Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10239


This item is only available as the following downloads:


Full Text
1
AMO XXXIX HOMERO 259.
Por (res mezes adiantados 5$Q00
Por tres mezes vencidos 6JO00
>h
v
, JuntiD* ih
OARTA FEIRA 11 DE MEMBRO DE 1863.
Pop anno adiantado. ?. 19J00O
Porte para o subscriptor. 3$00
DIARIO DE PERNAMBUCO
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPgO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alejandrino de Lima'
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Araraty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRTPCAO NO Sil
Alagas, o Sr. Clandino Falcad Dias; Babia, o
Sr. Jos Marlins Al ves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins A Gaspariuo.
EPHEMERIDES DO MEZ DE NOVEMBRO.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu", Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Anljh, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruaru',
Altinho e Garanhuns as tercas fciras.
Pao d'Alho, Nazareth. Limoeiro, Brejo, Pesqueira,| 25 La cheia as 5 h., 16 m. e 20 s. da m.
Ingazcira, Flores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas feiras.
Sennhem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
Ilha de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
da.
Todos os estafetas partem ao '/?
3 Quarto ming. aos 8 m. e 26 s. da t.
11 La nova as 4 h., 34 m. e 14 s. da m.
18 Quarto cresc. aos 12 s. da m
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 1 horas e 18 minutos da tarde.
Segunda as 1 horas e 42 minutos da manha.
PARTffiA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sol at Alag6as a 5 e 25; para o norte at
a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernando nos
dias 14 dos mezes dejan, man-., maio, jul, seL enov.
PARTIDA DOS d.MXIBLS.
Para o Recife : do Apipucos as 6 >/*, 7, 7 'A, 8 e
8 Vi da m;; de Olinda as 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao as 6 Vj da m.; do Caxang e Varzea s 7
da m.; de Henifica s 8 da m.
* ,Reofe.; P'?,0 APi'1uros s 3 % 4' 4 V4.4 Vi,
5, b >A, o Vi e b da Urde; para Olinda s 7 da
manha e 4 '/i da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
de; para Cachang e Varzea s 4 '/ da tarde: para
Bemflca as 4 da Urde.
AUDIENCIA DOS TRJBNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relaco: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas
Juizo do commercio: segundas s li horas.
Dito de orphos: tercas e sestas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DIAS DA SEMANA.
9. Segunda. Ss. l'rsissince Agripmo bb.
10. Terca. S. mir Avelino I.; S-. Nympha v.
11. QuarU. S. Martinhob. rS. Verano b. .
12. Quint. S. Martinlio p. m.; S. Livino b. m.
13. Sexta Ss. Arcadio, Pautillo e Smina v. mm.
14. Sabbado. S. Ahilio diac.; 3. Gorias m.
15. Domingo. S. Clementia^m.; S. Filomeno m.
ASSIGNA-SE
no Recife, em a livraria da praca da Independencia-
ns. 6 e 8. dos proprieUrios Manoel Figueiroa de
Faria & Filho.
PARTE QFF1C1AL.
GOTOSO DA PROYOCIA.
Exprdirnte do dia 7 de niuembro de 1863.
Ofticio ao commandante superior do Recife.
Acabo de recetor o offlcio de V. Exc. desta data,
com outro do major Antonio Bernardo Quinteiro,
om que por si, e pelos offlciaes e pneas do 3."
baUlho de infantaria da guarda nacional destaca-
da sob seu commando, se offerecem a continuar
gratuitamente no servico em que se acham de
guarnicao desU cidade, at o dia lo do cor-
rente.
Acceitando aquello otlerecimento cabe-me di-
-zer V. Exc. que agradeca e louve em nome
deM presidencia aquelles ofhciaes e pracas pela
prova que acabam de dar de seu patriotismo e de-
dicarlo ao servico publico.
Ao brigadeiro commandante das armas oflicio
para que o servido da mesma guarnicao seja alter-
nadamente feito por 1.* linha e pela guarda na-
cional destacadas at o dia 15, dispensada esta
das rondas nocturnas.Oflleiou-se ao brigadeiro
commandante das armas, solicitando suas ordens
para o cumprimento de que Ihe diz respeito no of-
licio supra.
_ Dito ao mesmo.Em vista do que allega o capi-
tn secretario Joo Jos Rodrigues no incluso re-
-quenmento e de que consta a informacao do com-
mandante superior da guarda nacional da comarca
de Olinda de 24 de outubro prximo findo, que
me serao devolvidos com a patente do referido
-capillo, e com o aviso aqu annexo em original
expedido pelo ministerio da justie.a no 1." d'aquelle
mez, queira V. Exc. habilitar-me a satisfazer o
sobre dito aviso.
Dito ao presidente das Alagas. Communico
V. Exc. que em oflicio de 4 do corrente, deelarou-
me o inspector do arsenal de marinha, que serao
remettidas para essa provincia no brigue barca
Itamnrac, as duas ancoras da respectiva capita-
na do porto.
Dito ao presidente do Cear. Devolvendo
V. Exc. os papis que acompanharam o seu oflicio
n. 28 de 20 de outubro ultimo, tenho a dizer-lhe
que segundo as informacoes inclusas de n. 1 3
ministradas pelo brigadeiro commandante das ar-
mas, e o commandante do 9. itatalhao de infanta-
ria nao consta que Manoel Jos de Souza seja de-
sertor.
Dito ao Exm. presidente da Parahyba.Em vis-
ta do oflicio constante da copia inclusa, que me
Dito ao juiz de paz presidente de mesa parochial Ignacio Jos.'; de Oliveira Arruda, idem.
de S. Jos.Recebi com o seuolicio de 5 do cor- Miguel Peixoto de Vasconcellos, idem.
rente a copia da acta da apuraraodos votos para Joo de Hollanda Cunha, idem.
eleitores na eleico, que se prbcedeu n*essa fre-
guezia no dia lu do corrente.
Portarla.-O presidente da provincia, attenden-
do a que nao so acha perfeitamente organisado o
batalho n. 18 de infantaria da guarda naeional do
municipio de Nasaretn, e de conformidade com o
disposto nos avisos de 4 de Janeiro de 1855 e de 15
de fevereiro do 1860, resolve promover a alferes
secretario o guarda Jos Bellarmino de Vascon-
cellos, e a tenente da 6* companhia do referido ba-
talho o guarda Antonio Luiz Dias Borca, por te-
rem o alferes secretario Antonio Claudino Alves
Gomes e o tenente Joaquim Cavalcante de Albu-
querque Mello Filho, mudado de domicilio este
para o municipio do Recife e aquelle para o de
Barrciros.Cominunicou-se ao commandante su-
perior de Nasareth
Despachos do dia 7 de novmbro de 1863.
Hequerimentos.
ntonio dos Santos Pinheiro. Passe portara
coneedenda a licencia pedida.
Antonio de MouraRolim.Informe o Sr. inspec-
tor da thesouraria de fazenda.
Diogo Baplista Fernandes. Requeira assem-
bla legislativa provincial.
Euslaquio Zelirino da Silva Braga.Informe o
Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Joo Vicente de Torres Bandeira. -Un vista do
disposto no art. 43 da lei do orcamento vigente,
s pode o supplicante ser attendido pela assem-
bla legislativaprovincial.
Manoel da Cosu Ribeiro. Passe portara con-
cedendo a lcenca pedida.
Capito Thoihaz d'Albuqiicrqne Maranhao.
Indefirido em
dante superior
o juiz de direitoe o'juiz municipal de Nazareth, c
de muitos documentos que trouxeram a meu co-
ndec ment.
Thom da Silva Lelto.Indeflrido.
Umbellina Joaquina da Costa Mello.Informe o
Sr. desembargador provedor da Santa Casa de Mi-
sericordia.
3. anno.
Joo da Cunha Pereira Beltro, plenamente.
Jos Gomes Ferreira, simplesmente.
Joao Manoel Mendes da Cunha Azevedo, idem.
Hermes Plino de Borba Cavalcanti, plenamente.
Luiz Ayres de Almeida Freitas, simplesmente.
Ha horneas que parecem-se ohjeclos,
por1u.* *' nmens s teem a formatura ;
KmTOdomettem a espada da impostura,
! E o pudor nao conhecero, indiscretos!
Ao vicio .e maldade Sao affectos,
: Escoucetam a virtude com bravura;
Deseonfc#eem o ser de creatura,
E o que le*ni aqs seus fllhos e bisaetos ? ?.
Raimundo Valentiniano do Moraes Reg, plena- Estes horneas, qem sao ? f urtipli ijn "
mente. Sao asFrras que devoram a sa razad,
Joao Alves Pereira de^Lyra^dem. Que M ^rgeas gJ^J JJJ apj.
Virgilio Peixoto de Araujo Palmeira, idem.
Manoel Lopes da Cunha Maciel, idem.
Gonzalo de Lagos Fernandes Bastos, idem.
Aristides de Paula Dias Martins, idem.
5. anno.
Antonio Lopes da Silva Barros, idem.
Livino Lopes de Barros e Silva, idem.
Candido Martins de Almeida, idem.
Vicente Candido Ferreira Tourinho, idem.
Rkpartiqao da polica :
(Extracto da parle do dia 10 de novembro).
Foram recolhidos casa de detencao no
do corrente :
dia 9
Chegou o Christo Bethania c drigio-se casa
de Martha e de Mana Magdalena.
Nao mais os risos e as alegras doudejavaro alli,
e quando as infelizes o virara despertando-se-ltos
Oh perdoai-lhes, meu Dos, que ebrios sao! vivos os sentimentos j meio amortecidos, as dores
Assim jomoperdoai constante a nos, j meio acalmadas, proromperam em solutos, de-
Que imloramos p'ra elles compaixo t sauram em lagrimas.
------ Ah balbuciou em meio-de solue.os a voz de
L-seJB Narao : Martha, merreu, Senhor, aquelle que vos amava
O exy ito federado parece que est empregando tanto; morreu, sem dizer-vos o derradeiro adeus;
urnas nK'as pefasjnventadas por Parret e Dahl-; sem ter a consolacao de repousar a fronte lvida
green, m quaes sao de extraordinario poder e de em vosso seio... morreu meu irmao !
um eflTtWo ternvel, ao qual nao ha cousa que ress- Porque Unto Urdastes, Senbor, por que nao
U. Estamperas teem dado que pensar aos inglezes, viestes salvar vosso amigo t Diz-me o corado que
que se julgavam os primeros, e os mais adianU- se aqu estivesseis nao morrera elle ; nao morre-
tem o poder de mitigar magoase de abraadar die-
res (...
E Lzaro pois morrera, e na lousa gelada do sc-
pulchro esperavam seus restos pelo retumbar es-
tridente da trombeU do Archanjo.
Nao havia, porm, de ser assim, e nos conse-
Ihos mysteriosos da Trindade, resolver o padre
glorificar a seu Unignito.
dos neste importante
humanos.
ramo dos estabelecimentos
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, os
Africanos Jos e Joaquim, escravos, este de Bernar- Um da que Jorge III de Inglaterra esuva pas-
dino do Jess Teixeira, e aquelle de Jos Francis- geando no convz de urna nao de guerra com o
eo de Farias Salles, o primeiro vindo de Jaboatao, chapeo na cabeca, um marinheiro perguntou a um
sem declaraco de motivo, e o ultimo para averi- seu companheiro :
guacoes. Quem aquelle maroto, que nao tira o cas-
A ordem do subdelegado do Recife, Domingos quete ao nosso almirante I
Ferreira da Silva, Portuguez Francisco doCarmo, Ora essa, orei, pois nao sabes ?
Teixeira Borges, pardo, Manoel, Africano, escravo
de Domingos Rodrigues de Andrade, e o crioulo
Jos Antonio de Farias, todos por briga, Galdino
e Julio Pe-
i vista do que nformou o comman- i Estevao da Fonseca, por desobediencia,
ir da guarda nacional de Pao d'Alho, reir da Piedade, para averiguacao.
A ordem do de S. Jos, Adao, Africano, escravo
REVISTA DIARIA.
dirigi o juiz municipal da 1 vara desta.capital, vr'" endererar pelo prximo vapor
solicito de V. Exc. a expedico das convenientes i b-M- F- ^-t- *iml l F10 nasl
tpedi_
ordens para que seja enviada para aqu urna guia
da qual conste a pena que foi condemnado o
preso de justiea dessa provincia, Vicente Ferreira
da Costa Veneno.
Dito ao commandante das armas. Queira V.
Exc. informar sobre o que pede Manoel Ferreira
da Paixo no incluso requerimento.
Dito ao mesmo. Deferindo o requerimento do
sentenciado militar Thom da Silva Leito, sobre
que versa a sua informa^o n. 2067 de 6 do cor-
rente, antoriso V. Exc. a remetle-ln para o presi-
dio d Fernando, alim de cumprir alli a pena que
Ihe (li importa. .'
Dito ao inspector da tliesouraria de fazenda.
Expeca V. S. as suas ordens para que um dos em-
bregados dessa thesouraria v passar revista de
tuostra boje ao meio dia a guarda nacional desta-
cada nesU cidade, afira de ser despensada do ser-
vico.
J)ito ao mesmo.Attendendo ao que representa-
rain o brigadeiro commandante das armas, e o
coronel commandante do forte do Buraco, nos
oflicios sobre que versa a sua informacao n. 840,
de 6 ilo corrente, antoriso V.S. a mandar augmen-
tar com urgencia o fornecimento de agua para o
consumo do mesmo forte, pelo modo indicado no
final da citada informacao.Communicou-se ao
brigadeiro commandante das armas.
Dito ao mesmo.Autoriso V. S., em visla do
attestado junto em duplicaU que me foi rcmettido
Os artistas portuguezes residentes nesta cidade
urna felicitaco
ascimento do her-
deiro presumptivo da coroa poriugueza.
Comecou hontem o concurso para 3o cscrip-
turario da thesouraria de fazenda desta provincia,
a que alli se procede.
De tres candidatos que esto inscriptos, apenas
um se apresentou.
Dcu-se a prova arithmetica cscripu de regra de
dcscontos, juros e theorias de cambio, sendo o exa-
minador o Sr. tenente Antonio Egidio da Silva.
Hoje pelas 7 horas da manha o Hospital
Portuguez de irneficencia faz celebrar, no respe
de Jos .Nunes de tal, para correc^o.
A ordem do da Boa-vista, Leandro Jos Carneiro,
branco, para correceo, Jas, pardo, escravo de
Henriques Gomes Steplcs, por desobediencia.
0 chefe da 2" seccao,
J. G. dr.Mesqmta.
Mevimento da casa de detencao do dia 9 de
novembro de 1863 :
Existiam ... 35o presos.
Entraram. H
Sahiram 14
A saber :
Nar.ionaes. . 250 presos.
Estrangeiros Mulhercs . 24 > 8 >
Estrangeiras Escravos . 3 62
Esrravas. . 5
352
Alimentados cusu dos cofres pblicos 141
OBITI'AIUO DO DIA 8 DE NOVBMBHO NO CEMITE-
RIO PUBLICO :
Margarida de Cortonhe, Parahiba, 26 annos, soltei-
ra, Boa-vista phtysica pulmonar.
Victoriano, Pernambuco, 8 mezes, Boa-vista ;
es-
tivo oratorio, urna misi-a om tencao do fallecido
Sr. D. Pedro V.
Ha vendo sido organisada urna nova tarifa
dos preeps de transporte na estrada de ferro, pe-
dem-nos alguns dos nossosassignantesque lombro-
mos a quem compele, faca pola em execu<;ao pre-
sentemente, que se comeca a expedir para a capi-
tal o assucar proiluzido pelos engenhos situados
as proximidades da linha, alim de beneficiar o
agricultor, com o augmento real do rendimento da
companhia.
A noticia, que demos ante-hontem. sobre a
lirma de Machado ti Santos, carece de urna recti-
fieacao quanto ao respectivo fundo, porquanto de-
ve-se lro activo menor que o passivo.
Ainda nos pedem lembremos a urgente ne-
cessidade que lia de ser removida para a praca do
Capim, a venda desse genero, para evitarem-se
pela
desastres na passagem dos carros c animaes
pelo brigadeiro commandante das armas, coi of- extrema da ra do Sol, onde actualmente se prat.ca
ficio de hontem, sob n. 2066, a mandar pagar ao a venfla do tapial.
furriel do 4. baUlho de artillara a p Heliodoro O Sr. Jos Antonio de Araujo e Souza pede-
Tiberio Varejao, aquantia de 45000, a que tem "^ para que declaremos ser o passivo, da casa
direito p>,r haver apprehendido o soldado desertor e""?jg' de Joaqmm \ieira Coelho A C., de
d aquelle baull.ao, Venceslao Francisco da Silva.- 40:0005000 e nao de 60 como saino em urna das
Communicou-se ao brigadeiro commandante das ,nossas netista passaaas.
armas. O forte vento norte que reina no nosso porto, *f**VT[T^Ti
Dito ao mesmo Transmuto V. S. os inclusos' desde sabbado, fez com que a escuna nacional Er- importu
documentos que me foram remettidos pelo com nestina, de propriedade do Sr. Felisherto Ignacio
mandante superior desle municipio, em oflicio de de Oliveira. ao sabir da barra, cncalhasse terca-
hontem sob n. 123, alim de que mande pagar os feira nos baixos do Brum, de onde foi trazida para
vencimentos da forca do 1." batalho de artilharia o ancoradouro afim de reparar as avarias que sof-
da guarda nacional desta capital, que desaquarle- freu no casco, e que produziram tomar o navio 9
lou no dia 22 Je outubro ultimo, sendo o dos of- pollegadas d'agua por hora.
Nestes dias esperam-se os seguintes vapores :
A 14 os vapores inglez Oneida e brasileiro Cru-
zeiro do Sul, dos portos do sul do imperio, e fran-
cez Nnrarrr, da Europa, e 18 o brasileiro Tocan-
tins, dos portos do norte.
Alguns jovens acabam de installar urna so-
ciedade dramtica sob o titulo Melpomene Per-
pasmo.
9
Nathalia. Pernambuco, 3 mezes, Santo Antonio ;
syphilites.
Latir i, Pernambuco, 15 mezes, Santo Antonio ;
convulcoes.
Rosalina," Pernambuco, 11 mezes, Santo Antonio;
losse convulsa.
Pedro Jos do Reg Maia. Pernambuco, 31 annos,
sol lei i u. Poco da Panel la phtysico.
Maximino, Pernambuco, 5 mezes, S. Jos; convul-
coes.
Hermenegilda, escrava, Pernambuco, 24 annos,
solteira; parto.
Antonio, Pernambuco, 48 annos, Boa-vista ; espas-
mo.
Catharina Mara do Rosario. frica 75 annos, sol-
teira, Boa-vista ; paralysia.
Adolfo, Pernambuco, 5 annos, Santo Antonio[;ephi-
lide.
Maria Urculina de Jess, Pernambuco, 19 annos,
solteira, Recife ; tubrculos pulmonares.
UM POUCO DE TUDO.
Do Journal Amusant traduzimos o quo segu :
Calino, perdoa a teus abominaveis e inlatigaveis
Rei ou nao rei, replicou o outro, um gran-
de malcreado.
O' hemem, exclamou o companheiro, onde que-
ras tu que elle fosse aprender educacao se nunca
sabio de trra.

Diz-se que os Kamahdes ou carrijoes de azeite
do Levante, nunca sao atacados pela/pidemia.
To grande a contianca destes homens na sua
isencao de contagio, que offerecem voluntariamen-
te os seos servicos para conduzirem os pestferos
aos hospitaes, velarem pelos doentes e enterrarem
os morios.

O arcebispo de Canterbury, (na Inglaterra) diri-
gi urna circular ao clero db seu arcbispado, para
que se deem grabas Dos pela notavel abundan-
cia das colheitas.
Na Cruz l-se :
RESIRREICO DE LZARO.
Continuava o Filho* do Homem na sua vida de
pregac&o e de milagres.
E pelas ribeiras por onde o Jordo espraia
as aguas fazia ouvir o rhc de suas palavras pode-
rosas.
Em muliiilo corriam os povos e vidos ouviam-
lhe as praticas cheias de uneco e de verdade, que
: Ihe cahiam dos labios.
Era to sanu a doutrina que ensinara, to pode-
i rosas as vozes que proferia, to fundas calavam
n'alma, Unta emeco causavam ao coraco, que as
turbas diziam :
De certo, nunca em Israel se levantou maior
propheta ; sem duvida alguma elle o Messias
i promettidn nossos pas
B na praw do mar, ao ruido das vagas, sobre o
einio das montanhas, no atrio do templo, em meio
das pracas, prega va o Filho do Homem essas eter-
nas e consoladoras verdades, que sao como o bal-
samo que acalma as dores e cicatriza as chagas
produzidas pelos embates das tempestades d'alma.
Bemaventurados os que choram, acuelles
por cujas faces cavadas pela dr sulcam lagrimas
amargas; aquelles que sentem o torturar da ma-
gua, o pungir do desalent;bemaventurados elles
porque serao consolados.
Bemaventurados os mansos, porque possuiro
i a trra.
c Bemaventurados os que estendem a mao ao
| peregrino, os que enchugam as lagrimas da viuvez
e da orphandade ; bemaventurados, porque para
com elles osar o co de misericordia.
E na Bethania havia urna familia que merecer
as boas gracas do Christo.
Eram tres" irmaos : Lzaro, Martha e Maria Mag-
dalena.
Fra o Christo quem convertera a esta, j trans-
viada no caminho da perdico.
Fra elle que Ihe mentira n'alma o horror pelo \ mo o murmurar de um suspiro alguns sous dclles
vicio c o arrependimento telas fallas commet- se desprenden).
ficiaes ds 1." at 21, e das pracas de pret de 16 at
o mencionado da 21, e bem assim a quantia do |
<)U5K80 rs., proveniente d'agua fornecida ao quar-
tel d'aquella forca.Communicou-se ao comman-
dante superior du Recife.
Dito ao mesmo. -Acceitando nesta dala o offe-
recimenlo que fizeram os ofliciaes e pravas do 3.
baUlho da guarda nacional destacada, e em nambucana no theatro de Appollo, onde pretenden)
servico da guarnicao at o dia 15 do corrente : dar os seus espectculos, tendo ja havido concur-
assim o communico V. S. para seu conheci- rencia de socios subscriptores,
ment.(kmmunicou-se ao chefe de polica. O seu fim principal dar impulso litteratura
Dito ao inspector da thesouraria provincial. dramtica patria, levando scena dramas novos
i V. S. o incluso documento, a que se re- de patricios nossos, os quaes antes de ser repre-
Os lempos esto difllceis. Calino!
Nein sempre se tem mo a palavra enormemen-
te espirituosa, que se sonha.
Ento or$a pensar em ti, providencia das
dirimirs desraaiadas. fornecedor de noticias
proposito, divulgador de ditos inteiramente
novos !
Calino, perdoa aos jornalistas I
Ha tantos entre elles que mettem-se
que nao saben).
E permute que esta vez ainda, neto de Jocris-
se, o teu humilissimo servo colloque sob tua alia
prqteccao um paragrapho de que tem carencia.
, pbis, de Calino que vou fallar.
ra, Senhor, porque sois a vida e a fellcidade.
E a misera solucava que causava d.
Deixa esUr, respondeu o Senhor, deixa es-
tar, Martha, que a dr se converter em alegra ;
em verdade te digo que ha de resurgir teu irmo,
porque eu sou a ressurreicao e a vida.
Aquelle que er em'mim, ainda que esteja
morto, vivera.
E todo o que vive e er em mim, nao morre-
ra eternamente.
Crs isto, Martha, crs que te posso ressussi-
tar o irm ?
Oh sim, creio tudo. Senhor, creio firme-
mente que sois o Christo, llio de Dos vivo, que
viestes trra.
Levai-me pois ao sepulchro em que repousam
os restos inanimados de ten irmo.
Conhecam todos e-vejam e proclamem as ma-
ravilhas que opera o Filho do Eterno I
E Martha e Maria Magdalena levaran) o Christo
ao lugar em que repoosavam os restos inanima-
dos de Lzaro.
E grande multido de povo Umbcm os arom-
panhava.
Em frente campa em que jazia o cadver, j
pasto de vermes, parou o Christo.
Ergueu silenciosamente os olhos para o co, la-
grimas Ihe corrern pelas faces.
Chorou o Senhor.
Aquelle que nunca se rira urna s vez na vida,
chorava agora em presenta do morto, confrange-
ra-se-lhc o coracae ante aquelle especUculo, edos
olhos que dirigir ao co, lagrimas corrern) si-
lenciosas.
E os archanjos do Senhor, que invisiveis paira-
vam por alli, apanharam-as piedosamente as azas
cor de ouro e de nev, e foram deposiU-las no sa-
crario da Trindade.
E diziam os circumstantes :
Como profundo era o amor que tinha ao
morto Como intensa a magoa que Ihe causa a
morte I
t Mas elle que abri os olhos ao ceg e nas-
cenca, nao poda fazer que este outro nao mor-
ress'e ?
E disse Jess:
Tirai a pedra da campa.
Mas vede, Senbor, disse Martha, nao de
hoje que elle ahi se acha; j descompostos tem
os membros, j Ih'os devorara os vermes do se-
pulchro e ftida ser a exhalacao ao ergucr da
lousa.
Deixa, e admira a grandeza e o poder do Se-
nhor.
Ergocu-se a pedra e o cadver apparecen l-
vido e deconiposto aos olhares dos circumstantes.
Mandn o Christo que Ihe tirassem as ligaduras,
e erguendo para o co os olhos anda hmidos de
lagrimas, e volvendo-os depois ao cadver, com
essa voz estridente, imperiosa, omnipotente com
que impozera outr'ora silencio ao furor das on-
das, disse :
Sae do sepulchro, tu a quem j os ver-
mes devoram, ressussu vida que t'o ordeno en.
E em um momento, ao som da voz do Filho do
Homem, aquelles olhos embaciados e luryos.de
cadver illuminaram-se com o claro da vida, e
movem-se aquelles membros hirtos e gelados, e
deseerram-se aquelles labios lvidos e frios, e cu-
tidas.
Chorava a Magdalena, chorara lagrimas since-
ras de arrependimento ; sentir toda a enormida-
de de sua vida passada, toda a hediondez de seus
crimes, e as lagrimas assim choradas Ihe purifica-
ran) a alma.
Aquelle que perdoara a adultera, que a turba
j quera apedrejar, Ihe perdoara tambera ; era sm-
1 cera a emenda, era profundo o arrependimento,
a fazer o' era pungente o remorso, porque Ihe nao perdoaria
i o Filho do Homem !
Regenerada sentiose ella, e o mundo de quem
fra o escndalo, nao poda comprehender como
to grande e to prompU transformarlo se peder
operar alli.
Rcstitiio ;
ferem as suas informacoes de 25 de agosto do anno sentados soffrero um juizo critico de urna com-
;ob ns. 456 e 551,: missao litteraria de nonteaco da sociedade.
prximo passado.e 4 do corrente sob
alim de que, conforme solicitou o provedor da San- Consta-nos igualmente que diversos jovens entre
ta Casa t!e Misericordia em olficio de 14 de julho nos escrevem pecas dramticas para Ul lim, de-,
daquelle anno e 9 de seterabro ultimo, mande en-1 vendo ella estrear neste mez com a bellissma pro-
tregar ao respectivo thesoureiro a quantia do iduccao do Sr J. de Altoim intitulada Asnodoasde
2.2325998, que se achara em deposito n'esU the- sangue e acomeda do Sr. Octave Feuilet, traduzi- Hu ,
sourara, proveniente do aluguel da casa denoml-1 da pelo Sr. Rabello da Silva .4 Fadn. Uue 1 Algibeira, um sabio, um lingista
Naoconheco.
Ora... recorda-te... suas obras encontram-
se por toda a parte.
nada hospital do Paraizo om que esteve o antgo
lyco, e hoje pertencente aos esUbelecimentos de
caridade, como se v do mencionado documento. -
C )mmunicou-se ao provedor da Sanu Casa de Mi-
sericordia.
Dito ao mesmo.Declaro V. S., em aditamen-
to ao meu oflicio de 4 do corrente, que a gratifica-
?o que elle se refere, e que tem direito a pro-
essora publica de insirueco elementar da cidade
do Rio-Formoso, D. Mara Isabel Lins, deve ser
couda de 31 de maio deste anno e nao de outu-
bro, como por equivoco menciooou-se no ctadti of-
licio. '
Dito ao commandante do / presidio.'"* ornando.
Mande V.S. por era liberdade^ ** aciadoGu-
lherme Augusto da Silva qi' n'este presi-
dio, visto que ja cumprio a quatro annos e
mel de gales que foi i~.,.jemnado pelo jury
desta cidade, como deglarou o juiz municipal da 1'
vara em offlcio desta data.
Dito ao inspector do arsenal de marrana \ is-
to que, segundo V. S. informou em seu offlcio n.
410, de 6 do corrente, esto as condices de ser-
vir as companhas de aprendizes arlilicjs os me-
nores Joaquim Amancio de Souza e Firmno Celes-
tino de Soma, filhos do Venustiniana Maria da
Conceigo, mande V, S. admilti-los em dita compa-
nhia, como ella pede no requerimento incluso que
devol vo.
Dito ao juiz de direito da Ba-Vi>U. Em res-
posU ao offlcio que Vrac. me dirigi em 8 de ou-
tubro ultimo, remetto-lhe por copia a informacao
do inspector da thesouraria de fazenda, datado de
6 do corrente, para que em vista delta indique
pessoas cora as habihuctes precisas, e que quei-
ram acceiur os encargos de collector e escrivao
da eotlef loria de rendas geraes ja Yilla do Ouri-
cury,
San Jamos esta erapreza e fazemos votos pela sua
prosperidade, chamando a attcnco do publico pro-
tector para coadjuva-la inscrevndo-se socio subs-
Un dia este celebre simploro encontra um ho- que o mundo nao comprehendia anda que
mera de lettras do seu conhecimento, a quem se | forca poderosa e irresistvel tem a voz do Senhor
dirige dizendo : | quando se dirige creatura.
Ah limito me alegro por te encontrar! E que o mundo nao sabia ainda de quanto ca-
Sim ? paz urna alma que se abriga no logo-que commu-
Com efleito. Tenho preciso de urna informa-! nica a graca.
cao, que tu me podes dar. Sabes que eu nao sou I E todos os affectos que at entaa prodigalisa-
inuito versado em historia litteraria... ra ao mundo, ao mundo, que os recebia e que
__ SeL i delles zombava, dera-os ella agora ao Christo que
Mas tu cujo offlcio este, deves conhecer o a havia regenerado; nelle concentrara todas as af-
faraoso Algbeira. I fet"oes, todas as potencias de sua alna ; nao pe-
__Quera Algibeira? da ir mais longe a intensidade do seu amor.
! Placida era pois a vida daquella familia, bafe-
: jada pela aura da virtude, e nem urna nuvem pa-
reca empanar o brilhoe a limpidez de seo hori-
zonte.
cnptor.
Eleitores da fregueza do Poc,o da Panella :
Commerciante Jos Antonio Pinto 105
Tenente-coronel Joo Paulo Ferreira 104
Empregado publico Jos Pacheco de Queiroga 104
Commerciante Jos de Aquino Fonseca 104
Dr. Joao Jos Pinto Jnior 104
Major Jos Ignacio Pereira Rocha 103
Commerciante Nicolao Machado Freir 102
Proprietario Francisco Marinho de Albuquer-
que Mello 100
Commerciante Jos Lopes Carneiro da Cunha 100
dem Antonio Jos Teixeira Bastos 99
Commendador Manoel Gamillo Pires Falcao 98
Coronel Joao BaptisU Pereira Lobo 98
Commerciante Aristides Duarte Carneiro da
Cunha Gama
dem Vicente Tiburco Ferreira Malanguso
dem Joo Baptista de Sa Pereira Jnior
Proprietario Jos Marques da Fonseca Borges
Commerciante Otidio Ferreira da Silva
Empregado publico Antonio de Paula Mello
Artista Ludgero Francisco de Assis
Commerciante Joo Pires Ferreira
dem Manoel Romeiro de Gouveia.
Fizeram acto na Faculdade de Direitto, no
dia 10 de corrente, os estudantes seguintes :
! anno
Sezostrs Silvio de Moraes Sarment, plenamente.
Jos Cardoso da Cunha, dem.
Jos Candido Marinhas de Sa, dem.
dolpho Generino Rodrigues dos Anjos, dem.
Io anno.
Pedro Ferreira Coelho, simplesmente.
Francisco Rodrigues Soares, dem,
Que obras, diabo f approximava-se o vento do deserto,e um da,
- Bofe I repara para todas as estantes de li- trocaram-se as alegriaspek) pranto, a placidez da
vreiro... nao se v seno Diccionarios de Algi-: vida pelo gemer dolorido, pela magoa devoradora
beiraIII da saudade.
____ Pousara alli oanjo do exterminio, uesdobrara as
Traduzimos da Chronique de LOuest o se- azas negras, solura esse grito que faz coalhar o
guinte :
O desinteresse, a candara e a bondade sao the
sou ros que todos desejam... nos outros.

Considerndose como individuos desconsidera-
dos tornam-se personagens consideraveis, a pes-
soa levada a nao ligar mais considerarn cousa
alguma.

O espirito do homem assemelha-se a urna folln
de papel, em trae as ideas nao fozom mais que es-
bozar imagens fugitivas, mas onde os hbitos for-
man) dobras que se nao podem apagar.
A ignorancia pode possuir, mas s a intelligen-
cia sabe gozar.
A Independencia Belga noticiando a morte do
87 conde de Vigar, fallecido ha poucos dias, diz que
sangue as veias, e estendendo a mao mirrada ar-
rancara um vivo do numero dos vives.
Lzaro morrera!
Oh e quem nao sabe quanto de n'alma ver
arrancado vida aquelle em quem concentra-
mos todos os thesouros de affeicao de nosso cora-
co I
Ver alli esteftdido, fri, hirto, cadver, aquelle
que ainda hontem nos apertava na fronte I Cha-
ma-lo, e nem um eco responder ao nosso grito I
V-lo morto, com os olhos embaciados, sera sentir
o apertar convulsivo de nossa mo, sem ouvir o
solucar de nossa dr I
Quem ha ah que nao tenha um da ouvido esse
piar de morte, esse aniqnilamcnto da existencia,
esse fugir da vida ?
E as miseras que haviam sobrevivido ao irmao,
que o amavam com todas as veras de sua alma,
batiara com a fronte no chao, apertavam-no ainda
E Atando a vista, ainda incerta, no Christoque
alli seachava, em p, com a magestatica grande-
za de um Dos, estende o ressussitado os bracos, e
balbucante murmura
Mestre Meslre I sois vos I Bera sabia eu
que eris a ressurreicao e a vida I
E os circumstantes, em voz baixa, uns aos ou
tros diziam :
Quem este que ressussita os mortos, d vis-
U aos cegos e impoe silencio ao rugir das va-
gas?
CMARA nHONL
Aos de 12 de outubro de 1863, estando presentes
os Srs. Reg Maia, Seve e Gameiro, nao houve ses-
so por falta de numero.
Eu Francisco Canuto da Boaviagem, secreUrio a
escrevi.
Dtvlaro em tempo. que, compareceu tambem o.
Jos Mamede Alves Ferreira,.e c- director das obras
publicas, afim de que com o engeftbeiro cordeador
examinassem nao s a obra do maUdouro publico
desta cidade mas tambem a sua locahdade, e indi
casseni cmara qual o melhoramento que se deve
fazer, tara prohibir a entiada das aguas da mar
naquelle estatolecmento.Uueirada, eque se com-
municasse ao engenheiro cordeador.
Outro do mesmo, remetiendo cmara, afim de
que d o seu parecer,e propona logo os artigos de
posturas me julgar convenientes, o oflicio que Ihe
dirigi o director das obra* pubiieas era 12 do cor-
rente, relativamente a largura dos passeos que de-
ven) guarnecer as casas nesU cidade, quando Uve-
rem de ser calcadas as ras ; tom como da con-
veniencia de hav'.-r.'iii bicas de esgoto das aguas
dos temados, logo que esteja feilo o calcamento.
Posto em dscusso resolveu-se fazer a postura no
sentido indicado pelo dito director, e levar-se ao
conhecimento da presidencia, pediudo a sua appro-
vaco.
Outro do director da reparricao das obras pu-
blica, com o despacho da presidencia,mandando in-
formar sobre o que no mesmo offlcio pondera o di-
to director, que propoe o alarga ment das duas
ras Iateraes ao canal da ra da Aurora, as quaes
pela planta actual devem ter 40 palmos, mas de-
jiois de construido o caes nao litar cora mais de
trinU e nove.Posto ein discussao, resolveu-rse
responder S. Exc, nao s quanto ao que flea ex-
pendido, como ao raais que no citado offlcio pon-
dera o director, que a cmara, concorda e achara-
soavcl, porm nao desconhece a impossibilidade do
levar effeilo, porquanto a alterado proposta ne-
cesariamente traz desapropriages consideraveis as
quaes nao possivel satisfazer pelo esudo pouco
lisongeiro de seu cafre, accrescendo alm disto,
que approvada a planta, os proprieUrios dos-terre-
nos all, exigro logo o pagamento delles.
Outro do Dr. Joaquim de Aquino Fonceca,.dizen-
do que pretendendo tentar investigacoes, afim de
ver se conseguc descobrir as causas de insalubri-
dade, que. nfluindo sobre o organismo da populacd
desU cidade, podem desenvolver-se entre seus ha-
bitantes, epidemias que depois de alguin tempo
lites vodando a morte, Ihe preciso ter urna esU-
tistica da mortalidade das pessoas que neste tres
ultimoannos.a partir do primeiro de julho de 1860,
tem suecumbido a febre amarella, ao cholera-mor-
bos, varila, e erysipela, feita por semestres, o fre-
guezas, com designago do sexo, estado e condi-
eio; pelo que pede acamara bouvesse de mandar
fornecer.Que se respondesse dizendo ficar expe-
dida a ordem conveniente para dito fu, e se de-
terminasse ao procurador para cumprir.
Outro do cidado Henrique Alfredo. Sorez, di-
zendo ter sido incumbido por alguns brasiieiros es-
tudantes da om verdade de Coimbra, de entregar -
commisso encarregada da subscripcao para o mo-
numento que se pretende erigir em memoria de
Jos Bonifacio de Andrada, a quantia de cincoenta.
mil res ; vera dar cumprimento a essa incumben-
cia, apresentando a cmara a citada quantia.Qus.
se aecusasse o recebimento, e se entregasse a mes-
ma quantia ao procurador, para delta fazer re- -
messa para a corte.
Tres cartas de participaco, remettidas pelo Dx.
juiz de direito da primeira vara crime, Joo Anto-
nio de Araujo Freitas Henriques,.as quaes fa.*a-,
ber cmara ter relevado das raulUs, em que in-
correram Antonio Ferreira de Aununciacd, Jos
Peres Campello de Almeida, e Dr. Manoel de Fi-
gueiroa Faria, por deixarem de comparecer aaes-
ses do jury, visto que provaram justo impedimen-
to, o primeiro da quantia de cento e sessenU mil
res, o segundo da de tresentos mil res, e o ter-
ceiro da de quinhentos e quarenta mil res.Que
se communicasse ao procurador.
Outro offlcio do procurador, remettendo o ba-
lanceto da receita e despeza. da cmara, relativa-
mente ao trimestre de julho- setembro. com-
misso de polica.
Outro do engenheiro cordeador, informando o re-
querimento no qual Antomo Augusto Maciel, pede
para que Ihe seja concedida por aoramento, ou.
renda, um terreno que se acha devoluto junto da,
fortaleza das Cinco-pontas, para nelle fazer ura ar-
mazem provisorio, no qpal possa recoHaer as ma-
deiras que mandar vippela va frrea, e expo-lasi
venda ; declara que nao acha inconveniente era
ceder-se de arrendamento o terreno de que precisa,
o peticionario, por ser este um contrato temporario,
mas nao julga prudente dar-se-lhe o mesmo terre-
no por aforamento, visto que, sendo este um. conr-
trato perpetuo, pode vir a ser psejudicial c-
mara, quem dito terreno talvez nao muita longe
se torne necessaro para lins de ulilidade publica.
Defirio-se no sentido da inforiaarao, coa a con-
dico de serempreenchidas as formalidad1* da lei,
e communirando-se ao procurador-
requerimento do vereador GusUvo do Rege*
mandou-se offletar companhia de Beberibe,- par?..
fazer remover para o novocats,o chafariz que se
acha junto a ponte da Boa-Vista, na parte 41ertenr
cente aesU fregueza de Santo Antonio.
A requerimento do Sr. iiimeiro, foi nomeada,
urna commisso, composta do mesmo senhor, e do
Sr. Mello, para examinaran o terreno em fre-nie
da ruu das Flores, e tratarem com a seu proprie-
tario. sobre o preco do mesmo terreno, aftm de-que.
se convier, possa nelle construir acamara o. seu
paco.
Entra em discussao.o parecer addiado da. com-
misso que fora non.eada para dizer respeito da
localMade do terrenos onde se pretende estabelecer
o-passeio publico ; e depois detuve; larga.discus-
Sr. Barros Reg, deixando de fazer os Srs. MeHok sao sobre semelliante materia, na. qual. tomarara
Henriques da Silva e GusUvo do Reg, pos se parte os Srs. Seve, GusUvo d Reg, BaraUeHen-
acharem servndo no jury. Boaviagem o deolarei
Reg Maia, Seve. Ganieiro.
SESSAO EXTRAORDINARIA AOS 19 DE OL'T-
UltO DE 1863.
Presidencia de Sr. Barros Reg.
Presentes os Srs. RegoeAlbuquerque.fitenriqoes
da Silva, Barata de Almeida, GusUvo do. Reg, Se-
ve, Mello e Gameiro, abre-se a sessao,e Lida e ap-
provada a acU da antecedente.
L-so o segrate
EXPEDIENTE:
Um offlcio do Exm. presidente da provincia, di-
zendo em vista da informacao da cmara de 28 de
setembro ultimo, sob n. 45 dada cora referencia ao
requerimento, em que Antonio Jos Pinto, pede in- go, Jos' Joaquim Pereira daOliveira, Joo Joa?
demnisaeaode ura terreno de sua propriedade na quim da Cosa Leite, Jos Francisco de Manejes
freguexia dos Afogados, que servia de cemiterio, Amorim, Joo Francisco de Araorim Lima, Joa.-
riques da Silva, foi por fim ainda addiado. o pare-
cer, requerimento do Sr. Hegoe Albnquerque.
Prestou juramento o cidadio Francisco Marinho
de Albuquerque Mello, terceiro suppleote dos
juizes de paz- do primeiro districto da treguezia do
Poco da Panella.
Despacharan) se as petiees do tachare! Antonio
Jos da Casta Ribeiro, Antonio Lujz Nunes, Anto-
nio Moreira de Mendonca, Antonio Joaquim Alves
Teixeira, Antonio loaquim Pereira d Oliveira,
Bernawlino Jos Mooleiro, Costa Irmaos & C, Dio-,
nizio Ferreira Cavalcanti, Frapcisco. Vieira da Sil-
va, francisco de Barros Correa, (2) Joaquim Fian.:
cisvo das Chagas e Silva, Joaquim Goncalves Sal-
a familia do Filustre tinado possue, desde lempos contra o seio, e gemiam pelo golpe violento que
immenoraveis, o privilegio de recetor, todos os Ihes dra a morte.
an^ios, o vestido trazido pela rainha de Hespanha i Queriam consola-las os amigos, como se essas
'm dia de Reis. Isto, pois, a torna possuidora de dores d'alma, como se essas magoas to dilaceran-
. um curioso e varia do sortimento de ricos vestidos, | tes podessepi ser consoladas seno por lagrimas, a
3' ue constttiem um curioso museu, que nao deixa escaldaren as faces, seno pelo proprio eonsum-
e ser visiudo por nenhum dos tourisus que vo | ir, ir da dr t
Madrid. 1 Sao banaes essas consolaces que nos dirige o
------ mundo, quando a ventana da fatalldade nos acoi
Pede-nos a segninte publicago o Sr. ?; ua face e nos cresta o corado.,. S o tempo
para os eholericos, houvesse a cmara do apresen-
tar-lhe urna planta da extenijo do dito terreno,dc-
olarando-lhe se pode elle servir para cemiterio per-
manente daquella freguezia ; bera como se all ha
outro que a isto se preste, e qual o valor que apro-
ximadamente pode ter aquelle terreno.Posto em
discussao, o Sr. venador Mello pede a palavra, e faz' a subseevi. Henriqaes da Silva, pro presidente
ver me sendo o terreno de queee trata, escolhido j Reg0. Maia.Gameiro Barata &. Almeida.
pelo inspector de sade, de accordo com a polica Reg,
para o fim mencionado no offlcio de S. Exc, aquel-
le inspector competa informar, e que neste senti-
do se devia responder presidencia.
0*Sr. vereador Barata, pedindo umbem a pala-
vra, declara, que nao se oppondo ao pensamento do
Sr. Mello, endendia todava que se devia satisfazer
o que determina a presidencia, cncarregando-se ao
engenheiro, que com a urgencia possivel examinas-
so o local, tirasse a planu do terreno, e dsso o
quim Fraueisco de Paula Este ves Clemente, Joo
Soares da Fonceca Vclfozo, Joaquim Raghael de
Lima, Joan, Cypriano Rangel, Manoel Antonio Soa-
res e Manoel "Francisco dos Santos, e lewntou-se a
sesso.
Eu Francisco Canuto da Boaviagem, secretorio
CORRESPONDENCIAS.
Srs. redottorts.Venho solAwiar de V. Y, S..S.
o importante obsequio de mandarem tran*crerer
no seu acreditado Diario os,seguintes artigos da
Liga e Pvogmso, do I'iauhjt, nos quaos, traU-se
seu parecer'respeitoido valor delle, e'se naquella [ do Sr. Tiberio Cesajtagnaque, cuja inesperado
freguezia ha outro que so preste ao mesrao llm, de- e repentiuo '.assameVl^HD consteraado a todos
pois do que, continua o mesmo Sr. wreador. se re- os piauhsenses, pora,e, era elle gwaluiwvte es-
flexionasso a presidencia. / \ nuda pelas suas disoctas qualidades como chele
Outro do mesmo, corarounicatdo cmara para exemplar de familia, como cidado verdadeira-
seu conhecimento, e era respsu ao offlcio que a mente patrioU, como poltico leal, devotado e
mesma ihe dirigi era 8 do corrente, ter em 10 do honrado, e roo amiga s-ncejo e prestimoso.
mwmo, nomeada uraa commisso eoaposu do Dr. 1 Impresionad dolorosUP.ente por ewe acontec-


f-
Mirr


ment
publi
crever
notavel, desse horaem de bem, come raros
morte acaba de roubar-nos.
esto urna dessas tristes oceasioes, em que
. as palavras nao podem contar o que sent o w
"a lisonja, como falla pela ^"jjS?!
commocao alguma. Por laso, sempre toquai e
abundante em phrases de res. .
Mas a amisade e a gratktoo sinceras senl
coraftao...
Agradeco
outros, que j
mente, seu lelor e triado obrieado
Recife, 3 de novembro de 1863.
balhos \ nao
Diario de Pernamlmco Qn.tr ti felr i i de Xovembio de 13.
fl
a.,n J^S^n m,wi nto, que se considera com rasao **" JJ*^ f^ b desvair eurpo, m eonseqoenei
buco n'aquella provine a,---uao pos*o arada jpo1^ ^r^ ,:ra & ardua urna con- concreceo dos bofes e
tver atetuna* iinhas mate 4e*rca *ss;icidadjo i*^cgr* ""^r* ^ iM ds- vosa, e outras molesti
,tvPl desse hornera de bem. como raros, que a concurrencia com untos quese unios uieiu .
Importado.
Escuna dinaniarqfteza Vertas, entrada burg em 8 do corrente, consignada A Rabe Sch-
distruieo e a maestra de tedo
a de chap.-.., tubrculos, o
i e'r-,,yf "a> atrPhia ner'
concurrencia com untos que de tontos meios dis- vosa, e outras molestias, <,ue V|ciam os hnmores, mellan & C, manifestou o segunte:
nSem : o meu geni, nunca disposto a soffrer como escorbuto, aipo^as, gallico, asthrna, bexigas, 8 calas fasendas de algodao, dius dito de la,
mpacivet tantos miserias de nossa trra, sempre sarampo, etc. g ditas dito mixta, 2 ditas bezerros, 4 ditas couros
crescente e agora no seu auge. *^a pntysica^ (-negando ao estado de gravidade, o e lustro, 20 barris salitre, LOO caixas vidros para
Ne qaeum homemper si s posta abruma que muito pede coacorrer para a salvaco do vidraca, ll fardos e 76 pegas cabos, 1 embrulho
cousa fazer; mas pode em muito ajudar, assun doente eajudar os medicamentos oar do campo, amostras ; a Rabe Scbamettan & a
seja vontade de Deus, a outros de boa vontade. exercicio conveniente e dieta, a (mal nao deve ser 3 caitas miudezas, 1 dito bengalas, 1 dita obra*
No diaera que vos ides reunir para escoluerdes deuenhuma couaa quente, on dedMIcil digestao; de borracha, i dito cri nolinas, t dito espoletas ;
entre os candidatos deste districto, eu ajusto qua-' e a bebida curapre que seja de natureza branda e ordem.
renta e tres annos de idade, e lidando ha mais de fresca.
DECLARARES.
ilr'X V V a ese>avor, como tantos! vinte em poltica, nunca uve mel do ganhar urna, Todo o sen alimento se ba de dingu a moderar a
Ibes devo, e assigno-rae sincera- tribuna poltica senSo por alguns das, como sun- > acrimonia dos humores, e a nutrir e sustero
pente, parecendo-me que a nao desbonrei por doente, para o que preciso reduz-lo ao uso de
modo algum 1 vegetaes c leitc.
Vivido sempre na adversidade, lleito ao sofTri-, Toda comida e bebida, quo se tomar ha d<
mente, como alguns de vos o sabis, com esto em peucas poreSes, para evitar que
C.
1
excessedo
4 barricas oadinhos ; V. da Silva Barroca.
1 caixa couros; Christiani & Irmao.
1 dita botoes de madreperolas; Henrique &
Azevedo.
3 caixas conservas, 1 dito amostras ; J. F.
KaodU
1 caixa fazendas diversas, 1 dito brinquedos;
24 setembro de 1863 I
O partido progresista desta provincia acaba de
sorrer urna peroa inmensa I
O nosso coracao, extremamente magoado, nao
porto d expanso aos sentiraeptos de sua dor
profunda, porgue a nossa penna nao ha expres-
soes, com qve o faca.
Por ora basta, para sormos comprehendidos, o
annunciarmos que fallecido o ckladao distincto,
o verdadeiro patriota, o amigo do povo, da nacao
brasileira, da prosperidad* da sua provincia na-
tal, e defensor incansavel das liberdades patrias,
o Sr. Tiberio Cesar Burtamaque, residente nacida-
de de Oeiras, um dos mais preeminentes chefes
do partido progressista do Piauhy !
Piauhyeoses cobri-vos de luto! !
A perda, qne acabamos de soffrer, irrepara-
vel I O golpe tamanho, que nos embarga a voz
;Boje a linguagevn da nossa dor s por lagrimas
pode exprimir-sel
II
Progressistos piauhyenses a vos especialmente
cabe carpir morte tao dolorosa, perda tao sensi-
vel!...
IB
c*ma lagrima sebre o tumnlo de tao distincto ci-
dadao e rio 'bom patriota, quanto excellente pai
de familia e -verdadeiro amigo t...
(Da liga e Progresso n. 39 de 29 de setembro
dnUMq
It. B.Este n. 39 sahlo todo em branco; tarja-
do, e cosiendo esses tres artiguinhos, expresso
sincera da profunda mgoa dos nossos amigos.
-'G.
Acafca chegar-nos a tnstisshna aoticia de ha-
ver fallecido na cidade de Oeiras, no dia 24 do
passado mez (setembro), o noso digno amigo o
Sr. Tiberio Cesar Bttrlamaque, victima de urna
apoptexia, que, attacando-o pelas 3 horas da ma-
drugada, durante o somno, arrebatou-o de entre
os seus prenles e amigos, sem que ao menos
dewasse>mes a consolacao de Ihe recolherem os
ultines suspiros.
f)Sr. Tiberio Cesar Burlamaque era um dos
mais distinctos filhos desta provincia (Piauhy),
qur considerado particularmente, qur conside-
rado como homem poltico.
Proprietario abastado, jamis doixou de ser til
a todos aquelles que o procuravam.
Poltico franco e convicto, o Sr. Tiberio Cesar
Burlamaque era defensor valente das liberdades
publicas, e o mais preeminente campead do antigo
iartido liberal do Piauhy, cujos infortunios sof-
reu durante loda a sua decadencia, sem me urna
s vez o seu espirito varillasse ao peso das op-
pri'ssoes e dos- embates dessas hitas terriveis que
snrgiram no Piauhy, depois da queda do antigo
rgimen do vieconde da Parnahyba.
Com urna inteiligencia vigorosa e esclarecida
pelo estudo theorico e pratico de todos os negocios
pullicos; com urna actividade e penetracao nimi-
taveis: perspicaz e fino at ao extremo,o Sr. Ti-
berio Cesar Burlamaque sabia sahir-se de todas as
difficuldades airosa e brilhantemente.
Jornalisia de pulso e bem amestrado, nunca
cedeu o campo ao adversario, e por militas vezes
vimo-k) levar o seu contendor at ao desespero
pela torea da lgica dos seus -escriptos, e por urna
satyra martyrisadora, que so elle sabia manejar.
Sempre alegre, satisfcito e Ihano, tinha a arte
de oceultar ao mundo os seus mais recnditos
sentimentos.
Tin dia, porm (ha 3 anuos '.) aquello espirito
elevado, aquella alma forte e vigorosa, como que
se abata.. .Era a inao da morte que roubava-lhe
o ceracao! O Sr. Tiburcio Cesar Burlamaijue per-
da sua virtuosa consorte!
Era a sua vida, a sua luz que se apagava...
Eis como elle descreve o seu senmento, a dr
profunda da perda de sua mulher.
. ..Tenno soffrido milito, porque era ella a
minha luz e a minha guia nesta escabrosa senda
da vida. Mas, j que aproure a Deus o dar-mea
tragar este clice no declivio da existencia, nao
idade o este ldar, embora obscuro o improficuo, chylo fresco opprima os bofes, e accelcre muito a Estevao da Cunha Medeiros.
nao servir tudo isto de alguma garanta con-1 cireulacao do sa-guc
hanca que de vos solioito ? I Muilos deentes desta molestia se teem entregue
Em verdado nao sao estos sulDcientes garan-' ao uso do leo de figado de bacalnao, e outras urt-
tias; mas se sao algumas, nao estis acostumados paraces de resinas e blsamos, sem que aellas
a ver mal correspondida a conuanca que sem ga- icnham tirado proveito; e alguns exjwsitores ae
rantia olguma se lem deposto em tantos ? Nao se medecia combatem com muito razao esse trata-
levantam sempre tantos clamores contra quasi to- ment.
dos os nossos hemens pblicos, accnsando-os de E costume carregar o estomago do doente com
sse oceuparem do seus intoresses ? medicaraoiites oleosos e balsmicos; porem estes
Experlmentai mais um, que at esto idade, j em vez de tirar a causa augmentom-na, esquentan-
bastonte avancada para comecar, parece-me que do o sangue, ao mesmo tempo que tiram o apetite,
ainda nao teve occasio de se manchar. relaxara os solidos, e sao de loda sorte perniciosos.
E a occasio me parece bem propria de se ten- Tudo que se flzer para extinguir a tosse, alem
tar neste sentido mais alguma experiencia, como do exercicio e rgimen apropnado devem ser re-
outros muilos noraes ides experimentar; agora que medios de natureza acida, detergente e ealmante.
o horisonte est a todas as vistos carregado do Os accidos nossuem a virtude de produzrem
negras e dencas nuvens, agora que a nossa trra bons efTeitos nesU enfermidade, porque, nao so
tem chegado a tao alto grao de aWeccao e de mi- contribuem a apagar a sede quando acommette a
sera : agora, quando ningucm atina com o rumo tobre elhica, mas tambem a refrescar o sangue.
ou meio por onde possamos sabir dellas ; ninguera \ O Sr. Amaro Januano Francisco de Paula,
diz o que quer, o que actu bom, era Dar onde
nem para
val; agora que a ultima tentativa que pareceu
operar-se para esbarrar o carro da corrupcao e do
arbitrio, para aparar as desgracas prestes a des-
cncadearem-se de tontas miserias ; agora que esto
tentativaa ligabaqnea.
E por isto que me empenho em aproveitor a
occasio que me parece propicia a obter o vosso
favor, pois toda a esperanca na liga j est desva-
necida. Ella viveu ficticiamente, nunca se havendo
estreltondo de bom animo ; cabe agora de chofre
como aossada de um cadver deque se acaboua
forja do galvanismo ; e o seu memento se canti
mo-
rador no pateo do Terco n. 26, tendo sido desenga-
ado pele ultimo medico que o assistia. achan-
do-se j em estado de nao poder andar eonf os pe?
bastante enehados, cem tratanwnto de. minhas
preparacoes de veame acha-se muito melhorado,
com admifaao da^uelles que o viam no estado
em que se achava.
Quando a febre tnica o acommettia, minha
prescrinco era o seu alivia _
Manda va que dissolvesse o sueco de um limao
em urna chicara d agua com bastante assdcar,
em um copo grande misturar com um paelinho
dos pozes refrigerantes para tomar, com que ali-
1 caixa miudezas, 3 ditos fazenda de aleodo, 6
ditos dita de toa, 6 ditos dita mixto, 2 ditas dita
de linho. 2 ditos panno encerado, 2 embruUios
amostras ; Linden Wild & C.
1 caixa botoes, i dito fitos, 1 dito alfinetes, 1
dito feltro para chapeos, 1 embrulho amestras ;
Al ves Hamburger & C
1 caixa charutos, i dito papel e 4 copiadores 5
Th. Christiansen.
1 fardo panno, i caixa flanella de laa, 20 ditos R.
fazendas de algodo,. 20 ditos e 1 fardo fazenda ndP00 aa ornara,
mixto, 2 caixas caifas de laa e algodo, 2 ditas de perlencentes a heranca do
linho, 1 dita chapeos de sel de seda; Joo Kcl- nando da Cruz
ler & C
1 fardo e 1 caixa fazenda de la -, Carneiro &
Nogueira.
1 cai\a lencos de seda, 1 dita de algodao, 1 dito
e 3 fardos fazendas de 13a, 1 embrulho amostras;
Dammayer.
Hiate nacional Satt'Anna, entrado do Ararat y
em 9 do corrente, consignado Bemvimlo Gurgel
do Amaral, manifestou o seguinte:
72 caixas velas de carnauba, 11 couros salga-
dos ; Manoel Vicente Collares.
W saceos farinha de mandioca, e 24 ditos arroz
com casca; Francisco Gomes de Mattos Jnior.
18 saceos algodao em pluma ; Prente Vian-
na & C.
93 saceos farinha de mandioca, e 24 caixas ve-
las de carnauba, 13 mullios courinhos e 300 estei-
ras de palha de carnauba; ordem.
Hiate nacional Sbrateme, entrado em 8 do cor-
rente de Macu e Acaracti, consignado C da
Companhta do Beberlbe.
Devendo reunir-se a asserabla ge-
ral dosaccioBslas para deliberar sa-
br as contas do semestre lindo e a al-
tiraco que conten fa/.er-sc dos navas
estatutos re tivamenle ao funda de
reserva, con ida-se aos mesmos Srs.
accionistas a compmcerem M dia 16 %c-glurdasda cade,
do i orrente ao rano da. Recite 9 de
novembro de 1863.
0 secretario,
Padre Anlono da Cunha eFipeiredo.
A rrematagdo
Segunda-feira 16 do correnle roeTde no-
vembro, depois da audiencia do Illrn. Sr.
Dr. juiz especial do commercio se ha de ar-
rematar por execugJo de Antonio Luiz dos
Santos, cessionario do Dr. Gabriel Soares
os escravos seguintes
finado Jos Fer-
OS TRES LTIMOS DAS
DE
UM SENTENCIADO-
PERSUNA6ENS-
Leandro Vieira, sentenciado St. Coimbra.
Lanra da Silva, sua mulher. Sr. D. Camilla.
Um padre............... Sr. Flavio.
Desembargador........... Penante.
Escrivao................. Gil-Braz.
Jos Mara Trua.......... Thomaz.
Porto,
etc.
A scena passa-se no Limoeir, em Lisboa, em
Pind o drama a companhia representar a min-
io applaudida comedia era dous actos, do Exm. Sr.
Mendcs Leal Jnior.
\FSLII\if\ DO BABJtO.
Os artistas Jesuina e Lessa eonscios de que o pu-
blico pernambucano nao protege s aos grandes
artistos, pediram ao emprezario esto recita para
seu beneficio, o qual desdo jest sob a proteccao
de to eavallieiroso publico. "
Os bilhetes estao desde j venda no escritorio
do theatro.
Comecar s 8 horas.
-.guia/ -*v .-------i-** ----B----------- i------------------- ---^,|- *-.v v. wtMt w m**mi) wvewu a
na freguezia de Quipap : ultimo acto desta co- viava, e pela manbaa o xarope ctherio de ^|lame e Costa Morcira, manifestou o seguinte :
media, que Dees uueira nao se termine trgica- pilulas alcoolkas do mesmo. De Macu.
mente ltnho aconselhado que fa?a uso dos veg^iaes de jq ppas vasias ; Manoel Jos Perera M.
Outra cousa sahir dahi, o tempo trar. Apro- natureza acida, como laranjas, limoes, pitongas, ;jh a|(!ueires de sal, e 200 molhosde palha de
veitemos as rircumstoneias, encaminhcrao-la com etc., e applicacao de plantas amargosas, que fortn- carnauba ; a Antonio Gomes Pereira.
boa vontade a bom caminho. cam estomago, e servem ao mesmo tempo para i,380 courinhos curtidos, 20 couros salgados, e
Os que tonto da liga esperavam, nao devem por destruir e mitigar a sede. 18 libras de peonas de ema ; ordem.
tonto desesperar de outro remedio ; nem se devem A Sra. D. Joaquina Anglica de Sa Brrelo, mo- r^ Acarac.
escandelisar de minha< paladas os de mais robus- radora na ra Direita n. 100, tendo urna sua es- ig saceos feijao, 2 ditos milho, 3 ditos e 2 barri-
ta fe. oue ainda se nao desenganaram : tempo crava fallecido ha poucos das submettida ao tra- cas farinha de mandioca; Luiz de Pinho Ta-
mul breve trar o ultimo desengao. Dentro em tomento de seu medico, resolveu procurarme para vares.
uouco estes vero nera bem nem mal c alguem. enfernudade, prescrevi-lhe o xarope e as pilulas, raes Pires.
.No dia 15 todos os anneis desto cadeia mal arti- de veame, lera melhorado consideravelmente. 23 saceos milho ; ordem.
ficiosamente ligados se soltoro: satisfeitose des- O Sr. Temohao Amancio Marns, achando-se; Vapor nacional Camaraeibe, entrado em 9 do
eontetXes cada homem procurar seu rumo! nao gravemente accoramettido desta molesa, procu-' corrente dos portos do norte, manifestou o se-
tendo oais que esperar nem em que depender rou-me ltimamente, dizendo-rae, que tendo sido ^nl6 .
della desengaado pelos seus professores, desejava cu-1
E' por isto, repito, que acho a occasio propicia rar-se pelo tratoraento do veame; com efleto a-1
e fcil de experinientardes ainda um hornera, que chava-se *o estado de gfavidade: apphquei-lhe as
preparacoes de veame, consegu restabelecer-ltie |
um pouco as forcas, e metigar a tosse e a febre, i
com o que, a meu conselbo, pode transportarle i
para o lugar da Gameleira, d'onde tenho tido no-
ticias achar-se melhor.
Quando alguera se ve com tosse vai ao medico,
nao nodendo* fazer muito em bem, pouco mal po-
der fazer, se mal corresponder vossa confianca.
A alguem j ouvi dizer ter-me apresentado mui
Urde, porque muitos de vos j estao compromet-
tidos.
Se vos mereco, porm, alguma confianca, nao
acharo razo heste dizer, que at a hora da elei- este o examina declarao senhor esto affectade
cao tendes inteira liberdade para escolher os que dos pulmoes-n)doente desanima, com esto senten-
bem vos parecer que melhor eurera de nossos ca entende estar sera mais cura^ quando os tocto*
communs interesses. Se queris ter quera bem e a experiencia tem demonstrado que muitos, ten-
cure delles,os comprumissos em materia eleitoral, do procurado o lugar apreprudo, se teem salva-
emregra.no podem dar bom proveito. E' por do; e assim explicara muitos expositores de me-
isto que a le quer o escrutinio secreto, e portante dicina.
queoseleitoresseesquecam dos nomesemquem! Ora, nesta provincia temos facilidade hoje
vetaram. S assim ha inteira liberdade, s assim: recurso do ar ; porque a va frrea nos proporcio-
na eleico na? PIS 'Ia0 era PU(, tempo urna pessoa que
De nunlia parte, quando peco voto, nao peco pa-; existe nesta cidade fcilmente se transporto para
lavra de honra, nem promessa ; nao pergunto, to as ultimas estocSes de Gameleira e Lna lugares
pouco, depois da eleico, quem me votou. Perto do Bonito e de outros pontos que sao coiisi-
Bem conheco, no entonto, que nao estou na po- deradossertoo, quanta mais que os mesmos luga-
sicao dos que o contrario praticam ; e, como uso, res ja naosao maos, segundo, pens, pnncipalmen-
aida o pretendo fazer no dia da eleico, quando te no verao. _
estiverdes no I collegio, para melhor me fazer a- dir-se-ha-uma pessoa pobre nao tem mais
einbrado ; no segundo, ainda nao se quem tere ,de se transportar e d all estar-a isso se respon-
i de, que, naquelles lugares existem casas vasias e
j allugam-se por preco commodo, e mesmo muitos
' geneos de prmeira necessidade, all se vendem
pelos mesmos precos que aqui.
Aquelles, pois," que estiverem nestos circums-
toncias, eu Ihes facilito explicar os meios pelos
Ihes fornecerei os medi-
2 caixoes charutos e l canoa ; ordem.
Hiate nacional Nicolao I, entrado de Macu em
9 do corrente, consignado Tasso & Irmos, ma-
nifestou o seguinte :
185 alqneires de sal ; Trajano T. de Moura.
6 saceos algodao ; Marcelino & C
ltecebedorfo lo rendas internas
geraes de Pernambnco
Bendimento do dia 1 a 9
dem do dia 10.................
8:9895709
1:3:10*404
10:3205113
Consulado provincial.
e Bendimento do dia 1 a 9 ,........ 8:6335764
dem do da 10................. 3:1995889
por mim.
Alfonso de Albuquerque Mello.
Cabo, 10 de novembro de 1863.
Pastllhas rermlfngas de kemp
Deverao ser conhecidas e usadas por todas as; quaes se devem reger, e
mais rarinhosas oppostos k desnecesaria crueldade, camentos gratuitauente.
na criacSo de seus tenros filhos. Nao smente pro-
11:8335053
MOVIMENTO DO POBTO.
Nao
nhas preparacoe
tros ingredientes, e com elles tenho obtido ptimos
resultados; nao se engae o mesmo publico com
outres, que por ahi se annunciam, cujas prepara-
efies ignoro, assim com o aproveitamento delles
tenham sido
eu aflirrao
Navios saludos no dia 10.
New-York pela Parahyba Brigue nglcz Helena.
capito Eduardo Connelly, carga assucar e
couros.
Baha- Brigue barca nacional de guerra llamara-
c, commandante o caplto tenente Ignacio Ac-
cioli de Vasconcellos.
Observacjio.
O brigue nacional Adelatde, vindo do AsuL nao
trra. Largou ortico
Abrah3o pardo de I i annos ava-
hado por............ 8OO,$0O0|
Jos cabra de 1" annos avallado
por................... 700,5000;
Ivo cabra de 10 annos avadado
por..................... 7000000
Joo crioulo de 9 annos avahado
por..................... 7000000
Ignacio Fabi3o crioulo de 15 an-
nos avaliado por.......... 8000000
Endraz crioulo de 17 annos ava-
liado por................1,1000000
(i era Id no ciieulo de 12 annos
avaliado por.....___....... 9000000
Vicente crioulo de 12 annos ava-
liado por................. 8000000
Severino crioulo de 15 annos
avaliado por............ 8000000
Escolstica crioula de 10 annos
avallada por.............. 5500000
Henriqueta crioula de 15 annos
avahada por............ 1,0000000
Salusliana crioula de 15 annos
avahada por.............. 8000000
Ignacio Justino crioulo de 15
annos avaliado por........ 8500000
Ignacia Flora crioula de 15 an-
nos avaliada por....... 8000000
Duvina crioula de 11 annos ava-
hada por........... 8000000
Rosalina crioula de 7 annos ava-
hada por....... .. 4500000
Severiano crioulo de 12 annos
avahado por............. 8000000
Jucundiana crioula de 7 annos
avahada por.............. 5000000
Vetaliano crioulo de 8 annos
avahado por.............. 5300000
Joanna crioula de 6 annos ava-
hada por.. ............ 4000000
Expedida crioula de 5 annos ava-
liada por................ 4000000
Delflna crioula de 5 annos avalia-
liada por................ 350/000
Lourenca crioula de 5 annos ava-
liada por ............... 3500000
Gertrudes crioula de 7 annos
avaliada por............ 6500000
Augusto crioulo de .'1 annos ava-
liado por................ 2500000
Ponciana crioula de 2 annos ava-
ius gidiuiMurcuK.. teve communicacao com a trra. Largou
deixare du advertir ao pul ico que as rfu-; d d Baa
reparacocs de veame sao reunidas com o- hAllvnr, *,at! v
duzem una operaco prompta e semdr, mas tam-
bem teem a virlude de ser agradaveis e sobrema-
nera appeteciveis aos tenros enfermos, os quaes
blasphemare de seus decretos : e chei'o"dc'res'ig" 'sio curados de um modo suave e seguro.
DMjfi e paciencia, solitario proseguirei por entre' ** enancas que de ordinario convulsivamente
a-.r,vas.,uemerodam na minha custesa pere- utam para expellir as nauseabundas uoses nuea ^'S^^l^Tresnonde oor grinacao, at que no im da jornada me rena a ** s; Ihes administrara por meio de umacolher, W1^^* ^". ^[^J cui(
uuem na trra mais amei e i-nii pnarirlo ncri chegam a lutar quasi que tao vehemente para con- com veruade o que aqu tt-nno reaiaoo, cujo> hk.
to^ntidan^rdeSro J P g segSirem as pastillas. Na sua composicao nao dicamentos nesto provincia so vendo em minha
O Sr. Tiberio Cesar Burlamaque era completa- en,r:i n"""' a'sum, e produzem um effeito sua- botica na ra D.reita n.m
mente cgo. Aos 17 annos de idade perder a luz nl e altamente salutar na membrana intesti-
nos olhos, que sua vasta intehVflencia to admira-1nal- .... u
velmente suppria: e os cuidaAis e carinhos de sua Acham-se acondicionadas dentro de fras(]innhos
virtuosa companheira astil cccorriam liara amei- de crystal e a venda em todas as Iojas de drogas
do imperio do Brasil.
Nao houveram entradas.
AVISOS MARTIMOS.
COJtlPAMHIA
MESSAGERIES IMPERIALES
At o dia 1 i do corrente espe-
ra-sc da Europa o vapor francs
Navarre, commandante Vedel, o>
qual depois da demora do cosa-
me seguir para o Rio de Janei-
ro tocando na Baha, para passagens etc., trata-se
na agencia ra do Trapiche n. 9.________ _
COMPANHIA BRASILEIRA "
DE
PAQUETES A VAPOR*
E' esperado dos portos do nor-
te at o da 18 do correnle o va-
por Tocautins, commandante o
primeiro tenente Pedro Hypo-
ito Buarte. o qual depois da de-
mora do costume seguir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada ne dia de sua chegada, encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sahida as i ho-
ras, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de An-
tonio Luiz de Oliveira Azevede & C.
Dos portos do sul esperado-
at o dia 14 do corrente um do
vapores da companhia o qual de-
pois da demora do costume se-
guir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada: enenra-
mendas e dinheiro a frete at o dia da sahida s t
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio I.uiz de Oliveira Azevedo & C.
Para o Porto
segu brevemente a veleira barca S. Manoel II,
que tem engajado metade do seu carregamento :
parr o restante c passageiros, a quem offerece bel-
los commodos, dirijam-se aos consignatarios M. J.
Ramos e Silva A Genros, ra do Vigario n. 10.
primeiro andar._____________________^^
Para o Porto.
O brigue portuguez Mercurio, segu prestes pa-
ra all, ainda recebe alguma carga e passageiros a
frete, para o que tem excellentes commodos": a
tratar com Marques Barros fe C, largo do Cnrpo-
Santo n. 6, segundo andar, ou com o capito Joa-
quim Gomes da Cruz.________^_______
Para o R'o de Janeiro preteBde seguir con
muito brevidade o brigue nacional Almirante :
tem parte de seu carregamento prompto, e para o
liaila nnr ^DOOOO! rt!i, que Ihe Taita, trata-se com os seus consigna-
liada por......:......... 2000000 toriog Antonio Luiz de oliveira Azevedo, no sen
Ignacia crioula de lo annos ava- escriptorio ra da Cruz n. 1.
liada por............... 1,0000000,
Correio
EDITAES.
Jos da Rocha Paranltos.
gar-lhe a existencia, no meio da escurdo, que o
cercava.
Nao obstante esse golpe fatal, elle ainda viveu
at o dia 24 de setembro. quando lindou-se a sua
ornada, na idade de 53 annos, deixando una nu-
merosa familia, composto de 14 lilhos, por cuja
edncacSb e bem-estar muito se e-merava.
Nao poda ha ver melhor pai. Nunca elle recua-
va iterante sacrificios, quando tratava de Ilustrar
seos filhos, e teve a gloria de ver 3 formados em
sciencias jurdicas e sociaes, e um f m engolilla-
ra, tendo mais 2 nos estudos, e todos mocos mui
intelligcntes c estudiosos.
Por este lado, o Ilustre tinado muito se devia
\ a ng loriar.
Na presente quadra, quando todos os nimos se
agMn. em visto da nova face que vao tomando
os publicos neeoclos, o Sr. Tiberio Cesar Burla-
innque nao poda tornar-se indifferenle : atirou-se
ruin dendo ao pleito eleitoral, e mais una vez
colheu os louros do triumpho. A apresentaco do
seu digno Ulho o Sr. Hr. Polydoro Cesar Burlama-
que pelo partido progressista deputocao geral,
por esto provincia, penhorou-o sunmiamente, e
arranrou de sua penna estas palavras :
c Estou quasi em um estado de duvida, por-
que a grande fortuna para os pobres nao Ihes che-
ga sem causar grande abalo, e mil duvidas no
seu espirito. Parece-me
actos para convencer-
liberdade e do progre
enche de luz e de vida.
Havendo sempre mais pendor para cr-se no
Nazaretb do Cabo, 7 de setembro de 1863. Illm.
Sr. Jos da Rocha Prannos.Com o maier prazer
levo ao conhecimento de V. S. que o doente, que
T. S. achava-sc administrando-lhe remedios,
acha-se no todo restabelecido, per quanto nada
sent, tendo desaparecido no todo a tosse, tem
que mao, adrede espalhado por homens mal in- muila disposico comida, e acha-se nutrido,
tencionados, e que tiram partido dos transtornos Findou de tomar os ultimos remedios, que V. S.
dos outros, que apenas sao as vezes meros inven- receitou no dia 30 do passado, resto agora V. S.
tos demos carach-res, nao podemos deixar passar mandarme dizer qual a dieta que o doente deve
desapercebida a malvola insinuacao que alguera conservar, e por quantos lempos, mencionando as
tem querido inocular na praca do commercio acer- comidas que dever usar d'aqui em dantc.
ca do iirigue inglez Ellena que sahio terca-feira \ Resto-me agera agradecer V. S. o cuidado que
para a Parahiba, quando reinava forte vento norte lomou no tratoraento do meu sobrinho, abaixo de
na narra, pretendendo culpar o pratico que o pi- Deus, devido o seu restobeleciraento a pericia de
loto va. V. S., e por isso pode V. S. sempre contar com
Para quem ignora o quanto seja difficultoso os meus diminutos prestimos, e desejarei cm
manobrar um navio com vento forte pela proa, na tedo tempo dar urna prova
diremos que
importantes da arte da pi-
sahida de um porto como o nosso,
isso um dos pontos mais
lotagem ainda mesmo para es mais-abalisados pi-
lotos, por quanto no virar de bordo para sahir po-
de o navio mentir virar, cahindo a sua popa
r de forma que v lancar-se sobre as reas do
isthmo, com grave perigdo navio, se o piloto nao
do meu reconheci-
mento.
Desejo V. S. todas as venturas, por ser de \. S.
muito respeitador e obrigadissimo criado.
Francisco Beringuer Cezar de ilenezes.
Era resposto um trecho exarado na Revisto
Diaria de hontem, relativamente ao tocto de ter
fitoTrlod^raKUrar Pr "e dC espit sido assignada urna petico de protesto para pres-
Achando-se fundeado e sobre espas esse navio I ,"^i /.''
nto ao nli.irnl r> nrah'cn n r inmi.i., I.',.....I.,, dV <-cl,"l
cripc^o de letra |wr um solicitador, responde-se
junto ao pharol o pratico o Sr. Augusto Fernandes i g
tal vez seja
nao acha partes que confie
a I gum advogado q ue
suas causas) que o
M|lran?,.a"la,larg?UdesSelUg,r^s 4orf 2a:art. 703doregulmento commercial apenas exige
tarde, em busca da barra, segurado os bordos do
*-me que necessito Mta^^^f^i'Z^* a assignatura de adv,gado as ^eticSes iniciaes
er-me i Porm. nao! o sol da \ SraTeSll ^ navio no vK nelo m0m.!" ***** flaalquer accao o que por certo
resso surge fulgurante e nos fffiSffiISt ZuFJ f^SS^^S^S^9^^^
Viva o imperada viva o gabinete I viva o L^ffS^aUTSST SF^^S^Sl
dou largar urna ancora, afim de estacar a carreira
do navio, fazendo espiar em continente um anco-
Exm
COu,f 'iT/n u,".^' ', I virador, foi suspendido o ferro, mandando o Sr.
Mal sabia o illustre raorto, quando esrrev.a es-: Man|a ,narnar a"f(,i(.o ^ vent0' para fundoar no
? l^rZ\^VT\raT' Md, ei''r0 lamarao,deixandoabordodalancha o virador, visto
de vida, que a mao da fatalidade se ergua too
cedo por sobre a sua rabera'.
Oeiras em peso cbrese" de luto 0 Sr. Tiberio
Cesar'Hnrlamaque |wr si s dava vida aquella ve-
llia cidade, encina de animo a seuf habitantes !
O partido progressista desta proviucia perdeu
urna das suas mais firmes columnas. E o paiz
pe deu um dos seus mais dedicados eidadaos.
(Da Uga e, Progresso, n. 40, de 8 de outubro
le 186.3.)
a hora adiantada em que concluio o trabalho.
Dessa simples mas succinto narracao se depre-
hende que nenhuma culpa teve o pratico do que
soffreu o navio, por quanto acha va-se em circums-
toncias extraordinarias; e que, attendendo-se
rapidez com que fez manobrar e inteiligencia
com que dirigi o servico, o Sr. Manta merece-
dor de mil encomios, pois que poz o navio fra da
1 barra, sem que soffresse a menor a varia, como al-
guera diz, por haver Hcado elle Tundeado no lania-
ERRATA i r* "** hon,em> rircumstoncla ewa devida a querer
S i e-irto dirieida ao Sr mirmiP palavras;- A mi^aprelencao lera sido motivada i estrs. mnfto^^Slff K
'presencade espirito, calma e coragem, pelo que
merece lowores.
0 martimo,
deve lr-se
i va da.
-A minha prclericao tem sido rao-
PUBLICARES A PEDIDO.
Phiyftica.
Mra iMlnrm xarope etlierio de veame por mim preparado,
r. elCltoreI lo primeiro di- mujl0 tem aprovellado at* que sotrrem desta nW
tTinO. I Jestia, e de lamentor-se,\ que, no obtuario desta
Jadisse de ostra vez, que noabatiraento de todas idade a oaioria dos que socumbem de toiiereo-
as forcas em que me acno, p^la repentina desgra- los pulmonares, sem procurarem o recurso do
''.' r.m 1ue na pouco a sorte me ferio, posso rae pratico e do experiente, que Ibes podem encami-
diriirir a vos pelo fcil meio da imprensa. nhar o meio do sua salvaco.
Dcsculpai-me, pois, esto insistencia em dar assim O Sr. Braga rom loja de ferragens na ra Direita,
tantas vezes copia de mim. foi desengaado por dous habis mdicos, acha-se
Anima-meaacceitacabque a minha apresentaco bom com o tratomento por mim proscripto.
tem tido geralmente, e da parte de muitos de vos ;' A Sra. Jeronyma Mara da Coneaigao, moradora
a"Iro5f a^eMdjoracao expontanea que me esto na travessa do Monteiro n. 10, achandese desen-
occiosidade em que vive.
se nao d urna ac
seria melhor qne
mais direito para
fruetes, ihos da
O Lasque.
p ert'0J*to"Bas pessoas, embora nao estja cada
urna deltas em pesieao ou disposico de muito
tazer ea prot docto candidatura. Crescendo porm
o niMwro dess, podsm ellas em raoito upprir
fraqueza de cada ama
ftboiMndiiqpriMo de que
ganada, tambem mim recorreu e acha-se resta-
belecidi,
Um sobrinho do senhor professor de Naureth
do Cabo, acha-se bom, como se v de sua cartoabaixo
transcripto, ajnj dQ outros factos, que poderia
< NOVO BANCO
DE
O banco toma saques sobre as praeas de Rio de
Janeiro c Babia.
\OVO KWCO
DE
PERNAMBGO
O banco desconto na pretente semana aoito por
rento ao anuo at o praso de quatro mezes, e a dez
por rento at o de seis mezes.
Alfandcga
Rendimento da dia 1 a 9 ........ 114:7494012
dem do dia 10................. it: 149*870
Perante a cmara municipal desto cidade es-
tonio em hasta publica nos dias 9, 12 e 19 do cor-
rente mez para seren arrematados por quem mais
j der, por tempo de um anno, os segrales impostes
que vo calculados com o abate da quinta parte :
coqueiros por 480J, easinhas da ribeira 1334, gado
recolhido no curral 484*00, repeso de acougue
104, cargas de farinha e legumes 144744, gado
ovelhum 24048 : os pretendentes podem compare-
cer no paco das sessoes da mesma cmara nos re-
feridos dias, com seus fiadores habilitados na for-
ma da lei, para poderem lancar, sera o que deixa-
ro de o fazer. Paco da cmara municipal da ci-
dade de Olinda 5 de novembro de 1863.Manoel
Antonio dos Passos e Silva, presidente.Marcelino
Dias de Araujo, secretario.
O Dr. Tristo de Alencar Araripe, ocial da
imperial ordem da Rosa, juiz de direilo
especial do commercio, da cidade do Re-
cife e seu termo, capital da provincia de
Pernambuco, por Sua Magestade Impe-
jiel e constitucional o Sr. D. Pedro II,
a qem Deus guarde etc.
Faco saber pelo presente que no dia 30
do mez de novembro do corrente anno se
hade arrematar por venda a quem mais dr
em pra^a deste juizo depois da audiencia
respectiva os bens seguintes:
Urna casa terrea sila na estrada do Ar-
ratal da freguezia do Poco da Pauella, tendo
duas portas, duas janellas na frente, e vinte
e oito palmos de largo, duas salas, um quar-
lo e cozinha fora, cacimba, tanque e terreno
cercado de madeira com bastantes arvoredos
de frutas, terreno arrendado aos herdeiros
do Monteiro, sendo a mesma casa de taipa e
e tijollo, avaliada em 7005000.
Urna casa de taipa no mesmo lugar, com
duas portas na frente e urna no fundo, duas
sallas, um quarto em mao estado, avaliada
em 501000.
Urna dita no mesmo lugar, com duas por-
tas na frente e urna no fundo, duas saltos,
um quarto, em mao estado, avalia !a em
OdOOO.
Um grande sitio no mesmo logar, com
oito centos palmos de frente, e os fundos al
o cemilerio publico da mesma freguezia,
trras rendeiras aos herdeiros do Monteiro,
parle cercado de arvoredos e parte de esla-
co com bastantes arvoredos de frutas, ava-
liado em H'0A' 00.
126:8984882
ovlmeato da alfandcga
Volumes entrados com fazendas.
com gneros.
Volumes .sabidos
com
com
fazendas...
generas...
37
123
22
361
160
Descarregam no dia 11 tie Rovembre,
Brigue inglez -Alma carvao.
Brigue inglezKietoria forraba.
Escuna dinamarquezaKiM-mercadorias.
383
Pela administraeao do correio desto cidade se
faz publico que em virtude da convenci postal,
celebrada pelos governos brasileiro e francez, se-
ro expedidas malas para a Europa no dia 15 do
correnle pelo vapor inglez OnnWo. As cartas se-1
rao recebidas at 2 horas autes da que for marca-1
da para a sahida do vapor, e os jornaes at 4 horas
antes. Administraeao do correio de Pernambuco
10 de novembro de 1863.-Oadministrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Crrelo geral.
O Sr. Manoel da Silva Daltro queira dirigirse
a repartico do correio afim de receber urna carta'
vinda de Sergipe pelo vapor costeiro Camaragibe. I
Pela capitana do porto se faz publico que as I
embarcacoes que na vega m do Forte do Mattos para:
alem da ponte do Recife, devem passar somente
pelo canal marcado pela boia, em que durante o
dia tem una bandeirola encarnada, e a noite urna
lanterna. Os que transgredirem essa ordem, e as-
sim perturbaren) os trabalhos da obra da nova
ponte, serao punidos com a multa comminada no
art. 114 do regulaniento das capitanas. E para
que conste, faz-se publico pela imprensa.
Capitana do porto de Pernambuco 4 de novem-
bro de 1863.-0 secretario,
J. P. B. de Mello Reg.
Pela subdelegacia da freguezia de S. Jos se
faz publico que se acha recolhido casa de de-
tengo a preta Nareisa, a qual diz ser escrava do
Joaquim Lopes da Cunha, sendo dita preta apre-
hendida no engenho Serra, da freguezia do Cabo ;
(juera for seu senhor, provando, Ihe ser entre-
gue.
O subdelegado
Brnz Antonio da Cunha Albuquerque.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo para forneci-
menlo do arsenal de guerra tem de comprar
os objectos seguintes :
Para o arsenal de guerra.
Lato em lencol de 16 18 librascha-
pas (>, cobre em dito de 7 ditas chapas 6,
cobre velho, arrobas 20, ferro sueco em bar-
ra de 3pnllegadas quintaes 10, dito de 4
pollegadas quintaes 10, ferro em lencol de 3
3 i[ arroba cada um 4.
Para o 10 batalho de infantera addido ao
i? da mesma arma,
Ronets de panno verde 5, enxerges 10,
mantas de la 5.
Quem qnizer vender taes objectos apr-
sente as suas propostas em carta feixada na
secretaria do conselho as 10 horas da raa-
nha do dia 16 do corrente mez.
Sala das sessoes do ronselho administrati-
vo para fornecimento do arsenal de guerra,
9 de novembro de 1893. ,
Antonio Pedro de S Brrelo.
Coronel presidente.
Sebastio Antonio do Reg Barros,
I9 secretario.
Para o Rio de faneiro
pretende seguir com muito brevidade o patacho
nacional Regulo, tem parte de seu carregamento
prompto : para o resto qne Ihe falto e escray. a
frete, trata-se om os sera* consignatarios Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio,
ra da Cruz n. 1._________________________
Para a Bahia vai sahir com muito brevidade
a sumaca Hortencia, capitao Antonio Francisco
Monteiro. por ter a maior parte da carga engajada:
para o resto que Ihe falta, trata-se com os consig-
natarios Palmera & Beltro, largo do Corpo Santo
n. 4, primeiro andar.
LEILOES.
Grande leilo ti> miudezas
HOJE.
Na na do Imperador n. >9 (junto ao paro! par
liquidar s 12 Iteras en poni.
O agente Pestaa far leilo por conto e risco de
quem pertencer de um completo sortimento
! de miudezas e quinquilleras e muitos objectos
1 perlencentes a loja de fazendas e ferracens todo
proprio do mercado que ser vendido sem
reserva de preco: quarta-feira 11 do corrente s
11 horas era ponto do mencionado dia.
Tambem ir um cavallo em leilo por cotila e
risco de quera perteneer.___________________
DE
Escravo. movis, crystaes. jolas
de ouro e outros muitos ar-
tigo*.
Sem limites
Para fechar rentas de vendas.
ttniota-feira 19 do corrente s
II horas.
O agente Olimpio em seu arraazeiu ra d
Imperador n. 16, vender em leilo diversos ob-
jectos de marcineiria, crystaes e outros muitos
objectos que se terna enfadonho mencionar.
LEI 40
5S
tilinta icira 19 do corrente
O agente Pinto levara novamente leilo as (l-
vidas activas da raassa fallida de Francisco Morei-
ra Dias, servindo de base a maior offerta obtida n
leilo do dia 9 do corrente, istos 11 uoresde dia
cima dito, erasen escriptorio ra da Cruz nu-
mero 38
THEATRO
DE
IE.JI
EHPREZA
DE
Cujos bens s2o perlencentes Manoel
Cordeiro Vieira e sua mulher, e v3o pra-
Ca por execucao que contra os mesmos en-
caminha Andrade & Rosa.
E na falta de licitantes ser a arremataco
feita pelo preco da adjudicaco com o abati-
mento respectivo da lei.
E para que ehegue ao conhecimento de
todos mandei fazer o presente edital que se
r affixado nos lugares do costume, e publi-
do pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de
Pernambuco, aos 7 de setembro de 863.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, Quai'la eira U de novembro de 1863.
escrvo o subscrevu Pepois da orchestra ^ a simptl(min eostu-
Trtsto ae A leticar Araripe. me, subir a scena o drama em tres actos,
A. J. MIARTE COIMBRA.
Recita extraordinaria
H HKNEFinO DOS ARTISTAS
Jesuina e Lessa
DISIDAS
Quinta-k.. ..*r de Mvembre.
O agente Pinto levara novikinente leilo as di-
vidas activas da massa fallida de TravassMvJnior
A C, servindo de base a maior offerta obtida no
leilo do dia 9 do corrente, Isto s, H horas de da
cima dito em seu escriptorio da roa da Croa nu-
mero 38.
IIIVHKS.
mnto-frira 12 o rerreote.
O agente Pinte levar novamente leilo as di-
vidas activas da massa fallida de Antonio Osario
Moreira Dias, servindo de tese a maior offerta ob-
tida no leilo do dia 9 do corrente, Isto s II horas
do dia cima dito, em seu escriptorio da ra da
Cruz n. 38.


I


3
MM


V
1

Diario de ITruambucO -' 4)uarfa felfa II ale \uveil>ro de i_i.
AURORA
LAEGO DA
Manleiga ingiera flor a libra 800,900 e 15000
Dita francesa nova ein barril a 560
700
m
600
400
1*280
1*000
800
TOQS DIVERSOS.
instituto Archeologleo e Ceo-
grapbico Pernaanbuca-.
Hatera sess* ordinaria quinta-Cei-
ra 12 do corrale, s i 1 horas da ma-
baa.
Secretaria do Instituto, 9 de noven-
ta de 1863.
J. Soaresde Azevedo,
Secretario perpetuo.
""-A modcidde do~preco da assijKua-
tura les I- DI As 10 parece que de vera
ser mu< razaopara a pontualidade.do
respectivo pagamente,escusando assim
a esta empreza o trabatho aecrescido
da solii-ilaca reiteraa disto alguns
dos subscriptores. No entretanto tem
ella este tralulhi, a que se segueta
igualmente despezascom os incumbi-
dos da recepee, sem qu se ligue im-
portancia a taes esforeas para poder
bem servir e corresponder ats seus
compromissos. Mas esta empreza con-
ta, que se attende serva, eessar a impoulualidade de que
faz nieaci pelo plmenlo prwiupio
da assiguatura, da parte d'aqnelles que
o notciham feilo._______________|
Lotera extraord naria
tn io:woijoo 12:0005000.
O abaixo assignado vista do bora aco-
tlmento que tem tido o plano das loteras
extraordinarias e a pedido de qaasi todos os
compradores de bilhetes, tem exposto
venda p:ira ser extrahid por esse plano, no
dia 21 do corrente mez. os bilhetes da sex- nhores em sea poder, que os venham'tirar no pra-
ta parte da primeira lotera a beneficio da so de 8 dias, do contrario serao vendidos para sen
igreja de S. Bom Jess da Va-Sacra, o que pagamento de principa! e juros, po.s que tem de
lera lugar no consistorio da igreja de J S.i_--- ^ ^
di. osario da freguezia de Santo Antn o. dg ^ sau(]e ^ determin^0Hdar gociedade a al-
Os bilhetes e meios acham-se a venda na guma pessoa que K acne habilitada a tomar conta
respectiva thesouraria ra do Crespo n. 15 de seu estabelecimento de taberna na ra do Ara-
as casas commissionadas ra da Impera- gao n. 8, muito proprio para um principiante ag I
trta ... U, loja do Sr. Pimentel; ra Direita nue Pgjj ** ": ere,tn"
n. 3, botica do Sr. Chagas; ra estreita do ^ ^ ^ ^^ compram.
Rosario n. 12, typographia do Sr. Mita e ra -fl_ a|Ugam.se dous pretos. ^m os tiver, pode
da Cailcia n. 43, loja do Sr. Porto. dirigir-se ao mesuro arniazem para tratar.______
Os premios de 10:0005000 at 283000 ~ Rogase as pessoasque tem penhoresna ra
serao pagos urna hora depois da extraeco Velha n. 84, ja vencidos, o favor de virem tirar
.<> ns nntcna no dia sfiffiinte det)OS da distri- sena objectos at o dia 12 do corrente mez, que
desta data em diaute serao vendidos para paga-
' monto. ____
BRILHANTE.
0
SANTACRIZ.
Francisco Jjs Fernandes Pires, dono do grande estabelecimento de mo-
Ihauos'deriotninado AURORA BRILHANTE, avisa ao respeitavel publico tanto
da praca como de fra, e com especialidade aos seus fregueses, que o seu estabe-
lecimento aclia-se prvido de novo sortimento de bons gneros tanto do paiz co-
mo do estrangeiro e promette vender muito em conta tanto a retalho como em
grosso:
Ameadoas novas a libra 240 e .120
Massas surtidas para sopa a libra 480
Krvilbas verdes parasopa a libra 240
Grao de bico arroba 45500 e libra 160
Toucioho de Lisboa arroba 125 e li-
bra ... .400
Queijos do vapor a 44500 e do passado 25000
Dito prato a libra a 640 e .. .720
400 Caf primeira qualidade do Rio e Cea-
CilIADO.
Pr'eelsa-sc dt' um, que enlenda do servido de si-
tio tambera, dando-se 1205 por anno e comida. Na
ra Nova, sobrado n. 23, primeiro andar, dan 9
horas da amanhaa at o me dia.
mmmmm-wmmm-mm&
BANHOS PBLICOS.
Pateo do Carino.
A abertura deste estabelecimento da
6 horas da machia at s 10 da noite, o
publico encontrar banhos Moa, niornos
e medicinaes, vontade das pe.soas com
todo o asseio possivel.
e a libra. .
Presuntos de Lamego a libra
Cognac a garrafa a 15 o
Azeite refinado a garrafa.
Esperinacete muito alvo a 600,
Arroba de velas do Aracatv a
libra 320. 360 e .
Caixinhas com ameixas francezas a 15800
Latas de 2 3 e 6 libras a 15400,
25400e.....45000
Caixinhas com 8 libras de passas no-
vas a ......35000
Ditas com figos a 15400 25400
, Latas de 4 libras de bolacha de soda
muito nova a 25000
Ditas cora biscoutos iuglezes,cracrenel
victoria, raixides e ovos, pequi-
niq e outras qualidades novas a 15600
Ditas com marmelada nova a libra
280
100 M
"S *
160 M
r a 320 e segunda a
Arroba de arroz a 35 e libra
Barris cora azeitonas a
Vasos com sal refinado a
Alpista arroba 55 e libra.
Serveja de differentes marcas superio-
res ......5
Vinhos especiaes em caixas de urna
dazia de garrafas a 14*, 165 e .185000
Ditos de Lisboa, Figueira e Porto a
garrafa a 400, 480, 560, 640, 800 e 13000
Dito branco de Figueira, Lisboa e Por-
800
280
v.. 1 oi-i-espoiiih'iHiu de Portugal.
'. Saccedendo todas as vezes que chega os paque-
| tes da Europa e que se faz a distribuico desta fo-
Wt Iha queixarem-se alguns Srs. assignantes que nao
II reccjteram folha, e reconhecendo esta agencia que
continuando a mandar deslribuir improflcua
qualquer medida tendente a evitar este abuso, re-
solve suspender a distribuico, tirando os Srs. as-
signantes na intelligencia de mandar buscar seus
numeras na ra do Ainorira n. 3o, segundo andar.
.T^P.
COMPTABILIDADE COMMERCIAL
PELO
DR. WITRtrVIO PINTO BANDEDLA.
Ptofrisor da segunda radeira du Curso Cumiacrrial Prrnarobucaaf.
1)01 S BELLOS VOLIHES PU 8. FKANCK/
COMJT.KHKNDKNlKi
O prlmelro
Prelecces theorleo-pratlca de eserlpttf
raco uirrraatll.
O segundoXoee de ariihmeilca com-
ihpiIhI. adaptadas pratica das operaees eon-
naerelaes e elementos do systema
metrieo con sitas appllcaftdes
ao commerclo.
PREC) DE CADA VOLUME 50.
MUDANCA
com marmelada nova a .
720 e......800 to a 640, 720 e
Ditas com fructas em calda a .500 Espirito de vinho de 38 graos a
Ditas com ervilhas francezas 720 Frascos cora genebra de Hollanda
Ditas com massa de tomates a 640 e 720 laranja a 640 e .
Ditas com peixe era posta muito beiu I Ditos com conservas a 400 e .
preparado......15300 Saceos grandes com farelo marca
Dita de Lisboa savel, salmonete, caxu- a 45500 .
xo, paigo e outros a 15200 pitas com farinha muito fina a
Ditas com ostras americanas a .800
Charutos Anos ha grande qaantidade
de caixas e indas.
Ditas com milho e arroz de casca.
Ditas cora farinha para animaes
Caixas com 100 charutos com furo
. 15000
800
N
. 55800
. 45300
. 45000
. 25-WO
a 640
v
Jos Duarte Coutinho faz vr a quem tem pe-
Precisa-se de urna ama muito capaz para tomar
conta da casa de um estrangeiro solteiro e morar
n'um sitio, fazendo todo o servico da casa : na ra
Nova n. 19, primeiro andar.
Mills ratliauTtt C
nnd ram o seu anuazem de fazeudas
da ra d < (adeia para a ru t da Cruz
a. 38._________________________'
Casa para alugar.
Ajuga-se urna pequea casa na Capunga Nova
ra da Amizade n. 24, com 2 salas, 2 quartos, co-
sinha fra e pequeo quintal murado por 125 : a
tratar na ra das Trincheiras n. 1.____________
Aluga-se urna casa no pateo de S. Pedro Mar- j
tyr emOliuda, prxima aos banhos, muito tresca
e Iwns commodos : quem pretender, dirija-se ao
capitao Vires, em Ulinda, ou na Faculdade, das 8
horas ao meio dia.________________________
Precisa-se alugar urna escrava para casa de
pouca familia : na ra da Concordia n. 7.
E^l.MHIEP-KPAlUTOKOS
Geographia e historia
Arithmetica e geometra
Franccz.
A'ra do Quelmado n. 30, primeiro jjglj
andar, de 1 hora ern diante. H
^^|^ |@]|^||
Precisa-se
e fazer compras
de miudezas.
de una preta que saiba cozinliar
: na ra do Queimado n. 16, loja
Francisco Ignacio Pinto mudou o seu escrip-
torio de agencia de leiles da ra da Cadeia n. 24
para o primeiro andar do sobrado da ra da Cruz
11. 38, onde poder ser encontrado das 9 horas da
Aluga-se para passar a testa, ou mesan por nianna s 4 horas da urde,
anno, e at se vende, um sitio no lugar da Torre. Ni-.-,*-fi'>sr*a
comraodidades pre- ^f^At/^Xlli
Joao d.i Silva Ramos, medico pela uni-
os outros no dia seguinte depois da distt
buieo das listas.
Servindo de thesoureiro,
Jos*'1 Rodrigues de Sotiza.
Aluga-se urna casa com commodos para fa-
milia, a nargem do rio Capibaribe, na Iha do Re-
- O /layo continua-se a vender nos lugares ja tiro, na Passagcm da Magdalena, por 1505 : a en-
annunciados. ______^^^_^_ tcder-se com Joaquim Autonio Pereira, na loja de
_ O Sr. Jos Francisco Pinto Guimarae, cirur- louyn da ra larga do Rosario.
inargem do rio, com todas as
cisas, e, alm de fructeiras de diversas qualidades,
I tem urna baixa de capim que sustenta at dous j
I cavallos : a tratar com o proprietario do mesmo g
Jos Marianno de Albuquerque, ra do Impera- js
dor n. 12._______________________________ 1
Est justa e contratada a taberna sita na ra !
do Bom Gosto em Santo Amaro, pertencente D.' jj
Jeronyma Mara de Oliveira : quem tiver alguma |
reclamacao aprsente no prazo de tres dias na
mesma taberna.
Estaobra, apezar de elementar, vein preencher una lacuna, que era sentida entre a
onde fallecem escriptos de certas especialidafles com arcesso a todas as intellgencias ; e as-
sim o editor pensa fazer um servir dando-lhe publicidade, tanto mais qnanto hoje, que as B
transaccocs commerciaes c inust'riaes vo entre nos tomando notavel desenvolv ment, deve &.
entrar na educaco daquelles qw sr qiierem applicar a ta; ramos da vida o conhcciniento ffi
dos principios da comptabilidade adininistratiya e commt.Tcial. ^
Com este intuito, sol) urna forma M*enrialnwmte classira, reunin o Sr. Dr. Witruvioos fg,
principios da complabilidade eoinmcrcial no que tem elles de mais elementar, e roordeaea- >i
os de modo a facilitar o mais possivel o sen estudo s pesaoat que se destinan s profissoes ^
commerciai's, sendo taes a coucisao e a clareza pesias no desenvotv.meuto respectivo, que po- fm
de-se aprender a materia, cbegaodo-M a escripturar os livros por partidas dobradas e appli- m'
car o calculo s operagoes do commercio, sem carerer da interrenao de um mostr. ^
O primeiro volume, formulado solire a obra de Bertrand, ore upase rais -penalmente 3|^
da escripluraco mercantil por partidas dobradas, cujos jiriucipios sao doscsvolviilos ero har- ^g
moni a com a legislaeao brasileira, contendo alm disto um importantissHiM) apiiendice sobre jR
as sociedades commerciaes em todos os se moviinriitos. quor pelo l3do da escripturafao, gig
quer pelo da formaijao, existencia e extinrejio dellas em face da lei Neste apj)rndire, douli- "
cadamente recoiniiiendavel por sua originaliilade e ielo runho de 'specialisBio. tem rwii
mercianle urna guia para sua direccSo, (pialipier que seja a forma da ciedade que contrafaL
Completa este volume o specimenou resume de urna escripturacav, Urticia verdade. nvuem
tudo semelhante de urna casa de commemo ordinario, offirecendo urna serie de operacees
successivamente mais difDccis, que assim ininia gradualmente a maneira de escriptura nos differentes livros de una casa de commercio.
O segundo, egualmentc formulado sobre a obra de Kottinger, orrnpa-se partirulaniHte *
da arithmetica commcrcial com exercicios e problemas pelo meio mais simples, fcil e breve _,
da regra conjuncta, acerca de todas as operacoes praticas usnavs no commercio, env&lvendo clculos de cambios de praca praca e por pracas intermedias, liem como neporto* de bancos ffi
com arbitragens de cambios, alm do di-srnvolvimento do systema inetrreo em soas rrlaroes W*
com o commercio, Ilustrado por meio de tabellas de conversa.
O editor nada mais accrrsrentar estas breves palavras, que asis demonstram a im-
portancia real desta obra, devida a intelligencia e a applienrao arrurada do seu autor, senao
que ella de utilidade geral, e que a nenhum commrrciante e mesmo a homem algum de let-
tras licito deixar de, possui-la em sua estante ; pois o (mimrrrio em suas variadas evolu-
coes. entende actualmente com tudo que se liga a vida. *Bl
A assignatura toma-se as livrarias dos Srs. Guimaraes \ Oliveira. Nogueira de Son- >({
za, Juliao A- Pereira Garaldo H. di' Mira, sendo realisadasea importancia pHa quota de rada S
volume ao sahir do pelo, para o qual ora entra o primeiro. m
O KDITOH.
mmmmmmmmm
giao prl:i escola real de cirurgia de Lisboa, trans- Aluga-se urna casa para passar a festa as
ferio a M residencia para a ra Nova, n. 60, pri- barreiras doCaxang, junto a casa da plvora e
meiro andar, onde pode ser consultado todos os esta?o dos mnibus, tendo de commodos tres
di.is mvis, das 7 s 10 horas da manba, acerca de quartos, duas salas, c cozinha com os seus neces-
rnf.-rmidades denominadas rirurgicas ou externas, rios, muito bella para os pretendentes, por ser
espeelahaente daquellas, em cujo tratamento mais \0rAV de mais lijerdade e ser sitio, reedificada de
iM|ii ntemente intervem a medicina operatoria. novo e por prceo barato : a tratar no mesmo lugar
_,".,io om o Sr. Lino Pereira da Fonreca, ou na ra da
Soclcdade de seguros rniitnos, ||)ja (la Ba F 74
de vida installada pelo Banco
> *
versidade de Coimbra d consultas em
sua casa na ra Nova n. 50. das 8 s 10
horas da maulia e das4 s 6 da tarde e
recebe igualmente convites para dentro
ou fora da cidade com o fin de se cn-
rarregar de qualquer servico de sua pro-
lisso.
Os chamados devero vir por escripto.
ammez !f-fii
t."
Na ra da l'raia 11. 59 deseja-se fallar ao Sr.
I Egas Sancho Ribeiro para negocio de seu intresse.
Precisa-se de um prelo escravo : na ra 110-
UniSo na cidade do Porto.
Os asientes nesta cidade e provincia Antonio
Lui/. de Oliveira Azevedo A; C escriptorio na ra
di Cruz do Recife n. 1, esto autorisados desde j va de Santa Rita, relmacao n. 5.1._______--------
a lomar assignaturas e prestar todos os esclarec-, Precisa-se de um bom cozinheiro forro ou
111 !i!- que forem n-cessarios, as pessoas que de- j captivo, e que d conhecimonto de sua conducta :
tejaren) coacorrer para to til benfica empre-. na ra do Crespo; loja n.21._______________
za, segHrando um fuliiro lisongeiro aos associados. 1 QOerece-se urna ama para engoinmar e co-
zinliar em casa de pouca familia : na travessa do
, Marisco n. 20.
ALMANAK
laboato.
>l tillo a COnfeCCO ar-se O a'manak Aluga-se-por prero commodo para passar a fes-
iesia iirovin.ia, que coutina ser ira- **em Sant Amarde lrt*h.?,*5~e!5S I
Portugal.
pressoaesla lv|o^i-ap!ii% coavida-sea
todas as pessoas pue 'elle fazera pa te,
para que rcmrltam l'Viaria ns. | e 8
la praca da Independencia, mh 110111 s
t> quiildade de es^beeiiiuenlo, e aos
MViliorcs ne eiiisenios que sedi^ncm
remeltec alm dos nomes de seus en-
en'ios, oda fregueziae comarca a que
siM-.encerrm.____________________
Precisa-se da um caixr-iro que tenha pratica
de un depssilo e que d fiador a sua conducta, de
ddade de 12 14 annos : na na Imperial n. 171).
Aos Mrs. de engenho.
Jos.'- Fidiciano Nazaretli vende assucar de com-
missao tirando 2 porernto, sem adiantar dinheiro :
liieni quizer o pode procura-lo na ra da Praia,
segando andar, n. 33.
Naques sobre
O abaixo assignado, agente do banco
mercantil Portuense nesta cidade, saca ef-
fuetivamente por todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
qualquer somma, vista e a prazo, po-
dendo logo os saques a prazo seren des-
cuntados no mesmo banco, na razao de 4
por cont ao anuo aos portadores que as-
sim llie conver : as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
ftf*
Alujase um segundo andar e sotio, e um
tercoiro andar esetio, anhet ellos lemcommodot
vara grande familia : a tratar com Jos Hygino de
Miranda.
CASA DE SAUDE
Em Sanio Amaro
Do Dr. Silva Ramos.
nico estabelecimento desta natureza,
que existe entre nos, montado do modo
que pode com todo o commodo e zelo tra-
tar qualquer doente, que nella seja reco-
mido. ''
O edificio magestoso e cq^ti
em perfeito estado de limpiVt, co
nienteraente mobillado. f
Os doentes sao se*- segundo os
sexos, natureza .,as e condicoes
sociaes.
Ha quarto/fortitiraflos para os aliena-
dos, e uinft enfermara para as partu-
rientes. /
0 prffprietario encarrega-se de qual-
quer ojperacao.
O eAtabrleciment franqneado qual-
quer nesisoa que o quoira visitar.
I'i ijn.'ira classe 35000diarios.
inda dita.... 500
Tr5era (1i(-l,.. 25000
Para qu\e qualquer drate sejali rece-
bido, hasta) i|ue se mande onome do doen-
te e da peslaja que a remette, com a de-
claraco dafmorada.
O propritario aceitaoontratos annuaes
rom qualquier que queira ter um ou mais
hitos i sual disposico.
com bons commodos para familia, com os fu
para o mesmo rio Jaboatao, a qual tem um
lente banho de sombra : qiem esta pretende
rija-se ao Recite, na ra do Brum n. 78, que arha-
ra com quem tratar.
RA DO IMPERADOR
N. 22.
Grande armazcm dr tintas.
Este armazom contm tudo quanto
preciso para queainduatrilidepintura.de
qualuer genero que srja, deeempenhe
sen fim, isto embrllezar. eoUMTvare
reproduzir.
Montado em grande escala e supprido
directamente per grandes fabricas de Pa-
rs, Londres e Hamhorgo, pode olTerrrrr _
productos de ronlianra, e satisfazer qual- fax
quer enrommenda grseo trato e a re- ]
tallio.
Os Srs. artistas pintores, e os donos de
obras poderlo escoflwr vontade. pois -
que tudo estar vista, as differentes co- |V
iis de (roe tvercm noeowMade.
Ha tintas em massa e em p bvpalpa-
vel. e romo as obras a enveraiaar sd se
deve empregar tintas muidas, e nao me-
rxnnxA E kW\U CASt FELIZ
PORTUGAlt
s fundos m recendo conlianraasquevem de fra para >,V
m excel-, $& commercio, por vclhas, e talvez falsifica- vfe
ider, di- ^ as nost,. armazem se as morra vis- fj
Precisa-se de urna ama para cozinliar e com-
prar para casa de pouca familia : na ra da Con-
cordia n. 34, sobrado do armazem do sol.
Precisa-se una ama para casa de pouca fami
lia : quem pretender, dirija-se ra da Scnzala
Velha n. 34, primeiro andar.
Anua em pura alugar-se.
Alua-se o armazem n. 40 da ra do Apollo, com
ta do consumidor, que s assim ter tin-
tas IVescas e verdadeiras.
Ha t.iinbeiii ouro \vrdad.-iro. verde era ,,
p cemfollia. prata em folha, p debron- H
w zear de varias cores, diamante.- para cor- H
P Iar vmro:i- burnidores, ncar supn lina mi- H
carnada, amarella e verde tintas v-.
taes, azul, roxa, verde e amarella. moflen- H
sivas. unirs que se deveni empregar as H.
confeitarias, colleci-ors de pinceis para (5$
fingir madeira, coin propriedade, e outros
de varas qualidades. vernizes. copal,
AO II.
Nii.a loja dos barateiros na na do Queimado.
Vi'lludo de cores fazenda muito boa o covado
35(KH). bales de panno .'15200, ditos de arcos \
35tK0, i-3000 o 55000, las de duas larguras
para vestido o covado a 500 rs., chitas francezas o
covado 360 rs., nietni branco para forro de
vestfdo o covado 120 rs., tarlatanas de todas as
cores a vara 720 rs.
Ai n. 29.
\ma luja dos barateiros na ra do Queimado.
Csea lisa pelle de ovo apera 75500, rambraia j
lisa muito fina a peca de 17 varas 105. cam-
braieta pega de 12 jardas 75000, rambraia adamas-
cada para cortinado a peca de 22 varas 105000,;
motas linas para Motaras a dnzia 45000, chales '
l ln ponta redonda a 325500.
A n. 29.
Nova loja dos lia rali-iros ua ra do Queimado.
Uicos pretos de linlio a vara 120, 160, 240, 320
rs., franjas de seda a vara 80 e 160 rs., galoes
de seda de algodao e de laa para enfeites de vesti-
do a peca de 10 o 15 varas 400, botoes de seda
de velludoe de fustn dtizias a 120.___________
Da W. H M. GiAH
Dentista iiiirriranu
hu iln Imperad rn 63.
Offerece ao respeitavel publico de Pernambuco
os serviros de sua profisso ; todas as operares
da borra e denles serao executailas com o ultimo
e muito melhorado principio de cirurgia dental.
PORTO.
Ra das Mores, 1 e 3 (juntoa igreja da Misericordia.)
nuu \
GRANDE LOTERA DE HESPANHA.
lula extracto sci ffelta a 3 de dezrmbro de lHa.
_________________ ______________________i^_____________________a______i_nn'anF^a_n <_b_c ~%f^"~- ***"^^>^^^m
m" Pesos fortes. loeila porlugueza.
rva-se
e conve-
Precisa-se de dous canoeiros,que sejam forros I
ou captivos : a tratar na ra larga do'Rosario n.
16, na padaria do Sr. Manuel Antonio de Jess.
Desappareceu do primeiro andar do sobrado
defronte do becco Largo, aoi.de mora o cabelleirei-
ro francez, um relogio de ouro de vdro patente
suisso; a caxa lavrada, e representa um monu-
mento, o mostrador radiado : quem delle souber
noticia avise ao abaixo assignado, que ser recom-
pensado. Gustave Herbelin.___________
Arrenda-se o sitio na- Passagem, direita do
do r. Firmo, e vendem-se lotes do mesmo para
edificar : na ra do Imperador n. 14.
Anda est por alugar a sobrado de um andar
da ra de Aguas-Verdes n. 55, assim como a casa
terrea da ra do Destino n. 4, que se alugam por
mdicos preces : na ra do Queimalo n. 46, ou
na do Hospicio n. 26.
Yim
O abaixo assignado roga encarecidamente s au-
toridao'es policiaes, urbanos, aos empregados das
barras de vigas, e das estaroes da estrada de fer-
ro, mu escravo Ernesto, com os signaes abaixo de-
clarados, que fazendo-me um crime, lugio de m-
nba olaria no dia 9 de novembro de 1863. Ernes-
to, 20 annos de idade, crioulo, muito preto, feccs
Ironltas, baixo, secco, tijolciro, tem mai de nome
Felicia, minha escrava; vestido de calca nova de
brim liso branco, ainda com a marca de tinta en-
camada, camisa nova de algodaozinho,chapeo usa-
do de feltro, usa de paletot sacco de estopa per
cima da roupa. Este mo'eque j esteve no enge-
nho d'agna de Iguarass, que pertenceu ao nado
Henrique Pope Girao, e hoje ao 6r. Dr. Francisco
Joao Carneiro da Cunta. Protesto proceder contra
quem o tiver asilado : quem o pegar, poder le-
va-lo minha olaria n. 13 na ra do Mondego, fre-
guezia da Boa-Vista da cidade do Rccife, que pa-
garol o trabatho e despeza
Marcelino Jos Lopes.
papel para desenlio.
Essencias aromticas verdadeiras. fras-
cos e vidros jiara vidnu-a de todos os ta-
manlios. e muitos outros objectos, cuja
utilidade e emprego s com vista pode-
ro ser mostrados.
Joao Pedro das Heves,
Gerenta.
Fugio no dia 8 do corrente o preto da Costa
de nome Joaquim, idade de 45 a 50 annos, levon
vestido camisa e calca de algodao azul, falta de
cabello na eoroa da eabeca, barbado, usa de suis-
sa, bastante branca, pequeos talhos de sua naci, j
bastante alto, rosto um nouco comprido, falla mili-
lo atravessado : quem o pegar, dirija-se ra da '
Guian. 150, ou ra da Cadeia do Recife n. 16,
que ser bem recompensada_________________
Aluga-se urna boa casa com todas ascommo-
didades para grande familia em um sitio para pas-
sear, perto do banho, boa agua, s se aluga pela
festa por pouco dinheiro : na Torre, e no mesmo '
lugar, a fallar na padaria.___________________I
Aluga-se uni escravo de 18 annos, geitoso
para qualquer servido : quem o pretender, dirija-
se ra dos Marlyrkw n. 2. __________^^
PRK.MIOK.
1 de......... .
1 de............
1 de............
2 de 20,000 pesos fortes.......
10 de 10,000 ditos.........
15 de 5,000 ditos........4.
30 de 2,000 ditos. ........
100 de 1,000 ditos.........
2816 de 500 ditos.........
9 de 1,000 ditos cada um para os 9 nmeros
da dezena que obtiver o premio de 300,000
pesos....... ....
9 de 400 ditos para os 9 ditos dita do de 1,000
pesos............
2 approxima;oes de 1,000 pesos cada urna para
os nmeros anteriores e posterior ao premiado
com 300,000 pesos........
2 ditas de 700 pesos para os ditos do de 1,000 ps.
_ ditas deSOO pesos para os ditos do de 50,000 ps
3000 premios em 30,000 bilhetes.....
o "bail< do aimi .ersario do
cluiKoiiiinecial ter lugar na
noite do di 22 dt corren ir mez.
- Aluga-se nitn sitio de roqeeiros no Rio Doce,
seweant: quero opreieoder, dirja-e n__os
re* n. 23.
Jos
veilores,
ben le ua
* pie da o ara]
juiJar suas
procurador
le Outinh" tai *cionle aos seus praea eumo do sato, que elle a
preoiM retirar-se dt provincia
de 15 dias para que ven bem li-
. do contrario entrear a sen
fazer efJectiva a cobranca.
A actual mesa regedora da irmandade de
Nussa Sen hora do Terco, desejando secundar os tra-
; balhos da reediflea^o de sua igreja. e achando-se
I balda de meios para a continuacao de to grande
e errtoriaotir*, reeorreu ao 8r. Coimbra, digno
ewprezariu do tbeatro de Santa Isabel, para llie
conceder um bene_sio em favor de to necessaria
reediflracao. ao que de bom grado annuio. eeco-
lliendo un variado e divertido espectculo para
sabbado 14 do crreme, que ser annunciado. Es-
pera, portanto, a mesa |oe sewsirmos c o respei-
tavel publico, nao doixario de coacorrer esse e>s-
peetaaale, o leal aor appticmlo obra da rosdifi-
eacio a igs-nju de sua excelsa padroeira, que roma
Mal Misericordiosa remunerar a todos os seos
fllhos que noadju varem com seu bolo para o com-
plexo de sua santa morada.
na
K0S.1M0--3
I'ranrisro Pinto Ozorio contina a col-
locar dentes artifiriaes tanto por meio de
molas como pela prsalo do ar, nao re-
cebe paga alguma sem que as obras nao
liquem a vontade de seus donos, tem ps
e outras prepararles as mais acreditadas
para conservaco da bocea.
- Prcvine-scao respeitavel publico que os es-
clavos Benedicto e Martinho, pertencentes ao Sr.
commendador Francisco Antonio Pereira da Silva,
ainda estao sujeitos penhora feita requeriraan-
lo d|B Antuaio Goncalves Pereira Lima, e conse-
gaintemente nao podem ser alienados em quanto
300,000
100,000
50,000
40,000
100,000
75,000
60,000
100.00o
1,408.000
9,000
3,660
2,000
1,400
1,000
2.250,000
ou rs. 270:000,5000
90:0005000
43:0006000
36:000,5000
90:000(5''0 '
67:500,5000
54:0006000
9rf:0OO600O
1,267:200^000
8:1006000
3:24')6000
1:8006000
1:200/000
9O06OOO
Bilhetes inleirosa
Meios bilhetes a
Presos em moeda forte.
, 1206000 | Quintos de bilhetes a
6O6O0O ,. Decimos a ,
2,025:00i'60O0
245000
126000
jo lynao Fcre ra oriz,
com'loja de cambio e biliu-tes de loteiua.- ______ ... .
t fianeailo no aoverno civil do Por to. em conformldade do edita l
de *8 de junho de ISttO.
Satisfaz com promptido todas as encommendas (jue Ihe sejam feitas. mesmo em
grande quanlidade e pelos presos cima indicados, vindo acompanhadas do seu impone :
e no fim da extraeco remette as listas dos premios. N. B. Sendo a encommenda da
cinco bilhetes para cima, faz-se o abatimento de 5 por cento.
Para informacoes no escriptet o da ra da Cruz n. 19,
Aluga-se um bom coainlieiro : a tratar
ra da Aurora, passando a fundicao, taberna.
a casa terrea na ra da Matriz da oTnesmo Antonio "Goncalves nao se adiar integral-
tratar na ra mente pago e satisfeito do resto que lhe deve
aquelle commendador. Faro o presente a
Aluga-se
Boa-Vista n. :6, por barato preeo
Direita n. 9.
4VIS0.
ci por ter sido informado felo Sr. Dr. Jos Joa-
quim de Souza, que o mesmo commendador tinha
lhe mandado o escravo Martinho para o mesmo
Dr. Souza embarcar p3ra o Rio de Janeiro jara ser
O proprietario do engenho Fernandes, da fregu- vem],]0 para pagamento do dito Dr., deixando o
zia de Ipojoca, fsz ver ao publico, que nao costu-' ^i,,, p. de assm fa_er por saoer da penhora que
mando vender e era trocar cavallos e burros de exig|ia sobre os escravos Benedicto e Martinho.
sna propriedade, os tem ferido hoje em cima da Antonis Goncalves Pereira Lima,
anca com o nome de seu engenho Fernandes: por-
tanto, o cavallo ou burro que apparecer com a dita
marca era poder de alguma pessoa que nao seja
portador seu, est sem duvida furtado, e por isso
pode ser tomado, e ser avisado o dito proprietario
Lourenco Bezerra de Sequeira Gavalcanti, que pa-
gar qualquer despeza, e tlcar agradecido a quem
o fizer.
Aluga-se una casa eta Pera do Portas, ra
do Pilar : quem a pretender, dirija-se mesma
ra a fallar com Manoel da Silva Neves.
Jos Forreir da Silva, subdito portuguez, re-
tira- DENTISTA DE PARS
19Kua Nova -19
Prederiro Gantier, rirurgio dentista,
taz tedas as aperaefies de ua arte, col-
loca dentes arttllclaes, tudo com superio-
rid.ule e perfeinau, jue bb pessoas enten-
didas loe recoaheecm.
Tem agua e pos dentifteio.
Na ra do Rang;l, loja n~ 38, faz-se comida
com liuipeza, seado al moco e jantar, pagando cada
Fugio uu dia H do crrente a negra Cantar-
na, de naci Reboto, de 40 e tanto aunas de ida-
de! alta, chea do corpo, ms est um unto magra, pessoa mensalmente 1^ pagos adiantados.
cor fula, eWw* pequeos e encovados, nsriz chato,
dentes podres na frente, tem uns talhos as costas,
marcas de sua trra, qoe parece talhos de ventosa,
levou vestido de chita cor avermelhada eom lis-
tras, panno da Costa branco eom listras encarnadas
e franja as pomas, eamita de mdapo_o, tem hhs O* sitios de Manon! tsrdstro Vleira, a face
pumas veas levantadas ou singue sollo, ella j da estrada o Anaiai na freguezia de Poco da Pa
tem estado em engenho para as partes de Cabe m nslta, e que foram panHoradon, tMgaoa por arren-
Esrada, tem em Mito j homem tambem para damaMo anana! a qna_ia de 40*. e catan por pa-
esses lados : por Isso peca a quem a capturar de a gaaoaa eade o i* de juaho d Hwl___________
trazer ra do Livrameato n. J6, loja. que ser p^dro Albos WWeira, mudou sna encader-
gratiHcado.___________________ naci pal a a das Lininireiras, ultima loja do
Precisa-se de urna ama de leite: ama es- sobrado pertencente ao patrimonio da aaatria de
trelta do Rosario, sobrado n. 8, segando andar, i Santo Antonio.
Prfcisa-se 4t un na de leile :
na ra cslrcUn do Rosario n. 31, ter-
rear anear.
Vieira,
SEGUROS DE VIDA EM MTALIDADE,
A direceo do BANCO UIWO tendo obtido do governo de S. M. F. a autorisacao para estable-
cer o seguro de vidas em mutualidades, faz publico que desde j toma subsenpeoes annuaes por uiua
s vez, debaixo das seguintes condicoes :
Com perda de capital e lucros;
Dito capital sineute;
Dito lucros smente;
devendo a primeira liquidarlo terlugar no *^e2an.eir1'?Jd^ **?
lhe o
dl^Wa^lMw&^ 'tilt^i^^iO pelos socios sobreviventes tudo aquilloque os so
cios morosos nos seus pagamentos, sao por este motivo obrigados a pagar, bem como caducidades que
occorrerem pela falta de cumprimento do compromisso social.
As liquidacoes sao pelo svstema dascompanhias hespanholas, Tutelar e cetras; e parase poner
fazer uma idea do qne pede produzir urna entrada annual de !<, poblica-se a seguinte tabelta basca-
da sobre a experiencia de muitos annos de companhias desta natureaa : __
Em aiiMta 40aneasEt amias_ 20 aanasE-2J>aenes
Por um menino de
de
> de
de
de
Por urna pessoa de
de
de
de
dia
anno
/!
a
10
30
40
1
i
:.
4
15
O
a 30
a 40
ai
anno 110,5
905
8fii
. 86
86ft
, mi
. wts
905
4005
3005
9900
2805
705
2705
2705
2765
3005
9005
7505
705
7105
7005
7005
7105
7905
7505
2:6005 4:7005
1:7005 2:7005
1:6005 3:5005
1:5605 3:41105
1:5505 *3.M5
1:5405 *33*
1.5605 3:4005
1:6000 3:7005
1:8005 005
As entradas por urna s vez dao resultados nwitosiiperiores as wmuaes.
PWto, 10 de f osto de 1863.-Os directores do Banco Lmao, Jos da Sta Machado.M M.
Agentes em Pernambnco : Antonio Luix de Oliveira Axesdo A C, rea da Croe n.1.
Nn-enas de Santa Cecilia. Precisa-se
A eornmissSo encarregada das novenas de Santa alugar um bom preto para carrejar
Cecilia, erecta na igreja do Livramento, convida cora miudezas eom ostra pessoa,
aos seos companheiros e irmos a tomarera parte sirva : na roa Nova n. di. N
as ditas novenas, o que ter lugar qulnla-feira 12 de um preto para todo o servmet ___________
d.->rmite,sano_olevantaraeiitoda baedeiraas Precisa-ee da urna an ton* aa CMMiva que
6 horas da Urde, e logo depois principiara a o- ^p,^ y,, mpeta 0 iJm^ ^.h *, de ra-
vena- ____________________ pazes solteiree: na ra do Crespo 24._______
unta raixa
liem. caso
pnetsa-sit
Preeisa-* de urna ama de leite
Carmo n. 13.
nopa ___________ cozinhar ecomprar para urna peqaena familia,
%rnaun para cwtaneleelveatn. s Sf^f. WllSe* **"
Alnga^e n rpa da Praia o amwem dn casa toar ao a i or.^r- lerceara de al. ** -
n. 7, ce fondos para o caes do Ramos : trata- Predsa-se comprar um preto com Mane o
se no Campo Verde o. 20, sobrado do Sr. Miranda. 30 a 40 anuos : u ra Direiia n. 17.
*&*
-MUT
r




Diario f Pernamfcnco Qaarta feira 11 de Slorombro de i S63.
FAZENOAS DE BOM GOSTO.
PASA 7BSTID0S-
Superiores corte* de gorgurio de seda com flores matisadas os mais modernos que tem vindoa Pernambuco.
Ditos de moreaatique de cores, de listas, de flores,e acnamalotados, cores nui ndas.
Ditos de moreamique pretos de palmas com barra.
Lindos cortes de grenadine de seda com barra e chale igual.
Ditos de la com barra maiisada e damesma cor, a imperatriz pelo barato preco de 0& US, 8 e 20 cada corte.
Ricos vestidos de blondo para noiva com lindas mantas-de (li de seda, de blond e com capella.
Ditos de cambraia brancos bordados a 12-5, iiii, 23 e 3o/S cada corte.
Lindas laas lisas tinas a 300 rs. o covado.
i Ditas de quadrinhos e de flores a 400, 300 e 600 rs. o-covado.
Supcriorcs-organdys com lisias de seda, os mais moderaos que tem vindoa Pernambuco.
Lindas cassas de cores de-superior qualidade a 400,500 e 840 rs. a vara; assim
Como um variado sortimento de percales, chitas franoetasa 280,320, 400,300* 640 rs. o covado, e outras muitas (aseadas que
savia enfadonho menoionar.
PARA HOU1BKOS IIK SEWHOKAS.
Manteletes de seda pretos a:18.
Capaspretasde grs a 235,305 e .155.
Ditas muito superiores a 40$, 435 e 305-
Superiores santiembarques de casemira.
Ditos ditos deiindas laazinhas lisas ede quadros.
Ditos de seda pretos e de cores.
Ditos de musselina de seda chineza.
Superiores manteletes de torcal pretos.
Lindos Chalos de musselina e de challymatisados com tosas de seda.
Novos chales de torcal e outros minios artigos modreos.
PARA CABERA RE SEWIIORA E ME\I\N.
Superiores cirfeitos de flores, gostos os mais modernos m Paris, chegados pele ultimo vapor franeez.
Lindas chapeos de palhada Italia enfeitados com muito gesto, a Imperatriz^a valeroy.
Ditos de palha para meninos e meninas.
Ditos de seda bordados. ,
Entremeios bordados largos o estreitos, tiras bordadas largas e estrena-., tiras de fustao bordadas para calcas de meomas, saias
bordadas e outros muicos artigos de gosto por precos mais comraodos do que em outra qualquer parte : na ra do Crespo n. 13, loja
das columnas de Antonio Corroa de Vasconcelos &.C.
LOTERA.
CASA DA F0HTUNA
nos IO.OOO$000.
O abaixo assignado faz scientc ao respeitavel
publico que vendeunos seus afortunados bilhetes
' garantidos a sorte de 2:0005 e outras muitas de
1005,405 e 205 da lotera que se acabou de ex-
' trahir em beneficio da Santa Casa da Misericordia,
e convida aos possuidores de ditos bilhetes a vi-
rem receber seus respectivos premios sem discon-
to algum em seu estabelecimento Casa da Fortuna
ra do Crespo n. 23.
O mesmo tem -exposto venda em sua dita casa
e as outras do oostume, os novos e felizes bilhe-
tes garantidos da sexta parte da primeira lotera
a beneficio da irmandade do Senhor Bom Jess
da Via Sacra, que se extrahira 21 do corrente
mez, e as sortes que tiles obtiverem serio pela
mesma forma pagas.
Precos.
Bilhetes inteiros..... 125000
Meios bilhetes...... 65000
Para as pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Bilhetes........ 115200
Meios......... 55600
________________Manoel Martins Fiuza.
*- Na rua da Unio n. 50 precisa-se de urna ama
que tenha bastante leite e seja limpa e sadia, nao
teudo Jillio, forra ou captiva : quem estiver neslas
circunstancias dirija-so mencionada casa.
Joo Vieira, subdito Portuguez, retira-se para
| o Rio de Janeiro.
Compra-se um ou dous moleques ou pardos,
de 12 14 annos de idado : na ra do Livramen-
to, loja n. 4.
- Compra-se um escravo de 33 a 40 annos, que
entenda do servico de sitio : na ra do Queimado
n. 13, primeiro andar.
YENDAS.
Farcllo e milho
Na praca da Boa-Vista n. 14, taberna das estrel-
las, vendem-se saccas com farello a 45000, dita
com milho a 35, peixes do diversas qualidades em
latas a 15200. __
No deposito da ra
dem-se ervilhas e centilhas
da Lingueta n. 6 ven-
de diversas marcas.
Chegado pelo >upor:
; fi para o vigilante, rna do Cres-
po ii. J.
At que chegaram as muito desojadas cascarri-
I lhas de todas as cores com urna litinha de velludo
no centro, cousa muito elegante para enfeite, assim
, como de outras qualidades, e precos muito razoa-
\ veis : s no vigilante, roa do Crespo, u. 7.
Para dar de mimo.
Chegaram as riquissimas lioneras de todos- os
taannos, vestidiuhos ricamentt enfeitados, cada
i um em sua caixinha, propriamente para um deli-
! cado mimo, por baratissimo preco : s no vigilan-
te, ra do Crespo n. 7.
Para os senliorcs Lachareis.
Chegou tempo a riquissima fita de cbamalote
para cartas dos senhores hachareis, assim como
branca, lisa, propria para abrir letras, ou para
smtos : so no vigilante, ra do Crespo n. 7.
Penlca de marrafa.
i chegaram os riqnissimos pentes de
A' venda.
Vcnde-se urna casa terrea de pedra e cal em
Olinda, com commodos para grande familia, na ra
da Boa Hora, com bom terraco no oitao ao p da marrafa com pedriiihas,os rndos"pctilKs'de regaco
estrada nova e confronte a casa do Dr. Estevao Ca- para meninas, meias de'seda e sapatinlios proprios
i valcanti de Albuquerquc : qualquer pretndeme para baptisados, meias de seda para senhora fitas
pode drigir-se casa de Joaquim da Silva Castro, de laa para debrum, fita de linho, trancas de laa,
na ra do (Crespo desta capital e com elle tratar do linho ede seda, uvas de seda a pellica, e lio do
do ajuste que para isso est autorisado pelo seu Escocia e camurea, allluetes de cabeca chata, car-
proprictario por morar distante desta capital seis teirinhas com todas as agulhas precisas para cos-
. Vicente CyrilloMa- tura, fivelas de madreperola esmaltadas de ac
leguas, e em Olinda com o Dr
rnho.
Aluga-se urna casa
tratar cora J. I. de M.
Trapiche, n 34.
em Bebiribe ; a
Reg, na ra do
Vendem-se travs de sicupirra e macarandu-
ba de 48 50 palmos : na estaco da estrada de
ferro e a tratar na rna Augusta n. 114.
Vendem-se doas bois muito mansos, e urna
carraca em muito bom estado : a tratar na ra da
Esperanza ou Caminho Novo n. 43. e ao compra-
dor se dir a vantagem que pode tirar deste nego-
cio vista das freguezias certas que tem.
Em casa de Mills Lalham & C. na ra da
Aluga-se a loja do sobrado ni 93 da ra Im- Crnz n. 38> vende. ferro galvanisado de um dos
penal, e o armazem n. 4 da ra de Apollo : na ra! melhores fabricantes inglezes, proprio para cober-
tas de casas.
da Aurora n. 36.
Aluga-se o primeiro andar da ra do Crespo
n. 23 : a tratar na loja.
Vndese a taberna da ra Direita n. 25,
tida e beni afreguezada : a tratar na mesma.
sor-
[Sa l'Ua do QllCllUadO n. 1 Vende-se urna machina para descarocar al-
deseja-se fallar sSrs. Gabriel Germano de Aguiar godio, a qual prepara 6 libras de algodao limpo
i Montarroyos e Joaquim Ribeiro de Aguiar Mon- de primeira sorte por dia, e tambem se vende um
' tarrnyos. motor para cavallo, obra muito bem feita, a qual
foi feita especialmente para mover a mesma ma-
china, sendo que tanto a machina como o motor
podem ser transportados com facilidade para o
centro : para ver e" tratar, na fabrica da travessa
do Carioca n. .
:*. a..
J. VIGNES.
BA DO IMPERADOR
2. &.
Os [anos desta antiga fabrica sito hoje assazconhecidos,para que seja necessario insistir sobre a
ua-superioridad!-, vantagense garcinias que offerecem aos compradores, qualidades estas incontesta-
veis qu e;elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; pos-
unido um teclado e machinismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
nunca 'alhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente meihoramentos importan-
tissimos para o clima deste paiz ; quaiKo s vozes sito melodiosas e flautadas, e por isto muito agrada-
vew aos ouvidor. dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como nado Sr. Blondel, de Paris, socio
corres|tondente de J. Vigiles, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposicoes.
No mamo eetabelecimento se acha sempre um esplendido e variado sortimento de msicas dos
iU''lhores compositores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido
por precos muito razoaveis.
PRESTEN TODA ATTENCAp
o '
PROTEJAM TODOS.
ciuc.iuqiij s.uoq.iiu sop sejjoj se scpoi ap ciug.) a otreui ejed snoisnm
OpCMID O SJ005 K JO op SUUIJ StSSEO S0U19pU3A
sojoo op iMiuiasea op sedeo
sojiaq ojiniu sce| op sojjoq
sepupjoq SBIBg
"onjeq sei es
sonbjBqiuaiiBg
sBjajd sBdB3
!l
bu ap oqied ap SBUi|adBi|;)
oiso3 oimiu ap soodeq;}
sopBpjoq
ODUq SOBItSM .ip S01JO'.)i
5*118 S0|Ald S|3|9)OBK|
Biibiju ciun .

sopi.-is.ijui soipsjv
BJadB' F9 S^ 'S*5 ipafl|odepBKi
OpBAOO O -SJ ((O B SBBq
i'PCAOO O -8J O'/g B SCSSC'J
SBtiuoq OllllUI SBH.H'J
'SOUi|B(I n| op a)ucun;j;|
OI|UI| op i.'i|iii:j,m;|
oi|uj ap NejaJsa
BDlUq Bpas Op
soiufs sopeAOj flg a sbuujiu 'e||ad
iuij sozojubjj soo|odi;pi:js -bj 'apuoiq ap sopjisoA sosia
KuyjioSj'V
SU!|H|| suyr|
tvpafi
'BquBUianv 8
essniJB 'suea cuiatB(8ai op Bjniiojip mo ?epui.\ sfipuazBj op oiuannuos opgijba o o||oq um
OBJBJIUOOU.I "Ka -A !fl 01UOUI!00|OqBlSa 0||0q 0SS0 B SBJOqUOS -SBIU\a lUBfJIOJd
aniiA S3W09 asor
M
l\ -e ilsdi^ opanj sKpuazKj ap oinara.ia|aiicsa 9|it|4*Hi o\
^OaOJL MV.rJLOHd
IdlOiSI 15 OTM
soui39xVvnisa a soMvanaivivMHad^
JTOVO ESTABELECIMENTO DE MEDICINA HOMEOPATHICi
RA ]^OVA ^. 43.
notas das eaixas filiaes do Banco tes premiados das loteras do imperio e estrangei-
ras, com tanto que nao tenham eahido em pres-
cripcao : no armazem da bola auiarella, oitao da
secretaria da polica.
gg C'ompaiihia fldelldade d
seguros martimos e ter-
B restres estabelecfda no
Rio de Janeiro.
AGENTES EM PEPNAMBUCO
Antonio Luiz de Olivcira Azevedo & C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidclda-
de, tomam seguros de navios, mercado-
ras e predios no seu escriptoro ra da
Cruz n .1.
O Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
Io e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua prois-
so medica, e com especialidade
sobre o seguinte
Io molestias de olhos;
de peito :
3o dos orgos geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rao examinados na ordem de suas
entradas romecando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d s I
GaslOdamanhaa, menos nos de-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
Co que julgar conveniente para o
prnmpto restabelecimento dos seus
loentcs.
Vende-se um sellim para montara de senho-
ra : quem pretender, dirija-se Capunga Velha,
junto do sitio ao Sr. Feliciano Jos Gomes, para
tratar.
parasintos, flores de todas as qualidades, caixinhas
com pastilhas de perfumara, abafadores de laa
para senhora, loucas e sapatinhos de laa, pulseiri-
nhas de borracha para segurar manguintos, fitas e
cordes de borracha, sahonetes redondos, ditos
chamados de familia, pomadas de todas as quali-
dades e dos fabricantes mais afamados, eolchetes
pratiados muito finos, retroz de todas as qualidades,
retroz em carretel e em novello, e de meada, de
todas as cores, cscovas para denles, ditas para rou-
pa, ditas para chapeo e ditas para unha, de todos
os precos, e outros mais objectos, que se tornara
enfadonho annunciar.e vista dos freguezes pro-
mette-se azer todo o negocio: s no vigilante, ra
do Crespo n. 7.__________________________
Cha hysson
da India, da primeira qualidade; vende-se em rai-
xas de t) libras cada caixa, por preco commodo
dnheiro : para tratar, na ra do Pilar n. 143, pri-
meiro andar, de manhaa ate 10 horas, de tarde das
3 at s ti.
0 GALLO CANTA
J sabido que, quando chega o vapor da Eu-
ropa, o gallo canta annunciando aos seus numero-
sos freguezes as galanteras de mais gosto e da ul-
tima moda que por elle recebe, como sejam :
Camsinhas para senhoras.
Riquissimas camisinhas com mauguitos e gra-
vatinhas para senhoras : s no Vigilante, ra do
Vende se urna taberna com poucos fundos :
na Estrada Nova, passando o sobrado grande, e. crespo n./.
passando a primeira taberna. _. ^"'njoiinnas.
--------------------------------------------------- Riquissimas cingolinhas ou gravatinhas, sendo
O b \ I O 'f AIV T A m icousa l,e riimtof>oslo> e a primeira vez que appa-
".,"*-',, ^i*-^-" M.1%.9 rece para as senhoras de bom gosto : s no Vici-
Nao e_ possiveUueo _gaHo,_vendo entra^em^seu ianlt rua o Crespo n. 7.
Hegulador de escripturacao rommei'-
cial por partidas d< Organisado na cidade do Porto e conforme o c-
digo do commercio que nos rege, obra bem des-
cripta e resumida para chegar ao alcance de
qualquer intelligencia.contendo alm disso i ta-
Ao publico.
Est aberta a subscripto na praca da Indepen-
dencia ns. 6 e 8, para a imprcssfio de um peridi-
co poltico, que ter por titulo o Nacional. O seu
programma j foi manifestado- nos Diarios de Per- j bellas comparativas dos antigos pesos, para com
nambuco do mez de setembro prximo passado. i os do novo systema mtrico decimal e vice-versa
Subscreve-se a 33 por trimestre, pagos adiantado.! e do aotigo systema de medidas, ella muito
Logo que se obtenha suflicienie numero de assig-' precisa c necessaria e mu principalmente agora
nantes saldr o primeiro numero. O Nacional ser que poneos se acnam ao par das medidas que
publicado em grande formato, duas vezes por se-, actualmente se tem adoptado e por isso muito til
mana. ao commercio, pelas quaes explica^es podem fa-
Ainda est por alugar-se o segundo an" zpr o: P^mpto qualquer reduccao, e custa a in
ninho objectos de elegante gosto, deixe de dar o
seu canto, annunciando aos seus freguezes, para
que mandem ou venham ver para querer, a saber:
Enfeitrs
Chegaram os nquissimos enfeltes e grinaldas de
flores, cousa muito delicada e de muito gosto, pois
s as senhoras poderao apreciar : s no vigilante,
rua do Crespo n. 7.
Flores
Tambem chegaram os delicados ramos de flores
matizados de lindas cores, que servern para qual-
quer enfeite : s no vigilante, rua do Crespo n. 7.
Cintos
Tambem chegaram os novos c delicados cintos
com fivella, guarnecida de pedrinhas e duas borlo-
tnhas no centro, cousa de muito gosto : s no vi-
gilante, rua do Crespo n. 7.
Itanileijas
Pcntcs de concha.
Ha para chegar riquissimas guarnieres de pen-
tes de lindo gosto, tanto para atar, como para mar-
rafas, por precos razoaveis : s no Vigilante, rua
do Crespo n. 7.
Redes com lacinhos de fita.
Lindas redes pretas e de cores.com um lindo la-
cinlio de fita para conservar o cabello, pelo barato
preco de IfioOO; assim como os novos enfeites pa-
ra cabeca a 35000, 45 e 35000 : s no Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
Ligas.
Riquissimas ligas de seda de bonitas cores a
I5.JO; assim como fita propria para o mesmo ef-
feito a 500 rs. a vara : s no Vigilante, rua do
Crespo n. 7.
Lucas de Jtmvin.
Tambem chegou e ehegan? por todos os vapores
I grande sortimento de luvas de Jouvn, oude os fre-
dar do sobrado n. 44, em a rua da Auro-
ra : quem o ijuizcr dirija-se esta mes-
ma rua casa n. 10.
Gte qnantia de 13200 cada exemplar roa
da Cruz n. 18, escriptorio de Jos Joaquim Lima
significante
da Cru:
Ha i rao.
Precisa-se de urna escrava ou escravo para alu-
gar, para andar com fazendas na rua com outra
pessoa, paga-se bem : a tratar na rua do Queima-
don. II.________________________________
Aluga-se um sitio na Casanga com excelleo- qnalidades,apromptam-se ricas grinaldas e boquets
te casa de morada, a qual se acha pintada e for- para casamentse bailes, d-se tambem lices de
rada, tecdo excellente agua potavel, cocheira e es- flores s familias que quizerem aprender,
tnbaria, quartos para pretos, galinheiro, excellen-
Aluga-se o sitio da senhora viuva Carvalho,
em S. Jos do Manguinho, com boa casa de sobra-
do, esteiiada? quartos para criados, es ribaria,
fructeiras, baiva de capim : no mesmo sitio se di-
r quem trata do aluguel.
A1 te 11 cao
Na rua estreitado Rosario n. 19 trabalha-se com
toda a perfeigao em bordados e llores de todas as
te banho por se achar a margem do no Capibaribe,
grande numero de arvores de fruclo, e baixa de
capim : a tratar na 111.1 Nova a. 13 com Antonio
Roberto cFilho.
A111 si. el.
Aluga-se por festa ou por anno o sitio da Pitom- i _
beira, no lugar da Casa Forte, com boa casa, com
muitos commodos, com cocheira, estribara e quar-
tos para criado e fetor, cacimba com muito boa
agua de beber, tanque, e todo murado, com muitas
arvores de fructo : a tratar na rua do Sebo n. 24.
Aluga-se urna casa para passar o verao, com
commodos para familia, confronte ao Caldeireiro,
margem do ro : a tratar na rua da Cadeia do
Hecife n. 29.
de marmor-
meio dia a;<
O Dr. Sabino O. L. Pinho mudou o seu CONSULTORIO para aloja
roa Nova n. 43, onde continua a dar consultas todos os dias uteis desde o
i horas
Os-enfermos, que o procurarem logo na invasao da molestia, sem que hajam to
:mado qutlquer remedio, nem allopatliico, nem homeopatbico, pagarao metadedos preffr
-..'stipuladcs. Esta coneesso tem por lim facilitar a cura de molestias, que podem tornar
se complicadas pelos emprego intempestivo da therapeutica e ao mesmo tempo adquir)
para a hoaieopathia maior numero de adeptos pela bateza da ura.
Em attenco as pessoas pobres, que nao podem sahir de dia, o Dr. Sabino resol
ven dar dina consultas por semanas nasterras e sextas-feiras das seis as sete horas da
noite.
Os chamados para visitos e cenferencs devem ser dirjgidos por escripto ao con-
suUofo desde 8 horas do dia at 8-da noite, na certeza de que serSo attendidos na orden
-JesuanreceaVjeia, salva a circumstaneja de.eminente perigo.
lUllllfl \(ll.
O novo eensultono est prvido dos melhores medicamentos, desde a primein
aU; a trigsima dynaminjsaco.
Ecomo os mdicos hespanhes e allemaes nao cessamde certificara raajor effi-
caeu das uitissimae dynaminisacoe* do .tratamento das molestias chronicas, o Dr Sabino s
ocenpa agota de elevar os seus medicamentos s potencias mais altas (por ora at 200a)
alim e verificar por si mesmo a forca dynamica, que se lhe atlribue.
Os mdicos, que quizerem experimentar tae* dynaminisacoes poderao dirigir ao
consultorio suas recatas, que sero aviadas gratuitamente para os pobres.
No mesmo consultorio se vende a novissima edicao do Thesouro honmpathicc
ou Vademcum do homsopatha, obra indkspensavel a dos que querem usar da nemeo-
patiia.
Tudo o que4iz respato nova medieina se acha abwidantemente neste novo eatabe-
aecimento.
BAICO l YIA O
ESTARELECIDO NA CIDADE DO PORTO
Agentes em Pernambuco
Antonio E.11Z de Ollveira
Azevedo k C.
Sacam por todos os paquetes sobre o
mesmo banco prazo ou vista, sobre a
caixa filial em Lisboa, e agencias em Fi-
gueira, Coimbra, Aveiro, Vizeu, Villa-
Real, Regoa, Vianna de Castello, Guima-
ries, Barcellos, Lamego, Covilha, Braga,
Penafiel, Braganca, Amarante, Angra,
I Iba da Terceira, Ilha de Faias, Ilha da
Madeira, Villa do Conde, Valenca, Bastos,
Oliveira de Azemeis, Chaves e Fafe, a
oito dias vista ou ao prazo que se conven-
cionar.no seu escriptorio rua da Cruz
n. 1.
dades de lindos desenhos, que se vendem por pre-
sos baratissimos para acabar : s no vigilante,
fu do Crespo, n. 7.
Pomada real
Tambem chegaram os bonitos copos de poreel-
lana fina com banha e com lindos retratos, sendo
privilegiada pela rainha de Hespanha : s no vigi-
lante, rua do Crespo n. 7.
Saboneles de familia
Grande sortimento de sabopetes para todos os
SreQOS, de superiores qualidades, a 100, 200, 240,
-80, 320, 400 e 300 rs.: assim como estojos com
todos os preparos para limpar denles pelo barato
preco de 3#000 : s no vigilante, rua do Crespo
n. 7.
Delicadas lesoiirinhas j
Grande sortimento de tesourinhas, tanto para
unhas, como para costura ; assim como muitos
outros objectos de gosto, que nao possivel anntin-
ciar pela grande variedade de sortimentos, cojos
precos serao menos do que em outra qualquer
parte : s no vigilante, rua do Crespo n. 7.
ua da Scnzalta Aova n. vi.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a 110 rs., idemde Low
Moor libra a 120 rs.
Toda nttenco.
Vendem-se os pertences da fabrica de velas do
pateo do Terco n. 29. contundo caldeires de ferro,
formas para vellas, bancos, corlideiras para sebo,
palanca, chapas e portas de forno, tudo em bom
estado ; assim como urna grade envernizada para
guarnecer escriptorio, tudo em bom estado e por
diminuto preco, pois que os donos esto dispostos a
acabar, em cnsequencia de nao continuarem com
o estabelecimento de vellas : a tratar por cima da
mesma fabrica, primeiro andar.
Xo armazem de fazendas bara-
tas de Mantos Coelho
RUA DO QUEIMADO N. 19 VENDE-SE 0 SE-
GUINTE :
Cobertas de chita da India
pelo barato prego de 2(XK).
Lencos
Rosarto n* VwhT 'nV'ruV da" OT "" i d Lencocs
de bramante de linho fino pelo barato preco de
350OO.
Lencos de cassa
brancos, finos proprios para algibeira pelo barato
proco de 2000 e 25i00 a duzia.
Fil liso lino
pelo baratissimo preco de 680 rs. a vara.
Uadapolo lino
1 pecas de madapolo largo superior pelo
mo" prego de 8#000.
Ricas saias
Riquissimas bandeijas de chanto e outras quali- uez(.s podem escolher : s no Vigilante, rua do
Aluga-se o segundo andar do sobrado n. 17,
na rua do Livramento, com excellentes commodos:
a tratar na rua do Queimado n. 53.____________
Aluga-se um prelo bom cozlnheiro e para to-
do servico de casa: a tratar na rua do Crespo nu-
mero 1, loja.
Na travessa dos Expostos, sobrado n. 16, pri-
meiro andar, apromptam-se bandejas de bolinhos
para bailes e casomentos, muilo em conta, com
suas armacoes, e boquets de cravos e rosas ; na
mesma casa tem para vender flores para festas de
igrejas, ditas linas para senhoras e meninas; tam-
bem tem velas de carnauba muito boas de 6 e 14
em libras : quem quizer, dirija-se dita casa, que
tudo mais barato do que em outra qualquer
parte.
Na botica do pateo do Carino precisa-se de
quitandeiras para vender pelas ras, adujadas.
Precisa-se de urna ama para eozinhar em
: casa de ponca familia : na rua Nova, loja n. 7.
Aluga-se o primeiro andar da rua estreita do
Crespo n. 37.
Entremeios e babadinhos.
Tambem chegou grande sortimento de entre-
meios e babadinhos. que se vendem pelo barat-
sima prego de 1500 a peciuha : s no Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
'celas para cinto.
Tambem chegou grande sortimento de lindas fi-
vcllas de ac e de metal com pedrinhase sem el-
las, pelo barato jireco de 25 e 2J500. dando-sea
fita para as mcsftis : s' no Vigilante, rua no
Crespo n. 7.
0 GALLO CAMA.
J sabido que o gallo nao podia dehar de can-
tar, annunciando a seus numerosos freguezes os
riquissimos pentes, que acaba de receber por este
ultimo vapor.
Filas econmicas.
A loja do vigilante acaba de receber urna encom-
mendade filas especiaes para haras de vestidos,
assim como para del ruin, cousa muito bonita, e
procos baratissimos : na luja do vigilante, rna do
Crespo n. 7.
Uonels.
Tambem acaba de receber os bonets de linho,
proprios para passar a festa, torna-se muito econ-
mico por ser multo leve, podendo-se lavar e engom-
mar ; precos de ISoOO cada um : na loja do vigi-
lante, rua do Crespo n.7.
Suspensorios.
Chegaram os superiores suspensorios de seda e
de linho. e que se vende por precos baratissimos :
na loja do vigilante, rua do Crespo n. 7.
'.' hallu
Para se passar a festa aluga-se urna das melho-
res easas da povoacao por ser bem confronte a
igreja, com 2 salas, 6 quartos, cocheira para guar-
dar carro, estribara para ca val los: a tratar com
Jos Pacheco da Fonseca no mesmo lugar.
baratissi-
A
/
/
Machinas
al
para deseu*ocar
godio.
Saunders Brothers ctC, tendo receido
pedo ultimo navio machinas para descarocar
algodao tanto para ter movida por mo co-
mo pr animaes, convidan? aos senhoras que
tem retaces com os plantadores de algodao
^----------------------^
Magina ata bom to no Manguinho, com bas-
tante* arroredot tfructo, boa caga de vivenda,
casa fra coa OJ fcLpretos, estribara, ca-
cimba com boa agua, tanque com casa para ba-
ndos : quem o pretendar, dirija-se rua Nova,
loja de calcados n. 7. '
Aluga-se a primeiro andar da =obrado da rua
4)0 Amorim n. 58; a tratar na roa da Cadeia n.
6t segundo andar.
Aos *rs. administradores da
Maesa fallida doV Br. lose
Antonio Basto.
Fede-se que fljgam quanrfo preten-
den! fazer segando dividendo pelos
eredorrg de a massa.
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama que teuha bom leite,
prefere-se escrava : na rua da Senzala Velha n.
22, segundo andar.
Aula particular.
O padre Flix Rarreto de Vasconcellos, na rua
do Imperador n. 3o, segundo andar, contina a ter
abertas, durante as ferias, as suas aulas de ltiro,
e franeez, tambem d explicagoes de philosophia e
rhetoriea em sua casa, e por casas de familia li-
ces de grammaca portugueza, latina e franceza, doces e tambem com ovos ; e breve mandar fa
e de arithmetica: quem do presumo do annun- j zer as excellentes roscas que se usam no Porto,
ciante quizer utilisar-se, procure-o na sobredita
casa.
K\Ti\(.lE!INi;
AS FORMIGAS.
Com o emprego das velas mixtas compostas de
ingredientes taes que, estes daninhos insectos aspi-
PreclMr-e para casa de familia alugar urna
ama que salba eozinhar, lavar e engommarv a
tratar na rua do Caes 22 de novembro, n. 30, e
da junto ao buhar dos arcos, segundo andar, e
(rada a esquerda.
Precisa-se de um feitorou de um preto que
enteoda do servico de sitio ; na Praca da Boa-
Vista, n. 26, se dir quem precisa.
MMA.
Precisa-se de urna ama para cosinhar, comprar
e engommar pouca cousa, em urna casa de pouca je fUSfjj0 a 33300
familia : a tratar na ruado Fogo, vindo do largo '^d-. u 1 ., 1,,
de S. Pedro, no primeiro sobrado do lado direito. 1 ecas ae Dretanna
de rolo com 10 varas propria para saia a 35200.
~ J~7~' Pefas do cambraia \
>4 O i) HUICO \ adamascada para cortinado com 20 varas peloW
Manoel Ignacio da Silva Teixeira, com padaria rat0 PreC de i0*OO- .,..,,
no pateo da Santa Cruz n. 1, e na casa inmediata Bramante ae linno
da rua do Rosario n. 35, continua a mandar fabri- fino com dez palmos de largura pelo barato preco
car, alem do pao de differentes denominares e la- de 2300 a vara,
manhos, e da melhor farinha que vem ao mercado, Toalbas alcochoadas
a antiga bolacha turada de ditTerentes tamaitos, para miio pelo baratissimo prego de '5000 a du-
ht'in como de 5, 10, 20 e 40, sem que lhe ajunte a zia.
menor partcula de oleoso, trabalhada a braco, Atoalhado de linho adamascado
propria para saos e doentes, e igualmente a boia- n,0prio para toalha de mesa a25300 a vara,
cha quadrada, maior e menor, trabalhada no cy-; Algodao monslro
com 8 palmos de largura pelo baratissimo preco
de 15000 a vara.
Braga e Barcellos, tambem'com ovos, e que annun-1 Crles & ca'C
ciar o dia, tudo fabricado com esmero e aceio, e de ganga amarella de lista e de quadro fazendasu-
.4 i SOU o cento.
Na taberna do Campos, na rua do Imperador n.
28, vende-se o cento de charutos missos a I5(KX).
Prelo c farinha
Continua-sc a vender saceos grandes com farelo
de Lisboa, farinha de Santa Camarina, arroz de
casca e milho : no armazem da aurora brhante,
larg da Santa Cruz n. 84.__________________
L0JA0PHEGI!(1I
NA
,^1na do Queiiuadi n. 2.
Vcndem-se pecas de madapoln fino enfestado
corfi 12 jardas por 35, cambraia preta a 500 rs. a
vara, meias de seda de peso para meninas de 1 a
l)d annos a 25 o par, lindas e linissimas cambraias
lindro, assim como biscoitos, fatias e bolachinhas
precos razoaveis, conforme a qualidade.
COMPRAS.
perior pelo baratissimo preco de 15200 o corle.
Liazinha de quadro
de gosto inteiramente novo pelo baratissimo preco
i de 480 rs. o covado.
Pecas de cambraia de salpicos
I fina com 81/2 varas pelo baratissimo prego de 45-
e cores a 30 rs! o covado, paletots de alpaca de
lodosos tamanhos para meninos, ditos para lio-
mem a 35, 4 e 35, chitas francezas de bons pa-
drees e cores Hxas a 320 e 300 o covado, ditas es-
trellas a 240 o covade, baldes de arcos a 35300 e
45, ganga de quadrinhos a 320 o covado, coberto-
res de algodao a 1-3200 cada um, lencas de cassa a
80 rs., 100, 120, 160 e 200 rs., e outras muitas fa-
zendas que se vende por barato preco, e de ludo
se dar amostras : na rua do Queimado, loja do
Ercguica n. 2._____________
Vinuo de Lisboa a 2,->>0() s caada,
fa a 320 rs., de Porto fino a 700 rs., duzia a
rs., canoa a 800 rs. a caada, garrafa a 120
^pimenta do reino o hervadoce a 240 a libra,
comfin'.'n a 400 rs., espermacete a 360, cha muito
bom a 2*'.qp, caf a 260 rs., arroz a 80 rs., touci-
nho a 360, **nteiga inglcza a 800 rs., fia necia
a 560, latas di ^Vinhas a 340, sag a 280, azeito
doce a 600 rs. a ^-j^vinagre a 200 rs., c ou-
tros muitos genero- ^ ^atos para liquidar :
na rua larga do Rosai. itebaixo do sobrado
de um andar junto a es-.,.....*.
r
rando urna s vez a tanaca deste lethal mixto, ^H^^n^M^^SiiS.^ P** decambraia de n
morrem inevitavelmente ; o que nao acontece com pracauanoa vista, n. zo, se oir quem compra. pe,0 barassimo dc JJ|)0i
as velas mixtas communs, as quaes longe de mata Na taberna do Sr. Campos, no fim da rua, Esteira da India
rem pela umaca, obram pelo excessivo calor, o estreit do Rosario, ao voltar para o pateo do Car-
qne as torna canssimas, atiento exigir duzias para mo, compra-se um braco de batanea com os seus
o effeito de urna s, das do systema do fallecido pesos de 1 10 arrobas.___________________
pyrotrktcliimcoauflno. Para amostras oeneooimen-1 Compra-se para montara de um offlcial de
das no oitao da secretaria de polica, armazem da. cavallaria da guarda nacional os pertences de um
bola amarella. I sellim, inclusive coldres, manta, cabecadas, etc.,
Aluga-se urna casa para grande familia, com peratriz n. 22, e rua do
sotao, estribara, coeheira, casa para pretos e fe- fa n. 47, rua das
tor ( urna outra oais pequea no lugar de San- j sagem, taberna da esqu
t'Anna de dentro : para ver e fallar, com Joo Va- para o Remedio' e no arnun
nanejo Hachado de raes, e na loja do Passeio n. 7, \ oa Penha n. 10.
^If^AJ Jfi XQffll&'tXSfflJl '.'tc- : na Prai^a da Independencia, loja ns. 37 e 39.
Continua a rfltverpaa*!sml&!fotog%iL Compra-se effectivamente ouro e prata em
quartas e sabbados a eada somata, na padaria obras velhas : na praca da Independencia n. 2x t-
em Santo Amaro ao p da Mtelo, aa rea i i lrt-, a de bilhetes.
para forro de sala de 4.3 e 6 palmos de lareura.
VE\IH\-SIS
urna boa tina e nova, propria para deposito de
agua era jardim, ou para tomar banhos, por bara-
to preco : na Capunga Nova em casa do Amaral
Jnior.
Venda de urna hypkrfheca.
Os liquidalarios da massa filuda de
Jos Antonio Basto vendem a rvpothe-
ca que tem nos enjsen los Itlatto Gn-sso
e Cajaboss no termo .-'e Serinbem no
valor de 3i:835$9H r>:.; tratar as
casas a rua do Trapiche n.
Cal de Lisboa e potasa* da
Knssia.
Vende-se na rua da Cadeia do Recite n. 26, para
onde se mudou o antigo e acreditado deposito da
- Compra-se cobre lato vello
I na rna da rjdeia do H ecife n. 36, pri- 041* ""mos os wn 0T08 e
TT.i i r leginmos, e se venden a preco mais barato do que
metro andar. I outra qualquer parto.
FARINHA FONTAlA.
Farinha da muito acredita a marca
Fontana "esernbarcaria hoja, vcudc-se
por preco mais commodo o nue em
qualqner ontra parte : na f na da Cruz
n. 4 rasa de N. 0. Bieber \ C. succes-
sores.
Cofre laglez.
Vende-se por preco commodo um fcofre injrlez,
prova de fogo, e muito seguro, com pou|co uso : na
rua Direita n. 84. nadara.


Diario de Pernambueo Quarta elra 11 le \ovembio de lOS.
**

f
e-ia, rapasiada, coragem! parece queja
NOVA LIQUIDACAO
le fazendas inglezas, franeezas, allemaase suissas,
que se pretenden) liquidar antes da fcsta do na-
tal, por precos baratisslmos, allm de apurar di-
nheiro, sendo a maior parte destas fazendas in-
teiramente novas, chegadas pelos ltimos vapo-
res ; de todas se dao amostras, deixando penhor : eniregastes OS VOSSOS joanetes aos duros sei-
na loja e armazem do pavao, ra da Imperatriz (xos do pessimo calcamento da nossa cidade !
n. 60, de Gama & Silva. j s se observa em vossos ps botinas acalca-
As laazinhas do pari. nhadas e gastas at ultima sola; sapates
Vendem-se as modernissimas laazinhas eom 9 rasgados e quasi sem saltos___nem tanto I
palmos de largura sendo lisas e de quadrinhos, a quebradeira io deve chegar at este pon-
E^Jft^&oXdarSSaS^ t **> "ia Direita mu*nir-vos de excol-
mos, usase de quadrinhos a 500 rs., ditas garibal- iente calcado com 40 e at 60 por cento
dinas a 400 rs., ditas enfeitadas de quadrinhos a menos do seu valor___attendei:
360 rs, bareges matisados muito Unos aSOOrs^ Borzeguins, Nantes, bezerro e va-
laazinhas transparentes eom palmas de seda a 500 ^ 2 mea &^
ins, Nantes, bezerro, va-
queta e lustre 2 solas. .
Os cortes de tambrata que vende o pavao. Borzeguins, franccz e hamburguez,
Vendem-se cortes de cambraia branca com ba- hezprrn Insto *> mnm a., nnr
bados a 25500, ditos a 35000, ditos a 45000, ditos DezejT0' lustre e couro de Por"
chinezes a 45000, pecas do cambraia transparentes COj&q........
adasmac:i e meia a :!tMOO, ditas lisas brancas e de cores al ta 2 e meia solas.
5jO0,:j,;{550(1, Weo5, pegas de cambraiadcca-conatops N-lntP viriiipti iKtre p
rocinhos tendo 8 varas e meia cada urna, sendo bran-; ^ 'j, ,S' Vdtlueu' lustre e
cas e de cures a 35300, ditas a 25300, pecas de bezerro 2 solas......5#000
45000
35500
25800
800
15400
15000
15000
500
rs., ditas matisadas a 320 rs. o covado: s na loja nn4U^ta-
do pavao, ra da Imperatriz n. 60.
85500
85000
65000
55500
dem de lustre s avessas
m
confeito e especifico para
expellir os Vermes,
cambraia para cortinados, sendo tapadas e trans- SapatSes, Nantes, sola e vira. .
prenles com 20 varas cada peca a 95000, isto tu- Ditos para menina, comlaco. ,
do para apurar dinheiro: na loja do pavao, ra da Dto j djte d
Imperatriz n. 60,de (jama & Silva. i __ ,
*^ Sapatos para senhora e homem,
Os cuales do pavo de Mocainbiquc a i:000. | tapete.........
Vendem-se os mais modernos chales de Mocam- Sapatos de borracha para senhora.
bique, sendo de urna s cor, com barra e muito |jm pm _. mpn;noa
grandes, pelo baratissimo preco de 45000, afflan- 'dem 'em W meninas. .
eando-se serem os mais modernos do mercado, di- aapatos de lustre para senhora.
tos de merino estampados a 25000, ditos a 35000,
ditos muito linos de rrepen com 4pontas e ponta
redonda a 650U0, 75000, 5000 e 95000 : s na
loja do pavao, ra da Imperatriz n. 60, de (ama &
Silva.
0 pavao vende eascmiras a 1:600.
Vendem-se eascmiras franeezas enfestadas, pro-
prias para calcas, Golletes, palitos e capas para sc-
nhoras, por ser de urna s cor, sendo fazenda que
sempre se vendeu a 35000i liquida-so a 15600 o
covado : s na loja do pavao.
0 pavo vende chapeos de sol para senhoras a
1:000.
Vendem-se chapeos de sol, a ingleza, sendo co-
bertos de linho e forrados de verde, proprios para
senhoras que forem passar a festa, ou para meninas
levarem para a escola pelo barato prego de 15000,
ditos marqiierinlios de seda com franjas e cabo de
dobrar a 25300, ditos de seda para homens, sendo
com armacao de baleia a 65000 e 75000, isto para
apurar dinheiro : s na loja do pavo, ra da Im-
peratriz n. 60.
0 pavo vende cachemiras da Escossia, corte
2:210, covado OSO rs,
Vendem-se corles de cachemiras da Escossia,
para calcas, pelo barato preco de 5240, tendo da
mesma fazenda para vender cm covado a 640 rs.,
sendo esta fazenda muito encorpada, a iinilaeao de
casemira, cgarante-se que nao desbola. Tambem ,
se vendeni cortes de casemira ingleza, decores es-
curas para calca pelo barato preco de 15800 cada
corle, ou a 300 rs. o covado : s na loja do pavo,
ra da Imperatriz n. 60.
0 pa>o vende os vestidos blancos bordados.
Vendem-se os mais ricos vestidos de cambraia
brancas, bordados croch, sendo os mais moder-
nos que ten viudo ao mercado, tendo as saias 4
palmos, e vendem-se polos baratos precos de 105.
125 e 165000 : s na loja do pavo, ria da Impe-
ratriz n. 60, de Gama fc Silva.
A's perliinclias do pavo. anles que se acnbem.
Iticos corles de cambraia branca com babados e
duas saias bordadas croch, tendo bstanle fa-
zenda para vestido, pelo baratissimo preco de 35000
cada um, dilos de cambraia de seda com barra e
babados a 25300, para acabar, corles de vestidos
a Alaria Pa, sendo fazenda de bonito gosto a 35300,
cortes de cambraia brancos com babadinhos a 25,
enfeites para cabeca, sendo Garibaldi e turca a
.500(1 ditos com filas e flores a 5000, c.imizinbas
tiorda%i< para senhoras a tfOOO, mfitfQilos de va-
rio* modelos a 400, 300 e 640 rs., calcinitas para
meninas a ."00 e 640 rs., gollinhas bordadas a 320
300 rs., sedas de quadrinhos a 640, ditas de listas
a 'i(K) rs. o covado, fusto para vestidos e roupinhas
de meninos a 310 rs. o covado, alpakim ou sorgu-
rao de littio a 260 rs.. ganguclin de una s cor a
120 rs. o covado, toallias de linho adamascadas,
para rosto a 1-5000. vesluarios para meninos eme-
ninas a 15600 e 2>0. liras bordadas eenlremeios
mais barato que em ontra qoalqaer parte, ludo isto
pechincha e vende-se para liquidar : na ra da
Imperatriz n. fi(r, loja c armazem do pavo, de Ga-
ma & Silva.
s
Os meninos &a podein i gritos, porque
ellns sao do cheiro, sabor u cor agrada-
veis. A elegancia, a segaridade de ac-
cSo, o inoffeneivo das
Pastilhas Vermfugas de Kemp
A PAR I)A BOA
Contpo.sicso exclusivamente Vegetal,
silo estas pois as Buae melliores e mais
competas de tenias as recommendaces
que se possa fazer e com justa raao as
eolloco na categora d'uin favorito uni-
versal.
A superioridade Pastilhas de Kemp
sobre todas as preparaces destinadas
para o mesmo liiu dovido sua sim-
ples cotnposico o sen aroma agrada-
vel e rapidez e infallibilidade uom
qne alcanca a deafrnicSo total das
LOMBRIGAS.
venda as boticas de Caors t Barboza,
ra da Cruz, e Joo da C. Bravo C, ra
da Madre de Dos.
~ltip"
b
(riisilenaples a I:.'ifl0, na luja do pavo.
Fazenda IJ300, 15600, 15800 e 25000
loja do pavo, ra da Imperatriz n. 60.
A
.\ toUa para a Congregago ; pechincha.
Paletots de casemira a 3, 6, 7, 8, 12 e 145000
ditos de panno prelo e azul a 0. 10.
, 12, 16 e 185
so na ditos sobrecasacos de panno muito fino por 24 e
285, ditos de alpaca preta e decordo a 4.3, 6 e -
avio vendp inri I It Ca'C'Y K SnSSf?*** C.ZCS! 1' 6' 7 e 85000' Dilos de OlCO flloconne a .
u |ia\ai. \t me pai a uno. ditas pretasa 65300, 8, ) e 105, paletots de fuslo
Vende-e Dnissimo selim da China, fazenda sem e ganga a 25, 25800, 3 e 45, calcas c eolleles de
NJEJ1 NE V\m JMI.
QU1NQU1LHARIAS.
Ra do Queimado, ns. 49 e 55, lojas de
Jos Bigodinho, queiram ver ver as fazendas
que abaixo annuncio, pois todas eu garanto
que sao muito novas e baralissimas.
Pecas de trancas de algodo de to-
das as cores a....... 80
Duzias de linhas com 200 jardas, A-
lexandre, a..... 1)J100
Carritel de qualquer numero 100
Varas de aspas para balo 80
Caixas com superior obreias a 40
Ditas de colla....... 80
1 libra de laa sortida ..... 4^000
1 libra de la muito superior em co-
res e qualidade......7)5000
Pares de botoesde punho a ... 120
Pares de sapatos de tranca 10280
; Ditos muito superiores, a 15600
' Caixas e pacotes de papel amisade de
cores a. ....... 600
Duzia de meias muito finas para se-
nhora a........3500
Duzia de ditas cruas para homem a 2*400
Baralhos muito finos para vollarete a 300
Carrileis de linha com 100 jardas a 30
Cartees de linha branca e de cores a 20
Novellos de linha com 400 jardas a 60
Ditos muito grandes com 800 jar-
das a .......120
Car toes de linba com 200 jardas (est
se acabando a...... 60
Vara de fila preta com cohetes para
vestido, e tera um resto parda a 100
SEOT SECUNDO.
Objectos de tintura e msica.
Na ra do Queimado, ns. 49 e 55, est!
queimando ludo pelos precos abaixo deca-
rados, e prestem toda a attenco para ver
oque bom ebaralo.
Duzia de facas e garfos muito finos a 21500
Dita dita dita de cabo preto muito
finas a.........35200
Dita diladita de balance melhor.a 55500
Tesouras para costura, muito fi-
nas a .........400
Ditas ditas para unhas, muito finas a 400
Cartas de alfinetes de ferro a 80
Ditas ditos de lalo muito finos a 40
Ditas de dito grandes..... 120
Caixasde phophoros de pao 10
Grosa de dilos do gaz a 20200
Duzia de dito dito a 200
Masaos de palitos para dentes a 160
Aboloaduras para coletes a .... 160
Escovas para roupa.muito finas a 400,
500 e.........800
SEM SEGUN1IO.
PECHINCHA.
Perfumara de superior qualidade.
O rival sem secundo, ra do Queimado,
ns. 49 e 55, esl disposto a vender mais ba-
rato que nunca vendeu, para o que queiram
ver :
Duzia de abneles finos a 720
Sabonete inglez, o melhor, a 160
Frascos com agua de Colonia muito
lina a......., 400
Ditos de dita grande a 500
Ditos de Lavande ambreado, o me-
lhor, a........500
Ditos de macaca oleo muito boma 100
Ditosperola muito superior a 200
Ditos de oleo de babosa a 240, 320.
400 e......... 500
Ditos de banha branca a 320
Dito de cheiro muito bonitos a 500
Ditos de banha, pequeo, muito fina
..........200
Dilos de opiata a 2"0 rs., e boa a 900
Ditos de banha japoneza a 800
Ditos de banha transparente a 720

o
Attenco!
Posto que domine no cora-
Co do BALIZA a mais bem en-
tendida ambico de tirar de
seu negocio as melhores van-
tagens, com tudo elle nao pro-
cura fazer fortdna vendendo
gato por lebre;
Quando nao se negocia aca-
nhadamente,est bem ao alcan-
ce de todos a facilidade de fa-
zer-se boas compras, para ven-
der-se barato.
LEDE! LEDE
Lelans todos.
Ao armazem do BALIZA po-
dem ser devolvidos quaesquer
gneros qne por ventura no
sejam do contento dos senta-
res compradores. Nao fica
resentimento algum em se tro-
car por otrtre, ou restituir-se
o dinheiro recebido,
Mantcr a todo o custo o seu
'rdito, e agradar aos seus a-
migos e freguezes, todo o
desejo do proprietario deste
estabelecimento,
LEDE!
Sempre a frente do progresso,
Constante marcha o BAUZA.
Tena por norte o bem coniniiini,
A verdade por divisa.
JHA1I)E
DE
TMrt
,PlE
ELi
S
lustro, proprio para vestidos de senhora, para ca- todas as qnalidades e por preco muito barato len-
ca- e ruiipa para liomeiii. tendo esta lazenda seis roes de puro linho a preco de'25800 e 35 ruer-
pnlinos de largura e sendo mmto leve, vende-se tas de cinta a 252W, colarinhos de linho'puro a
600 rs. cada um, eoulros muitos olijcctos que s
pelo baratissimo preco de 25200 o covado, garan-
indo-se qoe nao se torna ruca, e vende-se nica-
mente na ra da Imperatriz n. 60, loja do pavo.
A rarnalia Vende-se cera de carnauba em saceos, por preco
muito em costa, ou mais barato do qoe em outra
qualquer parle : a Halar na ra da Imperatriz n.
a vista :
guezes.
e para isso se pede a attenco dos fre-
RIVAL
,500
A 15300 a lata de verniz ou alcalrao do paz,
com mais de tres caadas c meia : no armazem
da hola amarella, no oitio da secretaria do po-
lica.
80, loja de (lama \ Silva.
Sedas do pavao a .'00 rs.
Vendem-se tenas de quadrinhos com pequeo
loque de mofo, pelo baratissimo preco de .'00 rs. o
covado, ditas em perfeilo estado a* 800 rs., ditas
rom listas, para acabar a 400 rs., gorpurao de seda
para vestidos e roupa de meninos a 15000 o cova-
do : na loja do pavao, ra da Imperatriz n. 60, de
iaina i\ Silva.
0 organdv il pavao a 300 rs.
Vende-se Qaissimo organdy matisado, branco,
inca vestidos, pelo baratissimo preco de oOO rs. a
/ara ou 900 rs. o covado, cassas franeezas flnissi-
inai a 240 e 2S0 rs. o covado, ditas com jalmas
(pandes, fazenda inteiramente moderna a 440 rs. o
(ovado : s na loja do pavo, ra da Imperatriz n.
(.0, de Gama & Silva.
0 pavo vende roupa feita barata.
Vendem-se palitots de casemira de cores debru- elle foi julgado til e eficaz nao smente
uados, pelo baratissimo preco de 65000, ditos sem as a/feccoes leprosas e em alqumas outras
^.tiE!l^etLVS%C8aS: ZleStaSf'f r*U< reMdes, mas tambem
: 5000, ditas de ganga e hrim a 25000, palitots de "as esaoulus a sgp/ulis. E enfim, al-
alpaca preta, saceos e sobrecasacos a 45300 e 5, SlinS pralicos distinctOS, e especialmente OS
ditos de panno preio fino,saceos, a 75001), ditos so- Srs. Devergie, Cazenave e Hillairet, medi-
eos do hospital de San Loiz, de Paris, af-
tratamenlo das molestias cu-
GRANULOS e XAROPE
D'HYDROCOTYLE ASITICA
de J. LEPINE
lias' experiencias lenas na Ina, e em
Franca, resulta que as affocges da pelle, e
todas as que resuliam d'um vicio orgnico
siio promptamente curadas por este novo
medicamento. Segundo um relatorio feilo
na academia imperial de medicina de Paris,
80
80'
160
40
360
r recasacos a 125000, ditos muito linos
e 2.'5000, coletes pretos de casemira e de cores, ffl.. Hn
camisas, ceroulas, e outros muitos artigos mais ha- ieciauos ao
ratos que em outra qualquer parte: tudo isto na laneas^mpregaram as preparaces d'Hy-
I >ja do pavao, ra da Imperatriz n. 60. drt>^3 com um notavel successo contra
As chitas do pari. emas' Piei'!asis' impetigo e as di-
Vendem-se chitas franeezas. Escuras, a '
ditas a 320 rs., ditas a 360 rs., di is niali*
to finas a 400 rs, ditas pretas llar- treil
ilitas matisadas com fiordes pror .cobertai
Vil
variedades de dartros, contra as.af-
syphilecticas recentes ou antigs,
as ulceras, escrofulosas e outras,
matismos chronicos, etc.
sito geral em Paris: E. Fownier
Aonye, pharmaceuticos, ra Bourbon-
leneuve, 19.
Em l'ernambuco deposito geral: na caa
de Caors 6; Barbosa, ra de Cruz n. ~li.
AGENCIA
DA
FUNMC0 DE L0W-M00R.
Ra da Senzalla nova n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
VC a^r tS^^T^S^ T^ ^^^ d* ^^ 6 meaS
320 rs., rlatana de palminhas a 320 rs!, fil bran- moen(las Para engenho, machinas de vapor
co liso, e rlatana branca e de cores a' 800 rs. a e tachas de ferro batido e coado, de todos OS
vara : na ra da Imperatriz n. 60, loja de Gama & tamanhos para ditos.
Silva.
VelMkm-i,yrJsMde^a^Vca?nS:a de c- !iVVc>Upa: f^S^ de S- P" Johnston C>
res a WOO, ditos de cachemir da Escossia a "a Senzalla Nova n. ______
25240 ditos dejranga a 15600, ditos de .hrim de Folliaile Bandii Ch-irco-il de minio ha
S^i^^^ISS3SK HT,diU)s qual,Wade; '*^ Spo a
de casemira preta a 45000 e 55000 ditos de case- a vulso, a dinheiro visia : na ra do Pilar n. 143,
IT^T^t a Aft^fwV0?, V*' P""e,r?*ndar'Pra,ralr. de manhia atias-IO
ra da mpcrur\i. 60, de Gama i Silva. horas, de tarde das 3 at as 6.
na loja do pavao, ra da ImfK.at, ... 60.
0 pavo vende os cortinados.
Vendem-se ricos cortinados adamascados pro-
prios para janellas, e camas para noivos, pelo ba-
rato preco de 95000 o par : na ra da Imperatriz
n. 60, loja do pavao.4
0 pavo vende os relalhos.
Vendem-se por precos baratsimos, porco de
retalhos de chitas, cassas e laazinhas : na loja do
pavo, ra da Imperatriz n. 60.
Fusto do pavo.
So branco para ves.._
meninas a 500 rs. o covado, dito de
SEM SEGUNDO.
Objectos diversos.
Ra do Queimado, ns 49 e 5, vende os1
ohjecios abaixo declarados, pois para aca-
bar; estes precos nao sao para continuar,
mas as nesessidades assim o permilte.
Pares de luvas de algodao linas a .
Caivetes de aparar penas, de I fo-
Iha a ,........
Dilos de2 ditasa......
Caixas de colxeles francezes a. .
Duzia de dito francez a .
Massos com grampos lisos e de cara-
col a .........
Duzia de dedaes de metal em caixi-
nha de vidro.......
Tinteiro de vidro com tinta superior
a..........
Dilos de barro que serve para tin-
teiro a........
Grosasde botoes de louca prateado a
Pecas de tranca lisa encarnada a ,
Varas de bicos e rendas, para aca-
bar a ........
Varas de labyrinto de 3 dedos de
largura a........100
Ditas de pos para dentesa 100
Pentes de tartaruga a 3,5000 e 3300
Resmas de papel de cores a 250001
Largo do Llvraniento ns. 38 e 38 A
Defronte da grade da igreja
AO RESPEITAVEL PUBLICO
Senhores e senhoras
O incansavel proprietario do grande arniazcm do Baliza toma a liberdade de mandar
declarar do alto da imprensa pernambucana, que elle peritamente liberal cm oTerccer aos seus
benvolos freguezes as melhores qualidades dos mais bem escomidos gneros, nao s do paiz como do
estrangeiro a precos de contentar e satisfazer a todos.
Fazendo tao publico e espontaneo manifest, o referido BALIZA julga de seu rigoroso dever
declarar mui seria e pusitivamente nesta oportunidade, que tambem o mais firme e dedicado conser-
vador de sua numerosa freguezia.
Da boa qualidade e barateza dos gneros ofierecidos aos seus freguezes, junta ao pequeo ta-
nho que tira para si, tem sabido fazer o BALIZA a mais perfeita liga de interesses recprocos, que ago-
das as consciencias deve por forca e necessariamente agradar.
Tendo por conveniente tambem a puMcaeSo do seguinte aviso, o BALIZA faz saber nicamente
aquellas pessoas que sempre esto promptas a comprarem tudo, com tanto que se Ihes permita paga-
rem logo, que elle
NAO VENDE FIADO.
Os amigos da economa, aquelles que s comprnm os objectos de que carecem, e que gostam fi-
nalmente de empregar bem o seu dinheiro venham a este estabelecimento.
JLEIA9I TODOS.
Do preco de qualquer genero annunciado a venda em outros estabelecimentos, podem os senho-
j res freguezes diminuir cinco por cento, e vir eompra-lo ao Baliza, que sendo, como todos sabem, o ho-
g mem do mommento prefere ganhar muito pouco, com tanto que soja por militas vezes repetido.
8*S
ZiV>~k
WMWMWMWMm
l Vende-se, em casa de S. P. Johnston & C,
sellins e silhes inglezes, candieiros e casti-
ces bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavados, e relogios de
ouro patente inglez.
_ as
S~~-^OZ:-> zt'- a: O O

s
m
u
'ff'lfMf
a es =
a 3 s
c ^>
p. u
o
~^ ** a.
.. 2 =
ftae^s-'^e
M a _.
s,-a-t***
2 fD h-( P?
38RA DO IMPERADOR38
o
&%.
Agua natural de Condilae,
muito reconimendada as alTeceoes do tobo rnstro-intestinal, nos dos rinr, e bexica ourinaria netas
s propnedades alcalinas, e o acido carbnico que naturalmente contm em snspensao, de preco
v>
O "" s es
9 1
9 ~ O 3
r~T r" ~1 O C3 ra ~t
C5 SS
< o
- g _S = _, o _s
22ss2 3S-"
o SJ ->
"O a as>o2-
S 5 B*
es as co ^
Botica
e armazem
drogas
Ra do Cabug n. II.
DE
Joaquim lar linho da Cruz Correia.
Vende-se o seguinte :
Salsa parrilha de Bristol.
Pastilhas assucaradas de Kemp.
Pastilhas vermfugas de Kemp.
Elixir de citro lactato de ferro do Dr. Thermes.
Rob da Lafeeteur.
Xarope depurativo d'odoreto de ferro de Gny.
Xarope peitoral sedativo de Guy.
Pastilhas peitoracs balsmicas de Gay.
Plalas da vida.
Burel franciscano (mesclado) para imagens.
Injeccao Brow.
Xarope de citrato de ferro de Chabie.
Pilulas contra sesoes.
Salsa parrilha de Sands.
Extracto fluido de salsa parrilha de Ilailys.
Xarope alcoolico de vellamo.
tfMMJM DO QlTEIIHADO"*9
Custodio, (a val lio & C.
Superiores canibraias oiganiiys asmis finas qne tem vindo a esta cidade e pelo in
significante preco de 100 rs. cada un covado ou oOO rs. a vara, vende-se por este baixo
prego em virlude da grande imantidade qne compramos.
Vendem mais. ph.
Fino filo de linho para vestido a 500 rs. a vara.
Baloes de arcos e madapolao a 32O. j(
Entrenieios bordados fazenda fina peca por 1,5300.
Finas tiras bordadas urna pega 2^400.
Vestnarios. \si
Completos para meninos c pelo preco de .'{oOO. H
Cortes gi
de casemira decires pelo barato preco de SjSOO. z
Superiores laazinhas modernas para vestido a 440 rs. o covado.
Chales.
Chales de merino de 25500 83 cada um.
Guardanapos para mesa duzia 2>.
Lences de panno de linho fino a 25.
Cobertas de chila indiana a 25.
Cassas muilft bonitas
^ ama do Crespo n. i7, loja delp
t .los Gomes Villar^
! No armazem n. 38 ra da Madre de
Dos, vende-se por preco mais commodo
| do que em outra qualquer parte os seguin-
tes gneros vindos do Aracaty :
Gomma nova,
(Cra de carnauba.
' Dita em velas de differentes qualidades.
Pelles de cabra
Sola______________i________,
Cal de Lisboa
a uiais nova do mercado : na ra do Vigario n.
Arados americanos e machinas para
trop^----------------v....u. i
Alem destas drogas ha constantemente um com-,l > PneiTmo andar.
pleto sortimento de tintas, verniz, ouro para don-1 t tt,y>yr\nn
rar, preparados chimicos e pharmaceuticos que se I ttr / OtUiS
vendem por commodos preeos. Vendem-se tres carraca, novas para bni, muito
bem construida!, tanto dcmadeira eumo d Ierra-
geni, e una diu para.cavailo, con> algum uso,
ClLliEMSBH
Vendem-se barris com cal des-
tfa procedencia, em pedra, chega-
da boje, e antea nova, que ha no
mercado, na rna do Traplebe n.
13, armazem de Ta noel Telxef-
ra Basto,
tudo por prec*
n. 54, tabernf*
tratar na ra do.Sebo
Exame de
Cunlile.
Larraga.
Obra do Mi _
Na ra do Imperador n. i*.
A 900$0
se vendem as outras Medallas novas da ra da So-
ledade, cuja renda de 245 niensaes ; sao cm ter-
reno proprio, bem edificadas e do lado da sombra:
trata-se na ra dos Prazeres da Boa-Vista com
Jos Carnciro da Cnnha.
Vende-se urna commenda de Ch'risto e cruz
pendente : na ra do Imperador n. UL a entender-
se com o agento de leudes.
- Vende-se a casa terrea da
a tratar na ra dos Pires n.
a do Jasoiim n.
Xossa Senhora da Conceico
Contina a estar venda na ra do Imperador
a 15 a novena de N. S. fia Conceicfio, contarme
usam os reverendos caneliias da Reforma do Re-
cite, e tudo o mais conforme os annuncios fetos
por este Diario.
Vemle-se un presepc de i paim- stfe
comp imento todo promplo com ima-
gens bt'm feilas e todo ohjcio pei't'H-
cenlea mesmo: no paieo do Par. izo
n 3, obartileiro.___________________
iOO^OOO rs.
Vende-se urna carroca com um cavallo, tudo
bom : na ra do Rangel, n. 9.
Vende-se um boi muito bom : quem o pre-
tender, dirija-so Capunga no sitio do Sr. eauitao
Albuquerque.
Vende-se um sitio per"> da P^Mr* n0 ,u"ar
da Capunga Velha, com casa de pedra e cal para
familia, por menos do seu valor, tonque para ba- nuem aquizer comprar, dirija-sel
nho, dito para lavar roupa, rio, viveiro, e multas. cisco, sobrado n. 8, que se dir gu
Vende-se urna casa terrea de chaos proprios
que tem salas de frente c de detraz, 5 <|uarts, eo-
zinba lora, quintal o cacnbi. dttdflt* e jan* ilr.:
arvores de fracto : quem pretender, dirija-se a
Capunga Volha, junto ao sitio do Sr. Feliciano Jos
Gomes para tratar.
Vende-se urna casa terrea no bairro da Boa-
Vista, rna da Mangueira n. 18, com i salas, 4 quar-
tos, cuzinna Tora, quintal murado e cacimba :
quem pretender, dirija-se Capunga Velha, junto
ao sitio do Sr. Feliciano Jos Gomos, para tratar.
Vende-se um bom cavallo para cal
defeito algum : a tratar eom Jos P<
ves, ra do Imperador tt. II
~iki it/F a r\r\
rarinha de mam
Vende-se farinha de mandioca
mais nova que ha neste mercado :
de Manoel Ignacio do Olivetra Filho lacg'o 4o
Corpo Santo n. 19, ou a barda do paaisjbs* V**-
ma e urif ue Miiurvm, ancorados no caos do brtuo
do LivramewtP._____ -i; _______
sala, mais barato que em outra qualquer pane : | Vendem-sp figos com btalas a 15: no a-
na raja'do Alvaro, rna do Crespo n. 10 B. mazem do Annes defronte da alfaadega.
j
Esteins para forro de sate.
' Vendem-se finas eswtas da India para forro de
_-.*.,
...
I
V




Diarlo de Pernambueo marta felra 11 de \ovrmbro de 1S.
A AGIA BRANCA.
Becebeu por esse ultimo paquete:
Novas carteiras com asexcellentesagulhas
inplgii
Agailias parisienses tambem de excellen-
te qualidade.
Traacelins fios de borracha para en-
fiar.
Botos pretos de velludq, maiores e roe-
mires para vestido.
Transinbas brancas cstreitinbas d'algodo,
pa/a enfeiles de vestido.
Escovas cabos deroadeira, osso e nadre-
perola para limpar pentes.
Pincs para p de arroz.
As lindas fivellas com pedias para cintos.
Outras de lino dourado e esmaltadas.
utrasde madreperela.
Bonitos ieques de madreperola com bou-
quet.
Outros Ieques d'osso com bouquet.
utros de plumas, com cabos d'osso e
madreperola, e outros unakaeole de snda-
lo e pretos.
Pentes de borracha, recortados, dourados
e com podras para meninas e outios de tar-
turuga.
MeiM de seda para baptisados.
Lindas touquinhas de fil de linho. cam-
braia eselim, mu bemenfeitadas para crian-
cas.
A GUA BRANCA.
Da ra do Queiuudo n. 8, refflbeu.
Tnico oriental de Kemp.
Agua florida Murray & Lanmao.
Dita de flor de laranja Condray.
Dita de rosasdito.
Bolsas para viagcns.
Vendem-se na roa do Queimado, loja d'Aguia
Branca n. 8.
Yola* pretas
VARIA PA.
A Agnia Branca recebeu as desejadas voltas
pretas. mui compndas e grndas._______ _
GRANDE LIQUDACAO
DE
Fazendas francesas e inglous todas de saperor
qualidade : m teade muito barato para liqui-
dar coatas, na loja e arnazem do Arara, raa
da Imperatriz n. i* de Laareaco Perelra G*i-
maraes,
brande peehlaaehaUbi de 9
palmo* a I*j*8.
Vende-se las transparentes de cores lisas
e quadros com 9 palmos de largura, pro-
pinas para capas e vestidos para senhora a
1,5280 o covado ; laazinhas muito finas de
quadrinhos a 280 e 320 rs. o covado ; di-
tas transparentes muito finas a 400 e 500
rs o covado ; gorguro de cordo, fazenda
fina e nova para vestidos por ser padro de
seda por 500rs. o covado. So na Arara
Ligas de seda paca senhora, e ditas para hj egte g|.and)f SOrtfettento de laazinhas e
manguitos, ou meninas. outras muitas fazendas, que trouxe o ultimo
Livrinhos para notas vapor vn0 3 Europa : ra da Imperatriz
Notos tercos de cornalina, e coral lapida- *5g> ,0ja ^ Arara de Menaes Guimares.
do com cruz de prala etc. A Arira fenje ,jcos vestidos bordados brancas
Bonitas pulseiras brancas de perolas fal- a 12^000 rs.
sas, e outros de chapa de crystal o paco, yendem-se ricos e finos vestidos brancas
com listas domadas. bordados a {%$ ditos mais singelos a 54 ;
ditos de barras de tarlalana de cores a 3# ;
ditos de barras a fyj e muito baratos: ra
da Imperatriz n. 56, loja da Arara
Main pechineha na Arara Cassas a 200 rs. o co-
vado.
Vondem-se cassas \organdys de quadros
cor de caf e mais claros a 200 rs. o cova-
do ; ditas francezas fofos a 240, 280 e 320
rs. o covado: cortes de chitas de cores
2#; ditas francezas com pequeo toque de
mofo a 24500 : cortes de riscados famosissi-
mos com 14 covados U (s na Arara,
ra da Imperatriz n. 56 1; cortes de casimi-
ra enfestada para calca a 15, 10600 e 20,
tendo cada corte 1 vara d 3 quartas, rousa
muito barata ; casimiras finas a 25500 e 35
o corte; casimiras lisas para capa* de se-
nhora com 6 palmos de largura a 35 o cova-
do : ra da Imperatriz n. 56.
A Arara vende chitas a 210 rs. o covado. Sao
largas.
Vendem-se chitas francezas com toque do
mofo, que se extinguir tygo que forem la-
vadas, e as cores sao fixais a 210 e 280 rs.
ROVPA FEITA
o
AR9IAZEH
DE
LETKEIBO VEROS.
Neste eslabelecimento ba sempre um sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concor-
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de lazendas de todas as qualidades, para senhoras,
homens e meninos.
PIIGKES8I
m&sm mmmw
DE
fOLHAD
9 Largo do Carato 9.
Grande sortimento para a festa por menos
10 a 20 por cento do que era outra qualquer
parte.
22&I8^
Tudo na loja d'Aguia Branca, ra do Quei-
ra.-ido n. 8.
Lb)liolbose bicos,
tao baratos que o comprador admira.
Esses labyrinlhos e bicos se applicam a
diversas obras e fins, e sempre com provei-
to por suas fortidoes e duraco, hoje mais
do que nunca, convem a todas as familias
compra-Ios para aproveitarem-se da occa-
siao em que elles sao vendidos to baratos
que na verdade o comprador admira, e bem
srt pode di/.er que por taes precos nunca
miis havor. Os labyrinlhos s3o de novos
e bonitos desenhos das larguras de quatro
dedos al mais de um palmo (ou tres a dez
poilegadas) e os limitados precos sao de 15
a 35 a peca de dez varas, variando estes em
relacio a largura. A ser em varas ha ver
mai pequeas differencas, os bicos porm
principiam por mais estreitos at a maior
largura dos labyrinthos, e os precos sao
igualmente proporcionados. Isso pois. as-
sim simnlesinente dito talvez pouca conside-
raco mereca, porm para desengaar e fa-
zer o comprador reconhecer a verdade e a-
preciar o extremo da barateza, necessario
que se dirijara com dinleiro; a ra do
Queimado loja d'Aguia Branca n. 8.
.i-.ixa econmica.
A aguia branca acaba de receber essa acredita-
da gran econmica, cuja superioridade est gc-
ralimaate roconhecida ; essa boa rraxa se torna
rei-ummemlaja, tanto porque o calcado lustrado
com illa doiii prrfoitanwlr lustroso ao menos
oes das gem necessMada 4a nvo unt, t0ino
mesiao parque sna prepararaa appropriada para
anuciari'coiisi'rvar o cauro :,ella vem era caixi-
nhas o barnzinhos, c acJia-se venda na na rto
0 leimado n. 8. loja d'apuia branca, aos rezumidos
Bracos de 100, 500 e 610 rs.
Pentes de concha.
Com as novas e diversas guarnices de
pentes que a Aguia Brinca acaba de rece-
bar, Teio tambem urna pequea qualidade
de pentes de concha que com graca e acer-
talamente servem para o moderno atado dos
cabellos Elles sao de bonitos e agradaveis
moldes, e de tamaito pequenino como con-
vft para o hm que sao. E' esta a primei-
r.i m que d'elles aqui chegam, por isso
que a moda 6 norissima, pelo que ganha-
r\) i palma aquellas senhoras que primei-
ro os mandaran comprar na lo;a d'Aguia Bran-
ca, ra do Queimado, n. 8
Oaoellaa, flore e Invas enfelta-
das para nolvas.
Pelo ultimo paquete a Aguia-hranca rece-
beu os artigos cima sempre necessarios s
noivas, os quaes, segundo suas recommen-
(I ) ')<<, vicratn de muilo gosto, e perfeita-
mente delicados.
As capellas. sao de mui moderno e agra-
davel m i!if', todo o esmero :Vp flores-solas sao exlre-
mamente delicadas* e proprias para enfeites
de rostidos e mesmo ornatos de cabeca, sen-
do delgadas v,;rgonteas de jasmin, cachos de
las, e outras estimadas flores.
As loras, porm. apreciada obra de Jou-
v i, rv." qnr f'tim nnfeitadas pelas mes-
ti !i is mimosas flores, pois que
r-.tn : i nnda ileixam a dosejar.
tiii> as i-.a|llas, flores e luvas
li-iii .i ri'pu'za ilo vestido, fnr-
!i. ;kh>'vi h iierfeicSo, e ele-
ii ,ii Ja candida noiva. Reata
nle que os pretendemos munidos de
uro dirijam-se alegre e espagosa lo-
ja d'Aguia-branca, ra do Queimado n. 8
calendarios semanaes: pelo
preco todos compraro.
S;io de summa utilidade esses kalendarios
seaaanaes, porque raostram acertadamente
a d:ta e dias da semana, sem o continuo tra-
Iwllio de bolir nelles diariamente, pelo que
se lornam necessarios e preferiveis a todos
os outros ; tanto para casas de familias, co-
Bn mesmo para qualquer outra parte, e
principalmente por 500 rs. cada um: na
roa do Queimado, loja d'Aguia-branca, n. 8.
Phosphoros de eera.
Yendem-se a 24o rs. a duzia de caixinhas
de pjosphoros de cera : na roa do Queima-
do. loja d'Aguia-branca n 8.
lnglczas : Opiata e agua da
Colonia.
A Aguia-branca da ra de Queimado n. 8
acaba de receber a apreciada opiata ingleza,
issim como mui boa agua da Colonia tam-
bem ingleza.
arralas cona gata da Colonia.
Ohegaram novas garrafas com agua da Co-
l< nia para a loja d'Aguia-branca, ra do
Qu&mtdo n. 8.
traTilha das boslao, novoa e
delicados enelte para Tes-
t Mwasivol a H<**-*Mm ler de avsar a
sua boa fregmaia, q Wm receber palo fi-
quete ida denominado nwrMHha das bella, o* qoaes
servem tanto para vestido de senbora como para
rouftinba de crianzas. 8*ns ovirsimos e delica-
dos desnhas, suas cscolhtdu e bem aeerteia co-
res ftra am todo agradara* os olhos de qualquer
.reme }iii saiba apreciar bou. As&im, pois,
myida "
35500
35500
35000
45000
Casacas de panno preto, 355 e
Sobrecasacas idem, 305 e .
Paletos idem e de cores, 255.
205, 155 e......405000
Ditos de casemira, 205, 455.
425, 405 e...... 75000
Ditos de alpaca, 55 e. .
Ditos ditos pretos, 95, 75.
65 e........
Ditos d brim e ganga de co-
res, 45500, 45, 35500 e. .
Ditos branco de lmho, 65,55 e
Ditos de merino preto de cor-
da, 105, 75 e.....55000
Calcas de casemira preta, 425,
405, 85 e......75000
Ditas de cores, 95, 85 e. 75000
Ditas de meia casemira de co-
res, 55500 e.....45000
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 55, 45500 e 45000
Ditas de brim branco e de co-
res, 55, 45500, 45 e 25500
Ditas de ganga de cores,
35500, 35 e.....25500
Golletes de velludo preto e de
cores, 95 e......75000
o covado ; ditas limpas
o 400 rs. o covado ; le
barra de cores finas a 46(.
tos bramos todos a 200 i
nos a 3:20 rs: meias par
240 rs. 0 par ; ditas pai
400 rs.: na loja da Arar
triz n. 50, de Mondes Guimares.
Scdinlias da Arara a aCJO rs. o covado.
VeadeiBhSe sediultas para vestidos de se-
e finas a 320, 3ttO
icos brancos com
rs, cada um ; di
s.; ditos muito fi-
homem a 200 e
senhora a 320 e
. ra da Impera-
Ditos de casemira preta, 55 e
Ditos de ditas de cores 55
5 e........
Ditos de setim preto. .
Ditos de ditos e seda branco,
65 e.......
Ditos de gorgurlo de seda
pretos e de cores, 65, 55 e
45000
35500
55000
55000
45000
25500
25000
45400
305000 \ Colletes de fustao e brim bran-
255000 co, 35500, 35 e .
ISeroulas de brim de linho.
25400 e ......
DiUs de algodao, 15600 e. .
Camisas de peitos de linho,
55, 45, 35 e.....25500
Ditas de madapolio, 35,
25500, 25 e.....45600
Chapeos de massa, pretos fran-
cezes, 4*5, 95 e. 85500
Ditos defltro, 55, 45,35500 e 2G0O
Ditos de sol, de seda, 425,
445, 75 e......45500
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda.......
Sortimento completo de grava-
tas.
Toalhas para rosto, duzia, 445,
9e........
Atoalhado adamascado de li-
nho vara......
Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....45000
Lences de linho.....35000
Cobertas de chita chineza.. 25000
Pennasd'aco, as mais superio-
res, a grosa...... 600
Relogios de ouro orizontaes,
905,805 e......705000
Ditos de prata, galvanizado,
patentes e orisontaes, 405 e
Obras de ouro, adercos, meios
adereces, pulceiras, rozetas,
aneis e cruzes.
640
5
65000
45280
Duarte C* scientificam aos seus freguezes e ao publico emgeral, que acaba de die-
gar da Europa um socio que faz parte da firma, com um grande e bello sortimento de
molhados por elle escomidos, os quaes se venden por menos de 4o a 2o por o/0 do que ou-
tro qualquer annunciante, garantindo a boa qualidade e peso de qualquer genero vendido
: neste j muito acreditado armazem, e por isso, firmados em que cumprem fielmente a
i que promettem, pedem todos os Srs. da praca, de engenhos e lavradores, o favor de
! mandarem suas encommendas ou relaces ao armazem Progressivo, certos de nao terem
em tempo algum occasio de se arrependerem.
Aviso.
Todos os Srs., que comprarem para tornarem a vender, terao, alm da diflerenra
i
| j publicada, mais 5por% de abatimento. Os proprietarios tambem garanten* oboni
! acondicionamento ainda mesmo dos mesmos para o mais alto serto.
I Manteiga ingleza perfeitamente flr, mandada I Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groza e 2o rs. a
vir de conta propria, a 8oo rs. a libra. 1 caixinha.
305000
5
FUMDI^AO DO BOUTttlI-RCA DO
IIR IJfl %. 38.
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
56o rs. a libra, e em barril ter abatimen-
to.
dem ingleza em potes de 4 a 46 libras a
8oo rs. a libra e o pote separado.
Cha uxim o melhor neste genero, mandado
vir de conta propria, a 2,8oo rs. a libra
dem hysson, grande, muito bom a 2,6oo rs,
a libra.
dem preto, muito fino, a 2,6oo rs. a libra.
dem preto, mais baixo, a 2,ooo rs. a libra.: Graxa em ^ mut0 M a 120 rs. a la.
Idem, verde, miudinho, mais proprio para ne- nha, e 4,300 rs. a duzia.
gocio, a 4,5oo rs. a libra. (peixe em ,atas muit0 Mt0 ^.^ fmtkt
Banha de porco refinada muito alva a 46o ( curvin, salmo e outras muitas qualidades
rs. a libra, e em barril se far abatimen- preparados de escabexe, segundo a arte de
Milho alpista a 460 rs. a libra.
Painco a 2oo rs. a libra.
Gomma muito alva para engommar a 80 rs.
a libra, e em arroba se far abatimento.
Sag muito novo a 28o rs. a libra.
Sabo verdadeiro hespanhol que raras vezes
vem ao nosso mercado a 28o rs. a libra.
Sabo massa de superior qualidade a 480,
200, e 220 rs. a libra do melhor que ba.
nhora a 5G0 rs. o covada'; cassa-seda comk|0nos para moer man(ij0ca.
Este muito acreditado estabelecimento est prvido de um completo sortimento
machinismos proprios do fabrico de assucar, a saber:
Machinas de vapores as mais modernas e mais acreditadas.
Rodas d'agua de ferro com seus pertences.
Moendas e meias moendas de todos os tamanhos.
Rodas dentadas, angulares e de espera.
Taixas de ferro batido e coado.
Boceas de fornalha pelo novo systema Wetson.
Alambiques de ferro fundido.
Fornos para cozer farinha.
de
ni
ii
; -i || i! '!
,i ja lai lia
meta casimira a
cores a 25*00, e
ditos de
p
palmas soltas a 500 rs. 0 covado : chalim
de core* para vestidos d* senhoras a 500
rs. 0 covado ; sarja do cores para vestidos a
400 rs. o covado ra da Imperatriz, loja do
Arara n, 56. Mondes Guimares.
lladapolo francez enfestado a 4000 rs.
Vondem-se pocas do nudapolSo francez
enfestado a 46 o 3500 ; pecas do algodo
encorpado a 45. 4S600 e 55300 ; madapo-
ln ingles com 24 jardas marca Rainha a 75;
dito Elephante a 75500 ; dito n. 6 fino a
83 : dito n 7 a 9 ; dito do cora dourada
a 105, todos estes madapotoes sao muito li-
nos : ra da Imperatriz, loja da Arara de
Mondes Guimares
Kou|i> feila da Arara.
Vendem-se uniformes completos, como
sejam : paletots, calcas, colotes de casimira
ingleza a K o 12-5; calcas de brim e
2 ; paletots de brim de
35 ; ditos brancos a 35 ;
meia casimira a 3,5500 e 45 ; se-
oulas de bramante francezas a 1?600 ; ditas
de linho a 5 camisas francezas a 15600 ;
ditas muito finas a 25 2550i>; ditas de li-
nho inglesas 3 camisas de moia para ho-
mem a 500, 800 rs. e 45 ; collerinhos de
linho a 300 rs:; ra da Imperatriz n. 56.
Baloes da Arara a 3#000 rs.
Vendem-se baloes do arcos americanos de
20. 23. 30 o 40 arcos a 3, 35500. 45 e
4&500 ; ditos de brilhantina a 45 ; ditos de
dita muito grandes a 356 0 : ra da Impe-
ratriz. loja da Arara n. 56.
Lcnros de seda a 800 rs.
Veihlnn-se leos de seda de urna s cor
muito linos i 800 rs.; ditos estampados a
1 ditos rom franjas a 15500 : ra da
Imperatriz ir 56.
A Arara vende ricas colchas avelluddas a 85000.
Vendem-se ricas colchas avelludadas para
cama a 8$ ; ditas de fusto a 55 ; ditas de
damasco a 45; ditas de chita 25: ra da
Imperatriz n. 56.
Cortes dr la a 3,600, 4,000 e 3,000 rs.
Vendem-se cortes de la para senhora
a 35600, 46 e 55 ; ditos de organdys finos
a 66 e 75: caraisinhas muito finas parn se-
nhora a 46500 com gravata e tambem gol-
linhas muito finas para senhora com boto-
zinhos a 320 rs. : ditos do golla e punho a
16 : ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara
de Mandes Guimares.
Tarlatana da Arara a 800 rs.
Vende-se tarlatana muito fina a 800 rs. a
vara; fil de linho liso e fino a 800 rs.;
ditos de salpicos a 46 ; fil de linho de co-
res a 460 rs. o covado ; cortes de cambraia
com 4 vara de largura com palmas soltas
96 ; pecas de. cambraia de salpicos a 35500:
ra da Impera* iz n. 56, loja da Arara de
Mendas GuimarU.
Arados americanos, etc.
etc.
:^SI5

2q sS^,,,-- 2S^
ESTABELECIMENTO COMMERCIAL
t'ota.ssa da nussia
Veide-se em casadcN.O. Bie-
ber 4 C, successores, raa da
txii n. 4.
Assucar do Montero
Ra do Imperador n. 28 e caes de Apollo a.
67. a 208 rs. a libra, e de 8 libras para cin
a 5*00 aarroba. I
i DE ,
IcUMIiWl I mWto E METAES,;
Mito ua na do llrum n. -IO junto
a fundl^o do r. Bowmam, perteneente a
Vil lava Ir nio A C.
Neste estabelecimento encontraro os freguezes um completo sortimento g
de tudo que diz respeito as artes de calderetro, funileiro, laloeiro, ferreiro e 'i
fundicao, e os abaixo asssignados que o dirigem, promettem servir a todas as
pessas que se dignarem de os procurar, com promptido, sinceridade e pre- $
feos muito rasoaveis. 0 dito estabelecimento estando montado em ponto qfc
grande, tanto no que diz respeito a pessoal, como em materia prima, e tendo Cg
habis officiaes, pode executar com toda a perfeicio e seguranca qualquer ^
c obra tendele as artes cima mencionadas e alTottamente pdem os abaixo as- ^
signados assegurar ao publico que nenhum outro estabelecimento lhe pode s
!<" fornecer mais barato e mais perfoito do que elles, visto que recebem de sua
flb propria encommenda todas as materias empregadas em ditas obras.
Alambiques simples e continuos de to- Sinos de 16 libras 8 arrobas.
dos os tamanhos e dimencoes. j Parafuzos de bronze e ferro para ro-
Machinas de cobre para destilar e res- das d'agua.
tilar espirito at 40 graos pelos sys- Torneiras de bronze e bronzes para
temas de Logier e Derosne. engenho.
Carapucas e serpenfinas de cobre, e Encanamontos de cobre e chumbo de
estanho, avulsas. I todas as grossuras.
Taixas e tachos de cobre para engenho Bombas para cacimbas, aspirantes c
e refinaco. | de repucho.
Paroes de cobre e todos os cobres ne- Bombas para destilacoes.
cessanos para o fabrico do assucar. Ditas para regar jardins, bertas e
Cobres para rodas de moer mandioca. capim.
Machinas econmicas para lavar roupa Ditas para navios e barcacas de varias
o melhor possivel. > qualidades e dimencoes.
Cobre era lencol c arrodellas, estanho em barrinha, chumbo em barra,
lencol e canos de todas as grossuras.
Vlara Irmo & C.
0 COACERVADO
to.
Biscoitos inglezes das seguintes marcas:
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travellies
Lunch, Cabin, e outras muitas marcas a
4,4oo rs. a lata.
Bolachinha de soda, especial encommenda, a
2,2oo rs. a lata.
Biscoitoinglez Craknel em latas de 5. 7 e 45
libras a 5,ooo e 6,ooo rs. e de 4,2oo a
8oo rs. a libra.
Queijos do reino pelo baratissimo preco de
4,6oo, 4,8oo e 2,ooo es., os do ultimo
vapor,
dem prato muito fresco a 64o rs. a libra,
dem londrino muito fresco a 8oo rs. a libra.
Vinhos em pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
48o, 56o, e 64o rs. a garafa, e de 3,ooo a
4,5oo rs. a caada.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa em latas de 4 e mais libras
a 7oo rs. a libra.
Fructas em caldas das seguintes qualidades:
ameixa, rainha Claudia, peras, cerejas.
ginja, pecegos e alperch a 5oo rs. a lata.
Figos em caixinhas de 4 V* arroba e de 8 li-
bras a 8,ooo, 4,ooo e 2.ooo rs, e a 3oo rs.
a libra.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra, e
era arroba ter abatimento.
Sardinha de Nantes a 32o rs. a latinka.
Toucinho de Lisboa a 36o rs. a libra eem ar-
roba ter abatimento.
Massa de tomates a 64o rs. a libras.
Piraenta do reino a 34o rs. a libra.
Farinha do Maranho a 4 4o rs. a libra.
Ceblas a 4,2oo rs. o molho, e a 4.ooo rs.
o cento.
lijo!lo para limpar facas a 46o rs.
Cerveja das mais acreditadas marcas de
5,ooo a 7,5oo a duzia, e de 5oo a 6oo rs.
a garrafa.
Prezunto para fiambre muito fresco e novo
a 8oo rs. a libra.
Genebra de laranja a 9oo rs. a frasco.
Chouricas as mais frescas do mercado a
8oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa,
e 4o,5oo rs. a caixa com urna duzia.
Licores francezes das seguintes marcas: A-
nizete de Bordeaux, Plaisir des dames, e
de outras muitas marcas a 4o,ooo rs. a
duzia, e a 4,ooo rs. a garrafa.
DE
V|\|I>S
^EH^^ieaS !k^ fa?m jftss
Direitointernacipo*! privad* e aapplicacw de seos
as leis principaes da
Boas*,
as verdades ana ditaK

j'DA^lttDl 8 $4)8 8B9(D8
i. 24LAR60 DOTERgO-N. 24
O proprietario deste bem sortido armazem de molhados vende os seus gneros j
bem conhecidos de primeira qualidade, e por isso caprichou de escolber, para bem servir
aos seus freguezes. mandando vir a maior parte doseusortimenio, para o que tem pessoas
enejadas para este im, e os pode vender por menos de 10 a 20 % do que em outra
VerdTdeiragenebra de Hollanda em botijas de conta certa a,400 rs.
dem de laranja em frascos grandes a 1,000 rs. e de HoUamtai SOOrs^
Caixinhas com 8 libras de passas de carnada ji 2,400 rs e^a libra. a 480^rs.
Velas de esperraacete, carnauba e composicao a 63o, 44o e 36o rs. a libra e a arroDa a
Palitos do gaz sem avaria a 2,3oo rs. a groza e 2oo rs. o maco.
Serveja das melhores marcas a 500 rs. a garrafa e a dona ; .. aoo o
Vinho das melhores marcas F. L. P. a 4oo. 6oo e 56o rs. a garrafa e a caada a 2,8oo e
Batatas dsembareadas uttwiamentea5o rs. a libra, e a arroba aMoors.
Bolaclunhas americanas a 2,ooo rs, e 3,5oo rs. a barrica e 2oo rs. a bbra.
Azeite doce de Lisboa a 3,oeo rs. o galo, e a 64o rs. a garraja.
Ooeiits do reino os mais novos do mercado a 4,8oo e 2,ooo rs.
Mimo alpista o mais limpo que ha a 5,000 rs., a arroba a 460 rs. a libra.
Manteiga ingle perfettameote flor ? 800 e a 720 rs. a libra,
dem francSa, Coito superior, a fco rs. a 1-bra e o barns a 5Wnn a \\bn.
Caf do Rio da 1 e 2. sorte 280 e 320rs. a libro, e aarrrtw aO.OOOett.OOO rs.
Cqa de primeira e segunda sorte a 2,8oo ,>oo e t,ooo rs. a obra. .
Holo francez de grande tamanho a 44o rs. rada um. e a lem os gneros awnmciaaos
ha outros muites que enfadonbo seria menciona-los: vende-se a dinneiro a vwu.
Passas muito novas a 5oo rs. a libra e
8,5oo rs. a caixa. Ha caixas, m "s
quartos.
Peras secos a 3,ooo rs. a caixa e 8oo
a libra.
Bolachinha ingleza a 4oo rs. a libra.
Azeite francez eportuguez refinado a
a garrafa, e 9,ooo rs. a caixa com ..
duzia.
cozinha, de 1,400 a 2,ooo rs. a lata.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado e escolhido pessoalmente por um
dos socios que se acha em Portugal, das
seguintes marcas: Duque, Genuino, Ve-
lbo secco especial, Lagrimas Doces de
1849, vinho especial D. Pedro V, vinho
velho, Nctar superior de 4833. Duque do
Porto de 1834, vinho do Porto velho su-
perior, Madeira Secca de superior (uali-
dado, vinho do Porto superior 1. Luiz I
de 1847, Lagrimas do Douro, especial vi-
nho do Porto, de l,ooo a l.Soors. a pr*
rafa e de 4o,oooa 42,ooo rs. a caixa com
umaduzia,' )
dem Bordeaux de differonles marcas, garnte-
se a qualidade, a8,ooo rs. acaixa com una
duzia, e a 7oo rs. a garrafa.
Garrafoes com 5 garrafas de vinho do Torln
do Alto Douro a 2,2oo rs. com o garrafo.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira, mais
proprio para a nossa estaco por ser mis
fresco a 2,4oo rs. com o garrafo.
dem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
o garrafo.
Vinho branco o melhor neste genero a Ooo rs.
a garrafa e 4,ooo rs. a caada.
Velas de spermacete as melhores que ha no
mercado a 6oo e 64o rs. o masso. e em
caixa se far um grande abatimento.
dem de carnauba e composico, de 4oo a
32o rs. a libra, e de lo.ooo rs. a 11.5oo rs.
a arroba.
Caf de 1* e 2* sorte de 8,3oo a 8,6oo rs. a
arroba, e de 28o a 32o rs. a libra do me-
lhor.
Arroz da India, Maranho e Carolina a 3,ooo.
2,8oo e 24oo rs. a arroba e de loo rs. a
8o rs. a libra.
Frasqueiras de genebra a 3,8oo rs., e a Seo
rs. o frasco.
Azeite doce em barril, muito fino a 64o rs.
a garrafa.
Papel grave pautado e liso a 3,5oo rs. a
resma.
Genebra de Hollanda em botija de conta a
44o rs. a botija.
Champagne das mais a creditadas marcas a
4,ooo rs. a garrafa, e a lo.ooo rs.a duzia
ou gigo.
Alhos a 8o rs. o masso.
Sal refinado a 7o rs. a libra.
Ervilhas francezas e portuguezas a 64o rs.
a lata de urna libra.
Chocolate francs, hespanhol, suisso, e portu-
guez a l,ooo fs. a libra, e a 28o rs. cada
oo de urna
1
s vasios
eixas ft <.
te enfeitadafr,
5 garrafas at 3 caadas
rs. cada om.
Conservas inglezas das seguintes marcas : |
Mixed, Pickes, e ceblas simples a 8oo rs.
o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes a 4oo
rs. o pote.
Grao de bico a 16o rs. a libra, e em arroba
ter abatimento.
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 librmuitos, a
caixinhas elegantemeo-
;om diversas estampas
no exterior da caixa de l,5oo a 3,ooors.
cada urna; tambem ha frascos latas de
difidentes tamanhos qne se venden por
mdico preco.
Massas para sopa: macarr, taloarim, o
aletria a 48o rs. a libra, e em caixa se
far abatimento.
Doce de goiaba de 4oo a 8oo rs. o caixo
grande.
dem a 2,ooo o caixo grande.
proprios para deposito de manteiga, doce, Charutos de todas as marra e dos welliore*
e ootro qnalquer liquido, de 4,ooo a 3,ooo| fabricantes da Baha de 3,ooo a 4,ooo rs.
rs. cada um.
a caixa.
va

ai i
Til
Alera dos feneros cima aonoBoiados ha umoonotote sortimento 0>i eoMatoMi
doce, alfazema e ootros moHos generes, que tudo se ronfle -por Darattssomo preca.
i


^i
Dlari 4e Perunfcneo marta felrn 11 de JtoteiMr'to^.dftiF.

GRANDE ARMAZEM
AE
EE
Y 3S, REA DAS CROES N. 36
m
bairro de Sato Antonio.
0 proprietario do muito acreditado armazem denominado Progressista tendo
empre em vista fazer todo o que for possivei para bem servir aos seas freguezes, tem
deliberado vender os seus ja bem conhecidos gneros de primeira qualidade pelos precos
abaixo mencionados, e affianca as pessoas qae mandarem comprar por seas criados ou
escravos, serem tao bem servidas como vmdopessoalmeote; encarrega-se de aviar qnalquer
encommenda, anda mesmo contando objectos nao proprios deste estabelecimento. 0
mesmo pede aos senbores que mandarem comprar neste armazem o favor de mandarem
devolver qualquer objecto que n5o agradar, devendo os raesmos senbores ter toda atten-
l'o com os seus portadores, fazendo-lhes ver que- so no armazem Progressista da ra das
Cruzs a. 36, que se vendem os melbores geoeros por mais barato proco, porque estes
nanitas vezes olvidam-se e vo a nutra parte onde os servera de maneira a desagradar este
estabelecimento.


a
GRANDE ARMAZEM DE MOLHADOS
DE
tfjmimmxm&smm&te.
RA DO QUEMADO N. 46
DE
TODOS
o
os
3 COMPLETO
VAPOR*
se recebem gneros de conta
propria e dos melhores esta-
belecimentos da Europa, ga-
rante-se todo e qualquer ge-
nero comprado neste
ESTABELECIMENTO.
O
i
SORTIMEMu DE MOLHADOS.
vende-se em porco e a reta-
mo, aprompta-se com toda a
presteza e exactidao qualquer
encommenda dirigida a este
ESTABELECIMENTO.
Os proprietarios do muito acreditado armazem Progresso fazem sciente ao respeita-
vel publico e com especialidade aos seus amigos e fregueses que ten resol vido resumir os
Ivas muito novas a 1 ,ooo a libra.
Castanhas a 2oo rs. a libra,
Figos a 320 rs, a libra,
Vinho superior da Figueira e Lisboa, a 400,
i 10, 480 e 500 rs. a garrafa, e a 2,500,
2J00, 3,000 c 3,400 rs. a caada.
I1ZE\I)AS B KOI PAN FEITAS.
Sortimento completo de sobrecasacos de parrao a 250, 28* 3M e wa ~^~-
muitobemfeitasaSMI, W,30* e,351, paletots acasa^kTe'panno preo d 38
im, ditos decasemtra de cor a 150, 180 e 200, paletots 1 T i
, ira de 80 at U0, ditos saceos de albaca merm e la delj SflJ V Ta-icf*"
Wn de 70 at !O0, calcas pretas le casemira de wJi^taS^
^ 450, roupas para menino de todos os tamanhos, grande sortimento de rouoaa de hr.m
^ eomo sejamcalcas, paletots e colletes, sortimento de colletes pretos de metim LpmT,
H* (r velludo de 40 a 90, ditos para casamento a 50 e 60, paletots brancos de bramante a J
5 50, calcas brancas muito finas a 50, e um grande sortimento de fazendas finas e moder
flJViias, completo sortimento de casemiras inglezas para homem, menino e senhora, cerouhs
O de Dno e algodao, chapeos de sol de seda, luvas de seda e de Jouvin para homem e se-
^ nhora. Temos urna grande fabrica de alfaiate, onde recebemos encommendas de grandes
53 obras' roe P31"3 us<>esta sendo administrada por ura hbil mestre de semelhante arte e mu
h- ^ pessoal de mais de cincoenta obreiros escolhidos, por tanto executamos qualquer obra con
*h I promptido e mais barata do que em outra qualquer casa.
AOS SENHORES LOGISTAS
Desta capital, arrabaldes e provincias
adyacentes.
h a i i Kii fe v.
N. 23 BA NOVA W. 23.
Tem a satisfago de participar particularmente aos sais amigos e fregueze. e era
e 2,100 rs. a grosa.
Ditas hygienicas e de seguranca a 240 rs.
dozia.
dem engarrafado, das seguintes marcas du-
que do Porto, Feitoria, Nctar, velho seceo, Alpista muito limpo a 160 rs. a libra,
Chamisso, e Madeira superior a 8,500 rs. a _, _. ...
duzia e 800 rs. a garrafa. Gomma de engommar a 80 rs. a libra, e
2,200 rs. a arroba.
dem Bordeaux de diversas marcas a 640 rs. arft ...
a garrafa e7,5O0rs. a caixa com i 2 garrafas. *** mu.le novo e alvo a 240 rs.a libra.
dem Muscatol de Setubal a 1,700 rs. a gar-, he8PaDbl, a 280 rs. a Hbra.
rafa, e 18,000 rs. a duzia. tem massa a 180, 200 e 220 rs. a libra.
Garra/oes cora 5 garrafas de vinho do Porto, Peixe em latas, savel, pescada, e corvina a
Lisboa e Figueira a 2,100, 2,200 e 2,300 1,000 rs. a lata,
rs. enm o garrafae. f '
Genebra de Hollanda em butijas de conta a
dem branca muito superior a 500 rs. a garra- i 400 rs.
fa e 3, :>00 rs.a caada. L ,, ...
Papel greve paulado e liso a 3,400 rs. a
".arrafoes com 5 garrafas de vinagre a I,loors. I resma.
Vinagre superior de Lisboa a 1,400 rs. a ca- Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa,
nada e 200 rs. a garrafa.
Velas de spermacete soperiores a 580 e 640
rs. o maco.
Manteiga ingleza de I.1 qualidade, a 800 rs.
a libra.
bem servidos como se viessem pessoalmente, isto s no Progresso.
Mustarda preparada, muito nova a 360 rs. o, P"* dos seDS acreditados *eMr08' ^ "^ "* n3 obstantB ? ** menciOM-
pote. dos a vista da qualidade dos gneros que se prova quaato se deseja servir satis/atoria- *>eral a todos os senhores logistas desta e de outas provincias, que em cousequcDcia de
"tar: p- *duzia de MiIiD,,as! ente aos *** "*-* t**'^*"* "v"*p*^. i S5S SS^JSSSJ^ff'JS'SS^Si 1LES: ZSSS
offererer vautagens aos prelendentes, tanto na qualidade e bem acabado dos seus produc-
ios, como pela reducoao dos precos; verdade incontestavel, de que se poderao conven-
cer a>)sta da fezenda e pelos precos que v5o abaixo :
Manteiga ingleza perfectamente flor chegada Farinba de Maranhe muito alva e cheiroza Chapeos de sol de seda para homem 28, a 720 a duzia.
Ditos 26, a 66t000.
Ditos 24, a 600.
Ditos para senhora 18 e 20, a 480.
A duzia tem descont de 12 por cento.
Ditos de panninho preto e de cor, armado de balia 20, 24 e 26 sonidos uuiiido
a W a duzia. ^
Ditos de junco 20,24, 26 e 28, a 180a duzia.
Venham ver para convencer-seda verdae.
EBcarregam-se de encommendas para da Europa.
dem de 2. dita, a 700 rs. a libra.
dem de 3*. dita a 600 rs. a libra.
dem franceza, amelhordo mercado a 540 rs.
e em barril a 500 rs. a libra.
dem em latas rom 2 '/i libra s a 1,400 rs. a lata.
Bauha de porco refinada a 500 rs. a libra.
'Jn.'ijos flnmengos chegados ultintamente a
2.000 rs.
Champanhe das mais a creditadas marcas
a 10,000 rs. gigo e l.OoO a garrafa.
Doce de goiaba de 400 a 800 rs. a caixa.
Chocolate portuguez, francez, hespenhol
suisso de 800 a 1,200 rs. a libra.
Velas de carnauba e de composico a 320 e
300 rs. a libra e 9,500 e 10,000 rs. a ar-
roba.
Manas para sopa
400 rs. a libra.
macarro e talharim a
dem.
i'S
a nesfcL seero a
Charutos dos melhores fabricantes da Ba-
bia 3,800 3,400 3,000 e 2,400 rs. a
caixa.
Cerveja das melhores marcas de 5,000 a
6,000 rs. a duzia.
Biscoitos ngle/.es de todas as marcas a i ,200
rs. a lata.
Bolaixinhas de soda em latas grandes a 2,000
e 1,800 rs. cada lata.
Massa de tomates em latas de I libra a 560
e 640 rs.
Nantes muito novas a 340
em nrato o melhor qua h
70&rs. a libra.
dem do Alantejo muito snpenor a 8oo rs. a
libra.
Aun/. Camlino e do Maranho a 2.800 rs. ar-
rolla e. 100 rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 280 rs. a libra.
Caixkritas comameixas francezas, de diversos
tamanhos al, 200, i ,400,1,800 e 2, lOOrs. j
>.! I a urna.
Frotas em calda, ameixas, rainha Oladia, pe-
wgos e alpech a 480 rs.
Warmelada de todos os omserveiros de Lisboa |
a 600 rs. a libra. Tijollo para areiar facas a 140 rs. cada um.
\mcixas em latas de I 'i e 3 libras a 1,200. Farinha de Maranho a 140 rs. a libra.
'Pimentada India a 340 rs.a libra.
Erva-doce a 320 rs. a libra.
Palitos para meza a 1(50 rs. o maco.
Verdadeira farinha de araruta a 500 rs. a
Sardinhas de
rs. a lata.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Cha huxim o melhor que possivei encontrar
ueste genero a 2,700 rs. a libra.
Mem hysson muito superior a 2,5oo rs. a
libra,
dem miudinho a 2,700 rs. a libra
dem preto de qualidade muito fina a 1,800rs.
Mena mais inferiora 1,500 rs. a libra.
Genebra de laranja a)00 rs. o frasco e -JOO!
libra.
Frascos com ameixas francezas a 1,400 rs.
cada um.
Prezuntos do Porto a 5eo rs. a libra.
rs. os frascos pequeos.
Chouricose paios os mais novos que ha no
mercado a 500 rs. a libra.
Cognac inglez a 9oo rs. a garrafa.
Marrasquino de Zara a 7oo rs. o frasco e
8,(ioo rs. a duzia.
Lirones francezes, annizete, plaisir des da-
rnos, ele, etc. a 8oo rs. a garrafa e8,5oo
re. a duzia.
Passas as melhores que se encontram a 360
rs. a likn.
Bolachas inglezas muito novas a 24o rs.
a libra, e 3,5oo rs. a barrica.
Azeite refinada a 8oo rs. a garrafa.
Cameras inglezas de todas as quadadesa
730 I, o frasco.
Batatas muito novas em gigos com 38 libras
por l,5oo rs.
Canella da India a I,loo rs. a libra.
Cominho a 04o rs. a libra.
A/eitonas de Lisboa muito novas al,6oo rs.
a ancoreta.
fistrelinha e rodinha para sopa a 6oo rs. a
libra.
Legumes seceos para sopa a 4oo rs. o maco.
Breu louro a 3oo rs. a libra e 8,ooo rs. a
arroba.
Papel pautado e liso almaco e de peso de
3,ooo, a 4,ooo rs. a resma.
Ervilhas seccas chegadas no ultimo vapor a
2oo rs. a libra.
no ultimo vapor a 8oo rs. a libra.
dem de 2.1 qualidade a 76o rs. a libra.
dem de 3,a dita a 64o rs. a libra.
dem para tempero a 32o e 4oo rs, a libra.
Manteiga francesa a mais no*a qu ha no mer-
cado a 58o rs. a libra, e em barril tora aba-
timento.
Banha de porco refinada a 520 rs. a libra.
Vinho em pipa Porto Figueira e Lisboa a 4oo,
48o, 5oe, 56o rs. a garrafa, em caada
2,8oo 3,ooo 3,5oo e 4,ooo rs.
dem em barril o mais superior que tem vin-
ao mercado a 6oo rs. a garrafa.
Lagrimas do Douro especial vinho do Porto a
1 ,ooo a garrafa e a lo.ooo a caixa, o preco
n5o indica a qualidade d'este precioso vi-
nho, porm veohamao Progresso que a vis-
ta faz f, a este genero constantemente man-
damos vir de conta propria e por isso po-
demos vender por menos que outro qual-
quer annunciante.
Vinho do Alto Douro das marcas mais acre-
ditadas e especialmente escolhido por um
de nossos socios, como sejam: Camoes, Du-
que, do Porto, D.Luiz, Carcaveltos, Cha-
misso A Filho, Madeira secco, e Feitoria a
9oo rs. a garrafa e 9,ooo rs. a caixa com Paltos do gaz a 20 rs. a caixinha. e 2,3o rs.
12 garrafas. a groza.
Garrafoes com especial vinho do Porto con- pniA a *___ ^. i^
tendo 5 gunias a 2,5oo rs. I Gt.,c h S rn Cbh n "'T iTr
' latas de 2 libras a 8oo rs. e pechmcha.
dem com 5 garrafas de superior vinho Fi- Get|bra de Hollanda garrafoes eom 16 gar-
rafas por 6.5oo rs.
a 16o rs. a libra.
Toocrh de Lisboa a 32 rs. a Hbra e a 0,ooo
rs. arreba.
Sardinhas de Nantes a 36o rs. a Uta.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. agarrafe e a
4,8oo rs. a caada.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafe-e a
l,2oo rs. a caada.
Garrafoes com 5 garrafas de vinagre de Lis-
boa a l.loo rs.
Champanhe das marcas mais acreditadas a
8 e a lo.ooo rs, o gigo, e a 8oo rs. e a
1,000 rs. a garrafa.
Serveja preta marca T e XXX a 6,5oo e
7,000 rs. a duzia, e a 6oo rs. a garrafa
tambem temos das mesmas marcas para i,
e 4,ooo rs. a duzia, e a ioo rs. a garrafa.
dem branca Te cobrinha a5,5oo e 6,ooo rs,
a duzia e 5oo rs. a garrafa, tambem ha
para 4,ooo rs. a duzia.
Graxa em latas grandes a l,3oo rs. a duzia
e 12o rs. a lata.

Vassouras do Porto arqueadas de ferro obra
de muita duraco a 4oo rs. cada urna.
Palitos de dentes massos grandes a 2oo rs.
e 28o rs.
PHOSPHATO de FERRO
DE LEBAS, DOBTOR EM SCIERCIAS, INSPECTOR DA ACADEMIA DE PARIZ, etc., etc.
tsu novo ferruginoso, approvado por todas as Academias da Medicina do mundo inlelro, rene a
poalcao dw oaaoi e do aangue, e contem o ferro em estado liquido. Segundo asobservacoes fcltas no
noapitaes da Paria o consignada no Prospecto : elle superior s Plalas fcrrulno- ao lactata
ae h-i-ro. ao ferro rcduxtdo pelo h>drKcnco, aa clli M. dr trrra. a Plalas r X.ropc de
durodefprro : elle cura rpidamente a ictericia branca, corpalllda. doresd'estmago, dieest&es peno-
sas, alTeccdes nerrosas, escrophulas, mlngoa da sangue, perda de lorea afaetlte, Irresularidades,
faltas mensiruaes, e flores brancas. E o melhor adjuvanie do ole* de aKaa* de bacaih.
Depsito geral : em Pon, en casa do MM. Grlusii r o, pharmactutlcoa, 1, ra de la Keulltede;
em Lisboa, en casa de Rodriga da Cesta) CarraIha; no Porto, en casa de Mlsnrl Jas de Seusa-
Farreira; em o Rio-de-Jantiro, vluva Pelsato e Dala, roa do Sabao, 11; em Baha en casa de
-Caetam Ferrelra>Eaalahrlra;em Rio-Gfnde, en casa de Jeaqala de Gedey; em Jfaron-
Mo, en casa de Ferrelrae C; emPernambuco.Saeuai e c, ruadaCrui, 22-, aaasa.enaj principaea
pharmacia do Braall.
gueira a 2,4oo rs.
dem com 5 garrafas
2,loo rs.
de vinbo Lisboa a
Vinho branco de Lisboa proprio para missa
vindo j engarrafado de Lisboa a 64o rs.
a garrafa.
dem em barril muito superior a 5oo rs. a
garrafa e a 4,ooo e 3,8oo a caada.
Ameixas francezas em caixinhas de 1 '/t, 2
dem emfrasquetras a6,3oo rs. e 6,5oo rs. ea
56o rs. o frosco aflianca-se ser verdadeira.
dem de botija em barricas com quatro du-
zias a 44o rs. cada botija.
dem de laranja era frascos grandes verda-
deira italiana a l,ooo rs. o frasco.
Marrasquino de zara a 72o rs.
e 3 libras elegantemente enfeitadas cora ri- Licor franCftz de todas ^ qualidades em
?L'S&3S. S2 CXten0r 3 1,3 garral- ^e vidro brancos a 72o e 8oo rs!
1,000 2,000 6 z,ooo rs.
Vinho Bordeaux das melhores
Deposito geral era Pernambuco ra da Cruz n. 22 em casa de Caros A Barboza
M\ DO III MI \l,l> R. 65
i-oja do beIJa-Oor.
Facas para meninos.
Vendem-se faquinhas para meninos a 240 rs.,
ditas de balanco de um butilo a 280 rs. o ialher.
Grvalas para senhora.
Vendcni-sc grvalas para senhora a 300. 640,
800 e 1*100.
Fitos para dehrtim de vestido.
Vendem-se filas para debrum, de linho, a 240 a
pega com 10 varas, dita de 15a a 800 e 1<5, dita de
seda a 1,3200.
Pinnas de aeo de lani-a.
Vendem-se caixinhas de pennas de ac de 200
rs. a i$.
Lia para bordar.
Vende-se laa para bordar, de cores claras, a
65800 a libra.
Roneras de |choro.
Vendem-se bonecas de cera a 800 rs. e I*, ditas
com mascara de tirar e bolar a 640 e 800 rs., ditas
sem mascara a 200, 400,300 e 800 rs.
Colheres de metal principe.
O abaixo assignado recommenda s autoridades
polieiaus o aos capitaes de campo a captura de Mfe
escravo Jos, crioulo, fgido desde o dia 23 de m^-
tembro docorrente auno, levando raka de algodao
aiul e camisa de chita ; o referido escravo tem oa
signaes seguintes : baixo, cara um tanto larga.
pouca barba, falla muito mancinhn, e rrfireseiraw
tor 30 annos de idade, poneo mais ou menos. O
referido escravo veio do engenho Mongibura la
comarca do Porto Calvo,, e lem mai e irmaos no
engenho Muitas Cabras do termo de Barraros;
consto ao abaixo assignado que algnem o tem
acoutado, ou para usufruir os seus servieo, o n*
intuito decnmpra-lo porinenos do sea valor, mas
oajaixo assignado protesta, proceder na forma a
le contra quem o tiver acoutado, qualquer que se-
jaa sua individualidade moral oa pliysica.
Antonio Jos da locha.
Ira ne seo,
pardo, com 20 anuos de idade, cor acabocolada,
rosto redondo, olhos pequeos, caliellos meio cara-
pinhados, dentes cheios de lodo, estatura regular,
Vendem-se colhes de metal principe muito finas sabe ler, escrever e contar, com offlcio do alfaiate,
dem era latas de, 1 '/je3 libras a l,4oo e
2,fioo rs, cada urna.
Figos de comadre em
.muito proprios para mimo
dem em caixinhas a l,4oo rs.
dem em caixinhas emticamente lacradas
e muito bem enfeitadas a l,8oo rs.
dem a 2co rs. a libra.
que tem vindo ao mercado a
rs., e em caixa a 7,5oo, 8, e 8,2oo rs.
.... a t e 25300 para cha, ditas para sopa a 25000 e I trabalhou em casa de Jorge Rodrigues Machado,
jjuaiioaes i800, concha para assucar a 640. j no pateo da matriz de Santo Antonio, depoia junto
/2o e 800 Facas e garios. a Conceicao dos Militares, em casa de Bastos 4
Vendem-se facas e garfos a 25800 a duzia, ditas, RR>c ltimamente no pateo da matriz de Santo
hau7tnhos de fnlhs -- c i ._ jeravadas a 35, ditas de cabos pretos a 35200, ditas Antonio, ero casa de Olegario ; anda calcado da
""' fic IUIUd Azeite doce refinado do fabricante Pelanol e de cabos de balanco com 2 botoes a 65800, di-as l)0,ins d,! lustr. Pe chapeo banda, sabio vestido
limo a 1,000. | oiltros a 8nr> rs a anrrafa nara dor* a HSOO di
outros a 8oo rs. a garrafa.
Conservas inglezas sortidas e de urna s qua-
lidade a 8oo rs. o frasco.
[ Araruta verdadeira a 32o rs. a libra.
_ Gomma de engommar muito alva a 8o rs.
Passas de carnadas as mais novas que ha no a libra e 2,2oo rs. a arroba,
mercado a ioo rs. a libra e a 6,ooo rs. a Sag muit0 novo a 24o ^ a ,bra_
caixa.
Salmo em latas emticamente lacradas a
I Sevadinha de Franca a 16o rs. a libra.
otnaraioaiaqBjso ^sa jen
-u2l$ap b bjioubui gp ma.uas so apno 'ajjcd cjjno c ora a as-ujcpiAio sazo.\ sejinra sajso
aobiod 'oJajd oiojeq siem jod sajauaS sajoqjaui so apua.v as anb a og -u sazurj sep
en i p ejsissoiaoad uiazeraae ou os anb ja.\ saqi-opuazBj 'seiopeviod snas so raoo ob
-ti "MK "Poj Jai saaoqnas sorasaui so opua.\ap 4jepej8B obu anb moafqo janbjBnb ja\j0Ap
uujcpueui ap joabj o raazBuuB ajsau JBj^ina uiajBpuBra anb sajoquas soe apad omsara q
.uwiuijaiaqBisa ajsap soudojd ogu sf' dfqo opuajuoa oiusaui epn|B 'BpuauraioDaa jaub
-ril) jeiAf ap as-BajJBDua aman*- ^ad opui.v ouio'j sopruas maq orj majas 'soaejosb
no sopBua snas jod JBjdcuoo .na anb sessad sb bubijb a 'sopBUoouam oxiBqB so
-Jjd sojd apepUBub Bjraat; t sojauaS sopioauuoD raaq yf snos so japua* opjaqijap
iuaj -sazanSaij snas soB/jt.uas maq BOBd pAissorl joj anb o bpnj jozbj bjsia ma ajdiaas
opuai BisissajSojj opBurraouap mazeuiJB bpBiipajoc ojinra op oueiaudiud o
' oiuoinv oaitfi ap ojj|6<| op zim.) p ciu e& 'M
aa
8oo rs.
Lagostim em latas grandes a l,4oo.
Savel, corvina, cherne, vezugo, peixe espada,
preparados pela primeira arte de cozinha a
a l,3oo rs.
Queijos flamengos chegados no ultimo va-
por a 2,4oo rs.
dem do vapor passado a 2,2o 2,ooo e
l,8oo, rs.
dem prato do ultimo vapor a 64o rs. abra.
Doce da casca da goiaba caixes grandes a
6oo e9oo rs.
Choricas as mais novas que ha no mercado
a 48o rs. a libra.
Chouricas mouras encommenda especial nos-
sa a 5oo rs. a libra.
Prezunto verdadeiro de laraego em calda
de azeite 5oo rs. a libra
Bolaxinha ingleza a mais novas que ha no
mercado a 2,ooo rs. a barriquinha com
1 arroba, e a 24o rs. a libra.
dem de soda de diversas qualidades a 1,400
reis.
dem em latas grandes, proprias para lunche,
como a 6 libras per 2,4oo rs.
| Sevada muito nova a 12o rs. a hbra e 3,2oo
as. a arroba.
Macarro a 32o rs. a libra.
dem talharim o mais novo que ha no mer-
cado a 48o rs. a libra.
Aletria a 5oo rs. a libra.
Arroz carolino a loo rs. a libra e a 2,8oo rs.
a arroba.
dem do Maranho
3,ooo a arroba.
a 12o rs. a libra, e a
com 2 botoes a 65800,
; para doce a 35600, ditas de um botao a 65, ditas
para dore a 35-
Chicete para cavallo.
Vende-se chicote para cavallo, para os amantes
qae pa-san festa a 640 e 15.
Meias para senhora.
Vendem-se meias para senhora muito finas a
25400 a duzia, ditas para meninas a 25.
Papel de diiersas qualidades.
Veode-se papel de ueira dourada a 15200, dito
amizade a 640 e 800 rs., dito paulado a 15- dito
adamascado a 900 rs.
Au>elopes de diversas qualidades.
Vendem-se avelopes brancos a 800 rs., ditos de
cores a 640, ditos para cartao de visita a 300 rs.,
ditos pretos a 800 rs.
Tendo recebido ricos apparelhos para senhora,
de mousacos e camapheos verdaderos. vcndera-*e,
de mousaco a 65300, dito de camapbeo a 135-
llmnins e vispuras.
Vendem-se dminos muito finos a 15100 e 15400
e visporas a 800 e 15-
Enfeites.
Vendem-se enfeites de redes para senhora de di-
versas cores, a 15000, ditos pretos a 900 rs., sendo
de litas e rontas de ac, peca de lita de coz com 10
varas a 360 rs.
Extractes nolezes.
Vendem-se extractos nglezes muito barato, por
que foi comprado em lejlao, e nao se quer conti-
nuar, a 3J0 e 400 rs. o frasco.
3a
mu

Marmelada imperial do fabricante Abren e
outros consen-eiros de Lisboa a 6o rs. a
libra.
Frutas era calda de todas as qualidades a
50o rs.
Ervilhas francezas a 5oo rs. a lata,
dem portuguesas a 64o rs. a lata.
Massa de tomate a 64o rs. a libra.
Amendoas confeitadas a 7oo rs. a libra,
dem de casca mole a 28o rs. a libra,
Avelans a 2oo rs. a libra.
tii eg ne ni ao barato.
Chitas verdadeiras francezas muito finas, escuras
e cores (xas a 280 rs. o covado, por ter um pe-
Jueno principio de mofo, qae com lacilidade lavan-
t> larga, o da-se amostras : na ra da Madre de
Dos n. 16, loja defronte da alfandega.
Cenaos de cambrala de Ilnho
bordado*.
Vendem-se lencos de cambraia de linbo borda-
dos muito finos sendo para acabar a 500,640,15,
15500, s quem vende por estes precos na ra
do Quelmado loja do beija flor n. 63.
Caf do Rio o mais superior que se pode de-
sejar a 3 rs. a libra,
dem a 28o e 3o rs. a libra e a 8,2oo, 8,4oo
e 8,7oo rs.
Velas de carnauba refinada a 32o re. a libra,
e a lo.ooo rs. a arroba.
dem de spermacete a 64o rs, a libra.
Chocolate hespanhol e francez a 9oo e l.ooo
rs. a libia.
Estrellinha e pevide muito nova a 4oo rs. a
libra, e a 2,ooo rs. a caixinha com oito
libras.
Cha perola muito especial chegado neste ul-
timo vapor de encommenda particular
nossa a 2,8oo rs. a Hbra.
dem huxim muito superior a 2,7oo rs. a
libra.
dem hysson a 2,56o rs. a libra.
dem hysson a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
dem preto homeopathico e muito snnerior a allur*' i*cheio do corpo, pouca barba, cara lar-
$ nnn pc a lihra gajora omaquetmadnra fresca no braco direito,
' uu '* "*" fevea vestido camisa de bala azul, acompanliada
dem nacional a l,6oo rs. a libra. i por dentro de urna camisa de algodaoziobo feita
Batatas muito novas a 8o rs a libra. ?"** e Pa,it- aU* de e8PDa beBB 1* e n,ui,
n.11iftll j. ,ii____,.. ___,^. j dk; ""* "e lernas em urna das quaes tem ama cor-
Charutos dos melbores fabricantes da Baha nm ,', que andava flm casa^ 0 isl0 tlvei ja te.
e de tonas as marcas, como sejam: sus- nna mudado, tem bastantes cicatrizes na eostas
piros, havaneiros, messecipes, regala im-' perial, flor das mattas, primores a 4,000, decarapuca de panno_ na cabeca : qoena pegar
3,500, 3,200, 3,000, e 3,800, 2,5oo, 9rTa"$e,ev,k)
ESCRAVOS FGIDOS.
Lourenco.

Fugio e preto Lourenjo do dia 88 de outubro
prximo passado, com os signaos seguintes : boa
com calca de casemira verde escuro, paleto! de al
paca preta, camisa branca, chapeo de palhinhv
com qnadros pretos e brancos, e consta o ter tro-
cado por outro de palhinha toda brama; tam-
bem de suppor que trocara a roupa, costana dizer
que limo de um major de guarda nacional, int*-
tula-se forro, e assigna-se urnas VMM Fianoi-co
Bernardo Quinteiro, e ontras vezes Francisco Xa-
vier Nones Quinteiro. Ha quasi seis meten ,nc
so ausentot de casa : qualquer peasM i i o en-
contrar, |iegue-o e o leve i ra Nina,
Sr. Quinteiro, que ser generosamente iiiipet
sado.
Fuiono dia8docorrente, pela mai .;. ,.:m
escravo de nome Gregorio, de idade de 12 a 19 an-
nos, pouco mais ou menos, com os signaes -
tes : eor preta, rosto redondo, nariz achatado, coni
alguns pannos* urna cicatriz na testa do lado es-
querdo e um pequeo talho no rosto por baixo do
olho direito, levando vestido calca de algodao com
listras largas e camisa da mesma fazenda com lis-
tras mutilas, e chapeo de paiha : por isso rogase
s autoridades competentes a sua captura, e de o
levar ra da SenzaU Velha n. 68, ou ra do
Trapiche n. 7, qae se gratificar.
Fugio no dia 8 do correte da nadarla das
Cinco-Pontas, defronte da estaca", n. 1 lf>, o preto
Antonio, crioulo, de 14 annos, baixo, cheio do cor-
po, cara larga, nariz chato, olhos pequeos e afu-
macados, pescoco curto, tendo debaixo do queixo
do lado direito um caroco, parecendo urna Btala ;
a orelha do lado direito tm em cima um pedazo
tirado, e a perna do mesmo lado tuna cicatriz, le-
von vestido camisa branca d'algodao, calya de cor,
paletot velho de casemira de cor, chapeo de rou-
ro. Este preto foi d'uma senhora de engenho para
as partes de Goianna, e foi vendido u esta praca
pelo Sr. Leal Reis, de suppor que o preto lomar-
se para as bandas do dito engenho : gratificado
generosamente a quem levar dito escravo, na mos-
mesma nadara, Cesar Menezes.
f
Gratllcaffio de o/.
Fugio do abaixo assignado, no dia 20 de Janeiro
docorrente anne o seu escravo Firiuino, cabra es-
curo, idade 20 annos, estatura regular, olhos par
dos, orelhas pequonas, cabellos carapinbos, pe< e
maos pequeos, e imberbe, muito ladino e incul-
ca-se por forro, e se snppde achar-se na cidadeSo
Recife, onde j estere maltes annos, ou em seos
suburbios : quem o pegar pode levar ao abaixo
assignado, ou o entregar ao Sr. Jos Portella la
Costa no Recife.Pedro Cavalcanti de Albuquer-
que Maranho.
Eserav Fgido.
No dia a do correnie fugio desta cidmle o escra-
vo Patricio, mulato alaranjado, de 18 annos do ida-
de, baixo, um pouco cheio do corpo, snbrancelb,as
bem grossas, olhos grandes, cora sardas pelo ros-
ta, natural da cidade de Mainanguape, provincia
da Parabala, levou ajatido calija e camisa brancas,
muito ladino e espato; roga-se s autoridades
de polica, a qualquet^kaj_U capito de campo
aappreheasaode Hysva-lo '
2,000 e I,6qg rs.a caixa.
. ase
nhor na roa de iantol ^E ou i capital da
!<^ ?S */!f5!l?' Jtt^,rna I Pa"raba entregar ao te ronel Joao Caval-
e genero$a-
: e padaria de Jos .-uitonio Carpinkir da Silva, I cauli de Albuqueaae.
1 que sera bem recompensado. m|te.
f\
-"




1
-----------------
Diarto de reraamburo filara fclra i de Xoreanbro de !%.
LITTERATURA.
0 ken e nal.
as palvras de meu padrinho, respeito ao casa-
mento dfilha?
NIo me enganei; foram estos : casem; mas
que ? o nao veja mais. Porque m'o perguntas?
vigario, requenmenlo do
de
Fui suspenso
Sr. Ruy de fallas.
Mas ests em paz comiigo e com os teus de-
veres.
Eslou.
Entao descanra na tua casa, meu irmo. Pi-
ca ao pe detua irnia. Villa-Cova, sem padre, est
como viuva saudosa e inconsolavri. Os teus paro-
eljanos ja te amavam : paga-lhes o amor Ocando
acrescen tou Sueiro de nilre elles. \ir outro vigario enviado do gorer-
no ; e tu sers o enviado de Deus. Ambos sao .ne-
cesarios, o t para miin, e ein minha casa, s o
(Continoaoio.)
. vni
- Nao approvo-disse o vclho-Estao casa-
dos. J me nao poupo vergbnha de receber em
ratnha casa a viuva do Homem abjecto. E" tarde
para remedio. O sangue j nao lava a
Nodoa eterna
Agailar.
,_ Ssja o que Deus quizer IEst visto que re- cumulo da felicidade.
tas k ^P0^ 1ue pediste, meu sobriBho. Fca- Ficarei e trabalhare ; respondeu padre
. k: eu com ella.e tu com a tua digni- ^?; .-. .,...
rcmoem p n Pi da seguinte, chegou a residencia de S. Ju-
dade limpa. W olha 1ne & ,njosto! M.nha fl- i,ao da Serr outro pastor. D'ahi curto espaco,
Iha Guiomar est nncentf n0 Relicto de Chrsti- estava o adro a trasbordar de povo. A noticia che-
aa Faz o aue aniziwrK Escolhe a mais rica; oa aos campos, e os agricultores ergueram mao
aa ra o que. qmi&m da ^ e occorreram ao presbvterio
mais fidalga difficilmente a em Portu Feila a entrega de livrose utensilios da egreja,
gal. padre Joao sabiu ao adro e disse:
Sei que minha prima !dsse modestissl- Meus_amigos, como no pouco tempo que vos
r % de ta* fe- .. por gj-ft J-JJJg *-gv --*
ter mais que dizer a tal respeito. Ima prima dos escndalo ou desamor. Como fostes rebanho de
Alarcoes Parmas d'Ega nao poda ser mais nada 1 um pastor santo, que me antecedeu, achei-vos do-
om materia genealgica. A D. Guiomar, porm, ceis, bons, e virtuosos. EdiBquei-me entre vos, e
entre asqua.ida.les dignas de seu primeara- ^^t^JS
va-lbe a de ser tola, com uns longos de Miota. pastores no futuro nao deslruam as obras boas dos
O ajuntarem-se estes dous era predestnaeo, na passados. Elles semearam : vos sois o fructo, e
dire do alto para declinar a influencia divina de'de vos nao de fiutear muitas geracoes. E, por
sobre as parvoicadas que se fazem neste globo;1 'f*. J*' n,,n, 9 v,ario novo ,tera esl"."'0
, \ dosaniigus. Sede com elle o que fostes comigo.
mas, predestinado, sso era, se alguma ha nesta j.cae con, ^^
cousa de encontros c desencontros, que os poetas Os ourintes abijaram-no em tropel, deoulhados
mirficamente explicara en lagrimas ; e elle, ensopando com as suas a
E unto assim era que, naque.le mesuro da, D. ^"{J*%" ^ *
dir-vos-hei, meus bons amigos, que os anjos do
cu assistem rom as suas msicas esta vossa
festa. Seflscaliseimal os rosaos trinta e seis mil
ris, aecusae-me pitra eu vo-los repr.
Disse, e logo un, e todos os Iavradores lhe fo-
ram beijar a mo ; e os pobres, a nao seren reti-
rados brandamenta, iriam beijar-lhe os ps.
Ao meio di o m pomo, no sobrado da residen-
cia, estava posta urna mesa com trese pratos. Na
cabeceira sentou-se o vigario, e os doze pobres,
j lavados e vestidos latteralmente. O jantar viera
cozinhado de Vill-Cova : o bodo as pobrezinhos
fra devocao de Peregrina.
Ladislu e sua mulher serviram os convivas'
um de cada lado, j partindo em pequeninos boca-
dos a racao de cada pobre, j ministrando-os
bocea do mais intrevado que se nao servia de suas
mos.
Em redor da mesa, de p, silenciosos, e como
No seguinte dia, disse Casimiro Christina :
Depois de jantar, vou ver um condiscpulo
doente. E* a primelra tarde que passas sem mim.
(llha.
E' rerdade!...
Mas nao has de soffrer, nao ? A saudade
urna companhia.
Dizes-me isso com ar tao triste, Casimiro I
E' a saudade, minha querida !
Pois nao vas.
Prometti ir; mandei-lhe dizer que ia...
Beixa-nie ver os teus olhos... exetamou ella
approximando-se de golpe.
Que tem os meus olhos ? I
Lagrimas I tu choras, Casimiro I
Nao...
Um segredo um segredo para a tua Chris-
tina !
Serei eu um fraco! disse elle como a si pro-
arroubados naquelle espectculo santo, estavam os prio, imaginando-se sozinho.
principaes Iavradores da freguezia. Por vezes, Fraco por chorar ? Se nao tens razao, s...
urna outra voz, mal desaburada das lagrimas, mur- mas tu Casimiro, nunca assim te vi I Nao sahirs
Sueiro, viudo de passeio com D. Guiomar, affectuo-
samente disse ao tio que, apesar de tudo, seria seu
genro, com a resahra de em sua casa nunca mais
se proferir o nome de Christina.
Concordes nisto, afanaram-sc logo em aviar os
preparativos. D. Sueiro de Aguilar foi dispr suas
cousas em Miranda, e Ruy de Nellas envin ao
Porto o feitor compra do precioso enxoval.
Natural seria que o velho, contente e distrabido
pordoasse ao vigario de S. Joliio, ou esfriasse no
wdor vingativo at esquecer o ingrato, e despre-
za-lo fldalgamente.
Assim nao foi. A natureza vai tao fabricada que
j rae qur parecer que andamos a chamar natu-
reza a tudo que arte; arte, digo eu, synonimo de
manha, ardil, malicia, e obra de Satanaz.
Escreveu Ruy de Mellas ao seu procurador na
Guarda, aecusando o vigario de S. Julio da Ser-
ia. Foi padre Joo chamado cmara ecclesiasti-
ca para responder sobre o casamento irregular de
Casimiro Betlancourt e D. Christina de Nellas. In-
genuamente relatou o vigario que os casara com
a licenca vocal do pae da contrllente. Redargui-
ram-lhe que ca apcrifa alieeuca, e d'ali sem
uveriguacSes o suspendern do exercieio paro-
chial.
Padro Joao, antes de reeolher vigararia para
fazer entrega dos livros a posse do novo pastor, foi
a Pialiel, e serenamente bateu ao porto do fl-
dalgo.
Os criados receberam-o com m sombra, e um
foi a-visar o amo, e voltou dizendo :
O dalgo nao lhe falla. V-se o senhor pa-
dro era paz, que o ame, se o v vae-lhe ao esni-
uhace.
Diga ao Sr. Ruy de Nellas que seu aOlhado
vciu pedir-lhe perdi, e explicar o seu procedi-
uiento.
O servo, vencido pela humildade, voltou ao amo;
e irouxe esta resposta :
Que lhe nao perda, nem qur ouvir expli-
cafocs.
Um de Vmcs. replicou o manso vencedor
do -F.vangelhofaz-me o favor de lhe entregar urna
carta?
Entrego eu, disseram quasi todos.
Volto ja.
hiu o padre a escrever na prkneira tenda (fue
he prestou. Dizia assim a carta :
r Meu bom padrinho consentiu verbalmente que
cu rasasse a Sra. D. Christina com Casimiro ?
Consentiu.
t Meu padrinho requercu a suspensao das mi-
nhas funecoes parochiaes, allegando a irregulari-
dade daquelle casamento?
< Requereu.
c Devia faz-lo ?
Cito perante Deus a consiciencia de meu pa
drinho. ,
e Se proced mal, peco perdi. Se proced bero,.
Deus me ampare. De V. Exc. atilhado capello, o
servo.
Joao.
Ruy leu a carta com arremesso, e rolou-a com
brandura. A sua consciencia estava diante de
Deus. O juiz era nexoravel, e o velho. supersti-
cioso, talrez. Trema, c quera fugir de si pro-
prio-Carrepava-lhe no peito a mao frrea da Justina
divina, c abafava-o. Ruy chamou o criado e man-
dou entrar o padre.
0 n-adre, porm, entregara a carta, e sahira
anir.ho de Villa Cova.
r.cixemos o delinquente a revolver-sc no infer-
no que se abri com a mo iniqua, e sigamos o
'JJomem de animo iuteiro, o humilde trumphante.
Chepou Villa-Cova de rosto alegre, e disse :
Certamente, Ladislu, nao te engaaste, com
para
mesilla hora, Ruy de Nellas, humilhao pela
consciencia na bata Iha com o orgulho, escrwia ao
procurador, mandando-o que fosse ao paro episco-
pal e encarecidamente solicitasse o por pedra so-
bre o proeesso contra- o padre vigario de S. Julio
da Serra, e levantar-:* a suspensao. E desculpava
a mudanra de seu animo, con ter-se lembrado
que dra'verbalmente a- llcunca, e o padre, em vir-
tude dissoj. proceder regularmente. Encareca en
termos aUictos os sens escrpulos e remorsos-,
pedindo a mxima brevidade nt> levantamento da
sus|>ensao, e re tirada do- novo vigario.
Ora vejan que alavanea de ferro-, a prostrar juro
seberbo, foi a hiimillima carta de padre Joao f
Estas victoriasd-as oEvangelho e as tnsignessao
estas. Que vencer Cesar Pompeu, oo Scipiao
Annibal Que Roma armada avassatar o mun-
?^^<^txssz\ -*a rerad- mocd'*- rpto da-
Ihod'um homem, quandose Ibe peda perda d'um | quelles que o procuravam como auxiliador na n-
murava :|
Lou vado sej o Senhor !
E, cada lavrador enchugava os seus olhos.
Concluido o jantar, ergueu-se o sacerdote, e deu
grasas Deus em voz alta ; e ao sahir da mesa,
proferiu estas patarras :
Louvemos o Altissimo porque nos dea cora-
cao para sent rmos as alegrias da candade. Esta
virtude, que commove at aos prantos consolado-
res a sombra dos coatentamentos da bemoven-
turanfa. Meus amigos, a vossa festa araban -. mas
eu espero em Deus que haveis de v-la continua-
da no cu.
IX
Deeorreram dex mezes sen successo digno de
mencao, a nao ser o nascimento do primognito
dos bemaventurados de Villa Cova. Receben na
pa baptismal o neme de seu avd, sobre cuja egide
os paes o offereceram. Foi padrinho o vigario, a
madrinhnD. Christina. representada pela velba-
Rrazia, criada octogenaria, queja nao morre sem
o contentamente de por as mos no neto do santo,
que ella conhecera creanca. E, eom este espiri-
hoje mais... juro-t'o.
Nao jures, fllha, que hei de sahir...
E dizes-m'o assim com esse imperio ? !...
E' a honra...
A honra!... Tu nao vaes ver um condisc-
pulo doente.
Nao. Menti-te, Christina. Perda-me.
Pois que ? atalhou ella sobresaltada.
Casimiro relatou exactamente o facto descrip-
to, mostrou urnas cartas reeem-chegadas de Villa-
Cova, e pergunlon :
Devo ir, Cbristana ?
Vae r exclamou ella. Vae f f que eu sou mu-
Hier!
E momentos depois, porque era rmiBier, abra-
eou-se nelle, e solueou:
O' Casimiro!...
Quy fllha?
S prudente, sim?
Recommends-m''a mim?! Nao viste que en
offri oito dias, callado, affronta ?
E desprendeuse dos bracos della.
Entren no botequim da Rua-larga, eom to paca-
tual parentesco, pagou Ladislu os setenta auno semblante, como se att nao fosse para mais que
de companhia da sua serva. aligeirar as horas felzes-da mecidade.
Casimir Bettancourt cursara primeiro anno Os que e conhecia encararam em D. Alexandre
mathematieo, e era furriel de infantaria. Conti- de Aguilar.
O dalgo de Miranda nao conhecia D. Casimiro.
sfilh
inventado aggravo, isso sim que vence. Qual
philosopho, antes do divino Quisto,ensinau a citar
ao tribunal do juiz supremo a conseieae d'um
mu, e faz-lo ah aecusar-se, condemnar-se-, e re-
parar o ruim friura affroota, a injustiga ?
Alguus dias passados, padre Joao Fenewr* era
restituido posse da egreja, viito que ttenores
informacoes aboaaram a regulandade dn ma-
trimonio aecusado indevidamente.
O povo da freguezia exorbilou da soa oeetumada
prudencia, saltando por cima das- admowndas do
seu vigario. Os mais enlbosiastas Szenam fbguei-
ras como em noule de & Joao, e corrern a fre-
guezia com esturdias instrumentaes, e foguetes de
lagrimas. Cotisaram-se seis Iavradores abastados
para celebrarem e successo, n'iun aprosado do-
mingo, mandando fabricar um balan na Guardare
comprar na botica os ingredientes para-a ascencao,
com grande copia de gyrandolas e quantas inven-
ges pyrothechncas se aeba&sem na Guarda e Vi-
zeu afora a msica de Pinhel. O vigario empenhou
rohros e autoridade em demov-los ;. porm, como
os risse inquehraves no intento, chamen elle ar-
tificiosamente a si o dioheiro destinado e festivas
despeza>, obrigando-se 0scali6a-lo no- melhor
modo.
Chegou o domingo aprazado. Logo de madruga-
da os Iavradores fosam residencia de vigario
tomar couta dos objoctos, que deviamterchegado
no sabbado. Padre Joao mosJnou-lhes urna arca
de pinho, e disse :
O baio, que ha de chegar ao cu, j ali est
naquella arca.
Os Iavradores quizeram w-lo ; mas o padre
differiu para as onze horas dnsencamtar o balo,
que havia de chegar ao cu.
E os foguetes ? perguntaram elles.
Tambeiu ohegam loga, e liae.de ser todos da-
lagrimas.
E a niusiea?
Vem tambem, e ha de ser msica de anjos.
Os parochjenos encararam-se mutuamente, e
murmuraram :
Aqu.anda marosca !.....
No fim da missa do dia, por volta do orne ho-
ras, o vigario assomou na arco da egreja, tirou
de entre os clcheles da latina um papel, onde
eram inscriptos as noro.es de doze velhos pobres
e doeotes do freguezia. proporf o que os ia cha-
mando, os velhnhos sahiam de entre a raultido
o collocavam-se em frente do vigario.
Chamado o duodcimo, que subiu amparado por
dous netos, o padre mandou conduzir da sachris-
tia para o arco da egreja a arca de pinho, que os
Iavradores titiham visto na casa parochial. Abriu
ello a caixa, e foi tirando e repartindo por cada
um dos doze pobres urna roupa intera de panta-
lona, colte. e vesta do saragoca. Os velhos rece-
biam com mos trmulas a esmola, e murmura
vam patarras de ben^ao, e alimpavam os olhos
turros de lagrimas para rerem o seu remedio do
prximo invern. Finda a repartilo, o vigario'
procurando com os olhos os Iavradores cotisados
para a fuoccao, disse-lhes:
Aqui est, meus amigos, o balo que chega
ao cu ; ali tendes no rosto d'aquelles andaos in-
JrD0 *"*** dUa, ?Ue ,he deiIa-'se 'r como creado o desertor, vis-
cartas. Abriu a pnmeira, lancnu-i sobre a mesa e toque a plebe acadmica se bandeara contra os
estudantes fldalgos e devotos da cama vencida.
promptamente o Irmao, cmtente de ver
terpretacaode suas lices.
Um deste disse-lhe, nma vez, que, no curso de
tais, andava um rapaz provinciano, que detrahia
publicamente Casimiro- Bettancourt.
Que dta elle de mim ? perginlou Casi-
miro.
Miseria*-..-
Que sao miserias ?
Diz que tu.s sobrinho de um carpinteiro.
Isso vordade : sobrinho de um honrado
carpinteiro. Que mais diz? Vamos as-mismas...
Que roubasle a senhora com qpem s ca-
sado.
Tamben'verdade: Fugimos para- nos casar-
mos. Que mais ?
Diz qu a pagaste assim indignamente os bene.
fioios, que devias ao pae della.
Nao proced bem -T mas todo o homem de co-
raeao me ha de absolver. Como nao a amei neta
a raptei por ella ser rica, e nao vivo nem pretendo-
virer do patrimonio della, a minha dignidade inr-
vulneravel.
Isso nao diz elle..... mas eu airn! te nao dis-
se quem elle ...
J sei: D. Alexandre de Aguillar Vito- de
Alarco Parraa d'Eca.
E' isso.
Que diz elle em,contrario do-qne-eu digo?-
Que tu vives do producto daejoas, que tua
senhora subtrahiu ao pae.
Mente! disse serenamente Casimires e ac-
crescentoo: Nao quero ouvir mais. Ouvicam-uYo
muitas testomuahas ? *
No botequim da Rua-larga. Eramos mais de
vinte rapazes, e passavas tu nessa occasiao.
Se desejas servir-me...
Se desejo l... Quebro-lhe a cara, se isso te
apraz.
Nao, meu amigo. Eu. sou ura homem como
elle. O que eu te peco que tomes, nota das pes-
soas, que ouviram a calumnia, para mais tarde pe-
dires a presenca dellas.
Fcilmente : eu te digo os nones... Eram
Escuso. Basta que tu os saibas. Sao horas
de estudarmos a liro.
E abancaram trauquillamentc.
Volvidos oito dias, Casimiro Bettancourt disse ao
condiscpulo :
Amanha sabbado. Peco-te que reunas s
seis horas da tarde, no botequim da Rua-larga, os
teus amigos, caso aconteca l ir D. Alexandre de
Aguilar.
Vae sempre : das oito horas em diante est
embriagado.
Com tanto que nao o estejas s seis...
Isso raro. Quando o est s seis, porque
Viu aquello sugeito fardado de infantaria 6, e
disse: /
Isto j botequim da soldados ?
um acadmico: o- primeiro premiado de
mathematica.
E' aquella, ajuntou outro, de quem t contas-
ms as proesas easamenteiras.
Ah! o sobrinho do mestre Antonio? lame
qiiz.parecer que devia ser furriel.
Isto fra ditoy tnuito paridade, aos circumstan-
tantes, que nao- se riram.
O amigo de Casimiro aproximou-ss da mesa e
disse-lhe:
Esto todos.
D. Alexandre oomo vase esta approximarac-
disse:
Elles coabecem-se?M Quera- este aca-
dmico, que lhe falta?" este que ohamam Vfr-
lhena?
FOLHETIH.
validos e doentcs as lagrimas, que sao lagrimas de j se tinha embriagado s tres.
grapas ao Senhor e de gratido a vos. Haveis de i ptimo! Espera-me l.
confessar que as lagrimas dos foguetes sao menos Este dialogo correu na alameda fronteira casa,
brilhantes e consoladoras. Emquanto musioa,; O acadmico esconda-se de sua mulher.
E' filtao. segundo de urna casa-distncta do
Braga.
Cuideique fosse lho primeiro de algum cho-
peleiro de Braga....
Casimiro- pagou a chnvena de caf, ergueu-sa e
foi a passo mezurado banca de D. Alexandre-
0 fidalge. encarou nelle, e logo sos circunstan-
tes, como quem diz : que qur c-tolo?I
E os atademicos, que formavam cerco mesa,
abriram fileras ao lado, arrastando os bancos.
Bettaicourt fez un gesto coitez aos rapazes e
dsse:
O Sr. D. Alexandre de Aguilar cenhece-
me?
Se o conheeo___
Casimiro fez nrn gesto de cabeca afflrmativo.
Conheco-o de o ver agora ah, e dizerem-me
quem o senhor era.
Que sabe o senhor da minha vida? tomn
Carimiro.
Que sei da sua vida ? 1
Dispensamos o eco, senhor D. Alexan-
dre. Quera pergunta sou eu. Que sabe de Mana
vida ? ;
E se eu lhe disser que nao lhe don satisfa
c,oes? Agora sou eu quem pergunta.
Respondo-lhe que o senhor nm infame, c
depois arrancolhe a lingua.
O fldalgo Alarcao Parma d'Eca ia a dizer o qur
que era, e engasgou-se.
Casimiro Bettancoout continuou no mesmo tom
de serena conversajo:
Disse V. Exc. que eu era sobrinho de um
carpinteiro. Disse a verdade. Que eu raptara
urna senhora, cujo marido sou. E' certo. Ajuntou
que eu estava vivendo das joias, que minha mu-
lher roubara a seu pae. Mentiu. Vejo que esta pa-
lavra nao inquieta grandemente o sangue azul de
V. Exc. Anda assim, eu quero imaginar que o se-
nhor D. Alexandre me pede prova da sua alei-
vosa.
A CONDESSA DIANA
POR
MR. MARIO UCBARD.
(Continuado do n. 233.)
XIV
Desse diacmdante foi rpida a minha conva
lescenqa. Estavamos no mez de agosto ; e o vico
e as toreas da natureza no seu pleno desenvolvi-
niento pareciam reanimar-me, como de facto me
reanimava a olhos vistos.
As ausencias quotiianas doSr. de Maufert,mui-
to oceupado com u suas colheitas, nos proporcio-
iiavain longas horas deliberdade e solido. Muitas
vezes corra com Diana por entre os campos asss-
thjdo aos traba I los dos cegadores ; e quem nos
vjsse sentados sombra de urna arvore, refrige-
rando-nos do calor do da, tomar-nos-hia por dous
amantes felizes. Um dia colhi cenureas e pa-
poulas, e teci urna corda que lhe puz na cabera.
Diana estava assim to bella que quei a contem-
pla-la extasiado : ella o percebeu e corou.
Entretanto devo confessar que a nossa atmos-
phera moral havia mudado. Diana pareca absor-
vida n'uma viso interior ao mesmo tempo terri-
vel o deliciosa, e eu bem presenta que no fundo
da sua alma ella deliberava sobre o meu des-
tino.
S via Bastiao nos intervallos das suas arrisca-
das expedipoes, pois nao me foi possivel conseguir
delle (|ue abandonasse o contrabando.
Urna tarde o encontrei e me disse :
O' Sr. Andr, encontrei-o a proposito. Tenha
a bondade de ensinar-me o que devo eu dizer
respeito da sua vida de rapaz. Ora, imagine Vmc.
rae ha 15 dias Camarina com o seu arsinhode
sonsa, c romo quem nao mostrajMjjfl empenho
em saber da cousa, pergoaton Hr> Andr
nao requestava algumnH B como
Jonna no outro lenMl Bripio que
a isto urna sindaH BPnCT>' Vr~
que nada ha etaflj r interessem
tanto romo e^BH BPS- Mas ella
repetiu-mc est pi nversas vezes, o que
tornou-me tambem curioso. Afinal vim saber que | Nao, Sr. barao : ale agora deixaram-me tran-
era a Sra. condessa quem lhe recommendou essas quillo. Porm, passam-se cousas que V. S. deve
indaeacocs, porque rece i a que Vmc. alimente al- saber, ainda que me ameacassem com a minha rui-
guma incl.naco pouco digna... i na se cu Ih'as contasse O Sr. barao, seu pae,
Oh diga-lhe a verdade I exelamei. Afflrme protegeu-me sempre, e V. S. do mesmo modo : nao
que nao me orcoiio dessas baixas intrigas. I hede, pois, deixar que lhe facam mal O advoga-
Basta, replicou sorrindo-se o contrabandista: do, a quem consulte], me disse que elles lhe que-
hoje mesmo Vmc.licar purificado. riam perder....
Fiquei inquieto com esta minha resolueao ; por-, Perder-me ? Explique-se.
que desculpa-me assim para com Diana era um pe- V. S. dere ter sabido que no da segante a
rico ; e por isso cstremeci quando a vi pela ma- aquelle em que fomos a Montherme, a Sra. condes-
nina ^ r sa fez o mais que pode em nosso favor. Julgava-me
Tranquil.se-me, porm, vista da maneira por- salvo, quando tres dias depois mejoi entregue um
que me'estendera a mo. Talvez que, livre de papel sellado Puz-me logo **^ *******
um cuidado penoso, ella se julgasse feliz por nao ier. Mas, ei:lo. Elle melhor o expheara que nova
disse :
Conheeo essa letra?
Conheeo, respondeu D. Alexandre, de meu
tro Ruy de Nellas Gamboa de Barbedo.
Pae de minha mulher, ajuntou Casimiro vol-
tando-se aos acadmicos circumpostos; e, fallando
para elles continuou:
Como eu soubesse que o Sr. D. Alexandre
me alcunhava do receptador dos furtos de minha
mulher, escrev a um homem de bem, pedindo-lhe
que se apresentas.se ao Sr. Ruy de Nellas, meu so-
gro, perguntando-lhe se sua lilha, no acto da fuga,
subtrahirada rasa algum objectode valor, o de-
clarasse por escripto. Esta segunda carta a res-
posta da pessoa encarregada ; e diz : O correio
< s d tempo a dizer-lhe eu que o Sr. de Nellas,
apenas me ouviu, escreveu a deciaragao, que
conteda remetto, e inostrou-se espantado de que
< a calumnia propale o que elle nunca disse, e de
o nao ter dito m'o jurou pela alma de sua mulher
e honra de suas filhas. Sem mais. Seu amigo'
t P. Joao Ferrara.
Leia agora o Sr. D. Alexandre a dectaracao
de seu tio.
Leia o senhor! bradoo com grande esforc
de falsa coragem o calumniador esmagado.
Leia! tomou Casimiro com um lancar de
olhos fulminante.
O fldalgo tomn a papel na maos eonvulsaa, e
deixou-o logo cahir.
A covardia cega-o! disse Casimiro sar-
rindo. Algtins dos cavalleirostem a bondade de
Ier?
O mais chegado de D. Alexandre leu o se-
guinte:
c Ruy de Nellas Gamboa de Barbedo, de Pinhel,
declaro que minha IHhn Christinai Elisiaria nao
subtrahiu de minha casa ralor algum, nem os
t seus proprios vestidos- e adresses, quando fugiui
para casar-se com Casimiro Bettancourt E por
isto ser verdade, mu espontneamente, e com
< juramento aos santos Evangelhos o declaro agora
ce sempre. Pinhel, 5 de abril de 18.19: -Ruy
t de Nella*, etc.
Est roconhecida a assignatura disse Casi-
miro.
Est responden O' estudnte, que lera. E
quando nao estivesse, j o sobrinho a tinha reco-
nhecido.
Isso nao ralia nadatomou o- furriel.
Nenhum dos caralleros prestara f ao-reconheci-
I ment do Sr. D. Alexandre de Aguilar. Declare,
pois, oSr. D:. Aloxandre que mentiu intamissima-
mente, e oflerera a cara para que todos lhe cuspan
nella.
O fldalgo argueu-se, e ramiu :
O senhor I...
Que mais?... perguntou Casimiro.
Insulta-me ?
Nao. Obrigo-o a sentar-se, que rae incommo-
da r-lo de p.
E, dizendo, baixou-lhe no alto da eabeea urna
palmada, que effectivaueate o fez apoiar-se sobre
as ilhargas. a
E, voltando-se com rosto faceto-aos-acadmicos,
disse :
O espectculo foi feto, que o miseravel nao
d sequer um soffrvel truocom mdo. Agrade-
50 a attencao dos cavalleiros, mrmente com o so-
brinho de um carpinleirO).que, por nao-ser nobre,
tem vontade de ser honrado.
Sahiu do botequim acompanhado de quasi todos,
os estudanles. Os pouco*, que caranij como pe-
trificados, por nao saberem que dizer D. Alexan-
dre de Agcilar Vito de Alarca Parma d'Eca, ret-
raram-se cabisbaixos.
Casimiro estugou o passo, caminho de Santo An-
tonio dos Olivaes, c eneontrou a esposa, anciadav
fra de casa.
Con ton-lhe. sem fateidade, o esseacial do acov
tecido, e reservou o fasto da monumental palmada
na eabeea. O delicado mocojulgoa mulher, dizendo-lhe qne castigara com a mo um
seu prente.
Foi o successo cstrcndosaraenle oontado e aplau-
dido emCoimbra, taato porque era.de razo applau-
di-lo, como por ser n'urn tempo em que a mocida-
de acadmica, popular o burgjieza, na mxima, par-
te, desadorava os lidalgos castellaos, e nao perda
laen de os metter a riso.
D. AJexandre nada seguinte, foi para Minanda,
em busca de remanso e solido para pensar na vin-
gangay vinganca de covarde, qe nao pedin j ser
de outra natureza. -
Vamos no rasto deste reptil.
O extraordinario da chegatte doestudante, quan-
do as aulas estavam abertase os actos nocome-
cados, devia ser de algum modo explicado a D.
Sueiro e a parenlella alvoratada. Conou elle que
tinha tosse; e o caso foi que tossiu. O- medico da
casa apalpou-o, auscultou-vv e decidia-se pela tosse,
em concordancia com a faeuldade medica de Coim-
bra, que mandara a ares patrios o mancebo, amea-
gado de cousa seria. Em verdade, a pertinacia da
embriaguez reduzira D. Alexandre a um viver
morboso, asthenico, e anlogo ao do ethieo; ej
nao admira que a palmada capital do sadio Casi-
miro o ilzesse sentar.
Suppunba D. Sueiro que o casamento de Christi-
na era muita parte na doenea do irmo, e curara
de remediar o mal de amor cora os amores novos
da cunhada, que tinha em casa, galante menina,
Mafalda de nome. Era a vigessima nona Ma-
falda naquella familia de Pinhel, entrando ueste
numero a santa infanta Mafalda, fundadora domos-
teiro de Arouca, irniaa de AffonsoU que tam-
bem era da familia, pelos modos e sem duvida ne-
nhuma.
Se a menina o amava nao sei, nem averiguei,
por ser de mais na pauta deste escripto; e que me
consta que D. Alexandre to adentrado^ estava
com os seus clculos de vinganca, que nao dava
pela prima, nem se lisongeava do seu amor.
A nica pessoa de Miranda, com quem se abria
o fidalgo, era um desertor de carallara, muto dos
Alarcoes, especie do molosso da casa, sob cujas te-
Ihas estava a seguro.
As intelligencias de D. Alexandre com o desertor
sao obvias : curava de comprar-lhe o braco vin-
gador; mas to em segredo, que nunca riesse luz
a sua segunda ignominia.
Conchavaram-se de barata D. Alexandre daria
ao desertor basta quantia a transporta-lo ao Bra-
sil; e o desertor, em mesquinha paga de tamanho
bcnellrio, matara Casimiro Bettancourt.
Neste accordo, pediu D. Alexandre ao morgado
ueD. Alaxandre recobrava cores, e olvidara Cliris-
I3,
>.
ter mais motivo de receiar que u me comprme!- dosgraca cahia sobre mim.
tesse n'uma allianca vulgar, e indigna de mim. pensei que fosse alguma nova citaco : porm
Entretanto, ao lado do meu idylio estavam oa- i)enas ouv ier as priraeiras linhas hquci conster-
presaicos enojos motivados pela dependencia em mo Era uma oraem para comparecer na pre-
que era forcoso viver ; se bem que depois da mi- Knii 0ll e nstrucgo, junU a um mandado
nha convalescenca encontrasse menos aspereza da em p0|jCa correccional requisico do Sr. Pla-
parte do Sr. de Maufert, como se elle tivesse re- c
morsos dos actos de brutalidade, a que se devia o intendente queixava-se de violencias exerci-
attnbuir o accidente que me pe* tao perto do tu- das sobnj e|,e pelo chamailo Guillot, com interven-
m"'' ...'. cao de extorquir diversos documentos em seu pro-
Decidido,_ como me achava, a soffrer tudo com ^cit0 Faava alm dlsso do arflcode um pu-
tanto que nao sahissc de ao |i de Diana procura- faeuldade mentaes se achavam notoria-
Sa evitar com lodo o cuidado oecanoes de disputa. v { unaias, como bem attestara o titulo de
veis mezes apenas separavam-me da poca da mi
nha emanciparan, e a sbita indulgencia do meu
tutor dava-me motivos de pensar que gozara sem
mais obstculos dessa poca tao ambicionada.
Mas, ah I Um simples acaso revelou-me o trama
horrivel urdido contra mim.
Era um domingo. Sana eu da missa, a aue o
o Sr. Isidoro recebeu e metteu logo na algibeira,
dizendo-me depois :
Meu rapaz, nao tenha a presumpcao de sup-
pr que o perseguera: voc ahi nao passa do cor-
dosinho que pucham para fazer dancar a flgurinha
do papel lo; e som ser feiticeiro vou dizer o que
ha de acontecer: voc comparecer na presenca
do juz, e ser interrogado; no dia seguinte o Sr.
Placido retirar a sua queixa, e eis o negocio
arranjado I >
Entao o Sr. Isidoro contou-me que tudo isso
era um trama contra V. S.; que a queixa apre-
sentada pelo intendente tinha nicamente por fim
mostrar que V. S. est.........sim, que nao tem
o juizo perfeilo, pois o senhor conde pretende da-lo
por alienado........... No dia seguinte vim ao
castello contar-lhe tudo, mas soube que se achara
muito doente. > ,
Ha catastrophes de tal ordem que nao deixam
tempo para aprecia-las, dores to agudas que rou-
bam o sentimento. Lembrei-me do conselho do
pae Abraham, e todava o que me acabara Guillot
de rerelar parecia-me to odioso, to vil e mesqui-
nho, que mal ousara cr-lo!
O que aconteceu depois ? perguntei.
Quasi nada: no dia marcado comparec na
sala das audiencias, e o efhcial de justica despe-
diu-me dizendo que o meu negocio estara adia-
do. Depois nunca maisouri fallar disto.
Houve um momento em que. vista de tantas
^^ ** *^a* yOKoa ""S0 Universdade,
com o seu vingador. por ul arte disfarcado queda-
va de si oa rustico cavallarico, mca'paz d fazer
mal a folego viro. *^
Os amigos dos annos anteriores foeiam-lhe e no-
ros nenhum lhe apenara a mao. Oopprob'riodo
fidalgo era anda materia de ociosos, rerindo com
a sua presenca.
Preoccupava-o a traya de o fazer conhecido Ca-
simiro ao seu matador : cousa nao fcil entre mil
c tantos mocos, entre os qnaes raro se via o soli-
tario de Santo Antonio de Olivaes.
O solicito confidente de D. Alexandre tomou so-
bre si o cargo de- conhecer Casimiro, e esperara ti-
ra-lo pelas feices, que lhe rira en Pinhel, quando
elle era mocinho de qninze annos.
Neste intento, foi como de passeio a Santo
nlcniodos Oliraes; e-, logo por fertuna, aodobrar
0 combro de uma azinhaga, viu um sujeito de far-
da militar com uma senhora pelo braco.
G est o homem disse entre si", e deteve-se
a examina-lo, sem attentar em Christina, que oexa-
minava- a elle. Casirawe, por sua parte, oem deu
tanto do reparo do caminheiro.
Ora, Christina tinha visto aquelle tomem em Pi-
nhel, recebara da mo delle uma carta de D. Ale-
xandre, a lembrava-se ter ouvido dieer ao primo
D. Sueiro que aquelle soldado dos amigos drages
era o seu guarda fiel, e eom elle iria ao-inferno.
O desertor, porm, olvidou-se-lhe Christina e nem
por sombra- imaginou ser reconhecido.
A senhora estremeceu, e duvidou. J elle se ha-
via sumido, quando ella disse ao esposo:
Acautella-te meu fllho!
De que?
VI agora um criado dos de Miranda----Nao
pode deixar de ser elle.....Vein como A*exandre
eanda a espreitar-te.
Que ten*isso Christina?
Tem qne elle um malvado.....Ai meu
Deus I d'aqutem diante en-nao torillo memento de
socegoI Queres t queramos emboradeste ermo?
Aluga casa na cidade. Podes ser assaltado-no ca-
minho. Ts raleute, meu Casimiro-, mas d'uma
traicio ninguem se lirra!
Os preranidos li.vram, atalhou Casimiro. Nao
vejo causa para mdo; mas se has de viver inquie-
ta, mudemos, filhn.
Sim : faz^nie isso, que annos de vida que
me pnupasl
Andava Casimiro em procura, de casa, quando
recebeu a seguinte carta de Ladislu :
Meu compadre.Vae aer surprehenddocom
.r minha pelirn. qual sabscrevem niiulu mu-
< Iher e meu cunhado. Logo que esta receber.
metta-.se a caminho com sna senhora, e venham
1 direitos sua casa dr-Vilkv-Cva. Iremosos tres
espara-los, ameio do caminho. Perder um an
no de Universdade nao faz implicancia < sua
futura sorte, se ella tem- de ser boa. Espera-
1110-los; porque nao posso acreditar qae meus
compadres faltom ao seuLadislu.'
(Casimiro leu, e dsse:
Vamos, e vamos boje.
X
D. Mafalda de Nellas, vol&ndo de Miranda a-Pi-
nhel, trazia ;.- escalavrar-lha o cora^o o espinho
do despeno. Isto nao india a liquidarmos que a
menina amaste o primo D. Alexandre. O despei-
10 n'uma senhora basta a explica-lo a inffcrenca
mesmo dos homens que eas desamam.
Como quar que fosse, Mafalda sahira de Miran-
da, odiando o cunhado de sna irma, no dia-seguin-
te ao da ida delle para Coimbra.
Eis-aqu o que el la contou ao pae, loga-que che-
gou :
Estava eu n'uma das grutas da quinta, quan-
do o prima Alexandre, sentando-se smr me ver,
as cosas-da gruta, deu-um grande assobio. Fet-
me curiosidade aquillo, e estive quieta para ver o
que surta d'alli. Poueo depois, chegou. um ho-
mem de grandes barbas, que eu j tenho visto em
nossa casa em companhia do mano D~ Sueiro-
Bem sei, o desertor atalhou o pae.
isso : eu j tinha ouvido l dizer mana,
que elle era deserler-
Edepois ?
Depois o primo assim que cite ohegonv dis-
se-lhe : Ora que vaes coniigo para Coimbra. Es-
t denididoe o desertor respondeu : Pcis isso
que preciso?Mas v se aparas essas barbas,
que tens cara de farcinoradisse o primoeu te-
nho medo que, em apparecendo morto o Casimiro,
todos digam ene foi obra do meu criado.-Eu
quando tal ouv. comecei a tremer, e tire medo da-
quelle hornera!' Quiz diz-lo amana Guiomar:
mas ella falla to mal do Casimiro o da mana
Christina, que julguei imprudente dizer o que ou-
vira. l^ /
Edepois?atalhou o velho. con inqnieta-
cao.
Depas, estiveram a fallar em meadas e tiros,
E o desertor dizia : iso dous palmos de ferro, fi-
dalgo. E tirou da algibeira uma navalha que re-
luzia, e tamaita, meu pae, como eu nunca vi!
Ainda disseram mais cousas que me nao lembram,
e foi cada uro para seu lado. O* pap, elles ivao.
matar o marido da mana Christina ? Coitado r-.. -
por que que o matam r
D4-ine papel e tinteiro, e nm criado qac ap
parelhe o macho para ir immediatamente a te- re-
cado.
Ruy de Nellas escreveu esta carta :
Sr. Ladislu. Sei que atguem intenta, matar
em Coimbra o marido de Christina. Ha a*s dias
que para ali partu o assassinoou assassiios. Avi-
se-o como seu amigo, para que se acaulellc, ou se
retire. Eu aborrece es infames, e as vingancas
covardes: por isso me apresso a participar41ie este
plano, que oxal nao esteja executado, quando che-
gar a sua carta. Espero em Deus que uno. Do seu
amigo, Ruy de Nettas.
O creado partiu a toda brida.
Ladislu len a carta em suores fros Escreveu
duas linhas de agradecimento a Kuy e prepren-
se para r a Coimbra. Acaso entrara o vigario, e-
lendo a carta, impediu-o de ir, allegando que o.
correio chega va primeiro.
Padre Joo e seu cunhado sabiam os successos
de Coimbra, e, sem se consultarem, nomearar D.
Alexandre.
Casimiro esl virodisse com firmeza o pa-
dre.
f'CoBnHnr-se-Afl.^
algum indicio de ioucura. Puz-me a contar as
arvores uma por uma para conrencer-me de que o
fogo sagrado da minha intelligencia nao se achava
extinelo as trevas infernaes da imbecillidade.
No meu caminho encontrei alguns grupos de
alegres camponezes que iam povoac.ao : todos
me conheciam, velhos, mocos e meninos, e todos
me rumprimcnlaram. A sua alegra irritou-oie. Af-
lastci-me precipitadamente: mas tarde rcflect
nesse estranho accesso de misanthropia, que poda
ser tido como um symptoma de demencia.
Diana 1 Diana ? exelamei alucinado.
E com todas as forras da minha alma proenrei
concentrar o meu pensamento neste nome, que era
para mim a patarra de redempeo!
XV
Aps uma luta prolongada o amor triumphou
dos meus terrores.
Voltei ao castello firmemente resol vido a ter nma
explicacao com o meu tutor. Encontrei-o no seu
gabinete, ped-lhe alguns momentos de attencao.
Estou inteiramentessuas ordens, meu caro,
respondeu elle rom a fingida amenidade de que
usara para comigo havia pouco tempo. As suas
visitas aqui sao tao raras que as considero como
com o fim de me assassinarem moralroente, decla-
rndose perante um tribunal que nwacho noto-
riamente reconhecido como louco ?,
Isto nao passa de alguma nialidcencia de
provincia, respondeu elle com ar indferentc.
Tenho aqui a prova, senhor, tornei eu tiran-
do da algibeira o mandado que me entregara o
rendeir.
Mas este negocio con o rendeiro Guillot.
observou o conde percorrendo o papel com c>
olhos.
E' verdade! O Sr. Placido nao tejara a seu
arrojo a ponto de envolver-me na polica correccio-
nal, repliqnei amargamente.
A cousa bem natural: esse pateta depois
de bem maltratado quiz vingar-se......e rrita-Jo.
^ pondo-o simplesmente fra do caso.
l'eiisa isto? perguntei titando-lhc os olhos.
E que outra intencao se lhe ha de atri-
buir? Elle nao obrou bem indo tao longe; mas
tambem para que ha de ter a mao to leve, meu
caro ?....... Accommodarei o negocio dando-lhe
uma boa reprehensao, e obrigaodo-o a ir apresen-
tar-lhe as suas desculpas.
Desculpas, senhor I Nn basta isto.
Oht Entao uma rerdadeira vendetta pelo
posto que sejam ellas sempreTijue rejo, disse o meu tutor irritado com o meu
arrendamento arrancado por ras de fado, ao mes-
mo Placido, que dcclmava de si roda a responsahi- |dul, Vonjili wnn chocavain"n'meu espirito.
Iidade. e conclua pedindo uma indemnisacao de julgue| q(]e ia ficaf iouco rea|mente. Agradec a
Guillot.
Tive o presentimento de quetocava hora deci-
dez mil francos pelos prejuzos.
Acabada a leitnra de srmelhante papel tornei
me to paludo que
Guillot receiou verme des-1 siva da minha existencia, e quera meditar antes
i de obrar.
Passe grande parte do dia errando por entre os
mattos, e hitando contra sinstros receos.
Tinliam oosado declarar-me louco !
Ohl A colera me chegava; reiu-me o desejo de
. dilacerar com as maos o meu tutor, e o seu mise-
I aconselhou-me que fosse logo consulur a um ad- rarel intendente.........porm esse castigo seria
vfJZZtT me em Saussaie; l chegarei era < vogado. Fui noute Montherme, pois receiava tido como effeito de demencia 1 .....
LTS i ser preso indo de dia. Um primo meu indicou-me Eu louco I Esta palavra atormentava-me: qual:
um quarro Ol ora. fc h d 1 s Isjdoro um lelrado ,nuito enlenQan um chi- quer que fosse a vinganca que projectasse, ella ah
f n'tnlim slSfnicame^ cana. Contei-lhe o caso e mostrei-lhe o mandado, estara nofim. Qur soffresseo ultrageems.lenc.o,
Z^^\^S!^SStM^o^ -J sei, j sei, me disse elle: cousasdoSr. qur me vingasse.......... era sempre tido como
qne, grabas !"* arceito oelo conde.'de Maufert I Se me d dez francos, t ro-lhe o es- louco I
SaXaoS pinho do p,e lhe indico o meio de conservar a: Dever.ajr perante un tribunal pleitear pela
?!_!:... afim ae r diminuico de preco de seu arrendaraento ; por- minha razao ?
que alm disto, o mais nao lhe diz respeito. Desolado, fra de mim, parecia-me ter perdido
Meu primo me disse que conflnwe no lelrado; a percepcao do real: examinava curiosamente o
tlrei do moa sacco duas moedas de com sidos, que meu todo ver se dencobria no apdar ou no gesto
Sr d Maufert arompanhava sempre minha madri- maiar
nha e caminhavN separado delles pela multidao, Continu a soa historia, disse-lhe dominando
quando ao pasar o prtico da egreja, Guillot ap- a minha colera. Quero saber at que ponto elles
nroximou-se de mim, e me disse ao ouvido : leraram tao grande infamia I
Preciso fallar-lhe, Sr. barao. I Vendo-me ameacado pelos tnbnnacs perd a
Peln o>ii ar de nrvsterio ri que se tratara de um eabeea : o papel fallara de priso Minha mulher
negocio grave.
santo, e sahi iior nina porta do parque,
encontrar-me com Guillot.
O que ha de novo, meu amigo ? pergunlei-
0 Sr. Placido fez alguma das suas ?
lhe.
uma fortuna
prognostico de que lhe falta dinhiro.
Nao a falta de dinhiro que aqui me traz,
senhor conde.
Tanto peior; pois olhe, na occasio achava-me, "car un
bem prevenido. Sente-se e dga-me o que preten-
de : se fr cousa possircl, cont que ost ser-
rido.
O que eu pretendo, senhor, muito simples,
respond com a voz tranquilla; pois venho nica-
mente pedir-lhe que dispeca um dos seus subordi-
nados.
Vejamos: qual delles ?
O Sr. Placido, seu intendente.
O conde levanten 06 hombros.
Ora, ora I pois ainda aquelle negocio ? Por
que hei de entao despedi-lo?
Porque me ofrenden, repliquei framente.
Diabo I O senhor, meu pnpillo nio esquecc
os seus rancores Lemhra-se de tal mesquinha-
ria I Entretanto parece-me que tomou uma vin-
ganra solemne de. aneando em regra o pobre in-
tendente, que a meu ver nao o offendeu : por isto,
meu amigo, permita dizer-lhe que a sua suscept-
lidade uma meninice.
O senhor conde, ter tambem na conta de
mesquinharia a una, accao judiciaria jnteoiada PERNAMBUCO. TYP.
saSuie fri. Tome o meu conselho, meu amigo
nesK^mundo devenios pantar os nossos dase-
jos. ^>n me nlil, e nao hei do faz-lo enfor-
r un Niwpara dar-lite prazer com isto. O
seu pedido msato ..........desculpe-me a
expresso. #%
Ohl pode pronumjia-la a sna vontode. Lstou
preparado para tudo.
Tanto melhor. NIo d importancia a esse
ataquo ridiculo; enrostre o seu bom senso, con-
tentando-se com a satisfacao que eslou promplo a
exigir delle para satisfazer o seu amor profiri.
O meu amor propriol exelamei. O meu
amor propno qnando se trata de um insulto gros-
seiro f E' necessario que nos entendamos clara-
mente, senhor, porque parece-me que escapam ao
senhor conde as consequencas que podero resul-
tar do que chama um ataque ridiculo. Nao me
acho em condieces ordinarias, foi o senhor mes-
mo quem o dissena pouco...... Meu ar era
louco......minha raaeUrabemo eral......
(Conhnuar-se-ho.)
uB, M. F- F. F1MI0
1MUT
1
\
I.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EI0E95E6E_T3Q61T INGEST_TIME 2013-08-27T23:56:38Z PACKAGE AA00011611_10239
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES