Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10230


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I
?

Ki*
i
AMO XXXIX HOMERO 250.

Por tres niezes adianUdts SJOOO
Por ires mezes yeocidos 6K00

SABBADO 31 PE ODTDBRO DE 1863.
Por anno adiantado.....i&00D
Porte para o subscriptor. 3JJ0O0
DIARIO DE PERNAMBUCO.
ENCARREGADOS DA SUBSCRlPCO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima'
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracatv, o
Sr. A. de Lenios Braga; Cear, 6 Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro l ; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SCL
Alagas, o Sr. Claudino Falcao Dias; Bahia, o
Sr. Jos Majlins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins d Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahybanas segundas
sextas-reirs.
Santo AntSo, Gravat, Bezcrros, Bonito, Caruaru',
Altinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Jpsqueira,
Ingazeira, Floros, Villa Bella, TacaratuYCabrobo,
Boa Villa, Ouricury e Exu* as quartas feiras.
Serinhaem, Bio Formoso, Tamandar, Una, Barrei
ros, Agua Preta c Pimenteiras as quintas feiras.
Ilha de Fernando todas as vezes que para ali sahirl
navio.
Todos os estafetas partem ao t/i dia.
EPHEMERIDES DO MEZ DE OUTl'BRO.
4 Quarto ming. as 3 h., 36 m. e 8 s. da m.
12 La nova as 3 h., 17 m. e 2 s. da t.
19 Quarto cresc. as 4 h., 40 m. e 32 s. da t
26 La cheia as 2 h., 30 m. e 20 s. da I.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 4 horas e 30 minutos da tarde.
Segunda as 4 horas e 54 minutos da manhaa.
PARTIDA DOS VAPORES COSTE1ROS.
Pafa o sul at Alagas a 5 e 25; para o norte at
5sWa fl22 decadamez; para Fernando nos
dias 14 dos mezes dejan, maro., maio, jul, sel. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipucos as 6 >/& 7, 7 >/ 8 e
8'/, da m.; de Olinda. s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao as 6 Vj da m.; do Caxang e Varzea s 7
da m.; de Bemfica s 8 da m.
y *$ ,Rerfe : para Apiparos s 3 '/?, 4, 4 A, V-,
>>, 5 Vj e 6 da tarde; para Olinda s 7da
raannaa e 4 >/2 da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
de; para Cachange Varzea s 4'/z Bemfica as 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TBIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relagao: tergas e sabbados s 10 horas.
Fazcnda: quintas s 10 horas.
Juizo do comniercio: segundas s il horas.
Dito de orphaos: tergas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tergas e seitas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DIAS DA SEMANA.
20. Segunda. Ss. Evaristo e Florio mm.
27. Terca. S. Elesbo imp. da Ethyopia.
28. Quarta. Ss. Simb e Judas Thadeo apps.
29. Quint. S. Eusebia v. m.; a b. Bemvind.
30. Sexta. S. Heduviges duq. da Polonia viuva.
31. Sabhado. S. Quintino m.; S. Lucilla t. m.
1. Domingo. S. Cesario diac.; S. Benigno presb.
ASSIGNA-SE
no Recife, em a livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Figbeiroa d
Faria & Filho.
PARTE QFFICIaL.
unisTniuo io imperio.
Senhor.-O presidente da provincia de S. Paulo,
em offlcio de 24 do mez passado, eommunica que
oDr. Carlos Ilidro da Silva, dedica-se, ha muitos
Mrquez de branles.^
da juslk-a.
Ministerio
neiro, 2 de ot ^
tes, presidente interino
cional, declara aos Srs.
a fazenda.Rio de Ja-
10 marquez de Abran-
B tribunal do thesouro na-
inspectores das thesoura-
fflcou-se ao ministerio sao destinadas factura de pontes e outsas cons- S. Ex*. oSr. presidente da provincia manda de-
truegSos mannhas. clarar a V. S. qne, pelo seu ouleio de 26 do eor-
Pedro de Alcntara Bellegarde, do meu conselho, rente-Hcou inteiradd de estar concluida a obra do
ministro e secretario de estados dos negocios da eneanamenlo d'agua para a povoagao dos Afoga-
agricultura, commercio e obras publicas, assim o do s, pera como de se achar funccionando desde 14
tenha entendido e faca executar. j deste mez os chafarizes que se collocaram no lar-
Palacio do Rio de Janeiro, em 16 de outubro de go do' Nussa Senhora da Paz daquella povoacao e
1863, 42 da independencia e do imperio.-Com a '
rias de fazenda, para sua intelligencia e execugao,
e para o fazerem constar a quem convier, que os rubrica de Sua Mgestade o Imperador.Pedio de
annos, com incansavel zelo, ao melhoramento da procuradores fiscaes e mais rigentes da fazenda pu- Alcntara Belteyafde.
r>tn i ii. _*_ i-----;_.------?_______----------_*__ _____ I________^_
mmm da proyocia.
nossa agricultura, j escrevendo para instruegao Llica nao poden intervir as arrecadacoesenvn-
dos lavradores, ja fazendo experiencias que melhor tarios a que procederem os cnsules e'outros agen-
mais praticamente possam encammha-los, e nes- les consulares, em virlude de convengao consular
ses trabalhos tem consumido seu lempo, c parte de celebrada entre o imperio c as nages cstrangeiras,'
sua pequea fazenda. .. I por nao ser a sua audiencia facultada as referidas'
Estando esses serviros comprehendidos as dis-; convences.Mrquez de branla.
posigoes de que trata o art. 8o 3o do decreto n.' _______
; em observancia hutruep* modificando as de 31 de Janeiro de 1860-
da ultima parte do citado artigo, tenho a honra de
propr o referido cidadao para offlcial da ordem i
aSoSSacom o mais profundo respeito de Vosa Lff^TVlJSE*!1 daJ^nda.-Rio de Ja-
Magestadc Imperial subdito fiel e reverente.-Jfar- n.e,''n,l; t* ?AUir- ?e !86*~.0-,.,Mr,!lei..,de
nuez de Olinda. I Abrantes, presidente interino do tribunal de the-
Expedieate do dia 28 de outubro de 1863.
Qfficio ao presidente da Bahia.Solicitando no-
vamente o alferes do segundo batalhao de infan-
taria Francisco Jos Gomes, pelo requerimeuto
na ra Imperial.
Despachos do dia 28 de oulubro de 1865.
Reqticrimentos.
Carlos de Souto Gondin. Informe o Sr. ins-
pector do arsenal de marinha.
Galdino Jos d'Assumpgao.Indeferido, visto
181 supplicanIe dcmiitido em 6 de abril de
Joao Jos Pinto deOliveira. Dirijase ao Sr.
inspector da tliesouraria de fazenda.
Chefe de divisao Jos Maria Ferreira.-
paraVtomada^'deconta'i^ que aqu ajunto, providencias para qu cesse, do
ihente. pnmeiro do corrente em diante, o abono da pres- 0 Sr nspt.CIor da lhe,0liraria
tacaode 245 mensaes, que consignou nessa pro- v ua me. mirara ut idztnaa.
vincia, seu procurador Manoel de Barros e Sil-! "^^gg^*^
va, visto que nao leve solugao de outro requeri-
mento que leve ao conhecimento de V. Exc. com
de-se aceitar cerno urna provamaisda allianca que
assignalei em outra occasio.
O general Fausto Aguillar, que as informacoes
ofllciaes davant como morto, resuscitou, e cuui Ca-
raballo organisa alguma forga no departamento de
Minas, para ineorporar-se ao sen chefe.
A Reforma Pacifica de ante-hontem publica urna
carta de Taquaremb, que denuncia estar Gozo
Soares gravemente ferido na estancia de Jeronymo
Jacintho, a 8 leguas de Santa Anna do L'vramento
em direegao Uruguayana. Esta carta accres-
centa que at agora o governo do Brasil nada fez
i para impedir a entrada dos flibusteiros, e que, ao
contrario, seus chefes da fronteira os ajudam em
tudo.
O Sr. Calvo, redactor daquelle peridico, nao jul-
ga que isto proceda de ni vontado do governo im-
perial, e suppe outras causas para explicar o fao-
- ttendendo aos estatutos e trabalhos que para >n S^^li^Mi'l'U1 S?5!L offlcio dc 16 do Julho ultira I ">go V. Exc. que I
, seTintes lteraces ISt uine de P~videneiar convenientemente para ;
n r2E i aiiera.(ies- ,^..1 que esse offic al seja attendido em sua supplica.
i^!^A.,5?^.lw/.!?L'!?!2l,l Dito ao cominandaate superior do Recife.-De
conformidede eom o offlcio de V. Exc. n. 120 do '
EXTERIOR.
ura o Dr. Carlos Ilidro da Silva, c |com al seKu'Des alteragfies.
a instrucgSo dos lavradores tem feito e publicado
sobre
de conformidade com
por bem
nomea-lo oflicial da ordem da Rosa.
Palacio do Rio de Janeiro, 14 de outubro de 1863,
42 da independencia c do imperio.Com a rubrica
de S. M. o Imperador.Marquez de Olinda.
Montevideo, II de ootnbro de 1863.
o art. 8 | 3- do decreto n. Y8 ""'
2,853 de 7 de dezembro de 1861; bel ~,r i.m : daoslo no art. 6
Senhor.O presidente da provincia de S. Paulo,
em offlcio de 24 do mez passado, eommunica que,
tendo as grandes chuvas do mez de Janeiro de 1862
causado consideraveis estragos na serra da Maio-
ridade, a ponto de corlarem a communicago entre
a eidade de Santos c a capital da provincia sendo
por aso necessario dar-se transito pela serra se-
iba, o cidadao Jos Vergueiro offereceu-se para
fazer naquella os reparos de que careca, e nesta
os soccorros que fossem necessarios para servir
provisoriamente.
Informa o presidente que aquelle cidadao de-
sempenhou taes encargos sem o menor inleresse,
-c com grandes sacrificios de sua pessoa e bens; e
que de tal modo se houve nos trabalhos que execu-
4 do art. 11, loram incumb
dos da confrontagao dos relatorios das tomadas de
cont'is e dos liquidadores de dividas de exercicios
findos, continuaro nesse servigo ainda mesmo
quando sejam removidos para outras directoras,
se assim Ihes convier.
2/ Os processes de tomada de contas e os de
dividas de exercicios findos, comprehendidos no
art. 5o e Io do dito arL 11, que por sua natureza
nao carecerem de longo exame, poderao soffrer
urna liquidago smente. O trabalho da apuragao
e parecer dos contadores neste caso serao retribui-
dos com gratificagao igual estabelecida para o
empregado inrumbido de exame.Deu-se conhe-
cimento as directoras tomadas de contas e da
contabilidade.
Circular s tbesourarias. Ministerio dos ne-
gocio da fazenda.Rio de Janeiro, 2 de oulubro de
1863O marquez de branles, presidente interino
do tribunal do thesouro nacional, eommunica aos
senhores inspectores das tbesourarias de fazenda,
eom o
27 do corrente, a que respondo, dei scicucia a
thesouraria de fazenda de ha ver sido rendido des-
de 22 deste mez o contingente do primeiro bata-
lhao de artilharia da guarda nacional deste muni-
cipio por outro do terceiro batalhao de infantaria,
Bem avisado andei quando na carta que dirig
ao Jornal do Commercio pelo Kepler, em 24 do mez
(indo, moslrei plena conflanga de que o nosso agen-
te confidencial, o Sr. Lourc ro, seria perfeitamente
reconhecido pelo presidento da Confederarlo Ar-
gentina, e polo respectivo governo, que ja tinha
Informe : masjeinbraquese de ve. pedir quanto antes a
' | internagao immediata daquelle chefe, e diz que
______i Canavarro, em lugar de tomar armas em favor de
Flores, como espalham os peridicos de Buenos-
Ayres, o faz para proclamar de novo a repblica
de Piratinm, de accordo com um irmao de D. Joao
Carlos Gomes, deputado brasileiro.
Entendo que conveniente que o nosso governo
e o publico sejam informados destes factos para po-
derem apreciar o que por aqui se passa. A tal re-
publica de Piralinim um phantasina que de novo
se evoca para nos aterrorisar, como se no Rio-Gran
destarada" desa,lBndldo aos ministros das potencias europeas;
passando commandar toda a forga 9i nesta capital, o major deste batalhao Antonio Ber- ffSZJStSSt k
nardoQuinte.ro em substituigao ao de artilharia llmZ*Z 'Cid iJ,e ef,a prev,sa0; -08
Alexandre Augusto de FriasVillar.-Communi- rS^fT^^^y^fr^y08
eou-se ao inspector da thesouraria de fazenda. ag^Sencfo "al r SSa' ^
gir dos encontrados
Deus Ilumine a este povo digno de melhor sor-
te, e o faga imitar o cxemplo brilhante que Ih e
aprsenla o imperio do Brasil, que so anhela v-l o
tranquillo, rico esatisfeito.
P. S.Flores cooseguio passar para o norte do
Rio-Negro, e eslava no lugar chamado CoronMha.
Chegou boje no vapor do Paraguay o Sr Santia-
go Derqui, ex-presidente da Confederagao Argenti-
na, que havia ido ltimamente a CorrienteSy onde
foi intimado pelo governo da confederacao para
deixar immediatamenie o paiz, sob pen de ser
preso e processado. Considera-o o dito- governo
de accordo como general Urquiza, que o atraicoou
no Pavn, e com o governo oriental, para promo
ver a revolugao que teme.
Buenos-Aires, 13 de oulubro de 03.
Nenhum successo de imporuncia oecorreu na
ultima quinzena. Depos da sahida do paqueb'
inglez, festejou-se em Montevideo um novo trium-
pho sobre as forgas do general Flores } porm, ao
depois, tudo induzio a acreditar que o general Me-
dina no encontr com os revolucionarios sahio um
tanto queimado.
O certo que de positivo nada se sabe sobre o
exercto da campanha.
Seguio-se a estes boatos a discussao do ministe-
rio em Montevideo. Ao principio attribuio-se isto
e i "en da theiu- V* segredo to" bem guardada
- inchi^a ch ? qUe- "* de >,osilivo 1ue nosso '
"a-'. a sido mu bem aeolbido pelo
tou na serra da Maioridade, que em 5 de maio se-!para a devida intelligencia e execugao, que, sendo
guinte passaram per ella 40 carros carregados e i conveniente que as arrecadagies, a que proce-
imiitas tropas de anlmaes, e a mesma serra se acha I Sm os agentes consulares, em virtude de conven-
actualmenle com seguranga e perreigao como nun- i ao insular com a Franga, mandada observar por
ca, despendendo a provincia com as obras a uuan- i decreto de 26 de abril de 1861, nao deixe a auto-
provincia com as obras a quan
ta dc 61:8705730, tendo alias sido orgadas em
77:5775231.
E accrescenta que, alm deste servigo, fez o mes-
mo individuo outro gratuito, nao menos importante,
concertos de que careca a estrada dc Santos, na
nando-a propria para rodagem e igualando-a as
melhores que existem en relacao ao declive.
Estes servigos prestados pelo cidadao Jos Ver-
gueiro, estiio comprehendidos j\o art. 8o 3o do
decreto n. 2,853 de 7 de dezembro de 1861, e me-
recem por isso ser remunerados na forma do
mesmo decreto.
Em observancia da ultima parte do citado artigo
"tenho a honra J
commendador
Sou com
gestade Imperis
- Attendendo aos servigos prestados pelo cida- tes e bens de ausentes no municipio daW/e, de- Se^to^no^^SSfdS %$?&
mo Jos Vergueiro, director das obras da serra 9M porecntagens que devem ser abonadas gf^e ^ 'cSn^oflkio le hontm sob 1 229
<3a Maioridade e da estrada de Santos a capital da os curadores geraes das herangas jaecntes e bens "g i'K.^? ^^^f^J^Jt^
provincia de S. Paulo, e de conformidade com o de ausentes no dito municipio sao 3 "/,, de que tra- Ma olTntonio TeixeTra ^kVSSJSSSSTSSsi.
rt. 8- 3 do decreto n. 2,853 de 7 de dezembro dc' O Mt 82 do regula.nento annexo ao decreto n. "^""t' qt",!'01" d All,u'lucr1uc a 'l"an-
1861, he por bem nomea-lo commendador da or-; *; d U de Junho de 1859' e 2 ft/o dos bens e n-
dem de Cbrislo. ;dinheiros de que trata o art. 83 do mesmo regula-
ridade local de comparecer e cruzar seus sellos
com os que tiverem sido postos pelos mesmos agen-
tes, nos casos em que a fazenda publica fr inte-
ressada pelos impostes de successo, ou por outro
justo motivo, nesta data se requisita ao ministerio
da^ustiga a expedigao das necessarias crdens para
semclhante lim. nada obstando a que os agentes da
fazenda publica representem ao governo imperial
por intermedio das autoridades competentes contra
os lacra que se praticarera em taes processos
prejuaiciaes aos inleresses da fazenda publica, para
que o governo possa entender-se a respeito com as
lefpgoes respectivas.Mrquez de Abrantes.Offl-
ciou-se ao ministerio da justiga.
Portara alterando a tabella de 30 do Janeiro
;n u:_...__ j_______- j_ .. ... : -
Dito ao commandante das armas.-Para que se SRfEtlfiTii c A 7,ue M P(,d^c!,l,
possa resolver sobre o pagamento solicitado por SUSL*SS2?j5S2 de,lles> c das f0,has,
V. Exc. em offlcio n. l,9li de 14 do correnle, faz- ?T,11Z SK?. "2^222 Sabem a er"
se necessario que o commandante interino do cor- .-I!1- -eo^tt SW* c se desesperam por causa
po de guarnigo satisfaga a
raria de fnzenda, constante d ..
que vai annexo o'documento mencionado em ^10^^,,^^
(jjc0 lerno argentino, como espere, embora este anda
Dito ao mesmo. Queira V. Exc. expedir as 'SM""^^^'!romovdo1.tem*nho cs"
suas ordens para que sejam commumeadas, sem S?2taSS2S?ff- Sf" C^eC"V dos age"'
demora, ao director das obras militares, como toSr^?Sloa5,|,M que o convi-
kc rt'a nai.un a manter-se nos limites da mals stncta neu-
a trahdade.
O Sr. Loureiro tem tido froquentes conferencias
com o Sr. Elisalde. A ellas la I vez devida a
grande publicag.u que se tem dado corres|x>n-
denca trocada entre o governo oriental e o argen-
tino.
este solicitou em offlcio de hontem, as faltas d'a
gua que apparecerem nos estnbelecimentos mi-
litares, onde liouverem chafarizes, afim de que
se proceda aos necessarios exames, e se provi-
dencie como fr conveniente. Comraunicou-se
ao director das obras militares.
Dito ao mesmo.Remetto V. Exc. para ter o
conveniente destino a guia do soldado Jos Cardo-
so Mangabeira, que voluntariamente asseutou pra-
ga no Rio Grande do Norte com destino ao nono
batalhao de infantaria, como me communicou o
Exm. presidente daquella provincia em offlcio de
17 do corrente.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Mande V. S, pagar Joao Jos Pinto de Olivcira,
ou pessoa por elle autorisada, nao havendo in-
conveniente, e em vista da ronta junta em dupli-
cata, a quantia de 90 proveniente do alugucl de
vas tem ltimamente dado de sua dedicagao mo-
narchia, bouvesse um s homem que aspirasse per-
der o ttulo de Brasileiro, que o nosso maior or-
gulho, e a garanta de nosso glorioso e esplendido
porvir.
Nao hoje o maior perigo da situago do Estado
Oriental a revolugao. Urna deploravel divisao se
tem manifestado o seio do partido blanco, outr'c
ra to disciplinado, a qual Ihe ha de ser muito fa-
tal, e tal vez lhc arrebate o poder das maos.
Logo que Flores se affastou da capital, e trans-
forraou a anxiedade geral em urna cega conlianca
pelos revezos successivos que soffreu, todos os pe-
samentos outra vez convergiram para as eleigoes
dos deputados, que, conformo a constituigo, deve-
se fazer em novembro, para em margo designarem
ejles o presidente da repblica, visto terminar en-
to o periodo legal do Sr. Berro.
As amblgoes fizeram exploso de tal sorte, que
os proprios orgaos do partido, como o Paiz o a Re-
forma, se mostraram extraordinariamente assusta-
dos, e aconsclharain aos seus correligionarios pru-
dencia e unio, ponderando que nao se devia pen-
sar actualmente em eleigoes, visto estar o paiz an-
da em armas, e que era acertado quanto antes reu-
nirse a assembla para adia-las legalmente para
o tempo propno.
provavel que se tome esta deliberaco ; mas
ser ella constitucional ? Tem a assembla poder
para faz-lo ? o que resta provar. Entretanto
a sabida mais natural a esta grave compcagao,
dc que o partido colorado procurar tirar toda a
Tambem parece ser devida presenga de um
ministro brasileiro em Buenos-Ayres a'prisao de
um italiano de nome Aprelo, que havia mandado
afiliar as esquinas urna proclamagao incendiaria,
convidando os seus compatriotas a parlirem para
este etado, afim de se aggregarem as forras do ge-
neral flores.. i
Este sugeitof^ssa por um prfeito aventurciro.r8???^"1- ,- ., m. .,
e quera dar-se os ares de um Garibaldi futuro Como se "ao fosse.lst0 sufflc!ente. <>u tal vez cc-
Coincide igualmente com aquella circunstancia mo.uma consequencia necessana deste mesmo fac-
a renuncia apresentada no da 30 de setembro nelo l0', ouve nc.s,a semana uina modificagao ministe-
Sr. Mariaao Vrala, redactor da Tribuna, do lugar r,ai' 1"e mais aggravou a situago do paiz.
de subsecretario de estado que oceupava, a qual
. proveniente de concertos que
fez no telhado do quartel da corapanhia de caval-
Palacio do Rio de Janeiro, em 14 de outubro de ment, Orando nesta parte alterada a ta
atln lo. j. ;_j.j-.;. j_ i______*_ r*... I CP ri'furAm i nntnnc 1863, 42 da independencia edo imperio. Com a
rubrica de Sua Mgestade o Imperador.Mrquez
de Olinda.
MINISTERIO VA .11 STI^A.
DECRETO N. 3162 LE 9 DE OITIBnO DE 1863.
Desliga do commando superior da comarca das
Alagas, da provincia do mesmo nome, a guar-
da nacional dos municipios de Atalaia e Pilar
e organisa rom ella um noro commando supe-
rior.
He por bem decretar o segunte :
Art. I. Fica desligada do commando superior
da comarca das Alagas, da provincia do mesmo
nome, .1 guarda nacional pertencente aos munici-
pios de Atalaia e Pilar, e revogado nesta parte o
decreto n. 988 de 14 de junho de 1852.
Art. 2. Fica rreado nos municipios de Atalaia
se referem as ordens de 30 de janeiro
oulubro de 1863.Marque: de branles
nicon-se ao juizo de orphaos e ausentes.
MINISTERIO ROS NEGOCIOS
ESTRANGEIROS.
DECRETO N. 3,159 DE 8 DE OUTUBRO DE 1863.
Permute socieiUule jmdon and trasilian Rank
elevar o seu capital 1,500:000.
Attendendo ao que me representou JohnSaunders
na qualidade de representante e bastante procura-
dor da sociedade anonyma London and Rrasilian
Bank, que funeciona nesta corte como banco dc
depsitos e descontos, e de accordo com a minha
imperial resolugao de 30 de setembro ultimo, toma-
da sob parecer da secgao de fazenda do conselho de
estado, hei por bem permittir que o capital da
mesma sociedade seja elevado a 1,500:000 de-
bella a que fm, no encanamento do chafar.z do hospital mi- argenlino Jeccbeu urna
ede 17 de lar',e do accrescimo do muro do nono batalhao no mesmo sentido della,
-Commu- de '"'antora, Ibem como a Antonio PereiraGui-.. mandar ministros ao Hl
e Pilar, da provincia cima referida.'um comman- vendo augmento do captol ser dividido em 5,000
balalhdcs de infantaria ns. 3, 7 e 26 do servigo
activo, j creados naquelles municipios.
Joao Lins Vieira Cansansao do Sinimb, domeu
onselho, ministro e secretario de estado dos nego-
cios da justira, assim o tenha entendido e faga
executar.
Palacio do Bio de Janeiro, em 9 de outubro de
1863, 42 da independencia e do imperio.Com a
rubrica de Sua Mgestade o Imperador.Joao Lins
Vieira Cansansao do Sinimb.
2." seccao.(arcillar.Ministerio dos negocios
Illni. e Exm. Sr. S. M. o Imperador, attendendo
ao inconveniente que resulta para a fazenda publi-
ca de ficar no juizo dos orphaos por se arreeadar
o sello de quinhoes hereditarios al que os meno-
res o paguen] quando em tempo competente os re-
cebem dos pais ou tutores e Ihes do quitagao, e
deixar de se provar no juizo da provedona o paga-
mento do sello dos mesmos quinhSes, ha por bem
ordenar que o sello proporcional seja pago pelos
tutores quando receberem os bens dos menores, e
que se nao julguem boas as contas de testamenta-
rias sem estar demonstrado nada se dever por ellas
fazenda publica.
O que communico V. Exc. para seu conheci-
mento, e assim o fazer constar aos juizes dessa
provincia.
Beus guarde V. S.Joao Lins Vieira Cansan-
sao do Sinimbii.Senhor presidente da provincia
aeges novas de 100 cada urna.
O marquez de Abrantes, conselheiro de estado,
senador do imperio, ministro e secretario de estado
dos negocios estrangeiros e interino dos da fazenda,
e presidente do tribunal do thesouro nacional,
assim o tenha entendido e faga executar.
Palacio do Rio de Janeiro, em 8 de outubro de
1863, 42 da independencia e do imperio.Com a
rubrica de Sua Mgestade o Imperador. Mziqnez
de Abrantes.
MINISTERIO DA MARINHA.
2* secrao.Rio de Janeiro.-Ministerio dos ne-
gocios da marinha, em 13 dc outubro de 1863. S.
M. o Imperador determina que, para o provmento
das vagas que se derem nos lugares de praticantes
maraes o de 200A, em que importaram as 20 tra-
vs, que collocou no quartel do stimo batalhao
tambem de infantaria.Comraunicou-se ao direc-
tor das obras militares.
Dito ao inspector da thesouraria provincial. -
Pode, V. S., conforme indica em sua informagao
de hontem, sob n. 536, mandar entregar ao vigario
da freguezia da Escada Simo de Azevedo Cam-
pos, mndiantc tanga idnea, c quando o permitti-
rem as forgas do cofre dessa thesouraria os dous
contos de ris votados pelo 8. do art. 13 da le
do orgamento vigente para as obras da igreja ma-
triz daquella freguezia
Dito ao inspector do arsenal de marinha.
Mande V. S. examinar pela mestranga desse arse-
nal a cona e pertences, que segundo o incluso
offlcio do brigadeiro commandante das
ajustou o commandante da fortaleza de Itamarac.
para o servigo della, e emitta o seu parecer|cerca
do prego por que fo contratado, devolvendo-me o
citado offlcio.
Dito ao juiz de dreito da primeira vara.Sen-
do Aulonio de Albuquerque Mello subdito portu-
guez, como o deelarou o respectivo cnsul em of-
flcio de 17 do corrente, apresentando o titulo de
residencia que se passou aquello individuo em 18
de setembro de 1851, nao podia por isso ser quali-
ficadojurado como o foi, e por consegrante servir
j m ssso alguma do tribunal do jury, devendo
i portanlo ser relevado das mullas que" Ihe foram
i impostas por falta de comparecimento ultima
foi aceita sendo agradecidos os seus servigos.
E preciso rerordar que o Sr. Lamas, agente con-
fidencial do governo oriental, se queixon offlcial-
mente ao governo argentino de que aquelle alto
funecionario, abusando da posigao que oceupava em
urna secretaria de estado, publicava em seu peri-
dico factos que se deviam conservar secretos, rela-
tivos sua misso, e que este governo, defenden-
do-o com calor, recusou satisfazer a reclamacao
apresentada pelo Sr. Lamas.
Consta que alm da missao brasileira, o governo
nota do governo paraguayo
pelo que estava resolvdo a
Rio de Janeiro e a Assump-
gao, afim de explicaren! convenientemento a si-
tuago.
As noticias mais recentes da Campanha sao dc
5 do corrente. Nsssa data eommunica o general
O ministro do governo, o Sr. Sienra, apresenlou
sua renuncia, sob pretexto de molestia, e seus col-
legas o imitaram para deixar ao presidente toda |a
liberdade de aegao. Foram acceitas estas renun-
cias, e por quatro dias se esperou a nomeagao dos
successores, fazendo-se dfferentes combinacoes e
conjuncluras, que todas ficaram hurladas. Espa-
Ihou-se at que o presidente mandara consultar o
Sr. Lamas, em Buenos-Ay-es, e quo esperava sua
resposta. Finalmente app'arece nomeado Nin Reys,
o agente confidencial que tinha sido recentemente
niandado ao Paraguay, para a pasta do governo, e
interinamente da guerra e marinha, e sao nova-
mente designados para as pastas que oceupavam,
de estrangeiros e da fazenda, Herrera filho de
Blanco.
Desla sorte ssahiram do gabinete Sienra c Her-
rera pai, ministro da guerra.
O partido blanco ficou furioso com a entrada pa-
ra o ministerio de Nin Reys, a quera se trafou de
Medina que o inimigo estava por Frayle Muerto, a ra ra,n,sre ae *"> eys, a quera
10 leguas do Cerro Largo, e que seguia ainda pela process,arlna ha muitos mezes, por venalulade
cocinilla em direegao capital daquelle departa- f
ment ; que s Ihe ficava o passo de Masangano
para atravessar para o norte do Rio-Negro, e que
este mesmo eslava tomado; pelo que acreditava que
o general Flores ira para o Brasil pela fronteira
de Jaguaro. Inforinam-me, poriri, vaquianos da-
quelles lugares, que, adinte do mencionado passo
existem pantanos vadeaveis a cavallo, e que nada
O mesmo general
ment de que no dia 3 urna forga anarchista, com-
posta em sua totalidade de aventuremos brasilei-
ro?, se havia feito sentir pelas iinmediagoes da villa
do Mello, e dra providencias para ser ella batida.
Deve ser o bando do major Fidelis Paes, em que j
fallci em urna correspondencia anterior.
O major Carrasco, que foi aprisionado pelos re-
voltosos na costa de Santa Luzia, depois de Ihe te-
rem morto um filho, conseguio escapar, e estava
no quartel-general de Medina, a quem minuciosa-
mente informou da situago em que se acha Flores
por ralla de comparecimento a u tima que diz e||e )evara smente 600 homens.
sessao para que foi chamado, com., informa Vmc. No mesmo dia em que sahio o Mersey para ahi,
no linal do seu offlcio de 26 deste mez.-Commu- soube-se pelas communicagoes ofllciaes publicadas,
nicou-seao cnsul portuguez que aquelle chefe passra o passo de Polanco, no
Portara.Os Srs. agentes da companhia brasi- rio Y, muito atropelladamente, perseguido por'Mo-
da contadoria da marinha, se observen! as seguin- leira ne paquetes a vapor manden dar transporte dina, e que perder ento bastante gente, e alguma
commettidas quando oceupou na administragao a
pasta da fazenda, o que o obrigou a justificar-se
pela imprensa.
0 Sr. Acha, sobretudo, que o aecusou violenta-
mente no Pays, de que era redactor, vio-se obri-
gado a despedirse hontem deste jornal, declaran-
do que dava este passo porque neste momento nao
pode fazer opposicaoao presidente, e que seria vio-
podera impedir o general Flores de passar para o ,en'a-r sua "ciencia proceder deste modo.
N&0 conhege o novo ministro que assim e rece-
"gnas de crdito o desabonara mui-
I * fodina tinha tido conheci-'l0 administrador-
neluso mnv como eveser sua lntenc50i ara a|| elfoc-!, .{Saonronh;cce..
armas, ,ar a reUniodas forgas que esto operando isola- ',' ,'p" ^.L1.8
naraca damente em diversos riontos. o, outra, o julgai
de.
MINISTERIO DA FAZENDA
Circular s Ihesourarias.Ministerio dos nego-
cios da fazenda.Rio de Janeiro, 2 de outubro de
1863.O marquez de Abrantes, presidente interi-
no do tribunal do thesouro nacional, eommunica
aos Srs. inspectores das thesourarias de fazenda,
para a devida intelligencia e execugao, que, sendo
conveniente que as arrecadagoes, a que procede-
rem os agentes consulares, em virtude dc conven-
cao consular, nao deixe a autoridade local de com-
parecer ao inventario e cruzar seus sellos, se con-
vier, com os que tiverem sido postos pelos mesmos
tes regras :
Art. 1." Os candidatos deverao apresentar seus
rcqucrlmentos instruidos com cerlidao de idade e
attestagoes de bom comportamento, e dos estudos
que houverem frequentado.
Art. 2." Nraguem ser prvido no lugar de pra-
ticante, sem que passe por exame das seguintes
materias :
1." Calligraphia e orthographia.
2. Leitura e analyse grammatical de trechos na
lingua nacional.
3. Pratica das quatro operagSes arithmeticas em
nmeros inteiros e fracgSes, tanto ordinarias como
decimaes, sendo as provas escripias.
Art. 3. Serao designados por V. S. dous chefes
de secgao para examinadores, sob sua presidencia;
e, terminados os exames, lavrar-se-ha o competen-
te termo, por V. S. e pelos examinadores assignado,
para ser remettido a esta secretaria de estado, con-
tendo o grao de approvagao dos candidatos, afim
de se resolver como for conveniente.
O que communico V. S. para sua execugao.
Deus guarde V. S.Joaquim Raymundo de La-
mare.Sr. contador da marinha.
; para a corte por couta do ministerio da guerra no
' vapor que se espera do norte ao menor Amaro
Paulo Martins Filgueiras, que assentou praca nes-
ta provincia com destino ao primeiro batalhao de
artilharia a pe.Comraunicou-se ao commandan-
te das armas.
cavalhadavque Ihcfoi arrebatada. Osjornaes de
Buenos-Ayres transformarara este revez em urna
victoria sobre a vanguarda de Medina, que ficou
completamente derrotada, e para darem alguma
verosimelhanga a este cont, inventado cortamente
para animar os contratos de voluntarios naquella
Dita.O presideute da provincia, attendendo ao c,dade, disseram que o capitSo Gusraao promover
que requereu o tabellio o escrivo de orphaos o um motm na divisao de Medina, e nassra para o
" inimigo com 200 infantes.
ausentes do termo do Limoeiro Luiz Francisco
Brrelo de Almida, resolve conceder-lhe 90 das
de licenga para tratar de sua sade nesta ei-
dade.
Dila.O presidente da provincia, attendendo ao
que requereu Fr. Pedro da Purificagao Paz e Pai-
va, vice-director e capellodocoller'"
resolve conceder-lhe oito mezes
I vencimentos, para tratar de sua sade onde Ihe
| convier.Communicou-se ao provedor da Santa
' Casa da Misericordia.
Dita.O presidente da provincia, attendendo
ao que Ihe requereu o promotor publico da co-
marca de Nazareth, bacharel Joaquim Eduardo
Este offlcial nao faaia parte daquella divisao, mas
MINISTERIO DA AGRICULTU-
RA COMMERCIO
E ORRAS PUIIRCAS.
DECHETO N. 3,163 DE 16 DK OUTUBRO DE 1863.
sade nesta capital.
___
Expediente do secretario do governo.
Offlcio ao commandante das armas.S. Exc. o
sim da de Lucas Moreno, que se conserva as pon- trando a necessidade de uniao e concordia do par-
tas de Maciel, e hoje se acha nesta capital, rindo-se tido, e entao Lucas Pires, como prova de que adhe-
da farga que o fazem representar. i ria completamente a este pensamento, elevou um
Outro feito de armas oecorreu nesta quinzena' brindo ao general Lamas, com quem eslava desa-
gio dos orphaos, no departamento do Salto, praticado pelo coronel nimado, o qual foi vivamente applaudido.
de Mcenga^ sem Waldino Urquiza, que, frente dos seus entreri-1 Este discurso, que se diz ter influido no animo
annos, sorprendeu urna partida colorada commanda-' do presidente para chamar Nin Reys ao ministerio
da por um chefe regulado, que Ocou morto na ac-1 e considerado hoje como o programma da nova ad-
1 ministracao, e por isso tem seu valor, e nao devia
escapar de ser referido nessa correspondencia.
Chegando ao conhecimento do governo oriental
informagSes de que devia desembarcar na costa do
Urugay urna foroa reunida em Buonos^Ayres, fez
partir na noite de 10 do corrente, no vapor de
gao, bem como seu tilho e mais setenta homens ; o
que parece significar que foram todos degolados.
Todava aprsenla elle alguns prisioneiros, entre
os quaes oito brasileiros, como consta da relagao
Pina, resolve conceder-lhe 15 dias de licenga com publica. Antes havia-se apoderado de 700 caval-
vencimentos, na forma da le, para tratar de sua Jos na estancia Tejo, do cnsul argentino, sob pre-
Sr. presidente da provincia manda communicar vio bem ; ha urna exaltagao extraordinaria, e se
texto de que perteciam a Flores." A proclamagao guerra General Oribe, o batalhao de Unio, afim de
que este mogo publicou urna provocagao Con- oppor-se a isla
federagao, enella se do morras ao presidente Mi- Do quo tenho exposto minuciosamente resulta
tre, e aos unitarios. As cousas era Entre-Ros nao que a revolnpao ainda nio est esmagada, e que
V. Exc, que por despacho desta data autorisou o I nao ainda a revolugao declarada pouco Ihe falta
director do arsenal de guerra a satisfazer
i justo iranivo, nesia oaia se requisita ao minis-
terio da justiga a expediego das necessarias or-
dens para semelhante fim, nada obstando a que os
estacas.
Attendendo ao que me requereu o Dr. Thomaz
com os recursos de que dispe, c com a divisao
quo reina no partido que sustenta o governo pode
os dous I para isso. As autoridades nacionaes tem sido all toraar-se por i posa.
pedidos do commaodaute do nono batalhao de in- ltimamente insultadas, e uveapites dos portosl Os amigos da paz deploran quo as esperangas
fantaria gue allude o offlcio de V. Exc. n. 2008 .da Concordia e da Victoria, s^tos no Uruguay, man-'. que tinham de um prompto restabelecimento da
de 27 do corrente. dados nao ha muito tempo de Buenos-Ayres, ac- ordem no Estado Oriental se vio dissipando, e ca-
Dito ao mesmo.S. Exc. o Sr. presidente da bam de ser o alvo de um ataque a mao armada, o da dia mais convencidos esto de que ella nao pd-
provincia, determinando per despacho desta data escaparan) a plebe pasamente. | de ser conquistada por meios violentos, mas s-
r------------------r-------r OT--------- ------------,--------por meios violentos, mas _
agentes da fazenda publica representem ao gover- Rainey, e tendo ouvido o parecer da secgao do* que seja satisfeito o pedido de 20 arrobas do pol-, Ao mesmo tem^ as victorias do governo orlen-; mente por meios conciliatorios que reunara no paiz
no imperial por intermedio das autoridades com- negocios do imperio do ronselho de estado, exara- '
petentes contra os factos que por ventura se prali- do em consulta de 26 de maio ultimo, hei por bem
carem em taes processos, prejudiciaes aos nteres- eonceder-lbe privilegio, por tempo de 10 annos,
ses da fazenda publica, para que o governo possa para usar no imperio de um systema do doctS, do
entenderse a respailo com as legages respectivas. I sna invengao, as quaes denomina docas estacas, e
Tora grosaa e 1 libra de fio de vela para as salvas tal sao festejadas com lodo o enthusiasmo, e tiestas os dous partidos que hoje se combalem, porque a
da fortalen do Brum ; assim o manda declarar' orcasides, de volta oom os cfrai ao general Ir- patria no de blancos s nem de colorados, mas
V. Exc. em
sob n. 1999.
Dito ao director
resposta ao seu offlcio de hontem,
da companhia de Beberibe.
.1 .1 k.'.,l _-.._ L ........ ... ...... n ... .-,,, m lili IIIIU IIIIIUUIU-SU IIU
de do Sul, nesta heroica provincia que tantas pro- ao desojo de chegar a urna iransaegao porm logo
1 que e organisou de novo o gabinete, de que forma
parte o celebre Nin Reyes, um dos ministros de Pe-
reira, referendario do decreto de raorte que sane-
cionou a degollago de Quinteros, j nao ha menor
duvida de que sao outras as causas que originaran!
osla crise.
Acreditar no que diz a propria imprensa da si-
tuago dominante, a desunio que lavra entre elles
devida a questao eleitotal.
D. Luiz Herrera, com seu carcter arrogante,
3uiz valer-sc de sua posigao, arranjando as cousas
e maneira que a presidencia futura Ihe tocasse
por sorte.
0 general Lucas Moreno trabalha pela sua parle
no mesmo sentido, de sorte que a inimizade est
entre elles, e os borroristas aecusam Moreno de
cobarde, ambicioso e nullo, organisando melhor o
seu exercito para jcilitar seus planos do que para
combater Flores.
Por esta razo o Pais quiz demonstrar com os
seus artigos que se nao deve oceupar a aitengao
do partido em questoes eleitoraes, que podem e de-
vem adiar-se al depois de extirpados os vnda-
los ; e concluc aconselhando que se convoque ex-
traordinariamente a assembla para autorisar a
continuagao do actual governo at que possam fa-
zer-se as eleigoes pacficamente.
Importa isto para alguns o estabeleetmento do
systema de Rosas; porm o partido dominante em
Montevideo nao deixa as consas ero. principio
quando trata do sustentar-se no poder, e ha de
aproveitar a occasio para evitar conflictos no sen
seio.
Diffieil saber com verdade o que occorre, por
que ardua a communicago directa com os revo-
lucionarios, e as autoridades dependentes do go-
verno de Montevideo desfiguram os factos ainda os
mais notorios.
Hontem, chegada do vapor do Uruguay, cor-
reu a noticia de ter havido um encontr entre as
forras coloradas, e a chisma quocommanda o filho
de Urquiza Waldno, ae que rosnltou ficar este ul-
timo gravemente ferido.
Tambera corre como certo que foi derrotado o
coronel Blas, senhor do departamento do Cerro
Largo. Se este successo se deu, nao admira que
o general Flores obtivesso um novo triumpho. so-
bre Medina que por cartas particulares suppomos
ter sido derrotado na direegao do Salto, para onde
0 governo de Montevideo se apressou em enviar
um batalhao de infantaria.
Sem embargo da verdade destes successos, nao
seria para admirar que este paquete levasse abjura,
boletim do partido dominante em Montevideo, an-
nuncando noyos e imaginarios triumphos.
Entre tanto, certo que meus vaticinios se rea-
lisam. A gueTra augmenta, e nem o governo, nem
os revolucionarios tem mcos para vencer definiti-
vamente ; accresccm a isto as complicacoes inler
nacionaes,'pois se rebenta urna roveJuca na pro-
vincia de Entre-Rios, como tudo parece annunciai
(eremos a intervengo das armas argentinas na
queslo oriental, e sabe Deus as consecuencias.
Esperemos quinze dias mais !
Na Repblica Argentina o general Penalosa, o
Cliacho,dirigise directamente"ao governo nacio-
nal, fazendo-lbe propostas para dep-r as armas.
Cora tudo nada se sabe positivamente quanto
solugao que a este ponto dar o general Mitre ; po-
rm, se attendermos ao seu desejo de paz, de
suppor que se fagam novas concesses ao caudilho
dos Llanos.
Como Ihes disse na minha anterior correspon-
dencia, o presidente Derqui estabeleceu-se era
Corrientes com toda a sem ceremonia, o que, ex-
citando alarma naquella provincia, obrigou o go-
verno nacional a intimar-lne que abandonaste o
paiz, sob pena de ser submettido a um juizo por
arlos criminosos da junsdicgo ordinaria. O Sr.
Derqui entendeu que era mais prudente vollar pa-
ra Montevideo.
Na provincia de- Entre Ros continuam os ni-
mos agitados por causa da virulencia dos peridi-
cos, que do como certa a alliarga entre o Para-
guay, Repblica Oriental e o general Urquiza, pa-
ra formaren) um novo estado independente.
Por despropositados que parceam estes planos,
existem comtudo : assim, quando se soube all a
noticia que o governo de Montevideo fez espalhar.
da derrota do general Flores, houve na provincia
da Victoria urna manifestago popular em que se
victoriava o general Urquiza, dando gritos de tnor-
ram os selrayens unitarios e o governo tyrannico
de Mitre, etc.
as outras provincias eontinna a paz agitada,
que parece ser o patrimonio destes desgranados
povos do interior.
Quando nao sao os guerrilhas, sao os indios que
trazem era continuo susto os moradores da pro-
vincia do interior.
Na de S. Luiz houve ha pouco urna invaso des,
indios, que entraran) pelas povoagoes, arrebatando^
familias inteiras e grande copia de gado.
Ja annunciei a prorogacao das sessoes do can-
gresso, em cuja cmara d deputados foi por fim
sanrrionada a lei do orgamento, que fixa as.des-
pezas em 58,602,848, e a receita em 48,41X600,
de maneira que resulta um dficit de 188,218|)esos
fortes.
Contina a questao de competencia pana legislar
sobre q municipio da eidade de RuenosrAj res tan-
to na imprensa, como as comarcas provinclaes.
Como natural, esta sustentam e& dirertos da
localidade. Veremos o que decidu o tribunal su-
premo, qne, segundo um decreto. publWMo j.
principiarla funecionar no di Wdo corrente.
" O ministerio da fazenda cn*mft annexo ao dos
estrangeiros, sem que at agorase' saina por par-
ticipagao offlcial quem substituir o Sr. Veles
Sarsfleld.
Da-se como assent^da a ida, com carcter di-
plomtico, do Sr. M armol i corte imperial do Rio
de Janeiro, e do Sy. Reiestra ao Paraguay.
J est concluido o ramo de va terrea de Ohya-
at Santo Izidr 0, de maneira ne alo resta duvida
de qua at 'a flm do anno flcar prompta at S.
FeroandOv
eadoza as pneumonas esto cansando es-
r.rafoa nos fhncrionarios pblicos. O mez passado
1 faUseeu o coronel Saadres; agora acaba de mor-
Como conciliar opinics to op-
postas ?
Tambem ao general Flores pintam uns como
probo, e outros como venal, e diffieil resolver o
problema.
as commogocs polticas e religiosas os mais no-
bres caracteres sao calumniados, nao ha here que
nao tenha sido considerado um bandido, c a histo-
ria aprsenla tantos testemunhos desla verdade,
que preciso estudar bem as cousas para se for-
mar um juizo verdadeiro, e nao aventurar-se a ser-
vir de echo ao elogio ou diffamago immereclda.
a regra que procuro sempre seguir em todos os
meus actos.
Enganei-me quando disse na minha ultima cor-
respondencia que tinha sido aceita a renuncia do
chefe poltico, o Sr. Botana.
Este fado realisou-se agora depois da entrada
do novo ministerio, e nao foi designado quem o de-
ve substituir. O Io offlcial da secretaria respecti-
va desempenhar o cargo provisoriamente.
No dia 9 teve lugar no hotel Oriental um esplen-
dido banquete de cem talheres, dado ao coronel
Lucas Pires, que salvou a infantaria no ataque de
Vera, pelos seus amigos e admiradores.
Houve muito enthusiasmo, e toda a funegio cor-
reu animadissima. Nin Reys, quo hoje est mi-
nistro, pronunciou um elocuente discurso, mos-
quiza, e ao presidenta Berro, se bnvem morras ao sim de lodos os Orientaes, do concurso e patriotis-
presidonte Mitre, e aos Porianhos. I mo dos quaes precisa toara salvar-se e oaminhar
Tudo Isso mu grave o mui significativo, e p-1 para-a felicidade.
-4

J


^
wm
*
Diario de PtrnattthcA ... ahbail 081 de Outul.ro de iOS.
1 *
rer da mesma milaslta D. Luft Mina, governador gniram arvar-se rotii alglima dif!leuMfl>!e, ficando acha, o anda pode causar nviiores prejulzossej Eserevem de Passos provincia de Mi',,as) em 26 seal dc guerra da provincia dc Pernaruhiien or
daquena provincia, passaado a desempenhar estas nm levemente contuso. por desgraca as paredes do predio, embora fortes, [ do passado : hav-la pedidaEm 8 do corrente un
funecoes o presidente da asseuibla. Desde o comeco do sinislro urna grande multi- j nao resistirem aos abalos que soffreram.
Na provincia de S. Joo, o governador Sarniento dao de povo acudi ao largo da Prainha, attrahida I Esta remoco, que a prudencia aconselhaj e o
pz em armas toda a gente, por causa da reapparl-'
cao do Chacho, nao obstante as propostas de paz.
Mais urna victima do punh?.', dos sicarios
No dia 24 do correte, is 7 horas da noite, foi
Do Sr. 2" tenente do corpo de engenheiros Mi-
Hoe, ultima hora, circulou a noticia,
pelo paquete paraguay o Paragaanj, de que
chefes que commandam torcas em Entre-Rios fl-
zerarn e publicaram nm manifest revolucionario,
desconhecendo a autoridade do governo nacional.
.as oneasestoa 43 i.
(Do Jornal do Commtrcto do Rio.)
INTERIOR.
.. guel Vieira Ferreira, da commisso de limites en-
pelo immenso clarad do fogo, que so avistava a simultaneo refresco do entumo, servieo que a pro- brbaramente assassinailo o cidado Gabriel Au- tre o Brasil e o Per, para que foi nome ufo nek
grande distancia. pria agua do mar pode facilitar, provavelmeoto gusto do Amaral, por Manoel Cuvabano, estando ordera do dia n. 370. p
rjimniriutarim no Ct-o ,.l...r.. ,1 ..I.,,..,,1,, drt ha- abreviaran n lerminac ao (le llin tr.thalhrt .. nq|At I mm nci a nn tn..;^ .I. -...:.. J~ .1_____________ r\ 'P.,......*.._____.-_ r,__a__.___.*.*. m ...
vinda I Gompareceram os Srs. chefe e delegado de po- abreviarao a terminacao de um trabalho, qne pelos'; em casa e no meio de mais de dez" pessos. O as-
varios liria, muitos outras autoridades policiaes, e alguns meios por emquanto etnpregados pode esteader-se sassino evadjo-se.
ofBcaes de marmita e do exercit, alm dos pique- demasiadamente.
tos do costume e de todas a6 secefes do corpo de h Acercado arrombamento do trapiche na noite
bombeiros. Ido incendio communica-nos o Sr. commendador
16
Por decretos de 14 :
Foram concedidas as demissoes que pedram os
A polica do largo era dirigida pelos Srs. coro- Joao Mara do Valle, que foi devido s circumstan-1 primeiroseseripturarios, da thesouraria de Pernara-
nel Drago e capito Pimentel.
O trapiche, que contiuha alguns milhares de vo-
lamos de farinha de trigo, alm do outros gene-
ros, flcou reduzido a cinzas, conservando-so em p
apenas as paredes da frente e as latones. Dos
objectos armazenados poneos foram salvos em rc-
lac,5e sua totalidade, entretanto ainda se espera
retirar alguns que o entulho cobrio.
Alguns escaleres que achavam-se no esuleiro
cas segrales : buco Bernardino de Senna da Silva Gumaraes,
Sendooseutrapienealfandegdo,icava,corao da thesouraria da Bahia Jos Segisnando Botelho,
regular, fechado por duas chaves, das quaes ama dos lugares, aquelle de inspector da thesouraria de
era entregue ao fleal da alfandega, guardando a Rio Grande do Norte, e este de inspector dado
outra o guarda-Iivros do cstabelccimenlo, Apolina- Piauhy, para que fra ltimamente nomeado.
RIO i.H \MVK DO !..
Porlo-Akfr*, 44 Deslave sao trabo u.Us noticias a da^r-Ihe; J)arcac5es que estavam fundeadas perto da praia
depois da grande campanl.a eje.toral sobreveo a ,veram de'fxer-s*i ao lamo para escaparem das
rio Marques de Lima.
Residindo aquelle funecionarie na ra da Real-
E foram nomeados
Thesoureiro da casa da moeda, o fiel Joao Bap-
Grandeza, o guarda-livros na mesma ra da Sa-" UsU Brasileiro ;
noticia do incendio pelo viga do j Inspector da thesouraria de Mannho, o da Pa-
vitinho foram abrazados pelo fogo, e algumas em- j Trapiche, nao perdeu tempo em avisar o fiscal, e rahyba, Andr Curcno Benjamm ;
''iivi/'.'. mu .wi-ii-in, fmideadas perto da praia cuidou logo em ar rom bar a porta a machado aflm' inmoMn.j ^.
largo para escaparem
Inspector da da Parahyba, o primeiro eseriptu-
, ...c.a... i*Di-3c au idiKu pan munmim de salvar, como conseguio, lodos os livros e docu- rano da do Pernambuco Jos F.ilinne Nnrv da
caimana, o vencedores e vencido r^o4bra.n-s,a e[amaa> "oflammado derramava mentos relativos aos gneros armazenados e ao Silva i0S T* Y
quarte s, esperando estes nielhoraste^pos, eaqueh mar movimento da casa, que foram deposiiados em Inspector da do Piauhy o nrimeiro escriotura-
ht -K SSSm C3* Q Toda a crlptaracfo do estabelecmento foi sal- mo do Sr. commendador Valle, comoTdmin.slra- rio dado Maranhao, iSci^SSdSS K-
lhx^o,V7M^ 1L*3^'JF&&*- scal da alfandega ,dor do trapiche. |*SJL_T ......
xar de fazer reparo sobre uui facto que aqui se
deu.
Joaqulm Leal de Magallies.
O Sr. Dr. chefe de polica mandou piV em cus-
No dia oui que a cmara municipal se reuni.
para expedir os diplomas aos noves cleitos, <;hegou
o vapor do Rio Grande, e nos jomaos de que foi
portador, le-se o parecer da commisso swre a ta-
rifa especial, necessidade tao urgenlemeate recla-
madas para o engrandecimenlo dcsta provincia.
Nc entanto, ao passo qee recebiam diplomas,
Inspector da do Rio Grande do Norte, o official da
Falleceu hontem as 4 horas da manhaa, victima secretaria da do Maranbao, Manoel Duarte Borges
tedia o guarda livros do trapiche. de urna apoplexia, o Sr. Manoel Caetano de Lima, do Valle ;
O trabalho para a extinecao do incendio foi es- o piedoso erector da capella de Nossa Senhora Ap-1 Inspector da alfandega do Cear, o bacharel Li-
forfado, procurando-sc evitar que o fogo se com-1 parecida, na Ilha-Grande. vino Pinto Brandao ;
municasse com os predios vizinhos, que eram um | Lima, cuja derocao j interessava a milita gente, I Guarda-mr da alfandega do Ro Grande do Nor-
sobrado no largo da Prainha, c na ra da Sade andar ante-bontemesmolaBdo ern Botafogo, e, fa- te, Affonso de Paula Albuquerquc Maranhao.
um armazem de tnadetras, enjo telhado foi em par-, tlgado da viagem ao calor forte do dia, recolhra- j 17
te derrabado, o um predio de dous andares, cujas se casa do um de seus protectores, o Sr. Joaqnim | S. M. o Imperador passou hontem revista em or-
Transfeiencia.Dos Srs.: capitao do 11 bata-
Uiao de infamara Theotonio Jos Ferreira de Cas-
tro, para a 5* corapanhia do batalho de cacadores
de Mato-Grosso.Decreto de 7 do corrente mez.
Alferes Joaquim Thecdoro da Silva Freir, da
eompanhia de cavallaria de S. Paulo para o 2o re-
5meato de cavallaria ligeira, e Quirino Jos Ro-
rigues, deste regiment para aquella eompanhia.
Alferes-secretario do 7" batalho de infantaria
Polycarpo Jorge de Campos, para a fileira do mes-
porm, que este caudilho outra vez Azora ao gover-
no de Mitre propostas de subraettimento sob condi-
ces, a principal das quaes se diz ser a de o deixa-
rera em paz na Rioja.
Segundo a Reforma Pacifica de Montevideo do-
minava Penaloza as provincias da Rioja e S. Juan
tendo o grosso das suas forcas na villa de Vall
Frtil, onde derrotara o capito Mndez, e ern En-
tre-Rios tiritta bavido numerosos pronunciamentos
contra a autoridade de Mitre. Cumpre, porem, ad-
vertir que as fpjhas de partido, e esta externa-
mente hostil ao actual governo de Buenos-Ayres,
nao sao mu seguras as noticias, que dao, nao sen-
do mesmo raro transformaren) derrotas em vic-
torias.
Na mesma cidade de Buenos-A yres prorogaram o
mo batalho, como requereu. \
! cadete sargento do 3 batalho de infanta- SaT* S P,rovim',!,res as suas f*6
ria Sabino \tiriiim ib Simieira nara n 1 hita P rrninar os assumptos que ficaram pendentes
na sabino Mariano dt Suiul. ra, para o 1 bata- ao expirar o praso fixo. Tendo o primeiro votado
. j pnr..-
urna le para vigorar no municipio neutro, suscitou-
se questao sobre a qual das duas legislaturas, na-
cional, ou provincial competa legislar para aquelle
municipio, questao que se esperava seria resotvida
pacificamente.
A cmara dos deputados nacionaes votara le
, guarnicao de S. Paulo tS^'^m^^ ^ V'''*
e Abreu, para o batalho | Segundo urna declararan ministerial feita as
Jho da mesma arma, ao qual se acha addido co-
mo simples cadete, na forma requerida.Em 13
do corrente mez.
2 cadete do 1 batalho de artilhara a p Jos
Bernardes da Gama Ferreira Laboro, para o 1
batalho de infamara, como requereu.Em 8 do
corrente njez.
Io cadete do corpo de
Agostnho Jos da Silva _
de deposito, como requereu.
Io cadete
JS.!l^e^?cor,?),,f-cfva,l?rf,de Plomalicos unto dos governos do Brasil
Mato-(,rosso Jos Nicolao Pimenta de Araujo Var- guay. Para a prjraeil.^ ini,sao indi ilava.
iho, para o 1 regiment de cavallaria Marmol. naraa runda Sr r^ip* m
as, iam brevemente acreditar-se agentes di-
e Para-
se o Sr.
Marmol, e para a segunda o Sr. Riestra mas as no-
meaces nao tinham sido fetas ainda.
No Estado Oriental tinha Flores passado para o
norte do Rio-Negro, onde se achavam as suas for-
^sagemoTo'^ batalho de infamara Au- |S S2SSLT PWin disseminadas ein ban"
gas Coutinho, para o 1 regiment
ligeira.
Do particular 1 sargento do 11 batalho de in-
famara Manoel Jos de Azevdo, |ra o 3o bata-
lho da mesma arma.
io ^SSeS^SS^ l,aredes a 'reda l'ambeu muitas vezos, ameci-1 Antonio Barroso, morador na rqa do Lavradio; on-' dem de marcha ao l7egiraento"de cavalria,' as-' gust XaWerad7so* PM^My^dTnvyidos tSJE'ESlSlFXt l^U3^m dos l)eriodi-
, 1 ,ta do-as constantemente. deexpirou. sistmdo durante duas horas execuco de varias da corte. V 4yu ,U^,US eos de Montevideo, que na forma do costume, an-
sa amara nunca fez o menor esforco em favor
dessa medida, licavam esquecdos os Drs. Bello e
A sajvaco deste predio foi devida a rortar-se a
_ execuco .
Apenas scientes da morte, os Srs. Alves Maga- manobras e evolugoes, entre as quaes alguns ata-
Do cabo de esquadra do {' ~illfi) de infanta-
ar- (ria Julio Francisco Flix, -prx o ebrpo du guar-
nicao da Parahyba, como requereu.
de : Dispensa do sen-ico para estudar. concedida
tros funcoonarios e particulares, cujos nomes sen-: esenvao, mandou lacrar o bahu do miado, que con- apromptar-se para esta revista, tendo recebido a ao 2o tenente secretario do corpo do artilham do
timos nao ter presentes. tinhaquanto Ihe pertenca, c que nao foi aberto respectiva ordem ante-hontcm noite, Amazonas Jos Theopllo Caldoso uara astada* o
Diversos negociantes de caf prestaram genero- por estar a chave em poder de Lima. S. M. terminou a revista mandando abrir as ma- curso de sua arma, no anno uroxiino
M^MidoncrnuVta^ communicac5o do fogo pelo armazem contiguo, Ihaes A C, em caja casa Lima encontrara o maior ques simulados contra a infamara eamesma
w .iiuum.*, que na laiuoH inpo >u>k ma% am a uuu lra|)a|no 110 ,^,1 s0 djstinguirai os Srs. major Ju- agasalho e generoso amparo, ehamaram o respec- ma com atiradores proprios e a vivo fogo.
uo em conirmui^ao iodos os meios ue que poaiam wm.i0i Valdetaro, Io tenente fragoso, Tupper e ou- tivo subdelegado, que all compareeendo com o seu' O regiment teve apenas algumas horas allm
VlSINir. f..... funAAnn.mAd a nni-tiniilniur ..iiinf nrknl04 Qp. PQCrivaA mandan l'lrr'ir 11 liahl t\r\ QdiiIa Mil. orn. nnrAmnli r c. rwpo noln Mn..:.. ...n Jn -..,nV.:,J^
smente os seus escravos para carregarem agua e
removerein barricas de farinha de trigo, madeira,' em vida
ispr.
E' assim que opere esquece aquelles que mais
dclle se lorntirarain eooe-se lembra dos que pouco
se embaraeam com os^eus ioteresses.
verdade que atguemque boje passa pelo maior
vulto da provincia, espalha que a tarifa especial -^ ^ -^-^ d "-efroio e instes que e* da obra a
devida a amoaca donar a provincia se elle nao uzease que ella se N cmneho nao so poupava
executassequanto antes, mas nao manejos para t0^Xa Smnnla? a^
angarur prxjsei>os. pretos, emquanto entrcoutroe cidadaos devotados I Lima deixa pai, mulher e oito Olhos pobres, *-
.TJta^SS ,1? \ Z diieT oSr- Bruno Scabra aJ"dava transport* dos ,r*s-1vend0 no ne1ueno siti0 'lue Pssuia e loe abaado-
I.i.,Kuj ,, ,7,^,^ tes da casa do largo contigua ao trapiche e o Sr. nou para entregarse inteiramente construeco
2^^5S^tlJUjSr^ll2~?SLVW Francisco Jos da Rocha Filho de machado em ; da cabella.
1^! tMJS^e *T0.^'^r^!-JL Pwiho lecondava o esforco dos bombeiros.
".....""- ------i rrr j*-----------T '.r~~ ~ pi~- .... ..<. u mw, hhm uu eu sema- & (arnueui couccuiua para matricularem-se na
o .. i 'n1*8 em d8f as Providencias necossanas para que nanos e ajudantes de eampo, ministro da guerra o escola preparatoria da corto uo anno uroxiino fu-
o Sr Manoel An- \ ella se conclua sendo entregue aos fllhos do fina- ajudanto general do exereito. turo se salisfizerm as ZebZ tara Z flS ext
panhado de seus do o producto das esmolas que este receben. ------ gidas ao Srs. : """ii>* i "<" =*i
n da Costa, mo foi presidi-lo, porque comprehen
deu a posicaom que se ia adiar, tanto mais quan-
to foi tintamente nomeado promotor, um moco
formado Ha (muco, e que dedicado a familia po-
derosa do logar, e mora com ella quando vai a Ca-
chocira.
Esse promotor *endo ouvido no processo de-
rlarou que os aecusados nao deviam ser pronun-
ciadeel
Nao estando de leis, mas o Mercantil analy-
sou o parecer do promotor, e isso deu lugar a fa-
favo-
Na hora extrema Lima lemljrou-se de lodos os
seus protectores e da mo augusta que se Ihe es-
tendera prestando-Ule valioso auxilio, eno tendo
Ficaram levemente fondas algumas pracas da
primeira e segunda seceao do corpo de bombeiros,
etres escravos do Sr. commendador Guern. | mais que offereeer, pedio que eniregassem a S. M.' e Ro-Claro, da provincia do Rio de Janeiro" Nuno
A's o horas da manhaa diminuir o receio de o Impendor o quadro com a imagem de Nossa Se- ] Eulalio dos Reis, teneate-coronel chefe do'estado-
qne o incendio pegasse s casas vizinhas, que en- nhora Apparecida que costumava trazer em sua | maior do mesmo commando ;
tretanto, assim como a escola de marinha, eram remara. Jos Luiz Borges, teiiente-ooronel chefe do esta-
refresradas amiudadamente, I I do-maior do commando superior da guarda nacio-
: nal dos municipios de S. Joo do Rio-Claro, Brotes
At hontem noite ainda havia grande brazei-
Le-se do Echo do Sul de Porto Alegre de 20 do
ro as ruinas do edificio e funecionavam diversas passado :
bombas. Deu-se ante-hontem noite nm conflicto que
O predio em que estavaestabelecido o trapiche acabou desgracadameote.
nivel* **en TC^,l JU|I milrt0 P0"00 '" acha-se seguro por 1.00:000,5000 rs. na eompanhia a 0 Sr. captao Jos Bento Alvee ia de sua resi-1 da guarda nacional dos i inicipios de Jundia
Essa familia poderosa, voz publica, protege os -^^Ilu.P^e^'Jj!trP}.^.. Pa.rt:dil.!ei^S d,lC.ia,.!a^cap!!.la_d* ?e^**?._p^?...a_?!?d.B.?s I ,_J?!?.m-'-AJibaia> Nazarelh e Cachoeira, da mesma
nunciara como imminente o momento em que o ul-
timo dos vndalos ser obrigado a refugiar-se alm
da frontoira. Os adversarios do governo, poim,
contavam com ver Flores refazer-se depressa dos
reveses sofridos, e tonar as senhorear a campanha
at as portas da capital.
S o tempo nos poder ensinar de quo lado esl a
Eutretanto continuava a imprensa monte-
Brasil e Buenos-Ayros de que-
assumpto em que entra o nos-
so correspondente de Montevideo, referindo ao
mesmo tempo miudamente os successos da quiu-
zena.
Por decretos de 9,12,13 e 14 do corrente I"'F'cadetcW sargentos do balaltiao de cacado-' 22? maisJimPrfan' a modifieacao do ni-
Foram nomeados : res de Goyaz FloreS" Swdid Gmuaca e JoS niSten', rut!rand-S enra e Herrera pai, ficando
O bacharel Joao Alvares de Squeira Bueno, juiz Theodoro da.Silva ^ as pastas de estrangeirose fazenda Herrera llhoe
municipal o de orphos do termo de Ubatuba, na I 2- cadetes do 1 batalho de infantera Valerio S^^tt'? evern e-iatc"
provincia de S. Paulo ; Segisnando de Carvalho. 122*?^? ^- e niannha Nm Reys, cuja eu-
0 capitao quartel-mestre do commando superior Do batalho de deposito Francisco Xavier de MJIf*. 8;lb"l,ele f01 mui diversamente recebi-
da guarda nacional dos municipios do Barra-Mansa Olivera Cmara Jnior rnmueo Aav,ci ao da pelos homens do mesmo partido.
Da eompanhia de cacadores do Ro-Grande do ."ara8ua>' na0 ,ia n,',cia poltica de importan-
Norte Manoel Joaquim t Nascimento Ma hado Zo df'.r^a ?S ?. Eff*" *?
Ao particular 2 sargento do f ba.alho de in- Sosda paz para ,r dcs^<> os seus re-
raiw-, An C.,,,1,., I\!____... .. a j- ____j ,tx j. Ua UOI
e Araraqura, da provincia de S. Paulo ;
Manoel Elpidio Pereira de Queiroz, tenente-co-
ronel chefe do eslado-maior do commando superior
provincia.
Foi designado o capillo do batalho de infantera
n. 38 da guarda nacional da provincia do Rio de
reir da Cunha.Decreto de 2 e diploma de 10 de
setenibro ullimo.
que sio aecusados: o promotor a igodaqiieUa; Del'e comidos estavam seguros em diversas com- Dous Irmos,"quando ao entrar destanltima che-
ouvido sobre o negocio, desconbecendS os prim-i- Pa?n,as: ... gou-se a urna easa de negocio para descansar.
pios mais triviaes de direito da epinio faveravel Terminando esta noticia, nao podemos detxar de Ah estava um sargento da guarda nacional,
aos Porauaiso v oue esse uromotor nao o aue a mneir por que entre nos se fazo importante all ha uns dias expressamente espera do Sr. Jos: lugar de major do mesmo batalho.
convm a-aquella localidade trabalho daextinecio de incendios. Somos os pri- Bento
Ojoizdedireiloattendendo a estas circumstan- "^f08 -a hoeer o merec memo dos etos de Chegando este, procurou-o aquelle, nrovocan-
lias, eociindo so diz influencia aue exereem deowacao e herosmo que so repetem emiaesca- do-o a titulo de ter queixas de actos ou ditos do Sr.
alli es teem seinpre tirio de todos os governos, entendeu rom os que tanto se devolam seja devido a falta Ihe as expl.cayoes possiveis, esforcando-se por
que liaodevia ir-poruue desde que a iustica de systema regular em um servieo curo costeioja acalma-lo, eafastar todoopengo deuma briga.
nao poda ser satisfeita, pelos embaraces queiM llie alfuns con,os de ris^ K____.! Prpvavelmenlc o aggressor to.nou a niedo es-
ppunham, nao era muto agradavel o papel que ia' N-o basta que seja grande o esforco do^ bracos (ta prudencia, e o andou segumdo e procurando Hezende na provinc.a do Rio de Janeiro ; Do 1 batalho de animara a p, Francisco Vi-
represeatar. ?in trabalhos desic genero mistcr que nellc ha- com empenho, ate que o Sr. Jos Bento, aceitando- Luiz Ferreira de Lomos, dos ofDcios de partidor, lella Barbosa de Araujo Bastos por ha ver nrovado
(>rno qur qne seja desde que um magistrado, Ja methodo, que baja ordem, visto que sem este. Ihe o desafio, emprasou dia, lugar o hora pan se e contador do termo de Santo Antonio de S, na, ser flllio legitimo do fallecido Sr. Manoel Jacques
orno o -Dr. Vieira la Costa, procede assim, muila na propna confusao de mu.tos bons mov.mentos, elTectuar o encontr. i me^sma provincia. 'de Araujo Bastos, commendador da ordem de
atteiK-ie deve merecer do governo e lugar em dc m"ltas dedica?6es, perde-se tempo precioso | Isto feto, montn a cavallo e seguro a sua ror- j Foi acceda a desistencia que fez Silvano Correia Christo.
que "se dio os factos 'que o levara a tal resolu- ^ue ofla8.el 1ue ** debella aproveita. Para nao nada, iodo pausar d'ahi adianto de urna casa de ne-j de Toledo dos ofllcios de contador e distribuidor do Do batalho de deposito Jos Joaauim Alves
'termo de S. Luiz de Parahytinga, na provincia de| Bezerra, por haver provado ser (libo legitimo do
i Sr. Jos Joaquim Alves Bezerra, cavalleiro da or-
Grifo identifico.\o Sr. major do corpo de en-
eenheiros Pedro Torquato Xavier de Brito foi con-
ferido o de bacharel em mathematicas, em virtu-
de do art. 149 do regulamenlo approvado pelo de-
Concedeu-se a Feliciano Jos da Coste, alferes relo n. 2,116 do 1 de marco de 1858.Diploma
da 3' eompanhia do 4" batalho de infantera da passado pela escola central era 7 de Janeiro de
guarda nacional do municipio da corte, a demisso 1860, agora apresenlado.
que pedio do referido posto. Decisoes proferidas sobre pareceres de conselhos
11 veram merc da serventa vitalicia : de aceriguamo.Foram julgados habilitados para
Jos Antonio dos Santos Fluminense, do offlcio serem 2o- cadetes, c mandados reconhecer como
de solicitador de capellas e residuos do termo de tees, em 12 do corrente mez, os soldados :

,.., i irmos mais longe desejariamos saber porque em gocio.
assomblaprovicialautorisou ha annos a ea- \ aes casos nunca se empregou o meio conhecido] Pouco depois chegava tambera o Blanth ; Jos
mar municipal a contratar com quem mais vanta-, na.^liroPa de abastecer as bombas com agua dos Bento vendo-o, esquvou-se para fra da casa,
gens rfferecesse, a construeco
de um novo mer-
cado para esta cidade.
Depois de muitas detengas e duvidas assinta-
ram-seas bases e fez-se a planta dessa obra, e a
cmara-chamou concurrentes.
encanamentos geraes tirada dos respectivos regis- porm l mesmo o foi dcscobrr aquelle, instando
tros ou tubos,e tanto mais conveniente para talflm para brigar all logo.
por poder subir a grandes alturas em relaco aos' Jos Bento declinou o desafio para o dia e lu-
ponlos de que derivam-se. Nem ao menos se adap- gar determinado; porm o Blanth, metiendo raaos
ta urna manguera tomeira de urna bica ou a un faco que trazia comsigo, arremetteu com
Foram aposentados Antonio Luiz Comhra de
Gouva e Jos Basilio de Gouva nos lugares de es-
criturarios da secretaria da polica da corto.
Por aviso de 13 do corrente foi concedida ao
praticante da contadoria da marinha Daniel Gui-
Appareceram dous, poim depois de discutidas i b,ca deum cl'afanz quando, como na Prainha, dis-, elle, e o cerrou de forma que foi forcoso tancar; Iherme Thompson a demisso que pedir do ser-
as propostas, voUanu ellas aos seus autores : um | *?_>" poneos passos do lugar do siaistro^ mao da pistola para defender-se. t vico^ em consequencia do mo estado de sua
delles retirou-se
propoz a faz-lo
e licou apenas o oulro, que as
por 250:000)000; que sero ob-
certo numero dellas.
Reconhecendo a utilidade
tava uns
Bal vez disto, quando possivel evitar o meio,
alias tantas vetea proficuo, de abafar o incendio
com o entulho do proprio edificio, e portanlo se
se combate,
prefere se ir buscar a agua em distancia, esperar
da obra ainda assim I 'lue as P'Pas se eni"nam> W s pobres carrocei ]
tidos por emprestimo pela cmara, queoniittir,tom t'n,u no ao ProPr, '"o,
apoliees a 8%devcndo resgatar todos os annos um I ne do elemento contrario ao que
un., nm .iuii>c prefere se ir buscar a agua em dista!
Nessa lufa o dcsxracado Blanth cabio, martalv sade.
mate ferido com unta bala no estomago, e acaso,'
demasiado Urde, conhoceu entilo at que poni ha-
via sido imprudente na tenaz provocaco com que
perseguir um dos mais valentes soldados da nossa
guerra civil.
Foi nomeado cavalleiro da ordem da Rosa o Sr.
Charles Gcrv.
dem de Christo.
Do corpo de guarnicao da Parahyba, Augusto
LniE de Souza Neves, por haver provado ser filho
legitimo do Sr. alferes do corpo de guarnicao do
Amazonas Laurentino de S. Pedro Neves.
Do mesmo corpo, Joo Jos Lopes Pereira. por
i haver provado ser filho do Sr. Joo Jos Lopes Pe-
reir, tenente da guarda nacional da provincia da
Parahyba, nomeado em virtude da le n. 602 dc
; 19 de setembro de 1850.
para ofilciaes de descarga ria alaude-
ga da Baha, e Jos Antonio dc Araujo Fonceca para
praticante da thesouraria de fazenda da mesma
provincia.
A felicilaco dirigida pelos Srs. Dr. Homem de
Mello e Theophilo Ottoni, como orgos da cmara,
municipal da cidade de Taubato, ao Sr. J. Brauley
Moore pela attitude que iustentoucni favor do Bra-
sil no seio do parlamento inglez, deu este cavalhei-
ro a resposta seguinte :
Loudrcs 7 de setembro de 1863.Exms. Sr*.
- Recebi com scntimenlo de verdadero prazer
orgulho a mensagem que da parte da cmara mu-
nicipal da cidade de Taubat me enviastes pomo
membro da casa dos communs, pelos esorcos quo
erapreguei afiui de obter juslroa para o Brasil na
desagradavel complica^o entre os gabinetes do-
Rio de Janeiro c S. James.
Justificando a nacao brasileira de infundadas
aecusacoas e calumniosas censura obedec somen-
te aos dictames da minha consciencia e s minhas
convicQes que me impelliram a prouunciar-rae por
aquello modo.
A attitude nobre e digna assumida por S. M.
o Imperador e pelo povo sob a presso de actos de
violencia sem igual na historia pxcitou a admira-
cao do mundo civilisado.
Os termos obsequiosos, com Nque vos expressais
a rcspcito da assembla d que lenho a honra de
ser humilde raembro, meso muito lsongeiros, e
s^ivel louvarnem i cmaraern"a presiden- ros eonsife'am arrastar os seus animaes semi-mor-1 Jos Bento foi official do celebre o- corpo, com-
cia que mandaram executar' tai obra iwrque urna tos de radi?a>.e nem sc 'iaer se estabelece com: mandado pelo Sr. baro de Jacuhy, e deu sempre
divida-eaormo que aquella vai contrahir que aljsor-': ,ant0 Pessoala vista um rordao auxiliar que indo provas de constancia, desembarazo c bravura,
vera quasi todo o seu rendimento que pequeo da bica ou chafarizat as bombas s alimentaria | t Blanth, filho do um lavrador honrado, nao Ihe
e nao tora depois com que accudir's outras neces- i onstantemente passando de mo a mo baldes ou tem seguido o trlho, e se tem feilo notavel pela
>idades do niuuicipio. qualquer vasilha com agua. sua brutalidade.
aindamis- o mercado actual satisfaz as ne- Isto nao se faz: agglomeram-se todos, os curro- J aqui ha annos, estando destacado nesta ci-
cessidade* da populaco, para que nao esperar me- \%os. >nfundem-so com os ^ue traoalhaii, muitos dade, bebeu de urna assenlada seto ou oto garra-
Ihores tempos para arriscar capilaes em urna obra I ordenara, poucos obedecem pela vanedade das or- fas de agurdente por aposla ; c aposta foi ella que
to importante? idens' c Pengo eminente onece para os que se- esteve muito doente, e mereceu ser preso correc-
Ninguem se arrepender como a municpaldade! 8"em mais os impetos dc sua dedicacao do que cionalmente.
dc ter dado passo tao imprudente, mas esse arre- as necessidades de um servieo regular. Ambos sao casados ; e hontem demanha, as-
pendimenlo rhegar tarde, e em nada remediar o i Repetimos : a bem de todos, dos que recebem sim que chegou a noticia S. Leopoldo, seguio para
mal que ha dc causar. I,a0 va"oso auxilio e dos que o prestam com lou- o lugar do caso o Sr. delegado policial do termo,
No Passo-Fundo foi preso Joaquim Dias de vavcl denodo, carecemos dcalgum melhoramento Dr. Jos Alves de Azovedo Magalhes.i
Mederos, juo alli se casara e eslava estabelecido, em to humanitario servieo; desde que o estado 12
em consequencia de se adiar pronunciado em um protege com elle a proprndade e a vida dos cida-. Le-se no Monitor Campista :
dos termos do Rio de Janeiro em crime de falsida- dans> nao leve trepidar em augmentar as garan- Pessoa de conceito e bem informada nos coni-
de o estellionato. 1ue lnes d de sua solicitude. munica o seguinle :
Segu elle ueste vapor, alim de sor julgado no .-------- !, frcgueza de S. Jos de Leonssa (Pedra)
lugar em que o crime se deu. A relacao do Rio julgou hontem a revista, con- foi no dia 27 de setembro assassinadoo fazendeiro
A Ordem noticiou essa priso. cedida pelo supremo tribunal de justica, fazen- Jos Jaggi com um tiro. Jos Jaggi sahia dc sua fa-
0 Mercantil o o Comi sahiram eindefezade da provincial do Maranhao na causa de notifica- zenda para ir povoaeo, e ao sahir dc seus pas-
.dodeiros. cao para inventario proposto ao Sr. Joo da Ro- tos, na porteira, dispararam-llie um tiro, a arma
cha Santos Jnior, causa que correr pelo juizo carregada com bala e chumbo grosso, sendo que
"a o atravessou de lado a lado I
facto se deu pela manhaa, e s tardo foi
centrado morto por um filho, tendo sido ou-
to tempo no Passo-Rindo sera dar signaes de si., de junhode 1852. 'virio o tiro por todos os de sua casa, logoe aps a
MO) procurar justiflcar-se! Pois se era innocente, I Concedeado a revista o supremo tribunal en-1 sabida do mesmo e na mesma directo : que ex-
pan que fugio? Porque nao se entregou justica, tendeu que a relacao do Maranhao julgara contra | tranha falla de curiosidade !
Pelo patacho Piulo recebemos datas da provincia [ Ja,-in.l,o Morelra al^ es da guarda nacona di {i ^"une *% S^Sl f" ,unia SE5" "
do Rio Grande do Sul al 8 do corrente. mesma provincia nomeado en. virtude da le n. K^''".^ s T^fir^L^ S "Z?*^
L-se no Diario do R,o Grande do dia 6 : 602 de it de setembro de 1850. XZ'^,,' ft ***** ^ ^ *
' A *!*& da cleiSa" tocollegio da Cruz Alta | Forara julgados inhabilitados para serem parti- SSffi' SS3 ^EZE^JKS?.
que ha quairo dias tanto o Diario como
jornaes da torra apresentaram nao era
mas todava nao alterara o resultado
taco.
A votarlo do collegio da Cruz Alta foi esta :
Nao indaguemos se bouve razo na defeza, mas
o que nos admira que Medeiros, que asseguram municipal daquella cidade, e que a relacao all an- aquella o
ter sido victima da penaguieSo de potentados, e nullara, fundada na le de 21) de noveinbro de I 0 fac
lor sso que foi pronun. iado, se conservasse tan- ,8\'' no art. 10 do regulamento provincial de 15' Jaggi ence
i,-, ........ n.. l)., [^.. i ..., J.. ^T: .., _. ,|., i. 1111 -. T, IH.V' vitln n lir.i
<: au provou que era una victima inmolada pela
vingaaea de potentados?
t) i esultado dir quern tem razo.
Um escravo de Manuel Pedro dos Reis. mo-
rador no Caminho-Novo, reprehendido |r este, in-
\ esto para elle com urna laca; mas nao pode com-
melti-r o-crime por ter Reis agarrado a faca, ferin-
do-se nos dedos.
o disposto no art. 114 da lei de 3 de dezembro de I Mil conjeciuras se fazem sobro este assassina
1841, a qual confere aos juizes aiunicipaes ampia' to, c no entanto certo que o assassino existe im-
jtuisdfeeae para cimhecer e julgar delinitivamen- pune, como tantos uniros que se tecm dado nesta
1e tudas as causas cveis, ordinarias, c portento os freguezia, onde ha um anno a esta parte tem havi-
inventarius que por outras disposicoes legislativas; do quairo ou cinco mortes I
au pertencerem a juizes privativos e privilegiados.
Em relaco a mencionada lei claro que ella
j nao pode applicar-se s causas com a fazenda pro-
co o citado regulamento, por nao terem as assem-
blas pruvinclaes direito de cassar ou de restrin-
gir jurisdieco que as leis geraes conferem a au-
0 escravo, nao consegrando seus fins, arrancou vincial, eflin com a ,reral,nao prevalecen io tao pou-
a faca e enterrou-a no venlre, fallecendn poueas
iioras depois.
Em urna das noitos passadas, estando torada .
cidade, o Sr. Simco anusceno Rosa, morador nos tondades judicianas
Muiuhos de Vento, os gatunos forcaram porta da A relacao do Ro decidi hontem, como reviso
frente, revolveram todas aw gavetas e roubaramdi- ra da causa, nao s queo juizo municipal com
versos objectos de valor. ; ptenle, como que procede a notificaco ; sendo I capella que Lima construir,
A polica procede as necessarias pesquizas c em- juizes os Srs. desembargadores TYavassos, Albu- cujas obras anda auxiliara,
prega as diligencias para capturar os autores do querque, terqueira, revisores, Barbosa e Assis 14
rouio. Mascarenhas, sorteados.
Bem Ihe disse que eram poueas as noticiase por! M
-13-
A S. M. o Imperador entregou hontem tarde o
Sr. Antonio de Oliwira Alves Magalhaes, no paco
de S. Christovo, o quadro com a imagem de Nossa
Senhora Apparecida, que conforme noticiamos, Ma-
noel Caetano de Lima legara na hora da morto ao
seu augusto protector.
Recebendoalfavolraente ao Sr. Magalhaes, disse-
lhe S. M. que ora muito sensivel essa prova de
dedicacao, c que desejava que o quadro ornasse a
qual o oll'ertava e
26
2o
11
10
10
Io Dr. Machado Pinhero.............
2 Dr. Brusque....................
3o Dr. Alfonso Alves................
4o Dr. Flix da Cunha...............
5o Dr. Amaro......................
6o Dr. Gaspar......................
Em separado (12 eleitores da parochia da Cruz
Alta) :
>r. Flix.......................... 12 votos.
Dr. Amaro......................... 12 >
Dr. Gaspar......................... 12
Sendo a votaco total de todos os collegios do
2o distncto a seguinte (283 eleitores):
Era separado.
Io Baro de Mau.......... 195
2o Dr. Affonso Alves........ 152
3" Dr. P. Machado......... 149
Dr. Gaspar.............. 127 12
Dr. Flix................ 103 12
Dr. Amaro.............. 56 12
nionaxcha constitucional e esclarecido, cujos talen-
" "acidado sao umversalmente ro-
que possue seu pai, pelos quaes pos-
26 votos. sa ter representaco social equivalente a de offi-
cial de patente.
! Do 9 batalho de infamara, Israel Antonio dos
Santos Vieira, pelo mesmo motivo.
Do 5" regiment de cavallaria ligeira, Alexan-
dre Dorothcu da Fontoura Pires, nao s porque
sendo filho natural do Sr. Antonio Simoes Pires
da Fontoura, nao aprsente carta de legitmaco,
que nao pode ser supprida pela certido de bap-
tismo, como porque nao prova que seu pai exerca
empregos ou leona cabedaes pelos quaes gozc na
sociedade de representaco equivalente a do offi-
cial dc patento.
isso de6pesso-me por esta vez.
(Carta particular.)
ano di: ji\khu.
10 de oulubro de 1813.
Por cartas imperiaes de 7 do corrente mez, fo
ram naturalisados cidadaos brasileros os subditos
portuguezee Antonio Rodrigues e Antonio Theodo-
ro da Silva.
i Por decrotos da mesma dala M nomeado pro-
fessordacadeira do francez do instituto comrnw-
Por decrete da 7 do> corrente fui aposentado Luiz 'cial do Ro de Janeiro Jos Francisco Halbont:
^ tfr8^0'8*}10 IC'd,ga0 T r8>r- de mS- *e Prmil>o-*equc o r. Lourenco Trigo de Lou"i-
liector da alfandega da provincia doCeara. ro, lente cathedratieo da Faeulaade de Direito rio
_ Recite, contine no magisterio, com a cnlilicaco
Por decretos de 7 do corrente: de 400 aanuaes, na forma do art. 28 dos estatu-
Loncedeu-se ao 2o tenente do corpo do artilhara I tos da diu Faculdade.
do Amazonas, Manoel Caetano Vieira Cavalcanti,' Foi apresentedo o padre Scipio Francisco Gon-
a deuussao que pedio do servieo militar. lart Junqueira na ipreja parocbal de Nossa Senho-
Foi transferido para a 5a eompanJua do Jiatalho ra do Rosario da cidade de Santos da diocese e
de caladores de Mato-Grosso o capito do 11" ba-' provincia de 8. Paulo.
aIho de
Castro.
infantera Theotonio Jos Ferrara de
Por decreto de 6 do corrento :
Foi concedida ao capito de fragata Flix Lou-
renco de Squeira demisso do lugar de capitao do
pono da provincia do Espirito Santo, como pedir,
e nomeado o capao-teneute Joo Paulo da Coste
Netto para o substituir.
Por outros da mesma data oram removidos o
capitao de fragata Achines Lacombe, do lugar de
capitao do porto da provincia do Cear para o do
araubao e deste para aquella o capitao de fra-
gata Joao BapUste de Olivera Goimares.
Segundo turnamos noticiado, partiram hontem as
corvetas Sitheroy, Bahiama e Imperial Marinkeiro
sendo estes duas ultimas rebocadas at fra da'
barra pelos vapores Paraetue e Thelis.
Q vapor Ypiramja, levando a seu bordo os Sr
ministro da marinha, iospecior do arsenal e 1 e 2
43onstructores, acompaahou a lotilha at 7 milhas
fra das fortalezas, regressando ao arsenal 1 ti2
hora da tarde.
Por porteras de 12 do corrente foram nomeados
officiaes de descarga da alfandega da corto :
O praticante da mesma repartcao Joaquim Alves
Ferreira da Gama.
Os praticantcs da recebedona do Rio de Janeiro,
Antonio Nery da Silva, Suzinan Augusto de Fi-
gueiiedo Vasconcellos o Joaquim Candido de La-
cerda.
Como hontem noticiamos, mamfestou-se anto-
iionteni a aoitouui violento incendio no-Irapiche
alfaudegado donamuiado do Bastos, estabelecido
na ra da Sade o. 2
Ate hontem noite havia grande bftseiro as
ruinas do ostabelecimento do uaniene do Bastos, 1
anuo-se algumas vezos labjedassopradas1
Na occasio do incendio, existiam no trapiche do
Bastos, os volumes seguintes : 9,243 barricas com
farinha de trigo, 5,612 meios sacos, 3,914 quartos,
641 saceos de feiiao, 528ditos donozes, 1,984 ditos
rom cevada, 1,385 barricas de cerveja, 250 barras
>le chumbo, 310 barricas de bacalho, 700 cnde-
te* de aoo, 41 caixas com agua mineral, urna por-
caode cabos velhos (de navio arribado.)
Na ponte do mesmo trapiche : 800 barricas com
cimento, 55 ditas do breu, 1,025 caixas com oleo
kerosene, 3 vergas usadas (de navio arribado), 2
paos usados (de navio arribado).
Eiu um deposito fra do trapiche (em fronte ao
mesmo): L917 caixas com oteo de kerosene, 10
meios bariis com salitre. Sommando ludo 28,421
volumes. Oestes estavam por despachar : 7,550 hospital militar da
saceos coui farinha de trigo, 35S ditos de nozes, {mez.
1,698 ditos de ovada, 2,979 barricas de trigo, 190 i 2 tenente do corpo de engenheiros Miguel Viei-
ditas do cerveja, 700 eunhetesde ac, 2,128 caixas n Ferreira, para licar disposteo da presiden-
de kerosene, 6 voluntes decanos, vergas, etc. (de oia da provincia do Maranhao, aflm de ser empre-
-18-
Por decreto de 14 do corrente ti veram men
Do titulo do conselho, o Dr. Lourenco Trigo de
Loureiro, lente cathedratieo da Faculdade de Di-
reilo do Recite.
Da digndade de arcediago da cathedral do Para,
o conego Joaquim Goncalves de Azevdo.
E foram nomeados o padre Joo Jacintho Gon-
calves de Andrade, professor da cadeira de fran-
cez e ingloz das aulas preparatorias da Faculdade
de Direito de S. Paulo, da qual era substituto ; e
Antonio de Padua e Castro, professor da cadeira
de osculptura de ornatos da academia das Bel las-
Artes.
Por decreto de 17 do corrente foi reconduzi-
do o baro de Monlserrate, presidente do supremo
tribunal de justica, no lugar de presidente do mes-
mo tribunal.
Por decreto de 15 do corrente foi coramutada
na do gales perpetuas a pena de morte imposta ao
reo Manoel Joo Coriolano pelo jury do Joazeiro
provincia da Babia.
Di ordem do dia n. 371, publicada ante-hontem
pela repartigo do ajudante-generaJ, conste o se-
guinte :
Nomeacoes.Dos Srs.: tenente-coronel do cor-
po de engenheiros Ernesto Antonio Lassanco Cu-
nha, para ir servir na provincia do Rio-Grande do
Sul disposicao do ministerio da agricultura, com-
mercio e obras publicas.Era 2 do corrente mez.
Tenente-coronel reformado Jos Antonio Pinto,
para vogal do conselho administrativo pan forne-
cimenlo do arsenal de guerra da provincia de
Pernambuco.Em 8 do corrente mez.
Capitao do corpo de estado-maior do 2* classo
Joaquim Ferreira de Souza Jacaranda, para maior
da praca na fortaleza de Macapa.
" cirurgies do corpo de sade do exereito:
Dr Luiz Carlos Augusto da Silva, para delega-
do do cirurgo-mr do exereito, na provincia de
Santa Calharina.Em 3 do corrente mez.
Dr. Jos Correa Vallira, para 2o cirurgd do
corte.Em 10 do corrente
Conste-no6 que o Sr. Francisco Xavier da Costa
Agolar de Andrade, de secretario da legaco em
Londres, foi promovido a encarregalo de
ios.
nego-
Terminaram os exames das primeras cadeiras
do 5- e 6 anno da escola militar, sendo approva-
dos:
Na aula primaria do 6- anno, os Srs. Cato Au-
gusto dos Santos Roxo, Francisco Jos Teixeira
Jnior. Bernardo Jos Vasques, Joaquim Xavier
de Olivera Pimentel, Antonio Tiburcio Ferreira
de Souza, Joo Nepomuceno de Medeiros Mallet,
Joaquim Teixeira Peixoto de Abreu Lima, Domin-
gos Francisco dos Santos, Conidio Carneiro de
llanos Azevdo, Jos Homem Theodosio Goncal-
ves, Joaquim Luiz de Medeiros Jnior, Luiz An-
tonio Vieira da Silva Coqueiro, Francisco Jos
dos Santos, Manoel Correa da Silva, Eduardo Jos
Barbosa, Floriano Vieira Peixoto e Honorio Jos
Teixeira.
lie por muitos annos para gover-
nar c reger um povo livre, Ilustrado e leal.
Peco-vos que transmitais cmara municipal
da cidade de Taubat meu profundo reconhecimen-
to pela honra que me conferio, e que acceiteis pes-
soalrnente a seguranca da minha estima c resuello.
< Tenho a honra de ser Exms. Srs., vosso Bel e
obediente servo.1. Bratnley Moore.
Illms. e Exms. Francisco Ignacio Marcondes
Homem de Mello e Theophilo Benedicto Ottoni.
L-se na Actualidade, de hontem :
Recebemos tristes noticias da provincia de
Goyaz. No da 12 de setembro, s 7 horas da ma-
nhaa, falleceu o Sr. D. Domingos Quirino de Souza,
bispo de Goyaz, de urna bydropesa que soffria ha
algum tempo. Fica pois a diocese do Govaz, no
estado em que se acha desde que foi creada.
Snstenlou tese ante-hontem e foi approvado o
Sr. Emilio Guadagni, Dr. em medicina pela uni-
versidade de aples.
O Minas-Geraes de Ouro-Preto d em 14 do cor-
rente as noticias seguintes :
No dislricto do omfim, termo de S. Romao,
as margens do Rio Santa-Pe, dcscobrio-se urna ri-
ca jazida de diamantes. J se tm extrahido algu-
mas pedras de Dieta at duas oitavas, e que ho si-
do vendidas por 4 a 10:0005. Mais de 2,000 pes-
sos j sc acham alli trabalhando, e esse numero-
cresce todos os das.
Em urna reuniao do to grande numero dc in-
dividuos de todas as classes, se a autoridade nao ti-
ver sua disposicao alguma for<;a publica qualquer
conflicto pode produzir sena alteraco na ordem
publica, d
t Manoel Martins da Conceicao, residente en
Na ante primaria do 5 anno, os Sis. Joo Bap- sua fazenda no municipio doBomlim, encontrando
lista Marques da Cruz, Honorato Candido Ferrei- dentro de sua casa, raeia-noite do dia 21 de se-
ra Caldas, Marcos de
navios arribados). Total 15,602 volumes.
gado como convier.Aviso de 9 do corrente mez.
E approvada a rromeacao qne fez o 5r. coronel
inspector do 11 batalho de infantera, do corpo
de guarnicao e do deposito de artigos bellicos da
ootn-
Le-se no Commerco io Paran, de Paranagu,
polo vento e alimentadas pelas materias combusto'-1 to 26 do passado :
veis que anda o fogo nao consumi. Por carta* recebidasSle Iguape consta-nos que provincia do Maranhjo, do Sr. alferes do dito cor-
usfcrs. ur. elieto de polica e director geral do o brigne Iguapente, rarragado do arroz, cem desti- po Xilenco Cieero de Alencar Ararioe nara sa.
corpo de bombeiros achavam-se ultima hora no no ao Rio de Janeiro, penin-se na sahida da bar- eretario da mesma inspeceo
lujar do simstro, presenciando o trabalho das born- ra de Canana. ^ l Demisso do strtiro militar.Ao Sr. 2 tenente
L-so na mesma folha no ** corrente : I do corpo de artilhara do Amazonas Manoel Caete-
Um cao foi descobrr no cami.mo do cemiterio no Vieira Cavalcanti, por hav-la nedidn lWn>.
oc. urrcnnSS o^ 1T* 8obV, "H ^J"** 2S? .* ^ m* Og0 *i*aSs diag 3o Pa,,niia, nm recem-nascido que baviam enterra- to de 7 do eorrente me? '* eflW0- -DeCrt
O C onSf nf g^nt i., *-- W *** *8 ""W*** T^ ent'rg"',0S CCim *rein m ^lm e lerra' formado o flaca!des-. Ewoimacdo.-ho Sr. coronel do corno fie este-
O fogo tomecou na ponte site nofe $ para sua eerap ^UflMfe ; e entre esses pan., te facto, mandou abrir urna cov*. dentro do cernid I do-maior 2 > classe Jos *hrfa Bdeffi tecome
S?? JS^SJ^tSiX^ HleU U"'0 C ememr CrWn5a- I ?^ e *^ d0 lugar do"^^
qoj a agua cnegue ao Draseiro que entre le se i ------- (conewo administrativo para fornecimento do ar-
na 1 ua ua ^auoe B. t, e propriedade do-S._
mendador Joao Mara Valle, que rosrdndo etu Ni- ba, ie era feio'por alguns bombeiros"o~50"pra-
Iherohy, all se acbava na occasio do simal Jen* fe bataliao de infantera
estabelociuientondedofmiam dous^rUBrque
arordaram quando j a chamma lavrava, e conse-
Azevdo e Souza, Marcos
Bncio Portilho Bentes, Julio Al varo.Teixeira de
Macedo," Adriano Xavier de Olivera Pimentel.
Joo Bezerra d Mello, Jacintho Machado Bllen-
coiut Jnior, Christovo Pies de Mello Hollanda
Cavalcanti, Antonio Francisco Duarte, Amphriso
Fialla, Dionyso Elisario Pereira, Bento Luiz da
Gama, Vicente Polyduro Ferreira, Joaqnim Vieira
Ferreira, Jos aples Telles de Menezes, Joo
Pedro Xavier da Cmara, Jos Maria dos Anjos
Espozul, Carlos Eduardo Saulmers de Picrre-leve,
Albino Rosire, Francisco Ravmundo Ewerlon
Quadros, Saturnino Ribeiro da Costa, Aurelanu
Pedro de Faras, Joaquim Silverio dos Reis Mon-
tenegro, Antonio Francisco de Paula Hollanda Ca-
valcanti de Albuquerque, Andr Braa Cha I reo,
Manoel Jos Fernandes Ribeiro, Antonio Lopes
Castello-Branco Silva Sohrinhu, Joo VU-ente Uite
de Castro, Na|leo Augusto Moniz Freir, Uiogo
Ferreira de Almeda, Benjamin Franklio de Al-
buquerque Lima, Luiz Antonio Paes de Barros
Le te, Gustavo Adolpho. Ferreira Fortes, Eslevo
Joaquim de Olivera Sautos e Manoel da Silva Ro-
sa Jnior.
19
Por decreto de 17 do corrente foi reconduzido o
consellietro barao de Monlserrate, ministro do su-
H^WS..,Msa> uo lgar da **
- 20-
m.l,t.endnd.- s n,e!;es'dades a que a morte nre-
maiura do artista Joao Caetano dos Santos derxou
f!T-H?Uafaraia' 4 taperidor, mfalumrd
era actos deste genero assegurou-lhe do seu bolso
particular a pensad annual de 00*000.
E mais urna prova entre tantas dessa inexgote-
vel liberabdade quo tem reunido ao redor do tero-
no brasileiro lautos corares agradecidos e conso-
lidado io soto de urna populaco inteira a venen-
gao qne a gratido anima, a devoco que o amor
conserva.
U
Emrou hontem do Rio da Pnte o paquete fran-
cez Stmtonge cora datas do Bueoos-Ayres at 13 e
Montevdn 15 do corrate.
t AEfolha.de Bueaos-Ayres mu pouco dizem de
que se passa as provincias remlas, onde Peuato-
za desfralda a bandeira da reaejo; asseveram,
lembro ullimo, Manoel Borges, escravo de Antonio
Lourenco da Cunha, deu-lhe urna cacetada, da
qual resultou morte iustantanea.
O reo este foragido, e o processo em anda-
mento.
No dia 27 do mesmo mez o reo Jos Pedro
das Candas, que est cumprindo a pena de priso
na ca lea d Sabara, assassinou com urna tesou ra-
da a outro reo dc norae Jos Barbosa, condemnado-
a mesma pena.
insteurou-se o competente processo.
No dia 28 do mez Ando foi assassinado, na
ra do Campestre, da cidade de Itebira, um In-
dividuo (le nome Manoel Telles Toto.
Esto presos tres escravos indiciados como
autores .leste crime, e o processo concluido.
Em dias de agosto assassinanm, no riis-
Irinetode Morrinhos, termo de Parant, um por-
tuguez de norae Acacio, epor um requinte de nwl-
dade deceparam-lhe as mos e eabeea.
Nao conste que as autoridades locaes tenhain
dado providencia alguma para a pnnicao deste
crime.
Ao Diario do Rio Grande do Sol escrevera de
Piratiuy em 30 do passado:
Na noite de 24 para 25 do presente, setembro,
esteva era sua casa, no dislricto deste villa, o Sr.
Pedro Coelho das Neves, quando ouvio algum ru-
mor fra, e abrindo a porta, vio os vultos de tres
pessoas a cavallo, que se reliravam a troto, e a sua
casa de negocio e morada principiando a arder em
tres de seus cantos 1 Tentou logo apagar e fogo,
porm isso nao iogrou, por sor a casa coberta de
palla c a noite ventosa. Perdida essa ,esperanca>
procurou, com sua familia, salvaros gneros de seu
oromercio e instes, o depois de muitos esforco,
cooseguio salvar alguma coura, nao pedeudo ain-
da calcular na noite de 18 a quante montara 0 seu
prejuizo. 1 Sendo o Sr. Nevwestimado e bemquis-
to geralmonte no municipio, e particularmente na-
quolle dislricto, nao se Ihe cooheeendo pordesaaVe-
tps senao dous sujeiio a quem prominciou, na qa-
lidad do subdelegado de policia, a vea publica do
distncto logo iodicou um nome daqoeUes dens
como sendo provavel mente o i acinario. Mds nao
reproduiireraos esse nomo, porque nem sempre a
voz do povo, a voz de Dens ; e podendo ser nesta
/
7




;
-

..

V
i




Diarlo de PenMflt0tt ftftMtafa 31 t Owinhro de 1 HH&.
V
eonjnnetwa a voz do diabo, nao devoraos ser o
tio detla.
Tendo seguido para la o delegado de polica na
raanhaa de 29, esperantos o resultado de suas de-
ligeneias, para entad transmitur aos nossos leitores
os pormenores desse faci atroz, e o nome do in-
cendiario, se fr conhecido.
J nio a primeira casa no municipio que
incendiada ; lembramo-nos de urna outra no quar-
to dislricto, que tambem o fot nao ha mu o
tampo. i
__23__
Por decreto de 21 do correte foi aposentado
Mhnoel Aloxandriuo de Brito no lugar de Io eaerip-
lurario do ihesouro nacional.
Por decreto da mesma data foram nomeados os
" escrieaurarios do thesonro nacional Hermene-
gildo Jub Alves de Oliveira e Joaquim Isidoro Si-
mos, para Io' eseripturarios da mesma repar-
lieio ;
Us 3 escri|)turarios do thesouro nacional Ro-
drigo Antonio Alvos da Costa e Felizardo Jos
Pinto, para ^ eseripturarios da mesma repar-
t cao :
Os i" eseripturarios do thesouro nacional Luiz
Venancio de Vasconcellos Vieira de Mello e Anto-
nio Joaquim Coellto, para 3' eseripturarios da mes-
marcparUcao;
O V' escripturario do thesouro nacional Henrique
Gome* de Oliveira, para o lugar de 2* escri ptu ra-
llo da alfandega de Pernambuco ;
O 2 escripturario da alfandega de Paranagu
Flix Beato Vianna, para 1" conferente da de Ara-
caj i
O 3 esenplurario da thesouraria de fazenda da
provincia do Para Rodrigo Botelbo da Cunha Mo-
llinea, para 2* escripturario da mesma reparticao;
Por portara de Si do crreme foram nomeados :
Jara praticanles da recebedorla da corle, Antonio
oaquini de Souza Botafogo, Marcolino Rodrigues
da Costa Jnior, Maxituiauo Antonio Correa. Para
ofllcial de descarga da alfandega da corte, Pedro
Fernandos Vieira da Silva. Para praticante da dita
altwdega, Francisco Antonio d Costa Bastos. Para
praticanles extraordinarios, Silvestre Antunes Pe-
reira Serra, Miguel Joaquim de Andrade, Podro
Amaral Savaget, Antonio Carlos Cesar, Paulo Fran-
cisco Bernardo da Costa e Francisco Jos Ferreira
de Noronha Feital. Para 4o escripturario da alfan-
dega da Parahyba, Joao Baptista de Mello.
Por decretos de 9, 15,16 e 17 do corrente foram
aomcados:
O promotor publico bacharel Lourenco Bezerra
Cavalcanti de l.aeerda, juiz municipal e de orphaos
do termo da Cruz Alta, na provincia de S. Pudro
do Rio Grande do Su I ;
O bacharel Bernardo Jos Pereira de Queiroz
Queiroga, juiz municipal e de orphaos do termo
da Diamautina, na provincia de Minas-Geraes;
bacharel Joao Antunes de Alencar, juiz muni-
cipal e de orphaos do termo de Maranguape, na
provincia do Cear ;
O bacharel Jos Francisco Jorge, juiz municipal
e de orphaos do termo de S. Bernardo, na mesma
provincia;
O major designado do batalhd de infamara n.
3 da guarda nacional da provincia das Alagas,
Jos Gomes de Mello Mallos^ tonente-coronel com-
mandaule do mesmo batalhao ;
O capitao Estevo Alvos de Carvalho, tenente-
coronel chefe do eslado-maior do cominando supe-
rior da guarda nacional do municipio de Jerome-
nha, na provincia do Piauhy.
O capitao Francisco da Costa Carvalho, tcnente-
coroncl coramandanle do batalhao n. o da guarda
nacional <13 mesma provincia.
O major reformado da guarda nacional Justinia-
no Augusto Leitfl Pereira, lente coronel chefe do
stado-maior do commando superior da guarda na-
cional do municipio de Valenea, na mesma pro-
vincia :
O tenente-coronel Elias de Souza Martns, coro-
nel coiumandante superior da guarda nacional do
municipio de Otiras, da mesma provincia ;
O tenente-coronel Mauoel Ignacio de Araujo Cos-
ta, chele do cstade-maior do dito commando supe-
rior e provincia;
O capitao Coriolano Cesar Burlamaque, tenente-
coronel commandante do 6" batalhao da guarda na-
cional da mesma provincia ;
O tenente-coronel Francisco Flix Correa, coro-
nel commandante superior da guarda nacional do
municipio das Barras da dita provincia ;
O major Joao Antonio Rodrigues, tenente-coronel
chefe do eslado-maior do mesmo ceinmaudo supe-
rior e provincia.
Foram reformados:
O coronel Jos Carvalho de Almeida, comman-
dante superior da guarda nacional do municipio
dan lianas, a provincia do Piauh), no mesmo
posto;
Mainel de Barros de Araujo Silveira, tenente-
coronel chefe do estado-maior do r-ommando supe-
rior da guarda nacional do municipio de Rabira,
da proviueia de Minas-Geraes, no posto de co-
ronel ;
Gemido ('.aciano dos Santos, canilao do 1 bata-
lhao de infamara da guarda nacional do munici-
pio da corte, no posto de major.
Foram designados:
O capitao do batalhao de infantaria n. 88 da
guarda nacional da provincia da Babia, I.icinio da
Silva Guimaraes Lessa, para exercer o lugar de
inajor do mesmo batalhao ;
U capitao do corpo de cavallaria n. 14 da guar-
da nacional da provincia de S. Pedro do Rio Gran-
de do Sul Jos Feliciano Pinto Itandeira, para exer-
cer lugar de major do dito corpa
liveram merc da serventa vitalicia:
Jof Joaquim dos Santos, dos offleios de partidor
e contador do termo de Ipojuca, da provincia de
Pernambuco ;
Sebastiao Jos de Andrade, dos ofllcios de parti-
dor e contador do termo de-Buique, da mesma pro-
vincia ;
Joao Tavares do Espirito Santo Jnior, dos ofll-
cios de tabelliao do publico, judicial e notas, e es-
crivlo do civel, crm*e orphaos da villa de S.
Mathetis, na provincia do Cear ;
Joaquim Jos Portugal, doolfleio de 2 tabelliao
do publico, judicial e notas, e escrivao das execu-
coes. civise crimes do termo de Saquarema, na
provincia do Rio de Janeiro.
Pcriniltio-se que Manoel Joaquim Satyro e Ma-
riano Joaquim Cavalcanti, aquello Io tabejliao do
publico judicial e notas e escrivao de orphaos, ca-
pdlas c residuos, do termo de Pao de Assucar,e
este serventaario vitalicio de iguaes oftlcios no
ermo da Mata-Grande, provincia das Alagas, per-
znutera entre si os referidos ofllcios.
das Barras
ii----------------. .,, -,--.-
da provincia do Piauhy,
-rr
2
no mesma. nos corresj>oadento, em su, carta publicada negocian*Oe pequeo un grosso trato qno uao-
i hornera. i^c. __jfi2L que, calculando um quadro de
Manbel de Barros de Araujo Silveira, tenante-1 NOTICIAS COMMERC1AES E MAR1TIMA8. *!a-na se "J**?1 di>s .arli2os 1l,e
coronel chefe do estado-maior do commando su- Buenos-Ayref, H de outubro.
Cambios.Inglaterra, 6o a 66 Irt sh.
101 a 102 J........ a 30 das.
100a 101 -r........ a60 .
99 a 100-/...... a 90
durante elleteriid maior sahida ? Qual o que nao Apoliccs.Das geraes de 6 V* negociaram-se
Franca, especula panfando os precos de suas mercadorlas hoje 80 a 9o,/
Serior da guarda nacional do municipio de ltabira, I Cambios.Inglaterra, 66 a 66 Irl sb. ; Fraaca, f^ura panranoo os precos ae suas raercaaonas noje a
a provincia de Minas-Geraes, no poste de eoro- 83 1|2 a 84 fr.; Hamburgo, W m. b.; Genova, 83 nao so em relagao a procura do momento, mas as Descouios.v mercauo consuna-sc !-. =
nel I frs. ; Bio de Janeiro, 29*100a 29BOO : Momtevi- pronamlidades ou possibilidades de alta ou baixa bancos mantm a Usa de 9./". Na praca regulam
Geraldo Caetano dos Santos, capitao do primeiro
batalhao de infantaria da guarda, nacional do mu-
nicipio da corte, no posto de major ;
Foram designados
do lf4 0|o dse. futura, offerecendo^nenos amanhia o que hoje se
Descont. Regularaiu na praca de 3(4 a 1 0|0- procurara mars, e additando ao valor nominal do
Oncas.432. producto o valor proporcional ao emprego do ca-
Frates.Inglaterra, couros salgados 30 sh., di- pita! que representa ?
com 5 Ojo de ca- -^ao queirantos, pois, tanto mal a ewa simples
tos seceos consequencia da macrobia uecessidado das trocas
de capa ; commerciaes. Entendmonos, porm : naodeno-
Estados-nidos; 7|8 etc, couros seceos e J_8 1|2 minamos -espcculaco a exagera(;ao febril, a ce-
de 8 1/2 a 10 '/,
Metaes.Exportaram-se desde o da 10 do cor-
rete at hoje (23) os valores seguales :
Destinos. Orno. Pinta,
Barra Mocda. lia ira. Moeda
Brdeos... 918720 22:300*000 512*380
Lisboa.... 959,1000 1:100*
Porto ..... 3:669*000 *
8:890*000 *
nveram merce ua serveuua viuuicia rZ:. '1 "' "0"u,4 "ou"--------------- ,-.*,, ;-------- j-------
Jos Joaquim dos Santos, dos offiVios de partidor 29*300, Baenos-Ayres ao par. wJ?a ,raz,-'r graves prejuizos.
e contador do termo de Ipojuca, da provincia de Divida publica.Fundada 70 por ceuto do va- i>erao, porm, devidos a empresas temerarias
Pernambuco ,or>imerna 41 a 42 Oip dem. Anglo-franceza deste genero alguns embaraco de que se recorda
Sebastiao Jos de Andrade, dos oficios de part-. nominal. Consolidada 2,70 a 2,8a uo^o morcado de preferencia a ceusa mais pro-
dor e contador do termo de Buique, na matm pro- Descornes.Os bancos Commercial e Mau em- fuuuss, a motivos mais fortes, a males mais gene-
vmcia : i Presen a 12 e receben) a 8 0(0 ao anno. r,C?'
Joao Tavares do Espirito Santo Jnior, dos offi- Fretes.Inglaterra, 30 sch., couros salgados, 60 Anda quanto desvantagem que se enxerga na
ctos de tabelliao do publico judicial e notas, e es-; sch., ditos seceos e 30 sch. os fardos com 5 0|p o ^"^aao de depsitos em mao dos rotalhado-
AikaaiA j. J _-___I ^^mm rvk A A fWtt n HAil fifi Iflll A n A
crivao do civel eximee oruhaos da villa de S. Ma-. capa ; Havre, 4 frs. couros salgados, 90 frs. ditos res nao estamos de aecrdo com os que ve
theus, naprovincii de Cear; : seceos e 43 frs. os (ardes com 16 Orn decapa; sua demora em poder do importador um con
Joaquim Jos Portugal, do offlcio de segundo ta-! Marselba, 40 frs., couros salgados, 90 frs. ditos excedente para os excessos da importacao.
veem na
correctivo
do publico judicial e notas e eserivao das: seceos e 40 frs. os fardas com 10 ojo de capa ; Es- Alguem se incumbir de depositar esses gneros
coes civeis e crimes do termo de Saquarema, I tados-Unidos, i etc. eooros seceos e 8 ps. os fardos de activo consumo e vend-los proporeo que o
coasimo exig-|os; um ramo de commercio que
subdivide.se em outros muitos, guardando-se entre
elles a prepor^ao natural dos riscos e empate que
soUrein os valores, descend) por esse meio aoeon-
bello
execuoes ^.
na provincia do Rio de Janeiro. I cora 5 Ok) decapa sob bandeira estrangelra ; -
Permittio-se que Manoel Joaquim Satyro e Ma-! sil, carne secca 4, 5 e 6 rls. com 5 Om-
riano Joaquim Cavalcanti, aquelle primeiro tabel-! Bio Grande 6 de outubro.
liio do publico judicial e notas e escrivao de r-! Cambio. Sobre Londres 24 e 2i 1|2 d; Pars,
phios, rapellas e residuos, do termo de Pi de As-! 380; Hamburgo, nominal Rio, 5 e 6 o 90 das; sumo productivo ou improductivo,
sucar. e este serventuario vitalicio de iguaes offl- Babia, 4 U|q 90 das : Pernambuco, 4 0|0 90 das.. umservaudo moiores depositoe de sal vinho,
eios no termo da Mata-Grande, provincia das Ala-
gas, permutem entre si os referidos ofBcios-
Por portara datada da anto-nontera fot nomeado
capellio dacorapaohia de menores do arsenal de
'uerra de Pernambuco, o padre Albino de Carva-
llo Less.
Communicam-nos o seguate:
a manha de quinta-feira dignou-se S. M. o
Imperador receber no pago de 8. Christovao, o Sr.
Fletcher (principal autor da obra Brasil and the
Brasilia*) eoSr. Heade, pintor distielo que veio
pintar vistas e aves do Brasil, devendo os dese-
nhos ser publicados em Londres, Paris e Ifova-
York.
Fretes. Para o Rio de Janeiro, 280 rs., ultimo etc., o retalhador aeompanba necessariamente a
fretamento ; Babia, 360 rs., dito dito; Pernambu-. marcha do consumo; dispondo de maiores capitaes
co, 440 rs. | para mpata-los, se agrada o termo, relalha a sua
Para o Canal, para couros salgados, 50 sh. no- mercadura cora lucro equivalente ao juro do seu
mmal. (dinheiro por aquellas que teriara prejuizo em eon-
Para carrogar cinza fretou-se a escuna hollande- servar supprimentos superiores as forras do con-
za AntieHawrbult a 43sh. sumo que supprem regularmente. Luera neste
Para os Estados-Unidos4|4 cents. caso o retalhador, verdade, mas nao lucra tambem
Metaos.Oncas 32*, pesos 2*,patac5es 2*, pe- o faregUta, e o importador quando quer Cazar re-
cas americanas de 5 dollars 10*, ditas ditas de 2 messas ao fabricante nao folga com a maior facili-
lla ditos 5*, um peso boliviano 1*, meio dito dito dade da liquidacao de suas facturas?
800 rs., um quarto de dollar americano 500 rs., co-', Para explicamos as crises que mais de urna
lumnario hespanhol 500 rs., um quinto de pataco vez teent affectado o negocio de molhados, nao nos
dito 440 rs. moeda nacional, papel 9 a 10 0(0- limitemos acontar pipas, Larris ou caixas conser-
14 vadas em deposito; vejamos mais longo: pense-
De pouca importancia foram as transaecoes do mos na difllculdade apenas hoje diminuida de
Sr. Heade teve a honra de offere :er a S. mercado nestes quinze dias decorridos, depois da nossas coimnunieaces; as alternativas porque
M. um bello exemplar dos poemas de Longfellow
O Sr. Fletcher, que um verdadeiro amigo do Bra-
sil trouxe varios livros offereridos por homens dis-
linctos, como os poetas Whittier e Bryant, o lexi-
cographo Worcester, etc., e obras de arte devidas
a artistas que
como Church, _
t Sua magestade recebeu commuita affaluli
nossa revista do mez oc setembro; todava dar- rem passado a lavoura; nos atrasados do consumi-
mos urna idea de sua situaeao. aor (lue ome e bebe, e demora o pagamento de
Cambios. Tem sido a* operac.es muito limita- unta divida velha quando lite falham as safras,
das por falta de numero, regnlando : E' d'ahi que devemos partir pgra procurarmos
Sobre Londres, 23 e 26 1|4 ; Pars, 386 rs. por com acert o equilibrio de nossas relaces com-
ue'tem'fama"na" Europa e na America, [ franco; Rio de Janeiro, 6 0|o 90 dias; Babia, 3 a 5 merciaes.
ch. autor do Heartoftke Andes. porcento e 90 dias ; Pernambuco, 4 a 8 0|n90 Pissando ao mercado de exportacao notamos que
tambem honve nelle pouca actividade durante a
dade ambos estes senhores, conversando cerca de
ditas horas cem elles sobre sciencia, htteratura,
e artes.
t Entre os presentes trazidos pelo Sr. Fleitcher
huvia um esplendido lbum photographico do Sr.. 3*400 a 4* a arroba.
das.
Fretes. Sem alteracao as ultimas cotacoes c- qnlnzona: as vendas de assuear foram pequeas,
tadas. e as do caf deu-se urna baixa de 100 rs. em ar-
Assucar.Do de Pernambuco fizeram-se algu- roba as qnalidades 1* boa para baixo.
mas vendas dos haixos, segundo sua qualidade, de O mercado ronserva-sc sem animacao para este
| artigo, concorrendo pira isto as noticias desfavora-
No geral o artigo est em apathia, cotando-sc os veis, que nos trouxe o Bartt dos mercados euro-
raelhores a 4*500 a arroba. Nao nos consta vendas peus,.e anda pouco propicias dos Estados-Unidos,
do da Bahia. se alta quooblivera o producto antepuzermos a
Bacalho.Ha eiistencia no retalho e de diffleil differenca do cambio que all regulava ultima
realisacao por ser ordinario. O bom tem alguuia data.
procura. No da 9 abriu-se o cambio sobre Londres a 27
Caf.Entraram diversas partidas que satisfizo- '/: e 27 */, d., e a estes algarismos, alm de meno-
rara algumas faltas do mercado, realisando-se de res transaecoes a 27 3/s d., lem-se mantido ate
9*600 a 95800 a arroba. I hoje (22)
. Carne seccaVenderam-w urnas 20,000 arro- Sobre Franca sacou-se a 343, 344 e 345 rs. sobre
pedio ao Sr. Fletcher quo dissesse ao professor basa precos reservados, porem qua regularam de Hamburgo a 646 rs, e sobre Lisboa e o Porto a 9
Agassiz que lito enviara urna carta authographa 2*500 a 23600 a arroba ; porquanto nao tem po- e 100 % a 90 das ..,.,. _c_r
ealguns exemplarssde historia uatural. dido ate hoje alcancar os xarqueadores precos! O mercado monetarioi continua rolgado. conser-
. Sua Magestade louvou muito os desenhos, pai- mais altos. I va-se a taxa dos descontos nos bancos a 9 %, c na
sagens e beija-flores do Sr. Heade, que possue um Apparecerara no porto alguns hiates com este
pincel visoroso na pintura a oleo, e particular- artigo, que por ser magro olfereciam a 1*800 a
mente feliz em dar vida aos objeetos que transe- arroba.
Caxaja. \enderam-se cerca de 00 pipas, que
olhando ao seu'acondicionamento em nao serem
Anthomy, de Nova-York. Trouxe o mesmo senhor
unta carta do professor Agassiz para Sua Mages-
tade, na qual falla da grande collecco de objec-
tos de historia nacional feita o anno passado pelo
Sr. Fleicher no Brasil, especialmente no Amazo-
zonas, e jtede ao imperador licenja para dar o
nomc|sccuiirirode Petrus a umnovo e extraordina-
rio peixe, verdadeiro phenomeno descoberto pelos
Srs. Henrico Antonii e Fleicher, no Rio-Negro.
Sua Magestade nao sement consentio, mas al
35:779*000 512*380 1:100*
anise hoje 655 do banco do
premio.
Caf.O mercado contina desanimado. As ven-
das hoje foram insignificantes :
Lavado......... 7*500 a 8*500
Superior........... 7*200 a 7*300
1* boa........ 6*900 a 7*000
I- ordinaria...... 6*600 a 6*700
2" boa............ 6*400 a 6*500
> ordinaria....... 6*200 a 6*300
Ha em ser t75,O00 saecas.
Acharara- carga para Pernainiuco : os
patachos Beberibe, Capuam e Correia ; barca in-
gleza Bonald; o patacho dinamarquez Potlttx.
Sabio, para o Marauho, 17, a galera por-
tugueza Castro II.
Entrou, procedente de Pernambuco, 47, o
vapor Persinunga, com 7 dias e 20 oras.
Bulla, 27 de outubro.
Cambio.Begulou : sobre Londres 17 3/4, 27
3/8 e 28 d por 1*; sobre Paris 340 e 343 por fr.;
sobre Hamburgo 645 por in. b. e sobre Lisboa 9a
a 100 /.
Fretes.Fizeram-se para Gibraltar de 40 a 43
sch. por ton.; para o Canal e porto inglez 40 sch.;
e para o Mediterrneo at Trieste de 47 1/2 a 60
schillings.
Sabio para Pernambuco, 18, a sumaca
Hortencia.
Entrou, procedente de Pernamlmcor 23, o
brigue inglez Acalon, com 7 dias.
Achava-se carga para o mesmo porto, o
patacho Giquitaia.
REVISTA DIARIA.
Segucm para a Europa
Jos Joaquim Rama Ferreira, Gnilherme Pare-
ja, Antonio Jos Fernandos Lopes, Samuel Behrn
RKPAHTigA6 DA POLICA i
(Extracto da parte do Ala 30 de outubro.)
Foram recolhidos casa de detenco no da 29
do corrente :
A' orden) do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Seve-
rino Jos de Santa Anna, pardo, como suspeito de
ser desertor.
A' ordem do subdelegado de S. Jos,^ Joaquina
Mana da Conceicao, parda, para correccao.
A' ordem de da Capunga, Isabel Aadrelina Ma-
ra da Conceicao, parda, para com "cao.
O chefe da 2* scecao,
/. G. dtUesfua.
M.vintenio da casa de detenco do dia 29 de
outubro de 1863
A saber
Existiam. .
Entraram .
Sahiram. .
Existem. .
r*
Nacionaes. .
Esfrangeiros
MaMwres .
Estnmgeiras
Escravos .
Escravas .
337 presos
333
O
22
10
3
56
5
335
Alimentados cusa dos cofres puMiws. 143
Movimiento da enfermarla do da B^de outubro
corren*:
Teve baixa :
Jos Joaimim Nogueira, peneumonia.
OBITt ARIO DO DA Vf DE Ol'TVBnO NO eOlITE-
RIO PUBLICO'
Maria Isabel Alves Ferreira, Pernambuco, 57 an-
uos, soltoira, Boa-Vista ; laberculos-paimonares.
Cyprianna Francisca Ramos, Alagoaj 25 anuos,
soltetra, Boa-Vista ; hydropericardio.
re para a tela. Este senhor ofereceu a Sua Ma-
gestade magnficos exemplares das obras de
Darley, artista de grande -noraiada pelos seus
grupos guerreros escenas cmicas, e teve a hon-
ra de ser convidado para ir S. Christovao pin-
tar paisagens caves.
Temos a vista cartas o jornaes do sul do impe-
rio, de que foram portadores os vapores brasilei-
ros Toctintinx o francez Beurn, com datas do Rio
al -i, da Bahia at 28, e de Alagoas at 30 do
corrente.
Minos-Gci oes.Acham-se eleitos depntados gc-
raes : pelo 3 listrido os Srs. Dr. Lima Duarte,
Baro de Prados o C. Olloni; pelo 4, Drs. Chagas
Lobato, Domiciano Leite e Jos Jorge; pelo 6", Drs.
Ferreira Rabello, Felicio dos Santos e Antonio J.
Cezar; e pelo 7 Drs. Alfonso Celso, Limpo do
Abren e Luiz Carlos.
O resultado conhecido de 15 collegios faria
assim licar organisada a lista triplico para senador:
Sr. Theophilo Ottoni, 531 votos Dr. Silveira Lobo
496; e Dr. Martinlio de Campos 493. i
Bio-Grande Pelo 2" dislricto da provincia ha-
viam sido declarados deputados geraes os Srs. : i
Barao de Mau, Drs. Alfonso Alves e P. Machado, -,-"_".. a
Rio de Janeiro.-S. M. e a corte tomaram luto mtnl0s m,t a,na'i e*,slei,'1 b"rtl0-
mais ou menos a varrer a 235 r>. a libra. Este
artigo est boje com um mercado mais frouxo, pois
os offerecem, genero escolhido e apropriado ao
mercado de Hespanha, para onde lia alguma pro-
cura, a 240 rs. a libra, e nao tem tido compra-
dores.
Ditos salgados.Nao ha.
Farinha de trigo.Nestes ultimos dias pouco se
fijz neste genero; as suas cotacoes, que regulam as
da nossa ultima revista, sao pouco firmes. As 911-
tradas teem augmentado o deposito.
Fumo.Foi pouco procurado, e alguns lojcs que
so venderam ro^ularam a 9* a arroba.
Gorduras. -Nao nos consta transaecoes neste ge-
nero.
Sal. Venderam-se uns 3,000 alqueires de Cabo-
Verde a 700 rs. o alquoire. Pelo de Lisboa e C-
diz pedem 800 rs. o alqueiro. Existe um carre-
gamento para dispor.
Vellas de coraposico.Abundancias e vendas
de 680 e 650 rs. a libra.
Vinhos. -Venderam-se untas 15 pipas dos viudos
por cabotagem a 25 a pipa, qualidade Lisboa.
De Barcellona e Lisboa entraram tres carrega-
Por portara datada de 21 de outubro foi nomoa-
lo capellao da companhia de menores do arsenal
de guerra de Pernambuco, o padre Albino de Car-
valho Lessa.
24
Por decretos de 9, 15,16 e 17 do corrente foram
nomeados :
O promotor publico bacharel Lourcngo Bezerra
Cavalcanti de Lacerda, juiz municipal e de orphaos
do termo de Cruz Alta na provincia de S. Pedro do
Rio Grande do Sul;
O bacharel Bernardino Jos Pereira de Queiroz
jneiroga, juiz municipal e do orphaos do termo da
Diamantina, na provincia de Minas-Geraes ;
O bacharel Joao Antunes de Alcnear, juiz muni-
cipal e de orphaos do termo do Maranguape, na
provincia do Cear ;
O bacharel Jos Francisco Jorge, juiz municipal
o de orphaos do termo de S. Bernardo, na mesma
provincia ;
O major designado do batalhao de infantaria n.
5 da guarda nacional da provincia das Alagas,
Jos Gomes de .Mello Mattos, tenente-coronel com-
mandante do mesmo batalhao ;
O capitao Estevao Alves de Carvalho, tenente-co-
por 8 dias, sendo cinco pesado e tres alliviado, pe.
la norte do principe Frederieo Guilherme Luiz-
primo do rei da Prussia.
Tendo-se espalhado na corte haver o geverno
recusado a mediacao de S. M. lidelissima, na ques-
tao an,-lo-brasileir, declarou o Diario Oficial que
o tgoverno nao regeitou nem poda regeUw em ab-
soluto a graciosa mediacao que llie foi offerecidu ; e
sim aprsenlo upreciacao do governo fidelissimo
as difficuldailes- que se oppunltam urna acceitacao '
detde j do passo umigatvl e obsequioso dado por |
aquelle gorrino.
Procedeu-se, no dia 23, no arsenal de mari-;
nha a nueinta de 1,073,457 notas, no valor de ris |
4,696:786*000, substituidas, dilaceradas eamorti-
sadas pelo banco do Brasil.
As demais noticias, quer da corte e provin-
cias do sul do imperio, quer das repblicas do
Prata, vo nos lugares competentes.
Bahia. Fallecer de velhice, na freguezia do
Pilar, o Africano liberto Manoel Pereira, de 120
annos de dade, e na capital o dito Manoel Jos Lo-
bo, de 102 annus.
Lavravam na capital febres violentas, que j
haviant ceifado diversas victimas.
Na noute de 21 cahio sobre a capital um tem-
poral que causou alguns estragos, tanto em trra
como no mar.
No interior da provincia ainda lavrava o sa-
rampo.
A apuraco final do 5 districto dava em re-
sollado serem'deputados geraes os Srs. Dr. Jun-
queira e Frederieo c coronel Spinola.
Entrara de crusar a fragata de guerra Mo-
kican.
Teve lugar a 20 do corrente o concurso para
provimento de vigararias, ao qual concorferam 25
sacerdotes.
Sendo informado o delegado do termo da Bar-
ra, de que, 9 leguas de distancia da villa, resi-
dala diversos criminosos de mortc, tentou pren-
-los com uma'forcaaoseu mando, apenas rea-
lisando a captura de dous, um dos quaes morreu
poucas horas depois, das feridas que recebeu na
luta que emprehenderam contra a forca.
Sergipe No Crrelo Sergipense, orgao do go-
verno da provincia lentos o seguinte :
O presidente da provincia, altendeodo que
os vereadores da cmara municipal da capital, ba-
charel Manoel da Silva Reg, como presidente, To-
praca regula de 8 a 10 %
As apolices geraes de 6 % foram negociadas a
96, 94 3/i e 95 '
Elfectuaram-se transaecoes regulares de aecoes
do banco do Brasil a 605 de premio, do banco R-
caseos deconla e qualidade de espirito, obtevebom ral e Ilvpodtecario a 55*, 603 e 33* do dito, da
preco, 90* por pipa. estrada de ferro de D. Pedro II a 15* de descont,
Couros vaceuns seceos. Gompraram-sc 4,000 e de oncas da patria a 29*500.
para os Estados-Unidos a 240 r. a libra, e 3,000 As cotacoes de fretes sao i lenticas as anterio-
res c nao abundam no porto navios convenientes
para carregar caf.
Agurdente.Eflecluou-se a ultima venda a 62*
por pipa.
O deposito nao excede 900 pipas, mas nao ha
animacao 110 mercado.
Asscar.As vendas foram diminutas, sendo os
ultimos precos :
De Pernambuco, branco, fino... 4*000 a 45100
frsorie........ :1A800 a ;<5950
* 3* ....... 3*350 a 3*730
,.V ....... 3*350 a 3*500
somenos....... 3*000 a 3*100
Mascavado nao ha.
De Macei, branco......:...... 2*90) a 3*100
Mascavonao ha.
Da Continguiba, branco,........ 2*800 a 3*100
Mascavo nao ha.
De Campos, branco............ 3*200 a 3*400
. mascavo........... 1*600 a 2*600
Ficam em ser:
De Pernambuco : 0,800 saceos, branco o some-
nos.
De Macei : 24 caixas e 2,400 saceos, ident.
Da Colinpuiba : 303 caixas c 1,500 sai eos idem.
De Campos: 1,000 caixas, 450 barricas e 11,000
saceos.
Total: 1,327 caixas, 450 barricas e 21,700
saceos.
Despacharam-se para Buenos-Ayres 157 caixas
8 1/2% de pro- c 1,285 barricas, Luanda 110 latas e Montevideo
272 barricas e 1,480 saceos. Total 157 caixas,
1,557 barricas, 1,480 saceos e 110 latas.
Carne secca.Ha em deposito 174,000 arrobas,
i sondo 40,700 ditas do Rio Grande e 124,300 ditas
do Itio da Prata.
Vendc-se a primeira de 2* a 3* e a segunda de
2*200 a 25300.
Couros.Ha em deposito 2,500.
l'llima venda 240 rs.
Colamos de 230 240 rs.
Fumo da Babia em fotha. = Vendera:n-se 700
fardos.As ultimas cotacoes sao : Patente 14*
a 18* Flor 12* a 13,500, i. a 11* 2." 7* a 9*
c 3.' 5* a 6*
Em deposito 900 fardos.
Fretes. Electuaram-se apenas 10 fretamentos,
a tabee : Para o Canal, 1 brigue prussiano a 47
sch. e 6 d.. 1 barca bremonse a 50 sch, c 1 brigue
sueco a 57 sch. e 6 d. e para carregar ent Santos
um brigue nobreguense a 47 sch. e 6 d. Para Ca-
bo-Verde, carregar sal, 1 barca portuguesa-, a
400 rs. por alquoire.
Para o Mediterrneo 1 brigue sueco a 45 sch. e
15
Cambio.-Londres, 25 a 25 1/2 d. ; Paris, 380
rs.; Hamburgo, nominal; Rio de Janeiro, 5 a 6 %
a GO dias; Bahia e Pernambuco, 5 a 3 /0 a 90
dias.
Moeda.Papel nacional. 8 a
mi.
Fretes.-Inglaterra couros salgados, 50 sh. c 5
i /o; cinza, 45 sh.; Rio de Janeiro, 280 rs. ; Babia,
' 360 rs.: Pernambuco, 440 rs.
Rio de Janeiro, 23 de outubro.
Bolelim de 8 21
Durante a quinzena lintitou-se o movimento do
nosso mercado de importacao a alguns pequeos
supprimentos que lizeram s compradores de arti-
gos de maior consumo, tendo sido mais importan-
tes as entradas de alguns deiles, como sal, viulto,
etc.
Acha-se em pleno vigor, desde o Io do corrente,
o convento celebrado entre as casas rctalhadoras
dos gneros denominados do estiva, com o lim de
tmpedirem que o> importadores vendam directa-
mente aos varegistas pequeas parcellas desses ar-
tigos em que negocian).
Tendo nos exposto fielmente o parecer dos apo-
logistas desta medida, nao nos fuaremos a repre-
duzir imparcialmente os argumentos em que se
apoiavam os que mais deram motivo resolucao
que tomaram os retalhadores.
Amanhaa comeca o processo eleiloral para a
eleicao de eloitores, quo de ve eleger.o senador por
esta provincia em substiluicao do Exm. conselheiro
viscondede Albuquerque.
Com o prazo de 60 dias acha-se concurso
o offlcio de escrivao do jury e uxecucoes crimi-
naos do termo da Escada.
Hoje d-se o ponto do Curso Commercial
Pernambucano, encerrndose os trabadlos do cor-
rente anno lectivo.
Os actuaes alumnos pretendem festejar a esse
encerramento, como sempre se tem feto em taes
occasioes, resucitando assim a cssa tradicao, que
de anno anno chega at elles por sua vez.
Ao amanhecer do hontem (3 horas) deram
os sinos desla cidade o toque de incendio, que se
tinlia ateiado em tima casa da rita dos Pires, na
qual existia urna taberna do Sr. Joaquim Antonio
Lopes Guimaraes, ardendo urna porjao de lenha
que havia em um quarto da parte posterior da
mesma casa.
Nesta nao nernoitava pessoa abruma, e notou-se
que a janella do lado do quintal fra arrombada,
bem como que foram abertas por dentro urna por-
ta do oitao e outra do quintal. Alm disto, notou-
se igualmente a subtraecao de sete mil c tantos
rs.. que existi,.m na gaveta do balcao.
Ignora-se ainda a procedencia real desse incen-
dio, sendo esta casa a terceira ou qitarta que se
incendia as condices de estar para ser desap-
propriada por utilidade publica.
l'tn guarda nacional do 8 batalhao foi quem
primeiro presentio a manifestacao do incendio, o
que partieipou ao Sr. subdelegado Qtteiroga; o
qual mandou log dar o competente signa! nos
sinos, e dirigindo-se para o thealro do incendio,
providenciou no sentido de evitar a communica-
cao do mesmo s dentis casas prximas, e de sal-
var os gneros par meio da respectiva remocao
para a ra.
.tcharam-se alli as bombas da alfandega e do
arsenal de guerra, tendo s esta funecionado, pois
nao foi precisa a intervencao'daquclla.
Estiveram presentes os Srs. Drs. chefe de poli-
ca, delegado e subdelegado de S. Jos, bem como
o Sr. tenente-coronel Sebastiao Lopes Guimaraes,
tendo os corpos de guarnicao fornecido contin-
gentes.
Os moradores prestaramse de modo louvavel,
o nao se tem a lamentar desastre algum pessoal,
proveniente do servico de salvacao.
A' cadeia de Canard foram recolhidos Ma-
noel de Araujo. Severino Marques da Silva, Joao
Severino, Laurentino Jos da Bocha e Francisco
Antonio Camello, por ladres de cavallos.
Igualmente foi preso Luiz Jos de Medeiros,
ladro do cavallos, pelo delegado de Goianna ; que
tambem prenden a Manoel Alexandre de Castro,
por haver raptado a menor Anna Joaquina do Sa- !
cramento, sendo elle casado.
Havendo sido preso por um inspector de f
quarteirao de Larangeiras, no termo de Nazareth,
um individuo por suspeito de ladrao de cavallos,
foi elle tomado escolla por dous outros, que lize-
ram fogo e feriram a ditas pracas. |
Fizeram actos na Faculdadc do Direito, no dia
30 do corrente, os seguinles estudantes:
Primeiro anno.
Joao Mam Loureiro Tavares, simplesmente.
Jos Domingues da Silva, idem.
Tilmrcio Bayinumlo da Silva Tavares, idem.
Jos Antonio Gomos, idem.
Segundo anno.
Augusto Cirnciro Monteiro, simplesmente.
Manoel Jos de Menezes Prado, plenamente.
Agostinho de Carvalho Dias Lima, idem.
Joao Joaquim Ramos e Silva, idem.
Terceiro anno.
Henrique Mamede Lins de Almeida, plenamente, ginnos.
Joao Baptista de Siqneira Cavalcanti. idem.
Jos Antonio Nunes, idem.
Luiz Antonio Ferreira Souto, idem.
Menclo dos Santos da Fonseca Lins, idem.
Raymundo Olympio Goncalves de Freilas, idem.
U POUCO DE TUDO.
O Eiening Standard, de Londres, publica o se-
guinte :
Acaba de formar-se urna exeellente sociedad,
que tem por lim prevenir o infantecidio, que, as
proporcoes consideraveis que tem tido/ trra toda
a gente.
Deve esperar-se que esla sociedade conseguir,
impedir um peuco o mal.
Desejamos o melhor xito a esta sociedade phi-
laiitropica e de moralisac,ao.
Por occasiao do inventarlo feito pela mortfe de
um membro da familia Benazet, soube-se que os
jogos de Bade rendiam animalmente, deduztdas
todas as despezas 1,200:000 francos, isto 432
contos de ris ao cambio de 360 francos.
No anno ultimo este rendimenlo subi a.......
1,500:000 francos, 51 contos de ris.
Os jogos de Aix-les-Bains, suppriniidos. em 1857
pelo conde de Cavour, davant um millio por anno
a M. Bias.
E' fcil calcular quantas fortunas arruinadas re-
presentant estes enormes lucros.
O Moniteur de Arm'-e, publica a segninle nota :
As autorisacoes de aceitar e usar condecoracoes
estrangeuas, cuja fita sementante da legio de
honra, conlm sempre a clausula de que a lila nao
ser nunca usada sem a medalha.
Por julganicnto de 3 de dezembro de 1862, um
individuo condecorado com a ordem de Christo, de
Portugal, foi condemnado a 100 francos de multa
(36*) pelo uso Ilegal da legio de honra, por isso
que, segundo consta do processo, usava habitual-
mente a fita vermelha da ordem de Christo, sem
medalha.
Foi-lhe tambem retirada a autoridade de usar
desta condccoracjio.
Em sua opiniao, depois que algumas oceurrencias 1 brigue italiano a 50 sch.
desagradaveis afTeelarain de algum modo o credilo Para New-York 1 barca ingleza (carga limitada
do nosso mercado e comprometleram consequonte- a :I0 sch.
mente a seguranca das transaecoes, as casas que Para o Rio da Prata ida e volta, 1 brigue dina
comprovam carregamentos inteiros nao se conten-! marquez por tuna somma redonda,
taram com os lucros que anteriormente auferiam \ Para Trieste 1 brigue hollandez e
no relalho, dando-lhes margem proporcionada aos a 40 sch.
maiores riscos que alfrontavam
Da sua parte os importadores, nao podendo con-
MERCADO MONETARIO.
Cambio.-Soinmam os saques fechados al hoje
ceder esta margem na mesma occasiao em que as (22) polo paquete francez finir:
cotacoes do mercado Ibes traziam serios prejuizps,: Sobre Londres : 300.000 a 27 -l|8, 27 i|Jei/
decidiram correr o risco do retalho, fundando-se 3|8 d., ineluindo 70,006 tomadas pelo governo
na solvabilidade de seus novos freguezes, a quera aos dous ltimos algansmos.
os retalhadores nao duvidariamfiarporces iguaes' Sobre Franca 2,000,000 francos a ms,
s que entfio eompravam directamente.
S( a posiejio do mercado, aecrescentam, menos
344 e
roacl chefe de esudo-maior doconimando superior bias de Mendonca Galyao, Antom.. Mon.z deMelto
Telles e Conrado Carneiro de Menezes, lendo-se
I nesta data reunido no resjiectivo paco com os de-
vereadores para o lim de proceder a apura-
da guarda nacional do municipio de Jeromenh* na Telles e Conrado Carneiro Menezes,
provt
incia do Piauhy
boa actualmente, devida especulacao, que, sus-
tentando momentneamente os precos, f-los descer
de mais alto, quando seria melhor que, acompa-
nhandn as necessidades do consumo e a impor-
tancia dos depsitos, conservassem um curso re-
gular.
O que se pode reprovar aos importadores, con-
tinuam. o excesso da importacao, quando val
alm das forcas do consumo. A experiencia dos
ultimos annos provou que os perdas qne deixaram
Sobre Hamburgo 200,000 m. b. a 516 rs.
Sobro Lisboa e o Porto tem regulado a tabella
seguinte : .
102 a 103 % a vista.
104 a 102 Y i 30 d.
KM) a 101 60
90a 100 "i.- 90 d.
Aplleos. Negociaram-se as geraes de 6 (,
a 96, 94 3|4 a 93 |_, hontem e hoje, em peque-
nos lotes. _
De60Batos.Con8ervaaa-se nos bancos n 90 v
Na praca regulam de 8 a 10 [., sem difflcul-
Quarto anno.
Raymundo Mendes de Carvalho, plenamente.
Fir'mino Licinio da Silva Soares, idem.
Jos Ricardo Gomes de Carvalho, idem.
Manoel Caetano de Oliveira Passos, idem.
Quinto anno.
Raymundo Theodorico de Castro c Silva, plena-
mente.
Jos Austregesilo de Rodrigues Lima, dem.
Jos Alves da Silva, idem.
Passageiros do vapor nacional Tocantms vin-
do do porto* do sul : Numa do Reg Macedo, 1
Ernesto Silva, Joao Hermenegildo Borges Dimz,
Maria Penba da Costa, Manoel Jos Pereira Caldas,
Auna Rita Vieira da Silva, Manoel Bezerra de
Abreu, Jos Oxorio de Cerqucira, Jos Das Ferrei-
ra dos Santos, Francisco Peres de Carvalho Ara-
gao Jnior, Francisco Antonio de Castro Loureiro,
Luiz Pereira de Araujo, Jeronymo Lourenco de
Araujo, Antonio de Oliveira Costa Jnior, Jacinlho.
Febronio Bsmeraldo e 1 eaeravo, Berculano May-;
nard Franco, Augusto Cesar de Azevedo Lins,Lui
Antonio Vianna, Antonio S. Alcntara, Jos Ribeiro
Estos, Jacques Brunet, Quiteria da Silva, Dolores.
Baos e i fillia, Sebatino Giovani, Rapltael Guise!.
Antonio Polachi, Joao Borstitmann, Cosma Marta
da Luz, Manoel Mauricio Luna, Justino da Silva
Torres, Fabio Sezino Basto* da Silva, Manoel Jos-
Cabra!, Joaquim de Azevedo Villarouco, Miguel
Bezerra Guedes, Joao Bitteacourl Leite Sampaio,
Jos Goncalves Guimaraes, padre Aatoaio da Pu-
reza Vasconcellos, Jos Amonio das Chagas Gra-
^eiro, Antonio Cavalcanti 4e Aibuqucrque, Dwgo
da Costa Das, Tiburcio *Wes de Car ralbo, Jos
Sacavca, Manool
Fez-se ltimamente em um sitio chamado Ny-
ham, 110 Schlcswig, urna deseoberta muito interes-
saute para os antiquarios.
E' um navio anligo enterrado n"um pantano, que
outr'ora forittava unta enseada do mar.
O navio tem quasi 80 ps'de comprimento, com
um immenso dragad na proa, e est carregadode
armas de dilferentes especies.
Armas sementantes, de origent romana, mas lon-
go lempo depois usadas pelos barbaros, apparece-
ram, em grande quantidade, enterradas em outros
pantanos vizinhos.
Suppe-se que este navio do terceiro seculoda
era christa.
O Sr Y. Jnior onvia-nos a seguinte poesia :
0 C\R\M\.Ni:ll\0.
Sus|iiros que suspirei
Eu teu ameno recinto,
Ais que do peito arranque!
De dores que aindo sinto,
Nao os digas a ninguem,
Nem mesmo brisa que vem,
Que a brisa |>de contar,
Nem ao passannho que pode
Dize-los no seu trinar.
S quando a noite vier,
E os ares esuirecer,
S quando na natureza
Momo silencio reinar,
Podes baixiitho echoar
Meus suspiros e itieus ais,
Salla noite e nao mais;
E quando do tempo a foico
Te acabar -earamancho -
Dure o inystcrio, stpulta-os
Dos leus restos no montad t
Do Commercio do Paran extratamos o seguinte:
AS PHIMINHAS.
Prima, nao pude resistir ao desejo de vr-le.
Sim I
E' verdade; catara anciada (pie apparecasse
o primo Chandca para acompanhar-me at aqu.
Elle por que nao entrou1?
Tem muito que fazer.
Desculpas ,
Nao pruninha ; elle hoje anda atrapalhado :
dia de procisso e tem ainda de enfeilar dous an-
os podamos ter-lhe poupado esse trabalbo.
Como?
Era sahumos vestidas de anjo.
Haviaraos de ser dous anginhos papudos mui-
10 __!1e,C verdade I Em que ficou a Sake Bainha
oue voss promolteu ?
Nao lulsue que me esquect t trahalhei de da
e de noile, deu-rae agua pela barba; al.nal arran-
jei-a. .,11
Deve ser chefe d obra I
Sahk) como meus uarizesveja :
SM.VK RAIMIA.
J que estott eompromettida,
Minha querida priminha,
Vou cumprir minha promessa
Rosando asalve raikha.
Livrai-nos dos intrigantes
Que s propagara discordia,
Que abusam de nos, senhora,
Mai DR MISBaiCOBDIA.
Seris nossa protectora
Contra teda creatitra
Que neste mundo Magetla
A nessavida doqfra.
Esta gente afraneeztida
Que na ansenei4ios d coea.
Degradai para nem loa^e
E" essaespkran;a wossa.
O capitao Francisco da Costa Carvalho tenent- a,d_*",^-^ d7"u,i07Re'rare"do7metubr'os I nao sao correctivo sufflcienle para esie mal, visto
%SfS^1!* n' 6 iff^X^vffiTOSTdiiefi procu- qne as entradas continuara &p larga escala, e a dade.
iTm^fr^nrmXdr fr,( Pretextos, alKtndonaram a seos : venda a.retalho tende a regulansa-las O deposito. Mel
t) major retormauo ua ^itarip naLiouat jusiiiiw otra o resnertivo secretario d ri- dos vinhos, por exeraplo, em vez de censerrar-se mamt...
no Augusto Lene Pereira,^tenate-corone chefe de JJ;J^^toeidSe e SI como outr'ora em poder'dos compradores de car-1 Acces.-Realia*ra-se ^ansaccoes regulares
-IST^^!^'!^^^; ^SA^SSS/TMm S dffia. g*. conserva-se forCOsamen.e ejgo dos impor-1 d_as dojtanco do Bras. a 60S de~premto.
.Monal domunictpw fle vaieuca, na nwHB^^|fi ^ ,entes reraotos, passaram a fazer urna tadores.seus recursos ficam immobilisados, e elles
'v",cia; .. j u._,;.- ._-- 19-nrs>!> simniaiU em livrn de actas e mesmo nao itodem descontar o producto para a
O tenente-coronel Eba* de Souza Marttns, coro-, PBr ^^l'aYe^ aim IJcaram na casada I immcdiatamente a novas expedicis.
ior e provincia ; reaoeres supicnw, D^"* *{"~V ^.^ a, rio mais regular e com moiuor base sobre las atiar.U* recitada ao pomciro. prac;a.
i Conrado Carneiro de Monezus, Jos Meirelles de mos. ___, ,.. ; i"?^.^.,,, yiiooflO a 27 3/8 17 1/2 e 27 e i escravo, Jos S. de Hollanda, Cordohno de
iiW> rtn Homfim e manda que Sem ritproduzrmos o qtto mat de urna vez te- Sobre -Lanares ?j**J \" "Vo *' x>* *' c
nao s os indicados mos dito sobre este assunutt, apenas locareiuos no 5/8 d, ineluindo *70,0) tomadas pelo governo aos
joino tambem a quaes- ponto em que os que assim opinam altribuem a dous ulUmos *lg'insj$)0S;
nacional da mesma provincia .
Otenente-ceronel Prancisco Flix Correa, coro- Menezes e Felippe
nd commandante superior da guarda nacional do sejam submettidos a processo
nrmicipio das Barras,da dita provincia ; [Toreadores e supplentes,
O maior Joao Antonio Rodrigue?, "
nel chafe do estado-major do mesmo
ao respetivo juiz
(vner e provincia.
Foram reformados :
O coronel Jos amfto de Almeida, comman-
dante superior da guarda nacional do municipio
tnenie-coro mior oulra* nessoasquo porvemura tenham toma- especulado os abafos que em diversas pocas tem
o'cemmando l do parte nesie acto criminoso, como rcmettendo-se solTrido os nossos grandes mercados,
umnanuo ** ^ l^ivo iulZ de direito copia do presente acto, Nao comprehcqdeiuos commercio sera especula-
do offlcio da cmara desta data e ais pecas con- gao; em todos os degrop da pernuiu eUa se re-
cernentes. TC,a acompanhando urna le econmica e compen-
A/njtdi.-Nada ha a acreicentar ao que disee o udo o riwos e esforoos do negociante. Qual o
Sobne Franca," 2,000,000 francos a 343, 3U e
Sobre Hamburgo 200,000 m. b. a 646 rs.
Sobre Lisboa e o Parto rqgulou a tabella se-
guinte I
iO a 103 9/0....... visla-
Recebci a esUs supplicas
Que v endereeamos;
E se formos attendWas
EntSOSAt.VK TK BRADAMOS.
Acbazaos conveniente
Nao confundir os neceadas,
Por isso vamos dizer
QuaasaeraooewcRADAnos:
t E' todo mo asignantet
i Que o jornal de ff M> -
Essa ra^a do guadermP'
Que nao saofiuio ot ava.
ida
HHanda, Joaquim Jos 9a Franca, Manoel Soares
Apolinaro, Firmo Jos Doria, i cadete do exerct-
tp e 34 pracas. .
Passageiros do vapor francez Bearn vindo
dos portos do sul -.Augusto Frederieo de. Olivei-
ra e i escravo, F. Lenck. CLP. Roeck, Jos Joa-
quim (Jomes do Abreu, Augusto de Faria Loureiro,
Angelo Abbeatte, I. C. Fletcher.
Sao todos qiMdMLj
Quando tanto
Nos sem ter
Smente
struclara
Sao
Que
Fazem as
Viver-

I
E CHORARDO.
.


Dlar* de JhcrnambiH* a a



1 de abro de 183.
i Sao os livros dee redores,
Que nos archivamnas paginas,
Phantasmas que nos perseguem
Neste vals db laguimas.
Remedio em vos esperamos
J que lio bondosa sois,
Para dizer aos credores:
Nao deveniosbu pois 1
Se tivermos de casar
Com algum moco da roca,
Defendei-nos j que sois
A' DEVOGADA HOSSA.
Permitli que aos ralladores,
Na lingua saltem abrolhos,
E que caiam fulminados
Pelos ratos de-TEUs olhos.
Castigai aos que s iralam
De colloquios amorosos,
Que nao respeitam os santos
Misericordiosos.
Apparecendo um rapaz
Bello o rico como um rei,
Se elle quizar casar-se
Senhoraa nos volvei.
Porm que eu seja a primeira
Que Ihe trate do enterro,
Embora ou pague os peccados
AODEPOIS DESTB DESTERRO.
Mas se eu me arrepender
abracando entao cruz,
Virgem mi dos peccadores,
NOS AMOSTRAI A JESS.
Se tiver de me casar
Com algum maldito bruto,
Dai-mc ao menos a esperanca
QueBENDITO SEJA O FRUCTO.
Se qualqner mora peccar
Por ser inexperiente,
OMei perdo daquelle
Que nasceu de vosso ventee.
Eu creio que me casando
Viveria mais contente.
Inda mais se ao meu futuro
Eu chamasse clemente ?
Bem feliz seria elle.
Por que sou mui amorosa,
Muito terna, muito amave),
Innocente epiedosa.
Se assim aeontecesse,
Mesmo tarde que isso fosse,
Pode crer tninha priminha
Que eu Ihe mandavao doce.
Se eu aleaneo o que desejo,
No que pens todo o dia,
Mestre Ignacio canta um terco
A' SEMPRE VIRGEM MARA.
Quem espera sempre alcanea
Apoiada sempre em vos,
Por isso .Santa Esperanca
La no coROGAI POR NOS.
Espero com f mais pura
Que dos peccados meus,
Conseguiris o perdo,
^SANTISSIMA MAI DE DOS.
Livrai-nos tambem Senhora
Dos espiritos malignos,
Alcanzando a vossa gloria
Para que sejamos dignos.
Da minha rrenca ehrista,
Crde que nao desisto,
Pois quero gosar na gloria
Das hiomessas de ciiristo.
Venham mocas percadoras,
Assim como en tambem,
Contrictas o arrependidas
Dizer :Para sempre amf.m.
que reconsiderando na atrocidade da jnjustica; mas sageiros ede bagagem, 2 barricas cadinho, 3 ditas
o certo ijue-estou preso, estou privado do minlia cobre, 5 ditas saaao, i dita soda, e 20 volumes ; a
liberdade,.desfeileado perante aopinio publica,, companhia da estrada de ferro,
desmoralisado aos olhos do meu batalho I Barca ingiera Union, entrada do Philadelphia,
E" assim que nesta poca calamitosa devia ser ; consignada a Mrtheus Austin & C, manifestou o
tratado bri oklado encanecido no servico da pa- seguinte :
tria, sem not em sua vida publica e particular, e | 2,230 barricas farinha de trigo, 10 ditas dita de
sempre respoitado neste termo 1
Pois bein Visto que duas assignaturas de Sua
Magestadc o Imperador me nao garantiram de ser
inettido, sem culpa formada, dentro de urna prisao
inmunda, protesto, em honrae venerado do ne-
Esl urna porcariazinha
cabeea: rimar la-
Bravo priminha
bem arranjada.
Onde estava voss com essa
grimas com faginas!! !
E nSo se admire, eu j vi um poeta rimar
buscapc com rabecTio E domis iqu trocado non
e*t erratin.
Mas de magnitm enrollado !
Obrigada, priminha; somos da mesma fami-
lia, e nesta casa nao se desmente a ninguem.
Adeos.
Pois j!
Nao me posso demorar mais; tenho ainda de
.nabar um erinoline para levar hoja ao baile da
Concordia.
Pois voss nao disse que a Concordia estava
com bexigas ?
Enganei-me: foi a Eutlierpc que morreu de
pelle de iixa !! I
Navos gritos de agarra deu o Sr. juiz de direito
aos soldados^ os quaes effecii vamente me pegaram
por pes e mos, e me arrastaram cruelmente ao
calabozo, embora, no meio de tantas torturas e
violencias, eu nao cessasse de allegar os meus pri-
vilegios de teaeme-coronel, decavalhciroda ordem
da Rosa, a mmha innocencia em summa; tudo foi
de balde; honras, servicos e immunidades, nada
me valeu diante do omnipotente senhor juiz de di-
reito, que nem:ao menos attendeu ser eu de mais
a mnisprimeiro supplentede juizTiinnieipal f
Emflm, fai arrastado ao calaboueo, nelle sou con-
servado de oavolt com reos de polica !
Consta-me que tendo o Sr. juiz municipal Veras
instaurado-me. um processo, parou eom elle, tal vez
29 saceos pimenta, 10 caitas cassias, 3 ditas ta-
petes ; a Tasso Ir mies.
1 barrica farinha -de aveia ; a Jefferies.
25 eaixas queiios, ii meias ditsetu -, a Fran-
cisca Gomes de Oliveira.
1 barril Tinho xerez ; a L. A. Squeira.
6 harris manteiga ; a T. T. Bastos.
1 fardo chitas,l-ditocassa, 3 eaixas um chafariz
e pertences, 1 dita objectos de uso; a Bastos. *
t eaixa chapeos de palha ; a Augusto Cesar de
Abren.
6 eaixas vnha Bordeaux; a W. P. Hughes.
100 barris cimento ; a T. A. Fonoeca.
i caixa chapees de sol de seda e de algodo, i
dita copiadores de cartas, 2 ditas bilhetes de pas
milho, 400 barriquinhas bolachinha, 10 barricas
graxa, e 8 cadeiras de bataneo -, aos consigna-
arios.
flecebedorla de rendas Internas
geraes de Pcrnambnco.
CORRESPONDENCIAS.
de publico
Dizem que o escrave do padre Rocbael acaba de
chegar na villa do O' muito sobresaltado, dizendo
ter perdido um volumoso oflcio que trazia da
presidencia da provincia para o Dr. Bacellar, ex-
juiz municipal do termo.
Dizem mais, que esse offleio foi tomado por al-
guem, que, sabendo do scu contedo, quiz evitar
por este meio, que chegasse ao Dr. Bacellar o Co-
ndec ment do novas ordens, que a presidencia
dava-lhe sobre as prximas eleQ5es; para que se
podesse francamente continuar com o emprego dos
meios vilenlos, e mesmo sanguinarios, com que
se pretende vencer a Invencivel eleico de Ipojuca
para eleitores de senadores 1
Seja, porm ,qual for o ohjecto desse offleio, in-
terceptado ou perdido, do qual era portador um
escravo do Sr. Rochael..... estao os liberaes da-
quella freguezia resignados a sercm victimas das
baionetas da polica no exercicio de um direito po-
lilco, do qual, em caso nenhum, nao se dcixaro
esbulhar.
AO PUBLICO.
Lendo o peridico Ordem n. 328, de 27 do cor-
rente, deparei na correspondencia do Compadre
provinciano,que nao da redaccao edictorial,
com um trecho ; no qual o meu venerando c vir-
tuoso prelado diocesano, aqiiemcordealmentc res-
pailo, e o Rvd. parocho merino da freguezia de S.
Jos, meu mestre, e a quem tributo muita estima,
sao tratados de um modo inteiramente inconve-
niente. O primeiro, por ter prohibido, firmado as
leis da egreja, o abusivo costume das senhoras as-
sistirem de chapeos na cabeea aos oflcios divinos;
e o segundo, por ter vedado em cumpriinento das
mesmas leis, o enterramento de um suicida em lu-
gar sagrado, mostrando com esse facto o seu zelo
nunca desmentido na execuco de seus deveres.
E como alguns inimigos meus, gratuitos, tenham
propalado e feito algumas pessoas crerem que te-
nho parte na redaccao do supracitado peridico,
propriedade de meu presado pai, a quem nao at-
tribuo a redaccao de semelhantc artigo; e nao
querendopela minha posico social, como capellao
do exercito, c como sacerdote, subdito desta dioce-
se, carregar com a responsabilidade de actos que
nada me abonariam se fossem produeco minha,
declaro solemnemente que nunca tive, ncm pre-
senteinenle tenho parte na rcdac<*ao do referido pe-
ridico, e que nao approvo taes publicaces, que
nada aproveitam, c apenas servem de cada vez
mais rehaixarem a dignidade c jurisdiccao da
igreja de quem sou o mais indigno ministro."
Queiram senhores redactores, publicar estas tos-
eas linhas de seu constante leitor e assignante.
ltecife, 28" de outubro de 1863.
Padre Lourenco de Albuquerqnt Loyola.
4o:202661
637*570
W:8i(l;il
Consulado provineial.
Reudiaento do dia 1 a 29........ 41:5135023
dem de dia 30................. 72l58i
me augusto de Sua Magestade, que nunca mais cm- ] n6a^mi0 do dia 1 a 29
girei a farda de tenente-coronel, nem ornarei meu ,dora in ,,: m
peilo com a venera da Rosa, aflm de que nao sejam X
segunda vez desdenhadas, e cuspidas pelo Sr. juiz
de direito Buarque, capitao Leoncio e outros 1
(tomo soldado fiel de Sua Magestade, hei de con-
tinuar a servido em todas as situaedes de minha
vida : mas como tenente-coronel tem eessado mi-
nha missao.
Invoco o testemimho universal desta comarca
acerca de minha conduela durante tantos annos,
que aqu resido.
Na unanimidad* do conceito de que gozo est a
minha defeza, est a minha justificarn, assim co-
mo a eouderanacao la prisao atroz que estou sof-
frendo.
Calabouco do Ouricury, 12 de outubro de 1863.
Dimos Lopes de Squeira.
42:236*407
MOWMENTQ DO PORTO.
Navios entrados no dia 30.
Portos dosul '/2 das e do ultimo porto 12 ho-
ras, vapor nacional Tocantin*, de 750 toneladas,
commandante i" tenento Pedro Hypolilo Duarte,
equipagera 50.
Assu -11 dias, lancha nacional Flor do Rio Gran-
de do Norte, de 42 toneladas, eapito Vicente
Jos da Costa, equipagem i. carga sal : a'Joo
Rodrigues dos Santos.
Portos do sul6 dias, vapor francez Bearn, de
1,273 toneladas, commandante Aubry de l No,
equipagem 116.
Navio sahido no mesmo dia.
Bordeaux e portos intermedios -Vapor francez
Bearn, eommandante la No.
EDITAES.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, ofliciai da im-
perial ordem da Rosa e juiz de direito especial
do commercio desta cidade do Recife de Per-
nambuco e seu termo por Sua Magestade Impe-
rial e constitucional o Sr. D. Pedro II, a quem
Dos guarde, etc.
Faco saber aos que o presente edital virem e
delle noticia tiverem, que por este juizo pendem Viuva de Ventura Percira Penna.
uns autos de execuco de sentenca entre partes a
saber como exequente Manoel Luiz Goncalves e
como executados Brito Qneiroz^ C. E tendo pro-
seguido seus devidos termos se fizera penhora em
dinheiro pertencente ao segundo executado. E sen-
CaiiH filialm Pernambuto.
Por ordem da directora do banco do Brasil sao
eeavidados os sanhares accionistas lecalisados na
eaixa filial d WWMBaeo recolherem ahi at o
da 23 de Janeiro de 1864 a ndna e ultima presta-
cao de 10 0/0, ou 20fi por accao, de eonfermidade
oom os rticos 8 e 9 dos estatutos do banco do Bra-
sil, o art. 45 dos estatutos da caixa filial.
Sala das sesses da directora da caixa filial do
banco do Brasil n Pornambuco 1.a de outubro de
1863.-0 secretario,
Jos Mamede Alves Ferrara.
Tribunal do commercio.
Pela secretaria do tribunal do commercio de
Pernambuco se faz publico que nesta data flea re-
gistrado o contrato de sociedade de Manoel Luiz da
Costa e Joaquim da Costa Pinto, Portuguezes, esta-
belecidos nesta cidade com armazem de carne sec-
ca, sob a Arma de Manoel Luiz da Costa & C, da
qual s poder usar o socio Pinto; devendo dita
sociedade durar por espaco de tres anqos, contados
do 1. de agosto do correte, com o capital de
14:0535720, fornecendo o socio Costa 10:4605410,
e o socio Pinto 3:5935310.
Secretaria do tribunal do commercio de Pernam-
buco 30 de outubro de 1863.
Julio Guimarcs,
OfDcial-maior.
Arreoialaco.
Na praca do juizo municipal da 1* vara, no dia 3"
de uovembro, tem de se arrematar um escravo sa-
dio, com a idado de 32 annos, canoeiro, avallado
em 4505, por execuco de Joo Baptista Vieira Ri-
beiro contra Candido Thomaz Pereira Dutra, es-
crivo Saraiva.
Crrelo
Pela administracao do correio se faz publico que
as malas que deve conduzir o paquete brasileiro
Toeantins, chegado hontem dos portos do su, e
com destino aos do norte, sero fechadas hoje (31)
s 3 horas da tarde em ponto Os jornaes sero re-
cebidos at 1 hora, e as cartas admittidas seguro
at as 2 horas.
ORKEIOOEBAL
It clara o das carias segaras existentes
na administracao do correio desta
cidade para os senhores abaixo de-
clarados
Bario de Guararapes.
Dr. Cypriano Fenelon Guedes Alcoforado.
Tenente Ernesto Ignacio Cardim (2).
Espiridiao Zamiro de Souza.
Francisco Moreira da Costa.
D. Joanna Baptista dos Santos.
Joo de Azedias Machado.
Joo Milao Hcnriques de Souza.
Jos Cupertino dos Santos Meira.
Jos Joaquim Alves de Amorim (2).
Jos Mara da Cost Pinto.
Luiza Francisca dos Alijos.
Levino Pinte Brando.
Miguel da Silva Pereira.
Tenente Manoel Joaquim de Souza.
!J]r^ni _ dias ntPis das 7 as 10 horas da manh, acerca de
t odia 2de novembro o vapor enormidades denominadas clrurgiras ou externas
hinceza de Joinville, comman- especialmente daquellas, em cuip tratamento mais
anteo capitao de fragata Santa frequentcmente mtervem a medicina oiwu-stnria
COMPANHIA BRASTXEIEA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte esperado
at
Pn
dante o capitao de fragata Santa
_______. Barbara, o qual depois da demora
do costume seguir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaia-se a
I carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das e dinheiro a frote at o dia da sahida as 2 ho-
ras, agencia ra das Cruz n. 1, escriptorio de An-
tonio Luiz de Oliveira AzevcdoT& C.
COMPANHIA PERxNAMBUCANA
DB
\'avoaeo costeira a vapor.
Hace e escalas.
O vapor Camaragibe^ comman-
dante Oliveira, seguir para os
portos cima indicados no dia 5
de novembro prximo as 5 horas
da tarde. Recebe carga at e
dia 4. Encoramendas, passageiros e dinheiro a
frote at o dia da sahida as 3 horas : escriptorio
no Forte do Mattos n. 1.
COMPANHIA PERNAMBCANA
DE
Navegac&o costelra a vapor.
Parahyba, Natal, Maca, Ararat*, e Cear.
O vapor Mamanguape, com-
mandante Moura, segu no dia
7 de novembro prximo para os
portos cima Indicados as 5 ho-
ras da larde. Recebe carga at
o dia 6, encomtnendas, passageiros e dinheiro a
trete at o dia da sahida s 3 horas : escriptorio no
Forte do Mattos n. 1.
jnedicina operatoria.
ALL'G^SE -----------
o sobrado de um andar da ra de Aguas-Verdes
n. 55 : a tratar na ra do Queimado n. 46. das tk
da manhas2 1 [2 da tarde. ^ 391V
Jos Goncalves dos Santos, subdito
guez, vai Portugal.
portu-
Para o Rio de Janeiro
pretende seguir com milita brevidade o patacho
nacional Regulo, tem parte de seu carregamento
prompto : para o resto que Ihe fW e escravos a
frete, trat-se com os seus consignatarios Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio,
roa da Cruz n. I.
Aracaty.
O hiato Dous Irmios, segu oestes dias : a tra-
tar com o Sr. Joo Alves de Quintal no trapiche do
algodo.
Para o Rio de Janeiro
deve sabir com brevidade a escuna nacional C poneza : quem nella quizer carregar ou embar-
car escravos, pode dirigirse ao largo do Corpo
Santo n. 6, segundo andar, a tratar com Marques
Barros & C.__________________________________
ra o Cear
O palhabote Garibaldi tem parte da carga : pa-
ra o resto, trat-se com Tasso Irmos.
Arremata gao
A arremata cao dos escravos per ten-
entes a heraea do finado Js Fer-
doem publica audiencia que aos feitose parte da-1 _.! r__ ".,nnnniiiitiis nnn ikp
va este juizo especial do commercio pelo solicitador! ua ^rz> dUDum IdOOS^poi e*>ie
Antonio Pinto de Barros, procurador do exequente Diario, para quarta-feil'a llMilIKI, flCOU
mefoifeitaapeti5o constante do segninte ter-1 lransfe|. a papjl M&Mi do COmn-
Aos 19 dias do mez de outubro de 1863,nesta le e tei luzai* tlt'pois da ailrfil'IH'ia do
cidade do Becife, em publica audiencia que aosfei-' ~
tos e partes dava o Dr. juiz especial do commercio
Tristao de Alencar Araripe, pelo solicitador Anto-
nio Pinto de Barros procurador do exequente Ma-
noel Luiz Goncalves, foi aecusado a penhora feita
em dinheiro pertencente ao executado Francisco de
Paula Quciroz Fonseca, e requerido que ficassem
assignados os 10 dias da lei e 10 aos credores in-
certos, passando-se os respectivos edites.o queou-
vido pelo indicado juiz assim Ihe deferio: do que
foi o presente extrahido do protocllo das audien-'
cas a que juntei o mandado e termo de penhora
que seguem.
Eu Manoel Silvino de Barros Falco, cscrevente
juramentado o escrevi. admitiistragao pertencente ao mez de oulu-
Eu Manoel Mara Bodrigues do Nascimento, es- bro do anno passado, no dia 3 de novembro
crivo o suhscrevi. prximo s 11 lioras da manha na porta do
E mais
eoosa b
LEILOES.
'OJK
Sabbado 31 do corrente na ra da Ca-
deia n 53 armazem as 11 horas.
DB
Dous cavallos alaze.s bous an-
lllm. Sr. Dr. juiz municipal da segn-1 DI dadores de balso.
" r o pe|0 agente Euzebio se vender em leilao dous
Ua >ara. cavallos com andar baixo, e nesta occasio sero
Correio geri|. apresentadas diversas obras de marcineina, de
Pela administracao do correio desta cida-' Prata elc"
Casas para singar.
Aluga-se a casa terrea na ra da Gloria n. 10i,
reedificada de novo e o primeiro andar do sobra-
do da ra da Cruz u. 26, com bastantes commo-
dos para familia : a tratar na ra da Cruz, arma-
zem n. 26.
O abaixo assignado declara ao respeitavel
publico, principalmente ao corpo do commercio,
que de commum accordo dissolveu a sociedado que
tinha com o Sr. Francisco Bodrigues, na padaiia
da ra dos Pires n. 11; fleando o alnko assigna-
do rcsponsavel pelo activo e passivo do mesmo es-
tabelecimento. Recife 30 de outubro de 1863.
__^___________Elias Joaquim Coutinho.
Fugio no dia 27 do corrente o negro Joo,
de nacao Congo, altura regular, bem parecido,
dentes limados, falla um pouco lina, parece ser
crioulo, julga-se ter ido para as bandas de Mari-
cola, aonde morava, levou vestido camisa de ma-
dapolo, caifa de brim branco e chapeo de bata .
quem o pegar, leve ao pateo do Terco n, 27, que
ser bem recompensado.
Cozlnhelra.
Precisa-se a lugar urna preta escrava boa cozi-
nheira : na ra da Cruz n. 13, loja.
de, se faz publico para ins convenienles,
que cm virtude do disposto no art. 138 do
regulamento geral dos correios de 21 de
dezembro de 1844, e art. 9. do decreto
n. 785 do tademaio de 1851, se proce-
der o consummo das cartas existentes nesta
Transferencia para segunda-lcira 2 de
novembro de 18(i3.
O leilo de mobilia, escravos e miudezas annun-
ciado para sexta-feira 30 do corrente nao pode ter
lugar no dia cima e por isso lica transferido para
o dia segunda-feira 2 de novembro de 1863, na ra
da Cadeia n. 6, segundo andar.
LEILAO
DE
- Ka padaria da lorie precisa-se de
um bom amassador que se sugeitc a
vender p na praca._______
Desappareceu na noite do dia 1." do mez do
outubro um cachorro inglez muito grande e longo,
de cor amarellada : quem o recolheu, queira man-
da-lo entregar no Corredor do Bispo, porto de fer-
ro que tem lampeo do gaz, que ser bem recom-
pensado.
OfTerece-se para ama de leite urna mulher
sem lilhos : na ra dos Pires n. 6.
Eembranca.
Amanha 1.a de novembro fazem cinco annos
que evadio-se da fortaleza do Brum o muedeiro fal-
so Eustaquio Jos Velloso da Silveira, deixando co-
mo victima o commandante da fortaleza, persegui-
do em lugar deste homem, que at hoje tem sabido
Iludir e zombar das autoridades que o devem cap-
turar ; lembra-sc. pois, s mesmas autoridades es-
te facto, alim deque nao deixem este homem gozar
empue o fructo de seu crime.
_______________________A victima.
L'ma senhora que tem bom leite pede urna
crianca para criar epi sua casa : quem pretender,
dirija-se na da Roda n. 21._____________
Chama-se a attenco do Illm. juiz do com-
mercio para certas administracoes de massas falli-
das, cujos dividendo tem sido por immenso lempo
retardados em grande prejuizo dos credores.
\" hotel da Europa
precisa-se de urna ama branca para tratar de en-
ancas, preferindo-sc estrangeira.
Precisa-se fallar ao Sr. Leoncio Jos Teophi-
lo, que veio da Bahia: dirija-se ao armazem de
Tasso Irinao fallar com Baymundo Correia de
Mendnnca.__________________________________
J. M. Leroux vai Parahiha.______________
O abaixo assignado responde ao famigerado
annuncio que deparou no Diarto de 28 de outubro
do corrente, assignado por Manoel Francisco Al-
ves, conhecido por Triste Vida, dizendo que tinha
deixado de dirigir minha loja de bahs porm
passo a responder, que elle nunca foi em minha
casa mais do que um ofliciai de bahuteiro, e nao
gerente, como elle disse; e fago vdf ao respeitavel
publico que o desped no dia 27 do corrente, e nao
me responsabiliso por transaeco por elle feila.
Becife 30 de outubro de 1863.
Antanio Jos dos Beis.
ase'decaraS eTttUejmTaqfliumS ,neWM! correio, e a respectiva lisia se acha. lima loja dealfa'ate ra do Imperador
straco i
de outubro de 1863.
O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
pel-
Composico de anacahiilta
toral de kemp.
Todas as molestias o affeccoes da garganta edos
pulnioes, desapparerem como por um mgico en-
' canto, mediante a accao deste ineomparavel e irre-
Srs. redactores. Por varias vezes tem sido pu- sistivel remedio.
Micadas nesta cidade correspondencias do Cear, I Padecentes de asthma, os quaes durante o espa-
nas quaes tacado fortemente o advogado Domin-! co de alguns annos, nao lhes era permittido, ou
sos Jos Pinto Braga, residente em Sobral. nao podiam deitar-se ou postar-se n'uma posico
O fim de taes invectivas bem patente. lionsontal; hoje respiram hvremenle e -lhes dado
Invcstc-se contra a honra do juiz municipal do a consolaco de pderem reconciliar e gosar de un
Sbrale do advogado Braga, como um meio de ven-
cer appellacoes no tribunal da relacao. Felizmen-
te, porm, esto venerando tribunal', tendo confir-
mado a mor parte das sentencas, que em Sobral
nao obiidoos constituimos do advogado Braga, tem
dado a mais solemne resposta a taes aleives.
O advogado Braga 6 muito conhecido no Cear,
o estimado pelos homens serios de ambos os parti-
dos. Se tem inimigos, e estes Ihe atiram pedras,
i nao se iscntou.
Publiquem, Srs. redactores, estas linhas, como
um protesto que fazemos em favor do amigo au-
mente, que darrin lempo o;iportuno, se Ihe pare-
cer, a resposta s calumnias com que pretendem
: ri-loj se bem que em nosso conceito taes calum-
nias nao merecam resposta.
Recife 30 de"outubro de 1863.

PUBLICACES A PEDIDO.
A'Sua Magestade o Imperador.
Actroz e violentamente maltratado em minha
pesada, em minha dignidade de homem social, em
neus direitos de cidado pacifico, em minhas re-
talias de tenente-coronel commandante de um ba-
-alhao da guarda nacional, organisado e fardado, o
linalmente em minhas honras de cavallciro da im-
perial ordem da Rosa, venho, nao cgo de clera,
mas possuidedejustissima indignaco, queixar-me
peraate o throno e perante o publico do meu paiz
da maneira deshonrosa e infamante porque acabo
de ser preso e recolhido, sem crime, e sem o mais
le ve delicio, ao calabouco, emquejazem reos de
polica, escravos, e todas as immundicios, s poi-
que assim aprouve aos senhores juiz de direito da
comarca Antonio Ruarque de Macedo e capitao
Leonejo, eommandante do destacamento desta
villa.
K' o caso : tendo o-Sr. capitao Leoncio muito de
proposito aberto recrutmento na guarda nacional
do meu commaodo, sem. o menor accordo intel-
igencia comigo, e muito menos sem attender ao
[razo nao lindo da prohibico legal do recrutmri-
to, nem s condicoes dos individuos, porque envol-
va em suas levas nui homens casados, como, por
oxemplo, Daaiel Regio da Silva ; prendendo mais
a Liberato Jos de Arsujo Salgado, Manoel do Reg
Barros, e mai* dous cidados porlencentes ao meu
batalho ; nao tive outro remedio se nao me apre-
senlar pugnando pelos direitos dos meus subordi-
nados.
Dirigi-me ao Sr. eanitao Leoncio ; Caliei-lhe nos
;ermos mais cortezet e delicados acerca ja incon-
veniencia dos actos (fue acabava de pratiear ; mas
a tanta moderaco, a tanto comedimento, proprlo
do eu carcter, tive em resposta os mais indignos
improperios e affrontas, entre as quaes a qualifica-
cao de assassino I
A' esta designaco immerecida, atroz, que me i
acabava de dar o Sr. capitao Leoncio, repliquei com
toda a forca da dignidade, que perante os tribunaes
me havia eo provar em cerno eu ora assas-
uno.
Oh I boca que tal disseste Depois de ameaeado
m continenti con urna bengala em punho nelo Sr
apilao, que me cabria de inAltos, eis que em seu
socoorro apparece o ir juir de direi,0 Buarque dfl
Macedo, acsoj fcrias, e sem mais ouvlr-me,
nem attenuVr-niMMMaOj soldados, que moagar-
rasum : resptfnin me nao renda prfso,
porque nenhum ci?" tfnha commeltido, antes era
o offendido.
profundo'e tranquillo somno depois de terem to-
mado algumas doses.
Tosses persistentes o fatigadoras, resfriamento e
detluxos da peior especie, hemorragia dos pulmes,
rouquido, perda da voz, molestias do peito e da
Hacha-arteria com syniptomas ou tendencaa phty-
sica pulmonar; todas estas enfermidades e affec-
eoes, sao completas e radicalmente curadas me-
diante a appheaco e uso deste excellenle e sua-
vissima remedio.
Ella imparte vigor c fortaleza aos orgos da res-
praco, e os torna impenetraveis e capazes de re-
sistir a quaesquer repentinas mudancas da tempe-
ratura ; e alm disso, nao tendo ella outros ingre-
dientes mais do que o mais suave, e ao mesmo
lempo saudavel balsamo vegetal; razo esta por
que pode ella ser applicada e dada s criancas da
mais tenra idade sem o mais leve cuidado ou re-
ceio. Todos os principaes droguistas a tem
venda.
COMMERCIO. -
NOVO BANCO
DE
PERNAMBUCO
O Banco toma saques sobre as pracas do Rio de
Janeiro e-Bahia.
THEATRO
<-** .- <- i.ti n ,i, i,iij un 11 | |lIV itt|l lilil t" 111 \s lAfiBi
fielmente copiado e transcripto dos proprios autos.: oesae ja a vista uos inieressaaos.
E em cumpriinento do meu defermento o referido \ Administracao do correio de Pernambuco,
escrivo fez passar o presente edital com o praso 24
de 10 dias, pelo qual ehaniei, intimo e hei por intii i .
mado a todos os credores incertos do referidoi\e-/[
cutado, para que dentro do indicado praso compa- .
recam neste juizo, alim de allegarem o que for de 1
justica munidos de seus competentes documentos | '
sob pena de revelia.
E para que o presente chegue ao conbecimento
de quem interessar possa, mandei passar editaes,
que sero publicados pela imprensa e affixados nos
lugares do costume.
Dado e passado ncsla cidade do Becife, capital
da provincia de Pernambuco, aos 20 de outubro do
anno do Nascimento de Nosso Senhor Jess Christo
de 1863, 42" da independencia e do imperio do
Brasil.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimento, es-
crivo o sobscrevi.
Trtstiio de .Jencar Araripe.
A.
lUPlUZl
DR
J. DUARTE GOIHBRA.
ii. 40 a inoliila.
Terca-feira 3 de novembro.
O agente Pestaa legalincnte autorsado vender
em leilo por conta de quem pertenec' urna loja
: de alfaiate na ra do Imperador n. 40, constando
depaletots de panno, casemira, casacas, calcas de
casemira e brim, colleles de dito, pannos pretos,
easemiras, brins, camisas de meia, gerguroes pre-
tos c de cores, sedas para forro, botos de lodas as
qualidades, um fileiro de amarello, 1 cofre, mesas
e carteiras e muitos outros objectos que sero pa-
tentes.
Em seguida urna linda mobilia branca ameri-
cana, ricos quadros, relogios de parede, lindos en-
feites para cima de mesa, cadeiras de balanco,
commoda, lavatorio, marquezas, guarda louija,
louca, cspelhos dourados e muitos outros objectos
que seria enfadonho o enumera-los e que sero
patentes terca-feira 3 de novembro de 1863.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, ofliciai da im-
perial ordem da Bosa, c juiz de direito especial
locommercio, desta cidade do Recife,capital da.
provincia de Pernambuco c scu termo, por Sua Recit extraordinaria, em grande gala, para solein-
GRANDE ESPECTCULO.
Sabbado, 31 de outubro de 1863.
iiisar o feliz anniversario
natalicio de S. M. F. o Sr. D. Luiz I,
Rei de Portugal.
Perante as efllgies de SS. MM. o Sr. D. Pedro II, \
-i D. Maria Pia de Saboia, I
OS II V w \os
BRASILEIBO E PORTGUEZ.
Em seguida a companhia dramtica representa-
r o drama de grande espectculo, em cinco actos,
Alfandega
Rcndimento do dia 1 a 29........
dem do dia 30.................
369:9253578
17:0463445
386:9723023
Movlnieuto da alfandega
Volumes entrados com fazendas...
com gneros.
Volumes sahidos
com
com
fazendas..
gneros...
233
241
60
112
474
172
Descarregam no dia 31 de outubro.
Brigue inglezKity Ellenmercaduras.
Briguo inglezZone- idem.
Escuna ingleza SarahEUen-forro.
Barca porlugueza S. Mantel //-sal.
Brigue inglez -Daniel Dur-carvo.
Barca ingloza-/monfarinha e bolachinha.
Importaco.
Escuna ingleza Sarah Ellen, entrada de Londres,
em 26 do corrente, consignada a Saunders Bro-
thers & C, manifestou o seguinte :
1,650 barras de ferro, 300 barris plvora, e 50
ditos salitre -, a Patn Nash & C.
950 barras de ferro, 3 barris sal, e 2 fardos lona;
a Prente Vianna A G.
400 barris plvora; a E. I. S. Fox.
240 ditos dita; a Saunders Brothers & C.
300 ditos dita, 25 ditos chumbo de munico, 180
barricas cerveja, 80 ditas cidra, e 5 eaixas ether;
a ordem.
120 barris plvora ; a Wilson & Hette.
10 ditos salitre; a S. />. Johnston 4 C.
5 ditos oleo de linhaea; a Johnston Pater & C.
8 ditos dito difo a J. M. da C. Correia.
100 eaixas foiha do Flandres, e 5 ditos cha; a
Isaac E.
5 eaixas cha ; a J. J. R. Mandes.
8 ditas biscoutps Palmeira & Beltro.
25 eaixas cassias a, p. A. Costa Amorim & C.
Magestade Imperial e constitucional o Sr. D. Pe-
dto II, a quem Dos guarde, etc.
Faco saber aos que o presente edital virem e
delle noticia tiverem que por este juizo pendem uns
autos de execuco de senten?a entre parir,
como exequentes os administradores da massa fal- r, ViVi" "nTrL" nfn'''H"o,^Kl^1" ."^^."i.^
lida de Bastos & Lemos, locar-se-hao
deiros de Luiz Borges de Siqueira. E tendo pro-
seguido seus devidos termos se fizera penhora em
dinheiro pertencente aos mesmos executados. E
sendo em publica audiencia que aos feitos e partes |
dava este juizo pelo procurador dos autores, me foi
feito o requerimenlo constante do seguinte ter-
mo :
Aos 12 dias do mez de outubro de 1863, nesta
cidade do Becife, em publica audiencia que aos
feitos e partes dava o Dr. juiz especial do commer-
cio Trisio de Alencar Araripe, pelo solicitador
Antonio Pinto de Barros, por parte dos exequentes
foi aecusado a penhora feita em dinheiro perten-
cente aos executados herdeiros de Luiz Borges de
Siqueira, o requerido que licasse assignados os 6
dias da lei e 10 aos credores incertos passando-se
os respectivos editaes o que ouvido pelo indicado
juiz assim Ihe deferio e fiz o presente do protocllo
das audiencias a que juntei o mandado e termo de
penhora que segu.
Eu Manoel Silvino de Barros Falco, escreven-
te juramentado o escrevi.
Eu Manoel Maria Bodrigues do Nascimento, es-
crivo o subscrevi.
E mais se nao continha em dito termo aqui fiel-. Lu,z> an,'!j ,cr.iado do mar'
mente copiado, e por forca de meu despacho o re-' 1"cz d Estain..........
ferido escrivo fez passar o presente edital com o r- ,narJ,' nie(IIC0 d0 nos*
praso de 10 dias pelo qual chamo, intimo e hei por c Plta'.. re.........
intimados os credores incertos dos ditos supphca- *
dos para que dentro do indicado praso compare-
cam neste juizo, alim de allegarem o que for de
justica munidos de seus respectivos documentos
sob pena de revelia.
E para que chegue ao conhecimento de quem
interessar possa, mandei passar editaes que sero
publicados pela imprensa e affixados nos lugares
do costume.
Dado e passado nesta cidade do Recife, aos 14 de
outubro do 1863, 42 da independencia e do impe-
rio do Brasil.
En Manoel Maria Rodrigues do Nascimento, es-
crivo o subscrevi.
DE
Um prlo, urna macliina de ajeriar p<-
pel e mais perlencs da typograpliia
da roa do Trapiche n. 7 e alguns
movis.
Terra-feira 3 de novembro.
O agente Pinto far leilo a requerimento de D.
Emilia Vianna Andreus por seu bstanle procu-
rador e por despacho do Illm. Sr. Dr. juiz de or-
phaos da typographia com seus pertences e alguns
movis existentes no sobrado da ra do Trapiche
n. 7, pertencente ao fallecido Joo Andreus, s 10
horas do dia cima dito no mesmo sobrado.
0 TALISMN.
PERSONAGENS. -
Capitao Jorge, depois co-
ronel ................. O Sr. Coimbra. .
Sarvy, representante do po-
vo..................... Flavio.
LEILAO
DB
Cm fardo de los para velas.
Terca-feira 3 de novembro ra do Trapiche n. 7.
O agente Pinto far leilo por cont e risco de
1 quem pertencer de um fardo cora fios para velas
l s 11 horas do dia cima dito no referido sobrado
cm continuado ao leilo da typographia.
Thomaz.
Porto.
Lessa.
Guimarcs.
Penante.
Gil-Braz.
D. Camilla.
D. Jesuina.
Lord llarbour............
Blenton, negociante inglez. >
Jos, criado de Sarvy......
Ignez de Dorcerf.......... A Sr.
Luiza Bertrand..........
Isabel, enfermeira do hos-
pital de Bictrc......... >
Povo, tropa, etc., etc.
A aco comer em setembro de 1795
em novembro de 1799.
0 primeiro acto passa-se em casa de Luiza,
arrebalde de S. Germano e os outros actos
Paris.
AVISOS DIVERSOS.
D. Leopoldina.
e acaba
no
em
Tristao de Alencar Araripe.
DECLARARES.
Tendo de ser cantada no fim do segundo acto a
Marselheza, o emprezario obteve de um distincto
Fraocez este favor que desde j Ihe agradece.
No fim de drama a orchestra tocar o hymno da
Marselha.
A empreza nao se tem poupado a despezas e sa-
crificios para que o drama va com todo o gosto e
pericia que requer lab digno acto.
Os senhores assignantes podera mandar buscar
seus camarotes e cadeiras (querendo), at sexta-
feira s 3 horas.
Comecar s 8 horas.
Arrematadlo.
Quarta-feira 14 do corrente, depois da audiencia
do Jllm. Sr. Dr. juiz municipal da 2.* vara, escrivo
Athayde, serlo vendidas a quem mais der as se-
guintes pedras : sendo 5 hombreiras com 50 pal- i
mos, avalladas em 303; 1 dita com 7 palmos por
43200; 1 dita de 9 palmos a 43500, 5 ditas com j
50 palmos por 303; 10 co.'does com 80 palme por i
243; i ditos com 14 palmos por 43400; 39 cepos j
com 88 palmos por 93350 j 5 ditos xom 10 palmos J '------- ----------' '
Kjr 23520; vio pra$a a requerimento de Joo Para o Rio de Janeiro pretende seguir com
odrigues da Silva Valle, na execacio que move muita brevidade o brigue nacional Almirante
contra Antonio Soares de Carvalbo: "o? pretenden- tem parte de seu carregamento prompto, e para o
tes podem examioar a* referid* pedras a Passa- resto que Ihe falta, trat'se com os seus consigna-
gem da Magdalena, em poder ticular Manoel Ignacio Aviiia. 1 escriptorio roa da Cruz n. I.
AVISOS MARTIMOS.
Lotera extraordinaria
Aos 10:000300 e 2:000;>000.
0 abaixo assignado attendendo a ba acei-
tado que leve a lotera extraordinaria, ha
pouco extrahida, e tambem aos pedidos de
quasi todos os compradores de bilhetes, de-
vido isso ao excellenle plano das loteras ex-
traordinarias, approvado pelo Exm. Sr. pro-
sidente da provincia, tem exposto venda
os bilhetes da seguuda lotera extraordina-
ria, que correr no dia 6 de novembro prxi-
mo, sendo a terceira parte da segunda da
Santa Casa da Misericordia, e espera do res-
peitavel publico a compra dos bilhetes, pois
assim contribuir para o beneficio da Santa
Casa da Misericordia, reunindo o til com,o
agradavel.
Os bilhetes e meios acham-se venda na
respectiva thesouraria ra do Cresqo n. 15
e as casas commissionadas ra da Impera-
triz n. 44, loja do Sr. Pimentel; ra Direito
n. 3, botica do Sr. Chagas; ra estreita do
Rosario n. 12, typographia do Sr. Mira e ra
da Cadeia n. 45, loja do Sr. Porto.
Os premios de 10:000,5000 at 200000
serao pagos logo depois da extrac? o at as
4 horas da tarde e os outros no dia seguinte
depois da distribuicSo das listas.
Servindo de thesoureiro,
________Jos Rodrigues de Souza.
Aue*co
Quem tiver preciso de urna pessoa para ensinar
primeiras letlras, grammatica e lalim. o querendo
servir-se do seu peqneno presume, dirija-se ao pa*
tcodoGollegn, loja de cneadernaco, a tratar com
Jos Kibeiro SimSes.
Precisa-se de um menino de 14 H> annos,
que tenha platica de taberna, e que d eonlvcimon-
to sua conducta : na roa das Larang'-iras n. 12.
Hospital Ptrtignez de lkiieliccncia cui
PerHuiuhuco.
De ordem da provedoria convido aos senhores
membros da junta administrativa e mais socios
comparererem no Hospital, pelas.fi 112 horas da
manhaa em ponto, no dia 2 de novembro, para em
conformdado do ^ 7 do art. 5 do respectivo regula-
mento, assstirem a missa e memento que se ha de
celebrar por alma dos (lenles que teem fallecido
as enfermaras leste estabelecimento e igual-
mente assisiirem a benco das novas enfermaras
que se vio abrir.
Becife 29 de outubro de 1803.
Joaquim Ferreira Mendos Guimarcs.
1." secretario.
Precisa-se, para alugar, de um escravo que
faca o servico de casa e trabalhe de enxada : quem
o tiver, queira dirigir-se ra da Imperalriz nu-
mero 62. ________
Na padaria do Puco da Pauella se alagana
carros para passeio e cas-allos de sella, ludo por
preco cotnmodo.
Aluga-se pelo lempo da fest urna casa sito
na ra da Saude da freguozia do Poco da Panella,
que conlm 2 salas, 3 quartos, cozinba fra, e um
gabinete independente da casa: os pretndeme
dirijam-se ra Direita n. 10, primeiro andar.
Furto de relogio.
No dia domingo 25 do corrente mez de outubro
roubaram da gaveta do balco da taberna da ra
da Concordia n. 34, as 2 horas da tarde, um relo-
gio de ouro patente suisso com corrente, dous si-
netes e duas chaves tambem de ouro : quem do
mesmo der noticia ser gratificado por seu legitimo
dono, no becco daCarvalha n. I, ou na ra da Pal-
ma n. 7, taberna.______________________________
Aluga-se um sitio na ra de S. Miguel dos
Afogados, junto a fabrica de sabo, eom boa casa,
estribara, quartos para pretos, muitos arvoredos
de fructo c baixa de capim : a tratar na mesma
ra, no sitio de dous portos de ferro junto a igre-
jaLdeS1\IigueLcoinNtoimel_JosdaS^
Manoel Novaes da Costa foi despedido do cai-
xeiro do estabelecimento do carros fnebres do
pateo do Paraizo n. 10, de Jos Pinto Magalhes,
no dia 28 do corrente mez.
D-se dinheiro a juro : no pateo do Terco
n. 12, taberna.
Aluga-se o secundo andar do
sobrado rfa na da Cruz n 40 :
a tratar do armazem do mesmo
sobrado.
Agencia de pasaporte.
Claudino do Reg Lima, despachante de passa-
porte, tira-os para dentro e fra do imperio, por
commodo preco e presteza : na roa da Praia, pri-
meiro andar fc. 47;
Aluga-se a casa terrea na ra de S. Miguel n.
94, na povoaco dos Afogados, com commodos para
familia, em muito bom estado, pelo diminuto preco
de H mensaes: a fallar nesta cidade, ra da Pa-
nba n. 5.
Aluga-se um sitio na travessa da Capunga
para a Baixa-Verde, defronte do porto do sitio do
Arantes : trat-se no mesmo sitio, ou na ra da
Cadeia do Recife n. 25, sobrada________________
Na ra da Alegra n. 7 alugam-se duas es-
cravas, urna sabe cozinhar, eogomraar, ensaboar o
comprar, e a outra sabe fazer o mesmo, meaos ea-
gommar.__________________________________
Venerare! erdrm lerrcira de S. Francisco
do Recife.
Aluga-se o segundo andar do sobrado n. 36 da
ra estreita do Rosario, pertencente ao patrimonio
da dita ordem : os pretendentes dirijam-se ao cha-
rissimo irmo ministro o Sr. Joaquim Mauricio
Goncalves Rosa.
Secretaria 29 de outubro de 1863.
Jos Goncalves Malveira,
Secretario.

- <
'
fc


im
v
Diario de Pernaubuco abbado 31 de Outubro 4c 183.
ESTRADA DE FERRO
ROVOEsTABUtClMV.0
DO
DE
RECIPE A So FRANCISCO
Do da 9 de novenbro de 18113, at segundo aviso, as horas das
partidas dos trens serSo reguladas pela tabella segHinte:
Antonio Ignacio licuor
Na ra Nova n. 26
Su fazem encanamentos de pennas d'agua da
companhia Beberibe omito bi
muito barato, assim como tod
LOTERA.
C4S4 D4 FORTIM
0 abaixo assignado. faz sciente ao respeiU....
LmHa noinnr,. R?b,,co quc vendeu nos seus muit0 afortunados bi- dada: quem ti ver d>ma-se a r
uJ?L.nint^uo lhetes PrJ''lidosobiihcteinterode n.235eema imn.,,!,.:,,, a .
?,2ff torS rteje 8:000*000 e outros -iw nV. inojMOO., impca *0-__________________
Compra se una escrava que saiba
perfeitamenie cngoinmar, o-sinhar e
fazcr todo o ni is serviro de urna casa
de laiuili.i, sendo moca c de boa con-
aada
lfi!Apa3,
Cinco Pontas
A rogados
Boa Viagem
Prazeres
Ilha. .
Cabo. .
Ipojaca .
Olinda ..
Timb Ass
Escada .
Frexeiras .
Aripib .
Ribeirao. .
Gamelleira .
Cuyambaca.
Agua Preta.
Una .
'J3!MP'ja
Una......
Agua Preta.
Cuyambuca.
Gameleira..
Ribeirao. ..
Aripib.. ..
Frexeiras ..
Escada....
Timb Ass
Olinda ....
Sfv.::
Ilha......
Prazeres. ..
Boa Viagem
A rogados ..
Cinco Ponas
TRENS PARA O INTERIOR
Dias de trnbalho
l'awtgeirns
da l.fc e
3. cIm -e
!U!IUA
II
8
8
8
9
0
8
9
10
10
0
11
II
II
12
12
M.
0
8
18
83
47
0
18
33
47
0
27
45
3
22
40
0
25
Mercadt ras
B pa roa di' _'. i
3 dMM.
TARDE
II
M
l'asdag'
,1.. I.
3 da
TAR1IE
30
5
0
30
5
23
4.S
51
25
II
M.
15
23
3
41
s
IS
Dnilugos e
din santn
Passageirosde l.*,2'
e 3." classe.
MANHAA
/
7
8
8
8
8
9
9
9
9
10
1<)
10
II
II
II
19
M.
45
53
3
10
32
45
1
15
2->
40

23
41
1
18
38
0
TarR
M.
S preco de leseada urna eVmr deeSos ,ralJ'r a T?*9 d ^mnasio econvida aos pos- at 1:000* : na ra da Praia, primeiroandar
&&.; *^cada urna,e vidro deespeinos suldores de dllos bi|,|eU)S yjrem receberseus mero 47.
rospectivos premios sem descont algum em seu
tao, cobre, esta^chumbo, ^cMon.a^ferro, ,
) 16*00 cada uma.e vidro deespelhos
e de vidraca.
- Deseja-se saber quem a pessoa que tem o estbelecimnto da Casa da Fortuna, ra do Cres-
direito de receber os foros, com relacao ao sitio na po n. 23.
estrada do Luca, pertencente a Antonio de Souza, O mesmo tem exposto venda em sua dita casa
Rangel; e roga-se a quem se julgar nessas cir- e as outras do costume, os novos e afortunados
cumstoncias, e nesse direilo, se aprsente era seu bilbetes garantidos da segunda lotera extraordina-
proprio interesse na ra da Gloria n. 86, dentro do ra, cuja sorte maior de 10:0()OSiOOO, a beneficio
praso de 8 dias, a contar deste, mesmo a fim de da Santa Casa da Misericordia, que se extrahir a
nao so chamar ignorancia nem poder allega-la, 6 de novembro prximo, e as sones que obtiverem
a proposito de qualquer negocaeao que por venlu- sero pela mesma forma pagas,
ra se haja de fazer sobre este sitio. I'rceos.
Bilhetes inteiros..... 12*000
UAMil Meio* bilnetes...... 6*000
U1;"V,- m 'a as pessoas que comprarem
felielinadon. IO lo-S de 100* para dina.
Ferrao fc .Hala ^.ilhe!es........ I0
nova e linda fazonda pro- 83 Meios. re3**00
itidos de senhora e roupa de SI -------------.......
diminuto proco' de 300 rs.
Compra-se urna
casa torrea de pedra o cal
nu-
TIIENS DO INTERIOR
Olas de tmbalho
I1.4sgeiro.
de l,le
3 elaate.
HA SHAA
II.
_
I
I
7
7
7
7
M.
40
M
17
tj
J6
45
Mprcailonaa
e pasnagei-
r*>s de .
3. olauc.
VAM1AA
II.
8
8
8
8
10
10
10
II
II
II
12
M.
(i
27
52
17
5
25
50
10
SO
45
15
(i
l'a**au*ir4
H* I., i. <
3 cWlae.
m-------
TARDE
1S
I
I
1
2
2
2
3
3
3
3
4
4
4
4
4
5!
45
9
30
46
5
2
3i>
5
17
30
43
0
13
3:.
41
52
(i
Ooiiiim<>* e
das santos
Passageiros de 1", 2.*
e i.' claese.
HANHAA
II.
J
TARDE
M.
30
43
5
12
82
30
II.
M.
O
24
45
3
23
41
59
25
36
4
0
15
28
50
57
7
15
N. II. .as segundas-feiras e sabbados o trem mixto de carga e passageiros nao partir
Gameleira, mas sim da Encada para Cinco Pontos as 10 horas e cinco minutos da manilla.
li. Awstin, superintendente interino.
de
Criado.
Precisarse do urna boa engommadeira que en-
tenda de cosinha e de um proto forro ou captivo
para servico de ra : a tratar na ra da Cruz n. S,
escriptorio.
Luiz Margot yai para a Balita.
Precisa-se de urna ama para continuar
e concluir a amamentacao de urna enanca :
na ra eslreita do Rosario n. 31, terceiro
andar.
Alaga-se a casa terrea sita na ra do palacio
do Bispo n. 14, com comraodos para familia; a
tratar na prai;a da Boa-Vista n. 20._______
Irmandade das Almas da matriz
da Boa-Vista.
Por ordem da raesa regedora, om observaacia do
art. 23 do nosso compromisso, tenho a honra de
convidar a todos nessos irmaos para qne no dia 1
de novembro prximo vindouro, pelas 8 l\i horas
da manhaa em ponto, se acneni no consistorio da
mesma irmandade, aflu de en mesa geral se pro-
ceder a eleicao da nova mesa que lera de reger o
Tutaro anno de 1863 a 186i.
Consistorio da irmandade das almas da matriz
a Boa-Visto 28 de outubro de 1863.
O escrivao,
____________Manoel Domiagues da Silva Jnior.
Ha para alugar um mulato para lodo o ser-
vico, e o qual conliecido: na ra do Crespo loja
n.20 D.______________________________v
Offerccc-se urna ama para servido de easa,
nao engomma e nom lava: a tratar na ra das
Trineheiras b. 36.
AURORA
BRILHANTE.
1ARG0 DA ^X"~ SANTACRUZ.
Francisco J3s FernanJes Pires, dono do grande estbelecimnto de mo- fl
Ihados denominado AURORA BRILHANTE, avisa ao respeitavel publico tanlo j|j
da praca como de fra, e com especialidade aos seus freguezes, que o seu estabe- |
lecimonlo acha-se prvido de novo sortimento de bons gneros tanlo do paiz co-
mo do estrangeiro epromette vender muito emeonta tanlo a retallio como em
grosso
francisco da Sitia Car-
doz-> foz sciente a todos os
seus dtvedores que nesta
dta tem autorisado ao
Sr Antonio Jos de Si-
queirapara liquidar to
do o activo da sua casa,
portanto seus devedores
fe queiram entender com
mesmo senhor respeito ao
pagamento de seus deb
tos no prazo de 8 dias, e
pode ser procurado na
ra do Imperador n 40
Hecife, 23 de outubro de
1863.
O bacharel Francisco Gomes Velloso de Al-
buquerque Lins tem o seu escriptorio de advoca-
da na ra do Queimado n. 41, primeiro andar,
frente para a praca do Pedro II.
Na na do Queimado n. 1
deseja-se rallar aosSrs. Gabriel Germano de Aguiar
Montarroyos e Joaquim Ribeire de Aguiar Moa
larrnyos.
Biscoutos ingle/es em latinhas
muito enfeiladas de varias
qualidades de I.SGOO a____ 20OO
Latas com marraelada nova a li-
bra 720 e ............ 800
Ditas com ameixas......... 15100
Ditas com ervilhas francezas. 800
Ditas com fructas em calda,
500 o.............. 40
Ditas com figos de comadre a li-
bra 3 O e............ 400
Caixas com pssas novas de 8 li-
bras a 35000, a libra 480 S60
Ditas com figos com 8 e 16 li-
bras a 25000, 25500 e... 45500
Chocolate portuguez e hespa-
nhol e francez a libra..... 15000
Qucijos do reino do vapor a
2/e............. 25240
Ditos de prato novos, a libra a
640 e............ 720
Ditos de manteiga muito fres-
caes a............... 300
Viiiho do Porto muito (no, ca-
ada a 55600 e 75, e a
garrafa a 640, 800 e .... 1*000
Dito da Figueira de marcas supe-
riores, caada a45 e 55, e a
garrafa a 560 e ... CiO
Dito de Lisboa a 35, 35500 e
45000, e a garrafa a 400,
480 e............ 560
Genebra de laranja, o frasco a
900 e............... 15000
Dita de Hollando a 640 e....... 1500
Spermacete a libra a 6 40, 720 e .15000
Caixo de doce de-guiaba, a
500, 640 e........... 800
Charutos finos, caixas e meias,
deSimas, regala, parisien-
ses, delicias, trovadores,
suspiros, varetas, flor de
S. Flix, Traviata.guana-
bara e militas outras qua-
lidades, a 25800, 35000.
35500, 450:'0, 4500 e. 55000
Vinhos finos engarrafados em
caixa a 135, l5e 205 e
a garrafa a 1/ e....... 15500
(Copos lapidados para agua e vi-
nho, a duzia a 65500 e 450UO
.Caf lavado e de Moca, a 280,
320 c 36' rs a libra, e a
arroba 85500, 95000 e 95500
Cha hison superior, a 25560,
25800, 35000 e........ 35200
Aloga-se um moleque de 16 anuos de idade
para todo o servico interno c externo de alguma
casa : na ra dos Pires n. 54.
A>Ulo para alugar.
; Anda est por alugar o grande sitio da Cruz de Almas, com duas frentes, sendo a ou-
tra para a estrada de Parnameirim (o qual lica de-
fronte do sitio do Sr. cirurgiao Leal) com um gran-
de sobrado de um andar, cocheira para earros, ca-
saj>ara escravos o fetor, estribara para cavallos,
o outra separada para vaecas, casa para fazer fari-
nha com Torno, e todos os pertences, cacimba com
bomba, horta para planto de hortolicas,^itio muito
grande com nimios arvoredos de fructos, terreno
para plantar mandioca para farinha, e para todos
os mais leguraes, terreno separado para ter 6 vae-
cas de leite, e pasto para estos ; alm de ludo isto
tem mais duae grandes baixas com capim, que so
estas dao para pagar o aluguel do mesmo itio, ten-
do o devido trato; enjo sitio foi do fallecido cirur-
giao Manoel Joaquim Pereira, e s se arronda por
annos : quem pretender, all se pode dirigir para
ver, pois a chave est em mo de pessoa que l
est a temar conta ; c para tratar,- na ra do
Crespo n. 25 A, na loja do Sr. Ramos.___________
Aluga-se urna excellonle casa na Capuuga a
margein di (^apiaribe : a tratar no caes da alfan-
degn, rmazcm n. 5.
Club commerelal
A reuniao familiar do corrente mez de outubro
tora lugar na noite do dia 31 do mesmo,
Ao n. 29.
Nova loja dos barateiros na ra do Queimado.
Velludo de cores fazenda muito boa o covado
3*000, bales de panno 3*200, ditos de arcos
3*000, 4*000 e 5*000, laas de duas larguras
para vestido o covado 500 rs., chitas francezas o
novado 360 rs., mrtim branco para forro de
vestido o covado 120 rs., torlatanas de todas as
cures a vara 720 rs.
Ao n. 29.
Nova loja dos barateiros na ra do Queimado.
Cassa lisa pellc de ovo a peca 7*500, cambraia
lisa muito fina a peta de 17 varas 10*, cam-
braieto peca de 12 jardas 7*000, cambraia adamas-
cada para cortinado a pega de 22 varas 10*000,
mcias linas para sonhoras a diuia 4*000, chales
de iaa ponto redonda 32*500.
Ao n. 29.
Kova luja dos h&rateiros na ra do Queimado.
Bicos pretos de linho a vara l20, 160, 240, 320
rs., franjas de seda a vara 80 e 160 rs., galSes
de seda de algodao e de Iaa para enfeites de vesti-
do a .peca de 10 e 15 varas 400, boloes de seda
de velludo e de rusti duzias 120.
Finalmente ludo que consta tendente a moldados encontrar sempre o res-
peitavel publico um grande sortimento de boa qualidade o por presos commodos.
irmandade das almas do
Recite.
Por ordem da mesa regedora convido a lodos os
nosso irmaos para reunirem-se em mesa geral do-
mingo 1. de novembro, s 11 horas da manhaa,
aflm de euraprir se o disposto no art. 30 do com-
promisso. Consistorio em mesa 26 de outubro de
1863.O esemo,
francisco Jos dos Passos Guimaraes.
Precisa-se de um homeai para andar com
una carroca de boi, ou aluga-se esto : na travessa i
da Ponfo de Uclioa, sitio do Potubal.
Aluga-se o segundo andar do sobrado da ra
do Nogueira n. 19, e a casa terrea da ra do Jas-.
liiim n. 10, cuja casa est pintada e caiada de no-
Sjfjj! vo : a tratar na ra Direito, leja de ffrragens n. <
r^ 73, ou na Capunga, (porto do Latserre), defronte i |
^5 da casa da Sra. viuva-Carvalho.
W< Ao eomuierclo.
^_ l'm rapaz Brasileiro rom !) annos de pratica
SS commercial. se oSierece para qoalqiier escriptorio!
fKl ou armazeiu, dando fiador de sua reputocao : quem .
M pretender, de ver dniir caria lechada com as |
f 'n''''aos G. i., na praca da Independencia ns. 6 e-8.1
EXTINGUE JI-SE
AS FORMIGAS.
I Com o emprego das velas mixtas compostos de
ingredientes toes que, estes daoinhos insectos aspi-
rando urna s ve* a fumaca deste lelhal mixto,
morrem inevitavelmente ;oque nao aconieee com
as velas mixtas comniuns, as quaes longe de mala
rem pela fumaca, obram pelo eseessivo calor, o
I*A \C O l \I O
tSTABELECIDO NA CIDADE DO PORTO
Agentes em Pcrnambueo
Antonio K.ulz de Olivelra
Azevedo i C.
Saeam por todos os pa<|uetcs sobre o
masis banco prazo ou visto, sobre a
caixa filial em Lisboa, e agencias em Fi-
gueira, Goimbra, Aveiro, Vizeu, Villa-
Real, Rogoa, Vianna de Castello, Guima-
raes, Barcellos, Lamego, Covilhaa, Braga,
Pcnafiel, Braganca, Amarante, Angra,
Ilha da Terceira.'llha de Faias, Ilha da
Madeira, Villa do Conde, Valenca, Bastos,
Oliveira de Azcmeis, Chaves e Fafe, a
orto dias vista ou ao prazo que se convan-
conar, no seu escriptorio ra da Cruz
n. 1.
.\o hotel da Europa
compra-se um escravo de 20 a 30 annos para o
servico dos quartos do mesmo hotel : quem o ti ver
nestas circumstancias, trate na ra do Trapicho
Novo n. 12.
Corapram-se duas negras perfitas cozinhei-
ras e engommadeiras: na ra de Apollo n. 84'
segundo andar.
Compra-se cobre lalo vcllio
na rna da adeia do Kecife n. 36, pri-
meiro andar.
Compra-se urna casa terrea de boa constnic-
Cao, situada em alguma das principaes ras desta
cidaile : a tratar no escriptorio de Manoel Ignacio
de Oliveira & Filho, no largo do Corpo Santo nu-
mero 19.
VINHOS
R. B. Lasserre A C ra da Cruz n. 5,
venden) por precos commodos :
Porto, Bordeaux e Collares em ancore-
tas ;
Figueira fino em barris ;
Mdoc e S. Julien fino )
Sanlernes ) em caixas:
Cognac fino c inferior )
A ssucar do Mon tetro
Ra do Imperador n. 28 e caes de Apollo n.
67, a 200 rs. a libra, e de 8 libras para cima
a 55600 aarroba.
VENDAS.
Ra do Trapiche n 2.
Vendem-se 2 buhars.
*ii>l
Camisas de la (flanela) de
barato proco de 555 a duzia
urna: na ra do Crespo n. 4.
COM A VARI A.
Antes que se acabem
Custodio. Carvalho iV C, rna
do Queimado numero 99
Pechincha.
Pecaa de fil de linho lino proprio para vestido
tendo cada peija 8 1[2 varas e pelo baratsimo
pi'i'eo de 2*-->0 cada peca, tendo um pequeo to-
que de avaria de agua doce.
Vendem-se 3 casas terreas, nova;
cas e baratas, tombem aluga-se, na
dos Prazeres na Boa-Vista : a tratar
becco do Veras n. 15.
II Mili!)
Vendem-se arreios inglezes para carroca de
um cavallo : a tratar no pateo do Terco n. 42, se-
gundo andar.
Ricos vestidos de fil branco bordados com
vo, capella e flores proprios para as se-
nhoras noivas, os quaes se vendein a proco
razoavel por serem em primeira mao e che-
gados ltimamente de Paris por encom-
menda propria : ra da Gadeia escriptorio
e armazem de fazendas n. 47.
Vendem-se
queijos de Minas, ditos de prato e llamengos, ma-
Elas, peras, uvas, manteiga ingleza, cha e rap de
isboa, emuitos mais gneros os mais superiores IJ
possiveis : na ra do Imperador n. 28, taberna do
Cam'MS-_______________________ \M na ra do Crespo n. i 7, loja de
Vendem-se duas lindas capellas de aljofares v< Jos (ionios Villar
para catacumba : na ra Augusto n. 4... '
A 200 rs 6 corad
Cassas muito bonitas e linas
BLV DO (imht) \- 65
E.oja do beija-Oor.
li'as para meninos.
Vendem-se faquinhas para meninos a 240 rs.,
ditas de balanpo de um botad a 280 rs. o falher.
Grvalas para senhora.
Vendem-se gravatas para senhora a 500, 640,
800 e 1*200.
Filas para debrnm de vestido.
Vendem-se fitas para debrum, de linho, a 240 a
peca com 10 varas, dila de Iaa a 800 e 1*. dito de
seda a 1*200.
Pennas de aro de lanca.
Vendem-se caixinhas de pennas de ac de 200
rs. a 1*.
La para bordar.
Vende-se la para bordar, de cores claras, a
6*800 a libra.
Bonccas de fchro.
Vendem-se nonecas de cera a 800 rs. e 1?, ditas
com mascara de tirar e botar a 640 e 800 rs., ditas
sem mascara a 200, 400, 500 e 800 rs.
Collieres de metal principe.
Vendem-se colhes de metal principe muito finas
a 1* e 2*500 para cha, ditos para sopa a 2^000 e
4*800, concha para assucar a 6*400.
Facas e yarfos.
Vendem-se facas e garfos a 2*200 a duzia, ditas
cravadas a 3*, ditas de cabos pretos a "2-3-200, ditas
decabos de balanco com 2 botocs a 6*800, ti i i as
para doce a 5*600, ditos de um botao a 65, ditas
para doce a o*.
Babados bordados.
Vendem-se babados bordados proprios para saia
ou caifa de meninas a 400 rs. a tira.
Chicote para ravallo.
Vende-se chicote para cavallo, para os amantes,
que passam festa a 640 e 1*.
Meias para sruliora.
Vendem-se meias para senhora muito finas a
2*400 a duzia, difas para meninas a 2*.
Papel de ilixersas qualidades.
Vende-so papel de beira dourada a 15200, dito,
amizade a 640 e 800 rs., dito paulado a 15. dito'
adamascado a 900 rs.
Anvelopes de diversas qualidades,
Vendem-se avelopes brancos a 800 rs.,
i a caixa
mwmmm
Manas
na roa Nova n. 8.

I O rs. a libra oh 4000
a arroba.
Vendem-se fatias de bolo sovado a 160 rs. a li-
bra, e sendo de 8 libras para cima a 4* a arroba :
na ra da Matriz da Boa-Visto, padaria n. 26.
Cal nova de Lisboa:
piche n. 9.
vende-se na ra do Tra-
Para passar a festa.
Vende-se a casa denominada-casa amarella, si-
mada em nm dos melhores lugares do Arraial,
com bastantes commodos para familia, quartos
para escravos, estribara, etc. : a tratar na ra do
Mondego n. 47. padaria.
Vende-se um boi manso para carroca ou car-
ro da alfandega, o qual est muito gordo : a tra-
tar na Capunpa, rna das Crioulas n. 31.
Queijos lo Aledelo e das libas.
Duarte & C. acabam de receber da Europa polo
vapor Oneida entrado hontem, os muito desejados
queijos do A lenicjo e das filias a 800 r<. a libra,
tem queijos de 16 a 20 libras, sendo inteiro se fa-
r abatimento : no paleo do Carmo n. 9, armazem
progresso.
Direito internacional privado e a applicacao de seus
principios com preferencia as leis principaes do
Brasil, em 1 volume,por r. Jos Pimenta Bueno,
8*000 : no escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevcdo k C, ra da Cruz n. 1._______________
rarinh de S. Nalheia
Vende-se a bordo do patacho Industria, defron-
te do trapiche Baro do Livramenlo, a bem conhe-
cida e nova farfolla de S. Matheus, a melhor qn<
dalli temos no mercado.
i na daSenzalla n 42.
Vende-se, em casa de S. P.JohnstonccC,
sellins e silhes inglezes, candieiros e casli-
caes bronzeados, lonas glezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
ditos de I oan'os ''c- om e dons cavallos. e relogios de
Contina a haver pao de senleio novo nos das
que as torna canssimas, ltenlo engir duzias para i qQarlas e sabbados de cada semana, na nadara
o elfoito de urna so, das do systema do fallecido 1 s-into Ai
Portugal.
MISO.

Ninguem faca negocio cora um" terreno na ra
di* Jasmim, pertencente a Brizida Mara viuva de
Francisco das Chagas Oliveira, cujo se acha em-
bargado pela firma social de Guimaraes & Gon-
ealve?, por divida que o mesmo finado Chagas fi-
con devendo aos mesmos, e para que ninguem se
chame a ignorancia se faz o presente.
Pede-se ao Sr. Tobas de Souza Lima, acad-
mico, o favor de ir a Santo Amaro a entender-se
com Jos Jacintho de Carvalho sobre o negocio que
o mesmo senhor nao ignora. ______________
l'revine-se a quem convier, que a missa que
a irmandade acadmica de N. S. do Bom Conselho
manda celebrar nos domingos e dias santificados
na igreja do convento de S. Francisco desta cida-
de, ter lugar d'ora em diante, at ulterior delibe-
raco, naquelles mesmos dias as 10 horas e meia
ta manhaa.___________________
A pessoa que annunciou precisar de ura es-
cravo para sitio, pode procurar na ra da Cadeia
do Recife n. 49, sobrado, que achara com quem
tratar.
Alnga-se a casa terrea da ra da Gforia n-
27, com commodos para grande familia : a tratar
i na ra da Cadeia do Kecife n. 49, sobrado.
Naques sobre
Oabaiso assignado, agente do-banco
mercantil Portuense nesta cidade, saca er-
foctivamente por todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
qualquer somma, a vista e a prazo, pu-
dendo logo os saques a prazo serem des-
contados no mesmo banco, na razao de 4
por cento ao anno aos portadores que as-
sim Ihe convier : as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
- 0 Sr. Salus iano Cvnaco de Sou-
ta que mor i na Capunga, tem urna car-
la nesa tvpographia.
' em Santo Amaro ao p da fundico, na ra da Ini-
pyrothecli.nK-o Rufino. Para amostra? e encommen-1 pcra,rz M e ra do Brum, onfronte o chafa-
ra de polica, armazem da | rz n. 47, rua as Cr
cores a 640, ditos para carto de visita a o(X) rs., 011ro iialente inglez.
ditos pretos a 800 rs.
Tendo recebido ricos apparelhos para senhora,
de inoiisacos e camapheos verdadeiros, vendem-se.
de mousaco a 6#80O, dilo de camapheo a I.l*.
Dminos c visporas.
Vendem-se dminos muito finos a1*I00 e 1*500
e visporas a 8(X< e 1*.
Vende-se .a cavallarice n. 114 da ruada Sen-
zala Velha com-pequeo numero de cavallos, sen-
do que vende-se a vontode do comprador, com os
cavallos ou sem ellos : a tratar no largo do arse-
nal de marinha n. 4."
Farinha de maulioea
Vende-se farinha do mandioca da melhor c mais
nova que ha nesle mercado, no escriptorio de Ha-
noel Ignacio de Oliveira i Filho largo do Corpo
Sanio n. 19, ou abordo do palhabole Viamao, an-
corado no caes do barao do Livramenlo, junto ao
patacho Reuni.
das no citan da se
bola amarella.
Companbia fldelldade de
seguros martimos e ter-
restres estabe lee i la no
Rio de Janeiro.
AGENTES EM PEPNAMBLCO
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo k C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercadu-
ras e predios no seu escriptorio rua da
Cruz n 1.
Aluga-se o sitio da senhora viuva Carvalho,
em S. Jos do Manguinho. .com boa casa de sobra-
do, esteirad, quartos para criados, es-jibaria,
i fructeiras, baixa de capim : no mesmo sitio se di-
r quem tratado aluguel.
Furtarara oa noite do dia 10 do corrente dous
cavallos pertencentes aoDr. Francisco Caldas Lins,
do cercado de seu engenho Siqueira, na fregueza
do Rio Formoso, com os signaes seguintes : um
mellado, cauda e clinas pretos, castrado, grande,
gordo, os quairo ps pretos at cima, sem anda-
res, porm de sella', outro rodado sujo, cauda e
dinas pretas, bom tamanlio, grosso, castrado, rela-
do pelos peitos por ter sido de roda, urna baixa
, em um dos lados das costellas, meio corcunda e de
carga : quem der noticia dos mesmos cavallos ou
os entregar a seu dono no referido engenho, ser
, recompensado com a quanlia de 50 a 100*.
Na travessa dos Expostos, sobrado n. 16, pr-
meiro andar, apromptom-se bandejas de bolinhos
para bailes e casomenlos, muito em cont, cora
suas armaedes, e Loquis de cravos e rosas; na
mesma casa tem para vender flores para festas de
igrejas, ditos finas para senhoras e meninas; tom-
bem tem velas de carnauba muito boas de 6 e 14
em libras: quem quizer, dirija-se dito casa, que
tudo mais barato do que em outra qualquer
parte. ______________________
ALUGA-Sh A LOJA DE 3 PW.T4S.
Aluga-se a loja do 3 portas, na rna do Cabugal
n. 20; a pessoa que precisar, pode procurar as
chaves no mesmo correr loja n. 4, o aluguel or
moz 50*000. *
Cruzes, deposito n. 39, na Pas-
sagem, taberna da esquina do Sr. Bento, que vira
para o Remedio, e no armazem progresso, largo
da Penha n. 10.
Ainda est por alugar-se o segundo an
dar do sobrado n. 44, em a rua da Auro-
ra : quem o quizer drja-se esto mes-
ma rua casa n. 10.
Aluga-se a loja do sobrado n. 193 da rua Im-
perial, e o armazem n. 4 da rua de Apollo : na rua
da Aurora n. 36.
Precisa-se fallar ao Sr. Leoncio Jos Theofilo
que veio da Baha : dirija-so ao armazem de Tasso
Irmaos a fallar com Raymundo Correia de Men-
donca.
i.i veos de moral.
Exame de confessores.
Cuntate.
Larraga.
Obra do Monte.
Xa rua do Imperador ji. 1j.
Vende-se ou arrenda-se o grande sitio deno-
minado Calata, da rreguezia da Varzea, de muito
boas trras por serem de grande produccao, com
urna casa de laipa jcoberta de telhas, grande
quanlidade de ps de carezeiros, larangeiras, co-
queiroe, etc. efe.: a tratar na rua do Hospicio nu-
mero 22.
Aluga-se urna casa
tratar com J. I. de M.
Trapiche, n 3i.
em Bebiribe ; a
Reg, na rua do
mAKAUlillOII.
Precisa-se de um trabalhador de padaria que
saiba desempenhar o seu lugar : na padaria de A.
F. da Silva Beiris, rua dos Pires b. 42.
AMA
Precisa-se de urna ama qne saiba cozinhar : na
rua Nova n. 69.
Precisa-se de um caixeiro com pratica de ta-
berna e que d conhecimento de sua pessoa : para
tratar, na rna dos Pires n. 38.
Aluga-se um sitio na Torre, a beira do rio,
tendo boa casa, estribara, cacimba o sitio, cora
boa baixa de capim : a tratar na rua do Queima-
t o n. 13, primeiro andar.
- Armaxem para alagar.
Aluga-se o armazem n. 40 da rua de Apollo,
com mais de 300 palmos de comprinMoto, iodo co-
berto e proprio para qualquer estbelecimnto por
ter excellente porto de embarque: trata-se na rua
jos GuararaDes o. 78.
Re bate-se
Padaria franceza.
Na rua da Imperatfiz n. 50, padaria franceza,
fazem-se todas as qualidades de bolos, sequilhos e
massas finas, preparamos bandejas paYa bailes,
soiros e casamentos, sendo enfeiladas pelo melhor
e mais moderno gosto, e recebem-se encommendas
para tudoisso ; garante-sea perfeico do trabalho,
boa qualidade das massas, e promptido as en-
commendas, puis que para serem bem servidos os
freguezes, acha-se de taes oceupacoes encarregado
um pasteleiro francez, asss perito em sua pro-
fissao
Aos coeheiros.
Vendem-se encerados pretos e de cores para
forrar carros : no armazem de Tasso Irmaos.
Farelo e farinha.
Vendem-se saceos grandes com lardo e farinha.
tudo da melhor qualidade, a 4*, 4*500 e 5*, assiui
como saceos com farinha para animaes a 3* : no
armazem da aurora brlhanfe n. 84, largo da Santa
Cruz.
f
Alnga-se o primeiro andar da rua do Crespo
n. 23 ; a tratar na loja.
Precisa-so de urna preta do meia idade para
; vender na rua : quem tiver dirjase rua da Ca-
deia Nova n. 40. que l achara com quem tratar
/aIWIK
notas das caixas filiaes do Banco do Brasil, bilhe-
tes premiados das loteras do imperio e estrangei-
ras, com tonto que nao tenham cahido em pres-
cripejio : no armazem da bola amarella, oito da Uec,'ra-se que ninguem faca negocio com The-
secretana da polica. ireza dc Jesus sobre uma escrava de nome Eugenia,
_____________________,___________________________que sendo o bem nico deixado pela senhora della
O abaixo assignado, tendo justo e contiatado'Rita de Souza, est sujeitoao pagamento de dividas
vender ao Sr. Antonio da Cruz Ribeiro a sna loja de tratoraento e enterro da mesma senhora.
de calgados sita na rua do Livramento u. 35, faz I Aluga-se urna das casas terreas situadas na
sciente pelo presente ao respeitavel corpo commer-! estrada do Chora-menino ao entrar da ponte neaue-
cial afim de eynar duvidas futuras.. No entonto na, com os seguintes commodos : 2 salas 4Timar-
se alguem julgar-se credor da mencionada loja, i tos, cozinha fora, quintal murado e cacimba a
pode apresentar-se no praso de tres das, a contar tratar na estrada do Hospital Portuguez sitio n' 1
Atlenejo do respeitavel pnblico
Para a grande fie Custodio, Carvalho k. t.. rua do
Queimado n. 91.
OITerecem ao respeitavel publico a mais fina de
todas as cambraias tanto em desenhos como era
fintas sao as verdadeiras organdys da India che-
gados a esta captol pelo ultimo vapor inglez. A
grande quantdade que recebemos foz com que a
vendemos pelo baratssimo preco do 300 rs. cada
nm covado, venhara ver para desenganarem-se se
6 grande pechincha s na rua do Queimado n. 27.
\ende-se na praca da Independencia ns. 37 e
39, capellas de aljfar para se botar no cemiterio
publico no da de finados com as inscripedej
guintes":
Minha niai.
Meu pai.
Meu esposo.
.Minha esposa.
Meu filho.
Minha niha.
Uma lagrima.
Saudades, sempre vivas do apurado gosto dista
ainda nao vieram igual a este mercado.
Para dia de (inados
Lindas capellas de con tas com lelreiros, apropria-
das para tmulos, sao ellas as nicas que tem nes-
ta praca : vendem-se na loja de madama viuva Le-
comte, rua da Imperatriz n. 7.
Delicado mimo.
Domingos da Suva Campos com taberna na rua
do Imperador, defronte da rclacao, avisa aos seus
freguezes e amigos que receben uma pequea por-
cao de caixinhas cora ameixa rainha Claudia,
ricamente enfeiladas pelas freirs "de Elvas, pro-
pramente para um delicado mimo, e seus precos
muito razoaveis conforme o tamanho.
COMPRAS.
Vinlio de Collares e Carlaclto.
Vende-so em artcoretos pequeas o especial vi-
nho de Collares e de Cartadio : a tratar no arma-
Compra-se uma casa terrea situada na cida- [ zom da rua do Vigario n. 7.
de nova de Santo Amaro : a tratar na rua Augus-1 vi.li* H n.>. i i
to n. 45. ________________ ,BD0 do Porto e part* ular.
- Compra-se em segunda mao o vadremecnm' K^'^'f n ^a"' G-. fnd2 andar>
homeopalhlco do Dr. sKbino, ou tratado homappa- %^0^?L*ffi^ymh^Poru> en-
thico de Surte : a rallar na rua larga de Rosario J^JJ Sido Vto 7 D *"
Vendem-se compendios de grammatica por-
tugueza de Salvador Henrique de Albuquerquc
decima edicao deste anno, seguida de um pcqueucl
tratado de proposieoes, de uma analvsc 'ogca e
grammatical para exercicio dos estdantes, e de
um apndice que fraz um pequeo discurso sobre
os methodos de ensino primario, c uma disserto-
cao sobre as vanfagens do ensino uma s vez ao
da. Este compendio est approvado pelo conse-
lho director o pelo governo da provincia para uso
das escolas primarias : vendem-se na loja da Boa
Fama rua do Queimado n. 35, a l*cada cxcmplar
cneadernado.
Isto
farinha de mandioca
da presente data. Reciie 30 de outubro de 1863.
Francisco Xavier de Athayde.
ou no pateo do Carmo, sobrado n. 2, primeiro
andar.
Casa para a festa. O Sr. Francisco Pereira Lebrc quera vir.
Aloga-se nma casa no Monteiro e outra na Tor-! a 5?'* ns\?* ft6 a negocio de seu interes-
numero 34.
Compra-se um carro em bom estado, de 4
rodas e com 4*assento : na rua da Cadeia n. 35.'em Baccos grandes, e de superior qualida-
Umpreto de; no armazem de Tasso IrmSos, rua do
Compra-se um preto de 35 a 45 annos de idado- ^'n m n* *
na rua do Crespo n. 17, loja.___________
Compra-se eUectivamente ouro e
obras velhas :
ja de bilhetes.
prata em
na praca da Independencia n. 22 lt-
qufpechincha.
Borzeguns trancezes parahomem a 5, sapates
de couro de lustre com borracha na frente a 4*
sapatos com salto de marroquim dourado e prct<
a 1*500, sapatos de couro a 320 rs., de oleado com
salto a 640, borzeguns para senhora a 3* : na
> rua dos Quarteis n. 22 junto a loja de funileiro.
Batatas
Caixas com dnas arrobas de batatas desembar-
cadas do patacho ilmia da Gloria, hoje, pelo bara-
to preco de 2*500 a caixa : na roa do Amorim n.
43, ou na rua da Hadre do Doos n. 5.
Compra-so cobre, late e chumbo: no arma-
G4L IIG MSBftt
Vendem-se barris com eal des-
ta procedencia, em pedra, chega-
re, defronte da Ponte de Uchoa, onde seenconlra 2f>e tombem o Sr. Francisco Jos Ferrera, o mais zera da bola amarella no oitao da secretaria de po- V" Pr"" m pedra, Chega-
conducd no mnibus para o Recifo; arabas asea- breve 1ue poderem.____________________________ licia, rua do Imperador.___________,____________ da Hoje, e u nica nova, que ha no
sas tem accommodacSes para familia, estad pinto- Pede-se ao Sr. Julio Pereira Matloso quaodo Compram-se barri.juinhas que servram de m*radO, na rua do Trapiche n.
oas de novo, e se dao por procos eoromodos: a vier ao Recifo o favor de apnarecer pa ru larga bolachinha' americana a" 500 rs. cada i
iratar na roa estreita do Rosario n. J8. do Rosario P- 34, botica. j Tavessada rua das Crpes taberna n. 6.
na 13, armazem de Manoel "TeUel-
ra Basti,
Cal de Lisboa e potassa da
Rnssla.
Vende-se na rua da Cadeia do Becife n. 86, para
onde se-mudou o antgo e acreditado deposito da,
mesma rua n. 12, ambos os gneros sao novos e
legtimos, e se vendem a preco mais bjalo do qae
outra qualquer parte.
Charutos.
Vendem-se supa/iores charutos suspiros a 1*200
uros de diversas marcas em
i 6O0?rs. : no deposito da rua Nova

JSr
Ski



"V
Dlnrt rptMuthitc atibado 3* de OiiiMl>r* de t*3.
,*


A &GUIA BRANCA.
Di ra do Quehnado d. 8, receben.
Tnico oriental de Kemp.
Agua florida Murray. & Lanman.
Dita de flor de laranja Gondraj.
Dita de rosasdito.
Bolsas para vlagcns.
Vendem-se na na do Queimado, loja d'Aguia
Branca n. 8.
Volt* pretil*
MARA PlA.
A Agu* Branca recebca as desejadas volta
pretas, mui compridas e gradas._________.__#
V) arnaazean de fazendas bara-
tas de Santos Coelho
RA DO QUEIMADO N. 19 VEN'DE-SE 0 SE-
GUINTE :
Cobertas de chita da India
pelo barato preco de 25000.
Lencos
de panno de linho a 25000.
Lenees
de bramante de linho fino pelo barato prec* dd
35000.
Lencos de cassa
brancos, finos proprios para algibeira pelo barato
preco de 25000 e 25400 a dozia.
Fil liso fino
pelo baratissimo preco de 680 rs. a vara.
Madaaoa fino
pecas de madapolao largo superior pelo baratissi-
mo pree/) de 85000.
Ricas safas
de fustao a 55500.
Pefas de bretanha
de rolo com 10 varas propria para saia a 35200.
Pecas do cambraia
Novas tercos de cornalina, e coral lapida- adamascada para cortinado conr20 varas pelo ba-
do com cruz do prata etc. t Pre?de "gg-. ,, mt
Bonitas pulse.ras brancas de peroiasJal- fino com dM ,mos de ,a lo ^mo preQ0
sas, e outros de chapa de crystal o paco, de 2i300 a vara
com listas douradas. Toalhas aleochoadas
Todo na loja d'Aguia Brtnca. ruado Quei- para roao pelo baratissimo preco de 55000 a du-
ma D* i .hvrinlhns e lucos Atoalhado de linho adamascado
LaftyrMMB e O COS, panana to baratos que o comprador admira. |a- Algodo monslro
Esses labyrinthos e bicos se apphcam a com g palmos de largura pelo baratissimo preco
diversas obras e ins, e sempre com prove- e 15000 a vara,
to por suas forlides e duraco, hoje mais Cortes de calca
do ane nunca, conven a todas as familias de ganga amarella de lista e de quadro fazendasu-
compra-Ios para aproveilarem-se da occa- perior pelo baratissimo preco de 15200 o corte.
Ufo em queelles sao vendidostac.baratos, ^^^^SSZXpSZrtM^v^
que na verdade o comprador admira, e bem de 80rs 0 covado F *"
A 1GUIA BRANCA.
Recebeu por esse ultimo paquete:
Novas carteiras com as excellentes agulhas,
inglezas.
Agulhas parisienses tambem de encllen-
te qualidade.
Trancelins finos de borracha para en-
fiar.
Botes prelos de velludo, maiores e me-
nores para vestido.
Transinhas brancas estreUinhas d'algodo,
para enfeites de vestido.
Escovas cabos demadeira, osso e raadre-
porola para limpar penles.
Pincs para p de arroz.
As lindas Qvetlas com pedras para cintos.
Outras de Gno dourado e esmaltadas.
Outrasde madreperola.
Botutos leques de madreperola com bou-
quet.
Outros leques d'osso com bouquet.
Outros de plumas, com cabos d'osso e
madreperola, e outros finalmente de snda-
lo e pretos.
Peales de borracha, recortados, dourados
e com pedias para meninas e outros de tar-
taruga.
Meias de seda para baptisados.
Lindas louquinhas de fil de linho. cam-
braia esetim, mui bemeneiladas para crian-
cas.
Ligas de seda para senhora, e ditas para
manguitos, 011 meninas.
Uvrinhos para notas
HU
NO .
ABIAZE
DE
O)-
I
>3l1ai H)J) ^llIIIIIiAD'D^aD
IETREXRO VEBDE.
Nesle estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, Umbem se manda fazer por medida, vontade dos concor-
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
horneas e meninos.
GHESS1
so pode dizer que por taes precos nunca
mais haver Os labyrinthos sao de novos
c bonitos desenlies das larguras de quatro
i Idos at mais de um palmo (ou tres a dez
pallegadas) e os limitados precos sao de 1$
a ::> a peca de dez varas, variando estes em
retaceo a largura. A ser em varas haver
mu pequeas differencas, os bicos porm
principiara por mais eslreitos at a maior
largura dos labyrinthos, e os precos sao
igualmente proporcionados. Isso pote, as-
simsim desmonte dito talvez pouca conside-
rado mereca, porm para desengaar e fa-
r.ei' o comprador reconhecer a verdade e a-
preciar o extremo da barateza, necessario
que se dirijan) com dinlieiro; a ra do
QueimadG loja d'Aguia Branca n. 8.
rata econmica.
A aguia branca acaba de receber essa acredita-
da gxaxa econmica, cuja superioridade est ge-
iiheeida ; essa boa graxa se turna
amenda la, tanto porque o calcado lustrado
-ila deixa perfeitamente lustroso ao menos
.tres Jia- sem necessidade de novo unto, tomo
mesara porque sna preparaeio appropriada para
amaciar conservar o raro; ella vem em ekixl-
d'.is o. barrannos, e ac.hn-se venda na ra do
Q-.ieimado n. 8, loja d'aguia branca, aos rezumidos
pretos de WO, 800 e 640 rs.
E*cntes Com. as novas c diversas guarnicoes de
1 ttesque a Vgiiia Branca acaba de rece-
be;-, veio tambem urna pequea qualidade
de pontos de concha que com grapa e acer-
tada ne ile servem para o moderno alado dos
cabellos Ellesso de bonitos c agradareis
moldes, e de tamaito pequenino como con-
tem pan fina que sao. E' esta a primei-
ra vez que d'elles aqui cliegam. por isso
que a moda novissima, pelo que ganha-
ro a palma aquellas senhoras que primei-
ra se apresentarena com ellos, para o que
0^ mand ir 1 comprar na lo;a d'Aguia Bran-
ca, ra du Queimado, n. 8.
Capellas. Hoee e lavas enfelta-
das para aolvas.
?c\o ultimo paquete a Aguia-branca rece-
ben os arligos cima sempre necessarios s
r ivas os qtiaes, segundo seas recommen-
da ie \. mu de mnito gosto, e perfeila-
' I ros.
As cap lias sin de mui moderno c agra-
davel ni' lo, 1! linas flores, e acabadas com
; id 1 o esmtjro : as flores solas sao exire-
i,. 1 delicadas e proprias para enfeites
de vest los e mesmo ornatos de cabeca, sen-
il 1 delgadas vergorfteasde jasmin, cachos de
las, e ouras estimadas flores.
As luvas, porm, apreciada obra de Jou-
qiifl finni eofeiladas pelas mes-
l:is mimosas Sores, pote que
1 1 .1 ni la ili'ixain a desojar.
l.S. |i';.- as i'.i:m'II:is, fli.ies e luvas
11 >j|) 1 !.'i 111 pieza do vestido, for-
! 1 assi'iii H peifeicaa, e elft-
. :i .1 gailiardia Ja candida noiva. Reata
snente orne os pretendemos munidos de
dinlreiro dirijam-se alegre e espacosa lo-
ja d'Aguia-bianca, ra do Queimado n. 8
Ealeailario senaanaes: pelo
preco lodos comprarn.
Sao de summa utilidade esses kalendarios
semanaes, porque mostrara acertadamente
a d ila e dias da semana, sem o continuo tra-'
baldo de bolir nelles diariamente, pelo que
se turnara necessarios e preferiris a todos
os outros; tanto para casas de familias, co-
mo mesmo para qualquer oulra parte, e
principalmente por 500 rs. cada um: na
ra do Queimado, loja d'Aguia-branca, n. 8.
Phosphoros de cera.
Vendem-se a 8*0 rs. a duzia de calxinhas
de phosphoros de cera : na ra do Queima-
do, loja d'Aguia-branca n 8.
Inglezas : Opiata e agua da
Colonia.
A Aguia-branca da ra do Queimado n. 8
acaba de receber a apreciada opiata ingleza,
assim como mu boa agua da Colonia tam-
bem ingleza.
Garrafas com agua da Colonia.
Chegaram novas garrafas coraagua da Co-
lonia para .a loja d'Aguia-branca, ra do
Queimado n. 8.
Haravilha das bellas, novos e
delicados enfeites para ves-
tidos.
V. aprasiyel a aguia branca o ter de avisar a
sna boa freguezia, que acaba de receber pelo pa-
queje franecz aro bello sortimento de enfeites de
maravilha das bellas, os quaes
pa vestido de senhora como para
Sens novissimos c delica-
colhidas (
A
Pecas de cambraia de salpico
lina com 81/2 varas pelo baratissimo preco de 45.
Pecas de cambraia de forr
pelo baratissimo preco de 25200.
Esleir da India
para forro de sala de 4. 5 e 6 palmes de largura.
Casacas de panno preto, 35# e
Sobrecasacas idm, 30)$ e .
Paletos idera e de cores, 250,
200, 15* e......100000
Ditos de casemira, 20*, 150,
300000' CoUetes de fusto e brica bran-
250000 co, 3*600, 3* e .
Seronlas de brim de linho,
20400 e ......
Ditas de algodo, 10600 e.
120> 100 e...... 70000 Camisas de peitos de linho,
Cnegado pelo vapor:
NO para o vigilante, na do Cres-
po n. 9.
At que cliegarain as muito desejadas cascarri-
nas de todas as cores com una litinlia de velludo
no centro, cousa muito elegante para enfeite, assim
como de outras qualidades, e precos muito razoa-
veis : s no vigilante, ra do Crespo, n. 7.
Para dar de raimo.
Chegaram as riquissimas bonecas de todos os
taannos, vestidinhoa ricamenti enfeitados, cada
um em sua caixinha, propriamente para um deli-
cado mimo, por baratissimo preco : s no vigilan-
te, ra do Crespo n. 7.
Para os senhores hachareis.
Chegou tempo a riquissima fita de chamalote
para cartas dos senhores hachareis, assim como
branca, lisa, propria para abrir letras, ou para
sintos : s no vigilante, ra do Crespo n. 7.
Pontea de man ala.
Tambem chegaram os riquissimos pentes do
marrafa com pedrinhas,os lindos pentes de regaco
para meninas, meias de seda e sapatinhos proprios
para baptisados, meias de seda para senhora, filas
de liia para debrum, lita de linho, trangas de la,
de linho a de seda, luvas de seda e pellica, c fio do
Escocia e eamorea, altinetes de cabeca chata, car-
teirinuas com tudas as agulhas precisas para cos-
tura, fivelas. de madreperola esmaltadas de ac
para sintos, flores de todasas qualidades, caixinhas
com pastilhas de perfumara, ahafadores de laa
para senhora, toucas e sapatinhos de laa, pulseiri-
nlias de borracha para segurar manguintos, filas e
cordoes de borracha, sahonetcs redondos, ditos
chamados de familia, pomadas de todas as quali-
dades e dos fabricantes mais afamados, colchetes
pratiados muito finos, retroz de todasas qualidades,
relroz em carretel e em novello, c de meada, de
todas as cores, escovas para (lentes, ditas para rou
pa, ditas para chapeo c ditas para unha, de todos
os precos, c outros mais objectos, que se tornara
enl'ailonho annunciar, e vista dos freguezes pro-
metle-se fazer todo o negocio: s no vigilante, ra
do Crespo n. 7.
\ Ditos de alpaca, 50 e.
Ditos ditos pretos, 90, 70,
' 50 e........
Ditos, de brim e ganga de co-
res, 40500, 40, 30509 e. .
Ditos betico de linho, 60,50 e
Ditos de merino preto de cor-
. d5o, 100, 70 e.....50000
i Calcas de casemira preta, 120
100, 80 e.......
['Ditas de cres, 90,'80e. .
I Ditas do meia casemira de co-
res, 505OO e. .
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordao, 50, 40500 e
Ditas de brim branco o de co-
res, 50, 40500, 40 e .
Ditas de ganga de cores,
I 30500, 30- e.....20500
Cohetes de velludo preto e de
cores, 90 e......
Ditos de casemira preta, 50 e
Ditos de ditas de coros 50
40e........
Ditos de setim preto. .
Ditos de ditos e seda branco,
60 e.......
Ditos de gorgur5o de seda
pretos e de cores, 60, 50 e
20500;
20000
10400
20500
640
60000
30500] 5*, 4*, 3e.
i Ditas de madapolao, 30,
30500, 20500,2*6.....1*600
1 Chapeos de massa, pretos fran-
30060 ceres, 100, 90 e. ". 80500
40000 Ditos de fltro, 50, 4*, 30500 e 2*000
Ditos de sol, de seda, 12*,
110, 7* e......40500
Collarinhos de linho Ano, ulti-
ma moda.......
Sortimento completo de grava-
tas.
Toalhas para rosto, duzia, 110,
90 e........
Atoalhado adamascado de li-
nho vara......1*280
Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....4*000
Lenees de linho.....3*000
Cobertas de chita chineza.. 2*000
Pennasd'aco, as mais superio-
res, a grosa...... 600
Relogios de ouro orizontaes,
900,80* e......70*000
Ditos de prata, galvanizado,
patentes e orisontaes, 400 e
Obras de ouro, adercos, meios
aderecos, pulceiras, rozetas,
aneis e cruzes.
7*000
70000
40000
40000
20500
70000
40000
30500
5*000
MOLHADOS
9 Largo do Carino 9.
Grande sortimento para a festa por menos
10 a 20 por cento do que era otrtra qualquer
parte.
Duarte & C* scientificam aos seus freguezes e ao publico erageral, que acaba de che-
' gar da Europa um socio que faz parte da firma, com um grande e bello sortimento de
molhados por ello escolhidos, os quaes se vendem por menos de lo a 2o por o/0 do que ou-
troi qualquer annunciante, garantindo a boa qualidade e peso de qualquer genero vendido
neste j muito acreditado armazem, e por isso, firmados em que cumprem fielmente o
que promettem, pedem i todos os Srs. dapraca, de engenhos e lavradores, o-favor de
mandarem suas encommendas ou relacoes ao armazem Progressivo, certos de nao terora
em tempo algum occasiao de se arrependerent
Aviso.
Todos os Srs., que comprarem para tornarem a vender, tero, alm da differenca
j publicada, mais 5 por % de abatimento. Os proprietarios tambem garantem o boni
acondicionamento ainda mesmo dos mesmos para o mais alto serto.
5*000
4*000
iALBAPAEEILHA
FUTH^AO DO BOWMAW-RIJA DO
BRITJff M 38o
Este muito acreditado estabelecimento est prvido de um completo sortimento
machinismos proprios do fabrico de assucar, a saber:
Machinas de vapores as mais modernas e mais acreditadas.
Rodas d'agua de ferro com seus pertences.
Moendas e meias moendas de todos os tamaitos.
Rodas dentadas, angulares e de espora.
Taixas de ferro batido e coado.
Boceas de fornalha pelo novo systeraa Wetson.
Alambiques de ferro fundido.
Fornos para cozer farinha.
Moinhos para moer mandioca.
Arados americanos, etc. etc.
df
Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de conta propria, a 800 rs. a libra.
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
56o rs. a libra, e em barril ter abatimen-
to.
dem ingleza em potes de 4 a 16 libras a
800 rs. a libra e o pote separado.
Cha uxim o melhor neste genero, mandado
vir de conta propria, a 2,8oo rs. a libra
dem hysson, grande, muito bom a 2,6oo rs,
a libra.
dem preto, muito fino, a 2,6oo rs. a libra.
dem preto, mais baixo, a 2,ooo rs. a libra.! ,._ ,
Graixa em latas muito nova a 120 rs. a lati-
ldem, verde, miudinho, mais proprioparane- nha, e 1,300 rs. a duzia.
gocio, a l,5oo rs. a libra. I-. .. .4 .
Petxe em latas muito novo : savel, pescada,
Banha de porco refinada muito alva a 46o, curvin, salmo e outras muitas qualidades
rs. a fibra, e era barril se far abatimen- preparados de escabexe, segundo a arte de
Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groza e 2o rs. a
caixinha.
Milho alpista a 160 rs. a Ubra.
Painco a 2oo rs. a libra.
Gomma muito alva para engommar a 80 rs.
a libra, e em arroba se faF abatimento.
Sag muito novo a 28o rs. a libra.
Sbo verdadeiro hespanhol que raras veres
vem ao nosso mercado a 28o rs. a Hbra.
Sabo massa de superior qualidade a 180,
200, e 220 rs. a libra do melhor que ha
m>m$
; ^-
m ESTABELECIMENTO COMMERCIAL
1 ^
DE
CU&flMRh E FilMlljiO DE MEt4ES,|
ito na ra do Brnm n. JO Jnnto
a fnndieo do Sr. Bownam, perteneente a d.jh
Villana Irmo A. C. ai)
. Neste estabelecimento encontrarao os freguezes um completo sortimento ^
de tudo que diz respeito as artes de caldereiro, funileiro, latociro, ferreiro e Sp3
ftmdifo, e os abaixo asssignados que o dirigem, promettem servir a todas as
pessas que se dignarem de os procurar, com promptido, sinceridade e pre-
cos muito rasoaveis. O dito estabelecimento estando montado em ponto ^
) grande, tanto no que diz respeito a pessoal, como cm materia prima, e tendo u^
p5 habis officiaes, pode executar com toda a perfeiejo e seguranca qualquer ^
A, obra tendente as artes cima mencionadas e affoitamente pdem os abaixo as-
fR signados assegurar ao publico que nenhura outro estabelecimento. Ihe pode ^
11 fornecer mais barato e mais perfeito do que elles, visto que recebera de sua ^
propria encommenda todas as materias empregadas em ditas obras.
DE BRISTOL
\: curas mlagrrie&c '5o
i ttiAN ANTICUAS,
EHFEEMIDADES SYPHiUTiCAS,
Erysipelas, Rheumatismo,
Nevralgias, Essorbuto,
ele, ec, etc.,
que tem grangeado e dado o alto re-
lime
Salsaparrilha de Bristol
por todas partes do universo, sao to
somonte devidas
nica Legitima e Original
SALSAPARRILHA DE BRISTOL,
PREPAKADA RXri.CBIVAMESTl POrt
L\mtS & KEMP l)K NOTA YORK,
Mediante a receite do Dr. Ot'C. Butol.
A venda as boticas de Caors 4 Barboza,
ra da Cruz, Joao da C. Bravo & 6., ra
da Madre de Dos.
Cofre tngleas.
Vende-se por com modo prego nm cofre ioglet
provade fogj), cm perfeito estado por ter pouco
nso : na ra Direita n. 84, padaria.
Alambiques simples e continuos de to-, Sinos de 16 libras 8 arrobas.
dos os tamanhos e dimencoes. i Parafuzos de broze e ferro para ro-
Machinas de cobre para destilar e res- das d'agua.
tilar espirito at 40 graos pelos sys- Torneiras de bronze e bronzes para
temas de Logier e Derosne. engenho.
Carapucas e serpenfinas de cobre, e Encanamentos de cobre e chumbo de
estanto, avulsas. todas as grossuras.
Taixas e tachos de cobre para engenlio Bombas para cacimbas, aspirantes e
e refinaco. de repucho.
Paroes de cobre e todos os cobres ne- Bombas para destilaces.
cessarios para o fabrico do assucar. Ditas para regar jardins, hortas e
Cobres para rodas de moer mandioca, capim.
Machinas econmicas para lavar roupa Ditas para navios e barcacas de varias
o melhor possivel. I qualidades e dimencoes.
Cobre em lencol e arrodellas, estanto em barrinha, ebumbo em barra,
lencol e canos de todas as grossuras.
Villana Irmo C.
ERVADO
Hua da Scnzalla \eva n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a 110 rs., idem de Low
Moor libra a 120 rs.
Casaos de ferro
Vendem-se catinos de forro com pollegada de
s CQm! dimetro proprios para encanamentos d'agua, por
SveVwolhos de qualrjuer, Preco ranito barato: na ra Direita d. 84, pa-
;r o bom. Assim, pois, a ,.----------------------------------------.
..JWer dinlieiro, havendo-o, din- Vende-sc nm preto com oficio de pedreiro-
Sl!e s'ftnTsto ao ospacoo e' alegre ninho de 1 de boa condacta : qnem o preteader, dirija-se
iania branca ra do Queimado n. 8, que acharao roa da Aurora, casa de quina onde tem o eeUMe-
aS verdades cima ditas. wat? <* fonileiro. terceiro andar.
DI
XD&tyVItm fi 0XD9 8V(DS
N. 21LARGO DO TERQ0 -N.
O proprietari deste bem sortido armazem de molhados vende os seus gneros j
bem conhecidos de primeira qualidade, e por isso caprichou de escolher, para bem servir
aos seus freguezes, mandando vir a maior parte do seu sortimento, para o que tem pessas
encarregadas para este fim, eos pode vender por menos de 10 a 20 % do que em outra
ualquer parte.
erdadeira genebra de Hollanda em botijas de conta certa a 400 rs.
tdem de laranja em frascos grandes a 1,000 rs. e de Hollanda a 500 rs.
Caixinhas com 8 libras de passas de carnada a 2,400 rs. e a libra a 480 rs.
Velas de espermacete, carnauba e composico a 63o, 44o e 36o rs. a libra e a arroba a
10,000 rs.
Palitos do gaz sem avaria a 2,3oo rs. a groza e 2oo rs. o maco.
Serveja das melhores marcas a 500 rs. a garrafa e a diuia a 5,5oo rs.
Vinho das melhores marcas F. L. P. a 4oo, 5oo e 56o rs. a garrafa e a caada a 9,8oo e
4,000 rs.
Batatas desembarcadas ltimamente a 5o rs. a libra, e a arroba a 2,8oo rs.
Bolachinhas americanas a 2,ooo rs. e 3,5oo rs. a barrica e 2oo rs, a libra.
Azeite doce de Lisboa a 3,ooo rs. o galio, e a 61o rs. a garrafa.
Queijos do reine os mais notos do mercado a 1,80o e 2,000 rs.
Milho alpista o mais limpo que ha a 5,000 rs., a arroba a 160 rs. a Ubra.
Manteiga ingleza perfeitamente flor a 800 e a 720 rs. a libra,
dem franceza, mnito superior, a 560 rs. a libra e em barris a 840 rs. a libra.
Caf do Rio da 1. e 2,1 serte 280 e 320 rs. a libra, e a arroba a 8,800 e 9,000 re.
Coa de primeira e segunda sorte a 2,800 2,5oo e 2,ooo rs. a libra.
Tijolo francez de grande tamanho a 14o rs. cada um, e a lm dos gneros annunciados
ha outros muitos que enfadnbo seria menciona-los: vende-se a-dinheiro vista.
to.
Biscoitos ingleze6 das seguintes marcas:
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travellies
Lunch, Cabin, e outras muitas marcas a
l,4oo rs. a lata.
Bolachinha de soda, especial encommenda, a
2,2oo rs. a lata.
Biscoitoinglez Craknel em latas de 5, 7 e lo
libras a 5,ooo e 6,000 rs. e de l,2oo a
800 rs.' a libra.
Queijos do reino pelo baratissimo preco de
1,6oo, l,8oo e 2,ooo rs., os do ultimo
vapor,
dem prato muito fresco a 64o rs. a libra,
dem londrino muito fresco a 800 rs. a libra.
Vinhos em pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
48o; 56o., e 64o rs. a garafa, e de 3,ooo a
4,5oo rs. a caada'.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa em latas de 1 e mais libras
a 7oo rs. a libra.
Fructas em caldas das seguintes qualidades:
ameixa, rainha Claudia, peras, cerejas,
ginja, pecegos e alperch a 5oo rs. a lata.
Figos em caixinhas de 1 '/arroba e de 8 li-
bras a 8,000, 4,000 e 2,ooo rs, e a 3oors.
a libra.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra, e
em arroba ter abatimento.
Sardinha de Nantes a 32o rs. a latinha.
Toucinho de Lisboa a 4oo rs. a libra eem ar-
roba ter abatimento.
Massa de tomates a 64o rs. a libras.
Pimenla do reino a 3o rs. a libra.
Farinha do Maranho a 14o rs. a libra.
Ceblas a l,2oo rs. o mlho, e a l,ooo rs.
o cento.
Tijollo para limpar facas a 16o rs.
Cerveja das mais acreditadas marcas de
5,ooo a 7,5oo a duzia, e de 5oo a 600 rs.
a garrafa.
Prezunto para fiambre muito fresco e novo
a 800 rs. a libra.
Genebra de laranja a 9oo rs. a frasco.
Chouricas as mais frescas do mercado a
54o rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa,
e lo,5oo rs. a caixa com urna duzia.
Licores francezes das seguintes marcas: A-
nizete de Bordeaux, Plaisir des dames, e
de outras muitas marcas a 10,000 rs. a
duzia, e a l,ooo rs. a garrafa.
Passas muito novas a 5oo rs. a libra e a
8,5oo rs. a caixa. Ha caixas, meias e
quartos.
Peras seccas a 3,ooo rs. a caixa e 800 rs.
a libra.
Bolachinha ingleza a 4oo rs. a libra.
Azeite francez eportugnez refinado a 800 rs.
a garrafa, e 9,ooo rs. a caixa com urna
duzia.
Conservas inglezas das seguintes marcas:
Mixed, Pickes, e ceblas simples a 800 rs.
o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes a 4oo
rs. o pote.
Grao de blco a 16o rs. a libra, e em arroba
ter abatimento.
Vasos inglezes vastos de 4 a 16 librmuitos, a
proprios para deposito de manteiga, doce,
e outro qualquer liquido, de l,oooa 3,ooo
rs. cada nm.
ATTENC40!
Ta
Alem dos geoeros cima annunciados ha um completo sortimento de eomnl, er-
doce, alfazema e outros muitos gneros, que tudo se vende por baratisssimo preco
ILGVELl
A
cozinha, de 1,400 a 2,000 rs. a lata.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado e escolhido pessoalmente por um
dos socios que se acha em Portugal, das
seguintes marcas: Duque, Genuino, Ve-
Iho secco especial, Lagrimas Doces di'
1819, vinho especial D.Pedro V, viaho
velho, Nctar superior de 1833, Duque de
Porto de 1834, vinho do Porto velho su-
perior, Madeira Secca de superior quali-
dade, vinho do Porto superior D. Luiz I
de 1817, Lagrimas do Douro, especial vi-
nho do Porto, de l,ooo a 1.2oors. agar-
rafa e de lo,oooa 12,ooo rs. a caixa com
umaduzia.
dem Bordeaux de di Arenles marcas, garnte-
se a qualidade, a 8,000 rs. acaixa com nina
duzia, e a 7oo rs. a garrafa.
Garrafes com 5 garrafas de vinho do Porto
do Alto Douro a 2,2oo rs. com o gairalao.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira, mais
proprio para a nossa estaco por ser mais
fresco a 2,4oo rs. com o garrafo.
dem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
o garrafo.
Vinho branco o melhor neste genero a 600 rs.
a garrafa e 4,000 rs. a caada.
Velas de spermacete as melhores que ha no
mercado a 600 e 64o rs. o masso, e em
caixa se far um grande abatimento.
dem de carnauba e composico, de 4oo a
3o rs. a libra, e de lo,ooors. a H.ooors.
a arroba.
Caf de Ia e 2* sorte de 8,3oo a 8,600 rs. a
arroba, e de 28o a 32o rs. a libra do me-
lhor.
Arroz da India, Maranho e Carolina a 3,000,
2,8oo e 2ioo rs. a arroba e de loo rs. a
80 rs. a libra.
Frasqueiras de genebra a 0,800 re., e a 5oo
rs. o frasco.
Azeite doce em barril, muito fino a 64o rs.
a garrafa.
Papel grve pautado e liso a 3,5oo rs. a
resma.
Genebra de -Hollanda em botija de conta a
44o rs. a botija.
Champagne das mais a creditadas marcas a
l,ooo rs. a garrafa, e a lo,ooo rs.a duzia
ou gigo.
Alhos a 80 rs. o masso.
Sal refinado a 7o rs. a libra.
Ervilhas francezas e portuguezas a 64o rs.
a lata de urna libra.
Chocolate francez, hespanhol, suisso, e por tu-
guez a 1,00o rs. a libra, e a 28o rs. cada
pao de urna */*
Garrafes vasiosde 5 garrafas at 3 caada.1}
de 5oo at l,3oo rs. rada um.
Ameixas francezas em caixinhas elegantemen-
te enfeitadas, com diversas estampas
no exterior da caixa, de l,5oo a 3,ooors.
cada urna; tambem ha fwticos e hitas de
differentes tamanhos que se tendera por
mdico preco. f
Massas para sopa: macarro, Ulhartm, <
aletria a 48o rs. a libra, e em caixa (9*
far abatimento. /
Doce de goiaba de 4oo a 800 re. o oac
grande.
dem a 2,000 o caixSo grande.
Charutos de todas as marcas e dos melhores
fabricantes da Bahia de 3,ooe a 4,ooo rs.
a caixa.


V
t
iHarl de Pernaaifeiico sahfcad* 81 de Omtul>ro de i88.
i nm
GRANDE ARMAZEM
AE
l vas nuiito novas a l.ooo a libra.
Cistanhas a 2oo rs. a libra,
Pifos a 30 rs, a libra,
Viulio superior da Figueira e Lisboa, a 400,
140. 480 e 500 rs. a garrafa, e a 2,500,
2,700, 3,000 e 3,400 rs. a caada.
Ditas hygienicas e de seguranca a 240 rs.
duzia
-*v Mom engarrafado, das seguintes marcas du-
que do Porto, Feitoria, Nctar, velho secco,' Alpista muito limpo a 160 rs. a libra,
Cltaraisso, c Madeira superior a 8,509 rs. a ,,,,. An '____:. flft ,
duna a 800 rs a rarrafii Gomraa de engomraar a 80 rs. a libra, e
-lu/ia e oo rs. a garrara. fim fS ( a|Toba
dem Bordeaux de diversas marcas a 640 rs. L .. ain ,-..
a garrafa e7,500rs. a caixa oom 12 garrafas. Sa8u mu,l novo *l a 24 rs'a 1,bra-
Mera Muscatel de Setubal a 1,700 rs. a gar- Sab* hesPanho1' a 28 rS- a libr8-
rafa, e 18,000 rs. a duzia.
Garrafoes com 5 garrafas de vinho do Porta,
Lisboa e Figueira a 2,100, 2,200 e 2,300
rs. com o garrafao.
dem hranco muito superior a 500 rs. a garra-
fa e 3,500 rs. a caada.
Garrafoes com 5 garrafas de vinagre a 1, loo rs..
VhNfM superior de Lisboa a 1,400 rs. a ca-
ada e 200 rs. a garrafa.
Velas de spermacete superiores a 580 e 640
rs. o ma^o.
Manteiga ingleza de 1.' qualidade, a 800 rs.
a libra.
dem de 2.1 dita, a 700 rs. a libra.
dem de 3*. dita a 600 rs. a libra.
Mcm t'ranceza, a melhor do mercado a 540 rs.
9 m barril a 500 rs. a libra.
dem ero latas com //i libras a 1,400 rs. a lata.
Banha de porco refinada a 500 rs. a libra.
Queijos Hamengos chegados ltimamente a
2,000 rs. ,
dem prato o melhor que ha neste genero a
700 rs. a libra.
dem do Alantejo muito snpenor a 8oors. a
libra.-
Arroz Carolino e do Maranhao a 2,800 rs. ar-
roba e 100 rs. a libA.
tem massa a 180, 200 e 220 rs. a libra.
Peixe era latas, savel, pescada, e corvina a
1.000 rs. a lata.
Genebra de tiollanda em butijas de conta a
400 rs.
Papel greve
resma.
pautado e liso a 3,400 rs. a
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa.
Champanhe das mais a creditadas marcas
a 10,000 rs. ogigo e l,OuO a garrafa.
Doce de goiaba de 400 a 800 rs. a caixa.
Chocolate portuguez, francez, hespenhol e
suisso de 800 a 1,200 rs. a libra.
Velas de carpanta -* composco a 320 e
*tu rs. a"libra e 9,500 e 10,000 rs. a ar-
roba.
Massas para sopa
400 rs. a libra.
macarrao e talharim a
Charutos dos melhores fabricantes da Ba-
bia 3,800 3,400 3,000 e 2,400 rs. a
caixa.
Cerveja das melhores marcas de 3.000 a
6,000 rs. a duzia.
Biscoitos inglezes de todas as marcas a 1,200
rs. a lata.
Bolaixinhas de soda em latas grandes a 2,000
e 1,800 rs. cada lata.
Massa de tomates em latas de 1 libra a 560
e640 rs.
Amendoas de casca mole a 280 rs. a libra.
<;a\iuliaseom ameixas francezas, de diversos
lmannos al, 200,1,400, l,800e2,100rs.
cada urna. Sardinhas de Nantes muito novas a 340
Frutas em calda, ameixas, rainha Oladia, pe- rs. a lata.
wgos e alpech a 480 rs.
Marmelada de todos os conserveiros de Lisboa
a 600 rs. a libra.
\meixas era latas de 1 '!% e 3 libras a
e 2,400 rs. a lata e 900 rs. a libra.
Cha liuxim o melhor que possivel encontrar
neste genero a 2,700 rs. a libra,
dem hysson muito superior a 2,5oo rs. a
libra.
dem miudiriho a 2,700 rs. a libra
dem preto de qualidade muito fina a 1,800rs.
dem mais inferiora 1,500 rs. a libra.
Genebra de laranja a 900 rs. o frasco e500
es frascos pequeos.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijollo para areiar facas a 140 rs. cada ura.
1.200 Farinha de Maranhao a I40rs. a libra.
' Pimenta da India a 340 rs. a libra.
Erva-doce a 320 rs. a libra.
Palitos para meza a 160 rs. o maco.
Verdadeira farinha de araruta a 500 rs. a
libra.
Frascos com ameixas francezas a 1,400 rs.
cada um.
rs.
('!,(mi cose paios os mais novos que ha no
mercado a 500 rs. a libra.
Cognac inglez a 9oo rs. a garrafa.
mes,
rs. a duzia.
Passas as melhores
rs. a libra.
Prezuntos do Porto a 5oo rs. a libra.
Batatas muito novas em gigos com 38 libras
por l,5oo rs.
Canella da India a l,loo rs. a libra.
Cominho a 6o rs. a libra.
a 7oo rs. o frasco e I Azeitonas de Lisboa muito novas a 1,6oo rs.
a ancoreta.
para, sopa a 6oo rs. a
Marrasquino de Zara
H,ooo rs. a duzia.
Licores francezes, annizete, plaisir des da-
8lc., etc. a 8oo rs. a garrafa e8,5oo Estrelmha e rodinha
libra.
que se encontram a 360 Lfgumes seceos para sopa a 4oo rs. o maro.
Breu louro a 3oo rs. a libra e 8,ooo rs. a
Bolachas inglezas muito novas a 24o rs.
a libra, e 3,5oo rs. a barrica.
Azeite retinado a 8oo rs. a garrafa.
Conservas inglezas de todas as qualidadesa
7:0 rs. o frasco.
arroba.
Papel paulado e
3,ooo, a 4,ooo
liso almaco e de peso de
rs. a resma.
Ervilhas seceos chegadas no ultimo vapor a
2oo rs. a libra.
oioounaepqeisa ajsa jcp
-i; itrs.! e BJioatoi ap mo\J8s so apno 'ajjBd EJjno b ora o 9s-raBpi\|0 saza.t SBjrnra suso
.mluod "oioid ojojeq sibui jod sajauaS sajoqiaui so aptm as anb o gg -a soznjo sbp
i.Mii ni) isissaiSoJd uiazBuiJB ou os anb osa saq|-opuazBj 'sajopei-iod snas so moa ob
-usan Bpoj .101 sajoquas somsaui so opua\ap 'lepejJJe ocu anb opafqo janbjBnb ja.\|o.\op
ui.uiMiiiBm op joabj o aiazeuue aisau jejduioa ra&iepueui anbsajoquas sob apad orasam o
oi'iouiiDOiaqeiso atsap soudojd ogu sopafqo opuarooa orasora eptne 'epaouraroauo jaub
-nb anal ap as-3aJJB3ua .' aiuauneossad opm.v oraoo sopajos raaij or majas 'soABjasa
no oiiKiJJ snas jod iejdtuoo majepueo anb seossad se eJotye a 'sopBuowuara oxreqe soo
-aad sotad apepqenb BJiaraud ap sojauaS sopwaquoo oaq b snas so japna\ opjoqqop
uwi 'sazon3a.il. snas sob JiAJras maq eaed ia\issod joj anb o opm JazBj bjsia oa ajdinas
opuai 'eisissaj8oJd opeuiinouap raazBuxiB opB|ipajoB ojmra op ofjBiaiJdojd o
b o|uo|av oiob* ap 04J|eq op zuj3 ep cim g aj
aa
EB
N. 36, RlIA DAS CRl'ZES N. 36
DO
balrro de Hnnto Antonio.
O proprietario do muito acreditado armazem denominado Progresaste tendo
8empre em vista fazer tudo o que for possivel para bem servir aos seus freguezes, tem j
deliberado vender os seus j bem conbecidos gneros de primeira qualidade pelos precos
abaixo mencionados, e^jjnca s pessoas que mandaren comprar por seus criados ou
escravos, serem to bem servidas como viedopessoalmene; encarrega-se de aviar qualquer
encommenda, ainda mesmo contendo objeetos nao proprios deste estabelecimento. O
mesmo pede aos senhores que mandarem comprar neste armazem o favor de mandaran
devolver qualquer objecto que nao agradar, devendo os mesmos senhores ter toda atten-
co com os seus portadores, fazendo-lhes ver que s no armazem Progressista da ra das
r.rnzes n. 36, que se vendem os melhores gneros por mais barato preco, porque estes
militas vezes olvidam-se e vo outra parte onde os servem de maneira a desagradar este
estabelecimento.
Mustarda preparada, muito nova a 360 rs. o
pote.
Palitos do gaz a 200 rs. a duzia de caixinhas
e 2,100 rs. a grosa.
GRANDE ARMAZEM DE MOLHADOS
DE
:afla8&*mla^^
TODOS
os
v.-tPomN
COMPLETO
SORTIMENTO PE MOLHADOS.
30
ii izvitHv aanwffo
se recebem gneros de conta s^j vende-se em porcao e a reta-
propria e dos melhores esta- ^ lho, aprompta-se com toda a
belecimentos da Europa, ga-
rante-se todo e qualquer ge-
nero comprado neste
ESTABELECIMENTO.
O
H
presteza e exactido qualquer
encommenda dirigida a este
ESTABELECIMENTO.
9 ^
I I
DANA VIUVA !.ECO
BA IMLHPEIUTRIZ 7.
Tem a honra de participar ao respeilavel publico e aos sens freguezes que acaba de receber
um lindo e variado sortimento de objeetos de phantasia para presentes, assim como ventarolas de di-
versas cores c feitio modern, ricas capellas para noivas as melhores que tem vindo ;it lisie cni Por-
ambuco, grande quantiade de agua de colonia, extractos para lenco, banha c oleo para cabellos
tudo em vidros grandes e pequeos muito lindos e variados e por precos diminutos.
Continua a receto por todos os paquetes da Europa luvas de Jouvin brancas pretas e de toths
as eres.
Agua de tingir cabellos de Marquis, ingleza, melanogene, berger etc., etc.
Na mesma casa continua a receber encommendas de cabeleiras para hornern e senhora chino?
trancas, crescente, nsetc, etc.
Correntes para relogios trancelins c tudo quanto diz respeito a arte de cabeleireiro. eorto-se e
friza-se cabellos pelo prec,o de 500 rs.
BiMrtilho.s espartllhos.
Espartilhos regencia privilegiados da fabrica mais afamada de Paris, csses espartilhos sao fri-
tos de tal modo que urna senhora com um deHes ha de ser sempre bem vestida.
Ricas e lindas capeilas para noivas de urna fabrica especial : ra da fmperatriz n. 7.
NOVA EXPOSI0 DE FIEMAS.
Baratissimas que se vendem para apurar di-
0 GALLO CANTA
J sabido que, quandochega o vapor da fcu-
*4
03
imu
mente aos nossos freguezes, advertindo-lhes qne mandem seus portadores, que sero t3o
bem servidos como se vieasem pessoalmente, ist s no Progresao.
Os proprietartos do muito acreditado armazem Progresso fazem sciente ao respeita-:
vel publico e cora especiahdade aos seus amigos e freguezes qne tem resoivido resumir o4t fr^sTniS wJmo e m?
precos dos seus acreditados gneros, como abaixo verSO nlo obstante os pFeoos menciona- do, popelina de qnadrinhos para vestidos de
,., .... senhora a 320 o covado: roa da Imperatriz
dos a vista da qualidade dos gneros e que se prova quanto se deseja servir sattsfatorta- B 56 ^rara.
Sodinhas da Arara a 560 rs.
Vende-se sedinhas de quadrinhos e de Us-
tinhas miudas para vestidos de senhora e
enmasa 560 o covado, laazinhas de qua-
drinhos a 320 o covado, ditas muito finas
transparentes, fazenda chegada neste ultimo
vapor a 400, 300 e 560 rs. o covado, desta
qualidade s tem Arara : ra da Imperatriz
n. 55, de Mendes Guimaraes.
Outra prchinrha na Arara a 210 rs.
Vende-se chitas francezas cores ixas com
pequeo toque de mdfo, porm afianca-se que
logo que se lave fica limpa, padres escuros
Manteiga ingleza perfeitamente flor chegada
no ultimo vapor a 8oo rs. a lihra.
dem de 2.* qualidade a 76o rs. a libra.
dem de 3,* dita a 64o rs. a libra.
dem para tempero a 32o e 4do rs, a libra.
Manteiga franceza a mais nova que ha do mer-
cado a 58o rs. a libra, e em barril ter aba->
timento. r
Banha de porco refinada a 520 rs. a libra.
Vinho em pipa Porto Figueira Lisboa a 4oo,
48o, 5oe, 56o rs. a garrafa, em caada
2,8eo 3,ooo 3,5oo e 4,ooo rs.
dem em barril o mais superior que tem vn-
ao mercado a 6oo rs. a garrafa.
Lag^mas do Douro especial vinho do Porto a
l,ooo agarrafa e a io.ooo a caixa, o preco
nao indea a qualidade d'cste pr^1-'" v"
nho, porm venhamao d-o* tSi01ue a VIS"
tafaz f. !> ** 5cnero constantemente man-
vainos vr de conta propria e por isso po-
demos vender por menos que outro qual-
quer annonciante.
Vinho do Alto Doure das marcas mais acre-
ditadas e especialmente escolhido por um
de nossos socios, como sejam: Camoes, Du-
que, do Porto, D.Luiz, Carcavellos, Cha-
misso di Fimo, Madeira secco, e Feitoria a
9oo rs. a garrafa e 9,ooo rs. a caixa com
12 garrafas.
Garrafoes com especial vinho do Porto con-
tendo 5 garrafas a 2,5oo rs.
Farinha de Maranhao muito alva e cheiroza
a lo rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 32o rs. a libra eaQ.ooo
rs. arreba.
Sardinhas de Nantes a 36o rs. a lato.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. agarrafa e a
4,8oo rs. a caada.
nhpim tn li.i-i .". ii-m-iyi.m i Z' S ^? T a sos freguezes as galanteras de maisgosto c da ul-
da Imperatriz n. 5b, loja de LourenOO thna moda que por elle recebe, como sejam :
Pereira Mendes Guimar5es. Camttoht para senhmas.
Neste grande estabelecimento acha-se um R' grande sortimento de fazendas, tanto para o gjjl^'a p7an sonhoras: s no Vigilante, ra do
matto como para praca, advertindo aos rUimiUuit
seus freguezes que as fazendas tem subido,' Riquissimas cirigolinhas ou gnvatiabas, MOdt
prm nu seu estabelecimento cada vez ven- >cousa de muitogosto, e 6 a primeira vez que rdm-
de mais baratissimo, na loja cima da Arara, Se? ^J f bom gost0 : s J*"
j ra da Imperatriz n. 56. pentes de cmcka.
Principia Arara, cassas organdis a 200 rs. Ha para chegar riquissimas guarnc,es de p u-
Vende-se cassas organdis de quadros, cor tes,de 'indo Ks,. tan, para atar, como para raw-
rafas, por precos razoaveis : sa no v igilanle. rr.a
do Crespo n. 7.
Redes com lacinlios de fila.
Lindas redes pretas c de cores com um lindo Uk-
einho de fita para conservar o cabello, pelo barato
preeo de t#S0O; assim como os novos cnfeltcs pa-
ra eabeca a 35000, 4 e 5000 : s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Ligas.
Riquissimas ligas de seda de bonitas cores a
15300; assim como fita propria para o mesmo cT-
feito a 500 rs. a vara : s no Vigilante, ra (tn
Crespo n. 7.
Luas de Jouvin.
Tambcm chegou c chegam por todos os vapores
grande sortimento de luvas de Jouvin, oude os fre-
guezes podem escolhcr: s no Vigilante, ra do
Crespo n. 37.
ntremelos e babadinhot.
Tambem chegou grande sortimento de ntre-
melos e babadinhos, qne se vendem pelo baratis-
sima pre^o de i600 a pecinha : < no Vigilante.
ra do Crespo n. 7. _^
Fcelas pare oirfo.
Tambcm chegou g":.'.-ue sortimento de lindas li-
i vellas de ac i* las, pelo t.uw preco de 2$ e 23300, dndose a
fii"Hra as mesmas : s uo Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
O GALLO CARTA.
J sabido que o gallo nao podia dei-ar de can-
tar, annunciando a seus numerosos freguezes os
riquissimos pentes, que acaba de rpcchor por esto
ultimo vapor.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e a claros a 24 e 280^s- covado, ditas lim-
pa$, finas, a 320, 360 e 400 rs. o covado;
naJoja da ra da Imperatriz da Arara n. 56,
de Mendes Guimaraes.
i,2oo rs. a caada.
Garrafoes cora 5 garrafas de vinagre de Lis-
boa a l.loo rs.
Champanhe das marcas mais acreditadas a
8 e a lo.ooo rs, o gigo, c a 8oo rs. e a
l.ooo rs. a garrafa.
Serveja preta marca T e XXX- a 6,5oo
7,ooo rs. a duzia, ea6oo rs.^ a **'l> mtofiasTlOOO gravatinha oa"gonha
tambem temos das xru-- marcas para 4, i hAtioyinho nara Pnhnri a i5o ri
e 4 Immii e a 4oo rs. a garrafa., ^m "* Pa.ra m*** a {2UI r,s--
c rn^mm^^- o so na Arara vende-se capinlus bordadas
dem branca Te cobrinhaa5,5oo e 6,ooo rs, para menino a 1^000 cada urna, entre-meios
a duzia e 5oo rs. a garrafa, tambem ha e tiras bordadas para enf. ilar vestidos a
para 4,ooore. a duzia. 1*000 e 16280 a peca; na loja da Arara,
Graxa em latas grandes a l,3oo re. a duzia rua ^ ImP^atrizn- 56-
Arara vende as camisas para senhora *
Vende-se camisas para senboae com goli-
nbas e punhos, com h,tozinho e grvala,
fazenda vin^-i-or este ultimo vapor a 4#500
L uina, golinhascom botozinho e punho
e 12o rs. a lata.
Vassouras do Porto arqueadas de ferro obra
domuita duracaoa 4oo rs. cada urna.
Palifcs de dentes raassos grandes a
e8c .
Paite do gaz a 20 rs. a caixinha. e 2,3oo rs.
a troza,
Gel de Alperche chegada no ultimo vapor
laas de 2 libras a 8oo rs. pechincha.
Cal de
a mais nova do mercado
19, primeiro andar.
Lisboa
na rua do Vigario n.
Vende-se tinta superior para ailar roupa, a
23000, cada garrafa e 13000 as meias garrafas;
na Rua-Velha n. 93. Com una garrafa, urna
familia aila roupa um anno inteiro.
Kedinbas da Arara para senlmras.
Vende-se redinhas para segurar cabello a
15000 rs., enfeites para eabeca de senhora a
l^OOG rs., meias cruas para senhora a 320, Jorge.
llneos de retrozpara meninas a 320 rs s Ug.finn 0
200 rs. |M \raraj rua fja imperatriz n. 56, de Men- DullLU u
des Guimaraes.
Ainda nuis una pechincha na Arai a a 2000 rs.
Vende-se cortes de chitas inglezas a 2^000,
ditas francezas cora um pequeo toque de
Vendem-se
grades de amarello para portas e janellas confor-
me as posturas da cmara, para ver c tratar n;i
travessa do Pocinho n. 49, com o Sr. Manrique
"TSFtEide superior vinh0 Fi"Genbra de Ho,landa arra,5es >m 16 &ar-
raas por 6.5oo rs.
gueira a2,4oors.
dem com 5 garrafas
2,loo rs.
de vinho Lisboa a
Ideniemfrasqueiras a6,3oors.e6,5oo rs. ea
5

Vinho branco de Lisboa proprio para missa'M, uw^t. ^, v.
vindo j enfado ta." 64o 2, "X g'i.'^SS." ^ ^
derflde laranja era frascos grandes verda-
des italiana a 1,000 rs. o frasco.
qif tem vindo ao mercado a 72o e 800
rs, e em caixa aJ.ooo, 8, e 8,2oo rs.
dem em barril muito superior a 5oo rs.
garrafa e a 4,000 e 3,8oo a caada.
Ameixas francezas em caixinhas de 1 % 2 Mart^squino de zara a 72o rs.
e 3 libras elegantemente enfeitadas com ri- Licoi francez de todas as qualidades
cas estampas na caixa exterior a l,3oO'
l,6oo 2,ooo e 2,5oors.
dem em latas de, 1 Vj e 3 libras a I,loo e
2,6oo rs, cada um.
Figos de comadre em bauzinhos de folha
muito proprios para mimo a l,6oo.
dem em caixinhas a l,4oo rs.
dem em caixinhas emticamente lacradas
e muito bem enfeitadas a 1,80o rs.
dem a 2oo rs. a libra.
Passas de carnadas as mais novas que ha no
mercado a 4oo rs. a libra e a 6,000 rs. a
caixa.
armazem de
drogas
Rua do Cabug n. II.
Crui Correia.
da
mdfo, porm afiance que "logo que lave fica Ye* SS:
limpa, vende-se a 25500, cortes de riscadus sa\s& parrilha de Bristol.
suissos^ com 14 covados a 3^000, cortes de Paslltnu assucaradas de Kemp.
cassa de babados e de barras a 2)5000, para Pastilhas vermfugas de Kemp.
acabar, ditos de barras de seda a 35000 rs., SbxdrataSurcU,l de ferrd ''' """^
ditos brancos bordados de groxe enfoitados xarope depurativo d'odoreto de ferro de Cu-..
cora entre-meios a 4*000 : rua da Impera- Xaropc peitoral sedativo de Guy.
triz, loja da Arara n. 56 de Mendes Gui- Pastilhas peitoraet balsmicas de Guy.
mar5p, Pilulas da vida.
liuci'l franciscano (mesclado) para imagens.
Arara vende ronpa feta. injeccao Brow.
Vende-se calcas de meia casimira e de Xarope de citrato de ferro de Chable.
brim a 2(J000 rs., palitos de brins de cores Pilulas contra Mate.
1S5^ ^Tr^000' dt?S ^ ^ SSS&VS parrha de Bailv,
simira a 4^000 e 63000, camisas francezas 1 Xarope alcootico de vellame.
a 15600, 25 e 25500, ditas de linllO de prc-1 Alm destas drogas ha constantemente nm com-
dou-
que se
garafas de vidro brancos a 72o e 800 rs. 8a **& a 35000, seroulas de bramante de pleto sonimonto de tintas, vrate, ourojhra
laleodaoa lAflO/1 dias Hp linhn a 9 ara rar, preparados chunicos e pharmaceuticos <
Vinhl Bordeaux das mdlior^^ vendem por commodos pre^s.
e em duzia a 15400, 25500 e 35: rua da
Imperatriz, loja da Arara n. 56.
Cortes de lia a 35600, -j e 35 rs.
Vende-se ricos cortes de 13a de quadri-
nhos a 35600, 45 e 55 cada corte, s na
^^'StSTried6umasoqiia- Arara; rua da Imperatriz, loja da Arara
Azeh) doce refinado do fabricante Pelanol e
ot-os a 800 rs. a garrafa.
Salmao era latas
800 rs.
ermeticamente lacradas a
Lagostim em latas grandes a l,4oo.
Savel. corvina, cherne, vezugo, peixe espada,
preparados pela primeira arte de cozinha a
a l,3oo rs.
Queijos flamengos chegados no ultimo va-
por a 2,4oo rs.
dem do vapor passado a 2,2oo 2,ooo e
l,8oo, rs.
dem prato do ultimo vapor a 64o rs. alibra.
Doce da casca da goiaba caixes grandes a
600 e 9oo rs.
Chouricas as mais novas que ha no mercado
a 48o rs. a libra.
Chouricas mouras encommenda especial nos-
sa a 5oo rs. alibra.
Prezunto verdadeiro de lamego em calda
de azeite 5oo rs. a libra
Bolaxinha ingleza a mais novas que ha no
mercado a 2,000 rs. a barriquinha com
arroba, e a 24o rs. a libra.
dem de soda de diversas qualidades a 1,400
reis.
dem em latas grandes, proprias para lunche,
com 5 a 6 libras-par 2,4oo rs.
Marmelada imperial do fabricante Abren e
outros conserveiros de Lisboa a 600 rs. a
libra.
Frutas em
Soors.
calda de todas as qualidades a
Ervilhas francezas a 5oo rs. a lata,
dem poxtugue/as a 64o rs. a lata.
Massa de tomate a 64o rs. a libra.
Amendoas confeitadas a 7oo rs. a libra,
dem de casca mole a 28o rs. a libra,
Avelans a 2oo rs. a libra.
lidde a 800 rs. o frasco.
Arara verdadeira a 32o rs. a libra.
Gmala de engommar muito alva a 80 rs.
a.ibra e 2,2oo rs. a arroba.
Sagmuito novo a 24o rs. a libra.
Sevkiha de Franca a 16o rs. a libra.
Sevaja muito nova a 12o rs. a libra e 3,2oo
s.a arroba.
11
Mac.Tao a 32o rs. a libra.
I I
lde e talharim o mais novo que ha no mer-
Afe a 48o rs. a libra.
AlAa a 5oo rs. a libra.
ArJIicarolino a loo rs. a libra e a 2,8o rs.
arroba.
Ideas do Maranhao a 12o rs. a libra, e a
3o a arroba.
Caf,I) Rio o mais superior que se pode de-
sella 32o rs. alibra.
Idela 28o e 3oo rs. a libra e a 8,2oo, 8,4oo
e S,7oo rs.
Vel fie carnauba refinada a 32o rs. alibra,
e jlo,ooo rs. a arroba.
dem e spermacete a 64o rs, a libra.
Choctlate hespanhol e francez a 9oo e l.oeo
rs I libra.
Estrd nha e pevide muito nova a 4oo rs. a
lib e a 2,ooo rs. a caixinha com oito
liti s.
Cha ) rola muito especial chegado neste ul-
vapor de encommenda. particular
no 4 a2,8oo rs. alibra.
dem uxim muito superior a 2,7oo rs. a
lib
dem yssona,2,56o rs. alibra.
dem ysson a 2,000 e 2,2oo rs. a libra.
Idemfreto horaeopathico e muito superior a
2,(Ko rs. a libra,
dem Racional a l,6oo rs. a libra.
Batata nraito novas a 80 rs. a libra.
n. 56.
Arara vende ricas colxas aveludadas a 85000 rs.
Vende-se ricas colxas aveludadas para ca-
ma a 85, ditas de fustao a 55, ditas de da-
masco a 45, cobertas de chita a 2^000 ; rua
da Imperatriz, loja da Arara 11. 56.
Lencos de seda da Arara a 800 rs.
Vende-se lencos de seda fino, um s a
800 e 15000, ditas com franxa a 15500,
chales de merino estampados a 35000, ditos
finos a 55, 65500 e 85, s na Arara; rua da
Imperatriz n. 56.
Baldes de reos americanos a 35000.
Vende-se bales de arcos americanos a 35
35500, 45 e 45500, bales de panno a 35500,
ditos brilhantina a 45, s na Arara vende-
se pecas de madapolSO enfestado fino a 45,
ditas d 14 jardas fino a 55500, 75 e85,
noup
*
Aa rua do Queimado n. 43, esquina qm
volta para a Congregar/o ; pechineha.
l'aletots de casemira a 5, 6, 7. 8, ii o t'ijOOO
ditos de panno preto e azul a 9, 10. ii. 16 o 1^3
ditos sobrecasacos de panno muito fino por SI
285, ditos de alpaca preta e de cordau a 4,8,6e
7,6, calcas de case miras de cores a o. G. 7 1 83000,
ditas pretas a 6.")00, 8, 9 e 103, pateltfl de
e ganga a 23800, :t e 43, caifas e < llcl
toilas as qualidade* e por prego muito haralo, liif-
eoes de puro linho a preco de 2800 e .':^. 1 .
las de chita a 232IO, collarinhiis de tinto pe
600 rs. rada un, c outros muitos objeetos qi
i vista ; o para isso se pede a atteu^ao dos fr.e?
guees.
ESCRAVOS FGIDOS.
iera n esera-
do enrpo,
CAL DE LISBOA
Vende-se a 45000 o barril na rua
n,20.
Apollo

Mil IT lll Anob
Terreno
Vende-se nra no lugar de Maria Simplicia em
Otada: a tratar na rua da Cnuz armazem n. 86.
Sitio para vender.
Vende-se um excellente sitio muito perto de
paca, situado na estrada de Santo Amaro para
Belera, com boa casa de vi venda, muito fresca, ten-
do o sitio excellente baixa para capim e horta cora
Charafcs dos melhores fabricantes da Babia mnftas e boas arvores de fructo : trata-se na rua
todas as marcas, como sejam: sus-, do Gnararapes B. 28.---------------------------
havaneiros, me9seripes, regaifa tm-! _, Vende-se umafcooita eetrava, eom as quah-
_ .___., -mn-o. a rxnn dades proprias para ser apreciada, sabendo en-
flor das maltas, primores a 4,ooo, ^^^ ^^ coser tastoB'to ^^ ^
3,2oo, 3,000, 6 Z,500, 2,500, parecida; tratar na travessa do Paraso sobrade,
2,oob e l,6oo rs. a caixa. i n. 18.
I
Fugio 00 engonhnVnvn de. Muri
vo Joo Magalhaes, de cor preta, secco
barbado, olhos enfamacados, levou roupa azul de
algodao, consta que anda a ganhar na cidade do
Recife : quem o pegar pode enlrega-lo no referido
algodo cncorpado a 45, 45500 e 55000 rs., engenho, ouna rua Nova n. 4i, que ser gratifi-
s na Arara; rua da Imperatriz, loja e ar- f cado.
mazern da Alara n. 56, de Lourenco Perei-
ra Mendes GuimarSes.
Casimiras da Arara.
Vende-se cortes de casimiras escuras a
15600 e 25000, tambem se vende em covado,
1 covado e tres quartas da urna calca a 15
o covado; na loja da Arara.
Arara vende as camhraias de carminaos a 25500
Vende-se pecas de cambraias de caroci-
nhos de cores brancas a 25500 a peca, cam-
braia liza fina a 35 e 35500, ditas para cor-
tinados de 20 varas a 85, ditas de 10 varas
a *5, e 35, cortes de cassa com palmas sol-
tas, com 1 vara de largura a 25, na Arara ;
ras da Imperatriz n. 56.
Fugio a 19 docorrente o mnlatinho Vir-
ginio dos seguintes signaes: cor fula, pare-
ce serviciado por ter o rosto cnxado, olhos
botecados, nariz chato, tem 12 i 14 minos,
baiso, levou roupa de algodo bstanle so-
ja e rota, foi escravo do Sr. Juiio da Silva
Pessa de Siqueira, lavrador do eiigeoho
Jussara dislrieto de Serinliaem, para onde
se julga elle ter ido, assim como foi de uma;
outra vez, por ter ra5e n'essa pnragem, tem
bastante rogtas que pode Iludir, dizewlo
que forro e orphito desde o cholera, por
tonto rogo as autoridades policiaes, caLiil.les
de campo ou a quaesqoer senhores que por
favor o peguem, o levem ou faram sciente
ao seu senlior para o mandar buscar aondei
estiver, que recompensa eom oaue agiade
a quem o pegar, e para isso porrera se di-
rigir i rua nova de Santa Hita ns. 17 j 55,
a Jos Ferreira Cotto._______ ,t
- Fugio do Breio da Madre de Dees
Breginho, no da de utubro do corrente nna,
o escravo Jaiintho^tem 24 a i aos de idad^
rosto comprido, sem barba, estatura regular pe?
irrandcs roga-se a qualquer autoridad.- polinal
on capitao de campo qw e apprehendcr, o fa(* con-
duzir a seu done oie Correia de Anuj >. morador
na menckada villa, oua Francisco Cpulho da Sil-
va, no engenho Guararapes, que ser generosamen-
te recompensado.

ILEGVEL.
1






T
vi
8
Mario de Pernamhtto 8aMwdo 81 de nliibro de I *S.
LITTEBATORA.
0 qae rae pelo mando.
Em seguida damos a concluso do memo-
esperangas que elle fundara nesta combina-
go, e o imperador havia-se expressamente
reservado a sua apreciado segundo o que
julgasse til e conveniente. Nao podia ser
de outra sorte.
O argumento que se pretende tirar da
denominacao d subditos polacos, afim de
randum russo:
Ellas fa/em cahir, entre outras, a asser- applicar egualmere03 hablante? polacos
rao segundo a qual as intences hberaesma- das provincias occidenlaes da Russia a clau-
nifestndas pelo imperador Alexandre I to- sula do artigo primeiro que estipula emseu
ratn Mdo para os oulros goveruos um mo- favor inslituiges representativas e nacio-
liao do reiuo da Polo- nao, inadmissivel. Os Polacos nao for-
mam n'eslas provincias seno um stimo ape-
aia Russia.
Resulta claramente do que precede que
b o'Contrario que verdadeiro; que o im-
perador Alexandre I tem encontrado menos
obstculos se livesse renu7iciado a fa/.er re-
vivr o nome polaco e a nacionalidade pola-
ca, e se livesse limitado a insistir sobre a
questo territorial que o gabinete de Vienna
rameadamente faziapassar em segunda linha,
i a incorporar pura e simplesmenle o duca-
do de Varsovia em seus Estados.
E possivel e provavel. comoj fui afDr-
mado, que o receio de renovar a guerra te-
nlia contribuido em grande parte para esta
idbeso das potencias. Mas este desejo de
preservar a paz era tudo em seu interesse.
Ellas saliiam de vinte e cinco annos de lutas;
eram em grande parte devedras do sen li-
vramento Russia ; sabiam com que peso
esta potencia tinha pesado sobre a guerra e
com que peso anda podia pesar, se a obra
de pacilicaro para a qual tinha lo enrgi-
camente contribuido viesse a ser abalada.
Quanto ao argumento que se pretende
tirar das inlenrcs do imperador Alexandre
I. parece-nos que nao sustenta urna analyse
profunda.
Estas illoses de espirito generoso e as
decpodos que llie estavam reservadas encer-
ram urna til lgo, mas nao podem consti-
tuir um compromisso.
O imperador Alexandre I fez urna ten-
tativa de concilago. Nao foi bem succe-
dido. Parou diante dos obstculos que a
pratica Ihe tinha revelado, demonstrando
que. as instiluicoes com que havia dotado o
reino eram outras tantas armas collocadas
as raaos dos Polacos e de que elles se ser-
virn) para conseguirem o lim de suas chi-
meneas aspirares, isto a reconstituigo
do urna Polonia ndependente em seus mais
ampios limites, custa do desmembramento
1e lies grandes potencias visinhas.
i ftOimMQte. a promessa que elle tinha
feito aos Polacos foi atnrO^da pelo uso que
ellos fizeram de seus dons. "^uerialmente,
o compromisso internacional que tul* con-
trshido, flcoa encerrado nos limites do tra-1
lado de 815.
i Estes limites foram precisados por urna
estipularlo que se passa voluntariamente em
silencio: a que reserva as tres cortes o
regalar as instiluicoes administrativas e na-
cionaes de seus subditos polacos segundo o
modo de existencia que ellas julgarem til e
conveniente concedr-lhes.
i Animado, como o eslava enlo, de in-
tences liberaos que nao se detinham as
fio iteiras do reino da Polonia, o imperador
Alexandre I parece nao ler propriamente
pensado em formular esta reserva. Foi a
sso levado pelos escrpulos do gabinete de
Vienna.
Foram os plenipotenciarios austracos
que, apresentando em conferencia o seu con-
tra-ni ojelo, o acompanharam de observacoes
veroaes que, a pedido do imperador, foram
consignadas sb a forma de um artigo, no
qual se di/.ia que os Polacos sao qualiica-
dns subditos respectivos das altas partes con-
trabales e considerados como taes debaixo
u sua denominacao distncta, e que n'esta
Q'nlidade e segundo as formas de existencia
poltica que cada um dos governos julgar
convenicnle conceder-lhes, obterao insli-
tuiges que assegurem a conservaco de sua
nacionalidade.
Foi esse o germen da reserva estipula-
da mais larde no artigo quarto do tratado
definitivo.
a O pensamenlo que inspirou o impera-
dor Alexandre 1 fcil de deduzr.
Este soberano nunca entendeu dever
fazer revolugo, massim conservago. Es-
ta va convencido que satisfazer aos volos le-
gilimos dos povos por urna administrago
esclarecida e benfica, era desarmar a revo-
lugo.
Quera que a autoridade fosse amada
para ser mellior respeitada. Todos os ac-
tos do imperador Alexandre I tem o cunbo
d'esta convieco.
Mesmo em 1820, quando a sua f na
realisago deste pensamento coinecava a ser
abalada, entretanto que concoma energica-
os mesmos fados de que hoje somos teste- Quanto s instituices polticas, as que o
munlias, Os insurgentes chamavam emeeu imperador Alexandre I conceder ao reino
auxilio as sympalhius da Europa liberal; os da Polonia, produziram resallados sobro os
gabinetes offereceram a sua inlervencao di- quaes a experiencia pronunciou.
plomatica. Foi rejeilada. O imperador Ni- S. M. o imperador Alexandre II outhorgoa
colu eslava firmemente resolvido a domar aos seus subditos do reino da Polonia ins-
a rebellio. Foi reprimida. As potencias oc- tituices representativas e nacionaes, na me-
cidentaes reclamavam contra esta represso dida que elle julgou til e conveniente, se-
em nome do tratado de 1815, e insisliram gundo a experiencia adquirida, em vista do me, tem continuado a engrossar asfileiras alguma a este ultimo ponto, intil "tratar
para que a inslituico polaca fosse restabe- bem estar d'este paiz, dos principios ge- da insurreic5o e a multiplicar o numero das delle. So ao mesmo perlence apreciar oque
pode tocar dgnidade de seu paiz. O que
Os agitadores do remo da Polonia nao aclogeral, como fazendo delle parte, e tendo
teem poupado este meio de arrastar os fra- a mesma forga e o mesmo valor. Fez-se ob-
cos e os indecisos, fazendo-lhes entrever co- servar emfim que o gabinete de Vienna ti-
mo eminente-urna inlervencao activa do es- nha repellido todo o accordo preliminar des-
Irangeiro em favor das suas aspirages as te genero como contrario sua dgnidade.
mais extremas. Esta seduccao de urna par-
te, e a da outra o terrorismo do comit cen- Nao contendo o despacho do Sr. ministro
tral, que nao recua diante de nenhum cri- dos negocios eslrangeiros da Austria allusao
as da populacao.
pois evidente que ahi as nicas ins-
tiluicoes nacionaes sao as da maioria. Alm
d'isso o artigo primeiro do tratado de Vien-
na estabeleceu tao claramente que estas es-
tipulages se applicam exclusivamente ao an-
tigo ducado de Varsovia, com a extenso
interior que o imperador da Russia julgar
conveniente dar-lhc, que ogoverno impe-
rial deve repellir peremploriamente toda a
allusao a provincias que nao fazem parte
d'elle, e esto por conseguinte fora de to-
dos os compromisos internacionaes que se
pode fazer derivar do tratado de Vienna.
Do que precede resulta que, ou se in-
terrogue o espirito, ou se consulte a letlra
do tratado de 1815, impossivel fazer sahir
d'elle outra cu usa que nao sejam os pontos
seguintes:
O reino da Polonia est indssoluvelmen-
te ligado Russia com a extenso interior
que o imperador da Russia julgar conve-
niente dar-lhe.
Os Polacos subditos das tres cortes te-
rao urna representago e instituices nacio-
naes segundo o modo de existencia poltica
que cada um dos governos a que perteoee
julgar til e conveniente conceder-lhes.
Os direilos e os deveres de todas as
parles empenhadas na questo eslao perfei-
tamente limitados pelos termos destas esti-
pulantes.
Os Polacos do reino devem respeitar
os lagos que os prenden Russia.
As potencias estrangeiras tem o dever
de nao fazer cousa alguma papa os enfra-
quecer.
As tres cortes tem a obrigago de
conceder a seus subditos polacos urna re-
presentado e inslituiges nacionaes re-
guladas segundo o seu proprio juizo.
Fis-ahi a posigo que sobresahe dos-
tratados de Vienna.
O imperador Alexandre I julgou til e
conveniente dar a seus subditos polacos do
reino as instituices especificadas na consti-
'i'-o de 1815. Podia julgar til e conve-
niente >"Hti4as de urna outra forma, dar-
lhe- mais ou me.~ ^tenso, contando que
conservassera um earaw representativo
e nacional. Os lermos desta cui.J:..1u.g0
nao eram e nao podiam ser obrigatorios.
t O congresso de Vienna tinha-o pru-
dentemente reconhecido reservando o livre
arbitrio dos soberanos.
O argumento que se tirado fado de
que, segundo o texto do artigo Io, o reino
da Polonia est ligado Russia por sua cons-
tiluico nao c admissivel. D'ahi se con-
cille erradamente que se as potencias nao
tivessem lido em vista urna certa constitu-
cao, ter-se-hiam limitado a dizer que o
reino da Polonia est ligado btssta, sem
Ihe acrescentar as palavras por sua eons-
tituieo.
"Mas alm de que a palavpa constilni-
co nao tinha ent5o o senlido que hoje se
Ihe d, seria mais exacto concluir que se
effeclivamenle as potencias tivessem tido
em vista urna certa coiistituicio, ellas le-
riam tido cuidado de a precisar, pois^ue
teriam devido garanti-la.
As conferencias preleminares que se
invocara nao versaran) seno sobre prin-
cipios geraes ; no versaran, nao podiam
versar sobre detalhes de adminislracao in-
terior ou sobre tal ou tal forma de Gonstitui-
Co, necessariamenle varavel, segundo os
lugares e os lempos. Isto t&ria sido intei-
rainente contrario s ideas-da poca. Ne-
nhum dos tres soberanos o leria admiltido ;
nenhuma potencia estrangeira o lacia pro-
posto.
t A prova que a coastituico. de 1815
foi promulgada perla de seis mesa* depois
do congresso. sem ter sido cormaunicada a
nenhum dos gabinetes. Poder-se-hla acres-
centar que, quando ella foi promulgada,
muilos a julgaram demasiado liberal.
* Nao pode pois haver duvida sobre osta
questo, e ainda mesmo que a houvesse, a
antoridade de Valtel. que qneria que em
caso de duvida a interpretado se faga con-
tra aquello que dictou a ic/, poderia dif-
lecida como um compromisso internacional, [raes de sen governo a respeilo do resto do victimas.
Essa reclamago foi declinada. O governo seu imperio e dos seus compromissos inter-
imperial sustenlou que a rebelliio dos Po- j nacionaes.
lacos tinha despedagado todos os compro- Estas instituices liberaes nao impediram
missos, que a Russia, obrgada a recorrer
guerra, tinha para o futuro todos os d-
reitos que confere a conquista.
a insurreigo; foram, ao contrario, o signal
d'ella.
O fado.do recrutamento que se designa
Esta theoria n5o foi reconhecida pe-1 como cansa do levantamento nao foi seno a
los gabinetes. O governo russo manteve-a.
A discusso internacional nao leve oi-
tro seguimento.
Hoje seria estril voitar a esta discus-
s5o. A questo nao de recriminar sobre
o passado; mas de resolver as difflculda-
des do presente e de preparar um melhor
futuro
Para esle effeito imporlava verificar a
situagSo adual. S. M. o imperador Alexan-
dre II, desde a sua elevago ao tlirono tem
dado irrecusaveis penhores das soas inten-
rxies liberaes e reformadoras. O reino da
Polonia obteve inslituiges marcadas com
este espirito,
8eja qual foro juizo que cere?del-
les se forme, deve cochecer-se : Io quedo-
tam o reino de urna autonoma administra-
tiva, de um governo nacional e de urna re-
presentaeo baseada no principio de elei-
go.
< O imperador da Russia trsava do seu
direilo, tratando a essas inslitoiges os li-
mites que jirfgava convenientes para o bem
do paiz, onde era para desejar o evitar as
tristes experiencias do passado, e para o do
imperio cujo desenvolvimento preparado
peta- sollicitude soberana ctevia fazer-se com
madureza.
Que essas inslituiges constituam um
notavel melhoramenio para- o presente e
abran* para o futuro urna via de pro-
gresso.
Ora este momento que os agitadores
polacos escolheranv para' levantar o estan-
darte de revolta.
Basta-este ponto de partida para dei-
o fia* desta in-
mente para a represso do mov'tmenlo re- ficilmente applicar-se-lhe.
\
volucionario de aples, suggeriu por seus
conselhos ao rei das uas-Sicilias urna cons-
titaielo prudentemente liberal e convidava
os principes italianos a entenderem-se para
adoper, ,'ie principios anlogos no governo
de f*ns oslados.
Com taes vistas, nao podia entrar as
intences do imperador enfraquecer em cou-
sa lignina a antoridade soberana nem na
sua pessa nem na dos outros, o que teria
acontecido se as potencias que possuiam par-
tes da Polonia tivessem sido conslrangidas a
covernar seus subditos polacos segundo
principios que nao teriam julgado compati-
ves com a situago de suas outras posses-
soes.
Estando o reino da Polonia indissoluvel-
mente ligado Russia, como Posen e a Gal-
lina esto irrevogavelmenle ligados Prus-
s.i e Austria, eslas possessoes deviam su-
goitar-se s condiges indispensaveis uni-
dade das tres potencias de que ellas fazem
parte
A Prussia e a Austria tinham exigido
eslas garantas, que o imperador Alexandre
I no podia pensar em recusar-lhes. Tinha-
sc pois limitado a estipular que os subditos
polacos das tres cortes teriam representago
e instituices nacionaes ; contava applica-las
pela sua parle e esperava v-las applicar pe-
los oulros no sentido mais ampio, tinha ex-
pressamente reservado aos tres governos a
faculdade de as regular segundo o modo de
existencias que julgassem til e conveniente
conceder.
t Estas mesmas considerages acham e-
gualmente o seu lugar quanto extenso in-
terior que o imperador Alexandre I se linha
reservado dar ao reino da Polonia. Preten-
der inferir d'ahi urna obrigago seria des-
naturar o carcter das estipulages que, ao
mesmo lempo que testemunhavam intences
generosas attestam pelo contrario quanto
nesta poca se elevava o senlimenlo da dg-
nidade e da independencia soberanas.
Sem duvida que a idea de alargar as
fronteiras do remo da Polonia tinha por um
momento ocenpado o espirito do imperador,
mas a sua realisago dependa do modo co-
mo os Polacos jusliGcassem de sua parte as
O imperador Alexandre I nao preten-
da dictar mais a lei do que entenda sof-
fr-la.
a O que se passou durante os annos que
se seguiram sufficentemente conhecido
Os Polacos nao tinham de modo algum fica-
do satisfeilos com a constituigo concedida
pelo imperador Alexandre I. Elles sonha-
vam a reconstituigo e a independencia da
Polonia nos seus amigos limites As suas
dietas ollereciam um carcter lao faccioso
que se tinha devido adia-las, e as socieda-
des secretas mullplicavam-se. Ccnsura-se
ao governo do imperador Alexandre I oler
restringido pouco a pouco o exercicio dos
direitos polticos que tinha outborgado aos
Polacos.
E' certo que as agitages da Europa
depois do anno de 1820 tinham profunda-
mente desilluddo este soberano. E' possi-
vel que a novidade dos principios constitu-
cionaes e das lulas de tribuna, que disso
sao a consequencia ordinaria, tenbam pro-
duzido urna viva impresso sobre o seu es-
pirito, sobreludo pelo contraste que ellas
formavam com o rgimen subsistente no
nir claramente a causa e
surreigo.
Entretanto as tres corles de Inglaterra,
de Franga e da Austria agitaram-se com as
desordens do reino d"a Polonia em nome
destratados de Vienna e da seguranga da
Europa. Cmbinaram-se para dirigir ao
governo russo represenlages e exprimir-
Ihe o voto de orna promplaeduradsura pa-
O gab.neV....r .^ ^erm eKe de.
sejode um accordo e constan.. ,._. ,^m
cade ideas amigareis sobre a base e'ali-
mites do tratad de 1815.
As propostas cnnciliadbras que fez em
resposta s propeetas das tres cortes encon-
traram- todava objeeges- consignadas- nos
seus ltimos despachos, qae suggerenv as
obsenages seguinles:
I.Observou-so que se o respeito aa
autoridade a cendicao indispensavel dacm-
fianga e da legalidade, seria um erro crir
que se possa restaurar o- respeito da auto-
ridade s pela for?a das armas, sem fte
accrescentar urna seguranea correspondet-
te pelos direitos polticos e religioso* de
subditos-.
O gabinete imperial sempre parilhcu
d'essas convieges. S. M. o imperador bu.-
coa Uto pouco s> na-Toreadas armas as-cnh
diges do respeito da sua. auloridade qe
espontzneamenle dotou o reino da Polona
de inslrtuiges qae Ihe concediam urna au-
nomia administrrfiva beseada sobre o pril-
cipio representativo e eledivo. S. M. av
nunciou altamente a sua intengo de-as maf-
ter e desenvolver..
Ora. eslas instituices foram precisamene
o signal da insurreigo, que ahi mesmo d-
-.ontrou armas para se organisar e propaga
D'isto resulla evidentemente queomal resit,
nao as intences attribuidas ao governo le
se limitar ao emprego da forca, nemw
ausencia de seguranga legitima pelos sbi-
tos, mas na agitaco moral e insensatas Ji-
pi rages enlrettdas no paiz pela conspirado
permanente ckv exterior. Estes motivos il-
pediram a applicago das reformas eeHy
gados por S. M. o imperador. Os rebeles
polacos, que querem a independencia cc-
pleta e os limites de 1772, nao se contn-
tam com essas inslituiges, nem tambm
eom os seis pontos indicados pelas tres or-
tes. Declaram-no altamente.
E' pois indispensaitel antes de- tudo qil a
rebellio seja domada e o respeito da aiiv-
ridade restabelecido. Nao ha governo la
Europa que tenha procedido de outro p-
do, nem um que tenha admiltido a possii-
lidade de urna concessao diante da re^la
armada. A historia de touos os Estadptfe
mesmo a das potencias que hoje se diriflm
Russia, offerece numerosos e rcenless-
temunhos d'isso.
II.A assergo do governo russo, q
insurreigo do reino da Polonia entr
pela assistencia material e animago
do exterior, foi objecto de urna r'efut
tendente a provar que o principal obla-
culo ao restabelecimenlo da ordem na Po-
lonia provm do governo russo nao ter c|n-
prido as promessas que a imperatrz Ctita-
rina II em 1772, e o imperador Alexanfe I
em 1815, haviam feito aos Polacos, qunto
manuiengo da sua religio e dos seu di-
reilos polticos, a urna representago e a
urna administrago nacionaes. Nao pele-
mos comprehender em que bases se poia
a assergo que t durante um grande nme-
sua consequencia
As tres potencias que se dirigcm ao go-
verno russo teem bastantes meios de infor-
mages para saber que o movimento polaco
era fomentado havia muito lempo pela emi-
grago, que nao esperava seno urna occasio
favoravel e que principalmente dous annos
antes da medida do recrutamenlo tudo se
preparava para o fa/.er rebentar. A medi-
da do recrutamenlo, que nao foi urna vio-
lago da lei, mas a applicago do antgo uso
que a nova. lei ainda nao tinha definitiva-
mente substituido, nao havia tido por fim
seno fruslar e desarmar essas maehina-
ces. Pode servir de pretexto insurreigo,
mas seria inexacto sustentar que foi a causa
riel la.
III. A causa mais profunda e mais in-
veterada. Reside em parte nae sympa-
thiasqueem Inglaterra em Franga, na Prussia,
era Italia, em Hespanlw, em Portugal, na
Suecia, na Dinamarca, por toda a parte em
que ha urna administrago ndependente,
se notam como tendo sido maifestadas aos
Polacos ainda que com prudencia e re-
serva.
Sem desconhecer que esses- testemunhos
foram o resultado de urna acgo diplom-
tica mnito instante, e que a prudencia e a
reserva que os carederisam teem sido leva-
das por muitos governos ao ponto de nao
excederem a medida, de um voto de huma-
nidade acompanhado de segunangas de con-
fianga para com o governo de S. M. o im-
perador, nao se poderia contestar que teem
exercido urna lamentavel influencia no reino
da Polonia.
IV. Tenwe procurado explica-lo por dif-
ferentes molimos. Pretendeu-se estabele-
cer urna distinego entre os esorgos de
um povo defendendo a sua nacionalidade,
fazendo apepli a ludo oque ha de mais ele-
vado no coracjfo dos homens, s ideas de
justica, de patria e de religio, e a3~aspra-
c'es desordenadas de espirites doenes, ata-
cando as propriis bases da ordem social.
Fez-se observar de outro fado quo t nos ca-
sos d'esta especie nao ha smente dous par-
tidos: isto o governo oceupado em re-
certo que o gabinete imperial, propon lo
a idea de um accordo das tres corles limitro-
phes, segundo precedentes histricos, nao
pode ser suspeilo de ler querido altenlar
contra a dgnidade de ninguem. De mais
basta que o governo austraco tenha julgado
um tal accordo incompativel com as novas
ligages que contrahiu.
Quanlo ao fundo da questo, o/governo
russo nao leve outro fim seno recordar a
distinego profunda estabelecida pelos pre-
cedentes do congresso de Vienna entre os
principios geraes que interessam a Eoropa e
as quesies interiores .do dominio exclusivo
dos eslados limitrojjes. Estes estados, pos-
suindo cada um partes da antiga Polonia,
poderiam derrogar o seu direilo de sobera-
na, combinando-se afim de eslabelecer urna
certa harmona entre as suas possessoes po-
lacas, segundo os principios geraes estabe-
lecidos pelo congresso ; mas nao teriar con-
sentido nunca em alienar estes direilos-de
soberana as mos da Europa.
Esta distinceao resulta claramente das es-
tiputaces de 1815 Se n'essa poca os tra-
tados separados concluidos entre as tres cor-
tes nao versaram seno sobre questes de
commercio, de navegaco, de alagem, etc ,
etc., porque essas questes eram sos as de
que se tratava. Comtudo deve-se registrar
que esses pontos de detalhe nao eram sem
importancia. As questes de fronteira, por
exemplo, tinham urna significado mui gra-
ve; Os tratados celebrados entre as tres cor-
tes em 1818 e 1825-, sobre as alfandegas, a
exrradigo dos desertores, etc., etc., tinham
um certo valor poltico. Finalmente os tra-
tados concluidos entre ellas em 1833, e mais
tarde'em 1846', a respeito do es!ado livre
de Cracovia, eram aindamis serios. E com-
As potencias foram assim levadas, sem o
querer, a trabalhar direclamente contra o
fim a que tinham em vista.
Em quanto que pediam ao governo russo
urna prompla pacificago do reino da Polo-
nia, a sua acgo diplomtica, explorada e
desnaturada pelos chefes da rebellio, tor-
nou-se o principal obstculo do restabeleci-
mento da tranqiiilh'dade, favorecendo as ten-
tativas empregadas para privar o governo
russo do concurso das massas.
Por consequencia em vez de se afrmr
que o auxilio moral e material do exterior
pouco influira na insurreigo, se o sent-
mento geral nao tivesse sido alienado Rus-
sia, seria mais exacto reconhecer, que o
senlimenlo publico nao teria sido induzido
ao erro sem o crdito moral que os insur-
gentes tiravam da altitude e ntervengo di-
plomtica das potencias.
Esta influencia incontestavel. Revela-
se claramente pelas fTucluages que se mani-
festam na disposigo dos espiritos no reino,
segundo o que a situago diplomtica no ex-
terior parece favorecer ou desalentar as es-
perangas da revolugo. Manifesta-se mais
claramente ainda hoje que as massas, de>
senganadas, fatigadas das desordens, dos cri-
mes e do terrorismo do comit central, les-
temunham cada vez mais a sua averso pa-
ra com' estes inimigos do socego publico.
Nao se pode pois davidar que o-problema
que agita o reino da Polonia, preoecupa
Russia e inferessa Europa, estara bem per-
to da solugo no dia em- que a attihide e a
linguagem das potencias que nao querem ou-
tra cousa mais do que o bem do reino, a
paz ea seguranga da Europa, forem calcula-
das de modo aatlestar aosolhos dos Polacos I tudo todos estes-tratados foram concluidos,
que ellas nao pretendem favorecer o sonho sem que n'elles tmassem parte os signata-
pre urna grande massa fluctan te que .
inleirainente satsfeita vendo as pessoas e a
propriedad seguras sob urna adminislracao
justa e benfica.
Do-momento enrque os-insurgentes pola-
cos que saqueara, euforcaia,assassnam, tor-
turara, assolam e-aterrar o seu paiz, fossem
considerados como defendendo o que ha de
mais- sagrado no corago dos homens, as
ideas-de patria, de nacionalidade e de reli-
gio> seria perfaitamente intil discutir so-
bre as- noges de direilo fundadas nos trata-
dos. Nao haveria mais que urna questo
de torga entre os governos que possuem po-
puraoes de raeas e religies differentes, e
os povos aspirando a deserabaragar-se de to-
dos- os lacos creados pela historia e pelos
tratados. Seria tornar a fazer a cantado
mundo em nome de principios novos intei-
ramenle e que escapara a toda a apreciago,
porque nao passaram pela prova da expe-
riencia.
Quanto distinego estabelecida entre os
perturbadores do repouso publico e as mas-
sas que vivsm do descango e de tcabalho e
sao conservadoras por essencia, perfeila-
mente justo
O governo russo- contou precisamente
e conta ainda com essa grande taassa- flue-
tuante para tornar a trazer o reino da Polo-
nia s condiges de ordem e de iranquilidade
indispensaveis sua posteridade e appli-
cago de reformas uteis. Mas tambera, l
precisamente que os seus es&rgos teem si-
do paralysados por influencia exteriores.
Era impossivel que nao causasse impres-
so vr-se que os governos que nao podiam
ser suspeitos. de favarecer a revolufo se
sentissem levados a sustentar a mesma causa
que os seus orgos os mais acreditados e seus
mais ardentes coripheus: que os governos
partidarios da manutenco do equilibrio eu-
ropeu, fundado nos tratados de 1815, e que
tomam o texto d'estes tratados por ponto,
de partida da sua intervengo diplomtica,.'
se vissem impelldos a delender a mesma
causa que defendera os insurgentes polacos,
e o partido da revolugo cosmopolita que
sonha muito alto com o restabelecimento
de urna Polonia ndependente nos limites de
1772, e um transtorno da Europa, isto. a
negago o a destruigo do estado de cousas
fundado pelos tratados. Estas anomalas
deviam necessariamente tancar a perturba-
go nos espiritos j sobre-excitados pela evo-
cago de lembrangas de independencia na-
cional sempre facis de despertar, e contri-
buirn) para que se acreditasse na illuso
de urna cruzada de quasi todas as potencias
da reconstruego-de urna grande Polonia n-
dependente, cuja realisago nao pode effec-
tuar-se seno pelo desmembramento de- tres
grandes estados e custa de urna cenflagra-
go geral; que ellas pretendem mantr a
orden* de cousas fundada nos-tratados, e-qne
os Polacos nao devem esperar a sua prospe-
ridade nacional seno de sua unio indissolu-
vel coma Russia sob um monarcha justoe
benvolo, da applroago e do jego regular das
instituices que Ibes foram outhorgadas, do
desenvoFvimento progressivo que o soberano
fez presentir, e do qual todos os actos de
seu reinado e tendencias actuaos de seu go-
verno e de seu povo offerecem um perrhor
eguro.
V.jl <"-' -oitar a fallar sobre a amnis-
ta e a 3uspensodast)0siii-.c...~,v,a Unham
sido proposlas pelas tres cortes. Aflirma-
se que asospensodas hostilidades nao era
impraticavel; que um grande paiz nao po-
de empregar a sua dgnidade em prolongar
urna lula desigual:; que os mais encarniga-
dos adversarios da Russia nao teriam ousa-
do violar o armi*ticio; que- a experiencia
mereca ser tentada e teria honrado aquelles
que a tivessem tentado; finalmente, que
urna amnista subordinada s conveniencias
polticas do governo russo nao poda influir
as tisposiges dos Polacos,, como o atiesta e
pouco effeito da ultima amnista. >
Basta certificar que se pode ser da difi-
reme opinio sobre questes de dgnidade,
masque cada governo eleve ser nico juiz da
sua* Ainda mesmo quando os insurgentes
polacos nao Tioiassem o armisticio segura-
mente se teriam aproveitado delle para com-
pletar o seu, armamento e a sua organisaco.
Um governo tem milita responsabilidades
para que ponha a sua.honra era experiencias
que nao trariam era resultado seno a pro-
longaco das lulas deploraveis, em que corre
um sangue demasiado precioso para ser
desperdigado.
Quanto a urna amnista, se aquella que
foi espontneamente concedida pelo impe-
rador nao. influiu sobre as disposiges dos
Polacos, porque havia de produzir mais ef-
feito a amnista proposta ? Se porque ella
teria. sido ofterecida e garantida por poten-
cias, estrangeiras, deve-se reconhecer que o
governo russo eslava no seu direilo, prefe-
rindo subordina-las antes a suas proprias
conveniencias polticas do que as do exte-
mor.
VI Quanlo conferencia, aflirma-se
que desde o momento em que o govecno
russo admitte o direito de interpretago das
potencias signatarias de um tratado, deve
tambera admillir que estas potencias tem o
direilo de se reunir para o exercer. Tudo
quanto se conceda a seu livre arbitrio em
semelhante materia, o fado material que
a sua recusa de tomar parte em urna tal
reunio a tornara impossivel.
resto do imperio Admitlindo porm essas ro de annos a religio dos Polacos foi ata-
impresses, que alm disso se produziam' cada >
ento em todos os estados da Europa e com- Ha quasi evidentemente urna aprecigo
plicavam por toda a parte as relages enlre, inexata dos fados. No reino da Poloiia a
os governos eos povos, impossivel des- religio dominante, que o catholicimo,
conhecer dous fados; gosa de urna liberdade cuja equivalente* po-
< O primeiro, que, apesar das suas! deriam offerecer poucos.Estados na Eu >pa.
collises interiores, o reino da Polonia go-! Esta liberdade nao se re'tam seno nos mi-
sou de 1815 1825 de urna Iranquilidade tes era que ella degenerava era propag ida.
k


ros da acta geral de Vienna.
Esta, distinego fundamental appliea-se
perfeitamente situago actual.
Hoje'os principios posto* pela acia geral
de Vienna nao eslo em questo, pois que,
por urna parte, as tres potencias que lize-
ram represenlages acerca da Polonia toma-
ram per base as eslipulagoes.de 1815, e por
outra parte, o gabinete russe declarou que-
rer respeitar estas-estipulages.
Nao se trata, pois seno de applica-las,
mas, E-esse ponto toca-se cm questes inti-
mas, que os tres eslados limitrophes sem-
pre consideraran! como do-dominio de sua
soberana e de sua competencia exclusiva.
Em fesumo, se do dominio oas disstrta-
goes ae-t|op passar para o terreno da pra-
lica, o nico em-que se podor resolver um
problema to grave, resbjl* d'ahi que as tres
corles desejam que o reino da Polonia volle
s condiges de urna paz doradoura ; 6 csse
tambero o voto constante e o mais caro do
imperador da Russia.
As tres cortes declararam querer procu-
rar os meios para esse resultado nos limites
dos-compromissos de 18J6. O imperador
da, Russia declara-se decidido a manier es-
ses compromissos em toda a sua extenso.
Para satisfazer a isto. S-. M. eoncedeu ;'.
Polonia inslituiges que descangam no prin-
cipio de autonoma administrativa e de urna,
representago por via de eleiges.
Mantem essas instituiges e reserva-sepa-
ra desenvolv-las.
Da sua-parte, as tres curtes recommen-
daram.como podendo contribuir para a pa-
cificago do reino da Polonia, seis poatos, a
maior parte dos quaes existem j, e outros.
esto era via de preparago ou na direego
das vistas do imperador da Russia e dos
desenvolvimenlos que S. M. fez presentir.
Mas ao mesmo lempo pensara as Ues cor-
tes que a applicagao deslas medidas deveria
ser immediata, e asseguraria o restabeleci-
mento da ordem e da tranquillidade do
reino.
O governo russo ao contraro de opi-
nio que, segundo a experiencia adquirida,
essas medidas nao podem ser applicadas cm
presenga da insurreigo armada, que devem
ser precedidas do restabelecimenjo da or-
dem, e que, para ser eflicazes, devem ema-
nar direclamente do poder soberano, na ple-
nitude da sua forga e da sua liberdade, posta
de parle toda a presso dipomalica e eslran-
geira.
Eis os matizes que separam as opinicSv
e prosperdade que nunca conhecera
O segundo, que os Polacos flzeram hbigo, as nicas restriegues postas
um triste uso das liberdades que Ihes ti-'liberdade do culto-calholico sao as
Alm d'este inleresse de urna legitima )to-
ena
illas
nham sido outhorgadas e lestemunharam o
mesmo espirito faccioso que os tinha con-
ducido perda da sua independencia poli-
tica.
Sobreveio a revolugo franceza de 1830
A influencia que leve na Polonia altesta urna
verdade, que nao a Polonia que pertur-
ba a seguranga da Europa ; mas a situago
da Europa que sempre reagiu sobre a tran-
quillidade da Polonia.
< Quando a insurreigo rebentou no rei-
no, viram-se produzir pouco mais ou menos
em quasi todos os Estados da Europa^
mo n'aquelles onde a religio cathe
a religio do Estado.
Essas restrieges, que figuram em
todas as concordatas, teem por fim lir
jurisdieco espiritual e as relages di
com a corte de Roma. Sao motivada!
carcter de soberana temporal inherel
passado, % que nao permitte a nenhuf
Serano admitlir que os seus subditos
achar-se collocados sob a auloridade
soberano estrangeiro,
Se se tivesse tratado de fazer modiiea-
ges fundamentaes nos principios estabeleci-
dos no tratado de Vienna, fra de duvida
quo o congresso deveria conhecer deltas;
mas nao se tralava seno da applicagao des-
da Europa para attingir um fim diametral- les principios, e impossivel desconhecer
mente opposto aos interesses e s vistas d'es- que toda a discnsso a este respeito teria
sas potencias. I tocado as mais intimas particularidades da
Esta illuso influiu precisamente sobre a administrago. Teria sido necessaro deter-
grane maste flaclwtnte que por toda a par- minar o carcter que conslitue inslituiges
te repugna desordeno, e que o meio s5o nacionaes, o modo e gru de representago,
e solido sobre o quat um governo justo e es-. a competencia de assemblas representati-
clarecido pode assentar a prosperdade de vas, o censo eletoral. etc.. etc. Nao se po-
um paiz pela applicagao de medidas destina- dem imaginar questes mais delicadas nem
das a garantir a seguranga das pessas e das ingerencia mais directa. Um governo que a
propriedades. | livesse acceitado, teria virtualraente abdca-
Esta massa nao ignora que s pode obtr do a sua autoridade as mos da conferencia,
estas garantas da auloridade do governo, e A proposta que Ihe substituiu o governo
nao de poderes anarchicos, que se disputara! russo, a de um accordo das tres cortes limi-
o direilo de roubar e opprimir o paiz, e por trophes, cujo resultado seria levado aoconhe-
isso em nenhuma parte, com raras excep- i cimento das potencias signatarias do tratado
ges, tem favorecido a desordenv, a nao ser de 18I5, nao parece ter sido bem compre-
conslrangida pela forga, pelos supplicios e
pelo terror. Esta massa, portanto, o se-
r sempre o firme apoio do governo russo,
apesar da presso revolucionaria que sobre
ella pesa.
Porm ha n'esta massa espiritos tmidos
ou crdulos, que e fcil desvarar, e sobre
os quaes as excitages exteriores, asprovo-
cages da imprensa, e sobretu lo os commen-
tarios propagados acerca da altitude diplo-
um I ntatica e das intenges das potencias aslran-
jgeiras, devem necessariamente influir.
Mas esses matizes nao parecem de nato
reza para motivar urna serie de senfjmenfo
entre os gabinetes e ainda menos para per-
turbar a paz da Europa.
Nao podoriam lomar esse carcter se nao
se deixasse desenvolver o plano evidente dos
fautores da revolugo polaca, que, de um la-
do, pesam sobre a opinio publica da Euro-
pa pelo espectculo de urna lula, cujas cala-
midades se empenharam era multiplicar e
aggravar, em quanto que, de outro lado,
prolongando a desorden, tiram ao governo
russo a possiblidade de adoptar e de appl^
car medidas de pacificago moral, que res-
ponderan! s suas proprias intenges au
menos do que aos desejos dos gabinetes e
aos sentimontos da opinio publica.
Nao haveria lugar para receiar urna se-
melhante tolerancia seno da parte das po-
tencias que estivessem determinadas a pro-
seguir, sob a apparencia de urna acgo di-
plomtica, nos limites dos compromissos in-
ternacionaes, a realisago dos mais extremos
votos da revolugo polaca, encaminhada
hendida. Pretendeu-se que ella se aparta-
va dos precedentes de 1815, que ento as
potencias careciam precisamente da base destruigao dos tratados e do equilibrio eu-
desses tratados, que sao hoje o pooto de par-1 ropeu
tida de sua acgo diplomtica. Recordou-se
que os tratados particulares concluidos nesta
poca entre as tres cortes nao tinham versa-
do seno sobre questes de de^lhe, de com-
NSo se poderia esperar isto evidentemen-
te da parte dos gabinetes, que teem interes-
se na manutengo deste equilibrio, e que
mercio. de nave'gago, de cairirmo; de ala- leem tomado para base da sua inlervencao a
gem, etc., etc.. etc. : e que, alm disto, as escrupulosa execucao dos tratados de 1815.
estipulages desles tratados separados t- ___________________________________
nham sido eomprehendidos finalmente no pernamwco. typ. ue m. f. f. & fu.ho


i
D.-
__u
MUTILADO,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E5FRSOZ6K_7V9CTG INGEST_TIME 2013-08-27T23:42:16Z PACKAGE AA00011611_10230
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES