavado
17 s 6 d 21 s per cwt. Couros salgados 4 d 1|2
6 d por libra ; seceos 6 d 6 d 1|2 ; e seceos sal-
gados 4 d 1|2 6 d li4. Couros seceos do Rio 6 d
9 d. 1|2 por libra*.
As procedencias do Brasil para diversos portos
da Inglaterra rednzein-se s seguintes : do Ro
Grande Maa (24) Falmoutb, onde entrou em
completo desmastreamento; da Bahia Genon (25)
Plymouth : da Bahia Ixunef (t) Deal; e do
Har Tib-bit (2 do corrente) Liverpool. De Liver-
pool seguio para o Para o navio Crescent no
dia 24.
Sua Magestade a rainha, de volla da Escossia
ao Castello de Windsor, contiua a permanecer
nessa localidade com a familia real. A excepeo
de algurts dias que a rainha ir passar Osborne,
a corte permanecer em Windsor at o mez de
margo.
Nessa poca se espera que a princeza de Galles
dar luz um principe, que vira assim perpetuar
a heranga da coroa ingleza na linha de descen-
dencia directa da rainha Victoria.
O principe e a princeza de Galles se acham em
Sandrigham-Hall, onde tem sempre reunido gran-
de numero de conviras. A familia da princeza de
Galles est neste momento em companhia do her-
deiro da coroa bntannica.
O principe Alfredo llxou a sua residencia em
Edimburgo, onde passar o invern. S. A. R. far
ah seus estudos superiores, e ali tem como colle-
ga o principe Guilherme de Hosse-Cassell.
Em Oxford est frequentando a universidade o
principe Frederico da Dinamarca, irmao da prin-
ceza de Galles o futuro herdeiro do throno da Di-
namarca.
A imprensa ingleza tem-se oceupado nestes lti-
mos dias, quasi exclusivamente, do discurso com
que no dia 5 do corrente o imperador Napoleo
abri o corpo legislativo francez. Os commenta-
nos das folhas inglezas tem principalmente versa-
do sobre a parte do discurso relativa questao
polaca, por ser esse o ponto que mais de perto
interessa poltica geral da Europa. Tratando
dos successos polticos, que tem occorrido naquella
parte do imperio da Russia, o imperador Napoleo
assignalou o perigo que por virtude delles esl
eorrendo a paz da Europa, tem como a necessida-
de urgente de buscar um remedio para esse mal.
A reunan do congresso europeo, enique alem das
mutas quesles de interesse pnblico geral dever
ser discutida a questao polaca, o remedio inme-
diato que a Franca recommenda para afastar o
mal que se receia de tantas causas de complica-
cao que cercam os gabinetes da Europa; s por
esse expediente ;poderao ser pacificamente rcsolvi-
das essas questes, que urgem por urna soluco,
embora obtida pela guerra quando venham a' fa-
lla r os meios pacficos !
O discurso imperial quer dizer, pois, paz ou
guerra por motivo da questao da Polonia: e como
a presumpcao de que os gabinetes enropeus ve-
nham a preslar-se reuniao d'uin congresso sdb a
influencia do imperador Napoleo e para o fin de
consagrar a cessacao dos tratados de 1815 m-
nima, a presumpcao mais furte parece ser que
para a soluco urgente de tantas difflculdades a
Franca ter de tancar mao da guerra. Esta foi a
primeira impressao que em Paris causou o discur-
so do imperador, sendo ronsequencia delta a bai-
xa que logo houve nos fundos colados na praca
daquclla capital.
Entretanto pode succeder que mesmo quando
venba a falhar a bella idea d'um congresso, o ga-
binete de Paris tenha de resignarse ao actual es-
tado de cousas, pela ausencia desta ou aquella al-
lianca, com que smente poder o imperador tirar
a espada para affrontar a Europa inteira. At hoje
parece estar elle solado dessas allianras, que nao
tem encontrado nem na Inglaterra, em na Aus-
tria ; e o receto de urna guerra geral ha de prova-
vclmente impedir esses gabinetes de se entrega-
ren! nos bracos da Franca.
A imprensa ingleza te'm applaudido em geral o
carcter conciliador da falla imperial, comquanto
nella se divulgue urna ameaca de guerra. O Dai-
ly Mura diz, porm,que nenlium resultado se pode'
esperar do um rongresso reunido por convite da
Franca e para o fim de abolir os tratados de Vien-
na. O nico papel digno da naco franceza diz
essa mesma folha, fazer a guerra Russia para
salvar a Polonia.
O Morning Post jpprova a idea de um con-
gresso, mas nao dissimula a insufflciencia desse
expediento miando a Inglaterra, a Franca c a Aus-
tria, nao se acham de accordo para forjar a Rus-1
sia. Tudo tera j sido obtido, se essas' potencias
houvessem apoiado as suas justas reclamacoes com
meio milhao de soldados e com urna poderosa es-
quadra, conclue aquclle dlgo semi-olicial do go-
verno b rita nico. O Times finalmente entende que
0 discurso do imperador conciliador, e que ape-
sar ua ameaca do guerra osse soberano procura-
ra evita-la, se as clisposicoes da nacao franceza
Ih'o pennittirem. Tal em resumo a apreciaran
que aqui inereceu por parte da imprensa aquel le
documento.
A" vista do exposto tudo indica que a primeira i
parte que o gabinete das Tulhens tora de execu-
tar vira a ser o convite da Franca aos diversos ga-
binetes da Europa para a reuniao do congresso,!
que o imperador Napoleo tanto recommenda. Es-!
te recurso lera a vaniatrein de conquistar para a
Franca urna grande influencia, no caso de um fe-
liz resultado, ou de llie dar tempo para preparar-
se para a guerra e buscar una alliane no caso
em que tenha de lancarmo dos meios fortes. Bre-
vemente saber o publico do resultado que, para
com a Russia e os outros gabinetes da Europa, te-
ve o convite do governo francez para a reuniao
de um congresso.
Ha quem attribua j Franca a idea de arraslar
a Inglaterra guerra contra a Russia, pela reap-
paricao da famosa questao do Oriente, em que o
gabinete de Londres teria indubitaveimente de in-
tervir para salvar a Turqua das garras da Russia.
Os armamentos que no mar de AzolT est fazenda
o imperador Alexandre poderlo tal vez servir de
pretexto para essa intriga que se attribiie Franca.
1 A poltica geral da Europa offerece anda oores
carregadas do lado da Allemanha, onde a Prussia
contina a estar em crise por motivo da lula que
exite entre o partido absoluto e fi liberal, e onde
a dieta de Francfort persiste a executar contra a
Dinamarca o decreto relativo oceupacao dos du-
cados do Holstein e do Schlewsg.
0 re da Prussia, receiando ceder o terreno ao
partido que ello denomina da revolucao, manten
no poder o conde de Bismark, sem reparar na im-
populardade com que est acarretando. Anda na
recente eleicao o parldo liberal obteve urna maio-
ria de 260 votos, maioria superior que linha na
cmara dissolvida ; e apesar disso a coroa insiste
em conservar o ministerio impopular. Afiinuou-
se at que o ministro Bismark aconselhara el-rei
de novamente dissolver a cmara, caso esta se
mantver no conflicto constitucional em que se
aeliadpde ha inuito tempo com a cora I N'um
tal cwo, sua magestade promulgara urna nova lei
eleitoral em virtude da qual ser eleita a nova c-
mara.
No da 9 do corrente ter lugar em Berln a ses-
sao real da abertura do congresso prussiano, e
para logo se espera que nelle comecem vivas dis-
cussSes, por occasiao da apresentacao da (alia do
throno.
A opposcao conta as suas flleiras grandes ora-
dores, e ha de combater o ministerio em todos os
I pontos que ella j condemnou como inconstilucio-
naes. A sustentaco da rudaco no orcamento
do ministerio da guerra ha de ser um dos* pontos
em que mais insistir o partido liberal, porque
est compromettido com o paiz nesse sentido; de
modo que essa velha rxa entre a cora e a cma-
ra electiva vira provavclmente a expr o paiz
um novo abalo, pela firmeza que mostram ambos
os contendedores em nao ceder. Triste quadro
esse que aprsenla a Prussia, e a Inglaterra la-
menta devoras o perigo que o throno constitucio-
nal prussiano esta eorrendo !
O principe real da Prussia acha-se aqui com sua
mulher e filhos, e dizse que emprebendra esta
vagem pelo desacord em que esl com seu au-
gusto pai, em virtude da polilica por este seguida.
^ Inglaterra ter provavelmente influido neste
sentido no animo de sua alteza real, que lhe inte-
ressa de perto, havendo esposado a princeza Victo-
ria, hllia mais velha da rainha deste nome ; j na
conferencia de Gastein entre esse principe e o rei
seu pai, na qual sua alteza real exigir a demis-
sao do conde de Bismark, a voz publica attribuio
a decisao do principe Frederico Guilherme aos
conselhos de lord Palmersloo. Isto pode at cer-
to poni ser mesmo um calculo poltico de familia
para salvar a dynastia prussiana, que se acha lao
comprometlida para cora o paiz.
1 Pelo gue respeita inveterada polmica da Con-
federarlo Germnica com a Dinamarca, nao ser
, que adieta de Francfort queira tomar em consi-
| deraco as ultimas medidas tomadas pelo gabine-
te dinamarquez em favor dos ducados, ou aceitar
a niediaco que a Inglaterra offereceu nessa ques-
tao, certoque um conflicto ter lugar entro a
C**federaeao e a Dinamarca, que se mostra dis-
posta a resistir oceupacao dos seus estados pe-
las jropas allemas, principalmente se essa oceu-
pacao se eslender ao ducado de Schleswig.- Pelo
seu lado a Confederacao Germnica conliou j aos
reis do Hanovre e de Saxe a misso de entrar nos
ducados, e agora acaba de resolver que a Prussia
*e a Auslria intervino eventualmenle com um
exercito de reserva.
-Suppde-se que no caso de rompimento de hosti-
lidades entre a Dinamarca e a Allemanha, que
aquella bloquear sem demora os portos da Con-
, federacao.
Alguns jornaes inglezes tem espalhado que o ga-
binete de Londres obteve para esse caso urna isen-
cao em favor dos navios mercantes da Inglaterra,
que poderao entrar sempre no porto de Hamburgo.
i Isto nao parece, porm, verosmil, quando perto
que as ontras potencias se opporiam essa odiosa
[ excepcao.
O rei da Dinamarca tem reunido parte do seu
exercito na proximdade da costa, afim de, n'um
ponto dado, poder embarra-lo promptamente com
direccao Kiel. A esquadra dinamarqueza 'st
toda aparelhada. e prompia para entrar em cam-
panha.
As noticias do Mxico chegam at os primei-
ros dias do mez de outubro.
1 O arcebispo do Mxico hava chegado a Vera-
: Cruz no dia 27 de setembro, e fura all recebido
com vivo enthusiasmo. Sua Exc. reverendissima
era esperada com anciedade na capital, onde o
j governo provisorio agoardava a sua chegada, afim
de comulla-lo acerca da entrevista que esse prela-
do livera com o archiduque Maximiliano.
No Mxico o partido monarchico va i ganhando
muilo terreno, sendo certo que esse paiz dlacera-
, do pela anarchia, deseja hoje proclamar e manter
urna forma de governo capaz de offerecer slidas
garantas. Por toda parte, onde cessa de reinar o
, rgimen de Jurez, os pnvos proclamara logo o im-
perio na pessoa do principe Maximiliano.
O marechal Forey deixou Vera-Cruz no dia 5
de outubro de regresso Europa por va dos Esta-
dos-Unidos, ondo segundo se diz va i encarregado
de una raissao do imperador Napoleo.
0 rei Jorge da Grecia chegou ao Pireo no dia
30de outubro ultimo, e ali foi recebido com vivo en-
thusiasmo. No dia seguinte parti para Alhenas,
onde fez entrada solemne no meio das maiores ac-
clamacoes. Sua Magestade Hellenica assisto ao Te-
Deum;.io qual concorreram os ministros estrangelros
e as corporaces do estado; e logo depois proclamou
nacoannunciando a sua firme intencao de parti-
Ihar a sorte dopovogrego e de obedecer fielmente
constituicao. A paz reinava em Alhenas e as provin-
cias; mas ningueni confia va por emquanto ao exer-
cito. onde o espirito desublevaco parece dominar
ainda fortemente.
O commissario real inglez as Ilhas Jnicas ha-
via adiado o parlamento Jnico, em consequeneia
da recusa deste em reconhecer as clausulas cora
que o governo britannico ceder inleirainenle do
seu protectorado naquellas seto ilhas. A consti-
luinto protestou contra esse expediente, bem como
contra a exigencia do mesmo commissario relativa
demolicao das fortifieacoes de Corf por parte das
autoridades gregas.
A Turqua que v na Grecia una constante
ameaca sua imlepeniencia, lalvez a causa por-
que a Inglaterra insiste por esta ultima condico ;
visto como deseja assegurar Porta Ottomana a
cautela com que sempre procede em relacao aos
interesses dosultiio.
Esle monarcha parece preparar-se para a even-
tualidaded'uma g ierra, havendo reunido em Vt-ly-
effendi, as circumvisiahancas de Constantinopla,
um acampamento de alguns militares de soldados
de todas as arma?. Nos flus do mez prximo pas-
sado sua magestade imperial assisto ali, em pre-
senca do corpo diplomtico, s grandes manobras
que havia ordenado, mostrando-se completamente
satsfeiio do resultado daquellas operaces milta-
taros. E' com elTeito de admirar o progresso que
a Turqua vai fazendo no reinado de Abdul-Aziz,
actual sultn, sumi que na adinini&traco publica
sao j nota veis as reformas inlroduzdas. O Dirn
presidido por Fuad Pacha, acaba de aprsenla o
orcamento do estado, do qual se v que si receila
excede despeza de muilos militares je piastras
Por noticias recentcmente recu(jas je \{\c^'.
mond, capital da Confederacao 0 ^orte ,ja Ame.
rica, consta_ que o presidente Davis expulsara dos
estados confederados os rgngnj^ de 8ua mageslade
brrtannica por motivo da indevida ingerencia que
esses agentes prelendiam le em materia de alista-
mento. Us cnsules inglezes haviam permanecido
na conieueraeao desde o principio da guerra, e o
governo de Ricbmond Ihes maiHivera o exequtur
na esperanca de assim tornar-se agradavel ao ga-
binete de Lendres mas agora que Mr. Masn, en-
viado do presidente Davis, leve de relirar-se da-
qui sera haver conseguido o reconhecimento da
confederacao por este governo, aquello presidente
entendeu nao dever ser por mais tempo agradavel
a Inglaterra, tanto mais que os seus agentes consu-
lares nao faziam seno embaracar a acrao adminis-
trativa da confederacao.
Os jornaes inglezes parecera nao dar esse suc
cesso importancia seria, lalvez pela raz.io de ser
impossivol a este governo tirar desforra alguma
daquelle nsito.
As noticias de Nova-York chegam ao fim do mez
de outubro ultimo. O general Lea, depois de Jia-
ver passado para o sul do Rappahannock, tornou
a altravessar esse rio para o lado do norte, e no dia
24 atacoui em Beatn a cavallaria do general Gregg,
fazendo-lhe grande perda. Depois dessa accao os
federaos se haviam retirado para Liberty.
as ultimas datas o general Lee oceupava Bea-
tn, tendo a sua ala esquerda em Beverley Ford, o
a direila era llafford Court-house. A razo desta
manobra era desconhecida. O resto das torcas do
general Longstreet hava refor$ado o corpo deexer-
cito do general Bragg. Corra o boato de que os
confederados tinliara invadido novamente o Ken-
tucky.
O general Granle hava chegado Chattonooga para
substituir Rosencranz. As divisoes confederadas dos
generaos Breckenridge e Hindman reliraram-se de
freule da Chatlanooga, provavelmente para atlaca-
reta a ala esquerda do exercito federal.
O presidente Lincoln havia proclamado, pedindo
mais tresentos mil voluatarios.
O premio do ouro ficava a 49.
DIARIO DE PERIMUIBUCO
O vapor inglez Paran, chegado hontem da Eu-
ropa, foi portador de cartas e jornaes eom datas:
de Hamburgo 5, do Bruxellas e Paris 7, do Lon-
. '.? Porl ll e de Lisboa 13 d0 corrente.
A poltica franceza vai-se desanuviando; o dis-
curso do imperador que era to esperado veio de-
finir o modo porque o imperio se deve portar em
vista da revolucao polaca.
Ei-lo:
Senhnres senadores e depulados !
c A reuniao annual dos grandes corpos do es-
tado sempre urna occasiao propicia que aproxima
os homens votados ao bem publico e permuto dizer
a verdade ao paiz. A franqueza das nossas mu-
tuas cotnmunicaces acalma as inquielacoes e fo-r
tilica as minhas resoluees.
Sede, pois, bemviiidos I
O corpo legislativo foi renovado por terceira
vez desde a fundacao do imperio, e, pela terceira
vez tambem, apezar de algumas disidencias locaes,
comi>ra>-nie com o resultado das eleces. Pres-
tastes todos o mesmo juramento, e tenno a segu-
ranza da vossa cooperacao.
t O nosso dever dar prompta e boa soluco aos
negocios do paiz, conservando-nos liis cosiiiui-
caoque nos lera dado onze annos de prosperidade
e que jurastes manter.
A exposicao da siluacan interna ha de mostrar-
vos que, apezar da diminuico toreada do traballio,
em certos ramos o progresso nao enfraqueeeu. A
nossa industria lutou com vanlagem contra a con-
currencia eslrangeira, e, peranle factos irrecusa-
veis, desvanecem-se os receios suscitados pelo tra-
tado de commerrio celebrado com a Inglaterra.
A exportaeao nos oito primeims mezes do anno
de 1863, comparada com a dos mezes correspon-
dentes do.anno do 1862, leve um augmento de 133
milhes.
Durante o mesmo periodo, o movimento da
navegacao mariliraa excedeu os algarismos da
poca anterior 175,000 toneladas, sendo 136.000
sob o pavilhao francez.
A abundante colheta do presente anno beneficio da Providencia, que deve assegurar sub-
sistencias baratas para a populacao, e tambem con-
firmar a prosperidade da nossa agricultura.
Proseguem cora aciividade as obras publicas.
Lntregaram-se publica circulacao quasi mil kilo-
tros de novos caminaos de ferro, e continuaram a
melhorar-se os nossos portos, ros, canaes e es-
tradas.
t Celebrando-se a sessiio mais cedo que de ordi-
nono, nao pde ser ainda publicado o relatorio do
ministro da fazenda; porm se-lo-ha prximamen-
te. Veris n'elle que. se nao foram inteirainenle
realisadas as nossas esperancas, a receila seguio
marcha ascendente, e que, sem recursos extraor-
dinarios, fizemosface sdespezas occasionadas pela
guerra do Mxico e da Cocbincliina.
Devo mencionar muias reformas que se julga-
rara opportunas, taes como o decreto relativo li-
berdade da padaria, o que torna o reeenseamenlo
martimo menos oneroso populacao das costas, o
projecto que modifica a lei .cerca das colliga^oes e
oi que supprime os privilegios exclusivos para os
theatros. Mandei igualmente estudar urna lei des-
tinada a augmentar as attribuicoes dos conselhos
geraes e conselhios, e a remediar o excesso da
centralisaco.
Simpfiljcar as formalidades administrativas, e
a cgislacao applicavel s classes dignas da nossa
solliciiude, ser,com elTeito, um progresso ao qual
desejareis associar-vos.
Tercis tambem de oceupar-vos da questao dos
assucares, que nde eiiilim ser decidida por meio
de urna legislado mais duradoura. Oprojecto, sub-
mettidoao conselho de estado, lende a conceder aos
productos indgenas a facilidade de exportaeao de
que gosam os assucares das outras procedencias.
A lei sobre o registro far desapparecer o duplica-
do imposto e substituir este direito por raais equi-
tativa" repartico.
Na Algeria, apezar da anomala que suje'Ua as
mesmas populacoes, uinas ao poder civil, e outras
ao poder militar, os rabes comurehouderam quo
justo o o dominio francez, sem que os europus lo-
nham menos conlianca na proteecao do governo,
t As nossas antigs colonias virara desapparecer
as difflculdades qye entorpeciam as suas transae-
coes mas as circumstancias nao foram favoraveis
ao desenvolvimento do seu coinmercio. O recente
eslabelecimenlo do iiistituicoes de crdito ha, de
certo, melhorar a sua sorte.
No meio. d'esles cuidados materiaes, nada do
que respeita religio, inlelligencia e moral
foi esquecido. As obras religiosas de beneficencia,
as arles, apariencias e a instruceo publica, recebe-
ram auraerosos incitamentos.
Desde 1848 augoiontou um quarto a pon^a-jo
escolar. Perto de cinco milhoes de ere^,^ uln
lerco das quaesgraUilameote, entraran, nas esco.
las primarias : mas os nossos e^'oreos n.io dovem
enfraquecer, pois seiscenlas r,,] S|n(|a &$ pri^.
das de instruceo.
Foram animados 0s alto estudos nas escolas
secunflanaas, en.le, w ^eorganisa o ensino espe-
cial.
i Tal seahores, o resumo do que Ozemos e do
que desejamos fazer.
A prosperidade da Hossa nacao tomar de cer-
i to, mais rpido desenvolvimento so nao vieran
! perturba-la as preocupacoos jiolilicas -y mas na vida
: das naces produzem-se acontecimentos iraprvis-
I tos e ineviiaveis, que ellas devem encarrar sem te-
| mor e supporlar sem desanimo. Sao d'esle nume-
ro a guerra da America, a oceupacao obrigada do
Mxico e da Cochinchina, e a revolucao da Po-
lonia.
As expedicoes longiuquas, objecto de Untas
| censuras, nao foram a execucao do um plano pre-
meditado : preparou-as a torca das circumstancias,
e, todava, nao podenr lastiinar-sc.
Como desenvolveramos o nosso comraercio ex-
terno, se, por um lado, renunciassemos toda a in-
I fluencia na America, e se, por outro, em presenca
dos vastos territorios oceupados pelos inglezes, hes-
pauhes e hollandezes, so a Franca licasse sem
possessoes nos mares da Asia ?
Conquistamos urna posicao na Cochinchina,
que, sera nos ligar as difflculdades do governo lo-
cal, nos permittir explorar os immeasos recur-
sos daquellas regioes e civiiisa-las por meio do
comraercio.
No Mxico, depois de urna resistencia inespe-
rada, que foi vencida pelo valor dos nossos solda-
dos e marnheiros, vimos a populacao receber-nos
como libertadores. Nao tero sido esteris os nos-
sos estorcos, e Picaremos largamente recompen-
sados dos nossos sacrificios, quando os deslinos da-
quelle pa z, que nos dever a sua regeneracao, fo-
rera entregues ura principe, cuja illustraro e
quahdades tornarara digno de to nobre misso. i
c Tenhamos, porlauto, f nas nossas ernprezas
da alera mar. Couiecadas para vingar a nossa
honra, lerminaro fazendo triumphar os nossos I
interessee, e se alguns espiritos obsecados nao
coinpreliendein que a sement lancada Ierra se
ha de colher no futuro, nao deixemos offuscar a
gloria adquirida, para assim dizer, nos dous ex-
tremos do mundoem Pekn e no Mxico.
A questao polaca exige mais desenvolvimento.
Quando rebentou a insurreico da Polonia, os
governo da Russia e da Franca" esta vara na me-
itior inlelligencia : depois da paz, as grandes ques-'
toes encontraran) as potencias de accordo, e, nao
hesito em declara-lo, durante a guerra da Italia, e !
quando se realisou a annexaco do condado de
Niza e Saboya, o imperador Alexandre prestou-me
o mais sincero e eordeal apoio. Esle accordo exi-
ga prudencia, ejulguei a causa polaca bastante
popular em Franca, para nao hesitar em compro-
metter urna das primeiras alliancas do continente
e elevar a voz em favor de uina nacao, rebelde aos
olhos da Russia, mas aos nossos herdeira de um
direito inscripto na historia e nos tratados.
Comiudo, esta questao tocava com os mais
graves interesses enropeus: nao podia ser trata-
da isoladamente pela Franca, l'raa offensa nos-
j sa honra ou urna ameaga coniia as nossas frontei-
ras sao os casos nicos que nos impoe o dever de
procedermos independenle de accordo previo.
Tornava-se portanto necessario, como por occasiao
dos acontecimentos do Oriente e da Svria, enten-
dermo-nos com as potencias que-tinhaui para se
pronunciaran razoes e direitos iguaes aos nossos.
A insurreico polaca, cuja duracao lhe im-
prima carcter nacional, despertou por toda a par-
| te as sympathias, e o tira da diplomacia foi altra-'
lora esta causa o maior numero de adhesoes, afim
de caliir sobre a Russia todo o peso da opinio da
I Europa.
Este concurso quasi unnime de votos pare-
qa-nns o meio mais proprio para operar a persua-
sao no gabinete de S. Petersburgo.
fesgracadamento os nossos conselhos desin-
teressados foram interpretados como uina intmi-
dagao, e as instancias da Inglaterra, da Austria e
da Franca, cm vez de suspenderem a lula, nao
tem feito senau atea-la. De parte a parte coin-
inellem-se excessos que em iioine da huraanidade
. devera ser deplorados.
I Qi;e nos resta fazer ? Estamos nos reduzi- '
dos nica alternativa da guerra ou do silencio ?
.Nao.
I Sem recorrer s armas e sem nos calarmos,'
resta-nos um meio : submetter a causa polaca
ura tribunal europeu. A Russia j o detlarouas
: conferencias em que todas as outras quesles que '
; agitara a Europa fossera debatidas em nada feri-
riam a sua dignidade.
Registremos esta declaraco. Sirva-nos ella
para esperarmos una vez por todis, que dos ger-
I niens de discordia prestes a reboutar por todos os
lados, e que do descontentaiiiento da Europa, sur-
ja urna nova era de urdem e paz.
t Nao chegado o momento de reconstruir em
novas bases o edificio minado pelo tempo e des-
truido peca peea pelas revolugoes ? Nao ur-
gente reconhecer por novas convences o que est
, irrevogavelinento cumprido, e levar effeito de
aecrdo rommum o que a paz do mundo recla-
l mar ?
I t Os tratados de 1815 deixaram de existir. A
: torca das circumstancias derribou-os ou tende
isso. Foram rasgados na Grecia, na Blgica, na
Franca, na Italia e no Danubio.
A Allemanha agita-se para os alterar ; a In-
glaterra modilicou-os geralmente pela cesso das
ilhas Jonias, c a Russia calca-os aos ps era Var-
sova.
No meio desta destruico successiva do pacto
fundamental europeu, as paxes ardentes sobre-
excitarain-se, e no meio dia, assiin como no norte,
as potencias interessadas pedem uina soluco.
t Que ha, pois, raais legtimo e raais sensato que
convidar as potencias da Europa para um con-
Kresso, no qual o amor proprio e as resistencias
desapparecero perante ura arbitrio supremo ?
Que lia mais conforme s ideas da poca, aos
votos do maior numero, que drigirmo-nos con-
sciencia, razo dos homens de estado de todos os
paizes, o dizer-lhes :
Os preeonceitos, e os rancores que nos divi-
dem nao tm j demasiada duracao ?
A rivahdado das grandes potencias-impedir
sempre os progressos da civilisaco ?
< Alimentaremos continuamente mutuas des-
confiancas maniendo armamentos exagerados ?
t Devem esgotar-se os melhores recursos do
paiz com a v.a ostenlacao das nossas forqas 1
Conservaremos eternan^ate um oslado Quo
ao nem a paz com a sua seguranca, nem a
guerra cora as suas probabilidades feliesT
t Nao demos por mais lempo imporlancia facti-
cia ao espirito subversivo dos partidos extremos, |
o|>pondo-no8 por acanhados clculos s legitimas
aspiracdosdospovos.
Tenhaiuos a coragen de substituir um esta-
id0 precario urna siluaco estavel o regular, cusi
' 8u,Viora sacrificios.
< Reunamo-nos, sem syslema antecipado, sem
! ambicao exclusiva, animados i pelo pensamento
de estabelcoer urna ordem de cousas fundada no
interesse bem entendido dos soberanos e dos
novos.
Este chamamenlo, crejo, ser oovido por to-
dos. A recusa faria suppr designios secretos que
se arrecelam da publicidad ; mas, quando ;nes<
mo a pcoposta nao fosse unanimemento aoolhida,
loria a immensa vantagem de haver mostrado i
Europa onde est o mal e onde exjste o ronjedio.
Esloabertos dous caminhos : um conduz.ao
progresso pela conciliaco e pela paz ; o outro.
cedo ou larde, arrasta-nos fatalmente guerra
pela obslinacio em sustentar um passado que se
desmorona.
Conheces, senhores, a linguogem que me
propuz usar para com a Europa Approvada pol-
vos, sanccionada pelo assentimento publico, nao
pode deixar de ser ou vida porque fallo em nome
da tranea.
A Fnincea que o imperador vae dirigir imme
diatamente urna carta aos amigos o alliados da
| rranea, submettendo sua apprevaco um urojei
1o de arbiiragein europea. Pode considerar-se co-
mo convocado o congresso. Dentro em pouco w
saber se ser aceito.
O Morning-Post, o Hmm e o. DtiUy-Xeirs trata m
de demonstrar a iinpossibldade do congresso eu-
ropeu sobre as bases dos tratados de 1815, que
considerara abolidos.
Dous dias depois do enterro de Mr. Biilaut o
Monileur publicava una serie d* decretos proven-
do a substiluico do tinado estadista, e accrescen-
lando s molas goveriiaraentaes, novas pecas, no-
vos atliletas da poltica.
Mr. Rouber, presidente do conselho de estado,
foi nomeado ministro de estado com as mesmas at-
tribuieoes do seu antecessor.
Mr. Rouland, prmeiro vicc-presdente do sena-
do, nomeado presidente do conselho de esiado:
Mrs. Foreade-la-Ruquetle, amigo ministro das
linangas, Cliaix-d'Est-Ange, autigo procurador gc-
ral do tribunal imperial de Paris ; Vuitruv inspec-
tor do banco de Franca, uomeados vice-p'resideii-
tes do conselho de estado; o exercero no senado
e corpo legislativo em todos os negocios, os cargos
eattribuicdes prexas no artigo 51 da constitui-
cao, isto sero outros tantos ministros orado-
res.
At hoje s havia um vice-presidente do conse-
lho de estado, agora ha tres, e mais um vicc-presi-
denle honorario, Mr. Vutrny, que alera dsso cou-
serva o seu lugar de inspector do banco de Franca.
Mr. Roulwr um orador de segunda ordem, e
muilo mais versado nas sciencias coramerciaes e
industriaes, do que na polilica interna ou externa.
De certo, nao subslitue Mr. Billaut.
Mr. Rouland ura orador muilo distinelo, mas
faltando-llie a elegancia de phrase e aflluenca. A
sua oracao spera e sacudida, e nao convdn a
ser esciiiado cora prazer.
Quanto aos tres vice-presidentes, excepcao de
Mr. Vuiruy, que muilo entendido era materia
de Imancas, nao 6Mr. Cnaix-d'Est-Ange, advogado
hbil, que tem talento como tal, mas quem falta
absolutamente o que necessario um orador po-
ltico, nem Mr. Forcade-la-Roquelte, advogado
tambera, mas de vigsima ordem, e que nao co-
nbecido seno pela incapacidade notoria de que
deu [irovas durante o curto periodo que gerio a
pasta da fazenda, que poden) fazer e.quecer Mr.
B.llaut. .
A sesso legislativa ha de ser importante; a op-
posico de tal maneira adversa ao governo, que
nao possvel deixar de haver algura aconlecinieii-
to. Diz-se que o imperador pensava, se o corpo
legislativo se toruasse muito turbulento, em dar
um segundo golpe de estado, e a retomar elle s
as rdeas do governo; o que podera ser peri-
goso.
Em todo o caso, o principe Napoleo, que mui-
lo opposto qualquer golpe de estado, tem lido
depois do congresso da Suissa, mullas conferencia
com o imperador.
Por outro decreto, foi Mr. Delangle nomeado
primeiro vice-presidente do senado, e Mr. Baro-
clie, ministro da justica, foi nomeado senador; o
que lhe permitle nesta qualidade usar da palavra
no senado.
Mr. Troplong, presidente do senado, gravemente
enfermo lia muilo lempo, vae melhor. Julga-se
que poder dirigir .os debales da cmara alia na
prxima sesso. comiudo duvidoso.
Mr. Morny, presidente do corjio legislativo, se-
riamente indisposto pela cabecada de um cavallo.
esl quasi restablecido. Julga-se que estar cm
estado de presidir a cmara popular desde a sua
abertura.
O conde Valewski que urna ndisposieo conser-
va va relirado de Paris, esta por assim "dizer com-
pletamente restabelecido.
O Memorial Diplomtttic diz que o imperador di-
rigi rainha de Hespanha una carta agradecen-
do-lhc o aroihimento favoravel que fez impe-
ralriz e convidando a rainha e el-rei a irem
Franca.
A rainha respondeu verbalmenie Mr Borro!,
que agradeca infinito lao gracioso convite; mas
que era consequeneia do seu estado interessante.
lhe era iinpossivel indicar a poca certa em que
poderia salisfazer ao ardente desejo que tinha de
visitar a Franca, e o seu augusto soberano.
Mr. Borrot regressa Franca. Deve ser subs-
tituido na sua embaixada em lespanha pelo mai -
quez de Renneville, director poltico no ministerio
dos negocios eslrangeiros.
A Nation anmmeia, sem o dar como positivo, que
dr mil hespanhes substituirn os franceses em
Roma, nao sendo estranha a esta combinaco a
presenca de sua mageslade imperatriz era Ma-
drid.
O nealido Russo annuncia : primeiro, que se
d ordem para mandar para a Polonia duas di-
visdes de infaataria e de dragues; segundo, que
se proceda ao equipamento de onze bateras cou-
racadas para retorcar a flolilha do Mar Negro.
No dia 13 houve um combate importante prxi-
mo da fronteira prussiana. Os Insurgentes, ala
cados de improviso, repelliram os russos em urna
lula de arma branca, e afinal ticaram senhores do
campo de baialha.
O governo russo incorporou ao governo de Wil-
na o palAtinado de Augutows, que fazia parte do
reino da Polonia, em virtude dos tratados de 18!-,'.
O governo secreto de Varsovia nao descera des
interesses da causa que so propoz defender e tem
enrgicamente sustentado.
Na folha offlcial do governo nacional polaeo pu-
blicou-se urna circular, dirigida aos agentes da ic
sarretco no estrangeiro, que sao j considerados
como ajustes diplomticos da Polonia sobra as. exe-
cueoos que o governo secreto ordenou. contra os
espides russas.
Naquelle documento sustcnla-se que aquella me-
dida de rigor era necessario, mas ranstra-sc que
as execuedes tem sido pouco numerosas. O go-
verno nacional, expedindo aquella, circular, teve
em vista destruir o effeito prcduzido pelas exage-
racoes dos orgos russianos, que elevam um ex-
cessivo numero as victimas. 4'aquel la ordem, quan-
do era um acto de defeza contra as prepoleaejas.
praticadas pelos agentes moscovitas.
O governo nacional encarregou o, geperal Mi-
croslowski, de ofganisar corpas, de voluntarias, na
estrangeiro, onlregaiido-Uw para esse ftiri oito '1-
Ihes de florias,
A Russia. que dispde de BUm'.ro,0S .. p
que conserva na Polonia -fn for'eXeS uta
TSSLSS?*" llteSii*?: o movim n o
&? smaiores proporc5es que de prin-
cipio se Suppunha.
'..as coalas do Mar-Negro verificoq-se um novo
desembarque de armas e mnniedes. O vapor que
fazia esta operaco foi por algum tempo persegu-
/



0


onenenJeraBe


era condecido. Sahl
llnevaes, Si clericaes.
piarla dC t*raMlme ... chanda felra d Xovcmbro de 183.
((
do por dous rasadores russos, mas conseguio e
g aiia-lo de vista. A' bordo iain voluntarios pote
eos, franceze, UlianOs e inglezs. Estro cire
differentes artistas ; e estavam lo* munido; a
armas e dos instrumentos necessarios ac* sem^res-
divos officlos. Dii-se que na C
Estro cites '37 conservadores c M polacos. Dous deputados
pee
rain ltimamente nove pecas


entra-
adas com trinta
fadtj % tt$ oleicoes que j
ram tcitos 280 duuuUd'is
S^f^jmmgb^m^ ^^^^^^^^ *Xsti priado p
mil cargas, 1M rewolrer, e 3* carabinas aV
111 Parece que se prepara urna terceirapri'g>
allirmando-se que Naib-Mebemod-Emim tomou a
irerdo do movimento. t um tornera ten.vele
o un.ee que se julga com batame influenaa pera
reunir os circassianos. ^^ ^ux~
Ao governo russo nao agradan estas expedidos.
Oinsta que o gabinete de S. retorsburge ja cha-
mou a attenco da Porta,
cam a Turqua, nao so rospeito, as no caso
della reconneeer os polacos.
A Porta 6 argida de tolerar tcitamente as rc-
messas de armas para a Gircassia, e o gabinete
russo anteaba o governo do sultico com um rom-
pimonto, se actos semclhantes se repetirem.
Os transportes de armas coatinaam, e nao deixa
de baver auem certifique que a mo do sultao nao
estranha -eltes; os ministros por coiiscquenea
nao ousavam tomar medida algunia para Ihe obstar.
Escrevem de Varsevia que o coronel laes-
kow, ajudante de campo do rei da Prussia, regres-
sou a Berln, d'onde esteve ausente oito ajas, uiz-
seque fo encarregado pelo NO governo de conuc-
cer, em presenea des documentos oHfetaes russos,
qual 3 numero e importancia dos bandos insur-
gentes que opepam as provincias, para que no
raso possivel de urna guerra, a destribuicao das co-
lumnas moscovitas possa estar de accordo oom a
orgaesacao ado|*ada na Russia.
Diz-se que o interior da Russia est desguarne-
cido de tropas, por isso que todas as torcas das
provincias foram destinadas ao reino da Polonia e
antigs provincia* polacas. Calcula-se em 80,000
lunnens as tropas que os russos tein na Polonia e
196,000 as que estao as antigs provincias
nreclpaditmente escolhido, emuitottrtbeoi das JoeRfiie#odo arel. ,
suas,;ona>. 'Alb**etoMonteirodoAndrade.
Relirou. pois, para attrahir as trotea deltead -Deftnte ao eeoselho o Juramento dos Sanios
Qio.tem aollHca nem dcthidn outro campo; este profceto parece pw UrHrttm Bran^Bw, aeo-ae logar ao debate depqis da tei-
EsteresulUdo \oronunrtodo das ideas do oair resultados, porque, segundo as ultima wtWe tur*d procesan e interrogatorio sendo prcduzda
J^^S&ffS^^iSi^SS. I^etinhareKdo" olapPahanncck,era^** pefoLV Jeronymo Salgado de Castro
seguramente encentrar mais embaraces do que com cap a 'H0*1* J"J*?!2?ni!LK
a anterior que fei obrigado a dissolver. eto de ntac^e eVcortar a ceemunicacete*
As preecripedes do governo de Berln e as p. Hea*em aCM^''"0,!^ ___,. ._, -
lavrasde que se servio o rei Guilherme as reu-1 ste movimento de H.ll rccwfdmdo comoe
nioes polticas, sobre os direitos dos militares do progrostiio de nm ataque geral e prximo da par>
o pateo, onde todos reronhecerani
suspoito, quo ha donadle hava recebado bosp-
talidade, e devia & sua existencia candade da
senhora Hirvaux.
Foi preciso entilo toda a autoridade dos mem-
bros da polica para impedir que a gente da qufh-
Ueo pobre maridaaaniassem. sobre o miiensel
[jassassino a sua vingan^a, certameate merecida,
linas que era preciso impedir.
Apalpaado-o, acharam-lhe um porto mtmnate
om alguns sidos ; me* ao lugar onde e*Hsra
perguirts em que se continha a confissiodo ao-lescondido, encoatrou-sa urna pilela de dona o-
cusido, easno nica prova resultaste do pjcesBB,.|nos carregada.*
ossem BjMtentes ao tribunal as testemunhas qp Declarou chanar-sa Ilion ter 1 r anuo de
coolederados; mas dteent que o general
assignafooaiesse mesmo aul para se llies pergon-
tar se com elTeito o reo litera a confisse espon-
tanea e Htreraente.
Saado ooiilkiada6 wnmedielaaieBte a testemu
nhas, que foram os Srs. Flix Rioeiro do Amaral,
Ago*tinlio Jos deOliveirae Jos Pinte dos Santos,
e comparecendo ao tribunal, declararam jue, es-
Joo
e^Ko\Trd0,lH,fi o general Ketpatrlk,
fZ^, K>t Sblica alguns pormenores [ marcado em reconhecimeoto.pol. margen, do
sobre a eutrevistTulti.namente celebrada em Ba- P^m"<\Ho^'S0!lL"S^S. mIa M-
den, entre o rei Guilherme da Prussia e o rei Leo-, ^^^S?^^^S !S"de'fiT SSSflZi 'SSJLm
i -sss dS^K^r. c^te, o o, xfi^rjxx &sx sb
cordar do sen contrdo, sendo que nao assistiram
ao interrogatorio e nao ouviram por tanto a deela-
poldo da Blgica.
Parece que o r
lidade ao da Prussia sobre a necesssidade de com-
batera A-semtflaereMentemieee manifeste entre Merae foram PIP'"* V ^
os principo* alternaos; diz-sVque fallou oestes ter- Ja, donando em poder des adversarios nao poneos
mos sob e ponto de vista da independencia da Bel- pnsrotieiros. -- -->
lica, inu^denciamiefiinrantidapelamiiaoda,. A ehrgada repenlina de outra bngada deca
gica, independencia que foi garantida pol
Allcinanha.
Eteversao aflirma que o rei Leopoldo se mos-
trou favoravel ao projecto relativo forte organi-
sacao do exercito prussiano.
Outra versao diz que o rei dos Belgas, naquella
entrevista, declarara ao rei d p"fs,a. fl"**' ^rrdp'uVne^eiioTliono^Tveram o verbalmunte .
elle nao modifleasse a sua poltica .nterna, se ex- pe j*W*<+*> gg^jS S5* nao era pWedente o h idamente da a.U^cno,
laria, mudou a face as consas. Todos os prisionei-
ras, meaos *S ou 38, foram retomades. Os separa-
tistas ruliraram e* osfederaes garmaram de novo
Culpepper.
racao do accu>ado, que ah se acha transcripta.
A' requerimento do ftr. promotor publico, fez-se
notificar o escrivao Francisco de Barros Correa,
que esse tempo officiava .erante o delegado de
polica, e comparecendo declarou que com endito
o reo flzera semelhante confissao, que est devida-
que
Os confederados foram sorprendidos prximo de msjte registrada no termo.
Shelbvvllle pelas tropas do general Metchell, o de- Tomando o Dr. iuiz de direito conhecunento do
pois de um pequeo choque tiveram de retirar, i incidente, resolveu summana
peana muito a perder as provincias rhennanas.
Diz-se qne Mr. Bismark recebera urna carta ano-
nyma, anounciando-lhe a sua sentenea de morte,
decretada por ama commisslo revolucionaria.
Uie qne a consciencia de Mr. Bismark, traidor
que a consciencia
patria, o aecusar dos crimes porque mereceu
aquella senlenca, o que ha de ser ferido no mo-
lm de^tes, 10,000 russos estao formando um j nwnto opportuno em qualquer lugar em que se en^
SamJoT ^ frDte,ra ** GlUla' eSd9 Sy'! C "^ovas dimcu.dades pareccm obstar den,*!
Os continuam a verificar de noite nume- .iva J^JgjJj^ is con- # f*^TSSSS Can,
dicoea preseas apresenwdaa pe* Ingtetcrra para vam afrento do centro do e^eSK;S-cito
validar a annexaco. Vottndb por urna grande um mevimento sobre a al* e
A attituuV da Imjleterra nesta guerra foi de novo
eaposta por-lor* randvlle, membro do ganioete
britannico, n'um banquete dado em Borslem.
Alnliaoccopada pelo general Lee protonea-se
desde Beverly-Parel at Straflbcaut-house, atrawes-
sando o camiho de ferro junto a Beatn.
A difisao Longstreet reunio-se no Teuneseee as
torcas cemmandadas por Bragg.
O general Gran chegou a ("hattenosfa.
Esperas* nova invasSo dw conrederadei
rosas prisdes: Os preses sao eonduiidos cida-
della, e durante o diaa soldadesca espanca quan-
tas pessoas eocoutra.
A ordem contra e uso de factos de luto ja esu
em execuoo. Sio presas todas as mullieres que
as roa* se enconiram oom aquellos vestidos de
sentiioeate, considerado pelos russos como urna
demonstraco revolucionaria. '
A Europa de Fraacfort, publica e texto, offl-
cial de dous documentos imprtenles sobre o cou^
tlicto entre a Dinamarca e Allemana.
i.' RosposU do gabinete de Copenhague a intt-
mao allemaa, que foi lula pelo ministro dinamar-
quez na sessao da dieta. Este resiosta concebi-
da em tormos moderados, mas firmes, e conclue
deste modo :
O governo, publicando a ordenanca de JO de
marco, teve a inteneau de satisfazer s exigencias
da coBfederacao. A dieta pede a revogucao dessa
ordenanca, mas como ella precisamente que con-
cede e ettebeleee nos ducados a assembla legisla-
tiva reclamada pela dieta, com ameaca de um*
execucao, a Binamarca julga que as disposicoes
fuidameiiues daquelleacto nao estao comprehen-
didas era medida cuja derrogacao pede a diota.
. Quanto s entras disposieoes que se contem
na ordenanca, a Dinamarca est disposta a entrar
em negocia?6es com a confederacao, para concor-
dar sobre as modilica^oes que se deveui introduzr
a'um acto que o governo real apenas concede
um carcter provisorio.
i 0 fim que a confederacao procura conseguir
para a execucao podo, pois, alcaacar-so por ineio-
de um accordo possivel, por que o governo dina-
marquez repete que est disposto a attender as exi-
gencias da confederacao em todos os pontos em
que a autonoma e a igualdade nao estejam suf-
ciente garantidas; mas o governo est tambera
rerto de que o fim que se propoe a confederacao
nunca se conseguir por meio de execucao. Por
consequencia o governo deel-rei espera que a die-
ta submetter queslo a um novo exame, antes
de adoptar medidas extremas e fataes, que longe
de satisfazerem as legitimas exigencias da confe-
deracao, teriam por effeito lesar os interesses reci-
procos dos dous iiaizes, e enfraquec^r a esperanza ,
de um accordo desejavel.
. O segundo documento o terceiro despacho de :
lord Russell, datado de 23 de oulubro :
O secretario dos negocios estrangeiros da In-
glaterra declara que, para se conseguir o fim que
se tem era vista, seria necessario adoptar dous prin-
cipio* como base de um accordo; primeramente
tudo quanto diz respe ito Imancas e negocios le-:
gislativos, nos ducados, deveria ser regulado na
conformidade com os principios em vigor na con-
federacao em segundo lugar, tudo o que se rete-
ro s q'uestdes internacionaes em letigio devena
ser sngeito una mediacao das potencias amigas
que nae sfio allemas, mas nunca por urna decisao
arbitraria.
A Europa acompanha estes documentos de um
artigo em que convida a dieta renuncia aos seus
projectos Idlicos, attendendo que os habitantes
do Holstein, protestara j contra urna execuQao ar-
mada, que conhecem os vexara com o sen pese._
O Morniwi-Posl considera terminada a questao
allemaa, debaixo do ponto de vista diplomtico,
por isso que foi regeitado o ultimtum das poten-
cias. ,
O artigo do jornal inglez que nos referimos e
de opiniao que as duas partes adrusas se prouun-
ciaro pela guerra.
Ha mais de um mezque as commissoes reunidas
da dieta federal rudigiram em commum e publica-
ran! um relatorio, em que propunham que a admi-
nistraco do Holstein passasse para as potencias
allemas j ou para raellior dizer, eme nos ducados
se veriflcasse a execucao federal.
Kste relatorio foi unnimemente adoptado pela
dieta, e o governodinamarquez foi avisado de que
no craso de tres semanas, os pedidos da dieta de-
viam eMar executados.
Este praso decorrea, e a Dinamarca, longe de
ceder s potencias allemas, mostrou que conside-
rava como um acto de guerra, a entrada das tro-
pas allemas no ducado do Holstein.
Foi entao que o governo inglez dirigi um des-
pacho dieta, mas esta resolveu nao tomar conhe-
cimento do seu contedo, com o fundamento de
que a execucao federal no Holstein era negocio pu-
ramente interne.
S restava, pois, dieta ordenar que os contin-
gentes saxonios e hanoverauos atravessassem
o Eider. Mas at agora este passo anda se uo
deu, e a impresa inglesa, avahando a siluaco da
AI lemanita, entende que elle se nao dar.
Lord Russell no seu despacho procurava fazer
eomprehender s potencias allemas que a execu-
cao projeclada nao poda ser executada. Pondo de
parto a idea de que a Austria e a Russia sao os
eampedes do direito constitucional, nenhum pre-
texto havia para a inlervenco armada no ducado.
O governo dinamarquez deu ao Holstein urna
cnstituic>> que o deixa ndependente, e esta cir-
cunstancia tira qualquer pretexto para urna nler-
viTico allemaa.
'este o vordadeiro estado daquesto.
Se a Dinamarca nao fizesse uto ea$m bti, da
oxecuco federal, os dous conUBgeates que j in-
dicarnos, eram suflBcientes para cumjirir as urdons
da dieta, mas se se Ihe oppozer resistencia, nao
poder apoderar-se do ducado.
A Prussia e a Austria tem obrigaeSes de fortie-
cer as suas reservas, mas aatnratmente nenh.mra
das der orna guerra no norte da Europa.
Os jomaos allemas favoravers nma campanha
contra a Dinamarca, fazem sobresahir a ooposicxo
que suscita, n'algans jornaes da Snecia e Noruega,
a allanea concluida entre og gabinetes de Stoekol-
mn e Copenhague.
Tambem o MorningPost n'um artigo declara,
qne aquella attian^a existe, e que o projecto de
gnerra de que ella om preparativo, ha de ser
enrgicamente cenlrariado pela Inglaterra. O gabi-
nete de Londres faz diligencias para que a sna hv
terveiiead possa ohstar um rompimento entre a
Allemanha e nerte. Ma as stas noUs rtao tem
sido attendida peta dira, que trata agora de exa-
minar a ahVma proposta mnamarqneza.
A dissohieo da cmara elertiv* prwsiana de-
creTMa pelo rei Guilherme, pelas crtBfllsHlrtas
corihecidas, obrigava, segundo a con#*tTB?So, a
uma noya etoicaQ as eje o paiz se prortonclasse
sobre a escollados,sejas'representantes.
O rssuitado qqe j conhacide aecusa urna forte
maioria a cessacSo*immediata do protectorado in-
glez, e a oMssolucao db parlamento local, contra-
riou os ajustes eondlcionae da Inglaterra e as
ohrigmjd'es dos Jonios. O seo voto de annexacao
annullava assn hucralmente o proposito da In-
glaterra, na opiniao do Daily Nncs.
H Inglaterra offereceu a reuniao nicamente
sobre a annexacao. Em segundo Ingar a assem-
bla dchVu que a fortalera de Corfii fosse en-
trege Grecia em seu estado actual. O governo
inimqgk*
por tal ordenou que se proseguisse no jufgamento.
Lavrou-se do occorriab um termo especial, que
foi junto ao antes:
Proneslose'rcsDondidbs os qnesitos, o Dh juiz de
direito publicon asentenca pela qual, jaleando ao
reo mcurso no grao medio do artigo 193 do cdigo
criminal, o condenara -soflrer a pena de 14 amaos
de prisao simples e as costas do ffeito.
Levanton-se a sessao s Thoras da norte.
O vapor ftaneer que deve ser portador da
mala da Europa, iw correte mez, o Extrema-
wf.
Ao porto do Harrccfiegirani: db Rrra|B 18
do pas?a*do, barca IHhttufrh, e-de Pernam-
idade, e ser natural de Vlesinaid'Akistris; e itarreu
com um sangue fri, que causava horror, todas as
circunstancias do assassinio, tendo tlde a cautela
-de-se lechar eetn asenhera-MirviK, e eorrando
os ferrolaos.
Perguntanlo-se-llie qual o motivo qne o tinha
levado a mutilar assim a sua victima, respon-
deu:
Que ella contlnuava a mexer-se.
Disse ter eomraetlido este crne, porque mada-
ma Mirvaox recnsava dar-lhe dinheiro, confessan-
do que a pistola era destinada a fazer abrir-lhe a
passagem, quando anoitecesse, e para matar qual-
quer que se oppozesse sua fuga.
Apresentaram-lhc um pedaco de pao, que elle
craeu como se viesse db trabalnar.
A blouse e as maos estavam tintas do sangue, e
notando-se-lhe esta circumstancia, respondeu
que seria impossivel o nao estar assim. ____
As Shoras da noute foi collocado n um carro,
e conduzido com urna boa escolla prisao de (/ou-
r.ldmmiers.
Como Ihenotassemoetle estar a nr-se, respon-
deu :
!v1Sb tenno tempo mais tarde para eh-
nart
^r sin dfe SoutnamiHeti' sabe-se que oXsem-1 Boto Plirtilryha, a barca franceza mtk
Hje tem lugar, petante a cmara, municipal,
a arrematocjl dos concerros da pontozinha db L-
ea-, pela qwmtia de OS-
& taper inglez Parnnd troune seti' bonlo
da Europa 240 passagvires, deixoa aqui'SS, e con-
luzio para o Rio e Baha 217.
."Teste vapor segu para a corte o 9r. Rodri-
go Pererra FeliaoflnYrf dos directores do Braztltitn
barcaram em S. Domingos 11,000 soldados de
Cuba e NriuiRiiM
Os he.rmhbes pereram 1,600 em S. TOagodo
(itatlerosi -^.k,
Bm S. Luh den>se om batalhi rermal, ftoanoe
victoriosos os hespanhes.
A surreicao ostentase rictorioM na provine!
i..u de Cibo; e que S. Thiago dns Caballeros lora m-
lispostoasubscrcv r a cstepreteng eeada, tondn^^
por isso que nao quer abandonar a fortrtcacao sen. mam a da^.rna Q\ ^ io ^ ^ Bro).
Cn4'teTclrcumstantias o alto corarmssario pro- jo.Tlc^ sen^o Meharapo, havendo dis ou^ Pbram rccolhidos, i casa de detened ao dia 27
rJ^^SSS^^ZL, addiandoSes- combate norio Azua^ onde o* tagP*rd* -
ta maneira a questo grega at ao fim de abril de ram duas pecas de artlBiaria e as "ihicrtes.
%8 Mm ES ahjumns potencias tem apresen- Mes aguas d* S*&?V7ZSSS
tado ao abandono do protectorado inglez, ifflcul. quadra ^PnhoU, da Jorca "to gJ
dadesqueno fcil resolver. O governo iros- guerra. renoi|ue o Hall? f omotordB reMHiao
triaco declarou formalmente Inglaterra que nao na Uta de S. *Bf* ,__,_ ,-,l(rens
consentirla na annexacao, nao ao- attender acon- A rVnin. da nettew ^^^^JSndoo
dico de serem demolidas aa fortalezas; mas os de S. Domtoges prcclanww a m***** ETll
jornaes fazemda conserracaodas fortalezas acn- su reconherim.mto pe' ^yerros db H". "
ilicSo tic ana non do seu conscntimeirto de aune- glaterra o Franca; O Harty mantm a estrictanen
Xw-So tralidade.
.V Turqua tambem aprsenla prefencoes qne As medidas de represaM *%*%*&*
difflcoltflm igualmente o negocio. O.ttulos da quadrajngleza do Japao contracidadc deKag
Turquia para esta sua exigencia, fundam-se no- sima sao.apreciadas de differente.modopejvjflr
tratado de 1817, quando rstabelercu o protectora- naeSA ^^9. toquaaito oh.jeaparove
do brltannbre ontWs ergio da imprenea ihgtdttensnram aqae-
Ksta situacSo, accrescenta o Daily iWtc4mui- las medidas, com grande energa,
to prejudicial Grecia, cujo governo, quahjaer ftjeji qne possa ser a sua organisaco furura, perman flioto offondem o mundo vHisado, e "^T
cera em estad provisorio, at que seresolvaa toaaneos, aei.humfacto taodeplbraveltem enate-
questo das ilhas Jonlas. ,. grceWo as armas da nglaterra. d
A assembla nacional de Athenas- pntilicoD um Pela sua. parte o laaeaamfeos. lipiiuess^
decreto, ordenando o exame das correspondencias que o governo da rainhaba de desapprovra_eon
dorel Olhon, par
tas sobre assurtiptos
inlgne conveniente. Os ministros de Prancae de excedido as instrarcoes
Inglaterra protestaram enrgicamente contra esta cando um actooMc todo o tnglez humano eia~oa
medida, pedindo qne se suspndase at a chega- ** hade registrar com wp*
De Portugal consta-nos que el-ret o sr. u.
Luiz e S. M. a rainha D. Mari Pa.de Sabeya liar-
tiram no da W de novembro, de Lisboa Para0
Porto, com direccao Braga, onde o Sr. D. Ijue
ia destnbuir os premios da exposico agricola.
No dia 8 -inba havidtt ao Porto um imponente
weWHifl para se represenur ao governo per non
de cortas garantas que ostavam para sor tiradas a
ido o exame das correspondencias que o governo da rainhaba de desapprovara con-
raque se flzessem puWicaras car- duela do commandante da- esquadra e M-ooromi
ptos internos que a commisso Neale, porque nao c possivel que .riles *"
iP Osininistros de Franca e d"a excedido as instruccoes do conde Russell, |raii-
da do rei Jorge:
Tanto a Opiniao Nacional como o Pai
zem quO a situaran da Syria assustadora,
estao sublevados 20,000 rabes.
Os fortes do Bosphoro e dos Dardanellos
ram armados com artllharia raiada.
O'JHbrntg-Pof apresentaum qnadroda situar^ao
Rnanceira da Turquia, mostrando que c multo sa-
di-
pors
fo-
A" ordem do sabdelegailtr do Recite, os ingieres
Gorgo Hussih, Alfres Pgcon, Thomaz Scofcid, e
William Fmtekvelt, todbs i requesieao do respec-
tivo cohsnl.
t ordenrdb de Santo J*ntbnfo, Miguel Jbaipnni
das Chagas, braoco, por dfcttarbios, Mitria, critiuu;
escrava de Francisco de Mello, por infraccao de
posturas. __^,
A'ordem db db S. Jos, Pilciuo Jbse Cml--
ctite, pardo, para correcto.
A' ordem do da Boa-Vista, Joao Phfccco de Lyra-,
pardo, ptor erhne de rapto e deOorainento, Lucio,
africano, escravo de Jos Carlos faoso da Costa
Ros, requerimerrtb (Teste. __
A ordem do da Magda1ena,os partos Bnvenuto
da Sirva Santiago, para averlguacSes policiaes ;
Nazareo, escravo-de Joao Perelra de Lifna, a-re'
querimento de Robe Ligtitbowon.
A' ortfem-db da Vrte, JSo Francisco Xavier,
pardo, por jogos prourtHdbs:
Odietedafr seccab,
j\ ftdc-.n>!vuire.
Mevimento da casa de detenclo do dia 27 de-
novembro db 1963 :
Exi?tiam ... 318 presos.
Ehtraram. 12 '
Sahiram : 7 *
Exrsteto .... 323
A saber :
Este ibrnal julga muito moderado o academia polyechniea daquolla cidade.
orcamento da guerra. Deve notar-se qne o exer- O esiadu sanitario no na ere boni *****
cito ettomano soffreu ltimamente oras reduc- A familia real toda, weluindo S. A. o principe u
coes, mas o .WbrH^-Ps entende que Turqua Carlos passavam sera novidade.
val mais possuir meios de defeza, se por ventura Em Lisboa, a toda a hora era esperada, de Ango
se apresenlar um novo ataque, do que evitar esse la a corveta fl.irAo/omcu Diat, fl* f^6^'0
ataque por falta absoluta de defeza. de Janeiro. Logo que cliegasse, partina para o ii.o
Parece qne o jornal inglez, sustentando o pnn- com escala pelos portos d frica a corveta fi*w
cipio do armamento na Turqua, v prxima a epo- phania. _'.__:.. *-'
"nti'gridade daquelle imperio pode Completara-se a abertura d
Nactonaes .
Estrangeiros
MutBerer. .
Estrangeiras
Escravos .
Escravas. .
219 presos.
31 .
4
3
X*
323
Alimentados custa dos cefres pblicos .
Movimerfto da enfbrmaria no dl 28 de
vcml.ro db f8fl3:
Tiveram baixa:
Francisco Martins Gomes; erysipella.
Jos Joaquim de Santa Anna ; intermitiente.
122
o-
co em que a
ser amcacada. Nao sao poucos os boatos que se
ouvcni 'proposito da Russia, e o .Hbrnin/rPoif,
recommendando o armamento da Turquia, mostrou
receiar a possibilidade de qualquer nova tenta-
tiva. I
O general Foroy entregou no dia 2 de setem-
bro o eommando das tropas ao general Bazaine.
Este dirigi neste acto s forras francezas e aos
corpos indgenas alliados, una ordem do da, a-
pontando os serviros que o general Forey prestara,
ao exercito e Franca.
O novo general em chefe est as melhores re-
toques com os membros do conselho da regencia e
de commum accordo entre ellos resolveu-se que,
passadaa estncao invernosa, se mandasse urna ex-
pedicao contra S. Luiz do Potos, para dissolver as
Tiveram alta :
a obra mais importante do caminho de j Manoel Antonio Ncpomuceno.
ferro do norte Tem de extensao ttW metros. ; Antonio Seares de Queiroz.
Fallava-se novamente em recomposio minis- Joo Lopes de Souza.
terial.
1 Jos Francisco de Paiva.
O ministro do reino eslava interinamente encar- Vicente de Souza Ferraz.
regado da pasta da justira por impedimento do Sr. Jesu -azures.
Gaspar Pereira da Silva
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
Thom (escravo) sentenciado.
Mara (escrava) do padre Agostnho.
BS Passageiros do vapor inglez Paran, entrado
! de Southampton e portos intermedios :-Chnslo-
I vao Starr, John Gatis, seu filho e i criada, Johann
! Christoph; Hcnry Drever, Alberto F. Damom, sua
-------Isenhora e 1 filho, WUliam Georgc Fennely, Daniel
Joseph Ring, Heiiry Bernardo de Oliveira e suas
fllhas Joscphina e Leopoldina, Clara Adelina da
Eduardo de Muraos,
Remettem-nos a nota segnintesob a denomina-
gao do quesoffre itm pert despadmnte as aifhnde-
gas do Brasa.
Timos umf despacho de manos db cem couros,
qere pol em mxrrtmento-as segamtes pessoas :
I* O dono \x eouros.
2oO caixeiro despachante.
3Bin eomaegado mBndou as calculo.
'r- Vm outro notou.
y^-ftn ontro hncou-.
8*fJm' antro combrlo-sfgbia.
7L'm ottrro conferie o despacho.
8"Um ottrro calcuion os direitos.
O thesaureiro, recebeu-es.
W-Uhi mirro empregodo, lancen o re-cebV
metto:
^-O'confrente etaminou o genere.
l'-rm outro empregndo archiTOU o despa-
cho..........................;..............
Salla !! II
Pelo poderia ser..... verdad 1.....
0 Sr. t pede-nos a segninte pubcaco:
a-VAMORADA DE SI.
Son flor qoe> anaUin.a
Cm sublime singefeza
Encheu dos dons da belleza,
Sm-umafWta.sequer;
Mou dos homens adorada,
E p.-lo cu fai fallada.
'Awer por anjea c'roada,
P'ra na terr* ser mnlher I
Mcu. fallar maviou,
O meu andar primoroso,
O'mea tal lie reagesttso
E meu cabello rusento,
E o olbos pwtos e bellos
Despertara tercos desveloSj
E al provocaia zetos
Da.estrella refulgente I
Sao meus ollios celbslfnos,
Osmeus labios purpurinos,
Os meus denles cry.stalmos,
Minhas faces divinaos ,
Sou o dolo dos humanos,
Na juventude dos annos
Sei tecer ledos engahos
s miohas Ibdcas nvaes.
J de mim me namore,
A ttiinha imagem neijel,
E era doce enlevo a abracei,
No xtasis da paixo,
Qaando ao espelho me olhandfl,
J d'mor me allnciiiando,
E com prazer suspirando,
Dictoiwne o men cora?ae :
Es a imagem refulgente
Ba Virgem Mn Clemente,
Qne do eo o Omnipotente .
* Para os homens envin ;
r Da Virgom tens a candura,
r Toras da Mai a doeura;
# Rende graca* a natura,
i E ao ser que te creou.
Eu abraco o ten conselho.
Fallo ao eo, curvo o joelho,
E sorrio-me ao espelho,
tue assim mostrou-rae a verdade,
o meu ser celestial
Traduzindo o ideal
Da mo de Deus virginal,
Do poder da Divindade !
o Bstrangelrofnun^^^seusdijcipui^ deu-lhes una regra e
dirigia-seiRompara obter a conflrraaco della.
O paimoiro caonento de Franciscanos, foi o da
Porcinacula, em Spoleto, e que pertencia aos be-
nadicunos, que o deram a S. Francisco.
Nunca santo algum levou a mortificacad mais
lonaedo que etea.
Chama va a seu corpa beata le carga, que s
moreda ser divertido com cardar. Benigno, affa-
voi com es outros, en de maorausteridade com-
*i#o-
Nao nata outracaoNLaenas>*trra, e por tra-
weeetiro urna peden.
Danesa de ter narcsnrio aspanha e a Italia,
aonde oaerou indqitos milagrea e conversdes, ce-
lebro n no convente de Noca Senhora dos Anjos
em 1218, e faoso capitulo peral, que foi conhe-
cido peto capitnlo das Esleirs, pois era to gran-
de o numero dos religiosos que foi preciso formar
no campo celias com juncos e esteiras.
De|n>6 da dissoluco desta numerosa assembla,
oonstande-lbe qne omcodes sena irmaes tinham si-
do martyrisados era Marrocos, foi para a Syria oom
alguns dos seus religiosos, o apresentando-se ao
sultn de Damieltn, com urna ebragrm digna de*
primeiros martyres do christianinno. declarou ao>
sultao que ia ali demonstrar a falsidade da religiSo
de Mahuinei ensioar-lhe a religio de Cbnsto. O
sultao maravilhado, des|tedio-o cheio de honras.
pvcliniln-llio que rogasse a Dens que o esclareeesse.
Voliando da Syria, retirou-se ao monto Aveno,
je ali, depois de ter renunciado o cargo degeral de
! sua ordem, entregouse todo penitencia e a mor-
t1fie(;o do corpo.
Foi por este tempe ipie se operou no seu eorjio
o milagro das cl.agas.
Teudo-lbe Dens (cito saber o dia de sua morte,
fez-se transportar do convento de Fonte-Damba
para o de Nossa Seeksra dea Anjo, e- aii no dia 4
de.outubrode 1226, no meio do pranto das seus
religiosos, ntrejfON a alna ao Creador.
Tinha quareuta e cinco annos de idade.
Em cumprimentoda ord.m expedida^ pre- ^ffl^gSfiSSl S Joaquim de Cas-
II troMoura, Joaquim Luiz de Oliveira, Rodrigo tfa-
da ra da Aurora, aonde se sup- "hado da Cunta, Jos Lopes Ferreira, Joao Simoes
forca's qne alli reunir Jurez, que procura conse- s,denci repartico dasol.ras publicas no seniiuo fZflSZ^jZZfctoj^jffa Rodrigo Ma-
guir adherentes sua causa as povoacoes vii- ?er amin:.da a parte da ponte de D. Pudro H Jjj^jjjjugJf^Srreir Joao Simoes
nhas. prxima ao caes da ra da Aurora, aonde se sup- :>ao _oa ';unn&J0/^-'." ^neWi, Jo5o
Differentes provincias continuaran! a .adherir a punha m a. mesn,a abatido alguma, con, fo. ve- Eusebto Jcnm;MJ,b|JJ^Agano5neodVgueS
idea do restabelecimento do novo imperio. nnc;1(i0 qlw no existe -ssa depressao, mas apenas g*0 ,,omcs ae u,lvura' "" s
Tratava-se do resgate de nm capitn da marraba uma especie de fen la no cemento das junctuYas ""- Paran, sabido
franceza, que lora prisioneiro era Tamp.co o ge- proveniente do movimento de dilatacao e roncen- ssgenos no aper n^ ^ d5
neral Bazairte d em troca delle um general e va- lracao do rerro, do que todavia nao resulta dam- Pra o l.o di. Jane.ro e uama ^
ros oflteiacB mexicanos. nillracaoda mesma ponte. ^1^.^^
Segundo as ultimas noticias, a cap.tal da provn- An,s a8nUK,rqne do contrario sena para las- |.ha, Airredo t. d cgjm i cr ,
cia de Chiapas, pronunciou-se pela oceupacao, e limar nue em to pei|ueno espaeo posterior a res-: ""{&''l^" 'ierr' ^nerulllu
estes partidarios oceupavam ja serios pontos de se- pertWa construeco, ja carecesse ella de reparo es- ao ne go wim ^ NOvniimo m cemitb-
gunda ordem. sencial. .
Os juaristas debandam por toda a parte, e raro Foram designados como commissarios do go-, ""o"'^ s ,^ n.
o ponto onde anda offerecem alguma resistencia. vernooExm.conselheiroLourencoTrigo de-ourei- Fhilomena, Pernambuco, 5 mezes, s. Jos, en
O general Forey embarcou com direccao a New- ro e 0 sr. Dr. Jeronymo Villela de Castro Tavares, torUe- c ^ Bnnh. PnMn(,a| u\ annos olteiro,
York8 e assegura-se que vai encarregado de uma n awjrtlrem aos exames de preparatorios, que *# j^?^.**; *SSm?r^
sso importante. se tem de proceder no teluro anuo na Pacoldadc I Sa p?"'l ^ PR cHV esuisme
governo mexicano pnblicou um deeretoan- dt5 DlriI(,p __________ f A^SSTSSSSSiSSSSJTSm.
mi
O governo ...
nullando o sequestro dos bens dos partidarios de o df jar municipal da 2.' vara, Araujo
Juaret. Barres, comparecen ante-hontem ao tribunal do
O bario de Saligny continua a residir no Mxico jurT pnT% apresentar os segoites processos devi-
para os seus negocios particulhres, e vai casar-se (jmente prep:irados:
brevemente eonium* senhora mexicana. Autora a justica publica.
O vomito diminuio de intensidade emvera-, neo Amonio Ferreira de 8 Cavalcanti, pronun-
Cruz. ciado no art. f89 do cod. crim. em 21 de outubro
Mr. Corwin, ministro dos Estados-Unidos, con- uMImo pelo Dr. jui municipal da 1." vara, qne
tnua em relacoes diplomticas com Jurez. revogou o despacho de nao-pronunria lavrado pelo
Doblado, chefe das tropas mexicanas, receben subdelegado da freguezia de Santo Antonia
material de guerra dos Estados-Unidos, pela Cali-. Autora a justica publica,
furnia R0 Firmino Jos dos Santos, pronunciado nos
Por occasi3o da visita da imperatriz dos france- arts. 203 e 93 do cod. crim. em 22 de abril
zes Madrid correu o boato de qae os governos uiluno pelo subdelegado da freguezia da
Joanna"Mara da Coneeicao, Pernambuco, I 10 an
nos, soneira, Reeife : encephate.
Ut POCO OE TUDO
Oh meu Deus, tenho receio
De om vez do meu doce entelo
A ddr sentir no meu seio,
E a tristeza em minha alma t...
Sei amard-mc um esposo,
Que me d porvir ditoso,
E que em ondas mil de goso,
D'mor d-me a verde palma !
seguinte noticia acerca de
de Franja e de Hespanha tinham concordado m
' coHocar a cor"a do Mxico, na cabeca de um prin-
A France assegBra que se nao pode duvidar da
aretarao do archiduque Maximiliano, e dfz que
partida daqoelfe |irincpe para o Mxico esl II-
xada para os primeiros dias db mez de fevereiro
prjimo.
Sobre a luta da America, diz o nVnitir-Pos que
De um jornal francez reinemos os segrales por-
menores do assassmato perpetrado em Franca na
senhora Mirvaux, residente em uma quinta as
proximidades de Jony-hvChtel.
c A autopsia de cadver pelo Dr. Mi, assistew-
te de Mr. Konto, medico em Rozog, revelen que o
assassno, depois de ter ferido a sna victima na
Muri- cabeca s punhaladas, Ihe flzera na parte exterior
do pescoco uma larga ferida de 10 on 12 centme-
tros de comprido, que Ihe havia cortado a larynge
e aberto as arterias, o que explica a quantidade
nma palavra,
as verte-
A Cruz piililicnu a
S. Francisco do Assis .
l'm dos santos mais venerado pelo brilho das
suas virtudes, e pela sna desaueiro a todos os
bens da Ierra, S. Francisco de Assis, que no da
i de outubro de 1102, veio ao mundo, na villa do
Assis, na I 'minia.
OSenhor, como so quizesse que aquello, que no
mundo devia ter uma vida to parecida com a de
Jess Chrislo, naseesse era um lugar semelhante
quelle em que Macara o Salvader do mundo, as~
sienaloti-llie para lugar do seu nascimento um
curra I; de sorte que a mi de Francisco, indo de
jornada, senlindo as dores-, enlrou no cnrral, aonde
deu luz aquelie quo pela* suas virtudes devia
ser o espanto do mundo.
A virlude em que mais brilhou Francisco de As-
sis foi a candade ; desdo menino no poda ver
um pobre sem que Ihe dsse esmola.
Tendo um dia sabido todo vestido de novo en-
contrn um pobre, e tocado pela miseria delle,
deu-lhe o faci novo c vestio-se coiu os seus an-
drajos. Em outra ocrasio, indo a cavallo, encon-
trou um leproso de quem todos fugiam com hor-
ror : Francisco apeia-se, abraca c beija o leproso
e torna a montar a cavaito. | sembargador Caetano Santiago
Desde este momento desenvolveu-se em Franca-, A. ^m,s
O St. Y Jnnior remette-nos o seguinte :
CMA CABERA!.
Oh que caneca; que eafieca inmensa!
Parece a> No-a bmnenea arca f
Pobre ventre o que carregou tai peso,
Pois maor que1 catieea de- cernare* I
E veio desmentir a wllia regra
De que as grandes raberas teem talento.
Res to dura cama i inmensa.
E vasia d"ideass tem ventad
UMA BOCCA.
Oh I bocea immeasa e maor que todas
guantas existem aeste vasto mundo !
Do ipie a boeoa da noite inda- a maor,
Maior que a db Amatme taa pnotundo'.
E se.para fallar, tu te escaucaras,
s semelhante bocea.que da zurro,
Pois, fariando, por melfior que fallar queiras,
Mais nio fazes db qne faz bocea de burro.
mmmk mmm\k.
TMIIT%AL B4 HELADIO.
SESSAO EM 48 DR NOVKMrVO ME 883.
PRESIDENCIA DO BXBk SR. C.ONsajaURO
oBeeMna
As 10 horas da manhaa, achanlo-se presan-
tes os Srs. deserabargaderes Caotano Santiago,
(..tirana, Leureoco Santiago, neis e Silva, Peretti,
Aoeioli, Assis, Borla, o Cuerna prar asador da oo-
riil, faltando wn partioipaco m Srs. desemlai'-
gadores Mottae Uchoa Cavalcanti, abrio-se a ses-
sao.
Passados os fei tos e entregues' os destribu i dns.
I deram-se os seguintes
ntLaAMRNTOS.
Herimos emmtnar*ines.
Reeorreete, ojeizo; recenrido, Joaquim Jos
Olveira
Relator Sr. deseimbargador Caotano santiago-
Sorteados os senderea dmembaraadoresOitirana,.
Accfoli c Doria.
espronunrrou-se o reonrrido.
Recorrente, ojuizo; recomida; Manoel JA*
Suerra. .
Relator o Sr. desembargadbr (itirana.
HSorteados os senliores.desembaradores Loureneo-
miago, Assis e Acciuii.
Improoedento.
Hubfasavrpus
Negaram a soltura pedida em habeas-corpos por
Roberto de Souza Barros e outro.
Coneedeo-se a soltura pedida em ordem de lia-
beas-conifts a H*ppolito Francisco do Monte.
Aperoee de instrumento.
Aggravante, Simplicio Jos de Andrade ; aggra-
vado, Joo Cleofas de Lemos Vasroncellos.
Relator o Sr. deserahargador Res e Silva.
Sorteados os senhores desembargailores Gilirana
e Assis.
Deram provimento.
Aygravos de petieo.
Aggravante, Manoel Jeronymo Barreiros Han-
gel ; aggravado, Dr. Jos Leandro Godoy c Vas-
concullos.'
Nao se tomou conhecimento por no ser caso
de aggravo.
dksionai;ao dr da.
Assignou-se dia para julgaineuto dos seyuni--
feitos :
AppeUarao civel.
Appellante, Antero Vieira da Cimba ; appellado,.
Manoel Ignacio de Jess.
A appellaro crime.
jtppellantes, Caraargo' t Silva ; appcllada, *
justica.
diugenc;as.
Com vita ao Dr. curador geral
.4 appellaro civel.
Appellante, Joao Biiutista Accioli Wanderb-\ ;
appellado, o curador geral pelo cabra Flix.
PA&SAGENS.
O Sr. desembargador Gilirana passou ao Sr. des-
embargado!- Loureneo Santiago
A appellaro civel.
Appellante, D. Senherinha Genoveva do Amaral:
appellado, o Dr. Antonio de Carvalho Rapozo.
O Sr. desembargador Peretti passou ao Sr. des-
embargador Accioli
.4 appellacao crine.
Appellante, ojuizo; appellado, Manoel Jos da
Suva.
A appeUaco ciceL
Appellante, Francisco de Paula da Cunha Ras-
tos 5 appellado, Antonio Soares de Oliveira Coulo.
O Sr. desemliargader Accioli passou ao Sr. des-
embargador l'chna Cavalcanti
As appetlaf.*s cireis.
Appellante, Anastar.io Jos da Silva ; appellado
Alexandre Muuiz Correia Barros.
Appellante, Joo Manuel de Barros Accioli; ap-
pellado, a preta Cypriana e seus fllhos.
Appellante, D. Joanna Mara das Dores ; appcl-
1 lado, o Dr. Augusto Carneiro Montoiro da Silva
Santos.
beca
Autora a justica publica,
cfoe nespanho, caso o archiduque Maximiliano no' Reo o cabra Joo, escravo dos herdeiros de Joa-
i mfWsse deveV aceitar qum Antonio dos Santos, pronunciado no ark i.". de sangue derramado ; a cabeca em nm:
_, _.. ^.,,^ ^ datoidelO deimiho de 1835 em 11 de julhonao eslava presa ao tronco senao pe
de 1859 pelo subdelegado da freguezia da Mu-
ribtTA. *
E" o terceiro julgamcnto que se submette o
presente processo, liavendo sido provida a ultima
appellacao do Dr. promotor publico.
as potencias tem oliservado at agora a neutralida-
As costas tinham sido martyrisadas com pon-
Petos 7 horas da tarde, depois de oito horas de
buscas infructuosas, o lente de gendarmarto,
Marzeron, teve a feliz idea de fazer levantar por
Entrou ante-hontem em julgaraeeto perante----------
de na actual guerra t que nlo ten reconbecido os o jury o reo Antonio Martins de Oliveira, aecusado uma criada a ronpa suja, que se acnava nram-
confederaoos, mas que o governo federal deve sa- de haver assassinado com um tiro Joaquim The- da n'um qnarto entre a eabeeeira ae urna cara.-
ber que se soffrerem alguma derrota grave, as po- motheono lugar denominado Genipapo da freguezia Ra e a parede, em cujo quarto navra rommun
tenrias nentraes nao poderao deixar de reeontiecer do Po?o da Pancna. c5o part um gabinete, que tinha sania para o jar-
a nova repblica. Estando o reo ausente, fflra ltimamente captu- dim. _
A attitade da Pranea no Mxico, accrescenta o rado e condemnado gales perpetuas na ultima A joven criada, jerantando a roupa^ semlujne-
mesmo jornal, deve faaer recelar em Washington sessflo do jury.
que a Franca reconhea o sul na primeira orea-, O cnsenlo de sentenea depois de varia reeu-
gpjo. sacees corapoem-se dos segnintes senhores jn>
O reSTlhado da actual camnantia ha de decidir rades :
da rnerra. O golpe decisivo dado pelo general Lee Dr. Antonio Jos da Costa Rrbelro.
Dr. JoacCapistrano Baddeira de Meflo Filho.
Br. Antonio Jos Al ves Ferreira.
Dr. Antonio Eg-yrifo d Silva.
pode producir a paz.
O general confederado Lee, relirou diante des I
toreas da Mead, to porque Ihe falussem tnanti-
l thnrMK meato* netn porque o exilo alcanrado por BernM- Saveriano Jos de Meura.
^^t^2T-M f^l^^J^Jml^: de cflnv^eiteiee a sua base defopeinc**, mes Jos Francisco de Salles Baviera.
r^ouarUooludTsuT^^^^ S rqSKK malloprado o nTO c- Pedr.de A .captara Jps G-niraea Peixnto..
teTnumiSTiSf^ISnnBSr "^V mentoaggresslvo, em consequeno.a de u.a hbil Joaqiu Itedro dos Santo. Beze,-ra.
4tea> nawaara WVflS'ar* ratC*r ******* mMotp ifn aaTorMr.o, no *nta qner ido dei- Thomaz Carneiro da Cunha
A Gaita Nacional de Berln publicou o resal- xar
este as vantagens de um campo de batalha i Jos Alfonso Ferreira.
eher"; den nm grito, dons gendarmes de Rozog
preripitaram-se sobre o leite, gritando : ei-lo!
Has navia o receto de que o assassino fugfsse
para o ardim.
InmiedTatameTWe todos se armaram com o que
mi prximo eneontraram, como toreados, paos,
foiees. A quinto to cerrada os obreiros e p-
renles, todos qnerlam agarrar o criminoso ; no-
rm estos pTecaoc.8es fbram Imitis; os dons gen-
dnrmee tlraram-ne, cem dimculdade, do seu e-
eondriio ; um agarrou-o pelos cabellos com uma
das naos, eoni a outra ptrxou-o por um braco t
e segundo gendarii agarrou-o petos pernas, pas-
saram-no por cima do Jeito, e conduziram-no para
O Sr. desembargador Doria passou ao Sr. des-
eo de Assis o mais ardette desejo de imitar a po-1
breza e es so (Ir i raen tos de Jess Christo.
Tendo feilo a Roma uma viagem de devoco,
acaava de visitar o tmulo dos Apostlos e .a a
sahir da igreja, ufando to ..mitos pobres plora vam a caridade dos fiis. Francisco diatribuie-
mes todo o dinheiro que lioha, deu-lhe oseu tocto e
vestndo-sc de andrajos, passou a vida com elles.
Passados dias, estando raissa e ouvindo esta pas-;
sagem do Erangejho, era que Jess Christo diz aos
sena discipnlos : ffito tenkaes onro nem prata, nem \
motn alguma nao levis para viagem, nem sacco.
nem tou factos, nem sapatos, nem bastao, foi en-,
to qne esclarecido por ama luz sobrenatural, com (
o cunean abrazado de um novo desejo da mais al-
ta perfeicao, qne conheeeu que era isto que Deus
exiga delle, e d'aqui tomou conselho paraba sua
regra. Tirou os sapatos, deilou fra o bordao, re-
nuncion ao ouro e prata, e tirando nm cinto de
euro que usava, cingiu-se com urna corda e come-
cou a pregr a penitencia.
09 seus discursos eram simples, mas solidos e
efllcazes.
Operou uma infinidude de conversdes
Mntos qutoeram imita-to, e logo tres se me asse
eiaram como discpulos, numero qne depois se ele-
ven a doce.
Foi esta a origem da ordem dos religiosos Fran-
ciscanos t5o cetebre em todo o mnndo pela perfe-
As appellaroes citis.
Appellante, a preta Caetana, por seu curador ;
aiipeilada. I). Mara Joaquina da Silva Mana.
Appellantcs, Joao Hennques da Silva e outros ;
appellado, o Dr* Adolpbo de Barros Cavalcanti de
Albmiucrquc.
A appellacao crime. .
Appellante, o juizo ; appellado, Joao Fefnandes
da Silva.
Ao Sr. desembargador Gilirana
A appellacao civel.
Appellante, Vicente Ferreira de Salles \ flfella-
do, Manni'l Ignacio de Aaaijo Sampaio.
As 2 horas da tarde cncrrou-se a sessao.
COHMNICIBOS.
Aa h-f s eleifies e sus iscrias.
A decadencia mora I, a depressao dos caracteres
tem-se mostrado e continua a reveler-ne de na
estuiieiido e cada vez mais lamentawi as res
ele^des, a que por fatal acaso ese penco lempo se
proceden successiramenie, quemiaassconiribuio
para se generahsar tac Umentavel estado fot o Sr.
Dr. Urbano. l^J.J. o.
Keiaavafni serena mntua tealdade as duas
fileiras do novissimo partid *"iwefiaouilli,
e por entre suas bera anfcede*
ci evanglica do seu instituto, peto numero infi- .
nito de doutorps, martyres e santos, que deu ; arj untante esperancoaee, lengn tee deconse-
igreja. Desto ordem sahiram quatro panas, Meo- jladoras promessas. # *^J- ,
lo IV, Alexandre V, Sixto TV e Sixto V, multes Davam-nes *4gnn> na protatnoded de (titos
bispos o arcebispos. A ordem no tempo do santo uteis |r parte daeuelto prtete ae treqnHUrs in
ntl nlin 'dicaedes e npeniciee en sen. pea
chegou a contar seis mil religiosos.
8, Francisco vendo augmentar todos os dias o
'd-aces e eapesajeo
acerca da lei bynothecaria e
iBttenejwl rn^, ora
da institiiicao do ere-


i
J
':


Mario de PernaMbue* e* uia tetra Sft le \ovfmbr ie 18 3.
dito rural,ora a reverte oes reformas athnhrtnra-kfia, ?* poWBirrtAminca tocn ti*
tira e elettoral, j pelo que toca a modifcacao das
leis-compressoras da polica o m guarftaaaontt,
j pela diminuicao prometlita as deAaaMiiida-
des, selvajarias e barbaridades do actual recruta-
jneiil
BtiHflf liamos fie"n5 agorara que ~viHki
cousa mais do que o accrescmo da miseria. seona eJdemlmfguw Albcttrots. entrada de
, **. De. Kgbsa, que nao se acha ausente carne Auluerpia, consignada a Rethe H-. MttMMr Paes Brrelo, est repellino vic- festn o seguiule :
toriosamenie as insidias do Sr. Pr. Urbano, o em si-
malaaaeaanaosawo padooatarjMMrzaa*?ua*esa. .raas.
Serta oVmasiarra prolr-rrla nossa soppo-Io par>um' 44 bar*u,pregos, 1 crnbruloo amostras; iSaun-
20000a 10408 por arrota, e o Melaco.......a\nmt, um
do Maranho de *0oOO a 30000. ^nomtS.
Aaaits dore.....-Vendeu-se a 9061*) por galao, Albos. eento de luaunca 0
do de Lisboa. Nao ha do .Es-1 Azeito _.......aimude $4100
(jiiiirtal 70000
9 600
20300
33 irris"tiDJa, i caita aiaosttas.; a* Bies- treilo. Chumbe de municSo
js. jlBafalbao....... etullim^ao de 130800a 14*000 Fio porrott
luramenle pessoal s Inspirada pelo orgulho, pela do* : anda um s facto de deslealdade nao mncu-'cryslaes, 1 dita espoletas, "20 ditas papel He escre-
ubica, pela nveja, s nutrida petommimdo man- too a-sna tonga rida publica. Se pureza liberal ver, 1 embrulho amostras; Brander a Bran-1
r do mirrado egoisaw, em cojos easanguentados q*erdh:er, segondb o Sr. r. rrtmno, acertar.alie- 4t.
parara
cubica
Jar do
altares se tem desapieddamente sacrificado obem ranea de 1848, e nihiva-la cuidadosamente cos ai. Cotilas fio de iatao; TI. fc Brtaer 6 C.
publico, o sentimento do real patriotismo o-es. na ss BMsnias sementes e os mesmos processos nio ad- 1 tttt toado de lio, i mkmlbe amostras; a
sintptos dictamos da ita-rdalk, da huaro e da mu* pie o cavatteiro moral, aovosadiados repugne o papel qne o Sr. Dr. Ir-: i.caa Jirros; Francisco Jos Gralo.
Anciosos espera vamos pelos trabalhos do corno bao est representando fie pelo contrario pu- 4 caixa piano; Manuel Ignacio de Qliveira &
legislativo para saber se eramos victima de espe- -roza liberal qitr dizer pni|)or leis e medidas ad- Filko.
laaoae iltosorias, oh ae aouco a pouco se iriara asniatrativas oe tirera o Brasil dos embar^goc e 1 murulbo lirios, 00 Dr. Jos Soriauo de
aaaDamdewi beweflrw indicados, -pengos, em qne se acha, nada podetiarer de eom- Soma.
Chega, porm, o Sr. Dr. Urbano, e de rcenle no muin entre o Sr. Dr. Fados* que deseja e indica ( Jl barris alvaiade; i L A. Siflueira.
claro lairisonte domotissimo podido sargem nu- nuieresaleiaquBairaai|Bem!0.8cil.da lamen- 466 fardos feoo, 4 barricas meSas, 38:*00 ki-
vcds escuras juentas de kifactos agiaceiros amea- \ taveUitiiac^o-aque o nadnzioa reaolucaode 18(8, tos de carvao de pedra; W. II. wild & C.
cando esMilkat a seara.aaonaa saiacada, que to e ojr. D*. Urbano m m a icircalar declara S* eaixas macarro, 6 ditas ridros, -14 dttas pa
Carne secg*.....
pin- bar ka; fk-ando era dapui
to 5,000 oailaes.
Veaderam-se de 700 a 850 rs.
rl.-'gando finalmente o lempo feliz dos partidos de s listante precisado de lio inferior auxiliar, fteja ders Brothers c7 '
ipiuio na provincia, que os lides polticas iam poen dito em abono da verdade, e por testemu- 4 eaixas manufactura 4* algodo Moohard attl*s-
versar sobre questoesde utilidadepublica; que era nha occuiar, nunca o Sr. Dr. Feilosa excito re- & C. _. .. por arrete
paesata a era estril e sempre hlthusta da poltica voltas, ou corrompeu o poro com pasqunw iiwnun-1 fO carias e 4 torneas obras de ferro, i-eaixas J?oa^!'mniL.....'dem a 3|*0O a barriquinha-
abuadante rallwita promatiB
Eftatamatoda ionge as traialto lo rorpo le-
gislativo, a quem so compete resolver o que mais
con vm ao paiz, e-ja a* ui*w eporaaas suo-
cumbiara aos impulsos t-avtosas lo *r.. ir. ur-
bano.
Estranlio milicia activa da pelitica da provrn-
rafio peedanfct, aaoioe Sr. lr. illriano de sea d tu-
tumo quietismo, de sua absoluta indifferenca pelo
bem publico, e veio phtilear para-si a dupla eloicao
de senador e deputade-, BmSbem para fldqirirrr
adhereates qtie doss aaJteado m -divecOao qne
.a cwewioau aas JraareBses da suadesejad-so-
P*omci;\ 'um aanna ioaa cuja (dagau em
nn'li havia contribuido.
nlmma ntadifla legislativa on adminWratlva
iniciou, era que estuiasse a aspiracao tcladu-
ra, mas com a insidiosa aptido, de qne em mreos
tcm|K)s dera repelidas provas lanonu mao da m-
xima de Machiavel dividir para reinar.*
Era com etTeito.daw raanima dJifOKitataeote op-
posta dos progressistas, oijo principal artigo de
le pareca ser a unio, a tia.a ooavurgeara-de
todos os esforcos para salvar o paiz do pelago de
desgraoa e de diiliculdartes, emqaa se aete h-
inerso.
Esta corj'e^pomldaoteBliweiito dobem publico:
aquella- a -exores* do egosmo -em sua mais
asquerosa exprsalo.
Adoptada a mxima de Machiavel constituio-se
o Sr. Dr. Urbano cenlio dictatorial de lodos os am-
biciosos descontentes, de todas as isuiruaoes ex-
cessivas, de todos os turbulentos conheculos, que
j se deleitam com a idea de futuros auim, eom
a es|ierain;a de calculadas desordeAs, am que aehe
pasto e lorpe cebica.
Embora Seus*adlierentes saibam que por esplri-
cuenta, nem e r>eeuenido no Rio por ftimilus.ou
iiuiivuhjos mlluentesc de eonsideracao achando-se.
teducido insigniitcanle imiwrtancia que alli pdde
ter um advogado de segunda ordem estranho as
lides polticas da aclualidade ; para adquirir pro-
selvtos, represeirtam-no -oom paNerosa rnluencia
na corle, e animado ag polo nis ardente de-
aejo de favorecor o escasso numero de seus corre-
ligionarios praeiros, e dos miseros fllhos daquelies
fue inoreeram nos combates-fratricidas. as pri-
abot e recruiainentas, a amor do Dr.4Jrbano pela liberdade, e pela ventura
dos l'i-i naiahucaa.
Emliora esses propugnadores pela omnipotencia
partMaria do Sr. Ur. Urbano eaibam pcrfuitainenlc
que em nenhuina das cmaras legislativas pode
elle dispr de um numero de votos que Ihe d a
iinima probabildade de entrar eraqualquer com-
binacao ministerial, espalham -entre os mais sus-J
ceptveis de cegueira do interesse, que ehegado o
niez de uian;o, estar i elle senhor da pasta da jas
lien, eos emoregos e as grasas cahirao com torga
rousao sobre os fundadores da sua dictadura em
ernamlmro.
Preparado o terreno por esta forma, e obtido o
diploma de deputado com a unanimidade dos vo-
tos dos progresistas, saJiio campo o Dr. Urbano
* travou iota pesaoaiaom os rhefcs daquellc parti-
do no nico intuito de os substituir.
Portse Ihe ern recorrer pretextos por mais
luteis e infundados que lies fossem, para encobrir'
a desmedida ambicio aos olhos do vulgo inexpe-
riente.
faga, pois, os servidos prestados pelo oonseThei-
ro l'aes Brrelo ao partido progressista, e contra a
evidencia dos lacios iflirma impvido que taes ser-
vicos eram desnecessarios. Insiste principalmente
nos grandes perigos que ameaeam a provincia, se
o emise.'heiro Paes Brrelo fr 'incluido na lista
1 -ipliee pela nica razio de ser aquello caudidato
aparentado rom a familia Cavaleanti.
Esta razio ha de parecer singularmente impro-
cedente aos que nao ignorara que o Sr. Dr. Urbano
tambera aparentado com a familia Cas'alcanti,
que disso se fazin garbo e honra quando era sa-
quarema, quando viva na intimidade do Sr. vis-
onde da Boa-Vista, coinia em sua casa, vinha para
o IK'cife no sen carro, e ocoadjuvava as medidas
polticas t administrativas que agora dechra ad-
versas a liberdade.
Se da sua conversao s ideas liberaes se preva-
lece o Sr. Dr. Urbano, que razo Hie assiste para
negar ao conselheiro Paes Barreto igual direilo,
fundado em fado absolutamente idntico?
Ambos sio aparentados cora a familia Cavalcan-
ti. ambos querem dar elasterio s liberdade. pa-
trias ; em que diflerenca pode honradamente oSr.
Dr. Urbano fuudar a singular pretencao, que lein
plice?
Com a mao na consciencia procuramos justifica-
do fondada e honrosa scinelhanle prelenso, eso
ueseonftntos, s vemos, s acharaos urna ambicio,
|ue nltrajiassa os limites da verdade e da joittoa,
soccorrendo-se de pretexto frivolos, e assira mes-
ino completamente applicaveis a ambos os candi-
datos.
Contra o oulro chefe do partido progressista nao
podia o Sr. Dr. Urbano invocar apnatencas deri-
vadas de parentesco eavaleantino. Travada, porm,
a lula (hu o Sr. conselheiro Paes Barreto, ella
abrangia necessariamente o Sr. Dr. Feitosa, cuja
ao9*leiloai auoeada Mia-qoa poopo?; e que para pe de irapresso, 1 fardo araos tris de cobertores;
a nteflftJMidUada taMa alguiMs nnedficaedes Linden Wild & C
as les regulamentares. De um lado completa 10 fardos papel de imprimir, 163 ditos feao. ti
sterilidade e tnaaima ambijao saciada com meios eaixas papel de escrovor, e cartas de jogar, 1 far-
que nevitavelraenl* drazem grandes calamidades do cuberlores de laa, 4 caiias louxa, 100 ditas vi-
puhlcas e particulares ; de oulro lado indicacao de dras de vidraga, 30 barris tiatas diversas e 3 em-
meddas realmenie salradoras, e-deseto altamente brulhos amostras ; ordem de diversos.
MaaNtutade-de as redltsar pelo meios'legaes.lio- ------
"neslos e pacficos." Aescolbaneste-easo deve Ber; -auraanaarra n wriwk.i^*irfwi
daracao, enaede gesto;-de conreniencia pdWica ** ub eBitriiantuw.
o nao de affiicao. Niruinem allegue em prxima VAUM^jxisanaficoBOEEBSia)s(iJai-ivs k aaiF.rro de
A do Bio-Grande do Snl reta-
IhoM-se de 0400 a 30300 por
arroba, e a do Hie da Prata de
20600a 80800 ; (cando em ser
8,900 arrobas desta e 54,000 da-
rniella.
Vendeu-se de 70500 a 80000 por
arroba.
dem de 10900 a 25200 por li-
bra.
*dia de A0BOO a 60000 a duzia
_ 4e garrafa.
Farml de trigo. A de Philadetpha e ew-Tork
retalhou-se do 150000 a 170000
-a barrica, a tfc Jtolloaro de
0000 a O0O8O, e a de Tries-
te De 510000 a 290000; tirando
em ser '0,000 barric aapri-
weira 1,500 d segunda, 2,000-
da terceira, 3,5*0 da ulluoa. '
benebra........Vendeu-se a 310 r. a botija.
; lUouoa..........
tttnro Tftra flesf iar a responsabilidade de seus vo-
tesigaoraaeta deTaotm-qne se jiassam Luz do
ol, e que aera um habitante da provincia ignara.
rawirMdKo. -ssjiaiu de JO a V 00
DKZEMBKO DE WS3.
alsvcadovias. Uidados.
.Abanos.........-eeMe
Agurdente le cana. .... aada
idean restUada en do Mino '
T%)temos e era vivemos em intimas relac5et *Sum ISn.......
com o-IMm. Sr. Andr Gursino Beiqamim : ape- SalcooS'esnirito'de'arua.' ."
as urna s vez o vimos era sua passagam de Ser- a^1 ou espint0 e agai
gtpeparaaParahyba, e por poma rakwaa, que *So em croco ^oha.
trocamos, absequiosas sempre de *-pa*no,we- .j^^e"'^ u arr,ba
lou-nos ser elle ura homemde purotraia, e deum T^^J3^0* em laa. .
carcter benemrito, e digno de seria estima,-, o- J j*. TT5" M" jl *
fetcoados assim por torca j de urna dedicaco pro- *;r2iZ P *
curamos indagar de aessoas sem preveBQao,oiani- ^.,^!-*^^.....
.madas peto espirito de verdade e circnm-peccao, J," *; ,........ '
ato nos informaram que o IHm.6r.Benjamim era \,'j !re."n!^-^- --!,_ *
digno de estima e ceasideragio pelos dilTerentes ^i^ de amendoim ou mendo-
Ttulos que o recoaincndavaiu, .naos na aeoiedade, ,,,mi,,",.......canana
comouogrromio de aua familia como um chefe i" hV ml'^..... *
exemalar e nada menos como empregade publico EEiJ? ..jJ,?^,....., h-
ruja conducta lem sido sempre resalvada de qual- ,S*K Zm nr-ii .
quer pecha, de parcalidade, etc., tendo sempre >I*' idraaria, prepria para
diante tte si o cumprimento da lei, a dignidade do ,,*" fl^ .......
lugar quo desempenha, ea gloria que o deve acom- /w; ........
panliar pelos seos netos de iustiea. V> .H.' _1 *
NoeseaavoRies^ia. toihas^^ passa-tempo, g" restoi "
nem por conseguirmos um agradecimento ; somos r.,;!,^ .......,
de novo inTormados por esses mesmos senhores de "pT]^^......... nlia
entao que o II hn. 8r. Benjamrm n5o tem desmere- lAaL'h-''.......anona
cido em sua conduela antes com a maior resigaa- ?""- .*a, ,' "v '
caosoiTrea pedrada traieoeira da maledicencia, e r^rn',^ ..
se nao arreda da vereda da honra. Convencemo- rviovr,,t ^......ar"ona
nos mgcntiamente de tudo raanlo ou vimos, e nos y""".. a",',J-
ncommodando sobre modo a injustca e a alum- ^VT de 3* V P13
nia, que nos disposemos a fozer esta desalnhada ff, ?*JESi-" ^ "**
natracioepuWica-la;eertodoqiienaoemum dldeme,nvelas
po+aposo, eloquente e moncmenlal discurso que ri,,^'........,",
dever descansar a dideza do Illm. Sr. Benjamim ; cead? norc'os.....,n.
nao so fiorque este senhor nao precisa de defeza, /vJ^ ?-i^ 1......
como lambem pwqne a detoza mais preoeuumeracao da verdade : esla, pois,
defende ao Illm. Sr. Benjamn!, e nao un phrase Jf^,^*
,........, .,.1..,1-a- .....------------a-------s____. ru secttts r>pn.irauo*.
rre ^ouros de b0'> salgados
pomposa, estndada as vezes para agradar e nao para jj*? ^!!2
ili/er a verdade. Seno tvessemos lido neste jor- 5 :[.
z?JI I0em idem cabra eartidos.
nal (de honlem) urnas bem dirigidas expressoes ao """' T."' 1?L:,
Illm. Sr. Benjarairanao seriamos o primeroa offen- "'"1. ^ 0n?a '
der a suamodestia, pelo que ^pedimos desculpa. ZZ^ ,, >
Becife, 28 de novenibro de 1863.
CORRESPONDENCIAS.
dem em gela ou massa.
dem-em calda......
Bspanadores grandes ....
/dem pequeos.......
j Esleirs para -Torro de estivas
-j de ario.........
,' Estopa nacional......
Farnha de de mandioca.
Srs. redactores :Venho responda- com id*,,, e aramia ... arroba
honra e verdade correspondencia do Tu- Feija de qualquer qudlidade.
pinamb publicada no Constitucional de 12 Frcd'aes ......um
) corrente na parte em q attnboe ao dig- luTo^nario' ou'resio... '. *"*"
no juiz de dtretto do Bonito Dr. Julio Bar- dem em rolo bora......
bosa de Vasconcellos, o carcter de mngis- dem ordinario ou restolho
trado ligueiro. i Gallinhas........urna
Perdoe-me o Sr. Tupinambo : oDr. jtiiz SSL^ (raz, '. '. '. '. ^^
de direito do Bonito niio pertence jtartido i^nlia em achas......cento
ou a facro poltica alguma, mas magistrado Toros..........
e somonte magistrado. Todos < s actos de LimYas e esteios.......um
sua vida publica sao urna serie de provas JJ^ D,ete?0........arreba
desta verdade. Papagaios. '.'.'.'.'.'.'. um
0 Sr. Tupinambo" comprometteu-se sem PoBrasil........
o presentir, quando nao affirmou; mas dis- j*'01 de jangada......
se apenas, que julgava, que o Dr. juiz de y^de titor r '.*.'.'.
direito do Bonito, em sua ida Caruaru', ixicni de reboto ......
nao deixava de pedir pelo pailrinlio da liga, Piassava.........
0 Exm. Sr. conselheiro Paes Barreto. Pontas- rnifres de vacraR m
D'ojBde se v, quo elle escreveu por sup- ^^SS de amarello" de dons
posicao, e por snpposicao fertra o carcter i cosudes........
elevado de um magistrado, que naquella dem > tonre.......
mesma correspondencia elogiara anterior- ^ar*'..........
mente, duendo que era um juiz distincto, ^|........
1 de revelantes serviros feitos em sua eo- salsa parrilia.' '. '. '. '.
marca. i Sebo em rama.......
Concluo, dizendo como testemunha occu- [* "m **.......
lar e imparoial, que o Dr. juiz de direilo do BtlS^SCSaW
Bonito nao e magistrado poltico. dem diversas
0 Justo.
DE
Valeres.
0*00
aoo
00
400
aoo
700
60750
275000
aoo
20000
20400
3,1450
406O
-0OOO
i 600
800
40200
SOOO
73000
80500,
70OO
^40
360
280
00
26300
nmo
40600
80000.
0
360
10TOO
20300
.130000
30300
300
165
240
100
:o
luSOOO
15000
380
800
40000
20000
150000
10100
alqneire 10500
tOO
rento
Lhra
um
rento
libra
um
>
rento
arroba
Caf....
Cha.....
Gerveja..
Fio de vela lino. .
ordinario
Feijo braveo.....alqneire 0
BECLAEACOES.
mmwui
o
vermelho.
amarello .
> rajado. .
> frade .
Prefootos. .
fletroz preto
* :
* .
de cores .
.
Vinho velho do Bouro.
> > branco. .
* -de-
0750
0770
0670
0500
40060
45600
50000
30000
0*0
07BO
07BO
0CBO
0$O
45100
T".' I- >
MOV MEQ TQ lu POS Til
N(w,0ntr,o ao din 28*.
Ass13 dias, 1nate nacional Camarogibe, de 38
toneladas, capilao J-Jiqiiim Dias de Azevado,
equipagem 6, carga sai e palba ; Jeawino Ma-
chado M. Braga.
Navios tuhiios ao mesmodia.
A !!?* 0,!dm,!,a vealcu-8e Hampion Roods barca americana Ella Virginia,
con JOO a 9 por oeaadepre- eapitao *>lm E. 'Alem, carga assuear.
Paracaoboueiranacional fywttmy, eommawdan-
teo i* teaeote Justino Jas- do Haced Coiatbra.
Aorta entrado o dea 80.
Southampton e portos intermedios18 dias, a-
par inglez Taran, d
mi sobre a factura, sobre a lia
su de :f06OO por L slL-rlina.
MaBt"......Afeaanoza veadan-sa 500 rs.!
a libcae a ingloia a 730 rs.; fi-
cande am aer 4.300 barris de
ambas.
Masas............ Vaadcrajarfe de 60000 a 70IWO
acaisa.
Oleo de iiniaoa.. Vendeu-se a 25000 o galao.
Passas........... iVih .750OO a carxa.
Presuntos....... Vonderam-se de 130000 a 140
a arralo.
Queijos.....Os ttmrvmf venderam-se de
10600 a W cada um.
Sabae..........O amarello *endeu-se a 130 rs.
a libra, e o do atediterraaoo a
240 rs. i I
Toucinho.......O de Lisboa vendeu-se a 80000
aatroba.
Vinagre........ 0 doPortuml wodeu-se de i 100
a 1150 a pipa.
BEBER THE
0 ra xa tala companlna commeo-
dador Thonaz d'Aquin. Fonscca acha se
408po UimI a aa^ar Ho ei fsrriptorio
;^Jg rila do Ifeajfr p. 1^ dag ^ hr#s PB
300000 400000 w. arcitnMas|ie t>\t paj-aairn-
toiewe ser eai rauerta 0 cobre %nt
na psdw rfiio a esnioSi-. cala lea
mtShhi das ArrfiuiUiiiffs dos chafa-
rizi-s iirsla ttaaahiu.
Esci-ialori rla'lompaflfra do Bee-
rik Ue aonahro 0 escri^luTitrii,
Marco lino itm Fape.
irrr-malaio.
Na>.piac do juz> rouai^al da prinaara
vara, d> da t0.t fcwembiH), o sata das
audiencias tem dse arrematarpqr 0 annos
o sobrao de tres andares da na dffCses-
po b. 9 taie Ui eatutina mt* A nw do
e 1,720 toneladas, comman-
dante I. W. Jellicoe, aquijiagem 130.
Navift saladut v mrsmo dia.
Rio Grando do SulPatacho nacional BratiUmsir, imperador, sendo stw,renda atuiual de
capio Manuel Pereita Caldas, carga varios ge- !:4OO0 \>m sentewsa proferida nos autos
omrnandanteJelIice. ^^ ,e0lic^ C.,jMJSt^ Sgmw Manoel Vic-
Observado. gas e o teuente-lbnadi Aaftunio Viega Ju-
Sabio e fuadeeu jw lama rao pasa acabar 4e car- nkrr. -EserivS Mntla.
regar a galera hespanhola Vicenta.
EDI TAES.
Vwiifjianfia do Be bar Un'.
So escriptorio da meta< uotapanhia dis-
! tribae-se com oaSrs. acdbnista os folhetos
ini|itvs.-i 1 canteado os trabullios da mesma
Vmhos. .. gs'd^Sa'' venderam-se de &r- ^M Apencar Arartpe.olDeial da wrapaahia no semestre ThmIo en M de ou-
2000 a 34000110 a pipa, canfor- imperial ordem da Rosa, juiz de direilo "ro tno, e ruje foram lides na sessu
espacial do cotamercio. da cidade do Re- *". a9s"""' g^al de 23do corrente Es-
cife e seu termo, capital da provincia de cnpw> da Companbia do Beboribe, 36 de
Pernambuco, por Sua Magestade Impe- nov*,'"t'o de IStS.O esraipianario,
jiel e constitucional o Sr. D. Pedro II, i _. VJ, WBtHa a^ Pwpe.
a auem Deus ctiarilp etr *" Pel ?"Mek,gap'a do Pires se faz publico a
d quem iieus guarue etc. 1 ^^ ronvjor> que foram ^0,1,^^ fc cara de d
Faco saber palo presente que no da 30 lencao os pretos que diwm chamarse Francisco,
do mez de novembro' do corrente auno se de nacSo, e r/)urenco, e serem escravos, o de
' hade arremalar por venda a quem mais dr Peregrino J-eite, prente do Sr. r. Cataaho, e ser
m nraca desl iui/n riw.uk da ntiriinnr-ii "orador na fetenda da fiarra do de Barat, entre
em praea aesie pn/.o TOpOW ua autencia povoacofts ^ s B(.nt0 e Bre:0. da, MadrP de
Hamborgn 3 de aovratbre de 1SC3. respectiva OS bens seguintes :m Dos; e o 2 de Antonio Vieira da Cunba, senhor
Noliciut cmnurint. Ujna casa leila sita na estrada do Al- do engenhoNbvo do Cabo: qnem aos mesraos
O movmento d'esto mercado nao soffreu altera- raial da freguezia do PuCO da Panella, tendo ,ivor direito, compareca, que provande sen dwmi-
cio notavel dorante o qninzena passada. dita* nnrlns rlms ian^lla* na frpntP o vinto nio rae rao entregues.
_ anas portas, auas janeiias na (rente, e vmte Subdelegacia do Pere8 ^ de nOFe,nbro ^ m
me .a qualidade, us de oalros
paizes a 2100.
Velas.......... As de coon>osic5o venderam-se
a am t. o mas*), de 6 velas.
Vescoatos....... O rebate do tetras iTogutou de 8
a 110 per oento ao anao.
fctes.........Para os Estados-Unidos a 40, Ca-
nal inglez a 426, do algodo
para Liverpool a ,!d. por
e do lastro de 13 a 20.
Cat.O mercado toenou-se anda mais tran- ,
quillo depois da chegada do despacho do Bio de 8 e 0ll Palinos de larg. duas saIaS' um q,iar-
deontabro, e os preeos sao eedilamente mais to ecoxhilia fora, cacimba, tanque e terreno
baixos. esses preces reduzidos kouveram s- cercado de nadeira com bastantes arvoredos
mntffin!,s^rnsa''^' e *^" yende- de frutas, terreno arrendado aos berdeiros
ram.se 4,f0 aacces a bordo do murro knitttkKU .-,.'.
para o Mediterrneo, o augmento do descont 0 wnteiro..sendo a ama casa de taupa e
momenianeameme om grande ini|M>diuiento para e tijolhl, a va liada em 700^000.
os negocios. Todas as vendas de caf do Rio e de (Jma casa de laipa no mcsmo lugar, com -e,',ie ,
Jr"!ft!L2 i?"fru,<,1Da!> f^^TJ-S1:sac" duas-porlas na frente e urna no Tundo, duas Cadea n. 42, para'o la
co:.. t) niivio Cul vmdo do H10 rom HH saceos ,. .... iain!i an ii >--*-
perdeu-se totalmente na entrada do Rio Ube. Em sallas' um quarlo em mao estado, avallada "Uo>. an. M. Hecift
ouiubro inpurtaram-se H.O.iO saceos do caf do em 50"000.
}*-. Urna dita no mesmo lugar, com duas por-
sch.ilinsOndnaT,Ofloft0, O0,*do7*l8--7il4 tai nfrente e tima no fundo, duas sallas,'
Imoortaeiode caf de Janeiro at Om de ou- 'um quarto, era mo estado, avaha la em
1-0800
S0UO'
140000
ato
00000
55OO0J
600,
1760
tabro
18fi0 71 li2 milhoes de libras.
1801 00
l62 71 3rl0
1803 7a 3|
Em ser em fins do Miuibro :
186) 6 milhoes de libras.
1861 18 a
iwn 10
!86l T5
Assuear. um dos poucos gneros procurados,
503000.
,Um grande sitio no mesmo lugar, com
loito eentos palmos de frente, e os fundos al
\o cemilerio publico da mesma freguezia,
\ trras rendeitas aos berdeiros doUonieiro,
parle cercado de arvot edos e fiarle de esia-
i'Co com bastantes arvoredos de fruas, ava-
liado em 4003 00.
Cujos bens so perlencentes Manoel
As fortes compras para a Franca, em cnsequencia Cordeil'O Vieira e sua mullier, e vo pra-
i de'haver falhado all, e na Blgica, a rollicita da oronu-an miP centra n Jv55 beierraba,.caosaTam ama enbida dos precos de 12. Ca P01, etutao qne contra OS mesmos en-
.,.,,,, 16 sChillimrs por 100 libras. As vendas de assu- caminlia Andrade & Reg.
car brasdeiroem outubro^oram de 8,700 saceos c \'. na falta de licitantes ser a arrematarn
1,100 eaixas, o mascavo 14i|2, 14 3|4 mareos fela ^[q precoda aditidicacao COffl O abati-
; banco, e o branco a 19 marcos a< 100 libras. mpniA ; ri ip
Importacao de assuear do de Janeiro fim de mei?10 re8l)ec,IV0 da lei-
quintil
um
urna
110000
O0OOO
200
15000
S0OOO
840
O subdelegado,
'Alejandrino Martin Correia Barr.
Companhia de seguros maritim s l lili-
ilaile-l'alli 9.
A direccao desta companhia convida aos senho-
res accionistas a compareeerem no dia 30 docor-
ao nieto dia, em seu eseriptorio na ra da
" n descripto em un-,- ,> es-
24 de novembro de 1863-
Os directores
Feliciano Jos Sones.
Domingos Rodrigues de Andrade.
Cnsul .do provincial.
Pela mesa do consulado provincial se taz publi-
co que os 30 iias ulcis marcados para a arrecada-
cao bocea do cofre do 1 semestre do anao tina 11-
ceiro corrente de 1863 1*64 das hapoalas da d-
cima urbana das fn^tmexias desta cidade e da dos
Afogados, e de 5 d0 sobre a renda dos bens de
raiz perlencentes eorperaedes de nio aiorta se
principiara a contar do dia f de dezembro vin-
douro.
Masa do consulado provincial de Pernambueo
.25 de novembro de 183.
Antonio Caraeiro (tachado Hws.
Adrainistrador.
Arremata cao.
QuarU-feira 2 de dezembro, depois da audien-
cia do Illm. Sr. r. juiz municipal da 2" vara, es-
crivo Atliayde, sero vendidos a quem mais der
as segrales pedias : sendo5-honibreras com 50
milhoes de libras.
40000
15200
120
50000
15000
120
alqueire 400
arroba 255000
50000
750OO
una 20SOO
duzia 1100000
730080
mollKi
cento
nm
libra
Tapiocas......... arroba
Tatajuba......... quintal
Travs......... urna
Unas de boi....... Cento
Vassouras de piassava. ...
dem de timb.......
! jdem de carnauba.....
1 Vinagre......... caada
20800
250OO
60000
20000
1860 42
1861 63
1862 52 c
863 62 <
Em ser em fins de ontubro :
1860 9 mlh5es de libras.
1H61 15
W62 8
1863 9 t
Tabaco.- A posio do tabaco va -se tornando
mais favoravel e mais firme, fo tabaco do Brasil
venderam-se em outubro 7,000 bailas, erestamem
ser 5,800; a qualidade ordinaria vale de 4 lr2. 9
schillings, e a de S. Flix terceira e patente de 5,
20 schillings.
Os conros continuara firmes e sem niudanca de
preeo, mas encalmaram (telo des favor das circuns-
tancias polticas. Venderam-s.' om onliibrocerca 17
mil conros do Rio Grande do Sul c 1,100 do Cear
e da Baha.
Algodo. procurado; mas a falta desse genero
impede todas as transacees.
Cacao.O da Baha est calmo, com existencia
bastante forte ; do do Para venderam-se 1,000 sac-
E para que Cliegue ao conbeciraento dB palmos, avahadas em 300 1 dita com 7 palmos
todos mandei fazer 0 presente edilal que se- por 40200, l dita de 9 palmos a 40500, 5 ditas
r anisado nos lugares do costume. e publi- Sjmo, 'T ;105' < conloes com m Pai-
An ^.^ >........" m s por 240, 2 diloe. cora 14 palmos por 45400.
do pela rniptensa. .. '. n .t ceno enm 88 palmos por 90350, 5^torcmT
Dado e passado nesta Cidade do Recite de O palmas por-20520, vao pmca reqnermento
Pernambuco, aos 7 de selembro de 18IV3. de Joo Rodrigues da Silva Valle, na e ecucao que
Eu Manoel de Carvallio Paes de Andrade,
escrivo o subscrevi.
Tristoo de Menear Ararpe.
move contra Antonio Soares de Carvalho. "Os pre-
tendentes podera examinar as referidas pedras na
Passagem da Magdalena, em poder do depositario
particular Manoel Ignacio Avilla.
'*P*22J|casa5 3|4ehillings, Jicando a existencia desta
80000
Gil HXJ
00
Alalha-se o veneno.
8e o ririis das escrfulas se acha espalhado pelo | Atfandega de Pernambuco, 1 de novembro de
iealdade nunca desmentida Ihe impuntia o dever sysiema venoso a salsx pahulba de Brjstol so- (953.
te pugnar pela duracao do pacto solemnemente mente quem nos pode fcilmente atalhar. (Juan-1 (Assignados):
fuito e evpoiitaiieameiite aceitado n'om comiciopo- do a molestia tem zumbado dos mdicos e de toda o 1." conferente,Genuino Jet Tatures.
pillar que presidir. a nwnVi-Mi medica, corto que o grande desinfeclan- o 2. conferente, Augusto Barbosa Cordeiro Fei-
Para Ibe usurpar a considerarlo nega lambem te a curara. O mesmo acontece com todas as mo- toza.
os servicos failos pelo Sr. Feilosa ao partido liberal, leslas ulcerosas e da fielle. O cancro normis Approvo. Alfandega de Pernambuco. 28 de
d^ir.inle 14 anuos, anlepomto-lhe a completa inac- profundo e inveterado, o Inmor o mais desfigurado novembro de 1863.Carvalho Beis.
fao, que o impulso de seus interesses Ihe diclou e feio, a chaga n mais virulenta e roedora, a crup- Conforme. O 4." escripturarto, Joiio tos San-
no Rio, c inventando urna dslinccozinha verda- cao a mais rabiosa e extensa, ledo suecumbe a soa tos Porto.
re antas internas
Prrnambnco.
...... 50:3750687'
...... 1:8365470
21.4120157
A venda era todas as boticas do Brasil.
revolucionarios de 1848, e nos continuos motins
jue os precederam e prepararam.
Tara a Sr. r. Urbano o mundo politiro e moral
parou em 1048, espera que elle alease activar o
progresso com as mesinas tendencias, e os mesmos
expedientesque de todo acahariam eom os restos
da produeco da provincia, e renovariam na ac-
tual geracao igual ou raaior numero de vtclimas
anr as sedices, qur as masmorraa, c reoru-
ranientos.
Iisde aquella poca de miserias e de sangue
intilmente derramado pela mais tresloucada arabi-
iio, quo a si mesma se suicidara uo assassinio do
partido liberal nunca ma.s se linhTvisto n?esla credore; da! ra-
pa-quins i inmundos em que
ida marear a re4iuUcao,desn- ,
gurar a lealrtade, desconceituar, calumniar atroz- >,ectiva ^c^-
mente todos quanlos ae nao degradara a prestar
bomenagem a seus intentos ambiciosos.
Corromper o eoraclo do novo, perverteMhe a
Mitolligeiioia fei em t'idos os lugares e em todos os Wem do diai8
lempos o pnmeiro pa^so que deram os mais flcsal-
luada arobicioios para aaotar asaaaa aataadaa aa-
piraedes.
Das intrigas, 0os odies -eradosafosa perversao
CQMMERCI6.
NOVO BANCO
DE
PERNAMBUCO
0 novo banco de Pernambuco convida os
-redores das massas fallidas de Mesquita & Dutra,
Unde esse enxarae de pasquins immundos em que c *ciiC? A,ruw,iu frr,i* Cardoso a aPres'>-
o Sr. Dr. Urbano manda marear a7epulalaod2S "" S8US M*>K baBC0 Praae pracedor a res-
pectiva venucaca
Alftnadlega
Rendimenlodo diada7........ _*75i37W%
nhstmrm
390:348011?
dem do dia 28.
CoBMilad provlarial.
Hendimunto de da i a 27......... 44:740I34
dem do da 28................. 6:0230243
46:7770877
PRAQA DO RECIFE
98 de NpvKSBM m t ma.
i 3 horas da larde.
Itrvbiia enaaanl.
Cambios........ Do dia 1S at hoje os saques
etevaraw-se -100,000, de*7
Vi a* d. por W8, sen-
daafroanr |iarte a e tH /, fnr axia sobre Inglaterra ; a
4J)r. por fr. sobre Pars, e da
86 a HO por cento de premio so-
bre Portugal

notlaaentn da alfand
nascem vinganjjas, que ordinariamente iirov(am Volomes etirados com fazendas...
vindictas criminosas e preparam ao aspeeto do % cam eeaeroa...
mpw par aiaaraai le aatiica pessodl. D'ahi
a*tnian,saniir^*raota#6e a passagem Vdbmres sahWos coqi fazendas...
4-faril e o Sr. Dr. Brbanaat bom o salte, methor oqq, aaero....
pratirea durante a sna fovemaaoa de partido
iwaietaa. I rtoscarregam no flia'30 de novembro.
Seamaaonriminoso jqgo ganbar o ambicioso Barca inflni-tmatmut mercadaria,
'hegando ao fastigio do poder, o ikwo nada mais Barca franecra -Bmthcernen ti.
consegue do que o augmento das suas pfivaf&es, Patacl inglr-/Jnnrs Hrrf-ulein.
eonsaqnaaaiafiialda diminnicaw das renda* pn- Jtrigne .portagimConstantedkarsas marcado-'
tdiraa prtanlawr. Treiw^tem-Ore Ifrasonas Te- as.
IwMades, raodt somma Je Wierdades, jnas on Patachotiespanrrol -TMette carne seeca.
ga nbem 011 perramoaibtoto*w no joro das -sefli- Barca inglezaBtititk Queoucarvao.
qualidade mnitn redimida.
liacarand.EksIc era ser urna grande quanlda-
de de Jacaranda de qualidade inferior; o escuro fino
do Hro de Janeiro limito procurado. As 40 rail
libras, de ptima qualidade, chegadns do Rio no
navio Fnli.r, foram vendidas a 30 narcos banco as
400 libras.
Cambios.
Sobre Londres, 3 meaos, 13 marcos 1114 schillings
banco por s.
' prazo certo 13 3 l(t.
Sobre Paris, 3 mezes, r92 3l4 Trancos por 100 mar-
cos banco.
prazo certo 190 3|4.
Sobre Lisboa, 3 mezes, 46 schillings banco por
tnil reis.
Descont 5 1|4, S 3|4.
Praea do Porto.
Prefos
10 de norewliru de 1809.
IMroBTAfXo.
Agurdenle de ana do
Brasil.....
Algodo da Babia (falla).
de Pornaathaca.
do MaranJie
do Para (faluf)
> dos sladeo-Uni-
dos (falta).
Arroz lo Maranhao(falla) quintal
de Para (.falta |
da ludia. .
Assuear do K10 de iatwiro
da Babia bpaoro.
< mascara
de Peraaaauoo
raaco.....
> joaseai
Caf 4a Kio de Janeiro 4"
Cacan 4 Baha
do Para
IIWM BAILE PAKTMILAR
ptea 8*000 1300000
0370 03W
0520 0600

40OO
10300
0*10
V DE DEZEiMBRO DO CORRENTE ANNO
jtniversario 4a nieuioraveJ res'auraiao da independencia nortogneza.
O nroprietario dos saldes do caes de Apollo, Joao das Neves, nao querendo que por mais lem-
po passe desapercebdo em Pernambuco o memoraveldia Io de deaembre de lgt\ em que lave lugar
a restauraeao da inik'|>rndncia de Portugal, at entao subjugado pelas armas de Castella, resotveu
festejar o seu anni versarto ao correte aaao, com um sumpluoso baile nos soberbos salocs do caes de
.pollo, visto ser particular o mesmo baile.
PltOf-KAMilA
aJgedan-....... alerta ptoaiaeU vamaiu-M a
220aOO por aiunba, a uitum
venda do de Macep, posto Cuiivs granitos.
bordo. Joi de ^80000, eo daTa- i pequeos .
i Cnuros seceos da Bahjji

106SO
0OSO
40600
0
*0aiO
Ao romper da aurora do da cima mencionado liavera urna salva de 21 tiros, outra a urna
horada tarde, e outra iiuatraente ao romper do baile que ser precedido do hvmno pot luguez, ejecu-
tado por urna banda militar que irajargrande uniforme.
Os saldes eslarao adornados e mais decenteaienie possivel e cora riqaissimos rortiaados com as
cores porluguezas, sendo qne porta principal que di entrada para os saldes bawer orna rampa de
madeira ricauenie eonslruida paia tornar a entrada aais magestosa. Uaver taaibem arco allegorco cora os trapbos das armas portuguezas, tendo am disliro onda se renao as seguinles
palavras1 de dezembro de 1600e aos lados do atesrae arco haverio dons bustos demonstrando a
figura de caladores n. 5, por cima desse arco ver-se-ha o anjo da liberdade calcando aos pesa demo-
nio do despotismo.
No tundo do alio principal eslarao escripias em lettras de lago as palavrasrivam os restau-
radores do dia 1 to tozombro de 4860, achando-se ao centro iliuaHaada a gaz a r*ro* t*"*feza, a
esquerda da corea gobar-seha. tambera illuminada a gac a toree de porcelana a China a direiu as
40000 ruinas de Palmira, t/emulando em volta do sali as bandoiras das aarfcs amigas.
0|iM | No satlo iieqrno haver tuna grande llluminacao a gaz de selentt ps de comprimento re-
40200 presenUndp a eidade de Lisboa com o palacio do conjurador e o palacio d duqueza de Magda, a
50400
14300
407
1044
20400
10300

Asenrar.
AgtiiU'dqnte
teadeaVta1
I por acaaba, somanos-ila'
700J &Sb>- nv&>:
purgado de gJBOO. a^zatno t o
Ventjeu-st' de 38* 0 CO0OOO a
wpx ha vende um dpositi de
Jdna>
do Hio Grande
fle tT a S .
. .detf6!?.
salgados de Per-
najntftlnfo e Mara-
rriilto. f .
do Para e Baha
milk 60000 66*000 esquerda no Tejo e fazende-se a mndancadas bandeiras tiespanholah pelas portogueas, a frenie th
10OOO 190000 salle verse-lo quatrp esUtuas a saber : Europa, Azia, AXtjca a Amerita, as acHtos V odas as
I vWas e cidades do reino e tfhTamar. ...
i, 11S0 A entrada dos salees estar rollocadis duas estatoas iwdaado os arrheuas d OM Beat ue
1 Partagal, a Mwoerda da coYoa portngneza se levantar urna columna oiuvada de ipao maaairit de
010J 0155 brease sobre a qaaf poser vsrelra fl> 'lifcerdade, teno quairoeontor 4>ieos de az represaaHaado a
0165 0170 figura de rortuga.
Hmoni flores mrtnraes perfaratrae os saMes e aad oaaaaare aera eantaagad tara ^osaiafoi|aafaeoWloi^io. "
0115 0120 Nesta oeeadFao oprqprietario dos saldes appeMaadapana o aatnicgisnto daahaas pwrugaeaes ae-
0115 120 (iaHaA;aoavatdju^et>#rpje*aBte A aupa portuenea e pm 'tedas taaaaa eoacorror.
Cauros......... Os socios sakados vmtezm-**' Farinha de pan, do "Brasil cjuiuUl 3*800 0800 >i|wkd|dQJi>ni as-tadoncaa daaiawioAa/i .d^fntmcieaaaah saloea.
a ifio'rs. jmr Dura. i Gouima do Brasil envpa- Hoaa^taas pessoasque coucorrrreo oojjedia de se apresentarem lTfiant jastidas, as
Arroz........ X) pflado da India vendeu-se de i neiros
$ 10100 10500 senhoraa
i dg branco para maior brilhantisrao.
ILEGVEL







3'
.__.


biario de Pernaubnco ... *eguuda fdra tle Xovembro de 1W3.
Pela
faz pul-
lebrada pelos ovemos brasilero e franccz, en
expedid; malas para a Europa no diaJMe.M-
vetnbro coi rente. As cartas serio recetadas at
duas horas anl* da que for mareada para a *ani-
da do vapor, e os joroaes ale 4 horas antes.
Umimstr .io do crreio de Pernambuee JO de
novembro do 863. O adewuislrador,
Domingas dos Passos Miranda
i.oi Tttio fieral.
Pela administraos do correio desta cidade se
faz publico para flns convenientes, que em virtude
do dispotto no art. 138 do regulamento geral dos.
correios do 21 de doaembro de 1844, e art.. 9 do
decre n. 783 de 15-de maio de 1851, se procede-
r o consumo das cartas existentes nesta adminis-
traeo pertencentes ao mez de novembro de 1862,
no dia 3 de dezembro prximo, as 11 horas do da,
na porta do mesmo correio, e a respectiva lista se
acha desde j exposta aos interessados.
Administrado do correio de Pernambuco 20 de
novembro de 1863.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Arrematado.
Trca-feira Io de dezembro vai praca de yen-
da, depois da audiencia flo r. juiz de or.phos o
escravo Sidronio, cerrador, por execucao de Cus-
todio Antonio Soares, cessionario de Francelino
Eleutcrio Ferrera Chaves e sua mulher, ua exe-
cucao contra Joaguim Vicente Marques.
- No dia i* de dezembro, Anda a audiencia de
Sr. juiz de paz do Io dislricto da freguezia de S.
Fr. Pedro Goncalves, irao praca os bens segum-
Para a Baha vai sahir com muita brevidade
o veleire patacho Jequitaia, por ter a maior parto
i .Lula oiilaflp i
a adminislragao <* ootrm de*n ^LZ< da carga oa^jada, para o resto que Ihe falto va-
^.^^^^S^S, |a-se largo do Carpo Santo n. 4, primeiro andar.
Para o Hio de Janeiro
Pretende seguir com muita brevidade -o pata-
cho nacional Beberibe, tem parte do scu xarrega-
mente prompto para o resto que Ihe falta e escra-
vos a frete para os quaes tem excellentes comino-
dos tratase com os seus consignatarios Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo & C, ns seu escriptorio
ra da Cruz n. 1. ,
Para o Rio de Janeiro pretende seguir com ,
muita brevidade o brtgue nacional Almirante : \
tem parte de seu carregamento prompto, e para o
reste que Ihe falta, trata-se com os seus consigna-
tarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo, no seu
escriptorio ra da Cruz n. 1.
<0 Dr. Carolino Prancisco de Limv San-
tas, contina a sidir na na do Impe-
rador n. 17, 2 andar, onde pode-ser pro-
ourado a qualquer hora do dia e da noite
[para o exercicio-dc sua profissao de me-
[dico; sendo que os chamados, -nepois de
meio dia at i horas da tarde, devem 6r
deixados. por oscripto. O referido Dr.
nao abandonando nunca o estado das
molestias do interior, prosegue, com o
maior ahinco, no das mais ditteeis e deli-
cadas operaoes.. como sejam dos orgos
ourinaros, dos olhos, partos, etc.
LEILOES.
LEILO
Aluga-se urna casa em Bebirbe ; a
tratar com J. I. de M. Reg, na ra do
Trapiche, n 34.____________________
Precisa-se de um rapaz portuguez, de idade
ate 15" annos, que entenda de negocios de molha-
dos, tends boa conducta, para ir para o Cear : a,
tratar na ra da Aurora n 46, segundo andar.
Anda esta por alugar-se o segundo an
dar do sobrado n. 4*, em a ra da Auro
ra : quem o quizer dirija-se esta mes
ma ra casa n. 10. jj
Sociedade de seguros mutuos
de vida iustallada pelo Banco
nio na cldade do Porto.
Os agentes nesta cidade e provincia Antonio
Aluga-se a loja do'sobrado n. 193da ra Im- Lu de Oliveira Azevedo <$. C escriptorio na ra
perial, e o armazem n, 4 da ra de Apollo : na ra da Cruz do Recife n. 1, estao autonsados desde ja
da Aurora n. 36. Ia tomar assignaturas c prestar todos os esclareci-
---------------------------------------------------------mentos que forcm necessarios, as pessoas que de-
T1NTURARIA. sejarem concorrer para tao til e benfica empre-
Tinge-se om perfuicao para qualqoer; za, segurando um futuro lisongeiro aos associados.
cor, e O taais barato po&sivel: oa ra do \ Alugaseo terceiro andar da casa sita na ra
FAZENDAS BARATAS
J--K11 DO QUEIMADO--9
Custodio, Carvalho & C.
Pinas cambraias organdys indianas pelo baratissimo preco de 300 ra. eovado> ou
500 rs. a vara.
Grande sortlmento
dos mais finos bales de arcos para senhora e pelo barato preco de 3J> cada um, ditos de ma-
dapoln para meninas a 2,J5O0.
3ovldade
Os rnais lindos e mais Anos e modernos cortes de laa com ricas barras, tendo cada eerte
20 covados e pelo baratissimo preco de 20J>.
Fil de linho vara a aOO rs.
Modernas lazinlias pira vestido o covado a 440 rs.
llangel n. 36, segundo andar.


i
quartos e cosinha, e mais 20 palmos de terreno
junto a inesnia casa.
Terca-feira 1e ,de dezembro s i 0 horas
O geme Simoes vender em leilo a casa aci-
te's':" fraesas grandes de made'ira de fra" com ma mencionada por conta e risco de quera per-
tampo de pedra, 1 espelho grande, 10 cadeiras temer, em seu escriptorio a ra da Cadea n. 28,
americanas, ludo avahado por S7& pertencente ao pruneiro andar,
executado Luiz Blandn, e vai praca requer-
monto de D. Evarista Rosa Kerreira.
Consellio de compras navaes.
Tendo o conselho de contratar sob as condiooes
do eslylo e por lempo de tres mezes, fiudos em
marco prximamente vindotfro, a lavagem de rou-
pa dos cstabelecimentos de marinha, e o forneci-
mento a estes e aos navios da armada dos objectos
abaixo declarados,*ompondo o de vveres, dietas c
outros artigos de consumo, convida aos pretenden-
tes a apiesentarem suas propostas em cartas fe-
chadas no dia 5 de dezembro do corrente anno em
que isso se effectuar.
Objectos de fornecimento
Arroz do Maranhao, agurdente de a) graos, as- agent) rua ,ja Cadtia n. 8, pnmeiro andar,
sucar branco grosso, azeite doce de Lisboa, assu- aon(je ter lugar dito leilao.
car branco refinado, araruta, aletna, azeite infe-------------------------------------------------------
rior, bolachinha, bacalho, bolacha, carne seeca,
do Rio Grande, caf em grao, carne verde, cangi-
Aluga-se o prrraeiro andar do sobrado
DE da rua do Aniorim n. 58, proprk) para es-
Uma casa terrea no Afogado rua do Quiabo n. criptorio : a tratar rua da Cadeia n. 62,
80, em daos Iproprios, tendo urna sala, dous r > ..j,.
..aris o PrwihD mais 50 mimos de terreno =>*-gu''o aiJuar.
LtILU)
DE
UMA TABE1IM
Terfa-feira i- de dezembro as 11 eras. ,ugar de Marvi|la> to ,Um Sr Luiz Fel e Lei
0 agente Simoes fara leilao a requenmento ao de (|ue trata 0 mario ^ permntbuco de 4t je n
inventariante e testamenteiro do uado \entura vemuro no artigoPortugalfoi o nico incenti'
Nova n. 21 : a tratar na mesma rua n. 19, segun-
do andar._____________________________
A'ttucao
Na rua estreita do Rosario n. 19 trabalha-se com
toda a perfeicao em bordados e flores de todas as
qualidades,apromptam-se ricas grinaldas e boquets
trrrf,', fJ?. para casamentos e bailes, d-se tambem licdes de
Cadeia n. i, segundo andar.
Kscola gratuita nocturna.
Na escola central do methodo Castilho, na rua
das Plores, est aberta a matricula para horneas j
nacionaes eestrangeiros que quizerem aprender
lr, escrever e contar, e doulrina christaa ; este1
ensino ser das 7 s 9 da noite gratuitamente. Te-
r principio na noite de segunda-feira 11 de Janei-
ro de 1864, nesse dia fecha-se a matricula desse
anno. A abertura da escola nocturna de Lisboa no
Leite
no-
i------------artigoPortugalfoi o nico incentivo
da Silva Boa-Vista, o mandado do Illm. br. ur. qUC nos moveu a dar este curso nocturno, em pro-
juiz municipal da primeira vara, dos gneros, ar:! ve,0 dos nossos concidados de ambos os hemis-
maco e mais utencihos existentes na taberna a ferios,Francisco de Freitas Gamboa,
rua de Hortas n. 17. O balanco esta exposto ao |
exame dos pretendentes no escriptorio do mesmo
DENTISTA DE PARS
19Rua Ntva-19
Frederico Gautier, cirurgio dentista,
faz todas as opera^oes de sua arte, e col-
loca denles artificiaos, tudo com superio-
ridade e perfeicao, que as pessoas enten-
didas Ihe reconnecem.
Tem agua e pos denticio.
7 RUA DA IMPERATRIZ 7
Madama viuva Lecomtc tem a honra de participar ao respeitavel publico que acaba de receber
pelo ultimo vapor francez um grande sorlimenlo de objectos de porcelana, crystal, tartaruga, madre-
perolas, bronzes, marfm etc., ssim como um rico sortimento de alflnetes de peito e tirelas para cin-
tos quer de madeira, quer de metal novos modelos.
Cintas pra seiihoras e nieninas.
Lindas cintas de couro c velludo enfeitadas com a competente bolsa, tal e qual est se usando
em Paris, ligas de seda para senhora, riquissimas caixinbas para presente de festa com preparos de
costura ou sem ella, de tartaruga, madreperolas, marroquim, etc., capellas brancas e para noivas de
flores de laranja.
Finissimos chicotes com cartas de marim, sndalo, etc., para homens e senboras.
Perfumaras.
Perfumaras dos mais afamados fabricantes de Londres e de Paris.
Oleo e banhas para cabello.
Sabonetes tinissimos.
ca ou milho pilado, cevadinha. cha, cal preta, cal
branca, farinha de mandioca da trra, feijao, gah- ft o ^p dij(>nihro s 11 horas rua da
nhas,lenha,manteiga^ngleza, manteiga Jranceza, W
niatte, pao, pedra de alvenaria bruta, sabo, touci-
nho de Lisboa, tapioca, lijlo de alvenaria grossa,
vinlio de Lisboa, velas stearinas, velas decarnau- l'm grande predio ruada Cruz n. 8, chao proprio
Cadeia n. 51.
E
Ili'niisia americano
}le \e\v-Vork. rua do Iiu-
rador n. 63.
Dr. W. H. M. Grath, offerece ao res-
peitavel publico de Pernambuco os ser-
vicos de sua profissao, todas as opera-
cai's da bocea e dentes sero executadas
com o ultimo c muito melhorado princi-
pios de cirurgia dental.
- Precisa-se fallar com o 8r Igoacio. gj. ^ ^
Vieira de Helio, "scrvao em tazaretn, I pos.
sobre negocio que o mesmo senhor nao ^ fio.. gavus.
ignora; na roa do (.rcsp zendas n. 7.
Pos de arroz para refrescar.
Escovas para dentes e cabello.
Ditas para limpar penles.
Pentes de tartaruga de pontear.
Ditos de bfalo dito.
Suspensorios para homem.
.Espedios grandes e pequeos.
Criado
ha, e. vinagre de Lisboa.
Sala do conselho de compras navaes 28 de no-
vembro de 1863.
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Secretario.
Contina em praca no paco da cmara mu-
nicipal desta cidade, no dia 30 do corrente, a obra
dos concerlos de que precisa a pontezinha deno-
minada doLuca, oreada na quantia de 2205-
Secretaria da cmara municipal do Recife 28 do
novembro de 1803. -O secretario,
Francisco Canuto da Boaviagem.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado dos pollos do sul
o vapor Apa, commandantc o
primeiro lenento Alcanforado, o
qual depois da demora do costu-
me seguir para os portes do
norte.
Desde j recebem-sc passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das e dinheiro a frete al o dia da sahida as 2 ho-
ras, agencia rua da Cruz n. 1, escriptorio de An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.

COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PIQUETES A VAPOR
Dos portos do norte esperado
at o dia 30 do corrente o vapor
Cruzeiro Jo Sul, cominandante o
rapitSo de mar e guerra Gervazio
Mancebo, o qual depois da demo-
ra docostume seguir para os portos do sul.
Desde jrecebem-se passafreiros cengaja-sca
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
-er embarrada no dia de sua chegada: encom-
mendas e dinheiro a frete at o dia da sahida s
oras, agencia rua da Cruz n. 1, escriptorio d>
ntonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.________
COMPANHIA l'KRNAMBUCANA
DE
Vivejaciu costeira a vapor.
Macci e escalas
No dia f! de dezembro prximo
s ,*> horas a tardo seguir um
vapor para os portos cima indi-
cados. Reeeber carga at o dia
i. Encommenda?, passageiros e
dinheiro a frete aleo dia da sahida 3 horas da
tarde : escriptorio no Forte do Mallos n. 1.
< DAS
MESSAGERIES IMPERIALES
No dia 30 do corrente espera-
se dos porto6 do sul o vapor fran-
cez Navarre, commandante Ve-
del, o qual depois da demora do
coskime, seguir para Rordeaux
tocando em S. Vicente e Lisboa.
(Em S. Vicente ha um vapor em corresponden-
a com Gore.)
Para as condicoes de seguros, gens trata-sena "agencia rua do Trapiche n.9.
COMPANHIA PERNAMRCANA
DE
!%ategaco eostclra a vapor.
5't. alivlia, Valal, Macan. Aracaly, Cear e Aearac.
No dia 7 de dezembro prximo
segua um vapor para os portos
cima indicados, s 3 heras da
tarde. Bcceber carga at o dia
o. Eneemmendas, passageiros e
dinheiro a frete at o dia da sahida s 3 horas da
tarde : escriptorio n Forte 4o Matto* ti. 1.
sea readimento de I;S0:>.
Por intervenco do agente Euzebio se vender
Precisase de m, que entenda de servico de si-
tio tambem, dando-se 1205 por anno e comida :
na rua Nova, sobrado n. 23, primeiro andar, das 9
horas da manhaa ateo meio dia.______________
Na botica do pateo do Carmo precisa-se de
quitandeiras para vender pelas ras, alugadas.
Agua para tiiigir cabello de todos os fabricantes.
Na mesma casa centina-se a fazer cabelleiras, tanto para homem como para senhora, assim-
como qualquer cabello supposto.
Corta-se cabello e frisa-se por 300 rs.
7 Rua da luperatrU 7
t
0 Sr. Luiz Paulino Cavalcanti de Al-
en, leilao naquelle dia e hora cima, o sobrado ^J. ,)uquerque) tem uma carta nestatypographia
-- Arrendase ua rua da Aurora n.
8 sito rua da Cruz, com 3 andares,
rante, contendo grandes commodos em cada an-
dar, seu rendiaiento actual de 1:8003, sao con-
vidados os pretendentes ao previo exame e para 20 8 eXCCllenle |iropi'IC(laflC denomina- riz n. 47, rua das Cruzes, deposito n. 39, na Pas-
informacoes podero entender-se com o referido i. farra ,l Soriithu'iit fnni |rn,n,|p sagem, taberna da esquina do Sr. Bento, que vira
agento/ Qa "MVA3 ue a .d,_ ^,_*.__. para o Remedio, e no armazem progresso, largo
Leite antephelico.
Approvado pelas academias de medicina de Paris c Londres.
Este leite cura em poucos dias as sardas, ephelides, manchas de gravidez, tez-
queimada, nodoas, eraros, borbulhas, bortoejas, espinhas, etc., como consta do livrinho
pao de senteio novo nos.aias que o acompanha, cada frasco tem um livro que indica o modo de applicar o leite ante-
quartas e sabbados de cada semana, na padaria phelico.
0 nico deposito na casa de madama viuva Lecomte.
7 RUA DA IMPERATRIZ 7
em Santo Amaro ae p da fundicao, na rua da Im-
peratriz n. 22, e rua do Brum, confronte o chafa-
fi.
DE
Mobilias, escravos, ferragens,
niiudezas e perfumaras.
<|iijnta-feira 3 le dezembro.
O agente Pestaa vender por conta e risco de
qnein pertencer urna rica e nova mobilia de Jaca-
randa Luiz XV. lampos de pedia, uma dita com
algum uso, um piano de mesa, guarda-roupa. ca-
deiras, sofas, marquezas, vidros, quadros e muitos
outros objectos, diversas perfumaras em lotes pe-
queos, como extractos, agua de Colonia, sabonetes
etc., diversas ferragens avariadas para serem ven-
didas pelo que dr, diversos oleados, diversas
qualidades de charutos da Babia, e muitos outros
artigos que se acharao patentes no acto do leilao, e r ; naraa da Aurora n. 36.
assim mais diversos escravos de ambos os sexos e
algumas habilidades : quinta-feira 3 de dezembro
de 1863, confronte ao oitao do Corpo Santo, onde
foi armazem dos Srs. Linden & Wild, as 10 horas
da manhaa.
numen decoqueiros paradesfrnc.tar e
muitos foros a perceber amiuaimeule.
Ensino de preparatorios,
O bacharel A. R. de Torres Bandeira,
S professor de geographia e historia no
S gymnasio desta provincia, tem resolvido
abrir cursos particulares para o ensino
\ deslas disciplinas, e bem assim para o
g de rheloriea e philosophia.
5 Os cursos comecarao logo que haja nu-
mero sufflciente de alumnos para cada (Ji|
I um delles : na casa da residencia do %I
i annuncianle na rua estreita do Rosario n. H
I n. 31, terceiro andar. jH
Aluga-se o armazem n. 4 da rua do Apello, e
o terceiro andar da casa n. 88 da rua da Impera-
da Penha n. 10.
Para passar a festa.
- Perdeu-se na noite do dia 24 do corrente, cm i Aluga-se uma asa na povoacao do Monteiro ao
frente ao arsenal de marinha, uma cassoleta com p 0 sr. Jos Rodrigues dos Passos, caiada e pin-
1 forma de coracao, com um retrato dentro : a nes- mda e com commodos para familia : a tratar no
1 soa que achou-a, querendo restituir, queira leva- Monteiro com o Sr. Antonio Jos Gomes do Cor-
, la rua da Cruz n. 38, que ser recompensada, se reo, e no Recife na botica da rua do Cabug nu
assim o exigir.________^^__________ mer0 '*_____________________________
lo contraetors and otliers. Precisa-se de uma ama de leite e paga-se
The nritish barque Deogaum capitain Beagleho- bem : na rua da Concordia n. 37, casa de um
le requires the un desmentioned anieles, to ena- andar,
ble her to proceed on her voyage to Liverppol.
Ienders must specify thc price of each anieles will
be supplied at such as sails, Ropes Corpenters &
Caulkers work, said tenders to be oddressed to the
captain at the British Consulate, and Hiere tobe Aluga-se um bom sitio no Manguinho, com nas-
opened in the presence of H. B. M. cnsul and of tantos arvoredos de frueto, boa casa de vivenda,
thoso coucemed,at nooro on monday next the 30 casa fracom quartos para pretos, estribara, ca-
th november. cimba com boa agua, c tanque com casa para ba-
1 Fore Sail nhos : quem o pretender, dirija-se rua Nova,
ATTENCAO.
Um machinistachegado da Europa pre- sj
vine aos Srs. de engenho que concerta y
- machinas a vapor ou alambiques, como ^g
^ tambem contratase em qualquer enge-
tV nho, pode ser procurado na rua dos j|5
M Quarteis n. 1, primeiro andar.
llinrik .-,> iint linm v-iti.i nt\ Uonnninba n(\m hl^_ ^A
Urna senhora estrangeira chegada ha
pouco da Europa, encarrega-se de lavar
e engommar com toda perfeicao por
preco mais commodo do que em outra
qualquer parte: na rua dos Quarteis n.
1, primeiro andar.
Precisa-se de uma ama de leite : na rua da
Imperatriz a 43, segundo andar.
AU ASSAIIOIt
Na padaria de A. F. da Silva Beirs, rua dos Pi-
res n. 42, precisa-se de um amassador.
O abaixo assgnado faz scienle ao respeitavcl
publico e com especaldade ao corpo do commcr-
cio, que vendeu ao Sr. Antonio Affonso Rodrigues
a sua taberna sita na na dos l'rcs n. 38, livre e
desembarazada. Recife 24 de novembro de 1863.
Joo Marques Fernandes.
lo be reploced by. Nexv loja de calcados n. 7.__________
Oncs. Precisa-se de um caxeiro,
taberna na Pissagem n. 1.
pequeo, para
lar no armazem do mesmo sobrado.
AVISOS DIVERSOS.
A assignatura dcsle !>i i o nao
briga jara, e quem e'la nao convem
paga e dispede-se, e nao demora o paga- _
meiltO, fazendo O CixeirO ir dez e mais ria |or 1B^ mensaes, e o primeiro andar do sobra-
vezes para receber quanti tao diminu- '
ta,em paia deohjccoque,cm lodosos
paizesconliccedoies da un prensa,sem-
prc pago em principio do trimestre que
comeen A'visla dissoesperamos que os
nossos assignanlcs, que csiao em atraso
no pagamento, mandem salisfazer suas
assignaturas, para evitarem que a im-
presa empreguc os netas que jllgaf
niM^essario para scu cmiolso.
Sa rua das Cruzes u.
44, segundo andar, precisa-
se Miar com urgencia ao Sr.
Dr. Joao Jos de Moura Ma-
gaMes.
1 Patent man Sopsail
1 Fore Lop mast Stoysail
1 Main do
1 lop f.allant Sail
1 Fore Sail 1 Aluga-se por 205 mensaes a primeira casa
1 Ma'iiK.lil (, sita na estrada dos Alictos do lado esquerdo, com
1 Misen >Io be repalred. 6 quartos, 2 salas, cozinha, cacimba com boa agua
l jjij's ) e um bom quintal: a tratar em S. Jo> do Man-
and all new Gear for Ihe aba ve to be reploced. guinho, sitio confronte a groja.______________
1 Boot to be repaired .%rrenda-se mil bom sitio
Steening apparatu: ;. l cm parnaincil.mi estrada de Sai.t'Anna, com boa
Staunchions cv three Seams belou
board
the ccvenng
casa de morada, cocheira, estribara, etc., grande
---- r casa ue n uraua, cocneira, cmimura, cit., gi.uiuu
to becaulked and paidall round llc%essel. ^^ p|.in|a(]a decapin;bna casa e muitt arvo.
f?o7 e ou,ras commodidades. O tempo
marter.
HA PARA ALUGAR
Um andar com soto na rua da Cruz, um ter-1
ceirodito com sotao na rua do Encantamento, um |
ao respetavel pequeo armazem na rua do Amorrn, um arma-'
e as condgoes do arrendamento sero favoraveis,
e trata-se na praca do Paraizo n. 24 com S. A.
Peres.
Hngomma-se e lara-se
-0 abaixo assgnado declara ao respetavel pequeo armazem na rua do Amorrn, ^^\t^fJ^^J^S^
publico que tem contratado por compra ao Sr. Jos zem proprio pan offlc.na oa.csubejerimcnto na 2^"^,,'^ SSiffSS '
Francisco de Barros Reg a propredade e trras rua das Cruzes : a tratar com Joo Ribero Lopes,, toda perfeicao c por commodo preco.
das matas denominadas Resouro, na freguezia de rua da Cadeia n. 33, loja. ____| Aluga-se urna boa casa terrea na povoacao
S. Lourenco da Malta, pertencentes ao mesmo se-
nhor cima declarado: se alguem se julgar com
direito s ditas trras, tenha a bondade de apre-
sentar suas reclamacoes ou em casa do abaixo as-
Curso de philosophia.
do Monteiro, por 4 mezes o, por preco muito
' commodo, tendo 2 salas grandes, 4 quartos, cot-
acadmico habilitado nesta materia, e que, h for quintaes murados, com portao que
rauca de ensino, se propoe a lecc.onar em |)0ta Q J fl ,em cacjmba a ^
signado, ou annuncndo por este Diario, isto no tSZ^S^ST^^Zsffil quem der' *W>~ a rua d> lm- ^ n" 76'
K^se^ea^rrS^
se Ihes dir com quem tratar.
Aluga-se uma loja das melhores na rua No-
va, propria para ferragein, do que est muito acre-
ditada, ou mesmo para qualquer outro estabeleci-, Ae||a se deT0Sgeda gerencia da Ma loja o Sr. Ma
A abaixo assgnada declara aos senhore;
commerciantes desta praca e fra dola, que o Sr.
Jos Joaquim da Silva Gomes deixou de ser encar-
regado da Herencia de sua loja de fazendas, e sem
mais poder tratar de negocios tendentes sua casa.
quaes ticara sem etieilo qualquer reclaniaco
Fcrraz 23 de novembro de 1863.
Nhicklar Moss.
Na rua do Destino n. 9 precisa-se fallar ao
Sr. Francolino Rodrigues de Mour, pedido de
sua familia, residente cm Macei. ___________ tar< no Paete Publico n. 7, loja de fazendas
D-se 8005 a premio sob hypotheea em uma
casa terrea nesta cidade : quem precisar, na rua enfrenlfo, annuncie para se ajustar, at quin-, Silva, Luiz Antonio Vieira
das Aguas-Verdes n. 100, no segundo andar se dir ,. % An \-----,,_
ment por ser cm um dos melhores locaes : a tra- | nQe| Jos ,;ai.nc;iro> tujo estabelecimento contina
o seu gyro comniercial. Recife 26 de novembro de
- Quem precisar de um caixeiro com platica \ 1863. Por procuracao da viuva de Manoel G. da
quem d.
\o commcrcio.
Urna pessoa habilitada em cscripturaco mer-
cantil, offerece-se para fazer a escripia d alguma
casa de comtoereie em grosso ou a retalbo, atra-
zada ou em dia, de certa hora da tarde era (liante,
ou como so conv.'notonar.
Os Srs. Fbnaeea A Silva, rua da Cadeia do Re-
cife, darao as prceisas informagoes.____________
Para o Rfo de #anejro.
O patacho nacional Cnputtm. pretende seguir
com muita brevidade, tem parte de seu carrega-
mento engajado, para o resto que Ihe falta e es-
cravos frete para os quaes lein bons covmodos
irata-secomos seus consignatario* Antonio Lub
de Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio rua
da Cruz n. I.
Para o Porto
.^gue brevemente a veleira barca S. Manoel II que
iem engajado motad* do sen carregamento ; para
or.vtante e passageinos, a quem offerece bellos
comandos, dirjam-se aos consignatarios M. J. Ra-
mos e Silva & Genros, rua do Vigario n. 10, pri-
meifo andar.______'_______________________
Brijiue iLoBfanca.i
Pretende sahir brevemente para Lislxia, recebe
carga e pa*sgeiros, para o que trala-so eom seus
consignatarios Carvalho & Nogueira na rua do
Apollo n. 20.
lotera extraord naria.
tos iO-.mm 2:000^000.
Sabbado 5 do kaembio prximo se ex-
trabira pelo excelleoto plano das loteras ex-
traordinariasa quarta parte da segunda lote-
ra da irmandade do .S.'iilii'Uuin Jess das
Dores,,no consistorio da igreja deN. S. do
Rosario da freguezia de Santo Antonio.
Os biHjetes e meios acbam-se venda na
respectiva Ihesouraria rua do Crespo n. 15
* as casas jcomrnissionadas rua da/mpera-
trz n. 44, loja do Sr. Pimentel; rua Direita
n. 3, botica do Sr. Chagas; rua eatreila do
Rosara n. 12, typographia do Sr. Mira erua
da Cadeia n. 45, loja do Sr. Porto.
Os premios de 10:0005000 at 2O0GGO
sero pagos uma hora depois da exraccio
e os outros no dia segujnte depois da dstri-
buicao das listas.
0 thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
ATTEM^tOi
ta-feira 3 de dezembro.
Um passageiro do paquete inglez, chegado
hontem, precisa fallar a Sra. I). Rufina Antuncs
Ferrera da Silva, viuva do Sr. Caetano Luiz Per-
A abaixo assgnada, viuva do finado Francisco reraj para n. dar boas noticias dos prenles do
Mathias Pereira da Costa, em remoste ao annuncio ,jjt0 seu fallecido marido; por isso roga-lhe deixo
de seu genro Maximino da Silva Gusmao, pelo qual Kua inorada nesta tvpographia. ^_________
pretende fazer prevenco para que ningucm nao j Pri>(..>;,. de uma ama na rua estreita do
faca transaeco com os bens daquelle tinado, he ~ rf ?aMnr?Lr Ji,, estrena uo
pede que declare qual a razao e motivo de urna tal Rosa" ,8> ,r,meiro andar"
prevenco, que bens elle se refere, e com quem
se entende seu annuneio. Recife 27 de novembro
de J863 Anna Machado de Luna Freir Costa.
- Aluga-se um sitio na Capunga velha, com
boa casa, contendo 4 quartos, gabinete, cacimba
com.boa agua, quartos para pretos, estribara e
frueteiras, todo murado : quem o pretender, diri-
ja-se praea da Indejiendem-ia ns. 37 e 39, ou na
rua da Palma n. 41.
Pergunta-se a -certo moco que foi caixeiro
em uma prensa no Forte do Mattos, se ainda se
acha com a mesma coragem de voltar para tal lu-
gar tao ditoso. Dos se compadeca de quem i
Para a Baha yai sahir com muita brevidade morreu: mas vamos ao que importa Foi quando
a sumaca Hortencia, capitao Antonio Francisco
Monteiro, por ter a maior parte da carga enfjjada:
para o resto que Ihe falta, trata-se com os consig-
natarios Palmeira & BeltrSo, largo do Corpo Santo
u. 4, primeiro andar."_____________________
Porto.
Vai sahir com brevidade a muito veleira barca
Purtuf ueza Itima I, capitao Jos Francisco da Cu-
"ha, por lar parta de seo carregamento prompto,
para o reato e passageiros traUse com os consig-
natarios Carvallo & Nogueira na rua do Apello n.
O. ou com o apto na praca.
appareceu mais abusos foi naquella dala, foi quan-
do o carro do aluguel nao sahia da porta, e a cus.
ta de quem nao posso dizer, por ora aflnal foi quan-
do appareceu railhares de socios, foi aflnal quando
ie rompeu o veo para com os inglezes. Pergunto
eu, quem foi que soffreu com tal California, sijen-
io por ora, fica para a resposta, se responderem,
porque do contraro isto vai lomar seu romo.
Um inglez offendido._______
Quem precisar de um criado para casa es-
traogeira, qae onlene da lingua franceza, annun-
cie para so ajusfar.
C.4S4 l)V FOKTUNA
Bllhetes garantidos
A' raa 4e Crespo n. 23 e casas do cos 11 me
AO 10,0009000.
No dia 5 de dezembro se extrahir a quarta par-
te da segunda lotera pelo plano das loteras ex-
traordinarias, beneficio da irmandade do Senhor
Bom Jess das Dores.
O abaixo assgnado, recowmendando ao res-
petavel publico a compra dos seus mu felizes hi-
hetes garantidos, lembra-lhe a vantagem que ha
em receber os premios por inteiro. por ipianio
Mi tirar a sortc de 10^005 em hilhete garan-
tido nao reeeber somonte a:4004, em virlude dos
deseontos de 16 por cento que Ihe farfio em vista
dasleis, masiim os 10:0001 que vem a ser a dita
quantia e mais a de 1:600Ji que pagar o abaixo
aMirnado, importancia de dito* deseontos, aconte-
eendo o mesmo com as ontras sortes.
Os biIhetes garantidos pelo abaixo assgnado,
levario a sua assignatura de chancelle atravessa-
da na frente do bilhete.
Os premios maiores de 204 sero pifos uma
hora depois da exraccio.
Precos.
Bilhetes inteiros..... 124000
Meios bilhetes....... 64000
Para as pessoas que comprarem
de 1004 para cima.
Bilhetes........ 114200
Meios. 64600
ManoH Martins Fiuza.
Precisa-se de um menino de 12 a 14 annos,
para caixeiro de taberna: a tratar na rua da Gua
n. 42.
Precisa-sede urna ara* com bom leite, forra.ou octmsVtonts'niil'r'eis.
captiva : na rua do Hospicio n. 36.
< %l\l liut
Precisa-se de um caixeiro com pratica de taber-
na : na rua da Madre de IJeos ns. o c 9.
Precisa-sede uma preta que saiba cozinhar:
na rua do Qu-imado n. 16, loja._____________
Precsa-se de um moleque ou preto velho :
na rua do Queimado 11. 16, loja______________
Jos Antonio Casullo, subdito italiano, retra-
se para fra do imperio.____________________
Na noite'de quarta para quinta-feira foi rou-
bada a taberna da rua do Sebo de Joaquim Ana-
cido Alfonso, constando de um bahuzinho de (lan-
dres com uma nor^ao da objectos dc-ouro, sendo
anntloes, brincos, cornelinas, e em dinheiro qua-
Manoel Rodrigues, subdito portuguez, retira-
se para o Rio de Janeiro.
" i."
Aluga-se o primeiro andar do sobrada d
fu do Crespo n. 23 : a tratar na loja.
Precisa-se de uma mulher tdosa, de boa con-
ducta, e que anda se possa prestar a fizar algum
servico para morar em conipanhia de uma peque-
a familia, a quem se Ihe dar o sustento e rou-
pa : quem pretender, drija-se primeira casa na
rua do Palacio do Hispo, lado esquerdo, indo pela
roa do Pires._____________________________
Antonio Jos Rodrigues de Souza, na ru.^ do
Crespo n. 13, precisa alugar um moleque para o
servico de casa de familia, e que saiba bolear car-
ro, sendo de uons costumes._________________
Precsa-se de uma ama para cozinhar em
casa de homem solteiro : na rua do Queimado n.
32, loja.
Aeha-se Justo e contratado
por renda o sobrado com sitio
na rna da Trenape n. 1, aonde
actualmente reside a U\m. *r.
marqueza do Recife cajo pre-
dio pertenee a D. Ioanna Mara----------------------------------
da tonceicao ron herida por D.j Jos ucvcdo dr, A mira (Ir faz
Joanna dos Passos, se alguem sc-nte ao co- uo do commri ci desla
se Julgar eom dlrelto em dito ar,ca ea seos freueKe Mi ter-l. qe
aTroi?-!"1? 1X2'nHs wwferi rlt.li.-leci.ito deV
no prazo de nas tinao os .
quaes se effectuar renda. Re- zendas silo a rua do Crespo loja B. 20
rife. 9 7 de novembro de iNGS. A para a de 1.18 da nesma rua.
O Dr. Sarment Filho, medico operador
do hospital Pedro II, liara maior com-
modidade das pessoas, que o honram com
a sua confianza, participa que ser en-
contrado todos os dias no referido hos-
pital das 7 s 10 da manhaa e dessa hora
em vante na rua do Queimado n. 44, se- 2|j
gundo andar, onde ha estabelecMo o seu 'y*
consultorio, ou em casa de seu paiCan- fifi
K po*das Pnncezas.D consultas gratuitas P
jH todos os das no dito hospital, onde pra- ^5
)mL tica toda e qualquer operacao de que os ".?/
^S pobres precisem para o seu restabeleci- j&
W> ment. Incumbe-se especialmente da fk
?j cura das molestias do dominio da medi-
^5 ria operatoria, que se ha dedicado,
NI das affecooes do ulero e da uretra.
Precisa-se de um caixeiro con pratica de
taberna, que ftiance sua conducta, o queira ir para
Porto Calvo : tratar na rua da Senzalla-velha
n. 94.
SOCIEDADE
DOS
ARTISTAS ALFAIATES
EM
Pernambuco.
De ordem da directora da Sociedade Reneficen-
te dos Artistas Alfaiates em Pernambuco convido
a todos os socios da mesma sociedade, qur os que
scarham cm dia, qur aquclles que se acham ape-
nas alistados, a comparecerem segunda-feira 30 do
corrente, na sala das nossas sessoes, e a hora do
costme, para se tratar de negocios urgentes, visio
j se acharem approvados pelo Exm. presideute da
provincia os nossos estatutos.
Previno aos socios em da de que se sean reu-
nir a maioria dos mesmos no dia aprasado, em
assembla geral, ser convocada nova reunan, que
se julgar em pleno dreito com o numero de so-
cios que comparecer, como dispoe o art. 17 do cap-
0 dos mesmos estatutos.
Recife 28 de novembro de 1863.
Manoel Rodrigues do U'
1 secretaria
D-se constantemente dinheiro a premio sob
penhores de ouro e prala: na rua da Gloria n. 27,
se dir quem d.
.1111 danca.
Jos Ferrera Moura mudou sua residencia para
a rua do Rangel n. 6.
O bacharel Jeronymo Salgado de Castro Ac-
cloli, pedido de-um amigo, lecciona a linguala"
tna, das 5 horas as 6 e meia da tarde, no seu es-
criptorio ruado Queimado n. ."18. Admittc al-
pina alumnos que quizerem servir se do seu pres-
timo. O documento abaixo transcripto prova a
aniiguidade do annunciante no ensino da mesma
disciplina, prestando-se igualmente a leccionar
rhetorica, sem prejuizo dos seus afazeres no exer-
i'icio da profissao de advogado, para o que pode
ser procurado das 9 horas s 3 da tarde, e no caso
de urgencia a qualquer hora do dia.
Atiesto que o Sr. Jeronymo Salgado de Castro
Accioli sufflcienlemente versado na lingua latina
como mostrou no brlhan'e exame que fez, quando
se propoz ao concurso da substituieao cadeira de
latim do Coliegio das Artes ; pelo que por varias
VMM o tenho convidado para examinar na mesma
disciplina nesta academia, e quanto a sua conduc-
ta irreprehensivel. E por esta me ser pedida
a passei de minha lettra, e vai cem as armas da
academia.
Olinda, 4 de outubro de 1839.
Miguel do Sacramento Lopes Gama,
Director interino.
Aluga-se uma ca*a as barreiras do Cachan Antonio Jos Rodrigues de Souza alugaj sua
g, junto a estacio doomniqus, lugar de liberdade. casa e sitio do Monteiro, em frente ao oitao da
por ser mais retirado, e por preco commodo : a igreja de S. Pantaleao, com bastantes commodos :
tratar no mesmo lugar cera o Sr. Llnu Perejra da a tratar na thesouraria das loteras, rua do Gres.
f onseca, 011 na rna da Imperatriz n. 71, po n. 1.1.
Eslabeleriineuto de carros fnebres, palee do Pa-
raizo ns. 10 e 12, de Jos Piolo de
Magalhies.
Neste estabelecimento se encontrara carros fne-
bres para enterros de primeira ordem, tanto para
defunlos como para anjos, os mais ricos e ornados
que se podem desejar, asseverando-se nao haver
melhores em outro estabelecimento. Tambem ha
outros para as differentes ordens, todos bem afran-
jados, assim como todos os preparos para qualquer
enterro a contento dos pretendentes. Encarrega-
se o proprietaro de qualqier acto fnebre sera in-
commodo das partes, prestando todo o necessario,
corn toda a promptdao e procos razoaveis.
A loga se
o sitio da senhor 1 viuva Torres, com boa casa de
morada, na Capunga Velha : para tratar, na rua
da Cruz n. 38,
COMPRAS.
Compra-se uma casa terrea no bairrodi Boa-
Vista que tenha 3 salas, cozinha fora e chaos pro-
pros : a pessoa que quizer negociar, dirija-se
rua do Cabug n. D, Ha de ourives, que achara
com quem tratar, ou annuncie para ser procurado.
Compra-e nma mulalinha de H 14 Anos,
sendo sadia e de boas costumes: na rua do'Cres-
po. Ma n. 1.
Compra-se um escaler que aeja pequeo e
em bom estado : a tratar con ^ntonio Jos Rodri-
gues de Souza, na rua do Crespo n. 18.

I
h


Diario le Pcrnaubiieo tfmU eira 3o de .Vovembra de 1 feos
!
Gompra-se al mil garrafas vasias: na ra
do Apollo n. 39.
Na estrada do Manguinho,easa n. Jl, eom-
Sra-se urna ewrava de boa couducta, que enteada
e costara e cngommado, paga-se bem.
Compra-ae cobre e lato velbo : no arma-
zn da bola amarella no oitao da secretoria de
polilla.
~~ COMPrtAM SK
dous molecotes de 15 a SO anoos que sejam bonitos
' e fortes : na roa doAmorim n. 38, segundo andar
Compra-se eflectivamente ouro e prata cm
obras velttas: na praea da Independencia n. t,
loa de irideles.
- Compra-se cubre e lato vdho
ua rea da Cadeia de llecife n. 36, pri-
meire andar.
GRANDE LIQUIDACAO
DE
45-RA DIREITA-45
Eia, rapasiada, corageml parece queja
QUINQUILIIAKIAS.
Ra do Queimado, ns. 49 e 55, lojas de
- Compra-soum escrava de 35 a 40 anuos, que
Hienda do servio de sitia : na ra do Queimado
o. 13, primeiro andar.
arrafftes.
Compram-se garrames de todos -os tamanhos a
320 rs.: no armazem-di aurora hrilhante, largo
da Santo Cruz n. 84.
VENDAS.
Vtmde-se na'Capunga, roa do Jacobina, jnnto
ao sttio-do padre ^pristono, urna casa de pedra e
caleom3_quartos, cozinha fra, frente murada
com portao, e sitio cercado rom ps de limoeiro,
por preeo commodo : a tratar as Cinco Ponas
numero 38.
Vende-sc ou troca-se por uin sitio-tres casas
termas sitas nos Afegados : a tr tar com Frederi-
co Chaves, roa da Impenttriz n. 19.
Vlnnode Caji.
No escripiorio de Antonio de Almcida Gomes,
roa da Crcrc n. 23, vende-sc em canas de duzia,
superior Ttnho de cajo, geralmente reconhecido
como cfncez para combater a impureza do sangue,
produzid* por molestias syphiliticas.
S'ibdo do hio.
Vende-se ezcellent&salio do Rio de Janeiro, a
preeo cemmodo, na roa da Cruz n. 23, escripiorio
de Atonio de A (ruerna Gomes; para ver no trapi-
che do Cunlia.
Vende-se oo hotel da Europa ra de Trapi-
che-o. 12, urna mulata de 20 annos, sabendo cosi-
nhar, coser c cngoniaiar soflrivdimente, por preco
commodo.
Faltadas franceas e ingUzas todas de siptrior
qualidade: se vende muito barate para liqui-
dar coalas, na laja e armazcm do Arara, ra
da Imperatrii n. 56 de Lom-enco l'ereira Gui- entregastes os vossos joanetes aos duros sei- Jose bigodinbo, queiram ver ver as fazendas
"rata. xosdo pessim calcamento da nossa cidadel 1ueaba'x'"nuncio, jiois todas eu garanto
Grande pechlnctaaI-aa de 9 s se observa em vossos ps botinas acalca- .ue s3o minio novas e baratissimas.
palmos a 10*80. [nhadas e gastas at ultima sola; sapatoes Hegas de tuncas de algodo de to-
Vende-se llias transparentes de cores lisas rasgados e quasi sem saltos.... nem tanto! I das as cores a.......
e.quadros com 0 palmos de largura, pro- a quebradcira nao de\e chegar at este pon- Du'a* de linlias com 200 jardas, A-
pnas para capas e vestidos para senhora a to Vinde ra Direita munir-vos de excel- 'exandre, a..... .
10280 o covado ; laazuibas muito finas de ierite calcado com 40 e at 60 por centolCar,ltel de qualquer numero ,
quadrinhos a 280 e 320 rs. o covado ; di- menos do seu valor.... attendei: jVaras Je aspas para balao ....
tas transparentes muito finas a 400 e 500 Borzeguins, Nantes, liezerro e va- Caixas m superior obreias a
rs o covado ; gorguro de cordao, fazenda I queta 2 e meia solas. 8(?500 iUsde colla.......
fina e nova para vostidps por ser padrao de Borzeguins, Nantes, bezerro, va-
seda por 500 rs. o covado. S na Arara | queta c lustre 2. solas,
lia este grande sortimento de laazinhas e Borzeguins, francez e hambrguezi
outras muitas fazendas, que trouxe o ultimo bezerro, lustre e couro de por-
vapor viudo da Europa: ra da Imperatriz i co 7#e........6)51000,Pares de sapats de tranca
n. 36, k)ja do Arara de Mondes Guimaraes. Sapatoes, Nantes, bezerro e vaque- < P'fos rau,l superiores, a
Sapates, Nantes, sola e vira.
Ditos para menina, com lago.
Vende-se urna mulata perfeila engommadei-
- ra- c cosinheira
A Arara vende ricos vestidas bordados brancos
a 12^000 rs.
Vendem-se vicos e finos vestidos brancos
bordados a 420 ; ditos raais singelos a 50 ;
ditos de barras de taiiatana de cores a 30 ;
ditos de barras a 30 e muito baratos: ra Ditos de ditas de'cores"
da Imperatriz n. 56, toja da Arara Sapatos para'senhora e homem,
ais pechiutha na AraraGassas a 200 rs. o co-l tapete.
>a^- Sapatos de borracha para senhora.
Vendem-se cassas organdys de quadros Mem idem para meninas. .
cor de caf e mais claros a 200 rs. o cova- Sapatos de lastre para senhora. .
do ; ditas francezas finas a 210, 280 e 320 dem de lustre ;'is avessas .
rs. o covado ; cortes de chitas de cores a 1--------------------------:__________,
20 ; ditas francezas com pequeo toque de
mofoa2500; cortes de riscados famosissi-
mos com 14 covados a 30 (s na Arara,
ra da Imperatriz n. 56); cortes .de casimi-
ra enfestada para calca a 10, 10600 e 20,
tendo cada corte 1 vara e 3 quartas, cousa
miiit<< barata ; casimiras finas a 20500 e 30
o corte ; casimiras lisas para capas de se-
nhora com 6 palmos de largura a 30 o cova-
do : ra da Imperatriz n. 56.
\ Arara wndr chitas a 250 rs. o covado. Sao
largas.
Vendem-se chitas francezas com toque de
mofo, que se extinguir logo que forem la-
vadas, e as cores sao (ixas a 240 e 280 rs.
o covado ; ditas limpas e finas a 320,%3B0
80
10100
100
80
40
80
1 libra de la sortida.....40000
80000 nm a de 15a muito superior em co-
i res e qualidade......70000
Pares de botoes de punho a ... 120
10280
10600
ta 2 e meia solas. ." 50500 ^m e pacotes de papel .amisade de
Sapatoes, Nantes, vaqueta, lustre e I ^es a. ....... .
bezerro 2 solas...... otfOOO, Duzia de meias muito finas para e-
600
rae cosinheira: nem pretender pode dirigir-sel" tu,dUU > UIUSS "4,as o ozv,-.jou
ab-Br. Francisco Ignacio Pinto, agente de leudos,'e 400 rs. O covado ; lencos brancos com
barra de cresfinas a 160 rs, cada um
na ra da Crnz n. 38
edes necessarias.
que mtaistrara as informa-
IVde-se toda al'euco.
Custodio Js Alves Guimaraes, dono da leja in-
titulada Gallo Vigilante, ra do Crespo n. 7, avisa
nos seus numerosos freguezes e ao respeitavcl pu-
blico, que tendo de reformar no fin deste anno seu
estabelecimento, equerendo liquidar grande quan-
lidade de diversos objeelos, estrosolvidoa vender
tudo por procos Jraratissimos, como sejam :
Peras com 45 vacas de franjas de linlio a 35.
Ditas com 45 varas de galio de linho a 3JL
Laa sortida para bordar, libra a 1$.
Froco de cores sonidos, peca a 160 rs.
Manguitos para senhora, o par 800 rs.
Golinhas de bonitos gostos a 400, 500 e Ifl.
Salvas de metal,principe a 1500, 25 e 25500.
Ditas com copos de metal proprio para meninos a
15200.
Facas e garfos para sobre-mesaa 45 a duzia.
Ditas a ditos'dita com cabo de marlim a 65.
Bandejas de todos os tamanhos milito finas a 15,
15200, I5M, 15600, 25500, 35500 e 55.
Ditas redondas para copo de 500 rs. para 25800.
T^uras em carleiras, a duzia a 500 rs., 640 e
800 rs.
J'eitos para camisas, a duzia a 25.
Camisinhas bordadas para senhora a I5500e 25.
Chaputinas para senhora a 35-
Ditas |iara menina a 25.
Chapeofinho para meninas de escola ou passeto a
25e35.
Flores.francezas, caixos grandes, a 600 rs.
Luvas.de seda com pequeo loque de mofo a 300
rs. o par.
Tuueasde laa para meninos a 300 rs., fil a 500 c
00rsde seda a 800 rs.
SaBatiiihos.de merino a 800 rs., e de laa a 500 rs.
Holsiohas de missauga para meninas de escola a
81 rs.
Boles dourados para punho a 200 rs. o par.
Tinteirosde metal a 320 rs.
Trancelins para relogio a 100 rs.
Ditos de fita chamalote a 200 re.
Eserivaainlias de metal a 35500
Colheres de metal |>ara cha a 200 rs. a duzia.
Ditas de dito para sopa a 25 a duzia.
Dotos de duraque pretos a 400 rs. a proza.
Cartas he^ianlmlas para jugos a 15200 a duzia.
CaseaM brancos c amarellos de metal a 15.
fCarteiraa liara atribefra a 500, 600, 800e l5-
abneles muito linos a 15200, lOOe 25 a duzia.
Fivelaa para calca a 300 rs. a duzia.
Itutois de. aen para calca a 320 a groza,
Ciixinhas cmalinotcsi'Mainpos e colcuotes a 320,
MOeSDOrs.
>"itas de borracha ]trotas de cor a 120 e 160 rs.
a vara.
Latas,mu dous massos de agulhas por 800 es.
Brincos de aljofares a balo a 320 o par.
Ainetes pretos e defores.campcdrinlias a 200 rs.
em
Camisas para homciii fcitas em Lisboa a 25.
Fitas de eJludo lisas e larradas a 800, 15, 15300,
25 e 35 > peca.
Ditas para sjuleiro a 300 e 400 rs. a vara.
Caixinhas |iara costura de senhora a 15500,25.
3,4, 3 e 65.
Conipolciras de vidro com palos de uietal a 35 c
45000.
Fr;nija#(li' laa para debrunhar lapetes a 25 a l'ca.
Palitos*de fogo, prava d'ngua, a 15a groza ou 120
rs. a duzia.
As.-im como toni grande sortimento de rauitos
ntt oiijectos que, se lornaria effladouho mencio-
na-los, que tudo se veadef muito barato para li-
quidar : na ra do Crespo n. 7, e ra do Impera-
dor a 39, junto ao passo, c casa da liquida^o.
di
tos brancos todos a 200 rs.; ditos muito fi-
nos a 320 rs ~ meias para homem a 200 e
240 rs. o par : ditas para senhora a 320 e'
400 rs. : na toja da Arara, ra da Fmpera-
\-iriz n. 56, de Mendes Guimaraes.
Sediohas da Arara a 360 rs. o covada.
Vendem-se sedinhas para vestidos 4e se-!
filiora a 560 rs. o covado ; cassa-seda com
palmas solas a 500 rs. o covado ; chaim
de cores para vestidos de senhoras a 500
rs. o covado ; sarja de Copos para vestidos a i
400 rs. o covado ra da Imperatriz, leja do I
iran n, 56, & Mendes Guimaraes.
Madapolo francei cnfeslado a 1000 rs.
Vendem-se pecas de madapolo rancezj
enfiestado a 40 e 3500 ; pecas de algodo
encorpado a 40, 40600 e 50500 ; madapo-
ISO inglez com 24 jardas marca ainha a70J;
dito Elephante a 70500 ; dito n. 6 fino a
85 ; dito n. 7 a 9 ; (lito de cora dourada
a 100, todos estes madapoles s3o muito fi-;
nos : ra da Imperatriz, loja da Arara de
Mondes Guimaraes.
Ii"ii|i frita da Arara,
Vemle-m-so uniformes completos, com) |
sojam : paletots, calcas, coleleu de casimira
ingleza a 10JP e 120; calcas de. brim e
meia casimira a 2 ; paletots de brim de
cores a 20000, e 3 ; ditos brancos a 30 ;
ditos de meia casimira a 35500 c 40 ; se-
rouias do bramante francezas a 1*000 ; ditas
de linho a 0 ; camisas frapcezas a 10600 ;!
ditas muito linas a 20 e 20500 ; ditas de I i- ]
hIio inglozas 39 ; camisas de meia para ho-
mem a 500, 800 rs. e 10 ; collorinhos de1
liKho a 300 rsi; ra da Imperatriz n. 56.
llaliVs da Arara a 3-M100 rs.
Vendem-se baldes de arcos americanos de!
i 20, 23, 30 o 40 arcos a 3, 35500, 40 e
i 49500 ; ditos de brillianlina a 40 ; ditos de
dita milito grandes a !?6 O : ra da Impe-'
ratriz, loja da Arara n. 36.
Lencos de seda a MlO rs.
Veudeai-ee lencos de seda de urna s cor'.
inuito linos a 800 rs. : ditos eslampados a
15, ditos com franjas a 10500 : ruada
Inperatriz n-56.
1 Arara vende ras colchas aielludadas a 80000.;
Vendem-se ricas colchas avvlludadas para i
cama a 80 ; ditas de fuslao a 50 ; ditas de |
damasco a 40: ditas de chita 20 : ra da i
Imperatriz n. 56.
f'tssa da Hussia
Vr.nde-scemcasadeN.O. Bie-
hrr *!, succcssorcs, ra da
iiuz r. 4.
.Machinas para desearocar algodo -
Veodeoi-se machinas para desearocar alcodao,
as quaes descaroc.im com presteza e perfei^lo,
sendo seu processo muito simples: para ver e tra-
tar, na fabrica da travesa do Carioca n. 2.
~k 1 $000 0CH1I0-
,\a talierna do Campos, na ra do Imperador n.
28, vende-sc o rento dos charutos suissos a 15-
Os ('stts
OS HAN AMAVANT1
E
Pama pertiuax uurac-o
1>E
ESCRFULAS,
9 ER0PC05S ES0R0FLOSAS,
Ulceras SYrHILLS. W MAL VENREO.
TT1I0RES,
i:U*iIli<;of.,
B'ERTOEJAS,
PKTHLBi,
Ilydropisia,
Empigens,
HERPES,
lartros,
BlHffRMS
KStORKPIO,
Tiiilra,
CHAfiAS ANTIGS
Rhei2maisr?o Chron(cot
JKBLIOAPE KKRAL,
MavBBade, NVviaiuias,
Fiffl III! iPPETITE. FJ8I10,
SUPPRESSO DAS REGRAS, ou
AMENOR^HEA,
Hlili P fllB Bfflffi
ReteiiaSo fe trinas
i:.MA U'H ,:,,;,,!/, -III'utO fli-Oljo crpO,fri-<,i'f.
.'i'iiie. BRABHACM EH0K1CAS,
ATeo^oss Obrocicas do Figado,
ASUil COMO I..!)..., \.~ UJHM ilMII.IIANTKS M(|.
i'-M.';. l'MXCIPAbHim wt'AXBO sao
'.U'^VUAS, o PKODCnDAfl l-i-:i.o Mil
i.ivi.k rao no IfraccBo 6
l'IXT.-O,
mIu rrnna inmbim pela freqatulo nx* do MR-
SKNIfO r oiiiiim |ii'<'|>irn./eii Mtitrrur*i'
Toda3 estas Bnfeimidades prompta e eficaz-
mente cedem beu jfica. poderoza e
ptirificautes qiia'idades da mui
justamente afamada
MFAIPBWUH E BRISTOL
t0OOi nhra a........30500
30500 Du' de ditas cruas para I>onjra a 2400
20800 Baralhos muito litios para voltarete a 400
,(230-41618 de India com 100 jardas a 30
800 Carloes de Un ha branca e do cores a 20
10400 Nuvellos da iinha com 400 jardas a 60
10000 itos mto grandes com 800 jar-
40000 dasa .......120
Soy. Car toes de Iinha com 200 jardas {est
--------1 se acabando a...... 60
Vara de lita prela com cohetes para
vestido, e tena um resto panda a 160
^^%^
hw:m seu\;xirjo.
fcjeetos "Na ra doOueimado, ns. 49 e 55, est
qeeimaudo tudo pelos preces abalxo deela-
rtdos, e prestem toda a ailenc5o para wr
oque hom ebarato.
Hiziade facas egarfos muito finos a -20300
.ila dita dita -de cabo pneto muito
finas a.........30200
'Dita dita dita de bataneo, memoria 50500
Tesouras para costura, muito fi-
nas a .........400
Ditas ditas para unhas, muito finas a 400
Cartas de alftnetes de ferro a 80
Ditas dito6dla 13o muito finesa 40
Ditas de dito grandes.....r!20
Caixasde phoplioros de pao ... 10
Grosa de ditos do gaz a 20200
Duxia de dito dito a -200
Massos de palitos para denles a 100
Abotoaduras para coletes a IGO
;Escovas para;roopa,muile finas a 400,
500 e ........ 890
$Ej?i m;<- i \jo
PECIIINCHA.
Perfumara de superior qualidade.
Orival sem segundo, ra doQueimado.
ns. 49 e 55, est disposto a vender mais ba-
rato que nunca vendeu, para o que queiram
ver :
Diwia de sabonetes finos a 720
Sabonete ingle*, o melhor, a 160
Frascos com agua de Colonia muito
fina a ..,....., 400
Ditos de dita grande a {00
Ditos de Lavande ambreado, ame-
Hior, a........500
Ditos de macaca eleo muito bem a 400
Ditos parola muito superior a 200
Ditos de oleo de babosa a 240, 320.
400 e......... 300
Bitos de banha branca a 320
Dito de cheiro muito lionilos a 500
DKosde banha, pequeo, muito fina
1 a..........200
Ditos de opiala a 200 rs., e boa a 900
Ditosde banha japoneza a 800
Ditos de banha transparente a 720
Ditos de oleo frtocomie a 800
NOVA LIQUIDACAO
de fazendas inglczas, francesas, allenia? c sulsaas,
que se pretendem liquidar antes da festa do na-
tal, por presos baratissinios, aflm de apurar di-
nheiro, sendo a maior parte destas fazendas in-
teiramente novas, chcgadaS pelos ltimos vapo-
res ; de todas se dao amostras, dcixando nenlior :
na loja c armazem do pavao, ra da Intpcratriz
n. 60, de Gama & Silva.
As laiinlias do pavt).
Vendem-sc as niodeniisshnas laazinhas com 9
palmos de largura, sondo Usas e de quadrinhos,
proprias para vesiidos, c*j soulanbaques pelo
barato preco de 15200 o covado, ditas com 4 pal-
mos, lisase dequadrinhos a500 rs., ditas paribal-
dinas a 400 rs., ditas enfetladas de quadrinhos a
360 rs., bareges malisados milito finos a 500 rs.,
laazinhas transparentes com palmas de seda a 500
rs., ditas matisadas a 320 rs. o covado : s na loja
do pavao, ra da Imperatriz n. 60.
Os cartts de caraliraia qire vende o pavio.
Vendem-se cortes de camliraia branca com ba-
ados a 20500, ditos a 35000, ditos a 45000, ditos
chiaecesa 45000, pecas de camhria transparentes
adasmacadas proprias para vestidos, tendo 8 varas
e meia a 35000, ditas lisas brancas c de cores a
25500,35,35500, 4-5 eS5, pe?as de cambraiadeca-
focinhos tendo 8 varas e meia cada urna, sendo bran-
cas e de cores a 35500, ditas a 25500, pegas de
cainbraia para cortinados, sendo tapadas e trans-
parentes com 20 varas cada pega a 95000, isto lu-
do para apurar dinheiro : na loja do pavao, ra da
Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Os <*les do pava de Morambique a 4:000.
Venem-so os mais modernos chales de Mozam-
bique, sendo de urna s cor, com barra e muito
grandes, pelo baratissimo preco de 45000, afflan-
canflo-se serem os mais modernos do mercado, di-
tos de merino estampados a 25000, ditos a 35000.
ditos muito linos de crepen com 4 pontas e pona
redonda a 65000, 75000, 85000 c 95000 : s na
toja do pavae, ra da Imperatriz n. 60, de Gama A; igualmente proporcionados. Isso pois, as-
SllvaV j 1 j-AA 1 i ...vsn isimsimplesmenledilo lalvezpouca conside-
Grosdraaples al:.>00, na loja do paiao. .Ipseimauar c fa-
Fazendaa 15500, 15600, 15800 e 25000 : sna raca0 merera, porem paraje>e Pnmar c 1
oja do dmm, ruada imperatriz n. 60. zer o comprador reconliecer a verdade c a-
I preciar o extremo da barateza, e necessarto
0 pa>o 'Tcade chapeos de sol para seulioras 1 ^ se dirjam com dinheiro; a ra do
-, i:!m\ a Queimado loja d'Acuia Branca n. 8.
Vendwi-sechapeos deso, a ingleza, sendo co fir... Minamira
bertos de linho e forrados de verde, propnos para 7 ,,?1; ,,,.,,,
senhora* la grasa econmica, cuja supenondade esta ge-
Fiisto do pa\5o.
Vende-se fuslao branco para resudo c roopa de
meninas a 800 rs. o covado, dito de palmii'ias a
320 rs., tarlatana de palminhas a 320 rs., lii bran-
co liso, e tarlatana branca e de cores a 800 rs. a
vara : na na da Imperatriz n. 60, loja de Gama &
Silva.
As hretanhas do pavo.
Vende-se brenilia de algodo Clil P< has de
rolo, rada peca com 10 varas, pelo diminuto pnco
de 35200 cada pica, as 111 como Unjo* brancos
muito superiores a 2| a duzia : na loja do pavao,
ra da Imperatriz 11. 60, de Gainfl A: Silva.
A earnatlia do patio.
Vende-se cera de carnauba em saceos, por preco
muito cm conta, ou mais barato do que cm outra
qualquer parto : a tratar na na da Imperatriz n.
60, loja de Gama & Silva._________
A AGU BRANCA..
Lahyriutlios c lucos,
t5o baralos.que o'comprador admira.
Esses lahytinthos e bicos se applicam a
diversas obras e lins, e sempre cun provei-
to por suas forlidoes e duracSo,- hoje mais
do que nunca, convem a todas as familias
compra-Ios para aproveilarem-se da occa-
sio em que cites s5o vendidos Uto tontos
que na verdade o comprador admira, e bem
se pode dizer que por taes procos nunra
mais liaver. Os iabyrinlhos sao do nuves
e bonitos desenhos das larguras da qualto
dedos at mais de um palmo (ou lies a diz
pollegadas) e os limitados precos sito de 10
a 35 a peca de dez varas, variando osles em
relaco a largura. A ser em varas liaver
mui pequeas differencas, os bicos porm
principiam por mais estreitos al a maior
argura dos Iabyrinlhos, e os precos sao
levarem inara a escola pelo barato preco de 15000.
ditos msrqucrinhos de seda com franjas e cabo de
domar a 25500, ditos de seda para homens, sendo
com annaciio de baleia a 65000 e 75000, isto para
apocar dinheiro : s na loja do pavao, ra da Im-
peratriz o. 60.
O-pi'in vende cachemiras da Eseossia, corte
2:240, covado 610 rs.
Vendon-se cortes de cachemiras da Eseossia,
para calcas, pelo barato prceo de 25240, tendo da
mesma 4azenda para vender em covado a 640 rs.,
sendo esla fazenda muito encorpada, a imitacaode
casemira, e garante-se que nao desbota. Tambem
se venduui corles de casemii a ingleza, de cores es-
curat> para calca pelo barato preeo de 15800 cada
corte, ota a 500 rs. o covado : s na loja do pavao,
.ra da Imperatriz n. 60.
9 pavio'vende os vestidos brancos bordados.
Vendem-se os mais ricos vestidos de camlnaia
brancos, bordados croch, sendo os mais moder-
nos que *tom vndo ao mercado, tendo as saias 4
palmos, e vendem-se pelos baratos precos de 105,
125 e 50i)0 : s na loja do pavao, ra da Impe-
ratriz o. 60, de Gama iV Silva.
A's pechiiiclias do pavo, antes que se acnliem.
Ricos tortee de cainbraia branca com babados e
duas saias bordadas croch, tendo bastante la-1
zenda (tara vestido, |m-Io baratissimo pre^ode 35000 |
cada um, ditos de camliraia de seda com barra e
babados a 5500, para acabar, cortes de vestidos
ramente reconhecida ; essa boa graxa se torna
recoramendada, tanto porque o calcado lastrado
somella derxa perfeitamente lustroso ao menos
es dias sem necessidade de novo unto, v 01110
nesmo porque sua preparacao appropriada^iara
imaciar e conservar o couro ; ella vem em c;ii>
ihas e barrizinhos, e acba-se venda na rea di
Jueimado n. 8, loja d'aguia branca, aos reromidoz
iremos de 400, 500 e 6i0 rs.
Penes de concha.
Com as novas e diversas puarnicSes de
pentesque a Aguia branca acaba de rere-
aer, veio tambem urna pequea qoalidade
de penlesde concha que com gracj e acer-
tadamente servem para o moderno atado dor.
cabellos EllessSo de bonitos c agradaveis
moldes, edetamanho pequenino comocon-
?em para o fim que sao. E' esta a primei-
ra vez que d'elles aqui ebegam, por isse
pie a moda novissima, pelo que ganha-
r5o a palma aquellas senhoras que primei-
ro se apresenlarem com elles. para o que
>s mandarn comprar na lo;a d'Agtiia Rran-
;a, ra do Queimado, n. 8
('apella*, flores e lavas ef>ia-
das para noivas.
Pelo ultimo paquete a Agoia-branca rece-
Mara Pia, sendo fazenda de bonito gosto a 35500, "eu os artlgos cima sempre necssarios As
cortes de cambraia blancos com babadinhos a 25, j QOivas, os quaes, segundo suas recommcii-
enfeites para cabeca, sendo Garibaldi e turca a I dames vipram l matA a-u ... e -,
45000, dUos eom llla.s a llores a 25000, camiziuhas! m; ,j 'un,Tc g5l' V*^-
bordadas para senhoras a 16000, manguitos de va- UJe'ue ueilcactOS.
ios modelos a 400,500 c 6i0 rs., caleinbas para i As capellas sao de mui moderno e agr
meninas aSOOe 640 rs., gollinhas bordadas a320 davel molde, de finas flores p acahadas ,rm
Ors., sedas de quadrinhos a CO, ditas de listas todo o esmlt):TSS\slKo
RIVAL
SEM SEGUNDO.
O|jjeeto. diversos^
Ra do Queimado, ns 49 e 55, vende os.
objeelos abaixo declarados, pois para aca-
bar; estes precos n5o sao para connuar,
masas nesessidadesassiui o permilte.
Pares de luvas de algodo finas a 80
I Caivetes de aparar penas, de I fo-
, Iba a ,........ 80
Ditos de2 ditasa......10
; Caixas de colxeles francezes a. 40
Duzia de dito francez a 360
Massos com grampos lisos e de cara-
col a .........
Duzia de dedaes de metal em caixi-
aiOO rs. o covado. rusti para vestidos e roupinlias
deoneninos a 320 rs. o covado, alpakim ougorgu-
rito.de linho a ib 320,4's. o covado, toalbas de linho adamascadas,
para rosto a 15000, vestuarios para meninos e me-
ninas a 15600 e 25000, tiras bordadas e entremeios
mais carato que en; oulra qualquer parte, tudo isto
peekinclia e vende-se para liquidar : na roa da
Imperatriz n. 60, loja e armazem do pavao, de Ga-
ma & Suva.
Sedas dft.pavo a 500 rs.
Vendem-se sedas de quadrinhos com pequeo
toque de mofo, pelo baratissimo preco de 500 rs. o
covado, ditas em perfeito estado a' 800 rs., ditas
com listas, para acabar a 400 rs., gorgurao de seda
para vestidos c roupa de aieninos a 15000 o cova-
do : na loja do pavao, ra da Imperatriz n. 60. de
Gama & Silva.
0 pava ende raseuiiras a 1:600.
Vendem-se casemiras francezas enfiestadas, pro-
prias ipara' calcas, rolletes, palitos c capas para se-
nhoras., por ser de urna s cor, sondo fazenda que
sempre j*? vendeu,1 :i-:>000. liquida-so a 15600 o.
covado : na loja do pavao.
Assucar do Montetro
Ra do Imperador n. 28 e caes de Apollo n.
67, a 200 rs. a libra, e de 8 libras para cima
a 5iS600 aarroba.
Pec/iincha
Na fabrica da travessa do Carioca n. i ven-
de-se por preco muito commodo oleo de ricino
muito novo, em latas de diversos tamanhos, pro-
prias para os fazeudeiros, senhores de engenhos e
casas de familia ; assim como tambem se vende
azeile de mamona purilicad para luzes, o qual
lem a propredade de dar urna excellenle luz, sem
fumaca e muito econmica, sendo muito propria
para usar-se cm lamparinas de quarto, candieiros
de sala, lampadas de igreja, etc., e o seu preco
muito menos do que o azeite doce, geralmente usa-
do para o mesmo fim.________________
Lelte 110 Kecife.
Do dia 17 em diante haver leite liquido a 320
rs. a garrafa : no oitao do predio da ra da Cadeia
do Recife em frente do passadico________________
Meias do Portt.
Vendem-se na loja de ferragens na ra da Ca-
deia Velha n. 41, meias de linho e igualmente de
algodo, por preco muito commodo._____________
Alanpal ne comas feilas
para compra e venda de assurar e outros gneros,
obra muito til para os negociantes e senhores de
engenhos; pois com um lance de vista pode-se
saber o valor de quaesquer quantidade de arrobas
e libras : vende-se na livraria econmica ao pe do
arco de Santo Antonio.
Baldes de 30, 35 e 40 arcos a 35': na ra do
Queimado n. 44.
Farlttha de mandioca.
Vende-se farinha de mandioca da melhor e
mais nova que ha oeste mercado : no escriptorio
do Manoel Ignacio de Oliveira & Filho largo do
Corpo Santo n. 19, ou a bordo do palhabote Via-
mao e brigue Minerva, ancorados no caes do baro
do Livramento.
riba de vidro ,
ra" rCarSz! jSTdC^voVc^ ^ro de ^ ^ **
da Madre de Dos.____________________ Ditosde bao "que serve" pa'ra fin-
Na ra do Imperador n. 28, armazem de mo- teiro a ........
Ihados, do Campos vendem-se velas stearinas para Grosas de botoes de louca prateado a
carros, rap de Lisboa em libras, assucar da fabri- pflr a lran/.9 -, nM,j
ca do Monteiro em libras e arrobas, ameixas rai- eV>S encarnaaa a
nha Claudia em doee la'3 m fana at. *a i. Varas
40
320
160
.0 organd ilo pa\ao a $00 rs.
Vende-se finissimo organdy matisado, branco,
para vestidos., pelo baratissimo" preeo de 500 rs. a
vara ou 300 rs. o covado, cassas francezas finissi-
mas a 240 e 28 r. o covado, ditas om palmas
grandes, fazenda inteiaiaente moderna a 440 rs. o
covado : s na loja do pavao, ra da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
0 pavo leude os rclallios.
Vendem-se por precos baratsimos, poreao de
retalhos de chitas, cassas e laazinhas : na toja do
pavo, ra da Imperatriz 11. 60.
As chitas dopave.
Vendem-se chitas francezas, escuras, a 280 rs.,
ditas a 320 rs., ditas a 360 rs., ditas matisadas mui-
to finas a 400 rs., ditas freas largas e estreitas,
ditas matisadas com florees proprias paracobertas :
na loja do pavao, ra da Imperatriz 11.60.
latas com figos de 4 e8 li-
bras, barricas com cal de Lisboa para fabrico de
assucar, e mais objeelos por preco commodo.
aca-
Cal de Usboa
a mais nova do mercado : na ra do Vigario n.
19, prieirmo andar. __________ ^^^^
lil PSITO
O deposito de vemiz ou alcatrao do gaz no ar-
mazem da bola amarella no oitao da secretara da
polica ; vende-se por grosso o a retalho pelo preco
da fabrica. .
F\ZKM)\S'
Levada
Da melhor que ha no mercado, vende-se s sac-
ca, em grande e pequea poreao, e mais barato
que n'ontra qualquer parte : na ra da Croz n;
3, ascrialono da Antonio de Almoida Gomes.
para ver no trapH*e bario do Livramento.
baratas para acabar.
Sedas de quadros e de listras a 320 rs. o cova-
do, lindas las de quadrinhos a 360 o covado, su-
periores cassas de cores a 200 rs. o covado, ditas
muito finas a 240 o covado : na loja das colnmnas,
na roa do Crespo n. 13, de Antonio Crrela de Vas-
concollos & C.
Barricas com bren : na ra da Cadeia do Reci-
fe, loja de ferragens de Basios.__________________
Grande pet hincha de veslHos.
Na ra do Imperador n. 59 junto ao passo, rece-
ben nm sortimento completo de cortes* de vestidos
de poupelina, cada um corte no seu competente
cartao, contendo cada nm S!6 covados, pelo dimi-
nuto preco de 65000, por isso convm aproveitar a
boa occasio.
de bicos e rendas, para
bar a ........ 60
Varas de labyrinto de 3 dedos de
largura a ;...... 100
i Ditas de pos para den tesa ... 100
; Pentes de tartaruga a 3-$0O0 e ; .. 30300
j Resmas de papel de cores a 25000
Kua da Scnzalla Nova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a 110 rs., idem de Lo*
Moor libra a 120 rs.
IflO OpaKui vende ns cortinados.
160 Vendem-se ricos cortinados adamascados pro-
._ 1 prios para janellas, e camas para noivos, pelo ba-
j rato prego de 95000 e par : na ra da Imperatriz
n. 60, loja do pavo.
Potas*: da Russla.
Acaba de chegar para o antigo e acreditado de-
- Vende-se muito bom doce de cajd seccoTd '< R?*'?0 d.a.a da.C:-dei2 do Rec''e !h 26> proceden
calda, assim como de todas as uualidades, e .bem
assim toda a qualidade de bolinhos, e faz-se bande-
jas de encommenda,tudo por precomuito em conta,
no caos do Ramos, primeiro andar, sobrado do Sr.
Jos Hygino de Miranda.
te de Hamburgd em
Mario.
7 do corrente pela escuna
LlfUIllACAO
Chitas largas hamburguezas muito finas, cores
escuras eflxas a 280 o covado, por terem um pe-
queo toque de mofo, que com facilidade lavando
larga, e da mesma da-se amostras: na raa da Ma-
dre de Dos n. 16, loja defronte da alfaddega.
Latas linas.
A nova loja da aurora na ra larga do Rosario
n. 38 recebeu ricos jogos do vispora com marca-
dores de metal para marcar os nmeros, muito
proprios para qualquer familia divertir-se, assim
como tambem recebeu lamparinas com seu pro-
prio copo, as mais modernas que tem chegdo,
lencos de linho bordados com bico tambem de li-
nho, multo proprios para qualquer senhora ou me-
nina, os quaes se vendem barato.
GRANDI2
PECHINCHA
Madapolo francez o mais superior que tem vin-
do a este mercado, vende-se a 600 rs. a vara, sen-
do em peca: na ra do Queimado o. 46, casa de
Guimaraes & Bastos.
Lencos de caaabrala de llnhw
bordados.
Vendem-se lencos de cambraia de linho borda-
dos muito finos sendo para acabar a 640, 15,
15500, s quem vende por estes precos na ra
do Queimado loja do beija flor n. 63.
Nossa Henhora da C'onceleio
Contina a estar venda na ra do Imperador
n. 15 a novena de N. S. da Concedi, conforme
usam os reverendos carmelitas da Reforma do Re-
cife, e tudo o mais conforme os annuncios fetos
por este Diario.
MMIK-.Nti
Di relio internacional privado e a appcacao de seas
Erincipios com preferencia s leis principaes do
raail, em 1 volume,por Dr. Jos Pimenta Rueo
85000 : no escripiorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C, roa da Cruz n. 1.
0 pavo vende para lulo.
Veude-se finissimo setim da China, fazenda sem
lustro, proprio para vestidos de senhora, para ca-
pas e roupa para homem, tendo esta fazenda seis
palmos de largura e sendo muito leve, vende-se
pelo baratissimo preco de 25200 o covado, garan-
tindo-se que n5o se torna ruca, e vende-se nica-
mente na ra da Imperatriz n. 60, loja do pavio.
0 pavio vende cortes de ralea.
Vendem-se cortes de calcas de casemira de co-
res a 25400, ditos de cachemira da Eseossia a
252iO, ditos de ganga a 15600, ditos de brim de
urna s er a 25240, ditos de castor a 15280, ditos
de casemira preta a 45000 e 55000, ditos de case-
mira fina de cor a 55500: s na loja do pavao
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os reos vestidos sonjambar-
que, que chegaram para a loja
do pavo.
Chegaram pelo ultimo vapor francez os mais
ricos vestidos soutambarque, sendo com as saias
j reitas o ricamente enfeitadas e guarnecidas,
tendo a precisa fazenda para fazer o corpo; com
seus competentes soulambarqiies primorosamente
cnleitados, vindo tudo em um s carlo, assim co-
mo as mais modernas camisinhas com manguitos e
punhos a balao ricamente enfeitados, e vendem-se
por preco favoravet: na loja c armazem do pavao
na ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os moderadsslaios vestidos do
pavio.
Acaba de chegar um variado sortimento dos
mais modernos cortes de laazinhas. proprias para
vestidos, tendo as barras primorosamente matiza-
das, trazendo bada um corte seu figurina para
amostra; e vende-se na loja do pavo, ra da Im-
peratriz a. 60, de Gama & Silva.
- extre-
mamente delicadas e proprias para enfeites
de vestidos e mesmo ornatos de cabera, sen-
Jo delgadas vergonteasde Jasmin, caobos de
resedas, e outras estimadas flores.
As luvas, porm, apreciada obra de Jou-
'in, parece que oram enfeiladas pelas mes-
an fabricantes das mimosas flores, pois ave
em gosto e perfeicao nada deixam a desej 1.
aao essas, pois, as capellas, flores e lavas
me correspondem riqueza do vesihlo, f, 1 -
aiam o completo asseio e pe feicao, ei.:-
vam a galbardia da candida no'iva. Resta
lmenle que os pretendentes munidos de
iinbeiro dirijam-se alegre c esparca lo-
,a d'Agaia-branca, roa do Qoeimarfo n. -
alendarlos semanne.^: pelo
preco todos compraro.
Sao desumma utilidad esses kalendarins
jemanaes, porque mostram aearlsdemeAc
1 data e dias da semana, sem o continuo li,.-
Dalho de bolir nelles diariamente, pelo que
je tornam necssarios e preferiveis a tolos
os outros; tanto para casas de familias, co-
mo mesmo para qualquer oulra parle c
Diincipalmente por 000 rs. cada um:':
ra do Queimado, loja d'Aguia-branca, 11. H.
Phosphoros de eera.
Vendem-se a 24o rs. a duzia de calxmli.r
le pbospboros de cera : na ruado Qucinia-
10, loja d'Aguia-branca n 8.
Inglezas : Opiata e agua d
Colonia.
A Aguia-branca da ra do Queimado n. 8
acato de receber a apreciada opiata ingle/;,.
issim como mui boa agua da Colonia tam-
lem ingleza.
Garrafas com agua da Colonia.
Chegaram novas garrafas com agua da Cu
ionia para a loja d'Aguia-branca, ra de
'jucimado n. 8.
Haravllua das bellas, novos r
delicados enfeltes para ves-
tidos.
E aprasivel a aguia branca o ter de avisa; ;

juete francez um bello sortimento de enfeit
seda denominado maravilha das bellas, os quaes
jervem tonto para vestido de senhora como para
roupmhasdecriancas. Seus novissimos e delira
ios desenhos, suas escolhidas e bem aeertadas co-
res fazemum todo agradavel aos olhos de qualquer
ivente que saibaapreciar o bom. Assim, pois r.
Juvida est em haver dinheiro, havendo-o, di'ri-
jam-se sem susto ao espa?oso e alegre ninho *
igoia branca, ra do Queimado n. 8, que acha;ao
is verdades cima ditas.
A GUIA BRANCA.
Da ra da Qnrimade a. 8, rereaeu.
Tnico oriental de K'emp.
Agua florida Murray 4 Lanman.
Dita de_flor de laranjaCondray.
Dita de"rosas--dito.
Bolsas para vlagens.
Vendem-se na ra do Queimado, loja d'Aguia
Branca n. 8.
voltas pretas
A MARA PIA.
A Aguia Branca recebeu as desojadas voltas
pretas, mui compndas e gratf"
Papel pa
Acaba de chegar papel
rior qualidade : vende-se
unto ao arco de Santo Antn
lado de supe-
ia econmica
V
Cartfiras bonrapatiicM
m marroquim, com S4 e 48 inlios, medicamenf?s
nuito novos e garautido. mais liarato que cm o<>-
tra qualquer parte : na praea do aralzo n S4.



if*M*aMia**

Mari* de PmmfciM fate.-a'ia +*? M_rt, de #*.
STAftELEGMENTO COMMERCIAL
DE
ib:
\LI)KK\RI\ K FlMICArt HK HKT4ES,
Ibeiroute da loja de -Pr*gifau
DIARTE AI.1IEI1I A
acaba* de abrir o seu grande e sortido armazem de molhados denominado Unio e.tom-
nierao. Este grande armazem um dos mais bem montados que tonos emoesf,praca,
nao s em limpeza eaceio, como as qualidades especiaes de seus. gneros. O.proprie-
tarlo do Vnifto e CMrfimfo offerece todos os senhores da praca, senhores de angeriha
o lavradores a seguinte tabella, por onde verao agrande economa que lhe resulta em
comprarem em t5o til sttbelecmttito, afianzando o mesmo todo e qualquer genwo
sabido de seu armazem. ,i
Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de conta propria, a '7bo a 800 rs, a
libra.
Idhm francezachegadapelo ultimo navio a
SBots.ti libra e em barril ter abaumen-
to.
dem 'ingleza-em potes de 4 a 16 libras a
800 rs, a libra e o pote separado,
Cha uxim o mellior neste genero, mandado
vir de conta propria a 2,8oo rs, a libra.
lde;n hysson, grande, muito bora a 2,600 rs.
1 ibra.
dem preto muito fino, a 2,600 rs, a libra.
dem preto, mais bateo, a 2,000 rs, a libra.
Meta, verde, miudinho, raaisproprio para
negocio, a 4,5oo rs, a libra.
Banlia de porco refinada muito alva a 46o
rs, a libra, e em barril se far abatimento.
Biscoitos inglezes das seguintos marcas;
Crakuel, Soda, Ceede, Captain, Travellies.
Lunch, Cahin, e outras muitas mareas, a
1 4oo rs. a lata.
Bolachinha de sdo, especial encommenda, a
2,2oo rs, a lata.
Bistnito inglez Crakuel em latas de 5, 7 e:l>
libras a 0.000 e 6,000 rs, e de l,2oo a
Soo rs, a libra.'
Qtieijos do reino pelo baratissimo preco de
l,6oo, 1 80a c 2,000 rs os do ultimo
vapor.
dem pato muito fresco a 64o rs, a libra.
dem londrino muito fresco a 800 rs, a libra.
Vinhos empipa: ljortft, Figueira c Lisboa, a
48o, 56o, e 64o rs, a garrafa, e de 3,000 a
-4,50o rs, a caada.
Miiimalaa imperial dos melhores. conservei-
ros de Lisboa em latas de i e mais libras
a 7oo rs, a libra.
Fintas em caldas das segnintes qualidades:
aineixa. ntida Claudia, peras, cerejas,
ginja, pecegos e alperch a Soo rs, a lata.
Figos em caixinhas de 1 '/_ arroba e de 8 li-
bras a H.ooo, 4,ooo, e 2,ooo rs, e a Soo rs,
a libra.
Amaaoas-de casca mole a 28o rs, a libra, e
.1 arroba ter abatimento.
Milho alpista a 46o;rs. a libra.
Paineo a 2oo rs. a libra.
Gomma muito alva para engommar a 80 rs
a libra, e em arroba se far abaiiraaata'
Sag muito novo a.28o rs. a libra.
Sabo verdadeiro hespanhol, que raras veres
venrao' nosso-mercado a 28o' rs. a I litera.
Sabao massa de superior qualidade a 18o,-
2oo, e 22o rs. a libra do melhor que W
Grate em latas muita nova a 12o rs. a ati-
nha, e l,3oo rs. a duzia.
Peixe em latas muito novo: savel, pescada,
curvin, salmao e outras maltas q sal Ha des
preparados de escabexe, segundo aarteide
cozinha, de l,2ooa 2,ooe rs. a lata.
HHo na rata do Mtmm m. 4m Jaiai
ai fund ifo do tlr. BamuM. pertenoeute a
Viltaca lr_ C.
Neste estabelecimento eacontraro os freguezes um cempleto ser ti ment
de tudo que diz respeito as artes de ctderiro, funileiro, laioeiro, ferreiro e
fund i nao, e os abiixo asssjgnados que o dirigem, promettem servir a todas as
|*pessas que se dignarem.de os procurar, com promptido, siiiceridade e pre-
oos muito rasea\eis. O dito -estabelecimento estando montado em .ponto
grande, tanto no que dizrespeitoa pessoal, como m materia prima, e tendo
habis ofciaes, pode executar com toda a perfeico e seguranca qualquer
obra tendele as artes cima mencionadas e affitamente pdem os abateo as-
signados assagurur ao pubkco que nenhum outro estabelecimento lhe pode
fornecer mafe barato e auis perfeito do que lles, Visto que recbela de sua
] propria encommenda todas as materias empregadas em ditas obras.
Alambiques simples e contintios de to- Sinos de i* libras a!8arrobas.
des os tamanhos e diMen$6es. Karafuzos de bronze e *rro para re-
Machinas de cobre para destilar e res- das d'agua.
lilar espirito at 40 graos pelos sys- Torneiras de bronze e brones para
temas de1 Logier e Dcrosne. engenho. '
Garapucas e serpenfinas e cobre, e Encananwntos de cobre echufabo de
estanto, avulsas. todas as grossuras.
Tai xas elachos de-cobre' para engenlie'ftotnbas'para catteibas, aspirantes <
e*rfinatae. I Ide repucho.
Parees de cobre e todos os cobres n*''Bombas para destilares.
cessarios para o fabrico do assacar.! Ditas para regar jardins, bertas e
Cobres para rodas de moer mandioca. rapim.
'Machinas econmicas para lavar -roupa Ditas para navios e barcacas de varias
-tmettier pebsivel. I qualidades e dimencSes.
Cobre em lenco! e arrodellas, estanao em barrinha, chumbo em barra,
leneol -taes d; todas as grossuras. .
Villana Jrrno & C.
FROGRESSIVO
mE'J) -mmixm
M
MOLHADOS
Largo id* Can f.
Grande sortimento para afeita por meaos
iO a 20 por cento do que em outra qualquer
parte.
:Duarte ilC.*scieBtificamaos seusfreguezese ao pubuco'emgeral, que acaba de che-
gar fla Europa nraseoio qae faz parte da firma, com um.grande bello sertioMaio de
molhados por elle escomidos, os quaes se rendem por. menos de lo a2wpor/d dvqne'ou-
tro qualquer annuneiante, garantindo a boa qualidade e peso de qualquer genero vendido
neste j muito acreditado que premettem, pedem todos os Srs. da praca, de engenhas entradores, o favor de
mandarem suas etieomniefidaseurelac5eB ao armazem'PfotTessivo, teftos de nao.terem
em tempo atgnm eccasBo de 'se arrependerem.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado c escomido pessoalmente por um
tBIMUDIMPERADOR38
Avise.
Teos os-Srs., qe eotnprarem paraioTnarBm a vender, terao, alm Oa.diiforefH.a
Ja poMfeada, mais 8 por % de abatimento. Os proprietarios ;tamhcmgarantem a *om
acwdicionameAto inda mesmo dos meanes-para t)-mais alto sertao.
2ua natural de C'ondllar.
muilo recommendada naslaffeccSes do Who pastro-intestina!, nosdosrinf, e bexica ourinaria, pelas
suas eronriedadesalcaiin*,* o acido farbooiro que naturalmenle conlm em suspensao de preco
maiscommodonueaagudeK.cij/.edepropriedades Wlvez superiores pela grande quantidade de
acido carbnico. Iniecrao Urou, agua d U'Cheelen, cupahiba de Mege, uyecfuo Fugas de tanate
de zinon muito recxwiiendadaias grtn&rrhras. Le noy franeez verdadeiro ; na mesma casa tem
dos socios que se acha em Portugal, das J^3 caisas de insirnmeinos rirargicospara operacSes de Matieu e Charnere.
seguintos marcas : Duque, Genuino, Te-
Iho wcoo especial, Lagrimas Doces de
1819, vinho especial D.. Pedro V, vinhry
velho. Nctar superior de 1833, Duqueldo
Porto de 1834, vinho do Porto velho su-
perior, Madcira Secca de superior quali-
dade, vinho do Porto superior Lwz .
de 1847, Lagrimas do Douro, especial vi-
nho do Porto, de l.ooo a i 2oo rs. a gar-
rafa e de 10,000 a 12,ooo rs. a caixa com
urna duzia.
'thas de Nantes a 32o rs, a iatinha.
...10 de Li-boa a 36o rs, a libra e
arroba ter abatimento.
em
Masa de tomates a 64o rs. a libra.
Pimettta do reino a 34o rs. a libra,
Faiinha do .Maranlio a 14o rs, a libra,
Cebte a 4oo rs. a restea.
Tijollo para limpar facas a 16o-rs,
Cerrej das mais aoreditedas marcas de 5,ooo
dem Bordeaux de differentes marcas^ garanr.
te-se a qualidade, a 8.000 rs. a caixa eom
urna duzia, e a 7oo rs. a garrafa.
Garrafes com 5 garrafas de vinho do"'Porto
do Alto Douro a 2,2oo rs. com o garjafao.'
dem com 5 garrafas de vinho Figueira, mais
proprio para a nossa estacao por ser mais
fresco a 2,4oo rs. com o garrafo.
dem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.',
o garrafo,
Vinho branco o mellior neste genero a 600 rs,
a garrafa e 4,ooo rs. a caada.
Vassouras americanas a 800 rs. cada urna.
Velas de spermacete as melhores que ha no
mercado i 56o e 64o rs. masso, eem
caixa se far um grande abatimento,
dem de carnauba e composicao, de 4eo a
32o rs. a libra, e de lo,ooo rs, a MffM
rs. a arroba,
Cafe de P e 2a sorte de 8.3oo a 8r(>oo rs
arroba, e de 28o a 3o rs. a libra do
Ihor,
Arroz da India, Maranho e Carolina a 3.000.
2.800 e 2,4oo rs. a arroba e a loo rs. a
libra.
Fl \IIIC AO IIO BOWJUAJ-RLTA DO
II Rl n \. 38.
Bste muito acreditado estabelecimento est prvido de um completo sortimento de
machinismos proprios do fabrico de assucar, a saber:
Machinas de vapores as mais modernas e mais acreditadas.
Rodas d'agua de ferro com seus pertences.
Moendas' e meias moendas de todos os tamanhes.
Redas dentadas, angulares e deespra.
^Taixas de ferro batido-e coado.
Boceas de fornlha pelo novo systema Wetson.
Alambiques de ferro fundido.
Fornos qara cozer farinh a.
TMoinhos para moer maridioca.
Arados americanos, etc. etc.
a 7,000 a du/.ia, e de Soo
rafa,
a 600 rs. agar-
vatv Rl\ Al.
Loja re winde/as.
I!na rto V inmdo n. 11.
Pecas de tranca de llanrota lisa .
Ditas de tranca branca de caraol .
Ditas de tranca de caracol inesclada
Ditas de lita tfreta de velludo 15 e .
'Ditas de dita dita lavrada 800 rs. e .
Ditas de franjas pora cortinados .
Ditas de franjas brancas etfroilinhas
Ditas de uta de seda de cores .
Ditas :de ditas dita larga 806 c .
'Ditas com 22 raras de galao branco. .
tlitas com 40 *aras de gato de cor
Varas de lita para cintos ....
Fivelas de ago e de pedrinhas para cinto
Gravatlnhas para senhora ....
Ditas para homcm e para senhora .
Ditas com passadnres i$ 't>
Garlas de alliaetes......
Pacotes de papel de cores pequeas .
Caixinbas de papel Amizade superior
Caixmbas de ewvclopo 800 rs.
'60
!80
iifiOO
640
10600
iSAW
15000
13280
100
700
900
1,5000
Prezunto para fiambre muito fresco e novo
a 800 rs. a libra,
Genetea fie laranja a 9oo rs, o frasco,
Ciiouricas as mais frescas do mercado a 800
ra. 1 libra,
'.;'ignac verdadeiio iuuiez a 9oo rs. a garrafa,
lo,500 rs. a caixa rom urna-duzia.
Licores franceses a< segmutes maruas: Ah-,
/ote de Bordean, i'laisir des damas, ede'
outras muitas marcad a lo./xvirs. a dti/.ia.
e a l.ooo a garrafa.
PattM muito nova.-> a 800 r*. a libra e a 8,5oo
rs. a caixa. Ha cautas, ineias e qnartos.
H;itatas a l.ooo r o gigo com 38 libras.
Il'ilachinha ingleza a 4o<> rs. a libra,
A/e.ito francez c potingue/, refinado a 800 rs.
a garrafa, e l.ooo rs. a caixa com urna d*>*
zia.
Conservas iagtocM das seguintes marcas':
Mixed. Pickes, e ceblas simples a 800
rs. o frasco.
Mostarda ingleza propai ada em potes a 4oo
is. o p?te.
Grao de bico a 16o rs a libra, e em arroba
ter abatimento.
Vasos inglezes vastos de 4 a 16 Idras, muito
proprios para depositodeauatoiga, doce,
e outro qualquw liquido, de ,*>* 3,000
rs. cada un.
Palitos do gaz a 2,3oo rs.. a gxaa e 2o rs. a
caixtnha.
Frasqueira de genebra a 5,800 rs. e a
rs. o frasco.
Azeite doce em barril muito fino, a 64o rs.
a garrafa, e em caada ter abatimento.
so a 3,5oo' rs. a
Papel greve pautado e
resma.
Genebra de Hollanda em
44o rs. a botija.
botija de conta a
Champagne a melhor neste genero a-25*oou
rs. o gigo.
Racallio a 14,aoo a barrica.
Ervilbas fianceza e porlugueza a 640 rs a
lata de urna libra.
Chocolate francez, hespanliol, roisso e por-
tugus a l,ooo rs. a libra, e a 28o rs. ca-
da pao de urna V.
Garrafes vasios de a garrafas at 3 caadas
de 5oo at l,3oo rs. cada um.
Ditos de hanha franceza "300, 400, SOO e
Ditos de agua de Colonia M), 800, t e
Ditos de legitimo oleo de babosa SOO c
Duzias de canudos de pomada da trra 240
Mhsos de superiores palitos de denles 240
Caixinbas rasias que servem para guar-
dar joias, ouro 300, 400 rs. e SOO
Passadores para grvalas .... SOO
Conservadores de contiohas e frocos 900
Golarcs de perolas com cruz 15 c 15280
Vdllas pretas muito grandes 2^000
flrampas a balo....... 800
Ricos cintos com Ovejas de pedrinhas 35008
Gollinhas esmaltadas de continhas 15000
Luvas de pellica branca .... 1400
Bitas de Escossia brancas e de cor 500
Pentes de atar cabello 80 rs. e 240
DUos de massa em caixinbas 400, 640 e 800
Ditos virados imitando tarlaruca 1,5600
Ditos pretos linos com marrafas 38000
Ditos donrados com marrafas 3*500
Ditos esmalLidos com marrafas. 5*000
Ditos de tartaruga 45 e 55000
Fitas e ordoes para enliar esparlilhos 80
Infladoras para borzeguins .... 160
Gtavas de reirs preto e de nares 160
Escovas para denles 160, 380 MP
Tesouras diversas 60 rs. e 20
Ditas finissimas 500 rs. e 800
Oculos de armacao prateada "500 e 800
Ditas de armacae de acc 80* rs. e ittOO
Gaixinhas com 100 agulbas francezas 240
Ditas com 100 ditas da Victoria 320
Ameixas francezas em caixinbas elegante-
mente enfeitadas, cora diversas estampas
no exterior da caba de 1,500 a 3,000 rs.t
cada urna; tambera ha frascos e -latastie
differentes tamanhos que se vendem per]
mdico prego.
Wassas para sopa: macarelo, talharim e alc-
tria a 48o rs. a libra, e em caixa se far1
abatimento.
Garrafes com 14 garrafas de genebra de,
Hollanda a 5,Soo cada um*
. 1
Charutos de todas as marcas e dos raeBio-
res fabricantes da Babia de 3,ooo a 4,oo
rs. a caixa.
Chegdo pelo vapor:
H6 parao vigilante, ra do Cres-
po n. 9.
At que chegaram as muito desejadas cascarri-
nas de todas as cores com urna litinba de velludo
100' no centro, cousa muito elegante para enfeite, assim
15400 como de outras qualidades, e pragos muito razoa-
15200 veis : s no vigilante, roa do Crespo, n. 7.
:I5000 i Para dar de minio.
800 Chegaram as riquissimas Iwnecas de todos os
360 tamanhos, vestidinhos ricamentt enfeitados, cada
USOO um em sua caixinha, proprianicnte para um deli-
15600 cado mimo, iwr baratissimo preco : s no vigilan-
te, ra do Crespo n. 7.
Para os senhores hachareis.
Chegou tempo a riquissima fita de chamatote
para cartas dos 6cnhores hachareis, assim como
branca, lisa, propria para abrir letras, ou para
sintos : s no vigilante, ra do Crespo n. 7.
Peulea de marrara,
lambem chegaram os riquissimos pentes de
marrafa com pedrinhas.os lindos pentes de regaco
meiasde seda e sapatinhos proprios
senhora, lt;*
trancas de laa.
Ihca, e lio de
50001 EsTOC'a e camurca, allinetes de caneca chata, car-
IISOO ,(>'r'ihas om 'odas as agalhas precisas para cos-
K00 llira- f|Velas de madre|ierola esmaltadas de ac
para sintos, flores de todas as qualidades, caixinhas
com pasliihas de perfumaria, abafadores de laa
para senhora, toucas e sapatinhos de laa, pulseiri-
nhas de borracha para segurar manguintos, Atase
conloes de borracha, sabonetes redondos, ditos
chamados de familia, pomadas de todas as quali-
dades e dos fabricantes mais afamadas, clcheles
prafiados muito finos, retroz de todas as qualidades,
retroz em carretel c em novello, e de meada, de
todas as cores, escovas para denles, ditas para rou-
pa, ditas para chapeo e ditas para unha. de todos
os precos, e outros mais objectos, que se tornara
enfadonho annunciar,e vista dos freguezes pro-
nn-tte-se fazer todo o negocio: s no vigilante, ra
do Cesno n. 7.
|:Mantejga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de conta propria, a 800 rs. a libra.
Rlem franceza chegada pelo ultimo qto a
56o rs. a libra, e em barril ter abatimen-
to.
dem ingleza em potes de 4 a 16 libras a
800 rs. a libra e o pote separada. .
Cha uxim o melhor neste genero, mandado
vir de conta propria, a 2,8oo rs. a libra
dem hysson, grande, monto bom a 2,6oors,
a libra.
dem preto, muito fino, a 2,600 rs. a* libra.
dem preto, mais baixo, a 2,ooo rs. a libra.
dem, verde, miudinho, mais proprio para ne-
gocio, a l,5oo rs. a libra.
Banha de porco refinada muito alva a 48o
rs. a libra, e em barril se far abatimen-
to.
Biscoitos inglezes das seguintes marcas:
Craknl, Soda, Ceede, Captain, Travellies
Lunch, Cabin, e outras muitas marcas a
l,4eo rs. a lata.
Bolachinha de soda, especial encommenda, a
2,2oo rs. a lata.
Biscoitoinglez Crakael em latas de 5, 7 e 15
libras a 5,000 e 6,ooo rs. e de 1,2*0 a
800 rs. a libra.
Batatas muito novas a 5o rs.
Queijos flamengos chegados neste ultimo
vapor a 2,2oo rs.
dem do vapor passado a 2,oooe l,8oo,
dem prato ebegado ueste ultimo vapor,
muito fresco a a 4oo rs. a libra e intei-
ro se far abatimento.
dem londrino muito fresco a 800 rs. abra.
Vinhos em pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
<48o, S60, e 64o rs. a garafa, e de 3,ooo a
4,5oo rs. a caada.
Marmelada imperial dos melhores consenti-
ros de Lisboa em latas de 1 e mais libras
a 7oo rs. a libra.
Frctas em caldas das seguintes qualidades:
ameixa, rainha Claudia, peras, cerejas,
ginja, pecegos e alperch a 5oo rs. a lata.
Figos em caixinhas de 1 '/arroba e de 8 li-
bras a 8,000, 4,ooo e 2,ooo rs, e a 3oo rs.
a libra.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra, e
em arroba ter abatimento.
Sardinha de Nantes a 32o rs. a Iatinha.
Cortinados bordados.
Superiores certinados bordados para camas fran-
cezas, ou para portas : vende-sn gmente na roa
do Queiinado n. 46, loja de Guimaraes & Bastos.
Cal d> Llaboa
ahogada ltimamente ; na ra do Vigario n. i9,
primoiro aitar._____________
Em casa de Mills Latham C na ra d-
Cruz n. 38, rende-se ferro galvanisado de um doa
melhores fabricantes inglezes, proprio para cobcr*
tas de casas.
r-ti -1"
LOJA 1)0 FlEt!(;\
2.
Todos OS 5
tA
Quem deixar de comprar caixas com duasar- ^
rotas.e batatas, *ek> tareto preooe baratas Ra 00 UWUliaflt B
e-peitfeiMMeflte novas : na roa da Madre de Deas Yendero-se |Hcas de madapula fmo enfeudo!
ns. 5 e 9. com 12 jardas por 55, caainraia ^ireta a OO rs. *
vara, meias de seda de poso para moninas de 4 a
10 annos a 25 o par,liadas* finissknas cambraias
1 de cores a 360 rs. o covado, paletots de alpaca de t.
' lodos os tamanhos Dar meninos, ditos para bo-
I nem a 35, 4 e 55, -bitas Iranceeas de tans pa-
ttroes e cores flxasa 310 e 360 o oovado, Wae eo-
tpeitas a 140 oro vade, baldes de anos a 3*500
45. fantw de quasbiobos a 310 e oovaao, coberte-
! rende aifwdiio a .MN cs_ uat. Jeeras- de asea a
, 80 rs_ 100, 120, 160 e 200 re., outras uraMas fa-
xendas qtte se vende por barato preco, e de tudo
i se dar amostras : a raa o Queimado, loja do
1UL m USBiH
vrndejm-se barra oni cal des-
ta|rof*Uea_*a- em pedir, **-
da hoje, e naiea nova, que ha no
IV, armazem t Manoel Tclxel-
ra Pasto._____________________
tu 4a Senalla i. 42.
yetie-se, em casa de S. 1. Johns(oB. ofOlins a -iilhs_if D-_f_A7jfin i^i-ri/i-^.r-r-rt a ****-
^aes *rwaeaos, lonas ingteza?, fio fleyla,
Otanes^raorros e wntaria, arceos pica
Toucinho de Lisboa a 36o rs. a libra eem ar-
roba ter abatimento.
Massa de tomates a 64o rs. a libras.
Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
Farinha do Maranho a 14o rs. a libra.
Tijollo para limpar facas a 16o rs.
Ceblas a 1,2oo rs. o molbo, eal.ooors.
o cento.
Cerveja das mais acreditadas marcas de
S.ooo a 7,5oo a duzia, e de 5eo a 6oo rs.
a garrafa.
Prezunto para fiambre muito fresco e novo
a 800 rs. a libra.
Genebra de laranja a 9oo rs. a frasco.
Cinturicas as mais trescas do mercado a
8oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa,
e lo,ooo rs. a caixa com urna duzia.
Licores francezes das seguintes marcas: A-
nizete de Bordeaux, Flaisir des dames, e
de outras muitas marcas a lo.ooo rs. a
duzia, e a l,ooo rs. a garrafa.
Passas muito novas a 5oo rs. a libra e a
8,oo rs. a caixa. Ha ciwts, metas e
quartos.
Garrafoas eom 14-garrafas degeiiebra de
Hollanda a ooo.
Bolachinha ingleza a 4oo rs. a libra.
Aseite francez eportuguez refinado a 8oo rs.
a garrafa, e 9,ooo rs. a caixa com urna
duzia.
Gr5o de bico a Ule rs. a libra, e em arroba
tora abaLiment.
Gomma maito aha para engommar a 80 r,.-.
a libra, e em arroba se fw abotimmio.
Sag muito novo a 28o re. a libra.
Sabio 'verdadeiro'hespanhol que raras vezes
vern ao nosso mercado a 28o rs. a libra.
Sabo massa de sup-arior qualidade a +80,
200, e 220 rs. a libra do melhor que h?.
Graixa em latas muito ora a 120 rs. a Iati-
nha, e 1,300 rs. a duzia.
Peixe em latas muito no*o : savel, .pescada,
curvin, salmao e outras muitas qualidades
preparados de escabexe, segundo a arte de
cozinha, de 1,460 a%ooo rs. a lata.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado e escolhido pessoalmente por um
dos socios que se acha em Portugal, das
seguintes marcas: Duque, Genuino, Ve-
lho secco especial, Lagrimas Doces de
1819, vinho especial D. Pedro V, vinho
velho^ectar superior de 1833, Duque do
Porto de 1834, vinho do Porto vdbo su-
perior, Madeira Secca de superior -.quali-
dade, vinho do Porto superior D. Lui/. I
de 1847, Lagrimas do Douro, especial vi-
nho do Porto, de l,ooo a I.Soors. -a.gar-
rafa e de lo,oooa 12,ooors. a caixa rom
umaduzia.
dem Bordeaux de differentes marcas,4?arntt'-
se a qualidade, a8,000 rs. acaixa com orna
dnzia, e a 7oo rs. a'garrafa.
Garrafes com 5 garrafas do vinho do Porto
do Alto Douro a 2,2oo rs. com o garrafo.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira. mais
proprio para a nossa estacao por ser mais
fresco a 2,ooo rs. com o garrafo.
dem com 5 garrafas de vinagre a 1.2oo rs.
o garrafo.
Vinho branco o melhor neste genero a 600 rs.
a garrafa e 4,ooo rs. a caada.
Alhos a 80 rs. o masso.
Velas de spermacete as melhores que ha no
mercado a 600 e 64o rs. o masso, e em
caixa se far um grande abatimento.
Frasqueiras de genebra a 5,8oo rs., e a Soo
rs. o frasco,
dem de carnauba e composicao, de 4oo a
32o rs. a libra, e delo.ooors. a ll.fioors.
a arroba.
Caf de 1 e 2a sorte de 8,3oo a 8,600 rs. a
arroba, e de 28o a 32o rs. a libra do ihp-
lbor.
Arroz da India, Maranho e Carolina a 3,ooo.
2,800 e 24oo rs. n arroba e de loo rs. a
80 rs. a libra,
izeite doce em barril, muito fino a 64o r>.
a garrafa.
Papel grve pautado e liso a 3,5oo rs. a
resma.
*ro ***ion *-* *fi A. ^^^^^^JS^pTlMSl!
.v*boats
*
iaglez.
ATTWdMVXO
cima terSo mmti a Wpor %dl abatimento] o r*oprietario scientifica mais queed*?; ,>**->, ..eommeolfcs 4eo r efe mSZmS^^ Pe
os seus gaaetios sao recibidos de ua pnoprn encommenda, ra/o esta para poder ven-, ^^^ .> naxcw da'teoio amaretiano oii5c4a: toHHi-*! poiitro. do
der por muHo tnaos do que fr tro qustqqef' estabelecimento
aecrotaria de polica.
Oocima aeoiilslcao para 09 poH- caixinha.
deas da eporau J#*he alpista a 160 rs. a libra.
VeaOa-se pur 5 (atMlw **-) na^iriMh fajaeo a 2oo r*. a libra.
Le tendo typos bastooies ,#ara se.vtltar deaesa-.
Tjaracadamente, pedeodihae petas suas proporcoes
_. qi.ma.ar tai formato paqneno mi f nv*", --
Jhor conviaf MMriaatoB. Jfa Pf^f"* P-
lilicos estaT>eeT)ChB, corratn ra ros rTaxejas
H, e ri enetwrBjfSoflL-
Ws depressa feter-a0
lotera de Hespanha.
inglezas das seguintes mareas:
Mixed, Pickes, e cebotes ampies a 800 rs.
o frasco.
Mostarda ingleza preparada eaa potes a 4oo
rs. e pote.
Vasos ingleses vasios de 4 a 16 librmuitos, a
proprios pVa deposite dematteiga.doce,
e outro qualquer liquido, d)e 4000 a 3,ooo
rs. cada usa.
Palitos do gaz a 2,3oe re. a groza2ars. a
Genebra de Hollanda em botija de conta a
44o rs. a botija.
Champagne das mais a ce litadas marcas a
l,ooo rs. a garrafa, e a lo.ooo rs.a dzia
ou gigo.
Sal refinado a 7o rs. a libra.
Frvilhas francezas e portuguezas a 64o rs.
a lata de urna libra.
Chocolate francez. henpanhol, suisso, e portu-
gus a l,ooo rs. a libra, e a 28o re. cada
pao de urna *,\.
Garrafes vasios de 5 garrafas at 3 caadas
de 800 at l.Soors. caa um.
Ameixas francezas em eabnnhas elegantemen-
te enfeitadas, cora diversas estampas
no exterior da caixa, de l,5oo a 3,ooors.
cada urna; tambern ha fraicos a latas de
differenles tamanhos que se vende por
mdico preco.
Massas para sopa: macar rio, taDiarisu. e
aletria a 48o rs. a Ubra, e em cak* se
far abatimeoto-
Deoe de gcaba it 4oe a 800 rs. o raixio
grande.
Idea a 2^oo o caixa grande.
Charutos detodat as-arras edw melhores
Mirsuotes da Babia de 3,ooo a %jmm rs.
a teca.
Oill
oafo maiarpre^t A*eia ^ e**WP8 MMWBfaflotlttm compXte sorjlmetttofle cominhs, r-
> va doce, alfcwma e tftros-manos gneros, que tudo se tende per Taratisssimo precu.
i

I
\


Mari B
!^^

1 ftKR
GRANDE ARMAZEM
AS
A
Venden^ por menos lO'pw ceuto do que outro qualquer
annuneiate
no
IfflifCffPifl PI8& & PISf
so
CONSERVATIVO E COKSERViDOR
DE
ABMAZEM
M, REl DAS CRUJES R. 36
DO
balrro de auto Anoulo.
Oproprieiario dmorto acreditado armazem denominado Pn>gn$mta tonda
serapreem wsta fawr todo o que or posstvel para bem servir aos seus freguezes, ten
deliberado teader os9eus j bem conbecidos.genero* do primeira qualidadepek*: precos
abaixo monoionados, e amanea as pessoas que mandaren comprar por seus criadosou
eseraw, seres tiobem servidas, ama viadopessealmonte; encarregarse do aviar qualquer
eucoramenda, aiada mesmo contando objectos nao proprios dest* estabelcimento. 0
mean peda aos senbores que mandare comprar aesta armazem o favor de mandaren*
DI
N.
a 2,8oo, 3,uOO e
lO IMIW.O IM PEIHjI lO
Os proprietarios deste acreditado armazem de melbados, tendo em vista.as mile
devolver^ qualquer objecto que nao agradar, devando os mesmos sanbores ter toda alten- l>na vantagens offerecidas por este Diario ao respeitavel publico, petos seus compelid*
ca MM seus portadoras, faxendadhea ver. que s no armazem Progresmta da ruadas ^ e,des6jaoQ<) dac provas de que pessoa alguma pode vender gneros de primeira qua-
CnfMaJMb e que se vondem os melbopes.generos por. mais barato proco, porque estes lflade pej0 pref^ (fae ven(jemos> tanto polo diminuto lucro a que nos reduzimos, coma
murtas vezas olvidam-se a vio oHtra parto onda os serven do maneira a desagradar este pphi ?aBtageiH de, seren^vindas deoonla propria. Deliberamos vender, (n50 ofenden-
... ., 0fiA Jdb.os nos608 celtegas e amigos) por menos iOpor eento, gaiaabaato-se- coaw sempue.a.
Ma&tarda proparada, muito nova a360 rs. o. -
peto. boa quaWade.
PWitos de gas a 200 rs. a duzia de caiiinba*1 Manteiga ingteea perfeitamente flor cbegada Farinha de Maranbae muito alva e ctaeiroia
estabelcimento.
Uvas muito aovas a>l.ooo a libia.
(:.istDhas.a.2oe rs. a libra.
Figos a 320 rs, a libra,
V-toba superior d* Figueiw. oLisbea a-400,
iW, 480e 960 rs; a garrafa; e a 2,900,
2,700; T,00ffe.a, rs. a caada.
dem engarrafado, das segnintes marcas du-
que doPorto, Feitoria,JSectar, veihoaecco,.
Ghamissfl. e Madetra-suprnor a 8;408 rs. a
duzia e 800rs. agarrafcr.
klemBordeaux de-di versas marcas a 040 rs.
agarrafa e7;500r& a caixa com 12 garrafas.
'dem' .Moscatel- de-Setbala 1,700rs. a par-
rafe, e i 8000r6. adunia*.
''arraioos. cora .'i garrafas de vinho Lisboa-eFigusira a2,100, 2,200e2,308
rs. com o garrafn.
dem branwmnitosnperior a 500 rs. a garra-
fa e 3,960 rs. a caada.
1 iarrafSes com 5 garrafas de vinagre a t, loo rs.
Vinagre superior d Lisboa a 1,400 rs. a ca-
ada-e 200 rs. a garrafa;
Velaa-de* spermacete superiores a 580 e 640
re. o maco.
Manteiga inaleza de I.* qualidade, a 800 rs.
a libra.
dem de 2. dita, a 700 rs. a libra.
Mem de 3*. dita a 600 rs. a libra.
dem franceza. amelfoordo mercado a 940 rs.
h em- barril a 500 rs. a libra.
liL.memlatascom 2 '/alibrasa 1,400rs.alaia.
Huira de porco refinada a 500 rs. a libra.
otwijos llamengos cbegados ltimamente a
2;860"rs.
dem prato o melhor que ha nejte genero a
700 rs. a libra.
dem do Alntejo milito superior a 8oo rs. a
libra.
Arroz CarwUno e do Maranbao a 2,800 rs. ar-1
roba e 100 rs. a libra.
\mendoas de csea mole a 280 rs. a libra.
r.aixinhas com ameixas franeezas, de diversos
tamanhosal, 200.1,400, l,800e2,100rs.
cada urna.
Frutas em calda, ameixas, rainha Oladia, pe-
cagos e alpecli a 480 rs.
Marmelada de todos os conservemos de Lisboa
a 000 rs. a libra.
Ameixas em latas de "j e 3 libras a 1,200
e 2,400 rs. a lata e 900 rs. a libra.
:ii huxim o melhor que possivel encontrar
ueste genero a 2,700 rs. a libra.
dem hysson. muito superior a 2,800 rs. a
libra.
dem miudinho a 2,700 rs. a libra
Idom preto de qualrdade muito fina a 1,800rs.
(den mais Inferior a 1,500 rs. a libra.
r.c.nebra de laranja a 900 rs. o fraseo e 900
e 2,100 rs. a grosa.
Ditas bygietticase de seguranca a240rs. a-
duzia.
Alpista muito limpo a 160 rs. a libra,
Gomma d engommar a 80 rs. a libra, e
,W0 rs. a arrob3.
Shg muito dovo e alvo a 240 rs. a libra.
Sabo bespanhol, a 280 rs, a libra,
tem massa a 180, 200 e 220 rs. a libra.
Peixe em latas, savel, pescada, e corvina a
1,000 rs. a lata.
Genebra de llollanda em butijas de conta a
480 rs.
Papal greve pautado e liso a 3,400 rs. a
resma.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa.
Champan he das mais a creditadas marcas
a 10,000 rs. ogigo e l.OuO a garrafa.
Doce de guiaba de 400 a 800 rs. a caixa.
Chocolate portuguez, francez, hespenhol. e
suisso de 800 a 1,200 rs. a libra.
Velas de carnauba e de composigao a 320 e
:fc"0 rs. a libra e 9,900 e 10,000rs. a ar-
roba.
Massas para sopa
400 rs. a libra.
macarrlo e talharim a
Charutos dos melbores fabricantes da Ba-
bia 3,800 3,400 3,000 e2,400rs.
caixa.
Cerveja das memores marcas de 5,000 a
6,000 rs. a duzia.
Biscoitos inglezes de todas as marcas a 1,200
rs. a lata.
Bolaixinhas de soda em latas grandes a 2,000
e 1,800 rs. cada lata.
Massa de tomates em latas de I libra a 5
e640 rs.
Sardinhas de
rs. a lata.
Nantes muito novas a 340
Toueinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolle para areiar facas a 140 rs. cada ura.
Farinha de Maranbao a 140 rs. a libra,
Pimenta da India a 340 rs. a libra.
Ervadoce a 320 rs. a libra.
Palitos para meza a 160 rs. o mago.
Verdadeira farinha de araruta a 500 rs.
libra.
Frascos com ameixas francezas a 1,400 rs.
cada um.
Prezuntos do Porto a 5*to rs. a libra.
Batatas muito novas em gigos com 38 libras
por l,9oo rs.
a libra.
rs. os frascos pequeos. I .
Chouricose paios os mais novos qife ha no Cinea da India a 1,loo rs.
Cominho a 64o rs. a libra. -
mercado a 500 rs. a Kbra.
Cognac inglez a 9oo rs. a garrafa.
Marrasquino de Zara a 7oo rs.
8,ooo rs. a dozia. i
eores francezes, annizete.jilais^r des da- Estrelinha e rodinha para sopa a 6oo rs. a
libra.
o frasco e Azeitonas de Lisboa muito novas a l,6oo rs.
a ancoreta.
raes, etc., etc. a8oo rs. a'garrafa e8,5oo
is. a duaki. k .
Pasan as melhores que se enconu-am a 360
rs. a libra.
Bolachas inglezas muito novas a 24o rs.
a libra, e 3,5oo rs. a barrica.
A rito r..'ftn3do a 8oo rs. a garrafa.
Conservas inglezas de todas as qnalidadesa
750 rs. o frasco.
Legumes seceos para sopa a 4oo rs. o-maco.
Breu louro a 3oo rs. a libra e 8,ooo rs.
arroba.
Papel pautado e liso almaco e de peso de
3,ooo, a 4,ooo rs, a resma.
Ervilhas seccas chegadas no ultimo vapor a
2oo rs. a libra.
o|U8raioof9qej9a atsa jcp
.u8t8M b RJiwem ap umjas 60 apno 'ai-ied ejjno e ob.\ a as-toepiAro sozsa sejinm sojS9
enbjod 'oioid oicueq siem aod sajoua8 sajoujam so apua.v as anb a 9g -u saznjQ sep
un cp b]siss9j8oji uiozbuijb ou os anb ja.\ saqi-opuozej 'saiopeiJod snas so raoo 050
-uajiB epoi jai sejoquas soursara so opua.vap Mepejk oeu anb opafqe janbjenb jeaqoaqp
iu.)jepuui ap joabj o tnazsuue ajsau jejduwo majepucm anbsajoquas soe apad ouisam O
o>uaaii.ijpqetsa aisap socidoid ogu soioafqo opuajuoa oinsaui epuie 'epuaunuoaua jaob
-jiml) .im! ap as-e3ajJB3ua amouiicossod opuiA ouiod sopiAJas uiaq Oft majas 'soabjoso
no sopfiJO snas jod jBjdmya majepaera anb scossad se eausue a 'sopsuoiauam exieqe seo
-a.id 40(d aptpi.iKid) Bjiauiid ap saaauaS soptooquoo uwq v{ snas so aapudA opBjqi|ap
uwi >an3ajj snas soe JiAjas iiwq jad |o \issod joj anb o opm jazej b>sia me audmas
opuai 'eiswsajBoJ opeuwiouap mazemae bpeiipaJOB oimra op oueiaudoid o
ss oaoia v oia ap ujj|q ap znj.i p aau 99 'N
i i/^iiHv auiuvu
no ultimo vapor a 800 rs. a libra.
dem de 2.a qualidade a, 76o rs. a libra.
dem de 3,* dita a 64o rs. a libra.
dem para tempero a 32o e 4oo rs, a libra.
Manteiga franceza a mais nova que ha no mer-
cado a 58o rs. a libra, e em barril tert aba*
timento.
Baniu do porco refinada a 520 rs. a libra
Vinho em pipa Porto Figuerrae Lisboa a 4oo,
48o, 5oo, 96o rs. a garrafe, em caada
2,8oo 3,000 3,5oo e- MM9W
dem em barril o mais superior que tem vin-
ao mercado a 600 rs. a. garrafa.
Lagrimas-do-Donro especial vinho do Porto a
1 ,oeo a garrafa e a 1 o.oeo a caixa, o preco
n5o indica a qualidade d'este precioso vi-
nho, purm venhamao I'rogresso que a vis-
ta fas f, a este genero constan!emente man-
damos vir de conta propria e par isso po-
demos vender por menos que outro qual-
quer annunciante.
a 16o rs. a libra.
TOucinho deLisboaa 32o rs. a libra e*9yoeo
rs.arreba.
Scdiahas de Nantos a 3o rs. a lata.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. agarrafa e a
. 4,800 rs. a caada.
Vinagre da Lisboa a 2oo, rs. a garrafa e a
1,2oo rs. a caada.
Garrafes com 5 garrafas, de vinagra de Lis-
boa^ l.loo rs.
Champanhe das marcas mais acreditadas a
8-e a lo.ooe rs, .0 g'igo, e a 800 rs. e a
1,000 rs. a garrafa.
Serveja preta marca T e XXX a 6,oo e
7,ooo rs. a duzia, e a 600 rs. a garrafa,
tambem temos das mesmas marcaapara 4
e 4,5oo rs a duzia, ea-oo-rs. a gaiwfa.
Mem branca Te cobrinhaa5,5oo e 6,000 rs,
a duzia e 5oo rs. a garrafa, tambem ha
para 4,ooo rs. a duzia.
24 e 23LAMO D Ttltf,0-N. H e 23
USIAHL,
Manteiga ingleza perfeitamente saperior a 880 e 900 re. i libra.
dem franceza, a 560 rs. em barris, ha abalimenlo.
Caf do Bio da 1* qualidade a 280 rs. a libra, e a arroba a 8,50O e 8,700 rs.
Arroz pilado, lOu a libra, e arroba a 2,000 em sacco 2,700.
Cba de primeira, segunda e teroeira sorte a 2,8oo, 2,5oo e 2,ooo rs. e 1,800 do preto.
a libra.
Palitos do gaz mandados vir por conta a 2,3oo rs. a groza.
Vinho Figueira e Lisboa, a 48o e 4oo, r. a garrafa e a caada
4,000 rs.
Gomadeengommar, 100 rs. al-bra.ea arroba a2,700 ou saoeo.
Milho alpislao mais limpo que ha a 160 rs. a libra a 9,000 rs., a arroba.
Tijqlo francez de grande tamanho a 14o rs. cada um.
Toueinho de Lisboa muito novo, a 32o is. a libra.
Queijos do reino do ultimo vapor, a 2,000 rs.
Velas-de espermacete, e carnauba a 6ooe3oo rs. a libra.
Azeite doce de Lisboa a 6io rs. a garrafa, e de carrapato a 28o.
Baaba de porco retinada, a 48o e 44o rs. a libra.
Serveja de todas as marcas a 500 rs. a garrafa.
Senada nova, a leO rs. a libra a a 2,80o a arroba.
Paasas mvw, a 480 rs. a libra e em caixa ha abatimeBto.
Sabio .amaretlo de 200 a 240 rs. a libra.
Batatas, a.4a rs. a,libra.
S nos armazen.do largo do.Tereo.
' AGEItCIA
t*a
FUHDICAO DE LOW-MOOB.
Ruada Senzalla nova a. 42.
Neste estabelcimento contina a haver
um completo sormento de moendas e meias.
moendas para engenho, machinas de vapor
6 tachas de ferro batido e coado, de todos os
tmannos para ditos*.
Arados americanos e machinas para
iavar roupa: em casa de S. P. Johnston A C,
na da Senzalla Nova n. 42.
O GALLO CANTA
lavas de pellica.
Vendomise, luvas de pelia Joann para sentro-
ra e hoo-ern, chegadas no aitim vapor reote oiez, para o baile do club cominer ial do corrente \i\ei: na ra do Quemado 11. B3, lu^v
dobeija flfir.
J sabido que, guando chega o vapor da Ea
rop, o*ilo cania animnciaoiio-'aos s^us numero
sotdragiitwjaigalaiiterias de um* gusto e da.ul-
' tkna.moda que por elle recebe, como sejam :
Camsinhus mra tevjtoras.
, Hiquissimas camisinhas com manguitos e gra-
vathiha para senhoras : s no Vigilante, tus 4 Cilespo n. 7.
Cirigotinhask
Riquissimas cirigolinbas ou gravatinhas, sendo ;
eooea de muegotito, e a primeira vez que appa-;
Nada mm lia';!.
Queijo prato muito fresco a 480 rs. a libra, o 111-
teiro a 400 rs., bolachinha ingleza muito nova a
200 rs. a titira e MU bariica________________
FABJNHA FONTANA.
Farinha da muito acre iti a marca
Fontana 1 esembarcada hoje, vende-se
por precavis conunod do que etu
qualqaer outra parte : na ra du Crai
n. 4 casa de N. 0. Biever & ('. succ^s-
sore-.
s grandes a l,3oo. rs;a dna.^SdSpTU. f *" gSl '' D V8'
Pentes de concha. .
e 12o rs. a lata.
Vinho do Alto Douro das marcas mais acre-
ditadas 0 especialmente escolhido por um
de nossos socios, como sejam: Gamoee, Du-
que, do Porto, D.Luiz, Carcavellos, Cha-
misso A-Filho, Madeira secco, e Feitoria a
9oo rs. a garrafa e 9,ooo rs. a caixa cora
12 garrafas.
a-fGarrafoes com especial vinho do Porto co-
tendo 9 garrafas a 2,9oo rs.
dem com 9 garrafas de superior vinho Fi-
gueira a2,4oo rs.
dem com 9 garrafas de vinbo Lisboa a
2, loo rs.
Vinbo branco da Lisboa proprio para missa
viudo j engarrafado de Lisboa a 64o rs.
agarrafa'.
dem em barril muito superior a 9oo rs. a
garrafa e a 4,000 e 3,Ooo a caada.
Ameixas francezas em caixinhas de 1 / 2
e 3 libras elegantemente enfeitadas com ri- Vinho Bordeaux das melhores qualidades
cas estampas na caixa exterior a l,3oo que tem vindo ao mercado a 72o e 800
l,6oo 2,ooo e 2,9oe rs. j rs., eemcawa a 7,9oo, 8, e 8,2oo rs.
dem em latas de, 1 */* e 3 ,Dras a 1'4o e Azeile *ce refinado do fabricante Pelanol e
2,600 rs, cada urna. I outros a 800 rs. a garrafa.
Figos de comadre em bauzinhos de folha Conservas inglezas sortidas e de urna so qoa-
Hdade a 800 rs. o frasco.
Araruta verdadeira a 32o rs. a libra.
Vhssoura* do Porto arqueadas de- ferroobra-. ^^^S^SS^S^l'^mmiS-
de milita durarlo a 4oo rs. cadaunMi rafas, por precos razoaveis : s no Vigilante, ra
.,..,, :*e Crespo n. 7.
Palitos de dentes massos grandes a 2oo rs. __________________________________
e 28o rs.
Paltos do gaz a 20- rs. a caixiuba e 2,3oo rs.
a groza.
Gela de Alperche chegada no ultimo vapor
latas de-21ibras a 800 rs; pechincba.
Genebra de llollanda garrafes com 16 gar-
rafas por 6.9oo rs.
dem era frasqueiras a6,3oors.e8,5oors.ea
96o rs.' o frosco aSauca-se ser veraadeira.
dem de botija em barricas com quatro du-
ziaaa 44o rs. cada botija.
dem de laranja em frascos grandes verda-
deira italiana a 1,000 rs. o frasco.
Marrasquino de zara a 72o rs.
Licor francez de todas as qualidades em
garrafas de vidro brancos a 72o e 800 rs.
iu i no o*mu v 63
l.oja do leija-flor.
Cacas para mtniios.
Vn!em*se faqninhas para meninos a tV> rs.,
ditas de bataneo de um botao a 280 rs. o talber.
Grvalas para senbora.
Vendcm-se Bravatas para senhora a 500, 640,
.800 i|00.
Fitas para debrua de vestido.
Vendem-sc fitas para debrum, de linlio, a 240 a
peca com 10 varas, dita de laa a 800 e i. dita de
sedaatjJOO.
Peanas de ac de lanca.
Vendem-se caixinhas de pennas de ac de 200
is. a 1*.
Laa para bordar.
Vende-se laa para bordar, de cores claras, a
6*800 a libra.
Bonecas de (choro.
Vendem-se bonecas de cera a 800 rs. e 1#, ditas
S^ lina do Crespo u. 5.
Na Inja de--Marcelino ic C, vonde-sc v
S-barefu de laa do core muilu linos a 3Q '$%
I rs. o i-ovadn, ditos.lisos com 8 palini. de v;
largura, ricos soutembaiqwcs uc cam- -.)
braia bordado e outras militas fazcni!;:- >*}?
de gwlo preprias para o lempo de fcsla v
cliegadas neste ullimo vapor, precos utui- ffl
ttt em coala :>\
X aimazent de fazendas bara-
tas de Mantos Coelho
RA DO QEIMADO N. 19 VENDE-SE O SE-
lil-INTK :
Esteira da India
para torro <1 sala, de 4, 5 e 6 palmos de lareina,
por menor preco do que em outra qualquer parle.
Leiros
de pannadeJinho pelo barato preco de 25000.
Lenees
de bramante de linho Uno pelo barato pirco de
3*000.
Cebertas de chita da India
pelo barato preso de 2*000.
Luiros de cassa
brancos, flnissimos, proprios para algiarira fdo
baralissimo preco de 25000 p 2*400 a duzia
Cambrai adanrascada
para cortinado, pelo baralissimo preai de 10*000
a peca.
Pecas do cambraia
de salpicos, fina, com 8 1/2 varas, pelo baralissimo
j preco de 4*.
Fil liso fino
muito proprios para mimo a l,6oo.
dem em caixinhas a l,4oo rs.
... u .. Gomma de engommar muito alva a 8o rs.
i caix.nhas emticamente lacradas ,bra ^^ n a arr()ba
llraaaate de linbo
fino comdez palmos de largura pelo barato prtn,
de 2*300 a vara.
Toalhas alcochoadas
para mao pelo baratissimo preco de .'000 a du-
zia.
Peras de brelanha
de rolo cm' 10 varas propria para saia, pelo bata-
to preco de 3*000.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
dem
e muito bem enfeitadas a l,8oo rs.
dem a 2oo rs. a libra.
Passas de carnadas as mais novas que ha nor, Sevadinha de FYanca a 16o rs. a libra,
mercado a 4oo rs. a libra e a 6,ooo rs. a
caixa.
Salmo em latas ermeticamente lacradas a
8oo rs.
Lagostim em latas grandes a l,4oo.
Savel, corvina, cherae, vezugo, peixe espada,
preparados pela primeira arte de cozinha a
a l,3oo rs.
Qeijos flamengos chegados no ultimo va-
por a 2,4oo rs.
dem do vapor paseado a 2,2oo 2,ooo e
1,8oo, rs.
dem prato do ultimo vapor a 64o rs. alibra.
Doce da casca da goiaba caixes grandes a
6oo e9oo rs.
Cbouricas as mais novas que ha no mercado
a 48o rs. a libra.
Chouricas mouras encommenda especial nos-
sa a ooo rs. a kbra.
Prezuato verdadeico de lamego em calda
deazeit 9oe re. alibra
Bolaxinha ingleaa a mais novas que ha no
mereado a 2,ooo rs. a barriqninha com
1 arreba, e a 24o re. a libra.
dem de soda de diversas quabdades a 4,400
res.
dem em latas grandes, propria* para lunehe,
com 5 a 6 libras per 2,4oo rs.
Marmelada imperial do fabricante Abren e
outros conserveiros de Lisboa a 6eo re. a
libra.
Frutas em calda de todas as qualidades a
9oo rs.
Ervilhas francesas a Soo rs. a lata:
dem por tugue/as a 64o rs. a lata.
Massa de tomate a 64o rs. a libra.
Ameadoas canfeitadas a 7oo r*. a libra.
dem de csea mole'a 28o re. a libra,
Avalara a 2oo re. a Bbra. '
Sevada muito nova a 12o rs. a libra e 3,2oo
s. a arroba.
Macarrlo a 32ors. a libra.
dem e talharim o mais novo que ha no mer-
cado a 48o rs. a libra.
Aletria a 9oo rs. a libra.
Arroz carolino a loo re. a libra e a2,8oo re.
a arroba. -
dem do MaranhSo a 12o rs. alibra, e a
3,ooo a arroba.
Caf do Rio o mais superior que se pode de-
sejar a 32o re. a libra.
dem a 28o e 3oo rs. alibra e a 8,2oo, 8,4oo
e 8,7oo re.
Velas de carnauba refinada a 32o rs. alibra,
e a lo.ooe rs. a arroba.
Mem de spermacete a 64o re, a libra.
Chocolate hespanhol e Irances a too e t,oeo
rs. a libra.
Estrellinha e pe^de mnito nova a loo re. a
libra, a a 2,ooo rs. a caixinna com oito
bbra*.
Cha perola muito especial chegado neste ul-
timo vapor de encommenda particular
nossa a 2,8oo re. a libra.
dem hurhn muito superior a 2,7oe re. a
libra.
dem hysson a 2,56o rs. a libra.
Mera hysson a2,ooo e 2,2oo re. a Kbra.
dem preto heraeopatbico e muito superior a
2,ooo re. a libra.
Hem nacional a l,6oo re. a'lbra.
Batatas muito novas *8o re. alibra.
Charutos dos melbores fabricantes da Babia
ede todas as marcas, como sejam: sus-
piros, bavaneiros, messecipes, regala im-
perial, flor das raattas, primores a 4, ooo
3,Soo, 3,2oo, 3,ooe, e 2,8oo, 2,9oo
2,ooo e l,6oo rs. a caixa.
com mascara de tirar e botar a 640 e 800 rs., ditas pc|0 baratissimo preco de 680 rs. a vara,
sem mascara a 200, 400, 500 e 800 rs.
Colberes de metal principe.
Vendem-se colhes de metal principe muito finas
a 1* e 2*500 para cha, ditas para sopa a 2*000 e
4*800, concha para assucar a 640.
lacas e garios.
Vendem-se facas e garfas a 2*800 a duzia, ditas
cravadas a 3*, dilas de cabos pretos a 3*200, ditas
de1 rabos de bataneo com 2 botes a 6*800, di'as
para doce a 55600, ditas de um botao a 6*, ditas
para doce a 5*.
Chicote para crabo.
Vende-se chicote para cavr.Ho, para os amantes
que passam festa a 640 e I*.
Meias para senhora.
Vendom-se meias para senhora muito finas a
2*400 a duzia, ditas para meninas a 2*
Papel de diversas qualidades.
Vende-se papel de beira dourada a 1*200, dito
amizade a 640 e 800 rs., dito pautado a 1*, dito
adamascado a 900 rs.
\n\rlo|ies de diversas qualidades.
VlMidem-se avelopes braneos a 800 rs,, dos-d
cores a 640, ditos para carto de visita a 500 rs.
ditos pretos a 800 rs.
Tendo receido ricos apparelhos para senhora,
de mousacos e camapheos verdadeiros, vendem-se,
de mensaeo a 6*300, dito de camapheo a 13*.
Dminos e visporas.
Vendem-se dminos muito finos a 1*100 e 1*400
o visporas a 800 e 1*.
Enfeites.
Vendem-se enfeites de redes para senhora de di-
versas cores, a 1*000, ditos pretos a 900 rs., sendo
defina* erontas de ac, peca de fila deeoz com 10
varas a 360 rs.
Extractes inglexes.
Vena>m-se exlractos inglozes muito barato, per
que foi comprado em leilao, e nao se quer canti-
near, a 320 e 400 rs. o frasco.
A
Na ra de Qneimarfe n 13, esquina ni;
valla vara a raagregacaa.
i:' pechncha.
Pafetots de easemira a 5, 6,7, %, 12 e 14*, ditos
de panno preto e azul a 9, 10, 12, 16 e 18*, ditos
sebrecasacos de panno muito fino por 24* e 28*,
dHos de alpaca preto e de corda* a 4. S, 8 e f,
tanjas de easemira* de cores a. 3, 6, 7 e 8*, dilas
pretas a 1500, 8, 9 c 10*, w-letots de fustao e
ganga a 2*. 2*800,3 e 4*, calcas e colletea de to-
das as qualidades < |>r preco muito barato, len-
co es e puro linho a preco de 2*400 e 3*, rober-
as de edita a 2*240, colarinhos de linho puro a
600 rs. cada um, e outros mu tos otqectt* que sd
vista ; e para isso se pede a
guates.
No armazem n. 38 ra da Madre de
lieos, vende-se por prego mais commodo
de que- em outra qualquer parte os seguia-
tes- gneros vmdos do Aracaty:
Gomma nova.
Cera de carnauba.
Dita em velas de differentes qualidades.
PeHes de cabra
Sota
ESGBAVOS FGIDOS.
Desde o dia 31 de ontubro do eociMle anno
est fgida a escrava Felippa, a qual muito co-
uhecida pelos sipnaes seguiutes : foi em alnutn
tempo do Sr. Antonio Jos Rodrigues de
magra, estatura regular.bicud.n, anda st mpra un-
ta apressada, e eabra escura, falta-lbe um deiite na
frente, est com leilc nos peto?, pois deixon-i-n;.
enanca sua lilha de cinco mezes, levou vestirlo um
roupao de cassa j velho, e um chale e*Hi$rino
cor de rosa, costuma diier que forra ; j ultra -
estar criando em alguma casa, ou acoiitai'.a c-t.i
gum calngi, foi vista duas vezes na Passagem <'a
Magdalena, ilha do Reliro, etc. O proprietaria
ga a todas as autoridades policiaes. capilaes '
campo e mais gente do povo a peguem e a ron!ti-
ta m a seu senhor, na ra o Princi|>e n. 3, bairro
da Boa-Vista, m ra Nova n. 38, toja. Outro
sim, o proprirtario protesta desde j proeessar e
receber o importe dos dias que ella llie falla, desde
qu sabio de casa, a quem a livor recolhida, ou
aonder for achida, & gratHlca-se bem a quem a
pegar.___________________
Acha-sefgido desde 7 de ncvrrnhro o mula-
to Thomaz, que represento ter 35a 40 anuos, baixo,
magro, barbado e com alguns cabellos braneos, an-
dando as vezes de paletol e chapeo prete, 6 muito
conhecido por 1er sidoboleeiro oSr. Antonio l.mz
dos Santos, eperteceu a Franrisa Rufino (x.iieia
de Mello. sse estravo pedreiro. por isso tem
sido, visto, em obras nos arrabaldes desta ridade, e
no Maugoinho quasi defronte da estrada da Brlan-
cia, em am sobrado antlgo de portadas, aniarelrss,
tem elle mie irmos. Protestase nao s prOfos-
sar" a quem o river acoutadq, como receber deste
os dias que elle anda fgido, e gratificase genero-
samente a quem o pegar e levar ra do Impera-
dor n. 45, terceiro andar.
' Fugio no dia 16 do correte da ci-'auv. da
Areia da provincia da Parahiha do Nono, o e.-
cravo de oorae Hsmeterio, conduzindo um cavado
o um cachorro, sendo o eavallocnstanho, tres i Is
aleados de branco, o esaravo crenlo, cor pnt.:.
bastauto borxtgudo, ps cambados, sendo um mais
grosso (|ue outro, tem urna cicatriz as costas
prevenioote de chicle, re|iresenta 20 annos pun-
co raais ou mues, bonita finura, eos denles loa*
completos a bem alvos, tendo o cabello rarapinao
porm um tanto solt, nariz afilado : quem o pegai
pode entrega-lo do Brojod'Areia ao Sr. Francisco
attencao das fre- 'Marcos de Oatvrira e nasta oidade do Recito ao Sr.
:fhiago Josd dos Santos na Iwfa.da Ra la^swTCBoaniwniTtwgeawrotornaate.
Acha-se Rgido desde o dia 8 de ouiuliro o
mulato Mapoel, qtje represento ter 30 annos 'idade, arto, secco 3o corpo, cara bexigosa, eah+flps
crespos, tem ama lerida na perna direila ji^nto so
tornozellp do lado de fra, enjende
'costa da bebida, levou vest
'php noya, de cufiar, chapeo
'nova e grande, eonr fita v
der lfive-o ao seu senhor
BMid GUeei Alcofarrtp,
receunpansada
de cari
alaodoti-
1 rwpaul-a
kiappi
Joaqirini de Al-
qtie sera bem
'
GIVEL


8
fetaTta f*eiflflllfcifri -- rfimln l>lr* O t ^ofm LITffiBii'lJutt
O veteranos da imprenst mi lita ule
lmglatcn a.
BIOUIUPHI.VS ANCaOOTICv- BUS HlHN.VllSTAS E
OIBLICIST.VS INULEZBS.
I
Mae':- CobbettT. BarnesMurray.
eado das phrases qne* nie prende coin a moco, nopossuiaT o dom da paiavra doqoent'' e
.venado. I f I f fcil; os suas majpiras niio prevena a cu fa-
Como lili de um lavrador escossez, postilla vor melhor rs0 quo Wno.^^% ,oi
lunket
alguma iaatrucceo praltca do agricultura, e era ma accusaco-ao fallecido lord
Isso nm afsompto sdbre esse I
me-
lord
esc re ver.
ScoM, que depois foi lord Stowei. E' onde .elle
apiefenta conliocimentos de jurisprudencia, truc-
tofintfn duvida, dos seus estudos finando se desti-
nava a carreira da advocada, que dopois abando-
nan para escreVer1 o Times. Quando em 1820, o
iiirouiu nmoi wuo c. um. pywmn doutor Stoddart deixou o Times e fundouum novo
com a Inglaterra jornal, Barnes que recebia no Times avallados ho-
r/oi em rato que .vi pela primeira vczW'il-, ,- ".. norarios conservou-se nessa folha u a boa aceeita-
Kam Cobbett publieava elle enlao o scu Rster Q'an, a m'.'n> d/ ',^rme -* ^e o ^ ei *
todas as sextas-feira* i cr,ia -.mi. k-on meu u I mo suspro, at derramar a ultima gola de r? g '
r a fe.ras a tarde res.dta era Rea- ^ ^ devda ao seu tenlo, as suas habilitaos li.tera-
(Continuaoa) | 0 diloera muito liem a|i|ilicado. Osartigo.s do Sol j tu uiiio mais mogo, que, segundo creio, exer meusfi|nos a0 a|tar para faz-los jurar odio eterno habilidade para descobnr aesperial aptidao de ca-
nato eram mais do que uin aponlamoiito de lugares ce hoje com malte felicidade a prolisso de altor- \ aos destruidores da liberdade do seu paiz.. id um dos estriPtores empregados no seu jornal;
neij (advogado-) no norte da Inglaterra, introduziu- e o seu gosfo era tao delicado quanto era variada a
me em urna especie de agoas furtadas que Cob-1 E (bbe" f"^^ :, amos a&ora sua instrucrao.
be escolhera para gabinete de trabalbo, age do ^'ZIT magistrado eumpnu o seuj tora****** de receber e.n sna casa oslille,
tumulto e do rumor.
Haviam ah bous livros e bem escollados-, roi-
eo .unuas.o quo nao impeda que Taylor fossc mui-
to man en qualquer sociedadc e un oon vivant-
Imtafldo o exempledos mdicos doseeulo passado>
andan scmpre vestido do prcto, e usava calco e
ni ,a donde. Nao se poda dizer do Taylor que
viva dentro d'agua como as raas eme nunca soffrem
de. gotta : era liorrivelmonle inanimado por essa
molestia.
dadosamento arrumados em estantes muito-as-
seiadas.
lina mesa coberta de panno verde-oceupava o*'
Jodwin era noraem de natureza completamente mais do quarlo; de nm lado via-se smtt dessas
diversa : silencioso, reservado e de maneira cheias cscrivaninbas que se levantara at a altera que se
iic dignidade. Esereva simultneamente no Star, {luilr para se cscrever em- p, e do oulro, em urna
DO Hewi, e ii > M*m Mantilla Magazine. Dizem que poltrona de carvalho ou de pnho da America, es-
os a :oa arts. eram muito medioores mas v-sc a lava sentado o escriplor, temi na cabera um- gor-
r.jueza o harmona de sua prosa nos seus romn- ro de velludo Franklin.
ee-, doiquaes o mais ukm e Caleb Williams.. Na chamin ardia um bor fogo do lenh, ar-
Ncssa raesma poca, eucontroi muitas vezes un ranjado sobre as tenazes, moda franceza.
Bseessa chamado Daniel Stuarl, homem muilo j Lembra-mc ainda como eslava- vestido o fogoso
sizudo oque pareca andar scmpre com pernas de editor do Register : seu paletot cinicnto, seu coi-
pau. l.oraeCara por alfaia.e as immediacoes d0j |e|e verine|h seu ca| a0 de do |ai.
Convent-fardon, e depo.s despresando a agulha e a nas da lllenia c6|, Parecia ter ^ de sessenU
tesura para entrogar-se a Literatura :Politka, pu- aunos> Ina3 era robusto, tinha os oihos vivos, um
i.l.couem I7MOUI pamphleto no qual insligava ccrl sor,.so de desdni e 0sden|e9 aamirave|.
o^inglezesatratarem de reformas interiorese a\mmAmcamnwk.
coloNrarem a paz com a Franca, jocobina ento.
'.-e paniphlct i com ideas liberes e democrticas*' '-evar>tou-se quando entrei, tirou o :eu gorro de
'ahi a um ou dous anuos, Staarl era um dos pro-; velludo e offereceu-mc una cadeira.
nobre juramento. j ra(os eoshomens poiujcos, ieglezes ou estrangei
Esse velho Annibal, condOzin aos aMares o jo-' ros, e nao pode haver nada mais agradavel do que
ven Annibal numero um. na pessn de sen fllho' essas reunioe a que elle presidia com muito es-
Thomaz, e f-lo nomear hispo deTuam e de Kl- prto e sempre eom felicidade. Soffria a molestia
Jala. i.evou aos aMares o Annibal numero dous;' da pedra, e, apezar das operacoes praticada por
seu fllho Joao, e f-te- nomear segundo1 procurador dous dos primeiro efrurgioes de Lendres (M. M.
grai do condado de Mealh. Levou aes altares o Laurence e Listn), morreu em 18U. Barnes li-
Aamoal Homero tres, seu filho David, e fez delle Hha oC anuos de edad*-, mas tinha visto e apren-
coneclheir do tribunal de rotmnons plarX Coadu-
ziuainda aos altares o Annibal numero qrnttro, na
pesscA' de sen fllho GuMtterme o f-lo reiter do
Bray. Eevott aos altares o Annibal numero- cinco,
seu filno Patrie, e f-lo c juiz do tribunal das
fallencias. Finalmente, condunu aos altares o An-
nibal numero seis, na pessoa de seu filho Roberto,
e f-le rerbrde Ileadfort e dea'de'Tnam.
Cobbett sahiu-se muito mal em 10 de maio d
833, quandoaprseatou a proposta de urna peti^
gao ao rei para a demissao de sir Bobert Piel. A
replica de sir Robert Piel foi tac1 victoriosa, que
no momento em que Gobbett levanta-se para de
nevo tomar a paiavra; ee murmurios* as-assuadas
o obrigaram a assentar-se. As proposta de Cob-
priorios do Ccunier, e a col|aboraco do Mr.! Conversamos sobre negocios publicos-mais de bett na cmara d comnonsraras veiesobtmham
Staarl lim.lava-sc a essa folha. Sabia muito bem mcia hora, e durante esse lempo Coottett riu-se, >***13 al'>n*JS: B mais elu e-bnlhava
cojdMLdos seus negocios pecuniarios ; mas nunca' encolerisou-se, e praguejou como um marlntieiro inis-" lulas I"16 os *naef : uu-eni pre-
descobri nelle instruccao nem o menor talento para' inglcz, um dragao allemaoou um postilhaofrancez.,sen0* de um auditorio popotr, a ousatu d suas
escriptor. Era r.mhado de Sir James Mackintosh. Na sua opiniao, tal homem publico era n porca- pairas e de suas.abalavn op.n.oes erannma.s
quo, na sua mocidade, redigiu tamhem muitos ar- Ihao, tal outro urna especie de lacaio, tal entro um l
Bgoa para os joruae?. ; usurario, etc. etc. etc.
Finneftjr, de quem j fallei, apresentou-me j Os advogados ou leijalimen, como elle o* ctama-
iolin Iack,<]ue succedt-ra a James Perry no lugar va, inspiravam-lhe a maior aversao, conquanto
de editor do aYoraM* Chronick, Blak era um es- elle proprio tivesse outr'ora trabalhado no- eeerip-
cessez solTrivelmente grossero, assiduo no traba-. torio de um advogado.
que tinha lulo prodigiosamente, raas qe di- ^ gir James Scarlelt e lord Abinger era alvo
g.-i ira muto-mal as suas leituras. Er elle mesmo dos seus sarCASmos, e apenas poupava o hooew
quwn enerara a maior parte dos principies arli- qUCm denominava o rbula Brougham.
g )S do Morning Chronicle, o as vezos compunha-
Enlreanto, a maior parte dessa virulencia, era
ficticia e Cobbett emprpgava-a nicamente porque
entenda que isso era necessaro para conservara
como orculo dos individuos que se arvoravaat era
admiradores das suas cleras.
o< iiitoiramenle do fragmentos de anrigos pam-
pliletos, de narraeoes de viagens c de tratados de
agricultura.
tlack era omnvoro leilor e insaciavel colleccio-
nador de livros antgos ou curiosos, mas quasi to-
dos de nenhum mrito. Morava na Strand, em um
uando andar, por cima do cscrptorio do Jtfor-
,..,, aronide, lugar onde esta hoje estabelecido bem educado, d.sse a Cobbett, que elle mereria
o efcriptorh lio Obtener. As paredes de seu quar- H"" solhe erigsse urna estatua de ouro masfo a
t era... cobertas de livros era brochara ou muito va.dade perturbou-lhe um poueo a cabeca. Oeelo-
Desde o da em que Windam, o mais poco e
mais perfoito lypo do inglez delicado, generes c
mal encadenados, sobre os quaes se accumulava
i poeira durante semanas e mezes, para nao dizer
annos.
0 editor do Morning Chronkle conservava-sc
D ...,. antro at quatro horas da tarde : enlao,
gios que Ihe prodigalisou depois sir FrancoBur
det deviam alimentar ainda mais esse sentwenlo,
e augmentar o seu atrevimento.
Porra, hava na arrogancia de Cobnettlanla
gra^a e tanto espirito, tanta originalidad*, o isso
que os francezes chainam espieglerie que cu nao
O seu riso
acompaohada de um enorme cao da fferra-Nova,
ahia da sua forualeza e fazia as suas sortidat pe- poda cons.dera-lo como um defeilo.
aJedo.es de livros, que estendem a morcado-, 6 eontag.oso e eu responda aos seus mordaz.es
. nas ras o nas pracas, e ordinariamente, quan-, sarcasmos rindo tambera com todo o goste.
lo se recolhia, levara quatro ou ciuro voluntes em Cobbett publicou urna historia da reforma pro-
lia \o do brago. I testante, obra realmente muito nota ve!, e que deu
Pissava a noute a folhear as-paginas dos Irvros |Ugar a dizer-se que no fundo do coraeao Cobbett
coi' nados nesse da, e acontceeu frequentes vezes era eatholico.
que os artigos de fundo do Morning Chronicle da Qmm m|u> n-Q 0.acrediU)# Q que ha de ver-
terea-feira fio ossem mais do que extractos das,^^ ^^ e(|e ^ ^^ a sua habilidade e
os recursos de que dispunha dizendo-o melhor do
sequisieoes (litas por Black na segunda-feira. En-
cohlrava-ae sua mesa viajantes c professores al-
l maes, suecos c hespanlies. Essa mesa era abun-
danle, roassem ordem nem elegancia. Figuravam
ah os presentes de caca quo Black recebia d
cus amibos, mas quasi sempre
der-se ssinlfo contra sir Jamo* Scarlette, e> nao se
pitsdiier que esse eloqaenf raagstrade-oven-
cesse.
O-vivos repente- de Cobbett^ o sarcasmos et
que feria os seus adversario?, ^etts arrebaflunen-
toscfleios de atrevimento e dgraca,prodtnian
muilebsn effeito no jury. EUe-escreveu.qpnsi
tanlfr como Voltaire, e seguindo-o-ejemplo >V"et-
tairf- nunca tracou urna phrase d sentido oectiIW
ou dchio tal era a clareza de siK.s-ideas, e a ncMet
de si-u estjlo.
A reputacao de Ton* Barnes, editor do Timet&t
quasi egual a de Cobbett, ba> annos. Mua*
vezes o- encontrei na tsibana pubi:ca da camara-do*
comtnuns, de 1825 i IHi7, ahi eoserwi a snaph-
sionoraia banca, benvola c e.ibnji, nao deixand
de ter ao mesmo temjo omito espiritoe malicia, lia*
sd*ahi-haalguns -nos que tr^vsieonheci mente
com elle.
Era>um ravalhera do-mais agradwel trato ex-
Irenwmpatft aecessr. -I- sol unteertoar sariUuicn
descobria-se na sua pessoa atiuiettiores futili-
dades.
Para qualquer fconiera ser :a acolhidc. por
THi-Barnes e encunisar nelle cm> amigo, baste va
niki.-r presumpecco. nem instonte,nemgros*eiro
eu mal. criado.
Seu pac era advogado em l omites, e Toa nas
ceitem 1785 ou ITpti, na parotthiade Blomestury-
Xo.comcco deste sceulo enlreu.para o collegio do
hospital de Christo, e ahi ti ve por mestres h. P.
Stephenes e A. Yrollope. prsiessores cujos-nomes
ainda sao lembrados pelos sexagenario-e. octo-
genarios do ik,o lempo: iltif Itual fofa sea con -
dtdo muilo, e,
sos- latinos:
como um poefa polaco dis3e em ver"
Qwm sui raptumgemttere ewes,
llicdiu vixit.
tronomia classica ; ello bem pouco
corn i=so.
Depois de jantar, alguns
quo qualquer outro; fui esse o anico fim que-
elle se propoz.
vista dos artigos do Regila; poder-se-hift
i fra do Tugar pro-; suppor que Cobbett vivia como um agricultor
elSrdoVeainYalodaaaaregraadaias- wfl Januava um pedaco de carneiro ou de
,, rr* = ello bem pouco se importara ouoinlio com foijocs, e nao, beba senau .roja
fabricada mesmo em casaiis era engao. Ig-
opos de punch vinham noro qual era o seu rgimen ordinario; mas
esutientar-lhe o withusiasmo, e elle entoava alguma' quando tinha hospedes sna mesa, ella era ser-
canliga da Suabla ou da Castella, cuja letra era Vida rom nina abundaucia e um bom gostoansto-
horrivelmente estropada. Se so lhe peda urna cralico.
sna escosseza, cantava urna das canqoes de Ram- ( Q scu prazer era trinchar e oBerecer aos seus Grey, Uranville, Wsllesley e Canning, raasnaogos-
iny ou de Borns, sem fazer caso da quantidade de amjg0S faljas de roast-beef tal orno nao se en- uva. dos discursos econmicos e financeiros que-
notas desentoadas que lhe sahiam da garganta. i contra me|hor nem mesmo nos castellos dos no- cnlao comecavam a. ser moda, Ja. nessa poca os
Black era um verdadeiro camponez caledonio, bres na festado natal. Behia cerveja longos tra- Hprners, os Thooutons, os Barings.e os Ricardos,
vulgares, porm gos em urna taca de prata ; porm, duvido muito | aiirahain a roda de si um atiento auditorio.
SeY chorado pela patria
E' ter tdo longa vida.
E' para lastimar, e admira que um homem que
durante- vkite e rinco1 annos, exerceu. como Bar-
nes, extraordinaria influencia na Ojiiniao publica,
esteja completamente esquecido pela geracao pre-
sente.
Os interessaBtes traballios do jorn,".iismo, e a dif-
fkuldade dos- meios de coramunicacao ha vinte ou
trinta annos, nao permittirara a Barnes viajar fora
da-Inglaterra;- entretanto, elle conhect asmargens
do Hheno, e fez- mais de urna excurso-a Pars, on-
de foi apreciado pelos jornaltsis do tempe da res-
taura^ao.
Arinand Bertm, do Jornal ios Debate*, fez-lhe
pressate em 18S7) de una lindbsma edicao de l.u-
cane' com essas- palavras rs-riptas na primeira pa-
gina.
Afinen amigo- Barnes, Armantl Iterti. edieao
raristiima: Bunsty Manual do livreiro. Barnes
deu-me depois es* edicao d&Lueano. Fallava o
francaa-muito ineorrectamentei mas, se desoonhe-
cia os antigos escTiplores que feram os forreaderes
e modelo dessa Ungjza, cm compensaco, tra-She
famiha a litleralnca e a historia italiana. Olbava
com desdem e avena as obras-allemaas, mr>u-on^
vm onlbssar queelie asjulgavasem comptehen-
de-las.
Tora Barnes trajswa ordinariamente urna casaa
azul com- botoes s latao, e o colletv cor de enmar-
en cujnwda fi tnsroduzida pon toarles Fox. As
suas -'piiMes eraiii as do quo- ento se oho-
mava am liberal; todava eu nunca reconheci
nelle um verdadeiro whigh. Da todos os hoinens
poltico,- do -seu lempo, era elfo-que me pareca-vo-
lar mais admiracao aos dote nttWectuaes, aula-'
ionio a-i torea moraa de lord iArdtMirsI.
I'iu -personage4.ilmonos coaheeidodo <|ue Sarnas
mas drando mocito como serH'lor era Marray,
i|ue t unln-rn foi .-ni*ri-^ado na redarcao do Times
desde KU at IJdSou I87. M. Murray,desti-
nado a principio a. egreja escosseza em Glasgow ou
Alierdten, foi enviado ao congeessode Aix-terCha-
pelle Kvqualidae de correspondente do T^iws, e
ah, oo sei por fue- meios aJ.nuo** a copia do urna
memoria do M Stourdza (conscllieiro de estado
russu> sobre a sAfrvesceneia pofular na A41ma-
nha.
Nose deviajaprimu* mai^ cincoenta exempla-
res-dessa menora para oso -dov membros do con-
grusso, o como aedida de segnaanca, havia uin pi-
quete de iufa:itaria.encarregad do vigan a lira
gu da impreosa : raas essas. precauQoes nao ira-
iwdiram qut-3lnrra> passasse a mao nosobredtu
dxH-uiueoto etaJUesse publicar por exteaeo no Ti-
znes.
Os diplmalas actiacanvse logrados. Um ta>
Laclo de e*a*rteza fea com t&# o.s proprit-tarios do
hornal enwassem Murray a aples pava ahi ser-o
seu correspondente em i&XI, e elle soube. ainda
distinguip-se pelo seu icn> e habilidade. Foi de-
Dlscnrsn sobre a Biblia, pTennneiiio por D. i. De-, bblica do patriare hado, (pando a mnlher, a fonte
w*^.tA i_u4______ .n ^ Ja ^b* a^ j#h flK a* ^^ ^ ^ ^rk am^ ^ i\ nk rij i % ab^a n^ v *& j-_ A _^____*^< j_ _s___Lnnnl^nnnhv ^ ^^ a ^
noso r.orlrs no lia de sna rietpffte na aradrmia
hespanhola 16 de abril de 1is.
I
Senhorcs.Escolhido poc vos* para preeneber o
lugar, que deixou nesla academia um varloillastro
por sua doulrina, pela agudeza e fecundidade do sea
e a ftor eram amigas, porque- todas juntas, e cada
una de por si, eram o symbot*) da slmplicidade e
randura primitiva t Donde sonafrdeHn Mrareis os
sentimentos puros e castos, o abrasado amor dos
esposos, e a mysleriosa fragrancia das familias pa-
triarrhaes 7 r '
Por isso, senhores, todos os grandes poetas, todos
genio e merecedor de eterna e esclarecida memo- os quesentiram-se abrasados pela chamma Hispi-
ra pela sua litteratura e ciencia, o que poderei radora de Deus, para moderarem a sede que os de-
dizer iiue seja digno de esnriptor tio eminente, e vorava, rorreram s fontes bblicas, cujas aguas
desta assembla ? Qual nao ser o embaraco da- sao inexgouves, e forraam, ora impetuosas corren-
qaelle que, como eu, pobro de fama e curto de fes, nos largos e profundos, estrepitosas cascaras e
engenho ? estridentes arroios, ora lages transparentes e tran-
Em tao grande siluacao, rae pareccu coaveuien- quillas,
te escolher para assumplo do uieu discurso urna Livro prodigioso, ipje o genero humano come-
materia de subido alcance quo, eaplivando vossa gou a lr, ha 93 seculos, e l todos os das, toda^
allenco, lizesse apartar do mira os vossos albos, as noufcs, todas a horas, e arada nao acabou de
para colloca-los em sua propria grandeza e mages- lr; livro em que se calcula tudo, antes de ha-
tude. ver-se inventado a srienca do clculos ; em que.
Ha um livro, thesooro de um povo,que -hoje fabo- sem estudos lingisticas, se d noticia da origem
la e ludibrio da trra um livro que roijem lempos das linguas ; sem estudos astronmicos se compu-
pas^ados a estrella do oriente, onde todos os gran- lam as revolucoes do? astros; sem documentos
des poetas das regioes occklentaes iarn befcer ins- historeos, se- narra a Iriatoria ; sem estudos phy-
pirag&es, onde aprenderam osegredo do enlevar os cos, se revelamos leis do mundo.
coraces;, de arrebatar as almas com mysteriosas Livro que v indo e ?abe tudo r mje sabe os
harmonas. Ksse livro a Biblia, o livro por excel- pensamentos qne germinara no coraeao do he-
lencia. men, e os queWstao presentes no- espirito de
Nelle aprenden Petrarea a modular os seus mais Deu; qu vj* qe se passa nos abysmos do mar
doces gemidos: Dante viu as suas sombras visoes; !e na profundozas da trra ; que conta- e prorfaz
o poeta de Sorrenlo lrou delle os brhantes ra.'os' todas as catastroplv.*i das naec>=. e que contm re-
de suas estrojmes rallammadas. Sem esse livro, dos orihesouros de-misericordias, de justicae de
discpulo, e ahi estabelecen-se. entro ellus- um;i in pornal en*ssem Murray a aples para ahi ser-o
timidade que dnrou muitos-annos. Em 1801, fci
Barnes [tara a universidad de Cambridge, onde
receben os ntimos diplomas em 1811. Voltou en-
tilo para Londres e come^so, o esludof-das leis-no
templo, soba direccao do advogado Qhtty. mas os
revezos da fortuna o obrigaram a empregar-se na
redacefto do Times para relatar os debates dn c-
mara dos. couimuns.
Dous dos conteinooraneos da> Uarnesv M. M-
Watles-elirownly. eran notavis steiiographos.
Dizem que n proprio.Barnes rerruduzia admiravcl-
I mente os discursos de cei tos oradores,, aes como
pois para Poilugaiquando Canning passou patata
as tropasinglezas nos fias do auno I; 1826, pareen
chamaram-no ou-a vea a Inglaterra paraescrever
no Times a parte reialiva as noticias eslrajfiiras.
Nessa [Kca -que eu lhe fui jpresentad-a |n-lo
I n ii-i l. TU- iinaz i aiupbell seu com patriota. NTo me
pareaeu um huiiem proprio |Kr.-;i briihar no mun-
do pela polide&das maneiras : Bfurray tipha antes
Mlton nao tena suTprenhendido amulher em sua
primeira fraejueza, o homem em sua- primeira cub-
pa a Lucifer em sua primeira conquista, a Deus
era sua primeira ira ; nao teria podido narrar aos
povos a tragedia do P&raizo, nem descrever era um
cante-de dr a frmidavel desgrac e o triste des-
tino da humanidade.
E, para fallar da nossa Hespanha, quem ensi-
nou ao- nosso Fr. Luz de Len a sua simpliridade
sublime 1 Do qnem- aprendeu Herrera- as suas
modulacfcs impermsas e enrgicas ?
Qnem inspirou a Bija as lgubres lamentbaos,
cheias de pompa e snagestade, que elle deixa eahir,
como um vn lgubre, sobre as campias maretas,
os valles desolados, as naroes em reina ? Em
quo escala- aprendeu Calderou a remontnr-se s
eternas moradas sobre-as-aza dos ventos?' Quem
poz danto dos olhosdos nossos grandes- escrip-
fores mysticos os escaros abismos do coraeao hu-
ni.-iim. Quem poz em seus labios aquellas sao>-
Cv harmonas, aquetlan tremendas impreca^oe,
aquellas fatdicas ameieas. aquellos movimen-
tos -sublimes, a ai|uelles suavissimos accentos lie
abrasada caridade o do casto amor, que lancam o
espanto na cwnseienciades-peccadoresc anCbatam-
at ao extasios-aa almas puras dea justos t*
Snpprimi a Biblia, e tereis sflpprimido a-bella,
a grande MterafMira espaRnola, ou ao menos-a des-
pojareis dos sena- explendares ns sublimes; de
seo mais lindos-atavos, de-suae soberbas pompas
e santas magnkterncias.
E.de eerto, seiibores, as leltras perdera o seu
bnUia. se esse livro faltaasei-e- sem elle todos os
povos permancemnm na sembra da morte : porque
na BUHia estao escripias os annaes do cu, da ier-
ra e do genero lumano. Nella, como na mesma
Divindade, est eomprehendido oque existk3^0(|ue
existe, e o quo ha de existir : em sua primeira
pagina- se conta ai origem dos-lempos e das cousas,
e em sua ultima pagina fin das cousas e dos
lempos. Comecr.' pelo Gnesis, que um Fdyllio, e
acaba .pelo- Apocakue de Si-Jo.Wyi|ue ia hym-
no ni nobre.
Olomesis bei! como a primoira brisa quo re-
fresoa a Ierra, com a primeira ftor que b*ata nos
ranposy-eomo a primeira paiavra amoros.".que os
honana pronunciacam, como o- primeiro- sol que
appareeeu no licrisonlc.
U> ApocalypsedaS. Joa> trisle, come a ultima
paSplacao da natureza, como-ooltimo neo de luz,
como o derradeiso-olhar -Ju- moribundo.
Entri este hymaofunebne o acuelle id\ 'lio. venv
M passar, uuv.s aps ouiras. a vista de Deus,
todas as geraccas, e, uns aps antros, tcitos os po
vOs^: as tribus-vio com o* ss patriarchas ; as
repblicas com< as seus magistrados; os imperios
com. os seus operadores; as monarcliins comes
seus res. Babwkonia passa eom a suaaaominaeao.;
Niaive com asuapomppa^ JnVmphis con o seu sa*
csrdorio ; Jeiusalem com. os seus propbetas e seu
tamplo; Athsnas com as- suas artei-es seus ae-
rees; Romaeoiao seu diadema o ce os despejos
> mundo. So Deus ,~immutavel; ludo o ais
passa e morae. como a escama que a vaga destruc..
N'este livro so contara mi se prr.tazem todas-as
efttastrophes; elle encerra os modetos.immortaies
oV> todas as- tragedias-: a narracio de todas as
dores humanas; a por isso as harpas hialina
soain lgubremente, dando os tona de todas as la-
mentacoes o do todas as elega.^. Quem gyraer
romo Job, prostrauo per u">a_jp*o excelsa^ qu*-
c o|>|ir-te, cnchendo com os, seusjfcdos e
humedeeendo com>as soas lagrimas os valles da
lduins>* Qhent se lainentariv.como Jeremas em
torno d Jerusalm, abandonada por Deus e netas
naeoes? Quera, sera triste asombri como foi
Ezeqaiel. o poeta dos grandbs inforiiuiios e dos
ireiuendos castigos, quando dnva aos vsatos a sua
arrebatada InspSatao, trros; de Babylenia ?
Na Biblia estao narradas as batalhas do Senlior,
vista das qpaes sao vaos simulacros as dos no-
sso ella oncoera os modoios de todas
vinganca.
Livro, emlim. senhores, que, quando os sculos
se desdobrarem comosm leque gipnlesco, aterra
tremer en seris fundamentos, o sef recolhcr a; sna
Hiz, as estrellas se oPwscarem, permanecer s
com Dos, porque a saa eterna paiavra, resoando
eternamente nos cus.
Vle. seivhores, quao livre e vas* campo se
abre aqu sinvestgacoej-dos homenst Obrigado,
porm, pelo carcter exclnaivamente IHterario des-
la luslre assembla, a considerar a BWia somen-
to cama um livro, qne conten a poesi?.-de um po-
vo digno de perduravel memoria, me Inmitarei a
indicar alguma das numeresas causan que ex-
plicara o seu poderoso atlraenvo e resplandecente
belleza;
Ha no homen tres sent mena poticos por ex-
cellencia : oamorde Deus, c- da mnlher e o da
patria : o-sentimentoreligioso, obnmano, e o po-
ltico.
Por toda wpart*, onde se oteeurtce o ccnhcci-
mento da-1 leus, se cobre com urr vfu o rosto da
mulher ; onde asoacues sao escravas, a poesa
[como a chanuna, -.pi'i' se apaga > falla de alimento.
Ao consrarirt, perin,onde Den brUha com toda
a magostada de sua gloria, a muHwr impera com o
-irresistiveH poder dos seos encanto; onde o povo
-livre, a poesa temeastas rosas para a mulher, glo-
riosas palmas para aa naroes, expendidas azas
jiara elevar-se>s mais abas regioes^lo evu.
Entre todos os peA-os, qne estao aletada cruz, s
O' bebreu te ve conbeeimvnio certa de Deus, e foi
eHe o nica que presagian a dignidade da mulher,
e-<|oe sempre salvos a saa liberdade- nos grandes
accidentes de-sua perigosa existencia. E, se per-
porroles o Oriente, o Occidente, o j^ptanlriao eo
Meio-dia, nao ncontrare a mulher, nem o povo.
nem Deus.
LVbaixo de-ponto-da vtsta religiosa) ladee os po-
vj-s eram idol&iras, maniebeus ou pantkeisias. A
nociio de um Deus eonsubstanciai com o- mundo.
espttlhada eotro ospovosda edade primitiva, leve
origem nas regie do ladosto. A axistenca de
tiun Deus, principio de t o bem. do oro outro
Dous principio do tmb) oiwd. fazenJ>t-lhaepposicao
O'contraste, oi inveneoihissaccrdotei-peasas ; e
as repblicas gregnssVrviram de exeroptes na-
coas idolatras (X I)-iis do Indostao Ibi aonderana-
do a um eterno rapos; o dos Persas, ama ira-
potencia abs-iluUi; aos oV.-us-.-s dos gnego eram ho-
mens.
Quanto aiulher. em todas as regiSeado mun-
do, ella estava.condwufla.ta ao ostticismn poltico
civil, e por toda a parte volada i se'firidao do-
mealica. Quem. rcootecia nessa eeotava, com
ftoolo pendida sob o-peso de una maidlcae nm-
teriosa, a maibella, a mais doce, a.mats delica-
da das creaturas, em cujo divino lemlmmic Deus
se retrata, es-cus se icflectem. o-oa-ajpa se mi-
nun ?
Em fim, senhores, se buscaes lipovonivre, un
povo que tenha nooo di digndade.hnmana, nao
eacontraneisum's, em lodos os-mbitos da Ierra,
que se erjiuc. se lavante a tilo magosto* altura.
Em vo o buscareis nos soberbos-imperiea da Asia,
que, cahido-coia estrepito uns- sobre es outros.
destruiram-se espantosamente.
Em vaoo buscan-is na trra dos-Pbaras, onde
so levantaram gigantescos tmulos, cuja cimento
foi ainascado con o suor e b saague das nacoe-
veiicida, e que- athistam cora- muda a allerradora
clSquonca, que essas vastas soddes- kram amiga-
mente povoadas por geracoos-escravas.
E se-aastaado os olhs das regies orientac>.
os vclveis para as occidentaes, o que vedes nas re-
pul cas gregas, se nao aristocracias orgulhrsasc-
tirannleas olygarchias ? O que ventos em Spa-ria.
onde reina a ra^a drica, so nao uiaa cidade orian-
tal, dominada por seus. conquistadores ? E.em
.V.tienas. a heroica, a democrtica, a culta patria,
dos deuses e das hroes, sendottina cidade liabi-
tada por um povo eseraim, e por urna aristearecia
mens; por .
ares de rustica, e entretanto aptaar dos seos modos i a.s tragedias, de todas as elegas, de todas as la-1 cruel e w-gulhosa, que a.si.propria nunca se-cita:
gnesseiros e do. poueo cuidado que tinliapela sua I ientacos o tamhem o modelo nimitavel do todos |:mou povo por que o povo era ailado ?
de feices communs, maneiras
honesto c laborioso, e nao se pode deixar do elo- que essa cerveja Cosse Caita pela sua casetra, e
iar a sua ntegridade poltica e moral. Fez mui- tenho mesmo razoes para crer quo ella vinha do
tas tradueeoes pan da obra do barao de Humholdt sobre a Amrica Poseo assoverar que os seus vinhos de Xerez, do llfcp,!^^,,!!^!* tmurildtfltt
,pal,.la,eadasobrasdcSchlegal. A sua.tra-, Porto e de Bordeaux eram do superior qualidade, ^ parhrnen|ares eHlro os quaes ^.^ 03
llames passou a ser rodador do Examinen logo
que se tornou proprietaiio dessa jornal Legb Hunt
o seu antigocoHega do hospital de Christo. Ali
llispanliala, e a das obras de Schlegal. A sua tra- Porto e do Bordeaux eram do superior qualidade,
duccao de Schlegal rio m, mas nao se pode di- e que o demcrata escriptor do Register oerecia dta7lebr^
rer o mesmo a respeito das outras. aos seas convivas excollento vinho de chawpanhe Huskfeson
._ I das melhoresadegas d'Eperuay, as da casa Moet. j
O que faeto que Black tinha das linguas es
trangeras uin conhecimento muito imperfeito, ad-
quirido apenas nos livros, ignorava pois todo o
ama
e Horner. Ao reler essa obra depois
de reeio secnlo, espanta o vacuo quo se occulla sob
Cobbett cntrou para o parlamento muito tarde' iao sonoras palavras. O melhor do todos essas re-
para poder disliuguir-se ahi. Mesmo guando era l(ajos | lMn esboco consagrado a sir Wkttiam
pseaoa, Murray quando oseros sobre os negocios i os hvmnos. de victoria. Quera coajar como Moi
da Europa dava provas de bem gpsto, do elegancia ss, do baleo lado do r*ar VermeHio a victoria de
o de pobsuir os conhecimenms que so- adquirem| Jehovab. a,derrota de Bhara.e a liberdade do seu
!com a Icitura de bons livros, sir Charlas Wethe
rail (que alias era bom ju.zi dizia que de todos es
artigas dpsjornaes, os mata bem escripias eram >s
de Muriay- Assrn como. Barnes -.lie fallava ou
antes estropiava o francea- e o italiano, porm sa-
bia alm dissoo allomoqtio Barnes nao conhaca.
Lorabro-me que fui convidado para um almoeo em
casa d> Barnes, em 18o2, para lar occasio da on-
contrar-me com M. Dumonlin, enlao redastor do
Cviislilutionel, que faltou aoconrite e nao apparo-
ct- l; mas estiveram presantes um francez e um
judeu de Badn com quem livemos de fajlar sem-
pre em francez. Murray esforcou-se por expri^
mir as suas ideas na lingua de Melirc e de
Voltairo, mas nao conseguiu o seu Hm.eo seu
francez era tal romo bom raras vezes se ou ve.
Em outro artigo faremos conhecnenlo cem os
jornalistas que vierara e escreveram em urna poca
mais prxima desta em que vivo e escrevo.
(Contiiwr-sfrAa.;
FOLHETIM.
k CONDESSA DIANA
POR
MI!. MAMO KllHU.
XXV
fContinnaeao Jo n. 274.)
Wilhelm.estouafflictissinio. OmeupobroSchultz
acaba de passar por una crise terrivel ; e tarjes.
que leona de ver perdido de urna vez o fructo das
mnima conquistas sobre a sua razo Voltaram-
llie as duvidas, que b atormentavam, como se al-
guma revolucao occulla lhe revivesse os passados
sustos.
As minhas cartas, mais lacnicas e menos fre-
quentes de duas a tres semanas para c, te deve-
ro ter dado a conhecerque sou muitas vezes obri-
gado a largar a penna para soccorrer o meu des-
ditoso amigo. Os combales interiores, que elle
proprio nao ousava comraunicar-me, remataram
n'uma crise. Desta vez ainda recorr a energa
do seu coraeao, pondo-o face a face com a sua es-
posa efilhos. Fui bem succedido ; porm eis urna
afouteza que mo faz tremer I Esses entes queridos
tem sido al este momento o baluarte quo ergo
entro elle c a loucura: haja porm urna quebra no
scu amor, e adeus felicidade de todos I
Lulo com coragem : mas ah Sinto que tenho
esgotado os roelhorCs conselhos e dictantes, e a
ferda dessa aima desventurada sangra ainda co-
mo no primeiro dia. O despiedoso germen exis-
te nas fontes vitaes ; s o desarraigara um desses
foi pos decisivos que dependem nicamente de
leus : pois confesso-te, amigo, que quanto mais
estada o assumplo, mais reconheco que as affec-
Qes men^asaoMvitavelmente hereditarias; eu
mesmo sni*i rum desses tremendos aba-
les do corag me tornan -insensivel alude
Que recete I lioattiraeu queja nao pos-
so ter esperanj^pBoPt-jempo em que soffri
tambera, como Schultz, as angustias da duvida; sa. Sei que- Inimigos poderosos o persegm^m, e
enhio era suave a minha existencia Moje, por- foi para ajuda-lo a vr-se livre dos saus tramas,
que terei modo de ser louco ? Seria o olvido eom- que prestei o meu concursa
pieto. Nesto caso o Sr. doutor nao me julga doudo ?
D'aqui vs, meu charo Wilhelm, como me acho Nao mereceria a colebridade do que goso, se
desanimado. Se podesse fugir da mlssSo, que a duvidasseum s momento...
mm impuz por vontade propria relativamente E vae resliluir-me a liberdade ?
cura de Schultz, teria grande prazer em votar ao Prometi fazc-!o logo que islo soja jiossivel
nada este misero corpo, que sabe ainda que exis- sem risco para oSr. bati.
te porque sent os
cruz
cravos que a prondem sua
Como Sem risco liara mim ?
Esqnecamos porm esta^interrupcao, que era a ^ ^fl2*E? tf3
'''l'.V'^^r^i^i^i0.!!.0^ ^tJ^: maram todas as precauces. Olhe, accres'en.ou
veja ali no pateo aquolles
N-um da manheciem um dos aposentosda ca- "'Sr'!^';'' ,he* ,metm
sa do Dr, Schultz Pareceu-mo que^nerui..do lSgmZVSmmm\ Ho agentes dk poli
um horrivel-pesadelo O raen vell/nte Mlm- (|l.sf,rra(l0!J en ,nfmwir0!. Ha umna esea-
va-sc ao pe de m.m ; tinha chegado na, nonU pre- (.0;nrminil.a rom o seu aposento, c outros
miente Disse-me que no segmot dtMmi- ^e vigiara da parte de fra do Vstabolecimento ;
nha partida o conde lhe transiniUira por inlerme- ^ ^ mi(i k ^ ,pntaHva mM flwr n9pa IKfmm
diodo Martinho a ordem de vir reunir-se a mim
povo? Qnem cantar um hymnode victoria,como
o quecajitou bora.a Sibila do Israel, a Amazona
dos Hebreos, a mnlher forte da Biblia? E se dos
hymnos da victoria passarmos, aos hvmnos de lou-
vor, que templos repercutirn jamis como o de
Israel, elevando ai cous aquellas viues suaves,
harraoniosas, concertadas com. o delicado perfume
das rosas de Jenc,. c cora o aroma e incens do
oriente ?
Se buscaes modelos dn, poesa lyrica, que lyra
ser compara val de David, o amigo de Be'us, que
ouvia os doces conec-rtos das harpas anglicas ?
Ou enlao a harpa de Snlomao, o rei sabio e foliz,
que pz a sabedoria em sentencas e proverbios, o
acalxiu i>or chamar vaidade sabedoria ; quo can-
tn o amor e seus desojos delicados, sua. doce em-
briaguez, seus transportes o seus cloquales deli-
rios?
Se procuraes modelos da poesii buclica, onde
encontrareis tao frescas e tao puras como na poca
ana
em casa do Sr. de Jotival em Carlsruhc.
Desde o dia de minha prisao Diana achar-se-hia
nas raaos do seu algoz, se tivessem sido infruct-
feras as pesquizas de Bastio.
O meu primeiro ponsaraenlo foi pois tentar una
evaso.
O doutor fez-se annunciar nesse interm. Ao
primeiro golpe de vista foi-me fcil recphecer
qne elle niostrava-se embarazado pelo papel odio- elle o percebeu, e acrescentou :
so que representara para comige ; tanto que foi Qnr experimentar? Saia. Qualquer qne se-
o primeiro a prevenir as minhas justas queixas. ja o descrdito que disto me resulte, antes assim o
do sorte que menor tentativa quo fizer para esca
par-so ver-se-ha logo rodeado, agarrado, e encer-
rado nao sei onde ; nonpie o coronel de Jouval
poderoso, e o Sr. bao est assignalado como um
louco temivel. Nem poderla roclama-lo a Iogac3o
da Franca, pois que olla mesma obrigada a re-
querer das autoridades a exocu^ao da senteuca do
um tribunal francez, que o condemna.
Hesitei em dar crdito s palavras do doutor:
Devo preveni-lo, porra do que seria impru-
dente contar com esse homem para una evaso.
Cada voz icava mais admirado.
E nao me ser permitlido sabir doste
quarlo ?
Pois nao I Vamos dar um passeio ao jardim,
lornou Schultz levantando-se. Ahi gozar do ar e
do espaco.
Segu-o, sempre desconfiado. O doutor fez-me
atravessar o pateo; entramos n'um pequeo par-
que conservado eom um cuidado todo hollande-z.
Os dous agentes encarroados de vigiar me, e que
ello me mostrara da janella, pozeram-se a canu-
nhoem nosso seguimento.
O' l, senhores. bradou o doutor. Tenham a
bondado.de cumprr o seu dever sem approxima-
rem-so tanto de nos, podem do longe contemplar-
nos verdade I
E voltando-sc para mim, prosegua :
O Sr. barao pode aqui vir todas as vezes que
quier; para os doentcs tenho outro jardim.
Fiquei ainda mais abalado nas minhas suspei-
tas.
Nao esta de corto a prisao que lhe deseja-
riam dar : entretanto nao tenho a culpa da que
nao seja urna prisao. O que lhe posso afltancar
que emquanto aqui estiver procuraret lornar sup-
portavel a sua reclusao.
Voltei ao meu quarto ainda muito perplexo. a
vista dos perigos, que me rodeavam, sena impru-
Vcjamos agora a rende Abrahiio, e antes de-
ludo fatlemM do seu Deus, cuto nomo este, osi-riy.
to indeievolnientc nas- paginas de sua historia, t
seu nomo Jehovah; a-sua natureza es|)ritua!<. a
sua independencia absoluta, a -sua intelltgeneia m-
linila, a sua liberdade completa, a s,ua. vontade
omnipotente e soberana. A creaco foi, um acto
dessa vontade independeate e soberana, a qual
mantem com o seu, poder o que a saa. providen-
cia crcou. Jeliovah mantem os astros cm snas r-
bitas, a trra em.seuseixos, o mar en\-seusranaes.
A naees osiae.coram o seu nome,,a-elle rctirou
o seu poder das nacoos : do sbito. % intetligoncia
humana se viu envoa em urna eterna ncte. En-
lao escolheik um |>ovo entre todosos povos, abriu
o entendimanto ; a esse povo o euviu, adorou-o de
joelhos, mar-chou em seus canahps, obedercu aos
seus maodamcntos, c, com o sau poder cheio de
vingancas e de misericordias, foi ao mesmo lempo
o instrumento, dos seus incscrulaveis designios e a,
luz da trra.
(Coitlintiarse-ha.).
Desejana, Sr. baro, disseelle, inspirar-lho desejo, do que passar a sous olhos como cumplir dencia lomar qualquer resoluco, sem ter primei
a conlanoa de um amigo ; e por penosas quo lhe de um crime de lesa humanidade. Lembre-se s- ro noticias de fra. Aproveilando-mo jios da fa-
possam ser as circumstancias quo o trouxeram a mente do que tlz o meu dever advertindo-o. So cuidada quo mo davam, e desejoso de experimen-
esta casa, quero desde j signioar-llie as minhas porm o Sr. baro prefere esperar aqui que a vigi- tar a sinceridade do meu doutor, escrevi a Bastio
boas inlencoes. lancia affrouxe a ponto de poder escapultr, afilan- em termos que a ninguem compromattesse no ca-
A minha amisade e confianza, Sr. doutor co-lhe quo achara era raini um medico, e nao um o de ser a carta interceptada.
Oh Seria .conceder muito n'um dia a um homem carcereiro. i "Quatro das passei entregue a pungentes angus-
que nao conheco seno pela mais iniqua das ac- E o senhor doutor permitte-me escrever, e lias. Nenhoma res|iosla rhega'va de Montherm.
coes. < receber cartas dos* meus amigos? Comacas'aj a aecusar Schultz. Eiulim urna ma-
Confosso, Sr. baro, que as apparencias sao Por uniearespostao*BoutorSchum tocou acara- nlia entrou Hermann no meu quarto cem una
contra mim : mas pense tamben^ que se eu nao paraba. Um homem appareceu. Reconheci ncllo, caria na mo. A letra era de Bastio. Abr a car
houvesse aceitado esta triste missao, outro se en- um dos que me haviam agarrado. ta com estranho aporto de coraoo, e II o
porque asstm conseguiu descobrir os vastos da car-
ruagem, j um pouco extinetos, quando chegnei.
O meu companheiro seguiu:os at urna encruzi-
Hiada, onde ellos eram muilo vivos, e esperou-me
ahi. Seguimos ambos os fugitivos, e a direccao to-
mada desde o castello laoslrou-me que esse rase-
ravel Placido nao tinha ido cidade. No (Vn de
meia legua observamos um lugar, em que acarro
devra ter parado : os sulces reitos pelas rodas
eram mais profundos, e os raslos dos cavalios con-
fuudiam-se. Ponsoi a principio quo haviam ali en-
contrado algumas pessoas; porque o vestigio de
passos na arela hmida eram muito visiveis; mas
a dous metros da distancia nao se viara os mosmos
signaos. Comprehondi enlao que naquollc lugar
tiuha descido a pessoa que eslava na carruagem :
o p era tao pequeo, e to de leve parecer tocar
na trra, que j nao poda haver duvidas. A' mui
pequona distancia dous buracos mais fundos pre-
duzidos pelo taco dos sapatos davam a entender
que o Placido saltara tambem do seu assento.
Veio-me ao pensamento que a pessoa por elle con-
duzida, percobondo o caminho que levavam, recu-
sou tal vez ir adianle: mas certa de que nao ia s,
subiu outra vea para o carra Tudo isto levou-nos
at a estrada de Viray, onde infelizmente perde-
mos o rasto.
t Entretanto o meu embaraco nao durou muito.
O caminho seguido denota va que alies deveram ter
tomado do lado de Viray, pois do contrario apro-
veilar-se-hiam de um alalho que ia ter a Brossy.
Chegamos a Viray sera sabormos cousa alguma :
mas era para mira evidente que iarn por ahi alhn
de enibarcarem-so no caminho do ferro. Corr,
equipagem, e parli para Dinant. Por ali, Sr
Aiulr, nao podo cother noticia alguma por causa
do grande numera dn viajantes que passan, na es-
lacao. Visitei todos o botis da -cidade ; a aps
uin dia do baldadas indjgaces convenci-me de que
ees tinham eiuuaiiuawa sua viagem sem parar,
t J nada mais poda fazer seno. cerhflcar-ine
da volta de Placida Espreitei os trens quo volta
vam, e no segundo dia a tarde vi intendente n'um
wagn do primeira rlasse. Sub immodiatamento
ajim oulro de lerreira tclasse. Chagando a esta-
gao de Viray corr ao emiuegado quo recebe os
cartSes de sahida, o promoft-lhe cem sidos se inc-
moslrasse o cartao de um viajante quo ia salar.
Era qnasi noute, passei o meu lenco |ielo quetxo
para nao ser conhecido ; o (mando chegon a voi
de Placido toquei no cotovelo do empregado. u
cartao tinha a marca da estaeo de Spa.
Em summa, para encunar razos, quando cha-
gua em casa soube da partida do sou velho Frita;
e depois por cumulo de desgraca voltou o Alsacia-
not declarando-me que o tinha perdido de vista ;
porque em quanto so conservava de viga na ave-
nida, onde passra a noute, Vmc. sahra muilo ce-
do com o seu companheiro da viagem pela porta
do dotraz, que nao volira mais casa do Sr. de
Jouval, e assim lhe escapara.
Do reir arranquei os cabellos; e agora es-
pero as soas ordens. Vmc. sabe que tenho ami-
gos. O Placido despediu todos os criados da casa,
inclusive Catharina, o diz alto e bom srm que o Sr.
e a Sra. de Maufert nao voltario tao cedo.
Entretanto contino a velar. provavel que
carregaria de la em meu lugar.
O que seria uin prejuizo para o seu estabele-
cimento, e um lucro de mais para algum dos seus
collegas.
Talvez que o Sr. baro tenha anda occasio
de ai repender-se desla sua linguagem acrimonio-
pois, estaeo; ali tudo descobn. O empregado c venham ter cartas do amo para o infame exe-
da estaeo lembrava-se porfeilamento de urna se- cu,or ds>s suas intrigas ; exarainaroi o timbre do
nhora que estava muito triste, e de um sugeito, Curreio, e havemos do ver... Despend apenas do
que pelos signaes que me deu pareca ser o Pa- seu dinheiroquinheatos francos. Conservo-me ca-
cido ; os quaes esperaram mais de urna hora pelo 'a(,0> naua a'go ; pois o nico meio de adqnirir-se
trera do Dinant. alguma noticia, nao perder de vista o bregeiro do
. i v- a- m ., Placido. Em todo caso Vmc. sabo quo basta um
a car- Nao me poda restar mais duvida, pois rollan- signal seu para eu ir avante, qur rennir-me a sua
que so do a hospedara vi ali o carro e os cavalios, que os peW qur viajar por ahi alguns.
h:\vi.-un rnnmiTinn c mo riu>nnl..>Al _f.:._____..
Hermann, disse o doutor, traga para aqui a segu : haviam conduzido, e que reeoneri perfettamente
minha carteira. Se o Sr. baro lhe dr algunas Sou muito infeliz, Sr. Andr, por nao poder I Percorn todo o carro a ver se a pessoa, que sabe-
cartas para por no correio, leve-as immediat-dmen- dar-lhe seno pessmas noticias. Logo depois da raos, deixara flear algum signal: nada encontr!.
fContinuar-te-ku.j
te. Compra as suas ordens no qur que seja. saa partida fui reunir-me* ao companheiro enear-
0 horaem sahiu; o doutor prose^uiu surrin- regado de procurar por toda a parte a pessoa que
do-se:
I Vmc. sabe. Fiz bem ooi despaclia-lo logo noute;
Ima vez esclarecido deixei ahi o meu compa-
nheiro para nao perder as pegadas de Placido, que ____-------------=r-----s-^-=----------
fieara de voltar dous das depois a tomar conla da PERNAMBl'CQ TTP. DB M. F. F. & FILHO.
ILEGVEL
,



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EGB11X726_631U70 INGEST_TIME 2013-08-27T23:35:21Z PACKAGE AA00011611_10255
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES