Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10233


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANUO XXXIX HUMERO 253.
Por tres nezes adiantados 5S000
Por (res nezes vencidos 6JJO00
r'A
m

OARTA FEIRA 4 iE HOVEMBRO DE 1863.
Por amo adiai
Porte para o sotocriploT.
i9gooa
3$00U
DIARIO DE PERNAM
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPQO KO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alejandrino de Lima
Natal o Sr.'Antonio Marques da Silva; Arafaty,
Sr A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigas; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL
Alabas, o Sr. Claudino Falrao Dias; Bahia, o
Sr. Jo.: Martins Alvos; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins & Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu*, Goyanna e Parahyba as segundas
sextas-eiras.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruaru',
Altinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d"Alho, Nazareth, Limociro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu" as quartas feiras.
Serinhaem, Rio Forraoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
Illia de Femando todas as vezes que para ali saliir
navio.
Todos os estafetas partem ao >/2 da.
EPHEMERrDES DO MEZ DE NOVEMBRO.
3 Quarto ming. aos 8 m. e 20 s. da t.
11 La nova as 4 h., 34 m. e 14 s. da m.
18 Quarto cresc. aos 12 s. da m.
2o La cheia as 5 h., 16 m. e 20 s. da m.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 6 horas e 54 minutos da manhaa.
Segunda as 7 horas e 18 minutos da urde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagas a 5 e 25; para o norte at
a Granja 7 e-22 de cada mez; para Fernando nos
dias 14 dos maees de jan. marc., maio, jul, set. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipucos as 6'/?, 7, 7 /,, 8 e
8 /i da m.; #e- Olinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao s 6 >/2 da m.; do Caxang e Varzea as 7
da ni.; de Bemfica s 8 da m.
Do Recife : para o Apipucos s 3 >/i, 4, 4 'A, 4'/?,
5, 5 '/j. 5 Vi e 6 da tarde; para Olinda s 7 da
manhaa e 4 '/i da tarde; para Jaboatao as 4 da tar-
de ; para Caehang e Vanea s 4'/da tarde; para
Bemfica s 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relajo: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quinta 10 horas.
Juizo do commercio:. segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DIAS DA SEMANA.

2. Segunda. Ss. Tobas e Victorino mm.
3. Terca. S. Malaquias b.; S. lierbcrtom.
4. Ouarta. S. Carlos Borromeu are. de Milao.
o. Quinta. S. Fabricio b.; S. Leto presb.
6. Sexta. S. Severo b. m,; S. Leonardo eremita.
7. Sabbado. Ss. Florencio e Ernesto bb.
8. Domingo. S. Nicostrate- m.; S. Cartono m.
ASSIGNA-SE
no Beeife, em a livraria da praga da Independencia
ns. 6 e 8-, dos proprietaiios Manoel Figueiro ds
Faria & Filho.
PARTE OFFICIAL.
GOVERM DA PROVINCIA.
dia 30 de ontubro
f.ualinuarao do expediente do
de 1863.
thesouraria da fazenda da provincia de Santa Ca-
tharina, providenciando ao mesrao tempo para que
se descont mensalmente metade do sold desse of-
ficial para pagamento de semelhante divida.
Communicou-se ao brigadeiro eommandante das
armas.
Dito ao mestno.Foi approvado, segundo cons-
ten "de aviso da repartigao da agricultura, commer-
cio e obras publicas, datado de 21 de agosto, sob n.
46, o acto da presidencia, pelo qual mandou pa-
Jacintho Jos de Mello.Informe o Sr. inspector
da thesouraria de fazenda.
Jos Francisco Colho da Silva Vieira. Em
vista da lei nao tem lugar o que requer.
Officio ao brigadeiro eommandante das armas. -
Fra aviso de lo do crrente determinou o Exm. gar sob sua responsabilidade, a grat.ficagao>de....
S^inStSdaSem^rsesse novo titulo loO^OOO, mensaes, vencida pelo capitao do corno
de voluntario ao 2 sargento do 4 batalhao de ar- de engentaros Domingos Jos^Rodrigues de 18 de
de voluntario ao 2 sargento
tilharia a p Francelino Jos Rodrigues, se este
provar con algum documento ter perdido, o que
recebeu na occasiao de assentar praga.
Dito ao mesmo. Remello V. Exc. doze pro-
cesaos do consclho de guerra das pracas mencio-
nadas na inclusa relagao, aOm de serem cumpri-
das as sentengas proferidas pelo conselho supre-
mo militar de justica nos mesmos processos.
Dito ao mesmo.Communico V. Exc. para
seu conhecimento e direccao, que en aviso de 8
do corrente declarou-me "o Exm. Sr, ministro da
uerra haver-se concedido a demissao pedida pe
9 coronel Jos Maria Ildefonso Jacomc da Veiga
Pessoa e Mello, do lugar de vogal do conselho ad-
ministrativo do arsenal de guerra, e nomeado pa-
ra o mesmo lugar o teen te coronel reformado Jo-
s Antonio Pinto. Communicou-sc ao inspector
da thesouraria de fazenda.
Dito ao mesmo-Queira V. Exc. informar so-
bre o que pede o sentenciado militar Jos Maria
dos Anjos no incluso requerimento.
Dito ao mesmo.Juntas adiar V. Exc. para te-
ten o conveniente destino as segundas vias de do-
cumentos pertenecntes ao 2o batalhao de infama-
ra as quaes me foram devolvidas com aviso da
repartigao da guerra de 22 do corrente por tercm
apparecido as primeiras vias.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
listando em termos os inclusos documentos, e nao
havendo inconveniente, mande V. S. pagar a Je-
suino Machado Malheiros Braga, preprieiario do
hiale nacional Camaragibe a quantia de 1592H)
ts., proveniente de fretes de objectos, que no mes-
mo hiate conduzio por conta do governo para o
presidio de Fernando.
Dito ao directordo arsenal de guerra.De con-
formidade com o aviso da repartigao da guerra de
20 do corrente, mande V. S. fornecer companhia
'de artfices 84 estojes ou accessorios, rerolhcndo
a esse arsenal 38 alcapremas que de mais foram
ornecidosa mesma companhia.
Circular todos os juizes de direito da provin-
cia.Para cumprimento de aviso expedido pelo
ministerio da justica em 12 deste mez, informe
Vine, sobre as duvidas que tem occorrido nos pro-
cessos de suspenso intentada aos juizes de direito
na parte em que tem de conciliar-se a disposigo
do art. 232 do regulamento n. 120 de 31 de Janei-
ro de 1842 com as dos avisos de 25 de julho de
1861 e 12 de fevereiro de 1862.
agosto 30 de setembro, pelo exercicio de fiscal da
ponte de ferro do Recife, em razao de nao ter bai-
xado aviso do thesouro, ordenando o pagamento
EXTERIOR.
O archiduque Maximiliano.
A deputacao mexicana, composta dos Srs. Gutier-
res Estrada, general Woll, padre Miranda, Escaa-
don, Aguilar, Hidalgos e Landa, acha-se na Euro-
pa. Antes de dirigir-se Austria a offerecer ao
archiduque Maximiliano a corea de Montezuma, en-
caminhou-se a Biarritz, afim de receber o santo e a
------ _-- HHUUUVtt"90 a JJL1IU., lili uu ivy*.ww v ...---------
dessagratificacao; oque commumcoa\.S. para,senha do autocrata impeTi\t que em definitiva
seu conhecimento.
Dito ao mesmo.Estando em termos os inclusos
documentos, e nao havendo inconveniente, mande
V. S. pagar a companhia Pernambucana de navega-
gao costeira a quantia de 1:899*272, proveniente
de frele e passagens dadas por conta do governo, a
bordo dos vapores da mesma companhia como se Frendinnblalt d lora 0 accordo do irma0 de Pran-
v dos mencionados documentos que vieram anne-1.,___ .... _2. _c_..-..-----_. *. t_.t<,-
cumpre reputar to principal eleitor do novo sobe-
rano.
O archiduque acceita o encargo sem hesitado.
um arbitrio transcendente, cujas consequencias
um principe tao Ilustrado deve ter reflectidamente
ponderado. A iraprensa de Vienna, excepgo do
durante os primeiros annos, debaixo da protcegao,
ou ainda dft dependencia da Franca, esse um as-
sumpto que pode interessar a poltica da Graa-Bre-
tanha on da America do norte; porm que nada
tem com os negocio saustriacos,sobretudo quando os
alicorees do edificio quo se levanta nao sao postos
com os recursos ou com a annuencla da Atistria-
O qoe se pode objectar, o que se pode empre-
hender sob o ponto de vista lnglez ou norte ameri-
cano contra a ereccao de urna monarchia no M-
xico, nio deve ter escapado a S. A. I., porque sem
duvida pesou maduramente o seu projecto, conhe
ce as opinides emittidas acerca d'elle e nao ignor:
que quasi todas sao desfavoraveis.
Tercciro anno.
Luiz Caetano Muniz Brrelo, plenamente.
Jnanuim Riheirn dA>SniMfl Frai*; idpm
Joaquim Ribeiro de-Souza Froes, idera.
Rufiro Tavares de Almeida, simplesmente.
Candido Joseph de Mello e Silva, planamente.
Lino da Silva Bastos, idem.
Luiz Ferreira Maciel Pinheiro, iden*.
Quarto anna
Amcrico Jos dos Santos, plenamente.
Francisco Rodrigues Seixas, idera,
Alvaro Antonio da Costa, idera.
-1 Porfirio Amancio Goncalves, iden.
gnora Quinto anno.
Eduardo Leger Lobikr, plenamente.
Carnetro de Albuquerque Lacerda,
Francisco de Paula Cavatcanti de Albuquerque,
xas aoofllcio do respectivo gerente, datado dehon-
,em-
Dito ao mesmo Transmiti por copia a V. S.
cisco Jos, que considera prenhe de perigos
e dis-
sabores para elle, altamente desagradavel para o
paiz.
O Mxico vegeta ha mais de um qaarto de secu-
para seu conhecimenta e direccao, o aviso expedi- das"facc5es exclusivas, tolerantes, de-
da guerra en 14 do corrente, 1 m .'-,_.,-- ---------
do pela repartido da guerra eui uu.">'<> I vasudoras. Parte" das suas provincias, entre as
autorisando adespeza com a ronslrucsao de um j T a California, foram-lhe arrebata-
cano geral de esgotonesta capital, desde a Soleda-1 ^a,osEstadosUnid fe djspostos a de.
de at apraia do Hospicio e de latrinas que se -Me SUDmetter descendentes da raca latina
communiquem com o mesmo cano nos quarteis do, habitam ai|uel|a opulenta zona do continente
2 e 9 batalhao de infamara, corpo de guarnicao | mericana- v
e no hospital militar.-Fizeram-se as necessarias 0rdcm displina) reSpeto da propriedade, sys-
communicac5es. .___ 1 tema jjnanceiro, nada pode consolidar-sc na malfa-
Dito ao mesmo -Ao chefe de secrao aposentado dada bhca' ^ caudnnos dasfaccoes esto ha-
Francisco Jos Martins Penna, que estevc em1 com- bituado^ a d| r dos dahciros pub|Cos e particu-
missao no arsenal de guerra mande V^ S. abonar, lare CQmo se*,hes pertencessera. 0 povo viu ele-
como se determina no aviso da reparticao da guer-(yar e'dest|tuir presi(ienles com inaudita frequencia.
radelo do corrente, constante da copia inclusa As,, e Qs regulamentos mais iiberaes teem sido
urna grat.ficaco igual a que perceb.a por essa; ,eridos medidas mais retrogradas e expo-
tliesourana quando effectivo, a contar da data em /adoras *^
que deixou de percebe-la at o dia em que termi- Q lerm0 de ,an,os ma,eficios M devido a nvasao
nou semelhante commissao levando-se essa despe-, estrangeira. Nao ,emeridade avancar que, ape-
la a verba indicada no niesmo aviso. 1 Mr da importancia do beneficio, acha-se este man-
D.to ao mesnio.-Mande \. S. PW^*"- chado com um vicio deorigem de difflcil oblitera-
do inconveniente, a quantia MMiniP ?ao. Ortega, Gommonort eDoblado,defendeuPue-
temjire.to a companhia Pernambucana deiMTO- gj miaah^ a ta(,ues do general Forev, sustenta-
gacao costeira, proveniente da subvencao mensal vam uma caUSa p|0 meno| garantida pelos suffra-
com que o governo imperial auxilia aquella com- d(J um p^groso partido mexicano; e
panhia, visto haver ella cumpndo comias condh- ,^ noVnniquiloi de todo o prestigio 1
coes do seucontrato durante este mez, segundo | ona|idade dos % esforcos.
So nada pode abalar a sua resolucao for- Jos Maria
Soso reconhecer a firmeza das suas conviccSes, ain-! idem.
a que pensemos diversamente. Pode deplorarse
a sorte que o aguarda ; mas nao deve olvidar-se, idem. I
que o seu commettimento proprio de animo auda-' Movimento do hospital dos Lazaros, do t" a
cioso. E tentado com plena consciencia da res- 31 de outubro de 1863.
ponsabilidade individual pelas consequencias. Existiam 14 homense 14mulheres, entrou 4 mu-
O Frendemblatt entrega-seavisiveisillusoes,ima- Iher, morreu 1 mulher, existem 14 homen& e 14
ginando que as peripecias mais proprias para dis- mulheres, total 28.O regente, Santos.
Antonio Forreira Braga, Pernambuco, 32 annos,
solteiro, Boa-Vista; colite.
Esmeril, Pernambuco, t annos, Boa-Vista con-
vuleoes.
Basilicia Carolina Rodrigues de Seixas, Monte-
Video, 28 annos, casada, Boa-Vista; ptbysfca
pulmonar.
Dia 3.
Firiuiua Mara da &xceicao, Pernambuco, 5 an-
nos, Recife; tubrculos pulmonares.
Jos Ignacio da Coneeico, Pernambuco, 55 annos.
solteiro, Santo Antonio; gastro interite.
Jos, Pernambuco, 4o dias, S. Jos; ttano.
Fiel de Jess Pinto, Pernambuco, 26 annos, sol-
teiro, S. Jos; tubrculos pulmonares.
Rita Maria dos Passos, Pernambuco, 70 annos,
solteira, Santo Antonio; anazarca.
truir o throno do archiduque nao de consolida-lo
Segundo asmis recentes noticias do Mxico (diz
essa folha) nao pode duvidar-se de que todas as
dissencoes acatarao no momento em que o archi-
duque puzer os ps naquellc paiz. Sem duvida
sera obrigado nos primeiros tempos a apoiar-se so-
bre as baionetas francezas; porm em breve se ve-
r circumdado de numerosa emigraco allema.
Consta igualmente que a corte de Franca se en-
tendeu com os estados confederados para a cessao
do Texas. Conta-se que a populafao d'esta provin-
cia, em grande maioria allema, submetter-se-ha
voluntariamente a um principe allemo. Nao se
receia que de semelhante cessao resulte urna guer-
ra entre a Franca e os Estados-Unidos. Se com-
tudo estas pretendessem involver-se em tal lula a
par da que sustentam contra os separatistas, a
Franca nao recuaria adianto d'essa eventualidade. novembro de 1863 :
Existiam.
Entraram
Sahiram.
Rkparticao da polica
(Extracto das parles do dia 3 de novembro).
Foram recolhidos casa de detenrao no dia 2
do corrento :
A" ordem dolllm. Sr. Dr. chefe de polica, An-
tonio, pardo, escravo de Jos Maria de Albuquer-
que Maranhao, viudo de Olinda, por fgido.
A' orden do subdelegado de Santo Antonio, os
inglezes Thomaz James, Wilham James, Jonn (.rol- ^xtiU& da America acaba ^ apparecer enforcada
llin, sem declarado do motivo; Gypriano, ain- de uma maneira sngu|ar uma rapariga desconhe-
riila. cuja morte parece ler a origen mais extraor-
UM P0UC6 DE TUDO.
Na Allemanba e naSuissa cuntam-sd vinte e se-
te universidades, que reunem, no todo, 19,069 es-
tudantes.
As mais frequentadas sao as de Berln, qual
concorrem 2,708 estudantes, e a de Vienna, onde
estudam 2,123.
As menos frequentadas sao as da Suissa : a de
Bale conta 98 estudantes, e a de Berna 30.
Escreve uma folha de New-York, que n'uma das
cano, escravo de Manoel Goncalves
Silva, por embriaguez e disturbios.
A' ordem do da Boa-Vista, Manoel Rodrigues
Campello, pardo, por hriga.
O chefe da 2 seceao,
/. G. de Mosquita.
MeTimcnto da casa de detencao do dia 2 de
provavel ao contrario que a deseje para ter en-,
sejo de intervir a favor dos confederados.
Seo imperador Napoleao quizesse intervir a fo-
vor dos confederados preciso confessar, que te-1
ria encontrado opportunidade mais propicia ha oito \
ou dez mezes. Hoje, a resistencia armada dos se-;
paratistas vae cedendo em todos os distrietos su-
perioridade de recursos dos federaes. O general j
Grant, o mais feliz dos caudilhos do norte, sahiu j
de Nova Orleans frente detrinta mil homeus para
oceupar esse mesmo Texas, que o Frendemblatt se
lisongeia de annexar ao Mxico. Ha todos os indi-'
cios para acreditar, que nao haver meio de obs-
onta de offlcio do resnectivo gerente datado de mSMmfm'. ""V"1. ""y?** ^ __, tar preponderancia de uma forca tao considera-
E certo que os vencedores francezes procuran vel n'mprovincj;, onde apeia* das tendencias
rnrru rnr cnneinalnna aeinveamln a reeencia__.:r.j.__.. _i____._ .___________ ..>:,._
a sua
na-
A saber :
Existem.
27 do corrente.
Dito ao niesmo.
Declaro V. S. para seu co-
dar uma cor conciliatoria, aggregando regencia
de Almonte, e do arcebispo, un general beraquisto
nhec.mento quefo.approvada comomeconstou ^ A d seme|han',e cuidad0i as
deav,sodel2docorrcnte,adel.beracaoquetome..t v-Q ciand dema.
de mandar contratar um pharmaccut.co civil para siadamenU, A ^^ do geFneral Miraraon a in-
aS^o^SS3^^^
antifederaes,no existe tropa em numero sufftcien-
te para repellir os invasores.
Por outro lado, desconhece-se redondamente a
Nacionaes. .
Estrangeiros
Mulheres .
Estrangeiras
Escravos .
Escravas .
350 presos
6
354
247
27
8
3
63
6
354
Alimentados custa dos cofres pblicos. 145
Movimento da enfermariado dia 1 de novembro
corrente :
Tevc baixa
ndole dos novos subditos do archiduque, admittin-1 Jos Corroa de Mello, urticaria.
do que possam encarar sem ciume e sem rivalida-1
Os descen-
; completam as fecoes do progrmala governamen-1 d(,nte-s dos hespanb5cs an"tipathisam naturalmente'
Officio ao Exm. bisp^ diocesano.Havendo Sua
Magestadeo Imperador mandado declararme por
aviso do ministerio do imperio de 20 do corrente,
que quando os ttulos dos pastores das rellgiSes
toleradas, de que trata o art. 52 do decreto n. 3,069
de 17 de abril ultimo, forem passados em lingua
estrangeira, deven ser a presentados com tradc-
elo por pessoa legalmente habilitada para ser lan-
rado o -vistonos termos do citado artigo, tanto
fio original, como na tradueco authentca com
eclaracao de que desta traducejio que se far o
registro": o que communico V. Exc. para seu co-
nhecimento.
Dito ao Exm. presidente da provincia de S. Pau-
lo.Accuso recebido com o oflleio de V.'Exc. de
10 do corrente, duas collcccoes das leis promulga-
das nessa provincia, no corrente anno.
Dito ao Exm. presidente da provincia das Ala-
gas.-Recebi, com o oflicio de V. Exc, de 23 do
corrente, dous exemplares do relatorio que apre-'
sentou V. Exc, por occasiao de passar-lhe a ad-
jninistracao dessa provincia, o Dr. Antonio Alvcs I o
estrangeiros
Communicou-se o brigadeiro" eommandante das 23f'SjS t?llZT:I
armas.
Dito ao mesrao. Expeca V. S. as suas ordens
para q ue um Jos empregados desta reparti^o y
passar revista de mostra a forca da guarda naci
nal destacada nesta cidade no da 2 de novembro
vindouro s8 horas da manhaa.-Communioou-se aa"^0chn!g2S. rom^end os sosl P?de ^ que os talentos, a dedicacao, a solhc.lu-
ao eommandante superior da guarda nacional do ^"Jl^1^^^ de do principe austraco consigan algoraa cousa
tal. O personagem em questo o predilecto ele-. om 0$
rica!, o que durante a sua presidencia prevocou'
geral reaeco pelos p
res libcralisados a uma
vel. E' tambem conhecido:
'riv glo im^undUs fX |e o arcUhiqUc*urajur a .seu iofluxo, mais proba- %^?^
irivnegis, iuiiiiuiiiu*uos, u bl|1(jajc ,era dw fX!M excilar 0 resen miento do ,ian :. ., ',
npa classe v.ngativa o insacia- h vai t.ago Luiz Margte 1
iec.dos por ter, em 18o9, de- p.' .MhiA a snllicitu- tS^JmSL^SE
, das armas inglezas, ajioderando-se da quantia de
Recife.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Tomando em considerado o que V. S. expoz em
seu officio de hontem, sob n. 540, relativamente ao
emprestimo de 6:0005000 que mandei fazer San-
ta Casa da Misericordia para a conclusao das obras
do seu antigo hospital de Olinda, tenho dizer em
resposta que esse emprestimo pode ser effectuado
mesmo em pequeas quantias atienta a necessida-
de que lia de taes obras.Communiceu-sc ao des-
embargador provedor da Santa Casa da Miseri-
cordia.
Dito ao director do arsenal de guerra. Com-
munico V. S. que por aviso de 21 do corrente
rae foi con:
deSooza-Carvalho. *, c&^^
Dito ao brigadeiro eommandante das armas.- nal -Commun.cou-se ao inspector da thesouraria ^ ^-lo as ideas que o reverendo profes-
Em resposta ao oflicio que V. Exc. me dirigi sob de *-na*: m,rinha Pnns- &> vigorosamente auxiliado pela curia romana, a
ji. 2,010 e data de 28 do corrente, cabe-me d.zcr- Dito ao inyector do arsenal de mannha-Lons- > e deSpresar o ensejo de recommendar a
Ihe que j sohctci do governo imperial providen-; tando-me de aviso da reparliao da marraba de 17 L^JTT _
cias para que o alienado Joaquim Antonio Seve,! do corrente, que se concedeu a exoneraeao pedida
- por Joao ISunes Correa do lugar de mestre d armas
da companhia de aprendizes marinheiros desta
600:000 pesos" duros, destinada ae pagamento do
dividendo aos credores do mercado de Londres.
Quando, no comego da expedicao, elle tentou de-
sembarcar em Vera Cjuz, sir Charles Wyke man-
dou prende-lo, e ordenou que fosse reconduzido
Cuba. '
O padre Miranda, membro da deputacao, exer-
ce consideravel influxo no arcebispo monse-
nhor Labaslida, e nos prelados seus compa-
triotas. Dotado de genio inquieto, enredador,
foi o assessor de Almonte, arvorado em governa-
I dor de Vera Cruz, promulgando decretos absurdos,
que excitaram universal opposicao. Obrigou as
sssss sgssz&msss*
-capitao da guarda nacional, seja recolliido ao hos-
pital Pedro II, Visto nao poder ser conservado no
hospital militar, onde se acha, nem ser possivel
manda-lo para o hospital de carniade.
Hito ao mesmo Sirva-se V. Exc. de mandar re-
collier casa de detencao o sentenciado de justica
Antonio Gomes de Sonza, que se acha empregado
nos trabalhos de fachina do quartel do 2o batalhao
de infantaria, visto que pode ser dispensado desse
servico, como V. E\e. informou em seu officio n.
1,988, de 26 do corrente.Communicou-se ao Dr.
chefe de polica.
Dito ao mesmo.Com as inclusas copias das in-
formatoes ministradas pela reparticao da polica,
em 28; do corrente, respondo ao oflicio de n. 1,574 e
data de 2 de agosto ultimo, com que V. Exc trou- j
xe ao meu conhecimento a representagao que de-!
volvo asignada pelo 2" tenentc Antonio Carlos de
Oliveira e Mello.
Dito ao mesmo.Em aviso de 10 do corrente,
declarou-me o Exm. Sr. ministro da guerra haver
expedido ordens, para que o individuo, que, como
escravo reclamado por Jos Caetano de Albu-
querque, e que tem praca no exercito, com o no-
ine de Silvestre Manoel Vicente Ribeiro, venha para
esta provinciana primeira opportunidade, afim de
ter execucao o disposto em outro aviso datado de
20 demarco ultimo : o que communico V. Exc.
para seu conhecimento e direccao.
Dito ao mesrao.A" vista do disposto no aviso
da reparticao da guerra de 21 do corrente, cons-
tante da copia inclusa, sirva-se V. Exc. de mandar
averbar na f de offieios do tenente do 9* batalhao
Leopoldo Borges Galvao Uchoa, os elogios que se
girado a certido junta, elle leve em ordens do dia
dos batalhoes 5" de infantaria, em 26 de mao de
1856, e no 10 da mesma arma, em 31 de agosto de
1855.
companhia
provincia : assim o communico V. S. afim de
que proponha pessa idnea que possa ser nomea-
do para o referido lugar, como se determinou em
dito aviso.
Dito ao cnsul de Portugal. Respondo ao ofli-
cio que em 26 do corrente me dirigi o Sr. Dr.
Jos Henrique Ferreira cnsul de Portugal nesta
provincia remetiendoIhe por copia as informacoes
que mmistravam os inspectores da thesouraria de
fazenda e da alfandega acercados direitos exigi-
dos pelo despacho dos objectos a que allude o cita-
do ollicio.Renov ao mesmo Sr. cnsul, os meus
protestos de estima e consideragao.
Dito Francisco Alves Cavalcanle Camboim. -
Communico V. S. que por imrtaria de 9 do cor-
observancia da sua mnita.
Trata-se de realisar um emprestimo consideravel
para o Mxico. Mr. Fould acode para lancar a
niao aos trezentos milhes despendidos pela Fran-
ca; achando-se anda o contrato em embryao.
U archiduque oppoe-se ao inmediato cerceamen-
to ; e as diflculdades aggravam-se pelas con lices
que elle julga dever exhibir no intuito de dar al-
guma consistencia ao seu reinado. O governo bri-
tannico, que espera tirar vantagens da pacilicagao
d"aquella parte da America, embolsar gradualmen-
te os seus crditos, restabelecer a actvidade do seu
commercio, contempla com prazer a acceitacao do
archiduque. Redobra as diligencias para segurar
os seus bons ofllcios, j permittindeIhe um recru-
tamentode oito mil irlandezes para guarda da sua
pessoa; j interpondo o valimento para propiciar
os capitalistas do Lombard-Street, induzindo-os a
concorrer para o emprestimo. Lord John Russel
Passageiros do vapor nacional Priitceza,
\ sahido para os portos do sul: Antonio Ramos da
e quanto menos d esta gen- S||va Gusmao, Jos rtlves do Reg, 2 cadete Jos
soldado Manoel Vicente San-
cadete Bernardo Rabello da
Augusto Magno de Mello Mattos,
Ignacio Antonio Fernandes, Domingos Ramos de
Araujo Pereira sua senhora, Francisco Perera de
Oliveira, Manoel Bezerra Guedes, Amaro Paulo
Martins Filgueira, Antonio Ribeiro Pacheco de
Avilla, 1 escravo de Joo da Motta Freir, i escra-
va da baroneza de Itamarac, Jos Joaquim Ribei-
ro de Campos, L. Alfredo da Silva, Luiz Busck,
Jos Leandro Menezes Filgueira sua senhora e 2
meninos, Jos Nunes Guimaraes, frei Bento
de Santa Florencia, frei Antonio de Santa Anglica
e 1 criado, Eugenio Adriano Pereira da Cunta e
Mello e 1 escravo, Antonio Correa de Menezes, Jos
Ferreira de Magalhaes, Jos J. A. Metto, D. Claudi-
na Amelia de Mello, frei Manoel do Amor Divino,
Manoel Jos Cabral, Jos Caetano da Silva, Tibur-
co Alves de Carvalho, Bento Jos Pereira, Manoel
Fonton, Jos Maria Ribas Garcia, Francisco Blanco
Lage, Jos Joaquim de Oliveira, Delfina Soute, 1
filha menor, Victorino Antonio do Sacramento,
Joaquim Rodrigues de Oliveira, 7 escravos de S.
No balango a que se procedeu na thesouraria Guilherme de Barros, Manoel Joaquim de Faria,
provincial, no ultimo do mez findo verilicou-se a Antonio preto liberto, Sadoo preto liberto, Antonio
existencia dos seguintes saldos as diflerentes cai- Joaquim Ribas Jnior e 1 escravo, Dr. Jos Anlo-
xas que jogam no seu mecanismo: nio Gomes, Thomazia das Merces preta liberta, 4
Exercicio de 1863 64.....31:2615809 escravos de Joaquim A. P. Serodio, 1 escravo de
Calcamento............... 1:890^300 [ David Ferreira Bailar, 2 escravos de Joao Alves
(Dinheiro. 4:1655267) Cruz, 2 escravos de Ferreira & Araujo, 1 escravo
Depsitos/ Accoes... 1335600} 390:5145076 de Manoel A. G. Ferreira, 1 escravo de Maria Joa-
(Letras... 386:2155209) quina das Merces Ferreira, D. Thereza Joaquina
diara.
A infeliz rapariga foi enforcada dentro do tron-
co cavado de uma arvore secular.
Um buraco, aberto no tronco sustinha o lago quo
foi posto no cavado do tronco, aonde, collocada era
p a victima, Ihe apertaram a corda pelo lado op-
posto.
O cadver foi encontrado em p, descangando os
ps nimias pedras e preso pelo pescogo ao lago.
Na cabega tinha posla por escarnco uma cora
de ramagem, e na mao este letreiroReino depois
de mora !
Ignora-se quem commetteu tao horrivel crime ;
mas ha nelle uro grande myslerio de malvadez.
Uma senhora que se occulla sob o anonymo, teve
a bondado de nos inderegar varias poesias.as quaes
serviam as seguintes linhas de apresentago. Agra-
decendo-lhe as bondosas expressoes que se refe-
rem nossa pessoa, comegamos a publicagao_ que
nos solicita, como um testemunho de admiragao ao
seu estro.
t Sr. redactor da Revista Diaria.Sendo eu una
constante leitora do seu precioso jornal, e vendo
que Vmc. semorc acolhe con benignidade, aquel-
les que Ihe enviara algum pensaraento, ou poesa,
para o seu, i'm ponco de tudo, vou tambem pedir
o obsequio, de estampar estes toscos versos, em
alguma occasiao em que nao tenha para o oceu-
par, obras de mais aprego.
c Nao sou poetiza, e por isso estes versos nao
sao mais do que fracas inspiragoes das minhas ho-
ras mais tristes.
Se Vmc. vir que nao sao dignos de ser publi-
cados, entao deixar niorrer no esquecimento ; e
si pelo contrario entender que sernpre merecem
alguma attengao, publicando-os mui grata Ihe fi-
car
Urna anowjma.
t Recife, Io de novembro.
DESALENT.
Quando na soldo a sos comigo
Medito neste mundo de llusao,
Quo do triste mortal, que nelle existe,
Nao mais do que ephemera prisao...
Tanta luz... tanta luz, meu Dos e logo,
L na eampa, o horror da cscuridao I...
Quando me lembro, que o olhar fagueiro,
O louco riso, que s diz prazer,
Occulta s vezes uma dr pungente,
Que s com a morte pode se esquecer !...
Que a vida toda encerra fingimento,
Que mil martyrios s nos faz soffrer I...
Meus tristes olhos se anuviam em pranto.
Da face pallida mais se embaga a cor...
as debis veas se congela o sangue,
E o peito sinto me estalar de dr !...
Aos cos quizera remontar meus vos,
Dexar o mundo, que me causa horror 1
L-sc na Revoluro de Setembro. sob o titulo O
Temos reclamagoes sobre um fabrico que vai de Jess, Joaqun Puntes de Miranda c.l escravos, Qn^ ^ Qx m(,ns r(|SomnfwyOJ> a seguinte es-
no sentido da ordem, da reorganisacao, da estabi-
lidadc do Mxico. Se porm attentarmos para as
suas aflinidades clericaes ; se metter-nos em linha
de conta os precedentes e as aspiracoes d'aquelles!
que o procuram, e que nao de aco'mpanha-lo, pa-
rece-nos difllcil deixar de concordar com a quasi
total dio. da iraprensa austraca. Se de esperar
que Maximiliano nao tenha a sorte de Iturbide;
muguen desconhece a probabildade de encontrar
o desenlace contemporneo de Faustino I do Haity.
(Jornal do Commercio, de Lisboa.)
REVISTA DIARIA.
pelo caes do Ramos at as edificagocs do Franca, Dr. Galdino de Carvalho Andrade
dzendo-se-nos que delle podero resultar conse- lillios 2 escravos e 1 criado, Fortunato da Rocha e
quennas falaes, em razo de haver cnchente de ; Silva, Jos G.Guimaraes, Dr.Americo Jos dos San-
Dito ao mesmo. -Annuindo
inspector da thesouraria de fazenda, em officio
hontem, sob n. 822, recommendo V. S. a exped
8lff aoaeTgnenhSro{Zquim Pires Carneiro Mon- S^tt^^^X^MSS
t~rn__Upcptii n ^^^^SSt^ o p^ no caso de ^^"SSS^gS-Si"
aviso do ministerio da agricultura, commercio e Jhiduque MmZ^^SJf^i^
nhra m.Ste. ,1,, io rin^rr^niA mu Vmc. des- 'cito o hornera da confianga do povo mexicano ; se
serviudo nertencente ao mesmo ministerio desde ses nacionaes ; se procura realisar a regeneragao
que s ^finff ?Sc ^que eTtava^Sdo. f umaragaporjargo espago oppnmKi^pode con-
Dito cmara municipal de Villa Beila.-Em t com afo e "^ rf'b"^
resposi^ao officio da cmara municipal de Villa "o. Se comtudo.a experiencia Mtn-
Bella diado de 12 do corrente, tenho a dizer-lhe conisada eleigao nao passou de uraivandm.Uettran-
que appovo as arreraatagoes dos imposlos de que *r ao Mxico servir de insbumento a no-
solicitou o trata os termos de contratos annexos ao seu citado lltic* <*e Napoleao ; se se provar jjue nao possue_os
officio de officio, devendo porm serem postos novamente suuragios do paiz o gabinete de S. James de nodo
expedic-! em praca os do agude e aferges que por falta de ^W se compromettera a sustentar uma candida-
a o uharmaceutico do licitantes deixaram de ser arrematados. tui"a impopular e sem raizes. .m. _u
^nl.f mflit oV o e, parecer acerca dos precos Portara. Os Srs. agentes da companhia Brasi- H. A Preste de Vienna anouuciando a prxima che-
^Sp^i^mentos con< un tes do incluso Sa- leira de paquetes vapor, mandem dar transporte B***. deputagao mexicana, diz :
^^fZ2TtM^fawM?P^AM at o Rio Grande do Norte, no vapor Tocantins, .E lio e averiguado que o archiduque se acha
i!0* Xl c?^!Sl(rmS^d^^:^ lugar de r destinado passageiro de esUd decidido aarriscar-sc na aventura dalenidoAtlan-
**T ?",S cholera n,obus na Se a de S Fr. ao i- escriturario da thesouraria de fazenda des- f>, e que se limitar^ apresentar algumas condi-
PeTro Goncaes doRece ta D"*" rnardino de Sena Guimaraes. oes de possivel solugao.
Ll)ito ao inspector da thesouraria de fazenda. ;
Transmuto V. S., para os convenientes exames,
as inclhsas copias das acias do conselho admiviis-
A primeira ser naturalmente a autorisagao do
Expediente do secretario do goverae. I imperador, se a nao houyer oblido antes. Nraguem
Oflic/ao bacbarelCypriano Fene.on GoA.'E L^'^riTS'a'mS''"
agurdente por aquella paragem, de modo a poder
dar-se mui fcilmente algum incendio.
A isto acrescenta a noticia que tivemos, que de
quarta para quinta ia-se all incendiando uma ser-
rara de madeira, proveniente de causa igual a
essa assignalada.
A quem possa competir, pois, cumpre averiguar
o que ahi (ka dito, para providenciar a respeito
com a medida que couber no caso.
Hoje comeca o concurso para preenchimento
da vaga de 3o escripturano existente na thesoura-
ria de fazenda.
Ainda nao deu-se providencia alguma no sen-
tido de fechar-se o edificio do Gymnasio, como te-
mos aconselhado pelas razoes produzidas.
. Ainda, pois, insistimos pela satisfagao desta nc-
cessidade, visto que alm do mais converteram ago-
ra os gaatos aquelle edificio em corpo de guarda,
passando as noites em gritosns armascom hor-
rivel incommodo dos moradores adjacentes.
Acham-se de mez nos diflerentes estabeleci-
mentos cargo da Santa Casa de Misericordia os
seguintes mordomos :
Barao do Livramento, no collegio das orphaas e
hospital dos Lazaros;
Tenente-coronel A. Carlos de Pinho Borges, no
collegio dos orphaos e casa dos ex postos;
Dr. Antonio Maria de Farias Neves, no hospi-
tal Pedro II.
Um soldado do 7- batalhao, que fazia parte
da guarda que existe na igrejadeS. Jos, fracturou
hontem pela manhaa uma das pernas, sobre a qual
cahio-Lhe uma porgao de madeira, produzindc-lhe
esse desastre.
Foi conduzido para o hospital, afim de ser tra-
tado.
O delegado de Goianna realsou no dia 28 do
nassado a prisao de Marcelino, escravo do capitao! piexia.
Antonio Guedes Gondim, por ter dado uma punha- Joaquina Mana da Concedo Pernambuco,
lada no dia anterior, em um seu parceiro de nome | n"05- YAUV?> J ,oso;
Sebastiao, o qual ficava em perigo de vida. Fez- Theodora Mana oo
mo de acceitar por sua conta e risco a missao a
uavofto arsenal de guerra, datadas de 14 e 23 do A.coforado -O Exm. Sr. presidente da provincia ^ juTchA o mto grad deto a, d
corrente. manda declarar a V. S., era resposta ao seu officio T5SS^^rLlm de so-
Dito ao mesmo.-Respondendo ao oflicio que V. de boje, que fica inteirado de nao poder V. S. era ?"maaes "'tierenles, eque b. A. i. connece ue
S,medirigiohon.cm,sobn 5, tenho a dizer que ^^^^^^^^^ Vo archiduque nao pede felizmente auxilio de
SSSTSSAC a^^K-.=- ^r
pode mandar pagar, sob minha responsabilidade,
nos termos do decreto n. 2,884, do 1 de fevereiro
do anno prximo passado, a ajuda de custo que
competir.ao deputado assembla geral legislativa
pelo 4o districto eleitoral desta provincia, hachare!
Jos Leandro de Godoy e Vasconcellos, visto nao
haver crdito para esse fim, segundo consta do seu
citado officio.
Dito ao mesno.-Remetto incluso por copia o .'"'""; ""uoarYeual de marinh, constante tagehs inherentes ao seu nasciniento, e sua posi-
aviso da reparticao da^guerra de 1 o corrente. na ia iMpego do arsenal marran cunsw jg ^ austrlaeo, as suas reso-
^c^^aJ'Seted^b^R dVrandwBringuel de Almeida Guedes.-Satis- ugoes dividuaes deixara de estar em contacto
^n^S^^^^^a^^imiaKxl'' faca a exigencia constante do oflicio do brigadro cm os Interesses e apoltica da sua patria actual.
Antonio Jos Per? '3U"1* "fj?'^(|ue 1 la.5i_. .?, a d 30 de nniubi oxl- Se o archiduque consente em eollooar a monarchia
que se lisongeia de fundar na America, ao menos
curador fiscal da
municou-se ao inspector da thesouraria provin-
cial.
Despachos do dia 2 de novembro de 186o.
Requerimentos.
Antonia Maria da Conceigo. Nao ha vaga.
Carlos dos Santos Gondim. Satisfaga a exigen-
sacrilicar-lhe a posfcao e direitos como prximo p-
rente da casa imperial. Nao ha, pois, motivo para
obstar a que obedeca profunda conviego que o
impelle irresistivelmenle a consagrar-se a uma ta-
refa, que nao deixade ser grandiosa.
Desde que S. A. I. faz o immenso sacrificio da
completa renuncia de todas as prerogativas e van-
tos, Augusto Ernesto de Siqueira, Dr. Jos Ricardo
de Carvalho e 1 escravo, Guilherme africano livre,
Manoel da Costa Franco Sacavem, frei Joaquim do
Espirito Santo, Manoel Jos de Menezes Brandao e
1 escravo, Devcliciano da Rocha Miranda c 1 es-
cravo, 2 pracas, soldado desertor Jos Ferreira da
Silva, Dr. Manoel C. de Oliveira Tasso e 1 escravo,
Luiz Antonio, Dr. Jos Alves da Silva Pereira,
Guilherme Amazonas de S, Arnobio Jos Pe-
reira de Albuquerque e 1 escravo, Pedro Manoel
Ferreira da Silva, e sua senhora, Jeronymo Jos
de Santa Anna, Jacintho Francisco de Oliveira,
recruta Joao Francisco Barroso da Silva, 18 escra-
vos entregar.
obituario do da 29 de outubro no cemite-
rio publico:
Maria Isabel Alves Ferreira, Pernambuco, 57 an-
nos, solteira, Boa-Vista; tubrculos pulmo-
nares.
Cypriana Francisca Ramos, Alagas, 25 annos,
solteira,Boa-Vista; hypropezia.
Dia 30.
Anacleto Jos Vieira, Babia, 24 annos, solteiro,
> Boa-Vista ; tubrculos pulmonares.
Theodora, escrava, Pernambuco, 40 annos, sol-
teira, Boa-Vista; tuberculat pulmonares.
Alexo do Prado, Hespanha, 62 annos, solteiro, San-
to Antonio; apoplexia cerebral.
Manoel Cocllio, Portugal, 62 annos, viuvo, Santo
Antonio; erysipela.
Victorino, escravo, frica, 40 annos, solteiro, Boa-
Vista; anemia.
Dia 31.
Malsina, escrava, Per ambuco, 33 annos, solteira,
Boa-Vista; inflamagao.
Manoel, Pernambuco, 4 horas, Boa-Vista ; apo-
P'exia-..... .,- y)
tatistica .
Segundo uma curiosa eslatistica publicada pelo
governo inglez, a proporgao dos casamentos com
a populacao no anno anterior, foi de 1 por cada
106 habitantes naPrussia, de 1 por cada lil na
Russia, de 1 por cada 117 na Austria, de 1 por
cada 122 na Franca e Blgica, de 1 por cada 124
na Noruega, de 1 por cada 12o em Inglaterra, de i
por cada 128 no Hannover, de 1 por cada 129 na
Dinamarca e Hollanda, de 1 por cada 135 na Sue-
cia, de 1 por cada 141 em Hespanha, de 1 por cada
160 na Bavera, de i por cada 174 na Grecia.
O jazigo real de S. Vicente de Fra onde em
breve deven ser depositados os preciosos restos do
Sr. infante D. Joao, tem depositados os restos mor-
taes dos seguintes membros da familia braganti-
na. segundo se v da excellente noticia histri-
ca, que acaba de publicar o Sr. J. M. D. C. Tava-
res :
Res. -OSr. D. Joao IV, nascidoem Villa-Vicosa
a 19 de margo de 1604 e fallecido em Lisboa a 6
de novembro de 1656, em magnifico tmulo de
pedra. .
O Sr. D. Alfonso VI, nascido emJLisboa a 21 de
agosto de 1643 e fallecido em Cintra a 12 de se-
tembro de 1683.
O Sr. D. Pedro II, nascido em Lisboa a 26 de
abril de 1648 e fallecido em Alcntara, junto a
Lisboa, a 9 de dezembro de 1706.
0 Sr. D. Joao V, nascido em Lisboa a 22 de ou-
tubro de 1689 e fallecido era Lisboa a 31 de julho
de 1750.
O Sr. D. Jos I, nascido em Lisboa a 6 de Junho
de 1714 e fallecido no palacio de Nossa Senhora
da Ajuda a 24 de fevereiro de 1777.
O Sr. D. Pedro III, nascido em Lisboa a 5 de ^u-
Iho de 1717, e fallecido no palacio de Nossa Se-
nhora da Ajuda a 25 de maio de 1786.
O imperador e rei o Sr. Joo VI, nascido em.
Queluza 13 de maio de 1767 e fallecido em Li
boa no palacio da Bemposta a 10 do margo de
1826.
O Sr. D. Pedro IV, nascido em Queluz a 12 de
Rogo, Pernambuco, 21 annos,
e a competente aria e prosegue-se nos termos y^^^'^^^l^Sir^ San- j outubro de 1798, e fallecido tambem en Queluz a
tenores do processo. aria, estrad, m lt"?> V""" j al ., ..... j m-n
- Depois d'amanhaa se extrahir a lotera ex- to Antonio; hypetrophia Jo iW)
traordiniria, com o maior premio de 10:(K>05000, Antonio Basilio da Tnndade. Pernm^ an"
da 2* da Santa Casa da Miseri-, nos, solteiro, Boa-Vista; plenopueumoma.
!. de novembro.
sendo a 3* parte
cordia.
Fzeram
acto
naFaculdade de Direito, no'Malina, Pernambuco, 10 annos, Santo Antonio;
arma e naquella data se mandou iqdeipnisar pela i mo frado, por copia inelusa:
da 4 de novembro, os seguintes estudantes:
Primeiro anno.
Antonio Joaquim Ribas Jnior, plenamente.
D. Carlos de Souza da.Silveira, idem.
Arnobio Jos Pereira de Albuquerque, idem.
Eduardo Augusto da Silva, idem:
Segundo anna
Joaquim Pontes de Miranda, plenamente.
Leonardo Francisco de Oliveira, idem.
Joaquim Guedes -Crrela Gondin, idem.
Jos Ignacio do Albuquerque Chavier, simples-
mente,
dentigo
Maria Joaquina de Jess, Pernambuco, 21 annos,
solteira; parto.
Francisco, Pernambuco, 7 annos, Boa-Visto; den-
tigo.
Cecilia Rosa Pereira de Brito, Pernambuco, 63
annos, viuva, Santo Antonio ; gastro hepatite.
Dia 2.
Alexandre, escravo, frica, 60 annos, solteiro,
Recife; paralisia. *
1 Jos Francisco Teixeira, Pernambuco, 55 annos,
i casado, S, Jos; hepatite chroaica.

24 de setembro de 1834.
0 Sr. D. Pedro V. nascido em Lisboa a 16 de
setembro de 1837 e fallecido no palacio das Neces-
sdades a 11 de novembro de 1861.
Rainhas.A Sra. D. Maria Sophia Isabel de
Neuburgo, allema, nascida em Breval, no duca-
do de Juliers, a 6 de agosto de 1666, e fallecida em
Lisboa a 4 de agosto de 1699, segunda mulher do
Sr. D. Pedro II. \f
A Sra. D. Maria Anna de Austria, allema, nas-
cida em Lintz a 7 de setembro de 1663 e lallecida
era Belm a 14 de agosto de 1754, mulher do Sr.
D. Jlo V.
A imperatrlz rainha, a Sra D. Carlota Joaquina
de Bourbou, castelhana, nascida, a 25 de abril de
1775 e fallecida em Queluz a 7 de Janeiro de 1838,
mulher do Sr. D. Joao VI,
MUI
<

y




Diario de PernaAfthilo *. Qnarta felra 4 de Xovembro de 18S.
M
A Sra. D. Mari! If, nascda no Rio de Janeiro a
4 de abril de 1819 e fallecida no palacio das Ne-
cessidades a 15 de iiovembro de 1833, lilha d?
Sr. D. Pedro IV, e mnlherdo Sr. D. Fernn o II.
A Sra. D. Estephania de Hohenzoltern Sinarin-
gen, nascda a 15 de julho de 1837, e fallecida a
17 dejulho de 1859, mulher do Sr. D. Poro V.
PRINCIPES, INFANTES K INFANTAS aLLEC!DOS DESOfi
1653 at 'ilj6j
Fhos do Sr. D.Jofi^ ,y_^ principe D. Theo-
dosio.
A
'".'.rtota. ioanna.
do corp-nC|
ir>t!la, quando elles'triinsmd'os, os elementos pre-
cisos para o jogo das transaegoes mercantis, e para
o floresclmento da agricultura, ramo este de indus-
tria, qae a molla real da futura riqueza do paiz.
E. fatal a sua influencia, quando ella viza, alera
I le tudo, um desidertum todo estranho sua mis-
sao, nocivo ao desenvolvimento moral e poltico da
provincia, onde se acha instituida, e busca era ca- barque
da opportunidade abastardar as ideas o os senti-; portar,
mentos do povo e inocular nos espirito* affeitos | Dspois
'-(tercio e da populacao, deflnham na razao* fadada provincia, malfadada, apesar de
cm seus recursos naturaes e rica em tas va*
communicaco.
Alm dos males apontados, registramos o nao
cumprimeato da 18* condicao do contrato de 10 de
outubro do 1857, que obriga a companhia edificar
--"
, recer esta- prova de sua honrosa conflanca,
e teret no naaior aureco e agradecimento a
parte que V. S. se dignar de tomar em
miriha eleigao.
Com a maior consideracSo e eslima sou
pontos, tetheiros e edificios, quejulgar neeessarios de y. S., patricio e correligionario obrt-
ao abrigo dos passageiros, acondicionamcnto, em- v wwwiwwiw wi

*.
\
obediencia as leis e autoridad o principio des-
organizador, da deicrenca social e da inconsidera-
co aos agenles do poder.
E sobre ser fatal pcrigosa, se por ventura sua
accao malfica raminha era progresso, sem depa-
rar com urna forca reactora, queadetenha emseus
projectos de dominio, ou Ihe contrabalance com i
vantagtm, faze-la entrar na rbita de seus deve- principal
res. Nesse estado, a empreza em ver de ser um portas.
e desembarque dos gneros, que trans-
de ter-se lutado por mniU) tempo com
esta falta, que o presidente da companhia emen-
de conveniente declarar no seu relatorio lido aos
accionistas, este anno, o segnlnte: se quizerinos
conservar a metma preferencia no transporte das
cargas, carecemos d offerecer novas facilidades,'
alm das que koji sSo julgadas su fluientes para
esse serrico, e nesse numero entram como parte
as pontes e depsitos nos diferentes
gado.
Urbano Sabino Pessade Mello.
Recife, Io de setembro de 1863.
bem, um mal, em vez de ser o motor da prospe- i Quando se erguer esta mimoso valle da Ame- postos de toda a casta de mineraes, apresentemos Antonio de Assis Macario
ecaden- rica do estado marsmatico, em que se acha, para ; um delicioso confejto vegetal, prompto e nfallivel Anizio Venesliniano Ferrei
tflko's do 9r- O. Pedro 71.-O principe D. Joao.
O infante D. Francisco.
O infante D. Antonio.
A Infanta D. Thereza.
O infante D. Manoel.
A infanta D. Francisca.
Filhos do Sr. D. Joo V.O principe D. Pedro.
O infante Carlos.
O infante D. Alexandre. u
Filhos do Sr. D. Jos I.-A infanta D. Mara ridade da provincia, o excitante de sua decaden
Francisca Dorothea. ca, podendo-se tornar collaboradra do raelhora- sacudir dos hombros a tnica de Jesso, que lhe pz
A infanta D. Mara Francisca Ronedict, viuva ment dos costumes e da reformados hbitos, cons- a companhia ?
do principe D. Jos. I ttue-se a despensera da corrupcao, trazendo em
Filhos do Sr. D.Pedro III. O prncipe D. Jos.' seu seio a baceta de Pandora.
O infante D. Joao (morto na infancia). Dous principios activos deadministraco e de go-
A infanta D. Mara Clementina. vernanca existem nesta provincia : um aulorisa-
FtiAos do Sr. D. Joao VIO principe D. Anto- do pela consttuico do estado e obrando no circulo
nio (morto na infancia). das attrbuic5es, que lhe fpram determinadas legal-
Filhos do Sr. D. Femando II, que Deus guarde, mente, c outro illegalmente creado pelo arbitrio,
A infanta D. Mara (morta na infancia). cujos limites estao na ostensiva prepotencia, que
O infante D. Leopoldo (morto na infancia). de dia em da se augmenta. Estes dous principios
A infanta Mara (raorta na infancia). lutam o se debatem, mas como os meos, de que se
O infante D. Eugenio. serve o segundo, se entendera do perto com urna
O infante D. Fernando. j necessidade palpitante destas regoes, que a
O principe D. Auguslo de Leuchteuberg e Santa communicaco de seus diversos pontos bastante
Cruz, primeiro marido da rainha a Sra. D. Ma- distanciados, vem a ser o primeiro raais ou menos
ril ii. dependente e ineficaz para a realisacao completa |
Chamamos a atten^o de toda
as mate
para o remedio raais agradavel e til que se co-
nhece para fazor expellir as lombrgasAs pasti-
llas vermfugas de Kemp. Em vaz de todos esses I Antonio Jos*RibelroTe Menezes
immundos e pengosos remedios vermfugos com- Francisco de Paula Tavares do Mello
Rodolpho JoSo Barata de Almeida
Domingos Nunes Ferreira
Paulino Jos Tayares de Lyra
Jos Ignacio de Oliveira Abren e Lima
Jos dos Santos Xeves Jnior
Joao da Cunha Teixeira
Joaqum Gregorio dos Res -
Joao Marcelino Ribeiro
Luz Pereira de Faria
Manoel Antonio de Alcntara
Pedro Cornelias Pessoa
Francisco Camello Pessoa de Lacerda
Miguel Bernardo Quintciro
Marcolino Jos de Saal'Anna
Manoel Das de Macedo
Manoel Caetano Barbosa
Pedro da Conceico Vieira de Mello
Pedro Martyr de Souza.
_ i
5
5
4
3
3
3
3
I
3
i
3
3
2
2
2
2
2
Joaqoim da Cost Araujo e ou-
Quando ?
Encaramos anda asta empreza sob outro ponto
de vista.
(Do Catechista.)
A candidatura do conselhelro
I*aes Barreto.
A consolidado, e o desenvolvimento de urna si-
tuaco poltica recente encontram os mais seguros
e acrrimos defensores entre aquelles que para a
sua existencia com maior affinco e em maior es-
cala contribuirn!.
Xa cmara dos deputdos, entre seus numerosos
Aprinceza D. Amelia de Rraganca, fllha doSr. de seus actos, visto que, partidos "estes do centro amigos da corte, e durante a organisacao do parti-
D Pedro IV para qualquer localidade, onde deva-ter efTeito, j do progressista em Pernambuco, o conselheiro Paes
Em urna capclla, no claustre, onde jazem as,encontram os nimos preparados diversamente, Barrete contribuio poderosamente para-a reuniao;
cntranbas dos senhores res, prncipes e infantes com motivos justificativos, que alteram a sua origi- sincera dos homens moderados e bem intenciona-
acima referidos, tambera alli jazem, em tmulos ,nalidade. dos dos antigos partidos ___
de nedra os infantes D. Antonio e D. Jos, filhos! Quando chocam-se os interesses de ambos, ainda Sua dedicacao ao partido progressista, sua leal-
nataraes do Sr. D. Joao V, conhecidos pelo ttulo que de um lado se prendara ao bem commurn, e dade para todos quantos a elle aaheriram, sao fac-,
de senhores ou meninos do Palhava. Igualmente de outro se reduzam manutoncao de um mono- s Qe assentm na consciencia publwa, o que por
(em tmulo de madeira) D. Mno Alvares Pereira, polio, prejudicial causa de todos, saosempre ven- ncm urna malquerenca, por nem um excesso de
nascido em 1360 e fallecido em 1432, conde de! cidos os daquelle, a quera por sna natureza e func-: ambicao |)odem ser invalidados.
Barcellos e de Ourm, segundo condestavel do cSes dado representar a justca o a verdade as, usprogressisias que desojam sinceramente a re-,
reino de Portugal. E nma pequea arqueta com os
restos mortaes de um cavalleiro cruzado, chamado
Henrique, natural de Colonia, que vcio a tomada
de Lisboa em 1147.
CHRONICA JI1DIC1ARI.4.
TRIIIlTXAI. Mi REFACI.
SESSAO EM 3 DE NOVEMBRO
PRE8IDBNCIA DO KXM.
. erreira
na sua operacao, nao causando nauseas nem incom-1 Alexandre Jos da Silva
modos de qnalidade alguma, produzindo sempreo Alexandre da Cunha Colho Catanho
seu effeito d'uma maneira suave e complet ; nao Francisco Manoel de Castro
carecendo depois a asistencia de qualquer um ou- ] Francisco de Paula Fernandes Moreira Jnior
tro purgante ; til como um excellente meio de fa- Francisco Maia Cortes
zer remover as obstrucc5es do ventre mesmo no Francisco Xavier Pereira de Brito Macedo
caso de nao existirn vermes alguns, e finalmente | Bartholomeu Francisco de Souza
tornam-se ellas dignas por todos os respeilos, da
conflanca e approvacao de todos- os pais de fami-
lias, os quaes acharao estas pastilhas elcgantemen-
^ te acondicionadas dentro de frasqumhos de crys-
' tal e venda em todas as tojas de drogas e boticas
do imperio do Brasil.
COMMEBCIO.
NOVO BANCO
DE
O banco toma saques sobre as pracas de Rio de
Janeiro e Baha. N
Alfandega
Luiz Clementino Carneiro de Lyra
Joao Baptista da Silva Prxedes
Jesuino Bebiano Monteiro
Ilermilino de Oliveira Passos
Lino do Reg Braga
Joaqum Faustino da Piedade
Manoel Thomaz de Furia
Manoel Goncalves Ferreira e Silva
Manoel Ferreira Antones Villana
Carolino Francisco de Lima Santos
Antonio Ribeiro de Moraes
Caetano Silverio da Silva
Augusto Carneiro Monteiro da Silva Santos
Antonio Alves da Fonseca
, Domingos Alfonso Nery Ferreira
Carlos Jos de Souia Correa
Rufino da Costa Pinto
Silvmo Bruno do Rosario
Simiao da Cunha Ribeiro
Simio Ribeiro da Conceico
Joaqum Salvador Pessoa de Siqneira Cavalcanti
difTerentes relacoesde membros'da circumscripcao generag ^PPs f*J^ ominuns da par- Redimento do da 1.......*... 2:04608 Li'vino Pinto Brandao '
territorial, que dirige. ite sensata dos antigos partidos, hao de necossana- ldem do dia l4-367S03fi Joo Henrhmcs da ffiln
XestesdousprincUestaosalient^^^^^ M ,demdodia3................ l^^ JS KTS& Ritai
nadas duas ideas bom distnctas e descriminadas, ao conselheiro Paes Barreto, na razao o que elle
que correspondem objectivamente a doos factos : ha de continuar a fazer a bem do partido, & no co-
ura, o engrandec ment da companhia de navega- rarao sentimenfos affectuoses de merecida gra-
cao e commercio do Amazonas, custa das conve- '
i niencias da provincia ; o o outro, a felicidado da
! provincia encarada ja moral, j materialmente,
1 anda mesmo, que para isso seja mister restringir
! a ambic.o da companhia.
Ki 1.1uanlo estas ideas se nao harmonisarem em
DE 1SH3.
SR. CONSELHEIRO
S1LVE1RA.
As 10 horas da manliaa, achando-sci presen-; ura ponto r"azoavel,""e' raarc'hareraem sua expres-
tes os Srs. de^rabargadores (^tno Santiago, sao pratca e positiva para nma solucao, d'onde
Gitirana Louronco Santiago Res e Silva, Motta, | provenha a cocordia dos dous factos; emquanto
Peretti, Accioli^ Uchoa Cavalcanti, Assts, c Doria, estes no forem medidos e equilibrados luz de nm
tidao.
Quem ha ah que ignore as habilitacoes do con-
selheiro Paes Barreto para ser incluido na lista tr-
plice I Como juiz ostentou-se sempre distribuidor
integerrimo da justca, como presidente que foi de
varias provincias den exuberantes provas de aptidao
administrativa, como ministro ainda hoje saudosa-
mente lembrado, e desejado pela distincta officiai ida-
de da
rou
26:412634
Movfmeaio da alfandega
Vohimes entrados com fazendas... -
com gneros...
Vetamos sahidos
< <
cora
com
fazendas...
gneros...
74
136
Descarregam ne dia 4 de novembro.
nossa esquadra.como homem de estado prepa- Escsna hollandeza-Towmo Sy dcsveladamente a transicao do dominio ol- Escuna dinamarqcza-iMflT(a=geiins de
210
abrie-se a sessao. pensamento largo e generoso, vivera o Amazonas grchic para a pollca actual, que sopor culpa
O Sr. des>moargador Guerra, procHrauor aa co- manietado ao carro de um poder desptico e inte-nossa deixara de ser fecunda em beneficios para o
roa, compareceu.
Passades os feitos e entregaes os distribuidos,
deram-se os seguintes
IULGAMENTOS.
Recursos critnes.
Recrreme, o juizo; recorrido, o. capitao de
fragata Rodrigo Jos Ferreira.
Relator o Sr. deseinbargador Uc.ha Cavalcanti,
Sorteados os senhores desembargadores Caetan
Santiago, Assis e Gitirana.
Improcedente.
Uabeas-corpns
Concederam a soltura que pedio em ordem de
habeas-corpus Antonio de Barros Correia.
Concederam ordem de habeas-corpus pedida por
peticao, a Antonio Goncalves, para o dia 7 do cor-
rento, ouvindo-se o Dr." chele de polica c este ao
subdelegado do Poco, ateo dia supracilado, s 11
horas da manhaa.
Igual concessao fez-se a Gabriel Mathias Evan-
gelista, para o mesmo dia e hora, sendo ouvido o
juiz municipal.
AppeUayietcrimes.
Appellante, Constantino Jos liarbalho ; appel-
lada, a ustica.
Annullou-se o processo. .
DILIGENCIAS.
Com vista ao Dr. curador geral
A appellai-ao ciuel.
Appellante, Luiz Antonio de Souza Rolim ; ap-
pellados, a viuva c filhos do coronel Lemenha
Une
DBSIfiNACAO DS DIA.
Assignou-se dia para julgamento dos seguintes
feitos :
AppeltacSes crnes.
Appellante, Flix Jos da Costa ; appellados, Ma-
noel Jos de Amorim e outros.
Appellacao civel.
Appellante, Francisco Antonio Pereira da Silva ;
appellado, Francisco Tavares da Silva.
TASSACENS.
O Sr. descmbargadorGitrana passou ao Sr. des-
embargador Louren^o Santiago
A appellacao rirel.
Appellante, Jos da Cost Dourado ; appellado,
Antonio Manoel de Campos.
0 Sr. desembargador Lourenc.0 Santiago passou
ao Sr. desembargador Reis c Silva
As appellnroes civeis.
Appellante, Antero Vieira da Cunha ; appellado,
Manoel Ignacio de Jess.
Appellante, Manoel Pereira Caldas ; appellado,
Francisco Jos Regalo Braga.
A appellacao crime.
Appellante, o promotor ; appellado, Amanilio
Borges dos Santos.
O Sr. desembargador Uchoa Cavalcanti passou
ao Sr. desembargador Assis
As appellacdes citis.
Appellante, a parda Cordula -, appellado, Jos
Vicente Ferreira de Freitas.
Appellante, Manoel Patricio dos Santos ; appel-
lado, Fabricio Gomes Pedrosa.
Appellante, Sebastiao Marques do Xascimento ;
appellado, Julio Cesar Pinto.
A appellacdes crimes.
Appellante, o juizo ; appellado, Francisco Alves
do Xascimento.
Appellante, Jos Pasehoal de Queiroz ; appella-
da, a justca.
Appellante, Francisco Jos Pereira : appcllada,
a justca.
Appellante, o juizo ; appellado, Luiz Belarmino
Cedrim.
O 6r. desembargador Motta passou ao Sr. des-
embaa-gador Peretti
A appellaco civel.
Appellante, Domingos Jos da Costa Guimaraes:
appcllada, D. Isabel Mara das Cliagas Guimaraes.
A % hora da tarde encerrou-se a sessao.
resseiro, que lheabsorve a seiva e a vida,lhe coarc- pa.
ta a lberdade e lhe abafa as aspiracoes mnis no- | A inclusao do nome do conselheiro Paes Barre-
bres de sens habitantes. it0 na '*s,a trplice pois, para todos nos progres-
0 poderlo desta companhia est para esta pro- sistas questao de nteresse comMum, questao de
vncia, como o da das Indias para o Indostao. i honra, de gratidao e devef.
Ser bem applicada a denominacao de navega-: ^aa,,^!!^)!^^^!^^
Cao o commercio, que ella ostenta, ou conviria an-
tes appellida-la de poltica e immoralidades ? Xo
fallemos era bases, deseamos a analyse.
Ha quem decante os beneficios trazidos pro-
vincia por esta empreza relativamente ao com-
mercio.
Achamos de certo exageracao na apologa, que
della fazem este respeito.
sabido que o commercio desta provincia pre-
cario e dependente da praca do Para.
PUBLICAGOES i PEDIDO.
estiva.
Escnna ingleza Sarah HHen raereadorias e
ferro.
Brigue nglez-tfWKi-baealho.
Brigue inglez^Runnymede~iea.
Brigue inglez-Daw>/)i/(Tcarvo. ,
Barca ingleza Unittn farmha.
Brigue inglezAltna carvao.
Recebedorla de rendas internas
geraes de Pcrnamlmeo.
Rendimento do da 2............ 3314176
dem do dia 3 .................. 7834449
Srs. Redactores. Peo-lhes que se dig-
nem de d;r publicidade as columnas do
seu conceituado jornal circular, que dirijo
aos eleitores da provincia, apresentando-rae Rendimento do da 2
Xaotemvi- candidato a um dos lugares da lista trplice ldem d0 d,a3
da propri, pori|ue todos os gneros que recete ou na prxima eleico para senador,
que d era consumo, nao sao remetlkios directa- ^ Afl.
mente pelo estrangeiro. Sendo transitadas as aguas
do rio gigante, nicamente pelos vapores da com-
1:134462o
mmmmmBm
Consulado provincial.
......... 1:787434o
......... 6074347
sou, etc
F. X- Paes Barreto.
Rio, 22 de outubro de 1863.
Illm. Sr.Apresentando-me candidato ao
lugar de senador, que ticou vago pela morte
panhia, cream estes urna relaeao de sujeicao para
o commercio, a qual diminuir ou ilesapparecer
com a competencia, que houver de outros vapores
destinados a fazerem una navegacilo regular.
Assim, cm vez de serem as viagens duas por do visconde (lo Albuquerque, n3o posso dei-
2:3944692
cada mez, como esti estipulado no contrato de 20 xar de dirigir-me V. S. solicitando o sen
de fevereiro de 1838. sero quatroou mais,quan- ap0j0 ecoadjuvaco em favor de minha can-
do o numero del les fr augmentado ; e com sso, (ii,iaf,ira
se amiudar a permuta dos productos, mantida ., ..... ,
entre os dous pontos princpaes de communicaco, -Meu nome nao e mleiramente desconheci-
trazendo em resoltado mais estimulo s especula- do no paiz, e se V. S. entender que a sua
coes mercantis. incluso na lista trplice nao a de$douraJ
E offerecemos para fundamento desta presnmp- f a recusar a Jpresf-me o
cao a experiencia, que nos ministrouo periodo de- ""';"'muo *" ro .v~uo.a (
corrido da celebracSo me encher do mais sincero e profundo re-
conhecimento. .
Asseguro V. S. que procurarei sempre,
como tenho feito at aqui, pautar o meo
procedimento pelos principios da honra e da |
MOYIMENTO DO PORTO.
amo entrado no dia 3.
Barcelona36 das galera hespanhola Veemta, de
414 toneladas, capitao Calme, equipagem !8, em
lastro; Theodoro Chresteansen.
amo sahido no mesmo dia.
Portes do solVapor nacional Princeza, comman-
danle o capitao do fragata Antonio Joaqum de
Santa Barbara.
mMM
editae7
je, com referencia aos valores importados e expor-
tados, os quaes ascendern! urna cifra conside-
ravel, em relaeao aoannos anteriores a aquella; o
que nao pode ser alludido senao, salvas outras cir-
cunstancias especiaes, ao emprego de mais vapo-
res, do que permittiam os contratos precedentes.
O Dr. Antonio Epaminondas de Mello, officil da
imperial ordem da Rosa e juiz de paz mais vo-
tado do Io distrieto da freguezia do S. Sacramento
do bairro de Santo Antonio da ridade do Recife,
provincia de Pernambuco, em virtude da lei, etc.
Faco saber que na eleico que se acaba de pro-
Alm das poucas viagens, que fazem o$ vapores honestidade, e promover com verdadeiro in- ?**.?1* "25 ?uc se ai
da companhia, comparativamente s necessidades, ,p,p_ nrfKnir:(la(L, ,u nftaSl na,ria. : **&***+ *****. We !m, de
oriundas do cesciniento da popula*,, ha De ler^sseha prosperidade de nossa patria
mor geral contra a maneira porque sao nelles trans- Tenho a honra de ser com l
portadas as mercadorias vindasdoPar ; porquan- deraco e estima,
to estas chegam ao porto do seu destino arruina-
das, maltratadas e incompletas. Esta falta pode e '
deve ser attribuida ao mal acommodamento, que
Illm. Sr.Na occasiSo a mais solemne em
rocebem os volumes no acto do recebimenlo das
cargas, que feito atropelladamente, sem o menor
cuidado e inspeccao, de sorte que o commerciante,
quem vem ellas* consignadas, tem soffrer com o
deterioraroente, que possa haver.
Postos venda e nao querendo o consumidor sublime e importante
cmpralos pelo preco llxado, visto que se acham na(.iona| anrpspntanilo
em mo estado, acontece das duas urna, ou elles a1' -
serem vendidos pelo preco da factura e com isto
perder o negociante, ou enio pelo mesmo valor,
que poderiam ter, quando perfeitos, sendo prejudi-
cado neste caso o consumidor, que vem a Indem-
nisar o damno de que nao foi cansa.
De V S
ii .. j -u i Antonio Augusto da Fonseca
Muitoatiento venerador e amigo obligado, | Antonio Hangt, de Torres ^^^
eseolher um senador, obtiveram votos os cdadaos
abaixo declarados, o que na forma do art 109 da
lei, mando publicar por editos que se afflxarao nos
lugares competentes e tambera pela imprensa.
179
Francisco Xavier Paes Barreto.
Deodoro Ulpiano Colho Catanho
Antonio Jos Alves Ferreira
Joaqum de Aquino Fonseca
Francisco de Souza Reg Monteiro
que esta heroica provincia vai exefeer a mais Innocencio Rodrigues de Miranda
funego da soberana ^ da 52*< ^ilv*
. v ., Lmz de Franca Souto
a sabia escolha do; j^ Franc.sco Carneiro
poder moderador tres nomes distinctos para Fehx Antonio Alves Mascarenhas
o preenchimento da vaga deixada no senado J?e Goncalves Maivera
pelo fallecimenie dovisconde de Albuquer-
que e quando eu venho sollicitar a honra a
BALANCO DA CAIXA FILIAL DO U).NDOX AXD
BRASLIAX BA.VK (LIMITED) EM 31 DE OU-
TUBRO DE 1863.
Acriro.
Lendon and Brasilian
Bank (limited)
London ....
Letras descontadas .
Diversas comas cor-
rentes e outros va-
lores .....
Letras a receber. .
Mobilia.....
Caixa:
Emdinheirocorrente 94:6394690
Depositado na caixa
filial do Banco do
Brasil.....80:0004000 1,474:6394690
A caresta, portante, proveniente da negligencia ma|S subida, que um cidadao pode preten-
no accondicionamento das mercadorias, devida der de seos patricios, a de ser contemplado
alteracao na qualidade c quantidade, sobretudo da- em uma lista trplice para 0 lugar de senador
quedes objectos facis de corromper-se, recahe so- fin mpn vg0rnso dpver pxnlirar-me p ma-
bre a populacao pela maior parle composta de pes- e" ,meu vl8oroso uever explicar me, e ma
soas de limitados recursos. nifestar com franqueza meus principios e
O descuido na baldeacao dos volumes para as sentimentos para que os meus concidadaos
lanchas ou canoas, que os devem trazer s praias; possam em sua Consciencio illlgar-me.
e bem assim o facto de serem arremessados brus- Cjntn-me aranharln Pm minha nrptpncn
camente em trra, logo que nao chegam os inte- nw-me acannaao em minna pretencao,
ressados, tem contribuido muito para o prejuizo quande considero a importancia do manda-
destes. to, que a provincia vai conferir ; mandato
Os commandantes 4ns vapores pouco se impor- do mais alto alcance, i por sua natureza de
tam com o mao trato que da a carga a bordo a gen- rrpvn(,ap| ;a npia ravdadp Ac pn nhip/-
te de sua tripuladlo dorante a viagem : e se por rrev0gavei, ja pea gravmaae e seu opjec-
acaso alguma rec'lamaeao ou queixa se move con- t0> e influencia que deve exercer nos destl-
tra elles, por mais bem fundada que seja, sao des- nos do imperio sendo por SSO que com ra-
presadas e nem (ao pouco elles se lembram de zo exige a constiturc5o o candidato seja pes-
! soa de saber, capacidade e virtudes, com
preferencia os que tiverem feito servicos
378:6264010
839:2924870
.193:81743:10
80:1684860
4:8304920
3,171:3744380
PASsrvo.
Capital.....
Depsitos e conts
correales. .
Diversas contas cor-
rentes e outros va-
lores .....
Letras a pagar .
888:8884890
1^09:4714610
470:0214780
2:9924100
patria.
Nao me desvaneco de possuir os requisi-
tos precisos para bem desempenhar o man-
dato, e ante os Ilustres Pernambucanos,
Pernambuco, 3 de novembro de 1863.
W. J. Haijnes, acconntant.
COMMUlflCADOS.
A fMiiabia ia Amazonas r a provincia.
Nada pode concorrer lano para o a trazo de uma
provincia nascente, do que os mei
uma empreza poderosa e desviad
vertidos em instrumentos Imm
gitimog interesses. A' medida, qu
resarcir aos lesados.
Xao resta dovida, que a navegacSo favorece o
commercio, bem como este aquella* por isso que,
quanto maior for a vantagem, que se auferir dos
fretes sobro os gneros transportados, tanto mais
facis sero os meos de condueco, porque a im-
portaeao e a exportacao das mercadorias apoiam-
se em grande parte nesta especie de movmcnlo.
Xo da exageracao dos fretes, que se deve es- que seapresentam, me reconheco e confesso
perar a concurrencia e sm vice-versa e com sso o mais fraco e o menos digno, e se me de-
apparece a barateza no mercado, que depende da iermnr) a npdir os snffrapias dp mpus rnnri-
abundancia dos objectos offerecidos e conseguinte- *ermmo J?eu r os suiragios ue meus conc
mente a procura era sua expansao. dadaos, e fundado somente na pureza de mi-
Com o desenvolvimento calculado desta operacao nhas intengoes, ne desejo de servir ao meu
econmica se formarlo os capitaes, que por sua paz, e na certesa, que tenho na propria
yez cooperam a dar firmeza e incremento ao credi- nnscipncia r\e PmnrPirar na wifnrcns nn
to, e a alargar esphera do commercio. consciencia, ue empregar os esiorcos, que
Ter a companhia reflectido seriamente nesta em mim COuberem, para O melhor Cumpri-
qncstao, para conferir-lhc a importancia que ella ment de meus deveres, animado nnica-
insi?ei? n,"If^? TerJniesmo ?e esforcado por mente por tantas demonstracoes de estima e
^I^'%SyagttrlZ confia" sorte. vncia natal, que penboram em extremo a
Os fretes sao os mais exhorbitantes, que se po-; minha gratidao, e me induzem a crr que
dem conceber, em relaeao aos determinados em alguma COUSa mereco no COTJCeito nobre e
outras emprezas de navegacao, a ponto de desaco- erieroso de meus CQiHDrovinriinna
rocoar o negociante, que de posse de um pequeo *t,~ruM ae. m.ei!s compt ovincianos.
capital, nao quer arrisca-lo, conjeturando ja as! Meus PfmctpiOS sao bem COnhecid09, e
perdas, que tem de aventurar-se naoscillaco da. desde 0 anno de 1836, em que entrei na
ven,da-,. scena poltica, sempre os tenho sustentado
com SfceS SfiStSSi. 7SS2S .K ?3 *W,?C$*0 f1^?-, ?
n tmente, segundo s conveniencias daaffecaoe wmo qneaiiDeroae e o fim essenctal das
___ _! 1 poltica, de modo que a exigencia integral do sociedades ctvis, e felizmente a considero as-
onus sobre o transporte dos gneros neza sobre saz garantida em nossas instituic5es funda-
aquelle, que nao accede a cortos caprichos desar- mentaeSj precisando apenas de alflumas re-
rasoados, ou que nao quer transigir com a omissio ,-mna '.fl rTTT
de seus deveres, quano reclamada, entretanto que formag "*? regulamenUres, que a tor-
para eotros ha o favor e a bonhomia. nem effectiva na pratrca, e a assegurem
Este proceder irregular tem attrahido de alguma melhor contra OS abusos 6 vexames da forca
sorte uma apathia nos negocios, ou antes enervado e ,j0 arbitrio
^S^SS^^ff^e^' Applicarei-os m.js serios cuidados no m.
1 ouannunciado e com a realisacao della pade- tuito de occorrer a decaencia da agncultu-
)g funeconario pblicos, cujo dnhero o ra, commercio e industria, que olhos vistos
J^K^n^SVa^nW* deflnham e demandam ^ proleccio.
flo da fazenda e a thesourarla geral sao as duas Cm **$* Principios SOlIlCflO da V. S. 0
recursos que devem ser empregl3 fl WDeflcio eolumqas, que sustentem o commorclo desta mal- seu voto e vafioga, coadjuvacSto, e Se Ibe IW
Adriano Xavier Pereira de Brito
Jos Francisco do Reg
Manoel Antonio Viegas
Flix Francisco de Souza Magalbaes
Jos Francisco do Paula
Justino Pereira d< Faria
Joao da Cunha Soares Guimaraes
Francisco Xavier Pereira de Brito
Manoel Raymundo Penaforte
Miguel Candido de Medeiros Pinto
Floriano Correa de Brito
Jos Flix de Brito Macedo
Claudino do Bego Lima
Francisco de Paula e Silva
Jos Joaqum de Moraes Sarment
Manoel Antonio Pereira
Joaqum Milito Alves Lima
Severiano Jos de Moura
Luiz Jos Pereira Simoes
Antonio Epaminondas de Mello
Silvno Guilherme de Barros
Francisco de Araujo Barros
Caetano Silverio da Silva
Caetano Pinto de Veras
Abilio Jos Tavares da Silva
Manoel Antonio de Jess Jnior
Luiz Cesario do Reg
Antonio Jos da Cost Ribeiro
Francisco AntomoPereira de Brito
Francisco Jos da Piedade
Sabino Olegario Lodgero Pinho.
Antonio da Assnmpcao Cabra!
Casemiro dos Reis Gomes e Silva
Alexandre do Souza Pereira de Carmo
Joaqum Pereira Freir
Jos Joaqum da Cost
Manoel Joaqum de Souza Vianna
Vctor Antonio do Sacramento Pessoa
Antonio Joaquim de Mello
Joaquim da Silva Reg
Jos da Cunha Teixeira
Joao da Silva Ramos
Manoel de Souza Ferreira
Francisco Antonio de Almeida
Herculano Deodato dos Santos
Francisco Antonio de Brito
Inocencio Seraphico de Assis Camino
Florencio Baptista de Oliveira
Ignacio Firmo Xavier
Manoel Camello Pessoa
Antonio Francisco das Chagas
Demetrio Acacio de Araujo Bastos
Irino Januario de Oliveira
Pedro Justino da Fonseca Barroso
Joao Francisco Teixeira
Silverio Joaquim Martins dos Santos
Joaquim Manoel dos Santos Mendes
Joaquim Antonio Carneiro
Jos Raymundo da Costa Menezes
Ladislao Jos Ferreira
Joaquim Manoel de Castro Santos
Frederico Augusto de Lew
Antonio Ricardo do Reg
Joo do Reg Pacheco
Francisco Ferreira Msrtlns Ribeiro
Luciano de Moraes Stirmento
Pedro Honorato dos Santos
Firmino Jos de Oliveira
Joaquim MilhJo Alves t.ima Jnior
Joao Francisco Regs Quintella
178
178
178
178
178
178
178
178
178
177
177
177
177
177
177
176
176
176
176
175
175
176
174
173
171
171
170
170
170
169
169
169
169
169
169
2
2
2
2
2
2
2
2
2
2
2
2
2
2
2
2
2
2
1
I
1
1
i
1
\
1
1
1
1
1
1
i
1
i
1
1
I
1
1
1
qual
beiro
Jos Rodrigues de Souza
Jeronymo Vlella de Castro Tatares
Joao Cardoso Barreto
Jos Francisco da Silver Catuc
E para constar mandei fazer o presente no
me ashjno. Recife 3 de novemferc de 1863.
Ett Jo3qnim da Silva Reg, escriVao que o es-
crVI.
O juiz de paz,
Antonio Epaminontias de Mello.
O IHm. Sr. inspector da thesourarla de fazen-
da manda fazer publico a todos os habitantes desta
provincia que em virtude da ordem do EXm. Sr.
ministro da fazenda, presidente do tribunal do the-
souro nacional se proceder do Io de dezembro pr-
ximo tnluro pefa thesonraria a substituico das
notas do mesmo thesouro de 2004 da 2* e 3* es-
tampas, valor por valor at o fin de julho de 1864,
eomecando do 1* de agosto subsequentea soffrer
as ditas notes o descont da lei na razo de 10
por cento no Io mez, de 20 por cento no 2, e assim
por diante de modo aperderem todo o valor no d-
cimo mez.
Secretaria da thesonraria de fazenda de Pernam.
buco 3 de outubro de 1863.
Scrvindode official-maior.
Manoel Jos Pinto.
0 Dr. Tristo de Alencar Araripe, officil da im-
perial ordem da Rosa e juiz de direito especial
do commercio desta cidade do Recife de Per-
nambuco e seu termo por Sna Magestade Impe-
rial e constitucional o Sr. D. Pedro II, a quem
Dos guarde, etc.
Faco saber que por este juzo, e cartorio do es-
crivao que esta subscreveu, corre uma execuco
de sentenca, por aeco ordinaria, a saber de um
como exequentes Mendes & Coelho, e de outro co-
mo executados Manoel Jos Martins Pinheiro & C.
e correndo dita execucao os seus devidos termos,
fra feita a penhora era dinheiro na quantia de...
1:3434589 j depositados e no deposito publico
desta cidade, fra pelo solicitador Rodolpho Joao
Barata de Almeida procurador dos referidos exe-
quentes, em audiencia deste juizo feito o requeri-
mento do theor segninte:
Anno do Xascimento de Xosso Senhor Jess
Christo de 1863, aos 26 de outubro to dito anno,
nesta cidade do Recife de Pernambuco, em publica
audiencia que aos feitos e partes (axis o Dr. juiz
de direito especial do commercio Tristo de Alen-
car Araripe, nella pelo solicitador Rodelpho Joao
Barat de Almeida, procurador dos exequentes
Mendes & Coelho fra aecusada a penhora feita em
dinheiro pertencente aos executados Manoel JOsc
Martins Finheiro & C, que se acha recolhido ao
deposite gcral.requerendo nao s ficasse assignados
os seis dias a penhora, como os dez das aos credo-
res incertos, para o que so lhe mandasse passar os
respectivos edtaes. O que ouvido pelo juiz assim
o referi. Extrahi o presente do protocolo de au-
diencias.
Eu Faustino Jos da Fonseca, escreventc jura-
mentado o escrevi.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andradc eseri-
vo o subscrev.
E mais se nao contnha em dito requerimento
aqu fielmente transcripto, e cm observancia do
dito meu deferimento, o respectivo escrivao Manoel
de Carvalho Paes de Andrade, que este subscre-
veu e fez passar o presente edital como praso de
dez das pelo qual e seu Ihcor chamo, cito, e hei
por citados a todos os credores incertos dos refe-
ridos executados Manoel Jos Martins Pinheiro &
C, para que dentro do mencionado praso de dez
dias comparceam ante este juizo allegando o que
fr a bem de seu direito e justca sob pena de se
proceder as suas revelas.
E para que o presente cheguc ao conhecimento
de todos mandei passar o presente edital, com o
praso de dez dias quo ser afDxado nos lugares do
costumee publicado pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife, aos 31 de
outubro do 1863, 42 da independencia e do impe-
rio do Brasil.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, escri-
vao o subscrevi.
Tristo de Alencar Araripe.
DECLARACOES.
Santa Casa a Misericordia do
Kecifr.
A lllustrissima junt administrativa da Santa Ca-
sa de Misericordia do Recife manda fazer publico
169 /jue se acham de moz os raordomos, Dr. Antonio
168 Mara de Faria Alves ne hospital Pedro II, Baro
16 do Livramento no collegio de orphas e hospital
15 dos lasaros, e tenenle-coronel Antonio Carlos de
9 Pinho Borges no collegio dos orphaos e casa dos
I expostos.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 2 de novembro de 1863.
F. A. Cavalcanti Cousseiro.
Escrivao.
Tribunal da Relaeao., f
Relaeao dos feitos entrados na secretaria dyrela-
cao desde o 1" de Janeiro at 31 de outunro de
1863 e que esto parados por falta de pagamen-
tos do respectivo preparo:
Aggravo do juizo de paz da Ba-Vista.
Aggravante Joao Francisco Saraiva; aggravado
Joao Demetrio de Almeida Cavalcante.
Aggravo do juiz da provedoria desta cidade.
Aggravante Augusto Aijolpho Wanderley Lins;
6 aggravado o juizo.
SI Agggravo do juizo da fazenda desta cidade.
51 Aggravantes Jos Marcelino Alves da Fonseca e
5 outros; aggravado o juizo.
5 Aggravo do juizo municipal desta cidade.
5 Aggravante Antonio Pinto de Azevedo; aggrava-
8 do ojuizo.
81 Aggravo do juizo municipal desta cidade.
S' Aggravante Luiz Antonio Annes Jacome; aggra-
8 vado o juizo.
5 Aggravo do juizo municipal do Cabo.
5 Aggravante Manoel Barbosa da Silva -, aggravado
8 ojuizo.
8 Aggravo de instrumentos do juizo municipal de
8 Serinhem.
5 Aggravante Francisco de Barros Wanderley;
8 aggravado o juizo.
5 Aggravo de iistrumentos do juizo municipal de
8 Serinhem.
5 Aggravante Francisco de Barros Wanderley;
5 aggravado o juizo.
8 appbilac5e8 ctvbis.
5 AppelfceSo civel do juizo municipal da villa da
8 Barbaiha.
8 Appellantes Jos Xoguetra de Barros e sua ma-
Iher; appellados
tros.
Appellacao civel do juizo municipal da cidade da
Fortaleza.
FrSaliar, daK. mUDC,pa,i ^ll^ *
Appellacao civel do juizo municipal da cidade do
Crate.
Appellante Barbara Francisca de Jess; -apppel-
lado Manoel Francisco da Cruz. vvy^
Appellacao civel de juizo municipal da cidade do
Crato.
Appellantes Joao da Cruz de Jess e sua mu-
lher; appellados Francisco Cabial de Vasconcellos
e sua mulher.
Appellafao civel do juizo municipal de Maran-
guape.
Appellante Faustina Mara de Jesus- sua ulna
Severina; appellada D. Almira Freir Leal.
Appellacao civel do juizo municipal de Bana-
neras.
Appellantes Jos Barbalbo de Carvalho e ou-
tros ; appellado Manoel Januario Bezerra Caval-
cante.
Appellacao civel do juizo municipal do Porto-
Calvo.
Appellantes Ernesto Augusto de Manguaba e Sil-
va e sua mulher; appellados D. Mariana Joaquina
Accioli Wanderley, seus lllhos c outros.
Appellacao civel do juizo municipal do Limocro.
Appellante o bacharel Antonio Joaquim de l'i-
gueiredo Silva, curador dos orphaos lllhos do fina-
do Antonio Barboza de Souza; appellado o conega
Joao Bernamivcn Maciel.
Appellacao civel do juizo municipal do Cabo.
Appellante Manoel Ignacio de Jess; appellados
Antero Vieira da Cunha, sua mulher e sua mV.
Appellacao civel do juizo municipal do Cabo.
Appellante Francisca Pereira do Carvalho; ap-
pellado Joaquim Manoel do Reg Barreto.
Appellacao civel do juizo municipal desta cidade.
.tppellante E. H. Braman superintendente da
estrada de ferro; appellado Joao Paula Carneiro
de Souza Bandeira.
Appellacao civel do juizo da fazenda desta cidade.
Appellante Jos Velloso Soaacs; appellado o
juizo.
Appellacao civel do juizo da fazenda dest cidade.
Appellante Jos Velloso Soares; appellado o
juizo.
Appellacao civel do juizo da fazenda dest cidade.
Appellantes e embargantes Manoel Alves Agr e
seus fiadores; appellada a fazenda provincial.
Appellacao civel do juize da fazenda de Macei.
Appenante Dr. Jos Angelo Marera da Silva; ap-
pellado o juizo da fazenda.
RKVISTA CrVKL.
Recorrentes Rosalrna Fernandes de Almeida e
seus fhos menores por seos curadores; recorri-
dos Pedro Jos de Almeida e outros.
Recife, 31 de outubro de 1863.
O secretario da relaeao,
Domingos Alfonso Ferreira.
Conselho administrativo..
0 conselho administrativo, para forneei-
mento do arsenal de guerra, tem de com-
prar os objectos seguintes:
Para a enfermara dos menores do arsenal
de guerra.
43 cotxoes com os respectivos trave3-
seiros.
Para a pharmacia do presidio de Fernando.
Agua ingleza II garrafas, borrachas de
8 oncas 12, ditas de 2 oncas 12, blsamos
de tolu l libra, calomelanos 8. onceas, cam-
phora 2 libras, cantbaridas novas 2 libras,
cloroformio 1 libra, citrato de potassa i
libra, crmor trtaro 4 libras, enxofar subli--
mado 4 libras, extracto de ratanhia 8 oncas,
fios de panno de linho meia arroba, gomma
Arbica 4 libras, odoreto de ferro 4 oncas,
iodoreto de potasse i lihra, magnesia cal-
sinada I libra, mercurio metlico 4 libras,
musgo eslandicos2 libras, oleo de figado de
bacalho 2 libras, oxido rubro de mercurio
8 oncas, papel de filtrar O cadernos, pilu-
las de Blancard 20 viros, pedia orne 4 li-
bras, phorphato de ferro de Leras 12 vidros,
salsa parrha de Bristol 12 vidros, seringas
de vidro 4, subnitrato de virmutho 1 libra,
sulfato de quinino 4 on^as, trtaro emtico 8
oncas, trtaro de potassa do soda 2 lihr.is,
terebenlhina fina 4 libras, valerianato de
nomino 2 oncas, xarope do bosque 12 vi-
dros, xarope de Naf 12 vidros, sanguesu-
gas 200.
Para a botica do hospital militar.
Assucar refinado 24 arrobas, salsa de Tau-
seode com 12 vidros cada caixa, de 28 on-
cas cada vidro, 2 caixas, capusulas de figado
de bacalho 50 caixas, cevada 4 arrobas,
agua de louro cerejo 12 garrafas, acido c-
trico 16 libras, caroba 16 libras, gomma
alcatera 4 libras, salsa parrha 12 arrobas,
linhaca 4 arrobas, mamii commum 1 arro-
ba, glycerina 4 libras,valerianato de atropina
2 oilavas, lindura de caferana 6 oncas, hy-
posulfito de soda 4 oncas, extracto de quina
4 oncas, raz de altha 1 arroba, papel de
embru ho 2 resmas, salsa de Bristol conten-
do 24 oncas cada vidro 2o vidros, xarope de
Naf com 8 oncas cada vidro, 25 vidros,
pilulas de Dehaut 20 caixas, xarope de Pe-
Dedo com 8 oncas cada vidro, 25 vidros,
xarope de Lamaroux com 10 oncas cada gar-
rafa, 12 garrafas, xarope de Labellone com.
uma libra cada garrafa,!2 garrafas,phosphato
de ferro de Leras com 12 eneas cada vidro, 20
vidros, extracto de arruda 40 oitavas, es-
ponja fina I libra, manleiga de porco 2 ar-
robas, canella 2 libras, alecrim 4 libras, ex-
tracto de lpulo 4 oilavas, papel branca
pautado 1 resma, folhas de slramonio 1 li-
bra, crmor trtaro 4 libras, xarope do bos-
que com 2 e meia libras cada garrafa, 12
garrafas, pastilhas de Kemp !2 vidros, pas-
tilhas de Naf 24 caixas, bagas de zimbro
2 libras, agua de Colonia frascos de 1 libra
cada um, 6 frascos, confeitos de strichina
6 vidros, xarope de Veame, com 16 oncas
cada vidro, 20 vidros, vidros crystaes de
bocea larga de 10 libras, 24, vidros crystaes
de boca larga de 8 libras, 24, vidros crys-
taes de boca larga de 6 libras, 24, vidros
crystaes de boca larga de 4 libras, 24, vidros
crystaes de boca larga de 2 libras,24, vidros
de boca larga 2 libras, 24, vidros de boca
estreita de meia onca 24, vidros de boca
estreita de 2 oilavas 24, boies de porcela-
na de 4 oncas 12, ditos de dita de 2 oncas
12, tarjas sorlidas para vidros 300; todos-
estes vidros devem ter rolhas de vidro.
Quem quizer vender taes objectos apre-
sentem as suas propostas em carta feixada-
na secretaria do conselho s 10 horas d
manhaa do dia 4 de novembro prximo vin-
douro.
Sala das sesses do conselho adminislra-
tivo, para fornecimento do arsenal de guer-
ra, 28 de outubro de 1863.
Antonio Pedro de Sd Barreto,
Coronel presidente.
Sebastiao Antonio do Reg Barros,
Vogal secretario.
ORBEIOEHAL
Reiaclo das carias segaras rindas 4o narte c das
existentes na admiuistraco do corren desta ci-
dade para os seabores abaixo declarada*.
Antonio Alves de Miranda Ocimaoies.
Antonio de Castro Alvo*.
Antonio Esteves dos Innocentes Ribeiro.
Dr. Antonio Jansem de Mattos Pereira.
Rara de Gnararapes.
Dr. Cypriano Fenelon Guedes Alcoforado.
Daniel Cesar Ramos.
D. Eufrazia Mana de Jess.
Francisco Moreira da Costa.
Ignacio Gomes Porto.
Jeronymo Ribeiro de Sorna.
D. ioanna Raptista dos Sanies.
Padre Joaquim Mauricio Wandortey.
Dr. Joaquim Jos de Campas.
D. Joanna Fraaeisca Paes Rarreto.
>


','.

ILEGIVE


Diario de Pernambuco Quarta elra 4 de Xovembi'O de 18S.
J
*
Re-
.Iwfui Atedias Machado.
Milao Hcnriques de Souza.
Jos Joaquim Alves de Amorim (2).
Jas Lourenco Goncalves.
ioai -Mara da Costa l'iuto.
Luiza Francisca dos Aojes.
Miguel da Silva Pereira.
Manoel Ignacio Praz.
Tenenlc Manoel Joaqhim de Sonta.
1*. Manoel Jos Pereira de Mello.
Manoel Felemon Fernandes.
Viuva de Ventura Pereira Penna.
Cmara Municipal do Meeifc.
Matwhmro publico da cidade do Recife.
Mataram-se para o consumo desta cidade no
mez de outubro do corrente anno 2,920 rezes, a
saber:
Viuva Anacleto & C........
Virgilio Horacio de Freitas.....
Joao Chrisostomo de Albuquerque. .
Wenceslao Machado Freir Pereira
da Silva............
Jos Francisco de Souza Lima
Bellaimino Alves de Arocoa ....
Joao Jos de Albuquerque.....
Manoel de Souza Tavares......
Joaquim Jacintho.........
Manoel Paulo de Albuquerque
Francisco Candido da Paz.....
Joaquim Mauricio Wanderley. .
Antonio Goncalves da Silva.....
Manoel de Souza Menezes......%
Ignacio Mariano Monteiro.....
Luizde Franca Soares........
Pedro de Athavde ...............
DE
lu sitio con casa de pedra e
al.
Quiu-fdra du corrate.
O agente Pestaa com a competente autorisacao
far leilo de un sitio no Arraial com casa de
vivencia de pedra e cal, agua de beber, tora 500
palmos de frente e mil e tontos de fundo, oreiro,
tem baixa de caphn, fructeiras de diversas quali-
dados e tem mais 2 casas.de taipa, no Arraial de-
fronle do finado padre Mauricio onde pode tudo
___-______ _. i -ir. .__ I..*.-, miiwli.foiri *
r\\
NOY ESTABE1ECIMENT0 DE MEDICINA HOMEOPATHICA
IOTA MOVA M. 43.
de marmore
meio da at*
to-
886
302
301
cial.
193
191
173
166
133
118
114
106
LEILAO
DE
2,920
Cmara municipal do Recite, 3 de novembro de
1863.
Jorge Vctor Ferrara Lopes.
Procurador da cmara municipal do Recife.
o nim. Sr. inspector da thesouraria provin- soas que lera bilheles eocommendados, que
U, manda fazer publico que do dia 3 do correte s os guardar al ao meio dia da vespera
IHiruianiepagam-seos^ ordenados ^ mprega- da extraccao. -Servindo de thesoureiro.
O Dr. Sabino O. L. Piano mudou o seu CONSULTORIO para aloja
ra Nova n. 43, onde continua a dar consultas todos os das uteis desde o
2 horas. .
Os enfermos, ciue o procurarem logo na invaso da molestia, sem que hajam
madoqualquer remedio, era alloparhico, nem liomeopathico, pagarao metade dos precoi
ser examinado eVeiio teri lugar ouiiita-feira 5 estipulados. Esta coneessSo tem por fim facilitar a cura de molestias, que pooem tornar
do corrente pelas 12 horas da manhaa no largo se complicadas peiog empreeo intempestivo da therapeutica e ao raesmo terapo aaquinr
do Corpo Santo defronte da assoo*-ao comraer- ra a ho thia maior numer0 de ^p^ pela bateza da cura
Em attengao as pessoas pobres, que nao podem sah.r de da, o Dr. Sabino resol-
veu dar duss consultas por semanas as tercas e sextas-feiras das seis as scte horas di
noite.
Os chamados para visitas e conferencias devem ser dirjgidos por escripto ao con-
! sutorio desde 8 horas do dia at 8 da noite, na certeza de que sero attendidos na orden
de sua precedencia, salva a crrcomstancia de eminente perigo.
AMVKMTEWCIA.
O novo consultorio est prvido dos melhores medicamentos, desde a primen
a trigsima dynaminjsacSo.
Ecomo os mdicos hespanhes e allemSes nao cessamde certificar a major em-
cacia das ultissimas dynaminisacoes do tratamento das molestias chronica, o Dr. Sabino> M
occupa agora de elevar os seus medicamentos s potencias mais altas (por ora ate 200. ).
afim de verificar por si mesmo a ferca dynamica, que se lhe attribue.
Os mdicos, que quizerem experimentar taes dynaminisacoes poderao dirigir ao
consultorio suas reteilas, que serao aviadas gratuitamente para os pobres.
No mesmo consultorio se vende a novissima edico do Thesouro homeopathtcc
ou Vademcum do homeopatka, obra indispensavel a dos que querem usar da hameo-
pathia.
Tudo o que diz respeito nova medicina se aeha abundantemente neste novo estabe-
aecimento.
lima casa terrea sita ua travessa da
fundir o na freguezia do Kecife n. 4.
em chaos proprios.
(NiaU-fein 10 do Mrente as 11 hons.
O agente Olimpio en seu armazem ra do Im- .
g^ perador n. 16, vender em leilao urna casa terrea <
78 era chaos proprios sita no lugar cima, tendo a
3g mesma 800 palmos de frente e 400 de largura, com
13 SO |uartos, 20 salas, oozinha e quintal.
1S
8i
AVISOS DIVERSOS.
LOTERA
O abaixo assignado de novo avisa as pes-
aos provinciaes, rencillas no mez de onlubro pro-
simo ndo. Secretaria da thesouraria provincial
O secrelario,
A. F. d'Annunciacao.
Arremataco.
Hoje 4 do corrente, na praca do juizo municipal j
da 2.* vara, tem de se arrematar urna casa terrea
na ruado Santa Cecilia n. 7, avahada por 1:000,5,;
A reqnerimento de Vicente Nepomuceno, testamn-
telo do fallecido Felippe Nery, escrivao Galdino.
Jos Rodrigues de Souza.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUGANA
DE
Xavegaco costelra a vapor.
Marei e esealas.
O va|M>r Camaragibe, comman-
dante Oliveir, seguir para os
portos arima indicados no dia o
de novembro prximo as o horas
da tarde. Recebe carga at e
Italfl at o dia da sabida as 3 horas : escriptorio
4io Forte do Mallos n. I.
"COMPANHIA PERNAMBUGANA
DE
.\avcs;i!o costelra a vapor.
Paral ba, \alal, Haco, Ararat)', f Cear.
O vapor Mamanguape, com-
inandautc Moura, segu no dia
7 de novembro prximo para os
portos cima Indicados as 5 ho-
ras da tarde. Recebe carga at
o dia 6, encommendas, passageiros e dinheiro a
tr.ilo al o dia da sabida s 3 horas : escriptorio no
Forte do Mallos n. I.______________________
Para o Rio de Janeiro pretende seguir com
muita brevidade o brigue nacional Almirante :
(en parte de seu carregamento prompto, e para o
resto que lhe falta, irata-se com os, seus consigna-
tarios Antonio Luiz de Oliveir zevedo, no seu
eseri plorio ra da Cruz n. 1.________________
Para o Rio de Janeiro
pretende seguir com muita brevidade o patacho
nacional Regulo, lera parte de seu carregamento
prompto : para o resto que lhe falla e escravos a
nvte, trata-so com os seus consignatarios Antonio
Luii de Uliveira/Azevedo & C, no seu escriptorio,
ra da Cruz n. f
Aracaty.
O hiate Doiis muios, segu nestes dias : a tra-
tar com o Sr. Joao Alves de Quintal no trapiche do
algodao.________
Para o Rio de Janeiro
di-ve sabir cora brevidade a escuna nacional Cam-
punezn : quera nella quizer carregar oh embar-
car, escravos, pode dirigir-se ao largo do Corpo
Santo n. 6. segundo andar, a tratar com Marques
liarros & C._____________
Pira o ("cara
O palhabote Gnribaldi tem parte da carga : pa-
ra o reslo, trata-se com Tasso Irmaos.
Lotera extraordinaria.
Corre tepots l'aninnna
Aos 10:08000 t 2:000000.
O abaixo assignado attendendo a boa acei-
tado que leve a lotera extraordinaria, ha
po'uco extrahida, e tambem aos pedidos de
qaasi lodosos compradores de bilhetes, de-
vido isso ao excellente plano das loteras ex-
traordinarias, approvado pelo Exm. Sr. pro-
sidente da provincia, tem exposto venda
os bilhetes da segunda lotera extraordina-
ria, que correr no dia 6 de corrente mez, \
sendo a terceira parte da segunda da San- j
ta Casa da Misericordia, e espera do res-1
peitavel publico a compra dos bilhetes, pois |
assim contribuir para o beneficio da Santa
Casa da Misericordia, reunindo o til com o
agradavel.
Os bilhetes e meios acham-se venda na
respectiva thesouraria ra do Cresqo n. 15
e as casas commissionadas ra da Impera-
triz n. 44, loja do Sr. Pimentel; ra Direita
n. 3, botica do Sr. Chagas; ra estreita do
Rosario n. 12, typographia do Sr. Mira e ra
da Cadeia n. 45, loja do Sr. Porto.
Os premios de 10:0005000 at 205000
serao pagos logo depois da extraer;, o at as
4 horas da tarde'e os outros no dia seguinte
depois da distribuieo das listas.
Servindo de thesoureiro,
Jos Rodrigues de Souza.
O Sr. Jos Francisco Pinto Guimaraes, cirur-
giao pela escola real de cirurgia de Lisboa, trans-
ferio a sua residencia para a ra Nova, n. 60, pri- (
meiroandar, onde pode ser consultado todos os,
dias uteis, das 7 s 10 horas da manha, acerca de
enfermidades denominadas cirurgicas ou externas,
especialmente daquellas, em cujo tratamento mais.
frequentemente intervera a medicina operatoria.
O abaixo assignado, tendo annunciado por
este jornal em data de 21 do corrente, que tencio-
nava sabir do eslabelecimento de calcados do Sr.
Luiz Antonio da Silva, vem hoje elTectivamente fa-
zer pubrrco, que desde 27 deixou de ser caxeiro
do ito estal Recife, 2 de novembro de 1863.
Antonio ta Cruz Ribeiro.
RA DO IMPERADOR
N. 22.
Grande armazem de tintas.
Este armazem contm tudo quanto
preciso para que a industria de pintura, de
qualuer genero que seja, desempenhc
seu fim, isto embellezar, conservar e
reproduzir.
Montado em grande escala e supprido
directamente por grandes fabricas de Pa-
rs, Londres e Hamburgo, pode offerecer
productos de confianca, e satisfazer qual-
quer encommenda grosso trato e a rc-
talho.
Os Srs. artistas pintores, e os donos de
obras poderao escolher vontade, pois
que tudo estar vista, as differentes co-
res de que tiverem necessidade.
Ha tintas em massa e em p impalpa-
vel, e como as obras a envernizar s se
devo erapregar tintas muidas, e nao me-
recendo confianca as que vem de frapara
commercio, por velhas, e talvez falsifica-
das, neste armazem se as moer vis-
ta do consumidor, que s assim ter tin-
tas frescas c verdadeiras.
Ha tambem ouro verdadeiro, verde em
p ecmfolha, prata em folha, p debron-
zear de varias cores, diamantes para cor-
tar vidros, burnidores, ncar superfina en-
carnada, amarella e verde, tintas vege-
taes, azul, roxa, verde e amarella, inoffen-
sivas, nicas que se devem erapregar as
confeitarias, colleccoes de pinecis para
fingir madeira, com propriedade, e outros
de varias qualidades, vernizes, copal,
graixa, branco ou escuro para o interior
e exterior, para etiquetas e quadros, tin-
tas finas em tubos, em crayoes ou pastel.
tellas para quadros, caixas de Unas linas
e papel para desenlio.
Essencias aromticas verdadeiras, fras-
cos e vidros para vidraea de todos os ta-
manhos, e mu tos outros objectos, cuja
ulilidade e emprego s com i vista pode-
rao ser mostrados.
Joao Pedro das Nevos,
Gerente.
isss
SEGUROS DE VIDA EM MUTALIDADE.
AdireccSt do BANCO UNlAO tendo obtida do governo de S. M. F. a *ulorisao para SUbele-
cer o seguro de vidas em mutualidades, faz publico que desde j toma subscripcoes annuaes por urna
s vez, debaixe das seguintes condteoes : *
Con perda de capital e lucros;
Dito capital smente;
Dito lucres smente;
devendo a primeira liquidarlo ter lugar no 1 de Janeiro de 1859.
As vantagens do emprego de capltaes em mutualidade, sao obvia, porque nao smenle se co-
in o juro de quantias diminutas, de que avulsas se nao poderia tirar nenhora resultado mas aJm
disso, este rendimento augmentado pelo capital on lucros, ou ambas as coasas, conforme as coBdieVs
da subscripcao, dos que falleccm. Tambem partido pelos socios sobreviventes tudo aquillo qne os so
cios morosos nos seus pagamentos, sao por este motivo obrigados a pagar, bem como caducidades qne
occorrerem pela falta de cumprimento do compromisso social. *^
As liquidarps sao pelo systrma dascompanhias hespanholas, Tutelar eoutras; e parase poder
fazer urna idea do que pode produzir urna entrada annual de 105, publica-se a seguinte tabella'basca-
da sobre a experiencia de muitos annos de companhias desta natureza :
En -annos En 10 annos Em 45 annos Em 30 annos Em K unos
4:7005
3:700&
3:500*
3:400*
3-.3SO*
3:330*
3:400*
3:700*
5:0005
As entradas por urna s vez do resultados muito superiores s annuaes.
Porto, 10 de agosto de 1863.Os directores do Banco Uniao, Jos da Silva Machado.P. X. tan
der Niepoort.
Agentes em Pernambuco : Antonio Luiz de Oliveir Azevedo C, ra da Cruz n. 1.
Por um menino de 1 dia a 1 anno 1104 400* 900* S:0005
> > de 1 anno a i > 905 3005 7505 1:7005
de i > a 3 i 865 296* 7205 1:6005
de 3 > a 4 8b* 280* 270* 7105 1:5005
de 4 > a 15 > 8(>5 7005 1:5505
Por urna pessoa de 15 > 20 > 865 2705 7005 1:5405
de 20 > a 30 > 865 2705 7105 1.560*
de 30 > a 40 > 865 2705 720* 1:6000
de 40 > a50 90* 3005 7505 1:800*
CASA DE SAUDE
Em Santo Amaro
Do Dr. Silva Ramos.
nico estabelecimento desta natureza
que existe entre nos, montado do modo
que pode com todo o commodo e zelo tra-
tar qualquer doente, que nella seja reco-
lhido.
0 edificio magestoso e censorva-se
em perfeito estado de limpeza e conve-
nientemente mobiliado.
Os doentes sao separados, segundo os
sexos, natureza das molestias e condic,oos
sociaes.
Ha quartos fortificados para os aliena-
dos, e urna enfermara para as partu-
rientes.
O proprietario encarrega-se de qual-
quer operacao.
O estabelecimento franqueado qual-
quer pessoa que o queira visitar.
Primeira classe 35000diarios.
Segunda dita.... 25500
Terceira dita.... 25000
Para que qualquer doente seja ali rece-
bido, basta que se mande o nome do doen-
te e da pessoa que o remette, com a de-
clararlo da morada.
0 proprietario aceita contratos annuaes
com qualquer que queira ter um ou mais
leitos sua disposiejio.
i-aflfiravo de SO.
RRILHANTE.
0
smuiuz.
AURORA
I* SI
LARGO DA
Francisco Jos Fernandes Pires, dono do grande eslabelecimente de mr>
lhados denominado AURORA HH1I.IIANTE, avisa ao resperlavel publico tanto-
da praca como de lora, e com especialidade aos seus freguezes, que o seu estabe-
lecimento aclia-se prvido de novo sortimento de bons gneros tanto do paiz co-
mo do estrangeiro e prometle vender amito em conta tanto a relalho como em
grosso
230OO
LEUDES.
iio.ii:
liu'i-la-feira i do corrente, na ra da
Cadeia n 53, armazem, as 11 horas
DE
i mi cavallo cor rosiiho, carrego
baixo. bom estradeiro.
Pelo agente Euzebio se vender em leilao diver-
gs obras de marcineiria, bera como de araarello,
ama mobilia, camas de balaustres, tanto para casal
romo para solteiro, mesa elstica com 18 palmos
obra forte e bem acabada, guarda louca, estante
para livros, mesas, cadeiras, cama franceza para
utenioo, com grade de palba dos lados, bereo
grande de faia. quadros religiosos, cabide de iaca-
faml e urnas obras de ouro, aderecos, pulseiras,
v. um faqueiro de prata, obra do Portea_________
E.OTE2RIA.
GASA DA FORTUNA
Bilhetes garantidos.
A' roa do Crespo n. 24 e casas do eos-
turne.
Depois d'amanha se extrahir a segunda lo-
tera extraordinaria em beneficio da Santa Casa
de Misericordia.
O abaixo assignado reeommendando ao respei-
tavel publico a compra de seus mui aforlunados
bilhetes garantidos, lembra-lhe a vantagem que
No dia 31 de outubro ausentou-se a preta fula,
de nome Felippa, a qual foi algum tempo do Sr.
Antonio Jos Rodrigues de Souza, mu lo conhe-
cidae costuma andar bebada, julga-se andar pela
Podra Molo e Apipucos : quera a pegar, leve-a
ra Nova n. 38, que ser bera recompensado.
Aluga-se urna escrava que sabe engommar e
; cozir .r, sabe tratar de meninos, muito fiel, nao
tem vicio de qualidade alguma : aquelle que qui-
zer, dirija-sc ra Augusta n. 76 -Na mesma ca-
sa procura-se roupa para engommar e costura pa-
ra coser; e tambera procuram-se pretinhas para
ensinar a coser e engommar.________________
1 Urna pessoa com bastante pralica de com-
mercio desoja empregar-sc em alguma casa de
commissoes ou importadora : quera pretender an-
nuncie para ser procurado.
j,
DE
.ttobilia e roupa.
HOJE.
O agente Pestaaa contina o leilo de mobilia e
Tmipa" feila pelo motivo de nao ter tido tempo pa-
ra acabar, o que far hoje i do corrente pelas 10
iioras da mauhaa na ra do Trapiche n. 40.
DE
Mobilias, crystaes e outros muitos
objectos.
4|iiinta-feli'a, 5 do corrente.
. dez e inela horas da naanha.
>o armazem, primeiro e segundo andares
do sobrado da travessa do Yigario n. 27,
oito do Corpo Santo.
O agente Ol.YMPIO, no dia, hora e lugar cima,
vender os objectos segrales :
Urna mobilia de Jacaranda composta de 12 ca
leiras de guarnico, duas ditas de braco, duas di-
tas de balaneo, qm sof, dons consolos com tarapos
com dito, duas raobilias brancas de faia, um guar-
da-louca, um guarda-vestido, um guarda-roupa, um
lavatorio de mogno cora pedra, apparelhos de louca,
pares de lanlernas, urna cama franceza, quatro ca-
deiras de charo, aparadores, lavatorios, mesas
paca jantar, quadros com molduras, cabidos para
roupa, secretarias, um seJlira, lavatorios de ferro,
ama commoda, candieiros gaz, clices para vi-
iilio e champanha, bidets, urna carroca para car-
iieiro, ama caixa cora ferramenla, pistolas e armas
de c^a, entre ellas urna espingarda de 6 tiros, urna
perea de ps de aceresticos para casas e escrip-
tinios, e outros muitos artigos que se tornara en-
f i.lonho mencionar.
quantiae mais a do 1:600$ que pagara o abaixo
assignado, importancia de ditos descontos, aconte-
cendo o mesmo com as outras sortes
Os bilhetes garantidos pelo abaixo assignado le-
aro a sua assignatura de
na frente do bilbete.
Os premios maiores de 203 serao pagos urna ho
ra depois da extraccao.
Preeos.
Bilhetes inteiros..... 123060
Meios bilhetes...... 6J0O0
Para as pessoas que coraprarem
de 1003 para cima.
Bilhetes........ 115?9
Meios.........- 3600
Manoel Martins Fiuza.
soilTiE
moMWEficrams OSco-
llll IIIUW ESI PEBSAM-
BUCO
0 presidente da Sociedade Uniao Bencficente dos
Cocheiros em Pernambuco participa por delibera-
So do consclho a todos os socios da mesma Socio-
ade, que tendo de por em execucao o art. 74 dos
estatutos da mesma Sociedade, por isso pede enca-
recidamente a todos os seus irmaos que hajam de
comparecer no dia 8 do corrente mez, as 10 horas
do dia, na sala de nossas sessoes, para assembla
geral.
Sala de nossas scsscs 2 de novembro de 1863.
Wenceslao de Castro Madeira.
1. secretario.
A'teneat A T H/l A IV! A K*
Xa ra estreita do Rosario n. 19 trabalha-se com l\ II LM i ^1 f-\ IX
i\ : a perfeico em bordados e flores de todas as 1 MA J-f-M. L.. J- /.-.
dualidades,apromptam-se ricas grinaldas e boquets | Estando a COnfeCCO tar-se 0 almanak
oara casamentos e bailes, d-se tambem lices de i ..i;.. uam im
flores s familias que qaizerera aprender. desta f rtVIlfia, qe COnlinna ser IM-
Apromptm-se bandejas com bolinhos, e ar- 1TCSS0 nesta typOgraph^, COnVda-Se 8
maco para noivados, e faz-se po-de-l, pndim, t^A^ _,, uesSOitS BUe telle fazem pa'te,
tortas, pastis de nata,bom boceado, e outros bolos, imas "'^ r ,lC _, o
e squitos conforme a encommenda, com prompli- tara une remCUJim di >iari j. q
foieao, e d-sc por yendagem 100
pataca : na travessado Falcao, casa terrea
Fugie do abaixo assignado, no dia 20 de Janeiro
do corrente anno o seu escravo Firmino, cabra es-
curo, idade 20 annos, estatura regular, olhos par-
dos, bremas pequeas, cabellos rarapinhos, ps e !!
mos pequeos, e imberbe, muito ladino e incul-
ca-se por forro, e se suppoe achar-se na cidade do
Recife, onde j esleve muitos anuos, ou em seus
suburbios : quera o pegar pode levar ao abaixo
assignado, ou o entregar ao Sr. Jos Portella da
Costa no Recife.Pedro Cavalcanti de Albuquer-
que Maranbo.___________________________'
DH. W. H M. GAATK
Dentista americano
) Ciua dn Imperad r n 03.
Offerece ao respeitavel publico de Pernambuco
os serviros de sua profissao ; todas as operacoes
da bocea e denles sero executadas com o ultimo
e muito melborado principio de cirurgia dental.
Perdeu-se o meio bilhete de n. 1123 da lote-
ra extraordinaria que corre no dia 6 do corrente,
o qual pertence ao 2. tenetite Jos Francisco de
Azevedo, e foi perdido em viagem para a villa do
Limoeiro, por isso previne-se ao Sr. thesoureiro o
nao pague a outra pessoa, caso saia premiado.
Aluga-se urna casa nova acabada agora, na
Capunga, na primeira entrada antes de chegar a
S. Jos do Manguinho : a tratar no mesmo lugar.
E tambem um soto na travessa da Bomba n. 8.
i|!i WlW $3l DH WiW: !
O Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
Io e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
sao medica, e com especialidade
sobre o seguinte
1 molestias
2o
3o i
Biscoutos inglezes em latinhas
muito enfeitadas de varias
qualidades de l&GOO a
Latas cora marmelada nova a li-
bra 720 e............ 800
Ditas com ameixas......... ti5i00
Ditas com ervilhas francezas. .
Ditas com fructas em calda,
500 e..............
Ditas com figos de comadre a li-
bra 30 e............
Caixas com passas novas de 8 li-
bras a 3;5000, a libra 480
Ditas com figos com 8 e 16 li-
bras a 25000, 2500 e...
Chocolate porluguez e hespa-
nhole francez a libra.....
Queijos do reino do vapor a
2/e.............
Ditos de pialo novos, a libra a
640 e........ -.
Ditos de manteiga muito fres-
. caes a................
Vinlio do Porto muito fino, ca-
ada a 5#600 e 75, e a
garrafa a 640, 800 e ...
Dito da Figueira de marcas supe-
riores, caada a 45 e 55, e a
640
400
560
45500
15000
25240
720
560
laooo
garrafa a 560 e
Dito de Lisboa a 35, 35500 e
45000, e a garrafa a 400,
480 e............ 560
Genebra de laranja, o frasco a
900 e................ 15O0O
800J Dila de Hellanda a 640 e...... 15000
Spermacete a libra a640, 720 e 15000
Caixao de doce de goiaba, a
500,640 e........... 800
Charutos finos, caixas e meias,
dcSimas, regala, parisien-
ses, delicias, trovadores,
suspires, varetas, flor de
S. Flix, Traviata, guana;
bara e muitas outras qua-
lidades, a 25800, 35000.
35500, 450'0, 45500 e. 55000
Vinhos finos engarrafados era
caixa a 135, 155 e 205 e
a garrafa a 1/ e.......
Copos lapidados para agua e vi-
nho, a duzia a 65500 e .
Caf lavado e de Moca, a 280,
320 c 360 rs a libra, e a
arroba 85500, 95000 e..
Cha hison superior, a 25560,
25800, 35000 e...
Finalmente tudo que consla tendente a moldados encontrar sempre o res-
peitavel publico um grande sortimento de boa qualidade o por preeos commodos.
PBIK1IR4 E mW CASI FELIZ
PORTUCiAIi
PORTO.
Ra das Flores, 1 c 3 (junto a igrej* da Misericordia )
PARA
GRANDE LOTERA DE, HESPMIHI.
Cuja extracyo ser ffeita a 3 de dezembro de M813.
Pesos fortes. Mocda porloguwa.
de olhos;
de peito :
dos orgos geniti
afiraries.
Km seu escriptorio os doentes se-
rao examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d si
6asi0damanha, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
cao que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seu
doentes.
1
1
. 1
2
10
15
30
100
2816
9
fortes.
de
de
de
de
3--RUA ESTREITA
Francisco Pinto Ozono contina a col-
locar dentes antiflciaes Unto por meio de
molas como pela pressao do ar, nao re-
cebe paga alguma sem uue as obras nao
fiquem a vontade de seus donos, tem pos
e outras preparacoes as mais acreditadas
para conservaco da bocea.
LE 40
DE
i cabrio et de 4 rodas.
Quinta-feira !i do corrale i 12 haraa.
O agente Otimpio vender, era leilao na posta do
armaiem da travessa do Yigario n. 27, um ca-
briole! de & rodas.
para que
da p
i e qualidade de estabelecimento e aos
dao e perfeico, e d-sc por yendagem 100 rs. por ^ ^..^ ,|a |depeildeilCa, MUS MBM
... WUTIUit U3 ~ 1--------------------
raembros da mesma para a sessao Econ.. d'ama- neilhores de entlM* Me Se Olgne
nha 5. Recife 4 de novembro de 4*63 *------------
remetter alm dos aoraes de seus ei-
Offerece-se am francez cozinheiropara eccu- _:., ltl a,.H
par-se em casa particular ou hotel : na livraria genhS, O da fregUdia e tlrtaarU a que
ns. G e 8 da praca da Independencia, das 8 s 40 sertencerem.
oras da uianha.
A casa n. 61 da ra da Concordia, do Sr. ISo-
Para engenho. ^^ MqdU Teixeira Quimarjes, me esto hypotlie-
Quera precisar de um homem Porluguez com, cada p0T duas escrnturas celebradas no carlono
todas as habilitares para administra tor de enge- do tabeliao interino Pedro Alejandrino, ejasc
nho, visto que ten conheciraento do planto e fa-: acnam Tencidac 0 ya tratar dn competentn accao
brico do assucar, pode dingir-se a ra da Cadeia pwa ^ mo Recife 3 de novembro de 11
l. 55, esiyipWrio,no primeiro andar.
Aluaa-se o sobrado na ra do llangel n. 37,
Marcelino Jos Lopes.
Alna-se uraa casa cora commodos para U-
a deiejar, quemquizer: m1ik a margem Aa ri0 (pibaribei na h;i do Ro-
idjjfortas n._W8.___1 tir0jna passagcm da. Magdalena,por 1505 j a en-
cora tudo qpanto se aspira
apresse-se : a tratar na ra
' Hrectsa-se de um pequeo Portnguoz dos che- tender-s^ com Joaqfim Antonio Pureia, na loja ae
gados ha pouco para.caixetro de taberna : na ra f loagada ra larga do Rosario.
da Seneala Velha n. 5.
Piecifia.se de um menino da
ra caixeiro de uro lo-j* na villa d
pretender, dirija-se roa do Queimado n. 19.
. AlugA-so uraa casa, na roa do Gazometro,
U> a 14 asnos con 2 salas, quarto, oozinha. lora, quintal murado:
para caixeiro de uro loja- na villa do Paco : quera. a tratar no sobrado ao norte do masan Gasmetro,
I a beira do no, preco de iV>-
l 1 g o e s
PARTIDAS DOBRADAS
ARITMTICA
TRRS VEZES POR SEMANA
TERCS QUIMAS E SABB.1D0S
DAS 7 S 9 HORAS DA NOITE
Preco 10,000 rs. mensaes payos adiantados.
Manuel Fouseca de Medelros,
coniin* a dar licoes das referidas materias no
primeiro andar do sobrado da ra Nova, que faz
esquina para aCamboa do Carroo, onde, trabalha o
Sr. E. Gadault. As pessoas a nuem o prestimo do
annunciaoie puder aproveitar dignem-se procnra-lo
ahi smente nos dias o horas cima designadas.
PREMIO.
de.......
de.......
de ...
de 20,000 pesos
de 10,000 ditos,
de 5,000 ditos.......
2,000 ditos.......
1,000 ditos........
500 ditos. .......
1,000 ditos cada um para os 9
da dezena que obtiver o premio de
pesos.......
9 de 400 ditos para os 9 ditos dita do dt? 1,000
pesos. .
2 approximaces de 1,000 pesos cada urna para
os nmeros anteriores e posterior ao premiado
com 300,000 pesos
2 ditas de 700 pesos para os ditos do de 1,000 ps.
2 ditas de500 pesos para os ditos do de 50,000 ps
nmeros
300,000
300,000;
K)0,OO0
50,000
40,000!
10i',000'
75,000
60,000
100,000
1,408,000
9,000
3,60
ou rs. 270:0000000
90:0005000
45:0000000
36:0000000
90:000000'.
67:5000000
54:0000000
98:0000000
1,267:2000000
8:1000000
3:2400000
3000 premios em 30,000 bilhetes.
2.000
1,400
1,000
2.250,000
l:8OO0Oi)O
1:260/000
9000000
Bilhetes inteiros a
Meios bilhetes a
Presos em moeda forte.
1200000 I Quintos de bilhetes a
.' 600000 Decimos a y
2,025:0000000
24*000
120000
Joao da Silva Ramos, medico pela nni-
versidade do Coimbra d consultas em
sua casa na ra Nova r. 30, das 8 s 10
horas da manhaa e as 4 s 6 da tarde e
recebe igualmente eonvites para dentro
ou fora da eidade com o llm de se en-
carregar de qualqaer servico de sua pro-
fissao.
Os chamados de vern vir por aserilo.
fl
Jos Ignacio Ferrera Horiz,
com "loja de cambio e bilhetes de loteras
tflanrndo no governo civil do Porto, em conformldade do edKal
dr H de j 11 nho de IMJO.
Satisfaz com promptido todas ai encommendas que Ihesejam fetas, mesmo em
grande quantidade e pelos preeos cima indicados, vindo acompanhadas do seu importe:
e no fim da extraccao remette as listas dos premios. N. B.
cinco bilhetes para cuna, faz-se o abatimento de 5 por cento.
Para informaces no escriptorio da ra da Cruz n. 19,
Sendo a encommenda de
DE
- Na ra dos Piros n. 50 se dir qncm se in-
cumbe de preparar comida por ajuste mensal,
com a maior pericia e acoio e que sendo preciso
mandar levar no lugar e na hora pontualmente,
conforme convenciunar.____________________
O Papagaio de Liga.
Sube hoje o 4" numor* doste peridico e acha-
se venda nos lugares j annunciados, aonde tam-
bem se vende o segundo numero da Estrella do
Norte._________^ _________ .
Aluga-se urna excollente casa na Capunga a
margem do Capibaribe : a tratar no cao* da Al-
fandega armazem n. 5.
AMA ^
Precisa-se de urna ama qu ib eotlnhar : sa
roa Nova n. 69.
DE
J. VIGNES.
W. a*. RA MO 1MPKMAMOM
. 6&.
sua superioridad, vantuant e garantas que "ffcrecem aos^coute^ 'apVareeida.nest praca ; pos-
tis qu e .elles tem deumbvamente cooqms^^re^^
smndo um teclado o maehimsmo me obedecem a tonas J*^^ lhoramon|^ npartan-
nunca 'alhar, por serem fabricado do proposito, 1 -^,.
tissimos para o clima deste ptittx qtaiao s v*p
veis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazom-se conforme as en'
correspondente de J. Vignes, em
No mesmo estabelecimento
melhores compositores da Europa,
por presos muito razoaveis.
sao
opa, asara
fabrica como na do Sr. Blondel, de Pana, socio
los em tedas as posteses. ,
Taado sortimento de mnsioas dos
ios harmnicos, sendo ludo varado
MTLADOL


Diarlo de Pernambneo Qaarta feira 4 de Xovembro de 183.
I

FAZENDAS DE BOM GOSTO.
PASA 7EST1D0S-
Superiores cortes de gorgurao de seda com flores matisadas gs mais modewios que tem vindo a Pernambuco.
Ditos de moreantique de cores, deJistas, de flores, e acnamalotados, cores mu lindas.
Ditos de moreantique pretos de palmas com barra.
Lindos cortes de granadino de seda com barra e chale igual.
Ditos de laa com barra matisada e damesma cor, a imperatrizpelo barato preco de 105, 125, 185 e 20 cada corte.
Ricos vestidos de blonde para noiva com lindas mantas de fil de seda, de blond e com capella.
Ditos de cambraia brancos bordados a 125, 155, 255 e 355 cada corte.
Lindas laas lisas finas a 500 rs. o covado.
Ditas de quadrinhos e de flores -a 400, 500 e 600 rs. o covado.
Superiores organdys com listas-de seda, os mais modernos que tem vmdoa Pernambuco.
Lindas cassas de cures de superior qualidade a 400,500 e 640 rs. a vara; assim
Como um variado sortimento de percales, chitas francezas a 280, 320, 400, 500 e 640 rs. o covado, e outras murtas raleadas que
seria enfadonho mencionar.
PARA HOMBROS JE NKVIIOJCAN.
Manteletes de seda pretos a 18.
Capas pretas de grs a 235, 302 c 353.
Ditas muito superiores a 402,453 c 503.
Superiores santiembarques de-easemira.
Ditos ditos de lindas laazinhas Hsas ede quadros.
Ditos de seda pretos e de cores.
Ditos de musselina de seda chmeza.
Superiores manteletes do torcal,protos.
Lindos chales de musselina e de thally matisados cem listas de seda.
'Notos chales de.torcal e outros mitos artigos modernos.
PARA < \lili V DE SKMIOKA E MK\I\OX.
Superiores enfeites de flores, gestos os mais modernos em Paris, chegados pelo ultimo vapor francei.
Lindos chapeos de pallia da Italia enfeitados com muito goslo, a Imperatriz e a Valeroy.
Ditos de palha para meninos e meninas.
Ditos Reseda bordados. ,
Entremeios bordados largos e estroitos, tiras bordadas largas e estreiU, tiras de fustao bordadas para calcas de meninas, saias
bordadas e outros muitos artigos de gosto por precos mais commodos do que em outra qualquer parte : na ra do Crespo n. 13, loja
das columnas de Antonio Correia de Vaecencellos & C.
Deseja-se saber quem a pessoa que tem o
, direito de receber os foros, com relacao ao sitio na
estrada do Luca, pertencente a Antonio de Souza
Rangel; e roga-se a quem se julgar nessascir-
I cumstancias, e nesse direito, se aprsente em seu
proprio interesse na ra da Gloria b. 86, dentro do
I praso de 8 das, a contar deste, mesmo a im de
nao se chamar ignorancia nem poder allega-la,
O GALLO CANTA.
Nao possivel que o gallo, vendo entrar era sea
Preeisa-se de- nm moleque para o servico i
interno de urna casa : na ra Direita n. 43, pri-
meiro andar.________.
Dase dlnheiro a juro : no pateo do ltrco nl"h objectos de elegante gosto," deixe de dar o
n. 12, taberna. seu cant0- annunciando aos seus freguezes, para
-------------------------:---------------------". - Traspassa-se_a chave de urna casa terrea, si- Eufcites ,uerer a saDer"
Chegaram os riquissimos enfeites e grinaldas de
ta no bairro de Santo Autonio com tres quartos,'
a proposito de quaquer negociare.que por venta: duas salas cozinha fra e quintal todo plantado floreX^ "^ "d, ^e" EL^.J!
ra se haja de fazer sobre este sitio. com gosto, forrada de papel, o quarto da frente e a "?re.s' "n^rTnXn anrariar i 1St<\ **?*
sala de detraz assoalhada : o aluguel de 253000 oas^nlioraspodera apreciar so no vigilante,
por mez : quem a pretender dirija-se a ra do Ira crespo u. /.
perador n. 16, armazem. llares
---------------1-----~a,._ i ------------------ Tambem chegaram os delicados ramos de flores
AOS prcillluTIllt's matizados de lindas cores, que servem para qual-
J est vasio o sobrado de um andar da ra d quer enfeite : s no vigilante, ra do Crespo n. 7.
Hospicio n. 24, com muito bons commodos para fa- Cintos
milia : a tratar no mesmo.__________________ | Tambem chegaram os novos c delicados cintos-
com fivella, guarnecida de pedrinhas e duas borlo-
Alieiico.
[Ra do Queiiuado u IO lo-
ja de Ferro fc Mala
Vende-se nova e linda fazenda pro-
liria para vestidos de senhora e roupa de
meninos pelo diminuto preco de 300 rs.
o covado.
Precisa-se de urna pessoa de 16 annos para
tomar conta de nma casa de rancho perto desta
praca : quem estiver nestas circunstancias, diri-
ja-se s Cinco Pontas n. 66, as quartas-feiras e
Criado. 5abbados-________________-__________
Precisa-se de urna boa engommadeira que en-, .Multa atteneao.
tenda de cosinha e de um preto forro ou captivo | Precisa-se fallar com quem for carrespondente, v
para servico de ra : a tratar na ra da Cruz n. 5, encarregado dos negocios, ou prente do Sr. Jos
escriptorio. ; Gomes Pessoa de Albuquerque, que se suppe ser
tinhas no centro, cousa de muito gosto : s no vi-
gilante, ra do Crespo n. 7.
Bandeijas
! Riquissimas bandeijas de charao e outras quali-
dades de lindos desenhos, que se vendein por pre-
cos baralissimns nar acabar s nn vitril.intp.
__ Prpcisa-se rfP nma ami nara continuar ou ,er s,dosenhor ou rendeiro do engenho Taba-
, Z i uma ama para continuar [Dga( na provinca da Parahba, sobre negocio que
e concluir a amamentacao de uma enanca : (ihe interessa ua ra estreita do Rosario n. 4,
na ra estreita do Rosario o. 31,' terceiro primeiro andar,
andar.
laratissimos para acabar : s no vigilante,
ra do Crespo, n. 7.
Pomada real
1 Tambem chegaram os bonitos eopos de porcel-
lana fina com banha e com lindos retratos, sendo
privilegiada pela rainha de Hespanha : s no vigi-
. lante, ra do Crespo n. 7.
- Aluga-seUiuTcasalerrea na ra dos Pesca- cnJ*b0?tUA **
-Aluga-se o segundo andar do sobrado da ra *.. 29, cora os seguintes commodos : 2 salas, &^ ortongto de sanetes para tojo.
do NogueTra n. 19, e a casa, terrea da ra do Jas- S^SnbT^t ator na "ni CIKV'S* W ^ e ^^ rs^assfm o esff com'
mira n. 10, cuja casa esta pintada e ca.ada de no- ? caA' ,"bra a lratar na rna Uiruta n- *' P" todos os preparas para limpar denles pelo barato
vo : a tratar na ra Direita, loja de ferragens n. muro andar.
, aja
73, ou na Capunga, (porto do Las
! da casa da Sra. vluva Carvalho.
rragens
serr), defronte
EXTINGITEjH SE
AS FORMIGAS.
Com o emprego das velas mixtas compostos de
ingredientes taes (jue, estes daninhos insectos aspi-
rando uma s vez a fu maca deste lethal mixto,
raorrera inevilavelmcnte ; o que nao acontece com
as velas mixtas comrauns, as quacs longe de mata
rera pela fumaca, obram pelo \excessivo calor, o
que as torna canssimas, attento exigir duzias para
o effeito de uma s, das do systeifla do fallecido
pyrothechinico Rufino. Para amostras e encommen-
ds no oilo da secretaria de polica, armazem da
bola amarella.

ESTRADA
FERRO
RECIFE A S. FRANCISCO
Do da 2 de noveuihro de IM:*. at segundo aviso, as horas das
partidas dos tren* sero reguladas pela tabella seguate:
TBEIV5 PARA O INTERIOR
Dias de trnbalho Dmiiiiigos e dl.lM NllIltON
asffiajjjtes, PtMagtfrofl .B 1. i' .hit Merca ilnhas c ptfMBJBi ros p 3 CI.ISSC-. l'assagi'tru'i le 1. i. P 3 Una. Passageirosde 1.', 2.' e 3." classe.
NAKHAA TARDE TARDK HANHAA TARDE
II 8 8 8 8 8 9 9 9 9 10 10 10 11 11 11 12 M. 0 8 18 33 47 0 18 33 47 0 27 45 3 2-2 40 0 H 2 2 3 3 4 4 4 B 5 M 30 50 30 5 85 0 5 25 II. 5 5 5 5 6 6 K. 15 23 *3 40 31 15 II 7 7 8 8 8 8 9 H 9 9 10 1' 10 11 11 11 19 M. 45 53 3 10 32 45 1 15 2^ 40 6 23 41 1 18 38 0 H. 5 5 5 5 6 6 M.
30
38 48
Prazeres ........ Ilha....... 171
30,
Olinda............ Timb Ass .......... i
Frexeiras........... Aripib............ !
__


TKBNS DO INTERIOR
Dias de 0TOJ c pa rii!* 3. c tal tal Ico tll.HIKI^I.S din* santo*
l#V<9$i*9 1* .*<: 1 1 >.-la 1., i. o 3 eluic. Ion P*j*MgetnH .I.- I., i. 3 cUue Passageiros de 1", 2.a e ''claese.
MANHAA UaMIAa TARDE HAKHA TARDE
II. 6 6 7 7 7 7 II. 4o 54 17 86 4 11. 1 M. II. 11 1 1 1 2 2 2 3 3 3 3 4 4 4 4 4 5 M (5 9 2;i 46 i i-J. 3. 17 30 43 0 1.1 3 i 42 52 (i II. ti 6 7 7 7 7 M. 3n 43 5 12 22 30 11 1 1 1 2 2 2 9 3 8 8 4 4 4 4 4 5 5 M.
8 8 i 8 10 10 10 II 11 11 12 1 o 27 52 17 5 25 50 10 30 45 15 0 0
24
Cuyambuea....................... fininclcira........................ Riheirao......................... Aripib.......................... 45 3 23 41 59
Escada ......................... Timb Ass....................... 25 36 0
Ilha.............. 15 28
50
57:
7
Cinco Ponas..................... 15
Companhla fldelldd d
seguros martimos e ter-
restres estabeleclda no
Rio de Janeiro.
AGENTES EM PEPNAMBUCO
Anlunio Luiz de Oliveira Azevedo k C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercadu-
ras e predios no seu escriptorio ra da
Cruz n .1.
Manoel Jos Pereira Marinho, capitao do
hiate nacional Tyno, faz leilo do mencionado ni-
vio, com todos os seus pertences no estado em
. que se acha, ancorado no porto do Ass, por ter
! encalhado ao entrar da barra no da 4 do prximo
passado, por conta e risco de quem pertencer,
ouinta-feira 5 do corrente, porta da Associacao
Commercial, pelas 10 hora; da manhaa, por nter-
vencao do agente Pestaa. 0 inventario estar pa-
tente no acto do leilao.
Attenco.
A abaixo assignada, mulher de Francisco Gon-
galves Fortes, pede a este senhor que venha buscar
os seus ilhinhos que os deixou fume e a miseria
deste mundo ; ha 10 mezes que nao d um pao a
, estas pobres crianeas ; pois este senhor bem sabe
que a mai da abaixo assignada nao tem meios para
si, e c rao ter para tantos 111
Candida Thereza de Jess.
Precisa-se de uma ama que compre, cozinhe
e engomme, para casa de pouca familia : a tratar
na praca da Independencia n. 5.
tiudanca.
Henrique & Azevedo raudaram o seu armazem
de fazendas da ra da Cruz n. 57, para a ra da
Cadeia n. 34.
Wocledade Itecreatsva Terpsl-
ehore.
De ordem da presidencia faco saber que a socie-
dade nada deve a pessoa alguma ; havendo porm
alguem que se considere seu credor, apresentar
a conta ao Sr. presidente para ser paga com sua
ordem.
Recife 2 de novembro de 1863.
J. M. do Amara!,
_______^^ Tliesoureiro.
Aluga-se o 1." andar do sobrado na ra i-
| reita n. 9 : a tratar no 2. andar.
Aluga-se uma casa ierren na rna do Rosario
n. 44, no bairro da Roa-Vista : a tratar na ra do
Queimado n. 26.
Ama.
Precisase de uma mulher forra ou escrava que
saiba cozinhar bem e que seja diligente para casa
de familia, s propriamente para cozinhar : na ra
do Queimado n. 39, loja.
Precisa-se de uma ama para cozinhar e comprar:
na ra Direita n. 45.
Aluga-se a casa terrea da ra do Palacio do
Dispo n. 14, com bons commodos : a tratar na pra-
ca da Roa-Vista n. 20.
notas das caixas Cliaes do Raneo do Brasil, bilhe-
tes premiados das loteras do imperio e estrangei-
ras, com tanto que nao tenhara cnido em pros-
cripto : no armazem da bola amarella, oitao da
secretoria da polica.
Precisa-sa de uma preta ou preto para alugar,
para andar com fazendas com outra pessoa : a
tratar na ra do Queimado n. 11._____________
Di?seja-se muito fallar com o Sr. capi-
tao Manoel de Souza Leao Jnior a negocio
de seu interesre : na ra da Aurora n. 80,
Francisco da Silva Car-
dozo foz sciente a todos os
seus deveilores que nesta
d ta tem auturisado ao
Sr Antonio Jos d* Si-
queira para liquidar to
do o activo da sua casa,
portanto seus devedores
fe queiram entender cont
mesmo senhor respeit- ao
pagamento de seus debi
tos i>o prazo de 8 dias, e
pode ser procurado na
ra do Imperador n 4 0
Itecife, 23 de outubro de
1863. i
Contina a haver pao de senteio novo nos dias
quartas e sabbados de cada semana, na padaria primeiro andar_________________________
em Santo Amaro ao p da fundicao, na ra da Im-1 Aluga-se um sitio em Santo Amaro, sebrado
concertado de novo, para uma grande familia, com
dous viveiros de peixe : a tratar na ra da Cruz
n. 51. armazem.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado n. 33
da ra da Praia, acabado ha pouco : quem o pre
tender dirija-se ao segundo andar do mesmo, alu-
ga-se barato e tem commodo para familia.
peratriz n. 22, e ra do Brum, confronte o chafa-
riz n. 47, ra das Cruzes, deposito n! 39, na Pas-
sagem, taberna da esquina do Sr. Rento, que vira
para o Remedio, c uo armazem progresso, largo
da Penlia n. 10.
Ainda est por alugar-se o segundo an"
dar do sobrado n. 44, em a ra da Auro*
ra : quem o quizer dirija-se esta mes-
ma ra casa n. 10.

Alnga-se a loja do sobrado n. 193 da ra Im-
perial, e o armazem n. 4 da ra de Apollo : na ra Mr> e
da Aurora n. 36. Rangel
TINTURARA.
Tinge-se com perfeigo para qualquer
o mais barato possivel: na ra do
n. 38, segundo andar.
Aluga-se o primeiro andar da ra do Crespo,
n. 23 ; a tratar na loja. ;
Na ra do Queimado a. 1
deseja-se fallar aosSrs. Gabriel Germano de Aguiar
Montarroyos e Joaquim Ribeiro de Aguiar Mon-
tarroyos.
Arinazcm para aluyar.
Aluga-se o armazem n. 40 da ra de Apollo,
com mais de 300 palmos de comprimento, todo co-
berto e proprio para qualquer estabelccimcnto por
COMPRAS. ,
Compra-so por 300.5 uma escrava que nao
seje achacada nem fujona : quem a tiver annun-
cie ou dirija-se ra do Livramento n. 29, que se
dir quem quer comprar.
Compra-sc urna ou duas esenvas que nao
exeedam a 30 annos, que sainara cezinhar e en-
* "barque: tra,asenaha ^do-ffio 3Sc,os: a,allarnar,,a
Casas para sluyar.
Aluga-se a casa terrea na ra da Gloria n. 104,
reedificada de novo ; e o primeiro and ir do sobra-
do da ra da Cruz n. 26, com bastantes commo-
dos para familia : a tratar na ra da Cruz, arma-
zem n. 26. i
Compra-se um carro era bom estado, de 4
rodas"e com 4 assentos : na ra da Cadeia n. 35.
Um preto.
Compra-se um preto de 35 a 45 annos de idade
na ra do Crespo n. 17, loja.
comprase:
MUx^ ^/ m \Wm uma escrava que nao seja velha e nem tenlia acha-
Tcmo a cautela de declarar que o Sr. Felisbino ques e uma negrinha de 12 14 annos : no largo
Carvalho Raposo ainda nao fez o traspasso que Ihe do Paraizo n. 26.
competa na letra que me den em pagamento, sa-
cada pelo mesmo Sr. Felisbino no da 10 de setem-
bro, da quantia de 875, o aceita por Antonio Ror-
ges da Silveira Lobo, com o praso de cinco mezes.
Proraetlcndo-me o Sr. Felisbino apparecer breve-
Compra-se efectivamente ouro e prata em
obras velhas : na praca da Independencia n. 22 lo-
a de 1) i I lides.
N. R. .\as segundas-feiras e sabbados o treni mixto de carga e passageiros nao partir
Gameleira, mas sim da Escada para Cinco Ponas s 10 horas o cinco minutos da manhaa.
T. Amtin, superintendente interino.
de
mente em meuarmazem para fazer dito traspasso, n|.f(.,,A|0
consent que levasse os blhetes de pedido para sua I -lid 11
PRESTEM TODA ATTENCO
PROTEJAM TODOS.
saiaeorjqej sojoq|oiu sop se5joj se sepoi op oiubj a oueid md sBoisnpj
I OpBAOD 0 SJOOS S8a3 3P SWJ SeSSBD S0U18PU8A
SOpBpjOq
SOOUBjq S0pi|SdA Op S81J03
tfOS c sojajd saj3|aiHBjj[
eJnJJjei cun op soBpo3|v
sopeisajai sopo8|V"
5*1 b ffg 5 ff
'9 'tffi ''W "p S3C|OdB|)BK
somis
-<|U[i sozojub.'j sao|odepB]V
soypoSiv
OpBAOO O -SJ 00 B SBB/I
'OpCAOS O SJ OJ B SBSSBQ
sBiiuoq ojmuj sbipo
som|Bd ni >'ip oi!ii:iiii:j)
-oqu| op Bqneiojg
oquij ap s3omSs3
"BOUBjq Bpos op
SOpBAOD Og 0 SKJUBUJ 'Bl|8d
B3 'apuoiq op sopusoA SOOIJI
oqa|| si:ij'i -
S3JQD Op BJimOSBO Op SBdB3
soiaq ojini sbbj ap S3JJ03
SBpBpjOq SBjBg
Ofi|Bq sbbs
sanbjEqiuauBS
SBJOjd SBdB^
Bl|
Bii ap Eq|Bd ap SBuqadeqn
o]s'o8 ojmiu ap soodBqy
sepas
MMW
O bacharel Francisco Gomes Velloso de Al-
buquerque Lins tem o seu escriptorio de advoca-
da na ra do Queimado n. 41, primeiro andar,
fronte para a praca do Pedro 11.
u n. 29.
\o\a loja dos barateiros na ra do Queimado.
Velludo do cores fazenda muito boa o covado
350OO, baldes de panno 35200, ditos de arcos
35000, 45000 e 55000, laas de duas larguras
para vestido o covado 500 rs., chitas francezas o
covado 360 rs., melim branco para forro de
vestido o covado 120 rs., tarlatonas de todas as
cores a vara 720 rs.
Ao n. 29.
Nova loja dos haraleiros na ra do Queimado. Dtario.-A'ntonio Jos Mauricio.
Cassa lisa pelle de ovo a peca 75300, cambraia! Precisa-se de uma pessoa com as necessarias
lisa muito fina a peca de 17 varas 105, cam- habilitacoes para dar liccfcs das linguas latina ej .No hotel da Europa
braieta pega de 12 jardas 75000, cambraia adamas- franceza a uma pessoa residente na praca da Boa- compra-se um escravo de 20 a 30 annos para o
cada para cortinado a pega de 22 varas 105000, Vista desta cidade : a quem convier procure na servico dos quartos do mesmo hotel :
meias finas para senhoras a duzia 45000, chales mesma praca n. 21, segundo andar. nestas circurastancias, trate na ra
de laa ponto redonda a 325500. ; -----------------------------------------------------l Novo n 12
Ao n 29 .tgencla de passaporte. j------s-------------------------------------
.... Claudino do Bpito I rna desmrhintp de nisw-' ">mpram-se duas negras perfeitas coznhei-
Xova loja dos barateiros na ra do Queimado. porte tir^ofpara dentro e ?^ do "moerio o^r ras e engomraadeiras: na ra de Apollo n. 84'
Bicos pretos de linho a vara 120, 160, 240, 320 c^raroff prego epesteza na ra da"1^ pPr- i ^""do andar.
i ouipra-se urna escrava que saiba
engommar, csiiihar c
conferencia, que existiam em meu poder, provan- f;i/P|* lodo 0 lir>s si'i"\ ii o (le lllllll r;-;i
do o seu debito, e como at esto dato nao se tenha ,in t,..,i:. i i u
dignado o-mesmo senhor vir concluir to ridiculo C Idllllllil, SiilO IBOCa C (le IMKI COII-
negocio, julgo conveniente convida-lo por este dlldl I ffUCIll tiveP dlHja-SC a 1*11 l
Impci'atriz n. (.
quera o tiver
do Trapiche
rs., franjas de seda a vara 80 e 160 rs., galoes meiro andar n. 47.
de seda de algodo e de laa para enfeites de vesti-
do a peca de 10 e 13 varas a 400, botoes *de seda
de velludo e de fustao duzias 120.
'BquEiuanv a
'Btttng 'sUBd 'BJJajBi?ui ap Bjniiajipuia sepniA sepaazBj ap oiuaraiuos opbijba a oifoq um
.ogjiBjpjoua S.1X3 -aa qE 'oiauiaaiaa^jsa o||aq assa b sBJoqaas -SBUixa uiBfaioj,i
atfniA S3UU09 3sor
l\ 'n ids3J[> op rrj sepuazej p ]iwnji.^|,)iii;|st oine).iodiu; o\
soaox iit i:ib(mi.i
mmm n ovn
soaiaoMva^ a soMvoiawvMaad-^
Previne-se a quem convier, que a missaauef
a kmandade acadmica de N. i. do Bom Conscbo,
manda celebrar nos domingos e dias santificados
na igreja do convento de S. Francisco desta cida-
de, tara lugar d'ora em dianie, at ulterior delibe-'
racao, naquelles mesmos dias s 10 horas e meia'
da manhaa.
Portugal.
agente do banco
Aluga-se pelo tempo da festa 'ma casa sita
naruadaSaudedafregueziadoPco d PanlJa,
tue contem 2 salas, 3 quartos, cozinha fra. am
gabinete independate da casa: os pretendei,'<
dinjam-so a ra Direta n. 10, primeiro andar.
PrecjM-sc de um moleque ou de um criado
para o servico de rapaz solteiro : em Santo Ama-
ro, na segunda casa do Sr Amonio Jos Gomes do
Correo.
Saques sobre
O abaixo assignado,
mercantil Portuense nesta cidade, saca ef-
feetivamente por todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
qvaiqner somma, vista e a prazo, po-
dend logo os saques a prazo seren des-
contados no mesmo banco, na razao de 4
por centoan auno aos portadores qne as-
sim Ihe convier: as ras do Crespo a.
6 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
tsmmm
Aluga-se o sitio da senhora viuva Carvalho,
em S. Jos do Manguinho, com boa casa de sobra-
do, esteirada, quartos para criados, esribaria,
fructeiras, baixa de capim : no mesmo sitio se di-
r quem trato do aluguel.
I DENTISTA DE PARS
19Ra Nora-19
Frederico Gautier, cirurgio dentista,
faz todas as operacoes de sua arte, e col-
loca denles artificiaes, tudo com superio-
ridade e perfeicao, que as pessoas enten-
didas Ihe reconhecem.
Tem agua e pos dentificio.
Na travessa dos Expostos, sobrado n. 16, pri-
meiro andar, apromptam-se bandejas de bolinhos
para bailes e casomentos, muito em conta, com
suas armacoes, e boquete de cravos e rosas; na
mesma casa tem para vender flores para festas de
igrejas, ditos finas para senhoras e meninas; tam-
bem tem velas de carnauba muito boas de 6 e 14
em libras : quem quizer, dirija-se dita casa, qne
tudo mais barato do que em ontra qualquer
parte.
, GITereee-se uma ama livre para cozinhar o
diario do uma casa, e engommar para casa de no-
mem solteiro : quem precisar, dirija-se ra Ve-
lha, casa n. 47._____
Aluga-se o sitio denominado dos quatro iedes
Compra-sc cohrc lato vclho '
Precisase de uma ama porlugueza que sai- na PUa da (ladeia do KcCfe II. 36, Di-
Migntr R cumm. I .
do andar.
pre^o de 35000 : s no vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Delicadas tesourinhas
Grande sortimento de tesourinhas, tanto para
indias, como para costura; assim como muitos
outros objectos de gosto, que nao possivel annun-
ciar pela grande variedade de sortimentos, cajos
presos seno menos do que em outra qualquer
parte : s no vigilante, ra do Crespo n. 7.
Chegado pelo vapor:
So para o igilaute, rna do Cres-
po D. 9.
At que chegaram as muito desejadas cascarri-
lhas de todas as cores com uma fitinha de velludo
no centro, cousa muito elegante para enfeite, assim
como de outras quahdades, e precos muito razoa-
veis : s no vigilante, ra do Crespo, n. 7.
Para dar de mimo.
Chegaram as riquissimas nonecas de todos os
lmannos, restidinnos ricamenti enfeitados, cada
um emsua caixinha, propriamente para um deli-
cado mimo, por baratissimo preco : s no vigilan-
te, ra do Crespo n. 7.
Para os senhores baefaarcis.
Chcgou tempo a riquissima fita de chamaloto
para cartas dos senhores hachareis, assim como-
branca, lisa, propria para abrir letras, ou para
sintos : s no vigilante, ra do Crespo n. 7.
Penlca de marrafa.
Tambem chegaram os riquissimos pentes de
marrafa com pedrinhas.os lindos pentes de regaco
para meninas, meias do seda e sapatinhos proprios
para baptisados, meias de seda para senhora, lilas
de laa para debrum, fita de linho, trancas de laa,
de linho e de seda, luvas de seda e pellica, e fio de
Escocia e camurca, alfinetes de cabeca chata, car-
teirinhas cora todas as agulhas precisas para cos-
tura, (velas de madreperola esmaltadas de ac
para sintos, flores de todasas qualidades, caixinhas
com pastilhas de perfumara, abafadores de laa
para senhora, toucas e sapatinhos de laa, pulseiri-
nhas de borracha para segurar manguintos, fitas c
cordes de borracha, sabonctes redondos, ditos
chamados de familia, pomadas de todas as quali-
dades e dos fabricantes mais afamados, colchetes
pratiados muito finos, retroz de todasas qualidades,
retroz em carretel e em novello, e de meada, de
todas as cores, escovas para dente?, ditas para rou-
pa, ditas para chapeo c ditos para unha, de. todos
os precos, e outros mais objectos, que se tornara
enfadonho annuncar, e visto dos freguezes pro-
mette-se fazer todo o negocio: s no vigilante, ra
do Crespo n. 7.
Botica e armazem de
drogas
Rna do Cabug n. II.
' DE
Joaquim Uarlinlio da 6fiiz Corroa.
Vcndc-se o soruiUc :
Salsa parrilla de Bristol.
Pastilhas assucaradas de Kcmp.
Pastilhas vermfugas de Kemp.
Elixir de citro lactoto de ferrado Dr. Thermcs.
Rob do Lafectcur.
Xarope depurativo d'odoreto de ferro de Cuy.
Xarnpe peitoral sedativo de Cuy.
Pastilhas peitoraes balsmicas de Cuy.
Pilulas da vida.
lurel franciscano (mesclado) para imagens.
InjeccSo Brow.
Xarope de ctrato de ferro de Chable.
Pilulas contra seses.
Salsa parrilha de Banda.
Extracto fluido de salsa parrilha de Dailys.
Xarope aleoolico de vellanie.
Alm destos drogas ha constantemente um com-
pleto sortimento de tintas, verniz, ouro para dou-
rar, preparados chiinicos c phannaceuticos que se
vendera por commodos probos._____________
r*fcl -^..
LOJA 1)0 PEIIIC\
XA
Ra do Queimado n 2.
Vendem-se pe^as de madapolin fino enfestado
com 12 jardas por 5S, cambraia preta a 500 rs. a.
vara, meias de seda de peso para meninas de i a
10 annos a i& o par, lindas e lnssimas eamhraias
de cores a 360 rs. o covado, palelots de alpaca do
lodosos lmannos para meninos, ditos para bo-
rneo) a 35, 4 e 55, chitas francezas de bons pa-
droes e cores finas a 320 e 360 o covado, dts es-
trellas a 240 o covado, baloes de arcos a 3.J500 e
45, ganga de quadrinhos a 320 o covado, coberto-
res de algodo a 15200 cada um, lencos de cassa a
80 rs., 100, 120, 160 e 200 rs., e outras muitos fa-
zendas que se vende por barato preco, e de tuda
se dar amostras : na ra do Queimado, loja da
Pregnica n. 2.
ba engemmar : na ra do Queimado n. 18, segn- niCr0 ,-
BONITO
O abaixo assignado, negociante na villa do Boni-
to, precisa de um padeiro que entenda bem de sua
profisso, e promette bom ordenado.
Antonio Jos Botelho.
No hotel da Europa
precisa-se de uma ama branca para tratar de cri-
aneas, preferindo-se estrangera.
VENDAS.
Bi\(0 tAI AO
ESTABELECIDO NA CIDADE DO PORTO
Agentes em Pernambuco
Antonio Luiz de Olivelra
Azevedo k C.
Sacam por todos os paquetes sobre o
mesmo banco prazo ou vista, sobre a
caixa filial em Lisboa, e agencias em Fi-
gueira, Coirabra, Aveiro, Vizeu, Villa-
Real, Regoa, Vianna de Castello, Guima-
raes, Barcellos, Lamego, Covilhaa, Braga,
Penafiel, Braganca, Amarante, Angra,
Ilha da Terceira, Ilha de Faias, Ilha da
Madeira, Villa do Conde, Valenca, Bastos,
Oliveira de Azemeis, Chaves e Fafe, a
oito dias vista ou ao prazo que so conven-
cionar,no seu esenptorio ra da Cruz
n. 1.
fua do Trapiche n %
Vendem-se 2 MI ha re s.
Venfle-se uma casa terrea na ra Imperial
n. 123, em muito boa localidade : a tratar na raes-
ma ra n. 163. __________
| Vende-se ou hypotheca-se por precisao um
sitio com difiranles qualidades de fructeiras, boa
casa de vivenda, e uma grande baixa de capim, .
Ponte de cha ou Cruz de Almas : a tratar coi
Joaquim Demetrio de Almeida Cavalcanl Jnior,
| na ra de S. Goncalo n. 34.___________
Vende-se o deposito da ra do Rangel n. 32, o
qual serve para principiante : a tratar no mesmo
LIQ&JHIACIO
= Vende-se uma mesa de Jacaranda com pedra
marmore, de meio de sala, Luiz XV, e um can-
delabro todo de vidro com 5 lanternas e uma tonca
no centro, pecas novas e coffl pouco uso, e por
preco commodo : na ra das Cruzes n. 30, segun-
do andar, at as 9 horas da manhaa, o das 3 da
tarde em diante. Na mesma casa vende-se um
piano de Jacaranda perpendicular do multo boas
vozes e em bom uso.
AiJiga.80
Jos Caetano da gilva reura-sa para fra da i
proTinea.
3
ama casa
I. de Mr
na Soledade, eom grande casa de vivenda, cochei-
ras, estribaras e muitos arvoredos, tanque pan
banho e poco con) excellente agua : quem o pre
. tender dirija-se ao mesmo sitio das 4 oras da tar
de s 7 da noite, ou aununeja sua residencia.
Vende-se a taberna do pateo da Ribeira n.
13 : a tratar com seu proprietano na ra do Li-
vramento n. 24.
Pilulas de Alison contra sezes, pilulas da
ras 'stribimc "", Furtaram na noite do dia 10 do corrente dous v,da> ilt** "sucaradas de Kemp, e todos os mais
^h^^mm^L^l^!^'^Tnl^ cavallospertencentesaoDr. Francisco Caldas Lins, P^parados deste autor : granulos e xarope de Di-
?^?le,^.^n\e^ce[im^.^^ ?aem ." re" do cercado de seu engenho Siqueira, na freguezi Pa'w de Labellonye, nerolas de Ether, ditos de
" do Rio Formoso, com os signaes seguintes: um chloroformio, ditos de assaetida, etc., Le Roy fran-
mellado, cauda e dinas pretas, castrado, grande, f"'^ur!!!!~.eJ!2m-"ll rniiesde todas as qua-
em Bebiribe
Reg, na ra do
gordo, os quatro ps pretos at cima, sem anda- 'ldades' salitre refinado alvissimo e secco de Lon-
res, porra de sella; outra rodado sujo, cauda e dres> -Jpte- : vendem-se na botica de Joao da C,
clinas pretos, bom tamanho, grosso, castrado, rea- Bravo <*, ra da Madro de Dos n. 1._______
do pelos peitos por ter sido do roda, nma bftjxa Pilulas e ungento Holloway, ungento c pi-
em um dos lados das costeilas, meio corcunda e de lulas do homem pobre, muito uteis as erysinelas,
-------- carga; Quem der noticiados mesmos cavallos ou assjm como o recente & puro oleo de genvisoba
Precisa-* de ura caixeira de t |4 annos: os entregar seu dono no referido engenho, ser* para a mesa enfermidade : na ra da Madre de
na iv* do Raogel o, 69. recompensado com" ? fumtia de 0 a 100,5, j peo n. I, bQt|ea de Joio da C. Bravo & C,
Aos Srs, de engenho.
Jos Feliciano Nazareth vende assucar de com-
miss|o tirando 2 por cento, sem adiantar dinheiro :
quem quizer o pode procura-Io na ra da Praiaj
segundo andar, n. 33.
DE
Gneros baratos.
Vinhos Figuera e Lisboa a 2.*!00 a caada, vi-
nagre de Lisboa x 15600, agurdente de canna a
960, sendo era garrafa regula o preco da caada,
champanha a 15200 a garrafa, muscatel a 800 rs.,
Bordeaux a 600 rs., Porto fino a 800 rs., licor a
240, genebra a 240 a botija, frasco a 300 rs., ser-
veja branca e preta a 480 a garrafa, conserva a 660
o frasco, marmelada a 560 a libra, latas con) sar-
dinhas a 340, latas de graxaa 110 rs., palitos, do
gaz a 252OO a grozn, pomada a 240 a duzia, charu-
tos de 15400 a 35 a caixa, da Baha, palitos para
tientes finos a 180 o maco, massas para sopa a 400
rs., papel de peso a 25700 a resma, alhos a 70 rs.
o mlho, azeitona a 15120 a ancoreta, estearinas-
a 580, cominhos a 480 a libra, pimento a 360, her-
vadece a 400 rs.. louca, bules, bacas pintadas a.
640, brancas a 480, ourins a 480, raanteiga in-
gleza a 800 rs., franceza a 560 ; os generas atie-
se vendem era porcao vendem-so a retolho |H'li
mesmos precos : na ra larga do Rosario 11. 35,
debaixo do sobrado de um andar junto a esquina.
Vende-se um moleque peca, de idade de 24
annos, bom cozinheiro, e offlciaf de alfaiate : a tra-
tar com Frederico Chaves na ra da Imperatriz n.
19, das 10 horas da manhaa ou das 3 s 4 horas
da tordo.________
Toncinho de Minas
Existe ainda um resto desta superior pechinchav
em pequeos jacazes, que se vende no armazem
doAnnes, no largodaalfandega.
Follia de Flandres ChaFcoal de muito boa
qualidade; vende-se por atacado ou por caixas
avulso, a dinheiro vista : na ra do Pilar n. 143,
primeiro andar, para tratar, de manhaa at as 10
horas, de tarde das 3 at as 6.
Vende-se uma parte do sobrado de dous an-
dares sito no largo do Amparo, em Olinda, no va-
lor de 953J, pela metode dessa quantia : trata-se
na praca da independencia ns. 19 e 21.
Vende-se uma loja de fazendas com poucos
fundos, ou mesmo as fazendas separadas : a tratar
qa ra do Crespo n. 18.
--~Vendese uma casa as Cinco Ponas: a tra-
tor na ru da Conceicaq n. 7,
MUTILAD
JlLEGVEL
>
^


^^
J___'____:


GRANDE EXPOSigSO
I o covado; fust3o para vestidos e roopinhas
j de meninos, a its. o covado; alpakin ou
so VpB 'gurguro de linho, a 260 re.; ganguelin,
euaas Baraussimas que se ven uma s cor> a 320 rs 0 covado. toaIhas de
de para liquidar ; na loja do Pa- linho adamascadas para rosto, a 10; vestua-
Diario de Pernaubuco Quarta felra -I de .\oveuilno de 183.
vo, roa da Imperalriz, b. 60.
Neste estabelecimento acha-se um grande
e variado sortimento de fazendas, tanto de
luso, como de primeira necessidade, pro-
prias para a praca e para o matto, que se
vendem por precos muito resumidos, de te-
das as fazendas dao-se amostras, deixando
penhor, ou mandam-se levar em casa da9
familias para escolherem, pelos caixeiros da
loja do Pavo.
L&as eom 9 palmos de largara
na loja do PavSo. I04OO.
Vendem-se laazinhas transparentes de uma
s cor, de quadrinhos proprias para capas
e vestidos, tendo 9 palmos de largura, pelo
baratissimo prego de 15100 o covado; s
na ra da Imperatriz n. 60, lojado Pavao.
O Pavo vende las de 41 palmos
de largura a 500rs.
Vendem-se laazinhas infestadas, sendo das
tus modernas, de uma s cor e de qua-
drinhos, proprias para vestidos e capas, pelo
baratissimo preco de 600 rs, o covado; di-
tas matisadas, fazenda muito fina a 500; di-
tas garibaldinas a 440 rs.; ditas de qua-
dros a 360 e 280 rs.: s na loja do Pavao,
ra da Imperatriz, n. GO. de Guimares &
Silva,
Laziuha9 a 8 O rs. o eovado.
S o Pavo.
Ve*dem-se las de cordSozinlw proprias
para vestido, sendo muito boa fazenda, com
as cores seguintes : alvadia, cor de caf.rxo
escuro, claro e pretas, proprias para luto;
rios para meninos e meninas, a 10600 e 20;
tiras bordadas e entremeios, mais barato que
em outra qualquer parte: tudo isto pe-
chincha e vende-se para liquidar: na ra da
Imperatriz n. 60, loja e armazem de Pavo
de Gama & Silva.
Grosdenaples a 1:300 rs., na loja do Patio.
Vendem-se grosdenaples preto muito boa
fazenda, a 1,51500, 10600, 10800 e 20: s
na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60.
Para luto vende-se na loja do
PavSo.
Vendem-se finissimo selira da China, fa-
zenda sem lustro, proprio para vestidos dt
senhoras, para capas e roupa para homem.
tendo esta fazenda 6 palmos de largura i
sendo muito leve, vende-se pelo baratissimt
preco de 20200 o covado, garantindo-se qut
nao se torna ruca, e vendem-sc nicamente n?.
loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60:
Cortes de chitas a 2:000 e 2:300 rs.
Na loja do Pavo veude-se cortes de chitas
inglezas, tendo 10 covados, a 20, e com
12% covados, a 20500, sendo todas de pa-
drees escuros: na ra da Imperatriz n. 60,
de Gama 4 Silva.
Carnauba.
Vende-se cera de carnauba em saccas, por
preco muito em conta, ou mais barato do
que em outra qualquer parte : a tratar na
ra da Imperatriz n. 60, loja de Gama A
Silva,
Ses de qoadriuhos a 800 rs. so o
Pavo.
Vendem-se as mais delicadas sedinhas de qua-
drinhos, muito miudinhos, sendo proprios para
vestidos de senhora e roupinhas para meninos e
SEJH SEGUIDO.
QUINQUILHAR1AS.
Ruado Queimado, ns. 49 e 55, lojas de
Jos Bigodinho, queiram ver ver as fazendas
que abaixo annuncio, pois todas eu garanta
que sao muito novas e baratissimas.
Pegas de trancas de algodo de to-
dasascresa....... 80
Duzias de linhas eom 200 jardas, A-
lexandre, a ..,..: 10100
Carriiel de qualquer numero '00
Varas de aspas para balao ... 80
Caixas com superior obreias a 40
Ditas de colla :..... 80
I libra de 13a sortida 40000
I libra" de la muito superior em co-
res e qualidade......70000
Pares de botoes de ponho a ... 120
i'ares de sapatos de tranca 10280
Ditos muito superiores, a 10600
Caixas e pacotes de papel amisade de
cores a. ....... .
u/ia de meias muito finas para se-
nhora a........
Ouzia de ditas cruas para homem a
Baralhos muito finos para vollarete a
Carrileis de linha com 100 jardas a
Cartoes de linha branca e de cores a
Novellos de linha com 400 jardas a
Ditos muito grandes com 800 jar-
das a .......
Cartoes de linba com 200 jardas (est
se acabando a......
Vara de fita preta com colxeles para]
vestido, e tera um resto parda a
600
30500
2 400
300
30
20
60
120
60
BALIZA
*
100
ditas transparentes com palmwhas, pelo ba-jmenioaS) seBdo fam)da quesem^ M vendeua
rato preco de 280 rs.; ditas infestadas de 105OOetorra-sea6iOe8OOrs. o covado, e sedas
quadros a 280 rs. : s na ra da Imperatriz, brancas lavradas, proprias para vestidos de noivas
a 800 rs. e covado : s na loja do Pavao, ra da
Imperatriz n. 60, loja de Gama <& Silva.
Ricos vestidos de Southambac, vende
o Pavo.
Vendem-se os mais modernos vestidos a Sou-
thambac, com barras de seda pelo diminuto preco
de 105000 cada um : s na loja do Pavao, ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Grande pechineha de las a
3 rs.
Vendem-se as mais modernas laazinhas matisa-
das para vestidos de senhoras e meninas pelo ba-
n 60, lojado Pavao.
GRANDE PECHA
Cassas a 240 rs.organdv a 2-10 rs.
Vendem-se muito bonitas cassas francezas
240 rs. o covado ; organdy matisado, pa-
drees muito bonitos a 240 rs. o covado;
ditos, fazenda finissima que sempre se ven-
deu a 10000 a vara, liquida-se a 600 rs. a
WW^
, Pavao, assim como se vende outras mais finas com
1 desenhos miudinhos a 360 rs. o covado : s na
loja do pavao ra da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
m
dida.ou 360 rs. o covado, por haver grande [ rafissimo preco de310rs. o covado, or "ter che-
poreao : na ra da Imperatriz, D. 60, loja fado. urna grande poreao desta fazenda loja do
do Pavao, de Gama < Silva,
Nova pechineha de cortes de
cambraia na loja do Pavo.
Vendera-se cortes de cambraia brancos
com babadosa 20500; ditosa 30000; ditos
a 40000 ; ditos chinezasa 4000o ; pecas de
cambraia transparentes, adamascadas, pro-
prias para vestidos, tendo 8 varas e meia a!
30000; ditas lisasbrancas e decores a 20500, >
30000, 30300, 40000 e 50000 ; pecas de!
cambraia de carocinhos tendo 8 varas e meia
cada uma. sendo brancas e de cores, a 30500;',
ditos a 20500; pecas de cambraia para cor-
tinados, sendo lapadas e transparentes cora
20 varas cada pc?a a 90000, isto tudo para :
apurar dinheiro: na loja do Pvo, ra da
Imperatriz, n. 60, de Gama d- Silva.
NJKJI HKU l JH'IIO.
Objectos de tintura e msica.
Na ra do Queimado, ns. 49 e 55, est
queimando tudo pelos precos abaixo decla-
rados, e prestem toda a attenco para ver
oque bom ebarato.
Duzia de facas e garfos muito finos a 20500
Dita dita dita de cabo preto muito
finas a.........30200
Dita dita dita de balanco, melhor,a 50500
Tesouras para costura, muito fi-
nas a ..... .... 400
Ditas ditas para unhas, muito finas a 400
Cartas de alfineles de ferro a 80
Ditas ditos de lal5o muito finos a 40
Ditas de dito grandes.....120
\tenco!
Posto que domine no cora-
co do BALIZA a mais bem en-
tendida ambico de tirar de
seu negocio as melhores van-
tagens, com tudo elle nao pro-
cura fazer fortuna vendendo
gato por lebre;
Quando nao se negocia aca-
nhadamente, est bem ao alcan-
ce de todos a facilidade de fa-
zer-se boas compras, para ven-
derse barato.
LEDE! LEDE!
Lelam todos.
Ao armazem do BALIZA po-
dem ser devolvidos quaesquer
gneros qne por ventura n3o
sejam do contento dos senho-
res compradores. Nao flea
resentimento algum em se tro-
. ar por outre, ou restituir-se
o dinheiro recebido,
Manter a todo o custo o seu
crdito, e agradar, aos seus a-
inigos e freguezes, todo o
desojo do proprietario deste
estabelecimento,
LEDE*
X
Sempre a frente do progresso,
Constante marcha -o ba,im.
Tem por norte o bem commum.
A veraade por divisa.
uUlIDE
confeito e especifico para
expellir os Vermes,
Caixasde phophoros de pao
Grosa de ditos do gaz a .
Duzia de dito dito a .
Massos de palitos para denles a .
Aboloaduras para coletes a .
Escovaspara roupa.muito finas a 400,
500e.........
O Pavo vende chales
A 20000, 20500, 30000, 50000, 60000.,
\ 70000, 8,000 e 100000.
Vendem-se chales de merino estampados,
claros e escuros a 20, 20500 e 30000; ditos i
muito finos de todos os precos e qualidades,
tanto de ponta redonda como quadrados;
assim como finissimos chales de ere pon com ,
cores inteiramenle novas e ricamente bor-
dados a matiz, sendo chegados pelo ultimo;
vapor a 100000 ; ditos de pello, bordados,
a 20 .' s na loja do Pavao, ra da Impera-'
triz, n. 60.
Ascasemlras do Pavo infesta-!
das a 1$GOO.
Vendem-se casemiras france7as enfesla-!
das, proprias para caifas, coletes, palitos,
e capa para senhoras, por ter de uma s
cor, sendo fazenda que sempre se vendeu;
a 30000. liquida-se -a 10600 o covado: s!
na loja do Pavo,
m tirando pelilnolia em chapeos
de sol na loja do Pavo.
Vendem-se chapeos de sol, a ingleza, sen-
$o cobertos de linho e forrado de verde, pro-!
l/iios para senhoras que forem passar afes-
ta, ou para meninas levarem para a escola,
pele barato preco de 1060 ; ditos marque-
MobMj de seda com franjas e cabo de do-
DE
er
KBMP.
ygsis
Os meninos s pedpm gritos, porque
ellas bo veis. A clogarKSA, a soguri'hulc do ac-
<;o, o inoffensivo dea
Pastilhas Vermfugas de Kemp
A P\H I)A SI'A
Gttnwsifis exrlisra:iicnte fegstalt,
eo estas poa as uaa melhores e mais
completas do todas as recommadaces
que se po888 fazer e com justa razo as
colloeao na categora ('um tuvorito uni-
versal.
A Btiperoridade das
Pastilhas de Kemp
sobre todas as prepraces destinadas
para o mesmo fin devido sna sim-
ples compoeicSo ;io sen aroma agrada-
vel e rapidez o infallibilidade eom
que alcanya a destrmcao total das
LOMBRIGAS.
venda as boticas de Caors & Barboza,
10
20200
200
160
160
800
PECIUNCFIA.
Perfumara de superior qualidade.
0 rival sem segundo, ra do Queimado.
ns. 49 e 53, est disposto a vender mais ba-
rato que nunca vendeu, para o que queiram
ver :
720
160
Db
'es
im
Duzia de sabonetes finos a .
Sabonete inglez, o melhor, a .
Frascos com agua de Colonia muito
fina a.......J 400
Ditos de dita grande a 500
Ditos do I^avande ambreado, o me-
lhor, a........
Ditos de macaca oleo muito bom a .
Ditos perola muito superior a 200
Ditos de oleo de babosa a 240, 320.
400 e ........500
Ditos de banha branca a 320
Dito de cheiro muito bonitos a 500
Ditos de banha, pequeo, muito fina
..........200
Ditos de opiata a 2"0 rs., e boa a 900
Ditos de banha japoneza a 800
Ditos de banha transparente a 720
Ditos de oleo filoconne a 800
Largo do Uvraniento ns. 38 e 38 .4
i
Defronte da grade da igreja
AO RESPEITAVEL PUBLICO
Senhores e senhoras
0 iacansavel proprietario do grande armazem do Baliza toma a liberdade de mandar
declarar do;alto da imprensa pernambucana, que elle perfeitamente liberal em offerecer aos seus
benvolos freguezes as melhores qualidades dos mais bem escomido* gneros, nao s do paizcomo do
estrangeiro-a precos de-contentar e satisfezer a todos.
Fazeudo tao publico e espontaneo manifest, o referido BALIZA julga de seu rigoroso dever
declarar mui seria e pusitivamente nesta oportunidade, que tambem o mais firme e dedicado conser-
vador de sua numerosa freguezia.
Da boa qualidade e baratera dos gneros offerecidos aos seus freguezes, junta ao pequeo ta-
imo que tira para si, tem sabido fazer o BALIZA a mais perfeita liga de interesses recprocos, que agu-
das as consciencias deve -por forca e necessariamente agradar.
Tendo por conveniente tambem a publicacao do seguinte aviso, o BALIZA faz sabor nicamente
aquellas pessoas qoe sempre estfo promptas a comprarem tudo, com tanto que se lhes permitta paca-
rem logo, que elle
NAO VENDE FIADO.
fcrar.a 30OOO ; ditos de seda para homens, ra da Cruz, e Joo da C. Bravo C, ra
sendo com armaco de baha a 60 e 70, isto da Madre de Dos.
para apurar dinheiro : s na loja do Pavo, ,.-.- ., ,.---------------
ra da imperatriz, n. 60. J nl J1 f Ma heus
r vende-se a bordo do patacho mitsima, defron-
Caxemlras da Escocia a 2000 u' (1 trapictie Bariio do Livramcnto, a bem conlie-
o corte. cida e noa farinha de S. Matheus, a melhor que
... j r. dalli temos no mercado.
Vendem-se cortes de casemira da Esco-:-------------------------------------------
cia, para calcas, pelo barato preco de20, da Senzalla n. 42.
tendo da mesma fazenda para vender em Vende-se, em casa de S. P.Johnston-C,
covados a 580 rs., sendo esta fazenda mui- \ sellins e silhes inglezes, candieiros e cas-
to encorpada a imitacao de caxemira, e ga- caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
rante-se que nao desbola. Tambem se ven- chicotes para carros e montana, arreios para
dem cortes de eaxemira ingleza, d cores carros de um e dous cavallos. e relogios de
escuras para calca pelo barato preco de ouro patente inglez.__________________
a 500 rs. o corado :
1*400 cada corte, ou
s na loja do Pavo, ra da Imperatriz,
n. 60.
Nadapolo Infestado a 4#OOt>
S o Paye.
Vendem-se pecas de madapolo infesta-
do com 12 jardas a 40000, ditas a 40500,
ditas com 24 jardas a 7050'* 80000 : s
na loja do Pavo, na ra da Imperatriz.
n. 60.
Ricos vestidos brancos.
Vendem-se os mais ricos vestidos de cam-
braia brancos, bordados a croch, sendo os
Bu tatas
Caas com duas arrobas de batatas desembar-
cadas 4o patacho Mara da Glona, hoje, pelo bara-
to preco de 2&00 a caixa : na ra do Amorim n.
43, ou na ru da Madre de Dos n. S.
' Allenrfr do respeitavel publico
Para a grande pc< hincha
Custodio, carvallio & C, ra do
Inclinado n. 99.
RIVAL
SEM SEGUNDO.
Objectos diversos.
Ra do Queimado, ns 49 e 55, vende os
objectos abaixo declarados, pois para aca-
bar; estes precos nao sao para continuar,
mas as nesessidades assim o permitte.
; Pares de luvas de algodo finas a 80
Caivetes de aparar penas, de 1 fo-
Iha a ,........ 80
Ditos de2 ditasa......160
Caixas de colxeles francezes a. 40
Duzia de dito francez a 360
Massos com grampos lisos e de cara-
col a .........
Duzia de dedaes de metal em caixi-
nha de vidro.......320
Tinten>de vidro com tinta superior
a..........
Ditos de barro que serve para tin-
teiro a ........
Grosasde botoes de louca prateado a
Pegas de tranga lisa encarnada a ,
Varas de bicos e rendas, para aca-
bar a ........
Varas de labyrinto de 3 dedos de
Os amigos da eccnomia, aquelles que s compram os objectos de que carecem, e que gostam fi-
nalmente de-empregar bem o seu dinheiro venham a este estabelecimento.
MIAM todos.
Do prego de qualquer genero annunciado a venda em outros estabelecimentos, podera os senho-
res freguezes .diminuir cinco por cento, e vir compra-lo ao Baliza, que sendo, como todos sabem, o ho-
mem do MidiNfli prefere ganhar muito pouco, com tanto que seja por muitas vezes repetido

0 GALLO CANTA
23-fi?C3COOT B" T o o a= S"
^ n -^
B9
J sabido que, miando chega o va(ior da Eu-
ropa, o gallo anta annunciando aos seus numero-
sos freguezes as galanteras de maisgosto e da ul-
tima moda que por elle recebe, como sejam :
CatHSinhas para senhoras.
Riquissimas caniisinlias eom manguitos e gra-
vatinhas para scnJioras : s no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Cirigolinhas.
Hiquissimas cirigolinhas ou gravatinbas, sendo
cousa de muilogosto, e a primeira vez que appa-
rece para as senhoras de bom gosto : s no Vigi-
lante ra do Crespo n. 7.
Paites de concha.
Ha para chegar riquissimas guarnieoes de pen-
les de lindo gosto, Unto para atar, como para mar-
rafas, por pregos razoaveis: s no Vigilante, roa
do Crespo n. 7.
Redes com lacinhos de fila.
Lindas redes pretas e de cores com um lindo la-
cinho de fita para conservar o cabello, pelo barato
:q prego de 1,5300; assim como os novos enfeites pa-
' ra cabega a 3^000, 40 e o#000 : s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Ligas.
Riquissimas liga6 de seda de bonitas cores a
100 l&WO ; assim como fita propria para o mesmo ef-
feito a 300 rs. a vara : s no Vigilante, ra do
Crespn, 7.
1001 Luvas de Jouvin.
160 Tambem chegou c chegam por todos os vapores
20' grande sortlmento de luvas de Jouvin, oude os fre-
guezes podem escolher: s no Vigilante, ra do
Crespo n. 37.
Entremeios e babadinhos.
Tambem chegou grande sortimento de entre-


E-g-^5?
~i ~~1 ^"' ,-
- S -
O o.
0 a''-
^* "ffl23Sq3|
c _
* S s-^= 2 5 t>'
O O. g C ^ C-"3 -i
z
J.
3 al ?;.
a n a

-
_ ca-o
O R O n
no, 2 (t y
g f v
s? 5
<5 O
O
OQ
3 3 I.
* 5" ~ c =
o *
55 are
-1 05
O, "J -I
o
6 5 4
0 o en

3

o
u
a.
o
O -! S
-o 8
tu -i
os
2 a
*9

H
45-RTJA DIREITA--45
Eia, rapasiada, coragem! parece queja
eritregastesosvossosjoanetesairs duros sei-
xos do pessimo calgamento da nossa cidade I
S se observa em vossos ps botinas acalr,;-
nhadas e gastas at ultima sola; sapatres
rasgados c quasi sem saltos.... nem tanto I
a quebradeira nao deve chegar at este pon-
to 1 Vinde ra Direita munir-vos de exce-
lente calcado com 40 e at 00 por cento
menos do seu valor.... attendei:
K
p
O.
3
o
&
Vi
re
09
a
2
-i
i
o
2
s
9
< j Borzeguins, Nantes, bezerro e va-
60
largura a 100 nie'os e babadinhos, que se vendem pelo buralis-
Ditas de pos 'para d'entesa .' .' .' 100; SaVcSw d'?00 ^^ '' W'liaU!'
Pentes de tartaruga a 3,5000 e 3,0500 Fcelas para cinto.
Resmas de papel de cores a 2,5000 Tambem chegou grande sortimento de lindas fl-
_______^_______________________vellas de ac e de metal eom pedrinhas e sem el-
I las, pelo barato preco de 23 e 25500, dando-se a
fila para as mesmas : s no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
0 GALLO CANTA.
J sabido que o gallo nao poda denar de can-
Offerecem ao respeitavel publico a mais fina de
todas as cambraias tanto em desenhos como em
mais modernos que tem vindo ao mercado, tintas sao as verdadeiras organdys da India che-
Farlnha de mandioea
Vende-se farinha da mandioca da melhor e mais
nova que ha neste mercado, no escriptorio de Ma-
noel Ignacio de Oliveira 4 Filho largo do Corpo
! Santo n. 19, ou abordo do palhabote Vamao, an-
I corado no caes do barSo do Livramento, junto ao tor, annunciando a seus numerosos freguezes os
patacho Repulo. riqusimos pentes, que acaba de receber por este
------: ultimo vapor.
queta 2 c meia solas
Borzeguins, Nantes, bezerro, va-
queta e lustre 2 solas. .
Borzeguins, francez e hamburguez,
bezerro, lustre e couro de por-
co 7l e........
Sapates, Nantes, bezerro e vaque-
ta 2 e meia solas.....
Sapates, Nantes, vaqueta, lustre e
bezerro 2 solas......."5^000
$Gon
60TO
BjSCO
A 200 rs
Cassas muito lionitas e linas:
na i na do Crespo o. 17, loja de
Jos Gomes Villar.
Sapates, Nantes, sola e vira. 4,5000
Ditos para menina, com lago. 3#500
Ditos de ditas, de cores. 2f00
r\ niwnrtr&l Sapatos para senhora e homem,
tapete......... 300
Sapatos de borracha para senhora. 1 400
dem idem para meninas. 100O
Sapatos de lustre para senhora. 1,5000
dem de lustre s avessas ... 500
tendo as saias 4 pannos, e vendem-se pelos
baratos pregos de 100, 120 e 16 : s na
loja do Pavo, ra da Imperatriz, n. 60, de
Gama & Silva,
.AOMIREM AS PECHINCHrS,
na loja do Pavao.
gados a esta capital pelo ultimo vapor inglez. A
grande quantidade que recebemos faz com que a
vendemos pelo baratissimo prego de 300 rs. cada
um covado, venham ver para desenganarem-se se
grande pechineha s na ruado Queimado n. 27.
O LIVRO DO POVO.
CA. DE LISBOA
Vende-se a 40000 o barril na ra
n. 20.
Apollo
Sitio para vender.
Vende-se um cxcellente sitio muito perto da
praga, situado na estrada de Santo Amaro para
Belem, com boa casa de vivenda, muito fresca, ten-
Segunda edico mais correcta, ornada com do o sitio excellente baixa para capim e horta com
n baJ 27 estampas, e augmentada com 48ipagm; Z^r^TSetrmo : ^^ na rua
, t arrocas
bados e duas saias bordadas crox, tendo ,
bastante fazenda para vestido, pelo baras- Jesus Chnsto, fbulas, o v.gano, o bom ho-
simo prego de U cada nm; ditos de cam- ^,em Rlcardo> Quadrupedes uteis o profes-
braia de seda cora barras e babados, a P^ar.o, moral prattea S.mao de Nan- tem'SKkirjrffB^^,SSS
20500, para acabar: cortes de vestidos a tua' Mimas e sentencas, hygiene, receits gem, e uma diu para cavaiio, com algum uso,
Mara Pia, sendo fazenda dp bonito costo a necessar|as, o Brasil: vende-se na livrana de tudo por prego commodo: a tratar na rua do Sebo
3*500; s^^isssffc; se'rirad; Fr A3& sr 54,taberna-
badinhos, a 20; enfeites para cabeca,. sendo Iff^JT**-*6 e *S ,1^
Garibaldi e a turca, a 40; ditos Tom fitas P'ar em brochura, e a lacartonado.
e flores, a 20; camizinhas bordadas para
senhoras, a 10; manguitos de varios model-
los, a 400, 500 e 640 rs; calcinhas para
isto que pechineha.
Borzeguins francezes para homem a 5,5, sapates
de couro de lustre com borracha na frente a 4,
I sapatos com salto de marroquim dourado e pretos
' a 15500, sapatos do couro a 320 rs., de oleado com
. salto a 640, borzeguins para senhora a 3 : na
rua dos Quarteis n. 22 junto a loja de funileiro.
Cal de Usboa e potassa da
Rassia.
Vende-se na rua daCadeia do Recife n. 26, para
onde se mudou o amigo e acreditado deposito da
mesma rua n. 12, ambos os gneros sao novos e
legtimos, e se vendem a preco mais barato do que
outra qualquer parte.
Vende-se uma escrava crioula, sadia, boa fi-
gura, cosinha e engomma com perreicao: a tratar
na rua das Cruzes n. 22, segundo andar, entrada
no becco do Ouvidor.
a 2 a caixa
na roa Nova n. 8.
Vinho de CoiUres e Carlacho.
Vende-se em ancoretas pequeas o especial vi-
nho de Collares e de Cartacho : a tratar no arma-
zem da ma do Vicario n. 7.
INJECCAO BROW.
n
Remedio infallivel contra as gnorrheas
meninas, a 500 e 640 rs: gollinhas bor- antigs e recentes, nico deposito- na bo-
dadaa, a 320 e a 500 rs.; sedas dequa- tica franceza, rua (la Cruz n. 32, pre-
driabos, a 640 rs.; ditas de listas, a 400 rs. \ 90 30.
i,irroN de moral.
Exame de^onfessores.
Cunlite.
Larraga.
Obra do Monte.
Na rua do Imperador n. 15.
Charutos.
Vendem-se superiores charutos suspirosa 1$200
a meia caixinha, e outros de diversas marcas em
meias caixas a 600frs.: no deposito da rua Nova
numero 58. .____________'
Cal nova de Lisboa: vende-se aa rua do Tra-
piche n. 9.________________^^^
Vende-m um cavallo rszi'ho bastante gran-
de, bom andador de baixo a rnefo
fravessa da Trempe, sitio n. t.
r- Vende-se uma bonita escrava, com as quali-
dades proprias para ser apreciada, sabendo en-
gommar, cosinhar, coser e bastante mo^a, beta
Vende-se por prego commodo um molcque
de 24 annos, sadio e sem vicios : a tratar na rua
da Aurora n. 62.
IIOIPi
3k
Na rua do Queimado n. 43, esquina qut
volla para a Congregago ; pechineha.
Paletots de casemira a 5, 6, 7, 8, 12 e UJOOO
ditos de panno preto e azul a 9, 10, 12, 16 e 185
ditos sobrecasacos de panno muito fino por 245 e
280, ditos de alpaca preta e de cordo a 4,5,6 e
7$, calcas de casemiras de cores a 5, 6, 7 e 80000,
dilas pretas a 60500, 8, 9 e 100, paletots de fustao
e canga a 20, 20800, 3 e 40, caigas e colletes de
todas as qualidades e por prego muito barato, len-
ces de puro linho a preco de 20800 e 34, cocer-
las de chita a 20240, collarinhos de linho puro a
Vinho do PoMo e parli No largo do Corpo Santo n. 6, segundo andar,
se vende o especial o particular vinho do Pono en-
garrafado, caixas de 1 e 2 duzias : a tratar no ar-
mazem da rua do Vigano n. 7.
Farinha de mandioca
em saceos grandes, e de superior qualida-
de ; no armazem de Tasso Irmos, rua do
Amorim, n. 35.
CtLDGMMMt
Vendem-se barra com cal des-
:procedencia, em pedia, chega-
da hoje. e nica nova, que ha no
mercado, na rna do Trapiche n.
13, armazem de Hanoel Teixei-
ra Basto.
Kua da Senzalla Aova a. 42.
Neste estabelecimento vendem-serlleh
a tratar na parecida i tratar na travessa do Paraiio sobrado IWITO coado libra a 110 rs dem de
n. 18. 'MoorHbraaliOrs.
No armazem n. 38 rua da Madre de
Dos, vemle-se por preco mais commodo
600 rs. cada urn^ e outrosi muitos objectos que s I do que em outra qualquer parte os soguin-
vista; e para isso se pede a attengo dos fre- tes eneros vindos do Aracatv :
guwes. nova>
ha.
differentes qualidades.



Ila*lo de Per*aaiaco
e Sovemtfcro de 1SS.
A GUIA m
Da ra do Qneimado n. 8, receban.
Tnico oriental de Kemp.
Agua florida Murray $ Lanman.
Dita de flor de laranja Cohdray.
Dita de rosasdito.
Bolsas para ?laceas.
Vendern-se na ra do Qneimado, loja d'Aguia
Branca n. 8.
Vflllas pretas
A MARA pa.
A Aguia Branca recebcu as desejadas voltas
protas, niui compridas c gradas._____________
GRANDE LIQIDACAO i
DE
Fazendas franceas t ioglozas todas de superior
qualidade : se \ende inuilo barato para liqui-
dar cuntas, na loja e armazem do Arara, ra
da Imperatriz n. 56 de Lourenee Pereira fiui-1
maraes.
Grande pechlochaI-a de i
palmos a W$9 SO.
Vende-se I5as transparentes de cores lisas
e quadros com 9 palmos de largura, pro-
prias para capas e vestidos para senhora a
1(5280 o covado ; lazinhas rauito finas de
quadrinhos a 280 e 320 rs. o covado ; di-
tas transparentes muito finas a 400 e 500
rs o covado ; gorguro de coi-dio, fazenda
fina,e nova para vestidos por ser padrSo de
seda por 500 rs. o covado. S na Arara
Ligas de seda para sentara, e ditas para ha este grmde 80rt.ment0 de lazinhas e
manguitos, ou meninas. i outras mu-ltas fazendas, que trouxe o ultimo
Ltvrmhos para notas .... vapor vindo da Europa: ra da Imperatriz
Novos tercos de cornalina, e coral lapida- n m ,0ja do A]nn ^ Mendes Guimarfies.:
A AGUIA BRAMA.
Recebeu per esse ultimo paquete:
Novas carleiras com asexcellentesagulbas;
joglezas.
Agulbas parisienses tambem de excellen-'
te qualidade.
Trancelins finos de borracha para en-
iar.
Bot5es prelos de velludo, maiores e me-
nores fiara vestido.
Transinhas brancas estreitinhas d'algodao,
para enfeites de vestido.
Escqus cabos demadeira, osso e madre-
perola para limpar pentes.
Pincs para p de arroz.
As nulas liveilas com pedras para cintos.
Outras de fino dourado e esmaltadas.
OutrnB, Bonitos leques de madreperola com bou-
quet.
Outros leques d'osso com bouquet.
Outros de plumas, com cabos d'osso e
madreperola, e outros finalmente de snda-
lo e pretos.
Peales de borracha, recortados, dourados
e com pedras para meninas e outros de tar-
taruga.
Meias de seda para baptisados.
Lindas touquinhas de fil do linlio. cam-
bra ia esetim, mui bemenfeitadas para crian-
cas
BOPA FBITA
NO
AIKHAKK.
DE
4D~&1A DD I
USTREXAO VERDB.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vonlade dos concur-
rentes, para o que tem um dos melaores professores, assini como tambem tem um
grande e variado sortimonto de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
horneas e meninos.
do cem cruz de piala etc.
Bonitas pulseiras brancas-de perolas fal-
sas, e outros de chapa de crystal o paco,
com listas domadas.
A Arara rende ricos vestidos bordados braueos
a 120000 rs.
Vendem-se ricos e finos vestidos brancos
bordados a 120 ; ditos mais singelos a H
Tudo na loja d Aguia Branca, ra do Quei-, dUos do barm ^ tarlataoa. de cores a 30
mado o. 8.
Labyrinthos e bicos,
t5o baratos'que o,comprador admira.
Esses labyrinthos e bicos se applicam a
diversas obras e fins, e sempre com provei-
ditos de barras a 30 e muito baratos : ra
da Imperatriz n. 50, loja da Arara.
Mais peebineha na AraraCassas a 200 rs. o co-
vado.
Vendem-se cassas organdys de quadros
to por suas fortides e durado, hoje mais c5r de cafe e mas ciaros a 200 rs. 0 ww-
do que nunca, convem a todas as familias do ditas francezas linas a 240, 280 e 320
compra-Ios para aproveitarem-se da occa- rs 0 covado; cortes de chitas de cores a
siao em que ellcs sao vendidos tifo baratos %$ ditas fITncezas com pequeo toque de
que. na verdade o comprador admira, e bem mofo a 2^500; cortes de riscados famosissi-
se pJe dizer que por taes precos nunca;mos com 14 covados a 30 (s na Arara,Ij
mais hirver. Os labyrinthos sao de novos rua da nmeratriz n. 56); cortes de casimi-
e bonitos riesenhos das larguras de quatro | ra mliSt^A 1)ara calca a 10, 10600 e 2,5,
dos at mais de um palmo (ou tres a dez 1 tend cada ^.^ { vara e 3 qUartas, cousa
pollegadas) e os limitados precos sao de 10|muto barata ; casimiras finas a 20500 e 301
a 3 a peca de dez varas, variando estes em, 0 n-rtc casimiras lisas para capas de se-
relaco a largura. A ser era varas haver nhora com 6 palmos de iarura a 30 0 cova-
miii pequeas differencas, os bicos porem do rua da imperatriz n. 56.
Casacas de panno preto, 350 e
Sobrecasacas idem, 300 e .
Paletos idem e de cores, 250,
200, 150 e .
Ditos de casemira, 200, 150,
420,100 6......
Ditos de alpaca, 50 e. .
Ditos ditos pretos, 90, 70,
50e........
Ditos de brim e ganga de co-
res, 40500, 40, 30500 e. .
Ditos feranco de linho, 60,50 e
Ditos de merino preto de cor-
dao, 100, 70 e.....
Calcas de casemira preta, 120,
100, 80e......
Ditas de cores, 90, 80 e. .
Ditas de meia casemira de co-
res, 50500 e.....
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 50, 40500 e
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40500, 40 e .
Ditas de ganga de cores,
30500, 30 e.....
Colletes de velludo preto e de
cores, 90 e......
Ditos de casemira preta, 50 e
Ditos de ditas de cores 50
de........
Ditos de setim preto. .
Ditos de ditos e seda branco,
60 e.......
Ditos de gorguro de seda
pretos e de cores, 60, 50 e
300000
250000
100000
70Q0O
30500
30500
30000
40000
50000
70000
70000
40000
40000
20500
20500
70000
40000
305QO
50000
50000
40000
' Golletes de fusto e brim bran-
co, 30500,80 e .
Seroulas de brim de linho,
20400 e ......
Ditas de algodo, 10600 e. .
Camisas de peitos de linho,
50, 40, 30 e.....
Ditas de madapolo, 30,
20500, 2e.....
Chapeos de massa, pretos fran-
cezes, 100, 90 .
Ditos defltro, 50,40,30500 e
Ditos de sol, de seda, 120,
1L5, 70 e......
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda.......
Sortimento completo de grava-
tas.
Toalhas para rosto, duzia, 110,
90e........
Atoalhado adamascado de li-
nho vara......
Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....
Lences de linho.....
Cobertas de chita chineza.. .
Pennasd'aco, as mais superio-
res, a grosa......
Relogios de o.uro orizontaes,
900,800 e......
Ditos de prata, galvanizado,
patentes e orisontaes, 400 e
Obras de ouro, adercos, meios
aderecos, pulceiras, rozetas,
aneis e cruzes.
20500
20000
10400
20500
10600
80500
20000
principian por mais estreitos al a maor
largura dos labyrinthos, e os precos sao
igualmente proporcionados. Isso pois, asr-
sim simplesmente dito talvez pouca conside-
racSo mereca, porm para desengaar e fa-
zer o comprador reconhecer a verdade e a-
preciar o extremo da barateza, necessario
que se dirijan) com dinheiro; a rua do
Qneimado loja d'Aguia Branca n. 8.
Craxa econmica.
A aguia branca acaba de receber essa acredita-
da grasa econmica, cuja superioridade est gc-
ralineote neonheoida; essa boa graxa se torna
rv" oinnemlada, tanto porque o calcado lustrado
eomeHa duixa porfeitamente lustroso ao menos
tres dias sein necessidade de novo unto, tomo
uicsino porque sua preparacao appropriada para
mariar o conservar o couro ; ella vem em caixi-
chas e barrizinhos, e acha-se venda na rua do
Queimado n. 8, loja d'aguia branca, aos rezumidos
- de MO, 500 e 1540 rs.
Pentes de concha.
Com as novas e diversas guarnigoes de
pentesqite a.Venia Rranca acaba de rece-
ber, voio tambem uraa pequea qualidade
de penlesde concha que com graca e acer-
tal imente servem para o moderno atado dos
los, Ellessao de bonitos e agradaveis
moldes, edelainanho pequenino como con-
v.n para n lim que sao. E' esta a primei-
ra ve/, que d'lles aqu chegam. por isso
que o 111 ida novissima, pelo que ganlia-
ro a palma aquellas senhoras que primei-
ro se apjjjsentarem com elles. para o que
o< mandarn comprar na lo;a d'Aguia Bran-
ca, rua do Qneimado, n. 8.
Capelln, flores e luvas enfeita-
das para noivas.
Pelo ultimo paquete a Aguia-branca rece-
ban os arligos cima sempre necessarios s
noivas, os quaes, segundo suas recommen-
ci;~i;'>, rierain de muito gosto, e perfeila-
menle delicados.
As eapeUas sao de mui moderno e agra-
davel molde, de linas flores, e acabadas com
toda o esnwo: as llores solas sao extre-
mamente delicadas e proprias para enfeites
de v si!os e mesmo ornatos de cabera, sen-
do d ilga i is vergonteasde jasmin, cachos de
rose:as, e otars estimadas flores.
As lusas, porm, apreciada obra de Jou-
vin, parece que foram enfeiladaj pelas mes-
t;is fabricanti*s das mimosas (lores, pois que
em fasto e purfeicao nada deisam a desojar.
S;lo essa, pois, as capellas, flores e luvas
Ii.i. correspoiiili'in riqueza do vestido, for-
n i:ti o coipjpleio assi'io e perfeicjto, e ele-
vara a galhardia da candida noiva. ttesla
somonte que os pretendentes munidos de
dinhro dirijam-se alegre e espagosa lo-
ja d'Aguia-branca, rua do Queimado n. 8
alendarlos semanaes : pelo
ps'eco lodos compraro.
!vio de sumina ulilidade esses kalendarios
ajmanae, porque mostram acertadamente
r. dita <. dias da semana, sem o continuo tra-
biiii'i de blir nelles diariamente, pelo que
se tornara necessarios e preferiveis a todos
os outros; tanto para casas de familias, co-
mo mesmo para qualquer oulra parle, e
principalmente por 500 rs. cada um: na
ru.i do Queimado, loja d'Aguia-branca, n. 8.
Phosphoros de cera.
VendetB-St; a 24o rs. a duzia de caixinhas
fie [i!ios|)Ih)|-os de cera : na ruado Queima-
do, loja d'Aguia-branca n 8.
Inglezas : Opiata e agua da
C'olonla.
A A guia-branca da rua do Queimado n. 8
acab .le rapeber a apreciada opiata ingleza,
asim como mui boa agua da Colonia tam-
bem inglc/.a.
Carrafas com agua da Colonia.
Chegaram^novas garrafas com agua da Co-
1 pira a loja d'Aguia-branca, rua do
Qiiimado n. 8.
HliraTilIa das bellas, novo e
relie idos enfeites para ves-
tidos.
aprasivel a agoia branca o ter de avisar a
sna boa mpunzia, que acaba de receber neto pa- p.ua d0 Imperador n. 28 e caes de Apollo n.
quele (ranr.-r. um bollo sorliinonlo de enfeites de ai ann iKn Aa lihrie nm cima
40000
30000
20000
600
700000
300000
I
A Arara vende chitas a 210 rs. o covado. Sao
largas.
Vendem-se chitas francezas com toque de
mofo, que se extinguir logo que forem la-
vadas, e as cores sao fixas a 240 e 280 rs.
o covado ; ditas limpas e finas a 320, 360
e 400 rs. o covado ; lencos brancos com
barra de cores finas a 160 rs, cada um ; di
tos brancos todos a 200 rs.; ditos muito fi-
nos a 320 rs ; meias para bomem a 200 e
210 rs. o par ; ditas para senhora a 320 e
400 rs.: na loja da Arara, rua da Impera-
triz n. 56, de Mendes Guimares.
Scdiuhas da Arara a 5C0 rs. o covado.
Vendem-se sediuhas para vestidos de se-
nhora a 560 rs. o covado ; cassa-seda com
palmas soltas a 500 rs. o covado ; chalim
de cores para vestidos de senhoras a 500
rs. o covado ; sarja de cores para vestidos a
400 rs. o covado rua da Imperatriz, loja do
Arara n, 56. & Mendes Guimares.
Madapolo franrez entestado a 4000 rs.
Vendem-se pecas de raadapolSo francez
enfestdo a 40 e" 3500 ; pecas de algodo
encorpado a 40, 40609 e 50500 ; madapo-
lo inglez com 24 jardas marca Hainha a 70 ;
dito Elephante a 70500; dito n. 6 fino a
85 : dito n 7 a 9 ; dito de corta dourada
a 100, todos estes madapoles sao muito fi-
n is: rua da Imperatriz, loja da Arara de
Mendes Guimares
Koup' IV i la da Arara.
Vendem-se uniformes completos, como
sejam : paletots, calcas, coletes de casimira
ingleza a 105 e 120; calcas de brim e
meia casimira a 29 ; paletots de brim de
cores a 20000, e 39 ; ditos brancos a 30 ;
ditos de meia casimira a 30500 e 40 ; se-
roulas de bramante francezas a l^COO; ditas
de linho a 0 ; camisas francezas a 10600 ;
ditas muito linas a 20 e 20500 ; ditas de li-
nho inglesas M ; camisas de meia para bo-
mem a 500, 800 rs. c 10 : collerinbos de
linho a 500 rs:; rua da Imperatriz n. 56.
lia loes da Arara a 3^000 rs.
Vendem-se baliies de arcos americanos de
20. 25, 30 e 40 arcos a 3, 30500, 40 e
4*500 ; ditos de brilhantina a 40 ; ditos de
dila muito grandes a 396 0 : rua da Impe-
ratriz. loja da Arara n. 56.
Lencos de seda a 800 rs.
Vendem-se lencos de seda de urna s cor
muito linos a 800 rs.; ditos estampados a
lo, ditos com franjas a 10500 : rua da
Emperatriz 11 56.
A Arara vende ricas colchas avelludadas a 80000.
Vendem-se ricas colchas avelludadas para
cama a 80 ; ditas de fuslo a 50 ; ditas de
damasco a 40; ditas de chita 20 : rua da
Imperatriz n. 56.
Cortes de la a 3,C00, 1,000 e 5,000 rs.
Vendem-se cortes de la para senhora
a 3j600, 40 e 50 : ditos de organdys finos
a 60 e 70: camisinhas muilo linas parn se-
nhora a 40500 com gravata e tambem gol-
linhas muito finas para senhora com boto-
zinlios a 320 rs. ; ditos de golla e punho a
10 : rua da Imperatriz n 56, loja da Arara
de Mendes Guimares.
Tarlalaaa da Arara a 800 rs.
Vende-se tarlatana muito fina a 800 rs. a
vara; fil de linho liso e fino a 800 rs.;
ditos de salpicos a 10 ; fil de linho de co-
res a 160 rs. o covado ; cortes de cambraia
com 1 vara de largura com palmas soltas
90 ; peijas de cambraia de salpicos a 30500:
rua da Imperatriz n. 56, loja d Arara de
Mentios Guimares.
fi \iim;Ao o jioii ?:.%.vui a do
II It r H Y. 39o
Este muito acreditado estabelecimento est prvido de um completo sortimento de
machinismos proprios do fabrico de assucar, a saber:
Machinas de vapores as mais modernas e mais acreditadas.
Rodas d'agua de ferro com seus pertences.
Moendas e meias moendas de todos os tamanhos.
Rodas dentadas, angulares e de espora.
Taixas de ferro batido e coade
Boceas de fornalha pelo novo systema Wetson.
Alambiques de ferro fundido.
Fornos para cozer farinha.
Moinhos para moer mandioca.
Arados americanos, etc. etc.
ESTABELECIMENTO COMMERCIAL M
DE
;C:U\Bh EF1WI\0 DEMETAESv
silo na rua do Brnm 11. 40 junto
a fiindioo do %v. sowmatu. pertencente a
Villana it-iuo A C .
Neste estabelecimento encontraro os freguezes um completo sortimento
de tudo que diz respeitoas artes de caldereiro, funileiro, laloeiro, ferreiro e
fundigao, e os abaixo asssignados que o dirigem, promettem servir a todas as
pessas que se dignarem de os procurar, com promptido, sinceridade e pre-
cos muito rasoaveis. O dito estabelecimento estando montado em ponto
grande, tanto no que diz respeito a pessoal, como em materia prima, e tendo
habis olciaes, pode executar com toda a perfeico e seguranca qualquer
obra tendente as artes cima mencionadas o affoitamente pdem os abaixo as-
signados assegurar ao publico que nenhum outro estabelecimento lhe pode
fornecer mais barato e mais perfeito do que elles, visto que recebem de sua
propria encomraenila todas as materias empregadas em ditas obras.
Alambiques simples e continuos de to- Sinos de 16 libras 8 arrobas.
Parafuzos de bronze e ferro para ro-
das d'agua.
f'ola&sa da tmssia
Yede-se cm casadeN.O. Bie-
ber 4 C., successores, rua
Cruz n. 4.
MM
dos os tamanhos e dimenfes.
Machinas de cobre para destilar e res-
tiiar espirito at 40 graos pelos sys- i Torneiras de bronze e bronzes para
temas de Logier e Derosne. engenho.
Carapucas e serpenfinas de cobre, e Encanamentos de cobre e chumbo de
estanto, avulsas. todas as grossuras.
Taixas e tachos de cobre para engenho Bombas para cacimbas, aspirantes e
e refinaco. de repucho.
Paroes de cobre e todos os cobres ne- Bombas para destilaces.
cessarios para o fabrico do assucar. Ditas para regar jardins, hurtas e
Cobres para rodas de moer mandioca. capim.
Machinas econmicas para lavar roupa Ditas para navios e barcafas de varias
o melbor possivel. I qualidades e diraences.
Cobre em lencol e arrodellas, estanho em barrinha, chumbo em barra,
lencol e canos de todas as grossuras.
Yillafa Irmo & C.



EBVADO
Assucar do Mov tetro
quele
suda denominado marayillia das bellas, os quais
seri'o'n lanto para vestido de senhora como para
roupinhas <1 mancas. Seus novsimos o delica-
dos riesenhos, suas oscolhidas e bem acertadas co-
n's fazetn um tudo agradavel aosolhos de qualtjuer
\-'w\.' rj 1.1 saii 1.1 apreciar o bom. Assira, pois, a
iviHa est em havor dinheiro, havendo-o, diri-
x-<: si'n susto ao espacioso e alecre ninho de
fon branca, rsa do Queimado d. 8, qac achanto"
as verdades cima ditas.
67, a OO rs. a libra, e de 8 libras para cuna
a 50600 aarroba.
U"Us do Alente|e e das llha.
Duarte A C. acabflm do receber da Europa pelo
vapor Oneida entrado hontem, os muito deeiadoe
qnoijos do A fenjejo e das Ilhas a800 rs. a libra,,
tem qneijos de Id a 20 libras, sendo inteiro se -
r abatimento : no pateo do Carino .azem
progresso.

DE
N. 21 LARGO DO TERCO-N. 21
O proprietario deste bem sortido armazem de molhados vende os seus gneros j
bem conhecidos de primeira qualidade, e por isso caprichou de escolher, para bem servir
aos seus freguezes. mandando vir amaior parte do seu sortimento, para o que tem pessas
enoarregadas para este fim, e os pode vender por menos de 10 a 0 % do que em outra
qualquer parte.
Verdadeira genebra de Hollanda em botijas de conta certa a 400 rs.
dem de laranja em frascos grandes a 1,000 rs. e de Hollanda a 500 rs.
Caixinhas com 8 libras de oassas de carnada a 2,400 rs. e a libra a 480 rs.
Velas de espermacete, carnauba e composico a 63o, 44o e 36o rs. a libra e a arroba a
10,000 rs.
Palitos do gaz sem avaria a 2,3oo rs. a groza e 2oo rs. o maco. -
Serveja das melhores marcas a 500 rs. a garrafa e a duzia a >,5oo rs.
YiBho das melhores marcas F. L. P. a 4oo, 5oo e 56o rs. a garrafa e a caada a 2,8oo e
4,000 rs.
Batatas desembarcadas ltimamente a 5o rs. a libra, e a arroba a 2,8oo rs.
Bolachinhas americanas a 2,ooo rs. e 3,5oo rs. a barrica e 2oo rs. a libra. ^
Azeite doce de Lisboa a 3,ooo re. q galo, e a 64o rs. a garrafa.
j Queijos do reino os mais novos do mercado a l,8oo e 2,000 rs.
* Milito alpista o mais limpo que ha a 5,000 rs., a arroba a 160 rs. a libra.
iManteiga ingleza perfeitamente flor a 800 e 720 rs. a libra,
dem franceza, muito superior, a 560 rs. a libra e em barris a 5.4Q rs. a libra.
Caf do Bio da 1 .a e 2.a sorte 280 e 320 rs. a libra, e a arroba a 8,800 e 9,000 rs.
Cha de primeira e segunda sorte a 2,8oo fc,3oo e ?,ooo rs. a libia.
PPb francez de grande tamanho a 14o rs* cadaum. e a lera dos genero* annjoociados
ha outros muilos que enfadonho seria menciona-los: vende-se dinheiro vista.

ILEGYEU
PROGKESSIVO
iaaa>3 amaaia
DK
MOLHADOS
Largo do (armo 9.
Grande sortimento para a festa por menos
10 a 20 por cento do que em outra qualquer
parte. *
Duarte & C* scientificam aos seus freguezes e ao publico emgeral, que acaba de che-
gar da Europa um socio que faz parte da firma, com um grande e bello sortimento de
molhados por elle escolhidos, os quaes se vendem por menos de lo a 2o por o/0 do que ou-
tro qualquer annunciante, garantindo a boa qualidade e peso de qualquer genero vendido
neste j muito acreditado armazem, e por isso, firmados em que cumprem fielmente o
que promettem, pedem todos os Srs. dapraca, deengentws elavradores, o favor de
mandarem suas encommendas ou relaces ao armazem Progressivo, certos de nao tecem
em tempo algum occasio de se arrependerem.
Aviso.
Todos os Srs., que comprarempara tornaFem a vender, terSo, alm dadifferenca
j publicada, mais 5 por % e abatimento. Os proprietarios tambem garantem o bom
acondicionamento anda mesmo dos mesmos para o mais alto sertSb.
Manteiga ingleza perfeitamente fler, mandada
vir de conta propria, a 800 rs. a libra.
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
56o rs. a libra, e em barril ter abatimen-
to.
dem ingleza em potes de 4 a 16 libras a
800 rs. a libra e o pote separado.
Cha uxhn o melhor neste genero, mandado
vir de conta propria, a 2,8oo rs. a libra
dem hysson, grande, muito bom a 2,600 rs,
a libra.
dem preto, muito fino, a 2,6oo rs. a libra.
Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groza e 2o rs. a
caixinha.
Milho alpista a 160 rs. a libra.
Painco a 2oo rs. a libra.
Gomma muito al va para engommar a 80 rs.
a libra, e em arroba se far abatimento.
Sag muito novo a 28o rs. a libra.
Sabo verdadeiro hespanhol que raras vezes
vem ao nosso mercado a 28o rs. a libra.
Sabo massa de superior qualidade a 180,
200, e 220 rs. a libra do melhor que ha.
dem preto, mais baixo, a 2,ooo rs. a libra.' ., ,aA ...
r Graixa em latas muito nova a 120 rs. a lati-
Idem, verde, miudiuho, mais propriopara ne- nha, e 1,300 rs. a duzia.
gocio, a l,5oors. a libra.
Banha de porco refinada muito alva a 46o
rs. a libra, e em barril se far abatimen-
to.
Biscoitos inglezes das seguintes marcas:
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travellies
Lunch, Cabin, eoutras muitas marcas a
l,4oo rs. a lata.
Bolachinha de soda, especial encommenda, a
2,2oo rs. a lata.
Biscoito inglez Craknel em latas de 5, 7 e 15
libras a 5,000 e 6,000 rs. e de l,2oo a
800 rs. a libra.
Queijos do reino pelo baratissimo preco de
l,6oo, l,8oo e2,000 rs., os do ultimo
vapor,
dem prato muito fresco a 64o rs. a libra,
dem londrino muito fresco a 800 rs. a libra.
Vinhos em pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
48o, 56o, e 64o rs. a garafa, e de 3,ooo a
4,5oo rs. acanada.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa em latas de 1 e mais libras
a 7oo rs. a libra.
Fructas em caldas das seguintes qualidades:
ameixa, rainha Claudia, peras, cerejas,
ginja, pecegos e alperch a 5oo rs. a lata.
Figos em caixinhas de 1 '/s arroba e de 8 li-
bras a 8,000, 4,000 e 2,ooo rs, e a 3oo rs.
a libra.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra, e
em arroba ter abatimento.
Sardinba de Nantes a 32o rs. a latinha.
Toucinho de Lisboa a 4oo rs. a libra eem ar-
roba ter abatimento.
Massa de tomates a 64o rs. a libras.
Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
Farinha do Maranhao a 14o rs. a libra.
Ceblas a l,2oo rs. o mlho, e a l,ooo rs.
o cento.
Tijollo para limpar facas a 16o rs,
Cerveja das mais acreditadas marcas de
5,ooo a 7,5oo a duzia, e de 5oo a 600 rs.
a garrafa.
Prezunto para fiambre muito fresco e novo
a 800 rs. a libra.
Genebra de laranja a 9oo rs. a frasco.
Chourifas as mais frescas do mercado a
54o rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa,
e lo,000 rs. a caixa com urna duzia.
Licores francezes das seguintes marcas: A-
nizete de Bordeaux, Plaisir des dames, e
de outras muitas marcas a 10,000 rs. a
duzia, e a l.ooo rs. a garrafa.
Passas muito novas a 5oo rs. a libra e a
8,000 rs. a caixa. Ha caixas, meias e
quartos.
Peras seccas a 3,ooo rs. a caixa e 800 rsi
a libra.
Bolachinha ingleza a 4oo rs. a libra.
Azeite francez eportuguez refinado a 800 rs.
a garrafa, e 9,ooo rs. a caixa com urna
duzia.
Conservas inglezas das seguintes marcas:
Mixed, Pickes, e ceblas simples a 800 rs.
o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes a 4oo
rs. o pote.
Gr3o de bico a 16o rs. a libra, e era arroba
ter abatimento.
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 librmuitos, a
proprios pora deposito de manteiga, doce,
e outro qualquer liquido, de 1,00o a 3,ooo
rs. cada um.
Peixe em latas muito novo : savel, pescada,
curvin, salmSo e outras muitas qualidades
preparados de escabexe, segundo a arte de
cozinha, de 1,400 a 2,ooo rs. a lata.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado e escolhido pessoalmente por um
dos socios que se acha em Portugal, das
seguintes marcas: Duque, Genuino, Ve-
lho secco especial, Lagrimas Doces de
1819, vmho especial D. Pedro V, vinho
velho, Nctar superior de 1833, Duque do
Porto de 1834, vinho do Porto velho su-
perior, Madeira Secca de superior quali-
dade, vinho do Porto superior I). Luiz I
de 1847, Lagrimas do Douro, especial vi-
nho do Porto, de l.ooo a i.2oo rs. a gar-
rafa e de lo,oooa 12,ooo rs. a caixa com
umaduzia.
dem Bordeaux de differentes marcas, garnte-
se a qualidade, a 8,000 rs. acatxa com uraa
duzia, e a 7oo rs. a garrafa.
Garrafes com 5 garrafas de vinho do Porto
do Alto Douro a 2,2oo rs. com o garrafo.
dem cora 5 garrafas de vinho Figueira, mais
pmprio para a nossa estaco por ser mais
fresco a 2,4oo rs. com o garrafo.
dem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
o garrafo.
Vinho branco o melhor neste genero a 600 rs.
a garrafa e 4,ooo rs. a caada.
Velas de spermacete as melhores que ha no
mercado a 600 e 64o rs. o masso, e em
caixa se far um grande abatimento.
dem de carnauba e composico, de 4oo a
3o rs. a libra, e delo.ooors. a H,5oors.
a arroba.
Caf de 1 e 2a sorte de 8,3oo a 8,600 rs. a
arroba, e de 28o a 3o rs. a libra do mer
lhor.
Arroz da India, Maranhao e Carolina a 3,ooo,
2,8oo e 24oo rs. a arroba e de loo rs. a
80 rs. a libra.
Frasqueiras de genebra a 5,8oo rs., e a 5oo
rs. o frasco.
Azeite doce em barril, muito fino a 64o rs.
a garrafa.
Papel grve pautado e liso a 3,5oo rs. a
resma.
Genebra de Hollanda em botija de conta a
44o.rs. a botija.
Champagne das mais a crepitadas marcas a
l.ooo rs. a garrafa, e a lo.ooo rs.a duzia
ou fcigO.
Alhos a 80 rs. o masso.
Sal refinado a 7o rs. a libra.
Ervilhas francezas e portuguezas a 64o rs.
a lata de urna libra.
Chocolate francez, hespanhol, suisso, e portu-
guez a l.ooo rs. a libra, e a 28o rs. cada
pao de urna '/.
Garrafes vasios de 5 garrafas at 3 caadas
de 5oo at l,3oo rs. cada um.
Amoixas francezas em caixinhas elegantemen-
te onfeitadas, com diversas estampas
no exterior da caixa, de l,5oo a 3,ooors.
cada urna; tambem ha frascos e latas de
differentes tamanhos que se vende por
mdico preco.
Massas para sopa: macarrao, talharim, e
alelria a 48o rs. a libra, o em eaixa se
far abatimeuto.
Doce de goiaba de 4oo a 800 rs. o caixao
grande.
dem a 2,ooo o caixo grande.
Charutos de todas as marcas e dos melhores
tundeantes da Bahia de 3,ooo a 4,ooe rs.
a caixa.
ATTENfiO!
Alcm dos gneros cima, annunciados lia um completo seflimente d caminaos, er-
va doce, alfazema e outros muites gneros, que tudo se vende por baratisssimo preco,


_______
_

. .
------------
Diario de Ptrunbaco <*tara (c | 4 de MoTembro de !*

i m
U1L
GRANDE ARMAZEM
AB
EK
N. 36, RIJA DAS CRDMS N. 36
DO
balrro de Santo Antonio.
0 proprietario do muito acreditado armazem denominado Progresista tendo
*empre em vista fazer tudo o que for possivel para bem servir aos seos fregoezes, tem
deliberado vender os seus j bem conhecidos gneros de primeira qualidade pelos precos
abaixo mencionados, e amanea s pessoas que mandarem comprar por seus criados ou
escravos, seren to bem servidas como vmdopessoalmente; encarrega-s de aviar qualquer
encommenda, ainda mesmo contendo objectos nlo proprios deste estabelecimento. O
mesmo pede aos senhores que mandarem comprar neste armazem o favor de mandarem
devolver qualquer objecto que nao agradar, devendo os mesmos senhores ter toda atten-
cio cora os seus portadores, fazendo-lhes ver que s no armazem Progressista da ra das
Cruzes n. 36, que se vendem os melhores gneros por mais barato preco, porque estes
muitas vezes olvidam-se e vio outra parte onde os servem de maneira a desagradar este
estabelecimento.
Mustarda preparada, muito nova a 360 rs. o
pote.
Palitos do gaz a 200 rs. a duzia de caixinhas
e 2,100 rs. a grosa.
GRANDE ARMAZEM DE MOLHADOS
VE
tf&wmmxMxmm&mK.
RA DO QUEIMADO N. 46
miw
TODOS
os
VAPOltllN
COMPLETO
SORTIMEKTO DE MOLHADOS.
se recebem gneros de conta ^ vende-se em porco e a reta-
^ Hio, aprompta-se com toda a
^ presteza e exactido qualquer
4 encommenda dirigida a este
5 ESTABELECIMENTO.
propria e dos melhores esta-
belecimentos da Europa, ga-
rante-se todo e qualquer ge-
nero comprado neste
ESTABELECIMENTO,
DE
FAZENDAS E KOI PAS FEITAS.
Sortimento completo de sobrecasacos de panno a 25,51, 28<5, 305 e 3>t, casacas
muito bem feitas a 250, 280, 304 e 354, paletots acasacados de panno preto de U>
254, ditos de casemira de cor a 154, 184 e 205, paletots saceos de pUmo~V ense-
mira de 84 at 144, ditos saceos de alpaca, merino e laa de 45 at 65, sobre de
merino de 75 at 105, calcas pretas de casemira de 85 at 145, ditas de cor de 1 ale
154, roupas para menino de todos os tamanhos, grande sortimento de roupas de brini,
como sejamcalcas, paletots e colletes, sortimento de colletes pretos de metim, cas
e velludo de 45 a 95, ditos para casamento a 55 e 65, paletots brancos de bramante a 45
e 55, calcas brancas muito finas a 55, e uin grande sortimento de fazendas finas e moder-
nas, completo sortimento de casemiras inglezas para homem, menino c senhora, cerotihs
de linho e algodao, chapeos de sol de seda, luvas de seda e de Jouvin para homem e se-
nhora. Temos urna grande fabrica de alfaiate, onde recebemos encommendas de grandes
obras, que para uso est sendo administrada por um hbil mestre de semelliante arte e uro
pessoal de mais de cincoenta obreiros escomidos, por tanto executamos qualquer obra coa
promptido e mais barata do que em outra qualquer casa.
Uvas muito novas a l,ooo a libra.
Castanbas a 2oo rs. a libra,
Figos a 320 rs, a libra,
Vinho superior da Figueira e Lisboa, a 400,
440, 480 e 500 rs. a garrafa, e a 2,500,
2,700, 3,000 e 3,400 rs. a caada.
Ditas hygienicas e de seguranca a 240 rs. a
duzia.
Os proprietarios do muito acreditado armazem Progresso fazem sciente ao respeita-
vel publico e com especialidade aos seus amigos e fregueses que tem resolvido resumir os
precos dos seos acreditados gneros, como abaixo vero nio obstante os preeos menciona-
! dos a vista da qualidade dos gneros que se prova quanto se deseja servir satisfatoria-
mente aos nossos freguezes, advertindo-lhes que mandem seas portadores, que serao Uto
bem servidos como se viessem pessoalmente, isto s no Progresso.
dem engarrafado, das seguimos marcas du-
que do Porto, Feitoria, Nctar, velho secco, Alpista muito limpo a 160 rs. a libra,
Chamisso, e Madeira superior a 8,500 rs. a .,,., .. on ithM
duaia e 800rs. agarrafa. ^"" e.n??mm.ar a 80 n' a ,ibra- e
dem Bordean* de diversas marcas a 640 rs.
2,200 rs. a arroba.
agarrafae7,500rs.acaixacoml2garrafas. Si& nwilo novo e alvo a 240 rs.a libra.
Sabo hespanhol, a 280 rs. a libra,
tem massa a 180, 200 e 220 rs. a libra.
dem Xuscatel de Setubal a 1,700 rs. a gar-
rafa, a 18,000 rs. a duzia.
Garrafoes com 5 garrafas de vinho do Porto,
Lisboa eFigueira a2,100, 2,200e2,300
rs. com o garrafao.
dem brinco muito superior a 500 rs. a garra-
fa e 3,500 rs. a caada.
Garrafoes com 5 garrafas de vinagre a 1,1 oo rs.
Vinagre superior de Lisboa a 1,400 rs. a ca-
ada e 200 rs. a garrafa.
Champanhe das mais a crepitadas marcas
Velas do spermacete superiores a 580 e 640 a 10,000 rs. egigo e l.OuO a garrafa,
rs. o maco.
Peixe em latas, savel, pescada, e corvina a
1,000 rs. a lata.
I Genebra de Hollanda em butijas de conta a
400 rs.
Papel greve pautado e liso a 3,400 rs. a
resma.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa.
Manteiga ingleza de l.1 qualidade, a 800 rs.
a libra.
dem de 2.* dita, a 700 rs. a libra.
dem de 3*. dita a 600 rs. a libra.
dem franceza, a melhor do mercado a 540 rs.
e em barril a 500 rs. a libra.
dem em latas com 2 / libras a 1,400 rs.a lata.
Banha de porca'refinada a 500 rs. a libra.
Queijos flamengos chegados ltimamente a
Doce de goiaba de 400 a 800 rs. a caixa.
Chocolate portuguez, francez, hespenhol e
suisso de 800 a 1,200 rs. a libra.
Velas de carnauba e de composigao a 320 e
360 rs. a libra e 9,500 e 10,000 rs. a ar-
roba.
Massas para sopa macarrao e talharim a
400 rs. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Ba-
ha 3,800 3,400 3,000 e 2,400 rs. a
caixa.
2,000 rs. Cerveja das melhores marcas de 5,000 a
dem prato o melhor que ha neste genero a 6,000 rs. a duzia.
700 rs. a libra. _
dem do Alantejo muito snpenor a 8oors. a B>sco>tos inglezes de todas as marcas a 1,200
libra. rs.a lata.
Arroz Carolino e do Maranho a 2,800 rs. ar- Bolaixinhas de soda em latas grandes a 2,000
roba e 100 rs. a libra. e )8qo rs. cada lata.
Amendoas de casca mole a 280 rs. a libra.: Massa de tomales em |las de { ,ibra a 560
"Caixinhas comameixas francezas, de diversos
tamanhos al, 200,1,400,1,800e2,100rs.
cada urna.
Frutas em calda, ameixas, rainha Oladia, pe-
cagos e alpech a 480 rs.
Marmelada de todos os conserveiros de Lisboa
a 600 rs. a libra.
Ameixas em latas de I '/ e 3 libras a 1,200
e 2,400 rs. a lata e 900 rs. a libra.
Cha huxim o melhor que possivel encontrar
neste genero a 2,700 rs. a libra,
dem hysson muito superior a 2,5oo rs. a
libra,
dem miudinho a 2,700 re. a libra
dem preto de qualidade muito fina a 1,800rs.
'dem mais inferiora 1,500 rs. a libra.
Genebra de laranja a 900 rs. o frasco e 500
rs. os frascos pequeos.
Choui icose paios os mais novos que ha no
mercado a 500 rs. a libra.
Cognac inglez a 9oo rs. a garrafa.
Marrasquino de Zara a 7oo rs. o frasco e
8,ooo rs. a duzia.
Licores francezes, annizete, plaisir des da-
mes, etc., etc. a8oo rs. a garrafa e8,5oo
rs. a duzia.
Passas as melhores que se encontram a 360
rs. a libra.
Bolachas inglezas muito novas a 24o rs.
a libra, e 3,5oo rs. a barrica.
Azeite refinado a 8oo rs. a garrafa.
Conservas inglezas de todas as qualidades a
750 rs. o frasco.
ojuauiaaioqejsa ajs jep
-wesop b BJiauBui ap raa.uos so apno 'ajjed ejmo e og.v 9 as-tucpiAio soza.v sejmu sajsa
..nluoil 'otead owjq sictn aod sojauaS sajoqiaui so apua.v os ao o 98 *u saznj3 sep
boj ep Bjsissaj^oJd uidZBUue ou os anb ja.\ saqi-opuazej 'sajopeyod snas so moa o
-ii.b Bpoj m sojoquas souisaui so opua.ttp 'jepeaSe ogu anb opafqo janbienb J3A|o.\ap
uwaepueui ap JO.vbj o mazeuue aisau jeaduioo majBpuBui anb saaoquas sob apad ouisaui o
'ojaaupaiaqeisa 8lsaP soudaid ogu sopafqo opuajuoa ouisaui epuia 'epuauuioaua jaub
-pjnb JEj-ve ap as-B8aJJBDua oiuaui|cossad opu.\ ouioo sopt.uas raaq obj majas 'soABjasa
no sopBU snas jod ludmod majepuem anb ssssad sb Bauene a 'sopsopuara oxieqB so3
-ajd aojad appqenb BJiaraud ap sojauag sopiaaquoa maq t? snas so japua.\ opBjaqqap
mal 'sazanSaJj sn)s sob jiajbs uiaq BJBd ia\issod joj anb o 'opnj jazBj eisia ma ajdias
opuai ')ssaj8oJd opBHimouap mazBUue opBjipajaB ojimn op ouBiaudbjd o
* oinoiav 0|0s op OJJisq op ziu,i p mu 98 *K
e 640 rs.
Sardinhas de Nantes muito novas a 340
rs. a lata.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijollo para aYeiar facas a 140 rs. cada um.
Farinha de Maranho a 140 rs. a libra.
Pimenta da India a 340 rs. a libra.
Erva-doce a 320 rs. a libra.
Palitos para meza a 160 rs. o maco.
Verdadeira farinha de ararula a 500 rs. a
libra.
Frascos com ameixas francezas a 1,400 rs.
cada um.
Prezuntos do Porto a 5eo rs. a libra.
Batatas muito novas em gigos com 38 libras
por l,5oo rs.
Canella da India a l,loo rs. a libra.
Cominho a 64o rs. a libra.
Azeitonas de Lisboa muito novas a l,6oo rs.
a ancorla.
Estrelinha e rodinha para sopa a 6oo rs. a
libra.
Legumes seceos para sopa a 4oo rs. o maco.
Breu louro a 3oo rs. a libra e 8,ooo rs. a
arroba.
Papel pautado e liso almaco e de peso de
3,ooo, a 4,ooo rs. a resma.
Ervilhas seccas chegadas no ultimo vtpor a
fcoo rs. a libra.
Manteiga ingleza perfeitamente flor chegada
no ultimo vapor a 8oo rs. a libra.
dem de 2.a qualidade a 76o rs. a libra.
dem de 3.a dita a 64o rs. a libra.
dem para tempero a 32o e 4oo rs, a libra.
Manteiga franceza a mais nova que ba no mer-
cado a 58o rs. a libra, e em barril ter aba-
timento.
Banha de porco refinada a 520 rs. a libra.
Vinho em pipa Porto Figueira e Lisboa a 4oo,
48o, 5oe, 56o rs. a garrafa, em caada
2,8oo 3,ooo 3,5oo e 4,ooo rs.
dem em barril o mais superior que tem vin-
ao mercado a 6oo rs. a garrafa.
Lagrimas do Douro especial vinho do Porto a
l,ooo a garrafa e a lo.ooo a caixa, o preco
nao indica a qualidade d'este precioso vi-
nho, porm venhamao Progresso que a vis-
ta faz f, a este genero constantemente man-
damos vir de conta propria e por isso po-
demos vender por menos que outro qual-
quer annunciante.
Vinho do Alto Douro das marcas mais acre-
ditadas e especialmente escolhido por um
de nossos socios, como sejam: Camcs, Du-
que, do Porto, D.Luiz, Carcavellos, Cha-
misso A Filho, Madeira secco, e Feitoria a
Ooors. agarrafa e 9,ooo rs. a caixa com-
12 garrafas. i
Garrafoes com especial vinho do Porto con-'*
tendo 5 garrafas a 2,5oo rs.
Farinha de Maranho muito alva e cheiroza
a 16o rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 32o rs. a libra e a 9,ooo
rs. arroba.
Sardinhas de Nantes a 36o rs. a lata.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. agarrafa e a
4,8oo rs. a caada.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e a
l,2oors. a caada.
Garrafoes com 5 garrafas de vinagre de Lis-
boa a l,loo rs.
Champanhe das marcas mais acreditadas a
8 e a lo.ooo rs, o gigo, e a 8oo rs. e a
l.ooo rs. a garrafa.
Serveja preta marca T e XXX a 6,5oo e
7,ooo rs. a duzia, e a 6oo rs. a garrafa,
tambem temos das mesmas marcas para k,
e 4,oco rs. a duzia, e a 4co rs. a garrafa.
dem branca Te cobrinha a5,5oo e 6,ooo rs,
a duzia e 5oo rs. a garrafa, tambem ha
para 4,ooo rs. a duzia.
Graxa em latas grandes a l,3oo rs. a duzia
e 12o rs. a lata.
Vassouras do Porto arqueadas de ferro obra
do rauita duracSo a 4oo rs. cada urna.
Palitos de dentes massos grandes a 2oo rs.
e28o rs.
PaUps do gaz a 20 rs. a caixinha e 2,3oo rs.
1 agroza.
AOS SENHORES LOGISTAS
Desla capital, arrabaldes e provincias
adj(cenles.
HA\l KBi .
N. 23 RA NOVA N. 23.
Tem a satisfcelo de participar particularmente aos seus amigos e fi'e!iezes, e em
geral a todos os senhores legistas desta e de outas provincias, que em consequencia de
suas- relacoes com as principaes pracas manufactureras da Europa, tem conseguido
montar a sua fabrica da chapeos de sol sobre urna escala importante, a ponto do poder
offerecer vantagensaos pretendentes, tanto na qualidade e bem acabado dos seus produc-
tos, como pela redcelo dos precos ; verdade incontestavel, de que se poderao conven-
cer vista da fezenda e pelos precos que v5o abaixo :
Chapeos de sol de seda para homem 28, a 725 a duzia.
Ditos 26, a 66tOOO.
Ditos 24, a 605.
Ditos para senhora 18 e 20, a 485.
A duzia tem descont de 12 por cento.
Ditos de panninho preto e de cor, armacao de balia 20, 24 e 26 sortidos, liquido
i 265 a duzia.
Ditos de junco 20,24, 26 e 28, a 185 a duzia.
Venham ver para convencer-se da verdae.
Encarregam-se de encommendas para da Europa.
. Gela de Alperche chegada no ultimo vapor
latas de 2 libras a 8oo rs. pechincha.
"tLSLtC^1 d6 SUperk>r Vinh F Genebra de Hollanda garrafoes com 16 gar-
rafas por 6.5oo rs.
gueira a 2,4oo rs.
dem com 5 garrafas
2,loo rs.
de vinho Lisboa a
Ideraemfrasqueiras a6,3oors.e6,5oo rs. ea
56o rs. o frosco affianca-se ser verdadeira.
Vinho branco de Lisboa proprio para missa Tjm j u,- K
vindo j engarrafado de Lisboa a 64o lie*tJSS ""
dem de laranja em frascos grandes verda-
deira italiana a 1 ,ooo rs. o frasco.
a garrafa.
dem em barril muito superior a 5oo rs. a
garrafa e a 4,ooo e 3,8oo a caada.
Ameixas francezas em caixinhas de 1 % 2 Marrasquino de zara a 72o rs.
e 3 libras elegantemente enfeitadas com ri- Licor francez de todas as qualidades em
cas estampas na caixa exterior a l,3oo garrafas de vidro brancos a 72o e 8oors
l,6oo 2,ooo e 2,5oors.
dem em latas de, 1 */j e 3 libras a l,4oo e
2,6oo rs, cada urna.
Figos de comadre em bauzinhos de folha
muito proprios para mimo a l,6oo.
dem em caixinhas a I. loo rs.
dem em caixinhas emticamente lacradas
e muito bem enfeitadas a 1,8oo rs.
dem a 2oo rs. a libra.
Passas de carnadas as mais novas que ha no
mercado a 4oo rs. a libra e a 6,ooo rs. a
caixa.
PHOSPHATO de FE
DE LERAS, DOUTOR EM SCIENCIAS, INSPECTOR DA ACADEMIA DE FARIZ, ele, etc.
Erte novo ferruginoso, apprcvado por todas as Academias da Medicina do mundo intriro. rene a
cemposico dos ossos e do sangue, e contem o ferro em estado liquido. Segundo asoiisen anje-, (sitas noa
hospitaes de Parii e consignadas no Prospecto elle superior s rilvlaa ferruRlnoaan, ao lunait
te ferro, ao ferro rrdnildo pela lidroRcnro, aa eltrala le ferro, 4a rllulaa e Xarope da
lodura de ierra : elle cura rpidamente a ictericia branca, cor paluda, dores d'estmngo. dlgraloas peno-
sas, afleccoes nervosas, escrophulas, mlogoa de sangue, perda de frca e appetite, inimilai idades,
faltas menstruaes, e flores brancas. G o melhor adjuvante do Olea de Osada de baraiho.
Depsito geral i em Part, en casa do MM. Grlaaaait e c. pharmaceuticos, 1, ra de la r'euillede;
em Lisboa, en casa de Radrlgo da Caata-Carvalho; no Porto, en casa de Mlsarl Jo-c de Sousa-
Farrelra; em o Rio-de-Janeiro, vluva relala e Dala, ra do Sabio, 11 em Baha, en casa de
Jaae-Caetaao Ferrelra-Eaalakelra; em Rio-Crande, en casa de Jaaqula de Gadoy; em Maran-
ho, en casa de Ferrelra e C* em Pernambuco, Shaaaa e O, ra da Cruz, 22 Soasa, e as principaes
pbarmacias do Brasil.
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22 em casa de Caros & Barboza
ttl'.V !M, Olni\!MI \- 03
l.o ja do bel ja-flor.
Facas para meninos.
Vendem-se faquinhas para moninos a 240 rs.,
ditas de balando de um botao a 280 rs. o talher.
(ravalas para senhora.
Vendcm-sc grvalas para senhora a 100, 640.
800 e 1,3200.
Fitas para debrum de vestido.
Vendem-se fitas para debrnm, de lisho, a 240 a
peca com 10 varas, dita de 13a a 800 e 1<3, dita de
seda a 1,5200.
Peanas de ac de lanea.
Vendem-se caixinhls de pennas de ac de 200
rs. a 13.
Laa para bordar.
Vende-se laa para bordar, de cores claras, a
6800 a libra.
Bonecas' de churo.
Vendem-se bonecas de cera a 800 rs. e 1#, ditas
com mascara de tirar e botar a 640 e 800 rs., ditas
sem mascara a 200, 400, 300 e 800 rs.
Celberes de metal priocipe.
Y'jridem-se coins de metal principe muito finas
para sopa a 25000 e
Salmo em latas
8oo rs.
ermeticamente lacradas a
aa
nioii
30
14 ixvituv mv%urj
mm
.
Lagostim em latas grandes a l,4oo.
Savel, corvina, cherne, vezugo, peixe espada,
preparados pela primeira arte de cozinha a
a l,3oo rs.
Queijos flamengos chegados no ultimo va-
por a 2,4oo rs.
dem do vapor passado a 2,2oo 2,ooo e
l,8oo, rs.
dem prato do ultimo \apor a 64o rs. alibra.
Doce da casca da goiaba caixoes grandes a
6oo e9oo rs.
Chouricas as mais novas que ha no mercado
a 48ors. a libra.
Chouricas mouras encommenda especial nos-
(sa a 5oo rs. alibra.
Prezunto verdadeiro de lamego em calda
de azeite Seo rs. a libra
Bolaxinha ingleza a mais novas que ha no
mercado a 2,ooo rs. a barriquinha com
1 arroba, e a 24o rs. a libra.
dem de soda de diversas qualidades a 1,400
reis.
dem em latas grandes, proprias para lunche,
com 5 a 6 libras per 2,4oo rs.
Marmelada imperial do fabricante Abreu e
outros conserveiros de Lisboa a 6eo rs. a
libra. ,
Frutas em calda de todas as qualidades
itoors.
Ervilhas francezas a 5oo rs. a lata.
I4m portuguazas a 64o rs. a lata.
Massa de tomate a 64o rs. a libra.
Amendoas confeitadas a 7oo rs. a libra,
dem de casca mole a 8o rs. a libra,
Aveians a 8oo rs. a libra.
Azeite doce refinado do fabricante Pelanol e
outros a Soo rs. a garrafa.
Conservas inglezas sortidas e de urna s qua-
lidade a 8oo rs. o frasco.
Araruta verdadeira a 32o rs. a libra.
Gomma de engommar muito alva a 8o rs.
a libra e 2,2oo rs. a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca a 16o rs. a libra.
Sevada muito nova a 12o rs. a libra e 3,2oo
ss. a arroba.
Macarrlo a 32o rs. a libra.
dem e talharim o mais novo que ha no mer-
cado a 48o rs. a libra.
Ale tria a Soo rs. a libra.
Arroz carolino a loo rs. a libra e a 2,8oo rs.
a arroba.
dem do Maranho a 12o rs. a libra, e a
3,ooo a arroba.
Caf do Rio o mais superior que se pode de-
sejar a 32o rs. a libra,
dem a 28o e 3oo rs. a libra e a 8,2oo, 8,4oo
e 8,7oo rs.
Velas de carnauba refinada a 32o rs. a libra,
e a lo.ooo rs. a arroba.
dem de spermacete a 64o rs, a fibra.
Chocolate hespanhol e francez a 9oo e l.ooo
i rs. a libra.
Estrellinha e pevide muito nova a 4oo rs. a
libra, e a 2,ooo rs. a caixinha com oito
libras.
Cha perola muito especial chegado neste ul-
timo vapor de encommenda particular
nossa a 2,8oo rs. a libra.
dem huxim muito superior a 2,7oo rs. a
libra.
dem hysson a 2,36o rs. a libra.
dem hysson a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
dem preto hemeopathico e muito superior a
2,ooo rs. a libra.
dem nacional a l,6oo rs. a libra.
Batatas muito novas a 8o rs. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
e do todas as marcas, como sejam: sus-
piros, havaneiros, messecipes, regala im-
perial, flor das mattas, primoree a i.ooe,
3,5oo, 3,2oo, 3,ooo, e 2,8oo, S,5oo,
2,oooel,6oo rs.a caixa.
garfas a 2800 a duzia, ditas
cravadas a .15, ditas de cabos pretos a 2-3200, ditas
de cabos de balanco com2botes a 65800. ditas
para doce a 5600, ditas de um boto a 65, ditas
para doce a 55.
Manados bordados.
Vendem-se babados bordados proprios para saia
ou calca de meninas a 400 rs. a tira.
Chicote para cavado.
Vende-se chicote para cavallo, para os amantes
que passam festa a 640 e 15.
Meias para senhora.
Vendem-se meias para senhora muito finas a
25400 a duzia, ditas para mininas a 25-
Papel de dhersas iiualidades.
Vende-se papel de beira dourada a 15200 dito
amizade a 640 e 800 rs., dito pautado a 15, dito
adamascado a 900 rs.
Anvelopes de diversas qualidades.
Vendem-ae avelopcs brancos a 800 rs., ditos de
cores a 640, ditos para cartao de visita a SOO rs.,
ditos pretos a 800 rs.
Tendo recebido ricos apparelhos para senhora,
de mousacos e camapheos verdadeiros, vendem-se,
de mousaco a 65300. dito de camapheo a 135-
Dminos e visporas.
Vendem-se dminos muito finos a 15100 e 15400
e visporas a 800 e 15-
\o armazem de fazeutlas bara-
tas le Santos Coelho
RA DO QUEIMADO II. 19 VENDE-SE < SE-
GUINTE :
Cobertas de chita da ludia
pelo barato prero de 25000.
Lencos
de panno de linho a 25000.
Lenccs
de bramante de linho fino pelo barato proco de
35000.
Lencos de cassa
brancos, finos proprios para algibeira pelo barato
preco de 25000 e 25400 a duzia.
Fil liso lino
pelo baratissimo preco de 680 rs. a vira.
Madapolo liuo
pecas de madapolao largo superior pelo baratissi-
mo preco de 851)00.
Ricas saias
de fuslao a 55500.
Petas de brelanha
de rolo com 10 varas propria para saia a 35200.
Peras de cambraia
adamascada para cortinado com 20 varas pelo ba-
rato preco de 105000.
Bramante de linho
fino com dez palmos de largura pelo barato preco
de 25300 a vara.
Toallias aleoehoadas
para mao pelo baratissimo preco de 55000 a du-
zia.
Atoalhado de linho adamascado
proprio para toalha de mesa a 25500 vara.
Algodao monslro
com 8 palmos de largura pelo baratissimo preco
>k 15000 a vara.
Cortes de calca
de ganga amarella de lista e de (juadro fazenda su-
perior pelo baratissimonrero de 15200 o corto.
Lazinl.He quadro
de gosto inteiramente n'o pelo baratissimo prec,
de 480 rs. o covado.
Pecas de cambraia de salpico*
fina com 81/2 varas pelo baratissimo preco de 5-
Petas de cambraia de forrt
pelo baratissimo preco de 25200.
Esleir da India
para forro de sala de 4. 5 e 6 palmos de lanrnra.
AGENCIA
FNDICAO DE LOW-MOOR.
Ra da Senzalla aova n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas c meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston 4 C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
Para passar a festa.
Vende-se a casa denominada casa amarella, si-
tuada em um dos melhores lugares do Arraial,
com bastantes commodos para familia, quartos
Sara escravos, estribarla, etc. : a tratar na ra do
londego n. 47, padaria.
Cheguem ao barato.
Chitas verdadeiras francezas muito finas, esenras
e cores fixas a 280 rs. o covado, por tor nm pe-
aoeno principio de mofo, que com facilidade lavao-
o larga, e dase amostras : na ra da Madre de
Deosn. 16, loja defronte da alfandega.
AlSOOUocento.
Na taberna do Campas na ra do Imperador n.
28, vende-se o cento de charutos suissos a 15000.
Vendem-se
hadsmos para parochos: na roa do Encanta-
iPCto n. 11.
Vende-se a taberna do pateo do Terco n. ,
bem afreguewda para a torra: a tratar na acama.
- Vende-se muilu barato a armacao da lujad
calcados da ra do Livramcnto n. 13.
Cal de
a mais nova do mercado
19, prjmeiro andar.
Lisboa
na ra do Vigario n.
\E\DBF
Dircito internacional privado e aappliraraode seus
principios com preferencia s lei<,.principaes do
Brasil, em 1 volume.por Dr. Jos Pimenta Bnrno,
85000 : no escriptorio de Antonio LulzdeOliveira
Azevedo & C, ra da Cruz n. 1.
"~ESClYrfGIBOS~ ~
Fogio no tlia 24 de ootahro do corrente an-
no o escravo de nome Manoel, de nacSo Conga,
idade 4o annos, cor prett, om tanto Iwixo, pernal
finas, dentes perfeitos, nariz dalo, olhos grandes
foi vestido com palitot de riscadinho ja, velho e des-
botado, camisa de algodao da Bahia, palca dcc*t
semira ja velha, com bordado dos lados : fui es-
cravo do Sr. do engenho Massangana, Joaqun*
Buarque Sampaio ; quem o pegar e levar casa-
do abaixo assignado, ra da Praia n. 1, ser Wm
recompensado.Antonio Francisco Martins de Mi-
randa. ,
Loureaco.
Fugio e preto Lonrenco no dia 28 de ontubrc-
prximo passado, com os signaes seguimos : l>oa
altura, bem cheio do corno, poica barba, cara lar*
ga, coto urna queimadura fresca no braco direito,
Ievou vestido camisa de bata ainl, acompanhao
por dentro de urna camisa de alguduzinho feta t
moda de palito, caifa de estopa bem grossa e muito
larga de pernas em urna das qua ti-m una cor-
rente com que aodava em casa, e oba mudado, tem bastantes cicatrices as cosub
rdiz ser proveniente de bobas; costnma andar
arapuga de panno na cabeca : quem o irar
sirva-se leva-to a roa Real do Manguinho. uiltern
e Padaria de Jos atonto Carpinteiro da Silva,
que ser bem recompensado.


s
Mario de Pernambnco LITTERATRA.
V MEMORIA
DE
Joaquina Aunes Machado.
Tinha sedo de vida e do futuro;
"rd;iJe ao sol corvou-sc puro
K beijou-lhe a bandeira sublimada:
Amou-a como Dous. o uiais que vida.
(A. DE AzKVKDO.OdE A P. IVO.)
'Nfh-a fase de lueto e de agona
(Serrata os coraees desatentados
Desle pvd, que eni ferros se bata
Ao contemplar ieus deuses profanados :
A santa lil.erdado escravisada,
K rni sen lugar a infamia levantada!
i.is o quadr que a dr amortalhava :
Era le o panol) na praca erguido!
itarrivel espectculoJ-e deleitava
A ur.i goveroo immoral e corrompido I
e repeirte s'orgueu altivo e forte
l'id I;ia9qu inlilliava a luz e a vida
I'or onde qur que passasse, embora a inorlc
Tontas-e, envolta cm p. dcixar pendida
A Croata rfronil desse puerreiro,
Que. sonhava (aire croas de lourciro
Glorias e liherdadc ? Quando entonto
Tragavani-llie com sangue a negra sina!
Mas ello Pernanibucano amava tanto
Que nao tema essa vil carnificina I
Seo nome encontrareis l no passado
Livollo nos (amis da nossa historia,
/ihi se l -Joaquim Nunes Machado I
Gravado ein pedestal d'immensa gloria
Seu nome vale niais que mil brascs ;
Oue esses rois enfeitados de gales :
No pedestal erguido liberdadc
O povo Icvantou-o mais sublime,
Altoslando tanibem a crueldade
Dcssa mao que iracou lao negro crime !
Bella estrella do norte, oh! quantas dores !
Quanto pranlo! que luz frouxa c sombra
IV repente apagou-tc csses fulgores?!
Ergue o hrilho que a pouco refulga,
Nao deixas ajiagar-se tanta gloria
No peito que prediz nossa victoria !
Vem mostrar o camioho do futuro;
Q ando mesmo o porvir se mostr escuro
Nao ha que receiar, que a mao de Dcus
Guia os lilhos da santa liberdadc,
Embora miseraveis pigmeos
I'rocurem profanar-lhc a santidado !
Kra larde No rani|>o enfumacado
Vi clarad do fuzil e da metralha
Vi rain morto o here -Nunes Machado !
Quanta gloria sonhava na batalha I..
Meu Deus, ib! que cruel fatalidade I
Mil. .mava no mundo a liberdade
Mai?-que ludo, e na crenca do porvir
Scismava dissipar a cerraeo
Se ii jamis nossa lucta suecumbir;
le repente -ei-lo morto vil traicao!
Entretanto na peleja valorosa
Ein que louco atirou-se a combatter,
inrolK-na bandeira gloriosa
I' i.a bello soffrer at morrer !
Seu nome una epopa de valor
Levantase mais alto, que o fulgor
Dos n.onarchas no |k> senipre esquecidos,
K no louro ciitrclaca-sc a memoria
De. .-'us fetos heroicos repetidos
Nos aunaos que elernisam nossa historia!
Sea sangue pela patria derramado
A trenca liiieral fez renascer;
Mais forte na lenibranca do passado,
Tao robusta jamis pode morrer !
Quiseram llio laucar a bava impura
I: ira em que desceu scpuhura !l
Miscraveis i'ara esses maldico !
i i vermes no lodo se revolvem,
E o.- luios prostituem da naeao
Na vil hypocnsia om que s'mvolvem!
Aqu dorme sen crneo laureado
A' sombra do pendan da liberdade 1
jar de sen sangue derramado
T los passam chorando urna saudade I
Dorme ao som dcssa placida harmona;
Encontrastcs a luz que ao cu nos guia,
Descanca : tua crenca est de p
Como o Iris da nossa redempcao ;
lula cresce inspirada pela fe,
Nos mostrando o paiz da promisso!
i; .'tile. 2 de novemhro de 1863.
Joao Antonio de Barros Jnior.
nao pode tamben), e sem o maior desarrasoamen-, quanto Joao se ordenara em Braganca, Peregrina perfumes que quelmatn a Deus o mais selecto e
to, qualificar de sintulada e por consegrante
de nulla a venda das escravas feta pelo appel
lante. ^
vivera o educra-se sob o abrigo do padrinfio de lino bago do seu incens.
seu irmao, e querida das filhas do fidalgo, que a Findo o acte sacramental, o padre subiu os dous
vestiam de seus vestidos, e a sentavam entre ti degrus do altar, cerrn o sacrario, ajoelhou e vol-
fcm segundo lugar, ainda evidente, que, o mesa tou sacrista. Ladislu ficou em p, rente com o
Disse padre Joao a sua missa nova na capella tocheiro de castanho tosco, d'onde tirara o cirio,
do bemfeitor, e ali flcou estmalo como da fami- Peregrina foi depr a sua vela sobre a credencia,
lia, at que, por diligencias do fidalgo, fecebeu de desceu ao fundo da egreja saudando os quatro ai-
Lisboa a apresentaco na egreja de S. Julio da tares lateraes, e sabia ao adro, e logo entrou na
Serra. | casa da residencia. Ladislu via-a desapparecer,
Peregrina beijou a mao do velho caridoso, beijou e disse de sua consciencia para Deus: Nao tor-
o rosto de suas amigas de infancia, e sahiu com o narei a v-la ?
presbytero em demanda da vetusta egreja. Os pa- j Assomou o vigario no limiar da sacrista, e dis-
rochianos, posto que desconlentes_ao verem sem- se a Ladislu que ia sahindo :
blanles descouhecidos no adro dos seus morios,! Desejo t-lo em minha companhia algum
disseran] : pququinho tempo. Sr. Ladislu. Se nao vae com
pressa, tenha a bondade de esperar, que cu faco
oracao, e vou j.
Espero no adro o tempo que o Sr. reverendo
vigario quizer.
Por que ha de ser no adro e nao em casa ?
mesmo appellante, usando do seu inquestionavel
direito, quando fez essa venda, e nao offendendo,
nem defraudando le alguma, como j se demons-
trou.nenhuma necessidadetinha deandarapregoan-
do pela cidade de Sobral, que ia vender duas escra-
vas do seu casal, nem de o participar a appellada,
que nao tinha maior direito do que elle, nem tao
pouco de declarar o seu nome na guia para pa-
gamento, da ciza (conforme as exigencias da ap-
pellada,) bastando smenlo a es'rptura publica,
constante de fls. 15, por mcio da qual devia reali-
sar-se, como de facto rcahsou-se a venda, na con-
foFcmidado vigente, para que jamis se possa se-
riamente qualificar tal venda de secreta ou clan-
destina.
XIV
Destruidos assim os improcedente fundamentos
da sentenca appellada, como suppomos te-lo feito
Assim que vinha o pastor de Villa Cova com
a irnia.
O presbyterio era melanclico; as arvores rese-
quidas ; o chao rido; as penedias calvas; os tec-
tos assentes em vigas; as paredes inferiores afu-
madas; os taboados movedics. Ali, as primave-! tornou o padre Joo Entre na residencia, que a
ras passariam despresentidas, senao fosse o azule- porta do sobrado est aborta.
rom a consciencia do advogado, que de maneira jar-se o cu, e os festoes das gestas na serra; c o! Ladislu esperou no adro, e, em quanto especa-
alguma qur os prejuizos ou a leso dos direfos de calar-se o estridor da torrentes despenhadas dos! ya, tinha os olhos na janellinha da saleta, em que
quem qur que seja, senao smente o trumpho cerros das montanhas.
da lei e da justica, naturalmente cariamos aqu, i Peregrina, quando ali se vlu, por um anoutecer
se por ventura nao sentissemos ainda a necessida-, de novemhro, disse:
de do chamar com instancia a Ilustrada attencao Como isto triste e feo!
Padre Joao olhou em redor de si, e respon-
deu
do venerando tribunal da appellacao, para o pro-
pesso da suspeicao posta pelo appellante ao juiz
aqu, o que sendo julgada { por um nqualificavel Irma, este chao triste que nos hade dar o
anachronismo jurdico) nao pelo juiz de direito pao santo da independencia. Bemdigamos o cora-
da comarca, como o determina a legislacao vi- ao generoso dos nossos amigos, queme deram
gente, e muito bem o demonstrou o patrono do ap-' trra onde lavrar com minhas propnas mos o nos-
pellante na primeira instancia,mas por arbitros no-; so sustento de cada da.
meados pelas partes com o desempate do presi-! A casa_parece-no agora triste, porque noule.
dent da cmara municipal (como se a Ord. do A' manha um raio de sol nos vira alegrar estas
liv. 3." til. 21 | 8 estivesse ainda em vigor) moti-! paredes.
vou ainda urna nova c bem fundada excepeao de E'. como assim|fallassey o vigario desceu aoadro,
incompetencia, que sendo tambem final des- subiu sobre urna peanha tosca, travou da cerda
presada, do mesmo modo que aquella, deu lugar a que mova o sino nico do simulacro de torre, e
que fosse sempre o presente feito julgado em de- tangeu as nove badaladas de Ave-Marias. Os la-
descohnram-sc, pa^
e seguiram seu ca-
miti va por um juiz contra quem militavam pode-
rosos motivos de real suspeicao, como tudose evi-
dencia pela leitura dos autos de fls. 182 210
verso.
Semclbante anomala quando nao fosse mais que
sufliciente para infirmar a sentenca de fl. 214 ver-
so, seria pelo menos bastante para patentear a to-
das s vistas a tenacidade do capricho e da pre-
potencia, que influiram nesta iniqua demanda, e
levaram-na, apesar de tudo, a ser julgada, como
se quera pelo juiz aqu___
_ Confia porm, e espera o appellante, da illustra-
eao e inteireza do venerando tribunal da appella-
cao, que, reformada a sentenga de fls., se julgou a
appellada carecedora da presente aeco. e valida a
venda das duas escravas Luiza e Kachel, feta pelo
appellante, como de direito, pagas as cusas pola
sua adversaria, com o que se ar a divida e cos-
tumada justica.
seu to costumava estar as noutes quentes, espe-
rando os freguezes, que voltavam das ceifas, e fal-
lava a todos, mandando-os sentar nos trocos brutos
de podra, que all tinham lirado d'uma casa incen-
diada pelos Francczes.
Assim contemplativo, viu elle chegar janella a
rmaa do vigario, e esconder-sc, apenas o cnearou,
sorprendida.
Que instantes aquellos para ambos I Que cus e
cus, vistos luz d um relmpago ( Que exfensos
poemas de lagrimas costuma a saudade fazer de-
pois, com as reminiscencias de uns Momentos tiro-
fugitivos t
Sahiu
0ra, aquelle poema interior, se algoem podia
decifra-lo, era Peregrina. A mulher innocente
admfravclmente dotada do sexto sentido, que re-
cebe as impressde* nao classiflcadas na ordem
phisica nem moral. Advinha quem a ama, antes
que Ih'o digam. Parece que o ar lhe povoa de
espiritas amigos, que vao e vem entre ella e os
olhos de quem, a filo ou de revez, a requestam.
Aquella diaphano vu de escarate, que lhe pur-
purea o rosto, nao sangue, como dizein os ma-
leriaes definidores de tudo : a mimosa sscepti-
bilidade de cutis, chamada pudor, nao pode ser
sangue ; em quanto a mim, o sombreado das
azas riadas dos espirllos que voejam no ambien-
te da mulher candida, ou entao refleso das coras
de rosas, com que o deus festivo dos amores a in-
feita, cioso de ter nos seus altares o pouco deste
mundo que merece e desculpa a idolatra.
Posto que este dizer tenha um sabor mytholo-
f;ico, pagao, e,|sobretudo, anliquissimo, ha de o
ltor conceder que o seu servo romancista, urna
ou outra vez, so desgarre do raminho trilliado
moderna, para nao dizer sempre que os seus per-
sonagens estavam arrobados, extticos, ou, o que
peior, perdidos de amor.
Osmcus personagens, Ladislu e Peregrina, nao
estavam arrobados nem extticos, porque ambos
ronfessam que comeram da travessa vidrada a
sua pwrcao de ovos, e tomaram cada qual o seu
caldo-verde (palavra Indigna de tao levantado as-
sumpto l)
Perdidos tambem nao estavam ; porque o per-
der-se ou transverter-se o coraco quasi sera*-
preaprova real do nao ter sido o primeiro nem
o sublime o amor com que os alienados se des-
culpam.
O amor, que nao perde nem desvair, esse
que o amor.
III
Eu, que j cscft'vi doze casamentas felizes de
Ratees de appellacao feita pelo Dr. Ilraz Flo-
rentino llenriques de Souza sobre a seguinte
um'sliii. I
Se o tbc<;a de casal meei-
j-o pode vende}- algum ou al-
guns dos bens da massa he-
redituria f
XII
(Concluso.)
Mas seria um engao ou um erro manifest
o pensar de semolhante modo. Por quanto, anda
idinilndo-se que a venda foi realmente fettt por
menos do que devia (o que se contesta), aina as-
sim neiihum prejoizo red soffria a appellada com
O bem e o mal.
I
(Continuaco.)
Nem te leva para a vida de esposo e pae
inclinaco do teu animo ?
Nao tenho cogitado n'isto.
Pois pensa, sobrinho, pensa, que esta vida de
padre tem grandes alegras e grandes amarguras
como todas as vidas, todas as vocacoes. Se que-
res a paz, que rae tens visto no rosto, entra na tri-
I ha de meus passos; os dissabores de dentro, esses
que sao muitos, Deus te affaste o calix deltas; mas
se t'o der, ace.ita-o, que a remuneracao nfalliwl-,
aceta-o, meu sobrinho, que o descanco, viudo apor
a batalha, ineffavel como o jubilo dos santos.
Ora pois : pensars um anno ; consultars o tao
espirito; e, em cada amanhecer, pedirs ao divina
Espirito Santo que te allumie.
Antes de lindado o anno, padre Prxedes deu a
alma ao Senhor; e Sebastiana, que viva para so-.
pultar o ultimo vigario de S. Julio da Serra, cla-
mado pelas heneaos do povo, l ficou na campa
mais prxima, adormecendo-se a beneplcito de
Deus, como quem cumpru a sua misso.
Ladislu voltou casa de Villa Cova com a sua
livraria, e as supremas palavras do to moribundo-
que tinham sido estas :
Espera, um anno mais, o conselho do Espiri-
to Santo. Se o teu coraco estiver desatado de
paixoes, que prendera a trra, d-o a Deus.; se
nao, meu sobrinho, s um hom marido e bom pae,
que esta virtude por si tambem um sublime sa-
cerdocio.
A vida solitaria, que tens vivido-, se poderes
continua-la, fillio, nao a troques pelo mundo. S.i-
cerdote, marido, ou simples homem, sem mais obri-
gacoes que as communs com os outros homans,
alm das que o declogo te mandare, quanta.po-
vradores, que iam passando,
raram, oraram, benzeram-se,
minlio, murmurando:
Os padres de Villa Cova faziam o mesmo.
Qur Deus que todos os nossos vigavios sejam bons
e devotos.
Entretanto, Peregrina, resada a cracao final da
sua proco da tarde, alongou. os olhos as sombras
serra- que avullavam para o lado de Pinhel, e cho-
rou. Eram saudades das filhas do bemfeitor. e do
casal onde uaser, c onde seus paes, careiros do
fidalgo, haviam morrido.
A irma do vigario tinha dezoito annoa. Era
dotada de abundantes gracas, complei^ao menos
robusta que o-ordinario das mocas aldeaas, senho-
ril talvez extraordinariamente, rica de negron ca-
bellos, formosa de olhos, duce e mega no dizer,
modestissima, parca em sorrisos, meditativa, labo-
riosa e muito dada a oracao.
Costumava ella erguer-se ante-maahaa, quando
ouvia os passos do irmao no sobrado visinho- do
seu quarto. O vigario madruga va assim parar di-
zer missa a hora em que os parochianos santam
s- suas lavouras. Peregrina accendia o lume, a
conchogava o pucaro das brasas, cegava ascouv^,
ia assistir a missa do irmao, e-vioha depois eaal<
nliar o caldo, que eraa refeicao matinal do sacer-
dote e d'ella.
Urna grande parte do clero? que pastorea almas,-
pode bem ser ojie-me nao aceite a verosimilhanca
deste caldo de couves. Espero que se descam de
sua incredulidade, se eu Ibes disser que a congrua
e pede-altar de S. Julio da S*rra nao davam p>
ra oli, naquelta tempo em que os direitos da xa-
ropada chineza eram enormes-e os paladares gc-
nunamente portuguezes, l d'aquellas serranas,
se saboreavara de preferencia no sal otar cozimen-
to de couves adobadas de saboroso unto. Ora euv
que n'esla fidalga e franceza Lisboa tenho sido es-
pectculo de riso, pedindo nos-botis c recommen)-
dando aos meus amigos, o caldo verde, insisto col.*^
tuina/mente em me expr mofa da gente culta,
dando estampa, n'este lugar e para meu dura-
douro opprobrio, o pancgyitco-do caldo verde*
caldo de meus avs, e de padre Joao e de sua kr^
raa.
N'aquella madrugada, em que Ladislu fura e-
lebrar o anniversario da morte de seu to, orando
na egreja, Peregrina demor-se a resar, finda a
missa, porque seu irmao entrara no confissiort;
rio. Dora ella conta de ajoelhar-se ali perlo de-si
o mcoyj-quando o templo- estava vasio. SolTrafeu
em quanto xjile, sua curiosidade, que teimava.em
querer conliecer o recolhido devoto. Nao era eos-
tumo seu voltar a cabcca> a um lado ou ootro,
quando fallava a Deus; porm, tanta forja lhe fa-
zia o animo para o sitio oade estava o mAcaque,
ajiezar de profanacao, avenlurc-mc a suppur qu
o coraco lhe eslava tirando para ali os olhcs por
uns-filamentos mysteriosos que, alguma vcz,.aana-
toma hade onconlrar catre olhos o coraco.
Foi o raio de sol Hdente, vertido pela fresla
esg.uja.da capella-mr, que de todo em toooaliciou
Peregrina a olhar. l'm raio do sol do Senhor. a
alumiar-lhes e escuro .do templo para se verem I
Donoso e sublime coodMite de duas almas care-
cidas urna da outra Nunca tao auspiciosos pre-
ludios de um amor eomecaram n'esta vida. Sao
dous mocos: ella virgen), e formosa, e inmacula-
da ; elle gentil, pura, e ali ajoelhado em consulta-
deres, da vida que traz comsigo o.esquecimento da jo de seu destino. Ai que bemdita a predita hora
, .. ... so entreluzem as- duas almas, embebidas cmDeus,
Ladislu, a sc.encia um gran*ssimo!e suWtnienl0 encontradas no mesmo arco da
o vigario do templo, fechou a porta, e
disse :
Estava oSr. Ladislu a recordar-se'de seus
os? ..Nao admira, qoeeu mesmo, sem os ter i u,Da untada, quei-endo agora enfe.tar o de La-
eonhecido, lhe* respeito a memoria pelos grandes diste e Peregrina, > tamanha a penuria de enge-
louvores que tico dar .* suas virtudes. Basta iiihoem que me vejo, quea nao me aecudir a fa-
vr o que este bom povo para se avahar as* ex-1 ^ do-estyh>hci-de contar o dito- enlace, como
2 Xo sar^Kris; rttfc *- --*- -- -^o. da fre-
SerraesU anda como seu rebanhe. Fcil me hade! guezia de & Julio da Se?ra.
sera mim, homem sem virtude nem experjenci Coavn saber que cousa para poaoo discuso
pastoreadlo. Mais tenho que apprender que eiv- a passagemdoamor ao sacramento, que o comple>
''""'no sentido destasj humildes palavras, foi di- ta, l nests-trras abencoaas do obscurantismo,
zendo-outra, que se iasinuavam ao coraco do oomo era o termo de Pinhel, e continuaba a ser
moco j captivo do coneiliador semblante do sa- j pur estes quafros secutas por vir, em virtude de
erdofe ; e assim entraram na casinlw paro- lhe andar nMli|0, das Mas camiJ,ho de
dual.
Peregrina-disse o padre a nna'que os vi-
ra subir, e, sem saber por que, sealvorocaraolha
que temos hospede; v l como te saes ; nao quei-1
ras que o nosso convidado nos julgue forretaSo:
Almojo de abbade rico, onvistef
A moca nao respondeu.
caldo que- fervia, lancou
ferro. De S. Julio da Serra, ento, isso aposto
eu une nunca ha de ser desalojada a santa igno-
rancia, que faz amarem-se, e cajarem-se logo as
pessoas que se querem.
AJfastou da fogueira o| Varaos a bosquejar- o casamentu-de Ladislu e
alguns ovos eerti, i Peregrina. Se a descripeo me salfir muito (feri-
no depressa oscosinhou, foi modesta arca do da> noservir. Gnardarei os enfeites para exor-
^^yjESS-SSta ^ -cao Wros casamentes, onde floras sejam
Peregrina, posteo almoco ira mesa. sentca*se empregadas em disfarcar a mingua de coraco e
no seu lugar de cosCurae, que era um banquinho virtudes.
Findo o-almoco, Ladijlu disse ao vigario :
Cora o da est slheiro c alegre, pedia eu
ao Sr. padre Joao e a suairma, que viessera pas-
sar o da a Villa Cova. Se bou ver preciso da sua
vinda egreja para administrar a extrema-unc-
co, depressa o ir chamar alguem a minha casa ;
porm, graca a Deus, naost, que eu saiba, nin-
lugar guem doent na freguezia.
Pois vamosdisse o vigario sorrind*Caro
morte.
mundo povoadu do espntuae amigos; os teus li-
vros encerrara, cada um, si alma, que le falla co-
mo amigo.
Ncste acharas um desgragado contricto,
egreja, em que- os esposos costuoaam receber as
heneaos I
Ladislu tiaha as. mos erguidas, quando enca-
) rou no rosta de Peregrina. As mos ficaram na
que te postura fervorosa; mas a oracao, cortada om meio
conta os seus infortunios como o santo hispo de
expuzemoTVaate"caso'tem a appellada o direito ermo ou os desengaos do mundo te abrirera no
do dirigir-se ao comprador das escravas, e seu sc0
actual consenbor (por meio da aejao commum di- j
tiJun.1.; para partir com ella as mosmas escravas, Nos hvros aprend a fugir o mal sem o experi-
c pela licitacu poder a seu goslo faze-las chegar meniar. Confessor qnarenta annos, vi as angus-
ao valor que lhe parecer justo donde resulta que esjo |an(as
iieiliinn nroiuizo soffrer cm de milivacomo tacto ,H '
.:_:-. .. ir,-, hiamla, e transbordavam ateao
da polo seu ex-comproprietario; ou entao mam ia, e iransnoruavam aie ao nosso escondryo.
a'i liear-se-ha a doutrna que tambem j expuze- Recolhe-te a ti ; nao deixos os teus campos; af-
inos dos nossos mais acreditados reinicolas, segun-
do a qual devem as duas escravas ser unquitadas ainda serenidade ou fio
uo (iiiinliao do appellante que as auenou, nao po ,
Cisafliente pelo preco da ve,nda, mas |>elo seu jus- meu remedio e salvacao da divina misericordia :
! valor, romo o'onsii "oreira de Carvalho, aqu tens, na morle, um exemplo das vantagens da
Proc. orphan. nota C7, e uT Je caso ainda nenhum vd eu ,ve
irejuize real vira a appellada a soffrer, a menos -7 "
que tenha a pretencao do collocar as suas vellei-; e isto, filho; este acabar sem remorso era te.
dados cima dos principios de razo e de justica, a mor> conso|ando.me ae ter sdo lao moderado em
^?^<:^^^\^^^<^>^a*: i^w* Deus ^
21 annos e Rachel de 4 para 5. vendidas cm Sobral me dispense mais um dia de existencia,
(no'anno de 18B2) por 1:3004000, foram eviden-
temente muito bem vendidas, pois como e sabido
compram-se ali escravos para serem vendidos cm do presbytero.
ootros lugares (bem como nesta l^1) onde PO; i Ladislan Tiberio viven um anno esperando o
dem dar maior preQO, o que nao succedena, se por. ''" *
ventura fosseui tao caros como se qur inculcar conselho do Espirito Santo.
lvidou-se-l.he. E ella, que entvepassava noti dedos
as contas do seu rosario, continuou a dvzer as pa-
lavras santas mas sem ouvvlas na audi^HO inte-
rior do espirito.
Ambos a um tempo aceordaram da fixidez da
sua contemplaco, e coraram. Ladislu baixou os
olhos, e ella ergueuos. Um parece que pedia con-
tas trra d'uma delicia, que nunca lhe havia da-
do nem presagiado; outro ia no eo como a deci-
frar um enigma da sensaco nunca experimentada.
Instantes depois, padre Joao appareceu porta
da sacrista, e mandou irma que accendesse os
casticaes do altar-mr, cm quanto elle se reve-iia
para ministrar a sagrada communho confesa-
da. Ladislu, como ouvisse as ordens do vigario
tosco, achgado doescano. A mesa, construida^de
urna s tabea afumada, engonca.% 11'aquelle adv-
no da lareira, talvez tao antige como a vigararia
do S. Julio da Serra.
Quando a moca seassentou, disse Ladislu :
Aquatte banco era o lugar de minha ta, q
Deus tem '
E ficou contemplativo.
E eu-disse padre Joao estau no lugar *
sen tio, e o Sr. Ladislu vem sentar-se na
que era sea;
Estava jar na mesa travessa de barro vidradoi.. .. .
com a fritada de ovoem tarraha de trigo. O viga- lu*a de aJm05-
rio sornu-se, e disse r. v bom pro-tinto vae pagar, os maus ova; V em
N necea de se tio havia ero prato e unv d'alii, Peregrina, vamos l ver a casa d'onde sahi-
lalher paraeadapessoa? i ram tantos botnens grande e obscuros? como
Ladislaiy.que nao sabiao significado da palavnv s5o os il06a6 que se esCoodem da sociedade
'-TonSstoL do mesmo prato; e na mi- Pra serem bons. Quem dir, Sr. Ladista, que
nha casa d Villa Cova, tanto meu pa como meus m curto honsoote destas ssrras que nos cercara,
lios comamos meseta iesa dos ereados e jorna- esto fechadas as lembran^as dos santos raiistros
leiros. jj anar que vieran) de sua casa para denCo des-
Con ha trezentos annosapjtou o padre '_ |.."
como os patriarchas idumeos cora-.os seus servos *s quatro pwedes velhas f E seu pae, y viuvo
0 osera vi.-. O Sr. Ladblu ainda.nSo. viu, luz amoFtalhado na habito de frade pcdinte .. Va-
lla civilisacao, a grande distancia, a que est dos mos ... a miaba ndole melanclica cheg* a ser
seos criados. ^ i ve,, por cm quanto, na f deque- nisIi(., vin,oueoSp 1 aduti *.ii atar^ e eu
senhor e servo sao haens filhos- do. mesmo pae, rU5'lca v; >ao br- L*"* eata alegre, e-eu
um favorecido, oul! desfavorecido peta acaso do achama-loalembrancas pesarosas !...
nascimento.. .OSr. nao l as casetas ? pergun-' ... wj ,
louo vicario abrutaaMte. No.decursftda.cain.nhada.de. um quarde la-
re leio, i>ea as vi nunca respondeu o gea, foi ladislu contando em. miudos a -aUida de
lAocoOuvi dizer a meu tio que um .padre, d'aqoi seu pae para o convento de Vinhaes ; e a saudade
t
elle na feira de Pmhel, lhe mostrava gazetas.
Poistornou o padre as gazetas so]uns
papis escriptos em lettra redonda, creados e sus-
tentados para demonstrarem que todos os horneas
tem direitos eguaes. Muito ru* admira que seus
aves e o senhor tenham praticado a egualdade
sem terem bdo- as gazetas Provavelmente em
casa dos Milites de Villa Cova,lia-se o Evangelho
de Jess Nazareno.
Lia, siro, senhor.
S assim pode explicar-se a virtude sem a
doutrinaco das gazetas. Dzem que ellas sao o
baluarte da liberdade, da egualdade, c da frater-
nidade ; e eu estou em defender que o sermo da
1 montanha, pregado pelo filh> de Deus ha mil c
I oitoecntos annos, eo sermao da natureza, que sem
cessar se est ouvindu, bastara para fazer um ho-
mem irmao e amigo do outro homem por amor
de Deus, que pae- de todos.
Posteque noexcedesso os vinte e aito.annos,
o vigario, no pausado, e reflectido to' sen dizer,
competa com os cincoenta annos de algum egres-
so d'aquelle tempe.
As facilidades deste bem fadado ministro da. ver-
dad tinham amadurado antes da rasao propria.
Costuma ser a desgraca quem antecipa, cono, a
precoce experiencia, a refiexo ; porm, observa-
eommumoote se chama siso
ior parle da appellada. E tanto nao tinha o appel-
ante a mais leve intenco de lesa-la que, para
sal.-fazcr s seus exagerados desejos, e acabar
com a questo pendente, roquereu e effectou em sacerdote moco,que viera
faz-te a amar estas serras, onde o p do rapio nao ; perecrina ergueu-se e disso :
Eu vou, se o Sr. vigario quer. Ja soi este
servico, que era minha obrigacao, em tempo de
meus tos, que Dous haja. *
Padre Joao ja conhecia o sobrinho do defunto
Prxedes, como primeiro lavrador da freguezia, e
moco de estados e virtudes, segundo lhe dissera o
regedor da parochia, e o gravissimo mordomo do
] orago o confirmara.
Accctou o vigario o servico a que Ladislu se
I teria offerecido, ainda mesmo" que a presenca de
I Peregrina o nao movesse delicadeza, delicadeza
Estas e poucas mais foram as ultimas palavras instinctiva certamentc, ensmada pelo coraco, a
fundamental de todas as ceremonias, que as ac-
tivsimas cidades os meninos aprendem em Hvros,
como se a cortezia com damas nao fesse pagina es-
cripta no mais diamantino do peito desde que abri-
mos olhos para v-las.
Accendeu Ladislu as velas, e proven de agua
favor del la o deposito de 200*000, como se v
dos autos de lis. 112 115, c com o qual devera
dar-so |>or satisfoita, se smente a justica c nao o
cap iclio, suslentassc o seu pleito.
XIII
Finalmente fundou-se o juiz aqu em que, tendo
o appellante aflectuado a venda com o segredo pos-
fcivel, pois at oceultou o seu nome como vendedor
Os chorosos parochianos de S. Julio da Serra,
quando viram suas consciencias em guarda de um o jarro da communho, em quanto o vigario se
de tange pastorea-los, I pararaenlava. Subiu o ostiario ao altar, abra o
foram ter com Ladislu, representados pelos lavra-
dores mais abastados da freguezia.
Que querem de mim ?perguntava o moco
que hei de cu fazer-lhes ?
Seu tio, que Deus haja respondeu o mais
respeitadonos disse que talvez o Sr Ladislu to-
la nara nairamcnlo da ciza contra o coslume
do SSr c nen JarHcipou a appellada uniea masse ordens para ser o nosso vigario.
herSK presente, arcrescendo a slo que a venda
foi feita a um seu primo e amigo, tudo mostrava
a facilidade de a revogar, e por conseguinte a si-
mulasao com que foi feita, motivo este de mais
para que fosse annullada.
Porm este fundamento da sentenca appellada
nao vale, cm abono da verdade, mais do que os
precedentes, e apenas pode servir para mostrar a
proponso, senao o proposito do juiz aquo em des-
viar seus otaos do direito, para s querer ver os
Cactos que muito intilmente Ilie foram apresenta-
dos por parte da appellada, com grande aparato de
provas, (piando a questo s em direito consiste.
Porquanto, em primeiro lugar sabido, e expres-
samente o diz a Ord. do liv. 4. titulo 71 pr., a
imulaco s existe em direito, e s urna causa
de nullidade dos contratos, quando dejla provem
mrejuizo a terceirgL de maneira que nao ha con-
tratos simulados senao ayuolles que, segundo a
phrase da citada Ord. algunas pessoas fazem
maliciosamente prejuizo aotseus credores, e de
outras pessoas, e dos direito&.raes, e por defrau-
dar as leis e ordenacoes. Ora, nao sendo possi-
vel, como j o demonstremos, pelo raciocinio e
Pois sm ; mas cedo anda, meus amigos.
Dcixae-me esperar o dia destinado minha de-
cisao.
O dia chegou : era o anniversario da morte do
padre Prxedes.
Ladislu, na manha daquelle dia, foi orar ao
templo, e ajoelhou sobre a campa dos sacerdotes
seus antepassados.
Batan a aurora, quando entrou egreja.
E enxergou um vulto, orando no arco da capel-
la-mr.
Mais larde, como o sol coasso pela estreita fres-
ta lateral um raio de luz sobre o vulto ajoelhado,
Ladislu reconheceu urna mulher.
II
A mulher ajoelhada sombra do escuro arco era
Peregrina, irma do vigario.
Viera ella de tange para ali cou seu irmao, sa-
, como j o _
cela autoridad*, que da venda feita pelo appellante cerdote pobre, que devia a sua ordenacao ao
como cabeca de casal meeiro, resulte nenhum pre- fazer do padrinho, velho Qdalgo de Pinhel.
iuizo real a appellada, urna vez que esta qnrirt .j----------7-
usar de seus direitos de compropriedade pelos I (1) Antonio de Oliveira Soares, quede
nietas e modos porque o permittem as leis, ou decavallos, ecostumes perdido, passoo a
zaneciona a praxe do nosso foro, est claro que se' tbido, e vida muito penitente.
bem
Em
ttf
sacrario e tornou a partcula da pixede. Urna nu-
vem escura de trovoada eminente entoldara o sol,
e a capella-mr voltava frouxa luz crepuscular.
O ministro, severissimo em todo o ritual de seu
sagrado encargo, como nao fiasse da clandade de
urna s vela a porfeita passagem da hostia lingua
da commungante, acenou irma para que tomas-
so urna vela do outro lado.
Ladislu tremeu quando a viu tao perto de si;
mas, assim mesmo, nao desatremou em descon-
cert com a urbanidade < entregou-lhe o cirio que
tinha, foi tomar o outro da tocheira.
Em verdade lhes digo, meus sensiveis leitores,
3ue eu de.-ejava ter assim um painel, para serem
ous os paineis da minha estimaco. O que j pos-
suo urna menina lagrimosa, que est dando do
comer ao seu cao moribundo; que nao v o alimen-
to, mas ainda v a ella, e parece despedir-se a
chorar. O outro quadro queria eu que fosse o vi-
gario de S. Julio da Serra pendido fronte hu-
milde da christaa; d'um lado, Peregrina com o
rosta banhado do escarate da flamma, que ella
qner afastar de si, adivinhandoque os olhos do mo-
co a estao contemplando ; do outro lado, Ladis-
lu, involuntario, captivo, alheado de si, sem po-
der desfita-la. Eis aqu as minhas quatro figuras
todas absorvidas em amor de Deus. O padre est
cnlevado na suprema magestade do seu ministe-
rio ; penitente est-sc identificando a divindade
do corno e sangue de Jess : Ladislao, em seu si-
lencioso espasmo, est psalmeando o hymno de
graca que o primeiro homem deu ao Senhor, no
instante de ver inclinado a si um seio amparador
de mulher. E ella, Peregriua ? De t, purpureada
virgem, s podem sentir teus xtasis, e rontar-n'o-
los s-tuas eguaes n'este mundo, as que tlveram
simultneamente a intuigSo do amor, e a visad do
primeiro homem amado. Todos, pois, enterlos
em aspirar diviuo : o sacerdote e a commungante
! pela nsciencia, os outros pelo coraco, aberto em
res leguas, quando aoertava ele e.nrontrar-se cora, escura de que ficaram, encarando a porta, que se
tlln na fnirn *. I -inlnil rka mACtr* abrir passagem de um caixao, elogo ao dester-
rado perpetuo das alegras desta vida. E o moco,
a fallar de sua me, chorava ; que j sabida cou-
sa a facilidade que temos de chorar, quando o
amor nos amollece, e para assim dizcF, anima o-
coraco. Sera a presenca de Peregrina,. Ladislu.
seria mais insensitivo, mais duro, mais hornera. O
amor afemina as condicoes mais viris, e tem feito
que as faces queimadas e-negras da polvorada das
pelejas se orvalhem e brilhem de lagrimas.
No animo tenro e como infantil do-moco de Vil-
la Cova, a-bcmdita inlluico da meiga menina, que
o ia ouvindo c amando, devia de abrir-lhe na pei-
to os conductos todos das lagrimas maviosas. Nao
seique mysterio santo e dulcissimo.ha em fallar-
me de nossa me fallecida mulher que nos bem
qur.
Pude ser que venha esta sensihilidado de rec-
bennos de urna o coraco, que damos a outra. Ou
talvez, seja de nos faltarem cariohos de me, e
cuidar a gente que a esposa no-Ios ha de reviver.
se que o pzc-o o commamoMci cnaraa,suo caminnos ao serr de urna
proveniente das heoes do inforUinio, e umre- .
collamente melanclico, mysantropo, deshumano quebrada, donde se entrevia a casa de > illa Cova,
s vezes, e quasi sempre intolerante. Em exem- pial distincta do arvoredo de soutos e carvalhaes.
pies destas, que os ha em grande copia acert se- N(!Ste aU(^ es[a um roci,ea0 a |>cnaor soure uraa
ria areuirmos aoenoio das ehimeras desta vida o ., ...
que attribuimos refiexo. rala de lago, ageitada pela natureza, e contiena
\ maduroza do vigario no era appressada pela 1 dos pastores, como guarida segura das trovoadas.
desventura, nem triste, nem intolerante. A in-. Esta lapa convidadisso o vigariosente-
desle.o habito da soledade, oestudo, a clara vista
da alma com que cntrava no secreta o desconhe-
cido coraco alheio, explicara aquello ar grave,
monacal e discordante de seus annos, com que
elle dira cousas, que, ditas n'outro tom, parece-
ran) geito de espirito faceto, ou humorstico, como
se diz agora francezmente. Pastora ? 1acudiu Peregrina, com
Dos estados do seminarlo passra o presbytero; Hsongeira admiraeao, significando sentir a patriar-
a capellana do padrinho de Pinhel, fidalgo, como UOdSa da vda pastoril.
se disse, intractavel desde 1834. retratado ao seu |
quarto, em lula permanente com os achaques da
alma egualmente dolorosos como os do corpo. A
gota, o reumathismo, o a sciatica impacentavam-no
tanto-ou menos que o desmancho das cousas po-
lticas. Ruy de Nellas Gamboa de Barhedo que
assim se chama va o gothico solarengo do Pinhel, se
alguma vez chamava padre Joo Ferreira ao seu
quarto, era para lhe perguntar pela quinquagesi-
raa vez :
Que me dizes a isto, padre Joao ?
A Isto?
Sim, queda do rei legitimo ?
E' um facto consummado-dizia o padre.
__E' urna usurpaco oonsumraadal replieava
o fidalgo, e sibillava um agudo ai, levando a mo
ao artelho esquerdo, cuja dr s podia comparar-
se do artelho direito.
E como o afillhado nao podsse restaurar ao
throno usurpado o senhor legitimo vontade do
padrinho, Ruv voltava-lhe as costas, e o padre sa-
l a melanclico a encerrar-se no seu quarto com
rao-nos aqu um pouco.
Minha mao-disse Ladisluchamava a esta
penedia a sua gruta. Porque eu ainda hes nao
disse que miaba me era pastora.
ar de
Olhem se avistaratornou o moco -pela gar-
ganta destas duas quebradas, l era baixo, urna
casa, as costas de um souto fechado ? Ali nasceu
minha me de uns lavradoros remediados ; e logo
que teve a edade, tomou conta da rez, e vinha to-
dos os dias com ella para a serra. Aqu no cavo
deste penhasco quo ella comia a sua moronda ;
e assim que o sol comecava a descer, tambem ella
descia ao valle.
Sosinha ?atalhon Peregrina, com visagem
de susto.
Sosinha com doos caes de gado, os quaes-Ss-
sm que anoutecia, um tomava a dianteira do re-
banho, outro ia beira dea. Muito chorou mi-
nha me, quando elles morreram de yetaos. Quan-
do vinhamos egreja, minha me sentava-se sern-
os seus poucos Hvros, ou a lecionar em primeiras pre an nessa pedra, onde est a Sra. Peregrina, e
lettras as filhas do fidalgo, a segunda das quaes
principiara o alphabeto aos dezeseis annos, Deus
sabe com que repugnancia.
Demorei-me accientementc n'estas dispensaveis
explicacos para dar tempo a que os tres convi-
vas almocasseni, e conversassem. Conversassem,
menos exacto. Quem fallou sempre foi o viga-
rio, e de presumir que o auditorio o attendesse
escasamento. Ladislu, se alguma cousacscutava, e que seria ? Porque
era o poema interior, os hymnos descompassados, i lomh_,p ,
mas sublimes, que soavam dentro em seu cora- "
cao. Estranhas msicas doviam de ser aquellas
para o moco surprehendido, na alva do seu pri-
meiro dia de amor, por enchentes de luz desco-
nhecida I O amor, que ven) procurado, como sen-
saco necessaria felicidade da vida, perde dous
tercos da sua embriagante docura; porm, o amor
inesperado, impetuoso, e fulminante, esse um
abrir-se o cu a verter no peito do homem todas
as delicias puras que nao correm perigo de im-
pestarem-se em contacta com as da torra. Era
desta especie o sentimento de Ladislu, nascido
na hora em que elle ia confirmar sobre a sepulta- doze annoa comecou ai
ra de seu tio o pacta de ser sacerdote, abjurar as I ve"
dizia a meu pae : 1 Olha, se te lembras, meu san-
to I E ficavam-se a olhar um no outro cora sem-
blante alegre.
Ladislu cessoa de dizer o qur que era que at-
tentamente o padre c a irma osperavam. Por
mais curiosa e lhana, Peregrina pergunton :
lhe dizia ella que se
lembrasse
O moco sorriu-se candidamente, e continuou
Meu pae estudava para padre, e j tinha or-
dens menores, quando encontrou aqu minha me.
andando elle s perdizes. D'ahi a pouco tempo es-
tavam casados. Isto me contaram meus tos.
bem de ver que ella se lembrasse, quando
aqu chegava, da primeira rez que se viram, de-
pois quo eram graudos. Em pequeninos tinham
sido muito amigos \ mas, como meu pae desde os
lar com um tio vigario
i de S. Jullo, quando
amigosrespondeu o padreque se
Bram ao mesmo tempo.E, erguendo-sc
acresWfctou :Ora vamos l por ah abaizo.
D'aH at casa, Ladislu foi contando ao vigario
os estados que tinha feito com gen tio, os Hvros
que lera, c os que mais eram de seu gosto. No
tocante ao intento de ordenar-se, nada tinha dito,
quando o padre Joao lhe perguntou:
Segundo me disserara, oSr. Ladislu est na
idea de ordenar-se?
Faz boje um anno que morreu meu fiodisse
o sobrinho do padre PrxedesPouco antes de ir
a Deus, me disse elle que esperasse um annoa ins-
piraefio de Espirito Santo.Agora venho eu de orar
sobro a sepultura de meu tio, pcdindo-lhe...
Que o allumiasse no difflcil transitoatalhou
o vigario, e ajuntou logo :E vem decidido a or-
denar-se?
Peregrina, que os segua com algama distancia,
como ouvisse aquella pergunta, insensivelmente
estugou o passo para ouvir a resposta.
Ladislu respondeu :
Ainda nao.
E, como voltasse o rosto ao padre no acto de
responder, e visse os olhos de Peregrina, titos em
si, e expressivos de anciedade intima, Ladislu re-
cebeu dentro da alma uns famanhos abalos de
alegra que nao pode nunca mais topar delicia?
comparareis s daquelle momente.
Entraram no quinteiro da casa de Villa Cora-.
porta da corle dos cevados eslava urna mulher
oclagonaria, com urna varnha na mao, aceommo-
dando os rros que brigavam em redor da pia (I).
Esta mulher, que tinha setenta airaos de servico
era casa dos MilUoes, quando o amo, Peregrina
o vigario entraram no quinteiro, deixou cahir da
mao trmula a varnha, e benzeu-se, murmurando:
em nome daSanlissima Trindade, Padre Filho e
Espirito I
Amen, disse padre Joo.
Que tem Vine, la Brazia ?! pergunta* La-
dislu.
Anda nao estos em mim !responden a
vollia Brazia, caminhano para o grupo c forman-
do com as- mos um sobreceu aos olhos para poder
enxergar os recem-chegados ; e proseguu : Cou-
sa assim Pois nao me havia- de parecer agor*
que via entrar por essas perlas dentro... credo!..,
Quem lhe parecemos nos ?tornou Ladis-
lu.
Esta mora-tornou Brazia, aprtimando-se
de Peregrinapreceu-me sua mae, pie Deus
tem; o meu menino parecia-me sua me> que Dous
tem ; o meu menino parecia-me seu pae; o santi-
nho ; e este Sr. padre dava-rae ares do 9r. reve-
rendo vigario Prxedes. Estou a v-tos como
eram ha trinta anuos, quando vinham daegreja,
depois da missa do domingo, 'jantar c a ea6& I
Pois repare bemdisse o mecoque somos
pessoas viuvas, tia Brazia, e havemos de jantar para
a cenvencermos de que nao somos pbantasinas.
Pois sim, meu-menino ; gracas a Deus la
muito que; mas o 1 lio que os servos esto todes-por
fra, e eu nao tenho- pernas para andar atrae- da
gahnha. Coziulia-la cozinlio-a eu; mas pilha-la
isso hade ser Vmc. Equem esta> meei ntia> Uta
bom posta e ageitada, benza-a Nosso Senhor ?
K irma do Sr. padre vigario, que est aqni.
Ah este que o Sn reverendo vigajiof
Bem me tanham dito que era ainda muito mogo;
mayisso nao tira. So%santidade foeseaquella des
vetaos ; enlo j eu estava no altar t: Deite-me-a
sua bemro, Sr. reverendo vigario, e com Deu
venhaa esta casa d'onde sahiram tres -santos sd6
meu cemhecimento. Eu tenho dous carros de ai-
nos,- aqui onde me v.'saazinha e escorreita, bem^
dita seja Nossa Senhor.-:.- (2) Condec, s minha
parte, o Sr. padre Tbimoteo, o Sr. padre Heitor, o
0 Sr padre Prxedes afora o santo pae do meu
1 jidislau, que morreu eora o habito deis missiona-
rtovdc Vinhaes.
Ladislu atalhon a boa Brazia, i|rx ia sentar-so
n'um feixe de vides paramis commodameute con-
tar 00 successos alegres e tristes dos- ltimos se-
tenta annos da casa do Villa Cova. Fbdi-lhe elle
cora brandura e graeaqu* reservass* para depois-
de jantar as suas histeria*.
Ento vamos para dentro disse ellaeuo.
vou-.com a nossa menina mostrar-lh a casa. Co-
mo a sua graca?
Ieregrina.
Por muitos aunse bons. Enunelhor eha
mar-se Rosa, que mesmo urna flor.; que Pelin-r
grina tambem bonito nome. Ora,, vamos, vamos.
Vaio menino apanliac a ave, que apanella vae j
pifo lume.
Ladislu e o vigario sahiram da quinteiro o c*-
tiaram na eir ondeesgravalavam as galmhas.ri^o
enlanlo, Peregrina^ eonio a velha.se agacliase na
lareira para espertar o lume amaricado, pedtu^lbe
que se assentasse no escabello, e a deixasse ada
ouzinhar. Brazia. eoiteu s instancias, reparliado
o tratia1110 com a hospeda.
Ladislu entrou na cozinha cera a ave, e viu;Pe-
regrina, com um. alguidar no regace, regando as
couves. Estranhou a Brazia o estar a in.iado
Sr. vigario naquelta servico, e a velha respondeu
serenamente :
Ella assim o quer; e bem haja a moca I Es-
tou-me a regatar de a ver r Parece-me mesmo
sua mesinha, quando aqut entrou pela, primoira
vez. 0 noivo estava l no sobrado com.os paflri-
nlio- e prenles, e ella desoeu c para oozinba a
ajudar as criadas.
Pois sim replicou Ladislumas minha
mae era dona da casa, e esta senhora hospeda.
E por que nao lia de-ser dona ? Se o nao ,
ella o ser, querendo Nossa Senhori.
Estas palavras avermelharam as faces de ambos,
que nc poderam suster relance de olhos que se
trocara*
Pois entao!coclinuou a serva, cortando do
presunto urna boa talluda-A vida de padre boa ;
mas nao queira o Senpor que 0.menino seja pa-
dre. O que preciso casar, Sr. Ladislu. Deus
que lhe deparou esta creatura,. l sabe- por que o
fez. Vamos; casar depressa^ que en nao quero
morrer, sem ver gente miuda nesta easa. O me-
nino fez-me cabellos brancos, quando era peque-
no (que a fallar a verdade eu j nao tinha cabelle
preto nem para urna mezinlia). Anda va sempre a.
fugir para os campos, e eu a procura-lo, e ia dar
cora elle a cacar gritas toirreira do sol: e de in-
vern anda va. sempre por essas fragas cima em
risco de malhnr aos fundes. Deu-me que fazer;
mas o mesmo : quero aturar tambem os seus fi'
lie. Quando eu vira para c, seu pac tinha cin-
co annos, e eu dez ; se cu morrer, deixandOiC um
netnho del le, vou conlate... Ento nao, dizeiu
nada?
Ladislu, sem a velha dar f, tinha sabido enver-
gonhado, e mais ainda por ver que Peregrina, ao
passo que Brazia fallava, descia o rosto sobre a
hortaliza, vollando-o de modo a nao. ser visto de
frente pelo moco que por sua parte estava tambem
escondendo no mais sombro da coztoha, atencon-
trar a porta por onde sahiu.
O vigario estava esperando Ladislu na vasta
casa da livraria.
Havia muilo que ver e admirar as estantes dos
numerosos sabios daquella familia. A bibliotheer.
fra principiada no ultimo quartcl do secuta XYt
por um padre Vicente Militan, que fra peregrino
a Roma, e estivera no conetlio ti -domino, e l fra
muilo aceito por seu saber e reportadas virtudes,
ao santo arcebispo do Braga I), ltartholomea dos
Martyres. Encadernadas em porgamioho eoni o
breviario do padre Vicente, l estavam algumas
cartas do primaz das Hospanhas, cartas nagoadas
revelando o peso das obrigaces prelatieas, e ou-
tras mais de folga, datadas do convento de Vianna
do Minho, onde o humilde principe da egreja se
fra a descansar, o morrer as delicias t de urna
1 estreita celia, paredes nuas, em mesa sem panno
um candieiro de ferro pendurado de um prego,
i urna cama de frade ordinario sem cortina ncoi
genero de paramento sobro urna taboa de piaba.
Estas palavras de Fr. Lun do ouza recordava o
padre Joo Ferreira, quando religiosamente dele-
trffava os caracteres amaro-liados e meio delidos
das cartas do arcebispo.
Volteado livraria, os successores de padre Vi-
cente enriqueceram-na, empregando nella quanto
dinheiro nodiam amealhar, sera prejuizo dos po-
bres. Como quer, porm, que o rendimento de
sua grande lavra sobre-exredosse o gasto, o rema-
nescenta era trocado por Hvros^ enviados escu-
lla de entendedores monsticos, com quem os pa-
dres de Villa Cova, por amor da sciencia e picho-
samente entabolavam corespondencia.
(Continwi-se-ha.)
1
desconhecida- lliancaRdo coraco coin 6 mundo, |se tomaram a ver l o amor que. -
e acceitar a: que atam o coraco ao mundo, com Ladialau sostevo
o |aco da caridade evaogelica. i E foram muito amigos ?disse Perefrina,
"IlLEGfVEL ------
(1) O leitor provavelmente nao enconlra no seu
Diccionario o termo rco. O novo de Traz-os-
montes, e de poreo da Beira-Alta da aquelle no-
me, cuja etimologa ignoro, aos cevados. Eu leio
muito pelo diccionario indito do. povo daquellas
provincias, que sabe a lingua portugueza como Fr.
Luiz de Souza.
(2) as aldeias do norte dessa nossa trra tao
pittoresca de Hnguagem, algumas vezes pergunta-
va eu quantas annos tinha tal velhinho, e nao en-
tenda esta resposta : j pasta de doos carros.
Vim depois a saber que la se contam os annos a
Cuarenta por cada carro, por analoga com o carro
e pao de quarenta alqueires.________^^^
PBRNAMBCO,-^ TYf. DE M, F, F- 4 FIWQ
;



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E5P1JA7WF_X6ZTAV INGEST_TIME 2013-08-27T22:26:07Z PACKAGE AA00011611_10233
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES