Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10229


This item is only available as the following downloads:


Full Text
r
M
)\
//
-\
\
\
AMO XXXIX NUMERO 249.
Por tres mezes adiantados 5$000
Por tres mezes vencidos 6KU00
SEXTi FEIM 30 DE OUTUBRO BE 1863.
Por anno adiatado.....198000
Porte para o subscriptor. 3$00U
DIARIO DE
ENCARREGDOS DA SL'BSCRIPgO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima'
Natal', o Sr. Antonio Marques da Silva; Araraty.
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos do
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinhciro i C; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGDOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL
Alagas. o Sr. C.landino Falcad Dias; Bahia, o
fr. Jos Marlins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
-reir Martin.- & Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu", Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Antao, Grvala, Bezerros, Bonito, Careara",
Allinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limooiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu", Cabrob,
Boa Vista, Ourieurv e Exu' as quartas feiras.
Serrahen, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
Ilha de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao Vi din.
EPHEMERIDES DO MEZ DE OUTUBRO.
4 Quarto ming. as 3 h., 36 m. e 8s. da m.
12 La nova as 3 h., 17 m. e 2 s. da t.
19 Quarto cresc. as 4 h., 40 m. e 32 s. da-1
26 La cheia as 3 h., 30 m. e 20 s. da t.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 4 horas e 30 minutos da tarde.
Segunda as 4 eras e 54 minutos da manha.
PABTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagas a 5 e 25; para a norte at
a Granja 7 e 22 de cada mez; para Fumando nos
dias 14 dos mezes dejan, marg., niaio, jal, set. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipucos s 6 >/,.7, 7 /?, 8 e
8 >/2 da m.; de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao s 6 '/i da m.; do Caxang e Vanea s 7
da m.; de Bemlicas8 dam.
Do Recife : para o Apipucos s 3 '/*. 4, 4 >/,, 4 A,
5, 5 'A. S /2 e 6 da tarde; para laida s 7 da
manha e 4 Vi da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
de ; para Cachang e Vanea s 4 V da tarde; para
Bemfica s 4 da Urde.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do eommercio: segundas e quintas.
Relacao: terca* e sabbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Juizo do eommercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : torgas e sextas ao me
dia.
Segunda varado civel: quartas e sabbados a 1 hora]
da tarde.
DIAS DA SEMANA.
26. Segunda. Ss. Evaristo e Florio mm.
27. Terca. S. Elesbo nnp. da Ethyopia.
28. Quarta. Ss. Situaoe Judas Thadeo apps.
29. Quinto. S. Euzehiav. m.; a b. Remvinda.
30. Sexta. S. Heduviges duq. da Polonia viuva
31. Sabbado. S. Quintino m.; S. Lucilla v. m.
1. Domingo. S. Osario diac.; S. Benigno prest.
ASSIGNA-SE
no Recife, em a livraria da praca da Independencr.
ns. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Figueiroa d
Faria & Filho.
PARTE QFFICIAL.
G0VERM DA PROYOCIA.
Despachos do dia 26 de mimbro de 186o.
Reuurrimcnlos.
Antonia Mara da Conceoio.Informe o Sr.
; Dr. chele de polica.
Antonio Lopes Guimaraes,Concedo a permis- i
; sao pedida, pagos os dreitos nacionaes.
Eipedienle do dia 26 de outubro de 1863. Antonio Joaquim Pereira Guedes.-Apiesente o
, menor ao Sr. director do arsenal de guerra.
Oflicio ao commandantc das armas.Queira \. Krancisco Eustaquio da Silva-Informe o Sr,
Exc. informar acerca do que pede Francisco Brin- 11SpCctor do arsenal de marmita,
guel de Almeida Guedes no incluso requerimento. Jose RDeiro ja Silva.Aprsente ao Sr. direc-
Dito ao chefo de polica.hxpeea \. S. as suas lor do arsenai do guerra 0 u|[10 -,je que trata,
ordens para que as autoridades policiaes commum- JoSo Antonio de Oliveira- Em vista da infor-
quem ao cnsul de Portugal, como elle solicitou maco do subdelegado do districto da Cupunga,
em omno de 20 do corrente, o allccimento de de 23 do cn-enU', nao pode ser aceito o offereci-
(|uali|tier subdito portuguez residente no districto ment0 j0 supplicante.
de sua jursdico. D. Ria oiympia da Silva. -Rcmettido ao Sr. d-
Dito ao mesuro.Em vista do que ponderen o rcclor do arsena| e gllerra para mandar entre-
delegado do termo do Rio Formoso em offlcio por gar 0 |cn-0 de qUC se trata
copia junto ao de V. S. de 24 do corrente, convm vcnstnana Mara da Conceieao.Aprsente ao
que ello procure ver se ha outra casa que offerega. Sr nspeclor j0 arsenal de marmita os dous Olhos
commodos e seguranza para servir all de cadea, de ue trata,
declarando porque prego pode ser alagada. j
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Ao conego rettor de seminario de Olinda Jos Joa-
quim Cantillo de Andrade, mande V. S. entregar,1 V. Exc.de informar sobre o que pede o sentenci-
ronlo solicitou o Exm bispo diocesano, em offlcio do militar Thomc da Silva Leitao no incluso re-
Despachos dv dia 27 do timbro.
Requerimentos.
Esta noticia encontrou muitas sympalhias nesta
cidade, onde, ha cinco ou seis amos, se tem sent
Antonio Domingues de Almeida Pocas.Informe *_,[rande alla de a8ua en diversas pocas do
o Sr. inspector da thesouraria de fazenda. n.m ,,
Padre Florencio Xavier Dias de Atbuquerque. I mU^1r^Je lr?} t,1)^.^.nhcfa_^0_?0.sar,0:
Informe
Dr. Joao
se thesouraria
Joseph
te ser mii do sentenciado a que alinde.
Lo Francisco Brrelo de Almeida.Passe por-1 inos a romana da Senhora
taria concedendo a licenca requerida.
de outubre, natalicio da senhora D. Maria Pia, que Aos primeiros svmptomas de desordem, o briga-
complet 1 antros de idade. I deiro Rcela dirigo-se ronteira haitiana, onde
Ter lugar no campo de SantAnua. A parto recebeu as maiores segurancas de amisade, por
propiamente destinada para os objectos de expo- parte do general daquella nacao, cujos desejus
sigao estoja, circuiiada por gradara, ficando o res- de conservaras boas relacoes que a unem Hcs-
te do reino.
corrida do expositofos e visitantes.
A enmara municipal de Aveiro dirigi ao gover-
j do Rosario muitos mendigos, porque geralmente no urna rcpresenlactio pedindo a collocacao de mu
' cidade afitn
que to fce-
lempos no
27 -
Ofcio ao commandantc das armas.Sirva-se
EXTERIOR.
CORRESPODXEKCIA 1M> III
RIO RE PERMAIHR1JCO.
PORTO.
11 de onlubro.
Contnuam os trabalhos para a projectada empre'
ic Dito ao mesmo.-uueira >. Kxc. iniormar acer- ^^^^Smaiitahterro do Por M ?ia2 em quc se aesPeaa aos seus ami"
is ca do que pede no incluso requerimento, o sen- ri2~SHi,7^^^^ gos, a bordo do vapor, o Sr. Reis entregou ao Sr.
i-, tenciado litar Jos Mathias Goncalves. 1t ****& omotora om nue fallamos na ul- ro de Nova Cintra a quantia de lOOfiOOO para
Dito ao m^jfjggfMjtm^ J^^^^lf^p^l a,i^end,C'dade-
de 24 do corrente 4:0005000 por conta do crdito querimento.
concedido por aviso da reparticao do imperio de Dito ao mesmo.-Queira V. Exc. informar acer-
11 de agosto ultimo, para dar principio as obra;
de que necessita o mesmo seminario.Communi
cou-sc ao Exm. bispo diocesano. Dito ao inspector
Dito ao mesuro.Recommendo V. S. que em bactiarel Mendo
vista do que expoe o director das obras militares, em 16 do corre
no offlcio junto por copia, datado de 13 do corren-; cenca de que gozava/reas'sumio naquella data o y ,
te e sob n. 218, bem como dos papis que segundo,' exercicio do cargo de promotor puhlico da comar- eJ>f *' rM
consta do mesmo ofcio, devem existir nessa the- ra de Palmares: oque communicoa V. S. parascu
solitaria, mande pagar a Fredcrico Skner o que: conhecimento.
justamente se llie estiver a dever, por liaver feito, Dito ao mesmo.Mande V. S. abonar ao Dr.
de conformidade com o primitivo contrato, urna Joao Xepomuceno Das Fernandes a quantia de
calcada na frente do quartel do corpo de guarn- 3005, como paira dos servicos mdicos, que em
Co,eistoindependente do atlestado, que exige essa consequencia de autorisacao da presidencia pres- ^i^KpmnrPrl impeno' para auxi,,arem d
thesouraria, passado pela junta militar de sade tou aos desvalidos atacados do cholera-morbus na Pr"J^u'* t"'""- a velha idea
imr nada ter essa calcada com a hygene daquel- freguezia de Santo Antonio desta cidade.
le quartel, como se v do offlcio tambem junto do
delegado do cirurgio-mr do exercito.Commu-
nicou-se ao director das obras militares.
Dito ao mesmo.Remello incluso o pedido que
peitabilidade e influencia.
Pelo paquete que deve levar esta missiva, con-
vidam-se alguns respeitaves cavalheiros portugue-
daquella rep-
blica enviado expressamente, manifestando-se a
dita autoridade completamente satisfeita do-seu
leal procedimento.
V-se que a insurreicao deveu partir de Puerto
e Plata, donde o coronel l\*pillo, seu chele, mar
chou al fronleira unir-se com os amigos in-
a fz do surgentes Guavnvin e alguns emigrados doratni-
de um romeiro urna moeda de 40 ris para dar me- Douro. canos, logrando assim sorprender alguns destaea-
tade a outro mendigo que Ihe fica va prximo. De-i Para este pedido fundase a cmaraque nin- montos hespanlroes, e a queimar-se em sua raaior
saviaram-se ambos na divisao da esmola. Um del- gnem pode duridar que n'uma costa to extensa pane alguns povos da fionteira, e commetter toda
les tirou da algbeira urna pistola e disparou-a como accidentada, em quo as restingas ou eabe- a classe de excessos.
queima-roupa na cabeca do seu contendor, que ca-. dellos se formam pela violencia das correnles, cuja o chefe das j escassas forcas. destacadas em
hio por trra erido gravemente. direccao varia diariamente, um pharol evite que Dajavon, vio-se obrigado a abandonar este ponto.
O assassmo foi preso, e segundo dizia era esta os navios que singram prximos da trra so enga- e a passar a linha quo separa do immediato terri-
I a sexta morte que perpetrava nem no rumo, vencendo as difflculdades da nave- torio do Haiti, onde fo acolhido eom as maiores
Na penltima viagem do -vapor Lisboa partiu gacao sem correrem o risco de naufragar nos ban- mostras de considera^ao, facilitando-se-lhe por
para a capital, com destino de regressar ao Rio de eos de areia. s vezes em noutes bonanzosas, como aquelle governo toda a classe de recursos, at ve-
Janeiro, no prximo paquete inglez, o prestante e infelizmente tem succedido. | rilicar a sua passagem para Puerlo-Plala.
benemenlo compatriota o Sr. Joao Jos dos Reis. O governo acaba de deferir a esta repesentacao ; O brigaleiro Buceta, que com nina pequea
Na occasio em que se despeda dos seus ami- ordenando ao director das obras publieas do dis- escolta percorria a linha, foi repetidas vezes ata-
trido de Aveiro que confeccione c mande quanto cad0 pelos rebeldes na sua retirada Santiago,
antes ao ministerio das obras publicas o projecto o d'onde logrou ebegar em consequencia do oppor-
oryamento do referido pharol. j tuno auxilio pessoal que recebeu de urna columna
Segundo conta o Progre.tso, jornal de Braga, al-; sabida desta cidade a 20 de agosto,
imas cmaras deste districto tratam de represen- a dita forea leve entre oulros um serio encon-
lar ao governo, aflm de reclamar perantc o gover- tro com os sublevados no barranco de Guaya-
no hespanhol contra o projecto que se emprehende canas, de cuja populaeao se propunha regressar
em urna povoacao prxima da nossa raia do norte, capital da provincia, o que conseguio batiendo de-
de desriar a direccao de um ribeiro, que nascido nodadamenteo inimigo, anda que com perdas in-
em Casiro Laboreiro, percorre algumas trras da sensveis, superiores 14 morios, e entre elles um
visinlia Gallisa al vir desaguar no nossorio Lima. cheTe e dous ofliciaes e mas de 26 feridos de to-
Para quelle fim parece que os Hcspanhes que- as as classes.
rem perforar um monte situado no seu territorio, Concentradas as torvas em Santiago, cujo ajun-
mas prximo daquella nossa freguezia, outr'ora tamento e populaeao s acharam divididas a favor
distincta actriz Emilia das Xevcs e Souza j
essou a esta cidade com a companhia com que gumas
depois de percorrer as trras mas notaves das pro-'
vindas, foi dar algumas representayes era Hespa-
res"! SdostnriumphosQde aCt C'heU "* C M-,M'
l'm jornal da Corunha, o Recreio Popular julga
assim a eximia actriz :
< Quarta-feira subiu scena, pela companhia
dramtica porlugueza, o notavel drama em 5 ac-
tos denominado Joanim a DouJa.
conhecimento, copia do offlcio que nesta data din-
gio-me o promotor publico desta comarca, com re-
ferencia ao processo de rcsponsabihdade contra
me foi apresentado pelo brigadeiro commandahte Adolpho Liberato Pereira de Mattos.
das armas para que V. S. mande adiantar ao al- Dito ao mesmo.O hacharel Jos Antonio Cor-
TEZrS .u n,V tZ, VniT, a v i nn sen ; de um caminho de ferro do Porto Vgo.
).to ao mesmo.- Transmuto a V. S., p A AHnm auna, quo lembraram de novo esta questo.
A faustissma noticia do nascimenlo do principe
real foi recelada nesta cidade com visiveis provas
de regosijo e enthusiasuro popular.
As"3 horas e um quarto' da tarde do dia 28 do $EZ bel za arn.So
cnciA innniviivi a hf.tpria Ha s,rn rto Pkr. e o dS reB,W!s ua oeiKza, arrancando
moxanfe d hospital militar, nao havendo inconve- reia da Silva partcipou-me, em 19, que deixou
por doente, no dia 14 deste mez o exerci
T*""" u" "".l""" <>, '"" '>""' itia ua ouvd pai uuqiuu-iiii;, eiu i, quu uvivu ,.:,,,, a hilara ita Si-rra do Pilar e o **s ,c6'cs ua l
mente, a quantia de 505 para occorrer as despe- por doente, no dia 14 deste mez o exercicio do f^J^^TZT^Z 2S ti ttn aue mvslerlfc para os apresenttr em toda a sua gran-
zas miudas daquelle esubelecimento at o li.n do cargo de promotor publico da comarca de Gotan- SV!fi!7\fS?WS?**i2^, "SAq" deza diSte do publico,
Outn '
Nao houve scena que deixassse do arrebatar-1 Nao arriscamos maisjuizos sobre esta melindro- ltimamente retirado o destaeamento.
no, porque a sua voz sympathica, e expressao do sa questo, al ver o que sobre ella resolve o go- Km quanto isto succedia no interior de Cibo
seu rosto e a sua notavel accao, palenteavam a ins- verno. at 31 de agosto, tiveram tugara 27e28em
pirada actriz, que as azas do genio sabe elevar-se! Diz um peridico de Coimbra que vao breve- Puerto-Piala a defeza da guaruicao e a tomada
jos de
mez corrente, visto estar esgolada a de 1503 que
se abonou ao mesmo almoxarife para taes despe-
na,Communicou-se ao commandante das armas.
Dito ao mesmo.Annuindoaoque solicitou o ins-
pector da sade do porto em ofllcio de 22 do corren-
te, recommendo V. S. que em vista da conta junta,
e nao havendo inconveniente, mande pagar a quan-
tia de50,5060, em que imporlam diversos objectos
f'ornecidos por Jos Moreira Ramos para'asseio do
escaler destinado ao servigo daquella repartifo.
Communicou-M ao inspector da sade do porto.
Dito ao meslo.'Mande V. S. ajustar contas at
o flm do mez corrente c passar guias de soccorri-
mentos aos segundos crurgiSes do corpo de. sade
Dr. Tlieophilo Nunes Sarment e Francisco de Pau-
la Soares, que, na forma das ordens imperaes vo
servir o Io na Parahyba e o 2o na provincia do
Amazonas.Communicou-se ao commandante das
armas.
Dito ao director das obras militares.Mande V.
S. com urgencia examinar o chifariz do hospital
militar c fazer os concertos de que elle necessita,
alim de que nao apparecam mas faltas d'agua so-
bre que representa o brigadeiro commandante das
armas no omero por copia incluso.
Dito ao director do arsenal de guerra.Em de-
fcrimonlo ao rcquerimenlo de Jos Ribeiro da Sil-
va sobre que versa a sua informaro n. 134 de 23
do
ment.
Dito ao director
do arsenal de
Simultneamente subiram ao ar as tres girando-
truerra \vista simultneamente suoiram ao ar as tres guanuu-
ii 138 autoriso 'as de foguetes que acamara municipal e o governo
niifl tiilmiii il i _'i\i-i_ (i.- i\<\t-'^ acia ^i'i.,^ ni rinnO il.i
creve
de sua informacao desta data, sob n. 138, autoriso XaXZTJZZTZZJ^-^T. ZTZ > hon
tor da colonia CIVI' tmham dispostas para este caso na praca de ^u
Ennl
Vine, a mandar fornecer ao dired.., ..,...
militar de Pimenteiras dous lampeoes proprios D.^ro no ,, go da BaUj,a
De muitos pontos da cidade c de Villa Nova de
arte os seus mente continuar sem interrupcao e em grande es- do lugar, pelos primeiros reforcos drogado
cala as obras da barra da Kigueira, para o que o Cuba.
Sr. ministro das obras publicas mandou habilitar a fl0 prmeiro de setembro urna parte desta.- tro-
competente direccao com 15:0004 alm da receita pas saino em direccao Santiago, para se certift-
respecliva que se cobra na alfandega daquella car do estado do paiz, e avancaram algunas le-
villa. guas depois de ter afugentado o inimigo que se
Abriram termo de carga :em 26 de setembro ihes apresentou poucos dias depois da sua par-
. a justamente celebre trgica portugueza. a barca Amelia, para o Ro de Janeiro;em 28 o tja
a ds.Vcves. '| brigue S. Jorge de Aveiro, para Pernambuco, por Reforjados jrolo bataihao de caladores de Isa-
jornal, a llluslrarao da Corunha, es-
seguinte :
fu suas portas o theatro Principare tivemos
de admirar no drama intitulado Joanna a
para illumlnacao do quartel e priso da mesma "J^^S''S.^J^L jSnhTU Que Jlzer de tima artista, que por tal modo se Setubal ;-em 30 a galera'.Saudade, para o Rio de bel II que desembarcou no dia 2 naquelle ponto
colonia.Communicou-se ao director da colonia. V^ii.:...: ^ 'P^" u""'15 "u"->,UU1 reCommenda ao pisar o tablado ? Plidos em exces- Janeiro ;em 1 do corrente a barca Unido, para o e prvidos de vveres e munc5e* formaram urna
Dito ao mesmo. -Res'iwndo ao ofcio n. 127 que ^0*0,^'?*;,,
V. S. me dirigi em 19
lbe por rupia a informacao
directora das obras miliu
ventiladores de que necessita o paiol da plvora
nacional a cargo do almoxarife desse arsenal,
Dito ao juiz de direito de Santo Antao.Nesta
data faco reproduzir aqui o edital pondo a concur-
so o offlcio de escrivo privativo do jury e execu-
coos crimnaes do termo da Escada, e logo que es-
teja terminado o prazo, communique-me o nume-
ro dos prelendentes que se houverem habilitado,
com todos os esclarecimentos exigidos pelas dispo-
homens, que no dia 3 marchou
Santiago s ordens do coro-
rittete publicle" alguns Sparticu* i queJi^eVota aarie dramtica. OpblVco, assim por Lisboa, e a barca S.Joao, da Bahia, por Lisboa; l com os bataihoes do rei e da Uniaoiguardava que
Douro, os
lares.
A' noite, a lluminacao foi geral, sendo a cores
em algumas casas particulares.
Na casa do consulado brasileiro, sobresahia Ilu-
minada a transparente a data28 de setembro de
1863.
(conscio, Ihe trbutou raui salvas de applausos, re-
pelidas vezes e chamott ao proscenio.
Sobre a importante feira annual de Vizeu, que
acaba de ter lugar, escreveo Viriato, jornal publi-
cado naquella cidade da Beira Alta, um resumida
cstatistca das transact;oes all effectuadas.
A feira de Vizeu, diz a citada folha, foi outr'ora
No dia seguinte teve lugar, cora grande pompa,
0 solemne TfDemm que a cimara fez celebrar na m grande centro d onde o eommercio irradiara
sigoes em vigor. ., d nmVinu n f bisno asistido seus benecios sobre urna extensa arca, quite de
Nao tendo apparee.do pretendenles aos do termo Wt*SS^?SfiiL I communicayes, e escassa de vida e animaco. Bo-
de Santo Antao, como consta de seu odlcio n. 26 aHJSlS2SwtaC*fttwMidii8r An- !j t^J0' mand "^ P-,0de nV Cm tonSLSeVda^u'vRib^ *P ^^^^S
do extensa, por.n, julgada pelos entendedores na que a v.acao publica tem facilitado ascommun.ca-
ssumDto. e rica de todas as salas da boa transportes ; hoje analmente que o \apor
vai fazendo desapparecer as grandes distancias,
aproximando como por encanto, os povos uus dos
concurso.
Dito ao juiz de paz do prmeiro districto de Pa
ao mesmo.Avista do sua informacao n.
ncllas, sede da freguezia de Qnipap.-Em addila- altura do assumpto, e rica de todas as galas
___.-___m.:__"- j:_:~: JVU__MJ.UI diccao iiortuciinza.
honra o corpo da guarda mu
freguezia
anda, pelos mesmos
outros, a feira de Vizeu, como todas as outras, vai
spectaculo de cala no theatro do definhando de anno para anno.
anliia dos meninos llorentinos. I No entretanto e de "*>-
rimo de Rivera, que chegou a 8
com os bataihoes do rei e da Uniao aguardava que
em 1 do corrente as barcas Santa Glara e No- se 11. reunisse urna companhia de montanha para
vo Tentador, do Ro de Janeiro, por Lisboa ;em sa|ur immediatamente na mesma direccao
3 o brigue & Manoel I, de Pernambuco, por Vigo. u 6 chegou a capital de S. Domingos o batalho
Sahirara :em 1 do corrente a barca Recreio, I de Puerto-Rico, que o capito-general da ilha do
ra o Rio-Grande ;em 3 a barca Domo, para aj seu nometinha feito sahir daquelle ponto depois do
ihia;em 7 a barca A'ora Cintra, para o Para, batalho de Madrid, que envin nos primeiros
momentos, com o qual o general Rivero se pro-
para
Baha
iu:si'i\iit.
Madrid, 9 de timbro.
e jomaos hespanhoes de 10 do
cartas
dia dos anuos de S. M. C. a tainha D.
Temos
corrente.
Isabel 11.
O dia era festejado na forma do costume.
punlia a dirigir urna columna de todas as armas
sobre o theatro dos successos, cuja cooperacao de-
va ser eflieaz para as que partam da parte do
norte da ilha.
O capitao general de Cuba ia enviar maiores
reforcos em gente, cavalgaduras, mantimento,
calcado e outros provimentos de primeira necessi-
dade.
fundamentos, essa
O presidente do consclho de ministros, marquez Segundo cartas de Lima (Per) recebida>
de Miradores dava um banquete c um baile em p0r Via de Inglaterra, um novo attentado contra
ara anno. que concorriia o corpo diplomtico estrangoiro e os Hespanhoes tinha ido augmentar a deshonra
jusilla confessar que o pri- varios personagens de importancia. I em que aquelle paiz est ha lempos laborando com
iz a feira de Vizeu. E pa-1 Faziam-se grandes preparalivos para a recepeo 0s seas continuos excessos e com a impunidade
. >Vi ilosnnpi'rrar t Iril.nna real a romoanhia cailtOU meirO mercado do paiz a fe
mmha ao uestm^irar ai ir iuruiaig"n'-, ",l^ ra se razer uma dea aproximada da importancia i da i.nperatnz dos Francezes, que era esperada no qne 0 g0venro concede aos culpados.
136 desta data, autoriso V. ,. a mandar admilt.r declaracao para a cleicao a que se va. proceder no 0j2HJl*S^Jr,ii?J!l Idas transaccoes que se effeciuam anda nesle gran- dia 14. 'o convento de missionarios hespanhoes onde
na companhia desse arsenal, depois de satisfeitas dia .
as disposicoes do art. 4 do regulamcnto de J de susci
Janeiro de* 1842. o menor 'os. que Ihe ser apre- ] que
sentado por parle de Antonio Joaquim Pereira respectiva
Guedes.
Dito ao commandante superior de Olinda.Nao
tendo V. S. remetlido com o seu offlcio de 20 des-
te mez o mappa do armamento dos carpos da guar-
da nacional sob seu e.ommando superior, convm
que o envi com toda a brevidade.
Dito ao director das obras publicas.Inteirado
do conteudo do seu offlcio de 2i do corrente, sob
n. 215, tcnlro a dizer em resposta. quo pode Vine,
receber delictivamente as obras dos 21" e 22 lan-
dos da estrada do norte, lavrando-se para esse flm
o respectivo termo na forma da clausula IV do
contrato assignado pelo cmpreiteiro de taes obras.
Communicou-se ao inspector da thesouraria pro-
vincial.
Dito ao commandante do corpo de polica.Au-
toriso V. S. a excluir do corpo sob seu coniman-J
do o corneta Manoel Antonio dos Passos, pelos mo-
tivos constantes de seu offlcio n. 439 de 2i deste
mez.
Dito ao juiz municipal de Garanhuns.Informan-
do o inspector da thesouraria de fazenda em offlcio
de 24 do corrente.com referencia a do outro collector
de rendas dessa villa, datado de 16 deste mez, que
anda nao forain recomidos respectiva collcctona
nem aquella thesouraria os V115S em olas adia-
das nos espolios do tinado niajor Joao francisco do
Livramento e que Vine, como me declarou em da-
ta de 13 de agosto ultimo, mandn depositar em
poder do vigario da freguezia de S. Bento. tenho a
recommendar-lhe que sem demora mande entre-
gar essa quantia ao mencionado collector, alim de
ser apphcada aos pagamentos dos destacamentos
existentes nessa comarca, visto declarar aquelle
inspector que esse dinheiro pertence fazenda na-
cional de quera o predito finado receben quantia
maior jwr adiantamento para occorrer as despezas
da forra que ia commandar no centro da provincia.
Communicou-se ao inspector da thesouraria de
fazenda.
Dito ao provedor da Santa Casa de Misericordia
de Goianna.Cnrapre, que Vmc. me remetta. com
urgencia, as inormacoes, que, para satsfazer o
disposto no aviso circular do ministerio do imperio
de 21 de outubro do auno passado, foram exigidas
em meus offlcios de 8 de novembro ultimo e 28 de
feverciro deste anno, e que at o presente ainda
nao foram ministradas.
Dito aos agentes da companhia Brasileira de pa-
quetes a vapor.Informem Vinca, porque motivo
nao foram recebidos a bordo do va|K>r Apa, como
consta do offlcio junto, os 4 caixdes de que trata a
portara de 19 do corrente por copia inclusa.
Portara.Os Srs. agentes da companhia Brasi-
leira de paquetes mandem dar transporte por con-
ta do ministerio da guerra, no vapor que se espe-
ra do snl aos cirurgioes do corpo de saude Drs.
Theophilo Nunes Sarment e Francis/o de Paula
Soares, o primeira para a Parahvba c o 2 para a
previ ocia do Para.
1 de novembro futuro, e porque se possam mtervallos, o hymno italiano.
itar duvidas sobre quaes sejam os eleitores Os festejos duraran tres das, rcpetindo-!
devem ser convocados para a organisaco da vas na batera da berra do Pilar, Lastello
ectiva mesa parochial, declaro-lhe tambem vapor de guerra Lynce.
qiro s devem concorrer para a formacao daquella As msicas reg.menlaes tocaran as tres noites ; Jim ierro, sol a
mesa os eleitores da freguezia de Quipap eleitos em dilTerentes locaes da cidade.
em 1860, antes do Ihe ser incorporado o districto Eni aegao de grecas pelo nascimento do principe
dePanellas.emvistado que dispoe o art. 5 da real mandou o hxm. bispo do Porto celebrar Te-
le rcgulamenlar das eleicoes, e da doutrina do
nviso de 5 de dezembro de 1846 $ 3 de 7 de mar-
go de 1848 e 6 de fevereiro de 1860.
Dito ao conselho administrativo.Recommendo
ao conselho administrativo que compre para for-
necimento da pharmacia do hospital inililar, os
medicamentos c mais objectos mencionados nos
dous inclusos pedidos.Communicou-sc ao com-
mandante das armas e ao inspector da thesoura-
ria de fazenda.
Dito ao mesmo. -Autoriso o conselho adminis-
trativo a comprar para a pharmacia da enferma-
ra militar do presidio de Fernando, os medica-
mentos e mais objectos mencionados na relacao
por copia inclusa ; devendo, porm, ser reduzda
Deum em todas as igrejas parochiacs da diocese.
Para felicitar suas magestades, pelo mesmo aus-
picioso acontec ment, parti hontem para Lisboa,
na mala-posta, a comrasso da cmara municipal
desta cidade, composta dos Srs. visconde de Lagoa-
ca, visconde de Pereira Machado, e Alexandre Soa-
res Pinto de Andrade.
Effectuou-se no dia 4, com a maior solemnidade,
a abertura do instituto social estabelecido nos pa-
cos do concelho.
Assistiram a este acto os Srs. governador civil c
perior a 70:0005-
Os altanados e liezerros de Guimaraes, vende-
ram-se todos no valor de mais de 30:0005.
Em ferro pode calcular-se o seu moviraento em
270,000 kilog., no valor de 19:000.
Appareceram na feira mais de mil juntas de no-
presidente da relacao, os vereadores, os comman- vilhos que foram vendidos a bem preco.
dantos dos cerpos! grande numero de senhoras, Mais de duas mil juntas de Irois o yaccas, acna-
muitos cavalheiros notaveis, e cento e tantos alum- ram compra favoravel. Sopara os talhos da ca-
nos, de ambos os sexos, S matriculados no insti- Pl se extremaran na feira mais de 600 canecas.
- ,# De gado cavallar estove tamben rica a feira.
a duzentas o numero do sanguesugas contempla- m. ___ ,_____ s D Contavam-se aos centos os muars assim como os
das na mesma relacao, Communicou-se a thesou- soiemmaaat comecoa peio njmno uo ar. i>.
raria de fazenda e "ao commandante do presidio de Luiz I executado pelos coristas de ambos os sexos : ca;a""s. m%mi--------- de muars e ca-
F.Tmndn da companhia lvrica, depois do qual o Sr. visconde Appareceiam muitas pareinas at muares e ca
! z n -i j ...j delacroai-a nrpifionii> lia ramira rpriton o dis- va os, e destas algunas soberbas e de um prego
Portara.O presidente da provincia, attenden- Qe ''agoaca, presdeme aa cmara, recitou o ais b nrocura
do loniro rennereu o zuarda incionil da scunda cursoinaugura do instituto. Em seguida cantou-, laniiioso, se pem que eseaeeasse a proenr._____
uoaoque icmitieu o^uarua iiacionai ua stuiiud T<$ ^..^.i ......r... .i,. r.n.uin nneta nortnpn- A affluencia de Hespanhoes 01 grande, compran-
companhia do batalho n. 42 do municipio de Se- sea liisteM, produegao do linauo poeta portuen ^r^^zZiMrrim z^-. Hmmb&eelM df mw-
rinhaem, Jeronvmo Thoraaz Pereira Dulra, resolve se Soares de Vmos, post cm msica sobre imita-, do paia poriartni para Htspanha centos
conceder-lho oto mezes de licenga para tratar de 0 de -tres melodas- de Mendhelson, e a Can-1 res no^as.
seus negocios. Communicou-se^ao commandante '.o, poesa do mesmo poeta, im.tgao de urna me- Os cayallos, que nveram V?**W>
Jiinerior do Rio Formoso d a de Schubert. Ambas as imilagow foram ar- i realmente estavam baratos, foi pare """V-
"E*E residomeda provincia, tendo em vista ranjadas pelo distinc.o professor Carlos Dubini, di- Apparecerem ^^jmmmtmJJm
a informago do brigadeiro commandante superior rector do instituto musical. Term.nou a solemni-1 vindos de Hespanha.
da guarda nacional do municipio do Recite, datada dade com um excedente hymno dedicado a S M. a
de 26 do corrente,. resol ve conceder passagem pa- rainha D. Mana Pa, devido a penna do dito Sr.
ra o terceiro batalho de nfantaria, onde ser ae- Dubini, e executado a vozes ralermeadas com acom-
gregado no caso de nao haver vaga, ao capitao do panhamento de instrumentos de metal.
seas Mn-'de mereadol basta considerar alguns dos valores S. A. o duque de Nemours acha-se com seus fi- jse albergava aquelles virtuosos filhos da religiao,
da Foz Que entrara em eommercio, cuja resenha a se-! lhosem Saragoca, visitando a cidade, e assistindo ; e d'onde partem para se ronsagrarem as regioc-
' guntc : ao espectculos thealraes ; julga-se que penna- i barbaras da repblica e derramar as verdades do
la, gado, e em manufactures das necer naquella cidade at que passem as festas j Evangelho tinha sido objecto de uma culpavel
ilha e cm gado' que principalmen- do Pilar. tentativa.
te seda mais extenso c rico movmento. A imprensa contina a oceupar-se do manifes-| |jm grupo de pessoas tinha intentado violentar
A ra doouro e prata tinha nove eslabelecimen- to do partido progressista; os centros progres: no me0 do dja H ,)aries daquelle asylo religioso.
tos desta ordem. O valor aproximado pode calcu- sislas de todas as provincias tem adherido a \^T3i aSsassinar os infelizes que alli habilam.
lar-se do 90 a 100:0005. O apuro elevou-se a um i poltica de abstengan de modo que o futuro parla-; Yendo aquelles barbaros que nao podiam lo-
dcimo desta cifra. ment ser constituido raui inconslilucionalmente. I grar 0 criminoso resultado que se propunham.
Na feira calculamse as compras de sola cm I Oc senadores liberaes tendo ponderado a incons- j entregaram-se aos maiores insultos aos religiosos.
mais de 120:0005000 klog. n'um valor en res su- j litucionalidade das restriegues ministeraes, e an-1 desatlogando o seu furor, atirando pedras s por
Segando da mesma arma Joaquim Francisco Fran- 'overeo anda nao approvu os*>
co, que assim o pedio, allegando ter transferido a novo Banco Allianca. Offerecem-se algunas duvi-
su residencia para o districto daquelle batalho.- das que teem de ser resol vidas por estesdas.
Communicou,ePao commandante superior do Re- .^--sao^do ^v^egio^ara um banco^ypo-
Dita-Os senhoresairentes da companhia- brasi- dido companhia Utilidad* Publica que para es-
leir do nai^uetos vagr mandera dar transporte te flm como em lempo disseraos, reformara os seus
^vfqut !?^S?!S%ff "Ka o teve lugar a sesso solemne da abertu-
Tp WFhrnrm dos Santos i ertenc^nto ao pri- ra da escola medico-cirurgica do Porto, em curo
lectivo fiado.
Exprdirnte do secretario do governo.
Offlcio ao commandante das armas.S. Exc, o
Sr. presidente da provincia manda connunicar
V. Exc. que por despacho desta data autorisou-se
o director do arsenal de guerra satisfazer o pe-
dido do commandante do 7a batalho de Infantaria,
a que allude o offlcio de V. Exc. a. 1973 de W do
corrente. I agosto
brodel854.
conmandante das armas.
Dita.Os senhores agentes da companhia brasi-
leira de paquetes, facam transportar para a edrte,
por conta do ministerio da guerra, no primeiro va-
por que se espera do norte, ao primeiro cadete do
quarto batalho do artilharia a p, Bernardo Ra-
0 Sr. Joao Xavier de Oliveira Barros, lente subs-
tituto de medicina, recitou a oragode sapiencia.
N'este mesmo dia se abriram tambem. com as
solemnidades do costume, as aulas do lyceu nacio-
'beltoda Silva Peroira.'ne o"bte"ve"do "governo ira- nal A' oragodo sapiencia^ foi recitada pelorei-
perial dispensa de scrv.go para estudar na escola tor do lyceu oSr. Dr. Adriano de Abreu Cardozo
militar.Communicou-se ao commandante das ar- Machado. __- .^..
No palacio real da Torre da Marca tem-se n estes
as.
EDITAL.
As fazendas da Covilhaa varreran. Os eonmer-
ciantes da Serra apuraram muito para cima de 150
contos de ris.
NIo venderam mais, porque mais nao trouxe-
rara. A careza das las, e a falta de agua, foram
a causa desta mingua nos sonidos da Covilhaa.
O linho em rama vendeu-se todo. As compras
orcam por metade das do anno passado.
0 linho manufacturado teve pouca sabida, sem
embargo de estar mais barato que na ultima feira.
provado a attitude de seu partido decidirn! nao
comparecer as sessoes da cmara alta, cm virtude
da ausencia dos seus correligionarios na outra
casa.
O governo fica assim inteiramente cercadode
adeptos, niJo encontrar quera ponha abjeegoes
aos seus projectos, e aos seus arbitrios ; mas li-
cam os sens actos sem prestigio, sem a tiscalisa-
go da minora, sem o concurso obrigado da di-
reito e da esquerda.
Ha certa analoga entre a poltica prussana do
conde de Bismark e a do marquez de Miraflores.
O predilecto do rei Guilherme pretende fazer di-
verso s arbitrariedades da adrainistrago inter-
na com as lulas externas. Assim tem-se esmera-
do em levar a dissengo da Allemanha com a Di-
namarca acerca dos ducados do Holstein e de La-
nenburgo uma campanha alm do Eider, e em
tas, pars as despedagarem e abrir caninhos.
Fcil calcular a amargura que sentirn os que
assin estavam ponto de ser assassnados.
Aquella multido de sacrilegos malfeitorcs ret-
rou-se por fim, mas, segundo parece com animo
de aproveitar outro dia uma sorpreza e realisai
seus ferozes intentos.
Entretanto os desgragados missionarios, respec-
tados sempre pelas suas virtudes, e pelos servigos
que prestara religiao e a moral naquelle paiz.
onde taoescasso o numero de sacerdotes dignos,
vem-se constantenente insultados as ras, c
araeagados de morte.
Este gravissimo successo, coincidindo com o
brbaro crime da fazenda de Talambo, nao ten-
do merecido da parte das autoridades peruanas
a mais insignificante medida para reprimir es cul-
pados, pro va como passou ao povo o espirito que
converter a questo das reformas federaes n um (jomna as regioes offlciaes e a necessidade de
conflicto formal com o gabinete de Venna. O che-
fe do gabiuete de Castella prcvaleceu-se vida-
mente da aggresso dos mouros de Riff contra a
guarnigo de Mellla para excitar novamente os
instinctos bellcosos dos filhos de Pettyo e de Cid,
para fazer entrever outra campanha marroquina.
Dez ou doze mil homens tiveram ordem de reu-
nir na Andaluzia. O commando destinado ao ge-
neral Pavia, marquez de Novaliches, o mesmo
que censaron speramente O'Donnell no senado,
quando se fez a guerra Marrocos.
Netas ameagadoras foram dirigidas ao sulto
Sidi-Mahoined, arguindo-o da falt de cumprimen-
to do tratado redigido depois da victoria do valle '
de Gualdras em 29 de margo de 1860; instando
Sete estabeiecimentos de obra feita se viam este para que se apresse a castigar as tropelas das
anno na feira. Foi pouco activo este genero de
eommercio.
Note-se porm, que apezar de estar frouxo o
eommercio desta especie de industria, todos os es-
tribus insubordinadas, que Iroslilisam tanto os sol-1
dados de Marrocos, como os de Hespanha.
O ministro da guerra, narquez de la Havana
(D. Jos Concha) e seu irno narquez del Duero,
que, cessando o governo hespanhol na poltica de
conlemplago seguida at agora com aquelle paiz.
adopte uma attilude digna e enrgica que ponha
limites aos que to brbaro comportamento tem
com os Hespanhoes.
A responsabilidade do governo grande, e nao
ha modo de salva-la seno com uma poltica de
verdadeiro patriotismo.
j.
INTERIOR.
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PER-
NAMBUCO.
ALADOAM.
Marci, 26 de onlubro de 1863.
eommercio oesia especie ae inausiria, iouos os es- v~..v*~..v., ~ ~~......-------^ i ./ n.iW h nasr a nmvinen durante nm anno
tahelecimentos lizeram neeocio e mais nue quando exaltara publicamente a conveniencia de escar-, De|is de passar a provincia durante un antro
era 'rZoa (loas mentar por uma vez os marroquinos e de comple-'. flnanceiro sem le, de orcamento, e tor principiado
Os esiahelecimentos de retalho foran pouco fe- \ tor a pedieio que ODonnell nao soube levar ao outro con *J^*^,*^*tor
ultinos dias andado en preparativos que fazen
suspeitar aljama prxima visita de altos persona
Tambem a
curado na foi,
qualidade, vendeu-se toda, regulando os pregos de
15100 a 15300 por 14,688 k.
A amendoa tambem teve grande sahida. Os prc-
cos variaram. No principio foi de 25800 a 35000,
no fin desceu a 25400 e a 25600.
tambem um comnercio importantissimo na
feira de Vizeu. Os armazens Acaran todos, linpos
orcando-so as vendas n'una cifra superior a ris
2010005.
Alen das transaccoes que nencionanos, con-
;, contados desta data e Em Londres, segundo noticia o Joma} do Porto, clue o Viriato, effectuaram-se ranitas outros, cujos
^s ruidos na forma do decreto n. 817 de 30 de tracta-se de formar orna poderosa conpanhia com valores sao incalculaveis por nao haver dados se-
rosto de 1851 e do aviso n. 252 de 30 de dezem- o fin de abastecer de agua notavel a cidade do guros sobre gue possa asseirtar ju.zo seguro.
I porto. A exposroao agrcola e ilraga abre-s oo da 16
Pela secretaria do governo se faz publico para gens a esta cidade. Da corpo a este ajuizar do vul-
ronhecinento de quen interessar possa que se go o esperar-se na capital, para assistiren ao bap-
acha vago desde sna criagao o offlcio de escrivo tisado do herdeiro presunptivo da corda, algumas
nrivativo do jurv c execugoes criminaes do torno pessoas reaes, e at se diz que depois desta solen-
da Fscada creado pelo artigo 108 da lei de 3 de nidade visitaro o Porto o prncipe Napoleo e sua
dezenbro de 1841. esposa. Nao ha, porm, fundamento para tal no-
Os prdendentes deven apresentar seus requer- ticra.
------------ ----- --- ah | mentos da assembla, depois de todas as peripecias
raanicSs ZTSl t n do paTz tirou Na' c6rte a fda de invadir e christianisar Mar- nTvidas as suas reuioesT leve lugar a ^prlKir.
m!,n.1cai^!Ifl o 5,dS SroSeto i ro,;os encontra grande fervor. Nao se ponderara os sessao preparatoria no d.a 22 do corrente e no dia
ora secca um genero muito pro-' enormes sacrificios pecuniarios de tal empreza, 24 a.sna nstallagao com todas as formalidades do
ira de Vizeu Fra ella de excellente nen as teniveis conplicages con a Graa-Bret-. estylo.
nha, que impossibililem o seu bom xito. E ainda assim operou-se este milagro a varas e
Publicou-se un decreto estabelecendo na remos.....
ilha de S. Domingos um conselho de administra- Promovemos a nossa assercao com o seguinte
cao, cuja organisaco se sujeitr s bases flxadas (acto :
para o de Porto-Rico pelo decreto de 4 de jolho de l Installou-se a assenbla provincial com 17 dig-
1861. I nissinos, e no dia seguinle j nao teve numero
Vai partir para as Antiihas una expedicao de para funccionar.
oito a dez nil honens ; o governo enva tambem
trint millioes de reales.
O ministerio da guerra publicou na Gazeta por-
menores sobre a insurreicao de S. Domingos.
As ultinas noticias acerca da insurreicao de
S. Domingos sao conformes enwjue se tenha es-
tendido parto occidental de Cibo.
Se quizessenos prescrutor as causas desse pro-
cedinento, iramos encontra-las no K*Pt'c,s"">''
que esto accommettidos muitos de nossos nonens
^Tratemos de cousas maU alegres, e nao procu-
mos fazer sangrar feridas, que anda nao cira-
remot
trisaraa.



m
,,



Mario de Pertmmbtte Sexta felra JO de Outubro de 18os.

*
--
3;
i
Dcpois da'fchur.t do relatoi io te ve lugar a elei-
$ao da mesa, que ticou composta do scgnmte
modo :
Presidente.
Advogado Lucio Soarcs.
Vice-presidcnte.
Coronel Theotonio.
Pnraeiro secretario.
Major J. Bernardo A. Galvo.
Segundo secretario.
Vicario Jacintho de Mendonca.
O relalorio do Exm.8 Sr. Souza Gonzaga c nota-
E* esta urna
para o nns
tacto coui
No dia 3 do novembro prximo Iludo, come-
d) curso de preparatorios, anno-
obra rtc reennhecida utilizado
sso esiaboleilmsnto, quo posto em con- cam osexames U) rain
, a India Iuleza. lomar talvez'a impor- xos a Faculdade de Direito.
^lanol'Seao de epatados para a pro-' ift***"jS; ""^ ***"*
xim*legislatura de 1864, os jornaes da opposieao cao P*f<^J?:
tem-se abstido do recommendar a scus candidatos, Amanb^ encerram-se
apezar de haverem sido a isso incitados pelas folhas Comme,r.<< ^'f ; .
do governo, e pouco se sabe das resoluces as as- Repauticao da muga
as aulas do Cuno
semblas populares.
Vai estabelecer-se era Gda um gremio lit-
____ ..!_____-:__l......,i.. ,,"iuiV] li'IT.'l
(Extracto da parle do da 29 deoutubro.)
Forain recolhidos casa de detencao no dia 28
vcl pt-la toara de observaces, e pelas importantes terario. A idea bella, principalmente n'uma trra ao corren e .
entre nos e os Inglezes no o a africana Luir, escrava do Manoel de tal, am-
llm lindo bota de flor
Fornjou-te a bocea mimosa,
E duas folhas de rosa
A faces te deram cor.
Em soohos os lindos aojos
Eosinavam-te o sorriso,
Dos cantos do paraso
Deram te a voz os arehanjos.
A branca nev deu cor
Ao teu eolio jaspeado,
E llic deu o Deus vendado
As ternas ancias d'amor.
questes nelle iniciadas.
Foi mais urna prova do juito, que delle forma
vamos.
alteraco
district
tuguez
jornaes
dos limites
Hornera de erudco vasta, de uma intelligencia districto de Satary em prejuio do territorio por-,^.^f^ Samo Antonio, a crioula Domin-
jaso situacao flnanccira da sorvida no dominio inglez nos seja restituida,
icnt de aguas potaveis para | Nao ha hoje duvida que as plantacoes de
fio da obra da cadeia da Chinchona nos oiteiros de Neilgherry deem um
penetrante e de umita actividade, traduzindo om
serilo o que pensava, inicio* gravee sizudaracn-
tc sobro diversos ramos da adinini6tr*g* impor-
lantes problemas de caja solucao dependen) mul-
los melboramentos materiacs e moraes da provin-
cia.
Mereceram-lhc especial e acurada attencao em
seu relalorio as estradas da provincia, a instruc-
co publica, a nawgaco do Rio de S. Francisco
at Piranhas, ultimo porto navegavel antes da ca- tanta monta, e que a
choeira de Paulo ABO
provincia, o encame
a canili, a contiM*c.~
mesma pelo sjsienta de penitenciario, a construc- bom resaltado ;
ca de iiiaadeia em cada termo cabeca de co.
narca etc. .
Para o encanamento das aguas, o para conti-
nuacio da obra da cadeia aconsclhou el c que de-
poitassem a qiiantia de 90contos de reis, saldo de
annos anteriores na caixa filial do Banco do Brasil
em Pornambuco, j>ara d'ali seren retiradas as
sommas a proporcao que dolas se precisar.
Proigou o patronato o as aposentadoras, como
um cancro dos dinheiros pblicos.
Eroitlio suas opinioes sem levar em conla, que
iam ellas ferir a gregos ou trvanos.
Discpulo da escola liberal' demonstrou quo a
rospercao do algodao e as prensas cnervavam a li-
berdade do cominercio, e eram urna evidente de-
raonstraro da tutela do poder publico.
A companhia Luido Mercantil teve em sua Exc.
um defensor do pedido de 50 conloa de reis, que
fez a assembla por empreslimo, limilando-o elle
m sua opiniao individual a 20 contos de reis.
Entre tanto notase quo quando o Exm.8 Sr.
Souza Gonzaga pede que continu a imposicao de
10 por cent inetade da de 20 por cento sobre os
vencimentos dos empregados pblicos, opine por
um emprestimo a urna empreza toda particular,
que ja tem gosado de muitos favores da provin-
cia- ,
Se a provincia est em una situacao tal, que po-
de fazer emprestimus a longos pratos, nao deve o
seu funccionahsmo continuar sobrecarregado de
to pesado onus, como succedeu nos dous ltimos
annos, e ainda succede com a contribuicao ex-
traordinaria de 20 por cento.
E se ainda nao existe o equilibrio entre a recol-
ta e despeza estudom-se os meios de nao fazer ea-
hir a provincia em outro abysmo.
O saldo existente no cofre em grande parte
producto da contribuicao extraordinaria. _
era serapre telemos urna assembla lao patrio-
tica como a de 1861, que votou tao descominuna"
contribuicao, para seu producto ser applicado
Esta importante noticia vem ltimamente con- gas Mara.Jos da Conceicao e o pardo Manoel es-
linnadanos trabalhos da commlssao encarregada cravo de Emilia Monteiro Queiroga, ambos por dis-
de examinar as matas nacionaes,polas quaes se ve turbios. .,,,. ..... -
que, alm do terreno concedido pelo nusso governo A ordem do de S. Jos, o crioulo Joao, escravo
aos Inglezes, para construir um porto fiscal, tem ha- de Jos Bento de Figueiredo, para averiguacoes
vido usurpado. policiaes.
E' de esperar que o governo, agora bem infor-
mado, trate escrupulosamente de um negocio de
A linda Venus mimosa
Deu4e.....deu-te quanto linha ;
Entre as virgens s ramha I
E entre as flores a rosa I
parte do nosso territorio ab-
0 chefe da 2* secrao,
/. G. de Mesqntta.
Movimcnto da casa de detencao do dia 28 de
outubro de 1863:
ouvem fallar. FaUemos-lhes, pois, oonotanlon
te dos negocios que interessam religio e a egre-
ja, e o espirito religioso se reanimara, e marchar
par do espirito poltico que hoje predomina ex-
clusivamente, devendo annal trocar o abatimento
era que jaz pela precedencia que de direito lhe
pertence.
Bccife, 28 de outubro de 1863.
D.B.
. longa e aturada experiencia
mostra que dentro de 20 annos a India poder, se-
gundo diz o Madrat Times, foruccer a maior parte,
senao todo o exercito inglez com o melhor preser-!
vativo de sua forca e elTlriencia n'um clima quentc,
o quinina. Ha j perto de duzentas mil plantas em
varios estados do cresci ment.
A escuna Baro de Lazarin deve em breve
partir para Mozambique, tendo j o govemador ge-
ral da India recebido urna porlaria nesse sentido.
Diz-se que a partida ter lugar em novembro ou
dezembro.
L. .
A saber
beneficio de urna companhia. Nao comnientamos
o facto.
A maioria da assembla, composta de conserva-
dores est animada das melhores inlencoes.
E se o Sr. Souza Gonzaga nao tiver um completo
apoio, c pelas condicoes especiaes, em que veio ad
ministrar a provincia.
mpossivcl entre tanto deixar de dar sincero
apoio a quera se mostra lao preoecupado pelos me-
Ihoramentes da provincia.
Pona confessa-lo, a multiplicidade dos traba-
lhos feitos e dos emprehendidos pelo Sr. Souza
Gonzaga urna prova inconcussa do que temos
dito.
Temos f de que as ideas por elle aventadas nao
foraui de balde lancadas assembla ; as neeessi-
dades palpitantes da provincia, e o patriotismo de
seus deputados bao de auxiliar ao digno c lls-
trado administrador.
Nao temos lachigrapho para lomar os trabalhos
desta ultima sesso. Picando assim o publico pri-
vado de saber o que se disse em prol dos projertos
adoptados por esses deputados, cuja maioria nao
reeleita.
Ncm ao menos podem dar contas as seus cons-
tiluintes.
Ficain-lhes somonte---- a saudade do passado
tormento puro, doce e magoado.
No dia I i aqui locou o vapor inglez Kepler de
1240 toneladas, conimandado por Zohn Carral,
daqui sahio sem levar um ceilil de carga, e nem
passageiros.
Consta-nos, (jue guardavam urnas mil e tantas
saccas de algodao p.ira serem por elle conduzidas
directamente para a Europa ; mas que desconfia-
dos da demora deram a carga a outro navio.
O commandante Wo vapor inglez desapuntado
nao deu sabida do vapor, e baten a liivln pluma-
gem sem dar satisfacao alfandega, que represen-
tou contra tal procedimunto.
A vista disso nao se sabe se elle voltar a este
porto, nao obstante affiancar-noso vicc-consul Mu-
chever, que elle volta.
No dia 22 tocou aqui o vapor da companhia Ba-
hiana, trazendo-nos a noticia da duplcala de diplo-
mas em Scrgype.
No dia 21 fundeou com urna viagem de 20 horas
o brigue escuna de guerra FideUdade, que desse
porto parti no dia 23.
O algodao aqui vai sendo vendido pelo preco de
255000 a arroba.
Nao sei at onde ir esta alta de preco.
K pena que ainda toda a safra nao esteja co-
Ihida.
No terreno poltico nada lia por ora digno de
mencao honrosa.
At mais ver.
Sumii.
Existiara. Entraram Sahram. . 338 presos 5 > 6 .
Existem. . 337 .
Nacionaes. Eslrangeiros Mulheres Estrangeiras Escravos Escravas . 239 22 9 3 > 59 > 5 >
PERHAMBUGO.
337
Alimentados casta dos colrcs pblicos. 141
Movimcnto da enfermara do dia 29 de outubro
corrente :
Ti ve alta :
Flix Jos Rodrigues.
Aos Hrs. eleltores do primelro
e segundo dtstrlcto dirige o
Dr. Antonio Borges da Fonce-
ca a segnlnle m salva.
a pratica de apresentar-so cada um solicitando
do poder eleitoral a honra de ser eleilo represen-
tado gcral, provincial, ou municipal, conformo
com a ndole do rgimen democrtico, e deve fe-
char-so de urna vez para acabar com a ousada im-
Eosicao do |der executivo ou das faccfcs, como
djc estylo entre nos ; estylo por demas preten-
Seguio no dia 26 no vapor Jaguaribe em missoes cis' degradante e pernicioso,
para a provincia do Bio Grande do Norte o Revd. Quando se alTectava combaber urna olygarchia
conego Joao Chrisostomo de Paiva Torres, levando uma outra mais f;ital sc organisou; c mais fatal,
as veneraveis imagens de Jess c de sua Mi San-! PorJlue os 1Ul' lyranmsam em nonie da liberdade
tissima das Dores. Numeroso acompanhamento e' esl;, menos expostos a ira popular, sendo que o
1 de pessoas de consideraciio existentes em Olinda, l)0V0 cr s,1Tern os excessos dos demagogos castigo
lizeram parte do prestito. merecido aos coneulradores de seus dreitos e nn-
I A arca em que iam as venerandas imagens foi munidadcs, quando, coilado, apenas este povo re-
conduzida da capella de Santa Cruz at a estar-So, Presenta o aviltante papel de algoz de si propriu.
de Olinda pelos seminaristas, e antes de ser coflo-l >ao 5 crdade, e tyrannia msuportavel a vio-
cada na galeota, que para este Om all se achava lencia de cortos homens, que impoem aopovo scus
por ordem do Ilustre ins|tector do arsenal de ma- \ proprios nomes e o de seus apaniguados, sem dei-
rinha, foi aberta e postas as imagens wneraeo, xilr:lh, a 'jaldada de consultar seus inleresses e
do numeroso povo e familias respeitaveis que at a"icoes, e d ah vem mmha consUinte opposcao a
' aquello lugar tinham acompanliado e onde entlm- ,odas as olygarchias jue sao communs e accordes
siasticamente saudaram com vivas. Durante todo,no Pensamento de nuInTlcar o povo, e perder a de-
' o trajete da capella at a bordo do Jngitaribe a: mocracia.
1 msica do 4o batalhao de artilbaria oflerecida pelo | Iend0 protestado contra todas as tyraumas, qner
Exm. general commandante dasarmas, toeou har- se pratiquem em nomo do rei ou do povo, venho
moniosas pecas ; e girndolas de fogo subiram aos hrtJe solicitar dos cleitores pernambucanos um as-
I ares. Alguns escaleres e todas as canoas da esta- "p "a rqpresenlacao provincial.
': cao de Olinda, embanderadasc cheias de pessoas, M"!h Vlda, 6 ,n,UIt1 fonhecida, e grande numero
: formando ala a galeota seguirn atea estacao do ?2j'a,alhag ,enno dado neste Pernambuco desde
obsequiosas palavras com que se dgnaram brin-
dar-me no trio it Pernambuco de 28 do cor-
rente.
Se alguns serviros prestei provincia, dorante-
o tempo do aquartellamenio e como commandante
do corpo a que cima me reflro, grande parte da
honra que d ah resulta cabe aos Srs. offlriaes in-
feriores e mais pracas do referido corpo aquartel-
lado, nois que todos moslravam-sc solicito no-
bom desempenho da raissao que uos fora confiada
pelo governo da provincia, sendo que durante c-
periodo de mais de tres mezas, nada houve que
deslustrasse o corpo sob mou commando tornan-
do-so pelo contrare lodos dignos de louvor pela
promptido e zlo qua oslentavam no desempenho
de seus deveres militares, dando assim mais uma
prova nao equivoca de que sabem soffrer e pres-
tarem-se com resignacao servioo desta ordem.
sempre que dalles o paiz ncessla, verdade esta
que nao pode ser contestada por quem qur qua
seja, visto como jamis a podero offuscar.
Recebam pois os Srs. offlcaes, inferiores e mais
pracas do corpo aquartellado que servio sob as
minhas ordens os meus sinceros agradeciment >s,
certos de que, em qualquer parte onde a srte
me houver de eollocar, sempre terei gratas recor-
dacoes de to distinctos cidadaos.
focireJ28 do outubro de 1863.
Alejandre Ait'jmlo de Fras Villar.
REVISTA DIARIA.
Hontcm funecionou o Instituto Archeologico e
Geographko, comparecendo sessao o Exm. mon-1
L'alt'Ota scUna
-......... .-- Recifc donde sahiiido ao encontr o sou capataz, "*? Pr mc ,s!'.r mistef '.ll?er Iue farci. se on-
obituario do da 27 de ovtubro no cEMiTE-' 0ffereceu a sua capatasiapara o desembarque das iraJ na aseniiea provincia .
rio publico: pessoas que acompanhavam as canoas e que nao
Luiza Guilhermina Selle, Pernambuco, 41 annos, podiara atravessar as pontes.
casada, Poco da Panella ; phthysica. | o forte do Buraco e a fortaleza do Brum ao pas-
Lourenfa, escrava, Pernambuco, 15 mezes, Boa- sar o prestito incaram o pavilhao nacional, bem co-
Vista : escamozes
mo o Jmjwmbe qm se aohava primorosamente
pocas passadas esta provincia me
tem considerado, embora a guerra descomedida
que constantemente soffro de lodos os especulado-
res |olilicos se hoje ha liberaes, e me esquerem,
por serem ingratos, e entenderem, que so vm a
-------9 i ---------------------------- -------------- ----------------~ T ------ ItlU \J fWin'ft fvc <|i^J tv manara ]ii iiiivi<^>auiviiiv ,
senhor Muuiz Tavares e os Srs. Drs. Soares de Claudina Mara da Conceigao, Pernambuco, 23 an- accado com todos da sua troolaoao ; ahi foi a ar- este mundo _para ser martynsado.
nos, casada, Becife; dynarmia.
Manoel, Pernambuco, 6 dias, Boa-Vista; espasmo. '~e dTreUoBiguira Costa, coronel Pereira Lobo,
_______ tenente-coronel Passos, capitao Salgueiro e oulras
! pessoas. Era bello ver-se+sle acompanhamento,
cortando as aguas do nosso magestoso o frtil Ca-
pibaribe que pela vez prmeira recebeu em suas
DIARIO DE PERNAMBUCO
O nosso correspondente de Lisboa, nos enva a
segrate carta, cometido noticias de Goa :
Pelas cartas e jornaes de Ga que temos vis-
ta, alcanzando ao 1 de setembro, temos noticias
dos Estados da India.
a Os trabalhos da circumscripcao das dioceses
do padroado no Oriente continuara* estacionarios.
A instriiecao publica e sobretodo a do clero
que t uma das necessidades urgentes do padroado,
tem merecido as attencoes do governo e solicitude
do arcebispo primaz do" Oriente.
Oseminariode Rachol tem tidoimportantes re-
formas, qur no methodo do cnsino, qur no pessoal,
creando-se inesmo algumas cadeiras. Era Mapuc
tamben se crearam ^cadeiras de philosophia c de
lietorica.
Urna earta deBombaim diz que o bispo Stens
ti abalhra e conseguir tuna representacao ao Papa,
pedindo a eoaservacad dos vigarios apastolcos, e
dos jesutas na India. E' assignada por maito ca-
tholicos europeus e indgenas.
Azevedo, Gervasio Campello o Figueira, padre
meslre Cio a major Salvador.
Aps a leilura e approvaco da acta antecedente,
foi lido o expediente que constou : da oHerta de
uma moeda vclha dos Hollandezes pelo Rvd. padre
Lino-, de dous afDcios, um do Dr. Delphino Augus-
to Cavalcanti de Aibuquerque e outro do Dr. Jos
Liberato Barroso, agradecendo suas approvacoes
para socios; e dous acompanhando olfertas de pu-
blcacoes diversas.
Focara lidas e mandadas commssao respecti-
va duas propostas do major Salvador, apresentan-
do os Srs. Dr. Franoisco de Paula Salles, para so-
cio effectivo, c coronel Joao Guilherme de Bruce,
para correspondente.
Sobre declaraco vocal, foram considerados eli-
minados de socios effectivos os Srs. : Drs. Tristao
de Alencar Araripe, Jeronymo Vilolla de Castro
Tavares e Silvino Cavalcanti de Aibuquerque, con-
selheiro Autran, fre Norberto Paiva, e commenda-
dor Antonio Joaquim de Mello.
Pela presidencia da provincia foram conce-
didas liecncas :
Ao promotor publico do Nazareth, Dr. Joaquim
Eduardo Pina, 15 das, com vencimentos ;
Ao labellio e' cstTivo de orphos de Limoeiro,
Luiz Francisco Barrete de Almeida, 90 dias para
tratar de sua sade ;
ao vice-director do collego dos orphos. frei
Pedro da Purilicacao Paes e Paiva, 8 mezes sem
vencimentos;
Ao guarda nacional da 2* companhia do batalhao
n. 42, do municipio de Serinhaem, Jeronymo Tho-
maz Pereira Dulra, 8 mezes, para tratar de scus
negocios.
Conecdcu-so passagen para o 3o batalhao da
guarda nacional, do municipio do Recite, ao capi-
tao do 2 Joaquim Francisco Franco.
Amanha d a sociedade Nova Unido um sc-
rao dansante, em a casa de sua sede, na ra Nova.
Sendo sabbado o dia anniversario de S. M.
Fidelissima, prepara a empresa dramtica do Santa
Isabel um espectculo de gala, no qual, dcpois dos
hyuraos brasileiro e porluguez tocados em secna
por duas bandas de msicas, representar-se-ha o
inuito applaudido drama dos iheatros do Lisboa,
Rio e desta provincia, A Cruz om o Talismn, do
exeeUeate dramaturgo porluguez Luiz de Vascon-
celos.
A accao deste drama passa-se em Franca na ce-
lebre ioea de 1795 1799, quando os nimos es-
candecam-se e os coracoes s palpitavam revolu-
co, conseguimlo o seu autor no delinear do qua-
dro, nao sobreearregar as cores dos fados ou em-
prestar mos sentimentos aos personagens ipje
aprsenla, alliando a justiga com a equidade. O
seu assumpto o segrate :
Ignez (Camilla), lilha de um fidalgo, que se acha-
va recolhida um convento, quando as massa> re-
volucionarias pilhavam e incendiavam esses asylos
do Senhor, salva por Jorge (Coimlira), e levada
para a casa da supposta mi deste, conservando-se
ah at que a sanha dos revolucionarios, e princi-
palmente de San y rFlinio) veio arranca-la para
leva-la a sua casa, onde pretenda infama-la para
sempre, saciando seus malvados intentos, que fo-
ram mallogrados pela peispicacia e astucia de Luiz
(Tlwmaz), antigo creado da casa do pai de Ignez, e
enlo do referido Sarvy, ajudado pela loucura que
sobreveio a esta na occasio em que sorprendida
por Sarvy, quando buscava fugir-lhe e ir ter com
o seu amante Jorge, que achava-se oceulto n'um
subterrneo, allm de escapar perseguico do po-
vo, por que era elle soldado do governo."
Instruido de sua alta posico, (pois que era filho
do marquez d'L'stain), por Luiza sua mi adoptiva,
Jorge, quando os nimos achavam-se arrefendos e
se preparava a posse doprimeiro cnsul, apparece a cor da noute, e brilhavam
e consegue a priso e morte de. Sarvy, seu persc- cravados no firmamento,
guidor e de Ignez, sua prima e noiva, por ser trai- Seu olhar foi a luz que espancou as trevas da
dor e revolucionario, entrando na posse dos bens minha alma, foi o orvalho que deu vista as flores
de seu pai e dte de sua nnilhor. da minha juventude, foi o balsamo da esperanca
Ilasecnas sorprendentes c de enthusiasmo, pri- que veio cicatrizar as cbagas do meu coracao I
mando entre ellas as finaos dos actos primeiro e Ha olhares assim I
segundo, onde se revelou o seu autor do forma a > Haios de luz escapados das regCes celestes, es-
prender o coracao e arrebata-lo regio do temo, trollas perdidas que vagam pela trra, phares que
Em um dos actos ser cantado o bello c sympa- nos guiam nos mares da vida, incendiando-nos o
thico hyrano francez A Marsellteza segundo peito, avivando o sentimento, indicando o futuro,
manda o autor do drama, por um joven francez. mostrando oparaizo e prometiendo a felicidade I
Apesar dos bices com que uta, o empresario; 0 teu olhar assim !
raontou este drama de grande espectculo, com sa-
; ca carregada pelos respeitaveis c.dados Dr. juiz | Vx,mo 1 ... Jr_- ....'. -------. rv:_. f... i mo a responsabilidade de todos os meus
un POUCO DE TOO.
Transcrevcmos do lbum Alterara o que segu :
DEUS.
Ai I quanlas, quantas tochas accendentes,
E rodam sera testar, no azul da esphera,
Conhecem tua voz, dizem teu nome,
No eloquente fulgor, no gyro eterno I
dezarwinb.
Dos!diz a doce viraco que passa, agitando
a ramagem dos arvoredos.
Deus 1murmura o rio-que cobreja, deslagando
temos queixumes.
Deus!brame o ocano impetuoso, arrojando
suas ondas de encontr s penedias.
Deus I recorda o horrivel estampido do trovSo,
cclmando no seio da immensidade.
Deus! gorgeam as aves do bosque, confandin-
do suas vozes n'uma hosanna sublime.
Deus! aponta a altiva palmcira, que se crgue
no meio do deserto, meneando a coma de luzentes
esmeraldas.
Dous I -diz o sol nos fulgores, a la na pallidcz,
c a estrella nos desmaios.
Deus!indica a aurora que desponta o dia que' gfcjas vagas deste bispado, que desde rauito cla-
expira, e a noute que se aproxima. mavam por seus curas e directores espirituaes.
Deus!apregoam as fras n'um medonhorugido, Montam todas essas igrejas ao numero de qna-
que faz tudo estremecer renta e oito, repartidas |wlas diversas provincias
Deus!balbuca a virgem, depondo a cora de de que se compcJe a vastadocesepemambueana;
saudade sobre o tmulo do amor. e d'aqui j se pode bem colligir quito grande inte-
Dens!pronuncia a mai^estremosa, acalentandopessi deve naturalmente inspirar este importante
o doce fructo do seu coracao. concurso a lodos aquelles, que nao professam o
Deus Iexclama o infeliz, ao sondar a profundi- ndiffcrentismo da poca |tara cora os negocios da
dade do abysmo em que vai submergir-se. igreja, e aos olhosde quem a instruccao e a diroc-
Deusl-stispira o venerando anciao, relendo a caoreligos.s, cimentadas pela predica do Evan-
interessante historia do passado. Igelhoe pela administracao dos sacramentos sao a
Deus!-relete a voz do bronze cathobco, avi- m(,|hor, seno a nica base solida, em que pode
vando a f no fundo dos coracoes. > assenlar a felicidadedo p.ivo brasileiro.
Deus!celebra o orgao sagrado,- vertenQ' tor-1 Ora, o sacerdocio, segundo a phrasc enrgica de
rentes de mysticas harmonas. ^ um escripior sagrado, nao una espeeulacao mer-
Deus Iproclama a sublime philosophia, allu-! cenara destinada a saciar a avidez de quem quer
miada com o tacho da razo. que seja ; uma montanha sania onde se devem
Deus!-canta o poeta extasiado na contemplacao eollocar os homens para offereoerem ao mundo o
aguas prestito tao honorfico.
J de nossos leitores bem conhecido o Ilustre
e virtuoso conego Joao Chrisostomo, que recolhcn-
do-se a esta cidado era maio de suas missSes as
: provincias da Parahyba e Rio Grande onde edifi-
! cou capeilas e levantou varios cemiterios, segu de
! novo para outros lugares onde desejamos que colha
iguaes resultados.
0 concurso para prcfocli i raen todas
igrejas \agas.
Expedit mxime aw'ma-
marum saluti, a dignit atque
donis paroris qubernan.
Trid.. 24, 18.
Decidida felizmente a pendencia que desde al-
guns annos existia entre o governo imperial e o
Exm. bispo desta diocese, e, para dize-lo de pas-
sagem, sem a menor quebra dos dreitos ou da
dgnidade episcopal, gracas firmeza e constancia
verdaderamente apostlica do venerando prela-
! do, foram afinal postas em concurso as differentes
Eifrahiilo do jornal intitulado Le Pharr, it 2G de
feverriro de 1863.
A manufactura de perfumaras, c de maisartigos
designados [ira o inmediato uso do toucador, tem
durante o espaeo de alguns annos multiplicado tao
rpidamente, a ponto tal, que uma pessea v-so
realmente perplexa e cmharacada quanto sua
compra, nao sabendoa qual dellas deva dar a pre-
ferencia ; nao obstante toda a cantella torna-sc por
sera duvida mu necessacia na vcrdadeira esculla
dasraesmas ; do contrario fcilmente correremos
o risoo, nao s em comprar gneros de uma anu-
dada intima e de neulium valor, mas tambera pode-
ro ser do uma natureza summamente injuriosa.
Em virtudo, \ms, julgamos prestar um servico
essencial ao publico em recommendar com toda a
parlicularidado os Srs. Lanman & Kemp, e o sou
vasto ostabek'cimento de drogas e |>erfuinarias por
atacado, em os ns. 69, 71 e 73 Water-street. o
nico estsbelecimento aonde se pode obter a vcrda-
deira e genuina agua do Florida, visto aquelles se-
nhores serem os exclusivos proprietarios da mesma.
das grandes maravilhas do universo.
Deus !exclama o sabio, erguendo a fronte cin-
gida com a aureola da intelligencia.
Deus!brada o guerreiro.coberto de fondas, ao
bastear o glorioso pendo da liberdade.
Deus!revela a infancia nos folgnedos, a moci-
dade no fervor das credas, a volhice as recorda-
coes.
Deus !sada a primavera com as flores, o ou-
tomno com os fructos, c o invern com os gelos.
Deus I implora o condemnado, estorcendo-se
de desespero na escuridao do rarcere.
Deus!lembra as vicisstudcs do passado, as
illusoes do presente, e as esperanzas do futuro.
Deus !lirada a voz da conscienca, elevando a
virtude, o abatendo o vicio.
Deus !lomara sem cessar os anjos, os homens,
as trevas, a luz, o firmamento, o mar, os peixes, os
animacs, as aves, as plantas, as pedras; c tudo
quanto nasce, e vive, e cresce, e multiplica-se, e
lomba no seio immenso da ereacao!
Por toda a parteDeus e somente Deus!!

Ai I que lindos que eram os seus olhos I
Nao eram da cor da esmeralda, como os olhos
de Joaninha a menina dos rouxinesmas tinham
como dous astros en-
crlicios enormes, esperando da benevolencia pu-
blica proteccao, attendondt-se que elle nada pou-
pa para satisl'azer aos desejos dos dilettantes, qur
no repertorio, qur no pessoal da companhia, que
talvez uestes dous dias seja augmentado com os ar-
tistas que contratou na corte.
Est funecionando o jury da cidade de Olin-
da, sob a presidencia do Dr. juiz de direito da co-
marca do mesmo nome, Begueira da Costa.
Os julgamentos teem corrido com regularidade,
dando assim o tribunal um publico desmentido s
representacao foi enviada ao arcebispo Saba, tantas vozes indifferenles que ahi se erguem con-
mas chegou depols do fallecimento deste e paruu
tas maos de Mr. Iloward, quo acompanhava aquel-
!c arcebispo, sem cargo algum, e segundo dizem,
era um espio.que os jesutas tinham posto aojado
do commissario de S. Sanlidade.
Diz-se oue este jesuta ser portador daquella
representacao, ou que a far acornpanhar da sua
farta 'Je empenho para com a curte de Roma.
tra essa liberalissima insttuicao, que tem por sa-
cerdotes os magistrados tirados do povo.
Fnda que seja a reunio peridica, esperamos
estar convenientemente habilitados offerecer aos
nossos leitores uma fiel resenta estatistica.
De (laruard escrevem-nos o seguintc :
A minha viagem ao centro da provincia do
Pauhy, e o meu estado de sade, depois quo aqu;
espectculo de Ilustres o edificantes exemplos. E
so assim com o simples sacerdocio, o que nao se-
r com as curas de almas ou vigaranas i Se o sim-
ples clrigo j nao pode distinguir-se pela pratica
das virtudes communs, o que nao devoremos di-
zer daquclles que aspirara a tomar sobre si o es-
pinhoso encargo de governar una parochia, de
instruir os liis dalla, pregar, administrar os sa-
cramentos, soccorrer os pobres, consolar os afllie-
tos, vizitar os enfermos, exhortare corrigr os per-
cadores conforme os diclames da candade a as re-
gras da prudencia ?
Tendo em vistas todos esses deveres, recommen-
dam e preceituam os sagrados caones, que os pa-
rochos sejam pessoas dignas e idneas, isto re-
commendaves por seu saber e pela severidadede
seus costuraos : morum graritate et litterariim
scientia ; e foi sem duvida para que bem e devi-
da mente se podesse verificar essa idoneidad* dos
pretendentes ou oppositores s igrejas vagas, que
se estabeleceu no sagrado concilio de Trente a sa-
lutar formalidade do concurso, por meio do qual
devem ser escolhidos e propostos (rub gravi cul-
pa) os melhores ou os mais dignos. Porquanto,
como no-lo diz o mesme concilio, convm no
mais alto grao salvacao das almas, que sejam
ellas governadas por paroehos dignos e idneos :
Expedit mxime ivmarum saluti, dignis atque
donis parorlus gubernart.
Entretanto, para que mais facilmento e com
maior segurauca sepossa attingir o lm desojado,
parece conveniente senao neressario que se appli-
que tamhem a este importante assumpto a podero-
sa garanta da publicidade (pola imprensa), sem
a qual tudo corre o risco de perverter-se ou des-
virtuar-se as desfavoraveis circunstancias que
actuam sobre o nosso meio social.
E com elleito, applicada a um tao importante
concurso, a publicidade ter a vantagem de attra-
hr para esse lado a atteneo do publico religioso,
c de concorrer talvez para'que se ponham em evi-
dencia mritos ou defeitos, que muito importa se-
jam em tempo patenteados e conhecidos. E sto
ser de um grande soccorro para os examinadores,
e para o supremo juiz do concurso...
Assim, por exemplo, temos ouvido dizer, c ate
j lemos em alguma gazeta que,
dos sacerdotes quo se preparara
Bello como um sonho de ventura, melanclico
como um raio da la, amoroso como um suspiro do
coracao.
O teu olhor o astro do meu destino, o cu da
minha felicidade, a felicidade da minha vida,
a vida do mea amor, o amor do meu coracao.
E' por isso que amo tanto os teus lindos olhos!

E' tao doce dizer :Eu amo!
Parece que os labios se dulcificara, c o coracao
expande-se com a harmona desta palavra I Eu
amo isto eu vejo o que vs, eu sinto o que
sentes, eu quero o que queres, eu movo-me porque
te moves, eu vivo porque tens vida !
Oh! consorcio sublime! Admira voluno de duas
almas que se encontram, se conhecem, se abracan),
se confundem, e so identifican!! Mysterio profundo
do coracao humano!
Ouvis, minha querida eu te amo !
Por tua fronto quo encanta, por teus olhos que
Ao governo porluguez e ao arcebispo primaz! cheguei, foram os motivos que me' obrigaram a brlham, por tous labios que fallam, por teu cora-
do Oriente comiste repellir os ataques da propagan-. interroniper a minha correspondencia; norm, cJio que palpita, pela intelligencia que te cora,
da, dessa cohorte do usurpadores, e por termo aos graca a Dos! j indo melhor, nao quero por mais pela innocencia que te cerca, por tudo quanto tens
abusos qu< recomecam e vejam repetidas vezes os [tempo deixar de dar-lhe noticias minhas. de bello, grande, juste, santo, e admiraveleu te
padres da jtirisdiccao diocesana, chegando at a Por ora nonhum faci notavcl me cabe noti- anw I .
negar-sc-lhes a permissao de exercer o seu sacer-1 ciar-lhe, a nao ser a estada entre nos do Sr. Dr. I as trevas es a minha luz, r
docio.
Ainda lia pouco irapozeram em Bombaim ao wiuim. um tor ur. nn*" "" ------ 0p
Rvd. padre Menezes a condicao de pedir prvamen-1 Joaquim do llego Barros, como sempre. sonho, no presente o raeu amor, no futuro a mratia pfem.
te lieenca por eserptoao bispo propagandista para Cora quanto o foro desta cidado nao tenha as- gloria I I Nada ha, segundo eremos, as leis ecclesiastcas
poder ssistir na ralhedral de Nossa Senhora da signalado a'gum caso novo, depois que tomou pos- Ai! ncm tu sabes como te quero,quao immeoso que possa obstara esse modo de proceder, aliaz
Esperaaca, a um oflleio de rquiem, para que ha- sede juiz municipal e do orphos o Dr. Miguel o amor que te consagro i I reclamado pelos verdadeiros interesses da religo
via sido convidado por um amigo seu. Bernardo Vieira do Amorim, mcansavel em regu-1 Como o passarinho quer o ninno, como a r run0-ada por Aquelle, que mandava aos seus dis-
Nestes ltimos annos tem-sc all eilo al-1 lansar os negociosafim do desapparecerem os abu- quer o orvalho como a nuvem quer o ceu, como .pujos, dizerem s claras o que Elle Ihes dizia s
gumas obras importantes, mas ha mezes queestao sos que anteriormente se davam, nem por isso me- o justo quor a Deus, como ucu quer a creatura; eicorag( e publicar dos telhados
actos, e
peco a amigos e inimigos, que se nao illudain com
a marcha da revolucao: neste sceulo mesmo o
czar em S. Petersburgo ouvia complacentemente do
seus aduladores a tcrrivel e barbara mentira
reina a paz em- Varsovia porque a famosa capi-
tal da Polonia era toda ella um s tmulo boje
aprsenla ella mais vida, do que ncm um outro
povo.
Quera conhece c embaixo os inexcrulaveis de-
signios de Deus ?
Portante nao sei hoje, se a democracia morreu
para sempre no Brasil; nem mesmo ninguem ou-
sar alllrinar, se amanha ser iinpossivel resusci-
tar vigoroso e cordato o partido republicano, que
se ha querido dar por morto na torra de Tiraden-
les, de Leao Coroado, de Peregrino, de Caneca, e
de Agostinho. Isto, porm, nada tem com a assem-
bla provincial, cujas funecoesse limitara aos in-
teresses moraes o materiacs da provracia, c em
condicoes bem eslroitas e mesqunhas.
Apresentando-nie, quero tirar a todos o pretexto
deque se scrveni do nao procurar eu, e de rae ter
um pouco retirado quando, se me retiro, |>or-
que, os que rae devera sustentar, curara s de si,
como se fazendo-se assim ingratos nao autorsam
as difisoes, e talvez alguma cousa mais.
Merc de Deus, deu-nos Elle um arrimo bem re-
signado e justo para esperar sem confundir a in-
justicia dos homens cora a verdade e dgnidade dos
principios. SolTremos todos um governo selvagem,
que nos barbarisa ; restauremos no paiz a accao
individual, e a liberdade vira, a liberdade, senno-
res, a liberdade, e nao essa mistificaco dos mais
saos principos de moral poltica, que traz todos era
desanimo, e, rae sensiblisa dize-lo, al a homens
pensadores, e de nao vulgar intelligencia.
L'in dos chefes da revolucao de 1848, e por ella,
e pela causa do povo altamente coinpromeltido,
de minha dgnidade solicitar o representar a pro-
vincia pelo primeiro e segundo districto, aquelle
que mais me amparar.
Sabem todos que a revolucao sabida dosta capi-
tal se armou era Olinda e iRuarass, Goianna, Na-
zareth, Limoeiro c Pao d'Alho, que sao o primeiro
o, segundo districto eleitoral; leudo eusido um dos
chefes desa revolucao nao devo recorrer a outros,
cumprindo-me s advirlir a meus antigos compa-
nheiros, que nao aeharo elles razo para me rc-
cusarem seu apoio aura de collocarein-me na posi-
co que ambiciono : e tarabem com este titulo,
que me ennobrece, de chefe da revolucao de 1848,
que solicito dos Pernambucanos seu voto.
Militando em quadra to difflcil, deve-se a minha
cooperaco a ordem, que sempre regulou entre os
rebeldes, que acariciando os amigos, respeitarara
sempre os dreitos dos inimigos, ainda dos que se
achavam era campo derramando o sanguedo povo ,
portante meu carcter franco e leal me autorisa a
solicitar de todos o favor de me ajudarem. uma vez
que a poltica gcral nao da aleada do poder legis-
lativo provincial.
E assim fallando, pens que hei de necessaria-
niente representar o papel que me ha sido predes-
tinado, que o de defensor da liberdade publica.
Espero da bondade de meuf velhos amigos os
dignos proprietarios Ao Diario de Pernambuco a pu-
blicacao desta missva, contando quo ser acceita
por todos como se a cada um individualmente es-
crevesse, pois dizem ser isto estylo hoje, recorren-
do a este expediente a falta de tempo c meio para
mandar a cada um daquelles pontos.
Recite, 28 de outubro de 1863.
Dr. Antonio liorges da Fonceca.
MI palavras ao Constitucional.
O Constitucional n. 38 de 13 do corrente tratan-
do do Rio Formoso, narra o fallecimento de urna
pobre menina, considerando esse acto mysteriosoe
que nelle havia um negregado crime.
Mencionou ainda que um fulano Martns, padri-
nho dessa menina, requerera exame no cadver, o
que nao lhe foi concedido, j porque o delegado de
polica se retirasse para fra do termo, e finalmen-
te j porque o medico chamado para tal tira, escu-
sara-se sobre pretexto de nao ter conipanhciros, e
os meiosprecisos para a autopsia.
Em tudo isto so ha exactido no facto da morte,
e assim o correspondente do Constitucional enga-
non-se, ou de proposito" quiz se encaar.
O que a tal respeito succedeu foi o segrate :
Falleeeudo a predita menina quasi repemina-
mente, dirigiram-se um seu lio, e o sea padrinho
casa do Dr. juiz de direito da comarca, c em con-
Illm. Sr.Na occasio a mais solemne em
que esta heroica provincia vai exercer a mais-
sublime e importante funecao da sobet auia>
nacional, apresenlando sahia escollia do
1 poder moderador lies nomesdistinclos para
1 o preenchimento da vaga deixada no senado
\ pelo fallecimente dovisconde de Aibuquer-
que e quando eu venbo sollicilar a honra a
! mais subida, que um cidadao pode preten-
der de seus patricios, a de ser contemplado
; em uma lisia trplice para o lugar de senador
do meu vigoroso dever explicar-me, e ma-
Inifeslar com franqueza meus principise
sentimentos para que os meus concidados
possam em sua conscienca julgar-me.
Sinto-me acanhado em m.nha pretengfio,
quando considero a importancia do manda-
' to, que a provincia vai conferir ; mandato
' do mais alto alcance, j por sua natureza de
' irrevogavel, j pela gravi dade de seu objec-
to, e influencia que deve exercer nos desli-
| nos do imperio sendo por isso que com ra-
1 zo exige a constitu'cao o candidato seja pes-
j soa de saber, capacidade e virtudes, com
' preferencia os que liverem feto serviros
patria.
No me desvaneco de possuir os requisi-
tos precisos para bem desempenhar o man-
dato, e ante os Ilustres Pernambucanos,
que seapresentam, me reconheco e confesso
0 mais fraco e o menos digno, e se me de-
termino a pedir os suffragios de meus conci-
dados, fundado smente na pureza de mi-
nhas inlencoes, no desejo deservir ao meu-
paiz, e na certesa. que tenho na propria
conscienca, de empregar os esforc/is, que-
em mim couberem, para o melhor cumpri-
ment de meus deveres, animado nica-
mente por tantas demonslracoes de estima e
conlianca. que hei recebido de minha pro-
vincia natal, que penhoram em extremo a
minha gratido, e me indnzem crer que
alguma cousa mereco no conceilo nohre e
generoso de meus comprovincianos.
Meus principios sao bem conhecidos, e
desde o anno de 183G, em que entre' na
scena poltica, sempre os tenho sustentado
com sinceidade, dedicacao e dgnidade. fin-
iendo que a liberdade o flm essencial das
sociedades civis, e felizmente a considero as-
saz garantida em nossas insiiluires funda-
1 mentaes, precisando apenas de algumas re-
forma! as leis regulamentares, que a lor-
nem effectiva na pratica, e a assegurem
melhor contra os abusos e vexames da forca
e do arbitrio.
Applicarei os mais serios cuidados no in-
tuito de occorrer decadencia da agricultu-
ra, commetcioe industria, que olhos vistos
definham e demandam urgente proteccao.
Com estes principios sol licito de V. S. o
seu voto e valiosa coadjuvacuo, e se Hie me
recer esta prova de sua honrosa confianza,
terei no maior apreco e agradecimento a
parte que V. S. se dignar de tomar em
minha eleico.
Com a maior consideraco e estima sou
de V. S., patricio e correligionario Abri-
gado.
Urbano Sabino Pessoa de Mello.
Recife, Io de setembro de 1803.
promenores e lodos os incidentes do presente con-
, curso, queforem susceptiveisdepublicaco, come-
Julio Barbosa de Vasconcelos, juiz de direito desla trella, no prado a minha or, na solidao a minha ?ando ^^ |sla dos differentes op[iositores com a
comarca. Contina a distinguir-se o promotor Dr. harpa, na vida o meu eolevo, no passado o meu ,ndcaco das igrejas a que especialmente se
entre os reveren-' versaciio deu-lhe parte da morte, e que esse facto
para este mesmo j servia" de raolivo a discussoes; ao que aquello raa-
conenrso, alguns existem que trazem a mira pos-! gistrado perguntou-lhes se a morte tinha sido na-
ta, nao em qualquer das igrejas vagas, porm em tural ou o resultado de um crime, e se elles sus-
oulrasque estao providas, econfos paroehos dasipeitavam alguma cousa dissessem para ser exami-
qnaes tem contratado ou esperam contratar urna i nado o cadver.
conveniente permuta. E d'ahi os esforcos e em-
penhos atim de serem propostos somente"para cer-
tas e determinadas froguezias.
Ora, sem querer de maneira alguma dar vulto a
boatos taes, que podem nao ser verdadeiros, pen-
samos todava, que s a intefra publicidade de
tudo quanto disser respeito ao concurso poder fa-
zer com que se frustem essas e outras especn-
laces sementantes, sem duvida alguma reprova-
das fela moral e pelas leis da igreja.
Seria, pois, muito para desejar, que S. Exc. re-
verendissima compenetrando-se da procedencia
destas breves reflexes, fizesse publicar todos os
Sarados os trabalhos de quasi todas as estradas, os rece silencio, visto como os processos formigara e a*sim eu te quero, assim eu le uesejo, assim eu te
a corveta Damao a oulros, por cansa da cMa^So conseguinteraente as persegui$es. ambiciono
invernosa, rigores do lempo, e escacez de meios I Gonsta-me ter sido apresentado por algnns seus
pecuniarios pola dirainuicao dos rendmentos da al- amigos do 3* circulo o mesmo Dr. Miguel de Amo-
andega nos'ultn!?s mezes, em consequencia de es-1 rira para um dos lugares da representacao provin-
tar a barra inacessive os navios. icia'k .,.
Nomeou-se ha muc,: ma commissSo para O estado sanitario e lisongeiro, o cholera desap-
uniformisaro systema tributario de modo que fl-1 pareceu. Doos queira quo elle aqui nao volte
Au revotr.
quem lodos contrlboindo em relacao aos *U recar' I "nais-, i '
sos e acabar cora a desgualdade iniusta" oue ***** I Inforraando-se-nos da existencia de uma mu-
nos impostes. J q Ihcr de ma vida, que multo maltrata a uma crian-
- Pelas ultimas noticias receidas de Damo,' c a^ Usnvenisua^ompanl.ia, e cuja educacao ne-
constaquo por ordem do governador daquella pra^ ign:*"*^^-8conveniencia que
ca se est traCando a directora da estrada que de- dcpois de "orifloada a exacudao disto, se tratasse
ve dirigtr-se de Damao-Pequeno Vapee terrto- de tlrar-lhe esS! imprpvisada tutela por amor da
rio britannieo, por onde passa o caminhode teffo propria crianca, a *MW. s?sim se prepara pm fn-
inglez. (oro de perdijo.
Tu tambem me queres, nao assim?
Remettem-nos o Sr. Y. Janior, a seguinte poesa:
K..............
Nasceste formosa e linda
Como lindos sio os anjos,
Empfestaram-le os arehanjos
Do rosto a belleza nluda-
As trevas da noute escura
Deram cor aos teus cabellos,
E viveza aos olhos bellos
Dw-te a estrella flf o pura.
o que Ihes dizia
ao ouvido. >
O segredo com effeiio, por via de regra o refu-
gio do erro, da injustica e do demerito, ao passo
qne a jnstica, a verdade e a virtude s podem ga-
nhar com a publiejdade.
Queixam-se rauita entr nos da decadencia do
espirito religioso, e lem-seincontestavelmcnte ra-
zo quando se formula scmelbante queixa ; maso
Jue nao se ha talvez advertido bem, quo a falta
e publicidade nos negocios o'.i rellgiao e da igre-
ja tem sido uma das causas mais poderosas dessa
lamenlavel decadencia.
Os homens preoecupam-so de ordinario com
aquillo em qne constantemente se Ihes falla, e
aoabam por affeicoar-se com fervor aa objecto do
sua? preocenpaces : esqueccm porm com a
maior facilidade aquillo em que s por accidente
A isto responderam o tioe o padrinho, qne nada
a tal respailo sospeitavam, eqtie a morte tinha si-
do natural e nao o resultado de um crime, c por-
tante, que elles dispensavam o exame cadavrico.
Eis a verdade do que se passou.
Hoje, porm, racto cuidadosamente averiguado
que a noticia dada pelo Constitucional puramen-
te fabulosa ; ninguem ignora que na morte dessa
infeliz menina nao houve o menor tomo do cri-
me, e que ella foi o resultado de molestias do seu
sexo, que desde ha muito soffria.
Sai ha emllm o correspondente do Constitucional
que o juiz de direito do Rio Formoso 6 magistrado
mu circumpecto, honesto e zeloso no comprimen-
to dos seus deveres, e que a existir esse crime qne
elle narra, nao estara ainda boje sob o manto do
mysterio I
A vinda a esta cidade do juiz municipal do Rio
Formoso, alm de ser por dous dias, foi em virtu-
de de ordens superiores, e podemos garantir ao
correspondente que o frodaquelle lugar nada sof-
freu, ncm houve o menor atrazo no servico pu-
blico.
O correspondente em sua noticia s revelon a
m vontadequetcm a esses funecionarros, ni von-
tade extremamente injusta; porque cites pelos scus
actos de moderacao o de Justina, se teem tornado
dignos da estima, consideradlo e respeito dos scus
comarcoes.
Isto, porm, nao serve para Rio Formoso, onde
s se elogia e se applaude a aquelles que se com-
prehendem as palavras besta.nu cobra.
O mparcial.
Agradeco sinceramente aos Srs. offlcaes e offl-
caes Inferiores do corpo da guarda nacional
aquartellada e nue. servio sob meu commando as
Comarca de Pao d'.lllie.
Illm. e Exm. Sr.Tendo sido preso pelo delegado
e juiz municipal desta villa bacharel Emygdio Mar-
ques de Santiago, o eleitor alteres Jesuiho Domin-
gues Carneiro, e mandando eu passar, e seu pe-
dido ordem de habeas-corpus, succedeu que, ouvin-
do ao delegado, depois de interrogado o paciente e
carcereiro, como se costuma fazer em processo dessa
natureza, tivesse em resposia : que a priso ha-
vendo sido feita em virtude de um offlcio do Dr.
chefe de polica da provincia, e de nma ceriidao.
que acorapanhou dito offlcio, da qual constava estar
aquelle alteres pronunciado no termo das Roma
do Cear, o ia remelter para a capital, conformo
lhe recommendava o mesmo Dr. chefe de polica.
Enlao entend conveniente rellectir-lhe que, em.
qnanlo nao proferisse minha declsao final, nao po-
da ter lugar essa remessa.
Mas, o delegado em vez de aguarda-la, replicn,,
procurando discutir e mostrar a minha incompe-
tencia para conceder esse habeascorpHs, por lersi-
do, dizia elle, essa priso ordem de ura funcio-
nario, que eslava para comgo era igual cathegoriar
a derlarando-me que nao lhe podendo dar determi-
nacoes em contrario as que recebera, mandava
sempre o preso.
Ora, eu que tenho na esphera de minhas attri-
buices todos os recursos necessarios, nao s par
conter o empregado que assim so quena desviar de
seas deveres, praticando a crime previsto pelo art.
180 do cdigo penal, mas tarabem para levar a
effeito qualquer deciso minha, quando favoravei
ao dito alteres, nao dei mais satisfacao alguma
(mesmo por convir a dgnidade do jniz) a tratei de
decidir o recurso, de que nao julguei podar tomar
conhecimento, porque, apezar de nao dever o dele-
gado, era faci da terminante disposicao da circu-
lar expedida pelo ministerio da justica em 16 de no-
vembro de 1861, fazer tal priso, senao ana or-
dem, por nao se dar no case as duas except0** **
circular, recalcitrava em afflrwtar' que o patifofe
so achava ordem do Dr. chefe de poiicia, nao
obstante haver declarado principio em petteao do
paciente, que sua priso fra feita requiti^o do
Dr. chefe de polica. (Documento sob n. 1).
Foi um abuso, mas o faci eslava consnmmndo.
Felizmente, porm, o naciente connnon a estar na
rasa da cmara, qne lhe foi destinada para priso,
at o seu ultimo despacha
Quando todas essas cousas se passavara, chega.-
ilLEGJVEL
/
V

A

*

-
*



Diarto de Pernambuco Hexin feir* SO de Outubro de 1.
*-

vaiii-nicaos ouvidos boatos, de qoe o cohimandanto
do destacamento prcvinira a guarda para nao deixar
prcm hberdade o altores Jesuino, quando algum
alvar nesse sentido fbsso aprescntado ao carcereiro
sem ser consultado ello commandante.
Pouco me importei com isto, a que mesrao nao
tondade todos s meios lgaos de fezer etecutar
nieus mandados, o so refiro esta clrcumstancia por
dentis.
O delegado ceedeu-se, considrrando-se com po-
lagai* de apreciar acius de minha competencia, e a
que s Iho enmpria acatar e obedecer, querendo
abrir um conflicto extemporneo e desnecessario,
e em que entretanto nao ficava com o maior
papel.
Exeedeu-se alud, e procedeu arbitraria e ins-
litamente, fazendo essa prisao ordem de quem a
nao jKKlia fazer, tirando deste modo ao paciente as
(araritas e recursos, que a lei d, c de que poda
ogo usar, e que tao sabiamente se procurou fir-
mar naquella circular.
K finalmente estabeleceu um precedente, que
passar, ser de serias consequeneias.
Levando todo o eipostv V. Exc, que ludo me-
llior ver do documento sob n. 2, tambem rogo
V. Exc. se digne de fazer chegar ao alto eonheci-
mehtD do goferno imperial esta minha com-
aiunicacao.
Antes de concluir permita V. Exc, que com to-
do respello llie pondere : que o delegado que assim
se vai palenteando nao me parece o mais proprio
para servir no lempo de urna eleicao, que tem de
correr tao livremente, quanto oqur S. M. o Im-
perador, e o manifesta \. Exc. as circulares qne
tenho recebido, priiicipalmente, quando me consta
que csse delegado assiste a reunides polticas pre-
eto de-ser netas soa presenca nccessarla como
autoridade policial, e pede votos para urna das par-
cialidades, que aqu est em campo.
Peco V. Exc. que me conceda a p ubi cacito
deste offlcio, porque, sendo os acontecimentos, que
relatei, de snmma importancia, especialmente na
presente quadra, talvez me seja possivel usar de
-sementante publieacSio contra argulcdes, que por
ventura por mal interpretado o meu procedimento,
se me queir.t fazer nos jornaes.
Deus guarde V.-Exc. Pao d'Alho, 48 de julho
de 1863. Tiln, e Exhi. Sr.Dr. JoaoSilveira de Sou-
za, presidente da provincia.O juiz de direito, Del-
fino Augusto Cavalctnti de Albuquerque.
sonto, teudo desaparecido no todo ajosse, tem
muia disposico comida, e acha-se nutrido.
Findou de tomar os ltimos remedios, que V. S.
Teceiton no da 30 do passado, resta agora V. S.
mandarme dizer qual a dieta que o doente deve
conservar, e por quantos lempos, mencionando as
comidas que devei usar d'aqui em dianle.
Rtfs1a;me agota' agradecer V. S. o cuidado que
tOUlOU no Iratamento do m**u solH-inlio, abaixo de
Deus, devido o seu restabelecimento a pericia de
V. S., e por isso pode V. S. sempre contar com
os meus diminutos prestimos, e desejarei cm
todo lempo dar urna prova do meu roconheci-
mento.
Dcsejo V. S. todas as venturas, por ser de V. S.
muito respeitadr eobrigadisslmo criado.
Francisco Beringuer Cezar de Menezes.
GOMHERCIO.
* ___________________________-i i
NOVO BANCO
DE
PERNAUIIltTCO
O Banco toma saques sobre as pracas do Rio de
Janeiro e Baha.
Alfantfega
Rendimento do da i a 28........
dem dodia29..................
353:1724695
16:7525883
369:925*578
145960 a 155040 a
145300 a 145400 a >
185540 a 185600 a ouro
45490 a 45500 aprat.
25010 a our.
Movfmeaio da allaadega
Tolumes entrados com fazendas... 278
c c com gneros... 341
Tolumes sahidos com fazendas... 94
t i com gneros... 265
619
359
Phtysica.
O xarope etlrerio de veame por mim preparado,
milito tem aproveitaflo aos que solrem desta mo-
lestia, e de lamentarse, que, no obtuario desta
cidade a maioria dos que sucumbem de tubrcu-
los pulmonares, sem procuraren! o recurso do
pratieo e do experiente, que llies podem encami-
nbar j meio do smvsalvacao.
O Sr. Braga com loja de ferragens na ra Direita,
'i desengaado por dous habis mdicos, acha-se
bom com o trataineiito por mim proscripto.
A Sra. Jeronyma Maria da nonceicao, moradora
na travessa do Monteiro n. 10, achande-se desen-
gaada, tambem mim recorreu e acha-se resta-
belocida.
l'm sobrinho do senhor professor de Nazaretli
do (-abo. acha-se bom, romo se ve de sua cartaabaixo
transcripta, alni de ontros faetos, que poderia
aqui mencionar.
A phtysica a distruirao e a magreira de. todo
orno, ein consei|uencia le chapas, tubrculos, e
concruccao dos bofes e de empyema, atropina ner-
vosa, e'outras molestias que viciara os humores,
como escorbuto, alporcas, gallico, asthrna, bexigas,
sarampo, etc.
Na phtysica, chegando ao estado de gravidade, o
que milito pode concorrer para a salvacao do
(lente c ajudar os medicamentos o ar do campo,
exei cicio conveniente e dieta, a qual nao deve ser
de nenhuma cousa quonte, ou de dillicil digestiio;
c a bebida cuuipre que seja de nalureza branda e
fresca.
Todo o seu alimento se ha de dirigir a moderar a
acrimonia dos humores, e a nutrir, e snster o
doeule, para o que preciso reduzi-lo ao uso de
regetaos e leiti
Toda comida e bebida, que se tomar ha de ser
em poucas poreoes, para evitar que o excesso do
chylo fresco opprima os liofes, e accelere muito a
-ciivnlacao do savgue.
Ifoites doenles desta molestia se leem entregue
ao uso do leo de ligado de bacallao, c oulras pre-
para roes de resinas e blsamos, sem que dellas
teiihin tirado pruveilu: c alguns expositores de
nie.lccina coinhatem com inuita razao esse trata-
inento.
E' costume carregar o estomago do doente.com
medicamentos oleosos e balsmicos; porm estes
em vez de lirari causa augmentam-na. esqnentan-
do o sangos, ao mesmo lempo que tiram o apetite,
relaxara os solidos, e sao Je toda gorfe perniciosos.
Todo que se lizer para extinguir a tosse, alm
do exercicio e rgimen aproprado devem ser re-
medios de nalureza acida, detergente e calmante.
Os accidos possoea a virtade de produzirem
bons effeitos oesta enfermidade, porque, nao s
coniriliiiem a apagar a sede quando acommette a
fiebre elhica. mas tambem a refrescar o sangue.
0 Sr. Amaro Januark) Francisco de Paula, mo
rador no paleo do Terco n. 26, leudo sido desenga-
nado pelo ultimo medico que o assistia, e arhan
do-se ja em estado de nao poder andar com os ps
bastante cuchados, com o tratamento de mimas
preparaefies de veame acha-se multo melhorado,
com admiraclo daquolles que o viam no estado
ni que se achata.
Quando a febre ethica o acommettia, minha
presoripcia era o seu alivio.
Handava que dissolvosso o sueco de um limito
cm urna chicara (Tagua com baslante assucar,
em um copo grande misturar com um papelinlio
dos poses refrigerantes para tomar, com que ali-
viara, e pela iiianh.ia o xarope etherio devlame c
pillas alcoolieas do mesmo.
1 enho aconselhado que faca uso dos vegetaes de
natureza acida, como laranjas, lmes, pitangas,
etc., e applicacaode plantas amargosas, que forlili-
cam o estomago, o Servera ao mesmo lempo para
destruir e miiigar a sede.
A Sra. D. Joaquina Anglica de Sa Barreto, mo-
radora na ra Direita n. 100, tendo urna sua es-
clava fallecido ha poucos dias submettida ao Ira-
tamenlo de seu medico, resolveu procurar-me para
tratar de um outro cscravo, que soffria da mesma
enfermidade, prcscrevi-lhe o xarope e as pilulas
do veame, tem melhorado consideravelmente.
O Sr. Temoliao Amando Martins, achando-se
gravemente accommettido desta molestia, procu-
j'ou-me ultimainenle, dizendo-mc, que tendo sido
nganado pelos scus professores, desejava ru-
rar-se pelo tratamento do veame ; com effeilo a-
preparaces de veame, consegu restabelecer-lhe
um (louco as breas, e metigar a tosse c a febre,
cun o que, a meu conselho, pode transportar-se
para o lugar da Gameleira, d'onde tenho tido no-
ticias achar-se melhor.
Quando alguera se v com tosso vai ao medico,
este o examina e declarao senhor est affectado
los pulmeso doente desanima, com esta senten-
ca entende estar sem mais cura, quando os fados
a experiencia tem demonstrado que muitos, ten-
do procurado o lugar aproprado, se teem salva-
do ; e assim explicam muitos expositores de me-
dicina.
Ora, nesta provincia temos facilidade boje e
recurso do ar ; porque a va frrea nos proporcio-
na, pois que cm pouro tempo urna pessoa que
rsete nesta cidade fcilmente se transporta para
3 ultimas estaces de Gameleira e Una, lugares
.irlo do Bonito e de oulros pontos que sao consi-
derados sertao, quanto mais que os mesmos luga-
res j nao sao maos, segundo, pens, principalmen-
te no vero.
Mas dir-se-haurna pessoa pobre niio tein mais
de se transportar e d'al estar isso se res[ion-
de, que, naquelles lugares existem casas vasias e
allugam-se por preeo commodo, e mesmo muitos
.lelos de |rmeira neeessidade, alH se vendern
lelos mesmos preeps que aqui.
Aquelles, pois, que estiverem neslas circums-
lancias, eu mea facilita explicar os meios pelos
quaes se devem reger, e Ibes fornecerci os medi-
camentos gratuitamente.
Ni deivarei dn advertir ao publico, que as mi-
tilias preparaces de velante sao reunidas com os-
tra* ingredientes, e com Bes tenho ohtido ptimos
resultados; nio se engaite o mesmo publico com
oulros, que por ah se annunciam, cujas prepara-
ces ignoro, asstm com o aproveitament dolles
aos enfermes, quem por ventura tenliam sido
.npplicados: cada um responde por si, e eu aiirmo
um verdad* o que aqu teuuo relatado, cujos me-
4licameatos nosU orovincia s vendo r inintia
loitica na ra Direita n. 88.
Jos da Rocka Poranhos.
Nazareth do Cabo, 7 de seteml.ro de 1863. -IHm.
Sr. hu da Hacha Prannos.(jirm o mahr pracar
Descarregatn no dia 30 de outubro.
Briguc inglezKatly Ellen mercadorias.
Barca ingleza -Aunmercadorias.
Escuna ingleza Sarak Ellen -mercadorias.
Brigue inglezZone -idem.
Brigueinglez -Daniel Dj/er-carvao.
Brigue porluguez Mercurio diversos genefos.
Importa^So.
Vapor nacional Mamanguape, entrado dos portos
do norte em 28 do cor rente, manifestou o se-
guinte :
De Maco.
\ 2 barricas sebo; a Cunha Irmaos.
'2 surroes carne ; a i. Soriano de Souza.
8 saceos algodao ; a M. & C.
1 garajo carne; a Antonio Fernandes Tho-
nfaz.
Do Aracaty.
31 saceos com algodao ; a ordem.
Do Acarac.
126 meios de sola; a Antonio Goncalves de Aze-
vedo.
. 120 meios do dita, 20 macos courinho a J. J.
deC. Moraes. ,
10 saceos gomma, farinha e feijao; a liz de P.
Ta vares.
22 couros salgados, 13 macos courinhos, 10 sac-
eos feijao : a Jos Joaquim da Silva Gomes.
37 saceos gomma, 13 ditos feijao ; a ordem.
429 meios de sola, 21 saceos gomma, 1 barrica
sebo ; a Jos de S Leito Jnior.
Do Natal.
40 saceos algodao ; a Joaquim da Silva Castro.
2 tambores de engenho, 3 rodas de dito, 1 bron-
se e 2 pedacos de ferro dito; a Andrade Souza
&C
Do Cear.
1 poreao de ferro, 10 caixas vinho de caj, 37
saceos algodao, 16 rolos fumo, 1 caixote livros im-
pressos, 112 saceos caf ; a ordem.
Vapor nacional Camaragibe, entrado de Maroi
em 28 do corrente, manifestou o seguinte :
ocaixoes mobilia, 1 dito figos ; a ordem.
llecebedoria de rCadas Internas
geraes de Pernambnco.
Rendimento do dia 1 a 28........ 44:1145404
dem do dia 29................. I:08852o7
45:2025661
Consulado provincial.
Ilendimento do dia 1 a 28 33:HI*3 Mfem do dia 29......'... .. 8705015
41:5155023
1*raca do Porto.
Preros dos gneros de commerrio rom o Brasil em
10 de outubro de 1863.
IMPORTACAO.
Agurdenle de cana do
Brasil..... T [704000 1835000
Algodao da Bahia (falla). 5 5
de Pernambuco. 5370 5380
> do Maranhao . 5 5440
do Para (falta) .
dos Estados-Uni-
dos (falta). . i
Arroz do Maranhao (falla) quinta
do Para (falla) . B
> da India. . I 45200 55400
Assucar do Rio de Janeiro 15300 15500
> da Rabia branro. 14650 1-5750
mascavo t 15230 15300
de Pernambuco
branco ..... I 15650 25400
< mascavo 15350 15500
Caf do Rio de Janeiro l1 45700 45900
. 2* 45400 45300
3* (falta) 5 5
escolha 1" . t 45000 451OO
2- (falla). 1
Cacu da Bahia t 5 35600
> do Para 45OO0 45200
Chifres grandes. . n.ilh. 5 555000
pequeos . i 185000 195000
Couros seceos da Babia c
Minas..... 5 5130
> do Rio Grande
de 17 a 22 ru} . i 5130 5133
de 10 a 16 . i 5165 5170
salgados de Pcr-
namburo c Mara-
nhao...... 4113 5120
do Para e Bahia a 5H5 5120
Fartnha de pin do Brasil quintal 35400 35300
Gomma do Brasil em pa-
15100 15500
Melaco....... almude 25000 25300
EXPORTACAO.
Alhos. cento de maunc almud 1 5760 5800
t 55100 55200
Chumbo de municao . quinta 75000 75200
* 35600 35800
Fio de vela fino. . > 5 85320
> > ordinario . 5 45000
Feijao branco..... alqueire JwW 5660
vermelho. . i 5750 5760
> amarello .... 5770 5780
> rajado..... i 5660 5670
frade..... 5360 5600
Presuntos...... i 35900 45000
ftotroz prelo . 44600 45800
z* . 25300 :1500o
de cores 1* . > 34600 54800
2- . 34000 35300
Vinho velho do Douro. . pipa .505000 3OO40OO
branco. . 1405000 I6O5OOO
> de consume. . i 3O4OOO 405000
Praca de Lisboa11 de outubro
delttttS.
Preros trrenles dos gneros de importaro.
Assucar de Pernambuco, b. (j> 15600 25230
i'to masrsvado...... 15*00 15300
Dito do Rio de Janeiro 'IJP'OO 15400
Dito da Bahia, b.......14550 15700
Dito mascavado...... 14000 15300
Dito do Maranhao b.....1 15300 15900
Dito mascavado. ..,-. 1510U 15300
Dito do Para, bruto ....- 14100 15350
Arroz 1 M mM i a Pira bom. > 65800 74060
Aguardw*** de canoa do Brasil P
Caf do Rio printern sorle
Dito dilo segunda dita. ...
Dito do Para ... .... b
flii'i ii B*hi.........
Craro do Maranhao.......d
Dito de Girofe........
Chifres.......*
Dita amarellla......... 45400 45300
Dita branca.......> 14800 25100
Dita do Brasil........ 15100 15'iOO
Melaeo............P 305000 325000
Olto .le copuluba...... b 424000 4
Pimenta da India......u? 100 110
Salsa parrilha toperior..... Qj) 164000 185000
Hila Dna dita ordinaria...... flfOOO 95000
T pioca bo...........@ 15500 25400
Uruc............. lT 100 140
V-quetan do Miranhllo. urna 15600 25400
DiaduPar....... 4600 25400
Dila de Peroambue.. .... i 4f600 25400
QtrMos.
landres a 90 VJ 53 V,
Pars a 100 r .528
Genova .... a 3 -/.. 526
Hamburgo... a 3 -/J 48
Amsterdam .... a 3 -/J 42.50
Madrid .... a 8d/v 930
Porto ... a 8 d/v Par. i
Metes.
Pecas de 84000.....84OIO a 84020 a ouro
Oncas hespanholas. ...
Ditas mexicanas.....
Aguias dos Estados-Uui-
dos...........
Soberanos ........
Ouro ccrceado I 24000 a
Patacas hespanholas ... 933 a 5943 a
Ditas brasileiras..... 5935 a 5945 a
Ditas mexicanas..... 5943 a 5960 a
i Vinte francos...... 35560 a 35380 a
Cinco francos...... 4870 a 875 a
Prata portugueza..... 74%0 a 85000 marco
Fundos e acQoes.
1 3 p. c. de assentamento... 49 Va a 49 7/i
iCoupons........49 T/a a 49 V
1 Banco de Portugal.....5504000 a 5325000
Commercial do Porto 2594000 a 2604000
Mercantil 2595000 a 2605000
A cotacao do banco Mercantil com o juro pago
de Io de setembro de 1863.
Revista commercial
de 12 de setemhro 11 de outubro.
No periodo desta revista o nosso mercado cou-
servou-sc quasi geralmente na posicao cm que
esta va.
O facto mais importante que occorreu, fo a
grande imitortacao Yfe fivemos de todos os gene-
ros, principalmente do caf de S. Thom.
No mercado de fundos pouoas Iransaeoes se tem
effectuado, e os procos que colamos fiara com-
pras pequeas, porque se houvessc alguma de
maior vulto de ceno nao obteria os mesmos p re -
eos.
Assucar.A desauimaeao que notamos nanossa
ultima revista, aggravou-se atnda mais pela gran-
de imnortacao que tivemos, e a ponto tal, que os
possuidores tiveram de fazer algumas reduccocs,
que derain ento lugar a maior movimento, mas
em breve tornou o mercado ao mesmo estado de
paralisacao, em que actualmente fica este gene-
ro. Entre as vendas cffectuadas temos a designar j
a de 700 saceos vendidos para o Porto, effecluan-,
do-se s o embarque de 300 porque o vapor nao
pode receber mais, mas os restantes vio no imme-
diato.
As entradas foram de 111 caixas, 92 barricas e 1 '
barriquinha do Rio de Janeiro; 511 caixas, 113
barricas, 1 feixo e 584 saceos da Bahia; 8,010
saceos de Pornamcuco; 178 barricas do Para; 288
barricas, 60 saceos e 10 formas do Cali-Verde; 2
barricas e 200 saceos da Madcira; 23 saceos de
Liverpool; e 200 caixas do Havre.
A existencia hoje de
Caixas Feixos Gigos Paneiros Bar." Barq." Saceos
2,546 838 94 23 5,787 206 57,843
Algodao.Existe ainda una pequea poreao, do
de Angola, que brevemente desapparecer do
mercado.
agurdente do Brasil.Poucas transaeoes se
effectuaram durante o periodo desta revista, mas
os procos nao soffreram alteracao alguma.
Caf.A' excepto das prineiras sortes do Rio,
todas as mais quahdades soffreram redcelo.
No de S. Thom tem havido algum movimento
realisando-se a venda de 600 saceos dos quaes 400
j eslao revendidos.
O de Angola pouco procurado e por isso sof-
freu a baixa de 100 ris.
As entradas foram de 430 saceos e 2 l/a barricas
do Rio de Janeiro : 93 saceos da Babia : 1,627 de
Loanda : 3,942 de S. Thom e578 de Cabo-Verde.
A existencia boje de 7,671 saceos 10 barricas
e 8 ditas da procedencia do Brasil e Colonias.
Cacao.Poucas transaeoes.
Couros. Effectuarani-s'e differentes vendas para
consumo das diversas qualidades.
Odcposilo com tudo assas abundante.
Gomma copal. No mesmo estado designado na
nossa anterior revista.
Gomma do Brasil.Sem alteracao, isto cm
apathia.
Melaeo.as poucas transaeoes cffectuadas,
sustentram-se os precos de nossas cotaces.
Salsa parrilha.Nao procurada.
Emba cacoes despachas.
Pernambuco.Confutara (brig. port.) com 16
meias pipas de vinho, 93 barris de azeite, 760 de
cal, 224 voluntes de figos, 38 de drogas, 264 barris
de carnes, 53 voluntes de conservas, 300 caixas de
cebollas, 300 do batatas, 300 saceos de farellos, 7
pedias de cantara, e 152 volumes de diversas
mercadorias.
Cear.Estrella (pal. porl.) com 549 volumes
com 53,278 litros de vinho, 9,272 litros de vinagre,
25 volumes com 1,930 litros de azeite, 32 litros de
agurdente, 78 barris de carnes, 100 barricas de
farinha 50 caixas e 400 molhos de cebollas, 190,440
litros de sal, 27 caixas de doce, 21 volumes de
drogas e ervas medicinaos, 213 volumes com figos,
43 caixas de cera em vcllas, 4 saceos arroz, e 813
volumes de mobilia e diversos.
Flor di- S. $finao (barc. port.) com 440 vazi-
Ihas de vinho, 151 de vinagre, 14 barris de azeite,
72 caixas de cera, 176 de batatas, 109 de cebollas,
530 com carnes c pcixe, 636 pedias de cantara,
470 barricas de cal, 2,500 tahoas, 41 pedacos de
Ierro, 6,747 pecas de barro e 378 volumes de di-
versas mercadorias.
Maranhao.Anglica I, com 23 pipas, 33 caixas,
12 meias pipas e 390 barris de vinho, 20 caixas de
dito moscatel, 21 pipas, 46 meias ditas e 130 barris
de vinagre, 20 barris de azeite, 121 detoucinho, 28
de chouricos, 30 de presunlos e ebOUricos, 10 de
banha, 1 caixa com palos. 3 de doce, 70 d'e massas,
5 de massa de tmales, 30 de uvas, 7 de rap, 20
de ac, 6 de cha, 330 lagos, 11 caixotes e 56 cai-
xes-de azulejos, 174 caixas de cera em vellas, 97
volumes de drogas, 7 amarrados, 6 volumes, 43
caixas, 66 meias ditas e 136 quarlos de passas, 5
caixotes, 103 caixas, 23 barris e 25 ancorlas de
figos, lObarriqunhas de calem pedra, 11 barricas
de cera em grumo, 4 de ervilhas, 10 barris de al-
vaiade, 250 caixas de batatas, 120 canastras de
alhos, 90 caixas e 1,200 molhos do cebollas, 2 cai-
xotes com 1,838 patacas brasileiras, e 142 volumes
diversos.
Purii.Henriqne (brig. bras.) com 21 caixas e
105 vazilhas de vinho, 24 vazilhas de vinagre, 10
barris de azeite, 83 de carnes, 126 moios de sal,
212 caixas de cera. 300 de batatas, 120 de massas,
60 voluntes de drogas, 15 de ferragens. 94 de doce
o conserva, 40 saceos de legumes, 230 ancoretas
de azeitonas, 25 caixas e 1,200 molhos de ceblas,
200 barris de cal e 50 volumes diversos.
Barra de Lisboa.
Entradas.
Setembro, 18 Palnwira, Rocha, Para.
19, Viajante, Nobrc, Para.
I.niii II, Vieira, Pernambuco-
Feliz Ventura, Santos, Para.
24, Relmpago, Silveira, Pernambuco.
Outufiro 3.Julio, MeireMes, Pernambuco.
Sahnas.
Setembro, 27. -Anglica I, Guerr, Maranhao.
> Henriquf, Loureiro, Para.
Outubro !, Flor S. SimSo, Rodrigues, Cear.
3, Estrella, Oliveira Cear
EtnbarcarOeJt carga.
Pernambuco. Brigtws FlorinAa, Constante, Re-
lampngo, e barca GrViwtn.
Maranhao.-Patachos Boa Fe e Cautella.
Para.-Brtgues igeiro, Viajante e Fcltic Ven-
turu.
Macei.Barca Bbedouro.
Conrw oroj dii Rio
Cauros rerdea di Pata .
Diios *t>icho4'i (t** Minas
.in tilo ila Saina .
hilo i-lg-nlu do Maranhao
hilo iiidw o* Pt-anunfbuco
UilM ditos da IttfbM
levo ao conheeimento de V. S. que o doente, que Di ... a*ux>** i-gol. ....
V. S. achava-se administrando-lbe remedios, Comnho
A

>

t>


d
1
405800 414000
44800 44980
44400 44500
35300 3*408
34000 5
130 sno
5 10 120
94000404800
5140 160
4080
4140
I
100
too
060
083
160
140
125
120
**>
100
24OOO 35200
acha-se no lodo restabelecido, por quanto nada' Gomma copal.......... PW?03S CdRR*tES.
Londres, 8 de outubro
Fundos inglezes.
Dn banco, por S 100 fechados
Consolidados 3 /, 93 a 93 1/8 por 400
Rcdruidos 3 %, 91 1/2 a 915/8 por X 100 ox div.
Notos 3 /, 91 1/2 a 91 5?8 por af 100 ex div.
Exchequer bilis, marco, par 3. pnn. por S 100
. junlto, par 3s. prm. por St 100
Fundos eslrangeiros.
Belgas 4 >/,/* 98 a Ktt por S 100
Braslleiros 5 %, WO a 102 por 3? 100 l div.
-> 4 Vi /o. M a 93 por S 100
41/2 %, 3/4 a 1 prem. cautelas
Confederados 28 a 24 des.
'Egvpcios 7 Ve, 1001/2 a 1011/2 por 100
Greos36 3/4a37 por 100
Hespaiihoes 3f/ 5' 3/4 a 53 i/i pora* 100
drfferidos 3 48 3/4 a $91 /i por 'S? 100
divida interna 3 %, 31 a 82 por
Hollandezcs 4%, loe 1 2 a 101 1/2 por se 100
. 2 1/, 0/ 64 Vi a 65 Va Pr St 100
Italianos 5 % t ifi a 72 |/2 .,. % 100
Mexicanos 3 %, 42 5/8 a 42 7/8 por 2 100
Peruanos 4/V.
Portuguezes, 18.33, 3 /, 49 a 49 Vi por S 100
Dos 18ob -1862, 3 / 48 3/4 a 49 1/4 por S 100
Russos 5 /, 93 1,2 a 94 1/2 por S 100 ex div
novos 5 0/ 92 3/4 a 93 1/4 por a? iOO
4 V, /, 89 1 2 a 90 1'2 por S 100
i Va, 58 a 59 por 100
Sardos 5 %, 88 1/2 a 89 1/2 por S 100
Turcos, 1854 6 % 93 a 96 por S 100
. 1858 6 >/, 69 1/2 a 70 por S 100
. 1862 6 % 70 1/2 a 71 por 100
Internos, 53 a 53 1/4 por S 100
1863 camellas. 3 a 2 des.
Venezuela*, 61 a 62 por f K
Bancos.
Banco Hrasileiro e Portuguez, 3 1/4 a 3 3/4 premio.
Banco de Londres e do Brasil, 14 1/2 a 15 1/
Banco de Lon. Buenos-A j res e Rio da Prata, 11 a
12 premio.
Cambios.
Lisboa 3 m/d, 52 7/8 por S
Porto 3 m/d, 52 7/8 por S
Rio de Janeiro 0 d/v, $61/8 por S
Amsterdam 3 m/d, 11 19 a 11 19 1/2 porafest.
Hamburgo 3 m/d. 13 8 1/4 a 13 8 Vt por Si
Pars 3 m/d, 25 80 a 25 55 por *
. 3 d/v, 23 20 a 25 30 por
MarsoHia 3 m/d, 26 50 a 25 55 por S#
Genova 3 m/d, 25 62 1/2 a 23 67 1/2 por
Trieste 3 m/d, 11 30 a U 40 por S
Vienna 3 m/d, 11 30 a 11 40 por S
Madrid 3 m/d; 49 a 48 3/4 peso
Cdiz 3 m/d, 48 a 49 7/8 peso
Metaos preciosos.
Ouro, em barra, de lei 77 s. 9 d. por onca de peso.
Moedas brasileiras novas 77 s. 7 d. idem.
Oncas hespanholas 76 s. 6 d. a 77 s. Od. idem
patrias 74 s. 9 d. dem
Prata em barra, de lei 5 s. 11/4 d. idem.
Patacas mexicanas 5 s. 3 1/4 d. idem
Conminares, Carotus 5 s. 3 d.
Crusados novos 4 s. 11 3/4 d. idem
Pecas de 5 francos 4 s. 11 '/i d.
Gneros de importarn.
Algodao de Pernambuco, 25 1/2 d. a 28 i/2d. por Ib.
do Maranhao, roda, 26 '/> J- a 28 1/2 por Ib.
maquina,'27 d. 28'/2d. Ib.
da Rabia, 85 /i d. a 28 d. por Ib.
Assucar do Brasil, branco, 22 s. 0 d. a 26 s. 0 d.
IKtr 112 Ib.
Captivo de direitos, mascavado, 17 s. 0 d. a 22 s. 0
d. por 112 Ib.
Arroz do Brasil, 10 s. 0 d. a 21 s. 0 d. por 112 Ib
Nao ha.
da India, 7 s. 0 d. a 14 s. 6d.
de Java, 10 s. 0d.a2i. 0 d.
Caf do Rio, 62 s. 0 d. a 73 s. 6 d. por 112 Ib.
lavado, 74 s. 0 d. a 84 s. 0 d. por 112
Ib.
Cacao do Para, 57 s. 0 d. a 59 s. 0 J. por 112 Ib.
dem da Babia, 46 s. 0 d. a 48 s. 0 d. por 112 Ib.
Tapioca do Rio, i 3/4 d. a 3 cL por Ib.
do Para 1'/? d. a 2 |>or Ib. idem.
Curos do Brasil :
Seceos salgados, de 24 a 36 Ibs., 5 >/2 d. a 6 d. por
Ib. nominal.
Seocos, de 8 a 22 lbs., 6 '/i <1. a 7 por Ib. nominal.
Verdes, de 38 a 54 lbs., 4 d. a 4 1/2 d. por Ib. idem.
Do Rio de Janeiro :
Verdes, de 48 a 72 lbs., 3 3/4 d. por Ib. idem.
Do Rio Grande :
Verdes, de 63 a 70 lbs., 5 3/8 d. por Ib. idem.
de 44 a 50 lbs., 4 'A d. a 5 d. por lb-
dem.
Seceos, de 28 a 34 lbs., 8 1/, d. a 9 d. por Ib.
de 20 a 24 lbs., 7 i d. a 8 /i d. por Ib.
Chifres de 9 a 16 oncas, 10 s. 0 d. a 15 s. 0 d. por
123 froum
de 22 a 24 oncas. 33 s. 0 d. a 40 s. 0 d. por
123 frouxo.*
Ipecaouanha, 7 s. 0 d. a 7 s. 6 d. por ln.
Jacaranda do Rio, S 10 a 16 por tonelada no-
minal.
da Bahia. s 9 a S 13 por tonelada no-
minal.
Mercado monetario.Nao houvc mnndanca no
descont do Banco de Inglaterra, que tica a 4 p.
C ; a laxa que regala na praca de 3 7|8 a 4 p. c.
Algodao. =I)esappareccu a exallaco noticiada
mas nossa* ultimas duas revistas, mas o mercado
esievj>*olhlive:inente finito. Moutamas vendas a
unas 90,000 saceas.
Assucar.Depois da nossa ultima revista conti-
nuou a maior firmeza all noticiada, e a procura
tem gradualmente melhorado ; uestes ltimos dias
o mercado tem estado bstanle animado, devide isto
principalmente a operaces especulativas, baseadas
na diminuico que julga-se apresentar a produc-
co da boterraba na Franca, e nos efleitos prova-
veis da secca cm alguns dos paizes productores.
Para esta animaco contribuirain tambem alguns
embarques para a America do Norte c algnmas
compras por conta franceza, de modo que tem-se
realisado urna subida, termo medio, de pouco mais
ou menos 1|0 em 112 Ib.
Do Brasil pouco foi offorecido, constando-nos
apenas a venda do 4420 saceas do mascavado do
Rio a 2114, cuja venda mostra um scnsivel melho-
ramento Venderam-se no mar duas cargas de
Maroiin, para o Continente, seguras contra todos os
riscos, a saber :
Sir Fruncs Drake 221 caixas e 231 saceas de
mascavado a 20|0.
Solide 246 caixas c 230 saceas branco a 240.
Na artualidadc as cargas no mar enrontrariam
prompta venda, mas sao pouco offereculas, c as
nossas cotaces sao cm parte nominaes, a saber :
Para o Continente.
De Pernambuco, branco, 24/0 a 25/0.
Dito, mascavado, 18/6 a 19/6.
Da Bahia, branco, 23/6 a 24/6.
Da dila, mascavado, 17/0 a 20/0.
Para o Mediterrneo.
De Pernambuco, branco, 24/6 a 26/0.
De dito, mascavado, 18/0 a 20/0.
Da Baha, branco, 24/0 a 25/0.
Da dita, mascavado, 17/6 a 21/0.
Em Liverpool fizerm-se desde o dia 8 do pr-
ximo passado as seguintes vendas :
9300 saceas c 1280 caixas da Bahia de 18|9
a 2I|0, por mascavado soffrivel at bom, e 17|0 a
17|.'l por Nazaretli.
100 saceas de Macei a 19|0.
4300 saceas de Pernambuco de 19|0 a 20|0, por
mascavado mediano at muito bom.
10,370 saceas do Cear do 20|0 a 2I[0.
600 saceas da Parahiba pelo Salween, a chegar a
18|9 no caes.
Caf.O mercado em geral ficou em apathia, e
as ipialidades das possesses ingieras tornaram a
baixar ijO a lpi em 112 Ib. A procura para o do
Brasil fotem extremo limitada; offereceram-se em
leiliio 1711 saceos do Rio, de boa qualidade, for-
mando parto da carga do Mercaras, mns os leos
foram muito baixos, c quasi tudo foi retirado, ven-
dendo-se depois do leilao apenas urnas 500 saceas,
ordinario finoe superino de 72r6a 73i6 ; alem des-
las venderam-se urnas 350 saceas de verdadeiro or-
dinario fino, perlencentes a ontras partidas, de
71|6 a 72i3.
As cargas no mar foram muito despresadas, e
sendo as offortas bastante inferiores aos precos an-
teriores, nao effectuou-se venda alguma, e deve re-
putarse nominal a cotacao de 67|0 a 68(0 para
Good Firsts do Rio para o Continente.
Venderam-se em Liverpool desde o dia 8 do pr-
ximo passado 1100 saceas do Rio de 69|0a 73|6, e
2200 saceas da Baha, baixo, de 63|6 a 64|6.
Vehderam-se mais 250 saceas da Baha, mas o
preco nao traospirou.
Cacao.O mercado fica muito frouxo; as quah-
dades das possesses inglezas tem continuado com
tendencias baixa, e para o do Brasil nao houve
procura, nao constando-nos venda alguma. Em
Liverpool venderam-se desde o dia 8 do prximo
passado 535 saceas da Bahia de 44^0 a 44rt5, cm
algum inferior a 42|0.
Jacaranda.Chejaram 28 pecara da Bahia e 138
pecas do Rio. Nao houve vendas. O mercado
coatifta frouxo s nossas cotaces. Existencia
3293 coucoeiras do Rio o 8951 coucoeiras da Babia.
Pao-Brasil Sem alterado.
Couros.No decurso do thez passado fez-se um
avultado negocio nos. couros salgados do Rio da
Prata o do Rio Grande, especialmente em cargas
no mar. As vendas em ser tambem foram mais
consideraveis do que pornlgum tempo ; os precos
porem nao soffreram alteracao, e pouco pro va-
ve I que baja mellioi amento em quanto os nossas
mercados de couro manufacturado licarom na mes-
ma posicao, a nao ser que lome incremento a pro-
cura para exportaco.
A nossa cotacao actual para cargas de couros de
boi salgados do Rio Grande, (tesados, deS 3(8 d.
por Ib.
As cotacSes de couros seceos do Rio Grande sao
nominaes por falta de existencia.
Cambios.Effectuou-se urna pequea somma so-
bre o H10 de Janeiro a 26 l|8 d. ; as transaeces
sobre Portugal foram consideraveis a 52 7(8 d.
Metaes preciosos.O mercado da prata em bar-
ra est frouxo, mas julga-se que se far um nego-
cio soffrivel para o vapor de Bamhoim de 12 do
corrente. Para as patacas mexicanas ha soffrivel
procura.
P. S.
Algodao.O mercado fica sem alteracao, mon-
tando as vendas a 8000 saceas, incluind'o 40 sac-
eas de Pernambuco a 27 IfJ d.
33Et
28 d a 28 '/? d
27 d
5/*d
27 Vi d
23 '/i d
24 Vi d
a23d
28 Vi d a 28 i/4 d
26 V* d
28 d a 28 '/? d
27 W, d
26 '/i d
1/3 a 1/4
1/11
1/6 Vt a 1/10
1/4 a 1/6
1/1 Vt a 1/2
7.
BOLETIM COMMERCIAL.
Urerpool, 8 de outubro de 1863.
(Precos livros de direitos para o vendedor).
Algodao de Pernambuco por S
Bom...... >
Mediano.....
Ordinario. ...
dem da Bahia:
Bom....... a
Mediano..... >
Ordinario .... >
dem do Maranhao, por S :
(Fibra longa).
AleMtar*.....
Ilapiouru .... >
Caxias.....
(Maquina) :
Bom......
Mediano.....
Ordinario.....
Assucar do Rio, por 112 8 :
Branco.........21/6 a 25/0
Louro..........20/6
Mascavado........17/0 a 19/0
Idom de Pornamnuco :
Branco.........21/6 a 23/0
Louro..........20/0 a 20/6
Mascavado........17/0 a 20/0
dem da Bahia e Macei :
Branco.........21/6 a 25/0
Louro..........20/6
Mascavado........17/0 a 20/0
Melaeo..........9/0 a 11/0
Agurdente cachaca, por gal : 1/6 a 5/0
Balsamo de copabiba, por '$ :
Claro..........)
Turvo.........)
Borracha, por S :
Fina.....(Nominal)
Mediana.........
Ordinaria........
Caboca de negro.....
Sernamby........10 d 12 d
Do Cear, polles.....Nenhuma.
Sernambv......1/4
Cacao, por 112 tf :
Para, bom.......' 55/0
Bahia, bom.....44/0 a 44/6
Caf, por 112 8 :
Rio, 1* sorle......70/0 a 72/0
2' .....66/0 a 68/0
Escolhido......75/0 a 85/0
Babia, 1- sorte 67/0 a 68/0
2* t.....63/0 a 64/0
Escolhido......70/0 a 75/0
Cear ........
Cas tan ha. por 112 ? :
Do Para nova.....
Solio do Rio Grande, por 112
Bom o duro......
Mediano.......
Escuro.......
Cera de carnauba, |ior 112 S.
Chi fres, por 123 :
De vacca........10/0 a 15/0
De boi.........20/0 a 25/0
Clina. por S :
De cavado......
Do vacca.......
Couros, por <8 :
Rio, seceos de 30 a 35 .
20 a 24 .
de touros, 33 a 40 8. .
Rio Grande, por 8, salgados
de 63 a 70 .....
Ditos de 45 a 50 '3. .
Salgados de vacca, 40 a 48 a
de cavado seceos, 10 a 13
salgados, 23 a 37
16 a 20
Idem de Pernambuco, Babia,
Maranhao o Para, jior "8 :
Seceos salgados. 26 a 30
espichados, 16 a 20
Curtidos, 7 a 9 v. .
Motilados salgados,40 a 46 &
dem do Cear, Parahyba e
Macei, |ior <} :
Seceos salgados. 30 a 32 :
Molhados 45 a 50:
Cumar, por :
Bom.....Nominal
Ordinario. ...
Farinha de mandioca :
Boa, por 112. .-,
Gomma ou buebo do pcixe, p
Gurujuba 1* qualidade .
2 ...
Idem-'/unm/n-lS.
Idem Art isl i c-fO.
demQneen of Ihe Dttrt 30.
Numerario.-A taxa do juro couserv-se a i /.
Manchesfer.O nosso mercado esl muito fir-
me, procos com tendencias para subir.
Algodao.Depois da partida da mala para o
Hrasil, em 23 do prximo passado, o marcado tem
oslado menos animado, porm com boas tenda
diariamente. Temos a notar ma subida de 'A d
a '/, rj no do Brasil i/.aiw da America ; 'A d no
da iridia, e '/, d ao da China. Do algodao do-
Brasil que tem tido mais procura o da Bahia e
Macei. O estado do mercado de M.mehester, jun-
tamente com as grandes compras de algodao da
India para entrega na primavera de 1864 e s
poucas esperarieas que o conflicto na Ameri-
ca se termine cedo, de crer que os preros eon-
tinuem a subir. O total do algodao em ser de to-
das as quahdades 192,400 fardos contra 322,50o1
fardos no mesmo periodo de 186*i e em viagem
a 23 V d! 282,000 fardos contra 293,000, dem dem. A
vendas boje montam a 8,000 fardo.
Arroz.-As vendas montam em 72,320 sarco*
aos preeos de 9/6 a 13/4 Vi pelo de BengMa ; 9/
,, [telo do Ballam ; 8/ pelo de Castalia ;0/6 pelo de
27 Vd a 27 V, d Necrnsie. de 8/6 a 9/6 palo d Rangon. Mercado
firme.
Assucar.Tem sido mais procurado, principal-
mente para especulacio, e os precos subirara de
6 a 9d por 112 libras. As vendas do do Brasil
montam a 9100 saceos da Bahia de 17/ a 17/3 ;
4300 saceos de Pernambuco a 19 6, o 100O saceos
de Macei a 19/, Em viagem venderam-se duas
cargas, urna de 6,000 saceos da Parahvba pelo
Salueen a 18/9, e outra de 4,870 saceos do Gear
de 20/ a 20/6 por 112 libras. O assucar do Brasil
em er at 30 do setembro ultimo era 23,071 to-
neladas contra 13,954 toneladas no mesmo periodo
de 1862. ^
Borracha.Desde a nossa ultima tem tido mais
procura. Venderam-se 95 toneladas aos seguintes
presos J/ll a 2/ pela fina ; 1/7 a 1/10 pela me-
diana, e l/I Vt a i/i Vi pela de caheca de negro.
A quantidade em ser hoje de 543 toneladas, sen-
do J15 toneladas em primeiras mos, e 235 retidas
por ospeculacao.
Cacao.Vendas do 120 saceos da Bahia a 44/ e
70 saceos do de Guayaquil de 37 a 59/6 por H*
libras.
Gaf.Contina com procura* As vendas mon-
tam a 470 saceos do Rio de 69/ a 73/; 2440 saceos
da Babia de 63|6 a 64|6 e 200 saceos da Costa Rica
de 74| a77| por 112 lbs.
Couros do Brasil.Continuam a ter prompta
venda eos precos tem subido. A quantidade em
serde 17,877 couros dos quaes urna grande
poreao se relm fra do morcado esperando pre-
cos mais subidos. As ebegadas moniam 8830
couros ; e as vendas a 5,438 couros, aos seguintes
precos : pelos seceos salgados do Cear de 25 a 35
lbs., 6 3|8 d por Ib.; idem damnificados de 5 3(8. d
a 5 5|8 d por Ib.
Gomma do poixe.Mercado muito frouxo aos
precos cima colados.
63/0 a 72/0
17/6
42/6
42/0
41/0
70/0
12 d 9 d a a 14 d 12 d
7 d 6 Vi 6 Vi 1 8 d d a 7 d da 7 d
5 Vt 4 Vt 4 Vt 6/0 a 6/0 a 4/6 a d a 5 '/i d a 4 Vi 1 a 4 1/2 d 8/0 10/0 3/6 d i
0 d da6 d 15 Vi d
MOVIMENTO DO PORTO.
iV'irio entrado no dia 29.
Pbiladelphia38 dias, barra inglesa L'uio, de 138
toneladas, oapito llcard, equiparan 10, carga
2,230 barricas com farinha do trigo ; a Malheus
Anslin & C
Nao houve sabidas.
Observaco.
Suspendeu do lamarao para o Havre a barca
franceza Marie, capitn I. Vicoute com a mesma
carga que trouxc de Lima.
EDITAES.
6 d a 6 V
4 d a 4 Vt
1/7
1/3
18/6
d
1
3/3 a 3/6
2/9 a 3/0
2/3 a 2/4
3/6 a 3/9
3/2 a 3/3
2/6
2/10 a 3/0
2/6 a 2/7
2/0
1/4 a 1/9
7/6
10 a 18
StS a 10
26 a 29
12 a 0/ a 13 0/
i/6
Nenhuma.
33/0 a 38/0
.! .
Pescada .1" .
* ...
3* ...
Pirabvba. 1"
2' ...
& .
Bagre. 1" .)
? a ..)
Iperacuanha, por .
Jacaranda, por tonelada :
Rio.........
Babia........
Piassava, por 2.240 :
Para.....Nominal
Babia.....
Pixurim, por 31, bom .
Salsa-parrilha, jior :
Boa........
Inferior......
Tapioca, por 112 :
Rio, superior .
ordinaria ..... 20/0 a 23/0
Uruc. por Para bom 3 d a 7 d
Fuwlos e cambios.
Fundos inglezes.
Banco de Inglaterra (Acces) %
Consolidados.....3 93 'A a 93 V
Reduzidos ....... 3 91 Va
Fundos Novos.....3 91 V
Estraugeiros.
Belgas.......4 V2 99 a 101
Brasileiros.....5 100 a 101
.....4 '/i 93 a 93
Dinamarquczes ... 3
Hrspanhes.....3 54'A a 55
Diffendos 3 48 V, a 49
Passivos 3 35 Va a Jo Va
Hollandezcs. 2 Vi ^64^ ^
Mexicanos.....3 44 V* a 45
Portuguezes. 1862 3
Differido 3
. 1853 3
Russos......5
a 49
a 49 '/i
Va
Banco de Franca (Acedes) frs
Fondos francezes. 4 A
. .3
Via
90
48
49
93
89
3300
95.95
67.75
Metaes preciosos.
.Por onca 77/9 a 77/9 /i
Ouro em barra.
> portuguez em moeda
do Brasil
Oncas hespanholas
> americanas. 1
Prata em barra ....
Patacas brasileiras
Pesos coiumnarios hes-
panhos.......
Carolas.......
Ferdinand......
Ditos das repblicas Ites-
panholas e mexicanas
Moedas de 5 francos.
Cruzados novos. ....
Cambios.
Lisboa........D0'd.d 52 Va a 53
77/5
77/7 a 77/8
76/0 a 77/6
74/6 a 7*/9
5/1 'A
4/11 'A a 4/11
4/11'/i a 5/2
Vi r a
4/11
4/11
4/11 /
a 4/11
a 4/11
V* a 4/11
Porto .
Riorte Janeiro (NominnljeOd.v
Bahia e Pernambuco.
Amsterdam......3 m.d
Hamburgo .......
Paris.........-
........3 d.v.
52 y
25 n
, a 53
A a 26 V,
11.19'/i
49.8 /a a 13.8
25,50 a ?5.K
25.25 a 25.30
NAVIOS A CARGA PARA O BRASIL
CearFalcon 9.
MaranhaoDanish Princess10 de ouJnbro.
ParaCrescent12.
demBele'm9.
PernamoucoJames Hull12.
dem Georgiana -10.
dem Loo!; (htt 14.
dem Stamboul14.
dem Billn- Crest-il.
O Dr. Agostinho Hermilino de Leo, caval-
leiro da ordem de Christo, e ju/. munici-
pal e do commercio do termo da cidade
de Olinda, por Sua Magesiade Imperial e
Constitucional o Sr. D. Pedro II, que Deus
guarde, etc.
Faco saber pelo prsenle, que, no dia 19
do mez de novembro do corrente anno, se
ta de arrematar por venda a quem mais dr
em praca desle juizo, depois da audiencia
respectiva, um sitio de coqueiros no Jang,
com 300 palmos de frente para o nascente,
e de fundo meia legua, com duzentos ps
de coqueiros dando frucio, e 500 pouco
mais ou menos pequeos e grandes, extre-
ma do lado do norte com o sitio da Cruz de
Jos Martins Lopes, e para o sul com o sitio
de Jacinllio de Souza Barros, avallado por
1:0005 0'. Outro sitio de coqueiros no
mesmo lugar do Janea, com 390 palmos de
frente para o nascente, e com meia legua de
fundo, com coqueiros dando fructos, de-
marca pelo norte com o silio de Jaciniho de
Souza Barros e pelo sul com o de Joaquim
Gongalves Lima, avallado por 5003000.A
propriedade de Maranjuape, fenle para o
nascente com Ires quarlos de legua, exlre-
ma para o norte com a propriedade Gama-
cho, c do lado do sol com o engenho Qut-
mivou e Miinoel de Jess da Silva e seus
irmaos e trras de Paulista, tem um sobra-
do inbabitavel com 125 palmos de frente e
50 de fundo, com G janelias e 2 portas de
frente, a maior parte da coberla no chao, e
o que de portas, janellas e assoalho nada
presla ; com urna casa terrea com oO pal-
mos de frente e 4" de fundo, tendo duas
portas de fente e urna janella, tambem em
muito mo estado quasi que inliabilavel;
tem mais urna igreja bastante arruinada,
avaliado por 7:000500, sil s na fieguezia
de Maranguape do termo desta cidade. Cu-
jos sitios sao perlencentes ao coronel Joa-
quim Cavalcante de Albuquerque, e vao
praca por execucao que contra o mesmo en-
caminlia o bacharel Manoel Izidro de Mi-
randa .
E na falla de lidiantes ser a arremala-
co feita pelo preco da adjudicaco com o
abatimento respeclivo da lei.
E para que cliegue ao conheeimento de
todos, mandei fazer o presente edital que
ser affixado nos lugares do costme, e pu-
blicado pela imprensa.
Dado e passado nesta cida ie de Olinda,
aos 20 dias do mez de outubro de 1803,
quadragesimo segundo da independencia e
do imperio do Brasil.
E eu Felippe do Nascimenlo de Faria,
escrivo, o subscrevi.
Agoslinho Hermilino de Leao.
Pela thesouraria provincial se faz publico,
que os contratos das obras dos reparos de que pre-
cisam os 22" e 23" leos da estrada da Victoria,
foram transferidos para o dia 29 do corrente.
Secretaria da thesooriria provincial de Pernam-
buco 22 de outubro de 1863.O secretario,
A. F. dAntlunciaco.
...........-------------------------------* ......'
DECLARACOES.

Cerrcio ***.
Ffela Himihistrac'ao do crrelo desta citli-
de, se rar. rhiblico para lins convenientes,
que em virlude do disposlo no arl- 13& do
regulamento geral dos crrelos de % de
dezembro de i8ii, e art. 9. do decreto
n. 785 de i5de aiak de 1851, se proce-
der o consummo das carias existentes nesta
adrninislracSo perlencente ao mea de outu-
bro do anno passado, no dia 3 de novembro-
proximo s 11 horas da manhaa na portado
mesmo correio, e a respectiva lisia se acha
desde j vista dos interasados.
Adninistracio do correio de Pernambuco
24 de outubro de 486.
O arlntafcirtor.
Domingos dos Passos Miranda.


J
*.
1


Mario de Pernamtmeo Sexta felra 30 de Outubro de 1*8.
a
THEATRO
DE
SJk
Caia filial era Pernamhuro.
Por ordem da directora do banco do Brasil *w
convidados os senhores accionistastac*lsjj *
cafan filial de Pernambuco a recolherem ah at o
dia 23 de Janeiro de 1864 a nona c ultima prste-
lo de 10 /0, ou m por accao, de conferimdade
com os rticos 8 e 9 dos estatutos do tonco do Bra-
sil e art. 43 dos estatutos da cana filial.
isessoes da directora da caixa flkaldo
Brasil em Pernambuco i. de outubrode
85.Q secretario,
Jos Mamede Alves Ferreira.
Arrenataco.
Quarte-eira 14 do corrente, dnpois da audiencia
do lllm. Sr. Dr. juiz municipal da *. vara, escrivao
Athayde, sero vendidas a quem mais der as se-
guintes pedras : sendo 5 hombreiras com 50 pal-
mos, avalladas em 30A; 1 dita com 7 palmos por
4*400; 1 dita de 9 palmos a 4*300, 5 ditas com
50 palmos por 30$; 16 cordoes com 80 palmos por
24; 2 ditos com 14 palmos por 4*400; 39 cepos
com 88 palmos por 9*330; 5 ditos com 10> palmos
K>r 2*520; vao praca requer ment do Joao
odriguesdaSilva Valle, na execucao que
contra Antonio Soares de Caminlo. P^MM-
tes podera examinar as referidas Ped8.,1 ?*.-
geni da Magdalena, em poder do depositario par-
ticular Manoel Ignacio Avilla.
Conselho administrativo.
0 conselho administrativo, para forneci-
mento do arsenal de guerra, tem de com-
prar os objectos seguintes:
Para a enfermara dos menores do arsenal
de guerra.
13 colJLoes com os respectivos traves-
seiros.
Para a pharmacia do presidio de Fernando.
Agua ingleza 42 garrafas, borrachas de
8 oncas 12, ditas de 2 oncas 12, blsamos
de tolu I libra, calomelanos 8 oncas, cam-
phora 2 libras, cantliaridas novas 2 libras,
cloroformio I libra, citrato de potassa 1
libra, crmor trtaro 4 libras, enxofar subli-
mado 4 libras, extracto de ratanhia 8 oncas,
(ios de panno de linho meia arroba, gomma
Arbica 4 libras, iodoreto de ferro 4 oncas,
iodoreto de potasse I hra, magnesia cal-
sinada 1 libra, mercurio metlico i libras,
musgo eslandicos 2 libras, oleo de ligado de ^ Harbour............
bacalhao 2 libras, oxido rubro de mercurio Bienton, negociante inglez.
8 oncas, papel de filtrar 20 cadernos, pilu- Jos, criado dcSarvy.....
las CiESrisMim pea---Ktts?::::".::::
bras, pliorpliato de ferro de Loras 12 viros, lsailti]f enfKrnicra do hos-
salsa parrha de Bristol 12 vidros, seringas
de vidro 4, subnitrato de virmutho 1 libra,
sulfato de quinino 4 oncas, trtaro emtico 8
oncas, trtaro de potassa de soda 2 libras,
terebenlhina lina 4 libras, valerianato de
quenino 2 oncas, xarope do bosque 12 vi-
dros, xarope de Naf 12 vidros, sanguesu-
gas 200
Para a botica do hospital militar.
Assucar refinado 2i arrobas, salsa de Tau-
sende com 12 vidros cada caixa, de 28 on-
caa cada vidro, 2 caixas, capusulas de ligado
de bacalhao 50 caixas, cevada 4 arrobas,
agua de lo uro cerejo 12 garrafas, acido c-
trico 16 libras, caroba 16 libras, gomma
alcatera 4 libras, salsa parrha 12 arrobas,
linhaca 4 arrobas, maim commum I arro-
ba, glycerina 4 libras,valerianato de alropina
2 oitavas. lindura de caferana 6 oncas, hy-
posulfito de soda 4 oncas, extracto de quina
4 oncas, raz de allha I arroba, papel de
embru lio 2 resmas, salsa de Bristol conten-
do 2i oncas cada vidro 2j vidros, xarope de
Naf com 8 oncas cada vidro, 25 vidros,
pilulas de Dehaut 20 caixas, xarope de Pe-
riodo com 8 oncas cada vidro, 25 vidros,
xarope de Lamaroux com 10 oncas cada gar-
rafa, 12 garrafas, xarope de Labellone com
urna libra cada garrafa, 12 garrafas, phosphato
EPRGZA
DE
A. J. DIARTE COIHBRi.
GRANDE ESPECTCULO.
Sabbado, 3 i de oalubro de 1863.
Recite extraordinaria, cm grande gala, para solem-
nisar o feliz anniversario
natalicio de S. M. F. o Sr. D. Lnii I,
Rei de Portugal.
Perante as efflgies de SS. MM. o Sr. D. Pedro II,
D. Luiz I, e D. Mara Pia de Saboia, tocar-se-hao
OS HYIHNOS
BRASILEIRO E PORTUGUEZ.
Em seguida a companhia dramtica representa-
r o drama de grande espectculo, em cinco actos,
A CRUZ
0 TALISMN.
PERSONAGENS.
Capitao Jorge, depois co-
ronel ................. O Sr. Coimbra.
Sarvy, representante do po-
yo.................... Flavio.
Luiz, antigo criado do mar-
quez d'Estain.......... Thomaz.
Dr. Bernard, medico do hos-
pital de Bictre.......... Porto.
Sebastiao................ Lessa.
Guimaraes.
Penante.
> Gil-Braz.
A Sr.' D. Camilla.
> D. Jesuina.
pilal de Bictre......... D. Leopoldina.
Povo, tropa, etc., etc.
A accao comeca em setembro de 179o c acaba
em novembro de 1799.
0 primeiro acto passa-se em casa del.uiza, no
arrcbalde de S. Germano e os outros actos em
Pars.
Tendo de ser cantada no fin do segundo acto a
Marselheza, o emprezario obteve de um distincto
Francpz este favor que desde j lhe agradece.
No fim de drama a orcheslra tocar o hymno da
Marselha.
A cni|)reza nao se tem poupado a despezas e sa-
crificios para que o drama v com todo o gosto e
pericia que requer tao digno acto.
Os senhores assignantes podem mandar buscar
seus camarotes e cadeiras (querendo), ate sexta-
feira s 3 horas.
Comecara as 8 horas.
Em seguida diversas miudezas e perfumaras
sem limites : sexte-feira 30 do crrente pelas 10
lioras da manhaa na ra da Cadela do Recife n.
6, segundo andar.
" liKIliVO
HOJE
DE
Diversos ino es e de un mulatinho.
O agente Almeida far leilao a requerimento dos
administradores da massa fallida de Seve Filhos
S C., de um piano de Jacaranda, 2 mesinhas de
amarollo, 2 lavatorios de dito e urna mesa redon-
da ; na mesma occasiao vender por conta e risco
de quem pertencer um bonito mulatinho multo
proprio para criado.
Em seu escriptorio ra da Cadea do Recife n.
18, as 11 horas._____________________________
Contlmiaeo do leilao de fajea-
das perteaecntes a uiassa fal-
lida de Seve Filhos A c.
< OJK
Por intervenco do agento Pestaa no armazetu
dos mesmos hoje 30 do corrente pelas 10 horas da
manlia.
ESTRADA DE FERRO
DO
Do da de novembro de 183, at segundo aviso, as horas da
partidas dos trens sero reguladas pela tabella seguate:
Sabbado 31 do correte na na da Ca-
de i a d 53 irmazem as 11 horas.
DE
Dous cavallos alazes bous an-
_ dadores de baKo.
Pelo agente Euzehio se vender em leilao dous
cavallos com andar baixo, o nesta occasiao sero
aprsentelas diversas obras de marcineina, de
prata etc._____________________________
Transferencia para segnnda-feira 2 de
n venturo de 1863.
O leilao de mobilia, escravos e miudezas annun-
ciado para sexta-feira 30 do corrente nao pode ter
lugar no dia cima e por isso fica transferido para
o da segunda-feira 2 de novembro de 1863, na ra
da Cadeia n. 6, segundo andar.
LEILAO
DE
Urna loja de alf.rate roa do Imperador
n. 40 e mobilia.
Terca-feira 3 de novembro.
O agente Pestaa legalmente autorisado vender
em leilao por conta de quem pertencer urna loja
de alfaiate na ra do Imperador n. 40, constando
depalctots de panno, casemira, casacas, calcas de
casemira e brim, colleles de dito, pannos pretos,
casemiras, brins, camisas de meia, gergurocs pre-
tos e de cores, sedas para forro, botoes de todas as
qualidades, um fiteiro de amarello, 1 cofre, mesas
e carteiras e rauilos outros objectos que sero pa-
tentes.
Em seguida urna linda mobilia branca ameri-
cana, ricos quadros, relogios de parede, lindos en-1
feites para cima de mesa, cadeiras de balanco,!
commoda, lavatorio, marquezas, guarda louca,!
louca, espelhos dourados e muitos outros objectos
que seria enfadonho o enumera-los e que sero
patentes terca-feira 3 de novembro de 1863.
NOTICIA NOTICIA NOTICIA.
Cart5es de visite
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartees de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visite
Cartdes de visite
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
85000 a duzia
81000 a duzia
82000 a duzia
8000a duzia
8000 a duzia'
81000 a duzia
81000 a duzia
81000 a duzia
8,5000 a duzia
81000 a duzia
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ba do Imperador
Ra do Imperador
jsaaApjta,
Cinco Pontes
Afogados .
Boa Viagem
Prazeres .
Ilha. .
Cabo. .
Ipojuca .
Olinda .
Timb Ass
Escada .
Frexeiras .
Arpib .
Ribeiro. .
Gamelleira .
Cuyambuca.
Agua Prcta.
t'na .
TIIK\S PARA O INTERIOR
Das le trubalho
PaJP'igcirol
Ja 1. 2. .
.1. i. -.
I c |ia-- a
ros i* i
3 .I.--.-.
RA*HAA
S
8
8
8
a
9
9
y
9
l()
10
10
11
II
11
12
M.
0
8
18
2>
47
O
18
33
47
0
27
45
3
22
40
0
TARDE
H
30
50
O
30
5
25
4
5
2f>
l'a4'geirus
rif I. i.
3. OMMC.
TARDE
H. X.
15
2*
3
40
2
15
D.-iiitligaig *>
II.-i* natos
Passageirosde I., 2 <
t 3." classe.
HAMIAA
7
7
8
h
B
b
9
y
10
1
10
ii
ii
ii
12
M.
18
53
3
10
31
45
t
15
2
40
(i
23
41
1
18
38
O
TARDE
II.
30
38
48
o%
17
30
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA BRASUJEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos porlos do sul esperado
at o dia 30 do corrente um dos
vapores da companhia o qual de-
pn da demora do costume se-
seguir para os portos do norte.
Desde j reeebem-se passageiros e engaja-sc a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
AueiK'ao
Quem tiver preciso de urna pessoa para ensinar
primeiras lettras, graramatica e latim, e querendo
servir-se do seu peqneno prestim, dirija-se ao pa-
teo da Collegio, loja de cncadernaco, a tratar com
Jos Ribeiro Simpes.____________________________
P.-ecisa-se de um menino de 14 16 annos,
que lonha pratica de taberna, e que d conheci men-
t sua conducta : na ra das Larangeiras n. 11
Hospital Portugucz de Beneticcncia em I JgjJ
ia'jjjS'ia.
TltKXS DO l\ I KIIIOH
Das d (rnbalho
Una......
Agua Prcta.
Cuyambuca.
Gameleira..
Ribcirao. ..
Aripib.. ..
Frexeiras ..
Escada ....
Timb Ass
DR
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
, i ser embarcada no dia de sua chegada: encom-
ie ferro (le Leras com 12eneas cada vidro, 20 |mCndasc dinheiro a fretc ate o dia da saluda as 2
vidros, extracto de anuda 4 oitavas, es- horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
ponja fina I libra, manleiga de horco 2 ar-
robas, canella 2 libras, nlecrira i libras, ex-
tracto de lpulo 4 oitavas, papel branco
pautado I resma, follias de stramonio 1 li-
bra, crmor trtaro 4 libras, xarope dobos-j
Dos porlos do norte esperado
at o dia 2 de novembro o vapor
Princesa de Joinville, comman-
dante o capitao de fragata Santa
Barbara, o qual depois da demora
-se a
ver
encommen-
2 libras, agua de Colonia frascos de 1 libra das e dinheiro a frete at o dia da sabida as 2 bo-
cada um, frascos, confeitos de Strichina ras, agencia ra das Cruz ni, escriptorio de An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & t.
0 vidros, xarope de Veame, com 16 oncas
cada vidro, 20 vidros, vidros cryslaes de
bocea larga de 10 libras, 24, vidros cryslaes
de boca larga de 8 libras, 24, vidros crys-
taes de boca larga ce G libras, 24, vidros
cryslaes de boca larga de 4 libras, 24, vidros
cr'vstaes de boca larga de 2 libras,24, vidros
deboca larga 2 libras, 24, vidros de boca
eslreita de meia onca24, vidros de boca
estreila de 2 oilavas 24, boies de porcela-
na| de 4 oncas 12, ditos de dita de 2 oncas
12, tarjas sorlidas para vidros 300; todos
estes vidros devem ter rolbasde vidro.
Quem quizer vender taes objectos apre-
setiiem as suas propostas em carta feixada
na secretaria do conselho s 10 horas da
manba do dia 4 de novembro prximo vin-
douro.
Sala das sesses do conselho administra-
tivo, para fornecimento do arsenal de guer-
ra, 28 de outubrode 1863.
Antonio Pedro de SdBrrelo,
Coronel presidente.
Sebastiao Antonio do Reg Barros,
Vogal secretario.
Hoje 30 do corrente, finda a audiencia do juiz
de paz do 1." districto de Santo Antonio, as 2 lioras
da tarde, tem de serom arrematados alguns movis
penhorados a Romo Maximino da Cunha, por exe-
uco de Jeronymo Gomes da Fonseca.
OrtKElOGEKAL
ftelaco das cartas segaras existentes
na' advinistraco do corrcio desta
cidade para os senhores abaixo de-
clarados
BarSo deGuararapes.
Dr. Cypriaoo Fenclon Guedes Alcoforado.
Tenante Ernesto Ignacio Cardim (2).
Espiridio Zamiro de Souza.
Francisco Morcira da Costa.
D. Joanna Baptiste dos Santos.
Joao de Azedias Machado.
Joao Milao llenriques de Souza.
Jos Cuperlino dos Santos Meira.
Jos Joaquim Alvos de Amorim (2).
Jos Mara da Coste Pinto.
Luiza Francisca dos Anjos.
Levino Pinto Biandao.
Miguel da Silva Pereira.
Tenente Manoel Joaquim de Souza.
Vluva de Ventura Pereira Penna.
Arre mata cao
A arrenmtaeo dos escravos perten-
ctites a he'-anca do finado Jos Pei-
nando da Cruz, anuum-iadus por este
Diario, para quarta-feira {lima, ficon
transfer a pan sabbado 31 do corren-
te e ter logar depois d audiencia do
lllm. Sr.Dr. juiz municipal da segun-
da vara.
Correio geral.
Pela administracSa do correio desta cidade se
faz publico que em virlude da convenco postal,
celebrada pelos governos brasileiro e francez, se-
rio expedidas malas para g Europa no dia 30 do
corrente pelo vapor francs Btarn. As cartas se-
rio recebidas at 2 horas antes d que for marca-
da para a saludado vapor, eosjorqaes at 4 horas
antes.
COIIPAMjHIA
MESSAGERIEriMPERIALES
No dia 30 do corrente espera-se
dos |iortos do sul o vapor francez
Bearn, co mandante Aubry de la
IS'o, o qual depois da demora do
_ costumo seguir para Bordeaux
tocando em S. Vicente c Lisboa.
Em S. Vicente ha um vapor em correspondencia
com Gore.
A companhia encarrega-se de segurar as mer-
caderas embarcadas a bordo dos vapores, assim
como tambem recebe dinheiro c objectos de valor
com destino a Londres em transito por Bordeaux
c Boulogne.
Para as condcoes. fretes e passagens trate-se na
agencia ra do Trapiche n. 9. _______
Para o Rio de Janeiro segu com brevidade
a escuna Emilw, receoc carga a frete : a tratar
com Francisco Jos da Costa Araujo, ou com o
capitao a bordo.______________^^^
Para oltio de .lancho
pretende seguir com muita brevidade o patacho
nacional Regulo, tem parte de sen carregamento
prompto : para o resto que lhe falte e escravos a
frete, trate-se com os seus consignatarios Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio,
ra da Cruz n. 1.
Anual y.
O hiate Dous IrmSos, segu nestes dias : a tra-
tar com o Sr. Joao Alves de Quintal no trapiche do
algodao. ^___________^_________
Para o Rio de Janeiro pretende seguir com
muita brevidade o brigue nacional Almirante :
tem parte de seu carregamento prompto, e para o
resto que lhe falte, trate-se com os seus consigna-
tarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo, no seu
escriptorio ra da Cruz n. 1. _________
Para o Kio de Janeiro
deve sahir com brevidade a escuna nacional Cm-
poneza : quem nella quizer carregar ou embar-
car escravos, pode dirigir-se ao largo do Corpo
Santo n. 6, segundo andar, a tratar com Marques
Barros & C.___________________________________
fara o Cear
O palhabote Garibaldi tem parte da carga : pa-
ra o resto, tratase com Tasso Irmaos.
Para o Rio de Janeiro.
O brigue nacional Belizano, prestes a seguir
para alli, por j ter parte do seu carregamento,
tambem recebe escravos a frete, e alguma carga
miuda: os pretendemos dirijam-se ao largo do
Corpo Santo n. 0, segundo andar.
LEILOES.
LEILAO
DR
AdministracSo do eorreio de Pernambuco 2i de
oulubro de lo83.-H) administrador.
Domingos dos Passos Miranda.
Mobilia, escravos, miudezas e per fu-
marias.
HOJE.
Ba da Cadela n. e. 9* andar.
D agente Pestaa vender em leilao por conta
de quem pertencer urna elegante mobilia de jaca
randa de apurado gosto cem lampos de .pedia, 1
cama de dito no mesmo sentido, 1 rico guarda-
roupa, 1 guarda louja, lavatorio, berros, cadeiras,
quadros. mesa, louf de mesa para jantar e al-
mogo. vidros, eastiges, pspelS, quadros e outros
muitos objeettf eme sero patente,
Em eoi)iinua$ao diversqt escravos q' ambos os
sexos.
Um prclo, ama machina de aperlar *-
pe e ni da rna do Trapiche n. 7 e alguns
movis.
Terca-feira 3 de novembro.
O agente Pinto far leilao a requerimento de D.
Emilia Vianna Andrcus por seu bastante procu-
rador e por despacho do lllm. Sr. Dr. juiz de or-
phiios da typographia com seus pertences e alguns
movis existentes no sobrado da ra do Trapiche
n. 7, pertencente aq fallecido Joao Andreas, s 10
lioras do dia cima dito no mesmo sobrado.
LEILAO
DE
Fm fardo de fios para velas.
Terca"feira 3 de novembro na do Triqiirh n. 7.
O agente Pinio far leilao por conta e risco de
quem pertencer de um fardo com tios para velas
s 11 horas do dia cima dito no referido sobrado
em continuado ao leilao da typographia.
Pernambuco.
De ordem da provedoria convido aos senhores
membros da junte administrativa o mais socios a
comparecerem no Hospital, pelas 6 1|2 horas da
manhaa em ponto, no dia 2 de novembro, para em
conformidade do 7 do art. 5 do respectivo regla-
mento, assistirem a missa e memento que se ha de
celebrar por alma dos doentes que teem fallecido
as enfermaras deste estabelecimento ; c igual-
mente assistirem a bencao das novas enfermaras
que se vio abrir.
Recife 29 de outubro de 1863.
joaquim Ferreira Mendes Guimaraes.
1. secretario.____________
Precisa-se, para alugar, de um escravo que :
faca o servico de casa e trabalhe de enxada : quem
o tiver, quera dirigir-se ra da Imperatriz nu-
mero 61________________________________________i
Na padana do Poco da Panella se alugam
earros para passeio e cavados de sella, tudo por
proco commoda_______________^ I
Aluga-se pelo lempo da festa urna casa sita
na roa da Saude da fregueza do P050 da Panella, Lj
que contm 2 salas, 3 quartos, cozinha fra, e nm
gabinete independente da casa: os pretendentes
dirijam-se ra Direita n. 10, primeiro andar.
Furto de relogio.
No dia domingo 25 do corrente mez de outubro
roubaram da gaveta do balcao da taberna da ra
da Concordia n. 3i, as 2 horas da tarde, um relo-
gk) de ouro patente suisso com corrente, dous si-
netes e duas chaves tambem de ouro : quem do
mesmo der noticia ser gratificado por seu legitimo
dono, no boceo daCarvalha n. 1, ou na ra da Pal- j
ma n. 7, taberna._________________________
" Aluga-sc um sitio na ra de S. Miguel dos
Afogados, junto a fabrica de sabao, com boa casa,
estribara, quartos para pretos, muitos arvoredos
de fructo e baixa de capim : a tratar na mesma
ra, no sitio de dous portoes de ferro junto a igre-
! ja de S. Miguel, com Manoel Jos da Silva Grillo.
Ipojuca.. ..
Cabo.....
Ilha......
Prazeres. ..
Boa Viagem
Afogados ..
Cinco Ponas
I' Hgageiro*
i* l,*.e
3 euw.
MAMIAA
II. M.
4c
54
17
25
30
45
Mrrcadorin
e |iaBagci-
r.. d.- 4.
3. dIum.
IAMI.W
II.
8
8
8
8
Id
10
lo
li
ti
II
IS
l'iKtsiitiru*
i I., i. .
3 t"U*4C.
TARDE
H.
Il
21
Sfl
17
5
25
50
10
30
45
15
H. M
l
I
1
1
2

2
3
3
3
3
4
4
4
4
4
5
45
9
2t)
46
5
22
3t
5
I
30
43
0
13
3
42
52
Di.iiiiii^ns e
illax Maulo
Passageiros de !*, Io
e i claese-
MANHAA
11.
i
a
5
12
22
30
TARDE
II M
0
24,
45
3
23
41
5
25
36-
43
0
15
2S
50
57
1
15
N. B. as segundas-feras e sabbados o treni mixto de carga e passageiros nao partir
Gameleira, mas sim da Escada para Cinco Ponas s 10 lioras c cinco minutos da manhaa.
R. Austin, superintendente interino.
de
mmm
AURORA
1.845
LARGO DA
BRILHANTE.
IM
SANTA CRUZ.
Francisco Jos Fernandes Pires, dono lio grande eslabelecimenlo de mo-
lhados denominado AURORA BRILHANTE, avisa ao respeitavel publico tanto
da praca como de fra, e com especialidade aos seus freguezes, que o seu eslahe-
lecimonto acha-se prvido de novo sorlimento de bons gneros tanlo do paiz co-
mo do estrangeiro e prometi vender muilo em conta tanto a relalho como em
grosso:
garrafa a 5G0 e .... CiO
21000
800
1*400
800
AVISOS DIVERSOS.
Lotera extraordinaria
Aos 10:000000 e 2:000^000.
O abaixo assignado attendendo a boa acei-
taco que leve a lotera extraordinaria, ha
pouco extraliida, e tambem aos pedidos de
quasi lodosos compradores de bilbctes, de-
\ ido isso ao excellenle plano das loteras ex-
traordinarias, approvado pelo Exm. Sr. pro-
sidente da provincia, tem exposto venda
os bilhetes da segunda lotera extraordina-
ria, que correr no dia 6 de novembro prxi-
mo, sendo a terecira parte da segunda da
Santa Casa da Misericordia, e espera do res-
peitavel publico a compra dos bilhetes, pois
assim contribuir para o beneticio da Santa
Casa da Misericordia, reunindo o til com o
agradavel.
Os bilhetes e meios acham-se venda na
respectiva thesouraria ruado Cresqo n. 15
e as casas commissionadas ra da Impera-
triz n. 44, loja do Sr. Pimentel; ra Direita
n. 3, botica do Sr. Chagas; ra estreita do
Rosario n. 12, typographia do Sr. Mira e ra
da Cadeia n. 45, loja do Sr. Porto.
Os premios de 10:0000000 at 200000
serao pagos logo depois da extrae? o at as
4 horas da tarde e os outros no dia seguinte
depois da distribuicao das listas.
Servindo de thesoureiro,
Jos Rodrigues de Souza.
notas das caixas filiaes do Banco do Brasil, blhe-
tes premiados das loteras do imperio e estrangei-
! ras, com tanto que nao tenham cabido em pres-
I cripeo : no armazem da bola amarella, oito da
secretaria da polcia.________________________1
~ O abaixo assignado, tendo justo c contiatado
vender ao Sr. Antonio da Cruz Ribeiro a sua loja
de calcados sita na ra do Lvramento u. 33, faz
sciente' pelo presente ao respeitavel corpo commer-
cial, afim de eviiar duvdas futuras. No entanto
I se alguem julgar-se credor da mencionada loja,
pode apresentar-se no praso de tres dias, a contar
da presente data. Rcciie 30 de outubro de 1863.
Francisco Xavier de Athayde.
Prccisa-se alugar urna rapariga que lave e
engomme perfeitamente : pira jratar, na ra do
Vigario n. 9. sobrado._____________________
Manoel Novaes da Costa foi despedido de eai- |
xeiro do estabelecimento de carros funebresdo
pateo do Paraizo n. 10, de Jos Pinto Magalhaes,,
no dia 28 do corrente mez.______________________ '
O abaixo assignado declara que tenconadei-
xar brevemente acaixaria do estabelecimento de
calcados do Sr. Luiz Antonio da Silva ; mas como
seja encarregado de comprar as mercadorias desse
estabelecimento, por isso faz com antecedencia a
presente declaracao. Recife 24 de outubro de 1863
Antonio da Cruz Ribeiro.
D-so dinheiro a juro
n. 12, taberna.
O Sr. Jos Francisco Pinto Guimaraes, cirur-
gio pela escola real de cirurgia de Lisboa, trans-
ferio sua residencia para a ra Nova, n. 60, pri-
meiro andar, onde pode ser consultado todos os
dias uteis, das 7 s 10 horas da manhaa, acerca de
enfermidades denominadas cirurgieas ou exlernas,
especialmente daquellas, em que mais frequente-
mente intervem a medicina operatoria.
ATOSIGA
Declara-seque ninguem faca negocio com Tne-
reza de Jess obre urna escrava de nome Eugenia,
que sendo o bem nico deixado pela senhora della
Rita de Souza, est sujeita ao pagamento de dividas
de tralamento e enterro da mesma senhora.
Aluga-se urna das casas terreas situadas na
estrada do Chora-menino ao entrar da ponte peque-
a, com os seguintes commodos: 2 salas, 4 quar-
tos, cozinha lora, quintal murado e cacimba: a
tratar na estrada do Hospital Portuguez, sitio n. I,
ou no paleo do Carmo, sobrado n. 2, primeiro
andar.
Biscoutos ingle/es em latinhas
muito enfeitadas de varias
qualidades de 10000 a ...
Latas com mai melada nova a li-
bra 720 o............
Ditas com ameixas.........
Ditas'com emitas francezas. .
Ditas com fructas em calda,
500 e..............
Ditas com ligos de comadre a li-
bra 30 e............
Caixas com passas novas de 8 li-
bras a 30000, a libra 480
Ditas com figos com 8 e 1G li-
bras a 20000, 20500 e...
Chocolate portuguez e hespa-
nhol e francez a libra.....
Queijos do reino do vapor a
2/ e.............2->20
Ditos de prato novos, a libra a
640 e...........
Ditos de manleiga muilo fres-
caos a...............
Vinlio do Porto muito fino, ca-
ada a 50(500 e 70, e a
garrafa a 040, 800 e ...
Dito da Figueira de marcas supe-
riores, caada a 40 e 50, ea
Dito de Lisboa a 30, 30500 e 4r
40000, e a garrafa a 400, +
480e............ 560 g
Genebra de laranja, o frasco a
900 e................ 10000 $$
Dita de Hollanda a 040 c ..... 10000 :M
ISpermacete a libra a 640, 720 e 10000 3
640'Caixo de doce de goiaba, a B
500, 640 e........... 800 y
Charutos finos, caixas e mcias, '^
dcSimas, regala, parisien-
ses, delicias, trovadores,
suspiros, vrelas, flor de
S. Flix, Travista, guana-
I'.i .1 e muitas outras qua-
lidades, a 20800, 30000.
30500, 40O 0, 40500 e. 50000
Vmhos finos engarrafados em
caixa a 130, I50e 200 e
a garrafa a 1/e....... 10500
Copos lapidados para agua e vi-
4001
560
4S:0U
10000
720
j60
1000
nho, a duzia a 60500 e 40000 -j
Caf lavado e de Moca, a 280,
32Q e 36'1 rs a libra, ea
arroba 80500, 90000 e 90500 M
Cha hison superior, a 20500,
20800, 30000 e........
30200
no paleo do Terco
O Sr. Francisco Pereira Lebre queira vir
ra da Praia ns. 54 e 36 a negocio de seu intores-
se, e tambem o Sr. Francisco Jos Ferreira, o mais
breve que podercm.______________________________
Pede-se ao Sr. Julo Pereira Matioso quando
vier ao Recife o favor de apparecer na ra larga
do Rosario n. 34, botica._________________________
Na ra da Alegra n. 7 alugam-se duas es-
cravas, urna sabe cozinhar, engommar, ensalmar e
comprar, o a outra sabe fazer o mesmo, menos en-
gommar;___________________________________
VeneravfI ordem terceira de S. Francisco
do Recife.
Aluga-se o segundo andar do sobrado n. 36 da
na estreita do Roano, pertencente ao patrimonio
da dita ordem : os pretedcentes dirijam-se ao cha-
rissimo irmo ministro o Sr. Joaquim Mauricio
Connives Rosa.
Secretaria 29 de oulubro de 1863.
Jos Goncalves Malvea.'''
Secretario.
Aluga-se a casa terrea na ra de S. Miguel n.
94, na povoacao dos Afogados, com commodos para
familia, em muito bom estado, pelo diminuto preco
de SJ mensaes : a fallar nesta cidade, ra da Pe-1 j
iiha n. 3.
Fugo do Brejo da Madre de Dos, d lugar
Breginho, no dia 12 de outubro do corrente anno,
o escravo Jacintho, tem 24 a 23 annos de idade,
rosto comprido, sem barba, estatura regular, ps
grandes : roga-se a qualquer autoridade policial
ou capitao de campo que o apprehender, o faija con-
duzir a seu dono Joao Correia de Araujo, morador
na mencionada villa, ou a Francisco Coelho da Sil-
va, noengenho Guararapes,quesera generosamen-
te recompensado.
Aluga-se um sitio na travessa da Capunga
para a Baixa-Verde, defronte do portao do sitio do
Arantes : trate-se no mesmo sitio, ou na ra da
Cadea do Recife n. 25, sobrado.
ALMANAK
Estando o confeccio ar-se o aimanak
desta provincia, que contina serim-
presso nesta typographia, convidase a
todas as pessos pne elle fazem parte,
para que remettam livraria ns. 6 c 8
da praca da lodependencia, seos nonos
e qaaldade de estabelecimento, e aos
peuhores de eogenhos qne sedignem
remetter alera dos nomos de seus eo-
genhos, o da fregueza e comarca a qne
sertencerem.
ISS-ffiSltt-ffiKa1iS:
QKtSREaKl floaORMwR oOjWEHW5Bw :
Aluga-se o secundo anda
sobrado da ra da Cruz n
a tratar no armazem do me;
I sobrado.
Aluga-se a casa terrea c< m gabinete na la-
deira do Vandouro, em Olinda, a ulUma na subi-
da, lado esquejo
numero 4,
Finalmente tudo que consta tendente a molhados encontrar semprc o res-
peitavel publico um grande sorlimento de boa qualidade o por prefos commodos.
Monte Pi Popular Per-
nanibucano.
De ordem do Sr. director convido pela segunda
vez a todos os senhores socios em dia para se reu-
nirem na quarta-ftira 28 do corrente, as 6 1|2 ho-
ras da noite para se effectuar a elcic,o de alguns
membros do conselho e membros de commissoes,
declarando que semprc se far a cleicfio com qual-
quer numero de socio em virlude do artigo 20 dos
esiatiilos.
Secretaria do Monte Pi Popular Pernambtuano
25 de outubro de 1863.
Jos Fernandes Moreira.
1." secretario.
3-Rl'A ESTREITA DO R0SARI0--3
Francisco Pinto Ozorio contina a col-
locar dentes articiaes tanto por meio de
molas como pela presso do ar, nao re-
cebe paga alguma sem que as obras nao
flquein a vontade de seus donos, tem ps
e outras preparacoes as mais acreditadas
para conservaco da bocea.
Irmandade das almas do
Recife.
Por ordem da mesa regedora convido a todos os
nossos irmaos para reunirem-se em mesa geral do-
mingo 1." de novembro, s 11 horas da manhaa,
afim de cumprir se o disposto no art 30 do com-
promisso. Consistorio em mesa 26 de outubro de
1863.O escrivao,
Francisco Jos dos Passos Guimaraes.
AVISO.
Ninguem faca negocio com um terreno na ra
do Jasmim, pertencente a Rrizida Maria viuva de
Francisco das Chagas Oliveira, cujo se acha em-
bargado pela firma social de Guimaraes A Gon-
calves, por divida que o mesmo finado Chagas 11-
cou devendo aos mesmos, e para que ninguem se
chame a ignorancia se faz o presente.___________
Pede-se ao Sr. Tobas de Souza Lima, acad-
mico, o favor de ir a Santo Amaro a entenderse
com Jos Jacintho de Carvalho sobre o negocio que
o mesmo senhor nao ignora.
Previno-se a quem convier, que a missa que
a irmandade acadmica de N. S. do Bom Cselbo
manda celebAr nos domingos e das saoOWMos
na igreja do convento de S. Francisco desta cma-
.-1 de, lera lugar d'ora em diaqte, at ulterior debe-
a tratar na ra do Imperador racao, naquellcs mesmos dias aa 10 "ona e me,a
I da manhaa,
A pessoa que annunciou precisar de um es-
cravo para sitio, pode procurar na ra da Cadeia
do Recife n. 49, sobrado, que achara com quem
tratar._______________________________________
Aluga-se a casa terrea da ra da Glui ia n.
27, com commodos para grande familia : a tratar
na ra da Cadeia do Recife n. 49, sobrado.
DENTISTA DE PARS
19Ra Nava-19
Frederico Gautier, cirurgio dentista,
faz todas as opcrac5es de sua arte, e col-
loca dentes artificiaes, tudo com superio-
ridade e perfeico, que as pessoas enten-
didas lhe reconnecem.
Tem agua e pos denuncio.
TBARAIJliflOR.
Precisa-se de um trabalhador de padana que
*aiba desempenhar o seu lugar : na padaria de A.
F da Silva Beiris, ra dos Pires n. 42.
AMA
Precisa-se de urna ama que saiba cozinhar
ra Nova n. 69.
na
__Por impedimento do juizo ficou transferida
para o dia 30 do corrente, s 12 horas, na sala dos
audilorios, a reuniao dos credores da massa falli-
da de Antonio Pereira da Silva, que deveria ter
hoje lugar, para nomearem administradores.
Recife 28 de outubro de 1863. O escrivao do
juizo especial do conimercio,
Manoel Maria R. do Nascimente.
Precisa-se de um caiieiro com pratica de ta-
berna eque d conhecimento de sua pessoa : para
tratar, na ra dos Pires n. 38.
Aluga-se um sitio na Torre, a beira do rio,
tendo boa casa, estribara, cacimba e sitio, com
boa baixa do capim : a tratar na roa do Queima-
do n. 13, primeiro; andar.
I.
-L
__


Diario de l*craaiubneo Se_a leira 3o de Outubro de 183.
'
\
NOVO ESTABEltCIHEWO
DG
I.OTEHIA.
C4S4 D\ FORTIM
Antonio Ignacio lielor
l_H !iO>a n. i 0 abaixo assignado faz scionte ao respeitavcl
Se fazenrcnoanamcntos do pennas d agua da pU|,|C0 qUe vendeu nos seus muito aforlunados b-
companhia Beberibe muito beuf feitos pelo preco tietcs garantidos o bilhete inteiro de n. 235 cama
muito barato, assim como toda qualquer obra de sorte de 5:000*000 e outros muitos de 100*000,
lati, cobre, cstanho, chumbo, zinco, folha c ferro, 404000 c 205000 da lotera que so acabeu de ex-
tambem tem venda bombas do melhor systema, iramr a beneficie do Gymnasio, e convida aos pos-
pelo prego de 16*00 cada uma.e vidro decspelhos
ede vid raga.____________________________
- Deseja-se saber quem a pessoa que tem o
direito de receber os foros, eom rclago ao sitio na
estrada do Luca, pertencente a Antonio de Souza
Rangel- croga-se a quem se jalgar nessascir-
cumstancias, e nesse direito, se aprsente em seu
proprio interesse na ra da Gloria n, 86, dentro do
praso de 8 dias, a contar deste, mesmo a fim de
nao se chamar ignorancia nem poder allega-la,
a proposito de qualquer negociadlo que por ventu-
ra se haja de fazer sobre este sitia.
AUeiicao.
(Ra do inclinado n. O to-
ja de Ferr&o dk Mala
Vende-se nova e linda fazenda pro
pria para vestidos de senliora e roupa de
meninos pelo diminuto preco de *
o covado.
300 rs.
suidores de ditos bilhetes virem receber seus
respectivos premios sem descont algum em seu
estabelecimento da Gasa da Fortuna, ra do Cres-
po n. 23.
O mesmo tem exposto a venda em sua dita casa
e as outras do costume, os aovos e afortunados
bilhetes garantidos da segunda lotera extraordina-
ria, cuja sorte maior de lO:000000, a beneucio
da Santa Casa da Misericordia, que se extrahir a
6 de novembro prximo, e as sorles que obtiverem
serao pela mesma forma pagas.
Presos.
Bilhetes intuiros..... 12*000
Meios bilhetes...... 6*000
Para as pessoas que comprarem
de 100* para cima.
Bilhetes........ 11*200
Heles......... -5*000
Manoel Martins Fiuza.
Armaum para atajar.
Aluga-sc o armazem n. 40 da ra de Apollo,
com maisde 300 palmos de comprimento, todo co-
berto e proprio para qualquer estabelecimento por
ter excellente porto de embarque: tratase na ra
dos Guararapes n. 78.
aques sobre Portuga
O abaixo assignado, agente do banco
mercantil Portucnse nesta cidade, saca ef-
fectivamente por tedos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
aualquer somina, vista c a prazo, po-
endo logo os saques a prazo screm des-
contados no mesmo banco, na razio de 4
por cento ao anno aos portadores que as-
sim lhe convier : as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
REVISTA
Criado.
Precisa-se de urna boa engommadeira que en-
tenda de cosinha e de um preto forro oh captivo
para servico de ra : a tratar na ra da Cruz n. 5,
eseriptorio.____________________________
DO
Instituto Archeologleo e Ceo-
graphico Pernanibucano
pubticou-se 0 Io numero (o de outubro de 1863.)
Subscreve-se 112 livraria de Jos Nogueira de Sou-
za ao arco de Santo Antonio, por 5* annuaes, pa-
os a entrega do Io numero. Nmeros avuhso
1800.
Luiz Margo! vai para a Baha.______
Precisa-se de urna ama para continuar
e concluir a amamentago de urna crianca :
na rua estretta do Rosario n. 31, lerceiro
andar. ________________________
Aluga-se a casa terrea sita na ra do palacio
do Bispo n. li, com commodos para familia; a
tratar na praea da Boa-Vista n. 20. _______
lrmandade das Almas da matriz
da Boa-Vista.
Por ordem da mesa regedora, em observancia do
art. 23 do nosse compromiso), tenho a honra de
convidar a todos nossos irmaos para que no dia Io
de novembro prximo vindou.ro, pelas 8 i\i horas
da manliaa em ponto, se achem no consistorio da
mesma irmandade, alim de om mesa goral se pro-
ceder aeleico da nova mesa que tem de reger. o
futuro anno de 1863 a 1864. I
Consistorio da irmandade das almas da matriz
da Boa-Vista 28 de outubro de 1863.
O eserivao,
Manoel Domingues da Silva Jnior.
Ha para alugar um mulato para todo o ser-
vico, o o qual conhecido: na ra do Crespo toja
n._0 B.________________________________
Oflrece-se urna ama para servico de casa,
31X0 engomma e nem lava : a tratar na ra das
Trincheiras n. 36._________________________!
Aluga-se um moleqne de 16 saos de idade O barharei Francisco Gomes Velloso de Al-
p__ todo o servico interno e externo de aiguma j buquerque Lins tem o seu eseriptorio de advoca-
caea : na ra dos' Pires n. 34._______________ cta na ra do Queimado n. 41, primeiro andar,
Mitio para alugar. frente para a praca do Pedro II-----------------
Anda est por alugar o grande sitio da estrada \ \<\ na 1I11 (J ll el Illa ti (l 11. I
da Cruz de Almas, com duas frentes, sendo a ou- deseja-se fallar aosSrs. Gabriel Germano de Aguiar
ira para a estrada deParnameirim (o qual ira le- Monlarroyos c Joaquim Ribeiro de Aguiar Mon-
fronle do sitio do Sr. cirurgiao Leal) com um gran- tarmvos,
de sobrado de um andar, cocheira para carros, ca-1 -----:----------------------- .-------------
sa para escravos e felor, cstribaria para cavados,' __UB conimerciai
e outra separada para vaecas, casa para fazer tari-; A rcuniao familiar do corrente mez de outubro
l'ratiasco da bilvaCar
doz fnzscientc a todos os
seus veedores que nesta
d, da tem autorisad-o ao
Sr Antonio Jos de- Si-
quera para liquidar to
do o activo da sua casa,
portanto seus devedores
,"c queiram entender com
mesmo senlior respeit> ao
pagamento de seus deb
tos fo prazo de 8 dias, c
pode ser procurado na
ra do Imperador n 40
Hecife, 23 de outubro de
1863.
-- O Sr. Salus'iano Cyriaco de Sou
ta qvemora na Capinga," tan una car-
ta mcs-i _______________________
Aluga-seo primeiro andar n. 23t a tratar na loja.
mmmmmmm
Companhia fldclldadc de
seguros martimos e ter-
restres estabeleclda no
Rio de Janeiro.
AGESTES KM PBPNAMBCCO
Antonio Lniz de Oliveira Azevedo k C-
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
ras e predios no seu eseriptorio ra da
Cruz n .1.
COMPRAS.
Compra-se urna casa terrea situada na cida-
de nova de Santo Amaro : a tratar na ra Augus-
ta n. 45._______________________________
Compra-se em segunda mao o vadremecum
homeoptico do Dr. Sabino, ou tratado homeopa-
thico de Jaarle : a fallar na ra larga -da Rosario
numero 34.
Compra-se urna escrava moca de quasi al
20 annos, que tenha bonita figura : na ra das
Aguas-Ver-des n. 21._______________________
Compra-se urna negra de meia idade, que se^
ja sadia, liel j e diligente: quem tiver, dirija-se
ra dos Guararapes n. 18, sobrado de um andar.
Compra-se um carro em bom estado, de 4
radas c com 4 assentos: na ra da Cadeia n. 33.
Compra-se urna mulalinlia de 10 a 14 annos:
na ra de Santa Thereza n. 58.
Um preto.
Compra-se um preto de 3o a 4o annos de idade-
na ra do Crespo n. 17, loja.________________
Compra-se effectivamente ouro e prata em
obras velhas : na praca da Independencia n. 22 lo-
a de bilhetes.____________________________
Compra-se cobre, lata e chumbo: no arma-
zem da bola amarclla no oilao da secretaria de po-
licia, ra do lm'|)eradur.____________________
Compram-se barriquinhas que serviram de
bolachinlia americana a 500 rs. cada urna : na
ravessa da ra das Cruzes taberna n. 6.
O GALLO CANTA.
Nao possivel que o gallo, vendo entrar em seu
ninho objectos do elegante gosto, deixe de dar o
seu canto, annunciando aos seus freguezes, para
que maiidem ou venham ver para querer, a saber:
Eufeites
Chegaram os riquissimos enfeites e giinaldas dt
flores, cousa muito delicada c do muito gosto, pois
s as senhoras podciao apreciar : s no vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Flores
Tambem chegaram os delicados ramos de flores
matizados de lindas cores, que servem para qual-
quer enfeite : s no vigilante, ra do Crespo n. 7.
Cintos
Tambem chegaram os novos e delicados cintos
com flvella, guarnecida de pedrinhas o duas boro-
tinhas no centro, cousa de muito gosto : s no vi-
gilante, ra do Crespo n. 7.
Bandejas
Rkjuissimas bandeijas.d charao e outras quali-
dades de lindos desenlise que se vendem por pre-
cos baralissimos para acabar : s no vigilante,
ra do Crespo, n.7.
Peinada real
Tambem chegaram os bonitos copos de porocl-
lana lina com ba_ha c com lindos retalos, sendo
privilegiada pela rainha de llespanha : s no vigi-
lante, ra do Crespo n. ".
Sabonetes ir familia
Grande sortimento de sabonetes para todos os
precos, de sii|ieriores qualidades, a 160, 200,240,
280, 320, 400 e 500 rs.; assim como estojos com
lodos os proparos para limpar dentes pelo liarato
preoo de 3*000 : s no vigilante, ra do Crespo
Delicadas tesonrinhas
Grande sortimento de tesourinhas, tanto para
unlias, como para costura: assim como mudos
outros objectos de gost, que nao possivel annun-
ciar pela grande variedade de sortimentos, cujos
precos serao menos do que em eutra qualquer
parlo : s no vigilante, ra do Crespo n. 7.
IS-nMiMlSli
Allcnrao do rospcitavel |inlilkf)
Para h grande pe<-hincha
Custodio, Carvalho iV C, ra do
Queimado n. 2J.
i Offereoem ao respeitavcl publico a mais fina de
todas as cambraias taoto em desenhos como em
tintas sao as verdadeiras organdys da India che-
gados a esta capital pelo ultimo vapor inglez. A
grande quantidade que recebemos faz com que a
vendemos pelo baratissimo preco do 300 rs. cada
um covado, venham ver para esenganarem-se se
. grande pechincha s na ra do Queimado n. 27.
Yinho de ollres e Carlacho.
Vende-se em ancoretas pequeas o especial vi-
nho de Collares c de Cartacho : a tratar no arma-
zem da ra do Vigario n. 7.
\inho do Porto e parti' ular.
No largo do Corpo Santo n. 6, segundo andar,
se vende o especial e particular vinho do Porto en-
garrafado, caixas de 1 e 2 duzias : a tratar no ar-
mazem da ra do Vigario n.J.______________
Farinha de mandioca
em saceos grandes, e de superior qualida-
de; no armazem de Tasso Irmaos, ra do
Amorim, n. 3o.
- Compram-se duas negras perfeitas cozinhei-
ras e cngoinmadeiras : ua ra de Apollo n. 84'
segundo andar.
CoMtra-se robre lalao vellio
Nova loja dos barateiros na ra do Queimado. j na l lia da Cadeia (lo llct iIV II. 3G, |)l'i-
iilia com fb'rno, e todos os pertences, cacimba com lera lugar na noite do dia 31 do mesmo,
bomba, noria para planta de hortalizas, sitio muito .>u
grande com mudos arvoredos de fructos, terreno
para plantar mandioca para farinha, e para todos
is mais legumes. terreno separado para ter Cvac- Velludo de cores fazenda muito ba o covado I ...,:,,(.. cas de ledo, e pasto para estas; alm de tudo isto 3*000, baldes de panno 3*200, ditos de arcos ________________________
i< m ms duas grandes barcas rom capim. queso 3*000,* 4*000 c 5*000, laas de duas larguras Comprase urna casa terrea de boa conslruc-
estai dao para pagar o aluguel do mesmo sitio, ten- para vestido o covado 300 rs., chitas francezas o cao, situada em algnma das principaes ras desta
do o devido trato ; cu jo sitio foi do fallecido cirur- covado 360 rs., metim branco para forro de cidade : a tralar no eseriptorio de Manoel Ignacio
gio Manoel Joaquim Pereira, e s se arrenda por vestido o covado i 120 rs., tarlalanas de todas as
annos: quem pretender, all se pode dirigir para cores a vara 720 rs.
quem prelend
vi Ir, pois a ehave est cm mao de pessoa que l
est a tomar conta ; e para tralar, na ra do
Crespo n. 2. A, na loja da Sr. Hamos. _______
laga-s urna excellente casa ira CapBnga a
margrai d>i (_pibanlie : a tratar no caes da alian-
dega, armazem n. o. ___________________
Carlos Lenidas do Reg Barros faz scientc
ao respeitavcl publico que ning icm faca negocio
ou trausaccao com Joaquim Rodrigues Tavares de
Mello como una letra de 123* que apparece rom
a sua assignalura, por ser ella falsa, por quanlo
com este senlior nunca teve transaccocs algunias,
e nem o conliecc, e acha-se promplo para islo mes-
ino provar.______________________________
Precisa-se de um homcm para andar com
lima carroca de boi, ou alu?a-sc estt: na traman
da Ponte de L'eha, sitio do l'ombal.
Ao n. 29.
Aova luja dan barateiros na ra do Oucimado.
Cassa lisa pede de Ovo a pega 7*300, cambraia
lisa muito lina a peca de 17 varas 10*, cam-
braiea peca de 12 jarcias 7*000, cambraia adamas-
cada para cortinado a peca de 22 varas 10*000,
incias linas para senhoras" a duzia 4*000, chales
de laa ponta redonda 32*500.
Ao n. 29.
Nova loja dos liaralciros na ra lo Queimado.
Bicos pretos de linbo a vara 120, 160, 240, 320
rs., franjas de seda a vara 80 e 160 rs., galoes
de seda de algodao e de laa para enredes de vesti-
do a peca de 10 c 15 varas 400, boles de seda
de velludo c de fusilo duzias 120.
de Oliveira & Filho,
mero 19.
no largo do Corpo Santo no-
VENDAS.
Una do Trapiche n
Wndcm-se 2 bilhans.
2.
CtL m LISBOA
\ cndcni-sc barris com cal des-
ta procedencia, cm pedra, chega-
da hoje. e nica nova, que ha no
mercado, na ra do Trapiche n.
13, armazem de Manoel Tcixcl-
ra linsio._______________________
YINHOS
R. ti. Lasserre & C, ra da Cruz n. i,
vendem por precos commodos :
Porlo, Bordeaux e Collares em ancore-
las ;
Figueira fino em barris ;
.Mdoc e S. Julien lino )
1 Santernes ) em caixas:
Cognac fino e inferior )____________
GRANDE EXPOSIQIO
de fazenas baratissimas qae se ven-
dem para liquidar ; na loja do l\t-
\ ao, ra da liuperairiz, n. 60.
Nesle estabelecimento acha-se um grande,
e variado sortimento de fazendas, UuttG de
luxo, como de primeira necessidade, pro-
prias para a pra^a e para o matlo, que se
vendem por precos muito resumidos, de Iq->
das as fazendas do-se amostras, d&ixando
penhor, ou mandam-se levar em casa das
familias para escolherem, pelos caixeiros da
loja do PavSo.
Lias com O palmos de largura
na loja do Pavao. 3*loo
Vendem-se ISazinhas transparentes de urna
s cor, de quadt inlios (iroprias para capas
e vestidos, tendo 9 palmos de largura, pelo
baratissimo preco de 10400 o covado; s
na ra da Imperatriz n. 60, lojado Pavo.
O Pavo vende las de 4 palmos
de largura a 500 rs.
Vendem-se laazinhas infestadas, sendo das
mais modernas, de urna s cor e de qua-
drinhos, proprias para vestidos e capas, pelo
baratissimo preco de 500 rs, o covado ; di-
tas matisadas, fazenda muito fina a 500; di-
las garibaldinas a 440rs.; ditas dequa-
dros a 360 e 280 rs.: s na loja do Pavo,
ra da Imperatriz, n. 60. de GuimarJies &
Silva,
Laazinhas a SOO rs. o covado.
S a Pavo.
Vendem-se las de cordozinho proprias
para vestido, sendo muito boa fazenda, com
ascresseguintes: alvadia, cor de caf.rxo
escuro, claro e pretas, proprias para luto ;
ditas transparentes com palminhas, pelo ba-
rato preco de 280 rs.; ditas infestadas de
quadros a 280 rs.: s na ra da Imperatriz,
n. 60, loja do Pavo.
GRANDE PECHINCHA
'no rs. na loja do Pavo.
Cassas a 210 rs.organdy a 210 rs.
Vendem-se muito bonitas cassas francezas
240 rs. o covado ; organdy malisado, pa-
droes muito bonilos a 240 rs. o covado;
ditos, fazenda finissima que sempre se ven-
deu a I 000 a vara, liquida-se a 600 rs. a
dida.ou 360 rs. o covado, por baver grande
porco : na ra da Imperatriz, n. 60, loja
do Pavo, de Gama & Silva,
\ova pechincha de cortes de
cambraia na loja do Pav$o.
Vendem-se corles de cambraia brancos
com babadosa 2#500; dilosa 3000; ditos
a 4#000 ; ditos cbinezasa 4-500" ; pecas de
cambraia transparentes, adamascadas, pro-
prias para vestidos, tendo 8 varas e meia a
, 3^000; ditas lisas brancas e decores a -#500,
13,5000, 3,->500,4$000 e EtfOOO ; pecas de
j cambraia de carocinhos lendo 8 varas e meia
| cada urna, sendo brancasc de cores, a 3500;
ditos a 2#500 ; pecas de cambraia para cor-
tinados, sendo tapadas e transparentes com
20 varas cada peca a 05000, isto tudo para
apurar dinbeiro: na luja do Pavo, ra da
Imperatriz, n. CO, de Gama A- Silva.
O Pavo vende chales
o covado ; fustao para vestidos e rour:
de meninos, a 320 rs. o covado almC_JJ
urna s cor, a 320 ^ Q cova(i&. ^^ ^
linbo adama1-
adus jra rosta, a Id; vestua-
rios para p__os c meui-is, a 16600 e 2d;
tiras lardadas e entremeios, mais barato qu
m outra qualquer parte: tudo isto >pe-
chincha. e vede-se para Ikm|r_ na ra da
'"iV,.eratriz n. (0, luja e aiTOM^m de-paySo
de Gama Silva.
(rosdenaples a i:300 rs., na loja daj-avo.
Wndem-se grosdenaptas picip-muito boa
fazonda, a 1*500, 15600, 1*800 e U: 60
na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60.
Para luto vende-se na loja do
Pavo.
Vendem-se finissimo setim da China, fa-
' zenda sem lustro, proprio para vestidos de
senho.as, para capas e roupa para homem,
tend esta fazenda 6 palmos de largara e
sendo muito leve, vende-se pelo baratissimo
j proco de 25200 o covado, garantindo-se quf
I nao se torna ruca, e vendem-se nicamente na
loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60:
j Cortes de chitas a 2:000 e 2:500 rs.
Na loja do Pavo veude-se cortes de chitas
inglezas, tendo 10 covados, a M, e com
12% covados, a 25500, sendo todas de pa-
drees escuros: na ra da Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva.
Carnauba.
Vende-se cera de carnauba em sarcas, por
preco muito em conta, ou mais barato do
I que em outra qualquer parte : a tratar na
ra da Imperatriz n. 60, loja de Gama &
, Silva,
Sedas de quadrinhos a 800 rs. so o
Pavo.
y Vendem-se as mais delieadas sedinhas de mia-
drinhos, muito miudinhos, senda propnos para
! vestidos de senhora e roupinlias para meninos c
meninas, sendo fazenda que sempre se venden a
IfifiOO c torra-se a 640 e 800 rs. o covado, e sedas
brancas lavradas, proprias para vestidos de noivas
a 800 rs. o covado : s na loja do l'aviio. ra da
Imperatriz n. 60, loja de Gama & Silva.
Ricos vestidos de Sonthamliac, vende
o Pao.
Vendem-se os mais modernos vestidos a Suu-
lliamliac, rom barras de seda pelo diminuto preco
de 10,5000 cada um : s na loja du Pavao, ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cirande pechincha de las a
3 SO rs.
Vcndem-sc as mais modernas laazinhas matisa-
das para vestidos de senhoras e meninas pelo ha--
ratissimo preco de 320 rs. o covado, por ter che-
padouma grande porcao desta fazenda loja do
Pavao, assim como se vende oulras mais linas com
desenhos miudinhos a 360 rs. n covado : s na
loja do pavao ra da Imperatriz n. 60, do Gama
& Silva.________________________________
WK-SI
Direilo internacional privado o a aopliracao de sem
principios com preferencia as leis principaes do
Brasil, cm 1 volume,por Dr. Jos Pimenta liueno,
8000 : no eseriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azcvedo te G., ra da Cruz n. 1.
Vende-se una carroca para ca vallo, cin hora
estado : quem pretender dirija-se cocheira da
ra da Florentina n. 5.
1
Camisas de la (llanda) de
barato preco de 55$ a duzia
I urna: na ra do Crespo n. 4.
_.''-_' j" __ \is _/ __ __? _S!

_y*-T''

"- Alupa-se o segundo andaFdo sohrado da ra ^YAMWJkym^m*mhA}(\l*VAi MA* P^prieurlM de COgC-
do Nogueira n. 11, e a casa terrea da ra do Jas-' Continua a haver pao fle sentlo novo nos dias (S_-j
niini n 10 cuja casa est pintada e caiada de no- quarlas e sahhados de cada semana, na nadara i -J>
vo a tratar na rua Direila, loja de femgensil. cm Santo Amaro ao p da fundic/io, na ra da lu- 9R
73.0U na Capunga, porto do Lascrre), defronte peralriz n. 22, e rua dolirum, confronte o chafa- |||
riz n. 47, rua das Cruzes, deposito n. 39, na Pas
------------- sagem, taberna da esquina do Sr. liento, que vira j
.. para o Remedio, e no armazem nrogresso
lu rapaz lirasileiro com 9 anuos de platica t ^ pen|,a n io.
comincreal, se olTerece para qualquer eseriptorio
Ao couimrrcio.
ou armazem, dando fiador de sua repulaoao : quem
pretender, devora diripir carta fechada com as
iniciaos G. J., na praca da Independencia ns. 6 e 8.
AS FORMIGAS.
Com o emprego das velas mixtas compostas de
ingredientes taes que, estes daninhos insectos aspi-
rando tuna so vez a fumara deste lelhal mixto,
niorrem inevitavelmente ;oque nao acontece com
as velas mixtas comniuns, as quaes longe de mala
rem pela fiimaca, ohram pelo cscessivo calor, o
que as torna carissimas, aliento exigir duzias para
o effeilo de urna s, das _o systema do fallecido
pvrothechinico Rufino. Para amostras e cncommen-
ds no oito da secretaria de polica, armazem da
hola amarclla.
Ainda est por alugsr-se o segundo an-
dar do sobrado n. 44, em a rua da Auro-
ra : quem o quizer dirija-se esta mes-
ma rua casa n. 10.
nhos c apreciadores de
gado.
Yon ie se um l-o e urna noviiha ;
a mais pura raca inglcza. as-1
uVrgoSs*, como um avaliinlio para S
y menino, muito toniu, gordo, ?J
pj manso e j ensillado : na esla- c|
y. das i nco Ponas esci.pt*- gj
Aluga-se a loja do sobrado n. 193 da rua Im-
perial, e o armazem n. i da rua de Apollo : na rua
da Aurora n. 36.
Precisase fallar ao Sr. Leoncio Jos Thcofilo
que veio da Rabia : dirija-se ao armazem de Tasso
lrniaos a fallar com Raymundo Correia do Men-
donca.
\. rioilii Mijiciinlciiilrihia se dir
m quem vende.
w< __________
Aluga-se urna casa
tratar com J. I. de M.
Trapiche, n 3 i.
em Bebiribe ; a
llego, na ruatlo
Padaria franceza.
Na rua da Imperatriz n. 50, padaria franceza,
ilhos e
bailes,
melhor
encommendas
Kra tudo isso ; garante-sea perfeicao do traba I ho,
a qualidade das massas, e promptidao as cn-
eavallospertencentes aoDr. Francisco Caldas Lins, conimendas, pois que para serem nem servidos os
do cercado de seu engenho Siqueira, na freguezia freguezes, acha-se de taes oceupacoes encarregado
do Ro Formoso, com os signaes seguintes : um um pasteleiro francez, asss perito em sua pro-
mellado, cauda e clinas pretas, castrado, grande,' fissao. I
gordo, os quatro ps pretos at cima, sem anda-'--------------------------------------------------------.
res, porm de sella; outro rodado sujo, cauda e | Casa para a festa.
clinas pretas, bom tamanho, grosso, castrado, rea- Aluga-se urna casa no Monteiro e ontra na Tor- Par nissar a tosa
do pelos pcitos por ter sido de roda, urna baixa re, defronte da Ponte de L'eha, onde se enconlra I v ______ ,J,T amiia _
cm um dos lados das costellas, meio corcunda e de I condui o no mnibus para o Recite; ambas as ca-!. \enot-se a ca-^ ae","'"aat,1_ !,';,'
carga: quem der noticia dos meamos cavallos ou sas tem acMmmodacfes para familia, eslao pinta- *** ^__S_MJ^2__u_ ZZi
,s entregar a seu dono no referido engenho ser das e do_ po> precos cpmmodSs : a J- ^JSBtU?\ rSrV do
Mondego n. 47, padaria.
mmm mmmmMmmm
Vende-se a cavallarice n. 114 da ruada Sen-
zala Velha com pequeo numero de cavallos, sen-
j do que vende-se a vontade do comprador, com os
I cavallos ou semelles : a tratar no largo do arse-
nal de marinha n. 4.
Vende-se una mobilia Luiz XV, propria
para casamento por ter muito pouco uso e compos-
ta de 18 cadeiras, 4 ditas de bracos, 1 sof, 1 mesa
! de meio de sala e 1 par de consolos com tampo de
pedra, 1 candelabro e 2 serpentinas no gosto mo-
derno, e 2 espelhos grandes com moldura dourada:
na rua das Larangeiras, sobrado de um andar nu-
mero 26.
i -________________________________
ha utos.
Vendem-se superiores charutos suspirosa 15200
a meia caixinha, e outros de diversas marcas cm
meias caixas a 600 rs.: no deposito da rua Nova
numero 58.
Cal de Lisboa
no armazem de Guimaraes & Alrofora-
do na rua do Amorim n. 55, no Recife,
vndese barris com cal nova em ped a
ches-ados hoje de Lisboa no patacho
Hara di Gitria, una nova que existe
no mercado.______________________
As sacar do Monteiro
Rua do Imperador n. 28 e caes de Apollo n.
67, a 200 rs. a libra, c de 8 libras para cima
a 55600 aarroba.
Moassa da tivssial
Vende-se cm casa de \. 0. Bie- g
i ber 4 C, successo es, rua da m
m t'ruz n. 4. M
Vende-se sal do Ass, a bordo da barcaca
Doiis Amigos : a tratar no caes do Ramos n. 6.__
COM A VARI A
Autes que se acaben*
Cnstodlo. Carvalho & C na
do Queimado numero 9 7
l'ecliincha.
Pecas de fil de linho fino proprio para vestido
tendo cada peija 8 1[_ varas e pelo baratissimo
preco de 2,5300 cada pe^a, tendo um pequeo to-
que de avaria de agua doce.
Vendem-se 3 casas terreas, nova:
cas e baratas, tambem aluga-se, na
dos Prazeres na Roa-Vista : a tratar
becco do Veras n. 13.
- Vendem-se dous moloques: no largo da Ri-
beira de S. Jos n. 15.
C<$(
recompensado com a quanlia de 30 a 100JL
Na travessa dos Expostos, sobrado n. 16, pri-
meiro andar, apromptam-se bandejas de boinhos
para bailes e casomentos, muilo cm conta, com
suas armaees, e boqnets de cravos c rosa? ; na
mesma casa tem para vender flores para festas de
tratar na roa estroita do Rosario n. 28.
Alusa-se o segundo andar do sobrado da rua
do Li vramento n. 7 : a tratar na loja.
Ladres de cavallos.
Aoamanhecer do dia 22 do corrente furtarara
grejas", ditas flils^ra wntoras'e mcninaVr'tm" do cercado do e^^^""""'^^ _1_2S__?
bem tem velas de carnauba muito boas de 6 e 14; de S. Lourenco da Malta, dous cavallo per^ncen-
em libras: quem quizer, dirija-se dita casa, que lea a Antonio Perc.ra da Silva residente na freguc-
tudo mais barato do que em outra qualquer i za de Taquaret.nga, que vindo para o Recife per-
i.ivros de moral.
Exame de confessores.
Cunlite.
Larraga. *
Obra do Monte.
Na rua do Imperador n. 15._______________
Vende-se um preto com oflicio de pedreiro,
de boa conducta : quem o pretender, dirija-se
parte.
noitou naquelle engenho, os qnaes tem os segmn- ^ u"d*~*. "IT",) n_', n,,'^tem o es hele-
tes signaes : mellado, pernudo e clinas prelas, o ^VS
I ontro rodado, baixo, bem feito de ancas, ambos cimento de funileiro, terceiro andar.___________
AhiKa-se a loja de 3 portas, na rua do Cahugal' castrados e ferrados : roga-se as autoridades jmiI- I Vende-se um boi manso para carroca ou car-
n. 20; a pessoa que precisar, pode procurar as ciaes a apprehensao dos referidos cavallos, que ro da alfandega, o qual est muito gordo: a tra-
ALIGA-Sh A LOJA DE 3 PORTAS.
chaves no mesmo correr loja n. 4, o aluguel por
mez 50*000.
AO HESPEIT4VEL PUBLICO
Rua da cambda do Carmo nu-
mero 22
Jos Anaclelo, bem conhecido sangrador dentis-
ta, contina em sua prolssao de tirar dentes e rai-
zes sem o menor risco e dor, tanto nos meninos
como as pessoas adultas de ambos os sexos, sepa-
ra, limpa, e cal{a bem os dentes furados com as
melhores massas brancas mineraes, sangra bem e
applica ventosas, tudo com limita promptidao e
precos commodos : a qualquer hora do dia, tanto
em sua casa como foro, mandando-lhe escripto, in-
dicando o lugar e numero da casa.
Precisa-se de ama preta de meia idade para
vender na rua : quem tiver dirija-se rua da Ca-
deia Nova n. 40, que l achara com quem tratar.
podem ser entregues na rua do Crespo n. 20 A, tar na Capunga, rua das Crioulas n. 31.
ou om Taquaretinga seu legitimo proprietario.
Precisase alugar urna
carregar fazendas: na rua do Hospicio n. 62.
Precisase de um menino de 12 a 14 annos
com pratica de taberna : quem pretender, dirija-
se rua do Palacio do Bispo n. 40.
Vende-se ou arrenda-se o grande sitio deno-
preta ou preto para minado Caiana, da freguezia da Vanea, de muito
Justina Maria Wandcrley, moradora no en-
genho Sapucaia, na freguezia de Serinhaem, faz
publico que tendo fallecido no dia 5 de outubro
boas trras por serem de grande prodcelo, com
urna casa de taina j colierla de tenas, grande
quantidade de ps de cafezeiros, larangeiras, co-
queiros, etc. etc.: a tratar na rua do Hospicio nu-
4.iicijos do .traca.y.
Duarte & C. acabam de receber da Europa pelo
corrente seu marido Jos Albano Wandcrley de vaD?.r ^""J" entrado hontem, os muito desejados
um ataque apopltico e nao tendo por isso feito de- TT" _\^racaty a ^^ a llbrfa' te7 Jue,J0S
claraco algumadescus negocios, e nao tendo ella do 16 a 20. l'hras sendo intiro se fara abat.men-
conhocimento ou certeza delles, faz o presente avi- "> : no pateo do Carmo n. 9, armazem progresso.
so para conhecimento de quem se julgar credos, Fai'Clo C f'l'illlia
__*___ Va Pr0CCder invcntari0 P6'0 juizo Vendem-se saceos grandes com farelo e farinha,
aos orpnaos.-------------------------------------------- ^^ ^ melhor qua|idadej a w> 4,5300 e 54, ass,m
Precisa-se de urna pessoa que saiba tratar do como saceos com farinha para animaes a 31: no
vaecas de leite : no sitio do Sr. Elias Raptista da armazem da aurora hrilhante n. 84, largo da Santa
Silva no Arrala!, Cruz.
Ricos vestidos de fil branco bordados com
veo, capella e flores propnos para as se-
nboras noivas, os quaes se vendem a preco
razoavel por serem em primeira mao e clie-
gados ltimamente de Paris por encom-
menda propria : rua da Cadeia eseriptorio
e armazem de fazendas n. 47.
\ 200 rs o
t'assas milito bonitas
na rua do Crespo n. 1
Jos Gomes Villar.
Macas
a 25 a caixa : na roa Nova n. 8.
rs. a libra ou 40OOO
- a arroba.
Vendem-se fatias de bolo sovado a 160 rs. a li-
bra, e sendo de 8 libras para cima a 4J> a arroba :
na rua da Matriz da Roa-Vista, padaria n. _6.
Vende-se um lindo cabriola com 4 para 5
annos de idade : na rua Augusta n. 45.
Cal nova de Lisboa: vende-se na rua do Tra-
piche n. 9. '.___________
Macas a 9$ a caixa.
e bolachinhainglezaa 11800 a barrica, a ellas, an-
tes que seacabem : no armazem da estrella, largo
do Paraizo n. 14.__________________________
Aos coeheirot.
Vendem-se encerados pretos e de cores para
forrar carros: no armazem de Tasso Irmos.
A 25000, 2^500, 35000, 5000, 05000.
75000/8,000 e 105000
Vendem-se chales de merino eslampados,
claros e escuros a 25, 25300 e 35000; ditos
muito finos de todos es precos e qualidades,
tanto de ponta redonda como quadrados;
assim como finissimos chales de crepon com
cores inteiramenle novas e ricamente bor-
dados a matiz, sendo chegados pelo ultimo
vapor a 105000 ; dilos de pello, bordados,
a 25 s na loja do Pavo, rua da Impera-
triz, n. GO.
.tseasemiras do Pavo infesta-
das a I#GOO.
Vendem-se casemiras francezas enfesta-
das, proprias para calcas, coleles, palitos,
e capa para senhoras, por ter de tuna s
cor, sendo fazenda que sempre se venden
a 35000. liquida-se a 15600 o covado : s
na loja do Pavo.
O intuc uehincha cm chapees!
de sol na loja do Pavo.
Vendem-se chapeos de sol, a ingleza, sen-
do cobertos de linho e forrado de verde, pro-:
pt ios para senhoras que forem passar a fes-:
la, ou para meninas levarem para a escola,'
pelo barato preco de I,500 ; ditos marque- i
} zinhas, de seda com franjas e cabo de do-
lbrara350OO; ditos de seda para homens,;
sendo com armaco de balea a G5 e 75, islo i
para apurar dinbeiro : s na loja do Pavo,
rua da Imperatriz, n. 60.
Caxcmiras da Kscocla a 3000
o corte.
Vendem-se cortes de caxemira da Esco-
cia, para calcas, pelo barato prego de 25,
tendo da mesma fazenda para vender em
covados a 580 rs., sendo esla fazenda mui-
to encorpada a imitaco de caxemira, e ga-
rante-se que nao desbota. Tambem se ven-
dem corles de caxemira ingleza, d cores
escuras para caiga pelo barato prego de
1*800 cada corle, ou a 500 rs. o covado :
s na loja do Pavlo, rua da Imperatriz,
n. 60.
MadapolSo Infestado a -fjtooo
S o Pavo.
Vendem-se pecas de madapolo infesta-
do com 12 jardas a 45000, ditas a 45500 ,
ditas com 24 jardas a 7550" e 85000 : s
na loja do Pavo, na rua da Imperatriz.
n. 60.
Ricos vestidos brancos.
Vendem-se os mais ricos vestidos de cam-
braia brancos, bordados a croch, sendo os
mais modernos que tem vindo ao mercado,
tendo as saias 4 pannos, e vendem-se pelos
baratos pregos de 05, 125 e 16 : s na
loja do Pavo, rua da Imperatriz, n. 60, de
Gama A- Silva,
ADMIREM AS PECHINCHAS,
na loja do Pavao.
Ricos cortes de cambraia brancos com ba-
bados e duas saias bordadas crox, tendo
bastante fazenda para vestido, pelo baratis-
simo prego de 35 cada um; ditos de cam-
braia de seda com barras e babadas, a
25500, para acabar; cortes de vestidos a
Maria Pia, sendo fazenda de bonito gosto, a
35500; cortes de cambraia brancos com ba-
badinhos, a 25; enfeites para cabega, sendo
Garibaldi e a turca, a 45; ditos com fitas
e flores, a 25; camizinbas bordadas para
senhoras, a 15: manguitos de varios model-
los, a 400, 500 e 640 rs; cateinhas para
meninas,-a 500 e 640 rs: gollinhas bor-
dadas, a 320 e a 500 rs.; sedas de qua-
drinhos, a 640 re.; ditas de listas, a 400 re.
AGENCIA
DA
FNDICAO DE L0W-M00R.
Rua da Senzalla nova n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro balido e coado, de todos o_
tamanhos para ditos.____________________
Arados americanos o machinas pare
lavar roupa: em ca*a de S. P. Johnto.
rua da Senzalla Nova ti. 42.
41
o corado.
...
(Vrande sortimento de cambraia de cor fixa a
240 rs o covado: na rua do Qucunado n. 43, es-
ipiina que volla para a Congregacia-
huinhi fie, S. Mit'.lieiis
Vende-se a bordo do patacho Iiulnslrii, defron-
te do trapiche Bario do Livrament_ a bem conde-
cida e nova farinha de S. Matheiis. a melhor que
dalli temos no mercado.
Hua da Senzalla n 42.
Vende-se, era casa de S. P. Johnston A C.,
sellins e silhes inglezes, candieirose casli-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um c dous cavallos. e relogios de
onro patente inglez._____^^_________
Fariulia de inane!oea
Vende-se farinha d.i mandioca da melhor e mais
nova que ha neste morcado, no eseriptorio de Ma-
noel Ignacio de Oliveira t Filho largo do Corpo
Santo n. 19, ou abordo do palhaliote Yiamao, an-
corado no caes do barao do Livramento, jimtq ao
patacho Regulo-_________________________
Vende-se na praca da Independencia ns. 39, capcllas de aljfar para se botar no cemileno
publico no dia de tinados com as inscripcoes se-
guintes :
Minha mi.
Meu pai.
Meu esposo.
Minha esposa.
Meu filho.
Minha filha.
Urna lagrima.
Saudades, sempre vivas do apurado gosto desla
ainda nao vieram igual a este mercado.
Pura (lia do lina'I os
Lindas capellas de comas com lelreiros, apropria-
das para tmulos, sao ellas as unirs que tem nes-
ta praca : vendem-se na loja de madama viuva L-
comte,'rua da Imperatriz n. 7._______________
Delicado mimo.
Domingos da Silva Campos com taberna na rna
do Imperador, defronte da relaejio, avisa aos seus
freguezes e amigos que recebeu urna pequea por-
?ao de caixinhas com amcixa rainha Claudia,
ricamente enfeitadas pelas freirs de Elvas, pro-
piamente para um delicado mimo, e seas procos
muito razoaveis conforme o tamanho._________
Vendem-se compendios de grammatica por-
tnguezade Salvador Ilenrique de Albuqnerque.
decima edicao deste anno, seguida de um pequeo
tratado de proposicoes,' de urna analyse lgica e
grammatical para cxcrcicio dos estudanles, c de
um apndice que traz um pequeo discurso sobre
os methodos de ensino primario, e urna disseru-
cao sobre as vanlagens do ensinp urna so vez ao
dia. Este compendio esta approvado pelo conc-
ilio director c pelo governo da provincia para uso
das escolas primarias : vendem-se na loja da Boa
Fama, rua do Queimado n. 35, a i cada exemplar
encadernado.____________________________
IstftqiiAnecliim-lia.
Borzeguins francezes para homem a 55, sapaioes
de couro de lustre com borracha na frente a 44,
apatos com salto de marroquim dourado e pretos
a 15500, sapatos de couroa3O rs., de oleado com
salto a 640. Imrzegiiins para senhora a 3 : na
roa dos Quarteis n. i- junto a loja de funileiro.
[hlalas
Caixas com daas arrobas de batatos desembar-
cadas do patacho Maria da Glmia, hoje, pelo bara-
to preco de 2*500 a caita : na rua do Amorim n.
43, ou na rua da Madre de Dos o. *
-. .
ILEGIVEL
I



/


-e
Dt*Ht de Pernanihnco ... e\.a felr.i 84 de OiitubrO de ia.

& AGUIA BRINCA.
lecebeu por esse ultimo paquete:
Noy.- carteiras com as escolenles agulhas
ingle/.as.
Agulhas parisienses tambera de excellen-
te qualidade.
Trancelins finos de borracha para en-
m.
Botes pelos de relindo, maiores e me-
nores para vestido.
Transmitas brancas estreitinhas d'algodo,
para enfeites de vestido.
A GUIA BRANCA.
Da roa do Qucimado n. 8, receben.
Tnico oriental de Kemp.
Agua florida Murray & Lanman.
Dita de flor de laranja Condray.
Dita de rosasdito.
Bolsas para vlagens.
Vendem-se na ra do Qneitnado, loja d'Aguia
Branca n. 8.
, Voltas pretas
haba pa.
A Aguia Branca receben as desojadas rollas
Escovas cabos demadeira, osso e madre- prctas'mui compridas" Rridas-
perola para limpar pentes.
Pincs para p de arroz.
As lindas fivellas com pedias para cintos.
Oulras de fino dourado e esmaltadas.
Outrasde madreperola.
Bonitos leques de madreperola com bou-
quet.
Oulros leques d'osso com bouquet;
Outros de plumas, com cabos d'osso e
madreperola, e outros finalmente de snda-
lo e pretos.
Pentes de borracha, recortados, dourados
e com pedras para meninas e outros de tar-
turuga.
Meias de seda para baptisados.
Lindas touquinlias do fil de linho. cam-
braia esolim, mu boraenfeitadas para crian-
cas.
Ligas de seda para senhora, e ditas para
manguitos, oii meninas.
Livrinhos para notas
Novos tercos de cornalina, e coral lapida-
do com cruz do prala etc.
Bonitas pulseiras brancas de perolas fal-
sas, e outros de chapa de cryslal o pago,
cora listas douradas. I
I armazem de fajeadas bara-
tas de Santos Coelho
BA DO QUEMADO N. 19 VNDESE O SE-
Ul'INTE :
Cobertas de chita da India
pelo barato preco de 2*000.
Lencos
de panno dd linho a 2*000.
Lrneoes
de humante de linbo flno pelo barato prec* de
3*000.
Lencos de cassa
brancos, finos proprios para algibeira peto barato
preco de 2*000 e 2*iOO a duzia.
Fil liso fino
pelo baratissimo preco de 680 rs. a vara.
Madapolo fino
pecas de madapolio largo superior pelo baratissi-
mo preco de 8*000.
Ricas saias
de fusilo a 5*500.
Peras de brelinhi
de rolo com 10 varas propria para saia a 3*200.
Pecas do cambraia
adamascada para cortinado com 20 varas pelo ba-
rato preco de 10*000.
ramanle de linho
flno com dez palmos de largura pelo barato precd
de 2*300 a rara.
Toalhas aleechoadas
Tudo na loja d'Aguia Brenca, ra do Quei- para mao pelo baratissimo preco de 5*000 a du-;
ROUPA FBITA
NO
ARBIAZEH
dD-aiTA Q)D $Vlliml!I>tD6D
UETSSXRO VKRBE.
Neste estabelecimento ha Sempre um sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concor-
rentes, para o que tena um dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
homens e meninos.
Casacas de panno preto, 350 e 304000 Colletes de fusilo e brim bran-
Sebrecasacas dem, 30* e 250000 co, 30500, 30 e .
Paletos idem e de cores, 250, j Seroulas de brim de linho,
200,150 6......O0OOO 20400 e......
Ditos de casemira, 200, 150, Ditas de algodlo, 10600 e. .
120,lO0e...... 70000 Camisas de peitos de linho,
20500
20000
10400
IGKESSI
OLHADOS
50000:
mado n. 8.
Labvrinthos e bicos,
to baratos que o comprador admira.
Esses labyrinilios c bicos se applicam a
diversas obras e fins, e sempre com provei-
to por suas fortides e duraco, boje ruis
dj que nunca, convem a todas as familias
compra-Ios para aproveilarem-se da occa-
iio era que elles sao vendidos to baratos
que na verdade o comprador admira, e bem
se ple dizer que por laes precos nunca
mais haver. Os labyrinthos sao de novos
e bonitos desonhos das larguras de quatro
dedos at mais de um palmo (ou tres a dez
poilegadas) e os limitados precos sao de 10
a 30 a peca de dez varas, variando estes em
refacSo a largura. A ser em varas haver
mui pequeas differoncas, os bicos porm
principiara por mais estreitos at a maior
largura dos labyrinthos, e os precos sao
igualmente proporcionados. Isso pois. as-
sim simplesmente dito talvez pouca conside-
radlo mereca.jjorm para desengaar e fa-
zer o comprador reconhecer a verdade e a-
preciar o extremo da barateza. necessario
que se diiijam cora dinheiro; a ra do
Queimado loja d'Aguia Branca n. 8.
; raxa econmica.
\ aguia branca acaba de receber essa acredita-
ba econmica, cuja superioridade est ge-
nte reconbecida 5 e*sa boa graxa se torna
onwndada, lano porque o calcado lustrado
someta doiu perfeilamonte lustroso ao monos
tres .ha- sen) ueressidade do novo unto, .orno
mesmo porque sua preparace appropriada para
imanar e conserrar ocouro ; ella vem em caixi-
Bhas e harrizinhs, e acha-se venda na ra do
Q iraado n. 8, loja d'aauia branca, aos rezumidos
,i. :(K) e 640 rs.
Pentes de concha.
Com as novas e diversas uuarniges de
peuleaque a Apia Branca acaba de rece-
ber, veio tambem urna pe*ijuena qualidade
d; pentes de concha que com g:-aca e acer-
tail miente serrem para o moderno atado dos
cabellos Hiles sao de bonitos e agradareis
moldes, edetaraanho pequenino como con-
vi.! para o lira que sao. E' esta a primei-
ra vez que d'elles aqui chegam, por isso
que a moda aovissima, pelo que ganha-
rfn a palma aquellas senhoras que primei-
ro se apresenurem com elles, para o que
os mandarlo comprar na lo;a d'Aguia Bran-
ca, ra (.o Queimado, n. 8.
Capellaa, flores c luyas enfelta-
, das para uoivas.
Pelo ultimo paquete a Aguia-branca rece-
ben os arligos cima sempre necessarios s
nrivas, os quaes, segundo suas recommen-
dn lies, vieran de rauito gosto, e perfeita-
ii! ote delicados.
\< capailas sito de mui moderno e agra-
dare! motile, A linas flores, e acabadas com
todo o esmero: as flores solas sao extre-
mamente delicadas e proprias para enfeites
de vestidos e mesmo ornatos de cabeca, sen-
do delgadas vergonleasde jasmin, cachos de
resedas, e oulras estimadas flores.
As lusas, porm, apreciada obra de Jou-
viii, parece que foram enfeitadas pelas mes-
m 5 fabricantes das mimosas Dores, pois que
em Rosto e perfeic" nadadeixam a desojar.
S5o essas. pois, as rapellas, flores e luvas
ii i: irresp mitem i riqueaa do vestido, for-
i ii completo assein e perfeicao, e ele-
va o a gailiardia da candida noiva. Resta
somenle que os pretendentes munidos de
dinheiro dirijara-se alegre e espacosa lo-
\ d'Aguia-branca, ra do Queimado n. 8
Kalesidarios semanaes : pelo
preco todos compra rao.
Sao de summa tililidade esses kalendarios
maes, porque mostram acertadamente
a dala e dias da semana, sem o continuo tra-
balho de holir nelles diariamente, pelo que
se lornam necessarios e preferiveis a lodos
os oulros ; tanto para casas de familias, co-
mo mesmo para qualquer oulra parte, e
principalmente por 500 rs. cada um: na
roa do Queimado, loja d'Aguia-branca, n. 8.
Phosphoros de cera.
Vendem-se a 24o rs. a duzia de caixinhas
do phosphoros de cera : na ra do Queima-
do. loja d'Aguia-branca n 8.
fiaglezas: Opiata e aguada
Colonia.
A Aguia-branca da ra do Queimado n. 8
acalia de receber a apreciada opiata ingleza,
n tieni ingleza.
Garrafas com agua da Colonia.
CUegaram novas garrafas com agua da Co-
lonia para a loja d'Aguia-branca, ra do
Queimado n. 8.
aravllha das bellas, novos e
delicados enfeites para ves-
tidos.
aprasivel aguia branca o ter de avisar a I
sua boa freguezia, que acal de receber pelo pa-
quete franeuz um bello sortimento de enfeites de
seda denominado tnaravilha das bellas, ns quaes
serven tanto |iara vestido de senhora como para
zia.
.ttoalhao de linbo adamascad*
proprio para toalha de mesa a 2*300 vara.
Alfodo monstre
com 8 palmos de largura pelo baratissimo preco
de 1*000 a vara.
f.ortf s de calca
de pnga amarella de lista e de qoadro fazeada su-
perior pelo baratissimopreco de *200 o corte.
Laazinlia de qiiadro
de gosto-inteiramente noro pele banriissimo preco
de 480 rs. ocovado.
Prcas de cambraia fina com Sl/2 varas pelo baratissimopreco de 4*.
Pecas de cambra de forra
pelo baratissimo preco de 25200.
Esleir da ludia
para forro de sala de 4, 5 e 6 palmos de larcura.
Ciie^ado pelo vapor:
fi para o vigilante, rna do tres-
no ii. 9.
At que chrgaram as muito desejadas cascarri-
lhas de todas as cores com urna linha de velludo
no centro, cousa muito elegante para enfeite, assim
como de outras qualidades, e preces muito razoa-
veis : s no vigilante, ra do Crespo, u. 7.
Para, dar de mimo.
Chegaram as riqusimas Ixmecas de todos- os
tamanhos, veslidiulios ricainenti eofcitados, cada'
um em sua caixinha, propriamente para um deli-
cado mimo, por baratissimo preco : s no vigilan-
te, ra do Crespo n. 7.
Para os- seuhores hachareis
Cliegou tempo a riquissima fita do chamalotO'
para cartas dos senhores bachareis, assim como-
branca, lisa, propria para abrir letras, ou para.
sinlos : s no vigilante, ra do Crespo n. 7.
1'ciilea.de marrafa.
Tambem chegaram os riquissimos pentes de
marrafa com pedrinhas,os lindos pentes- de regaco-
para meninas, meias de seda e sapatinhos proprio
para baptisados, meias de seda pura senhora, fitas
de lia para debrum, tita de linho, trancas de laa,
de linho e de seda, luvas de seda e pellica, e lio- de
Escocia e cainurca, alfinetes de cabeca chata, car-
toirinhas com todas as agulhas precisas para cos-
tura, livclas de madreperola esmaltadas de ac
para sintos, flores do todas as qualidades, caixinhas
com pastilhas de perfumara, ahafadores de laa
para senhora, toncas a sapatinhos de laa, pulseiri-
nhas de borracha para segurar manguintos, rtase
cordes de borracha, saiwnetes redondos, ditos
chamados de familia, pomadas de todas as quali-
dades o dos fabricantes mais afamados, clcheles
pratiados muito finos, retroz de todas as qualidades,
retroz em carretel e em novello, e de meada, de
todas as cores, cscovas para denles, ditas para rou-
pa, ditas para chapeo e ditas para unha, de todos
os precos, e outros mais ohjectos, que se tornara
enfadonho annunciar. e vista dos freguezes pro-
melte-se fazer todo o negocio: s no vigilante, ra
do Crespo n. 7.
3
\ Pitee da Mo'a.
ir

.
AGUA FLORIDA
D<* Mitiv A' Lanman.
Ditos de alpaca, 86 e.
Ditos ditos preto*, 0*. 7*,
S*........
Ditos de brim e ganga de co-
res, 4)5500, 4, 30508 e. .
Ditos branco de linho, ty,M e
Ditos de merino preto de cor-
d5o, >, 7|Jl e.....
Calcas de casemira preta, 1 i$,
m, Me......70000
Ditas de cores, H, H e. 7fJ00O
Ditas de meia casemira de co-
res, 6050 e.....4)5000
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo/ 5*, 40500 e 40090
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 405W, 40 e 20900
Ditas de ganga de cores,
30500, 30 e.....20900
Colletes de velludo preto e de
cores, 90 e......70000
Ditos- de casemira preta, 50 e 40000
Ditos de ditas d cores 50
4#e........
Dito de setkn preto. .
Ditos de ditos e seda branco,
60 e.......50000
Ditos e gorgorito de seda
30500 50, 40, 30" e. '. 20500
Ditas de madapolo, 30,
30500! 20500,20*.....10600
Chapos de raassa, pretos fran-
30000 cezes, f 00, 90 e. 80500
40000 Ditos deSltro, 50, 40,30500 e 20000
Ditos de sol, de seda, 120,
110, 70 e......40500
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda....... 640
Sortimento completo de grava-
tas. 0
Toalhas pararosto, duzia, 110,
90 e........60000
Atoalhado adamascado de li-
nho vara ...... 10280
Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....40000
Lenfes de linho..... 30000
Cobertas de chita chineza.. 20000
Pennasd'aco, as mais superio-
res, a grosa...... 600
Relogios de ouro orizontaes,
900,800 e......700000
50000 Ditos de prata, galvanizado,
patentes e orisontaes, 400 e 30000o
Obras de ouro, adercos, meios
aderee/os, pulceiraSj roaetas,
30500
preto e de cores, 60, 50 e 400001 anets e cruzes.
0
FUWIM^AO DO BOWMAM-RUA IMf
Este muito acreditado estabetecimento est prvido de um completo sortimento
maclwnismos proprios do fabrico de assucarr a saber:
Machinas de vapores as mais modernas e mais acreditadas.
Roda d'agua de ferro com seus pertences.
Moendhs e meias moendas de todeis os tamanhos.
Rodias dentadas, angulares e de espera.
Taixas de ferro batido e coado.
Boceas de-fornalha pelo novo systewa Wetson,
Alambiqoes de ferro-fundido.
Fornos para cozer farinha.
Moinhos para moer mandioca.
Arados americanos, ete. etc.
de
O Largo do (armo B.
Grande sortimeBto para a festa por menos
10 a 20 por cento do que em outra qualquer
parte.
Duarte < C* scientificam aos seus freguezes e ao publico emgeral, que acaba de che-
gar da Europa um socio que faz parte da firma, com uta grande e bello sortimento de
molhados por elle escomidos, os quaes se vendem por menos de lo 2o por o/0 do qO ou-
tro qualquer annunciante, grantindo a boa qualidade e peso de qualquer genero Vendido
neste j muito acreditado armazem, e por isso, firmados em que cumprem fielmente o
que promettem, pedera todos os Srs. da praca, de engermos e lavradores, o favor de
raandarem suas encommendas ou relaces ao armazem Progressivo, certos de nao terem
em tempo algum occasiJo de se arrependerem.
Aviso.
Todos os Srs., que comprarem para tornarem a vender, terSo, alm da diOerenca
j publicada, mais 5 por % de abatimento. Os proprieUrios tambem garantem o boni
acondicionamento ainda mesmo dos mesmos para o mais alto serto.
..,,..
-l..|
i jimVi delicado perfume
c^iiguivel c to cholo de
fcagmaoa e frescura como
o
Es
;i]imo:a
delicado elieiro das proprias verdecen-
toa florea. Diu-ante ns meeea caloren-
toa do voro <> 800 uzo torna-se imincn-
toineinc aprazivel e descjavul ca con-
soquecia da itifliioucia refrigerante c
eaave que ella produz eobre a pello:
em qnantO que nzada no banho ella
imuarto o eorpo lnguido e caneado
una certa clasticidade de vigor-e forca.
Kilo- import iranuparencia as feigoes^
e re ove pannos, sardas e lerioejas di
sobre apelle.
0 mWS ORIENTAL DE KEMP
FAEA 08 CABELLOS,
E urna preparaco admiravel para lim-
par, afonnosear, conservar e restabele-
ccr os cabellos.
venda as boticas de Caors 4 Barbosa,
ra da Cruz, e Joo da C. Bravo de C, roa
da Madre de Dos.
ESTABELECIMENfO COMMERCUL
DE ,
;G.4LDEK\HIV E PNllljiO DE METAESv
%'\to na rna do Brum n. O Junto
a iiinrtU-fio do Hr. lowiiinsn. pertencentfr a
Villana Irmao A '.
Neste estabelecimento enconlrarao os freguezes um completo sortimento
de tudo que diz respeito as artes de calderero, fiuiileiro, latoeiro, ferveiro e
fundiro, e os abaixo asssignados- que o dirigem, promettem servir a todas as
pessoas que se dignaran de os procurar, com promptido,. sinceridad^ e pre- < .\
eos muito rasoaveis. O dito estabelecimento estando montado em ponto (fj-
grande, tanto no que diz respeito a pessoal, como em materia prima, e- tendo
habis olliciaes, pt'wle executar com toda a perfeico c- seguranca q/talquer <
obra tendenteas artes cima mencionadas e alToitamente pdem os abaixo as- ^^
signados assegurar ao publico que nenhum outro estabelecimento Ihe pode ^
fornecer mais barato e mais perfeito do que elles, visto que recebesa de sua s
propria encommenda todas as materias empregadas em ditas obras. flj
Alambiques simples e continuos de to- Sinos de 16 libras 8 arrobas. <4
d.is os tamanhos e dimencoes. Parawzos de bronze e ferro para ro- WM
Machinas de cobre para destilar e res- j das d'agua. <^
tilar espirito at 40 graos pelos sys-: Torneiras de bronze e bronzes para waj
temas de Logier e Derosne. engenho.
Carapucas e serpenfinas de cobre, e Encanamentos de cobre e chumbo de
estanho, avulsas. I todas as grossuras.
Taixas e tachos de cobre para engenho Bombas para cacimbas, aspirantes e
e refinaco. | de repucho.
Paroes de cobre c todos os cobres ne- Bombas para destilaces.
cessanos para o fabrico do assucar. Ditas para regar- jardins, hortas e
Cobres para rodas de moer mandioca.' capim.
Machinas econmicas para lavar roupa Ditas para navios e barcacas de varias
o melhor possivel. I qualidades e dimenc5es.
Cobre em len?ol e arrodellas, estanho em barrinha, chumbo em barra,
lencol e canos de todas as grossuras.
Villaca Irmo & C.
\ oao aoa. jzx\ JZa os,


ERVADO
DE
JD'^VIim 8 QXD8 SPDS.
R. 21LARfiO DO TERQO -N.
21
Cofre ingle/.
Vcnde-se por commoda preco um cofre nglet
prova de fogo, em perfeito estado por ter pouco
uso : na ra DireiU n. 34, padaria.
Kua da Sfzalla (Vova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
iara icsum oc seimora roiim para ... r :j._ j i -_
rou)iiias (le criawcas. 3ens novissimos e delica- ferro coado libra a 110 rs., dem
das desenhos, suas escothidas e bem acertadas co-! Moor libra a 120 rs.
res fazcm um todo agradare! aos otiios de qualquer j--------------------------?j--------
Tivi'iin que saina apreciar o bom. Assim, pois, a Cannos d miv.da est em haver dinheiro, ha*ende-o, diri-1 Vendem-se caos de ierro com pellegada de. (jn fje nrimeira e SffUQda aorte a 8,8oQ 2,500 e 2,000 rs. a libra.
iametro nrnnrini nara pncanamentos d aetia, or *... ^7* > _- :_ ._. ia a
O proprietario deste bem sortido armazem de molhados vende os seus gneros j
bemeonhecidos de primeira qualidade, e por isso caprichou de escolbor, para bem servir
aos seus freguezes. mandando vir a maior parte do seu sortimento, para o que tem pessas
encarregadas para este fim, e os pode vender por menos de 10 a 20 % do que em outra
qualquer parte.
Verdadeira genebra de Hollanda em botijas de conta certa a 400 rs.
dem de laranja em frascos grandes a 1,000 rs. e de Hollanda a 500 rs.
Caixinhas com 8 libras de oassas de carnada a 2,400 rs. e a libra a 480 rs.
Velas de espermacetc, carnauba e composico a 63o, 44o e 36o rs. a libra e a arroba a
10,000 rs.
Palitos do gaz sem avaria a 2,3oo rs. a groza e 2oo rs. o maco.
Serveja das melhores marcas a 500 rs. a garrafa e a duzia a 5,5oo rs.
Yk*ho das melhores marcas F. L. P. a 4oo, 5oo e 56o rs. a garrafa e a caada a 2,8oo e
4,ooo rs.
Batatas desembarcadas ltimamente a 5o rs. a libra, e a arroba a 2,8ao,fS.
Bolachinhas americanas a 2,ooo rs. e 3,5oo rs. a barrica e 2oo rs. a libra.
Afeite doce de Lisboa a 3,ooo re. o galo, e a 6 to rs. a garrafa.
Oueijos do reino os mais novos do mercado a l,8oo e 2,ooo rs.
Miiho alpista o mais limpo que ha a 5,000 rs., a arroba a 160 rs. a libra.
Manteiga ingleza perfeitamente flor a 800 e a 720 rs. a libra,
dem francesa, muito superior, a 560 rs. a libra e em barra a 540 rs. a libra.
Caf do Bio da 1 .l e 2. sorte 280 e 320 rs. a libra, e a arroba a 8,800 e 9,000 rs.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de conta propria, a 8oo rs. a libra.
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
56o rs. a libra, e em barril ter abatimen-
to.
dem ingleza em potes de 4 a 16 libras a
8oo rs. a libra e o pote separado.
Cha uxim o melhor neste genero, mandado
vir de conta propria, a 2,8oo rs. a libra
fdem hysson, grande, muito bom a 2,6oo rs,
a libra.
dem preto, muito fino, a 2,6oo rs. a libra.
dem preto, mais baixo, a 2,ooo rs. a libra.
dem, verde, miudinho, mais propriopara ne-
gocio, a l,5oors. a libra.
Banha de porco refinada muito alva a 46o
rs. a libra, e em barril se far abatimen-
to.
Biscoitos inglezes das seguintes mareas:
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travetties
Lunch, Cabin, eoutras muitas marcas a
l,4oo rs. a lata.
Bolachinha de soda, especial encommenda, a
2,2oo rs. a lata.
Biscoitoinglez Craknel em latas de 5, 7 e 15
libras a 5,ooo o 6,ooo rs. ede lv2oo a
8oo rs. a libra.
Queijos do reino pelo baratissimo preco de
l,6oo, l,8oo e2,ooo rs., os do ultimo
vapor.
dem prato muito fresco a 6iors. a libra.
dem londrinn muito frpsro a 8or>rs. a libra.
Vinhos em pipa: Porto,. Figueira e Lisboa, a
48o, 56o, e 64o rs. a garafa, e de 3,ooo a
4,5oo rs. a caada.
Marmelada imperial dos melhores eonservei-
ros de Lisboa em latas de 1 e mais libras
a 7oo rs. a libra.
Fructas em caldas das seguintes qualidades:
ameixa, rainha Claudia, peras, cerejas,
ginja, pecegos e alperch a 5oo rs. a lata.
Figos em caixinhas de 1 */ arroba e-de 8 li-
bras a 8,ooo, 4,ooo e 2,ooo rs, e a 3oo rs.
a libra.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra, e
em arroba ter abatimento.
Sardinha de ufantes a 32o.rs. a latinha.
Toucinho de Lisboa a loes. a libra eem ar-
roba ter abatimento.
Massa de tomates a 64o rs. a libras.
Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
Farinha do Maranho a 14o rs. a libra.
Ceblas a 1,2oo rs. o mlho, e a l.ooo rs.
o cento.
Tijollo para limpar facas a 16o rs.
Cerveja das mais acreditadas marcas de
5,ooo a 7,5oo a duzia, e de 5oo a 6oo rs.
a garrafa.
Prezunto para fiambre muito fresco e novo
a 8oo rs. a libra.
Genebra de laranja a 9oo rs. a frasco.
Chouricas as mais frescas do mercado a
5io rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa,
e lo,5oo rs. a caixa com urna duzia.
Licores francezes das seguintes marcas: A-
nizete de Bordeaux, Plaisir des damos, e
de outras muitas marcas a lo,ooo rs. a
duzia, e a l,ooo rs. a garrafa.
Passas muito novas a 5oo rs. a libra e a
8,5oo rs. a caixa. Ha caixas, meias e
quartos.
Peras seccas a 3,eoo rs. a caixa e 8oo rs.
a libra.
Bolachinha ingleza a 4oo rs. a libra.
Azeite francez eportuguez refinado a8oors.
a garrafa, e 9,ooo rs. a caixa com urna
duzia.
Conservas inglezas das seguintes marcas:
Mixed, Pickes, e ceblas simples a8oo rs.
o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes a 4oo
rs. o pote.
Grao de bico a 10o rs. a libra, c em arroba
ter abatimento.
jm-se sem sosto ao esptoMo e aleare nmho de dimetro proprios para encanamentos d'agua, por
aguia branca, na do Queimado n-8, que senario preco moito barago : na na Direita %i 84, f*
ai verdades cima ditas. 1 dara.
Tijata francez de graiido taanoho a 14o rg. cadaum. e a lm dos gneros annunciados
ha outros rauilos anae enfadonho seria mencio.a-los: vende-se dinheiro a visU.
Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groza e 2o rs. a
caixinha.
Miiho alpista a 160 rs. a libra.
Pataco a 2oo rs. a libra.
Gomma muito alva para engommar a 80 rs.
a libra, e em arroba se far abatimento.
Sag muito novo 28o rs. a libra.
Sabo verdadeiro hespanhol que raras vezes
vem ao nosso mercado a 28o rs. a libra.
Sabo massa de superior qualidade a 180.
200, e 220 rs. a libra do melhor que ha
Graixa em latas muito nova a 120 rs. a lati-
nha, e 1,300 rs. a duzia.
Peixe em latas muito novo : savel, pescada,
curvin, salmo e outras muitas qualidades
preparados de escabexe, segundo a arte de
cozinha, de 1,400 a 2,ooo rs. a lata.
dem do Alto Douro vindo do Porlo engar-
rafado e escoltado pessoalmente por om
dos socios qae se acha em Portugal, das
seguintes marcas: Duque, Genuino, Ve-
lho secco especial, Lagrimas Doces de
1819, vinho especial D. Pedro V, vinho
velho, Nctar superior de 1833, Duque do
Porto de 1834, vinho do Porto velho su-
perior, Madeira Secca de superior quali-
dade, vinho do Porto superior I). Lui/. 1
de 1817, Lagrimas do Douro, especial vi-
nho do Porto, de l,ooo a 1.2oo rs. a gar-
rafa e de lo,oooa 12,ooo rs. a caixa com
Hmaduzia.
fitem Bordeaux dediflerentes marcas, gnate-
le a qualidade, a8,ooo W. acaixa com una
duzia, e a 7oo rs. a garrafa.
Garrafes com 5 garrafas de vinho do Porto
do Alto Douroa2,2oo rs. com o garrafiio.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira, mais
proprio para a nossa estacio por ser maja
fresco a 2,4oo rs. com o garrfo.
Idsm com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
o garrfo.
Viaho branco o mdhor neste genero a 6oo rs.
a garrafa e 4,eeo rs. a caada.
Velas de spermacete as melhores que ha no
mercado a (ioo e 64o rs. o masso, p om
caixa se far um grande abatnenlo.
dem de carnauba e composico, de 4oo a
32o rs. a librare delo.ooors. a ll.ooors.
a arroba.
Caf de Ia e 2a sorte de 8,3oo a 8,6oo rs. a
arroba, e de 28o a 32o rs. a libra do me-
lhor.
Arroz da India, Maranho e Carolina a 3,ooo.
2,8oo e 24oo rs. a arroba e de loo rs. a
8o rs. a libra.
Frasqueiras de geuebra a 5,8o rs., a alfa
rs. o frasco.
Azeite doce ta barril, muito fino a 64o rs.
a garrafa.
Papel grvc- pautado e liso a 3,5o rs. a
resma.
Genebra de Hollanda em botija de eonta a
44o rs. a botija.
Champagne das mais a ereditadasmarcas a
l.ooo rs. a garrafa, e a lo,ooo rs.a duzia
ougigo.
Alhos a 8o rs. o masso.
Sal refinado a 7o rs. a libra.
Ervilhas fiancezas e portugueas a 64o rs.
a lata de urna libra.
Chocolate francez, hespanhol, suisso, e porta-
guez a l.ooo rs. a libra, e a 28o rs. cada
pao de urna */
Garrafes vasiosde5 garrafas at 3 caadas
de 5oo at l,3oo rs. cada um.
Ameixas francezas em caixinhas elegantemen-
te enfeitadas, com diversas estampas
no exterior da caixa, de 1,5oo a 3,ooo rs.
cada urna; tambem ha frascos e latas de
differontes lmannos que se vendem per
mdico proco.
Massas para sopa: macarrio, talharim, e
aletria a 48o rs. a libra, e em caixa so
far abatimento.
Doce do goiaba de 4o a 8oo rs. o caixJlo
grande.
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 librmuitos, a I dem a 2,ooo o caixSo grande,
proprios para deposito de manteiga, doce, I Charutos de todas as marcas e dos melhores
e oetro qualquer liquido, de l.oooa 3,ooo fabrientes da Bahia de 3,000 a 4,ooo rs
rs. cada um. a caixa.
\TTEWA0!
Atea dos gneros cima annunciados ha um.completo sortimento de coraioho* er-
ra doce, ahazema e ostros muitos gneros, que udo se vende por baratisssirao |ireco

.
-S


-

I
r
K,
'f

BUl-io de Pernajttbue* eila felr :! de Han tero de !*.
i $mm
GRANDE ARMAZEM
AE
O
F.E
^mvmmMmmmmmmMmmx*.
GRANDE ARMAZEM DE MOLHADOS
DE
N. 36, RA DAS CROES N. 36
DO
balrro de Santo Antonio.
0 proprietario do muito acreditado armazem denominado Progresista tendo'
8empre em vista fazer tudo o que for possivel para bem servir aos seus freguezes, tem
deliberado vender os seus j bem conhecidos gneros de primeira qualidade pelos precos,
abaixo mencionados, e affianca s pessoas que mandarem comprar por seus criados ou
' escravos, serem to bem servidas como viudo pessoalmente; encarrega-se de aviar qualquer
encommenda, ainda mesmo contendo objectos n3o proprios deste estabelecimento. 0
mesmo pede aos seahores que mandarem comprar neste armazem o favor de mandarem
devolver qualquer objecto que n5o agradar, devendo os mesmos senhores ter toda atten-
c5o com os seos portadores, fazendo-lhes ver que s no armazem Progrtssista da roa das
(]ruzs n. 36, que se vendem os melhores gneros por mais barato preco, porque estes
multas vetes olvidam-se e vao outra parte onde os servem de maneira a desagradar este
estabelecimento.
XmmmV&mmmmimte.


TODOS
os
VAPORDS
COMPLETO
SORTIMENTO BE MOLHADOS.
se recebem gneros de conta ^j._ vende-se em porc3o e a reta-
propria e dos melhores esta- ^ Iho, aprompta-se com toda a
q presteza e exactidao qualquer
g^. encommenda dirigida a este
belecimentos da Europa, ga-
rante-se todo e qualquer ge-
nero comprado neste
Uvas muito novas a l.ooo a libra.
Castanhas a 2oo rs. a libra,
Figos a 320 rs, a libra,
Vinho superior da Figueira e Lisboa, a 400,
O, 180 e 500 rs. a garrafa, e a 2,500,!
2,700, 3,000 e 3,400 rs. a caada.
dem engarrafado, das seguintes marcas du-1
que do Porto, Feitoria, Nctar, velho secco,
Chamisso, e Madeira superior a 8,500 rs. a
lu/ia e 800 rs. a garrafa.
dem B irdeaux de diversas marcas a 640 rs.
a garrafa e 7,500rs. a caixacom i 2 garrafas.
Mustarda preparada, muito nova a 360 rs. o
pote.
Palitos do gaz a 200 rs. a duzia de caixinhas
e 2,100 rs. a grosa.
Ditas hygienicas e de seguranca a 240 rs. a
duzia.
Alpista muito limpo a 160 rs. a libra,
Gemina de engommar a 80 rs. a libra, e
2,200 rs. a arroba.
Sag muito novo e alvo a 240 rs. a libra.
ESTABELECIMENTO.
C3
ESTABELECIMENTO.
viuva m
RUA I t t ?I lB:SC \T3SIZ tf# ?#
nmrJCraill?'!1rU,e.,}ar'?pf a^re*P<^eJPul'lio e aos seus freguezos que acaba de receber
?^t"favMrt,2ienl0 d? obicc,0?1 versas cores e fc.tio modera*, ricas capellas parahfljvas as melhores que tem vindo at boje *n Per-
Bambaco, grande quantidade de aguado colonia, exlr&Mps para lenco, banha c oleo para cabrita,
tudo em vid ros grandes e pequeos muito lindos e variados\e por precos diminutos
Continua a receber por todos os paquetes da Europa mitas de Jouvin brancas, pretas e de toda*
ss cores. ^^k
Agua de tingir cabellos de Marquis, ingleza, melanogene, beter etc., etc.
Na mesma casa continua a receber encommendas de cabeleirasSa hornera e sculiori rliiiuw
trancas, crescente, nos etc, etc. >v '
Correntes para relogios trancelins e tudo quanto diz respeito a arlodWabeleiroiro en i
friza-se cabellos pelo prego de 500 rs.
Kspartllhos espai-tilhos.
Espartilhos regencia privilegiados da fabrica mais afamada de Taris, esles espaHbob u ..,-
tos do tal modo que urna senhora com um delles ha de ser sempre bem vestida. >>
Rioase lindas capellas para noivas de urna fabrica especial : ruada linperatriz n 7
GR ANGEIAS antiblennorrhagicas de DUNAND
ex-I NT. oo HOSP. dos VENREOS de PARS iQ. PREMIO 1854
Soperioru t lodu u prepu((0i conheddu al huj contri as Oonorrh.n e Bl.n.orrb.i
Bueno seguro e promplo, sem nauseas, nem clicas, nem iremor. Facis a tomar em segrego se.u
___ Injecgao curativa e preservativa
fc.iT* 'our* c?m. r,P'ez ,em *"" escorrlmentos contagiosos de ambos sexos, Ptorai brucu ------.
kUMBie. MllKfcg iorllc o. lgrenlo. o. pre.er. de qualquer al,cr.t"o PAMs! 5, "' ZdSSSSit
Deposito geral em Pcrnambuco ra da Cruz n. 22 era casa de Caros A Barboza
n mais intensase rebeldes.
sem tisana.
0$ proprietarios do muito acreditado armazem Progresso fazem sciente ao<. espejta-
vel publico e com especialidade aos seus amigos e freguezes que tera resolvido resumir os
precos dos seus acreditados gneros, como abaixo vero nSo obstante os precos menciona
MU EXPSICtO l)E MEMAS,! O GALLO CANTA
^aratissimas que se vendem para apurar di-i J e saWdo que, pando chega o vapor da Ku-
nheiro, na luja e armazem da Arara, ra ro|,a,' ga"canla, annu.ncian (la Imoeratrix n 5fl Inia .le l mirn S0S frcu,eze:i M galanteras de ma.s gosto e da til-
ia imperauu n. <>, loja e Lourento tima moda que por elle recebe, como seiam :
Pereira Mendes GuimarSes.
Neste grande estabelecimento acha-se um
dos a vista, da qualidade dos gneros que se prova quanto se deseja servir satisfatoria-; 2SlSf2
praca, advertindo aos
seus freguezes que as fazendas tem subido,
mente aos nossos freguezes, advertindo-lhes- que mandem seus portadores, que serao to porm no seu esubelecimento cada vez ven-
de majs baratsimo, na loja cima da Arara,
Catnsinhas para senhoras.
Riquissimas camisiubas cora inauguitos c gra-
grando sortimento de fazendas, tanto para o v.atj"has Para senhoras : s no Vigilante) ai do
** Liana.*. !' n _______ 1 "^1 CjO I). /.
bem servidos como se viessem pessoalmente, isto s .no Prtgresso.
tem massa a 180, 200 e 220 rs. a libra.
Peixe em latas, savel, pescada, e corvina a
. ,000 rs. a lata.
Genebra de Hollanda em butiias de conta a
400 rs.
Mem Mscate! de Setubala 1,700 rs. a gar- Sab3 hasPanho1' a 280rs- a ,ibra-
rafa, e 18,006 rs-. a duzia.
Gapraoes com S garrafas, de vinho do Porto,
Lisboa e Figueira a 2,100, 2,200 e 2,300
rs. com o garra/So.
dem branco muito superior a 500 rs. a garra-
fa e 3,590 rs. a caada.
< iarrafes com 5 garrafas de vinagre a 1,1 oo rs.
Vinagre superior de Lisboa a 1,400 rs. a ca- Azeitedoce de Lisboa a 600 rs. a garrafa,
nada e 200 rs. a garrafa.
Velas de spermacete superiores a 580 e 640
rs. o maco.
Papel greve pautado e
resma.
liso a 3,400 rs. a
Manteiga ingleza de I. qualidade, a 8O0 rs.
a libra.
dem ie 2.a dita, a 700 rs. a libra.
dem de 3\ dita a 600 rs. a libra.
dem franeeza, a melhor do mercado a 540 rs.
e em barril a 500 rs. a libra.
lite em latas cora 2 '/ libra a l, 400 rs. a lata.
llanta de porcoirefnada a 500 rs. a libra.
Oueijos flamengos chegados ltimamente a
2,000 rs.
Mem prato o melhor que ha neste genero a
700 rs. a libra.
Arroz Carolino e do Maranho a 2,800 rs. ar-
roba e 100 rs. a libra.
Am.ndoas de casca mole a 280 rs. a libra.
Champanhe das mais a creditadas marcas
a 10,000 rs. ogigo e 1,0 O a garrafa.
Doce de goiaba do 400 a 800 rs. a caixa.
Chocolate pnrtuguez, francez, hespenhol e
suisso de 800 a 1,200 rs. a libra.
Velas de carnauba e de composic3o a 320 e
3C0 rs. a libra e 9,500 e 10,000 rs. a ar-
roba.
Farinha de Maranho muito al va e cheiroza.
a 16o rs. a libra.
na da Imperatriz n. 56.
Principia Arara, cassas organdis a 200 rs.
Veode-se cassas organdis de quadros, cor
de. caf para vestidos a 200 rs. o covado.cas-
Toucipho de Lisboa a 32o rs. a libra ea9,ooo s* francf?as ,nas a*4(,' 280 e 3*> o cota-
re., arroba* do, pupehna de quadrrahos para vestidos de
Manteiga ingleza perfeitamente flor chegada
no ultimo vapor a 8oo rs. a libra.
dem de 2.* qualidade a 76o rs. a libra.
dem de 3,* dita a 64o rs. a libra.
dem para tempero a 32o e 4oo rs, a libra.
Manteiga franeeza a mais nova que ha do mer-
cado a 58o rs. a libra, e em barril tera aba-
timento.
Banha de porco refinada a 520 rs, a libra.
Vinho ra pipa Porto Figueira e Lisboa a 4oo, r,
48o, 5o!, 68o rs. a garrafa, em caada ?t 2 ^ar?t;aiS:a,0rtStaS, Majk> s tem Arara : ra da Imperatriz
2,8oo 3,ooo 3,5oo e 4,ooo rs.
senhora a 320 o covado: ra da Imperatriz
bi 56, Arara.
Se di ii has da Arara a 560 rs.
Vende-se seducas de quadrinhos e de lis-
tinhas miudas para vestidos de senhora e
macarrao e talharim a
Massas para sopa
400 rs. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Ba-
ha 3,800 3,400 3,000 e 2,400 rs. a
caixa.
Cerveja das melhores marcas de 5,000 a
6,000 rs. a duzia.
Biscoitos inglezes de todas as marcas a 1,200
rs. a lata.
Bolaixinhas de soda em latas grandes a 2,000
e 1,800 rs. cada lata.
Massa de tomates em latas de 1 libra a 560
e 640 rs.
Caixinhas comaraeixas franeczas, de diversos
lamanhosal, 200,1,400,1,800c2,lOOrs. I
Frutem calda, ameixas, rainha Oladia, pe- Sarr?inah,alde NanleS muil novas a 3i0
cagos e alpech a 480 rs. rs< a "
Marmelada de lodos os conserveiros de Lisboa
dem em barril o mais superior que tem vin-
ao mercado a 6oo rs. a garrafa.
Lagrimas do Douro especial vinlw do Porto a
l,ooo a garrafa e a lo.ooo a caixa, o preco
nao indica a qualidade d'este precioso vi-
nho, porm venhamao Progresso que a vis-
ta faz f, a este genero constantemente man-
damos vir de conta propria e por isso po-
demos vender por menos que outro qual-
quer annunciante.
Vinho do Alto Deuro das marcas mais acre-
ditadas e especialmente escolhido por um
de nossos socios, como sejam:Camoes, Du-
que, do Porto, D.Luiz, Carcavellos, Cha-
misso fc Fllho, Madeira secco, e Feitoria a'i
9oo rs. a garrafa e 9,ooo rs. a caixa cora
12 garrafas.
Sardinhas deNantes a 36o rs, a lata.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. agarraa e a
4,8oo rs. a caada
vin^Toord,^L!sin^aa,^oo rs-a garrafa **ss&i5 ^^^zs^sri
r.amffiMm K^."lrc a : a t ^riuhos .a 320 o covado, ditas muito finas
Ea Zlg de ^^4e ^transparentes, fazondachegada neste ultimo
nh'i *,? a- vapor-a 400, 500 e 560 rs. o covado, desta
lanhe das marcas mais acreditadas a
? 1? r!'^ rSr gig' e a ^,rS- e a 56, de, Mendes Guimaraes.
,ooo rs. a garrafa. j Qatti fK)iiftcb* na Arara a M rs.
Serveja preta marca T e XXX a 6,5oo e Venderse chitas francezas cores fixas com
7,ooo rs. a duzia, e a 6oo rs. a garrafa, pequeo toque de mofo, porm afianca-se que
tambem temos das mesmas marcas para 4, ,0g que-se lave fica limpa, padres escuros
e 4,5oo rs. a duzia, e a 4oo rs. a garrafa.!e claros a 240 e 280 rs. o covado, ditas lim-
Mam Kmn t u u v v < P48 &aas> a 320, 360 e 400 rs. o covado; i
iaem f>ranca i e cobrmba a5,5oo e 6,000.rs, na |0ja ^ rua da imperatm da Arara n. 56,1 las, P<"l barato preco de 25 e 2a.'tM, daiulo-so a
a duzia o aoo rs. a garrafa, tambem ha de Mendes Guimaraes na para as mesmas: s no Vigilante, rua do
para 4,000 rs. a duzia.
Arara fcndc as camisas para sfnhoras.
Vende-se camisas para senhoras com goli-
nhas e punhos, com botaozinho e gravata,
Km;*, de.Porto arqueadas de ferro obra ^2 fiESES^ fH
de muda duracao a 4oo rs. cada urna.
Cirigolinhat.
Hiquissimas cirigolinhas ou gravatinhas. sendo
cousa de muitogosto, cea primeira vez que apra-
rece para as senhoras de bom goslo : so no Vigi-
lante rua do Crespo n. 7.
JVn.es de concha.
Ha para chegar riquissimas guamiciles de pen-
tes de lindo gosto, tanto para atar, romo |iara mar-
rafas, por precos razoaveis : si no Vigilaale, na.
do Crespo n. 7.
Redes com lacitios de fila.
Lindas redes prelas c de cores com um lindo la-
cinho de Ota para conservar o cabello, pelo barato
preco de 13500; assim como os novos enfettH ta-
ra cabeca a 3^000, & e 5*000 : s no Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
Ligas.
Riquissimas ligas de seda de bonitas cores a
IA500; assim como lila propria para o mesmo el-
feilo a 500 rs. a rafa ; s no Vigilante, rua do
Crespo n. 7.
Lucas de Jourin.
Tambem chegou e chegam por todos os vapores
grande sortimento do luvas de Jouvin, oude os fre-
guezes podem escoliier : s no Yigiku.ic, i;ia do
Crespo n. 37.
Knlremeios e babadinhos.
Tambem chegou grande sortimento de entra-
meios e babadinhos, que se rafdem peto baraiis-
sima precx de 13500 a pecinha : s no Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
Fcelas para cinto.
Tambem chegou grande sortimento de lindas t-
r.'llas de aeo e de metal com pedrinhase sem !-
Grasa em latas grandes a l,3oo rs. a duzia
e!2ors. alafa.
Palitos de deotes massos grandes a 2oo rs.
e 28o rs.
PaModg*B 20^rs. a caixinha e 2,3oo rs.
a groza.
Garrafoes com especial vinho do Porto coa-' rill, Aa KinM.hn nu__,
teado 5 garrafas a 2,5oo rs. G1ef de,Xl^e *JP* no uU,rao PW
latas de 2 libras a 800 rs. e pechincba.
f<%r?. tK? ^ SUPerir VDh F' Genebr>de HoUanda garrafoes com 16 gar'
' raras por 6.5oo rs.
dem com 5 garrafas de vinho Lisboa L. 1
2,loo rs. ,Wememfrasqueirasa6,3oors.e6,5oors.ea
56o rs. o frosco aflianca-se ser verdadeira.
Mem de botija em barricas com quatro du-
zias a 44o rs. cada botija.
cada urna, golinhascom bolaozinho e punho
muito finas a 1 OOO, gravatinha ou golinha
com botoztnho para senhora a 320 rs.,
s na Arara vende-se capinhas bordadas
para menino a 15000 cada urna, entre-meios
e tiras bordadas para enf ilar vestidos a
lOOOe i280apeca; na loja da Arara,
rua da Imperatriz n. 56.
Ilrdinhns da Arara para senhoras.
Vende-se redinhas para segurar cabello a
as mesmas
Crespo n, 7.
0 GALLO CANTA.
J c sabido que o gallo nao poda dehar de can-
tar, annunciando a seus numerosos freguezes os
riquissimos pentes, que acaba de receber por esto
ultimo vapor.
Sitio para vender.
Vende-se um. exccllente sitio muito perto da
praca, situado na estrada de Santo Amaro para
Belem, com boa casa de vivenda, muito fresca, lin-
do o sitio exccllente baixa para capim c horta com
muitas c boas arvores de fruclo : tratase na rua
dos Guararapes n. 28.
Vinho branco de Lislioa proprio para missa
vindo j engarrafado de Lisboa a 64o rs.
a garrafa.
dem de laranja em frascos grandes verda-
deira italiana a l,ooo rs. o frasco.
a 600 rs. a libra.
Ameixas em latas de 1 "i e 3 libras a
e 2,400 rs. a lata c 900 rs. a libra.
1.200
i:ii huxim o melhor que possivel encontrar
neste genero a 2,700 rs. a libra.
dem hysson muito superior a 2,5oo rs. a
libro.
dem miudinho a 2,700 rs. a libra
dem preto do qualidade muito fina a 1,800 rs.
'dem mais inferior a 1,500 rs. a libra.
Genebra de laranja a 900 rs. o frasco c 500
rs. os fiascos pequeos.
Chouricose paios os mais novos que ha no
mercado a 500 rs. a libra.
Cognac inglez a 9oo rs. a garrafa.
Marrasquino de Zara a*7oo rs. o frasco e
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
, Tijollo para areiar facas a 140 rs. cada um.
Farinha de Maranho a 140 rs. a libra.
Pimenta da India a 340 rs. a libra.
Erva-doce a 320 rs. a libra.
Palitos para meza a 160 rs. o mago.
Verdadeira farinha de ararula a 500 rs. a
libra.
Frascos com ameixas francezas a 1,400 rs.
cada um.
Prezuntos do Porto a 5oo rs. a libra.
Batatas muito novas cm gigos com 38 libras
por l,5oo rs.
Canella da India a l.loo rs. a libra.
Cominho a 64o rs. a libra.
dem cm barril muito superior a 5oo rs. a
garrafa e a 4,ooo e 3,8oo a caada.
Ameixas francezas em caixinhas de 1 % 2 Marrasquino de zara a 72o rs.
e 3 libras elegantemente enfeitadas com ri- Licor francez de todas
cas estampas na caixa exterior a l,3oo
l,6oo 2,ooo e 2,5oors.
as qualidades em
Cal de Lisboa e potassa da
Rassfa.
Vende-se na rua daCadeia do Recife n. 26, para
lOOOrs erifeites mraeahirn '< Pnhnra a onde se mudou o antigo e acreditado deposito da
l/ww paracaDeca ( e sennora a mesma rua n. 12, ambos os gneros sao novse
legtimos, c se vendem a precS mais barato do que
1#00G rs., meias cruas para senhora a 320,
lencos de retroz para meninas a 320 rs s
na Arara, rua da Imperatriz n. 50, de Men-
des Guimaraes.
Ainda mais lima pechincba na Arai a a 2-S0O0 rs.
Vende-se cortes de chitasinglezasa 25000,
ditas francezas com um pequeo toque de
mofo, porm afianco que logo que lave fica
limpa, vende-se a 2500, cortes de riscados
suissos, com 14 covados a 35000, cortes de
cassa de babados e de barras a 25000, para
outra qualquer parte.
dem em latas de, 1 '/ e 3 libras a l,ioo e
Figos
2,6oo rs, cada urna.
de comadre era bauzinhos de folha I Azeite doce refinado do fabricante Pelanol e
mudo proprios para mimo a l,6oo. outros, 8oo rs. rarra*. G
garrafas de vidro branoos im^^m^^^^^ a 3
melhores qualidades GOm entre-meios a 45000: rua
que tem vindo ao mercado a 72o e 800 tr'Z loja da Arara n.' 56 de Mendes
rs., e em,caixa a 7,5oo, 8, e 8,2oo rs.
Vinho Bordcaux das
Azeitonas de Lisboa muito novas a l,6oo rs.
o,uuu i, j uuzm. ancoreta
Licores francezes, annizete, plaisir des da-
mes, etc., etc. a 800 rs. a garrafa e8,5oo Estrelinha e rodinha para sopa a 600 rs. a
rs. a duzia. libra.
Passas as melhores
rs. a libra.
que se encontram a 360 Lcgumes seceos para sopa a 4oo rs. o maco.
Breu louro a 3oo rs. a libra e 8,000 rs. a
arroba.
Mochas inglezas muito novas a 24o rs.
a libra, e 3,5oo rs. a barrica.
Azeite refinado a 800 rs. a garrafa.
Conservas inglezas de todas as qualidades a
750 rs. o frasco.
Papel pautado e liso almaco e de peso de
3,000, a 4,000 rs. a resma.
Ervilhas seccas chegadas no ultimo vapor a
2oo rs. a libra.
ojugiupapqeiso 9^ xep
-kj8cs.P c- BJi.aueui ap raa.uas so apno aijed eJino e ora o as-raepi.Mo sozoa sejmra saiso
anluod 'o-laid ojojeq siem jod sajouag sajoqioiu so opuo.v as anb a gg -u saznjQ sep
eiu ep ejsjssaalojd mazemje ou os anb ja.v saq[-opuazej 'sajopejjod snas so moa og3
-111111: i'i'oi jai sa.ioquas somsara so opua.\ap 'jcpejge ogu anb opafqo janb[enb ja.\[0Aap
m.ucpueui ap JO.ve o Hiazeuue ajsau jejdmoa majepuera anb sajoquas soe apad orasam o
o)iiauipa|aqetsa aisap soudojd ogu soiaafqo opuajuoa omsara Bpue 'epuaunnoaua jaub
-jenh JBiAB ap as-BSaiJBaua ajuaraieossad opuu omoa sopi.uas raaq ogj majas 'soABJasa
no sopca snas jod jejdmoa raajBpuBm anb SB06sad sb bSubjib a 'sopsuoiauam oxiBqB soo
-a.id sojad apBpqBnb Bjjauijd ap sojaua sopiaaquoo uiaq snas so jopooA opBjaqnap
iuai 'sazanSajj snas sob jujas uiaq bjb |o.\issod joj anb o opnj jazBj bjsia raa ajduias
opuai 'Bisi999Ji8oJd opBuiuioaap mazeuxiB opsupajOB oijnia op oiiBjaudbjd o
18 ofuopav ofuv% ap o.i.i|v<| op 211013 ep chj 9e .^
30
30
HMZVIiHV K1V\JI>
i
dem em caixinhas a l,4oo rs.
dem em caixinhas emticamente lacradas
e muito bem enfeitadas a l,8oo rs.
dem a 2oo rs. a libra.
Passas de carnadas as mais novas que ha no
mercado a 4oo rs. a libra e a 6,000 rs. a
caixa.
Salmo -em latas emticamente lacradas a
800 rs.
Lagostim em latas grandes a l,4oo.
Savel, corvina, cherne, vezugo, peixe espada,
preparados pela primeira arte de cozinha a
a l,3oo rs.
Queijos flamengos chegados no ultimo va-
por a 2,4oo rs.
dem do vapor passado a 2,2oo 2,ooo e
l,8oo, rs.
dem prato do ultimo vapor a 54o rs. alibra.
Doce da casca da goiaba caixes grandes a
600 e9oo rs.
Chouricas as mais novas que ha no mercado
a 48o rs. a libra.
Chouricas mouras encommenda especial nos-
sa a 5oo rs. alibra.
Prezunto verdadeiro de lamego em calda
de azeite 5oo rs. a libra
Bolaxinha ingleza a mais novas que ha no
mercado a 2,ooo rs. a barriquinha com
1 arroba, e a 24o rs. a libra.
dem de soda de diversas qualidades a 1,400
reis.
dem em latas grandes, proprias para lunche,
com 5 a 6 libras por 2,4oo rs.
Marmelada imperial do fabricante Abreu e
outros conserveiros de Lisboa a 6eo re. a
fibra.
outros a 800 rs. a garrafa.
Conservas inglezas sortidas e de urna s qua-
lidade a 800 rs. o frasco.
Araruta verdadeira a 32o rs. a libra.
Gomma de engommar muito alva a 80 rs.
a libra e 2,2oo rs. a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. alibra.
Sevadinha de Franca a 16o rs. a libra.
Sevada muito nova a 12o rs. a libra e 3,2oo
ss. a arroba.
Macarrao a 32o rs. a libra.
dem e talharim o mais novo que ha no mer-
cado a 48ors. alibra.
Aletria a 5oo rs. a libra.
Arroz carolino a loo rs. a libra e a 2,800 rs.
a arroba.
dem do Maranho
3,ooo a arroba.
a 12o rs. a libra, ea
ma a 85, ditas de l'u.-iau a 55, ditas de da-
masco a 45, cobertas de chita a 25000 ; rua
da Imperatriz, loja da Arara n. 56.
Lencos de seda da Arara a 800 rs.
Vende-se lencos de seda fino, um s a
800 e 15000, ditas cora franxa a 15500,
chales de merino estampados a 35000, ditos
' finos a 55, 65500 e 85, s na Arara; rua da
Cafe do Rio o mais superior que se pode de-; imperatriz n. 56.
Balees de arcos americanos a 35000.
groxe enfeitados
da Impera-
Gui-
maraes.
Arara veade roupa feita.
Vende-se calcas de meia casimira e de
brim a 25000 rs., palitos de brins de cores
a 25500, ditos brancos a 35000, ditos de ca-
simira a 45OO0 e 65000, camisas francezas
a 15600, 25 e 25500, ditas de linho de pre-
ga larga a 35000, seroulas de bramante de
algodao a 15600, ditas de linho a 25, gra-
vatas a 400 e 500 rs., pares de meias a 120
e em duzia a 15400, 25500 e 35: rua da
Imperatriz, loja da Arara n. 56.
Cortes de laa a 15600, 15 e 55 rs.
Vende-se ricos cortes de la de quadri-
nhos a 35600, 45 e 55 cada corte, s na
Arara; rua da Imperatriz, loja da Arara
n. 56.
Arara vende ricas cohas aveludadas a 85000 rs.
Vende-se ricas colxas-aveludadas para ca-1 !* e r
Cal de Lisboa
a mais nova do mercado : na rua do Vigario n.
19, primeiro andar._______________________
Vende-se tinta superior para ailar roupa, a
5000, cada garrafa e 15000 as meias garrafas;
na Hua-Velha n. 93. (lom urna garrafa, urna
familia aila roupa um anno inteiro.
Vende-se urna bonita escrav.i, com as quali-
dades proprias para ser apreciada, sabindo en-
gommar, cosinhar, coser e bastante moca, bem
parecida; Halar na travessa do Paraso sobrado
n. 18.
Veudi'Mi-sp
grades de amarello para portas c jancllas confor-
me as posturas da cmara, para ver e tratar na
travessa do l'ocinho n. 49, com o Sr. Henricmc
Jorge.__________________________________
KOI P o
Na na do Qwitnado n. 43, esquina que
volta para a Congregngo; peckinrka.
Paletots de casemira a 5, 0, 7. 8, 12 e 1(5000
ditos de panno preto e azul a 9, 10, ii. 10 c
ditos sobrecasacos de panno muito Uno por i 1
285, ditos de .alpaca preta e de rordo a 4, >. 6 c
"5, calcas de casemiras de""cores a o. 6, 7 e f--.
ditas pretas a 64300, 8, 9 e 105, paletots de fu-;a#
e ganga a 24, 24800, 3 e 44, calcas e oolietes da
todas as qualidades e por preco niito barato, Ii n-
fes de puro linho a preco de 25800 0^35, cobis-
tas de cliila a 34240, collarinhos do linho puro a
600 rs. cada um; e outros inuilos objeclos que id
para isso se peda a ltenlo dos
Frutas em calda de todas as qualidades
Soo rs.
Ervilhas francezas a 5oo rs. a lata,
dem portuguesas a 64o rs, a lata.
Massa de tomate a 64o rs. a libra.
Amendoas confeitadas a 7oo rs. a libra,
dem de casca mole a 28o rs. a libra,
Avelans a 2oo rs. a libra.
sejar a 32o rs. a libra,
dem a 28o e 3oo rs. a libra e a 8,2oo, 8,4oo
e 8,7oo rs.
Velas de carnauba refinada a 32o rs. a libra,
e a 10,000 rs. a arroba.
dem de spermacete a 64o rs, a libra.
Chocolate hespanhol e francez a 9oo e l.ooo
rs. a libra.
Estrellinha e pevide muito nova a 4oo rs. a
libra, e a 2,000 rs. a caixinha com oito
libras.
Cha perola muito especial chegado neste ul-
timo vapor de encommenda particular
nossa a 2,8oo rs. a libra.
dem huxira muito superior a 2,7oo rs.
libra.
dem hysson a 2,56o rs. alibra.
dem hysson a 2,000 e 2,2oo rs. a libra.
dem preto horaeopathico e muito superior a
2,000 rs. a libra.
dem nacional a l,6oo rs. a libra.
Batatas muito novas a 80 es. a libra.
Charutos dos memores fabricantes da Baha
e de todas as marcas, como sejam: sus-
piros, havaneiros, messocipes, regala im-
perial, flor das mattas, primoreo a 4,000,
3,5oo, 3,2oo, 3,000, e 1,800,2,500,
$,0006 l,6oo rs. a caixa.
Vende-se bales de arcos americanos a 35
35500,44 e 45500,bal5es de panno a 35500,
ditos brilhantina a 45, s na Arara vnde-
se pecas de madapolao enfestado fino a 45,
ditas de 1 i jardas lino a 55500, 75 e 85,
algodao cncorpado a 45, 4^500 e 55000 rs.,
s na Arara; rua da Imperatriz, loja e ar-
mazem da Arara n. 56, de Lourenco Perei-
ra Mendes Guimaraes.
Casimiras da Arara.
Vende-se cortes de casimiras escuras a
15600 e 24000, tambem se vende em covado,
1 covado e tres quartas d urna calca a 15
o covado; na loja da Arara.
Arara vende as cambraias de earoeinhos a 25500
Vende-se pecas de cambraias de earoei-
nhos de cores brancas a 25500 a peca, cam-
oraia liza fina a 35 e 35500, ditas para cor-
tinados de20 varas a 85, ditas de lavaras
a Ai5. o 35, cortes de cassa com palmas sol-
tas com 1 vara de largura a 25, na Arara ;
roa da Imperatriz n. 56.
guezes.
Vendem-se dous terrenos, um com 683 palmos
de frente sito narualmporial.freguezia de S. Jos
n. 226, olro com 200 palmos de frente sito em
Santo Amaro perto do sitio do Sr. Calo : a tratar
na rua do Trapiche n. 9.
ESCRAVOS FGIDOS.
Fugio do engenhoNovo deMuribeca o escra-
vo Joao Magalhaes, do cor preta, secco do coi po,
barbado, olhos enfumacados, levou roupa azul da
algodao, consta que anda a ganhar na cubile do
Hecife : quera o pegar pode entrega-lo no referido
engenho, ou na rua Nova n. ii, que ser gratifi-
cado.
CAL DE LISBOA
Vende-se a 45000 o barril na m
B.20.
Apollo
Terttai
Vender um no lugar de Mara Simplicia emj
Olinda: a tratar na rua da Croa arraatem n. ns.
mm
Fugio a lOdocorrente o mua linho Vir-
ginio dos seguintes signaes: cor fula, pare-
ce ser viciado por ter o rosto enxado, -olhos
holecados, nariz chato, tem 12 14 annos,
baixo, levou roupa de algodao bstanle so-
ja e rota, foi escravo do Sr. Jo3o da Silva
Pessa de Siqueira, lavrador do engenliy
Jussara districto de Serinhem, para onde
se julga elle ter do, assim como foi de urna
outra vez, por ter m5e n'essa paragem. tero
bastante regras que pode Iludir, dizendo
que forro e orphio desde o cholera, por
tonto rogo as autoridades policiaes, capites
decampo ou a quaesquer senhores que por
favor o peguem, o levem ou facam scieute
ao seu senlior para o mandar buscar aonde
esliver, que recompensa com o que agrade
a quem .0 pegar, fl para isso podem se di-
rigir i rua nova de. Santa Rita ns. 17 e 53,
I a Jos Ferrelra Colho.
\
^


V
Diario de Pernaatbiifo Hextn tcir* 8# Oniubrft de MS.
TTT^r^lTTTDA Declarou qoe o imperador eslava dis-
LI ti 11A 1 111A Posl a acceilai' os seas .pontos, mas que a
--------. absoluta submissao da-folonia, era urna con-
dicao necossaria ofneiro que qualquer con-
!ce ;5o. Regtjitou, por consequencia, o ar-
jslo, e recusou tomar parte
0 que ve pelo mundo.
Tendo j sido publicado o despacho do mislicio
governo rBsso ios seus reprpseutantes em em urna- Conferencia das oito potencias, em-
Londreg o em Paris. sobre a questao da Po- quanto que se exforgava de affaslar a Aus-
lonia, e a memoria que os acompanlion, va- ufa dos seus compromisos com a Inglaterra
mos I) >je traduzir. o qne o mesmo govejv'e a Franca convidaiulo-a a urna conversa a
nodirigiu i Mr. Knoring, encarregajiar de | sos, a que tambem assisiisse a Prussia
os da Russia em Vienna, pafa ser" Semelhantes argumentos exigiam urna
[ir asente no gabinete austraco:/ desposta immediatn, e a Franca suggeriu
Tzai-skoe.Selo, 20 de jigosto 7 de se- que aquella resposta immediata devia tomar
tcmbro de 1863. a forma de vista conectiva, Felizmente,
Junta encanlrareis a copia de um des- segundo o nosso modo de pensar nao se a-
pacho do conde de techberg, que o encar- doptou aquelle syslema, nao s por que elle
regado de negocios de Austria leve ordem envolvera este paiz em responsabilidades
para me copruinicar. quo n5o estamos preparados a tomar, mas
" tou'm as observares que suggerram[ tambem porque a exposigao das preven-
go_ ministro dos negocios estrangeiros d'Aus- soes russas teria provavelmente sido menos
tr^aTas propostas consignadas no meu des-! completa.
"pacho de 1/13 de julho, e mostra, com vivo j O texto do ultimo despacho do principe
entunento nosso, que o governo de S. M Gortschakoe infelizmente bastante claro para
le K. apostlica dilTerc de opiniiio sobre a ser mal comprehendido. N3o s nao um
maor parte dos pontos por nos menciona- passo para avante, mas ao contrario um
dos. I passo para a rectaguarda, Depois de haver
f As nossas propostas tiveram em vista'provocado urna troca de opinioes sobre o
i obra de conciliaro. cuja urgencia nos foi seu proprio procedimiento, e empregadoo
peior dos argumentos, o gove no russo ro-
ca coroada, deixando-se levar pelas aspira- dices e dos deveres que ellas Ihes impu-
nes que personifica, e que urna guerra pela nham, teslemunha das suas calamidades, ha-
Polonia seria urna das guerras que immola- va sido levada para a poltica de parlilha
usara urna dynastia. como para urna inexoravel necessidade. O
No Daily Telegraph l-se o seguinte: imperador Alexandre I, lestemunha das con-
Mais de urna medida, sem necessaria- sequencias d'essa poltica, da animosdade e
mente arrastar guerra, poderia trazer a da agilacSo dos Polacos, attribuia-a exclusi-
cusa agora accrescentar urna nica palavra
indicada por Mr. de Recliberg.
O meu despacho de 18 de junho tinha
tido por fim precisar aquelle pensamento, el mais.
affaslar 6ojn anticipaco as objecces mal' A conducta seguida pela Russia tal
entendidas a que poda dar lugar. qual a haviamos previsto ha mult lempo,
i Sentimos que nao lenha merecido a Considera superflua a conlinuaco da discus-
adhesao do gabinete de Vienna.
t Tanto nos lindamos a peito concordar
s3o de um assumpto que llie desagrada-
vel ,- pe fra da porta com mais |oo meno
com elle n'uma questiio em que julgamos'deljcadesa, as tres potencias quelhedavam
idnticos os nossos interesses, quanlo esla-'conselho. A Franca, como a mais distante
mns longe de querer prolongar urna discus-'ea mais perigosa parece ler recebidoa res-
sao, que s servira para mostrar urna di-
vergencia de opiniiio.
c Preferimos dedicar-nos aos pontos es-
senciaes dos seus despachos a respeito dos
quaes nos adiamos d'accordo, pelo menos
na intencSo.
c O governo de S. M. Le R. apostlica
deseja ver promptamente restabelecido no
reino da Polonia um estado de cousas que
d a tranquillidade aquelle paiz, o socego
Europa, e a seguranca s relages dos ga-
binetes.
Pai ti litamos inleiramente d'csse dese-
jo, e quanlo de nos possa depender ha de
t'azer-se para o realisar.
Nosso augusto amo est animado das
mais benvolas intences a respeito da Po-
lonia, e das mais conciliadoras para com to-
das as potencias estrangeras
e O bem-eslar de seus subditos de todas
as raras, e de todas as conviertes religio-
sas, urna obrigacao que S. M, I. acceitou
posta mais peremptoria. Dirigu-se-lhe es-
pecialmente um memorndum em resposta
a urna pequea parte da nota franceza, o
que prova quanto n'uma m causa se pode
dizer pouco com mu tas palavras.
t A Austria, como potencia que a Russia
teme menos, despedida com urna resposta
pouco lisongeira, se avaliarmos pelo fado
da Presse de Vienna, aconselhar a occupa-
c5o da Polonia em nome da Europa Ao
mesmo tempo o governo russo acceita a
inteira responsabilidade dos seus actos, sa-
bendoque assimganha tempo. e que o in-
vern fica entre elle e a intervengao estran-
geira. Mas islo um jogo perigoso
Esle fraco triumpho da diplomacia po-
de ser comprado muito caro. Ganhar tem-
po, pode parecer urna vantagem aos Russos;
mas se deixam passar anda alguns me/.es,
a causa pender para o lado dos Polacos.
A sympathia nao um sentimento que
se desvaneca, em consequencia da durago
pera rite De us, peranle a sua consciencia e'dos soffrimentos d'aquelles que a merecen
os seus poyos. O imperador ha de consa-
grar toda a sua sollicitude para o cum-
prir.
c Quanto responsabilidade que S. M.
pode assumir as suas relaces internacio-
naes, essas relaces esto reguladas pelo di-
mito publico. S a violago d'csses prin-
cipios fundamentaos pode trazer comsigo
urna responsabilidade.
O nosso augusto amo, tem conslante-
ffienie respailado e observado aquelles prin-
cipios a respeito dos outros estados. S. M.
tem o direilo de esperar e de reclamar o
mesmo respeito das outras potencias.
b bignae-vos fazer a Untura e deixar co-
pia desle despacho ao ministro dos negocios
estrangeiros d'Austria.
i Rocebi, cU:.Gortschakolf.
Para se poder fazer idea da opnio da
imprensa ingleza sobre a ultima carta do
gabinete russiano sobre a questao da Polo-
nia, vimos extractar o que disseramos prin-
cipaes jomaos :
Pussuimosj o texto das tres notas di-
rigidas pelas tres potencias corte de S.
Petersburgo, e a resposta da Russia In-
uma situago rasoavel e decente o gabinete
de S. Petersburgo.
c Reconhecer os rebeldes na qualidade de
beligerantes poderia ser urna dessas medi-
das ; occupar a Polonia poderia ser outra
anda mais decisiva. Em face desta alter-
nativa, a altivez da Russia havia de prova-
velmente dssipar-se.
Na aclualidade o imperio do norte com-
pro u urna indulgencia temporaria para a sua
arrogancia, custa de um prejuso perma-
nente para a sua psito. A Russia provo-
cou assim a mais bellica resoluco da parte
da Franca, deixando Inglaterra e Aus-
tria, e aos interesses de que sao depositaras,
todas as vantagens que devem resultar de
sua allianca, mesmo a respeito de pontos
que outr'ora poderiam parecer incompati-
veis.
A Austria acha a sua precaria posigao
sustentada pelo apoio garantido das poten-
cias occidentaes. A Franca pode contar ul-
teriormente com um concurso mais posi-
tivo e activo. Se a Russia regeitou a dis-
cussSo no que toca pretendo que tem a
certos direito3 dictatoriaes ao norte da sua
fronteira, apoltica prudente de nossogo-
vamente ao fado da parlilha, e era levado
para o pensamento de remediar esse estado
de cousas.
Esse pensamento concebido desde a sua
mocidade tinha crescdo com elle ; no im
do anno de 1812 perguntra-se se anda nao
havia chegado para a Russia o momento de
extinguir esse foco de odio e de desordens
na sua visinhanca, erguendo a Polonia para
fazer d'ella urna nago reconciliada e alliada.
Foi este o sentido das palavras que dirigiu
aos Polacos: As minhas intences nao mu-
daran!, Ihes disse elle, mas esperarei o re-
sultado da lula. E' como vencedor que que-
ro regenerar a Polonia.
c Essa obra, e o segundo motivo que
influiu as suas resoluces a respeito do du-
cado de Varsovia, essa obra era a bertaco
da Europa, e o grande pensamento de soli-
dariedade cujo germen havia sido de posto
na sua alma pelas calamidades de vnte e
cinco annos de guerra, pensamento cujo po-
deroso sopro imprimiu um to enrgico im-
pulso aos acn tecimenlos dos annos de 183.
1814 e 1815.
Sol) esta impressao, o Imperador Ale-
xandre I quiz dar o exemplo da abnegaco
verno, tem sabido de tal maneira modifi-l e do desinteresse, e affaslar do accrdo
car a situac5o, que qualqoer medida ulle-lque proeurava estabelecer com as grandes
rior poder arraslar nece-sariamente a vasta potencias todo o elemento de natureza a per-
maioria da Europa, e ligar anda mais po- torba-lo.
tencias que se combinem contra o pertur-
bador geral.
O Moniteur publica o memorndum
J em Kalisz, a 1628 de fevereiro de
1813, em consequencia1 das negoeiaces
com o gabinete de Berln, elle conviera
dirigido pela Russia" s tres potencias- Co- em ligar a velha Prussia Silesia por um
megamos a publicar este notavel documen- territorio que correspond'ra peifeilamente
to, dando Iwje apena urna parte: a esso fimsob todos os pontos de-vista tanto
militares cosi geographicos.
Durante as-negociares de Gorlitz com
As potencias que exprimirn ao gabi-
nete de S. Petersburgo os seus votos e as
e na primavera do anno prximo a Europa
nfio estar talvez em disposices to pari-
ficas, como aquellas em que actualmente es-
t. Alm disso, segundo a expresso em-
pregada por um escriptor francez, o ble-
queio moral a que a Russia lia de Mear su-
jeila, se continuar a opprimr a Polonia, n5o>
urna cousa iudifferente para urna grande
naco.
O Daily-News escreve o seguinte :
O governo russo sabe perfeitamenle-
que o accrdo das tres potencias que tea
feito as suas admoestaces, na realidade
um acerdo verbal, accrdo que deve ces-
sar logo que chegue o momento de obrar.
As tres potencias desejam conserva* a
paz da Europa ; mas, anda assim, os moti-
vos que teem sao completamente diversos.
Que vemos nos a Ira vez dos odiares dos Rus-
sos? A Austria deseja a paz, porque a guer-
ra com a Russia forneceria urna occasio fa-
voravel Hungra; poique urna guerra pela
Polonia sera urna guerra em que tomara
parte a Polonia austraca; porque urna
guerra polaca seria nevitavelment urna
guerra revolucionaria, e urna guerra pola-
ranca. Tambem recebemos ca excitara os negocios da Italia,
um extracto do despacho do principe Gorls- O que seria a regeneracao poltica, e
e sabemos al-
cbakolT ao governo de Vienna
guma cousa da impressao desfavoravel que
aquelle documento produziu em Franca e na
Austria.
E' impossivcl lr aquella correspon-
dencia sem um profundo senlimenlo. Raras
ve/es se tem feito queix3S to dignas e to
instantes a um governo europeu ; mas nun-
ca talvez se deu resposta mais evasiva nem
menos satisfatoria.
Nao se pode dizer que a Russia tenha
repellidoquatipierdiscusso sobre a questao
polaca, o que se naja inlrincherado no seu
direilo le obrar contra os seus subditos le-
heldescomo bem llic parecer. Ao contra-
rio, publicou urna defesa estudada da sua
poltica, deu aos tratados de Vienna urna
interpretado a que nao podemos responder.
Nao escrupiisar as naces estrangeras,
cnmproliendendo a Inglaterra, a Franca, e a
Austria,de urna cumplicidade virtual coma
"insurreiejio polaca, atlribuindo o seu formi-
davel carcter nicamente s machnaces
do partido revolucionario extremo.
FOLHETIM.
A CONDESSA DIANA
POR
MR. MAMO DCHARD.
(Continuaro do n. 246.)
X
principalmente financera da Austria, no
caso de urna guerra revolucionaria, de urna
guerra que tivesse por alliado o vencedor de
Solferino ? 0 principe Uorlschakoff tem mui-
la razio de dizer (pie a Austria e a Ingla-
terra desejam a paz ; mas que a Austria
deseja a paz, em vista da possibilidade de
fazer a guerra pela Polonia, tendo a Franca
por alliada, urna chimera.
Pode acreditar que a Inglaterra deseja
a paz, porque ama a paz para si, porque a
guerra repugna os seus sentimenlos e os
seus interesses, porque para chegar Po.
lonia, necessario atravessar lodo o conti-
nente, porque nenhum governo inglez acre-
dita na reslaurago da Polonia, nem a de-
tidao tratado de 1815.
c Seguindo todas as regras conhecidas g*
direo internacional, e mesmo em virtude
do principio mai6- moderno da nao inlerven-
Co a sua aeco diplomtica to poderia ler
outra base.
E\ pois, nicamente nos- limites d'esse
tralado*que deve encerrar-se adiscussao das
questes de direilo que teem relaco com'O
reino da' Polonia.
Os- tratados devero ser interpretados se-
gundo a-sua letra e espirito.
t O tratado de 4815; apesar da reserve
adoptada na sua redaccao, am de diri-
gir e de-conciliar epinies, e interesses di-
versos, todava bastante preciso nos sene
termos para nao deixar mais qpe um lo-
gar circumscripto s. dilerencas de aprc-
ciaco.
Quanlo ao espirito que presidiu a esle
acto, se d'elle se querom tirar deduccoes
de natureza a precisar o sentido das suas
estipulaces, necessario julga-rlo segun-
do as ideas e as skuaces dominantes no
momento em que foi concluido, e nao se-
gundo as que boje se procram fazer pre-
valecer.
Ora, eis aqu em que posico a questao
do ducado de Vareovia se apresentava no
congresso.
Eta ISii, a Russia tinh* aonqui9t;*k>
e oceupado o ducado de Varsova s pelas
suas armas-, em virtude do direilo incontes-
tavel da guerra. T4nha o tomado Saxon'*
alliado da potencia com a qual se achava em
hostUJdade declarada.
Eslava tanto mais no diceilo ue o on-
siderar como urna conquista legitima e irre-
vogavel, quanto o ducado d Varsovia nao
havia sido smente o theatro da guer-ra.
Tinha tomado ama parte activa na primeira
leira dos iniraigos da Russia ; havia fbrne-
cido numerosos contingentes potencia que
acabava de iBwadir o territorio do imperio e
tinha-lhe servido de base de operacao. No
ponto de vista moral e poltico, assim como
no do direilo, a Russia eslava plenamente
justificada de querer affaslar, urna vez por
todas, essa ameaca permanente contra a sua
seguranca.
O imperador Alexandre havia toda-
va sido retido por duas consderacoes:
fosse privada de toda a especie de vantagem
e indemnisaco.
O que ella reclamara nao era mesmo
um augmento, era a faculdade de realisar
um pensamento de pacficac,o e de repa-
raco, de fechar urna chaga secular resti-
tuindo Polonia reconciliada urna existencia
nacional sob o sceplro dos soberanos da
Russia.
Cao, que elle entenda dever dar aos Polacos
reunidos debaixo de seu sceplro.
. < Mas ainda ha mais. Pde-se affirmar
que a iniciativa das intences liberaes ema-
nou da parte do imperador Alexandre I, e
a resistencia a suas intences da parte das
outras potencias.
t Afora a Inglaterra, que desde mnito
j tempo viva sob um rgimen constitucional.
A resisten ;a que o imperador Ale-'a generalidade das potencias nao era favo-
xandre I encontrou n'este caminho, da parle ravel a taes ideas. Os ensaios tentados em
dos seus alliados, foi certamente um dos seus
mais pequeos desengaos.
Qoanlo a esla resistencia, era de urna
natureza muito complicada.
Examinando de perlo os documentos
da poca, deve chegar-se a urna conviccao ;
alguns estados allemes eram mu incom-
pletos. A Prussia tinha adiado toda a re-
forma desle genero. Quanto Austria, ne-
nhum governo eslava mais distante dos prin-
cipios constitucionacs.
t Neste estado de cousas nao se poderia
seas opinioes, relativamente s desordens do a Austria, a fi;l3;de maio de 1813, esta po-
remo da Polonia, tomarampor ponto de par- tencia hayia estipulado o anniqjiilamento do
ducado de Varsovia.
Pelo tratado'de Tceplitz de 28 de agos-
to (Id de setembro) de 1813, tinha-secon
vindo em que una arfanjo amigavel entre as-
tres cortes regulara a sorte do ducado de-1
Varsov8.
Finalmente em todos os tratados subse-
(jiientes que tinham completado e precisado
a allianca, o imperador Alexandre I esque-
cendo generosamente que o ducado de Var-
sovia tinha sido conquistado s pelas armas
russas contra um miniigo as fileiras do
qual figunavnm ainda a Prussia o a Aus-
tria, havia admittido o principio: de
que a sorte dos territorios conquistados se-
ria ulteriormente regulada n'um cengresso
que devia reunir-se em Vienna.
' Tal a posiejio em que se apresentava
no congresso o imperador Alexandre I; de-
pois de ter cumprido a grande obra a que
se dedicara.
E' DttMto affirmar que a questao po-
laca tenha oceupado o primeiro lugar n'es-
sas- memorareis deliberaos. L tinha o
seu lugar designado, gracas ao desinteresse
do imperador Alexandre I. Nao era a nica
nem mesmo a primeira. Era a sorte de
toda a Europa e quasi do mundo- inteiro
que se tratava* de regular. Se o debate
principal se fez sobre as questes da Saxonia
t da Polonia porque a Russia e a.Prussia
haviam deixado de estipular em seu favor
dISle IMA, em Paris, ao dia seguinte da
victoria, e tinham esquecido es seus inte-
resses diante do interesse geral; foi tam-
bem porque nao pensaram era contra-
riar nem as vistas da Inglaterra nem as
da Austria, em quanto que as questes
que Ibes interessavam encontravam m von^
tade.
No regulamento dos negocios geraas,
a Inglaterra tinha obtido angmenlos consi-
dera veis : Malta, o Cabo, a i Iba de Heligo-
land ; muitas colonias importantes Ihe eram
adjudicadas. Tinha alm d'isso feito pre-
valecer as suas. vistas e os seas interesses na
Europa, sobretudo pela creado do reino dos
Pajzes Raixos que encerrava a questao capi-
tal da Antuerpia.
A Austria augmentava-se com. o Tyrol,
com a Lombardia, com a Venecla com a
Dalmacia ; dominava a Italia. A\ propria
Prussia bem que se prosurasse um elemento
que as potencias que se oppunbam rea- admitr, que taes principios tivessem sido
lisaco dos votos do imperador Alexandre I
nao o faziam de nenhum modo por solli-
citude pela Polonia. Influa ento por muito
pouco na balanca dos interesses, e a bulla
que se linda levantado a seu respeito, per-
dia-se na immensa crise que se elecluava na
Europa.
O que os alliados temiam era o engran-
decimento dessa potencia, que se acabava de
revelar com tanto esplendor. Receiava-se
que a junceo da Polonia, reunindo sob o
mesmo sceplro a maor parte das popnia-
ces da raca siava,- duplieasse as forras raa-
teriaes e moraes da Russia, e levasse os seu6
postos ayancados ao cora^ao da Allemanba,
e da Europa. O aconteclmenlo nao juslf-
cou estas prevencoes ; mas ellas revelara-se
a cada passo nos documento da poca.
As potencias leriam, pois, preferido
re9tabeecer urna Polonia completamente in-
dependente, mas o ftiulo de voto puramen-
te tbeorico: pois esso Polonia independen-
te nao podia ser restabelecida seno cusa
de tres cortes coparticrpanies, e era inadmis-
sivel que ao da seguinte de urna lutaglorio-
sa, cujo bom xito a Russia tinha to enrgi-
camente contribuido paraassegurar, equan-
do as potencias-gloriosas recolhiam ampias
vantagens, se tivesse podido propr-rfie se-
riamente o subscreverem ; sua propria des-
membraco.
imposfos, ou mesmo aconselhados ao impe-
rador Alexandre I a respeito da Polonia.
Longe disso, as potencias prcoecupa-
vam-se vivamente do alcance das vistas do
imperador, e da influencia que d'abi podia
resultar as suas possesses polacas.
< O chanceller Hardenberg dizia em urna
memoria entregue a 2 de dezembro ao prin-
cipe de Metternich :
O negocio da Polonia reduz-se a des-
viar a linda aggressiva e a impedir que a
existencia poltica do novo reino se tome
prejudicial tranquillidade de seus visirrtws
e da Europa, e fezer qoe ella se cenverta
antes em seu proveilo.
Seria preciso pois pnmeiro que ludo
perguntar ao imperador Alexandre deque
natureza deveriam ser a existencia e a eons-
fituico do novo reino, quaes sao as garan-
tas que elle qur dar as potencias visinha?
e quaes sao as que eHe qur exigir da sua'
parte.
e Ora, as garantas que o imperador Ale-
xandre I pedia a seus visinhos, eram fazer
gozar os Polacos submettldos a seus domi-
nios de inslituices conformes com os votos
popubres
a Kste" pedido foi formulado pelo conde
Razoumouski, a 10 de afezembfo, em um
projecto-onde se dizia :
Feila a dedueco...,- o resto- do ducado
Lord Eastlereagh declarara: queurna de Varsovia devolvido cor da Russia
semelhante combmaco imporia to grandes
sacrificios, que nunca o gabinete britannico
teria pensado em fazer Ihe tal proposta : que
o nico meiode prevenir taes-desordens se-
ria perseverar no systema de parlilha, e qce
Ihe pareca que nenbnma potencia devia de-
sejar mais que a Russia a manutenco desee
systema. >
A Prussia e a Austria eppwiham-se
at ao restbeleciment do neme da Polo-
nia.
O prinw'pe de Metternich dizia-n'uma
inferencia de 16|27 desetembro de 1814 :
A consequencia de urna guerra seria
desgracadansente ainuVmais parapfevr, se,
como se suppe, C iro|>erador Alexandre ti-
nha tenco de se prestar idea de alguns
Polacos, dando a estas novas acqtjisices o
nome de Polonia. Nesta supposicao deve-
laos considerar a Gallta como perdida pa-
ra nos, e esta questao assim mais impor-
tante do qoa-a questao territorial; Encerra
t3dos os gernaens de desordens e -inteira-
naente contraria aos tratados existentes, ten-
do as tres cortes coparlici pantos naocca-
ewo empenbado a sua palavra de nao mais
ce serviren* desse nome-
c Da sua.parte, na*mesma conferencia, o
cftanceiier e HandenNaerg se espi-aiou so-
bretudo acerca do perigo que> apresenta-
va egualmente para a-Prussia a. idea de dar
o nome de-Polonia sacquisices-que a Rus-
sia fizesse-
t Foi s mais tarde, quande-o imperador
Alexandre I testemunbou a resoluco de nao
recuar mesmo diante da guerra, e quando,
para evitar esta extremdade, levando a con-
como estado unido, ao qualSva Wagestade se
reserva de dar urna constico Bacional e
a extenso- dos limites qye julgar conve-
niente.
O imperador da Russia, desejando fa-
zer partilhar todos os Polacos-dos beneficios
de urna adreiistraco nacional inUtreede jun-
to de seus alliados em favor do seas subdi-
tos d'esta nasa, com as vistas- do Mies oblr
insliluices provinciaes que- conservero urna
justa attenco para a sua nacionalidade e
IJiees deem urna parle na adminstr-a^o de
seo paiz.
O contra projecto apresenladb pela
Anslria a S do Janeiro de tBi 5 indicara as
vistas de que esta potencia-eslava animada.
dt:
O ducado de Varsoviat.. ser reunido
aos Estados de Sv M. o imperador de todas
as Russias para er- possuidb por elle em to-
da a propriedade e sobejania.
Assim esto projecto desviava cuidado-
samente toda aalluso ao reino da Polonia
como um estado unido iRassia, a urna
oonstituico nacional, e s inslituices prc-
vineiaes, coro que o projecto rueso propu-
nba dotar os Polacos subditos de tres cor-
tes.
< Estas e&plicaces precedern.- muilos
dias as notas de lord Castlereagb e do prin-
cipe de Metternich, das quaes se pretenden
inferir que as potencias representadas poi
estes dous plenipotenciarios- testerounharam
as suas sympalhias para-com es Polacos e
recommendaram ao imperador da Russi?
que conservaste a sua nacionalkliade.
Este fado atiesta evidentemente que a<
cilacao at aos mais largos limites que era- iniciativa sympathica, quanto Polonia, emr.
Vira primeiro que ludo na hostilidacte, ((e compensacao, tinha comtudo feito preva-
dos Polacos um mal principalmente moral,
que reclamava, para ser extirpado, outros
meios, que nao os materiaes.
E' a lei da humanidade que cada ge-
raco procede sob o imperio de sentUnentos
e de impulsos muitas vezes squecidos pela
seja : deve acredilar-se que a Fian catem, -- mz C0ocand(>.Se num
bastante que fazer actualmente no Mextog d vista opposlo, frequentemenle
para pensar em urna nova guerra Tudoisso I ,l1U|
est n?turalmeeie comprehendido nos cal-
culos do governo russo ; mas o que o gover-
no russo no v, que o segundo imperio
se resume em Napoleo, e n'um exercito
francez, que o imperialismo e a democra-
arrastada a desfazer a obra dos sous anteos
sores.
A imperatriz Camarina II, mais apro-
ximada da poca das grandes lutas entre a
Polonia e a Russia, penetrada das suas tra-
lecer o principio de urna reintegraco no
seu estado de posse de 1805, com urna con-
figuracao geographiva mais compacta e mais
homognea. Seria extraordinario que no
momento em que todas as grandes poten-
cias da Europa obtinham semelhantes aug-
mentes, s a Russia, a Russia que fra a
primeira que abalara o poder conquistador
contra o qual se debata a Europa, a Russia
que havia dado o signal da luta pola inde-
pendencia geral, que a isso se havia dedica-
do custa dos maiores sacrificios, e que
havia sido o taro da grande allianca europea,
Entao nao compretiendo a causa da sua r_
.
cusa; por quanto, vi vendo ou, deve o senhor ter
ainda maior certeza do-ser pago por mim mesmo-
Tudo isto muito rasoavel; mas nao se zan-
gue por dizer-lhe que, vivendo V. S., roceio mul-
to que nunca chegue a emancipar-se...
O Sr Abraham est fallando por enigmas :
tenha a hondade de explicar-se.
Valha-me Deus, Sr. barao Em negocios de-
vemos prever todas as eventualidades. Tenlio ti-
do algumas qnestiiosinhas com o Sr. conde de
possivel, consentiu. em transigir sobre a
questao de Posen, de Cracovia e das salinas
de Wieliczaka, ao mesmo tempo que sobro
a questao de Saxonia, foi s ento que M
potencias, nao querendo ficar atraz em de-,
monstraces sympathicas para com os Pola-
cos, adheriram tinalments- s proposlas;do
imperador, reduzidas agora a proporces
bem distantes de seu pensamento primitivo.
Quanto s condices que presidircm ao
arranjo, seria commetter um grave erro
pretender, que estas condices, em seu al-
nce liberal, foram dictadas Russia am se-
guida s conferencias preliminares com ca-
rcter europeu.
Em primeiro lugar, pde-sa repetir
que nao era no momento, em que a Russia
acabava de tomar urna parte to considera-
vel e tao decisiva nos negocios da Europa, e
em que ella pesava na balanca com o peso
de todas as suas fbreas, que o imperador Ale-
xandre I, que tinha no mais subido gru o
sentimento de sua dignidade soberana, teria
admitlido urna tal ingerencia na adminislra-
co interior de urna parte de seus estados.
Pelo contrario, oppoz-se perentoria-
mente a toda a discussao quanto eonstitui-
Senao o que ? perguntei vendo que elle fazia
urna pausa.
Senao corre o risco de nunca emancipar-se.
Pode dizer-me porque rasao !
O usurario pareceu hesitar um pouco mas lo-
go resolveu-se.
Posso, pois nao, 5r. barao. De algum tem-
po para c o seu tutor tem espalhado o boato de
que V. S. est louco. Esle boato j chegou at
aqui, seis leguas do distancia; e d'ahi se segu
quo, apenas chegado o dia de sua emancipacao, o
Maufert, e conheco bastante a sua finura, se bem condc trocar o seu estado de menor pelo de alie-
que o admiro. um homem que sabe o que vale na(j0 \...
Sr. Abraham, que ao patriarcha hebreo devia o
epitheto de pae acostado ao seu nome, nada tinha
do usurario tradiccional. Era um homem de
quarenta annos de maneiras polidas e reservadas.
Encontrei-o no seu gabinete, cujo aceio denun-
ciava um gosto todo flamengo, e onde a riqueza
das cortinas faziam mais realcar a bellesa dos mo-
ris.
Como todos que pedem dinheiro emprestado,
comecei |>or expor-lhe os motivos que me obriga-
vara a recorrer a elle, e conclu por um pedido de
dous mil francos.
O pae Abraham ouviu-me com o sorrise nos la-
bios, e qnanao me calei respondeu .
Sr. barao, sinto verdadeiramente nao poder
servi-lo.
Oh Senhor I exclamei admirado. Por dous
miseraveis bilheies de mil francos ?
Com effeito a quantia insignificante. Dc-
sejana antes que V. S. me pedisse cem mil fran-
cos em outras rircumstancias.
-* O Sr. j tem em seu poder algumas letras
passadas por mim.
verdade, no valor de dezeseis mil francos
pagaveis na poca da sua maioridade.
Pois nao hade esperar muito tempo; d'aqui
a dez mezes me emancipare).
Permitu-me dizer-lhe que nao ha nisto milita
certeza... ...
Porque ento ? Nao me supponho achacado
de molestia aljruma pe'0 conlrano acho-me bem
disposto, e espero viver at la.
Oh I nao islo que me assusta, Sr. barao ;
pois se tal acontecesse, o seu tutor honrara a
na Arma. A fortuna do V. S. muito grande pa-
ra qne haja qoem se atreva a regatear sobre taes
toagatella*
o dinheiro; muito seguro as suas especulac,des, e
a prova que conserva a sua tutclla Pois crea-
me, capaz de conserva-la ainda em quanto qui-
zer...
- Qual I A lei expositiva...
A lei, Sr. barao I.. justamente a arma dos
mais espertos I... Custa chegar para os pobres
e para os do boa f I.. .Ora, vou dar-lhe urna cou-
sa raelhor do que dinheiro ; vou dar-lhe um con-
selho proveitoso. Acceite-o sem escrpulo : quan-
to a mim tenho tambem nisto um interesse, que
ven a ser a satisfacao de regular urna continha
nava do imperador- Alexandre 1, e que se a&>
potencias se Ihe reunirn, foi porque os.
principios da poltica do tempo Ihesaconsc--
havam nao deixarem Russia o merecimen-
to d'esta iniciativa, mas partilharem-n'o .co-
mo ella, afim. de diminuir o acrescimo.de
torcas que ellas receiaram ver adquira por
esta potencia e que nao tinham podido impe-
dir.
Ellas nao previam som duvida ainda es
embaracos.que mais tarde deviam occasionar
Russia-.as tendencias que os Polacosacba-
riam na, Europa.
Petendeu-se que pouco impona va
que estos compromissos emanassera da ini-
ciativa do imperador da Russia, desde mo-
mento em quo tinham sido conferahidss por
elle..
Estas consideraces sao gelo contrario
essenciaes, porque ellas precisan nao s a
natureza dos compromissos tomados pelo im-
perador da Russia, mas tarobem o alcance
dos direitos que se pretenden fazer derivar
para as potencias do espirito que presidiu ;
tiansacces de 1815.
fCoti*ar-se-ha.)
Mas as provas, as provas! exclamei.
As provas? Elle as tvr; j as tem a esla
hora. Hoja de manha contava-se por toda a par-
te que V. 5. tinha batido o Placido afim de forca-
lo a passar urna quilaco gratuita a Guillot, e que
quasi o ostrangulra para obter um titulo de ar-
rendamunt >, que Ihe causa o prejuiso de dous mil
francos por anno. Ora, urna bonita aeco, nao
ha duvida, e at muito generosa; porm pouco
commum nos nossos tempos...
Oh t Islo urna infamia t
Se o caso nao verdade i ro, tanto melhor.
de rancores com o Sr. seu tutor, razendo-ine tai ^ wrja um precedente desagradavel para servir
pirraca que ficarei de urna so vez pago das raivas d(J base a sua a|ienaca0...
c incommodos que elle me tem causado.
Bem que nunca nutrisse cm meu corceo senti-
0 pae Abraham agarrava-se ao meu braco; es-
teva vendo o momento em que forcoso seria hitar
com elle, quando Bastiao, que ficra inquieta ;i
meu respeito, appareceu porta.
O juddu correu ao seu encontr, c lho surpre-
hendi alguns gestos furtivos.
Bastiao, meu amigo disse elle apressadamon-
te, ajude-me a conter o Sr. barao.
E' intil, ropliquei n'um tom que nao ad-
mittia replica; esperam-me em Maufert.
E arredando-o com a mo, abri passagem; mas
elle tomou-me outra vez o caminho como se qui-
zesse reter-me (brea.
Bastiao adiantou-so e me disse :
Sr. Andr, supplico-lhe quo mo atienda.....
Vmc. sabe que Ihe sou completamente dedicado.
a Sra. condessa quem me envia para pedir-lhe que
volte j sem demora. Venha, Sr. Andr, o seu
carro o espera l em baixo.
Apenas sahimos do aposento do judeu, ouvi-o
fechar a porta com estrondo e passar os ferrolhos.
Levei Bastiao no carro comigo e partimos a todo
o trote. Diana me esperava.
Em menos de um quarto de hora atravessamos
os bosques. Eu olhava com cuidado para todos os
lados com medo de que o espectro cstivesse escon-
dido por ahi. Desde pela manhaa que me julgava
victima da traico, e receiava caliir em alguma em-
mentos do ternura pelo meu tutor, com tudo jul-
guei-me offendido no meu orgulho de familia.
- Esquece, Sr. Abraham, disse-lhc seccamen-
te, que anda sou pupillo do Sr. conde de Mau-
fert?
Nada, nao o esqoeco, c por isso mesmo
que rallo deste modo. Se V. S. nao me quizer
prestar ouvidos, ficar perdido; pois sou o nico
capaz de penetrar os projectos do Sr. conde, e de
nao fazer caso do seu ressentimento, porque te-
nho tambem muito dinheiro. dous annos nao
ousaria tanto. Sei qoe V. S. nao gosta delle mais
do que eu : protesta simplesmente por convenien-
cia ; louvo o sen procedimonto. Agora vamos ao
conselho. So tem f em mim, parte hoje mesmo
para Paris: ahi procure a roda do todos os seus
pareotes e amigos, frequente todos os clubs, rela-
cione-so, faca .visitas, e quando completar os vinte
e um annos, volte acompanhado de duas ou tres
pessas de consideraco, que o tenham communi-
cado nestes dez metes, a pedir contas ao sea tator
da sua successio. Senao...
Esta palavra fez-me lembrar dos termos, em f,oscaja
que era concebida a citecao dirigida contra Guil-1 0 dia desapparecia, a floresta eslava silenciosa,
ol- e as arvores pareciam mover-se para comprimirme:
Fiquei aterrado. Tantas commocoes me haviam! mas eu eslava tranquillo, contemplava-as sem tre-
assaltado n'aquellc dia que parecia-me tudo um! mer, c ellas se allastavam vista de tanta afonteza.
sonho I j'um lugar, em qoe o caminho tornava-se estreito,
O delirio apoderou-se de mim. Veiu-me ao pen-' os ramos que pendiam para fra como que procu-
samento (Jue esse judu poderia ser, bem como o ravam agarrar-me : um dellcs rocou-me pela face.
meu tutor, um enviado da Loooora, e que procu
rava entrogar-me ao phantasma inimigo. Para
certiflear-me apro\imei-me delle: tracei-lhe na
fronte com o dedo o signal da cruz.
O jitVu recuou espantado.
- Oh! bem to comprehendo I exclamei com
Senhor, disse-lho framente, venho pedir-lhe
urna satisfacao pelas suas indignidades !
A estes palavras, pronunciadas com urna voz
forte, o conde voltou arrebatadamente a cabeca, e
no seu olhar de ave de rapia filado sobre mim
descobn um vislumbre de ironia.
De repente recuqu a cadeira, levantou-sc muito
agitado, correu a chamin c tocou a campanhia
bradando ao mesmo tempo :
Um medico!..... Chamen um mdico !
Oh Senhor, o que faz ? pergunton-lhe mi-
nha madrinha vivamente. Para que por assim a
gente em sustos ?
Porm, sem prester-lhe attenco, o conde diri-
giu-se para a porta, e bradou com mais forca
ainda :
Marlinho I Luiz!... Soceorro, soccorro 1...
Venham depressa I
Parcceu-me que ello quera evitar urna explica-
co ou desviar a minha clera -, e por isso repli-
que! com vehemencia:
Oh I Ha de ouvir-me por forca I Hei de usar I
damesma piedade de que o senhor usa para com os
outros t___Aqu vim para julga-lo, e pronunciar
a sua sentenca i
A minha attitude resoluta lancou a todos n'uma
desordem inexprimvel. Diana tomou-me nos bra-
cos, quiz tranquillisar-me. Eu a nada attendia. Os
criados ah estavam, mas o Sr. do Maufert nao se
atreva a chegar-sc mim.
Que desgraca, coitedo, que desgraca dizia
elle levantando as mospara ocu. Corran, vaoj
chamar o medico I
Pobre mc^o I exclamou a Sra. de JonvM.
Como se parece assim com sua me
Comprehendi tudo.
defender-me, quando procuro recordar-me ios mi-
nhas dores passadas.
Eis a razao porque- te reinetti um capitula trun-
cado.
Ante-hontem, cm quanto eu escre-viu, o velho
Fritz, meu criado, entrn no gabinete seo se au-
nunciar como eostuma fazer, smente para mo ver
trabalhar ou lr: urna permisso que dou a esse
fiel Caleb.que me viu nasccr, c que- nao pode pas-
sar um quarto do hora sem vr-oae. Nao quero
priva-lo desse praaer, e j estou to habituado suu
innocente mama, que muitas ycs nem dou f da
Fustigue, os cabel os, c passe ^^2 Comprehendi tudo. O chao faltou-me ebaixo
bem que fosse forte e valente, todav a eslava assus- dos ^ ^^ fraquewem ^ bra?os do Diana) e
tedo, e olhava para mim com espante._______ cahi redondamente como que fulminado. Com tu-
do nao perd todo o sentimento do meu padecer.
O silencio e as trevas me rodeavam : silencio
Nada receies, Ihe disse eu nao vs como
dos cites, tremem 1
Finalmente chegamos a Maufert: era noute. nexp|icave| ,revas espes lugub'rcs como de-
despreso. Es habitante das trevas : mas eu nio Bastuo quiz conduzr-me ao meu aJ|0ient?_l/n0 vem ser o silencio e a noute do. turnlo!.. E o
2^m^-,n,ldrinha aU- me e"Peravi rt,?!1 meu pensamento esvoaoava s io meio desse abys-
havia meditado urna vinganca, e subindo, os de- mn A% naila
Sr. barao bradou elle interceptando-me a' grus de pedra, precipitei-me no salao, onde tinha
Peco-lho por favor que nao sala ago- certeza de encontrar aquella hora os habitantes
do castello.
lenho mdo de t
E dei un passo para retirar-me.
XI
passagem
ra...
E proeiso qne parta j !
Mas os seas cavallos nao tiveram lempo de
descancar.
Um incidente, qoe se dea com o doator Schultz,
Vendo-me entrar Diana fez um geste de espanto; veiu repentinamente interromper a minha narra-
* ci>,mcu caro Wilhelm, e livrar-me desle modo de
una corte desordem de espirito, de qoe raal posso
sua presenca.
Como dizia, ante-hontem entrou no gabinete o
nao aei j a que tempo ah eslava, quando vi-o re
tirar-se precipitadamente, e vultar poucos miuito-
dopos acompanhado de Hermann, o qual nuil"
agitado me supplicou que correase em auxilio do
doutor, attacado de um sbito accesso.
Segui-o a toda a pressa, e acheio doutorSchulu
fechado no seu quarto, com todas as certinas cer-
radas.
Oh t E' o senhor, felizmente, disse ello com
o olhar desvarado. Chegou a tempo t Es"? mal'
dito Hermann prendeu-me aqui.... livre-me mou
amigo t
O meu primeiro pensamento foi o de fugir co**
o doutor. Porm, atravessando o salao encontre
me cora a sua esposa, muito tranquilla co.u.m.h-
vro sobre os ioelhosdando urna licao a suafilhiaha.
Pensei no desespero em que fleana sabeno da
horrvel desgra?a Ande, saiamos, replicn o doutor.
__Tnha primeiro que fallar-lhe em negocios
muito serios. Ihe disso flngindo nao reparar na sua
CX l^ois bem, partamos, dir-me-ha Isto no caini-
Nao; flquemos aqui; estou um pouco abati-
do. Demais a minha communlcacato um tanto
confidencial.
Bazao de mais para sahirmos d aqui Nao
v que o espectro da I agarrar-me, c que nos ouve! Ali ali
por detraz do senhor, accrescentou elle com gesjo
assombrado.
fConliuar-se-ha.j
evitei o seu olhar, e fui direilo ao meu tutor, que
se acbav sentado ao p d baronez.
PERfAMBl'CO. TTP. E U F. F, & FILHO-

s" I

II
.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E6A5X8P4R_PE7LTV INGEST_TIME 2013-08-27T23:40:00Z PACKAGE AA00011611_10229
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES