Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10234


This item is only available as the following downloads:


Full Text
i
AMO
BUMERO 254.
Pop tres mezes diantados 5JJ000
Por tres niczes vencidos ... 6fiO
DIARIO DE
QUINTA FEIRA 5 BE KOYEMBRO DE 1863.
----------!*f------
Por anno adiantado.....i9$00O
Porte para o subscriptor. 3$Q0U
*
ENCARREGADOS DA STBSClUPgO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Amonio Alejandrino de Lima'
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracatv,
Sr. A. de Lomos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao. o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
ciazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SCBSCRIPCAO NO SUL
A-lagoas, o Sr. Claudino Fakio Dias; Bahia, o
Sr. Jos^TBarns Al ves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
Teira Martins & Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e' Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Anlo, Gravat, Rezerros, Bonito, Caruaru',
Altinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Albo, Nazareth. Limoeiro, Brejo, Pesqneira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tajcaratu", Cabrob,
Boa Vista, Ouriciiry e Exu' as quartas feiras.
Serinhacm, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros. Agua Prett e Pimenteiras as quintas feiras.
Ilha de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao '/* dia.
EPHEMER1DES DO MEZ DE NOVEMBRO.
3 Quarto ming. aos 8 m. e 26 s. da t.
11 Loa nova as I h., 34 ni. e 14 s. da m.
18 Quarto rese, aos 12 s. da ni
25 La cheia as 5 h., 1G m. e 20 s. da ni.
PREAMAR DE HOJE.
I Primeira as 8 horas e 30 minutos da manhiia.
I Segunda as 8 horas e 54 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEJROS.
Para o A at Alagas a 5 e 25; para o norte at
a Granja a-7 e 22 de cada mez; para Fernando nos
dias 14 do mezes dejan, marc., maio,jal. sel. enov.
, PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Becife : do Apipucos s 6'/, 7, 7 8'/, da m.; de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao as 6>/2 da in.; do Caxang e Varzea s 7
da ra.; de Bemfica s 8 da m.
Do Recilfe : para o Apipucos s 3'/, 4, 'A. lh,
5, 5 '/, S Vj e C da Urde; para Olinda s 7 da
manha e 4 '/, da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
de ; para Cachang e Varzea s 4 '/a da tarde; para
Bemfica as 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relaco: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 hopas.
Primeira vara do civel : tercas e sextas ao meiol
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados 1 hora
da tarde.
DIAS DA SEMANA.
2. Segunda. Ss. Tobas e Victorino mm.
3. Terca. S. Malaquias b.; S. Herbertom.
4. Quarta. S. Carlos Borromeu are. de Milo.
5. Quinta. S. Fabrieio b.; S. Leto presb.
6. Sexta. S. Severob. m.; S.Leonardoeremha.
7. Sabbado. Ss. Florencio e Ernesto bb.
8. Domingo. S. Nicostrato m.; S. Cartono m.
ASS^GNA-SE
no Recife, em a livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Figueiroa da
Faria t Filho.
PARTE QFF1CIAL.
GOYER.XO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 2denoTfmhro de 1863.
Ocio ao inspector da thesouraria de fazenda.
A vista do incluso pedido, mande V. S. adiantar ao
alinoxarife do hospital militar, nao havendo incon-
veniente, a quantia de 2005000, para recorrer as
Dita.Os senhores agentes da companhia Brasi-
leira de paquetes vapor mandem dar transporte
para a Bahia por conta do ministerio da guerra no
vapor Princeza de Joinville, ao soldado desertor do,
8o batalho de infamara Jos Ferreira da Silva.
Communicou-se ao brigadeiro commandante das
armas.
Dita.O senhor gerente da companhia Pernam-
bucana mandem dar urna passagem de r at o
Cear em lugar destinado passageiro de estado
no vapor Matnangnape, a Francisco Candido das
despezas inidas daquelle eslabelecimento no cor- Chagas.
rente mez.Communicou-se ao brigadeiro com-, Dita.O senhor gerente da companhia Pernam-
mandante das armas. bueana do navegaeao costeira mande dar transporte
Dito ao mesmo.Mande V. S. abonar ao com- para a capital da Parahyba, por conta do ministe-
inandante do brigue barca Ramarac, nao bavendo rio da guerra no primeiro vapor que seguir para
inconveniente, a quantia de 200#000, para occorrer a linha do norte ao eapilao-ajiidante da directora
aos pagamentos de gratilicacoes, por capturas de do arsenal de guerra Apolone Pires Campello Ja-
desertores da armada e as compras de alguns vi- come da Gama, que vai examinar o estado das
veres como requisitou o respectivo commandante, boceas de fogo da fortaleza do Cabedello.Fez-se
em oIR'io desta data.Communicou-se ao com- o necessario expediente a este respeilo.
mandante do brigue barca Ilamarac. -----
Dito ao mesmo.O Exm. presidente daurovin- Expediente de secretario do governo.
cia do Maranhao, participou-mc em offlco de 22 OOlcio ao inspector da arsenal de marinha.De
de outubro ultimo, que o ofllcial da secretaria da on]pm e g,. exc. 0 r. presidente da provincia,
thesouraria de fazenda doPiauhy, transferido para ()ass0 as ^^ ,je y s 0 tlu|0 fl0 fl(l| ja prmeira
logar de 3-escripturari da desta Joaquim de r|assc do corpo de offlciaes de fazenda Jacintho
Lima e Castro, declarou que por teralli chegado Martvr de Oliveira Jnior a flm de ser entregue a
sua innlher, bastante doeute, nao poda traze-lana (.slr/
sua companhia, Bcando a viagem della e do un rjt0 ao Dr. Francisco de Carvalho Soares Bran-
seu, filho menor, para ontra occasia*: o que com-! aao _i>b or(jem e g. gic. o Sr. presidente da
mufticoa V. S. para seu conbecimento e lins con- provincia, rommunico V. S. que por decreto de
-\enientcs. 2 do mez passado S. M. o Imperador houve por
Dito ao mesmo.Mande V. S. pagar, sob mintia bem ronceder-lhe a exoneraco que pedio do lugar
responsabihdade, os vencimentos que o eiigenbei- dt jz municipal e de orphaos do termo do Ca-
certo que o senador Lujan, o general Infante, e na comarca da Victoria a datar de 10 de seterabro
o Sr. Gonzlez, amigos progressistas, foram ao pa- Ando.Averbe-se.
co protestar contra a abstenco eleitoral, conside-! Certido de extreicio.
rando-a infundada e resultado de despeitos indivi-! Do Sr. juiz de direito, Dr. Eduardo Pindahyba
duaes. i de Mattos, no cargo de chefe de polica da provin-
Os orgaos semi-otlleiaes tiram o maor partido cia do Espirito-Santo, a datar de 10 de setembro
possivel de semclhante reforco. Allegam, que os lindo.Averbe-se.
progressistas se acham divididos ; que a parte sa
regeila o pernicioso accordo dos agitadores ; e que
no futuro parlamento haver alguns representantes |
autorisados d'essa cor poltica. Dizcm, qae o go-1
verno de modo nenhum se propoz obstar a que os I
cdados se concertassem |>ara cuidar de eleicdes, Bastos, recorrido Jos Luiz Dias Diniz.Negou-se
limilando-se a impedir que as reunioes se trans- a revista.
formassem em clubs declamatarios, excitando as H. M06.Reeorrente Joo Borges de Araujo,
massas agitaco e desordem. Moslram q'ue fin- recorrido Joaquim Francisco Terra.Negou-se a
ou a quadra das suppressoes quotidianas, c multas reYJs dos peridicos ; que o governo, aniado de espiri-! N. 6400.Reeorrente Jos dos Santos Ferreira,
to tolerante, vai restituir as consideraveis multas recorrido Joaquim Malheros Marcial.Negou-se
afflicta familia do mal logrado proprietario da Ibt- a revisi
Exposirao de revista.
N. 6136, pelo Sr. Veiga.
ji;lgambntos.
Revistas civeis.
N. 6386.Reeorrente Jos Antonio de Oliveira
mais dous documentos sobre licencas- que obt ve-
ra. A verbeimse.
Exposirao das revistas.
N. 6434, pelo Sr. Almeida.
N. 6426, pelo Sr. Brito.
N. 6425, pelo Sr. Ernesto Franca.
JILGAMENTOS. "
Revistas cive-is.
N. 6422.Recorrentes Clari mundo Antonio dos
Santos e Luiz Flix da Silva, recorridos Antonio
Ferreira Maciel e sua mulher.Negou-se a re-
Antonio Epaminondas de Mello
Silvno Guilberme de Barros
Francisco de Araujo Barros
Caetano Slverio da Silva
Caetano Pinto de Veras
Abiliq Jos Tavares da Silva
Manoel Antonio de Jess Jnior
Supplentes.
Luiz Ccsario do Reg
Antonio Jos da Costa Ribeiro-
Francisco AntonioPereira de Brito
Francisco Jos da Piedade
vista.
N 6395.-Reeorrente Salvador Moutinho, agente Sabino Olegario Ludgero Pmho.
da companhia Brasileira de (aqueles a vapor, re- Antonio da Assumpcao Cabral
corrido Bernardino Jos Marques Camarim.Ne- Casemiro dos Reis Gomes Silva
gou-se a revista Alexandre de Souza Pereira do Carmo
N. 6428.Reeorrente Flix Ferno, recorrido Er- Joaquim Pereira Freir
nesto Harper, gerente da companhia de seguros Jos Joaquim da Costa
ro riscal da ponte de ferro em consti uecao, entre
os lairros de Santo Antonio e Recife Domingos Jo-
juiz municipal e de orp
bo.Communicou-se thesouraria de fazenda e
ao respectivo juiz de direito.
se Rodrigues, venceu no mez de outobro prximo Di|0 a j,,venc0 Tanano Marins.De ordem de
iindo, de que trata o meu despacho desta data e os s Exe 0 Sr preside,,. da provincia, transmillo
que for vencendo ale seguuda ordem desta presi- jnclus;, ^ ropia a nola dos dretos c emolumen-
dencia. ... tos, que tem Vmc. de pagar na rerebedora de ren-
Dito ao commandante do corpo de po icia Po- das intcrnas para 0b,enco do seu titulo de depo-
ne V. S. engajar o paisano Francisco Honorio da si|ar0 gera, do ,ermo de caruar a fim de que
Silva, que segundo o seu offlco n 449, desta data, |ra(p de satisrazer a respectiva importancia.Offl-
oi julgaao apto para o servico do corpo sob seu c|ou.se neste sentido ao inspector da thesouraria
commando.
Dito ao director do arsenal de guerra.Mande
V. S. fornecer a 7 pracas do batalho n. 10 de in-
/antaria, que se acham addidas ao 2 batalho da
mesma arma, os artigo* de fardanicnto nienriona-
dos em a nota junta por copia, para pagamento dos
vencimentos do anno passado como se determinou!
em aviso da repartico da guerra de 31 do corren-1
te.Communicou-se ao brigadeiro commandante
de fazenda.
EXTERIOR.
das armas.
Dil
A sitii-.icfio em Hespanha.
As eleifoes a que vai brevimente proceder-se em
i Hespanha nao promettem assegurar a legitima re-
Tito ao director das obras militares.Devolvo presentado dos partidos.
V. S. com copia da informaco do brigadeiro direc- O ministerio Miraflores lembrou-se de por estor-
tor do archivo mihur de 9 de oulubro ultimo, os vos s reunioes preparatorias dos eleitores progres-
orcamentos e mais papis relativos ao cncanamen-! sistas. Nao cedeu ante as consideracoes mais plau-
to'e reservatoros oe agua para serventa da lor- siveis, que Ihe apresentaram as notabilidades d'es-
taleza do Brum e do forte do Huraco, afirn de. que f sa cor poltica, para que autorisasse os trabalhos
scjVun reformados a ditos orcauuntos, segundo a#icleitonie.s. uuu emloda a parte se consenlem.
O general Prfm, hoje afrente dos liberaes, pro-
ra ; e que as tendencias do partido dominante sao
Ilustradas e legaes.
A poca, que combate vigorosamente o accordo
da abslenco, confessa todava que a circular do
ministro do interior Vaamonde, restringndo, ac-1
nhado as reunioes eleitoraes, foi redigida sob urna
excessva apprehensao; e que o gabinete manifes-
tara nesse acto falta de providencia,-nao calculan-
do todo oeffeito que prodoziria resoluco tao preci-
pitada. Seinelhante linguagcm n'uma folha identili-
cada cern a situacao cujos actos defende a todo o i
transe, e assaz eloquente ; e de sobejo indica a fal-1
sa posicao em que ministerio se oollocou.
Os jornacs da opposicao, especialmenie as Noce- !
datle, observami que os Srs. Lujan, Infante e Gon-
zalez, nao teem direito de se intitularen! pro-
gressistas; quo de ha muito imitaram o Sr. Es-
cosura, abandonando a sua bandeira em cambio de
commisses mais ou menos lucrativas, durante a j
gerenci}do marechalO'Donncll.
O seu protesto nao tem valor algum, porque I
pertencea ao gremio dos resellados.
IjjpMM que no paiz vsinho denoininam os que
vollamMI costas ao partido progressista, qttando !
qualqtter ministro Ihes acea com emprego, merc
oa condecoracao.
Ha certa analoga entre a poltica prussiana do
conde Bismarck, e a do marquez de Miradores.
O predilecto do rei Guilherme, pretende fazer !
diversao s arbitrariedades da adminislraco inter-
na com as lutas externas. |
Assim, tem-se esmerado em levar a dissenco |
da Allemanha com a Dinamarca, acerca dos duca-
dos de Holstein e Lauemburgo, a urna campanha
alm do Eider, e em converter a questo das re-
formas federaes n'um condicto formal com o gabi-
nete de Vienna.
Passaiiem das revistas.
N. 6390, ao Sr. Siqueira.
N. 64^ao Sr. Cornelo Franca.
N. 6424, ao Sr. Brito.
N. 6416, ao Sr. Machado Nunes.
Conclusao das reclamares.
N. 149, ao Sr. Machado Nunes.
N. 153, ao Sr. Siqueira.
Dia.
Ficarara com da para julgamento.
As revistas civeis.
N. 6390, relatjr o Sr. Messias de Leao.
N. 6396, relator Sr. bario de Pirapama.
N. 6411, relator o Sr. Pantoja.
N. 6413, relator o Sr. Silva Tavares.
N. 6420, relator o Sr. Almeida.
N. 6127, relator o Sr. Pantoja.
N. 628, relator o Sr. Silva Tavares.
Levantou-se a sessao
tibia,
s H Vj horas da ma-
Instilen
SAO F.M 10 DE OVTUBR0 DK 1863.
encia do Exm. Sr. conselheiro barao
Montserrate.
(Secretario o Sr. Dr. Pedrera.)
it
exigencias constantes do cdo offlco, como se
determina no aviso &a repartico da guerra, tam-
bem por copia incluso, datado de 13 daquelle
mez.
Dito ao mesmo.Recommendo V. S. que man-
de examinar com urgencia, os conferios de que
curou no paco a rainlia Isabel, esforcando-se por
obter a intervenco do chefe do estado em prol da
modilicacao dos rigores ministeraes. Apezar dos
bons desaos manifestados, a cora teve de sujeitar-
se opiniao compacta dos seus conselheiros res-
necessita o forte do Buraco, segundo declara o res-! ponsaveis, quo julgain a patria em pengo se for
pectvo commandante, no oflieio que aqui ajunto pcrmittida a congregado de cidadaos nao recensea-
i)or copia acompanliada de outra do que me ende- I dos, nao pertencentes ao dislriclo onde pretendam
re.ou o brigadeiro commandante das armas, apre- reunr-se, se o delegado da autoridade administra-
setando V. S. o orcamento das despezas a fazer-sc tiva nao for o presidente obngado da assembla,
com os referidos com-ertos. com faculdade de a dissolver e de fazer evacuar a
Dito ao mesmo.Trate V. S. de dar principio as sala, quando entenda que se exorbta da senda
obras necessarias para a lluminacao a gaz noquar- normal,
tel das Cinco-Puntas, observando restrictamente na
eveucao dellas, o que recouimenda o Exm. Sr.
ministro da guerra, no aviso de 19 de outubro ul-
timo, de que Ihe remello copia.Oflicou-se neste
sentido ao brigadeiro commandante das armas e
ao inspector da thesouraria de fazenda. ,
Dito aojuiz de di rei lo da 1' vara. Devolvo
Vine, os mappas estatslcos dos trabalhos da 5-j
sessao do jury desle termo, que acompaiiharam
o seu offieo de 30 do mez (indo, afirn de Ihes ad-: mstas, a tolerancia governamental deixam muilo a
dccionar as observacoes exigidas pelo aviso circu- desejar no sentido da moderacao c da lealdade.
lar do ministerio da justica. do 8 de Janeiro de Anda ha pouco festejou-se no paiz visnho como
prodigio de civilsacao, a comparencia de homens
de diversas crencas no funeral de D. Pedro Calvo
Asensio. Quand um facto, entre nos tao commum,
excita a adniiracao dos hespanhoes, deve crr-se
que anda se acham longo das ideas generosas e
A's 9 V horas abru-se a sessao, acliando-se
presentes os Srs. conselheiros baro de Montserra-'
te (presidente), Almeida, Siqueira, Veiga, Come-
lo Franca, barao de Pirapama, Pantoja, Brito,!
Silva Tavares, Ernesto Franca, Chichorro, Maria-
ni, Simes, Machado Nunes e Messias de Leao,
faltando com causa os Srs. Azcvdo e Nabuco.
Lou-se e approvou-se a acta da antecedente.
EXPEDIENTE.
Officios.
Da secretaria de estado dos negocios da juslica,
de 7 do corrente, communicando que S. M. o Im-
Santa Cruz.Negou-se a revista.
Passagem das revistas.
N. 6434, ao Sr. Siqueira.
N. 6437, ao Sr. Pantoja.
N. 6426, ao Sr. Silva Tavares.
N. 6440, ao Sr. Ernesto Franca.
N. 6425, ao Sr. Chichorro.
N. 6015, ao Sr. Simoes.
Conchisao das revistas.
N. 6441, aoSr. Sil va Tavares. .
N. 6442, ao Sr. Ernesto Franca.
N. 6443, ao Sr. Chichorro.
N. 6444, ao Sr. Mariani. ,
N. 6445, ao Sr. Simoes.
N. 6446, ao Sr. Machado Nunes.
flirt.
Ficaram com da para julgamento :
As revistas criminaes.
N. 1773, relator o Sr. Chichorro.
N. 1778, relator o S. Almeida.
N. 1779, relator o Sr. Siqueira.
As revistas civeis.
N. 6411, relator o Sr. Pantoja.
N. 6412, relator o Sr. Brito.
N. 6413, relator o Sr. Silva Tavares.
N. 6414, relator o Sr. Ernesto Franca.
N. 6417, relator o Sr. Simoes.
N. 6424, relator o Sr. baro de Pirapama.
N. 6427, relator o Sr. Pantoja.
N. 6432, relator o Sr. Machado Nunes.
A reclmnacao de antiguidade.
N. 149, relator o Sr. Machado Nunes.
Levantou-se a sessao a 1 '/i hora da tarde.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
O chefe do gabinete de Castella prevaleceu-se Piador honve por bem conceder (portara de 29
vidamente da fortuita aggresso dos mouros do. de setembro findo) licenea por 3 mezes, com orde-
RifTcontra a guarnicao de"Melilla para excitar no- nado, ao^Sr. juiz de direito Dr. Joo Francisco
vamente os instinolos bellicosos dos albos de Pe- Dtiartt^ comarca da Anadia. !
layo e do Cid, para fazer eotreifcr outra campanha Proroga* (portara de 6 do correaje) por mais
marroquna. ,ire-s i^rcs; a lieenSa cora quo saacna o Sr. inlz Temos reclamacoes sobre om samba depre-
Dez ou dozc mil homens liverara ordem de reu- !l oireito ur. Herculano Circundes de Carvalho, |0s da Costa, que ha na ra do Calderoiio com
nir na Aadaluza. da comarca do Lagarto.Regisirem-se c averbem- ncommodo dos moradores d'alli, de modo que
Foi dispensado o engenheiro civil Joaquim Pi-
res Carneiro Monteiro da commissaode que cstava
(iicarregado pelo ministerio das obras publicas.
O commando destinado ao general Pava, mar-
quez de Novaliches, o mesmo que censurou spe-
ramente O'Donnell no senado, quando se fez a
guerra a Marrocos.
Notas ameacadoras foram dirigidas ao sulto
Sidi-Mohammed, argundo-o de falta de cumpri-
menlo de tratado, redigido depois da victoria de!
Valle de Gualdras, em 23 de marco de 1860; ins-
tando para que se apresse a castigar as tropelas
das tribus insubordinadas, que hosllsam tanto os
soldados de Marrocos como os da Hespanha.
bemelhante accordo revela o acinloso empenlioj o ministro'da guerra marquez de la Havana (D.
de promover conflictos, de reconduzr o paiz a j0S(s Concha), e seu irmo marquez del Douro,
quadra borrascosa dos pronunciamenlos, dos quaes exaltou publicamente a conveniencia de escarmen-
parccia achar-selivre. tar por urna vez os marroquinos, e de completar a
A Hespanha, a sombra da paz e da tranquillida-1 expedir-So, que 0"Dunnell nao soube levar ao
de, lem-se adiantado muito ha alguns annos a esta caD0_
parte ; mas em poltica poneos progresos ha rea-1 {|a curle> a dea de Bvadr e de christianisar
lsado. Marrocos encontra grande favor, gracas ao arce-
O antagonismo dos partidos, as lides opposicio- bispo confessor e a sror Patrocinio.
Nao se ponderam os enormes sacrificios pecu-
niarios de tal empreza, era as temiveis complica-
coes com a Graa-Bretanha, que im|Kissbilitam o
seu bom xito.
O publico, entretanto, nao se deixa embar.
Conhece o verdadeiro intuito ministerial.
Entende que o governo nem se apoia nos retro-
grados, nos absolutistas, nem nos liberaes sinceros
1855.
Dito a cmara municipal de Olinda.Em vista
do que informa a cmara municipal de Olinda, em
IO de oulubro ultimo, tenho a dizer-lhe que man-
de |>r Bovamente em praca com o abate da le, os .
impostos a que alinde o seu oflieio de 14 do mesmo conciliatorias, que na Inglaterra, Franca, Blgica e r0nvictos.
mez, que |ior falta de licuantes dexaram de ser ar- outras nacoes predomnam entre adversarios, que | conheCe que nao possue as sympathias da ranha!
matados. podem estimarse reciprocamente, apezar de diver- Maria chnstina, que nao commumga com Narvaez, \
Dito a enmara municipal de Nazareth.Declaro.girem asopimes polticas. !com O'Donnell, nem se associa com Espartero,i
a cmara municipal de Nazareth, em resposta ao O general Espartero, ha longos anuos retirado Primj e outros |Umnares progressistas. Pertence '
seu oflieio de 24 de oulubro ultimo, que approvo a emLogrono, ausente do bulicio da corle, das evo- um intermedi0 nebuloso, indefinido, rachitico, que I
arremataJio dos impostos de 220 rs. de peso e re- : lucoes parlamentares, enlendeu deverquebrar o si- es|a |one de poSSUr 0 merito da escola de Royer
peso e de 200 rs. sob o gado suino consumido nes- lencio, e fazer ouvir a sua voz. Foi o primeiro a Collard e dos doutrnarios, distiuguindo-se apenas
se municipio a que allude o termo de contrato pronunciarse a favor da abslenco eleitoral dos por velleidades arbitrarias, por aspiracoes incom-
annexo ao seu citado oflieio e que qnantoaosde seus corre!gonorios. Depois da conferencia que p|e|as
afferigoes de pesos o medidas e de 500 rs. por ca- em Madrid tiveram os chefes progressistas, e da Um te| g0verno, em presenca de legisladores
beca de gado vaceum que i>or falta de licitantes decisao de nao ir a urna, o duque da Victoria es- cscolhidos a dedo, sem relacoes com a opniao pu-
deixaram de ser na segunda vez arrematados com craveu ao seu amigo D. Joaquim Aginar applaudin- L|cai scm crcncas sera doutrnas, pouco durar,
o abate da quinta parte, eumpre que essa cmara do o accordo tomado. Os Srs. Madoz, Hgueirola e frente dos n,.gor-ios.
informe se convm que sejam cobrados por admi- Cynllo Alvarez.quedissentramdaopiniaodamaio- jj.-l0 pode ser supplantado parlamenUrmente
nistiacao. na, assignaram comtudo o manifest da opposicao, pc|a opposicao das cmaras; porm, ha de cahir
Dito aos agentes da companhia Brasileira de pa- < e parecem dispostos a conformar-se com elle. pelo impu|s0 do descreto, pela miiltipliraco dos
quetes a vapor.Podem Vmcs. fazer seguir para Anda ha mais. Os senadores liberaes, tendo obstculos, ao nulo da camarilha, que, nfelizmen-
o sul, amanha hora indicada em seu oflieio de ponderado a inconstitucionahdade das restnecoes ,,. decde em Hespanha bastantes vezes da sorle
hoje o vapor Princeza de Joinville, procedente dos ministeraes, e approvado a altitude do seu partido, aos parldos e dos cabiuetes
portos do norte. decidiram nao comparecer as sesses da cmara al- o paiz nao retrograda
Portara.O presidente da provincia, allendendo la, em virlude da ausencia dos seus correhgiona- A medda que se dn;ande a instruccao, e que se
ao que requereu o pralicante da thesouraria pro- ros da outra casa. Assiin, vr-se-ha o governo in- desenvolve a industria accumulam-se os sympto-
vincial Juveneio Temporal, e tendo em vista a in- loramente cercado de adeptos; nao encontrar mas da regeneracao soc'ial e poltica,
formacao ministrada esse respeilo pelo respectivo quem ponha objeeeoes aos seus projectos, aos seus A marc|ia 6 lenta e semeiada de estorvos; mas
inspector em offlco de 29 de outubro ultimo, sob arbitrios; masticara os seus actos sem prestigio, nem por isso deixa de ser segura e constante.
A Hespanha ha de, emfim, sahir daaprendizagcm
constitucional para hombrear com os povos onde
inspector cm offlco de 29 de outubro ultimo, son armios; mas ncam os seus actos sem prestigio,
n. 538, resol ve prorogar por seis mezes com ven- sem a fiscalisac.ao da minora, sem o concurso obri-
cimentos, na forma do art. 49 do regulamento de gado da direta e da es (uerda.
3 de agosto de 1852 a licenea que Ihe foi concedida A deciso dos progressistas de Madrid conta com
por portara de 7 de julho'deste anno, para tratar a adheso das commisses provinciaos, que reco-
de sua sade. nheceram a juslica,e a opportundado das rasoes ai-
Dita.O presidente da provincia, tendo em vis- legadas no manifest, A atltude imponente da op-
ta o qne requereu o 2o escripturario da thesoura- posicao, o incremento da animosidade contra os
ra provincial Alexandre Primo Camello Pessoa, e ministros, deveriam faze-los reflectir, e induz-los
bem assm a informaco do respectivo inspector, a ceder emquanto lempo.
datada de 29 de outubro ultimo, sob n. 537, resol- Se no governo figurassem Brabo Murillo ou o
ve conceder-lhe 3 mezes de lirenca com vencimen-' conde de S. Luiz, fadados para provocar revoluces
tos, na forma do art. 49 do regulamento de 3 de pela audacia das prepotencias, pelo recurso cons-
1852 para tratar de sua sade. tante aos golpes de eslado, pelo profundo despreso
Dita.Os Srs. agentes da companhia Brasileira da opinio publica, nao seria estranhavelateima de
condicoes
a opinio exerec soberano influxo.
As vas frreas e as
se.
Certido.
De ter o Sr. juiz de direito Dr. Antonio de Cer-
queira Lima, da comarca da Pomba, no Io do cor-
rente entrado em goso da licenea.Averbou-so.
Exposirao das revistas.
N. 6415, pelo Sr. Chichorro.
N. 6437, pelo Sr. Cometi Franca.
N. 6440, pelo Sr. Brito.
'JLLGAMKNTOS.
Revistas civeis.
N. 6396.Reeorrente Jos Pereira Branca, re-
corridos Nuno Goncalves & Lopes, em liquidaco,
successores de Ignacio Jos de S iuza Soares C.
Negou-se a revista.
N. 6420.-Recorrentes Jos Luiz da Silva Lima
e Constantino Jos da Silva Santos, recorrido Ma-
noel Alves Pereira de Amorim.Negou-so a re-
vista.
Passagem das revistas.
N. 6432, ao Sr. Almeida por impedimento do Sr.
Nabuco.
N. 17J8, ao Sr. Veiga.
N. 1779, ao Sr. Cornelio Franca.
Ns. 6436 e 6437, ao Sr. barao de Pirapama.
N. 6423, ao Sr. Pantoja.
N. 0440, ao Sr. Silva Tavares.
N. 6415, ao Sr. Mariani.
N. 6417, ao Sr. Messias de Leao.
Passagem da reclamacao.
N. 149, ao Sr. Messias de Leao."
Conclusao das revistas.
N. 1777, ao Sr. Almeida.
N. 6433, ao Sr. Simoes.
N. 6405, ao Sr. Machado Nunes.
fl/rt.
Ficaram com da para julgamento.
As revistas civeis.
N. 6388, relator o Sr. Simoes.
N. 6390, relator o Sr. Messias de Leao.
N. 6403, relator o Sr. Simoes.
N. 6411, relator o Sr. Pantoja.
N. 6413, relator o Sr. Silva Tavares.
N. 6414, relator o Sr. Ernesto Franca.
N. 6422, relator o Sr. Veiga.
N. 6427, relator o Sr. Pantoja.
N. 6428, relator o Sr. Silva Tavares.
Levantou-se a sessao s 11 V2 horas da manha.
SESSAO EM 17 DE OITUBRO DE 1863.
Presidencia do Sr. conselheiro barao de MotU-
serrote.
(Secretarlo o Sr. Dr. Pedreira.)
A's 9 '/i horas abriu-se a sessao, achando-se
presentes os Srs. conselheiros barao de Montserra-
te (presidente), Almeida, Siqueira, Veiga, Corne-
lio Franca, baro de Pirapama, Pantoja, Brito,
10 inuuxo. Sj|Va xavares Ernesto Franca, Chichorro, Maria-
ft.fP? '"' ni, Simoes, Machado Nunes' Messias de Leao,
mtipalhisam com sedicoes, .,,. ., ..,,. Mh.
Manoel Joaquim de Souia Vianna
Vctor Antonio do Saeramento Pessoa
Antonio Joaquim de Mello
Joaquim da Silva Reg
Jos da Cunha Teixeira
Joao da Silva Ramos
Manoel de Souza Ferreira
Francisco Antonio de Almeida
Herculano Deodato dos Santos
Francisco Antonio de Brito
Innocencio Seraphico de Assis Carvalho
Florencio Baptisla de Oliveira
Ignacio Firmo Xavier
Manoel Camello Pessoa
Antonio Francisco das Chagas
Demetrio Acacio de Araujo Bastos
Inoro Januario de Oliveira
Pedro Justino da Fonseca Barroso
Jbo Francisco Teixeira
Slverio Joaquim Martins dos Santos
Joaquim Manoel dos Santos Mendes
Joaquim Antonio Carneiro
Jos llaymundo da Cosa Menezes
Ladislao Jos Ferreira
Joaquim Mano Frederico Augusto de Lomos
Antonio Ricardo do Reg
Joao do Reg Pacheco
Hoje a L.\ Ya.: e Virl.\ une-se em sessao e
con.-., para o que convida aos respectivos Irs.\
Sb a rubrica Apedido publicamos no
presente numero o oflieio da mesa parochial de
Quipap, em qfi narra as orcorrencias all havi-
das, por oocasio da elecao do do corrente,
para o qnal chamamos a altencao dos leitores.
Fizcram acto na Faculdade de Direito, no
dia 4 de novembro. os estojantes seguintes :
Primeiro anno.
Antro Pereira de Araujo, simplesmente.
Jos Francisco Uchoa Cavalcante, plenamente.
Augusto Coelho de Moraes, idem.
Vicente do Reg Toscano Brrelo, dem.
Segundo anno.
Joaquim Joas Bezerra Montenegro, plenamente.
Antonio Venancio eaYtlentdeAM p!cmonlo.
Francisco da Cunha Machado Pedrosa, idem.
Cicero Anatolio Vieira do Brasil, idem.
Terceiro anno.
i anda no domingo penltimo sahram em passciata
I pela ra Augusta sem maior ceremonia.
Importa, pois, que se nao tolere semelhante: Francisco de Assis Pereira Rocha Jnior, plena-
cousa que pouco condiz com a nossa civilisaco, mente,
alm do incommodo que provoca. Manoel Jos Monteiro, dem.
Amanhaa se extrahira a lotera extraordina- Augusto de Araujo Santos dem,
ria, com o maior premio de 10:0005000, sendo I Jos Antonio de Pmho Borges, simplesmenle.
3/ parte da 2." lotera da Santa Casa da Miseri- Antonio Das de Pinna Jnior, plenamente.
Antonio Vieira Carneiro da Rocha, idem.
Quarto anno.
Joao Pereira de Oliveira e Silva, plenamente.
Antonio Pires Ferreira Filho, idem.
cordia.
De Pao d'Alho escrevom-nos em data do 1.
do corrente:
t Estavamos ao que parece lvres de bexigas.
porm um caso mais se deu dentro da villa. En- Elias Jos Pedrosa Filho, dem,
tretanto creio que nao ir dianle a tal peste, por Jesuino Jos Gomes dem,
que os males tambera cancam, c mesmo supponho Quinto anno.
que poucoshaveraoj aqu que nao tenham ldo ft^H5*5Jj2^ tiSSfuu
varila.
a
_ De cleicao vamos bem : o partido conservador
nao appareceu, ficaram pois os outros senhores do
campo, e cstao fazendo os seus eleitores com um
juiz de paz supplente da Glora, porque os iiuatro
de Pao d'Alho deram parle de doente, e os effec-
livos d'alli tambera sao colorados. Mais em lodo
o caso ha de ser muito diminuto o numero de co-
tos nos rotados, porque as ras estao disertas, e
pouea gente vejo de fra.
Ao menos desta vez nao haver quem diga que
no houve libei'dade de voto.
Tendo o promotor interino pedido habeas-cor-
AUredo Sergio Teixeira de Macdo, idem.
Carlos Augusto Naylor, idem.
RepAUTigAO da polica :
(Extracto das partes do dia 4 de novembro).
Foram recolhidos casa de detenco no dia 3
do corrente: ,
A" ordem do subdelegado do Recife, Ebre Jones,
americano, por briga; Domingos, africano, escra-
vo de Joo Jos Rodrigues Lofre, requenmento
d'este. ,
A' ordem de de Santo Antonio, Jos, pardo, es-
cravo de Luiz Alves de Souza, requenmento
d'este. ., ,
A' ordem do de S. Jos, Thereza Mana de Jess,
das a Cohorte dos que antipathisam com sedices
barulhos e motins; mas que sao implacaveis in-
migos de governos sem fiscalsaco, sem tolerancia,
e sem raizes no paiz.
(Jornal do Commercio, de Lisboa.)
INTERIOR.
pus em favor de um preso a lo dias por snspeita ------ -- -
de ladro de cavallo, nao quiz o subdelegado sup- parda, Mara Leonor dos Praieres, "imila para
penle em exercico dar os esclarecimentos pedidos (correecao, Benedicto, cnoulo, escravo de Manoel
sobre a prisao a pretexto de incopetencia de quem de tal, por fgido. c*eet\
requereu dito habeas-corptis. O juiz de di- u che'e a i?. secva'
reito mandou sollar o hornera e responsabilisar o /,fc. *M1
dito subdelegado, que j tinha mandado por em -Passage.ro da sumaca nacional Horlencia.
lberdade a dous individuos presos sua ordem viuda da Baha.-Manoel da Kosa. _
na occasiao, em que eram intimados ao carcereiro
ordens de habeas-corpus, para os apresentaraojuiz
do Espirito Santo.
cipulo d'essa escola
pareca dis-'
propunha-se governar apoia-'
RIO DE JWEIRO.
S t'HI TO TIIIKI \ A L DE
JUSTINA.
SESSAO EM 7 DE OUTl'BHO DE 1863.
barao de Mont-
tOs Srs-agentes da companhia Brasileira do na maioria parlamentar ; prometlia emendar al-
de paquetes a vapor mandem transportar at gunserros e irregularidades da adminislraco de
provincia da Baha, no vapor Princeza de Joinville, O'Donnell; e houve tempo em que se imaginera,
cm lugar destinado passageiro de estado, Joo que a sua gerencia seria, seno pcrfeilamente libe-
da Costa Souza, 1 sargento do batalho de artilha-! ral pelo menos assaz sat.sfator.a. Presidencia ao ir. consMeiro
ra a p A escoma do Sr. Permanver para ministro da' stmue.
Dita.-Os Srs. agentes da companhia Brasileira marinha nao Ihe diminua os crditos gracas aos (Secretorio o Sr. Dr. Pedreira.)
de paquetes a vapor mandem dar transporte para honrosos precedentes d'esse cavalheiro. Surpre-! As 9 horas abnu-se a sessao, achando-se
corte, por contado ministerio da marinha, no va- bende v-lo agora associado a um aclo deploravel e presentes os Srs. conselheiros barao de Montserra-
por Princeza de Joinville, ao remita Joo Francis- geralmcnte condemnado. te (presidente), Almeida, Siqueira, Veiga, Corne-
co Barroso da Silva, que'ocapito do porto tem de
O duque de Teluan, procedente da Allemanha, lio Franca, Pantoja, Brito, Silva Tavares, Ernesto
chegou a Madrid, e desde logo circularan boatos Franca, Chichorro, Mariani, SimSes, Machado Nu-
nes e Messias de Leao, faltando com causa os Srs.
ma.
de convez para crbTno vapor Princeza de~Join- se ao paco a cumprjmentar a rainha. A simples
tille, em lugar destinado "passageiro de estado a demonstraco de respeilo e hoinenagem foi conver-
Joaquim Praneisco Gadelha qne consta ser desva- tida em incidente poltico. Quando predomina a
lido. excitaeSo contra ; quando os ministros sao
Dita. Os senhores agentes da companhia Brasi- alvo do desconteatamento pdblico ; qualouer epi-
leira de paquetes vapor mandem dar transporte sodio indefterente parece o termo do pesadello que der anda comparecer por continuaren! seus
para as Alagas por conta do ministerio da guerra afflige o paiz. commodos, e enviando os proeessos qae tinha em
no vapor Princeza de Joinville, ao cabo de esqua- pois natural a seouencia de versocs e boatos seu poderInleirado, e d-se andamento aos pro-
dra Claudino Alves dos Santos e o soldado Jos sobre alteraco de gabinete, posto que nada pelo cessos.
Joaquim Lucas, que vieram d'alli escoltando de- emquanto deve a sappor que a rainha Isabel pro- Do Sr. juiz do direito Dr. Joao Paulo Monteiro
serlores. I tenda mudar de ministros, de Andrada, enviando certido de seu exercico
enviar ao quartel general da marinha.
Dita.Os senhores agentes da companhia Brasi- de crise, de inodiflcacao, de mudanca ministerial, nes e Messias de Leao, rallando com
leira de paquetes vapor mandem dar passirem O homem de Vicalvaro nao fez mais do que dirigir- Azevdo, Nabuco e barao de Pirapa
Leu-se e approvou-se a acia da antecedente.
EXPEDIENTE.
Officios.
Do Sr. conselheiro Jos Paulo de Fgueira Na-
buco de Araujo, desta data, participando nao
e
de direito.
t La pelo seu Recife as autoridades policiaes
tambem se julgam com poder para tanto f
E' que infelizmente o facto j nao virgem
aqui! !
Se o caso, vai como vos vedes,
Meu compadre Belchior,
< Males males succedem
Vamos de mal peor. <
Estamos autorisado a declarar, que o nosso
amigo o Sr. Dr. Symphronio Coutinho deixa de ser,
candidato pelo 2.* districto cleicao de deputado!
provincial.
Tendo-se ultimado a eleico de eleitores
desta parochia de Santo Antonio, que devem eleger
o senador para esta provincia em subslituico do
finado visconde de Albuquerque, damos em se-
guida a respectiva votacao.
O processocorreu com toda a regularidade e sem
ter-se levantado o menor disturbio; e no decurso
del le notou-se ausencia mu saliente de votantes, de
sorte que havendo qualificados mil e tantos, foi o
maior numero de votantes oblido o de eento e tantos,
sahindo supplentes at com 5 votos.
Eleitores.
Antonio Augusto da Fonseca
Movimento da casa de detengo
novembro de 1863 :
Exisliam. ... 354 presos
Entraram...
Sahiram.
do dia 3 de
Existem. .
saber :
Nacionaes. .
Estrangeiros
Mulberes .
Estrangeiras
Escravos .
Escravas .
faltando com causa os Srs. Azcvdo e Nabuco.
Leu-se e approvou-se a acia da antecedente.
EXPEDIENTE.
Officios.
Da secretaria de estado dos negocios da juslica,
de 8 e 12 do corrente, communicando que S. M. o
Imperador houve por bem,
Noraear (decreto de 7 do corrente) o Sr. juiz de
direito Dr. Miguel Archanjo Monteiro de Andrade! Antonio Rangel de Torres Bandeira
para a comarca de Jaics, no Piauhy. | Deodoro Ulpiano Colho Catanho
Remover (decreto de 6 do corrente), e ouvido o Antonio Jos Alves Ferreira
conselho de estado, o Sr. jniz de direito Dr. Ma-' Joaquim de Aquino Fonseca
noel Jos Pinto de Vasconcelos, da comarca do Francisco de Souza Reg Monteiro
Paran, na provincia de Minas, para a de S. Ma- Innocencio Rodrigues de Miranda
theus, na do Espirito-Santo. Jos da Fonseea e Silva
Designar (decreto de 6 do corrente) a comarca' Luiz de Franca Sonto
do Paran, na provincia de Minas, ao Sr. juiz de Jos Francisco Carneiro
direito Dr Joaquim Bernardes da Cunha. i Flix Antonia Alves Mascarenhas
Prorogar (porlaria de 8 do corrente) por dous Jos Goncalves Malveira
mezes improrogaveis o prazo mareado para o Sr. Adriano Xavier Pereira de Brito
juiz de direito Dr. Joaquim Pinto Porto ir entrar Jos Francisco do Reg
em exercicio na comarca do Algrete.Registrem-
se o averbem-se.
Das presidencias das provincias :
Do Rio do Janeiro, de 13 do corrente, commu-
nicando ter o Sr. juiz de direito Dr. Theodoro Ma-
chado Freir Pereira da Silva entrado a 11 da-
quelle mez no exercicio do cargo de chefe de po-
lica da mesma provincia.Averbe-se.
De S. Paulo, de 7 do corrente, enviando duas
colleccoes das respectivas leis promulgadas este
anno. Archivem-se.
Do Sr. juiz de direito Dr. Jos Soares Teixeira
de Gouva, de 7 do corrente, enviando a copia do
decreto removendo-o para a comarca da Constitu-
cao; os avisos marcando e prorogando o prazo
para ir entrar em exercicio na mesma comarca ; a; Sevriano Jos de Moma
certido de t-lo feUo a 13 de agosto ultimo; e' Luiz Jos Pereira Simoes
10
350
246
25
9
3
61
6
350
Manoel Antonio Viegas
Flix Francisco de Souza Magalhes
Jos Francisco de Paula
Justino Pereira de Faria
Joao da Cunha Soares Guimaraes
Francisco Xavier Pereira de Brito
Manoel Raymundo Penaforte
Miguel Candido de Medeiros Pinto
Florano Correa de Brito
Jos Flix de Brito Macedo
Claudino do Reg Lima
Francisco de Paula e Silva
Jos Joaquim de Moraes Sarment
Manoel Antonio Pereira
Joaquim Milito Alves Lima
Alimentados custa dos cofres pblicos. 146
Movimento da enfermariado dia 4 de novembro
corrente :
Tiveram baixa:
Manoel Pereira da Silva; odentalgia.
Josepha (escrava)de D. Candida; intermitiente.
UM POUCO DE TUOO.
A Revolacaode Setembro escrve : ._.. .
Em Franca ostentam no peito a condec,
hespanhola de M. J. L as mulheres Lalannne-La-
lonnette, vivandeiras que foram do regiment de
eacadores a p. _
A rainha de Hespanha contieno a cruz aquellas
mulheres em premio dos relevantes servicos pres-
tados em campanha aos Hespanhoes fendos nos
combates de 24 e 25 de fevereiro de 1861 em Ki-
boa, e na Cochnchina.

No dia 14 de agosto ultimo, um vlainho de No-
va Orleans, Henrique Myers, foi lrido por um
raio. Caio instantneamente e foi oflkialmente
declarado niorto.
No dia seguinte, reunidos todos os amigos o fei-
tos todos os preparativos para sahir o cortejo f-
nebre, notou-se que o fallecido, quando os padres
Ihe resavam em torno, mova um braco, depois
una perna, abra em seguida os olhos, e por fim
levantando-sc do atade perguntava sorrndo o
que significava ,o fnebre apparato que o cer-
cava.
Foi grande o horror, e a sorpreza de todos. De-
sarmou-se a casa, tirou-se d'alli o caixio, o luto
tornou-se em galas, e o supposto defunto acha-se
hoje de perfeita sade I
A Nacao d o seguinte : .
as excavacoes feitas em Roma, na villa Massi-
roi, para o eslabelecimento de um embarcadoaro
central, appareceu ama estatua colossal de Faus-
tina, mulher de Antonio o Piedoso.
i



Diarlo de Pernambuco ... Qnln
de Xovembro de 18GS.

synji
as vestigios ai
Est representad com
cordia.
Observaru-se-lho no ros _
da vlsivete de edr vermelha.
Esta obra nota vel foi coHdeada na sala do li-
diador moribundo, m capitolio, rujo muzeu tem
sido consideravfmcnte augmentado nos ltimos
lempos, ">m objectos achados as catacumbas da
va Tiburna. ^^
Era Aouia leve lugar a procissao do SS. Salva-
da Cofit s fl manto que at aM a cobre, vers riahedion- scenas tristes e hem dolorosas, ,10 lado do grotesco, Pnuiehco Mendes'Saraiva
7. da verdade, as enfraahas, as visceras della ? 1 do Infame o do cyuico. Joao Manoel Bezerr Toi n
Eis alii avida,a transieo rpida e era
queda.... so ao menoshouvesse o mediador plas-
clandestina Don Pirlone, fallando des-
diz : Depois da procissao do Cruci-
t'perdeu as legacoes, depois da pneis-
lona de Santa Mara Maior, Garibaldi
din aples ; depois da procissao de S. Mi-
remonte invadi as Marras, a Ombra c to-
a.
tieo de Hutcheson t
Mas nao, o mesmo que de repente tropecar e
mergulhar as trevas do sepulcro. E porque ?E
porque assim ? Helas et porquui f .'*ra a pa-
la vra do desespero envenenada de duvida que junto
ao leito de Stello repeta o Doutor-Negro.
Helas etporquoy f Eis a nica selencia da
humanidade.
Todos estavam mudos e embarazados alguns
levaram o copo aos labios.
Francisco conlinuou :
Minha vida em Montevideo e em todos os
Estados do Prata foi ruidosa crdente: anda
bem : posto que saciado e tedioso, vim comtudo
firad'aqui por conelusao a citada resiabelecido da doenca da mocidade.
l'm anuo depois part para a Europa; deraorei-
mc porm, as provincias do norte : vi a Baha,
fria e aborrecida, c os -cus milhares de negros a
carregar fumo.
Part della sem una nica reeordacao, e saudc
dias depois Pernambuco.
No Brasil nada de tito bello eu havia visto; 6
urna maravillia
(lxo
sao da
cnuo:
moc _
folha.^W pela vista tem milito pouco de calholi
ca, que a procissao do SS. Salvafore ter re-
soltados favoraveis para a unidade italiana

A escola establecida pelo Sr. barao do Cereal
prospera, e uromette um brilhante futuro.
O Omero dos subscriptores era em 8 de jnnho
prximo passado de 197, c a subscripcao suba a
mais de 18,000 patacas.
PUBLICARES A PEDIDO.
Elcico ta fregu/.ia de Quipap,
oatri'. de Panella.
res Ferreira.
Joao Marcelino de Barros.
1 Manoel Alves Porera.
; Joaquim Theotonio Ferreira das Chagas, professor
publico e eleitor.
' Dionizio Jacmlio Cavalcanti.
Manoel das Chagas Souza.
Jos Vicira da Silva.
Jos Leitad Jnior, eleitor.
Srs. Redactores. Pego-Ibes que se dig-
de^rdci
1 ^on
I vos urna reeordacao historica/cada nomo lembra trabalhos eleitoraes, com pasmo nosso intimou-nos
Wwriw'da Metropole alm da roncessao da' um martyr e um hroe I ? uar,ia, da ma,riz. nao podamos entrar, e
loterh anual do 12,000 patacas, autorisou o go-1 E Olinda !... ; bagando de quem parta ordem too .Ilegal, quan-
ver'idor da provincia a suliscrever com dous con- Aborrecido e contrariado, tive de metter-mc no! o violenta, e correctiva da hberdade desta mesa
tos de rete para o fundo destinado sustentarlo paquete inglez : de ir solircr soleen e enjo, e ver
da escolo. constantemente desocar roast-oeef e beberpal-
Drnosos parahens ao Sr. barao do Cereal pelo ale.Nao sei como nao moni,
teliz-multado de seu patritico e humanitario em- Eu tinha pressa de ver a Italia e a Grecia !
puulio. Lomhrava-mc e repeta trechos do meu Tito
*** l.ivo. c recordava-me de Plutarcho c seusHo-
A Patrie,no seu tolhetim musical, d urna noli- mens Musties.
cia, que vai espantar lodo o mundo dilettante : AI Quena ver essas duas predilectas de Deus, onde
Afrieana de Meyerbeer, foi finalmente dada para, nasceram e cantaram os maiores poetas do mundo,
a opera,c ser representada este invern. onde tinham fallado os prlmeiros oradores de todos
----- I os lempos, onde a heroicidade o o martyno tiveram
Continuamos a publicacao das poesas da Sra. as suas brilliantes hecatombas.
I Quera ver os lugares onde mais ardentes tinliam
ido as orgias de Dyron, quera pisar o Missolonghi,
onde elle expirara n'um hymno os seus trinta e
seis annos.
Quera restabeleccr os meus pulmoes respirando
o ar do Tazenlo c Navarino, que parece dizer na
voz symbolica :Joao d'Austria e Canaris.
Tudo eu vi, tudo admirei; fui junto s cathe-
draes, perante sua .gigantesca architectura, buscar
Copia. Exm. Sr.Tendo esta mesa oficiado
hontem V. Exc, scientificando das oceurrencias
desagradaveis, oceasionadas pelo primeiro iuiz de
paz Joao Themoteo de Andrade, e primeiro sup- nem de dar publicidade as columnas do
pente do subdelegado em exercicio,Joseregrino' seu conceiluado jornal circular, que dirijo
de Miranda, que ntroduziram a d dem nos aoseleitoees da provincia, apresen tando-tlie
candidato a um dos lugares da lisia trplice
na prxima eteicao para senador.
Sou, etc.
/. X. Paes Brrelo.
Rio, 22 de outubro de 1863.
Illm. Sr.Apresentando-me candidato ao
lugar de senador, que ficou vago pela morte
do visconde de Albuquerqne, nao posso dei-
xar de dirigir-me V. S. solicitando o seuj
apoio e coadjuvacao em favor de minha can-1
didalura.
Meu nome nao inteiramente desconheci-!
se
trabalhos eleitoraes desta parochia Monto de
porem em perigo inminente de ida os eidadiios
pacficos, e a mesma torea urbana, que V. Exc.
se dignou mandar para garantir a ordem, e do
que lavrou esta mesa urna acta circumstapcada,
continuando os trabalhos da chamada dos votan-
tes, i qual ticou terminada com a primeira do dis-
trict j de Quipap; hoje pelas 9 horas do da diri-
gindo-se os membros desta mesa parochial, e o
Cada canto daquella trra de bra-'': Pvo votante, para a matriz, aflm de continuar os
ann yuta
TORMENTOS DO CORACAO.
I
o prantoum doce allivio
Para o triste desgranado
Que nao conserva esperanzas
De ver roeHiorar seu fado.
parochial, constitucionalmente organizada, c da
hberdade do voto do cidadao, soubemos que essa An nn na7 o V ^ pnlpurlpr n
violencia havia partido do subdelegado primeiro 19o no.Paiz' f V. b. enienei que a sua-
supplenle em exerciem, o que hontem provocou a | inclusao na lisia trplice nao a desdoura,:
desorden^ e havia col locado em diversas casas des-, COUflO que n3o se recusar a preslar-me O'
tapovoacao, grupos armados de bacaraartes, os apoio e coa-.ljuvacio, que solicito, com oque1
quaes toram dispersados pelo digno delegado do mft pnchP|.A do mak inrprri nmfiindn rp-
termo, cuja presenca salvou os cidadaos pacficos eitunea uo mais sincero e ptoiunuo te
e inermes de serem assassinados pelos capangas do COnnecimentO.
mesmo subdelegado primeiro supplente emexer-1 Asseguro V. S. que procurarei sempre,
cicio; em vista de tao inslito proced i ment, esta como tenbo feito at aqu, pautar o meu
zfo rsss&sf oscfd,covoac s ^ lt10 pe,os principi03 da ^re ^
parochia, levam ao conhecimento de V. Exc. o pro- nonestidade, e promover com verdadeiro in-
cedimento criminoso dessa autoridsdc policial' teresse a prosperidade de nssa patria,
desordeira, e desptica, afim de que V. Exc. se dig- Tenho a honra de ser com a maior consi-
ne garantir a esta mesa e assembla parochial, o! ,iPra<.3n p pslimn \"
sagrado do voto, outhorgado pelas te dol0 M'
direito
paiz.
Esta mesa, inimiga de desorden), nao pode proce-
1 'luc nao seja mnto pacifico e
der de ouno modo,
Um ai que do imo peo
Pode romper a prisao,
D a alma, que padece,
Suave consolaco.
Um triste sardo gemido,
Um qucixume lastimoso,
um balsamo, um conforto,
Ao peito do desditoso.
II
Mas qi lando abalada
Em nossa alma existe
A magoa o tormentos,
Que se nao resiste...
O rosto mostrando
Risonho e nao triste!
Quaodo, ewfim, buscamos
Prazeres fingidos,
Escutando cantos
Os nossos ouvidos
E afogando em rizos,
Pungentes gemidos !
Quando j sentimos
Cahir docemente
A lagrima ardente,
a face tristonha,
Que logo com medo
Se torna risonha I
De V. 8. v.
Muito ltenlo venerador e amigo obrigatlo,.
Franeisco Xavier Paes Barrete.
Exc. que hontem pelas 5 horas da tarde o subdele-
gado do districto de Pripiri, freguezia e termo do
Bonito, Manoel Antonio de Vasconcellos, entrou
nesta povoaco deixando enguerrilhada urnas
K curiosos olbares,
Yolverem-se p'ra nos,
Mirar-B08 o rosto,
Escutar-nos a viiz. .
Que cruel martyrio !
Que tormento atroz 1
III
triste, e l>em triste.
Tal vida passar !
Tao negros prazeres
."fo peito abafar,
At nao podendo
Gemer e chorar !
Principiamos boje a segutntc pubucaeao. extra-
bida da Revista Popular :
POVEHINO.
Pour crire l'histoire de sa
vie, il faut d'abord avoir veu,
assui n'est-ce pas la niiennc
(jue j'cris.
Alfred de 3h<*set.
I
a palavra de um secuto ; encostei-mc s pilastras | "'gal i tanto assim que firme no seu posto, nao rea-
e columnas dos templos gregos, beijei o p de suas ira contra as arbitrariedades daquelle subdelega-
glorias e de suas ruinas. | > e.so abandonar o excrcicio de suas funecoes
Mas eu morria___lnguido e mrbido eu me, depois de ter essa autoridade arbitraria feto victi-
inclinava ao tmulo, senlindo nos cabellos o cirio mas a nos c ao povo pacifico desta parochia, que
das brisas de Ischiaapotica, arfando-rae o. alias apenas querem exercer o livre direito do
peito aos sons, s harmonas divinas de Rossiui, voto; levando, nao s as oceurrencias passadas
Bellini e Mcrcadante. 1 como as presentes e futuras ao conhecimento do
, Um dia, quando mais de perto en va a morte, senado e do coverno de S. M. Imperial.
; o peito cada vez mais se me estrangulando, foi en-! Em tompo leva esta mesa ao fienbecimente de V.
lauque urna dor horrivel me fez desejar a vida.
Eram as saudades do meu Brasil.En passeava
noite estrellada e linda no golpho de Veneza, sen-
tado e pensativo na gndola o luar batia-mc de -, --------------D......--------,
face,e eu erguia meus olhos ao firmamento, pen- >00 bracas da ra, urna torca armada de paisanos i s
sando ver o meu co brasileiro___oh 1 como em numero de 50 homens {toyco mais ou menos, I d
triste, como duem as saudades da patria I i os quaes toram destrocados pelo digno delegado j o
Equando talvezns nio a veremosmais, quando' destei termo o lente de polK-iaFraac4scQdePaulol dade ua 3 ^ g J^SSSt, sao fac-
tao longe vamos morrer I... Sent essa dor, e bou Malagncta. h tos que assentam na conseiencia iblica, e que por
concordareis com.go que nao ha palavra que a diga. Tudo 1sto, ExnrjSr, _rev a que daparte do sub-1 .^ ,, maiqoeronca, por nem um excesso ^e
E cuchore,meu peito offegava.. ..o... pen-. delegado e prime ro juiz de paz desu freguezia, ambn5o poera sor invalidados,
sei que era meu ultimo momento de existencia do primeiro supplente em exercjno.existem planos. ^ nrogro.ssistas*que desejam sinceramente a re-
Entao quiz balbuciar o nome do meu paiz e o de teneflrr.sos contra a ordem publica, seguranca in-! generacao do paiz pelos estreos communa da par-
minha mi.. meu suspiro ultimo quiera que "'vidual e hberdade doscidadaos desta parochia, fe sensta dos antigos partidoThao de necessara-
tosse nesses dous nomes.os mais caros deste mun- queja njaisacompanharao, gente tao deMdeira e mente anconlrar na ronsciencia o quMevemos
Uv';n.a,'i.-1,. .- conselheiro Paes Brrelo, na razao A%eIlc
ISh?n iL^TriJmf a. maiS sa,,sfac)r' ha de continuar a fazer* bein do partiddpTnTeo-
Sn7 SS^S?^delegado deste termo, com tudo ^ senlBieolo8 afftfIUosos de mereci gra-
elle se absteve de revogar a ordem illegal do sub- ll(fa0 B
??ieflK?ja dsPs:iio fi Pes,a Pr V-SWj a; Quem ha ah que ignore as habilitacoes do con-
forta urbana; pelo que appellamos para V. Exc, < ^^-^ Paes ^ m SSSm lisia tri-
nos conceder as garanas a que temos p|ce co,lt juiz ostetou-se sempre distribuidor
.4 candidatura do conselheiro
Paes nrrelo.
A consol idaco, e o desenvolv ment de urna s-
luaco poltica recente encontram os mais seguros
e acrrimos defensores entro aquelles que para a
sua existencia com maior affinco e em maior es-
cala contribuirn!.
Na camaaa dos depotados, entre seus numerosos
amigos da corte, e durante a organisacao do parti-
do progressista em Pernambuco, o conselheiro Paes
Brrelo contrUbuie poderosamente para a reunio
sincera d*s homens moderados e bem intenciona-
dos dos antigos partidos.
Sua dedicaco ao partido progressista, sua teal-
do... De repente ouco na Ierra estrangera aquel-
les melanclicos versos do poeta :
Minha trra tem palmeiras
Exttico, ergu as mos a Deus: ouvia na
dez do delirio : quando veio aquelle verso :
mu-
Nao permita Dchs que eu morra
Sem que volte para l t
Nao pude conter-uiu : Miaba turra meu Bra-
integerrimo da justica, como presidente que foi de
varias provincias deuexuberantesprovns de aptido
administrativa, como ministro anda boje saudosa-
mente lembrado, e desojado peta distincta olcialida-
deda nossa esquadra,eomohomem de estado prepa-
.. Ho rou desveladamente a iraaucao do dominio oli-
siiva Jnior, 2 juiz ae g4r,.|jico para a poltica actual, que s por culpa
nossa dcixar de ser fecunda em beneficios para o
paiz.
A inclusao do nome do consellieiro Paes Barre-
te na lista trplice pois, para lodos nos progres-
sistas questo de Joleresse eommum, questao de
honra, de gratido e dever.
alim de
direito.
Deus guarde V. ExcPorta da igreja matriz
desta freguezia de Quipap ua povoaco de Panel-
las, 3 de novembro de 1863.Illm. Exra. Sr. Dr.
sil!gritei tora de mun, c mina gndola foi en-; Joao Silrcira de Souza, digno presidente desta pro-
contra r-se com a do desconbecido cantante, que', vinciaAssignados :
assim tamhcm se lembra va da patria Tenentc Jos dos Santos
D'abi duas horas achava-se elle comigo no Ho-! paz presidente,
te! D.Esse moco era Ilayiuuudo- Domingos Ferreira de Macedo, secretario.
Pobre amigo f Salvou-ie da morte, e eu nao Bernai dio Jos de Sena, mesario.
pude sal va-k) I Candido Jos Cavalcanti, mesario.
Francisco fez urna pausa: limpou duas lagri- Claudino Jos de Mello, mesario.
nas que lliecorriam pelas barbas louras, e esva- Paulino Jos-da Silva, eleitor. ^
~-ouo copo que tinha diante deri. i Jos Alves flainello, dem.
Sens coniuanheiros imitaram-o por que escondesseni, cada um sorprendeu na face do j Jos Martins Rodrigues ila Costa, dem,
outro urna lagrima importuna, Caetano Jos da Costa Bastos, dem.
Haymundo, vos todos conhecestes : pobre ami-; Manoel de Miranda Santiago, eleitor supplente. O xaropc emerio de veame por mim.preparado,
go Inda de certo, nenbum de nos se esqueceu Joao Gomes Pereirade Lucena, idem e i juiz de; muito tem aproveitado aos que soffrem desta mo-
daquelle moreno ardente, de urna fronte larga el paz deste districto. ; lestia, e de lamentar-se, que, no obtuario desta
expansiva, onde queimava urna intelligencia so- Altores Antonio Lopes Muniz, eleitor e 2o juiz de cidade a maioriados que sucumbem de tubereu-
berba, (ue havia conquistado tanta sciencia em : paz de Quipap. los pulmonares, sem procurarem o recurso do
tao iwtiros annos----tanto irabalho que nenhum Altores Antonio Monteiro dos Santos, eloitore3 pratico e do experiente, que Ihes podem encami-
fruclo deu e que se evaporou no tmulo, assim, as-1 juiz de paz de Quipap. nhar o meio de sua salvacao.
sim como se nada tosse! | Jos Gncalves dos Santos Jnior, eleitor. O Sr. Braga com toja de ferragens na ra Direita,
E o mancebo nao ha de descrever ; nao se ha de Antonio Jos Gncalves Pires Ferreira, dem. foi desengaado por dons habis mdicos, acba-se
.- .____.,____ .. t...._,- ___.... lamentar ?Nao ha deamaldicoarasi eao mundo? Hermenegildo Jacintlio Cavalcante, eleitor sup- bom com o tratamento por mim prescripto.
- Um*w^**}^Jl*w\ Dexai que zo.nbem de no'ssas dores e febres penle. r I A Sra. Jeronvma Mara da Conceicao, moradora
Assim gritavam alguns mocos na sala do hotel esS(!S ll0|^ns epheineros e fm desgracados> qae Jos Vaz de Souza. na travessa do-Monteiro n. 10, achande-se desen-
de prata.no centro della, rexeibcraw com Deixai-os.que elles tem razo. Malditos nunca Antonio Bento de Almeida Coutinho, eleitor sup- belccida.
i
Pbtyslca.
vas azues do iwnclw : os copos se espaihavain a
meio cheios le chaupagnc e kirscho cada um
dos c i re musanles linda nos labios una tornalha
ardente, aspirando
de que tanto falla
a quem assim pediarn
um mancebo de vinte e cinco annos quando iniii
to ; alto, magro e bello, porm desse aspecto irte-
te e ao mesmo lempo sarcastico dos sibaritas n-
teligentes-dc boje : elegantes, livies e orgiilho-
sos no meio da sociedade.
Francisco enchcu a sua taca de ponche, e, em-
quanlo elle esfriava, engolio'um calix de kirsch,
acendeu o charuto, reco.stou-se na cadeira moda
dos Americanos do Norte e assim principiou :
II
Do mundo que tenho viajado s recordo-inc com
>audades de tres cidades notaveis :
Montevideo, Pernambuco o Veneza.
E sabis porque 'Porque a lidibinez o a de-
vassdo nao se oslentam em parte alguma mais
libertinos do que as ierras do Plata, onde, por
parenlnesis, somos obseqmsdos com o bello titulo
de macacos.
Desaforo I bradaram uns.
Muito bem dito! gritaram outros.
E todos dcsataram a 1 ir.
O i|u; queris ? inlerrompeu Francisco: sin-
ceramente fallando e sem querer discutir poltica.
o nosso papel ah nao tem sido outro.
No ros protestos, novos apoiados e novas garga-
lliadas soaram estrepitosas.
Bem, deixemo-nos de poliiica, discursos a
abarrotar, quem quizer va amanhiia ouvi-los as
cmaras.
soubcram como que palpita c convulsa no cerebro
a inlelligencia como i|iie s vezes a idea de
pente.
Manoel Pedro Torres, dito.
dous annos quando o c.onheci na Italia: trajava
luto por sua irma, morut longe delle.
Por nina deesas sympathias irresistiveis, alias
justificadas pela singularidade de nosso encontr,
essa mesma noite Baymundo e eu eramos amigos
vel nos.
Fallou-mede seus planos gigantescos de futuro:
imaginaeao de poeta, delirava de enthusiasmo
quando tolla va do sciencia e lettras.
Mas ah I toda aquella alegra ora Alicia : eu era; Joao Francisco de Mello, idem.
entilo o doente, e elle, tentava distrahir-me.
No meio de nossa conversaeo, chegou-sc um
pagein e entregou-lhe um bilhte. Baymundo es-
iremcceu ao toma-lo, e lendo-o, urna grande ale-
gra se Ihc estampou no rosto.
, Iroi j, disse elle ao pagem.
Quiz continuar a conversar; interrompio-o.
porm.
Entao nao ides ?
D'aipii a instante, se o consentirdes, respon-
den elle.
Levantei-me, e dei-lheboa noite.
Nao vos agastais
saber f Tenbo medo de
Manoel Francisco de Jess.
Euzebio Cavalcanti de Albuquerque, eleitor.
Manoel Calisto de Souza, idem.
Antonio Jos da Cunha, idem.
Felippe Ferreira da Cunha, idem.
Manoel Simes de Souza, idem.
Pedro Xavier de Alcntara, eleitor supplente.
Joao Thomaz de .\raujo, eleitor.
i Simplicio Bispo Contossor, eleitor supplente.
I Joao Francisco de Mello, idem.
' Domingos Lourenco Bezerra, idem.
Cosme Nunes de Andrade, idem.
Manoel Amanco de Souza, idem.
Manoel Vaz de Souza.
Manoel Flix Victalino, eleitor supplenle.
Manoel Soarcs de Oliveira.
Manoel Francisco da Cunha.
Antonio Vieira de Araujo, eleitor.
Francisco Hilario Barbosa.
Joao Feliciano dos Santos.
Manoel de Souza Silva Scrdo.propretario
gociante.
comigo, nao t Queris Francisco Joaquim de Amarina,
parecer erianca, mas que-' Joao Soares de Moura e Silva.
ria vos dizer o que significa essa aventura. Aqui a Altores Thomaz Ferreira da Cunha, eleitor e 3o juiz ment,
quem o hei de dizer sead a vos ? Fra de nessos I de paz deste districto. E' eos
Um sobrinho do senhor professor de Nazaretb
do Cabo, acha-se bom, como se v de sua cartaabaixo
transcripta, alm de outros toctos, que poderia
aqui mencionar.
A phtysica 6 a distruicao e a magreira de tedo
corpo, em conseqoencia de chagas, tubrculos, e
concrcceao dos botos c de empyema, atrophia ner-
vosa, e outras molestias que viciam os humores,
como escorbuto, alporcas, gallico, asthma, bexigas,
sarampo, ele
Na phtysica, chegando ao estado de gravidade, o
3ue muflo pode concorrer para a salvacao do
oente c ajudar os medicamentos o ar do campo,
exercicio conveniente c dieta, a qual nao deve ser
de nenhuma cousa quente, ou de difficil dgesto;
e a bebida cumpre que seja de natureza branda e
fresca.
Todo o seu alimento se ha de dirigir a moderar a
acrimonia dos humores, e a nutrir, e suster o
doente, para o que preciso reduzi-lo ao uso de '
vegetaes e leite.
Toda comida o bebida, que se tomar ha de ser
em [Hincas porcoes, para evitar que o excesso do
ch y lo fresco opprima os bofes, e accelere muito a
circulacao do savguc.
Muitos doentes desta molestia se tcem entregue
e ne- ao uso do leo de ligado de bacalhao, e outras pre-
panicocs de resinas e blsamos, sem que deltas
tenhm tirado proveilo; e alguns expositores de
medecina comba tem com muita razao esse trata-
Qoando alguem se ve com to?se vai ao medieo,
este o examina e declarao senhor est affectade
dos pulmdeso doente desanima, com esta senten-
ca entende estar sera mais.cura, quando os factes
e a experiencia tem demonstrado que muitos, ten-
do procurado o lugar aproprado, se leem salva-
do; e assim explicam muitos expositores de me-
dicina.
Ora, nesta provincia temos facilidade hoje e
recurso do ar ; porque a via torrea nos proporcio-
na, pois que em pouco tempo urna pessoa que
existe nesta cidade fcilmente se transporta para
as ultimas estaedes de Gamcleira e Una, lugares
perto do Bonito*e de outros pontos que sao consi-
derados serto, quante mais que os mesnios luga-
res j nao sao maos, segundo, pens, principalmen-
te no verlo.
Mas dir-se-hauna pessoa pobre nao tem mais
de se transportar e d'all estar teso se respon-
de, que, naquelles lugares existem casas vasias e
allugam-se por proco commodo, c mesmo muitos
geneos de primeira neressidade, all se venden)
pelos mesmos precos que aqui.
Aquelles, pois,' que estiverem nestas circums-
tancias, eu Ihes facilito explicar os meios pelos
quaes se devem reger, e Ihes fornecerei os medi-
camentos gratuitamente.
Nao deixarei dn advertir ao publico, que as mi-
nhas preparacoes de veame sao reunidas com ou-
tros ingredientes, e cora elles tenbo obtido ptimos
resultados; nao se engae o mesmo publico com
outras, que por abi se annunciam, cujas prepara-
coes ignoro, assim com o aproveilamenlo delles
aos enfermos, quem por ventura tenham sido
applicados; cada um responde por si, e eu allirmo
cora verdade o que aqu tenho relatado, cujos me-
dicamentos nesta provincia s vendo em innlia
botica na ra Direita n. 88.
Jus du Rorha Paran/tos.
Nazareth dhCabo, 7de setembro de 1863.-Illm.
Sr. Jos da Rocha Prannos.Com o maior prazer
levo ao conhecimento de V. S. que o doente, que
T. S. achava-se adminstrando-lhe remedios,
acha-se no todo restabelecdo, por quanto nada
sent, tendo desaparecido no todo a tosse, tem
muita disposicd comida, e acha-se nutrido.
Fiudon de tomar os ullimos remedios, que V. S.
receitou no dia 30 do passado, resta agora V. S.
mandar-me dizer qual a dieta que o doente deve
conservar, e por quantos lempos, mencionando as
comidas que dever usar d'aqui em dianie.
Resta-me agora agradecer V. S. o cuidado que
tomou no tratamento do meu sobrinho, abaixo de
Deus, devido o seu restabolecimento a pericia de
V. S-, e por isso pode V. S. sempre contar coro
os meus diminutos prestimos, e desejarei em
todo tempo dar urna prova do meu reconheci-
manto.
Desejo V. S. todas as venturas, por ser de V. S.
muito respeitador e obrigadissimo criado.
Francisco Beringuer Cezar de Menezes.
EDITIS.
Ki.ti'in muss.
Ura prete escravo do illm. Sr. commendador Il-
defonso Simad Lopes, fazendeiro em grande na
cidade da Barra-Mansa provincia do Rio de Janei-
ro, attacado de elephantiases e j n'um estado
a vaneado da molestia, com os ligamentos dos de-
dos em estado de dissolucao, e abandonado pelos
mdicos; o proprietario, qniz como um derradeiro
recurso experimentar os eltoitos da.
Sal>a pan ilha de l'ristol,
e cora verdadeiro assombro e estupefaccao, todos
presenciaram e acompanharam os dillerentcs pro-
gressos da completa cura operada por tres frascos
da dita salsa, na pessoa ueste individuo, o qual
pode ser visto e interrogado aqui no Rio de Janeiro
por quem quizer.
O coronel Jos Maria Ildefonso Jacome dVei-
ga Pessoa, tendo de hoje (o), anniversario do fal-
lecinento do seu muito prezado mano Luiz da Vei-
ga Pessoa, dedicar-se ao preceito da religio de
todos os seus pas, conforme o Sancta ergo et
salubris est cogitatio pro defunctis exoraraj da
mesma religiao, indo ao deposito de seusreslos
mortaes no cemterio publico com toda a sua fami-
lia, para cojo acto convida aos amigos do fallecido
que o quizerem acompanhar neste ultimo acto de
dor e de saudade, que ter lugar s 7 horas da
manha.
Illm. Sr. juiz municipal.Pacifico Ferreira Gui-
maraes precisa que V. S. mande ao encnivao que
certifique : Ia seo padre Renovato Peroira Tejo
foi pmcessado neste juizo por crime de calumnia ;
2o se Toi condemnado a quatro meses de prisao ; e
3" finalmente se J foi absolvido desta penna.
Restes termos pede V. S. que Ihc defira.E.
R. 31.
Pacifico Ferreira Gumaraes.
Certifique. Villa de Cabaceiras, li de outubro
de 1863.Castor de Araujo.
Quanto o primeiro quesito certifico que loi pro-
cessado no juizo municipal.
Quanto ao segando certifico que toi por sentones
deste mesmo juizo condemnado a quatro metes de
prisao.
Quanto ao tereciro finalmente toi pelo mesmo
reo appellado para o juizo de direito, e at o pre-
sento ainda nao appareceuo processo no cartorio.
Disto mesmo dou f. Villa de Cabaceiras, 14 de
outubro de 1863.
O escrivao,
Rufino Pneira de Araujo Urna.
COMMERCIO.
NOVO BANCO
DE
PERNAMBUCO
O banco toma saques sobre as pracas de Ro de
Janeiro e Babia.
Alftinricga
Rendimento do dia i a 3 .......
Idem do dia 4.................
26:4125631
23:i0o58.-:
49:ol85i86
UovfiiK'isto da alfantlega
Assifu. dizia eu, lembro-me de tres cidades : de ; nha mais tobre do que eu.
lares somos mais do que cempatriolas, somos ir-' Jos Joaquim de Vasconcellos.
maos. Jos Ferreira da Paixao.
Eu eslava captivo de tanto boitdade, e por un-! Francisco Antonio dos Santos, inspector do quar- do o sangue, ao mesmo tempo que tirm o'apetite,
ca resposta apertei-lbe a mao... escaldava... ti- j teirao do Riachao em exercicio. relaxam os solidos, e sao de toda sorte perniciosos.
costume carregar o estomago do doente com
medicamentos oleosos e balsmicos; porm estes
em vez de tirar a causa augmentam-na, esquenton-
Volumes entrados com fazendas..
com gneros..
Volumes sahidos com fazendas..
t com gneros..
37
614
-----681
18
160
----- 208
Montevnd, porque o vicio ahi nao tem mascara,
e ingenuamente confesso que antes isso do que a
"nypoci-wna cousa mais asquerosa do mundo a
meu v Quando part para essa cidade, ia ferido da pri-
meira desiliusao da vida, ha cinco annos ;-cheguei
ahi rom muita pialano bolso, com que preten-
da distrahir-me das minhas dures.
Queiratn perdoar : porm, assim como passe
pt los viole annos, assim lambem soflri-as.
1'ft-o-vos urnasadeamorte dnllas !
Un hurrah stanoe echoou pelas salas, e foi es-
tremecer a louca as pratcleiras.
Todos se riram, mas quem tosse bom observador
notara que urna lagrima rolara pelas faces bilio-
sas de francisco o fra cahir na taca : o moco
aiinla urna vez beber suas amarguras'
E, palavra que nao me engano.proseguio ojie,
quando vi aquellas niuuVres assim, si-m o menor
vislumbre de poesia e romantismo, rime de mi-
nhas illuses passadas c fui sernelbantc quelle
que, aps phantastira drama, vai a caixa do thea-
tro e \f: que as pinturas, tao bellas vistas da pla-
tea, sao bw roes apenas de tinta, .1 ue tudo pao,
azee, gaz ou papelo, e mais ainda que a actriz,
que um instante nos encantara pela vistee pela
belleza, hmpa nocamarim, j despida de sedase
de dourados, o alvaiade e o raroin de enrugada
face
Ageites de entre vos que ainda sao poetas e
acreditam em I^aina/tme ou George Sand, deplo-
rem sua ceguei/a,'porque anda n3o souberam o
quue verdad*.
No Ules assiaj, Fraocteco; se a verdade
a desiliusao, oh I deixa-nos cegos, deixa-nos no
errp, disse Rodolnbo, mancebo de dexoito annos
apenas, medroso da reaiidade da vida, eotnp se f-
ra a morte,
Francisco soltou urna pargalhada estridente :
Pobre Rodolpbo I Como tenho pena de ti!
Quantas lagrimas desbotarad teu rosto no da da
desillufian I
Poveretto t acaso nao te lembra* daquella vir-
gen) de cera de um museu de Italia, que ate meio
corno a belleza eo encanto, roas que, so levanta-
Era poeta e eslava apaixonado Coniprehen ieis
peior desgraca ? I
III
Nao me record agora do poeta ou moralista que
chamou o mundo de Hospital de doudos, cunt-
nuon Francisco.
K' pena, pois, queria-lhe tozer umtoastque
ua verdade merece ; tem mais jus gratido dos
povos do que aquello que achou o principio da
gravidade dos corpos.mais do que aquello que
se ufanar com a lerdade da quadratura dojctrculo,
Hospital de doudos E' bem achido, concorda-
reis comigo. Tenho medo que cnxergueis no meu
fallar affectaco. De manoira alguma.
Houvc 11111 tempotoi quando a minha inlelli-
gencia despertou-se, e minha imaginaeao doura-
va-se de poesia : os livios que entao cahiram-me
s maos toram-me de um grande mal ; eu sonra
por ver soffrer os outros soffria muito, porque
muito quente era minha imaginaeao----esse tem-
po, bem lindo e potico.....passou ; vieram-me
depois as dores reaes, as dores do peito : desta se-
gunda ejioca da vida ou se morre ou nao, e quan-
do se escapa, ou nos tornamos os homens do po-
sitivo,ou ento enlouqueccnios, como eue alguns
de nos, c o riso e o desprezo pela vida nao nos
affectaco.
O mundo um hospital de doudosbem triste,
cumpre dizer.
Nunca entraste*, por exemplo, uo hospicio da
Praia Vermelha ? N5o vos lembrais de ah ter-
des visto alguns coitados que julgavam-se res ?-
Sao os chetos dos partidos de ca fra.
Nao vos recordis de um outro, que se diz o rei
D. Sebastio-o vencido de Alcacer-Quibir ?e
outros que esperara elle ?Sao os homens da po-
ltica retrograda.
Nio vistes os furiosos, sombros s vezes, j
Antonio de Campos Reg, proprietario. Tudo que se Hzer para extinguir a tosse, alm
Manoel Grigorio da Paixao. do excrcicio e rgimen apropriado devem ser re-
Vctor Jos de Lima. medios de natureza acida, detergente c calmante.
Francisco Antonio de Gouveia. Os accidos possuem a virtudc de produzrem
Altores Jos Alves de Miranda, eleitor e inspector bons efteitos nesta enfermidade, porque, nao s
do quarteiro desta povoaco suspenso do exer- contribuem a apagar a sede quando acommette a
cicio.
Jos Joaquim Campos.
Joaquim Jos Correia.
Antonio Francisco de Paula, proprietario.
Manoel Francisco de Mello.
Caetano Pinto de Mello.
Jo.- Ferroira da Silva.
Sat>ro Jos da Silva.
Marcolino Pcrcira das Chagas.
Silverio Xavier da Silva.
Pedro Mendes Saraiva.
Pedro Celestino da Silva.
Pedro Antonio de Barros.
Francisco Mendes Saraiva.
Manoel Pedro da Silva.
Joao Freir de Oliveira.
Antonio Pires Campello.
Joao Luiz de Franca.
Francisco Manoel Amanco.
Joaquim Barbosa de Mera os.
Francisco Bunio da Silva
Manoel Dantas da Silva.
Antonio Pedro dos Santos.
Manuel Joaquim.
Jos Luiz da Cunha.
Antonio Joaquim Cordeiro.
Jos Marinho da Trindade.
Joaquim Bento da Silva.
Bernardiuo Vicente Cavalcanti.
Jos Rodrigues de Mello.
Felippe Soares da Cunta.
Manoel Moreno do Reg.
Manoel Gomes da Silva
Manoel Gines lavares.
Jos Carlos de Lucena.
se Mirando em desespero s grades das prisoes ?' Joao Luiz da Silva.
Sao os conquistadores do mundo ; tudo que l
ha, e fra existo tambem na diftorenca,
porm : que l nao e 0110 entro nos.. Manal Joao da Silva.
Sabis porque toda esta enndoalia tirada?- Damiao Jos da Silva Barros.
Para asslslirdes a todo nm drama buco, com suasj Jovenete Cavalcautl de Albuquerque
tobre ethica, mas tombem a refrescar o sangue.
O Sr. Amaro Januario Francisco de Paula, mo-
' rador no pateo do Terco n. 26, tendo sido desenga-
ado pele ultimo medico que o assistia, c achan-1
do-se j em estado de nao poder andar com os ps'
bastante enchados, com o tratamento de minhas j
preparacoes de veame acha-se muito melhorado,'
1 com admiraco daquclles que o viam no estado
1 em que se acbava.
Quando a tobre ethica o acommettia, minha I
prescripcao ora o seu alivio.
Mandava que dissolvesse o sueco de um limo 1
em urna chicara d'agua com bastante assuear, c!
em um copo grande misturar com um papelinho
dos pozes refrigerantes para tomar, cora que ali-
viara, e pela manha o xarope etherio de veame e
pilulas alcoolicas do mesmo.
tenho aconsclhado que faca uso dos vegetaes de
natureza acida, como laranjas, limoes, pitongas,
ele, e applicacaode plantas amargosas, que fortifi-
can) o estomago, e servent ao mesmo tempo para
destruir e mitigar a sedo.
A Sra. D. Joaquina Anglica de Sa Barrete, mo-
radora na ra Direita n. 00, tendo urna sua es-
clava fallecido ha poucos dias suhmettida ao Ira-
tomento de seu medoo, resolveu procurar-me para
tratar de um outro escravo, qae soffria da mesma
enfermidade, prescrevi-lhe o xarope e as ptelas
de veame, tem melhorado consideravelmente.
O Sr. Temolao Amanco Martins, achandoise
gravemente^ accomraettido desta molestia, procu-
rou-me ltimamente, dizendo-me, que tendo sido
desengaado pelos seus protossores,. desojara 11-
rar-se pelo tratamento do veame; con efleito a-
chava-se no estado de gravidade: appMquei-Ute as
preparacoes de veame, consegu restabeteoer-lho
um pouco as torcas, e fugar a tosse e a tobre,
com o que, a meu conselho, podo transportar-se
para o lugar da Gameletea, d'onde tonho fado no-
ticias acuar-se raelbor.
Descarregam no da 5 de novembro.
Escuna dinamarquesaMarte mercadorias.
Brigue ingle./.Runitymede bacalhao.
Brigue inglez A/macarvao.
Escuna hollandczaTotumo %re=farinha,
Importaeo.
Galera hesnanhola Vicente, vnda de Barcelona,
consignada a Theodoro i;hristiansen, manifestou o
seguinte :
lOtonelladas de ferro veteo e 240 ditas de pe-
dra; a ordem.
Hiale nacional Santa Rita, vindo do Ass, con-
signado aTasso Irmos, manitostou o seguinte :
376 alqueires de sal e 150 molhos de palha de
carnauba ; a ordem. *
Brigue inglez Helena, vindo de Terra Nora, con-
signado a Johnston Pater & C, manitostou o se-
guinte :
2,050 barricas bacalhao ; aos mesmos.
Brigue inglez Runntjmedes, vindo de Terra No-
va, consignado a Saunilers Brothers & C, manitos-
tou o seguinte:
2,175 barricas bacalhao \ aos mesmos.
Ileeebedoria de rendas Internas
geraes de Pernambuco.
Reudimento do dia I a 3 ........ i:1345C25
dem do dia 4 ................. 1:0975647
2:2325272
Consulado provincial.
Rendimento do dia i a 3 ......... 2:394*692
dem do da 4 ................. 692*730
0 Illm. Sr. inspector da thesourarta de fazen-
da manda fazer publico a todos os habitantes desta
provincia que em virtude da ordem do Exm. Sr.
ministro da fazenda, presidente do tribunal do the-
souro nacional se proceder do i de dezembro pr-
ximo luturo pela thesouraria a substituico das
notas do mesmo Ihesouro de MOJ da 2* e 3a es-
tampas, valer por valor at o lien de julbo de 1H04,
comecando do Io de agosto subsequente a solfrer
as ditas notos o descont da le na razao de 10
por centono lmez, de 20 porcentono, e assim
por diante de modo aperderetn todo o valor no d-
cimo mez.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Pernam.
buco 3 de outubro de 1863.
Servindo de ofllcial-maior.
Manoel Jos Pinto.
O Dr. Joao Antonio de Araujo Freitas Henriques,
juiz de direito da primeira vara criminal da co-
marca do Recito, por Sua Magostado o Impera-
dor que Deus guarde, etc.
Fago saber que havendo o Exm. Sr. conselheiro
presidente da relacao desta provincia, e mediante
otTifio_ datado de 26 do corrente, chamado minha
attencao para o cjamor que se assegura aqui levan-
tado tonto pela iinprensa quanto por queixas par-
ticulares contra alguns escrivese tabellies que
por actos de seus ofllcios exgem das partes costas
indevidas e muito maiores do que as designadas no
respectivo regiment de rustas, e em face de sc-
meihante communicacao, cumprindo-me de promp-
to averiguar se sao verdadeiros e reaes os funda-
mentos de um tal clamor, pelo presente convido a
todos que nesta comarca tenham solfrido qualquer
extorsao por parte de laes funecionarios, ou sai-
baiu de toes toctos e possam ministrar provas con-
tra qualquer delles, a virem ante mim, afim de que
entrando no merecimento de laes queixas, possa
proceder com o rigor da le contra aquelles de laes
enipregados que havendo esqnecido seus deveres
tenham dado justa causa para apparecer o sobre-
dito clamor.
E para que ehegue ao conhecimento de todos os
interessados, mandei passar o presente que ser
afflxado na porto da casa das audiencias e publi-
cado pela imprensa.
Recito, 31 de outubro de 1863.
Eu Joaquim Francisco de Paula Esteves Clemen-
te, escrivao o subscrevi.
Joao Antonio de Araujo Freitas Henriqun
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, olUcial da im-
perial ordem da Rosa e juiz de direito especial
do commercio desta cidade do Recito de Per-
nambuco e seu termo por Sua Magestade Impe-
rial e constitucional o Sr. D. Pedro H, a quem
Dos guarde, etc.
Faco saber pelo presente qne no da 16 do mez
de novembro do corrente anno, se ha de arrematar
em praca deste juizo depois da audiencia respecti-
va os escravos seguintes :
Abrahao, pardo, de 14}annos, avallado em 8005-
Jos, cabra, de 10 annos, avaliado em 700*000.
Ivo, cabra, de IG annos, avaliado em 700*000
Joao, crioulo, de 19 armos, avaliado em 700*000.
Ignacio Fabro, de 15 annos, avaliado cm8O0*.
Exdaes, crioulo, de 17 annos, avaliado em----
1:100*000.
Geraldino, crioulo, de It annos, avaliado era...
9001080.
Vicente, de 12 annos, avaliado em 800*000.
Sererino, crioulo, de 15 annos, avaliado era-----
800*000.
Escolstica, crioula, de 10 annos, avahada em
550*000.
Henriqueta, crioula, de 15 annos, avaliada em
1:000*000.
Salustiana, crioula, de 15 aonos, avaliada era
800*000.
Ignacio Justino, crioulo, de 15 annos, avahado
em 850*000.
Ignacia Flora, crioula. de 15 annos, avaliada era
8005000.
Duvina, crioula, de 11 annos, avaliada em.....
8005000.
Rosalina, crioula, de 7 annos, avaliada em-----
400*000.
Severiano, crioulo, de 12 annos, avaliado ein.v...
800*000.
Jucundina, crioula, de 7 annos, avaliada em...
5005000.
Victaliano, crioulo, de 8 annos, avaliado em...
5505000.
Joanna, crioula, de 6 annos. avaliada era
4005000. ')
Kxpedita, crioula, de 5 annos, avaliada em....
4005000.
Ttelphina, crioula, de 5 annos, avaliada em
350*000.
Lourenca, crioula, de 5 annos, avahada em
350*000.
Getrudcs, crioula, de 7 annos, avaliada em...
650*000.
Augusto, crioulo, de 3 anuos, avaliado em___
250*0 0.
Ponciana, crioula, de 2 annos, avaliada em....
2005000.
Ignacio, crioulo, de 15 annos, avaliado em....
1:0005000.
Os quaes escravos silo pertencentes a D. Joanna
Maria das Dores, como lierdeiros do finado Jos
Fernando da Cruz, c vio a praca por execucao'
que contra a mesma move Antonio Luiz dos San-
tos, como seu cessionario ao barharel Gabriel Soa-
res Raposo da Cmara, e na falta de licitantes sera
a arreniataco feito pelo preco da adjudicacaocotu
o abalimento respectivo da lei.
E para que ehegue ao conhecimento de todos,
mandei passar o presente cdital que ser Iffixado
nos lugares do costume e publicado pela iui-
prensa.
Dado e passado nesta cidade do Recito, capital
da provincia de Pernambuco, aos 3 i de outubro
de 1863, i-'' da independencia e do imperio do
BrasH.
Eu Manoel de Carvalho Paes do Andrade, scri-
vao o subscrevi.
Trs/o de Alencar Araripe.
DECLARACOES.
3:087*4**
MOVIMENTO DO PORTO.
Niuto entrado no eitejL
Para Maranhao eCearH*as ranhoneira nacio-
nal Purakgbu, oamandaMe primeiro-teaente
Aurolio Garci i- <":'
damnoMai.
Rahia- 16 dias Kara nacional llorltmcw, de 94
toneladas cap tao Antonio Francisco Monteiro,
equipagem 8, carga jaoanMklit, charutos O outros
gneros; Palni-ira ABeltrSo.
Nao houveram sahidas.
Sania Casa da Misericordia do
HeciiV.
A Illustrissinia junto administrativa da Santa Ca-
sa de Misericordia do Recito manda fazer publico
que se acham de mez os mordomos, Dr. Antonio
Maria de Faria Alves no hospital Pedro U, Barao
do Livramento no collegio de orphaas e hospital
dos lasaros, e tenente-coronel Antonio Carlos de
Pinho Borges no collegio dos orphaos e casa dos
expostos.
Secretaria da Santo Casa de Misericordia do Re-
cito, 2 de novembro de 1863.
F. A. Cavalcanti Cousseiro.
Escrivao.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, manda fazer publico que do dia 3 do correnle
por diante pagau-se os ordenados dos emprega-
dos provinciacs, vencidos no mez de ontnbro pr-
ximo lindo. Secretaria da thesouraria provincial
de Pernambuco 2 de novembro de 1883.
o secretario^
A. F. d'Annunctacao.
GoBselho de rompas aavacs-
Tendo o conselho de promover a compra do
objectos abaixo declarados, pertemontes ao mate-
rial da armada, convida aos pretendentes a apre-
sentarem suas propostas em cartas techadas no dia
7 do corrente mez ate as 11 horas da manha. um
que isso ter lugar, soh as condiedesdo eslylo.
Objectos.
100 armellas, 40 barris de gal*, i balaneas que-
pesera 8 a lo quintaos, carvo do cok, 300 come-
res do torro, 20 arrobas de estopa de algodao. .".O-
espundios, li arrobas de estanho em verga, I,(mni
femas de rede, 48grozas de ferro,-1S guarda-imir-
roos de folba, 20 lanternas de plente, 4p pecas do
linha de barca, 20 arrobas de morrao, 400 n
Ibas de marinheros, 4 arrobas depregos de od
de batel peqneiio, 6phari.es. sendo de luz rente,
2 de uz encarnada, e 2 de lux natural, 2 redes de
pescar, e 100 vertedores.
Sala do consellio de compras navaes de Pernam-
buco 4 do novembro de 1863.
Alexandre Rodrigues dos Aojos.
Secretario.
Correio
As malas que deve onduzir o vapor de re
ramaragibe com destino provincia do Macei e
portes interoiedios, fcchar-se-hao hoje (5) d.
rente s 3 horas da tarde em ponto.
S*xte-fera 6 do cornaale, depois da audien-
cia do Illm. Sr. Dr. juiz de orpnita, vai 4 pi
por venda urna escrava do nome Balbna. avaliada
em 600*, o seu lino Francisco, de dado e 4 an-
nos, avaliado em 200*; vai praca a requerinien-
to do inventariante dos bens de Joaquina Maria da
Veiga, Dr. Angelo Henriques da Silva.



I
Si

Diario de Pernambuco Quinta felr 5 de VoteuibrO de ISAS.
So
THEATHO
DE

BSmMSZA
DE
A. J. DUiWTE COIMERA.
BENEFICIO DO ACTOR x
Plavio Aureli Nunes Wandeck.
Sabkado 7 de novembro de 1863.
Represeotar-se-ha o milito applaudido drama
eni rie* actos,
cial.
AC
V;
01
i\ T4USMAN.
liKlliAO
Toma parte toda a companhia.
En seguida rspresenlar-se-ua a comedia eiu um venta rio sera patente no acto do leilao
acto, escripia pelo Sr. Penante, e offerecida ao be- _____________________________
noticiado, intitulada,
UUIS C % 1YVO*
PERSONAGENS.
Paixo, 70 annos....... 0 Sr. Flavio.
Gregorio, 65 annos.....
Dionizia, 23 annos, inu-
Ihenlf Gregorio......
Lauro, i annos, artista.
Anuncio, criado de hotel.
Um cuiteleiro..........
A scena passa-se no Rio de Janeiro n'um hotel.
Actualidade.
I E* este o espectculo que o beneficiado offerece ,
ao-respeitavel publico de quem espera todo aco-
Uiimonto.
Comocar s 8 horas.
Penante.
A Sr." D. Jesuina.
O Sr. Lessa.
Porto.
Gil.
umita* e< c de pedra e NOTO* ESTAIBLE6IMElfTt DE 1EBICINA HOKBEOPATHICi
Mi
IIOJ t MA MOVA W. 43.
t$,na TSTITSfe I 0 Dr. Sabino O. L. Pinho mudou o sea CONSULTORIO para a toja de marmore
vivendadepcdraecal, agua de beber, tem 500 ra Nova n. 43, onde continua a dar consultas todos os (lias uteis desde o meio da at
palmos de frente e mil e tantos de fundo, foreiro, 2 horas.
ffiesT!^^ Os enfermos, que o procurarem logo na iuvasao da molestia, sem qu bajan t*
fre doTnado pa2da MauieifonT ^STfe ~o qualquer remedio, nern allupathico, nern homeopathico, pagarn metete dos pre^o,
ser examinado e o leilao ter lugar quinta-feira 3 \ estipulados. Esta concesso tem por fim facilitar a cura de molestias, que podem tornar-
do corrente pelas 2 horas da manhaa no largo se complicadas pelos emprego intempestivo da therapeutica e ao mesmo tempe adquirir
Corpo Santo defronte da associacao commer- para a _0meopatbia maior numero de adeptos pela bateza da cura.
Em attencao as pessoas pobres, que no podem sahir de dia, o Dr. Sabino resol-
veu dar duss consultas por semanas as tercas e sextas-feiras d;ts seis as sete horas da
noite. W
Os chamados para visites e conferencias deveaser dirjgidos por escripto ao con-
sultorio desde 8 horas do dia at 8 da noite, na certeza de que sero attendidos Ha orden.
de sua precedencia, salva a circumstancia de eminente perigo.
ADVERTENCIA.
O novo consultorio est prvido dos melhore^medicamentos, desde a primein
at a trigsima dynaminjsacao.
sado, por conta e risco de quem pertencer porta E como os mdicos hespanhes e allem3es nao cessam de certificar a major effi-
da associacao commercial pelas 10 horas da ma- cacia das ultissimas dynaminisacoes do tratamento das molestias clironicas, o Dr. Sabino se
2l?^l;J??r-lIlie!?"I,.l0.!!I! lSllf na" in" oceupa agora de elevar os seus medicamentos s potencias mais altas ( por ora at 200.*).
afim de verificar por si mesmo a torca dynamica, que se lite attribue.
Os mdicos, que quizerem experimentar taes dynaminisacoes poderao dirigir ao
consultorio suas receitas, que sero aviadas gratuitamente para os pobres.
No mesmo consultorio se vende a novissima edico do Thesouro homeopathicc
ou Vademcum do homeopatha, obra indispensavel a dos que querera usar da homeo-
ptica.
Tudo o que diz respeito nova medicina se acha abundantemente neste novo estabe-
DO
liate nacional Tin.
Sahbailo 7 do corrale.
Manoel Jos Pereira Mariano, r.apitao do hiate
nacional Tino, far leilao do mencionado navio,
com todos os seus pertences no estado em que sa
i acha, ancorado no porto do Ass, por ter enca-
ntado ao entrar da barra no dia 4 do- prximo pas-
SEGUROS DE VIDA EM MUTUALIDADE.
Adireccae do BANCO NTlO tendo obtkfe do governo de S. jl K. a aiMo*acio para estabele-
cer o seffuro de vidas em mutualidades, faz publico que desdej toma subscripcoes annuaes por nma
' so vez, debaixo das seguintes condiedes : q
Cm perda de capital e lucros;
Dito capital smentc;
. ..... Dit< 'ros sement:
! devendo a pnmeira liquidacao ter lugar no 1 de Janeiro de 1H59
.h ifrSLd1CmpT CapilaS ?m routl^"dade, sao obvias, porque nao -omento H co-
lhco juro do quantias diminutas, de que avu Isas se nao poderla tirar ne.ilu.ra resultado; "nas alen.
d.sso este nmd.mento e augmentado pelo cap tal ou lucros, ou amias as cousas, cimeVcoiiccVs
; da subscripto, dos que fallecom. Tambera partido pelos socios sobreviventes tudo aquirSaaTos so-
cios morosos nos seus ligamentos, .sao por este motivo obrigados a pagar, bem como caduiSades que
occorrerem pela falta de cumpnmento do compromisso social. ? H
I As liquidacoes sao pelo systcma das compaahias hespanholas, Tutelar outras e para se noder
fazer urna idea do que pode produzir urna entrada annual do i*, publica-se a seoujntc tabeliaJiaSea-
i da sobre a experiencia de muitos annos decompanhias dosta natureza :
Em unos Em 10 annos Em t amos Em 20 annos Em Si unos
nn has uiai anas .t**\m**
AVISOS DIYEHSOS.
Por um menino de
de
de
de
de
Por urna pessoa de
de
de
de
1
dia
i anno
2
3
4
la
20
30
40
1 anno 1104
2
3
4
15
20
30
40
50
8CA
804
864
mi
864
864
904
4004
3004
2904
2804
2704
2704.
2704
27H4
3004
9004
7504
7204
7104
7004
7004
7104
7204
7504
*floef
1.7004
1:6004
1:5604
1:5504
1:5404
1.5604
1:6000
1:8004
fe
3:3
3:5004
3:40114
3:36(14
3c 3304
3:4004
3:7004
5:0004
As entradas por urna s vez dau resultados mutto superiores s annuaes.
Porto, 10 de agosto de 1863.Os directores do Banco l'niao, Jos da Silva Machado.F. M- tan
dtr Niepoort.
Agentes em Pernambuco : Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, ra da Croz n. 1.
LOTERA
0 abaixo assignado de novo avisa as pes-
soas que tem billietes encomatondados, que aecimento.
s os guardar at ao meio da da vespera
da exlracco. Servindo de thesoureiro,'
Jos Rodriyues de Souza.
AURORA
AYISOS MARTIMOS.
lotera extraord naria.
Corre amanha
Aos 10:060300 e 2:0003000.
O abaixo assignado attendendo a boa acei-
tado que leve a lotera extraordinaria, ha \
pouco extiabida, e lambem aos pedidos de
quasi lodosos compradores de bilhetes, de-!
vido isso ao cxcellente plano das loteras ex-'
traordinarias, approvado pelo Exm. Sr. pro-
sidente da provincia, tem exposto venda
os bilhetes da seguda lotera extraordina-
CO.MPA.MIIA PERNAMBUCANA
DE
^'avega^So eostrira a vapor.
Macelo c escalas.
Ova|or Camaraqibr, comman-: ria, que correr nodia t de corrente mez,
dante Oliveira, seguir para os sendo a terceira parte da segunda da San-
portos cima indicados nodia 5 ta (:asa ^ Misericordia, e espera do res-
da "arTb Jeeoe^ain IPeifavel publico a compra dos bilhetes, pois
dia 4. Encommendas, passageires e dinheiro a assim conlribuir para 0 beneficio da Santa i
*ee at o dia da sabida as 3 horas : eseriptorie Casa da Misericordia, reunindo o til com o
ao Forte do Mattos n. 1.
agradavel.
Os bilhetes e meios acham-se venda na
respectiva thesohraria ruado Ures^o n. 45
e as casas commissionadas ra da Iinpera-
triz n. Vi, loja do Sr./Pimentel; ra Direita
COMPANHIA PKK.XAMBUCANA
DE
Xavegava costeira a vapmr.
l'aialuha, \alal. Macan, Aracalv, e Cear.
0 vaitor Mimangunpe, com-; <, .
mandante Moura, segu no dia *5' "OtiU 00 sr. Lnagas, ra esireiw a
7 de norembro prximo para os i Rosario n. 12, typographia do Sr. Mira e m
portos cima indicados as 5 ho-! da Cadeia n. 45, loja do Sr. Porto.
ras da tarde. Iieeebe carga at Qs premios de 10:0003000 311! 203000
o da 6. encommendas, passageiros e dinheiro a i donni-; ra oxlracc rm ati'' a
tinta ;ii o dia da sabida as 3 horas : escrintorio no ; *efd0 Paos ,0? UCP01* ua exirac, ao att as
Verte do Mattos n. i. | horas d:i tarde e os ootros no da seguinte
com milita brevidade depois da distribuico das listas.
Servindo de tliesoureiro,
Jos Rodrigues de Souza.
I Para a Baha vai sahi
3, sumara Hurtencia, capilo Antonio Francisco
Monleiro, por ter a maior parte da carga engajada:
para o resto que Ihe falla, trata-se com os consig-
natarios Palmeira & Beltrao, largo do Corpo Santo
n. i, primeiro andar.
O Sr. Jos Francisco Pinto (Juimares, cirur-
giiio pela escola real de cirurgia de Lisboa, trans-
| ferio a sua residencia para a ra Nova, n. 60, pri-
I'ara o Km de Janeiro pretende seguir com mejro andar, onde pode ser consultado todos os
mtiita breyJade o bngue nacional Almirante : dias uteis, das 7 s 10 horas da manlia, acerca de
tem parte de seu ca regamento promplo, e para o enfermidades denominadas cirurgicas ou externas,
resto pie Ihe falta, trata-se eom os seus consigna- \ especialmente daqnellas, em cujo tratamento mais
tanos. Antonio Luiz de Oliveira Azevedo, no seu frenuentemente interven) a medicina operatoria.
cscriplorio ra da Cruz n. 1.
fi*ara o Rio de Janeiro
pretende seguir com milita brevidade o patacho
nacional Regulo, tem parte de seu carregamento Luiz Antonio da Silva, vein boje efectivamente fa-
O ahaixo assignado, tendo annunciado por
este jornal em data de 24 do corrente, que tencio-
nava sahir do estalielecimento de calcados do Sr.
RA DO IMPERADOR
N. 22.
Grude armaiem de tintas.
Esto armazem conten todo quanto
reelso para que a industria de pintura, de
qualuer genero que seja, desempenhe
seu fim, isto embeliezar, conservar e
reproduzir.
Montado em grande escala e supprido
directamente por grandes fabricas de Pa-
rs, Londres e Hamburgo, pode offencer
productos de ronllanca. e sasfazer (|ual-
quer encommenda grosso trato e a re-
talho.
Os Srs. artistas pintores, e os donos de
obras poderao escolher vontade, mis
que tudo estar vista, as differentes co-
res de que tiverem necessidade.
Ha tintas em niassa c em p impalpa-
vel, e como as obras a envernizar s se
deve empregar tintas muidas, e nao me-
recendo conliancaasquevem de (Orapora
commercio, por velhas, e talvez falsilica-
das, ueste armazem se as mocr vis-
ta do consumidor, que s assim ter tin-
tas frescas e verdadeiras.
Ha tambeiu ouro verdadeiro, verde em
p eemfolha, prata em folha, p debron-
zear de varias cores, diamantes para cui-
tar videos, burnidores, ncar superfina en-
carnada, amarella e verde, tintas vege-
Uies. azul, roxa, verde e amarella, inoffen-
sivas. nicas que se devem empregar as
confeitarias, collecces de pinecis para s^
fingir madeira, com"propriedade. e outros ^
^ de varias qualidades, vernizes, copal, fl
5 graixa, branco ou escuro para o interior
fjfi e exterior, para etiquetas e quadros, tin-
tas linas em tubos, em crayes ou pastel,
taitas para quadros, (-ai\as de tintas linas
e papel para desenlio.
Essencias aromticas verdadeiras, fras-
cos e vidros para vklraca de todos os l-
mannos, e muitos outros objectos, Cuja
utilidade e emprego s com vista pode- f$|
rao ser mostrados.
Joan Pedro das ves,
_ Gerente. %
Una pessoa com bastante ortica de com-
CASA DE SAUDE
Em Santo Amare
Do I>r. Silva Hamos.
nico cstabeleciment desta natureza
que existe entre nos, montado do modo
que pode com todo o commode e zelo tra-
tar qualquer doente, que nella seja reco-
lhido.
O edificio magestoso e conserva-se
em perfeito estado de Iimpeza e conve-
nienteineute mobiliado.
Os doentcs sao separados, segundo os
sexos, natureza das molestias e condicoes
sociaes.
Ha quartos fortifieados para os aliena-
dos, e urna enfermara para as partu-
rientes.
0 proprietario encarrega-se de qual-
quer operacao.
O stabcleciment franqueado qual-
quer pessoa que o quera visitar.
Primara classe 34000diarios.
Segunda diUu... 25500
Terceira dita.... 2,5000
Para que qualquer doente sejaali rece-
bido, basta que se mande o nome do doen-
te e da pessoa que o remette, com a de-
claracao da morada.
O proprietario aceita contratos annuaes
com qualquer que queira ter um ou mais
leitos sua disposicao.
Perdeti-se o meio bilhete de n. 1123 da lote-
ra extraordinaria que corre no dia 6 do corrente,
o qual pertence ao 2." tenente Jos Francisco de
Azevedo, e foi perdido em vagem para a villa do
Limoero, por isso previne-se ao Sr. thesoureiro o
nao pague a oulra pessoa, caso saia premiado.
LARGO DA
BRILHANTE.
, u
S4MACRIZ.
Francisco Jjs Fernandes Pires, dono do grande eslabelecimenlo de mo-
Ihados denominado AURORA BRILHANTE, avisa ao respeitavel publico tanlo
da praca como de fra, e com especalidade aos seus fregueses, que o seu eslabe-
lecimenlo acba-se prvido de novo sortimento de bons gneros lano do paiz co-
mo do estrangeiro e promette vender muilo em conta tanlo a retalho como em
grosso:
garrafa a 5G0 C
Dito de Lisboa a 3*, 34500 e
44000, e a garrafa a 400,
promplo : para o resto que Ihe falta e escravos a zer publico, que desde 27 dejxou de ser caxeiro merc0 deseja empregar-se em alguma casa de
rele, trata-se com os seus consignatarios Antonio
l.niz de OliveirajAzevedo & C, no seu escriptorio,
ra da Cruz n. 1.
Aracaty.
O hiate Dous Irmos, segu nestes dias : a tra-
tar co n o Sr. Joo Alvesde Quintal no trapiche do
algudiio._____________________________________
Para o l'.io de Janeiro
deve sabir com brevidade a escuna nacional Can-
ponezi : quem nella quzer carregar ou embar-
car (Mravos, pode dirigir-sc ao largo do Corpo
Santo n. 0, segundo andar, a tratar com Marques
ganos & C.___________________________^___
ara o Cear
Opilliabote GinibaUi tem parte da carga : pa-
ra o esto, trata-se com Tasso Irisaos.
do dito estabeleciinento.
Recife, 2 de novembro de 1863.
Antonio da Cruz Hibeiro.
LOTElilV.
C\S\ l)V P0RTll.\i
Itillictes i|a rail litios.
A' na do Crespo n. 24 e casas do cos-
tume.
Amanha se exlrabir a segunda latera ex.
traordinaria em beneficio da Santa Casa de Mise-
commisses ou importadora : quem pretender an-
Buncio para sit procurado. ,___________________.
Ruga-seo favor aos senhores administradores
da propriedade das trras de Apiparos que bajan
de fazer o dividendo do semestre vencido no ulti-
mo de jnfclio deste corrente anno, visto j ser I.'tu-
po bastante de espera, eos berdeiros nao cstaiein
por esta rontemplaco eom os arrematantes e fo-
reiros. Um herdeiro prejudicado.______________
ALMANAK
O Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
P e 2 andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
so medica, e com especalidade
sobre o seguinte
Io molestias de olbus ;
2o i de peito :
k 3o di orgaos geniti
Urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
ro examinatlos na ordem de suas
entradas comecando o trabalbo pelos
doentes de olbos.
Dar consullas lodos os dias d s
6 as 10 da manhaa, menos nos df->-
Bscoutos ngle/es em latnhas
muilo enfeiladas de varias
qualidades de l?>GO0 a ...
Latas com mai melada nova a li-
bra 720 e .'..........
Dilas-com ameixas.........
Ditas com ervilhas francezas. .
Ditas com fructas em calda.
5/)0 e............
Ditas com figos de comadre a li-
bra 320 e...........
Caixas com passas novas de 8 li-
bras a 3,3000, a lihra 480
Ditas com figos com 8 e 16 li-
bras a 24000, 24300 e...
jChocolale porluguez e bespa-
nhol e fcancez a libra.....
Queijos do reino do vapor a
2/e.............
Ditos de prato novos, a libra a
640 e...........
Ditos de manleiga muilo fres-
caes a................
Vinho do Porto muilo fino, ca-
ada a 54600 e 74, e a
garrafa a 640. 800 e ....
Dito da Figueira de marcas supe-
riores, caada a 44 e 54, e a
24000
640
800
14400
800
400
560
44500
14000
24240
720
560
1000;
560
480 e.
Genebra de laranja, o frasco a
900 e............... f 1000
Dila de Hollanda a 640 c...... 1400o
|Spermacele a libra a 640. 70 e 14000
640 Caixao de doce de goiaba, a
500, 640 e........... 800
Charutos finos, caixas e meas,
deSimas, regala, parisien-
ses, delicias, trovadores,
suspiros, vrelas, flor de
S. Flix, Traviata, guana-
ba ra e muitas Otilias qua-
lidades, a 24800, 34000.
34500, 440 0, 44500 e. 54000
Vinbos finos engarrafados em
caixa a 134, I54e 204 e
a garrafa al/e......
Copos lapidados para agua c vi-
nho, a dozia a 64506 e .
lavado e de Moca, a 280,
320 c 36' i rs a libra, e a
arroba 84500, 94000 e .
bison superior, a 24560,
24800, 34000 e...
Caf
Cha
14500
440O0
94500
s&i
34200
Finalmente tudo que consla tendele a moldados encontrar sempre o res-
peitavel publico um grande sorlmento de boa qualdade e por precos commodos.
mnm e awig.4 casa feliz
PORTO.
iPORTVClAL
Riia d-is Flores, 1 c 3 (junto a ignja da Misftriiordia )
LEILOES.
t
^
O!-:
llobilias, crv>taes c outros rauilos
objectos.
IIOJE*
s dez e niela horas d Vi anuazem, primeiro e segundo andares
do sobrado da Iravessa do Vigarion. 27,
oillodo Corpo Santo.
O agente OLYMI'IO, no dia, hora c lugar cima,
vender os objectos seguintes :
Lina uiobihs de Jacaranda composta de 12 ca-
deiras de guarnico, duas ditas de braco, duas di-
tas dt.balanco. um sof, dous consolos com lampos
com dito, duas mobilas brancas de faia, um guar-
la-lotica, um guarda-vestido, 11111 guarda-roupa, um
I iv.itc rio de mogno rom pedra, apparelbos de lou^a,
pares de hnternas, una cama lranceza, quatro ca-
deiraf de chanto, aparadores, lavatorios, mesas
parajantar, quadros com molduras, cabides para
roiipa, secretarias, um sellim, lavatorios de ferro,
una commoda, candieiros gaz. clices para vi-
nho e champanha, bidets, urna carroca para car-
nc.iro, urna caixa com ferramenla, pistolas e armas
na, entre ellas urna espingarda de 6 tiros, urna
porgan de (>s de accruslicos para casas e escrip-
lorios, e outros muitos arligos que se tornam en-
adonl mencionar.
m M)
DE
I cabrio'et de 4 rodas.
iioji:
O a^nte Olimpio ven Jera em leilao na portado
armaz:mda Iravessa do Vigario n. 27, um ca-
liriote' de 4 rollas.
)>S.
ftOO filgo1 *'<' batatas.
HOJE.
O agente Pestaa vender por conta de quem
r 400 gifos com batatas desembarcadas
ia nenie em um ou mais lnu-s a vontade dos
pridores: hoje5do corrente pelas 11 horas
< o (tonto no armazem do Annes owfronte da al-
lef*. _________^_^
V^^\a^
ME
Vm lautraa.
^iahbndo 7 do torrente.
O agente P lfalmilu autorisado far
b qwtm perteneer dos
,;lios exLuentos na
loa i, jerton-
is Joige ferreii... emam ou mus lotes :
sabfaMln 7 doeorfeote pelas10 horas da manhaa
na mcMi taberna.
Estando; confeccio ar-se o a mauak
^Oahaixo assignado reeom mondando ao respei-'**4* P''V a, (JUB COUtiua SCr IB-
tavel publico a compra de seus mili afortunados priiSSO IM'Sla UpO.^raplu CO. VlUa se il
bilhetes garantidos, lembra-lhe a vantagem que |ft ha em recber os premios per intero, por quanto lUdS ** r*5""; rw. ,r,,e './tul Va '*,
quem tirar a sorte de 10:0004 em bilhete garan- para que icnifliam altvrana ng. y e 81 commercial.
tido nao reoeber smente 8:i003 em virtude dos .1., ,,;,,.., ,ia liwliMii>iiiliuir-i c,.ii< haiiuc
desentos de lfi por cento que Ihe faro era vista ,,d P,,." *' luatpLUUCttCW, Si Us I10IUI S
dasleis, mais os 10:000 que vem a ser a dila e 1] 11 illaill' de esl De'ei lOJeillO, t aOS
quantiae mais a del:C003 que pagar o abaixo tt.l|iftNc ,ia piiiran||S (Ilie if di"nf n
assignado, imporinca de ditos descontos, aconte- Pe ****** **. l""1^
rendo o mesmo com as outras sortes TeUielter itlCIU dos UOIUCS (le s 'US t'il-
Os bilhetes garantidos pelo abaixo assignado le- aniirtc ,|a IVe iii';'i;t e C illin r ;! a llllt
aro a sua assisnatura de chancella atraressada fF***** w** "cp"^' cunwrid a qut
Platicar toda e qualquer opera-
cao que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
mAm
PARA A
Wiliam 11. SuiU vai Parahiba a negocio
.ma de ieU#.
Preeisa-se de urna ama que tenha bom leite,
prefre-se esenn : na na da Senzala Velha n.
22, segundo andar.
GRANDE LOTERA DE HESPANHA.
Cuja extraecl'o ser felta a 3 de dezeiubro de ISOS.
Pesos fortes. Horda portugueza.
E>l(lMllOS.--------------------------------------
va
na frente do bilhete.
Os premios maiores de 205 serao pagos urna ho-
ra depois da extraceo.
Presos.
Bilhetes inteiros..... 181000
Meios bilhetes...... 6*000
Para as pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Bilhetes........ 11*200
Meios......... 55600
Maa>l Martitu Fiuza.
serlencerem.
No Corredor do Bispo n. 2i, precisase de um
criado, se for cscravo sera melhor.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da
i ra do Amorim 11. 58 : a tratar na rea da Cadeia
n. 62, segando andar.
Precisa-se de nina inulher capaz para com-
panhia de um casal sem tilhos, ou mesmo de urna
orpha desvalida, dndose acompetenle educaro:
nos Bairros Baixos n. 20.
% 41 4 Precisa-se de utucaixeiro d.' idade de l a
*m-i-**cu* 14 annos: na padaria do Campo Verde, ruado
Precisa-se de urna ama para o scrvico de urna; Socego n. 48.
casa cuja familia sao tres pessoas, c para comprar ^-r---------------------------------------:--------
e engommar ponca cousa : na ra do Fogo, vin-' Aluga-se nma casa par passar o yerao, com
do pelo largo de S. Pedro, no primeiro sobrado de 9ommodos Pan&nwua, confronte ao Laldeireiro,
um andar. margem do no : a tratar ua ra da Cadeia t
lo
Recife n. 29.
4vh0.
Uabaixo assignado declara ao Sr. Carlos Leo- Precisa-se de urna aula que cozinhe, engom-
nidas do Reg Barros, e a quem possa interessar,' me e compre, para urna casa que conta duas pes-
que nesta data receben a quantia de rs. 1255 por soas ,,uem ,|Uzer, appareca na ra do Padre
mao doSr. Hermio Atiivliaii) Chaves de Souza, Floriano, sobrado n. 40.
importancia de urna letra com a lirma do dito Sr. ------r----------;-------rz-------------------------T ,
Carlos Lenidas, que este senhor declarou ser Cal- 7 *"****, d1 ""! fl',lr uu f "Vfv^a"'
em seu annuncio neste Diario n. 247, ao qual tenda de servico de sitio : Uraftfc Boa-V sla,,
respond no mesmo Diario n. 248, e faz Miente deposito de acucar n. 26. se dir quemjirecn^ ;
dito recebimento, paraos meios que julgarem mis-; Ainda ha casas por alugar pertencentes ao
ter, cuja letra a entreguei ao mesmo Sr. Hermio patrimonio do N. S. da Doa-Viageiu : os preleu-
Aureliano, de quem recebi sua importancia, e pas- denles dirijam-se a povoaAo deste nome a tratar
sei o competente recibo. Recife 4 de novembro com o thesoureiro Jos Simplicio de S Esteves,
de 1863.Joaquim Rodrigues Tavares de Mello.
Ao publico.
O aba-xo assignado, tendo passado a Manoel St-
r^iie de Almeida Fortes, morador no povoadode
Gamelleira, urna proeuraeao para tratar de urna
questo contra Joao Hermio Ferreira de Almeida
nodia 31 do prximo passado outubro, faz corto
de que tem retirado do mesmo Fortes todos os po-
deres que Ihe conceden em dita proeuraeao. visto
que (cousa extraordinaria) nao quer dito Fortes,
o qual nem um passo ainda deu, restituir-lhe a
proeuraeao, pretendendo della usar contra a von-
tade do abaixo assignado, e por isso desde j pro-
testa contra tudo quanto em seu nome fi/.cr esse!
falso procurador. Gamelleira 3 de novembeo de!
1863.Manoel Jos Alves Coelno.
nos dias uteis, e nos santificados ou domingos
ra dos Pescadores n. 43.
XSLMI W P5I.PiH.4Ta
Geogiaphia e historia
Aritbmetica e geometra
Francs.
A" roa do Queimado n. 30, primeiro
andar, de l ora em diante.
PEfiltt.
O abaixo assignado perdeu hontem s 7
horas da noite desdi' o corredor do Bispo
^STS^Sli^^SSl^^^ em direitura a ra aa Ooacoic.o, praca da
signado, vencidas, a lujara de maular receber na Boa-Vista e ra lia Imperatnz ate a esqom
ra Oireita n. 3.
Jos da Fon seca Silva.
Precisa-se de uina mestra de meninas para
casa particular no ma, que seja de 40 annos para
cima : a pessoa qne qnizer.-dirija-se a esta typo-
graphia ern carta fechada com as iniciaos.J. J. P. S.
lindel.
Aluga-Se por testa ou uor anno o sitio da Pilom-
beira, ao lagar da. Casa Forte, cjm boa casa, com
muitos MniujuJos, coui coceira. cstribariae quar-
tos para criado e feitor, cacimba com uuiilo boa
agua de beber, tanque, e todo murado, com muitas
arvores de fructo : a tratar na ra do Sebo n. 24.
da ra da Aurora 200 em notas da eatxa fi-
lial, sendo tres de ofl, rima de 20$ e tres
de 10$, quem athou-ns e qni/.er restittii-los
dirija-se a sua casa n. nt:i do corredor do
Bi6poou.no consulado provincial que siu
gra4icado.
______Francisco Ferreira Martius Ribeiro.
Co/tuheira.
Precisa-se alugar uaia escrava para coziobar e
cuidar do mais ser vico de urna casa de hornera
solteiro : para tratar, na r.ia da Cruz n. 8, segua-
do andar, at as 10 horas da manhaa.
D-secomedoiia para casa particular, e tambem
tomam-sc assignantes em'casa, por preco muito
roniniolo : e tambera altigim-se ipiartos : as pes-
soas que pretenderen!, dirijam-se a ra do Impe-
rador n. 8, defronte do chele de polica.
Precisa-se alugor urna escrava para cozinhar:
na ra do Queimado 11. 32, loja.
Francisco Ignacio Pinto miidon o seu escrip-
torio de agencia de leiloes da ra da Cadeia n. 2i
para o primeiro andar do sobrado da ra da Cruz
n. 38, onde podera ser encontrado das 9 horas da
manhaa s 4 horas da tarde.
-.^ Joao da Silva Ramos, medico pela uni- |
,;*5 versidado de Coimbra d consultas em _
jB sua casa na na Nova 11. 50. das 8 as 10 'i
^ horas da manhaa e das 4 s 6 da tarde e
'i rece')C igualmente convites para dentro
'% ou fora da cidade com o lim de so en- jj
jg carregar de qualquer servico de sua pro-
fisso.
ji? Os chamados deverao vir por escripto.
Na ra dos Pires n. 50 se dir quem se in-
cumbe de preparar comida por ajuste mensa!,
com a maior pericia e aceio e (pie sendo preci so
mandar levar no lugar e na hora puntualmente,
conforme coavencionar. ____________________
Convida-se os credores da massa fallida de
Jos Alves Fernandes a virem recehor o primeiro
dividendo de 12 0/0, na ra da Cadeia n. 57.
Precisa-se de urna ama de leite, forra ou cap-
tiva, que seja sadiae sera lUho : no segundo andar
do sobrado da rtia do Imperador, por cima do esta-
helecimento dealfaiate do Sr. Flix.____________ 1
Pharmaela.
Precisa-se de um caiMlro para a pharraacia de
P. Maurer & C, na .Nova n. 18.________________
Na ra da Dana n. 50 precisa-se de uina ama
que tenha bastante leite e seja litupa e sadia, nao
tendo filho, forra ou captiva : quem esti ver neslas
circo instancias dirija-se mencionada casa.
Joo Simoes Pimanta vai a Mamaaguape,
onde precisa demorar-so dez dias.
1
1
1
2
10
15
30
100
281G
9
de.............
de.............
de.............
de 20.000 pesos fortes........
de 10,000 ditos..........
de' ;000 ditos..........
de 2,000 ditos..........
de 1,000 ditos..........
de 500 ditos...........
de 1,000 ditos cada um paraos 9 nmeros
da dezena que obtver o premio de 3i i0,000
pesos....... .....
de 400 ditos para os 9 ditos dita do de 1,000
pesos.............
approxmaces de 1,000 pesos cada urna para
os nmeros anteriores e posterior ao premiado
com 300,000 pesos.........
ditas de 700 pesos para os ditos do de 1,00o ps.
ditas de 500 pesos para os ditos do de 50,000 ps
premios em 30,000 bilhetes......
300,000 ou rs. 270:000*000
100,000
50,000
40,000
10 ',000
75.000
60,010
100.00'
1.408,000
9,000
3.680
2,000
1,400
1.000
2.250.000
90:000301 K)
45:0004000
3:O00i50 90:0OO,Ju0
67:5000000
54:00060.)O
9^:0004000
1,267:200*000
8:1004000
3:2404000
i 004000
1:260/00.
900*000
2,025:0004000
24OOO
124000
Presos em moeda forte.
Bilhetes inteiros a 1204000 | Quintos de bilhetes a .
Meios bilhetes a 604000 Decimos a > .
Jos \V;navio Fe*re ra H&riz,
COM LOJA DE CAMBIO E BII.HKTES DE LOTERAS
Iflaneailo no governo civil do Porto, em conformidade do edltal
de 8 de Junho de 18ttO.
Satisfaz com promptido todas ai encommendas que Ihe sejam feitas, mesmo em
grande qnantidade e pelos precos cima indicados, vindo acompanhatlas do seu importe;
e no fim da extraecSo remette asustas dos premios. N. B. Sendo a encommenda de
cinco bilhetes para cima, Saz-se o abamento de 5 per cento
Para informacoes no escripterio da ra da Cruz n. 19.
DE
DE
A 14300 a lata de verniz ou alcatrao do gaz,
com mais de tres canallas e raoia : no armazem
da bola amarella, no oito da secretaria de po^-
licia.______________________________________
Sapatiuhos para meninos de un cinco
anuos.
Chegaram no ultimo aavio francec os mais bel-
los sapatinhos abotinados, enfeitadoa de marro-
quim, lustre e cordavo a 24000 : na leja do Va-
por, da ra Nova n. 7.
J. VIGNES.
%. I>. El'A DO IHPKRADOR X. 55.
Os pianos desta antiga fabrica sao hojo assa^ conhecidos, para que seja neeessario insistir sobre a
sua superioridade, vantagens e garantas que offerecem aos compradores, qualidades_estas incontesta-
veis qu e .clU tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecidftiiesUi praca ; pos-
suindo um teclado e macbinismo que obodecem a todas as vantades e cap-1-
ramea 'alhaj, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente n
tisstmos para o cuma ueste patz; 1
veis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-so conforme as encommendas, lauto-nesta fabrica como nado Sh*. Wondol, de Paris, swlo
correspondente d J. Vigoes, era cuja capital Ibram sempre premiados ota todas as exposiedea.
Na mesmo. eatabelecimeato se acha sempre um esplendido e variado sortimeata-de__J*_____
melhores compositores da Europa, assim. toa harmnicos e planos harmnicos, senda lado reoa*
por presos muilo raioaveis.


tula rio de Pcmwbiic* "Quinta felra A de Xovemfcro de i SOS.
FAZENDAS DE BOIVIWTO.
PAHA VESTIDOS-

Superiores cortes de gorgurao de sedaom flores malisadas os mais modernos que tem vindo a Pernambuco.
Ditos de moreantique de cores, de listas, de llores, e achamaletados, cores mui Imdas.
Ditos de moreantique pretos de palmas com barra.
Liados cortes de grenadine de seda com barra e chale igual.
Ditos de la com barra matisada e-daoiesma cor, a imperatriepelo barato preco de 105, 125, 185 e 20 cada corte.
Ricos vestidos de blonde para noiva oom lindas mantas de fil de seda, de blond ecom capella.
Ditos de cambra i a brancas bordados a 125, 155, 255 e 355 cada corte.
Lindas laas lisas linas a 500 rs. o rovado.
Ditas de quadriobos e de llores a 408, 300 e 600 rs. o covado.
Superiores orgaodys com listas de seda, os mais modernos que tcm vindo a Pernambuco.
Lindas cassas de cores de superior qoalidade a 400,600 e 640 re. a vara;-assim # .
Gomo um variado sortimento de percales, chitas francezas a 480,320, 400, 500 e 640 rs. o covado, e outras Mutas fazenoas seria enfadonho mencionar.
PARA HOUBKO DE SEIHOKAi.

Manteletes de seda pretos a 18.
Capas pretas de gres a 255, 305 e 355.
Ditas milito superiores a 405, 455 e 305-
Superiores santiembarques de casemira.
Ditos ditos de lindas laazinhas lisas e de quadros.
Ditos de seda pretos o de cores.
Ditos de musselina de seda chineza.
Superiores manteletes de torca I pretos.
Lindos chales de muselina e de chaltyraatisados com listas de sed*.
Novos chales de torcal e outros muitos artigos modernos.
PARA < A RE( A DE SBMIIORA E MEAIXOS.
Superiores enfeites de flores, gostos os mais modernos em Paris, ehegados pelo ultimo vapor francez.
Lindos chapeos de palhada Italia enfeitados com muito gosto, a Imperatriz e a Valeroy.
Ditos de palha para meninos e meninas.
Entremeios bordados "argos e estrelles, tiras bordadas largas e estrellas tiras de fustao bordadas para calcas de meninas saias
Jjordadas e outros muitos artigos de gosto por preeos mais commodos do que em outra qualquer parte : na ra do Crespo n. 13, loja
das columnas de Antonio Corroa de Vasconcellos 4 C.
da ra Trapassa-se a chave de urna casa terrea, si-
ta no bairro de Santo Antonio com tres ojiarlos,
i lado
f AS FORMIGAS.
Com o eropregodas velas mixtas compostas de
ingredientes taes que, estes daninhos insectos aspi-
rando urna so vei a fumaca deste lethal mixto,
morrein inevitavdmente; o que nao acontece com
as vetas mixtas communs, as quaes longe do mata
rem pela fumaca, obrara pelo excessivo calor, o
que a* torna canssimas, atiento exigir duzias para
o effoito de urna s, das do systema do fallecido
pvrotheciiinico Hulino. Para amostras e encommen-
das no Hao da secretaria de polica, armazem da
bola amarada.______________________
A tleri{o.
A abaixo assienada, raulher de Francisco i Ion-
calves Fortes, pede a este senhor que venha buscar
os seus filhinhos que os deixou fome c a miseria
deste mundo ; ha 10 mezes que nao d um pao a
estas pobres criancas ; pois este senhor bem sabe
que a tni da abaixo assiguada nao tem meios para
si, ec ino ter para tantos J11
_____________ Candida Thercza du Jess.
^mmmjmmmm
Contina a haver pao de seoteio novo nos dias
quartas e sabbados de cada semana, na nadara
] em Santo Amaro ao p da fundicao, na ra da Im-
! peratriz n. 22, e na do Brum, confronte o chafa-
i riz n. 47, roa das Cruzes, deposito n. 39, na Pas-
sagem, taberna da esquina do Sr. liento, que vira
para o Remedio, e no armazem progresso, largo
da Penha n. 10._____________________________
Anda est por alugar-se o segundo an"
dar do sobrado n. 44, em a ra da Auro-
ra : quem o quizer dirija-se esta mes-
ma ra casa n. 10.
Ja est v.isio o sobrado de um andar da ra do
Hospicio. 24, com imio boas commodos para fa-
milia: a tratar no mismo. ___________
Multa atteuco.
Precisa-so fallar com quera for carrespondente,
enrarragado dos negocios, ou prente do Sr. Jos
Gomes Pessoa de Albuquerque, que se suppoe ser
ou ter sido senhor ou rendeiro do engenho Taba-
tinga, na provincia da Parahiba, sobre negocio que
Ihe nteres : ua ra estreita do Rosario n. 4,
primeiro andar. i
Aluga-se urna casa terrea na ra dos Pesca-
dores n. 2'J, com os seguintes commodos : 2 salas,
3 quartos, cosinha lora, quintal com portao mura-
do e cacimba : a tratar na rna Direita n. 20, pri-
meiro andar.______________________
Mudanca.
Henrique A Azevedo mudaram o seu armazem
de fazendas da ra da Cruz n. 57, para a ra da
Cadeia n. 34.________________________________
Moeledade Recreativa Terpsl-
ehore.
De ordem da presidencia fago saber que a socie-
dade nada deve a pessoa alguma ; bavendo porm
alguem que se considere seu credor, apresentar
a conta ao Sr. presidente para ser paga com sua
ordem.
Recifc 2 de novembro de 1863.
J. M. do Amaral,
____________ Tbesoureiro.
Aluga-se urna casa ierrea na ra do Rosario
n. 44, no bairro da Boa-Vista: a tratar na ra do
Queimado n. 26.
Ama.
Precisase de urna mnlber forra ou cscrava que
saiba eozinhar bem e que seja diligente para casa
, de familia, s propriamente paraeozinhar : na ra
Aluga-se o primeiro andar da ra do Crespo Queimado n. 39, loja.
fnini* nn l,.i
Aluga-se a loja do sobrado n. 193 da ra Im-
perial, e o armazem n. 4 da ra de Apollo : na ra
da Aurora n. 36.
----- .iriiii-.'i \j iii iiim
. n. 23 ; a tratar na loja.
ESTRADA DE FERRO
DO
RECIPE A S. FRANCISCO
Do da de novembro de i M3. at segundo aviso, as horas das
partidas dos trens scro reguladas pela tabella seguinte:
ISlAfDlfti
Cinco Puntas
A rogados
Boa Yiagem
Prazorcs .
Una. .
Cabo. .
Ipojuca .
Blinda .
Timb Ass
Kscada .
Frexeiras .
Aripib .
Hibeirao. .
Gamelleira .
Cu sambuca.
Agua Preta.
i na .
TIIK\S PARA O IVTKIHOR
Dias de truhalliu
tai i! -
i' 1.9, e
3.i11- e
NANII\A
8
8
8
y
9
9
9
tu
10
10
11
II
i
12
M.
0
8
18
2>
47
(i
18
33
47
0
27
4 i
3
2
40
0
Mefcadurtai
e pMMga
ros ti" '' v
3 dae.
T.\ni>E
II
M
30
Su
o
30
5
2>
4^>
5
25
KitMgeiroi
,!. I. i.
3 ola**.
O. ii,ini;..s e
.-IS MlWltON
Passageirosde 1.*, 2."
e 3.* classe.
TAIlllE UANHAA TAB
11 M. 1 M. II.
5 15 7 45
5 SU 7 51 5
:<3 8 3 S
5 ib 8 10 f,
6 i 8 32 6
6 1j H 45 6
_ i 1
I 15
_ __ 9 S*
_ 9 4"
__ ... 10 6
_ _ l 23 -
10 41
__ It 1
^_ __ 11 18
11 38
'9 0
30
38
48
J3!Pi\JM>:*a,
l'na.....
Agua Preta.
Cuyamboc.
Gameleira..
Itibeirao. ..
Aripib.. ..
Frexeiras ..
Escada....
Timb Ass
Olinda ....
Ipojuca.. ..
Cabo.....
THENS D4 INTKB1B
Slias de tr- halho
i! i .
MAMIAA
II.
Ilha.....
I'razeres. ..
Boa Viagem
A Togados ..
Cinco Ponas
'./.
((i
54
17
15
36
45
Mortodoruti i,
KM "I '
IIAMIAA ; TAKIIE
li. i v. Ti. M
8
8
8
8
Ki
1(1
10
II
II
II
18
- u
o
27
52
17
25
50
1(1
?0
43
15
45
J
SO
22
3c
a
17
:-'o
43
0
la
3
42
52
o
Dolllliiio*
iliri*. NillllOM
Ptatagaro de I?. %.'
NAIMA*
II. M
3l
43
5
12
22
3ll
TAIUIK
0
24
45
3
23
41
59
3
36
41
0
15 j
28:
50 i
57
7
15
< o ni panfila fl segaros martimos e ter-
restres estabelecida no
Rio de Janeiro.
AGENTES EMPEPNAMBUCO
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercadu-
ras e predios no seu escriptorio ra da
Cruz n .1.
Rebate-se
notas das caixasGliaes do Banco do Brasil, blhe-
tcs premiados das loteras do imperio e estrangei-
ras, com tanto que nao tenham cahido em pres-
cripcao : no armazem da bola amarclla, oito da
secretaria da pol icia
l'rancisco da Silva Car
doz'i faz scierde a iodos os
seus dtvedores que nesta
d ta tcm auktrisado aoft
Sr A ntonio Jos d* Si- g
queira para liquidar lo gj)
do o activo da sua cas,m
1 por tanto seus devedoresm
ye queiram entender com ^
mesmosenhor respeit uo\
pagamento de seus deb
tos io pruzo de 8 dias, c
pode ser procurado na
ra do Imperador n O
Hecife, 2'S de outubro de
L803.
Ka ra do Queimaifa n. 4
! deseja-se fallar aosSrs. Gabriel Germano de A guiar
Monlarroyos e Joaquim Ribeiro de Agdior Mon-
tarroyos.
Armazem para aliujar.
Aluga-se o armazem n. 40 da ra de Apollo,
com mais de 300 palmos de comprimento, todo co-
berto e proprio para qualquer estabelccimcnto por
ter excedente porto de embarque: tratase na ra
dos Guararapes 1i. 78. ___________
Casas para slugar.
Aluga-se a casa terrea a ra da Gloria n. 104,
reedificada de novo ; e o primeiro andir do soara-
do da ra da Cruz n. 26, com bastantes commo-
dos para familia : a iratar na ra da Cruz, arma-
' zem n. 26.
Agencia de passapoi-te.
Claudino do Reg Lima, despachante de passa-
porte, tira-os para dentro e fra do imperio, por
com modo preco e presteza : na ra da Praia, pri-
meiro andar n. 47.__________________________
Precisa-se de urna ama porlugueza que sai-
ba engemmar : na ra do Queimado n. 18, segun-
j do andar.
BOHITO
O abaixo assignado, negociante na villa do Boni-
to, precisa de um padeiro que entenda bem de sua
prolissao, e prometle bom ordenado.
I Antonio Jos Botelho.
No hotel da Europa
precisa-se de urna ama branca para tratar de en-
ancas, preftrindo-se estrangeira.
BASCO IJtfliO
ESTABELECIDO NACIDADE DO PORTO
Agentes em Pernambuco
Antonio taris de Oliveira
Azevedo & C.
Sacara [wr todos os paquetes sobre o
mesmo banco prazo ou vista, sobre a
caixa filial em Lisboa, e agencias em Fi-
gueira, Coimbra, Aveiro, Vizcu, Villa-
Heal, Regoa, Vianna de Castello, Guiraa-
rSes, llanvllos, Lamcgo, Covilha, Braga,
PenaOel, raganca. Amarantp, Angnt,
liba da Terceira, Ilha de Faias, liba da
Madeira, Villa do Cunde, Valonea. Bastos,
Oliveira de Azemeis, Chaves e Fafe, a
^
1
Precisa-se de urna ama para cozinhar e comprar:
na ra Direita n. 4o._________________________
Aluga-se a casa terrea da ra do Palacio do
Bispo n. 14, com bons commodos: a tratar na pra-
5a da Boa-Vista n. 20.
Precisa-so de urna preta ou preto para alugar,
para andar com (azendas com outra pessoa : a
tratar na ra do Queimado n. 11.
Deseja-se muito fallar com o Sr. capi-
to Manoel de Sou/.a Leo Jnior a negocio
de seu interesre : na ra da Aurora n. 8G,
primeiro andar _____________
Aluga-se o primeiro andar do sobrado n. 33
da ra da Praia, acabado lia pouco : quem o pre
tender dirija-se ao segundo andar do mesmo, alu-
ga-se barato e tem coramodo para familia.
;^q oto dias vista ou ao prazo que se conven-
V nmn'ir nn culi i^viTMiti irifi na ln l'.rilT
K clonar, no seu escriptorio
n. 1.
N. B. Aas segundas-reirs e sabbados o trem mixto de carga e passageiros no_ partir
Gameleira, mas sim da Escuda para Cinco Pontas as 10 horas c cinco minutos da manhaa.
H. uslin, superintendente interino.
de
PRESTEM TODA ATTENCAO
PROTEJAM TODOS
saiacoTjqnj sojoqiom sop sb.^joj sb sepoj op ojuco o oaBjd jed scoisnif
OpBAOO O SJOO S9JO0 Op SBUIJ SBSSBO S0U18pU3A
S3J0D OP BJimOSUa Op SBdB3
so||oq ojini sbb| op sojjoo
SBpBpJOq SBIBS
-0K|Bq sbbs
sonbJBquioiiBS
SBlOJCl SBdBJ
II
-BU Op BU|Ed Op SBUIJOdBIO
-s|mj sozoouBJj sooiodspcinj-EJ 'opuoiq op soptisoA sooi>| -ojsoS oimu op sbndcq;)'
soijpod|\- J soqa|| sihji
SOpBpjOq
soDtrejq sopysoA op sotjcr)
'OS '' sbjojd s.ii.i|."]in.'H
wa3JB| Biun op sogpoiliv
sopcisoju soepo3|V
BJ.Kl BfgJ f
'?9 'tfS 't opsdOiodBpcw
somis
OpBAOO O 'SX Qff B SBC^
OpBAOD O "SJ OS c SBSSBO
SBiraoq ojuiui sBiiqo
SOUJICd 01 8P OJUBlUBJa
oquii op Bi|UEiojg
oquii op soojnsa
BOUBJq BpOS Op
[SOpBAOD OS 3 SBIUBU1 'B||3(I
sepas
'BquBmonv o
k-sutg 'sub,i 'i'JJoibjSiii op B.iniiojp iuo sbpuja srpuozBj op oiuoiuiiJOS opBUBA o o||oqum
ojjwjooono s.ixg \\ it[c loiuompo[oqB|S0 o||oq osso b sB.ioquos sciuxa (iu;r.ii".i.l
uviniA S3W0D asor
l\d odsJ3 op mu i: supuaziij ap oiuoiui.t.io |i:i-.i 9)ai?|jodiai o\
siMioi 14 \ r:iioii
%mm%i 15 (Din
soiaf)vvuxsa a soMV3iai\[VMHad^
0 bacharel Francisco Gomes Velloso de Al-
buquerque Lins tem o seu escriptorio de advoca-
da na ra do Queimado n. 41, primeiro andar,
frente para a praca do Pedro* II.
ao n. y.
Nova loja dos baralciros na ra do Queimado.
Velludo de cores fazenda muito boa o covado
3000. baloes de panno 3,5200, ditos de arcos
35000, 45OOO c 55000, las de duas larguras
para vestido o covado 500 rs., chitas franeczas o
covado 360 rs., mPlim branco para forro de
vestido o covado 120 rs., tarlatanas de todas as
cores a vara 720 rs.
Aon. 29.
Nova loja dos baralciros na ra do Queimado.
Cassa lisa pede de ovo a peca 75500, camlr.ua
lisa muito fina a peca de 17 varas 105, cam-
braieta peca de 12 jardas 75000, rambraia adamas-
cada para cortinado a peca de 22 varas 105000,
mcias finas para senhoras" a duzia 45000, chales
de laa ponta redonda 325500.
Ao 11. 29.
Nova loja dos barateiros na ra do Queimado.
Bicos pretos de linho a vara 120, 160, 240, 320
rs., franjas de seda a vara 80 e 160 rs., galoes
de seda de aigodo e de laa para enfeites de vesti-
do a peca de 10 e 15 varas a 400, botoes de seda
de velludo e de fuslao duzias 120.
Aluga-se o sitio da senhora viuva Carvalbo,
em S. Jos do Manguinho, com boa casa de sobra-
do, esteirada, quartos para criados, es ribaria,
fructeiras, baixa de capim : no mesmo sitio se di-
r quem trata do alugucl.
ra da Cruz
3--RIA ESTREITA DO R0SARI0-3
Francisco Pinto Ozorio contina a col-
locar denles artificiaosplanto por meio de
| molas como pela pressao do ar, nao re-
cebe paga alguma sera que as obras nao
liquem a vontade de seus donos, tem pos
e outras preparacrs as mais acreditadas
para conservacao da bocea.
H ^s^S? Sss^.-' r'-fiy= S"^^? ?*fT? S^5?2
VlNTL RABIA.
Tinge-se com petfeicao para qualquer
cor, e o mais barato possivel: na ra do
Rangcl n. :}H, segundo andar.
Aluga-S una excedente casa ua Capuuga a
margem do Capibaribe : a tratar no caes da Al-
COMPRAS.
I Furtaram na noite do da 10 do corrente dous fandega armazem n. 5.
cavados pertcnecntes aoDr. Francisco Caldas Lins,
do cercado de seu engenho Siqueira, na freguezia
; do Rio Formoso, com os signaos seguintes : um |
mellado, cauda e dinas pretas, castrado, grande,
! gordo, os quatro ps pretos at cima, sem anda-
i res, porni de sella ; outro rodado sujo, cauda c Compram-se garrafas vasias
I dinas pretas, bom tamanho, grosso, castrado, rea- de Santa Bita n. 70. _____
do pelos peitos por ter sido de roda, urna baixa
na ra nova
- Comprase una pequea casa ou mei-agua
era um dos lados das costellas, meio corcunda e de que Cllle 400 5005 : quera tiver annuncie a sua
carga : quem der noticia dos mesmos^cavallos ou morada para ser procurado.
os entregar a sen dono no referido ejigenho, ser --------p,-------------------------------------------
recompensado com a quantia de 50 a 1005. ~ &>mpra-se um carro em bom estado, de 4
rodas e com 4 assentos : na ra da Cadeia n. 35.
~^------------------------------
Um preto
Compra-se um preto de 35 a 45 anuos de idade*
na ra do Crespo n. 17, loja.
DENTISTA DE PARS
19Ra Nova-19
Frederico Gautier, cirurgio dentista,
faz todas as operacoes de sua arte, e col-
loca denles artiliciaes, tudo com superio-
ridade e perfeica, que as pessoas enten-
didas lhe reconhecem.
Tem agua e pos dentificio.
3!W-
e a quem oaovier, que a rfttsa que
a irmandi detutea de 5. S. do Bom iCaaselho
manda nos domingos e dias santitieados
na igreja 1 vento de S. Francisco desta cida-
^e, lera k r d'ora em diante, ai ulterior delibe^
racaq, a i mesmos dias m 10 horas e moia
-Ja raaaha._________________________
tempo da festa urna casa sita
na ra da Saqfajds freguezia do Poco da Panella,
q'.ie eoat Bliquartos, coziuha fura, e um
Sabinet i
i rijain-<
i
com]
a|
PHMsa-se de um
dado ha'pooco para e;_
ga genzal VeJ* n. t.
s: os pretenden tes
primeifa andar.
. 1 1
a do Baagel n. 37,
nuera SUizer
s n. m
Maques sobre Portngal. gg
O abaixo assignado, agente do banco
mercantil Portuense nesta cidade, saca ef-
ectivamente por todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
qualquer somma, vista e a prazo, po-
<}endo logo os saques a prazo serem des-
jtados no mesmo banco, na razao de 4
porieentoaoanno aos portadores que a-
si'm Ifce convier: as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
iga-se uoia c^sa em Bebtribe ; a
Jf> Reg, na ras Ao
Na travessa dos Expostos, sobrado n. 16, pri-
meiro andar, apromptam-se bandejas de boinhos
para bailes e casomentos, muito em conta, com
suas armac5es, e boquete de cravos e rosa- ; na
mesma casa tem para vender flores para festas de
igrejas, ditas finas para senhoras e meninas; tam-
bera tem velas de carnauba muito boas de 6 e 14
em libras : quem quizer, dirija-se dita casa, que
tudo mais barato do que em outra qualquer
parte.
Aluga-se o sitio denominado dos quatro leoes
na Soledade, com grande casa de vivenda, cochei-
ras, estribaras e muitos arvoredos, tanque para
banho e poco cora excedente agua : quem o pre-
tender dirija-se ao mesmo sitio das 4 horas da tar-
de as 7 da noite, ou annuncie sua residencia.
SOClMUlri
i'.M tu m:\i:n i:vn: imksco-
CHEIROS I. vi lKlt \ V T-
BICO _
O presidente la Sociedde Uniao Beneficcnte dos; f <4fe'W mi A iJKi
Cocheiros em Pernambuco participa por delibera-; ^^JFjYM.M^M^L'WJEi
cao do conselho a todos os socios da mesma Socic- urna escrava que nao seja velha e nem tenhaacha-
dade, que tendo de por era execucao o art. 74 dos nes e urna negrinlia de 12 li anuos : no largo
estatutos da mesma Sociedde, por isso pede enea- do Paraizo n. 26.
recidamentc a todos os seus irniaos qne hajam de ------p^^. .. ..tr,..;.____.-----;---------.. m
comparecer no dia 8 do corrente mez, as 10 horas n} ~. ^[C"^Vn?T T praS,^
dodia.nasaladenossassessoes, para assembla obrasj^has: na praCa da Independencia n. 22 1o-
6^ ___ _.__! .____ ,____________________________
.ompra se urna cscrava que saiba
peifeitamcnie engommar, osiihar c
fazcptodooiu.'isservico de uuia tasa
Sala de nossas sessoes 2 de novembro de 1863.
Wenceslao de Castro Madeira.
1." secretario.
A lenca*
Na ra estreita do Rosario n. 19 trabalha-se com (le laillili.i, Sclltlo Bloca e de boa C0 li-
tada a perfeicao em bordados e llores de todas as .1.. ,a ...._. t.\\.A a ,.na 1
qualidades,apromptam-sericas grinaldasetK>qucts UUd quem UUI* U.IIJ.I-M .1 I Da U
para casamentose bailes, d-sc tambera lici-es do IlllIM'rilli /II. ().
flores s familias que quizerem aprender.
Apromptam-se bandejas cora boinhos, e ar-
macao para noivados, e faz-se pao-de-l, pudim,
tortas, pastis de nata.bom boceado, e outros bolos,
e squitos conforme a encoininenda, cora proinpti-
dao e perfeicao, e d-sc por vendagem 100 rs. por
pataca : na travessa do Falco, casa terrea n. 1.
O secret.. da L.\ Un.-, e Virt.-. convida os
merabros da mesma para a sessao Econ.\ d'ama-
nha 5. Becilo 4 de novembro de 1863 .
.\o hotel da Europa
compra-se um escravo de 20 a 30 annos para o
servico dos quartos do mesmo hotel : quem o tiver
nestas eircumstancias, trate na ra do Trapiche
Novo n. 12._____________________
- Compram-se duas negras perfeitas cozinhei-
ras e engommadeiras : na ra de Apollo n. 84'
segundo andar.
Compra-se cobre lato velho *
Aos Srs. de engenho.
Jos Feliciano Nazareth vende assucar de com-
misso tirando 2 por cento, sem adiantar dinheiro :
quem quizer o pode procura-lo na ra da Praia,
segundo andar, n. 33.
^ara engenho.
iQuem precisar de um homem Portuguez com
todas as babilitacoes para administra tor de eage-
nho,-virffl que tem conheciiinito do planto efe,
brico do ataucar, pode dirigir-se ra da Cadwa
n. 5$. escriMflcio.DO primeiro andar. 1 jamtiera um soto na travessa da Bomba
Offerece-so um francez cozinheiropara eccu- na raa ,|;, Cadeia (lo Hecife II. 36, pr-
par-se em casa particular ou hotel : na livrana r
ns. 6 e 8 da praca da Independencia, das 8 s 10 Dieil'O ailflar.
horas da raauha.___________________________ mm^mmm^mmt^g^Mmmwm^mmt^^^mmm \
A casa n. 61 da ra da Concordia, do Sr. No-
berio Muniz Teixeira Guimares, me est hypothe-
cada por duas cscripturas celebradas no cartono
do tabeliao interino Pedro Alexandrino, e j se
acham vencidas, e vou tratar da competente aeco
para ser pago. Recifc 3 de novembro de 1863.
__________________Marcelino Jos Lopes.
YENDAS.
Aluga-se urna casa com commodos para fa-
Vende-se urna casa terrea na ra Imperial
n. 123, cm muito boa localidade : a tratar na raes-
raa ra n. 163.______________________________
Vende-se ou hypotheca-se por precisao um
----- muKa-DC Ullld tlIJH CUIII LWIIIlllUUUS Vil la- ... ..... |.j j |.K
milia. a margem do rio Capibaribe, na ilha do Re- s,,l Qom dilTerentes quahdades de fructeiras, boa
tiro, na Passagem da Magdalena, por 1305 : a en- S** d Vl,"a'e uma grande baixa de capim, na
tender-se cora Joaquim Antonio Pereira, na loja de ^^ dt Urnoa ou z de A,mas : a ,ratar com
loara da ra larga do Rosario.
Aluga-se. uma casa na ra do Gazomctro,
com 2 salas, quarto, cozinha fra, quintal murado:
Joaquim Demetrio de Almeida Cavalcanti Jnior,!
na roa de S. Goncalo n. 34.
Vende-se o depositada ra do Rangel n. 32, o
-- ^ --..it..-, uuui >''. Wlillllia inin, iiiiiutiii mu iivii).
a tratar no sobrado ao norte do mesmo Gazometro, qual serve para principiante : a tratar no mesmo.
a be ira do rio, preco de 125-
DR.
W. H M. GdAiK
DentisU americano
fua do Imperad r n 63.
\'ova peehlncha.
.\a loja do Arantes tem borzeguras de couro de
lustro para homem a 55 o par.
Veude-se
urna commenda para offlcial da Rosa : na ra do,
Oflerece ao respeitavel publico de Pernambuco Imperador n. lo, armazem, a entender-se coa:
osservicos de sua proflssao ; todas as operaedes Olymplo leiloeiro. _______________________3i
da bocea e denles serio executadas com o ultimo ? vsann 5
O GALLO CANTA.
Nao possivel que o gallo, vendo entrar em seu
ninho objectos de elegante gosto, deixe de dar o
nciando aos -cus freguezes, para
venhara ver para querer, a saber :
Enfeites '
- enfeites e grinaldas de
ada e de muito gosto, pois
s as wah ^^^F ; s ne '"P'sit^
ra do ere-
Fiares
Tamliem chegaram os delicados ramos de florea
matizados de lindas cores, qno servem para qual-
quer enfeite : s no vigilante, ra do Crespo n. 7.
Cintos
Tambem chegaram os novos e delicados cintos
com fivella, guarnecida de pedrinhas e dnas borlo-
tinhas no centro, cousa de muito gosto : s no vi-
gilante, ra do Crespo n. 7.
Ilandeijas
Riqnissimas bandeijas de charao e ontras quali-
dades de lindos desenhos, que se vendem por pre-
eos baratissimos para acabar : s no vigilante,
fu do 'Crespo, n. 7.
Pomada real
Tambera chegaram os bonitos copos de porcel-
lana fina com banha e com lindos retratos, sendo
privilegiada pela rainha de Hespanha : s no vigi-
lante, ra do Crespo b. .7.
Sahonetcs de familia'
Grande sortimento de sahnnetes para todos os
preeos, do superiores qualidades, a 160, 200, 240,
280, 320, 400 e 500 rs.; assim como estojos com
todos os preparas para limpar denles pelo barato
preco de 35000 : s no vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Deliradas (esourinhas
Grande sortimento de tesourinhas, tanto para
unhas, como para costura -. assim como muitos
outros objectos de gosto, que nao possivel annun-
ciar pela grande variedade de sortimentos, cojos
preeos serio menos do que em outra qualquer
parte : s no vigilante, ra do Crespo n. 7.
Chegado pelo vapor:
s< parao vigilante, rna do Cres-
po n. 9.
At que chegaram as muito desejadas cascarri-
Ibas de todas as cores com uma litinha de velludo
no centro, cousa muito elegante para enfeite, assim
como de outras qualidades, e preeos muito razoa-
veis : s no vigilante, ra do Crespo, n. 7.
Para dar de mimo.
Chegaram as riquissimas nonecas de todos os
tamaitos, vestidinhos ricamente enfeitados, cada
um em sua caixinha, propriamente para um deli-
cado mimo, por baratissimo preco: s no vigilan-
te, ra do Crespo n. 7.
Para os senhores barbareis.
Chegou tempo a riquissima fita de chamalote-
para cartas dos senhores hachareis, assim como-
branca, lisa, propria para abrir letras, ou para
sinlos : s no vigilante, ra do Crcsno n. 7.
Pcutca de marrafa.
Tambem chegaram os riquissimos pentes de
marrafa com pedrinhas,os lindos pentes de regaco
para meninas, meias de seda e sapatinhos proprios
para baptisados, meias de seda para senhora, fitas
de laa para debrura, fita de linho, trancas de lia,
de linho e de seda, lavas de seda e pedir, e fio de
Escocia e camurca, aliinetes de caneca chata, car-
teirinhas com todas as agulhas precisas para cos-
tura, fivelas de madreperola esmaltadas de ac
parasintos, flores de todas as qualidades, caixinhas
. com pastilhas de perfumara, abafadores do lia
para senhora, toucas c sapatinhos de la, pulseiri-
nhas de borracha para segurar raanguintos, litase
| cordes de, borracha, sahonetcs redondos, ditos
; chamados de familia, pomadas de todas as quali-
dades e dos fabril antes mais afamados, eolchetes
pratiados muito finos, retroz de todas as qualidades,
! retroz em carretel e cm novello, e de meada, de
todas as cores, escovas para deutes, ditas para rou-
pa, ditas para chapeo e ditas para unha, de todos
os preeos, e outros mais objectos, que se tornara
enfadonho annunciar, e vista dos freguezes pro-
mette-se fazer todo o negocio: s no vigilante, ra
do Crespo n. 7. ______________^^^
Vende-se muito barato a armaeo da loja do
calcados da ra du Livramento n. 13.__________
Vende-so uma parte do sobrado de dous an-
dares sito no largo do Amparo, em Olinda, no va-
| lor de 953$, pela metade dessa quantia : trata-se
na praca da Independencia ns. 19 e 21.
Vemle-se nina luja de fazendas cun poucos
fundos, ou mesmo as fazendas separadas : a tratar
na ra do Crespo n. 18.
L*dj de m'mdezas
OUna doQncimatlo -I
Pecas de tranca de lia preta e de cores, lisa
o de caracol a 60 rs.
Peras de tranca de caracol branca e mesclada
bonitos gostos a 80 rs.
Pecas com 40 varas de galio de cores a 15600.
Pegas cora 22 varas de g'alo branco 15600.
Pegas com 13 varas de franja branca 800 rs.
Pecas com lo varas de franja de cortinado :i&.
Pecas cora 11 varas de velludo lavrado estrei-
to e largo a 900 e 15200.
Pecas com 10 varas de bico preto 15200.
Pecas com 20 varas de bico adamascado 25400.
Pecas de fita de seda do todas as cores 320 rs.
Fitas c cordes para eiiarespartilho a 80rs.
Folladores pretos para borzeguras a 120 rs.
Bicos siutos cora fivelas de pedrinhas a 35-
Fivelas de pedrinhas para siutos a 15600 rs.
Passadores de cornalina para grvala a 500 rs.
Luvas brancas de Jouvm a 15300.
Luvas de Escossia e de montara a 640 rs.
Brincos pretos e de cor a balito a 500 rs.
Brincse rosetas pretas a 160 e 2iO r?.
Pares de grampos abalao a 800 rs.
Cartas de alflnetes a 100 rs.
Caixinhas eom 100 agulhas francezas a 240.
Caivinliascom 100 agulhas de Victoria a 320 rs.
Caixinhas e candes de eolchetes a 40, 60 c 80
ris.
Oitayas de retroz preto e de cores a 160 rs,
Gollinhas com pedrinhas esmaltadas a 500 rs.
Macos de .superiores palitos lixados a 240 rs.
Macos com 100 cropem de pedra a 320 rs.
Duzias decaixas de phosphoros a 160 rs.
Lindas abotuaduras para punho a 160 rs.
Tesouras diversas a 40,80 e 120 rs.
Ditas finas para unhas c carteiras a 640 rs.
Escovas para denles a 160, 320 e 480 rs.
Ditas para cabello e roupa a 720 rs.
Duzias de colheres de metal principe para cha a
15600 e 25-
Duzias de dita para sopa a 35100 -e 55.
Duzias de canudos de pomada a 2iO rs.
Pacotes com papel pequeo de cores a 700 rs.
Resmas de papel almacoliso a 25300, 25900 e
35000.
Caixinhas de pennas a 800 c 15200.
Caixinhas de lacre a 200 c 400 rs.
Crozas de botoes de louca pintados a 120 rs.
Caivetes finos de 1 c 2 flhas a 240 e 400 rs.
Toueadores com p a 15 e 35500.
Grvalas de seda a 160. 400 c 800 rs.
Duzias de bonitos botoes de vidro de todas as
cores para casaveques o rolletes a 320 rs7
Duzias de lapis de pao a 80 e 120 i s.
Pares de suspensorios a 160 e i80 rs.
Varas de franja de seda pela e de Cores a 500 rs.
Filas de velludo de seda de todas as larguras e
cores difiranles.
Caixinhas vazias para guardar luvas.
Jogos etc., etc., a 40. 360 e 480.
38 RA DO IMPERADOR N. 38
l'hamacia Iranceza.
Agita natural deCnndtlac muito recommendada
as alfecces do tubo gastrointestinal, na dos
rins c bexiga ourinana, pelas~4^k propriedades
alcalinas, e o acido carbnico que naturalmente
conten em suspensao, de preco mais coramodo
que a agua de Vicliy, e de propriedades talvex
superiores pela grande quanlidade de acido carb-
nico, injeceo Brow, agua de leCI elen, cupahiba
do Mege, injeceo Fugas, de tanate de zinco muito-
recommendado as gnnorrhap^^H? francez ver-
dadeiro : na mesma casa b-m & mas caixas da
instrumentos cirurgicos para opflHfoes de Maticu
e (.barriere._______________________________
Esleirs para ftrre 4
Vendoin-se linas Ctoiras lia para forro de
sal i. mai.- baratojMfcjf| ifaper parte :
na loja do Alvar
e muito raelhorado principio de cirurgia dental, da India, da primeira quaifdaTl vende-
Aluga-se uma casa nova acabada agora, na xas de 60 libras cada cali
Capunga, na pf imeira entrada antes de chegar i dinheiro
S. Jw do Manguinho : a tratar no_ mesmo Jugar, m
late s
a das Cinco
^fCooceicio n. ?.
ILEGIVELI


Diario de Pernaiubuco Quinta letra 5 de Xoveiubio de 1S3.
N0V1 LIQIDiglO
de fazendas inglexas, fra
que tepretendum ligui
tal, por presos barai
nhoiro, sendo a maior parte
tetramente n
res; de todai^^^^^^|
na loja e armaze
n. O, de Gama &

As laatinhas do pao.
o^u munv novas e Daratissimas.
S se observaem vossospes botinas acalca- pe as de 8 de d3o ,0.
nhadas e gastas at ultjma sola; sapatoes das as cores a. ......
Vendetn-se as a -nissimas lazinhas con, rasgados emiasi sem saltos.... nem tanto
80
mo,'-.-,...... ,
dinas a 400 rs., ditas enditadas de (|iiaii
es mat.sados muito linos a 500 rs., Borzeguins, Nantes, bezerro e va-
laazinhas transparentes cora palmas de seda a 5004- qucta 2 e meia solas .... 8)51500
rs., dius atusadas a 320 rs. o eovado. so na toja Borzeguins, Nantes, bezerro, va-
do pavao, roa da Imperatriz n. 00. ^ e ,ustre 2 so|as > g^
Os cortes de eamhraia que vende o pava. Borzeguins, francez e hamburguez,
Vendem-se cortes de eamhraia branca com ha-; bezerro, lustre e couro de por-
bados a 2*500, ditos a 34000. ditos a 4*00MUos ^......r-
chneles4*000, pecas de cambraia transparentes I. P*~
adasmacadaTproprias para vestidos, tendo 8 varas ^Patoes. Nantes, bezerro e vaque-
e meia a 34000, dius lisas brancas e de cores a ta 2 e meia solas.....5,5500
24300,34,34500, 'i4e54, pecas de cambraia deca- Sapatoes, Nantes, vaqueta, lustre e
rocinhos tendo 8 varase meia cada urna, sendo bran-, bezerro 2 solas......b^OOO
s a 3*500, ditas a 2*500, pee de <,finr,,-(1Q Nnnfoc cnl,ovra 4(?()0(|
3#50 2#800
800
13400
15000
14000
500
cambra* para ?oSdos .ndo ta,3 Plron, Sapatoes, Nantes, sola e vira.
prenles com 20 varas cada peca a 9*000, isto tu- Ditos para menina, COmlaco.
do para apurar dinheiro : na loja do pavao, ra da rjjtos de ditas, de cores. .
Sapatos para senhora e homem,
tapete.
dem de lustre as avessas
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
OS chales do pavao de Mocambique a 1:000.
Vendem-se os mais modernos chales de Mocam- SapatOS de borracha para senhora.
bique, sendo de urna s cor, com barra e muito i grandes, pelo baratissimo preco de 4*000, aman- Sapatos de iustre para senhora.
cando-se seren os mais modernos do mercado, di- .
tos de merino estampados a 2*000, ditos a .14000,
ditos muito linos de crepen com 4 ponas e pona
redonda a 64000, 74000, 8*000 c 95000 : so na
loja do pavao, ra da Imperatriz n. 60, de dama
Silva. _
0 pavao vende casemiras a 1:600.
Vendem-se casemiras francezas enfestadas, pro-
prias para calcas, colletes, palitos c capas para se-
nhoras, por ser de urna s cor, sendo fazenda que
sempre se venden a 3*000, liquida-se a 1*600 o
eovado : s na loja do pavao.
0 pavio vende chapeos de sol para seuhoras a
1:000.
Vendem-se cheos do sol, a ngleza, sendo co-
bertos de liuho e torrados de verde, propnos para
senhoras que forem passar a festa, ou para meninas
levaran para a escola pelo barato preco de 14000,
ditos marquerinhos de seda com franjas e cabo de
dohrar a 2*">00, ditos de seda para homens, sendo
com armasao de baleia a 6*000 e 7*000, islo para
apurar dinheiro : s na loja do pavao, ra da Im-
peralriz n. 60.
0 pavio vende cachemiras da Escossii, corte
2:210, eovado 610 rs.
Vendem-se corles de cachemiras da Escossia,
para calcas, pelo barato proco de 2*240, tendo da
niesma fazenda para vender em eovado a 640 rs.,
sendo esta fazenda muilo encorpada, a mitacao de
casemira, e garante-sc que nao desbula Tambera umj ^
se venden corles de casemira ">. ^.^,*" de 2-3300 a vara,
curas para calca pelo barato preco de 1*800 cada T a,codloadas
orte,oua.,00rs ocovado. sonaloja dopavao, baratissimo preco de 53000a da-
rua da Imperatnz n. 60. r *
310 pavio vende os vestidos brauros bordados. Atoalhado de linlio adamascado
Vendem-se os mais ricos vestidos de cambraia proprio para toalha de mesa a 25500 vara.
blancos, bordados croch, sendo os mais moder- tlgodao monslro
nos que tem viudo ao mercado, tendo as salas 4 com g palmos de largura pelo baratissimo preco
palmos, c vendem-se pelos baratos precos de 105, de j^ooo a vara.
12* e 165000 : s na loja do pavao, ra da lmpe-1 Cor(),s d M]fa
ratnz n. 60, de (ama & Silva. de pan(ja amarcna c |sla e ae quadro fazenda 80-
Vs perhiachas do pavio, anles que se acabe. Ppriur P* baratissimo preco de 1*200 o corte.
RiS.es de cambraia branca com habados e Laazinba de quadro
duas saias bordada, .-roch, lendo bstente fa- de goslo inteiramente novo pelo baratissimo preco
mda para volido, pelo baratissimo preco de 35000 de 480rs. o eovado.
cada um, ditos de cambraia de seda com barra e Pecas de cambraia de salpicos
habados a 25500, para acabar, corles de vestidos lina com 81/2 varas pelo baratissimo proco de 4*.
Mara Pia, sendo fazenda de bonito goslo a 3*500, Peras de cambraia de forro
curtes de cambraia brancos com babadinbos a 2*, pe]0 baratissimo preco de 2*200.
enfeiles para caldca, sendo arihaldi e turca a Esleir da India
45000 ditos com Alas Wres *000. caniizinbas paraforr0 de saIa do 4< g e 6 palmos de larBura.
bordadas para senhorasa 15000, manguitos de va- *
ros modelos a 400, 500 e 640 rs., calcinhas para
No aruiazeiu de fazendas bara-
tas de Santos Coelho
RA DO QEIMADO X. 19 VNDESE O SE-
GUINTE :
Cobertas de chita da India
pelo barato preco de 24000.
Lencos
de panno de linho a 2*000.
Lcnces
de bramante de linho fino pelo barato preco de
3*000.
Lencos de cassa
brancos, finos proprios para algibeira pelo barato
prego de 2*000 e 2*400 a duzia.
Fil liso liuo
pelo baratissimo prego de 680 rs. a vara.
Madapoln fino
pecas de madapoln largo superior pelo baratissi-
mo preco de 8*000.
Ricas saias
de fustao a 5*500.
Pecas de brelanlia
de rolo com 10 varas propria para saia a 35200.
Pecas do cambraia
adamascada para cortinado com 20 varas pelo ba-
rato prego de 105000.
Bramante de linho
1 g"' fino com dez palmos de largura pelo barato preco
Duzias de linlias com 200 jardas, A-
lexandre, a..... 10100
Carrilel de qualquer numero 100
Varas de aspas para balSo .... 80
Caixas com superior obreias a 40
Dilasde colla....... 80
1 libra de 13a sortida.....4000
1 libra de laa muito superior em co-
res e qualidade......70000
Pares de botoesde punho a 120
Pares de sapatos de tranca 10280
Ditos muito superiores, a 1600
Caixas e pacotes de papel amisade de
cores a. ...,...- 600
Ouzia de mcias muito Ibas para se-
nhora a........30800
Duzia de ditas cruas para homem a 2*400
llaralhos muito finos para voltarete a 300
Carrileis de linha com 100 jardas a 30
Carles de linha branca e de cores a 20
Novellos de linha com 400 jardas a 60
Ditos muito grandes com 800 jar-
das a .......120
Car loes de linha com 200 jardas (est
se acabando a...... 60
Vara de fila prela com colxetes para|j|fv -
vestido, e tem um resto parda a 100
NEM NEUrXJIO.
Objectos de tintura e msica.
Na ra do Queimado, ns. 49 e 5S, est
queimando tudo pelos precos abalxo decla-
rados, e prestem toda a ltenlo para ver
oque bom e barato.
Duzia de facas e garfos muito finos a 20300
Dita dita dita de cabo preto muito
finas a.........30200
Dita dita dita de balanco, melhor,a 50500
Tesouras para costura, muilo fi-
nas a .........400
Ditasdilas para unhas, muilo finas a 400
Cartas de allinetes de ferro a 80
Ditas ditos de lalo muito finos a 40
Ditas de dilo grandes..... 120
10
20200
200
160
160
.4tteneo!
Posto que domine no cora-
C3o do BALIZA a mais bem en-
tendida ambico de tirar de
seu negocio as melhores van-
tagens, com tudo elle nao pro-
cura fazer fortuna vendendo
gato por lebre;
Quando nao se negocia aca-
madamente, est bem ao alcan-
ce de todos a facilidade de fa-
zer-se boas compras, para ven-
der-se barato.
LEDE! LEDE
!
Lelam todos.
Ao armazem do BALIZA po-
dem ser devolvidos quaesquer
gneros qne por ventura nao
sejam do contento dos senho-
es compradores. Nao fica
resentimento alum em se tro-
car por outre, ou rostituir-.se
o dinheiro recebido,
Manter a todo o custo o seu
rdito, e agradar aos seus a-
migos e freguezes, 6 todo o
desejo do proprietario deste
vstabelecimento,
LEDE!
Caixas de phophoros de pao
Grosa de ditos do gaz a .
Duzia de dito dito a .
Massos de palitos para dentes a .
Abotoaduras para coletes a .
Escovas para roupa.muito linas a 400,
500 e.........
Senipre a frente do progresso,
Constante marcha o BALIZA.
Tem por norte o bem coiumiim.
A verdade por divisa.
G It A Y II E
DE
xi
iELLlLLlt,
800
PECHINCF1A.
Perfumara de superior qualidade.
0 rival sem secundo, ra doQueima.io,
ns. 49 e 55, esl imposto a vender mais ba-
rato que nunca vendeu, para o que queiram
ver :
Duzia de saboneles finos a 720
Sabonele inglez, o nielhor, a 16n
Frascos com agua de Colonia muito
; rtese da Moda.


w
gr
COHIBA
Di^ Miurav & Lanman.
meninas a 500 e fiO rs., gollinbas bordadas a 120
SOOrs- sedas de quadrinhos a 640, ditas de lisias
a 400 rs. o eovado, fustao para vestidos e roupinhas
de meninos a 320 rs. o eovado, alpakim ougorgn-
rao de linho a 260|s., ganpnelin de urna s cor a
:t2(> rs. o eovado, .Mullas de linho adamascadas,
para rosto a l-iuoo. vestuarios para meninos e me-
ninas a 1.5600 e HUMO, liras bordadas e ntremelos
mais barato i|ue cm outra qualquer parte, tudo islo
| vrliinclia e vende-se para liquidar : na ra da
Imiwratriz n. 60, loja c armazem do pavao, de Ga-1
roa 4 Silva.
Grosdenaples a 1:300, na loja do pavao.
Fazenda a laOO, l600, 15800 c 2^000 : sna
ojado pavao, ra da Imperalrir n. 60.
0 pavao vende para lulo.
Vende-se linissiino setim da China, fasenda sem
lustro, proprio para vestidos de senhora, para ca-
pas e roupa para homem, tendo esta fazenda seis
palmos de largura e sendo, muilo leve, vende-se
pelo baratissimo preco de 25200 o eovado, garan-
tindo-sequenao se (orna ruca, c vende-se nica-
mente na ra da Imperatriz n. 60, loja do pavao.
A rama filia do pavo.
Vendc-se cera de carnauba em saceos, por preco
muito em conta, ou mais barato do que em outra
qualquer parte : a tratar na ra da Imperatriz n.
(0, loja de Gama & Silva.
fjr Sedas dn pavo a 500 rs.
Vendera-se sedas de quadrinhos com pequeo
seque de mofo, pelo baralissimo preco de 500 rs. o
ovado, dilas em perfeito estado a' 800 rs., ditas
core listas, para acabar a 400 rs., gorpurao de seda
para vestidos e roupa de meninos a 15000 o cova-
do : na loja do pavo, ra da Imperatriz n. 60, de '
Cama & Silva. j
0 organdy do pavo a 300 rs.
Vende-se finsimo organdy matisado, braneo,
para volidos, pelo baratissimo preco de 500 rs. a
vara ou 300 rs. o eovado, cassas francezas finissi-
roas a 210 e 280 rs. o eovado, ditas com palmas
grandes, Xazenda inicuamente moderna a 440 rs. o
eovado : s na loja do pavao, ra da Imperatriz n.
O, de Gama & Silva.
0 pari vende roupa feila liarala. "-"^:r-
Vendem-se palilols de casemira de cores debru-
nhados, [lo baratissimo preco de 65000, ditos sem J
debrum a SJOQO, caifas das mesinas casemiras a
.15500 e 4JO00, ditas de cachemira de Escossia a,
:5000, ditas de ganga e brim a 25000, palilots de
alpaca preta, saceos e sobrecasacos a 45500 e 55,
4ilos de panno preto Uno, saceos, a 75000, ditos so-1
brec^acos a 125000, ditos muito linos a 165, -05
e 2S5000, coletes uretos de casemira e de cores,
4-aiqisas, cerools, e outros muitos artigos mais ba-
ratos que cm outra qualquer parte: tudo isto na f R c rna
ioja d pavo, ra da lisperatriz n. 60. ^ua a Lruz' e JOd0 m L- ravQ rua
As chitas Au pavo.
fina a......., 400
i Ditos de dita grande a 500
Ditos de Lavande anibreado, o me-
llior, a........ 500
Dilosde macaca oleo muilo bom a 100
i Ditosperola muilo superior a 200
' Ditos de oleo de babosa a 240, 320.
400 e......... r;oo
Ditos de banha branca a 320
I Dilo de clieiro muilo bonitos a 500
Ditos de banha, pequeo, muito fina
a.......... 200
Ditos de opiata a 2<'0 rs., e boa a 900
Dilosde banha japoneza a 800
. Ditos de banha 'transparente a 720
Di Jos de oleo filoconne a 800
Esto raro quo delicado perfume
cuasi que inextingnivel e to chcio mimosa fragrancia o frescura como >
delicado cli lores. Durante <>s inezcs caloren-
tns do rem <> sen zo torn.i-se iminen-
loiMentc apraivel o desejavel cm con-
geqnencia da influencia refrigerante e
suave que ella prodnz sobre a pello:
em quauto que uzada no banho ella
imparte ao corpo lnguido e caneado
urna certa elasrioidade de vigor e forca.
Ella imparte imnftparencia, as fttfde*,
< i; uifV'i panno, ardas e bertoejas '7t
tobe ti pelle.
Largo do Livramentfo ns. 38 e 38 A
Defronie da grade da igreja
AO RESPEITAVEL PUBLICO
Senhores e senhoras
'& 0 incansavel proprietario do grande armazem do Baliza toma a liberdade de mandar
iN declarar do alto da imprensa pernambucana, que elle perfeitamente liberal em oflereccr aos seus
' benvolos freguezes as melhores qualidades dos mais bem escomidos gneros, nao s do paiz como do
estrangeiro a precos de contentar e satisfazer a todos.
Fazendo tao publico e espontaneo manifest, o referido BALIZA julga de sen rigoroso dever
declarar mui seria e pusitivamente nesta oportunidade, que 6 tambem o mais firme e dedicado conser-
vador de sua numerosa freguezia.
Da boa qualidade e barateza dos gneros oflerecidos aos seus freguezes, junta ao pequeo ta-
nho que tira para si, tem sabido fazer o BALIZA a mais perfeita liga de interesses recprocos, que ago-
das as consciencias deve por forca e necessariamenle agradar.
Tendo por conveniente tambem a publicacHo do seguinte aviso, o BALIZA faz saber nicamente
aquellas pessoas que sempre esto promplas a comprarcm ludo, com tanto que se lhes permita paga-
rem logo, que elle
NAO VENDE FIADO.
Os amigos da economa, aquelles que s compram os objectos de que carecen), c que gostam fi-
nalmente de empregar bem o seu dinheiro venham a este estabelecimento,
IiEIAM TODO.
Do preco de qualquer genero annunciado a venda em outros estabeleoimenlos, pndem os senho-
res freguezes diminuir cinco por cento, e vir compra-lo ao Baliza, que sendo, como lodos sabem, o ho-
mem do movimento prefere gauhar muito pouco, com lano que m-ji por militas vezes repetido.
0 GALLO CANTA
RIVAL
SEM SEGUNDO.
Objeetos diversos.
Rua do Q.Oimado, ns 49 e 55, vende os j
objectos abaxp declarados, pois para aea-'
bar; estes precos nao sao para
0 MITO 0IEXT1L DE KEMP
PARA OS CABELLOS,
nina preparaco admiravel para lim-
par, afonnoeew, couservar e restabele-
ccr os cabellos.
venda as boticas de Caors & Barboza,
Veodem-se chitas franrezai-, escuras, a 80 rs.,
ditas a 320 rs., ditas a 360 rs.. dilas matisauas mui-
to floas a 400 rs., ditas prtilas largas o estreitas,
ditas matisada* com llmes proprias para cobertas:
na loja do pavao, rua da Imperatriz n. 60.
rni-inlia de S. Maibeus
Vende-se a lwrdo do patacho Industria, defron-
te do trapiche Oaro do Livramento, a bem contie-
nda '\iiova farinha de S. MatheuB, a mcllior que
dalli temos no mercado.
HMa da Seuzalla n 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston & C,
sellins e silhes inglezes, candieiros e casti-
0 pavo vende os rorlinados.
Vendem-se rico cortinados adamascados pro-
prios para janellas, e camas para noivos, pelo ba-
rato prego de 95000 o par : na rua da Imperatriz caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
a 60, loja do pavao. chicotes para carros e montara, arreios para
0 pavle veade os realhos. carros de um e dous cavallos. e relogios de
Vendem-se por precos baratissimos. poreSo de ouro patente inglez._______________________
rclalhM de chitas, cassa e lazinhas : na loja do ..
pavao, rua da Imperatriz n. 60. O" MUS
Caixas com duas arrobas de hatat desembar-
Fnsto 4o pavo. ca Vende-se fustao braacopara vestido e roupa de t0 preco e 24300 a caixa : na rua do Amorim n.
neninas a 500 rs. o eovado, dito de palminhas a 43 nu'na rua da Madre de Dos n. 5.
140 rs., tarlatanade palminhas a320rs., l bran-
co liso, e tarlatana branca e de cores a H00 rs. a
vara : na rna da Imperatriz n, 60, loja de Gama A
Silva.
0 pavia vei
Vendem-se cortes
es a %S>400, ditos de
14240, ditos de panga
urna sfora25240
de casemira preta a 44000
mira fina do cor a 545001:
rua da Imoentrlz n. 60, de 'I
mas as nesessidades assim o permiile.
Pares de luvas de algodo finas a .
Caniveles de aparar penas, de 1 fo-
lba a ,....... .
Hilos de2 dilasa.......
Caixas de colxetes francezes a. .
Duzia de dito francez a .
Massos com grampos lisos e de cara-
col a .........
Duzia de dedaes de metal em caixi-
nlia de vidro.......
Tinteiro de vidro com tinta superior
a..........
Dilosde barro que serve para tin-
teiro a........
Grosasde boles de louca praleado a
Pecas de tranca lisa encarnada a ,
Varas de bicos e rendas, para aca-
bar a .......'.
Varas de labyrinto de 3 dedos de
Ja sabido que, miando chega o vapor da Eu-
ropa, o gallo canta annunciando aos seus numero-
sos freguezes as galanteras de maisgosto e da ul-
tima moda (|ue por elle recebe, como sejam :
Camtinha para senkotut.
Riquissimas camisinlias com mauguilos e gra-
vatinhas para senhoras : so no Vigilante, rua do
Crespo n. 7.
Cirigoliiihas.
Itiquissimas cirigoliuhas ou gravatinhas, sendo
conlinuar, cousa de muilogosto, e a primeira vez que appa-
v. nr-. ^ a

>;
5 as ^1 ~ S =
oai-oRl

B9
US
t S s c
5-g-g.l-
p a r g S w
sr s 5"y'
j- o
o =
u. rr
O c
C6
Di
2 as
s no Vigi-
80
rece para as senhoras de bom gosto
lante rua do Crespo n. 7.
Pentrs de concha.
Ha |iara chegar riquissimas guarn^es de pen-
80 les de lindo goslo, tanlo para alar, como para mar-
jqq rafas, por presos razoaveis : s no Vigilante, rua
,n do Crespo n. 7.
J*y Redes enm laciiihos de fia.
300; Lindas redes prelas e de cores rom um lindo la-
I cinho de fila para conservar o cabello, pelo barato
/.(] preco de 14500; assim como os novos enfeiles pa-
ra cabeca a 34000, 44 c 54000 : s no Vigilante,
! rua do "Crespo n. 7.
3201 gas.
Riquissimas ligas de seda de bonitas cores a
i@n 143OO; assim como fila propria para o mesmo ef-
feito a 500 rs. a vara : s no Vigilante, rua do
Crespn. 7.
100; Luvas de Jourin.
i CO ] Tambem chegou e chegam por todos os vapores
20 grande sortimento de luvas de Jouvin, oude os fre-
! guezes podem escolher : s no Vigilante, rua do
Crespo n. 37.
ntremelos e buhadinhos.
Tambem chegou grande sortimento de entre
as
CO
(o i n
,0 c
SS ^
ce co
S Q
CO
gas.
S c
?&?;
p t c a 3
a en -- g
largura a 100 me'os e babadinlios, que se venden) pelo baratis-
Dilasde pos 'pan entesa ; ; J IQ0 ^pr^de^SOO a pecinha : s o Vigilante.
o Y- o =- =r
2 co-
ss-
re =
si fiS
re asi 3 S
o
v> re
g
-
3 D
fis
.
as
w re
- as ^.
3
o
i-

re*
as
S3
v. re c 2
'O g o
as co p
r>
as
-i
H
O
O
as
rs 1
rs o o '
S ?,'
o??
"O re
3
as
a
5
H
>
9
e
m
e
Vinlio de (ol res p (ariaclo.
Vende-se em anrorelas peqnenas o especial Vi-
nho de Collaii's e de Carlacho : a tratar i.o ar.,,a-
zem da rfia do Vigario n. 7.
Vinlio do l'orto c Marti ular.
Xo largo do Corpo Santo n. 6, segundo andar,
se vend- o especial e particular vinho doi'orln en-
garrafado, caixas di- I e2 duzias : a tratar no ;:r-
mazein da rua do Vigario n. 7. '.
I1 linlia de naiidiora
em saceos grandes, e de superior quaiid-
de; no armazem de Tasso IrmoSj rua do
Amorim, n. 35.
(\L HK i hBOt
Ven da hoje. e nnlca nova, que ha n
mercado, na rna do Trapiche n-
1:6. armazem de Manoel Telxel-
ra IKaslo.
Pentes de tartaruga a 35000 e
Resmas de papel de cores a
Farinha de mandloea
Vende-se farinha da mandioca da melhor e mais
.. Crespo
.ifl.iOO i Fivelas para cinto.
JOOO I Tambem chegou grande sortimento de lindas fi-
_____ i vellas de ac e de metal com pedrinhase sem el-
I las, pelo barato preco de 24 c 24500, dando-se a
lila para as mesmas : s no Vigilante, rua do
Crespo n. 7.
nova que ha neste mercado, no eseriptorio de Ma- f \T 4
noel Ignacio de Oliveira 4 Filho largo do Corpo UftLLU L.ft.1 i/l.
Sanio n. 19, ou abordo do palhabote Vtamao, an-1 J sabido que o gallo nao podia deiiar de can
corado no caes do barao do Livramento, junto ao tar, annunciando a seus numerosos freguezes os
A 2()(> rs o covaaom
Cassas muito I onihs e finas: V
B na rua do Crespo n. 17, loja de ^
n Jos Gomes Villar.
Vende-se por preco commodo um moloque
de 24 annos, sadio e sem vicios : a tratar na rua
da Aurora n. 62.
patacho Regulo.
ca. ni: limbo 1
Vende-se a 40000 o barril na rua
n.20.
Apollo
Sitio para vender.
Vende-se um cxcellenle sitio muito perto da
piara, situado na estrada de Santo Amaro para
ileli'in. com boa casa do vivenda, muito fresca, ten-
do o sitio exeellenle baixa para capim e horta com |
muias c boas arvores de fructo : trala-se na rua
dos Guararapes n. 28.
riquissimos pentes, que acaba de receber por este
ultimo vapor.
i
arrogas
Islo quf c peclwiicha.
Borzeguins francezes para homem a 54, sapatoes
de couro de lustre com borracha na frente a 44,
sapatos com salto de marroquim dourado e pretos
a 14500, sapatos de couro a 320 rs., do oleado com
salto a 640, borzeguins para senhora a 34 : na
rua dos Quarteis n. 22 junto a loja de funileiro.
Cal de Lisboa e potassa da
Rnssla.
Vende-se na rua da Cadeia do Recife n. 26, para
onde se mudou o amigo e acreditado deposito da
mesma rua n. 12, ambos os gneros sao novos e
c-
INJECCAO BROW.
Remedio infallivel contra as gnorrheas
anegas e recentes, nico deposito na bo-
tica fraaceza, rua da Cmz n- 22, pre-
ilipus,
o cento.
tmneradnr n.
Vendem-se tres carrocas novas para boi, muito legtimos, e se vendem a prego mais barato do que
bem construidas, tanto de madeira como de ferro- outra qualijuer parte,
gem, e urna dita para cavallo, com algum uso,
ludo por preco commodo: a tratar na rua do Sebo
n. 94, taberna.
Llvros de moral.
Exame de confessores.
Cunlite.
Larraga.
Obra do Monte.
Xa rua do Imperador n. IS:__________ .
Cal de Lisboa
a mais nova do mercado : na roa do Vigario o.
' no andar.
*. Charutos.
Vendem*esuperiores charutos suspirosa 14200
a meia caixinha, c outros de diversas marcas cm
meias caixas a 600; rs.: no deposito da rua Nova
numero 58.
Para passar a festa.
Vende-se a casa denominada casa amarella, si-
mada em um dos melhores lugares do Arraial,
com bastantes commodo para familia, quartos
para escravos, estribarla, eje. a tratar na rua do
Mondegon. 47, padaria,
noPi
Na rua do Queimado n. 43, esquina que
volta para a Congrega gao ; pexhincha.
Paletots de casemira a 5, 6, 7, 8, 12 e 144000
ditos de panno prelo e azul a 9, 10, 12, 16 e 184
ditos sobrecasacos de panno muito fino por 244 e
284, ditos de alpaca preta e decordao a 4, 5. 6 e
"4, calcas de casemiras de cores a 5, 6, 7 e 84000.
dilas prettsa 64500, 8, 9 e 104, paletots de fustao
e ganga a 24, 24800, 3 e 44, calcas o rolletes de
todas as qualidades e por preco muilo barato, len-
ces de puro linho a preco de 24800 e 34, cober-
las'de chita a 24240, collarinhos de linho puro a
600 rs. cada um, e outros muilos objectos que s
avista; e para isso se pede a ailenco dos fre-
guezes.
Hua da senzalla Aova 11. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a i 10 rs., idemdeLov
Moor tibia a t20rs.____________
Cheguem ao barato.
Chitas verdadi-iras francezas muilo Upas, escuras
e cores IJxas a 280 rs. o eovado, por ter nm pe-
3ueno principio de mulo, que rom facilidade lavan-
0 larga, e d-so amostras: na rua da Madre de
DfAS n i6 \q\\ dcfrOQf6 *\ fllfandpcra
No anna/em 11. 38 rua da Madre de
Dos, vende-se por preco mais commodo
do que em outra qualquer parte os segui-
tes gneros viudos do Aracaty :
Gomma nova,
C4ra de carnauba.
Di'a em velas de differentes qualidades.
Pollos de cabra
Sola
LOJA 1)0 P!IEll(l
A
Rua 'lo QueimadA n 2.
Vendem-se pecas de madapoln lino enfestado
com 12 jardas por 54, cambraia prela a 308 1
vara, meias de seda de peso para uu-ninas de |-a
10 annos a 24 o par, lindas r liniim ,s cambn
decores a 360 rs. o rosado, pah-iola de al paca Ue
lodosos tamaitos para meninos, ditos p
inein a 34, 4 e 54, chitas fr.mivzas do t
dres e cores fixas a 320 e 360 o eovado. 1
treilas a 240ocovad, balees de arco
45. ganga de quadrinhos a 320 o cuvadft coUt
res de algodaoa 14200 cada um. l^ncji^H
80 rs., 100, 120, 160 o 200 rs., e out
zendas que se vende por barato .pre
se dar amostras : na rua do 'Jueir
Pregnica n. 2._____________
Vende-se um moleque p<
annos, bom cozinheiro, e oflcial
lar rom Frederico Chaves na rua
19, das 10 horas da manhaa ou
da tarde.
Vende-se a taberna do
bem afreguezada para a trra:
Cal nova de Lisboa: .vende
piche n. 9.
= Vende-se una mesa de
marmore, de meio de
delabro todo de vidro <:
no rentro, pecas nov,
preco commodo :
do andar, at a
arlii Am iliant)
l'licwV

, trtn
do mui'o boas
ULEGVEL



o
Diarto de rernaiutmc --- Quinta felra 5 de Xorrubro de 183.
A AGIl BRANCA.
Recebeu por csse ultimo paui
Horas i cmase
Agullms parisienses tambe <
ilidae.
>s de borper
toes prctos'de reliado, maiores e me-
aores para \
s eslreitinhas d'algodo,
(ido.
ANCA.
I I rwebeu.
Da r
Bolsas para vlagens.
Vcndem-se na ra do Queimado. ioja;d'Agni*
Branca n. 8.
Yoltas pretas
A BIARIA PA.
A Aguia Branca recebcu as descjadas voltas
$W^ %s Wfc^
&
.*aemadeira, osso e madre- pretas' mu rompndas grandas.
ipar pentes.
Pute* para p6 de arroz. ,
pMas com ped as para cintos.
Bo dourado e esmaltadas.
Outiasde madreperola.
5 lques de madreperola com bou-
ftJOt.
s loques d'osso com bouquet.
^B%plumas, com cabos d'osso c
fla, e outros finalmente de sanda-
Hleborradla, recortados, domados
4DH&1& Q>D ^llllllDD^dD
GRANDE LIQUIDACAO
K
Calendas frauceas r ingloias todas de superiar
qualidade : ae rende mito barato para liqui-
dar coalas, na loja e armazem do Arara, roa
da Imperatrii n. 56 de Lonreaco Pereira Gal-
naries.
Cirande pechlncnaLia de 9
palmos a iJffcSO.
Vende-se las transparentes de cores lisas
e quadros com 9 palmos de largura, pro-
prias para capas e vestidos para senhora a
Neste estabelecimento lia sempre un sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambera se manda fuer por medida, vontade dos concor-
rentes, para o que tem um dos melkores prefessores, assinveomo tambem tem nm
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
homens e meninos.
mm\
jffilfffrl A1SJ
DE
ur~' "" "*>""' 'outras multas tazenaas, que trouxe u uiumu
rnthos para notas .... vapor viudo da Europa: ra da Imperatriz
B tercos.de cornalina, e coral lapida- n '^ t0ja do Arara de Mendes Guimares.
tncruz de prata etc. A Arara vende ricos vestidos bordados brancos
e cem pedias para meninas e outros de lar- i^go o covado ; lazinbas muito finas de1
turn I quadrinbos a 280 e 320 rs. o covado ; di-
g "de seda para baptisados. ta8 transparentes muito finas a 400 e 500
fyuouqmnhasde fil do linlio. cam-irs 0 covado g0Pgur0 de cordo, fazenda
esclim, mu bemenfeitadas para crian- fina e nova para vestidos por ser padro de
fa9v ., seda por 500 rs. o covado. S na Arara
sj*a.s.da para senhora, e ditas para ha este de sortimento de lazinhas e
manguitos, ou meninas. lm mujtas fazendas, que trouxe o ultimo
Livnnhos para notas
f*?OS
d*n
Bonitas pulseiras brancas de perolas fal-; rs
sasre outros de chapa de cryslal o paco, Vendem-se ricos" e finos'vestidos brancos
com fistasduuradas. 'bordados a IU ; ditos mais singelos a 5* ;
Ha loja d Agu.a Branca, ruado Quei- (,jt08(!ff |)arras de taf|atana de cores a H ;
iw*>ti. 8 ditos de barras a 30 e muito baratos : roa
Labynnlhos e bicos, da Imperatriz n. 56, loja da Arara
lia baratos que o comprador admira. Mais pichincha na Arara-Cassas a 200 rs. o co-
js laliyrinthos o bicos se applicam a va(|0<
diversafcpbras elins, e sempre com prove-( vendem-se cassas organdys de quadros
to perfilas forlidoes e duraco, boje mais c^r (|0 ^^ e mas wos a 200 rs. o cova-
do que nunca, convem a todas as familias ()o (|itas francezas finas a 240, 280 e 320
compra-Ios para aproveilarem-se da occa- rs 0 covado: cortes de chitas de cores a
sia 2ia qne oilcs sao vendidos to baratos <$ jj^g fraucezas com pequeo toque de'
qurfTj^rerdade o comprador admira, e bem' mofo a 200 ; cortes de riscados famosissi-
Kj^S/F.her que por taes precos nunca mos rom 14 ovados a35(s na Arara,
ru;i3 lia\xi ,\ o- lal> i inllios sao de novos : ,.ua (la imperatriz n. 56 ); cortes de casimi-
c bonito des. olios das larguras de quatro ra enfestada para calca a 10, 10000 e U,\
d*K at mais de um palmo (ou tres a deZilenflo catla (.rt0 j vara 3 quartas, cousa
T>' '' JS limitados precos sao de U muto barata : casimiras finas a 20500 e 30
a 30 .1 p po a largura. A ser em varas liaver
miif peotffias dilTerencas, os bicos porm
priadjjiam por mais estreilos at a maior
tira dos laliyrintbos, e os precos s5o
gurante proporcionados. Isso pois, as-
siinsrrajtffementedito talvezpouca conside-
rajtt 1^^.' porm para desenganar e fa-
icr n cqni iradnr reconhecer a verdade ea-
pieia>o extremo da barateza, necessario
qne 8.dirijam com dinbeiro; a ra do
0u$:swi<"' '"''1 d'Aguia Branca n. 8.
Graxa econmica.
; lyaniM acaba de receber essa acreilita-
*i (jjpHReononiica, cuja superioridade est ge-
r '!i!ii<>'ida ; essa boa praxa se torna
reamulada, tanto porque o calcado lustrado
. 1 -.i doixa pi-rfeitamente lustroso ao menos
'.ros dia> > n ir ,'ssiilade de novo unto. < orno
> r.ii- pie s'ia preparaeo (' appropriada para
"n<.'i-var ocouro ; ella vera era caixi-
'-.< hirriinbos, e acba-sc venda na ra do
I, loja d'aeuia branca, aos rezumido<
500 e 6'tO rs.
Pestes de concha.
]>m a^ novas e diversas guarnices de
pe oles que a \o iia Blanca acaba de rece-
ot, v;io tambem urna pequea qualidade
d pon les de concita que com graca e acer-
!c s.-rvem para o moderno atado dos
..:'. es sao de bonitos c agrada veis
nul! 1 tamaito pequenino como con-
vem para o lim que sito. E' esta a primei-
r v,', que il'elles aqui cliegam. por isso
q 13 a ui'ili novissima. pelo que ganha-
rSu a palma aquellas senhoras que primei-
ro se apreientarem com elles, para o que
os comprar na lo a d'Aguia Bran-
ca, roa 1!>' Ooeimado, n. 8
',spa51a. Bores e Itivas enfelta-
das para nolvas.
l'eio ltimo paquei' a Aguia-branca rece-
:ima sempre necessarins .is
o quaes, segundo snas recommen-
i 1:1 de muito goslo, e perfeita-
m:mle dihcados-
As cn.i'llas so de mui moderno e agra-
de finas lores, e acabadas com
tro : as llores solas sao exire-
i:i.i i idas e propria's para enfeites
mesmo ornatos de cabeca, sen-
il 1 delgadas veigonteas de jasmin, cachos de
. e ouiras estimadas llores.
s. pnrm, apreciada obra de Jou-
fo-ii i'ofeilalas pelas mes-
as llores pois ipte
1 la d-ivaiii .1 desojar.
i ; 1 dtas. tlures e luvas
1 ;;;.. /. i do vestido, for-
- -i.1 ; ni fi-iro, v. ele-
;ii\lia da candida noiva. Resta
(cimente qn os pretendentes munidos de
dtrijam-se alegre e espacosa lo-
ja d'Aguia-branca, ra do Queimado n. 8
alendarlos seinanacs: pelo
preco todos compra rao.
fSio desumtna utilidade esses kalendarios
ioait,* porque mostram acertadamente
1 e diasdi semana, sem o continuo Ira-
ir odies diariamente, pelo que
itn ivcessarios c preferiveis a todos
Uros : tanto para casis de familias, co-
mo itiestno para qualquer oulra parte, c
opalrneute por 51)0 rs. cada um : na
na do Queimado, loja d'Aguia-branca, n.8.
Phosphoros de cera.
m-se a 24 rs. a duzia docaixinbas
;') p Bwmros (le cera : na ra do Queima-
-je iJ'Aguia-branra n 8.
Ii|lK2us : Opiata e agna da
colonia.
A guia-branca da ra do Queimado n. 8.Mendes Guimares.
^Ker a apreciada opiala ingleza,
a mm boa agua da Colonia tato-
Casacas de panno preto, 35*0 ( 300000
Sobrecasacas idem, 300 e .. *. 250000
Paletos idem e de cores, 250,
200, 150 e......10000.
Ditos de casemira, 200, 150.
120, 100 e...... 70000
Ditos de alpaca, 50 e 30500
Ditos ditos pretos, 90, 70,
50 e ....... 30500
Ditos de brim e ganga de co-
res, 40500, 40, 30500 e. 30000
Ditos branco de linho, 60, 50 e 40006
Ditos de merino preto de cor-
- da* 100, 70 e..... 50OOO
Calcas de casemira preta, 120,
100, 80 e......70000
Ditas de cores, 90, 80 e. 70000.
Ditas de meia casemira de co-
res, 50500 e.....40000
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 50, 40506 e 40000
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40500, 40 e 20500
Ditas de ganga de cores,
30500, 30 e.....20500
Colletes de velludo preto e de
cores, 90 e...... 70000
Ditos de casemira preta, 50~e 40000
Ditos de ditas de cores 50
40 e........30500
Ditos de setim preto. 50000
Ditos de ditos e seda branco,
60 e.......50OOO
Ditos de gorguro de, seda
pretos e de cores, 60, 50 e 40000
nbora com 6 palmos de largura a 30 o cova-
do : ra da Imperatriz n. 56.
A Arara rende chitas a 210 rs. o covado. Sao
largas.
Vendem-se chitas francezas com tuque de
mofo, que se extinguir logo que forem la-
vadas, e as cores sao fisas a 2i0 e 280 rs.
o covado ; ditas limpas e linas a 320, 360
e 400 rs. o covado ; lencos brancos com
barra de cores finas a 160 rs, cada um ; di
tos brancos todos a 200 rs.; ditos muito fi-
nos a 320 rs; meias para homom a 200 e
240 rs. o par : ditas para senhora a 320 e
400 rs. : na loja da Arara, ra da Impera-
triz n. 56, de Mendes Guimares.
Srdinhas da Arara a 5G0 rs. o covado.
Vendem-se sedinhas para vestidos de se-
nhora a 500 rs. o covado ; cassa-seda com
palmas solas a 500 rs. o covado ; cbalim
de cores para vestidos de senhoras a 500
rs. o covado ; sarja de cures para vestidos a
400 rs. o covado ra da Imperatriz, loja do
Arara 11, 56 & Mendes Guimares.
Madapoln francez cnfi slado a 4000 rs.
Vendem-se pecas de madapolo francez
enfestdo a 4> e 3500 : pecas de algodo
encornado a 40, 40600 e 50500 ; madapo-
lo ingle/, com 24 jardas marca Itainha a 70 :
dito Elephante a 75500; dito n. 6 fino a
8i: dito n 7 a 9 : dito de corda dourada
a 100, todos estes madapoles sao muito fi-
nos : ra da Imperatriz, loja da Arara de
Mendes Guimares
l!iiii|i- feita da Arara.
\o;idem-se uniformes completos, como
sejam : paletots, calcas, coletos de casimira
Ingleza a 10 e 120 ; calcas de brim e
meia casimira a 2 ; paletots de brim de
cores a 20000, e 3a ; ditos brancos a 30',
ditos de meia casimira a 30500 e 40 : se-
roulas de bramante francezas a lr600 ; ditas
de linho a 0 ; camisas francezas a 10600 :
ditas muito linas a 20 e 2650.): ditas de li-
nho inglezas 39 ; camisas de meia para ho-
mem a 500, 800 rs. e 10 ; collerinhos de
linho a 500 rs:; roa da Imperatriz n. 56.
Ilales da Arara a 30000 rs.
Vendem-se baloes de arcos americanos de
20. 25, 30 e 40 arcos a 35, 30500, 40
4*500 ; ditos de brilhantina a 40 ; ditos de
dita muito grandes a 356 O : ra da Impe-
ratriz. loja da Arara n. 56.
Lencos de seda a 800 rs.
Vendem-se lencos de seda de unta s cor
muito linos a 800 rs. : ditos estampados a
1>. ditos com franjas a 10500: ruada
Imprialri/. n:56.
A Arara veude ricas colchas avelludadas a 80000.
Voudem-se ricas colchas avelludadas para
cama a 80 ; ditas de fusto a 50 ; ditas de
damasco a 40; ditas de chita 20: ra da
Imperatriz n. 56.
Cortes de la a 3,600, f.OOO e 5,000 rs.
Vendem-se corts de la para senhora
a 36600, 40 e 50 ; ditos de organdys fino's
a 60 c 70 : camisinhas muito linas parn se-
nhora. a 40500 com gravata e tambem gol-
linhas muito linas para senhora com boto-
zinbos a 320 rs. ; ditos do golla e punlto a
10 : ra da Imperatriz n 50, loja da Arara
de Mendes Guimares.
Taclalana da Arara a 800 rs.
Vende-se tarlatana muito fina a 800 rs. a
vara; fil de linho liso e fino a 800 rs.;
ditos de salpicos a 1*0 ; fil de linho de co-
ros a 160 rs. o cavado ; cortes de cambraia
cmn 1 vara de largura com palmafcsoltas
90 ; pecas de cambraia de salpicos a 30800:
ra da Imperatriz n. 56, loja d Arara de
Colletes de fusto e brim bran
co, 30500, 30 e .
Seroulas de brim de linho
204W) e ..... .
Ditas de algodo, 10600 e.
Camisas de peitos de linho
50,40,30 o. .
Ditas de madapolo, 30
20500,206 ....
Chapeos de massa, pretos fran
cezes, 100, 90 e.
Ditos defltro, 50, 40,30500 e
Ditos de sol, de seda, 120,
110, 70 e......
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda.......
Sortimento completo de grava-
tas.
Toalhas parroslo, dnzia, 110,
90 e........
Atoalhado adamascado de li-
nho vara......
Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....
Lences de linho.....
Cobertas de chita chineza.. .
Pennasd'aco, as mais superio-
res, agrosa......
Relogios de ouro orizontaes,
9O0,8O0e......
Ditos de prata, galvanizado,
patentes e orisontaes, 400 e
Obras de ouro, adercos, meios
aderemos, pulceiras, rozetas,
aneis e cruzes.
tsmm
20500
20000
10400
20500
80500
20090
40560
640
0
60000
10280
40000
30000
20000
600
700000
300000
MOLHAD
Largo do (armo 9.
Grande sortimrtto para a festa por menos
10 a 20 por cento do que em outra qualquer
parte.
Duarte A C scientificam aos seus freguezese ao publico emgeral, que acaba d che-
gar da Europa um socio que faz parte da firma, com um grande e bello sorawato de
molhados por elle eseolbidos, os quaes se vendem por menos de lo a 2o por o/u d que ou-
tro qualquer annunciante, garantindo a boa qualidade e peso de qualquer genero vendida
neste j muito acreditado armazem, e por isso, firmados em que cumprem fielmente o
que prometiera, pedem todos os Srs. da praca, de engenhos e lavradores, o ftw de
mandarem suas encommendas ou relacoes ao armazem Progressivo, certos de nao terem
em tempo algum occasio de se arrependerem. .
Aviso.
Todos os Srs., que comprarem para tornarem a vender, terao, alera da dilfewBfa
j publicada, mais 5 por % de abatimento. Os proprielarios tambera^arantem o bou
acondicionamenlo anda mesmo dos mesmos para o mais alto serto.
FlTirai^AO DO BOWJflAW-RUA 1*0
IIIIl M A. 38.
Este muito acreditado estabelecimento est prvido de um completo sortimento de
machinismos proprios do fabrico de assucar, a saber:
Machinas de vapores as mais modernas e mais acreditadas.
Rodas d'agua de ferro com seus pertences.
Moendas e meias moendas de todos os tamanhos.
Rodas dentadas, angulares e de espora.
Taixas de ferro batido e coado.
Boceas de fornalha pelo novo systema Wetson.
Alambiques de ferro fundido.
Fornos para cozer farinha.
Moinhos para moer mandioca.
Arados americanos, etc. etc.

ESTABELECIMENTO COMMERCIAL
DE
:CAllNeiM\ BPli^llCAft BEH8T.4ES,
Mito na ra do Brnin n. 40 junto
a fundidlo do Mr. Bowmam, perteneene a
VIliara Inno A C.
Neste estabelecimento encontraro os freguezes um completo sortimento
de tudo que diz respeito as artes de caldereiro, funikiro, latoeiro, ferretro e
fundico, e os abaixo asssignados que o dirigem, promettem servir a todas as
pessas que se dignarem de os procurar, com promptido, sinceridade e pre-
cos muito rasoaveis. 0 dito estabelecimento estando montado em ponto
grande, tanto no que diz respeito a pessoal, como em materia prima, e tendo
habis ofliciaes, pode executar com toda a perfeico c seguranca qualquer
obra tendente as artes cima mencionadas e aflbitamentc pdem os abaixo as-
signados assegurar ao publico que nenhum outro estabelecimento I he pode
fornecer mais barato e mais perfeito do que elles, visto que recebem de sua
propria encommenda todas as materias empregadas em ditas obras.
Alambiques simples e continuos de to- Sinos de 16 libras 8 arrobas.
dbs os tamanhos e dimences. I Parafuzos de bronze e ferro para ro-
Machinas de cobre para destilar e res-! das d'agua.
tilar espirito at 40 graos pelos sys- Torneiras de bronze e bronzes para
lemas de Logier e Derosne. engenho.
Carapucas e serpenfinas de cobre, e Encanamentos de cobre e chumbo de
estando, avulsas. i todas as grossuras.
Taixas e tachos de cobre para engenho Bombas para cacimbas, aspirantes e
e refinaco. | de repucho.
Paroes de cobre e todos os cobres ne- Bombas para destilacoes.
cessanos para o fabrico do assucar. Ditas para regar jardins, borlas e
Cobres para rodas de moer mandioca. capim.
Machinas econmicas para lavar roupa Ditas para navios c barracas de varias
o melhor possivel. qualidades e dimences.
Cobre em lencol e arrodellas, estanbo em barrinba, chumbo em barra,
lencol e canos de todas as grossuras.
YiUaca Irmao & C.



"otfissa da nttssia
Vendo-se em casadeN.O. Bie-
bcr 4 C, sBCfossores, ra da
11/. 11 4.
A asnear 11 o Moatetro
\% rom agna da Colonia.
vas garrafas com agua da Co-
Fa loja d'Aguia-branca, roa do
das bellas, novos c
Hlelte.<* para vrs-
I tldos.
pna^branca o ter' de avisar a
acaiia de rccelT pelo pa- Rua do Imperador n. 28 e caes de Apollo n.
Maten i.* de enfeites de (;7 a %m r9. a libra, e de 8 libras para cima
tilM das bollan, os (]ll9ts _. _._...
senhora como para a ', bm arenadas co- \|^ tlV-Vlti
'. fr/rinum todo:--tifavuijMjIttsde qualquer L, ,.
'iba Asim, pois, a Mr>ttintemacional pwvado* aappcacao de seus
Sffda est om havw dinheiro, harenfl-o, diri-! pioeipii s pnncipaes da
Bi- Tr-ia branra, raa drt Qninadon. 8, qfte chari^H
as verdades cima dita*.
de 1
N. 21UR60 DO TERQO-N. 21
O propietario deste bem sortido armazem de molbados vende os seus gneros j
bem conhecidos de primeira qualidade, e por isso caprichou de escolher, para bem servir
ao seus freguezes, mandando vir a maior parte do seu sortimento, para o que tem pessas
encarregadas para este fim, e os pode vender por menos de 10 a 20 % do que em outra
qualquer parte.
Yerdadeira genebra de Hollanda em botijas de conta certa a 40 rs.
dem de laranja em frascos grandes a 1,000 rs. e de Hollanda a 500 rs.
Caixinhas com 8 libras de jassas de carnada a 2,400 rs. e a libra a 480 rs.
I Velas de espermacete, carnaaba e composicao a 63o, 44o e 36o rs. a libra e arroba a
10,000 rs.
Palitos do gaz sem avaria a 2,3oo rs. a groza e 2oo rs. o maco.
Serveja das melhores marcas a 500 rs. a garrafa e a duzia a 5,5no rs.
Viho das melhores marcas F. L. P. a 4oo> 5oo e 56o rs. a garrafa e a caada a 2.8oo e
4,000 rs.
Batatas desembarcadas ultimamentf a 5o rs. a libra, e a arroba a 2,8oo rs.
! Bolachinhas americanas a 2,000 rs. f 3,5oo rs. a barrica e 2oo rs. a^ibra.
1 Azcite doce de Lisboa a 3,ooo rs. o (jalao, e a 64o rs. a garaafa.
I Queijos do reino os mais novos do mercado a l,8oo e 2,ooo rs.
j Milito alpista o mais limpo que lia a 5,000 rs., a arroba a 160 rs. a libra.
Manteiga ingleza perleitamente flor a 800 e a 720 rs.-a libra.
Idero franreza. multo superior, a 560 rs. a libra e em barris a 540 rs. a libra.
Caf do Rio da 1 .* e 2.a sorte 280 e 320 rs. a libra, e a arroba a 8,800 e 0,000 rs.
i Gh de primeira e segnnda sorte a 23oo 2,5oo e 2,000 rs. a Cbra. ^
de grande tamanho^a 14o rs. cada um. e a lm dos gneros aonuneiadtt
outros muitos que enfadonho seria menciona-los: vende-se dinbeiro vis1
Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de conta propria, a 800 rs. a libra.
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
56o rs. a libra, e em barril ter abatimen-
to.
dem ingleza em potes de 4 a 16 libras a
800 rs. a libra e o pote separado.
Cha uxim o melhor neste genero, mandado
vir de conta propria, a 2,8oo rs. a libra
dem hysson, grande, muito bom a 2,6oo rs,
a libra.
dem preto, muito fino, a 2,6oo rs. a libra.
dem preto, mais baixo, a 2.000 rs. a Ubra.
Idem, verde, miudinho, mais proprio para ne-
gocio, a l,5oo rs. a libra.
Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groza e 2o rs. a
caixinha.
Mi Un 1 alpista a 160 rs. a libra.
Painco a 2oo rs. a libra.
Gomma muito alva para engommar a 80 rs.
a libra, e em arroba se far abatimento.
Sag muito novo a 28o rs. a libra.
Sabo verdadeiro hespanliol que raras vezes
vem ao nosso mercado a 28o rs. a Ubra.
Sabo massa de superior qualidade a 180.
200, e 220 rs. a libra do melhor que ha.
Graixa em latas muito nova a 120 rs. a lati-
nha, e 1,300 rs. a duzia.
: Peixe em latas muito novo : savel, pescada,
Banha de porco refinada muito alva a 46o curvin, salmo e outras muita.s qualidades
rs. a libra, e em barril se far abatimen-' preparados de escabexe, segundo a arte de
to.
Biscoitos inglezes das soguiutes marcas:
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travellies
Lunch, Cabin, eoutras militas marcas a
l,4oo rs. a lata.
Bolachinha de soda, especial encommenda, a
2,2oo rs. a lata.
Biscoitoinglez Craknel em latas de 5, 7 e 15
libras a 5,ooo e 6,000 rs. e de l,2oo a
800 rs. a libra.
Queijos do reino pelo baralissimo preto de
l,6oo, l,8oo e2,ooo rs., os do ultimo
vapor,
dem prato muito fresco a 64o rs. a libra.
Idem londrino muito fresco a 800 rs. a libra.
Vinhos em pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
48o, 56o, e 64o rs. a garafa, e de 3,ooo a
4,5oo rs. a caada.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa era latas de 1 e mais libras
a 7oo rs. a libra.
Fructas em caldas das seguintes qualidades:
ameixa, rainha Claudia, peras, cerejas,
ginja, pecegos e alperch a 5oo rs. a lata.
Figos em caixinhas de 1 '/arroba e de 8 li-
bras a 8,000, 4,000 e 2.000 rs, e a 3ors.
a libra.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra, e
em arroba ter abatimento.
Sardinha de Nantes a 32o rs. a lalinha.
Toucinlto de Lisboa a 36o rs. a libra eem ar-
roba ter abatimento.
Massa de tomates a 64o rs. a libras.
Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
Farinha do Maranbo a 1 '10 rs. a libra.
Ceblas a l,2oo rs. o milho, e a l.ooo rs.
o cento.
Tijollo para limpar facas a 16o rs.
Cerveja das mais acreditadas marcas de
5,000 a 7,5oo a duzia, e de 5oo a 600 rs.
a garrafa.
Prezunto para fiambre muito fresco e novo
a 800 rs. a libra.
Genebra de laranja a 9oo rs. a frasco.
Chouricas as mais frescas do mercado a
800 rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa,
e lo,5oo rs. a caixa com urna duzia.
Licores francezes das seguintes marcas: A-
nizete de Bordeaux, Plaisir des dames, e
de outras muitas marcas a 10,000 rs. a
duzia, e a l,ooo rs. a garrafa.
Passas muito novas a 5oo rs. a libra e a
8,5oo rs. a caixa. Ha taixas. meias e
quartos.
Peras seccas a 3,oo rs. a caixa e 800 rs.
a libra.
Bolachinha ingleza a 4oo rs. a libra. .'
Azeite francez eportuguez refinado a 800 rs.
a garrafa, e 9>ooo rs. a caixa com urna
duzia.
Conservas inglezas das seguintes marcas:
Mxed, Pickes, e ceblas simples a 800 rs.
o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes a 4oo
rs. o pote.
Grao de bico a 16o rs. a libra, e em arroba
ter* abatimento.
Vasos inglezes vasies de 4 a 16 librrrraitos. a
proprios para deposito de manteiga, doce,
e outro qualquer liquido, de 1.000 a 3,aoo
rs. eda um.
cozinha, de 1,400 a 2,ooo rs. a lata.
dem do Alto Douro viudo do Porto engar-
rafado e escolhido pessoalmente por um
dos socios que se acba em Portugal, das
seguintes marcas: Duque, Genuino, Ve-
Iho secco especial, Lagrimas Doces de
1819, vinho especial D. Pedro V, vioho
velho, Nctar superior de 1833, Duque do
Porto de 1834, vinao do Porto velho su-
perior, Madeira Secca de superior quali-
dade, vinho do Porto superior I). Luiz I
de 1847, Lagrimas do Douro, especial vi-
nho do Porto, de l,ooo a 1.2oors. agar-
rafa e de 10,000a 12.ooo rs. a caixa com
umaduzia.
dem Bordeaux de differentesmarcas. garnte-
se a qualidade, a 8,000 rs. acaixa com una
duzia, e a 7oo rs. a garrafa.
Garraloes com 5 garrafas dt vinho do Porte
do Alto Douro a 2,2oo rs. com o garralao.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira, mais
proprio para a nossa estacao por ser mais
fresco a 2,4oo rs. com o garrafo.
dem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
o garrafo.
Vinho branco o melhor neste genero a 600 rs.
a garrafa e 4,000 rs. a caada.
Velas de spermacete as melhores que ha no
mercado a 600 e 64o rs. o masso, e em
caixa se far um grande abatimento.
dem de carnauba e composicao, de 4oo a
3o rs a libra, e de lo.000 rs. a ll,5oors.
a arroba.
Caf de l1 e 2a sorte de 8,3oo a 8,600 rs. a
arroba, e de 28o a 32o rs. a libra do me-
lhor.
Arroz da India, Maranho c Carolina a 3,ooo,
2,8oo e 24oo rs. a arroba e de loo rs. a
80 rs. a libra.
Frasqueiras de genebra a .',800 rs., e a 5oo
rs. o frasco.
Azeite doce em barril, muito fino a 64o rs.
a garrafa.
Papel grve pautado e liso a 3,5oo rs. a
resma.
Genebra de Hollanda cni botija de conta a
44o rs. a botija.
Champagne das mais a creditadasmarcas a
l,0(i(i rs. a garrafa, e a ln.ooors.a du/.ia
ou gigo.
Alhos a 80 rs. o masso.
Sal refinado a 7o rs. a libra.
Ervilhas francezas e portuguesas a 64o rs.
a lata de urna libra.
Chocolate francez. hespanliol. suisso, e portu-
guez a l.ooo rs. a libra, e a38o rs. cada
pao de urna '/*,
Garrames vasios de .*> garrafas al 3 caadas
de 5oo at l,3oo rs. cada um.
Ameixas francezas em caixinhaselegantcueB-
te enfeitadas, com diversas estampas
no exterior da caixa. de l.oo a3,ooors.
cada urna; tambem ha frascos g latas de
difieren tes tamanhos que se venden por
mdico preco.
Massas para sopa: macarro, talharim, e
aletria a 48o rs. a libra, # caixa se
far abatimento. 4m
Doce de goiaba dfU
grande.
dem a 2,ooo o ra4B
Chalos de to*aas ma
fahficiBtes da Bafua I
Ales
ta doce, alfa-
oaiiutu*. er-
baratisssimo preco.


V
Mi
GKANDE ARMAZEM
AK
KE
N. 36, RA DAS CRliZES N. 36
haIrro de *an GRANDE ARMAZEM DE MOLHADOS
DB
rtm&mmMmmmmMte
RA 00 QUEIMADO N. 4S

proprietario do moito acreditado armazem denominado Progressista tendo
vista fazer tudo o que for possivel para bem servir aos seos freguezes, tero>
delibfl :ado vender os seus j bem conbecidos gneros de primeira qualidade pelos procos
abaix< mencionados, e aflianca s pessoas que mandarem comprar por seus criados ou
esoravps, serom to bem servidas como vindopessoalmente; encarrega-se de aviar qualquer
encoo nenda, ainda mesmo contendo objectos nao proprios deste estabelecimento. O
mean pede aos senhores que mandarem comprar neste armazem o favor de mandarem
devolver qualquer objecto que n5o agradar, devendo os mesmos senhores ter toda atten-
c5o coi a os seus portadores, fazendo-lhes ver que s no armazem Progressista da ra das
Crutes b. 36, que se vendem os memores gneros por mais barato preco, porque estes
muitas vezes olvidam-se e vao outra parte onde os servem de maneira a desagradar este
estabel (cimento.
l'vas nuito novas a l,ooo a libra.
Castant as a 2oo rs. a libra,
Figos a 320 rs, a libra,
Vino superior da Figueira e Lisboa, a 400,
UO, 480 e 500 rs. a garrafa, e a 2,500,
2,70C, 3,000 e 3,400 rs. a caada.
Musanla preparada, muito nova a 360 rs. o
pote.
O*
-2
TODOS
os
v t roicns g
se recebera gneros de conta y^
propria e dos memores esta- ^
belecimentrA' da Europa, ga- ^
rante-se todo e qualquer ge- S
ero comprado neste IJ
EST.4BFLECHIEM0.
COMPLETO
SORTIMEMO DE MOLHADOS.
vende-se em porcao e a ret4H
mo, aprompta-se com toda a
presteza e exactidSo qualquer
encommenda dirigida a este
ESTABELECIMENTO.
FAZENDAS E ROVPAS FEITAS*
Sortimento completo de sobrecasacos de panno a 250, 28& 30
muito bem feitas a 250, 280, 300 e 350, paletots acasacados de panno p
250, ditos de casemira de cor a 150, 180 e 200, paletots saceos de
mira de, 80 at 140, ditos saceos de alpaca, merino e laa de 40 at 60, sobt"
merino de 70 at 100, calcas pretas de casemira de 80 at 140, ditas de
150, roupas para menino de todos os tamanbos, grande sortimento de roup;
como sejaracalcas, paletots e colletes, sortimento de colletes pretos de met
T* e velludo de 40 a 90, ditos para casamento a 50 e 60, paletots brancos de b;
fO* e 50, calcas brancas muito finas a 50, e um grande sortimento de fazendas
JE) as, completo sortimento de casemiras inglezas-para homem, menino e sen...
q^ de linho e algodao, chapeos de sol de seda, luvas de seda e de Jouvin para he
q j nhora. Temos urna grande fabrica de alfaiate, onde recebemos encommemlas .
i j obras, que para uso est sendo administrada por um hbil mestre de semelliarite
1 m pessoal de mais de eincoenta obreiros escolhidos, por tanto executamos qualqu
promptido e mais barata do que em outra qualquer casa.
AOS SENHORES LOGISTAS
Desta capital, arraba/des e provincias
adjacentes.
N. 23 RA NOVA N. 23.
Tem a satisfcelo de participar particularmente aos seus amigos e freguezi
dem en
que d
Cham
duzia
r 1 -*---------------------------------------J-- ...*.. ^... i'.t.^....! HWIlUlUUkUl lili ao UO
e caixinhas mente aos nossos freguezes, advertirjjdo-lhes que raandem seus portadores, que serao Uo montar a sua fabrica da chapeos de sol sobre urna escala in
e 2,100 rs. a grosa. / ..__ ..... ,-./. offerecer vantagensaos pretendentes, tanto na mialidadee he
Ditas Lienta *L 9io M a ** "^ ^ Vie**m PeSSOalmeae- n0 *<#*">' como pefcreducco' dos precos'; verdade inltSave,
Ditas hygierticasede segoTanca a240rs. a
arralado, das seguintes marcas du- j duzia' /
b Porto, Feitoria, Nctar, velho secco, Alpista muito limpo a/160 rs. a libra,
sso, e.Madeirasuperior a 8,500 rs.a ~_ /
e 800 rs a carrafa Gamma de engonwnar a 80 rs. a libra, e
2,200 rs. a arprba.
dem Bo; denos de diversas marcas a 640 rs. I .
agrrjfaeT.OOrs.acaixacom^garrafas.!8^11 mnilorjoYoe alvoa 240 rs.a libra.
IdemMijscatel de Setubala 1,700 rs. a gar- Sab3 he^P'anho1' a 28rs- .*
Ileni raassa a 180, 200 e 220 rs. a libra.
rafa, e 18,000 rs. a duzia.
iaiTfita com 5 garrafas de vinho do Porto, freir em latas
Lisboa e Figneira a 2,100, 2,200 e %&f' i ,000 rs. a I;
rs. con i o garrafo.
dem brai ico muito superior a 500 rs agarra-
fa e3,i00 rs.a caada. /
Vinagre s aperior de Lisbjoa a 1,400 rs. a ca-
llada e 200 rs. a garrafa.
Velas de permac^e superiores a 580 e 640
rs. o naco.
savel, pescada, e corvina a
lata.
Genebra de Hollanda em butijas de conta a
400 rs.
Papel greve
resma.
paulado e liso a 3,400 rs. a
Manteiga inijieza de I.1
a libra (
dem de-

qualidade, a 800 rs.
'/
dita, a 700 rs. a libra.
I*5m de I*, dita a 600 rs. a libra.
_/ dem frai ceza. a melhor do mercado a 540 rs.
/ e em I arril a 500 rs. a libra.
Idmem atas com ^i libra ja 1,400 rs.a lata.
Banha de pono refinada a 500 rs. a libra.
Oneijos lamengos chegados ltimamente a
,000 rs.
dem pri to o melhor que ha neste genero a
700 r a libra.
dem do Alantejo muito snpenor a 8oo rs. a
libra.
Arroz Cak-olino e do Maranho a 2.800 rs. ar-
roba e 100 rs. a libra.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa.
Champanhe das mais a creditadas marcas
a 10,000 rs. ogigo e 1,0-0 a garrafa.
Doce de gpiaba de 400 a 800 rs. a caixa.
Chocolate portuguez, francez, hespenhol e
suisso de 800 a 1,200 rs. a libra.
Velas de carnauba e de composicao a 320 e
aCO rs. a libra e 9,500 e 10,000 rs. a ar-
roba.
macarrao e talharim a
Massas para sopa
400 rs. a. libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Ba-
ha 3,800 3,400 3,000 e 2,400 rs. a
caixa.
Cerveja das melhores marcas de 5,000 a
6,000 rs. a duzia.
Biscoitos inglezes de todas as marcas a 1,200
rs. a lata.
Bolaixinhas de soda em latas grandes a 2,000
e 1,800 rs. cada lata.
Araendoi s de casca mole a 280 r>. a libra.
Caix'maa tfomameixas francezas, de diversos.
tamaniosal,200.1.400, I.800c2,100rs.
cada i ma. Sardinhas de Nantes muito novas a 340
Frutas ( ih calda, ameixas. ramha Oladia, pe-
ogos e ajpech a 480 rs.
Marnela ia de todos os consrvenos de Lisboa
rs. a libra. Tijollo para areiar facas a 140 rs. cada um.
Massa de tomates em latas de I libra a 560
e 640 rs.
rs. a lata.
s
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
a OC
Aiueixas
genero a 2,700 rs. a libra.
miiilo superior a 2,5oo rs. a
em latas de 1 i e 3 libras a 1.200
e 2,400 rs. a lata e!M)0rs. a libra.
Cha luixim o melhor que nossivel encontrar
neste
dem hj^son
libra,
dem mi idinho a 2,700 rs. a libra
dem pn to de qualidade muito fina a 1,800rs.
'dem miis Inferiora 1,500 rs. a libra.
i
Genebra de laranja a 1)00 rs. o irasco e "00
rs. os frascos pequeos.
Cliomicf se paios os mais novos que ha no
mrcalo a 500 rs. a libra.
r,ognac inglez a )oo rs. a garrafa.
M.Kiasquino de Zara a 7oo rs. o frasco e
8,ooo rs. a duzia.
Licores rancezes, anni/.ete, plaisir des da-
mes, ele, etc. a8oo rs. a garrafa e8,5oo
rs.a duzia.
Farinha de Maranho a 140 rs. a libra.
Pimentff da India a 340 rs. a libra.
Erva-doce a 320 rs. a libra.
Paulos para meza a 160 rs. o maco.
Verdadeira farinha de araruta a 500 rs.
libra.
Frascos com araeixas
cada um.
francezas a 1,400 rs.
f
Passas ai melhores que se enconlram a 300
ira.
alachas nuezas muito novas a 24o rs.
a libr i, e 3,5oo rs. a barrica.
Wite reinado aio rs. a garrafa.
Coitser.inglezas de todas as qualidadesa
750 rs. o ftflte
I
Prezuntos do Porto a Seo rs. a libra.
Batatas muito novas em gigos com 38 libras
por l,ooo rs.
Canella da India a l.loo rs. a
Cominho a 64o rs. a libra.
libra.
Azeitonas de Lisboa muito novas a l,6oo rs.
a ancorela.
Estrelinha e rodinha para sopa a 6oo rs. a
libra.
Legumes seceos para sopa a 4oo rs. o maco.
Breu louro a 3oo rs. a libra e 8,ooo rs. a
arroba.
Papel pautado e liso almaco e de peso de
3,o|, a 4,ooo rs. a resma.
Ervilhas seccas chegadas no ultimo vapor a
2oo fs. a libra.
oiu9ui!W|9qpis9 ajso jep
-uusop |k BJiaueai fp m.iuos so opno 'oijed eainoe o?.\ a os-mepi,\jo sazo.v setinu sejso
mluod iojd ojOvicq sieui aod sojouo8 sajoqiam so apua.v as anb a gg -u sazn.i3 sep
en i [> e isissaaoJj mazeuue ou os anb jo.v saq|-opuazej 'sajopejjod snas so moo og5
-uau t:piiJ-> sajoquas souisaui so opua.\ap Meneaste ogu anb ojoafqo janb|enb J3A|o.\ap
mojcpuei i ap JOabj o iazeiuje ajsau .icjduioD ma.iepuem anb sajoquas soe apad omsara o
'oi'huiw aqejSO aisap sbi.idojd oijii sopafqo opnajuoa omsom epuie 'epuauoiooua jaub
-nmb jRi.\eap t BauEoua : aiusmjeossad^opdjA omoo soptuas raaq og mm csoajum^
no sopeui
-3id >o|.>
maj 'sa;
opuai
Manteiga inglcza perfeitamente flor ebegada
no ultimo vapor a 8oo rs. a libra.
dem de 2* qualidade a 76o rs. a libra.
dem de 3/ dita a 64o rs. a libra.
dem, para tempero a 32o e 4oo rs, a libra.
Manteiga franceza a mais nova que ba no mer-
cado a 58o rs. a libra, e em barril ter aba-
timen to.
Banha de porco refinada a 520 rs. a libra.
Vinho em pipa Porto Figueira e Lisboa a 4oo,
48o, 5oo, 56o rs. a garrafa, em caada
2,8oo 3,ooo 3,5oo e 4,ooo rs.
dem embarrilo mais superior que tem \in-
ao mercado a 6oo rs. a garrafa.
Lagrimas doDouro especial vinho do Porto a
l.ooo a garrafa e a lo.ooo a caixa, o preco
nio indica a qualidade d'este precioso vi-
nho, porm venhamaoProgresso que a vis-
ta faz f, a este genero constantemente man-
damos vir de conta propria e por isso po-
demos vender por menos que outro mial-
quer aonunciante.
Vinho do Alto Douro das marcas mais acre-
ditadas e especialmente escolhido por um
de nossos socios, como sejam: Cames, Du-
que, do Porto, D.Luiz, Carcavellos, Cha-
misso 4 Filho, Madeira secco, e Feitoria a
Os propietarios do muito acreditado armazem Progresso fazem scient ao respata-
vel publicb e com especiadade aos seus amigos e freguezes que tem resolvido resumir os
precos dos seos acreditados gneros, como abaixo vero nao obstante os precos menciona
dos a vista da quaudade dos gneros que se prova quanto se deseja servir satisatoria- S?1i3?.0?^nhores-,^slas ^^ ede ou?s Provincias. que em conseque
relacoes com as pnncipaes pracas manufactureiras da Europa, tem cBM|;iitjt
importante, a ponto bem acabado dos seus"
-, de que se poderao'
cer a vista da fezenda e pelos precos que v5o abaixo : --*
Chapeos de sol de seda para homem 28, a 720 a duzia.
Ditos 26, a 66000.
Ditos 24, a 600.
Ditos para senhora 18 e 20, a 480. .*?J
A'dozia tem descont de 12porcento. ^".
Ditos de panninho preto e de cor, armacao de balia 20, 24 e 26 su >s, qtiid
a 260 a duzia.
Ditos de junco 20,24, 26e28, a 180 a duzia.
Venham ver para convencer-se da verdae. >r
Encarregam-se de encomraendas para da Europa.
Farinha de MaranhSo muito alva e cheiroza
a 16o rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 32o rs. a libra ea9,ooo
rs. arraba.
Sardinhas de Nantes a 36o rs. a tata.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. agarrafa ea
4,8oo rs. a caada.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e a
l,2oo rs. a caada.
Garrafoes cora 5 garrafas de vinagre de Lis-
boa al,loo rs.
Champanhe das marcas mais acreditadas a
8 e a 10,000 rs, o gigo, e a8oo rs. ea/j
l.ooo rs. agarrafa.
Serveja preta marca T e XXX a 6,5oo e
7,ooo rs. a duzia, e a 6oo> ts. a garrofa,
tambem temos das mesmas marcas para 4,
e 4,5oo rs. a duzia, e a 4oo rs. a garrafa.
dem branca Te cobrinha a5,5oo e 6,ooo rs,'
a duzia e 5oo rs. a garrafa, tambem ha
para 4,ooo rs. a duzia.
CHAMAMOS A ATTENCAO
DO
IM^rEIlVVKIi PUBJLICII
PARA A GRANDE PECIINCIIA.
Offerecem ao respeitavel publico a mais lina de todas as carabraias tanto ern
desenhos como em tiatas sao as verdadoiras organdys da radia ebegados a usa ca- %
pital pelo ultimo vapor inglez. A grande quantidade que recebemos faz com i|ue a
vendemos pelo baratissimo preeo de 300 rs. eada um covado, venbam ver para ites-
enganarem-se se jrrande peohincha s na ra do Queimado u. 27.'
Graxa em latas grandes
e 12o rs. a lata.
a l,3oo rs. a duzia
Vassouras do Porto arqueadas de ferro obra
de muita dura^ao a 4oo rs. cada urna.
Palitos de dentes massos grandes a 2oo rs.
e 280 rs.
9oo rs. a garrafa e 9,ooo rs. a caixa com P**108 do gaz a 20 rs. a caixinha e 2,3oo rs.
*2 garrafas. a groza.
a^SH^ffS'Z d POrtoC0"- Gf?do A.perchech^Ja.o u,mo vapor
latas de 2 libras a 8oo rs. e pechincha.
tendo 5 garrafas a 2,5oo rs.
dem com 5 garrafas de superior vinho Fi-
gueira a2,4oors.
dem com 5
2,loo rs.
garrafas de vinho Lisboa a
Genebra de Hollanda garrafoes com 16 gar-
rafas por6.5oo rs.
dem em frasqueiras a6,3oo rs. e 6,500 rs. e a
56o rs. o hosco affianca-se ser verdadeira.
Vinho branco de Lisboa proprio para missa i4,^ j.K.- u
vindo j engarrafado de Lisboa a 64o rs. Idem de ffja em ,barKr'CaS COm qmlro du*
a garrafa. i ms a ^^ ca"a botija.
dem em barril muito superior a 5oo rs. a dem. ^W em frascos randes verda-
garrafa e a 4,ooo e 3,8oo a caada.
INJECCO E CAPSULAS
VEGETAES ao MATICO.;
GRIMALT E-C* PHARMCEUTICOS EM PARIb
Novo tralamenlo(irepmdi) rom us fulbn de Mu!<>.rtore d<> ivru, para cura r.-.p;
da Gonorrhfa sem recelo algum da contracc^o do canal uu da innammaco dos intestino*. (I
doutor nirard, de l'ais, ter renonciado, desde eua apparlfao, aoemprgo de qualquer ou I ni \rn\^^^M
EnipreRa-se Injrrf o no comco do fluxo. as capsulas em todos os casos chronicos e invelor idi
resistlrao s preparacoes do copahu, cubelia e g injecoi s com liase metallica.
Depsito geral: em Pon, em casa de MM. GvliiiuuU e C, pharmareutiros, 7, ra de la Feuillndej
em Lisboa, Jo-Ago>(tiiho m Gtmn-Cartnlliii jmilor; no l'orto, Mlaml Jos ilc Souji For-
rclra; em o Mo-de-Janeirn, Gt-alaa, 102, ra S. Pedro; em Bnhio, Jo-CiM-(nn Fprr-lr>Epln.
Mrtra; em Rio-Orande, Joai|Oln de Godo; em Jfaroii/ido, Ferrrlra e C; em /Vmomilco,
Shauna e C, ra da Crut, 22; sena, e as principaes pharmacias do Itraiil.
Ameixas francezas em caixinhas de 1 '/j,
e 3 libras elegantemente enfeitadas com ri-
cas estampas na caixa exterior a l,3oo
l,6oo 2,ooo e 2,5oors.
dem em latas de, 1 '/ e 3 libras a l,4oo e
2,6oo rs, cada urna.
Figos de comadre em bauzinhos de folha
muito proprios para mimo a l,6oo.
dem cm caixinhas a l,4oo rs.
dem em caixinhas emticamente lacradas
e muito bem enfeitadas a l,8oo rs.
dem a 2oo rs. a libra.
Passas de caraadasjis mais novas que h no
mercado a-4oo rs. a libra e a 6voo rs. a
caixa.
deira italiana a I ,ooo rs. o frasco.
2 Marrasquino de zara a 72o rs.
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22 em casa de Caros BrJjozj
----------------------------------------------.-----------------------------------------------------------i____
HA (10 QliEIH\DO N- 63
i-oji do belja-flor.
Facas para meninos.
LIQUII>U.ltf-
DE
Gneros baratas:
Licor francez de todas as qualidades em
garrafas de vidro brancos a 72o e 800 rs.
Vendem-se faquinhas para meninos a 240 rs.,
ditas de balanco de um boto a 280 rs. o talher.
Uravalas para senhora.
Vendcm-se grvalas para senhora a 500, 040,
Vinho Bordeaux das melhores qualidades 80e t&*-
que tem vindo ao mercado a 72o e 800, ., Fl,asfifara dcbr!"f de n- .
rs o em clivi a 7 finn R f 8 9nn Vendem-se fitas para debrum, de linho, a 240 a
r>., e em caixa a /,oOO, 8, e 8,2oo rs. (pa com 10 varas, ditade laa a 800 e J& diu de
Azeite doce refinado do fabricante Pelanol e S
outros a 800 rs. a garrafa.
Ja a 1-5200.
Salrao em latas
800 rs.
ermeticamente lacradas a
t
'C
Jdfflrj raajcpueo orub seossad se buiije o 'sopeuoiouara oxieqe so3
pI Hoas ujjq cjed (dAissod joj anb o opn] jazej ejsu raa ajdoias
ipeuiuwuay mazcuu opiipajoe ojmra op oueiaudbjd o
V ojire* ap ojj|B xmmua
mmcmmmmm
u izvifnv
sMXmm. w
73
Lagostim em latas grandes a l,4oo.
Savel, corvina, cherne, vezugo, peixe espada,
preparados pela primeira arte de cozinha a
a l,3oors.
Queijos flamengos chegados no ultimo va-
por a 2,4oo rs.
dem do vapor passado a 2,2oo 2,ooo e
l,8oo, rs.
dem prato do ultimo vapor a 64o rs. alibra.
Doce da casca da goiaba caixoes grandes a
600 e9oo rs.
Chouricas as mais novas que ha no mercado
a 48o rs. a libra.
Chouri?as raouras encommenda especial nos-
sa a 5oo rs. a libra.
Prezunto verdadeiro de lamego em calda
de azeite 000 rs. a libra
Bolaxinha ingleza a mais novas que ha no
mercado a ,00o rs. A fcurriquinha com
1 arroba, e a 24o rs. a libra.
dem de soda de diversas qualidades a 1,400
reis.
dem em latas grandes, profuias para hinche,
com 5 a 6 libras pr 2,4oo rs.
Marmelada imperial do fabricante Abxeu e
outros conservemos de Lisboa a 600 rs. a
libra.
Frutas em calda de todas as qualidades
Sors.
Ervilhas francezas a 800 rs. a lata.
dem portuguazag a 64o rs. a lata.
Musa- de tomate a 64o rs. a libra.
Amendoas confeitadas a 7oo rs.alfera,
dem de casca mole a 28o rs. a libra.
Avelans a 2oo rs. a libra.
Conservas inglezas sortidas e de urna s qua-
lidade a 800 rs. o frasco.
Araruta verdadeira a 32o rs. a libra.
Gomma de engommar muito alva a 80 rs.!
a libra e 2,2oo rs. a arroba.
Sag muito novo a 24q rs. a libra.
Sevadinha de Franca a 16o rs. a libra.
Sevada muito nova a 12o rs. a libra e 3,2oo^
ss. a arroba.
Macarrao a 32o rs. a libra.
dem e talharim o mais novo que ha no mer-
cado a 48o rs. a libra.
Aletria a 5oo rs. a libra.
Arroz carolino a loo rs. a lira e a 2,8oo rs.
a arroba.
dem do Maranho
3,000 a arroba.
a 12o rs. a libra, e a
Vinhos Figueira e Lisboa a 2rV00 a caada, \>
nagre de Lisboa a 151)00, agurdente d runga a
960, sendo em garrafa regula o preco da cma^'j,
champanha a l200 a garrafa, nhisr'.ial^^^^H
Bordeaux a 600 rs., Porto lino a 800 rs., lii
2iO, genebra a 210 a botija, fraseo a '00 fs_
veja branca e preta a 180 a garrafa, conserva a .GO
0 frasco, marmelada a 06O a libra, laia* ivn.
dinbas a340, latas de graxaa 110 i <: s Ji
gaz a 25200 a groza, pomada a -2V) a 'Insta, erwm-
tos de 15VOO a :15 a caixa, da llaliia. pn
dentes linos a 180 o maco, massas para sopa a VH)
rs., papel de peso a 25701) a resma, albos a W rs.
o mllio, azeitona a 15120 a ancorla, cjImrias
a 580, cominhos a 480 a libra, pinvnt a 360, Iht-
vadoce a 400 rs.. lotiea. bules, bacas ninMl
640, brancas a 480, onrins a \%\ ni.ur.oiga in-
% gleza a 800 rs., franceza a 5(50 ; os g.-neros
* se vendem emporeao vendem-se a retalho pelos
arga d 1 Rosario (I
! debaixo do sobrado d<- un andar junto
Pennas aV ac de laura.
Vcndem-sc caixinhas de pennas de ac de 200
rs.a 15.
Laa para bordar.
Vende-se laa para bordar, de cores claras, a
65800 a libra.
Ronecas de |choro.
Vendem-se nonecas de cera a 800 rs. e 1,
com mascara de tirar e botar a 640 e 800 rs., di.a 27reS ^nv
sem mascara a 200, 400, 300 e 800 rs.
Colberes de metal principe.
Vendem-se eolhes de metal principe muito tinas Fohc'Iiiko e IMtin*
a 15 e 25500 para cha, ditas para sopa a 25000 e existe anda tim resto de^i 1 snpenoi
45800, concha para assucar a 640. empegenos jacazes. que se vende i,
Facas e qarfos. do Aunes, no largo da alfandega.______ Jj
Veodem-se facas e garfos a 25800 a dnzia, ditas i Folha de Flandres Chareoal cravadas a 3s ditas de cabos pretos a 25200, ditas cnjalidade; vende-se por atacado mi
de cabos de balanco com 2 botoes a 65800, dias avulso, a dinheiro vista v na ra do l'i
jura doce a 55600, ditas de um boto a 65, ditas
para doce a 55- .
Chicote jura avallo.
Vende-se chicote par* cava I lo, para os amantes
que passam fesla a 640 e 15.
Meias para senhora.
Vendem-se meias para senhora muito linas a
254OO a dnzia, ditas para meninas a 25.
Papel d diversas qualidades.
Vende-se papel de beira dourada a 15200, dito
amizade a 640 e 800 rs., dito paulado a 15- dito
Caf do Rio o mais superior que se pode de-! adamascada a 900 rs.
sejar a 32o rs. a libra. Mtelopes de diversas qualidades.
dem a 28o e 300 rs. a libra e a 8,200, 8,400 Vendem-^e avelopes brancos a 800 rs., ditos de
primeira andar, para tratar,.de rnanliaa
horas, de tarde das 3 at as 6.
% o m mu-<.<
cathecismns para parodio? : na ra do V.nes
ment n. 11.
e 8,7oo rs.
Velas de carnauba refinada a 32o rs. a libra,
e a 10,000 rs. a arroba.
dem de sper mcete a 64o rs, a libra.
Chocolate hespanhol e francez a 9oo e l.ooo
rs. a libra.
Estrellinha e pevide muito nova a 4oo rs. a
libra, e a 2,ooo rs. a caixinha com oito
libras.
Cha perola muito especial chegado neste ul-
timo vaijw de encommenda particular
nossa af,8oo rs. alibra.
dem huxim muito superior* 2,7oo rs. a
libra.
dem hysson a 2,56o rs. a libra.
dem hysson a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra*
dem preto hemeopathico e muito superior a
.ooo rs. alibra.
dem nacional a l.Qoo rs. a libra.
aito novas a 8o rs. a libra.
dos melhores da Babia
^^^Hdas as marcas, como sejam: Sus-
cores a 640, ditos para cartao de visita a 500 rs.,
ditos pretos a 800 re.
Tcndo recebido ricos apparelhos para senhora,
de mousacos e camapheos verdadeiros, vendem-se,
de mousaco a 65500, dito de camapheo a 135-
Dminos e visporas.
Vendem-se dminos muito finos a 15100 e 15400
e risporas a 800 e 15.
Mkt.
Vendem-se enfeites de rddes para senhora de di-
versas cores, a 15000, ditos pretos a 900 rs., sendo
de fitas e comas de ac, peca de fita de 13a com 10
viras a 360 rs.
Brinete* injletw.
Vendem-se extractos inglezes muito barato, por
que foi comprado em loilo, e nao se quer conti-
nuar, a 320 c 400 rs. o frasco.
AGENCIA
DA
FUNMCiO DE L0W-M00B.
Roa da Senialla mw a. 42.
Neste estabelecrtaiH-
ujacomptew
has
iaver
Vende-se a taberna do pateo da
13 : a tratar com seu proprietario na
vramento n. 24.
ra do la-
escravos rncipos.
I
LwireBco.
m
Fugio epreto Loueenco no dia 28..d
prximo passado, com ossignae-ssctium
altura, bem cheto do corpo, pora bar/a,
ga, com urna queiinadura fresca no bra
levou vestido camisa de bata azul, acoi;
por dentro de una camisa de algod
moda de palito, calca de estopa heurfh
larga de pemas em urna das quaes
rente com que andava em casa, e isi
nha mudado, tem bastantes cicatriz
que diz ser proveniento de bobas ;
de earapuca de panno a cabera
sirva-so leva-lo a ra Real do Han
e padaria de Jos nlonio Carpit
que ser bem recompensado.
prer; tula,
d totes OS
perla!, flor das mattas, primores a i,ooe,' kftoi americano e macbird para
3,5oo, 3,2oo, 3,ooo, e 2,8oo, 2,500, lavar roupa: em casa &o%. P. Johhston 4 C
2,ooo e l,6oo rs. a caixa. 1 roa da Senzalla Nova n. 42.
\a\ i ti i a rS7>k
III Cf*\fCi
No dia 31 de outubro ausend
de twme Felinpa, a qnal foi ilgnm t
Antonio Jos Rodrigues de Senza, ^^^^Br^r-
cida c costuma andar bebada,|ulgn-sc andar
Podra Mole e Apiparos i|uein,a pegar, le\'c-S"
roa Nova n. 38, qne ser bem rifnfui'cnsndn
ratlflcair^l^ de 509-
Fugie do abaixo assignadTno Ma 20 de jaiwfro
docrjrrente ano o s*n scrav Firmino, cabra es-
ro. idade 20 anuos, totora regular, olhos par
orellas pe(|uooafl*ellos carapinbos,
is pequeos, eioiWie, multe ladim.
It-se por forro, e se supnoe achar-se na ridade da
1teift-, suburbios : quero o pegar p* '.var ao awn
aswKoado, ou 0 entregar ao Sr. J la ua
Costanol Pi-T^ro CaValCanti de Aibuquer-




8
LITTEBATRi.
O bem e e mal.
III
tinuago.)
rma os seus bons desejos qu
tambem os meus.

Otarlo de Pemambiico Qiiltata
Movembro
l*S.
lf do reinado d B. Joao V, em que a religio de- Pois nao tm sonho ?
.Tfvnni de* snssimplioidade em luxuosos, e, al Amidiu Brazia :
Tila ostentaran; e, demais a niais, n .__. ......
i, moral ou doginaticamente,**. -Qual sonho? 0 que eu quero e os pnmeiros
Iinguagem que nao era a de Do- banhos apregoados no domingo ; e do hoje a um
pm de" Jess, Heitor Pinto, Arraes mez esta menina minlia ama.
Sua amiga, sua llia! disse Peregrina abra-
ilatarmos em qiial gru de puris- cando-a.
dava a vernaeulidade naquella serie Assim foi. Na quarla dominga segrate rece-
*. -JS&XBA *% SSas TIduas crealuras preordena-
. um padre Themotco Mililo escre- para a fel.c.dade da trra e ceu.
Rem este grande engenho est gafa- Os pasamentos que Deus escolhe, sao assim de-
JMb que se lastimava o escrupuloso terminados com una singeleza, copiada dos tem-
eos eseriptoressem liga era aquel- pos vsinhos da d f
\ conceilista itlico-hispano em que o .,. -. ">""" =, "
Hita, a espacos se descuidava na ora- en,es necessanos a si, e de repente identificados
por unidadc insoluvel de almas. E entao era o
i I.alislu e o vigario se entretm nes- viverem '3 sos e um.como quem de urna s vida
Bles praticas, ingratas ao leitor de tmham de prestar contas ao juiz supremo.
delieado. Brazia est assim con ver- \ A mim parece-me que o easar-se a gente devia
lerrgrina, lioml.ro a hombro, no oscano ser como Ladislu e Peregrina. Andar annos com
e,n quanto a gal.nha ferve :^ 0 ton^ em ^^ ^ *svgorisa.|o JJ quan(lo
h Brazia nao seja cu, se Deus me nao hade aju- elle mais necessario. Pelo ordinario, os neivos
^Hpe os mocos se querem, como eu me-; que se amam longo lempo, casam-se quando o
Mfthis olhos, isso vou eujura-lo sobre mais fino da sensibilidade est consumido na abs-
raccao enachimera.
Nao l-clamou elle-Chrstina, sacode os tou de tomar as ultimas ordens. A Casimiro,
sapatos fra desta porta, e vamos ao nosso disse; -
Ladislao romr, ievrtn a :.. .. j V Subjuguc o coracao etn quanto e tempo. Te-
au, como levado de insuperavel forca, av- ^destino. n|ia sempre diante de seus olhos os beneficios, que
O aggravo nao me fere, que o nao merego, "evo ao Sr. Ruy. Reeompcnsar-lh'os com desgos-
senhor t -disse plcidamente o vigario. -Eu con- tos ser crueza e indignidade.
vido o Sr. Casimiro a ser meu hospede, em quan-
to se sollicita a licenca do pae desla senhora. Se
sinhou-se de Peregrina, o oTereeeu-lho o annel. O
vigario, abalado e comlovido pela acclo inespe-
rada do mancebo, tomou a mao convulsa de sua
irmia, e vestiu-lhe o annel. Depois, apertando nos
exclamou.
un Tliflftr sendo preciso! A menina una per-
f; n; o mcu Ladislu aquillo que ali est. Duas
en aturas assim ja vem l de cima talhados para
sjr in una da outra; c, quando acertam de so to-
p;n em no mesnio eaminho vo ambas para direita,
cu para esquonla.
~Pu8nirepeta Peregrina o que havia di-
to lua-vzes: -Ainda hoje nos vimos, e j a Sra.
1) zia nos qner ver casados ?
- Ento a menina cuida que urna pessoa s se
ca hecc por ser vista muitas vezes 1 Eu ouvia 1er
a 1 libtoria Sagrada ra. Sebastiana, que sabia 1er
coi Sfa-padre, e j l est na corte dos bemaven-
urdes.. Resemos-lhe por alma.
A Sra# Brazia resuu alio, e Peregrina mental-
;m lite.
- */wrscut in mee disse a velha.
- murtrespondeu Peregrina, e benu
l'raxiacontinuon
- Pojs como eu vinlia dizendo, a Historia Sa-
gr ida conta que amigamente
IV
No dia immediato ao das bodas, o saudoso viga-
rio fra jiassar a larde com sua irma, que o vie-
ra, com o marido, esperar ao rochedo da Crasta.
Ao intardecer, quando o padre se despeda, che-
gou um portador da residencia com urna carta pa-
ra Peregrina.
Paramim t!exclamou ella duvidosa.
E lettra da Sra. D. Christinadisse padre
Joao.
Ella est laacres cntou o portador. Ma fortuna-
Ella quem ?acudiu Peregrina. E eu nao ? disse com veh
A fidalga, que escreveu a carta Villa Gova'
Que novidade esta ?-disse o vigario abrm- ~ Tu tombem' meu irm5l>- Ajudar-me-has
do e leudo icom os teUl conselbos, por que no leu coracao
Le alto, meu irmo !-disse Peregrina ropa-'lenro esA a s^edoria dos virtuosos, que te edu-
ciente- E o padre continuou a lr mentalmente caram-
dobrou a carta, embulcou-a na sotaina, e disse ao'!
portador:
pedra, eo rosto chammejante^le febre. Agiton- favor (te dinneiro comqne jornardeara de
O, ergueu-o, amparoo-lhe os passos, al o trazer a Pinhel.
estrada, e d'ahi quasi em bracos a casa do car- j Presuma elle que, se fugissem para US
pinteiro. procurassem aquelle amigo, aehanamJPPWo!
Conversaram at altas horas da noute, Casimiro para alcancar-se um emprego. Mas um no de cs-
|hes dolorosa esta separaco temporaria, Deus
permittir que os retornos de conlentamento a fa-
annos, quando assi sorprehendido, nao sabe
mentir.
A Christina disse o padre:
A maior pro va de estima que vossa excel-
lencia pode dar a Casimiro, desvia-lo de si.
cam esquecer. SofTram alguns d.as para merece-, Dos dou's ha de Kr e||e Q ^ acado Na
rem o premio. Eu nao posso implorar o perdao sua edade, menina, o amor sempre una crean-
para a desobediencia, allegando que os fugitivos cice, e como creaneice se esquece, quando ron-
permanecem em criminosa unio. Ha o recurso t/ariado; porm, a primlra alTei(;o do moco po-
da mertlra; mas eu nao sei mentir. Despecam-: d.^scr a ul,ima e volvr em ****** i^'"edia-
se para um dia, que breve vira, se Deus nos ou- j Quem sabe ?-disse Christina com pueril au-
vir. O Sr. Casimiro, que me applicou as palavras, dacia e destemr.
de Jess aos apostlos, mostra que l o sabe os li-' fu naoLsei seno que vossa excellencia est
i'mnhmi>iM .u ^o amando um homem, que seu pae repulsara de ca-
m-09 da rel.giao, Seja, pois, religioso : peca com-, sa> |ogo q(]e descon{a'r de fio^iKiM utelligen-
nosco ao Senhor que Ihe despache em bem o seu cias. A menina ser perdoada como innocente, c
requerimento. i elle perseguido e castigado como vi Nao. Como
Casimiro apertou a mao de Christina, c disse : I ^ns0 9ue ass w a ontecer, emendo que o
- Vai, e esperemos. Iseu lmSr ^faPeslu ao '>re orphao.. Sens
E esperemosacrescentou o padre por que,
a baldarem-se os nossos bons intentos, quem Ihes
ha de empecer a reunirem-se ? O mundo, quando
v dous desgrteados, deixa-os passar, e vinga-se.
Se o mundo diz, nao o direi eu : vinganca justa
crcio que nao ha nenhuma au. O inverso da ca-
ridade a vinganca. Tenham valor, que, se o
nao tem, sao mais que fracos, desconfiam do po-
der de Deus, e da sua propria fidelidade um ao
outro.
Adeus! balbuciou Christina, su trocada de
suspiros. Casimiro beijou-lhe a mao, dobrou o
joellio, e disse:
Se te fiz desgracada, perda-me.
Ladislu, debulhado em lagrima?, abracou Casi-
miro, e exclamou:
t- Sou seu amigo I O senltor ama de veras es-
ta menina 1
Eu sei que se amam disse o vigario-por
querer-1 he imito descngana-lo.
Observou padre Joao que as don cegas creatu-
turas, aepois do aviso, pratieavam como se, em vez
da censura, rerebessem louvores. Buscavam-se
mais, escondinln-se mais, e, de dia para dia, pare-
can) ir declarando a toda a gente o seu amor, co-
mo se conlassem com o apoio do fidalgo.
Ruy de Nellas chamou o padre e disse-llie:
O' aniado, tu nao desconfas de nada- ?
A qual respeito, meu padrinho?
Que minba filha Christina olha o Casimiro
de certo modo ?
Pode ser que V. Exc. se nao tenha engaado.
Eu supponho que se cstunam ; e meu padrinho
nao poda embaraca-los de se estimarem.
Essa nao me parece iia 1 exclamou o f-
dalgo. Nao posso embaraca-toe ? Entao quem e
que pode ?
Ninguem, meu padrinho : tem|M) que
corrige estes defeilos do coracao humano. Deixc
V. Exc. em silencio a suspeita, que eu taio a meu
cuidado o descanco de V. Exc.
Nada de pannos quentes I bradou Ruy de
Nellas Casimiro vae ser posto fra desta casa, e'
E' assim que elle me paga ? E'-
talvez de Pinhel.
isso sere parte, quanto em mim conber, na sua m0 bem feito muito bem feito Nao seja eu tolo
de estar gjui de bracos abertos, para receber des-
gracados qae a final...
Padre Joao esperou que seo padrinho dlesabafas-
se a sua ira, edisse com humilde e pacato animo :
Eu sou um dos desgranados que V. Exc. re-
cebeu nos braos abertos para todos; o que eu
posso dar em troca de tantos beneficios d a leal-
dade do meu coracao, o meu parecer em cousa tao
le V. Exc. perseguir Casimiro, a Sra.
um moco sabia da
sun trra' em cata do outra trra, onde cstava a
ni va, que elle nunca vira. Batia porta do so-
gl iKS^he a filha, e casava. Isto que eram
ta iipos, moga! O coracao nao tinha peccado que
10 se preciso descubrir com o tempo dizia o Sr.
paire Prxedes, quando a irmaa so admirava de
cavim^tps assim de fgida. Olhe-me bem nisto,
q\ e estas palavras teem muito que deslindar. Na-
qi rite tempo, a moca casado ra era por dentro
ce mo, por fra; via-se como luz do meio dia o
qie olla' l tinha no seu interior ; agora, pelos mo-
n, preeiso espreitar muito tempo as inclinagoes
d; s pessoas O pae do Sr. Ladislu era dos rapa-
t"' antigos : viu a menina l em cima na lapa da
Ci asta, gostou del la, tomou l a saber se olla o
qi sria, foi as Cliaas aonde ao sogro: e, d'ahi a dias
j ella aqu eslava a cncher esta casa de satisfa-
ce j. i: como foi, e como ha-de ser! Senhor
y >us do boiu despacho, nao me deixeis ficar mal I
Ladislu e o vigario, chamados pela velha, des-
c rain cosinha, onde eslava posta a mesa. Jan-
t; rain alegremente e cora vontade. Os dizeres de
U razia, tendentes todos ao casameiilo, assazoavam
jiiigelas iguarias do vigario, que pondo os olhos
qur na niequer em Ladislu, reparava na gra-
dado com que em silencio cscutavam as facecias
11 imjuebranlavel velhinha.
Ser possivel que...
iiisse entre si padre Joao, e cuidou lr no rosto
Jp hospede e no rosto da irma esta resposta :
E possivel, e certo.
Fiada p Jamar, saturara a tomar o sol na eir.
Bratia, porm, pucliou da batina ao vigario, cha-
i lou-o dC parto e disse-lhe :
Delxe-os l...
Padre Joao nao achou que responder a velha, e
ez nienco de seguir sua irma, que o eslava espe-
audo.
Nao vi sem me ouvir duas palavras, Sr. re-
verendo vigario. Sente-se neste tamborete, qiie
en vou dzr aos mocos que vio a sua vida, e nos
l reinos ter.
;o deteve-sc boa meia hora. Depois sa-
klraii eir ; e o padre leva va amparada no bra-
co a velha, que jogava difficilmente os joelhos.
Ora diga-me o que elles esto fazendo que
enj nao enxergo nadamurmurou a velha.
Ladislu est apanhando flores na riban-
ceira.
__Vaecudiu Braziaque Ihe disse eu ? Fi-
res sao amores... E ella que faz ? Nao anda lam-
bem s (lores ? 1
Nao, tia Brazia. Esta sentada.
A enllar algum annel de misangaf
Tambera nao.
au f Euto urna ingrata. Vou ralhar com
ella.
E, acercando-se com extraordinaria presteza
de Peregrina, disse-lhe em tom de graciosa severi-
dade :
Va fazer tambem um raminho, ande menina,
e d-o ao Sr. Ladislu.
Peregrina poz a vista tmida no irmo. O viga-
gtrio (ez um gesto de consentimento. Ergueu-se
di-* colher urnas enlosadas flores silvestres e in-
v^ncas que se definhavam entre os silvedos, e
Brwia, ao mesmo tempo dava urnas palmadas e
tregHava uns saltinhos de cegonha, muito para
riso, se nao justificassem a alegra que Ihe acrean-
javaps otenta annos. Sania creatura para namo-
rado era aquella Brazia! EsUr ella dizendo tu-
do ^ne elles quedara dizer-'se; fazer-se lingua de
caraches hora 'em que nem os proprios donos
solteriain articular a linguagemdelles: obrigar Pe-
regrina a colher flores, quando a moca estava per-
guntjfao a si propria se pareca mal colhelas e
otTerec-las! E ho de rir-se pessoas que amarara
iiiam, da velnha que tudo aquillo fez com tan-
to, sizo e proposito e anglicas intences !
Peregrina deu as suas (lores a Ladislu, o rece-
lieu o ramalhete delle. Qual dos dous tinha ror-
oao mais ferainil5 Pelo rubor da face nao havia
trema-1
Onde iri a tia Brazia ?pergunlou o viga-
rib, vendo-a sahir acodada e regamboleando as re-
beldes pernas pela eir fra.
Pouco se deu\ve a velha. Chegou esbofada. Cha-
nou de parle Laislu, e disse-lhe de modo que o
vigario e a irmJ| pitfm :
EU argoMMV bur deu-a seu pae a ms-
itiha na vespera de se casarem, e j foi de sua
ysav. Aqu a lera. V da-la sua noiva, s|H
levo-lh'a eu.
Ladislu Gcou atnito e immovel. O vigario sor-
rfu, e disse velha :
Sra. Brazia, Vmc. est sonhando um alegre
sonho. Deixe ver se o tempo, com a vontade de
Vai indo, que eu l vou ter.
E, depois que o criado sahiu, murmurou com
mui eslranhada mgoa.
Eu presagiei esta desgraca 1...
Desgraca!exclamou Peregrina.Que
meu Joao ?
O padre, voltado a Ladislu, disse '
~ A senhora, que escreve a minha irma, a
filha mais nova do meu padrinho e bemfeitor. Le
tu, Ladislu, e miiiha irma que ouca.
Ladislu leu :
smiro. Aqui esto OQ|nnosco duas generosas al-
mas. Vae,- minha amiga!
Ventodisse Ladislu-que minha mulber
est pedindo a Deus qoe vamos
J nao choravam ao separarcm-se.
Cunpre narrar, o mais breve qoe ser possa so
antecedentes desta fuga.
De una familia pobre de Pinhel sahiraem 1*11
um mancebo a assentar praca no regiment de ca-
vallaria de Braganca, onde servio at furriel. De
Braganca passou para Lisboa em 1815. Aqui se-
guiu os postos at que fez a campanha do cerco
t Peregrina. Pela caria de leu irmo ao pap do Porto, j major do exercito sitiante, e ah mor.
sabamos que te as casar; mas nao cuidel que 're0 na ultima batalha. Este militar era pae de
fosse tao depressa. Cheguei aqui a buscar o Casimiro Bettancourt.
amparo de leu irmo, e o teu. Felizmente es-
laes perto, e sei que viris em meu soccorro.
Casimiro sabia que nascera em Lisboa era 1816,
e nao conhecia sua ine. Com referencia ao seu
Eu venho fgida, e couunigo vem o homem que nascimento, apenas possuia a pagina de urna ve-
amo, e a quem meu pae me negou, sem com- Iba carteira, que dizia :
paixo das miabas lagrimas. Vimos rogar a teu Meu filho Casimiro nasceu em 15 de Janeiro
bom irmao que nos receba, e legitime a nossa de 1816 : foi baptisado em S. Domingos de Santa-
unio. A pobreza nao nos aterra. Logo que 'rem, aos 22 do mesmo raez. Foi creado no Car-
estejamos casados, teremos forca do cu para tacho, d'onde sahiu em 1820. Entrou no collegio
supportarmos todos os trabalhos. Vem, se po- dos Nobres em 1825. Tenho pago todas as presta-
des, com teu irmo para me ajudares a vence- Qes at hoje 31 de dezerabro de 1830.
lo, se elle resistir ao sagrado dever de nos aben-1 Em nenhum outro caderno de apontamentos en-
coar esie amor, que nao devo ser a nossa per-; con,rou indicios de sua me; nem dis muitas car-
dicao. Tua amiga <**** m que seu pae deixou esquecidas num bahu de
E vaes casa-Ios nao e verdade ?- exclamou
ouviu as ultimas palavras do padre, e disse
Farei a sua vontade.
A vontade de padre Joao era qoe elle sahisse
pada Ihe cortava por alma o coracao, quando a ne-
voa negra da pobreza se Ihe pan lia diante da es-
plendida aurora do seu dia feliz. Quem Ihes darla
de Pinhel, c fosse a Braganca assentar praca. A meios para caminharem at LilM
resistencia de Casimiro fra pertinaz, al a der- Como adevinhando esta pergnnfif ^H| pro-
radeiro golpe, que o padre Ihe descarregou, dizen- punha que fossem S. Julio da jM eaaassem
do que a demora delle em Pinhel seria causa l, e pedissem ao padre Joao recurso fugirem
cluusura deChrislina. Casimiro seutou-se no ca- persegnico, al que Deus Ihe acuds
a commovida senhora.
Nao verdade-respondeu framente o sa-
cerdote.
Como? !tornou Peregrinanao os casas ?
folha pode colligr quaes pertencessem a sua mae.
As que tinhara data eram quasi todas muito pos-
teriores ao seu nascimento. Apenas duas assigna-
das com a inicial. E, posto que sem data, quera
c coBjccturava elle que fossera de sua mae : este
Nao. A filha desobediente nao acha onde quorer fundava-se um pouco em vaidade, e muito
quer um ministro do Evangelho que Ihe galardoe em ,)re!)ago, como depois se ver,
a rebelhao contra seu pae. A lei de Deus diz : M0rt0 o pae, e transvertida a ordem poltica,
s teu pae e la mu: a lei ecclesiastica diz claro que o joven alumno do collegio dos Nobres
havia de sahir entre dezeseis
ao cura d"almas: nao catars a menor $em con
senlhnenlo de quem a governa, ou ordem superior
do teu prelado. Eu vou sahir.
Eu tambem vou I disse Peregrina.
Nao vaes -replicn o vigario. Estaos ao la-
do de teu marido, e Christina apparece-te ao lado
d'iini homem que.. .nao Ihe nada.
Peregrina baixou os olhos, e Ladislu disse :
Tu Ocas; cu que vou. Manda apparettar'^^
a egua, que a hllia do teu bemfeitor vira comniigo.
A esposa laneou-se-lhe nos bracos, e clamou :
Tu vaes buscar a infeliz menina?
Pois se ella infeliz !.. .murmurou La-
dislu.
E sahiram.
Christina estava janella do sobrado da resi-
e dezesete annos de
edade, desvalido, desconhecido e indifferente a to-
da gente. Dos sabidos amigos de seu pae uns t-
nham morrido, outros emigrado e outros esmolla-
vam.
Sabia Casimiro que seu pae nascera em Pinhel,
e se corresponda com urna irma, a largos espa-
cos. Achou cartas assignadas por urna Marianna
Escreveu, ao acaso, senhora
d'aquelle nome, ou ao nome d'aquella senhora.
Responderam-lhe que sua tia tinha fallecido em
1832.
A pessoa, porm, que responda, era o viuvo,
carpinleiro de seu officio, bom homem que Ihe of-
ferecia sua pobre casa, e raetade de suas sopas.
Obligado a optar entre a fome e as sopas do ar-
dencia, quando o vigario e o cunhado chegaram. tista, Casimiro foi para Pinhel, auxiliado pela es-
Era noute muito escura.
Estaos ah, Peregrina ?-pcrguntou ella.
Nao est, minha seimorarespondeu o pa
dreEsl o marido de minha irma.
A secura desta resposta ntimidou Christina. E,
receosa. voltando-se a um moco de boa presenca,
disse : t Enganei-me, Casimiro; o padre nao nos
recebe.
O vigario entrou na slela, spguido de Ladisl
Cortejou com mui respetosa reverencia a filha do
seu bemfeitor, e levemente ocavalheiro, a quem
chamou Casimiro Bettancourt. Depois disse :
fa- vai
1(>S coi
mola de um condiscpulo, filho de um brigadero
liberal, caraarada do finado major antes de 1828.
O artista redobrou de trabalho para nao obrigar
o sobrinho de sua mulber a pegar da serra e da
cnx. Comprava-lhe vestido feicao do que usa-
vam os mocos remediados, e esperava que seu
compadre Ruy de Nellaspadrinho de um filho
le mandara para o Brasil, quinze annos antes
do ou tarde conseguisse algum decente empre-
go para Casimiro.
O fidalgo admittia sua casa e presenca o mo-
co, em attenfo ao pae, que morrra fiel justa
grimas.
Em minha conscienciatornou o vigario
digo que o m!ls prudente e urgente co neste
desgranado successo casarem-se; inas eu nao
posso faz lo...
E entoatalhou Casimiro Bettancourtum
sacerdote do Chrislo assim nos abandona, como
quem diz : sede criminosos e infames vossa
vontade?
- Vi a carta, que V. Exc. escreveu a minJH- causa> como honrado e bravo. As Hitas do idal-
irma. Peregrina nao vej, por ser inteiramonte g0 acnavam.no dslincto, delicado, bem fallante, e
intil a sua vmda. Eu nao posso sem autorisa- diver,d0) quanao a tristeza, a dolorosa introver-
cao das autoridades cannicas e civis ligar matri- sa 0 deixavam dissimular contentamente, que o
monjilmente V. Exc.c orn este senhor. | p^re a bem dizer, nunca sentiu deveras. Ruy de
Eu vmha tao confiada na sua bondade.. .disse' Nellas mostrava, desejos de Ihe abrir a carreira da
Christina, retrahindo os solucos sem reter as la- independencia.
Aos dezenove annos, Casimiro pensava em ser
soldado; o fidalgo, porm, quera que elle fosse
padre com um patrimonio phantastico, e o carpin-
teiro inclinava-se ao generoso parecer de seu can-
padre.
Sacerdote que nao I Casimiro amava Christina.
Christina ia chorar com elle, e sabia em que som-
bras de arvores, ou raargens 4rribciras, o moco
! a chorar.
Nao, senhor. O sacerdote de Chrislo faz, v .,,, ,.aman A mut A,
nestes casos, o que faria quaiquer homem de boa,' rPt, rdo s Zl > TV 7
entranhas. Irei pedir aJsr.Ruv de Nellas con' ^a^ ^ "J^ tenea-lo cade elle -
sentimento para salvar sua filha da conlinuacao do **** Tnm*>.""? n* C?,Ta de M' fS *
.... u Y res, que a viam, invejavam-lhe a pureza. Arqu-
enme e da infamia. <. ?. y / ., M
java-lhe o scio caneado de retrahir-se : cuidava a
doce creatura que o respirar alto.a denunciava.
Era o offegar d'aquelle seio comffp da avesinha
anciada, que busca, do fronde em fronde, o ninho
que Ihe dcsQzecam.
De longe o aiHevia pelos olhos da alma. As la-
Meu pae inexoravel Iacudiu Christina.
Nao pode serdisse Ladislu-Um hornera,
que amparou e educou dous filhos desvalidos d'um
seu cazeiro, nao pode ser impiedoso com sua filha.
Minha senhora, peco licenca para interpr o mcu
melindrosa. Se V. Exc. perseguir
D. Christina, se j o ama, como crelb que sim
ama-lo-ha mais depois. Conheco a fundo a iwlole
desla menina, e algum tanto a de Casimiro. Este
moco tem espirites de condicao muito altiva, que
se revoltam contra a baixeza em que o lanco a
desfortuna. Por vezes me tem fallado do seu futu-
ro com nns raptos de visionario; que me fariam
rir se me- nao compadecessem. Pfesagia-se bri-
Ihantes deslinos, e esqdecc-se de que o honrado
carpinleiro est a suar, para que elle se nao avilte
no trabalo inrompativel com as seas imaginac.es.
Em quanto Sra. D. Christina, minha opiniao
que esta menina desobedece ao raciocinio, e-
forca se Ui'a impozerem. Sabe V. Exc. que de
todas as suas filhas esta foi a mais remissa em
aprender o pouco que sabe, sobejando-lhe talento
para muito. Observei que urna palavra spera m'a
afugentava por oito das, c transtornava todo o an-
terior aproveitamento. Argumentando destas cou-
sas simples, por analoga, todas rm> levam a crr
qne o emprego de providencias enrgicas dar
mu resoltado.
Qual ? t atalhou fidalgo.
Urna fuga, tima vergonha.
Tu pensas isso, Joao ?!
Ousaria eu dizer a meu padrinho o contrario
do que pens ?!
E os ferrolhos dos eonventos para que se fi-
zeram?
Para as freirs estarem seguras da inviola-
bilidade de suas pessoas.
E para as filhas rebeldes.
A rebelliao contina nos conventos, a rebel-
lio do espirito, contra a qual nao prevalecen) os
ferrolhos.
Veremos. .
Seria acert nao experimentar, meu padri-
nho.
Entao que queres tu que eu faca ? Deyere
casar minha filha com o sobrinho do carpinteiro T
Nao, senhor. Pens que V. Exc, simulando
intero desconheetmento do que se passa, deve- fa-
vorecer Casimiro, para que elle siga a vida miliar
que deseja.
Agora! agora que elle ousou por olhos em
minha filha! o ingrato! Pois nao Vou eu mesmo,
agora esiabelecer-lhe mesada em Coimbra ou Lis-
boa, para elle se formar em mathematiea, e namo-
rar-me de l a filha! Estavam bem aviados os
paes, se tivessem de mandar Coimbra os raaltra-
pilhos que Ihes requeslam as filhas Nao havera
ahi aprendiz de sapateiro, que se nao fizesse galn
das herdeiras ricas! Ora, Sr. padre Joao Ferreira,
outro ofllclo! Nao sei era que livros e em que tr-
ras tu foste cstudar e experimentar semclhantes
desconchavos. Eu consultara o meu travesseiro.
Deus responda s suas consultas, meu padri-
nho disse o padre, quando o fidalgo Ihe voltou
as costas.
No dia segrate, s cinco horas da manhaa, ja
o fidalgo estava a p, e abria subtilmente a janella
do seu quarto soore o iardim, cujo muramento
parta cora a ra. Viu elle Christina sahir ao tor-
rara pela porta da cozinha, atravessar as aleas de
amoreiras, de>trancar um postigo de communica-
co com a estrada, e debru^ar-se no peitoril. Des-
ceu Ruy de Nellas, de manso, ao jardira, e ia ja
em meio, quando a filha deu tonto da espionagein
Soltou um ai; mas, de lurvada que ficou, nem avi-
so deu Casimiro. O pae apertou o passo, correu
impetuosamente ao postigo, e viu o mogo quieto e
soreno, como se a sorpreza fosse um gracejo de fu-
turo sogro, que se entretm a fazer foscas ao futuro
genro, muito do seu agrado.
Nao assim Christina, que, passado o momento
do pasmo, dobrou o joelho e balbuciou :
Meu pae, eu que sou a culpada I
Nao attendeu, nem acaso ouviu estes vozes o fi-
dalgo. Inclinou-se esrada e exclamou :
V l contar a seu tio carpinteiro a maneira
como vossa merc pagou a hospitalidade, que Ihe
dei. E nao me torne a rondar a casa, que nao va
algum dos meus criados apalpar-lho as orelhas !
Fechou-se o postigo com estrondo, Aquellas pa-
lavras continuaram a martellar nos ouvidos do
mogo, que levava as mos caneca, como para as
nao ouvir. Pensou em se matar, como toda a gen-
fe, alguma vez, pensou em se matar, excepto os
bons chrislaos, os felizes; e os tolos que nao sao
christos, nem felizes, nem precisam ser seno to-
los para viverem e at sabreviverem a si proprios.
Caminhou s cegas por uns irilhos de cabras,
que se aplanavam n'uma cha, arborisada de so-
bros, onde padre Joao regularmente amanhecia
com os seus livros de theologia moral ou historia
ecclesiastica.
Casimiro viu-o, correu a elle e exclamou :
Val ha-nos t
O padre recebeu-o nos bracffs e ouviu o aconte-
cido.
O remedio vira do cudisse elle Nao sei
que Ihe faga, a nao querer receber-me um conse-
lho. Espere, soffra, eonfort-se e humilhe-se : nao
sei que mais Ihe diga.
Casimiro Bettancourt, ao anoutecer desse dia,
adormecer com a face encostada a urna pedra :
era a lethargia da fome, da fadiga e da desespe-
raco. Nao orara.
V
Ruy de Nellas, contento do feito, mas nao se-
guro ainda, scismava na escolha do convento em
Jue devia enc
oo Ferreira t
tre, embebeu o suor fro da face na dobra do len-
gol, e exclamou :
Irei.
E foi cinco dias depois, eaminho de Braganga ;
mas, ao lira do prmeiro dia de jornada, adocceu
perigosamente. O sangue refervido no peito, pnn-
cipiava a vulcanizar-lhe a cabega. Deramlhe urna
enxerga n'uma taberna de Escalhao, c um padre,
que, em virtude de o ter confessado e ungido, pode
saber que o viandante era de Pinhel, e se chaina,a
Casimiro Bettancourt.
O carpinteiro ergueu mao do trabalho, embolgou
as economas do seu mealheiro, e foi eaminho' do
Escalhao. O anjo do amor estava cabeceira do
enfermo repellindo a morte. O coracao repudiara a
si a onda escaldante de sangue, que banhara o ce-
rebro, e espedagava-se para deixar ressurgir a
razao. O artista eteve nove dias e nove noutes
ao lado de seu sobrinho. Quando se Ihe acabaram
as escassos recursos, que levara, empenhou a cruz
de prata, que trazia ao peito; e pediu primeiro ao
Crucificado que Ihe dsse a vida do sobrinho de
sua mulber.
Ao dcimo dia, o carpinteiro construiu urna
camilha n'um carro de lavoura, e Casimiro, con-
valescente, foi transportado a Pinhel.
Buy de Nellas, e suas Ulnas, salvo Christina,
passeavam n'uma alameda fra da povoaeo, quan-
do o carro chegou. O carpinteiro, quocaminha-
va lentamente a poz o carro, deseobriu-se, vista
do fidalgo, e disse :
Guarde Deus V. Esc., Sr. compadre.
Que levas ahi, Antonio ? disse o lidalgo.
E' meu sobrinho.
Teu sobrinho ? Disseranv-me que tinha ido
assentar praga. Querem ver que. elle foi ferido
em alguma batalha?
v O Sr. compadre est a mangar coro os po-
bres ...responde o carpinteiro com um sorri-
somas de puigir que propriamente a injuria.
Neste lango, Casimiro Bettancourt aftttou a
ouretla da manta, que formava o pavilho do car-
ro, pee fra o rosto macerado, e disse :
Sr. Ruy de NAhw, lha foi a espada da hwa. Agora vou cu travar
urna batalha com o orgodlio de V. Exc.: veremos
quem o vencido. Je
Ora, sor Casimiro f- freplcou fidalgo-ga-
Ihofandcsarcasticamenle a suas anftacas tem
muila graga.. .Passe muito bem.
Eproseguin no passeio, rliiniatando. com ares
de Tarquwiio ou Pombalr as flSrjnha que se a-
bram por entre o ervacal que arnelvava a ala-
meda. .
Chaina l os bois, mogo! disse o artista ao
carreiro. v^
Christina, encerrada voluntariamente em- SM
quarto, nem de suas irmas era j bem vista. -- ,
outras senhoras, como sontas c intactas de cora- v
gao, conservavam os espirites exclusivamente ai-
dalgados, e levavam muito a mal que sua irma
as quizesse aquinhoar no desdouro de um casa-
mento desegual. O fidalgo obrigava Christina,
nos primeiros dias, a tomar o seu lugar na mosa
commum ; como visse, porm; que ella eseandali-
sava a familia com suas lagrimas, ordenou que
Ihe levassem>as creadas os alimentos ao quarto E
assim se finava a pobre manina, desconsolada'
da voz humana, e descrida da miserieorda di'
vina.
Peregrina, a sua confidente, a sua alegra, ti-
nha ido com o irmo para S. Julio da Serra.
Queria escrever-lhe ; mas q'ie portador ousaria.
levar-lhe a carta ? Pensava em fugr para ella ;
mas com quem, com que recursos ? A nao ser
ella, quem faria chegar s mos de Casimiro as
suas cartas, o adeus supremo de sua alma, ao
arrancar da vida ? Respondia-lhe o calado pavor
da soledade ao afilctvo interrogatorio, em que se
debata, e j por fim, desesperava.
Havia na casa um creado mogo, quo Casimiro
Bettancourt ensinara a lr as horas feriadas dos
domingos. Nnnca os dous naraorados fiaram do!-
le segredos seus ; mas o muchacho, que era atra-
vessado, adivinhava o que nk> va, e espreitava
para examinar se tinha adivinhado.
Soube elle que o seu mestre de ieitura chegara
doente n'um carro, viu que o- fidalgo c as meni-
nas anda vara a passeio, foi de corrida a casa, ba-
teu de mansinlio porta de quarto de Christina,
e disse-lhe pelo orificio da feehadura :
Fidalga, o Sr. Casimir chegou agora doente
n'um carro.
Christina expediu um grito, e abriti a porta.
Vem ral disse ella ao rapasto, que se ia
escapulindo Que disseste ? Viste o Sr. Casi-
miro?
Vi-o descer do carro nos bragos do tio An-
tonio carpinteiro. Vem amarello como urna ci-
dra.
Tu es nosso amigo, Jos ? pergunton ella
offegante.
Sou, sim, senhora.
Ljvas-lhe um bilhete ?
D-o c, fidalga.
Espera, que eu vou escrev-lo. O melhor
tu ires esperar no pateo, que eu lanco-t'e da ja-
nella, que nao v ver-te alguem aqui no corre-
dor.
O mocinho esperou um quarto de hora, c levou
a carta a Casimira que respondeu logo.
Este rapaz de nove annos faz lembrar o' mos-
quito que mateo o leo, e o braco fundibularte
que derribou o gigante. Ah esto a vigilancia e
omnipotencia de Ruy de Nellas Gamboa deBarbdo,
senhor vlavengo mais vellio da Beira Alta, an-
niquiladaspela ntervengo do pegureiro,que o se-
nhor feudal nunca descriminava dos carneiros que
apasecntava I
O effeito das primeiras cartas foi una transfi-
gurago maravllhosa no semblante de Christina e
Casimiro. J ella punha as mos e ajoclhava a
orar; certo que, pelo ordinario, attribuimos ao
demonio o mal acintoso, que o mundo nos faz, c
agradecemos a Deus o l>em casual ou intencional
que nos faz o mundo. Tudo isto redunda em elo-
gio de Deus c nosso.
Buy entrou pensativo-em casa, e dizendo entre
si : i Mal liz em a nao metter no convento; mas
ainda nao tarde.
Mandou vir sua presenga os creados c crea-
das, excepto o Jos-pastor, como Ihe chamavam.
O rapasto ..inda nao gosava honras de creado a-
pellava para assumpto grave. Declarou o lida go
que faria entrar n'uma cadea o servo ou serva,
que levasse ou trouxesse cartas entre sua filha^e
Casimira Os creados innocentes e impeccaveis
nesta materiapor isso que zelavam a fidalguia de
seu amo contra o plebeismo do sobrinho de mes-
tre Antoniojuraram de espreitar os passsos de
Ca-imiro, e, em testemunho de sua probidade.
offereceram-so a quebrar-lhe as costellas, sendo
necessario.
Ruy de Nellas despediu-os satisfeito, e disso en-
tre si : Tanto faz t-la fechada em casa, como no
convento. At me parece que est mais segura
aqui. J
Jos-pastor ouviu a creadagein na cosiiha dis-
Nestes dias revesados de alegras e amarguras,
para elles, que j tinham aprazaro o Ja fgida, o
carpinteiro receben carta do filho, estmWao no
Brasil, e o primeiro donativo de dintt^^^^Bmd >
Casimiro viu ouro em mos de seu tio, ppertou o
artista ao seio, e disse-lhe com os olhos cheios de
esperanga e lagrimas :
Empreste-nie parle desse dinheiro, O
preco da minha felicidade.
Se o prego da tua felicidade, ah o (fus to-
do, respondeu o carpinteiro, langando as peca so-
bre a mesa.
Menos de metade me basta, replicn Bettan-
court.
Pois toma d'ahi o que quizeres ; mas conla
me o que vaes fazer.
Casimiro, temeroso da probidade de seu tio, nun-
ca Ihe havia revelado o plano dorante. Jaste temor
era o seu. Mestre Antonio, bem que estomagado
das soberbas de1 seu compadre, nao consentira que
seu sobrinho o vingasse por scnrelhante meio. A
ida do sea filho para o Bnsil devta-se em parte
generasidade do padrinho, que Ihe dra enwval e
algum do dinheiro ca passagem.
O mesmo fidalgo o-ajudra a comprar o feeto de
Casimiro, sem querer que o moco soubesse ehri-
gagao em que ficava.
. Mestre Antonio alu '.disto reprovava e-ousio de
se sobrinho em inquietar urna menina taihad
par marido de outra linbagem e fortuna- Nao dc-
minava ainda naquella poca a aristocracia des ar-
tes, (pie hoje se india com uns descommedintentos
de orgwlbo, que se prevalecen) propriamente sobre
os da aristocracia de nascimento ; de modo>qne a
gente sizuda lastima que- oartbua nao seja bem
creado para sustentar o ser? real valor, sem andar
atodas as horas, de arremeltirta contra as distinc-
goes hcrdndas.
Agora, importuna a phlaucia do artista ; logo,
anoja a humilhagao a que se-desee. Cingindo-me
ao ponto : Casimiro relevo ainda o seu segredo.
sophismando-o dest'arte : .
Eu voiv continuar em Giotbra ou Lisboa o
meu curso do mathematicas para seguir a vida mi-
litar mais vantajosamenle. Bem sei que este di-
nheiro a poucochega ; mas esperoachar, sera bai-
xeza, recursos em mim propriopnra me alimentar.
Ensinarei particularmente o qw-set, e com o pe-
queo salario, me irei remindo.
Se isso, Casimiro ; redarga mestre Anto-
nio, leva o dinheiro todo, que eu tanto fago com
elle como sem elle. Assim como assim, duzentos
mil ris nao me quitara de trabaUur Coste bem
de te ver botado ao eaminho da vida. Vae, moco ;
que o inundo p:r'os homens. Teui pae sanio da-
qui com duas camisas n'uma trouxa, sentou praca
e morreu major na flor da edade : teria quarenta
'anwps. Se nao morre, e o seu partido vinga, podi
acaba1!"general. Tira-te d'aqui desta aldeia, ho-
mem Tai tens l-umas ideas que precisam de tr-
ras grandes* Vae-te villa, que eu o estou com o
meu pouco p"*a te-acudir as necesidades. Logo
que teu primo mande mais dinheiro, l ir ter on-
de esti veres. Se u.mdia tiveres de teu, e euja nao
poder cora o machaco, entao me iras pagando como
poderes. '.....
(^siiniro debulbava-se\ em lagrima?, abragado
ao carpinteiro. que embeb* as suas nocannao a.i
jaquela de saragoga remedada nos cotevellos.
Aquella jaqueta que-deshonrar>e-h,*5raD*e"!';n'
te se a pozessem -l>eira de mu?* '(,as u*'"13'
a ouro e coalhadas de veneras ^^ .
Kra como picar de- remorso o doo^-iC .e y*- '
miro. Mentir assim quelle velho tao boi.^* *ao ,ra
co, tao desprendido e to pobre \
Nao importa f A sua paixao absolve-o j.* :v
en honrado c Iludido absolve-lo-hia depois.
Tinha, pois, Casimiro dinheiro para a fuga
d'isto avisou Christina ; a menina, porm, instav
pelo casamento em S." Julio da Serra, e o moco,
de vontade e coracao, condescendia^ e desejava-o
assim to ahrasadamenle c^o ella. _
Ruy de Nellas encontrou j carpmtoiro, e nao
Ihe falleu, nem respondeu saudaco com um
gesto sequr.
Porque est de mal comigo, Sr. eompadre ?!
perpuntou o operarrei com magoadasubmissao.
Porque s um ingrato I bradou o fidalgo.
Ingrato, senhor Nem j isso I l>eus me nao
ajude, se eu sou intrato V. Exc.
Tens ahi teu sobrinho. que deu um pontape
no seu bemfeitor, e causou a desgraca de minha
lilli.i- e a tristeza deminha casa !

iga\
tavaV.


parecer n;umaquesto em que minha mtlher nao mas tem .dor : s Ih'o nao presentera os
estraiiha, e eu tambera nao posso s-lo. Ella qUe ^ deixaiti'cotoJr sera misericordia, serado.
nao veiu; mas encarregou-me de vir aqu otlere- ^ *^ ,
cer-lhe nossa casa-, e, to certa est de que V. E ,Jueni ,Iam de,,ter pena do sobnnho do car-
Exc. nos honen e*iaejto- que j vira pimu-a- 0n2ntonde ser amadreea?memoarate wdS" 9ue deiJF*r> Ca*l"l.ro. Be!t_ncourf-
Meu sobrinho, Sr. compadre,, fez mal; ver-
dade ; mas o mal est remediado. Meu sobrinho
vae-se embora por estes dias. Vae para Lisboa
continuar os seos estudos. I.*va duzentos mil ris
que eu recbi do mcu filho e alunado de-V. Exc, e
por l ficar at se- fazer homem como meu cu-
nhado.
Ruy de Nellas deu um gran* suspiro de desa-
bafo, e disse :
Fallas-me a verdade ?
Como quem se confessa, fidalgo.
Enlo, compadre, o dte por nao dite. Se ei
soubesse que elle estava ainda era tua casa, por
falta de meios, o dinheiro dava-t'o eu, sem ells o.
saber. Quando qne vae |
Esto-so fazendo urnas camisas, e,o mais
tardar, no fim da semana, vae com Deus.
Neste dia noute, Ruy disse a urna das fdtaas :
Vae ao quarto de tua irma, e diz-lhe com
bons modos que venha tomar cha com nosto. A
tempestade est a passar ; preciso que a matis
como (yantes daqui por diantc.
Christina, maravilhada da brandara de sua ir-
ma, deseen sala, e beijou a mao paternal, que se
Ihe offerecia, com affavel sorriso.
Tomou cha, trocou leves palavras com, swas ir-
mas, e volveu ao seu quarto, onde desvelen a nou-
te, scismando na transflguraco de sea pee.
A horas de al moco, passou Ruy de Nellas no
corredor contiguo ao quarto de Christina, e disse-
lhe tocando na porta :
Vae o almoco para a mesa, menina.
Christina estreraeceu, e sumiu emte os coberto-
res a carta que eslava escreveudo enjo periodo
mais importante era assim :
........Como pens que tere liberdade de
descer ao jardm ao fim da tarde, sahirei pela por-
ta da quinta, que abre para a estrada. Se me en-
gaar, ento amanha te avisarei...............
Nao se engaara.
O curioso pae sahiu com ella e suas irmas a
passeiar depois de alnfoeo. Animou-a, depois de
jantar, brindando-a com um vestido defafet azul
para a fesla dos annos da morgada. Ao fim da lar-
de vram-na sahir ao jardim, e a mais abclhuda
das irmas disse :
Pap, olhc quo a Christina vae s...
Deixa-la ir I Coitada o invern j Ihe des-
folhou as rosas que ella ha nra mez ainda rega-
va !... Vae ver as suas plantas... Pobre filha.
que pena mo faz v-la to abatida I...
Christina demorava-se. E o vento assobiava, im-
Vo
correr acerca da recommendago do fidalgo, e
fez que nao entenda. D'ahi a pouco, andava elle penndo contra a janella borrilos de chava.
no pateo a escrever com um pau carbonisado o
seu nome as lages pollidas, e de vez em quando Vossa irma j esl no seu qnarto T I
olhava, por debaixo do avental de saragoga, con- j ver.
tra a janella de Christina As meninas alvorogadas vieram dizer que no
Viram-sc. E elle escreveu a palavra carta, quarto nao eslava ella nem a capa,
olhando de revez e indicativamente para a meni- > Pois nao viram que ella sahiu de capa an
na. Fezollaum gesto deintelligencia, e elle as-1 jardim ? reflectu o pae. Vamos aojardiro, que
nou a primeara palavra com os ps, e escreveu ella deve l estar abrigada da !Nun~
n'outra lage: telhado. Outro signal de compre- tou elle no silencio de sen coracao rondida a
henso, e logo outra palavra : torre, o depois fra-
Chrstna, quando o padre \petro.
de dizer missa. Chamado a! Quera isto dizer que elle ia ao postigo de urna
dar seu voto, o sacerdote; respondeu que obedeca,' especio de pombal, que l chamavam torre ; quej
mas nao aconselhava ; que ira onde S. Exc. o lancava de l a carta ao telhado; e que fosse Chris-
mandasse negociar a recluso de D. Christina, tina trapeira superior ao seu quarto, e colhes-
mas declina va de si f minino da responsabilida- se a carta.
de em urna violenciajiMbre intil, perigesa. A traga teve urna excellente sahda, e at sobre-
Exagitedo pela colera, o fidalgo foi de encontr exceden o pregrmma; porque a menina, reee-
prudencia do padre com tormos ruds; mas a bendo uma.arrojou outra carta liase da torre, e o
humildade do paciento servo despontou-lhe as rapasinho, que era ptimo volatim em esgalhos de
ntroverteu-lh'as no seio em arrependimen- arvores. pendurpu-se pelos ps no banzo do pos-
iras, e introverteu-lh as no seio em arrependimen- arvores. pendurpu
to. Ruy quasi Ihe supplicou o seu voto. Padre ligo, ecom umtrogode aguilhada de seu uso pas-
Joao repetiu o que dissera, e contou a situago era toril arpooa a carte. Estas habilidades que Ga-
do
'. Exc.
mou Christina,
- OSr i hospede-
respondeu o vigario.
Separados! -bradou ella, rorapendo contra
todos os estorvos do pudor, e abragando-se em Ca-
simiro.

at ao
Exceptuada a cumpco deste enorme errraeo Agora vo leontro o dosgracado ahi nonuTem que os deixamos na vigararia de S. Ju-
enormissimo crime de erguer hornera pobre olhosj pela serra, que nao v elle tentar contra a vida, e, lioda Serra, direi que a fuga estava pactuada
affectuoses filha de um Ruy de Nellas Gamboa de
Barbadoo restante do mundo seria contra elle,
se podesse adiviuha lo.
Adivinhava-o padre Joao Ferreira, quando vol
nialando-se, legar V. Exc. urna tristeza pesada desde as primeiras cartas qne se trocaran). As
de mais para seas annos e sua nohre alma. postilhas subsequentes versavam sobre qual cami-
Sahiu o padre, e, ao anoiwcer, encontrou Ca- nho e destino ronvinha seguir. Casimiro lembra-
imiro deitado na trra hamida. com a cabega na i va-se do condisripulo de collegio a qttem dein o
chorar... pobre menina I..
Espretaram todos os escaros do arvoredo, clia-
mando-a a brados.
O lidalgo, esporeando por diabolicsuspeita, cor-
ren iwrta do carro, e achou-a alierta.
Fugiu! exclamou elle. Os criados que saiam
Upos por essas estradas, e... que o matera t
E os criados sahiram lodos na idea... deo ma-
taren! !
At o Jos-pastor li ia na chusma, clamando
que quera tambem matar o ladro da fidalga, e
(cimava que via as pegadas da menina l por uns
eaminhos onde ninguem va cousa nenhuma.
A essas horas Christina e Casimiro transmonta-
vam o cabeco da primeira serra, que desda para
urnas gargantas intransitavels.
Na ante vespera, palmilhara Casimiro o terreno
nado, e orientara-se cabalmente-da d-
v seguir at assomar serra vizi-
nhadeS. Julio.
(Contnuar-f-**.)
PERNAMBIKX).- TYP. lB M. F. F. k FILHO
iMrriLAon}
i
r


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E151N77U6_U2UPRK INGEST_TIME 2013-08-28T01:15:12Z PACKAGE AA00011611_10234
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES