Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10247


This item is only available as the following downloads:


Full Text

AMO XXXIX NUMERO 267.
Per tres mezcs adiantados
Por tres mezes ycocidos .
5S000
6$UOO

DIARIO DE
SEXTA FEIRA 20 DE BOVEMBRO BE 1863.
Por anuo adiantado. .... il$00O
Porte para o subscriptor. 3J00O
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCfrNO NORTE
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
segundas e
oUir asir? iisw sjLirr s"z^m^ t* y* <*".
EPHEMERIDES DO MEZ DE NOVEMBRO.
\
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL
Alagas, o Sr. Claudno Falrao Dias; Baha o
Sr. Jos Marlins Al ves; Rio de Janeiro, os Srs Pe-
reira Martins & Gasparino.
'fii'jo. Pesiraeira,
Ingazeira, Mores, Villa Bella, Tararan, Cabro!
Koa \ista. Ouriptirv e Exu' as qnartas feiras
Serinhaem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
iiKrj J?ua PreU e Pl|nenfeiras as quintas feiras.
11 ta de temando todas as vezes que para ali sahir
nsvio.
Todos os estafetas partem ao 3 Quarto ming. aos 8 m. e 26 s. da t
H La nova as 4 h., 34 m. e 14 s. da m.
18 Quarto cresc. aos 12 s. da m.
23 La cheia as 5 n., 16 m. e 20 s. da ni.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 8 horas e 30 minutos da manhaa.
Segunda as 8 horas e 54 minutos da tarde.
/
\JARTE OFFICIAL.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
9 r Anfc ilff/J"***? 5 C K; P3 DOrte at
a ura.ija a f t, 22 de cada mez; para Fernando nos
das 14 do|goes de jan. marg., maio, jul, sel. enov.
TJPlRTIDA DOS MNIBUS.
Para o Rci'e : do Apipucos s 6V 7, 7 /,, 8 e
? i* r m'? $,0inda as da m-e 6 da tarde; de
Jaboatao as 6i/2 dam.; do Casanga e Vanea s 7
da m.; de Betica as 8 da m.
Do Recife : para o Apipucos s 3'/,, 4, 4 >/,4 J-4' 6 ^ terde? Para Olinda s 7 da
manhaa e 4 V,da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
de ; para Caclang e Varzea s 4 'A da larde: para
IBemca as 4 (ja Urde.
I AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relacio: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 hora.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DAS DA SEMANA.
IG. Segunda. S. Goncalo de Lagos; S. Emiliano m
17. Terga. S. GregorioThaumaturgo b.
18. Quarta. S. bdon ab.; S. Barcella m.
19. Quint*. S. Isabel viuv. r. de Hungra.
20. Sexta. S. Flix de Valois f. dos trinos.
21. Sabbado. Ss. Honorio e Heliodoro mis.
22. Domingo. S. Cecilia v. m.: S. Filomon
m.
ASSIGNA-SE
no Recife, em a livraria da praga da-Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Figueiroa d*
Faria & Filho.
*
\
4
i
#
M\M\0 DA PROVINCIA.
Coaliauara d eBfdicnl.'do dia 16 dp novembro
de 1863.
Portara.O presidente da provincia attendendo
ao que requereu Victorino Trajano da Costa Fia-
rivo SB!^?Z Cag d0 eS" eS,e ,ribunal informe Mbre as duvidas oceorrdas
e orphaos desse termo, faz-se mis- no processo de suspeicao intentado
Arnanli
meira Jotcriafi
1ho, resolve conceder-lhe
hcenga para ir ao presi-
dio de 1-ernando no hiate Sergipano, levando a bor-
do do mesmo para seu cimbado o alferes Luiz An-
tonio rerraz Jnior, os^eneros constantes da rea-
<;ao inclusa assignada pelo secretario do foverno.
nao jHKlendo porem elfectuar o desembarque dos
utos gneros sem que por parte do commandante
do mesmo presidio se proceda a exame. afim de
so verificar se lia agurdente ou outra qualquer
bebida espiriluosa.
Dita.Os Srs. agentes da companliia brasileira
de paquetes a vapor facam transportar de confor-
midade com a 9 das condicoes annexas ao decre-
to n. 3,51 J de 17 de dezenibro de 1859 at a corte
"o vapor que se espera do norte, disposigo do
*.xm. >r ministro do imperio, .1 caixdes contendo
objectos de historia natural pertencentes ao museu
nacional do Rio d Janeiro.
17
OfBela^Pbrigadeiro commandante das armas.
txpeca V. Exc. suas ordens para que hoje s 11
oras da manhaa ao Dr. cliefe de polica se apre-
senlem 10 pragas alim de escoltarem 8 criminosos
ate o termo do Cabo, onde devero ficar 4 das re-
lendas pravas para reforcar o respectivo destaca-
mento.Coinmunicou-se ao Dr. chefe de polica
l'itoao mesmo. Sirva se V. Exc. de informar
*e roram aproveitados para o servigo do exercito
os recrutas de que tratam os inclusos papis que
me serao devolvidos.
Dito ao mesmo.Achando-se esgotado o crdito
para as despezas da rubricaobras militares-no
crreme exereicio, conforme informa o inspector
da thesouraria de fazenda em offlrio de 14 do cor-
lernu' me dwi^ n n^VJr.l """iT'"'" """ "E" ?w-vaa" ua suspeicao iniemauo aos juizes de
earia ZeZntc?h e U"im l,or,9ue1m direito na parte emque tem de conciliar4e a dis- nhor Bora Je/us da Via-Sicra
nte nomeado e se com nmlo nn.<.^,, rt ar, s* ^ ...nento n.120 de 31 de terias extrao/dnar;
ifes dos avisos de 10:0005000.
se: exerce tambem o ofllciod"beliriioremasaT-l C^mpra^e'rgsrre-se" ^ '
gum outro, ou o de orphaos exclusivamente, e em P Oficios
virtude de que autorisacao. tinha a a se extrahir a sexta parte da pri-
*m benelicio da irmandade do Se-
respect,vo propnetano, declarando o nome deste, 125.de ju.hode 1801 e d'K^ereTrol^61 ^"S collaborador rome.te-nos a sua carta-
i t' C?{M\ "' ~ An,,?amen,e v'v'am os Gregos
carg01 Arde esudoTos negocios da^^a-' 8gK75SJgAfta^ r
. I ,de^20 d, corren'e,communicando que Sua Mages- gantemente sen, auxilio dmno
Inteirado tade 0jlmp_erador houve por bem reconduzir (de DS-ISSSSESU decidram que
bocea, as grabas
a deosa da jier-
e Macdo Lima, faca-lhea proposTa'con"s7'nte"dej to&SEnffit t -m "^^queridnho!
sua cada mformacao para ncumbir-se elle d cando que o^ Sr. juizde Sreito
execucao dos novos reparos de que precisam aquel- de Camino reassumfo o?"^eSsrctaio :na^tnaw mfZ xf^ T S*9 a dita de tan"
que autorisacao, tinha a seu
aque He registro.
uto ao|director das obras publicas.
A' ordem do da Gapunga, Manoel de Farias.
cnoulo, por embriaguez.
O chefe da 2- seccao,
/. G. de desquita.
Mavimento da casa de detenco do da 18 de
novembro de 1863 :
Existiam .
Entraram.
Sahiram
A saber :
Existem.
Nacionaes. .
Estrangeiros
Mulheres .
Estrangeiras
Esc ra vos ,
Escravas .
tado dessa commissao, para que se possa resolver
a esse respeilo o que fr mais conveniente.
Portara.O presidente da provincia attendendo
ao que requereu o primeiro conferente da alfande-
ga desta capital Domingos da Silva Guimares, e
Surge agora urna nova poca. As deosas pro- !
_ corrente, enviando o curam os mortaes, e estes Ihes viram as cosas t.r
mappa do exerccio dos juizes de direito da provin- que musa!, gracas e persuac^s esL vfe' Tn-
do
Do Maranhao, do 1
appa do exerci
ciajiomezpassado. commissao revisra.
334 presos.
10
15
329
235 presos.
24 .
7
3 .
55 >
o >
329
Da mesma provincia, de2 d^co^emrrnviando ^S^d^t^l^Sott ese
rmgK ^p-articSercon^ LSfSS&jT "^W V** ^ X'sEES**"^SSNS
TSnlSS^^S^ T6S de lC?-! Da Preside?cia da rela^ d0 Mara"'^. de 9 do guenta? '0Je desenraadas Wl e P
de sua sdeTora da memTcaptl P ^^-^^ ac-cord> P^* a revisla
Di la.Os "
de paquetes
131
Bem azem os rapazes em nao querereui saber
Alimentados custa dos cofres pblicos .
Movimento da enfermariado dia 19 de novembro
corrente :
Tiveram baixa : .
Pedro Antonio de Moura, rheumatismo.
Malinas, (escravo) sentenciado, intermitiente.
Passageiros do vapor nacional Mamanot
tem j admittido todas as outras praticas catho-
licas, frequentaudo as nossas igreias e assistindo
respetosamente a todos os actos religiosos.
O espirito catholicofaz pois grandes progressos:
em toda a parte se levantam igrejas, e a Cali-
lornia, que ha oito annos tinha apenas un hispo
t?HM l)ad''es' 'e^J ,res "'spos e mais de cem
O governo d plana liberdado aos catholicos,
a considera o ensino dos jesutas tanto, que elevou
os collegios de S. Francisco e Santa Clara cathe-
goria de universidadss, concedendo-Ihes o poder de
conrenrem graos acadmicos. Ainda estes padres
teem um outro collegio em S. Jos : este em
ponfo mais pequeo.
No Oregon tem os lesuitas tres nn'ssoes: a do
sagrado coracao, a de Santo Ignacio, e a de S.
Pedro.
Os padres encarregados destas missoes, percor-
rem todas aquellas tribus, e tem j convertido ao
cathohcismo 4000 indios. J tem all levantado
e nestas do
vindo do Cear e portos intermedio
ihia brasileira \ ^/^ffS^SSSSS 2E d'os SSS^iSiS %i f^ I PfS f'lEpMwSSl Dr. J^uir.
.s.-Registre-se margem da sen.enfa ^ i mi oum !n ,51 jfe"2*ij**!> I L5!2?5 A'buquerque; sua senhora, 1 se
a vapor, deem suas ordens para que
sejam transportados por conta do ministerio da
guerra no vapor Tocantins, que se espera do nor-
te para a Banla o capito do quarto batalho de
artilhana a p Luiz Francisco Teixeira, e sua se-
nhora, e o segundo cadete Manoel Ignacio de Oli-
jeira,que vai reunir-se ao dcimo batalho de in-
famara a que pertence, e para a corte os solda-
dos Jos Francisco dos Santos, Bellarmino Bem-
ves.
Do Sr.~juiz de direito Br. Lu
Montenegro, de 25 do corrente
does de seu exereicio de chefe
da provincia do Rio de Janeiro desde 9
ultimo at 12 do corrente, e na comarca do
Bonito desde 16 do corrente.Averbem-se.
Certidoes de exereicio.
Dos Srs. juizes
i/E^Miranda'Spr^^^
elha MMku. Franco 4 menores ilhos de Joaquim Antonio Gon-
ealves Santos o 3 escravos dos mesmos, Jos Borja
L. R. Lamara, Felippe Rodrigues Pereira, Leoncio
I ereira de Azevedo e Jalma Arhrhin.. ,. _
da trra,
acabou todas
. s.Communicou-se
gadeiro commandante das armas.
rente, sob n. 859, convm aifuar'dar"o"a'ugmento"do Hp'im'lS8 ? age"'eS da coml)annia brasileira
mesmo crdito, que nesta da.a n.dto do SS SnMf 1ntI?Kr ande
em dar passagem por
imperial afim de" que possa ser 'levado*! efleitoo I m,'a ""mster0 da guerra no vapor Tocantins,
faumento de um poco nu h.^uitaI niililar de nue' q Se eSpe/a do nor,e Para Bahia- a" ^'dado
trata o ofllcio do respectivo irector anexo lor 132S SerVe de Ca,narada ao caP'tao Lu,z Francisco
opia ao de V. Exc. de 10 de outubro uimo oh Ei?eira'. qulparaJ a,li des,aca> e ao desertor do
n. l,931.-Offlciou-senestesent^ ,'a,alhao de infantaria Antonio Ferreira
obras militares. Goines- e Para a corte ao soldado do segundo da
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda i ^T a.rnia Manocl de Souza Adorno, que foi
Deferindo o incluso requerimento do capi.ao do transfer,d" Para o asylo dos invlidos.
V batalho de artilharia a p Luiz Francisco Tei-; h ,. "7 ,
xeira, recommendo V. S. a expedieao de suas or- DfsParnos do tka 17 de novembro de 1863.
dens para que, a contar do mez de dezembro pro-' Requerimentos.
to ultimo.Averbc.n-se.
Exposicao das revistas.
I>. 6438, pelo Sr. baro de Pirapama.
I N. 6441, pelo Sr. Silva Tavares.
. 6414, pelo Sr. Mariam.
N. 6446, pelo Sr. Machado Nunes.
Exposicao das reclamacoes.
N. 6390, pela Sr. Siqueira.
JULf.AMENTOS.
Revista criminal.
N. 1773Recrreme Domingos Jas Guerreiro,
recorridos a justica e Mathias Jos Velho.Negou-
; se a revista.
Revistas ci veis.
N. 6411.Recorrente Francisco Augusto Men-
x^mo vindouro, em diante, seja abonada apresta-1 A,,onso de Paula Albuqucrque Maranhao.-D- des Monteiro, recorrida D. Henriqueta Mara da
rao mensal de 103 que de seu sold pretende con- se passagem. Cruz Franco.Negou-se a revista.
^!aIDPSmo,;',lP."!2.nesta provincia a ser en- n I\La,hana_ Francelina Pessoa de I^cerda. N. 6424.Recorrente Jos Justniano da Silva
Jnior, recorrido Joao Galvo da Costa Franga e
trege a seucunhadoTburcio Ravmundo da Silva Passc Prtaria no sentido que requer.
Tavares. Communicou-se ao commandante das Francisco Eustaquio da Silva.Requeira ao go-
annas. verno imperial a pensao de que trata, satisfeiUs
Dito ao mesmo.Ao capitao do i" batalho de as formalidades do artigo 96 do regulamento.
artilhanaafig Lujz Francisco Teixeira, que segu j yuanl ultima parte da petieao ofllcio ao ins-
para a MMI lomar o eommando do deslacamen- i Pee'01" do arsenal de marinha para attender ao
o batalho existente naquella provincia i s0PP''eante.
mande V. S. ajustar coalas at o fira do corrente
mez, e fornecer-lhe a competente guia de soccorr-
mento.
Dito ao mesmo.Transmillo V. S. para os flns
convenj*nles, os dous inclusos mappas nominaes
lo movlinento do pessoal dos empregados do hos-
pital militar, concei nenies a primeira quinzena
deste mez.
Dito ao mesmo.Transmillo V. S., para os con-
venientes exames. a inclusa copia da acta do con-
selho administrativo datada de 9 do corrente.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Autoriso V. S. de conformidad? com a sua 'infor-
maran de hontem, sob n. 567, a mandar adiantar
ao delegado do termo de Ourirnrv por intermedio
do Ihesoureio da repartieao das 'obras publicas a
luantia de 2005 para no corrente exereicio occor-
rer as despezas com o sustento dos presos pobres
dacadeia daquelle termo, da qnal oportunamente
prestar conlasj) mesmo delegado nos termos da
citada informaclo o qual tambem se achaautorisado
a mandar fazer urna gargalheira e quatro pares de
algemas que requisitou segundo consta de ofllcio
do chefe de polica n. 1,428 de 15 de o.tubro ulti-
mo.Communicou-se ao Dr. chefe de polica.
Dito ao mesmo. Ex peca V. S. as suas ordens
para que a Esteva o dos Anjos da Porciuncula, se-
ja paga nao havendo inconveniente, a quantia de
lili despendida no mez de outubro ultimo, com o
gstenlo dos presos pobres da cadeiado Cabo, como
se v da inclusa conta que para esse iim me foi
rcmeltida com ofllcio do chefe de polica datado de
hontem, e sob n. l,3ii. Communicou se ao Dr.
chefe de polica.
Dito ao mesmo. Constando de informacao do
director da repartieao das obras publicas, datada
de 11 do corrente, que pelo ex-thesoureiro daquella
repartieao Antonio Goncalves de Moraes, fura re-
comida ao cofre dessa thesouraria. onde se acha
em deposito a quantia de 34iO0, que tem direito
Jacinllio Antonio Ferreira, proveniente de deseon-
tos fetos em seus salarios, quando na qualidade de
preso da casa de detenco trabalhou as obras da-
quelle edilico, faz-se preciso que V. S. mande en-
tregar ao thesoureiro actual da mesma repartieao,
afim de ser restituida ao predito Teixeira, que a so-
licita por ter sido posto em liberdad^-Conimun-
cou-se ao director da repartieao das obras publi-
cas.
Dito ao director do arsenal de guerra.Contrate
V. S. como mestre do hiate nacional Smjipano, o
transporte para o presidio de Fernando, do cabo de
squadra Manoel Felippe, do anspe5ada Jos Lza-
ro Vieirada Silva, e dos soldados Manoel Jos da
Costa e Manoel Bezerra de Menezes, que sao re-
mettidos para alli segundo solicilou o brigadeiro
commandauto das armas em ollicio de 14 do cor-
rente, sob n. 2,122.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Pae-d'Alho.Tendo V. S. remettdo com o
seu offlcio de 25 do mez passado o mappa do ar-
mamento do batalho 16, cumpre que envi com
toda a hrevidade as do demais corpos da guarda
nacional dessa comarca.
Dito ao commandante superior de Flores.Nao
tendo V. S. remetlido com o seu ollicio de 2 desle
mez o mappa do armamento da guarda nacional
dessa comarca, cumpre que o faca com toda a bre-
vidade, exigndo os esclarecimentos deque preci-
sar do capito secretario geral eesse eommando
superior, a cargo de quem deve estar o respctiv
archivo.
Circular a todos os commandantes superiores da
guarda nacional da provincia.De conformidade
. mi o que requisitou o Exm. Sr. ministro dos ne-
gocios da agricultura, commercio e obras publicas,
ai da justica, e deteraiinou este por aviso circular
de 3 deste mez, expeca V. suas ordens para que
sejam dispensados do servico da guarda nacional
com restncco das formaturas geraes, que tiverem
lugar em dias santificados, ou de festa nacional, os
empregados das administraedes e agencias do cor-
roto, nao especificadas nos 2- do art. 15 da lei
n. 602 de 19 de seb-mbro de 1850 e do art. 25 do
decreto n. 722 de 25 de outubro do mesmo anno.
Dito ao juiz de direito de Natareth.Teve o con-
veniente destino a copia do provimento geral pro-
ferido por Vine, em correicao e que acompanhou
o seu cilicio de 6 deste mez.
Dito ao juiz de direito de Nazareth.Para tomar
em considerafo a materia do offlcio de 28 do mez
p issado, em que Vine, commuoicou-me ter em cor-
r<:icao mandado passar para o cartorio do tabellio
Franklin Alves de Souza Paiva. o livro do regs-
Gertrudes Lourenga de Araujo.Informe o Sr.
desembargador provedor da Santa Casa da Mise-
ricordia.
Jacintho Antonio Pereira.Dirija-se ao director
das obras publicas.
Justino Lopes Cardim.Passc.
Maria Francisca Ramos.Informe o Sr. direc-
tor do arsenal de guerra.
INTERIOR.
RIO DE .HMIIIO.
si ranura tribunal de
II S iva.
SESSAO EM 24 DE Ol'TIBHO DE 1863.
Presidencia do Exm. Sr. consellieiro bardo de
Motil.irrate.
(Secretario interino o Sr. Dr. Monteiro.)
A's 9 l/j horas abriu-se a sessao, achando-se
presentes os Srs. conselheiros baro de Montserra-
ts (presidente), Almeida, Siqueira, Veiga, Corne-
lio Franga, barao de Pirapama, Panloja, Brito,
Silva Tavares, Ernesto Franga, Chichorro, Maria-
ni. Simoes, Machado Nunes e Messias de Leao,
faltando com causa os Srs. Azevdo e Nabuco.
Leu-se e approvou-se a acta da antecedente.
EXPEDIENTE.
Ofidot.
outros.Xegou-se a revista.
N. 6423.Recorrente Americo do Carino Fres,
recorrido Antonio Jos Borgesda Silva.Negou-se
a revista.
Passagem as revistas.
N. 6438, ao Sr. Pantoja.
N. 6441, ao Sr. Ernesto Franca.
N. 6444, ao Sr. Simoes.
N. 6446, ao Sr. Messias de Leao.
Passagem da reclamacao.
N. 153.Ao Sr. Veiga.
Dia.
Ficaram com dia para julgamento.
As revistas ctveis.
N. 6413, relator o Sr. Silva Tavares.
N. 6414, relator o Sr. Ernesto Franga.
N. 6416, relator o Sr. Mariani.
N. 6418, relator o Sr. Machado Nunes.
N. 6436, relator o Sr. Veiga.
N. 6440, relator o Sr. Brito.
A reclamarao de antiguidade.
N. 149. ao Sr. Machado Nunes.
Levantou-se a sessao a meia hora da tarde.
polica, do que una velha resmelenga.
le mato; Ellesmudam as vistas do co, onde nao que-
" rem mais commercio, e voltam-n'as para os seios
Nesse afadigoso peregrinar o prosasmo
illusoes e assim foi liom. Esse
aca-
tornaram
como
temperanca ingl
A dr de um passo falso os faz medir a trra
coin aquelle escrpulo e paciencia dp Sr. Manoel
da LostaJ que do silencio do seu gabinete correu a
provinm inteira pelo roteiro do Sr. Figueira de
Me.Uo, e atirou-a depois ao meio do mundo com os
seus nones, pronomes, verbos, participios, prepo-
sicoes, adverbios, conjunegoes e interjeigoes !
E (faqui que vem o dizer-se que o mundo
marcha. Marcha para a realidade das cousas ter-
renas, e a realidade nao precisa de roupas empres-
Muito bem, est livre a trra do co. Fiquem
la as masas-no que eram, e continu a rapasada
a correr de cabeca baixo sem fazer caso das suas
inspiragoes, que as tem de sobra nos seixos, na
poeira e nolixo.
Siga o tzemplo do Sr. Manoel da Costa, que
em quanto o diabo esfregou um olho, fez um Dic-
cionario Topographico. Estatistico e Histrico de
Pcrnambuc^ e j promette urna prxima segunda
edigao pelo amor que tem a sua trra, e eu que
Ih o acredil.
t Li, compadre, e reeomuiendo-vos que leiaes
improbo trabadlo doSr. Manoel da Costa, que o
promette o mais breve possivel, alm daquella
referida ediego, urna remessa de descripedes to-
pographicas de cada um dos pontos da provincia
com sua historia e estatisca. Desta vez Acaremos
abarrotados desse genero, que tanta falta fazia no-
mercado das lettras.
igrejas, por em quanto do madeira,
regularmente em cada dia dous ejercicios para
iiistruirem as verdades do chrisnanisnio os in-
dios, qne all concorrem om grande numero. Nos
domingos de tarde rezam os novos liis o rosario
na igreja, nos dias de sumana cada familia o reza
uironei na sua tenda.
Teem tambem estabelecido aulas no Oregon,
mas poucos daquelles indios se entregam a tra-
balohs litterarios.
Mamanguape
do Porto, o-
Azevedo e Joho Achchine sua se-
nhora.
. T Passapeiro do brigue portuguez Confianra,
vindo de LisOoa : Joaquim Candido do Nasci-
mento.
- Passageiros do patacho nacional Regulo, que
saino para o Rio de Janeiro : Joao Vieira, e 28
escravos com 1 cria a entregar.
Passageiros da sumaca nacional Hortencia,
sahida para a Babia : Augusto Cesar de Mallos
e sua senhora.
DO DIA 18 DE JiOVEMBHO NO CEMITE-
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
A apuracao total de todos os collcgiosdo segun-
do districto d o seguinte resultado :
Dr. Araujo Barros
Dr. Souto Lima
Dr. Arminio C. T. dos Santos
Dr. Luiz Gongalves da Silva
Dr. Jos Ignacio de Andrade Lima
Dr. Nabor Carneiro Bezerra Cavalcanti
356
314
Lede, e dize-lhe, pois elle assim o pede, que
logo a sua primeira palavra enterra urna inexae-
tidao mdesculpavel, por que sobre os limites da
provincia dcvia estar corrente, tantu mais quanto
nao se d da parte do governo e das asambleas
proyinciaes o pruridode crear, supprimir e alterar
imites conforme cada anno requer a poltica das
localidades.
Dize-lhe, compadre, que o Abiai nao serve de
limite a esta provincia e a da Parahba. Deixe l
o velho Basilio, que anda hoje ninguem sabe onde
aprendeu geographia para dar a estampa um gor-
do volume, dizer o que Ihe pareceu do BrasiL
O Abiai desemboca ao norte de Pitimb, isso
e verdade : assim como Pitimb est ao norte da
Taquara; mas o que nao exacto que seja
aquello no o limite das duas provincias, Pitimin ao sul e Taquara ainda mais ao sul per-
tencem a Parahba e fazem parte do distrcto elei-
toral da capital.
t Em Pitimb ha urna agencia fiscal encarrega-
la da arreeadaeio dos dreitos sobre os gneros
OBITLAltIO
BIO PUBLIZO :
Joanna, escrava, Peanambnco, 40 annos. solteira,
Boa-\ista ; tubrculos pulmonares.
Thomaz de Aquino Paes Barrete, Poco da Panel-
la ; phtysica.
Isabel Joaquina Nobrega Gusmao, Pernambuco,
49 annos, solteira, S. Jos ; gastro hepatite.
Luiza, liberta, frica, 35 annos, solteira, S. Jos ;
apoplexia fulminante^
Joao, escravo, Pernambuco, 60 annos, solteiro.
Boa-vista ; apoplexia.
Delphina, escrava, Pernambuco, 5-1 annos, soltei-
ra, Santo Antonio; anemia.
Luiza Justina da Silveira. 26 annos, solteira, San-
to Antonio ; febre typhoide.
Romana Maria da Coceicao, Pernambuco, 31 an-
nos, solteira, B^a-vista ; phtvsica pulmonar.
Cosma Maria da Silva, Pernambuco, 38 annos,
casada, S. Jos ; phtvsica.
,_ de exportaeaoda provincia; um subdelegado e um I
!j I Professor de prmeiras lettras ; na Taquara tam-' OTlro!l_0Lell*ctadore^c. ?s co?}s-
UM P0UC3 OE TUDO.
O Sr. D. A. remette-nos o. seguinte:
CIRCIX.VRES DE ELEIQAO
Cartuzes, em que os empresarios do tbeatro an-
niinciam em todas as esquinas urna nova comedia
e lludem ainda una vez o publico, que apparece | largura
no dia da representagao para rir-se, mas que quasi
sempre volta chorando.
Papis pintados, que so podem chamar a attea-
gao dos tolos, e que quando muito apenas servem
liara provar que as secretarias nem sempre se
est em ocio.
O melhor argumento para se mostrar as vanla-
gens dos reservados.
Esrriptos que se deve entender antes pelo qne
nao dizem, do que pelo dizer.
Eleicoes:
Festa de Neptuno dos temos modernos, para
a qual se convida o povo com patarras bonitas,
e na que Ihe roubam os Romulos da poca a liber-
dade, a honra e militas vezes a vida.
Comedia que quasi sempre acaba em tragedia,
que os governos mandam representar em seu be-
neficio a custa do povo, que que quem paga as
despezas da representagao.
Farra que faz vir ao mesmo tempo, e uns dos nachon, irmao de NaiLj-;
Da presidencia do Rio de Janeiro, de 21 do cor- Vigario Jeronvmo Jos Pacheco Mendonca
rente, communicande que 16 do mesmo reassu- Dr. Gervasio Campello
mi o seu exereicio no comarca do Rio-Bonito o Dr. Jos Bonifacio
Sr. Dr. Luiz Pinto de Miranda Montenegro.A ver- Do quarto districto eleitoral temos o resulta-
n'i, ..- ^ Tk ., d0 dos eollegios do Bonito e de Caruar. cuja apu-
Do Sr. juiz de direito Dr. Theodoro Machado ragao da a seguinte votagao com excluso da fre-
Freire Pereira da Silva, de 19 do corrente, envan- guezia de Rapoza, tomados em separado
do certidoes de gozo de urna licenea a datar de 22 Conselheiro Paula Baptsta
de agosto ultimo e de seu excerccio de chefe de Dr. Joaquim do Reg Barros
polica da provincia do Rio de Janeiro a datar de Joao Braulio Correa e Silva
12 do corrente.Averbe-se. Antonio Vctor Correa
Requerimento. Dr. Demosthenes da Silveira Lobo
Uo mesmo juiz, pedmdo averbamento da apos- Vigario Jos Teixeira de Mello
tilla 0e chefe de polica daquella provincia, tanga- Dr. Sergio Diniz de Moura Mattos
da na sua carta imperial, para idntico cargo na Dr. Guilherme Cordeiro Coelho Cintra
de Sergipe.Defeno-se. Dr. Francisco Jos Fernandes Gitiranna
Jii-fiAMEXTos. ; A votagao dos eleitores da Rapoza a ses-uinte'-
v fitoT ^evtlitul civcis. ;Dr. Sergio Diniz de Moura Mattos ti
\. 6127.Recorrente I). Rita Maria de Souza Dr. Joaquim do Reg Barros
Gomes, recorrido Antonio de Souza Gomes.Con- Joao Braulio Correa e Silva
eedeu-se a revista, e designou-se a rolaco do Rio Dr. Guilherme Cordeiro Coelho Cintra
pav J)??ar novaniente acausa. Conselheiro Paula Baptista
X 6412.Recorrentes os curadores flscaes da Dr. Demosthenes da Silveira Lobo
massa fallida de Seve, Flhos & C, recorridos Antu- Antonio Vctor Correa
D%X'rmaos -Negou-se a revista. Vigario Jos Teixeira de Mello
j corren,e Dent Jos da Costa, re- Dr. Francisco Jos Fernandes Gitiranna
corrido Manoel Jos Leile.-.\egou-se a revista. O vapor Mamanguape, chegado hontem
v D'*tri>>uti:"0 das reclamacoes. portos do norte de sua escala, apenas adiantou
->. loVReclamante o juiz de direito Jos Quin- dias s noticias que tivemos da Parahba oelo To-
tino de Castro Leao.AoSr. Veiga. cantius.
N. 155.Reclamante o juiz de direito Hugolino Falleceu, na capital, victima de seus padecimen-
Ayres de Freitas Albuquerque.Ao Sr. Cornelo tos physicos, oSr. Dr. Manoel Correa Lima, juiz de
Franca- direito, sendo substituido interinamente pelo juiz
N. lob. Reclamante o juiz de direito Carlos de municipal Dr. Peixoto.
2. j bem ha um subdelegado, e urna escola primaria, e
2401 am_l}0_s^s,es Po^'oados fazem parte do municipio da
2;(8 i Alhandra com seus batalhocs da guarda nacional
232' -tC- ?s engenhos Tab e Abiav rivaes em in-
22
A maior prova que pode exibir um paiz, de que
livre, e de que o nao ao mesmo tempo.
141
139
128
108
100
98

36
B
I
li
.ri
B
4
2
dos
l'm empregado policial em certa provincia din-
fluencia poltica naquellas localidades'pertence est-' io seguinte oflkioao presidenteIllm. e Exm.
ao tenente coronel Manoel Florentino Carneiro da ; 77 f;cluso remeto V. Exc. para Ihe dar o
devido destino clavmotes de cavalaria, e ptimos,
e mais 3 faccas de pontas apanhados em virtud das
disposigoes da lei de 26 de outubro de 1831; um
dos clavinoti's foi-me remetido pelo sobdelegado
da.....; o outro, e urna das laceas foi
Cerqueira Pinto.Ao Sr. baro de Pirapama.
A revista criminal.
JHi 6773, relator o Sr. Chichorro.
As revistas ctreis.
N. 6411, relator o Sr. Pantoja.
N. 6413, relator o Sr. Silva Tavares.
N. 6411, relotor o Sr. Ernesto Franca.
N. 6123, relator o Sr. Cornelio Franga.
N. 6429, relator o Sr. barao de Pirapama.
A reclamacao de antiguidade.
N. 149, relator o Sr. Machado Nunes.
Levantou-se a sessao ao meio-dia.
Snbmetteu-se hontem julgamento perante o
{ur< 7 reo Manoel Ferreira dos Santos, praga do
iatalhao de infantaria n. 2, aecusado por autor de
feriment commettido na pessoa de Jos Valerio.
\ praga do mesmo corpo.
Vericando-se juizo de facultativos que a of-
fensa. commettida com os dentes, produzra des-
truigao do pavilhao da orelha externa do paciente
foi o reo pronunciado pelo juiz municipal da pri-
meira vara s penas do artigo 202 do cdigo cri-
minal.
Prcenchidas as formalidades legaes, foi o reo
absolvido e condemnada a municipalidade as cus-
tas havendo offlciado como advogado e por convite
do juiz de direito o bacharel A. Netto de Mon-
donga.
Por portara de 19 do corrente, foram pro-
- do batalho n. 19 de infantaria
do municipio de Nazareth
Cunlia, e aquelle ao tenente coronel Joao de S,
filho do riquissimo propretario, hoje fallecido, co-
ronel Estevao de Albuquerque; que fazem impor-
tante papel na provincia da Parahba por seus te-
res, e influencia de familia.
O limite das duas provincias, por tanto, nao
o no Abiai, que se langa muito ao norte do fre-
guezia da Taquara.
Procure-e o Sr. Manoel da Costa na extrema
i sul desta freguezia; suba por ella; passe pela ex-
trema sul da freguezia da Alhandra, siga pelas ex-
tremas da de Itamb ao norte da do Taip ao sul,
passc pela ra principal de Pedras de Fbgo, v de
cabegaa riba pela estrada das boiadas at a povoa-
gao da Serririha, que quasi toda pertence a fre-
guezia do Pilar da Parahiba, deixe-a depois pela
que vai para Camtuanga do municipio de Goianna,
siga o rumo das aguas ao sul do Salgado, d> com
sua pessoa no no Natuba, nao faga caso, caminhe
depois, sempre aopoente, at a povoago da Malta
Virgem do municipio de Cabaceiras. e ahi lome fo-
lego para observar urna exquisirice em materia de
limites. A !utha divisoria passa pelo meio da roa
e vai cortar a eapella emduas partes ; o altar-mr
de Pernambuco, e todo corno da igreja da Para-
hba I Nilo se ra; a nossa trra assim mesmo...
Mas, comodizia, v sabindo, salve a povoacao
de Alagoa do Monteiro, pertencente ao municipio e
freguezia de Nossa Senhora dos Milagres de S. Joao
do Cavery da provincia da Parahba, quebr a mo
direita, e passe por entre as villas do Teixeira ao
norte, e Ingazeira ao sul, aquella da Parahba, e
esta ae Pernambuco, v beirando pelo Pianc e Pa-
je de Flores at esbarrar no limite do Cear, que
embeiga cem Pernambuco icaiido a Parahba na
farlada da camisa.
Piquemos aqu, compadre, e deixemos o Sr.
Manoel da Costa, depois de ter restituido a Parah-
ba o que seu, voltar, e tomar descanco nos bel-
los edificios, ornados de jardins que setaotam nos,
Apipucos, e Deo gratias.
. apa-
ndado com orecrula F......; o-terceiro, e a ou-
tra facca fo tomado ao creniao de morto F etc.
etc. etc.
Dos guarde a V. Exc..... 30 dejunho de
185.............
os
SESSAO EM 28 DE OUTUBRO DE 1863.
Presidencia do Se coMelheiro Almeida.
(cetario o Sr. Ur. Pedreira.)
A's 9 S horas abriu-se a. sesso^achando-se
presentes os Srs.
Veiga
toja
chorro, Mariani, StIHHacuado Nunes e'Messias Estado-maior
de Leao, faltando conj causa oi.*r. Azevdo, ba- Tenente quartel-mestre o alferes da
rao.de Montserrate e Nabuco. m FranciscoSeabra de Andrade
Leu-se e approTMgi a da antecedente. AJtauMecntario o guarda Manoel Jos Pinto *e
'gwBOTt Souza Neves.
^ A**- 3.' Companhia.
Do ministerio da justo, de 12 do corrente, Tutus* o alferes da mesma companhia Antonio
mandando, de ordem %. M. o Imperador, que Aureliano Lopes Coutinho Jnior.
7* eompanhi|,
Com o titulo de Progressodo catholisismo nm Ca-
lifornia, escreve a Naco:
Os jesutas tem tres casas na California.
En S- Francisco tem um collegio com 400 es-
tudantes.
fabricado de granito e lijlo, e est avahada
a obra em mais de cem contos de ris. Ha nelle
urna sala que tem cento e setenta ps de eomprU
monto e sessenta de largura, serve presentemente
de igreja, e est sempre cheia de ficis.
Esperam, porm, aquelles padres que dentro em
dous ou tres anuos, tero prompta a igreja e acaba-
do o collegio.
Tanto em S. Francisco como em outras cidades
da California tem feito varias missoes os jesutas,
o resultado sempre consolador pela allluencia
aos Sacramentos e pelo grande numero de con-
verges.
Na igreja de S. Francisco as. communhoes
gulam cada domingo de 800 1000.
O collegio Jesuta de Santa Clara foi fabrieado 1,055 ps e s 9 horas e 30 minutos tinha subido 3
de novo quasi todo, gastaram-se n'elle perto de. milhas e meia, ou perto do 5,630 metros.
re-
Dzem de Barcelona ao Commercio
jue segu:
Na noute de 7 urna enorme tromba de agua n-
nundou entre Rajadell e Hostalrich um ralo de &.
leguas, fazendo transbordar os rios Llobregal e
Cardoner.
Os estragos que a innundacao causou em Vich
saoconsideraveis, pois esta cidade hoje um mon-
tao de ruinas.
As autoridades estveram horas com a agua at
ao meio da pernas, dando ordens e empregando as
medidas urgentes.
O alcaide de Vich organisou urna brigada de soc-
corros de operarios e dos habitantes que oflerece-
ram os seus serviros autoridvle.
Ordenou que os' doentes e contusos fossem con-
duzidos ao hospital, e accrescenlou :
Os cadveres serao tirados e transportados ao
deposito do hospital para serem enterrados. Todos
os objectos-que apparecerero as aguas do rio Llo-
brigal ou as ruinas dos- edi&eios serao deposita-
dos na casa de caridade para serem restituidos aos
proprietarios, com as formabdades legaes.
Abrio-se immediatamente urna subscripeo pu-
blica para as victimas.
tu
O photograpbo Nadar, de Paris, fez um balo
denominado Gigante, que o maior conhecido nos
annaes areosla ticos.
E' composto de dous baldes sbrenoslos, de ta-
fet branco, e absolutamente idnticos, contando
cada um 118 lados de 45 metros de comprimento,
e que d urna circumferenea de 90 meiros.
Tem por baixo um pequeo balo chamado Com-
pensador, para roceber o excedente do.gaz, e que
nao joga mais de 100 metros.
O Gigante pode levantar um peso de 90 quin-
taes.
A altura de todo -de 60 metros.
Na sua coofeegao empregaram-se 30,000 metros.
de seda.
A barquinha tem doos andares. A sua altura c -
de 2 metros e 30 centmetros sobre 4
metras.
E' segura por douseixos e quatro corretaas, que
facilitam a descida m immensa.cinto de gila-.
percha, cheio de vento, a defen.de eontra toda a
immerso possivel.
O andar inferior tem urna passagem em cruz, e
no meia 6 divisos.
Em urna das extremidades tara de urna parte o
camarim. do capito com um leilo de 85 csnlime-
tros de largura e por baixo umreparlimcnlo para
as bagagens. Do outro lado o camarim dos via-
jantes, com tres" leitos sobrepostos de 60 ^enlime-
tros.
A outras quatro divisoes- s5o para provisoes,
lavabo, photographia e imprensa.
Foi.no dia 4 que este balo fez a sua ascensc.
no campo de Marte, em proseara de urna multidc,
mnumeravel, conduzindo M Nadar, w.uito : MM.
Marcelins e Julio Godard, iaunedialo^.; M. Tour-.
nachon^ irmao de Nadir ; o principe de Sayne
WittgcRstein ; conde deS. Martin ; Eugenio De--
lessert ; Ttrion ; 1'ial'at; Robert Milriiell ; Ga-
briel Morris; piulo de S. Vctor: duVlleinessaut.
e a princeza de La Tour le Auvergue.
Os jornaes de 7, de Paris, dao deste moda noti-
cia do termo desta viagem aerea :
Nasua_ viagem aer-ea, o balo langava cartas de-
intormaco assim sobreseriptadas-:
i Rog"a-se a entrega desta caria immediatamen-
te redargao do jemal da localidade.
M. Nadar dirigi ao Monitor a seguinte carta-
Paris 5 de outubro.SeDhor, ah vai, com a
possivel brevidade, anarrag que vos dignastes
pedir-me :
Hontem s ?.horas da noite o Gigante teve de
descer trra, perto dos pantanos d Berc\. duas
leguas cima de Meaux, depois depois de tres cho-
ques violentas, o ultimo dos quaes completamente
virou a barquinha. que cabio dedada de lado.
Tendo quebrado a corda da vlvula no trajelo
da noite tivemos de lanear as ancoras. Urna das
unhas da primeira ancora quebrou,. mas felizmen-
te, a ancora mesfe sagurou-se. esvastamento
pode eflectuar-se, apesar da violencia do vento, e
indireitar-se a barquinha Lora e meia da ma-
nhaa. Gom algumas contusoes- leves e urna torce-
dura no joelho de nm dos passageiros, fieou paga
a nossa factura. Nao muito caro.Nadar.

Tambem os jomaes ingtezes noliciam que M. ;
(aish^r, acompanhado ^e M. Coraewel, realis?/a
pela la" vez urna viagem aerea para fazer obser-
vactJes scientiOoas.
A partida teve lugar ero, Wohverhampton, nao.
longe de Birmiogham, a 28.de selembro s 7, ho-
ras e 43 minutos da manhaa, com tempo unvpou-
co nebloso.
O balo subi em 4 minutos urna abura de
Rbpabticao da polica :
(Extracto da parte do dia 19 de novembro;.
Foram recolhidos casa de detengao no dia 18
dfcJbrrente :
"' ordem do subdelegado do Recife, Andr Ju-
thy. Ingles, por embriaguez e insultos.
A' ordem do de Santo Antonio, Antonio Thomaz
Rodrigues, pardo, osjf ion los Antonio, escravo de
Antonio le Moura RiWn, amlws por disturbios, e
Antonio Brites por embriagues e insultos. Frmina
Maria das Santos, e Antonia, escrava de Bartholo-
nawwancisco de Souza, por briga.
A' orilem lo do S. los, Maria, parda, escrava
,; M Joaquim Jos Ferreira, para correcoao.
m! ordem do da Boa-Vista, Bellarmino francisco
sessenta contos, mas o edificio mais indo da
cidade.
Algumas pessoas que estveram fra da cidade
dous annos, quando voltaram e viram o estado em
que estava este coHegio ficaram admirados, dizen-
oque em nonhumas maos os collegios prospera-
: vam como as dos catholicos.
Neste collegio ha 1850 estudantes, e ainda que o
numero dos que j foram baptisados nao grande,
comtudo a direcgo do collegio trata a todos como
se fossem catholicos, tendo conseguido sem era-
pregar a menor violencia que os alumnos protes-
tantes aeompanhem os seus condiscpulos catholi-
cos em todas as praticas religiosas.
Citarei um exemplo : Ha dias distribuiram os
padres urna medalha da Virgem aos alumnos ca-
tholicos, alguns protestantes nao a podendo ohter
por outro meio, pedirara-na aos seus condiscipo-
los, trazera-na ao pedo, e estimam-na com amor
filial.
O que certo que os prejaisos v5o cahindo;
grande numero de familias protestantes tem in-
timas relaces com os jesutas, e a estes ouvf que
* d'aqueHas familias
cnnsiderm alguns memtiros
deCarvalho da Silva, branco, e Benedicto Jos j orno os seus melhores amieos e dW imitadn
dos Santos, amos tambem para correccio. i resulta que a nao ser a conflssao e comraunho
-JILEGVE
Como o vento os impedia para o mar, os viajan-
tes julgaram prudente descer.
Coutieceram logo que o vento mudara para o nor-
te, qne as arvores pareciam muito aguadas, e pre-
senram urna descida difficil.
Quando estavam urna altura da 150 ps do
solo, despejaram area para nao irem bater contra
a casa de urna quinta e lngara, depois a anco-
ra, que nao agarrou, embaragandose n'umas as-,
vores.
Tocaram entao na casa e saaram successiva-
mente mudas vezes.
Em urna aellas, rasgou-se o. balao, que, depois,
do permanecer alguns segundos a urna altura de
50 ps, cahio no chao completamente aberto era
dons.
Os dous aereonautas so. solTreram lotes contu-
soes.
A descida teve luga? as 10 horas e. meia, 6 mi-
lhas nordeste de Sleuford e a 80 milhas do ponto
de partida.

Mary conta o segttWni"Se*itJf/Jr Stele :
.^oclub da/Pa|raer, em Soctbampton, baria
um da reunlo magna di abolicionistas eram
da e^- um -, nao possuiodo uem um dalles,

v


Muri de Pernambuco Sexto tetra tO de TVoTembro de ISAS.

comodccrer.umapolegadade canna as colo-
nias* todos amig* jurados dos negros, e rosos ae
colera loco que lnes fallavam era brancos.
Discutia-se a queslao de saber se devia deixar-se
natureza o cuidado de culvar a canna e o ail,
ou se se devia obligar os brancos a se fazerem
negros, para trabalharem era suas propriedades.
Segundo o' costume pronunciarara-se de parte
a parte nimios discursos.
Quando os homens se reunem para faxer, con-
forme dizem, o bem de seo* semebantes, comecara
por fazer discursos : assim se chama a urna certa r^~ DreseDtes 44 ^nhores
piantidade de phrases altanadas a cordel, capazos ^S*J^^sT
de matar de enojo, e que todo o mundo tinge es-
ciliar e nao escuta. 1
O Sr. John Pertuws queria confiar o cultivo da
canna a natureza, porquanto, diiia elle, urna vez
a sen cuidado. Dese que os homens roteara a
trra, descanca a natureza, cruza os bracos, e ob-
serva como elles trabalham. De dia em da
TRIBU* AMj DO JIBV.
6* SESSAO.
DA 17 DE NOVKMBKO DE 1863.
Presidencia o Sr. Dr. Manoel Jos da Sil va Neiva,
jnis de dnrito da 2* vara criminal.
Promotor o Sr. Dr. Francisco Leopoldino de Gus-
mo Lobo.
Escrivao o Sr. J oaquim Francisco de Paula Esle-
ves Clemente.
Advogado o Sr. Dr. Americo Netto de Mendonca.
A's 10 horas da manlia feila a chamada dos ju-
sem duvida o rcspeitavel publico, (w, precessa- -Anentenos ttu a mente o delicioso perfume de
dos e condcmnados deviain seros Mitorcs e cu- aromticas flores anda frescas,
plict-s du tao iniquo e to monstruo artefacto uo- lilico ; porm, jamis o Rvd. vigato da villa de paiha ao derramar-seWgumas gotas no lenco,
Gabaceiras, que tranquillo pelo t'stemunho de deliciosamente maravilhoso. Como um meio para
sua conscicncia, e forte pela adheo e estima da aJliviar vertigens e dores de cabeca, para perfu-
quasi totalidade dos seus parochiams, dcvolve in- mar o hlito e a propna pessoa, e finalmente quan-
tactas aos seus justos inimigos t detractores a. do usada no banho, ou con um cosmetieo, nao
injuria e diflamacao que de semellanie processo! tem ella igual por entre todo esse sei numero de
podem resultar. aguas odorferas ou extractos superfinos que cons-
Entretanlo, sem desesperar amdadajustca de tantementese importom.
sua causa, mesrao peranteos seus aeversariosme-, Acha-se as boticas e lojas de perfumaras do
nos rancorosos e imprudentes, appelou o Sr. pa- Brasil,
dre Tejo da iniqua e estranha sentenea que o con- ^^^^^^^^^M^MMt
vai a
m, __----------------------------- cuna em juiKaucuio u iim
natureza desembaracando-se de um cuidado nao J crme d(J
foi entretanto com este lira que a natureza,*ma ^ Jos y^.Q dos &
ferimentos feitos na
le jos >s Santos, no dia 27 de
atureza. Vede as trras era qae nao ha penetrado ^nbro*>iita anno.
<, ferro do cullidor ; vede a, 2! me O Sr. juiz de dire.to nomeou o Dr. Americo -Net-
as plantas; e "^.^h"JSS to curador do reo, visto ser este menor.
as condicoes de sua existencia. A **""" i'rocedendo-se ao sorteio do jury de sentenea,
bellos fructo* encarie ejatot^^ maraco- ^ ,a defeza os Srs. .
as araras;-ocoqueiro plantase por a mesmo, e
deixa cahrem linha recta seus pesados cocos na "^*! g" aia
cabeca dos negros, adormecidos a sua sorabra pro- ^^^'SS da Valga Pessoa.
Foram dispe
Joao dos Santos Porto.
Antonio Machado Pereira Vianna.,
Foram multados em 20$ cada um dos Srs. mul-
tados nos das anteriores, que nao comparecern!
hoje, e os mais que faltaram.
O Sr. Dr. juiz de direito declarou aberta a
sessao. I demorado a decisao da appellacao (por mais de
Entra em julgamento o reo Manoel Ferreira dos seis mezes) at a presente data. Cono, porm, te-'
nha essa appellacao cffeito suspensivo, conforme a
demnou, para o juiz de direito da conarca, o qual
nao tendo infelizmente a coragem para desagradar
incontinente aos seus correligionarios polticos por
amor da justica, nem estando por tutro lado dis-
posto (segundo nos consta) a sanccioiar com a sua
autoridade injusticias c torpezas de i.l quilate, tem
COMMERCIO.
tectora; a palmeira compite com teda arte seus
bellos cancos de assucar candi, e generosamente
os offereee aos ursos indefluxados. Os macacos, as
araras, os ursos, os negros nada cullivam, nao
este seuuever. A natureza poe a mesa, e os con-
vivas sentam-se ao banquete. Quizemos usurpar
as prerogrativas da natureza ; pretendemos corri-
gi-la. que aconteceu 1 A natureza disse: Ah I vo-
Antonio Francisco Paes de Mello Barrete.
Jos de Barros Correia Sette.
Dr. Joao Capistrano Handeira de Mello Filho.
Pela promotoria os Srs :
Dr. Manoel de Figueiroa Fana.
'. Francisco Lucio de Castro.
O jury do sentenea ficou composto dos Srs. se-
I mes lo importa ; nois 11?- enatia dos Res
bem, trabalhem, nao quero saber mais disso. Di-, J^arS Alves^da Fonseca.
gara'o que ^^M* razao ; n.n-> SS^^iSS^tiMn^
guem gostaqne mettam a ao em "; ABtonio Perrein dAnnunciaCao.
quem poe a mao entre a benia e OBWMj Pedr0 dos ^^ ^^
ferreiro, tica sem dedos, rwtanto, sanis o que
compre fazer para tornar as colisas a seu estado
natural ? -Nada : muite simples. Teremos assu-
car, porque o assucar existe na natureza ; a prova
que bebo esteeopo d'apua com assucar. (Applau-
msl. Tambem teremos rom ; o rom existe na na-
tureza. e a prova que todos vos o bebis. Vote,
portante, que se ordene a natureza que produza
06 gneros coloniaes se soccorro do homem ne-
gro ou branco, como ne paraizo terrestre ou nos
matos virgens do Brasil.
Causaram too viva sensacao estas palavras fue
geralmente pediram votacao.
O presidente propaz a questao pela forma se-
guate :
Aquelles que sao de parecer que a natureza en-
tre em seus direitos primitivas de producoio es-
pontanea, levantera-se ; e os que sao de Trecer
que a natureza collabore com o homem na explo-
rado das colonias, deixem-se ficar sentados.
TrinU merakros se levantram contra a nature-
za e trinta ikaran mentados,
O numero 61, fne podia fazer pender a talanca,
nao quiz pronunciarse, apezar de Ihe haverem pe-
dido muilo, preteadeudo que nao eslava suficien-
temente esclarecida sua conscicncia.
Affirmaram que elle era assallariado dos colo-
nos ou da natureza, e alguns mesmo diziam. que
tanto os colonos como a natureza o haviam pago
para que nio dsse o seu voto.
Ora vejara do que dependem as vezes os des-
tinos t
Um voto de mais e ahi eslava a natureza con-
demnada a trabalhar como urna negra, por deciso
do club de Southampton.
. CffliOMCA JtDICUR
TitiHiAti. imi rontiEiino.
SESSAO ADMINISTRATIVA EM I9DEN0VEM-
BRO DE IH6II.
1'RESIOKNClA DO EXM. SR. Ci i.NSK.I.HHlllii F. A.
DR SUIZA.
As 10 hora* da manhaa, reunidos os Srs. deputa-
dos Reg, Lemos, Malveira, e Rosa, senhor pre-
sidente declarou aberta a sessao, sendo lida e ap-
provada a acta da ultima.
EXPEDIENTE.
Um officio do administrador da mesa do consu-
lado provincial, datado de hoje, pedindo informa-
coes sobre a poca em que Antonio tes de Castro
principiou e acabou com a casa de descont.Que
se satisfar coaa o que constar.
Foram "presentes as cotacoes otficiaes dos preeos
correntes -s. nraca das 2 semanas findas.Archi-
vera-se.
DESPACHOS.
Um requerrniento de Antonio Muniz Machado,
pedindo que se Ihe consinta assignar termo de lie!
depositario dos gneros que recebar no trapiche
alfandegado do caes de Apollo n. 42, mkta ter sido
registrada a carta imperial de altandegamento
apresentada a este tribunal.Vista ao, Sr. desem-
barsador fiscal.
Outro de Joao Bernardino Botelho. pedindo cer-
tidao da data de sua nomeacao ds catxeiro de C.
J. Astley & C. e do banco Mglez nesta cidade.
Come requer.
Outro de Shinglehurst, Abren & C, pedindo o
registro da nomeacao de seu caixeiro Joao M. Kee.
Como requerem.
Nada mais houve.
Joaqu
Claudino do Reg Lima.
Manoel Antonio Simoes do Amara!.
Luiz de Franca Souto.
Balduino Jos Tavares da Silva.
Dr. Joao Honorio Beaerra de Menezes.
Thomaz Carneiro da Cunha.
Francelino Augusto de Hollanda Chacn.
E prestaram o juramento dos Santos Evange-
lios.
Foi interrogado o reo procedeu-se a
processo.
O Sr. promotor pedio a condemnacao no grao
NOVO BANCO
DE
IKIV\AUHl<0
O novo banco de Pernambuco convida
os
Aggraoo do Aggravante, Eduardo Mohayrt aggravado, Jos
Jacorae Tasso.
Aggraco do jdso municipal de Igmxrass.
Aggravantes, Manoel Jeronymo Barreiros Ran-
gel e outros; aggravado, Dr. Jos Leandro de Go-
doy e Vasconcellos.
Aggraco do juizo de orpltaos desta cidade.
Aggravantes, o desembargador Jeronymo Marti-
niano Figueira de Mello e outros aggravado, o
juizo.
A08BAV0S E 1NSTBCMENT0.
Arrapo de instrumento do juizo municipal de
Serinkaem.
ggravante, Francisco de Barros Wanderley
Correio.
Pela administracao do correio desta cidade se
faz publico que as malas que deve condnzir o va-
por costeiro Jaguaribe com destino as proviieias
da Parahiba, Rio Grande do Norte, Cear e portos
intermedios, sexao fechadas hoje (20) as 3 hora
da tarde. As cartas admettidas a seguro serao re-
cebidas at 1 hora da tarde, e os jornaes at t
horas.
Estar em praca, peralte a cmara munici-
pal desta cidade, nos das 21, 23 e 25 do corrtntc.
a obra dos concertos de que precisa apontezinha
denominada do Luca, oreada em 220: os que
pretenderem arrematar, comparecam nos mencio-
nados dias, munidos de fiador Moneo qne se res-
aggravado, o tenente-coroncl Jos Luiz de Caldas ponsabilise pelo cumprimente da arrematacao. O
L'ns- ... *".'.,, orcamento da obra se acha na secretaria da mesma
lei, seguc-se d'abi, felizmente que t nasso amigo i
aclia-se no gozo de todos os seus dinitos, e hahili- credores das massas fallidas de Mesquita & Dutra,
tado para fazer o seu concurso coma folha limpa c Francisco Antonio Correia Cardoso a apresenta-
quetrouxedo lugar do seu demicilo sendo que rem seus ttulos no banco para se proceder a res- Silva e sua mulher; appellados, Man
por isso nao lograro de certo os seas rancorosos pectiva verificaao. quina Accioh Wanderley, seus filhos e ou
adversarios inutilisa-lo por esse actj, cerno tam-1 -----
bem pretenderam faze-lo, ainda que te balde, para Convoco os Srs. accionistas do novo banco de
o acto da eleicao passada. Justitia tncit. Pernambuco para urna sessao extraordinaria no
Conhecido assim o facto d'onde tiiaram os des-, dia 20 do corrente ao meio dia, as casas do bao- Silva e sua mnlher; appellados, Antonio da Rocha |
affeetos do nosso amigo materia para o seu proces-, co, afim de se tratar de objecto que muito inters- Accioli \Vanderloy e outro.
so c condemnacao, confiamos que o piblico impar- sa aos mesmos Srs. accionistos. Recfe, 9 de no-
rial e sensato, reprovando os motives de seme- vembro de 1863. Visconde de Camaragibe.
lhante artefacto j em si condemnavel, far dopa- -----
Alfaadega
Aggraco de instrumento do juizo municipal de
Serinhem.
Aggravante, Francisco de Barros Wanderley ;
aggravado, o tenente-coroncl Jos Luiz de Caldas
Lins.
APPELLACOES C1VKIS.
Afpeaco ciiel do juizo municipal de Porto
Calve.
Appellantes, Ernesto Augusto de Manguaba e
rianna Joa-
outro.
Appellacao ciiel do juizo municipal de Porto
Calco.
Appellantes, Ernesto Augusto de Manguaba e
orcamento i
cmara, onde pede ser consultado por aquelles quf
o quizercra.
Paco da cariara municipal do Recife em esse
de 18 de novembro de 1863. Luiz Francisco de
Barros Reg, presidente. Francisco Canuto da
Roaviagem, secretario.
THEATRO
DE
dre Renovato Pereira Tejo um juizo muito dille-
rente do que Ihe quizeram suggerr con a cerdo Rendimenlo do dia 1 a 18........ 230:974J007
que se tem visto neste Diario, e que i injuria que j dem do dia 19................. 12:4165523
com tal pulilicaeao Ihe pretenderam irrogar, re-
verter mteiramente fonte impura donde sahio.
Recife, 17 de novembro de 1863.
JCSTUS.
CORRESPONDENCIAS.
243:3905530
iioviuienio da alfandega
208
1K6
Volumes entrados eom fazendas.
com gneros.
Volumes sahidos
com
com
fazendas.
gneros..
------ 404
74
238
Srs. Redactores () O seu correspondente do ----- 312
Rio-Grande do Norte faltou verdade, quando em Descarrcgam no dia 20 de novembro.
sua mssiva publicada no Diario de hoje asseve- Barca francezaSpAcrc-mercadorias.
rou, que eu havia declarado no Correio Natalense, Barca portuguezaConfianza diversas gneros
em um communicado sob minha firma, que entre ijUgre inglezZ*i -ferro.
wunra n I Partido conservador, a que pertenco, e o actua||patacnoing|el_/japtt)l^_[ariBna e bolachinha.
leiiura uo do progress0; exisle um abySmo ; apenas escrevi, BarCa inglezaRecifesal.
n'aquelle jornal, que nao poda por forma alguma
! unir-me com os solistas do Rio-Grande do Norte,
a
mximo do art. 202 do cod. crim. ^t ser um partido de chronica escandalosa, mas
O Sr. advogado deduzmdo a defeza pedio a ao- quCj n5o devendo acompanhar o Correm na lnta,
solvicao do reo.
Fidos os debales e preenchidas as solemnidades
da lei, o Sr. juiz de direito propoz ao jury de sea-
tenca os quesitos respectivos.
Recolhido o jury de sentenea sala secreta das
conferencias 1 1/2 hora da tarde, voUou s 2 ho-
ras com suas resposlas que foram lidas pelo Sr.
Dr. Joao Honorio Bezerra de Menezes, presidente
do conselho, o Sr. juiz de direito publicou sua sen-
tenca ab6olvendo o reo e condemnando a munici-
palidade as cusas.
Levantou a sessao adiando-a para o dia seguinte
s 10 horas da manhaa.
que a abrir com o Exm. presidente Dr. Olyntbo
Jos Meira de quem sou amigo, me se?arava de
sua redaeco. Isto muito diverso do qu* noticiou
o seu correspondente, que nao perde oecasio de
molcstar-me com insinuacoes malignas, que des-
prezo tanto, como a elle proprio.
Recife, 19 de novembro de 1863.
Adelina A. de Luna Fnire.
Appellacao ctvel (lo juizo da fazenda de Macelo.
Appcilante, o Dr. Jos Angelo Mamo da Silva :
appellada, a fazenda.
Appearo ciiel do juizo da fazenda desta
clade.
Appellante, Jos Velloso Soares ; appellada, a
fazenda.
Appellar.ao cicel do juizo da fazenda desta
cidade.
Appellante, Jos Velloso Soares ; appellada, a
fazenda.
Appellarao civcl do juizo da fazenda desta
cidade.
Appellantes e embargantes. Manoel Goncalvcs
Agr e seus fiadores : appellada e embargada, a
fazenda.
Appellacao civel do juizo municipal do Cabo.
AppeMante, Manoel Ignacio de Jess ; appella-
dos, Antero Visita da Cunha, sua mulher e ou-
lros-
Appellacao civel do juizo municipal do Cabo.
Appellante, Jos Victorino de Paiva ; appellados,
Joaquim Manoel do Reg Barrete e outros.
' Appellacao cicel do juizo municipal de Bananeiras.
Appellantes, Jos Barroso do Carvaluo e outros
Ea SSJkS
ESIPREZA
DE
A. J. MARTE MIMBRA
Sahbado, 21 de novembro de 1$?.
/
V
/
Reelta extraordinaria
KM /
BENEFICIO DO ACTOR
iAITA-RO^A.
Barca inglezaStella- bacalho.
ImpmrtaeSo
Escuna ingleza E'aine, entrada de Liverpool, appellado, Manoel Januario Bezerra Cavalcanti.
consignada a Saunders Brothers & C, manifestou AppelUufw cicel do juize municipal da cidade
o seguinte : da Parallia.
100 caixasfolhas de (landres, 20 barricas encha- Appellante, D.Florencia Maria daCoaceicao;
das, 1 dita pregos, 2 ditas e 1 caixa ferragens, 50 appellado, Joao Francisco de Mello Barrete,
toneladas de pedra de lastro; a Saundders Brothers ApptltaeSo cicel do juizo municipal ile Umoeiro.
& C Appellante, o curador dos orphaos lilhos de An-
ftO barricas cerveja, 1 caixa agulhas, 35 ditas e tonio Barbosa de Souza ; appellado, o conego Joao
22 fardos fazendas de algodlo, 1 caixa dita de dito Bernenuvem Maciel.
PBLICACOES i PEDIDO.
5 AO
COMMNICADOS.
SESSAO JUDICIARIA EM 19 DE NOVEMBRO DE
1863.
PKEtlDESCIA DC EXM. SR. CuNSELHEIKO F. A.
DE SOl'ZA.
Secretario, Julio Guimaraes.
A meia hora da tarde, o Sr. presidente abri a
sessao, estando reunidos os Srs. desemhargadores
Villares, Caetano Santiago, e Silva Guimaraes, e
08 -i-nhores deputados Reg, Lemos, e Malveira.
Lida, foi appruvada a acta da sessao antece-
dente.
Foi assignado o accordao proferido na esso de
16 do corrente. entre partes :
Appellante, Vicente Al ves Machado ; appellados,
Barroca & Medeiros.
JULGAMENTOS.
Appellante. Lourenco Puggi ; appellades, Scha-
fbeiilin & C.
Adiado na sessao de 12 do corrente.
Foi confirmada a sentenea appellada.
Appellante, Jos Baptisia da Fonseca Jnior ;
appellado, Jas Duarte das Neves.
O Sr. C. .k*oforado era juiz certo : e, nao po-
dendo servir neste julgamento por se adiar o tri-
bunal completo com o coraparccimento do Sr. Be-
go, o Sr. presidente procedeu a novo sorteio, e foi
sorteado o Sr. Kego.
Foi adiado pedido do Sr. Reg.
Appellante, Antonio Jos; dos, os administradores da massa fallida de Joao
Jos de Fijueiredo.
Sorteados osSrs. deputados Lemos e Reg, por
nao poder ser juiz o Sr. C. Akoforado, juraram os
mesmos senhres suspeicao, e adiou-se o julga-
mento por nao se.achar preseBtdaj Sr. Rosa.
Appellante, Jos Moreira da Silva ; appellados,
os herdeiros de Jos Antonio Lourenco.
Sorteados os Srs. deputados Reg e Malveira.
Foi reformada a Appellante, HenrHjue Eirick : ajipellados. os ca-
radores da fallencia do mesmo.
Sorteados os Srs. .deputados Reg e Lemos.
Foi adiado o julgamento pedido do Sr. Reg.
PASSAOENS.
Appellante, Antonio Pereira de Carvalho Guima-
raes : appellados, os curadores da faBencia de Joao
Jos de Couva.
Do Sr. desembargador Villares ao fir, desembar-
gado!'Caetano Santiago.
Appellantes, os curadores fiscaes de Rostron
Jtooker d-C.: appellado, R. M. Hashtu de Boston
Appellante. Francisco Pedro da Cruz Neves ;
appellado, Antonio Jos Omrado.
Do Sr. desembargador Villares ao Sr. desenibar-
gador Silva Guimaraes.
Appellante, o embargante terceiro Manoel Aato-
nio da Silva Moreira; appeliados, Ferreira &
Araajo.
Do Sr. desembargador Silva Guimaraes ao Sr.
desembargador Villares.
D1STRIBUICES.
AppeHantes, os administradores da fallencia de
Faria & C.; appellado, o Dr. Fraaeisco de Paula
dos Santo* Alleluia.
Ao Sr. desembargador Villares.
AGORAVOS.
Aggravante, o Dr. Antonio Jos da Costa Ribei-
ro ; aggravados, os administradores da fallencia
de Bastes & Lemos.
Aggravantes, Guimaraes & Oliveira ; aggrava-
do, o Eim. Sr. visconde de Suassuna.
P Exm. Sr. conselheiro presidente negou prov-
mento.
Nada mais se pod a-ata"* flceiTOO-se a seasio
3 horas da tarde. \.
t K.c\fcuctibus eorum cognocetis eos.
Por duas ou tres vezes temos lido neste Diario
urna certidao requerida por Pacifico Ferreira Gui-
maraes, e passada pelo escrivao Rufino Pereira de
Araujo Lima, por onde se v qne o Sr. padre Re-
novato Pereira Tejo, vigario encommendado da
villa de Cabaeeiras, na provincia da Parahiba do
Norte, foi all processado por crtme de calumnia, e
rondemnado a quatro mezes de prisao pelo respec-
tivo uiz municipal.
Quem souber que o Sr. padre Tejo se acha ac-
tualmente nesta cidade com o intuito de entrar no
prximo concurso para provimento das freguezias
vagas deste bispado, conliccer so por esse facto e
sem mais algum auna, que o appareci ment de
semelhante certidao no Diario de Pernambuco nao
passa de urna miseravel intriga, manejada por
inimigos desleaes e pequeninos, que nao podendo
guerrea-lo abertamente e pelos tramites legaes,
procuram todava a surdina e sob a capa de pu-
blicaeoes anonymas crear embarazos sua justa
pretencao, ou pelo menos diffaroa-lo e desconcei-
tua-lo aos olhos do publico desprevenido.
Poderiamos mu bem deixar passar desaperce-
bida e entregue ao merecido despreso esta prfida
machinaco de almas traicoeiras e vingativas ; nao
s porque nem sempre prudente procurar esma-
gar a serpente que nos atira o lite as trovas, se-
nao tambem porque estamos certos de que os au-
tores de semelhante trama nao conseguiro feliz-
mente colher o fructe que del la esperara, embar-
gando ao Sr. padre Tejo a entrada no presente con-
curso, visto como a Justina que Ihe assiste ha de
naturalmente triumphar da iniquidade que o per-
segue.
Mas mister convencer ao respeitavel publico
que o vigario interino de Cabaeeiras nao teme que
se conheca e se discuta o cerebrino processo em
que all o nvolveram, e mostrar ao mesmo tempo
aos desafectos e detractores do digno ministro da
religio, que mesmo nesta cidade nao Ihe faltan)
amigos que toraem a peito a defeza de sua inno-
cencia, e estejam dispostos a mostrar como d'esse
monslruoso processo, parto da mais requintada
maldade, s pode resultar desar e verdadeira in-
juria aos niquos agentes que o lorgicaram. E para
isso bastar-nos-ha a simples exposicao do facto, que
den causa ou antes pretexto a por-se em movi-
mento contra o padre Tejo a aaafw proccssanle
de sua fregueza.
Corra o nosso amigo os banhos de certo indivi-
duo que se dizia liberto, quando foi procurado por
nina senhora, a qual, allegando o seu direito de
propriedade sobre o mesmo individuo, instante-
mente Ihe supplicou que houvesse de fazer era
lempo urna rectificaco a tal respeito, pota que o
contrllente era na reahdade seu escravo, e nao
passa va de urna falsidade a carta de alforria, de
que Ihe constava achar-se elle arvorado. Em face
de urna declarado tao terminante, e altendendo
bera a que o erro de condicao anulla, como impe-
dimento dirmente, o casamento daquelle que to-
ma |K>r conjuge o escravo que reputava livre, nao
teve, nem devia ter o padre Tejo a menor duvida
em acceder rogativa que Ihe lora feita por aquel-
la senhora ; e era seguida fez na estacao da missa
a rectificaco desejada, mas em termos convenien-
tes, sem declinar o nome de pessoa alguma, e s
tendo era vistas quanto fosse bastante para obviar
ao gravissrao inconveniente deum casamento nul
filustre corpo eleltoraJ k
priuaek o dlstrlcto.
O abaixo assignado agradece com toda a effica*
cia do seu coraran os conscienciosos votos, com
que o Ilustre e generoso corpo eleitoral do pri-
meiro districlo se dignou de honra-lo, nc obstan-
te nao ha ve-Ios* solicitado por modo algum directo,
nem indirecto; nao por causa alguma reprovavel,
ou digna de censura, mas tao smente por enten-
der que em tamanho numero de distinctas Per-
narabucanos mais habilitados, mais talentosos e
superiores em todo o genero de mereciracntos, nao
Ihe era decente apresentar-se por candidatc a urna
das cadeiras da assembla legislativa desta heroica
provincia. Como porm tamanha honra, devida
smente espontanea generosidade dos seus no-
bres amigos, Ihe impoe o rigoroso dever de se es-
forzar quanto em si couber pelo bom desempeuho
do honroso mandato, que tao generosameite Ihe
foi coramettido, pede instantemente aos illustrissi-
mos senhres eleitores e demais habitantes das va-
rias localidades da provincia, que se dignem de
Ihe ministrar as necessarias informacCes acerca
das necessidades publicas de cada urna das mes-
mas localidades, para que, conhecende-as, posea
concorrer para a satisfazlo deltas quano Ihe for
possivel. <
Recife, 18 de novembro de 1863.
Dr. Mureniv Trigo de Inureiro.
Aos senhres eleitores do prl-
melro distrlcto.
Acabo de receber a honra de ser eleito deputa-
do provincial.
Sem proteecao do partido, e sem habihtacoes
que me tornassem recomineudavel ao corpo elei-
toral do primeiro districto, invoquei sua generosi-
dade, e nella encontrei a forca necessaria para
vencer os grandes embaracos que se oppunhara a
minha eleicao.
Glorio-me do triumpho que obtive, nao pelas cir-
cuinslancias que o acompanhavam em relacao a
minha pessoa, como porque esse triumpho a pro-
va mais evidente da independencia do Ilustrado e
benemrito corpo eleitoral do primeiro districto.
Sinto-me tao profundamente agradecido a cada
um dos senhres eleitores dos collegios do Recife
e de Pao d'Alho, quanto elevada foi a honra que
me lizeram collocando-me contra a expectativa dos
polticos entre os representantes da provincia.
A todos em geral e em particular aquelles,
que se dignaram de prestar-me sua conllanca, di-
rijo um voto de sincero agradcciinento.
Recife, 18 de novembro de 1863.
Dr. Sabino Olegario Ludgero Pinho.
e 13a, 3 ditas e II fardos dita de linho, 1 caixa
linha de algodo, 1 dita chales de dito, 1 dita da-
masco de algodo, dito de linho e tecido de Ia e
seda, 1 fardo cobertores de 15a e algodo; a Ferrei-
ra 4 Araujo.
30 caisas e 36 fardos tecido de-algodSo, 1 em-
brulho papel; a Braga Son & C
1 caixa magnesia, 2 ditas accido muriatico, 2
ditas oleo de vitriolo, 2 ditas dito de amendoa,
1 dita spermacete, 4 ditas. 3 barricas e 1 sacco
drogas medicinaes; a Joo da Conceigao Bravo.
2 barris vinho xerez; a Manoel Jos G. da
Fonte.
100 barris manteiga; a C Staw & C.
60 ditos dita; a T. A Fonseca.
8 caixas sal-amargo; B. Francisco de Souza.
922 barricas de ferro, 170 feixes dito em folha,
2 barris ranos de chumbo, H feixes ditos de fer-
ro, 10 bigornas, 1 feixe arco, 1 barrica c 1 caixa
cuteleria, 7 ditas e 68 barricas ferragens, 1 caixa
folhas de cobre, 4 barricas estanho em barra, 5
ditas folhas galvanisadas e pregos, 10 caixas en-
xofre, 10 barris breu, 2 fardos lona, 8 cascos i
ignora-se; S. P. Johonston & C.
50 barris manteiga, 85 caixas e 30 fardos tecido
de algodo, 2 caixas dito mixto; a J. Ryder & C.
1 caixa objectos de linho, 10 ditos e 38 fardos
tecido de algodo, 4 ditos dito de Ia; Southall
Mellors & C.
5 caixas tecido de algodo; a E. A. Borle & C.
4 caixas bolachinha; J. F. Lima.
10 caixas e 9 fardos tecido de linho; a Mills
Latham e C.
18 caixas c 20 fardos tecido de algodo, 100
barrilinhos banha; a Adamsou Howie & C.
9 fardos tecido de linho, 41 ditos e 30 caixas dito
de algodo, 300 fogareiros, 100 barrilinhos chum-
bo de munico, 3 rollos chumbo em folhas, 60 cai-
xas folhas de fiandres, 4 ditas"cstanho em barra,
20 barricas enxadas, 1 dito grades, 30 ditas sali-
tre, 139 ditos cerveja, 7 caixas biscoutos; a
ordem.
1 caixa tecido de Ia; a Carvalho & Nogoeira.
1 caixa chapos de sol de seda, 1 ditaobjectos
para seleiro, 5 caixas fazendas de algodo; a A.;
C. de A breu.
5 barris presuntos, 2 ditos mostarda; a Duarte,
&C.
AppeUaco cicel do juizo munici>al da viUa da
Barbulla
Appellantes, Jos Nogueira de Barros e sua mu-
lher ; appellados, Joaquiai da Costo Araujo e ou-
i tros.
Appellacao cicel do juizo municipal do Crato.
Appellante, Barbara Francisca de Jesos ; appel-
lado, Manoel Francisco da Cruz.
Appellacao cicel do juizo municipal do Crato.
Appellantes, Joo da Cruz de Jess e sua mu-
'lher ; appellados, Francisco Cabral de Vasconcel-
los e sua mulher.
Appellai-ao civel do juizo municipal de Fortaleza.
Appellante, a cmara municipal ; appellada, D.
Francisca Maria da Justa.
Appellacao civel do juizo municipal de Maman-
guape.
Appellantes, Faustina Thereza de Jess e sua
fiiha Severina ; appellada, D. Almira Freir Leal.
Revista civel.
Recorrente, Rosalina Fernandes de Almeida e
seus filhos menores por seus curadores ; recorrido,
Pedro Jos de Almeida e outros.
Recife, 18 de novembro de 1863.
O secretario da relacao,
Domingos Alfonso Ferreira.
Com o bem aceito e applaudido drama de apparato, em cinco actos,
A JUSTICA DUM RE
OU A
0IJD\ DW MIMSTRO.
Em seguida represenlar-se-ha a nova e muito
linda comedia em um acto, do Sr. Alfredo Bogan,
intitulada.
PILATOS M CREDO.
O beneficiado convida aos seus amigos e mais
pessoas prestimosas, com quem conta todos os an-
nos urna vez, a dignarem-se honra-lo com suas
presencas, prometlendo-lhes o seu agradecimento,
nica offerta que pode fazer o seu corarlo sempre
reconhecdo.
Os bilhetes estao desde j disposiclo do pu-
blico em casa do beneficiado, na ra de Santa Isa-
bel n. 13, e no dia do espectculo no escriptork do
theatro.
Comecara s 8 horas
DECLABACOES.
BEBER1BE
Na se tendo reunido numero legal
dos Srs. accionistas para ter logar a
assembla geral annunciada para o
dia i(>, sao novamentc convidados os
mesmos senliorcs a se reunirein no lia
23 do frrente ao* meio dia no escrip-
ATISQS MARTIMOS.
COMPANHIA BRASLLEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado dos partos do M
o vapor Apa, eommandante *>
primeiro tenente Alcanforado, o
qual depois da demora do costu-
me seguir para os portos do
norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzr, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sahida as 2 ho-
ras, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
de" v
^avega^o eosteira a vapor.
Magnas e Sergipe.
O vapor Mamanguape, eom-
mandante Moura, segu no dia
23 do corrente as 10 horas da
noite para as provincias supra.
tocando em Macei e escalas, Pe-
nedo e Aracajd. Recebe carga at o dia 21, en-
commendas, passageiros e dinheiro a tretc at o
diada sahida s 3 horas da tarde : escriptorio no
Forte do Mattos n. I.
Aos senhres eleitores do pri-
meiro cirento desta provin-
cia.
O abaixo assignado agradece a todos aquelles
eleitores do primeiro circulo desta provincia, que
se dignaram de dar-lhe seus votos para deputado
provincial, e se esforcar por corresponder a hon-
rosa prova de couliane que acaba de receber.
18 do novembro de 1863.
Dr. Joaquim d'Aquino Fonceca.
Comarca do Pao d'Alho.
Illm. e Exm. Sr. Li no expediente publicado
, no Diario tle Pernambuco de 29 deste mez a solu-
to. Curaorio o seu dever, c nada ha por certo que' cao que V. Exc. se dgnoudu dar ao mc'0> C(!m
censurar neste seu procediniento. que respond s duas circulares de 9e30deju-
Aprximava-se. porm, a poca climatrica das nho, no qual ofilco, fazendo ver V. Exc. a insul-
elcicoes, sempre frtil em attenladose torpezas de (ciencia de minha autoridade para conseguir tudo
toda'a casta, e torniva-se necessario pandilha quanto naquellas circulares me recommendava,
dominante remover o obstculo que offereca o Sr. lembrei algumas medidas no sentido de poder
padre Tejo aos seus clculos de victoria, vstocomo corresponder melhor as vistas de V. Exc. ; ecomo
a estima, consideraco e grande popularidade de v. Exc. naquella correspondencia diga ter cu pe-
que goza entre os seus parochianos, faziam delle um respeitavel e qua9i invencivel adversario po- nica e exclusivamente posta minha dsposicao,
litica e supponho haver engao de V. Exc. nessa parte,
Com o intuito, pois de inutilsa-lo para o pleito porque de minhas expressdes me parece que nao
eleitoral, lembrou-se Pacifico Ferreira Guimaraes se pode concluir tao positivamente isto, pecomui
(o requerente da certidao a que. respondemos) de respetosamente V. Exc liecnca para a publica-
dar contra o seu vigario urna queixa por crime de cao dessa minha resposta, e do presente officio,
calumnia, baseando-se para isso no facto Ida rectifi- porque em todas as occasioes desejo que meus ac-
faeo que acabamos de referir, assim como na cir- tos sejam devidamente apreciados, e ainda mais
cumstancia de ter sido elle queixoso urna das tes- hoje, quando nos acharaos inelizmeuten'umaqua-
temunlias que assignaram a falsa caito de alforria dra em que os interesses eleitoraes, que estao em
do nubente, cujos banhos se correram I E o juiz 0go, nao deixam em socego as mteocoes mais pu-
municipal do termo, prestando-se como dcil ins- ras s faco votos para que algum da, se viver
truniento a este reprovado manejo, aceiteu de boa majs temp, me veja, como magistrado, longe des-
vonlade, porm, com a maior inconsideracio pos- Ses interesses
2 caixas objectos para seleiro, 4 ditas e 4 barr- jono ,|a mesma Campanilla ailin de
is ferragens, 2 fardos tecido de linho, 1 caixa .<, A* .,, i..,, la
ito de ia, lembruiho ivros; a Patn Nash cxamunrcm as contas do semestre lin-
do e o que convem per em ewuco rp
htivamentean fundo de reserva,preve-
cas
dito
&C.
200 caixas sabo, 10 ditos phosphoros;
Irmos.
0 caixas lencos do algodo, 1 dita tecido de aa, niu(J0.se desde j que lia COlllormidade
1 dita dito mixto, 3 ditas e 2 fardos dito de algo- V.V. .,.,, ., onn.i
do, a Joo Keiier c. do artigo i 6 dos estatutos a reunida
1 caixa saceos de tapete; a Henrique & Aze_ ter lugar COItt 0 numen de aCCOnis-
vedo.
3 fardos tecido
H. Gibson.
100 barris manteiga, J fardos e 13 caixas tecido
de algodo; a J. Paster & C.
6 caixas e 10 fardos tecido de algodo; R.
Lightbown & C.
1 caixa saceos de topete; a Th: Chnstiansen.
4 caixas tecido de algodo, 1 dita pertencentes
de escriptorio, 1 dito tinta de escrever; a Phipps
Brothers & C
Reeebedoria de rendas Internas
geraes de Pernambuco.
Rendimento do dia 1 a 18........ 15:935,5297
dem do dia 19................. o7'*&tth
sivel, a extravagante qneixa de Pacifico,'e sobre
ella forgicou o cerebrino processo em que convi-
nlia arredar o nosso amigo.
De balde tedas as testemunhas da aecusaco e
da defeza depuzeram contestes do modo o mais
favoravel ao reo, fazendo ver por seus depoimen-
tos <|ue nem sobra de delicto se podia dcscobrir-
no procedimenlo do vigario; de balde a senhora
do escravo nubente de novo reproduzio e conlir-!
nioii em um termo por ella assignado tudo quanto
havia dito sobre a falsidade da carta de alforria do
pretendido liberte termo esseque sejuntouaos
autos ; de balde ainda se observen ao juiz proces-
santo quanto havia de grave o melindroso em in-
trometter-se elle por semelhante modo na aprecia- j
(o do um facto licito praticado pelo ministro do
altar no exercicio de seu sagrado ministerio, sen-
do que nao podia ser mais manifesta a sua incom-
petencia no caso occorrente. Por cima de tudo sal-
tou o intrpido juiz, e quatro mezes de prisao fo-
ram a penalidad? infligida ao nosso amigo, como
recompensa ao cumpri ment de seu dever, e satis-
facoaos polticos do progresso, que assim oexi-
giam para o triumpho de sua causa na eleicao de
Cabaeeiras !
Eis ahi a historia suecinta e fiel do processo e
condenianacao do padre Tejo. Por ella conheeer
Deus guarde V. Exc. Pao d'Alho 31 de julho de
1863.Illm. e Exm. Sr. Dr. Joo Silvelra de Sou-
za, presidente da provincia.O juiz de direito Del-
fino Augusto Cavalcanti de Albuquerque.
Agua
florida de Murray A
I..inman.
Pde-se quasi por em duvida se as mil e urna fio
res com seus multiferos malizes, que derramara
sobre o leito do Edn, a sua perfumada folhagem
dTundiro pela athmosphera urna fragancia mais
delicada e pura do que aquella que sa derrama*
enclie o gabinete de vistir oa o boudoir aonde una
garrafinha desta mimosa e odorfera agua foi aber-
ta Se a comparannos com esse transiente e voltil
cheiro de essencias ordinarias, o seu aroma pde-
se chamar indeslructivel, emqaanto que por outro
lado o nico artigo em seu genero, o qual vivi-
() ccedeado presente publicacao, anatas di.
remos que o nosso correspondente se adiarme
das intrigas mesquinhas, que all se dehatem ; e
que se se expressou assim, foi tal vez devido eau^outros; aggravado, o juizo.
sa que elle melhor expor, quando 1er a preseite
correspondencia.
.4 ReiaccSo.
16:509*901
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 18......... 26:924*953
dem do da 19................. 1:444*->14
28:369*467
devero
hora indi-
de laa; aos testamenteiros de tas que MBfMMCNB neste da. Fs-
cripiorio da companhia do Beberibc
16 de novembro de I8G3.
0 escriplorario,
Nircolino Jos Pope.
Fnda a audiencia do Illm. Sr. Dr. juiz muni-
cipal da 1" vara, no dia 20 do corrente, tem de se
arrematar as casas n. 66 na ra de Joo Fernandes
Vieira (na Soledade) cora porta e 2 janellas de
frente, 2 salas, 3 quartos, quintal grande e murado,
avahada em 2:000*, e a de n. 7 na ra de Aguas
Verdes, com 15 palmos de largura, avahada em
900*, por execuso de Jos Baplisla Ribeiro de Pa-
ria contra Rento Jos da Costa.
Companhia de cavallaria de Per-
nambuco.
Por autorisago da presidencia communicada
pelo quartel general do commando das armas, om
officio de hoje, tem a companhia de cavallaria de
vender era hasta publica 14 cavallos no dia 21 do
corrente ao meio da.
Quartel no Campo das Princezas 17 de novem-
bro de 1863.-Manoel Porfirio de Castro Araujo,
capito eommandante.
- De ordem do Illm. Sr. inspector da thesou-
rara de faecnda se faz piblco que no dia 25 do
corrente, 1 hora da tarde, estar em hasta pu-
blica, perantc a mesma thesouraria, para ser arre-
matado, a quera por menos fizer, o fornecimento
d'agua potavel fortaleza do Buraco ; as pessoas
a quem conver o sobredito fornecimento
comparecer na sobredita thesouraria '
Secretaria da thesouraria de fazenda de 1
nambuco, 17 de novembro de 1863.
Servindo de official-maior,
Manoel Jos Piulo.
Correio feral.
Pela administrarlo do correio desla cidade se
faz publico para fifis convenientes, que em virtude
do disposto no art. 138 do regulamento geral dos
correios de 21 de dezembro de 1844, e art. 9 do
decreto n. 785 de 15 de mao de 1851, se procede-
r o consumo das cartas existentes nesta adminis-'
traco pertencentes ao mez de novembro de 1862
no dia 3 de dezembro prximo, as 11 horas do dia,
na porta do mesmo correio, e a respectiva lista se
acha desde j exposta aos interessados.
Admitstracao do correio de Pernambuco 20 de
novembro de 1863.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Crrelo geral.
Pela adroinistracao do correio desta cidade se
faz publico que em virtude daconvenco posto! ce-
lebrada pelos governos brasileiroe frajpez, "
expedidas malas para a Europa no
vembro corrente. As cartas ser3o i
:*> duas najas antes da que for marcada para a
^'' da do vapor, e os teriaos at 4 horas antes.
* Administraeao do correio de Pernambuco 20 oe
novembro de W03.-O administrador.
Domingos do* Passos Miranda.
.- Hoje finda a audiencia do 6r. Dr. juiz muni-
cipal da 1.' vara tem de ir praea por renda urna
escrava moca can habilidad*** ura escravo ja de
idade, pertencentes a Manoet do Nascimento Leitao
e a sua mi. por execuco "
MOYDMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 19.
Cear e portos intermedios5 dias e 13 horas, va-
por nacional Mamanguape, de 337 toneladas,
eommandante Manoel Rodrigues dos Santos Viei-
ra, equipagem 20.
Rio Grande doSul20 dias, patacho nacional Saf-
sipuedes, de 229 toneladas, capito Manoel Jos
Machado, equipagem 12, carga 13,300 arrobas de
carne ; a Maia 4 Espirito Santo.
Lisboa38 dias, brigue portuguez Conpatu-a, e
191 toneladas, capito Joo de Almeida Cardador,
equipagem 11, carga vinho e outros gneros ; a
Carvalho Nogueira C.
Ilha de Mao14 dias, brigue inglez Joshua & Me-
ry, de 218 toneladas, capillo I. W. Turner, equi-
pagem 10, carga sal; a ordem. Seguio para o
Rio de Janeiro.
Navios sahidos no mesmo dio.
Rio de JaneiroPatacho nacional Regulo, capi-
to Joaquim Antonio de Farias, carga mlho
outros gneros.
BabiaSumaca nacional Hortencia, capito An-
tonio Francisco Monteiro, carga varios gneros.
EDITAES.
Tribunal da relacao.
Relario dos feitos entrados na secretaria da rela-
cao desde el1* de Janeiro al a presente data, e
que esle parados par falta de pagaaeato do
respectivo prepara.
AOOBAVOS.
Aggraco do juizo de paz da Boa- Vista.
Aggravante, Joo Francisco Saraiva; aggravado,
Joao Demetrio de Almeida Cavalcanti.
Aggravo do juizo da fazenda.
Aggravantes, Jos Marcelino Alves-Ha PMM|*
Aggravo do juizo da premiara desta cidade.
Aggravante, ndolpho Augusto Wanderley Um :
aggravado, o juizo.
COMPANHIA BRASLLEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do norte esperado
at o dia 30 do corrente o vapor
Cruzeiro do Sul, eommandante o
capito de mar e guerra Gervazio
Mancebo, o qual depois da demo-
ra do costume seguir para os portos do sul.
Deade j recebem-sc passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devi i a
ser embarcada no da de sua chegada: encom-
mendas e dinheiro a frete at o dia aa sahida s 2
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Xavegaco costelra a vapor.
Parahvha. Natal, aco, Aracaty, Cear e Granja.
O vapor Jaguaribe. eomman-
dante Lobato, seguir aos portos
indicados no dia 20 do corrente
s 5 horas da tarde. Recebe car-
ga at o dia 19 ; encommendas.
passageiros e dinheiro a frele at o dia da sahida
s 2 horas: escriptorio no Forte do Mattos n. I.
Para o Rio de Janeiro.
O patacho nacional Capuam, pretende seguir
com muito brevidade, tem parte de seu carrega-
mento engajado, para o resto que Ihe falta e es-
era vos frete para os quaes tem bons commodos
trata-se com os seus consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio ra
da Cruz n. 1.
Para o Hio de Janeiro.
Pretende seguir com rauita brevidade o pata-
cho nacional Beberibe, tem parte de seu carrega-
mento prompto para o resto que Ihe falta e escra-
vosa frete para os quaes tem excellentes commo-
d( s tratase com osseus consignatarios Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu cscriptorio-
rua da Cruz n. 1.____________
Para a Baha vai sabir com muito brevidade
o veleiro patacho Jequitaia, por ter a maior parte
d carga engajada, para o rosto que Ihe falta tra-
ta-se com os consignatarios Palmeira & Bellrao*
largo do Corpo Santo n. 4, primeiro andar^______
serao
130 de no-
recebidas at
sahi-
encaminhada contra
elles.
Aearacu.
No dia 22 do mez corrente com a carga q.ue ti-
ver a bordo segu o hiato Sobralence, capito Pe-
reira : quem quizer carregar para o mencionado
fortojbj^MT^a Caetano Cyriaco da C. Moreira
&Trmaoou ao capito.________________
a*Ai*o.
Vai sahircom brevhde a muito vdeira barca
portugueza Urna I, eapiuo Jos Francisco da Cu-
nha, por ter parte de seu earraganento prompto,
para o resto e passageiros trata-se com os consig-
natarios Carvalho A Nogueira aa ra do Apollo n.
10,ou com o capito na praca._______________
Para o Porto
segu brevemente a veleira barca S. Manoel II,
que tem engajado metade do seu carrepmento :
para o restante e passageiros, a quem offereee bel-
los commodos, dirijam-se aos consignatarios M. J.
Ramos e Silva & Genros, ra do Vigario n. 10.
primeiro andar. ^________
Para Porto.
O brigue portuguez Mercurio, segoe prestes pa-
ra all, ainda recebe alguma carga e passageiras a
frete, para o que tem axeeMeates comnwdeap a
tratar com Marques Barres C, largo do Corpo
Santo n. 6, segunda andar, ou com o capito Joa-
qun) Gomes da Gru.
1
I


Diarlo de Pemainbuco Helia felra O de \ovenioro de 1963.
Pora o Rio de Janeiro paetende seguir com
muita brevidade o brigue nacional Almirante :
ion parte de seu carregamento prompto, e para o
rosto que loe falla, Irata-se com os seos consigna-
tario* Antonio Luiz da Oliveira Azevedo, no seu
escpptorlo ra da Cruz a. i.
" Para a Bahia vai sahir cora muita brevidade
a 9amaca Hortencia, capito Antonio Francisco
Monteiro, por ter a maior parte da carga engajada:
para o resto que lite falta, trata-se com os consig-
natarios Palraeira n. 4, primeiro andar.
LEILOES.
HOJE.
A. C de Abreu continuar o sea leilo ae fa-
zendas franceas e inglezas por intervenc,o do
agente Pinto nos dias i e 20 do corrente no seu
armazem ra da Cadeia.

ho-
h Suta-feira 20 de corrente os \\
ras oa roa da Cadeia n 53,
arniateu
l>or interveneao do agente Euzebio se vender
em leilo os segoiotes artigos: um piano forte de
3 cordas novas, uina mobilia de Jacaranda e outra
de ainarello raiz. 4 vonozianas, jarros e castieaos
de vidro, porta licor, relogios, candelabro de vi-
dro, 2 camas de amarello novas proprias par i ca-
lamento e outra de Jacaranda nova ranceza, ca-
bido, berco, lavatorio, camas d balaustres para
casal e solteiro e para menino, e ditas de 1
porta leite creme, carrinhos para meninos
carteira de amarello e diversos objeeto:
prala, e um faqueiro obra do Porto e novo.
ifjuiz e thesvurtii'o da ir-,
mandadc de Nossa Senhora do
Bom Qonselho, eonvidam a tu-
dos os irmus da mesma ir-
mandade para que domino 22
do corrente, pelas 3 horas da
tarde, se sirvan de compare-
cer na igreja dr, S. Francisco,
afim de sahirem d'alh reuni
dos para acompanhar a pro-
cisso de Corpo de Dos, segn
d> o convite do Exm. Sr. hpo
d ocesano. W dr. esperar que
os ditos irmos, pelo espirito
religioso que os distingue e pela
importancia da dita procissao,
nao deixaro de comparecer
esse acto.
\m%u.
0 eslatolecimento de carros fiae-
bres loiiled Para izo d. 10 e 12,
fez acqiiiiico de am rico carro para
urimeira o-de, de uiadeira se*4o cn-
vcmisaiU e dourdo em altos relevos,
obra |ierfilamente acabada por artis-
tas piMiambucanos, o publico ver
qae o melhor carro (anebl quetem
aparecido nesla cid a'le.__________
Alaga-se o segundo andar do sobrado da ra
Drelta n. 24 : a tratar na padaria.____________
Na Lija do sobrado n. 7, da ra da Penha,
existe uuu pessoa que se prope lavar e engoui-
mar roupa, com toea a perfeicfio, e por prec.o com-
Perdeu-se da ra do Hospicio at a ra da modo._____________________________________
Cruz uma piceira de ^^J O Sr. Laiz Paulino Cavalcanti de Al-
Um macbinisUchfjdo da Europa pre-
vine aos Srs. de eapaho que conceru
machinas a vapor oa alambiques, como
tambem contrata-se eiu qualquer coge-
nho, pode ser procurado na ra dos
Qnartais n. 1, primeiro andar.
Urna senhora estrangeira chegada ha
pouco da Europa, encarrega-se do lavar
e engommar cora toda perfeicao por
preco mais corarn >do do que em outra
qualquer parte: na ra dos Quarteis n.
i, primeiro andar.
^
D-se dinheiro a joros : no pateo do Ten;o
n. 12, taberna.
recompensado.
caixeiro de
a tra-
Precisa-se de um memno para
laja de oalgados, para a cidade da Victoria :
I tar na ra larga do Rosario n. 21, loja.
Precisa-jo alugar escravas quitandeiras
na
Aluga-se o segundo andar do sobraden. 18 ra do Nogneira n. 39,___________
TINTURARA.
Tinge-se com perfeicao para qualquer
cor, e o mais barato possivel: na ra do
Rangel i. 38, segundo andar.
da ra das Larangiras, e a casa terrea n. 152 da pre,.^^^ ae Uma ama para cozinhar : na
ra Imperial : a tratar na ra do Crespo, loja de
Marques Gomes A: C.__________________
Precisa-se de um
ra do Ringel n. 9.
mestre de masseira: na
ra da Imperatriz n. 50, padaria franceza._______
lbum -le Pernambuco.
Os senhores assignantes do lbum de Pcrnam-
PILTJL AS PAULISTANAS
A facilidade com que estas maravillosas pilulas buco que anda no'receberam as segundas vistas,
effectuam prodigiosos curativos om quasi toda a es- tenbam a bondade de manda-las PIocurar/,n. j.L'
trabalharecomero queappetecersem que por^sso|carr "Vse eXoo 0 gervico interno de tuna casa
S" r^ ^L^T" de pouca familia : na ra da Cadeia u. Si, primei-
mendar como fazem todos os mdicos -dieta, abs-, J ^^^ *
se sinta seus efflcazes effeitos. En podia reoom-
l ro andar.
Casa grande.
Aluga-se o terceiro andar e sotao da casa n. 51,
da ra da Cadeia do Recife com 5 janellas de
frente emuitos commodos para numerosa familia,
tanto uo andar como no sowo que corrido em
toda a casa, endo tem quartos para dormida e um
mirante em quinto andar para recreio, fresco e
bella vista ; a fallar com Jos Mana Seve na Ilha
fdo Rato, roa do Seve n. 16, visinho a ponte de
fer.ro que vai da mesma ilha para o theatro de
Saiita Isabel.
tinencia e todas as cautelas que s servem para de
bihtar o corpo, mas como nao entendo que auxilio O abaixo assignado faz sciente ao publico em
a vida debilitando o corpo, visto que a experiencia ] geral, que nao se responsabilisa de boje por oante
me tem mostrado que tal dieta em vez de apressar por qualquer debito que possa apparecer, -
contra-
l'uia casa terrea em ehos pro-
prlos.
IIOH.
SexU-feira 20 do corrente ao meio dia.
Oagente ObtnpiO em seu armazem ra do Im-
perador n. 16, vender em leilao uma casa terrea \
em chaos proprios sita na travessa da Fundido i
(bairro do Recife) n 4, tendo 22 1|2 palmos de;
fundo c lo' de (rtate, Miaba, com porta e janella, '
rendendo mensalmenle 8^.
Os pretendentes podem entenderem-se com o
referido agente para qualquer informacao.
LE \o
noverabro s 11
DE
SegunJa-feira 23 de
horas.
O agente Pinto levar a leilo pela terceira e
Itima vez as dividas activas da massa fallida de
Francisco Moreira ias. na importancia de......
o:038098 rs., servindo de base a maior olferta
obtida ne segundo leilo, s 11 horas do dia cima
dito em seu escriplorio ra da Cruz n. 38.
AGENCIA PRINCIPAL
H9 Ra do Parlo 119
BIO DE JANK1UO.
E em Pernambuco, deposito na pharmacia de
Jos Alexandie Ribeiro, ra do Queimado n. 15. i
Precisase de 100 a 2005, dando-se uma boa
escrava em aluguel pelo teinpo que se couvencio- \
nar: annuncie.
O Dr. Cosme de S Perara conti-1
na a residir na ra da Cruz n. 53, I
Io e 2o andar, onde pode ser procu- jjjg
rado para o exercicio de sua profis-1
sao medica, e com especinlidade g
sobre o seguinte
Io molestias

3o i

m
IEIIAO
em
DE
HH saceos com asquear.
SeyuntU-feira 3 de novemkro s 10 horas
ponto (no trapiche do iinlia. >
O agente Pinto far leilo requerimeuto de
M .iijI Alvos FerreHae por despacho do lllm. Sr.
Ur.juiz especial do comraercio de 88 saceos com
assucat existentes no trapiche do Caoba ra da
\l > ila n. 1 e penhorados Francisco Santiago
Hauos, s II horas em ponto do dia cima no
mifmn) trapicitH iln ,'unlia_____________^______
LEIli%0
DE
Di/ferenes obras de
ouro
Segiimla-feira 23 de uovembro.
o agito Pinto far leilo por conta de quera
perteaeer de ricos aderecos de ouro, pulceiras
valsas, baldes para punho. cordoes, dedaes, cha-
vos uara relogios e inuitos oulros objectos de ouro
de 18 cpiilates, as II horas do dia cima dito em
sea escriplorio ra da Cruz n. 38.
Sobrado de am andar
Aluga-se ra Direita n. 45, com 4
quartos, salas, gratule cosiiilia, botando o
ftmdo para a torre da Penha; a Tallar na
loja do mesmo.
medios afamados, e assim nao exijo dieta, porque _______________Thiago Jos dos Santos.
o meu svstema composto de puros vegetaes. To-, A megB regejora da rmandade do Santissi-
das as cmposicoes em que entra sempre o merca-, mo Sacramento da freguezia de S. Frei Pedro Gon-
rio esto muito quera destas pilulas como depu-1 caiveSi convidada por S. Exc. Rvm." para acompa-
radoras do sangue. Rogo aos senhores mdicos n)iar a procss30 de Corpus Christi, que tem de
que a bem da Immanidade e da sciencia empre- sahir da greja do Espirito Santo no dia 22 do
guem estas pilulas em todos os casos em que o ^ corremii) r8ga a todos os seus irmos que se reu-
sangue se adiar alTectado, e mesmo em todas as nainna greja ,j0 Corpo Santo no referido dia s
febres em que a sangra recomraendada, e verao 3 hora;. da larde para dil0 ,ra
curas maravilhosas sem outro qualquer remedio. q escrivo,
as quaes sao do autor Carlos Pedro Etcuecoui. Manoel da Silva Nogueira.
AiPvriA Puivi'Pit. -----------------------------------------------
Aluga-se por 20 a casa da ra do Jasraim
b. 16 : a tratar na ra Velha n. 92, sobrado.
RA DO IMPERADOR
N. 22.
Grande armazem de tintas.
Este armazem contera tudo quanto
preciso para queainduslriade pintura, de
qualuer genero que seja, desenipenhe
seu tim, isto embellezar, conservar e
reproduzir.
M( mtado om grande escala e supprido
directamente iior grandes fabricas de Pa-
rs, Londres e Hamburgo, pode olTerecer
productos de conanca, e satisfazer qual-
quer encommenda grosso trato e a re-
talho.
Os Srs. artistas pintores, e os donos de
obras podero escolher vonlade, pois
que tudo estar vista, as differentes co-
res de (pie tiverem necessidade.
Ha tintas em massa e em p inpalpa-
vel, e como as obras a euvernizar S se
deve empregar tintas muidas, e nao ine-
receado confiancaasquevem de frapara
commercio, por velhas, e tal vez falsifica-
das, neste armazem se as moer vis-
ta do consumidor, que s assim lera tin-
tas frescas e verdaaeiras.
Ha tambem ouro verdadeiro. verde em
p eemfolha, prata em folha, p deluon-
zear de varias cores, diamantes para cor-
tar vidros. burnidores. ncar superiua en-
carnada, amarella e verde, tintas vege-
taes, aial. roxa. verde e amarella. inoffen-
sivas, nicas que se devora empregar as
confeitarias, colleeeoi's de pinceis para
fingir madeira, cora propriedade, e oulros
de varias qualidades, vernizes. copal.
branco ou escuro para o interior
exterior, para etiquetas e quadros, tin-
tas finas era tubos, em crayoes ou pastel,
tellas para quadros, caxas de tintas linas
e papel para desenlio.
Esseneias aromticas venladeiras. fras-
cos e vidros para vidraca de todos os ta-
annos, e amitos oatros objectos. cuja
utildade e empivgo s com vista pode-
ro ser mostrados.
Joo Pedro das Noves,
Gerente.
,**-*?:'- -;'Vr^5 **^?.' .-jL .1 ^^SX'.'f
NOTO ESTABELECIMENTO DE MEDICINA H0ME0PATHIC1
RUA MOTA \. 43.
O Dr. Sabino 0. L. Pinho mudou o sen CONSULTORIO para a loja de marmora
ra Nova n. 43, onde continua a dar consultas todos os dias uteis desde o meio dia ata
2 horas.
Os enfermos, que o procurarem logo na inraso da molestia, sem que bajara to-
mado qualquer remedio, nem allopatlco, nem homeopathico, pagarSo metade dos procos
estipulados. Esta concesso tem por lim facilitar a cura de molestias, que podem tornar-
se complicadas pelos emprego intempestivo da therapeutica e ao mesmo lempo adquirir
para a homeopathia maior numero de adeptos pela bateza da cura.
Em attenco as pessoas pobres, que nao podem sahir de dia, o Dr. Sabino resol-
veu dar duss consultas por semanas as tercas e sextas-fciras das seis as sele horas da
noite.
Os chamados para visites c conferencias devem ser dirjgidos por escripto ao con-
sultorio desde 8 horas do dia at 8 da noite, na certeza de qae sero attendidos na orden
de sua precedencia, salva a circumstancia de eminente pertgo.
ADVERTENCIA.
O novo consultorio est prvido dos melhores medicamentos, desde a primeir
at a trigsima dynaminjsaco.
E como os mdicos hespanhes e allemes nao cessam de certificar a major effi-
cacia das ultissimas dynaminisacoes do tratamento das molestias chrooicas, o Dr. Sabino se
oceupa agora de elevar os seus medicamentos s potencias mais aftas ( por ora at 200.*).
alim de verificar por si mesmo a forca dynamiea, que se ihe attribue.
Os mdicos, que quizerem experimentar taes dynaminisacoes- podero dirigir ao
consultorio suas receitas, que sero aviadas gratuitamente para os pobres.
No mesmo consultorio se vende a notissima edico do Thrsonro homeopathco
ou Vademcum do homeopatha, obra indispensave! a dos que quert*m usar da homeo-
pathia.
Tudo o que diz respeito nova medicina s acha abundantemente aeste novo estabe^
aecimento.
AVISO.
Maternus Leaz faz sciente ao respeitavel pu-
blico que o Sr. Joo Mara Ititancourt deixou de
ser caixeiro de sua casa desde 18 dcste mez.
Precisa-se de om caixeiro para taberna de
12 a 14 annos de idade : para tratar na ra Di- i
rlita dos Afogados n. 36, prefere-sc portuguez.
Aluga-se urna casa terrea nova na estrada |
de Olnda no lugar de Santo Amaro das Salinas,
confronte as casas do Sr. Antonio Jos Gomes do
Correio, com 2 salas, :t quartos e cosinha fra : a
tratar na praca da Independencia n. 22, loja.
O Sr. Jos Ignacio de Mendonca tem uma
carta vinda do Ko de Janeiro, na livraria ns. 6 c 8
da praca da Independencia.
AURORA
LARGO D4
m
BRILHANTE.
SAMAClZ.
francisco Jos Fernandes Pires, dono do grande estabelecimento de mo-
Ihados denotninailo AUHORA BKlLIIANTE, avisa ao respeitavel publico tanto
da praca como de fra, e com especialidade aos seus freguezes, que o seu estabe-
lecimento acha-se prvido de novo sorlimento de bons gneros tanto do paiz co-
mo do estrangeiro e promette vender muito em coota tanto a retalho come em
grosso:
de olhos;
de peito :
dos orgos geniti j
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se- j
rao examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pelos I
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d s!
G as 10 da manha. menos nos do-
Praticar toda e qualquer opera-
do que julgar conveniente para o
prompto restabeleoimento
doentes.
dos si'us
Desappareccu das serraras do caes do Ra-, 4
mos uma canoa grande que tinha conduzido carne M
secca, tinha dentro urnas taboas de pinho que ser- ^
viam de lastro; desconlia-se que fosse por agua m
cima por nao ter tatexa : porlanto qqem a enron-
trar ou souber aonde existe, d parte a bordo do g|
brigue Maria Isabel tundeado ao p da escadinha gj
do Colle*io, ou ra do Trapiche n. i, que sera 1 w
gratificado.______________________j|
Sitio liara alugai-se.
Aluga-se um grande sitio na estrada de Joo de j ~,
Barros, esi|uina da encruzilhada de ellera e estra-
da de Santo Amaro, com muito commoda e espa- g
rosa casa de vi venda e arvores fructferas de todas | <|
s qualidades : i|uem o pretender, dirija-se ao
mesmo sitio, ou ra estreita do Rosario n. 32, ^
primeiro andar. |jj
Precisa-se de uma ama de maior idade para I Jj
casa de homem solteiro que bera saiba cozinhar : j ^
no pateo do Paraz n. 10. _______^^^^^^ t
Precsa-sa de uma ama para casa de pouca
familia : na ra da Senzala Velha n. 10't._______
Precisase de um hornera para limpar podras :
na lythographia da ra da Cruz n. 46.___________
Precisa-se tomar a premio a quantia de rs.
5:O0OS00O dudo-se por hypotheca um predio de
grande valor : a quem convier procure na praca
"da Boa-Vista, primeiro andar n. 31____________
faatoaa
L
\ '(51!)
Manteiga ingleza flor a libra 800,000 e IJO00
Dita franceza nova em barril a 560
e a libra. tiOO
Presuntos de Lamego a libra 400
Cognac a garrafa a 1,5 e 15280
Azete refinado a garrafa. 15000
Espermacete muito alvo a 000. 700 e 800
Arroba de velas do Aracaty a 105 e
libra 320, 360 e .400
Caixinhascom amexas francezas a 15800
Latas de 2 3 e 6 libras a 15400,
25400 e.....45OOO
Caixinhas com 8 libras de passas no-
vas a ...... 3|080
Ditas com figos a 15400 25400
Latas de 4 libras de bolacha de soda
muito nova a 25000
Ditas com biscoutos inglezes. enerond
victoria, mivides e ovos, pequi-
niq e outras qualidades novas a 15000
Ditas com marmelada nova a libra
720 e......800
Ditas com fructas em calda a 500
Bitas com ervilhas francesas 720
Ditas com massa de tomates a 640 e 720
Dias com peixc em posta muito bem
preparado......15300
Bita de Lislioa savel, salmonete, caxu-
xo, pargo e outros a 15200
Ditas com ostras americanas a 800
Charutos finos ha grande quantidade
de caixas e rucias. -5
10MM
Amendoas novas a libra 240 e 320 *w
Massas sorlidas para sopa a libra 480 j^J
Ervilhas verdes para sopa a libra 240 ^
Grao de bico arroba 45500 e libra 160 ^
Toucinho de Lisboa arroba 125 e li- fk>
bra .... .400 S
Queijos do vapor a 25500 e do passado 25000 }
Dito prato a libra a 640 e 720
Caf primeira qualidade do Rio e Cea- 23
r a 320 e segunda a .280 *
Arroba de arroz a :5 e libra 100 gg)
Barriscom azei tonas a 15300 ;j
Vasos com sal refinado a 50' g;
AlpisUi arroba 55 e libra. 160 B
Serveja de dilTereul^s marcas superio- ji;
Vinhos especiaes em caixas de uma duza de garrafas a 145, 165 e .185000 B
Ditos de Lisboa, Figueira e Porto a (.-<
garrafa a 400, 480, 560, 640, 800 e 15000
Dito branco de Figueira, Lisboa e Por
to a 640, 720 e
Espirito de vinho de 38 graos a
Fiascos com genebra de Hollanda
laranja a 640 e .
Bitos com conservas a 400 e .
Saceos grandes com farelo marca
a 45300 ....
Ditas com farinha muito fina a .
Ditas cora milho e arroz de casca.
Bitas com farinha para aniraaes
Caixas com 100 charutos eom furo
800
280
. 15000
800

. 55000
. 45500
. '..jo.)i 1
. 25560
a 640
A o publico
Manoel Ignacio da Silva Teixeira, com padaria
no pateo da Santa Cruz n. 1, e na casa immediata I
da ra do Rosario n. 55, contina a mandar fabri- ^jg "r;'l^a'.
car. alera do pao de differentes denorainacoes e ta- "
manhos, e da melhor farinha que vem ao mercado,
a amiga bolacha furada de differentes tamanhos,
beai como de 5, 10, 20 e 40. sem que Ihe ajunte a
menor partcula de oleoso, trabalhada a braco, I
propria para saos e doentes. c igualmente a bola-'
cha quadrada, maior e menor, trabalhada no cy-|
lindro. assim como biscoitos. fatlas e bolachinhas
doces e tambem com ovos; e breve mandar fa
zer as excellenies roscas que se usara no Porto,
Braga e Barccllos, tambem com ovos, eque annun-
ciar o dia, tudo fabricado com esmero e aceio. e
' precos razoaveis, conforme a tpialidade.
AVISOS DIVERSOS.
Precisa-se de
pratica de taberna
mero 48.
um menino porluguez com
na ra das Aguas-Verdes ou-
Perdeu-se um bolo esmaltado cora um bri- j
Ihante, quem o adiar querendo restitui-lo dirija- >
se a esta typographia que ser bem recompon- j
nado.
- Arrenda-seo silio tleuouiinad-idos |
\ lees aa Soledaile, com uma grande 11
asa de sobrado, coxeiras de e>trlia-j|
lias, tanques para banhn e exeellente jj
Hila, a tratar 110 mesmo litio tas 4'j
liaras da tarde era diante.
Lotera extraord naria.
Corre amanha.
los 10:080500 e 2:0005000.
0 abaixo assignado vista do bom aco-
Jliiniento que tem tido o plano das loteras
extraordinarias e a pedido de quasi todos os
compradores de bilhelcs, tem exposto
venda para ser extrahid por esse plano, no
dia l do corrente mez, os bilhetes da sex-
ta parte da primeira loteria a beneficio da
greja de S. Bom Jess da Via-Sacra, o que
ier lugar no consistorio da igreja de N. S.
do Rosario dajfreguezia de Santo Antonio.
Os bilhetes e meios acham-se a venda na
respectiva thesohraria ra do Crespo n. 15
e as casas commissionadas ra da Impera-
triz n. 44, loja do Sr. Pimentel; ra Direita
n. 3, botica do Sr. Chagas; ra estreita do
Kosanio n. 12, typographia do Sr. Mira erua
da Cadeia n. 45, loja do Sr. Porto.
Os premios de 10:000(5000 at 20$000
Mrao pagos uma hora depois da extraccSo
e os outros no da seguinte deppis da distri-
buico das listas. y
0 thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
O Sr. Jos Francisco Pinto Guimares, cirur-
viao pela escola real de cirurgia de Lisboa, trans-
fiTi a sua residencia para a ra .Nova, n. 60, pri-
meiro andar, onde pode ser consultado todos os
di.is uteis, das 7 s 10 horas da manh, acerca de
loeaeas denominadas cirnrgicas ou externas, es-
pecialmente daquellas, em cujo tratamento mais
rcqnentemente interven! a medicina operatapia.
Au.'liA-se ITMA BOA 11VSA, FHBSCA, B EM PTI-
MA POSICO AKA SK PASSAH A MM, E TOMAR BA-
NHOS SAI.GAIK.S : A TBAT.VK >iA HLA DOS COELUOS
a. 3.
i ESSENCIAS DEPURATIVAS.
Anli-stpliililii'a e aoli-rbcumatica
[ Approvada pela imperial ._.
academia de medieina.
Colll'OSIQAO E I'REI'AnACAO DO
|0r. Ernesto Frcienco hs Sanios,j
PhwmaceuUco pela escola de medicina
do Rio de Janeiro.
Estas esseneias cuja formula j foi ap-
provada pela academia imperial de medi-
cina do ltio de Janeiro, e pelas quaes seu
j autor foi premiado na expsieao nacional
de 18til c com duas medalhas na expo-
| sico de Londres, sao sem eonteslacjio o
[ mais efflcaz de todos os medicamentos at
boje conhecidos para o curativo de todas
[ as molestias syphilicas ou que dependam
[ de tima altcraco do sangue.
Disu'nguem-se estas esseneias pelos ns.
1 e 2, cujas formulas variara considera-
f velmente, a de n. 1 empregada com o
f mais feliz resultado as molestias _yene-
[ reas ou que dependam de alterado do
sangue. como, cancros venreos, chagas
syphiliticas, boubas, affecgoes herpeticas
e dartrozas, as blennorrhas. leucor-
rheas, vegetacoes syphiliticas, escropliu-
las, escorbuto, ery-pelas etc. A de n. 2
tem sido empregad 1 exclusivamente pa-
ra debellar os rheumatismos syphiiiticos
o gotosos e as exostoses ou tumores
osseos.
Acha-se a venda este precioso medica-
mento na ra do Rangel n. 62, pharma-
cia de Medronho & Martins.
.y
O arrematante do imposto provincial de 25300
por cabecade gado vaceum que se matar para con-,
sumo deete municipio, previne pelo presente aos
senhores marchantes, que de boje em diante nao
permitlir que esteja exposta carne venda sem
Ser acompanhada de uma guia dada pelo recebedor
de dito imposto, no dia em que for morta a rez no
maladouro publico, cuja guia que prova que pa-
gou-se o respectivo imposto: sob pena de ser ap-
prehendida.
Festa de Maula Cecilia.
A mesaregedora da irmandade de Santa Cecilia,
! erecta na igreja do Livraniento desta cidade, faz
saber ao respeitavel publico, que tem de festejar
' sua padro.'ira no dia 22 do corrente com espera,
fcsia, sextas e Te-Deum, seado oradores: da festa
o reverendo Sr. Antonio Manoel da Assumpcjio, e |
! do Te-Deum o reverendo Sr. Leonardo Joo Grego.;
10 professor Joo Jos de I'aiva tocar 110 seu novo ,
instrumento Saxofonediversas pecas de msicas j
escolhidas. Findo o Te-Deum seguir-su-liaa tira-
I da da bandeira. e depois queimar-se-ha um lindo
fogo de vista. A mesa regadora peda aos morado- j
i res das ras do Livramento, Penha e Direita, o ob-,
! sequio de illiiminarem as frentes de suas casas as,
noites dos dias 21 e 22 para melhor brilhaBlismaJ
' dos actos, de que ficarao sumamente gratos.
I lint ii'iult'd iIimii Espirito Santo
erecta no convento de S. Francisco.
Por ordem da mesa regedora convido a todos os
I nossos irmos para comparec.erem no dia 22 do
corrente, pelas 3 horas da tarde, paraacompanhar-
Antonio Joauuim de Brito, subdito portuguez,. mys a pm.^0 de corps Christi.
rctira-se para fra da provincia._______________i RecifCj 19 de novembro de 1863.
Precisa-se de um Portuguez pequeo, com Manoel (Lardoso de Souza.
j pouca pratica, para uma taberna : a tratar na ta- i Escrivo._____________
; bernadoGiriquity.__________________________- Ai ma esta por alugar a casa da ilha do 11.;-
m g tiro, de prego de 1304, com commodos para fami-
imiwMr I lia, muito boa visinhanca. muito fresca, e com ex-
Na ra de Hortas n. 2i. primeiro andar, preci- cellente banho na porta", por ficar margem do Ca-
sa-se de uma ama que saiba cozinhar e engommar. pibaribe, junto a ponte da Passagem da Magdale-
Precsa-sede um caixeiro para taberna : no a tratar com ^n^otem^
1 largo do l'araiao n. 18. : larga do Rosario, ou com o tutor L. M. R. Valenca.
I ------------------------~-----------------mT^s------ O abaixo assignado tendo contratado com os
SOCiedade recreativa l\0Va Iniao. Srs. Joaquim Ignacio Pessoa de Siqueirae Jos Ca-
Por delibera^o tomada em sesso de 12 do mello Pessoa de Siqueira Cavalcanti Jnior a com-
1 correte e em virtudedo art. 21 cap. 12 dos esta- pra do engenho Leo na freguezia da Escada, e
I tutos da sociedade Nova Unio, convido aos Srs. nao se chegando a legalisar esse negocio por es-
I socios a se reunirem s 10 horas da manha de criptura publica, declara que ficam prejudicadas as
domingo 22 deste mez, para em assembla geral se letras que passou aos mesmos sennore.-, na irapor-
! |iroceder a eleicoda nova directora. Sala da so- tancia de 36:0005000, visto que sao ellas prove-
ciedade Nova Cnio em 18 de novembro de 1863. nientes desse negocio.
-Miranda, secretario. M Joao Francisco Lopes.
PRESTEM TODA ATTENCO
PROTEJAM TODOS
seiueauqej sojoq|otu sop sbjjoj se sepoi op ojnca o ouckI ucd scaisnK
1 j opcAoa 0 sjoo? v S8J0;) 8P SBU sessbo sooiopusA
opBAea o -sj oo sbb/i sojoo op wjuiosco op sedvj
opoAoa o sj 015 snssc^
sBijuoq oiinu BtqiQ
S0UI|U( 01 8P OJUBlUBJa
oquq ap BquBiajg
oipiji ,q> sdom3s3
aBjq epas op
sopi'Aoa oj; a skiiiki 'c||.id
soppjoq
soauuq sopRSOA op sopo;)
ST)& c sbiojd s.)|a|oiui:K
BJnSjq Biun op socpoiv
sopBisaju soKpojv"
cod e S'g ti
$9 'f% '$\ nP saoiodepeK
sois
so||aq otinu sbb| ap sojjo'i
sBpepjo(| serej
0B|Cq SBIBg
sanlEquioiiB^
sejojd seie;)
-B||
-Bjj ap eq|ed ap SKunadeq;)
ojso ojinu ap soadBio
npaa
'ei|UBUto|iv o
ssins 'sucj 'c.i.iaiB|8a[ ap BJniiajip na sBpau sepuazcj ap otuaraiiios opcutA j o|pq uin
oc.iBJjuoauo S3xg "aa qe 'oiuauipaiaqBisa o||aq asso b sBJoquas semx3 mifaiojj
-suij soz;uubjj saejodepeK -BJ 'Opuoiq op sopiisa.v sooiH
socpoS|V I ooqn|| si:-|
: Confraria de *. los d*Agenta.
O secretario da mesma. por deliberaco da mesa
regedora convida a todos os seus irmos corapa-
; recerein domingo 22 do corrente pelas 3 horas da
tarde, no respectivo consistorio, alim de encorpo-
rados acompanhar a procissao de Corpus Christi.
Joo Felippe da Costa Cordeiro.
Secretario.
avniA S3W09 3sor
aa
l\ u odsojQ op cn.i b sepuaztj p oiHdaip9|oiiB]o oiuRjiodrai oy
soHia)MVHXsa a soMV3iaM[v\[aad^
es
A'- w
A mesa regedora da irmandade do Senhor Bom
Jess das Passos, erecta na igreja do Corpo Santo
da freguezia de S, Fr. Pedro Goncalves do Recife,
pede a todos os seus irmos que se reunam na mes-
ma igreja domingo 22 do corrente, s 3 horas da
Urde, para encorporados, acompanharem
cisso de Corpus Christi, jara o que foram
dados por S. Exc. Rvm'.
Antonio Gomes Miranda Leal.
Escrivo.
a pro-
convi-
Aluga-se urna grande casa terrea com sotao,
ravessa de Sant'Anna (Ponte de Ucha) : a
na travessa
;atar na ra do Amorim n. oi.
Manoel Jos da Silva, actualmente caixeiro
4* Sr. Antonio Francisco Martins de Miranda, fax
pubtir que de hoje em diante se assignara Ma-
ikm! Jos da Silva Araujo. por ha ver um outro com
igual neme.
0 MOYSES.
Sahio a luz o primeiro numero oeste peridico,
acha-se venda na ra do Imperador n. 37, ra
estreita do Rosario fabrica de eharutos ao voltar
para ra das Laraaaeiras u. 16, Cinco Ponas n.
12, ra da Imperatriz n. 31 typograpt a 40 rs. o
exemptar.
SEGUROS DE VIDA EM MUTUALIDADE.
A direccao do BANCO UNIAO tendo obtido do governo de S. M. F. a autorisacao para estable-
cer o seguro de vidas em mutualidades, faz publico que desde j toma sutiscripces annuaes por uma
s vez, debaixo das seguintes condieoes :
Com perda de capital e lucros:
Dito capital smeute;
Dito lucros sraente;
devendo a primeira liquidacao ter lugar no Io de Janeiro de 1859.
As vantagens do emprego de capitaes em inulualidade, siio obvias, porque nao somente se co-
in o juro de quantias diminutas, de que avulsas se nao poderia tirar nenhum resultado; mas alm
disso, este rendimemto augmentado pelo capital ou lucros, ou ambas as cousas, conforme as condieoes
da subscriBco, das que fallecen. Tambem partido pelos socios sobreviventes tudo aquillo que os so-
cios morosos nos seus pagamentos, sao por este motivo obrigados a pagar, bem como caducidades que
occorrerem pela falta de cumplimento do compromisso social.
As liquidares sao pelo svstema das corana shias hespanholas, Tutelar e outras; e parase poder
fazer urna idea do que pdfproduzir uma entrada annual de 105, publica-se a segrate tabella basca-
da sobre a eiperiencia de muito* annos decompanliias desta natureza : ... a
Em anuos Em 10 anuos Em lo anuos Em 20 annos Em 2o annos
MBBBHES55
TOTOt
DE
Por um
Por uma
menino de 1 dia a 1 anno 1105
de 1 anno a 2 905
> de 2 a i . 865
de 3 a 4 > 8ti5
de 4 a 15 865
pessoa de 15 p 20 . 865
> de 20 1 a 30 865
de 30 t a 40 865
de 40 > a 50 > 905
4005
3005
2905
2805
270*
2705
2705
2705
3005
9005 2:6005 4:7005
7505 1:7005 3:7005
7205 1:6005 3:5005
7105 1:5605 3:4005
7005 1:5505 3:3504
7005 1:5405 3:3305
7105 1.5605 3:4005
7205 1:0000 3:7005
7505 1:8005 5:0005
Antonio Jos (lomes de Correio vende sua
propriedade ai Santo Amaro; constando de um
ptimo sitio com cinco viveiros e cento e tantos
p#s de caquein; e todos os predios edificadas no
aaesmo. Tambes vende em separado conforme a oV Nttport. .,.,. j-. r -n, a* rn ni
vontade dos compradores. Agentes em Pernambaco : Antonio Late de Ouveira Azevedo & C., ra da Crnz n. 1.
As entradas por orna s vez dio reatados muito superiores as aunuaes.
Porto, 10 de agoslo de 1863.QdJrectores do Baaco Uniao, Jos da Silva Machado.-
F. M. van
DE
J. VIGNES.
!. A*. nMJA IMPERADOR X. 55.
Os pianos desta anga fabrica sao hoje assaz conhecidos ,para que seja necessario insistir sebre a.
sua superioridade, vantagens e garantas que offerecem aos compradores, qualidades estas incontesta-
veis qu e elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesla praca ; pos-
suindo um teclado e machinismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem.
nunca falhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos importan-
tsimos pira o clima deste paiz j quanto s vozes sao melodiosas e flautadas, e por isto muito-agrada-
veis aos ouvidos dos apreciadores. __ _. _...
Faiem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do- Sr. Blondel, de Pars, socio,
correspondente de J. Vienes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposicoes.
No mesmo estabelecimento se acha sempre um explendido e variado sqrtimento de msicas dos
melhores compositores da Europa, assim como harmonieos e pianos harmnicos, sendo timo vendido
por precos muito razoaveis.
0 Dr. Carolino Francisco de Lima San-
tos, contina a residir na ra do Impe-
rador n. 17, 2 andar, onde pode ser pro- gj
curado a qualquer hora do diae da noite
para o exercicio de sua prottsso de me-
dico ; sendo que os chamados, depois de
meio dia at 4 horas da Urde, devem ser
deixados por escripto. O referido Dr.
nao abandonando nunca o estudo das
molestias do interior, proseguc, com o
maior afllnco, no das mais difflceis e deli-
cadas operases. como sejam dos orgos
ourinarios, dos olhos, partos, etc.
Justino Manoel Ramos,
vai para fra da provincia.
subdito porluguez,
\o Mr. Ciadelha.
Precisa-se com urgencia fallar com o Sr. Joao
Gadcllia, fillio do interior da Paralaba; na
Nova a 7, primeiro andar.
Aluga-se uma easa e sitio na travessa da. Ca-
punga para a Baixa Verde, defronJc do portan do
sitio do Arantes : trata-se por anno ou por esta,
no mesmo sitio, oa na ra da Cadeia do Recife n
25, sobrado.
I t'ompauhia fldeiidade de
segaros martimos e ter-
restres estabeleeMa ao
Rio de Janeiro.
AGENTES EM PtPMAMCCO
aitmie Lnii de Oliteira .evedo a C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam segaros de navios, mercado-
rias e predios no seu escriptorio ra da
Gru n .1.
Prtcisa-se de ama ana para comprar e co-
roa I sinhar em casa de pequeaa familia : na roa Rel-
ia n. V).


Diaria de l'ernanibuco fcrv a feira O de .\ovcnaloro de ISttS.

1 n. 29.
Nova kja des barateires na ra 4o Queimade
Velludo de cores fazenda maito boa o oovado
14000, balSes de panno 3200, ditos de arcos
a 35000, 45000 e 5*000, laas de duas larguras
para vestido o covado- 500 rs., chitas franeezas o
covado 360 rs., ni.nim branco para forro de
vestido o covado 1S0 rs., tarlatanas de tetlas as
cores a vara 7-20 fs.
ftt n. 29.
C4S4 DA IDRT^A
IB iihetes garantidos
A' roa -do Crespo o. 23 e casas de cestume
Aos IO.OOO0OOO.
AMANHAA
se extrahir a sexta parte da primeira lotera pelo
plano das loteras extraordinarias, beneficie da
irmandade do Senhor Bom Jess da Va-Sacra.
\ora loja des bartteiros na rna do Qoewado. 9 abf* signado, recommendando ao res-
Cassa lisa pelle de ovo a peca a 75300, cambraia ^yel *)Ub!('10 a m!** dos seus mu fetesbi-
lisa muito ma a peca de 17 varas 105, cam- ln"tes garantidas, lembra-lhe a vantagem que ha
braieta peca de l jardas 7JW00, cambraia adamas- em r(*?ber os Pimos por inteiro, por quanto
cada para Reniado a peca de 22 varas 405000, T t,rar lsorte de ,0:^?&?m bllh(-te ?ra
meias linas para senhoras a duzia 10000, chales I T M0 rocebera-somento 8:4005 em virte.de dos
de laa pona redonda 325500. i descpnlos de 16 portento que Ihe farao om vista
\ )' I 'e4S>mas s"n os :1";"00 1ue vera a ser a lta
.10 II. 4. jquantia c mais a de 1:6005 que pagar o abaixo
Nova loja los bartleiros na ra do Queimado. assignado, importancia de ditos deseoutos, aconte-
Bicos pretes de linho avara 120, 160,240, 320 ende o mesmo com as outras sortes.
rs., franjas de seda a vara 80 e 160 rs., gales ] Os bilhetcs garantidos pelo abaixo assignado, le-
de seda de aigodo e de laa para enfeites de vesti- v^ a sua assignatura de chancella atravessada
do a peca de 10 e 13 varas a 400, botoes de seda
de velludo e de fustao duzias a 120.
Ama.eu para alugar-se.
Alnga-se o crmazem n. 40 da ra do Apollo, com
30 palmos de frente e i50 de fundo, com a Trente
para a ra do Apollo, e por preco commodo, pro-
prio para ualqucrcstabt-lccimeto: trata-se com
Antonio Alves Barbosa, ra dos Guararapes nume-
ro 28.
oEaUSs
0 baile doaiuiivcr>ai*io do
^clult-coiHincrcia! tcr lugar ua
| noite d< u 22 do corre me otez.
Socledade le seguros ibhI nos
de vida installada pelo Banco
Unlo na cidade do Porto.
Os agentes nesla cidade e provincia Antonio
Luiz de Oliveira Azevcde & C eseriptorio na ra
da Cruz do Recife ji. 1, esto autorisados desde j
a tomar assignaturas e prestar todos os esclarec
nientos que 'forem necessarios, as pessoas que de-
sejarem concorrer para tao til e benotea empre.
za, segurando um futuro lisongeiro aos associados.
nfrente do bilhete.
Os premios maiores de 205 serao pagos urna
hora depois da exaccao.
Precos.
.Bilhetes intairos..... 125000
Meios bilhetes...... 65000
Para as pessoas que comprareni
de 1005 para cima.
Bilhetes........ 115200
Meios......... 55600
Manoel Martin Fiuza.
Aluga-se a foja do sobrado n. 193 da ra lm-
perial, e o armazem n. 4 da ra de Apollo : na ra
da Aurora n. 36.__________________________
Aluga-se o primeiro andar da ra do Crespo
n. 23 ; a tratar na loja.
Aluga-se o sitio da senhora viuva Camino,
em S. Jos do Manguinho, com boa casa de sobra-
do, esteirada, quartos para criados, esribaria,
fructeiras, baixa de capim : no mesmo sitio se di-
r quem trata do aluguel._________________
Precisa-se alugar um moleque de 12 a 16
annes para fazer compras em casa de poueu fami-
lia : na travessa da Madre de Dos n. 57._______
Contina a haver pao de senteio novo nos das
quarias e sabbados de cada semana, na nadara
em Santo Amaro ae p da fundico, na ra da Im-
peratriz n. 22, e ra do Brum, confronte o chafa-
riz n. 47, ra das Cruzes, deposito n. 39, na.Pas-
Aruiazeni para estabelecimento.
Alusa-se na ra da Praia o armazem da casa
a 57, com fundos para o caes do Ramos : trata-
so no Campo Verde n. 20, sobrado do l)r. Miranda sa-rem, taberna da esquina do Sr. Bento,' que vira
Tendo-se arrematado em praca do juizo com- para o Remedio, e no armazem progresso, largo
mercial urna casa terrea n. 43, na ra das Caiga- da Penlia n. 10._________________________
das, com a rente para o largo da fortaleza, preci-
iques sobre Portnga
O abaixo assignado, agente do basco
mercantil Portuoase nesta cida4e, saca ef-
fectivamente por tedos os paquttes sobre
o mesmo banco para o Porto e lisboa, por
qualquer soinnu, vista e a prazo,
dendo logo os saques a prazo seren des-
contados no mesmo banco, na razao de 4
porecntoaoanno aos portadorts que as-
sim Ihe convier : as ras '
8 ou do Imperador n. 51.
Joaiiuimda Silva Ctetro.
Na casa de leilao de Sr. Olimpio a ra
do Imperador ha utn excellente piano
francez venda: quera o pretender di-
rija-se ao mesmo enhor. Assegura-se
nd.?"!2.P2r- PW^^o/nmodo.
m______1______
lirantic hnvirlndp para a Cesta.
Ricos e elegantes vestidos de raocambi-
que com seus competentes cerpiohos e
santembarques eufeitados a capricho,
chegaram a loja do barateiro na ra do
Crespo n. i, juato ao arco de Santo An-
tonio.
Verdadelros eostnmes da
ultima moda em Pars
para senhoras.
E\SS\0 DE PMIMIUTM OSl m
Geographia e historia
Arithmetica c geometFia
Francez.
A' ra do Quoiraado n. 30,
: andar, de 1 hora en diante.
4I|a groza.
JSSficSSS iUBBJSS 3B8SI3 ^S5|8SS ^a lal)erna do Campos, na ra do Imperador n.
- .\a botica do pateo do Carmo precisa-se de 28, vende-se a 15 a groza de caixinhas de phos-
quitandeiras para vender pelas ras, alugadas. phoros.
primeiro
O abaixo assignado faz sciente ao respeitavel
publico e especialmente ao corpo do commercio,
queoSr. Antonio Bento de Campos deixou de ter
mino
e farlnba.
No armazem da aurora brilhante ha saceos gran-
des com milho novo a 35500, ditos com farinba
gerencia nos seus negocios desde o dU 12 do cor- igual a de Muribeca a 45 e 45500 e de farelo
rente mez. Recife lt de novembro de 186.1. da .khna mnitn fino a u. a.mw a ?;s nm,
i novembro de 1863.
Jos de Castro Redordo.
de Lisboa muito fino, a 45, 45500 e 3$, gomma
nova a 25500 a arroba e 80 e 100 rs. a libra, ji
m;iis antiga a 15280 a arroba e 60 rs. a libra.
Uvas de pellica.
Vcndem-se luvas de pellica Jouvin para senho-
ra e hornera, chegadas no ultimo vapor do cor-
rente mez, para o baile do club commen-ial de 22
de irrente mez : na ra do Queiraado n. 63, loja
Jo l*;y flor.
SEJM SEGUIDO.
QUINQUILHARIAS.
Ra do Queimado, ns. 49 e 55, fojas de
Jos Bigodiuho, queiram ver ver as fazendas.
que abaixo annuocio, pois todas eu garanto
que sao muito novas e baralissimas.
Pegas de trancas de algodao de to-
das as cores a.......
Duzias de liohas com 200 jardas, A-
lexandre, a..... .
Carritel de qualquer numero ,
i Varas de aspas para balo ,
, Caixas com superior obreias a .
Ditas de colla.......
1 libra de laa sortida .
i libra de 15a muito superior em co-
res e qualidade......
Pares de botoes de punho a .
Pares de sapalosde tranca .
Ditos muito superiores, a .
Caixas e pacotes de papel amisade de
cores a. ....... .
Duzia de meias muito unas para e-
nhora a........3$500
Duzia de ditas cruas para homema 2*400
Baralhos muito fnos para voltarete a 3O0
Carriteis de linha com 100 jardas a 30
Caribes de linha branca e de cores a 20
Novellos de linha com 400 jardas a 60
Ditos muito grandes com 800 jar-
das a .......1^0
| Cnrtes de linha com 200 jardas (est
se acabando a
80
10100
100
80
40
45000
70000
120
iHm
1*600
600
A viuva Rosa Jane, achando-se de volta a sua
residencia, na ra de Santa Rila n. 61, e j no to-
do restabelecida dos seus mcommodos de saude,
avisa ao respeitavel publico que contina no exer-
cicio de sua arte de dentista.
i Toalhas.
Narha do ApoUo n. 20, vendem-se toalhas de \'ara de lila nrpla riim rnlv^iP* ara
linho Vo Porto, com labyrintho e bico as pontos,; drd ,.*, ma P,eia UIID colxetes Para
ftto-Aarato preco de 23j a duzia.________ i vestido, e tem um resto parda a
60
100
r^u ^--'^-
L0J4D0P1IEGIIC4
sa-se saber-se o selo forero ; e por isso quem
se achar cobi esse Areilo, dirija-se ao caes do Ra-
mos n. 6.
O bacharel Francisco Gomes Velloso
de Alhuquer<|ue Lins tem o seu eseriptorio
de advogacia; na ra do Queimado a. 41,
1. andar, frento para a praca de Pedro II-
I B1SH0S PBLICOS.
Patelo Carmo.
A abertura deste eslabaleci ment das
6 horas da nianhaa at s :'<) da noite, o
publico encontrar;' banhos frios, momos
^ e medicinaos, vontade da." pessou cora
j lodo o a-seo possivel.
A i te ii cao
Xa rua.estreita do Rosario n. 19 trabalha-se com
toda a perfeicao em bordados e llores de todas as
qualidades,apromptam-se ricas grinaldas e boquets
para casamentos c bailes, d-se tambera licoes de
ilores s familias que quizerem aprender.
1 dInTIsfl DE PARS
19Ra Nova-19
Frederico Gautier, cirurgiao dentista, g
I^J faz ludas as operaeoes de sua arte, e col- |^1
S loca denles artliciaes. ludo com superio- S
Igg ridad.' e perfnii;ao, que as pessoas enten- &&
gl didas Ihe recunhecem.
Tem agua e pos dentificio.
- Precisase fallar rom o Sr. Ignacio
A inda-est por alugar-se o segundo an i
dar do obrado n. ii, em a ra da Auro ,c"'a U*. OSCriVilO em NazarClll,
ra : quera o quizer dirija-se esta mes'sobr.C nP0C0 IIUC 0 mesmo SCIlhor nao
ma ra casa n. 10.
Jlcia-agiia de 6g rs.
Na. -ua do Gazomeiro ha para alugar urna meia-
agua propria para Jiomcm solleiro, tendo porta e
jan.'lia com vidraca, e quicial na frente com por-
lo ; a tratar no obrado ao norte da fabrica
margem do rio; opo> existe outfa de
luO0 com maisNiunodos.


$
P1R1 %IilAIt
iiiior.1-; na ra do Iresp luja de fa-
zendas ii. 7.
Ao publico.
Est aberla a subscripcao na praca da Indepen-
dencia ns. 6 e 8, para a impressao de um periodi-
reco de c,) poltico, que lera por titulo o Nacional. O seu
' programma j foi manifestado nos Diarios de Per-
--------| namlmco do mez de setembro prximo passado.
, Suhscreve-se a :i3 por trimestre, pagos adiantado.
Logo que se obtenha sceiente numero de assig-
I liantes saldr o primeiro numero. O Nacional ser
| publicado em grande frmalo, duas vetee por se-
1 mana.
BARCO l \ IA o
ESTARELECIDO NA CIDADE DO PORTO
Agrnles era Pernanibueo
Antonio Lh/ de Oliveira
Azevedo & c.
Sacara por todos os paquetes sobre o
mesmo banco prazo ou vista, sobre a
caixa filial em Lisboa, e agencias em Fi-
gueira, Coimbra, Aveiro, Vizeu, Villa-
Real, Regoa, Vianna de Castello, Guima-
res, Rarcellos, Lamego, Cevilhaa, Draga,
Penaliel, Rraganea, Amarante, Angra,
Ilha da Terceira, Una de Faias, Ilha da
Madeira, Villa do Conde, Valenca, Raslos,
Oliveira de Azeraeis, Chaves *e Fafe, a
oito dias vista ou ao prazo que se conven-
cionar,no seu eseriptorio ra da Cruz
n. i.
SjEM NEC* 1/XII O.
Ra do Queimado n. 2. Objectos de tintura e msica.
Vendem-se pecas de madapoln fino enfestado: Na ra do Queimado, ns. 49 e 55, esl
com 12 jardas por 5, cambraia preta a 500 rs. a queimando ludo pelos precos abaixo decla-
yara, metas de seda de peso para meninas de 1 a rados e prestem toda a attenc0 para ver
10 annos a 2$ o par, lindas e fimssimas cambraias '. !" ">-v r,a
de cores a 360 rs. o covado, palelols de alpaca de 1ue e Dom e carato,
todos os tamaitos para meninos, ditos para ho- Duzia de facas e garios muito finos a 2(5500
mema 35, 4 e 35, chitas franeezas de bons pa- Dita dita dita de cabo prelO muitO
droes e cores fixas a 320 e 360 o covado, ditas es-
trellas a 240 o covado, balocs de arcos a :-5-oo e
45, ganga de quadrinhos a 320 o covado, coberto-
res de algodao a 1<5200 cada um, lentes de cassa a
80 rs., 100, 120, 160 e 200 rs., e outras militas fa-
zendas que se vende por barato prec,o, e de todo Ditas ditas para unhas, muito finas a
Bj-tirP^' "a ^ QUG' J Carlas de allineles d ferro a
finas a......... 3)320"
Dita dita dita de balance melhor,a 50500
Tesouras para costura, muito fi-
nas a
Aluga-se unta boa casa terrea com grande sotio: Aluga-se por preco commodo o segundo an-
-e-cozinliarra, um pequeo quintal e cacimba, na]dar da ra da Seaiaia Velua n] 48 : a tratar na
ra da Concordia n. 63, urna mei-agua cora com-: loja do mesmo.
moilis |>ara pequesa familia, na ra da Palma n.! --------------------------------------------------------
96, por precos commodfcs : a tratar na ra do rfl UI9ULIAC DADA iOP/
Queimado, loja de fazendas n. 41. f ULm J.lrlAo rAHA l004,
Aluga-se por preco mdico annualmente ou
somente pelo lempo da festa, um pequeo sitio coo-
liguo a povoacao de Beberibe, com casa de taipi,
redificada de novo, muitas arvores fructferas, pas-
sando pelos fundos do mesmo os dous rios grande
e pequeo : na ra Augusta n. 43.
A viuva Gibson e herdeiros do mesmo, ven-
do annunciado no Diario de boje por Theodoro do
Lago, que este se propoe a vender 30 a 32 pal- [
mos de frente do sitio de Beberibe outr'ora per-
tencenle ao casal do finado Jos Manoel de Ser-
queira, da parte d'aquelle sitio que Ihe pertence,
para o que convida os domis cousenhores a de-
clararen! se o querem tanto por tanto; e sendo
certo que o mesmo sitio se aeliava avaliado em
Cofre inqlez.
Vende-se por preco commodo um cofre inglez,
1 prova de fogo, e muito seguro, com pouco uso :
na ra Direita, padaria n. 84._______________
Chegsu rap de Lisboa novo, que se vende
em libras : na ra do Imperador n. 28.________
Chcgado pelo vapor:
so para o vigilante, ra do Cres-
po n. 9.
At que chegaram as muito desojadas cascarri-
j Ihas de todas as cores com urna litinha de velludo
| no centro, cousa muito elegante para enfeite, assim
como de outras qualtdadcs, c precos muito razoa-
veis : s no vigilante, ra do Crespo, n. 7.
Para dar de mimo.
Chegaram as riquissimas bonecas de todos os
lmannos, vestidinhos ricamente enfeitados, cada j
um em sua caixinha, propriamente para um deli-
cado mimo, por baratissimo preco : s no vigilan-!
le, ra do Crespo n. 7.
Ditas ditos de lalao muito finos a
400
400
80
40
globo, tendo em parlilhas cabido um tanto a cada,' para cartas dos senhores hachareis, assim como
Precisa -e de ntnaaau para engomnnr
nw Rosario n. SJ, tereeiro andar.
na
AJaganse
urna boa casa com todas as commodidades para
grande familia, eo:n um sitio para lassear perto
00 hacho, boa zgua, s.se aluga pela.fesla por pou-
co dinheiro na Torre, e no mecrao lugar fallar
na padaria.____________
A luga se a casa terrea n. 72 na ra Iir.pe-
berdeiro no valor do referido sitio, sera que ainda
at boje se enha precedido diviso algunia : as-
sim se faz publico para que nnguem se chame a
ignorancia e visto que se escolheu o meio da in-
prensa para fazer aquella nolificacao, tambera
por esta se protesta contra qualquer venda de cer-
to e determinado terreno pertencenle aquelle -
tio. Recife, 17 de novembro de 1863.
O secret.-. da S.-. l'n.-. e Virt.-.
da os niembros da
ecoo.". boje.
Ditas de dilo grandes..... 120
Caixasde phophoros de pao 10
Grosa de ditos do gaz a 2#200
Duzia de dilo dito a 200
Massos de palitos para dentes a 160
Abotoaduras para coletes a 160
Escovas para roupa.muilo finas a 400,
500 e......... 800
SEjU SECnUOTIO.
PECHINCHA.
Perfumara de superior qualidade.
O rival sem secundo, ra do Queimado,
ns. 49 e 55, esl disposto a vender mais ba-
Para os senhores hachareis. rato que nunca vendeu, para o que queiram
Chegou a tempo a riquissima fita de chamalote ver :
720
161
m
niesma
con vi
para ses.-.
riasdo costume, rs.
Dila de algibeira, sob a epigraphe
religiosa, contendo alem das materias
nal, com muitos commodos para grande familia : do costume OS sele passos da Paixno
a tratar na ruado Imperador sobrado n. 2, entra- de Nosso Senhor Jess Chrislo : cnti-
cos do mez Mariano; l.yrnnos e jacula-
torias ao Santissimo Sacramenlo; ex-
t^a piara da Independencia livraria ns. 6
e 8, acliam-se venda as seguinies folhi-
nhas para 1864 impresa nesta lypograpl.ia ^Mi^^'S &&3&
em excellente ivpo cbom papel,
Folhinlia do porta conlendo as male-
Duzia de saboneles finos a .
Sabonete inglez, o melhor, a .
Frascos com agua de Colonia muilo
fina a......., .
Ditos de dila grande a .
Ditos de Lavando ambreado, o me-
lhor, a........
Precisa-se de um moco de 16 20 annos de
: idadc,que tenha muia pratica de taberna e d fia-
ICO! dor a sua conducta, servindo d-se bom ordenado:
a tratar na prac,a da Independencia n. 22.______
ma nuilher porlugueza,chegada ha 3 dias a
esta cidade, deseja aceommodar-se como ama em
casa de alguma familia, a qnal sabe engommar e
fallar o inglez : na ra do Brum n. 41.
branca, lisa, propria para abrir letras, ou para
sinlos : s no vigilante, ra do Crespo n. 7.
Peutea de eiarrafa.
Tambem chegaram os riquissimos pentes de
marrafa com pedrinhas,os lindos pentes de regaco
para meninas, meias de seda e sapatinhos proprius
para baptisados, meias de seda para senhora, fitas
de laa para debrum, fita de linho, trancas de laa,
de linho o de seda, luvas de soda e pellica, o lio de UilOS de macara oleo multo bom a .
| Escocia e camurca, allineles de cabeca chata, car- Ditos perola muilo superior a .
teirinhas com todas as agulbas precisas para eos- Dtos je 0|eo de babosa a 240, 320.
tura, Itvelas de madreperola esmaltadas de ac ,^n
para sintos, flores de todas as qualidades. caixinhas _. j -, *, ".......
com pasiillias de perfumara, abafadores de laa UUOS de banha branca a .
para senhora, toucase sapatinhos de laa, pulseiri- Dito de cheilO muilO'bonilOS a .
nhas de borracha para segurar manguintos, litase Ditos de banha, pequeo, muito fina
cordoes de borracha, saboneles redondos, ditos
Alugti-sir ou vende-se
urna casa no Poco da Panella na ra do Rio n. 16
com 2 salas 3 quartos, cosinha ra c quintal
murado, Ceceado frente pana ra da Poeira, chao
proprio. todo negocm te l'ar eom quem pretender:
na ra do Aragao n. 8.
CASA DE SAUDE
fui Santo Amare
Do Dr. *ila llamos.
nico eetabeleeimeBto desia nalureza
que existe *ntre nos, montado do modo
que jiode cora todo o coa modo e zelo tra-
tar qualquer doeate, que Bella seja reco-*
i'ndo.
O edificio magestoso e eonserva-se
em perfeito estado de JijQjteza e conve-
nientemente ftiobiado.
Os doentes sao separados, segundo os
sexos, natureza das molestias e condicoes
sociaes.
lia analtos fortificados para os aliena-
dos, e una enfermara para as partu-
rientes.
O propietario ^nearrega-se de qual-
quer operacao.
O eslabelcimento franqueado qual-
quer Mscoa que o queira visitar.
Priiaeira classe 35000diario.
Segunda dila.... 25500
Terceira dita.... 2000
Para que qualquer doente sejaali -rece-
bido, basta que se mande o nome do deen-
te e da pessoa que o remette, com a de-
claraco da morada.
O proprietario aceita contratos annuaes
com qualquer que queira ter um ou raai
leitos sua disposicao.
plicacoes de diversas orafes; corda
Seraphica ; exercicio ao sagrado cora-
r o de Mara oraco para visitar as
igrejas no dia da Porciuncula ; oraco
para escolha dos estados da vida ; dita
a Senhora da Conceico ; e meditarles
sobre a reforma da consciencia, rs. 320
Dita de dila, sob a epigrapheVa-
riedade, conlendo alm das materias do
costme : receitas uleis e necessarias
aos diversos myslerios da vida ; physi-
ca e recrealiva ao alcance de lodos:
pilherias e ralices; poesas: charadas;
mximas e pensainentos colligidos por
um curioso..............320
O abaixo assignado scientilica ao respeitas'el
corpo commercial que desde 11 do corrente deixou
: de ser caixeiro do Sr. Joaquim Lopes da Costa
; Hala ; assim como deixou de ser seu procurador
I e encarregado .das cobrancas approveita o abai-
j xp assignado a opportunidade para agradecer ao
I dito Sr. Maia as delicadas maneiras com que o
tratou durante 10 annos, 7 mezes e 5 das que foi
sea caixeiro. Reejfe 16 de novembro de 1863.
Justino Manoel Ramos.
Aluga-se urna casa
tratar com J. I. de M.
Trapiche, n 3i.
em Bebiribe ; a
Reg, na ruado
COMPRAS.
Compra-se urna batanea grande que possa
pegar at 20 arrobas : na ra Nova de Santa Hita
n. 63 ou 70. ,
Ciarrafes pequeos.
No armazem da aurora brilhante largo da Santa
Cruz n. 8i, compra-se garrafoes pequeos a 320.
4st para alugar-se o primeiro o segundo
andar do sobrado da ra das Aguas-Verdes :
quem pretender falle na ra das Cruzes sobrado
ii. 9, lado direito quem vai da ra do. Queimado
para S. Kcancisco. No mesmo sobrado ua para.
vender-se urna rabeca que serve para bracos
ortos.
J! WW<&J*m, '' *. v
Joao.da Sil\-a Ramos, medico pela uni-
versidade de Coimbra da consultas em
| sua casa na ra Nova n. 50, das 8 s 10
horas da maana e das 4 s 6 da tarde e
recebe igualmente convite para dentro
ou fora da cidade cora o fim de so en-
carregar de qualquer servico de sa pro-
fisso.
O* amados devero vir por esenipto.
Compra-se urna casa terrea dentro da cidade
que nao exceda de 1:0005 ou d-se a mesma
qtiantia a juro de 2 por cento com hypotheca em
algum predio : quera quizer annuncie para ser
procurado.___________________
Comprase urna armacao que fosse de taber-
na ou que sirva para este lim : a tratar na ra das
Cruzes n. 42 junto a esta typographia.
chamados de familia, pomadas de todas as quali-' *
dades e dos fabricantes mais afamadas, colchetes UilOSde opiata a 200 rs., e boa a
pratados muito finos, retrox de lodasas qualidades, Ditos de banha japoneza a .
retroz em carretel e em novello, e de meada, de d[0S de banha transparente a .
todas as cores, escovas para dentes, ditas para rou- r,:. filncnnnp a
pa, ditas para chapeo e ditas para unha, de todos ull0S ue oleo '"conne a .
os precos, e oulros mais objectos, que se tornara >
enfadoiiho annuncar.e vista dos freguezes pro- U VA
mette-se fazer todo o negocio: s no vigilante, ra il 1 f i J
Fnriiihn iMiiawliofti ^^ SEGUNDO.
riMlUltU^ilitlllUiUUl. Objeetos diversos.
Vende-se superior farra ha de mandioca da pro- nn ,,. a*__j. ,n k-___j.
vincia deSantl Calharina, a bordo do brigneori- .Rua lo Queimado, 08 49 6 86, vende os
enlal Protegi, fundeado deronte dos navios atra- ODjeciOS abaixo declarados, pois e para aca-
cadosao trapiche Barao doLivramento; parame- bar; esles precos nao sao para continuar,
Ihor se distinguir o navio tem cada urna bandeira mas as nesessidades assim O permilte.
Pares de luvas de algodao. finas a 80
Caivetes de aparar penas, de 1 fo-
com o nome em letras azues. Vende-se a farinba
a bordo, ou na rua da Cruz n. 23, primeiro andar,
eseriptorio de Antonio de Mmeida Gomes.
Farelo a 3$o00
e 45 a sacca : no armazem da estrella, largo do
Paraizo n. 1 i.
Ida a ,...'.... 80
Diiosde2 ditasa......160
Compra-se urna escrava que tenha de idade
12 16 annos, qu seja bonita: na travessa do
Paraizo, sobrado n. 18.
Cooipram-se frascos vasios que tenhan sej
vido a agua de colonia : na pra^a da Boa-Vista n.
26, deposito de assucar do Monteiro.
Compra-se urna escrava moca que seja boa
costureira e engoramadeira.: na "rua do Crespo
numero 17,
Compra-se effeciivamente ouro e prata em
obras velhas : na praca da Independencia n. 22,
loa de bilhetes.
Compra-se cobre lato velho
na rua da Cudria do Kecife n. 36, pri-
meiro andar.
Compra-se um escravo de 35 a 40 annos, que
entenda do servco de sitio : na rua do Queimado
n. 13, primeiro andar.
PECMlkc
i Caixas de colxetes francezes a. .
; Duzia de dito francez a .
Massos com grampos lisos e de cara-
col a .........
Duzia de dedaes de metal em caixi-
nha de vidro.......
Tinteiro de vidro com tinta superior
a..........
Ditos de barro que serve para tin-
teiro a........
Vendem-se para liquidar eonlas dous fogoes in-
glezes, sendo um grande com dous grandes fornos,
proprio para cozinhar em um hotel para 120 a 150
pessoas, e outro para 15 a 25 pessoas, e se encar-
regar de senta-Io o vendedor, ou dar explicaces i Grosas de botoes de louca prateado a
necessarias por escripia, sendo para fra: trata-. pecas se na rua do Vigano n. 10, armazem naval, a An h- u- '
qualquer hora, das 6 da manla s 6 da tarde. Vd.ras de D1C0S e rendas. Par aca-
VEND1S.
Vende-se um palanquim novo de cortinas
douradas, com um pequeo defeito embaixo das
cortinas, por preco commodo : a tratar na rua do
Hospicio u. 22. _________________________
veniik-si:
Padre Ventura, Les ferames de i'Evangile, Mere de
liirii, Ecole des miracles, H. Pinto, Imagem da
Vida Christaa, V. de branles, Missao especial,
Magalbies, os Tamoios, Le Bretn, Pompeo, Diabo
Coxo, Duchatelet, Prostitutra, Guisot, Revoluton,
O. Mendes, Eneida, V. Hugo, Contemplatons : na
rua do Rosario n. 12.
Varas de bicos
bar a.........
Varas de labyrinlo de 3 dedos de
largura a........
Ditas de pos para denlesa .
j Pentes de tartaruga a 3&000 e .
Resmas de papel de cores a .
DO ROSARIO?
Francisco Pinto Ozorio contina a col-
locar dentes artificiaes tanto por meio de
molas como pela pressao do ar, nao re-
cebe paga alguma sem que as obras nao
fiquetn a vontade de seus donos, tem pos
e outras preparaedes as mais acreditadas
para ceuservacao da bocea.
Vende-se urna mua propria para viagens :
quem pretender, dirija-se cavallance do Sr. Tho-
maz, no iargo do Capim, ou rua Forraosa n. 17.
Vendem-se duas grades de ferro por preco
commodo : na rua Direita n. 46.
Vende-se urna rica parelha de burros muito
novos e mancos : na rua do Sol, cocheira do Costa
numero 23.
iil.
A bordo da barca ingleza Recife vende-se sal de
superior qualidade : a tratar com Jos Joaquim
Alves, na rua Nova n. 69.

Ordem terceira do Carmo do
Kecife.
A mesa regedora da veneravel ordem terceira io
Carmo convida a todos os seus rl.-arissimos irmos
Irmandade do Divino Espirito
Santo.
De ordena da mesa irgedora convido a todos os
nossos charissimos irrn'os comparecerem em
nossa igreja domingo 22 de corrente. s 3 horas da
para eomparecerera na igreja da nresma paramen- tarde, alim de encorporadoe, acompanharmos a
lados com seus hbitos, no dia 22 do corrente, pe- procissao de Corpus Christi que tem de sabir de nos-
las 3 horas da tarde, para acorapanhar a procisao sa igreja, e para a qual foraos convidados pelo
de Coi pus Cristi. Exm. e n vm. Sr. Bispo Diocesano. Onsistorio da
secretaria da ordem terceira do Carmo do Reci-1 irmandade do Divino Espirito Santo 18 de novera-
e 18 de novembro de 1863.-0 secretario, bro de 186&-0 escrivao,
Francisco Jos dos-Santos Jnior. | Antonio Augusto dos Santos Porto.
Trras de algod.
Vendem-se dous sitios prximos villa do Li-
moeiro, com bastantes trras propriasde plantacao
O Ll \ HO DO POVO.
Segunda edico mais correcta, ornada com
27 estampas, e augmentada com 48 paginas
de texto, contendo: a vida de Nosso Senhor,
Jess Chrsto, fbulas, o vigario, o bom ho-! ^pre^d 8000 rg Supenr P S"
lo armazem de fazendas bara-
tas de Santos Coelho
RUA DO QUEIMADO N. 19 VENDE-SE O SE-
GUINTE :
Cuberas de chita da India
pelo barato preco de 25000.
Lencos
de panno de linho a 25000.
Lenees
de bramante de linho fino pelo barato preco de
35000.
Lencos de cassa
brancos, finos proprios para algibeira pelo barato
preco de 2*000 e 25400 a duzia.
Fil liso fino
pelo baratissimo preco de 680 rs. a vara.
Madapolo fino
mem Ricardo, quadrupedes uteis, o profes-
sor primario, moral fratica, Sim5o de Nan-
tua, mximas e sentencas, hygiene, receitas
de algodao hoje to apreciado no nosso mercado, I necessarias, o Brasil: vende-se na livraria de
sendo um denominado daDe phina e outro Mongol e\n L;.a a n n. T
Tres Lagoas- : trala-se no Recife cora Francisco,',? F'gueira de Fana & Filho, praca da
de Miranda Leal Si;ve, ou Jos Mana Seve, ambos ^dependencia ns. 6 e 8, a 600 rs. 0 exem-
moradores na ilha dos Ralos, rua do Seve ns. 12 e
16, visinho aponte de ferro que vai da mesma ilha
para o theatro de Santa Isabel.
piar era brochura, e a lcartonado.
INJECCAO BROW.
Vende-se a taberna da rua Direita n. 25, sor-
tida e bein afreguezada : a tratar pa mesma. Remedio lOfallivel contra as gnorrheas
ptima paragem. antigs 9 recentes, nico deposito na bo-
Vende-sa a uberna da rua da Concordia n. 12:|uCa franceza, rua da Craz n. 22, pre-
a traur na mesma. co 3ij.
Ricas saias
de fustao a 55500.
Pecas de hrftanha
de rolo com 10 varas propria para saia a 35200.
Pecas do cambraia
adamascada para cortinado com 20 varas pelo ba-
rato preco de 105000.
Bramante de linbo
fino com dez palmos de largura pelo barato preco
de 25300 a vara. v
Tealbas alcocuoadas
para mo pelo baratissimo preco de 55000 a du-
zia.
No deposito da rua da Lingueta n. 6 yeo,.]
dem-se ervilhas e centiihas de diversas marcas.
NOYA LIQUIDACia
de fazendas inglezas, franeezas, allemaas e snlssas,
que se pretendem liquidar antes da fesla do na-
tal, por precos baratissimo*, alim de apurar di-
nheiro, sendo a ma.or parte destas fazendas m-
teiramente novas chegadas pelos ltimos vapo-
res ; de todas se dao amostras, deixando penher
na loja e armazem do pavao, rua da Imperatrir
n. 60, de Gama d; Silva. F
As Uazinbas do pavao.
Vendem-se as modernissimas lazinhas com 9
palmos de largura, sendo lisas e de quadrinhos
proprias para vestidos, capas soutant baques pel
barato preco de 15200 o covado, ditas com 4 pal-
mos, lisas e de quadrinhos a 500 rs., ditas garibal-
dinas a 400 rs., ditas enfeitadas de quadrinhos a
360 rs., bareges matisados muito finos a 500 rs.,
lazinhas transparentes com palmas de seda a 500
rs., ditas matisadas a 320 rs. o covado: s na loja
do pavao, rua da Imperatriz n. 60.
Os corles de cambraia que vende o pavo.
Vendem-se cortes de cambraia branca com ba-
bados a 25500, ditos a 35000, ditos a 13000, ditos
chinezes a 45000, pecas de cambraia transparentes
adasmacadas proprias para vestidos, tendo 8 varas
e meia a 35000, ditas lisas brancas e de cores a
25500,35.35500. 'i5e.">5, peras de cambraiadeca-
rocinhos tendo 8 varas e meia cada urna, sendo bran-
cas e de cores a 35500, ditas a 25500, pecas de
cambraia para cortinados, sendo tapadas e trans-
parentes com 20 varas cada peca a 95O00, isto lu-
do para apurar dinheiro : na loja do pavo, ruada
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os chales do pavo de Moranibiqae a 1:000.
Vendem-se os mais modernos chales de Mozam-
bique, sendo de urna s cor, com barra e muito
grandes, pelo baratissimo preco de 45000, atliaii-
cando-se serem os mais modernos do mercado, di-
tos de merino eslampados a 25000, ditos a 35000,
ditos muito finos de rrepen com 4 ponas e pona
redonda a 65000, 75000, 85000 e 95000 : s na,
loja do pavo, rua da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
0 pavo vende casemiras a 1:600.
Vendem-se casemiras franeezas enfestadas, pro-
prias para calcas, cohetes, palitos e capas para se-
nhoras, por ser de urna s cor, sendo fazenda que
sempre se venden a 35000, liquida-se a 15600 o
covado : s na loja do pavo.
0 pavo vende chapeos de sol para senhoras a
1:000.
Vendem-se chapeos de sol, a ingleza, sendo co
bertos de linho e forrados de verde, proprios para
senhoras que forem passar a festa, ou para meninas
levarem para a escola pelo barato pre^o de 15000,
ditos marquerinhos de seda com franjas e cabo de
dobrar a 25500, ditos de siida para homens, sendo
com armacao de baleia a 65C00 e 75000, isto para
apurar dinheiro : s na loja do pavo, rua da Im-
peratriz n. 60.
0 pavo vende cachemiras da Escossia, corte
2:2-10, covado 610 rs.
Vendem-se corles de cachemiras da Escossia,
para calcas, pelo barato preco de 25240, tendo da
mesma fazenda para vender em covado a 640 rs.,
sendo esta fazenda muilo encorpada, a imilaco de
casemira, e garante-se que nao desbota. Tambem
se vendem cortes de casemira ingleza, de cores es-
curas para calca pelo barato preco de 15800 cada
corte, ou a 500 rs. o covado : s na loja do pavo,
rua da Imperatriz n. 60.
0 pavo vende os veslidos brancos bordados.
Vendem-se os mais ricos veslidos de cambraia
brancos, bordados croch, sendo os mais moder-
nos que tem vindo ao mercado, tendo as saias i
palmos, e vendem-se pelos baratos precos de 105,
125 e 165000 : s na loja do pavo, rua da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
A's pcthinclias do pavao, anles qnc se acabem.
Ricos cortes de cambraia branca com babados e
duas saias bordadas croch, lendo bastante fa-
zenda para vestido, pelo baratissimo preco de 35000
cada um, ditos de cambraia de seda com barra o
babados a 25500, para acabar, cortes de vestidos
Maria Pia, sendo fazenda de bonito goslo a 35500,
cortes de cambraia brancos com babadinhos a 25,
enfeites para caneca, sendo (aribaldi e turca a
45000, dilos com lilas e flores a 25000, camizinhas
400 bordadas para senhoras a 15000, manguitos de va-
500 ri05 m0(lelos a W. inn c Mft rs., calcinitas para
meninas a 500 c 640 rs., gollinhns bordadas a 320
500 rs., sedas de quadrinhos a 640, ditas de listas
a400 rio covado, fustao para vestidos e roipirmas
de meninos a 320 rs. o covado, alpakim ou gorgu-
ro de linho a 260 rs., ganguelin de una s er a
320 rs. o covado, toalhas de linho adamascadas,
para rosto a 15000, vestuarios para meninos eme-
oOO ninas a 15600 e 25000, tiras bordadas e ntremelos
{0 mais barato que em outraquajquer parte,tndo isto
3Q(, pechincha e vende-se para liquidar : na rua da
Imperatriz n. 60, loja o armazem do pavao, de Ga-
ma & Silva.
(irosilenaplrs a I:.'i00, na loja do pavo.
Fazenda a 15000, 15600, 15800 e 25000 : s na
loja do pavao, rua da Imperatriz n. 60.
0 pavo vende para lulo.
Vende-se limssimo setim da China, fazenda sem
lustro, proprio para vestidos de senhora, para ca-
pas o roupa |iara homem, tendo esta fazenda seis
palmos de largura e sendo muito leve, vende-se
pelo baratissimo preco de 25200 o covado, garan-
tindo-se ;|ue nao se torna ruca, e vende-se nica-
mente na rua da Imperatriz n. 60, loja do pavo.
A carnauba do pavo.
Vende-se cera de carnauba em saceos, por preco
muito em conta, ou mais barato do que em outfa
qualquer parte : a tratar na rua da Imperatriz n.
60, loja de Gama & Silva.
Sedas do pavo a 300 rs.
Vendem-se sedas de quadrinhos com pequeo
toque de mofo, pelo baratissimo preco de 500 rs. o
covado, dilas em perfeito estado a' 800 rs., ditas
com listas, para acabar a 400 rs., gorgurao de seda
para vestidos e roupa de meninos a 15000 o cova-
do : na loja do pavo, rua da Imperatriz n. 60, de
40 Gama & Silva.
0 organdy do pa>o a 300 rs.
Vendc-se limssimo organdy matisado, branco,
para vestidos, pelo baratissimo preco de 500 rs. a
I fo vara ou .100 rs. o covado, cassas franeezas fimssi-
mas a 240 e 280 rs. o covado, dilas com palmas
grandes, fazenda inteiramente moderna a 440 rs. o
covado : s na loja do pavo, rua da Imperatriz n.
U), de Gama & Silva.
As chitas do pavo.
Vendem-se chitas franeezas, escuras, a 280 rs.,
ditas a 320 rs., ditas a 360 rs., ditas matisadas mui-
to finas a 400 rs., ditas prelas largas e estreitas,
ditas matisadas com lloros proprias para roberas :'
na loja do pavo, rua da Imperatriz 11. 60.
0 pavo vende os corlinados.
Vendem-se ricos cortinados adamascados pro-
prios para janellas, e camas para noivos, pelo ba-
rato preco de 95000 o par : na rua da Imperatriz
n. 60, loja do pavao.
0 pavio vende os relalhos.
Vendem-se por precos baratissimos, porcao de
retalhos de chitas, cassas e lazinhas: na loja do
pavo, rua da Imperatriz n. 60.
Fustao do pavo.
Vende-se fustao branco para vestido e roupa de
meninas a 500 rs. o covado, dito de palminhas a
320 rs., tarlatanade palminhas a320rs., fil bran-
co liso, e tarlatana branca e de cores a 800 rs. a
vara : na rua da Imperatriz n. 6A loja de Cama &
Silva. *-"%> ^^^^
0 pavo v1rty"rores de calca.
Vendem-se cortes de caigas de casemira de co-
res a 25400, ditos de cachemira da Escossia a
25240, ditos de panga a 15600, ditos d* brim de
urna s cor a 25240, ditos de castor a 15280, ditos
de casemira preta a 45000 e 55000, ditos de case-
mira fina de cor a 55500: s na loja do pavo,
rua da Imperatriz n. 60, de Gama <& Silva.
Os ricos vestidos Kouiambar-
que, que ehegaram para a loja
do pavo.
Chegaram pelo ultimo vapor francez os mais
ricos vestidos outambarque, sendo com as saias
j feitas e ricamente enfeitadas e guarnecidas,
tendo a precisa fazenda para fazer o corpo; com
seus competentes soutambarques primorosamente
enteitadas, vindo tudo em um s cartao, assim co-
mo as mais modernas camisinhas com manguitos e
punbos a balo ricamente enfeitados, e vendem-se
ir preco favoravel : na loja e armazem do pavio
rua da Imperatriz n. 60, de Gama Silva.
500
100
200
200
900
800
720
800
40
300
100
160
20
60
100
100
30300
25000





1 -

,&:


"'-

Diario de Pemambuco *exla eira 2o de Xovembro de 18G3.
a
46--KUA DIEEITA-45
A AGUIA BRANCA.
Receben por esse ultimo paquete:
Novas carteiras com as excedentes agulhas
ingiezas.
Agulhas parisienses tambera de excellen- wtrdlor-de branfa' "rSrav"' VAB-3 M&lBMl
te qualidade. Dita de tom 1S 7" E"' raPasiada corageml V* ja
Traocelins finos de borracha para en- i entregastes os vossos joanetes aos duros sei-
dar. VMi.ii.rn p!rl vlaS>*' xos do pessimo calcamento da nossa cidade I
Botoes pretos de velludo, maiores e me- Branca n 8 a rua -uc,rnado> loJa d'Aguia s se observa em vossos ps botinas acalca-
ores para vestido, i Yol i as nietas nhadas e gastas at ultima sola; sapatoes
Transinhas brancas estreitinhas d'algodao,: A mama pa. i rast>ados e quasi sera saltos___nem tanto!
para enfeites de vestido. A Agoto Branca recebcu as desejadas voltas a quebradeira nao deve chegar at este pon-
Escovas cabos demadeira, osso e madre- Pretas>"" compndas.; gradas.
AGUIA BRANCA.
Da rua do Queimado n. 8, receben.
Tnico oriental de Kemp.
Agua florida Mnrray & Lanman.
Dita de flor de laranja Condray.
Dita de rosasdito.
Bolsas para viagens.
Vendem-se na rua do Queimado,
perola para lirapar pentes.
Pincs para p de arroz.
As lindas fivellas com pedras para cintos.
Outras de fino dourado e esmaltadas.
Outrasde madreperola.
Bonitos leques de madreperola com bou-
quet.
OutrOs leques d'osso com bouquet.
Outros de plumas, com cabos d'osso e
madreperola, e outros finalmente de snda-
lo e pretos.
Pentes de borracha, recortados, domados
e com pedras para meninas e outros de tar-
turuga.
Meias de seda para baptisados.
Lindas touquinhas de fil de linlio. cam-
braia esetim, mui bemenfeitadas para man-
as.
Ligas de seda para senhora, e ditas para
manguitos, ou meninas.
Livrinlios para notas
Novos tercos de cornalina, e coral lapida-
do com cruz de prata etc.
Bonitas pulseiras brancas de perolas fal-
sas, e outros de chapa de crystal o pago,
com listas douradas.
Todo na loja d'Aguia Branca, rua do Quei-
mado n. 8.
Labyrinlhose bicos,
tao baratos que o comprador admira.
Esses labyrintlios e bicos se applicam a
diversas obras e fins, e sempre com provei-
to por suas fortides e duraco, boje mais
do que nunca, convem a todas as familias
compra-Ios para aproveilarem-se da occa-
siao em que el les sao vendidos to baratos
que na verdade o comprador admira, e bem
se pode dizer que por taes precos nunca
mais llavera. Os labyrinthos sao de novos
6 bonitos desenhos das larguras de quatro
dedos at mais de um palmo (ou tres a dez
pollegadas) e os limitados precos sao de 1$
a 3$ a peca de dez varas, variando estes em 0*
GRANDE LIQUIDACAO
Fazendas franrezas
DE
e inglozas todas
to Vinde a rua Direita munir-vos de excel-
lente calcado com 40 e at 60 por cento
menos do seu valor.... attendei:
Borzeguins, Nantes, bezerro e va-
de superior queta 2 e meia solas. .
qualidade: se vende muilo barato para liqui- Borzeguins, Nantes, bezerro, va-
dar tontas, na loja e armazem do Arara, rua qucta e lustre 2 so|as
da Imperatriz n. 36 de LourcHco Pereira Gui- Borzeguins, francez e hamburguez,
JKlg, bezerro, lustre e couro de por-
t-rande pechinchaLaa de 9 co 7$ e
Vph.1 f f-,m.OS a ?*f' ^ SaPat5es, antes.'bezerro e'vaque-
vende-^e laas transparentes de cores lisas ta 2 e meia solas. 55500
nHK nar T ^'T. ^ '^"'T PI"" SaPat5eS' NanteS' Va a liaracaasevcstidosparaseoraa: bezerro2solas. .... 51000
15280 o covado ; lazmhas muito finas de Sauates Nantes sola e vira
qua nnhos a 280 e 320 rs. o covado ; di- SK^S.^i-
tas transparentes muito finas a 400 e 500 nitns Itp ditas HpmrP!i
8#500
8.JOO0
OtfOOO
O BALIZA
dem de lustre s avessas
i9 aVifinie da JE oda.
relajo a largura. A ser em varas haver
mu pequeas difirenos, os bicos porm
principiam por mais estreitos at a maior
largura dos labyrinthos, e os precos s3o
igualmente proporcionados. Isso pois. as-
simsimplesmente dito talvez pouca conside-
rarlo mereca, porm para desengaar e fa-
zer o comprador reconhecer a verdade e a-
preciar o extremo da barateza, necessario
que se dirijan) com dinheiro; a rua do
Queimado loja d'Aguia Branca n. 8.
Graxa econmica.
A aguia branca acaba de receber essa acredita-
da grata econmica, cuja suporioridade est ge-
raJmente reconheeida ; essa boa graxa se torna
ecommendada, tanto porque o calcado lustrado
pila deixa perfeilamente lustroso ao menos
tres das seta necessidade de novo unto, tomo
sesmo porque sua preparars appropriada para
imaciar e conservar o couro'; ella vem em cand-
abas e barrizinhos, e acha-se venda na rua do
Queimado n. 8, loja d'aguia branca, aos rezunndos
.oreos de 400, 500 e 640 rs.
Pentes de concha.
Com as novas e dir^~ s goaroiedes de
pentes que a .4-'iiii Branca acaba de rece-
ber, veio tatnTOi?T"unia 'pequea "ijualidTle
de pentes de concha que com grata e acer-
Ditos de ditas, de cores,
rs o covado ; gorgurao de cordita, fazenda sapatos para senhora e hornera,
una e nova para vestidos por ser padrao de; tapete.....
seda por 500 rs. o covado. So na Arara' Sapatos de'borracha para senhora!
ha este grande sortimento de lazmhas e: dem idem para meninas
outras multas fazendas, que trouxe o ultimo; Sapatos de lustre para senhora. .
vapor viudo da Europa : rua da Imperatriz Hm inctro ><
n. ')G, loja do Arara de Mendes Guimarcs.
A Arara vende ricos vestidos bordados brancos
a 12 mu rs.
Vendom-se ricos e finos vestidos brancos
bordados a 12)3 ; ditos mais singelos a 5<$ ;
ditos le barras de tarlatana de cores a 3$ ;
ditos de barras a 30 e muito baratos : rua
da Imperatriz n. 50, loja da Arara.
Mais pechincha na AraraCassas a 200 rs. o co-
vado.
Vendem-se cassas organdys de quadros
cor de caf e mais claros a 200 rs. o cova-
do ; ditas franrezas linas a 240, 280 e 320
rs. o covado; cortes de chitas de cores a
25 ; ditas francezas com pequeo toque de
mofo a 26500 ; cortes de riscados famosissi-
mos com 14 covados a 33 (s na Arara,
rua da Imperatriz n. 56 ); cortes de casimi-
ra enfestada para calca a 15, 15000 e 25,
tendo cada corle 1 vara e 3 quartas, cousa
muito barata ; casimiras finas a 25500 e 35
corte; casimiras lisas para capas de se-
45000
35500
5800
800
15400
15000
15000
5<
Attenco!
Posto que domine no cora-
go do BALIZA a mais bem en-
tendida ambico de tirar de
seu negocio as melhores van-
tagens, com tudo elle n5o pro-
cura fazer fortuna vendendo
gato por lebre;
Quando nao se negocia aca-
nhadamente, est bem ao alcan-
ce de todos a facilidade de fa-
zer-se boas compras, para ven-
der-se barato.
LEDE! LEDE
!
Lelam iodos.
Ao armazem do BALIZA po-
dem ser devolvidos quaosquer
gneros qne por ventura nao
sejam do contento dos senho-
res compradores. Nao fica
resentimento aljum em se tro-
car por outro, ou restitnir-se
o dinheiro recibido,
Manter a todo o costo o sen
rdito, e agradar aos seus a-
inigos e freguezes, todo o
desejo do proprietario deste
estabeleciraento,
LEDE
u V"; f.-U
AGUA FLORIDA
De Murrav it Lanman.
Sempre a frente do progresso,
Constante marcha o BALIZA,
Tem por norte o bem comnium.
A verdade por divisa.
nhora cora (5 palmos de largura a 35 o cova-
do : rua da Imperatriz n. 56.
A Arara vende chitas a 210 rs. o covado. Sao
largas.
Vendem-se chitas francezas com toque de
mofo, que se extinguir logo que forem la-
vadas, e as cores sao ixas a 240 e 280 rs.
o covado; ditas limpas e finas a 320, 300
e 400 rs. o covado ; lencos brancos com
barra de cores finas a 160 rs, cada um ; di
tos brancos todos a 200 rs.; ditos muito li-
nos a 30 rs ; meias para homem a 200 e
240 rs. o par ; ditas para senhora a 320 e
400 rs. : na loja da Arara, rua da Impera-
triz n. 56, de Mendes Guimares.
Scdinhas da Arara a >C0 rs. o covado.
Vendem-se sedinhas para vestidos de se-
nhora a 560 rs. o covado ; cassa-seda com
palmas soltas a 500 rs. o covado ; chalim
de cores para vestidos de senhoras a 500
rs. o covado ; sarja de cores para vestidos a!
400 rs. o covado rua da Imperatriz, loja do
Arara u, 56, A- Alendes (uimares.
Madapolo francez enfestado a 1000 rs.
Vendem-se pecas de madapolo francez |
enfestado a 45 e 3500 : pecas de algodo
llmente servem para o moderno atado dos jencorpado a 45, 45600 e 55500 ; madapo-
cabellos. Elles sao de bonitos e agradareis lo inglez com 24 jardas marra Rainlia a 75J:'
moldes, edetamanho pequenino como con-
vem para o fim que sao. E' esta a primei-
Esfe raro qoSo delicado perfume
quasi que inextingaivel e tio clieio de
mimosa fragrancia e frescura como o
delicado chein? das proprias verdecen-
tes florea. Dnrante os inores caloren-
tos do verfio o sen uzo torna-se im..on-
tci.unte apravel c desejavel em con-
secuencia da influencia refrgirante c
Buavc qne ella prodnz sobre a pelle:
em quanto que nzada no banho ella
imparte o coipo lnguido e caneado
nina certa clasticidade de vigor e forca.
Ella l mpo i !. imtuparenoia afeiqe$y
6 remove pannos, sardas e leroejas ih
x;brc c jjdle.
^
<-~*hy
DE
01911
?AEA OS CABELLOS,
Largo do Livramcnto i:s. js e3 \
Defroote da grade da igreja
! AO RESPEITAVEL PUBLICO
Senhores e senhoras
0 incansavel proprietario do grande aimazem do Baliza toma a liberdade do mandar
declarar do alto da imprensa pernambucana, que elle perfeilamente liberal em offerecer ais seos
benvolos freguezes as melhores qualidades dos mais bem escomidos gneros, nao s do paiz como do
estrangeiro a precos de contentar e satisfazer a todos.
Fazendo tao publico e espontaneo manifest, o referido BALIZA julga de seu rigoroso dever
declarar mu seria e pusitivamente nesla oportunidade, que tambera o mais firme e dedicado conser-
vador de sua numerosa freguezia.
Da boa qualidade e barateza dos gneros offerecidos aos seus freguezes, junta ao pequeo ta-
nno que tira para si, tem sabido fazer o BALIZA a mais perfeita liga de interesses recprocos, que acu-
das as consciencias deve por forca e necessariamente agradar.
Tendo por conveniente tambem a publieagao do seguinte aviso, o BALIZA faz saber tnicamente
aquellas pessoas que sempre estao promptas a comprarem tudo, com tanto que se mes permita paga-
ran logo, que elle
, ;
i- 3

'>: -i-i
NAO VENDE FIADO.
:.
ra wi ijne d'eles aqoi clicgam. por isso
que i moda novissima. pelo que ganha-
rao a palma aquellas senhoras que primei-
ro se apreseatarem com elles, para o que
is ,ulularlo comprar na lo;a d'Aguia Bran-
ca, rua do Queimado, n. 8.
f apellas, flores e Invas enfeita-
das para noivas.
dito Elephante a 75300 : dito n. 6 fino a
85; dito n 7a9; dito de cordadourada
a 105, todos estes madapoloes sSo muito li-
nos : rua da bnperatriz, loja da Arara de
Mendes Goimaries.
Ilonp fi'ila da Arara.
Vendem-se uniformes completos, como
sejam : palelols, calcas, coleles de casimira
ingleza a 103> e 125; calcas de brim e
ama praparaeSo admiravel para lim-
par. aformoeear, conservar e restabele-
cer os cabellos.
A venda as boticas de Caors & Barboza,
rua da Cruz, e Joao da C. Bravo & C, rua.
da Madre de Dos.
nina casimira
Pelo ultimo paquete a Aguia-hranca rece- cores a 25000,
a 2
e 33
fieu os artigos cima sempre necessarios s
noivas, os quaes, segundo suas recommen- roulas de bramante fraoceza
is. rieram de muito gosto,
mentt delicados.
is capellas s5o de mui moderno e agra-
iB0lde.de linas flores, e acabadas com
ido o smero: as flores solas sao extre-
mamente delicadas e proprias para enfeites
le restidoi e mesmo ornatos de cabeca, sen-
paletts de brim de
ditos brancos a 35 ;
S&OP.t
Na rua do Queimado n. 43, esquina que
tolla para a Covgregagao ; pechincha.
Paletots de casemira a o, 6, 7, 8, 12 e 145000 '
ditos de panno preto e azul a 9, 10, 12, 16 e 185
Os amigos da economa, aquelles que s comprara os objectos de que carecem, c que gostam fi-
nalmente de empregar bem o seu dinheiro venham a este estabeleeimento.
Do proco de qualquer genero annunciado a venda em outros estabelecimentos, podem os senho- %
res freguezes diminuir cinco por cento, e vir cumpra-lo ao Baliza, que sendo, como todos sahem, o ho- '.
tnem do movtmento prefere ganhar muito pouco, com tanto (pie seja por moitas vezes repetido. Sfijfc"' j
v -. S3
38RUfl DO ISVIPERADOR38

r. ^.o _,Vv,v,v,, L .,, uiw uimiwo a dilos sohrocasacos de panno muito lino por 245 e
Utos de meia casimira a 30300 ei; se- 285, ditos de alpaca preta e de rordao a 4, o, 6 e l
-'-as de caseniiras de cores a o, 6, 7 e 85000,
tas a 65500, 8, 9 e 105, paletots de fustao I
Agua natural de Condilae.
s a 1*600; ditas J& calcas
e perfeita-! de linho a 25 : camisas francezas a 15600; fjffJJf,
I ditas mudo linas a 25 e 2^500 ditas de li- uxtosas qualidades por preco nStafato! leo- i muil rcconimcndada as alTeccoes do tubo Rastro-intestinal, nos dosrin?, e bexica ourinaria, pelas
lino ingiezas .* ; camisas de meia para no- eoes de puro linho a pre^ode 25800 e .')5 cober-:suas Propnedades alcalinas, c o acido carbnico que naturalmente conten em su mem a 500, 800 rs. e 15 ; CbUermhoS de ga de chitt a 8*140, collarinhos de linho'puroa'ma,,sco,n,nio,oque,aagua de Vichy' e de PrPriedad MH) rs. cada um, c outros muitos objectos que s. j0 c;,ru0lll('0- fi'Jfcrao lirn, ayua de. le Cheelett, cnpahiba de Mprp, injccro Fugas de Umati
a vista ;e para isso se pede a attenco dos fre- "f:"l00> mu" recommendada as ponorrheas. Urroy francez vcrdadeiro : na mpsma casa tem
algumas caixas de instrumentos cirurgicos para operacoes de Matieu e Cbarriere.
do delgadas vergonteas de jasmin, cachos de
reseda?, e outras estimadas llores.
As luvas, porm, apreciada obra de J011-
vin, parece que foram enfeiladas pelas mes-
mis fabricantes das mimosas flores, pois que
em gosto e perfeicSo nada deixam a desojar.
Sao essas, pois, as capellas, flores e luvas
que correspondem a riqueza do vestido, for-
mam 0 completo asseio e perfeicjSo, e ele-
vam a galhardia da candida noiva. Resta
somente que os pretendentes munidos de
dinheiro dirijam-se alegre e espacosa lo-
ja d'Aguia-branca, rua do Queimado n. 8
{alendarlos semanaes: pelo
preco todos compraro.
83o de summa ntilidade esses kalendarios
semanaes, porque mostram acertadamente
3 data e dias da semana, sem o continuo tra-
halho de bolir nelles diariamente, pelo que
se tornam necessarios e preferiveis a todos
os outros ; tanto para casas de familias, co-
mo mesmo para qualquer oulra parte, e
principalmente por 500 rs. cada um: na
rua do Queimado, loja d'Aguia^-branca, n. 8.
Pbosphoros de cera.
Vendem-se a 240 rs. a du/.ia de caixinhas
e phosphoros de cera: na rua do Queima-
lo, loja d'Aguia-branca n. 8.
Ingiezas : Opiata e agua da
Colonia.
A Aguia-branca da rua do Queimado n. 8
scaba de receb^ a apreciada opiata ingleza,
assim como mui boa agua da Colonia tam-
linho a .'00 rs:; rua da Imperatriz n. i>6.
Ilalocs da liara a 3)000 rs.
Vendem-se. bales de arcos americanos de
20. 2*, 30 e 40 arcos a 33, 35300, 45 e
4."i00 ; ditos de brilhantina a 45 ; ditos de
dita muito grandes a 356' 0 : rua da Impe-
ratriz. loja da Arara n. .'i(.
Leucus de seda a 800 rs.
Vendem-se lencos de seda de urna s cor
muito linos a 800 rs. ; ditos estampados a
15, ditos com franjas a 15300: ruada
Imperatriz n*66.
! Arara veude ricas colchas avelludadas a 85000.
Vendem-se ricas colchas avelludadas para
cama a 85 ; ditas de fustao a 55 ; ditas de
damasco a 45; ditas de chita 25: rua da
Imperatriz n. 36.
Potassa da Hvssia I
Vendc-se em casa de V. 0. Be-1
bor 4 C, successores, raa da
liuz n. h.
a
guaces.
<$ji #^* Rua do Crespo n. a.
"jS. -Xa loja de Marcelino & C, vende-se y,
*s barego de laa de cores muito finos a 320 gR
rs. o covado. ditos lisos com 8 palmos de m
h." largura, ricos soutembarques de cam- ^J
' braia bordado p outras niuitas fazendas i
M de gosto proprias para o tempo de fesla ggf
B chegadas neste ultimo vapor, presos mui- ?
f9RUA DO QCEOIAUOS*
Custodio, Cwvalho & C.
una\di: i*i:c iib\c iii
to em conta.
No armazem n. 38 i rua da Madre de
Dos, vende-se por pre?o mais commodo
do que em outra qualquer parte os seguin-
tes gneros vindos do Aracaty:
Gorama nova,
Cera de carnauba.
Dita em velas de diflerentes qualidades.
Pelles de cabra
Sola
PEI.O ICO.
um covado
Finissimas organdys matisadas pelo baratissimo preco de 300 rs. cada
HO rs. a vara, esta grande pechincha est se acabando.
Os modernos bales
de finos arcos e de lindas cores e brancos de todos os tamanhos e muito bem
barato preco de 35 cada um, ditos para meninas a 25300.
Lencos de panno de linho fino a 25.
Panno de linho do Porto com 9 palmos de largo a 25 a vara.
Atoalhado adamascado para mesa a preco de 15600 e 25 a vara.
Guardanapos adamascados a 25 a duzia".
Cambraia de linho tina a preco de 35 e 45 a vara.
i5ff?5S?lt5
);.j^^^]^;lg|^|j^ |5iljfjjjijj
Assncar do Monteiro
Rua do Imperador n. 28 e caes de Apollo n.
67, a 200 rs. a libra, e de 8 libras para cima
a 55600 aarroba.
bem ingleza.
Garrafas com agua da Colonia.
Cha hysson
da India, da primeira qnalidade; vende-se em cai-
xas de 60 libras cada caixa, por preco commodo
dinheiro : para tratar, na rua do Pilar n. 143, pri-
meiro andar,- de manhaa at 10 horas, de tarde das
3_|t 3 6.
FARINHA FONTANA.
Fannlia da muilo acredita a marca
Fontana o se ni lia rea i a hoje, vendc-se
por preco mais coiumoil do qne em
qualquer oulra parte : na rua da Cruz
n. 4asa de N. 0. Bieber & C. succes-
sores.
Lencos de camhrata de linho
bordado.
Vendem-se lencos de cambraia de linho borda-
dos muito linos sendo para acabar a 640, 15,
15300, s quem vende por estes precos na rua'
do Queimado loja do beija flor n. 63.
Hua da Scnzaila !\ova n. 42.
Neste estabeleeimento vendem-se: tachas de
Chegarara novas garrafas com agua da Co- ferro coado libra a 110 rs., idem de Low
lenia para a loja d'Aguia-branca, rua dojMoor libra a i20rs.
Queimado n. 8.
BATATA,
flaravllha das bellas, novos e
delicados 'afeites para ves- Qaem deixar de romprar cajxas com doas ar.
Caos. robas d0 batatas, pelo barato preco de 25, baratas
aprasivel a aguia branca o ter de avisar a e perfeilamente novas : na rua da Madre de Dos
sua boa frejuezia, que acaba de receber pelo pa- ns. o e 9.
quete francez um bello sortimento de enfeites de "
seda denominado raaravilha das bellas, os quaes
servem tanto para vestido de senhora como para
ronpiohas de enancas. Seus novissimos e delica-
Ve,nda de urna hypotheca.
Os liqnidalarios da massa fallida de
dos desenhos, suas escolhidas e bem acertadas co- i Jos Antonio Basto VeHdem a nypoilie-
res fazemum todo agradavelaosolhos de qnalqaer cu qne tem os enrchOS Slatto GrSS0
vvente que saibaapreciar o bom. Assim,-pois, a flv *^ s l-
duvida est em haver dinheiro, havendo-o, din- lajaOSSU no lermo le henUliaeill 110
jam-se sem insto ao espaecso alepe nlnho de
agu branca, roa do Queimado n, 8, qne acharao
as verdades arinu ditas.
Haa da Senzalla n 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston & C,
sellins e silhes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas ingiezas, flo de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavallos. e relogios de
ouro patente inglez.
Em casa de Mills Latham A C, na rua d-
Cruz i). 38, vende-se ferro (falvanisado de um doa
melhores fabricantes inglezes, proprio para cobers
tas de casas.
KlA DO QUEMADO LOJA Y II.
ETEIRA PARA N.% li.tN.
Loja de fazenda de Augusto Frederico dos Sanl-s Porlo.
A este estabeleeimento chegou um ptimo sortimento de esteiras para sala, com diversas larguras
e da mais superior qualidade que se vendem por precos mais mdicos do que em outra qualquer
parte.
Enfeites para bailes.
Os mais delicados enfeites para baile se encontram neste estabeleeimento ; assim como-
LUVAS DE PELLICA DE JOVIJ para homens e senhoras.
CHAPEOS DE PALHA DA ITALIA para senhoras, enfeitados com finissimas flores.
CHAPEOS DE PALHA para meninas, enfeitados com finos veos de seda, fitas e flores fiaas.
CHAPEOS DE PALHA DE COR para homens a 15*00, 35300 e 45000.
CHAPEOS DE SEDA PRETOS para homens, de superior qualidade a 95000 e 105000.
CAMISAS INT.LEZAS com colarinhos, pcitos e punhos, de linho, a 425000 a duzia.
CAPAS DE SEDA PRETA para senhoras, enfeitadas, e bordadas de diversos gostos de 225 a 505000.
CAPAS ESCOCEZAS DE CASEMIRA para senhoras, enfeitadas com ricas franjas, a 225 e 235000.
Tem este estabeleeimento sortimento de fazendas de seda, laa, linho e algodao, como sejam sedas
pretas e de cores, laas para vestidos, panos finos, casemiras pretas e de cores, toalbas para mesa c
guardanapos de linho, bramante largo para lences, platilhas, bales de arcos e de musselina, esguioes,
damascos, chitas c outras muitas fazendas que se vendem por mdicos precos ; na rua do Queimado
n. 11.
valor de 31:833g911 rs.; tratar as
casas a roa do Trapiche n. 34.
A i o cento.
Na taberna do Campos rua do Imperador n. 28,
vende-se o cento dos charutos suissos a 15-
Lelte no Recite.
Do da 17 em diante haver leite liquido a 320
rs. a garrafa : no oitao do predio da rua da Cadeia
do Recifo ero frente do passadico
Botinas para oivas. Atee plagnial superfino
Chegaram no ultimo vapor francez as mais in-1 rhpffoii nplo ultimo vannr franeo? (lnoo
teressantes bolinas para casamento*, bailes, c.,' nj" P ?" "P ,raniez dcsta
etc. : na loja dos vapores, rua Nova n. 7. afamada marca de azeite uno para mesa :
venda no hotel da Europa rua do Trapicbe
Bl'A O eililADf)
f.oja do beija-fior.
Facas para meninos.
Vendem-se faqainbu pan meninos a 20 rs
dilas de balanro de um botaoa 180 rs. etalber.
lravatas pura gratara.
Vendem-se grvalas para senhora a ;'C0, GiO
o00 e 15-00.
Fitas para deb uai de vestida.
Vendem-se litas para debrum, de linho a 240 .i
peca com lo varas, dita de laa a 800 e l dita i .5
seda a 15200.
Penas de aro de lauca.
Vendem-se caixinhas de peonas deafodcOfl
Laa para iiordar.
J^rf l3a para tmn,ar' cores elaras, a
05800 a libra. '
Iluncias t. choro.
Vendem-se booeeas decora a 800 rs. el' s
com mascara de tirar e botar a 640 e 8C0 rs.' d;;:s
sem mascara a 200. 100, 500 e 800 rs.
Collieres de mrlal principe.
Vendem-se coi bes de metal principe muifo f u
a lie 25000 paradla, ditas para sopa a '--'<
45800,'concha para assncar a (10.
Faras r garfos.
Vendem-se facas e garfos a 25800 a dnxf, <'" 3
eravadas a 35, ditas de cabos pretos a 35S00, dt: s
de cabos de balanco com 2 botoes a 6180% di ss
para doce a 35600, ditas de um botao a 1 u' :s
para doce a 05.
Chicote para cavallo.
Vende-se chicote para avallo, para os amantes
que passam festa a 640 e 15.
Meias para senhora.
Vendem-se meias para senhora muito fir:.s a
25*00 a duzia, ditas para meninas a 25.
Papel de diiersas qualidades.
Vende-se papel de beira dourada a 1520O, dte
amizade a 640 e 800 rs., dito pautado a 15, dito
adamascado a 900 rs.
Anvelopes de diversas qualidades.
Vendem-be avelopes brancos a 800 rs dlfos do
cores a 640, ditos para cartao de visita a 600 rs..
ditos pretos a 800 rs.
Tendo recebido ricos apparelhos para senbora.
de mousacos e camapheos verdadeires, vendem-^a
de mousaco a 65500, dito de camapheo a ISp.
Dminos t visporas.
Vendem-se dminos muito linos a 15100 c .'SiOO
e visporas a 800 e 15.
Enfcilcs.
Vendem-se enfeites de redes para senhora de di-
versas cores, a 15000, ditos pretos a !00 r?.. sendo
de titas e eontas de ac. peca de fila de coz com.TO
varas a 360 rs.
IM rae les inglezes.
Vendem-se extractos inglezes muito barate, por
que foi comprado em leilo, e nao se quer conh'-
nuar, a 320 e 400 rs. o frasco.
Pechincha.
Raides de 30, 33 e 40 arcos a 35 : na ma do
Queimado n. 44.
Entulho.
Da-se poreao de entulho de cauca, metralha e
mesmo algumas pedras a quem o qneira condozir
da rua da Cruz no bairro do Recifo : a fallar no
armazem n- 33,
n. 12.
Anda mais barato.
Queijo prato muito fresco a 480 rs. a libra, e in-
teiro a 400 rs., bolachinha ingleza muito nova a
200 rs. a libra e 25 a barrica
CALIIELIMIih
Vendem-se barra com cal les-
ta procedencia, em pedra, chrga-
da hoje, e nnlca nova, qne ha no
mercado, na rua do Trapichen.
3, armazem de Hanoel Tci&ci-
ra Basto.
Cal de Lisboa
a mais nova do mercado : na rua do Vigario n
19, prieirmo andar.
Potassa da Russia.
Acaba de chegar para o antigo e acreditado de-
posito da rua da Cadeia do Recite n. 25, proceden-
te de Haraburg em 7 do corrente pela escuna
Marta. <
? -



Diario e Per
bao
- Hf\tm elra t e RmabN t 1*3
IMAO
COMMERCIO
Defronte do Pregnl^a.
OVARTE AliMEIOA
acaba de abrir o seu grande e sortido arraazera de molhados denominado Unio e Com-
memo. Este grande armazem um dos mais bemjmontados que temos em nossa praca.
uao s em limpeza e aceto, como as quatidades espociaes de seus gneros. 0 proprie-
hv> do Unio e Commercio ofTerece lodos os senhores da praca, senhores de engenho
e Javradores a seguinte tabella, por onde vento a grande economa que lhe resulta em
comprarera em t3o til estabeleciment, afianrando o mesmo todo e qualquer genero*
sahido de seu armazem.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vil de cunta propria, a 7oo a 800 rs, a
libra.
tem franceza cbegada pelo ultimo navio a
"!>o rs. a libra, e em barril ter abatimen-
to.
Sag muito novo a 28o rs. a libra.
dem inffleza em potes de 4 a 16 libras a ,,
* w S a libra e o pote separado, SMo verdade.ro hespanhol que
' ir 1 vem ao nosso mercado a 28o 1
Milbo alpista a 16o rs. a libra.
Painco a 2oo rs. a libra.
Gomma muito alva para engommar a 80 rs<
a libra, e em arroba se far abatimento-
raras vezes
rs. a libra.
QM nxim o melhor neste genero, mandado
vir de codU propria a 2,8oo rs, a libra.
dem bysson, grande, muito bom a 2,6oo rs.
; libra.
IdU piv > muito fino, a 2,6oo 's. a libra.
dem preto, mais baixo. a 2,ooo rs, a libra.
dem, verde, iniudinio, inaisproprio para
negocio, a l,5oo rs. a libra.
Santa de porfi refinada muito alva a 46o
..;. i libia, e em barril se far abatimento.
i::r.x>:tos iqglezes das segnintes marcas;
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travellies.
Lunch, Cabin, e miras muitas marcas, a
1.4oo rs. a lata.
Bobchinha de sudo, especial encommenda, a
.ioo rs. a lata.
Bcoito inglez Craknel um latas de 5, 7 15
libras a 5,000 e 0,000 rs, e di' l,2oo a
80* rs, a libra.
Quoijos do reinp pelo baratissimo preco de
l.too, I 80* e 2,000 rs,. os do ultimo
vijior.
Md.ai prato muito Bresco a 64o rs. a libra.
dem londrino muito fresco a 800 rs, a libra.
. 'Vinitos em pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
18o, ; e 64o, s, a garrafa, e de 3,ooo a
v,;f)o rs, a caada.
Hannelad 1 imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa em litas de I ( mais libras
l Too rs. a libra.
Frats em caldas das seguintes qualidadcs:
imeixa, rainha Claudia, peras, oerejas,
^mjn. pecegos e alperch a 5oo rs, a lata.
ps em caixinhas de. 1 -> arroba e de 8 li-
,. > a 8,000, 1.000,'" 2.000 rs, e a 3oo rs,
libra.
km 11 isa di casca mole a 28o rs, a libra, e
ai; ba ter abatimento.
Sjrdmlias de Nantes a 32o rs. a iatinha.
i iicinho de Lisboa a 36o rs. a libra e em
i. oba 1 !i abatimento.
Massa de tomates a 04o rs. a libra.
Pimenta do reino a 34o rs. a libra,
Farinha do Maranbao a 14o rs, a libra,
Eeb 'las a 4oo rs. a reslea.
Tu>yopara limpar facas a 160 rs,
Cerveja das mais acreditadas marcas de 0.000
7,5oo a duzia, e de 5oo a 600 rs, a gar-
rafa,
mmmmmmmmmmsmmmi
ROUPA FEITA
NO
abhazeh
XJBTREIRO VEROE.
Neste estabelecimento ba sempre um sortimento completo de roupa feita de
todas as quaiidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concur-
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as quaiidades, para senhoras,
borneas e meninos.
PKOGESSIVO
DE
MOLHADOS
Largo do Cari
Grande sortimeBto para a festa por menos
10 a 20 por cento do que em outra qualquer
parte.
SSSSSP
Casacas de panno preto, 350 e
Sobrecasacas idem, 300 e. .
Paletos idem e de cores, 250,
300000 (Metes de fusto e brim bran-
250000 co, 30500, 30 e .
Seroulas de brim de linho.
20500
Sabao massa de superior qualidade a 18o,
2oo, e 22o rs. a libra do melhor que ha.
Grana em latas muita nova a 12o rs. a lati-
nha, e l,3oo rs. a duzia.
Peixe em latas muito novo : savel, pescada,
curvin, salmo e outras muitas quaiidades
preparados de escabexe, segundo a arte de
cozinba, de l,2ooa 2,oog rs. a lati.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado e escolhido pessoalmente por um
dos socios que se acha em Portugal, das
seguintes marcas: Duque, Genuino, Ve-
Iho secco especial, Lagrimas Doces de
181!), vinho especial D. Pedro V, vinbo
velho. Nctar superior de 1833 Duque do
Porto de 1834, vinho do Porto velho su-
perior, Madeira Secca de superior quali-
dade, vinho do Porto superior D. Luiz I
" de 1847, Lagrimas do Douro, especial vi-
nho do Porto, de 1,000 a,1.2oo rs. a gar-
rafa e de lo.poo a 12,ooo rs. a caixa com
urna duzia.
-dem Bordeaux de differentes marcas, garan-
te-se a qualidade, a 8.000 rs. a caixa com
urna duzia, e a 7oo rs. a garrafa.
Garrames com 5 garrafas de vinho do Porto
do Alto Douro a ,2oo rs. com o garrafo.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira, mais
proprio para a nossa ostaco por ser mais
fresco a 2.4oo rs. com o garraao.
dem rom 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
o garraao.
Vinho branco o melhor neste genero a 600 rs,
a garrafa e 4,ooo rs. a caada.
Vassouras americanas a 800 rs. cada urna.
Velas de spermacete as melhores que ha no
mercado a 56o e 64o rs. o masso, e em
caixa se far um grande abatimento,
dem de carnauba e eomposico, de 4oo a
32o rs. a libra, e de 10,000 rs, a 11,300
rs. a arroba,
Caf de I' e 2a sorte de 8,3oo a 8,600 rs. a
arroba, e de 28o a 32o rs. a libra do me-
lhor.
Arroz da India, Maranhao e Carolina a 3,ooo,
2.8oo e 2.4oo rs. a arroba e a loo rs. a
libra.
Frasqueira de genebra a 5,8oo rs. e a 5oo
rs. o frasco.
20000
10400
20400 e ......
Ditas de algodao, 10600 e. .
Camisas de peitos de linho,
30, 40, 30 e.....20500
Ditas de madapolo, 30,
20500,206.....10600
Chapeos de massa, pretos fran-
cezes, ;1O0, 90 e. 80500
Ditos de fltro, 50, 40,30500 e 20000
Ditos de sol, de seda, 120,
110,70 e......40500
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda.......
Sortimento completo de grava-
tas.
Toalhas para rosto, duzia, 110,
90 e........
Atoalhado adamascado de li-
nho vara......10280
Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....40000
Lences de linho.....30000
Cobertas de chita chineza.. 20000
Pennasd'aco, as mais superio-
res,, a grosa...... 600
Relogios de ouro orizontaes,
900, 800 e......700000^
Ditos de prata, galvanizado,
patentes e orisontaes, 400 e
Obras de ouro, adercos, meios
adercos, pulceiras, rozetas,
aneis e cruzes.
640
0
60000
200,150 6...... 100000
Ditos de casemira, 200, 150,
i!20, 100 e...... 70000
Ditos de alpaca, 50 e. 30500
Ditos ditos pretos, 90, 70,
50 e........ 30500
Ditos de brim e ganga de co-
res, 40500, 40, 305OO e. -30000
Ditos branco de tobo, 60, H e 40000
Ditos de merino preto de cor-
do, 100, 70 e..... 50000
Calcas de casemira preta, 120,
100, 80e...... 70OOO
Ditas de cores, 90, 80 e. 70000
Ditas de meia casemira de co-
res, 50500 e.....40000
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordao, 50, 40500 e 40000
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40500, 40 e 20500
Ditas de ganga de cores,
30500, 30 e.....20500
Colletes de velludo preto e de
cores, 90 e....... 70000
Ditos de casemira preta, 50 e 40000
Ditos de ditas de cores 50
40 e........30500
Ditos de setim preto. 50000
Ditos de ditos e seda branco,
60 e........ 50000
Ditos de gorguro de seda
pretos e de cores* 60, 50 e 40000
FUITM^AO DO BOWOTAUT-RUA DO
BRUUIW. 38.
Este muito acreditado estabelecimento est prvido de um completo sortimento de
machinismos proprios do fabrico de assucar, a saber:
Machinas de vapores as mais modernas e mais acreditadas.
Rodas d'agua de ferro com seus pertences.
Moendas e meias moendas de todos os tamanhes.
Rodas dentadas, angulares e de espara.
Taixas de ferro batido e coado.
Boceas de fornalha pelo novo systana Wetson.
Alambiques de ferro fundido.
Fornos para cozer farinha.
Moinhos para moer mandioca.
Arados americanos, etc. etc.
Duarte & C* scientificam aos seus freguezese ao publico emgeral, que acaba de che-
gar da Europa um socio que faz parte da firma, com um grande e bello sortimento de
molhados por elle escolhidos, os quaes se vendem por menos de lo a 2o por o/0 do que ou-
lro qualquer annunciante, garantindo a boa qualidade e peso de qualquer genero vendido
neste j muito acreditado armazem, e por isso, firmados em que cumprem fielmente o
que promettem, pedem todos os Srs. da praca, de engenhos e lavradores, o favor de
mandarem suas encommendas ou relaces ao armazem Progressivo, certas de nao terem
em tempo algum occasiSo de se arrependerem.
Aviso.
Todos os Srs., que comprarem para tornarem a vender, terao, alm da differenea
j publicada, mais 5 por /0 de abatimento. Os propietarios tambem garanten o bom
acondicionamento anda mesmo dos mesmos para o mais alto serto.
300000
5
a
m
w
Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de conta propria, a 800 rs. a libra.
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
56o rs. a libra, e em barril ter abatimen-
to.
dem ingleza em potes de 4 a 16 libras a
800 rs. a libra e o pote separado.
Cha uxim o melhor neste genero, mandado
vir de conta propria, a 2,8oo rs. a libra
dem hysson, grande, muito bom a 2,6oo rs,
a libra.
Gomma muito alva para engommar a 80 rs.
a libra, e em arroba se far abatimento.
Sag muito novo a 28o rs. a libra.
Sab5o verdadeiro hespanhol que raras vezes
vem ao nosso mercado a 28o rs. a libra.
Sabo massa de superior qualidade a 180,
200, e 220 rs. a libra do melhor que ha.
Graixa em latas muito nova a 120 rs. a lati-
nha, e 1,300 rs. a duzia.
dem preto, muito fino, a 2,6oo rs. a libra.


;'
Pr'mmto para fiambr* irniito fresco e novo p.
a 800 rs. a l;i
Azeite doce em barril muito fino, a 64o rs.
a garrafa, e em caada ter abatimento.
Il!r
1 lfnebra de lara

mu o frasco,
!< iki mercado a 800
ipe greve pautado e liso-a 3,5oo rs. a
resma.
:!iotiricas as uni-
r, a libra,
Cognac verdadeiro luglez a 9oo rs. a garrafa,
e 4o,5oo rs. a caixa com urna duzia.
Licores Grancezes das seguintes marcas: Ani-
".ete de Bor leaos, Plaisir des dames, e de
smui 's man as a lo.ooo rs. a duzia,
1 I.ooo agarrafa.
Passas muito novas a uoo rs. a libra e a 8,000
:s. a caixa. Ha caixas, meias e quartos.
Batatas a l.ooors. o.gigo cora 38 libras.
Botacbinha ingleza a 4oo rs. a libra,
Arflite rraneez e portuguez refinado a 800 rs.
1 garrafa, e 9,ooo rs. a caixa com urna du-
v.ia.
Conservas ingle/.as das seguintes marcas:
,'wixe.d. Pickes, e ceblas simples a 800
rs 8 frasco.
.Uj.-I-vda ligltaa preparada em potes a 4oo
rs. o pote.
Grao de bico a 16o is a libra, o em arroba
\ixk "abatimento.
Vasos mglezes vasios de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de manteiga, doce,
9 outro qualquer liquido, de l,ooo a 8,000
\s, cada um,
Patrios do gaz a 2,3oo re a groza e 2o rs. a
viixmjia.
Genebra de Hoilanda em botija de wnta a
44o rs. a botija.
Champagne das mais a reeditadas marcas a
I.ooo rs. a garrafa, e a 10,000 rs. a duzia
ou gigo.
Harallio a 14,5oo a barrica.
Brvilbas franceza e portugueza a 640 rs a
lata de urna libra.
Chocolate francez, hespanhol, suisso e por-
tuguez a l,ooo rs. a libra, e a 28o rs. ca-
da pao de urna '/
Garrafes vasios de.5 garrafas at 3 caadas
de 5oo at 1,3oo rs. cada um.
Ameixas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas, com diversas estampas
no exterior da caixa de 1,500 a 3,ooo rs.
cada urna; tambem ha frascos e latas de
differentes tamanhos que se vendem por
mdico preco.
Massas para sopa: macarro, talharim e ale-
tria a 48o rs. a libra, e em caixa se far
abatimento.
Garrafes com 14 garrafas de genebra o>|
Hoilanda a 5,5oo cada um.
Charutos de todas as marcas e dos melho-
res fabricantes da Rabia de 3,000 a 4,oo
rs. a cai&a.
ESTABELEC3MENT0 COMMERCIAL $
DE A
ICALDEK4R E m\0 DE MET\ES,|
mito na risa do Brnm n. 4O .(nulo \;
a fiindivo do fir. Bowmam, perlencenle a a
Villana Irmo t C. <5
Neste estabelecimento encontraro os freguezes um completo sortimento gfe
de tudo que diz respeito as artes de caldereiro, fxmeiro, latoeiro, ferreiro e \r
fundico, e os abaixo asssignados que o dirigem, promettem servir a todas as
pessas que se dignarem de os procurar, com promptido, sincendade e pre- Jg
eos muito rasoaveis. O dito estabelecimento estando montado em ponto ^w
grande, tanto no que diz respeito a pessoal, como em materia prima, e tendo Sg
habis olliciaes, pode executar com toda a perfeico e seguranca qualquer **r
obra tenderde as artes cima mencionadas e affoitamente pdem os abaixo as- ^
signados assegurar ao publico que nenhum outro estabelecimento lhe pode |ft
fornecer mais baratee mais perfeito do que el les, visto que recebem de sua
propria encommenda todas as materias empregadas em ditas obras.
Alambiques simples e continuos de to- Sinos de 16 libras 8 arrobas.
des os tamanhos e dimences. I Parafuzos de bronze e ferro para ro- |
Machinas de cobre para destilar e res- i das d'agua. ^
tilar espirito at 40 graos pelos sys- Torneiras de bronze e bronzes para ^
temas de Logier e Derosne. engenho. w
Carapucas e serpenfinas de cobre, e Encanamentos de cobre e chumbo de
estando, avulsas. todas as grossuras.
Taixas e tacdos de cobre para engenho Bombas para cacimbas, aspirantes e
ereOnaco. I de repucho.
Paroes de cobre e todos os cobres ne- Bombas para destilaces.
cessarios para o fabrico do assucar. Ditas para regar jardins, hortas e
Cobres para rodas de moer mandioca. capira.
Machinas econmicas para lavar roupa Ditas para navios e barcadas de varias
o melhor possivel. I quaiidades e dimences.
Cobre em leneol e arrodellas, estanho em barrinha, chumbo em barra,
lencol e canos de todas as grossuras.
Villaca Irmo & C.
Peixe em latas muito novo : savel, pescada,
curvin, salmo e outras muitas quaiidades
preparados de escabexe, segundo a arte de
dem preto, mais baixo, a 2,ooo rs. a libra. cozinha> ^ 1,400 a 2,ooo rs. a lata.
dem, verde, miudinho, mais proprio para ne- dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
gocio, a l,5oo rs. a libra. rafado e escolhido pessoalmente por um
Banha de porco refinada muito alva a 48o! dos socios que se acha em Portugal, das
rs. a libra, e em barril se far abatimen- seguintes marcas: Duque, Genuino, Ve-
to, lho secco especial, Lagrimas Doces de
Biscoitos inglezes das seguintes marcas:
9 CONSERVADO
DE
fj. 21LARGO DO TERCO -N. 21
ATTEff^AO
Todos os senbores que comprarem para negocio ou easa particular de 1005 para
:ma tor3o maie i a 40 por /# de abatimento; o proprietario scientifipa mais que todos
os seus gneros sis wcebidoa de sua propria encommenda, razio esta para poder ven-
der por milito menos do que era outro qualquer estabelecimento.
O proprietario deste bem sortido armazem de molhados vende os seus gneros j
bemeonhecidos de primeira qualidade, e por isso caprichou de escolher, para bem servir
aos seus freguezes, mandando vir a maior parte do seu sortimento, para o que tem pessoas
encarregadas para este fim, e os pode vender por menos de 10 a 20 % do que em outra
qualquer parte. .. _, ..
Verdadeira genebra de Hoilanda em botijas de conta certa a 400 rs.
dem de larania em frascos grandes a 1,000 rs. e de Hoilanda a 500 rs.
Caixinhas com 8 libras de passas de carnada a 2,400 rs. e a libra a 480 rs.
Velas de espermacete, carnauba e eomposico a 63o, 44o e 36o rs. a libra e a arroba a
10,000 rs.
Palitos do gaz sera avaria a 2,3oo rs. a groza e 2oo rs. o maco.
Serveia das melhores marcas a 500 rs. a garrafa e a duzia a 5,5oo rs. ,
Vinho das melhores marcas F. L. P. a 4oo, 5eo e 56o rs. a garrafa e a caada a 2,8oo e
Batatas desembarcadas" ltimamente a 5o rs. a libra, e a arroba a 2,8oo rs.
Bolachinhas americanas a 2,ooo rs. e 3,5oo rs. a barrica e 2oo rs. a Jinra.
Azeite doce de Lisboa a 3,ooo rs. o galo, e a 64o rs. a garrafa.
Queijos do reino os mais hotos do mercado a i ,800 e 2,ooors.
Millw alpista o mais limpo que ha a 5,000 ., a arroba a 160 rs. abra.
Manteiga ingleza perfeitamente flor a 800 e a 720 rs. a libra,
dem franceza, muito superior, a 500 rs. a libra e em barra a 540irs. a hora.
Caf do Rio da 1.a e 2.a sorte 280 e 320 rs. a libra, e a arroba a 8,800 e J^JU rs.
Cha de primeira e segunda sorte a 2,800 2,5oo e 2,000 rs, a bbra. ^Ana
T^telrScez de grande amando a 14o rs. coda um. e a Ita jW%**
ha outros muitos que enfadonbo seria mencionados: vende** dinheire vista.
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travellies
Lunch, Cahin, e outras muitas marcas a
l,4oo rs. a lata.
Bolacdinda de soda, especial encommenda, a
2,2oo rs. a lata.
Biscoitoinglez Craknel em latas de 5, 7 e 15
libras a 5,ooo e 6,000 rs. e de l,2oo a
800 rs. a libra.
Batatas muito novas a 5o rs.
Queijos flamengos edegados neste ultimo
vapor a 2,2oo rs.
dem do vapor passado a 2,ooo e l,8oo.
dem prato ebegado neste ultimo vapor,
muito fresco a a 4oo rs. a libra e intei-
10 se, far abatimento.
dem londrino muito fresco a 800 rs. a libra.
Vinhos em pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
48o, 56o, e 64o rs. a garafa, e de 3,ooo a
4,5oo rs. a caada.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa em latas de 1 e mais libras
a 7oo rs. a libra.
Fructas em caldas das seguintes quaiidades:
ameixa, rainha Claudia, peras, cerejas,
ginja, pecegos e alperch a 5oo rs. a lata.
Figos em caixinhas de 1 V* arroba e de 8 li-
bras a 8,000, 4,000 e 2,000 rs, e a 3oo rs.
a libra.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra, e
em arroba ter abatimento.
Sardinha de Nantes a 32o rs. a latiuha.
Toucinho de Lisboa a 36o rs. a libra eem ar-
roba ter abatimento.
Massa de tomates a 64o rs. a libras.
Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
Farinha do Maranhao a 14o rs. a libra.
Tijollo para limpar facas a 16o rs.
Ceblas a l,2oo rs. o mlho, e a I.ooo rs.
o cento.
Cerveja das mais acreditadas marcas de
5,000 a 7,5oo a duzia, e de 5oo a 600 rs.
a garrafa.
Prezunto para fiambre muito fresco e novo
a 800 rs. a libra.
Genebra de laranja a 9oo rs. a fraseo.
Chouricas as mais frescas do mercado a
800 rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa,
e lo,5oo rs. a caixa com urna duzia.
Licores francezes das seguintes marcas: A-
nizete de Bordeaux, Plaisir des dames, e
de outras muitas marcas a 10,000 rs. a
duzia, e a l,ooo rs. a garrafa.
Passas muito novas a 5oo rs. a libra e a
8,5oo rs. a caixa. Ha caixas, meias e
quartos.
Garrames com 14 garrafas de genebra de
Hoilanda a 505oo.
Bolachinda ingleza a 4oo rs. a libra.
Azeite francez e portuguez refinado a 800 rs.
a garrafa, e 9,ooo rs. a caixa com urna
duzia.
Grao de bico a 16o rs. a fibra, e em arroba
ter abatimento.
Conservas inglezas das seguintes marcas:
Mixed, Pickes, e ceblas simples a 800 rs.
o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes a o
rs. o pote.
1819, vinho especial D. Pedro V, vindo
velho, Nctar superior de 1833, Duque do
Porto de 1834, vindo do Porto velho su-
perior, Madeira Secca de superior quali- '
dade, vinho do Pbrto superior D. Luiz I
de 1847, Lagrimas do Douro, especial vi-
nho do Porto, de l.ooo a 1.2oo rs. a gar-
rafa e de 10,000a 12,ooo rs. a caixa com
umaduzia.
dem Bordeaux de differenlesmarcas, garnte-
se a qualidade, a 8,000 rs. acaixa com tima
duzia, e a 7oo rs. a garrafa.
Garrafes com 5 garrafas de vinho do Porto
do Alta Douro a 2,2oo rs. com o garraao.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira. mais
proprio para a nossa estacao por ser mais
fresco a 2,ooo rs. com o garrafo.
dem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
o garrafo.
Vindo dranco o meldor neste genero a 600 rs.
a garrafa e 4,000 rs. a caada.
Aldos a 80 rs. o masso.
Velas de spermacete as meldoresque da no
mercado a 600 e 64o rs. o masso, e em
caixa se far um grande abatimento.
Frasqueiras de genebra a 5.8oo rs., e a 000
rs. o frasco.
dem de carnauba e eomposico, de 4oo a
32o rs. a libra, e de lo.ooo rs. a 11,5oo rs.
a arroba.
Caf de 1* e 2a sorte de 8,3oo a 8,600 rs. a
arroba, e de 28o a 32o rs. a libra do me-
ldor.
Arroz da India, Maranhao e Carolina a 3,000,
2,8oo e 24oo rs. a arroba e de loo rs. a
80 rs. a libra.
Azeite doce em barril, muito fino a 64o rs.
a garrafa.
Papel grve pautado e liso a 3,5oo rs. a
resma.
Genebra de Hoilanda era botija de conta a
44o rs. a botija.
Champagne das mais a creditadas marcas a
1,000 rs. a garrafa, e a lo.ooo rs.a duzia
ou igo.
Sal refinado a 7o rs. a libra.
Ervilhas francezas e portuguezas a 64o rs.
a lata de urna libra.
Chocolate francez, despandol. suisso, e portu-
guez a l.ooo rs. a libra, e a 28o rs. cada
pao de urna '.
Garrafes vasios de 5 garrafas at 3 caadas
de 5oo at l,3oo rs. cada um.
Ameixas francezas em caixinhas elegantemen-1
te enfeitadas, com diversas estampas
no exterior da caixa, de l,5oo a 3,ooers.
cada urna; tambem da fraicos latas de
differentes taroanaos que a vendem por
^aTpart sopa: macarrSo, Umarim, e
aletria a 4 a libra, e em caixa se
far abatas*.
o> ioo a 8eo rs. o caixio
Vasos ingleses vasios de 4 a 16 librmuitos, a
proprios para deposito de manteiga, doce, jrjoce de
e outro qualquer liquido, de 1,00o a 3,ooo 1 Krande.
rs. cada um. 11( a 2,'* o caixio fratde.
Palitos do gas a 2,3oors. a groza e 2o rs. j^^ de todas aslIMa6 e dos melhores
Milbo*Tlpista a 160 rs. a libra. fabricantes da Babia de 3,oot a 4.000 rs.
Painco a 2oo rs. a libra. acawa.
ATTGNC40!
Alem os genera antea aiuioociadoshaum ^^S^^^Sn
va doce. alfajnaelromuiloi^ret, *w **> "* *" **mm
fMCO
\


I


mcmt letra 0 de Kawsmfcra de 18.
9
GRANDE ARMAZEM
AE

EB
N. 36, RA DAS CRUKS N. 36
DO
balrro de Santo Antonio.
0 proprietario do nroito acreditado armazem denominado Progressista lendo
empre em vis fazer tudo o que for possivel para bem servir aos seus freguezes, tem
deliberado vender os seus j bem conhecidos gneros de primeira qualidade pelos precos
abaixo mencionados, e affianca s pessoas que mandarem comprar por seos criados ou
eseravos, serem o bem servidas como vindopessoalmente; encarrega-se de aviar qualquer
encommenda, aiada mesmo contendo objectos nao proprios deste estabelecimento. O
mesmo pede aos senhores que mandarem comprar neste armazem o favor de mandarem
devolver qoalqner objecto que nao agradar, devendo os mesdtos senhores ter toda atten-
cao com os seas portadores, fazendo-lhes ver que s no armazem Progressista da roa das
Cnizes n. 36, que se venden os memores gneros por mais barato preco, porque estes
militas vezes olvidam-se e v5o a outra parte onde os servem de maneira a desagradar este
estabelecimento.
Mustarda preparada, muito nova a 360 rs. o
pote.
Palitos do gaz a 200 rs. a dazia de caixinhas
e 2,100 rs. a grosa.
GRANDE ARMAZEM DE MOLHADOS
DB
tmmmxxMXMmmAXK
RA DO QUEIMADO N. 46

t
DE
FAZEXDAS E KOI PAS FEITAS*
Sormento completo de sobrecasacos de panno a 23, 28$, 30(5 e 35 casaca *
TODOS
v.iPonnK |
COMPLETO
SORTIMENTO DE I0LHAD0S.
se recebem gneros de conta v--i vende-se em porcio e a reta-
propria e dos melhores esta-
belecimentos da Europa, ga-
rante-se todo e qualquer ge-
nero comprado neste
ESTABELECmmO.
lho, aprompta-se com toda a
presteza e exactido qaalquer
encommenda dirigida a este
ESTABELECIMENTO.
Uvas muito novas a ,ooo a libra.
Castanhas a 2oo rs. a libra,
Figos a 320 rs, a libra,
Vinho superior da Figueira e Lisboa, a 400,
440, 480e 500 rs. a garrafa, e a 2,500,
2,700, 3,000 e 3,406 rs. a caada.
dem engarrafado, das seguintes marcas du-
que do Porto, Feitoria, Nctar, velhoseeeo,
Chamisso,^MadeiraOTperiora8,500rs.a Gmm de engomtnar ,
2,200 rs. a arroba.
duzia e 800 rs. a garrafa.
dem Bordeaux de diversas marcas a 640 rs.
a garrafa e 7,500 rs. a caixa com 12 garrafas.
dem Muscatel de Setubal a 1,700 rs. a gar-
rafa, e 18,000 rs. a duzia.
Garrafoes com 5 garrafas de vmho do Porto,
Lisboa e Figueira a 2,100, 2,200 e 2,300
rs. com o garrafSo.
dem hranco muito superior a 500 rs. a garra-
fa e 3,500 rs. a caada.
Garrafoes com 5 garrafas de vinagre a 1,1 oo rs.
Vinagre superior de Lisboa a 1,400 rs. a ca-
ada e 200 rs. a garrafa.
Velas de spermacete superiores a 580 e 640
n- mac- Doce de goiaba de 400 a 800 rs. a caixa.
Manteiga ingieza de 1.* qualidade, a 800 rs.
a libra.
Ditas bygienicas e de seguranca a 240 rs. a
duzia.
AI pista muito limpo a 160 rs. a libra,
80 rs. a libra, e
Sag muile novo e alvo a 240 rs.a libra.
Sabao hespanbol, a 280 rs. a libra.
tem massa a 180, 200 e 220 rs. a libra.
Peixe em latas, savel, pescada, e corvina a
1,000 rs. a lata.
Genebra de Hollanda em butijas de conta a
400 rs.
Papel greve
resma.
pautado e liso a 3,400 rs. a
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa.
Champanhe das mais a creditadas marcas
a 10,000 rs. ogigo e 1,000 a garrafa.
Chocolate portugoez, francez, hespenhol e
suisso de 800 a 1,200 rs. a libra.
Velas de carnauba e de composigo a 320 e
360 rs. a libra e 9,500 e 10,000 rs. a ar-
roba.
Massas para sopa macarro e talbarim a
400 rs. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Ba-
bia 3,800 3,400 3,000 e 2,400 rs. a
caixa.
Cerveja das melhores marcas de 5,000 a
6,000 rs. a duzia.
Biscoitos inglezes de todas as marcas a 1,200
rs. a lata.
Os proprietarios do muito acreditado Jkuazem Progresso fazem sciente ao reapeita-
vel publico e Gom especialidade aos seus amigos e freguezes que tem resolvido resumir os
precos dos seos acreditados gneros, como abato verio nao obstante os presos menciona-
dos a vista da qualidade dos gneros que se prova quanto se deseja servir satisfatoria-
mente aos nossos freguezes, advertindo-lhes que mandem seus portadores, que serao tao
bem servidos como se viessem pessoalmente, isto s no Progresso.
dem de 2.* dita, a 700 rs. a libra.
dem de 3*. dita a 600 rs. a libra.
dem franceza. a melhor do mercado a 540 rs.
e em barril a 590 rs. a libra.
dem em latascom 2 '/i libra j a 1,400 rs. a lata.
Banha de porco refinada a 500 rs. a libra. ,
QueijoX flamengs. chegados ltimamente a
2.000 rs.
dem prato o melhor que ha neste genero a
700 rs. a libra,
dem do Alantejo muito superior a 8oors. a
libra.
Arroz Carolino e do Maranho a 2,800 rs. ar- Bolaixinhas de soda em latas grandes a 2,000
roba e 100 rs. a libra. e 1,800 rs. cada lata.
Amendoas de casca mole a 280 rs. a libra. Massa ae tomates em latas de 1 libra a 560
Caixinhas com ameixas francezas, de diversos e gyj rs
lmannos al, 200,1,400,1,800 e 2,100rs.
Nanes muito novas a 340
Manteiga ingieza perfeitamente flor chegada
no ultimo vapor a 8oo rs. a libra.
dem de 2.* qualidade a 76o rs. a libra.
dem de 3,' dita a 64o rs. a libra.
dem para tempero a 32o e 4oo rs, a libra.
Manteiga franceza a mais nova que ha no mer-
cado a 58o rs. a libra, e em barril ter aba-
t ment.
Banha de porco refinada a 520 rs. a libra.
Vinho em pipa Porto Figueira e Lisboa a 4oo,
48o, rio, 56o rs. a garrafa, em caada
2,8oo 3,ooo 3,5oo e 4,ooo rs.
dem em barril o mais superior que tem vin-
ao mercado a 6oo rs. a garrafa.
Lagrimas do Douro especial vinho do Porto a
1 ,ooo a garrafa e a 1 o.ooo a caixa, o preco
nao indica a qualidade d'este precioso vi-
nho, porm venhamao Progresso que a vis-
ta faz f, a este genero constantemente man-
damos vir de conta propria e por isso po-
demos vender por menos que outro qual-
quer annuuciante.
Viaho do Alto Douro das marcas mais acre-
ditadas e especialmente escolhido por um
de nossos socios, como sejam: Cambes, Du-
que, do Porto, D.Luiz, Carcavellos, Cha-
misso & Filno, Madeira secco, e Feitoria a
9oo rs. a garrafa e 9,ooo rs. a caixa com Patos do gaz a 20 rs. a caixinba e 2,3oo rs.
12 garrafas. agroza.
Garrafoes com especial viaho do Porto con- Gela de Alperche chegada no ultimo vapor
tendo 5 garrafas a 2,5oo re. -atas de 2 j^g a goo re. poohiaoha.
dem com 5 garrafas de superior vinho Fi- Celebra de Hollanda garrafoes com 16 gar-
gueira a 2,4oo rs. ,afas por 6.5oo rs.
dem com 5
2,loo rs. J6o rs. o frosco afuanca-se ser verdadeira.
Vinho bryee de UsbOjpwprio fmfm Idan de botija em barricas com quatro do-
las a 44o rs. cada botija.
Farinba de Maraaha* muito alva e ebeirou
a 16o rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 32o rs. a libra ea9,ooo
rs. arroba.
Sardichas de Nantes a 36o rs. a lata.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. agrrala e a
4,8oo rs. a caada.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e a
l,9oo rs. a caada.
Gamfoes com 5 garrafas de vinagre de Lis-
boa a l.loo rs.
Champanhe das marcas mais acreditadas a
8 e a lo.ooo rs, o gigo, e a 8oo rs. e a
l.ooo rs. a garrafa.
Serveja preta marca T e XXX a 6,5oo e
7,ooo rs. a duzia, e a 6oo rs. a garrafa,
tambem temos das mesmas marcas para 4,
e 4,5oo rs. a duzia, e a 4oo rs. a garrafa.
dem branca Te cobrinha a5,5oo e 6,ooo rs,
i duzia e 5oo rs. a garrafa, tambem ha
oara 4,ooo rs. a duzia.
muito bem feitas a 255, 28$, 300 e 350, paletots acasacados de panno preto de Mtfatf
255,, ditos de casemira de cor a 155, 185 e 205, paletots saceos de panno e cae-
mira de 85 at 145, ditos saceos de alpaca, merino e la de 45 at 65, sobre de alpaca-
merino de 75 at 105,' calcas pretas de casemira de 85 at 145, ditas de cor de 75 ate
?35, roupas para menino de todos os tamanhos, grande sortimento de roupas de brim,
como sejamcalcas, paletots e colletes, sortimento de colletes pretos de metim, casenira
e velludo de 45 a 95, ditos para casamento a 55 e 65, paletots brancos de bramante a
e55, calcas brancas muito finas a 55, e um grande sortimento de fazendas finas e mixtea-
ras, completo sortimento de casemiras inglezas para homem, menino e senhora, cerouias
de Hnho e algodSo, chapeos de sol de seda, luvas de seda e de Jouvin para homem e se-
nhora. Temos urna grande fbrica de alfaiate, onde recebemos encommendas de grande*
obras, que para uso est sendo administrada por um hbil mestre de semelhaiite arte e tu*
pessoal de mais de cincoenta obreiros escolhidos, por tanto executamos qualquer obra com
prompdo e mais barata do que em outra qualquer casa.
AOS SENHORES LOCISTAS
Desa capital, arrabaldes e provincias
adyacentes.
ui\n;i, N. 23 RA NOVA N. 23.
Tem a satisfaeco de participar particularmente aos seus amigos e fregueses, e ea
geral a todos os senhores logistas desta e de outas provincias, que em consequencia dr
suas retalies eom as principaes pracas manufacturaras da Europa, tem conseguid*
montar a sua fabrica da chapeos de sol sobre urna escala importante, a ponto de poder
offerecer vantagens aos prelendentes, tanto na qualidade e bem acabado dos seus produr-
tos, como pela reduceo dos precos ; verdade incontestavel, de que-se podeio coover-
cer vista da fezenda e pelos precos que vo abaixo :
Cliaposde sol de seda para homem 28, a 725 a duzia.
Ditos 26, a66000.
Ditos 24, a 605.
Ditos para senhora 18 e 20, a 485.
A duzia tem descont de 12 por cento.
DHos de panninho preto e de cor, armaclo de balia 20, 24 e 26 sortidos, liquklr-
a 265 a duzia.
Ditos de junco 20, 24, 26 e 28, a 185 a duzia.
Venham ver para convencer-se da verdae.
Encarregam-se de encommendas para da Europa.
GRANGEIAS
ExlNT0oHOSP.oo.fVEf
Supriow*" a loilan as prvp^iMvi'r* cunhr< n\. *!; *<>.,
Effeilo aegaru e piompit, mb mdmu, ne-. eofteu, n^
contri m onorrhe
i ir ii-T. -- K;.' i>a i
Gnxa em latas grandes a 1,3oo rs. a duzia
e 12o rs. a lata.
Vassouras do Porto arqueadas de ferro obra
demuita duracaoa 4oo rs. cada urna.
Palis de dentes massos grandes a 2oo rs.
e28ors.
Injecgo curativa e preservativa
laftlllvttf, ciini com n^Uu *ri doret n* nm'rilWW ctinia-in-i- rl*i ittnh**, --'x i-.. Fl-ir i brancas AJ^trinfi1 M *
WU.innca tem cawliadude, fotUlicd OS HfWMMlM # M |V>MV* !;-! ;ti'- I 't I1 \<. .i. rn- -I Mtirrkt S: l- .
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22 em casa de Caros & Barbozs
AGENCIA
DA
garrafas de vinho Lisboa a'ii(iinemfrasqueirasa6,3oors.c6,5oors.ea sos freguezes as galanteras de mais gostoe da ni-
n ~. tima mnila nnc. nnr Hlfl recebe, romo seiam:
FUNDICAO DE LOW-MOOR.
Raa da Senulla ora n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para <1qq-____________________
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johhston & C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
O GALLO CANTA
J sabido que, quando chega o vapor da Eu-
ropa, o gallo canta annunciando aos seus numero-
cada urna.
Frutas em calda, ameixas, rainha Oladia, pe-
Cdgos e alpech a 480 rs.
Marmeladadetodososconserveirosde Lisboa
a 600 rs. a libra.
Ameixas em latas de 1 '/i e 3 libras a 1,200
e 2,400 rs. a lata c900 rs. a libra.
CIk'i huxim o melhor que possivel encontrar
neste genero a 2,700 rs. a libra.
laa hysson muito superior a 2,5oo rs. a
libra,
dem miudinho a 2,700 rs. a libra
dem preto de qualidade muito fina a 1,800rs.
dem mais inferior a 1,500 rs. a libra.
Genebra de laranja a 900 rs. o frasco e 500
rs. os frascos pequeos.
Chouricose paios os mais novos que ha no
mercado a 300 rs. a libra.
Cognac inglez a 9oo rs. a garrafa.
.Marrasquino de Zara a 7oo rs. o frasco eletonas ae Lisboa muito novas a l,6oo rs.
8,ooo rs. a duzia. a ancoreta.
Licores francezes, annizete, plaisir des da-
etc., etc. 8oo rs. a garrafa e8,5oo Estrelmha e rodinha para sopa a 6oo rs. a
Sardinhas de
rs. a lata.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
| Tijollo para areiar facas a 140 rs. cada um.
Farinha de Maranhao a 140 rs. a libra.
Pimenta da India a 340 rs. a libra.
Erva-doce a 320 rs. a libra.
Palitos para meza a 160 rs. o maco.
Verdadeira farinha de araruta a 500 rs. a
libra.
Frascos com ameixas francezas a 1,400 rs.
cada um.
Prezuntos do Porto a 5o rs. a libra.
Batatas muito novas em gigos com 38 libras
por 1,500 rs.
Canella da India a i,loo rs. a libra.
Cominho a 64o rs. a libra.
dem de laranja em frascos grandes verda-
eira italiana a l,ooo rs. o frasco.
vindo j engarrafado de Lisboa a 64o rs.
a garrafa.
dem em barril muito superior a 5oo rs. a
garrafa e a 4,ooo e 3,8oo a caada.
Ameixas francezas em caixinhas de 1 % 2 Matrasquino de zara a 72o rs.
e 3 libras elegantemente enfeitadas com ri- Lioor francez de todas as qualidades em
cas estampas na caixa exterior a l,3oo garrafas de vidro brancos a 72o e 8oo rs.
l,6oo 2,ooo e 2,5oors. .., ., ....
Viiho Bordeaux das melhores qualidades
dem em latas de, 1 '/* e 3 bras a <* e que tem vindo ao mercado a 72o e 8oo
2,6oo rs, cada urna.
rs., e em caixa a 7,5oo, 8, e 8,2oo rs.
Figos de comadre em bauzinhos de folha Azeite doce refinado do fabricante Pelanol e
muito proprios para mimo a l,6oo.
dem em caixinhas a l,4oo rs.
mes,
rs. a duzia.
Passas as melhores que se encontram a 360
rs. a libra.
Bolachas inglezas muito novas a 24o rs.
a libra, e 3,5oo rs. a barrica.
Azeite refinado a 8oo rs. a garrafa.
Conservas inglezas de todas as qualidades a
750 rs. o frasco.
libra.
Legumes seceos para sopa a 4oo rs. o maco.
Breu louro a3oo rs. a libra e 8,ooo rs. a
arroba.
Papel pautado e liso almaco e de peso de
3,ooo, a 4,ooo rs. a resma.
dem em caixinhas emticamente lacradas
e muito bem enfeitadas a 1,8oo rs.
dem a 2oo rs. a libra.
Passas de carnadas as mais novas que ha no
mercado a 4oo rs. a libra e a 6,ooo rs. a
caixa.
Salmo em latas ermeticamente lacradas a
8oors.
outros a 8oo rs. a garrafa.
tima moda que por elle recebe, como sejam
Camsinhas para senhoras.
Riquissimas camisinhas com manguitos e gra-
vatinhas para senhoras : s no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Cirigoiinhas.
Riquissimas cirigoiinhas ou gravatinbas, sendo
cousa de rauilogosto, e ev a primeira vez que appa-
rece para as senhoras de bom gosto : s no Vigi-
lante ra do Crespo n. 7.
Pentes de concha.
Ha para chegar riquissimas guarnicoes de pen-
tes de lindo gosto, tanto para atar, como para mar-
rafas, por precos razoaveis : s no Vigilante, ra
do Crespo n. 7.
GRAGEAS
deGELISe CONT
et
c
r5T.
o-
u
es
; S c f. B o r^
5
II
a b 53 =
tf.*i"! 3g.Ff3 = =
^ % t%?
X,cc i
B =>B *
Cfl W w

I
I
S
4
?
O -i ~,.rt
Iffi
-. < 2 ce M
fg' t V "
2 3 I.
o o. $
s-srg-
O g3 o
B W p
i.
a;


b>
rs

-i
O
c s
r
i
s
I
a
a:
D
s
S

VEMIK-SK
Direitointernacional privado e a applicacao do sea
principios com preferencia as leis priBpaea *
Brasil, em 1 volume.por Dr. los l'imenta Buea* ,
85000 : no escriptorio de Antonio Luiz de Ojv!r4
I Azevedo & C, ra da Cruz n. 1.
Ervilhas seccas chegadas no ultimo vapor a
2oo rs. a libra.
ojuouiK>9|8qeiso oso jep
-BJcsop e ejiaaem op uia.ugs so opno 'ajaed bjuo b ob.\ 9 os-urepiAio saza.v setinra saisa
abiod 'o58Jd oiojeq srera jod sojaua sojoqpra so opuo.\ os onb a qz -u soznjQ sep
mim cisissaaSoJd mazewjB ou os onb joa saqi-opuazBj 'sajopepod snas so raoo og
luiu BPOt'jot sdjoquas somsain so opuo.vap 1jbpbj8b oeu onb oparqo Janbienb J8.\io.\op
mu iPiiuBUi ap JOvbj o raazBoxiB ojsou jBjdraoo raaJBpuBra onb sojoquas sob opod orasara o
nmvunoiaqeisa osap soudojd obu sopafqo opuatuoa orasora putB 'Bpuounnooua jaub
iiiifi jbivb 8P 8S-b8wjb3U3 9iuannKsc opui.\ oraos sopi.uas maq o?) majas 'soabbso
n 'noptJD snas Jt ejdnro epucra onb SBOSsod sb BOueye o 'sopBuoiouara oxiBqs so
BiricHiid 0DBpub BJiamud ap soousS sopioaquoo maq ?f snas so Jopua.\ opBJaqqap
i?Santii t" S0B J,AJ9S w^ BJed l8MSSod J0J mb opn i9n* ^ m8 8jdai8S
opnaj' 'BtsissaaaoJd opeuraiouap raazBraJB opsupaJOB oimm op ouBjaudoad o
o|oiV ofne* p 04J|eq op zdji3 *p boj ns 'K
3d
30
MazwHHV aoiwtH
Lagosthn em latas grandes a l,4oo.
Savel, corvina, cherne, vezugo, peixe espada,
preparados pela primeira arte de cozinha a
a l,3oors.
Queijos flamengos chegados no ultimo va-
por a 2,4oo rs.
dem do vapor passado a 2,2eo 2,ooo e
l,8oo, rs.
dem prato do ultimo vapor a 64o rs. alibra.
Doce da casca da goiaba caixes grandes a
6oo e9oo rs.
Chouricas as mais novas que ha no mercado
a 48o rs. a libra.
Chouricas mouras encommenda especial nos-
sa a 5oo rs. a libra.
Prezunto verdadeiro de lamego em calda
de azeite 5oo rs. a libra
Bolaxinha ingieza a mais novas que ha no
mercado a 2,ooo rs. a barriquinha com
1 arroba, e a 24e rs. a libra.
dem de soda de diversas qualidades a 1,400
reis.
dem em latas grandes, proprias para lunche,
com 5 a 6 libras per 2,4oo rs.
Marmelada imperial do fabricante Abreu e
outros conserveiros de Lisboa a 6oo rs. a
libra.
Frutas em calda de todas as qualidades a
5oors.
Ervilhas francezas a 5oo rs. a lata,
dem portugu#zas a 64o rs. a lata.
Massa de tomate a 64o rs. a libra.
Amendoas confeitadas a 7oo rs. a fibra,
dem de casca mole a 28o rs. a libra,
Avelans a 2oo rs. a fibra.
Conservas inglezas sortidas e de urna s qua-
lidade a 8oo rs. o frasco.
Araruta verdadeira a 32o rs. a libra.
Gomma de engommar muito alva a 8o rs.
s libra e 2,2oo rs. a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca a 16o rs. a libra.
Befada muito nova a 12o rs. a libra e 3,2oo
is. a arroba.
de
ierro
de
Matarro a 32o rs. a libra.
dem e talharim o mais novo que ha no mer-
cado a 48o rs. a libra.
Aletria a 5oo rs. a libra.
Arroz carolino a loo rs. a libra e a 2,8oo rs.
a arroba.
dem do Maranhao a 12o rs. a fibra, e a
3,000 a arroba.
Caf do Bio o mais superior que se pode de-
sejar a 32o rs. a libra,
dem a 28o e 3oo rs. a libra e a 8,2oo, 8,4oo
e 8,7oo rs.
Velas de carnauba refinada a 32o rs. a libra,
e a lo.ooo rs. a arroba.
dem de spermacete a 64o rs, a libra.
Chocolate hespanhol e francez a 9oo e l.ooo
rs. a libra.
Estrellinha e pe\ide muito nova a 4oo rs. a
libra, e a 2,ooo rs. a caixinha com oito
libras.
Cha perola muito especial chegado neste ul-
timo vapor de encommenda particular
nossa a 2,8oo rs. a libra.
dem huxim muito superior a 2,7oo rs. a
libra.
dem hysson a 2,56o rs. a fibra.
dem hysson a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
dem preto homeopathico e muito superior a
2,ooo rs. a fibra.
dem nacional a l,6oo rs. a fibra.
Batatas muito novas a 8o rs. a fibra.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
e de todas as marcas, como sejam: sus-
piros, havaneiros, messecipes, regala im-
perial, flor das mattas, primores a 4,ooo,
3,5oo, 3,2oo, 3,ooo, e 2,8oo, 2,5oo,
2,ooo e i,6oo rs.a caixa.
Ao lactate
Appwadas da academia imperial
de Pars.
Segundo o relatorio feito na academia em
4 de fevereiro de 1840 pelos Srs, profes-
ares Bouillaud, Fouquier c lially. este fer-
ruginoso reconliecido superior a todos os
outros para curar: a chlorosis (pales cou-
leurs), e leucorrba < perles blanclies), a
anemia (flaqueza de temperamento nos dous
sexos), difiicuidade de mensiruaco sobre
tudo as mocas, incontinencia de uri-
nas, etc.
E' o mais agradavel de tomar por sua
forma de pilulas assucaradas, e essencial-
menle mais efficaz do que as outras prepa-
races etc., por ser muito soluvel no sueco
gstrico, como consta do relatorio lido re-
cntemele na academia de medicina de
Paris pelo Sr. Flix Boudet, em nome de
urna commisso composta dos Srs. Velpeaa,
Depeau, Bouchardat, Trousseau, etc., to-
cando as experiencias feilas sobre os princi-
paes seres ferruginosos com um sueco gs-
trico fresco no laboratorio do Sr. Bondaut,
pelos Srs. Drs. Corviiart e Barreswil, que
o lactato de ferro o mais soluvel e por
consequencia o mais efficaz.
Deposito geral: em Paris, roa Bourbon-
Villeneuve, 19.
Em Pernambuco, na casa de Caors & Bar-
bsoa, roa da Cruz n. *2.
Farinha de mandioca.
Vende-se farinha de mandioca da meiW '
i mais nova que ha neste mercado : M iscriptorv.
medicina j de Manoel Ignacio de Oliveira & Filhu tago 4c
I Corpo Sanio n. 19, ou a bordo do pal lu lite Vi*-
mao e brigue Minerva, ancorados no caos do lira*
do Livramento.
ESCRAVOS FUGEOS.
\ossa Senhora da Conceicao
Contina a estar venda na ra do Imperador
n 15 a novena de N. S. da Conceda, conforme
usara os reverendos carmelitas da Reforma do Re-
cite, e ludo o mais conforme os annunci06 eUos
por este Diario.______
Folha de Flandres Charcoal de muito boa
qualidade; vende-se por atacado ou por caixas
avulso, a dinheiro vista : na ra do Pilar n. 143,
primeiro andar, para tratar, de manhaa at as 10
oras, de tarde das 3 at as 6._______________
Aos Srs. fumante.
Na loja da liquidacao junto ao passo na roa do
Imperador tem urna erande pechincha de charu-
tos da Rabia a 1&600 a caixa de 100, a elles que
se estao acabando, assim como um sortimeato de
raindene._____________________________
Cal de Lisboa e polassa da
Rossla.
Vende-se na ra daCadeia do Recife n. 86, para
onde se mudou o antigo e acreditado deposito da
mesma ra n. 1J, ambos os gneros novos e
legitiBioB, ae venden a preco mais barato do que
outra qualquer parte.
Fugiram ao amanheoer do dia 9 do correo^
dous escravos crioulos, um de nome Manoel^-
nhecido por Manoel ferreiro, por ser dote owia
com os signaes seguinles : estatura r.'gular, cor
preta, alguns cabellos brancos, tanto na eabc*
como na barba, bem barbado, corpo regular, be
parecido, rosto descarnado, idade que ropreseat,
de 48aS0 annos, toma mnrto tabaco, lata ompiu-
co pelo nariz por causa do tabaco, natural o
villa Constitucional de Sant'Anna do .V.uto, tere
da cidade do Ass, o Rio Grande do Norte; oulrt
de nome Herculano, idade de 45 a 48 annos, al-
guns cabellos braceos, alto, corpo reforcado, wr
preta, pes bastantes grossos. lendo mi un dos cal-
canhares urna grande cicatriz provrniejitf dfumt
talhoque levou com um pio, defeituoso doqucio
por telo um pouco torto por nm ludo, uin af-i-
jao muito visivel: ambos fugiram junto, lovaodf
camisas de algodo listrado e calcan aaaes, e um
bem alguma roupa branca ; o Ilernilano nato-
ral dos sertoesdo Piauhy : roga-se .sjiit
policiaes e aos capilaes de campo quj o* fa^-am a^
prehender e conduzi-los casa dr *eu scotwrt
major Antonio da Silva Susmo,/ moraflor na Imperial, na cidade do Recife, provincia de Pm-
naiubuco. qne gratificara generosimonte.
Fugio no dia 10 do corrente a cabra Fel-
dade, de idade de 24 a 26 annos, baa, bstanle
nutrida, cabeca chata, olbos grandes, narn aWad.
tem urna fstula do lado do queixo. os Vntes d
frente podres: quem a pecar, leve-a :> ra t
Queimado n. 10, que ser f eoerosament; recoev
pensado.______________________________f
Desde o dia 31 de oulubro do correnle annf
est fgida a escrava FeUma. a qual e multo**
nhecida pelos signaes sephlBs : fui em algu
tempo do Sr. Antonio Jos Rotrigues de SouzaJ
magra, estatura regular.bicuda, anda semprf *
toapressada. cabra escura, falia-lo um rien.e u
frente, est com leite nos peitos, pois '^'J
enanca sualha de cinco mezes, tema Y^JS
roupo cassa j velho, e um cli:. c merij
cor de rosa, costuma dizer qne forra ,!"*
estar criando em alguma casa, ou acomba l*
ram calocl foi vista duas vezes na Pas.geW! 6
Madatena i ha do Retiro, etc. O propne W
alte m autoridades policiaes. rapie.> #
fampTe mais gente do povo a pegue,., e a cohK
um a seu senhor, na ra da Pr,nc,pe n 3, l.ar#
,la Roa-Vista, ou ra Nova n. 38, l,ja. Oul#
rim, o proprietario protesta des*- ja procesar!
receber o importe dos das que ella l.e falia, deg
que uhio-de casa, a quero a Uver >">'*.?
onde for acbada. e graaca-$& bem a qaemi
pegar.
MUTILADiOl
"* %
ILEGIVEL
'/


8
Diario do Peraambnco Sexta felra tOde Vovomb,, de m3.
LITTERATRA.
I.
0 QUE VAE PELOinNDO. I"
C* a noto que os representantes das grandes po-
lainas em tionstautinopla dirigiram aogoverno
ettomano acerca du direito dc propriedade concedi-
do aos estrangeiros na Turqua :
O abaixo signado receben a nota datoda de S7actM!,ml0Dad0S'
9 de outnbro de 1862, em que o ministro dos ne-
uma copia do relatorio, feito a el-cei, a 15 deste
m, pel ministerio real d'estado.
Este relatorio j conhecido' "por V. pela pu-
bhodade que se Ihe deu, e concluirei agora as vos-
eas inforraagdes sobre o estado das cousas, trans-
mittindo-vos copia da resposta real, e do despacbo
de Mr. Bismark.
^'ao me demorarei em expedir os documentos
que se
gncios estrangeiros de S. M. o sulto respendeu
nota cooctiva que Ihe foi dirigida em 15 de feve-
iWro de 1862, de accordo com os seas collegas. '
c O abaixo assignado v com satisfagao que o
povcrno oltomano nao hesita em reconhecer o que
j lia tempo foi proclamado relativamente ao exer-
cicio do direite de propriedade na Turqua, por par-
te dos estrangeiros.
. Quando tnesmo nao existssem os compromis-
os anteriores, considerr-se-hia feliz de resolver
una questao que Ihe parece dever produzir serias
var.tagcHs |iara a Turqua, e desenvolver as suas
retagCcsroni a Europa.
Em presenga desta declaragao, nada pois po-
derla opi*r-se a que o abaixo assignado e os seus
cotl-gas, trabalhassem desde j de accordo com a
furia, para alcanzar um fim a que tendero os de-
sejos commuus.
c O hatli-houmayoun, reconhecendo aos estran-
geiros de urna maneira formal e irrevogavel, o di-
reito de propriedade, teve a cautella de indicar por
lun lado, om que eondgoes deviam exercer-se, e
por outro, qnal o mcio porque se conseguira dar
forra executiva a esse reconhecimento. Naquelle
ocio, o sulto, expnmia-se nos seguntes termos.
Com as leis que regem a compra, a venda e a
flisposigo das propredadee immoves saocom-
rv.it>* a todos os subditos do meu imperio, podc-
ri ser permittdo aos estrangeiros possuir pro-
prledades inimoveis nos meus estados, confor-
tnan<1o-se com as leis e regulamentos de polica,
C ti*ndo os mesmos encargos que os indigentes e
l'gij que se tenham verificado os ajustes com as
t pntencias.
i R, pois, necessario em primero lugar saber
in que-rondigocs o estrangeiro poder possuir
lem que, pelo cffeito dessa posse, o immovel fique
ssbtrahido as leis e regulamentos de polica e aos
cargos que devem satisfazer os propretarios in-
C\CS.
< O abaixo assignado est convencida, de que
4etts duas condiges podem ser preenchdas na
ftiulira e todos os direitos, sem offensa das immu-
pilade* (me protegen) os estrangeiros as suas pes-
oaa e nos scus bens.
c Jalgo tanibem que ser fcil determinar de
una maneira justa e equitativa em que formas es-
fi-vi ios, segundo a nacionalidade e a qualidade das
metso&t, a propriedade poder ser adquirida e trans-
i'da.
Safen estes diversos pontos, convm assentar,
yrtmain que tudo, um pequeo numero de princi-
pio* geraes, cujas coasequencas se desenvolvem
naturalmente.
t Domis, applicagoes cada vez mais ampliadas
ivnpoes proclamadas por S. M. quando subiu ao
torito, o desejn que a Porta tem de proceder como,
diz S. A. Ali-pach, segundo os principios dos po-
VOS mais civlisados, offerecendo mais seguranga
em diversos Interesses, tornar menos necessario
procurar no direito particular e excepcional, o
qnr se est cVrto de encontrar no direito com-
en um.
c Desta maneira, nao s o exercicio de direito
de propriedade se tornar cada vez mais fcil, mas
'?a de contribuir para chegar mais promptamentc
a un estado de cousas, que ninguem podria inipe-
dir Tg ^
c O abaixo assignado tem, pois, a honrado pedir
r. S A. Ali-pach, queira indicar-lhe o modo que
liie parece profervel, para preparar o ajuste em
presenga do qual o direito de propriedade possa ser
fserddo legal e ostensivamente.
c A Porta encontrara nos representantes das po-
iT.eias, omas sincerodesejo de tratar tudoquanto
t'y r par fim, levar esta questao a um ponto de
Vista pratico e conciliador,tendo na maior attengao sana.
nte em Jschi.
Quaito impressao que poderao fazer em S.
M., nao deixo com tudo de a prever claramente. O
wperador.com profundo pezartomar conhecimen-
todas declaragoes da Prussia. e naoposso dovdar
que esto sentimento deixede ser partilbado por to-
dos os soberanos e governos allemaes, em enjo po-
der se acha agora a resposta da Prussia.
Esta resposta justifica plenamente as numero-
sas apprehensoes antecpadas, de que a Prussia se
nao associava seriamente s tendencias reforma-
doras dos scus confederados, mas que s dilgen-
ciava por embarazos ao desenvolvimento da cons-
tituigo federal, apresentando cendigoes inaccei-
taveis.
Segundo as nossas eonviegoes, es tres pontos
cardeaes (prejudiciaes), a enja acceitagao previa a
corte real da Prussia qner fazer subordinar a sna
resolugao para tratar sobro ama reforma da confe-
deragao, sao, nao s incompotiveis com a manu-
tencao do principio federad na Allemanha, mas pa-
rece-nos tambera muito significativo que a Prussia
opponha s propostas precisas, formuladas pelos
seus confederados, pretengoes geraes, cojas lacu-
nas e forma vaga nao dio urna idea clara e
exacta.
t Ser ama tarefa pouco recreativa e consolado-
ra, mas de modo algum diffieil, demonstrar peremp-
toriamente o urna por urna essas lacunas, assim
como as centradieepes flagrantes em que os minis-
tros da Prussia se envolveram confusamente no re-
latorio de 13 deste mez.
Pens coratud que os governos allemaes nao
poderao de modo algum exinsir-se a esta tarefa,
depois de ter formalmente o governo prussiano,
por mais extraordinario que seja este procedfmen-
to, feito um relatorio dirigido ao re pelo ministerio
real de estado a respeito das suas deliberagSes.
i A nica c;rcumstancia de qae podemos tomar
nota, cora satsfaco, que o- rei eos seus minis-
tros nao julgassem. conveniente reiterar directa e
expressamente, emace dos soberanos allemaes, a
censura formulada n'um relatoriomiaisterial inter-
no, como se a dignidade e o poder da Prussia se
sentissem foridos pelas propostas de Francfort.
Por agora nao posso ter outra intensa mais
do que fizer-vos conhecer asminhas prmeirasim-
presses, nao vos manifestando por consequencia
mais do que urna apreciagao toda provisoria relati-
vamente maneira de proceder para com os que
tomaram parte na obra reformadora de Francfort.
c Na minba opinao, haveria razao para redigir
em tom araigavel urna refutseao radical da* estipa-
lagoes prussianas, e para a transmittir ao gabinete
de Berln, por lo da despachos idnticos de todos
os governos interessados no acto de reforma, com
a urgente manifestarao da esperanea de que a
Prussia nao continuar a insistir as suas inaccei-
taveis condigoes preliminares, mas que consentir
em tratar sobre as bases das propostas j concor-
dadas por vinte e quatro governos alleaiaes.
c Seria perfeitameuto bem laucada nos ditos des>
pachos idnticos a declaraeao de que impossivel
que essas propostas fiquem sem um, resultado pra-
tico.
Atm disso, haveria motivo para convioar al-
gumas cortes, gue, com quanto nao tivessem aecci-
tado no seu conjuncto o acto de reforma, tomaram
com tudo parte no congresso dos prncipes em
Francfort de urna maneira favoravel ao fim. princi-
pal, especialmente as cortes de Mecklembourg-
Schleswg e de Saxonia-Wciraar, para se associa-
rem a este proceder, se acaso ojulgassem compati-
vel com as suas vistas.
t Todava, estas observacoes servirlo de regra
s vossas communica^ois, e intil accreseentar
que espero com o mais vift interesse o vosso rela-
torio sobre a maneira por que seavalia em___(a
corte onde reside o ministro) a resposta pros-
sendo viagado. J no an'no passado tinha sido preso
por prevencao por ter espalbado proclamaees re-
volucionarias, e em abril ultimo foi tambera presOj
por engajar mancebos para os bandos insurgentes.
Alm disso foi egualmente preso por contravencao
dos regulamentos do estado de sitio.
Nos interrogatorios, no processo e perante o
conselho de guerra, Alger confessou que tnh3
preparado aquellas granadas para um humera des-
conhecido que bavia encontrado na ra, e que lbe
tinha encommendado sessenta. Tinha feito as gra-
licenf a da guerra que nenhura governo e nenhum
general podem reprimir, e que era necessario, por
um grande intervallo, sepralos da benevolencia
do czar e da moderacao dos seus offlciaes generaes
na Polonia.
O genera! Berg, porm, acaba de mostrar ao
mundo o que val a sua moderacao. Parece que di*
rige o governo de Varsovia -segundo o grande prin-
cipio de Nabuchodonosor : -Da vossa casa hei do
'azer o mea
A nobresa polaca coraeca a eomprehender
nadas na officina Evans, e devia entrega-las n'iim que a lula menos entre a victoria e a sub-
ponto determinado, onde devia encontrar aqnellc mssao, do que entre a victoria e o exterminio-
hornera. Apezar das advertencias que se Ihe fize- Dem diuerenles dos Romanos, cujo proverbial orgu-
ram recnsou nomear o bemem que Ihe encommen- iho consista em poupar os que se sobmettessem,
dra as granadas. e a nao ferir mais do que os que se mostravam dis-
OconselhodeguerrajulgouAIgcr culpadode ter poslos ajotar contar elles, os Russos s vem na
-eito as granadas.com pleno conhecimeno do fim cri- sabmissao um estimulo para novos actos de des-
mi noso a queeram destnadas,e condemnou-o a per. trui9a0-
dimento de todos os seus direitos civis e a ser fu.! t Este estado de cousas tal, que os Polacos de
zilado. Esta sentencadeve ser executada manhaa todas as classes e de todas as opinides, s na 'orea
s dez horas da manhaa no pateo da fabrica Evans, encontram sahragao. Tantos horrores e scenas do
e em presenca de todos os operarios. j rapjna ; essa vinganca eruel, essa cega arrogancia
t Os proprietarios da fabrica foram condemna- do gvern0 russ0 nao poderia continuar indefini-
dos a urna multa de 15:000 rublos por haverem lamente.
permittido, apesar das presmpeoes do estado de c De urnaou de outra maneira, tudo isto deve
sitio, que se fizessem aquelles ebjectos. A fabrica inevitavelraente tsr um termo. Emquanto nao so.
ficar fechada emquanto se nao pagar a multa, t brevem melhor seluco, possivel que seja esma-
- OMonilvr publica as seguintes noticias do ada aiJuella neroica naS3 polaca- To(iavia duv'-
Mxico damos muito. Se este acontecimento nao est ta<>
prximo como muitos o julgam, hade chegar o mo_
. A situagao torna-se todos os dias mais satisfa- ment0 em que a Europa nao queira consentir que
,ona ao Mxico. As adhesocsmuJtiplicam.se em contine aquella obra>de destrurcao. Hasentmen-
todasas dneccoes comcum tal interesse e enthusias- toc*,opulares mais poderosos do que a poliiira dos
mo, que se torna d.fflcil fazer urna narrago com- T0S! a que estes mesmos devem obedecer,
pleta. Todas as povoncoes dos |)aines importantes ...
da Misteca e da Huasteca, sublevadas a favor da I Dep'S d Proccd,a,enl 'luc se estabeleeeu na
novaordem de cousas, armaram-se, falta de es- Grecia petos governos francez e inglez, eao-qual,
pingardas, com fouces. paus e toreados, e deram Pr mo,ivoP0,',ico a Russia se associou, nao pode,
eaca sem quartel aos guerrilhas, que nos campos raos encarar u,n ael da ">tervencao em nome da
se entregavam a pilhagero. Assm battidos em te- humanidadce da civilisacao como runa medida que
da a parte, esses grrimas teem suocessivamente deixou de 'en*1050" lado a justificacao eV'um
enfraquecido eu teem-se submittido. exemplo consagrado.
No Estado de Chiapas tem havido rouitos pro- Quandoa Daie de nma intervencao passa de
imnciamentos a favor do imperio. O raovimento ura direi, saDCConad,> P lralad<>' a "m dver
far auspciosamentograndes progresa*emOajaca Para com a nun,ani(lade>"* amplia-se tanto raais
o proprio Estado de Jurez, ondeos povos forara Piqese nao limita a um territorio determinado,
impellidos pelas depredacoes e excesses dos agen- ou a ques,5cs esPec,aes Ia* forraera ^^^^o
tes juarstas, e principakneote pela applicafao imr ,ralado
piacavel do odioso systema da Leva.
t Este para a Russia um penga dez veos
gue desenvoWer-se.
* Em Morelia e nos diversos pontos- do Michaa-
Espera-sede um memento paraoootroa no- .maior do que-opengo primitivo de una intervencao,
tieia de que este estado se pronunciar em massa-^'na conformidade de um tratado. Mas nao honve
a favor da monarchia. estas consideracoes. Conta com a estarao que-se
cNointermr dopaiZT(desoimp*aindaPetoiaV7ha Tf irUfven?ao es'tran&ei"a !
-error, os restos do partido demagoga nao coEJ aind,a 1Uefa.trCde dS Cam,nhos dc ferr0 na Eora
pa, tenha feito muito para diminuir a difieuldade
de urna guerra no inverncy e quando mesrao ella
capitulasse com os Polaco^ ou os polesse esmagar,
ca, muitos ehefes teenv cnido em nosso poder- o que at agora Ihe tem 3*do impossivei fazer, as
Oraesmo faeto se terareproduzido n'outros esta.' potencias occidentaes devem, antes crm isto acn.
dos. Em S. Luiz, onde toda populacio favorawt ,eea, por termo ao seu dominio na Polonia.
nova ordern de cousa* o campo dos juarstas es-1 u .
t> segundo todas as correspondencias, um foco de' *.f "***** do seu hmo0 exercit0 ,en,-sere-
descordia e de anarchia. d?z,do a uma ,onga serie de brutal'dade i J* na
pode manter o seu governo militar, como niio pode
O exercto Jurez est al\reduzido a alguas plantar era ponto algum o principio da autoridade
centenas de homens, dos quaes uma parte nen moral.>
mesmo ten, espingardas, e que nao tem cutres L-se no Uoitiing-Post :
meios para subsistir alm da pilhagem aos habitan- o A resposta do arclnduque Maximiano a men-
tes pacifico*. i sagem da deputaco mexicana deve ser considera-
da como extremamente satisfactoria. Ha muito
Assegura-se que- todos os partidarios do Jua- tempo que o publico Ihe previa a substancia. Ha
rez deram. as suas demissoes, excencao. doSr maisde- um m.e- quc sc,inha dado a en,ender *"ue
' t4LCi".w uu *r o principe austraco consentira, sob certas condi-
Nunes, que tornou x encarregar-se da pasta da fa- coes, em eomprehender fundar tima monarchia no
zenda. Mxico.
n c. ------- r; ___*. O principe acaba.de confirmar as declaracoes
O*. Doblado, ro nomeado ministro dos ero, preaedentemente feitas em seu nome, e parece
cios estrangeiros da justica, do interior o do fomtn- pouco provavel que se nao offcreca circumstancia
to. Uragaficou como ministerio.da guerra e cira alguma que possa suspender o cumprimento de
o coramando era. ehefe do exercito. Accresccrta- S! I"10^10 ^r ca& realisarjo todos team o maior
..... .. hjwuwiwm interesse, menos uma fraccao descontente e ven-
se que_Doblado Uraga entraram neste simulacro cida. As condicoes por que o archiduque promel-
de gabinete, com o fim de- poderem melhor derti- teu a sua aceitacao sao puramente condicoes de
borooa,Juorci!. Este, pela auu parle, SO proCUrava t0r,n?-- .
desembaracai-se de dous horaens, que sempre le- SSS ff S*** ^ *"" ^ dre' '*'
os rostumes e as leis do paiz, assim como os direi-
os e a dignidade do sultao.
Asignados Dullwer. Bressier.Monstier
11 '^'ff.Noricoff.Greppi.
A Europa publica o despacho dirigido por Mr.
de Rerhberg, aos representantes do governo aus-
li i ico, junto das cortes allemaas, acerca da res-
|iosla do rei da Prussia s communicagoes que Ihe
filtran os principes, em consequencia do congres-
so da Franrfurt :
Yienna, 26 de seteiubro.
Foi-me entregue hontcm pelo baro de Wer-
fter, |iara ser expedida S. M. o imperadora res-
insta dirigida simultneamente por S. M. el-rei da
Fnissia aos altos signatarios da carta collectiva do
V do torrente, assim como um despacho do mnis-
Iro presidente real, Mr. Bismark, acompanhando
FOLHETII.
A CONDESSA DIANA
hor
MR. MARIO ICIlAHIl.
(Continuaro do n. 266.)
xvn
Pozpram-nos ao correr dos acontecimentos que
fam ter lugar, alguraas conferencias com meslre
Ci angor, a que minha madrinha me prohibir de
a*sKir, afim de que o tabelhao tudo Ihe dissesse
exactamente, dando-me porm conta minuciosa
da menor circumstancia. Todos os dias nos am-
tws confeienciavamos com o cdigo as maos,
d^ciitindo de antemao as objecces imaginarias
de meu vido tutor. Admiravam-me a perspicacia
e ri'ctido dos juizos de Diana, que me suggeria
argumentos dos quaes nada teria que dizer um
juriscon>ulto.
N'uina manhaa disse-nos o tabelliao, com ouem
rs liaviamos encontrado no lugar costumado da
floresta :
A reuniao do conselho est marcada para
CUinta-feira.
Quinta-fcira I exclamou Diana. To de-
IT*sa !
- Nao est n nosa vontade a escolha do dia.
Si a. roudessa, mas depende ella do juiz de paz
Que nos ha de presidir.
Suppe o Sr. Granger, replicou ella, que tu-
do se decidir n'uma sessao t
Parece-me que nao, tornou o velho tabelliao;
|"r |iie dase um incidente, que eu j bavia pre-
visto, e que nosobrigar tal vez intentar um pro-
ft-o.
Fui justamente para consultar sobre este ponto
ene aqu vim boje. Hontem receni a visita do Sr.
CDAoV. que me perguntou a 'cansa da reuniao do
ronM-liio E iiiain do que eu porm era ama pergunta pro
fu nula, e o mea ministerio me impunha o dever
de resi-oniler-llip, afim de que podesse preparar
O* dorumratue necessarios. O conde nao me fez a
i mor ri-uYxae respeito do designio do Sr. baro,
Iois sai*- que serei sea adversario nesse debate,
fjirtanto tenho mu longa experiencia dos no-
< Acceitae a seguranza da minha perfeita, etc.
De Uechberg. >
A Gazeta nacional reproduz a seguinte nota
publicada no Dzknnik, de Varsovia :
A13 de dezembro, s nove horas da noute, foi
preso na ra um operario da taberna do fundicao
Evans & C, chamado Guilherme Alger, porque nao
levava lanterna.
t Tendo sido apalpado na repartilo de polica,
encontraram-se-lhe oito granadas de urna pollegada
de espessura. Esta granadas foram reconhecidas
pelos horaens competentes como instrumentos pro-
prios para explusao que podem rebentar por meio
de plvora fulminante ou de plvora ordinaria.
i O chamado Alger era j conhecido na polica,
em consequencia de divorsas aecusacoes polticas
anteriormente apresentadas contra elle, e eslava
tesDu e que soffre a seu pezar.
exigir antes de se assentar n'um
throno que se Ihe offerece; mas sao de maneira
que tornam o eumprimento fcil e eerto. Quando
Doblada comecavaa orgamsar no seu estjdo dous amantes se quererr, casar, e os paes est dis-
uma especie de resistencia. O seu nico propesi postos a dar o dote necessario para os seus arran-
ta na opiniao de algunas pessoas, seria prociua,! Sr^'o nuTal"'"1^ um H>inistr0 Paca Pro_
alcancar uma posicao de poder apresentar as n- Da nSaTwira o archiduque Maximiliano
dicoes da sua adhesao. Segundo dizem outros, ?s- esta disposto a acceitar o Mxico, tal como est, se
ava decidido a abandonar o paiz para se dircir seu 'rmao e soberano oautorisar a isso, se os seus
aos Atados-Unidos, e todos estes preparativos bel- a.mi?os sanecionarem essa unao, e se a noiva de-
liras eram destiaados a eacobrir os seus secretos r.lararriflue accf.ita voluntariamente Mas como a
,. d WU-UUI" b SKU> secretos donzella, que esta ronge de ser temida.foi quera fez
preparamos de partida. o pedido, como os amigos do principe teem instado
L-se na Times : Para cumprimento da uniao projectada, como seu
irmao nunca deu a entender que 'me fosse des-
Julgou-se, cora muia razao, que era m erro agradavel, pde-s considerar o negocio ultimado.
chamar aos Russos urna raca europea. Em quasi Agora nada mais preciso do que uma ceremonia
todos os actos que os caractersam sao asiatims de ?uIa formalidade para tornar rei do Mxico o
teemjhe, sera duvida, dado o verniz de uma civi- conheceu a necessidade de estabeiecer a nova mo-
lisacao superficial, que nao mai do que a cama- i narcha sobre toses constitucionaes. A palavra
da, por baixo da qual, segundo a expresso de f0ns'''"><>' interpretada de dilTerentes modos
Bnar e, encoba Bus 0 ^a ; *=- SS S-
ro. Mas, em espirito de vinganca e de erocidide da por um imperador, ainda que tenha por seu pri-
de disposifo, nada ha que os distinga dos barba- meiro representante o irmao do outro imperador,
ros. O general Berg parece ser um tvpo muito: na de depender da vontade do povo. Nao acredi-
tamos no suffragio universal, nao estamos dispostos
a aceitar em todas as occasies esses resultados
como a expresso dos sentimentos do povo, mas o
plebiscito pedido pelo archiduque Maximiliano como
j uma condicao da aceitacao do throno, ha de expri-
pelas tropas impenaes deviam atlnbuir-se a essa' mir, segundo toda a probahildade, os verdadeiros
mens, sei comprehend-los, e sou capaz de jurar
que o conde ha de oppor-se ao pedido de emanci-
pacao. O Sr. baro est decidido proseguir nes-
ta questao ?
Mais que nunca, respond sem hesitar.
E faz muito bem, acudiu minha madrinha.
Uma desistencia neste caso despertara receios,
de que se poderia tirar vaotagem mais tarde.
A Sra. condessa comprehende perfeitamente
o perigo, replicou o tabelliao. Uma vez comeeada
a questao, convm ir ao fim, ainda que tenhamos
de recorrer aos tribunaes.
Aps longa discussao sobre as probabilidades
de vencer, separamo-nos. Ficou assentado que o
pretexto de emancipacao seria a minha partida
para as Indias coin^ meu primo Clarencey, e um
projecto de assoriacao para a rotea de suas trras
do Pendjab, viagem essa, que tendo de durar al-
guns annos, exiga a regularisacao antecipada das
minhas contas de tutella.
Havia una hora apenas que tinhamos chegado
Maufert, quando vejo approximar-se Bastiao. Eu
tinha designado esse bravo rapaz Granger como
um intermediario fiel em quem podia confiar-se ;
e era por suas mos que passa vara as nossas cor-
respondencias, que nao era prudente entregar
descripcao mu duvidosada gente do castello.
Bastiao cntregou-me ura bilhetinho escripto
lapis na folha arrancada de uma carteira.
t Quando em sahia dos rochedos, encontrei-me
com um mariola de nns quinze annos, que pare-
ceu-me ser cabreiro de Maufert, e que, segundo
todas as apparencias, cstava ali para espionar-me.
Este sugeito seguiu-me at Philay, talvez para in-
formar-se do meu nome na hospedara onde dei-
xei ficar o meu carro. Em quanto o preparam
despacho um proprio Bastiao. Cautella, os nossos
passos sao espionados.
t G...
Ha de ser o brejeiro de Lzaro, Dlho do ve-
lho Setourneux, o feiticeiro I dlsse Bastiao. Vou
rondar pelos arredores. Sao conhecimentos do Pa-
cido I
Bastiao nao se engaara. Era com effeito L-
zaro que se achava encarregado de espionar o ta-
belliao.
Bastiao nao teve muito trabalho em convencer-
se disto, e prometteu vigiar o miseravel.
Hei de pr-lhe o olho em cima, dsse elle.
Todava bom sempre acautellar-se.
XIX
Na manhaa dessa quinta-feira qae deveria ser
a aurora brilhante ou o pallido crepsculo da mi-
exacto desta raga.
Os apologista da Russia disseram-uos por
muito tempo que as barbaridades comiuettiJas
nha vida, mandei sellar o cavallo logo cedo para
chegar primero que o meu tutor em Montherm,
e receber as ultimas instrucges de mestre Gran-
ger.
Despedindo-me de Diana Gquei commovido.
Coragem I me disse ella. Orei toda a noute
por voc. Tenhamos confianza em Deus I
Ai de mira I exclamei. Receio muito o re-
sultado deste negocio, pois serei obrgado dei-
ta-la...
O que isto, Andr I Aceitara a felcidade
custa da sua dignidade ? Pense em que o seu
aviltamento sera um golpe para a minha afiei-
co... Mostre-se forte e tranquillo : disto depen-
de a sua vida, nisto se interessa o meu orgulho.
Mas quando eu estiver bem longe, o que ser
de Vrac?
Viverei de recordacoes, respondeu ella com
altiva melancola. Agora, mea amigo, preciso
partir : parta, e Deus nos ajude I
E estendendo-lhe eu a mo, ella attrahiu-me
docemente, e depoz-me na fronte um beijo pie-
doso.
Part pressa, com os olhos arrasados de lagri -
mas. Pareceu-me que acabavamos de romper o
derradeiro lago de um passado tao suave. Eu cor-
ra para uma uesgraga certa : a minha victoria
separar-me-hia de Diana, a minha derrota degra-
dar-me-hia seus olhos, e reduzr-me-hia para
sempre uma vergonhosa oscravido.
Devorei o espago para bem dizer : em pouco
tempo cheguci casa dc Granger. Encontrei-o
serio e cuidadoso, como quem se prepara para
um grande negocio. Nao devia de minha parte
assistir ao conselho : entretanto o meu velho de-
fensor me quiz apresentar aos amigos e parentes
affastados, dos quaes dependa a minha surte.
Comprehendi o seu pensamento.
Mestre Granger qur desde j mostrar-Ibes
que nao sou louce ? Ihe perguntei com amargo
sorriso.
Neste interim nm criado veu annunciar a che-
gada de alguns memoras do conselho. Passamos
para o salo. Ao silencio que reinou minha en-
trada estive quasi a fierder o tino. Foi-me fcil
reparar que no espirito dos meus juzes haviam j
penetrado algomas duvidas sobre a minha razao,
e o pasmo quasi qne se desenhou em suas physio-
nomias, quando elles me dirig para cumpri-
menta-los. Senta os seas olhares psarem sobre
mim. Esses homens, me perturbavam, importuna-
vam-rae, e preciso me foi grande esforgo de ener-
ga para dominar e susto: uma palavra, um ges-
to qae Ibes parecesse extravagante, seria bastante
para perder-me. Por felcidade Granger interveiiv
c deu-me tempo de rehaver o meu sangue fro.
Fallei dos meus pnjectos de viagem com tanta 1-
berdade de espirito, que abalei as duvidas daquel-
les que principio pareceu-me indecisos.
Tendo de funeciouar o conselho com a chegada
do Sr. do Maufert, e do juiz de paz que o segua,
fui convidado para retirar-me. O meu tutor con-
duziu-me at a porta do salao com toda a cortezia,
como se fosseraos os melhores amigos do mundo.
Achando-me s no gabinete de Granger. nao
pude supportar as angustias da expectativa, e
I sahi.
A' dez passos, da casa encontrei Bastiao, que
me disse :
i A Sra. condessa mandou-me rondar por
1 aqui, afim de estar alerta se Vmc. tver^preciso
de mim.
Abengoei Diana no fundo da minha alma : ella
presenta os enojos dessa hora de i.-olamento.
' Segue-rae, respond, e obrgado por ter
, vindo.
E comegamo a andar ao acaso para passar o
tempo.
Bastiao esforgava-se por dstrahir o mea pensa-
t ment ; fallava torto e direito de tudo o que
nos cercava ; mas eu nao Ihe prestava attengao.
Pensava nos successos presentes : passava e re-
I passava no espirito as menores palavras que ha-
va pronunciado na presenga desses juzes, de
quem dependa a minha vida... Teria acaso d-
1 vagado ?
Quem sabe I
Bastiao, Bastiao exclamei de repente. Fal-
la-me de Diana.
Bastiao encarou-me assustado.
Ora, Sr. Andr, nao se afflija a este ponto.
Tudo ha de acabar em bem. a Sra. condessa as-
sim m'o disso quando c me mandoa, e basta ella
Ihe estimar muito para que ninguem ouse fazer-
llie injustiga.
Apderaram-se da minha alma as mais crois in-
qoietages : cheguei a duvidar de mim mesmo, e
parecia-me sorprender indicios de piedade nos
semblantes dos que passavam. Na quina de uma
ra encontrei-me com uma moga, que voltou-se, e
acompanhou-me com os olhos por alguns instan-
tes. Empallldeei e estive a ponto de desmaiar.
Parece-me que Vmc. Ihe deu no gto, dsse
Bastiao rindo-se. Bonita ella I
Nao sei quanto tempo andamos assim, nem por
onde passamos. Sei que, chegando ra em que
morava o tabelliao, vimos de longe sahir o Sr. de
desejos dos Mexicanos. Seria abmirdo, effectiva-
mente, esperar que os habitantes do sudoeste da
America do Norte experlmentassem dedicacao por
um principe austraco que jamis poz osps noseu
paiz; mas na prxima efeigao nao apparece ohc-
mem, sao os principios que se recommendara ao
suffragio do povo mexicano.
A questao saber se os Mexicanos terao ura
governo ao mesmo tempo digno e duradouro, ou se
querera recumegar o reinado da anarchia qoe os
langou no descrdito como nacao e que abriuoseu
territorio s armas estrangiras. A ligo que
acaba de se dar aos Mexicanos foi muito severa
para que o resultado da elego prxima possa ser
duvidoso.
Quando se annunciar que o archiduque Ma-
ximiliano foi chamado ao throno por nm plebiscito
os propros adversarios da eleigao de om rei pelo
suffragio universal nao poderao dizer qoe os votan-
tes foram intimidados, ou queo resultado foi falsi-
ficado.
A posigao crtica em que a nova monarchia ha
de estar collocada, justifica plenamente o pedido
feito pelo novo re para ter garantas de intefrida-
de e de independencia at se sentir bastante feito
para se defender por si proprio. O novo soberano,
como j dissemos n'outfa occasio, ser obrigado a
manler-se contra a forte faegao no paiz, e prova-
velraente contra un poderoso inimigo no estran-
geiro.
Por consequencia, se nao s no seu interesse,
mas tambera no dos credores francezes e inglezes,
elle tem o direito de pedir que se estabeleca no
Mxico um governo estavel e honesto, lem perei-
lamenteo direito de pedir que se Ihe conceda uma
sullicienle proteegao para levar a effeito essa ta-
refa.
Isto o que el I* exige quando pede as ga-
rantias indispensaveis para proteger o Mxico
contra es perigos que ameagam^ sua integrida-
de e a sua independencia. Wa muri tempo
que se sabe que a Franca est disposta a satisfazer
a este pedido.
< Quando falla do foturo, no caso da nagao me-
xicana o acceitar como rei, o aniduque Maximi-
liano tao explcito quanto se* pode desojar. Se
a Providencia ine chamar a aquella elevada
raisso, devo declarar a firme witengo en que
estou de abrir o caminho ao progresso por meio
de u.na constituigao, como fez meu irmao, e de-
pois da completa pacifieagao do paiz, indo sellar
t com o meu juramento a li fundamental. E' s-
mente assim que se poder constituir uma poli-
tica verdaderamente constitucional, qual to-
dos os_partidos esquecendo as antigs queixas,
poderao assoeiar-se para levantar o Mxico
elevada posicao que deve oceupw entre as na-
coes.
Se a julgar o archiduque pelos seus anteceden-
tes, nao ha razao alguma para duvidar da sua sin-
ceridade.
E s por orna poltica assim tragada que o
Mxico pode tornar aquella* posigao entre as na
goes.
O rei eleito deve conhecer que assim e os
lagos poderosos de interesse pessoal nao de leva-lo
a seguir a senda que acaba de indicar. E' s ne-
cessaria a occasio para que o Mxico se torne ura
grande imperio, tlorescente e magnifico. Agora,
apresenta-se pela primera vez essa occasio. Quera
pode duvidar que elle a aproveitar com dedica-
cao e alegra ? Quando ura povo e o seu soberano
tem um fim corainum, quando estao cordealmente
de accordo sobre os raeios de o conseguir, pde-se
fcilmente prever qual ser o resultado dos seus
esforcos.
De aples escrevera o seguinte a uma folha
franeeza:
Permitti-me por agora algumas eonsderagoes
geraes sobre o estado dos espritos em aple*.
Alguns jornaes pretcndem.quc o descontentamente-
seja ali unnime. E' a esta parte que eu quero res-
IKjnder.
Reconheceremos em primero lugar que o ca-
rcter dos Napolitanos naturalmente inclinado a
exagerar tanto o mal como o bem, a passar da cr
trema esperanea aoexcussocontrario, oque aima-
ginago e aqai uma grande cousa. Por isso nao
desmentem a sua origeui grega.
Com estas imaginaedes inoveis e ardentes, a
lberdade nao devia ssrvir, dminuindo a aeco do
governo, para deixar ura campo mais vasto doin-
dividuo e do paiz.
A unidade nao devia servir para o cumprimen-
to de uma grande idsao reconhecimento de uma
nacao.
A liberdade e a vaidade au devia ter por cf-
feitojinasdo que satisfazer a todas as paixoes, ato-
dos os interesses, enriquecer immediatamcnte to-
das as familias, espaihar honras por toda a gente,
produzir, por um simples toque da varinha
mgica, cvilisacao, instpuegao c educagao,
realisar repentinamente a fortuna do Edn no ve-
lho reoo das Duas Sicilias.
Na embriaguez dos priuieiros momentos da
revolucao, estas illusoes erara tanto mais vivazes,
quanto a quedados Bourbons tinha sido mais im-
prevista. Mas podia a realdade corresponder a
esse souho dourado ? Illusoes to ligeiramente con-
cebidas podiam porventura suslentar-se em face
das difficuldades, e de alguns interesses feridos,
consequencias nevitaves de qualquer revolu-
go 1
Em aples devia-se estar tanto mais desa-
pontado por estas consequencias necessarias, quan-
to que a revolugiio se tinha feito fcilmente, e por
assim dizer em agua de rosas. Isto poupou muitos
excessos e atrocidades. Todava, uma revolugao
que limpa ura pouco o terreno, destre por isso
mesmo uma parte dos elementos contraros, e neu-
tralisa a outra. Nada disto, felizmente, se vu em
aples; tudo seconservou como eslava protegido
pela iei.
aples, dexando de ser uma capital, o cen-
tro dos negocios das diferentes provincias, e a
sede da corte, os interesses de todos aquelles cuja
existencia eslava mais directamente ligada ao r-
gimen destruido, deviam necesariamente resen-
tir-se assim acontec.cu a todos os empregados que
tiveram de ser despedidos por ncapacidade ou
mesmo por immoralidade, ou em consequencia da
suppresso de multas administragoes, assim suc-
cedeu aos ofHciaes do exercito bourbonico, que.
com a polica e o clero, estovara senhores do paiz,
e que actualmente gosam da posigao de victimas
irritadas. Acrescentae o pequeo numero dos que
estavam sinceramente ligados corte c antiga
familia real. Acrescentae finalmente a grande
raaiora do clero que exeree grande influencia na
Maufert e os membros do conselho, e subirem s
suas carruagens.
A sessao estava concluida; poucos momentos
depois me achava junto de Granger.
Oh I Ei-lo finalmente I me disse elle. Receia-
va que tivesse voltado ao castello.
Pelo som da sua voz present uma derrota.
Estou condemnado? Ihe perguntei.
Nao, respondeu o tabelliao. Entao o que
pensa, Sr. barao ? Nao se condemna assim a gen-
te. O seu processo nao esto perdido.nem ganho,
foi somente adiado. Porm sente-se para ouvir-me
raais a vontade.
Sentei-mejO Sr. Granger prosegua :
Devo oTzer primero que tudo que o Sr. ba-
rao portou-se maravillosamente na presenga des-
ses senhores. Nao Ihe occultarei tambera que to-
dos ellos, quo nao o viam ha mais de anno, acha-
vam-so abalados pelas calumnias quo cerrera, e
que nao ignoramos. A sua atttude, porm, a sua
calma e simplicdade, quando Ihes faltou, os desar-
maran. De|ois de sua retirada o debate tornnu-se
forte. Era preciso chegar o fogo plvora, e col-
locar o Sr. dc Maufert na alternativa ou de acce-
der ao pedido de emancpagao, ou de provocar a
sua inhlbigo. O conde acabou por solicitar uma
vistoria medica.
A estas palavras inesperadas percorreu-me e
corpo lodo um estremecimento involuntario.
Uma vistoria medica I exclamei.
Nao devemos dissimnlar a situacao, Sr. ba-
ro. Esta mesma provanga Ihe sena infligida
d'aqui a seis mezes.
Deste modo ousou o conde declarar-me louco I
Mas o conselho nao ficou convencido ; tanto
que rejeitou as razoes do seu tutor a: raais ampios
esclarocimentos.
E quando devo submelter-rae a esto hnmilia-
gao?
O dia nao foi anda fixado. Oh! nao se as-
suste. B<-,tar-lhe-ha somente comparecer perante
o conselho queo interrogar. Dous mdicos esta-
rao presentes, e nada mais. Tenha esperancas, que
ha de triumphar.
Despedi-me do Sr. Granger, e fui enconlrar-me
com Bastiao, que ficou aterrado quando Ihe contei
a resolucao do conselho.
Mandei embora o seu cavallo, me disse elle.
A Sra. condessa julgoa qae seria melhor voltar a
carro.
Volte ao castello accomettdo de horrlvel tris-
teza. A meia legua do distancia avistei Diana que
me esperava no caminho. Desci precipitadamente
o ordenei ao cocheiro que seguisse,
aristocracia epo povo das cidades e das campos.
Esta e a estatistica de todos os descontentes. Es-
tas sao as cansas, overdadeiro carcter da op-
posigao entre nos. ^^ v
' EJl3S. cau,sasnao U!,n obrado de repente ; os
scus effeitos flzeramse esperar. A embriaguez dos
pr.meiros- effeitos, a esperancas exagralas qae a
revolugao tinha inspirado aos que a nao amavam
o espectculo de um povo intero animado de uma
nica vontade, a queda inesperada de um throno
que se julgava inabalavel.o triumpho prodigioso de
uma revolucao que se julgava impossivei, acom-
metteram todas as imaginacoes. Os mais malevo-
Ios comprehederam que o momento Ibes nao era
favoravel.
Pouco a pouco organson-se a reaego, aju-
dada pelo concurso do estrangeiro. principalmen-
te- peloapoiode Boma1; a brigandagem fomou uma
forma mais consistente. Entao todas as posiges
contrarias a uma ordera de cousas que julgavam se-
riamente ameagadas, comegaranv a apresentor-se
cora mais audacia e segoranga, e os partidos apru-
veitaram.
Estes partidos reduzem-sc a dous; o partido
d'ago, e o da reaegao, que comprehende os bour-
bonicos e os clericaes. Separados pela profunda
diversidade das suas opinies politieas. religiosas
e sociaes, estes dous partidos obrara ha muito
tempo independcnteinente um do outro. Os
bourbonkcos foram os priineiros aagitar-se.de prin-
cipio por meio da brigandage, formando ronspi-
ragoes e clubs. Efectivamente, n'um paiz como
aquelle, parece mais fcil crear um movimcnto
qualquer era nome de um passado, sentido por
todos que d'elle tiraram proveito, do que em nome
da repblica, que ninguem qur, e em nome de
Mazzini, que todos os liberaes tinham abandonado,
e que, durante a dictadura de Garibaldi pastara
tres mezes em aples sem fazer proslitos.
Foi so mais tarde eme o partido de arcao met-
teu maos obra. A sua tctica preferida foi ata-
car todos geralmente, calumniar toda a gente, e
censurar principalmente o governo de falta de
torca para nos conduzr a Roma e a Veneza.
A final, nestes ltimos lempos, os dous par-
tidos comegaram a entender-se e a- prestar-se um
apoio mutuo, contando cem a reuniao das suas
torgas para alcangar um xito impossivei. Este
calculo nao orna cousa nova. Os legitimistas,
com tonto que caia a actuat ordem de cousas, ac-
ceitam voluntariamente a repblica, convencidos
como esto (e at certo ponto cora fundamento) de
que o triumpho laomentaneo da repblica seria um
camin mais curto para o estabelecimento dos
Bourbons: Os oulros pelo contraro, que querera
a revolag.no para a revolugao, nao facera escrupa-
"os sobre os meios. que se devem empregar.
Apesar de lodo o ruido que fazem, uus e ou-
tros, reouidos, nao formara mais do que uma pe-
quena minora, que tem contra si os sentimentos
do paiz, e a torga material do governo. Nao que-
ro dizer que elles perdem completamente e os seus
trabadles-produzem.; uma certo inquielagao nos
nimos, exaltam a opiniao publica, seineiaiu a dis-
cordia o a incertesa, envenenam a opposir.o e
espalhara a f cercada de reales insupportaveis,
cuja causa nica se encontra no governo e na or-
dem de eousas actual.
Portelo se perguntarem maior parte des-
ses, o que fazem os-descontectes de quo elles se
queixam, veem-se muito embaragados para res-
ponder ; o os desen/reados adversarios do gover-
no, fleartom assustodos com a idea do restabele-
ciinento dos Bourbons ou do triumpho de Maz-
zini. Queixam-se pois-em primero lugar porque
os Napolitanos se (ueixam seraprc ;. depois porque
tendo cabido o governo que enfraquecia a vida e o
paiz, o governo que Ihe succedeu devia crear,
como por encanto, a prosperidade e a fortuna de
todos, apesar das difflculdadesque Ihe suscitara a
naturesa das cousas e a opposigo d'aquelles mes-
mos ipje, aecusando-o dc ncmarchar, Ihe esto
pondo peias ao caminho.
Estes dous partidos fleariam reduzidos im-
potencia sem o apoio que Ihe provm do estran-
geiro. O partido de acgo tira a sua torga das
outras cidades da Italia, onde est mais- ou menos
espalhado, emquanto que os reaccionarlos tiram a
sua directamente de Roma, de onde recebem o di-
nheiro, palavras de animagao e muitos vezes ho-
mens (que o mesmo que dizer guerrilhas) e onde
veeni o seu ponto de reuniao, e, no caso de ne-
cessidade, o seu refugio.
Julgou-se v4r as mentes eleicoes muiri-
paesum triumpho do partido da aeco, porqne en-
tre oseleitos havia alguns homens' d'aquelle par-
tido. Mas, examinadas as cousas conveniente-
mente, esse triumpho nada tem de real. Alm
disso, tres de entre seis, tendo a consceneia de
real, nao aceeltaram. Mas vejamos qual o enig-
ma : os bourbonicos prefenram votar no partido da
aegao do que no partido moderado ; e todos os
dessidentes e oppositores- lizeram o mesmo, esta,
foi uma maneira de manifestar o seu desconten-
tamento.
Alm de um nico jornal, que feancamea-
te mazzinista, c de outro, optimista quando nau-
to, a imprensa seria, e ero Kral moderada in-
dependeute, se niio quanto possivel, unitaria.
Mas a par, ou inferior a esto impronsaj ha urna
multiuao de pequeos jornaes, que sao verdadei-
ramente uma vergonha, nao digo para o-paia, que
os nao l, mas para aquelles que os escrevem e
os pagara ; contentes e descontentes, iodos estao
de accordo era despresar e condemnar aquelles
excessos.
Estes pamphletos, cheos de personalidades
e das mais grosseiras injurias contra todos sera
disiincgo, e cujos redactores sao.bem eonhecidos
pelos seus autecossores aqui, nao poderiam sus-
lentar-se se nao tivessem em Ruma um pequens.
numero de assignaturas, de qae vivem.
Em surama, o partido unitario ganha em
solidez, e em consistencia. Os nomes dos s*us
inimigos nao augmentam ;: mas, tranqullisados
pela radulgercia do governo, e pelas garantas
constitucionaes, qoe nos nao concederiam s eeti-
vessem no poder, teem tido a coragem de gritar
agitar-se, e espaihar boatos falsos para emban-
ca r a marcha de um governo, que nao poderiam
fazer cahir. Exagerara as dsposiges naturaes
que o paiz tem para criticar e mostrar-se pouco
satsfeito ; sustentara em parte a brigandagem, e
sustentam uma imprensa vergonhosa, explorando
por toda a parte a presenga do exereito francez
em Roma, para espaihar duvidas e alimentar lou-
cas esperangas entre os espritos fracos.
Quando fiemos sos ella me perguntou :
O que se passou ?
O conde declarou-me louco, respond com
amarga agitagao; e vae reuuir-se urna assembla
de mdicos para decidir da minha sorte I
Era nome do cu tranquillise-se, meu amigo
exclamou Diana. Pois qner deixar-se abater quan-
do do si somente depende o ganho de tal processo?
Ouvindo-a fallar assm, tive vergonha de iii.m
mesmo. A minha vontade traquear ao primero
encontr da luto I Fiz appello minha coragem
ao menos para ser digno de Diana.
Contei-lhe entao minociosamente os epsodios
desse da : ella os escutou, e commentou-os com
tao sincera coufianga, que amorteceu a minha
dor... se eu a amava tanto I
Ai de mim 1 Os meus ltimos dias de alegra
deviam luzr por entre horrives tempestades, em
que so despedagava o meu coragao. A ternura de
Diana ja nao bastava para restituir-me a f Ter-
nvel preoecupago, que eu nao ousava confessar-
Ihe, atormentava-me o espirito.
lima idea fixa, inexoravel, me domnava : o que
decidiriam da minha vida ? J nao me pod'a mais
engaar. Ah eslava essa calumnia, que eo havia
desprezado, a erguer-se de repente ao meu pri-
mero passo, como para esbarrar-me no caminho
do mundo, e adiando eco n'aquelles, a quem a le
encarregra de proteger-mo i
AehavfHne por ventura/ tora do direito coni-
mum parasen exjj|f*ffnia prova to pungente ?
E essa cruel decsSo dos meus juzes, que receia-
vara acreditar na ranha razaojem um exame me-
dico, nao era j um principio de decadencia ?
Se eu suecumbisse n essa luto, na qual se deci-
da do meu destino I Se a cominogo, o medo pa-
ralysassem o meu espirito I
A qualquer hora do dia parecia-me oslar vendo
esse tribunal insensivel, com todos os olbares fi-
xos no meu semblante, procurando decifrar o meu
ponsamento, e penetrar as miabas angustias I
, E poderia cu confiar n'essa hora na minha ra-
: rao eu, que me entregava a uma paixo insen-
i sato, ama paixo quasi impa I O meu amor, o
meu santo amor tornava-me suspeito.
, Diana va a minha afflicoo, interrogava-me tam-
bem afflcto : mas como revelar-lne (So tristes
combates da minha alma ?
fContinuar-se-ha.)
PERNAMBUCO TYP. uB M. F. P. 4 FILHO
^
MUTILADO
ILEGVEU
1
y
-
f
-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E5F631N3B_J4NLLM INGEST_TIME 2013-08-28T02:26:02Z PACKAGE AA00011611_10247
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES