Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10232


This item is only available as the following downloads:


Full Text
y
AfflO mil HUMERO 262.
Por tres meses adiantados 5J000
Por tres mezes vencidos .. 6$l)00
TERCA FHRA 3 DE W0VEMBR0 BE 1863
Por auno adiantado.....19$OO0
Porte para o subscriptor. 3$G0l>
DIARIO DE PERNAMBUCO.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPgAO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima'
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Ararat y.
Sr. A. Oliveirft; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
uiazonas, o Sr. leronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL
Alagas, o Sr. Claudino Falco Dias; Bahia, o
6r. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins A Gasparino.
ni- a n fART,DA D0S ESTAFETAS. I PHEMERIDES DO MEZ DE NOVEMBRO.
Ulinda, Cabo e Escada todos os dias.
e^assuVGoyanna e Parahyba as segundas e 3 Quarto ming. aos 8 m. e 26 s. da t."
Santo Antao, Grvate, Bezerros, Bonito, Caruaru\ Lua nova as b' 3i m- e 14 s- da m-
Altinho e Garanhuns uas tercas feiras. 18 Quarto cresc. aos 12 s. da m.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira, 25 Lua cheia as 5 h., 16 m. e 20 s. da m.
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu", Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas feiras.
Sennhem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei- PREAMAR DE HOJE
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.I
Hha de Fernando todas as vezes que para ali sabir _. .
navio. Pnmeira as 6 horas e 54 minutos da manhaa.
Todos os estafetas partem ao '/j dia. I Segunda as 7 horas e 18 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTE1ROS.
Para o sul at Alagas a 5 e 25; para o norte at
a urania a 7 e 22 de cada mez; para Peinando nos
das 14 dos mezes dejan, marc., maio,jul. set enov.
n PARTIDA DOS MNIurS.
Para o Rent : do Apipucos as 6 '/* 7, 7 /,, 8 e
8 y da m.; de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
iaboatao as6V, da m.; do Caxang e Varzea s 7
da m.; de Bemllca s 8 da m.
k *i /Recfe.; **? ?Apipucos s 3 lf4-4 */> *'/*,
' l- ,'.* e 6 da trde W* 0ind s 7 da
manhaa e 41/2 da tarde; para Jaboato s 4 da tar-
de ; para Cachang e Varzea s 4 /. da tarde; pan
Bemflca as 4 da Urde.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commereio: segundas e quintas.
Relacao: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s tOhoras.
Juizo do commereio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tereas e sextas s 10 horas.
Pnmeira vara do civel.: tercas e sextas ao meio|
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora]
da tarde.
DIAS DA SEMANA.
2. Segunda. Ss. Tobas e Victorino mm.
3. Terca. S. Malaquias b.; S. Herberto m.
4. Quarta. S. Carlos Borromeu are. de Millo.
8. Quinte. S. FabriciO'b.; S. Lelo presb.
6. Sexta. S. Severo k m.; S. Leonardo eremita.
7. Sabbado. Ss. Florencio e Ernesto bb.
8. Domingo. S. Nicoslrato m.; S. Cartono m.
ASSIGNA-SE
no Recit, em a livraria da prara da Iodepeodeora
ns, 6 e 8, dos proprieteros Manoel Figuelroa *
Faxia & Filho.
PARTE OFFIGIAL.
GOVERSO DA MflfflL
Eipedirnte do dia 31 de oulubro de 1863.
Cilicio ao juiz de pai mais votado do 1 distriQ-
lo da freguezia de Ipojuca.Tenho presente o seu
oflcio datado de hontem com que respondeu ao
meu de 28 do corrente, dando a informacao que
foi exigida sobre a falta de convocaban e expedi-
r) de convites aos eleitores e supplentes para a
organisacao da meza eleitoral dessa parochia na
eleicao que ahi devia ter lugar amanhaa. Contesta
Vmc. a veracidade da representadlo dos dez elei-
tores o oiitros tantos supplentes que denunciaram
aquella falta, alias comprovada com attestados do
vigario, cerlides dos dous escrivaes desse juizo,
e luformaces do juiz municipal e do presidente
da cmara dessa villa juntando ao dito seu offlcio
una denominada copia de um requerimento por
Vmc. feito ao juiz de direito dessa comarca, tra-
zendo um despacho da mesma data de 4 de agosto
ultimo, em que o autorisa a ir nomeando escrivaes
provisorios quaodo o esenvao do subdelegado nao
possa comparecer a tempo : isto em consequencia
de allegar Vmc. no dito requerimento que o es-
cribi da subdelegaeia reside a quatro leguas
distante de sua moradia. Diz Vmc. em seu so
rdito offlcio, que servindo-se de um eserivo por
Vmc. nomeado, segundo aquella autorisaco, e
usando do arbitrio que Ihc confere o artigo 30 da
loi regula mentar das eleicoes, cumprio o disposto
no artigo 4J da mesma acerca d'aquella convo-
cacao e convite dos mencionados eleitores e sup-
plentes. Em resposta tenho a declarar-lhe : 1%
que nao rnsso acceitar como documento a referida
denominada copia inteiramento informe, sem au-
lenticidade alguma : 2, qae ainda quando docu-
mento autentico fosse, provaria apenas que Vmc.
foi autorisado a fazer tal nomeaco, nao cons-
tando porm que se tenha feito nem quem seja o
orneado que Vine, nao indica, nem que este cn-
trasse em exercicio, e menos ainda que fizesse a
expedieao dos convites ou que Vmc. lhe mandasse
atixar o edital : 3, que quando mesmo isto so
provasse com aquella denominada copia evi-
dente que semelhante nomeaco era irregular e
insubsistente por ser incompetente o juiz de d-
leito para dar autorisaedes em semelhantcs ter-
mos, enio se verificar na hyjiothcse os casos de
que trajtam o artigo 19 do rcg'ulamento n. 120 de
31 de jiniiirode 1841, e avisos de 28 de tvereiro
de 185$ e 16 de outubro do mesmo anno, nem o
do artigo 30 da lei regulamentar das eleicoes por
Vmc. citado, que se acha explicado pelos avisos
de 29de marco de 1847 jj e 22 de dezembro
de 1855 $ 3, em vista do que nao podendo ser
admiltido tal documento, nada se provando com
elle do que Vmc. pretende, nem infirmando o
inrsmo de modo algum o que consta dos docu-
mentos e informarles a que se refere o meu ofl-
cio Vmc. dirigido opi data de hontem ordenando
nova colivocaco e convite dos eleitores e sup-
plentes dessa parochia, cunipra-o Vmc. logo que
para isfo tenha recebido as necessarias providen-
cias da cmara desse municipio ou mesmo inde-
pendentiemente dellas.pelo modo que fr de lei, e
previno-o de que nesta data mando ouvir solire
seu offieio e intitulada rpia que o acompanhou o
juiz de direito dessa comarca.
- 30
Oflcio ao commandante superior da guarda na-
cional do Heiife.Sirva-se V. Exc. expedir suas
ordens |>ara que os guardas nacionaes que se
acliam nquartelados, e que forem votantes possam
votar as freguezias onde estiverem qualilicados,
nao sendo embarazados disso por qualquer forma
devendo para eme lim ser os mesmos dispensados
da presonca no quartel ou as guardas para que
tiverem sido tirados, no dia em que tiverem de dar \
os seus votos; convir mesmo que para as ditas
guardas sejam designados de preferencia os que ;
nao esiverem naquellas condicoes.
Haja V. Exc. de recoinmend'ar a este respeito a
maior exactidao e escrnpulo.
Dito aD director da faculdado de direito do Re-;
cit.Constando de offlcio da secretaria de estado'
dos negocios do imperio de 13 do corrente que por j
decreto de 7 foi concedida ao Dr. Lourenco Trigo
de Lourenco Trigo de Lourciro, lente rathedratico
dessa faduldade, a gratificaran addicionnl de \Wo
annuacsjna forma do artigo' 28 dos estatutos que
baixararn com o decreto n. 1.386 de 28 de abril de
1884 a Contar do dia 13 de setembro ultimo em
que ctm )lelou 25 annos de effectivo exercicio no
magister o : assim o communico V. Exc. para
seu conhbcimento.Communicou-se ao inspector
da theso iraria de fazenda.
Dito ai 1 mesmo.Communico V. Exc. para seu
eonhecin ento queme foram transmitalos com of-
ficios da secretaria de estado dos negocios do im-
perio dalidos de 13 c 17 do corrente para serem
entreiue; depois de satisfeitas as despezas do csly-
lo, os titules do bedel dessa faeuldade Manoel Bru-
no Alves do Couto, e conlinuos Joaquim Jos Fer-
reira de Almeida e Joao Cancio Prospero Montanha.
Dito ad inspector da thesouraria de fazenda.
Remeti 1 V. S. para os fins convenientes as con-
venientes! contas em duplicata da reccita c des-
peza do Hospital militar relativas ao mez de setem-
bro ultimo, indo annexa copia do parecer da junta
militar de sade que as examinou.
Dito ao mesmo. Transmuto por copia V. S.
para seu nonhecimento e execugo na parte que
Ihc tora, aviso de 16 do corrente em que o Exm.
Sr. ministro da guerra declara a rubrica por onde
deve crner a despeza com os reparos dacapella da
colonia militar de Pimenteiras.
Dito an mesmo.Respondendo ao offlcio que V
S. me dingio hontem sol n. 820, tenho a dizerq
o* servicos mdicos prestados pelo Dr. Joao Ne
tnuceno Oas Fernandos aos desvalidos atacados
cholcra-mOTbus na freguezia do Santo Antqnio-des-
ta cidade e a que se refere o meu oflcio de 27
deste me% tiverara lugar no exercicio prximo pas-
sado.
Ditoao mesmo.-Constando de aviso do ministe-
rio da fazenda de 17 do corrente, que por decreto
de 14 fr* nomeado o 1" escripturario dessa the-
ouraria Jos Felippe Nery da Silva, para serr o
lugar de inspector da da Parahyba, assim o com-
munico V. S. para seu conhecimento e afira de i
que o faca constar ao nomeado a quem mandar
alionar da conformidade com o disposto no citado \
aviso a ajuda de cusi a que tiver direito,, ca for-
ma das nstruccoes de 24 de julho desteanno e
solicite opporlunamente as passagens que para o
seu transporto aquella provincia se lhe deve dar
em lugaros destinados a passageiros de estado ou
por conla do governo, em algum dos vapores da
companhiaBrasileira.
Dito ao mesmo. O Exm. Sr. ministro da agri-
cultura, commereio e obras publica,vparticipou-me
*>m aviso de 17 do corrente sob n. 45, que na con-
formidade do decrete n. 1110 de 24 de setembro
dr 1860 solicitara aquella data do da fazenda a
expedieao de suas ordens para o despacho livre
dos utensis e objeelos necessanos a empreza do
esgoto das aguas e asseio publico desta capital
constantes da relacao apresentada pelo emprezario
Carlos Luiz Cambronne.
Dito ao nspertor da thesouraria provincial.
Acrusando recebido o offlcio de hontem sob n. 539
em que V. S. me partecipou haver Cnristovo de
Hollanda Cavalraate de Mello dando por fiador o
bario do Livramente, arrematado com o abate de
|2 por 7 no preco do respectivo orcamento as
obras do 22" e 13 toncos da estrada da Victoria,
tenho a dizer tm resposta que approro essa arre-
jnatacio.
Dito ao mesmo.A' Joaquim Gomes Dourado
mande V. S. pagar, nao havendo inconveniente a
quantia de 600000 reis, proveniente do aluguel de
3 mezes, venridos no dia 30 de setembro ultimo
de 2 casas, que no termo de Agua Preta servera de
cadeia e bem assim de quartel ao destacamento de
polica alli existente como se v do incluso docu-
mento em duplicata queme foi remedido pelo che-
fe de polica cein offlcio de hontem sob n. 1483.
Dito ao juiz municipal de Goianna.Informe
Vmc. se Benvenuto Pinheiro de Mendonca, parti-
dor e contador c Joao Gomes de Souza, partidor e
distribuidor desse termo nomeadospor decreto de
3 de dezembro de 1861 estao ou nao servindo es-
ses officios, desde quando, so j apresenlaram os
respectivos ttulos, e em caso negativo a razo
porque.
Dito cmara municipal de Ipojuca.Nao ten-
do sido expedidos na forma da lei, pelo juiz de
paz mais votado dessa freguezia, ordem para a fl-
xaco do edital, e expedieao dos convites de con-
vocarao dos eleitores e supplentes que tem de
concorrer para a organisacao da respectiva mesa
parochial na eleicao do 1- de novembro prximo
vindouro a que se mandou proceder por offlcio
circular desta presidencia, dirigido cmara mu-
nicipal de Ipojuca em 22 de agosto ultimo, como
ronsta nao s de urna representacao que dez elei-
tores e outros Untos supplenles fizeram-me a este
respeito, comprovado com attestado do vigario,
certides de dous escrivaes dos juizes de paz dos
dous districtus da freguezia, mais tambem de in-
formacoes do juiz municipal do termo, e do presi-
dente da dita cmara municipal, que declara e
comprova com documente nao haver a mesma re-
cebido o citado offieio circular pelo que nao offl-
ciraao referido juiz de paz para a fixaco do
mencionado edital e convites de convocacao, e que
nada com elfeito se fez; cumpre-me dizer essa
cmara municipal que nao podendo vista de se-
mejantes faltas ter lugar na parochia desse muni-
cipio a sobredila eleiro no dia Io de novembro, Me
recommendo que sem perda de tem|>o o faca assim
constar ao juiz de paz mais votado do districto ;
expedindo-lhc ao mesmo tempo as providencias ne-
cessarias para que pelo mesmo sejam convocados
desde j os eleitores e supplentes da parochia aflm
de ahi se proceder a mencionada eleicao, decorri-
do o prazo legal de um mrz, depois desss convoca-
cao, comraunicando a este presidencia se foram ou
nao cumpridas essas ordens, e providenciando lo-
go, para que os substitutos legaes daquelle juiz o
facam no caso daquelle, por qualquer circunstan-
cias o tenha deixado de fazer.
Dito cmara municipal de Flores. Ao offlcio
que me dirigi a cmara municipal da villa de
Flores em 8 do corrente, respondo dizendo que ap-
provo as arrematacoes dos impostes de seu muni-
cipio constantes dos termos de contrato que por
copia acompanhou o seu citado offlcio.
Oilo ao superintendente da ostrada de ferro.
Tendo sido approvada segundo constou de aviso da
repartico da agricultura, commereio e obras pu-.
blras datado de 12 do torrente, sob n. 44, a reso-
luco por esta presidencia tomada, autorisandoo
prolongamento da linha telegraplilca da estacao
das Cinco Ponas at o bairro do Recite ; assim o
communico ao Sr. superintendente da estrada de
ferro para seu conhecimento.
Fez-se igual communicaco ao engenheiro fiscal
da mesma estrada.
Dito ao juiz de paz mais votado da freguezia de
Ipojuca.Nao tcado sido nessa freguezia afllxado
o edital de convocacao, nem fritos os convites aos
eleitores e supplentes, que deviam concorrer para
a organisacao da mesa parochial na eleicao mar-
cada para o dia 1 de novembro prximo futuro,
como ludo me foi demonstrado na representacao
de varios dos mesmos eleitores e supDlentes, a que
me refer no offlcio que em data de 28" deste lhe di-
rig, e a que Vmc. ainda nao deu resposta, repre-
sentacao que se acha confirmada com documentos
do vigario, dos escrivaes dos dous distnctos desse
juizo, e com informagao do juiz municipal do ter-
mo e do presidente da cmara desse municipio,que
declara e prova nao ter recebido a mesma cmara
o offlcio circular desta presidencia de 22 de agos-
to, em que Ihc foram expedidas para transmittir a
Vmc. aquellas ordens, pelo que nao o poda fazer,
o que Vmc. de faci o nao fez ; resolv nesta data
declarar mencionada cmara que nao pode no re-
ferido dia 1- de novembro ter lugar aquella elei-
cao, devendo ella fazer-se depois de um mez da
convocacao para a qual agora transmiti de novo
cmara as ordens necessarias : o que tudo lhe
communico para seu conhecimento e execuco.
Dito ao agente da companbia Brasileira de pa-
quetes a vapor. Pdem Vmcs. fazer seguir para
os portes do norte amanhaa hora indicada em
seu offlcio de hoje o vapor Tocantins.
Portara.O presidente da provincia, attendendo
ao que expoz a dreccao da sociedade Monte Fio
Popular Pernambucano, em offlcio de 23 do cr-
reme, resolve de conformidade com o disposto no
5o art. 29 do decreto n. 2,711 de 19 de dezembro
de 1860, nomear para o lugar de director da mes-
ma sociedade Rufino da Costa Pinto.
Dita.O presidente da provincia, attendendo ao
que solicitou o inspector da thesouraria de fazenda
em offlcio de 28 do corrente, sob n. 819, resolve
designar os professores e empregado publico ba-
charel Antonio Witruvio Pinto Bandeira Acrioli de
Vasconcellos, Dr. Francisco Pinto Pessoa, padre
Vicente Ferreira de Siqucira Varejo, tenente An-
tonio Egidio da Silva e Jos Francisco de Salles
Baviera, para examinarem no concurso a que se
tem de proceder naquella thesouraria, no dia 2 de
novembro prximo vindouro, para preenchimento
da vaga de 3o escripturario nella existente, sendo
o primeiro em throra de escripturacao mercantil
por partidas simples e dobradas e suas applicacoes
ao commereio e ao thesouro; o segundo em tra-
dcelo correcta das hnguas ingleza efranceza;
o terceiro em principios geracs de geographia e
historia do Brasil; o quarto em algebra at equa-
coes do segundo grao : e o quinto em pratica do
servico da mencionada thesouraria, devendo o quar-
to tambem examinar a um praticanle desta, em
arithmetica e suas applicacoes ao commereio, com
especialidade a reduccao do moedas, psose med-
das, clculos de descontos, juros simples e compos-
tos, theoria de cambios e suas applicacoes.Com-,
municou-se ao director geral da in/trueco publi-
ca e ao inspector da thesouraria de fazenda.
Expediente do secretario do governo.
Offlcio ao inspector da thesouraria de fazenda.'
S. Exc, o Sr. presidente da provincia, manda trans-
mittir V. S. as tres inclusas ordens do thesouro
nacional, ns. 189, 190 e 194.
Dito ao mesmo.S. Exc, o Sr. presidente da!
provincia, manda transmittir V. S.as oito inclu-1
sas ordens do thesouro nacional, sob ns. 185 188 '
e 191 193 e 195, bem como quatro officios, sendo
dous da directora geral das rendas publicas de 9.
e 14 do corrente, e outros dous da secretaria de'
estado dos negocios da fazenda de 7 e 22 deste
mez.
Despachos do dia 30 de ontnbrn de 1865.
Requer tinentos.
Antonio dos Santos Knheiro.Informe o Sr. juiz
municipal do termo de Ipojuca.
Antonia Maria da Conceicao.Prove o que
allega .
Alexandre Primo Camello Pessoa.Passe porta-
ra concedendo 3 mezes de iicenca ao supplicanto
na forma do art. 49 do regnlamento de 3 de agosto
de 1852.
Abaixo assignados riroprietarios e moradores na
Capnnga 3o districto da freguezia da Boa-Vista,
Informe o Sr, director da companhia do Beberibe
acercada pretencodossupplicantes de um chafaris
no lugar da Capumga.
Flavio Fep-eira Catao.Em vista da informacao
ministrada pelo inspector do arsenal de marinha e
Selo director do arsenal de guerra nada ha que
eferir.
Florentina Maria da Conceicao de Jess.Infor-
me o Sr. desembargador provedor da Santa Casa da
Misericordia.
Tencnte-coronel Francisco de Miranda Leal Se-
ve.A vista da informacao do inspector do arse-
nal de marinha, nao pode o supplicante ser atten-
dido.
Francisco de Souza Guerra.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Izaac, africano llvre. Indeferido a vista da
informacao.
Irmandade do Senhor Bom Jess das Dores de
S. Goncalo desta cidade. Informe o Sr. thesourei-
ro das loteras
Juvencio Temporal.Passe portara concedendo
6 mezes de Iicenca ao supplicante' na forma do
art. 49 do rcgulamento de 3 de agosto de 18 >2.
Josepha Maria Gomes Serra.Pode seguir.
Jos Mathias Goncalves. Indeferido.
Jos da Silva Pires.D-se-lhe do proa havendo
vaga.
Jesuino Machado Malheiros Braga.Dinja-se
thesouraria de fazenda.
Jos Lourenco da Silva.Informe oSr. inspec-
tor da thesouraria de fazenda.
Vicente de Barros Correa.Requera por inter-
medio do director geral da instrueco publica.
Manoel Teixeira de Jess.D-se-lhe de proa se
houver vaga.
Manoel Pereira do Canto.-Interine o Sr. inspec-
tor da thesouraria provincial.
Porcina, africana livre.Indeferido em vista da
informacao do inspector do arsenal de marinha.
rsula Joaquina de Oliveira e Souza. Pode
seguir.
Vasco, africano livre.-indeferido.
INTERIOR.
CORRESPODKEffCIA DO DIA
RIO DE I'I.ltMTIIII < o
PARA.
Belm, 23 de ontubre.
Tinha muito que escrevnhar hoje para os seus
leitores, se estivesse de pachorra e nao tvesse
tanto trabalho, com que me sorprehendeu o vapor
Princeza de Joinville.
Serei breve; yerdade que a brevdade urna
elegancia oratoria, e bem certo o (litado que diz,
que quem muito falla pouco aceita!
As noticias sao actualmente todas de diverlimen-
tes efeslas, urnas apoz outra. 1
A dez do corrente >s a reunio do rom-
mandante das arma-^jjji quartel-general, dada ao
presidente da provincia pela sua eleicao, como
deputado pelo Amazonas. Foi urna reuniao com
ares de-baile, porque alm do bello preparo da
casa e do bom servico que teve, achava-se a pri-
meira e mais escolhida sociedade do Para. Todos
liraram plenamente satistitos com *s donos da
casa, que sem dstinecao agradarain a todos em
geral.
No dia seguinte houve o cirio; isto o co-
raeco da festa de Nossa Senhora de Nazarclh, que
tem por objecto a trasladado da imagem da ca-
pella do palacio do governo, para a sua ermida,
no largo do mesmo nome.
A festa chegou em certos annos a um luxo es-
pantoso ; ha dous annos para c vai diminundo o
fervor de gastar dinero em semelhante festivlda-
de; com tudo a procissao do cirio nao esteve de
todo fra de ordem, e de menos m apparencia.
Ao sabir da procissao e na occasio de se dar a
salva no forte do Castello houve urna lamentavel
drsgrara.
Tinha feito fogo a borra de fogo n. 1 da batera
e renovndose a carga, o soldado Bernardo Fran-
cisco introduzio o soquete e inmediatamente hou-
ve a detonacao, resultando ser o mesmo soldado
levado de encontr a parde fronteira ao forte,
alm do fosso, e cahirem por trra os demaisser-
venles feridos levemente o de n. 4 e o chefc de pe-
ca. Sem peraa de tempe socrorrido, Bernardo
Franrisco foi encontrado rompletamente n e hor-
rvelmente mutilado, sem os bracos, olhos, e parte
do crneo ; transportado ao hospital militar, ape-
nas poude receber os soccorros espirituaes minis-
trados pelo cura da s. Consta-nos que o braco
direito foi encontrado no pateo do seminario e que
at hoje anda nao foi encontrado o esquerdo.
Arha-se preso o chefe de pera para as averigua-
coes necessarias.
Logo depois, na semana seguinte chegou o
vapor do sertao, conduzindo o nobre deputado do
Para, o Dr. Tito Franco d'Almelda, que tinha ido
pelo lado progressista, pleitear a eleicao do Ama-
zonas.
Houve muita foguetaria, tanto no desembarque
deste doutor, como de noute, quando foi palacio,
apresentar o diploma passado pela cmara muni-
cipal de Manos, que resuma a eleicao do Ama-
zonas, e por meio de cujo documento o Sr. Brus-
que deputado geral por aquella provincia.
Eis o resumo da votaco :
Dr. Brusque.........70 votes.
Dr. Moreira......... 6a
Dr. Serra Carnero... 39
Dr. Clemcntno...... 38
Na cmara municipal, apenas compareceu o
vereador governista Joao Antonio Para, que presi-
dio sessao. Houve tambem muita foguetaria e
vivorio em Manos, pelo resultado e triumpho
progressista.
Os jornaes em Manos viraram casaca, o Cathe-
chista que era opposicionista, passou a ser do go-
verno, e a Estrella do Amazonas que ha muilos
annos serve de orgao offlcial da presidencia, est
agora na opposico.
Consta que o presidente rescindir o contrate
que tinha com este jornal, porque advogava a
candidatura dos elcitos deputados por sua provin-
cia.
Em seffuida ti vemos, a 17 do corrente a reu-
niao dada tambem ao Sr. Brusque, pelo mesmo.
motivo da sua eleicao de deputado, por convite da
ofllcialidadc do S- batalhao de artilhana no respec-
tivo quartel. Houve ahi muita concurrencia de
gente; a reunio foi animada e durou at alta
noute, mas a do commando das armas esteve to-
dos os respeitos superior.
A 19 houve tambem um jantar dedicado pe-
lo djrector e engenheiro da companhia da illumi-
nacao gaz, s autoridades da provincia. A reu-
niao foi escolhida e lodo o arranjo da casa e da
mesa estiwam magnficos ; acharam-se presentes
perto de cento e cincoenta cavalleiros, autoridades
do paiz, cnsules estrangeiros, e varios negocian-
tes. Comecou a reunio pela visita offlcial da pre-
sidencia e mais convidados s obras do gazome-
tro.
As tres horas estavm quasi todos presentes;
visitaram as obras, que estao adiantadissmas e
capazes de satisfazer todas as necessidades da il-
luminacao de urna cidade de 100 150.000 al-
mas.
Durante a visita tocou urna banda de msica o
subiram ao ar girndolas de tgneies; ultimada
ella foi offerecido a S. Exc. o Sr." presidile da
provincia um magnifico banquete, no qual, entre
outros, izeram-se os seguintes brindes qe qm nos
podemos lembrar;
! 11 rJ^..^Feitade imperador o Sr. D. Pedro
,11, Imperador do Brasil (pelo Sr. Brandt.)
u 5>r. presidente da provincia agradeceu.
I A sua magestade britannica a rainlia Victoria
(pelo ar-p*l O Sr. cnsul ingles agradeceu.
Ao Sr. presidente da provincia (pelo Sr. Brandt.)
4 i Pwnte da Pro1"* agradeceu.
1 1 o )'' e a direccao da companhia do
gaz (pelo Sr. presidente da provincia.)
A assemblea geral legislativa do Brasil, repre-
sentada pelos Srs. Dr. Brusque, Dr. Tito, e Dr.
Raiol (pelo Sr. Brandt.)
OSr. Dr. Tito agradeceu.
A' assemblea provincial (pelo Sr. Brandt.)
Ubr. r..Bruno agradeceu fazendo um brinde
ao desenvolviniente material da provincia do Para.
A cmara municipal da capital (pelo Sr. Brandt.)
u br. pr. Malcher agradeceu.
Aos vice-presidentes da provincia, representa-
1 dW0n ..r Moraes flelo Sr. Brandt.)
? ,1Moraes agradeceu.
Ao tlscal do governo o Sr. Dr. Abren (pelo Sr.
Brandt.) xy
Sr-J?r-Abreu agradeceu, fazendo o brinde
1 aos.?.rs- l^le' Brandl, e Petto.
I Atem destes brindes flzeram-se outros libcrda-
de de navegacao para todos os ribeirinhos do Ama-
zonas ; ao restabelecimento da paz na America do
norte; aos deputados geraes pelo Para e Araazo-
I naV a SC- eonselheiro de estado Souza Franco;
ao br. barao de Man; ao Sr. Pi menta Bueno e
1 outros de que nao podemos lembrar-nos.
No intcrvallo dos brindes tocava urna banda de
! msica, e subiam ao ar girndolas de foguctes.
U director da companhia segu neste paquete
para essa, e d'ahi para a Inglaterra.
O encanamento, os gazemetros e as columnas
para os candieiros estao, quasi promptos e no i
de Janeiro prximo futuro, a cidade estar toda
Iluminada gaz.
Consta que a mesma companhia contratara o en-
canamento das aguas para esta capital, devendo
collocar um chafariz em cada largo, assim como
pequen bicas em varias esquinas das ras e
travessaf.
E' um grande melhoramcnto para esta cidade,
se se levar effeito semelhante empreza.
Commercialmente fallando, tambem corre que
urna companhia de Liverpool prop6e-se a navegar
daquelle porto una linha de vapores mensaes para
esta provincia, Maranhao e Cear; fazendo o tra-
jelo a Lisboa e Sao Vicente e tanto na vinda como
na ida pelas tres provincias, e na mesma di-
reccao.
Dizem outros que esta companhia de que se
falla, e sera que eu saiba qual o nome, e quaes os
armadores, tem suas vistas em fazer o itinerario
indicado at ao Para ; mas em lugar de seguir para
o sul at ao Cear, navegando o Amazonas, para o
que pretende entrar em convenci com o governo
imperial. '
Scjjjarin fr se tiouvef porm urna companhia
destasmpio tardar o oTia em que os estados
d America do norte, nao c&abelcram igual empre-
za, c o ponto os Yancks socegajo da guerra fra-
trecida em que estte; porque o commereio do Pa-
ra para a America do Norte, importantsimo e
de grandes valores.
O Para entSo ser urna das maiores e mais im-
portantes pracas do Brasil, o o progresso commcr-
cial do seu porto dar urna vida e animacao a tudo
quantoest a nascer neste paiz ubrrimo e cheio de
productos sem im.
O mercado est em geral sortido e repcete de
gneros europeus, assim como de productos das
provincias do sul.
Ha animacao mais ou menos sensivel da praca,
e as noticias de alguns gneros que se exportara'm
para a Europa ltimamente, nao sao desfavoraveis
quanto precos.
Ha dias houve um quasi assassinato.
Um rapaz porluguez de nome Domingos de tal e
que andava amasiado com urna preta, por motives
de ciumes ou cousa que o valha, pode faze-la at-
trahir ao lugar da sua residencia, e ahi depois de
varias razoes mulilou-a brbaramente com um ter-
cado que aqui usam de cortar matto.
O facto foi praticado fra de horas e em urna
cocheira, e por tanto o tal Domingos pode fugir
sao e salvo I
A preta mais tarde foi casualmente encontrada
exange, e em lastimoso estado, tanto que hontem
praticaram os mdicos a amputacao do ambos os
bracos, pelo terco superior, a lim de ver se ainda
lhe salvam a vida, nao obstante o perigoso estado
em que se acha.
O senhor da preta c Joao Pessoa Dias, tambem
porluguez e que actualmente est bastante do-
ente.
Nada ha mais por ora de importancia; temos
nestes dous das o resto das novenas e a festa de
Nazareth, e o grande baile dado pelos portuguezes
na noute de 31 de outubro pelo fautoso e feliz
nascimento do principe real c pelo anniversario
natalicio do rei D. Luiz I.
Os navios no porto sao os seguintes:
Navios descarga.
A minha calca azul e o meu collete pardoderam
i na vista de todo o mundo elegante que alli se acha-
! va, assim como o chapeo de castor, o collete verde
gaio e a gravata azul do meu bom amigo Crrela,
: forneceram largo assumpto para muitoemprego de
1 olhos, muita exclamarn e grande admiracao. Ver-
I 'lillliril.' Ii'ipKaI.Uhh --1 -- B_a -I _.-_________ Y___. -__
dadeiras borbotlas de prado, eu e meu insepara- daile* ool'iticas
i yel Crrela esvoacamos por todo aquelle ambiente
festival procura da mais linda e mais agradavel
flor.
Achamo-la por lm: tao tmida, tao modesta, to
oceulta que eslava. Era urna violiazinha mimo-
sa a exhalar de si o mais suave, e o mais delica-
do aroma espirituaL Ninguem repare nesta mi-
nha phrase t aroma espiritual, que qur dizer
perfume do espirito, isto cheiro da cabeca.
Aprend a usar destas composicoes melhaphisi-
cas com o meu collega o eserivo Joao da Matta,
que ainda mais methaphislco do que o meu ado-
ravel amigo Corroa.
Aquelle escrivaojambam nos acompanhou em
! o nosso borbotear pelo largo da ermida dos Reme-
dios, verdade quesempre debaixo do fogo de vista
do tabellio Jos Salles.que jamis se esquecer de
uns incidentes, que se deram as eleicoes de 56 no
| Rosario, e nos quaes foi grande vulto o meu aflec-
tuoso collega Joao da Matta.
Com grandes saudades minhas vi acabada a fes-
ta. Ao ouvir o ultimo estouro do ultimo foguetej
protestei por festa nova, e, se Deus me dr vida e
sade, mostrarei para o anno ueste mesmo mez de
outubro as saudades da festa Iluda.
No dia 20 (lerca-tira da ultima semana) foi
( aqui bem festejado o segundo anniversario da sa-
; grarao do nosso virtuoso prelado diocesano o Sr.
! D. Luiz da Conceicao Saraiva.
Nesscdia S. Exc.Rvmd.convidouos seus amigos
para um jantar no paco episcopal, no qual reuni
j o que ha de grado no pessoa I desta cidade, sem
| dstinecao de cores polticas.
Naquelle banquete, profusa e excelentemente
l servido, tive occasio de notar que tanto os cons-
titucionaes como os progressistas, sao homens como
; nos outros ; sabem dar o devido apreco a um bom
quarlo de carneiro assado como as fatias de pre-
sunto, e sentem o mais vivo contentamente em pre-
senta de um prato de frutas como de urna compo-
teira de doces.
A mesa o terreno mais neutro para a poltica ;
o constitucional maslga tanto e to bem como o
progressista, com a s differenca de que um abre
mais a lincea do que o outro, qual driles, nao sei,
para talvez apanhar maior boceado.
Os muitos e repetidos brindes dirigidos e felos
S. Exc. Rvmd. foram mais urna prova do quanto
o Sr. D. Luiz querido e respeitado entre nos
! pelas suas virtudes evanglicas e excellentes qua-
lidades sociaes.
Houve durante o banquete a maior cordealidade
e o mais sincero contentamente.
A' nolte retiraram-se os convidados em extremo
satiseitus e asss penhorados do modo franco e
affavel com que S. Exc Rviud. a todos traiou, no
que foi sempre acompanhado dos ministros da
igreja que o rodeavam,
No da do banquete o Sr. D. Luiz fez distribuir
largas esmolas aos pobres, nao esquecido de que
elles foram sempre os mais dilectos Albos de
Jess.
Como lhe noticie na minha ultima corres-
pondencia de 12 do corrente, acham-se entre nos
o Sr. Verdini, sua senhora e urna sua filha, a nossa
joven e interessante patricia America Verdini.
A Sra. Diperin e sua filha vo dar no dia 3 do
mez vindouro em o nosso theatro um espectculo
lyrico. Dizem-me que ambas sao excellentes can-
toras.
Na minha primeira, depois desta dar-lbe-hei
couta das minhas mpressoes lyricase musicaes.
J tomou conla do commando do 5o batalhao
de infantaria o Sr. tenente-coronel Magalhcs Cas-
tro, rhegado no ultimo vapor. O Sr. major Cami-
so no commando interino do corpo houve-se mui-
to regularmente.
_ Os mares prorellosos da nossa pelitica j es-
tao mais abandonados ; como que se pode dizer
que ha quasi calmara.
Daapuraco do 2o districto ainda nao temos no-
ticias. Pde-se, porm, dizer que sao deputados
geraes os Srs. Nunes Goncalves, Carlos Ribeiro,
Fabib Alexandrino, Furtado, Gomes do Souza e
Verlato Bandeira Duarte.
A alfandega rendeu ateo dia 22 cento equa-
renta conlos etc. O thesouro provincial rendeu
vintoe cinco contos.
O algodo tem-se vendido a 225 o 235 rs. por
arroba.
O cambio tem regulado a 28 1(4 sobre Lon-
dres a 90 dias.
Parti para all, logo que se dvulgou nesta ca-
pitel o Acto, um delegado militar, o capoto Jos
Aureliojp Monra, munido das competentes ins-
IruccM tarovidenriar sobre o ooorrido.
E^PKao Velloso continaa administrar a
la, sendo apoiado por ambas as parciali-
Esta cirettmstancia prova bem seu tino admi-
nistrativo, seus conhecimentos pratieos, e seu es-
pirite moderado o imparcial, mas dotado da pre-
cisa energa.
O Piauhy v- nelle um administrador capaz de
realisar por seu genio emprehendedor, os melho-
ramcnlos de que mais neeessita, alguns dos quaes
j tem comecadQ, e acham-se em va de execuco.
Mas, nao ha gosto perteito. Consta que o Sr.
Leao Velloso em breve lera dedeixar-nos seche-
gar-lhe como espera-se, o seu diploma de deputado
geral pelo Rio Grande do Norte.
Essa variedade de administradores na verdade
un mal para as provincias.
Foram aqui recebidas com geral desagrado as *
nomeaeoesque se deram ullimainente pelo minis-
terio da frzenda com relacao esta provincia, so-
bretodo a remocao do Sr. capito Joaquim de Lima
e Castro para o lugar de terceiro escripturario da
thesoararia de fazenda dessa provincia, do de offl-
cial da secretaria da thesouraria d'aqui.
A polica continua a fazer importantes prisdes
de criminosos.
No termo de S. Goncalo, no da 19 do mez pas-
sado, foram assassinados Francisco Correa de
Araujo e urna moca que elle raptara, sendo autor
do crime um irmo da moca, de nome Manoel Ma-
chado d'Araujo, que, perseguido pela polica, en-
tregou-se prisao. Por esse mesmo crime foram
presos a mi da moca o um irmo, sobre os quaes
recahem suspeitas de complicidade.
No da 26 de julho passado, no mesmo termo n\-
S. Goncalo, um escravo de nome Cosme assassinou
outro de nome Raymundo, e agora perseguido
pela polica, antregou se prisao.
Urna prisao importante acaba de ter lugar por
ordem do Dr. chefe de polica no termo de Pedro
II; foi a do capito Clemente de Castro Nazareth,
por crime de mortc praticado em 1847 na pessa
do infeliz Francisco Mariano d'Albuquerque Ca*al-
cant, irmo do actual vigario da Independencia,
tendo sido o assassinato feito por um vaqueipo.da-
quelle capito.
O Sr. capito Nazareth, pessoa i ni prtente-na-
quella localidade, rico, rodeado de prenles, nun-
ca receiou a lei ; porm agora sahio-lhe e^nno
bissexto com a polica do Dr. Gervasio. O processo
est sendo feito pelo respectivo delegado eotn de-
nuncia do Dr. promotor publico.
Tres testemunhas que j depozeram narram o
facto circumstanci admente.
Foi preso tambem o liberto Domingos, um. dos
executores do crime, deixando de ser presa, a vin-
va do assassinado, porque na occasio em.que foi
procurada, j se tinha evadido com eu segando
marido para a provincia do Cear, segundo se
suppde.
Aluitas diligencias policiaes tem sidofeas, e o
governo apoiando a polica com os recursos de que
pode tancar mo, est_ no pensa mente- firme de
perseguir o crime de mbs dadas conv,a polica.
Honra presidencia do Sr. Leao Velloso, e che-
falura do Sr. Dr. Campello.
Basta por hoje.
DIARIO DE PERNAMBUCO
Progresso....
Maria.......
Aracaly.....
Boa Nova....
Tamega......
Lindo paquete.
S. Luiz......
Tocantins___
Enchantress..
Navios
Havre....... -
Solferino.....
Iliate brasilero.
Brigue inglez.
Brigue inglez.
Patacho porluguez
Brigue portuguez.
Hiate brasilero.
Barra franceza. -
Barca franceza.
Escuna ingleza.
carga.
Barca franceza.
Patacho inglez.
Sahiram para Lisboa,
a 10 a barca Flor da Vez.
a 18 > Amazonas.
a 19 > Linda.
a 21 Villa de Boulogne, para
o Havre.
O brigue Henritpte, sahido de Lisboa a 27 de
setembro ainda nao chegou.
O vapor Princeza de Joinville, parte boje a meia
noute.
HUItMllO.
S. Luiz 26 de ontnbro de 1863.
Terminou-se hontem a nossa mais pomposa, mais
concorrida, e mais brilhante festa de arraial, que
a de Nessa Senhora dos Remedios, protectora dos
navegantes. Esta a igreja no mais lindo e mais
longnquo bairro Ja. cidade ; Jugar aprazivel, pit-
toresco, mufto*l'son e alegre. Teve a testa co-
mero no dia-16, e forigmpre boa a concorrencia.
Por seu lado, as noites, fle eram de syberbo luar,
convidavam.
PIAIUV.
Thercsiua, i 7 de oulubro de 1863.
a provincia permaneco na mais perfita calma
tranquilidade; nem parece que acaba de passar pe-
lo turbilho eleitoral.
Serenos e placidos os nimos de seus habitantes,
ao menos nesta capitel, nao precisa urna indaga-
co aturada para se ver que nao flcou da luta elei-
toral nem odio, nem leves resentimentos sequr.
S se os ha l pelo centro da provincia, natural ;
mas nada consta. Donde sou levado a concluir
que l para algumas provincias a quadra eleitoral
equivale um cataclysmo ; para nos, os Hlhos do
Piauhy, um faci normal cheio de naturalidad^
como qualquer outro.
Unas aissolucSes de cmara, pois, em um anno,
seriam duas pocas de mais um pouco de vivac-
dade, de ardor, e de espertrza, nada mais.
isto devido sem duvida alguma ndole paci-
fica dos Piauhyenses, e do seu amor nunca des-
mentido de ordem, e Iibcrdade.
A tranquilidade que este anno reinou aqui, foi
tambem em grande parte devida posicao que to-
mou o Sr. Dr. Pedro Leo Velloso na luta dos. par-
tidos que pleitearan! as eleicoes, posicao cheia de
gravidade, e de indifterentismo a lucia do plei-
teantes, mas ao mesmo tempo enrgica, e inspiran-
do ambos os lados polticos plena conlianra.
Triumpharam aqui completamente as novas
ideas, tendu-se dado algumas duplcalas em pontos
da provincia.; mas qualquer que seja o sentido
em que a cmara julgue as eleicoes. duplicadas,
Domingo s 6 }i horas da tarde fundeou em
nosso porto, viudo dos do noria do imperio, o va-
por Princeza de Joinville com dalas : do Para at
24, d Maranhao at 26, do Piauhy 17, do Cear
29, do Rio Grande 31 do passado, c da Para-
hyba Io docorrente.
ParaSo dia 10 teve lugar urna partida dada
polo Exm. commandante da armas, em regosijo
pela eleicao do actual presidente da provincia.
No acto das salvas, pelo Castello, por occa-
sio da festa da Senhora de Nazareth, houve ex
ploso n'uma peca, que produzio a morte do soe
cador e o ferimeiito de diversas pracas.
Maranho.Foi celebrado com bastante regosi-
jo o dia 20," segundo anniversario da sagracao- do
actual bjspo; o qual mandou destribuir muitas es-
molas pelos necessiiaos, e aos ricos offereeeii
um lauto jantar em o seu palacio,
Os accionistas do banco do Maranbo, reu-
nidos em aseembla geral 7, elegeram a nova
directora, que ficoit assim composta :
Meza da assemblea geral.
Presidente, Dr. Joao A. de CarvaJjK Oli-
veira.
Io secretario, Dclphino da Silva Gnima-
res.
2o dito Jos Joao Alves dos Santos.
Direcior,Joo Jos Fernandes daSilvapara
substituir Francisco Pereira da Silva
Novaes, que nao foi reeleito.
Presidente da directora, Manoel Gon-
calves Ferreira Lima.
Secretario, Antonio Joaquim ^e Lima.
Pelo partido progressista apresentavam-se
candidatos senatoria os senhores : conselheiro
Franciseo Jos Furtado, Dr. A. M- N. Goncalves e
coronel izidoro Jansen.
Piauhy. Fallecen, em Oeiras, o negociante
Tiberio Cezar Burlamaque.
Ceani. -Nadaoccorreu que mereca menead. *
Rto Grande. O partido nortista encetou a op-
posico ao actual presidente da provincia.
No dia 26 teve lugar a abertura da assem-
blea provincial.
Parahyba.Nos jornae6, que temos visla, ne-
nhuma noticia encontrbaos.
mais so vio e mais se admiren a*rariedade, a ri-
queza, o bom gosto e tambem o capricho e a excen-
trcidade de muito ttmt tminino e masculino.
Se eu tivesse de descnylW aqui tudo quanto obser-
vei c examinei, levarla esta minha pobre corres-
podencia at a ultima linha do Diario.
Sena urna tarefa herclea, titnica, e om tudo
superior s minhas tercas.
ttevo, porm, registrar aqui o facto do ter sido
eu um dos mais distinctos passeiadoresdo largona
manhaa e tarde do sempre memora ve! dia de hon-
tem. So tive competidor na pessoa do autor das
Insprafiss poticas e da. Duqueza de tragonea, o
Sr. F. J. Correia. Na ambos estivemos maU que
pimpdos esmeradiasiraos.
PERIUMnOCO.
REVISTA DIARIA.
O nosso amigo o Exm. monseobor Joaquim Pin-
te de Campos faciltou-nos a leilura, permitlindo-
nos a respectiva publicaco, de nma missiva que
ser sempre deputados geraes por esta provincia, lhe dirigi, o Exm. Sr. cohsemero Castilho.
o conselheiro Paranagu, Dr. Polydoro Burlama- Ora, como nos parece e> real importancia o que
que e Fialho, candidatos que foram polo lado pro- enuncia S. Exc. com relacao ao valor daimpreosa,
gressista, aos quaes ja eamara desta capital expe-' apressamo-nos a d-la publicidado em nossa oi-
aio diplomas no dia 8 do corrente, designado para I lava pagina ; mas, faaendo-o, nao podemos furtar-
a ultima apuraeo de votos. I nos solicitaco de ama desculpa do publico quan-
J tambem coabecido o resultado da eleioao- te. a parte que trate deste Diario, pelo que tem de
para deputados proviocaes trlumphou complete- lisongero para camnosco, apresentandoao mesmo
mente a chapa organizada pelo directorio do parir- tempo ao referido conselheiro a expresso de nos-
do progressista. so reconhecimento pela bondosa opiniao, que alli
Dos24notues de que ella se compSc, apenas 2 forma dosnossos fracos trabamos no terreno do
deixaram de ser eleites : o capito Antonio Jos jornalistao.
Analio de Miranda, por estar incompalibilisado, e Acaba de ser concedida ao Sr. Dr. Bernardo
o major Ctementino Gomes Correa, por haver al- Pereira do Carino, oom a devida permisso do %o-
lecido, os quaes foram substituidos pelos Srs. te-' verno imperial, para o respectivo uso, a graca pon-
nente-coronel Gabriel de Araujo Costa, e Raymun-
do Mendos de Carvalho, alumno do quarto anno
da academia do Recit, ambos progressistas.
Na cidade da Parnahyba, por occasio da elei-
cao secundaria, deu-se um conflicto entre as duas
turmas de eleitores, na occasio em que iralavam
de organisar suas mesas collegiaes, pois alli deu-
titteia do protectorado de "Sua Sanlidade" e do uso
das armas da Santa S para o Cottegio de S. Ber-
nardo, que dirigido pela referido Dr. Pereira do
Carmo nesta cidade.
A dstinecao que este facto mtfjk sobresalte
mais das expressooa honrosas confffi na oommn-
nicaoo, que d ao mesmo dootof o Exn^ oiernan-
se duplcate. Houveram feridos de parte parte,' co apostlico Domingos Sanguigni; e pan
e segundo consta, o primeiro sapplente do delega- leeer roelhor o grao dessa distineea<\ pon*
do de polica d'alli, tollo CIomq, que esteva em apreciacad ao alcance de todos, aga consignamos
exercieio, foi o provocador,
Os terimentos foram leves; lieuveram tres pri-
ste em flagrante,
alguns tpicos dessas exprs*9-
Illm. Sr.E1 com maiiiimo gosto que smno
a honra de participar V, 9- UtoV particular
y
MUT





r
1 t
-_
o ^ntissimo" Padre Pi IX" cm sido reclamados, o Sr. V?raes nao con
dignagao que teve u
S que o colirio rc-cen.emen.c^.heler.dj
e tap dignamente dirigido por V. S. possa fazer uso
*.TSS"^^^adornam o,el
ea dedieagao com que se occupa na, edncag aver-
Alarlo *e Pernambnco >- Ter^a felr* de Xovembro de 1S8S.
T
=

-
sempre com grande prazer que noticiamos
caeao de qualqucr livro escripto na Europa
eit das nossas coasas de casa,
tor revela espirito recto e justiceiro.
a parte reside em Genova, a seguinte : Allemaes,
a prximamente, 66:000, sendo 20:000 de Badn,
dadciramento religiosa e civil da mocidade naopo-
diam deixar de ser aceitas pelo augusto cheje da
"reja ; c ea centio que este augosto attestado de
bondade redobrar o seu empenho em procurar o
verdadeiro bem dosseus alumnos.
Depois deste testemunbo lio valioso de aprego
dado |)cIo chefe supremo da nossa igreja, e mani-
festado pelo seu representante to dignamente, so
fosscm misturados ; de manota que su* costa pubhcjtrao de uo m >^P ^ropa V^"d'rwurtemberg e 29:Oo5deTutros erados
- os depos tar nesses iazigos, lendo todos por respeito das nossas cousas ae casa, quando o au, Allemanhao Austria6 Os Francezes em numero
lampa una lapide dc marmore cora o nomedo tor revela espirito recto e just.ce.ro. NSt casoc
finado. NO correr vimos outros tantos erigidos, esta tm llvroT.r^entmen e dado a
embaidores M; Mendes ^^^^1^
de urna viageui foita ao Rio de Janeiro e ao Rio da
PPtft C3S0
estampa em' de 46:000 acham-se pela maior parte na
da Cunha Azcvedo, Luna Freiro, e Joaquim Ma-
noel Vieira de Mello, o dos Srs. Manuel Soares
Carneiro Monteiro, Francisco Luii Maciel Vianna,
etc. etc.
.No Hospital Portuguez de Beneficencia desta
cidade, celebrou-se hontem urna missa e um me-
ment por alma dos doentcs, que teem fallecido
as enfermaras do mesmo ; e igualmente teve iu-
Prata.
No prologo lm-se estas palavras :
visitando a America do Sul Uve o prazer fe
satisfazer um deseio nutrido desde a infancia. Ra-
paz de escola, ainda tinha eu vagado na imagina-
cao pelas florestas do Brasil; escaldava-me a fan-
tasa a descripcao que Sr. Francis Head fizera das
Pampas, e ultimaraenie devorava-me o anhelo de
comparar os Andes com os Alpes. Parti da In-
preenchimento da vaga do terceiro escnpturar o, dos c sacrmcio*, teem concornao iPa vas scenas do Bras e do r 0 da Prata que esl0u
ouraria d'aze*da desta provine,, ^ chamar a ^ de J
gar Taima dos que Dos chamou si. aquelles paizes, comparativamente mu. pouco fre
Repartiqao da polica :
(Extracto das partes dos dias i e 2
que sao de esperar,
realidade all.
que ha na
Concorrem tres candidatos.
Examinaro os senhores seguintes as materias
apontadas em seguida:
De Antonio Wi.ruvio Pinto Bandeira Accin de
Vaseonrellos, cm tlieoria de escripturacao mercan-
til por partidas simples e dobradas, e suas applica-
cftes ao commercio e ao thesouro ;
Dr. Francisco Pinto Pessoa, em traduegao de
fianceze inglez;
quenlados.
de novem-' A minha visita ao Brasil foi curta, mas. per-
mittio-me errar pelo grandioso scenario da serra
Foram recolhidos casa de detencao no dia 1 : dos Orgaos, cuja belleza mal pode ser excedida
A9operado Ilh. Sr. Dr. chefe oT polica, os emqualquer pa.z do mundo ; fazer murtas excur-
narrtos Josi Mariade Jess e Vicente Ferreira da s5es deliciosas aos arredores do Rio de Janeiro ; e
Go?a v S> de Olfnda^onVcriminosos. ver alguns dos resultados da habilidade e energa
*, i t ^r ion, ha Cn XiVirurtn dfi Santo Antonio, Jos modernas n urna jornada aaJuiz de Fora, na pro-
Padre Vicente Ferreira de Sique.ra \ arejao.era A ^^^itemdo subde legdo de Santo Antonio, ~ Minas-Geraes. Estradas e vias frreas
Trrtciosgeraesdegeograph^ ^tein de era muitas direegoes es.ao poderosamente auxi-
Tenente Antonio tgydio da Silva, em algewaj A ordem uoo* ""a ^'^ liandoo progresso material do Brasil, e a expe-
:a6/*Wcs-(l0 ^"S-1? go -; a an. nratioa do i Tnrltm do^o Peres Manoel Goso ou Custodio, riencia de um imperio constUucioualno hemis-
rranesco de Sales Bav.cra, ^ prat.ca do A ordem do d0^^ pherio do Occidente foi coroada de um xito tap
feliz que nao podo deixar de mtr8ar I
servico da respectiva repartiqao
Recommendamos a leitura uu ium
O bem. e o uml, que cometamos hontem a publicar
c interessar altamente
. leitura do romancero ^^"g^ Muril)PCS) Francisc0 rjabral de o viajante. A grandeza das florestas, a infinita ya-
em nossa oitava |>agiua. ^. ._. .
E'raais tun primor que brota aaTpemmpBeme
e vivaz de Gamillo Gastello-Branco, cujo me?o
U lV*tl llV CilllOUUW/, llllll/i M <^ .,-------- -
tugal tem esse romncelo sido recebido com cntuu-
siasmo pelo pubiic Ilustrado : fez aH furor !
Enviam-nos as seguimos linhas, que aqu
consignamos em liomenagem ao mrito : __
Muitos erara, e iafelismenle anda sao os ma-
les oiie nesavam c pesara sobre o foro, acarretan-
Logo que foram apresentadoros nomes dos Drsr Emcumprimento do despacho do Illm Sr co-
Manoel Glementino Garneiro da Cunha e Franoisco r0nel comraandante, certifico que revendo os li'vros
Mnnr ^arrtn nara averie riedade de arbustos, flores e fructas. .belleza das
Moura, pardo, ^"J^^Jg^- aves e insectos e o snblime das perspectivas, t"dl>
A' ordem do subdelegado do Recife, os pardos isto excedeu muito a minha expectativa, e, ern pro-
,r ucwu.uu w^--- ;0-*iTh.lMannTl,^aaPenh^^^ cri- veito de outros viajantes, desejo fazer ver que os
por certo a melhor recommendacao que l^, ManoelI.u.z ^a. ^.r^ntino e4ravo de Manoel Pe- limites de urnas longas nas bastara para se.po-
de fazer. No entretanto, importa diz-lo,_mjw- me de ferto e Laurent.no, escravo ae m ^^ cn(re ^ esp,endores ^ Bxasi, ciuc0
A' ordem dHe Into Antonio, Jos Sergio Pe- semanas da estaCao fresca .
reir da Costa, pardo, por disturl-ios -, Ignacio, Com effe.to, o viajante descreve com fogo e e-
\fricano escravo de Antonio do Porto, por infrac- thusiasmo, mas tambera cotft Verdade, o queviu
'.,7. dl nsiuras da nossa Prodl8,osa natureza. A sita curta estada
A' ordem do "de S. Jos, os crioulos Raphael nao lhe permittio investigar profundamente os nos-
r"Tr-r\------r-" v. ~rtnir iwer.as vnrtnn^n irr-hanin or insultos e armas prohi- sos usos e costumes, c o adiantamento da nossa
do odiosos juizos.senao descrdito contra pessoas, Fortunafc^ ^YU, ^^^^ civ.lisacao, mas no pouco que a tal respeUp diz
"To AeMto exista a cairo mesmo era conheci- Hilario Lopes, e aquelle do Dr. Manoel Buarque de mostra nao ter perdido o teropo que poda dar a
Suissa
Occidental. O Italianos sao prximamente 14:000.
Inglezes 1:209. Americanos 423. Belgas 361. Dan-
nezes, 279* Hollandezes 128: Polonezes 110. Sae-
cos 72. Hespanhes 68. Portuguezes 20. Di-
versos 60.

O av materno da rainha a Sr.* D. Maria Pia, o
archiduque Reynier, hornera de principios rgi-
dos e muito amante da liberdade individual.
Govornando elle em 1848 as provincias italianas
sujeitas Austria, e sendo obrigado a evacuar Ve-
neza, assignou com Manin a capitulado da for-
mosa rainha do Adritico, mas com a condicao de
poder ir t tomar banlios do mar.
Manin aceitou sornndo este artigo addicional

Dos dados estatisticos publicados poi*um peri-
dico allemo resulta que ha na Europa 608 asylos
para alienados : 157 na Allemanha, 110 em Pran-
5a, 81 na Graa-Bretanha, 74 na Russia, 51 na Bl-
gica, 42 na Suissa, 33 na Italia, 17 nos Paizes Bai-
xos, 17 na Suecia e Noruega, 10 na Dinamarca, 7
em Hespanha,4 em Portugal, 3 na Grecia e 2 na
Turqua.
NOVO BANCO DE PERNAMBICO.
Batanele de Nevo Banco de Pernambuco em 34 de
oulnbro de 1863.
ACTIVO
Apolicesda divida publica........ 573:800*000
Esirada de ferro de Pedro II...... 112:0003000
Rsiroda de ferro d Babia........ 131:07470ti
Depsitos......... 72:0003000
Jotas depositadas...... 5:7353280
Accoes depositadas..... 6:4005000
Ttulos depositados. ... 80:2753823
Lelras caucionadas..... 49.3303000
Letras descontadas. 539:6123508
Lelras protestadas..... 293 JM83833
Letras a receber...... W:?I??JI2
.-......a*....... 833:9953000
Banco da BahiaN/C .... 18:4103170
Jos Antonio de Figueiredo J-
nior 10 Rio e Jiri., .
Costa & Filhos da Babia. .
da Serra Carneiro i deputa^ao, se observou urna
gcral e manifesta satisfaciio em todos os nimos,
de sorte que podia-se concluir deste facto em fren-
te s urnas cleitoraes a victoria de seus candida-
turas. So acaso o pleito se dirigisse por um trilho
regular, segundo a revelagao franca das cnscien-
cias, o resultado seria o complemento definitivo
dessa concepcao; mas assim nao acoateoeu.
que servem de reg.tro das guias dos sentenciados,
encontrei a fls. 3, a guia do theor seguinte :
i O Dr. Frascsco de Far.a Lemos, juiz municipal
supplente d 1* vara e execncoes crtminaes,
nesta cidade>iltt Recife ft seu termo, em virtudo
da lei, etc.
c Paco saber ao Illm. Sr. tenente-coronel com-
mandanto do presidio de Fernando de Noronha,
A hydra de Lerna nao achou um Hercules, que qae a esta guia acompanha o reo Joo Antonio de
a esmagasse e era poda achar; sua sanba come- Barros Lacerda, natural do Rio de Janeiro, idado
.cada terminou no desatino do furor. je dezoito annos, casado, sem olllcio, o qual vai
A companha que era come{D ensaiava suas for- cumpnr neste presidio a pena de tres annos, dez
S> em prol das candidaturas dos Drs. Francisco meZes e vinte dons dias, que Ibe foi imposta na
ros de Araujo Brusque e Antonio Jos Moreira, seatenca do theor forma e maneira seguinte :
prevendo a derrota, que estas linham de soffrer, Avista da decisao do jury, condemno o reo
concentrou-as eflieazmenle para lutar com yanta^ j^jo Anlond'de Barros-Lacerd'a, na pena de tres
goi com a parcialdade op[osta. Em auxilio del- annos, dez mezes c vinte dous das de prisao, e
las vieram os meios mais indignos, as torpezas mait de doze e meio por cento, grao medio do art.
mais aviltanles, as intrigas mais mesquinhas, as jg^ 4 do cod peni
traicSes mais negras, as calumnias mais atrozes o Absolve, porm, do crimo de falsidade, porque
o cynismo mais impudente. era tambem acensado : pagas as cusas respecti-
Ainda mais, o ouro excessivarnento derramado vas pe|0 cofre da municipalidade.
Sala das sessdes do jury na cidade do Recife
na classe media e baixa, veio dar a ultima de .nao
este quadro immoral.
As promessas abundavam em todos os sentidos
e as anieacas sobrepujavam estas. Os vapores so
encontravam e se separavam em suas excursoes,
com o fim de aliciar e predispor as influencias lo-
caes execucao de trauias*mysteriosamente urdi- eserivao respectivo.
aos 16 de novem bro de 1852. Alexandre Bernar-
dina dos Reis e Silva.
A qual sentenca principiou o reo a cumplir
da data do seu julgmento.
E para constar mandei passar a presente pelo
extirpacao.
foda'via o actual Sr. conselheiro pre- declaracao do motivo,
sideiteda. relacae, D. Francisco Balthazar da Sil-
veira, metteu maos a essa obra meritoria, e na in-
vesMgaeao da respectiva causa, nao tardou em re-
conhecer a maior fonte do mal e por conseguinte
em promover a remocao delles, como remedio a \
fazer cssar to funesto effeito.
vencivel de que se acham ou fingem possudos
tantos dos seus patricios que nunca viram cora os
proprios olhos, como salvas mui poucas o cada
vez mais raras exrcpcdes, o escrare tratado no
A' ordem do da Magdalena, Julio, cripnlo. es-
cravo de Bento Jos da Costa, por estar fgido.
O chefe da 2' seccao,
J. G. de Mesquita.
- Passaeeiros do vapor nacional Toeaniiu sa-: Brasil. Oucamo-lo
hido para el portos do norte, Luiz Manoel de Souza' Quantoaos escravos, poucos homens tem po-
Joa- dido visitar o Brasil sem se convencercm que pelo
respeita ao bem estar material acliam-se ellcs
mente em meluores condigoes dt que as cas-
n ocasiaoa(senhora Jos'Lustoza de Souza, Ravmndo Hono- ses baixas dos trabamadores agrcolas naE"r,>^
e atssem oixasiau d enni^.i, jusb ^iu Basu oiar um momento para um ranche delles
e reclamacoes. ., ^ __,_ ^ #-1 noJa_S.lva, ^^I^e<,(,0.n1cj,,> ncdri(In An. para T^ que os ^ afflige.n cuidados ; esto sera-
dores
gente
transviar
de seus deveres,
m edital do Exm. presidente da relacao fez escravo, Dr. Policarpo Jos da Silva Candido,
constar ao publico que alguns solicitadores acha
vam-se sem proviso, e seus nomes foram declara-
dos. Alguns pensaram, que empenhos fariam mo-
ver ao digno magistrado : esta diligencia foi bal-
dada. Acuna de toda a consideracao de amizade e
empenho eslava a necessidade reconhecda da li-
miiaeSo do numero dos senhores solicitadores. Elle
nao tirou diretos adquiridos : nao deu novas pro-
visoes, e eslava em seu direito fazendo-w ; nao
laneou o estigma de reprovacao contra nenhum
daquelles, cujas provLsoes linham expirado.
No- meio desta lula surgi urna questo de ne-
nhuata imoorlancia pelo seu lado jurdico, por se
achar expressa na legislacao (aviso de 11 de junho
de 1855 e decreto n. 398 de 21 de dezembro de
1844), mas de muila gravidade e transcendencia j sua
pelos resultados do conflicto de jursdcq agitada
pelo digno Exm. presidente do meritissimo tribu-
nal do commercio, que entende assistir-lbe o direi-
to de tambera conceder provisoes de solicitadores,
para servirem perante o juizo especial do com-
mercio.
Aluguel de casa
Foraecimenlo .
Despezas geraes.
Gana..........
30:8063996
4:37131*83
2:3623500
5:0005000
2:2075886
908:6933186
dos.
Cartas dos credores do Para avultavam as maos
dos devedores daqui e tambem as do importantes
caracteres na corte foram lidas em todas as co-
marcas, era todas as villas, em todas as ras, em to-
das as casas. A tropa foi insuflada para a insubor-
Reis. 3,733.3665444
ionio de'AlmcidaOlfveira,Elizeu de Souza Mar- pre alegres e a r.r, quer percorram as ras com
tins el criado, Primo Pacheco Borges, Maria Ge- fardos a cabeca, quer procurem attrahir passagei-
ralda da Annunciacao, Francisco Antonio de Oli- ros aos seus escaferes. -lhes muito faci ganhar
veira Sobrnlio, Antonio DamascenoGomes, Anto- dmhe.ro para si e comprara _sua liberdade se a
no Joaquim Teixeira, Francisco de Assis Correa desejam, sendo a maior ambicao deum negro forro
Lima, Ernesto Adolpho de V. Chvese 1 preto.Ber- chegar a possuir escravos seus. Segundo tudo
nardno de Sena Guimaraes, Manoel da Costa Lu- quanto pndeouv.r e ver, sao el les em geral muito
na Maria l'mbelina Mmede de Almeda, Tliereza bem tratados nos seus das de trabalho, e quando
MaVia da Concecno, Segismundo Antonio Goncal- se tornara velhose fracos nada os atormenla. Lm
ves e I escravo, Gerome Jean Marie, Joao Manoel inglez que tmha d.uturna exper.enc.a assevrou-
deVlrvalh me 1ue n5 ^ os cscravos no Bras'1 esUvam a
- Passariros do vapor nacional Prmce:a,vin- todos os respeitos, tanto moral como physicaniente
do dos portos do norte: Jas Maria Vasques, muito melhor que os negos I.vres das IJsOcc.-
Thomaz R. Brandt, Joaquim e Lima Castro, Ja- dentaes, mas que ate muitos delles tendocompra-
mes Lancaster, Umbelna Angela dos Prazeres e do a sua liberdade e ido para a Afnca, se havum
sua filha menor, Casemiro Euzebio, Conrado Gers- desgotado tanto da selvajar.ado seu paz naul que
bercer AHtone Ferreira Baltar Filho, Dr. Joaquim tinhara voltado espontneamente ao Brasil, e vindo
Moreira'Lima, padre Antonio Baptista Espindola, pr-se outra vez ao servico dos seus anUgos se-
nadreFredericode Almeida Albuquerque e I es- nhores.
crav-o NSo toi urna viagem scientifica,
Secuem nara o sul recreio, que o autor emprebendeu
Maior Joao Jos de Freitas Gnimares, Gandido brio de nos mesmo ignorado, o assim nao temos
,,i r.c Antnnin d9 Silva Mnraes. Alexandre excerptos que offereccr ao leitor. Mas tambem
Capital. ......... 2,000:0005000
Emisso......... 950:0003000
Depsitos da- direccao .... 72:0(X)3000
Contas correntes cm juros 238:3273655
Cunta* rorrentMsimple.......... 141:6623362
Fundo de reserva...... 102:5115792
92:4115103
34.5915o81
155270
10:273*350
8:1203000
2-.6983480
5123000
Recife 30 de abril de 1853. Eu, Joaquim
Francisco de Paula Esteves Clemente, eserivao pri-
vativo do jury e execrares crimes o subscrev.
Francisco de Fara Lemos.
t Cumprase e registre-se. Presidio de Fernan-
do de Noronha 28 do julho de 1853.Pinto, tenen-
dioacaoe para a reiaxacaodadicip!ina. Aguarda te-coronel commandante.
nacional deixou de inspirar confianca na prestacao \ada mas consta de seus assentos, do que para
de seus servicos. Os funecionarios pblicos aban- constar mandei passar a presente, que vai por
donavam as reparlicoes e desobedeciam aos seus mm assgnada.
res|>ectivos chefes. Erafim a confusao e a anarchia Almoxarifado do Presidio de Fernando do No-
reioaram nos difereules circuios do movimento ronna 17 dc 0utubro de 1863.O eserivao, Henri-
popular. Preparado assim o terreno, de certo que le j^no Capistrano.o
a perda era inevitavel. I
Quanto ao collegio da capital; os eleitores das ______________________________________
paroebias do Serpa, Slves, Borba e Ganuraaa, sea-
do conduzdos |wlo vapor at o lugar denominado
Marapatpouco distante della, atii desembarca-
rara e passaram-se para urna lancha (de conduzir
gado), a qual aportou prxima casa do Io vice-
presidente e juiz de direito desta comarca Manoel
Gomes Correia de Miranda, onde aqueljes estive-
ram encurralados durante os dias da eleicao. Ca-
pitaneados pelos Drs. Moreira e Tito Franco de
Almeida se dirgirara igreja, recebendo as cedu-
lag, que esto Ihes entregavam. Os eleitores desta; q Banco toma saques sobre as pravas do Rie de
parochia com mais tres de ootras, foram os nicos jncro e Itahia.
que nao quizeram se sujetar esta imposi^ao in-
Ttulos em cauro .....
Banco da Baha S/C .
Knowles & Foster |' L'o Massas fallidas a cargo do Banco.
Dividendos........
Juros..........
Premios de saques e reraessas. .
Juros da garanta de emrssao .
Oescontos........................
COMMERCIO.
NOVO BAJVCO
DE
PFJivimitro
Alfandega
Rendimento do da 2............ 12:0453608-
Movimento da alfandega
77
124
4.-3713083
75:8715768
digna. Gomo a maiora se achava do lado da com-
panha, pode esta organisar a mesa, collocando na
presidencia o celebre liberto padre Daniel Pedro
Marques de Oliveira. Deste modo, obteve do refe-
rido collegio 23 votos e a parcialiuade opposta 21.
Aquelles eleitores, os quaes haviara assegurado so- Volumes entrados cora fazendas...
lemnementc seus votos a bem da causa, a qual ae-
pois tornaram-se adversarios, faltaram despejada-
mente i seus comproraissos, garantidos sob pala-
vra de honra.
O ouro pode dealurabra-los cora seu briino me-
tlico e por isso foram vctimas de um agente es-
tranho, que Ihes soube captvar a vontade.
Pelo que toca ao collegio de Villa-Bella; o juiz
de direito Marcos Antonio Rodrigues de Souza tor
com gneros.
Bis. 3,733:3665444
mas de mero
nada desco-
E',' permita-se-nos a metaphora, urna lula de Manoel Reis, Antonio da Silva Moraes, Alexandre e5ccrP'L 'I*
%.Mi nada teios, como pigraeus MMii^fft-fiLS 'fSwSaS'iSSSuSX 0^
Estado da eain.
Bu ouro amoeade
do.....394:90300
Em notas do ihe-
sonro mi lores de
103000. 10:5003000
Em o 1 un meooiei
de 103 48:3433000
Em olas da cala
filial do Banco do
Brasil 152:4003000
Era notas do Noo
Banco de Per
Damhuco, sen-liv'
De 2003 166:2003
D- 1003 85:6003
D 503 27:3303
---------279:1503000
Eu 1 rata ecobre. 23:3903986
Descarregam no dia 3 de novembro.
Brigue inglez -Daniel Duer-carvao.
Brigue inglezHelena hacalho.
. Cricue inglezRnnnymede idera.
nou-se notavel pela pressao, que exerceu sobre os Rarca ins|ezatT0farnha o bolachinha.
eleitores, de modo que nao poderam _fnrtar-se a- dinamarquesa-Afariogneros de esl
Velumes sahidos
com
com
fazendas. .
gneros...
32
167
201
190
908:6935186
das retaeoes.
Goma quer que seja, a quostao est agitada; o
ella aflecia muito de perto aos Srs. advogado.% es-
pi'fialmenle aquelles que maior numero de causas
reunem, c que devem ter todo o inleresse em evi-
tar nullidades nos iirocessos, nao consentindo. que
unccionem procuradores illegitmos, ou illegal-
raenle prvidos.
c Mas a respeitavel classe dos Srs. advogados
D0 tem, ao que nos parece, se movido a aprecia-: g I
cao desta questo, tanto em juizo, como na irapren- i ;
sa, onde melhormente pode ser apreciada.
Na donegacao de provboes, quem perde smen- o | m
te o Exm. presidente da relaqao, porque deixa
de iierceber as assignaturas marcadas na lei; e |
urna tal abnegacao summamente honrosa ao
digno magistrado, que no empenho de raoralisar
o foro, nao allende, nem consulta a seus commo-
dos e interesses.
Aos Srs. advogados cumpre, sem a menor i
contcslacao animar e coadjuvar ao seu legitimo \
superior' em to nolire o louvavel empenho : de-
vem e como imperioso dever fazer cessar o boato,;
que corre, que alguns por mera condescendencia!
prestara sua assignaturaa peticoes, e outras pegas
de processos plageadas por curiosos e extrahidas:
desees, perniciosos formularios que por ah corrom. |
L'ni tal boato c ofiensivo da dignidade de lo Ilus-
trada c honrada corporacao. A lei irapoe ao advo-,
gado o dever de ser frequente s audiencias O,
abandono s.audiencias tem constituido a alguns
solicitadores no lugar que compete aos advogados, j
a quem a lei d o direito de fallar de seus asseu-
tos, guardada a ordem da antiguidade.
c 0 contacto em que os solicitadores se collocam
para cora as partes, lera muilas vezes tirado aos
advogados legtimos intereses.
Enlrarem os Srs. advogados no exercicio e
gozo de suas prerogativas, auxiliarem cora suas
assistencias e presencas a importancia dos audito-
5
Matc-ulino.
Feminino.
ri
c
*.
>
Masculino.
H
9 5
o >
Feminino
) !
Masculino.
Feminino.
o
>
<
Masculino.
Feminino.

>-
f
b'
a
S
o
G
-a

Masculino
Feminino.
2
>
TOTAL.

30
vida de gratido em qaejficamos coraoau.
livro. i
O Jornal das Familias publica o seguinte :
LAGRIMAS DA VIDA.
Oh pouvail vingt ans le clouer dans la bire,
Gadavre saas illusons I
Theophe Gautier.
Je me suis assis en blasph-
mant sur le bord des cheinins.
et je me suis dt: Je n'irai pas
plus loin. Mais je suis bien jeu-
ne encor pour.mourir, n'est ce
pas, Jeanne?
George Sajd, AMo.
Se tu souberas que lembranca amarRa,
Que pensaraento desllorou meus das,
Oh tu nao crras meu sorrir leviauo
Nem minhas insensatas alegras !
Quando junto de li eu sinto s vezes
Era doce enleio desvairar-rae o siso,
Nos meus olhos incertos sinto lagrimas...
Mas da lagrima em troca eu temo um riso I
IO meu peito era um templo ergu as aras
Tua iniagem, que a sombra perfuma va...
Mas, ah f emmurrheceste as minhas flores,
Apagaste a illuso que aviventava I
E por te amar, por leu desdem, perdi-me.
Tresnoitei-rae as origias macilento...
Brindci blasphemo ao vicio:.. e da minh'alma.
Tente me suicidar no esquecmento l
C mo um corsel abate-se na sombra,
A minha crenca agonisa e desespera...
O peito e lyra seestalaram juntos, *
E morro sem ter tido primavera /
3000 notas do valor a>
2500 --'
2000 >
Dtmonstnfo da cniisso.
(00
1QM0M
503000
600:0005000
250.0003000
100-.0003000
Ri* 950:0005000
Gomo o perfume de urna flor aberta
Da manha entre as nuvens se mistura,
A minh'alma poda em teus amores
Como um anjo de Dos sonhar ventura!
ros, revesti-los de mais dignidade c acatamen- ADVERTENCIA.
to : auxiliar ao Exm. presidente da rclacao na totalidade dos doentcs existem 170, sendo
graude obra do mellioramento, que tem encetado. aienados 9 homens c26mulheres.
guantas quesldes importantes se agitam as Forain visitadas as enfermarias estes dias :
audiencias, e passam desaiipercelndas por estarem Pelo Dr. Dornellas, as 10 1/2, 10 3/4, 10 3/4,
litleralinento desertas dc advogados ? !.. O advo- 3/4 fj u n
gado nao se rebaixa quando requer em as au-1 Pol ^ sarment, s 8,8, 7 3/4, 8 1/4, 8 1.4, Nao peco o teu amor... eu quero apenas
diencias : ao contrario eleva-se, e faz conhecer g j|2 g j da manha. A flor que beijas para a ter no seio,
seus talentos e illustracao. pe'lo Dr. Villas-Boas s 5 1/2, 6, 7, 6 1/4. 6 1/4' E teus cabellos respirar medroso,
O Exm. presidente da relajo fez convidar aos da ,arde E a leus joelhos suspirar denlcio !
juizes dc primeira instancia a comparecerem qm Kallcceram '
audiencia, no dia 23 do mez lindo ; pondo de parte Rj(a Maria da Conceicao ; gastro interite. auando eudurmo, e o coragao anda
a delicadeza e urbanidade do destinelo cavailoiro, Anton0 Ferreira Braga ; colite.
fez elle conhecer aos juizes as queixas e clamores
da populacao contra os aausos dos empregados
subalternos da justica, recommondou-lhes e pedio-
lhes providencias enrgicas contra os refractarios.
< A medida produzo seu effeito, c o Exm. Sr. I
Dr. Tristo de Alencar Ararpe, juiz de direito es-
pMtal do commercio, cujas boas intencocs ninguem
por em duvida, fez logo punir cora suspensa a
um oflicial de seu iuizo, aecusadode haver passa-
do nina certido inveridica do citaco a urna se-
nbora ; e todos dizem nao ser esta a* primeira : o
oflicial levou seu arroja a objectar contra a mere-
cida supenso, e porque se houvc sem comedi-
menlo, o Sr. Dr. Ararpe o deinittio in continenii.
Este acto tem sido geralmente elogiado. Outros
moitos offlciaes soindigitados como carecedores
de igual correctivo.
Tambera Jnao se contesta a necessidade da h-
milacao do numero de offlciaes do justica.
1 Prometlemos ir dando as noticias do que a
respeto forem oceorrendo, era hora nao agrademos
aos que se sentiretn dodos.
O cemiterio publico esteve hontem aberto
visita dos concurrentes, das 6 horas da manhaa as
6 da tarde ; e a afuencia que pela manhaa nao
nao fra menor dos annos anteriores, tarde
cresceu de proporcoes.
Houve missa no espaco decorrido das 6 s 11
horas da manhaa, sendo assistidas por todas as fa-
milias presentes.
Os tmulos, catacumbas e sepulturas estavam
ornadas de grinaldas, vasos de flores, ele. etc.,
notando-se em todo o cemiterio um asseio e ordem,
alm do toda a expresso, devido isto aos esforcos
e boa vontade do respectivo administrador Ja-
noel Luiz Viries. ^
um eaubelecimento que por certo notebilisa
esta cidade, ao passo que recommeuda quem
o administra ; que j foi expressado por S. M. o
Imperador, qtkno em 1859 o visitou.
Msvimento da casa de detencao do dia 31 de
outubro de 1863 :
Existam. .
Entraram .
Sahio .
Procura na illuso a tua lembranca,
Anjo da vida passa nos meus sonhos
E meus labios orvalha de esperanca I
O guarda livros
Francisco Joaquim Pereira Pinto.
CORRESPONDENCIAS.
Srs. Redactores. Pego-Ibes que se dig-
nem de dar publicidade as columnas do
seu conceiluado jornal circular, que dirijo
aos eleitores da provincia^presentando-me
candidato a um dos lugares da lista trplice
na prxima eleico para senador.
Sou, etc.
F. X- Paes Brrelo.
Rio, de outubro de 1863.
Illm. Sr.Apresentando-me. candidato ao
lugar de senador, que licou vago pela rnorte
do viscDnde de Albuquerque, nao posso dei-
xar de dirigir-me V. S. solicitando o seu
apoio ecoadjuvagao em favor de minha can-
didatura.
Meu nome nao inteiramente desconheci-
do no paiz, e se V. S. entender que a sua
incluso na lista trplice nao a desdoora,
confio que nao se recusar a prestar-me o
apoio e coadjuvaejio,quesolicilo.com oque
me encher do mais sincero e profundo re-
conhecimento.
Asseguro V. S. que procurare') sempre,
como tenho feito at aqui, paular o meu
procedimento pelos principios da honra e da
honestidade, e promover com verdadeiro in-
teresse a prosperidade de nossa patria.
Tenho a honra de ser cora a maior consi-
deracao e estima,
De V. S.
Muito ltenlo venerador e amigo obrigado,
Francisco Xavier Paes Barreto.
333 presos
11 >
1 >
Existem.
A saber :
Nacionacs. .
Estrangeiros
Mulheres .
Estrangciras
Escravos .
Escravas .
343
244
23
9
3
58
6
343
Alimentados casta dos cotres pblicos.
Dia 1 de novembro.
145
A saber
Existam .
Entraram. .
Sahiram .
Existem
Nacionaes. .
Estrangeiros.
Mulheres. .
Estrangeras.
Escravos .
Ecravas .
343 presos.
9
2 >
350
247 presos.
24 .
8
3 t
62 >
6
350
Alimentados custa dos cofres pblicos 148
Movimento da enfermariado dia 1 de novembro
corrente:
Tiveram baixa:
Simad Ferreira Martvr, lumbago.
Gypriano, escravo de Manoel Goncalves Ferreira
da Siiva, contusoes.
Teve alta :
Gom efleito, o augmento progresivo do campo Jos escravo do capitao Jeronymo.
santo do Sentaor Bom Jess da Hedempcao, ao o
poder notar quem o visita de anno em annotieU:
comparado da differenga, que vai de um outro.! m urmea Dc tUqq
No anno passado observamos'pelo lado de urna, w ''
das prtigoes dos empregados, sobro a parede, I O Jornal Lmmercio,aa corte, di a seguate
muitos jazigos de peswas cujos restos nao toado noticia :
Na Recoluciio de Setembro acham-se os seguin-
tes pensamentos pro e contra as mulheres :
A mulher a imagem do anjo das trovas.
A mulher o principio de todo o mal.
A mulher um abysmo. -
A mulher a desgraca da humanidade.
Se se pudesse exterminar a mulher o mundo se-
ria um paraizo.
Mulhervbora venenosa, serpente tragoeira,
rapoza matreira, veneno grato ao paladar, instru-
mento do averno, anjo da raaldicao !
A mulher c um thesouro cora que a Providencia
enriqueceu o hornera.
A mulher o anjo da consolago que nos appa-
rece no meio das tormentas da vida.
A mulher virtuosa o refugio dos coraeSes af-
flictos.
A mulher um mysterio de amor. Quem o adi-
nhar encontrou a verdadeira felicidade.
Sem a mulher o mundo era njnjieserto.
As penas que a mulher nos causa sao settas
raolhadas era nctar. *
m olhar de mnlher formosa, nih .sorriso da
felicidade. ^
O beijo de urna mnlher casta, o entregoso da
beraa ven tu ranga, ? .
A mulher o mais permito ser da creacao.
Se Dos nao houvera-^reaflo a mnlher o mundo
nao existira. # .
A mnlher afiase da'fmilia a familia o prin-
cipio conservador das sociedades. Eliminem a
mulher e vejam o qoe flea jendo a trra.
*
A repartigao federal de estatistlca publirou do-
cumentos que demonstram que a populago total
da Suissa augmentou 9 por cento no periodo de
1836 1850 ( 14 annos ) e 5 por cento no periodo
de 1850 a 1860.
Para os estrangeiros a proporgao a mais oi de
27 por cento na primeira destas duas pocas, e de
61 por cento na segunda. Gnegou mesmo a 79 por
cento nos paqueaos cantes.
A nacionalidade dos 114:983 estrangeiros que
PUBLICACOES PEDIDO.
Negocios de Amazonas.
Hoje que atravessamos urna quadra do dominio
do liberalismo, em que se veera congragadas as
theorias progressstas da civilisacao, illuminadasi
pelo facho do reconhecimento dos diretos do povo;
hoje que a columna de fogo da liberdade encarai-
nha os novos hebrus na senda espacosa das ideas
e dos principios ao Canaan da regeneragao |so-
cial : hoje que os sectarios das velbas crengas aban-
donaram o culto do interes9e para se inspiraren
de ama f ardente na verdade dos dogmas polti-
cos : que se ergue o collosso do feudalismo, ar-
mado de urna ambiguo desmarcada para supplan-
lar urna opinio formada luz dos senlimeotos
"mais nobres, um juizo decidido, dictado pelos ira-
pulsos da gratido.
Nao queremos fallar de urna olgarchia preten-
ciosa, assumindo rathegoria de dictadura em face
de urna provincia ; nao queremos fallar de um
absolutismo adherente urna administracad, rene-
olla, receando bem serias consequencias; c por
isso aceitarara submissameote as cdulas, que por
olle Ihes foram entregues. O commandante da guar-
da nacional sem ordem do governo reuni para
mais de 40 pragas, e assim appareceu esse appa-
ratt) de forga no dia da eleicao. Do resultado da
apurago verificou-se a unanimidade dos votos em
favor dos candidatos da companhia.
Desconfiando os agentes da companhia, que no
collegio de Teff pouca ou nenhuma votacao obte-
riam, era razad do prestigio e importancia de cor-
tos cidadaos devotados aos Drs. Manoel Glementino
e Serr Garneiro nao duvidaram expedir o vapor
Inca para ir aquella localidade eom o seu respec-
tivo commandante, am de ameacar o juiz de di-
reito interino, se por ventura este nao quizesse se
subordinar ao seu mando.
E como este magistrado integro e honesto res-
pondesse este desabrimento com a dignidade. que
o caracterisa, foi desafiado para um duello e inti-
midado com urna demissao pelo mencionado com-
mandante, o qual j lhe tinha mostrado una noti-
cia, publicada de propos\s na Estrella do ma-
znos,da exoneracao do presidente edo chefe de
polica.
Estes manejos nao tiveram.. ..o^ejjeito- desejado,
por quanto nao sojuiz de direito, como ontros
cidadaos souberam despreza-los, fazendo recahir
seus suffragios sobre a pretencao da parcialidade
contraria.
Ainda assim conseguio a companhia nove votos
para o Dr. Brusque e tres para o Dr. Moreira.
Besta-nos fallar do collegio de Barcellos.
O empregado da gerencia Jos de Carvalho
Serzedello parti dias antes da eleigo para all,
munido de bastante dinheiro o de urna grande
profusiio de bebidas espiritupsas, para pagar todas
as dividas dos eleitores e einbriaga-los.
Foi isso pois realisado de urna forma publica e
ostensiva.
As cabegas tonleavam sob a influencia de Baccbo
e mil palavras injuriosas e deshonestas forara juga-
das contra a primeira autoridade.
Para acudirera alguma repressao, que podesse
haver da parte do subdelegado do lugar, tinham
ornado seguramente 20 tapuios, os quaes estavam
dispostos e animados pelo ouro se encarnicarem
era qualquer emergencia, que apparecesse.
Por este modo, um voto apenas pode ser dado
ao Dr. Seria Carneiro, sendo os mais aos candi-
datos da companhia.
Do exposto se v, que os candidatos referidos
obtiveram a seguinte votagao em todos os colle-
gios.
Capital.
Dr. Brusque............
Dr. Moreira............
Dr. Manoel Clementino..
Dr. Serra Garneiro......
Villa-Bella.
Dr. Brusque............
Dr. Moreira............
Dr. Manoel Clementino..
Dr. Serra Carneiro......
Teff.
Dr. Brusque............
Dr. Moreira............
.Dr. Manoel Glementino..
Dr. Serra Garneiro......
Barcellos.
Dr. Brusque............
Dr. Moreira............
Dr. Manoel Glementino..
Dr. Serra Carneiro......
Becapitulaco.
Dr. Brusque___........
Dr. Moreira............
Dr. Manoel Clementino..
Dr. Serra Garneiro......
AmazonasManaus 9 do outubro de 1863.
(Carta particular.)
^gneros de estiva.
23
21
21
28
0
0
9
3
17
17
10
11
O
0
70
65
38
39
Barca portugueza S. Mantel IIsal.
Brigue inglez-Amacarvao.
Importavo.
Lancha nacional 7r do Rio Grande, vinda do
Ass, consignada ao capitao, manifestou 310 al-
queires de sal ordem.
Vapor nacional Tocantnis, entrado do Rio dfr
Janeiro, manifestou o seguinte :
Gneros estrangeiros.
2 caixSes livros e folhas impressas ; a Jos No-
gnelra de Souza.
1 caixa chapeos do Chile ; Joaquim Alves.
1 dita charutos ; Jos Leopoldo Bourgard.
1 dita joias ; Lehmam Freres.
48 barris touciuho ; ordem.
Gneros nacionaes.
100 barris toucnho, 44 rollos fumo, Isacco-
milho, 1 barril peixe ; ordem.
1 caixo charutos ; Jos Leopoldo Bourgard.
Da Baha.
1 caixa gesso; Meuron & C.
Encommendas.
1 volurac -, Jos Joaquim de S. A Lima.
1 dito Jos Alves Lima.
1 dito Antonio A. Gomes.
1 dito ; Anna S. II.
1 dito ; Ferreira & Araujo.
1 dito ; Antonio de M. Maehado.
1 dito; V. A. de Andrade.
1 dito ; Manoel G. da Silva.
1 dito ; ao Dr. V. C. Tourinho.
1 dito; Palmeira Si Beltro.
2 ditos ; C. J. A. Gomes.
1 barrica A. L. dos Santos.
1 caixa Gamillo Andrade.
1 lata ; ao'Dr. F. D. Castro.
1 dito 5 Duval M. Fraga.
1 pacote 5 Joo Keller C.
1 dito ; T. de A. Fonseca Jnnior.
1 caixa ; C. dc Oliveira Mendes.
3 barricas ; ordem.
Brigue nacional Amelia, vindo de Cabo-\ ei der
consignado A. Luiz de Oliveira Azevedo & C,
manifestou o segujute :
100 moios de sal ; ordem.
Vapor nacional Princesa de Joinville, entrado
dos portos do norte, manifestou o seguinte :
Do Para.
68 rollos de salsa; ordem.
Do Maranho.
1 caixa obras impressas ; Francisco Antonio
Filgueiras Sobrinho.
25 barris c 50 meios ditos manteiga de vacca;
ordem.
Brigue inglez Alma, entrado em 2 do corrente,
de GardilT; consignado Wllson & Helte, mani-
festou 378 toneladas de carvao de podra; -ios
mesnios.
TABELLA DO RENDIMENTO DA ALFANDEG.4
DE PERNAMBUCO NO MEZ DE OUTUBRO DO
CORRENTE ANNO FINANCEIRO, COMPARADO
COM O DE IGl'AES MEZES DOS DOUS AN.\< )S
LTIMOS.
Importacao.
Diretos: de importacao para con-
sumo..........322:5235776
44:65350.')!
80i'(7
255977
estao actualmente na Saissa.e de que a quarta geninamente aceitara ?
l'ilulas vegetaes assoearadas De Kemps
Agradaveis vista, isemptas de todo o sabor re-
pugnante, tao suaves quio efflcazes, tnicas o pur-
gativas estas famosas pilulas iwssuem, pois, todas
as inapreciaveis qualidades pertencentes um re-
medio cathartico, alterativo e restaurante.
Tal pois, o iuizo medico confirmado pela ex-
periencia dp militares de doentcs.
Quando as funegoes do ligado e do ventre se
acham por qualquer forma desarrapadas devem
ser restituidas a boa regularidade e ordem cora es-
tas pilulas irresistiveis.
Ellas sao tao infalliveis quanto sao agradaveis e
sem controversia alguma c o melhor aperitivo ge-
ral, o nico remedio anti-biloso que se pode con-
seguir qur neste ou em qualquer um outro paiz.
Em consequencia d'ellas se acharem acondicio-
JSfr^Sra^WS^ia aa^Snas^aa "^ ^
abusando dos recursos de que disp5e, sem deparar .
na actualidade com um Nana-Sai b, que lhe rebata'
a altivez, como j havia rebalido a lyrannia da ce
lebr.e companhia das Indias occidentaes.
Essa companhia a da Navegaco e Commercio
do Amazonas, que exerce urna poderosa ascenden-
cia sobre a provincia e ameaga transviar-lhe os
destinos.
Na cnse eleitoral porque passamos, ella em pro-
va dessa assergao altern profundamente a expres-
so poltica destas regioes para inculcar ao paiz
um pensaraento adverso s conviegoes dc seus ha-
bitantes, alim dc legitimar seus interesses c capri-
chos, e receber* a sanecao moral dos espirites
alheios realidade dos tactos. E que meios se
soedorreu para a consecugao de sous llns ? Quaes
et am m caddWatos, que a provincia verdadeira e
Para o Exm. Sr. ministro da guerra lr.
Aproximando-se a poca das promogdes para o
exercito, conveniente que S. Exc fique intoirado
?ue o 1 sargento do 4 batalho de artilharia a pe
oo Antonio de Barros Lacerda, tendo oumprido
urna sentenga no presidio do Fernando por exime
de estellpnato, segundo a certido abaixo publica-
da, que est sellada e reconhecda, nao pode, nem
deve hombrearse com aquelles que hoje cingem
com honra e dignidade urna banda, e gozara de re-
galas, isenges, etc., exaradas em urna patente Ar-
mada pelo punhO-imperial
Procedendo por tal forma! nao fago mais do qu
mostrar inteoesse, *elo e presar a classe militar.
Recife 31 do outubro de 1863.
O amigo da classe.
Ditos addiciooaes de 5 %.
Ditos addicionaes de 2 %. .
Ditos de baldeagao e reexportagao.
Ditas de ditos e reexportagao para
a Cosa d'Africa......
Expediente dos gneros estrangei-
ros navegados por cabotagem .
Ditos dos gneros do paiz .
Ditos dos, gneros livres ....
Armazenagens.......
Premio dos assignados. .
Despacho martimo.
Ancoragem........
Ditos de 15 % das ernbarcagoes
estrangeras que passam a na-
cionaes .........
Ditos de 5 */o na compra e venda
das ernbarcagoes......
Exportaco.
Direitos de 15 % do pao Brasil, .
Diretos de 5 % de exportagao. .
Ditos de 2 % addicionaes. .
Ditos de 2 % de exportagao. .
Ditoi de 1 % de ouro em barra. .
DitosVdi'/j Vo dos diamantes .
ExpedWntc das capatazias .
\\ Interior.
Mpltas .'.........
Sello do papel fixo......
Dito do papel proi>orconal .
Emolumentos........
Imposto dos despachantes .
Extraordinaria.
Receita eventual......-
Dizimos da provincia das Alagas.
Ditos da provincia da l'arahyba .
Ditos da provincia do' Rio Grande
do Norte.........
Contribuico de caridade. .
387269
7305714
5365418
2:172521'.'
5
1:3625000
7*150
22:6645247
9:063567C
5
i
5
1:2365680
4985807
3695580
605520
295000
815250
185800
406:5035589
185450
4:6035833
6765029
2295800
41?:O315701
Rendimento do mez de outubro de
1862 a 1863........384:0435137
Rendimento domes de setembro de
1861 a 1862........611:5465885
Alfandega de Pernambuco, 31 de onjubro de
1863.
03*escrinturario,
Joao Bernardo uz Pessoa.
I

. ,
\
(



V
\
Diarlo de Pernambuco
Terca feira 3 de Aovcrubro de 1S8S.
leceJ>*dorla de readas Internas todos mandei publicar o presente pelos jor-
ge ra a* de Pcruambuco.
Rendimento do dia 2............ 35)176
Consulado provlucial.
Roadlmento do dia 2............. 1:787,8345
naes cora de lei.
Recife 28 de setembro de 1863, qadra-
gesimo sepundo. da independencia % do im- sa de Misericordia do Recife manda fazer publico
perio do Brasil. ] que se acbam de mez os mordomos, Dr. Antonio
Sauta Casa da Misericordia da
tceifp.
A Illustrissima junta administrativa da Santa Ca-
oow
LEILAO
DE
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios- entrados no Ata 1.
11 ha do Sal20 dias, briguc, nacional Amelia, de
288 toneladas, capitao Joatguim Antonio do Soc-
corro, equipagem 12, carga sal; a Antonio Laiz
de Oliveira Azevedo.
CardilT48 dias, .Jirigne inglez Alma, de 242 to-
neladas, capitao Thomaz Mutter, eqtpagem 9,
carga carao de pedra; a William A Hett.
Para e portos intermedios8 dias c 18 horas, e do
ultimo porto 7 horas, vapor nacional Princeza,
e Joinville, de 917 toneladas, commandante o
eaplrao de fragata Antonio Joaquim de Santa
Uarbara, equipagcm 58.
Natrfat entrados m ta 2.
Hamburgo54 dias, escuna dinamarqueza Mara,
de 92 toneladas, capitao H. Meynr, equipagem
7, carga diferentes gneros; a Theodoro Chris-
tiansen.
Trieste-80 dias, escuna hollandeza Tommo Sytse,
de 183 toneladas, oapitao I. H. Croon, equipagem
6, carga 1945 barricas com familia de trigo; a
N. O. Bieber & C antecessores.
Ass7 dias, hiate nacional Santa Rita, de 3a to-
neladas, capitao Joaquim Antonio de Fgueirdo,
equipagem 7, carga sal; a Tasso & Iruio.
Observado.
Nao houveram sabidas.
Fundeou no lamaro urna galera hcspanlwla,
mas nao tere communieacao com a trra.
Passou para o sul tima barca Ingleza e um pa-
tacho que nao igou bandeira.
Eu, Manoe! Mara Rodrigues do Nasci-
menlo, escrivao o subscrevi.
Tristoode Menear Araripe.
DEC1ARAC0ES.
EDITAES.
Manoel Joaquim Baptista, escrivao vitalicio do ci-
vel nesta cidade do Recre de Pernambuco por S.
M. I. e G. o Senhor D. Pedro II, que Deus guar-
de etc.
Certitlco ser o theor da carta de editos abaixo
transcripta, da forma seguinte :
Carta de editos.
O Dr. Francisco de Araujo Barros, cavalleire da
imperial uniera da Rosa o da de Christo e juiz
municipal da segunda vara nesta cidade do Re-
cite de Pernambuco, por S. M. I. e C. o Senhor
D. Pedro II, que Deus guarde, etc.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo, para forneci-
mento do arsenal de guerra, tem de om-
prar os objectos seguintes:
Para a enfermara dos menores do arsenal
de guerra.
13 coJxoes com os respectivos traves-
seiros.
Para a pbarmacta do presidio de Fernando.
Agua ingleza 12 garrafas, borrachas de
8 oncas 12, ditas de 2 oncas 12, blsamos
de tolu 1 libra, calomelanos 8 oncas, cam-
pliora 2 libras, cantharidas novas 2 libras,
cloroformio 1 libra, citrato de potassa 1
libra, crmor trtaro 4 libras, enxofar subli-
mado 4 libras, extracto de ratanhia 8 oncas,
fiostle panno de linho meia arroba, gomma
Mara de Fara Alves no hospital Pedro II, Bar0
do Livramonto no collegio de orphaas e hospital
Cni finio de (ios para velas.
Terrafeira 3 de novembro ra do Trapiche n. 7.
O agente Pinto far leilo por conta e risco de
dos lasaros, e tenente-coronel Antonio Carlos de quem pertencer de ura lardo com os para velas
Pinho Borges no collegio dos orpblos e casa dos as 11
expostos.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 2 de .novembro de 1863.
F. A. Cavaleanri Cousseiro.
Escrivao.
No da 3 do corrente, depois da audiencia do
III m. Sr. Dr. juiz municipal da 1." vara, tem de ser
arrematado^) escravo de nome Silvostre, idaee de
12 minos, avahado por 400,8, o qual vai praca por
execugao de Jos Fortunato dos Santos Porto con-
tra Candido Thomaz Pereifa Dutra, escrivao Bap-
tista.
,Hoje Anda a audiencia do Sr. Dr. juiz muni-
pal da primeira vara tem de ir a praca por venda
a parte do escravo Luiz, pertencente a Manoel
Jos de Oliveira por xeeucao do Florentino Vel-
lozo Cavalcanti de Albuquerque.
Arrenataco.
Na prac*. do juizo municipal da 1" vara, no da 3
de novembro, tem de se arrematar um escravo sa-
dio, com a idade de 32 annos, canoeiro, avallado
em 450#, por execuco de Joe Baptista Vieira Ri-
beiro contra Candido Thonae Pereira Dutra, es-
crivao Saraiva.
Arrematnco
em oontinuagao ao leilo da typographia.
Arbica 4 libras, iodoreto de ferro 4 oncas, ,m.inhie8t i pseravos nnrlen-
iodoreto de potasse 1. libra, magnesia cal- arrcmn*cao os WRtn ptnen
sinada 1 libra, mercurio metlico 4 libras, | C^nle a neranea do Mano J>se rer-
musgo islndicos2 libras, oleo de figado de'lando da Gm, aitona'iadi* por- tste
bacalhao 2 libras, oxido rubro de mercurio(Diario, para qnapla-feira ullinia, ficoo
8 oncas, papel de filtrar 20 cadernos, P-!transfer'a par sabnade31 do corren-
las de Blancard 20 viiros, pedra ume 4 lt- t r j d aiui;nn(.;a a0
bras, phorphato de ferro de Leras 12 vidros.''
salsa parrilha de Brstol 12 vidros, seringas
de vidro 4, subnitrato de virmutho 1 libra,
sulfato de quinino 4 oncas, trtaro emtico 8
oncas, trtaro de potassa de soda 2 libras,
terebentbina fina 4 libras, valerianalo de
quenino 2 oncas, xarope do bosque 12 vi-
Aros, xarope de Naf 12 vidros, sanguesu-
gas 200
Para a botica do hospital militar.
Assuear refinado 24 arrobas, salsa de Tau-
sende com 12 vidros cada caxa, de 28 on-
F.ini saber aos que a preseute carta de editos cas cada vidro, 2 Caixas, capusillas de figado
viivi e dola noticia tiverem, que Jos Antonio da e bacalho 50 Caixas, cevada 4 arrobas.
Costa e S me dirigi por escripia a pvtico.do
theor seguinte :
Diz Jis Antonio da Costa e S que quer fazer
citar a llaziliano Francisco Pacs Brrelo, para fal-
lar primeira deste juizo, aos termos de um Huel-
lo, em que llie quer |>etiir a quantia de 2o8*$ com
o premio vencido, provouicnte de seis notas pro-
inUsorias, cuno nielhormente expressar em seu
agua de lourocerejo 12 garrafas, acido c-
trico 16 libras, carona 10 libras, gomma
alcalera 4 libras, salsa parrilha 12 arrobas,
linhaca 4 arrobas, maim commum 1 arro-
ba, glycerina 4 libras,valerianalo de alropina
2 oilavas. lindura de caferana 6 oncas, hy-
libc'llo, e porque o supplicante ignora o lugar onde posulfllo de soda 4 oncas, extracto de quina
reside o suppleado, cuja ausencia e incerteza de 4 oncas, raz de altha I arroba, papel de
loar M provado ;u,te o jww do paz do l.-districto mha ,,0 g resmas sa|sa de R|.isto| conten.
da frouczia de b. Aulouiodestacidade, comocons- .', n ., ____ ..
ta da cert.dao junta, quer por isso o supplicante O 24 Oncas cada vtdro 2o vidl'OS, xarope de
bzer cit ir ao supplicado por carta de editos de 30 Naf coin 8 oncas cada vidro, 25 vidros,
dias, por todo o contoado mssta e para os de mato pilulas de Deliaut 20 caixas, xarope de P-
tennos da causa ate real embolso e final execu- np,in nn, o nncas mHi idrn 9S vidrn^
pal da secunda van. a.n o delira.- Espera re- M>pe de Lamaroux COBl 10 on^s Cada gar-
ceber merce.Como procurador, Jos Theodoro rafa, 12 garrafas, xarope de Labcllone com
^omes- urna libra cada garrafa, 12 garrafas, phosphalo
lugardepo
Illm. Sr. Dr. juiz municipal da segun-
da vara.
Corrcio ger^l.
Pela adminislraco do correio desta cida-
de, se faz publico para lins conven ienles,
que em virtude do disposto no art. 138 do
regulamento geral dos correios de 21 de
dezembro de 1844, e art. 9. do decreto
n. 785 de 15 de maio de 1851, se proce-
der o consHmmo das cartas existentes nesta
adminislraco pertencente ao mez de outu-
bro do atino passado, no da 3 de novembro
prximo s 11 horas da manha na porta do
mesmo correio, e a respectiva lista se acha
desde j vista dos inleressados.
Adminislraco do correio de Pernambuco,
24 de otubro de 1863.
0 administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
AVISQS>MABITIMQS.
COMPANIHA PERNAMBUCANA
DE
!avega?5o costelra a vapor.
Ilarei e escalas.
Quirta-fi'iia 4 do corrale, na ra ra
Catkia n 53, rmazem, as 11 horas
DE
I7m <-;t val lo edr ro*iiho. earrgo
l>ai\o. bom estradeiro.
Peto agente Euzcbio se vender em leilo diver- i
sas obras de marcineiria, bem como de amarello, j
una mobilia, camas de balaustres, tanto para casal i
como para sol teiro, mesa elstica com 18 palmos'
obra forte e bem acabada, guarda louca, estante ,.
para livros, mesas, cadeiras, cama franceza para
menino, com grade de palha dos lados, berco
grande de faia, quadros religiosos, cabide de iaev
randa e urnas obras de ouro, adereces, pulseiras,:
e um faqueiro de prata, obra do Porto.
DE
Mobilias, crystaes e oufrosmuilos
objectos.
Qulnta-felra, & do correte,
as dez e meia horas da iiiauha.
No armazem, primeiro e segundo andares \
do sobrado da travessa do Vigario n. 27,'
oitao do Corpo Santo.
O agente OLYMPIO, no dia, hora e lugar cima,
vender os objectos seguintes :
l'ma mobilia de Jacaranda composta do 12 ca-
deiras de guarnirn, duas ditas de braco, duas di-
tas de balanco, um sof, dous consolos com lampos
de podra marmore e urna mesa de mel de sala
rom dito, duas mobilias brancas de faia, um guar- *>
da-louca, um guarda-vestido, um guarda-roupa, um
lavatorio de mogno com pedra, apparelhos de lonja,
pares de lanternas, tinta cama franceza, quatro ca-
deiras de charo, apparadores, lavatorios, mesas
para jantar, quadros com molduras, calHdes para
roupa, secretarias, um-sellira, lavatorios de ferro,
urna commoda, candieinis gaz, clices paca vi-
nho e champanha, bidets, urna carroca para car-
neiro, urna caixacom ferramenia. pistolas e armas
de caja, entre ellas urna espingarda de 6 tiros, urna
poTQao de ps de accrusticos para casas e escrip-
torios, c outros muitos artigos que se tornam en-
fadonho mencionar.
20000
800
1*400
800
640
400
560
4/500
1,5000
2/240
7t
560
1000
640
560
AURORA w^k BRILHANTE.
LARGO DA 2*<~ SAiTACRlZ.
Francisco im Fernandes Pires, dono do grande estabelecimenlo de mo-
Ihados denominado AURORA BRILHANTE, avisa ao respeitavel publico tanto
da praca como de fra, e com especialidade aosseus freguezes, que o seu estabe-
lecimenlo acha-se prvido de novo sorlimenlo de bons gneros tanto do paiz co-
mo do estrangeiro e promette vender niuito em conta tanto a retalho como em
grosso:
Biscoutos ingle/es em' latinhas
muilo enfeitadas de varias
qualidades de 10600 a -...
Latas com marmelada nova a li-
bra 720 e......,.....
Ditas com ameixas.........-
Ditas com ervilhas francezas. .
Ditas com fruclas em calda,
500 e..............
Ditas com figos de comadre a li-
bra 3 0 e............
Caixas com passas novas de 8 li-
bras a 30000, a libra 480
Ditas com figos com 8 e 16 li-
bras a 25000, 20500 e...
Chocolate portuguez e hespa-
nhol c francez a libra.....
Queijos do reino do vapor a
2/e.............
Ditos de prato novos, a libra a
640 e........... .
Ditos de manleiga muilo fres-
caes a...............
Vinho do Porto muito fino, ca-
ada a 50600 e 70, e a
garrafa a 640, 800 e ...
Dito da Figueira de marcas supe-
riores, caada a40 e 5, e a
800
garrafa a 560 e .
Dito de Lisboa a 30, 30500 e
40000, e a garrafa a 400,
480 e............
Genebra d laranja, o frasco a
900 e................ 10000
Dita de Hollanda a 640 e...... 10OOU
Spermacete a libra a 640, 720 e 10000
Caixo de doce de goiaba, a
500, 640e...........
Charutos finos, caixas e meias,
deSimas, regala, parisien-
ses, delicias, trovadores,
suspiros, varetas, flor de
S. Flix, Traviata.guana-
bara e muitas oulras qua-
lidades, a 20800, 30000.
30500, 400: >0, 405O e.
!4 Vinhgs. finos engarrafados em
^* caxa a 130, 160 e 200 e
a garrafa a 1/ e....
Copos lapidados para agua e vi-
nho, a duzia a 60500 e .
Caf lavado e de .Moca, a 280,
320 e 36< rs a libra, ea
arroba 80500, 90000 e .
Cha hison superior, a 20560,
20800, 30000 e........ 30200
50000
10500
40000
90500
Finalmente ludo que consta tendente a molhadus encontrar sempre o re- \L
peitavel publico um grande sortimento de boa qualidade e por precos commodos '
T-.
PMXEIKA E ANTIGA CASI FELIZ
MMM1.U,
de pedra e
DR
Um sitio com casa
cal.
Qunla-felra do corrale.
O agente Pestaa com a competente autorisaco
far leilo de um sitio no Arraial cora casa de
vi venda de pedra e cal, aga de beber, teai 300
palmos de frente e mil e tantos de fundo, Toreiro,!
tembaixa decapim, fructeirasde diversas quali-.
dades e tem mais 2 casas de taipa, no Arraial de-
PORTO.
Ra das Flores, \ e 3 (junto a igreja da Misericordia )
PARA
O vapor Camaragibr, comman
dantc Oliveira, seguir para os fronte do finado padre Mauricio onde podo tudo
GRANDE LOTERA DE HESPANMA.
Cuja exfracejo ser ffeita a gg
nelle< de. a sentvnca do theor seguinte : 11 t0 ,e lpulo 4 oilavas, papel brancoi
Aciiaudo-se trovado pelosdepoimcntos de Mhas .. ,, <
a ruinas que o reo Baziliano Francisco Paes Brrelo .paulado 1 resma, folhas de StramoniO 1 ll-;
acha-se ausente em parte nao sabida, hei por just- i bra, crmor ta 10 4 libras, xarope do bos-!
ficada a sua ausencia. | que com 2 e twa libras cada garrafa, 12
:-se por unto, cartas de edits, com o prazo garr,fas pnstillias de Kemp 12 .vidrds, pas-
As cusas serao s
le 30 dias, na fnna requerida.
aUendidasafinal. Recite, lti de outubro de 1863.
Francisco de Araujo Barros.
jiortos cima indicados no dia o
de novembro prximo as 5 horas
da tarde. Recebe carga ate o
Encommendas, passayeiros e dinheim a
dia da sabida as 3 horas : escriptorie
no Forte do Mattos n. 1.
COMPANIHA PERNAMBUCANA
DE
Mavegaco costeira a vapor.
Paraliiba, Natal, Macao, Aracatv, e Cear.
O vapor Miimangnapc, com-
mandante Moura, segu no dia
7 de novembro prximo para es
portos cima Indicados as 5 ho-
ras da tarde. Recelte carpa at
de dezembro de I8G3.
tsEfl ^ist-- "S-rysiilii
ser examinado e o MIS lera lugar qulnta-felra 5
do correte pelas l horas da manhaa no largo
do Corpo Santo defronte da associacao commer-
eial.
AVISOS DIVERSOS.
LOTERA
O abaixo assignado de novo avisa as pes-
soas que tem billielcs cncommendadns, que '
s os guardar at ao mein dia da vespera \
da extraccao. Servindo de tbesoureiro,;
Jos Rodrigues de Souza.
tilbas de Naf 24 caixas, bagas de zimbro
2 libras, agua de Colonia frascos de 1 libra
-Nada inais se coiitinha em dita minlia sentenca, cada um, frascos, COnfeitOS de Strifllina'
pl;;:,'V; ^(V ^ ;.o mcr ,i;,rl^V ch''rr^ qS e ca(I;i ^'-' ^ f""' vkkos crystaos de ^tl*^S'^'Sf^^t!^^U^r% <>Xti'll<)rd Mirld
Re, por citado o reo ausente llaziliano Francisco bocea larga de l libras, 24, vidros crystaes j* ^an7"''1 ,,s ,J twras e.^pwnritjp^ iimmu~+*Mmo^~^~
Pa. s Brrelo, para responder aos termos do libello de boca larga de 8 libras, 24, vidros crys-' ^ .V ,------------A-------------/I
e sua e\ecuco constante da petieo supra trans- ,,,. jp hnen hmi p fi li}>ras 9A vidmo1 "" P*1"* R0 de -An,!iro pretende segHircolh
taesrl.; boca laiga de b noras, 24 vdios muita brevidade o brigne nacional Almirantf : t....^ I11P tew ltpra tranrfiiiara
c co. crystaes de boca larga de 4 libras, 24, vidros ,em parte de seu carregamnnto prompto, e-p.ira o :ta'-'10 'l1^ )\ a ,ol.er,a1 extra01(lm''> na
pouco extrabida. p tambem aos pedidos de
O abaixo assignado attendendo a boa acei-
cripta, sol [tena de revelia.
nhoeidos do dito reo ausente Ihe podero fazer crvstaes de boca larga de 2 libras,24, vidros resto"que lhc falta, trata-se com "os seus consigna-1 P0U(, exiranioa, p lamtiem aos jeaiuos ue
sima flea exposto; para que por'de boca larga 2 libras, 24, vidros de boca "tartos Antonio Luiz de Oliveira Azev*cdo, no seu quasitodos os compradores de bilnetes, de-
ute do ipieaci
si on |ior sen procurador se aprsente peranle esle
juizo com a defeza que tiver. E o porteiro do
/1 publicar e auxar a presente no lo-
gar do costme e mais publico, depois de haver.
transitado pela chancellara.
Hala e passada nesta cidade do Recife do Per-
namlmno aos 21 de outubro de 1863.Eu Manoel
Joaquim Baptista, eserhrio que o subscrevi.
Francisco de Araujo Barros.
Vat pagar 2.'0 rs. da direitos de chancellara.
Recife, 21 de outubro de 1863.Baptista.. 422.
Rs. 230.Pagou duzentos e cincoenta res de
aireaos de chancellara. Recife, 23 de outubro de
1;:.i'.iiaves. Fonseca Vellozo. Armas im-
periaes. -N. 228.Qaatroeentos rs.Pagou qua-
otos res Recite, 23 de outubro de 1863. -
Chaves. Sena.Esjava o sello das armas inipe-
riaes da chancellar.0 Francisco Baltliazar'da
Silveira. firesidentc.Transitou pela chancellara.
Recife. i't de outubro de 1863. escrivao Fran-
o dos Iteis Nunes Campello Jnior.Lancadn
;i fulbas 17 do competente livro n. 13. Ili'eile, 24
de outubro de 1863.Campello Jnior.
Nada mais se coniinha em dito ediul, aqu fiel-
mente copiado do original ao qual me reporto :
esta ra conferida e concertada e por mim subs-
cripta e assignada nesta cidade do Beeife do Per-
nambuco aos 2i de outubro de 1863.Fiz oscre-
vereassigno.Em fe de verdade, Manoel Joa-
qon Baptista.
0 i. Trislio de Alencar Araripe, official
da imperial ordem da Rosa, e juiz de
direilo especial do commercio desta ci-
dade do Recife, capital da provincia de
Pernambuco, e seu termo, por S. M Im-
perial e constitucional, o Senhor D. Pe-
dro II, a quem Deus guafde, ele
,^trr^sirbef aos que o presente edital vi-
' rem e delle noticia tiverem, que no dia 3 de
novembro do crtenle anno, se ha de arre-
matar por venda a quem mais der o seguin-
te : um sitio com quatro caas, no lugar das ^ to^So^tSwT
Aras, tendo a primeira dezesete palmos de jos Jfara da (kista Pinto.
larga .
estreita de meia onca24, vidros de boca 1 e.scriPtono rua d:l Cruz n-!
estreila de 2 oilavas 24, boioes de porcela-
na de 4 oncas 12, ditos de dita de 2 oncas
12, tarjas sorlidas para vidros 300; todos
estes vidros devem ter rolhas de vidro.
Quem quizer vender taes objectos apre-
seniem as suas proposlas em carta feixada
na secretaria do conselho s 10 horas da
manhaa do dia 4 de novembro prximo vin-
douro.
Sala das sessoes do conselho administra-
tivo, para fornecimento do arsenal de guer-
ra, 28 de oulubrode 1803.
Antonio Pedro de S Brrelo,
Coronel presidente.
Sebastio Antonio do liego Barros,
Vogal secretario.
FRKNIOS.
1 de .........
1 de i ..........
i de...........
2 de 20,000 pesos fortes......
10 de 10,000 ditos........
15 de 5,008 ditos........
30 de 2,000 ditos. ...:...
100 de 1,000 ditos........
2816 de 500 ditos........
9 de 1,000 ditos cada um para os -9 nmeros
da dezena que obtiver o premio de 3iK),000
pesos...... ...
9 de 400 ditos para os 9 ditos dita do de 1,000
peSS. .,
2 approxmagesdel,000J>eoS('a(la uma Para
os nmeros anteriores e posterior ao premiado
com 300,000 pesos. .--k
2 ditas de 700 pesos para os ditos~dre'r,QttOP/-
2 ditas deSOO pesos para os ditos do de 50,000 pl
QRKHOr/RHAl,
Rclaro das cartas senaras viadas do norte e das
existentes na adminislraco do correio desta ci-
dade para os senliores abano declarados.
Antonio Alves de Miranda Guimaraes.
Antonio de Castro Alves.
Antonio Esteves dos Innocentes Ribeiro.
Dr. Antonio Jansem de Mattos Pereira.
Barita de Guararapes.
Dr. Cypriano Fenelon Guedes Alcoforado.
Daniel Cesar Ramos.
D. Eufrazia Mana de Jess.
Francisco Moreira da Costa.
Ignacio Gomes Porto.
Jeronymo Ribeiro de Soma.
D. Joanna Baptista dos Santos.
Padre Joaquim Mauricio Wanderley.
Dr. Joaquim Jos de Campos.
D. Joanna Francisca Paes Brrelo.
Joao Azedias Machado.
Joao Mitn Delinques de Souza.
vido isso ao exoeliptite planudas loteras e: -
Para o Rio le Janeiro traordinarias, approvado pelo Exm. Sr. pro- nrpmmq pm in non
pretende seguir com muita brevidade o patacho sidente da provincia, tem exposto venda premios un OU,UUU
nacional fluido, lem parte de seu carregamento os billietes da seguida lotera extraordina-
prompto : para o resto que Ihe falta e esrravos a i mrriM-i no dia fi iIp roripnle mez
frete, trala-se com os seus consignatarios Antonio rid. /lue toirera no na o ue coi teme mez.
Lniz de Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio,' sendo a lerceira parte da segunda da San-
rua da Cruz n. i. ta Casa da Misericordia, e espera do res-
----------------Aracatv-----------------1 peitavol publico a compra dos bilhetes, pois
O hiate bous IrmSos, sepue uestes dias : a tra- assim contribuir para o beneficio da Santa
tar com o Sr. Joao Alves de Quintal no irapchc do1 Casa da .Misericordia, reunindo o til com o
algodao. agrada vel.*1
bilhetes.
Peses fortes. llocda portugueta.
300,000. ours. 270:0005000
100,000
50.000
40,000
100,000
75,000
GO.OCO
100,000
1,408.000
9,000
3,660
2,000
1,400
1,000
90:0000000
45:0005000
30:0005000
90:0005000
67:5005000
54:0005000
9:0:0005000
1,267:2005000
8:1005000
a.-24.wi$.
mmR
A
:80050()O
Bilhetes inteiros a
Meios bilhetes a
Precos em moeda forte.
, 1205000 | Quintos de bilhetes a
. G05000 Decimos a ,
l:2G0/00o
900.5000
2,025:00^5000
245000
125000
Pitia o Kiode Janeiro
deve sahir com brevidade a escuna nacional Cam-
poneza : quem nella quizer carregar ou embar-
car escravos, pode dirigir-se ao largo do Corpo
Santo n. 6, segundo andar, a tratar com Marques
Barros & C.________________________________
ara o (lear
O palhabotc Garibaldi tem parte da carga : pa-
ra o resto, tratase com Tasso Irmaos.
IEIL0ES.
LEI 10
largura e quarenla de fundo, de laipa, em
tni estado, avahada poi cincoenla mil ris;
a segunda com vate sele palmos de frente
e quarenla de fundo, de taipa, em mu es-
tado, avahada por setenta mil ris; a lercei-
ra com quinze palmos de frente e quaren-
la de fundo, de taipa. em mu estado, por
quarenla muris; a quarta com dezesete
va linos de frente e quarenla defundo, de
taina, em mu estado, avahada por cinco-
enla mil ris; Um sitio junto as mesmas
catas, com sessenlaequairo palmos de fren-
te e seiscentos e dez palmos de fundo, com
cacimba e alguns arvoredos, sendo a largura
Infundo do sitio, cento equarenta palmos,
<;in trras foreiras, avahado por duzentos e
'iucnenia mil ris ; uma casa terrea na ra
Imperial, n. 278, com vinie e cinco pal-
mos de frente e quarenla de fundo, com
da iijollo e parte de barro, com o reparti-
inento de barro, e um terreno ao lado, com
viole e cinco palmos, em completa ruina,
cojos fundos deilam para o ro Capibaribe,
Ierras foreiras a marinha, avadada por du-
;:efitos e cincoenta mil ris, as quaes foram
icnioradas por e-xecucao dos curadores fis-
aes da massa fallida de Amorim, Fragoso,
5- autos & C., contra Francisco e. Barros
liego.
E nao bjvaodo lanzador que cubra o pre-
co da avnliaclo. a arrematnco ser leita
(.al. valor da adjodic^cao,com o abalimentol*'- ffSTZZS^&l
oU lei.
K para que chegae ^o conhecimenlo de
Loica Francisca dos Anjos.
Miguel da Silva Pereira.
Manoel Ignacio Praz.
Tenente Manoel Joaquim de Souza.
Dr. Manoel Jos Pereira de Mello.
Manoel Feleraon Fernandes.
Vuva de Ventura Pereira Penna.
Correio eral.
Pela administrggo do correio desta cidade se
faz publico que as malas que tem de conduiir o
vapor nacional Princeza para os portos do sul, sa-
rao fechadas boje (3) as3 horas da tarde: as cartas
admettidas seguro serao recebidas at 2 horas da
tarde, e es jornaes at meio dia.
Inspecto do arsenal le- marinha.
Faz-se publico que a conimissao de peritos exami-
nando na forma determinada no regulamento an-
nexo ao decreto n. 1324 de S de feveretro de 1854,
o casco, machina, caldeiras, apparelho, mastrea-
cao, veame, amarras e ancoras do vapor Cmara-
qibe do servico de reboque, achou todos esses ob-
jectosem regular ostado.
inspeccio do arsenal de marinha de Pernambuco
31 de outubro de 1803.
O inspector,
H. A. Barbosa do Almeida.
Thesouraria provincial le Peraamlnoo
Saldo em 31 de outubro de 1863.
Caixas :
Exercicio de 1863 a 1864....... 31:261*808
Calcamento.................... l:890fiSOO
Depsitos dinheiro.............. 4:1655267
> arenes................ 133*600
letras................ 386:215*209
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, manda fazer publico que do dia 3 do correle
por dianle pagam-se os ordenados dos emprega-
DE
TOUCIHO
De 30 jacazes com superior toucinho de Minas,
chegado no dia 30 do passado pelo vapor Tocantins
o qual ser vendido por couta e risco de quem
pertencer e ser vendido em lotes vontade dos
compradores assegurando o agente Pestaa a quem
est incumbido o Teilao fazer muita onta pois que
a meihor qualidade que tem vindo a este merca-
do : ser o leilo terga-eira 3 do corrente pel-as 10
horas na porta do Aunes defronte da alfandega.
LEILAO
DK
Urna luja df.alfaiate ru do imperador
n. 401; mobilia.
t'OJK
As 12 horas em ponto.
O agente Pestaa legalmcnte autorisado vender
em leilo por conta de quem pertencer uma loia
o /(piado Ferr ra Horiz,
COM I.OJA I)K CAMBIO E BILHF.TKS DE LOTK11IAS
Os bilhetes e meios acham-se venda na Aflautado MO governo civil do Porto, em conformidad? do edital
respectiva thesouraria ra do Cresqo'n. lo de SS de junho de 1800.
e as casas commissionadas ra da Impera-. Satisfaz com promptido todas as encommendas que Ihe sejam feitas, mesmo em
triz n. 44, toja do Sr. Pimentel; ra Direita i grande quantidade e pelos precos cima indicados, vindo acompanhadas do seu importe ;
n. 3, botica do Sr. Chagas; ra estreita do ;e no flm da extraccao remeneas listas dos premios. N. B. Sendo a encommenda de
Rosarlo n. 12, typographia do Sr. Mira crua
da Giidcia n. 4i, luja do Sr. Porto.
Os premios de 10:0000000 at 200000
serao pagos logo depois da extraer ao at as
4 horas da tarde e os outros no dia seguinte
depois da distribuirlo das listas.
Servindo de tbesoureiro,
Jos Rodrigues de Souza.
O Sr. Jos Francisco Pinto Guimaraes, cirur-
gio pela escola real de cirurgia de Lisboa, Irans-
ferio a sua residencia para a ra Nova, n. 60, pri-
meiro andar, onde pode ser consultado todos os
dias uteis, das 7 ? 10 horas da manha, acerca de
enfermidades denominadas cirurgicas ou externas,
especialmente daquellas, em cujo IraUmenlo mais'
frequentemente inlcrvem a medicina operatoria.
ACUGA-SE '
o sobrado de um andar da ra de Aguas-Verdes
n. 5o : a tratar na na do Queimado n. 40, das 10
da manhaa s 2 |2 da tarde._________________
O abaixo assignado, tendo annunciado por
este jornal em data de 24 do corrente, que tencio-
nava sahir do estabelecimento de calcados do Sr.
Luiz Antonio da Silva, vmn boje offectivamente fa-
zer publico, que desde 27 deixou de ser caxeiro
do dito estabelecimento.
Recife, 2 de novembro de 1863.
Antonio da Cruz Ribeiro.
cinco bilhetes para cima, faz-se o abatimento de 5 por cento.
Para informacSes no escripterio da ra da Cruz _. 19,
DE
DE
J. VIGNES.
N. 55. RrA BO IMPERADOR N. 55.
Os pianos desta antiga fabrica sao hoje assaz conhecidos, para que seja necessario insistir sobre a
sua superioridade, vantagens e garantas qnb offerecem aos compradores, qualidades estas Incontesta-
ves qu eellcs tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca p
veis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Dlondol, de_Pars, socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposicoes.
No mesmo estabelecimento se acha sempre um explendido e variado sortimento de msicas dos
uielhores compositores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido
por procos muito razoaveis.
Nudanca.
Henrique Azevedo mudaram o seu armazem
O abaixo assignado agradece do intimo do
seu coracao a todas as pessoas que se dignaram
soeeorre-lo por oeeasiao do incendio que infoliz-
iT*88 Tn-feSt0t!, nSe" ^''lllT^hff do fazendas da ra da Cruz n. 57, para a ra da
de alfaiate na ra do Imperador n. 40, constando molbados silo a ra dos Pires n. 1. h como oanai- ^^ n 34
de paletots de panno, casemlra, casacas, calcas de xo assignado reconhece que, sem os esforcos em-'
casemira e brim, colletcs de dito, pannos pretos,
casemiras brns, camisas de meia, gergaroes pre-
tos e de cores, sedas para forro, botos de todas as
qualidades, um fiteiro de amarello, 1 cofre, mesas
e carteiras e muitos outros objectos que serao pa-
tentos.
Em seguida uma linda mobilia branca ameri-
cana, ricos quadros, relogios de parede, lindos en-
feites para cima de mesa, cadeiras de balanco,
commoda, lavatorio, marquezas, guarda louca.
louca, espelhos dourados e muitos outros objectos
que seria enfadonhoo enumerados e que serao
patentes terga-feira 3 de novembro de-1863.
DE
Im prlo, uma machina de aperiar pa-
[ mais perteners da4ypographia
da roa rio-Trapiche n. 7 e alpns
movis.
HOJE*
O agente Pinto far leilo a requerimento de D.
Emilia Vianna Andreus por seu bastante
procu-
osuioviaciats, eocidos no mez de ontuhr pro- rador e por despachlo Illm. Sr. Dr. juiz de at-
_mo Ando. Secretar da thtsourana provincial pbaos da tvpographia com saus^Btences e alguns
O secretario^
A. F. d'Annunciacao.
movis oxwte-tes uo sobrado da ra do Trapicha
o. 7, pertencente ao CaUecid Joao Andreas, s 40
horas do dia cima dito no mesmo aobrado.
pregados felas autoridades polieiaes, eompanliia de i Constando a direceo da soeiedade Bella Har-
artilices e mnitas pessas do respeitavol publico, i monia que alguns qudam propalan quo ella fra
em salvar quasi todos os seus gneros da voraci-: despedida do club na noite do dia primeiro do
dade das chammas, estara hoje reduzido a nada corrente, declara a mesma que se l compareceu
possuir, vem por meio da imprensa confessar-se [ fo por convite especial do secretario do mesmo
eternamente grato para com todos os sous protec-1 club, c que se retirou da ra de i
tores.
Recife, 2 de novembro de 1863.
.Joaquim Antonio Lopes Gomes.
tade.
Lonrenoo.
ftocle ehore.
De ordem da presidencia fago saber que a soeie-
dade nada deve a pessoa alguma ; havendo porm
alguem que se considere seu credor, aprsenlar
!_\
Fugio o preto Lourenco- no dia 28 de outubro
prximo passado, com os signaes seguintes boa
altura, bem cheio do corpo, pouca barba, cara lar- a conta ao Sr. presidente para ser paga com sua
ga, com urna queimadnra fresca no braco direilo, ordem.
I evo ii vestido camisa de baia azul, acom pan hada
por dentro de uma camisa de algudiozinho feila
muda de palito, calca de estopa bem grossa e muito
larga de penas em uma das quaes tem uma cor-
rente com que anda va em casa, e islo talvez jte-
nliamudado, tem bastantes cicatrizes as eostas
que diz ser proveniente do bobas ; costuraa andar
Hecife 2 do novembro de 4863.
J. M. do Amaral.
Thesoureiro.
- Aluga-se o l. andar do sobrado na ra Di-
reita n. 9 : a tratar no Io andar.
- Aluga-se uma rasa ierrea na ra do Rosario
"o
de carapuga de panno na cabeca : rwem o pegar n. 44, no bairro da Boa-Vista : a tratar na ruajl
sirva-se leva-io a ra ltoal do Mangninho, taberna Queioiado n. 26. w
e nadara do Jos .uitonio Carpinteiro da Silva,
que ser bem recomin-sado. .
Aluga-se o sitio denominado dos quatro ledes
sa Soledade, com grande casa de vi venda, cochei-
ras, estribaras e muitos arvoredos, tanque para
Precisa-se de um caixoiro de 12 14 annos:
na ra do Rangel n. 69.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado n. 3.1
da ra da Praia, acabado ha pouco : quem o pre
A na. tender dtrya-se ao segundo andar do mesmo, alu-
Precisa-se de uma mulher forra on escrava que ga-se barato e tem commodo para "familia.
banho e poco com exceb;qte agua : quem o pre- saiba cozinhar bem e que seja diligente para casa Precisare de uma ama de meia idade que
.tender dirja-se ao mesmo sitio das 4 horas d tar- i d- farro Ha, s pronriamente para cozinhar : na ra bem saiba cozinhar, para tres bobmbs : no pateo
de s 7 da noite, ou annnncie sua residencia. Vio Queimado n. 39, loja. I do Paraizo n. 10 se dir o pretndeme.
<_
Precisa-so de urna ama para cozinhar e comprar.
na ra Direita n. 45._______________________
Aluga-se a casa terrea da ra do Palacio do
Bispo n. 14, com bons commodos : a tratar na pra-
ca da Boa-Vista u. 20.__________________
Precisa-sa de uma preta ou preto para alugar,
para andar com lazendas com outra pessoa : a
tratar na ra do Queimado n. 11.
Deseja-se muito fallar com o Sr. capi--
to Manoel de Souza Leo Jnior a negocio
de seu interesre : na ra da Aurora n. 86,
primeiro andar ,
Aluga-se um sitio em Santo Amaro, sebrado
concertado de novo, para uma grande familia, com
dous viveiros de peixe : a tratar na ra da Craz
n. 51. armazem.
Aos Ars. de engemlM.
JosFelicianoNazareth vende assuevr de cora-
misso tirando 2 por cento, sem adiantar dinheiro :
quem quizer o pode procura-k) na roa da Praia,
segundo andar, n. 33.


MUTILADO
_>


Diario de l"*-uan.buco Ten?* ielra 3 de Xoveiubro de tS3.

FAZENDAS DE BOM GOSTO.
PASA 7ESTIDCS.
Superiores cortes de gorguro de seda com flores matisadas os mais modernos que tem vindo a Pernambuco.
Ditos de-raoreantique de cures, de lisias, de flores, e achanialotados, cores mui lindas.
Ditos de moreantique pretos de palmas com barra.
Lindos cortes de grenadine de seda com barra e cbale igual.
- Ditos de lita com barra matisada c damesma or, a imperatrizpelo barato preco de 105, 125, 18J e 20 cada corte.
Ricos-vestidos de blonde para noiva com lindas mantas do fil de eda, de blond e com capella.
Ditos de cambraia brancos bordados a 25, 155, 255 e 355 cada corte.
Lindas laas lisas linas a 500 rs. o covado.
Ditas de quadrinhos e do flores a 400, .500 e 600. rs. o covado.
Superiores organdvs com listas de seda, os mais modernos que tem vlndoa Pernambuco.
Lindas cassas de cores de superior qualidade a 400,500 o 640 rs.a vara; assim
Como.um variadosortimento de percales, chitasIrancezaSa 280,320,400,500 e 640 rs. o covado, e oulrasmuitas fazendas que
seria enfadoobo mencionar.
PARA HOMBROS DE KHit IIORAS.
Deseja-se saber quem a pessoa que tem o
direito de receber os foros, cent relacao ao sitio na
.estrada do Luca, pertencente a Antonio de Souza
Rangel; e roga-se a quem se julg.tr nessas cir-
cunstancias, e nesse direho, se aprsente em seu
proprio interesse na ra da Gloria n. 86, dentro do
praso de 8 dias, a contar deste, mesmo a fim de
nao se chamar ignorancia nem poder allega-la,
'a proposito de qujilquer negociara que por ventu-
ra se haja de fazer sobre este sitio.
Manteletas de seda pretos a 18.
Capas pretts de grs a 255, 305 e 355.
Ditas muito superiores a 405. 455 e 505.
-Superiores santiembarques de casemira.
Ditos ditos de lindas laazinhas lisas ede quadros.
Ditos de seda pretos e de cores.
Ditos de musselina de seda chineza.
Superiores manteletes de torcal pretos.
Lindos chales de musselina e de chally matisados eem listas de seda.
Novos chales de torcal c outros muitos artigos modernos.
Alinese.
[Ra do Queimado m. IO lo-j
ja de Ferro *i Mala
Vende-so nova e linda fazenda pro-
pria para vestidos de senhora e roupa de
meninos pelo diminuto preco de, 300 rs.
o covado.
Criado.
Precisase de urna boa engomraadeira que en-
tenda de cosinha e de um preto forro ou captivo
para servico de ra : a tratar na ra da Cruz n. 5,
escriptorio.________________________
Precsa-se de urna arau para continuar
e concluir a amamentacao de urna crianca :
na ra estreita do Rosario n. 31, terceiro
andar.
LOTERA.
G484 D4 FORTUNA
O abaixo assignado faz sciente ao respeitavel
iublico que vendeu nos seus muito afortunados bi-
lletes garantidos o bilhete inteiro de n. 235 com a
sorte de 5:0005000 e outros muitos de 1005000,
405000 e 205000 da lotera que so acabou de cx-
trahir a beneficie do Gymnasio, e convida aos pos-
suidores de ditos bilhetes virem receber seus
respectivos premios sem descont algum em seu
eslabelecimento da Casa da Fortuna," ra do Cres-
i po n. 23.
O mesmo tem exposto venda em sua dita casa
e as outras do costume, os novos e alortunados
u nas uuuas hi> i omuiih vs mu>u> i,uiiuimuus ,,
bilhetes garantidos da segunda lotera extraordina- irb' *
Rl'A 110 QlllMft N. 63
toja do belja-ftor.
Facas para meninos.
Vendem-se faquinhas para mentios a 240 rs
ditas de balanco de ura boto a 280 rs. otalher.
Grvalas para senhora.
Vendcm-se gravatas para senhora a 500 lo
800 e 15200. ow' 9W>
Fitas para debrum de vestido.
Vendem-se fitas para debrum, de Iinho, a 240 a
peca com 10 varas, dita de 13a a 800 e 15, dita de
seda a 15200. e
Peanas de aro de Janea.
Vendem-se caixinhas de pennas de aro de 200
cuja sorte ruaior e 10:0009000, a beneficie I & Pr bordar.
< i' A* tiiaurbuirA miA in ovtrahir I Vende-sc la para bordar,

PARA CARENA RE SEMHORA E IIKIIIOS.
Superiores enfeites de flores, gostos os mais modernos em Pars, chegados pelo ultimo vapor francez.
Lindos chapeos de palha da Italia enfeitados com muito gosto, a Imperatriz e a Valeroy.
Ditos de palha para meninos e meninas.
Ditos de seda bordados. .,..-. j j xa ,
Entremoos bordados largos o estreitos, tiras bordadas largas e estrenas, tiras de fustao bordadas para calcas de meninas, saias
bordadas e outros muitos artigos de gosto por preces mais comraodos do que em outra qualquer parte : na ra do Crespo n. 13, loja
das columnas de Antonio Corroa de Vasconcelos & C.
Muga-se o segundo andar do sobrado da ra
do Nogueira n. 19, e a casa terrea da ra do Jas-
iiiiiu n. 10, cuja casa est pintada e caiada de no-
vo : a tratar na ra Direita, loja de ferragens n.
73, ou na Capunga, (porto do Laserre), defronte
da casa da Sra. viuva Carvalho.
EXTINGITEiW-SE
AS FORMIGAS.
Com o emprego das velas mixtas cranoslas de
ingredientes taes que, estes daninhos insectos aspi-
rando urna so vez a fumara deste lethal mixto,
, morrem inevitavelmente ; o que nao acontece com
as velas mixtas comrauns, as qnaes longe de. mata
' rem pela fumaca, obram pelo excessivo calor, o
que as torna carissimas, atiento exigir duzias para
o effeito de urna s, das do systema do fallecido
.lyrolhechinico Rufino. Para amostras c encommen-
ils no oilo da secretaria de polica, armazem da
bola amarella.
ESTRADA DE FERRO
DO
RECIFE A S. FRANCISCO
Do da de novembro de 18C&3. at segundo aviso, as horas das
partidas dos trens sero reguladas pela tabella seguate:
TREIX'S l'AHA O INTERIOR
Dias le trahalho D"iiilug>s e dliis santos
231UII&13. l'aftng.>ir)!f lia 1.3. 3. olaa -< HafCaMfall e pa**eg*i ro de e 3 ll.lSS.'. l'assgeiro ia 1. i. e 3 da** Passageirosde i.', 2." e 3.* classe.
SAN 11A A TARDE TAllliK HANHAA TvUHE
II 8 8 8 8 8 9 9 9 9 10 10 10 11 11 11 12 12 M. 0 8 18 35 47 18 33 47 0 27 45 3 22 40 0 2S H 2 2 3 3 1 4 4 b 5 M 30 50 0 30 5 25 4s 5 25 11 5 5 5 5 6 6 K. 15 2S a 3 40 15 II 7 7 8 8 8 8 9 9 9 9 10 10 10 II 11 11 12 M. 45 53 3 10 32 45 1 15 2-40 fi 23 41 1 18 38 0 II. 5 5 5 5 6 6 M.
30
38
48
17
30

__
_
Rscada............ Frexeiras......'."....
Piibcirao............
^
__

liiIVS DO INTERIOR
Dias Ueroi p .a ros 3 tr. bal lio lis.:;;>-. f, lias santos
V JW 44)23 1' aaa| ,1- 1 3 MAN pin.-, i. e Uri. .1. i. r PaSHjCCffRM da i., i. 3 il..s-p. Passagrivos de 1", 2.J e i claese.
HAA SI A MI A A TAI l>F. HANHA TARPK
t II* 6 6 7 7 7 7 II. 51 17 25 N 4f. 11. J M. 11. 1? 1 1 1 2 2 3 3 3 3 4 4 4 4 4 5 II. 45 9 20 46 S 22 3i o 17 30 43 0 13 3 42 52 o H. 6 6 7 7 7 M. 30 43 5 12 22 11 1 1 t 2 2 2 i 3 3 3 4 4 4 4 i 5 5 M.
8 8 8 8 10 10 1(1 II 11 11 12 1 0 27 52 17 fi 35 50 10 30 45 15 0 0
2i
Cuyamboca....................... li.iinclcira........................ 1 roxoiras....................... K.sc.til.t......................... Timb Assii...............,...... Olinda......................... 45 3 23 41 59 25 36 4-< 0
15
28
50 57
7
7| 30 15
^. H. as st'mjn.trts.fiir.ts i s.-ihhrtHnc n rem mi V u fin rartra A 119 mura iros nao lartir 1 de
Conipanhla Odelldade de
seguros martimos e ter-
restres estabelecida no
Rio de Janeiro.
AGENTES EMPEPNAMBUCO
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo k C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
ras e predios no seu escriptorio ra da
Cruz n .1.
Re bate-se
notas das caixas filiaos do Banco do Brasil, bilhe-
tes premiados das loteras do imperio e estrange-
ras, com tanto que nao tenham cahido em pres-
cripcao : no armazem da bola amarella, oito da
secretaria da pol ca.
Manoel Jos Pereira Marinho, captao do
! hiato nacional Tyno, faz lcilao do mencionado n-
vio, com todos os seus pertences no estado em
, que se acha, ancorado no porto do Ass, por ter
encalhado ao entrar da barra no da 4 do prximo
passado, por conta e risco de quem pertcncer,
quiuta-feira o do corrente, porta da Associacao
Commercial, pelas 10 horai da manhaa, por inter-
na,
da Santa Casa da Misericordia, que seextrahir a
6 de novembro prximo, e as sortus que oblverem
sero pela mesma forma pagas.
Precos.
Bilhetes inteiros..... 12,5060
Meios bilhetes...... 6O00
Para as pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Bilhetes........ 115*00
Meios......... o600
Manofl Martins Fiuza.
65800 a.bra. .e cores claras, a-
Itonecas de [chdro.
Vendem-se bonecas de cera a 800 rs. e 1>, ditas
i com mascara de tirar e botar a 640 e 800 rs., das
' sera mascara a 200, 400, 500 e 800 rs.
Colberes de metal principe.
Vendem-se colhes de metal principe muito finas
i a 15 e 25500 para cha, ditas para sopa a 250OO o
. 45800, concha para assucar a 65400.
Facas e garios.
Prccisa-se do um moleque para o servico! Vendem-se facas e garfos a 25800 a dnzia, ditas
interno de urna casa: na ra Direita n. 43, pri- j cravadas a 35, ditas de cabosprelos a 25200, ditas
meiro andar.
Dase dinheiro a juro :
n. 12, taberna.
no pateo do Tere*3
Traspassa-se a chave de urna casa terrea, si-
ta no bairro de Santo Antonio com tres quartos,
duas salas, cozinha fra e quintal todo plantado 1
com gosto, forrada de papel, o quarto da frente e a |
sala de detraz assoalhada : o aluguel de 235000
por mez : quem a pretender drija-se a ra do Im
perador n. 16, armazem. _________________
Aos prelcnileiitcs
J est v.isiii o sobrado de um andar da ra do
Hospicio n. 24, com muito bons commodos para fa-
milia : a tratar no mesmo.
de cabos de balanco com 2 bdtdes a 65800, dii.ts
para doce a 55600, ditas de um boto a 65, ditas
para doce a 55.
Babados bordados.
Vendem-se babados bordados proprio6 para saia>
ou calca de meninas a 400 rs. a tira.
Chicote para cavallo.
Vendc-se chicote para cavallo, para os amanles
A I SUIM) renlo.
Na taberna do Campos, na ra do Imperador n.
28, vende-se o rento de charutos suissos a 15000.
Precisase de una ama para todo o servico
de casa : a tratar na ra de Hortas n. 128, so-
brado.
Consta que um moco, menor de
3ue fez apenas urna viagem, e de passagem a una
as provincias do imperio, pretende requerer ma-
tricula de praticantc da barra, com o lira de ir
continente prestar exanie de habilitado para diri-
gir navios em suas entra las c sabidas. Poder-se-
ha adralli-lo a isso, em vista do art. 7. do regula-
vencao do agentePestana. O inventario estara pa- meato de 8 dc feVereiro de 1854. Espera-se que
que passam festa a 640 e 15.
Meias para senbora.
Vendem-se meias para senhora muito finas a
25'tO0 a duzia, ditas para mininas a 25.
Papel de diiersas qualidades.
Vende-se papel de beira dourada a 15200, dito-
[ amizade a 610 e 800 rs., dito pautado a l5, dito
adamascado a 900 rs.
Anvelopes de diversas qualidades.
Vendem-se avelopcs brancos a 800 rs., ditos de
cores a 640, ditos para cartao de visita a 300 rs.,
ditos pretos a 800 rs.
Tendo recebido ricos apparelhos para senhora,
_______.; de mousacos e camapheos verdadeiros, vendem-se,
18 annos,, de mousaco a 65500, dito de camapheo a 135.
Uomius e visporas.
Vendem-se dminos muito linos a 15100 e 15400-
e visporas a 800 e 15-
tente no acto do leilao.
Francisco 'la Silva Ca
dozo faz sciente a todos os
seus dtveilnrcs que nesta
i d la tem autnrisado ao
Sr Antonio Jos d* Si-
queira para liquidar to
1I0 o activo da sua casa,
portanto seus devedote
i pe queiram entender cont
i mesmo senhor respeit ao
I pagamento de seus debi
I tos no prazo de 8 dias, e
pode ser procurado na
ra do Imperador n 0
liecife, 23 de outubro de
1863.
a ttenedo.
A abaixo assignada, mulher de Francisco Gon-
calves Fortes, pede a este senhor que venha buscar
os seus lilliiuhos que os deixou forae c a miseria
I deste mundo ; ha 10 mozos que nao d um pao a
estas pobres crianzas ; pos estesenhor bem sabe
! que a m da abaixo assignada nao tera meios para
1 si, c c mo ter para tantos!!!
Candida thereza de Jess.
Precisa-se de urna ama que compre, cozinhe
e engomme, para casa de pouca familia : a tratar
na praca da Independencia n. 5._____________
Contina a haver pao de senteio novo nos dias
Iquartas esabbados de cada semana, na nadara
! em Santo Amaro ao p da fundigao, na ra da Im-
j peratriz n. 22, e ra do Brum, confronte o chafa-
riz n. 47, ra das Cruzes, deposito n. 39, na Pas-
' sagem, taberna da esquina do Sr. Bcnto, que vira
para o Bemedio, e
o Exm. Sr. captao do porto, no seu despacho ao
requerimenlo do pretondeiite, como sempre far
justica, respondendo assim satisfactoriamente a
pergunta do Lemeiro.
Precisa-se de urna pessoa de 16 annos para
tomar conta de nma casa de rancho perto desta
praca : quem estiver nestas circunstancias, diri-
ja-se s Cinco Ponas n. 66, as quartas-feiras e
sabbados.
- Manuel Ainbrozio da Cunceieao Padilha pede
encarecidamente ao Sr. Ilraz Antonio da Cunha
Albuquerquc que lhc declare por este jornal se
certo dizer o Sr. Braz que hontem (nao em presen-
cado Padilha) que eslava disposto a raanda-Io ar-
rastrar do templo para fra.
da Penha n. 10.
Multa atteneo.
Precisa-sc fallar com quem for carrespondenle,
enrarregado dos negocios, ou prente do Sr. Jos
Gomes Pessoa dc Albuquerque, que se suppoe ser
ou ter sido senhor ou rendeiro do engenho Taba-
Mquuoi uu ar. nomo, qu v.a na provincia da ParahDa SObre negocio que
no armazem progresso, largo |he6 mttressa : ua ra estreitk do Rosario n 4,
Ainda est por alugar-se o segundo an"
dar do sobrado n. 44, em a ra da Auro'
ra : quem o quizer drija-se esta mes-
ma ra casa n. 10.
Aluga-se a loja do sobrado n. 193 da ra Im-
perial, c o armazem n. 4 da ra de Apollo : na ra
da Aurora n. 36.
i _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
l*adaria franceza.
Na ra da Imperatriz n. 50, ,padara franceza, |
fazem-se todas as qualidades de bolos, sequilhos e
Wassas"fin(5, preparam-se bandejas para bailes,
Boires e casamentos, sendo enfetadas pelo melhor
9 mais moderno gosto, o recebem-se encommendas
para tudo isso; garante-sea perfecao do trabalho,
boa qualidade das massas, c promptidao as en-
commendas, pos que para serem bem servidos os
freguezes, ach.t-se de taes oceupacoes encarregado
um pasteleiro francez, asss perito em sua pro-
fissao
Aluga-seo primeiroandar da rua do Crespo
n. 23 ; a tratar na loja.
Na rua do Queiuiudo n 1
primeiro andar.
COMPR'S.
_t.
Compra-"so por 3005 urna cscrava que nao
seje achacada nem fujona : quem a tiver annun-
| ce ou drija-se rua do Livramento n. 29, que se
dir quem quer comprar.___________________
Comprare una ou duas oscravas que nao
excedam a 30 annos, que sainara cezinhar o en-
gommar, e que n5o tenham vicios: a fallar na rua
larga do Hosario n. 34, botira.
Compra-se um carro em bom estado, do 4
rodas c cora 4 assentos : na rua da Cadea n. 35.
Um preto.,
Compra-sc um preto de 33 a 43 annos de dado-
na rua do Crespo n. 17, loja.
Compra-so efectivamente ouro e prata em
obras vellias : na praca da Independencia n. 22 lo-
ade bilhetes.
Compram-se barriquinhas que serviram de
deseja-se fallar aosSrs. Gabriel Germano de Aguiar bolachinha americana a 500 rs. cada urna : na
i>amelera, mas sira da Escada para Cinco Pontas s 10 horas c cinco minutos da manhaa.
R. Ausin, superintendente interino.
PRESTEM TODA ATTENCAO
PROTEJAM TODOS.
aiUEDUquj ssiomoui sop sb5joj se sspoj ap oinno o oubkI tued SBDisnpi
j opcAoo o sjoos b sajoo op sug sessbd souiapuaA
OpBAOO 0 -SJ 00 8 SBrj SddQO Op BJIU13SB3 3p SBdBQ
OpBAOa 0 'SJ OS U SBSSB3
SBijuoq oinui sbiii|')
soiup:( o op ajuBuiJH
oi|U|| ap BquBiajg
oqu| ap sn?m3s3
B3UBJq epas op
sopBAoa OS s'BiuBiu 'B||ad
sazajiiB.ij 'sae[odBpBj -bo 'apuo|q ap sopus.iaso.hu
SOCpod|V i. KOI|ll| SBK'I
'SOpBpjOq
SODUBjq S0pilB3A 8p S3JJ0^
'OS G soi.uil sai.i|omi'i
BjnJJBi Biun ap sogpoiv
'sopeisaju soopo.iiv
B5ad b f% a f'
ff9 '99 'tf opsaoiodBpBK
soiuis
-sioij
so||aq otinu sct| ap saiJOQ
sBpBpjoq sbibs
oc|Bq sbibs
sanbjequiauBS
sejajd sBdB3
BU
-B1I ap eq|Bd ap sBuijadBqo
oj sepafi
'BquBiuanv a
cssins 'sijbj 'EJjajE|8u| ap BJOiiojip wa sepai.\ SBpuazBj ap ojaamijJos opcucA o o|[aq mn
ovjBJjaoDua 'saxg aa iu,b 'oiuauitoaiaqBisa o||aq assa b sBJoquss -sbuixj utBfaiojj
UV111A S3IM09 3S0T
aa
I n odsdj^ op Rnj i; sRpazej ap oinaniLioidqR^d oinsijodun o\
Koooi nir:i.].oii.i
soaiafiNvaisa a sojsrvaiaiiVMaad^
Previne-ss a quem convir, que a missa que i
a rmandade acadmica de N. S. do Bom Consol ho
manda celebrar nos domingos e dias santificados
na igreja do convento de S. Francisco testa cida-
de, ter lugar d'ora em diante, at ulterior dclibe-
raeao, naauelles mesmo dias s 10 horas e ojeia
da manhaa._______
Desappareceu na noite do dia 1. do meTdfi
otiuibro um cachorro inglez muito grande e longo,
de or amareUada : quem o racolbau, queira man-
da-,lontregar no Corredor do Bispo, portao de fer-
ro que um lampeao do gai, qi wra bem recom-
pensado.
.Mmmmm
Saques sobre Portugal
O abaixo assignado, agente do banco
mercantil Portuonse nesta cidade, saca ef-
fecti vamente por ledos os paquete sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
3ualquer somma, vista e a prazo, po-
endo logo os saques a prazo serem des-
contados no mesmo banco, na razo de 4
Krcentoaoanno aos portadores que as-
b Ihe convier : as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
/luga-sepetetempo da festa urna cas sita
na rua da Saude da freguezia do Poco da Panella
que contm % salas, 3 qoartos, cozinha fra, e un
abinete indapendente da casa: os pretndenos
irijam.se i rna Direlu n. 10, primeiro andar- ,
Aluga-se uma casa em Bebiribe
tralar coro J. I, de ty, Reg
Trapichan 34.
O bacharel Francisco Gomes Velloso de Al-
buquerque Lins tem o seu escriptorio de advoca-
eia na rua do Quemado n. 41, primeiro andar,
fenle para a praca do Pedro IL_____________
I ao d. -y.
Nova loja dos harateiros na rua do Qneimado.
Velludo de cores fazenda muito boa o covado
35000, bales de panno 35200, ditos de arcos
35000, 45000 e 55OOO, laas de duas larguras
para vestido o covado 500 rs., chitas francezas o
; covado 360 rs., metim branco para forro de
1 vestido o covado 120 rs., tarlatanas de todas as
cores a vara 720 rs.
Ao o. 29.
Nora loja dos bartenos na rua doQueimado.
Cassa lisa pelle de ovo a peca 75500, cambraia
lisa muito fina a pec.a de 17 varas 105, cam-
braieta pega de 12 jardas 75000, cambraia adamas-
cada para cortinado a pega dc 22 varas 105000,
meias finas para senhoras a duzia 45000, chales
de la punta redonda 325500.
Aon. 29.
Nova loja dosbaraleiros na rna do Queimado.
Bcos pretos de Iinho a vara 120, 160, 240, 320
rs., franjas de seda a vara 80 e 160 rs., galdes
: de seda de algodo c. de laa para enfeites de vesti-
I do a peca de 10 e la varas a 400, botoes de seda
de velludo e de fustao duzias 120.
Aluga-se o sitio da senhora viuva Carvalho,
em S. Jos do Manguinho, com boa casa de sobra-
do, esteirada, quartos para criados, es ribaria,
fructeiras, baixa de capim : no mesmo sitio se di-
r quem trata do aluguel.
Furtarara na noite do dia 10 do corrente dous
cavallos pertencentes aoDr. Francisco Caldas Lins,
do cercado de seu engenho Siqueira, na freguezia
do Bio Formoso, com os sgnaes seguimos : um
mellado, cauda e dinas pretas, castrado, grande,
gordo, os quatro pos pretos at cima, sem anda-
j res, porm de sella; outro rodado sujo, cauda e
dinas pretas, bom tamanho, grosso, castrado, rela-
do pelos peitos por ter sido de roda, -urna baixa
em um dos lados das costelias, meio corcunda e de
carga: quem der noticia dos mesmos cavallos ou
os entregar a sen dono no referido engenho, ser,
recompensado com a quantia de 50 a 1005.
Na travessa dos Expostos, sobrado n. 16, pri-
meiro andar, ap/omptam-se bandejas de bolinhos
para bailes e casomentos, muito em conta, com
suas armacoes,, e boquets de cravos e rosas; na
mesma casa tem para vender flores para festas de
igrejas, ditas finas para senhoras e meninas; tam-
bera tem velas de carnauba muito boas de 6 e 14
em libras : quem quizer, dirija-se dita casa, que
tudo mais barato do que em outra qualquer
parte.
-^~0 abaixo assignado roga a qualquer pessoa
que tenha letras aceitas, pelo mesmo abaixo aesig-
nado, vencidas ou por vencer, queira mandar re-
ceber o seu importe na rua Direita n. 3, pois se-
ro pagas sem abatimento de qualquer premio.
Jos da Fonseca Silva.
Montarroyos e Joaquim Bibeiro de Aguiar
(arroyos.
Aluga-se o seiuuitlo aud.u- do
I sobrado d roa d;i Cruz n 40 :
g a tratar no armazem do mesmo
Si sobrado.
Armazem para alugar.
Aluga-se o armazem n. 40 da rua de Apollo,
com mais de 300 palmos de comprimento, todo co-
, berto e proprio para qualquer eslabelecimento por
i ter excel lente porto de embarque: trala-se na rua
dos Guararapes n. 78.
Jos Goncalves dos Santos,
! guez, vai Portugal.
travessa da rua das Cruzes taberna n. 6.
subdito portu- Novo n. 12.
1 '.onipra se uma estrada fae saina
peifeitamcnic engommar, c> siuliar c
f.'/.T todo o m >is servico de nina rasa
de familia, sendo moca e de boa con-
duela: quem tiver dirija-se a ruada
Imperatriz n. Q.__________________
Compra-se uma casa terrea de pedra c cal
at 1:0005 : na rua da Praia, primeiro andar nu-
mero 47.
No hotel da Europa
compra-se um cscravo de 20 a 30 annos para o
servido dos quartos do mesmo hotel : quera o tiver
nestas cireumstancias, trate na rua do Trapiche
- Compram-se duas negras perfeitas cozinhei-
ras e engommadeiras : na rua de Apollo n. 84'
Casas paraslugar.
Aluga-se a casa terrea na rua da Gloria n. 104,' segundo andar.
reedificada de novo ; e o primeiro and ir do so^ra-1 'nmnp-i en .Ih-a u
, do da rua da Cruz n. 26, com bastantes commo-l
dos para familia
zem n. 26.
lalio vclho '
a*tratar"n rua di Cruz, arma- na l*H da Hade i a do MCClfe n. 36, pii-
meiro andar.
VENDAS.
liua do Trapiche n %
Vendem-se 2 buhares.
Vende-se uma casa as Cinco Ponas: a tra-
tar na rua da Conceicao n. 7.________________
Vende-se a taberna do pateo do Terco n. 11,
bem afreguezada para a trra: a tratar na mesma.
Vende-se uma casa torrea
-- \a padaria da Torre precisa-se de
mu bom amassador que se sogeite a
vender pan na praca.______________
Precisa-se de ura caixeiro para taberna, de
12 a 16 annos : na rua da Moeda defronte do nu-
mero 1.___________________
Jos ('..totano da Silva retira-se para fra da
provincia.
Temo a cautela de declarar que o Sr. Felisbino
Carvalho Baposo ainda nao fez o traspasso que Ihe
competa na letra que rae deu em pagamento, sa-1n- ">e,n j"*
eada pelo mesmo Sr. Felisbino no dia 10 do setem- "
bro, da quantia de 875, c aceita por Antonio Bor-
ges da Silveira Lobo, com o praso de cinco mezes.
Promettendo-me o Sr. Felisbino apparecer breve-
mente em meu armazem para fazer dito traspasso,
consent que levasse os bilhetes de pedido para sua
conferencia, que exstiam era meu peder, provan--
do o seu debito, e como at esta data nao se tenha
dignado o mesmo senhor vr concluir tao ridiculo
negocio, julgo conveniente convida-lo por este
Diario. Antonio Jos Mauricio.
Precisa-se de uma pessoa com as necessarias
babilitacoes para dar licodes das linguas latina e
franceza a uma pessoa residente na praca da Boa-
Vista desta cidade : a quem convier procure na
mesma praca n. 21, segundo andar.
na rua Imperial
a tratar na mes-
Vende-se muito barato a armaco da loja dc
calcados da rua do Livramento n. 13.
Cheguem ao barato.
Chitas verdadeiras francezas muito finas, escuras
e cores lixas a 280 rs. o covado, por ter um pe-
queo principio de mofo, que com facilidade lavan-
do larga, e d-se amostras : n rua da Madre do
Dos n. 6, loja defronte da alfandega.
Mo armazem de fazendas bara-
tas de Santos Coelho
BA DO QUEIMADO N. 19 VENDE-SE 0 SE-
GUINTE :
Cobertas de chita da India
pelo barato preco de 25000.
Lencos
de panno de Iinho a 25000.
Lenres
de bramante de Iinho fino pelo barato preco de
35000.
Lencos de cassa
brancos, finos proprios para algibeira pelo barato
preco de 25000 e 25400 a duzia.
Fil liso tino
I pelo baratissimo preco de 680 rs. a vara.
Madapoln lino
pecas de madapolao largo superior pelo baratissi-
mo preco dc 85000.
Ricas saias
de fustao a 55500.
Peras de bretanha
de rolo com 10 varas propria para saia a 35200.
Prcas do cambraia
adamascada para cortinado com 20 varas pelo ba-
rato preco dc 105000.
Bramante de Iinho
j frao rom dez palmos de largura pelo barato preco"
de 25300 a vara.
Tuallias alcochoadas
para mao pelo baratissimo preco de 55000 a du-
zia.
Atoalhado de Iinho adamascado
proprio para toalha de mesa a 25500 vara.
Algodo ministril
com 8 palmos de largura polo baratissimo preco
dc .n>000 a vara.
Corles de calca
dc ganga amarella de lista c de quadro fazenda su-
perior polo baratissimo preco de 15200 o corle.
Litazinha de quadro
de posto inteiramente novo pelo baratissimo proco
de 480 rs. o covado.
Peras de ramhiaia dr salpicos
fina cora 81/2 varas polo baratissimo proco do '1 3.
Peras dr ramliraia de forro
pelo baratissimo preco de 25200.
Esleir da India
para forro de sala de 4. 5 e 6 palmos de larcura.
tliegado pelo vapor:
*o para o vigilante, rua do Cres-
po n. 9.
Al que chcgarain as muito desojadas cascarri-
lhas de todas as cores com uma litinha de velludo
no centro, cousa muito elegante para enfeito, assim
como de outras qualidades, e preces muito razoa-
vois : s no vigilante,'rua do Crespo, 11. 7.
Para dar de mimo.
Chegaram as riquissimas bonecas de todos os
tannos, vestidinhos ricamenti enfeitados, cada
um emana callana, propriamente para um deli-
cado mimo, uor baratissimo preco: s 110 vigilan-
te, rua do Crespo n. 7.
Para os senhores hachareis.
Chegou tempo a riquissima fita de chanialote
para cartas dos senhores hachareis, assim como
branca, lisa, propria para abrir letras, ou para
sintos : s no vigilante, rua do Crespo n. 7.
Pculea de marrafa.
Tambera chegaram os riquissimos pentes de
marrafa com pedrinbas.os lindos penles de regaco
para meninas, meias de seda e sapalinlios proprios
para baptisados, meias de seda para senhora, fitas
de laa para debrum, fita de Iinho, trancas dc la,
de Iinho e de seda, luvas dc seda e pellica, e fio do
Escocia e camua, allinetes de cabrea chata, car-
teirinhas com todas as agulhas precisas para cos-
tura, fivelas de niat^reperola esmaltadas de ac
para sintos, flores de tod.iW5 quali'Jdes^caijinhas
com pastilhas de perfujhiaria, abafadores de aa
para senhora, toucas 'sapatinhos de laa, pulseiri-
nhas de borracha para segurar manguintos, filas e
cordes do borracha, sabonetes redondos, dilos-
chamados de familia, pomadas de todas as quali-
dades e dos fabricantes mais afamados, clcheles
pratiados muito finos, retroz de todas as qualidades,
retroz em carretel e em novello, e de meada, de
todas as cores, escovas para dentes, ditas para rou-
pa, ditas para chapeo e ditas para unha, de todos
os precos, c outros mais objeclos, que se tornara
enfadonho annunciar, e vista dos freguezes pro-
mette-se fazer todo o negocio: s no vigilante, rua
do Crespo n. 7.
Offerece-se uma ama livre para cozinhar o
diario de uma casa, e engommar para casa de ho-
rnero solteiro : quem precisar, dirija-se rua Ve-
Iha, casa n. 47.___________________________
na rua
__Precisa-se de um moleque ou de um criado
para o serv?0 de rapaz solteiro : em Santo Ama-
ro, na segunJ* oa* (, Sr- Antonio Jos Gomes do
Correio.
Aluga-se uma esc'*v 1ae c,oi"ha> Im
engomma perfeitamente : n' r,ia d* Roda i7>
""-: primeiro andar.
Agencia de passaporte.
Claudino do Reg Lima, despachante de passa-
porte, tira-os para dentro e fra do imperio, por
commodo preco e presteza : na rua da Praia, pri-
meiro andar n. 47.
Precisa-se de uma ama porlugueza que sai-
ba engeramar : na rua do Queimado n. 18, segun-
do andar.
BONITO
O abaixo assignado, negociante na. villa do Boni-
to, precisa de un padeiro que emenda bem de sua
profisso, e promette bom ordenado.
Antonio Jos Botelho.
tem bom leite
Direito internacional privado e a applicacao de seus
principios com preferencia s leis principaes do
Brasil, cm 1 volume, por Dr. Jos Pimenta Bueno,
85000 : no escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C, rua da Cruz n. 1.
pede uma
quem pretender,
Uma senhora que
crianca para criar em sua casa
dirija-se rua da Boda n. 21.
No hotel da Europa
precisarse de nma ama branca para ttllft de ere-
ancas, preerindo-se estrangeira.
No armazem n. 38 rua da Madre de
Dos, vende-se por pre?o mais commodo
do que em outra qualquer parte os seguto-
tes gneros vindos do Aracaty:
Gomma nova,
Cera de carnauba.
Dita em velas de differentes qualidades.
Pelles de cabra
Sola *
Vendo-se uma casa em Bcberibe no Porto da
Madeira, que com um pequeo concert lira boa
para passar a festa; quem pretender dirija-se em
casa do Sr. Antonio Pernandes Lima no pateo da
Santa Cruz.
Vendem-se
cathecismos para parochos : na rua
mentn. 11.
do Encanta-
Cal de
a mais nova do mercado
19, primeiro andar.
Lisboa
na rua do Vigario o.
Vende-se tinta superior para ailar roupa, a
25000, cada garrafa e 15000 as meias garrafas;
na Bua-Velha n. 93. Com uma garrafa, uma
familia aila roupa um anno inteiro.
x Kua da Senzalla Aova n. 42.
Nestc estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a 110 rs., idemdeLow
Moor libra a 120 rs.
Vende-se um preto com olfleio de pedreiro,
de boa conducta : quem o pretender, dirija-se
rua da Aurora, casa de quina onde tem o estabele-
cimento de funileiro, terceiro andar.
Atlcnrao do respeitavel publico
n grande pe Custodio, arvalhofc c, rua do
Queimado u. 97.
Offerecem ao respeitavel publico a mais fina de
todas as cambraias tanto em desenhos como em
tintas sao as verdadeiras organdys da India che-
gados a esta capital pelo ultimo vapor ingles. A
grande quantidade que recebemos faz com que a
vendemos pelo baratissimo preco de 300 rs. cada
um covado, venham y$t para desenganarem-sese-
grande pechincha s na ruado Queimado n. 27



WIP

Diario de Pernamfouco Tere* le ir 8 de \oveuibro de l^tt.

-I
i
GRANDE EXPOSIQO
o cavado; fustao para vestidos e roupinhas I
de meninos, a 320 rs. o covado; alpakin ou \
gurgurSo de linho, a 260 Ts.; ganguelm,
de fazenias baratissimas que se ven j uma s c6r> a 320 rs. o covado; toalhas de
dem para liquidar ; na toja do Pa- linho adamascadas para rosto, a l&: vestua-
To, rua da Imperatriz, B. 60. r.ios Par meninos e meninas, a 14600 e 20;
tiras bordadas e entremeios, mais barato que
Neste estabelecimento acha-se um grande cm 0(ltra qUalquer parte: tudo isto pe-
e variado sortimento de fazendas, tanto de chincha e vende-se para liquidar: na ra da
Imperatriz n. 60, loja e armazem do Pavao
luxo, como de primeira necessidade, pro-
prias para a praca e para o matto, que se
vendem por precos muito resumidos, de to-
das as fazendas d5o-se amostras, deixando
penhor, ou mandam-se levar em casa das
familias para escolherem, pelos caixeiros da
loja do PavSo.
Las com palmos de largura
do Pavo. i# loo
e armazem
de "Gama A Silva.
Grosdf naplf s a 1:500 rs., na loja de Pavao.
Vendem-se grosdenaples preto muito boa
fazenda, a i 1500, 10600,. 10800 e 20: s
na loja do Pav3o, ra da Imperatriz n. 60.
Para lato vende-se na loja do
Pavo.
Vendem-se finissimo selim da China, fa-
zenda sem lustro, proprio para vestidos de
na loja
Vendem-se ISaziuhas transparentes de urna
s cor. de quadrinhos proprias para capas senho:as para capas e roupa parahomem
e vestidos, tendo 9 palmos de largura, pelo tendo esta fazenda 6 palmos de largura
baratissimo preco de 10100 o covado; s
na ra da Imperatriz n. 60, lojado Pavao.
sendo muito leve, vende-se pelo baratissimo
I preco de 20200 o covado, garantindo-se que
I nao se torna ruca, e vendem-se nicamente na
loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60:
Corles de chitas a 2:000 e 2:500 rs.
Na loja do PavSo veude-se cortes de chitas
inglezas, tendo 10 covados, a 20, e com
12% covados, a 20500, sendo todas de pa-
dres escuros: na ra da Imperatriz n. 60,
de Gama A Silva.
Carnauba.
Vende-se cera de carnauba em saccas, por
preco muito em conta, ou mais barato do
que em outra qualquer parte : a tratar na
ra da Imperatriz n. 60, loja de Gama A
Silva,
Sedas de quadrinhos a 800 rs. s o
Pavao.
Vcndem-se as.mais delicadas sedinhas de qua-
drinhos, muito 'miudinhos, senda proprios para
vestidos de senhora e roupinhas para meninos e
meninas, sendo fazenda que sempre se vendeu a
15500 e torra-se a 640 e 800 rs. o covado, e sedas
brancas lavradas, proprias para vestidos de noivas
a 800 rs. e covado : s na loja do Pavao, ra da
Imperatriz n. 60, loja de Gama A Silva.
lteos vestidos de Southambac, vende
o Pavo.
VcndSm-se os mais modernos vestidos a Sou-
thambac, com.barras de seda pelo diminuto preco
de 105000 cada un: s na loja do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Grande peehincha de las a
3 rs.
Vendem-se as mais modernas lazinhas matisa-
das para vestidos de senhoras e meninas pelo ba-
ratissimo preco de.320rs. o covado, por ter che-
gado uma grande porcao desta fazenda loja do
Pavao, assim como se vende outras mais finas com
desenhos miudinhos a 360 rs. o covado: s na
loja do pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama
A Silva.
O Pavo vende las de 4 palmos
de largura a 500 rs.
Vendem-se ISazinhas infestadas, sendo das
mais modernas, de uma s cor e de qua-
drinhos, proprias para vestidos e capas, pelo
baratissimo preco de 500 rs, o covado; di-
tas matisadas, fazenda muito fina a 500 ; di-
tas garibaldinas a 446 rs. ; ditas de qua-
dros a 360 e 280 rs.: s na loja do Pavo,
ra da Imperatriz, n. 60. de GuimarSes A
Silva,
Lazinhas a 0 rs. o covado.
S o Pavo.
Vendem-se Has de cordSozinho proprias
para vestido, sendo muito boa fazenda, com
as cores seguintes : alvadia, cor de caf.rxo
escuro, claro e pretas, proprias para luto;
ditas transparentes com palminhas, pelo ba-
rato preco de 280 rs.; ditas infestadas de
quadros a 280 rs.: s na rua da Imperatriz,
n. 60, loja do Pav5o.
GRANDE PECHIHCHA
O rs. na loja do Pavo.
Cassas a 210 rs.organdy a 240 rs.
Vendem-se muito bonitas cassas francezas
240 rs. o covado ; organdy malisado, pa-
droes muito bonitos a 240 rs. o covado;
ditos, fazenda (ihissima que sempre se ven-
deu a 10000 a vara, liquida-se a 600 rs. a
dida.ou 360 rs. o covado, por haver grande
porco : na ra da Imperatriz, n. 60, loja
do Pavo, de Gama A Silva,
Nova peehincha de cortes de
canabraia na loja do Pavo.
Vendem-se corles de cambraia brancos
com babadosa 20500; dilosa 30000; ditos
a 40000 ; ditos chinezasa 4000'; pecas de
cambraia transparentes, adamascadas, pro-
prias para vestidos, tendo 8 varas e meia a
30000; ditas lisasbrancas e decores a 20500,
30000, 30500, 40OO e 50000 ; pecas de
cambraia de carocinhos tendo 8 varas e meia
cada uma. sendo brancas e de cores, a 30500;
ditos a 20500 ; pecas de cambraia para cor-
tinados, sendo tapadas e transparentes com
20 varas cada peca a 90000, isto tudo para |
apurar dinheiro: na loja do Pavo, ra da
Imperatriz, n. 60, de Gama A Silva.
O Pavo vende chales
A 20000, 20500, 30000, 50000, 60000.
70000, 8,000 e 100000-
Vendem-se chales de merino estampados,
claros eescuros a 20, 20500 e 30000; ditos
muito finos dv todos os precos e qualidades,
tanta depona redonda como quadrados;
assim como finissimos chales de crepon com
cores inteiramente novas e ricamente bor-
dados a matiz, sendo chegados pelo ultimo
vapor a 100000 ; ditos de pello, bordados,
a 20 s na loja do Pavo, ra da Impera-
triz, n. 60.
Ascaseutiras do Pavo infesta-
das a ifttoo.
Vendem-se caserairas francezas entesta-
das, proprias para calcas, coletes, palitos, i
e capa para senhoras, por ter de urna s:
cor, sendo fazenda que sempre se vendeu
a, 30000. liquida-se a 10600 o covado : s
na loja do Pavo,
Grande chincha cm chapeos
de sol na loja do Pavo.
Vendem-se chapeos de sol, a ingleza, sen-
do cohertos de linho e forrado de verde, pro-! Bfcai v" P**"* ibsutumdo o8 am.gw
prios para senhoras que for'em passar a fes- J purgantes drsticos.
ta, ou para meninas levarem para a escola, \ ven(ia as boticas de Caors A Barboza,
pelo barato preco de 1060 ; dilos marque,-, rua ,ja cruz, c Joo da C. Bravo A C., ra
z'mhas. de seda com franjas e cabo de do- fa Madre de Dos.
hrara30OOO; ditos de seda para homens,
sendo com armado de balea a 60 e 70, isto
para apurar dinheiro : s na loja do Pavo,
A GRANDE GUIA
PARA TONAS AS MOLESTIAS 1)0
ESWffl, 0 NO E ti IfflUlti
AS
Ptalas Vegetaes Assucaratlas
De Hemp
Compostas dos dois novos resinoidos chama-
dos Popophtlisa e Lept.vndrina, c inteira-
mente livres le Mercurio ou outros venenos
mincraes ou metallicos, s-7o le grande uti-
ladc nos pases clidos em cazos de
DYSPEPSA, ENCHQECA,
ConMipaeao ou Prizo do Ventre,
PADECiMERTOS DO FIGADO,
Affecces Biliosas,
'hemorrhoms, clica.
Ictericia,
PEBRE GASTRO-HEPATICA,
E nutras fiifrrmiilailfs ana losa?.
sisjti si;.i \ no.
QU1NQUILHAB1AS.
Rua do Queimado, ns. 49 e 55, lojas de
Jos Bigodinho, queiram ver ver as fazendas
que abaixo annuncio, pois todas eu garanto
que sao muito novas e baratissimas.
Pecas de trancas de algodo de to-
das as cores a....... 80
Duzias de linhas com 200 jardas, A-
lexandre, a..... 10100
Carrilel de qualquer numero 100
Varas de aspas para balo 80
Caixas com superior obreias a 40
Ditas de colla....... 80
1 libra de la sortida ..... 40000
1 libra de la muito superior em co-
res e qualidade 70000
Pares de botoes de punho a ... 120
Pares de sapatos de tranca .10280
Ditos muito superiores, a 10600
Caixas e pacotes de papel amisade de
cores a. '. i 600
Duzia de meias muito finas para se-
nhora a ......30500
Duzia de ditas cruas para homem a 2*400
Baralhos muito finos para voltarete a 300
Carriteis de linha com 100 jardas a 30
Carloes de linha branca e de cores a 20
Novellos de linha com 400 jardas a 60
Ditos muito grandes com 800 jar-
das a .......120
Cartees de linha com 200 jardas (est
se acabando a...... 60
Vara de fita preta com colxeles parafp
vestido, e lera um resto parda a 100
NRH SEU l AIIO.
Objectos de tintura c msica.
Na rua do Queimado, ns. 49 e 55, est
queimando tudo pelos precos abaixo decla-
rados, e prestem toda a attenco para ver
o que bom e barato.
Duzia de facas e garfos muito finos a 20300
Dita dita dita de cabo preto muito
finas a......... 30200
Dita dita dita de balando, melhor,a 50500
Tesouras para costura, muito fi-
nas a .........400
Ditas ditas para unhas, muito finas a 400
Carlas de alfineles de ferro a 80
Ditas ditos de lalo muito finos a 40
Ditas de dito grandes.....120
Caixas de phophoros de pao 10
Grosa de dilos do caz a 20200
Duzia de dito dito a 200
Massos de palitos para denles a 160
Abotoaduras para coletes a ... 160
Escovas para roupa.muito finas a 400,
500 e.........800
BAL.i!Zj\*
Attenco!
Posto que domine nocora-
co do BALIZA a mais bem en-
tendida ambicSo de tirar de
eeu negocio as melhores van-
tagens, com tudo elle nS pro-
cura fazer fortuna vendendo
gato por lebre;
Quando nao se negocia aca-
nhadamente, est bem ao alcan-
ce de todos a facilidade de fa-
zer-se boas compras, para ven-
der-se barato.
Lean) todos.
Ao armazem do BALIZA po-
dem ser devolvidos quaesquer
gneros qne por ventura nao
sejam do contento dos senho-
res compradores. Nao fia
resentimento algum em se tro-
car por outre, ou restituir-se
o dinheiro recebido,
Manter a todo o custo o seu
nedito, e agradar aos seus a-
migos e freguezes, todo o
desejo do proprietario deste
estabelecimento,
LEDE! LEDE! LEDE*
Sempre a frente do progresso,
Constante marcha o BALIZA,
Tem por norte o bem commum.
A verdade por divisa.
PECH1NCHA.
Perfumara de superior qualidade.
O rival sem secundo, rua do Queimado,
ns. 49 e 55, est disposto a vender mais ba-
rato que nunca vendeu, para o que queiram
ver:
Duzia de sabonetes finos a .
Sabonele inglez, o melhor, a .
Frascos cora agua de Colonia muito
lina a......., .
Dilos de dita grande a .
Ditos de Lavande ambreado, o me-
llior, a...... .
Ditos de macaca oleo muito bom a .
Ditos perola muilo superior a .
Dilos de oleo de babosa a 240, 320.
400 e .......
Dilos de banha branca a .
Dito de cheiro muito bonitos a .
Ditos de banha, pequeo, muito fina
..........
Dilos de opiata a 2<>0 rs., e boa a .
Dilos de banha japoneza a .
Dilos de banha transparente a .
Ditos de oleo filocnnoe a .
CKAIDE
iHAZEl
DE
DlEl
ffi
720
160
400
500
uuu
100.
200^
300
320
500
200
900
800
720
800
i
Largo do Llvramento ns. 38 e 3 A
Defronte da grade da igreja
AO RESPEITAVEL PUBLICO
Senhores e senhoras
0 iucansavel proprietario do grande armazem do Baliza toma a liberdde de mandar
declarar do alto -da imprensa pernambucana, que elle perfeitamente liberal em oflerecer aos seus
benvolos freguezes as melhores qualidades dos mais bem escolhidos gneros, nao s do paiz como do
estraageiroa precos de contentar e satisfazer a todos.
Fazendo to publico e espontaneo manifest, o referido BALIZA julga de seu rigoroso dever
declarar mui seria e pusitivamente nesta oportunidade, que tambem o mais firme e dedicado conser-
vador de sua numerosa freguezia.
Da boa qualidade e barateza dos gneros offerecidos aos seus freguezes, junta ao pequeo ta-
nho que tira para si, tem sabido fazer o BALIZA a mais perfeita liga de interesses recprocos, que agu-
das as consciencias deve por forca e necessariamente agradar.
Tendo por conveniente tambem a publicacSo do seguinte aviso, o BALIZA faz saber nicamente
aquellas pessoas que sempre esto promptas a comprarem tudo, com tanto que se Ibes permitta paga-
rem logo, que elle
NAO VENDE FIADO.
Os amigos da economa, aquelles que s comprara os objectos de que carocem, e que gostain fi-
nalmente de empregar bem o seu dinheiro venham a este estabelecimento.
:-Tt*^.m TODO^i
Do preco de qualquer genero annunciado a venda em outros estabelecimonlos, podem os senho-
res freguezes diminuir cinco por cento, e vir compra-lo ao Baliza, que sendo, como todos sabem, o ho-
mem do motimenio prefere ganhar muito pouco, com tanto que seja por muitas vezes repetido.
3j2$i
0 GALLO CANTA
45-RUA DIREITA--45
rua da Imperatriz, n. 60.
Caxemiras da Escocia a 20OOO
j o corte.
Vendem-se cortes de caxeraira da Esco-
cia, para calcas, pelo barato preco de 20,
tendo da mesma fazenda para vender em
covados a 580 rs., sendo esta fazenda mui-
to encorpada [a imitaco de caYemira, e ga-
rant&.^v'nSo desbota. Tambem se yen-
'dem sirtes de caxemira ingleza, d cores
escuras para calca pelo barato preco de
49800 cada corle, ou a 500 rs. o covado :
s na loja do Pavo, rua da Imperatriz,
n, 60.
.Uadapolo Infestado a 40OOO
S o Patio.
Fariiha de S. Maiheas
Vende-se a bordo do patacho Industria, defron-
te do trapiche Barao do l.ivramento, a bem conhe-
cida e nova farinha de S. Matheus, a melhor que i Massos com grampos lisos e de cara-
dalli temos no mercado.
RIVAL
SEM SEGUNDO.
Objectos diversos.
Ba do Queimado, ns 49 e 55, vende os
objectos abaixo declarados, pois para aca-
bar; estes precos nao sao para continuar,
mas as nesessidades assim o permilte.
Pares de luvas de algodo finas a .
Caivetes de aparar penas, de 1 fo-
I lia a ,........
Dilos de2 dilasa......
Caixas de colxeles francezes a. .
Duzia de dito francez a .
80
Hua da Senzalla n 42.
Vende-se, em casa de S. P.JohnstonC.,
sellins e silhes inglezes, xandieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas,' fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavallos. e relogios de
ouro patente inglez. _____________
Bu tatas
Caixas com duas arrobas de batatas desembar-
cadas do patacho Mara da Gloria, hoje, pelo bara-
to pre?o de 2*300 a caixa : na rua do Amorim n.
43, ou na rua da Madre de D30s n. 5.__________
Vendem-se arreios inglezes para carrosa de
um cavallo : a tratar no pateo do Terco n. 42, se-
Vendem-se pecas"de" madapoiao infesta-andoandar.
do com 12 jardas a 40000, ditas a 40500,! Arados americanos e
ditas com 24 jardas a 7050" e 80000 : s
na loja do Pavo,
n. 60.
americanos e machinas
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston A C,
"a" rua" da Inaperatriz. i rua da Senzalla Nova n. 42._______________
col a.........
Duzia de dedaes de metal em caixi-
nha de vidro.......
Tinteiro de vidro com tinta superior
a..........
Dilos de barro que serve para tin-
teiro a........
Grosasde botes de louca prateado a
Pecas de tranca lisa encarnada a ,
Varas de bicos e rendas, para aca-
bar a ........
Varis de labyrinto de 3 dedos de
largura a.......
Di las de pos para denlesa .
Pentes de tartaruga a 30000 e .
Besmas de papel de cores a .
J sabido que, mando chega o vapor da Eu-
ropa, o gallo canta annunciando aos seus numero-
sos freguezes as galanteras tic maisgosto e da ul-
tima moda que por elle recebe, como sejam :
Camsttlias para senhoras.
Riquissimas camisinhas com manguitos e gra-
vatinhas para senhoras : s no Vigilante, rua do
Crespo n. 7.
Ciriqolnltas.
Riquissimas cirigolinhas ou gravatinhas, sendo
cousa de muitogosto, e a primeira vez que appa-
rece para as senhoras de bom gosto : s no Vigi-
lante rua do Crespo n. 7.
Penles de concha. ,
Ha para- chegar riquissimas guarnicoes de pen-
tes de lindo gosto, tanto para atar, como para mar-
rafas, por precos razoaveis: s no Vigilante, rua
do Crespo n. 7.
Redes com lacinhos de fila.
Lindas redes pretas e de cores com um lindo la-
cinho de fita para conservar o cabello, pelo barato
preco de 15500; assim como os novos enfeites pa-
ra cabeca a 35000, 45 e 55000 : s n Vigilante,
rua do Crespo n.. 7.
Ligas.
Riquissimas ligas de seda de bonitas cores a
fin 15500; assim como fita propria para o mesmo ef-
feito a 300 rs. a vara : s no Vigilante, rua do
1 Crespo n. 7.
100; Luvas de Jotirin.
160' Tambem chegou e chega m por todos os vapores
an grande sortimento de luvas de Jouvin, oude os fre-
COM AVAMIA
Aules que se toben g* m *y>
Custodio. < arvalho & C. rua fl^sfii
d a,,e,|mdl0chrer TCM AIAM&
Pecas de fil de linho fino proprio para vestido Eia> rapasiada, coragem! parece queja
tendo cada peca 8 1|2 varas e pelo baraiissimo enlregastes OS VOSSOS joanetes aos duros .-Ci-
preco de25o00 cada pe^a, ,tendo um pequeo to- xos do pessimo calcamento da nossa cidade
que de avaria de agua doce.
80
160
40
360
40
320
Vendem-so 3 casas terreas, novas, fres-
cas e baratas, tambem aluga-se, na rua
dos Prazeres na Boa-Vista : a tratar no
becco do Veras n. 15.
2
2 "o
08 g
60
100
100
30500
20000
Ricos vestidos brancos.
Vendem-se os mais reos vestidos de cam-
braia brancos, bordados a croch, sendo os
mais modernos que tem vindo ao mercado,
tendo as saias 4 pannos, e vendem-se pelos
II.
Rua do indinado numero
Loja de ugusto Porto.
Chegou pelo ultimo paquete da Europa este
importante estabelecimento um grande sortimento
de enfeites, o mais moderno que ha na Europa,
baratos precos de 100, 120 e 16 : so na sendo muito proprios para baile, um lindo evana-
lnia do Pavo, rua da Imperatriz, n. 60, de do sortimento de chapeos de palha de Italia para
Gama A Silva, : senhoras e meninas, luvas brancas de pellica, ca-
Farlnha de mandioca
Vendp-se farinha da mandioca da melhor e mais
! nova que ha neste mercado, no escriptorio de Ma-
I noel Ignacio de Oliveira 4 Filho largo do Corpo
\ 11 % |f \ 11 j |j M Santo n. 19, ou abordo do palhaliote Viamao, an-
cocado no caes do barao do Livramento, junto ao
patacho Requlo.
CAL DE LISBOA
Vende-se a 40000 o bartil na rua
n.20.
i pas de seda bordadas e enfeitadas com mangas e praca. a
IC PPPUINrUIK | Sem ellas, muito boas esteiras para forro de salas, elm.-
ADMIKtlfl AO I CbmnVIlAO, as quaes se vendem barato, um bello sortimento doosiU
na loja do Pavao. de camisas nglezas de linho a 40 e 425 a duzia, "
RCOS cortes de cambraia brancos com ba- colarinhos bordados para homem, camisinhas para
hados e duas saias bordadas crox, tendo senhora, capas de casemira de cor escoceza e ou-
simo preco de 30 cada um; ditos de cam- peos pretos para homem e brancos de castor, ven-
Sitio para vender.
Vende-se um excellente sitio muito pe
situado na estrada de Santo Amaro
com boa easa de vivenda, muito fresca, ten-, *-^-
tio excellente haixa para capim e horta com
muitas e boas arvores de fructo : trata-se na rua
dos Guararapes n. 28.
guezes podem escolher: s no ^Vigilante,
i Crespo n. 37.
Entremeios e babadinhos.
Tambem chegou grande sortimento de entre-
meios e babadinhos, que se vendem pelo barat-
sima preco de 15300 a pecinha : s no Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
Flelas para cinto.
Tambem chegou grande sortimento de lindas fi-
I vellas de a$o e de metal com pedrinhate sem el-
las, pelo barato preco de 25 e 25500, dando-se a
i fita para as mesmas : s no Vigilante, rua do
' Crespo n. 7.
0 GALLO CAUTA.
J sabido que o gallo nao podia deiar de can-
tar, annunciando a seus numerosos freguezes os
riqissimos pentes, que acaba de receber por este
ultimo vapor.____________________________
Isto qur peehincha.
Borzeguins francezes para homem a 55, sapatoes
de couro de lustro com borracha na frente a 45,
sapatos com salto de marroqnim dourado e pretos
a 15500, sapatos de couro a 320 rs., de oleado com
' d*'salto a 640, borzeguins para senhora a 35 : na
Para rua dos Quarteis n. 22 junto a loja de funileiro.
Apollo
i arrocas
Cal de Lisboa e potassa da
Russla.
braia de seda com barras e babados, a
20500, para acabar; cortes de vestidos a
Maria Pia, sendo fazenda de bonito gosto, a
30500: cortes de cambraia brancos com ba-
badinhos, a 20; enfeites para cabeca, sendo
Garibaldi e a turca, a 40; ditos com fitas
e flores, a 20; camizinhas bordadas para
senhoras, a. 10; manguitos de varios model-
los, a
meninas, a 500 e 640 rs: gollinhas bor
dadas, a 320 e a 500 rs.; sedas de qua<
dripbos, i 640 re.; ditas de listas, a 400 rs. I Eamp
dendo-se os brancos a 65!
tes que se acabe._______
freguezes, venham, an-
ATTEM^AOo
Na padaria da rua da Senzalla Velha n. 84 ven-
de-se muito boas bolachas,proprias ptta escravos,
a 25800 a arroba.________.___________.
Vendem-se
i^'sooT'ew'Ts"^ Minasditos de pral0,e nan?engos' T?
YV no 1 Va 2SX? I caas 9u, uvas, maateiga ingleza, cha e rap de
*. a 500 6 640 TS: gollinhas hnr- rTP r^_ '.-...__:.-^o^o na mais annarinres
j*hna e muitos mais teneros os mais superiores
ffifes rua do Imperador B, 28, taberna do de, bom andador de l.a.xo a meio
' travesu d.*rmpe, sitio n. 1

onde
mesma -
legtimos, e se vendem a preco mais barato o que
outra qualquer parte
Charutos.
Vendem-se superiores charutos suspirosa 15500
a meia caixinha, e outros de diversas marcas em
meias caixas a 600frs.: no deposito da rua Nova
numero 58._____ *
Cal nova de Lisboa: vende-se na rua do Tra-
piche n. 9. _____________________
" Vende-se uma bonita escrava, com as quali-
dades proprias para ser apreciada, sabendo en-
mmrair Misinhar, coser e bastante moca, bem
10 aSS0: TS^na^S; ?iw do Ptniihrido
D- 18.
Vendem-se tres carrocas novas para boi, muito
bem construidas, tanto de madeira como de ferra-
! gem, e uma dita para cavallo, com algum uso,
tudo por preco commodo: a tratar na rua do Sebo
n. 54, taberna.
Litro* de moral.
Exame de confessores.
Cunlite.
Larraga.
Obra do Monte.
Na rua do Imperador n. 15. ^
ja1^ den'
C (Srj B
3 a.g
i
2 a u
- :_ j
o. a: -
3 X

O

O.
O
as
M32oqS
o-r w O _as
"2
O -5
i 3
95a
c* 2 a
o tr>_, o t
o a c "5 e-a
C T D C ce w
loo' S
2 c STa -,"
-i w _
- Z- -
3 B 2.
~
TS

1
0--
-1

B'
B
o
i
f
"1
o
3 c.cd-
o "I f o
B K IO
O
2
3 =
' S a
o ti m
a
O"
-!
a
6
B-
65

g
s
19
ftfl
--,
9
Z
>
e
o
Ricos vestidos de fil branco bordados com
veo, capella e flores proprios para as se-
nhoras noivas, os quaes se vendem a preco
razoavel por serem em primeira mao eche-
gados ltimamente de Paris por encom-
menda propria ; rua da Cadeia escriptorio
e armazem de fazendas n. 47.
S se observa em vossos ps botinas acalca-
nhadas e gastas at ultima sola; aapatSes
rasgados e quasi sem saltos em tanto I
a quebradeira nao deve chegar at este pon-
to 1 Vinde rua Direita munir-vos de excel-
lente cal;ado com 40 e at 00 por cento
menos do seu valor___attendei:
Borzeguins, Nantes, bezerro e va-
queta 2 e meia solas .... 8 Borzeguins, Nantes, bezerro. va-
queta e lustre 2 solas. 8)5000
Borzeguins, francez e hamburguez.
bezerro, lustre e couro de por-
co 75 e........65000
Sapatoes, Nantes, bezerro c vaque-
ta 2 e meia solas. .... >0O
Sapatoes, Nantes, vaqueta, lustre e
bezerro 2 solas.......50000
Sapatoes, Nantes, sola e vira. 4.5000
Ditos para menina', com laco. .1ii00
Ditos de ditas, de cores. 2800
Sapatos para senhora e homem,
tapete......... 800
Sapatos de borracha para senhora. 15'00
dem idem para meninas. 10000
Sapatos de lustre para senhora. 10000
dem de lustre s avessas ... 500
Vinho de i>ilres e Cartacho.
Vende-se cm aneoretas pequeas o especial vi-
nho de Collares e de Cartacuo : a tratar no arma-
zem da rua do Vigario n. 7.
Vinho do Porto e part ular.
No largo do Corpo Santo n. 6, segundo andar,
se vende o especial e particular vinho do Porto en-
garrafado, caixas de 1 e 2 duzias : a tralar no tr-
mazem da rua do Vigario n. 7._____________
Farinha de mandioca
em saceos grandes, e de superior qualida-
de ; no armazem de Taaso Irmos, rua do
Amorim, n. 35.
\A 200 rs o covadol
Cssas rauit* bonitos e finas
(na na do Crespo n. 17, loja del
; Jos Gomes Villar.
Vende-se uma escrava crioula, sadia, boa fi-
gura, cosinha e engomma com perfeicao: a tratar
na roa das Cruzcs n. 22, segundo andar, entrada
no becco do Ouvidor.
i: Vendem-se barrls com cal des-
ta procedencia, em pedra, cliega-
da hoje, e nica nova, qne ha no
mercado, na rua do Trapichen.
IS, armazem de Hanoel Trliei-
ra Batato._________________________
AMA
Precisa-se de uma ama que saiba coz.nhar
rua Nova n. 09.
--------'
na
a 2A a caixa
lacaa*
na rua Nova t. 8.
Vende-se por preco commodo um moletrae
de 24 annos, sadio e sem vicios : a tratar na rua
da Aurora n. 62.
/


..-..
.a
ib de Feratmhueo Toe?* letra 8-de
d 18.
-
V
A AGUIA BRANCA, ,
Receben por esse ultimo paquete:
Ftons carteiras com as encllenles agalbas;
ingle/as. '.')
Agulhas parisienses tambem de excelen-
te qualidade.
Trancelins finos de borracha para en-
fiar.
Bailes prelos de velludo, maiores e me-
nores pan vestido.
Trausinhas brancas estreitinbas d'algodSo,
para enTeiles de vestido.
Escoras cabos demadeira, osso e madre-
perola para limpar penles.
Pinches para p de arroz.
As jtnilas fiveilas com pedraspara cintos.
Outras de lino dourado e esmaltadas.
Otilias de madreperola.
Bonitos leques de madreperola com bou-
quet. /
Onlros leques d'osso com bouquet.
Outros de plumas, com cabos d'osso e
madreperola, e outros finalmente de snda-
lo e prelos.
Pentes de borracha, recortados, dourados
e com pedras para meninas e outros de tar-
turuga.
Meias do seda para baptisados.
Lindas touquinhas e fil de linho. cam-
braia esetim, mui bemenfeitadas para crian-
cas
AGUIA BRANCA.
Da roa do Qoeiaado n. S, receben.
Tnico oriental de Kemp.
Agua florida Murray 4 Lanman.
Dita de flor de laranja Gondray.
Dita de rosasdito.
ROIIPA FEITA
Bolsas para viagrns.
Vendem-se na roa do Queimado, loja d'Agnia
l Branca n. 8.
Volt as pretas
BfARIA PA.
A Aguia Branca recebcu as desejadas voltas
I pretas, mui compridas >; gradas. I
GBADE IIQUIDACiO
M
fazendas franceas e ingloias todas de superiw
qualidade : se veade muito barato para liqui-
dar tontas, loja e araaxem do Arara, na
da Imperalrii a. 06 de Loureafo Pereira Gui-,
maraes.
Cirande pechincha i-aa de 9
palmos a 109 SO.
Vende-se 15as transparentes de cores Usas.
e quadros com 9 palmos de largura, pro-
prias para capas e vestidos para senhora a
1)5280 o covado ; lazinhas muito finas de
quadrinhos a 280 e 320 rs. o covado ; di-
tas transparentes muito finas a 400 e 500
rs o covado ; gorgorito de cordo, fazenda
fina e nova para vestidos por ser padrSo de
seda por 500 rs. o covado. S na Arara
F.?te nLESJ8 edl,asPara ha este grande sortimento de lazinhas e
outras muitas fazendas, que Irouxe o ultimo
vapor vindo da Europa : ra da Imperatriz;
O. 56, loja do Arara de Mendos Guimares.
A Arara vende ricos vestidfs bordados braaces
a 12;>000 rs.
Vendem-se ricos e finos vestidos brancos
bordados a 125 ; ditos maissingelos a 50 .;
NO
ABHAZEn
DE
fcVl^ftft ^ 3%fl^
fc
>M
unrauExxto verb.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de.roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, voutade dos concor-
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
-horneas e meninos.
Casacas de panno preto, 354 e
Sobrecasacas dem, 300 e. .
Paletos dem e de coros, 25(5,
204, M e......10000
Ditos de casemira, 205, 155,
PKIGRESSIVO
KftiMiDS HlM\23ia
DI
MOLHADOB
Largo do Carato 9.
Grande sor times to para a fes la por menos
10 a 20 por.ceuto do que emoutra qualqner
parte.
SUR
3O50O0 Colletes de fusto e brim bran-
25(5000 co, 35500, 35 e .
Sereulas de brim de linho,
25490 e ......
Ditas de algodao, 15600 e. .
125, 105 e...... 75060 Camisas de peitos de linho,
manguitos, ou meninas.
Livrinhos para notas
Moral tercos de cornalina, e coral lapida-
do com cruz de prata ele.
Bonitas pulseiras brancas de perolas fal-
sas, e outros de chapa de crysul opaco,
com lisias douradas.
Tudo na loja d'Aguia Branca, ruado Quei- dt(JS fc barras (1'e rktaM de c6res a 35 ;
mado a. 8.
Lbrrinthos e bicos,
tito baratos que o comprador admira.
Esses nbyrinthos e bicos se applicam a
diversas obras e lins, e sempre com provei-
to por suas fortides c duraco, hoje mais
do que nunca, convem a todas as familias
compra-tos para aproveitarem-se da occa-
rua
ditos de barras a.35 e muito baratos
da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Mais pechineba na AraraCassas a 200 rs. o co-
vado.
| Vendem-se cassas organdys de quadros
cor de caf e mais claros a 200 rs. o cova-1
do; ditas francezas finas a 240, 280 e 320
rs. o covado; cortes de chitas de cores a
sij em que elles sao vendidos tao baratos ^ jtas francezas com pequeo toque de
que na terdade o comprador admira, e bem mofo a 230g crtes de rscados famosissi-
se pode di/.cr que por taes precos nuncamos com 14 covados a 35 (s na Arara,
ni rs liaver Os labyrmllios sao de novos rua (la imperatriz n. 56 ); cortes de casimi-1
e Imitos desenhos das larguras de qualro,ra eilfesla(ia ,,ara caica a 1,5, igoo e 25,,
dad is at mais de um palmo (ou tres a dez tendo cada crtc vara c 3 quartas, cousa
Bollegada) e os limitados presos sao do 15mnit0 barata.; casimiras finas a 25500 e 35^
a 35 .1 peca de dez varas, variando estes em trte casimras iSilS para ^pa, de se-
i) a largura- A ser em varas liaver nhora com 6 palmos de largara a 3g 0 cova-
m.-.i pequeas differencas, os bicos porein (lo rua-da Imperatriz n. 56.
Ditos de alpaca, 55 e. 35500
Ditos ditos pretos, 95, 75,
55 e.........35500
Ditos de brim e ganga de co-
res, 45500, 45, 35560 e. 35000
Ditos branco de linho, 65,55 e 45000
Ditos de merino preto de cor-
do, 105, 74e......55000
Calcas de casemira preta, 125,
105, U e......75000
Ditas de cores, 95, 85 e. 7*000
Ditas de meia casemira de co-
res, 55500 e.....4*000
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 55, 45500 e 4*000
Ditas de brim branco e de od-
res, 55, 45500, 45 e 25500'
Ditas de ganga de cores,
35500, 35 e.....25500
Colletes de velludo preto e de
cores, 95 e......75000
25500|
250OO
15400
2*500
principian! por mais eslreilos ate ;
largara d
os labyrintbos, e os presos sao
igualmente proporcionados. Uso pois, as-
sim simplesraenie dito lalvez pouca conside-
racSo inereca, poriu para desengaar e-fa-
zo;- o comprador reconhecer a verdade e a-
preciar o extremo da barateza, necessario
que Si! dirijam com dinheiro; a rua do
Queimado loja d'Aguia Branca n. 8.
&ra\a econmica.
A asruia branca acate de receber essa acredita-
iva econmica, cuja superioridade est ge-
rab ihecida ; ossa boa graxa se torna
re 'iiiii.iiicia'la. tanto porque o calculo lustrado
com olla dola perfeitameate lustroso ao menos
irea dias sein aecesaidaa de novo unto, tomo
a; -ni" porque sua preparacao appropriada para
i in -c '. ci.i ervarocouro; ella %T.m em caixi-
Bhas e h.trrmnlms, e acha-se venda na rua do
Qjtiniab n. H, loja d'aguia branca, aos rczumidos
I O, 500 e 6i0 rs.
Geules de concha.
lmi as novas e diversas riiarnices de
i Les iiie a Aguia Branca acaba de rece-
bi. .,'-,. inuuin uma |n;ijiiena qualidade
de :> inl es de concha que com graca e acer-
11: oe ite servem para o moderno alado dos!,.
Imj)eratrtz
A Arara vende chitas a 210 rs. o covado. Sao
Unjas.
Vendem-se chitas francezas com toque de
mofo, que se extinguir logo que forem la-
vadas, e as cores sao lixas a 2iO e 280 rs.
o covado ; ditas limpas e linas a 320, 360
e 400 rs. o covado ; lencos brancos com
hara de cores linas a 160 rs, cada um ; di
tos brancos todos a 200 rs.; ditos muito ti-
nos a 320 rs ; meias para homem a 200 e
240 rs. o par ; ditas para senhora a 320 e
400 rs.: na loja da Arara, rua da Impera-
triz n. 56, de Mondes Guimares.
Si'ilinlias da Arara a 3C0 rs. o covado.
Vendetn-sc sedinhas para vestidos de se-
Ditos de casemira preta, 55 e
Ditos de ditas de cores 55
45 e.......
Ditos de setim preto. .
Ditos de ditos e seda branco,
65 e.......
Ditos de gorgur5o de seda
pretos e de cores, 65, 55 e
45000
35500
550OO
55OO0
45O00
55, 45, 35 e-
Ditas de madapolo, 35,
25500, 25 e.....15600
Chapeos de massa, pretos fran-
cezes, 105, 95 e. 85500
Ditos de fltro, 55, 45,35500 e 25000
Ditos de sol, de seda, 25,
115, 75 e......45500
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda...... 640 \
Sortimento completo de grava-
tas. 5
Toalbas para rosto, ctezia, 115, i
95 e........6*000 j
Atoalhado adamascado de li-
nho vara...... 152801
Chapeos deso, dealpaca, pre- \
tos e de cores.....45000 i
Lences de linho.....35000 a
Cobertas do chita chineza.. 25000 C
Pennasd'aco, as mais superio-
res, a grosa...... 600 |
Relogios de ouro orizontaes, f
905,805 e......705000 S
Ditos de prata, galvanizado,
patentes e orisontaes, 405 e 305000 I
Obras de ouro, adercos, meios
aderecos, pulceiras, rozetas,
aneis e cruzes.
FITVDI^AO DO BOWJtf AUKRUA DO
Duarte d C. scientificam aos seos freguezes e ao publico emgeral, que acaba de che-
ar da Europa um socio que faz parte da firma, com um grande e bello sortimento de
g
molbados por elle escomidos, os quaesse vendem por menos de lo a8oporo/0 do que ou-
tro qualquer anmmciante, garantindo a boa qualidade e peso de qualquer genero vendido
neste j muito acreditado armazem, eporisso, firmados em que cumprem Belmente o
que promettem, pedem todos os Srs. da-psaca, de engenhes e lavradores, o favor de
mandarem suas encommendas ou rela^oes ao armazem Progressivo, certos do n5o terem
em tempo algum occasi3o de se arrependerem.
Aviso.
Todos os Srs., que comprarem para tornarem a vender, terSo, alm da differenra
j publicada, mais 5por% de abatiinento. Os proprietaries tambem garaotem obom
acondicionamento ainda mesmo dos mesmos para o mais alto serto.
x^
eadeiigs Ellesso de bonitos e agraaaveis
moldea, edelamanho pequenino como con-
vem >ara o lim que sao. E' esta a primei-
ra voz que amelles aqu cliegam, por isso
que anuda novisslma, pelo queganlia-
ro a palma aquellas senhoras que primei-
ro se ipesentarem com elles, para o que
os na Har.io comprar na lo;a d'Aguia Bran-
ca, rua do Queimado, n. 8
t-Mpellas, los'es e Invas entclta-
1:5* para noSvas.
Pete ultimo paquete a Aguia-branca rece-
I: ui os nimos cima sempre necessarios s
n (ivas, os quaes, segundo suas recommen-
i's, rieram de muito gosto, e perfeita-
roente delicados.
As capellas sao de mui moderno e agra-
Invo! iiioldode linas flores, e acabadas com
to lo o esmero : as flores solas sao exire-
mamente delicadas e proprias para enfeites
de vestidos e mesmo ornatos de cabeca, sen-
ilgati-is vergnnteas de jasmin, cachos de
re Jas, e outras estimadas flores.
A hivas, porm, apreciada obra de Jou-
1 parece que forim enfeitadas |>elas mes-
s las mimosas flores, pois que ;
mi gesto e perfi-i -i., a.i la ili-ixain a desejar. j
So essas, p tis, as capetas, flores e lavas
i le eorrosp m letn ;i rpiea do vestido, fot-
o 1:11 o tmnpleto asseifi e perfeicao, e eje*
:,u a galiiardia da candida noiva. Reata
somenle que os pretendentes munidos de
dinheiro dirijam-se alegre e espacosa fo-
ja ('Aijuia-luanca, rua do Queimado n. 8
Kalcndarios semanaes : pelo
ps'cco todos compraro.
Sao de suinma utilidade esses kalendarios
naos, porque mostram acertadamente
?. d ita e dias da semana, sem o continuo tra-
b.ilho de bolir nelles diariamente, pelo qne
se tornan necessarios e preferiveis a todos
os-outros ; lauto para casas de familias, co-
m mesmo para qualquer oulra parte, e
principalmente por 500 rs. cada um: na
rua do Queimado, loja d'Aguia-branca, n. 8.
Phosphoros de cera.
Vendem-se a 24o rs. a duzia de caixinhas
de phosphoros de cera : na rua do Queima-
do, loja d'Aguia-branca n 8.
Englezas : Opiata e agua da
Colonia.
A Aguia-branca da rua do Queimado n. 8
acaba de w*eber a apreciada opiata ingleza,
assim como mu boa agua da Colonia tam-
bem ingleza.
Carrafas com agua da Colon! 1.
Chegaran novas garrafas com agua da Co- j
l'iiia para a loja d'Aguia-branca, rua do
Queimado n. 8.
ffiravilha das bellas, novos e
delicados enfeites para ves-
tidos.
Y. aprasivel a aguia branca o ter de arisar a
sua boa freguezia. que acaba de receber pelo pa-
qiiele francel um bollo sortimento de enfeites di:
nhora a 560 rs. o covado ; cassa-seda com j Moinhos" para moer mandioca,
palmas soltas a 500 rs. o covado ; chalim Arados americanos, etc. etc.
de cores para vestidos de senhoras a 500
rs. o covado ; sarja de eres para vestidos a
400 rs. o covado rua da Imperatriz, loja do
Arara 11, 56, & Mendos Guimariies.
Mailannbin bUflU enfeslnrfft 4flOn
VeiiPin-se pecas de madapoiao lrancez
pe(as tle algodao
55500 ; madapo-
Este muito acreditado estabelecimento est prvido de um completo sortimento
machinismos proprios do fabrico de assucar, a saber:
Machinas de vapores as mais modernas e mais acreditadas.
Rodas d'agua de ferro com seus pertences.
Moendas e meias moendas de todos os tamanhos.
Rodas dentadas, angulares e de espora.
Taixas de ferro batido e coado.
Boceas de fornalha pelo novo systema Wetson.
Alambiques de ferro fundido.
Fornos para cozer farinha.
de
enfestdo a .-> e 3300
ncorpado a 45, 45600 e
m<^i
ESTABELECIMENTO GOMMERGIAL
D
lao inglez com t\ jardas marca Rainha a 75 ;
dito Elephante a 75500 ; dito n. 6 fino a i
8i : dito 11 7a9 ; dito de cora dourada
a 105, todos estes madapoloes sao muito fi-
nos : rua da Imperatriz, loja da Arara de
Mmdes GaimarSes.
Iiiuiji- frita da Arara.
Vendem-se uniformes completos, comoi
sejnm : iialetots, calcas, coleles de casimira \
ingleza a 103P e 125; calcas de brim e
mi-ia casimira a 2; pnletts de brim de
cores a 25000, e 3 ; ditos brancos a 35 ;
ditos de meia casimin a 35500 e 45 : se-1
roulas de bramante francezas a 1 r600 : ditas
de linho a i'5 camisas francezas a 15600 ;;
ditas muito linas a 25 e 25500 ; ditas de li-!:']
nho inglezas 3 ; camisas de meia para ho-
mem a 500, 800 rs. e 15 : collerinhos de-
l:nho a 500 rs:; rua da Imperatriz n. 56.
Ilalocs da Arara a 35000 rs.
Vendem-se baloes de arcos americanos de!
O. 25, 30 e 40 arcos a 3, 35300, 45 ef
4*300 ; ditos de brilhautina a 45; ditos de
dita muito grandes a 3JM5 0 : rua da Impe-
ratriz, loja da Arara n. 56.
Lencos de seda a 800 rs.
Vendem-se lencos de seda de uma s cor:
muito linos a 800 rs.; ditos estampados a
\, ditos con franjas a. 15500: ruada
Imperatriz 1106.
A Arara vende ricas colchas avelludadas a 85000.
Vendem-se ricas colchas avelludadas para
cama a 85 ; ditas de fusto a 55 : ditas de
damasco a 45: ditas de chita 25 : rua da
Imperatriz n. 56.
Corles de la a 3,600, 4,000 e 5,000 rs.
Vendem-se cortes de la para senhora
a 35600, 45 e 55 : ditos de organdys finos
a 65 e "5: camisinlias muito linas parn se-
nhora a 45500 com gravata e tambem gol-
linhas muito finas para senhora com botao-
zinhos a 320 rs. ; ditos de golla e punho a
15 : rua da Imperatriz n. 36, loja da Arara
de Mondes Guimares.
Tai laiana da Arara a 800 rs.
Vende-se tarlatana muito fina a 800 rs. a
vara; fil de linho liso e fino a 800 rs.;
ditos de salpicos a 15,; fil de linho de co-
res a 160 rs. o covado ; cortes de cambraia
com 1 vara de largura com palmas soltas
95 ; pecas de cambraia de salpicos a 35500:
rua da Imperatriz n. 56, loja d Arara de
Mendes Guimares.
C4LDER4RI1 E UMIICAA DE MET4ES,
Mito na rna do llnim n. 40 junto
a fnndlco do Sr. Bowniam, pertencente a
Villara Irmo k. C.
Neste estabelecimento enrontraro os freguezes um completo sortimento p
de tudo que diz respeito as artes de caldereiro, funileiro, latoeiro, ferreiro e ^r
fundico, e os abaixo asssignados que o dirigem, promettem servir a todas as
pessas que se dignarem de os procurar, com promptido, sinceridade e pro-
cos muito rasoaveis. O dito estabelecimento estando montado em ponto fi
grande, tanto no que diz respeito a pessoal, como em materia prima, e tendo
habis officiaes, pode executar cora toda a perfeicao e seguranca qualquer
obra tendente as artes cima mencionadas e alfoitamente pdem os abaixo as- ^,
signados assegurar ao publico que nenhum outro estabelecimento Ihe pode \
fornecer mais barato e mais perfeito do que elles, visto que recebem de sua
propria encommenda todas as materias empregadas em ditas obras.
Alambiques simples e continuos de to- Sinos de 16 libras 8 arrobas.
ds os tamanhos edimencoes. Parafuzos de bronze e ferro para ro-
Machinas de cobre para destilar e res-1 das d'agua.
tilar espirito at 40 graos pelos sys- Torneiras de bronze e bronzes para
temas de Logier e Derosne. engenho.
Carapucas e serpentinas de cobre, e Encanamentos de cobre e chumbo de
estanho, avulsas. todas as grossuras.
Taixas e tachos de cobre para engenho Bombas para cacimbas, aspirantes e
e reinacao. j de repucho.
Paroes de cobre e todos os cobres ne- Bombas para destilaces.
cessanos para o fabrico do assucar. Ditas para regar jardins, hortas e
Cobres para rodas de moer mandioca. capim.
Machinas econmicas para lavar roupa Ditas para navios e barcacas de varias
o melhor possivel. i qualidades e dimences.
Cobre em leneol e arrodellas, estanho em barrinha, chumbo em barra,
lencol e canos de todas as grossuras.
Villafa Irmo e C.
^jSdXSSF o>^czr "^^ uner tbo ->o -co"
Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de conta propria, a 8oo rs. a libra.
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
56o rs. a libra, e em barril ter abatimen-
to.
dem ingleza em potes de 4 a 16 libras a
8oo rs. a libra e o pote separado.*
Cha uxim o melhor neste genero, mandado
vir de cortta propria, a 2,8oo rs. a libra
dem hysson, grande, muito bom a 2,6oots,
a libra.
dem preto, muito fino, a 2,6oo rs. a libra.
dem preto, mais baixo, a 2,000 rs. a libra. L
Graixa em latas muito nova a 120 rs. a lali-
Idem, verde, miudinho, mais proprioparane-1 nha, e 1,300 rs. a duzia.
gocio, a l,5oors. a libra. I- ?._
i Petxe em latas muito novo : savel, pescada,
Banha de porco refinada muito al va a 46o curvin, salmo e outras muitas qualidades
rs. a libra, e em barril se far abatimen- preparados de escabexe, segundo a arte de
Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groza e 2o rs. a
caixinha.
Mimo alpista a 160 rs. a fibra.
Paineo a 2oo rs. a libra.
Gomma muito alva para engommar a 80 rs.
a libra, e em arroba se far abatimento.
Sag muito novo a 28o rs. a fibra.
Sabo verdadeiro hespanhol que raras vezes
vem ao nosso mercado a 28o rs. a libra.
Sabao massa de superior qualidade a 180,
200, e 220 rs. a libra do melhor que ha
DE
iDADima & UKD8 8&SIWD8
L 21LARGO DO TERQO -N. 21
t'Musm da
Wnde-sc em casadeN.O. Bie-
ber C saccessoi-es, rua
Cruz n. 4.
A ssitcar do Monteiro
Rua do Imperador n. 28 e caes de Apollo n.
O proprietario deste bem sortido armazem de molhados vende os seus gneros j
bem conhecidos de primeira qualidade, e por isso caprichoo de escolher, para bem servir
aos seus freguezes, mandando vir a maior parte do seu sortimento, para o que tem pessas
encarregadas para este fim, e os pode vender por menos de 10 a 20 % do que em outra
qualquer parte.
Verdadeira genebra de Hollanda em botijas de conta certa a 400 rs.
dem de laranja em frascos grandes a 1,000 rs. e de Hollanda a 500 rs.
Caixinhas com 8 libras de oassas de carnada a 2,400 rs. e a libra a 480 rs.
Velas de espermacete, carnauba e composico a 63o, 44o e 36o rs. a libra e a arroba a
10,000 rs.
Palitos do gaz sem avaria a 2,3oo rs. a groza e 2oo rs. o maco.
Serveja das melhores marcas a 500 rs. a garrafa e a duzia a 5,5oo rs.
Vinho das melhores marcas F. L. P. a 4oo, 5oo e 56o rs. a garrafa e a caada a 2,8oo e
*ooo rs.
Batatas desembarcadas ltimamente a 5o rs. a libra, e a arroba a 2,8oo rs.
Bolachinhas americanas a 2,ooo rs. e 3,5oo rs. a barrica e 2oo rs. a libra.
Azeite doce de Lisboa a 3,ooo rs. o galo, e a 6io rs. a garrafa.
to.
Biscoitos inglezes das seguintes marcas:
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travellies
Lunch, Cabin, e outras muitas marcas a
l,4oo rs. a lata.
Bolachinha de soda, especial encommenda,
2,2oo rs. a lata.
Biscoitoinglez Craknel em latas de 5, 7 e 15
libras a 5,ooo e 6,ooo rs. e de l,2oo a
8oo rs. a libra.
Quijos do reino pelo baratissimo preco de
l,6oo, l,8oo e2,ooo rs., os do ultimo
vapor,
dem prato muito fresco a 64o rs. a libra,
dem londrino muito fresco a 8oo rs. a libra.
Vinhos em pipa : Porto, Figueira e Lisboa, a
48o, 56o, e 64o rs. a garafa, e de 3,ooo a
4,5oo rs. a caada.
Marmelada imperial dos melhores consenti-
ros de Lisboa em latas de 1 e mais libras
a 7oo rs. a libra.
Fructas em caldas das seguintes qualidades:
ameixa, rainha Claudia, peras, cerejas,
ginja, pecegos e alperch a 5oo rs. a lata.
Figos em caixinhas de 1 Va arroba e de 8 li-
bras a 8,ooo, 4,ooo e 2,ooo rs, e a 3oo rs.
a libra.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra, e
em arroba ter abatimento.
Sardinha de Nantes a 32o rs. a latinha.
Toucinho de Lisboa a ioo rs. a libra eem ar-
roba ter abatimento.
Massa de tomates a 64o rs. a libras.
Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
Farinha do Maranho a 14o rs. a libra.
Ceblas a l,2oo rs. o mlho, e a l,ooo rs.
o cento.
Tijollo para limpar facas a 16o rs.
Cerveja das mais acreditadas marcas de
5,ooo a 7,5oo a duzia, e de 5oo a 600 rs.
a garrafa.
Prezunto para fiambre muito fresco e hoto
a 800 rs. a libra'.
Genebra de laranja a 9oo rs. a frasco.
Chourifas as mais frescas do mercado a
54o rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa,
e io,5oo rs. a caixa com uma duzia.
Licores francezes das seguintes marcas: A-
nizete de Bordeaux, Ptaislc des dames, e
de outras muitas marcas a 10,000 rs. a
duzia, e a l,ooo rs. a garrafa;
cozinha, de 1,400 a 2,ooo rs. a lata.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado e escolhido pessoahnente por um
dos socios que se acha em Portugal, das
seguintes marcas: Duque, Gemirno, Ve-
lho secco especial, Lagrimas Doces de
1819, vinho especial D. Pedro V, vinho
velho, Nctar superior de 1833, Duque do
Porto de 1834, vinho do Porto velho su-
perior, Madeira Secca de superior quali-
dade, vinho do Porto superior D. Luiz I
de l847. Lagrimas do Douro, especial vi-
nho do Porto, de 1,00o a 1.2oo rs. a gar-
rafa e de lo,oooa 12.ooo rs. a caixa com
umaduzia.
dem Bordeaux de difieren tes marcas, garnte-
se a qualidade, a 8,000 rs. araixa com uma
duzia, e a 7oo rs. a garrafa.
Garrafoes com 5 garrafas de vitilio do Porlo
do Alto Douro a 2,2oo rs. com o garrafo.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira, mais
proprio para a nossa estaco por ser mais
fresco a 2,4oo rs. com o garrafo.
dem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
o garrafo.
Vinho branco o melhor neste genero a 600 rs.
a garrafa e 4,000 rs. a caada.
Velas de spermacete as melhores que ha no
mercado a 600 e 64o rs. o masso, e em-
caixa se fr um grande abatimento.
dem de carnauba e composico, de 4oo a
32o rs. a libra, e de lo,ooo rs. a 11,5oo rs.
a arroba.
Caf de 1" e 2a sorte de 8,3oo a 8,600 rs. a
arroba, e de 28o a 32o rs. a libra do me-
lhor. '
Arroz da India, MaranhSo e Carolina a 3,ooo.
2,8oo e 24oo rs. a arroba o de lo/< rs. a
80 rs. a libra.
Frasqueiras de genebra a 5,8oo rs., e a too
rs. o frasco.
Azeite doce em barril, muito fin,o a 64o rs.
a garrafa.
Papel grve pautado e liso a
resma.
Genebra de Hollanda em botij
44o rs. a botija.
,5oo rs. a
conta a
ton.- [a:,,vz um bello sortimento de enfeites de R7 .,' ,;hr, a ,,. Q iih_,e _JL. :_, Azeite uoce ueL>n.uud < o,uuu .. B, < 'X ae------
se.ia denominado maravitha das bellas, os quaes u/jJL5 rs- a ,,Dra' e ae 8 UDras P3 cuna Oueiios do reino os mais novos do mercado a l,8oo e 2,000 rs.
111 tanto iara^fbstdo de senhora como para a 5WW aarroba.
roupintia^ de enancas. Seas noTissimos e delica-
! Milho alpista o mais limpo que ha a 5,000 rs., a arroba a 160 rs. a libra.
0. Wmos do Alentejo e das liba.! Maniera ingleza perfeitamente^ flor 3^800 e^a 720 rs.^ a li
ai
duvida est em haver dinheiro, havendo-o; diri- qu'eijos do A lan^ |ia 800 rs. a libia, 4 pj-imaira 6 segunda SOrte a 2,800 2,500 e 2,000 TS. a libra.
res fazem um todo agradavelaosollios de qoalqucr Duarte & G. acaban de receber da Europa pelo dem franceza, muito SHpertOr, a 560 rs. a libra e em DaiTIS a 540 r
yiveale rjuo saiha apreciar bom. Assim, pois, a vapor Oneita entrado homem, s muito deseiados Caf do Rio da 1 .* 6 2,* SOrte 280 e 320 rs. a libra, 6 a arroba a 8,800
a 560 rs. a libra e em barris a 5*0 rs. a libra.
e 9,000 rs.
fem-ie sem susto ao espacoso e aleere ninho do tem qneijos de IC a Wlluras, sendo inteiro se a-.If.. ""F11"*01'0 eM ,___u.i.'..*, um j,. mmann innm;^
aVuia branca, rua do Qdeimado n. 8, que acharao r abatimento: no paleo do carino n. 9. amana I ^Jolo francez de grande tamanho a 14o rs. cada um. e a Iem dos gneros annunciados
^" ._ i t. .____..... U.____, ..Unr. n..n nh^nnkn ua>n monomnl. AS vaniltt-C & llinllOirn lOl
as verdades cima ditas.
progresso
ha outros muitos que enfadonho seria menciona-los: vendwe dinheiro vista.
Passas muito novas a 5oo rs. a libra a
8,5oo rs. a caixa. Ha caixas, meias e
quartos.
Peras seccas 3,eoo rs. a caixa e8oo rs.
a libra.
Bolachinha ingleza a 4oo rs. a libra.
Azeite francez eportuguez refinado a8oo rs.
a garrafa, e ft.ooo rs. a caixa com uma
duiia.
v
Conservas inglezas das seguintes marcas:
Mixed, Pickes, e ceblas simples a 8oo rs.
o frasco.
Mostarda iogleaa preparada em potes a 4oo
rs. o pote.
Grao de bico a 16o rs. a libra, e em arroba
ter abatimento.
proprios para deposito de manteiga. doce,
e outro qualquer liquido, de 1 ,ooo a 3,ooo
rs. cada um.
Champagne das mais a creditadasmarcas a
1,000 rs. a garrafa, e a lo.ooo rs. a duzia
ou f?igo.
Allios a 8o rs. o masso.
Sal refinado a 7o rs. a libra.
Ervilhas francezas e portuguezas a 64o rs.
a lata de uma libra.
Chocolate francez, hespanhol, suisso, e portu-
gnez a 1,000 rs. a libra, e a 28o re. cada
pao de uma '/*
Garrafoes vasios de 5 garrafas at 3 caadas
de 5oo at l.Soo rs. cada um.
Ameixas francezas em caixinhas elegantemeu-
te enfeitadas, cora diversas estampas
no exterior da^caixa, de l,5oo a 3,ooors.
cada uma; tambem ha frascos e latas de
differentes tamanhos que se vendem por
mdico preco,
Massas'para jspa: macarrSo, talharim, e
aletria a 48e rs. a libra, e em caixa se
far abatimento.
Doce do goiaba de 4oo a 8oo rs. o caixo
grande.
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 librmnitos, ahtem a 2,ooo o caix3o grande.
Charutos de todas as marcas e dos melhores
fabricantes da Bahia de 3,ooo a 4,ooo rs.
a caixa.
Alem dos gneros cima annunciados ha um completo sortimento de eoounhos, er-
ra doce, alfazema e outros muitos gneros, que tudo se vende por baratisssimo preco.
MUT
(/


imri *e Ptottftfllfcftco *e*eWTefra de *a*eml>ro de ff&tfe.
.

/
-*_
GRANDE ARMAZEM
AE
EE
X. 36, RA DAS CftUKS N. 3
DO
balrro de Santo Antonio.
0 proprietario do muito acreditado armazem deneminado Progresista tendo
empre em vista fazer tudo o que for possivel para bcm servir aos seas freguezes, tem
deliberado vender os seus j bem conhecidos gneros de primeira qualidade pelos precos
abaixo mencionados, e affianca s pessoas que mandarem comprar por seus criados ou
escravos, serem tio bem servidas como vmdopessoalmente; encarrega-se de aviar qualquer
encommenda, ainda mesmo contendo objeetos nao proprios deste estabelecimento. 0
mesmo pede aos sennores que mandarem comprar neste armazem o favor de mandarem
devolver qualqner objecto que nao agradar, devendo os mesmos senhores ter toda atten-
c5o com os seus portadores, fazendo-lhes ver que s no armazem Progrmista da ra das
Oruzs n. 36, que se vendemos melhores gneros por mais barato preco, porque estes
militas vezes olvidam-se e v3o outra parte onde os servem de maneira a desagradar este
estabelecimento.
Mustarda preparada, muito nova a 360 rs. o
pote.
Figos a 3O rs, a libra, p y^ d a 200 rs. a duiia de caixinhas
Vinho superior da Figueira e Lisboa, 400, r *. mbT* a orosa
0, 480e 500 rs. a garrafa, e a 2,500,1 e 3',w *
2,700, 3,000 e 3,400 rs. a aada. i Ditas hygienicas ede seguranca a 240 rs. a
duzi
dem engarrafado, das seguintes marcas du-!
que do Porto, Feitoria, Nctar, velho secco, Alpista muito limpo a 160 rs. a libra,
CI,a.niss^Madeir^superora8,500rs.a Gorama de engomraar a 80 rs. a libra, e
2,200 rs. a arroba.

GRANDE ARMAZEM DE MOLHADOS
DE
z>W
RA DO QUEIMADO N. 46
DE
FAZEWDAS E ROUPAS FKIIAS.
TODOS
0
ViPORDfH
se recebem gneros de conta
propria e dos melhores esta-
belecimentos da Europa, ga-
rante-se todo e qualquer ge-
ner comprado neste
ESTABFLECIMEWO,
COMPLETO
SORTIMENTO DE MOLHADOS.
vende-se em porcao e a reta-
mo, aprompta-se com toda a
presteza e exactidSo qualquer
encommenda dirigida a este
ESTABELECIHEYTO.
- Sortimento completo de sobrecasacos de panno a 250, 280, 300 e 350 casacas
muito bem feitas a 250, 280, 300 e 350, paletots acasacados de panno preto de 160 aie
250, ditos de casemira de cor a 150, 180 e 200, paletots saceos de panno e case-
mira de 80 at 14*. ditos saceos de alpaca, merino e laa de 40 al 60, sobre d atoara" e
merino de 70 at 100, calcas pretas de casemira de 80 at 140, ditas de cor de 7& at'
180, roupas para menino de todos os tamanhos, grande sortimento de roupas de brim,
como sejamcalcas, paletots e colletes, sortimento de colletes pretos de metim, casemira
* e velludo de 40 a 90, ditos para casamento a 50 e 60, paletots broncos de bramante a 40
J e 50, calcas brancas muito finas a 50, e um grande sortimento de fazendas tinas e inouVr-
njj} as, completo sortimento de casemiras inglezas para homem, menino e senbora, cecoulaa
2X de linho e algodo, chapeos de sol de seda, luvas de seda e de Jouvin para hornera o se-
!: nhora. Temos urna grande fabrica de alfaiatfe, onde recebemos encommendas de grandes
^ obras, que para uso est sendo administrada por um hbil mestre de semelhante arte e um
pessoal de mais de cincoenta obreiros escolhidosf por tanto executamos qualquer obra ctm
promptidao e mais barata do que em outra qualquer casa.
FUXDI^O
1>E
Os propnetenos do muito acreditado armazem Progresso fazem sciente ao respeita-
vel publico % com especialidade aos seus amigos e freguezes qne tem resolvido resumir o
DE
FRANCISCO ANTONIO CORREIA CARDOSO,
Ra do iirum. X. 8.
Uvas muito novas a 1 ,ooo a libra.
Castanhas a 2oo rs. a bra,
Figos a 30 rs, a libra,
duaa e 800 rs. a garrafa.
dem Birdeaux de diversas marcas a 640 rs.
a garrafa e 7,500rs. a caixa com 12 garrafas. I
dem Muscatel deSetubala 1,700 rs. a gar-
rafa, e 18,000 rs. a duzia.
ilarrafoes com 5 garrafas de vinho do Porto,
Lisboa eFigueira a 2,100, 2,200 e 2,300
rs. com o garrafSo.
dem bronco muito superior a 500 rs. a garra-
fa e 3,500 rs. a caada.
i i arrafoes cora 5 garrafas de vinagre a 1,1 oo rs.
Vinagre superior de Lisboa a 1,400 rs. a ca- Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 240 rs. a libra.
Sab3o hespanhol, a 280 rs. a libra.
tem massa a 180, 200 e 220 rs. a libra.
Peixe em lates, savel, pescada, e corvina a
1,000 rs. a lata.
Genebra de Hollanda em butijasde conta a
400 rs.
Papel greve pautado e liso a 3,400 rs. a
resma.
nada e 200 rs. a garrafa.
Velas de spermacete superiores a 580 e 640
rs. o maco.
Manteiga ingleza de l.1 qualidade, a 800 rs.
a libra.
dem de 2.a dita, a 700 rs. a libra.
dem de 3a. dita a 600 rs. a libra.
dem franceza, a melhor do mercado a 540 rs.
e em barril a 500 rs. "a libra.
dem em lates com 2 '/i libra? a 1,400 rs. a late.
Raima de p*&* efinada a 500 rs. a libro.
Qneijos fl;nengos diegados ltimamente a
Ghampanhe das mais a creditadas marcas
a 10,000 rs. egigo e l,OoO a garrafa.
Doce de goiaba de 400 a 800 rs. a caixa.
i
Chocolate portuguez, francez, hespenhol e
suisso de 800 a 1,200 rs. a libra.
Velas de carnauba e de composic3o a 320 e
SCO rs. a libra e 9,500 e 10,000 rs. a ar-
roba. .
Massas para sopa
400 rs. a libra.
macarrao e talliarim a
Charutos dos melhores fabricantes da Ba-
ha, 3,800 3j,400 3,000 e 2,400 rs. a
caixa.
2,000 rs. Cerveja das melhores marcas de 5,000 a
dem prato o melhor que ha neste genero a W** rs. a duzia.
TOO rs 3 lilil
dem do Alantejo'muito snper.or a 8oo rs. a BiscoUof nSlezes de todas marcas a >200
libra. rs- a la-
Arroz Carolino e do Maralo a 2.800 rs. ar- Bolaixinhas de soda em latas grandes a 2,000
roba e 100 rs. a libra. f e 1,800 rs. cada late.
Amendoas de casca mole a 280 rs. a libra.! Massa de tomates em latas de i libra a 560
Caixinhas com ameixas francezas, de diversos e q^q ,s
tamanhos al, 200,1,400,1,800 e 2,100rs.
cada urna. Sardinhas de
Frutas em calda, ameixas, rainha Oladia, pe- rs. a late.
cugos e alpech a 480 rs.
Marmelada de todos os conserveiros de Lisboa
a 600 rs. a libra.
Ameixas em lates de I '/* e 3 libras a 1,200
e 2,408 rs. a lata e 900 rs. a libra.
Acha-sc novamente aberto este antigo e proveitoso estabelecimento, promplo para
1 esecutar quaesquer encommendas de ferro fundido, batido ou de bronze, moendas pita
precos dos seus acreditados gneros, como abaixo vere nao obstante os precos menciona-' engenbos, com vapores ou sem elles, tudo com a maior promptidao, perfeifao e cotn-
dosavista da qualidade dos gneros que se prova quanto sedeseja servir satisfatoria- ?odo prec Ltem varias ,ob"s PromPtas da melhor e mais solida construccao que p-
dem ser vendidas por metade de seu valor, como sejam:
mente aos nossos freguezes, advertindo^lhes que mandem seus portadores, que serio tfio
bem servidos como se viessem pessoalmente, isto s no Progresso.
Farinha de MaranhSo muito alva e cheiroza
a 16o rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 32o rs. a libra e a 9,ooo
rs. arroba.
Sardinhas de Nantes a 36o rs. a lata.
Manteiga ingleza perfeHamente flor chegada
no ultimo vapor a 8oo rs. a libra.
dem de 2. qualidade a 76ors. a libra.
dem de 3,* dita a 64o rs. a libra.
dem para tempero a 32o e 4oo rs, a libra.
Manteiga franceza a mais nova que ha no mer-
cado a 58o rs. a libra, e em barril ter aba-
timento.
Banha de porco refinada a 520 rs. a libra.
Vinho em pipa Porto Figueira e Lisboa a 4oo,
48o, 5oo, 56o rs. a garrafa, em caada
2,80o 3,ooo 3,5oo e 4,ooo rs.
dem em barril o mais superior que tem vin-
ao mercado a 6oo rs. a garrafa.
Lagrimas do Douro especial vinho do Porto a
Iooo a garrafa e a lo.ooo a caixa, o preco
nao indica a qualidade d'este precioso vi-
nho, porm venhamao Progresso que a vis-
te faz f, a este genero constantemente man-
damos vir de conta propria e por isso po-
demos vender por menos que otro qual-
quer annunciante.
Vinho do Alto Douro das marcas mais acre-
ditadas e especialmente escoihido por um
de nossos socios, como sejam: Cames, Du-
que, do Porto, D.Luiz, Carcavellos, Cha-
misso & Filbo, Madeira secco, e Feitoria a
9oo rs. a garrafa e 9,ooo rs. a caixa com: Paltos do gaz a 20 rs. a caixmha e 2,3oo rs.
12 garrafas. jr^*"*. ?
GarrafSes com especial vinho do Porto con- 'Gelea de Alperche chegada no ultimo vapor
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. agarrafa e a
4,8oo rs. a caada.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e a
l,2oo rs. a caada.
Garrafoes cora 5 garrafes de vinagre de Lis-
boa a l.too rs.
Ghampanhe das marcas mais acreditadas a
8 a lo,ooo rs, o gigo, e a 8oo rs. e a
l.ooo rs. a garrafa.
Serveja preta marca T e XXX a 6,5oo e
7,ooo rs. a duzia, e a 6oo re. a garrafa,
tambera temos das mesmas marcas para 4,
e 4,5oo rs. a duzia, e a 4oo rs. a garrafa.
dem branca T e cobrinha a5,5oo e 6,ooo rs,
a duzia e 5oo rs. a garrafa, tambera ha
para 4,ooo rs. a duzia.
Graxa em latas grandes a l,3oo rs. a duzia
e 12o rs. a late.
Moendas inleiras e meias ditas de varios tamanhos, para engenbos.
Portes d'aguas guarnecidas de brony.ecom parafuzo de rosca quadrada.
Rodas de espora, carretes e rodetas angulares.
Parafusos e cavilh5es de ferro ou de bronze, rosca quadrada ou singela.
Agulhes fundidos de azas e balidos para rodas d'agua e chumaceiras com bronze,
Bronzes e torneiras de todos os tamanhos e qualidades.
Tanas e fundos de alambique, de ferro fundido, de varios tamanhos.
Cnvose portes de fornalha de varios tamanhos e qualidades.
Urna machina de deslillacao continua do autorCollares.
Feges americanos econmicos.para casa de pequea familia.
Pomos de fazer farinha..
Tubos de chumbo de todas as grossuras.
Cobre em arrobas e folhas. dito, dito.
Folha de Flandres em caixas, bom sortimento.
Chumbo em lencol e em rolos de diversas grossuras.
B urna grande porc5o de pecas de obras tanto de ferro fundido como balido ou de
bronze que seria enfadonho descrever.
Espera, pois, o proprietario deste estabelecimento que o publico sempre benigno
prestar toda sua confianca e alinelo.e
Vassouras do Porto arqueadas de ferro obra
de muit duraco a 4oo rs. cada urna.
AOS SENHORES LOGISTAS
Desa capital, arrabaldes e provincias
adjacenes.
OTAHUEIi it C.
N. 23 RA NOVA N. 23.
e 28o rs.
Nantes muito novas a 340
Cha huxim o melhor que possivel encontrar
neste genero a 2,700 rs. a libra.
Mera hysson muito superior a 2,5oo rs. a
libro.
dem miudinbo a 2,700 rs. a libra
dem preto de qualidade muito fina a 1,800 rs.
'dem mais inferiora 1,500rs. a libra.
Genebra de laranja a 900 rs. o frasco e 500
rs. os frascos pequeos.
Choaricose paios os mais novos que ha no
mercado a 500 rs. a libra.
Cognac inglez a 9oo rs. a garrafa.
.Marrasquino de Zara a 7oo rs. o frasco e
8,ooo rs. a duzia.
Licores francezes, annizete, plaisir des da-
mes, etc., etc. a 8oo rs. a garrafa e8,5oo
rs. a duzia.
Passas as melhores que se encontram a 360
rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijollo para areiar facas a 140 rs. cada um.
Farinha de Maranhao a 140rs. a libra.
Piraenta da India a 340 rs. a libra.
Ervadoce a 320 rs. a libra.
Palitos para meza a 160 rs. o maco.
Verdadeira farinha de araruta a 500 rs. a
libra.
Frascos com ameixas francezas a 1,400 rs.
cada um.
Prezuntos do Porto a oeo rs. a libra.
Batatas muito novas em gigos com 38 libras
por l,5oo rs.
Canella da India a l.loo rs. a libia.
Cominho a 64o rs. a libra.
Azeitonas de Lisboa muito novas a I,6oo rs.
a ancorete.
Estrelinha e rodinha para sopa a 6oo rs. a
libra.
Legumes seceos para sopa a 4oo rs. o maco.
Breu louro a 3oo re. a libra e 8,ooo re. a
arroba.
Papel pautado e liso almaco e de peso de
3,ooo, a 4,ooo rs. a resma.
Ervilhas seccas chegadas no-ultimo vapor a
\sm> rs. a libra.
QlU9UlK)819q81S8 0JS8 JEp
-ejSesop g EiiouBui ap uia.uds so opno 'ojjed eaino e ora o as-uwspiAio seze.\ stimo sotso
anhaod 'o5aad oojeq siem iod saaauaS sajoqiara so apua.v os anb 9 9g "tf saznjo sep
cuj cp eisissoj3ojd uiazeone ou os onb ao.\ seqi-opuezej 'sajopewod snos so rao og
-uaiie poi'jat saaoquas sorasaui so opuaAop 'jepcae obu onb opofqo Jonb|enb JOA|o\op
tuaicpueui op JO.vej o raazeuue otsou jejduiOD raojepuera onb sojoquas soe apad oosaui o
'oiiaraiaoiaqeisa aisap soudojd obu sotoafqo opuajuoD ouisara epuie 'epuauiuooua jaub
-leiib msx ap as-B8aiJeoua atuaraieossad opui.v ouioo sopj.uas waq ogj majas 'soABjasa
no soubijo snas jod JBjdmoD raajBpueraanb sessad^B boubijb a 'sopBuoiauam oxiBqB so
-ajd soiad apepqenb Bjiaraiad ap sojaua8 sopioaquoa tooq ?f snas so jepua.A opejaqqap
uiot 'sa/anaajj snas soe jiAjas uiaq Baed la.sissod joj anb o opm Jzbj BjsiA'raa aadraas
opuat 'eisissajSoJd opemioouap uiazeraje opetipajae ojinuj op oi.rejaudo.id o
'9S 0|00|uv oyav.H ap oju|vq op ziuj vp una 98 '%.
aa
Bolachas
inglezas
muito novas a 24o rs.
a libra, e 3,5oors. a barrica.
A/.eite refinado a 8oo rs. a garrafa.

Conservas inglezas de todas as qualidades a
750 rs. o frasco.
tendo 5 garrafas a 2,5oo rs.
dem com 5 garrafas de superior vinho Fi-
gueira a 2,4oo rs.
dem com 5 garrafas
2,loo re.
de vinho Lisboa a
Tem a satisfcelo de participar particularmente aos seus amigos e freguezea, c em
geral a todos os senhores logistes deste e de outas provincias, que em consequencia de
Palitos de dentes massos grandes a 2oo rs. suas relaces com as principaes pracas manufactureiras da Europa, tem conseguido
montar a sua fabrica da chapeos de sol obre urna escala importante, a ponto de poder
offerecer vantagens aos prelendentes, tanto na qualidade e bem acabado dos seus produc-
tos, como pela reduccSo dos precos ; verdade incontestevel, de que se podero conven-
cer viste da fezenda e pelos precos que vo abaixo :
Chapos de sol de seda para homem 28, a 72# a duzia.
Ditos 26, a 66000.
Ditos 24, a 603.
Ditos para senbora 18 20, a 483-
A duzia tem descont de 12 por cento.
Ditos de panninho preto e de cor, armaco de balia 20, 24 e 26 sortidos, liquido
a 263 a duzia.
Ditos de junco 20, 24, 26 e 28, a 183 a duzia.
Venham ver para convencer-se da verdae.
Encarregam-se de encommendas para da Europa.
lates de 2 libras a 8bo rs. pechincha.
Genebra de Hollanda garrafoes com 16 gar-
rafas por 6.5oo rs.
dem em frasqueiras a 6,3oo rs. e 6,5oo rs. e a
56o rs. o frosco affianca-se ser verdadeira.
Vinho bronco de Lisboa proprio para missaldem de botija em ^
vrndo ja engarrafado de Lisboa a 64o rs. 7as a iA JZ E! '*UdU uu
zias a 44o rs. cada botija.
dem de laranja em frascos grandes verda-
deira italiana a l,ooo rs. o frasco.
a garrafa.
dem em barril muito superior a 5oo rs.
garrafa e a 4,ooo e 3,8oo a caada.
Ameixas francezas em caixinhas de 1 % 2 Marrasquino de zara a 72o rs.
e 3 libras elegantemente enfeitedas com ri- Licor francez de todas as qualidades em
cas estampas na caixa exterior a l,3ool garrafas de vidro broncos a 72o e 8oo rs.
l,6oo 2,ooo e 2,5oors.
UIZVUHY
i
dem era lates de, 1 '/i e 3 libras a l,4oo e
2,6oo rs, cada urna.
Figos de comadre em bauzinhos de folha
muito proprios para mimo a l,6oo.
dem em caixinhas a l,4oo rs.
Wem em caixinhas emticamente lacradas
e muito bem enfeitedas a 1,8oo rs.
dem a 2oo re. a libra.
Passas de carnadas as mais novas que ha no
mercado a 4oo re. a libra e a 6,ooo rs. a
caixa.
Salm3o em latas ermeticamente lacradas a
8oors.
Lagostim em lates grandes a l,4oo.
Savel, corvina, cherne, vezugo, peixe espada,
preparados pela primeira arte de cozinha a
a l,3oo rs.
Queijos flamengos chegados no ultimo va-
por a 2,4oo rs.
dem do vapor passado a 2,2oo 2,ooo e
l,8oo, rs.
dem prato do ultimo vapor a 64o rs. alibra.
Doce da casca da goiaba caix5es grandes a
6f0 e9oo re.
Chouricas as mais novas que ha no mercado
a 48o rs. a libra.
Chouricas mouras encommenda especial nos-
sa a 5oo rs. a libra.
Prezunlo verdadeiro de lamego em calda
de a/.eite 5oo rs. a libra
Bolaxinha ingleza a mais novas que ha no
mercado a 2,ooo rs. a barriquinha com
1 arroba, e a 24o rs. a libra.
dem de soda de diversas qualidades a 1,400
reis.
dem em lates grandes, proprias para lunche,
com 5 a 6 libras per 2,4oo re.
Marmelada imperial do fabricante Abreu e
outros conserveiros- de Lisboa a 6eo rs. a
libra.
Frutes em calda de todas as qualidades
5oo rs.
I
Ervilhas francezas a 5eo rs. a lata,
dem portugue/as a 64o re. a lata.
Massa, de tomate a 64o rs. a libra.
Amendoas confeitadas a 7oo re. a libra,
dem de casca mole a 28o re. a libra,
AveJans a 2oo rs. a libra.
Vinho Bordeaux das melhores qualidades1
que tem vindo ao mercado a 72o e 8oo
rs., e em caixa a 7,5oo, 8, e 8,2oo rs.
Azeite doce refinado do fabricante Pelanol e
outros a 8oo rs. a garrafa.
Conservas inglezas sortidas e de urna s qua-
lidade a 8oo rs. o frasco.
Araruta verdadeira a 32o rs. a libra.
Gomma de engommar muito alva a 8o rs.
a libra e 2,2oo rs. a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca a 16o rs. a libra.
Sevada muito nova a 12o rs. a hbra e 3,2oo
ss. a arroba.
Macarrao a 32o re. a libra.
dem e talliarim o mais novo que ha no mer-
cado a 48o rs. a libro.
Aletria a 5oo rs. a libra.
Arroz carolino a loo rs. a libra e a 2,8oo rs.
a arroba.
dem do Maranho a 12o rs. a hbra, e a
3,ooo a arroba.
Caf do Rio o mais superior que se pode de-
sejar a 32e re. a libra.
dem a 28o e 3oors. alibra e a 8,2oo, 8,4oo
e 8,7oo rs.
Velas de carnauba refinada a 32o re. a libra,
e a lo.ooo rs. a arroba.
dem de spermacete a 64o rs, a libra.
Chocolate hespanhol e francez a 9oo e l,ooo,
re. a libra.
Estrelhnha e pevide muito nova a 4oo rs. a
libra, e a 2,ooo re. a caixmha com oito
libras.
Cha perola muito especial chegadp neste ul-
timo vapor de encommenda particular
nossa a 2,8oo rs. a libra.
dem huxim muito superior a 2,7oo rs. a
liara.
dem hysson a 2,56o re. a libra.
dem hysson a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
dem preto homeopathico e muito superior a
2,ooo re. a libra.
dem nacional a l,6oors. a libra.
Batatas muito novas a 8o re. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
e de todas as marcas, como sejam: sus-
piros, havaneiros, messecipes, regala im-
perial, flor das mattes, primores a 4,ooe,
3,5oo, 3,2oo, 3,ooo, e 2,8oo, 2,oo,
2,ooo e f ,6o fs. a caria.
Ai ADA,. (M.F.ObKnC.AIiOiH l:\C\UI V
XAROPE DE RBANO IODADO
Segundo ox allegados dos mdicos dos tiospilaesde Para, consignados no Prnapceo. e ;i aiM'i"aeno
decano Acadmicos, este Xarope emprega-se com o maior successo, em lugar do OLEO DE FIGADO DE
BACALHAO, aoqual ellerealmente superior. Cura as molestias de peito, as escrfulas, o hinpliaiisnio. a
pallidez e molleza das carnes, as perdas d' appetite, e regenera a constituido purificando o sangue. Em
summa 6 o mais poderoso depurativo condecido. Elle nunca canea o estmago ou os intestinos como o
odurode potassiumeo oduro de ferro; e administra-se com a maior efllcacidade aos meiiioua mijpios
aos humores ou ao entuplmento das glndulas. O Dauar Cunnr, do hospital de San' Luii de Taris,
o recommenda d'um modo inteiramente particular as molestias da pelle, conjiinctamente com as pilulas
que teem seu nome. _
Depsito geral em Pon, en casa de MM. Grlmanlt e C", pharmaceutlcos, 7, ra de la Feuillade ;
m l.ishnn, en casa de Rodrigo da Coata-Carvalho; no Porto, en casa de Miguel Jos d>-Souu-
rerrelra; em o lio-de-Janeiro, \luvo Frislo r Din I, na do Sala, 11; em Baha, en casa de
Joa-Caesano Frrrclra-Eaplnhelra; em hw-Grandt, en casa de Joaqula de Godoy ; em \laran-
ho, en casa de FerrelraeO; emPernambuco, Skouiu e C, ra da Crui, JJ; Soumu, e as princiuae*
pharmncias do Brazil.
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22 em casa de Caros d- Barboza
AGENCIA
DA
FUNDICO DE LOW-MOOS.
Ilua da Seuzalla nova n. 42.
Neste estabelecimento continua a haver
O GALLO CANTA.
Nao possivel que o gallo, vendo entrar cid sen
ninho objeetos de elegante gosto, deixe de dar o
sea cauto, annunciando aos seus freguezes, para
qoe maudem ou venham ver para querer, a saber: (
Enfeiles
Chegaram os nquissimos enfeites e grinaldas de um completo sortimento de moendas e meias
flores, cousa mnito delicada e de muito gosto, pois moendas para engenho, machinas de vapor
s as senhoras poderao apreciar : so no vigilante, fa de ferr0 miQ fi ^ de tdus os
ra do Crespo u. 7. ^^ tamanhos para ditos.
Tambem chegaram os delicados ramos de flores --------------------------------------------------------------
matizados de lindas cores, -que servem paraqual-; lili3 '1* %
quer enfeite : s no vigilante, ra do Crespo n. 7. | "r ^^ M
Tambem chegaram os novos e delicados cintos | J^c CJJj J '*^S
St^SToLt&t^^SSt:*" *.-, 43, ,,*
volla para a Congreyagao ; pe lancha.
Paletots de casemira a 5, 6, 7, 8, 12 e 14*001)
gilante, ra do Crespo n. 7.
Uaadeijas
Riquissimas bandeijas de charao e outras quali-
dades de lindos desenhos, que se vendetn por pri-
cos baraUssimos para acabar : s no vigilante,
ra do Crespo, n. 7.
Pomada real
Tambem chegaram os bonitos copos de portel-
lana fina com banha e com lindos retratos, sendo
firivilegiada pela rainha de Hespanha : s no vigi-
aste, ra do Crespo n. 7.
Sabonetes de familia
Grande sortimento de sabonetes para todos os
precos, de superiores qualidades, a 160, 200, 240,
280, 320, 400 e 500 rs.; assim como estojos com
todos os preparos para limpar dentes pelo barato
preco de 3000 : s no vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Delicadas tcsonrinjias
Grande sortimento de tesourinhas, tent para
unhas, como para costura; assim como muitos
outros objeetos de gosto, que nao possivel annun-
ciar pela grande variedade de sortiinentos, cujos
precos serao menos do qne em outra qualquer
parte : s no vigilante, ra, do Crespo n. 7.
Para passar a testa.
Vende-se a casa denominada- casa amarella, si-
tuada em um dos melhores lugares do Arraial,
eorn bastantes commodos para familia, quartos
ara eseravos, estribara, etc.
iondego n. 47, padaria.
ditos de panno preto e azul a 9, 10, 12, 16 e W$
ditos sobrecasacos de panno muito fino por 24 e
285, ditos de alpaca preta e decordao a 4, .'.6 e
7i, calca? de casemiras de cores a 6, 7 c RfltKiO,
ditas pretas a 63500, 8, 9 e 103, paletow de fuslao
e ganga a 23, 23800, 3 e 43, cale* e '(Hielesde
todas as qualidades e por prego mullo hsrat, Icn-
{es de puro linho a preco de 23800 e 33, Nwer
tas de chita a 23240, coliarinhos de linho puro a
600 rs. cada um, e outros muitos objeetos qne
vista ; e para isso se pede a aitcnco dos fre-
guezes.
ISBATOS FGIDOS.
Fugio no dia 27 do corrente o negro Joo,
de nacao Congo, altura regular, bem parecido,
dentes limados, falla um pouco fina, parece ser
crioulo, julga-se ter ido para as bandas de Mari-
cota, aoude morava, levou vestido -amisa de m-
dapolao, raiga de brisa branco e rha|iode hacia .
quem o pegar, leve ao pateo do Terco d, 27, que
ser bem recomtfensado.
Fugio no dia 24 de outubro do corrente a-
no o escravo de nome Manoel, de nacao Congo,
idade 45 arnios, cor preta, um tantojinixo, pernas
finas, dentes perfeitos, narii chato, olhos grandes -,
a tratar irania do foi vestido com palitot de riscadirmo j felho e dss-
botedo, camisa de algodSo da Bahia, rale* de a-
.. itioAA------ semira j %"elha, com bordado dos lados : toi *-
l0 rs. a libra OB 1|U4M> m Sr ,j0 engenno Massangana, Josqu.m
' a arroba. Bnarque Sampaio ; quem e pegar e levar a rasa
Vendem-se fatias de bolo savado a 460 rs. a li- do abaixo assignado, rna da Praia n. l, sera mm
bra, e sendo de 8 libras para ettha a 43 a arroba : recompensado.Antonio Prancisco Martins de Ju-
na ra da Matriz da Boa-Vis, padaria n. 26. [ randa.


MTILADQ[_



M^pVMIiMHll
Diario de Pernambuto Tefrea lelra 8 de \ovrmhro de t89.
LITTERATORA.
honra de repetir-mo com a mais elevada conside-
rago
De Y. Exc. amigo rauito venerador e criado
I / F. de Castilho.

Carta i Kxi. Sr. J. Feliciano de Castilho o in
raonsenbor J. Piolo de Campos, sobre imprensa
Km. e Exm. Sr.'monsenhor J. Pinto de Campos.
Kio, 9 d oulubrode 1863.-Sinto observar (pe
as vicisitudes polticas nos privaran) de ver, a- ]
rantoa prxima legislatura, no Rio do Janeiro, um
dos mais distinrtos caracteres deste paiz, assim
como dos i rineipaes ornamentos da tribuna sagra-
da in lingna portugueza, na actuadade. Servir
todava, si ni duvida, esie temporario repouso de
Razoes de appellaeo feitas pelo Dr. Brai Floren-
renlino Henriqucs de Soma sobre a segoinle
queslao.
Se o cabeca de casal meei-
ro pode vender algutn ou al-
guns dos bens da massa here-
ditaria f
Versa a presente causa sobre a capacidade ou
incapacidad) de um cabeca de
um cabeca de casal meeiro da
V. Exc. para enriquecer as boas lettras com as lo- massa hereditaria para alienar algum ou alguns
cubragoes valiosas que a sua penna nos pode o(Te- dos bens da heranga ; edecidiudo-a contra o ap-
mvr. pellarite, de confor'midade com as conclusoes con-
Tenho Uij&p Dim io de Pernambuco, c c incon- tidas nolibello da autora appWlada a fL 11, seguiu
tcsla"velnn8':olba que honra a imprensa brasilei- o juiz aqu), na realidade o puior partido que po-
r,-,. oni cuja vanguarda, marcha segurissima. I da tomar, pois faltou a justiga com o seu julgado,
E a imprensa, instas formas de governo, e mes- offendeu o direito de propriedade do appellante,
mo na geral siluaco dos nimos, em todos os pai- Que devera reconhecer e garantir, e violou dest'ar-
hJ?** duvida que' antes da,Part'.l*. os coher- mente parque salta aos olhos menos esclarecidos,
apiros ae urna mesma_ successo possuem pro fn- que nm semelhantedireito e'aceito serian) attenta-
wm, e sem convencao de sua parte, os bens de torios do direito de propriedade do coherdeiro alie-'
que ena se compoem ; e osdlreitos de cada um es- nante, garantido pela lei, e nlo ha direito contra
lenoem-se por isso mesmo sobre a uniVrsa/i/aaV;, e direito. O que naturalmente decorre dos princi-
ao mesroo tempo sobre cada parte dos bens da be- pios expostas e das leis apontadas o direito que'
ranga : t toum in toto, et totum in quahbetparte. em rigor teria a herdeira appellada para dirigir-se !
Tal e com effeito a natureza da compropriedade, ao comprador das duasescravas, D. Jos de Saboia
consequencia da indvso das cousas commnns, se- e Silva, por meio da acgo commm diridundo, aflm sas, em Paris um dos coherdeiros anortado or
- necessidades urgentes, fez com que Sfr. Marchal,
notario, que administrava a heranga por conta
dos herdeiros, Ihc entregase sommas mais con-
sideraveis do que o valor de sua parte eventual.
I^ogo depois, tendo se apresentado novas neces-
sidades, Foller vendeu a um terceiro sua porgao
negocio que se complicava por circurastancias
particulares.
Os herdeiros de um tal Foller tinham gosado
por muitos annos, pro indirlso,da successo opu-
lenta desse individuo. Tinham at feito urna
convengo pela qual poderla cada um tirar dos
fundos da successo as sommas necessarias s
suas necessidades. Foller, procurador de cau-
zcs oonslitucionaes, um quinto poder do estado,
iudi'pendentc de todos os outros o superior a elles,
c ja n'outra parle o eu disse: nao s um poder,
nas una necessidade do seculo e o carcter delle.
Cada poca tem tido a sua missao :missao da es-
te a lei que devera observar como norma invaria-
vel de suas sentencas.
Antonio Viriato de Medeiros Jnior, nesta causa
teve por consorte a D. Antonia Joaquina Rodri-
gues, neta da appellada D. Rosa Mara Rodrigues,
padada conquistada religiaodos descobri-' e vindo infelizmente a perde-la em 23 de novem-
mentosda liberdade ; a actual, tende para outro bro de 1860, continuou na posse velha dos bens do
e mais vasto genero decivilisacao. O mundo intei- seu casal, administrndoos como um boni pae de
ro confraterniza ; os homens tornam-se os irmaos, familia, e a contento da mesma appellada, hordei-
como os manda o Evangolbo estabelece-se um ra nica de sua fallecida mulher, at 6 de feve-
sepuro mutuo entre as almas, em todos os polos reiro de 1862, da em que roquereu inventario e
o rcligides; as ideas, como as necessidades, as partilha judicial, por nao ter conseguido faze-los
vaulagens, as commodidades permutam-se ; cada amigavelmente com a appellada. Tendo-se visto
un trabalha para lodos e todos para cada um. Ten- porm, antpsdessa poca na necessidade de solver
de a humanidade a converter-sc em communidade um debito de seu casal e nao Ihe sendo possivel
e deste grande problema prximo de admiravel ci-1 na occasiao satisfazer esse empenho senao ven-
vilisacao, sao porta-vozes a clectricidade, o vapor dendo alguns dos bens do mesmo casal, por lhe
gundo a doutrina geral e verdaderamente corren- do partir com ella as ditas escravas, que pelo fado
te entre os mais abalisados Jets. | da compra Ihes ficaram sendo communs, visto co-
Partindo d'ahi, ensinam varios Jets, e entre elles mo nao podia o appellante traspassar-lhe mais di-
Mackeldey, citado as razoes de lis., que nenhum reitos do.que tinha, nem por consegrante vender
dos cemproprietarios pode, sem o consentimento de validamente, senao a sua parte, ou mciacao, sendo
todos os outros dispor da cousacommum por intei- smente quanto a outra parte da appellada, que a
ro, nem de urna parte corporal determinada, excep-! venda se poderia dizer nulla e sem effeito.
to no caso em que urna semelhante disposicao for I E note-se que, to firme e valiosa se deve consi-
necessaria conservarlo da cousa, ou nao causar derar essa venda, e tao garantido o direito do com-
o menor prejuizo aos outros ; mas que licito a prador, que anda quando pelo facto da tradico de
cada um dos comproprietarios alienar a sua parte Ih'as entregar ambas, se ambas por ventura Ihc to-
inteltectual na cousa, da maneira que lhe convier cassem na partilha, ou urna s, se urna s lhe cou-
e a quem qur que seja (Manual de Direito Roma- besse, sendo-que na hypolhese contraria ficaria
no, trat. fr. | 301). arazodisto vem a ser por- obrigado a indemnisa-lo, como expressamente
que, como diz Pothier, as parles dos que tem o di- previsto e determinado na L. 13 17 Dig. de actio-
reito da propriedade em urna cousa commum, nao nibus emti et venditi: ibi:
e a unin-rnsa
Outr'ora a imprensa era o livro, isto o sabei
d >s sabios, dos profundos, dos raros, das excepges;
parecer este meio o mais fcil e o menos gravoso
de quantos lhe podia suggerir a prudencia e o pro-
prio interesse, resol vea vender, como de facto ven-
boje a imprensa dynamisou-se nos jornaes: o j deu a Domingos Jos de Saboia e Silva, duas escra-
saber das turbas. vas de nomo Luiza e Rachel, bem de mais prompta
O jornal, antes que entrasse nos prelos, entrn yenda, e dos mais perecedouros, sobre tudonaquella
nos hbitos, nos costumes e as exigencias de ca- poca em que a febreamarejla devastava acida-
da nacao; foi portanto sendo continuamente em
suas surcessivas iransformagoes o dagnerreotypo
da sociedade, em cujo seio viva. Anda porm,
de de Sobral, lugar de seu domicilio.
Foi esse facto, todo natural e legitimo que deu
lugar a presente demanda, pois que a appellada ou
em umitas trras, e o Brasil urna, os seus bracos para melhor dizer os seus netos e herdeiros pre-
a i tem a robustez necessana para a grande mis-
sao reservada imprensa. Talvez j esta, esmague
serpeles em berro, mas anda esta longe dos ver-
daderos trabalhos hercleos.
Com effeito, immenso o encargo do jornalismo
sumptivos (um cujo numero entra o patrono da
causa ex-adverso na primaira instancia) todos cheios
de respeito e arrogancia, apresentaram-se em jui-
zo corn o famoso libello de reivindicacSo de fl. 8
contra o comprador das referidas escravas, Doroin-
e dos jornalistas pesado o seu dever, altissiina a gos Jos de Saboia e Silva, libello em que pedindo
sua responsabilidade. Tem de marchar impvido I a annulacao da venda, e a consequente entrega das
por entre as instituiedes, por entre o povo, por en- duas escravas para serom partilhadas com a divida
tre a poltica e a moral, por entre a critica e a e^ualdade, etc., etc. Pelo que teve o appellante
sciencia.
Aristcrata e popular, philosophos e polticos,
poetas e moralistas, diplomatas e tinanceiros, o
ocioso e o pensador, o nfimoe o supremo, todos se
ajuntam ao redor dessa pagina amplissima, a que
cfaainam jornal, immensa folha de urna arvore
sem limites, cujas raizes vao minando toda a tr-
ra ; lujos ramos pesados e frondosos, se estendem
por cima das nacoes, dando-lhes sombra e fructo,
e por va de regra melhorando, se exceptuar-mos
aquollas tristes produeces typographicas, que es-
tillan) venenos e oxhalam|morle como a mancirella.
O seculo actual todu de pressas ; irrita-sc com
a mnima apparencia de tardancas. O homem de
f oje, quer niover-se ? j o vapor por trra e mar lhe
parece movimento pausado. Quer communicar-se?
nial o satisfazein as instantneas palestras, por
meio detelegraphos elctricos. Quer aprender
saber ? nao admitle se nao a forma jornal, com a
sua quodiana varedade, com a sua superficiali-
dade, que nao deixa de ser conforme com a dispe
si gao das mentes.
As grandes transformagoes sociaes, menos an-
da poltica que no trato geral e particular dos ho-
mens entre si, abrirara jim estadio s aspiraedes,
abriram mesmo um alivsnio entre o que o que
foi. Apparcccji at urna cntidade nova, que nao
contava por causa alguma : o poto, o todos o
nigucm.
A sociedade velha, anda a mais avancada em
uas ideas republicanas antigs, entenda que, em
poucos homens, s vive a humanidade. Era como
disse o meu Lucano(V. 342) :
Procerum mil as hac cunda sequnlur
Humanum paua's vivit genus.
13 o mesmo pensamento que o nosso Francisco
Botelho em seu poema em hespanhol Alfonso
I. 99). exprima por estes versos :
Piensas tu que el Destino Omnipotente
se acuerda de la-humana muchedumbre?
Los reyes su cuidado solo han sido;
los dems (viles almas !) sois ou olvido.
Com eIWlo, era este um pensamento que a so-
iedade amiga se incumba de justilicar-vos. De-
his porm, que ella se desmoronou, e que a civi-
sacao se foi embebendo no ensino dos povos, j
stes aprendern) a conhecer, com a sua dignida-
!e a sua forga: a viver vida collectiva ; a repellir
ii ticamente a qualificagao de chair canon. A
listona antiga so se oceupava dos que ella consi-
lerava entidades superiores humanidade; semi-
leuses: os res, os conquistadores, os grandes ge-
icraes ou os santos, ou as ordens, porque, era en-
re esses poocos que viva a humanidade. Hoje nao
r assim; o nivel popular vae-se exaltando, e j nao
a abysmo cutre intimo e mximo. Nao vira isto
i ser um mal certamente, quando no futuro a il-
ustrago das turbas (que manifestamente progrido)
i as suas nocoes do direito e da justiga acompa-
haremsempre a altura de suas modernas aspira-
;es.
J'pde pois, haver urna historia de povos, sein
que sija, mica e exclusivamente, historia domes-
tica de monarchas. A sociedade nova, inquieta, ir-
rasrivel, impetuosa, procelosa, crianga em llm, nas-
cida, trazia ja no seio o jornal. O Jornal ao mes-
mo passo o tbeatro onde se passa a maior parte
flos seus dramas c das suas comedias ; e o carlaz
que os annuia ;- a bandeira que o seculo arvo-
ru : a historia escripia da por dia, para dei-
xairnos a nossa existencia aos que que depois vie-
ren: ; a clara-camara-obsctira que fielmente es-
tampa todos os vultos grandes, alumiados pelo sol
desta civilisagao.
Altissima pois, a missao destes verdadeiros sa-
cerdotes do progresso ; e quando os movem im-
jml>os rectos,ha sempre beneficios a collier da sua
obra, ainda qaaado, muitas das condiges da pe-
sada tarefa, nao sejam preenchidas.
A imprensa no Brasil, est muito na infancia.
Conipetia-lhe o primeiro lugar na vanguarda das
lettras, das sciencias, das artes, da industria, do
comniercio, da politica, e em tudo isso ella est
ainda muilo abaixo da posigao que lhe per-
tence.
Infelizmente, muitos dos directores dessas em-
prezas, ainda as de mais larga circulagao, as nao
encaram senao exclusivamente pelo seu aspecto
mercantil e venal. Ha muito, quem as direeges
das mais vastas folhas no Brasil, considere o jor-
nal como um porlo franco, ou antes como um de-
posito de immundicies. um poste da injuria e da
calumnia, um prostbulo da intelligcncia, um ma-
tadouro das reputacoes. Este desgranado aspecto
da questao, tristemente auxiliado pela defflci-
encia (connivencia?) da legislago que rege tal
a&sumpio, e que os tribunaes interpretam de mo-
do que, convertem em licenga a liberdade do ca-
lumniador, que se transforma na oppresso do in-
nocente.
Essas folhas entendem, que, desde que ao seu
Jwleo se pagam uns sujos vintens, ica o crirae
dourado e canonisado, e as pobres victimas bem
corfspurcadas e ainordagadas, se nao preferirem
chamar aos tribunaes um testa de ferro, cuja pe-
nuria capaz de desarmar o coraco mais im-
pederndo, pois nao culpado o miseravel, e sim
a lei em primeiro lugar, e sobretudo a direceo de
taes folhas, que para vender o justo, nem se qur
oxigem o alto prego dos 30 dinheiros. Sb taes
aspectos, a imprensa, quando mal dirigida, em
vez de panacea, peste desoladora.
A redaego do Diario de Pernambuco, me pare-
ce seria, e escoimada destes hbitos torpes. As
dimensdes dessa folha, mostram pela sua vasdido,
que circulagao d'ella, deve ter a mais alta im-
portancia.
Muitos de seus artigos sao distinctos por estylo,
elegancia e rectido de vistas. Nada mais lou-
yavel do que a applicagio dada ultima pagina do
Ernal, qnasi sempre recheada de leiturasuccu-
uta, ou seja em materias Iliterarias, ou polticas,
ou seientificas, ou outras de importancia ; taes es
de ser chamado autora por aquelle comprador,
alim de defender a fin eza e realidade da venda
que lhe fizera; chamado esse a que acudu o mes-
mo appellante com a melhor boa vontade, persua-
dido do que pelo menos lhe nao (altara a justiga
dest egregio e Ilustrado tribunal, com que alias
sempre cqntou para o feliz successo de sua defeza
e bom xito da causa que, como sua, aceitn.
A exemplo dos rhetoricos, que quando nao tem
senao fracas razoes a allegar em favor do seu
cliente, esforgam-se por agrupar todas quantas lhes
supgere a imaginago, alim de que supra o nume-
ro aquillo que lhes falla pelo lado da forga, o pa-
trono da causa ex-adverso, na primeira instancia,
propondo-se a revindcar as duas escravas do po-
der do comprador, attaeou a venda que das mes-
mas lhe lizera o appellante como nulla1 por il-
legal. 2" por caprichosa I 3" por fraudulenta, 4o
por lesiva, 5 por simulada, e nao sabemos mais
porque...
Nunca se viu em abono da verdade urna aecu-
mulaeao de motivos mais faustosa na apparencia,
e ao mesmo tempo mais ftil, mais injuridica e
mais improcedente na realidade, desde que sepe-
saca desprivinidamente na balanga da justiga e do
direito constituido todos esses motivos tao cmplia-
ticamente produzidos o estofafados pelo talento e
habilidade de quem os formulou e exbibiu.
Mas, que assim procedesse o advogado da ap-
pellada, duplicadamente empenhado e interessado
na sustentagao e bom xito de sua causa, o que
nao admira, quando se sabe de quanto sao capa-
zes os deus movis da glora e do interesse, quan-
do reunidos a presump^ao do dever. O que ad-
mira que o juiz aqu, instituido pela lei para
dar a cada um o que seu, nao trepidasse em ser-
vir-se exactamente dos mesmos motivos para fun-
damentar a sua sentenga, julgando de confofmida-
de conclusoes do libello da appellada, nulla e sem
effeito a venda das duas escravas, para serem par-
tilhadas segundo o direito I I I
II
Resumindo as gigantescas razoes de fls. 124
143, comega o nobre juiz 09110 por fundar a sua
sentenga de fls. 214 v. a 217, as Ordenagoes do liv.
4", tit. W e 96 pr. que impoem, diz elle, ao cabe-
ca do casal marido ou mulher, a obrigagao de par-
tir com os herdeiros do defunto todos os bens e
cousas, que ambos haviam assi movis como de
raiz ; e alm disto, em que corrente em di -
reito que antes das partilhas nenhum herdeiro tem
direilo particular sobre bens de heranga in specie,
e sim nicamente um direilo universal. E cita a
vanas autoridades, quasi todas mal comprehendi-
das e maP interpretadas. Ora, bastam estes dous
fundamentos, que alias sao os mais plausiveis e
valiosos na apparencia, para convencer a este il-
lustrado tribunal da injustiga da sentenga appella-
da, e conseguintemente da necessidade de sua in-
teira reforma, como espera o appellante a vista do
que passa a expender.
verdade que as citadas Ordd. do liv. 4o tit. 93
e 96 pr., impoem ao marido ou mulher, que flcar
em posse e cabeca de casal, a obrigagao de partir
com os herdeiros do conjuge premorto todos os
bens e cousasque ambos haviam, qur sejam mo-
vis qur de raiz. Mas para quem nao for hospe-
de as materias de direito, d'ahi nao se pode con-
cluir outra cousa, senao que a aegao de partilhas
indivisivelpor nao poder um herdeiro exigir
partilha parcial de um oijocto da heranga, ou ser
obrigado a consentir nella emquant as cousas se
acham integras, cmquantosubsistem as condiges
da partilha :Judex familia erciscumdw nihil de-
bet individuum relinquere. Tal O principio da
L. 2o 20 do Dig. familia) erciscumdue, e que as
nossas Ordd. no-lizeram mais do que consagrar
pura e simplesmente nos lugares e as phrases
cima indiradas.
Porm, de que um coherdeiro, ou nm cabega de
casal pode ser toreado a partir toda a massa here-
ditaria indivisa, nao resulta de maneira nenhuma
que essa massa nao possa diminuir. Ora, se essa
massa partivel pode diminuir, segue-se que a ac-
go familia erciscumda,.como muito bem explica
um Ilustre advogado da corte real de Paris, nao
indivisivel de modo que, tudo quanto fez parte da
heranga, dova necessariamente ser comprehendido
na partilha, como o entended o juiz agu previni-
do pelo patrono da appellada. Por quanto, a mas-
sa para a partilha frma-se, nao do que compu-
nha a successo no momento da abertura, mas do
que a compc, do que Oca commum e indiviso en-
tre os coherdeiros no momento da demanda, ou
no momento em que sem ella a partilha offere-
cida e aceita. De ouira sorte, diz Mr. de Ferri,
seria necessario comprehender na massa partivel
o que pereceu por caso fortuito, e nao comprehen-
der o que tivesseaccrescido depois da abertura da
successo, o que insustentavel (V. Themis. ou
Bibliotheque de Jurisconsulte, tomo 8*)
Desviemos portanto as Ordd. do liv. 4o tit 95 e
96, que em nada podem favorecer a sentenga ap-
pellada. Se a alienago faz sabir da massa here-
ditaria, os objectos alienados, como incontesta-
vel, e adiante o mostraremos, segue-se que a acgo
familiai erciscumda, continuando sempre a versar
soirc a massa inteira, deixar de recahir sobre os
objectos que esto fra dessa universalidade. E as-
sim, a questao que nos importa aqu discutir, por-
que faz o objecto da presente demanda, consiste
propriamente em saber, nao se pode offender
indivisibilidade da acgo de partilha (ao que po-
dem ter applicago aquellas Ordd.,) mas em saber
se a ndiviso'da massa nm obstculo inven-
sivel alienago das partes, e. urna causa de nulli-
dade das abenagoes feitas, com o que nada tem as
mesmas Ordd.
111
sao partes reaes, que nao podem ser formadas se ,
nao pela diviso da cousa ; sao sim partes intel-1
lectuaes, conforme o dizer de Papiniano na I. 66
i f do Dig. de legatis 2: Piares in uno fundo
domimum jurts intellecla, non dtvisione corporis,'
pbtinent. (Traite du Droit de Domaine de Propre-
t, pan. l'.rap. n. 17.)
Seria, porm, um erro, e bem grosseiro o infe-
rir desemelhante doutrina, como inferiu o juiz agu,
seguindo ao advogado da appellada que, tratan-
do-se de urna heranga indivisa, nao possa absoluta-
mente nenhum dos coherdeiros, e rauito principal-
mente o cabega de casal meeiro, alienar algum ou
alguns dos bens da massa ; de maneira que, se o
fuer, ser a alienago totalmente nulla, sujeitos
reivindicago dos outros coherdeiros os bens alie-
nados. Semelhante conclusao seria absurda e
inadmissivel, porque ira abertaraente de encontr
ao direito de propriedade, e o destruira paralvsan-
do-o em seu exercicio.
IV
Todo proprietario pode dispor das suas cousas,
com inteira liberdade ; e por conseguinte todo
comproprietario dispde valiosamente de sua parte
indivisa, a menos que exista ama prohibicao, e ne-
nhuma prohibigo existe, que nos conste ; ou ao
menos que isto seja contrario natureza do seu di-
reito, o que nao acontece, e ninguem por certo o
dra. Para admittir-se que a disposigo feta por
um comproprietario da sua parte as cousas indi-
visas contraria natureza do seu direito, fra
mister sustentar que antes da partilha o direito de
propriedade indivisa nao repousa determinada-
mente sobre cada um dos objectos hereditarios;
que elle nao tem senao urna existencia geral sobre
a massa, e que s a partilha podo determina-lo e
individualisa-lo.
Ora, semelhante supposigao, como justamente diz
Mr. de Ferri, um erro nascido da eonfusao dos
principios. Por quanto, na realidade nada mais
determinado do que urna parte indivisa em um to-
do : ter a metade indivisa de um todo ter a
metade em cada ama das partes que o compoem.
Nao se pode, com effeito, conceber um direito de
compropriedade sobre urna massa, sem que esse
direito repouse sobre cada urna das cousas que
dejla fazem parla ; porquanto. o direito de compro-
priedade sobre a massa nao era si mesmo seno-
a consequencia da compropriedade existente sobre
cada objecto. E se na realidade ha tantas proprie-
dades indivisas, quantos sao os objectos de que se
compe a heranga, est claro que cada urna deltas
pode ser inslidamente alienada.sem que a aliena-
gao encontr nenhum obstculo na indiviso da
massa.
Eis ah o que tizera a razo e o- bom senso, e o
que confrmala da maneira a mais explcita e ter-
minante as leis romanas sobre a materia, as quaes
devemos ir buscar o nosso direito subsidiario no
silencio das leis patrias.
Falso tib persuasum est (dizem os imperado-
res Deocleciano e MaximianoX communis prcciii
portionem pro indiviso, anteqmm commum divi-
dendo judicium dictetur, tannm socio, non etiam
extraneo posse distrahi. L. 3" do cod. de commu-
nium verum alienatione. Assim, conforme os ter-
mos desta lei, urna falsa persuaso ou um erro
o pensar que a parto de um predio commum pro
indiviso, antes de effectuada a partilha, somente
pode ser vendida a outro socio ou consenhor, e nao
a um estranho. D'onde resulta, para todo o com-
proprietario, o indsputavel direito de alienar a
quem lhe parecer a sua porgao ; qualquer que ella
seja, nos bens communs e indivisos. A mesma de-
cisio se encontra, eat em termos exemplicatvos,
na L. 13 17 do Dig., de actiyie em tiHvtwttl,
que por extensa deixaraos de reproduzir em sua
integra por agora.
V
Estabelecido, pois, o direito que tem todo com-
proprietario de dispor livremente de sua parte in-
divisa nos bens da massa commum, nao resta mais
do que saber, como podera um cabega de casal
meeiro usar desse seu direito ; e se por ventura os
objectos por elle alienados antes da partilha estar
sujeitos a reivindicago dos outros coherdeiros por
Tundi quem cun Titio communem habebas
partem tuam vendidiste; et antiguam traderes
coactus et communi divdundo judicium accipere:
c si socio fundus s adjudicatus quantum de eam,
rem a Titio consecutus es; et tantum emptori
* prastabis.=Quod si tib fundus tutus adjudica
tus est, totum eum emptori trades; sed ita ut Ule
solvat quod ob eam rem Titio condemnatus es. -
t Sed ob eam guidem partem giiam vendidisti, pro
evictione carere debes; obalteram autem, tantum
i de solo malo repromittere. Ab quum est enim
t eamsem esse conditionem emptorw.quce futura es-
set si cum ipso actum esse communi dividundo.
t Se si certis regionibus fundum inter te et Titium
judeu dicisit, sne dubio partem quo adjudcala
t est, emptori tradere debes.
Nao sabemos se haver nada mais claro nem
mais explcito sobre a presente questao, sendo alias
certo que aquillo que se diz da alienago de pre-
dios ou bens de raiz, com maioria de razao ap-
plcavel aos bens moris ou semoventes, de manei-
ra que intil e escusada vem a ser por conseguin-
te a dislincgo entre essas duas especies de be a
no caso de que tratamos.
VII
Entretanto, poder-se-ha dizer que, seguiudo-se
risca as disposigoes do direito romano nesta par-
te, aggrava-se a posigao dos coherdeiros, tomando
a diviso mais difflcil, e forgando algirmas vezes a
recorrer-se a urna lictago que se evitara, se tu-
do fosse comprehendido em urna s partilha.
Mas, sem pretender negar qne assim possa acon-
tecer, diremos todava que duas respostas (igual-
mente satisfactorias se oferecera- para dissipar es-
ta especiosa objeccao.
Primeramente sabido que os- inconvenientes
resultantes de um principio, nao fazem nada contra
a sua existencia, nem podem jmars autorisar a re-
geigo de urna regra que o legislador tem conser-
vado.
O comproprietario pode soffrer alguma cousa
eom a venda de alguna objecto da massa commum
feila por outro socio: concordamos, urna dcs-
yantagem de sua posigao, e um inconveniente da
diviso das cousas; mas preciso-confessar que
elle nao soflre nenhuma injustiga, porquo seu com-
proprietario nao fez mais do que usar do st direi-
to. O contacto dos direitos, pergeniaremos com
am distiiicto Jet. nao occasiona muitas vezes a of-
fensa do interesse de uns, pelo excrciciofegitimo do
direito de outros ?
Em segundo lugar, e a nao se querer seguir o
rigor do direito romano ser forgosa ento sanc-
conar e por em pratica a doutrina dos mais
abalisados reinicolas sobre a presente questao, ou
admiitir a variante civil francez, o que tudo dar
sempre em resultado a condemnacao>da leviana,
infundada e injusta prctengo da appellada, em
quanto qur reivindicar do poder do Domingos Jo-
s de Saboia e Silva, as duas escravas-que lhe ven-
deu o appellante sobre pretexto da nullidade da
venda. Eis aqui pois qual a doutrina dos nossos
prax islas.
Et quid agendum, pergunta I'aiva e Pona, se o
cabega de casal vender ou alheiar alguma proprie-
dade da heranga, antes de partilhas feitas, e depo-
is da morte do defunto, se por ventura se hade
carregar a tal propriedade no inventario, annullan-
do-se a venda ?
Respondetur ora nao ; porm nese caso deve o
juiz imputar na sorte do cabega de casal vendedor
o prego dessa propriedade ou bens que vendesse
na referida maneira, pois assim se nao segu pre-
juizo a herdeiro algum. E cita a Cardozo in Prax.
verbo legitimo n. 8, Melius Yakasco Consult. 69 ns.
23 e 24. (Orphanologia Pratica, cap. 3 n. 19.)
A mesma doutrina consagra o celebre cm sua
obra classicadas Decisoes do supremo senado de
Lisboa com a differenca apenas de ser o prego
da venda conferido para se repartir entre os co-
herdeiros, mas sempre considerando como valida
a mesma venda, que o pomo substancial da ques-
tao. Ibi:
t Facit, quia ubi hereditas jacet indivisa (diz o
citado Cabedo) si heres suo nomine rem aliquam
liereditariam alienat non revocatcr alien.vtio.
ser nulla e de nenhum effeito a alheiago delles, itiam si alki hkiedi:s non co.nsenterint (note-se
roL da julfa? prudonc,a- anes este chamamento
g Da maneira a mais irregular que se poderia iraa-
X
Attcndendo, diz elle, a que nao se pode quinhao do R. as duas escravas vendidas, como o
aconselliam diversos Jets., para evitar letKos or
quanto, sendo essas as duas melhores esrravas o
casal, reputadas entre os bens mais estimaveis 'h
. desejadas por ambas as partes, se offenderia a
indivisa em um immovel dependente da heranga. egualdade das partilhas, concedendo-se ambas ao
- Chegouo momento da partilha ; os coherdeiros cabega de casal, etc., etc.
doscobriram que Foller tinha absorvido e ul-
trapassado as torgas de seu quinhao por meio' Denois dehivnrmnc i,mn. .,.i. 1 j
das sommas de dUeiro que havia antecipada- bomXroitidia2Eto%^S2^S5f,o0
mente tirado da massa commum pretendern) Eente"a; duaTiSvff Lh"^,6^6"1 "",
por conseguinte que elle i^^ntar^^^^J^SS^XSiS^
' S-,harcr anle,1 mesmo da,vend* *immovel hfi" leste Ilustrado rZna^co na refuto do trecho
Durante esse tempo continuou a partilha, e 0*0 St^SSi ^traTo?tu %
ar 10 deu a Foller urna porgao do immovel equiva- mais ou menos esSvoi ? invn2do?nSr^ ffi
tonto a parte que lhe tocaya na successo o tergo).' casttshu como Almeid7e So^a SiSlnmZ,
Mas esta circunstancia nao mudou em nada o sys- desconhecidas por S kSiSnXi
tema dos outros herdeiros que presistiram em sus-' cia ao direito dos coherde rof n 1 Z ,,rw
tentar que Foller nao podia ter vendido sua parte' para vende em *5oSo?^Sr^orotTmaP^^
indivisa. E' evidente, diz o sabio magistrado ran- mum; e a cez; que eu, systema nao era admishel. Por is- ffS^ltS^ appl^^ZSSlS^
mtodacorTdnrveE7^^rareSlODf r*mas ** tornarem v^iBcwSnTdi-
ihti de.-^ney, dado a 8 de tovereiro de reitos; razao bastante para que sejam repellidas
nrSrv^Prnr'nha pre8ldef-ia- J\Troplong, de conformidade com as leis que por seo KSo
pro t civil Explique, commentaire do Titre 6o Jo as nao autorisa
hv 3 do cod. Nap.-Delavente, vol 1 n. 176).
Em seguida reproduz o eximio Jet. francez a in- ,*. .. .. .
legra do aresto, onde nao se faz mais do quo con- .,, m seKando laS*r observaremos anda, que.con-
firmar os principios at aqui expeudidos, e por f-1 _l'!al?uas es/ravas, pertencentcs a urna massa,
ra de toda a duvida o direito que tem cada coher- "7 mram, faztndas de gado com boas Ierras de
deiro de vender qualquer bem da berenga, salvas rrtiav-tt?- mrorme se evidencia dos autos, como
as eventualidades da partilha, que, segundo o direi-; emran*'" c'asse dos bens mais preciosos e esti-
lo francez, podera dar lugar resoluca da venda, '1vels *sa massa, e certamente orna exagera-
corno o explica o mesmo Troplong. S mais PrnPna das partes litigantes que de um
Avista pois de tudo qoanto levamos dito-, parece- JU1Z enc'irregado pela le de decidir as demandas;
nos que ja nao pode ser licito a ninguem duvidar, ;,,,,u J:^"^?' 1"e so P6de revelar ou a tena-
do bom direito com que o appellante, cabega de ^ade d0 c^riclio, ou a faFla de rectidaode espi-
casal, e meeiro da massa hereditaria vendeu as 2i'""S2' ma's estranha e digaa de re-
duas escravas em questao, sem que d'ahi possa ar'q"an,da *. wns'dera, que urna dessas duas
resultr prejuiso algum herdeira de sua multar, ???"*> bens dos,mais perecedouros por sua na-
que conserva sempre salvo o seu direito de eom- ,**' ape,nas ''"ntaTa guatro a cinco annos quan-
proprietaria. ou se observe a legislago romana. < '? ^en(llda(documento a ff. lo) sendo qoe essa
e do foro come- O venda. Ivera ,0ar em uma Pca em que a febre
eaororo,c. amarelh grassava na cidade do Sobral (fevereiro
reito-do Cod. Civ francez, se quaerem.
que nos subsidiaria, ou a praxe
ensinam os nossos reinicolas, ou finalmente o dV H', Jf nn
reim-dn Hiwi P.iv frann en n,.,.r..,n iat>-)< .como e sabido e consta dos autosr sem
IX
impugnagao
Seguindo sempre o patrono da causa ex adver-
so, cita tambem o juiz agu em apoto a autoridade Entretanto acha-se aquella risivel exagerago
do Sr. conselheiro Sabuco e de outro ""Jet. brasilei- repelida por mais d vinte ou trnta vezes nos au-
ro, os quaes (diz nobre juiz) para resolveren) tos, e como se isso-nao fra anda Bastante, serviu-
uma questao fundam-se neste principio, que o j se ainda della o jmz aqu para fundamentar a soa
cabeca de casal nao pode hypothecar porque nao sentenga!
bega de casal, que nao coherdeiro, dizem a ver-
pode alienar. Sem que nos responsabilisemos
pela exactido de una semelhante citagao, que pe-
lo menos nos parece muito incompleta e truncada,
diremos-todava que se esses Jets, fallara de um ca-
dade, pois que euto simples administrador, nao
tem elle poder nem para uma, nem para outra cou-
sa, e nem desta hypothese nos oceupamos.
coher
XI
Procurando sempre entrar o'mais possivel as vis-
tas do patraa da apetada,entendeu o mesmo juiz que
lhe eumpria exibir de mais como fundamcnlos;para a
declarago da nullidade da venda feit pelo ampol-
lanteo ter sido ella realisada sen- necessidade,
Se porem fallara de um cabega de casal coher- na& sen(]o rea|mente para pagamento de dividas.
dnro ou comproprietario (o que e o nosso caso) en- Como o dizem cerlos Jets; porquanto, posto que o
tao salvo o respeito que lhes edev.do, cahem em, r. apresentasse uma caria (e uma letra docom-
um erro que se nao poderia sustentar sendo a ver-, merciante Luiz Antonio de Siqueira,) esta sua divi-
dadeira o autonsada doutrina era tal hypothesse, da & 1:1405000 apenas explicara a venda de uma
que esse cabeca de casal, anda quando nao podes- das escravas, por 1:100*000 nao sendo mesmo cri-
se hypothecar nem arrendar etc. etc., poderia cora ve| que para satisfazer a rogativa daquclle com-
l)e maneira que seria to- merciante, sacrficasse o sen desejo de flear-se com
*' as_cseravas, e tant mais quanto houve quem se-
ra de proposito o pretender applican a mxima
aneo nao pode o menos, nao pode tambera o
mais.
Principiando pela hypoiheca, impossivel, com-
parando-a com a alienago, nao descolorir a dilTc-
rengaque sobresahe de seus respectivos effeitos : pe-
la alienago de uma parte indivisa em certos ob-
jectos- hereditarios (diz Mr. de Ferri, cima citado)
um herdeiro deixa de ser, quanto a esses objectos,
offerecesse a descontar-ihe urna letrado 2:0003080.
Donde resulta que o apellante s vendeu essas
escravas porque quiz, para cortar questes, ou
para nao dar appellada gosto de floar-se com
ella1!
K", na verdade, eousa digna de adtnirago e at
comproprietario com seus coherdeiros, conforme SfS^Gf setor!,ar con,a* a m cabe?a
jse-demonstrou; c d'ahi esu consequencia ne- de>2"ja*. df "J."vs Porqiie para paga-
sessaria-que, nao existndo mais a indvso, nao men' de uma d,vida- alia.s conlrah.da na conc-
ha mais partilha possivel com o coherdeiro vende-1 f'a *>eu matrimonio, nao se servio antes deste
dor.-Pelo contrario, o coherdeiro que consente qne daquelle meio, ou romo quer, o juia nao
descontou antes uma letra (com a perda certa do
premio do descont I), do que vender duas escra-
vas, que de um momento para outro podiam dei-
xar de existir I!Ja cima mostramos o Jet. Pe-
gas, sustentando eom as leis romanas a valdadeda
venda de una casa, feita por ui... va cala de
casal, antes das partilhas, e sem qc se indague ahi
nem.de leve petos motivos que a isso a indtutram,
visto como certo e incontestavel que aquelle que
usa do seu direito nao deve satisfaces a ninguem.
Ora, nao ser intil accentar aqu, quo a mesma
decisao se encontra na famosa obra de Cabedo, e
como julgou o juiz aqu em sua injusta" sentenga
de fls. 2liv.
Ora, a este respeito, eis aqui o que dispoe o di-
reito romano, em termos que nao admitiera a me-
nor duvida ; eno s o direilo romano seno tam-
bem o direito francez, e poderiamos quasi dizer
todas as legislagocs das nagoes cultas.
c Ex hereditate Luc Titii, qua mihi et tibi com-
' SUMS, fund partem tneam alienad : deinde fa-
milia ercisc.umda judicium inter nos neceptum
t est. eque eapars qua>. mea fuit, injudico veniet,
I quem alinala de hereditate exierit : eque tua,
quia, etiam si remanet in prestio jure, heredita-
t tiuque est, tamen alienat o ne mea parts ext de
t communtone : utrum autem unus heres partem
< suam non altenaverlt, an plures, nihil interest
si modo aliqua portio alinala ab aliquo ex here-
c dibus, hereditaria esse desiit. L. o do Dig. fa-
milia; crciscumda.
Alienei, diz o Jet. Nevado nessa lei, a minha
< parte do predio proveniente da successo do Lu-
II ci Ticio, em que linha communho comvosco ;
depois procedemos jurdicamente partilha dessa
t heranga. Pois bem, nao sero comprehendidas
c nesta acgo, nem a minha parte que vend, e que
< por conseguinte nao est mais na successo,nem
< to pouco a vossa; porquanto, ainda que ella
< parmaneca em seu primitivo estado, com tudo
> pela venda da minha, deixa de estar mais em
> communho : e difireme que um s ou mui-
< tos herdeiros tenham deixado de alienar as suas
partes, com tanto que uma porcao qualquer, ven-
t dda por um delles, tenha deixado de pertencer a
communho.
Como nao se comprehende na acgo familia er-
ciscumda (diz Pothier baseando-se na lei citada),
seno as cousas communs entre os coherdeiros, se-
gue-se que, se um delles alienou sua parte de uma
cousa hereditaria, ainda quo essa cousa tenlra fica-
do na massa quanto as partes dos outros, nao pode
entretanto ser comprehendida nessa acgo a respei-
to daquelle que alienou, porque ella deixou do ser
commum com elle < para ser commum com um es-
tranho Pandecla Justinktne, liv. 10, tit. 2o e 3*,
.27.
Com effeito partir uma operago que suppoe
bens indivisos: ella tem por fim fazer cessar a in-1 O Cod. Civil Francez consagrando o principio de
diviso. A acgo de partilha, diz Pothier, a que
tem cada um dos coherdeiros contra os outros para
obriga-los a dividir os bens que sao communs en-
tre elles. (Traite des successions, cap. 4* art. Io.)
Partem-se pois os bens communs, e nao se partera
seno elles : a communho a condigo essencial
da partilha, que alias nao pode ser provocada se-
no por um comproprietario contra seus compro-
prietarios, pois que entre elles smente que ha
communho.
VI
Ora, postos estes principios, cuja exactido nin-
guem contestarlo que dever fazer um coherdeiro
ou comproprietario, que, depois de haver alienado
sua parte em alguns dos bens hereditarios, e de
ter mesmo entregado esses bens ao comprador, for
demandado para partir todos os bens communs.
Nao dever responder, que est prompto a |iartir,
nao tudo o que compunha a heranga, mas smente
o que icou commura entre elle e seus coherdei-
ros ; qne, quanto ao mais, elle deixou de ser o
comproprietario de seus coherdeiros; e que, con-
conseguintemenle nao tem estes que partir taes
bens alienados com elle alienante, mas sim com os
Ora, sobre este ponto, que o capital na presen-
te causa, entendeu o juiz aqu que nao possivel
dar-se a um cabega de casal meeiro o direito de adquirentes da parte indivisa, a quem enlregou ?
criptos (orignaes ou reproduegocs), constituirn) alienar bens de heransa porque, diz elle, cor- i Certamente que sim ; e tal a jurisprudencia que
por si sos, um trabalho eminentemente til o ci- rente em direito que antes das partilhas nenhum vigora e fielmento decorre das leis cima citadas, e
vilisador. herdeiro tem direilo particular sobre esses bens in a que ensinam lodos os Jet, os mais abalisados, n-
No me consta, que em todo o imperio haja ou- specie, e sim nicamente um direito universal... clusive Pothier e Mr. Ferri.
ira folha, que tao Ilustrada e generosamente, con- Mas, pondo de parte o que ha de Improprio e inin- E sendo assim, que direito pode ter nm ceher-
sagre uma tao larga parte das suas colmmnas a telligivel neslas expresses, parece-nos que nesta .deiroou comproprietario em presenga de outro que
to proveitosa apphcagao. Essa folha, honra pois, parte enganou-se o nobre juiz com o que corren- alienou certos bens da massa commum? Ter por
nao menos a sua propria direcgo, do que ida- te em direito sobre a presente questao, talvez por- ventura a aegao para reivindicar esses bens do po-
de de Pernambuco e ao imperio do Brasil. que, prevenido pelas gigantescas razoes do patrono der do comprador, sob pretexto de nullidade da
Perguntou-me V. Exc, qual a mioha oplnfio da appellada na primis instancia nao pode bem venda, e, alim de serem partidos entre elle eseu
sobre o Diario de Pernambuco. Embora desao- aprorandar e comprehender a doutrina dos proprios coherdeiro alienante, como pretendeu a appellada,
iorisada, obedego transmitlindo-lh'a, eaproveltan- autores citados, qttr nossas razfles, qur em sua e como infelizmente o julgou o aii aqu em sua
do a occasiao que se me proporciona, tenho a propria sentenga. estranha sentenga de fls. 214 V. ? Nao, evidente-
bera.aindaque os outros herdeiros nao conseniisscm
na venda); sed repelitur pretium abeo.ut conferat,
inter heredes dividundum. E cita Cabedo a L.
20 do cdigo familia erciscumda, que esa certo
sentido abona esta rasoavel e equitativa opinio.
Parte 1', Decisie 146 n. 3.)
Finalmente at o proprio Pegas, improcedente-
mente citado pelo juiz aqu em sua sentenga, re-
pelle e condemna o erro e injustiga que nella se
consagra. Porquanto, eis aqui como se exprime
sobre a materia esse celebre Jet. reinioola, em sua
importante obradas Resolugoes Forenses : Ibi:
Non effit etiam, quod prdicta domus vernhta
sit a vidua, dum n possessione erat bonorum ca-
satis ante partitiones futas____ guia facilime
a SattSfit SECL'NDUM VEBIORKM SENTBNT1AM talem
veniiHonem v>Udam esse,ut per ilecisionem text.
t i n L. Marcellus res, qua Dig. ad Trebeltiam.
tenet Valasc, consult. 69 n. 23 e 27, Cabedl p. Io
decis 146 num. 3,Sard decs 170 n. 9.,Pareju. decis
19 n. 7, Merlin. De legitima lili 1, 9, 13 n. 9 e 10 e
9 180 n. 5. (Resoluiiones Forenses, tom. Io cap",
o n. 8.) Assim, conforme Pegas, a venda de uma
casa, feita por uma viuva, cabeca de casal, antes
das partilhas, nao pode ser atlacada como nulla,
pois que, segundo a opinio mais provavel (verio-
rem), tai venda valida, como efTectivamente o en-
sina a phalange de Jets, por elle citados.
Eis ahi a verdadeira doutrina dos nossos mais
autorisados praxistas; doutrina equitativa e ami-
ga da paz, como seno poderia contestar, por isso
que tende a evitar a mu ti pl i cacao das demandas,
e as represalias de iniquidades, nao consentindo
jamis que o capricho de uns possa apadrinhar-se
com o phantasiado capricho de outros.
VIII
Vejamos agora qual o direito estabelecido sobre
.este ponto pelo Cod Civ Francez, cujos arts. tanto
citou (a tort et a travers) o illustre patrono da ap-
pellada na primeira intancia, attonito por descobrir
fundamentos, em que podesse basear a sua injusta
pretengo. E nos convenceremos de que esse di-
reito nao favorece mais a causa da mesma appel-
lada, do que o direito comido as leis romanas ou
o sanecionado pela pratica do nosso foro.
que a partilha, longe de ser attributiva translaH-
va da propriedade, como aconteca entra es lio-
manos e acontece tambem entre nos, pelo contra-
rio meramente declarativa della, estabeiece no art.
883 que : Cada coherdeiro presume-se tersuc-
que
hypothecas, nao aliena, e continua a ser sempre
proprietario; pois sempre cora elle que a parii-
Iha tem lugar, e os bens por hypolhecadosnodei-
xaro jamis de ser comprehendidos na massa par-
tivel.D'onde resulta que a alienago nao importa
outro iiioonveuinte alm da exaluso das cousas
alienadas da partilha; ao passo'quc a hypoiheca,
nao fazendo cessar nenhuma indvso, nem ex-
durado cousa alguma da partilha,.dar lugar a que
os bens gravados por um coherdeiro venham mui-
tas vezes a entrar no quinhao de outro, o que ser
um mal apreciavel. E nao obstante (note-se bem)
o direito amano expressamente perraittia a cada Precisamente por uma razo que debalde- proru-
coherdeiro hypothecar por sis objectos da massa rou Ju,z a1tm destruir por lhe haver sido allega-
indivisa, como se v na L. 7
pignus cet hypotlieca solvltur.
restringir as hypothecas dos credores aos objectos
por ti s objectos da massa 'uu JU,Z a1" destruir por me liaver sitio- allga-
la 7 I 4 Dig quibus modis da Pp Palrono do appellante: quia, diz esse Jets.
7tur e o que mais sem I' rp'n'C0la adhuc luredtas defunctum representa'
dns'credores aos iibiectos i et son'eta^ non omnino dicitur extincta, donr
bona stpai-entur : sunt enim illa aithme in com-
munioue, etc. (Decisio, 131, n. 5.) Em que se
poderia pois fundar o nobre juiz, a vista disto, pa-
ra levar to longe a soa escrupulosa indaga-
gao?
Supponhamns, porm, que o appellante, a des-
peto do bem conhecido proverbiomais sabe o
me houvessem do tocar em partilha ao coherdeiro
hypothecante, comosuccede pelo direilojdacod. civ.
francez. (Repertoire de Jurisprudente vol. 22 v.
Partagc.)
Quanto, porm aos arrendamentos, opina o dou-
to Merlin que nao dado a nenhum comproprieta-
rio o consenti-los, sem o expresso accordo dos
mais consenhores dos objectos por consideragoes
anlogas as que cima expendemos com referencia I tolo no seu, que o avisado'no alhoiose houvesse
a hypoiheca. : engaado acerca do meio mais conveniente paca,
t Sem duvida, diz esse eximio Jet. ves terieispo- solver o seu debito : supponhamos mesmo que, sem
dido vbnder ou dar vossa porgao indivisa, sem que necessidade (o quo nao exacto) e s para nao dar
eu podesse pedir contas disso ao vosso adquirenie; a appellada o gosto de possui-las, como qur o juiz
mas porque vosso adquirente vos substituira em agu, ou ainda para coitar questes. como tambem
relago a num; porque elle ter-se-hia achado, o diz, vendeu o appellante as duas escravas-per-
pela minha parte, sujeito a acgo de partilha da tencentes ao seu casal. Como se podera tirar d'ahi
propriedade (note-se bem) tomo vtis mesmo o te- urna causa de nullidade da venda, se obrando as-
rieis sido, seno houvesseis alienado; consegran- sim estova o appetlanle no seu direito. segundo le-
lemente porque, alienado, nao me fizestes com isso mos demonstrado, e principio to sabido quanto
nenhum damno real (certamente).Mas, arren- inroncusso, que: aquelle que usa do sea direilo
dando, em vez de alienar, o que fizestes vos? Im-; nao injuria a ninguem, quaesquer que tenham sido
pozestes a todas as partes e a cada uma das partes alias os motivos ntimos que o tenham impedido,
de um bem commum pro indiviso entre vos e mim,'. visto como nada tem com estes a justuja civil ? Pre-
0 onus de um goso que eu nao posso fazer cessar, I tender nullificar uma venda deslas, e por taesmo-
exercendo contra aquelle era proveito de quem vos tivos, offondendo o direito do cabeca de casal meei-
0 consentistes, a acgo de partilha de propriedade;' ro, realmente uma pretengo extraordinaria e
vos o impozestes pois ao que me pertence rn cada inaudita, que s pode aecusar i falta de eonheci-
uma dessas partes, assim como ao que nellas vos ment de jurisprudencia reguladora da materia,
pertence a vos mesmo. Ora, podieis vos fazc-lo Quem peder obrigar com justiga um coherdeiro
sem o meu concurso? E' isto perguntar em outros 1 ou comproprietario a permanecer, contra sua von-
termos se podieis sem o meu concurso transferir tade, na communho com outros coherdeiros ou
ao vosso locatario e direito de gosar da minha pro-1 comproprietarios ainda que- seja somonte a respei-
pria cousa, pois que elle nao poderia gosar da vos- to de certos bens ?
sa, sem gosar da minha, e pois que eu nao tenho
para fazer cessar o seu goso a respeito da mesma, XII
nenhum meio concilavel com os meus interesses.
Ora de principio, e a lei 11 Dig. de repito jura, Ainda menos rasoavei e piausive| se nop apre_
diz textualmente que-id quod nostrum est, sne sen|a 0 outro fundament0. em que pretenden o juiz
facto nostro ad ahum transfern non potest. > aqu basear a sua sentenga, e que consiste em
Sobre este principio que se tinham fundado os terem sido as a|enacoes esicas em raza0 de
Dig. ue asrms" anteriormente procurado comprar nm dcllas por
-.,0> 1:4005000, ao passo que o appellante as vendeu
por menos.
legisladores romanos para decidirem que o com- navcr a A declarado ao R que se ('caria com as
proprietario de um predio pro indiviso nao pode so escravas por 1:900*000, por haver outra pessoa
grava-lo com uma servidao : L. 2 Dir. de srrvirit- inllirinmimip nrni.nr^\n mmnror ,,m hii ~
libus; e que o acto pelo qual
permanece suspenso at que seus comproprietarios
o tenham confirmado. L. 18 D. comm. prad. ttrb.
et rust, pela razo de que elle nao pae sujeitar r. ,. ,
mesmo sua parte indivisa sera suieitar as dosou- Anda quando tossem exactas as allegagues dos
tros. ( Questions de Droit, vol. 9 v. Location faelos em que se basca o juiz aguo, e que. a appel-
j $b\ lada procuran estabelecer com o apparatoso cor-
Fica, pois, sillBcientemente demonstrado que um 1('J de 10 testemunhas, ainda assim seriam ellas
coherdeiro, e por consequencia um cabeca de casa* mais que sufflcientes para destruir o bom direito
meeiro ainda qandode facto nao podesse hvpothf do appeH*nt! e infirmar o seu acto do venda que
cedido s e immediatamente em todos os effeitos1 car, nem arrendar, etc., muito bem poderia all- subsiste valido a despeito das conclusoes jurdicas
comprehendidos em sua sorte, o que lhe couberem nar qualquer objecto da massa commum, visto co- 9ue d a .' 9UIZ "rj,r re ,JU,Z' eme/hantes a
por lictago, e nao ter tido nunca a propriedade mo do exercicio desse crdito de propriedade ne- essf a '""" se,n cert0' P0'0 lue Ja Vlin0s We
dos outros effeitos da successo Isto .queo nhum prejuizo real, provm aos demais compro- nada podera os Tactos centra os direitos, que aloi
effeito da partilha nao tem lugar, ut ex nunc, como prieMrios, que tem sempre ao seu alcance osraeios reconhece e garante. a lesao, como todos sabem
do dia da partilha, mas pelo conlrario_ ut ex tune, legaes para sahi rem da indiviso inteirados e sa- ')0r_qu_l d'La :i=: l
como do da da abertura da successo
retrotrahe por consequencia at esse
em uma palavra, declarativa oa como
puramente determinativo e demonstrativo
de cada um dos compartes. (Demolembe, .
des successions vol 3, n. 264.) herdeiro, alienar bens alguns que nao sao destina- Pode uma semelhante causa ser invocada senao
Seguir-se-ha porm d'aqui, que nao possa um co- dos para esse m, excepto por autoridade da justi- entrc as Par,es cot,l,al'",le^ com alias o ditam
herdeiro vender validamente alguns objectos da he- ga a vista da necessidade da venda; c neste ca- a raza0 e o bom senso. O que quer pois dizer
ranga? Nao, respondeu Troplong
c proprietario de uma cousa
t sua parte antes Ja partilha .
t chega a effectuar-se depois, eis aqui a eventuali- contrariar com o seu principio, em vez de seguir l'-^lWO0' se isso nao e uma verdadeira execn-
dade que correr o comprador. as pegadas dos grandes Jets, interpretes desse di- tf'cWade jurdica, nao sabemos, em abono da ver-
t Podera acontecer, com effeito, que o objecto reito.Sem querer, porm, entrar aqui na refuta- dado, que outra cousa possa ser.
1 indiviso cia na sorte do comproprietario do ven- gao da extranha doutrina seguida por esse escrip-
t dedor ; desde ento, conforme os arts. 883, 1476 tor, porquo fra isso escusado depois do que ja te- Dir-se-ha talvez que, vendendo objectos communs
t e 1872 do cod. Nap., entender-se-ha que o ven- mos dito sobre a materia, cumpre-nos todava ob- por menos do sen valor, causou com sio o appel-
dedor nunca.teve a propriedade dessa cousa.' servar que todos os outros reincolas, embora in- lante um prejuizo reaj a appollada sua compro*
c A venda ser pois resolvida, e os direitos do cunados a mesma opinio, sao todava concordes prietaria e qne o meio de remediar rescindir
c comprador sero extinctos. Mas, 6e por effeito da em ensinar, como o fazem Lobo e Pereira de Car- a venda por elle feita
t partilha, o vendedor conserva a cousa ou uma valho.que rana vez effectuada a venda de alguma cou-
t parte nessa cousa,. a venda subsistir. Sed sa perlencente a heranca pelo cabeca de casal
t ti certtoregionibns fundum inter et Titium judex deve o juizaze-la entrar no juizodivisorio eim-
t devisit sine dubio pai-tem qua adjudicatajsttem- j puta-la em pagamento do quinhao hereditario do
ptore trader e debe*. alienante peto Seu justo valor para se evitaren) le-
A applicago deste principio foi contestada (diz! tigios. (Proe. Orphan, 1* parte cap. 119 no-
1 o sabio Jet) pirante a corte de Njwey etB^um' ta 67.)
I
'MUI

fConriniirr--Aa.,/
PERNAMBUCO. TTP. VS U F. F. & FILHO
>
i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E8VOYDW9L_9ZJGZ0 INGEST_TIME 2013-08-28T01:47:05Z PACKAGE AA00011611_10232
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES