Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10251


This item is only available as the following downloads:


Full Text

af-
ahito xnix huero
M
.1
Por tres ezcs dictados
Ptr tres nezes vammos .
51000
6JO00
FEffiA 25 DE R0VEMBR0
Por anno adiantado. ,
Porte para o subscriptor.
19*000
3*000
DIARIO DE PERNAMBUG0.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCp NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alejandrino de Lima
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Araran-, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Piaheiro & C; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL
Alagas, o Sr. Claudino Palrao Dias; Bahia, o
Sr. Jos Martins Aires; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins & Gaspar i no.
nti-H. r,^AR'SI)AJI>0S, ^TAPETAS. | EPHEMERLDES DO MEZ DE NOVEMBRO.
Ohnda, Cabo e Escada todos os dias.
sextsafeirsyiUma Parahyba nas se&nndas e 3 Qnarto ming. aos 8 m. e 26 s. da t.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruaru'J Lua B0?* 4 h., 34 m. e 14 s. da m.
Altinho e Garanhuns nas tercas feiras. *8 Qoarto cresc. aos 12 s. da m.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira, 25 Lua cheia as 5 h., 16 m. e 20 s. da m.
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu' nas quartas feiras.
Serrahaem, Rio Formse, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras nas qnintas feiras.
Ilha de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao
>/2 dia.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 0 horas e 30 minutos da tarde.
Segunda as O horas e 54 minutos da manha.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIBOS.
Para o sul at Alagas a 5 e 25; para e norte at
a Granja 7 e 22 de cada mez; para Fernando nos
dias 14 dos mezes dejan, marg., maio,jal, set. enov.
PABTIDA DOS MNIBUS.
Pira o Recife : do Apipucos s 6 /i. 7.1 V?, 8 e
da m.; de Olinda as 8 da m. e6 da tarde; de
too s 6 m.; de Bemfica s 8 da m.
_ Recjk Para o Apipucos s 3/* 4, 4 A, 4 >/j,
5,-5V*. 5 /j e 6 da tarde; para Olinda s 7da
AUDIENCIA DOS TRLBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relacao: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 hora.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Priroeira vara do civel : tarjas e sextas ao meio
dia
para _
manha e 4 tyt da tarde; para Jaboato s 4 da tar-
de; gara Cachang e Vanea s 4 /i da tarde; para Segunda vara do civel: quartas-e sabbados a 1 hora
Bemfica s 4 da tarde. da tarde.
DIAS DA SEMANA.
23. Segunda. S. Clemente-p. m.; S. Cezimom.
24. Terca. S. Joao da Cruz c.; S. Chrysogono ra.
25. Quarta. Ss. Erasmo e Mercurio sold. mm.
26. QinlH. S. Pedro Alejandrino b. m.
27. Sexta. Ss. Acacio e Facundo presb. mm.
28. Sabbado. S. Jacob da Merca f.
29. Domingo. S. Saturnino ni.; S. Uluminata v.
ASSIGNA-SE
no Recife, em a livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietrios Manoel Figueiroa d
Paria & Filho.
:
PARTE OFFICIAL.
G#WRN0 DA PROVINCIA.
Coanuafie 4 expediente do dia 20 de noYcmbro
etm.
Portara.O presidente da provincia, tendo em
vista o que reqnereu o segundo escriturario da
thesouraria provincial Manoel pereira da Cunha,
e bem assim a informacao do respectivo inspector,
datada de hontem, e son n. 571, resolve coneeder-
]he tres mezes de licenga com vencimentos, na for-
ma do artigo 49 do regulamento da mesma thesou-
raria, para tratar de sua sade.
. 21
Offlcio ao brigadeiro commandante das armas.-
Queira V. Exc. expedir as saas ordens para que a
guarda da casa de detencao seja feita diariamente
per pracas de primeira linha, fleando dispensada
desse servico as da seego urbana.Communicou-
se ao commandante do corno de polica.
Dito ao mesmo.Queira V. Exc. informar sobre
o que expe o inspector da thesouraria de fazenda
no offlcio que aqui ajunto acompanhado de outro
^Jo Dr. chefe de polica e de um requerimento de
Francisco Guies Simes do Amara!.
Dito ao mesmo. Pode V. Exc. mandar vender
em hasta publica, como prepoz em seu offlcio n.
2171, de 20do correte, a que respondo, o cavallo
russo n. 55 da companhia de cavallaria, visto estar
incapaz para o servico. Coramunicou-se ao ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Communico V. S. que o bacharel Antonio Fer-
nandes Trigo de Loureiro, juiz municipal e de or-
phos, removido para o termo do Buique, partici-
pou-me em 26 de outubro ultimo, ter nessa mesma
data tomado assento na assembla legislativa da
provincia do Bio Grande do Norte.
Dito ao mesmo. Nao obstante a duvida apre-
sentada pela junta militar de sade no parecer in-
cluso sob n. 1, mande V. S. pagar Rufino Manoel
da Cruz Cousseiro a quantia de 375J00O, porque
executou em consecuencia de ajuste feito com a
directora das obras militares, os concertos e obra
nova de que necessitava a fortaleza do Brum, visto
que das inormaces n. 1 e 2 dos engenheiros mili-
tares, e da que ministrou a directora copia n. 4,
consta estar feito com a necessaria regularidade
o cano de esgoto das aguas servidas do xadrez da
mesma fortaleza.
Dito ao director do arsenal de guerra. Mande
V. S. fornecer, vista do incluso pedido, 1,950
cartuxos do adarme 17 sem balas para as descar-
gas que tem de dar os corpos da guarda nacional
detallados para acompanharem a procissao de Cor-
pus-Christi no da 22 do corrente.
Dito ao mesmo.Respondo ao seu offlcio n. 158
de 20 do corrente, declarando-lhe que Oca appro-
vado o contrato que segundo o termo datado de 19
do corrente celebrou V. S. com o dono e mestre
do Wate Sergipono para conducao das pracas, pre-
sos eobjectos destinados ao presidio de Fernando.
Offlciou-sei ao mmxtbt da ibeseuraria de fazen-
da remettendo-selnPepia dotontrato.
Dito ao juiz de direito do Bonito.Inteiradn pe-
lo seu offlcio de 28 de outubro ultimo, de ter Vmc.
nomeado Jlo Candido de Mello para exercer in-
terinamente o offlcio de escrivo privativo do jury
e execueSes criminaes do termo do Bonito, tenhb
dizer-lhe que nao estando esse offlcio vitalicia-
mente prvido deve ser posto em concurso, obser-
vndole o disposto no decreto n. 817 de 30 de
agosto de 1851, no aviso 252 de 30 de dezembro
de 1854, e no aviso circular de 25 de outubro de
1861.
Dito ao bacharel Felisbino de Mondonga Vas-
concelos.Accusando a recepcao do offlcio de 15
do ronento. em qae Vine, cominunicou que por
liaver terminado no dia li o seu quatriennio pas-
sou ao supplente o exercicio do cargo de juiz
municipal e de orphos do termo do Barreiros :
tenho a dizer-lhe que no referido dia 14 Ihe com-
muniquei ter sido Vmc. reconduzido naquelle lu-
gar por decreto de 5 deste mez, afim de prestar
juramentoeentrar em exercicio independente de
titulo que apresentar no prazo marcado de tres
mezes.Communieouwte ao inspector da thesou-
raria de fazenda.
Dito ao conselho administrativo.Transmiti ao
conselho administrativo para os fins convenientes,
copias do termo do exame a qae se procedeu nos
medicamentos e mais objectos vendidos pelo boti-
cario Joaqnim Ignacio Ribeiro Jnior para a phar-
macia do hospital militar.
Dito ao engenheiro em commisso, Paulo Jos
de Oliveira. -Respondo ao seu offlcio desta data,
remetiendo inclusa a portara que Vmc. solicitou
para Ihe serem prestados pelas autoridades do ter-
mo de Iguarass. os auxilios de que precisar para
o bom desempenho da commisso a que vai Vmc.
a ilha de Itamarac, em virtude de ordens do go-
verno imperial, e declarando-lhe qae o director
das obras publicas tem ordem para fornecer-1 he
os objectos mencionados em a nota a que allude o
seu citado offlcio.Officiou-se ao director das obras
publicas para fornecer os objectos pedidos.
Dito ao gerente da companhia Pernambucana
ie navegaoaoroeteira.Pode Vmc. fazer seguir
para a linha aa sol o vapor Mamanguape, no dia
indicado* sea offlcio de 20 do corrente, a que
respondo.
Portara.O presidente da provincia, attenden-
do ao que ponderou a directora das obras publi-
cas em offlcio de 12de outubro ultimo, e a cmara
municipal desta cidade em sua informacao de 9
do corrente, sob n. 53, resolve approvnr proviso-
llmente a postura apresentada pela (nesma c-
mara, cujos artigos sao os seguinles :
Artigo 1.* Os passeios que em virtude do dispos-
11 no art 18, tit. 7 das posturas de 30 de junho do
1849, tiverem de ser construidos em frente das
casas tero a largara proporcional a da ra res-
petiva, observando-se a seguinte tabella :
jMrgwados passeios. largura da r%a.
1 nesta estacada de 10 a 15 estacas
acha vaga.
Expediente do secretario do greme
Offlcio ao brigadeiro commandante das armas.
De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provin-
cia aprsenlo V. Exc. o incluso passe para o trans-
porte do tenente Jos Caetane da Silva e sua fa-
milia, da estacao de Una at esta capital, na estra-
da de ferro.
Despachos do dia i\ de novembro de 1863.
Requerimentos.
Antonio Jos Teixeira de Mendonca Belm.
Informe o Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Jos Antonio de Souza.Informe o Sr. juiz mu-
nicipal da primeira vara.
Joaquim Alves Barbosa.Revalide o presente
requerimento.
Leandro Joaquim de Santa Anna. -Informe o
Sr. inspector do arsenal de marinha.
Porfirio de Albuquerque Magalhes.Informe o
Sr. inspector da thesouraria provincial.
Viriato Sergio de Moura Mattos.Dirija-se the-
souraria provincial.
Foram recolhidos casa de detencao no dia 22 ahtrperfeitamente"isoado7de sortea! imples"
v^:.i- r,im c h. a .- I"5B *endw>comprehende a absoluta irosos-
Sr. chefe de polica, Joao.' siSMade de qualquer embuste.
africano, escravo de Antonio Moreira, por embria-
guez
wh sido e objecto das investigacoes de quan-
Bitam a igreja, pois perraitte-se livremente
autoridades competentes.
DKSIGNAgAO BE WA.
dia para julgamento dos seguintes
Assignou-se
feitos :
Appellante,
Ie,?d0dSU,?flegasd^d0RhCCie SHPad0S ^^PhS^nS doar, e Cedr^
te^^^SJ^Sfe^tSS: Lirmooe"minei< todoo escrpulo e'at-
AppellaqSes crimes.
o juizo
COMMANDO DAS ARMAS.
ceico, os crioulos Manoel da Silva Ferreira Tor-
rao c Manoela Maria Francisca da Conceicao, todos
por briga.
A' ordem de de Santo Antonio, Maria Luiza da
Boa-Morte, tambem por briga.
A' ordem do de S. Jos, Romo Serapio Go-
mes, semi-branco, para correccao ; Pedro, africa-
no, escravo de Joaquim Jos de Souza, por andar
fgido.
A' ordem do da Boa-Vista, Manoel, pardo, es-
cravo de Bellarmino da Cunha Reg Barros, por
infraccao de posturas ; os crioulos Innocencio, es-
cravo do major Almeida, por suspeito de andar f-
gido e Cornelio, escravo de Bento dos Santos Ra-
mos, por desorden).
A ordem do Capunga, os pardos Jos Joaquim
Alves, Galdino de Assis Duarte, Antonio Jos de
Souza e Joao Bernardo de Mattos, africano, todos
para correegao ; Florencia, crioula, escrava de
Lauriana de tal e Gabriel, tambem pardo, escravo
Quartel general do eommando das armas de Per- de Thomaz Pereira de Camino, ambos sem decla-
nambuco, 20 de novembro de 1863.
Ordem do dta n. 270.
O general commandante das armas faz certo
para os fins convenientes, que approvou o engaja-
mento que contrahiram para servir por mais seis
annos nos termos do decreto e regulamento do 1
de maio de 1858, precedendo insneccao de sade,
o 2 sargento da companhia do 4* batalho de ar-
tunarla a p Miguel dos Santos Guimares e o ca- noel de Santa Rosa, branco, os pardos Manoel In-
bo de esquadra da 1* companhia do 2 batalho de nocencio Pereira Cardoso, Lycurgo Barbosa da Sil-
infantaria Candido Olympio de Oliveira Porto, este i todos por disturcios: Silvina, crioula, escrava
no dia 17 e aquelle a 19 do corrente mez de no- de Fortunata de Almeida Fontes, por briga.
vembro, conforme participaran! nas referidas da-! A' ordem do de S. Jos, Francisco Marinho, par-
tas os respectivos Srs. commandantes em offlcios do, escravo de Bento Jos da Costa, por insultos;
ns. 1127 e 471. ; Joao, crionlo, escravo, de Vicente Mendes Wan-
AssignadoSolidonio Jos Antonio Pereira do 'derley, para averiguacSes policiaes.
Lago. A' ordem da Boa-Vista, Domingos, pardo, escra-
ConformeJos Ignacio de Medeiros Reg Mon- vo de Anna Pimenta, Gregorio, crioulo, escravo
teirot capito ajudante de ordens encarregado do de Jos Jaclntho de Souza, Daniel, africano, todos
testan.
Ae entrar na igreja oceupei o meu lagar entre
a Dtumaao, em frente do altar, e a distancia s de cha Bezerra.
cinco ou seis varas ; e ao ajoelhar se o povo ao
so de campamha que annunciava a consagra- ..,.K-.-..^, uammn
Sae,i o que nunca esquecerei anda que vivesse Veiga ; appellada, a fazenda.
cea annos.
A imagem j nao era urna pintura, se nao urna
gtsyhumana viva, com os olhos fitos no co, e o
Bosneeoerto de pallidez mortal, com urna expres-
perfeitamente visivel de angustiosa agona
de SonR^rrrJPTt^w^v^ a uberto 1p mberiba, como dspCe oorcamento para todas
Mra^Srtn^e7Mphl,^anc^0d0-]l0llte-eUaS5di*,l|ie na ha Pande inconveniente em
SSf* de *? d0 corrente, sendo ouvidas as cooceder-se o que quer o peticionario, urna vez que
ditas 10 a 15 estacas sejam. de boa qualidade, e to-
das as outras sejam de emberiba. Concedeu-se.
Outro do mesmo, informando contra a pretenco
da viuva de Manoel Goncalves da Silva, de querer
licenca para enllocar urna telha face da cornija
appellado, Luiz Belarmien de seu sobrado n. 11 da ra do Vigario, como an-
. tigamente se fazia. Coucedeu-se a licenca para
a ncrir *ranc,sco Jos Pere,ra i PPeHada, limpar as frentes do sobrado, azer cornijas e re-
4nnoiian.n r, ., j telha",0> collocando cano iuteroado na uarede da
Appellante, o juizo ; appelladb, Antonio da Ro- frente, ou na que fiea esquina do neceo, mas
la uezerra. ..... : nunca coUocar a telha face da cornija, conforme
A appellacao civel. requer.
i herdeiros de Manoel Luiz da Outro do mesmo, informando o requerimento,
no qual Antonio Joaquim Alves Teixeira, inquili-
PASS\fiENS.
v oP no da casa n. (>! da ra da C-^a do Recife, pede
. Sr 'Pm253!!!j2?m> San,ia? Passou Para 1ue lhe .seja permittido reedilicar a trapeira
ao Sr. desembargadorGitirana
A appellacao citet.
i existente no telhado da mesma casa, dando-lhe
Todo o rosto se animou, e a doce e terna imagem appellado, o Dr. Antonio de Camino Rapozo.
transformou-se n'uma Moler Doloroso de *:' c" "'......'
I mais altura, afta de dar mais fcil esgoto s aguas,
^Ti^!?"^? ^"il..Il,nJha^3enor.ev:Ld0 Amaral > d'iquenoperraittindo as posturas em
,. terrivel
propnedade.
Neoj a imaginacao nem a mechanica podem ex-
plicarania transformarlo to completa e maravi-
Ihosa.
A imagem conservou alguns minutos a saa ani-
macao celeste, voltando depois ao seu estido nor-
mal, para tomar de novo a sua milagrosa expres-
sao durante o canto da ladainha.
racao de motivo. Isto que reflro o que mesmo presencie!, e o
i'j-.*.*m.7 jT / n ^.- que es,0u PromP0 a attestar debaixo dejuramen-
A ordem do subdelegado do Recife, Bernardino, to perante um tribunal judicial ; completamente
crioulo, escravo de Dom.ngos Rodrigues de An- acorde com o testemanho dos commissiSnados de
=Lf n Sft-fJ? rUraS : ('Sme' pard.0'', ?ua nM"e escravo de Bento Jos da Costa, a requerimento' lavraram e assignaramum solemne testemunho.
A' ordem do de Santo Antonio, Francolino Ma-
detalhe.
De 15 a 25 palmos
D 26 a 35 palmos
Do 36 a 45 palmos
De 46 a 0 palmes
3 palmos.
'lda largura da ra.
'l- da largura da ra.
5,0 a 6.4)
U da largura da roa.
(7,5 a9,l)
D< 56 palmos para cima 10 palmos.
Art. 2. Em easo algntn os proprietrios sero
ob gados a coeslrair passeios de mais de 10 pal-
me* de largnni neat menos de tres.
S 1. Nos beccose travessas de largura inferior
a 15 palmos poder deixar de haver passeios, se
na occasiao da construeco do calamento assim o
juljar necessario a reparticao das obras publicas
pata mais facilidade do servico e encanamento das
agtas.
Art 3. Os infractores dos artigos antecedentes
serio multados na quantia de 105, e no duplo na
reincidencia, eobrigados alm disto a construirem
os passeios de conformidade com a tabella mencio-
nan i no art 1*.
Art 4. Pica revogado o art. 18 do titulo 7 das
postaras de 30 de junho de 1849.
Fizeram-se as necessarias communicacoes.
Dita.Os Srs. agentes da companhia Brasileira
de paquetes vapor mandem dar transporte para
a corte, por conta do ministerio da guerra, no va-
por Cruzeiro do Sul, ao 1* cadete do 7 batalho de
infaMaria Jos Joaquim daFonseca Albuquerque,
une vai estudar na escola militar da corte.Com-
municou-se ao brigadeiro commandante das
armas.
Dita. -O presidente da provincia attendendo ao
que requereu Jos Marques Bacallao, e de confor-
PEMAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
Amanhaa reune-se em sessao ordinaria o Ins ,
Ututo Archeologico e Geographico Pernambucano, \
pelas 11 horas da manha.
Antehontem pela noite manifestou-se um co-
meep de incendio na ponte provisoria, ignorando-'
se se fra isto casual on de proposito.
Apesar de ter sido dado o signal incontinente,
foi o mesmo incendio extincto para logo, mesmo
antes de qualquer soecorro resultante do annuncio
da sua existencia.
Hontem celebrou-se a festividade religiosa de
Santa Cecilia no convento do Carmo.
Oraram no Evangelho o Rvd. padre mestre Lino,
e no le-Denm o Rvd. padre Leonardo Joao Grego.
Toda a festividade leve a pompa condigna ao cul-
to externo.
Por portaras da presidencia, datadas de hon-
tem :
Foi aposentado Joao Vicente Ferreira Passos, no
lugar de porteiro da reparticao das obras publicas,
com o ordenado correspondente ao tempo de ser-
vico.
Concederam-se : 30 dias de Itcenca, com orde-
nado, ao promotor publico de Garanhuns, Dr. Jos
da Costa Honrado ; tres mezes, sem vencimentos,
ao Dr. Bartholomeu Torquato de Sonza e Silva; e
dous ditos, com sold, ao guarda da alfandega Joao
Bernardo Neiva de Figueiredo ;
Foi nomeado porteiro da reparticao das obras
publicas Alvaro Ucha Cavalcanli Campello.
- A inda mais urna vez chamamos a attencao
j por suspeitas de andarem fgidos.
A' ordem do da Capuep, Benedicto, pard, es-
; cravo de Felippe Mena Callado da Fonseca, re-
querimento deste.
A' ordem do da Magdalona, Manoel Joaquim de
Sant'Anna, pardo, para correccao.
O chefe da 2* seccao,
/. G. de.Mesquila.
Mevimento da casa de detencao do dia 23 de
novembro de 1863 :
A saber
Existiam .
Entraram. .
Sahiram .

Existem. .
Nacionaes. .
Estrangeiros
Mulheres .
Estrangeiras
Escravos .
Escravas. .
343 presos.
13 >
17
-
339
233 presos.
31 >
6 >
3 .
59
7 .
339
127
Alimentados custa dos cofrls pblicos .
Movimento da enfermariado dia 24 de novembro
corrente :
Tiveram baixa:
Jos Francisco de Paiva, odentalgia.
Jos Ferreira da Silva Pinto, peneumonia.
Tiveram alta :
Luiz Baptista da Silva.
Pedro Antonio de Maria.
Hyppolito Francisco do Monte.
Antonio Francisco de Souza.
UM P0UC8 DE TUDO.
O Sr. Y. Jnior envia-nos as seguintes poesas :
.....
Se uniram, deram-se as maos
Os anjos e a natureza :
E te deram muito encanto,
Muitas gracas e belleza,
E um sorriso celeste,
E urna bocea formosa,
Uns olhos pretos e bellos
E faces bem cor de rosa,
E.....e.....tanta cousa,
Que tudo dizer, nao acabo;
Porm, o teu corarao___
Oh.' esse deu-te o diabo I...

JA TARDE I
J tarde guarda os risos
Dos teus labios de carmim,
Nao tentes mais, j tarde___
Nao me olhes mais assim ;
Ha muito no co sem fim
. j.Poraantraj)uven8 sipessaa
Minha estrella s'escondeu___
Ha muito qne a esperanca
No meu peito emmurcheceu-.
Ha muito qae o coracao
Se gelou no peito mea___
L-se na Nacao o seguate :
Lemos n'um jornal estrangeiro que um lavra-
dor de Tervisas vio ha tempo, visitando as suas
trras, que n'um sitio appareciam moedas de ouro
superficie ; o phenomeno era bastante raro para
deixar de chamar a sua attencao, c examinando, des-
cobrio que as toupeiras, minando aquella parte,
eram as que traziam as moedas superficie; o
bom do homem lancou man da enchada e comecou
a cavar, at que a urna certa profundidade encon-
trn urna consideravel quantidade de dinheiro,
que all devia ter sido enterrado ha muitos annos.

Noticias de Londres, de 6 do corrente, dizem
que dous tremores de trra foram rnui distincta-
mente sentidos em Waterloo, Bootte e outros sitios
dos arredores de Liverpool.
A cidade de Herford foi violentamente abalada
tambem por um tremor da trra. Nas mesmas vi-
sinhanras de Londres, se accrescenta que foi sen-
tido.

A companhia de Jess inaugurou ltimamente
urna nova igreja em Amsterdam, sobre a qual se
d urna curiosa circunstancia.
Os RR PP. mandaran) construir urnas cincuen-
ta celias subterrneas.
A polica assustou-se e dirigio-se aos reverendos
vigor fa-
zerem-se trapeiras no meto dos telhados, e s sini
Accioh passou ao Sr. des- {nas frentes dos predios, parece-lhe que nao ser
; muito regular couceder-se a reedificago das exis-
O Sr. desembargador
embargador Ucha Cavalcanti
A appellnro ewel.
Appellante, Antonio Lopes Braga ; appellado, o
menor Graciano, por seu carador.
A appellacao erime.
Appellante, Anna Ignacia de Araujo ; appellado,
Manoel Francisco Tourinho.
tentes, principalmente augmentando-se-lhe as di-
mensoes. Indefirio-se.
Outro do mesmo, communicando ter ido ao ma-
tadouro da Cabanga para examinar a obra da es-
tacada que all eslava sendo feita por Francisco
Botelho de Andrade, observou que estova prompta
t- J p jurisdiccao entre o juiz municipal e de conformidade com o respectivo orcamento. -
* e o_ subdelegado do distncto de Mandou-sc pagar ao arrematante.
do termo doEx
Gnnsr a2E?J!ZE0*in!*- e a !. 0u,ro d0 administrador do cemiterio publico da
bargador Doria g ^^ 8 "^"^ Po?0' remettendo maPPa aos enter
ramentos feitos no mesmo estobelecimento nas se-
manas de 16 31 de outubro ultimo. Ao pro-
curador.
Outro do administrador do cemiterio publico da
freguezia de S. Lourenco, remettendo o mappa dos
enterramentos feitos no dito estobelecimento desde
o dia z a 8 do corrente.O mesmo destino.
Foi approvado um parecer da commisso de
sade, no sentido de se permittir que Domingos
.mhA^T gadorGllirana Passou ao Sr- des-; Jos Ferreira Guimares possa fazer no quintal da
embargador Lourenco Santiago casa n. 43 da ra do Rangel o forno que pretende,
MiM. J1 "PP'foo civel. c bem assim collocar a caldeira, visto que sao am-
Appellante, Vicente Das de Carvalho ; appella- bos de pequeas dimensoes.- A' vista du parecer,
do, Reinaldo francisco Filis. '------'
A appellacao crne.
Appellante, o juizo ; appellado, Joao Fernandes'
da Silva
O Sr. desembargador Doria passou ao Sr. des-'
sembargador Caetano Santiago
A appellacao crime.
Appellante, o juizo; appellado, Antonia Catha-
rina.
O Sr. desembargador Motta passou
embargador Peretti
As appellacdes civeis.
Appellante, Antero Vietra da Cunha appellado,
Manoel Ignacio de Jess.
Appellante, Francisco de Paula da Cunha Bas-
tos; appellado, Antonio Soares de Oliveira Couto.'
A 1 hora da tarde encerrou-se a sessao.
Apezar de ja termos dado esta noticia, repetimo-
do i>r. fiscal de Santo Antonio, prra o despejo que la exlrahida do jornal inglez o Toblet por mais
se faz diariamente no caes 22 de Novembro, junto completa em sua narradlo,
ao passadifo, toda a hora do dia e noite, com gra- Ti vemos que vencer urna duvida e resistir a
ve incommodo dos moradores. urna tentoco antes de nos decidimos a dar lu-
Achando-se concluida a parte do caes de San- gar nas nossas columnas relacao seguinte. A
ta Isabel, por traz da ra Bella, a sahir na ponte duvida era se nao desgostaria mais os catholicos
da Boa-Vista, parece razoavel se faga mudar para tmidos e de crenca tibia do que edificara os ca-,
all o trafego das carrocas, que actualmente fei- tholicos de recto juizo e animo piedoso; e a ten-19ue responderam dizendo que as celias eram des-
to pela ra Bella, com o que muito soffre quem por tagao era de tomarmos em considerarlo antes as ,,nadas a guardar provisoes.
ah passa na quadra actual. objeegoes dos primeiros que os desejos do segn-1 A-P,icia tcve de contentor-se com esta expli-
Ante-hontem teve lugar a reuniao da assem- dos; porm envergonhamo-nos de termos vacilla- cacao.
bla geral da Companhia do Bebcribe, afim de ou- do um momento.
vir ler o relatorio e decidir a questao de creaco Emquanto narracao, s duas cousas temos a
de lugares de administradores de obras, a qual dizer : primeiro, que no-la remette directamente
teve como solucao continuar um s administrador, urna testemunha oceular, cuja probidade e veraci-
como sempre foi. dade afflan?amos com absoluta seguranza ; segun-
amos em outra parte a consalta e as res- do, que a relacao concorda exactamente com o
postas, que acompanhavam, como documentos o testemunho dos commissionados pelo padre santo
communicado que demos no numero de segunda- para deporem acerca da verdade do milagre os
eira acerca dessa questao da companhia supra. quaes ficaram completamente satisfeitos da saa
Temos o resultado da votogo do collegio do realidade, e assim o testificaram Em seguida
Buique, pertencente ao 4- districto eleitoral, na elei- pois, a inserimos.
cao para deputados provinciaes; e reunida ella s O povo de Vicovaro presenciou o mez passado
dos collegios do Bonito, Caruarii, S. Bento e Gara- um dos milagres mais aulhenticos e notveis dos
lempos modernos, e tendo eu sido urna das tes-
CHR0NIGA JUDIG1ARIA.
THinr.v.iL va un \v io.
SESSAO EM 24 DE NOVEMBRO DE 1863.
nhuns, tem-se a seguinte apuraco, excluidos os
votos tomados em separado da freguezia da Ra-
poza:
Dr Joaquim do Reg Barros ,
Vigario Jos Teixeira de Mello
Conselheiro Francisco de Paula Baptista
Antonio Vctor Correa
Joao Braulio Correa e Silva
Dr. Demosthenes da Silveira Lobo
Dr. Sergio Diniz de Moura Mattos
Dr. Francisco Jos Fernandes Gitirana
Apolinario Florentino de Albuquerque Mara-
nhao
Dr. Joaquim Cordeiro Colho Cintra
Dr. Antonio Rangel de Torres Bandeira
A noticia acerca do collegio de Garanhuns que
nos fornecou dados para a apuraco, que hontem
demos, nao trazia contemplado como votado o Sr.
Dr. Demosthenes; mas hoje nos afiancam, que o
mesmo Sr. obtivera all tambem 29 votos, segundo
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO
SILVEIRA.
As 10 horas da manha, achando-se presen-
tes os Srs. desembargadores Caetano Santiago,
Gitirana, Reis e Silva, Motta, Peretti, Accioli, As-
sis, e Doria, fallando com particpacao o Sr. des-
temunlias oceulares, determino-me a dar alguns embargador Lourenco Santiago, e sem ella o Sr.
264
211
210
154
131
100
pormenores que podem interessar aquelles dos
vossos assignantes catholicos que nao ternero con-
fessar a sua crenca, em que a omnipotencia divi-
na, anda, anda mesmo n'estes tempos de impie-
205 dadee incredulidade, se digna as vezes vivificar a
177 f ea devoco.
O mencionado milagre teve lugar .pela primei-
ra vez em 22 de julho de 1792. En to observou-
se que um quadro da Dolorosa collorado no al-
tor de urna pequea igreja de Vicovaro, durante
a consagragao da missa se animava, levantova os
olhos ao co e muda va de cor visivelmente, toman-
do todo o aspecto de um rosto humano vivo.
Isto repetio-se por espago de um mez, e depois
cessou.
A 23 de julho do corrente anno, os fiis que as-
sistiam a urna missa celebrada diante da sagrada
imagem notaram a repetigo do mesmo phenome-
78
76
211
cartas recebidas. E pois, nesse encontr, continua- no, que teve lugar nos tempos da primeira revolu-
mos a apuragao com exclusao desses votos os
quaes sendo addicionados votogo do mesmo Sr.
d-lhe um resultado de 183, passando a oceupar por-
tonto o 5 lugar no numero dos seis mais votados
nos collegios at hoje ronhecidos.
o tribunal do jury nao funecionou no dia de
hontem por havrem somente comparecido 33 jui-
zos de facto.
cao franceza, do qual s urna vaga tradicao con-
servava a memoria.
Logo circulou a voz de que a pintara de Nossa
Senhora se tinha animado milagrosamente, e a
igreja vio-se inundada de pessoas, que todas sem
excepcao attestam terem presenciado o phenome-
no. To depressa como chegea a noticia aos po-
vos visinhos e cidades prximas, um sem numero
Ser um dia de trabalho de menos, e urna ini- de peregrinos c grande parte das guarniges fran-
quidade demais com o retardamnto de um pro-
cesso, qne no anno vindouro poder ser sugeito
julgamento.
Velto hoje ao palco do Santa Isabel o dis-
tincto artista Germano, em obsequio ao beneficia-
do, no papel de sargento 29, que tantos applausos
Ihe tem merecido.
Devendo em breve seguir para o Maranhao a
companhia, o Sr. Coimbra, actual empresario, re-
solveu-se dar um espectculo em seu beneficio, no
3aal entrasse o sea collega e amigo, demonstran-, zuavos pontificios, e multidao de
o assim seu desinteresse de figurar, e o quanto se tranhos.
acha penhorado pela, rconciliago que flzeram. i A pintura urna imagem d> Nossa Senhora dos
Alm do 10 oh honrare gloria, \&\ mais scena fina do secuto XVU ou principios do XVIII, nao de
linda e chistosa comedia fVn-^ ebseqummeu grande mrito artjgtleo, mas sentimental edev^a ;
cezas de Tivoli e Subiaco se apressaram a conven-
cer-se em pessoa da verdade do milagro, e em bre-
ve a attestar a saa realidade.
A concorrenria cresceu tao rpidamente, que foi
necessario transferir a milagrosa pintura para a
igreja parochial de S. Pedro, onde permanece col-
locada sobre o altar-mr.
Quinta-feira passada eu proprio presencie) o mi-
lagre, assim como Mons. Pacca mntame de saa
santidade, monsenhoros Cenna e TaJbo|x muitos
habitantes e es-
desembargador Ucha Cavalcanti, abrio-se a ses-
sao. _
O Sr. desembaBplor Guerra, procurador da co-
ra, nao compareceu.
Passados os feitos e entregues os destribuidos,
deram-se os seguintes
JILGAMKNTOS.
Appellacdes crimes.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Gaspar de
Oliveira.
A' novo jury.
Appellante, o juizo ; appellado, Manoel Thomaz
da Rocha,
A" novo jury.
Appellante, o promotor; appellados, Bernardo
Jos da Rocha.
Improcedente.
Appellante, o juizo; appellado. Joaquim Caetano
de Oliveira
A' novo jury.
Appellante, Manoel Jos do Bomfim ; appellado,
Joaquim Jos de Lyra.
improcedente.
Appellante, o juizo ; appellado, Antonio Clau-
dino Pacifico.
A' novo jury.
Appellante, Jos Andr ; appellada, ajustica.
Confirmada a sentenca.
Appellante, o curador do pardo Ignacio ; appel-
lada, ajustica.
Nullo o processo por nao ter Sido enviada ao se-
nhor do escravo a copia do lihello.
Apnetlante, Paulino Jos Bezerra ; appellada, a
justiga.
Annullou-sc o processo desde a formacao d&
culpe.
Appellante, o juizo; appelhdo, Jos Fraileo
de Paula.
Nullo todo o processo.
AppHUtfio civd.
Appellante, Vicente Ferreira Padltha Calumby. .
appeHado, Martinhode Mello Albuquerque.
Pecebram-se os embargos ) appelttnte.
CMARA MUNICIPAL
SESSAO EXTRAORDINARIA AOS 9 DE NOVEM-
BRO de im. .
Presidencia do Sr. Bwrdl Reg.
Presentes os Srs. Henriques da Silva, Seve, Gus-
tavo do Reg, Barato de Almeida, Mello, e Gamei-
ro, abrio-se a sessao, e foi lida e approvada a acto
da antecedente. ^.
Lu-se o seguinte
EXPEDfcNTE:
Um offlcio do juiz de paz do 2o districto da fre-
guezia dos Afogados, cidado Simplicio Rodrigues
Campello, trazendo ao conhecimento da cmara
que a pontezinha denominada do Luca, acha-se em
tal estado de ruina que j se torna impossivel por
ella o transito publico, e como lhe parega que os
reparos e concertos de que ella necessita esto a
cargo da cmara, pede em nome dos moradores,
proprietrios e de quem mais transita pela dita
pontezinha, a attengao da mesma cmara para tao
justas reclamages, dignando-se ordenar quanto
antes que seja reparada aquella pontezinha. Que
de novo se recommendasse ao engenheiro para fa-
zer o orgamento dos concertos.
Outro do juiz de paz supplente em exercicio da
mesma freguezia dos Afogados, Domingos Suiber-
to Lins de Albuquerque, pedindo em cumprimento
da circular do Exm. presidente da provincia que
lhe fura transmitida em 26 de outubro passado,
acompanhando um exemplar do decreto n. 3,069
de 17 de abril ultimo, que regula o registro dos
casamentas, nascimentos e bitos das pessoas que
professam religiao difTerente da do estado, houves-
se a cmara de lhe fazer entrega de dous livros
mencionados no referido decreto. Que se dsse
ordem ao procurador para fornecer os livros, e se
, concedeu-se a licenca.
Sr. des- Por indicago do Sr. presidente Barros Reg, fo-
ram transferidas para os dias de quart-feira de
cada semana as sesses da cmara.
Prestou juramenta o cidado Jos Buarque Lis-
boa, segundo supplente dos juizes de paz do 1* dis-
tricto da freguezia dos Afogados.
Despacharam-se as petiges de Antonio Joaquim
Alves Ferreira, Agostinho Jos dos Prazeres, Bazi-
lio Alvares de Miranda Varejo, Domingos Rodri-
gues de Andrade, Francisco Jos Ferreira, Francis-
co Botelho de Andrade, Francisco Jos Ferreira.
Francisco de lio I lauda Chacn, Francisco Joao Ho-
norato Serra Grande, Joao Mauricio de Barros
Waedafley, Jeronyaso Prwteism. Penetre, Joo
Doneley, Juviniano Jos de Albuquerque, Jos Mar-
celino Goncalves Salgado, Jos Carneiro da Cunha,
Jos Jeronymo Gongalves da FoiUe. Jos Joaquim
Pereira de Oliveira, Joo Saraiva de Araujo Gal-
vo, Joao Baptista da Motta, Manoel Barbosa Bi-
beiro, Manoel Antonio de Carvalho, Manoel Tbeo-
doro da Cunha, Manoel de Azevedo Pontes, Manoel.
Francisco dos Santos.Guilhermfl Augusto de Alhav-
de, Romo do Reg Barros, Thomaz Teixeira Bas-
tos, Vicente Jos de Brito, e levantou-se a sesso.
Eu, Francisco Canuto da Boa-Viagem, secreto-
rio, a escrevi.-Barros Reg, presidente. Henri-
que da Silva. Reg. Gameiro. Leal Seve ,
Barata de Almeida.
COMMUNICADOS.
A circu a i-, e o mam resto do Dr. Iriw-
no Sabino Pesst de Mello.

O manifest do Dr. Urbano Sabino, o rompi-
mento formal, deste pernambucano eminente (se-
gundo sua propria expresso) com o partido pro-
gressisto. Difficil descobrir as causas- justos e
rasoaveis para semeihante procedimento, se as pro
curarmos no bem publico, no amor da patria, e na
dedicago aos principios. Aquelles, porm, que
examinam com cuidado e seriamente a.vida poli-
tica de qualquer homem, sem abstrairi dos senti-
respondesse ao juiz de paz, que ficavam expedidas mentos do corago que elle deixa escapar, ou.pe-
as ordens para ser satisfeita sua requisigo. tenta nos differeutes actos de sua carreira publi-
Outro do procurador, communicando que em ca, encontram taes causas com extrema facilidade.
cumprimento da ordem que lhe fra dada para As paixoes do homem, segundo ellas sao mais ou
entender-se com os proprietrios dos predios das menos revelada-, concorrem poderosamente para
ras do Imperador e Martyrios, entre os quaes serem conliecidas e explicadas as suas intenges.
existem duas travessas que foram tapadas por de- qur em relacao aos negocios politices, qur era re-
liberagao da cmara, declara que entendeu-se com lacao aos inturesses privados. Ha em toda a vida do.
os proprietrios dos dous sobrados da ra do Im- Dr. I' rhano. nma serie de actos, um estudo aturado e
perador, Joaquim da Silva Castro e Manoel Custodio tenaz de sua parte, para solar se, e constiluir-se
Peixoto Soares, os quaes lhe offereceram pela tra- arbitro supremo em poltica. Ou elle dictador
vessa entre seus ditos sobrados a quantia de 800 nos partidos, ouno segu partido algnm. A am-
rs., prego que elle procurador acha razoavel. bigao politica o seu movel. Nem se tome esta
Quanto a da ra dos Martyrios, julga o procu-; preposigo como nma injuria : desconhecemos co-
pador que nao poder ler o mesmo resultado, por- racao humano que nao possua ambiguo. A diffe-
quanto fazendo ella urna parte da ra, segundo foi
informado pelo engenheiro cordeador, nao pode por
isso ser vendido a particulares.
Acabada a leitura deste offlcio, foi lido outro do
engenheiro cordeador, referindo-se ordem dada
ao procurador sobre a venda do becco da ra dos
Martyrios ; diz que tal venda nao pode ter lugar,
visto que o dito becco faz parle de urna travessa
que deve ser aberta junto da dito igreja dos Marty-
rios, afim de facilitar a communicago entre as
ras do Caldereiro e as que lhe ficam ao poente
de ama parte e as ras de Hortas, Aguas Verdes e
renga consiste, para nos, em.que uns a exercem
com o fim de applica-la em bem da patria, e com
inteira abnegago do seu eu-: outros, desvindo-
se des verdadeiros interesses sociaes, e conside-
rando a causa publica como objecto secundario,
applicam-na exclusivamente em bem do,seu per-
sonalismo. esta escola pertence o Dr, Urbano.
Sabino : a mesma escola de Sylla.
Refere Plutarco na sua vida dos horneas Ilus-
tres, qne n'um grande motim c anarehia em Ro-
ma, os inimigos persgu.i,Ddo a Sylla, este ao passar
peta frente da casa de-Mario, seu adversario terri-
Direita de outra, pois assim se acha disposta na vel, nella entrou e recolheu-se sem ser. visto; os
planto da cidade em vigor. i perseguidores, que neo esperavam.que elle ah se.
Quanto a primeira parte do offlcio do procura-' abrigasse, seguirn* para diante, e o proprio Ma;.
dor, mandn-se offlciar ao Exm. presidente d&pror' no o fez sahir com seguranca (wc uma oatra por.-
vincia, pedindo autarisago para fazer a venda, e! ta, de modo que elle pode escapar do perwo, sal-
quanto a segunda, fleasse sem eflito a orden,: var a vida, e gaouar o seu campo. Mais tarde, Ma-
visto que acaba de representar a engenheiro. | rio achando-se em eircumstanetas idnticas, fb>
Outro offlcio do procurador, informando acerca : gindo precipitadamente da cidade, Sylla fez passar
do que lhe foi ordenado, relativamente a desapro-' um decreto (temerte contra Mario e oatros, e por
priaco da casa n. 16 da ra da Guia, perteueenie a cabega d*aquelle premie 1 Acto de mgralidao,
a Francisco de Pinho Borges, e da de n. It da ra' e ao mesmo.tempo de impiudencia politica, exsta-
do Jardim, pertencente a Jos Francisco da Trin- ] ma Pls|aco,que ferio profundamente ao senado,
dade, diz que a verba marcada no presento exer- e provSou o povo dar-ihe demonstragoes sensi-
cicio para desapropriages, de 8v00OJ rs., mas veis de-sua indigoagao, regeitande ignominiosa-
desta quantia tem deser paga uma letra de 2:0004, mente, naseleiges consulares, o.eandldato& apoia-
rs. ao barita de Utinga, e 400 rs. ao tenente-coro- i dos por Sylla, e escolaendo aquelles, cuja eleva-
nel Manoel Joaquim do Reg e Albuquerque, de
uma desapropriaga ltimamente effectuada na
travessa do Quiabo da freguezia dos Afogados, fi-
cando por oooseguinte a quantia de 5:600, para
qualquer dasapropriago quede preferencia julgue
a cmara efectuar.
Que a, commisso nao deu valor aos predios qne
presente'.nente se pretende desapropriar, e por isso
nao tratou de ajusto-tos ; mas se a cmara emen-
de que taes desapropriages se devem fazer d pre-
ferencia a outras quaes, que elle procurador tra-
tar de enleuder-se a respeilo com os proprietrios
darpuellee predios.
Pojstoem discussio, deliberou-se autorisar ao
pr'jturador para tratar do ajuste e coramunicar o
resultado.
Outro do engenheiro cordeador, informando o
requerimento em que Francisco Botelho de Andra-
de, arrematante da estacada que vai fazer-se no
lugar da Cabanga, pertencente ao matodouro publi
co. pede para que lhe seja perraittido empretar
gao meis o mortificatia.
Pedera, os leitores, a prova de qae o Dr. Urba-
no, adhere esta escola ?
Estndemos a su* vida : nao vamos aos tempos
lemotos, em que elle procurava ao visconde da
Boa-Vista, na Magdalena, e por intermedio da in-
fluencia e preponderancia deste obtinha os sufl>a-
gios para aeeutado, tornandorse immediatmenle
depois sea rencoroso inimigo nao procuremos re-
cordar a me fez com os memoras do partido, chi-
mango, tramando nas trevas a exclusao de, Venan-
cio, Munu Tavares, Mella e.outros; nao tos. demo-
remos tambem com a poca do osfrocmo votjdo
pebpraia Joaquim Vitalia, Antn Carneiro,
Hercuhno Rotna, etc.
Contente mo-nos com poca contawporaue* yiais.
recente.
O Dr. Urbano, sendo candidato deputocao fe-
ral peto municipio neutro, foi regatada petas li-
beraes da erte, irigidos esse tempo por Tbeo-
phito Benedicto Oitoni, .^ qual deaemlna no m-
i


' '

=^
rb de perMnUmco "- i|iiar(a elra de Xovc_mbro d ISAS.
fifttfo, se. distim; to correligionario, c nao an.ign. ^ ExUngo da lci d- ^etioM.
HS, o despcito'ao Pon? ^ 1^^. minV^' lilicar de prfida a coinraissaof W^T}"1- .T f/eS. ., .......
rou-lhe a derroto, eda^qua^^^....................................... ...
H S^i'naCrpeo0 celebre de""1*,1- Veroambucauos habitantes das provincias' do
veira I ?ho novaiiiento foi derrotado. Repelhdq -^ a CBUsa rommum, de lodos, corramos s
neos liberaes fluminenses, o petes patrio^ mi- armas, uoam^ios, e a victoria-ser noa.
neiros concentrou's3 no isolamento o seu galx> O mundo fjdo quer reformarse, e nos nao deve-
nete advocatido, por que na*tinh._ couflanca a mos flear estacionarlos,
direccao dada ao partido liberal de Pemambuco, e i Qw e Uberdade.
nao se achou com animo de Ihe dar nutra maia:
conveniente, ou nao soube qual deVia ser.
Este partido, escreve francamente o Dr. Urbano
to manifest, do modo porque trabalhoo, ainda
arrr

que trabalhasse ddientos mais annos, estana\
smpre no mesmo panto, scno vais aislante do /m
desejado. Uto diz, depois que se apanbo- eleito
depurado!
Todos presenciaram que os conservadores mo-
derados auxiliando aos liberaes, e estes apoiando
aquellos, conslltuiram urna unid too forte, tao in-
tima, leal e patritica, que sob a dcnominaoao de
partido progressista, levou os contrarios de ven-
cida. E caminhaBdo de triumpho em tnumplio,
firnwu urna nova era e situacao |poh"cas na l':
vincia e no imperio. A queda dos contrarios oi
tao estrondOsa, quo eohoou no Tundo da alma do
Dr Urbano. Eolao conheccu elle sarapantodo, que
os liberaos de Pernamboco tinhara algum presu-
mo e tino, e haviam triumphado muito antes de
dous seculos de trabalhos infructferos. O homem
que se esquecera eternamente da sua trra natal,
havia sido repellido eleitoralmente por duas pro-
vincias distinctas da ltrasil, corre, Pernamhuro,
reoebdo rom os bracos abertos pelos progres-
sstas, apesardo sea longo indifferentfsmo em po-
ltica.
Vivt a assembla constatante.
Guerra de mortea tyrania.
Ahaixoa influencia pertaguea.
Vivam todos os Brasilerros Imrs.
Acampamento das torcas liberaes constitumtes
ao norte da provine, lwe Janeiro de 1849.
Manoel Pereira de Moraes.
JoSo Ignacio Ribeiro Roma.
lienrique Pereira de Lucena.
Leandro Cesar Paes Barreto.
Antonio Borges da Fonseca.
Jlo Baptista de Amaral e Mello.
assumpto restricto por sua natureza, aifrse dveto
admittir ampliaces quando nao si express*.
Assim, nao implicando a faeuldade1 de nomear,
suspender e demiuir os empregados, ade crear
entregos, e nao se encontrando est facnWae
entre as attribuicSes que os estatutos express"8
mente Oxaram administracao, entendo que s-
nwttwnte faenHad cabe smeme assembr"
^1, quera compete, nos termos do art 19
taima, tomar quaesquer medidas que'
bem'da companhia, e nio estivren preven'
nos estatutos.
Quanto ao segundo ponto entend que aria*
(Mr art 90 e 24'dM ettlutos, nao se pode conl^*
tar ao Hrect-r, con* om doa membros da adot-'
nistraeio, o votodeliberativo ; mas o voto de qoa-
lidade ponso que nao Ihe cabe, ama vei que or
estfelos nao Ih e dio.
ftH ininh piniao que submetto -correeee
dos doutos.
Recite, 21 do novembro de 68.
A. J. 4a Costa Ribeiro.
Ao primeiro ponto respondo que, qur se atienda
4 letra dos estatutos, qur natureza da inissao
tr, eqaTpagem 11, carga sal \ a Bailar & Oli-
veira.
MtontevMo23 das, sumaca hespanhola Fiada,
de 141 toneladas, capito Jerardo Millet, equipa-
gem9, carga :L500 quintaes hespanhes de car-
ne ; a Tisset ffere & G.
Nomos saludos no mesmo da.
ParaBMgflc-escuna nacional Graciosa, capitSo
Jacintho Nunes da Costa, carga assocr.
New-YorkBrigue ingles Ronnyntde, capillo S
mael Prowse, carga assucar.
Observacao.
Sttspendeo do lamaro para a Parahyba a barca
ingleza Rbtuf, capitao Brankfell com o mesmo las-
tro que trooxe do Rio de Janeiro.
Fundeea no lamaro urna barca americana, mas
Bao teve communicacao com a trra.
Joao itapusta de Amaral e Meno. .,0 n .. w.-~, .,- ~-------- _.
Ora, conliecidos pelos dons documentos precita- -confiada a administracao, ao tem esla o diM
dos.quaesosprmcipiosquedavamvidaaopassa- de crear emnregos e niarcar-lhes ordenados o
do de 1818, qual o alvo que a revolucie tinha em vencimenlos Otos. ......:1
vista, qoaes as ideas ealuns4|ue pretendiam rea- ,A materia da competencia geni da administra-
isar os chefes revolucionarios ; perguntaraos ao cao acha-se regulada pelo art. 2o e a da especial
ie o Ilustre can- do
DECLARACOES.
No dia 27 do corretite, depois da audTencia
do llim. Sr. r. miz, do orphaos, vai praoade
venda a casa terrea n. 23 do pateo de Santa Tnere-
za, avallada em 800# va pracaa requerlmotito
de Joaquim Antonio Pereira, por execucao que mo-
ve contra o tutor de Jos Pereira de Moraes.
LEILOES.
IEIIAO
THEATRO
COMPUNfflA
BEBERIBE
EWPREZ.V
A. J. DUAftTE G0I1BRA.
QUARTA-FKIRA, 23 Di NOVEMBRO DE 1863.
BENEFICIO DO ACTOR
COIHI1RA.
O agente Almelda levar leilao pela segunda
vez a afcerna da rtta Nova penonentc ao espolio
I do finado Manoel Martins Carneiro por ordem do
llllm. Sr- cnsul de'S. S. Flddmlua
MI
Ao meio dia n meama tbern* ra Nova nu-
mero 33.
A orchestra, como de costume, execntara urna
linda peca de msica, e em seguida subir a scena
oexcellente drama em quatro actos, de costuraes
brTrtaoT-VsuTopa'SaTo qoeoTlIustre can- do director enmnlra Ment.m.art,28: em ae-j q fau ,jcs,a companhia COnimen-1 mililares
iiiai. recaa finp w J-nndemiiado De os progres- nhum destes artigos existe disposicao da qual se-< ,r
S^Tretede cl^bK Jflr em prica possadeduzir com bom fundamenta altrftuicSo dador ThomZ (l'Aqillttt FoOSCCa acha-SC
reformas tao m-ofundas i radican m o pa* re- que so pretende. .,,,_: Ja utOSado a pagar RO Sea esCriptOHO
iwlle -x onini-io illnstrada nrofliea. e a conscicn- ET verdade que o $ 6 do art 25 confere aadini- r lft u m
ria oubl?c Icondero^? nistracao a faeuldade ou attribuicao de ordenar o rna do Vl^lHO n. 19 das 10 llOFaS CR1
oW. ll'rbano quer a -constitvmte, o voto niver- queM; bem da tconomsa, da compamwa; mas ^ ( ^jo d^jdendo R BTODOITO
..... ,.^------j-v herdade do imprensa, esta disposicao, por mais generu-a que se preoj ^ y t___L.^ 'jJL^t^ I
... __ ----*- J* A~ non ni'wla rlorap da cor antarulida nal
por cada aparte, #ferte*se
aci-ioni-las que este pagamen-
JfiEf8SVJ^ ^, ff2$S&S& do iuWcon- r g- SSffS,-*; na especie que e esrno Sr. mul?
iso,es- venconal? ,_ to_____^omprentnM>a P" 1 JV _-yjrt.am atfMMrtMfe k *H fAnfr
sob a aleada pefitica desse triurevirato famoso, i
jo prestigios forra moral, todos aeatavam. In-
cluido pelo directorio na chafia do primeiro db-
tricto, seu neme foi levado a na cm votaba cer-
rada, com prazer por algons, e com lealdade por
todos. Sem que os progressasts Ihe dessem o m-
nimo rtodvo, elle (jue prOtexto de recommenar
a eleicaede um amigo, > simuladamente ser-
>.. i;.,..,!,*;,, ntvt/lA iii-L\(ri"^;J
;
nrinnil? eompreiiensiva ua |idiw i|uic5wp--| .
ETapostel0o,ou.propagandade 1848, encon- gados, visto que esta figura por si s como altti- (receid0 d8 arteMtantes lt08
tra a mais frisante e diametral opposic> as con- bmco dist.ncu no g nndrd riws 'esta COmpanlla
viccoes do Dr. Crbano, reveladas pelas aflWmatt- E seno 2 estao especificados os podere *
valVia circultr tapelas negativas do manieste. administracao em relacao>aos empregados, e*o-
D^vemor^mo,Ccluir que elle nao adopta mente quanto a-mwiwfoo, snspensao,ednmuaa
nenhum dLes principios salvo se escreve doa- -e nao quau.e a cr=e orca con^m a
trinas contrarias s que nutre nocoracao, e as, faculdado/e crear empregos nao podo caber ad-
v^SS^mT;SSM^TSaaar^al^tf-J cogilacoea^^u.twpir!. Nolnefaremosoorcm nunisira^o ^
U rontie aberta e bruscamente com lodos, por essa cenara, ou mjusuca.
mlodoseum Nao posrverime sei mals clara c evidentes nos Talla -----
inqratidao suprema do 1*. Urbano. A mgratidao tro passado ha senao o do personal
do
H04K
Qorla-feirn 24 do corrente na rna da
Cadete i. 5 s 11 horas.
*om limite.
Pelo agento Euzebio se vender em leilao di-
versos objectos de ouro e prata e mais urna cama
de Jacaranda, outra de amarello, urna mobilia de
amarello raiz com tampos de pedra obra bem aca-
bada, mesa elstica bem feita, lavatorios, bergo,
cabide, espelho, toucador e pares de casticaes de
vidro, quartinheias, relogios com corda para 8
das, americano, porta leite reme, marquezas de
amarello de Jacaranda e mais urna mesa, cama
franceza para homem, apparadore?, mesa de lou-
ro, grades, repartimento para escriptorio, carri-
nho de 8 rodas, ura oculo, urna veneziana, camas
de ferro, om faqueiro de prata.________ __*__
Escriptf (te Companhia do Be he
ribe 24 d novembro.de 1863.
0 escripturario,
Marco lino.los Pope.
vire eonswlael* de Kspns.
De orden-' det Kxm. Sean miaisfro residente y
por disposicin del gobierno de" S'. M. se h
29
ou
HONRA E GLORIA.
Tendo chegado a esla provincia o artista Ger-
mano, que acontecimentos imprevistos de novo o
alirarara para o palco, de onde se havia retirado,
foi pelo beneficiado acolhido como irmio, tomando
parte em sens desgostos.
Deram-se as maos fraternaes, uniram-se, ligaram i kjj--------- --
todo o seu fuwro como emwezarios dos thealros a ra de SanU Thereza n. 58, outra meiacao da
de Santa Isabel e S. Luiz na provincia do Mar- casa n. Ni ra das Unco Pontos; os pretenden-
lr-0 tes querendo alguma informacao podem dingir-se
O beneficiado extremamente satisfeito com este ao mesmo agente, em seu escriptorio ra da Ca-
decidido triumpho para a arte qoe professav pois den n. 28, primeiro andar, aonde sera effectuado
. .v ..'...._ ____:___ Km ...i. n lailn
Welacdes de casas terreas.
Quarla-feira 25 do corrente 10 horas
O agente Simoes vender em leilao por conla e
risco de rruem pertencer a meia^ao da casa terrea
que desta uaio resulta progresso e bem-estar
dos artistas scus collegas, apressou-se em dar pu-
blicamente um testemunho de seus sinceros senti-
mentos convidando a seu irmao e collega tomar
ipeciaeulo, ao que so prestou
o leilao.
vai
tal a primetrae mais saliente n,^..^- ,--
lmos no manifest do Dr. Urbano. Kao nos li-
mitaremos a eso simples exposicao, posto que l-
gica e concludcnte.para comprovarmus a verda-
de. da these que emittimos. A ani4is imparcial
do seu conlradiotori manifest, ir fomecendo os
fundamentos precisos.
Fallando da or^anisacao da chapa de deputa-
dos geracs, esereve o Dr. Urbano. Porque si
beneficiado que o publico dando
_ uniao artstica de daus amigos
Da"ctrct! contratar-contida neste % disVrncta do tormo- j de Manila. amigos e collegas, os proteja unidos, come sempre
.idnesao, e julgue convenrente realzar. ,. (>niDregaiio no 8 2 do art. 25, se coahecel Convido, pues, a todos los espaoles residentes 0 fez quando se achavam separados.
^ltTZfe^TS^ Se^XS ."ue^ste .seS loutrls empegados (os de nOe en este districto consular para que contribuyan de | 0 )a,,el de 99 ser desempenhado peto
com a^ierdad8S kSS jBMUit nos inOi- \ meacio da admioistrago) que nao os daquelle | su par a tan lattdaWes objetos. '
(1 SltoeluC reformas as' (os contratados interinamente pelo director.) E3riCMonsol.nter.no de S.M.
1 ^e^Kmemares ao htS* os principios i E tanto assim deve ser entendido, aliento o n>o- Camilo de Andrade.
socios da bandeira arvorada pela revolucao no do diverso por qj se expressam *5*^S! IllSBeCCtf f arsenal de maruha.
dos geraes, esereve. o Dr. Urbano. Porque se campo da batalha, e da proclama^ dos d^ul*d< pella.-do ^J^^ tZlX Faco publico, de ordemdo Illm. Sr inspector,
haviS de excluirlos os horneas de WW Se de- pre,ros fulnunam como ^c'en^-'f^Hlr. LjESSS Z$Z da comuanhi-o quVnao que esta inspeco. contrata no dia 27 do corrente
vemos esquecer o passado, eu nao pedia consentir, tntcZes para a fehedade do porp '. ^T'Kr regencia SSm co trato Tinteri- mez o reboque para fra do porto, ou lugar onde
mano, commette a maior imprudena poltica, qual g i^o
. a. __._i._l___________I-t-, _-b_M_-l_l ,!n Kiu.m nfirllflO. I R t
mm
'TU
Tal resurtodo-sedaria, se a nreftrencia eleitoral
(jue obBver_m os ligueiros progrssisls nascesse
SSLBMSS _s_s._2^___Sx*rr sa_t!
Outra e bem diversa, porm, origem do seu
triiimphe: eles fbmm eleitos em consequencia da
luto e antego_ismo que travaram com os conser-
1 do Illm Sr. Dr juiz mlSafda vara, se ha
mpuraperdaedamno, nao dos chefes ligueiros o gados, que fica dependente de de)te&toto- ^ arretaco scravo Gregorio, cabra, de idade
prog'rcss.tas, mas das ideas liberaes "ioder=idase rector ^.ff^J ^J'""^^;^ 5e SS pouco mais o? menos, vai praca
. cu. --.- do povo pernambucano que as abraca. ESvIlaem men te daque lesi que se desinam as oor-sequ ^ Gabrie| Ant050 conlra Manoe,
vadores denominados puros pegando aquelles de Manca com os nobres, guerreando o part* no- prestom servg P^ r'- .\* *^ gezerra Cavalcanti. ___
mtw dadascom os liberaes. Os vencidos nao fo- pular de Roma, e sustentando a mas abomina vel empregados da companhia que aepenatm ue uuw ^ ^ m(.jo dM d_ andiencia do Sr. Dr.
ram'os uomwis de 1818 ; foram os polticos que das olygarchias. Os consemdores dwah.dos; do owaqao estabeleeido auem deve juiz municipal da 2.' vara vai praca por adjudi-
constitwiam e partido conservador extremado Lo- poder, pelo triumpho da l.ga '^r~ "0 fiT ^^0^S^^mVa^r^ cacao os movis plorados Joaquim Vicente
go, se heuve condemnaco expressa neste ultimo, d.dato a senatoria, o mais apto general para,c m rw ?J^3E!rjFm^^JktoT de con- Marques na penhora execulva que contra o roes-
plito, oram csses conservadores os condemna- bater e guerrear o povo, quo apem e de ende o ^f/-dpm'^l"W mo move Joo Mauricio demarres V
_.. .' i___.. ^ion_ nn-A lurtdn nnnii ar. mi se denomina liberal- cluir que semeinante annnuijao t ua ex.iuna .......
artista Germano.
Dar flm ao espectculo com a comedia em um
acto,
PARA OBSEQUIAR MEU AMIGO
Comocar 6 8 horas.
AVISOS MARTIMOS.
DE
88 sacaos coni asMHear.
IIOJ.
Qnarla-feira _'i de novembro i 10 horas
ponto (no trapiche do Canha.)
0 agente Pinto far leilao requerimento do
Manoel Alves Ferreiraepor despacho do Illm. Sr.
Dr. jinz especial do coromercio de 88 saceos com
assucar existentes no trapiche do Cuaba rna da
Moeda n. 1 e penhorados Francisco Santiago
Ramos, s 11 horas em ponto do dia cima no
mesmo trapiche do Cucha.__________________
LEILAO
dos, e nooshomensde IRW.
Costo aerdr que o Dr. Urbano, emitto proposi-
6es taoTalsas e fuiteis, que fazem decabir do
conceito de grande talento, de argumentador l-
gico e invencivel, e de intelligoncia superior, come
elle proprio'enf seus escriptesse proclama, e seus
adeptos o apregam.
Nao hacend exartidao no qoe afflrma o Dr.
Urbano, h=to nao sendo verdade que_a eleleao
geral deste anno, importe a rondcmnacfio do pas-
sadodeshomensde !48, mns simplesmente dos
conservadores puros, com os qmes se den a luto,
evidente que elle protestos insurge-sc contra
essa ultima eleicio, sob falsos fundamentos, e so
|K>r amor do personalismo.
O Dr. urbano nao quer as aetuaes pessoas elei-
tos, e quera ontras. Eis a na theorla poltica!
Theoria tiio abominavel e despresivel em relacao
novo partido popular, que se denomina
proqxessista.
Connuaremos na analyse dos seus escnplos re-
centes.
A.
POLICACOES A PEDIDO.
r"que semelhante attribaic-o da exclusiva no moveJoo Mauricio d*arros Waoderley. Es
competencia da assembla geral dos accionistas, envao Alhayde.
ainda mesmo que ella nao estivesse implicitomen- (.OI'I'CI0.
te consignada no | 7. do art. 19, que o assenlo pe]a administracao lo correio se faz publico que
da competencia da assembla geral. amanha 26 do corrente, s 3 horas da tarde em
Alm do dizer ser o mandato, pela sociedade pont0 fechar-seha a mala que deve conduzir a
conferido admimstraeao, restricto aos termos do cannoneira Fguatymn, com destino provincia do
art. 2o, e portonto exclusiva da faeuldade de crear varanh_0.
empregose mampij-w i-Miaw^iytwgMna 0rapanhia de B^VM maritioi'S IJUH-
As paslbas vermifiga e Kemp,
,sao sem duvida algura, infinitamente ma
zes e uteis do que todos os mais remedios perigo
sos e nauseabundos que existem para a "
das tomlitigas. Ellas nao smente expel...
Irem esses incomniodos' jparasytas, mas tambem QUanto ao segundo ponto respondo, que achan-
removem a muciosidade yaque elles se engen- o-se pelo art. 2i regulado o modo por que devem
itram. ser proferidas as decisoes da administracao, dan-
ncontra um s caso em que ellas jo-se o voto deliberativo cada um dos membros
que pdem tem comprehendor, e melhor execu.ar I ^^^ ^f^T^ ^ da """'#* ^ ~&-l2!& --
politioa libcral-progressisto dos lempos moder- u7va"e.Snm
dade-Pulila.
si'melhante faeuldade por sua natureza e
attribuicao do poder deliberativo da assembla ge-
ral do q'ue da adrninistmcao, qu%m catie a mis- A jireceo desta companhia convida aos senho-
mais effica- srl0 ,|e dar execucao s resolu^des desse poder, res acc0nistos a comparecerem no dia 30 docor-
i- .. ->: mnr.ro i_ ..m on osprintorio na ra da
em nossos cs-
novembro de 1863-
Os directores
mais efflca- sa0 fo iT execucao s resoloijoes desse poder, rcs acc0nistos a comparecerem no dia
iios perigo- _[ mas qUanto importara ella estabetecimento rtnte a0 ,ne0 ,jia) em sen escriptoric
a expulsan ,je jespeza, cuja apreciago commettida pelo ca,jeja n. 4., para 0 fim descriplo em
lellem e dis- ^ 4 dd art 19 a assembla geral. latutos, art. 41. Recife 24 de novernbi
1QS tllinlli'Hl a r,___. .,.,,,,,.1^ nnnln rncnnruliv OllP adan- Me Hiroplnr
COMPANHIA BRASILEIRA
D_
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado dos pnrtos do sul
o vapor Apa, commandante o
primeiro tenente Alcanforado, o
qual depois da demora do costu- j
me seguir para os portos do
norte.
Desde ja recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no da de sua chegada, encommen-
das e dinneiro a frete at o dia da sahida a ho-
ras, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio do An-
tonio Luis de Oliveira Azevedo & C.
O U**3UI G3l*x--| CIU iticiyia- |
aos principios, quanto estulto dizer-se qti s elle,, dram.
tettt amigos vellws, r mais ningaem, sao os nmcos
nos.
Em virtude
tes irritantes
a a mais satisfactoria. empate ao director, nao pdeoste exero-lo : sen- Pela a inin1.1laca,
le de se acharem isentos de ingredien- do e s nao causam ellas dr ou incommodo das deliberaefiesdos cornos collectivos nao se pro- do di.sposto no art.y
Feliciano Jos Gomes.
Domingos Rodrigues de Andrade.
Ormo peral.
Pela administracao do correio desta cidade se
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte esperado
at o da 30 do crreme o vapor
Cruzeiro do Sul, commandante o
capito de mar e guerra Gervazio
w Mancebo, o qual depois da demo-
ra do costume seguir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no dia de sua chegada: cncom-
mendas e dinheiro a frete at o dia da sahida s 2
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
I Antonio Luiz de Oliveira Azevedo 4 C. ____
DE
Urna rica mobilia de Jacaranda, 2 jarras para
agua, 1 connivida, 2 amarras grandes, 1 apa-
rador, 1 secretaria. 1 estante, 1 consol peque-
o, 1 banquinha, 12 cadeiras, 1 mesinha de
charao francez, 1 pratileira de charo inglez. 3
camas de vento, 1 banheiro de folha, 2 mesas
grandes de pinho, 1 par de castieaes com lan
ternas, palmatoria, relogio de viagem com
caixa, louca de porcelana para mesa e toillet,
copos, garrafas, trem de cosmha e utoneilios de
casa, alguns livros, esleirs etc.
Quinto-feira 26 do corrente.
O agento Pinto rara leilao por ordem de urna
pessoa que se retira para fra desta provincia de
todos os aovis c objectos cima mencionados
existentes no sobrado da ra do Trapiche n. 14,
onde so effectuar o leilao s 10 horas do dia su-
pradito.
LEILAO
..... convenientes, que em virtude
m 'ia concorreriim para a nova situaran polili
ca, elle estobelccena a sua supremaca e prepon-
derancia pessoal, e deste modo cevariaj) seu egois-
mo, i-uin o auxilio da amisade
quera s'alent alliados, emb<
dores do partido proijressista, mu Ihe deram a '"["
para erifuerem-no do ubnlimmto poltico mi queju-
zia, por que estes Ihe nao prestariam conlianca ce-
ga ; tetar seria fallar-Ibes s consciencias e ao
seu espirito, com a excedencia dos principios e das
ideas.
W>t de iwc pas>ado nos fall o Dr. Urbano, pa-
ra temer a condemnaco severa dos progrssisls,
quer pelo himples Cuto da deleite (lestes, (o que
j deuionstramos ser falso e absurdo) quer pela
niarri.a quees deputados proffessistaa ho de ter
na cmara temporaria ? Procuramos no manifest
com extreme cuidado, quaes os.principios e ideas
que conslituem esse passado, e adiamos a mesma
escuri tao e silencio que notamos, no programma
rimilar 1.... Nem urna palavra. sempre o mes-
no systcma de" assercoes vagas.
Entretanto compre que examinemos dous docu-
mentos importantes que nos legou o passado de
1X48: alm destes dous documentos, nada mais
nos d-ou.a poltica revolucionaria para esclare-
cer-nos sobre sua doutrina poltica e aspracocs
patriticas. O primeiro a memoranda proclama-
cao dos deputados praieiros, convidando o povo a
pegar em armas. Nao tem data; mis sabem to-
dos que foi distribuida logo no principio da revo-
lucao. Contmoito artgos ou periodos, em sete
dos qoaes apenas se nota a lnguagem apaxonada
e propra de taes pegas, para concitar o povo, e a
tirada contra os Portuguezes. Um deiles, porm.
serve para provar qual o pensamenlo poltico que
domina na referida proclamai.ao.
Eis as proprias palavras desse artigo, ou pe-
riodo.
Compatriotas: Esta actualdade nos ma-
to ; vinte e seis annos de experiencia basura para
provar-nos, que as imsas instituicoes sao impoten-
tes para (azerem. a felicMide do povo; cumpre, pois,
que obtenliamos as reforsias que todas as provin-
cias reclaman).*
Tais sao o pensamenlo cardeal, as ideas essen-
ciaes, e os principios claros e conliecidos da .pro-
i'lamacao assgnada por Nunes, Antonio Affoiwa,
Vilell Jeronymo, Neto, Arruda, Reg Montciro,
padre Faria, e Flix Peixoto.
urna salubridade perfeita.
~Es&^^tsgsssassm
Swp seu egois- As cr.anc.:.s as confunden! fcilmente com outros m(,m,>ros da adrain.stra5ao, quer .piando se occu- ..-- PV?^2_K!__^"
e da affeicao Nao confeitos ordinarios em razio da sua apparenc.a e pam da deliberac.ao da assembla geral, quer quan- no da 3 de dtzembio' l'^'"110. "" .
ZflnmlTfunda. sabor, e gostam dellas tanto quanto gostom de do rPgn,am as >cisoes da administracao anida n,^?^^1
...'._. j___'.; .,..-.,. iirnnrion doces. -a .,? vnin ivitm n:ira nne ao menos nestas nao .-na uesoe ja t xpoM.i a
proprios doces.
Acham-se admiravelmente acondicionadas .
rasqunhos de crystal e urna das preparacSes a
mais popular do dia.
A' venda em todas as boticas do inundo.
. ^^^"s.ssssSK--'-
E'o qoe pens: subcensura.
Recife, 21 de novembro de 1863.
Dr. Jfan-tf do Nasrimento .Machado Portella.
Consulta.
Em vista das disposicoes dos estatutos da com-
panhia do Bberibe, como se poder responder aos i
seguintes quesilos 7
L* Cabo as attribuicocs da directora crear;
lugares, e marcar ordenados ou veocimentos fi-!
xos ; ousua attribuicao pe tence smente assem-i
bla geral t
2." O director da companhia tem ao mesmo
terapo voto deliberativo, e voto de qualdade ou
desempate ; e nao sendo expresso os estatutos
acerca d"um ponto, poder elle exerc-lo exem-
plo de outras corporaQoes ?
Respondo ao primeiro qnesto que a nomeaco, |
suspensao e demissao dos empregados, nao envol-
ve a faeuldade da creaejiodos mesmosemprega-
dos, a qual compele asseu.bla geral nao s por-
que diz respeito ao orcamento, cuja discussaoe,
deliberaeao Ihe cabe pelo 4." do art. 19, como
porque o 17. do mesmo artigo confere assem-
bla geral a faeuldade de tomar quaesquer medi-
das que nao estverem prevenidas.
Xos novos estatutos que copiain nesto parte os
CQMMERCIO.
NOVO BANCO
DE
PERIVAM-BIJCP
O novo banco de Pemambuco convida os
credores das massas fallidas de Mesquila & Dutra,
e Francisco Antonio Correia Cardoso a apresenta-
rem seus ttulos no banco para se proceder a res-
Domingos dos Passos Miranda.
- De ordem do Illm. Sr. inspector da thesou-
rara de facenda se faz publico que no dia 25 do
corrente, 1 hora da tarde, estar em hasta pu-
blica, perante a mesma thesouraria, para ser arre-
matado, a quem por menos fizer, o fornecimento
d'agua potavel fortaleza do Buraco ; as pessoas
a quem convier o sobredto fornecimento deverao
comparecer na sobredto thesouraria hora indi-
01(-_
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco, 17 de novembro de 18G3.
Servindo de ofllcial-maior,
Manoel Jos Pinto.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo para forneci-
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
!arega^o costelra a vapor.
Hacci e escalas
No dia .*> de dezembro prximo
s.*> horas da tarde seguir um
vapor para 06 portos cima indi-
cados. Receber carga at o dia
. fc. Encommendas, passageiros e
dinheiro a frete ateo dia da sahida s 3 horas da
tarde : escriptorio no Forte do Mallos n. 1._____
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
lavcgaro costelra a vapor.
I'arahjba, Natal, Macao, Aracaly, Cear e Acaracn.
No dia 7 de dezembro prximo
seguir um vapor para os portos
cima indicados, s .'i horas da
tarde. Receber carga at o dia
, o. Encommendas, passageiros e
dinheiro a troto at o dia da sabida s 3 horas da
tarde : escriptorio no Forte do Mattos n. 1.
DE
Patata inglezas c franelas.
lulota-felra 6 do corrente.
Por ordem dos administradores da massa falli-
da de Seve FiMies S C. o po* immtbfi Ao Illm.
Sr. Dr. juiz especial do co.inaeWnT hatera leila
por intervencao do agente Pestaa de tedas as fa-
zendas nglezas e francezas existentes no arma-
zem pertcncentes a mesma massa todas as mais
deste mercado consstindo em chitas largas e es-
tretas, madapoloes, algodozinhos e entraneados,
I cassas pintadas, organdys, chales etc., muitos ou-
tros artigos tudo de lei que se achara, patentes as
' quaes serlo vendidas quinto feira 26 do crreme",
pelas 10 horas da manha, no armazem da ra da
' Cruz n... ondeo agente espera a concurrencia de
' seus amigos.
IJh-11-AO
DE
Movis e outros objectos.
Quinta-feira 26 do corrate:
O agente Olimpio em seu armazem na do Im-
perador n. 16, far leito de diversos trastes no-
vos e vellios, obras de ouro c outros mnitos rticos
ment do arsenal de guerra, tem de com-
- prar os objectos seguintes:
Alfandega ,,-,,_,_! Para'e arsenal de guerra.
Rendimento do dia 1 a 23........ 302:147*05)2 Penas de gan?0 inoo, penas de ac calygraphi-
20:olO*02.I cascajXas 20, caetas 10, sola de lustro meios 20,
.,__ _iiik taboas de pinho americano duzias 10, carvao de
332:bj--#li.> pedra toneladas inglezas 20, livro em branco de
: 150 folhas papel pautado 1, livro em branco de 200
1* 11 _. t______i_l.1_ -_ ___ n .v ..., .-* n t*n.\l,A l ir <\ *f 11' i
pectva vei ilicaco.
dem dodia2i.
LEILAO
novimento da alfandega
Volumes entrados com fazendas...
f com gneros...
69
100
43*
6.
Soi
amigos, nao ha disposicao positiva acercada crea-
gao dos empregados que sao incumbidos dafisca- Volumes sahidos com fazendas...
lisaco, cooservagao administracao das obras, com gneros...
que constituem a empreza, visto que a disposicao -......
do 3-" d-rt- t25 diz smente respeito aos Descarregam no da 2o de novembro.
obreiros ou empreiteiros que sao empregados na Brigne inglez Harrterm-
factura das obras, ou aos contratos para estos Barca franceza-Bfft=mercaclo|s.
obras, como claramente so deduz do i." do Patacho inglezJames flw//-i_ew.
art. 28, e uestes termos regula a genrica disposi- Patacho inglez Dodgegneros de estiva.
cao do I 7." combinada com a do do art. 25
a que me redro.
Pelo conbecimento que tenho da companhia do
Bberibe, sel que neste sentido sempre foram en- __..:.
tendidos os estatutos, e portauto meu humilde ^ miMTOS de sal ou 178,524 litros.
O segundo documento, tambem apparecido ante* parecerj|iie sement a assembla garal compete Patacho ingle- Wm j,. Dodge entrado de New-
do dia dous de fevereiro, velo eorrigir o primeiro, rrea<;ao de empreados c determi__cao de seus .
acclarar e precisar os principios justificativos da
Sexla-frira 27 do corrente as ii horas.
O agente Olimpio acha-se autorisado a Tender
em leilao as dividas pertencentes a vinva do fal-
Para o Itio de tVanrlrO. leci.lo Francisco Mathias Pereira da Costa na im-
0 patacho nacional Capnam, pretende seguir portoncia de 4:97t3iO rs.
com muita brevidade, tem parte de sea carrega-1 Os documentos acham-se em mao do referirlo
ment engajado, para o resto que Ihe falta e cs-
cravos frete para os quaes tem bons commodos
trato-se com os seus consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio ra
da Cruz n. 1. /
agente para serem examinados.
l__b_BI_AO
DE
folhas papel paulado um, zarcao arroba o, gaz ga
loes 6.
Quem quizer vender taes objectos, apre-
sentem as suas propostas em carta feixada
na secretaria do conselho, s 10 horas da
manha do dia 30 do corrente mez.
Sala das sessoes do conselho administrati- da carga engajada, para o resto que Ihe falto tra-
ta-se com os consignatarios l'almeira & Beltrao.
Para a tiio tic Janeiro
Pretende seguir com muita brevidade o pata-
cho nacional Reberibe, tem parte de seu carrega-
mento prompto para o resto que Ihe falla e escra-
vosa frete jara os quaes tem excedentes commo-
dos trata-se com os seus consignatarios Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio
ra da Cruz n. 1._________________________
Para a Bahia vai sahir com muita brevidade
o volcro patacho Jequitaia, por lor a maior parte
Importaco.
Brigue inglez Harrkr, entrado do Porto, em 21
do corrente, consignado a J. Pater & C, manifestou
revajuco. Os leitores as dispensario a transcrip-
.aotnteira desso monumento potitico; copiamos
parte esscncial.
Eisu seu principo e eonclusao :
. Ao mundo. ^
ftomens que teera conse*encia de s, qt tem
Jionra, reputaco, nome e familia, nao tomata ar-
mas s pelo vao desejo de conservar posicoes que
despresara, pois que sua nica ambicio ver sua
jiatna feliz.
Protestamos s largar as armas quando virmos
insultadas urna asskmbi.ka constituste.
Etta assembla deve realisar os seguintes prin-
cipios sociaes :
1 O voto livre e universal do povo brasleiro.
2* A plena e absoluta liberdade de communicar
spensamentos por mel da imprensa.
5" Trabalho como garanta da vida para o eida-
dao brasileiro.
\" O ammercio d retalho s para os cidadaos
brasileirot,
5* A inteira e flectlv independencia dos pode-
res constituidos.
_ A exttneeSo do podef noetaditr e do dtreo
de agraciar.
7* 0 elemento federal na nova organlsac/io.
8 Completa refrnto do pbder judicial, em or-
Yori, consignado a Henry Forseer & G., manifes-
ordenados. | ,.. ....-!. .
Ao segundo respondo que, embora nao seja con- 0,'gbbarricas farinha de trigo, U meias ditas
Tidoexprcssamente ao director da companhia do ''"V .r 1,'E .ame d
vo para fornecimento do arsenal de guerra, g^TfiSgSarn"^ primero'S.
ferido expressamente ao director da cora, ai|,,a do ^^ ^ (9 d)os
Bberibe o voto de qual.dade, nao pode deixar _de tf de ^ ^^ |)anha 10 barrjca8 farinha | ?.^
ser admittido, como por va de regra ^e pratiea m)' ,. caixas pinturas, 21 vmh
23 de novembro de 1863.
Antonio Pedro de S Rarreto,
Coronel presidente.
Sebastiao Antonio do Reg Rarros
Vogal ecretano,
0 fiscal da freguezia de S. Jos avisa aos se-
nhores proprietarios das casas que se acham com
as calcadas desconcertadas, qoe quanto antes as
maudem reparar, sob pena de Ihes ser imposta a
multa estabelerida no art. 18 do til. 7 das posturas
muncipacs de 30 de junho de 1849, e para ue nao
se valham da ignorancia, mandou publicar o pre-
para o Porto.
O brigue portuguez Mercurio, segu prestes pa-
ra alli, ainda recebe alguma carga e passageiros a
frete, para o que tem excedentes commodos : a
tratar com Marques Barros <& C, largo do Corpo
100 barris com baria de porco re-
li ada.
ttexta-felra do corrente.
O agente Pestaa vender por contt de quem
pertencer 100 barris com banha de porco refinada
ingleza milito alva, desembarcada ultimsaeate, a
qual ser vendida em um ou mais lotes a vontade
dos concurrentes : sexto-feira 27 do crreme pelas
10 horas da manha no armazem do Sr. Annes de-
fronte da alfandega.
A
.VISOS
DIVERSOS.
Instituto Archeologlco c Cieo-
graphico Pernambncano.
llavera sesse ordinaria quinta-frira
tratar com arques narros o ^., miju uu u|w .------V
Santo n. 6, segundo andar, ou com o capitao Joa- 2 dfl Con Cite, s 11 horas da nianhil:!.
nnim Gomes da Cruz. : a..___ j. t__;_- _. _._.._
nos corpos collectivos, para que nos casos do se
reunir por vezes numero par, como pdc aconte-
cer, tenham os negocios urna solucao, e uao fiquem
indefinidamente adiados, como acontecera se ao
director nao fosse dado o voto de desempate.
Se esta a regra seguida nos corpos collectivos,
quando nao ha oceupacao expressa, nao ha razo
plausivel para que o nao seja na sociedade de que
se traa pelo que flea ponderado, visto que tem
de aveia, 300' saceos farello, 2 caixas pinturas, 2
bahs roupa osada, 1 barrica sementes de algodo,
250 taboas de pinho, 8 barris lingoas ; aes mes-
mos.
1 caixa igaora-se ; ao cnsul.
1 caixa mercadorias; a Osborno.
Recenedoria de rendas Internas
scmcs de Pernambueo
Ututos d caixa filial de Perncmbuc, (jue foram
mandados executor pelo decreto de 21 de marco
de 1856.
E' este o meu parecer que submetto aos mais
doutos.
Recife, 20 de novembro de 1863.
/. R. G. Atcoforado.
Concordo. Recife, 21 de novembro de 1863.
Dr. A. J. de Moraes Silva.
J tive occSsiSo de responder urna consulta,
pouco mais ou menos nos mesmos termos da pre-
sente.
Minha opirtiSo foi e contina a ser que admi-
-jnlstragao assiste o dlreilo de nomear, suspender e
dem a segurar as c*rntjas IiWlvlduars do rida- fazer responsabilisar aos empregados da compa-
3,^ I nhla, ntas nao o de" crear empregos. O mandato 6
se trato pelo que Oca ponderado, vis o que tem o y d 1 a 23........ 17:048.542
sido estobelecido em alguns estatutos de socieda- ,lj?. g. *"......... 1:0175492
des anonvmas, e disto exemplo o art. 23 dos es- Wem do oa _*........... -------------
18:0665034
Consulado provlnelal.
Bendimento do dia 1 a 23......... 34:243JW8o
dem dodta24................. 1:184*542
Piscalisacao da frgnezia de S. Jos 23 de no
vembro de 1863.O tiscal,
Joao Xavier da Fonseca Capibaribe.
Crrelo geral.
Pela administracao do correio desta cidade
faz publico que em virtude daconvenco postal
lebrada pelos governos brasileiro e francez, sero
expedidas malas para a Europa no dia 30 de no-
vembro corrente. As cartas serao recebdas at
duas horas antes da que for marcada para a salu-
da do vapor, e os iornaes at 4 horas antes.
Administracao do correio de Pernambuco 20 de
novembro de 1863.-0 administrador,
Domingos dos Passos Miranda
Estar em praca, perante a cmara munici-
pal desto cidade, nos djas 21, 23 e 25 do corrente,
a obrados concortos de que precisa a pontezinha
quim Gomes da Cruz.
Para o Rio de Janeiro pretende segair com j
mito brevidade o brigue nacional Almirante :
tem |>arte de seu carregamento prompto, e para o
resto quo Iho falto, trati-so com os seus consigna-,
torios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo, no seu ;
escriptorio ra da Cruz n. t.
Secretariado Instituto, 23 de novem-
bro de 1863.
J. Sea res de Miedo,
__________Secretario perpetuo.
A assignatita deste iWtrio nao
Para a Baha vai sabir com muita brevidade .' "-__.__ ^ii-.-Sn ..4m
a sumaca Hortencia, capitao Antonio Francisco eobngaloria,ea fllICIB C'lt Bao Camin
Monteiro, por ter a maior parte da carga engajada: -^0 0 disnede-SP, HO demora 0 pajt,a-
8 parao resto que Ihe falta, trata-se com os consig- ro J _,._m_____ ir Am m--i
"* i natarios Palmeira _l Beltro, largo do Corpo Santo mClitO, faXCOdO O Calle.ro ir fleZ t IBdls
rao _. r. _____:_____1...________________ -*- *----------
u. 4, primeiro andar.
ver.es para recebe-q*afca lo diminn-
Porto^ \n em m%n deobjecto que, em tod'us os
Vai sabir com brevidade a 'milito veleira barca Daj-esCftRhcedores da tapffMsa. SeiB-
portugueza Lima /, capitao Jos Francisco da Cu- pai-ca-unnv ^ ^
nha, por ter parto de seu carregamento prompto, pre pa^O em principio 0 ll lll'Stre. |U
para o resto e passageiros trata-se com os consig- ~mwim A'visla dlS^Oesperamos 80* OS
nalanos Carvalho & Nogueira na ra do Apollo n., ^w^V ,
20, oa com o capitao na praca. nossos asnipaiite_f que es'ao em atraso
JJJW-'J
..II. .....
pretenderem arremaur, comparecam nos mencio
35:4272627 nados dias, munidos de dador i loneo quo se res
m-^^^ ponsabiliaf pelo cumprimento da arrematocao. O
- i orcamento da obra se acha na secretoria da mesma
! cmara, onde pd ser consultado por aquelles que
i o quizereO.
Paco da cmara municipal do Recife em sesse
do 18 de novembro de 1863. Lula Francisco de
Ass24 das, barca nacional Rio de Janeiro, de Barros Reg, presidente. Francisco Canuto da
370 toneladas, capitao Manoel Antonio de Cas^ Roaviagem, secretorio.
Para o H Grando do Sol segu nesto sema- go pasamento, manden salsfa.er StlS
aobradosconcertos de que precis1 a nontezinha nacom aMrRaqiie tver o paUcho brasileiroRfa- aas:flajllllMS Bara evitarem dllc a 111-
denorainada do Luca, oreada era 2204: os que silimSfl^ rec.-be alguma carga a frete: para tra- a_SlgBdlras, |MM cviurcm que a IUI-
oretenderem arremaur, comparecam nos mencio- Ur -oescriptorio do Amorim Irmos, ruada Cruz presa empregB OS mrlos qDO jalear
numero 3.____________^,------------ atjceosario para seu embolio.
MOYIMENTQ JO P&RTQ
Savios entrados no dia 24.
Para o Pt--
secue brevemente a veleira barca S. Manoel Jque
tem engajado metade do soulcarregamento ; para
orestantoo passageiros, a luem offerece bellos
commodos, dirijam-se aos ctosgnatoros M. J. Ha-
mos c Silva _t Genros, ra d% Vigario n. 10, pri-
meiro andar.
Preclsa-se de nm dUtrilHii-
dor para entregar este Dlrlo
da rna da Anrora at o Pombal:
nallvrarta n. e Ada praca da
Independencia.
f
i

I

...
I


_-------- M


Diarlo de Pernmbucft
11 tirtaiMniji>*W'
Qnarln felra 15 t \oeiuf>i
# 1803.
.
lotera extraordnaria
Hs uno* 2^loo.
Sabbado'Sae'dezeiribio proxin seex-
trahir pelo ceente plano das loteras ex-
iraonlinariasa.qurta-parte da segunda lote-
ria da irmandade do Senhor Bom Jeais das
Dores, no consistorio fla fcreja deN- S. do
Rosario da fregueaia de Santo Antonio.
Os biletes e meios acham-se venda na
respectiva tbesoararia ruado Crespo n. i5
e as casas commissionadas ra da Impera-
triz n. 44, loja do Sr. Pimentel; ra Direita
,. 3, botica do Sr. Chapas; ra estrellado
osario n/re.typographra do 9r. Mira e ra
da Cadeia n. 45, toja do Sr. Porto.
Os premios de 10:000(5000 at 205000
serlo pagos orna hora depo da extracijao
e os outros no dia seguinte depois da distri-
buicSo das listas.
O tltesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Sooza.
Arrenda-se o sitio deuoroiinid'iilos
A letcs na Solcdaile, com nma graode
cas de sobrado, coxeiras de estriba-
ras, tanques para banho e excedente
tratar no mesmo stio das A
horasda tardeeurdiairte.
O Sr. Jos Francisco Pinto Guimaraes, cirur-
eiao pela escola real de cirungia de Lisboa, trans-
fcrio a sua residencia para a roa Nova, n. 60, mem andar, onde pode ser consultado todos os
dias atis, das 7 is 10 horas da manha, acerca de
dooncas denominadas cirurgicas ou externas, es-
pecialmente aquellas, m cujo tratamento mais
requeittemente intcrvem a medicina operatoria.
AlXGA-SS UVA BOX CASA, FRESCA, F. EM OPTI-
* POSICXO PARA SE P.SSAR A FESTX, E TOMAR BA-
HOS SALGADOS X TRATAR NA RA DOS LOELHOS
W. *.
Arrenda-se um sitio na ra do S. Miguel dos
Argados, com boa casa, estribara e quartos para
prete. muitos arvorcdos de fructo e baixa de ca-
p m : a natar na inesmaruacom Manoel Jos da
Silva Grillo. _____ .
HA. PARA ALUGAR
m andar com slito na ra da Cruz, um ter-
ceirodito com sotao na ra do Encantamento, um
pequeo armazem na ra do Amorim, um arma-
zeai pronrio para offlcina ou estabelecimento na
ra das Cruzes : a tratar com Joiio Ribeiro Lopes,
ra da Cadeia n. 33, loja.___________________
- Antonio Jos Rodrigues de Souza aluga a sua
casa e sitio do Montare, em frente ao oitao da
tgreja de S. Pantaleao, com bastantes commodos :
a tratar na thesourara das loteras, ra do Cres-
po n. 15.
Aluga-sp urna eserava, a qoal sabe cozinhar,
lavar e engommar, tudo com perfeicao, aflanca-se
-a mcsma.
RA DO IMPERADOR
N. 22.
Grande armazem de tintas.
Este armazem conten tudo quanto
oroeiM para que a industria de pintura, de
qualuer genero que seja, desempenhe
nu lint, isto entbellezar, conservar c
reproduzir.
Montado em grande escala c suppririo
directamente por grandes lubricas de Pa-
rs, Londres e Hamburgo, pode offemser -
productos de confianca. e satsfazer qual-
quer encuuintenda grosso trato e a re-
talliu.
(M Sis. arlistas pintores, e os donos de
obras poicrao emihtt vontade, pos
que tudo estar teta, as diferentes co-
res de que tiverem necessdade.
Ha tintas em massa em p impalpa-
vel. e como nas obras a envernizar s se
deve-empregar tintas muidas, e nao me-
recoTtdoilteiKfas(|UCvem de fura para
cominero o. por volluts, e tal vez falsica-
das. nestc armazem se as nuera vis-
ta do consumidor, que s assim ter;
tas frescas e verdadeiras.
Ha tambem ouro verdadeiro, verde em
p eemfolha, prala em folha, p de bron-
cear de varias cores, diamantes para cor-
tar vidros, burnidores. ncar supertina en-
ramada, amarella e verde, tintas vege-
taes, and, rana, verde e amarella, inoffen-
givas, nicas que se devem einpregar nas
omfeiiarias. colleccos de pinceis para
ungir madcira, com propredade, e oulros *
de varias qualidades, vernizes, copal,
grana, branco ou escuro para o interior
e exterior, para etiquetas e quadros, tin-
tas linas em tubos, em crayoes ou pastel,
lellas para quadros, caixas de tintas linas
e papel para desenlio.
Essencias aromticas verdadeiras, fras-
cos e vidros para vidraca de todos os ta-
maitos, e muitos outros objertos, cuja
utilidade e emprego s com vista pede-
rn ser mostrados.
Joao Pedro das Noves,
Gerente.
O abaixo assignado declara ao Sr. Joo Fran
ois.-o Lopes que a venda que com o seu mano Joa-
qunn Ignacio fez a Smc do engenlio Leo, nao se
pode desfazer peloannuncio por Smc. publicado
nos Diario de 21 e22 do corrente que as letras
me Smc. deu por essa compra j foram dadas cm
pagamento a outra pessoa, e que o moio lezal de
a disfazer 6 sujeitar-se Smc. ao qne no contrato se
estinulou contra oque se arrependesse. Jos Ca-
mello Pessoa de Siqneira Cavalcanti Jnior.
Precisa-se de um artista (typographo) capaz
de administrar os trabalhos de urna typograhia, de
quati-o compositores e de um impressor, que se
l>iial de Sergpe) : quem estiver Tiestas ermdiroes
appareca na ra Nova n. 58, das 3 as 6 boras da
tarde, que adiar com quem contratar, facilitan-
do-'se os meios precisos para o respectivo trans-
porte.
"_ Na ra Direita n. 121 ba urna excellente ama
4iara cozinhar._________________________
Precisa-se de umraijceiro para taberna: na
ra larga do Rosario n. 18.
Aligase
o sitio da senhor i viuva Torres, com ooa
morada, na Caponga >'elha : para tratar, n
da Cruz n. 38.
Aiogase
o sitio da senhor i viuva Torres, com boa casa de
morada naCaniinca \elha : para tratar, na ra
ML
As pessoas que anda nao compraram os ns. 1 e
da Doni Liga, podem procralos, poisse acham
ipressos na ra do Imperador n.7._________
Fugio no dia 16 do corrente da cidade da
Areia da provincia da Parahiba do Norte, oes-
e um cachorro, sendo o cavallo castanho, tres ps
i los de brano. o escravo crinulo, cor preta,
I, i-'ante barrigudo, ps cambados, sendo um mais
(SO qne outro, tern uina cicatriz nas costs
nr iveni.mte de chicote, representa 20 airaos pou-
t mais ou menos, bonita flgura, e os dentes todos
onpletos e bena alvos, tendo o cnbelkj carapinno
inrai um Unt solt, nariz afilado : quem o pegar
p;i,leentrega-lo no Brejo Mreos de Oliveira e nesta cidade doRecife ao Sr.
Titiago Jos dos Santos ra larga do Rosario n. 21.
qo e wcompeni*ar f eneresatnente.
- HurcuUao to* de Alraeida ltimamente
canto, piano e outro qaakpicr instrumento, assim
Machado, tanto dentro desU cidade como nos seus
arrabalds : quem quizer honra-lo com s;us cha-
im los dirija-so Boa-Vista sobrado junto a caixa
Precka-se le um eainre d! it 44 amtoa,
p irtuguez, qne tenha pratica de taberna: no largo
d Tern> n. 23.
Soleque o aaa.
Precisa-se de nm luoteque anide urna ama torra
para o sarvico de pequea arailitt. e que compre
na ra; na ra larga do Jtusart n. 30, Jo>a da
charutos.
' AO rtBLICO
. Oabaixo aaipiado faz sciente-ao pnblico, que
meiacoes das.duas casas torreas sitas na ra de
*|jo Thereza n. 58 e na roa das Cinco Ponas n.
84, estao llvres e dasembaracadas de todo e qual-
qner debito oa onus, e perleocera ao abaixo assig-
Bado, que nao quer nem trata de venda-tes; e
quanto as maiaoes pertencentcs Sr Umbelina
Mara dos Prazeres de Ftgueiredo Castro, esto liy-
pollieoadas, e de mais sujeuas indemnisaeo,
que a dita senhora dore ao abaixo asignado, pelo
pagamento que por si e pela mesma senhora, como
cousenbores do sobrado de tres andares n. 2 na
ia do Queimado, fez Integralmente da importan-
ca do onus do valor de 4600, qne pesava sobre ,
esse sobrado, e dos respeenVos jaros decorridos do
1 do uovembro de J854o I do corrente mez e j
anno, como consta da escriptnra publica prxima-
mente lavrada nas notas do tabelliao Pedro Alejan-
drino Rodrigues Lins, visto que o marido da-mes- j
masanbora, Iolestamentelro e inventariante do,
finado padre Bento, por cuja nennoa houveram o
dito sobrado, leudo na pariiltia recebido bens para.
pagar os juros vencidos deixou de paga-Ios, e pos-
teriormente tendo o abaixo assignado e ai*m-
bolina vendido o sobrado, nao deelararam que esr'
| tava elle sujoito ao onus. Portaato as meiaces da j
Sr Umbelina nao podem ser vendidas; e ella pre-
tenoendo vende-las em leilo por conta e risco de
quem pertencer, segundo consta do respectivo an-
nunclo para ter lugar o leilo quarta-feira 25 do
corrente, sem que tenha pago a importancia da
hvpotbeca, e procurando sublrabir-se mdemmsa-
?ao que dove ao annunoiante, prosede com injus-
tira e-de mf : sendo que tal compra se realisar-
se nulla. Recife 24 de uovembro de 1863.
______________Manoel Jos do Amaral.
Iruuuidade de \ossa >eihora da t ou-
ceicao dos Militares.
Em virtude d*o art. 18 tit. V dos estatutos que
regeiu e.-la veneravel irmandade, convido a todos
os charissimos irmaos para comparecerem no pr-
ximo domingo, 29 do corrente mez, s 8 horas da
manhaa, no consistorio de nossa igreja, afim de
eleger-se o novo presidente para a mesa qne tetn
de reger a irmandade no futuro anno de 1864.
Consistorio da irmandade 23 de novembro de
*863.0 secretario,
Manoel da Costa Honorato.
y
.r. Sarintinto Filtio, medic operador
do hospital Pedro II, para maior com-
raodidade das pessoas que o honram com
a sua conGanca, participa que ser en-
contrado todos os dias no referido hos-
pital das 7 s 10 da manhaa e dessa hora
em vante na ra do Queimado n. 44, se-
gundo andar, onde ha establecido o seu
S consultorio, ou em casa de seu paiCam-
_i po das Princezas.D consultas gratuitas
S todos os das no dito hospital, onde pra-
K tica toda e qualquer operacao de que os
^ pobres precisem para o seu restabeleci-
W ment. Incumbe-se especialmente da
a| cura das molestias do dominio da medi-
' ;j' cia operatoria, que se ha dedicado,
l das aftecees do tero e da uretra.
Encanamento (Tagua.
A pessoa que unanut-ion oceu-
par-se de eneaaai* agua para ca-
sas particulares dirija-se a esta
typographla._______________
Srs. redactores. Nao possivel que meia duzia
de vadios abusem com tanto escndalo das auto-
ridades policiaes E' de mais I Lembra-se aos
Srs. subdelegados e com especialidade aos dos
bairros de S. Antonio e S. Jos, que tomem em
cousideraoo todas essas espeluncas que se acc
bertam como titulo decasas de pastoabundan-
do mais nos bairros supraditos. (Nao fallamos dos
hoteis.)
O jogo nesses lagares, um dos ramos mais
rendosos, acarretandoa perdicao de alguns lilhos
familias, que se entregam a esse Iwnesto passa
tempo. D'entre essas espeluncas sobresahe urna
sita nos Bairros Altos fregaezia de S. Jos, que
tem per titulo distinctivoBanlios d'agun doce.
Com a publicaco destas linhas prestar Vine,
grande ser.vico a muitos paes de familia e com es-
penal mencao aos moradores dos Bairros Altos.
.*.:^"tv
--------
tZ
Um machlnislachegaao da Europa pre-
vine aos Srs. i!e Cdgttlio que conceTta;
! mathlnas a^apor ou "aranibiqiie*, como;
tambem contraa se em ffalquer enge-
nho, pode ser procurado na roa dos
Quartete'a. 1, ;primwtfo andar.
Urna senhora estrang'etfa clfegda ha j
pouco da Europa, encarrefa-se de lavar,
e *engommar com toda perfeicSo pdr
proco mafs oommido do que em outra
qualquer parte : na ra dos Quarteis n.,
1, primelro andar.
Aluga-se u priincirf aiflar do sobrado
xia ra cto Amorim n. 58, propio para es-
criptorio .-a tratar ra da Cadeia n. 62,
WfflUndo andar._______ ______
Aluga-se a casa terrea n. 6, do pri-
- Akiga-se dorante a festa urna *** *?,__
da Panella, bm-Mhs cmmodw e muio ? ,
banho : na ra do Queimado, botica n. & '
Os herdeiros do finado cirurgiSw Manopla*"
quim Pereira, annunciam ao respeitavel publico.
qne os bens de heranca do tinado Jos PrjHtoaco
?1B4 ALK;ik
Cade.a n. 6i, segundorrtfttr.____________ do eamo finado, e'que hoje se achan, em poder J^^ifl^XnTrn-
Kaonl 3--RIA RSTBEIT4 DO R0SARI0--3
Francisco Pinto Ozorio contina 'a col-
locar dentes arftclaes tonto por meio de
molas como pela pressao do ar, nao Te-
cebe paga algama sem que as obras nao
fiquem a vontade de seus donos, tem ps
e ontras pTeparacdes as mais acreditadas
para conservacao da borra.
Precisa-se de una ama secoa tpie queira
encarregar-se de todo o servico interno de uraa
casa de pouca familia, na roa do Apollo n. 39
primeiro andar.
Saques sobre Portugal
Oabaixo assignado, agente do banco
mercantil Portuense nesta cidade, saca ef-
fectivamente por todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
qualquer somma, vista e a prazo, dendo logo os saques a prazo seren des-
contados no mesmo banco, na razao de 4
por centoao anno aos portadores que as-
sim lhe coavier: nas mas do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
Escola 'gratuita nocturna- idos herdeiros desta, estao sugotos ao pgame
'aescola cent* I do methodo Castilho, ha roa ^e dividas do mesmo finado para com o casal do
das Flores, esntaberta a matricula para liomens fallecido Manoel Joaquim e mesmo o espolio anda
nacionaeseestragaros que quizeren. aprender i^ seacba todo part.lhade assim em qua quer
Mr.wereTBr e contar, e doutrina ebristaa ; este occurrenc.a os herdeiros deste empregarao todos
ensmo ser das 7s 9 da oite gratuitamente. Te- s eios para retver os bens da heranca, onde
ra'principio na noitc dt segunda-fMra 11 dejahei- Jter que cites se aehem.
rod 1864, nesse da fceha-se a matricula desse
anno. A abertura da escla nocturna de Lisboa no
lugar de Marvilla, pelo Illm. Sr. Luz Pelippe Leite
do que trata o Diario de Pernambuco de 21 de no-
vembro no artigoPortugalfoi o nico incentivo
que nos moveu a dar este cur nocturno, em pro-
ve to dos nossos concidadaos de ambos os hemis-
ferios,Francisco de Freitas Gamboa.
Esi |ra se alugar a sala -da frente do pri-
meiro andar do sobrado da ra do Queimado n. 15,
propria para qualquer scriptdrio : a -tratar na
mesma ra n. 15.
F
ftf.niisia americano
\cw-Vork. ra do mi-
rador n. 63.
pr. W. H. H!c. Grafh, offerece ao lrcs-
peitavel publico de Pernambuco os ser-
vicos de sua profissio, todas as opera-
eoes da lx>cca e dentes serio ejecutadas
com o ultimo o muito*melhorado princi-
pios de cirurgia dental.
0 bacharel Francisco Gantes Velloso
de Albuquerque Lins tem o seu escriptorio
de advogaoia; 1. andar, frente para a pr3?a de Pedro II-
Besappareceu das serraras do caes do Ra-
mos urna canoa grande que tinha conduzido carne
secca, tinha dentro urnas taboas de pinho que ser-
viam de lastro; desVonla-se que fosse por agna
cima pornaoier tatexa : portante quem a encon-
trar ou souber aonde existe, d parte a bordo do
brigue Maa Isabel tundeado ao pe da escadinha
doCollegio, ou ra do Trapiche n. 4, que ser
gratificado.
Nos abaixo assignados declaramos ao respei-
tavereorpo do commercio, que no dia'ft do corren-
'temez, amigavclmente dissolvemos a sociedade
que nesta praoa girava na razao de Duarte & Ro-
cha, ficando todo o activo e pas*ivo da mesma
firma, a cargo de socio Francisco Fcnandes Duar-
te. Recife, 21 de novembro de 1863.
Joao Arrlino Pereira da Rocha.
F. ancisco Fernandez Durte.
Joao da Silva Ramos, medico pela uui-
versidade de Coimbra d consultas em
sua casa na ra Nova n. SO, das 8 s 10
horas da manhaa e das 4 s 6 da tarde e
recebe igualmente convites para dentro
ou fora da cidade com o tim de se en-
carregar de qualquer servigo de sua pro-
ftsso.
Os chamados devero vlr por escriplo.
CASA DE SAUDE
En Santa Amar
Do Dr. Silva Romos.
nico estabelecimenlo dosta natureza
qne existe Mre nos, montado do modo
que pode com todo o commode e Ho tra-
tar qualquer deente, qne nrtfct seja rece- I
Ihido.
O edificio magostoso e oonserva-se
cm perfolto estad de limpoza e ooute-
nienteineiite mobiHado.
Os doentes sao separados, segundo oe
sexos, natureza das molestias e condiroe
sociaes.
fla qnartos fortificados para os aliena-
dos, e urna enfermaba jara a jiartu-
rientes.
O proprietaro encarrega-se de qual-
quer operacao.
O estabelecimento franqueado qual-
quer pessoa que o queira visitar.
Priineira classe H^OOOdiarios. .
Segunda dita.... S3-W0
Terceira dita.... 25000
Para que qualquer doente soja ali rece-
bido, basta que-se mande o nome do doen-
te e da pessoa que o remette, com a de-
claraoao da morada.
O proprietario aceita contratos annuaes
com qualquer que queira terum ou mais
leitos sua disjiosicao.

BAAOS PBLICOS.
Pateo do Carino.
A abertura deste estabelecimento das
6 horas da manhaa at s 10 da nole, o
publico encontrar banhos fros, momos
e medicinaes, vontade das pessoas cem
todo o asseio possivel.
Quem precisar de urna mulhcr para ama do
casa de jiouea familia, para lavar, cozinhar e en-
gonimar, dirjase ra de Aguas-Verdes n. 100.
Arrendase na Vanea, margem do rio, 4
casas de lijlo acabadas de pouco : quem as pre-
tender, dirija-se ao sitio que fo do Dr. Ibiapina.
Precisa-se de nma ama para cozinhar para
[ homem solteiro : na ra do Queimado n. .12, loja.
Precisase alugar nm preto que sirva para o
servico de padara: a tratar na ra da Concordia,
padara do gaz.
Precisa-se de um menino de 12 para Han-
nos |iara caixeiro de-urna taberna, prefere-se Por
tuguez, e que tenha vindo ha pouco : a tratar uo
berro do Campello n. 4.
una boa casa terrea com grande sotao1
e cacimba, na
agua om cora-
ra,! da Patina n.
96, por procos rommodus : a tratar bj ra do
Queknnilo; leyt de fazendas n. l._____________
Precisare de rfma ama para engommar : na
ra estreita do Rosario n-31. tercoiro andar.
Alaga-sc nma casa em dbiritie ; a
tratar ttm i. I. de M. -Iiegn, na ruido
Trapichen 8*.
Prechw-so de urna ama csrrara para tngom-
mar e para ledos os dentis serviros de ntia rasa
de familia, a eiMMfiw de eoztnim : na ra estrei-
ta do Rosario n. 3, tereciro andar.
- Precisa-se de um ra|iaz pertupuer, de idadt
at 15 annos, que cntnda do negocios de niollia
dos, tendo Iwa conducta, para ir para oCear : a
tratar na ruada Aurora n 46. soyundoandar.
Aluga-se o sitiada senliofa rhiva Carvnlhe,
i em S. Jos do Matignimo. com boa nfsade sobra-
'do, eateiada. quartos para criados, esribaria,
fructeiras, baixa de oapim : no meso sino se di-
r quem trata do aluguel._______________^___
Anda est or tagar-ec o svyundo an
dar do -sobrado n. 44, em a ra da Aun
ra : quem o qnizor dirija-se esto me
ma na casa n. 10.
A iK'ssoa que annunciou d:ir "WO^rom Bypo-
| theea em urna casa, dirija-se > taberna da ftindi-
11 cao da ra da Aurora, que se dir quem fareste-
negocio.
- L'i honH.'m com todas as hbilitaeOes preei-
: a* para administrar ou feiloiar ptalqer enge-
| nho, tendo bastante pratica de pla'*taco de cana.
1 tanto de enxada roinu de arado, derja arranjar-s*r
; por estes otodias : quem precisar, dir.ja-se- roa-
jdo Vigario n.8ott l'.l.___________________
Oabaixo assignado faz scieute t rospeitavel
I corjiu do commercio o aos seus frejuezes, que
desde o dia 9 de novembro prximo dstKou de ser
I, seu caixeiro Antonio Monteiro da Cunlte,:
l Joaquim Vieira Coellw da Silva
Frannseo da SMva Cardoso, rotirado-se pa-
ra o Rio de Janeiro, ro^a todas as pesedas que
tem obras em seu poder, qne tenham & ltondade
de as mandar buscar o praso de oito tHas, qne
pastado esse dia a> Tendera para pagamento tos
cilios que se aeliarem lerendo.
<^ocicladc le seguros miltnow,
de vida lasnllada pelo Banco
Un io na cidade do Porto.
Os agentes nesta nidad e provincia Antonio
Lote de Oliveira Azevedo i\ C escriptorio na ra
da Cruz do Recife n. 1, eslaV. atitorisados desdo j
a tomar assignaluras e prestar todos os r selareri-
mentos que rafea n< eessarios, as pessoas que de-
sejarem concorrer p.tra tito til e benfica ompre-
za, segurando Um futuro lisongero aos assoctados.
Plecisa-se de
trangeiro solteiro
Precisa-se de urna ama de meia idade, nica-' Nov
Aluga-se o terceiro andar da casa sita na ra g__ 40 |0:a de re|ojoetea.
iva n. zl : a tratar na mesma ra n. 19, segn-' ,~-,-t --
urna ama para casa ue un ps-
a tratar na ra da Caricia do
mente para cozmhaT c fazer algum engommadode
casa de duas pessoas : no 'neceo das Boias n. 2,
q uarto andar.
Quem precisar de cozinhar almoco, janlar e
ceia por mdico prego, o juntamente lavar e en-
goommar, dirija-se ao lierco da Bomba n. 5, onde
mora Firmo Antonio de Figueiredo. ____
do andar.
Precisa-se de unta ama que saiba cozinhar c
lavar para o servico de nma rasa de familia : na
ra larga do Rosario, loja de louca n. 32.
A pessoa que annuncieu querer 100 ou 200,5
sobre o aluguel de urna negra, dirija-se ra no-
va de Santa Rita n. 38.
Lourcnco Serval, subdito
para lua da provincia.
------K~i~------------T3. j^,,. quem pretender, falle na ra das Cruzes, sobrado
Perdeu-se no domingo 22 do crente, desde J Q lartil dirfiit0 m vai da rua do Queima(i0
francez. retira-se I E*lao para alugar-se o primeiro e segundo
i andares do sobrado da rua das Aguas-Verdes
para S. Francisco. No mesmo sobrado ha |>ara
60
80
NOVO IIIVAI.
Loja de miude/as.
Rua Pecas de tranca de laa preta lisa .
Ditas de tranca branca do caracol .
Ditas de tranca de caracol mesclada
Ditas de fita preta de velludo 1$ e .
Ditas e dita dita lavrada 300 rs. e
Ditas de franjas para Cortinados .
Ditas de franjas brancas estreitnhas .
Ditas de fita de seda de cores .
Ditas de ditas dita larga 800 e .
Ditas com 22 varas de galo branco. .
Ditas com 40 varas de galo de cor
Varas de fita para cintos ....
Fivelas de ac e de pedrinhas para cinto
Gravatinhas para senhora ....
Ditas para homem e para senhora .
Ditas com passadores 15 e .
Ditas com 100 ditas da Victoria .
Cartas de alfinetes...... 100
Pacotes de papel de cores pequeos 700
Caixlnhas de papel Amizade superior
Caixinhas de envelope 800 rs. e .
Ditas de pennas 800 rs. e
Lajtes encarnado ou asul.....
Frascos de tinta encarnada ou asul .
Ditos com extractos 400 600, 800 rs. e
Ditos de bariha franceza 300, 400, 500 o
Ditos de agua do Colonia 400, 500, 15 c
Ditos de legitimo oleo de babosa 500 e
Duzias de canudos de pomada da trra
Massos de superiores palitos de dentes
Caixinhas vastes que servem para guar-
dar joias, ouro 300, 400 rs. e 500
Passadores para ditas..... 500
Conservadores de continhas e frocos 900
Colares de perolas com cruz 15 e 45280
Voltas pretas muto grandes 25000
Grampas a balo ...... 800
Ricos cintos com fivelas de pedrinhas 35000
Gullinlias esmaltadas de cantinhas 15000
Luvas de pellica branca .... 15000
Ditas de Escossa brancas e de cor 500
radies de atar cabello 80 rs. e 240
Dltns do massa em caixinhas 400, 640 e 800
Ditos virados imitando tartarutra 15600
Ditos pretos finos cora marrafas 35000
Ditos dourados com marrafas 35500
Ditos esmaltados com marrafas. '55000
Ditos de tartaruga 45 c 55000
Fitas o cordoes para enfiar espartilhos 80
Pnfiadores para borzeguins .... 160
Oi lavas de reros preto e de cures 460
Escovas para denles 160, 320 e 480
Tesouras diversas 60 rs. e 120
Ditas flnissimas 500 rs. c 800
Ocalos de nrmaco prateada 500 e 800
Ditas de armaeo de ac 800 rs. e 45000
Caixiimas com 190 agulhas francezas 240
TINTURAttlA.
Tinge-se com perfeifSo para qualquer
cor, e o mais barato possivel: na rua do
Uangel n. 38, segundo andar.____________
Precisa-se de um caixeiro que tenha pratica
de taberna: na rua Nova n. 69. ______
FOLHNHAS PARA
r*a praca da Independencia livraria ns. ti
e 8, acliam-se venda as segu'mtes folhi-
400 nhaspara 18CI impressas nesia lypograpliia
15400 em excellente lypo ebom papel,
35000 Folhinlia de porta conlendo as mate-
800 fias do coslume, rs.........160
360 Dita de algibeira, sob a epigraphe
15500 religiosa, contend alm das materias
linio do costume os sele Passos da r*3'"30
640 de Nosso Senhor Jess Christo ; canti-
15600 eos do mez Mariano; hymnos e jacula-
15280 torias ao Santissimo Sacramento; ex-
> i^o-nac je diversas oracries: cora
urente, uesuo ^ g ja|j0 reitO q
a rua do Imperador at a rua nova de Santa Rita, ara s prancSCo
nma pulseira de ouro esmaltada de azul, tendo a ender.se uma rabeca que sorVe para bracos cur-
| figura de uma cobra : quem a ti ver acnado, e ti- .
ver consciencia, a poder entregar na rua nova de | -----------------------------------------------------
Santa Rita, serrarla de Vicente Alves Machado, que A! tl'HClO
recompensar generosamente. j(a rua estreita do Rosario n. 19 trabalha-se com
-----Pr,,.; = Ap m menino nara caixeiro de ',0(la a perfeicao em bordados e llores de todas a-
loja
na na larga do Rosario n. 21. loja.
Aluga-se uma boa casa terrea
rua dos Coelhos n. 5.
uso pcacoes
320 Serapliica
exercicio ao sagrado cora-
Cao de Maria ; oragao para visitar as
igrejas no dia da Porciuncula ; oraco
12000 para escolha dos estados da vida ; dita
15200 a Senhora da Concec5o ; e meditacocs
120 sobre a reforma da consciencia. rs. .
320 Dita de dita, sob a epigrapheVa-
5_ riedade, conlendo alm das materias do
15500 coslume : receilas uleis e necessarias
600 aos diversos myslerios da vida; physi-
240 ca e recreativa ao alcance de todos:
pilheriase ralices; poesias ; charadas;
mximas e pensamentos colligidos por
um curioso.. .........
K A \i O l \ I AO
ESTABELECIDO NA CIDADE DO PORTO
Agentes em Pernambuco
Antonio l.niz de Oliveira
A fvv edokC
Sacam por todos os paquetes sobre o
mesmo banco |irazo ou vista, sobre a
caixa filial em Lisboa, e agencias emFi-
gueira, oimbra, Aveiro, Vizeu, Villa-
Real, Regoa. Vianna de Castollo, Guima-
res, Barcellos, Lamego, Cevilha, Braga,
Penafiel, Braganca, Amarante, Angra,
llha da Terceira, Ilha de Faias, liba da
Madcira, Villa do Conde, Valenca, Rastos,
Oliveira de Azemeis, Chaves e Fafe, a
oilo dias vista ou ao prazo que se oonven-
nonar,no seu escriptorio rua da Cruz
n. 1.
para casamctos e bailes, d-se tambem licdes de
flores s familias que quizerem aprender.
SO
240
320
Caii&eiro
Precisa-se de um caixeiro com bastante pra-
tica de taberna : no estabelecimento de molhados
da aurora brilhanle. largo da Santa Cruz.________
0 abaixo assignado faz scieute ao rospeitavel
publico que o Sr. Jos Joaquim Cardoso deixou de
ser caixeiro de sua casa desde o dia 21 de novem-
bro de 4863.-Joao Baptista Roa ventura Rodrigues
de Almeida.
DENTISTA DE PARS
19Rua Nova-49
Frederlco GaUtier, cirurgiao dentista,
faz todas as operai-oes de sua arte, e col-,
loca dentes artificiaos, tudo com sujierio-
ridade e perfeicao, que as pessoas onten-
ddas lhe reconhecem.
Tem agua e pos denuncio.
WM-WM
- Precisa-se fallar com o Sr Ignacio
Vieira de Mrlto, escrvo cm Nazarcth,
sobre negocio que o mesmo senhor nao
ignor.i; na rua do (Ircspn loja de fa-
zendas n. 7.
riado
Precisase de um, que entenda de servico de si-
tio tambem, dando-se 1205 por anno e comida :
na rua Nova, sobrado u. 3, primeiro andar, das 9
horas da manhaa aleo meio dia.
Aluga-se
um grande armazem na rua da Roda n. 56. com
sotao, bom quintal e cacimba, e com uma pequea
armacao que serve para por taberna, assim como
servc'para qualquer um marrineiro pelos commo-
dos que tem : a tratar na travessa da rua das Cru-
zes. taberna n. 8.
ESSENCIAS DEPURATIVAS. I
Anli-s)phililica o anlUrlieiimatira
Approvada peta Imperial i
academia de medicina.
COMPItSlQAO E PflEW.VItACAO 1H>
Dr. Eiiicst Fre Pharmaceulico pela escola de medicina j
do fio de Janeiro.
Estas essencias cuja formula j foi aj- r,
prvida pela academia imperial de medi-
cina do Rio do Janeiro, e |>elasquaes sen
autor foi premiado na e%|>o*ico nacional
de 1864 e com duas niedaUas na oxpo-
sieao de Londres, sao sen* contesiaco o
ms clUcaz de todos os medicamentos at
hoje conheoidos para o curativo de todas
as molestias syphilieas ou que dependam }Si
de uma alteracao do sangne.
Distnguem-se estas essencias pelos ns. |^|
1 e 2, cujas formulas variam considera- {;
; velmente, a de n. 1 etnpreseda com n CpB
: mais feliz resultado nas molestias vene- *~*
reas ou que dependam de alteracao do j3j
sangue, como, cancros venreos, chagas H
syplnliticas, boubas, aTeocies berpeticas j
e dartrozas, nas blonnnrrhas, leuotir- ^
rheas, vegetaooos syphihhcas, escrophu- fgt
las, escorbuto", ory iipelas etc. A de n. 2 j=j{
tem sido empregad i exclusivamente pa- H
ra debellar os rhetimatismos syphililicos Jtt
e gotosos e nas exostoses ou tumores S
iJ osseos. H
flffi Adta-sc a venda esto precioso medica- &&
!s ment na ruado Rangel n. 62. pharma- |^
pS cia de Medronho & Martins. cs
mmmmm, mmm wm mmm
Manoel Ferreira das Nbvm, subdito porln-
guez, rctira-se para fra do imperio.___________
Joao de Souza Guimares, proprietario o re-
sidente na villa da Escuda, alugou durante cinco
mezes e quinze dias sua casa de vi venda a Eduar-
do Knworth, casado com D. Maria Venancia da
Coneeiijo, em quanto estes se conservavan na-
quella villa da Escada. Nao toi o projirieUrio pa-
go al hoje do aluguel ajustado de 20* mensacs, c
nem Io pouco da importaneia de 35701) om geno-
ros. Retirou-se o devedor as oceultas, parece-me
que foi para Liverpool, o como nao lhe conste que
dei publico o expendido. Recife 23 de novembro de
1863.
r^S
Aluga-se a padaria da rua dos Pescadores n.
13 : a tratar na rua do Rangel n. 9.
ENTRADA HE FERRO DO RECIFE AO FRAHCISCO--MMITAOA.
Tarifas que devem regular o moviiiiento do trafego uest semgo do primeiro de dezembro
vindouro at outro aviso.
0 Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na rua da Cruz n. 53,
Io e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profls-
so medica, e eom especialidade
sobre o seguinte
Io molestias de olhos;
2o de peito:
3" dos orgos geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rio examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias ,d s
6 as 10 da manhaa, menos nos de-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
cao que julgar conveniente para o g
prompto rastabelecimento dos seus M
doentes. 81
rr.
<
s
-
u
u
as
i
1
2
4
5
6
7
8
9
11
13
14
15
17
18
*0
Qutan precisar de uma ama para casa de
pouca familia, dirija-se praca da BoaA'isla n. V).
Aloga-se o segunda andar de sobrado da rua
sirena do Rosario n. H : a fatlat roa da toi-
-ni v. 5.
V*
1
3
4
6
7
9
11
12
13
14 '/
* V,
16 '/,
Vi
f9
2)
20 V:
DE QNCO
PONTAS
A
Afogados ..
Boa-Viagem
Prazeres....
llha........
Cabo......
Ipojuea -----
Olinda.....
Timt-Ass
Escada.....
Prexeiras ..
Anpib-----
Ribeirao ..
Ganteleira...
Coyambnca..
Agua Preta..
Una........
DE UNA A
Agna-Preta..
(uyanibura..
Gamelleira ..
Riltoiro .
Aripib.....
Frelxelras...
Escuna......'
Timb Ass..
OHnda......
Ipojuca......'
C.......
llha ..-.-..
Prazeres___
BoaV|*gett*4
A (oga<
Cinco-'
PAMMACm IKO.
IDA
-
400
600
800
1,6600
tsaeo
24600
35000
354011
35800
45500
45900
55400
55800
65100
05700
75200
800
15400
25'. WO
25600
15000
38600
45300
45600
45990]
55flW
fw

i!
300
500
600
45200
15700
25000
25300
25600
25900
35300
86M
35900
45200
45400
45100
5t0
cr
^ e
600
15100
155IM)
25000
25300
25700
35200
35400
35H)
"3J900
45100
45300
WOp
IRII
200
300
00
800
15100
15300
15500
15700
15900
25300
25600
25900
35100
35300
36700
45000
400
700
15000
15300
15W0
15800
28200
2540^
J4'J:'
25900
3800
ili
3$6*)0
:7W
IIi.V E VOLTA
S
600
900
152O0
25400;
35300!
389001
48500
.55100
55700
65700
754'0
85100
85700
95200
fI05IOO
W5800
500
700
9001
15^00
26500
:i5000
35400
35900
45300
58000
54400
55900
65300
68600
78200
7*700
n
300
500
6O01
15200
18700
5000
26300
25600
28900
35500
38900
45300
45700
45900
55500
65000
15200
'26100
36300
35900
45300
W400
65500
(i-Viil)
75t00
8.510!)
85500
98600
95900
00 .
00" >
909
18600)
25100
35000
3540
45100
18*
580
55100
58909
600
15100 210
55'10
25000.
267M
35300
35600
:\ ?,')M
4VIOT
681001 4550!)
68-500i 483001
"' 58300
88500 eso
58700
680
60
90
120
240
320
360
400
440
480
5.10
560
590
620
CTO
680
'710
120
ui:ii( tottnitu.
TARIFA N. 2.
FUETE MMI AltHOBA.
TARIFA N. 3.
fuete ron toselaba.
300
360
400
460
520
sw
50
890
610
630
070
700
710
45
70
90
180
245
25
320
360
400
450
4S5
520
555
580
625
660
* 90
158
225
2X2
320
377
438
461
484
519
542
565
611
Bit
645
680
30
45
60
120
165
190
215
240
265
300
320
!
15
25
30
60
80
98
100
110
120
140
150
343 165
365 175
380 rts
4t0 200
433 210
6 30
105 53
150 75
188 90
213 100
250 115
290 133
305 141
390- 49
343 101
358 169
373 177
403 193
MO 197
(Ufi 103
435 340
i
-.3
5
10
!!7
20
40
53
65
70
80
90
100
UO
120
130
135
145
155
20
.35
50
62
70
82
96
102
108
117
123
129
I4t
148
180
135
600
900
15200
25400
35150
35450
35750
4,30-iO
46*>0
45800
56100
55400
55700
56900
55300
68600,
500
750
15000
28660
25I00
5800
35000
35200
35400
35725
:*8'J50
45175
48400
48550
48850
55075
i*50
375
500
15000
15340
15520
15700
15880
25060,
28270
25390
25510
26630
26710
2*870
25990
< AitKOS i; tlHHIMI*.
TARIFA N. 4.
FUETE POlt CA.

15200
25100
35000
:i5450
35750
452)0
45700
48900
58100
88400
58600
88800
65300
8580
6*600
18000' 5001
16750. S75
28509! 18259
18.160'15520
380 W 15700
35100 15970
386.50 2S230J
tym 28310
36950 26190
46175 25510
45325 25390
47 2867V
48775 258801
48850 25870
55075 3990
28008
38000
45000
85000
108500
118500(
12550
138500
148500
158750
168500
1752:
186000
1885001
198500
205250
45000
75000
103000
115500
125500
14
13
i
4683001
178250
175750
488380
198*50
198-500
ftfilflfUi
uyupv

38000
45500
6-5000
125000
158750
178250
188750
205250
215750
238623
245750
235X75
278000
278750
298250
308375

*
18000
18500
25000
45600
58400
65200
75000
78800
85600
98600
105200
10500
115400
118860
125600!
1352001

15500
25250
35OOO
65000
85000
95000
105000
115000
128000
135250
145000
145750
158500
1650001 48200
17-3000 48400
175750 550
a-mihi:*.
TARIFA N. 5.
FRItTE POR CAWKCA.
108560
fifMtf
175250
185730
218000
135250
145609
48750
268625
275175
388875
29S50
Sm
28000
38500
55000
65200
75000
85200
95400
98800
108200
108800
U8J0O
118600
418(00
13*000
13*300
38066
58250
7*500
9*000
10*000
116500
138000
13*501
145OO0
145750
1S5250
15575C
6*750
13*600 175000
175500
1787J -
500
750
I5OOO
18000
28600
18800
35000
3*200
38400
3*650
8MM
3*950
too
18066
18750
1*500
18800
38600
3*300
3*606
3*700
250
375
500
4*000
183*>
4*475
15625
18775
18925
18120
28240
26360
28480
28560
25720
84o


200
300
400
8(10
18020
1*060
18100
15140
15180
15245
15290
1*335
15380
1*416
15470
1*515
ti*
100
150
200
400
5W
5.30
550
570
590
613
636
645
660
690
690
705
fhetk ron
DIZIA.
2 S
I i
sil
o
500
875
15250
18475
18625
18X50
25080
nm
2*240
460
706
15600
15060
15160
16160
1*230
1*3115
200
300!
100;
800
1507o
161251
18373
16525
18675
16K>
26050
200
330
450
25650
1*860
100
150
100
400
540
6WI
TOO
780
SCO
975
1*656
1*118
15200
15250
1*350
*>
260
350
500
620
700
820
950
IfiOOO
1*050
1*425
^A*2-
1*600] 325
" I*'I8
'SO,- 4*40
4
iMerlHn.



ambuco
a lelra de Sovcrabro de f **.
NOVO ESTABE1ECIMENT0 DE MEDICINA flOMEOPATHICA
RIJA MOTA We 43.
O Dr. Sabino O- L. Pinho mudou o sea CONSULTORIO para a loja de mamn
ra Nova n. 43, onde continua a dar consultas todos os dias -otis desde o meto dia at
2 horas.
Os enfermos, que o procurarem logo aa invasSo da molestia, sem que baja to-
mado qualquer remedio, nem allopathico, aem hemeopathioo, ,pagarao metade dos precot
estipulados. Esta concessJo tem por fim facilitar a cura de molestias, que podem tornar-
se complicadas pelos emprego intempestivo da therapeuticacao mesmo tempo adquirir
para a homeopathia maior numero de adeptos pela bateza datura.
Em attencSo as pessoas pobres, que aao podem sabir de dia, o Dr. Sabino resol-
veu dar duss consaltas por semanas as tercas e sextas-feiras das seis as sete eras da
noite.
Os chamados para visitos e conferencias devem ser dirjgidos por escripto ao con-
sultorio desde 8 heras do dia at 8 da noite, na certeza de que sero attendidos aa orden
de sua precedencia, salva a circumstancia de eminente perigo.
ADVERTENCIA.
O novo consultorio est prvido dos melhores medicamentos, desde a
at a trigsima dynaminjsacao.
E como os mdicos hespanhoes e allemes nao oessam de certificar a ajor efi-
cacia das ultisstmas dynaminisaces do tratamento das molestias cnronicas, o Dr. Sabino se
occupa agora de elevar os seus medicamentos s potencias mais altas (por ora at 200.*).
afim de verificar por si mesmo a forca dynamiea, que se lhe attribue.
Os mdicos, que quizerem experimentar taes dynaminisac5es podero dirigir ao
consultorio suas receitas, que serSo aviadas gratuitamente para os pobres.
No mesmo consultorio se vende a novissima edic3o do Thesouro homeopathico
ou Vademcum do homeopatha, obra indispensavel a dos que querem usar da homeo-
pathia.
Tudo o que diz respeito nova medicina se acha abundantemente neste novo estabe-
aecimento.
PRESTEM TODA ATTENCAO
PROTEJAN TODOS.
ajuouqej sajoqpui sop sbjoj se sepoj op ojneo 9 oueid md sbsisdm
1 opCAU J O SJOOS B S3J0J p SUH SBSSBO SOUldOUd\
OpBASD O -SJ 00? SBB/I 'SOJOD 9p BJIUI8SBD Op SBdQ
opBAOJ o sj o% e sbss3 so||9q ojinu sbbj op sojjoq
sejraoq ojmu ssiiqo
soiu|i:d o sp ojuctuiug
oqu|[ op BquBiajy
oquij op S90in3sg
eoBjq pos op
SOpEACtt OS 9 SB1UBU1 'e||8U"
Ao n. 29.
Nova loja dos earateiros na raa 4o Queimado.
i Velludo de olres fazenda muito boa o corado
i 35000, baldes de panno 3*200, ditos de arcos
] 34000, 4*000 e 5*000, ias de duas larguras
para vestido o covado 500 rs., chitas francezas o
eovado a 310 rs., metim branoo para forro de
vestido o covado 120 rs., tariataoas de todas as
cores a vara 720 rs.
Ae n. 29.
Pede-e toda altenco.
Custodio Jos .Alves Guimaries, dono da leja in-
titulada Gallo Vigilante, ra do Crespo n. 7, avisa,
aos seus numerosos Jreguezes e ao respeilavel pu-
blico, que tendo de formar no fin desto anuo sea
estelecimento, equerendo liquidar grande quau-
tidade de diversos objoctos, est rosolvido a vender
tudo por precos baratissimos, como sejam:
Pecas com 4a varas de franjas de linho a 3*.
Dius com 45 varas de galio de linho a 3*.
La sortida para bordar, libra a 4*.
Nova loja dos barateiros na roa do Queimado. i Froco de cores sortidos, peca a 160 rs.
Cassa lisa pelle de ovo a peca 7*500, cambraia
lisa muito fina a peca de 17 varas 10*, cam-
bra ieta peca de 12 jardas 7000, cambraia adamas-
cada para cortinado a peca de 22 varas 10*000,
mcias finas para senboras a duzia 4*000, chales
de laa ponta redonda 32*500.
Ao n. 29.
Nova loja dos barateiros na rna do Queimado.
Manguitos para senhora, o par 800 rs.
Golinhas de bonitos gostos a 400,500 e 1*.
Salvas de metal principe a 1*300, 2* e 2*500.
Dius com copos de metal proprio para meninos a
1*200.
Facas e garios para sobre-mesa a 4* a duzia.
Ditas e ditos dita com cabo de marfira a 6*.
I Bandejas de todos os tamanhos
AURORA
tM
LARGO DA
BRILHANTE.
I, t
SANTA CRUZ.
. muito linas a 1*,
1*200, 1$400, 1*600, 2*500, 3*500 e 5*.
Bicos pretos de linho a vara a 120, 160, 240, 320 Ditas redondas para copo de 500 rs. para 2*800.
rs., franjas de seda a vara SO e r60 rs., galoes Tesouras em carteiras, a duzia a 500 rs MO e
de seda de algodo e de lila para enfeites de vest- 800 rs.
do a peca de 10 e 15 varas a 400, botdes de seda Peitos para camisas, a duzia a 2*
de velludo e de fustao duzias 120. Camisinhas bordadas para senhora a 1*500 e 2*.
PKliltl n'ic na Til canlmni a >
!5a ra do Livramento n. 3i tem urna carta
pnmein; vinda do Porto para o Sr. Joaquim Rodrigues da
Costa Santos.
3*.
Chapelinas para senhora a
Ditas para menina a 2*.
Chapeozinho para meninas de escola ou passeio a
2* e3*.
Flores francezas, caixos grandes, a 600 rs.
Luvas de seda com pequeo toque de mofo a 300
rs. o par.
Toucas de laa para meninos a 500 rs., fil a 500 e
Compra-se cobre e lati velho : no arma- e??|J'hi,dfSeda -800J^ .- ,
zem da bola amarella no oitao da secretaria de ^PaUnhos .de mermo a 800 rs., e de laa a 500 rs.
polica. | Borrabas de missauga para meninas de escola a
COMPRAS.
O dono do grande armazem de molhados denominado AURORA BRUJANTE lera a
honrado avisar ao respeitavcl publico e com especialidadeaos seus fregaezes, que o seoji
muito conhecido estabeieemente acha-se de novo sonido de bons gneros tanto do estran-
geiro como nacionaes e por precos muito commodos :
Manteiga ingleza flor pnmeira qualidade a libra 1*120, segunda a 1*000 e 800,
e terct-ira a 640 e............' \00
Dita franceza muito nova a libra 640 e em barril e meios a 580 e 560
Queijos do reino do ultimo vapor os mais novos possiveis a 2*400 e do passado
a2*000e............... jjsOO
Ditos de manteiga inteiros a libra a 600 e a retalho a ,....... 0i0
Bolachinha de soda a 640 e de araruta a libra a....... 400
Latas com ditas de soda com 4 libras a 2* e ditas com biscoutos inglezes a 1*400
1*600 e............... 23000
Cha hyson muito fino a 2*560, 2*880 e 3*200, dito usim a 2*880, dito preto moito
fino a 2*. 2*500 e............. 34000
Ameixas francezas em latas de 3 e 6 libras e meia a libra a 4*500, 2*400, 1*500 e 1*000
Latas com marmelada da safra nova a libra 720 e....... goo
Ditas com figos de comadre 8 libras 2*500 4 ditas 1*500 e libra .... 320
Pavas novas em caixa de arroba a 6*500. quarto a 2*500 e libra .... VftO
Caixes de doce de goiaba da casca a 400,500, 640, 880 e...... 1*000
Frascos com conservas franceza e ingleza a 800 e 900 e de mustarda a .'oo
Araendoas novas arroba a 6* e a libra a 240 e........ :12o
280
i
800 rs.
Botdes dourados para punho a 200 rs. o par.
, Tinteiros de metal a 320 rs.
sopupjoq
SODUBjq OpilSOA ap SOIJOQ
"ffOJ "Ojajd s.jo|9iuek
BinJEj Biun ap soepoiv
sopuisajui soijpoiv
ead b f% a fi
'9 'ffS 'v ap saoiodepep
SOU1IS
SEpepJOq SB|BS
OBjeq sbbs
'ganiufqatOQtg
SBjajd SBdBQ
BU
ap Bq|ed ap senqadBqo
oiso3 ojmm ap soadeqo
supas
'BquBtnaiiv 9
Bssms '>'!Je oiMBJiaoJua ia -a.\ jqe 'ojuautaaiaqBjsa o||aq assa b sejoquasl-SBiuxg mBfajoj j
-siuy sazaaucij sao|odBpEjv -ea 'apuoiq ap sopusaA soaiy
soy[(r|\ j soqa|| sv.xyi
U
'UVlllA S3UI09 3S0T
aa
/1 mi od3.i3 op 11.1 v si!|iii',zwj ap oinaniiodiaqqsa ojini.iodun oy
^oaojc ivr:iio!ii
soHiaoMVHisa a soMVDiaKVMHad^
DE
, ^ a .! ?, : Trancelins para relogio a 100 rs.
dous molecotes de 15 a 20 annos que sejam bonitos Ditos de fita chamalote a 200 rs.
e fortes : na ra doAmorim n. 35, segundo andar Escrivaninhas de metal a 3*500.
Compra-se nm cabriolet americano de 4 ro- Colheres de metal para cha a 200 rs. a duzia.
das que esteja em bom estado : na ra de Apollo Dila8 de dlt0 Para soP* a 2* a duzia.
numero 28. Botdes de duraque pretos a 400 rs. a groza.
------^--------------------------------------------------____ Cartas hespanholas para jogos a 1*200 a duzia.
V^mPra'seuma.e?crava d 30 a 40 annos, e Caslicaes brancos o amarellos de metal a 1*.
d-se 500* a juro sob hypotheca : na ra Direita
numero 6.
Compra-se 11111.1 carroca e pipa para vender
agua : na ra estreita do Rosario n. 29, loja de
funileiro e lampista.
Compra-se effectivamente euro e
obras velhas : na praca da Independencia n.
loa de bilhetes.
Compra-se cobre e lato velho *
na roa da Cadeia do Kecife n. 36, pli-
mn o andar.
Carteiras para algibeira a 500, 600, 800 e 1*.
Sabonetes muito finos a 1*200,1*600 e 2* a duzia.
Fi velas para calca a 300 rs. a duzia.
Botoes de ac para calca a 320 a groza.
Caixinhas com alfinetes, grampos e eolebetes a 320,
________I 400 e 500 rs.
prata em F'(as de borracha pretas e de cor a 120 e 160 rs.
22 a vara
' Latas com dous massos do agulhas por 800 rs.
_ Brincos de aljofares a balo a 320 o par.
Alfinetes pretos e de cores com pedrinbas a 200 rs.
e320.
Camisas para homem feitas em Lisboa a 2*.
Fitas de velludo lisas e lavradas a 800, 1*, 1*500,
2* e 3* a pera.
- Compra-se nm escravo de 35 a 40 annos, que Ditas para sinteiro a 300 e 400 rs. a vara
entenda do servico de sitio : na ra do Queimado Caixinhas para costura de senhora a 1*500,2*.
n. 13, primeiro andar.___________ 3,4, 5 e 6*.
i._ _fg ----------------- Compoteiras de vidro com pratos de metal a 3* e
Compram-se garrafdes de todos os tamanhos a' Frl^e fe para debrunhar Upetes a 2* peca.
da Santa Cruz tST ^^ g Palitos de fog0'prova d'agl,a'a 15a groza U 12
Compra-se um escaler pequeo : a tratar na
ra Nova n. 7, loja.
YENDAS.
rs. a duzia.
Assim como tem grande sortimento de muitos
mais objectos que se tornara enfadonho mencio-
na-los, que tudo se vender muito barato para li-
Suidar : na ra do Crespo n. 7, e ra do Impera-
orn. 59, junto ao passo, ecasa da liquidacao.
Vende-se um bol de carroca manso, acostu
mado a trabalho de carro da alfandega, preco com
modo : na ra da Roda, cocheira n, 58.
ptima acijiiislfo para os poli-
ticos da poca.
Vende-se por 800* (dinheiro vista) urna typo-
graphia montada de todo o necessario para se en-
trar em reuhido combate, sendo o prelo de ferro,
e tendo typos bastantes para se trabalhar desem-
baracadamente, podendo-se pelas suas proporcoes
R> I %W U 1 IR.VC^ ;mO escrever em formato pequeo ou grande, como me-
r. ., __a*: jC lhor convier aos interessados. Nao percam os po-
Chitas largas hamburguezas muito finas, cores liticos esta pecnillcha, corram ruados Prazeres
n-'f.^^J8? ocovado- Prterem im pe- d0 tairro dT Boa-Vista n. 24, e l encontraro a
?,Ur?0 ^Ue de m?' que COm facll,dade lava?.d0 dita typographia, que pode mais de pressa fazer a
ga, e da mesma da-se amostras : na ra da Ma- forluna de um poiico, do que o maior premio da
lotera de Hespanha.
DE
J. VIGNES.
X. 55. RA DO IMPERADOR H. 33.
Oe-pianos desta antiga fabrica sao hoje assaz conhecidos para que seja necessario insistir sobre a
sna sup^.rioridade, vanLigens e garantas que offerecem aos compradores, qualidades estas incontesta-
veis querelles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; pos-
-uindo um teclado e machinismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
nunca 'aihar, por seren fabricados de proposito, e ler-se feito ltimamente melhoramentos importan-
tissimos.para o clima deste paiz:; quanto s vozes sao melodiosas e flautadas, e por isto muito agrada-
veis nos ouviilos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as eacommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Paris, socio
correspondente de J. Vgnes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposicoes.
No mesmo estabelecimento se acha sempre um explendido e variado sortimento de msicas dos
melhores compositores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido
por presos muito razoaveis.
dre de Dos n. 1(>, loja defronte da alfaddega
Parlaba e mil lio. Vende-se urna casa com commodos para fa-
Milho novo e farlnha muilo superior e semgost milia, e urna taberna com poucos fundos, e casa de
ruim a 4* e 4*500 o sacco: no armazem da auro-! rancho, no melhor lugar do Barro, logo passando a
ra brilhante. largo da Santa Cruz n. 84.________ entrada do Ucha : quem quizer.dirija se ao mes
Vende-se no hotel da Europa ra do Trapi mo lu8ar, a tratar com Joaquim de Almeida Quei
che n. 12, urna mulata de 20 annos, sabendo cosi- roz-
nhar, coser e engommar soflrivelmente, por preco
com modo.
Sevadanova arroba a 2*500 e libra 120, sevadinha e sag novo a
Vinhos genuinos dos melhores autores do Porto duzia a 14*, 18* e 20* e garrafa a
1*280, 1*600 e............. .
Dito em pipado Porto,Figueira e Lisboa a caada 5*, 4*500, 4*. 3*500 e 3* e
garrafa a400,480, 560 e........ .
Dito branco proprio para missa do Porto, Figueira e Lisboa, Carcavelos. termo xe-
rez a 1*, 800, 640 e .
Espermacete verdadeiro a libra 800, 720, 640 e 600 rs., velas de composicao e car-
nauba arroba 10* e libra a.........
Farelo saceos grandes, farinha, railho e arroz de casca a 4*, 4*500 e 5* e mais
pequeos a ............
Linguicas do sertao a 320, costelas e cavecas e inais falo de porco secco proprio
para feijoada a......... .
Macarro, talharim, aletria, pevide, estrelinhas e rodinhas a libra !
Latas com peixe em posta muito bem preparado em molho a
Charutos linos da llahia dos melhores fabricantes a 2*. 2*500,3*, 3*500, 4* o .
Genebra de Hollanda verdadeira o frasco a 640 e 1* e de larauja a .
Verdadeira farinha de matarana ou araruta em caixinha de 4 libras a 640 e a re-
talho a........
Gomma muito alva arroba 2*500 e libra 100 rs., dita mais antiga arroba 1*280 e
libra. .........
Caf de moca a libra 360, dito do Bio a libra 320 e 280, e do Cear a 320 e arroba
a 10*, 9*500 e............8*500
Toucmho de Lisboa arroba 12* e a libra 400 rs., chouricas novas a libra 640
Presuntos para fiambre a libra 800 rs. e ditos de Laraego para panella a 400 rs. a
libra e inteiros a libra.......... 640
Alpista novo arroba 5* e libra 160, grao de bico a 160 e ervilhas novas em latas a
libra 640 e............320
Serveja das melhores marcas branca e preta nteiras e meias garrafas duzia 55,
_ 6*,e.............7J50
Hesteas com grandes sebolas o cento a........2*' 00
2*000
640
560
360i
3*800
290
480
1*000
5*000
1*000
800
00
:-IU\ DO QUEIMADO99
Custodio, Ca IUVMII l>l 4 lll\< II \ PELO PIII-:CO.
Finissimas organdys matisadas pelo baratissimo prego de 300 rs. cada um covado ou
500 rs. a vara, esta grande pechincha est se acabando.
Os modernos baldes
de finos arcos e de lindas cores e brancos de todos os tamanhos e muito bem armados pelo
barato preco de 3* cada um, ditos para meninas a 2*500.
Lengos de panno de linho fino a 2*.
Panno de linho do Porto com 9 palmos de largo a -2* a vara.
Atoalhado adamascado para mesa a preco de l5600 e 2* a vara.
Guardanapos adamascados a 2* a duzia.
Cambraia de linho fina a prego de 3* e 4* a vara.
35ol MBBfflBBSu!]}i5l}{ !!{2i|iai:
SAL
c^
SEGUROS DE VIDA EM MUTUALIDADE.
A direceo do BANCO UNLlO tendo ohid do governo de S. M. F. a autorisacao para estabele-
cer.o seguro de vidas em mutualidades, faz publico que desde j toma subscripcoes annuaes por urna
vez, debaixodas seguintes condicoes :
Com perda de capital e lacros;
Dito capital smente;
Dito lucros smente;
deveado a priraera liquidacao ter lugar no Io de Janeiro de 1859.
As vantageas do emprego de capitaes em mutualidade, sao obvias, porque nao smente se co-
Ihe o jero de quaotias diminutas, de que avulsas se nao poderia tirar nenhum resultado; mas alm
A bordo da barca ingleza Recife vende-se sal de
superior qualidade : a tratar com Jos Joaquim
Alves, na ra Nova n. 69.
M PA UTA
Vendem-se duas carrocas e dous bois, sendo
urna para agua, e outra de caixo: a tratar na ra
Imperial n. 219.
Vende-se um carro de 4 rodas, americano,
em muito bom uso, pintado e forrado de novo,
com seus competentes apparelhos, assim como um
bom i-avallo: em Santo Amaro, defronte do Sr.
Star, a fallar com Guilherme Purcell, ou na ra
do Imperador n. 26 cora Manoel Joaquim Gomes.
RUADA CRUZ N. 7
ARMAZEM IUA\(i:/,
Vinho deBordoaxem barril, de qualidade muito
superior, e em garrafas 6*000 a duzia ; batatas
muito novas, licores francezes, e cognac o melhor
que existe no mercado.
Na ra do Queimado n. 43, esquina que
volta para a Congrcgaco.
E' pechincha. thcgado pelo vapor:
Paletots de casemira a 5, 6, 7 8, 12 e 145, ditos H papa0 vigilante, rna do Cres-
de panno preto e azul a 9, 10, 12, 16 e 185, ditos r L
sobrecasacos de panno muito fino por 245 e 285,
ditos de alpaca preta e de cordao a 4, 5, 6 e "*,
caigas de casemiras de cores a 5, 6, 7 e 85, ditas
pretas a 65500, 8, 9 e 105, paletots de fustao e
ganga a 2*, 2*800,3 e 45, caigas e colletes de to-
das as qualidades e por preco muito barato, len-
ges de puro linho a prego de 25800 e 3*, cober-
tas de chita a 25240, colarinhos de linho puro a
600 rs. cada um, e outros muitos objectos que s
vista ; e para isso se pede a attengo dos fre-
guezes.
occorrerem pela falta.de cumprimento do compromiso social.
As liquidarles to pelo systema dascompanhias hespanholas, Tutelar e outras ; e parase poder
r/azer urna jda do que pode produzir urna entrada anoual de 105, pvolica-se a seguinte tabella basea-
;!a sobre a.experiencia En annos fim 40 annos Em 15 annos Em 20 annos Em 2o annos
(Por um menino de i dia
j de l,aono
de 2
* de 3
* de 4 *
Por urna pessoa de 15
* de 20
> > de 30
de 40
1
2
3
4
15
20
a 30
a 40
a 50
anno 110*
90*
> 86*
86*
86*
86*
> 86*
86*
90*
400*;
300*
290*
280*
2-/0*
270*
270*
270*
300*
900*
7505
710*
700*
7005
710*
720*
750*
2:8005
1:7005
1:6005
1:5605
1:5505
1:5405
1.5605
1:6000
1:8005
4:700*
3:700*
3:500*
3:400*
3:350*
3:330*
3:400*
3:700*
5:000*
As entrada*, por urna s tez dao resultados fatuto superiores s annuaes.
orto, 10 deagosto de 1863.Os directores do Banco Unio, Jos ia Sika Machado.F. I. van
iUr Niepwt.
Agentes em Prnambuco : Antonio Luiz de Oveira Azevedo & C, ra da Cruz n. i.
Vende-se um sitio de trras com 400 bracas
quadradas, contendo urna offleina de azeite bem
montada, na ribeira de Tiuma, freguezia de Cru-
angi, da comarca de Goianna, cujas trras sao mui
productivas de algodo e toda lavoura : quem pre-
tender dirija-se a dita ribeira, a tratar com Este-
vao Alves de Araujo Pereira.
At que chegaram as muito desejadas cascarri-
Ihas de todas as cores com una litinha de velludo
no centro, cousa muito elegante para enfeite, assim
como de outras qualidades, e precos muito razoa-
veis : s no vigilante, ra do Crespo, n. 7.
Para dar de mimo.
Chegaram as riquissimas bonecas de todos os
tamanhos, vestidinhos ricamenh enfeitados, cada
um em sua caixinha, propiamente para um deli-
cado mimo, por baratissimo preco : s no vigilan-
te, ra do Crespo n. 7.
Para os senhores hachareis.
Chegou tempo a riquissima fita de chamalote
para cartas dos senhores hachareis, assim como
branca, lisa, propria para abrir letras, ou para
sintos : s no vigilante, ra do Crespo n. 7.
Pontea de marrafa.
lambem chegaram os riquissimos pentes de
marrafa com pedrinhas,os lindos pentes do regago
para meninas, meias de seda e sapatinhos propris
Vende-se, permuta-se, e tambem se aluga
um pequeo sitio no lugar da Capunga, defronte
dos sitios dos Srs. Dr. Ferreira e Paulo Jos Go-,
mes, com casa de sufflcientes commodos, circula- Par,a- baPsados meias de seda para senhora, fitas
da de copiares, tendo o sitio boa cerca de limoei- *> aal.1)ara1 debm. ^\^- '"he, trangasde laa,
ros em roda, diversos arvoredos, cacimba de agua' e l,nV e de ^^ luvas de xai e P*5"103. e flo de
de beber, e um telheiroque serve para estribara: Escocia e camurca, alfinetes de eabeca chata, car
a tratar no segundo andar do sobrado n. 36 da ra
do Rangel.
iiilll
Barricas cora breu : na rna da Cadeia do Reci-
fe, loja de ferragens de Bastos.
Vende-se urna escrava com urna cria, a qual
cozinha perfeitameate e lava de saoo : na ra da
Mangueira n. 3.
O Dr. Carolino Francisco de I.ieu!
tos, eontina a residir na ra do impe-
rador n. 17, 2" andar, onde pode sor pro-
curado a qualquer hora para o eterejeio de sua profissao de .me-
dico ; sendo que os chamados, depois.de
meio dia al horas da tarde, devem ser
.? deixados por escripto. O referido Dr.
/ nao abandonando nunca o studo das
molestias do interior, prosegue. com o
maior allinco, no das mais dif&ceis e deli- j
esdas operages, cono sejam dos orgos
ounmarios, dos olhos, partos, etc.
I
'uipanJiia fldelida4 de
seguros martimos e er-
remtrte* estabelecida no
Rio de Janeiro.
AGE.NTKS EM PEPNAMBDCO
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo k C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomara seguros de navios, mercado-
rias e predios no seu scriptorio ra da
Cruz n .1.
Fog-o d^ ar
Recebera-se eneomeoeadas de fogo do ar e de
vistas : no armazem 4a bola amarella no oitao da
secretaria de polica._____________
lltPOSITO
O deposito de verniz ou aleatro do gaz no ar-
mazem da bola amarella no oitao da secretara da
polica ; vende-se por grosso e a retalho pelo prego
da fabrica.
A peseoa que achou urna pulseira, contendo
4 oitavas de ouro, do C^rmo ate a ra de Hurtas,
as 8 horas da ote do dia de terga-eira, queira ter
a boaiio de levar ra de 8. Jos a. 34, que se-
r recompensada.
a botica do pateo do Carmo precisarse de
quitaodejfM para vender pelas ras, alugadas.
oontinn harerpaode senteio novo nos das
jnarto o ttbtodos dp eada semana, na nadarla
emNSanttMrnaro ae p da fundigao, na ra da Im-
perafriz n. S, e n do BruW, eon/ronte o chafa-
riz n. 47, ra das Crpzes, deposito n. 39, na Pas-
agem, taberna da esquina do Sr. Bento, que vira
para o Hemedta, e no armazem progresso. largo
da Penha n. 10.
* 7T Vn*- a ", ta"'ea roa Augusta, n. I a tiSt,u nTau* de I0"? n- *i na ra do to-
*7;.tratr na ma de Santo Amaro n, W< ''perador, ^V
Precisa-se tomar a premio a quantia de rs.
5.-0005000 dndo-se por hypotheca um predio de
grande valor: a quem ronvier procure na praga
da Boa-Vista, primeiro andar a. 32.
Ainda est por alugar a casa da ilha do Re-
tiro, de prego de 150*, com commodos para fami-
lia, muito boa visinhanga, muito fresca, e com ex-
cellente baaho na porta, por ficar margem do Ca-
pibaribe, junto a ponte da Passagera da Magdale-
na : a tratar com Joaquim Antonio Pereira, ra
larga do Rosario, ou com o tutor L. M. R. Valenga.
O Sr. Lote Paulino Cavalcanti de Al-
buquerque, tep urna carta nesta typographia.
Aluga-se a loja do sobrado n. 193 da ra Im*
pflral, e o armazem n. 4 da roa de Apollo : na rna
da .Vurora n. 36.
Na ra do Imperador n. 28, armazem de mo'
Ihados, do Campos, vendem-se velas stearinas para
carros, rap de Lisboa em libras, assucar da fabri-
ca do Monteiro em libras e arrobas, ameixas rai-
nha Claudia em doce, latas com figos de 4 e 8 li-
bras, barricas com cal de Lisboa para fabrico de
assucar, e mais objectos por preco commodo._____
Cosfnhelros
AJugam-: Cal de Lisboa
a mais nova do mercado : na raa do Vgarw n.
19, primeiro andar.____________________________
o Ei i lo io povo.
Segunda edic5o mais correcta, ornada com
teirinhas com todas as agulhas precisas para cos-
tura, fivelas de madreperola esmaltadas de ago
para sintos, flores de todas as qualidades, caixinhas
com pastilhas de perfumara, abafadores de la
para senhora, toucas e sapatinhos de la, pulseiri-
nhas de borracha para segurar manguntos, litase
cordes de borraeha, sabonetes redondos, ditos
(Mamados de familia, pomadas de todas as quali-
dades e dos fabricantes mais afamadus, clcheles
pratiados muito finos, retroz de todasas qualidades,
retroz em carretel e em novello, e de meada, de
todas as cores, escovas para dentes, ditas para rou-
pa, ditas para chapeo e ditas para unha, de todos
os precos, e outros mais objectos, que se tornara
enfadonho annunciar, e vista dos freguezes pro-
mette-se fazer todo o negocio: s no vigilante, ra
do Cespo n. 7.
! uvas de pellica.
Vendem-se luvas de pellica Jouvin para senho-
ra o homem, chegadas no ultimo vapor do cor-
rente mez, para o baile do club commenial de 22
do crreme mez : na ra do Queimado n. 63, loja
do beija flor.__________________________________
Nada mais barato.
Queijo prato muito fresco a 480 rs. a libra, e in-
teiro a 400 rs., bolachinha ingleza muito nova a
200 rs. a libra e 2* a barrica___________________
Ma da Senzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston & C,
sellins e silbrjes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, flo de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavallos. e relogios de
ouro patente ingiez.
NOVA LIQUIDACAO
de fazendas inglezas, francezas, allemaas e suissas,
que se pretendem liquidar antes da festa do na-
tal, por pregos baratissimos, afim de apurar di-
nheiro, sendo a maior parte destas fazendas in-
teiramente novas, chegadas pelos ltimos vapo-
res ; de todas se dao amostras, deixando penhor :
na loja e armazem do pavao, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
As lazinlias do pavo.
Vendem-se as modernssimas laazinhas com 9
palmos de largura, sendo lisas e de quadrinhos,
proprias para vestidos, capas soutam baques pelo
barato prego de 1*200 o covado, ditas com 4 pal-
mos, lisas e de quadrinhos a 500 rs., ditas garibal-
dnas a 400 rs., ditas enfeitadas de quadrinhos a
360 rs., bareges matisados muito finos a 500 rs.,
laazinhas transparentes com palmas de seda a 500
rs., ditas matisadas a 320 rs. o covado : s na loja
do pavao, ra da Imperatriz n. 60.
Os corles de cambraia que vende o pavo.
Vendem-se cortes de cambraia branca com ba-
bados a 2*500, ditos a 3*000, ditos a 4*000, ditos
chinezesa 4*000, pecas de cambraia transparentes
adasmacadas propria's para vestidos, tendo 8 varas
e meia a 3*000, ditas lisas brancas c de cores a
2*500,.15,.1*500,4* e 5*, pegas de cambraia deca-
rocinhos tendo 8 varas e meia cada urna, sendo bran-
cas e de cores a 35500, ditas a 25500, pegas de
cambraia para cortinados, sendo tapadas e trans-
parentes com 20 varas cada pega a 95000, isto lu-
do para apurar dinheiro : na loja do pavao, ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os cuales do pavo de Morambique a i:000.
Vendem-se os mais modernos chales de Mozam-
bique, sendo de urna s cor, com barra e muito
grandes, pelo baratissimo prego de 45000, aman-
gando-se serem os mais modernos do mercado, di-
tos de merino estampados a 25000, ditos a 35000,
ditos muito finos de crepen com 4 pontas e ponta
redonda a 65000, 75000, 85000 e 95000 : s na
loja do pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama
Silva.
Grosdenaples a 1:500, na loja do pavao.
Fazenda a 15500, 15600, 15800 e 2*000 : s na
oja do pavao, ra da Imperatriz n. 60.
0 pavo vende chapeos de sol para senboras a
t:000.
Vendem-se cheos de sol, a ingleza, sendo co
bertos de linho e forrados de verde, propris para
senhoras que forem passar a festa, ou para meninas
levarem para a escola pelo barato prego de 1*000,
ditos marquerinhos de seda com franjas e cabo de
dobrar a 2*500, ditos de seda para homens, sendo
com arma gao de baleia a 6*000 e 7*000, isto para
apurar dinheiro : s na loja do pavo, ra da Im-
peratriz n. 60.
0 pavo vende casemiras a 1:600.
Vendem-se casemiras francezas enfestadas, pro-
prias para caigas, colletes, palitos e capas para se-
nhoras, por ser de urna s cor, sendo fazenda que
sempre se vendeu a 3*000, liquida-se a 1*600 o
covado : s na loja do pavo.
0 pavo vende para lulo.
Vende-se finissiino setim da China, fazenda sem
lustro, proprio para vestidos de senhor-1 oara ca-
pas e roupa para homem, vv....': :cta lazenda seis
palmos de largura e sendo muito leve, vende-so
pelo baratissimo prego de 2*200 o covado, garan-
tindo-sc que nao se torna ruga, e vende-se nica-
mente na ra da Imperatriz n. 60, loja do pavo.
A carnauba do pavio.
Vende-se cera de carnauba em saceos, por preco
muito em conta, ou mais barato do que em outfa
qualquer parte : a tratar na ra da Imperatriz n.
60, loja de Gama & Silva.
Sedas do pavo a 500 rs.
Vendem-se sedas de quadrinhos com pequeo
toque de mofo, pelo baratissimo preco de 500 rs. o
covado, ditas em perfeito estado a' 800 rs., ditas
com listas, para acabar a 400 rs., gorgurao de seda
para vestidos e rouua de meninos a 1*000 o cova-
do : na loja do pavao, ra da Imperatriz n. 00, de
Gama A Silva.
0 organdy do pavo a 300 rs.
Vende-se fiuissimo organdy matisado, jjpnco,
para vestidos, pelo baratissimo prego de 500 rs. a
vara ou 300 rs. o covado, cassas francezas finissi-
mas a 240 e 280 rs. o covado, ditas com palmas
grandes, fazenda inteiramente moderna a 440 rs. o
covado : s na loja do pavo, ra da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
Em casa de Mills Latham & C, na ra d-
Cmz n. 38, vende-se ferro galvanisado de um doa
27 estampas, e augmentada tom 48 paginas tot1eorc^sbricantes mUaee'proprio Pra cobera
de texto, contendo: a vida de tfosso Senhor
Jess Christo, fbulas, o vigario, o bom ho-
mem Ricardo, quadrupedes ute5, o profes-
sor primario, moral pratica, Simio de Nan-
tua, mximas e aentencas, hygiene, r^eitas
necessarias, o Brasil; vende-se na livrarla de
Manoel Figueira de Paria A Piio, praca da -
Independencia ns. 6 e 8, a 600 rs. o exem-1 4 &S 4 W, Uf wmr & C. soeces-
piar em broebura, e a i?cartewdo. tsares.
FARINHA FONTANA.
Fariiha na muito acre(a a marca
Fontana desembarcada (taje, vende-se
por preco mais coiMta 4o que en
' oer outra parle : aa raa da Cruz
IMT
0 pavo vende cachemiras da Escossia, corte
2:2SO, covado 640 rs.
Vendem-se cortes de cachemiras da Escossia,
para calcas, pelo barato prego de 2*240, tendo da
mesma fazenda para vender em covado a 640 rs.,
sendo esta fazenda muito encorpada, a imitago de
casemira, e garante-se que nao desbota. Tambem
se vendem cortes de casemira ingleza, de cores es-
curas para caiga pelo barato prego de 1*800 cada
corte, ou a 500 rs. o covado : s na loja do pavo,
ra da Imperatriz n. 60.
0 pavo vende as vestidos brancos bordados.
Vendem-se os mate ricos vestidos de cambraia
brancos, bordados croch, sendo os mais moder-
nos que tem vindo ao mercado, tendo as salas 4
palmos, e vendem-se pelos baratos precos de 10*,
12* e 16*000 : s na loja do pavo, ra da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
A's perhincbas do pavo, antes que se acabem.
Ricos cortes de cambraia branca com babados e
duas saias bordadas croch, tendo bastante fa-
zenda para vestido, pelo baratissimo prego de 3*000
cada um, ditos de cambraia de seda com barra e
babados a 2*500, para acabar, cortes de vestidos
Mara Pia, sendo fazenda de bonito gosto a 3*500,
cortes de cambraia brancos com babadinhos a 2*,
enfeites para caneca, sendo Garibaldi e turca a
4*000, ditos com utas e flores a 2*000, camizinhas
bordadas para senhoras a 1*000, manguitos de va-
rios modelos a 400, 500 c 640 rs., calcinhas para
meninas a 500 e 640 rs., gollinhas bordadas a 320
500 rs., sedas de quadrinhos a 640, ditas de listas
a 400 rs. o covade fustao para vestidos e roupinhas
de meninos a 320 rs. o covado, alpakim ou gorgu-
ro de linho a 260 rs., ganguelin de urna s cor a
320 rs. o covado, toalhas de linho adamascadas,
para rosto a 1*000, vestuarios para meninos e me-
ninas a 1*600 e 2*000, tiras bordadas e entrnelos
mai# barato que em outra qualquer parte, todo isto
nano para aprender.
Vende-se nm piano en muito bom estado, que
apenas falta ser afinado, proprio para quera quer
pechincha vende-se para liquidar : a ruada aprender, pols vende-se por nm preco que ale o
Imperatriz, P- 60, loja e armazem do pavao, de Ga-
ma 4 Silva.
0 pavo vende os relalbos.
Vendem-se por pregos baratissimos, porgo de
retalhos de chitas, cassas e laazinhas : na loja do
pavo, ra da Imperatriz n. 60.
As chitas do pavo.
Vendem-se chitas francezas, escuras, a 280 rs.,
dius a 320 rs., ditas a 360 rs., ditas matisadas mui-
to finas a 400 rs., ditas pretas largas e es(reitas,
ditas matisadas com flores proprias paracobertas :
na loja do pavao, ra da Imperatriz n. 60.
0 pavo vende os cortinados.
Vendem-se ricos cortinados adamascados pro-
pris para janellas, e camas para noivos, pelo ba-
rato preco de 9*000 o par : na ra da Imperatriz
n. 60, loja do pavao.
Fustao de pavio.
Vende-se fustao branco para vestido e roupa de
meninas a 500 rs. o covado, dito de palminnas a
320 rs., tarlatana de palminhas a 320 rs., fil bran-
co liso, e tarlatana branca e de cores a 800 rs. a
vara : na ra da Imperatriz n. 60, loja de Gama &
Silva.
0 pavio vende cortes de calca.
Vendem-se cortes de calcas de casemira de co-
res a 2*400, ditos de cachemira da Escossia a
2*240, ditos de ganga a 1*600, ditos de brim de
urna s cor a 2*240, ditos de castor a 1*280, ditos
de casemira preta a 4*000 e 5*000, ditos de case-
mira fina de cor a 5*500: s na loja do pavao,
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
O* ricos vestidos k sontaml>:ir-
qne, que chegaram para a loja
do pavio.
Chegaram pelo ultimo vapor francez os mais
ricos vestidos outambarqne, sendo com as saias
j feitas o ricamente enfeitadas e guarnecidas,
tendo a precisa fazenda para fazer o corpo; com
seus competentes soutambarques primorosa ment
enlejiados, vindo tudo em um s carto, assim co-
mo as mais modernas camisinhas pojt manguitos e
punhos a bailo ricamente enfeitados, e vendem-se
por preco favoravel : na loja c armazem fio pavio
na ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva".
Os modernlsslmos vestidos do
pavio.
Acaba de chegar um variado sortimento dos
mais modernos cortes de laazinhas, proprias para,
vestidos, tendo as barras primorosamente matiza-
das, trazendo bada um corte seu gurino para
amostra; e vende-se na loja do pavo, rna da Im-
peratriz n. 60, de Gama A Silva
As bretanhas do pavio.
Vende-se brelanba de algodo em pecinhas de
rolo, cada peca com 10 varas, pelo diminuto preco
de 3*200 cada peca, assim como lengos brancos
muito superiores a 2* a duzia : na loja do pavao,
ra da Imperatriz n. 60, de Gama t Silva._______
t



comprador se ha de admirar vista: tratase na
taberna nova dama de Principe jomo Seitdade



. I I
I*
Diario de Peruaiuhuco
QiurU eira *5 de Xoveinbro de A 8.
i iGUIA BRANCA.
Labyi iullios e bicos,
to baratos que o comprador admira.
Esses labyrinthos e bicos se appliam a
diversas obras e ns, e sempre com prove-
GRANDE LIQUIDACAO
DI
Faicodas francezas t inglozas todas de siperior
qualidade : se vende muiU barato para liqui-
dar coalas, na loja e arraazein do Arara, ra
r^or suas fortldoes duracSo, hoje mais
do que nunca, convera a todas as familias
cpmpra-los para aproveitarem-se da occa-1
Alo em que elles sao vendidos tao baratos
45-RTJA DIREITA--46
Eia, rapasiada, corageml parece queja
da Iniperalriz n. 30 de Lourenco Percira fin- entreg'astes os vossos joanetes aos duros sei-
xos do pessimo calcamento da nossa cidade
maraes.
Grande pechincha-Laa de O s se observa em vossos ps botinas acalca-
VanAa_af f,n,os a ** nhadas e gastas at ultima sola; sapates
* m3mf ,n 3S iransParentf f cres usas rasgados e quasi sem saltos.... nem tanto 1
se pode dizer que por taes precos nunca ^%L com 9 palra?A de gUn!' pr" a Quebradeira nao deve chegar at este pon-
mais haver. Os labyrinthos s5o de novos flgn1? ^ ?. v^t'dos Para wnliora a to Vinde ra Direita munir-vos de excel-
> bonitos desenhos das largura* de quatro I^n0h^Vao; 'aa'"has mu,to Snase lente calcado com 40 e at 60 por cento
dedos at mais de um palmo(ou tres a dez .V ,''" e T ; menos do valor.... attendei:
pbllegadas) e os limitados precos sao de 10 a"sp^rentes mu'to as V400,e o(T Borzeguins, Nantes, bezerro e va-
a 30 a pega de dez varas, variando estes em ,a I ; 80r&ur* de cordao> ffnda queta 2 e meia solas ....
relajo a largura. A ser em varas haver infe nova^ra vestidos por ser padr5o de Borzeguins, Nantes, bezerro, va-
mui pequeas differencas, os bicos porm u!da por ^ rs- o covado. So na Arara queta e lustre 2 solas. .
principiara por mais estreitos at a maior J temg?ndfe 8rJunento ,de laanhas e Borzeguins, francez ehamburguez,
largura dos labyrinthos. e os precos sao outias muitas, pendas, que trouxe o ulumo, bezerro, lustre e couro de por-
vapor vindo da Europa : ra da Imperatnz co 70 e
n. 56, loja do Arara de Mendes Guimares. Sapates, Nantes,'bezerro e vaqu
A Arara vende neos vestidos bordados braocos | ta 2 e meia solas 55500
a 120000 ra. Sapates, Nantes, vaqueta, lustre e
Vendem-se ricos e finos vestidos brancos, bezerro 2 solas. .... 55000
bordados a 120 ; ditos mais singelos a 50 ; Sapates, Nantes, sola e vira. 45000
ditos de barras de tarlatana de cores a 35 ; Ditos para menina, com laco. 35500
ditos de barras a 30 e muito baratos : ra Ditos de ditas, de cores. 25800
da Imperatnz n. 56, loja da Arara. Sapatos para senhora e homem
ais pecumeba na AraraCassas a 200 rs. o co- tapete.
Ta(,a- ''. \ Sapatos de borracha para senhora.
Vendem-se cassas organdys de quadros dem idem para meninas. .
cor de caf e mais claros a 200 rs. o cova-: saltos de lustre para senhora.
do ; ditas francezas finas a 240, 280 e 320 -
igualmente proporcionados. Isso pois, as-
sim simplesmente dito talvez pouca conside-
raco mereca, porm para desengaar e fa-
zer o comprador reconhecer a verdade e a-
preciar o extremo da barateza, necessario
que se dirijam cora dinheiro; a ra do
Queimado loja d'Aguia Branca o. 8.
Ciraxa econmica.
A aguia branca acaba de reeeber essa acredta-
la graxa econmica, cuja superioridade est ge-
-almente reconbecida ; essa boa graxa se torna
-ecoromendada, tanto porque o calcado lustrado
wnaeUa deixa perfeitamente lustroso ao menos
.res dias sem necessidade de novo unto, .orno
sesmo porque sua preparaco appropriada para
imaciar e conservar o couro ; ella vem em caixi-
ahas e barrizinhos, e acha-se venda na ra do
Jueimado n. 8, loja d'aguia branca, aos rezumidos
srecos de 400, 500 e 640 rs.
Pentes de concha.
Com as novas e diversas guarnieses de
pentes que a Aguia Branca acaba de reee-
ber, veio tambera urna pequea qualidade
de pentes de concha que com graca e acer-
tadamente servem para o moderno atado dos
cabellos. Elles sao de bonitos e agradaveis
moldes, edetamanho pequenino como con-
vera para o fira que sao. E' esta a primei-
ra vez que d'elles aqu chegam, por isso
que a moda novissima, pelo que ganha-
ro a palma aquellas senhoras que primei-
ro se apresentarem cora elles, para o que
os mandarlo comprar na loja d'Aguia Bran-
ca, ra do Queimado, n. 8.
Capellas, llores e luvas afeita-
das para nolvas.
Pelo ultimo paquete a Aguia-branca rece-
beu os arligos cima sempre necessarios s
ooivas, os quaes, segundo suas recommen-
dacSes. vieram de muito gosto, e perfeita-
mente delicados.
As capellas sao de mu moderno e agra-
85500
85000
65000
rs. o covado; cortes de chitas de cres a
25 ; ditas francezas com pequeo toque de
mofo a 25O0 ; cortes de riscados famosissi-
mos com 14 covados a 30 (s na Arara,
ra da Imperatriz n. 56 ); cortes de casimi-
ra enfestada para calca a 15, 15600 e 25,
tendo cada corte 1 vara e 3 quartas, cousa
muito barata ; casimiras finas a 25500 e 35
o corte; casimiras lisas para capas de se-
nhora com 6 palmos de largura a 35 o cova-
do : ra da Imperatriz n, 56.
A Arara vende chitas a 210 rs. o royado. Sao
largas.
Vendem-se chitas francezas com toque de
mofo, que se extinguir logo que forem la-
vadas, e as cres sao fixas a 240 e 280 rs.
o covado ; ditas limpas e finas a 320, 360
e 400 rs. o covado ; lencos brancos com
barra de cres finas a 160 rs, cada um ; di
tos brancos todos a 200 rs.; ditos muito fi-
nos a 320 rs ; meias para homem a 200 e
240 rs. o par ; ditas para senhora a 320 e
400 rs.: na loja da Arara, ra da Impera-
triz n. 56, de Mendes Guimares.
Si'ilinhas da Arara a 560 rs. o ovado.
Vendem-se sedinhas para vestidos de se-
nhora a 560 rs. o covado : cassa-seda com
dem de lustre s avessas
800
15400
15000
15000
500
Um confeito e especifico para
expellir os Vermes.
sjeji m:<;i vito.
QU1NQU1LHARIAS.
Ra do Queimado, ns. 49 e 55, lojas de'
Jos Bigodinho, queiram ver ver as fazeodas
que abaixo aonuncio, pois todas eu garanto
que sao muito novas e baratissimas.
Pecas de trancas de algodo de to-
das as cres a....... 80
Duzias de linhas com 200 jardas, A-
lexandre, a..... I5I00
Carritel de qualquer numero 100
Varas de aspas para balo 80
Caixas com superior obreias a 40
Ditas de colla....... go
1 libra de la sortida.....45000
1 libra de 15a muito superior em co-
res e qualidade......75000
Pares de botes de punho a 120
Pares de sapatos de tranca .15280
Ditos mu lo superiores, a 15600
Caixas e pacotas de papel amisade de
cres a. ...,'... 600
Duzia de meias muito finas para se-
nhora a .
davel molde, de finas flores, e acabadas com palmas solas a 500 rs. o'covado ; chalim
Ddo o esmero: as flores solas sao exlre- de cres para vestidos de senhoras a 500
mmente delicadas e proprias para enfeites
de vestidos e mesmo ornatos de cabeca, sen-
do delgadas vergonteas de jasmin, cachos de
resedas, e outras estimadas flores.
As luvas, porm, apreciada obra de Jou-
vin, parece que foram enfeiladas pelas mes-
mas fabricantes das mimosas flores, pois que
em goso e perfec3o nada deixam a desejar.
S5o essas. pois, as capellas, flores e luvas
que correspondem riqueza do vestido, for-
man) o completo asseio e perfeiejo, e ele-
vara a galhardia da candida noiva. Resta
somenle que os pretendentes munidos de
iinheiro dirijam-se alegre e espacosa lo- i
ja d'Aguia-brjnca, ra do Queimado n. 8 j
MaleadT os senianaes : pelo
prev j comprarlo.
Sao desumifci utilidade esses kalendarios
semanaes, porque mostrara acertadamente
i data e dias da semana, sem o continuo tra-
rs. o covado; sarja de cres para vestidos a
400 rs. o covado ra da Imperatriz, loja do
Arara n, 56, A Mendes Guimares.
Madapolo francez enfestado a 1000 rs.
Vendem-se pecas de madapolo francez
enfestado a 45 e 3500 ; pecas de algodo
encorpado a 45, 45600 e 55500 ; madapo-
lo inglez com 24 jardas marca Rainha a 75|;
dito Elephante a 75500; dito n. 6 fino a
85 ; dito n. 7 a 9 ; dito de cora dourada
a 105, todos estes madapoloes sao muito fi-
nos : ra da Imperatriz, loja da Arara de
Mendes Guimares.
Roup feila da Arara.
Vendem-se uniformes completos, como
srjam : paletots, calcas, coletos de casimira
ingleza a 108 e 125; calcas de brim e
tastilhas Vermfugas
DE KEMP.
Os meninos s peden) ;i gritos, porque
ellas sao de elieiro, sabor e cor agrada-
veis. A elegancia, a seguridade de ac-
co, o inofiensivo das
Pastilhas Vermfugas de Kemp
A PAR DA 8A
Composico exclusivamente Vegetal,
sao estas pois as suas melhores e mais
completas de todas as recoinmendaces
que se possa fazer e com justa razo as
colloco na categora d'uin favorito uni-
versal.
A superioridade das
Pastilhas de Kemp
sobre todas as preparaces destinadas
para o mesmo fim devido sua sim-
ples composico o sen aroma agrada-
vel e rapidez e infallibilidade com
que alcanca a destruicao total das
LOMBRIGAS.
35500
Duzia de ditas cruas para homem a 2*400
Baralhos muito finos para voltarete a 300
Carriteis de linha com 100 jardas a 30
Cartes de linha branca e de cres a 20
Novellos de linha com 400 jardas a 60
Ditos muito grandes com 800 jar-
das a .......120
Cartes de linha com 200 jardas (est
se acabando a...... 60
Vara de fita prela com colxetes para
vestido, e lera um resto parda a 100
NEM SFA1AIIO.
Objcctos de tintura e musir.
Na ra do Queimado, ns. 49 e 55, esta
queimando ludo pelos precos abaixo decla-
rados, e prestem toda a attenco para ver
o que bom e barato.
Duzia de facas e garfos muito finos a 255O0
Dita dita dita de cabo preto muito
finas a.........35200
Dita dita dita de bataneo, melhor,a 55500
Tesouras para costura, muito fi-
nas a .........400
Ditas ditas para unhas, muito finas a 400
Cartas de alfinetes de ferro a 80
Ditas ditos de lalo muito finos a 40
Ditas de dito grandes.....120
Caixas de phophoros de pao 10
Grosa de ditos do gaz a 25200
Duzia de dito dito a 200
Massos de palitos para denles a 160
Abotoaduras para coletos a ... 160
Escovas para roupa.muito finas a 400,
500 e.........800
ARMAZEM DE MOLHADOS
DE
'H-
rgtf
te
m
CD
3
m
I
rr^.
e
5
0
>
>
9
w
*
w
I

meia casimira a 28
1 cores a 25000, e 3 ; ditos brancos a 35 ;
1 ditos de meia casimira a 35500 e 45; se-
balho de bolir nelles diariamente, pelo que roulas de bramante francezas a 1*600; ditas
se tornara necessarios e preferiveis a todos de ini10 a 25 ; camisas francezas a 15000;
os outros ; tanto para casas de familias, co-:ditas muito linas a25 e 25500 ; ditas de li-
mo mesmo para qualquer outra parte, e nho ngIezas :i9 oamisas de meia para ho-
princ.palmente por oOO rs. cada um: na mem a 300> 800 rs e ^ col|ei.inhos de
ra do Queimado, loja d Agma-branca, n. 8. Hnho a ri00 rs:. rua da Imperalriz n> 56.
hosphoros de cera.
A venda as boticas de Caors & Barboza,! Ihor, a
PECH1NCHA.
Perfumara de superior qualidade.
O rival sem secundo, rua do Queimado,
ns. 49 e 55, est disposto a vender mais ba-
rato que nunca vendeu, para o que queiram
ver :
Duzia de sabonetas finos a .
Sabonete inglez, o melhor, a .
Frascos com agua de Colonia muito
fina a......., .
I Ditos de dita grande a .
Ditos de Lavande ambreado, o me-
720
160
400
500
paletots de brim de rua da Cruz, e Joo da C. Bravo & C, rua i Ditos de macaca oleo muito bom a
da Madre de Dos.
Vendem-se a 21< rs. a duzia de caixinhas
Baloes da Arara a 3:5000 rs.
Vendem-se bales de arcos americanos de
ie phosphofos de cera : na rua do Queima- 20, 25, 30 e 40 arcos a 33, 35500, 45 e
do, loja d'Aguia-branca n 8.
laglezas: Opiata e agua da
Colonia.
A Aguia-branca da rua do Queimado n. 8
acaba de reeeber a apreciada opiata ingleza,
assim como mu boa agua da Colonia tam-
bem ingleza.
Garrafas com agua da Colonia.
Chegaram novas garrafas com agua da Co-
lonia para a loja d'Aguia-branca, rua do
Queimado n. 8.
Haravilha das bellas, novos e
delicados enfeites para ves-
tidos.
aprasivel a aguia branca o ter de avisar a
sua boa freguezia, que acaba de reeeber pelo pa-
iin'ie francez um bello sorlimento de enfeites de
seda denominado maravilha das bellas, os quaes
-ervi'in tanto para vestido de senhora como para
roupinhasde mancas. Seus novissimos e delica-
dos desenhos, suas escolhidas e bem acertadas co-
res faiem um todo agradavel aos olhos de qualquer
vvente que saiba apreciar o bom. Assim, pois, a
duvida est em haver dinheiro, havendo-o, diri-
jam-se sem susto ao espacoso e alegre ninho de
aguia branca, rua do Queimado n. 8, que acharao
a verdades cima ditas.
A IGUIA BRANCA.
Da rna do Queimado d. 8, recebeu.
Tnico oriental de Kemp.
Agua florida Murray & Lanman.
Dita de flor de laranja Condray.
Dita de rosasdito.
Bolsas para rlagens.
Vendem-se na rua do Queimado, loja d'Aguia
Branca n. 8.
Voltas pretas
A MARA PA.
A Aguia Branca recebcu as desejadas voltas
pretas, mui caoipndas e gradas._________
HL'A 00 (HiUhl)O V 63
Loja do beija-flor.
Facas para meninos.
Vendem-so faquinhas para meninos a 240 rs.,
ditas de balanco de um botao a 280 rs. o talher.
Grvalas para sealiora.
Vendcm-sc gravatas para senhora a 500. 640.
800 e 1,5200.
Fitas para debrum de vestido.
Vendem-se fitas para debrum, de linho, a 240 a
ratnz, loja da Arara n. 50. Pennas de ajo de lanra.
Lencos de seda a 800 rs. Vendem-se caixinhas de pennas de ac de 200
Vendem-se lencos de seda de urna s cor.rs-a !5-
muito finos a 800 rs.; ditos estampados ai La Para bordar.
1<5, ditos com franjas a 10500 : roa dt'^SSl*3ffJl1 Parabordar. de cores claras, i
Imperatriz n-50.
Ditosperola muito superior a
Ditos de oleo de babosa a 240, 320.
400 e.......i .
Ditos de banha branca a .
Dito de cheiro muito bonitos a .
i Ditos de banha, pequeo, muito fina
..........
Ditos de opiata a 200 rs., e boa a .
Ditos de banha japoneza a .
; Ditos de banha transparente a .
; Ditos de oleo filoconne a .
500
100
200
500
320
500
200
900
800
720
800
O proprietano do grande do armazem Baliza, considerando que apro-'
xima-se a festa, e que de algum modo deve mimosear aos seus freguezes, com alguma cou-
sa que revele o seu contontameuto e gratido, resolveu expr a venda quasi pelo rusto da
entrada o seu grande sortimento de gneros, que como todos sabem, sao sempre capricno-
samenteiescolhido entre os da melhor qualidade do nosso mercado.
Sujeito a um severo regulamento, o Baliza esta firme em seu posto de honra, e j
mais nrcumstancia alguma o far arribar do magestoso quartel em que se acha abrigado
esperando o inimigo sempre de frente.
Nascido em trras de Portugal, o Baliza teve a fortuna de ver bem cedo esta bella
provincia. Foi na infancia que aportou em nosas plagas. entre nos frequentou a escola
primaria,seus hbitos foro aqui adquiridos,suas affeicoes existem no meio deste povo
to generoso quanto hospitaleiro.
A preferencia pois que Ihe tem dado os Pernambucanos, um favor, verdade;
mas e um favor que o Baliza tem merecido, e continuar a merecer sempre, a despeito da
guerra surda que Ihe fazem os homens das libras de tres quartas, e vinhos falsificados......
Para se ganhar dinheiro nao de mistar Iludir o povo. As fortunas adquiridas
por meios pouco lcitos degradao a quera as possue.
Venham, pois, aquelles que ainda no abasteceram as suas despensas nesta casa ve-
rificar por si raesmos quanto h de verdadeiro nestas palavras.
O Baliza est a testa do estabelecimento e nada escapar s suas vistas que passa
cahir no desagrado dos seus benvolos freguezes.
manhos a 500 e Id a garrafa e 4$ o par
de garrafas grandes, que depois de vastas,
valem o que se deu por ellas cheias.
Linguasjamericanas de um tamanho adrnr-
ravel a 10 cada urna.
Manteiga, neste genero ha capricho da parte
do proprietario do Baliza ter sempre o
numero de 6 a 10 barris de manteiga a-
bertos, afim de satisfazer os seus amigos
e freguezes, sendo que o preco da man-
teiga verdaderamente flor de 900 rs. a
libra, e as demais qualidades a 800, 000
e 400 rs. a libra.
RIVAL
1 G800 a libra.
V Arara vende ricas colchas avclludadas a 8ji000.
Bonecas de [choro.
SEM SEGUNDO.
Objeetos diversos.
Rua do Queimado, ns 49 e 55, vende os
objeetos abaixo declarados, pois para aca-
bar; estes precos nao sao para continuar,
cama a 80
damasco a 40; ditas
Imperatriz n. 56.
de chita 20: rua da
Vendem-se bonecas de cera a 800 rs. e i, ditas mas as nesessidades assim o permilte.
Pares de luvas de algodo finas a .
Caivetes de aparar penas, de I fo-
Vendem-se ricas colchas avelludadas para com mascara de tiraVe'boTa'rVewVsOrl,' ditas p^dP^"^^^^^^
ditas de fusto a 50 ; ditas de. sem mascara a 200, 400,500 e 800 rs. sJtlc"Jf fin,as ,a
80
'fotassa da Kvssia
Vende-sc em casadeN.O. Bie-
ber 4 C, successores, rua da
Cruz n. 4.
BATATA
Quem deixar de comprar caixas com duas ar-
robas de batatas, pelo barato preco de 2, baratas
e perfeitamente novas : na rua da Madre de Dos
ns. 5 e 9.________________________________
yenda de urna hypothtca.
0 liqaidalarits da massa fallida de
Je* Antonio Basto veadem a hvpolhe-
ca que tem nos engenhos Matto Gmsso
e Cajabuss no lermo de Serinbem no
valor de 31:8358911 rs.; tratar as
casas a rua do Trapiche n. 34.______
Potassa 4a Russla.
Acaba de ebegar para o antigo e acreditado de-
posito da roa da Cadea do Recite n. 26, proceden-
te de Hamburg em 7 da corrente pela escuna
Mario.______________________________,
Ventara. l*s femmes de 1'EvangHe, Mre e Dieu,
Ecole des miraeies, H. Pinto, Imagemd*VM
OiriJtia, V. de Abrtates, Missio especial, Magv
Ihaec, Tamoios, Le Breten, Pompea, Dlabo Ctao,
Da Chatlet, Prostkntion. Gm'sot, Rerolution, 0.
Mmm, EneMa, Y. flaco, (fenMfta*** u rua
IWtaOjrVJMrtoHf.loja.
A ssucar do Monteiro
Rua do Imperador n. 28 e caes de Apollo n.
67, a 200 rs. a libra, e de 8 libras para cima
a 50600 aarroba.____________________
Kua da Senzalla Nova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a CIO rs., idem de Lovr
Moor libra a 120 rs._________________
Farinha de mandioca.
Vende-se farinha de mandioca da melhor e
mais nova que ha neste mercado : no escriptorio
de Manoel Ignacio de Oliveira & Filho largo do
Corno Santo n. 19, ou a bordo do palbabote Via-
wo e brigue Minerva, ancorados no caes do barao
do Livramcnto.
A eite plagnial superfino.
Chegou pelo ultimo vapor francez desta
afamada marca de azeita fino para mesa :
venda no hotel da Europa rua do Irapicke
n. 12.___________________________
Farinha de mandioca.
Vende-se superior farinha de mandioca da pro-
vincia de Santa Calharina, a bordo do brigne ori-
ental Protegido, tundeado defronte dos navios atra-
cados ao trapiche Barao do Livramento; para me-
lhor se distinguir o navio tem icada urna bandeira
com o nome em letras azues. Vende-se a farinha
a bordo, ou na rua da Cruz n. 23, primeiro andar,
escriptorio de Antonio de Almeida Gomes.
Lelte no Recite.
Do dia 17 em diante haver leite liquido a 320
rs. a garrafa : no oitao do predio da roa da Cadeia
do Recite em frente do passadico
Colhercs de metal principe.
Vendem-se colhes de metal principe muito finas'' ,na a ........
a IA e 25500 para cha, ditas para sopa a 25000 e Ditos de 2 ditasa......
45800, concha para assucar a 640. Caixas de colxetes francezes a. .
, Facas e 9arfos- Duzia de dito francez a .
Vendem-se facas e garfos a 2800 a duzia, ditas Maww enm oramnrw licnc a ,|Q f.
cravadas a 35, ditas de cabos pTetos a 35200, ditas, MaSSf COm VmPm llS0s e de ra-
de cabos de balanco com 2 botoes a 65800, dias co'a.........
para doce a 35600, ditas de um botao a 65, ditas Duzia de dedaes de metal em caixi-
para doce a 55- nba de vidro......
v_wi_M KCb.icoteP"""n""0, lTinteiro de vid"o com tinta superior
venae-se chicote para cavallo, para os amantes i a
que passam festa a 640 e 15.
Meias para senhora.
Vendem-se meias para senhora muito finas a
254OO a duzia, ditas para meninas a 25.
Papel de dhersas qualidades.
,J,e,ne'.sec?APel0^ be'"jurada a 15200, dito; Varas de bicos e rendas, para* "aca-
amizade a 640 e 800 rs., dito pautado a 15, dito 1 har 9
adamascado a 900 rs. w j 1 *......
Anvelopes de diversas qualidades. Va.ras de labynnto de 3 dedos de
Vendem-se avelopes brancos a 800 rs., ditos de largura a .....100
coresa640, ditos para cartao de visita a 500 rs. Ditas de pS para dentesa 100
ditospretosaSOOn. I Pentes de tartaruga a 30000 e .30500
Tendo recebido ricos apparelhos para senhora, Rpsm!K ap nnp| Hp c/\rp a 9/U)Of
de mousacos e camapheos verdadeiros, vendem-se, nei>mas Qe P*Pei fle cores a ZQWU
de mousaco a 65500, dito de camapheo a 135. 7* Vende-se urna cabra (bicho) com leite, pro-
oinius e Tisporas. Pria Para criar meninos, a qual d urna garrafa
Vendem-se dminos muito finos a 15100 e 15400, de leite : na rua da Penha n. 33.
Ditos de barro que serve para tin-
teiro a........
Grosas de botes de louca prateado a
Pecas de tranca lisa encarnada a
80
160
40
360
40
320
160
100
160
20
60
Azeita doce refinado, francez e portuguez a
800 rs. a garrafa.
Dito em barril, a 4,800 a caada e 640 rs. a
garrafa.
Arroz da India edoMaranho a 120,100 e 80
rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 280 rs. a libra.
Ameixas em diversos vazos a 10, 10500,
20500 e 800 rs. a libra.
Azeitonas novas a 10200 o barril.
Alpiste a 160 rs. a libra, e 40800 a arroba.
Aletria a 480 rs. a libra.
Araruta verdadeira a 480 rs. a libra.
Biscoitose bolachinhas inglezas recentemeiite
chegadas a 10500a lata com qualidades es-
peciaes.
Dito mais antigos no mercado a 10300.
Dito lunch ou soda muito nova a 20000 ala-
ta com 5 libras.
Dito de Lisboa muito proprio para doente,
visto serem preparados para esse mistar,
em latas grandes e pequeas de 30000 e
10500 a lata.
Bolachinhas americanas, em barricas a 30000,
e a libra 200 rs.
Banha de porco refinada a 480 rs. a libra.
e em barril 440 rs.
Batatas novas a 10000 o gigo, e aOOrs. a
libra.
Cha perola qualidade especial a 30 a libra.
Dito hysson qualidade especial a 20800 a
a libra.
Dito uxim a 20600 a libra.
Dito hysson a 20400 a libra.
Dito dito a 20 a libra.
Dito nacional a 1/600 a iibra.
Dito preto, muito superior a 20 rs. a libra.
Dito dito menos superior a 10600 a libra.
Chouricas novas a 480 rs. a libra.
Champagne (marca aguia) do Conde de To-
r a 100 o gigo ou 10 rs. a garrafa.
Charutos dos melhores fabricantes do Bio e
Bahia a 800, 10400, 20, 20500, 30,
30500, 40 40500. e 50 a caixa com 100
charutos.
dem franceza a 560 rs. a libra, muito nova
e de excellente gosto.
Maimolada imperial dos melhores fabricn-
tes de Lisboa a 640 rs. a libra.
Massa de tomate a 640 rs. a libra.
Mostarda ingleza em potes grandes a 640
ris o pote.
Marrasquino de zara a 64o rs. o frasco.
savel e gois a
Peixe em latas grandes,
10300 a lata.
Papel greve pautado e
ma.
liso a 30300 a rea-
Passas a 80500
muito novas.
a caixa e 480 rs. a libra,
e visporas a 800 e 15.
Enfeites.
Vendem-se enfeites de redes para senhora de di-
versas cores, a 15000, ditos pretos a 900 rs., sendo
de fitas e contas de ac, peca de fita de coz com 10
varas a 360 rs.
Extractes inglezes.
Vendem-se extractos inglezes muito barato, por,
S*TA o "Seo3 n0 se quer COflt" Ide *,inho *"> ba"to wde *
Lenees
Mo armazem de fazendas bara-
tas de Santos cor I lio
RA DO QUEIMADO N. 19 VENDE-SE O SE-
GINTE :
Esleir da India
para forro de sala, de 4, 5 e 6 palmos de largura,
por menor preco do que em outra qualquer parte.
LcajM
F> Rua do Crespo n. 5.
Na loja de Marcelino & C, vende-se
barege de lita de cres muito finos a 320
rs. o covado, ditos lisos com 8 palmos de
largura, ricos soutembarques de cam-
braia bordado c outras muitas fazendas
do gosto proprias para o tempo de festa
chegadas neste ultimo vapor, precos mui-
" em conta.
Cal de Lisboa
a mais nova do mercado : na rna do Vigario a.
19, prieirroo andar.____________________
Botinas para noivas.
Chegaram no ultimo vapor francez as mais in-
teressantes bolinas para casamentos, bailes, etc.,
etc. ; na loja dos vapores, ma Novan. 7.______
Pecliincha.
Baldes de 30,^35 e 40 arcos a 35 : na roa do
Queimado o. 44.
Leos de eambrala
bordados.
Vendem-se lencos de cambraia de linho borda-
dos muito finos sendo para acabara 040, 15,
15300, s quem vende por estes precos j na rua
do Queimado loja do Leija for&ff^
Mossa Senhora da Coneelcae
Continua a estar venda na rua do Imperador
n. 15 a novena de N. S. da Conceico, conforme
usara os reverendos carmelitas da Reforma do Re-
cite, e tudo o mais conforme os annuncios fejtos
por este Dn-to.
____
de bramante de linho fino pelo barato preco de
35OOO.
Cobertas de coila da India
pelo barato preco ele 25000.
Lencas de cassa
brancos, finissimos, proprios para algibeira pelo
baratissimo preco de 25OO e 25400 a duzia.
Cambraia adamascada
para cortinado, pelo baratissimo preco de 105000
a peca.
Peras do cambraia
de salpiAs, fina, com 8 1/2 varas, pelo baratissimo
preco de 45.
Fit liso fin* -
pelo baratissimo preco de 680 rs. a vara.
Bramante de linho
fino com dez palmos de largara pelo barato preco
de 5300 a vara.
Toallas alcocboadas
para mo pelo baratissimo preco de 35000 a da-
da.
Pecas de bretnha
de rolo com 10 varas propria para sala, pelo bara-
jo preco do 3*000.
Chocolate francez, de canella la Romain.
Caf a 280 e 320 rs. a libra e a 80, 8/500 e
90 a arroba.
Cognac de muito boa qualidade a 10 a gar-
rafa.
Dito soffrivel a 800 rs. a garrafa. m
Cerveija da marca tennte em botija, en-
commenda feita pelo proprietario do Baliza)
qualidade esta que nao pude continuar
a vir em consequencia de flear por preco
muito alto a 60500 a duzia de grandes bo-
tijas e 80 por vinte quatro mt ias, e de ou-
tras marcas a 30, 40, 50 e 50560 a du-
zia de garrafas.
Conservas inglezas, a 800 rs. o frasco e 90
a duzia.
Doces (francezes) em fiascos lindamente enfei-
tados em calda de assucar e em alcool a
10 e 500 rs. o frasco.
Dito de guiaba em latas e em caixes de di-
versos tamanhos e objeetos pelo qual se
n5o engeita dinheiro avista do grande de-
posito que ha.
Ervilhas francezas e portugueza a 700 e a 500
rs. a lata.
Dita secca a 200 rs. a libra.
Palitos para dentes a 160 rs. o maco.
Dito dito de flor a 240 rs. o maco.
Prezunto para fiambre vindo todos os vapo-
res a 900 rs. a libra.
Figos novos a 320 rs. a libra e a 60 o barrili-
nho.
Fruta em calda de assucar em latas a 500
rs. a lata.
Farinha do Maranho, muito superior, a
16o rs. a libra.
Dita de trigo, a 120,140 e 160 rs. a libra.
Frasqueiras com genebra de laranja, de
Hollanda, e de Hamburg, de diversos
precos conforme os tamanhos.
Garraoes varios, de 5oo a 102oo.
Gomma do Aracaly a 100 rs. a libra.
Dita raeiK superior a 60 rs. a libra.
Graixa a ISO rs. a lata e 10300 a duzia.
Licores francezes das melhores fructas da Eu*
ropa em garrafas lindas e de diversos ta-
Dito do Porto em barril a 480 rs. a libra.
Queijos londrinos chegados no ultimo vapor
a 800 rs. a libra.
Dito flamengos do ultimo vapor a 2/200 e
20000.
Dito prato superior a 60 rs. a libra.
Dito dito menos superior a 480 rs. a libra.
Sardinha de Lisboa muito bem preparadas
em latas grande a 640 rs.
Dita de Nantes a 320 rs. a lata. .
Sag novo a 240 rs. a libra.
Sabo massa a 1.20, ICO, 200 e240rs. a
libra.
Sevadinha de Franca a 200 rs. a libra.
Sevada a 120 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa, de Santos, a 320 e 360
rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 140 rs. cada um.
Vinhos, neste geneno o armazem Baliza tem
o melhor sortimento possivel, Lagrimas
do Douro, Maria Pia, Camoes, Bucage, D.
Pedro II, D. Pedro V, e Baliza, que se
vende muito barato em vista de sua espe-
cial qualidade a 100000,120000 e 150000
a duzia.
dem esquesitos como sejam Cherry, e Madei-
ra, Velmute, etc., de 150000 a 200000 a
duzia.
dem de Figueira, Lisboa e Porto a 30000,
40ooo e 40500 rs. a caada
dem de Lisboa de minha propria marca em
ancora de 8 '/a a 9 caadas por 280000
a ancora, e da Figueira de 8
nadas a 280000 rs.
j a 9 ca-
?
Vinagre de Lisboa em caada a 10600,108oo
e 20000 rs.
dem mais baixo a 10280 rs. a caada.
Idtm de Lisboa em garrafoes com 5 garrafas
por 10200 rs. com o garrafao.
Vellas de espermacete superiores a 600 rs.
o maco,
dem de carnauba de 320 a 360 rs. a libra,
em arroba de 90000 a lO0ooo rs.
Vassouras do Porto com arcos de ferro a 4oo
rs, cada urna.
Vinhos de Bordeaux neste genero teniT s
melhores qualidades que se fabrfeam era
Bordeaux, Unto blanco copio tinto, e espe-
ramos por todos os vapores francezes, uns
pequeos barris conlendo cada um de 85
a 90 garrafas, cqoe serio vendidas o mis
barato possivel.
j
T

mi mi Anrv


o
Otarte* le
erumlmeo <|narita felr t& de Vo. embr de f S6S.

___________
IJNIAO
COMMERCIO
ESTABELECIMENTO COMMERCIAL
DE
Defroate do Pregnlca.
OVARTE AIjMEIDA
aba de abrir o seu grande e sortido armazem de molhados denominado IMao e Com-
memo. Este grande armazem um dos mais ben^montados que temos em nossa paca,
00 so em limpeza e aceio, como as qualidades especiaes de seus gneros. 0 proprie-
tario do Uniao e Commercio offerece todos os senhores da praca, senhores de engenho
lavradores. a seguinte tabella, por onde verao a grande economa que lhe resurta em
comprarem em t5o til estabeleci ment, aGancando o mesmo todo e qualquer genero
Indo de seu armazem.
fCAiOft4K14 E FUMl(aO DE HETAES,
Silo na ra do Brum n. 40 Junto
a fn*dl?lo do r. Bowraam, pertenecate a
villana Irma* C.
Neste estabeleciiaento encontrarlo os fregueies um completo sortimento
de tudo que diz respeito as orles de" caldereiro,.fwlro, latoeiro, ferreiro e
fundifo, e os abaiso asssignados que o dirigem, promettem servir a todas as
pessas que se dignarem de os procurar, com promptido, sinceridade e pro-
cos muito rasooveis. O dito estabelecimento estando montado em ponto
grande, tanto no que diz respeito a pessoal, como em materia prima, e tendo
habis officiaes, pode executar com toda a perfeieao e seguran qualquer
obra tendente as artes cima mencionadas e affbitamente pdem os abaixo as-
signados assegurar ao publico que nenhom outro estabelecimento lhe pode
fornecer mais barato e mais perfeito do que ellas, Tiste que recebera de sua
propria encommenda todas as materias empregadas em ditas obras.
Alambiques simples e continuos de to- Sinos de 16 libras 8 arrobas.
Manteiga inglesa perieitamente flor, mandada
vir de conta propria, a 7oo a 8oo rs, a
libra.
dem frinceza chegada peto ultimo navio a
fitio rs. a libra, e em barril ter abatnen-
lo.
dem ingleza em potes de 4 a 16 libras a
8oo rs, a libra e o pote separado,
Mimo alpista a 16o rs. a libra.
Painco a 2oo rs. a libra.
Grama muito alva para engommar a 8o rs
a libra, eem arroba se far abatimento
Sag muito novo a 28o rs. a libra.
Sabo verdadeiro hespanhol, que raras vezes
vem ao nosso mercado a 28o rs. a libra.
^.5mo8^^|^:r.n.?!? Sabo massa de superior qualidade a 18o,
vn- de cotila propna a 2,8oo r>, a l.bra. ^ rs ^ melhor que ^
dos os tamanhos e dimences.
Machinas de cobre para destilar e es-
tilar espirito at 40 graos pelos sys-
temas de Logier e Derosne.
Carapucas e serpennas de cobre, e
estanbo, avulsas.
Parafuzos de bronze e ferro para ro-
das (Tagua.
Torneiras de bronze e bronzes para
engenho.
Encanamentos de cobre e chumbo de
todas as grossuras.
Taixas e tachos de cobre para engenho Bombas para cacimbas, aspirantes e
erefinacSo. | defepucho.
Paroes de cobre e todos os cobres ne- Bombas para deslaces.
cessarios para o fabrico do assucar. Ditas para regar jardins, hortas e
Cobres para rodas de moer mandioca, capim.
Machinas econmicas para lavar roupa Ditas para navios e barcacas de varias
o melbor possivel. I qualidades e dimences.
Cobre em leneol e arrodellas, estanto em barrinha, chumbo em barra,
leneol e canos de todas as grossuras.
Villana Irmao & C.
nrnmm
MOLHADOS
Largo do Carato .
Grande sortimeBto para a'festa por menos
10 a 20 por cento do que em outra qualqner
parte.
Duarte & C* scientificam aos seus freguezese ao publico emgeral, qne acaba de che-
Rar da Europa um socio que faz parte da firma, com um grande e bello sortimento de
molhados por elle escomidos, os quaes se vendem por menos de lo a 2o por o/0 do que ou-
lro qualquer annunciante, garantindo a boa qualidade e peso de qualquer genero vendido
neste j muito acreditado armazem, e por isso, firmados em que cumprem fielmente o
que promettem, pedem todos os Srs. da praca, de engenhos e lavradores, o favor de
mandarem suas encommendas ou relacoes ao armazem Progressivo, cortos de nao torera
em tempo algum occasio de se arrependerem.
Aviso.
Todos os Srs., que comprarem para tornarem a vender, terao, alm da diflerenca
j publicada, mais 5 por % de batimento. Os proprietarios tambem garantem o bom
acondicionamento ainda mesmo dos mesmos para o mais alto serfio.
38RA DO IMPERADOR-38
propri
dem hysson, grande, muito bom a 2,6oo rs.
a libra.
dem preto muito fino, a 2,6oo rs, a libra.
dem preto, mais baixo, a 2,ooo rs, a libra.
dem, verde, midinho, maisproprio para
negocio, a l,5oo rs, a libra.
Buha de porco refinada muito alva a 46o
rs. i libra, e em barril se far abatimento.
Biscoitos inglezes das seguintes marcas:
Craknol, Soda, Coede, Captain, Travcllies.
Lunch, Cabio, e outras muitas marcas, a
l,4oo rs, a lata. .
Bolachinha de sdo, especial encommenda, a
2,oo rs, a lata.
Biscoito ingle/. Craknel em latas.de 5, 7 e lo
libras a 5,ooo e 6,ooo rs, e de l,2oo a
|00 rs, a libra.
04)08 do reino pelo baratissimo preco de
l.ttoo, f 80a e 2,000 rs,, os do ultimo
vapor.
dem prato muito fresco a 6io rs, a libra.
lV.m londrino muilo fresco a 800 rs, a libra.
Graixa em latas umita nova a 12o rs. a lati-
nha, e l.doo rs. a duzia.
Peixe em latas muito novo: savel, pesada,
curvin, salmo e outras muitas qualidades
preparados de escabexe, segundo a arte de
cozinha, de l,2ooa 2,000 rs. a lata.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado e esoolhido pessoalmente por um
dos socios que se aoha em Portugal, das
seguintes marcas: Duque, Genuino, Ve-
lho secco especial, Lagrimas Doces de
1819, vinho especial D. Pedro V, vinho
velho. Nctar superior de 1833, Duque do I
Porto de 1831, vinho do Porto velho su-
perior, Madeira Secca de superior quali-
dade, vinho do Porto superior D. Luiz J
de 1847, Lagrimas do Douro, especial vi-
nho do Porto, de l.ooo a 1 2oo rs. a gar-
rafa e de lo.ooo a 12,ooo rs. a caixa com
urna duzia.
-dem Bordeaux de differentes marcas, garan-
te-se a qualidade, a 8.000 rs\ a caixa com
urna duzia, e a 7oo rs. a garrafa.
Agua natural de condllae,
muito recommendada nas afleccSes do tubo ^tro-intestinal nos tortee blica _owtorlf PJ
mas propriedades alcalinas, e o acido carbnico que ^S^^S^J^^SS^JSSt
mais commodo que a agua de Vkky, e de propiedades talvez superiores pela grande 2* aridOcarS Injeo Um, SSSrSS recomendada nal gonorrbeas. Lerray francez veriade.ro ; na mesma casa tem
algumas caixas de instrumentos cirurgicos para operaeoes de Matieu e Charnere.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de conta propria, a 800 rs. a libra.
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
56o rs. a libra, e em barril ter abatimen-
to.
dem ingleza em potes de 4 a 16 libras a
800 rs. a libra e o pote separado.
Cha uxim o melhor neste genero, mandado
vir de conta propria, a 2,8oo rs. a libra
dem hysson, grande, muito bom a 2,600 rs,
a libra,
dem preto, muito fino, a 2,6oo rs. a libra.
Gomma muito alva para engommar a 80 rs.
a libra, e em arroba se far abatimento.
Sag muito novo a 28o rs. a HBra.
Sabio verdadeiro hespanhol que raras vezes
vem ao nosso mercado a 28o rs. a libra.
Sabo massa de superior qualidade a 180,
200, e 220 rs. a libra do melhor que b?..
Graixa em latas muito nova a 120 rs. a lati-
nha, e 1,300 rs. a duzia.
Vinho* em pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a Garrafes com 5 garrafas de vinho do Porto
43*), 5o, e io rs, a garrala, e de J.ooo a do A1|0 ouro a 2oo rs com 0 garrafio.
4,800 re, a caada.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisbqa em latas de 1 e mais libras
a 7oo rs, a libra.
Rutasen caldas das seguintes qualidades:
ameixa, raiufaa Claudia, peras, cerejas,
ginja, pecegos e alperch a 5oo rs, a lata.
Figos cm caixinhas de 1 '/i arroba e de 8 li-
bras a 8,000,4,ooo, e. 2,ooo rs, e a 3oo rs,
a libra.
Amj mdoas e casca mole a 28o rs, a libra, e
en arroba lera abatimento.
krdbbas de Nantes a 32o rs, a latinha.
T icinho de Li-boa a 3Go rs, a libra e em
arroba tora abatimento.
Hassa de tomates a 64o rs, a libra.
I na do reino a 34o rs. a libra,
Parisha do MaranMo a 14o rs, a libra,
Ceblas a 4oo 1 s. a restea.
Tijollo para lunpar facas a 16o rs,
C >rvea las m ii> acreditadas marcas de 5,ooo
a 7,.*>oo a du/.ia, e de 000 a 600 rs, a gar-
rafa,
l'nv.unto para fiambre muito fresco e novo
a 800 rs. a Hura.
KOIP1 FEITA
NO
AnnAZEn
DE
I
dem com 5 garrafas de vinho Figueira, mais
proprio para a nossa estaco por ser mais
fresco a 2,4oo rs. com o garrafao.
dem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
o garrafao, t
Vinho branco o melhor neste genero a 600 rs,
a garrafa e 4,000 rs. a cariada.
Vassouras americanas a 800 rs. cada urna.
Velas de spermacete as melhores que ha no
mercado a 56o e 6io rs. o masso, e era
caixa se far um grande abatimento,
dem de carnauba e composieo, de 4oo a
32o rs. a libra, e de 10,000 rs, a H,5oo
rs. a arroba,
Caf de Ia e 2a sorte de 8.3oo a 8,600 rs. a
arroba, e de 28o a 3o rs. a libra do me-
lhor,
Arroz da India, Maranho e Carolina a 3,ooo,
2,8oo e 2,4oo rs. a arroba e a loo rs. a
libra.
Frasqueira de genebra a 5,8oo rs. e a 5oo
rs. o frasco.
Azeite doce em barril muito fino, a 64o rs.
a garrafa, e em caada ter abatimento.
Papel greve pautado e liso a 3,5oo rs. a
resma.
9,5 e
4 #000 Atoalhado adamascado de li-
1 nho vara......
Gonoira de laranj;i a llm) i\>. o frasco,
':.: )iiricas as bwh fres -as do mercado a 800
rs. a libra,
Cognac vordadeiro inglez a Ooo rs. a garrafa,
c lo,5oo rs. a caixa com urna duzia.
peores franceses das seguintes marcas: Ani-
ceto de Bordeara, Plaisir des dames. e de
outras muitas marcas a lo.ooo rs. a du/.ia,
O-a l.ooo a garrafa.
Ruaag nviito novas a 5oo rs. a libra e a 8,5oo
rs. a caixa. Ha cairas, meias e quartos.
P.atnas a 1,00o rs. o gigo com 38 libras.
Bolachmha ingleza a 4oo rs. a libra,
A ((ite francez e portugue/. refinado a 800 rs.
a garrafa, e 9,ooo rs. a caixa com urna du-
zia.
C'Uis.'rvns ingle-as das seguintes marcas:
Mixed. Pi k'-s, e c(3!)olas simples a 800
m o feartQ.
Mintarda ingleza preparada cm potes a 4oo
rs. o pote.
Grao de, bico a 10o rs a libra, e em arroba
lera abatimento.
Vasos ingleze* vasios de 4 a 16 libras, muito
jirmino* para deposito de maateiga. duMi
e ouii'i nnitipilt liquido, de l.ooo a 3,ooo
rs, cada un,
Palitos do gaz a 2,3oo rs a groza e 2o rs. a
caixinlia.
8fi300
2^000
4^500
640
(5
6,5000-
1^280
23O00
600
70,5000
Genebra de HoUanda em botija de conta a
tan. a Ixitija.
Champagne, das mais a creditadas marcas a
l.ooo rs. a garrafa,*e a lo.ooo rs. a duzia
ou gigo.
Bacalho a 14,5oo a barrica.
Ervilhas f.ance/.a e portugueza a 640 rs a
lata de urna libra.
Chocolate francez, hespanhol, suisso e por-
tuguez a l.ooo rs a libra, e a 28o rs. ca-
da pao de urna '/*'.
Garrafes vasios de 5 garrafas at 3 caadas
de 5oo at l,3oo rs. cada um.
Ameixas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas, com diversas estampas
no exterior da caixa de 1,500 a 3,ooo rs.
cada urna; tambem ha frascos e latas de
differentes tamanhos que se vendem por
mdico preco.
Massas para sopa: macan o, talharim e ale-
tria a 48o rs. a libra, e em caixa se far
abatimento.
Garrafes com 14 garrafas de genebra de
HoUanda a 5,5oo cada um.
Charutos de todas as marcas e dos melho-
res fabricantes da Babia de 3,ooo a 4yooJ
rs. a caixa.
IXTXUBXBO VEXUOE.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concur-
rentes para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
homens e meninos.
Casacas de panno preto, 355 e 305000 Colletes de fusto e brim bran-
Sobrecasacas dem, 305 e 25,5000 co, 35500, 35 e 2J500
Paletos dem e de cores, 255, Seroulas de brim de linho,
905 13)5e..... 105000 25400 e.....25000
Ditos de casemira, 205. 155, Dtas de algodo, 15600 e. 15400
125 105 e ... 75000 Camisas de peitos de linho,
Ditos de alpaca! 55 e. 35500 55, 45, 35 e 25500
Ditos ditos pretos, 95, 75, Ditas de madapolo, 35,
5 e !..... 35500 25500, 25 e.....15600
Ditos de brim e ganga de c- Chapeos de massa, pretos fran-
res, 45500, 45, 35500 e. 35000 cezes, 105, 95 e .
Ditos branco de linho, 65,55 e 45000 Ditos defeltro, 55, 45,35500 e
Ditos de merino preto de cor- Ditos de sol, de seda, 125,
do, 105, 75e..... 55000 115, 75 e.....
Calcas de casemira preta, 125, Collarinhos de linho fino, ulti-
105, 85 e...... 75000 maraoda.......
Ditas de cores, 95, 85 e. 75000 Sortimento completo de grava-
Ditas de meia casemira de c- ~^ ...
res"555O0e. .... 45000 Toalhas parroslo, duzia, 115,
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordao, 55, 455O0 e
DZseTS^t. 25300 Chapeos DitS de ganga de cores, -tose de cores. .... 45000
tlsnn vi e 25500 Lencoes de linho.....3->000 M
Ae .... 35500 905,805 e. .
Ditos de s'etim preto. ... 55000 Ditos de prata, galvanizado.
Ditos de ditos e seda branco, i l*?1 e orisontaes, 405 e 305000
g e 550OO Obrasdeouro,aderecos,raeios
Ditos de'gorgu'ro de seda aderecos, pulceiras, rozetas,
pretos e de cores, 65, 55 e 45000 aneis e cruzes. 5
FUimCiO DO DOWJMLAI-RUA DO
niuvi m. a.
Este muito acreditado estabelecimento est prvido de um completo sorumento de
machinismos proprios do fabrico de assucar, a saber:
Machinas de vapores as mais modernas e mais acreditadas.
Rodas d agua de ferro com seus pertences.
Moendas e meias moendas de todos os tamanhos.
Rodas dentadas, angulares e de espora.
Taixas de ferro batido e coado.
Boceas de fornalha pelo novo systema Wetson.
Alambiques de ferro furrtUfio.
Fornos para cozer farinha.
Moinfcos para moer mandioca.
Arados americanos, etc. etc.
Peixe em latas muito novo : savel, pescada,
curvin, salmo e outras muitas qualidades
preparados de escabexe, segundo a arte de
dem preto, mais baixo, a 2,ooo rs. a bra. cozinha> ^ 1,400 a 2,000 rs. a lata.
dem, verde, midinho, mais proprio para ne- dem do Alto Douro vindo do Porlo engar-
gocio, a l,5oo rs. a libra. rafado e escolhido pessoalmente por um
Banha de porco refinada muito alva a 48o \ dos socios que se acha em Portugal, das
rs. a libra, e em barril se far abatimen-' seguintes marcas: Duque, Genuino, Vi-
to.
Biscoitos inglezes das seguintes marcas:
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travelliesl
Lunch, Cabin, e outras muitas marcas a
l,4oo rs. a lata.
Bolachinha de soda, especial encommenda, a 1
2,2oo rs. a lata.
Biscoito inglez Craknel em latas de 5, 7 e 15
libras a 5,ooo e 6,000 rs. ede l,2oo a
800 rs. a libra.
Batatas muito novas a 5o rs.
Queijos flamengos chegados neste ultimo
vapor a 2,2oo rs.
dem do vapor passado a 2,ooo e i,800,
dem prato ebegado ueste ultimo vapor,
muito fresco a a 4oo rs. a libra e intei-
ro se far abatimento.
dem londrino muito fresco a 800 rs. a libra.
Vinhos em pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
48o, 56o, e 64o rs. a garafa, e de 3,ooo a
4,5oo rs. a caada.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa em latas de 1 e mais libras
a 7oo rs. a libra.
Fructas era caldas das seguintes qualidades:
ameixa, rainha Claudia, peras, cerejas,
ginja, pecegos e alperch a 5oo rs. a lata.
Figos em caixinhas de 1 '/arroba e de 8 li-
bras a 8,000, 4,000 e 2,000 rs, e a 3oo rs.
a-libra.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra, e
em arroba ter abatimento.
Sardinha de Nantes a 32o rs. a latinha.
ATTJBS^AO
X
Todos ostodheMB que ameraren! para negoci# ou casa -part cu lar de'HHW paral
cima two mais 5 a i.por ?/ & aBatimooto o proprietarto scieHUfict'MismeW**
os srus genero* sao retenidos de sua prepria I eeeomwmrte, raflo uta-para pe*er ve
der por muito menos do que em outro qualquer estabelecimento.
\\D\ LEOmsFIC \1)().>kP>ACAIJ1 \0
XAROPE DE RABA1VO IODADO
de

S gando o. ttwiados dos medicoi dos hosptue4e l^ra, c.,ngn*dos no ^^^rr^DOOS
pharmftcias do Brazll.______________________________^^^.^^^^^^^^^^
Toucinho de Lisboa a 36o rs. a libra eem ar-
roba ter abatimento.
Massa de tomates a 64o rs. a libras.
Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
Farinha do Maranho a 14o rs. a libra.
Tijollo para limpar facas a 16o rs.
Ceblas a l,2oo rs. o mlbo, e a l.ooo rs.
o cento.
Ceneja das mais acreditadas marcas de
5,ooo a 7,5oo a duzia, e de 5oo a 6oo rs.
a garrafa.
Prezunto para fiambre muito fresco e novo
a 8oo rs. a libra.
Genebra de laranja a 9oo rs. a frasco.
Chouricas as mais frescas do mercado a
8oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa,
e lo,5oo rs, a caixa com urna duzia.
Licores francezes das seguintes marcas: A-
nizete de Bordeaux, Plaisir des dames, e
de outras muitas marcas a lo.ooo rs. a
duzia, e a l.ooo rsv a garrafa.
Passas muito novas a 5oo rs. a bra e a
8,5oo rs. a caixa. Ha caixas, meias e
quartos.
Garrafes com U garrafas de genebra de
HoUanda a 555oo.
Bolachinha ingleza a 4oo rs. a libra.
Azeite francez eportuguez refinado a8oo rs.
a garrafa, e 9,ooo rs. a caixa com urna
duzia.
Grao de bico a 16o rs. a libra, e em arroba
tora abatimento.
Conservas inglezas das seguintes marcas:
Mixed, Pickes, e ceblas simples a 8oo rs.
o frasco.
lbo secco especial, Lagrimas Doces de
1819, vinho especial D. Pedro V, vinho
velho, Nctar superior de 1833, Duque do
Porto de 1834, vinho do Porto velho su-
perior, Madeira Secca de superior quali-
dade, vinho do Porto superior D. Luiz I
de 1847, Lagrimas do Douro, especial vi-
nho do Porto, de l,ooo a 1.2oors. agar-
rafa e de lo,oooa 12,ooo rs. a caixa com
umaduzia.
dem Bordeaux de diferenles marcas, garnte-
se a qualidade, a 8,ooo r*. acaixa com orna
duzia, e a 7oo rs. a garraf^
Garrafes com 5 feji.-af-- bo do Porto
do Alto Douro a 2,2oo i. om o garrafao.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira, mais
proprio para a nossa estaco por ser mai-
fresco a 2,ooo rs. com o garrafao.
dem com 5 garrafas de vinagre a 4,2oo rs.
o garrafao.
Vinho branco o melhor neste genero a 6oo rs.
a garrafa e 4,ooo rs. a caada.
Albos a 8o rs. o masso.
Velas de spermacete as melhores que ha no
mercado a 6oo e 64o rs. o masso, e em
caixa se far um grande abatimento.
Frasqueiras de genebra a 5,8o rs., e a 5oo
rs. o frasco.
dem de carnauba e composieo, de 4oo a
32o rs a libra, edelo,ooors. a H,5oors.
a arroba.
Caf de l1 e 2a sorte de 8,3oo a 8,6oo rs. a
arroba, e de 28o a 32o rs. a libra do me-
lhor.
Arroz da India, Maranho e Carolina a 3,ooo.
2,8oo e 24oo rs. a arroba e de loo rs. a
8o rs. a libra.
Azeite doce em barril, muito fino a 64o rs.
a garrafa.
Papel grve pautado e liso a 3,5oo rs. a
resma.
Genebra de HoUanda em botija de conta a
44o rs. a botija.
Champagne das mais a creditadas marcas a
l.ooo rs. agarrafa, e a lo.ooo rs.a duzia
ou gigo.
Sal refinado a. 7o rs. a libra.
Ervilhas francezas e portugueras a 64o rs.
a lata de urna libra.
Deposito geral m Pernarabuco re
i
.
Mostarda ingleza preparada em potes a 4oo
rs. o pote.
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 Tbrmuitos. a
proprios para deposito de manteiga, doce, Dooe de goiaba de 4oo a 8oo rs. o caneo
e outro qualquer liquido, de I {ooo a 8,ooo j ran Chocolate francez, hespanhol. suisso,'. portu-
guez a l,ooo rs. a libra, e aSSers. cada
pao de urna 4/t.
Garrafes vasios de garrafas at 3 caadas
de 5oo at l,3oo rs. cada um.

Ameixas francezas emcaixhiias elegantemen-
te enfeitadas, com diversas estampas
no exterior da caixa, de l,5oo a 3,ooors.
cada urna; tambem ha frascos tatas do
differentes tamanhos que se vendem por
mdico preco, ,
Massas para epa: raacairiD, talhaiwn. e
alelria a 48o.TS. a libra, e m irm o
tari abatimento.
casa de Caros & Darboza
rs. cada um. .
Palitos do gaza 2^oo. a ^ffoza.e 2o rs. a
caixinha.
Milho alpista a 180 rs. aJibea.
Pama a"2oo rs. a bra.
Cal de Lisboa .polunVa
ftnssla.
A l|a gran.
Na tubera. 4a39PMU)a rita fto Imperador a.
,28, veadt'-e a Uta gruza de caixinhas de phos->
Vende-se na roa daCadeia do Recife n. S6, para ptootas.'
4Qde e mudou o and iaeeui deposito da
* ra b. IX, Sos .(twar aMHMHWii j^_9i,9 rtrim,S"toT^PnnrVl0OtoA.I
touael
l^mos, e se ^^f^Mm* **{*!*&&** 5 M roa
3tra qualquer parte. PJHf^ "
a moti: ADor
%
dem a 2,ooo o caixSo. grande.
Charutos de*tod8 as marcae-ei*anellioies
fabricantes da' Baha de S.ooo a 4^oo u.
' caa.
A*
AleadD*^OB^Bmaar*Baailorluom*epta* lortiaaen^do Wfmfom,.*-
Ha doce, alfaiema e outro -r^immmm, ^ tudo se vende
-.
<


GRANDE ARMAZEM
t
AE
EK
^ammMjmmjmmnimmm)*:
A
Vendase por menos M par cento o (pieontto ({aalper
anntmdante
HO
ARMAZEM
sus?eiif0 fI8& ft mn
s
MO AR9IAZE18
CONSERVATIVO E RVADOB
DE
II.
H. 36, RUI DAS CROtS N.
DO
36

balrro de ****** Antonio.
O proprietarto #> muito acreditado armaiem denominado Progreuuraato
sempre em vista faaer todo o que for posstal para bem servir aos seos freguezes, tem
deliberado vender os seus j bem conhecidos gneros de primeira qualidade pelos precos
abaixo mencionados, e amanea s pessoas que mandarem comprar por seus criados ou
escravos, serem tSo bem servidas como vindopessoalraente; encarrega-se de aviar qulqier
encommenda, anda, momo contendo objectos nao proprios deste estabelecimento. o
mesmo pede aos senhores que mandarem comprar neste armazem o favor de mandarem
devolver qualquer objecto que nao agradar, devendo os mesmos senhores ter toda atten-
tfo com os seus portadores, fazendo-lhes ver que s no armazem Progresista da ra das
Cruaea n. 36, que se vendem os melheres gneros por mais barato preco, porque estes
muttas veze&olvidam-se e vio I outra parte onde os servem de maneira a desagradar este
estabelecimento.
Uvas muito novas a 1 ,ooo a libra. (Mustarda preparada, muito nova a 360 rs. o
Castanhas a 2oo rs. a libra, pote.
Figos a 3dO rs, a libra,
Vinho superior da Pigueira e Lisboa, a 400,
140, 480 e 500 rs. a garrafa,, e a 2,500,
21 e 23LARGO DO TIRQO-N. SI e 23
LEI.4M.
Manteiga ingleza perfeitamente superior a 880 e 900 rs. a libra:
dem franceza, a 560 rs. em barris, ha abaiimenio.
Caf do Rio da i* qualidade a 280 rs. a libra, e a arn ba a 8,500 e 8,700 rs.
Arroz pilado, 400 a libra, e a arroba a 2,800 em sacco *,7GO
Cha de primeira, segunda e terceira sorte a 2,8oo, 2,5oo e 2,ooo re. e i,800 do preto.
a libra.
Palitos do gaz mandados vir por conta a 2,3oo rs. a groza.
Vinho Figueira e Lisboa, a 48o e 4oo, re. a garrafa e a caada a 2,8oo, 3.500 e
4,ooo rs.
Goma de engommar, 100 rs. a 1 bra e a arroba a 2,700 ou sacco.
Milito alpista o mais limpo que ha a ICO rs. a libra a 5,000 rs., a arroba,
lijlo francez de grande tamanbo a 14o rs. cada um.
Toucinho de Lisboa muito novo, a 32o is. a libra.
Queijos do reino do ultimo vapor, a 2,ooo rs.
Velas de espermacete, e carnauba a 6oo e.3oo rs. a libra.
A'zeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa, e de carrapaloa 28o.
,Banha de porco relinada, a 48o e 44o rs. a libia.
Serveja de todas as marcas a 500 rs. a garrafa.
Sevadanova, a IfeOrs. a libra a a 2,80o a arroba.
Piusas -novas, a 480 rs. a libra e emcaixa ha abatimeato.
,. Simio amarello de 200 a 240 rs. a libra,
lidade pelo preco que vendemos, tanto pelo diminuto lucro a que nos reduamos, como V/Mu a 4o n a, |ibra
DI
IO liABOO A PBSBA 19
Os proprietarios deste acreditado armazem de molhados, tendo em vista as mil e
urna vanagens offerecidas por este Diario ao respeitavel publico, pelos seus competido-
res, e desejando dar provas de que pessea alguma pode vender gneros de primeira qua-
pela vantagem de serem vindas de conta propria. Deliberamos vender, (nao oenden-
do os nossos collegas e amigos) por menos 10 por cent, garantindo-se comosempre^
boa qualidade.
2,700, 3,000 e 3,400 rs. a caaada.
dem engarrafado, das seguintes marcas du-
que diPorto, Fettoria, NecUr, velho secco,
Chamisso,eMadeira superior a 8,500 rs. a Gomm de engommar a
2,200 rs. a arroba.
duxia e 800 rs. a garrafa.
dem Bordeaux de diversas marcas a 640 rs.
agarrafae7,500rs.acaixacoml2garrafas.
'dem Muscatel de Sotbala 1,700rs. a gar-
rafa, e 18,000 rs. a duzia.
Gairafoes com 5 garrafas de vinho do Porto,
Lisboa eFigueira a 2,100, 2,200 e 2,300
rs. com o garrafao.
dem MM muito superior a 500 rs. a garra-
fa e 3,500 rs. a caada.
Palitos do gaz a 200 rs. a duzia de caixinhas
e 2,100 rs. a grosa.
Ditas hygienicas e de seguranca a240rs. a
duzia.
Alpista muito limpo a 160 rs. a libra,
80 rs. a libra, e
Vinagre superior de Lisboa a
nada e 200 rs. a garrafa.
Sag muile novo e alvo a 240 rs. a libra.
Sabio hespanhol, a 280 rs. a libra.
tem massa a 180, 200 e 220 rs. a libra.
Peixe em latas, savel, pescada, e cortina a
1,000 rs. a lata.
Genebra de Hollanda em butijas de conta a
490 rs.
Papel greve pautado e liso a 3,400 rs. a
resma.
Manteiga ingleza perfeitamente flor chegada
no ultimo vapor a 8oo rsv a libra.
dem de 2. qnalidade a 76o rs. a libra.
dem de I," dita a 64o rs. a libra.
dem para tempero a 32o e 4oo rs, a libra.
Manteiga francezaa mais nova que ha no mer-
cado a 58o rs. a libra*, e em barril ter aba-
timento.
Banha de porco refinada a 520 re., a Hbra
Vinho em pipa Porto Figueira e Lisboa a 4oo,
48o, 5oe, 56o rs. a garrafa, em caada
2,8oo 3,ooo 3,5oo e 4,ooo rs.
dem em barril o mais superior que tem vin-
ao mercado a 600 rs. a garrafa.
Lagrimas do Douro especial vinho do Porto a
l.ooo a garrafa e a lo.ooo a caixa, o pre?o
Farinha de Maranhao muito arva e cheiroza
a 16o rs. a libra.
Toocumo de Lisboa 32o re. ahora ea9,ooo
rs. arroba.
Sardinhas de Nantes a 36o rs. a lata.
S nos armazens do largo do Terco.
1,400 rs. a ca- Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa.
Champanhe das mais a creditadas marcas
Velas de spermacete superiores a 580 e 6401 a 10,000 rs. ogigo e 1,0'O a garrafa.
re- maC- I Doce de goiaba de 400 a 800 re. a caixa.
Manteiga ingleza de 1. qualidade, a 800 ts. i chocolate portUgUeZ, francez, hespenhol e
snissode800a 1,200 rs. a libra.
a libra.
dem de 2.* dita, a 700 rs. a libra.
dem de 3*. dita a 600 re. a libra.
dem franceza, a melfeor do mercado a 540 rs.
e em barril a 500 re. a libra.
dem em latas com 2 '/i libras a 1,400 rs. a lata. |
Banha de porco refinada a 500 rs. a libra.
Oueijos flamengos chegados ltimamente a
2,000 rs.
IU \ DO (PINADO LOJA Y 11.
ENEIRA* PARA SAIAS.
Loja defazcnda de aogosio rrcdenco dosSaut<&Poilo.
A este estabelecimento ehegou um ptimo sorlimento de esleirs para sala, com diversas Inrpnra*
eda mais superior qualidade que se vendem por precos mais mdicos do que emootraq.uaIqucr
parte.
Enfeites para bailes.
Azeite doce de Lisboa a 64o re a garrafao a
4,8oo rs. a Ganada.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e a
l,2oo rs. a caada.
Garrafes com 5 garrafas de vinagre de Lia-
boa al,loo re.
Champanhe das marcas mais acreditadas a
8 ea lo,ooo rs, o gigo, eaBoors. ea
1,000 rs. a garrafa. pres'e~de cores," Om pan veVtdos."paoslnos, rascmiras pre'tas e de eores, toallias para na
cM ?, m,r T a vvr a A Knn a gnardanaposde linho, bramante largo para lences, plalhas. baloesdc arcse de nossohna, guim
Serveja preta marca T e XXX a 0,000e ^ cWtas oulras matas fazerJdK M vendenl uor modlc08 p^s; na ra do Remudo
7,000 rs. a duzia, e a 600 rs. a garrafa, 1
tambem temos das mesmas marcas para k,
e 4-,5oo rs. a duzia, e a 4oo rs- a garrafa.
Os mais delicados pnfeites para baile se encontram neste stabeleeimeMO ; assim como:
LUVAS DE PELLICA DE JOVIN para homens e senhoras.
CHAPEOS DE PALHA DA ITALIA para senhoras, enfeitados com flnissimas Oores.
CHAPEOS DE PALHA para meninas, enfeitados com finos veos de seda, utas e flores fi
GHA1E0S DE PALHA DE COR para homens a 13200, 3J500 e 45000.
CHAPEOS DE SEDA PRETO para homens, de superior qnalidade a 9*000 e 10*000.
CAMISAS INfiLEZAS com colarinhos, peitos e puuhos, de linho, a 42*000 a duzia.
aas.
n5o indica a qualidade d'este precioso vi- jem Dranca Te cobrinhaa5,5oo e 6,000 rs,
nho.pormvenhamaoProgressoqueavis-, a duzia e 5oo rs. a garrafa, tambem ha
ta faz f, a este genero constantemente man- para 4(000 r^ a daza.
damos vir de conta propria e por isso po-1 ..,,..,, A,ia
demos vender por menos que outro qual- Graxa^latas grandes
quer annunciante.
e 12o rs. a lata.
AGENCIA
FUNUICAO DE LOW-MQGR.
Ra da Srnulla nova n. 42.
Neste estabelecimento contina a hayer
um completo sortimento de moendas e meias
Vinhnrln ltn imm ^ marcas mais acre- Vassouras do Porto arqueadas de ferro obra moendas para engenho, machinas de vapor
de muita duracao a 4oo rs. cada urna. e tachas de ferro batido e coado, de todos os
ditadas e especialmente escolhido por um!
de nossos socios, como sejam;Cam5es,Du- p^w^ e dentee massos grandes a 2oo rs.
tamanhos para ditos.
Velas de carnauba etle composic5o a 320 e
360 rs. a libra e 9.500 e 10,000 rs. a ar-
roba.
Massas para sopa macarrao e talharim a
400 rs. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Ba-
bia 3,800 3,400 3,000 e 2,400 rs. a
caixa.
Cerveja das melhores marcas de 5.000 a
6,000 rs. a duzia.
Biscoitos inglezes de todas as marcas a 1,200
rs. a lata.
que, do Porto, D.Luiz, Carcavellos, Cha-
misso & Filho, Madeira secco, e Feitoria a
9oo rs. a garrafa e 9,ooo rs. a caixa com
12 garrafas.
dem prato o melhor que ha neste genero a
700 rs. a libra.
dem do Alantejo muito snpenor a 800 rs. a
libra.
Arroz Carolino e do Maranh5o a 2,800 rs. ar- Rolaixinhas de soda em latas grandes a 2,000
roba e 100 rs. a libra. e 1,800 rs. cada lata.
Amendoas de casa mole a 280 rs. a libra.: Massa Q tomates em latas de 1 libra a 560
taare.
Paltos do gaz a 20 rs. a caixinba e 2,3oo rs.
a groza.
Gela de Alperche chegada no ultimo vapor
latas de 2 libras a 800 rs. pechmcha.
LOJADOPUE(il?(i^
NA
Ra 1)0 Queimadn n. 2.
Vemkm-se peca de madapola fino eiiesi*!'
com 12 jardas por ofi, cambraia |>reta a TiOO r?. a
vara, meias de seda de peso para meninas de t \
10 annos a 2* o par, lindas e Bnissimas caubrnias
de cores a 360 rs. o rovado, paletots de alpaw de
todos os tamanhos para meninos, ditos para h.H
roem a 3*, 4 e o*, chitas franceas de linos pa-
drees e eotes flxas a 320 e 360 o rovado, ditas es-
OiiTinhas com ameixas francezas, de diversos
tamanhos al, 200,1,400,1,800e2,100rs.
rada urna.
I- rutas em calda, ameixas, rainha Oladia, pe-
tygos e alpech a 480 rs.
Marmelada de todos os conservemos de Lisboa
a 600 rs. a libra.
e 640 rs.
Sardinhas de Nantes muito novas a 340
rs. a lata.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijollo para areiar facas a 140 rs. cada um.
Garrafoes com especial vinho do Porto con-
tendo 5 garrafas a 2,5oo re.
dem com 5 garrafas de superior vinho Fi-
gueira a 2, loo rs.
dem cora 5 garrafas de vinho Lisboa a
2,loo re.
Vinho branco de Lisboa proprio para missa
vindo j engarrafado de Lisboa a 64o rs.
a garrafa.
dem em barril muito superior a 5oo rs. a
garrafa e a 4,ooo e 3,8oo a caada.
Ameixas francezas em caixinhas de 1 '/, 2
e 3 libras elegantemente enfeitadas com ri-,L'Cor francez de todas as quahdades em
cas estampas na caixa exterior a 1,3oo \ garrafas de v.dro brancos a 72o e 800 rs.
l,6oo 2,000 e 2,5oors. Vinho Bordeaux das melhores qualidades
dem em latas de, I /e 3 libras a 1,4oo e Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston 4 C, jy,!|^/a4j)So,rorade",'baoes de arcos 'a :t*oO0 e
ra da Senzalla Nova n. 42. 4*. ganpa de quadrinhos a 320 o 00'.Ve, cobert-
__________________________. res de algodaoa 1*200 cada um, Iciichs de easHi a
Op'm m pmuT 8r5--i00- ,2-16e m rs--(' "tr:,s mTs, ^
uALLU LANA a-ndas que se vende por barato preco, e w tndO
J- sabido que, quando chega o vapor da Ea- se dar amostras : na ra do Quemado, K'ja .o
ropa, o gallo cauta annuneiando aos seus numero- Prcgnica n. 2.
Genebra de Hollanda garrafoes com 16 gar- sos freguezcs as galanteras de maiegosto e da ul- Vende-se umjumentoe una jumenta dija
rafas por 6.500 rs. tima moda que por elle recete, como sejam : jos ultimanicnte de Lisboa : para ver, na eoehi-i-
Camsnhai para senhoras. I ra ,it.froite do arsenal, e para tratar, na ra n
dem em frasqueiras a 6,3oo rs. e 6 5oo rs. ea Riquissimas camisinlas com mauguitos e gra-
56o rs. o frosco affianca-se ser verdadeira. 'nhas P senhoras : s no Vigilante, ra do
^ Crespo n. 7.
Ciriqolinhas.
Riquissimas cirgulinhas ou gravatinhas, sendo
eousa de mu loglo, e a primwira vei que apoa-
Crur. n. 1.
dem de botija em barricas com quatro du-
zias a 44o re. cada botija,
dem de laranja em frascos grandes verda- mpnmm^m jfSmgesto : seno vgi-
dek-a italiana a l,ooo rs. o frasco.
Marrasquino de zara a 72o rs.
Ameixas em latas del *h e 3 libras a 1,200 Farinha de MaranhSo a 140rs. a libra.
e 2,400 rs. a lata e 900 rs. a libra.
Cha huxim o melhor que nnssivel encontrar
neaM genero a 2,700 rs. a libra.
dem hysson muito superior a 2,5oo rs. a
Rbra.
dem imudinho a 2,700 rs. a libra
Pimenta da India a 340 rs. a libra.
Erva-doce a 320 rs. a libra.
Palitos para meza a 160 rs. o maco.
Verdadeira farinha de araruta a 500 rs.
libra.
2,6oo rs, cada urna.
rs., e era caixa a 7,5oo, 8, e 8,2oo rs.
Pentes de concha.
Ha para chegar riquissimas guarnieoes de pen-
tes de lindo goslo, tanto para alar, como para mar-
rafas, por precos razoaveis : s no Vigilante, ra
do Crespo n. 7.
s^e s ooi sr^*. a? 2 s ?; o
,58 5 S.2.S.3 _
as -i
~ o
so
sai
3 ~
de comadre era bauzinhos de folha Azeite doce refinado do fabricante Pelanolej g-|
1-3

S- S* ^-s
a. .
rs
B.'
o.
outros a 8oo rs. a garrafa.
Conservas ingiezas sortidas e de urna s qua-
lidade a 8oo rs. o frasco.
j Araruta verdadeira a 32o rs. a libra.
c
O c-
3
a
n o o.
O -t ce _
JtsP
i amro Frascos com ameixas francezas a 1,400 rs.
Id.'in preto de qualidade muito fina a 1,800 rs. ^Ja um
Ideal mais inferior a 1,500 rs. a libra. prezuntos do Porto a Seo rs. a libra,
fienebra de laranja a 900 rs. o frasco e 500 ^^ muito mxi$ m gjgos am 38 ,ibras
rs. os frascos pequeos. t rs
:houriQOse paios os mais novos que ha no F" '
pjercade a 500 rs. a libra. Canella da India a 1,1 oo rs. a libra.
Copa^nglea a 9oo rs. a garrafa. Cominho a 64o rs. a libra.
Marrasquino de Zara a 7oo rs. o frasco e ,\zetonas de Lisboa mnito novas a l,6oo rs.
8,ooo rs. a duzia. a ancoreta.
"S IrSr rfa'gS e8,5o Estrelmba e rodinha paraba a 6oo re. a
rs. a duzia. 1,bra-
Passas as melhores que se encontram a 360 Legumes seceos para sopa a 4oo rs. o maco,
rs. a libra. Breu louro a 3oo rs. a libra e 8,ooo rs. a
Rebebas ingiezas muito novas a 24o rs. arroba. ^
a libra, e 3,5oo re. a barrica. papel pautado e liso almaco e de peso de
\/,ite refinado a 8oo rs. a garrafa. 3,ooo, a 4,ooo rs. a resma,
ruinservas malezas de todas as qualidades a Ervilhas seccas chegadas no ultimo vapor a
7.-. rs. o frasco. I 2oo re. a libra.
ojuaraioaiocpnsa ajsa jep
. J m e ejwueui ap raa-uas so apno 'avied ejjno b oe.v a as-raepi.Mo'sazav sejinm soisa
a ^od o5ajd ouueq siein uod S3jaua3 saaoqiaui so apua as anb 9 gg -u saatua sep
fiu pc eists^i8oJd mazcouts ou os anb ja\ saqi-opuazej 'sajopeyod snas so raoo o?5
AMwmn'm sajouuas somsaui so opuo.\ap japeja oeu onb oiDafqo jonbiBnb ja.\i0Aap
iJ puuew ap Joej o ma^uxiB aisau seiimoo majepuem anb saaoquas sob apad ouisatn o
^tmwiaqaisa aisap soudojd ogusoioaqo opoaiaoa oureara bPuib 'epuaunnoono jaub
?h jwvap as-e^ajicaua f ^uauncossad opu.A omoo sopi.vaas maq obj majas 'soabjos
Vlonvjo sn; aod JBJdmoj moJBpuera anb SBOSsad se bubij a sopeuoiauaui oxieqe so3
u\ in.l aot'PUBnb BJtaraud ap sorauaS sop.oauuoo uq sf suas so japua\ opejaqnap
uV!rnn3aj| as soe Jtaas maq Bjed laAissod ooj onb o opnt aoze qsia ma aadraas
jpiU 'Bisissaiiojd opBuraouap mazemae opeiipaJOB oipim op oiJBjaudojd o
.99 .u ono?av otan a ojj|M| op %nx& n na e *M
Figos
muito proprios para mimo a l,6oo.
dem em caixinhas a l,4oo rs.
dem em caixinhas emticamente lacradas
e muito bem enfeitadas a l,8oo rs.
dem a 2oo rs. a libra. Gomroa de engommar muito alva a 8o rs.
a libra e 2,2oo re. a arroba.
Passas de carnadas as mais novas que ha no
.mercado a 4oo rs. a libra e a 6,000 rs. a, Sag muito novo a 24o rs. a libra.
caixa. Sevadinha de Franca a 16o rs. a libra.
Salmo em latas emticamente lacradas a ^3 mut0 nova a 12o rs. a libra e 3,2oo. 11
800 rs. js. a arroba. Ir g-
Lagosttm em latas grandes a l,4oo.
8 I Macarr5o a 32o rs. a libra.
Savel, corvina, cherne, vezugo, peixe espada, 1
preparados pela primeira arte de cozinha a dem e talharim o mais novo que ha no mer-
=j
H
q 3 n>
3 p.^.
o o i -3 ~
_. 3 5^ =-- u> a -
*0 -". ** o o
-o srs & a
-|s.o2.fflaa s^S"^
B 3^~P o^ A
m ai O *,_. 5 ,3 <"* O ai O -* Q*
^5
e
No armazem n. 38 ra da Madre de
Dos, vende-se uof preco mais eomm<-do
do que em outra qualquer parte os seguin-
tes gneros vindos do Aracaty :
Gomma nova,
Cera de carnauba.
Dia em velas de differentes qBWM.
Pelles de cabra
Sola
Ti O -
O
O
O
o"!
as
-1
p.q^3
^O o
-o -g
09 8 o.
a l,3oors.
Queijos flamengos chegados no ultimo va-
por a 2,4oo rs.
dem do vapor passado a 2,2oo 2,ooo e
l,8oo, rs.
(dem prato do ultimo vapor a 64o re. alibra.
cadoa 48ors. alibra.
Aletria a 5oo rs. a libra.
Arroz carolino a loo rs. a libra e a 2,8oo re.
a arroba.
dem do Maranhao
3,ooo a arroba.
a 12o rs. a libra, e a
Doce da casca da goiaba caixes grandes a
600 e9oo rs.
Caf do Rio o mais superior que se pode de-
sejara32o re. ahbra.
O
1
i
a
en

(V
01 -J
os 5?
II
o
as
-i
O
n
O
z
s
. ___ dem a 28o e 3oo rs. a libra e a 8,2oo, 8,4oo
Chouricas as mais novas que ha no mercado A fi 7
30
/
30
Hazvwiw atuivii i*
8
a 48o rs. a libra.
Chouricas mouras encommenda especial nos-
sa a 5oo rs. a libra.
Prezunto verdadeiro de laraego em calda
de azeite 5oo rs. a libra
e 8,7oo rs.
Velas de carnauba refinada a 32o re. a libre
e a 10,000 re. a arroba.
dem de spermacete a 64o rs, a libra.
Chocolate hespanhol e francez a 9oo e 1,00o
rs. a libra.
I. L \\\] \WM\
veuilein-t ta procedencia, em pedia, chega-
da hoje, e nica nova, que ba no
mercado, na ra do Trapichen.
13, armazem de .Uanocl Telxel-
ra Basto.
GRANULOS e JAROPE
D'HYDR0G0TYLE~ ASITICA
de J.LEPINE
Dus ex|itiiencias futan na ttHiw, u 0111.
Franca, resulta que as aflVcioes da i'elle, e
tudas as que resultara d'um vicio MgtBtco
gSo piomi-tamenie curadas por este novo
meilicamenlo. Segundo um ielal< rio tVito
na academia imperial de medicina de Pars,
elle fot jutgado Mil e eficaz nao smevte
as affeccocs leprosas e em lgum* outivs
molestias da pelle rebeldes, mas totiibm
as esa o fulas e a syphilis. E enlim. :d-
num praiicos dislincios, e epeellmeirte 1 s
Sis. evtTjie, Cazenave e llillaiift, a.e.li-
cos do hospital de San Luiz, de Paris, af-
feclados ao tratamenlo fla molestias cu-
laneas, empregaram as prepaiT.-;oes d ly-
drocoiyle com um nolavel snnes-o contra
os eczemas, opreiiasis, o impeligo e as di-
versas variedades de darnos, conlia as It-
feccoes sypliilecticas rcenles ou intigaa,
lepra, as ulceras, escrofulosas e 011 lias,
os rheumatismos chronicos, etc.
Deposito geral em Paris: E. Fournta
& Labelonye, pharmaeeoticus, ra Bourlx-
Villeneuve. 19.
Em Pernamhuco deposito geral : na ca a
de Canrs & Barbosa, ra de Cruz n. 22.
Botica e armazem
drogas
Ra do Cabng n. II.
Bolaxinha ingleza a mais novas que ha no Estrellinha e pevide muito nova a 4oo re. a
mercado a 2,ooo re. a barriquinha com
1 arroba, e a 24o rs. a libra.
a caixinha com oito
dem de soda de diversas qualidades a 1,400
res.
dem em latas grandes, proprias para luacber,
com 5 a 6 libras por 2,4oo rs.
Marmelada imperial do fabricante Abreu e
outros consentiros de Lisboa a 600 re. a
libra.
Frutas em calda de todas as qualidades a
$00 re.
Ervilhas francezas a aoo rs. a lata.
dem portuguazas a 64o rs. a tala. ,
Massa de tomate a 64o m* lihj.
Amendoas contei4|| 1 reahbra.
dem de casca iM hra,
Avelans a 2oo rs. a libra.
de
libra, e a 2,000 rs.
hbras.
Ch> perola muito especial chegado neste ul-
timo vapor de encommenda particular
nossa a2,8oore. alibra.
dem huxim muito superior a 2,7oo rs. a
libra,
dem hysson a 2,56o re. a libra,
dem hysson a 2,ooo a 2,2oo re. a libra.
dem preto bomeopathico e muito superior a
" 2>,ooo re. a libra,
demnacional a l,6oo rs. a libra.
Batatas muito novas a 80 rs. alibra.
Charutos dos raflhores fabricantes da Babia {
e de todas as marcas, como sejam: sus-.
DB
Joaqnim Martinh* ta Cruz Ctrreia.
Vende-se o soguinte :
Salsa parrilha de Bristol.
Pastilhas assuraradas de Kemp.
Pastilhas vermfugas de Kt-mp.
Elixir de rilro lactalo de ferro do Dr. Tbermes.
Rob da Lafecteur.
Xarope de|iuraiivo d'odoreto de ferro de Goy.
Xarope peiloral sedativo de ny.
l>astiHias peitoraes balsmicas de Guy.
Pillas dtt vida.
Burel franrisfano (meselado) para imagen.
Inieccao Brow.
Xarope de ritrato de ferro de Chablfr.
Pilulas ron Ira snscs.
Salsa parrilha de Sands.
Extraeto fhudo de salsa parrilha de BaiTyfc
Xarope IronMco de vellarme.
Alero distas dh>pas ha constantemente um com-
plBSWtmwto de tintas, vemir, ooro para dou-
rar, preparados rtHitriros e pharroaceuiicos que se
vendem pr enmmn*)! precos^___________
u:mh
ESCRAVOS FGIDOS.
Desde o dia 31 de ontubro do Trente sima
est fgida a eserava Felippa, a imrt uraHo co-
nherida p<'li>s sijinaes segnintcs : M em alpum4
lempo do Sr. Antonio Jos Rodrigues dt- SoDiar
magra, estatura rvgular.bieuda. anda rtiifrc min-
io apressada,cabra escara, falta-lne um dente ni'
frente, est rom leite nos peitos, pois deiton un a
crianza snafflha de rineo mezes, levnn vestido nn-
roapo de casss j vetho, e um rbale u> hutiihV
raintio e mais gente-do povo* pHiem r a rondn-
tam a sn senhor, na rim do Principen, .t, liar'
da Boa-Vista, ou na Nova n 38, l-'j;
sini, o proiirictario protesta dHde j proeess
receber o importe dos das qoe ella Me Tnlia. dosite'
que sabio de casa, a qnem a tiv.r rorolh?*,
aonde for adiada, e gratlnca-se bem a quem V
(pegar.
Arha-se fgido desda 7 de nevemtiro o mula-
to Tlioniaz, que representa ter 35 a 40 annos, lot),
magro, barbado e comalguns caimitos hcaoriM, mu-
dando as vezes de paletote ehaji preto, inniM
c.mhei-ido por ter sidoboleeiro >1oSr. Antonio l.i.ix
dus Santos, eperteciu a Francisco Rulino (>ii\u.
de McUo. Ease esenvo pt-dniro. por ^sd teva
fido visto em obras nos am baldes des pidad
no Maoguinho quasi defronla da estradp da Est-n-
et%U'n sobrado aaligade pnrUulas ainareU:^,
elle mie innos. l,ro^e^ta-st nao s pn
!^Wh^n^ii^ralniriea leaalia im- Tiiniva.mernacional privaioaaapplieicSo de saos' tem elle nal e bmos.
piros, naivanea-os, me^Bapt, iegdua im neipos m, preferencia islew principies do sar a qnem o tiver acontado, orno m^n-r des*,
penal, flor das mattas, primores a 4,000, Braii ^ j volnmcpor Dr. Ju^ Knwnta, .Bueno, os das que elle anda fgido, o gratillca-se gei
3,5oo, 3,200, 3;000, C 2,800, 2,500, 8000 : no wriptoriu de Antonio Luu efjliveira sameule a quero o pegax elevar ra Oo ki.pcnt-
2,000 e 1,6oo re. a caixa. Aievedo 4 C-, ra da Cru n. i. dor n. 45, terceiro andar.
'
*


.


*
8
Wknii*
Hitarte MmII de N^mhr* de I .
I
LITTEKATBA

lina marqueza da secuto X'
( Cmcb
F As pretenees domi Dadoras de Cirios V, nao pu-
dendo ser de .ntrbalaiu
aincdrontam ai^^^^^^^^HBnos Expulsa-
meU! o estylo, mas da dor.
^jamada, este mfl o de eslylo, que ella nao proi
curaua, existe, ojuzodos conuecedores
as suas compo-
Pb ja no flm do dcimo sex-
to scalo Crescembini, o fundador da aoademia dos
Airada, que contra a barbaria da odade prec-
dante tenba sido dado nm maior e tnV scnsve'
mava, pela pureza da sai ^d* e probidade do seu obra pereita wb vosaas maos. nobre e virtuosa
carcter, orna magnifica ejfepcao. O mundo coa- dama
templava-a cmadrairagio. Nao havia nm.trova-
sos ob este
lo do Milaner, tirar-lhe.o reino de aples, tal o m. onnp ammiu .,
oIi]er.ttuctual do toda a sua poltica e das suas se- *pe d0 qu; *Jue* cretas negociages. Mas, una vez t miada esta co-' ae a"a Na,ia- e* quera o cu pareca tor infun-
roa, a qoem da-la ? Ao mais digno. E nao nem dido-lao smente o sopro das musas, mas todas as
um oulro re, nem um principe ; ser un valente ciencias, etc.
ecneral, capaz de defende-la com as armas depois s
46-la aceito, o de salvar com ella a independen- Velorto Colonna apenas pedir poesa allivio
ca da Pennsula. J a oferta lhe foi mita o D. para o seu padecer; veiu-lhe a gloriasem sercha-
Fernaudo so lem urna palavra a dizor. e re I .. museiuu
Ser rei I o egual de Carlos V Tentagao mais maaa' n,as esla gloria foi um simples accessorio na
vertiginosa ain^a para seu resentimento do que sua vida, dedicada de lodo as affeicdes do coracao-
para sua ambicao. A palavra que se Ibe exige, guando primeira desordem da alma suceeden
elle esta prestes a pronuncia-la; mas cumpre que olla nlmn nmfnniin rsmmv "" sutLBUtu.
Victoria approve-a1 Ella nao s a companhera 'ar ''ir Tot" ao'Tm ma.s tranqu.no, devia
do seu destino, como a luz do seu espirito, a voz durar semPre> ella 0,nu P*ra esto mundo qne cre-
da sua consciencia. r* ler perecido cora o seu esposo, e reconhecen
I'ois bem I que vae decidir esta mulher a quem que ainda existia. AH restavam-Ioe irmaos aue-
X* Pr SM V*m *"* | rids ; a,i anda vviam eulelkl. d'Ischia e oY
' Vale a pena o Incommodo que tomamos. Ella timo dos Ayalos, herdeiro do nome, dos bens, das
escreve. Olhamos sem muito escrpulo por cima grandezas de Pescara, marqnez del Vasto, este d*s-
dos seus hombros, e procuramos lomar do passa- cipulo que ella propria, quelles que lamentaran!-
rod&pe,n,nraaSCSqUeeahem "' d|a por naoser mae, mostrara com ura arriso,
... Nao nem pela grandeza dos reinos, nem !zcndo : Eis-aqui o meu fillio! Ali, emflm, soffria
pelo esplendor dos ttulos, mas pela virtude que se [ todaessa multidao de pobres, de infelizes, de afflie-
ehega a verdadeira gloria----Nao tenho por tim- tos/que reclamava della soccorro e sympaua. A
bra o ser mulher de un rei, mas sim desse gran-
de capitao que. por sua magnanimidade na paz,
tanto quanto por sua bravura na guerra, soube
tornarle superior aos maiores reis.
Sm era bello ser a mulher de Pescara; mas nao
o era menos ser o marido de Victoria Colonna.
Pescara recusou o throno de aples. Carlos V
dcscobriu a conjuracao que lhe teria roubado urna
das suas vinte coras, c nomeou o marquez gene,
ralissim de todos os seus exercitos na Italia. Ten-
do apenas trinta e cinco annos, Pescara senta um
abatimento estranho apoderar-se gradualmente de
todo o seu corpo, e consumir internamente as suas
oreas vitaes.
dor que nao celebrasse-a
duplo aspecto. Hfwonica
tas como ella; Bernardo
eonhcddo do glande infeliz
T
'Cuando a vpssa bondade soppre o que me
f**#lima o que tenho de mais. que pena raerece-
ir e poe- ria a minha louca ceguera,' se podesse desconhe-
tnmto pouco cer ludo quanto vos deve ?.
a quem chamamos o j 0s sonetos de-Mjguel Angelo nio valem a cupn-
outros mullos atlas- u de s. Pl.dro. TOas se a express5o muj|as ^
Um-no. Mas que sao estes nomes e.os que se po-' abrupU e enfadenha, o sentimento sempre bel-
deria juntar, sem nunca acabar, ao p daqnelle ,0 A cor religiosa que nelle se divisa era urna
que Ibes leva vantagem e a.ra-os ao esqueemen- conformiaade de mais entre a
toT O cantor de Orlando para no meio das mais, j|las,re admirador Ka verdade ean,os
maravilbosas narracoes, para consagrar ^marque- Victoriil Co|0nna ,endam ca(Ja dja majs
za de Pescara cinco das suas immortaes oita- formar-se
de
a trans-
em supplicas. At mesmo ella empre-
ZSZ dqe; resp# se i|m de preferencia lalim'esto bella ,in*ua W'
descobre d.ante dt|. | ^^ para todas as |raDsac0eg da a(J
Quarenta versos do An* sao um monumento te4e excellentemente s aspiraedea da nossa alma
Entao s teve um pensamento, um nico deso-
jo : tornar a ver ainda urna vez a sua esposa. Ha.
via tres annos que se tinhara separado. A seu
chamado, a marqueza apressou-se em p artir para
aLombardia. Ella nao poda crer que o mal fosse
ncuravel. Sorria idea de reanimar por sua de-
dicacao essa potencia de vida que exhauria-se Ion"
ge della ; de reconduzir o seu Fernando para o
saudavel cu d'Ischia, e ali, em repouso imposto
|jea necessidade, de fazer-lhe reachar juncto de s
alguns dos bellos das que passaram logo depois da
sua uuiao. Ella ebegava a Viterbo, quando um
proprio vindo de Millo encontrou-a. Elle nao lhe
razia desta vez nem um Dialogo de Amor, doce tes-
temunho dos seotimentos fiis que lhe guardava o
esposo ausente, nem a proposiclo de partilhar urna
cora com.elle. A morte tinha caminhado mais
depressa do que ella : Victoria Colonna era viuva
m
Foi entre os muros espessosde um convento de
Roma que a marqueza corren a abalar os primeiros
gemidos do seu desespero.
O mundo de entao em diante lhe pareca um va-
cuo ; este deserto causava-lhe horror Poucos an-
nos antes, seu pac, depois sua mae, tintiam succes-
sivamente descido ao tmulo.
Enliio ella vira Pescara roubando alguns dias aos
seus doveres de chefe de exercito, acudir pajra en"
chugar as lagrimas, para associar-se a dor Ola
da sua chara Victoria. Agora era elle, era Pesca-
ra, que ella tinha de chorar. Que voz.nesta affliccao
suprema, saberia insinuar-se no seu coracao e le-
var-lhe a consolac,ao ? Da trra, nenhuma; ni-
camente do cu, esta voz poda vr !
Victoria Colonna ficou por muito lempo curvada
Sub o golpe que vinba de feri-la. Mas puoco a
pouco ella se ergueu corajosa, com toda a firmeza
de urna antiga Romana junto humilde submis-
sao da ehristaa. Desde entao, a sua vida inteira
absorveu-se, por assim dizer, n'um duplo pensa-
mento, ao qual se referam lodos os outros : a lem-
branca do seu esposo sobre a trra ; a esperanca
de reacha-lo um dia na bemavenluranca onde elle
tinha ido esprala.
Lembranca, esperanca, faculdades mysteriosas
que alargara o horisonte da alma humana,e lhe fa-
zera entrever a eternidade : tal foi fonte piedosa
em que Victoria Colonna reanimou as forjas expi.
(tafea do seu corado ; em que o seu potico ge-
nio fortaleceu as suas para elevar-se s alturas a
que ainda nao tinha chegado.
Os numerosos sonetos que ella consagrou me-
moria do seu esposo, respiram urna graca de me-
lancola, urna nobreza de pensamento, um encanto
de expressao que permittem po-los em parallelo,
sem qne tenham muito a soffrerda comparacao.com
os de Petrarca. Tal vez baja um ponto em que a viu-
va de Pescara sobrepuje o cantor de Laura : a san-
tjdade e a verdade do sentimento que a inspira.
A amargura das lagrimas, diz ella no seu pri-
meiro soneto, e nao a dor dos cantos; tristes sus-
piros, e nao o accento de urna voz serena, darao a
muito suficiente para eternlsar qualquer memoria
que se aeha nelles glorificada. Feliz quem podesse
cita-Ios sem mutilar ao roesnio tempo a forma e o
sentido por urna Imitacao imperfeto e urna prosa
inepta I
nossa mlssao neste mondo est terminada, quando
ainda podemos sacrificar-nos, e fazer bem ?
Ella vollou para Iscbia; pude trocar paiavras de
conforto com essa nagnamma Contanza, cajos dias
a Providencia pareca protengar para faze-la sobre-
viver a todos os seus, mas que, no mere- das afuic-
coes da vida, permaneca firme como o- rochedo
confiado sua guarda no me do choque des va-
gas e das tempestades.
Nestes lugares testemonhas* sua felicidad* pas-
sada, Victoria Colonna enlregoo-se mais de que
nunca piedosa melancola de queestao saturados
os seus versos.
Algumas vezes, do alto do seu tquerido caebo-
po> ella contempla a trra e o cu-afogados as eo-
res vermelhas da aurora. tO seu pensamento cte-
va-se com o sol.
Surge ilpensier col soft.
Ella arroja-se para o espirito luminoso de sea
esposo, que denomina outro sol, radiante no cih
Cr ouvir a voz querida chamar a sua' alma para a
habitacao da felicidade.
A's vezes tambem a ausencia pesa mais doloro-
samente sobre o seu coracao; a lembranca sobre-
puja a esperanca.
entao que ella descreve a volta de Pescara de"
pois da sua primeira campanha, e que comode os
versos j mencionados.
A>legria que me causava,exclamaellaconclun-
do, era to grande quanto o hoje a minha dor ; e
pensando em ambas, tenho prazer em chorar, mis-
turando algumas doces lagrimas com torrentes de
lagrimas amargas.
Porra o tempo passa ; um novo sentimento ap'
parece as suas nspiraces poticas. Deixemo-la
ainda fallar ; ella exprimi-lo-ha melhor que nos.
Quando-a morte veiu quebrar o suave n que
o cu, a natureza e o amor formaram, ella roubou
a meusolhos tudo quanto elles viam, a meu cora-
gao o alimento da sua vida ; potm nao fez mais
do que ligar em mais estreita uniao as nossa*
almas.
c este lago do qual me applaudo e glorifico que
me preserva de todo o mundano erro, e me retera
firmemente nesta via de honra em que goso da mu-
danza trazida dos meus desejos.
A nossa unio terrestre foi estril ; a uniao
das nossas almas fecunda, porque o seu mrito
deixou neste mundo um reflexo tao brilhante, que
envolver o meu proprio nome na sua luz.
t Se o cu foi avaro para comigo a respeito de
outro dous; se a morte oceulta a meus olhos o
meu querido, nem por isto deixo de vi ver cora elle,
e nada mais desejo. >
Nao pude deixar de citar este soneto todo intero-
Nelle sente-se na sua grave resgnacao,uma especie
de confianca como urna prova de quietacio celeste.
Deste modo toda a grande dr, que fere as almas
nobres, nellas produz, quando a comprehenden,
effeitos niysteriosos que o vulgo nao pode imagina,
nem p netrar. um segredo entre Reus e ellas
A marqueza de Pescara, bella ainda no outono
da sua edade, enllocada pelo seu nome, sua fortu-
na e talentos, na primeira ordem da sociedade,
poderia escolher um segundo esposo entre os mais
Ilustres homens do seu tempo. Nao lhe faltaram
propostas; ella as repelliu sem desdem, mas com
persistente firmeza. Para ousar faz-las, era pre-
ciso nao conhecer o seu coragao.
Um outro genero de homenagens, mais no caso
de ser aeolhido por ella, era todos os dias deposto
aos seus ps. Nessa Italia do dcimo sexto secuto,
tao brilhante de gloria artstica e luterana, mas
tao corrompida nos seus costumes, e quasi sempre
lao criminosa na sua poltica, Victoria Colonna for-
para Dcus.
Demais, o que lhe resfanra das affetgoes da sua
juventud*, desapparecia snecessivamente da face
da terra.^ Frederico Colonna, o primognito dos
seus irmaos a quem ella sempre amou de prefe-
A marqueza sao viveu sinente em Ischia; ella' rencia, morreu; um outro segniu-o; a dumicza de
habitara diversa residencias-. De ordinario nao Francavlla aao exista mais; finalmente-, o mar-
eram palaci6,.Hs casas religiosas, qur em Viter-' quez del Vasto cahiu no meio da sua brillante car
bo, qur em Berna. Acabou porestabelecer-se na reir, ferido, romo Pescara, de urna morte- prema-
cidade eterna, patria da sua familia, e em cujos' tura. Esta ultima afflcglo pz cumulo a todas as
arrebaldes ella propria tinha nascido; As funda-1 ontras. Victoria- Cbfcmna comprehondeu que bre-
edes uteis, as obras de earidade juntas cultura ve lhe chegana a sua vez; mas ella eslava
das lettras e ao interese* esclarecido que tomava prompla.
pelas bellas-artes- 8e que Roma era entao o mais Com efleito, no anno segninte a molestia veiu
magnifico santuario; oceupavam o seu tempo Con- ataca-la. QuandV os progressos daenermidade
cluia-se S. Pedro. Ha muito, tinha morrido Ra-1 foran> taes que se perdeu toda a esperanca de vida
phael -r porm o sen' rival, o austero e grande Mi- a marqueza desejou passar os ltimos momentos
guel Angelo, ne eslava ainda cangado de produzir. da sua existencia mortal junto de alguma pessea
obras-primas.Ao pintor da capella srxtina os j que lhe eslivesse unida pelo sangue. Ella se fez
annos, tao pesados a tantos ontros, nada tinham transportar do convento de Sant'Anna onde entao
tirado da seiva do seu genio, assim como da rispi- j assista, para a habitacao de sua prima Gralia Co-
dez do-sen carcter. Elle nao permittia a olhos lonna, nica prenla que ainda lhe restava em
FOLHETIM.
A CONDESSA DIANA
POR
MR. MARIO l CHAH).
XXH
(Continuaro do n. 270.)
Em seguida foi introduzido o meu lacaio Tony.
Este rapaz me era dedicado, e fiquei admirado de
v-lo ali.
A' vista de lanta gente reunida solemnemente
mostrou-se intimidado, e na sua tosca linguagem
balhuciou urna apreciagao sobre os meus talentos
e conheciincntos na arte de montar. Neste late*
rim o juiz o interrompeu :
Voc acompanhava o Sr. barao no dia em
que a Sra. condessa caiiiu com o seu cavallo as
proximidades da clareira dos Javalis ?
Sim, vossa honra, responden Tony respiran-
do como se o houvessem alliviado de um peso.
Diga o que sabe a respeito desse accidente.
Saber vossa honra que o cavallo um ani-
mal de raga, e a culpa nao foi sua. Viu-se con-
trariado, queriam det-lo, zangoa-se, e lomou o
reio nos denles...
E o Sr. baro pareceu-lhe um homem louco t
Desculpe vossa honra, o Sr. baro segura-se
bem no sellin para assusiar-se assim por qualquer
cousa : um gentUman.
Neste caso afirma, replicou o juiz, que o
Sr. baro achava-se com todo o sangue fri nessa
occasio, e que a sua carreira precepilada foi dc-
\ida ao cavallo que desembestou f
Posso afirmar, tornou o lacaio. Eu sei que
o Sr. baro costuma a ter certos ataques, salvo o
seu respeito: isto foi dito a mim assim como aos
outros.
Por quem ?
Pelo Sr. Placido.
Urna palavra, interrompeu o tabellio Gran-
ger : desejaria que a testemunha explicasse o sen-
tido destas paiavrasisto foi dito a mim assim co-
mo aos outros. Quem sao esses outros f
quelles que deviam depr. responden To-
ny Ingenuamente. O Sr. Placido nos emllnou o
que devamos dizer, pois elle o nico que afir-
ma ter visto o Sr. baro as suas horas de lou-
CTjra.
O meo tutor torca ubigode com impaciencia,
profanos penetrar na sua oficina, e vir nella sur-
prehender o segredo das suas produegoes : fran-
queou-a marqueza de- Pescara A alma enrgica
de Miguel Angelo, a alma affeeluosa e forte d
Victoria Cotouna, apenas se encontraram, compre-
henderam qne cada urna em sua especiatidade
fallara a mema linguagem.
O melanclico Florentino, o velho mais que- sep-
tuagenario, o qual, desde o dia- em que, ainda
muito joven, tragara os seus primeiros desenhos
nos muros da casa paterna, tinha smente amado
a arte, e buscado o bello na tela on nos contomos
demarmore talhado por seu1 poderoso cinzel y sen-
t u de repente-o seu grande-corago-abrandar-se-
doce voz de urna mulher, e abrir-seao encanto-de
urna grave e profunda sympathia. Era a primeira
vez que o arrogante artista encontrara um pensa-
mento assas elevado para comprehender o seu, e
receber as suas sublimes confidencias. Que feli-
cidad.! inesperada, e como ellegozou-a!
No-domingo, depois da missa, assentada em al
guma egreja, ouioratorio feeliado-ao calor do dia. e
- multidao importuna, vivificado o espirito por al-
guma bella epstola de S. Paulo; cuja leitura aea-
bava de ouvir, Victoria Colonna mandara chamar
a Miguel Angelote Miguel Angeicnao faltara. Este
homem que regeilava os convites dos principes,
que tratara mal de paiavras aos cardeaes, que
outr'ora malquistara-se cora o- terrivel papa Julio
U, sahindo de Roma sem liccngav indignado de que
o pontfice lhe KVesse feito esperar um da na an-
te-camara, este-mesmo homem acuda ^sempre-ao
chamado da marqueza.
A santidade da arte, i missb-sagrada do artis-
ta, a digndade de que deve revestir o seu carcter
e todos os actos da sua vida, eram hahitualmcnte
o- objeeto da sna conversa. Com eflreito, a arte era
urna relgiao paca Miguel Angelo. Elle via nella
nm nico lira a conseguir atravez de todas as de-
cepgSes e obstculos : o estudo e a imitacao da
perfvicao divina. Revemos admirar o sublime que
soube introduzr em todas as suas produccCes este
genio to poderoso e universal.
A marqueza compaazia-se em ouvir-lhe-desen-
volver essa magnifica theoria Ella trazia-o doce-
mente e sem senlir-se para semelhante discusso
em que detinha-o cora alguma palavra eloquente
que lhe soasa bem; porque aquillo que Miguel
Angelo chamara artes, tambem oceupara a atten-
go de Victoria Colonna, e ella applicara-o poe-
sa pura. Felzes os privilegiados que erara ad-
mitlidos esta permuta de sublimes e luminosos
pensamentos.
As modificagoes porque passa va a rgida nature-
za de Migue! Angelo, devidas esta influencia
feminil, elle proprio no-lo diz. N'om soneto que
dirige sua nobre amiga, o grande estatuario,
fazendo-se poeta, descreve a Iransformago que
soffre toda a concepgao d'arte, primeiro modelada
grosseiramcnle e de um jactos em vil materia; de-
pois passando ao estado de obra definitiva, talhada
na pedra dura, trabalhada a martello, acabada fi-
nalmente em toda a perfeigao da sua belleza, e fetta
para gloria immortal:
Assim, diz elle, modelado por mim, nasci pri-
meiro ; modelado por mim, para renascer depois
Hasta, disse elle; esta testemunha nao tem
senso commum.
Perdo, replicou Granger; esse intendente '
que ensina s lesteraunhas o que ellas devem de-!
por nos com muila razo suspeito. Convm sa-
bdr se era tudo isto houve presso ou ameaga...
Oh I nao, senhor, acudiu logo Tony : o Sr. i
Placido nao me ameagou. Pelo contrario proraet-
letMM duzentos francos de augmento no meu or-
denado se eu dissesse o que elle me ensinou.
O meu tutor sallou no seu assento.
E falso I exclamou elle. Este homem um
estupido!
Observo ao Sr. conde, replicou Granger com
tranquillidade, que trata-se do seu intendente, es-1
se Placido que se acha envolvido em todos os boa-!
tos espalhados contra o Sr. baro, que o dffamou i
n'um acto judicario, que o nico que tem visto '
os seus pretendidos accessos, emfimesse Placido,
cujos rancores sao por tal forma exaltados que
nem se lemhrarara de chama-lo nossa presenga I
Basta I disse lerantando-me por minha vez.
Semelhante debate em quebra da minha causa.
A' um signal do juiz Tony se retirou.
Protesto enrgicamente contra esta testemu-
nha, disse o conde.
O conselho apreciar, replicou Granger. Re-
queremos agora o exame medico dos Srs. douto-
res; e depois da sua declaragao .-.presenta remos o
aosao arrazoado, e tiraremos as conclusoes devi-
das.
Esse terrivel interrogatorio, que tanto receei,'
j me pareca um brinco. Chcgara o momento de
confundir a calumnia : senlia-o pelos meus asso-
mos de f.
A's tmidas perguntas, que foram principio
dirigidas pelos mdicos, respond com um rasgo
de audacia.
Nao me tratem como a um menino timora-
to I exclamei com orgulho. Posso tranquillo ar-
restar esta averignago, e at mesmo ajudarei os
Srs. doutores a penetrarem no mais intimo escon-
drijo do meu cerebro. Ser preciso responder a
esse paraphleto, cuja leilura os senhores acabam
de ouvir, a cssas testemunhas apaixonadas ou sin-
ceras? Nao vejo em tudo isso um s fado conclu-
dente. Um dos Srs. doutores me tratou de urna
meningte, em que me sobrevjeram alguns ata-
ques de delirio; porm os pratices nao ignorara
que essa fe ore me teria salvado, se eu livesse
apresentado indicios de alienadlo mental. Deixe-
mos o passado. A monomana nao se aecusa por
symptoma algum phisico, e smente nos meus
raciocinios que os Srs. mdicos podem descubrir
vestigios de urna alienagao parcial ou intermitien-
te. Vejo que os senhores receiam por-me em face
dessa loucura, de que me aecusam, Prevenlrei
| pois as suas. indagagoes, ousarel penetrar sem pn-!
vor nessas regioes assusladoras. Dizem que sou
louco, ou que devo vir a s-lo, porque urna he-
ranga fatal pesa sobre minha familia ha duas ge-
ragoes. Interroguem-me os senhores que estou
prompto a responder.
O Sr. barao nunca sentiu certos temores ao
pensar nesse infortunio que diz pesar sobre sua
familia? perguntou o Dr. Delatre.
Vela-Ote por instantes o pensamento de llludir a
essa pergunta : porm lembrei-me de Diana, e co-
rei idea de urna mentira.
Confesso que sent alguns temores por ter
querido esclarecer-me a respeito dos perigos que
corra. L diversos tratados sobre a loucura, e Ie-
vei tongas horas a pesar a forga e a frsquesa da
minha entidade. Isto por si s ura supplicio;
entretanto os senhores bem esto vendo que nao
se me abalaram s faculdades a essa prova. Aqui
mesmo, perante todos que se acham reunidos pa-
ra julgar-me e declarar-me louco, fallo com firme-
za desse espantoso flagello de que me dizem amea-
gado, e a minha razio nao se abate, e sei muito
bem que qualquer palavra imprudente me perde-
ra I Ha quem supponha que os meus pretendidos
delirios tem origem em outras ideas? Pois saiba
3ue ao mesmo tempo que defendo a minha digni-
ade de homem, defendo tambem a livre posses-
so da minha fortuna, e bem vem ainda que fallo
com um sorriso de despreso, porque tenho vinte
annos, senhores 1.. .Contaram-lhes as minhas Ion-
curas de esludante: nao as neg. Eu cria na
mocdade, no enthusiasmo, e na patria, como ain-
da creio na poesa, na virtude, e no amor...no
amor, nica que me salva neste mundo como me
ha de salvar na eternidade; no amor que desafia
os obscuros fantasmas da demencia, porque a
luz, a verdade, e a vida I.. .Sim, senhores, tenho
algumas vezes passado pelos terrores do mdo, co-
mo quem se sent suffocado, afilelo descripeo
de um naufragio : mas tenho combatido, e soffri-
do.. .Que mais direi ? Cont vinte annos i amo e
sou amado.. .Bera vem que nao posso ser louco I
Leve sussurro percorreu loda a assembla. Ao
impelo da minha paixo os mais insensiveis com-
moveram-se, e eu lia j em todos os semblantes a
benevolencia e conviego.
O meu tufor s mostrava-se constrangido. Meu
triumpho era certo, e por sobre a minha cabega
parecia-me ver adejar, invisivel para os outros, a
imapein de Diana, que me sorria e animara.
Repliquei pois exaltado:
Oh I os senhores nao podem mais duvidar.
Tenho perfeila a minha razonlo essa razo va
do espirito, que varilla a cada passo as veredas
anda nao exploradas da sciencia e da philoso-
phia: mas a razo do coracao, que recebe a sua
forga de Deus, e que nos guia com passo firme
as vas da eterna sabedoria, e da bellesa eter-

Roma. E ali que, emil547, aos vinte e dous
annes da sua fiel viuvez, a marqueza de Pescara
exhalou o ultimo suspiro.
Entremos sem receto nesta mar merma-
ra. Urna tocha arde ao p d cama, junto da qual
reina piedoso silencio; duas religiosas en vallas-I
em vus, immoveis como estatuas de pedra, oram
pela alma pura, que voou.- para a morada com que
lanto sonhava. Abre-se a porta devagar, um ve-
lho magestoso approxima-se. Com a> fronte na e
curvada, elle dobra um jelho, e por muito tempo
permanece mudo, mergulhado na santa meditacao
da dr. Em-fim; levanta-se, contempla as feigoes
d nobre finada, em que se via celeste calma ta-
ma com respeito urna de suas-enregefadas mos, e
beija-a religiosamente. Adeus! mormura elfc
em voz muito baixa; adens-l
J?lrH"Se 3,Passos ]eat*&, com a fronte sempre
inclinada para a torra, e lagrimas, -sim, lagri-
mas,-caem dos seus severos olhos que, nao ote-
ante as vicisitudes de oitenta primaveras de
existencia, &.a derramara quando nos primeiro*
das da sua teBra infancia*.
Este velhe> era o arebttecto de S-.JWro.-e.
esculptor de hftes,~o pintor do Jukb final.
A amisadfct lerna, que tardamente apparecera
na sua vida cerno um roio do sol no-ocaso sobre
alguma immensa e sombra paizagempara alumiar;
de repente aspectos deseonheoidos,-esta amizade
acabara de extinguir-se. Em face da-sua gloria e-
do seu gen.!vo.corago dt. pobre homem acha-
A sepultura-de urna humilde religiosa de Santa
Anna foi dada a Victoria Colonna, marqueza de
I escara segundo a sua ultima vontade. Nenhuma
pompa houve no seu funeral; ella linba sido sem-
pre muito grande para nao estar cima.da vaida-
de As suas eminentes qnalidades, tornando-se
publicas peto acaso da alta posigo e-fortona, attra-
hiram os olhos do mundo; nascida n'uraa condi-
gao obscura, e la se tenia restringido sem pezar ao
pacifico circulo dos doveres domsticos, e nelles
encontrara a felicidade. Portanto demos os pa-
rabens a Ralla por na ter succedido isto, porque a
celebridade da marqueza de Pescara um fiorao
precioso da sua cora luterana.
Mas quando a gloria.de poeta faltasse vida da
diva v ictona Colonna, ella podera de certo recla-
mar para sua gloria de mulher urna grande parte
na attencao da postoridade, ella de quem bastara
inscrever-se o epitaphio e ao mesmo tempo rssu-
mir-sea historia deste modo :
Amada de Pesiara, canuda pelo Arosto, e
chorada por Miguel Angelo 1
' .. Apiiblia Urbana.
(Journal des DemmeUes.=Trad de A. de Mendfmcaj
Discurso sagrada recitado peto pregador imperial
padre Liuo da Monte Carmelo Lima, no Te-fteum,
mandado celebrar no coarenlo do Carme 20
do corrente, pelos alumnos do o anu da h~
cnldadc d Rerife, aps o aelo da rollarn do
gru de baebarcl em direilo. (*).
Bueihatf tuba in insigni die
solemmitatis vestra.
(Do Psalm. 80.)
Com estas paiavras, senhores, convidara o rei
propheta ao povo de Israel para louvar ao Senhor,
e agradecer cordial e sinceramente mao protec-
tora, que acabava de outorgar-lho favores gran-
diosos, beneficios sem par.
David, esse homem talhado conforme o corago
de Deus, para pastor, e depois rei, rei e propheta,
propheta e justo, justo e santo; David, quando
abysmado as misericordias do Eterno, elevado
cima de si mesmo por um enthusiasmo divino, reu-
(1) A congregago dos lentes da Faculdade.
na I... Nao reconheeem na minha fronte o signal
divino ? J nao sou essa dbil crealura, que ainda
hontem bracos com a duvida debatia-se no meio
dos terrores, procurando um vislumbre de espe-
ranga as trevas do seu pensamento. K/a me
disse : Eu lhe amo e a luz me inundon, e eu
vi ento I...
Possuido de um santo enthusiasmo eu estova de
p, e todos me encararan) anhelantes.
Tenha cuidado I me disse Granger em voz
um pouco baixa.
Dexe-o fallar I exclamou vivamente o meu
tutor.
Porra eu mal os attenda, e repliquei com vehe-
mencia voltando-mc para o conde de Maufert :
Est engaado I O senhor nao ha de abafar
a voz da minha razo com os seus malditos terro-
res, e as miserias dos seus assalariados nem de le-
ve me tocaro O baplismo do amor resgatou-
me do inferno, em que me queriam precepitar.
Oh I Os senhores nao veem esta imagem ado-
rada que me assiste, e me protege ? Ambos
formamos urna alma s t Ella ahi est... meus
olhos a contemplan!... respiro o seu hlito... a
sua voz murmura aos meus ouvidos a palavra que
me torna invulneravel I...
Que mais querem, senhores ? vociferou o Sr.
de Maufert. elle delira !
Deliro I bradei com um supremo impeto de
desprezo. Deliro I Oh I Vejam como este hornera
se trahiu I J ninguem me pode mais declarar in-
sensato I O seu proprio ciume atiesta que sou
amado I
Cale-se, desgragado I exclamou Granger.
Est louco I tornou meu tutor levanlando-se
colrico. Nao ha duvida, senhores, um accesso
de demencia.
Os mdicos rodearam-me
bracos. Eslava vendo Diana
ouvi um gemido doloroso
peito I
Deixem-me, deixem-rae
est olhando I
Est louco I Est louco I repeta o conde.
Ne lhe prestem ouvidos, dizia eu.....
mente I
E quiz precepilar-me sobre o conde : impedi-
ram-me. Possuido de indignago resist com urna
rga sobrehumana, bradando :
Desgragado I Elle vae agjra mata-la 1
E as minhas torgas, e o meu vigor diminuiam.
Era horrivet I
Parecia-me ver DjMlfugiarte no* meus bra-
cos, e todos ili^|a BujMBm-nt : parecia-me
ver sua NflNl m til palpRaces do
seu coracao confM feeito.
ama ullueB Mn dos mediros.
Estas P3I4|WQPP^ repente penetrarara-me.
tefe- 4ft*HflM^Bft**'
debatti-me nos seus
paluda e desolada;
escapar-se do seu
! exclamei. Ella nos
ae o seu povo para a grande solemnidade, secundo
era preceito, era eostume em Israel, era gratifica-^
gao dos beneficien estupendos recebido* do Senhor;
elle assim transportado de prazer, repassado da ju-
bilo, pela gloria divina, em magestade divina, alca
sua voz entre elle, e entre elle falla : povo de Is-
rael, povo amado, nago santa entre os mais povos
do Senhor, nagao da torra, engrandece), magnifi-
caeDeus de Israel, vosso Salvador; entoaeao
som da melodiosa, da aradavel eitbara, dos sono-
ros instrumentos, o psalmo de gloria, o catico de
louvor e o hymno de gratidao; einbocae, emfim, a
tuba, e bucinae-a nesle da, dia grande, insigne e
magnifico, o maior dia da vossa maior solemnida-
de : bncinate tuba in insigni die solemmtatis ves-
trtr.
Nao menos expressiva e verdadeira a demons-
trago pura e exponlanea nascida de sentimentos
de acrisolada gratidao, que hoje offererc urna pha-
lange de talentosos Lachareis, que jubilosos se ri-
nem neste templo augusto, para submissos renda-
ran gragas infinitas ao supremo regulador de to-
das as coosas pelos beneficios inaprecavei* recei-
dos de sua dextra poderosa. |
Nao sao,' por cerlo, inferiores ao enthusiasmo e
transportes daqnelle povo, as cmogdcs vivas de
prazer, que sent o peito agradecido; a effuso de
alegra, que transborda dos caraces gratos e ge-
nerosos dos novos cultores das letiras, porque boje
para elles o dia da sua maior solemnidade, de
perfeito regozjo, e de verdadeira felicidade; da
em que elles atfingiram ao seu mais completo desi-
dertum, quando viram suas fadigas escolares con-
cluidas eeoroadas de louros immarcessiveis ; quan-
do, realisadas suas esperangas, acabam de receber
a aureola de gloria, ograu de bacharl em scien-
cas sociaes e jurdicas, justo premiode suas reite-
radas locubracoes, ltalo sobremaneira honroso de
tao subida considragaporque elle importa a mais
bella palma do nierecimento, completo remate de
tantos trabalhos elidas acadmicas e que effectiva-
mente constitue a unra e verdadeira nobreza
social.
Se houve, senhores, cirenmstancias de logar e de
ouvintes, que davem nao-s intimidar e-sorpren-
der, como al de confundir e aterrar um orador,
sao, em verdaderas em que me acho colloeado.
A materia do discurso a mais grave, a mais
augusta, que na ordem poltica se pode tratar na
assembla de um povo : lemas mais vastas conse-
cuencias ; os mais- dilatado horisontes, os mais
portentosos effeitos.
_E-podere eu, senhores, elerar-mc a altura de
to grave assumpto'?'Eu,.que afieito subir esla
tribuna sagrada^ para preconisar as virtudes dos
hroes da religio, poderei falibr precisamente de
urna materia nova para mim ? Poderei, sem receto,
algar minha voz na presenga d um auditorio eir-
comspecto, diante de illustracoes reconhecidas e
respeitaveis, de lentas abalisados (1). de homens
consoraraados no saber, cujas venerandas cas
afiangam, que elles bao consagrado sua vida cul-
tura das-sciencias, para-da cadeira magistral trans-
niiiti-la aos novos athletas que um dia teem de fi-
gurar no-mundo litlerario?
fraco e mesquinho o^orgo para assumpto de
tanta transcendencia e magnitudo! Conbego que
sou rude nauta nos mares da elocuencia. Antevejo
mesmo nio poder preenoher a vossa espectago ;
porm ao mesmo tempo a vossa iHustragao, vossa
benevolencia anmam-me sobremodo, e me afian-
gam indulgencia ; porque, senliores> s o sabio po-
de conhecer defeitos, so o-douto sabe desculpar pi-
perfeico.
Sendo, pois, o objeeto da'presente solemnidade o
sincero e cordial agradec mente, sabedoria eter-
na, Deus,- que gniou estes novos hachareis, du-
rante o setutirocinio acadmico, em rujo santuario
das sciencias se dilatara para elles-a esphera dos
conhecimentos jurdicos, julgo de importancia tra-
tar das multiformes vantagens, que, resullam ao
homem. que com goslo e paciencia cultiva sua in
lelligencia, a&homem, que petos sua fadigas Ite-
raras tem conquistado o nome de sabio.
Influencia celeste affecta minha tmagnagao, e
eu serei eloquente.
Todos os-attributos de fleus o apresentam aos
olhos dos homens, que o contemplaos extasiados
como causa motriz, nica em que se reunem todas
as perfeigoesv que se imagiaam, e aquellas, que se
nao podem pensar, e nem comprehender.
D'entre estes attributos o que mais avulta e so-
brepuja parece ser a Providencia, que como um
ponto, para-onde se converjem. todos os ratos de
luz.
A Providencia to immensa como Deus, to sa-
bia como elle mesmo. A Providencia faz a conser-
vago de tudo quanto existe : o que se creou pelo
poder conserva-se pela Providencia
Esta Providencia apresenta o seu primeiro effeito
relativo felicidade do homem, porque tendo at
enlo fallado a sabedoria de Deus aos homens pela
voz dos prophetas, quiz fallar por si mesmaannun-
ciando-se a.- creaiuras.
() Dando luz publica o presente discurso sa-
grado, devo.previnir aos leituras, que, tendo debai-
xo dos olhos o cdigo sagrado; compulsado algu-
mas obras, e lido outros esorptos dos padres da
egreja, e de autores de nota, que me auxiliaran! a
composigao, nao possuo a presumpgo de dizer que
nao semr-me de pensamentos e paraphrases que
podessem concorrer para a belleza e perfego do
discurso, se que elle possa obter, ou ser chrysma-
do de perfoilo, o que dundo.
Quando urna obra fdisse o eximio orador sagra-
do MontAlverne) tem de-ser Kda, a referencia dos
escriptores de que nos aproveitamos, muitas ve-
zes indspensavel, e quasi,sempre til. Alem disto
as citages do urna idea, vantajosa dos nosso* es-
tudos, e da extinego dos nossos conhecimentos; e
quem tivesse de apropriar-se dos fragmentos de
algum autor, sera o ter annotado, passara por um
plagiario.
Abragando tao salular conselho, assim declaro, o
assim o publico.
No Snay entre o apparato da magostado invisi-
vel publica a lei por Moyses, e terminando aquel-
las figuras antigs annunciou, sem voz e sem ima-
gens, a sua vontade.
Ouviu-se a lei eterna; estabeleceu-se um novo
a sempre terno pacto; firmou-se urna allianga:
descubriram-se os camiuhos de urna immortal ven-
tura, a ventura no cu.
Este beneficio ingente e grandioso foi para todos
os homens; foi para toda humanidade.
A Providencia em summa, que tudo vela, depois
no cerebro como um ferro em brasa. Toda a mi-
nha vontade aniquilou-se : passou-mc urna nu-
vem pelos olhos. Diana fugiu soltando um grito
agudo : cabi sobre urna cadeira sem aeco, sem
moviraento.
Sent na minha fronte urna eousa fra : banha-
vam-me as tontos cora agua. Ouvia mal o que di-
ziam, como se estivessein fallando mu distante de
mim.
A crise nao perigosa, disse o Dr. Pllaul.
Expliea-so por um desses abalos moraes, to cora-
mums as inonomanias afectivas.
No quarto visiuho ha um leito; levemo-lo
para ahi aliin de repousar, disse Granger.
Conduziram-me logo para o lugar indicado, dei-
taram-me com a cabega suspensa por altos travos-
seiros. Lembro-me de ter sentido alguem desabo-
toar-me as vestes, e desalar a grvala. Depois o
sussurro foi pouco a pouco se exlinguindo, e pro-
fundo soinno succedeu agitago dos meus pensa-
mentos.
XXUI
. Ignoro quanto tempo levei assim.
Abysmado em estranhas visees, fui repentina-
mente despertado por urna sensagao desagradavel
que senti no pescogo.
Abri os olhos : era quasi noute. Vi-me s eom
o Sr. de Maufert, que tinha as mos a medalha de
Diana.
De onde lhe veiu esta joia ? perguntou elle
com voz colrica.
Mal despertado dos meus sonhos, nada compre-
hendi a principio, e por islo balbuciei algumas pa-
iavras.
Oh I bradou o coude. A occasio nao propria
para divagagocs Se nao um miseravel, respon-
da. Isto um penhor, nao verdade ? O penhor
desse amor sublime que o livrou da loucura...
que lh'o duella... ellasua amanto sem du-
vida I
A' este usulto dei um pulo, e achamo-nos de p
face a face, ameaeadores ambos.
Entretanto uve bastante imperio sobre mim para
oonter-me.
OSr. conde causo me piedade, disse eu. Os
seus insultos nao a podem tocar.
O conde fez um gesto terrivel; nao me arredoi,
e encarando-o fixamente accrescenlei com calma :
Pois bem! Mate-me, e assim herdar de-
pressa.
O seu resto oontrahido tarnou-se de urna lividez
mortal : sahiu-lhe Jos labios medonha impreoacao
como o rugido de n animal feroz. De repente o
Sr. de Maufert corru janella, que abru, e respi-
rou o ar livre de fqra, coma se a colera o sufle-
casse,
Esperei-o mraoval e
se para mim todo o indicio;*
desnstenter os reto sobre o throno, esipndeu eo
bftf) aofleroso sobra as povos e ntorwii-lhes a
poca de sua prosperidatto; Os povos rtuniram-se
em sociedade, e a sociedade1 formou a nagao. Ca-
da nagao eonfeccionoa suas- leis; cada estado or-
ganisou seu cdigo.
Crearam-se estabelec menlos-, estabeleceram-se
escolas -. instifuiram-se lyceus; fbndaram-se ac-
demias c reunram-se universidades.
Todos esses templos das sciencias abriram de
par em par seus prticos e convidaram mocda-
de que almejava anciosa cultivar sua inteligencia;
ministraram-lhe o alimento scientifleo, de que ne-
cessitava, franqueando-lhe imiort*ntes livros de
suas bihliothecas, aonde ella poda achar o cabe-
da! suficiente para um dia auferir vantajosa iHus-
tragao.
Era verdade, Deus creando o homem, e commu-
nicaudo-lbe os thesouros de sua intelligenria, com
potencia moral, o homem se aparta da catbeferia
dos brutos; porm em quanto a razo nao recebe
as luzes das sciencias, os actos do homem ainda que
bu/nanos pela liberdade delle, sao indignos do bo-
Inm pela sua Ignorancia e fraqueza. A mais recta
razo sem sciencia cga; sua determinagoes sao
delirios e suas obras desatinos.
Que differeiica espantosa, senhores, nao existe
entre o homem douto e onomem ignorante Este
anda qne homem, e- talvez um santoy e como tal
superior a todos os doutos, fporque a fiel observan-
cia da lei de Deus deve ser preferida toda osten-
tago da seieneia humana) nao homem para o
coramerco da vida civtl, e nem para o magisterio
da vida espiritual. O maiores santos da trra nao
serio quica es maiores- principes no eu: diz um
erudito padre. (2)
Os doutos sim, estes sero inquestionaveHmente.
os grandes do imperio; porque a santidade s, e
sem doutnna & estril; man a santidade- com a
sciencia commutativa fecunda.
O santo que uo douto- santo s para :- nao
ensina porque nao sabe; nao concorre a que ha-
jam- santos porque nao ensma; porm o santo dou-
to, *santo para todos; sabe para si, e sabe os ou-
tros -r o seu muito- saber mltipla santos, e pera o
cu.
Quem pois assimengrandeee e magnifica agio-
ra de Deus, merece na gloria o titulo de grande :
Qui feeerit et docuent, hic magnvs rocabitur vtore-
gno carorum. (3)
Do ntesmo modo, o homem douto expande e
multiplica o seu ser humano, [>orque duas vetes
homem; homem capaz de produar actos humanos
como racional, e sobre racional homem sciente; de
sorte que justamente se pode dizer delle que ho-
mem homem; homo homo de domo Israel; homem
para si, e homem para lodos; homem para si r.o-
eslado da>natureza; e-hornera para todos e para-
tudo, na esphera das sciencias.
O homem douto (contina o mesmo padre) n<
si i v o que todos vem, porque o-v como lodos,
tudo o que se offerece s vistas dos olhos, coim
ainda v tuda quanto aloanca a perspicacia do en-
tendimento.
No centro-da trra o homem docto v a distancia
do dimetro della, al sua superficie: desde a re-
guo elementar at o firmamento v- a propagagao
dos vegetantes, a suspensao dos meteoros, o perio-
do e revolucee dos astro', e penetrando no sacrio
da Di vi ndade, v, contempla, e admira as incora-
prehensiveis maravilhas ene a theologa chrsta
lhe ensina.
V nos monumentos da- historia passado ; na
reflexio de cada dia, e sobre varios acontecimen-
tos v o presenta; e pelas consequenstos que tira,
quasi que v o futuro.
O homem douto, em summa. v em si mesmo
dous gneros do ser humano; um para a vida na-
tural eoutro para a vida contemplativa: o primei-
ro para as operaees da natureza;. e o segundo
para a meditagoda philosophia; sendo que com a
necessaria sujeigie a suprema independencia do
Ser Divino, elle pode dizer, que o (pie -: egosum
qtei'tum; porque -oe certo moda, o sai* ser, e a ra-
zo do seu ser.
De feito, o homem dotado- de inteljenca, que
a-toa cultivado por um tirocinio acadmico, e que
guarda religiosamente as mximas e deulrinas que
reeebera nesse ncleo de sciencias, esse homem e
eonhecido no mundo litlerario como- um ente que
dispoe de cabedaes avultados, cabedaes que s po-
da adquirir por meto de fadigas grandiosas de vi-
gilias incessantesj e de perseveranga voluntara :
luupequer-o Jup'te.r; no sentido- doimmortal S-
neca.
certo, senhores, que no mundo material, a
maior ventura do homem, mcopto- a da graga de
Deus, o saber: porque saber coahecer a ver-
dade ; e nisto encerra-se a bemaventuranga da
ereatura intelleclual.
No cu, a bemaventuranga dos santos consiste.
cm.yr Deus, porque em Deus elles vem tudo,
e neste tudo as verdades todas. Esta verdade
um espelho divino em que com- os olhos do enten-.
dimenio vem tudo o que naturalmente se pode-
ver.
Esta ventura uinespelnoidavisao beatfica que
plenamente satisfaz o conhecimento de quem gosa:
sem esse ver, sem esse conheeer nao se gosa o que
se possue, porque se nao coonece o que se gosa.
Com este norte de gloria o-homem douto cruza
os mares das sciencias; enirega-se geographa, e
como que suspenso, llca admirado no equilibrio do-
globo da trra, immutavel permanencia de-seu
Creador. Entra na hydrographa, considera, como,
o liquido elemento, estendo-se era mares, banha
pennsulas, rodeia ilhas, prolonga estreitos, estrei-
ta isthmos, reconcentra golfos, retalha arohipela-
gos, rebenta emfontes e corre em ros ; c finalmen-
te com incansavel peregrinacao se restitae ao mar
donde satura, inculcando (testarte ao. homem a
obrigago indeclinavel de se reunir ao seu divino
principio: Adtocum undeexeunt, flunumi- reter-
tuntur.
Remonta-se o hornera sabio aos orbes- oelostes, e
guiado da astronoma, penetra nos mais ntimos ar-
canos da resplandecen! repblica ; inas sempre
com attencao harmona com que os- astros e pla-
netas esto celebrando, a imitago dos panegeris-
las, a gloria de Deus. Cali enarrant gloria Dei. (i)
(Contin tur-se-ha.)
(2) Bluleau, Dscur.
(3) S. Matlhce cap. S.
(4) Psabno 18.
desappareeido do semblante, que se tornou impe-
netraveL
Conversemos, senhor, dase elle com assao-
ladora tranquillidade.
Fiquei mudo.
Esta medalha, prosoguiu o conde, ptrtoaca
minha mulher: .suppoaho que estou no meu di-
reito de perguntar-lhe porque estranha casuadade
se acha ella no seu pescogo...
-* A Sra. condessa petdeu-a, eu a achei, e guar-
dei-a
muito sentimental I exclamou o.Sr. Mau-
fert com sombra irona. Entretanto por mais ethe-
reos que sejam taes amores, a minha honra se acha
nelles compromettida
A sua honra '.
O senhor adora, ella confessoto-lhe tambem
que o ama va, e eu estou com cumes.r Lembre-se
que isto mesmo prociamou com orgulho ha poucas-
horas anda.
Sbito clarao atravessou-me o espirito ; recor-
oei-me com efleito de tudo.
Qurlastemunhas dessas snas paiavras? coa-
tinuou o conde. Oh O senbor eslava sublime de
enihusiasmo! O marido mais desabusado nao pe-
dera nutrir-se de illuses l
Eu ouvia tudo isto aterrado : pensara na desgra-
na suspensa sobre a cabeca de Dianv
Ento, cala-so ? J nao se mostea indig-
nado ? *
Nesse momento vei-ume urna inspiraco do
ceu. v
O que est ahi o Sr. conde a dizer excla-
mei com urna gargalhada toreada. Nao sabe que
estou louco, e que nos meus accessos de deliria
acodem-me pensamentos extravagantes ? Oh Que
historia bem contada I Minha mairinha apaixo-
nada de mim, e a confessar-me a sua paixo !
ah ah...
E eu ra, ra sempre... era um morrer seme-
lhante tortura I
Neste caso mentiu ? perguntou o conde.
Alto l, senhor, respond flngindo-me zanga-
da A expressao pouco digna de um cavalleiro.
O senhor ha de me dar nma satisfacao perante a
corle... Depois queeu o matar minha madrnha
desposar o rei, e eu desposarei a rainha, a quem
amo desde o da em que ella me deu s escondi-
das o seu vu dourado. Ha de ver os nossos amo-
res contados minuciosamente na historia de Wolf-
gang Hartzfeld de Fluringe, dous volumes que se
acham na minha bibliotheca. Eis aqui toda a ver-
dade I
fContmuar-s*4m.)
PBRNAMBVCa TYP. i>g *. f, p, fllMQ
<
C

r
*\.-
_-v ^ /


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EEF6A7IEU_YOYW1Y INGEST_TIME 2013-08-28T03:28:44Z PACKAGE AA00011611_10251
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES