Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10225


This item is only available as the following downloads:


Full Text
1
T

A
AMO XXXIX HUMERO 245.
Por tres mezes ndiantados 5(000
Por tres mezes vencidos 6SU00
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPgO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima'
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
tnazonas, o Sr. Jcronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRTPCAO NO SL
Alagas, o Sr. Clandino Falcio Dias; Baha, o
Sr. Jos Martins Al ves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martius <& Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu", Goyanna e Parahyba as segundas
sextas-feiras.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruaru',
Altinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu" as quartas feiras.
Serinhiem, Rio Formoso, Tainandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pmenteiras as quintas feiras.
Ilha de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao '/j d'1-
EPHEMERIDES DO MEZ DE OUTIBRO
4 Quarto ming. as 3 h., 36 m. e 8 s. da m.
12 La nova as 3 h., 17 m. e 2 s. da t.
19 Quarto cresc. as 4 h., 40 m. e 32 s. da t.
26 La cheia as 2 h., 30 m. e 20 s. da t.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 1 horas e 18 minutos da tarde.
Segunda as 1 horas e 42 minutos da manhSa.
SEGUNDA FEIRA 26 DE OUTUBRO DE 1863.
Por a nno- ada otado.
Porte para o subscriptor.
>.
198000
38000
DIARIO DE PERNAMBUG0.
'IpA DOS VAPORES COSTEIROS.
ParaAMiI at Alagas a 5 e 25; para o norte at
a Granja** 7 e 22 do cada mez; para Fernando nos
dias 14dbs mezes dejan, marc., maio, jul, set. enov.
\ PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Becife : do Apipuros s 6 '/i, 7, 7 >/:, 8 e
8 Vj da 9- ? de Olinda s 8 da m. c 6 da tarde; de
Jaboatao as 6 V, da m.; do Caxang e Vanea s 7
da m.; d Bemfica as 8 da m.
Do Reffe: para o Apipucos s 3 '/2.4, 4 >/<, 4 1/2,
5, &'Ai f V e.6 da Urde; para Olinda is 7 da
manhia 4 >/2 da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
de ; panfCachang e Vanea s 4 'A da tarde; para
Bemfica fe 4 da tarde.
AUDIENCIA DflS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relacao: tercas e sabbados s W horas.
Fazenda: quinta s 10 horas.
Jujo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: torras e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas e sextas ao meio
da.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DIAS DA SEMANA.
26. Segunda. Ss. Evaristo e Florio mm.
27. Terca. S. Elesbao imp. da Ethyopia.
28. Quaria. Ss. Siman e Judas Thadeo apps.
29. Quinta. S. Euzebia v. m.; a b. Beravinda.
30. Sexta. S. Heduvigesduq. da Polonia viuva.
31. Sabbado. S. Qumiino m.; S. Lucirla v. m.
1. Bomingo. S. Cesario diac.; S: Benigno presb.
ASSIGNA-SE
no Recife, em a livraria da praca da Independencia
ns. 6- e 8, dos preprietarios Manee! Figueiroa da
Faria & Filho.
PARTE QFFICIAL.
GOYER.M) DA PROVINCIA.
Expediente dn dia 22 de ontubro de 1863.
nidade a serem entregues aoDr. chefe de polica os
sentenciados Feliciano Mendes dos Santos e Fran-
cisco Ponclano de Oliveira que teem de responder a
novo jury na provincia da Parahyba.Communi-
cou-se ao chefe do polica.
Portara. O Sr. gerente da companhia Pernam-
buca mande transportar al Macei no vapor Ca-
maragibe em lugar de proa destiuado passageiro
de estado, a Genoveva Manada Conceicao que cons-
Offlcio ao presidente da Babia.Qom nformacfos
do commandante do presidio de Fernando e do juiz ta ser desvalida,
municipal da 1* vara desta cidade, passo s mos l Eipediente do secretario do governo.
de V. Exe. o requerimento, em que o sentenciado Officio ao commandante superior da guarda na-
dessa provincia, Pedro Jos Pereira, pede S. M. cional da comarca de Palmares.S. Exc. oSr. pre-
o Imperador, perdo da pena de gales perpetuas sidente da provincia manda declarar V. S. em
que esa cumprindo no mesmo presidio, e rogo resposla ao seu officio de 8 deste mez, que a sua
de dar
A constituirn de 1849, producto da democracia, removenio-o para a comarca de Iguape.Deferio-
resentindo-se das utopias da revolucio franceza, se.
Certvjes de exercico.
Do Sr. juiz de direito Dr. Sebastio do Reg Bar-
s de lacerta, no cargo de chefe de polica da
provincia da Babia a datar de 15 de junho ultimo,
e na comarui de Villa-Nova a datar- de 29 de ju-
proclamava, a par de sensatas garantas de liber
dade individual, osdireitosdo homem, nem sempre
definidos e incontestaveis. Conceda ao chefe do
imperio o vete suspensivo, assegurando a legisla-
tura a faculdadc de intervir na guerra e na paz.
Decretava a omnipotencia de um parlamento, sus-
^eptivel de interminaveis agtaedes; e com a me-
Ihor f do mundo, commettia a urna Babel poltica
a sol uco de todos os negocios pnblicos.
O cdigo de 1863, votado pelos principes, a ne-
gacao dos principios populares. Circumscreve-se
quasi exclusivamente s prerogativas regias, entre- bidade Mr denuncia do Sr. Goocalo Carlos de
ga ao directorio o veto absoluto, e attnbne s elei- Vasconcelos contra tres desembargadores e Ires
lho.Avrbem-se.
Exposiro das mistas.
N. 642L pelo Sr. Siqueira.
N. 6431 pelo Sr. Machado Xunes.
3 Consulta.
O Sr. Ss^ueira, relator no processo de responsa-
eoosidorada em seus difterentes pontos de alcance; i obiw. amo do di 24. he mn
?.!l!am?s. *m a SO CEMITK-
quencia do uso do seu commercio, que difficilmen-
te- ser innovado.
Na quinta-feira ullima pela nolte deu-se na
ra do Hospicio por ftpaco de uns 15 minutos urna
chivada de pedras, a qual, por onde foi passando,
causn seus receos e alguns tragos em tel hados,
cahindo at algumas das pedrinns dentro das
casas.
A tal chutada um phenomeno artificial, cuja
V. Exc. se sirva de dar o conveniente destino ao patente foi remedida ao governo imperial para ser W** indirectas a formacao de urna cmara legisla- deputados do tribunal do commercio do Maranhao,' causa pareee existir em urna das habtaoes da-
predito requerimento, depois de'instruido na forma apostillada. tivaoccasional, sem o attnto necessario para resol- consultou
Se o imperador d'Austria tivesse ao lado um con- tm foro flnvilegiado.
de de Cavour, em lugar de um Rechberg on de Depois oealguma discussao, assentou-se que es-
incluso officio, n.~ 130 de 21 maque^e^segundo'decTarou'oE um Schmerling, de crer adoptasse outros meios ses juizesdevem ser ouvidos, c por occasio de
i annexa copia do aviso do da guerra em aviso de 30 desetembro ultimo, ne- P?r.a 1ae directorio central, cuja presidencia am- julgamento o tribunal conhecer da questao de sua
competencia.
do decreto de 2 de marco de 1860. "Dito a D. Henriqueta Amalia de Brto Burlamar
Dito ao commandante das armas.Queira V.' que.Pela secretaria do governo so communica
Exc. informar sobre o que pondera o director do Illma. Sra. D. Henriqueta Amalia de Brito Burla-
arsenal de guerra no '
do corrente a que vai
ministerio da guerra de 2o de setembro ultimo. Icesiario ser instruido com os documentos exigidos
Dita ao mesmo. Pode V. Exc. mandar dar baixa as disposicoes em vigor o requerimento queem S.
do servico, ao soldado do 7o baiallio de infantaria S. solcita do governo imperial umapensaoem re-
Tranquilino de Albuquerque Mello, acceitando em numerac.o dos servicos prestados por seu finado
seu lugar o paisano Jos Joaquim de Luna, que mando o Sr. coronel Trajano Cesar Buramaque,
est as condieoes do regulamento de 28 de setem- aflm de poder ser encaminhada cssa pretencao ao
bro de 1859, segundo V. Exc declarou em sua in- ministerio do imperio,
formacao, n. 1,958 de 20 do correte.
ver as questes da sua competencia.
dos.
se devia mandar ouvir aqnelles deputa-' quella ra, sendo por tanto de conveniencia que o
visto que_sna opiniao que taes juizos nao respectivo dono ponha o devido cobro, para evitar
FraMsca. da Conceicao, Petaambuco, 60 annos,
viuva, Sauto-Autooio ; tubrculo pulmonar.
Antoaio do Espirito. Santo Paes Falcao, Pernambu-
co, 40 annos, casado, S. Jos; mofelite.
Joaquina, Peruambuco, Pannos, Boa-Vista; ane-
mia.
Manoel Fetppe de Santiago, Pernambuco, 20 an-
nos, sotleiro; diolera-aiorbus.
Dito o chefe de polica.Mande V. S. por a
disposicao do juiz municipal da 1* vara os presos
de justica Geraldo Pereira, Antonio Pereira Lima,
Luiza Candida Pessoa, e Manoel Joaquim Gomes,
-que vieram do presidio de Fernando, no vapor Ja-
guaribe.Remetteu-se ao mencionado juiz, as guas
de taes sentenciados.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Recommcndo V. S. que, nao havendo inconveni-
ente, mande pagar a Olympio Theodoro da Silva,
ou ao seu procurador, a quantia de 155, que foi
despendida durante os mezes de julho, agosto e se-
lembro deste anno, com o fornecimento de luz
para o qoartel do destacamento deBarrciros, como
se veda conta junta em duplcala que me foi re-
medida pelo chefe de polica com officio de hontem
sob n. 1,480.Communicou-se ao chefe de po-
lica.
Dito ao mesmo.Restituo V. S. competente-
mente assignada a folha em duplcala dos venci-
mentos a contar de 1 a 18 de novembro de 1861,
do alferes Manoel Bezerra de Vasconeellos, com-
mandante que foi do destacamento de guarda na-
cional da villa do Bonito, a fim de que, tendo em i
Despachos do dia 22 de outubro de 1865.
Requerimentos.
Antonio Jos Duarte Coimbra.Informe a direc-
tora do theatro de Santa Isabel.
Anna Joaquina da Conceicao.Informe o Sr. pro-
vedor da Santa Casa da Misericordia.
biconava, fosse mais vigoroso e fficaz.
O Times, oceupando-se com a reforma federal da
Al lemanita, observa que a antiga constitu cao bri-
tannica funeciona soffrivelmcnte, a despeno das ir-
regularidades da cmara dos lords, das desigualda-
des de populacao dos circuios, que elegem mem-
bros do parlamento. Um par de chinelios velhos
pode servir, apezar das verrugas e dos acalcanhos. recorridos Antonio Francisco do
Mas o sapateiro prudente so ostentara na vdraca seus fllhos.Negou-se a revista.
Passagem das mistas.
N. 6421, ao Sr. Veiga.
N. 6410, ao Sr. Brto.
N. 6413, ao Sr. Chichorro.
N. 6432, ao Sr. Mcssias de Leao.
Conclusao das revistas.
Jl'LGAMENTOS.
Revistas civeis.
N. 6394. Recorrente Francisco Eugenio Teixei-
ra, recorridos Antonio Pedro Teixeira e sua mu-
Iher.Negou-se a revista.
N. 6385.Recorrente Antonio Moitinho Esteves,
Espirito-Santo e
os sapatos perfeitos e sy mtricos. Os artista reas
de Francfort nao attonderam 'o preceito, e predu-
ziram um trabalho dilacerado.
A fallencia do esforco tudesco pode acarretar a
conviccao de que a unidade nacional, hoje admitti-
da em principio por todas as classes, nao parece
rneoromnndaK I imoV m taerra--In- destinada a foresVer sob os auspicios 'da dinasta
pTjos Kt"to do u!riS Santo -Diriia-se '< d-e HPsburgo. Sem metter prego em estopa, o seu
LrTrL. nr'S,,? P J .nval d Allemanha do norte utilisa com o fiascoe
Sr cani-' 'rra.nc'sco Jos> e se ^osse capaz de apresentar nm
thesouraria provincial.
Joaquim Jos Cavalcante.Informe o
tao do porto.
Fr. Joao Baptista do Espirito Santo.Dirija-se
thesouraro provincial.
Manoel Antonio de Lima.Dirija-se ao seu com-
mandante a quem se expede ordem no sentido que
requer.
projecto mais rasoavef, desde logo contara com o
maior numero de adhesocs.
Cumpre nao esquecer, que nao ha muitos anuos
alguns dos principaes estados germnicos pediram
ao rei da Prussia, que acceitasse a cora imperial,
offerecida pelo parlamento de Francfort. Se Fre-
N. 6436, ao Sr. Veiga.
N. 6437, ao Sr. Cornelio Franca.
Conclusao da reclamacao.
N. 149, ao Sr. Machado Nuncs.
DISTRIBUIDO.
Revistas civeis.
N. 6438.Capital da Bahia.Relacao da mesma
provincia.Escrivao Carneiro.Recorrentes Ma-
noel Thom de Miranda e outros, herdeiros de D.
Mara Joaquina Serra, recorrido Domingos Jos
derico Guilherme IV nao se achou testa da nacao de Alpoim.Ao Sr. barao de Pirapama.
allemaa, porque nao soube ousar, porque re- N. 6439Corte.-Relacao do Rio.-Escrivao A.
presentava a incarnacao da duvida e da perplexi- Araujo. Recorrentes Antonio Goncalvcs da Silva
dade. Pinto e Jos de Andrade Leite Bastos, recorrido
No proprio reinado de Guilherme I urna pleiada Eduardo de Paria, socio liquidante e fiador da fir-
Iti-foi'in io f^l.-rx-i ni Alio de principes septentrionacs o reconheccu tacita- ma Rocha Jnior 4 CAo Sr. Pantoja.
uiuiiu Ilucr>in ua msic mente como chefe, formando o seu squito, quan- N. 6140,-Recife.Relacao de Pernambuco.
manila. ; O imperador d'Austria sorprendeu os principes eezes. recorrido Jos Antonio de Araujo.Ao Sr. Brito.
da Allemanha, mostrando-se de repente o campeo Falhou pois a tentativa monarchica. de justi- dilioencia.
da unidade germnica, offerecendo Europa o in- ca reconhecer, que nao foi por falta de boa vonta- Processo de responsabilidale.
, de.
EXTERIOR.
slito espectculo de um congresso de testas coroa- de. Apesar do rigor com que se observaram as N. 137.Sejam ouvidos os juizes denunciados
das. Os augustos membros da reuniao de Franc- regras da precedencia e da etiqueta as reunioes para responderem no praso legal, envando-se-lhes
fort deixaram os ministros em suas casas, e incum- de tnnta e tantos soberanos de variadas catego- copia da denuncia, dos documentos c do rol das
biram-se das funecoes legislativas. O arbitrio foi ras, era tal o empenho de corresponder s aspira- testemunhas.
jllustrado, patritico, respeitavel; mas offereceum C*s naconaes, que o banquete do Boemcr fulgu-
inconveniente, que o principe H^nrique d'Orange rou excmplo frisante de abnegaco. Suscitando-
assignalou com liastantu perspicacia. se contcstacao acerca da ordem dos lugares, um
Desde o momento, disse elle, em que os mo- dos monarchas secundarios apressou-se em tomar
narchas discutem os negocios pblicos, nao s se o mais inferior, dizendo, que no momento em que
expoem a perder urna parte da sua independencia, os povos suspiravam pelas reformas tendentes
sujeitando-se as decisoes da maioria; como a pres- unidade poltica, julgava pueril que se disputassem
cindir da sua involabildade e prestigio, incorren- preferencias mesa do jantar.
do as censuras e opposicSes da imprensa e da O monarcha em questao fez o que de si depen-
opiniiio publica. i dia, e niio era muito, para manter a harmona en-
vista o meu officio de 3 de abril de" 1862, mande
processar essa divida na importancia de 455G0O,
para ser paga quando houver crdito, visto penen-
oer ao exercico ja encerrado 1861 1862.Com-
municou-se ao commandante-superior do Bonito.
Dito ao mesmo.Remetiendo V. S. para seu
conhecimento copia do officio que no Io do corren-
te dirigio-me o juiz de direlo da comarca de Ca-
brob, cora referencia ao escrivao da delegacia do
termo do mesmanome, e art. 9,782 do regulamen-
to n. 2,713 de 2 de dezembro de 1860; cumpre
que V. 8. informe o que ronver acerca da crcacao
da collectoria a que allude aquelle juiz.Commu-
nicou-se ao juiz de direito d'aquella comarca.
Dito ao mesmoInforme V. S. com urgencia
-que quantas tem sido annualmente votadas para
melhoramentos do porto desta capital, quanto, e
em que obras tem sido em cada anno dispendidas,
e se tem havido sobras da mesma, e quaes em ca- Para que fructificasse a obra do congresso seria I tce os principes alenles.
da um desses mesmos annos. mster, que as principaes disposicoes tivessem pas-' Nao temeridade avancar que na aclualidade
Dito ao inspector da thesouraria provincial. sado pelo crivo dos debales das respectivas dietas; acha-se to madura a questao de reforma, tao ge-
Autoriso V. S. em vista de sua informacao de que contassem com a adhesao das maiores notabi-; ral odesejo de converte-la em realidade, que bis-
hontem sob o n. 528, dada com referencia a da lidades polticas do paz ; que fizessem da hetero-! taria o prestigio individual, casado com a posicao,
contadoria dessa thesouraria, a mandar entregar genea fabrica federal um complexo efflcaz, pode- \ para determinar o seu triumpho incvitavel. "Po-
ao guardiao do convento de S. Francisco da cidade roso, harmnico. Nao se proredeu por esse me- nham no throno austraco on prussiano o duque
de Olinda, medanle flanea, idnea, a quantia de thodo. Preferio-se chamar os soberanos ao exame Ernesto de Saxe Cohurgo, o homem de superior
"2:4605, que se acba em deposito nessa reparlicao, da reforma ; e depois dn conflicto de interesses, de enlendimento, de firme proposito, d
proveniente dos beneficios da 1" e 2a parles d 1 conveniencias, apurou-se um estatuto informe, ra- '
a favor dis obras daquella citico, sem condieoes de vtalidade.
A questao mais transcendente ficou por decidir.
1A Austria, a Prussia, ou ambas alternadamente de-
viam presidir uireceo dos negocios. A maioria
entendeu dever deixar o arranjo do assumpto s
duas potencias, isto admitiio desde logo um adia-
menlo indefinido para a collocaco da pedra angu-
lar do edificio.
O progresso dos debates fez vir, que nao havia
tendencia para fortificar o novo pacto, ampliando
as prerogativas do governo central. O directorio
executivo, calculado para representar conspicuo
Dito ao mesmo.Transmuto V. S. a inclusa papel nos assumptos feduraes, foi diluido com o I nal da Allemanha? Arenovacao da liga de Wurlz
tonta, a fim de que, nao havendo inconveniente, I augmento do seu pessoal, c com as restriegues de I burgo, a formacao de um conjuncto de estados se-
mande pagar a Olympio Theodoro da Silva, ou ao suas faculdades. cundarios, que obstem divergencia lotal da poli-
si'ii procurador, conforme solicitou o chefe de po-1 A simples maioria do directorio nao peder, tica austraca e prussiana. Se os pequeos estados
licia em officio de honlem n. 1,446. a quantia de ; como quera o artigo 8o do projecto primitivo, podessem consubstanciar-se n'uma dieta central,
7('. despendida com o sustento dos presos pobres levar a Allemanha a declarar guerra para defeza que exercesse autondade positiva, seria nossive
da cadeia de Barreiros, durante os mezes de julho I das possessoes nao germnicas da Prussia ou da conter as duas potencias rivaes nos limites'da mo-
setembro deste anno.Communicou-se ao chefe i Austria. i deracao. Emquanto houver na Allemanha duas
de polica. A assembla legislativa, devendo ser eleita. potencias de primeira ordem. esobretudo emquan-
Djto ao commandante-superior interino de S.! parte pelos senados, parte pelas cmaras electivas, to o imperio auslraco contar vinte mllioes de I'o-
Antao.Ao officio de 13 do corrente, em qu*V.S. reunindo-se apenas de tres emires annos, tica lacos, Hngaros e Italianos, ser difficil completa
declarou que por nao ler ainda rerebidos todos os sem alcance e com tendencias manifestamente re- unio e harmona.
comandantes de corpos os mappas parriaes, deixava trogradas. Kssa unio e harmona levara a Allemanha ao
de remetter o geral da forca activa e de reserva, c A fiscalisacao da imprensa, e o direito de asso-1 maior grao de torca e de prosperidade. Bastou a
lotera concedida
greta.
Dito ao rnosmoSe nao houver inconveniente,
mande V. S., como pede o chefe de polica, em
officio de hontem sob n. 1,452, pagar a Anlonio
Doniingues de Almeida Pocas, a quantia de.....
1075760, que despenden-so durante os mezes de
julho a setembro deste anno, com o sustento dos
presos pobres da cadeia do termo d'Agua-l'reta. e
com o fornecimento de luz para a mesma cadeia,
como se v da inclusa conta.-Communicou-se ao
chefe de polica.
Ote.
Ficam c As revistas civeis.
N. 6386, relator o Sr. Chichorro.
N. 6388, relator o Sr. Simocs.
N. 6390, relator o Sr. Messias de Leao.
N. 6396, relator o Sr. barao de Pirapama.
N. 6400, relator o Sr. Ernesto Franca.
N. 6404, relator o Sr. Machado Nunes.
N. 6405. relator o Sr. Nabnco.
N. 640K, relator o Sr. Almeida.
Levantou-se a sessao 1 hora da tarde.
SBSSAO EM 3 DE OITIBRO DE 1863.
Presidencia do Sr. conselhriro bardo de Mont-
serrate.
(Secretario interino o Sr. Dr. Monteiro.)
A's 9 horas e mcia abru-se a sessao, achando-
!e liberaes con- se prsenles < Srs. conselheros ario de Moni-
vicces, e a transformaco ser completa. Nem serrato (presidajte), Almeida, Siqueira, Veiga. Cor-
nma das mediocridades congregadas na cidade de nelio Franca, bario de Pirapama, Pantoja, Brito,
Francfort se atrevera a deler o passo do principe, Silva Tava'res, Ernesto Franca, Chichorro, Mariani,
seguido dos applausos de quarenta ou cincoenta Simoes, Machado Nunes e Messias de Leao, faltan-
milhoes de Allemaes. Representando todava um do com causa os Srs. Azevedo e Nabuco.
paiz da extensio de 35 milhas quadradas, com Leu-se e approvou-se a acta da antecedente,
urna populacao de 150,000 habitantes, se os dotes expediente.
pessoacs o eollocam cima da condicao de compar- Oficios.
sa, de modo algum Ihe permittem visar supre- Da secretaria de estado dos negocios da justica,
macia, na trra classica da tradirefio e do feuda- de 26 de setembro lindo, communicando que S. M.
lismo. o Imperador houve por bem ; prorogar por mais
Nao havendo unidade orgnica, qual ser o me- dous mezes a licenca concedida ao Sr. desemhar-
Ibor expediente para alimentar a existencia naci- gador Jos Ferreira Sonto, para tratar de sua sa-
de onde Ihe convenha.Regstrc-se e averbe-se.
Da presidencia da provincia do Rio de Janeiro, I
do 1. do corrente, enviando o relatorio com que
abri a respectiva assembla este anno.Archve-
se.
Do Sr. juiz de direito Dr. Jos Tavares Bastos,
de 26 de setembro lindo, enviando cerlidoes do
seu exercico na comarca da capital da provincia
de S. Paulo at 2 de junho ultimo, e na comarca
de Nitlicrohy a datar do 1. de julho ultimo.
Averbe-se.
Requerimento.
Do Sr. juiz de direito Dr Manoel da Silva Mafra,
pedindo registro da_ carta imperial nomeando-o
tar todo o systema das alliancas europeas. A Fran
ca aproveitou logo o convite da Prussia para se
aproximar da Russia, olvidando a cobicada mar-
gem esquerda do Rheno. A Inglaterra deixou de
ser considerada a necessarir alliada do imperador
Napoleo. Mudaram de pares na quadrlha diplo-
mtica Drouyn de L'huys, lord Cowley, o conde de
Goltz, o barao de Budberg. o princip de Metter-
nich, o commendador Nigra. E comtudo, apenas
havia narealidade um fogode palhaem Francfort,
cujo fumo apenas dissipado, s deixou ver as cin- to do Sr. Nabuco.
zas da antiga dieta, alvo da mofa e do menoscabo Ns. 6420 e 1779 ao Sr. Veiga.
da Allemanha, que ser forcoso substituir de qual
quer modo.
(Jornal do Commercio, de Lisboa.)
Deferio-se
Exposicao das revistas.
N. 6430, pelo Sr. Mariani.
N. 6417, pelo Sr. Simoes.
N. 1779, pelo Sr. Siqueira.
Nao houve julgamento.
Passagem das revistas.
N. 6388 ao Sr. Almeida, no impedimento do Sr.
Nabuco.
Ns. 6404 e 6418 ao Sr. Siqueira, no mpedmen-
INTERIOR.
KIO DE JWKIIIO.
SUPREMO TRIBUNAL
JUSTICA.
IE
do armamento, e as relacoos--de conduela dos offi- ciacao, ficando dependentes da legislaco de ca-fallida iniciativa de Francisco Jos para sobresal- para a comarca de Tacaratti, e que se Ihe abra
ciaes da guarda nacional sob seu commando supe- da estado, e nao do rgimen federal, ainda mais tar todo o systema das alliancas euroDeas. A Fran- matricula.Defero-se
rior, exigidos por circular de 14"o"c agosto ultimo, debilitam e invalidam o pensamento original da
para cumprimento do aviso de 22 de julho, respon-1 reforma.
do dizendo-lhe que os exija de novo e sob respon-1 O imperador Francisco Jos manifestou o empe-
siliili lade daquelles commandantes de corpos que 'nho mais conciltario, transigndocom asobjecces
os nao tverem ministrado, a fim de m'os enviar dos principes confederados. Nao quera sabir de
com toda a urgencia. Francfort sem ao menos possuir urna apparencia de
Dito aocominan|lanto superior do Bonito.Ten- triumpho. Conscguio fazer votar urna serie de ar-
do deixado de'ac anhar ao ollicio deS'. S. de 30 tigos ; porm a maioria que o segua, apenas auto-
do mez passadoo .. .,ipa geral da forca do servico risou um pacto mutilado e inexequivcl.
activos de reserva, e relacoes de conduela dos of-' Nem sequer ha esperanza de fazor funecionar,
flciaes da guarda nacional sob seu commando su- como cnsaio, a nova constituicao, na dea de remo-
perior exigidos por circular de 14 de agosto nlti- ver gradualmente os estorvos, as peas que os es-
mo, cumpre que V. S. o envei com toda a brevida- crupulps dos soberanos tornaran) inevitaveis.
de possivel. Ninguem desronbece, que sem a Prussia im-
Dito ao director do arsenal de guerra.Em vista possivel levar a effeito a reforma. Alm dessa po-
do seu officio n. 131 desta data.autoriso V. S. a man- tenca ha a opposicao do grao-ducado de Badn, de
dar fazer as pinturas e raiadura de que necessita Nassau, de Oldemburgo, de Mecklemburgo, de
esto < stabelecimento.Communicou-se thesoura- Waldeck e Rcuss, alm do voto do re deHollanda
ra de fazenda. por parte do Limburgo. Diverge, pois, quasi me-
Dito ao director das obras militares Mande V. tade da Allemanha.
S. com urgencia caiar as prises da fortaleza do Os proprios Austracos reconhecem, que o plano
Brum como solicitou o brigadeiro commandante do imperador fica em bons desejos, e que a inicia-
das armas em seu officio n. l%:\ datado de 21 do tva de Francisco Jos nada mais funde alm das
corrente. Communicou-se ao commandante das acclamaooes enthusiaslicas dos seus subditos,
armas. Em quanto a Austria e a Prussia entabolam es-
Dito aoconselho administrativo. Recommendo tercis negociares para urna combinacao, o novo
ao conselho administrativo que compre para prov- germnico analysar as prescripcoes dos artigos
ment do arsenal de guerra como requisita o res- approvados. A destribucio das facilidades do di-
pectivo director em officio desta data os objectos rectoro, e sua composigao hio de attrahir reparos
mencionados no incluso pedido. Fzeram-se as mais ou menos plaus veis, tal vez em oppostos sen-
necessarias communicacoes. tidos. Maso parlamentotriennal e a sua hybrida
Dito ao cnsul interino de Franca.Communi-, organisacio, hao de provocar geral reprovacao des-
con-so ao Sr. Izar, cnsul de Franca, nesta pro-: de o Rheno at ao Elba, desde o Weser at ao Da-
Tincia, que em officio n. 106 de 19 do corrente, de-' nubio.
clarou-mc o commandante do presidio de Fernando As universidades, as academias, os lyceus,_a burj
haver remedido para esta capital, no vapor Jagua-' gueza, o commercio, a industria pcrgunlarao se
ribe allm de serem entregues ao mesmo Sr. con- com urna assembla manca e de ndole metheorica,
sul a lancha e quatro remos que all se achavam que a Allemanha marchar pela regeneracio para
pertencentes a barca francesa Sirede Vivone Rei- a unidade; se para curar as diformidades da or-
tero ao Sr. cnsul os protestos de mlnha perfeta ganisaCao de 1815, serve a miseravel legislatura
estima e destnela consideraeio. creada em 1863, depois de tantas dissertaQoes, e
Dito ao commandante do corpo de polica. Pode tantas experiencias acerca dos melhoramentos, pe-
V. S. mandar dar baixa ao guarda da seccSo urba- los quaes o paiz anhela.
na Maiocl Antonio de Lima, visto ter concluido o Perguntario outrosm, so os povos nao sao mais
seu engajameuto.como consta de sua informacao n. competentes para decretar reformas, quando os mo-
430 dt 21 do corrente. narchas se mostram tao surdos s vozes dos subdi-
Dtto ao mesmo.Remetta-me V. S. os mappas tos, no momento en) que parcialmente rendem
da torva c armamento, de que trata o meu officio preito is ideas do secuto, constitundo-se em par-
de 14 de agosto ultimo com referencia ao aviso do lamento paraTenovar o gothico edificio do con-
ministerio da justica de 22 de jnlho. i gresso de Vienna, e prevnir as revolucfos, toman-
Dito ao commandantedo presidio de Fernando. | do a iniciativa das immunidades que a nacao ger.
Remella V. S. para esta capital na primeira ppportu-1 manica reclama ha meto sppalo t
N. 6395 ao Sr. Pantoja.
N. 6430, ao Sr. Sinics.
N. 6417, ao Sr. Machado Nunes.
Conclusao das revistas.
N. 6438, ao Sr. bario de Pirapama.
N. 6439, ao Sr. Panlnja.
N. 6440, ao Sr. Brito.
DILIGENCIA.
Reclamacao de antiguidade.
N. 149, ao Sr. consclheiro procurador da co-
ra.
Dia.
Fcaram com da para julgamento:
As revistas civtk.
N. 6386, relator o Sr. Chichorro.
N. 6390, relator o Sr. Messias de Leo.
N. 6306, relator o Sr. bario de Pirapama.
N. 6400, relator o Sr. Ernesto Franca.
M. 6405, relator o Sr. Nabuco.
N. 6406, relator o Sr. Almeida.
N. 6427, relator o Sr. Pantoja.
Levantou-se a sessao s 11 horas da manhaa.
] consequencias menos agradaveis.
i Agora que consignamos aqui esta noticia, in-
forma-nos outra pessoa, que igual phenonno tcm-
se dado na ra da Concordia, chegand&os seus ef-
eitos ao ponto de ter sido quebrado o. larapeao da
illnminacao publica, um candelabro de urna das
habitaces d'alli, etc.
Ora, que se deve fazer por prevenir semelhante
musa, de primeira vista ; e por isso chamamos a
altenciio da polica para ella.
Voltamos a lembrar a neeessidade de fecha-
rem-se as entradas do novo edificio do Gymnasio,
para serem evitados os inconvenientes queja apon-
tamos.
Alm d'elles, devemns acrescentar que so presta
o mesmo edificio, na forma em que se acha, a ser
guarida de quanto menino vadio ha, que o prefere
escola com prejnzo da sna cducacSo moral e in-
tellectual.
Fizeram acto na Faculdade de Direito no dia
23 do corrente, os seguntes estudantes :
Primero anno.
Antonio Domingos Pinto Jnior, plenamento.
Antonio Estevao de Olivcira, dem.
Deocleciano da Rocha Vianna, idem.
Jos Hygino Duarte Pereira, idem.
Segundo anno.
Caetano Maria de Farias Nevos, plenamente.
Eliseo de Souza Martins, idem.
Francisco Cornelio da Fonceca Lima. idem.
Francisco Jos Al ves de Albuquerque, idem.
Terceiro anno.
Antonio Luiz Ferreira dn Menezes Vasconeellos de
Drummond, plenamente.
Ernesto Botelho de Andrade, simplesmente.
Joio Zeferino Pires de Lyra, plenamente.
Joaquim Patriota Paes Brrelo, idem.
Quarto anno.
Americo Pinto Brrelo, plenamente.
Antonio Florentino Mindello, idem.
Augusto Coln da Silva Bios, dem,
liento Cicilianodos Santos Ramos, idem.
Quinto anno
Alfredo Sergio Ferreira, plenamente.
Remvenuto Emigdio Ferreira Guimaries, idem.
Hermino Francisco Geroncio do Espirito Santo, idem.
Fizeram acto no dia 24 do corrente, os estu-
dantes seguntes :
Primero anno.
Francisco Gomes Prente Filho, plenamente.
Alfredo Affonso Ferreira, idem.
Jos Lutosa de Sonza, idem.
Jos Joio Climaco do Espirito Santo, idem.
Segundo anno.
Ernesto Adolpho de Vasconeellos Chaves, plena-
me te.
Raymundo Honorio da Silva, idem.
Alfredo da Cunha Marlins, dem.
Antonio Ayres Larerda de Ch'ermoitt, idem.
Terceiro anno.
Jos Joaquim Ribeiro de Campos, simplesmente.
Luiz da Silva Gusmao, plenamente.
Manoel deSe Sonza Jnior, dem.
Raymundo Clementino Valente, idem.
Quarto anno.
Ignacio Antonio Fernandos, plenamente.
Joao Damasceno Pinto de Mendonca, idem.
Jesuno Jos de Froilas, idem.
Joao Jos do Monte Jnior, idem.
Quinto anno.
Milenode Torres Bandeira, plenamente.
Manoel Barboza de Araujo, dem.
Olympio Eusebo de Aroxellas Galvao, idem.
Bepabticao da polica :
(Extracto das partes do da 24 de outubro.)
Foram recolhidos casa de detencio no- dia 23
do corrente :
ordem do subdelegado do Recife, Marcelina
da Silva Paes Brrelo, crioula, por averiguacoes
em crime de furto.
.i ordem do da Capunga, Manoel Gomes de Pai-
va, branco, por tentativa de oflensas physicas.
O chefe da 2" seceo.
J. O. de Mesqmta. .
Por portara de 23 do corrente, foram conce-
didos ao guarda da alfandoga desta capital, Felino
Dunstano Ferreira Coelho, tres mezes de licenca,
com quatro quintas partes do respectivo sold, para
tratar de sua sade.
Por portara da mesma data foi nomeado o pa-
dre Ignacio Francisco dos Santos para fazer parte da
coinmissao de exames de que trata o artigo 20 do
regulamento annexo ao decreto n 1568 de 24 de
fevereiro de 1855.
Hontem tiveram lugar as festividades de N. S.
do Terco, em a sua egreja, e de S. Crispim c Crisp-
niano, no convenio do Carmo, ambas com pompa e
solemndade. Oraram na primeira os Revds. pa-
dres Mello e Grgo, e na segunda os Revds. Fre
Espirito Santo e padre Mello.
Ambos os templos achavam-se elegamonte or-
nados.
No convento do Carmo, no sabbado, procedeu-se
a bencao das imagens.e no Terco benzeram-se dous
sinos novos, que ltimamente vieram de Braga.
Deu sabbado a sociedade Corybantina a sua
segunda reuniio dansante, do corrente mez, que foi
concorrda por oitenta e tantas senhoras. Dansou-
se- at 4 horas e meia da manhia.
' A reuniao do Club Commercial, do corrente
mez, no dia 31.
O vapor Jaguaribe tira a mala no correio, hoje
s 3 horas da tarde, para os portos do norte de sua
escala.
Movimento da casa de detengo do dia 23
de outubro de 1863
SESSAO EM 30 DE SETEMBRO DE 1863.
Presidencia do Exm. Sr. conselheiro barao de
Montserrate.
(Secretario interino o Sr. Dr. Monteiro.)
A's 9 horas e meia abriu-se a sessao, achando-
se presentes os Srs. conselhejros bario de Mont-
serrate (presidente), Almeida, Siqueira, Veiga,
Cornelio Franca, bario de Pirapama, Pantoja, Bri-,
to, Silva Tavares, Ernesto Franca, Chichorro, Ma-
riani, Simoes, Machado Nunes e Messias de Leao
faltando com causa os Srs. Azevdo e Nabuco.
Leu-se e approyou-se a acta da antecedente.
EXPEDIENTE.
Oficios.
Da presidencia da provincia de Matto-Grasso, do
28 de julho ultimo, aecusando o recebiinento das
listas da antiguidade dos juizes de direito para ds- Por combinacio reciproca, assentada em dia da
tribuir aos da respectiva provincia, oqueonmprio. semana linda, resolvern) os negociantes inglezes
luarde-se. desta praca a nao venderem no anno vndouro se
Do Dr. juiz de direito Firma Jos de Mallos, de nao com o prazo de seis mezes.
31 de julho ultimo, enviando certido de seu exer- A solucao desta parte de importadores da nossa
cicio no cargo de chefe de polica da provincia de praca, apezar de ser dourada com o batimento de
Matto-Grosso, datar do 15 do mesmo mez.Ayer- 6 por cento, e por certo mais urna difficuldade que
he-se. se craao nosso pequeuo coma^erciojtao voxado
Requerimento. pela situacao commercial que nos trouxe a litier-
Do Sr. juiz do direito Dr, Antonio Joaquim Ro- dade indefenida do-crdito,
drigues, pedindo averbamento da copia do decreto Carece por tanto, urna tal resolucaq de ser re-
PERNAMBUCO
REVISTA DIARIA.
A saber
Existiam. .
Entraram .
Sahiram. .
Exstem. .
Naconaes. .
Estrangeiros
Mulheres .
Estrangeiras
Eseravos .
Escravas .
347 presos
2
1
337 .
239
22
9
3
60
4
337
Alimentados custa dos cotres pblicos. 141
Moviraento da enfermara do da 24 de outubro
corrente :
Teve baixa:
Manoel Joaquim do Santa Anna, syphilis.
Ti veram alta :
Antonia Luiz da Silva.
Jos Francisca do Paiva.
Luciano, escravo de Manoel da Rocha.
Passageiros do vapor nacional Qnmaragbe,
saluda para Macei e portos intermedios : Candido
Cava|oa,uti de Albuquerque, Antonio Borges da
Silvelra Lobo, Dr. Demostheaes da Silveira Lobo,
Amonto Fernand.es, Marcelino Rosa.
UHPQUC6DE TUOO.
NOITES INTIMAS.
SEOL'.NDA NOITE.
Alent e desalent.
C'est alors que le cel invite aux revertes;
Alors naissent au coeur les ranles feries.
Les songes de bonheur, les prestiges divers,
Et lesenchantementsd'un metjleur unvers.
" Tlllllf
Le passo n'est pour nous qu'un triste sonvenir ;
Le prsent est affreux, s'il n'est point d'avenir
VLTAIRE.
I
Sim, mo lembro ainda, era por urna destas oi-
tes magnificas...
Mas a la naquelle momento nao tinha tanto
brilho!
Aza de corvo pareca empanar-I he a fronte !
J nio tenho duvida, era o vaticinio de minha
condemnaco!
u
Tal vez nao te lembres...
Quem que se iembra de cousas que ha tanto
lempo se disse, e que se disse fugitivamente,ao cla-
rao do luar 1
En me lembro, njo grado meu!
Queresouvir ?Tuas roupas eram alvas como os
marmores de Paphos. Apenas um cinto preto,
bem ligado ao contorno da datura, faziamais real-
car a candara dessas roupas.
E eu as comparei candidez de tua alma !
No pescoco pendia-le urna pequea cruz esmal-
tada, presa jior urna fitiuha preta, lio preta como
teus olbos.
E assim eras formosa, como talvez hoje nio so-
jas, coberta das pedrarias da riqueza, vestida dos
custosos estofos da vaidade !
E corras pelojardm, alegre, Iigera, descuida^
da, como a borboleta inconstante.
Hoje j nio sers tao bella oomo outr'ora, hoje,
estreitada em abracos frios, indfferentes talvez!
E tinhas os cabellos cabidos em anneis, e a fron-
te lisa, e os labios hmidos, arquejantes os seios, a
voz trmula, e urna oovmha engranada no vertice-
do queixo..,
Bem vs que ainda me lembro, e muito I
III
Eu scismava ssinho, e dessas scsmas tu eras o
nico objecto, o pensamento nico.
A noite segua seu costumado caminho; e eu
julgava-nie um desgranado I
Na verdade o era, por que amava!...
Para que me fostes rasgar horisontes infindos de
esperanzas e desesperos, de aspiracoes e decep-
eoes, de desejos e de prantos 1
Tu me disseste .Seremos felizes ;e essas pa-
lavras, escrev-aseu contente no brasao de minha
existencia!
E essas palavras me soavam sempre aos ouvidos,
como a legenda do Mazeppa do Byron.
E essas palavras me reanimavam como ao L-
zaro da Escriptura a palavra consoladora de
Christo.
Mas tambem essas palavras derramavam a duvida,
a impaciencia, o desasocego em minba alma, e me
soavam, s vezes, traducidas nesto verbo tremen-
do impossivel.
Mas tambem essas palavras mataram-me !..
IV
Aza de corvo pareca empanar a face da la
quando proferiste essas palavras (
Eujulguei que ala envergonhava-se de nao
ser to bolla como o eras ento!
Enganei-me I era o vaticinio, negro, mas exacto,
de minlia condeinuacao!
Passaram-se muitos annos! Os furacoes atira-
raiii-ine para longe de ti !
Longc o corpo, mas ligada pelos los da saudade,
minha alma esleve sempre porto de ti.
Tanto que, para requinte das decep^oes, assistio
ella ao sacrificio que me dilacerou as entraahas
como o abutre de Proraetheu I
E nesse momento, solemne para a dOr, doloroso
para a desgraca, de?gi acado para quem se perdia
nos abysinos da impossibilidade.
Nesse momento de tantas contradices, nonhuma
das las lagrimas cabio sobre a memoria do infor-
tunio que cavaste, sobre a cbaga do coracao que
esmagaste!
O anjo lornra-se mulher I a mitlher sujeitra-se .
a rogra geral da intldelidade feminina I...
VI
A linda estrella que adorei finou-se...
Tudo acabou-se Ida esperanca a flor
Pendeu, caliindo sobre o p da estrada,
Murena, esfolhada, sem perfume e cor I
Tantas grinaldas que eu sonhel na fronte!
Tanto horisoote de dourado albor !
Que ses I que dias que esperei ancioso!
Que mel gostoso! que adorado amor !
Tudo acabou-se 1 j no co escuro
Do meu futuro nenhum raio luz I
A garca branca no pal manchou-se,
Tudo acabou-se I so mo resta a cruz !...
Ainda vivo, ella vive,
Por lei da sorte inconstante;
Da morte eu sigo o declive,
Ella feliz neste instante.
Ella vive dos carinhos,
Que a sorte prodealisa,
Emquanto por sobre espnhos
Minha vida se desliza.
Qu'importa ?sao duas vidas
Sem nenhuma relacao;
Sao duas almas perdidas
Por fatal condemnaco.
Va-
Nao ha duvida, realisou-se o vaticinio!
Aza de corvo empanou a face da la quando se
me promelleu a folicidado t
Seremos fehse fPromessa engaadora I
Nao! nunoa hei de ser tollzl a feheidade nao-,
se fez para mim I
Se ha felicidade no tmulo, essa ha de ser a
minha certa, a minha nica felicidade I
Se nao ha, nunca mais hei de ser feliz 1

Na Revista Popular se l o que segu, subscripto
pela Sra. Ignez d'Hnrla, sob denominaco da
Belleza e lealiadt na mulher.
A verdadeira sciencia de urna mulher S ser bel-
la ; o estudo e os lvros nao serve se nao para a
tornar insupporlavel.
Urna bella mulher agrada aos ohos, ama boa
mulher agrada ao coracao: urna urna joia, outra
um tbesoui
\


MUTLDQl


I
i

-
m.
triarlo de Pernambuco

- segunda lelra t de Outubro de I8SS.

0 primciro
a maior parlo
n'orrcimcnio damaihercs para com Recaa em quem recair a- escolha de Per-
itos
homoBs, screm linda;:, eo,narnbuco, seja ella, poroi, digna dessa 'pro-
^^{^SWnSKTpTtoineia Ilustre por tantos titules, tal o meu
'jolitos diflerentes por tantas desejo.
mulheres bonitas
outras, e vista _
pessoas quantas a olnam : as
vwSwfa com inveja. as feas com despeno, as ve-
to com pesar, a juventude com transporte. _
A belleza o ohjecto tnais ordinario da ambicao
tas mulheres, por (pie sabem todas as vantagens
As niulheres celebres por algama belleza teem
seutpro a toueura de tomar por 'considerarlo a fri-
^ffi^futtfV uma mu.her con- 0 Sr. Dr. Jernimo Vilella de Castro
serva toda a vida. TavarCS.
A fealdade as mulheres um peccado, que so ^om e fim ae tirar a ]mpo e desfezer as injus-
a hontode capaz de extingir. ^ tas e gratuitas aggressScs de um pasquineiro ab-,
Acceite V. S. os sentimentos de alta esti-
ma e consideragaocom que rneassigno.De
Y. S. patricio e creado respeitador.
Joaqwm Saldanha Marinho.
Rio de Janeiro, 20 de junho de 1863.
la minha anterior correspondencia publicada no da fraude e da viofencia permanece anda em
DUu io de 16 dt) corrente mez, assentou injuriar- iqq 0 ggU vigor e pureza.
me em um despacho por elle proferido no reque- *npsar p. t,Ki0 nrpvinn n nnhlioo o nro
rimento, que lhe fiz pedindo-lhc, que men irmao! *p! ,H? )^*.Pr^mo .Pu.b,,coe Pre"
entrasse para os cofres pblicos com 5:816*77* V,D0 a administrarlo da provincia que eu e
pertencente a minha mai, de quem elle curador os meus amigos temos resolvido nao aban-
sendo que s despachou este requerimento depois :-,]onar 0 exercicio de um direito que a cons-
deum mez qiie teve em seu poder como se ve das .....o nog con(.Pfip ft ri1fnr; ciHadns
datas do seu primeiro e segundo despacho. i lllu'vao nos conceoe, e que como cidaaaos.
Por este modo avahe o respeitavel publico como altamente presamos. Portanto, correrao
o Sr. Dr. Ernesto de Aquino Fonseca converte o por cont e risco de quem pertencerem as
sea emprego, em instrumento de seus desabafos consequencias resultantes de quaesquer pro-
SSS^^lSST ne^icedimentosquenospossamdiiculU1rouim-
que apenas tem o carcter judicial
Continu porm o Sr. Dr. Ernesto a ultrajar-me
me seus despachos, e a maltratar as partes, que o
proi-iiram em sua casa, como tempraticadocomigo,
(me lhe sabe perdoar estes assoraos do seu mo ge-
t a>n\ nnxtA il* uno X\H,"k U1 tMt-l/, Un An ji , a hondade e capaz ae exungir. tas e gratuitas aRgressoes de um pasquineiro *d-, i ^ aneootrar
Afcaldadeeabellezadependemdocapnchoe ^provoque, o Sr. Dr. feronymo Vilella de! J^
a imaginario dos lioniens. Castro Tavares para que assumtsse a respon- ^om^Q bem merccida.
que as chamen feias. ^lo dva orara fa Cldade> sem exeepcao de urna s pessoa, e-at i pc,-dVTcura"'ino^iiocele'c^"iexWloR*-
^!*L2^!Si.SLi^TS ^c,?nJ"i^Jn^KiU.,do^T^m0&G,ihor'Sabm de moralisar alguem, mas deixo de o facer, po^
A fealdade dlfflcil agradar. E por isso que as sa|)ii,iade das calumnias contra mim vagamou-
racHtcrcs, que a natureza fez para agradaren), nao te allegadas em um papeluxo, que todos
tohram ""> Mummii feias. Certo dva forf
da corte se linhamorteniente injuriado urna a ou> seT de sua exclusiva redacto,
tra Cliamaram-se ellas feias r perguntou o au- q Sr Dr. Vilella no Diario de 24 do'corrcnte
que. Isso nao. f.ntao liem esta, eu me encarre- respondeu-me com o seu nomc, declinando da pa-
go de reconcilia-las. ternidade daquelle miscravel pasquim, nao ousan-
Uma mulher muito fcia, vendo a sua fealdadc ao do> anles ^1^0 com todo o cuidado autorisar
sttelbo, enraiveceu-se o f-lo m cem jiedagos. as aleivosias, com que fui covardemente insul-
Qual loi a consequencia ? Foi que o espelho, que tdo
s a tinha representado (eia urna nica vez, a re-
tempo
Quanto ao que o Sr. Dr. Ernesto de mim diz de
si: injurioso uesse despacho, eu poderia responder ao
que com elle nao me quero parecer o despreso os
seus desaforos.
Recite, 24 de omubro de 1863.
A. Cunha S. Guimares.
presentou eia cem vezes
Pode comparar-se urna m-rfltrcr bella, mas que
nao se nao bella, a urna daihia ou qualquer outra
flor sem perfume, e urna mulher feia, as boa, as (
florsinhas que calcamos aos ps e qne embalsa-
mam o ar-, urna deleita a vista; a outra agrada
ao cora<;ao e dilata a alma : esta insimia-scemuosi
aquella-contcnta-se com facer-se adr.ilrar, etc.
COMMNICIDOS.
Illm. Sr. Or. juiz de nrphaos.Diz An-
__lio da Cunha Soares Guimares que dos
eu anon\-mo, vago, c despresivel calumniador. de Bnto I aborda como curador da mai do
pedir o exercicio daquelle direito, a que nao
estamos dispostos a renunciar.
Recife, 23 de outubro de 1863.
Manoel Jos da Costa.
dido a sua influencia vivificante ; e sua salu-
tifenk operado as affecces do figado nio
por certo a menor das suas recommenda-
gesj
Nos casos de debilidade geral torna-se el-
la napreciavel como vigoroso restaurativo
de todo o systema.
Acha-se pois venda em todos os princi-
paes estabelecimenlos pharmaceuticos do
imperio.
COMMERGIO.
NOVO BAJVCO
DE
PERJlAlfllllJCO
O Banco toma saques sobre as pracas do Rio de
Phtyslca.
O xarope etherio de veame por mim preparado,
muito tem aproveitado aos que sonrem desta mo-
lestia, e de lamentar-se, que, no obtuario desta' Janeit-o e Rahia.
ciliado a maioria dos que sucumbem de tubercu-1 -----
los pulmonares, sem procurarem o recurso do | Alfaodega
pratico e do expedente, que Ihes podem encami-1 Rcndimento do dia 1 a 23.......
dem do dia 24................
pracas
ssava. ... 105000
8,8000
dem de ca -.atiba..... (54000
Vinagre. canada 60f>
Alfandega de Pernambuco, 17 de outubro d
1863:
(Assignados): ^
O 1. conferente, Pedro Alttonrino de Barros
Cavbante Ijirera
0 conferente, Jos Tkomtu de Campos Qua-
resma.
Approvo. Alfandega de Panambuco, 24 de
outubro de 1863.-Chito/Ao fim.
Conforme. O 4.' cscriptur*ffj /00o dos San-
tos Portn.
Reeebedoria de renda* Internas
eraos de Pernambnco.
Rendimcnto do dia 1.a 23........ 38:379*484
Idemdodia24................9 2:149*380
40:528*864
Consulado proTluelal.
Rendimento do dia 1 a 23........ 18:989*588
dem do dia 24................. 611*159
em
meu _
Retife, 26 de outubro de 1863.
Francisco de Armjo Barros.
313:762* UH
7:420*422
321:182*826
29:600*747
iovlmeno da alfandega
Li o rotatorio ou ofllc
de polica Abilio Jos
ao Exm. presidente da provincia de sua missao es-
ta comarca.
Pouco me imperta, que o Sr. Dr. chefe de polica
nada vissa de notavel na sua^olieia, relativamente
. a eleicao, a cuja continuacao veio assistir.
Que achasse covsa trivial e comesinha, proresso
Illm. Sr.-* OCeasilO f^.^.^01"^ e plisao dr atores, com qem se nao contava pa-
que esta heroica provincia vai exercer a mais ra a votacSo da mcsa a|nda quea pris5o do eteltor
sublime e ini|ortanle funeco da soberana jesuino que foi acto todo seu, cerno declarou;*
nacional apresenlando sabia escolba do um aclo que nao Ihu faz multa honra,
noder moderador tres nomesdistinctos para Que nao encontrasse fado algum por onde po-
jwuei hiijuci .iu^i j-;.-,!, nA oonaln desse infer que o delegado tomou parte Mita
opreenchimento da vaga deixada no senado m eles5oe ,& 0bservou as circulares dogover-
nuSs* subida, que um cTdado pode proteo- nSa de S'azareth para a captura de um eleitor alia
der de seus patricios, a de ser contemplado ^'0',ireMrnlo0procurasse moraisar a causa 3c taes
Jm urna lista trplice para o lugar de senador prooessos.
do meu vigoroso dever explicar-me. e ma- Que finalmente, nao descobrisse nos contrarios,
nifestar com franqueza meus principise nem ao menos um hornero, a quem umbein ouvis>e
micaui wii i. \ l r ,- sobre os acontecimentos a respeito dos quaes tenha
sentimentos para que os meus conciuadaos ^ informar
fossam em sro consciencia julgar-me. y^ nao ^q jefxar passar sem reP*ro dous
Sinto-me acanhado em minha prelenco, trechos do mesmo relatorio, que a miro se refe-
iuando considero a importancia do manda- rem.
vi conferir miiulalo um delles :_0 unico fart0 aPontado I*10 Juu
u' Voluntes entrados com fazendas.
com gneros.
Voluntes
>ahidos
com
com
fazendas...
gneros...
63
343
140
62
406
702
nhar o mcio do sua salvacao.
0 Sr. Urag com toja de ferragens na roa Direita,
tonio da Cunha Soares Guimares que dos!foi desengaado por dons habis mdicos, acha-se
bom com o tratamenlo por mim prescripto.
A Sra. Jeronyma Maria da Conceicao, moradora
na travessa do Monleiro n. 10, achande-se desen-
supplicante D. Francisca Thomazia da Con- ganada, tambero mim recorreu e acha-se resta-
ceicSo Cunha em i i de fevereiro do cor- bclecida.
ron'tp annn mostra-sc oui py <;r nr PhPfrl. ir "*1."*" Wsie "e~l "* do Cabo, acha-se bom,como se v de sua cartaabaixo
* "> Ka du cnSlta *a,d0 l'qu"*o de cinco contos oito centos transcri'pUi ak;rn d'e outros factos qm poderia
^la^.^b!..y:L deseseis mil setecentos e setenta C^Oatro a(JU mencionar. nescarrepam no dia 26 de outubro.
ris, 5:81041774,0 anal foi entregue ao actual A phtysica a dtstruicao e a magreira de todo Brigue inglezKattu FAlenmercadorias.
curador que meu irmo Joao da Cunha. c<""l>o, em cunsequencia de chagas, tubrculos, e Barca portnguezaS. Jf. //pedras e sal.
qZrZ C nimirM concrecSao dos Iwfes e de empyema, atrophia ner- Brigue portuguez -Mercurio mercadorias.
acwies uuuiididco. vosa, e outras molestias que viciam os humores,! Brigue in'lezZoiie-'icm
E poique a le expresamente ordena e comoescorbuto,alporcas, gallico, asthma, bexigas, Barca iii"Teza Anndem,
todas as consideracoes aconselhem que os' sarampo, ele. Imuortaco.
saldos lquidos se recolham quanto antes \^jgei^^iiiSSS!a'\ *** ponngu*,jfem.p entrado do Porto,
cofre, onde nao s est5o mais seguros, se- B^RSpCt SSEStf arKmp? ^nSdo a Mar,'ues c- manifestoa
nao tambem vencendo os juros da lei, O sup- exercicio conveniente c dieta, a qual nao deve ser SL% iVarrU im. h
pilcante que como filho interessado e nO de nenhuma mm quente, ou de difflcil digesto; ruh' ir,ia0s lxesv"ino'
(ininiso) na boa adminislracao do sbens de ab*bida cumPre^ue "* de na,uma braBda eI noiifles vmho, 2 ditos palitos;
pelo fallecimenle dovisconde de AIDuquei- no,eque atojulgasse digno de louvor, pete- sua mai, e no zlo,e aproveilamentodeseus f^" n almpn,n ^ h. a. Air.air, inoi,ar, Luiz de Oliveira Azevedo & C.
que e quando eu veitho sollicitar a honra a ulgmc^jae um en. nao awgr J*lffg rendimentos; vm requerer V. S. sirva-se acrimonia dos iZ.or e a nutrir, VwSSr o I g vinaere- > J^rta sardinhas e 70 sac-
mandar que o dito curador recolha inconti- doente, para o que preeiso reduzi-lo ao uso de. WJJJ J K^ 0%ito ^ mesm0
Joaquim Gomes da Cruz.
135 canastras albos, 8 caixoes pregos, 2 ditos
chyl'o fresco opprima os bofes, e ccelere muito a
autos por linha, Recife 22 de se- circulacao do satgue.
to, que a provincia
1 dito linha 5
a Antonio
nente ao'cofre o mencionado saldo. Pede *e9**a e d* .
i V S lpfpriinpntn F R M a cou,iaa e ncl,1"a> iue se tomar ha de ser
Antonio da Cunha Soares' Guimares. ch^fr^^ ,mac ,0 di,os pa* fc 8 *
NOS autos por linha. "*'r "A> ammm enxadas, 14 saceos rolhas e rolhoes; a Manoel
tembro de 1803. Muitos doentes desta molestia se teero entregue
Aauinn Fnniecn ,0 uso do leo de &%*&<> de bacallao, e outras pre-
. A(/uinopomeca. paracoes de resinas e blsamos, sem que dolas
Em porlaria, expedida n esta data, acabo ,enham tirado proveito-, e alguns expositores de
de providenciar sobre o destino a dar-se ao medecina combatem com muita razao esse trata-
saldo de que falla o supplicanle, e que ve- ment.
o mais alto alcance, ja por sua mturen de 0 elcgauo pedi,ra votos a0 rarcel.eir0 m quaidade I riquc dos autos ter recebido de Ignacio Luiz _5.g!gg. "gg gg* Sffg
irrevogavel, -ji pela gravidade de seu objec- de eleitor (eu nao disse croquequalidadej.segundo *J _=.. -n... ...^--------..... -----5__ a. ~,3
10 e influencia que deve exercer nos desti- o mesmo carcerciro lhe declarara, e a muitas pes-
nos do imperio sendo por isso qoe COm -:' "tas contra ,sto protesta o ***>_ carenen
zo exige a constituigo o candidato seja pes-
soa de saber, capacidade e virtudes, com
preferencia os que tiverem feilo servicos i
patria.
Nao me desvanece de possuir os reqmst-
tos precisos para bem desempenhar o man-
dato, cante os illustres Pernambucanos,
que seapresentam, me reconheco e confesso
o mais fraco e o menos digno, e se me de-
termino a pedir os suffragios de meus conci-
dados. fundado smente na pureza de mi-
nhas intencoes, no desejo de servir ao meu
paiz, e na certesa, que tenho na pro|>ria
consciencia, de empregar os esforcos, que
em mim couberem, para o melhor cumpri-
menlo de meus deveres, animado nica-
mente por tantas demonstraos de estima e
confanca. que hei recebido de minha pro-
vincia natal, que penhoram em extremo a
minlia gratidSo, c me induzem crr que
alguiaa cousa merefo no cooceito nobre e
generoso de meus comprovincianos.
Meus principios sao bem conbecidos, e
desde o anno de 1830, em que enlrei na
scena poltica, sempre os teolio sustentado
com sinceridade, dedicaco e dignidade. En-
lendo que a liberdade o lim essencial das
sociedades civis, e felizmente a considero as-
saz garantida em nossas instituicoesunda-
men taes, precisando apenas de nlgomas re-
formas as leis regulamentares, que a lor-
nem elfectiva na pralica, e a asseg-urem
melhor contra os abusos e vexames da forga
e do arbitrio.
Applicaret os mais serios cuidados no in-
tuito de occoirer decadencia da agricultu-
ra, commercio e industria, que olhosvistos
definham e demandam urgente proteccao.
Com estes principios -soHicito de V. S. o
seu voto e valiosa coadjuvacao, c se lhe me
recer esla prova de sua honrosa confianca.
terei no maior apreco e agradecimenlo a
parle que V. S. se dignar de tomar em
minhn eleir^o.
Com a maior considerago e eslima sou
de V. S., pairicio e correligionario obri-
gado.
Urbano Sabino PcssiiaJe Mello.
Recife, Io de setembro de 18C3.
n'vma declaracao por copia junta, feita em pre
seura de mu tas pessoas, como consta do auto de
perguntas ao mesmo carcereiro.
O que em boro portuguez qur dizer: que a as-
severaijo do juiz de direito nao e verdadeira, por
que o carcereiro o aflrma negando que tal cousa
sao disse.
Entao Sr. Dr. Abilio pareceu-lhe que eu era ca-
paz de improvisar o que disse, nao assim?
Nao acertou com outro caminho por onde podes
se
minha
caro
da,..
c oro sua casa, onde se achava hospedado o Sr. Dr. *
chefe de polica, sustentar aquillo que to exponta-
neamente me referi e a muita gente ? N'esta par-
le limitme ao documento abatan transcripto.
O Sr. Dr. Abilio, que tao cise das attencoes de
collcguismo, e que em minha casa se mostrou tao
sentido por haver sido um collega, o Sr. Dr. S,
quem redigio e leu o proteslo,em que o seu procedi-
mento na ceico daqui fura uVsngradavelmente
qualificado, ponpte nao evitou ferir injustamente
a um seu coilepa, que nunca o offendeu, e antes
sempre o tratou com todas asattengoes, nao s por
este motivo, como tambem j>ela sua posicao, em
nada inferior a de chefe de polica ?
Acredito que tinha lodo dir-eito a ser mellior
de Brilo Talwrda, o aclual curador da m3i Cm vez de tirar a causa augmentam-na, esquentan-
do mesmo supplicanle. de o sangue, ao mesroo tempo que tiram o apetite,
Posto que seja rasoavel e deva ser orde- relaxara os solidos, e sao de toda sorte perniciosos.
nado o emprego productivo do saldo alludi-! J^- *^$T^*
do, como requereu O supphcante nesta pe- medos de natureza acida, detergente e calmante.
licao, com tudo, n5o pode estejuizo reco- Osaccidos possuem a virtade de produzirem
nhecer que o mesmo supplicanle o fizesse,bons effeitos nesta enfermidade, pnrque, naos
nnr 7AI0 npln aiiffmpntn da fnrtnn rl sua eontr'.1"'Rra aapagar a sede quando acoinmette a
por zeio pelo augmento ua lortuna ae sua febre-cl|lica) mas uunbem a refrescar o sangue.
mal; ja porque nunca requeren elle seme- o Sr. Amaro Januario Francisco de Paula, mo-
ldante providencia em relacjloao antecessor rador no pateo do Terco n. 26, tendo sido desenga
b., que anlenormenle
metlido provisoriamente, houve-se de peior
modo; pelo que foi destituido logo que
islo reconheci, poucos dias depois de ter
eu assumido a vara; destituido que foi
confirmada pelo superior tribunal da rela-
(o; sendo que, para complemento de sua
m adminislracao, mostrou-se o mesmo sup-
plicanle, ao prestar as suas contas, al al-
cangado para com o casal em a quanlia de
2:8o3#l9i! rs.,pela qual, nao podendo abso-
lutamente paga-la, falla de meios, segundo
que o viam no estado i
acommettia, minha ,
^Tp^llTl^^^^S declarouem juizo, e sendo improficua n'es-
coro admiracao daquclles
em que se achava.
Quando a febre cibica o
prescripeao era o seu alivio.
Mandva que dissolvesse o sueco de um limao
cm urna chicara d'agua com bastante assucar, e I
cm um copo grande misturar com um papelinho
dos pozes refrigerantes para tomar, com que ali-
viava, e pela manltaa o xarope etherio de veame e
plalas alcoolicas do mesmo.
I'enho aconselbado que faca uso dos vegetaes de
natureza acida, como laranjas, limoes, pitangas,
etc., eapplieacaode plantas amargosa, que forlili-
cam o estomago, e servero ao mesmo lempo para
destruir e mitigar a sede.
A Sra. D. Joaquina Anglica de Sa Barreta, mo-
Duarte Bodrigues.
20 barris pregos, 50 caixoes linha, pentes c bor-
d5es, 1 dito penles, freios e picadeiras ; a T. Fer-
nandos da Cunha.
13 caixoes cola, palitos e macolla, 34 saceos ro-
lhas, 4 ditos cola ; a Palmeira & Beltrao.
40 canastras alhos, 2 caixoes toalhas ; a Carva-
Iho & Nogueira.
10 fardos archotes, 66 barris pregos, 1 cunhele
pentes, 1 dito retroz, 1 caixo linha ; a Antonio de
Almeida Gomes.
10 barricas sardinhas, 1 caixao pomada, 1 dito
macella, 1 dito sapatos, retroz e cordita ; a Este-
vito da Cunha Mcdeiros.
1 caixao pentes ; a Guimares & Luz.
40 canastras alhos, 4 amarrados e 1 cexto obras
de vime, 12 saceos e 50 cextos rolhas ; a Antonio
Lopes Braga.
6 barris azeite, 1 caixao sapatos ; a Francisco
Gomes de Mattos Jnior.
20 caixas pomada; a T. de Aquino Fonseca
Jnior.
1 rolo sola ; a Luiz Antonio da Silva.
3 caixas linha; a Jos Joaquim de Lima.
1 caixao livros ; a Jos Joaquim de Lima Bairao.
1 caixao chinellas; a Manoel Jos da Silva Fil-
gueira.
2 caixoes bombas, canos e pertences -, a Joaquim
Bacalho......
Batatas.........
Boiachinha......
Carne secca_____
Caf.
Illm. Sr.Tem Pernambuco de concorrer
agora com o seu voto para preenchimenlo
da vaga que no senado (eixon o Sr. visconde
de Albuquerque. A lisia trplice que para
isto, e segundo a consliluirao [>oliiica do im-
perio tem de ser apresentada escolha da
corda vai rer confeccionada.
Pe nambuoano, seria para mim de altis-
sima importancia merecer dessa distincla e
heroica provincia a honrado sor contado en-
tre os seusescolhidos.
Assim, poi, apresento-me candidato lis-
ta trplice para senador, emcuja eleico vai
a minha provincia empenhar-se agora.
Meas principios polticos sao conhecidos.
Na imprensa, oem como na trihuna parla-
mentar, tenho-me definido claramente.
Nao cedo desses principios, nSo transijo,
nem transigirei jamis a custa delles. porque
os reputo os mais eantos, visto envolverem
eurana de liberdade constitucional, e con-
duzirem prosperklade e progresso do
jtaiz, moralisaco e legilimidade de wta ad-
aninistracaa.
Se leudo andado bom caminho diga-o ago-
ra a provincia onde nasci: respeitoso me
aprsenlo a olla para ser julgado.
ire tantos, tao Ilustrados e dignos fi-
jhos di; I'i'inanibiico, otisada lalvez minha
apresentacSo. Sirva-me, porm, de des-
pulpa (i "ramlt derj'jo que natro de ser til
essa jh ovittea e ao paiz, ea subida honra
de ser por ella distinguido com to alta pro-
va de-confia 1 ira.
Se isto pode justificar minlia prefencjJo,
.permita V S., que eu sollicite sua valiosa
coadjavago em prol da minha candidatura.
i' poderoso o concurso de seus servicos, e
[>or tanto lhe rogo que acceite a minha apre-
sentacao e a tome sob seus cuidados.
Itirigindo a presente V. S. compro
quanto devo sua pusico, emerecimenlos;
mat 8I I citando o seu apoio, nSo desejo o
menor sacrificio de eonsciencia.
A escolha que fi\ a provincia proceder
- de summa importancia para o seo futuro;
ella, pois, deve presidir a mais ampia li-
berdade, moHa calma e refleio, perfeilo
(lesinteresse pessoaf, e
de inventario dos bens da mai do suppli-
pon (p
ltecife 23 de outubro de 1863.
Aquino Fonseca.
PBLIGACOES A PEDIDO.
Tendo o Exm. Sr. presidente da provincia exo-
nerado, a seu pedido, o muita digno subdelegado
do Recito o Sr. Antonio Gomes de Miranda Leal, os
mente, repillo com toda a dignidade, que me
propria, a nsinuarao vil que tao indignamen-
te me atirou.
A minha palavra, que gracas a Dos anda nao
foi -estragada cm torpes interesses elcitoraes, nao
ha de Hcar amesqumhada em jogo com a do Sr. Dr.
chefe de polica, cujas assereoes tem sido contesta-
das, e cujos actos tem sido tao reprovados pelo tri-
bunal da rclacao! !
Eiso outro hecho : Com referencia a estes tac-
tos devo, entretanto dizer V. Exc. que reputo por
valioso o tcstemuiiho das pessoas referidas, e cujos
officios a este acoinpanha, como disse, e especial-
mente o do juiz de direito da comarca (muito obli-
gado) o qual com quanto se recusasse a diz-lo por
etcrtpto, como me promclteu, (falsidade) declarou-
me com tudo verbahnente que na sua opimao nem
ojuiz de paz eslava armado de punlial, nem o de-
legado o Uvera tambero, e nem ferira pessoa al-
gtuna.
O que eu disse ao Sr. Dr. Abilio, quando cm mi
nba casa conversamos, o que est no meu olli
ci; nao lhe promelti mais do que isto,apenas|ellos os senhores :
quando o Sr. Dr. diere de polieia se despedio de j Tenente Jos Pedro das Nevos, de l." supplenle.
mim, cu ja recetando din-idas (nao servio a cautel- Capitao Jos Baptista da Fonseca Jnior, de 2. su
la) exig que me ofliciasse para lhe dar mais in-
formacoes por escripto.
Foi oSr. Dr. chefe de polica quem me disse, ao
sabir, que ia einittir nesstt termos o seu juizo
presidencia.
Naocostumo a fallar de um modo era particular,
e publicamente de outro.
Se quera unta inforniagau mais a goslo, para
quese dirigi a miro?
A mais lempo nao dei, como
respOsU ao Sr. Dr. Abilio, porque s a pouco pude
oliter o numero do Jornal do llerife, em que vem
o seu dito relatorio.
Pao d'Allio, 8 de outubro de 1863.
Delpno Augusto Canteante de Albuquerque.
DOC.lMK.NTO.
Jllm. Sr. Dr. juiz de direito Delfino Augusto
Cavalcantc de Albuquerque. Constando a nos
ab xo assignados, que V. S. na qualidade de juiz
de direito desta comarca em cilicio que enderessa-
^ Rodrigues Duarte.
1 caixote pentes, 24 barris pregos, 1 caixao li-
nha, 4 ditos fechaduras, 7 cunhetes fouces, macha-
dos, sachos e feixos ; a Antonio V. da Silva Bar-
roca.
7 caixes obras de prata; a Moreira & Duarte.
1 caixae imagem de prata ; a Joao da Cunha
Magalhes.
ALFANDEGA DE PERNAMBUCO.
PAITA DOS I'RKCO DOS GENKROSSl JEITOS A DUtEITO DE
EXCORTAQAO. SEMANA DE 2G A 31 DO MKZ DE
OUTUBIO DE 1863.
Mercadorias.
tas circmslancias a pnsao a que poda ser radora na ra Direita n. 100, tendo unta sua es-
siiiftlln fienn rlphinrln nai-a rom o mpmn crava fallecido ha poucos das submetttda aotra-
siijtto, licou aemiaao paia com o me.mo tamento de sen medico, rcsolveuprocurar-me para Abanos. .
casal, asignando com sua muiher o respec- tralar ,ie unl outro cscravo, quesoiTria da mesma Agurdente do cana.
tivo termo de obrigaejio, como foi resolvido enfermidade, prescrevi-lhe o xarope e as pilulas dem restilada ou do reino
por esle juizo, O que tudo consta dos autos de yelame, tem melhorado consideravelmente. | dem caxaca......
.. II Cl T.r.iliirt \in-iiw-i.. UdKhn.' -. >li-i iiil< >...-. i I I.l.iiii i' 11, I i -i
Unidades. Valores.
. cento 15'i00
. canada 500
Sr. Temoliao Amancio Marlins, achando-se
gravemente accominettido tiesto molestia, nrocu-
rou-me ltimamente, dizendo-me, que tendo sido
desengaado pelos seus professores, desejava cu-
rar-se pelo tratamenlo do veame; com effeito a-
chava-sa no estado de gravidade: appliquei-lhe as
preparacoes de rjame, consegu restabelecer-llie
. um pouco as forjas, e metigar a tosse c a febre,
coro o que, a meu consellio, podo transportar-se
para o lugar da Gameleira, donde tenho tido no-
ticias achar-se melhor.
Quando alguem se v com tosse vai ao medico,
este o examina e declarao senhor est afectado
arroba
oediru'n demiadt d in"nectores de as uUimas estaVoes de Gameleira e Una, lugares
HiSa SSacia os enhores i Derl do ,Jnit0 e dli oulros PontS (lue eonsi-
* da (k.sta sennores deradosserlao> quanl0 mais |Ue os raesnios luga-
plente.
Capilao Caetano Ciraco da Costa Moreira, de 4.
supplenle.
Anaslacio Jos da Costa, de 6. supplenle.
Tambero
quaneirao da
Anaslacio Jos
Gabino Jos Baptista.
Francisco Xavier de Moraes Jnior.
agora o fa^o, esta Pedro Jos de Siqueira.
Francisco Games de Figueiredo.
Jos Patricio de Carvalho e Silva.
Jos dos Santos Villaca.
E consta nao terem feito j quasi todos os ou
do; e assim explicm muitos expositores de me-
dicina.
Ora, nesta provincia temos facilidade boje o
recurso do ar ; porque a va frrea nos proporcio-
na, pois que em pouco lempo unta pessoa que
existe nesta cidade fcilmente se transitoria para
res j nao sao roaos, segundo, pens, principalmen-
te no vero.
Mas dir-se-haunta pessoa pobre nao tem mais
de se transportar o d'alli estar isso se respon-
de, que, naquelles lugares existem casas vasias e
allugaro-se por preco commodo, e mesmo muitos
genetos de primeira necessidade, all se vendein
tros o mesmo pelo receto que tero de seren cha-; l,el.os ,nmos >rcos 1 aqu.
madospara a guarda nacional: e tal a estima1
que gozava oSr. Leal para com os seus amigos seus
supplentes, e para os seus inspectores de quanei-
rao, que todos lastimaro essa desoneracao, sendo
que os proprios soldados urbanos que estavam
ra ao Dr. chefe de polieia asseverara que ao car- servico daquella subdelegacia pediram muda.
cereiro da cadeia desta villa Cosario Kmigdio de
Figueiredo, o Dr. delegado de polica pedir votos
e que isla assegurara 0111 consequencia do dito do
proprio carcereiro; constando-nos igualmente que
o mesme carcereiro em um termo de doclaracoes
que zera em presenca do mencionado Dr. chofs de
polieia negara esse fcto, tomados de indignacao e
sem inorajjsarmos esse procedimento, deliberamos,
muito livre c espontneamente vir com o nosso
testerounbo-corroborar a assen;ao de Y. S. de que
cima faltamos.
Pode niio ser verdadeiro o (acto ue ter o Dr. de-
legado pedido votos ao carcoroiro,' nem os
o aflirmamos; mas o que nao solTre d 11 vida algu-
ma, que em eisa do lenente-eoronel Luiz de Ai- sustentado pela opinio da
Aquellos, pois, que esliverem nestas circuns-
tancias, eu Ibes facilito explicar os meios pelos
quaes se devem reger, e lites fornecerei os medi-
camentos gratuitamente.
Nao deixarei dn advertir ao publico, que as mi-
nhas preparacoes de velante sao reunidas com ou-
tros ingredientes, e com alies tenho obtido ptimos
resultados; nao se engae o mesmo publico com
outros, que por ahi se annunciam, cujas prepara-
Srs redactores.li tive occasio de in- ci5es 'e,"01""- as?'m co,n aproveiamento delles
i,i-.,i,.n.i., .n./L..'...... aos enfermos, a quem por ventura tenham sido
teuar o publico de todas as uolencias e tro- a|)piicados; JwUom responde por si, c eu afflrnw
deltas que foram pralicadas pelos amigos e com verdade o que aqu tenho relatado, cujos mc-
agentes do governo, na eleicao que se pro- dicamentos nesta provincia s vendo em minha
cedeu na freguezia de Ipojuca, em 9 de a- bolica na rua Direita n-..8?-
gosto prximo passado. N'essa occasio os-
lentou-se 0 apparato possivel de forca e a- Nazareth do Cabo, 7 de setembro de 1863.-Illm.
meacas para conseguir-se um fim, embora Sr. Jos da Rocha Paranhos.-Com o maior prazer
nullo e immoral; porm, firmado na lei, e levo ao conhecimenio de V. S. que o doente, que
immensa maioria V" S" achava'se a"ii*lran(l-|he remcd'os-
Jos da Rocha Paranhos.
em presenca de V. S. e de omitas nutras pessoas,
em cujo numera se comprehendem alguns dos
abai&o assignados o que se segu, pouco mais ou
monos : que o Dr. delegado o maudara chamar e
lhe pisdira o seu voto de eleitor supplente, e leudo
resposta negativa allegando elle carcereiro que
assim proceda por motivos de gratiaao, fora des-
pedido coro enfado pelo mesmo Dr. delegado, que
entao lhe disse, dando-lhe a entender que seria de-
mittiilo : vi ao Sr. Joao Anaslacio e Luiz Maranhao
que o sustenem no emprego e lhe deem de co-
mer.
Esla mesma historia foi rejtetida em muitos ou-
lliulihsar to- sent, tendo desaparecido no todo a tosse, tem
8 i d'aqueHa" freguezia, "cosegui"'
das as artiinanhas
Agora, na
der no dia pr
futuro, para eleitures de senador, continuam
dem alcool ou espirito de agua-
ardeule....., .
Algodao ero raroco.....
dem em rama ou em la. .
Arroz com casca......
dem descascado ou pilado .
Assucar inascavado.....
dem branco........
dem refinado.......
Azeite de amundoim ou mendo-
bim.........
dem de coco
dem de mamona
menticias.
(linaria, propria para
mbarqu'
dem lina.......
Caf bom.......
dem escolba ou restolho .
dem torrado......
Caibros........
(^il..........
dem branca......
Carne secca (xarque) .
Carnciros.......
Carvo vegetal.....
Cavernas de sicupira .
Cera de carnauba em bruto,
dem idem em velas .
Cha.........
Charutos.......
Cevados ((torcos).....
Cocos (seceos)......
Colla........
Gouros de boi, salgados .
dem idem seceos espichados,
dem idem verdes ....
dem idem cabra cortidos. .
dem idem de onca ....
Doces seceos.......libra
dem em golea ou massa.
dem cm calda...... >
Espanadores grandes .... um
dem pequeos.......
Esteiras para forro de estivas
de navio........cento
Estopa nacional......arroba
Farinha de de mandioca. alqueire
dem de araruta......arroba
Feijao de qualquer qudlidade. t
Frechaes........um
Fumo em folha, hora .... arroba
dem ordinario ou restolho 1
dem ero rolo bom......
dem ordinario ou restolho
Gallinbas......... unta
canada
arroba
libra
um
arroba
11111
arroba
tuna
libra
rento
uro
cento
libra
um
cento
500
320
500
600
64*50
255000
15000
25000
15800
35000
45160
25000
15440
800
15200
35500
K5000
85500
75500
440
360
280
500
25500
35000
15000
85000
200
360
15400
25500
155000
35500
300
155
220
090
350
105000
15000
320
500
45OOO
25000
155000
15000
255 55000
15800
55000
165000
105000
75000
55000
600
PRAgA DO RECIFE
94 DE OUTUBRO :
As 3 horas da tarde.
Revista semanal.
Cambios........ Sobre {Londres saccoowse a 28 e
28 >/i d. por 15000, e cerca de
2 2,000 de h-tras dolarte To-
ra m negociadas a 28 tfd.por
15000, sobre Pars a 340 rs. por
ir., e sobre Lisboa de Na 100
por cento Je premio ; refalando
os saques da semana or 3
25,000.
Algodao........ O desta provincia venden-se a
255500 por arroba, e abrnm a
26*000.
Assucar........ As vendas do mascavado porga-
do vellto efft'Ctuaram-se i I550
por arroba, e o novo bruto de
15720 a 15850; nao tendo havi-
do br.mcos e somenos.
Agurdente..... Vedeu-se a 655000 a pipa.
Couros......... Os seceos salgados vendenm-se
a 150 rs. por libra.
Arroz.......... Opilado da India vendea-se a
2510O por arroba.
Azeile doce.....O de Lisboa vendeu-se a 2#650
o galao.
Ketalhou-se de 145500 a 15*000.
por barrica, licaiuio em deposito
1,900 borneas.
Venderam-se a 15200 por ar-
roba.
dem a 35600 a barrirniinha.
A do Rio-trande do Sul vendeu-
se de 2*400 a 3*200 por arroba:
brando em ser 123,000 arrobas-
Nao ha da do Rio da Prata.
Vendeu-se de 8*000 a8J00 por
arroba.
Cha............ dem de 2*000 a 2*150 por li-
bra.
Cerveja......... Retalhou-se de 4*500 a 5*500 a
duzia de garrafas.
Farinha do trigo. A de Philadelphia e New-Yor'k
retalhou-se de 16*000 a 18*000
a barrica, a de Haltimore, de
15*000 a 165000, e a de Tries-
te de 22*000 a 245000, ncando
em ser 4,000 barrica da pri-
meira, 3,000 da segunda, 1,400
da terceira e 4,500 da ultima.
Dita de mandioca Retalhou-se de 35500 a 4*000 a
sacca.
Feijao.......... Vendeu-se de 55000a*000a
sacca.
Genebra........ dem a 310 rs. a botija.
I-ouca.......... A ingleza obteve 300 por cenlo
de premio sobre a factura.
Manteiga....... A franceza vendeu-se de 470 a
500 rs. a libra, e a inglea a-760
rs.; ficando em ser 1,900 barris
de ambas.
Massas......... Venderam-se a 75000 a caixa.
Oleo de linhaea.. Vendeu-se a 25200 o galao.
9nm.......... dem a 75000 a caixa.
Presuntos....... Conservam-se a 145000 a arroba.
Queijos........ Os flamengos vendenan-so a
1*500 cada um.
Salta..........o amarollo vendeu-se a 150 r?.
a libra, e o do Mediterrneo a
240 rs.
Toucinho.......O de Lisboa vendeu-se a 115000
por arroba.
Vinagre........ o de Portugal vendeu-se de 110*
a 120* a pipa.
Os da Figueira venderam-se a
2505000 a pipa, os de Lisboa de
20050OO a 2205000, e os de ou-
lros paizes de 180* a 100*.
As de composicao vwderam-sc
a 520 rs. o pacote.
O rebate de letras regatea de 8
a 10 por cento ao anno.
Para o Canal inglez de 35 a 37
indas que se havia preparado, muita disposicao comida, e acha-se nutrido. Goinina........ arroba 25000
eleicjo a que se tem de proce- Findou de tomar os nllimos remedios, que V.S.||)tTacuanna(ra^....... 25*000
rimeiro de novemhro nroximn rccoitou no dia 30 do passado, resta agora V. S. 1 Lenha em achas......cento 25000
S^nf^E-^ .......... 11*000
tras lugares e tem sido ouWda por lodos os abaixo l nao foi demillido, para assim conservar al-
signados de diversas outras pessoas.
Fazemos esta declaracao firmada com nossos no
mes com o proposito de olTerec-la V. S. para que
faca della o uso que julgar conveniente.
Pod'Alho, 19 de selembro de 1863.
Luiz de Albuquerque Maranhao, leuente-coronel.
Joio Anmtacio Camello Pessoa Jnior, juiz de paz.
Joao Pauto Nunes de Mello, vereador.
Pngentino Saraiva de Aranjo Gatrao, advogado.
Uubano Jos de Mello, tenente-coronel.
--------- conservar, e por quantos tempos, mencionando as | i,jnhas e psteios.
as tuesmas ameaCtS e permanecer OS mes- comidas que dever usar d'aqu em diante. \iei ournelaco.
IDOS elementos de violencia, naquella fro- Resta-me agora agradecer V. S. o cuidado que Milho. .
ue.,a tomou no tratamento do meu sobnnho, abaixo de papagaios. .
n ili,i ^ o-i tt- Deus. devido o seu restabelecimenta a pericia de pj |}ras|
O delegado Theotomo da Silva Vietia, em- V. S., e por isso pode V. & seropre contar com Wm dc jangada.
bora ache-se fora do exercicio em razo de os meus diminutos prestimos, e desejarei em peoras de amolar .... unta
eslar pronunciado pelo juiz de direito, anda wdo temP dar uma Prova do meu reconheci- iaein dp fi|,rar
um
caada
arroba
uro
quintal
um
Francisco Beringuer Cesar de Metieses.
niolho
cento
ment.
j guma cousa de forc policial e poder servar JS^tS^SSff 6 ^ "
aos autores da mascarada de agosto.
O commandaiite do destacamento, alferes
, nao s conservado po mesmo cummardo, w a salsa parnlna de Bnstol Sa|P?o
porm a inda acaba de ser nomeado subdele-' se usar como agente netitralisador. Sua Sal ......... \ alqueire
gado.com a mais escandalosa infraccSo do acc3o atalha promptamente as escrfulas Salsa parrilha....... arroba
Sebo em rama.......
dem dc rebolo......
Piassava. ......
Pontas, ou rhifres.de vareas ou
novillios........
Prancltfies de amarello de dous
costados........m
15000
85000
200
15280
25500
55000
55000
840
45OOO
15200
120
5*000
libra
CORRESPONDENCIAS.
Para o Exm. Sr. inistrodajistica ver.
Srs. redactores.0 Sr. Dr. Ernesto de Aquino
consciencia pura. Fonseca, querendo tomar tima disforra de mim pe-
art. 27 do regulamento n. 120 de 31 de ja- que minara pouco pouco osorgaos vilaes. t" '
neiro de 1842. Expulsa do sangue vicioso os elementos de So em raqueta! '''.'. una
Consta, com lodo o fundamento, que os irrilaco e corrupcao destruindo por esta Taboas de'amareiio! dmia
livros e papis necessarios ao proeesso da forma a cansa primaria de todas as enfermi- hlcm diversas.......
eleicao aehaiB-se no engenhoTimb-Ass, dades eruptiveis, ulcerosas, ou glandulares, fP'?*?8.......
em poder de um dos actores da tarca de hereditarias ou accidentaes. Tmes ''.'.''-'
agosto: o que-tudo revela que o proposito Os casos de rheuroatismo e de paralysia, Unhas dei bo '. Gente
204000
10*000
1*000
120
400
25*000
55000
75000
2**00
1105000
73*000
3*000
Vinhos.......
Velas........
Descontos____
Frotes......
6 e do algodao para Liverpool a Va por libra
M0YmENT0"ll0'P0RT0-~
.Vario entrado no dia 24.
Cardiff42 dias, brigue inglez Danier Dyn, de 215
toneladas, capitao W. S. Parncll, eqnipageiii 9,
carga carvao de pedra; a Wilson AHett.
Xarws sabidos no mesmo dia.
Liverpool Rarca ingleza Seraphina, capitao i. Ja-
mes, carga algodao.
Raltiniore-Escuna ingleza Margaretk, capitao Da-
niel Me. Niel, carga assucar.
Macei e porlos intermedios-Vapor nacional Ca-
maragtbe, comntandante Antonio Rodrigues de
Oliveira.
Navio sahido no dia 25
Rio de JaneiroRrigue hanburguez Di,capito A.
Rolsieu, carga 917 barricas com farinha de trigo.
EDITAES.
O Dr. Joao Antonio de Aratijo Freitas Hcn-
riques, juiz de direito da I.1 vara cri-
minal da comarca do Recife, por S. M.
o Imperador, que Dos guarde ele.
Faro saber, em virtude do art. 286 doco-
digo do proeesso criminal, que leudo sido
convocada para o dia 1." do correle a 5.3
sesso do jury d'esle lermo, instalou-se no
dia 3. e encerrou-se no dia '**, sendo n'ella
tilgados II processos, co> ndo II reos
presos. Serviram na dita sessao os Srs.
jurados seguinies:
Alvaro Augusto de Almeida.
Antonio Luiz do Amaral e Silva.
Antonio Marlins Saldanha.
Antonio Gomes de Miranda Leal.
Antonio Pinto de Barros.
Dr. Angelo Henriques da Silva.
Dr. Amonio Vicente do Nascimento Fei-
tosa.
Antonio Carlos Pereira de Burgos Ponce
de Len.
Gamillo de Salles Peixoto.
Domingos das Neves Teixeira Bastos.
Eduardo Firmino da Silva.
Dr. Francisco Jos Marlins Penna.
Francisco Antonio da Silva Cavalcante.
Francisco de Paula Gonfaltes da Silva.
Dr. Felippe Nery Collaco.
Dr. Francisco de Pauta dos Santos Alle-
luia.
Gustavo Jos do llego.
Gedeo Forjaz de Laeerdi.
Dr. Innocencio Serafic de Assis Carvailia
Jos Izidoro P <> re ira dos Res.
Jos Henriques Machado.
Jos Hygino de Souza Galvio.
Dr. Jos Flix de Brito Macedo.
Dr Jos dos Anjos Vieira de Amorim.
Joo Xavier da Fonseca Capibtrfhe. /
Bote loo.
unior.
oaquitn Antonio Cameiro da Cunha
Miranda.
> .
X




r
e l*erttiaibueo
a ?
*fl Outubro de 1AS.
Dr.
Jia ju
Joa<|ui
Jact
Dr. Lu
Lui:: d
Dr. M
lilla.
Manoel
Manoel dos
Dr. Rulinoj
SebistiSo
Simplicio
Saboia.
los Nuues de Olivera.
jslo do Airaeida.
Guimares Jnior,
de Mello.
Iberme de Barros.
oiuio Braulio de Souia Amaranto.
Znlonio do Espirito Santo.
Machado Freir Pereira daSiWa.
Foram multados na quanlia de 280)5000
cada om dos Sis. jurados seguintes:
Antonio Francisco das Neves.
AnlitiiQ Pereira da Cmara Lima.
Jos Maximino Pereira Vianna.
Joaquim Pereira Vianna.
Jos Ignacio de Lyra.
Joaquim Pedro Carneiro Campello.
Foram relevados das multas os demais
Srs jurados que faltaram a sesso, visto te-
rem apresenlado motivos justificados.
E para que chegue ao conhecimento de
todos os interessados maodei passar o pre-
sente que ser publicado pela imprensa.
Reeife, 19 de ootubro de 1863.
fju Joaquim Francisco de Paula Esleves
ClesMnte, escrivo do jury o subscrevi*
Joo Antonio d'Araujo Freilas Henriqttes.
- IVla inspectora da alfandcga se taz publico
qiw no dia 27 do correnta, depois do meio da,
portada mesma, sera vendido em leilao 100 res-
mas de papel para embrulho, avariadas, vindas de
Baltimore pelo navio americano i. W. Troth, ava-
hadas a 250 rs. a resina, total i'S, abandonadas
ae pagam Mito dos direitos por Tliom Burkinyomeg
- Hoberls, sendo a arrematacao livre de direitos.
Aifandcga do Pernambuco 2i de outubro de
tBoi.U 4.- escripturario,
Joo Antonio da Silva Pereira.
O lllm. Sr. inspector da tbesouraria provin-
cia!, ni cumprimento da ordem do Exm. Sr. pro.
sidente da provincia, manda fazer publico, que no
dia t de novembro proamo futuro, peranto a
junta de fazenda da mesma tbesouraria, se ha de
arrematar, a quem |>or menos lizer, a obra dos re-
liaros urgentes da ponteinha denominada do Guer-
ra, no terceiro lango da estrada do sul para a vil-
la do Cabo, avahada om 1:0434000.
A arrematarlo ser foila na forma da lei pro-
vincial n. 3ij de lo de maio de 1854, e sobas
clausulas espeeiaes abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a essa arremata-
do comparoeam na sala das sessoes da referida
junta, no di cima mencionado, pelo meto dia, e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo Diario.
Secretaria da tbesouraria provincial de Pernam-
tmeo, 21 de outubro de 186:1.-0 secretario, A. F.
d'AannuriacIio.
Clausulas especiaos para a arrematado.
1* Os reparos necessarios na ponte do Guerra,
sobre o rio Gruja, no il lanco da ramificaco da
ramificaco da estrada do sul para a villa do Cabo,
serio feltos de conformidade com o respectivo or-
namento approvado pelo conseibo director, na im-
portancia de 1:0*3*000.
2* O arrematante dar principio aos. trabalhos
no prazo de um mez, contado da data do termo da
arrematacao, e os concluir no de 4 mezes.
3* O pagamento ser effectuado em duas pres-
tares iguaes : a primeira quando estiver prompta
nietade da obra, e a segunda e ultima no fira da
mesma.
4" O arrematante nao ter direito a reclamaco
alguma tendente a iudomnisacao, qualquer que
soja a natureza em que se funde para tal Um.
5* Em tudo o mais que nao fr especificado as
frsenles clausulas, seguir-se-ha o que dispoe a
i.'i provincial n. 286.
Goafarme.A. F. d'Annunciacao.
-ffflllm. Sr. inspector da Ihesouraria provin-
cial, \jii cumprimonto da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente ^jjjroviucia, manda (azer publico que no
dia 12 genovembro prximo futuro, perante a jun-
ta de fazenda da mesma thesouraria, se ha de ar-
rematar quem por menos fizer, a obra do reparo
gcral da ponte do lco-Peba na estrada do Pao
'Albo, avahado em 5:7205.
A arrematacao ser feila na forma da lei pro-
vincial n. 3i:i de 15 de maio de 1851, sb as clau-
sulas espeeiaes abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem essa arremata-
eanpararam na sala das sessoes da referida
junta no dia cima indicado, pelo meio dia, e com-
petentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da tbesouraria provincial de Pernam-
buco, 2t de outubro de 1863. O secretario, A. F.
d'Annunciacao.
Clausulas espeeiaes para a arrematacao.
1." O concert 011 reparo peral da ponte do Bi-
na sera feito de conformidade com o orea-
mente nesta data approvado pela directora em
rjn:owii,Tn importancia de 5:7205.
2.* arrematante dar principio obra no pra-
zo deBni mez. contado da data da arrematacao. e
a concluir no de 5 mezes contados desta ul-
tima.
3.* "pagamento sera feito em duas prestacoes
iguaea ; a primeira quando esliver ejecutada nie-
tade da obra, o a segunda quando fr recebida
provisoriamente, devendo de cada urna dessas
preslares deduzir-se um dcimo que ficar no de-
positoia thesouraria provincial, afim de ser entre-
gue ao arrematante no lim de um anno de respon-
sabilidad contada da data do recebimento provi-
sorio.
4." Para tudo o mais que nao fr especificado
as presentes clausulas, nein no orcamonto seguir-
se-liaoque dispoe a le provincial n. 286.
Conforme.A. F. d'Annunciacao.
ministrativa da Santa Casa da
Misericordia do Reeife manda fazer publico que
no dia 29 do corrente mez pelas 4 horas da tarde
na sala de suas sessdes tem de ir praca as ren-
das das casas abaixo declaradas por lempo de um
Por-,a ,ros annos. Os pretendentes devem comparecer
acompanhados de seus fiadores ou munidos de car-
tas destes.
EsUMecineotos de caridade.
! Ra Direita.
i M. 4 particular e 3:1 publico um andar. 5635000
N. 82 particular e 5 publico 3 andaras. 9005000
N. 83 particular e 7 publico 3 andares. 9005000
Ra do Padre Flonano.
X. 6 particular e 47 publico casa terrea. 1865000
N. 7 particular^ 45 publico casa terrea 1265000
X. 66 particular e 63 publico casa ter-
rea............... 1405800
N. 90 particular e 13 publico casa ter-
rea.......... .. \. 1685000
Beeco da Carvalha.
N. 10 particular c 5 publico casa ter-
rea................ 1495000
Ra dos Pescadores.
N. 16 particular e 11 publico casa ter-
rea................ 2005000
Ra da Calcada.
N. 21 particular e 38 publico casa ter-
read.............. 1565000
Ra de Hortas.
N. 29 particular e 41 publico 2 an-
dares....... ........ 4005000
Roa da Roda.
X. 35 particular e 3 publico casa ter-
Cerreio geni!.
Pela adminstraco do correio desta cidado se
faz publico que em virtude da convencao postal,
celebrada pelos governos brasileiro e francez, te*
rio expedida malas para a Europa no dia 30 do
corrente pelo vapor francez Bearn. As cartas se-
rao recebidas ate 2 horas antes da que for marea-
da para a sabida do vapor, eosjornaes at 4 horas
antes.
Administraco do correio de Pernambuco 21 de
outubro de 1863.O administrador.
Domingos dos Pasaos Miranda.
THEATRO
DE,
\&Wfc$

Mnif.ji awwa m\m\i
DE
Loja de alfaiale.
Terca-feira 7 do corrente.
O agente Pestaa vender em leilo a loja de*
alfaiate da ra Nova n. 40 consijindo de obras
faitas para homem e diversas fazandas o que tudo
sera vendido em lotes a vontade: terca-feira 27
tfo corrente pelas 12 horas da manha na mesma
loja acuna indicada. Tudo se vende sem limites.
PORTUCJAE,
PORTO.
Ra dus Flores, \ e 3 (jautoa grujada Misericorsw.
a
A.
E9PBKZ4
J. DL4RTE COIMIA.
, oo (m, utuidi e o pul.00 c^a lC. ^^^ p e|.rtfi d(, Porlufl,.
q -.,:',' \ 1-.\: IV8*0UU i Desde j estao a di
Prepara-se para subir i scena no dia 31 do eoT-
rente, com. todo o brilhantismo que pede o autor
o drama em cineo actos, de grande espectculo,
A CRUZ O 0 TALISMN.
Do dramaturgo o Sr. Luiz de Vasconcellos de
Azevedo e Silva
Para solemnisar oanniversario natalicio de S. M.
1445000
4805000
6005000
1445000
1835000
s.
1205000
1:0005000,
X. 36 particular e 5 duMco casa ter-
rea................ 895000
X. 37 particular e 7 publico casa ter-
rea.. .....I ..... itlfOOO
X. 92 particular e 1 publico casa ter-
Hrea....... ....... 05000
Ra da Imperatrz.
N. 46 particular e 68 publico casa ter-
rea........ ........ 3065000
Ra da Gloria.
X. 51 particulare 65.publico casa ter-
rea..... .......
Ra do Encantamento.
X. 52 particular e 3 publico 3 andares
. Ra do Azeite do Peixe.
N. 53 particular e 1 pubHco 2 andares
Ra da Lapa.
X. 56 particular e 8 publico 1 andar.
Ruado Pilar.
X. 59 particular e 73 publico casa ter-
rea................
Ra de S. Bom Jess das Crioulas.
X. 61 particular e 8 publico casa ter-
rea...... ........
Ra da Cruz.
X. 68 particular o 15 publico 3 anda-
res .............
Becco da Lama.
X. 75 particular e 30 publico casa ter-
rea ............... 915000
Travessa do Carcereiro.
X. 83 particular c 11 publico casa ter-
rea............... 1005000,
Patrimonio fe orphos.
Becco das Boias.
X. 39 particular e 18 publico 2 andares 3005000
Ra da Moeda.
X. 44 particular e 21 publico casa ter-
rea............... 2515000
Ra do Amorim.
X. 51 particular e 21 publico 3 anda- .
res............... 3005000
X. 56 particular e 26 publico casa ter-
rea............... 725000
Ra do Bargos.
X. 69 particular c 21 publico casa ter-
rea..... ........... 735000
Ra do Sebo.
X. 12 particular e 3 publico casa ter-
rea............... 2455000
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Reeife 2i de outubro de 1863.
O cscrivao,
F. A. Cavalcanti Cousseiro.
ja
rotes e cadeiras.
i disposleao do publico os caraa-
Conselho administrativo.
O consclbo administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra tem de contratar o rancho da
roo i pan l na de menores do arsenal de guerra nos
mezes de novembro c dezembro prximos vin-
douros.
Pao de qualro oncas, bolacha, assucar retinado
de segunda sorte, caf cm grao, cha hyson, man-
teiga franceza, carne verde, carne secca, farinha da
trra, feijo preto ou mulatinho. arroz do Mara-
nhao, toucinho de Lisboa, azeite doce, vinagre, ba-
callao.
Para o arsenal de guerra.
Pranchoes de sicupira com trinta e dous pal-
mos de comprimento, quatorze polegadas de largu-
ra e nove ditas de grossura, tres frechaes de ma-
deira de quahdade com quarenta e cinco palmos
de comprimento, lenco! de zinco com 1,600 pal-
mos quadrados para coberta um, taboas de louro
de refugo duzas dez, cabo de linho branco de 1
1/2 polegadas pecas duas, brochas batidas milhci-
ros vinte, taxasde bombas pequeasmilheiros vin-
te, ditas ditas grandes milheiros vinte, linha de
barca para caixas de guerra pecas vinte, fio ama-
relio novellos cincoenta, anella para suadores de
selins covados cincoenta.
50 arrobas de oca, 20 alqueires de cal branca,
10 arrobas de rocho trra, 5 arrobas de alvaiade
de chumbo, 5 arrobas de alvaiade de zinco, 5 ar-
robas de verde crome, 5 arrobas de seccante, 2
barris de verniz Blac.
Para o hospital militar desta provincia.
Copos de vidro para agua doze, bacas de rosto
doze, pratos quarenta e oito, chinchas pares vinte
e sete, camisas de meia doze, colxoes de panno de
linho com nove palmos de comprimento e tres di-
tos e meio de largura cheios de laa sessenta, tra-
vesseiros de panno de linho com tres palmos e
meio de comprimento cheio de la sessenta.
Quem quizer contratar os gneros alimenticios
da companhia dos menores do arsenal, e vender
os objectos cima declarados apresentem as snas
propostas em carta fechada na secretaria do con-
selho as 10 horas da manha do dia 30 do cor-
rente.
Sala das commissoes doconselho administrativo
para fornecimento do arsenal de guerra, 23 de
outubro de 1863.
Anin/o Pedro de S Barreto,
Coronel presidente.
SebnsliSo Antonio do Reg Rorros,
Yogal e secretario.
.4 rrem ata cao
lloje 24 do corrente, depois da ;m-
dieaccia do lllm. Sr. Dr. joiz munici-
pal da segunda vara, i o praca os
escravos s^uiates perlencutes a Ite-
ra m a do finado J<>s Fernando da Cruz:
Felippe, cabra, sua mulher de nome
jFelipp, erioula, com dous liihos de
nome I laviano e Jozmo, lodos por .
1;800$; JosFerreiro e sna mulher
de nome Anioni, por 1:000$; Luiz
hortelao, nenaco, por 700*; e Jos
Borracha por 2405.
Gorreto ger Pela adminislracao do correio desla cida-
de, se faz pubHco para Ims convenientes,
que em virtude do disposlo ao arl. 138 do
regulameuto geral dos correios de 21 de
dezembro de 18U, e art. 9." do decreto
n. 785 de 15 de maio de 1851, se proce-
der o consummo das carias existentes nesta
atimmistracao ptrtencenle ao mez de outu-
bro do armo passado, no da 3 de novembro
prximo s 1 i horas da manba na porta do
A mesma correio, e a respectiva lista ae acba
toa fayo pot K que pelo subdelegado, y.^ ^ inleressados
o d noto de I fcbe f... preso _e acha-se A(lminislrac3o do ^^0 de P.
AVISOS MARTIMOS.
Dos |iortos do norte esperado
at o <)ia 2 de novembro o vapor
Princeza de Jormle, comman-
dante e capito de fragata Santa
Barbara, o qual depois da demora
do costume seguir para os portos do sul.
Desde j recebem-so passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das e dinhero a frete at o da da sahida as 2 ho-
ras, agencia ra das Cruz n. 1, escriptorio de An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C__________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Xavega^o costelra a vapor.
Parahyba, Natal, Maeo, Araeatj, Cear e Acarar.
O vapor Jaguaribe, seguir aos
portos Indicados no da 26 do
corrente as 5 horas da tarde. Re-
cebe carga at o dia 24, encom-
mendas, passageiros c dnheiroa
(rete at s 2 horas da tarde do da da sahida : es-
criptorio no Forte do Mattos n. 1.
COMPANHIA BEASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do sul esperado
at o dia 30 do corrente um dos
vapores da companhia o qual de-
liois da demora do costume se-
seguir para os portos do norte.
I Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
j ser embarcada no dia de sua chegada: encom-
mendas e dinheiro a frete at o dia da sahida as 2
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C_________
Para o Rio de Janeiro
| pretende seguir com muita brevidade o patacho
nacional Regulo, tem parte de seu carregamento
prompto : para o resto que Ihe falta e escravos a
frete, trata-se com os seus consignatarios Antonio
! Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio,
ra da Cruz n. i._________________________
Aracaty.
O hiate Dous IrmSos, segu nestes das : a tra-
tar com o Sr. Joo Alves de Quintal no trapiche do
algodo. ______ ___ ______
IjEIIAO
DE
Farinha de trig e behchinha.
O agente Pinto far leilao por conta e risco de
quem pertencer de cerca de 480 barricas com fa-
rinha de trigo avahada marca extra de Baltimore
e algumas barricas com Iiolacbinha americana.
Terca-feira 9 do corrate as
IO huras era ponto, (visto o
mesme agente ter um ou-
tro leilao as 11 hora*.)
fo armazem de Henrv Forster & C. junto a :
ponte nova do Reeife ra' do Imperador, sendo tudo
em lotes a vontade dos compradores.
GRANDE LOTERA DE HESPANHA.
C n)a extraceSo ser frita a a3 de dezembro de istta.
LEI \l)
DE
Urna lancha
Terca-feira, 27 r ontabrn.
O agente Pinto far leilao com autorivaco do I
Sr. cnsul francez e em presenca de um seu dele-1
gado, de un lancha vinda de Fernando dte Noro-
nha, pertenfente a barca franceza Sire de Yreone ;
o hrlo ser effectuado as 11 horas do da cima
dito no trapiche- da Aifandega, onde pode ser exa-
minada desde j ai dita teneln.
III40
DE
FAZeJDA^o
4narta-feira i do corrente.
A' requerimento dos administradores da massa
fallida de Seve Filhos & C c por despacho do
lllm. Sr. Dr.juiz especial do comincrcio, o agente
Pestaa far leilao de fazendas todas de lei e pro-
priasdo mercado toes como madapoloes, algodoes,
chitas, caasas linas etc., pertenceBtes a referida
massa que sero vendidas em> lotes vontade dos
compradores no dia cima' determinado pelas 10
horas da manha no armazem da moma ra da
Cruz a. 50.
PHfiMIO.
1 de............
1 de............
2 de 20,000 pesos fortes.......
10 de 10,000 ditos.........
15 de 5,000 ditos. ,.....
30 de 2,000 ditos. ,.....
100 de 1,000 ditos.........
2816 de 500 ditos. ........
9 de 1,000 ditos cada um paraos 9 nnmero
da dezena que obtiver o premia de 300,000
pesos....... ....
9 de 400 ditos para os 9 ditos dita *> de 1,000
pesos............
2 approximaces de 1,000 pesos cada- sma para
os nmeros anteriores e posterior ao1 premiado
com 300,000 pesos.........
2 Sitas de 700 pesos para os ditos do de f ,600 ps.
2 ditas deSOOpesos para os ditos do de 50,900 ps
Pesos fortes.
! 3000 prerroos em 30,000 bilhetes.
300,000
100,000
50,000
40,000
lO',000
75,000
60,000
100,000
1,408,000
9,000
3,60O|
2,000
1,400
4,000
.2Srf.00
oo n. 270:000*000
9O:OO0JOOO
67r500j)[000
SiDOOWO
90:000,1000
1,267:208*000
8:100,4000
3.-2WW00O
1:800500o-
1:260/000
9000000
2^25:0005000
Bilhetes inteiros a
Meios brlhetes a
Precos em moeda forte.
, 1205000 | Quintos de bilhe*fes a
605000 Decimos a -,
245000
(25000
LEILAO
DE
JO" Ignacio Febrera Horiz,
e no fim da extraccao remette as listas dos premios. N. B. Sendo a encommeuda'd
cinco bHhetes para cima, faz-se o abatimento de 5 por cento.
Para iiiformafoes no eseriple io da ra da Cruz n. 1,
COM LOJA DE CAMBIO E BILHETES MI LOTERAS
Aflancado no governo civil do Porto, ei conformidad? do edal
de ZH de junho de io.
Satisfaz convpromptrdo todas as encommendas pe Ihe sejam feitas. mosmo om
Hobllia, escravos, Bliudezn e ftn- grande qaiantidade e pelos precos cima indicados, viudo acompanhadas-do sen irqjorfe-,
muras.
Se\la-feira 30 do corrente.
RnadaCadela n. 'i- andar.
O agente Pestaiia vender em leilo por conta
de quem pertencer urna elegante mobilia de jaca
randa de apurado gosto com lampos de pedra, 1
cama de dito no mesrao sentido, 1 rico guarda-
roiipa, 1 guarda louca, lavatorio, barcos, cadeiras,
rpuadros, mesas, louca de mesa para jantar e a l-
moQO. vidros, castices, espelhos, quadros e oulros
muilos objectos que sero patentes.
Em continuacao diversos escravos de ambos os
sexos.
Em seguida diversas muidezas e perfumaras
sem limites : sexta-feira 30 do corrente pelas 10
horas da manira na ra da Cadeia do Reeife n.
6, segundo andar.
BRILHANTE.
1. U
SANTA CRUZ.
AVISOS DIVERSOS.
AURORA
. u
LARGO DA
Francisco Js Fernandes Pires, dono do grande eslabelecimento de mo-
lliados denominado AURORA BRILHANTE, avisa ao respeitavel publico tanto
da praca como de fra, e com especialidade aos seus freguezes, que o seu estabe-
lecimenlo acha-se prvido de novo sorlimento de bons gneros tanto do paiz co- ]
mo do estrangeiro e promette vender muilo em conta lano a relailio como em
grosso:
Para o Rio di; Janeiro pretende seguir com
muita brevidade o brigue nacional Almirante :
tem parte de seu carregamento prompto, e para o
resto que Ihe falta, trata-se com os_ seus consigna- .
tarios Antonio Luii de Oliveira Azevedo, no sen *
escriptorio ra da Croa n. i.________________
Cear.
O palhabote Garibaldi, segu por estes dias a
tratar com Ta>so Irmaos.
O palhabote Garibaldi segu para
lotera extraordinaria
Aes 10:000500 e 2:0005000.
0 abaixo assignado atlenilendo a boa acei-
laco rxue teve a lotera extraordinaria, ha
potico exlrahida, e tambem aos pedidos de
ipiasi todos os compradores de billietes, de-
vidoisso ao cxcelleule planudas loteras ex-
traordinAas, approvado pelo Exm. Sr. pro-
da provincia, tem exposto venda
os bilhetes da segauda loleria extraordina-
ria, que correr no dia G de novembro prxi-
mo, sendo a terecira parte da segunda da
Santa Casa da Misericordia, e espera do res-
peitavel publico a compra dos bilhetes, pois
a Babia nestes dias, tem a maior assm contribuir para"o beneficio da Santa
^mSS^^TtTl C^a da Misericordia, reunindo o til com o
capitao Custodio Jos Vianna. agiadavel.
Os bilhetes e mcios acham-se venda na
respectiva thesouraria ra do Cresqo n. 15
e as casas commissionadas ra da Impera-
trz n. 44, loja do Sr. Pimentel; rita Direita
n. 3, botica do Sr. Chagas; ra estreita do
Rosario n. 12, typographia do Sr. Mira e ra
da Cadeia n. 45, loja do Sr. Porto.
Os premios de 10:000#000 al 205000
sero pagos logo depois da extraer o at as
i horas da t irde c os antros no dia seguinte
depois da distribuicTio das listas.
Servindo de thesoureiro,
Jos' Rodrigues de Souza.
Para o Rio de Janeiro
deve sabir com brevidade a escuna nacional Gnm-
poneza : quem nella quizer carregar ou embar-
car escravos, pode dirigir-so ao largo do Corpo
Santo n. 6, segundo andar, a tratar com Marques
Barros & u
Para o Rlodetlanelro.
O brigue nacional Bclizuno, prestes a seguir
para alli. por j ter parte do seu carregamento,
tambem recebe, escravos a frete, c alguma carga
miuda: os pretendentes dirijam-se ao largo do
Corpo Santo n. 6, segundo andar.
LEILOES.
DECLARACOES.
Caia lilial em Peroamhut'o.
Por ordem da directora do banco do Brasil sao
convidados os senhores accionistas lecalisados na
4'aixa filial de Pernambuco recolberem ahi aleo
da 3 de Janeiro de 1H6A a nona c ultima presta-
co de 10 0/0, on 205 |K>r aceo, de conformidade
com os rticos 8 e 9 dos estatutos do banco do Bra-
sil, e art 4o dos estatutos da ca xa filial.
Sala das sessoes da directora da caixa filial do
lianco do Bra^l em Pernambuco 1. de outubrode
4863. O setfetario,
Jos Mamede Alves Ferreira.
OKrtMQCEKAl.
Aelaci das carias securas exisleotes
na atuinistraco da correio desta
cidde para es senhores abaixo de-
clarados
.Antonio Jos* Bartola Vianna.
tarao deOuararap<'s.
Tenente Ernesto Ignacio Cardim (2i.
FraneiM Morck da Costa.
Joaquim Jos Martins.
Joanna Baptista dos Santos. ,
JoJe de Azedias Machado.
Joo Mililao Henriques de Souza.
Jos Joaquim Alves de Amorim ().
Jos Mara da Costa Timo.
t. liza Francisca dos Anjos.
Dr. Louranco ln#'de Figueiredo.
Miguel da Silva Pereira.
'l ne.nte Mauool Joaquim de Souza.
I'edro Coireia de Campello.
SaluMino Jos de Lima.
\'uya4e Ventura iKira Penna.
Por ordem do lllm. Sr. Dr. chele de
4
Btenco o Africano Joa-
qiiirada (^sta, [u fcesome ser escravo
O agente Olynwio far leilo de urna porco
de caixas de composico e deposito, armarios e es-
tantes, e outros objectos para typographia : no dia
segunda-feira 26 do correle, as 11 horas da ma-
nha, em seu armazem na ra do Imperador nu-
mero 16.
LOTERA.
GASA A FORTUNA
DIVIDAS
HOJ:
O agente Pinto levar novamente leilo s
dividas damassa fallida de Victorino Jos Ferreira
servindo de base a maior olferta obtida no leilo
do dia 23 do corrente, por assim Ihe haver deter-
minado o lllm. Sr. Dr. juiz especial do commercio,
as 11 horas do dia cima dito em seu escriptorio
ra da Cadeia n. 24.
LEILAO
Secrela
de outubro
de Pernambuco, 24
da
AdministracSo do correio de Pernambuco,
24 de outubro de 486i.
O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Correio
Pela adminstraco do correio se faz publico que
DE
140 caixas com batatas.
iio.ii:.
O agente Pestaa vender por conta e risco de
quem pertencer liO caicas com batatas vindas no
brigue portuguez Mercurio e por isso muito noros:
boje 26 do corrente pelas 10 horas da manha uo
armazem do Annes.
LEILAO
.DE
lllndezas e ferragens.
Baje 26 de outubro.
Henrique & azevedo tendo de mudar o seu es-
tabelecimcnto da ra da Cruz para a ra da Ca-
deia far leilo por interreneao do agente Pinto
de um completo e variado sortimento de miudezas
e ferragens existentes em sen'armazem da ra da
Cruz n. 57, onde esperam a concurrencia de seus
freguezes. Principiar s 1 Ihoras.
Biscoulos ingle/es em laurinas
muilo enfeiladas de varias
qualidades de 1?56U0 a ...
Latas com marmelada nova a li-
bra 7 e..........
Ditas com ameixas.........
Ditas com ervilhas francezas. .
Ditas com filelas em calda,
5>0 e..............
Ditas com figos de comadre a li-
bra 3 0 e............
Caixas com passas novas de 8 li-
bras a 30000, a libra 480
Ditas com figos com 8 e 16 li-
bras a 2000, 2(5300-e...
Chocolate portuguez e hespa-
nbol e francez a libra.....
Queijos do reino do vapor a
2/e.............-2f$240
Ditos de prato novos, a libra a
640 e..........
Ditos de manteiga muilo fres-
caes a...............
Vitilio do Porto muito fino, ca-
ada a 5$(iOO e 75 e a
| garrafa a 640, 800 e------
! Dito da Figneira de marcas supe-
riores, caada a4> e 5#, ea
20000
800
IMOO
800
400
560
451500
1^000
720
560
19000
560
800
garrafa a 560 e .
Dito de sba a 30, 30500 e
40000, e a garrafa a 400,
480 e............
Genebra de laranja, o frasco a
900 e................ 10000
Dita de Hollanda a 640 e.....'. 10000
Spermacete a libra a 040, 720 e 10000
640 Caixo de doce de guiaba, a
500,640 e.. ........
Charutos finos, caixas e meias,
deSimas, regala, parisien-
ses, delicias, trovadores,
suspiros, varetas, flor de
S. Flix, Traviata.guana-
bara e muilas ontras qua-
lidades, a 20800, 30000.
30500, 400 0, 40oOo c.
Vmhos finos engarrafados em
caixa a 130, 150 e 200 e
a garrafa a 1/ e.......
Copos lapidados para agua e vi-
nho, a du/.ia a 605tiO e .
lavado e de Moca, a 280,
320 e 3I>-' rs a libra, ea
arroba 80500, 90000 e .
hison superior, a 20560,
20800, 30000 e........
Caf
Cha
50000
10300
40OUO
90500
30200
Finalmente tudo que consta tendente a molhados encontrar sempre o res-
peitavel publico um grande sortimento de boa qualidade e por precos cotnraodos.
Relorquindo a resposta dada a meu ao- A pessoa que annunciou precisar de
nuncio pelo Sr. Manoel Nunes de Mello, de- um escravo para sitio pude procurar na ra
elaro ser verdade ter-lhe ea comprado doces Augusta n. 13, que achara com quem tra-
na quanlia de du/.entos e tantos mil res tar:________________________________
(pouco mais ou menos) para meu estabeleci- ModisUr
ment na ra do Trapiche n. 18, mas ja Ihe Madama Florinda, conhecida por madama Scas-
paguei a maior parte dessa divida, e S Ihe Se, acha-se novamente habilitada para beni servir
'resto 340000, O qual pode vir OU mandar s suas fraguezas, tanto era fazer vestidos naui-
" roeeLr iimhr-m p cVrto me O dito se- na '"oda de todas as quaiulades, como armar cha-
- receber tamoem e ceno que o uno b eneitar segundo o gosto moderno. assimo-
O abaixo assignado faz sciente ao ^respeitavel
publico qtte vendeu nos seus muilo afortunados bi-
lhetes garantidos o bilbete inteiro de n. 235 com a
sorte de 5:000*000 e outros muitos de 100OO.
40*000 e 20*000 da loleria que se acabou de ex
trabir a benelicio do Gymnasio, e convida aos pos
suidores de ditos bilhetes vifem receber seus: nhor me apresenlOU titules de divida passa- ^"|'ava"-ios aind estando no peior esudo |>osm
respectivos premios sem descont algum emseu!,jos p0r j0s Francisco da Silva Ferreira, e renova-los, o melhor que se pode desejar^ no
' mas declaro que nao POSSO ser obrigado a mesina casa precisase abigar ium preta boa qm-
dividas alheias, e nem comprei o estabeleci- andeira de m.udezas.
ment ao mesmo Ferreira, e sim Olympio
Carlos de Figueiredo Cruz, em cojo nome
eslava collectado, e por quem eram pagos
os alugueis. Reeife 24 de outubro.
Guilherme Joaquim da Silva Braga.
estbelecimenlo da Casa da Fortuna, ra do Cres-
po n. 23.
O mesmo tem exposto venda em s^a dita casa
e as outras do costume, os novos e alortunados
bilhetes garant Jos da segunda loleria extraoi dia-
ra, cuja sorte maior de lO-.OOOoOOO, a benelicio
da Santa Casa da Misericordia, que se exiraliir a
6 de novembro prximo, e as sortes que obliverena
sero pela mesma forma pagas.
Presos.
Bilhetes inteiros..... 1J*j
Meios blheles...... 6*000
Para as pessoas que comprarem
de 100* para cima.
Mneles........ ***
Meios......... 5*600
Manoel Martina Fiuza._____
D-se dinheiro a juros: no pateo do Terco,
n. 12 taberna.
REVISTA
DO
instltttto Archeologteo e o-
graphico Pernambucano
publieou-se o 1? numero (o de outubro de 1861)
Subscreve-se na livraria JWos Nogueira da Sou-
za ao areo de Santo Antonio, por 5* aanuaes, pa-
gos a entrega do 1 numero. Nmeros avulso
DI
UM CARRO l\.l r/
Terca-feira 27 do roirente.
O agent Pestaa vender por conta e Hsro de
quem pertencer 1 carro inglcz de 4 rodas inteira-
menie novo para um ou dous eavalltu ira o que
tem excellentes arreos novos a oiuros usados e
assim como i rodas de sobrecalent e langa, os
M mt|f Que deve conduzir o vapor rostcirn Jagua- Srs. protondontea que quizaren examinar poem
USmUoo s aroviacias da Parabiba, Rio uingir-so ao agente cima e o leilo ter lujar
Club comuierrlal
A reunio familiar do correnle mez do ootubro
ter logar na noita do dia 31 do mesmo. ;
Antonio Jos Fernaades Lopes, lortufpez,
diegado a esta proviueia no dia 16 do cocrenta no
paquete inglez procetfonte dos portes do -sul, reti-
abaixo assignado nada deva a pes- raPj|1i',bM "o.PTele francez qut- se espe-
ra no da 30.
1 Grapile do "> i >ai
I Oo era poni.
_eporjo ttternedioN fe- terca-feira 27 do oarreate pelas M aorajda ma
correle a 3 botas da *r- -
nhaa no largo do Corpo Santo juntada laMraa n
Srs. Palmeira 4 Bellflo.
*ltlo para alngar.
Anda est por alugar o grande sitio, da estrada
da Cruz de Almas, eom duas frentr, seodoa mi-
tra para a estrada deParnameirt (o qual fica de-
fronte dosio do Sr. deurgiao Leal) com um gran-
de sobrado de um andar, eochoira para carros, ca-
sa para escravos c tutor, estribara para cavallos,
e outra separada para vaecas,casa para fazer fari-
nha com forno, e lodos os porteocos, oaciraba com
Ixwha, lierta para piaata do oortalieaa, sino mtuto
erando com muitos arvoredo* de (hielos, terreno
para planlar mandioca para farioba, para todoB
os mais leguines, terreno separado para ter 6 vas-
cas de leite, a pasto para estas ; alcm de tudo isto
lem mais doas grandes baixaa com oapim, qoe s
estas do para pagar o alugoel do mesmo sitt, ten-
do o devido trato; cujo sitio foi do fallecido clrur-
giSo Manoel Joaquim Pereira, e s so arronda por
anos: quem pretender, all se jde dirigir para
ver, pois a chave est m mo de pessoa que la
est a tomar coala t rom tratar, na ra de
Crespo n. 25 A, na loja do Sr. Ramos.
= 0
sa alguma por compras feitas- para o seu
estabelecimento na ra do Trapiche n. t8,' Padarla Craneeza
sen3o 34-S0OO ao Sr Manoel Nunes de Mel- Na ra da imperatrz n. 50, padaria. fra
i^ f nnrinnir. n nrpsente nara salwr o fazem-se todas as qualidades de boles, sequil
10 ; faz portante-, o presenw Pra siwwr o massas fin prsparain.se bandejas, para bi
seu crdito vtsa de um annuncio (jue o 10res e easaintBtoSf sendo eafeitada.uio rafl
Sr- Meo botOU Reeife, ai de outubro UO e inais moderr*go*to,e recebem-*e encommeadaa
i g(j3 para tudo isso;. garanl-se a perfeicao du irabarho.
jiilhnrm- Jnanuim. a Silva Brasa. i boa qualidade das massas, e promptidao nn
oiiiiermejoaquiiii ua oliva inapa. <,An,n',i^rlc pt qUi. para sertMnncitt servidJP-
a rnn m w* ^ {1 4 k freguezes, a*ha-se de laes occuiiacie*. eacarrofndo
M.M. JlMJlm^/m^BFo nm p^teieipa francez, ass perito em sna "pro-
Oerece-se para ser vico de campo em algum si- sso
lio ou engenho um homem de 25 anuos de idade, -----r ftaH.in ... Hritn sohciUnlor de cau-
chegado ltimamente do Porto com familia, com- CawuioPereira de ^.^^^08.
posta de sua mulher e tres lhos meoures : quem ^^^5q^^S^,t^S pretender seos servicos, dnja-se a ra da Madre *'r acl wsWo.lo na HL
Ueos n. 3, ou a bordo do briuo portuguez ^JlS^SKorJ
Jfrrcw't<>-________________________________ rao sempre prompto das 6 s_ 10 horas da^^Bl
Ha dia 14 do eorrente mea de ouliibro fngio
do engenho Velho de Jaboatao o escravo Silvmo,
crioulo, idade de anno, cor bem prett, corpo o
estatura regulares, olhoft grandes e amortecidos,
rosto m pouco descarnado, nariz chato, falta pau-
saday rendido de ambas as verilbas, ontende de ce
zinberoe bem eonhecido nessa cidade por alga-
mas pessoas, como bem o Sr. Francisco Pinto, da
Costa Lima, alfaiale na ra larga o Rosan, e
raesmo por toda a familia; e tambera pelo Sr. Ma-
e do s 7 da tarde, e-tofA dessas lioraaj
d- audlenpiaa.
ALMA> A
Kstmrto a eiwfeceio ar-s^iyfl fc.
de^ia provinria^ qoe conlmft
uressa iieslai IviHa^t-aplii ,
abado com casa decomnassao de venda e oaropra aeSfta n,ii ,u.|U fil1
de escravos, na roa Nova : rogo a todos os. cap- "> tes de campo e atondados policiaos a caplura do para qUfc l CHKUaiIl lltl'ai'ia
ditoeeeravo, e a entrega do mesmo era seu enge- V JudpnAnjl-^pijj o
nao cima dito, que serao reconJpensados; epro- tta y)A n<* iMepLUHBULM, SP
testo contra aquella pessoa, era euja casa estiver.
Jos Francisco Perera da Silva.
Aluga-se o sitio da senhora viuva Carvalho,
em S. Jos do Manguialio, com boa casa de. sobra-
do, estnada, quartos para criados, es'rioaria,
fructeiras, baixa do capim : no mesmo sitio sa H
r quem trata do alufuel.
e qnnliilade de cs^be'eriBrenU, i
peaawres .e ^ttfktt 1 seli^nem
es i
gihM, da frof leita e c
serleacerem.
comarca a tw
i.
i.
\<.





Diarto de fernambuco Segunda lelra IB de Outubro de 183.
FAZENDAS DE BOIW GOSTO.
PASA VESTIDOS-

Superiores-corie6.de gorgurao de seda.cem flores matsadas os mate .modernos quo tem vindo a Pernambuco.
Ditos de moreantigne de cores, de listas, de flores, e achamalotados, cores mu lindas.
Ditos de moreantique pretos de palmas com barra.
Lindos cortos detenadme de sedaoom barra e chaleiigual. ^ d fc
Ditos de laa comiarra malteada e da-mesma cor, a imperatriz peto -barato prego ue io*>, i** <=
lcos veS Ditos de cambraia brancos bordados a 12*, 15*, 25* e 35* cada corte.
Lindas las .lisas Unas a 500 rs. o covado.
lipiria
&''_S^ -ad0' e U,raS mUtt8 fa2eBdaS *"
seria enfadonho moncieaar.
PARA HOMBROS DE SENHORAS.
Manteletes de seda pretos a 18.
Capas prctas de grs a 25*, 30* e 35*.
Ditas inuito superiores a 40*, 45* e 50*.
Superiores santiembarques de casemira.
Ditos ditos de lidas laazinhas lisas e de quadros.
Ditos de seda pretos e de cores.
Ditos de mussetina de seda chineza.
Superiores manteletes de torcal pretos. ... V ....
Lindos chalesde musselina e de chally matisados com listas de seda.
Novos chales de torcal e outros muitos artigos modernos.
PARA CABERA BE SEMHOBA E MEWIWOS.
Superiores enfeites de flores, gostos os mais modernosf em Paris ^^$vapor ranCeZ-
Lindos chapeos de palha da riaa enfeitados com muito gosto, a Imperatriz e a \ aieroy.
Ditos de palha para meninos e meninas.
- Ditos de seda bordados. b___U_ larcas e eslreita>, tiras de fustao bordadas para calcas de meninas, saias
das columnas de Antonio Correia de Vasconccllos & C.
AOS SENHORES LOCISTAS
Desta capital, arrabahfes e provincias
adjacentes.
MAMUEIi N. 23 RA NOVA
N. 23.
NOTICIA NOTICIA NOTICIA.
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Candes de visita
Cartees de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
8*000 a duzia
8*000 a duzia
8*000 a duzia
8*000 a duzia
8*000 a duzia
8*000 a duzia
8*000 a duzia
8*000 a duzia
8*000 a duzia
8*000 a duzia
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Tem a satisfcelo de participar particularmente aos seus amigos e fregueze, e era
geral a todos os senhores logistas desta e de outas provincias, que em consequencia de
suas relacoes com as principaes pracas manufacturaras da Europa, tem conseguido
montar a sua fabrica da chapeos de sol sobre urna escala importante, a ponto de poder
t offerecer vantagens aos prelendentes, tanto na qualidade e bem acabado dos seus produc-
\ tos, como pela reduccao dos precos ; verdade incontestavel, de que se poderao conven-
cer vista da fezenda' e pelos precos que vao abaixo :
Chapeos de sol de seda para homem 28, a 720 a duzia.
Ditos 26, a 66.000.
Ditos 24, a 60*.
Ditos para senhora 18 e 20, a 480.
A duzia tem descont de 12 por cento.
Ditos de panninho preto e de cor, armaco de baleia 20, 24 e 26 sortidos, liquido
a 260 a duzia.
Ditos de junco 20, 24, 26 e 28, a 180 a duzia.
Venham ver para convencer-se da verdae.
Enearregam-se de encommendas para da Europa.
Batatas.
Caixas com duas arrobas de batatas desembar-
cadas do patacho .Marn da Gloria, hoje, pelo bara-
to prego de 2*500 a caixa : na ra do Amorim n.
43, ou na ra da Madre do Dos n. 5.
PRESTEM TODA ATTENCAO
PROTEJAM TODOS.
-Minaumi sojouioiu sop scjjoj se sepoi ap oiubj a oueid wed seoisnw
i | 0PBA03 O SJQOg B SGJ03 Op SUtJ SBSSB3 SOUMpUOA
sojoa op BJJU18SB0 op sedeo
so||9q 0)iniu sbh| op sayoQ
sepepjoq sbibs
oepiq sbibs
sonljJBqiuoiiBS
SBjOjd SBdBQ
en
-bu op Bqied op SBUiiodcqQ
o|so3 oiiniu op so.idBqo
sepas
'BquBtnouv a
Bssms 'subj 'bxio)bi8ui ap umiojip iua scpui* sepuazej op oiuatmuos opbijba o o||oq mu
objbj)uo3uo C3xa -\\ qe '0)U3i!38|3qB)s3 o|[aq ossa sejoquos SBmxg iuefo)OJ_
sopvpjoq
sooueiq sopiis3A ap sajjoo
"ffOZ SOUJd S3I3|31UBK
Biiijei Biun op soBpodiv
OpB)S3JUI soljpn.ily
cJod b ffg 5 fi
'$9 '?% 'fi P saoiodcpBK
SOIUIS
"OpBAOJ O SJ 00 B SBB7
0PBAO3 O SJ 05 B 8BSSB3
sBtinoq o)inui sepqo
S0UI|B( 01 8P 9)UBJBjg
-oqu;i ap BquBiajg
oquij ap saomSsg
B3Bjq Bpas' op
SOpBAOO Og a SB)UBU1 'B||3d
-SJUIJ S3Z3JUBJJ S30|dBpBI\ -B3 '0pU0|q ap SOp|S3A S03iy
soepoSiv I soquii svxj'i
Contina a haver pao de senleio novo nos mas
quartas e sabbados de cada semana, na padaria
em Santo Amaro ao p da fundico, na ra da Im-
peratriz n. 22, e ra do Brum, confronte o chafa-
rte n. 47, ra das Cruzes, deposito n. 39, na Pas-
sagem, taberna da esquina do Sr. Bento, que vira
para o Remedio, e no armazem progresso, largo
da Penha n. 10. _______
ROM NEGOCIO
Traspassa-se por 600* urna hypotheca j venci-
da, no valor de 700*, vencendo os juros de 3 6i0
ao mez, pagos adiantados c mensalmcnte, sendo
dita hypotheca sobre um escravo crioulo, honita
figura, idade 22 a 23 annos, official de alfaiate : o
motivo se dir a pessoa que quizer fazer esto ne-
gocio, annunciando por este Diario.
Na ra da Gloria n. 89, ha para alugar um
escolente moleque.
Alcairo.
Vendem-se barris de aleatrao, chegados ultima-
mente : na ra da Cruz n. 4.
Papel de linho.
Superior em resmas para cigarros, uniea casa
. onde se vende este verdadeiro papel cm porcao e
I a retalho 6 em casa do hespanhol, ra dos Quar-
' teis n. 8, avisa-se aos compradores o examinarem
bem esto papel pois que tem apparecido falsi-
ficado.
s.mn
mniAS3W09 3sor
aa
l\ -a ods9i3 op eiu ? scpudziy ap o|U3inpap(|e|S3 oiueaoduii o\f
IfllOflSl 15 (0fl
souiaOxWHisa a soMV3iawvNnad-^
Os abaixo assignados, como administradores de
suas mulheres, filhas do finado Jeronymo Luiz da
Costa, e como taes consenhores da propriedade
denominada Borgelinda, ua lagedo Canhoto na pro-
vincia das Alagoas, pretendem vender ou aforar
as partes que tcem na mesma propriedade, por
inteiro ou em lotes : os prelendentes dirijam-se
nesta cidade do Becife ao largo do Corpo Santo n.
4, ou ruada Senzala Velha n. 94, ou as Alagoas
ao Sr. Joao Cavalcanti de Albuquerque, senhor do
engenho Camboim. Becife 23 de outubro de 1863.
Jos Antonio Fernandes Fradique.
Joao Francisco de Carvalho.
Joao Joaquim Babello Pessoa.______
Na ra dos Pires n. 50 se dir quem vende
um piano forte de mesa em perfeito estado, e da
melhor construccao.__________________________
Faz-se sciente ao publico e a quem convier,
que tondo fallecido o Sr. capitao Jos Albano Van-
derley, rendeiro do engenho Sapucaia, districto da
villa de Serinliem, e nao tendo deixado bens que
cheguem para as diyidas, e sendo eu o maior cre-
dor, portanto, quem tiver letras legaes, dirija-se
I mim, no praso de 30 dias, afim de ver se concor-
| damos algum negocio. Bio Formoso 20 de outu-
bro de 1863.Manoel Martins Fernandes._______
O abaixo assignaSo tem justo c contratado
com o Sr. Bento Jos Pereira do Mac*va compra
livre e desembarazada do seu deposin r/a<.,rua No-
va n. 58 ; se algucm se achar com dreito .io mes-
mo tenlia de fazer suas reclamacoes no praso de
tres dias, a contar da data dete : no mesmo depo-
sito, depois do que, nao ser admettida reclamacao
alguma. Hecife 23 de outubro de 1863.
Jean Prospel.
SEGUROS DE VIDA EM MUTUALIDADE.
A direceo do BANCO UNlAO tendo obtida do governo de S. M. F. a autorisa^ao para estabele-
cer o >'guro de vidas em mutualidades, faz publico que desde j toma subscripcoes annuaes por urna
o vez, debaixo das seguintes condieoes :
Com perda de capital e lucros;
Dito capital smente;
Dito lucros smente;
devendo a primeira liquidacao ter lugar no Io de Janeiro de 1859.
As vantagens do emprego de capitaes em mutualidade, sao obvias, porque nao smente se co-
Ihe o juro de quantias diminutas, de que avulsas se nao poderia tirar nenhum resultado; mas alm
disso, este rendimento augmentado pelo capital ou lucros, ou ambas as cousas, conforme as condieoes
da BUbscripcao, dos que fallecen). Tambem partido pelos socios sobreviventes tudo aquillo que os so-
cios morosos nos seus pagamentos, sao por este motivo obrigados a pagar, bem como caducidades que
occorrerem pela falta de cumprimento*do compromisso social.
As linuidaces sao pelo systema dascompanhias hespanholas, Tutelar e outras ; e parase poder
fazer urna idea do' que pode produzir urna entrada annual de 10*, publica-se a seguinte tabella basea-
da sobre a experiencia de muitos annos decompanhias desta natureza :
Em o annos Em 10 annos Em 15 annos Em 20 annos Em 2b' annos
or um menino de i da a 1 anno 110* 400* 900* 2:900* 4:700*
> de 1 anuo a 2 > 90* 300* 750* 1:700* 3:700*
> > de 2 . a 3 > 86* 290* 720* 1:600* 3:500*
de 3 a 4 > 86* 280* 710* 1:560* 3:400*
> de 4 > a 15 > 86* 270* 700* 1:550* 3:350*
01 urna pessoa de lo > 20 > 86* 270* 700J 1:540* 3:330*
de 20 > a 30 > 86* 270* 710* 1.560* 3:400*
de 30 > a 40 > 86* 1701 790* 1:6000 3:700*
a de 40 > a 50 > 90* 300* 750* 1:800* 5:000*
As entradas por urna s vez dau resultados muito superiores s annuaes.
Porto, 10 de agosto de 1863.Os directores do Banco Uniao, Jos da Silva Machado.F. M. van
er Niepoort.
Agentes em Pernambuco : Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, ra da Cruz n. 1.
f
IM\(() 1' % liO
[^STABELECIDO NA CIDADE DO POBTO
Agentes em Pernambuco
Antonio Luiz de Oliveira
A le ve do i C.
Saeam por todos os paquetes sobre o
mes ojo banco prazo ou vista, sobre a
caixartilial em Lisboa, e agencias em Fi-
gueira, Coimbra, Aveiro, Vizeu, Vilia-
ReaC Bgoa, Vianna de Castello, Guima-
raes, Bacceilos, Lamego, Covilhia, Braga,
PiMiai-l, llraganca. Amarante, Angra,
llha da Tecceira/llha de Faias, illia da
Madeira, Villano Conde, Valenc, Bastos,
Oliveira de Acemeis, Chaves e Fae, a
oito dias vista ou ao prazo que se eoeven-
Le Preca-se de urna ama 4e teite que nao te-
iA& filho: rua Direita n. 4, segundo andar.
O bachajel Francisco Gomes KBe de Al-
iHiquerque Lins tem o seu escriptorio do advoca-
ca Bf rua do Queimado n. 41, primeiro andar,
para a praca do Pedro II.
_ _______________^.
r Ka rua do Queimado n. 1
deseja-se fallar aos Srs. GabrieJ Germano de Aguiar
Monlrroyos e Joaquim Ribeiro de Aguiar Mon-
ta rrnyo.
Quem precisar de urna ama de leite sem fi
lho, vinda do mato, dirija-se rua das Flores nu.
mero 19.
Companhia fldelidade
seguros mardalos e ter-
restres estabeleeida no
Rio d Janeiro.
AGENTES EH PEPNAMBUCO
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C,
.competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercade-
ras e predios no seu escriptorio rua da
Cruz n .1.
Aluga-se a casa terrea da rua da Alegra n.
42, com muitos commodos para familia; a chave
acha-se na taberna da rua Velha n. 33 : a tratar
na rua da Cadaia do Rccife n. 47, loja.
Aluga-se urna casa com soto, no sitio do Cor-
dei.ro, margem dorio Capibaribe, com eommo-
dos para grande familia, cozinha fra, quarto para
criado; estribara para seis cavados, coeheira para
carro, ec.; urna dita, tambem margem do rio,
com commodos para familia, e estribara para 4
cavados : a tratar no pateo do Carmo n. 15.
_ Precsa-se de um forneiro para urna padaria
em Gameleira : a trafar ua rua Direita padaria,
Aluga-se ou traspassa-sa o arrendamento da
Piulara da rua dos Paseadores n. 1 ; a tratar na
rua do Raogel n. 9.
Alugam-se tres casas terreas ns. 23, 24 e 25
na rua da Amizade, na Capimga, com cfnmodos
para pequea familia : a tratar na rua das Trin-
heiras n. 1, loja de tartarugueiro.
' Precisa-sede 200*000 pelo tempode 8 mezes,
com os juros que se conveneionar; na rua do Pa-
dre Flonano n. 70, so dir quem precisa.
\AMTe,
Precjsa-se de urna ama forra para comprar
e codllMr, par} .casa de pouca familia : na rua
.Nova a. M.
*. Roga-se ao Sr. Joaq)|(D ftrreira Coelho ou
quera suas vezes fizer, a bofldade de dirigir-so ao
largo do Corpo Santo R. 0? segundo apdar, para
pegoejo que Ibe interessa.
0 Sr. Ignacio Jos do Couto tem urna carta vinda
do Mai'^nbo para Ihe ser entregue ; na rua da
Cruz n.V2:>, Prlmeiro andar.___________________
__Precisa-se ,mgar urna ama para cozinhar e
comprar, para dor.?ir em cas* i adverte-se que
nao seja vadia: dirija-6 a ^ do Gabuga n. 4,
loja de mudezas. ____________
Precisa-se de um homem ie entnda nerfei-
tamento do reDnacao : a tratar na ilu da Se-~>la-
Nova n. .
- Fago ver ao respeitavel publico que tem de
fazer sociedade Manoel Jos Pereira de Carvalho :
com Bernardino Monteiro Rodrigues ; todo aquello .
que se achar credor ao dito Bernardino, appareca
no praso de tres dias, aflm de enlcnder-se com to-
dos dous. Recife 22 de outubro de 1863.
Manoel Jos Pereira de Carvalho.
,4 ssucar do 31 on teiro
Rua do Imperador n. 28 e caes de Apollo n.
67, a 200 rs. a libra, e de 8 libras para cima
a 5*600 aarroba._______________
Aos coeheiros.
Vendem-se encerados pretos e de cores para
forrar carros : no armazem de Tasso Irmos.
Precisase alugar um sitio ou casa que tenha
quintal com alguns arvoredos e boa cacimba, seu- rua do
do nos lugares seguintes : Capunga, Passagem da
Magdalena, Soledade, ou outro qualquer lugar pr-
ximo do Recife: quem tiver annuncie para ser
procurado, ou dirija-se rua das Trincheiras, casa
de cirgueiro, que dir quem precisa.
FARINHA
Vende-sc saccas grandes com a melhor farinha,
tanto de Santa Camarina, assim como de Porto
Alegre pelo barato prego de 4*000 a sacca ; na
Amorim n. 43, ou na ra da Madre de
Cbegado pelo vapor:
So para o vigilante, rua do Cres-
po n. 9.
At que chegaram as muito desojadas cascarri-
Ihas de todas as cores com urna fitinha de velludo
no centro, cousa muito elegante para enfeite, assim
como de outras qualidades, e precos muito razoa-
veis : s no vigilante, rua do Crespo, n. 7.
Para dar de mimo.
Chegaram as riquissimas bonecas de todos os
lmannos, vestidinhos ricamente enfeitados, cada
um emsua caixinha, propiamente para um deli-
cado mimo, por baratssimo prego: s no vigilan-
te, rua do Crespo n. 7.
Para os senhores hachareis.
Chegou tempo a riquissima fita de ehamalote
para cartas dos senhores hachareis, assim como
branca, lisa, propria para abrir letras, ou para
sintos : s no vigilante, rua do Crespo n. 7.
Pentea de marrara.
Tambem chegaram os riquissimos pentes de
marrafa com pedrinbas.os lindos pentes de regaco
para meninas, meas de seda e sapatinhos propris
para baptisados, meias de seda para senhora, fitas
de laa para debrum, fita de linho, trancas de la,
de linho e de seda, luvas de seda e pellica, e fio de
Escocia e camurga, alnctes de cabega chata, car-
teirinhas com todas as agulhas precisas para cos-
tura, fivelas de madreperola esmaltadas de ara
para sintos, flores de todas as qualidaJes, caixinhas
com paslillias de perfumara, abafadores de la
para senhora, toucas e sapatinhos de la, pulseiri-
#2Un
Maques sobre Portugal.
O abaxe assignado, agente do banco
mercantil Portuense nesta cidade, saca ef-
fectivamente por todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
qualquer somma, vista e a prazo, po-
etando logo os saques a prazo serem des-
contados no mesmo banco, na razo de 4
por cento ao anno aos portadores que as-
sim Ihe convier : as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
Furtaram na noite do dia 10 do corrente dous
cavados pertencentes ao Dr. Francisco Caldas Lins,
do cercado de seu engenho Squeira, na freguezia
do Rio Formoso, com os signaes seguintes : um
mellado, cauda e dinas pretas, castrado, grande,
gordo, os quatro ps pretos at cima,
Holo [raneez a
meia libra
E' chegado pelo ultimo vapor de Bor-
deaux aquella excedente pitada a 1*200
a meia libra ou 2 hectogrammas: em ca-
sa de Manoel "/*,
! nhas de borracha para segurar manguintos, fitas e
ns cordes de borracha, sabonetcs redondos, ditos
\ chamados de familia, pomadas de todas as cuali-
dades e dos fabricantes mais afamados, clcheles
pratiados muito finos, retroz de todas as qualidades,
retroz em carretel e em novello, e de meada, de
todas as cores, escovas para denles, ditas para rou-
pa, ditas para chapeo c ditas para unha, de todos
os pregos, e outros mais objectos, que se tornara
enfadonho anuunciar, e vista dos freguezes pro-
mette-se fazer todo o negocio: s no vigilante, rua
do Crespo n. 7.____________
H na da Senzalla n 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston 4 C,
sellins e silhes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavallos, e relogios de
\o arinazcui de fazendas bara-
tas de Mantos Coelho
RUA DO QUEIMADO N. 19 VENDE-SE 0 SE-
GUINTE :
('.libertas de chita da India
pelo barato prego de 2*000.
Lencos
ouro patente inglez.^_______________________
H a dihero a # o par.
Borzeguins de bezerro e outras qualidades, obra
muito bem acabada, iguaes aos que se vendem por
10* e 12*, liquidagao, aproveitar que a porgao
sem anda- pequea : na rua do Imperador loja junto ao
Precisa-sede urna ama que cozinhe e faga a
compras para urna casa de pequea familia: a tra-
tar na rua dos Guararapes n. 18, sobrado de um
andar.
Dase a quantia de 20* pelo aluguel de urna
escrava para todo o servigo interno e externo de
urna casa de familia : a tratar na rua dos Guara-
rapes n. 18, sobrado de um andar.______________
Ainda est por alugar-se o segundo an-
dar do sobrado n. 44, cm a rua da Auro-
ra : quem o quizer dirija-se esta mes-
ma rua casa n. 10.
Aluga-se a loja do sobrado n. 193 da rua Im-
perial, e o armazem n. i da rua de Apollo : na rua
da Aurora n. 36.
" Precisase fallar ao Sr. Leoncio JosTheofilo
que veio da Baha : dirija-se ao armazem de Tasso
Irmos a fallar com Baymundo Correia de Mon-
donga^_____________________________________
Um mulato corpulento, de 18 annos de idade,
e capaz de prestar-se todo e qualquer servigo,
tambem se aluga na mesma rua da Cadeia n. 24,
ou no pateo de Pedro 11 n. 31._________________
Um sobrado de tres andares
alugar-se.
Quem p pretender com os bons commodos que
tem, vista para o mar, nerto da praga do commer-
cio, emflm na na da Cruz n. 9 : dirija-se rua da
Cadeia do Becife n. 24.
Aiie Daniel de Moura Pacheco e Francisco Jos Fer-
reira fazem sciente ao respeitavel corno commer-
cial, que desde o 1. de julho do corrente anno que
dissolveram amigavelmente sociedade de que fa-
ziam parte, sobre a razo de Daniel & Ferreira,
estabeleeida na serra de Luiz Gomes, provincia do
Ro Grande do Norte, e declaram que a mesma so-
ciedade havia satisfeito todos os seus dbitos pas-
sivos.
Aluga-se o primeiro andar da rua do Crespo
n. 23 ; a tratar na loja.________________________
O abaixo assignado attendendo a ba aceitago
que teve a lotera extraordinaria, ha pouco ex-
trahida, e tambem aos pedidos de quasi todos os
compradores de bilhetos, devido isso ao excedente
plano das loteras extraordinarias, approvado pelo
Exm. Sr. presidente da provincia, tem exposto
venda os bilhetes da segunda lotera extraordina-
ria, que correr no dia 6 de novembro prximo,
sendo a tercera parte da segunda da Santa Casa
da Misericordia, e espora do respeitavel publico a
compra dos bilhetes, pois assim contribuir para o
beneficio da Santa Casa da Misericordia, reumndo
o til com o agradavel.
Os bilhetes e meios acham-se a venda na respec-
tiva thesouraria rua do Crespo n. 15 e as casas
commissionadas rua da Imperatriz n. 44, loja do
Sr. Pimentel; rua Direita n. 3, botica do Sr. Cha-
gas ; rua estreta do Rosario n. 12, typographia do
Sr. Mira e rua da Cadeia n. 45, loja do Sr. Porto.
Os premios do 10:000* at 20* sero pagos lo-
go depois da extraegao al as 4 horas da tarde e
os outros no dia seguinte depois da dlstribuigo
das listas.
Servindo de thesoureiro,
Jos Rodrigues de Souza.
res, porm de sella; "outro rodado sujo, cauda e
cunas pretas, bom tamanho, grosso, castrado, rela-
do pelos peitos por ter sido de roda, urna baixa
cin um dos lados das costellas, mcio corcunda e de
carga : quem der noticia dos mesmos cavallos ou
os entregar a seu dono no referido engenho, ser
recompensado com a quantia de 50 a 100*.
pago.
Chapeos de palha ricamente
enfeitados
Chegou pelo ultimo paquete loja da rua do
tasa gratiae. Queimado n. 11 non grande sortimento de chapeos
Aluga-se o terceiro andar o soto da casa n. 51 de palha de Italia para senhoras e meninas, o mais
da ruada Cadeia do Recife, com 5 janellas de fren- moderno que tem vindo a esta praca, c vende-sc
de panno de linho a 2*000.
Lences
de bramante de linho fino pelo barato prego de
3*000.
Leos de cassa
brancos, finos propris para algibeira pelo barato
prego de 2*000 e 2*400 a duzia.
Fil liso lino
- Vcnde-se urna negra boa quitandcirac por pclo bara,issm0 prego de 680 rs.-Ara'
prego commodo : na rua do Queimado n. 2, loja (r Madapolao lino
&------------------------------------------------'pecas de madapolao largo superior pelo baratsi-
mo" prego de 8*000.
Ricas saias
de fustao a 5*500.
Pegas de bretauha
de rolo com 10 varas propria para saa a 3*200.
Pegas do caiubraia
te e muitos commodos para numerosa familia, tan- por pregos muito baratos. ________________ adamascada para cortinado com 20 varas pelo ba-
to no andar como no sotao, que corrido em toda Vende-se na Capunga, rua da Jacobina, junto rato prego de 10*000.
a casa, onde tem quartos para dormida, e um mi- ao sitio do fiuado padre CapUtrano, una casa ter- Bramante uc Mnho
rante cm quinto andar, para recreio, fresco e bella rea ^ pe_Fa c ca| com 3 guarios e cozinha fra, fino comdez palmos de largura pelo barato prego
vista : para vr-se, no mesmo andar, que se acha frente murada com porloe um pequeo sitio cer- de 2*300 a vara.
anda oceupado, de manhaa at as 9 horas, e de
tarde das 3 horas em diante : tratase com Jos
Mara Seve, na Iha dos Ratos, rua do Seve n. 16,
visnho a ponte de ferro, que vai do theatro de
Santa Isabel para a mesma ilha._______________
Aluguel.
Aluga-se o segundo andar do sobrado da
Velha n. 20: a tratar na rua do Sebo n. 24.
rua
O abaixo assignado declara aos seus deve-
dores que d'ora em diante llca sem effeito algum
a procurago que autonsa ao Illm. Sr. Andr Ave-
lino Sobreira de Mello, para ser seu cobrador de
dividas. Recife 22 de outubro de 1863.
Joao Correia de Carvalho.
Aluga-se a casa terrea da rua da Gloria n.
116, com bons commodos para grande familia,
pintada e ladrilhada de novo, e o segundo andar
da rua da Matriz n. 35 : tratar com o Sr. An-
tonio Joaquim Ferreira Porto, na ponte Velha, ou
na rua da Cadeia n. 12 com Miguel Joaquim da
Costa.
COMPRAS.
Compra-se urna mulatinha de 10 a li annos:
na rua de Santa Thereza n. 58.
Compra-se um torno cm bom estado
tica da rua do Cab g n. II.
nabo-
Quem tiver para vender urna casa terrea no
bairro da Boa-Vista, com bons commodos e bem
construida, dirija-se rua da Imperatriz n. 47, ter-
ceiro andar.
Compra-se um cnirioiet americano, novo, ou
em bom estado, e que tenha 4 assentos: trata-se
na rua do Imperador, sobrado n. 55, segundo an-
dar, ou no escriptorio do tabellio Alraeida, na
mesma rua.
Um preto.
Compra-se um preto de 35 a'45 annos de idade'
na rua do Crespo n. 17, loja.
Compra-se eSectivamente ouro e prata cm
obras velhas : na praga da Independencia n. 22 la-
ja de bilhetes.________________________
ALUGA-SE
A casa da rua da Gloria n. 52 : a tratarse no
Recife rua da Moedan. 9 armazem.
Aluga-se urna casa em Bebirbe ; a
tratar com J. I. de M. Reg, na rua do
Trapiche, n 34.____________________
- Precisa-se de um trabalhador para sitio de
capim : na loja aC Passeio Publico n. 7._________
- Precisa-se de u"- criada forra
que saiba eiigonimar: na ruJ d im-
perador n. 17, segando aidir.
Compra-se cobre, lato e chumbo: no arma-
zem da bofa amarella no oito da secretaria de po-
licia, rua do Imperador.
Compram-se barriquinhas que serviram de
bolachinha americana a 500 rs. cada urna : na
ravessa da rua das (juzes taberna n. 6._________
- Compram-se duas negras perfeitas cozinhei-
ras e engommadeiras : na rua de Apollo n. 84'
segundo andar.
Compra-se cobre lato velho
na rua da Cadeia do Hecife n. 36, pri-
meiro andar._____________________
Compra-se urna casa terrea de boa construc-
gao, situada em alguma das principaes ras desta
cidade: a tratar no escriptorio de Manoel Ignacio
de Oliveira & Filho, no largo do Corpo Santo nu-
mero 19,
VENDAS.
ATTO
Camisas de 13a (flani) de
barato preco de )5tf a duzia
urna: na rua do Crespo n. 4,
pelo
cada
cado de ps de limueiro, pertencente mesma Toadlas alcorlioadas
casa, por prego commodo : a tratar as Cinco Pon- para raao pelo baratissimo prego de 5*000 a du-
tas n. 32.___________________________________' zia.
vTlVliTw Atoalhado de linho adamascado
V1M HUi^ proprio para toallia de mesa a 2*300 vara.
R. B. Lasserre & C, rua da Cruz n. 5, tlgodo monstro
vendem por pregos commodos : com 8 palmos de largura pelo baratissimo prego
Porto, Bordeaux e Collares
tas ;
Figuera fino em barris ;
Medoc e S. Julien lino )
Santernes ) em caixas:
Cognac fino e inferior )
por toda a semana que entra.
Est a vender-se a casa terrea n.
em ancore- de ,500 a vara- .
Cortes de caiga
' de ganga amarella de lista e de. quadro fazenda su-
perior pelo baratissimo prego de 1-5200 o corte.
Lazinha de quadro
de gosto inteiramente novo pelo baratissimo prego>
de 480 rs. o covado.
Pegas de rambraia de salpico.
_| fina com 81/2 varas pelo baratissimo prego de i*.
_ n. I Pegas de ramliraia de forra
da rua da Palma. Se a guem lera o que op-1 baratlssimo fc _5m
por, annuncie dentro de quatro das, a con- Esldra dj |||dia
lar de hoje. Recife, 19 de outubro de ib.i. para forro de sala de 4 s e 6 palmos de )ar_ura.
Vaquetas e couros de bode.
E' chegado casa do selleiro da rua lar-
ga do Bosario n. 28 as mui afamadas va-
quetas francezas para cobrir carros, assim
como um sortimento de couros de bode
com cabello comprido mui proprio para
mantas: a elles antes que se acabem.
Vende-se
O muito veleiro palhabote americano Ro-
ben & Troth de 451 toneladas, construido
em 1858, inteiramente de carvalho branco,
forrado de cobre
navegado desta costa, .
dar 9 ps d'agua estando muito carregado
trata-se at o dia 28 do corrente cora os
Srs. Thom, Burkinhyoung & Boberts.
M aguaBBKfcgf
t'otassa da Kussiam
Vende-se em casadcN.O. Bic- f
ber a. C, snecessores, roa da
r.ruz n. 4.
Cal de Usboa e potassa da
Russla.
Vende-se na rua da Cadeia do Recife n. 26, para
e moito proprio para a onde se mudou o amigo e acreditado deposito da
DOr smente deman- mesma rua n. 12, ambos os gneros sao novos e
legtimos, e se vendem a prego na barato do que
outra qualquer parte.
Vende-se um balco de louro proprio
>fn. 42.
lem-se: tac!
Kna da Senzalla 1\ovj
Nestc estabelecimento vendem-se: tachas de
para taberna ou outro qualquer eslabeleci- J jf J a 0 ra., dem de Low
bento, tem tambem urna grade de ferro e '
ferro para balanca, por preco commodo :
na praca da Boa-Vista n. 9.____________
Vende-se a loja de calcado da roa do
Lvratnento n. 35 propria para qualquer
principiante, por ter poucos fundos : quem -Va rita do Queimado n. 43, esquina que
11011%
a pretender dirija-se
taberna da tartaruga.
mesma rua n. 39,
volta para a Cfmgregagao; pechincha.
Paletots de remira a 5, 6, 7, 8, 12 e 14*000
ditos de panno preto e azul a 9, 10, 12, 16 e 18*
ditos sobrecasacos de panno muito fino por 24* e
28*, ditos de alpaca preta e de cordao a 4,3, 6 o
7*, calcas de rasemiras de cores a S, 6, 7 e 8*000,
ditas pretas a 6*300, 8, 9 e 10*, paletots de fustao
Na padaria da rua da Senzala Velha n. 84, ven- e ganga a 2*, 2*800, 3 e i*, caigas e rolletes de
dem-se muito boas bolachas propria para escravos 1 todas as qualidades e por prego muito barato, len-
OTfflSM)
a 2*800 a arroba.
C anno* de ferro.
Vendem-se cannos de ferro com pollegada do
dimetro propris para encanamentos d'agua, por
preco muito barato : na rua Direita n. 84, pa-
daria^______________________________________
Cofre Inglez.
Vende-se por commodo prego um cofre inglez
prova de fogo, em perfeito estado por ter pouco
uso : na rua Direita n. 84, padaria. _______
ges de puro linho a prego de 2*800 e 3*,
tas de chita a 2*240, collarinhos de frbbo |
cober-
puro a
600 rs. cada um, e outros muitos objectos que s
vista ; e para isso se pede a attengo dos fre-
gnezes.
A 2o rs o covado.
Cassas muito bonitas e finas : na ruado Crespo
n. 17, loja de Jos Gomes Villar. ^__
Cyllndro para padaria.
Vende-se um cylindro para padaria em
bom uso e por commodo prego
n. 84.____
na
muito
rua Direita
Terreno.
Vende-se um no lugar de Maria Simplicia em
Olinda: a tratar na rua da Cruf armazem n. 26.
Vendem-se duus terrenos, um rom 685 palmos
de frente sito na rua Imperial, freguezia de S. Jos
n. 226, outro com 100 palmos de frente sito em
Santo Amaro perto do 5lUo do Sr. Calo : a tratar
na rua do Trapiche n. 9.
Fardi
Vende-se um completo rardao da guarda nacio-
nal do 3. bata" zoavel, e una ban-
da pa a da Cruz, ar-
roaiemn.
[LEGjyEL



Diario de Peruaiubuco Segunda felra de Ouiubrode 1**9.
, o covado j fustfo para vestidos e roupinhas
, de meninos, a 320 rs. o covado; alpakin oh
ira! np se ven- gur*u''5o5 de ,inM,> a 260 rs- ; ganguelin,
urna s cor, a 320 rs. o covado; toalhas de
linho adamascadas para rosto, a l&; vestua-
rios para meninos e meninas, a 1)5600 e 20;
tiras bordadas e entremeios, mais barato que
em outra qualquer parte: tudo isto pe-
chincha e vende-se para liquidar: na ra da
luxo, como de pnme.ra neces dade pro- Imperatriz n. M I(Ja e arqmazem do p ,
pnas para a praca e para o mato, que se de Gama & Silva,
vendem por precos mu.to resum.dos, de lo- Grosdenaple8 a {.m rs M loja do Pajo>
das as fazendas do-se amostras dorando Vendem-se grosdenapes preto muito boa
penhor, ou mandam-se levar em casa das' fa7pn,ia lAKon unin lAunn ..^a
familia nara esrolherem oeloscaixerns ,h a' a 1*o' ObOO, 16800 e 20: so
ramil as para escoinerem, peos caixeiros da na ,oja do Pav.go> rua da ,mperalriz n_ ^
Para Into vende-se na loja do
GRANDE EXPOSIQlO
dem tara liquidar; na loja do Pa-
vo, na da Imperatriz, b. 60.
Neste estabelecimento acha-se um grande
e variado sortimento de fazendas, tanto de
ia.i cona 9 palmos de largura
na loja do Pavo. i# too.
Vendem-se ISazinhas transparentes de urna
Pavao.
Vendem-se flnissimo setim da China, fa-
zenda sem lustro, proprio para vestidos de
s cor, de quadrinhos proprias para capas senho:as, para capas e roupa para homem,
e vestidos, tendo 9 palmos de largura, pelo i tendo esta fazenda 6 palmos de largura e
sendo muito leve, vende-se pelo baratissimo
preco de 2200 o covado, garantindo-se que
nao se torna ruca, e vendem-se nicamente na
loja do Pavao, rua da Imperatriz n. 60:
baratissimo preco de I #400 o covado; s
na rua da Imperatriz n. 60, lojado Pavao.
O avilo vende ISas de 4 palmos
de largura a SO rs.
Vendem-se lazinhas infestadas, sendo das
mais modernas, de urna s cor e de qua-
Cortes de chitas a 2:000 c 2:500 rs.
Na loja do Pavao veude-se cortes de chitas
inglezas, tendo 10 covados, a 20, e com
SEJJ1 NEGUIDO.
QU1NQUILIIARIAS.
Rua do Queimado, ns. 49 e 55, lojas de
Jos Bigodinlio, queiram ver ver as fazendas
que abaixo annuncio, pois todas eu garanto
<|ue sao muito novas e baratsimas.
Pecas de trancas de algodo de to-
das as cores a....... 80
Duzias de lindas com 200 jardas, A-
lexandre, a.....' 10100
Carritel de qualquer numero i00
Varas de aspas para bal5o 80
Caixas com superior obreias a 40
Ditas de colla....... 80
1 libra de 15a sortida.....40000
1 libra de laa muito superior em co-
res e qualidade ...... 70000
Pares de botes de punho a 120
Pares de sapatos de tranca 10280
Ditos muito superiores, a 10600
Caixas e pacotes de papel amisade de
cores a. ....... 600
Duzia de meias muito tinas para se-
ntara a........30500
Duzia de ditas cruas para homem a 2*400
Daralhos muito linos para voltarete a 300
Carriteis de linha com 100 jardas a 30
Carloes de linha branca e de cores a 20
Novel los de linha com 400 jardas a 60
Ditos muito grandes com 800 jar-
das a .' .......
Carloes de linha com 200 jardas (est
se acabando a ......
Vara de Ota preta com colxetes para
vestido, e tera um resto parda a
BALIZA
120
0
100
W^a
tas garibaldins a 440 rs.; ditas de qua- j Carnauba.
dros a 360 e 280 rs.: s na loja do Pav5o, I Vende-se cera de carnaba'em saccas, por
rua da Imperatriz, n. 60. de Guimaraes preCo muil0 em conta, ou mais barato do
s,lTa' que em outra qualquer parte : a tratar na
Lazinhas a 900 rs. o covado. rua da Imperatriz n. 60, loja de Gama &
S o Pavo. Silva,
Vendem-se laas de corda"ozinho proprias! Sedas de quadrinhos a 800 rs. so
para vestido, sendo muito boa fazenda, com i Pavao.
as coresseguintes : alvadia, cor de caf,rxo! Vendem-se as mais delicadas sedmhas dequa-
escuro, claro e pretas, proprias para luto ; drinhos, muito miudinhos, sendo propnos para ^ mn ^j m2iM Tw
ditas tranSDarentes com nnlminliT? ocle ln- vesI,dos (le senhora e roupmhas para meninos e ^JEiT\ WKI* Cli Jf 1F
Irl LenT paimmias pelona- meninas ^xiAq fazenda que sempre se venden a OblectOS de tintura e muslea.
rato preco de 280 rs.; ditas infestadas de 5o00ctorra-sea6i0e800rs o covado e sedas I Z iT a "uiura e musita.
quadros a 280 rs. : s na rua da Imperatriz, brancas lavradas, proprias para vestidos de noivas I rua,0 U ueimau- ns. 49 e o5, esta
a 800 rs. o covado : s na loja do Pavao, rua da, quemando tudo pelos precos abaixo deca-1
imperatriz n. 60, loja de Gama & Silva. j rados, e preslem toda a atlenco para ver
Ricos vestidos de Soulhambac, vende ,o que bom e barato.
0 Paao. j Duzia de facas egarfos muito finos a 20500
Vendem-se os mais modernos vestidos a Sou- D',a d'la dita de Cabo prelO muito
thambac, com barras de seda pelo diminuto preco I finas a.........3020!'
Cirande peehineha de laas a nasa ........ 400
vn^m co,. m3*. rs* 1- k Ditas ditas para unhas, muito finas a 400
\endem-se as mais modernas lazinhas mansa-! r.rla das para vestidos de senhoras o meninas pelo ba- ~arlas ,?e a 'metes de ferro a 80
ratissimo preco de 320 rs. o covado, por ter che- U"3S (Jilos de lalo muito finos a 40
gado urna grande porcao desta fazenda loja do Ditas de dito grandes..... 120
Ittenco!
Posto que domine no cor-
ceo do BALIZA a mais bem en-
tendida ambifao de tirar de
seu negocio as melhores van-
tagens, com tudo elle nao pro-
cura fazer fortuna vendendo
gato por lebre;
Quando nao se negocia aca-
madamente, est bem ao alcan-
ce de todos a facilidade de fa-
zer-se boas compras, para ven-
der-se barato.
LEDE LEDE
?
Lelam todos.
Ao armazem do BALIZA po-
dem ser devolvidos quaesquer
gneros qne por ventura n5o
sejam do contento dos senho-
res compradores. Nao fica
resentimento aljum em se tro-
car por outre, ou restituir-sc
o dinheiro recobido,
Mantcr a todo o custo o seu
crdito, e agradar aos seus a-
migos e freguezes, todo o
desejo do proprietario deste
estabelecimento,
LEDE'
n. 60, lojado Pavo.
GRANDE PECHHA
a * Cassas a 210 rs.organd) a 210 rs.
Vendem-se muito bonitas cassas francezas
a 240 rs. o covado ; organdy malisado, pa-
droes muito bonitos a 240 rs. o covado;
ditos, fazenda finissima que sempre se ven-
deu a 10000 a vara, liquida-se a 600 rs. a
dida.ou 360 rs. o covado, por haver grande
porcao : na rua da Imperatriz, n. 60, loja
do Pavo, de Gama & Silva. > Pavao assim como se vende outras mais finas com Caixas de pliophoros de pao
*ova pechlncha de eortes de SXSSSVS^^L'LS Prosa de ditos do gaz a "
canibraia na loja do Pavao.
Vendem-se cortes de cambraia brancos
Siempre a frente do progresso,
Constante marcha o BALIZA,
Tena por norte o bem commum.
A verdade por divisa.
K A XI i :
com babadosa 20500; dilosa 30000; ditos
a 40000 ; ditos chinezasa 4000o ; pegas de
cambraia transparentes, adamascadas, pro-
crias para vestidos, tendo 8 varase meia a
30000; ditas lisasbrancas e decores a 20500,
30000, 3)500, 40000 e 50000 ; pegas de
cambraia de carocinhos tendo 8 varas e meia
cada urna, sendo brancas e de cores, a 30500;
ditos a 20500; pecas de cambraia para cor-
tinados, sendo tapadas e transparentes com
20 varas ca.Ja peca a 90000, sto tudo para
apurar dinheiro: na loja do Pavo, rua da
Imperatriz, n. fiO, de Gama A- Silva.
O Pavo vende chales
A 2-50OO, 20500, 30000, 50000, 60000.
70000, 8,000 e 100000. *
Vendem-se chales de merino estampados,
claras e escuro a 2a, s$tsoo oaoo^JM**
loja do pavao rua da Imperatriz n. G0, de Gama i? ,
& Silva. Duzia de dito dito a .
Massos de palitos para dentes
Os rasos
OS MAIS MRWMTES
E
EViHia \K\UMvt iuaiao
Abotoaduras para coletes a
Escovas para roupa,muito finas a 400,
500 e......
10
20200
200
160
160
800
tu:
.PVELDlRVQOPiE
EUlaLluO]
A
Fl
5
multo finos de todos os pregos e qualidades,
tanto de pona redonda como quadrados;
assim como finissimos diales de crepon com
cores inteiramente novas e ricamente bor-
dados a matiz, sendo chegados pelo ultimo
vapor a 100000 ; ditos de pello, bordados,
a 2| s na loja do Pavo, rua da Impera-
triz, n. 60.
Ascasemiras do Pavo infesta-
das a IgOOO.
"endem-se casemiras francezas enfesta-
d;.s, proprias para caigas, coleles, palitos,
e capa para senhoras, por ter de urna s
cor, sendo fazenda que sempre se vendeu
a 30000. liquida-se a 10600 o covado : s
na loja do Pavo.
(i'SEtlo rehincha rm chapeos
de sol na loja do Pavo.
Vendem-se chapos de sol, a mgleza, sen-
eobertos de linho e forrado de verde, pro-
prias para senhoras que forem passar a fes- j
ta. <.;i para meninas lerarem para a escola,
i,elo barato prego de 10(50 ; ditos marque-'
zinhas, de seda com franjas e cabo de do-
brara 30000 ; ditos de seda para homens,
sendo com armago de balea a 60 e 70, islo
para apurar dinheiro : s na loja do Pavo,
rua da Imperatriz, n. 60.
Caxerairas da Escocia a '#000
o corte.
Vendem-se cortes de caxemira da Esco-
cia, para caigas, pelo barato prego de 20,
tendo da mesma fazenda para vender em
ovados a 580 rs., sendo esta fazenda mui-
to cncorpada a imitago de caxemira, e ga-j
rante-se que nao desbota. Tambem se ven-
dem rtes de caxemira ingleza, d cores
escura para caiga pelo barato prego de
H800 cada corte, ou a 500 rs. o covado :
s na loja do Pavo, rua da Imperatriz,
n. 60.
adapolo Infestado a 4ooo
S o Pavo.
Vendem-se petjas de madapolo infesta-
do com 12 jardas a 40000, ditas a 40500,
ditas com 24 jardas a 7050" e 80000 : s
na loja do Pavo, na rua da Imperatriz.
n. 60.
Ricos vestidos brancos.
Vendem-se os mais ricos vestidos de cam-
braia brancos, bordados a croch, sendo os
mais modernos que tem vindo ao mercado, I
tendo as saias 4 pannos, e vendem-se pelos |
baratos pregos de 100, 120 e 16 : s na i
loja do Pavo, rua da Imperatriz, n. 60, de
Gama & Silva,
MMIRENI AS PECHINCHAS, \
na loja do Pavao.
Ricos cortes de cambraia brancos com ba-'
hados e duas saias bordadas crox, tendo i
bastante fa/enda para vestido, pelo baratis-
simo preco de 30 cada um; ditos de cam-
braia de seda com barras e babados, a
20500, para acabar; cortes de vestidos a
O ERUF00E8 ESCROFULOSAS,
Ulceras de toda a especie,
SYPHILIS. lr MAL VENREO,
TUMORES,
Bbnllleoest
BERTOEJAS,
QiOTAIJfiA,
lydnijii.ski.
Empigens,
HERPES;
ERYSIPELAS
ESCORBUTO,
Tiiiba,
CKGAS ARTIGAS,
Rheumal?smo Chronco,.
DBBILIDADE GERAL,
Ne Tosidade, Ncvra Isias,
mi m irans, fasto,
SUPPRESSAO DAS REGRAS, ou
1
PECHINCHA.
Perfumara de superior qualidade.
O rival sera secundo, rua do Queimado,
ns. 49 e 55, est disposto a vender mais ba-
rato que nunca vendeu, para o que queiram
ver:
Duzia de saboneles finos a 720
Sabonete inglez, o melhor, a lid
Frascos com agua de Colonia muito
fina a.......t 400
Dilos de dita grande a so/*
Dilos e_AudnUt dUJUIdUU, ITIllfc-
i Ibor, a........ CtT-
Ditos de macag oleo muito bom a tOO
Ditos perola muito superior a 200
Ditos de oleo de babosa a 240, 320.
100
500
320
BOU
200
900
800
720
800
AMENORRHEA,
1
80
80
i 1 (i
40
360
40
320
160
Rcfeneao das Urnas,
KMACAgAO,
Ou emmaareeimeno yeml do corpa, pwe-
nlrnte do estado vicioso do sunyue,
IKFUMMACOES CHRONICAS,
AFecipoes Chronicas do Figado,
\--l\f COMO TODAS AS MAIS SIMII.UANTES -MO-
I.ESTIA8, l'RINCII>AI.MENTE QUAKDO SAO
CAC8AOAS, OU l'KODVZIDAS PKLO MLI
uvhb rso no Mehcuhio ou
(L1SIKO,
A .lu romo tnmbem pelo rrrqnrntr au da All-
SENICO e otnu prepnrn^e* Aleme* i
Todas estas Enfermidades prompta e efBcaz-
mente cedem A benefioa, poderoza e
purificantes qualidades da mu
justamente afamada
XlLSiPHMIIMH E BRIKTOL.
venda as boticas de Gaors & Barboza,
rua da .Cruz, e JoSo da C. Bravo 4 C, rua
da Madre de Dos.________________
AGENCIA
DA
FUNDICAO DE L0W-M00H.
- Rua da Seualla nova n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
Ditos de banlia branca a .
Dito de cheiro muito bonitos a .
Ditos de banha, pequeo, muito fina
..........
Ditos de opiata a 2"0 rs., e boa a .
Ditos de banha japoneza a .
DUos de banha transparente a .
Ditos de oleo filoconne a .
RIVAL
SEM SEGUNDO.
Objeetos diversos.
Rua do Queimado, ns 49 e 55, vende os
i objeetos abaixo declarados, pois para aca-
bar; estes pregos nao sao para continuar,
mas as nesessidades assim o permitte.
Pares de luvas dealgodo finas a .
Caivetes de aparar penas, de I fa-
lla a ,....... ,
Ditos de 2 ditasa......
j Caixas de colxetes francezes a. .
j Duzia de dito francez a .
; Massos com grampos lisos e de cara-
col a .........
Duzia de dedaes de metal em caixi-
nha de vidro.......
: Tinteiro de vidro com tinta superior
a..........
Ditos de barro que serve para tin-
1 teiro a........joo
Grosas de botes de louca prateado a 160
, Pecas de tranga lisa encarnada a 20
; Varas de bicos e rendas, para aca-
bar a ........ 60
, Varas de labyrinto de 3 dedos de
, largura a.......100
, Ditas de pos para den lesa 100
Penlesde tartaruga a 3.5000 e .3.5500
Resmas de papel de cores a 2^000
Delicado mimo.
Domingos da Silva Campos com taberna na rua
do Imperador, defronte da relacao, avisa aos seus
freguezes o amigos que recebeu urna pequea por-
, gao de caixmhas com ameixa rainha Claudia,
ricamente enfeitadas pelas freirs de Elvas, pro-
piamente para um delicado mimo, e seus precos
muito razoaveis conforme o tamanho.
Familia de mandioca
em saceos grandes, e de superior qualida-
de; no armazem de Tasso IrmSos, rua do
Araorim, n. 35.
Yinlio puro.
No escriptorio de Euzebio Raphael Rabello, na
rua da Cadeia n. 55, vendem-se ancorlas com ex-
jcellentee puro vinhtinto de Lisboa,smentedes-
tinado para gasto de casas particulares por ser re-
mettido pelo proprio fazendeiro ou lavrador.
Vidms de cores
Vendem-se caixas com vidros de cores e a re-
talho : na rua da Imperatriz n. C5.
lirgo do Uvramento us. 38 e 38 A
Defronle da grade da igreja
AO RESPEITAVEL PUBLICO
, Senhores e senhoras
O incmsavel proprietario do grande armazem do Baliza toma a liberdade de mandar
declarar do alto da imprensa pernambucana, que elle perfeilamente liberal em offerecer aos seus
benvolos freguezes os melhores qualidades dos mais bem escolhidos gneros, nao s do paiz como do
estrangeiro a pregos de contentar c satisfazer a todos.
Fazendo to publico e espontaneo manifest, o referido BALIZA julga de seu rigoroso dever
declarar mui seria e.punitivamente nesta oportunidade, que tambem o mais firme e dedicado conser-
vador de sua numerosa freguezia.
Da boa qualidade e barateza dos gneros offereeidos aos seus freguezes, junta ao pequeo ga-
nho que tira para si, tem sabido fazer o BALIZA a mais perfeita liga de interesses recprocos, que a to-
das as coosciencias deve por forca e necessariamente agradar.
Tendo por conveniente tambem a publicagao do seguinte aviso, o BALIZA faz saber nicamente
aquellas,pessoas que sempre estao promptas a compraren, tudo, com tanto que se lhes permitta paga-
ren, logo, que elle
NAO VENDE FIADO.
Os amigos da economa, aquelles que s comprara os objeetos de que carecem, e que goslam fi-
nalmente de emprear bem o seu dinheiro yenharn a este estabelecimento.
JLEI %*I TOM,
- tM? prT ^ 9iaH'aer en6"0 annunciado a venda em outros estabelecimentos, poden
res freguezes diminutr c.nco por cento, e vir compra-Jo ao Baliza, que sendo, como todos sabem, o Z
mem do movimento prefere ganhar muito pouco, com tanto que seja por muitas vezes repetido.
Cal de Lisboa
no a; iiizcm de (iuimares & Al; .> lo ni-
do na rua do Vmoi-iin n. 54, no Recife,
veiroVsc lianis com cal nova em pedra
cbe^aAos hoje de Lisboa no patacho
llari.a da tloria, uina nova que existe
no mercado.
4S--RVA DIREITA--45
Eia, rapazada, corageml parece queja
entregastes os vossos joanetes aos duros sei-
xos do pessima calcamcnto da nossa cidade
para salas.
A'a rua do Queimado ni?.
, Chegaram ;i casa do Augusto Porto muito sune-
s de diversas larguras, para las,
~ "I a &E.E.ST&?
S se observa em VOSSOS ps botinas acalca- as qae-s se vendem por commodos prpos.
2 2 S o'
oS *f _.. gZS-5-Sgr i
s g -*
,
p a
as S
0 &S 2j -i ^ a *
, o _.
o c-* a
3 g 3 O-jS"'
s.ac,B > s s; a
*l
2 ^ 2 S-.Z-P
9 i S" s. =>

'2
TJ g 5* 2
30 o
<0 _
S3
"O
5
t> s
'/.

09

a
2_
o a. 5'
a *
* S S o.
35'
as a as-
O
2 ~ 'J
_
5
13
n>
a
aj o y
5.8
S-a?
a 5
3
n
s
w
e
z
>

se
e
nhadas e gasta* at ultima sola; sapatoes
rasgados e quasi sem saltos____nem tanto I
a quebradeira nao deve chegar at este pon-
O GALLO CANTA.
i\ao possivel que o gallo, vendo entrar em seu
ninlio objeetos de elegante gosto, fcixe de dar o
to I Vinde rua Djreita munir-vosde excel- seu canto, annunciand aos sedj
Jente calcado com 40 e at (50 por cento 1ue madem ou venham ver para querer, a slcr :
aienos do seu valor___attcndci:
fiorzeguins, Nantos, bezerro e va-
queta 2 e meia solas .... 8#5O0
Boizeguins, Nantes, bezerro, va-
queta e lustre 2 solas. 80000
Borzeguins, francez e hamburguez,
bezerro, lustre e couro de por-
co 14 e........60000
Sapatoes, Nantes, bezerro e vaque-
ta 2 e meia solas.....50500
Sapatoes, Nantes, vaqueta, lustre e
bezerro 2 6olas......50000
SapatEes, Nantes, sola e vira. 40000
Ditos para menina, com laco. 30500
Ditos de ditas, de cores. 20800
Sapatos para senhora e homem,
tapete......... 800
Sapatos de borracha para senhora. 10400
dem idem para meninas. 10000
Sapatos de lustre para senhora. 10000
dem de lastre as avessas ... 500
lYv
um completo sortimento de moendas e meias | Oleo de ricino.
Mara Pia, sendo fazenda de bonito gosto, a nioendas para engenho, machinas de vapor Ve\ude-se oleo de ricino em latas a 400 rs. a li-
30500; cortes de cambraia brancos com ba- e tecnas d ferro batido e coado, de todos os bra, na rua da Cadeia Veiha n. l.___________
badinhos, a 20; enfeites para cabeca, sendo tamanhos para ditos._________________' i parlaba de mandioea
Garibaldi e a turca, a 40; ditos com fitas Arados americanos e machinas para' Vende-se forinha da mandioca da melhor e r
meninas, a 500 e 640 rs: gollinhas bor-
adl8^ 3|?a6 5? ? i- ^ f3" ** o covado : na rua do Qu^mdo n. 43, S
drinbo, 4 W) rs.; dita de liste, a 400 re. quina que volt para a Congregado.
Grande sortimento de cambraia de cor fixaja,
i aequa- j4ow 0C0Vi0
Caz a 500 rs. a carrafa'
Na rua do Vigano deposito n. 6.
Vende-se na praca da Independencia ns. 37 e
39, capel las de aljfar para se botar no cen i te rio
publico no dia de tinados com as inscrip^des se-
guintes :
Minha mai.
Meu pai.
Meu esposo.
Minha esposa. ,
Meu Itlho.
Minha lllha.
Urna lagrima.
Saudades, sempre vivas do apurado gosto desta
anda nao vieran, igual a este mercado.
Pata dia de finados.
Lindas capailas de contas com letreiros, apropia-
das para tmulos, sao eas as nicas que tem nes-
ta praca: vendem-se na loja d ma/jama yiuva Le-
comte, rua da Imperatriz n. 7.
Atlenco do respeilavel publico
Para grande e-hincha
iisfodio. ( arv.ilho tt C, rua do
Queimado n. '< S.
OTerecem ao respeitavel publico a mais fina de
todas as cambraias tanto em desenhos como em
tintas sao as verdadeiras organdys da India che-
gados a esta capital pelo ultimo vapor inglez. A
grande quantidade qne recebemos faz com que a
vendemos pelo baratissimo pre?o de 300 rs. cada
um covado, venham ver para desenganarem-se se
grande peehineha s na rua do Queimado n. 27.
Vinho de Ollares e Carlacho.
Vende-s em ancoretas pequeas o especial vi-
nho de Collares e de Cartacho : a tratar no arma-
zem da rua do Vigario n. 7.
Vinho do Porto e particular.
No largo do Corpo Santo n. 6, segundo andar,
se vende o especial o particular vinho do Porto en-
garrafado, caixas de 1 e 2 duzias : a tratar no ar-
mazem da rua do Vigano n. 7.
Enfeites
Chegaram os nquissimos enfeites c grinalda de
flores, cousa muito delicada c de muito gosto, 1 3
so as senhoras poderao apreciar : s no vigilante
rua do Crespo 11. 7.
Flores
Tambem chegaram os delicados ramos de llores
matizados de lindas cores, que semm para qual-
quer enfeile : s no vigilante, rua do Crespo n. 7.
Cintos
Tambem chegaram os novos c delicados cr
com fivella, guarnecida de pedrinbas e duas borlo-
tinhas no centro, cousa de muito gosto : s no vi-
gilante, rua do Crespo n. 7.
Bandeijas
Riquissinias bandeijas de cha rae e outras quali-
dades de lindos desenhos, que se vendem por pie-
jos baralissimos para acabar : s no vigilante,
rua do Crespo, n. 7.
Pomada real
Tambem chegaram os bonitos copos de porecl-
lana fina com banha e com lindos retratos, sendo
privilegiada pela rainha de Hespanb : s no vio-
lante, rua do Crespo n. 7.
Sabnetcs de familia
Grande sortimento de sabonetes para torfos os
precos, de superiores qualidades, a 160, 200.'',(),
280, 320, 400 e 500 rs.; assim como tojos cora"
todos os prepares para limpar dentes pelo barato
preco de 3000 : s no vigilante, rua do Crespo
Delicadas tesourinlias
Grande sortimento de tesourinhas, tanto para
unhas, como para costura; assim como muitos
outros objeetos de gosto, que nao possivel annun-
ciar pela grande variedade de sortimenlos, cujos
precos serao menos do qne em outra qualquer
parta : s no vigilante, rua do Crespo n. 7.
CtL HE MSBOt
Vendem-se barra eom eal des-
ta procedencia, em pedra, chega-
da boje, e antea nova, que ha no
mercado, na rna do Trapiche n.
13, armazem de Manoel Teixel.
ra Basto.
laiinli;. de, S. Madieus
Vende-se a bordo do patacho Industria, Jefron-
te do trapiche Barao do l.ivraiiioiinya bem ronhe-
cida e nova farinha de S. Matlnus, a melhor que
dalli temos no mercado. _^mt_______
Gaz.
Contina-sc a vender gaz da melhor qaalidada :
na rua da Imperatriz, loja de funilero n. 65.
Venda de ama taberna
Viuva Couto & C de intelligencia com seus cre-
dores.c curador nomeado ao ausente Victorino Jos
Saldanha, e com despacho do Dr. juiz de direito do
commercio, vende o estabelecimento de taberna
sito na rua larga do Rosario n. 35 : a tratar com
o credor Luiz Jos da Costa Amorim & C, na rua
da Madre de Dos.
Precisa-se para casa de um homem solteir de
ama ama que eozinhe, lave c engomme, nao se
quer eicrava : a tratar na rua da Cadeia do Rwi-
|fe o. 28.
I MUTILADO 1


Diario de Per nain buco Segunda felfa de Outnfero de I 8es.
??.
fr
Graxa econmica.
Albns c- m perfumaras.
A aifuia branca acaba de weebcr essa acredita" Muitas vezes aconteca que se procurando urna
Hiomira, cuja superioridade est ge- bella galantana para se ofrertar a urna senhora oq
ramente reconhecid*; essa boa graxa se torna' menina era seus aniversarios, ou mesmo na
recomraenda'la tanto porque o calcado lustrado marracao das mestras destas, se no aehava cousa
comella deixa pi-rfeitamotite lustroso ao menos que satisBiesse, agora, porm, j nao deve suece-
KOUPA FBITA
der assim porque na loja (aguia branca encentra-.
r o pretendente bellos objeetos para esse fina, so-
bre-sahindo entre elles esses bonitos albuns com
perfumaras, cujo gosto e novidade Ihes d a pri-'
mazia. A agua branca folgar de contente se
essas offertas recahirera sempre em suas predilec-
tas freguezas, e quando assim nao seja, nao faz
mal, porque a mimoseada reparando na singulari-1
iade do objecto, qnerer desde logo alistar-se no
numero daquellas. Em todo o caso havendo di-
nheiro, dirijam-se roa do Queimado, loja d'agua
branca n. 8, que todo se arranjar. i
Chegaram lavas de pellica para a loja d'a-
1 guia branca, ra do Queimado n. 8.
Balsas para vlagens.
Vendem-se na ra do Queimado, loja d'Aguia
Branca n. 8.
%'oltas nretas
MARA PA.
A A guia Branca recebe u as desejadas voltas
pretas, mu compridas c gradas.
PiOYV EXPSITO III FlZFAIIAS.
Baratissimas que se vendem para apurar di-
nheiro, na loja e armazem da Arara, ra
da Imperatriz n. 56, loja de Lourenco
Pereira Mendos Guimares.
Neste grande estabelecimento acha-se um
oVes'. veatH"de muito~grto7 e perfeUa-' Srande sortimento de fazendas, tanto para o
mente delicados < matto como para praca, advertindo aos
As capellas sao de mui moderno e agra-lseus. freguezes que as fazendas tem subido,
davel molde, de finas flores, e acabadas com Porem. estabelecimento cada vez veo-
todo o esmero : as flores solas s3o exire- de mais baratissimo, na loja cima da Arara,
mmenle delicadas e proprias para enfeites ruada Imperatrizn. 58.
de vestidos e mesmo ornatos de cabeca. sen- { PP Arara.cassas *?f 200 rs.
do delgadas vergonteas de jasmin, caobos de Vende-se **?j or8* de quadros, cor
resedas, e outras estimadas flores. 1 Para verstldeos *J?n JJf*>.
As luvas, porm, apreciada obra de Jou- sas francezas f,nas a 240' 280 e 320 ^
Tin, parece que foram enfeitadas pelas mes- do, pupclina de quadrinhos para vestidos de
mis fabricamos das mimosas flores, pois que senhora a 321) o covado: ra da Imperatnr
em gosto e perfeico nada deixam a desejar. n- "> Arara- ...
Sao essas, pois, as capellas, flores e luvas Scdinhas da Arara .560 rs.
que corresponden! riqueza do vestido, for- Vende-se sedmhas de quadrinhos e de lis-
mam o completo asseio e perfeico, e ele- t,nhas das para vestidos de senhora e
vam a galbardia da candida noiva. Resta meninas a 560 o covado. laazinhas de qua-
aamente que os pretendentes munidos de drillhos a 320 o covado, ditas muito finas,
dinheiro dirijam-se alegre e espacosa lo- transparentes fazenda chegada neste ultimo
ja d'Aguia-branca, ra do Queimado n. 8 vapor a 400, 500 e o60 rs. o covado, desta (
quabdade so tem Arara : ra da Imparatnz
tres das sem necessidade de novo unto, tomo
mesmo porque sua preparacae appropnada para
araaciar e conservar o couro ; ella vem em caixi-
nhas e barrizinhos, e acha-se venda na ra do
ueimado n. 8, loja d'aguia branca, aos rezumidos
recos de 400, 300 e 640 rs.
Pcntes de concha.
Com as novas e diversas guarnices de
pou^s que a Aguia Branca acaba de rece-
bar, veio tambera urna pequea qualidade
de psntesth} -concha que com graca e acer-
tadamente servem para o moderno atado dos
cabellos Elles sao de bonitos e agradaveis
moldes, e de tamanho peqnenino como con-
ten para o fim que sao. E' esta a primei-
ra vez que d'elles aqu chegam, por Sso
que a moda novissima, pelo que ganha-
rao a palma aquellas senoras que primei-
w se apresentarem com elles, para o que
os mandaro comprar na lo;a d'Aguia Bran-
ca, ra do Queimado, n. 8,
Capellas. flores e luvas enfeita-
das para nolvas.
Pelo ultimo paquete a Aguia-branca rece-
ben os arligos cima sempre necessarios s
noivas, os quaes, segundo suas recommen-
AKJIAZKJI
DE
%^ww t
unnaxmo verde.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa-feita de
todas as qualidades, tambern se manda fazer por medida, vontade dos concor-
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambern tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
homens e meninos.
Calendarios semanaes : pelo
preco iodos comprarn.
Sao desumma utilidade esses kalendarios
Mnanaes, poique mostrara acerladamenle
a dala c dias ila semana, sem o continuo tra-
balho de bnlir nelles diariamente, pelo que
n. 56, de Mendes Guimares.
Ouira perhincha na Arara a 240 rs.
Vende-se chitas francezas cores flxas com
pequeo toque de mofo, porm afianca-seque
"i>go que se lave fka limpa, padrSes escuros
se tornan, necessarios e preferiveis a todos c,arfos a 2*?.en28?'n' tnnVad' d,taS 'f'
os outro* ; tanto para casas de familias, co-1 JJ fma.s' a 32,0', 36 e *.00lrs; covad^
mo mesmo para qualquer outra parle, e na &a da r"a .da Imperatriz da Arara n. 56,
principalmente por 500 rs. cada um: nade Mendes Guimares.
na do Queimado, loja d'Aguia-branca, n. 8. | Arara vende as camisas para senuoras.
Vende-se camisas para senhoras com goli-
Slclas cruas iuglezas.
i nbas e punhos, com botozinho e gravata.
A loja d'Aguia-branca, na ra do Queima-f"ZnZ n nAnT. ?VS
do n 8 est bem nrovida de muiJias ,nda vin,,a ')0r esteu,lim0 vaPor a **?
.te mnin.Ss tanto paratmens ^LTn^SrT b0,?0Snb PTt
como para meninos, as quaes est vendendo ^ """,, ', ^T^ "jS?"
latamente em propo?cio da superiorida-1?Lbo52hlC k a k a 1"
M : nss.ra.Vs, os pretendentes di- fe-JS?. l^^O^L^
rijam-Se com dinheiro e sem susto dita lo-
para menino a 45000 cada urna, entre-raeios
|i;queseraobem servidos. Tambera haum' 5.sJJ4S para e"f ^ T08 *
bom sortimento de ditas brancas para se-1 f??! '^ ? pe% na ,0ja da Arara'
-k .;., ,t......ji. r '___(ra da Imperatrizn. 56.
nlioras e meninas, e sao vendidas na mesraa
conformidade.
Phosphoros de cera.
Vendem-se a 24" rs. a duzia de caixinhas
de pho9|ieros de cera : na ruado Queima-
do, loja d'Aguia-branca n 8.
lnglezas : Opiata e agua da
------Colonia.
Imperatr
Redinhas da Arara para senhoras.
Vende-se redinhas para segurar cabello a
1&000 rs., enfeites para cabeca de senhora a
; IdOuO rs., meias cruas para senhora a 320,
lencos do retaca para meninas a 320 rs s
Ua Arara, na JCS Guimares.
Anda mais urna pechinclia na A ra a a 2-MI00 rs.
Vende-se cortes de chitas inglezasa 2^000,
A Agofa-branca da rna do Queimado n. 8
acaba di roe iber a apreciada opiala ingleza, Idl:a.s ance/as cora um pequeo toque de
tssim como mu boa agua da.Colonia tam-
bern iugle/.a.
Garrafas com agua da Colonia.
Ghegaram novas garrafas com agua da Co-
Icnia para a loja d'Aguia-branca, ra do
taimado n. 8.
Sofas calas elsticas pura senhoras
rasadas.
A v: onhecida ulilidae dossas necessaras cn-
isticaa fez com que em breve se acahassem
mofo, porm afianm qiie logo que lave fica
limpa, vende-se a 2-A5H0, cortes de riscados
suissos, com \ i covados a 3^000, cortes de
cassa de babados e de barras a 25000, para
acabar, ditos de barras de seda a 3#000 rs.,
ditos brancos bordados de groxe enfeitados
com entre-meios a 4#000: ra da Impera-
triz, loja da Arara n. 56 de Mendes Gui-
mares.
Arara vende rana fcila.
Vende-se caifas de meia casimira e de
a- que vieram da pruneira vez, deixando assim Drm *st\nn ,s n.,iiins dp hrin* dp rArps
mi is umitas senhoras que so nao poderam Am..au~,:T. P Ln *> ae.cores
l vista do que a aguia branca man- a ^5->00, ditos brancos a 3;S000, ditos de ca-
simira a 45000 e 6#000, camisas francezas
a 1*600, 23 e 23500, ditas de linho de pre-
ga larga a 35000, seroulas de bramante de
algodo a 13600, dilas de linho a 25, gra-
vatas a 400 c 500 rs., pares de meias a 120
e em duzia a 15400, 25500 c 35 : ra da
bonitos enfeites Imperatriz, loja da Arara n.56.
Corles de la a 35600, 45 e 53 rs.
,'dc:i buscar mais algumas, que acSbam de chegar,
tiu-la mat perfeitas que as primeiras, issopor se-
r, ii manares-, agora, pois, podem as senhoras ca-
sa las proveairem-so, mandando-as comprar na
loja d'aguia branca, ra do Queimado n. 8. Se a
s'.ij branca precisasse de sumelhante obra de
cer:o desta vez nao ficaria sem ella.
Vende-se ricos cortes de laa de quadri-
nhos a 35600, 43 e 55 cada corte, s na
ra da Imperatriz, loja da Arara
Wovissiuios e
para canecas.
(.mando o bello sexo sentia a falta de bons
e.:itites para cabeca, eis que a aguia branca
recdbe nina sua encommenda de bonitos e irara
i-ilicjuos cnhiites. e de modernissima moda,n
I i !v:i i i issu pira sanar aquella falta.! Arara 'T,U(Jc ricascohas ,TP|ndadas a ft000 rs.
om que as l-.M.ias. apreciadoras da Vende-so ricas colxas aveludadas para ca-
m 1 ipre (,o.mbra i.ossam melhor real-; raa a H&% diUl do fustao a ^ dUas de da_
Pgf^P g0!*0.^ M Imasco a k, cobertasde chita a 23000 ; ra
da Imperatriz, loja da Arara n. 56.
/uia. Esses enfeites sao d'um tecido bas-
tante tino com continhas d'aco, e mui bem
enfeitados com llores, fitas, bicos, plumas
etc., entretanto que sendo obra de muito
gosto custam 55, 65 e 7(5 dinheiro vista;
sa e alegre loja d aguia branca ra
.loriando n. 8.
En %.!umeadas d'aguia branca recela-
das pelo uitimo vapor.
liicus pentea de tartaruga com chapa de madre-
perola.
l'.onilos le<)aes de madreperola.
liiiirJa* eafils do dita.
Lindos chapeozinhos de setim para baptisados.
Bicos de seda brancos e pretos.
U mitaseauuuhas com msicas e sem ellas para
costura.
Trancelinsde laa para enfeites.
Fitas do seda estreitas para ditos.
Ditas de velludo com listras para barras de ves
lidos.
Aspas de balea para vestidos
Ditas de ac para espartilhos.
Dondes de dina.
Potseiras de contas para meninas.
Paos para abrir luvas e port-charntos.
Essiiuia de ail para ongoinmadoe.
Pos liygienieo de Lubin para denles.
f.eite virginal .para tirar sardas.
Dito d'ires para extinguir as caspas.
Vinagre aromtico para vertigens, dores de ca-
beca, etc.
Cosnu'tique SHifme para cabellos.
Pomada para bigode.
K.-nda de fil, lisa.
fildravilha das bellas, novo* e
delicados enfelies para ves-
tidos.
i: aprasivel a aguia branca o ter de avisar a
sua boa freguezia, que acaba de receber pele pa-
quete frauci-7. um bello sortimento de enfeites do
suda denominado maravilha das bellas, os qnaes
servem tanto para vestido de senhora como para
roupinlias de enancas. Seus novissimos c delica-
ios desenhos, suas escomidas e bem acertadas co-
res-fawm um todo agradavel aosolhts de quaUuier
vivoiiie que saibaapreciar o bom. Assim, pois a
dnvida est em haver dinheiro, havendo-o, dfri-
jtm-?e sem susto ao espacoso e alegre ninho de
guia branca, ra do Queimado n. 8, quc>achar|o
as verdades cima ditas.
Lencos de seda da Arara a 800 rs.
Vende-se lencos de seda fino, um s a
800 e 10000, ditas com franxa a 10500,
chales de merino estampados a 30000, ditos
finos a 50, 60500 e 80, s na Arara; roa da
Imperatriz n. 56.
Ha loes de arcos americanos a 30000.'
Vende-se bales de arcos americanos a 30
30500, 40 e 405OO,bales de panno a 30500,
ditos brilhantina a 40, s na Arara vende-
se pegas de madapol5o enfestado fino a W,
ditas de 1 i jardas fino a 50500, 70 e 80,
algodo cncorpado a 40, 40500 e 50000 rs.,
s na Arara; ra da Imperatriz, loja e ar-
mazem da Arara n. 56, de Lourenco Perei-
ra Mendes Guimares.
Casimiras da Arara.
Vende-se cortes de casimiras escuras a
10600 e 20000, tambern se vende em covado,
1 covado e tres quartas d urna calca a 10
'o covado; na loja da Arara.
Arara veade as camuraias de caminaos a 20*00
Vende-se pecas de cambraias de caroci-
nhos de cores brancas a 20500 a peca, cam-
braia liza fina a 30 e 30500, ditas para cor-
tinados de 20 varas a 80, ditas de 10 varas
a 40, e 30, cortes de cassa com palmas sol-
tas, com 1 vara de largura, a 20, na Arara ;
ra da Imperatriz n. 56.
F'trinlia de mandioca
de Santa Camarina, da melhor c mais nova que
existe nesle mercado ; vende-se em poredes gran-
des e pequeas epor preco muito favoravel, a bor-1
lo da barca Lima /, chegada em 11 do torrente e
ancorada derrame do traprehe Istfao do Livra-1
mesrto : a tratar no escriptorto de Miguel fos Al-1
ves rua da Cruz n. 19. ____ J
Casacas de panno preto, 350 e 300000
Sobrecasacas idem, 300 e 250000
Paletos idem e de cores, 250,
200, 150 e......100000
Ditos de casemira, 200, 180,
m, m e...... 70000
Ditos de alpaca, 50 e. 30500
Ditos ditos pretos, 90, 70,
Me........30500
Ditos de brira e ganga de co-
res, 40500, 40, 30508 e. 30000
Ditos branco de linho, 60, 50 e 40000
Ditos de merino preto1 de cr-
alo, 100, 70 e.....5000
Calcas de casemira preta, 120,
100, 80 e......70000
Ditas de cores, 90, 80 e. 70000
Ditas de meia casemira de co-
res, 50500 e.....40000
Ditas de princeza e merino pre-
to do cordo, 50, 405DO e 40000
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40500, 4tl e 205OO
Ditas de ganga de cores,
30500, 30 e.....20500
Colletes de velludo preto e de
cores, 90 e......70000
Ditos de casemira preta, 50 e 40000
Ditos de ditas de cores 50
4* e........30500
Ditos de setim preto. 50000
Ditos de ditos e seda branco,
60 e.......50000
Ditos de gorguro de seda
pretos e de cores, 60, 50 e 40O#O,
Colletes de fustao e brim bran-
co, 30500,30 e 20500
Seroulas de brim de linho,
20400 e......20000
j Ditas de algodo, 10600 e. 10400
Camisas de peitos de linho,
: 50, 40, 30 e.....20500
Ditas de madapolo, 30,
20500, 20 e.....10600
Chapeos de massa, pretos fran-
ceses, 100, 90 e. 80500
Ditos de fltro, 50, 40,30500 e 20000
Ditos de sol, de seda, 120,
110, 70 e......40500
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda....... 640
Sortimento completo de grava-
tas. 0
Toalhas para rosto, duzia, 110,
90 e........60000
Atoalhado adamascado de li-
nho vara......10280
Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....40000
Lences de linho.....30000
Cobertas de chita chineza.. 20000
Pennas d'aco, as mais superio-
res, a grosa...... 600
Relogios de ouro orizontaes,
900, 800 e......700000
Ditos de prata, galvanizado, ]
patentes e orisontaes, 400 e 300000 !
Obras de-ouro, adercos, meios
aderecos, pulceiras, rozetas,
aneis e cruzes. 0
FimnIAO DO BOWKfAU-RlJA DO
BRII9I X. 38.
Este muito acreditado estabelecimento est prvido de um completo sortimento de
machinismos proprios do fabrico de assucar, a saber:
Machinas de vapores as mais modernas e mais acreditadas.
Rodas d'agua de ferro cora seus pertences.
Moendas e meias moendas de todos os tamanhes.
Rodas dentadas, angulares e de espora.
Taixas de ferro batido e coado.
Boceas de fornalha pelo novo systema Wctson.
Alambiques de ferro fundido.
Fornos para cozer farinha.
Moinhos para moer mandioca.
Arados americanos, etc. etc.

"&":
i r^Tv Swsn v&rrs
v&vW
ESTABELECIMEN i v, COMMERCItT
DE
IflHOElUfiK E FMH(!U DE UETAES,!
Mito na ra do Rrnm n. 40 junto
a fundico do %v. iKowou.uii. perteneente a
Villaea Irmo A V.
Neste estabelecimento encontrarao os freguezes um completo sortimento
de tudo que diz respeito as artes de caldereiro, funileiro, latoeiro, ferreiro e
fundico, e os abaixo asssignados que o dirigem, promettem servir a todas as
pessas que se dignarem de os procurar, com promptido, sinceridade e pre-
cos muito rasoaveis. O dito estabeleciment estando montado em ponto
grande, tanto no que diz respeito a pessoal, como em materia prima, e tendo
habis ofliciaes, pode executar com toda a perfeico e seguranca qualquer
obra tendente as artes cima mencionadas e alToitamente pdem os abaixo as-
signados assegurar ao publico que nenhum outro estabelecimento Ihe pode
fornecer mais barato e mais perfeito do que elles, visto que recebem de sua
propria encommenda todas as materias empregadas em ditas obras.
Alambiques simples e continuos de to- Sinos de 16 libras 8 arrobas.
ds os lmannos e dimencoes. \ Parafuzos de bronze e ferro para ro-
das d'agua.
Torneiras de bronze e bronzes para
engenho.
Encanamentos de cobre e chumbo de
todas as grossuras.
Machinas de cobre para destilar e res-
tilar espirito at 40 graos pelos sys-
temas de Logier e Derosne.
Carapucas c serpenfinas de cobre, e
estanho, avuisas.
Taixas e tachos de cobre para engenho Bombas para cacimbas, aspirantes e
e refinaco. de repucho.
Paroes de cobre e todos os cobres ne- Bombas para destilaces.
cessarios para o fabrico do assucar. Ditas para regar jardins, hortas e
Cobres para rodas de moer mandioca. capim.
Machinas econmicas para lavar roupa Ditas para navios e barcaeas de varias
o melhor possivel. qualidades e dimencoes.
Cobre em lencol e arrodellas, estanho em barrinha, chumbo em barra,
lencol e canos de todas as grossuras.
Viiiara Irmo & C.
FBnervado
DE
Grande sortimento para a Cesta por menos
10 a 20 por cento do que em outra qualquer
parte.
Duarte & C* scientificam aos seus freguezes e ao publico emgeral, que acaba de che-
gar da Europa um socio que faz parte da firma, com um grande e bello sortimento de
molhados por elle escolhidos, os quaes se vendem por menos de lo a 2o por o/0 do que ou-
tro qualquer annunciante, garantindo a boa qualidade e peso de qualquer genero vendido
neste j muito acreditado armazem, e por isso, firmados em que cumprem fielmente o
que promettem, pedem todos os Srs. da praca, de engenhos e lavradores, o favor de
mandarem suas encommendas ou relaces ao armazem Progressivo, certos de nao terem
em lempo algum occasio de se arrependerem.
Aviso.
Todos os Srs., que comprarem para tornarem a vender, terSo, alm da diflerenca
j publicada, mais 5 por % de abatimento. Os proprietarios tambern garantem o bom
acondicionamento ainda mesmo dos mesmos para o mais alto sertao.
Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groza e 2o rs. a
cai xilina.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de conta propria, a 800 rs. a libra.
dem franceza chegada pelo ultimo navio a Milho alpista a 160 rs. a libra.
56o rs. a libra, e em barril ter abatimen- .
to. Patnco a 2oo rs. a bbra.
dem ingleza em potes de 4 a 16 libras a Gomi?}1a ut0a,!?_^a _enommf 80 rs-
800 rs. a libra e o pote separado.
1 Cha uxim o melhor neste genero, mandado
Direitointernacional privado
K^WS enm preferencia ,
_^^a 1 volnme, p4^H_
8J000 : no eserlptono da Antonio
Aievedo & C, ra da Croa n. 1.
lieaeo de seos
N. 21LARGO DO TERCO-N. 21
O proprietario deste bem sortido armazem de molhados vende os seus gneros j
bem conhecidos de primeira qualidade, e por isso caprichou de escolher, para bem servir
aos seus freguezes, mandando vir amaior parte do seu sortimento, para o que tem pessas
encarregadas para este fim, e os pode vender por menos de 10 a 20 % do que em outra
qualquer parte.
Verdadeira genebra de Hollanda em botijas de conta certa a 400 rs.
dem de laranja em frascos grandes a 1,000 rs. e de Hollanda a 500 rs
Caixinhas com 8 libras de passas de carnada a 2,400 rs. e a libra a 480 rs.
Velas de espermacete, carnauba e composico a 63o, 44o e 36o rs. a libra e a arroba a
10,000 rs.
Palitos do gaz sem avaria a 2,3oo rs. a groza e 2oo rs. o maco.
Serveja das melhores marcas a 500 rs. a garrafa e a duzia a 5,5oo rs.
Vinho das melhores marcas F. L. P. a 4oo, 5oo e 56o rs. a garrafa e a caada a 2,8oo e
4,000 rs.
Batatas desembarcadas ltimamente a 5o rs. a hbra, e a arroba a 2,8oors.
Bolachinhas americanas a 2,000 rs. e 3,5oo rs. a barrica e 2oq rs. a libra.
Azeite doce de Lisboa a 3,ooo rs. o galo, e a 6to rs. a garrafa.
Queijos do reino os mais novos do mercado a l,8oo e 2,000 rs.
Milho alpista o mais limpo que ha a 5,000 rs., a arroba a 160 rs. a libra.
Manteiga ingleza peefeitamente flor a 800 e a 720 rs. a libra,
dem franceza, muito superior, a 560 rs. a libra e em barris a 540 rs. a libra.
Caf do Rio da i.* e 2.a norte 280 e 320 rs. a libra, e a arroba a 8,800 e 9,000 rs.
Ca de primeira .a segunda sorte a 2,8oo 2,5oo e 2.000 rs. a libra.
Tijolo fraocezde granee tamanho a 14o rs. cada um. e a lm dos gneros annuneiactos
ha c-utros muitos que enfadonho serla menciona-loe: vende-se dinheiro vista.
vir de conta propria, a 2,8oo rs. a libra
dem hysson, grande, muito bom a 2,6oo rs,
a libra.
dem preto, muito fino, a 2,6oo rs. a libra.
dem preto, mais baixo, a 2,ooo rs. a libra.
Idem, verde, miudinho, mais propriopara ne-
gocio, a l,5oo rs. a libra.
Banha de porco refinada muito alva a 46o
rs. a libra, e em barril se far abatimen-
to.
Biscoitos inglezes das segundes marcas:
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travellies
Lunch, Cabin, eoutras militas marcas a
l,4oo rs. a lata.
Bolachinha de soda, especial encommenda, a
2,2oo rs. a lata.
Biscoitoinglez Craknel em latas de 5, 7 e 15
libras a 5,ooo e 6,000 rs. e de l,2oo a
800 rs. a libra.
Queijos do reino pelo baratissimo preco de
l,6oo, l,8oo e2,ooo rs., os do ultimo
vapor.
dem prato muito fresco a 6io rs. a libra.
dem londrino mnitn fresco a.ftnf rg a-littra
Vfnhos-c^rpprr? PoRS", t-rgneira e LisBoa, a
48o, 56o, e 64o rs. a garafa, e de 3,oo a
4,5oo rs, a caada.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa em latas de 1 e mais libras
a 7oo rs. a libra.
Fructas em caldas das seguintes qualidades:
ameixa, rainha Claudia, peras, cerejas,
ginja, pecegos e alperch a 5oo rs. a lata.
Figos em caixinhas de 1 */a arroba e de 8 li-
bras a 8,000, 4,000 e 2,ooo rs, e a 3oors.
a libra.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra, c
em arroba ter abatimento.
Sardinha de Nantqs a 32o rs. a latinha.
Toucinho de Lisboa a 4oo rs. a libra eem ar-
roba ter abatimento.
Massa de tomates a 64o rs. a libras.
Pimenta do reino a 3o rs. a libra.
Farinha do Maranhao a 14o rs. a libra.
Ceblas a l,2oo rs. o mlho, e a l,ooo rs.
o cento.
Tijollo para limpar facas a 16o rs.
Cerveja das mais acreditadas marcas de
5,ooo a 7,5oo a duzia, e de 5oo a 600 rs.
a garrafa.
Prezunto para fiambre muito fresco e novo
a 800 rs. a libra.
Genebra de laranja a 9oo rs. a frasco.
Chouricas as mais frescas do mercado a
54o rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa,
e lo,5oo rs. a caixa com urna duzia.
Licores francezes das seguintes marcas: A-
nizete de Bordeaux, Plaisir des dam'es, e
de outras muitas marcas a 10,000 rs. a
duzia, e a l,ooo rs. a garrafa.
Passas muito novas a 5oo rs. a libra e a
8,5oo rs. a caixa. Ha caixas, meias e
quartos.
Peras seccas a 3,ooo rs. a caixa e 800 rs.
a libra.
Bolachinha ingleza a 4oo rs. a libra.
Azeite francez eportuguez refinado a 800 rs.
a garrafa, e 9,000 rs. a caixa com urna
duzia.
Conservas inglezas das seguintes marcas:
Mixed, Pickes, e ceblas simples a 800 rs.
o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes a 4oo
rs. o pote.
.
Grao de bk a 18o rs. 9 libra, e em arroba
ter abatimento.
Vasos inglezes vastos de 4 a 16 librmuitos, a
a Hbra, e em arroba se far abatimento.
Sag muito novo a 28o rs. a libra.
Sabo verdadeiro hespanhol que raras vezes
vem ao nosso mercado a 28o rs. a libra.
Sabo massa de superior qualidade a 180,
200, e 220 rs. a libra do melhor que ha.
Graixa em latas muito nova a 120 rs. a lati-
nha, e 1,300 rs. a duzia.
Peixe em latas muito novo : savel, pescada,
curvin, salmo e outras muitas qualidades
preparados de escabexe, segundo a arte de
cozinha, de 1,400 a 2,ooo rs. a lata.
dem do Alto Douro v'rado do Porto engar-
rafado e escolhido pessoalraente por um
dos socios que se acha em Portugal, das
seguintes marcas: Duque, Genuino, Ve-
lho secco especial, Lagrimas Doces de
1819, vinho especial D. Pedro V, vinho
velho, Nctar superior de 1833, Duque do
Porto de 1834, vinho do Porto velho su-
perior, Madeira Secca de superior quali-
dade, vinho do Porto superior D. Luiz I
de 1847, Lagrimas do Douro, especial vi-
nho do Porto, de l,ooo a 1.2oo rs. a gar-
rafa e de lo,oooa 12,000 rs. a caixa com
umaduzia.
Mu DinHjraa.\ detfmereniesmaf'cas, garnte-
se a qualidade, a 8,000 rs. cana confima
duzia, e a 7oo rs. agarrafa.
Garrafes com 5 garrafas de vinho do Porto
do Alto Douro a 2,2oo rs. com o garrafao.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira, mais
proprio para a nossa estaco por ser mais
fresco a 2,4oo rs. com o garrafo.
dem com,5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
o garrafo.
Vinho branco o melhor neste genero a 600 rs.
a garrafa e 4,ooo rs. a caada.
Velas de spermacete as melhores que ha no
mercado a 600 e 64o rs. o masso, e em
caixa se far um grande abatimento.
dem de carnauba e composico, de 4oo a
32o rs. a libra, e del 0,000 rs. a H,5oors.
a arroba.
Caf de i; c 2* sorte de 8,3oo a 8,600 rs. a
arroba, e de 28o a 32o rs. a libra do'me-
Ihor.
Arroz da India, Maranhao e Carolina a 3,r>oo,
2,8oo e 24oo rs. a arroba e de loo rs. a
80 rs. a bra.
Frasqueiras de genebra a 5,8oo rs., e a 5oo
rs. o frasco.
Azeite doce em barril, muito fino a 64o rs.
a garrafa.
Papel grve pautado e liso a 3,5ou rs. a
resma.
Genebra de Hollanda em botija de conta a
44o rs. a botija.
Champagne das mais a creditadas marcas a
l.ooo rs. a garrafa, e a lo.ooo rs.a duzia
ou aigo.
Alhos a 80 rs. o masso.
Sal refinado a 7o rs. a Hbra.
Ervilhas francezas e portugaezas a 64o rs.
a lata de urna libra.
Chocolate francez, hespanhol, su3so, e portu-
guez a 1,000 rs. a libra, e a 28o rs. oda
pao de urna '/*
Garrafbes vasios de 5 garrafas at 3 caadas
de 5oo at l,3oo rs. cada um.
Ameixas francezas em caixinhas elegantemen-
te enfeitadas, com diversas estampas
no exterior da caixa, de l,5oo a 3,ooors.
cada urna; tambern ha fracos e latas de-
difTerentes tamanhos que se venden por
mdico prego.
Massas para sopa: macarro, talharim, e
aletria a 48o rs. a libra, e em caixa e
far abatimento.
Doce de goiaba de 4oo a 800 rs. o eawan-
frande.
dem a 2,ooo o caixo grande.
proprios para deposito de manteiga, doce, Charutos de todas as marcas e dos melhores
e outro qualquer liquido, de 1,00oa 3,ooo fabricantes da Babia de 3,ooo a 4,000 rs.
rs. cada um. I
a caixa.
.1
va
Alem dos gateros cima anaunciadH ka um eempleto aorimento de tsmho, er-
doce, alfazema e outros muitos gneros, que tudo se vende por baratisssimo proco.
MUTILAD
JlLEGVEL
t
/


Mari t Ptimhnto *gitda Mrh te de Ontnnio te 18t.
-
ai------------------------
I
1
GRANDE ARMAZEM
AE
EE
N. 36, REA DAS GRUHS N. 36
balrro de Manto Antonio.
0 proprietario do muito acreditado armazom denominado Progressta tendo
empreem vista fazer todo o croe for possivel para bem servir aos seos fregueses, tem
deliberado vender os seas j bem conhecidos gneros de primeira quadade pelos procos
abaixo mencionados, e affianca s pessoas que mandarem comprar por seus criados ou
esrravos, serem t5o bem servidas como viudo pessoalmente; encarrega-se de aviar qualquer
eacommenda, ainda mesmo contendo objectos nao proprios deste estabelecimento. 0
mesmo pede aos senhores que mandarem comprar neste armazera o favor de mandarem
devolver qualquer objecto que nlo agradar, devendo os mesmos senhores ter toda atten-
co com os seus portadores, fazendo-lhes ver que so no armazem Progresista da ra das
CraM n. 36, que se vendem os melhores gneros por mais barato preco, porque estes
mvtitas vezes olvidam-se e vSo outra parte onde os servem de maneira a desagradar este
estabelecimento.
i Mustarda preparada, muito nova a 360 rs. o
pote.
Palitos do gaz a 200 rs. a duzia de caixinhas
e 2,100 rs. a grosa.
Uvas muito novas a l.ooo a libra.
CastMtaB a 2oo rs. a libra,
Figos a 3i0 rs, a libra,
Viiiho superior da Figuaira e Lisboa, a 400,
440, 480 e 500 rs. a garrafa, e a 2,500,
2,700, 3,000 e 3,400 rs. a caada. j Ditas hygicnicas e de seguranca a 240 rs. a
l que do Porto, Feitoria, Nctar, velho secco, Alpista muito limpo a 160 rs. a libra,
(:hamisso,eMadeirasuperora8,500rs.a Gommadee r 80 fS Hbra e
duaia e 800rs. a garrafa. %m^ arroba
dem B>rdeaux de diversas marcas a 640 rs.
a garrafa 17,500rs. a caixa com 1 2 garrafas.
dem Muscatel de Sotbala 1,700rs. a gar-
rafa, e 18,000 rs. a duzia. tem massa a 180, 200 e 220 rs. a libra.
(arrafoes cora 5 garrafas de vinho do Porto,; Peixe em latas, savel, pescada, e cortina a
Lisboa e Figueira a 2,100, 2,200 e 2,300 1.000 rs. a lata.
rs. com o garraao.
Idom branco muito superior a 500 rs. a garra-
fa e 3,500 rs. a caada.
Sag muito novo e alvo a 240 rs. a libra.
i Sabo hespanhol, a 280 rs. a libra.
Genebra de Ilollanda em butijas de conta a
400i
a.
Papel greve pautado e liso a 3,400 rs. a
t arralos com 5 garrafas de vinagre a 1,1 oo rs. resma.
Vinagre superior de Lisboa a 1,400 rs. a ca- Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa.
nada e 200 rs. a garrafa. | champan|ie das mais a creditadas marcas
Yelas de spermacete superiores a 580 e 640 a 10,000 rs. ogigo e 1,0 '0 a garrafa.
rs. o maco. j^ de g0Jaba de 400 a qqq rs, a caisa.
.\Ianteigainglezadel.'qualidade,a800rs. chocolate portuguez. francez, hespenhol e
d "ura- | suisso de 800 a 1,200 rs. a libra.
dem de 2.' dita, a 700 rs. a libra. VeIas de carnauba e de mf&m a 320 e
dem de 3a. dita a 600 rs. a libra. 3^0 rs. a libra e 9,500 e 10,000 rs. a ar-
roba,
dem franceza, a melhor do mercado a 540 rs.
e em barril a 500 rs. a libra. Massas para sopa macarrao e talharim a
,,,,., 400 rs. a libra,
dem em latas com 2 '/ libras a 1,400 rs. a lata.
: ___ ... Charutos dos melliores fabricantes da Ba-
Itiiuha d.' porco refinada a oOO rs. a libra.
Queijns flamengos chegados ltimamente a
2,000 rs.
dem prato o melhor que ha neste genero a
700 rs. a libra.
Arroz Carolino e do Maranhao a 2,800 rs. ar-
roba e 100 rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 280 rs. a libra.
hia 3,800 3,400 3,000 e 2,400 rs. a
caixa.
Cerveja das melliores marcas de 5,000 a
6,000 rs. a duzia.
Biscoitos inglezes de todas as marcas a 1,200
rs. a lata.
Bolaixinhas de soda em latas grandes a 2,000
e 1,800 rs. cada lata.
rt.t-t-.________.-...___ r,' Massa de tomates em latas de 1 libra a 560
Caixinhas com ameixas francezas, de diversos, fttn .
tamanhos al, 200,1,400,1,800 e 2,100rs. I e w S-
cada umaff
Frutas em calda, ameixas, rainha Oladia, pe-
Cdgos e alpech a 480 rs.,
Marmclada de todos os conserveiros de Lisboa
- a 000 rs. a libra.
Ameixas em latas de 1 "3 e 3 libras a 1,200
6 2,400 rs. a lata e 900 rs. a libra.
Cha huxim o melhor que possivel encontrar
neste genero a 2.700 re. a libra.
Mcm hysson muito superior a 2,5oo rs. a
libra.
dem miudiuho a 2,700 rs. a libra
Sardinhas de Nantes muito novas a 340
rs. a lata.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijollo para areiar facas a i 40 rs. cada um.
Farinha de Maranhao a 140 rs. a libra.
Pimenta da India a 340 rs. a libra.
Erva-doce a 320 rs. a libra.
Palitos para meza a 160 rs. o maco.
Verdadeira farinha de araruta a 500 rs. a
libra.
dem preto de qualidade muito fina a 1,800rs. Fr3SC,0S com ameixas francczas a !'400 rs-
cada um.
'dora mais inferiora 1,500 rs. a libra.
Genebra de laranja a 900 rs. o frasco e 500
Prezuntos do Porto a 5oo rs. a libra.
Batatas muito novas em gigos com 38 libras
rs. os frascos pequeos.
Ghouricose paios os mais novos que ha no' Por *'&0 rs-
mercado a 500 rs. a libra. Canella da India a I,loo rs. a libra.
O.gnac inglez a 9oo rs. a garrafa. Icominho a 64o rs. a libra.
Marrasquino de Zara a 7oo rs. o frasco e! Azeitonas de Lisboa muito novas a 1,600 rs.
8,oou rs. a duz.a. a ancoreta.
l-icores francezes, annize-te, plaisir des da-!
mes, etc., etc. a 800 rs. a garrafa e8,5oo Estrelinha e rodinha para sopa a 600 rs. a
rs. a duzia.
libra.
Passas as melliores que se encontram a 360 Legumes seceos para sopa a 4oo rs. o maco.
Breu louro a 3oo rs. a libra e 8,000 rs. a
Bolachas inglezas muito novas a 24o rs.
a Hbra, e 3,5oo rs. a barrica.
Azeite refinado a800 rs. agarrafa.
Conservas inglezas de todas as qualidades a
750 rs. o frasco.
arroba.
Papel pautado e liso almaco e de peso de
3,ooo, a 4,000 rs. a resma.
Ervilhas seccas chegadas no ultimo vapor a
2oo rs. a libra.
oiu9raiD9[8qeisa d\sd jep
-ejSesap e e-iiauetn ap uw.uas so apno 'ai-icd ejjno c on.v a gs-raepuio saza.v seimra soisa
anb.iod 'oJaid ojojeq sieui aod sajauoS saioqpm so apua.v os-anb a og -u sainjn sep
en 1 ep bisi^oj8ojj uwzeuue ou os onb je.\ saqj-opuazej 'saaopeuod snas so raoo 050
-u.ijjb Bpl Jl S3J0'lU9s socasoin so opuo.vap 'jepejte oeu anb- opofqo J9nb|enb joaioaop
uwjepuBui ap Jovej o niozeuiie ajsau jejdoioa majepueui anb saaoquos sob apad orasara o
ojuauioaiaqBisa aisap soudojd ogu sotaafqo opuajuoj ouisaui epuic 'Gpuamuiooua jaub
-lenb .ibiab ap as-eSajjeaua oiuarajeosad opui\ oraoa sopi.uas raaq obi majas 'so.\ejosa
no sopea snas jod jBJdraoo raajepuBra anb sBossad sb bOubijb 9 'sopeuoiwam ox|Bqe so
-ajd sopd apepqBnb BJiauud ap sojaua 6opioaquo9 maq ?f snas so japna.v opjaqqap
ma 'sazan88Jj snas sob ji.vias maq eaed [aAissod joj anb o opnj jazej bjsia ma aaduias
opoat 'ejsissaJtoJfi opBuiuioaap mazerajE opejipaioe oiiuui op ouejaudbjd o
*98 *a ofnopnv 0|ae ap 04.1 uq op zn.i,> p 1:114 os v
GRANDE ARMAZEM DE MOLHADOS
DI
^m^m^xi^^i^^iAM.

^01S
RA DO QUEMADO N. 46
<\
lAZf\l)AS E KOI IMS FEITAS.
Sortimento completo de sobrecasacos de panno a 253, 283, 305 e 355, casacas
muito bem feitas a 255, 285, 305 e 355, paletots acasacados de panno prcto tie Hic at
255, ditos de casemira de cor a 155, 185 e 205, paletots saceos de panno o case-
aa
3(1
i:i*vi4hv iWHr>
mu
n
TODOS
os
VAPOR
COMPLETO
SORTIMENTO DE MOLHABOS.
se recebem gneros de conta K^t vende-se em porcao e a reta-
-* > 1 .ILamAII rtfla_ InA nn>iAMl. f -, _u 4...1
propria e dos melhores esta-
belecimentos da Europa, ga-
rante-se todo e qualquer ge-
nero comprado neste
ESTABELECIMEVro.
O
H
lho, aprompta-se com toda a
presteza e exactidSo qualquer
encommenda dirigida a este
ESTABELECIMENTO.

mira de 85 at 145, ditos saceos de alpaca, merino e la de 45 at 65, sobre de a;;
merino de 73 at 105, calcas pretas de casemira de 85 at 145, ditas de
155, roupas para menino de todos os tamanhos, grande sortimento de roups .m,
'como sejamcalcas, paletots e colletes, sortimento de cohetes pretos de melim, casem
{!* e velludo de 45 a 95, ditos para casamento a 55 e 65, paletots hrancos de braman!p :\ 45
O* e 55, caifas brancas muito Anas a 55, e um grande sortimento de fazendas linas e moder-.
3J 'ras, completo sortimento de casemiras inglezas para homem, menino e senhora, ceioula
I de inho e algdSo, chapeos de sol de seda, luvas de seda e de Jouvin para homem e se-
nhora. Temos urna grande fabrica de alfaiate, onde recebemos encommendas de pnnde*
: obras, que para uso est sendo administrada por um hbil mestre de semelliante a .
pessoal de mais de cincoenta obreiros escolhidos, por tanto execulamos qualquer obra toar
promptidSo e mais barata do que em outra qualquer casa.
P3
viuva \mm
RUI IllIHPEItVTItlX; ]! ?.
Tem a honra de participar ao respcitavel publico e aos seus freguezes que acaba de roceber
jan lindo e variado sortimento de objectos de phantasia para presentes, assim como wntarolas e i-
Os nroprietarios do muito acreditado armazem Progresso fazem sciente ao respeita-: vrsas cores e feitio modern, ricas canelias para noivas as meihores que tem vindo al boje em Por-
v v r Bambuco, grande quantidade de agua de colonia, extractos para lenco, banha c oleo para cabellos,
vel publico e COm especiaHdade aOS Seus amigos e freguezes que tea resolvido resumir OS todo em vidrosgrandes e pequeos muito lindse variados e por precos diminutos.
Continua a recebar por todos os paquetes da Europa luvas de Jouvin brancas, pretas e de todas
precos dos seus acreditados gneros, como abaixo vero n5o obstante os precos menciona- .as cores.
I ^8na ^e lin8'r cabellos de Marqufs, ingleza, melanogene, berger etc., ele.
d06 a vista da qualidade dos gneros que se prova quanto sdesela servir satisfatoria-1 Na raesma casa continua a receber encommendas de cabeleiras para homem c senhora, chinos,
trancas, crescente, nos etc, etc.
mente aos nossos freguezes, advertmdo-Ihes que mandem seus portadores, que serao tSo i Correntes para rclogios trancclins e ludo quanto diz respeito a arte de cabeleireiro, cortase o
frna-se cabellos pelo prejo de 500 rs.
bem servidos como se viessem pessoalmente, isto so no Progresso.
Manteiga ingleza perfeitamente flor ebegada
no ultimo vapor a 800 rs. a libra.
dem de 2. qualidade a 76o rs. a libra.
dem de 3,* dita a 64o rs. a libra.
dem para tempero a 32o e 4oo r9, a Hbra.
Manteiga franceza a mais nova que ha no mer-
cado a 58o rs. a libra, e em barril ter aba-
timento.
Banha de porco refinada a 520 rs. a libra.
Vinho em pipa Porto Figueira e Lisboa a 4oo,
48o, 000, 56o rs. a garrafa, em caada
2,8oo 3,000 3,5oo e 4,ooe rs.
dem embarrilo mais superior que tem vm-
ao mercado a 600 rs. a garrafa.
Lagrimas do Douro especial vinho do Porto a
l.ooo agarrafa e a lo.ooo a caixa, o preco
nao indica a qualidade d'este precieso vi-
nho, porm venhamao Progresso que a vis-
ta faz f, a este genero constantemente mon-
damos vir de conta propria e por isso po-
demos vender por menos que ottro qual-
quer annunciante.
Vinho do Alto Douro das mareas mais acre-
ditadas e especialmente escolhido per um
de nossos socios, como sejam: Camoes, Du-
que, do Porto, D.Luiz, Carcavellos, Cha-
misso & Filbo, Madeira secco, e Feitoria a
Ooo rs. a garrafa e 9,000 rs. a caixa com
12 garrafas-.
Garrafiies eora especial vinho do Porte een-'
tendo 5 garrafas a 2,5oo rs.
Farinha de Maranhao muito alva e cheiroza
a 16o rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 32o rs. a libra e a 9,00o1
rs. arroba.
Sardinhas de Nantes a 36o rs. i lata.
i:si>:u-iiIlio* espartilhos.
Espartilhos regencia privilegiados da fabrica mais afamada de Paris, esses espartilbos sao f* i-
I0S de tal modo que urna senhora com um delles ha de ser sempre bem vestida.
Ricas e lindas capellas para noivas de urna fabrica especial : ra da Imperatriz n. 7.
;ol
FUWDICO
E '
DE
FRANCISCO ANTONIO CORREIA CARDOSO,
Ra do K111111. v 89.
Acha-se novamente aberto este antigo e proveitoso estabelecimcnlo, promplo para
etecutar quaesquer encommendas de ferro fundido, balido ou de bronze, moendaspara
Paitos do gaz a 20 rs. a caixinha e 2,3oo rs.
a groza.
Gela de Alperehe chegada no ultimo vapor
latas de 2 libras a 800 rs. pechmcna.
WemAffS de SUpCrOr Vinh0 Fi" Gene])ra de IoUattda arraoes com 16 gar"
Azeite doce de Lisboa a 64ore. agarrafa ea
4,8oo rs. a caada.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa ea
l,2oo rs. a caada.
Garrafoes com 5 garrafas de vinagre de Lis-
DOA 2 4 4no rs
ehamDanh'e das marcas mai amatadas a 'Mgenhos, com vapores ou sem elles, tudo com a maior promptido, pe -reirn e com-
8 e a lo oo S avw^ p a^nVT 5!modo Preco > te,n varias obras P** mlhr ais solida const.uccao que p-
1 000 rs arrufa e a em ser vendidas por roelade de seu vator, como sejam :
Moendas inteiras e meias ditas de varios tamanhos, para engenhos.
Portas d'aguas guarnecidas de bronze com parafuzo de rosca quadrada.
lodas de espora, carretas e rodelas angulares.
Parafusos e cavilhoes de ferro 00 de bronze, rosca quadrada ou singela.
Agulhes fundidos de azas e batidos para rodas d'agua e chumaceiras com bronze,
Bronzes e torneiras de todos os tamanhos e qualidades.
Taxase fundos de alambique, de ferro fundido, de varios tamanhos.
Crivose portas de fornalha de varios tamanhos e qualidades.
Urna machina de destillacao continua do autor Collares.
Foges americanos econmicos para casa de pequea familia-
Fornos de fazer farinha.
Tubos de chumbo de todas as grossuras.
Cobre em arrobas c folhas. dito, dito.
Folha d&Flandresem caixas, bom sortimento.
Chumbo em lencol e em rolos de diversas grossuras.
E urna grande porco de pecas de obras tanto de ferro fundido como batido ou to
bronze que seria enfadonho descre.ver.
Espera pois, o proprietario deste estabelecimento que o publico sempre benigno
prestar toda sua confianca e atlencao.e
1.
Serveja preta marca T e XXX a 6,5oo e
7,000 rs. a duzia, e a 600 rs. a garrafa,
tambem temos das mesmas marcas para 4,
e 4,5oo rs. a duzia, e a 4oo rs. a garrafa.
dem branca T e cobrinha a5,5oo e 6,000 rs,
a duzia e 5oo rs. a garrafa-, tambem ha
para 4,000 rs. a duzia.
Graxa era latas grandes a l,3oo rs. a duzia
e 12o rs. a lata.
Vassouraa do Porto arqueadas de ferro obra
de muita dura cao a 4oo rs. cada urna.
Palitos de denles massos grandes a 2oo rs.
e28ors.
gueira a 2,4oo rs.
dem com 5 garrafas
2,loo rs.
de vinho Lisboa a
rafas por 6.5oo rs.
, dem em frasqueiras a6,3oo rs. e 6,5oo rs. ea
56o rs. o frosco aflianca-se ser verdadeira.
Vinho branco de Lisboa proprio para missa',. iV.o. ~ l.
vin0 enerado EK 64o rs. "g* ^.Ta^. ^ **
dem de laranja era frascos grandes verda-
deira italiana a l.ooo rs. o frasco.
a garrafa.
dem em barril muito superior a 5oo rs. a
garrafa e a 4,ooo e 3,8oo a caada.
Ameixas francezas em caixinhas de 1 % 2 Marrasquino de zara a 72o rs.
e 3 libras elegantemente enfeitadas com ri- Licor francez de todas as qualidades em
cas estampas na caixa exterior a l,3oo garrafas de vidro braneos a 72o e 8oors.
l,6oo 2,ooo e 2,5oors. ,. .
Vinho Rordeaux das melhores qualidades!
que tem vindo ao mercado a 72o e 8oo!
rs., e em caixa a 7,5oo, 8, e 8,2oo rs
Azeite doce refinado do fabricante Pelanol e
outros a 8oo rs. a garrafa.
Conservas inglezas sortidas e de urna s qua-
lidade a 8oo rs. o frasco.
dem em latas de, 1 */ e 3 libras a l,4oo e
2,6oo rs, cada urna.
Figos de comadre em bauzinhos de folha
muito proprios para mimo a l,6oo.
dem em caixinhas a I,ioo rs.
dem em caixinhas emticamente lacradas
e muito bem enfeitadas a i,8oo rs.
dem a 2oo rs. a libra.
Passas de carnadas as mais novas que ha no
mercado a 4oo rs. a libra e a 6,ooo rs. a
caixa.
Salmo em latas ermeticamente lacradas a
8oo rs.
Lagoslira em latas grandes a l,4oo.
Savel, corvina, cherne, vezugo, peixe espada,
preparados pela primeira arte de cozinha a
a l,3oo rs.
Queijos flamengos chegados no ultimo va-
por a 2,4oo rs.
dem do vapor passado a 2,2oe 2,ooo e
l,8oo, rs.
dem prato do ultimo vapor a 64o rs. alibra.
Doce da casca da goiaba caixes grandes a
6oo e9oo rs.
Chouricas as mais novas que ha no mercado
a 48o rs. a libra.
Chouricas mouras encommenda especial nos-
sa a 5oo rs. a libra.
Prezunto verdadeiro de laraego em calda
do azeite 5oo rs. a libra
Bolaxinha ingleza a mais novas que ha no
mercado a 2,ooo rs. a barriquinha com
1 arroba, e a 24o rs. a libra.
dem de soda de diversas qualidades a 1,400
reis.
dem em ratas grandes, proprias para lonche,
com 5 a 6 bras per 2,4oo rs.
Marmelada imperial do fabricante Abren e
outros conserveiros de Lisboa a 6oo rs. a
libra.
Frutas em calda de todas as qualidades a
5oo rs.
Ervilhas francezas a 5oo rs. a lata,
dem porlugue/as a 64o rs, a lata.
Massa de tomate a 64o rs. a libra.
Amendoas confeitada a 7oo rs. a libra,
dem de casca mole a 28o rs. a Hbrflj
Avelaos a 2oq ra. a libra. <
XAROPE TNICO REGENERADOR
DE QUINA E DE FERRO
Preparado por tliiM %l l,T e C, pharmaceuticos deS. A. I. o Principe NapoleSo, laureados
da Escola de pharmacia de Paris, ra de la Feuillade, 7.
Esta nova comblnaco rene dchaixo de ura pequeo volume uraa forma agradavel e nm gosto delicioso.
fa niuit'i que os medlcoi desejavao urdentrmente a reuniSo di -Ir? dous medicamentos, e to do mniores esforc.os, nrm a sciencia medica, nem os qumicos es mais distmetos o podero cmiMgoil
al aqui tiaras porcm perseveranca humana acbSo-se hoje associadas estas duas poderosas substan-
cias, a <]tiinn, o tnico, restaurador por excellencla, o ferro, a bate de nosso sangue, e conteguinte-
mente o reparador dos turcas e da caude alterada ou perdida.
As molelias contra as quacs o Xnrope Inico regenerador se tem mostrado mullo eflkai sao : as ame-
norrhelas, fallas de mrnstruacSo, dores d'estomago, fastio, dige.-tes penosas e tardas, flores brancas,
menstruacors dilllcei, o lymphatismo, oempobrecimento do sangue, as escrfulas, os estragos produzidos
pelaa molestias svphiliticas.
Ha apenas um anno que o Xarope de quina e de ferro foi applicado nos hospltaes de Pars, e elle
hoje n medicamento mais em voga, substituindo, por assim diier, os medicamentos ferruginosos conhecidos.
O pros, ecto encerra numerosos certificados de muitos membros da Academia de Medicina e professorrs
da faculdailc que atlesiao que este precioso medicamento o conservador da saude por excedencia, e
o reeonsriluinte da economa animal, indlspensavel s pessdis que habitu os paizes quentes, como
preservativo das epidemias.
Acha-se venda no deposito geral, era Paris, na pharmacia GrlmaoM e C", na de la I-'cuillade. 7;
em Lisboa, em caza do Mir nmirisn ttm Canta-Carvalba, Barral r c< no Porro, na phnrmncia do
Sr MIgucl-Joa de souca Ferrclra; no Aio-de-Jnnei'ro.em casa da Tiara Pelxato e Dlnls, ra do
Sabfio, II; na Baha, em casa do -fu ione-Catano Fcrrrlra-Eaplnhrlra; no Rio-Grande, em CaN do
Sflr Joaqun de Goilov; no Maranhao, em casa dos Sffrs Ferrclra e C ; em Pernambuco, em casa
do Sin- Bnrilioloiiirn-rraiirloco de Soasa; em casa dos Srs shoum e C*, e bem assim rus prin-
clpacs pharmacias do Brazil e de Portugal.
Araruta verdadeira a 32o rs. a libra.
Gomma de engommar muito alva a 8o rs.
a libra e 2,2oo rs. a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca a 16o rs. a libra.
Sevada muito nova a 12o rs. a libra e 3,2oo
ss. a arroba.
Macarrao a 32o rs. a libra.
dem e talharim o mais novo que ha no mer-
cado a 48o rs. a libra.
Aletria a 5oo rs. a libra.
Arroz carolino a loo rs. a libra e a 2,8oo rs.
a arroba.
0 GALLO CANTA
dem do Maranhao
3,ooo a arroba.
a 12o rs. a libra, e a
J sabido que, ijuando chega o vapor da Eu-
ropa, o gallo canta annunciando aos seus numero-
sos freguezes as galanteras de mais gosto e da ul-
tima moda que por elle recebe, como sejam :
Cnmuinhos para senhoras.
Riquissimas camisinhas com mauguitos e gra-
vatinhas para senhoras : s no Vigilante, ru do '
Crespo n. 7.
Cirigolinhas.
Riquissimas cirigolinhas ou gravatinhas, sendo
colisa de muito gosto, e a primeira vez que appa-
rece para as senhoras de bom gosto : s no Vigi-
lante ra do Crespo n. 7.
Pentes de concha.
Ha para chegar riquissimas guarnigoes de pen-
tes de lindo gosto, tanto para atar, como para mar-
ranas, por presos razoaveis : s no Vigilante, rna
do Crespo n. 7.
Redes com lacinhos de fila.
ca. m: lis roa
Vende-se a 4OOO o barril na rna
n. 0.
Apello
ESCRAVOS FGIDOS.
Continuara andar fgidos
desde o dia 8 de outnluo desle carrate auno o*
dous escravos sabidos do sitio da Torre, >!o abante
assignado, sendo um denome Hodcllon, par n cla-
ro, de idade de 18 para 20 anuos, boa estatura c
bem augurado, e civilisado, cheio do corpo, cabel-
los sollos e annelados, costuina trazer sempro
aberto nfrenle moda nazarena, fui eseravo de
Antonio Goncalves Ferreira, proprietario <:o enge-
nta Mangueira, naEscada, rosto redondo, v
agora o baqo de barba, olhos, nariz e bocea regu-
laros, denles limados um pouco na frente, pe tas
Lindas redes pretas e de cores com um lindo lav i Anas o ps grandes, tem na canella e no tot nozelo
Caf do Rio o mais superior que se pode sejar a 32o rs. a libra.
dem a 28o e 3oo rs. a libra e a 8,2oo, 8,4oo
e 8,7oo rs.
Velas de carnauba refinada a 32o rs. a libra,
e a 1 o,ooo rs. a arroba.
dem de spermacete a 64o rs, a libra.
Chocolate hespanhol e francez a 9oo e l.ooo
rs. a libra.
Estrelhnba e pevide muito nova a 4oo rs. a
libra, e a 2,ooo rs. a caixinha com oito
libras.
Cb perola muito especial ebegado neste ul-
timo vapor de encommenda particular
nossa a 2,8oo rs. a libra.
dem huxim muito superior a 2,7oo rs. a
libra.
dem hysson a 2,56o rs. a libra.
dem hysson a 2,ooo e 2,2oo rs. a hbra.
dem preto homeopathico e muito superior a
2,ooo rs. a hbra.
dem nacional a l,6oo rs. a libra.
Batatas muito novas a 8o rs. a libra.
cinto de fita para conservar o cabello, pelo barato
preco de M8M; assim como os novos enfeites pa-
ra cabeca a 3*000, 4 e 5*000 : s no Vigilante,
roa do Crespo n. 7.
Ligas.
Riquissimas ligas de seda de bonitas cores a
1500; assim como Ota propria para o mesmo ef-
feito a 500 rs. a vara : s no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Luvas de Jouvin.
Tambem chegou e cliegam por todos os vapores
grande sortimento de luvas de Jouvin, oude os fre-
guazes podom escolher: s no Vigilante, roa do
Crespo n. 37.
Entremeios e babadinhos.
Tambem chegou grande sortimento do ntre-
melos e babadinhos, que se vendem pelo baratis-
sima preco de 1*500 a pecinha : s no Vigilante,
rna de Crespo n. 7.
Fcelas para cinto.
Tambem chegou grande sorlimento de lindas fi-
vetlas de aeo e de metal com pedrinhas e sem el-
las, pefo barato preco de 2* e 2*500, dando-se a
fita para as mesmas : s no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
O GALLO CANTA.
J sabido que o gallo nao poda dei tar, annunciando a seus numerosos freguezes os
riquissimos pentes, que acaba de receber por este
ultimo vapor.
Cal de Lisboa
a mais nova do mercado : na ra do Vigarfo n.
19, primeiro andar.
do p marca de cicatriz pequea e marca de caus-
tico de una banda em cima das eostellas, levou
chapeo de feltro cor de cinza em meio uso : o ou-
tro que desencaminhou chama-se ihomaz, aca-
boclado, de SO anuos de idade, natural de Atalaia
ou Taquara, perto da Parahiba do Norte, alto e
bastante grosso do corpo, muito civilisado e canta-
dor, vistas baixas, e falla um pouco deseaneado,
cabellos sollos o grandes, rosto redondo e com al-
guuias marcas de beclugas antigs, tem una pee-
la mais grossa do que a outra, e est com urna ci-
catriz alm de outras muilas jsas, bom tratalhn-
dor de enxada, machado e mure, ha muio esteva
fgido quatro annos, trabalhando conm forro, de
oine mudado, na estrada de ferro; ambos leva-
ran enxada, fouce de rocar, cun facao de rotar.
capim e roupa de sobrecelenle : roga-seas autori-
dades policiaes, capitaes de campo ou alguma pes-
io, do povo se o virem, o mandarem negar, levan-
do no Recite, ra do Imperador n. 44, que serao
bem recompensados.
Domingos Anlunes viuaca.
Vendem-se os utencilios de urna padaria com
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia t*"60 uso- ,sen<, la^> o* peca por P5V,"for-
e de todas as marcas, como sejam: sus- Jvom^ocomprador: na ra do Cordomz
piros, havaneiros, messecipes, regaba im-1 v"J
portal, flor das mattas, primores a 4,000,' ,f-Vde-sea tabern d* praca da Hoa-*|*
QPtr.rt i a o o Qnn. & 2,> >m poneos fundos, propria para quem quer esuver, que recompensa com
3,500, 3,200, 3,000, 6 2,80O, *,50O, ^^1^ Jtom a&Voeada para a trra: o negar, e para isso podem-sj
2,000 6 1,6oo rs. a caixa. I a tratar na mesmju "H"'|U,"*W *~* de Sanu Rita ns. 17 e 58 a J
Fugjo a 19 do corrate o mulatinho Virginio
com os seguintes signaos: cor Tula, parece servi-
ciado por ler o rosto inchado, olhos botecados, na-
riz chato, tem 12 a 14 annos, mas baixo, foi bs-
tanle su/a a roupa, e rota, de algodo, foi eseravo
do Sr. Joao da Silva Pessoa de Siqueira, lavrador'
do engenho Jussar, dtstricto de Seriohaem, para
onde se julga elle foi por j o ter feto de outra*
vez, e ter a m3i nessa paragem, tem bastante, re-
gras, que pode llludir, dizendo que forro e or-
phao, desde o cholera ; portanto, roj,ro ^ atttnrhla-
des poiiciaes, capitaes de campo, ou quaesquer se*'
nhores, que por favor o peguem e levem.ou facara*
iciente ao sen sermor para o mandar buscar aonV
que agrade a quemf
-se dirigir ra nova
Jos Ferreira Coelh*.

i


r-

-

mmm
mm
8
Mario t PernaMbMco ... Ht tunea felra A de Oiitubro de I *.
LITTERATRA^
O phtyslco.
AO ILLM. SR. DR. JOS SOARBS DE AZEVBDO.
Dizer posso : Existe ; que a dr conheco
Do gozo a taga so prove por horas ;
E screi leu, calado ccmiterio,
Que engeuho, gloria, amor, tudo devoras.
. A. Uercilsso.Mocidade e Morte.
o I Sea rOslo nao lem cor ncm brilho !
Por sobre o irillio que vae dar morte,
Fechando os ollios, cauinhando vae.
jilau-eJj anda, de iufortuuios chelo,
Comprime o seio lastimando a sorte...
Ja nao lem erengas, e mal slta um ai !
Quem sua face, que era rosea outr'ora,
Tuwioiwgura de amarella cor T
Que paisaniento lhe ha riscado a testa !...
Ej'una festa funeral cantor? I
Que fronte augusta I que amargura a sua !
Nao, uao I a la, que entre nuvens erra,
Do que elle triste nao 6 mais, nao 1
Ave sem ninho pelos rus voando,
Hedopiando, espedagou-se em trra I
Mltjrsico I -- est-lhe n'alma cxtincta a f! I
Quein que o mata ao preamar de encantos ?
Quein lhe d prantos de tao cr sentir ?
A aore nao sal>c quem a langa cm trra,
Nao sabe a serra quem a fez ruir I
Como o rafeiro, que disperta noute,
Tomando acoite de furioso norte
Nos arvoredes, pelo andar de alguem;
Elle disperta... e de esperar candado
N'um som maguado como a voz da morte
Diz com tristeza, sem chorar : Ninguem!
AH ao parece um bomem, sim cadver !
Nao parece phautasma, sim 'squelto I
Cae-lho no peito a barba em desalinho ;
Coi re-lhe o sangue seiva de venenos
Pelas fnnies era veas desvairadas.
So lhe rasga um sorriso os labios pardos,
As coniniissuras ambas se dilatara
Formando rugas mil na face magra;
Semelha-Se ao da morte quando noute
Ya de globo em globo atienta s prezas.
A to;>se fraca, ejias golfadas sempre
Vi'in-lhe docorago negro pedago!
Ai I quauta compaixao que inspira um phtysico !
Sontou-so n'om rochedo : o mar o ebrio
Que vae cabeceando, alm das marcas
Em -ue o Senhor lhe disse : para ao longe,
A fac! negra de urna rocha lava
C > n lagrimas de sal; sobre o seu dorso
tfoan lo ia a gaivota, que o rocava
Com sua aza de prata, e aps se erguia.
Vida murmurejava a nalureza,
A brisa, o odor, o sol, a nuve', a estrella.
E elle, sentado, so algando os olhos,
J'iu lado a rir-se e a suspirar... s elle
Dentro do coracao trazia a morte I
Contempla tudo com saudade, e o peito
Ja lhe nao brota aquella flor de outr'ora :
Urna lagrima As lagrimas seccaraml
lias elle falla ; ouvi.
Longe esperanga,
c Longe os sonhos futuros I Tudo morto I
Viv I Se a dextra a vida agarra sofrega,
< E a sextra arrepada a morte expelle;
t o corpo... a alma nao, que morto quasi.
E nao son velho I e o corpo 6 tao quebrado 1
Quasi descrido!... Vivo... Vivo?! oh vida,
< Que no meu sangue pressentia outr'ora,
t Onde ests 1 Nao tesnto... se respiras
Tan respirar mais suave anda
Que a brisa matutina ; que o riacho
< De crystalinas aguas, que serpeja
Por entre scixos e campias verdes I
Nao, nao te sinto ; nao te sinto Falla !
< Mas... estas muda callas-te !...
t Se vivo !
< Passa-mc o sangue tepido as veias,
t Oueo... vejo mas vou morrer em breve I...
A serpete escaneira a horrenda fauce,
c Pita no sapo os olhos fascinantes,
t Elle vae a putar buscando o imn!
t Devora a morte a vida : morte arrasto-me !
< Sou como o corucheu de urna columna
< Onde poisaram temerosas aves
t Que o furaeo derrocar mu breve !
A ininha vida nao vida, morte
Pan caneado : ento cerrando os olhos,
Curvada sobre o peito a fronte paluda
Bx| cllir pareca ideas negras.
De repente sofro... mas que sorriso !
Tem-no nos labios quem vivido ha pouco,
E sent a pedra tremular bem perto
Abrir-sc a gargalhar bem como douda !
Tem-no o que amou, e o que no peito anda
Conserva a snavissima saudade :
I" misturado goso e soffrmento,
E morte. e vida, e arroubo, c desespero !...
Alniu de novo os olhos... levantou-se.
E rindo, erguendo as maos, o seio arfando,
Continuou assim:
Como sao bellas !
Correm ambas no prado... mais ao longe
Paran, olliain, somera, colhem flores,
c A infancia tem lancado cm suas faces
Belleza que deslumhra. Sao enancas.
i Como rorrendoaps s borboltas,
c Seas peitosjuvenis caneados ficam !
d nessa edade amor llies sorriu temo.
< Ainam... Silencio! amor de dous arenamos !-
- Vendo-as juntas, risonhas volitando
Diris que anjos de guarda uoute espargem
< Sobre suas caberas innocentes
Chusmas de gragas, de ventura c risos !
i Eramos dous, talvez coamesma alma :
Tullamos sempre um mesmo pensamento.
< Eu lhe afastava, aps urna corrida,
Da ebrnea fronte a loura cabelleira ;
c E militas vezes militas nos meus joelhos,
. Lnguidamente reclinando a face.
Adormeceu ao som de meus cantares !
Oh! como doce embriagar as sombras
Dos gozos do passado o pensamento !
Quando o tocamos, sob a sua sombra
N'alma sentimos renascer a vida,
E as lembrangas dos temposmaisditosos;
Vem a saudade a virgem triste e bella
Que as almas faz \iver de amigos sonhos;
Nos nossos hombros reclinar a fronte.
Meu Deus! eu te agradeco por me dares
Esta lembranca do passado, este
Delicioso ptmgir de acerbo espinho I
Felizes como nos, quem mais seria?
Tinhamos arabos ura querer, e nunca
Nos enfadamos no correr dos annos,
Urna s vez ella cborou... e cu triste
Pedi perdao do nial que pralicra.
Sentados arabos, n'uma tarde amena,
De copada niangnclra grata sombra,
Vimos um bcija-flor, que arrebatado
No ar formava incertos semi-crculos.
Atirei-lhe urna pedra, e o pobrezinho
Caliu por trra morto... Ergueu-se Lucia,
Quando o quiz soccorrer j era tarde I
Assim passamos ambos a nossa infancia.
Cresceu comnosco o amor, e a f licidade
Com suas azas brancas nos cobrla.
Ella, tao linda Lucia, quando apenas
Vinte annos contava... quando unidos
Iamos ser nos lagos venturosos
Com que hymineu nos prende... louca louca!
Foi-me infiel !... trahu-rac !... E a desgrasada
Encontrando-me um da, supplicante,
Rojando-se meus psnegou-me tudo I
Oh como existe n'alma das omitieres
Tanto fel, tanto mal, tanta mentira I...
O mancebo sorriu : sous labios roxos
Se confrangeram de urna estranha sorte;
Di neis vendo-o ; que soffria tanto
Como se o peito lhe apertasse a morte.
Ficou turbado : mais saudoso anda
O olliar tornou-se do que eslava ha pouco ;
E, t Lucia Lucia!... murmorando ancadb,
Continuou como se fosso um louca:
Ve-la e gosa-laera um viver dilbso !
t Perde-la apsera melhor morrer I
Mas... fui cobarde... resignei-me... e hoje
Nem posso ao menos prantear, gen r I
Que importam sonhos ? S espero a morte!
Ella nao tarda... bem a vejo... all...
Ei-la !Eu te vejo de hora em hora, fria,
Beijas-me a fronte... bem te sinto aqu'I -
Abraca o corpo de que s dona oh morte !
Mala meu peito... de vagar... assim !...
Tu s meu anjo, meu amor na trra,
< Nao me abandonas... nao te ris de mim't
Vaes-te ? Voluvel!... Mas... conheco o mundo
Partes agora conduzr alguem ;
Oh! dizc : Quando, nos teus bracos fros,
Has de levar-me para o cu tambera ?
Sorrs 1 Sou louco ? Tem pedade morte I
Rouba-me luta de paixoes tao vis !
Porque me dizes: Iada nao... espera
cedo : soffre que sers feliz ? !
Soffrer !... Nao vs meu soffrimento amargo-?
Soffrer !... Nao sabes que me falta laz ?
t Soffrer!... Nao sentes que estou quasi morto,
Que urna esperanca j me nao seduz ?
Araei : trahiram meu amor prmeiro...
Vivo no mundo, bem o sabes, s.
t Amo-te morte!... Oh I nao tardes... rliega
i Depressa quero ser tornado cm p !...
quizer expr-se a ver malograda a colheita ras estejara de um a outro extremo cheias possa j da folha fumar um charuto aprazi-
Convir repassar o campo quasi todos os de pencas, que se terSo suspendido a cavado
dias ; e quando os insectos atacam a planta, sobre ellas, devem ambas ser levadas aos
cumpre logo persegui-los sem descanco, uo hombros de dous homens (urna de cada la-
s de manha muito cedo (pois com o sol se do) ; pois que deixando-as por muito tem-
escondem), como s vezes at de noute com po ao sol poderiam reseccar-se demasiado.
Morto !... Seu rosto nao tem cor nem brilho !
Querido fllho... sua mea morte
Leva-o nos bracos... para longe vae t
Morrcu mancebo, de infortunios cheio
Co' as mos no seio bemdizendo a sorte
Foi bem ditoso!... J nao slta um ai !
Rio de Janeiro, 12 de Janeiro de 1862.
J. A. d'Almeida Cumia.
AGRICULTURA.
luzes. 7."Arrecadaco e secca da folha.
O meio julgado mais eflicaz de entrete-
las, deitando-llies, para comerem, folhas de
mandioca ou de aroeira, que preferem s
do tabaco.
Contra os grillos e lagartos tem-se acn- ta se reqoeira; e cumpre que s'ejam bem
selhado, entre outros expedientes, o de fazer coberlas e com paredes, e com portas sus-
nascem entre cada foHia e a haslea, fazem
pequeos e grandes, etc.
| 12.Recapituladlo.
Resumindo quanto levamos dito, fica ma-
nifest que, se bem que a industria do taba-
entrar as veigas bandos de pers; mas o
meio mais seguro de acabar com taes insec-
tos o de cata-Ios bem, apanhando-os e ma-
tando-os apenas se v3o apresenlando, traba-
Iho para que sSo mais aptas as criancas. O
mesmo se pode dizer acerca do pulgao, que
pica a folha.
5.Sacha da trra, capacito e desolha
da planta.
>. ras nao loquem as da immediala, e mesmo
ceptiveis de fechar-se, quando vente forte,
ou quando das.chuvas possa resultar dema-
siada humidade. Por nenhum caso se aten-
der fgo dentro, emquanto ahi haja ta-
baco.
Nessa casa se disporo as varas, apoiadas
em suas extremidades, sobre os girus ou
aodaimes inferiores que nella haver; pon-
do-se cuidado em que as folhas de urnas va-
T.IB.ICO DA BAHA.
De que modo se ha de melhorar
assim oeultivo da planta, como
especialmente a cura da folha*
para charutos, flm de poderc
estes rivallsar com os hava
no.
(Concluscto.)
A experiencia tem provado que um tra-
bajador destro n5o pdc encarregar-se de
cuidar mais de doze ou quando muito qain-
ze mil plantas de tabaco, e que, se o anno
de muita lagarta, nem os mesmos doze
mil ps podero ser bem allendidos Assim
eremos que ser conveniente comecar por
proporcionar entre nos, a cada negw tra-
bajador menos experimentado, s dez a
doze mil plantas, o que em um anno regular
equivale a recolher mil a mil e- dzentas
libras de fumo por cabeca.
Plantar mais do que o que se poder bem
cuidar; expr-se a botar a perder parle
do trabalho, ou a cuidar tuda mal, e mais
vale ir experimentando as proprias forcas-
que expr-se a arrependimefitos.
E note-se que todo o cuidado e vigilaaeia
do irabalhador sero necessarios, se elle-nao
Ao cabo de um mez prximamente de-
pois de plantadas as mudas, ha que dar-
Ihes urna de mi de sacho ou de enxada,
conchegando-lhes trra dos camalhes; ope-
rario esta que a planta agradecer muito
mais, se fr feita ao amanhecer, em quanto
o solo conserva o relento da noute.
Qoando as plantas tiverem chegado sua
conta de crescimento, e antes que se a lira m
as folhas que envolvem os boles, deverao
receber urna nova Irmpa ; depois da qual se
proceder capaeo dos grellos. a que em
Cuba cbamam descogollar, e os nossos di-
zem capar ; o que consiste nao s em tirar
planta os botes, com em dewsar-lhe s
as folhas que ella poder vigorosamente nu-
trir, tirando-lhe as dentis-. De ve ser feita
tal operaco por trabajadores muito exer-
crtados, e delta depende em grande parte a
futura bondade efe fumo. Em geral so ei-
xam urnas doze folhas sem contar as imitis
debaixo ; mas planta que parecer dbil
con vira nao deixar mais de orto ou dez e-a
que se mostr vigorosa poder icar com
dezeseis- ou dezoito.
Un dez dias depois de capada I planta^
tem cresci.lo junto de cada folha- uns olhi-
nhos cree convem ento tirar-lhe, para que
nao chopera mesma'folha a substancia.
Esta operaco se chama' entre nos iesolhar,
e deve fzer-se com cuidado, aim de que
se nao quebrem as folhas; o que faria-soffrer
bastante o valor Gnal d' producto,, sendo
que os lotes de folhas inteiras se vendem
por mais alto preco.
|. 6.Apanha da folha.
Quatro mezes prximamente depois que
as mudas se plantaram, vo as folhas-do ta-
baco (comecando pelas de cima) apparecen-
do com suas manchas azuladas e amareilen-
tas, pondo'-se quebradioos e negros- por
dentro'os peciolos que as seguram ao talo.
E' o signa I de que a folha est sazonada e
ique se deve comecar a apanhar. Mas, regra
geral : se entretanto chore, nao se deve ef-
fectuar a colheita seno depois de tres dias
de sol; pois a chuva farreverdecer de no-
vo as folhas-e desanparecer as mancha.
Por isso que as folhas superiores, em
que acta melhor o sol, mudar o sazo-
nara prtraeiro, preferem os cultu-adores
mais entendidos comecar por ellas a colhei-
ta, contando primeiro a eada planta 94 a co-
ra ou penca superior, contendo de--tres a
cinco fullms. Passados tres dias descbenlos,
em que tem as folhas do meio sasonado me-
lhor com o sol, se proeede ao corte da pen-
ca do me; seguinde, d'ahi a outros tres
dias de sol, a ultima debaixo ; deixando-se,
porm, no talo as folhas inferiores que es-
to sujas- de trra e que ajudaro-- nova re-
bentaco-da chamada-segunda e-terceira fo-
lha. Para effectuar o corte por pencas
(mancuernas, chamam a estas- em Cuba)
deve fazer-se uso de urna pequea facca, pe-
sada, bem aliada e boleada, afim de que,
com o golpe, n se abale a. planta, nem se
firam as folhas com a. ponta. lima velha na-
valha de barba servir excelleotemenie.
Taes cortes devem effectuar-se s duran-
te as horas do sol, entre as 10 da manha q-
as 3. da tarde. As pencas cortadas se vito
pondo viradas para baixo, de modo que- o
sol- d no reverso das folhas, por algumas.
bsras, M ficarem marchas.
velmente.
9/Despenca e enfardo.
Assim fermentado o tabaco, ha que pro-
ceder despenca, ou separaco das folh?s
dos seus talos, operaco que no livro do An-
tonilse chama espinicar; e que convm seja co nao requ'er"quasi eranat'rte'capi'aes'cm
A casa onde devem recolher-se as ditas feita com cuidado para se nao parlirem as' machinisraos, etc., requer mais do que ne-
varas com o tabaco destinado a receber a cm.- folhas, que se rao desde logo escolhendo,nhuma outra a aturada presenca e as inces-
ra secca^isloe, a cura propria para os cha-separando asinleiras das partidas e as me- sanies caricias do lavrador,
rutos, deve estar situada em local de boa ores das maiores, collocando-as cora os Os resultados eslaro sempre em razao di-
temperatura e de fcil venlilaco quando es- peciolos para o mesmo lado, etc. recta da sua observaco immediala e in-
Nesle estado, j os lavradores podem en- telligente, do interesse e efficacia com que
viar o seu tabaco em rama ao mercado. Para tenha seguido a planta no seu crescimento,
isso de 25 folhas eguaes fazem urna gavela, para attender sua rauda, capaCo e mais
que se ata com ura pedaco de folha. De operaces, segundo o vo exigindo a quali-
quatro gavelas consta o manojo ; e oitenta dade da trra, o muito adubo ou a sua es-
manojos conslituem um fardo. Este na Ha-1 cassez, a altura maior ou menor do seu talo,
vana costumam pesar de 75 425 libras, e o vigor ou loucaniaque queira prestar as
Na Bahia pesam de ordinario tres arrobas suas folhas. Os insectos sobre tudo... de-
ou 96 libras, e se enviam erabrulhados em vem t-lo sempre em perpetua alerta, e dar-
sap. Cumpre porm advertir que o tabaco' lhe apenas lempo para levantar mo das fo-
ficar melhor d'ahi a alguns mezes, c que Ibas, no curto espaco de lempo, desde osee
o que durante esse lempo perca no peso, nasciraento at o seu corte.
ganhar na qualidade. ,. ,
10 Betum Por.tsso dtzem os veguetros de Cuba que
E' porm de notar que na Ha vana a cura 9 mais acariciara o tabaco sao os me
do tabaco nao se d por concluida com almelbor cultivara, I mesmo se pode fa
ferme-itafo da tulha. Exigem-lhe outra pe-
quena fermenlaco, que consideram to es-
sencial bondade do seu fumo, como o
a pao a competente lavadura ; e assegu-
ram que, antes della, nao s o tabaco nao
tem adquirido todo o aroma de que sus-
ceplivel, como se picana fcilmente com o
besour'mho ou bixo do firma. O cerlo
FOLHETIM.
A CONDES SA DIANA
POR
mu. Mimo i tu \nn.
(Continuaro do n. 214.)
Y
Obtido este resultado* se vo apanhando
as mesmas-pencas,juntando-os pouco a pou-
co no braco esquerdo, onde se iro succes-
sivamente levando" a urnas varas conjpridas,
que se podero ter perto descansando em
seus extremos sobre duas forquithas finca-
das no chao. Cada vez que duas dessas va-
que as pencas na mesma vara nao fiqnem
demasiado aperladas, principalmente se as
folhas forem das maiores, ou se o lempo fr
hmido.
S no da segrale se podero unir mais
as varas urnas s outras, do que resultar
orna leve fermenlaco de dous ou tres dias,
ao cabo dos quaes a folha apresentar unifor-
memente urna cor amarellenla. Ent se
separaro outra vez as varas, e se deixar
assim ventilar-se e soecar-se conveniente-
mente o tabaco; depois do que se incararSo
as mesnws varas (prefermdo-se fazer esta
operaco pela manha) para os andaimes
panto ao teeto da casa, aflm d se deixar em
os inferiores para as varas que vera vindo de
novo carregadas.
O tabaco laucado aos andaimes superiores
nao deve deixar de inspeccionar-se de quan -
do em quando; e se se lhe advertir alguma
humidade, haver- que ventila-te, e fez-lo
enxugar, para qae' ahi nao fermente antes
de lempo.
Acabada a colheita", e suspendido no atlo
durante dias, e bem enxuto o ultimo tabaco
apanhado>ha que tratar de dar a todo elle
a verdadeira ferraentaco, a qual se effeotua
em tulhas ou pilhas
8.?Ferwenifao em tulhaai-
Para empilhar o tabaco, haver que bai-
a-lo dbs andaimes altos, em que est; oom
ttdo o cuidado: esperando para isse'que
tenha m passado alguns dias hmidos, ou ten-
do deixado, dorante umaou duas noutes,
abortas as portas da casa ; isto a (ira de-que
as Jumas, adquirndo lenUira su luciente, li-
quam menos quebradicas,- para lidar oom
ellas, e eslejaro. mais dispostas fermenta-
cao, que vae seguir-se.
Compre submetter em pilhas separadas,
a essa fermenta?o, as peneas dos corteada
primerea folha, bem como as que se honve-
remguardado da* capacito o-da desolha, e-Q-
nalmenle as resallantes da segunda ou tor-
ceira folha, qun dizer das rebentaces do
restolho ; pois tendo cada< qual suecos de
grus-differenles, melhor se poder dirigir
a cada urna a forca de que neeessite.
As- pilhas podem dispfrse dentro de
grandes caixas de madeira ; porm basta
que sefteam entre simples taboas, devendo o
fundo e paredes lateraes estar forrado>de
folhasde bananaira, bem seceas. Effectua-
se a pilha. tomando em pequeos molhes as
pencas e indo-as collocando, urnas sobre as
.outras, em carnadas, congos talos em cada
urna destas, vallados para, o mesmo lado,
seguindo-se a eamada superior immediata
para o lado opposto e assim. por diante. En-|
direttar-se-ho. as folhas que se tenham do-
brado, e dispar se-ho as pencas de medo
que as folhas fiquem recando urnas sobre
outns, e nao nos-talos.
Terminada a pilha ou.tulha quapoder-
conter at irinta.arrobas- de tabaco, se cu-
brir com folhas de bananeira, ecomuma
lev* tampa de madeira, de modo que Iba
o3o enlre ar, durante a fermenlaco que
logo cumeca. -
Convm.que esta fermentace se v h-
zendo miK. lentamente, e se o tabaco nao
entrou na tulha cora humidade em excesso,
e o tempo correr bom. durar urnas-qua-
tro semanas. Entretanto occasies haver
que a folha tenha entrado em boa coala de
fermeoiaco aos tole ou mesmo-. aos quinze
dias. O exame ltenlo da tulla, de quando
em quando, e depois a experiencia, infor-
masam ao lavrador o verdadeiro termo mais
conveniente para o seu tabaco. Estar este
na conta, quando tiver lomado por egual
orna cor castanha, inclusivamente nos latos
e veas, quando deixe de parecer pegajoso
e tenha adquirido certa suavidade ao tacto ;
e finalmente quando tenha perdido sensi-
velmente o amargor que este linha,. e se
zer a proposito da cora,
(Do Diario Oficial)
VARIEDADES
O general Llave, depois de ter a 12 de iunlio
ue or rncin rmarSn bn oradna- uma enlrevisl* "> Guanajuan com DoWado, sa-
que por meio uesta operaco, oem grauua hio a u s ^ indo ac9mpanlMldo ^ (^^
da, costumam os entendedores, depois de sales Ortega.
provar o tabaco, fortalecer o quemes sahiu Doftado deu-lhes uma escolt de 13 horaensfom-
fraco, OU Stmisar 0 que encontrat eom de-, mandaos por nm lente c um cafco
m. I fca Temendo o otDcatqoe os seus soldados lhe ebser-
mrfsidud ii ca, i tassemi o na reiagoei-da com tres lanceiros meio
Para promover esta terceira fermentacao, kilometre-dos viajantes-,
alias quasi imperceptivel, e que supomos! Adiante de Quemada; Gonsales Ortega, qorle-
ser desconhecid na Bahia, essencial lan-' vava qoinfentas on?as, iueixou-se do incommodb
car mSf An rpem-n Ha liiliMini nu otifip- ('ue ,nB caosaTO ^^ e Llave prstense a se en-
car mao ao recurso ae oettmeur ou iop- carregar do-dinheiro i e quando Ortega- ih-o ia en-
turnar aroma, isto e, de humedece-la arnrr- negar, cahiivlhe no chao; algumas onca rodaram
.'lmente, estendendb sucessivamente as fb- por entre os ravallos, o eabo que ia j combinando-
Ihas, e borrifando-as raui de leve com uma' adesercao com os soldados, anadon-oa ftzeraito,
agua, a que do o nome de bettm.
Se o tabaco fr forte e bastante aroraalk
co, creerrr alguns que a simples- agua fria
pura ser para elle o melhor betum
jConvir porm que essa agua haja sido an-
les frvida, afim de morrerera oa- insectos
conferenciou eom elles e avancon a galope.
Neste monismo cabio Llave fcrido por cma bala
na espinha dorsal.
Sobreviveu dtas dias, conservando at ae fim o
U60 da razao, e tendo a forra necessaria psTa es-
crever os pormenores deste assassinio : expirou em
Triinens com a strenidade de vatente.
Recusou-se a receber uma oarta de Ortega,- por
microscpicos que sempre contera, e que este o ter abandonado, logo que o vio cahir t-
poderiara vir a picar a folha. O mais geral r*- ... ...
empregar,. applicado aTrio, um cerimento lSBS!rSSUSSSS^ levando
forte e mu aromtico dos desperdicie da fo- qmnvocentsonca;
Iba do anno-precedente, acrescentando-lhe
aigns uma poooa de agurdente (fe canna ^^^ pubiica> o segainte :
do'melhor e para certas- encommendas, ate, O'Efaode Boionhm refere que, n'um dos ltimos
vinho branco forte, bannilha e outros-aro- doreingos, foi a igpeja d'Altedo- invadida por uns
ma6 soldados qne iam Jo Bolonha par Ferrara.
, -__ Etabeteceram-se romo senhores na casa de
Creem algunso.ue esU operaco, rao que Dece. J n5o 0bsUnt9 TCpregcntor.Hte* o arcipreste
ao lavradores, deve perteneer aos fabftean- ;qae apopulacao nao poderia assim tumprir os
tes de charutos entendidos-. O que nao ad- seus deveres domrieaes, all permaneteram um
milite duvida -que por meio della se pode- !di'?^irt>f,fnlm^^
r militas vezes dar-se aroma a folha* que
quasi o nao tenha; podende-se at accrescen-
tar no betum algum anuaoniaco, etc.
Bfeve aqui advertir-se que, ao fazerem-se
os charutos, para evitar que elles nao se pi-
quebanlo, liambem convirquea capenlo
sejamolhada em. agua que .nao tenha. sido
antes frvida, poden do mesmo accreseentar-
se-the uma imperceptivel porco de agur-
dente e de camphora, oujo oheiro togo se
evaporara.
| i*.Opini* fe Antpntl.
Concluiremos transcrevendo, a respeitoda
cultura da planta, as recommendaces-que ha
j roais de soculo e meio, quando anda en-
tre nos se desconhecia. a cura secca se fi-
2erara no importante livro Riqueza e Opu-
lencia do Brasil, impnesso em 1711; e es-
crpto pelo loscano Andr Joo Antonil.
Tkdo. foi invadido -. confissioaai-io, sacrista e
coro.
Um- soldado piemcnM chegou a por nm cao cm
cima> do altar, diantc-d tbernatrrio.
Na-gvande festa gvnnastica de Leipsick, uma
seccao otKeve um enorme xito de bftariedade.
Entro todos os gyanastas presentes festa, os
mais corpulentos reoairam-se para {orinar urna
seccao selecta, na qtiai era eomlii.-ao da admissao
pesando kilogrammas^ pelo menes;
fui batilio chamado Schundf. qje pesava 132
kiliijranimas, foi acetmado chefe dcsla respeit-
vel eompanhia, que dorante a festa- nwrrhava sem-
pre reunida e precedida de urna bandeira negra,
vermelHn e cor de u*n> (bandeira da eonfederaro
germnica).
Na ultima sessaoda academia das seiencias, Mr
Dunvis anal \ sou uma carta do Mr. La ni y. de Lon-
dres, sobre os efeia txicos do-metal ultiraarocn-
M descoberto, que so denomiaa thaHwm.
Cinco grammas de sulfato btlmtmm foram.de>-
! solvidas em leite. Daas gallhas, seis patos, dous
Sra. de Jonval, que me atormenta va com seus agra-
dos e carinhos, fez-me uma proposta singular
principio em ar de gracejo : tratava-so nem mais
nem menos do que easar-me com uma joven Her-
menegilda de Jonval, flllia de um irmao da pre-
bendada, coronel ao servico do grao-duque de
Bade. Nunca tinha visto essa noiva que me cahia
do cu, e pelo estado do meu corajao pde-se fa-
zer idea do como receberia semolliante proposta f
verdade que tinha por desculpa a minha eda-
de, a qual me defenda contra essa solloitude ma-
peito das ninhas ntences. A Sra de Jonval lan-
cou-me um olhar fulminante, e retirou-se sem di-
zer mais urna palavra.
Fique satisfeitissimo com osle resultado : com
Diz assim, no capitulo quinto da, segunda! gs ? m cao, que beberam, deste leite, morre-
. r m ram algumas horas depois. A' experiencia, foi re-
pariu. .... Iptida com maicr cuidado em.um cao, ao qual se
t Para semear e plantar a folha e neces- fezabsorver um decigramma. de sulfato de tha-
sarioque seja pesse que entendadisso, pa- Uttm.
ra que se cuarde bem o modo, a direitura O cao suecumoio 40 horas depois. O arimal sof-
a distancia, assim. dos rogos, como das co- -^e %$&!? ^V**" ""*
vas. Esta propriedado toxica:do thalium muito po-
O cavar as cvas pertence aos que an-- derosa. Mr. tamy de todas as vezes que fez estu-
dam no servico Com enxada ; os rapazes-bo do aturado do.novo metal sentia-se ineommodado
tam ns nAda nlanta a saber um em Bada viase obr'ado a sanu! do laboratorio. Pareceu-
tam os peaaa planta a saner, um em oaua lhe reconnccar em si mesmo os primcirQS abacios
tima das covas que ficam fetas. fc. o. que de envenenamento.
planta aperta-lhe a trra ao p, mais ou.mo- E' muito provavel que em consequoncia da sua
nos conforme a humidade della Toda a poderosa propriedade toxica, o thahum tealia ap-
cwntP p nis-nna em catar a laoarla rlias ve- PlCoes "* medicina, e pode em todo o caso ser-
gente se oaupa em catar a, lagarta ww- vrde ^^ pnvsiok)ga e manifestar apassagem
zes no da, a saber: pela madrugara, e oe- do veneno nos tec'idos, porque basta, um sgnai im-
pois de estar o sol posto, porque de-da es-1 perceptivel desta substancia, pana que a analyn
t debaixo da trra, e o signal de estar ahi, spectrat a torne sensivel.
a arhar p aloiimn folha enriad ria nnntp Um dcimo mhonessimo de-miWifframnia m-
e o acnar-se alguma ioma cortaaa ae nouie. um tt;cid(>) e esta quantMade nrmia m..
Chegar-Jhe a trra com a enxada e trabaino. mediatamente deseoberta pelo specnoscopo.
dos grandes. Capar a planta j crescida, Ser, bom quoos chymicos nao percam do vista.
isto tirar-lhe o olbo ougrlo na ponta da d'ora,avante,trabalhando co; otkalium opesanv
a meu pezar o empenho do occultar uma grandt
preoecupacao Ti ve consciencia do meu pouco
geito notando nos olhos de Diana alguns raios de
malicia que mo atravossavam o coralito de lado a
naslea, officio de negros mestres. Deso-
Iftar, que vem a ser tirar os outros olhos que
sohe um veneno extremamente perigoso.
(Exlraliido,)
m
Oh I meu Deus I O que est dizendo, senho- decendo nenas de um amor sem esperanca, ae
tudo" nao sei que present ment me adverta de lado. A mesma Magdalena nao procurou esconder
que acaba va de pronunciar a se atenea do meu fu- a sua sorpreza, e me disse :
turo I
Yfl
No seguinte da esperei encontrar todos os sem-
blantes carrancudos -, e por isso fiquei assaz admi-
rado notando a mesma benevolencia para eomigo
trimonial bastante prematura mas por outro lado ^.S^^r^STr^T^^^AT^g
ss:; sfus raaS .^fft?it
Magdalena corou estendendo a mao, porque a
minha admiracao muito aprazia ao seu orgulho de
moca de desesetc annos. Alm disto o meu aco-
lliimento protesta va sufcientemente contra toda e
qualquer apparencia de olvido. Ligava-nos de ha
muito uma amisade franca e sincera. Pelo menos
considere! a cua presenca como um adoravel cor-
rectivo enfadonha chegada da Sra. de Jonval.
Confesso, nao obstante, que nao me agradou essa
repentina invasao de meu Edn. Via-me forcado
a renunciar aos meus passeis com minha madri-
nha, essa doce solidao de nos dous, tao cheia de
nivlenosos encantos para o meu coraco.
A iiiagcstosa tia installou-se no castello como se
alii tivesse de fazer uma longo residencia : e a
condensa Diana, condemnada s offlcioas etiquetas
a hospitalidade, nao podia mais ser senhora de
si; de sorte que no espago de una semana con-
seguimos apenas gozar de algumas horas de liber-
dade sombra das arvores do parque, o isto mes-
Bio em eompanhia de Magdalena.
A baroneza segua os nossos passos a toda a
parte. Afinal achamos o meio de escapar esse
conslrangimento.
A pezar de sua severa devocao, gastava ella horas
interas a preparar-se antes do almogo ; eu, Mag-
dalena, e a condessa acordavamos muito cedo, e
coi riamos logo para o jardm.
Magdalena era uma dessas naturezas joviaes, a
a principio pareca um gracejo, foi insensvolmen
te tomando um caracler serio ; o meu tutor entrou
tambeui na partida com uma mansidao, que eslra-
nliei, e que denunciava um designio formado de
antemao entre os dous excellentes amigos.
Esta perfeita combingao nao era de natureza
que provocasse a minha conflanca : porm julga-
va-mc senhor da situaciio, e nao resist ao prazer
de zombar um pouco com os meus tyrannos.
Estive por tudo quanto elles quizeram durante
alguns dias : uma tarde, porm, attrahi a barone-
za de Jonval um entretenimento confldencial, no
qual procurou demonstrar-me a grande felicidade
que resultara para mim de semelhonte allianca.
O senhor muito rico, accrescentou ella, pb-
de seguir a inclinacao do seu coracao; j Isto
nma veetura, de que nem sempre pdem gozar as
almas mais bem formadas.
Com effeito, minha senhora, respond, as al-
mas bem formadas sao s vezes ohrigadas ceder
clculos muito penosos, quando se trat de unir
douscoracSes que se inclnam irresstvclmente
um ao outro... Se bem comprehendi, mademoi-
sellc de Jonval nao tem dote...
Seu pac nao rico ; mal ha de se lhe asse-
gurar algumas vantagens.
Pelo amor de Deus, minha senhora, nao fal-
lemos nessas mesquinharias I Bast que mademoi-
selle Hermanegilda de Jonval me adore... pois
Entretanto o caso havia feito alguna ruido, por-
que a condessa ceusurou o meu procedimento.
Oh minha madrinha I lhe respond. Pois
Vmc. me reprehende porque me rebellei contra ri-
diculas obsessdes, por nao ter cedido aesses acces-
sos de urna sbita ternura que pretende dispr da
minha vida, e enredar-mo nos lagos do casamento
com uma moca de Bade, que nao conheco, e que
desde j detesto ?~
Meu amigo, es aqui porque o censuro. Nao
querer casar-se, pretextando a sua pouca edade,
uma razao muito plausivel. Eu nao defendo a
causa de minha prima Hermanegilda de Jonval :
porm nao lhe acho razao em dizer que nao gosta
della, que a detest sem anda t-la visto. Em
primeiro lugar isto offender baroneza : em
segundo lugar, accrescentou ella sorrindo-sa,
Oh Sr. Andr, que torca do enthusiasmo \
Se tivesse azas voaria___
Justamente, interrompeu minha madrinha
sorrndo : mas iranqullisemo-nos, nao voaria pa-
ra o cu I... Ha por c uma maosiuha mimosa,
por quem elle se apaixooon, e que o detm por
um fio sobre a nossa pobre trra.
Meu besouro, va, va, val eantou Magda-
lona acompanhando a sua canean de um gesto en-
grac&do como se me tivesse preso na ponta de
um fio.
Magd alea, preciso que elle nos declare o
nome da linda prnceza, por quem palpita o sou
cora gao.
linda? Entaosou eu, respondeu Mapdale-
ua com uma interessante apparencia de fatuidade,
rindo-se depois s gargalhadas.
A sua hilaridade deu-me animo. Aproveitei-me
dessa rcsposla, lancei-me em pleno madrigal, e
conclu como um here d'Aastra por uma decla-
rago no cstylo o mais empolado e obscuro.
ra ? Eu que nao tenho um s pensamento que
nao seja por Vuw.!
Diga agora tambem que nao tem um s que
eu nao saiba I
Minha madrinha olhava para mim flxamente :
voltei o rosto, sent que cora va
vou proven-lo contra as suas illusoes. Magdale-
na nao o pode amar, est promettida em rasa-
monto a um dos seus primos, seu amigo de infan-
cia, pobre como ella, e que lhe completamente
dedicado. Para que se effectue esse casamento,
espera-se que o soivo obtenha um titulo de profes-
J sei que vae tratar dessa famosa paixao sor no collegio do Fribourg...
que sou aocusado de nutrir no silencio... Porm | para o que deve apresentar-se em concurso
isto uma mennice, umaloucura I j no prximo mez de setembro, ioierrompi eu. Sei
Meu amigo, tornou a condessa gravemente, tudo isto, minha adoravel madrinha, e at mesmo.
d-me .a sua palavra de que nao ama, e o aoredi- ja pensei em contribuir para a felicidade de ambos,
tarei. pediudo Vmc. o obsequio do transmittir-lhes por
O seu olhar era penetrante. Catei-mo. | S(H1 intermedio uma somma de vinte mil francos
O seu silencio j uma confissao... mas eu das niinhas riquezas, que- constituir um pequeo
soube tr no mais intimo do seu peito, e conheco dote a Magdalena, visto como de minhas maos et-
o nome que tanto procura occultar. i es recnsariam acceitar.
Vmc. o conhece t o que diz ? pergunlou a condessa summa-
Nao seria mulher, se a ignorasse ate agora, mente admirada.
respondeu ella com um sorriso que perturbou-me-
Siga com os olhos a extremdade do meu chapeo-
sinho de sol; vou tragar na areia essa palavra m-
gica, que voc receiava ouvir repetida pelos passa. qUem ella deseja
Digo, minha madrinha, que nada escapa
sua perspicacia : amo a Magdalena, e o voto mais
ardente da minha alma v-la feliz, e casada com
ros e regatos, se eu a pronunciasse.
Acompanhei o seu gesto, ancioso como se me
estivesse para apparecer um outro Mane, Thcel,
Phars. Nao comprehendi as pnmeiras lettras ;
Entretanto'amava bastante para que podesse ser; mas concluida a palavra fatdica, exclamei allivia-
impenetravel. Os meus dous Argos sorprendan! do de um grande peso:
todos os dias algum indicio revelador, comodis-
traegoes, melancola, etc., que eu nao poda occul-
fallar como ura desmiolado... Quem sabe se voc tar; e os gracejos maliciosos proseguiam sempre
nao a adorara, se a visse ?
- Nunca, nunca t exclamei com vehemencia.
Emliora tosse ella bella e pura como as tres gra -
gas I Embora possuisse os dotes das nove musas I
Julgava-me feliz por occultar-lhes deste modo o
meu segredo, quando reparei que minha madrinha
tornava-se triste e pensativa. O seu sorriso era
constrangido, e se a folgazaa Magdalena me diri-
- Queeoragaoinaccessivel I disse a condessa! >" gracejo sobre a minha secreta paixao
gracejando. Se eu quzesse fazer-lhe um casamen-!nolava no sea olhar- D0 "*en, da sua Y0Z quer
to, ver-me-hia embaragada vista de tmanha in
sensibilidade !
Nunca mehei de casar.
E porque? Faz algum voto, ou ser algnma
paixo -amorosa que j o atorment?... Entao
cora ?... Ora vejam como discreto I E eu que
tanto de confidencias!... Diga-me : bo-
Estas palavras augmentaran! tanto a minha con
nao tive animo de responder : receiava
que fosse que reveleva compaixao...
Oh l Tive medo de penetrar o seu pensamento 1
Um dia ella me disse :
Andr.'j que estamos aqui agora sosinhos,
conversemos seriamente: tenho para dizer-lhe cou-
sas muito graves.
Magdalena I
Foi voc mesmo que a pronnnciou.
. Pois minha madrinha acredit seriamente
que eu amo a Magdalena?
Ora faga-me o favor de dizer, senhor rayste-
rioso, quem havia de ser senao ella?
Juro...
Nao jure, tudo o denuncia. Desde o dia cm
iam a irmao, mas que nao posso confiar i
que Magdalena chegou a esta casa noto na sua pes- aria "" "J* na0 procnre penetrar esse se-
soa uma modanga que nao capaz de negar... *"' nlrJ.i(,0 D'0s far-me-hia corar na sua pre-
Ora neste amavel deserto nao ha outra pessoa a, ereno prosanu, ^
Andr, meu fllho I exclamon Diana agarrn-
dome em ambas as maos. Vaco eausa-nie re-
ceios... Se com effeito nao a Magdalena, a quem
ama pois ? Porque voc ama, bem o vejo, bem a
sinto I...
Vendo-a tao commovda, oslve a ponto de cabir
a seus ps: parecia-me j que o meu segredo esla-
va descoberto, e eu perdido, e forgado & fuf ir para
sempre da sua presenga.
O proprio excesso do meu terror suggonu-me a
idea do fingir ura amor vulgar aflm de desviar as
suassuspeitas. ....____
- Minha madrinha, disse-lhe finalmente com a
voz firme, ha fraquezas da minha edade que coa-
uin irmao, mas que nao posso confiar a
Pcco-lbe que nao procure penetrar esse se-
Falle, minha querida madrinha, que eu pres-
to-lhe toda a attengao... A cousa exige solemni-
dade?
Nao, exige smente sinceridade, replicou el-
meu amor, e soffria ab pensamento de la sorrindose. Senle-se ah... este banco repre
treza, e o espirito ingenuo e cultivado apresentava senhora. me nao faga a Injuria de suppor o meu Estas p
de envolta com as affoutezas da innocencia o qur desinterese inferior ao seu eao della... A pro- fusao, que
Sue fosse de nma r7an nrecoce Nao era bonita psito al va ou morena T iramr o r
e rosto eella hein n sahiamas exhalavtl oer- i A baroneza ficou um pouco interdicta vista que ella poma suppor-me apaixonado por outra. sema nn
fuJede'moc,dd cnto ncanto faiSS Decididamente um segredo, replicou a' -Entao Vmc. vae julgar-me f pergunlei um
E antes n^mo de 2? SS Emflm recoSlata-1 morena, respondeu ella querendo penetrar condessa. Pois tomo sentido, he de descobri-lo I pouco assustado apezar da minha apparente sere-
rne iuntainente o PuckdfcShaktnpare e a Marea- orneo pensamento. Por felcidado a chegada de Magdalena diminuiu nidade.
rito de Goethe Shakspeare e a Marga me^ me Den. ,ranstorno Pois eu s a minha coraraocao. Encetei com ella uma con- Vou confessa-lo, e reprehend-lo ao mesmo
Vivamos oois nos tres entreeucs & alterna-' gosto das mogas al vas. versagio sobre o primeiro motivo que se offereceu: tempo accrascentou ella n am meio lom de expro-
TMdep7awe&^ mais tempo a res- porm aanlmaglo das minhas palavras aecusava bracao.. porque vejo que Injuria a nossa amisade.
quem voc possa amar, salvo se (proscgiu ir-
nicamente) suspira pelos lindos olhos da senhora
baroneza prebendada I
Oh I por mere I exclamei assustado.
Um outro facto importante acabou de conven-
cer-me. Quando minha ta me fallou pela pnmei-
ra vez em casamento com uma moga sem dote, vo-
c calou-se, nao protestou : est claro que suppo-
S6A condessa fez um gesto de sorpreza : esperan-
do aue eu lhe confessasse um sentimento inataca-
Tel empallideceu, o seu semblante enrugou-se, e
a sua mao delxou cahr a minha.
Perdao, perdao, se lhe offendi !
__Nao, respondeu ella commovda, mas procu-
rando tornar-se severa, nao me offendeu. O meu
orgulho ressentiu-se apenas de semelhante equivo-
nha ser Magdalena essa moga, e tanto mais claro co. Espero nicamente Andr, que esse segredo
quanto rebellou-se contra a idea de casamento des-, prosaico, como voc o chama, nunca o faga esque-
de o momento em que se lhe declarou o nome de cer oque deve ao seu nome I
Hermanegilda de Jonval.... Deixe-mo concluir,
meu amigo. So violento assim urna reserva de
sentimento que nio devo censurar, e somente por-
que receto v-lo formar votos que se nao pOdern
realisar : O tambem porque nao o desejo ver pa-
fCo/iMar'*-AU
PERNAMBUCO- TYP. E M. F. F- FTMIO-
W*


' -
ILEGIVI


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQHCVPHK1_2DMF8E INGEST_TIME 2013-08-27T22:16:46Z PACKAGE AA00011611_10225
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES