Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10224


This item is only available as the following downloads:


Full Text
sr
i
AffllO XXXIX HUMERO Ul
Per tres nezes adiantados SJOOO
Por tres mezes vencidos JOO
DIARIO DE
SABBADO MWWtmO DE B63.
Por ddo adianUi. ...... 19S00O
Porte tara o subscriptor. 3$000
NAMBUCO
ENCARRKGADOS DA SUBSCPJPCO NO NORTE
Parahyba. o Sr. Antonio Alexandrino de Lima'
Natal, o'Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de"Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
-mazonas, o Sr. Jeronyuo da Costa.
ENCARREGABGS DA SUBSCRIPCAO NO SUL
Alagas, o Sr. Claudino Falcan Das; Baha, o
ISr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins <& Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Anuo, Gravat, Bexerros, Bonito, Caruaru',
Altinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratir", Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu" as quartas feiras.
Sennhem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
nha de Fernando todas as veres que para alr sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao '/z dia.
EPHEMERIDES DO MEZ DE OUTUBRO.
4 Quarto ming. as 3 h., 36 m. e 8 s. da m.
12 La nova as 3 h., 17 m. e 2 s. da t
19 Quarto cresc: as 4 h., 40 m. e 32 s. da t.
26 La chela as 2 h., 30 m. e 20 s. da t.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira a N' hora e 42 minutos da manhaa
Segunda as. 1 i horas e 6 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagas a 5 o 25 <- para o norte at
a I1 j a 7 e 22 de cada mez; para Fernando nos
das 14 dos mezes dejan, marc.. maio, jul, set enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipucos s 6'/, 7, 7 /, 8 e
l/t da m.; de Olinda s 8 da na, o 6 da tarde; de
Jaboateo s 6 /, da m.; do Caxaag e Varzea s 7
do. m.; de Bemfica s 8 da m.
Do Recita : para o Apipucos s-3'/,, 4, 4 /, 4 %
5 o'A. o i/j e 6 da Urde; para Olinda s 7 da
manhaa e 4 '/i da tarde; para Jateatao s 4 da ur-
de-, para Cachang e Vanea s 4. Vi da tarde; para
Bemfica as 4 da Urde.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relacao: tercas o sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo.do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos : terfas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do oivel : tercas e sextas ao-raeto
dia:
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a tirara
da Urde.
DAS D^ SEMANA.
W. Segunda. S. Pedro de Atontara f.p.doimp.
20. Terca. S. Joao Cancio; S.- Crapazto m.
21. Quaru. S. rsula e suacomp. w. mm.
24 Quinta. S. Ladislao f.; S>.I**raelia v. m.
23. SexU. S. Jlo Capstrano-;; S. Joao Rom.
24. Sabbado. S. Kaphael arel; S.< Fortunato m.
25. Domingo. Ss. Crispin egrispiniano irs mm.
ASSIGNA-SE
no Recife, enra livraria da prata ns. 6 e 8, dos proprieUrio Manoel Figueiroa i
Fam k Filho.
PARTE QFFICIAL.
GOYESCO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 31 de outubro de 1803.
Officio ao presidente da relacao.Participando
o bacharel Leocadio de Andrade Pessoa, que em
29 do mez prximo findo entrou no exercicio do
-cargo de juiz de direito da comarca de Cabrob;
assim o communico V. S. paraseu conhecimento.
Fez-se igual communicacao ao conselbeiro presi-
dente do supremo tribunal de justica e thesoura-
ria de fazenda.
Dito ao chefe de polica.Pelo seu offlcio de 17
do corrente liquei inteirado do que me communi-
cou V. S. com referencia ao cabo do corpo de po- j
licia Manoel Binda Vuelta,
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Constando de participarlo do bacharel Bartholo-,
eu Torquato de Souza e Silva, de 13 deste mez,'
que nessa daU e por terem cessado os seus incom-
inodos, reassumira elle o exercicio do cargo de
promotor publico da comarca do Limoeiro : assim'
o communico V. S. para seu conhecimento.
Dito ao mesmo.O promotor publico da comar-
ca do Limoeiro, bacharel Bartholomeu Torquato de
Souza e Silva, participou em 18 deste mez ter dei-
xado nessa dau, e por molestia o exercicio do seu
cargo.
Dito ao mesmo.Para seu conhecimento e exe-
cu^o, na parte que lhe toca, remetto V. S. co-
pias do aviso do Exm. Sr. ministro da justica de 5
ueste mez' e da 2* va do crdito distribuido a esta
provincia para os differentes s_ervicos cargo da-
-quelle ministerio no exercicio de 1863 1864.
Dito ao mesmo.Participando o juiz de direito
da comarca de Palmares, em 16 do corrente, que
nessa mesma data o bacharel Mondo de S Barreto
Sampaio, reassumio o exercicio do cargo de pro-
motor publico daquella comarca : assim o commu-'
meo V. S. para seu conhecimento.
Dito ao mesmo.O juiz de direito da comarca
de Tacarat, bacharel Manoel da Silva Mafra, en- '>
trou no Io do corrente no goso de urna licencia de j
tres mezes que lhe fui concedida : o que commu-
nico V. S. para seu conhecimento. Fez-se a mes-
ma communicacao ao conselheiro presidente do su-
pivino tribunal de justica.
Dito ao inspector de marinhlDe conformidade
com o que iudica o engeoheiro das obas do melho-
ramento do porto no lioal do olcio de 20 do cor-
rente, que aqu ajunto por copia mande V. S. fa-
zer os reparos de que necessita o caes da rampa da
LingueU
Dito ao inspector da sade publica.Remeta-
me Vmc. com urgencia, as informarles que para
satisfazer o disposto no aviso da repartcao do im-
perio, de 27 de junho ultimo, lhe foram exigidas
em meu offlcio de 15 de julho deste anno.
Portara.O presidente da provincia, attendendo
ao que requereu o professor publico de instruccao
elementar da villa de Ingazeira, Marcolino Antonio
Xavier* resol ve prorogar por 30 dias com venei-
mentos, para tratar de sua sade, a licenca que lhe
foi concedida por portara de 6 de junlio ultimo.
Communicou-se ao director geral da instruccao
publica.
Dita.O presidente da provincia, tendo em visU
o que requereu o guarda da alfandega desta cida-
de, Ntcacio Antonio Nunes, e bem assim as infor-
macoes das reparlicoes competentes, resolve con-
ceder-lhe 70 dias de licenca com vencimento do
respectivo sold, para tratar de sua sade, onde
lhe convicr.
DiU.O presidente da provincia, tendo em vista
o que requereram os negociantes desU praca, N.
O. Bieber i C, successores, e bem assim as infor
macoesdas repartieses competentes, resolve, nos
termos do 2 do art. 486 do regulamenlo de 19
de selembro de 1860, conceder-Ihes permssao para
embarcarem com destino ao Ro de Janeiro, no
brigue hamburguez Dea, 917 barricas com farinha
de trigo.
Dia. O Sr. gerente da companhia Pernambuca-
na de navegacao costeira, faca transportar por con-
ta do ministerio da guerra, no 1 vapor que seguir
para o sul, os objectos que o director do arsenal de
guerra tem de remetter ao deposito de artgos bel-
licos das Alagas, os quaes constam da relacao
junta por copia. Communcou-se ao director do
arsenal de guerra.
expediente do secretario do governo.
Offlcio ao commandante das armas.S. Exc. o
Sr. presidente da provincia, manda communicar
V. Exc, em res|tosta ao seu offlcio n. 1,939 de 20
do corrente, que por despacho desta daU autorisou
o director do arsenal de guerra a satisfazer o pe-
dido do hosptul militar, a que allude o citado offl-
cio.
Dito cmara municipal do Recife. S. Exc. o
Sr. presidente da provincia, manda declarar c-
mara municipal do Recito, que recebeu com o seu
offlcio de 8 do corrente, sob n. 30, a copia da acta
da apurarlo geral de votos, que a mesma cmara
ltimamente procedeu para tres deputados as-
sembla geral legislativa pelo Io dstricto eleitoral
desU provincia.
Despachos do dia 21 de outubro de 186o.
Requerimenlos.
Albino de Souza Leal.Nao tem lugar em vista
da informado.
Antonio Lopes Guimarles.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Joaquim Jos da Costa.Informe o Sr. director
das obras-publicas.
Jos Kibeiroda Silva.Informe o Sr. director do
arsenal de guerra.
Jos Ignacio de Avila.Informe o Sr. inspector
da thesouraria de fazenda
Dr. Joao Mara Seve. Informe o Sr. inspector
da sade publica.
Joao de Carvalho Rapozo.Informe o Sr. direc-
tor das obras publicas.
Manoel Pereira Camello Pessoa.Passe portara
concedendo a licenca pedida.
Manoel Joaquim da Silva. O supplicantc deve
recorrer aos tnbunaes de justica, perante os quaes
discutir o seu direito ; administrativamente nada
ha que deferir.
Porfiria Jesuina BaptisU da Slveira.-Informe
o Sr. director da instruccao publica
Vimisliniana Mara da Conceicao. Informe o
Sr. inspector do arsenal de marinha
EXTERIOR.

A guerra nos Estad-1 nidos.
O bombardeamento de Charleston terminou sem
resuludo decisivo para os federaes, segundo noti-
cias de Nova-York de 3 do corrente; mas a de-
monstradlo ser repetida at que a praca caa em
poder das torcas do norte, que augmenUm todos
os dias, para descarrgar o derradeiro golpe no
terco da insurreirao separatista.
O jubiio entre s reppblcanos intenso. Julgam
a guerra prxima Ondar, e j discuten) as con-
dados da reconstruc$o poltica dos Estedos-
l'nidos.
O partido democrtico Umbem tolga com a pers-
pectiva da paz; pornj, nao confia Unto as favo-
raveis consequencias da victoria
O presidente Lincoln declara Inexequivel qual-
3ner compromisso com o rebeldes. Instrumento
o Tinganea, propoe-se applicar a lei do vencedor
com cxemplar severidade, sem reparar que com-
promette para sempre os principios lrberaes, que
jurou manter e guardar.
Mr. Jeflerson Davis e os principaes acolytos do'
governo de Richmond serio entercados. Outros
menos comprometidos serao banidos. As proprie-
dades onde se cultivava arroz, assucar e algodao,'
caberao em parlilha aos mais leaes servidores fe-
deraes. Como para as fazer render Indispensa-
vel o trabalho dos negros, nao sera de espantar
que a questo da esclavatura softresse dilatado
adiamento.
Que os vencidos fiquem animados dos sentimen-
tos que os Hngaros, os Polacos, os Venezianos
nutrem para com os seus oppressores, o que na-
da avulu no entendimiento dos federaes. Debella-
ram os inimigos; acham, pois, logieo conserva-Ios
na catbegora de servos da gleba.
E' cerlo jne a situacao nao poder sustenUr-se;
que a reaccao mais ou menos demorada ha de ma-
nifestar-se; que o paiz conquistado nunca deixar
de contrariar as vistas dos dominadores. Mas os
republicanos triumphantes nao olham para o dia
de amanha Contenum-se de desfrutar hoje, sem
curar do que pode occorrer em seguida.
Porjjutro lado, lisongeiam-se de preparar efflcaz
diversao para a preoecupacao dos nimos. Osexer-
citos federaes e separatistas serao reorganizados,
destribuidos em tres grandes seceoes. A primeira
guarnecer os Estados-Unidos para conservaco da
ordem ; a segunda ir ao Mxico para fazer vigo-
rar o preceto de Munroe, expellindo d'alli os sol-
dados francezes ; a terceira marchar sobre o Ca-
nad, para tirar desforco dos aggravos britan-
nicos.
Em (iianto os federaes trabalham por afugenUr
a resistencia na Carolina do Snl, e no Tennessee,
a cidade de Nova-York oceupada militarmente
pelo general Dix com 26,000 homens de infatuara.
artlhana e (-avallara, em grande parte destacados
do exercito do Potomac. Os militares abarracaran
as praeas e nos passeos ; e as boceas de cem ca-
nhoes ameacam as avenidas das ras principaes.
Muitas canhoneiras repletas de destacamentos de
tropa, pairam no porto, prompUs a largar em trra
a sua carga, logo que se torne necessario.
As precauces foram ordenadas por causa do
sorteio para o recrutamento, que em todos os dis-
trictos concluio tranquillamente, nao s pela pre-
senta das bayonetas, como pela esperanza de que
os tres milhdes de dollars voUdos pela mumcipali-
dade basUrao para o resgate dos recrutados, que
nao tiverem meios de pagar trezentos dollars por
um substituto.
As cUsses abastadas, quo sentiram as depreda-
foes e as violencias da plebe desenfreiada, descan-
cam em lugar de alterar-se com a ostenUcao da
torca armada. Nao attendem gravo ndole dos |
symptomas; nao imaginam que o governo de Was- i
hlngton navega a pannos largos na senda da dicU- i
dura; e que tenciona obrgar a servir todos os re-'
crutados indigentes, obstando a que a municipali- \
dade_os liberte.
Nao concebem que o general Dix vai ser nomea-!
do governador militar de Nova-York com faculda- j
des discrionarias ; nao calculara que se proiecta '
fazer durar a situacao anormal at que se verifique'
nova eleirao de presidente, com o fim deassegurar!
a recondnerao do actual; nao se convencen) de que i
as inmunidades, as garantas, as prerogativas cons-
titucionaes serao substituidas pelo rgimen do que-
ro, posso e mando, pelo despotismo flagrante e po-
sitivo.
Apezar dos rigores, nao ser possivel collgir os
30,000 mancebos de que 5 governo carece, segun-
do o decreto do recrutamento. Os vadios, os aven-
turemos que se prestaren) a entrar as filenas, os
recrutados torca, os Irlandezes e Allemaes anga-
riados pela gratificaran, apenas attingiram o nume-
ro de 50,000 ou 60,000 homens, alias su furientes
para as urgencias da campanha, se as armas fede-
raes proseguirem como at aqu as victorias e as
conquisUs.
Depois de Gettysburg, Vicksburg e Port-Hudson,
depois da tomada de Charleston e Moble, assim
como da evacuado de Richmond, nao haver pon-
to importante onde tremule o esUndarte da palmei-
ra. Acabara a organisaco militar separatista ;
comecar a luta parcial com asguerrilhas e aspe-
quenas |K)voacoes, coja durarao ningoera pode de-
terminar ; mas que nao impedir o governo de
Washington de estabelecer os seus pro-consules as
capitaes dos estadas, submettidos pela torca.
As apresenUqoes, as deserces das lileiras ini-
migas contribuirlo para dispensar parte dos conti-
gentes que Lincoln exige dos districtos septentrio- i
naes. Nestes termos, nao falUndo o pret aos enga-
jados, de crer que haja praeas basUntes para
compor os regimentos necessarios para as evolu-
edes do ultimo acto do drama sanguinolento.
E' possivel que em 1 de Janeiro a autoridade de
Washington nao seja mais contesUda nasprinc-l
paes cidades dos EsUdos-Unidos, depois da canil- i
firina de 800,000 a 900,000 individuos victimas das!
balas, das enfermidades, e do consumo de inmen-
sos milhoes de dollars. No sul, devasUcao geral
do cidades, villas e aldeas, de plantacdes, de cellei-
ros, de gados, de rebanhos. No norte, completa
depressao da industria, falta de trabalho para ope-
rarios, cerceamento as despezas dos que ocenpam
a gente de profissoes mechanicas ; e a praga do
papel-moeda para constante perturbacao dos valo-
res monetarios. E' este o saldo da contenda.
Entreunto, assim como em Franca, quando Law
arruma va o paiz com as especlameos da ra Quin-
campoix, um grupo de traficantes felizes ostentava
luxo asitico, divisa-se em Nova-York urna cohorte
de fornedores, commissarios, cambisus, agiotas de
variadas especies, entregando-se s loucuras da
prodigalidade e da dissipacao.
O commercio Jicito da compra e venda do gene-
ros de imporUcao e exportaran est paralysado,
difflcil, e nada lucrativo. Mas o jogo de fundos, as
especulacoes em caminho de ferro, sobretudo as
fiuctuaroes do agio do papel-moeda, quo s vezes
fazm differenca de doze por rento n'nnia semana,
alimenUm deleteras transacedes, que de chofre en-
riiiuecem diversos aventuraros.
Para essa classe a continuacao da guerra a
prolongarlo das contigencias de lucro ; e nada re-
cea Unto como o encerramento do templo de Jano.
A noticia da destruicao do forte Sumter acolhida
com riso amarello, e a tomada de Charleston pro-
vocara pallidez formal.
Algumas casas bancaras, e alguns correctores
desertaran) das operarocs mercan lis regulares para
estudar os processos do agio; e ganham milhoes,
seguindo o jogo fascinante. Os caixeiros, que ha
annos se julgavam bem arranjados vergando sobre
a carteira cinco e seis horas por dia, mediante o
vencimento annual de seis rentos ou oitocentos dol-
lars, realisain>egora de prompto militares, deze-
as de millares de dollars na compra e venda de
papis.
Adqurem-se lindas casasfde campo junto ao rio
de Hudson ou ro de leste ; em lugar de cerveja,
bebe-se largamente um duvidoso Chateau-Margaux;
e as consortes, as amigas, julgam-se deshonradas
envergando chai le, quecuste menos de mil dollars.
Semelhantes profusoes diffundem em todos os de-
pendentes prximos ou remotos um ardor de ga-
nancia, que encarece os mais leves servicos. Pa-
rece que todos ganham e que ninguem perde. Os
propnos fmulos das hospedaras considerara um
dollar como mera insignificancia. O triste limpa-
bous de Broadway, faz cara quando recebe menos
de um shilling por mover a escova; e o coclfeiro,
que se chama nao qur admittir freguezias para a
mais curta distancia a menos de tres ou quatro pe-
sos, em papel j se sabe.
Banquetes sumptuosos formigam em duilas de
botis. 0 italiano Delmonico fundou tres oasas de
pasto as raas Beever, Chambers e Fourteenth, nao
tendo mao& a medir com os freguezes, que se apre-
sentam, paocedentes dos bairros commerciaes. Ha
mesas pava vinte e trinta pessoas, onde se dao jan-
tares a 20 dollars por cabera, sem contar os vinhos.
Os freguezes pedem dos raelhores, sem curar de-
preco qne se paga. Madeira cusa 12 pesos por
garrafa, Chareau-Lafflte o mesmo preco, Chambec-
tin nao se oblen) por menos de 16, e Champagne
1 egitim a 18 e 20. |
Como hao de porm regatear os que apuram dez
e doze m il dollars n'um dia, comprando e venden-
do notas, acroes de companhias, e papis de crdi-
to ? Com e hao de reparar na caresta os que viven
em xtasi, sonhando Da fortuna que se levanta, na
independencia que vai realisar-se?
Quando acabar o fogo de artificio; qnando appa-
recer o rnevitavel desenlace de urna situacao fbt?a- ]
da, repe ir-se-ha em Nova-York o que j se vio era'
Pars. A excepcao de meia duzia de prudentes es-:
perUmdes, a massa dos especuladores ser envol-.
vida em commum ruina As quebras, as desappa-
ricoes, os suicidios multiplicar-se-hao em larga es-
cala. Em lugar das ostentaedes de Lucu!lo s ha-'
ver prantoe maldirao, passando a vi ver de pao
seceo ou de batatas cosidas os que agora so trtara
de opparos manjares, regados ue Lacryma Christi
ou do rdxo Falerno.
O curso de Mississip est livre para os vapores,
que soliera ou descera o rio escoltados pelas canho- i
neiras do commodoro Porter. Apezar de chegarem
as viagens at S. Luiz, nao apparece algodao no
mercado de Nova-Orleans. Supp5-se que o depo-
sito do genero em todos os esUdos do golfo nao ex- j
cede tres milhoes de saccas; e que parte ser des-
truida ou por deferencia s ordens de Richmond,
ou por accordo dos federaes, para que nao Qqnem
as saccas em poder do inmigo. Quanto colheiu
futura, ocioso contar com ella, porque em quasi
todos os terrenos se deu preferencia aos gneros
alimenticios.
(Jornal do Commercio, de Lisboa.)
INTERIOR. "I
RIO DE JAMHIO.
SUPREMO TRIBIWI, DE
JUSTINA.
SKSSAO KM 26 DE SKTEMBRO DE 1863.
Presidencia do Exm. Sr. conselheiro bardo de
Montserrate.
(SecreUrio o Sr. Dr. Pedreira.)
A's 9 horas e meia abriu-se a sessao, achando-'
se presentes os Srs. conselheiros barao de Mont-
serrate (presidente), Nabuco, Almeida, Siqueira,
Veiga, Cornelio Franca, barao de Pirapama, Pan-
toja, Brito, Silva Tavares, Ernesto Franja, Chi-
chorro, Mariani, Simdes, Machado Nunes, e Mes-
sias de Leao, faltando com causa o Sr. Azevedo.
Leu-se e pprovou-se a acta da antecedente.
EXPED ENVE.
Da secretaria de estado dos negocios da justica,'
de 19 e 23 do corrente, rommumeando queS.M.
o Imperador houve por bem :
Nomear (decreto de 17 do corrente) b Sr. Dr.
Carlos Augusto Ferraz de Abren para juiz de di-
reito da comarca do Saboeiro, de 1." entrancia, na
provincia do Cear;
Remover (decretos de 17 do corrente) os Srs.
juzes de direito Dr. Candido Gil Castello-Branco,
d'aquella comarca para a de Campo-Maior, na pro-
vincia do Piauhy, e Dr. Carlos Luz da Silva Mou-
ra, da de Jaics, para a de Oeyras, n'aquella pro-
vincia ; ,'
Conceder (portara de 13 do corrente) licenca
por tres mezes ao Sr. juiz de direito Dr. Joao La-
dislao Japy-Ass de Figueirdo Mello, da comarca
do Bananal.Registrem-se e averbem-se.
Das presidencias das provincias :
Do Maranho, do 1." do corrente, enviando o
mappa do exercicio dos juzes de direito da provin-
cia no mez de agosto findo. commisso revi-
sora.
l)e Sergrpe, de 22 e 23 de agosto findo, commu-
nicando ter entrado era gozo de licenca o Sr. juiz
de direito Dr. Theodoro Machado Freir Pereira
da Silva, chefe de polica da provincia, c envian-
do a resposU dada pelo Sr. juiz de direito Dr. Ma-
noel Maria do Amara I reclmacao do Sr. Dr. Ma-
noel Pinto de Souza DanUs.Averbe-se o primei-
ro e ajunte-se o segundo reclmacao respectiva.
Do Amazonas, de 10 e 12 de agosto (Indo, en-
viando a resposta dada pelo Sr. juiz de direito Dr.
Manoel Gomes Correa de Miranda reclmacao do
Sr. Dr. Jos Caetano de Andrade Pinto ; e dous
exemplares da collecfio das leis provncaes deste
anno.Ajunte-se o primeiro reclmacao respec-
tiva e archivem-se as leis.
Do instituto dos advogados da corte, de 26 do
corrente, enviando a collecco da respectiva Re-
vista. Archive-se e agradecase.
Do Sr. juiz de direito Dr. Francisco Leite da
Costa Itclm, de 25 de agosto findo, enviando cer-
tidoes de seu exercicio na comarca do Rio-Pardo,
em Minas, desde 6 de dezembro do anno passado
at 30 de junho deste anno.Averbem-se.
Certidoes de exercicio.
Dos Srs. juzes de direito Dr. Ignacio Jos de
Mendonca Uchda, na comarca da sUncia, desde
2 do corrente, e Dr. Joaquim Jorge dos Santos, na
da Fortaleza, desde o !. do corrente.Averbem-
se.
Exposicao das revistas.
N. 6401, pelo Sr. Chichorro.
N. 6424, pelo Sr. barao de Pirapama.
Redaccao.
Foi approvada a redaccao da sentenca na revis-
U n. 6366, relator o Sr. barao de Pirapama.
JCLOAMENTOS.
Revistas citis.
N. 6399.Recurrente, o commendador Manoel
da Vera Cruz Lins e Mello; recorrida, a adminis-
trago da SanU Casa de Misericordia de Pernam-
buco.
Sao juizes na causa, como relator, o Sr. Silva
Tavares j e revisores, os Srs. Ernesto Franca e
Chichorro.
O Sr. Silva Tavares comeca o seu relatoro de-
clarando que o commendador, ora recurrente, pro-
poz urna aeran de nullidade de testamento, porque
seu lioSebastio Mauricio Wanderley esUva em
estado continuo de demencia, o que se reconheca
pela maneira por que fez as deelaraedes e verbas
tesuraentarias. A parte contrara, isto a SanU
Casa de Misericordia, herdeira instituida, diz que
Sebastiao esUva em seu perfeito juizo; que do
modo regular, seguro e explicativo por que eslao
declaradas todas as deixaj, e legados se conclue
que o tesUdor nao esUva demente.
O Sr. Silva Tavares l o depoimento das teste-'
munhas l a sentenca que julgou improcedente a
accao e valido o testamento. 0 litigante appellou
para a relacao do dstricto que em seu accordo
confirmou a sentenca por ctara e jurdica Em-
bargou; em novo aecordao a relacao desprezoo os
embargos. Dessa decisao recorre elle para este
tribunal, apresenUndo as razSes de revsteos/
mesmos argumentos.
O Sr. presidente, findo o relatoro, pede o voto
ao juiz relator.
O Sr. Silva Tavares d o sea vol, negando a re-
viste por aehar a sentenca bem deduzlda e bem
claro o testamento.
Os juizes revisores ooneordam em negar a re-'
vista. Posto o relatoro em diseussao, ninguem pe
dio a palavra.
A reviste (oi pegada unnimemente.
N. 6389. Recorrente o crioulo Daniel, recorr-
uo o capitao Ernesto de S BiHancourt e Cmara-
!Rftn IS. 6408.Recorrentes os curadores fiscacs da
raas". fa|l'da de Rostron Duitoo & O, recorridos
Lautn un Fairlie & i.:.Negou-se a reviste.
Passagem das mistas.
N. M8, ao Sr. Almeida.
N. 6424, ao Sr. Pantoia.
N- 6411, aoSr. Silva Tavaces.
N- 6401, ao Sr. Mariani.
N. 6403, ao Sr. Messias de Leao.
._. Conctusao da revistas.
Ns. 1777 e 6133, ao Sr. Nabuco.
M Vista na rmtamarao.
. 153, ao Sr. consemeiro procurador da ce-
DISTMMIICAO.
Revistms: civeis.
N. 6436.-Serr.Relacao do Rio.EscrivaAv
Araujo. -Recorrente Antonio Jos Dias Colho, ne-
C0!J /.o Jesuina Candida Duarte.-Ao Sr. Veiga.
N. 6137.Corte.Bclacao do Rio.Escrivao A.
Araujo.Recorrente Antonio Pereira de Maga-
Ihaes, recorrido o prior do convento do Carura
deste corte.Ao Sr.. Cornelio Franca.
_. Da.
Ficam com dia para julga ment :
^ rcrwoi civeis.
N. 6385, relator o Sr. Ernesto Franca.
w ^' re,ater Sr- Simoes.
N. 6390, relator o Sr. Messias de LeSo.
N. 6394, relator o Sr. Veiga
N. 6396, relator o Sr. barao de Pirapama.
N. 6400, relator o Sr. Ernesto Franca.
R. 6404, relator o Sr. Machado Nones.
N. 6405, relator o Sr. Nabnco.
N. 640fi, relator o Sr. Almeida.
Levantou-se a sessao 1 hora da tarde.
REVISTAS ENTADAS E PARADAS POR FALTA DE PRE-
PAHO.
Corte.Relacao do Ro.Escrivao Botlho.Re-
crreme Manoel Joaquim do Castro Jnior, recor-
rido Jos Antonio Elvas.
(O valor deste causa o de dous escravos pe-
nhorados, e sao advogados os Srs. Dr. Silva Nu-
nes, do recorrente, e desembargador Fortunato de
Brito, do recorrido.)
Capitel da BahaRelacao da mesma provincia.
Escrivao Carneiro.Recorrentes Manoel Thom
de Miranda e outros, herdeiros de D. Maria Joa-
quina. Serra, recorrido Domingos Jos de Alpoim.
(O valor desla causa 9:1335984, e sao advo-
gados os Srs. Dr. Emilio Tavares de Oliveira, dos
recorrentes, e Dr. Feliciano Gomes de Castro, do
recorrido.)
CapiUI da Baha.Tribunal do commercio da
mesma provincia.Escrivao Magalhes Castro.
Recorrente Cassiano Cardoso Brum, recorridos os
administradores da massa fallida de Luiz Jos de
Almeida.
(O valor desU causa 160:000*000, e sao ad-
vocados os Srs. Dr. Feliciano Gomes de Castro, do
recrtente, e Dr. Francisco Jos Pereira de Albu-
querque, do recorridos.)
Recito.Relacao de rernambuco,Escrivao
Freius.Recorrente a fazenda nacional, recorrido
Jos Antonio de Araujo.
(0 valor desta causa 5:6405000, e sao advoga-
dos os Srs. desembargador procurador da cora,
da recorrente, e Dr. Antonio de Vasconcellos de
Menezes Drumraond, do recorrido.)
O preparo para cada reviste sao 65100.
BaptisU tocar em favor ao beneficiado urna, va-
riacao sobre motivo da Somnmbula.
Com este espectaonlo conta o beneficiade>oorros-
ponder benignidad* do publico, de qnem ospara
pnotecQao com a respectiva concurrencia.
KEPARTigAO DA. POLICA :
Extracto das partes do dia 23 de outubro.)
foram recolhidos casa de detenco no dia 22
db corrente:
ordem do Illra. Sr. Dr. chfe do polica, Geral-
dD Pereira, pardo, vindo do presidio de Fernando,
como sentenciado.
A ordem do subdelegado do Recito^ Francisco,,
africano, escravo de Francisco Asss de Garvalho,
por offensas ptiysicas.
A ordem do. de Santo Antonio, Maria, crioula,
escrava de Thereza Eduarda Albuquerque Mara-
nho, para correccao.
A ordem do de Sao Jos, Jos Gonaalves Pereira,
Manoel Joaquim da Silva, branco, e- Antouio, criou-
lo, escravo do Antonio Joaquim de- Carvalho. Me-
nezes, todos, para correccao.
O chefe da t seccao.
/. G. deSksqwta.
Mc-vunento da casa de detenco do dia 2
de outubro de 1863 :
Exstiam. 349 presos
Entraram ... 9
Sahram. ... U
A saber :
Existem. 347
Nacionaes. .
Estrangeiros
Mulheres .
Estrangeiras
Escravos .
Escravas .
245
25
9
3
61
4
347
PERKAMBPCO.
REVISTA DIARIA.
Havendo o Sr. Dr. promotor publico requeri-
do ao subdelegado de Sao Jos que procedesse
corpo de delicio na pessoa de um indigente, que
em um dos dias prximos tora levemente esbor-
doado n'aquella freguezia, afimde interpor a compe-
tente queixa contra o autor de Ues offensas por torca
do artigo 73 do cdigo do processo, que impoe ao
ministerio da justica publica o dever de intenter a
qucixa e proseguir nos termos ulteriores da aecu-
saeao contra o delinquente, quando o offendido nao
o pode fazer em falu de meies, compareceu lti-
mamente juizo o proprio offendido, e reconhe-
cende a injustca de seu procedimento fez desisten-
ca de qualquer direito ou accao contra o seu of-
fensor.
D'ahi provm a importante questao resolver,
se corre ou nao ao ministerio publico o dever de
proseguir na aecusacao intentada, muilo erabora o
offendido pelo delicto particular tenha feito abso-
luta desistencia do direito reparadlo.
Attendendo que a medida do artigo 73 do c-
digo do processo nao deve ser reputada como um
simples favor aos indigentes, mas como de ordem
e conveniencia publica, sendo verdaderamente
contrario ao interesse social que impunemente se
repetissem delictos contra pessoas miseraves; at-
tendendo que seria em desprestigio da autoridade
publica ser sustado o processo movido pelo orgo
da justica, todas as vezes que o offendido fizesse
desistencia do seu direito accao ; attendendo fi-
nalmente gue por essa theora o ministerio pu-
blico seria nao poucas vezes testemunha impassi-
vel das transaeroes das partes, ao passo que o in-
teresse social nao transige ; e sendo alias uxativa
e imperiosa a disposcao do j citado artigo 73, en-
tendeu o Sr. promotor publico que, embora a de-
sistencia da parte offendda, deveria proseguir a
queixa por elle intentada como se Ul desistencia
nao houvera.
A Sociedade dos Artistas Mchameos e Libe-
raes de Pernambuco, estabelecida no consistorio
da igreja de Sao Jos, festejou no da 21 deste mez
0 seu vigsimo segundo anniversario.
O salo em que a sociedade funecona, e bem
assim o em que trabalham as suas aulas, esUvam
elegantemente preparados, e rauto bem Ilumina-
dos, tendo para isso a sociedade apenas pedido al-
guns movis e vidros.
Achava-se no y'me'ro d'aquelles salfles um bello
nlro de estove, tendo no centro a efflge da
ora do Amparo, padroeira da sociedade. O
risco do quadro, que tem 6 palmos de altura sobre
3 de largura, toi do director da mesma o Sr. Joao
dos Santos Ferreira Barros ; a execucao do socio
estucador o Sr. Jos Alvos ;\eyvas ; e a pintura do
socio Francisco Dornellas Munduri,
Realmente esta assoriarao que j ro- ta em seu
seio urna grande quanlidade de excellentes artis-
tas, Unto nacionaes como estrangeiros, parece que
caminha para um futuro brilhante.
Foi removido da cadeira da freguezia de Pe-
trolina para a da Varzea o professor Francisco da
Silva Miranda.
O Sr. Joseph Fachnctti toi honrado por sua san-
tidado Po IX, com urna carta apostlica, em virtude
da qual, foi reconhecido ser descendente legitimo da
dymnastia do ex-papa Innocencio IX, e do um car-
deal do mesmo nome, e por isso, titular e com-
mendador de jure do Santo Sepulcro.
' Tendo sido exonerado, por proprio pedido o
Sr. Antonio Gomes de Miranda Leal do cargo de
subdelegado da freguezia de Sao Fre Pedro Gon-
calves do Recite, foi no mesmo substituido pelo
Sr. Luiz Antonio Goncalves Penna ; o qual entrou
logo em exercicio.
1 Hoje tem lugar no Santa Isabel o beneficio do
' Cotor Thomaz Antonio Espinca, sublndo scena
i o drama Luiz o pintor, ou o segreda de urna farni-
I Ka, e a comedia o Embaucador.
No intervallo do drama comedia, o Sr. Pedro
Alimentados cnste dos cofres pblicos. 140
Movimento da enfermara do dia 23 de outubro
corrente :
Tiveram baixa:
Herraelinda Maria da Conceicao, constipaco do
ventre.
Ignacio, escravo de Frederico Chaves, cephalagia.
Passageros do brigue portuguez Mercurio,
entrado do Porto:
Jos Goncalves, Anna Margarda, Ignacio Cle-
mente Teixeira, Manoel Moreira Mattos, Antonio
Jos Moreira, Maria Goncalves Valcda e 3 filhos
menores, Antonio d Souza Campos Jnior, Jos
Ferreira da Silva, Marcelino Esposto, Joaquim Ri-
bero, Antonio Augusto, Jos Saraiva Trndade,
Alfonso de Siqueira Ferro, Joaquim da Silva, Igna-
cio Moreira, Jos Goncalves do Paco, Luiz Esposto,
Manoel Antonio Pereira e 1 um filho menor, Joao
Antonio de Amoris, Manoel Antonio Barboza, Joa-
quim Antonio Vasconcellos, Manoel Goncalves, Bal
bina Rosa, Jos de Azevedo Maia.
Obituario do dia 22 de outubro, no cemite-
RIO Pl'BLICO.
('.alisto, Pernambuco, 10 dias, Santo Antonio, es-
pasmo.
Manoel Joaquim Gomes dos Santos, Pernambuco,
20 annos, solteiro, Boa-Vista, tubrculos pul-
monares.
Antonio da Costa Ribciro Mello, Pernambuco, 51
annos, casado, Boa-Vista, hydropesia.
Valeria, escrava, 33 annos, solteira, Santo Antonio,
urna hypertrophia do coracao.
Joaquim Lopes Pereira Gumarcs, Pernambuco,
63 annos, viuvo, Santo Antonio, acite.
23
Alvaro, Pernambuco, 9 mezes, Boa-Viste, den-
tcao.
Luzi), escrava, Pernambuco, 45 annos, solteira,
Boa-Vista, apoplexia pulmonite.
Caetano, Pernambuco, 2 dias, Boa-Vjsla, convul-
coes.
UM POUCO DE TUOO.
Um diario francez de Londres, d a noticia de
urna vaste conspirarlo irlandeza, que se prepara e
organisa luz do da contra a dominarlo ingleza.
Os conspiradores com o nome Fenians e PHkos
de S. Patrick sao j em numero de 80,000 todos ar-
mados e nao esperando senao urna occasio favo-
ravel para sacudirem o jugo da Inglaterra e pro-
clamaren) a independencia da Verde Erin.
Se o governo inglez se achasse empenhado n'uma
guerra, qur com Franca, o que nao provavel,
qur con) os Estados-Unidos, o que menos im-
possvel, logo levantaran) o cstendarte da patria, e
assegura-se que logo acudiran) em seu auxilio to-
dos os seus compatriotas que emigraram para a
America.
Os irlandezes desejaram muto que a Franca os
ajudasse; mas esto decididos a dispensar o seu
apoio.
Em todos os condados, as populacoes suspiram
ardentemente pelo dia da lberdade, e disso fallam
em voz alta.
L-sc no Diario Mercantil o seguinte :
Em Boston passou-sc urna curiosa scena.
O offlcial, encarregado da vigilancia no campo
dos recruUs, oceupava-se de indagar e averiguar
se os recruUs ocrultavam alguma roupa civil, que
facilitasse a evaslo.
Algumas vezes estes exames fazem encontrar
sommas importantes, e entilo o offlcial adverte o
possuidor, que pode perder o seu peculio, que no
campo ha pessoas suspeitas, que obrariam muto
mais prudentemente conliando-o a pessoa capaz, |
etc.
Este discurso insidioso foi um dia dirigido um
galucho de apparencia de bonachlo e parvo, que
tinha enrasigo quasi 250 dollars.
O que ? replicou ao offlcial com sorriso zora-
beteiro ; fui ladrlo quinze annos, e agora o Sr.
quer-me por mais leve.....a outros, meu offlcial I
enteodo a partida nao me enganam assim. Estou
prevenido.
O offlcial nem respondeu, continuou muito serio
a sua vigilancia.
Na Revista Popular l-se o que segu, subscripto
pela Sra. D. Ignez d'Horta :
Minha prima AnasUcia Pimpim, pede-me que
previna os leitores de que o seu luminoso artigo
sobre modas ter felizmente anda alguma demora.
A razio, porm, lio plausivel, que ninguem dei-
xar de aceita-la.
E' o caso que tinha ella o seu casamento tratado
com um primo irmao, rapaz sacudido e sisudo,
cora um brilhante futuro em perspectiva, e eis se-
nao quando desmancha-se, pela mais ftil das cau-
sas, este consorcio que tanto promedia. Aposto que-
nao sao capazos de adevinhar o motivo 1 Nom, eu
o quera; se a cousa fosse assim fcil de imaginar-
se, nao valia a pena couur-sc
O pai do noivo leu n'uma gazeU (e isto,mais
una prova dos males incalculaveis oue fazem os)
taes peridicos, que abomino, apezar Je costar de
l-los) este noticia.
t Casamento entre parentes.-^. assemhla legis-
lativa de Ohio (Estados-Unidos) \otou, ltimamente
diversas leis restrictivas, acerca de enlaces entre
parentes, e sobretudo entre, primos carnaea Du-
rante a diseussao, addmiram-se importemos dados.
Por exemplo :
De 873 casara.ea.tos entro primos (con-ahdo&
no Estado de Qbjo) nasceram 3,900 filhos, e ainda
em Massachussets ha 1? familias desUs, qao con-
Um 95 filhos, dos quaes 44 sao idiotas^ 4* escro-
phulosoa e 37 quo teem apenas as eondiroes de
ama mediana saude.
i Dos 3,900 filhos de rsame* entre parentes
2,490 padecem, deformidades graves, ou de com-
pleto imbecilidade. CU-se e- caso de urna familia
oem nove filhos todos idiota.-. -
Antes nunca se tvesse inventado a imprensa !
Apenas isto leu, concebeu o* pai do primo da prima,
solirito pela sorte da sua posteridade, invenciveis
escrpulos contra o projectedo matrimonio, e jurou
aos seus deuses que o filho- se nao casarte com
mumer que estivesse com elle em grao mak pr-
ximo de parentesco, do que entre n* todos cons-
titue a nossa commum descendencia de Ado e
Kva.
Rogos, supplicas, tudo toi. perdido, nao houve
demove-lo do seu proposi. Debalde se lhe pon-
derou que dos netos de nossos primeiros pas, fi-
Mios de enlaces entre iimos, parentescos muito
mais chegados anda, na consta va qne algum fosse
idiota ou escrophuloso; hornera teiniou e a teimar
contina.
Nestes circumstancias nao restava minha pri-
ma ontra alternativa seqao pdr-se procura de
outre noivo.
E' neste empenho de muito maior gravidade,
que ella actualmente ss oceupa, e emquanto nao
concluir este negocio, j. ve que nao pode dis-
trahir-se para o trabalho htterario que anuun-
ciei.
Acham alguma cousa quodizer-lhe ?
A NacSo publica o que- segu :
Os fios telegraphicos tornaram-se em genero de
commercio da maior importancia.
Segundo diz o Ghbe, a Inglaterra tem exportado
nos ltimos 10 annixs de 2:474*410 libras sterlinas.

O estado da Peosylvania (Estados-1 nidos) eotn-
prou urna parte dacampo da batalha de Gettys-
burg, com o (lm de formar um rrmiterio, em que
serao reunidos os restos dos soldados e offleies
das duas partes belgerantest que flearam morios
no campo da batalha, porto de 8,000.
As emanacoes desU massa de cadveres empos
Uyam o ar naquellas redondezas, e inspiravam re-
ccios de epidemia.
Oito estados se olereceram a contribuir para a
reali?ac,o do piojeclode quo a I'ensylvania tomou
a iniciativa.

ltimamente teve lugar em Leicester (Inglater-
ra) um casamento, em que os noivos, as testemu-
nhas, o ministro, o sea ajudante, e o escrivao que
fez o assento, todos traliain o nomo de Smith.
O Commercio de Coimbra escreve o seguinte :
Escreve-se de Conde ao Courrier du Nord :Um
caso de morte sbita acaba de ter lugar em cir-
cumstancias basUntes singulares.
Eis o caso :
O Sr. Paulo Ernould, de dade de 61 annos, e o
Sr. Donicourt, quasi octogenario, habitavam porta
com porte e vviam em m intelligencia, porque, a
proposito de delimitarlo de propriedade, o primei-
ro dos vizinhos queixava-se todos os das de que o
outro se antecipava sobre o seu torreno.
Tal era a situacao dos dous velhos inimigos quan-
do se encontraran), ha alguns dias, exactamente
no lugar objecto de litigio, e as recriminacoes e rc-
prehensSes de Ernould recomecaram conr urna
nova violencia.
Irritado ao ultimo ponto com as resposta fras
e um pouco irnicas do seu vizinho Ernould, la
talvez esquecer-se da dade avancada de seu ad-
versario quando este lhe disse, encolhcndo os hom-
bros :
De que serve amar Unto a trra se depois de
morto s possuireis seis ps ?
A este dito to simples e to justo, a clera de
Ernould chegou ao seu auge e o infeliz cabio ful-
minado.
Quando o levarain nao era mais de que um ca-
dver.
CMARA NLMCIPAL.
6.' SESSAO ORDINARIA AOS 21 DE SETEMRRO
DE 1863.
Presidencia do Sr. Henriques da Silva
Presentes os Srs. Barata d'AIraeida Gustavo
do Reg, Mello, e Gamciro, faltando sem causa
participada os mais senhores, abro-se a sessao e
foi lida e approvada a acU da antecedente.
Lu-se o seguinte :
EXPEDIENTE
Um offlcio do Exm. presidente da provincia,
autorsando a cmara, conforme lhe exigi em
ollirio de 12 do corrente, sob n. 40, a continuar a
despender at o fim do presente exercicio as quan-
tias indispensaveis com as despezas eventuaes do
cemiterio publico, e de coveiros e serventes do
mesmo estabelecimento.Que se communicasse ao
procurador.
Outro do mesmo communicando haver approva-
do a arrematadlo do imposto de 80 rs., por carga
de farinha e legumes vendidos nos mercados pbli-
cos ilr-ta cidade, por tempo de um anno, e pela
quantia que mencionou a cmara em offlcio n. 41,
de 14 do corrente.Que se lavrasse o termo de
contrato, e se communicasse ao conudor e procu-
rador, e que este saccasse as letras.
Outro do ntesmo, remettendo urna proposu que
lhe foi apresenuda pelo bario do Livraraento, Dr.
Jos Bernardo Gal vio Aleo/orado, e Antonio Luiz
dos Santos, daUda de 18 de julho ultimo, para a
construcjio de urna va torrea, ou trilhos urbanos
desta cidade para a povoaclo de Apipucos; dae
tendo os mesmos, em consecuencia das inodiftea-
edes indicadas pela repartirlo das obras publicas,
3ue tamben) rcmette, substituido a dita propasta
e conformidade rom as mesmas nioditiracoes; re-
commenda a cmara que houvesse de dar acerca
della a sua informacao, na forma da le provincial
n. 518 de 21 de junoo de 1831.Posto em diseus-
sao, requer meato doSr. GusUvo do Reg, foram
ditas propostas c o offlcio reraettdos commisso
depolcia
Outro do juiz. de paz mais votado do dstricto
da freguezia dos Affogados, tenente-coronel Mano-
el Joaquim d Reg e Albuquerquc, aeeusando ter
recebido o da cantara, que acompaohou por co-
pia o ofBeio. circular dq Exm. presidente da provin-
cia, marcando o dia i" de novembro provimo vin-
douro paca proceder-se a eleiclo de eleitores quo
deve eleger um senador por este provincia para
preencher a vaga dexada pelo visconde d'Alba-
qiwrqiw; diz que seu mo estado de sade, que
wujjfl. so aggravou com os sojfrimentos mora*sque
uxpervmontou as eleie.oes passadas, o impedem de
funecionar as futuras, o fzendo mais algumas
ponderaroes, conclue pcndo a cmara que offl-
ciasse a quem de direito competir.Maodou-se
responder que passasseajurisdiofao ao tnuuoiato,
conforme dispe a lei.
Outro do subdelegado supplente da freguezia ao
Recito, Jos Pedo das Neves, commuBlrando ter
entrado no da 18 do corrento en exercicio da
subdelegada, da.mesma fregueaia.Quo se respon-
desse ficar 5 amara .ciento,
Outro do engenheiro cordiador, intormanoo a
peticao de Joao Donnel v i d que tem elle abusado
das li.eeacas que lhe hao sido concedidas; diz mais
que. o peticionario em vea de levantar um telheiro
para recolher maertees.corao pedio, fez differentes
casinhas de tijoHo, e repartidas por dentro, alu-
gou-as a diversas pessoas; que em vez de fazer as
casas, paca as quaes obteve licenca e cordacao.
fez urna cesw do tebas que anda existo.Posto
em diseussao, deliberou-se que tosso todos os pa-
pis romeados i commisso ele ediflracSes.
Outrodo mesmo, informando a petloao do barao
do Livomento; dix croo a coberte que elle preten-
do a*r na frente $ seus armaiens no Forte do
i
I



r



I

TT
3Z
Diario de Pernambuco ftabbado 4 de (tatabro de ISS.

--------
-
zr
Matto, lado do mrrNm dos guindaste, tudo'fri-
to de forro nao prejudiea ao transito puwtco, nm
vez que sejam guardadas as duneagoes m
as plantas que aeompanhatn a pueao, ndofcr*
lo que a ra nao apresentara mafe tmc^a \"S
livre c desembaragada, como aprsenla hojc sem
a obra en, questao.com tudo acamara

va como julgar miis acertado. Concedou-se a
liccnci -
Outro do nicsmo, dando a informagao
requerimento, no qual tres proprietenos de casas
'artrpwnhrfn -iiva-mP nfirfon ""Be des- de lhes fazer tentas increpares, como -rostumo, Odlreetoi 10 viwse na necessidade do acompa-
aj) esemaiuu. anvdiiu., [w un, uo uw mas smentc a vos niosl,10Si que <*s elegosies sem nhar um pouco de longe as mesmas ideas ; como
culpa o grande desejo que nulro de ser til aUencaoaoqne elles poderiam fazer em bem do iam porra, no meu entender, nm pouco falsea-
essa provincia e ao paiz, e a subida honra publico, e s em attengao s pessoas que vos pe- *
de ser por ella distinguido comto alta pro- diram.
vnlprnnfianM Se estas ideas pdem agora actuar no vosso es-
vdue Lumwnva. ,* pirito, estes sentimentosem vossa alma, e de mi-
SCiSto pode justificar minha pretencao, nha pessoa a|RUns momontos de attenciw, e o meu
permita V. S., que en SOllicite sua valiosa pronedimento poltico a vossa apreciagao, eis aqui
sobre o coadjuvaco em prol da minha candidatura, j os meu precedentes. n
E' poderoso o concurso de>eus servicos, e
Desde que fui estudante, ha mais de vinte cinco
- ^xissr 'SSRJftfSSpor lant0 lhe rogo acceile a,thaapre'j nrssp sarc k
*?Z3"Jlt& en re a? casas de^hs nolicin Otacao 6 a tome sob seus cu.dados. porque .sempre entend, como entendo, que desde
Dirigindo a presente V. S. cumpro entao todos os jp-ernos que temosjido.teem sido
Nao porque, como republicano que
eu fra, assim praticasso systcroaticarotjnle, pelo
ros, allegando de nada servir o mesmo 'becco, se Dirigindo a
nao nara deposito, de lixo e immundices, declara quanto devo sua posicao, emerecimenlos ; '"uIm^9:
&K raU-e. a pretencao pois c certo, que o ^ atonto fo%eu apoio, nao desejo O JR TffSSTSR ^
mencionado becco nenhuma utihdade presto a pa- menflr ^ficio de consciencia. eslareui anda uaquelles nossos primitivo* lempos,
bbco antes e prejudicial aos moradoresllas casas ^^^ wj a rovinci, proceuer' hombrados os hroes de 17 e 24, porquhavia anda
vis-uinas.-1 eriuiluo-se a licenca. I mnnrlanria mn n vn futuro um pequeo partido republicano, assentei que so
Outro do mesmo, commun.cando, em vi>ta do e de summa importancia para oseuiuioro, d.ahpn'os ^ 0bem ^ ora e |oda ests
que lhe foi ordenado em 14 do corrente, que a casa a e||aj pois, eleve presidir a mais ampia ll- Qa8 esto bani(]as o todos os brasileiros, de ha
de dous andares da ra largado Bosano F*nn>- berdade, muita calma e reflexao, perfeito mui,0 tenho assentado de procurar o que fr um
cent:: ao Dr. Joao Ferreira da Silva, lem *
terr
dar,
rU UV UUmulVlll", |n.nv..v
Ferreira Jnior, tom no pavimento terreo io h vncia Ilustre por tantos ttulos, tal 0 meo porque todos s nos tendo feito mal,
palmos c no primeiro andar 15 'h; que a casa o<
das, entrei em lula com o directorio para que fos-
se fiel as ideas do partido.
O directorio chegou-se mais e at consliluinte,
mas de modo que anda no me pareca fiel. E con-
tinuei a Litar.
Umdos chefes da revolugao havia ehegado de
Fernando e anda eslava preso ; e queixou-se a
mim de miiii mesmo que eslava sendo causa de
muito mal para o partido, e disse-me mais outras
cousas que me desgostaram, o eu suspend a mi-
nha fola, e retrei-me para a villa do Cabo aexer-
cer a minha prolissao de advogado.
Eram porem uns poucos os liberaes que esta-
vam eserevendo, e outros presos de Fernando fo-
ram chegando e se soltando. E eslavam em luta
eemciumesde clieaneas, c para alcanga-la, ora
levantavam os principios liberaes, inclusive a
constituinle at s maiores alturas, ora os rebai-
xavam tanto, conforme a necessidade na luta en-
tre cues mesmos o exigia, at que summiram de
todo os principios liberaes.
Assim Honorio, o partido saquarema triumpliou
ompletamenle em Pernambuco, vencendo a revo-
e consegrando que os principios que ella
bragado, aqui na provincia theatro da revo-
um andar da ra do Caldereiro, pertencente a
Christovo Guilhcrme Brechenfeld, tem no pavi-
mento terreo 17 iU palmos e no pnmeiro andar
16.-Pos(a em discusso dila informagao do enge-
nheini, o Sr. Barata, pede a palavra, e contina a
sustentar, como ja o havia feito na sessao ultima,
que se devia conceder a licenca pedida, porque so
desta frmase iria aformoseando a cidade, pois
que as soleas Iam ser postas sobre casas j edifica-
das, e nao era urna edificacao nova que cada um
dos peticionarios quera fazer, em vista do que vo-
lara pela eoneessao.
a todos deve- lucao, aqui fossem taes principios esquecidos com-
jpepin mos a desgranada srtuacao a que temos ehegado. pletamente.
Vrcitp V 5 ns pntimratos de alta esti- Embni com limitadissimas forras e fraquissimos Anlcs porem de chegar a este ponto, outra pes-
ACCCiie V. 5. OS sentimentos ue diw tu mdos> a mnha n(nca es(cve wJosa i soa COBlinuando a cscrever a Rmiolurao de Noven-
tas e consideracaocom que meassigno.ue duranle 0 correr de todo este tompo espancando, \ bro, e vendo eu o caminho que as cousas tomavain
V. S. patricio e creado respeilador.
Joaquim Saldaaka Mansito.
Rio de Janeiro, 20 de junho de 1863.
o quanto cm minha obscuridade
mal, os abusos das autoridades.
Neste combteme lidar de tantos annos, embora
ingloro e improficuo, de mui poucos individuos
me tenno oceupado, e nunca os feri em sua vida
i privada.
III
Apenas formado em W44, e semdo da oppcwirao,
tem cabido, o na imprensa liberal, rcmelti do Cabo alguus arti-
gos Revolu^ao sustentando as ideas do partido.
Mas foi intil, os principios do partido deviara
perecer, lodos os que pugnavara por elles forain
vencidos ; ningucm pde-se sustentar.
A o 1 11 lil ico.
O Sr. Dr. Francisco de Araujo Barros, admittindo
com sua proverbial facilidade ser cu o redaiior subindo 0 oyea-ao da praia ou luzia, o furor da
- ssoes, a desgraca de tantas ramillas,
rno assim fazia, a inllerancT contra
pouco se havia tanto pregado pelo
u, fizeram-me passar logo para a oppo-
as re<|ueridas, por quanto as 3 casas de que se ti a- an talhadas, e que no seu pensar prejudica a sua I g -
te, nao leem as dlmcnsSes da altura recommenda- reputacao decidadoede magistrado, eutendeu que; Se'st0 ^5^ fiz conlra esse governo, e contra o
* omelhormeo de purificar a sua innocencia era do Q sastenmil ,udo quanto pudCf sem
insultar-me pessoalmente, como ffi-lo pelo progiet- minca ^ 0CC|ipar ^ vida privada de alguem.
sistn de 22 do corrente, provocando-me a tomar aj Eram ,odas arbitraridades das autoridades
responsabilidadcdessacarapu(;a,quei>.b. asseniou : toleradas e autorrsadas pelo governo, era o povo
sobre sua cabeca. ...,, ^ulgando-se muito eliz, com urna liberdade com-
Por deferencia ao publico, c ao publico somente ^ f |udo^ ^^^ em marinheiro, to-
-----j. o. o. iu. moliendo a '
d pelas posturas, ha vendo differenca em urna-casa
de 3 palmos, com ootra, de 4, e na altura de o.
Os Srs. Gustavo do Bogo, e flenriques da Silva,
orara da opiniao do Sr. Barate, pelo que poste a
decisao votos passou no sentido de conceder-se,
votando contra os Srs. Mello, e Gameiro, declaran-
do este que o faria por ser contra as posturas.
Outro do administrador do cemiterio publico,
pedindo que a cmara desse as providencias para
que se nao deem guias para inhumacao deparvulos
as catacumbas das irmandades da Conceicao dos
militares, e matriz do Corpo Santo, por quanto as
nao toem actualmente para esse lim, por ter sido
a ulma tapada em 9 de setembro; que lanibem
se nao decui para aconfraria de Sania Bilta de
Cassia e Ordem-Terceira do Carino, porque nao
podeni estas sepultar cadveres em suas catacum-
bas sem que estojam ellas acabadas, como muito
recommenda o art. 83 do regulamento.Que neste
sentido se olTloiasse ao procurador.
Oulflo do fiscal do S. Jos, informando o reque-
rimento, no qual I.uiz de Franca de Macdo, decla-
rando que acha-sc na direccao da padaria n. 38 da
ra das Cinco-Pontas, e havendo arrendado a casa
era quo est a dita [adaria, requer a cmara que
a mande considerar era seu nome, diz que essa
padaria est collectada em nome de Antonio Joa-
quim Salgado, ma^ue verdade cunhecer a mui-
to o peticionario na direccao dclla, e lera elle a
mesma casa arrendada, conforme mostrou polo
papel de arrendamenlo, que junto offerece a apre-
ciacao da cmara.Posto em uiscussao, mandou-se
ouvir eomraissSode polica.
Outro do mesmo, informando nao haver incon-
venienta em pirniittir de que o D. abbade de S.
Bento, constra um cano de esgoto das aguas plu-
viaes na casa que o mosteiro possue na ra das
Aguas-Verdes.Concedeu-se.
O Sr. Mello, fez o seguinte requerimento:
Bciueiro que se peca ao Exm. presidente da
provincia, a revogacao da postura de 18 do fove-
reiro de 1861, que permitte aguas-furtadas visto
que se concede brenca em opposco ella.
Paco da cmara municipal do Becife, 21 de
setembro de 1863.Mello.
Poeto em discusso, Ocou prejudicado. -
Despacharam-sc as policoos Se D. Antonia l'm-
bclina Cordeiro de (iirvlho, bacharel Angelo
Henriques da Silva, Antonio Joaquim Ferreira Por-
to, Benedicto Jos de Sanl'Anna, Catunio Goncal-
ves Lessa, Christovo Kruger, Francisco Ferreira
da Silva, Jos Antonio da Costa Siqueira, Jos Je-
ronymo Monleiro, Pedro Gomas, Prxedes da Silva
Gusnio, e levaulou-se a sessao.
Eu I-'i-ancisco Canuto da Boaviagem, secretario
a ecre vi.Barata d'Almeida.P. P Gameiro.
Leal Seve.Bogo.Mello.
respondo : Se o Sr. Araujo Barros, ineuenuii a mando inesqUiniias vmgancas da gente da opposi-
mao em sua consciencia, julga, que os tactos ano- js cram guabiruS) e 0 governo a con-
gados pela Dona Liga, aos quaes se refere, sao iai- ^^ em tn()o^ porque) tendo fanjdo com ^ pro.
de sua honra defenderle, se ; messas que fizera, emretinhao jmjvo assim co cor-
cresse
tro, e nunca insultar aquello, a quein aiinuut a povo como da^ue||a y,da resultariam ncressaria-
publicacao desses factos. menm tristes ronsofinencias. aue elle uuom tinha
Quanto ao modo acre, desabrido e insolente, por
que o Sr. Araujo Barros se dirige mim, fazendo-;
me a nica victima do seu ranear o do seu odio,
perdo-lhe, como chrislao, porquo avaho quanto
llcaria torturado o coraoao de um magistrado,
collocando-se na dura necessidade de tomar a pa-
ternidade de factos que a legislarlo considera cri-
minosos.
Becie, 23 de oulubro de 1863.
Dr. Jeromjim Y Helia de Castro Tavares.
CORRESPONDENCIAS.
mente tristes consequencias, que elle quom tinha
de pagar os tributos deltas.
As consequencias vieran!, como naopodiam dei-
xar de vir. Cahio o governo luzia, chamado libe-
I ral, houve a rtvolucao de 48.
Eu nao acompanhei aos da opposicao que subi-
! rain, porque comecaram logo sendo vilenlos. Nao
!passei-me tambero para a nova opposigao, pois que
esta comecou logo com as armas e sem bastantes
justos motivos |iara ellas, pois um povo s lera des-
culpa hincando nio das armas depois de muilos
justos liiulos de martyrio, c o partido que apenas
tinha cahido do poder, anda nem tinha tempo para
se moralisar, nem para soffrer bastante e se fazer
.- credor destes tirulos.
Srs. redactores.Ja uve occasiao de m- ( Este partido s allegou receios de vingancas, e
teirar O publico de todas as violencias e tro-. isto nao titulo para um partido levanlar-se*
pelias que foram platicadas pelos amigos e Por isto eu me oppuz o quanto pude afim de que
. *aL -, ninip^n A niT a nrri. "m meu intimo amigo e que grande influencia tc-
agentes do governo. na elenco A que se pro- w na revo,1I(Hio |So a ^omp^nhasse. E escrevi
cedeu na freguezia de Ipo|uca, era y de a- conlra a revo|UCao c contra o governo, pois que
gosto prximo passado. IN 'essa occasiao os- este era arbitrario, e aquella so podia fazer vic-
tentou-se o apparato possivel de forra e a- (timas.
raeacas para conseguir-se um fitn, embora; Mas esfa revo,u?ao que comerara por nm lcvan.
nullo e immoral; porem, lirmado na tei, e iarnemo senilim politiro.teve depois logo urna ban-
suslentado pela opiniao da inunensa maioria deira, e neNa se inscreveram todos os amigos pnn-
d'afitiolla freg-uezia, conseui inutilisar to- cipios do partido liberal, esquecidos durante os
das as artimanhas que se havia preparado. S;mcoannos de omun0' e ma,s a-const'-
Agora, na eleigo a que se tem de proce- 1 como eu previa, a revolucao soffreu grande der-
der no dia primeiro de novembro prximo rota, e nodra 2 de fevenrtro, c depois della, iro-
Mluro, para eleilores (le senador, continuam mnirta vinganca tomaram do povo os vencedore:
as mesmas antearas e permaneceni os mes-
uios elementos de violencia, naquella fre-
Em 1854 fui para o Bio do Janeiro escrever o
Repnblko juntamente com o seu principal redac-
tor. Ah esforcamo-nos na sustenlacao das ideas
do partido liberal, aecusando-o de se ter elle es-
quecido deltas, e na sustentacao de nossas ideas
democrticas porque em toao o Brasil as ideas
liberaes eslavam moras ; a imprensa liberal nada
exprima.
Em pouco tempo, porm, na corte comecei a des-
confiar do meu pobre partido republicano, e no
frm de anno e meio reconhaei que nao haviam re-
publicanos no Brasil, que os poucos que tees se
iliziam, s queran! os principios demcratas de
si para cima ; para balxo (regra feral) s ollia-
vam como senhores.
Beconheci que com tees senhores nao eram pos-
siveis as ideas que na minha generosa ingenuida-
de havia abracado ainda desde quasi a infancia.
Retirei-me portento da corle, e tornei para o Ca-
bo, na determiuaoao de nao tomar mais parte cm
poltica, porque o partido saijuarema era contra-
rio aos principios livres, o liberal os havia renun-
ciado cm todo o Brasil, e republicano era urna chi-
men-c assim mesmo repcllido, detestedo e amal
dicoadopor todo o Brasil.
!Vao obstante o meu proposito, meu genio nao
soffria os abusos, os mandatos, a corrupcao que
lavram neste paiz; e com quanto fra da poltica,
de vez cm quandoremeUia para o Diario de Per-
nambuco e para outros.jornaes, alguns artigos em
que me oceupava c castigava essas miserias pu-
blicas, ou fosse tratando Sealgum faci com que
nao tinha relacao a minha pessoa, ou fosse tratan-
do de algnm negocio de consltuintes meus.
Em 1860 entrei para assembla provincial como
supptente, oceupando a tribuna em quasi todos os
vinte e tres dias cm que estove doenle o deputedo
a quem eu substitua.
'Pedas as mirmas Torcas empreguei em espancar
os vicios e a oarrupcao deste desgracado paiz. Ns-
to nao fiz mais do que dizer o que todos sentem e
o que todos-o dizem; mas aproximei, reun e con-
fronici os fados, c appellei para o senlimento pu-
blico aaccordar do desprezo4e negoeios pblicos,
dos deputados ; mas parece-me que nao pontomoa cadefra com que na cmara temporaria o galar-
na discusso, por que esta nao foi s o pouco que doaram seus comprovincianos,
houve na cmara, por quanto a imprensa da corte j(os doloroso por demas que entre amigos
oceupou-se exclusivamente deste assumpto por qne consideramos o mesmo modo, e no triumpli
mais de um mez. je cad um dos quaes veremos, nao o trinmpho>
Parece-me ainda que a liga nao perdeu com es- dP nma individualdade, mas o triumpho de um
la derrote na cmara, por que parece-me que principio poltico, symbolisado por ella, o prnci-
aquella discusso den torca ao marques de Olinda p0 que tambem nosso, so d tamanha dver-
para montar a liga logo que a cmara se enserrou, gencia, que alias podra ser fcilmente rcmedia-
e dissolv-la depois. da, se cada qual cedesse por si nm porarhito, e se
De minha parte sempre ganhei alguma cousa, e annal se adoptasse o expediente, quo alias consta
foi una carta de agradecimento Jo consclheiro S
e Albuquerque em termos que muito me penho-
i'ain.
XV
Chegou a Pernambuco o conselheiro Paes Bar-
reto.
Eu entenda, como entendo, que a nossa poltica
devia ao menos ser um pouco mais liberal quo a
das cartas que temos em viste j haver sido pro-
posto, do escolher-se um terceiro candidato (o Sr.
Manool Joaquim) para o lugar disputado pelos
dous mais fortes contendores do mesmo lado; sto>
, os Srs. Martinho Campos e Urbano Sabino.
Entretanto, nao podemos por maneira alguma
conformar-mos com o juizo que cere do dtstme-
to Pcrnamtrarano emitte nosso correspondente, a.
do governo decahido. Neslc sentido^ entendi-me quem pedimos a devida venia para contrariar nessa
com o conselheiro, e lhe pedi a reunio das pes- parte sua missiva.
soas que podia tomar parte na poltica, para nos xesse affastamento do Ilustrado Sr. Dr. Urbano
eutondermos a respeito de sua direego. do bufido poltico na corle nao enxergamos nos,
Tinha eu em viste que a nova poltica devia ser como n0sso prestimoso correspondente, nm pro-
feita por todos que eslavam habilitados a tomar cedimento aconselhado pelo egosmo : o Sr. Dr.
parte nella, e nao por um ou poucos homens ; por 1 rt.ano, que ineonlestnrelmente urna das gloria
que neste caso nao valia a pena a queda dos con- (0 mrttm liberal do imperio, e que est preso ao-
servadores ; porque sendo a poltica feta por pou- eSta provincia por lacos iudissoluveis, recolheu-se'
eos, estes que teriam de fazer os deputados, e en- p0r algum lempo a seu gabinete de estudo e tra-
tio nao sahiriamos do circulo de ferro do passado balho, verdade: tnais nunca esqueceu sua vhnru
mando. O conselheiro se oppoz com todas as for- patria, e como que estaca refazemlo as forras
tas, e resisti a todas as instancias minhas e de nra erquer-se em dfeza della, e cooperar rom
mais alguem muitissimo mais autorisado. outros 'afim de arranca-la do ostracismo e perse-
Depois houveram reunioes populares mas de- gHjru-0 em ,ue eua jaz rai para trese annos, logo
pois de conferencias particulares onde tildo ja esta- ',,,.',,, )sso se lhe offerreesse opportvnidade;
va disposto. O resultado das reunioes populares foi esla 0pportunidade, Inbrigou-a S. S. na presente
a eleicao do directorio que depoz em raaos de dous quadra eleitoral cm que lograra a corte, na qual
homensodiroitode eleger os deputados. btanlo lempo reside, vencer as oligarchas do
Os deputados por lano nao representen) a pro-
vincia neni o imperio, representen! os dous homens
que os tizeram.
disto que a /< diffcrenga ?
Nao trabalhei cu por ella para dar neste resulta-
do, que eu comprehcnd, desde que o conselheiro
Paes Brrelo nao admittio roumao dos homens que
eslavam habilitados a tomar parte na nova poltica
tempo
modo a poder dar tres deputados liberaos, que na
respectiva cmara fossem advogar a cansa de suas
ideas ; aproveilou-a dignamente, c procura con-
quistar nm de99es lugares, para que mmdo sua
possante vos s dos Srs. Octaviano e Salda nha Ma-
rrano, nao menos poderosas e autorisadas do que a
delle, se habilite a contribuir quanto cm si coubcr
liara o triumpho dos dogmas constiturionaos cu*
todo o paiz, e principalmente neste Pernambuco,.
Trabalhei pela liga, como disse, na esperancade ondC) menos do que em outra (,Ualqucr parte do
ver appareccr urna poltica mais livre, nao mais i]rA^\t vigorara as prescripcoos do pacto funda-
escrava ainda que passada.
Desde essa recusa do conslheiro, que eu, conhe-
cendoque elle queria, c tnua do dirigir a poltica
por si s como senhor, desde entao eu nao tralla
nada mais a fazer 11a luja.
Eu nao tinha adherido c trabalhado tanto para a
liga a 11111 senhor ; mas sita para a liga de iruios,
que devam acordar e cuidar as desgracas deste
desgranada torra.
Aste liga por tanto nao tinlu cu maii do
que fazcr-lhe guerra desde enlo, e tanlo quanto o
coubessem em minhas torcas.
XVI
mental.
E, note-se bem, o lugar une ora solicita ui cor-
te o Sr. Urbano, oblitera elle, na legislatura pana-
da, deste proprio Pernambuco, se menos COBtcio de
sua dignidade, c nao convencido de que o cargo do
deputedo da nac/io nao confere honra senao quau-
do incumbido voluniariamenle pelo corpo eleito-
ral, honvesse aceitado as propostes que, por parte
do ministerio de entao, lhe foram feites no seniido-
dc se llie proporcionar um assento na cmara ton*
llorara, sem se lhe exigir alias renuncia a seus-
principios polticos ; propostes que. com a nonrrza
propria de um Pernambucano que se estima e sa-
Eis ah, Srs. eleilores,osmeus preccdenles,ininha ,)e prc7.ar.se acertou o Sr. Urltano de renelrr, as-
niuns interesses, peco-vos os vossos suffragios,o aos
que por ventura tiverem desejos de que me caba
" alui de seus votos,
seus concidados.
Este acto glorioso do Sr. Urbano, seu lonvavefc
proposito de nao solicitar, nem rereber, qur para
tao importante encargo, peco alera de seus votos, J quer para os SIJUS) 0 mais insgnticaDle favor
seus esforcos para obterem de seus amigos menos dos ra,nisteros que an se tecm succeddo, sao 011-
determinados a sua cooperago assim como aquel- lros tanU)8 testemunhos vivos contra a pecha do
les mesmos quo, nao sendo eleitores, se tiverem pg0,sta que lhe atirou nosso prestante conespon-
vonlade possam alguma cousafazer neste teo ardua dcntc a quem pedimos desculpadas considera.cs
terete ; pois anda vejo bastante dfiiculdade para quo ah deixamos feilas, tendentes tenias a vigar
romper-se o novo circulo de ferro.
XVII
qu
de urna afronta inmerecida a reputacao de um
alliado que muito presamos, e cujos serviros can-
sa, por que pugnamos, sao muito valiosos, para que
sejam esquecidos.
COMMUNICADOS.
Dora acne-se tora uo exerciuu eu. >*<. u., ^^im jlgando 0
estar pronunciado pelo juizde di re lo, amoa. adh(.r a revoiucao e sen3
nao foi demiltido, para assim conservar al- devo ao tal meu amigo ter-ra
A candidatura senatorial do
Dr. Urbano Sabino Pessoa de
Mello.
5. artigo.
Vencido no campo da batalha o partido liberal
de Fernambuco, contra o qual lutou quasi todo o
exercito do imperio, presos e desterrados os cheles
praieiros, recolheu-se ao silencio ante os liyinnos
dos triuraphadores o Dr. Urbano Sabino.
Removido como havia sido de seu lugar de juiz
de direto nesta capital, o Dr. Urbano Sabino^que
nada queria por mao de seus adversarios polticos,
deixou-se flear no silencio da dignidade, quando
todos os seus collegas em sHas condieoes, e alguns
mais modernos, obtiveram e estao logrando apo-
senta'lorias.
Todo o paiz vio o revolver desse cabos chamado
concliaco, a iniciaco desse systema poltico ne-
gativo, cujos finlos de descrenca e anarchia mo-
ral ostentam-se boje em plena madureza, nesse ar-
tefacto monstruoso chamado liga. Todo o paiz vio
essa contradanza infernal, era que tudo se confun-
da, homens o ideas___
'E 10 mesmo lempo lodo o paiz vio que o Dr.
Urbano Sabino nao fez a minina concessao nessa
quadra de despoverno, nao recebeu um s sorriso,
nao colheu nm s commodo, nem a mais tenue
vantegem desse jogo de reciprocas conccsses.
Rccolhirio ao silencio de seu gabinete de advo-
gado, mantendo com esse silencio a integridade do
protesto que com o seu livre havia feilo em favor
darcvoliicao praiera, o Dr. Urbano Sabino con-
sei v)ii-se*eomo estatua inmaculada do passado do
IVie.ambucn, para que um dia este glorioso passa-
do podesse ser reatado de nm ponto certo e incon-
te.-tado.
Foi 011 nao foi um servieo ? Que o digam os que
em tHis sacrificaran! tud, e pozeram em riscosa
propria vida por amor da idea ; que digam se nao
lies sobremanoira grato o poderem dizer hojc,
apontendo para o Dr. Urbano Sabino : -O nosso
passado levo erros. mas leve muitas glorias; e eis
all um Bwnem, que por quatorze annos carregou
as consequencias dos pequeos erros, para um dia
poder proclamar desasxmhrado as grandes glorias
do partid* liberal de Pernambuco.
YtA ou nao foi nm immenso servieo 1
Recife,22 de outubro de lKfW
(Continvur-se-ha.)
Nao eram bstanles os factos individuaes; de-
pois delles, (piando vieram as aecusacoes publicas,
todas as maldiccschoveram sobre os desgracado:,,
guezia. e at iulgava-s (rauco todo o sen sanaie para la-
' O delegado Theotonio da Silva Vieia, em- var os crimes de que os aecusavam. foram mul-
" ">e _-:-: am nrin Ap tos os mailvnos do pove
bora ache-se fora do exercic ^^ distP! j,gando 0 ^vo ja com uuilos,
10 foi para o campo o
rae mandado dizer que
cuma cousa de forra policial e poder servir careca mais de minuta cidide do que no campo.
t,uiini wum 00 '" H" -ncir> Fo1 e!'", Pr(>so c t(Mlos os ma,s chefes.so com ex-
aos autores da mascarada de agosto. cepcrl0 de Pedro ,vo Migue| Aam90i qe ainda
O commandaiite do destacamento, alteres esla'vam com bom troco as matas.
Manuel Erasmo de Carvallio Moura, que vi
tantas brilliaturas fez na primeira eleigao, Tinha vindo Honorio de|iois de festa, para ternu-
idiiido ui iiuaiu JLmrt /...mmanilo nar a guerra e pacificar os nimos. Beapparece-
e, nao so conservado no mesmo commando,, fa a imfc(irensai '^^^ atafada> e rVaviam
porem ainda acaba de ser nomeaao suixieie- 0 jiar0 aovos propros chefes da revolucao de
gado, com i) mais escandalosa infraegao do dentro de suas prisees.
art. 27 do regulamento n. 120 de 31 de ja-! Eo Diario Novo' eslava1 cora certo goito susten-
. ,015 lando o principio da bandeira da revolucao, inclu-
neiro de I8t. sive a constitumte.
Consta, com todo o fundamento, que os,
livros e papis necessarios ao processo da
eleigao acbam-se no engenltoTimb-Ass,
em poder de um dos actores da farca de,
agosto; o que tudo revela que o proposito
Alguns amigos tem sentido o ter eu saido da
liga para guerrea-la, adundo que se eu & acompa-
nhasse, ou me lornasse neutro, poderia conseguir 1
com facilidade o que agora vos peco. AM>lm#i
Era verdade o lugar do deputedo provincial 1 igrarcimew.
muito, mute cousa, no meu conceito, e muito faria, I Os abaixo assignados, passageiros do bngue por-
muitos altos sacrificios para aleanca-lo, teo alto tuguez Mercurio, veem por meio da impreca cx-
de nossos communs iaiwwses que nos leva ne- apreco lhe dou ; mas muito o honropara nao o ton- pontaneamcnle render ao mrito as devidas home-
ees Xenle 5uc SmlmSSa consequencias ^ JconltmlT tSpmlD a liga, oes- pela feliz ehegada a este porto, e agradecimento ao
Procurei-as causis de todas as nossas miserias, de que ella, segundo a velha escola dos conserva- capitn do mesmo br.gue, o Sr. Joaquim Gom.-s da
e as expuz como me pareceu acertar, e com o fruc-
to de acenrado estudo de viute annos dos males da
da fraude e da violencia permanece ainda em
todo o seu vigor e pureza.
Apesar de tudo, previno o publico e pre-
vino a administraco da provincia que eu e
os meus amigos temos resolvido nao aban-
donar o exercicio de um direto que a cons-
Como isto nao conviesse a Honorio, nem elle ob-
tivesse dos chefes o resolwrem Pedro Ivoa entre-
gar-se, deporton-os Honorio para a ilha de Fer-
nando.
Antes da partida elles nao guardaram mais con-
veniencias nosnltimosarfigos que escreveram, cle-
varam os principios da revoluyao a, altura que ti-
voram no campo ; e mais que isto, aniniaram Tc-
dro lvo a sustentarse.
Na falta de homens, c nao havendo quem qui-
zesse flcar na redaccao do Diario Novo, flquei eu.
vn
Estava quasi phtysico, a ponto de nao poder fal-
todas asniinlias forras, assim iracas, foram
quero alegar desinteresse neste sacrfi-
tituiea"o nos concede, que como cidados,; i,
altamente presamos. Porlanto, correraojvo >ao
por conla e risco de quem pertencerem as
consequencias resultantes de quaesquer pro-
ceilimenlos quo nos possam diDcultar ou im-
pedir o exercicio daquelle direto, a que nao
patria. Da patria, nome que naquelle recinto nao
me animei a pronunciar, por que entre nos, mes-
mo eserevendo, nioguem se anima a diz-lo, era
ridiculo tao grande tem ella cabido.
Das causas procurei achar os remedios para cu-
rar a doenca.
E as puz e indiquei os meos quo mais convi-
nhaveis me pareceram |>ara chegarmes a esto re-
sultado, ou caminliarinos para elle.
Muito tonge de mira-presumir ter acertado em
adunia cousa, e menos em ludo dos meos e indi-
cac&es que apresentei; c quaudo acertesse em al-
giuna cousa, muito imperfeitos deviara ser aquel-
los trabamos, de parte outras razoes, bastando ter
em viste smente que lodos elles foram elaborados
uaquelles vinte das.
Do cadinho da discusso que se teria de apu-
rar o que por ventura houvesse de bom naquelles
trabalhos, ao menos era as suas vistes ganas ; isto
se houvesse boa vontade e interesse pela causa
publica.
XU
Nao tome partido algum, a nenlium defend ;
pelo contraro a todos acense!, mostrando como to-
dos so nos tom feito mal cada vez que cadaum so-
be ao poder.
Xito aecusei alguem, nem a pessoa alguma fiz a
a mnima allusao, por que quando se critica e se
espanca o vicio c a corrupcao, e mxime quando
ella gei al, nao lia bem algum em se ferir a al-
uoin, quando assim quasi todos somos causadores
o mal.
XIII
Todo aquello lidar daquelles vinte e tres dias
me attrahram vivas syropathias na provincia e f-
ra della ; e mais que ora parte alguma, e vivamen-
te pronunciadas neste ciliado; d onde conclu ha-
ver ou mais ou menos bem interpretado o 9enti-
mento goral; donde conclu ainda que se houves-
se da parte de alguns animo firme de se ocenpar
seriamente da causa publica, o senlimento pela
causa publica nao estando de todo amortecido, po-
deria manifestarse de modo aos salvar.
dores, e coin multo mais requinte e escndalo, a txuz, pela bondade e carraho com que forsnn sem-
detesta ; e a detestando, nao poda fingir segui-b. pre tratados durante a viageni do Porto para aqu,
E quando o quizesse fazer h5o sci ungir, e por no qoe eram acompanhados pelos Srs. piloto, des-
tent nao podia engaar aos malreiros senhores. penseiro c cozmheiro daquelle navio, roncorrendo
Calando-me tambera a unguem engaara, o cora- com especiahdado, para mais satisfacao dos refe-
metteria a indignidade de deshonrar os meus teo an- ridos senhores, a abundancia de bons mantimentos
tigos precedentes, que consstein lodos era calar-rae que Ibes foram snppndos pelos raneas do dito
somonte nuando absolutamente me iranossivel es- Mercurio os Srs. Soares Irmaos, da cidade do I or-
somento quando absolutemente me iropossiv
pancar os governos arbitrarios e iinmoraes, os par-
tidos hvpocritas e mentirosos, que insuflara o po-
vo, o descarreara, e o engaara, para depois pren-
do-lo s cadeias do despotismo com o nome de li-
berdade.
Sub da liga, porque bem depreca comprohondi
era que ella ia dar, c combata-a cora todas as 1111-
nlias torcas desde entao. Apz mira outros inuitos
leom saido, muilos dos que me censuravam, e que
boje me jiuilicai assim ; as lileiras do DieBttro*
so progretso, mentirosa a nao ser o progresso da
corrupcao lodos os dias se rarefazem.
Que crine tive eu em ver mais cedoque muilos?
Parece-me que preslei um servieo corabatendo logo
lo, aos qoaes tambem s abaixo assignados agra-
decen! essa prova de attencao e cuidado para o seu
bom trtamento. Bordo 23 de otutiro de 1863.
Alfonso de Siqueira Ferriio. ,
Balbina Vieira.
Joaquina da Silva Jess.
Mara da Cunlia.
Marlha da Cunha.
Rosa da Colina,
Ignacio Clemente.
Jos Sara iva Trindade.
ManoelSaraiva Trindade]
Antonio Jos Moreira.
estamos disposlos a renunciar.
Recife, 23 de outubro de 18G3.
Manoel Jos da Costa.
PUBLICARES A PEDIDO.
II lm. Sr.Tem Pernambuco de concorret
agora com o seu voto para preenchimento
da vaga que no senado deixou o Sr. visconde
de Albuquerque. A lista trplice que para
isto, e segundo a cnnstiluiro poltica do im-
perio tem de ser apresentada escolha da
cora vai ser confeccionada.
Pernambuoano, seria para mimdealtis-
sima importancia merecer dessa distincta e
heroica provincia a honra de ser contado en-
tre os seus escolhidos.
Assim, pois, apresento-me candidato lis-
ta trplice para senador, em cuja ele;3o vai
a minha provincia empenliar-se agora
Meus principios polticos sao conltef'dos.
Na imprensa, bem como na tribuna parla-
mentir, tenho-me delinido claramente.
Nio edo desses principios, nSo transijo,
nem transigir! jamis a cusa delles. porque
os reputo os mais santos, visto envolverem
se^uranca de liberdade constitucional, e con-
duzirem prosperidade e progresso do
paiz, moralisa<;3o e legitimidade de sua ad-
ministraco
Se ten 110 andado bom caminho diga-o ago-
ra a provincia onde nasci: respeitoso me
apresdnfo a ella para ser julgado.
Eniro tantos, to Ilustrados e dignos fi-
jhos de Pernatabiieo, ousada talvez minha
Srs. eleitores do prineiro dls-
trleto.
i
.Nao venho allegar servicos; venho expor prece-
dentes ; recordar-vos os meus actos jiolilicos, vs
todos que sois delles mais ou menos testeraunhas.
Nao venho vos pedir recompensa, que como tal
nao se d o encargo de deputedo, que de vos soli-
cito ; nao venho lo pouco allegar um direito, que
ningueni tem direito de servir, mas vos, sra o de
cscolherdes a quem vos pareca que bem nos sirva
a lodos.
Ainda ha pouco, quando sahndo-se de um circu-
lo de ferro, estava-sc aperlado n'outro ainda mais
duro, cu nao me amulara a apresentar-me a vos ;
mas, ora que parece que estis quebrando o laco
da liga, c portento o novo circulo de ferro, pego
aos homens de boa vontade um momento de atlen-
cao, de reflexao e seu julgamento.
Yenho-vos recordar os meus precedentes polti-
cos, para que nio parecesse um tanto garantidores
do futuro, porque outros mcios nao tenho de que
me valer, nem nunca tive geilo de os angarlar.
Assim, se estis cansados de servir a amigos e
camaradas que vos pedem votos para fazer carrei-
ra, e sSmcnte em beneficio dos candidatos, se por
ventura chegar.o momento de conhecerdes que o
deputedo 6 o vosso delegado, o vosso procurador e
de nos lodos, nao perderis muito na leitura des-
tas linhas, ainda que nao julgueis em meu favor.
Se pelo contrario tondes compromettido vossos vo-
tos para com amigos a qnem queris servir, so-
mente em beneficio dos candidatos ou era troca de
outros servicos, nesse caso podis rollar a pagina
deste jornal/porque nao acharis neste exposicao
cousa alguma que vos aproveitc.
Bem sei que ainda redo para abandonardes
este trislccostuine de volar-se nos candidatos se-
ment em* servieo das pessoas que nos pedern, ou
em troca de servicos ; nem sei quando, nem tenho
(irme esperanca de que isto se acabe mais neste
desgranada Ierra -, mas quero sempre tentar-vos a
refleetir que es9e desastrado modo de se eleger de-
putados, traz em resultado s cmaras que des-
prezam o hieressepublico, c s curara do parti-
cular, dos arranjos de rada nm de seus memoro;
e que quando vos queuais desses depnlados, tttnos
de vesso rao modo de os eleger, nao tendes raz^o
lstoanimou-me a apresentar-me candidato as-
sembla provincial poucos mezes depois.
co, pois sempre tive interesse na causa publica, Ainda hoje nao posso comprehender como ou
porque em poltica, at boje, sement na causa por que fui guerreado pelos chefes de ambas as
publica que em vao o tenho procurado. faccoes polticas, quando era geralraenle abracada
Honorio mandou-me prender por Flguera de I a niinha candidatura pelos eleitores de ambos os
Mello, e mandou quebrar a lypographia, e eu fugi. lados,
das, miios de seus agentes. Digo faccoes, porquo ha muito que as cores por
Accusaram-me de eu abusar da f do offlcial, a : que se distingua o partido liberal do conservador,
quem me enlregou Figueira a esperarme em quan-1 jia muito que essas cores se haviam apagado; pote,
' to eu me compunha. Injusta acousaeo. Nao abu-! como cima j note, o partido que fora liberal de
sei da f, ilud a vigilancia do official. ha muito linlia esqucc.ido ou sepultado os seus prin-
A casa esteva com sentinellas na porta da ra, | cipios, e por tent, ou viva sera principio algum,
e no corredor para a oseada ; o official vendo-me! o que nao possivel, ou adoptara os principios sa-
subir para o soto onde ia me preparar. Nao se quaroinas, e assim sao duas faccoes com os mes-
lembron elle que eu podia fugir pelos telhados do mos principios, dous bandos que se dlaceram para
segundo andar. conquistar nacao, o seu governo como urna preza
Nao comprometti o pobre homem, nem metli-me sob omiseravel pretexto de oada um saber gover-
em to grande risco cora medo da prisao ; pois nar inolhor cornos mesmos principios; c isto para
quem faz o que tenho feilo, (e aqu nao escrevo nodizeremrepartir melhor a preza com os par-
dctelhes) parece que nunca a temeu ; meu fin era ciaes de cada bando.
correr para Pedro lvo a ver se evitava que ello se, Os eleitores resistram tanto a seus chefes, que
entregasse, para o que muito trabalhava Honorio, por poucos votos perd a cleicao; no collegio deste
"e como conseguio Jos Bento as Alagas. cidade, porm, uiuniphei.
AI V
Assomra a liga ao horisonto. Por causa de
adherir a ella perder o conselheiro S c Albu-
Jos Garca,
o mal que tantos boje combatem. Assim cohe- Manoel Garca,
rente: com teo louga vida poltica nao desment Januano tioncalves Peixoto.
os meus mais charos eniomoraveis dias, aquellos Manoel Augusto Ignacio Moreira.
vintie tres em que gozei da grande fel i cidade de Joaquim Antonio de Yasconeellos.
dizer na assembla provincial lodo o mal que sen- Marcelino Exposto,
tia conlra lodos os chamados partidos, o que me Boaventura Francisco Moreira Das,
valen os suffragos por pouco triuraphantes dos Joaquim Ribeiro.
eleitores de ambos os lados. Manoel Goncalves do Norte.
E ra no lempo do circulo de ferro que quasi Isc Jos Goncalves do Passo,
rompe, torca de vontade e independencia dos Joao Antonio de Ami
eleitores, e de muitas pessoas que espontneamen-
te me sustentaran).
Seo presente circulo de ferro mais fcil actual-
mente quebrar, se os eleitores e muilos sectarios do
falso progresso estao desilludidos, se ouiros- no-
dem ser mais livres e independentes do que os
eleilores do passado dominio, se os meus senliraen-
tos, e dedicago causa publica sao os mesmos
de seipre, se elles, podendo-rae ter merecido as
syrapathas popularos, anda estao no mesmo caso,
julgaro os que lomarera o trabalho de ler tao ex-
tenso artigo.
Do bom conceito que fizerdes a meu respeito, c
j 11120 favoravel acceilaudo a minha candidatura,
ser-vos-hei muito peuhorado e eternamente agra-
decido fazendo por pagar-vos to alte honra com
a minha intera dedicago causa publica, no des-
enipeiibo do cargo que de vos sollicito.
XVUI
Nao sei se poderei ser crido na minha e xposi-
co e protesto em bem da causa publica, ou se por
Manoel Antonio Perera.
Manoel Antonio Perera Flho.
Saltiano Quiz.
Manoel Barbosa Barreiro.
Antonio Augusto de Lemos Nogueira.
Jos de Azevedo Maia.
Antonio de Souza Campos JuniorJ
Jos Ferreira da Silva.
Manoel Moreira Maltes.
A composico auacakuila pciloi'al de
Kemp.
Alegrem-se todos aquolles que por espaco de
annos nteiros tem vivido agoniadose afililos pelos
solTriineiitos da asthma e dos bronebites. Este en-
cllente o iiiffonsivo remedio vegetal ateca promp-
tamente e com iiivaravel seguranga essas moles-
tias, mesmo as suas peiores formas. A arvoro
d'onde o rico balsamo cxlraludo tom sido verda-
deirameute a ARVORE DA VIDA para millares de
gragado paiz ler em viste o bem commum na es- a'7embraa da traca-arteria c o delicado lee ido
colla de seus representantes em vez de o sicrifl- jos pU|n,o0S c empacto-uin vigor verdadeiramenle
carera aos pedidos de cortesas e s mesquinhas maravilhoso a lodo o apparelho de respiracao.
VIH
Escapando das linhas de Honorio, que fez todos
os esforgos para apanhar-me, nao consegu chegar
Pedro lvo; porque chegando ao cngeuho Utinga qucruue a sua reeleigao, pelo terceiro distrlcto.
de Cima, no Cabo, abrio-se-me no pescoco urna Fui informado da existencia de urna falsidade
grande randula,e eu empreguei terriveis cauterios. na acia do collegio da Escada, relativa a essa olei-
para pOr-me em estado de seguir logo. | ?o, a gual, em minha opiniao, devia annullar a
Ainda doente, part para entender-me com o, apuracao daquelle collegio, o que salvara a elci-
fallecido Antonio Allbnso, que esteva occullo no gao do dito conselheiro.
en"enho Unio, ea respeito da entrega que se pre-1 Inqueri dos factos convenci-me ser verda
para va Pedro lvo. Nesta jornada, parli do en-
genho Jundi do fallecido Manoel Antonio Dias,
a noticia.
Nao hava lempo a perder Era preciso eom
rapidez preparar os materiacs para apresentarem-
tro 'od"t.! Candido, e seu genros Joo Flix e San-Lse cmara dos deputados. por occasiao de verifi-
carem-se os poderes do deputedo eleito.
Immedatamente convoquuei os irmos do con-
selheiro, communiquei-lhes o fado, c expuz-lhes o
Antonio
acmpannado de seu filho do mesmo nome, do ou-
tro o Dr. Candido, e seu genros Joao Flix e San-
tos, do Dr. Jos Maria, (q_ue tambem andava fgi-
do, e com ordem de prisao de Honorio e de outres
muilos cavalheiros.
Dias depois Pedro lvo se entrogou a seu proprio meu plano de campanlia, porque era urna verda-
nai e ludo acabou-se. ""ciracampanha. Elles amitaram o plano, e poze-
! ................................... rara-se em movimento, e j um estava em caminho
IX. para Goianna, quando pessoa muito mais autorisa-
A provincia esteva pacificada materialmente, da do que cu tudo desfez, t os irmos do consellici-
faltava asegurar a pacfleacao dos nimos. Ho- j ro desistram da empreza.
norio nao queria ir-sc sem deixar reapparecida a Mas a noticia j havia partido para a corle, dada
Imorensa liberal que hava suflbeado quando pren- por parte de um dos que comnosco havia comeca-
deu-mc Permiltio licenca para escrever-se, e sob do a campanha. Da corto approvaram o plano, e
s suas'vistes formou-se um directorio liberal, o pediram a sua execugo.
qual tralava de escrever urna tollia esquecendo to-
das as ideas do partido liberal, isto e aquellas que
a revolucao tinha abracado. .
Aprescntei-me as reunioes do directorio, o lu-
1 .......11^^ aii an acoro.
11 .1 mu.-. ^ v- wrr----"T- .'. v \
Encontra-sc em todas as prmcipaes loiasde dro-
gas da America do sal.
COMMERCIO.
Enteo fui chamada O tempo era pouco; nao
deseancoi, nem dormi. Meu vi ver era na estrada
de ferro, do Becife a Guararapes, ao Cabo e a Es-
cada. Muilas vezes quizera dividir-me por que
cscrevesse, ou se escre-! fazia falla n'um lugar quando estava n'outro. Mui-
ww rom as ideas do parlido, oclusivo a consti- tes nontes passel em vigilia at ao amanhoeer. Di-
tuinte 'rigi <,uasi lodo ,rabalno> e indique! os docuraen-
0 directorio resisti eu ameacci-o de publicar tos que nos eram precisos. Todos elles vieram as
urna folha or minha-conla neste sentido, se elle minhas raaos, e catei-os todos de modo a indicar a
publicasse alguma sem as deas do partido. demonstrado cfaramenle. fra finalmente o pro-
Resistiram os homens do directorio, eu publt- testo na cmara do Cabo por ocoasiao da. apuracao
quel a Revolucao de Novembro com as ideas do par-, geral. Todo o trabalho foi feilo para a cftrt.
lido liberal. I Perdemos a quesiao por quatro votos na cmara
transagoes.
Se predominar porra o mais nobre sentimento,
c (uzordes formar seguro juizo a meu respeito ve-
rificando os fados, acharis que em todoteste meu
longo lidar poltico, nunca lucrci cousa alguma,
seno intera perda de mou tempo, porquo nos
desregraraenlos deste paiz, na sna immensa mise-
ra sempre crescente, s tenho procurado meio de
adiar o meu interesse no interesse commum dos
brasileiros, o que so pode dar na boa ordem so-
cial, no dominio da justica, da moral publica, na
pratica real das inslituiges livres, em quanto se
vive sob o rgimen constitucional.
E neste empenho hei de teimar em quanto poder,
nao obstante todo o esmorec ment porque nada
tendo que deixar a meus filhos, como a maior parte
dos brasiteiros toda pobre, e dos pernambucanos
todosquasi na miseria; quizera deixa-los nesta
trra mais bem regida, nesta torra tao feliz pela
natureza, e que pelo egosmo e corrupgo dos go-
vernantes, c fraqueza ou falte de vontade dos
governados lem cahido na maior abjeccao o mi-
seria.
Se nos lodos, os Traeos, os pequeos, e que nada
temos que doixar a nossos filhos senao urna ierra
que poderia ser para elles to rica c to boa, se
nos unissemos, seriamos fortes, e nao haveria cir-
cula de ferro que nao se podesse romper ; e se
unidos nos esquecessemos das mesquinhas transa-
goes o cortezes cumprimentos, que mesquinho pao
podera dar a poucos, se nos lemhrassemos um ns-
tenle do futuro com resolugo e boa vontade,
esta torra hoje desgragada, com tempo e vagar nao
teria que invejar as mais prosperas nacoes para j'-- ==4. Manoel if-pedras.
fazer a felioidade de seus lilhos.
Villa do Cabo, H de outubro de 1863.
Alfonso de Albuquerquee Mello.
NOVO BANCO
DE
PERNAMBUCO'
O Banco toma saques sobre as pragas do Bio de
Janeiro e Baha.
Alfandega
Bendimenlo do da 1 a 21 ... 293:4854928
dem do da 43........20:27ti476
313:762*404
Movimento da alfandega.
Volumes entrados com fazendas
com gneros
Volumes sahidos
com fazendas
com gneros
II
325
-----409
112
166
-----278
Descarregarano dia 24 de outuJiro
Brigue inglez/m-mereadorias.
Brigue ^Viuguez-W^io-Tdmrsos gneros.
Escuna hanoveriana/-.na dem.
Barca franceza-Uflou/ic
Pede-se a publicacao do segrate, extrahido do
Constitucional n. 67, de sexta-reira 14 de ju-
nho de 1861, redigido pelo Sr. Dr. Antonio Vicente
do Nasci ment Fe i losa :
Conlinuava, infelizmente, a lula entre o nosso
dislincto comprovinciano e correligionario, or. ur.
Urbano Sabino Pessoa de Mello, e alguns do nossos
amigos da corte acerca do candidato liberal a ser
preferido para substituir a vaga a que tem de dar
lugar na deputegao da mesma corte a opgao quasi
nfatlivel do Sr. Theophilo Benedicto Ottoni pela
importaco.
Barca injjleza Ann, entrada de Liverpool
em 19 do torrente, consignada a Patn Nash
A C, manifestou o seguinte:
50 gigos lenca, 18 barricas copos, 40 cai-
xas folhas de Flandres, 2 ditas e 16 barricas
ferragens, 8 ditas estanbo, 3 ditas objecios
de selleiro, 300 fcixes e 803 barras de fer-
ro,200-accos arroz, iti barris olee de linlia-
ca, 50 ditos banha de porco; a Patn Nash
4C.
53 fardos e 47 caixas tecido de aifodao,

(
-1



:*
.M
Diario de Pernambuco fcabhado 14 de Outubro de 18S.

\ fardos tapete dealgorlo e 15a, 1 caixa ob-
jeolos de escriptoriu; a Soutliali Mellors
& C. c
2 i fardos tecidp (te algodao; aRaDe&-
climmellau A C. j
1 caixa e'2 fardos tecdo de linho; a J.
I caixa tecido de la; a E. A. Burle
*c- ,- u .
1 caixa cullawnes da papel-e de Iinno, i
dita coito, I dita miudezas,I dita chapeos
de sol de seda, i ditas e 3 fardas (litas de
palta, 3 gigos cadeiras; a Alves Harabur*
ger c C.
25 fardos tecido de algodao para saceos ;
a ordem. .
25 fardos tecido de algodao ; a Jos Bap-
tista da Fonceea Jnior.
i caixa tecido de lioho ; a E. Feotn.
4 fardos tecidos de algodao ; a Mills La-
ttiam & C.
i caixa manufactura de algodao, 72 cha-
pas de cozinta, 3 barricas tampos de ferro,
2 ditas globos de vidro ; aHenrique d Aze-
vedo.
i caixa tecido de algodao, 2 ditas dito de
13a, 1 di la transa de la e fitas de algodao,
2 ditas nlia de algodao e de linho, 1 dita
chapeos de feltro; a Linden Wild 4 C.
50 gigos Iooca 30 barris manteiga, 2 ca-
xas phosphoros, 3 ditas drogas, 5 meias di-
tas cha, 25 saceos arroz; a Plmeira A Bel-
tr3o. .
i caixa phospooros ; a J. S. Pinto C. Ju-
oior.
80 barricas cerveja, 5 nems caixas cua ;
a Manoel Joaquina ft. e Silva i Genro.
I caixa lencos de cambraia, 2 ditas e 3
fardos tecido de algodao; a Joo Keller
dcC.
5caixas tecido ole algodao. i dita dito di-
4o de laa esda, 2 ditas novellos de transa
lilas de algodao. ^ dita liona de algodao,
i dita bfmets de ISa, te ditas miudezas, i
dita dedaes, 2 barricas ferragens; a Mello
Lobo A C.
30 toneladas de lastro de pedra; a Saun-
ders Brothers A C.
:{voluntes amostras ; a diversos.
ltecebedorta de rendas Internas
crac* de Pernambuco.
Rendimento do dia 1 a 22. 3&7gft5
Rlm do dia 2:1......... J.____
36:379*484
Consulado provincial.
en.lim.into do dial a 22. 28:2905247
dem do dia 23......... 693*341
28:989*588
As pessoas que se-propozeremessa arremate- 'o e appiandldedrama en tres ario, do
gao, comuaracaur ai sala das sessoes da referida, autor portuguez Jos Carlos dos sanios,
junta no dia cima indicado, pelo meio dia, e com-
petentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 21 de outubro de 1863.-0 secretario, A. F.
d'Annunciaeo.
Clausulas especiaes para a arrematagao.
!.* O concert ou reparo eral da ponte do Bt-
co-Peba sera eito de couforniidade com o orga-
nfeoto nesta data approvado pela directora em
conselho, na importancia de 5:7205-
1 O arrematante dar principio obra no pra-
zo de um raez, contado da data da arrematagao, c
a concluir no de 5 mezes contado desta ul-
tima.
3
1110 <|unuuv *,.. .- -----------------
tede da obra, e a segunda quando for receida
I provisoriamente, devendo de cada uraa. deesas
prestagSes deduzir-se um dcimo que fleara no de-
posito oa thesouraria provincial, am de ser entre-
gue ao arrematante no flm de um anno de respon-
sabilidade contada da data do rocebimento previ-
LUZ O PINTOR
oc
SEGREDO D'UMA FAMILIA
Pkiisonkgess. Actores.
O coronel, visconefe de S. ,
Pedro .............. O Sr. Flav.
Augusto da Silva, sen fi-
iho................. Beaenotado.
Luiz, daCunha, o pintor. O 3r. Ceirabra.
Frederico, oflcial de esta-
(tenr.
O palhabote GarSxMi, segu
*ator com Tasso Irmaos.
por estes-das a
iguaes
a. i do-maior............. O Sr. Penante,
. O pagamento ser feto em duas prestagoes! j08C Bento, aprendiz de
es : a primeira quando estiver executada me-1 ^^^...............
pintor............... O Sr. Lessa.
Abaronea............. A Sr." IX Jesuina.
Clara.................. B\Phdomcafl
Maria.................. D. Leopoldina
Dr. Tiburcio.......... O Sr. Porto.
Joo, carteiro.......... O Sr. GH-Braz.
Um criado............. O Sr. Araqjo.
AoUuiidade. ,. ,..
No intervallo do drama comedia, o dis
O palhabote Garibaldi segu para
a Baha nestes das, tem a mafor
parle do'carreganiento prompto, tra-
ta-se cem Tasso trniios ou com o
capitao Custodio lo Yianna._____
Para o Hio de Janeiro
deve sahir com breridade a escuna nacional Com-
fomza : quem nella quizer carregar o\X embar-
car escravos, pode dirigir-se ao largo do TJwpo
Santo n. 6, segundo andar, a tratar com Marques
Barros 4 a
Imperial Pedro para o Rio de
Janeiro.
Segu precisamente no domingo 25 do crrente
outubro, o brigue nacional Impend Pedro, que j
tem o seu carregamento completo, s recebo cs-
oravos a frete, e estes a embarcar no sabbado as
I horas da tarde : a tratar no largo do Corpo San-
io n. 6, segundo andar, ou com o capitao Victal
Jos da Motla.
Par* o Rio de Janeiro.
Obrigue nacional Belizario, prestes a seguir
"55" Para tudo o us que nao 6r especV** No .nfervallo do drama comedi^ o.disljncto ~-,flJ-JSTSTJTSiSS.
as presentes clausulas, nem no 01-camonfo seguir- profCssor o Sr. Tedro ap"8." n*^*JriS tambem recebe escravos fwte, e alguma crai
se-ba oque dispSe a le. provincial n. 886. pan0 em eima por especial favor aoihnenn luda : os pretendentes dirijam-se ao largo do
Couforme.A. F. d Annunciacao. tocara no opliicleide utnaaria de Lucia dula**
IIOOR.
DECLARACOES.
De ordem do Htm. Sr. inspector da thesou-
raria de fazenda desta pravincia, se faz publico que
a inesma thesouraria em virtude da ordem do
thesouro de S do corrente n. 184, acha-se au-
torisada a mandar pagar com fundos do cor-
rent exercicio aos credores da fazenda de dividas
do exercicio findo de 1861 186. As pessoas in-
teressadas deverao requerer mesma thesouraria
a liquidacao o pagamento do que se Ihes dever at
30 de junho de K*>4, quando vigorar a sobre-
dita ordem.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco, em 16 de outubro de 1863.
Servindo de oCBcial-maior,
Manoel Jos Pinto.
Caixa filial em Pernamburo.
Por ordem da directora do banco do Brasil sao
convidados os senhores accionistas lecalisados na
caixa filial de Pernambuco recolherem ah ale o
da 23 de Janeiro de 1864 a ndna e ultima presta-
cao de 10 0/0, ou 20i por acQo, de conformidade
com os artigos 8 e 9 dos estatutos do banco do Bra-
sil, e art. 45 dos estatutos da caixa filial.
Sala das sossoes da directora da caixa filial do
banco do Brasil em Pernambuco 1." de ontubro de
1863.O secretario,
Jos Mamede Alves FeTeira.
OlirthlO GEKAL
Belae* das carias segaras existentes
na* adttinislrac d correi desta
citlidc para os'seohores abaixo de-
clarados
Antonio Jos Barbosa Vianna.
Barao de Guararapes.
Tenente Ernesto Ignacio Cardim (2).
Francisco Moreira da Costa.
Joaquim Jos Martins.
Joanna Baptista dos Santos.
Joae de Azedias Machado.
Joao Militao Henriques do Souza.
Jos Joaquim Alves de Amorim (2).
Jos Maria da Costa Piulo.
Terminar o epeotaculo com a priraoira repre-
: sentado da espisitaosa comedia UespanUola em
idousaclos, ^
O EMR41XADOR
PEBSUNAGENS.
Conde de Aranza, enviado
de Hespanha em ap-
les..................
Jelieta, mu fiNM........
Frederice de Cernay (jo-
ven rancez).........
Saint-Jfan, criaderancez
daoonde............
Lela, modista napolita-
na..................
Um criado.............
Criados e criadas.
A seena passa-se em aples.
Conecar as 8 horas-
Sendo esta a primeira vez que o beneficiado
nesta capital d um espectculo em seu favor, es-
pera do illustrado publico a valiosa proleccao, que
nao tcm faltado aos artistas que a ella teiu recor-
rido.
niiiida: os pretendentes dirijam-se ao largo do
Corpo Santo n. 6, segundo andar.
OSr. Ftevio.
A Se.- vMIanaaa.
O Sr. Penante.
O Sr. Guimaraes.
ASr.'
USr.
D. Camilla.
Araujo.
LEILOES.
mm viuva
RIJA DA 1 -1
9* *
Tem a henra de participar ao respeitavel publico e aos sew frfnezes qne acaba do racaber
um lindo e variado sortimento de objectos de phanlasia para presentes, assim como ventarolas de di-
verjas, cores e foiti iM'jderoo, ricas capellas para noivas as melhores que tem vindo at hoje em- Per-
nambuco, grande quantidado de agua de colonia, oxiraetos para lenco, banha e oleo para caleos,
tud-in *dres grandes e pequeos muito lindse variadbs e por precos diminutos.
Continua a receber por todos os paquetes da Europa lavas de Jouvin brancas, pretas e de odas
as cores.
Agua de tingir cabellos dft Marquis, iogleza, melanogene, bcrger etc., etc.
Na mesma casa continua a receber encommendas docabeleiras para homem e senhora, cuinos,
trancas", crescente, nos etc, etc.
Correnies para rologios trancelins e tudo quanto diz respeito a arte de cadeireiro, corta-se e
friza-se cabellos pelo preco de 500 rs. .
Kspartillios esnartllhos.
Espartilhos regencia privilegiados dafahrioamais afamada de Pars, esses esparlilho* al le-
tos de tal modo que urna senhora com um delles ha de ser sempro bem vestida.
Bicas o hndas capellas para noivas de urna fabrica especial: ra a inweratriz n. 7.
M>Ti:iti %.
CASA DA FORTUNA
O abaixo assignado faz sciente ao respcitavel
publico que vendeu nos seus muito afortunados bi-
0 Sr. Ignacio Jos do Couto tem urna cartavioda
do Haranhao para llie ser entregue ; na ra da
Cruz n. 23, primeiro andar.______________^^
un ama para cozinhar e
Precisa-se aldgar
comprar, para dormir
MOYIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 23.
Porto38 dias, brigue |iorluguez Mercurio, de 148 Juau ,,. v~o........
toneladas, capitao Joaquim Gomes da Cruz, Luiza Francisca dos Anjos.
equipagem li, carga vinho, e outros gneros;'jjr. Lourango Jos de Figueiredo.
Mallines Barros & C. | Miguel da Silva Pereira.
Liverpool42 dias. brigue inglez Zone, de 172 to- Tenente Manoel Joaquim de Souza.
Heladas, capitao R. Jerrett, equipagem 9, carga : pejro Correia de Campello.
fatendas e outros gneros; a Saunders Bro- Salustiano Jos de Lima.
Ibers & C.
Barcelona 32 das, |iatacho hespanhol Fomento,
de 113 toneladas, capitao Domingos Thomaz Al-
sina, equipagem 9, em lastro ; a Amorim & Ir-
maos.
Observaeao.
Nao houveraui sabidas.
EDITIS.
i','','oueui pertciicer 1 carro inglez de 4 rodas inteira-
'^79SKmrl Oconeli,oadmmistrativopara^necimento
De ordem do Sr. Dr. efcefe de polica, faco
publico, que foi preso e seacha recolhido cadeia
*" ollieial de pedreiro, que confessou ser escravo, e
ter fgido do poder de sen senhor, o portuguez
Francisco Borras, residente na freguezia da Boa-
Vista desta cldade, em dias de dezembro do anno
prximo passado.
Secretaria de polica de Pernambuco 22 de ou-
tubro de 1863.O secretario,
Yiuva de Ventura Pereira Penna.
DMrtit fieraI.
Pela administracao do correio desta cidade se
Os bilhetes podem desde j ser procurados na
ra de Hurtas n. 120.
Propara-se para subir scena no dia 31 do cor-
rente, com todo o brilhantismo que pede o autor
0 drama em cinco actos, de grande espectculo,
A ChUZ ou o talismn.
Do dramaturgo o Sr. Luiz de Vasconcellos de I
Azevedo e Silva. |
Para solemnisar o anniversario natalicio de b. M. j
F. el-rei de Portugal '
Desde j esli disposica) do publico os cama-
rotes e cadeiras.
WW E fcYTlOMlN\RI0
HULE PAU1ICM-.UI
NOS
SLO'ES D9 ( VbS DE APOLl0.
Sabbado 24 do coiicnli1.
Estes raagestosos saloes se acbaro adornados
com toda a pompa e brilhantismo, ardendo nesta
noite todas as novas vistas chegadas ltimamente
de Pars.
HOJE
Sabbado 94 do corrento na ra
da Cartela a. .V* araasen
Pelo agente Eozebiosc vender em leiKo di-
versas obras de marcineiria sendo 2 estaotes de
amarello para livros, 2 guarda roupa, 2 mesas els-
ticas, 2 pares de cadeira de. balanco americanas,
camas de balaustres para solteiro e casal, ditas de
ferr, urna mobilia de amarello vinhatico a Luiz
XV, consolos e jardtneira de amarello raiz com
tampo do superior marmore branco, mesa redon-
da, marquezas, candelabro de vidro, jarros ricos
de porcelana dourada, relogios, quadros com ricas
molduras, toucaoros, lavatorios, berco, sof, ca-
bidos, mesa para advogado, porta licor, 2 guarda
louca, cadeiras, lustre de 5 lures caslieaes, co-
pos, garrafas c ontros objectos._______________
0 agente Olympio far leilio de urna porciio
i de cais de compoaictt e deposito, armarios c es-
tantes, e aullas objectos para typoitraphia no da
segunda-feira 26 do coiTento, as 11 horas da na-
nhaa, eai seu armazem na ra do hojiorador nu-
mero 16.
publico que vendeu nos seus muito afortunados bi- eomprar, para dormir em casa averte-se que
Ihetes garantidos o bilhete inteiro de n. 235 com a nao seja vadia : dtrija-se ra do Cabugi n. '*,
sorle de 5:000000 e outros muitos de 1004000,' loja de miudezas.
lnino a 4ilftnm A* InlAria im< arahnn do. p.x- ... _, ._.__. '
DA
Fsta ie S. Crisp rispiniano, feila
pela iroiatidude erecta no clvenle
do Carnu.
40*000 e 20*000 da lotera que se acabou de ex-
tralur a beneficio do C> mnasio, e convida aos pos-
suidores de ditos bilhetes virem recelierseus
respectivos premios sem descont algum em seu
estabelecimenlo da Casa da Fortana, ra do Cres-
po n. 23.
O mosmo tem exposto venda em sua dita casa
e as ontras do eostnme, os novos e alortunados
bilhetes garantidos da segunda lotera extraoidina- No dia 21 do corrente, ao toque de meio dia.
ria, cuja sorte maior de 4O:OOO?JO0O, a beneficio terlugara bencao das imagens, e a.23, pelas II
da Santa Casa da Misericordia, que seextrahir a horas a festa ; sendo oradores, do Kvangelnoo pa-
6 de novembro prximo, e as sortes que obtiverem dre mestre pregador da capefla imperial Fr. Joa-
serao pela mesma forma pagas. quii do Espirito Santo, c do Te-Deun o Bvm. pa-
lreeo. dre
Bilhetes intoiros..... 12,5000
Meios bilhetes...... 6*000
Rara as pessoas que comprarem
de 100* para cima.
Bilhetes........ H*200
Meios..... 5*600
Manoel Martins Fiuza.
m*>@
DE
DIVIDAS
Segundo-feira 26 da rrente.
O agente Pinto levar novamonte leilo s
dividas da massa fallida de Viotorino Jos Ferreira
servindo de base a maior offerta obtida no leiliio
do dia 23 do corrente, por assim llie haver deter-
minado o Illm. Sr. Dr. juiz especial tk) commercio,
s 11 horas do dia cima dito em seu escriptorio
ra da Cadeia n. 24.
DE
Loja de alfaiatc.
Terea-feira d corrente.
O agente Pestaa vender em leilo a loja de
alfaiate da ra Nova n. 40 consistindo de obras
D-se dinhero a premio empequenas e gran-
des quantias sob penhotes de ouro e prata : na
ra Augusta n. 4a, se dir quem d.__________
Aluga-seum segundo andar esoto e uinter-
ceiro e sotao ambos com grandes commodos: a
tratar com Jos H. de Miranda._______________
O Sr. Joaquim Gomes Teixeira tem duas car-
tas na botica de Joo da C. Bravo de Dos n. 1.
j.j mestre Antonio Mello de Albuquerqu. m
' todos os actos, assim como no domingo a tardo,
; tocar a msica marcial, dirigida pefoinshjnepro-
1 fessor Manoel Pereira. A orchestra ser dirigida
pelo Bvra. padre Candido Ferreira da Cnnha.
Kes|H>udendo ao aununcio do Sr. uilhernie
Joaquim da Silva Braga, tonlio a dizer-lhe que a
confeitaria de Fugndo da ra da Cruz n. 21, hoje
ra do Trapiche n. 18, me devodor da quantia
de 2055830 quo o mosmo senhor nao ignora a dita
quantia por ter visto os vales em poder do abaixo
assignade, quando quiz entrar de socio, e hoje o
Sr. GuilheriiMi me e devedor de doces que Ihe te-
nhn fornecido.
Manoel Nunas de Mello.
Monte Pi Popular Per-
nambueano.
Convido aos senhores socios para eomparece-
rem no domingo 26 do corrente, as 10 horas da
Contaliua a""a"verpaouTsenteo'novo nos dias niauba, na casa das sessues, alim de se reunireiu
quartas e sabbados de cada semana, na padaria om assembla geral para ultimaren) a eleieo dos
em Santo Amaro ao p da fundico, na ra da Bu- nevos funecionarios que tem do dirigir os traba-
peratriz n. 22, e ra do Brum, confronte o chafa- lhos no seguinlp auno, em virtude de alguas dos
riz n. 47, ra das Cruzes, deposito n, 39, na Pas- membros que foram eloitos na ultima sesso na.,
sagem, taberna da esquina do Sr. Bento, que vira podeiein assumir os lugares para que feram elei-
para oRemedio, e no armazem progresso, largo ios por estarem compreliendidos no l. do art.
da Penha n. 10. ________ 50 dos estatutos. I
- O Sr. capitao Claudio Marques, de Soniaaa- n^^*!**0 ^ul ^"^nbucano
da ficou devendendo a pessoa alguma porm se ; 21 de outubro de W
nao obstante alguein se consi.lerar seu credor,. o'^euS
mande sua conu ra do Destino n. 19, para ser___________________j^setreidua-----------
Aluga-se ou traspassa-se o arrendamento da
padaria ila ra dos Pescadores n. 1 : a tratar na
ra do Rangel n. 9.______________
Precisa-se de urna ama forra para comprar
e cozinhar, para casa de pouca familia : na ra
Sago por seu amigo o tenente Jos Francisco de
loraes c Vasconcellos.
s 9 horas da noite banda de msica escruta-
os abaixo assignados, como administradores de Nova n. 23.
f.itas para homem e diversas fazendas o que tudo suas mu|[lcres, ilhas do finado Jeronymo Luiz da
faz publico que em virtude da convenci postal, ra, pela primeira vez nestes saldes, rIquIsMOias
celebradi pilos governos brasileiro c rancez, se-' pecas de msica, co.no sejam grandes e^drenles
rio expedida malas para a Europa no dia 30 do operas e cavatinas, obr.gadas a dilTe.e.ntes instru-;
corren e telo vapor francez Bear. As cartas se-;mentos especiaos, nao deixando atea desejar a
rio recebidas at 2 horas antes da que for marca-' um nqu.ssmo concert para sat.sfaeao do respei-
da para a sahida do vapor, e os jomaos at 4 horas tavel publico. ... _. _____:
ante" Os carUizes Vssc da serio entregues a pessoas ,
A-imnstracao do correio de Pernambuco 21 de' especiaos cescolltidas,nao hayendocartoes pblicos
outubro de I83.-0 administrador, WWb, e sim o administrador tara d.st. ihu.cao
Domine dos Pasaos Miranda. delles a pessoas que Ihe convier, e se presentar,
onselho adniiuiKtrat Ivo. decentemente vestidas oara desta forma regulan.
sera vendido em lotes a vontade: terea-feira 27
do corrente pelas 12 horas da manha na mesma
loja cima indicada. Tudo se vende sem limites.
lMI CAURO 1XULISZ.
Tcica-fcira 27 do correnlc.
O agent Pestaa vender por conla e risco
de
. ''l 22 saloes una vez por mez, sem se ter baile publ
arsenal de guerra tem de contratar o rancho da __."_'..,_.:..':...,..'.,....,.. cm.^ v,nn,
companhia de menores do arsenal de guerra nos
mezes de novembro c dezembro prximos vin-
Sp^aV^ni^ador-de^s- salOes a_ ^mevoia J-J-Jff^
douros.
Pao de quatro oneas, bolacha, assucar refinado
de segunda sorte, ca' em grao, cha hyson, man-
Bduardo de Barros Fateo de Lacerda. teiga rrancoza, carne verde, carne secca, rarinta da
'BViltnial li eelaeo. trra, fejao preto ou mulaluiho. arroz do Mar-
Por orn *K. S^SSSS^mm ^ ** de Lisboa, azeite doce, vinagre, ba-
da relacao se manda novamente publicar o edital camao. nrs,.nai a0 m.erra
do I" de julho do corrente anno que n.a.s urgente; pnc^,Pdacr* ?p*ranaS H? c dous pal-
setoioaeniconseq-iencia da dis|.os.cao do novo ^Sp^cmo^aatoAe polegadas de largo-
reglamento n 3,139 de 3 e ago to. prox. no ^ h ur ^ Jjg^ ma.
ftdo, queno 13* do art 31 e na parte 2 do art. ^^-aHta,^ quareotae cinco palmos
^MSStTJSSSSL 1863-0 secretario Do-'de comprmento, leneol de znco com 1,600 pal-
. JS^SJrSSSi^ socretano.uo mos ^drados oberl.l um, 1U)0as dt iouro
mingos Alfonso Ferreira. de n'fuf0 duzjas dez ral)0 do |inho ,jranco de {
barca para caixas de guerra pegas vinte, flo||ama-
rello novellos cncoenta, flanella para suadores de
selins covados rincoenta.
Para o hospital militar desta provincia.
Copos de vidro para agua doze, bacas de rosto
doze, pratos quarenta e oito, chinellas pares vinte
e sete, camisas de meia doze, colxoes de panno de
linho com nove palmos de comprmento e tres di-
tos e meio de largura cheos de la sessenta, tra-
vesseiros de panno de linho com tres palmos e
etc.. etc.
Pelo presente odital faco salier a todos os juizes
de dtreito e municipaes uas diversas comarcas su-
jetas a aleada desta relacao, que para fiel cumpn-
mento dos artigos 99 e 100 da le de 3 de dezem-
bro de 1X41, c dos artigos 467 e seguintes do re-
golamenlo n. 720 de 31 de Janeiro de 1842: e para
a bom andamento e despacho dos autos crimes.
de necessidade que faeain constar nos recursos e
sppetiaedes que tem di' vir instancia superior,
qnaes os reos que sendo pobres nao podem pagar
concurrencia do pnblico, alim de que possa dar
todos os mezes um baile com gente escolhida.
Tendo podido o mesmo administrador obler do
Tendo podido o mesmo administrador obter do ,.^f,.ra 27 do corrente pelas 11 horas
Illm. Sr. subdelegado Iwencapan o baile acabar d & Santo junto da labe
s3 horas da manhaa, assim o faz sciente ao res- ""''' ......i & Bario
peitavel publico, achando-se porlanto a msica rs. ranwi _---------------------
novos e outros usados e
. solirecollento e langa, os
Srs. pretendentes que quizerem examinar podem
dirigir-se ao agente cima e o leilo ter lugar
da ma-
>rna dos
Costa, e como taes consenhores da propriedade
denominada Borgetinda, na lage.do Canhoto na pro-
vincia das Alagoas, protendem vender ou aforar
as partes que teem na mesma propriedade, por
inteiro ou em lotes : os pretendentes dirijam-se
nesta cidade do Recite ao largo do Corpo Sanio n.
4, ou ruada Senzala Velha n. 94, ou as Alagoas
ao Sr. Joao Cavalcanti de Albuquerque. senhor do
cngeuho Camboim. Recite 23 de outubro de*1863.
Jos Antonio Fernandos Predique.
Jeao Francisco de Carvalho.
Joo Joaquim Rabo-lio Pessoa.______
^ Na roa dos Pires n. 50 se dir quem vende
um piano forte de mesa em perteito estado, e da
melhor construeco.
Precisa-se de 2005000 pelo tempo.le 8 mezes,
com os juros que se convencionar; na ra do Pa-
dre Floriano n." 70, se dir quem precisa._______
Bon-se ao Sr. Joaquim Ferreira Cocino ou
quem suas vezes lizer, a bondade de dirigirse ao
largo do Corpo Santo n. 6, segundo andar, para
negocio que Ihe interessa.
r im'^^i3"^^05'de,esa' i s sffs^fflx%rsearss
E .ara constar e Z me ebegue ao conhoci- propostas em carta fechada na secretaria do con-
mcnto^SSaqnSlatewaaarp^sa, far-sc-ha: seibo as 10 horas da manhaa do d.a 30 do cor-
este publico pelos jornaes dest capital, depois do
compleme registro na chancellara.
Ilecife, 1 de julho de 1863.
D. Franrtscobalthazar da Silveira.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumpriuiento da ordem do Exm. Sr. pre-
-si.lento. da provincia, manda fazer publico, que no
dia 12 de novembro prximo futuro, perante a
junta de fazenda da mesma thesouraria, se ha de
arrematar, a quem por menostizer, a obra dos re-
jiaros urgentes da pontezinha denominada do Guer-
ra, no tercelro tango da estrada do "
la do Cabo, avahada em 1:0435000.
A arrematacao ser feila na forma da lei pro-
vincial n. 343 de 15 de maio de 1834, e sob as
clausulas especiaes abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a essa arremata-
do comparegam na sala das sessocs da referida
junta, no dia cima meuciunado, pelo meio dia, e
competentemente habilitadas
rente. .
Sala das commissoes do conselho administrativo
para ternecimente do arsenal de guerra, 23 de
outubro de 1863.
Antonio Pedro de S Barreto,
Coronel presidente.
Sebasfitio Antonio do Brgo Ranos,
Vogal o secretario.
Correio
Aa malas que deve conduzir o vapor de reboque
ra no tercelro tango da estrada do sul para a vil-1 Camaragibe com destino provincia de Maceie e
'portos intermedios, sero techadas hoje (26) as 3
horas da tarde em ponto.
A rrematacao
Hoje 24 do corrente, depois da an-
dtaiecia do Illm. Sr. Dr. juiz ninnici-
mprtenteinente habilitadas. nal da spiriinda vnra iitt BMCS OS
E para constar se mandn publicar o presente P1 *,,^4,' P""." ws
iieio Diario. escravos seguales peilencntes a ne-
contratada para a mesma hora, afim de satisfazer a
especia ti va publica.
Previne-se a todos os senhores que quizerem ter
ingresso neste baile, de mandar buscar os cartoes
ra do Imperador n. 52, ana o que nao teem
entrada.
Ser manlido o regulamenlo do Illm. Sr. Dr.
chefe de polica.
Entrada para homens 2*
> scnboras Gratis.
AVISOS MARTIMOS.
Dos portos do norte esperado
at o dia 2 de novembro o vapor
Princeza de Jointillc, coniiuan-
dante o capitao de fragata Santa
, Barbara, o qual depois da demora
do cosame seguir para os portos do sul.
Desde j recebem-so passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
| ser embarcada no dia de sua chegada, cncommen-
I das e dinhero a frete at o dia da sahida as 2 ho-
; ras, agoncia ra das Cruz n. 1, escriptorio de An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.___________
COMPANHIA PEIlNAMlCAiNA
DE
Navegaco costelra a vapor.
Macelo e escalas.
i jt O vaiior Camaragibe, comman-
Btt)Lfc|^\ dante Moura. seguir para os
^Mkl^- portos cima indicados no dia 24
ggg Ks/t de outubro prximo. Recetar
v*f | illi'As-' c4rga a,,; 0 jjji 23 ao meio dia.
Encommendas, passageiros e dinheiro a frete at o
da da sahida as 3 horas : escriptorio no Forte do
Mattos n. 1.
Lb! \0
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
iuco, 21 de outubro de 1863.O secretario, A. F.
VAnnunciagao.
Clausulas especiaes para a arrematagao.
1* Os reparos necessarios na ponte do Guerra,
.*. _-. on i_u.. _i_ ,,:riiin"io fin
raaca do filado Jos Fernando da Ci'iz :
Felippe, cabra, sua raalher de Borne
Fepps, crouU, com dous lilhos de
THEATRO
DE
sobre o rio Grujan, no 3 tango da ramiricago da nome FlaMBBf t JOZ'H, lOflOS por .
ramiticago da estrada do sul para a villa do Cabo, .QQAfi Jose Ferreil'O e SB IHHlhcr
;ci;io teitosde conformidado com o respectivo or- iOwi"i"""' a aia* i ;,
< amentoapprovado pelo conselho director, na im- UC 1101110 AnlOniH, por ItOUJ, Lul
Wtanciadeio4osooo. horle'o.nnafo, por 700*; a Jos
2" O arrematante dar principio aos trabalhos ,IW1 Ie n''> v *!v!f* r
no prazo de um mez, contado da data do termo da BJMTtGM Mf 40(5.
arrematagao, e os concluir no de 4 mezes. I _______ ._^____^___
3* O pagamento ser eilectuado em duas pres- "
lacoes iguaes : a primeira quando estlver prompta
motada da obra, o a seguada e ultima no fim da!
mesma. ..... ,
i O arrematante nao lera direito a reelamagao
aluuma tendente a indemnisago, qualquer que
svja a natureza em que se funde para tal ton.
Em tudo o mais que nao for cspecicado as
riresentes clausulas, seguir-se-ha o que dispoe a
lei provincial n. 286.
Conforme.A. F. d'Annunciacao.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumpriment da ordem do Exm. Sr. pr-
ndente da provincia, manda fazer publico que no
dia 12 de novembro prximo futuro, perante a jun-
ta de fazenda da mesma thesouraria, se ha de ar-
rematar quem por meno> lizer, a obra do reparo
peral da ponte do Bico-Peba na estrada do Pao
d'Alho, avahado em 5:72JL^
A arrematacao. ser feita na trma da lei pro-
vincial n. 343 de 15 de maio de 1854, sb as clau-
sulas especiaes abaixo copiadas.
DE
Unta lanclin
Tcrca-feiiNi, 27 4 ouIiiIm-*.
O agente Pinto fara leilo com autorisacao do
Sr. cnsul francez e em presenra de um seu dele-
gado, de urna lancha viuda de Fernando de Noro-
nha, pertencente a barca fraseen Sirede Vaone ;
o leilo ser eilectuado as 11 horas do dia cima
dito no trapiche da Alfandega, onde pode ser exa-
minada desde j a dita lancha._______________
IiEIJLtO
DE
4|uarta-felra 8 do corrente.
A' rcqnerimenlo dos administradores da massa
fallida de Seve Filhos & C. c por despacho do
Illm. Sr. Dr. juiz especial do commercio, o agente
Pestaa far leilo de fazendas todas de lei e pro-
priasdo mercado taes como madapoldos, algodes,
chitas, cassas finas etc., portoncentes a referida
massa que serao vendidas em lotes vontade dos
compradores no dia cima determinado pelas 10
horas da manhaa no armazem da mesma ra da
Cruz n. 50.
Andr de S e Albuquerque agradece cor-
dialmente aos seus amigos que se dignaran) acom-
pauhar o corpo de sua prezada mulher, e de novo
convida-os assistirem a missa do stimo dia, que
ter lugar no dia 26 do corrente mez, s 6 horas
da manha, na igreja do convento do Carino.
Casa grande.
S SSSHS^|t*SKBEtLff1ft&aS-!
^r=r;ir-r"Uir""-9 sbsstjs sssfits s
Precisa-se de 1:40005 apremio pelo lempo a casai onje tem (JUartos para dormida, e um mi-
de 4 mezes, dando-se por garanta alguns escra- rante em qUnt0 andar, para recreio. fresco e licita
ver, dirija-se ra estrella do Rosa-, visla |,ai.;i vur.s0) no mesmo andar, que se aeha
______________________________! anda oceupado, de manha ateas 9 horas, e de
~ Faz-se seiente ao publico e a quem convier, 'tarde das 3 horas cm diante : trata-se com Jos
que tendo fallecido o Sr. capitao Jos Albano Van-1 Mara Seve, na hados Hatos, ra do Sevei n. 10
derlev, reudeiro do engenho Sapucaia, districto da visinlio a ponte de ferro, que vai do tbeatro i
n S_ ? .-:..i.r...... ^ >,.-.^ i.mHA iloivoiln lu'iis nne vos :
rio n.
2.
vl'la d Seriniem, e nao tendo' deixa'do bens que Santa Isabel para a mesma lha.
cheguem para as dividas, c sendo eu o maior ere-'
dor, porlanto, quem tiver letras legaes, dirija-se a
mim, no praso de 30 das, alim de ver se concor-
damos algum negocio. Bio Formoso 20 de outu-
bro de 1863.Manoel Martins Fernandes.
Quem precisar comprar um bonito boi para
i carroga, dirija-se rua da Aurora n. 22, que acha-
I r com quem tratar.
O abaixo assignado tem justo e contratado
com o Sr. Bento Jos Pereira de Macedo a compra
livre e desembaragada do seu deposito na ra No-
va u. 58 ; se alguem se achar com direito ao mes-
mo tenha de fazer suas reelamacoes no praso de
tres dias. a contar da data deste : no mesmo depo
- Precisa-se fallar ao Sr. Jos Feliciano de A-
raujo Pinhero, nesta typographia.
sobrado
Aluga-se o sobrado do largo do Paraizo n.
16 : tratar na ra da Florentina casa da esqui-
na n. 2.___________________
Aliiguel.
Aluga-se o segundo andar do sobrado da
sito, depois do que, nao ser admettida reelamagao velha n. 20: a tratar na ra do Sebo n. 3
alguma. ltecife 23 de outubro de 1863.
Jean Prospel.____
ra
Precisa-sede una ama que cozinhe e faga as
compras para urna casa de pequea familia: a tra-
tar na ra dos Guararapes n. 18, sobrado de um
andar.
- abaixo assignado declara aos seus deve-
dores que dora em diante lica sem cffeito algum
a procurago que autonsa ao Illm. Sr. Andr Ave-
lino Sobreira de Mello, para ser seu cobrador de
dividas. Recite 22 de oulnbro de 1863.
Joao Correia c Can-albo.
Dase a quantia de 205 pelo aluguel de urna
escrava para todo o servigo interno e externo de
urna casa de familia : a tratar na ra dos (
\ rapos n. 18, sobrado de um andar.
Francisco Paes, subdito
] para o Rio de Janeiro.
portuguez, retira-se
AVISOS DIVERSOS.
Joaquim Vieirade Carvalho retira-se para o
Rio de Janeiro.
Ordena terreara do Carnao.
O secretario da adminUtragao interina por or-
dem do presidente da mesma a vista de urna por-
tara do Illm. Sr. Dr. provedor de capellas, convi-
da a todos os seus irmaos nrofessos para domingo
23 do corrente s 9 horas da inanhSa se acharem
na igreja de nossa ordem alim de reunidos c-m nu-
mero legal e com adininistrago de mesa regedora
formar a mesa goral para a eleigao do prior
jSlj^SSS&i
EJIPHKZA
DR
C0MP-\ISH1A PELNAMBUCANA
DE
Mavegaco costelra a vapor.
Paralaba, Natal, Hacia, Aracatj, Cear e Acareen.
O vapor Jaguaribe, seguir aos
portos indicados no -dia 26 do
corrente as 5 horas da tarde. Re-
cebe carga at o dia 24, encom-
^ inendas, passageiros e dinheiro a
trete at s 2 horas da tarde do da da sahida : es-
criptorio no Forte do Mattos n. 1._____________
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do sol esperado
at o dia 30 do torrente um dos
vapores da companhia o qual de-
pois da demora do costume se-
______ seguir para os portos do norte.
Desde ja reeebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada: encom-
mendas e dinheiro a frete at o dia da .sabida as 2
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oveira Azevedo A C______
Par* o Re de Janeiro
pretende seguir com muita brevidade o patacho
nacional fiegnlo, tem parte de seu carregamento
prompto : para o resto que Ihe falta e escravos a
frete, trata-se com os seus consignatarios Antonio
Lutz de Oliveira Atevedo 4 C, no seu escriptorio,
ra da Cruz n. 1._________________________
Lotera extraordinaria
Aos IfcOOOS e 2:000;5.
O abaixo assignado attendendo a boa aceilago
que leve a lotera extraordinaria, ha pouco ex-
trahida, e tambem aos pedidos de quasi todos os
compradores de bilhetes, devido isso ao excellehte
plano das loteras extraordinarias, approvado pelo
Exm. Sr. presidente da provincia, tem exposto a
venda os bilhetes da segunda louina extraordina-
ria, que correr no dia 6 de novembro prximo,
sendo a terceira parte da segunda da Santa Casa
da Misericordia, e espora do respeitavel publico a
comprados bilhetes, jiois assim contribuir para o
benclicio da Santa Casa da Misericordia, reuniudo
o til com o agradavel.
Os bilhetes e meios acham-se a venda na respec-
tiva thesouraria ra do Crespn. 13 e as casas
commissionadas ra da Imperatriz n. 44, loja do
Sr. Pimental; ra Direita n. 3, botica do Sr. Cha-
gas ; rna estreita do Rosarig n. 12, typographia do
Sr. Mira o ra da Cadeia n. 45, loja do Sr. Porto.
Os premios de 10:1KW* at 20* ser pagos lo-
go depois da exlraccaa ato, as. 4 hopas da tardece
os outros no dia seguiata depois da dtstribuigao
das listas.
Servindo de thesoureiro,
Jos Rodrigues de Souza.
----------------------~"----------------------1a^-f: mriiioi" a iuum u'ii r...-------,- ,s.ch i.
Precisa-se de um homem que entenda periei- (em de funecionar no anno que decorre di
ra da Senzala ,u,:,.
tamenle de refiuago : a tratar
Nova n. 2.
na
i. J.D14RTECOWBB4.
BENEFICIO DO ACTOR
l?/fc>*na. &nJtMio WJtnca
Sabbado, 24 de outubro.
Lofo qoe a orchestra houver acabado urna bri-
lhante e escolhida symphonia, subir scena o bel-
Araeal.v.
0 hiate Dous Irmaos, se*rue pestes dias a tra-
tar com o Sr. Joe Alves de Quintal no trapiche do
algodfl.
Para o Bio de Janeiro pretende seguir com
muita brevidade o brigue nacional Almirante :
tem parte de seu carregamento prompto, e para o
resto pie Ihe falta, trata-se eont os seus conslgna
tartos Antonio Luiz de Oliveira Azevedo, no sen
escriptorio ra da Cruz n. I.
D-se dinheiro a juros": no patee do Tergo
n. 12 taberna.
.Ata
Precisa-ee para casa de am homem solteiro de
urna ama que cozinhe, lave e engomme, nao se
quer escrava : a tratar na ra da Cadeia do Reci-
te n. 28.________________________________
A inda est por alugar-se o segundo an-
dar do sobrado n. 44, em a ra da Auro-
ra : quem o quizer dirija-se esta mes-
ma ra casa n. 10.
Aluga-se a loja do sobrado n. l>3 da na Im-
8erial, e o armazem a 4 da ra de Apollo : na ra
a Aurora n. 36.
REVISTA
DO
Instituto .treheelogieo e Ceo-
graphieo Peraanabueaaio
Siblicou-se o 1 numero (o de outubro da 1863.)
bscreve-se na livraria-de JosNogueira de Sou-
za ao arco de Santo Antonio, por Si annuaes, pa-
cos a entrega do Io numero. Nmeros avuso
" ALUGA-SE
A casa da ra da Gloria n. 5'2 : a ttatar-se no
Recite ra da Moeda n. 9 arnrazem. ^^^^_
Precisase fallar ao Sr. Leoncio Jos Theolilo
que veio da Bahia: dirija-se ao armazem de Tasso
Irmaos a fallar cora Raymundo Correia de Men-
doea._______________________________
Aluga-se o armazem do sobrado n. 3, da ra
da Moeda no Forte do Mattos.
m mulato corpulento, de 18 annos de idado,
e capaz de prestar-se a todo e qualquer service,
tambem se aluga na mesna rna da Cadeia. o. 24,
ou no pateo de Pedro II n. 34.________________
Vm sobrado de tres andares i
alngar-se.
Quem o pretender com os bons commodos que
teax, vista para a mar, perto da prega do commer-
cio, emftm na ra da Cruz n. 9 : dirija-se ra da
Cadeia do Recite o. 21.
1864.
Aluga-se a rasa terrea da rna da Gloria n.
116, com bons oommodos para grande familia,
pintada e ladrilhada de novo, e o segundo andar
da ra da Muiran. 35 : tratar com o Sr. An-
tonio Joaquim Ferreira Porto, na ponto >elha. on
na ra da Cadeia n. 12 com Miguel Joaquim da
Costa. _______ .,___________
Atagam-se tres casas tehft ns. 23, 24 e 25
na ra da Amizade, na Caponga. _eom commodos
para pequea familia : a tratar O* ra das Trin-
cheiras n. 1, loja de tartarngueiro. ^_________
Para passar a teaAa.
Aluga-se una casa terrea om aitos commo-
dos, quintal murado, concertada e pintada de no-
va : na ilha do Retiro, na Passafem da Magdale-
na
a tallar na ra da Imperas* a 40, toja.
bou \wm
Traspassa-se por 600* urna hvpothcra ja venci-
da, no valor de 7004, venceade os juros de 3 ttj>
ao mez, pagos adiantados aaensalmente, sendo
dita hyiiotheca sobre uw escrayo enonto, bonita
figura, idade 22 a 23 annos > *alf _f ^
motivo se dir a pessoa qiw qmzer tazer
gor io, annunciando por osle Diiirio.
Aluga-se uma casa
tratar com J. I. de M.
Trapiche, n. 84.
em llebiribe ; a
Reg, na ra do
*eH-ral
Daniel de Moura Pacheco e Francisco Jos Fer-
reira fazcm sciente ao respeitavel corpo conamor-
cial, que desde o 1. de julho do corrente anno que
dissolveram amigavetmente aoctedado de> que ta-
ziam parte, sobre a razia do Daniel Si Ferreira,
eslabelerida na serra de Luiz Gomes, provmcia do
Bio Grande do Norte, e declarara que a meema eo-
ciedade havta salisteito todos os seus detatas paa-
ivas. ________ n -
~ Aluga-se o prlmeiro andar da roa do Crespo
n. 23 ; a tratar na loja.
Na roa da Gloria a. 80, ha para
exwHonte molequei
alagar um
rrjTaco ver'ao reaaortavrt poaUre eue tam fle
fazer Sedado JteH &&
com Bernardiao Montero Rodrigues
todo aquello
quesSar erodar aa dBaBaAartJ, jppareea
noVpreso 'da tres dtas aflm de entnder-se rom to-
dos dous Recife 22 de oujbro do 1863.
dos ooiis. nev M(nocl Jv< rn^reira de Carvalho.
_. Precisa-sc alngar ura sitie oa casa que tenha
nuintal com alguns arvoredos e boa cacimba, seu-
do nos lugares scgulmes : Capunga, Passagem da
Macdalena, Soledade, onootroqnahfner lugar pr-
ximo do Recite: quam Uv ajwuacie para ser
procurado, ou dirija-se 4 tu das Trfncheiras, cas
de clKjneiro, qner quera precisai
- Atafa-se uma escrara para todo a aervigo de
casa, cozinha, engemma, o mwto fiel: na ra
do Imperador n. 80, tercelro andar-
______:



Diarlo dea-ernanaJkoeo ... SaMtado 4 *e Jtartubro 4e 1$S.
FAZENOAS DE BOM GOSTO.
PASA 7BSTID0S-
Superiores cortes de gergurao de-seda com flores masaflas os mais mefiernos que tem vindo a Pemambuco.
Ditas do moreantique fle cores, de* listas, de flores, e achamalotados, core* mu lindas.
Ditos de moreantique-pretos de patelas com barra.
Lindos cortes de greoadine de seda com barra e chale ifnal.
tos de laa com bam matisada-e tucos vestidos de blonde para iwiwa com lindas mantas de fil-de seda,de felona e com capella.
Ditos de cambraia Ijraacos bordadas a I2, 18*, 25{ e 35J cada corte.
. Lindas las lisas fioas.a 500 rs. o ovada-
Ditas de quadrinhos e-de flresaiOO, 500 e 600 rs. o covado.
"Superiores organdysoom lislas.de seda, os mais modernos que tom viadoa Pernambuco.
_____Lindas cassas de cores de superior qualidade a 400,500 e 640 rs_a vara; assim
Como um variado sortimento de percales, chitas francezasa 280, 320,400, 500 e 640 rs. o covado, eouiras murtas fazeadas rae
seriaBfadonho mencionar.
PARA HOMBROS DE Ni: VII OKA *
.' :.. '.:. : :'._ f.fH.1
Manteletes de seda pretos a *8.
Capas pxetas de grs a 255, 305 e 355. *"" '
Ditas muito superiores a 405,455 c 505.
Superiores santiemharques de easemira.
Hitos ditos de lindas lazinhas Usas e de quadros.
I*itos de seda pretos e de cores.
Dito de musselina de seda chineza.
Saperiores mameleves de torzal pnetos.
Liados chales de musselina e de chally matisados cem listas de seda. ,
Nows cuales de toncal e outros muitos artigos modernos.
PARA CABERA DE SENHOltA E 11E\I VOS.
Superiores enfeitesde flores, gostos os mais modernos era Paris, chegades pelo ultimo vapor francez.
Liados chapos de palha da Italia enfeitados com muito gosto, a Imporairiz ea Valeroy.
Ditos de palha para meninos e meninas.
Ditos de seda bordados.
Entremeios bordados largos e estrertos, tiras bordadas largas e estreita*, tiras de fusto bordadas para calcas de meninas, satas
bordadas e outros muitos artigos de gosto por precos mais commodos do que eni outra qualquer parte : na ra do Crespo n. 13, loja
das columnas de Antonio Corroa de Vasconcellos A C.
RFS
PRESTEM TODA ATTENCAO
PROTEJAM TODOS
satneouqEj sojou(3ui sop scSjoj se sepoj p oiubo 3 ousid cred seaisnH
i opcAOj o sooos k sajoa op scuij sesseo soiuapuoA
opBAoa o -sj 00y t smrj "sojod op wimosBo op strdeQ
opBAoa o sj o^g e sessey -so[|9q oiini sct| op sajjog
seiiuoq oimu sviiqQ
soiU|ed o op ajuciuej{{
oquij op cquciojg
oquij op soam3sa
cotrejq pas op
sopbaod o? o semeiu 'e||od -cii
srag sazoanejj saoiodcpejr-Bo 'opuoiq op sopijsoA soaju
SOCpoS|V I SOI|U|| MJ'|
ALUGEL.
Aluga-se por anno ou pela festa o sitio da Pitom-
beira no lugar da Casa-Forte, com boa casa com
muitos commodos, coxeira, estribara, e quartos
para fetor e criado.com muilas arvores de fructo e i,
todo murado, cacimba com muito boa agua de be- i }W0 rs> me,as cruas Para senhora a 320,
nova Expido w hiendas.
Baratissimas que se vendem.para apurar di-
nheiro, na loja.e arraazem da Arara, ra
da Imperatriz -n. 56, .loja de Lourenco
Pereira Mendos -Guimares.
Neste grande estabelecimento acha-se um
grande sortimento de fazendas, Unto para o
matto como para praca, adventindo aos
seus fregMezes que as fazejidas tem subido,
porm no seu estabelecimento cada vez ven-,
de mais baratissimo, na loja cima da Arara,
ra da taiperatrizn. 56. .
i Principia Arara, -cassas organdis a !00 rs.
Vende-se cassas organdis de quadros, cor
de caf para vestidos a 200 rs. o covado, cas-
sas francezas finas 240, 280 e 320 o co\a-
', do, pupelina de quadrinhos para vestidos de
senhora a 320 o covado: ra da Imperatriz
' n. 56, Arara.
Sedinhas da Arara a iCO rs,
Vende-se sedinha* de quadrinhos 4> de lis-
. tirinas miudas para vestidos de senhora e
| meninas a 560 o covado, lazinhas de qua-
drinhos a 320 o covado, ditas multo finas
I transparentes, fazenda negada neste ultimo
vapor a 400, 500 e 560 rs. o covado, desta
qualidade s tem Arara: ra da Imperatriz
n. 56, de Mendes Guimares.
Oulra pecliiucha na Arara a 240 rs.
Vende-se chitas francezai cores flxas com
pequeo toque de mofo, porm afianca-se que
logo que se lave flea limpa, padrees escure*
e claros a 210 e 280 rs. o covado, ditas lim-
pas, finas, a520, 36Oe400rs. o covado;
na loja da ra da Imperatriz da Arara n. 56,
de Mendes Guimar5es.
Arara vende as camisas para senhoras.
Vende-se camisas para senhoras com goli-
nhas e punhos, com botozinho e gravata,
fazenda vinda por este ultimo vapor a 44500
cada urna, golinhascom botozinho e punho
muito finas a 10000, gravatinha ou golinha
com botozinho para senhora a 320 rs.,
s na Arara vende-se capinhas bordadas
para menino a 10000 cada urna, entre-meios
e tiras bordadas para enf'ilar vestidos a
10000 e 10280 a peca; na loja da Arara,
ra da Imperatriz n. 56.
Rediohas da Arara para senhoras.
Vende-se redinhas para segurar cabello a
10000 rs., enfeites para cabeca de senhora a
RA DO QUEMADO N. 46
DE
FAZENDAS E KOI 1AS FEITAS.
SlTout^mel^^^ ^ cor de?! at
como sejam-calcas pa.etots e al^l^J^^SS^^ 7Z ft
e velludo de 40 a 90, ditos para casamento a 50 e 60 nalS ET Z casemT
e 50, calcas brancas muito nas a 50, e um grande sorU ide ramante \ **
nas,mple4o sortimento de casemiras ^^T\ZTtJ^ftl^ *T
de linho e algodao, chapeos de sol de seda, luvs desXe "detoStai hommTtf
nhora. Temos urna grahde fabrica de alfaiate, onde recebemos SSSdTrnSC.
obras que para uso est sendo. adminisada por um hbil mestre deTemelhante Xe ut
pessoa de mais de cncoenta obreiros escolhidos, por tanto executamos quEer c
prompdo e mais barato do que em outra qualquer casa. 4

com

ber, e tanque : a tratar na ra do Sebo n. 24.
sopBpjoq
SODUBjq SOpilSOA Op S01J03
fpk e sbiaad soio|oihbiv
BjnjB[ Biun op soepoiv
SOpBlS.IJUI SOBpoSlV
ciad t'f8s?
'9 'tfS 'fft op soo|(k1bpbpi
somis
SBpBpjOq SBjBS
OB|Bq sbbs
sonbjBqmoiies
SBiojd sBdeQ
BH
op eq|Bd op SBUi|3dBq3
oiso3 oijnui op sopdBqa
sepas
'BquBinonv 8
*SH1S SIJBJ BJJ01B|3UI Op BJUJIOJIP UI3 SBpUIA SBpUOZBJ Op 01U3HH1J0S OpBUBA 0 0||9q U1H
OBJBJjnoouo soxg aa iqB 'ojuoiupotoqBiso ouoq osso b sBJoquos -SBmxa mBfoioJd
avni'A S3W09 3sor
aa
l n odsor) op i;n.i i: sepuazej sp i|ii,mii!..i|.i.|i;|v 9|oe|jodiu; oy
oaoi iivr:iiofi
somaOxWHisa a soMVDnaiwMaad^
Maques sobre Portuga
O abaixe asignado, agente do banco
mercantil Portuense nesta cidade, saca ef-
fectivamente por todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
qualquer somma, vista e a prazo, po-
dendo logo os saques a prazo serem des-
contados no mesmo banco, na razio de 4
por cento ao anno aos portadores que as-
sim Ihe convier : as mas do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
Furtaram na noite do da 10 do corrente dous
cavallospcrtencentes aoDr. Francisco Caldas Lins,
do cercado de seu engenho Siqueira, na freguezia
do Rio Formoso, com os signaes seguintcs : um
mellado, cauda e dinas pretas, castrado, grande,
gordo, os quatro ps pretos at cima, sem anda-
res, porm de sella; outro rodado sujo, cauda e
; dinas pretas, bom lamanho, grosso, castrado, rela-
j do pelos pcitos por ter sido de roda, urna baixa
lencos de retroz para meninas a 320 rs, s
na Arara, ra da Imperatriz n. 56, de Men-
des Guimares.
Anda mais una pecincha na Araia a 20000 rs.
Vende-se cortes de chitos inglezas a 20000,
ditas francezas com um pequeo toque de
mofo, porm afianco que logo que lave fica
limpa, vende-se a 20500, cortes de riscados
suissos, com 14 covados a 30000, cortes de
. cassa de babados e de barras a 20000, para
! acabar, dilos de barras de seda a 30000 rs., |
ditos brancos bordados de groxe enfeitados!
com entre-meios a 40000: ra da Impera-;
triz, loja da Arara n. 56 de Mendes Gui-;
maraes.
Arara rende ronpa feila.
Vende-se calcas de meia casimira e de
brim a 20000 rs., palitos de brins de cores
a 20500, ditos brancos a 30000, ditos de ca-
simira a 40000 e 60000, camisas francezas
a 10600, 20 e 20500, ditos de linho de pre-
ESTABELECIMENTO COMMERCIAL
DE
ICALDERARIl E FUMIGO DE METAES,
Mito na ra do Brum n. lo junto
a fundicio do *r. Bowmam, perteneente a
VUIaca Irma fc c.
h h5?le f ?teIecimento encontraro os freguezes um completo sortimento
fund'Cao, e os abatxo asss.gnados que o dirigem, prometiera servir todas as
pessas que se d.gnarem de os procurar, com promptido, sioceridade e prt
co8 mutto rasoavets. O d.to estabelecimento estando montado em ponto
grande, tonto no que diz respetto a pessoal, como em materia prima, e tendo
nhr?LnHOC,a?;cP0?eeXCCUtar Com toda a perfeiclo e segufanca qualquer
obra tendenie as artes cima mencionadas e ahitamente pdem oabaixo as-
signados assegurar ao pubhco que nenhum outro estabelecimento lhe pode
fornecer mais barato e mais perfeito do que elles, visto que recebem de sua
propna encommenda todas as materias empregadas em ditos obras.
Alambiques simples e continuos de to-Sinos de 16 libras 8 arrobas.
ds os tamanhos e dimences. Parafuzos de bronze e ferro para ro-
Matbinas de cobre para destilar e res- das d'agua
tilar espirito at 40 graos pelos sys-. Torneiras de bronze e bronzes para
temas de Logier e Derosne. | engenho
Carapucas e serpentinas de cobre, e Encanamentos de cobre e chumbo de
estonho, avulsas. todas as grossuras.
laixase tochos de cobre para engenho Bombas para cacimbas, aspirantes e
e renaco. | de repucho.
Paroes de cobre e todos os cobres ne- Bombas para destilacoes.
cessanos para o fabrico do assucar. Ditos para regar jardins, hortos e
Cobres para rodas de moer mandioca.' capim.
Machinas econmicas para lavar roupa Ditas para navios e barcacas de varias
o melhor possivel. | qualidades e dimences.
Cobre em lenfol e arrodellas, estonho em barrinha, clmmbo em barra,
lencol e canos de todas as grossuras.
Villafa lrmao & C.
em um dos lados das costellas, meio corcunda e de ca lar^a a 33000 sprnulas dp hraimnto Hp
I carga : quem der noticia dos mesmos cavallos ou! f r" ,S os entregar a seu dono no referido engenho, ser a|gaa0 3j0oOO, d,(as de linho
Foimu do iiounivitii do
BRUM IV. 38.
SEGUROS DE VIDA EM MTUALIDADE.
A direccao do BANCO UXlAO tendo obtido do governo de S. M. F. a autorisaeao para estabele-1
cer o seguro de vidas em mutualidades, faz publico que desde j toma subscripcSes nnaes or urna' mTLomPra;se u,n cabnoiet americano, novo, ou
s vez, dcbaixodascguinloscondicoes : PV s recompensado com a quantia de 50 a 1000.
Este muito acreditado estabelecimento est prvido de um completo sortimento
a 20, gra- machinismos proprios do fabrico de assucar, a saber:
de
COMPRAS.
Compra-se uma mulalinha de 10 a 14 annos:
na na de Santa Tliereza n. 58.
Compra-se um torno em bom estado
tica da roa do Cab g n. 11.
nabo-
Quem tivcr para vender uma casa terrea no
bairro da Boa-Vista, com bons commodos e bem
construida, dirija-se ra da Imperatriz n. 47, ter-
ceiro andar.
Com perda de capital e lucros;
Dito capital smente;
Dito lucros sement;
devendo a prmeira liquidadlo ter lugar no Io de Janeiro de 1859. .
As vantagene do emprego de capitaes em mutualidade, sao obvias, porque nao smente se co-
in o juro de quantfas diminutas, de que vulsas se nao poderia tirar nenhum resultado; mas alm
disso, <-ste rendiineato augmentado pelo capital ou lueros, ou ambas as cousas, conforme as condicoes
da subficripcao, dos que fallecem. Tambem partido pelos socios sobreviventcs ludo aquillo que os' so-
cios marosos nos seus .pagamentos, sao por este motivo obrigados a pagar, bem como caducidades oue
occorreem pela falta de cumprimento do compromisso social.
As liquidares sao pelo systema das companhias hcspanholas, Tutelar e outras ; e para se poder
fazer uma ida do que pode produzir uma entrada annual de 105, publica-se a seguinte tabella basca-
da sobre a experiencia de muitos annos decompanhias desta natureza :
Em 5 annos Em 10 annos Em 15 annos Em 20 annos Em 25 annos
na ra do Imperador, sobrado n. 55, segundo an-
dar, ou no escriptorio do tabelliao Almeida, na
mesma roa.
Compra de oseras a.
Precisa-se comprar uma escrava de bonita figu-
ra, e que seja moga : a tratar na ra do Hospicio
numero 62.
1105
905
Por um menino de 1 dia a 1 anno
> de 1 ino a 2
> de 2 j a 8
> > de 3 a 4
- > de 4 i alS 865
Por uma pei*oa de 15 20 > 865
de 20 a 30 865
> > de 30 a 40 865
de 40 a 50
3005
2905
2805
2705
2705
2705
2705
3005
9Q0|
7505
7205
7105
700|
7005
7105
7205
7505
2:
1:7005
1:6005
1:5605
1:5505
1:5405
1.5605
1:6000
1:8
4:7005
3:7005
3:5005
3:4005
3:3505
3:3305
3:4005
3:7005
5:0005
Um preto.
Compra-se um preto de 35 a 45 annos de idade-
na ra do Crespo n. 17, loja.
As entradas por uma s vez dao resultados muito superiores s annuaes.
Porto, 10 4e agosto de 1868.Os directores do Banco Unio, Jos da Silva lachado.F. U van
der Niepoort.
Agentes era Pernambuco : Antonio Luiz de Oliveira Azevedo 4 C, ra da Cruz n. 1.
ixio mi
ESTABELECIDO NA CIDADE DO P.QBIO
Agentes fuij'ernainbuco
Antonio i.ii \t de Oliveira
Azevedo C.
.-Sacam por todos os paquetes sobre .-o
jiies/no banco prazo ou i vista, sobre a.
caa filial em Lisboa, e gencias em F-
guejea, Coimbra, Aveiro, Vizeu, Villa-'
Real, Itegoa. Viaona de Castello, Guima-
res, Barceos, Lamego, Coilha, Braga,
Pehalu}, Bragan^a, Amarast, Angra,
llha p. Terceira, liba de Faias, liba da
Madeira, Villa do Coade, Valeaea. Bastos,
Ohveira e Aiemei, Chaves e Fafe, a
oito dia *isu ou ao prazo que se onvn-
/4onar,no^eu esenptoro roa da Crai
a. A.
Precisa-se de uma ama forra para o servico de
urna casa de pouca familia : na ra do Queimado
n. 39.
ttltio 'ni faboato.
AJuga-se um sitio defronte da barreira com
grande casa mobiliada, caiada e pintada de novo.
Outro nos Remedios
com giande casa etc., defronte da igreja e ambos
a trataraa roa da Cadeia do Itecjfe n. 4.
Quem precisar de uma ama de leite sem fl-
ho, vinda do mato, dirija-se ra das Flores nu-
mero 19.
Precisare de um menino dos ltimos chega-
dos 4o Porto, sibendo 1er e escrever : no pateo do
Targo j. ,141. "^
No l-rgodo Faraizon 26conipra-se
urna escrava que seja sadia e uma uc-
griuhade 12 a \i anu-s
Compra-se um mulato, bonita figura, proprio
para pagem de 16 20annos, um molcque tambem
bonita figura, de 10 12 annos, uma preta que
saiba bem cosinhar e engommar, e uma dita com
uma cria,, que saiba cosinhar: na ra da Cruz
sn.l.
a?'a l ???,' PfeAsnllc0meeias a '5o Machinas ^ vapores as mais modernas e maisacret
in? i- i W' J ** : rua da Rodas d'agua de ferro com seus pertences.
Imperatriz, loja da Arara n. 56. Moendas e meias moendas de ^ os ^^^
Cortes de la a 3#C00, A$ e 5# rs. 'Rodas dentadas, angulares e de espora.
- Vende-se ricos cortes de laa de quadri- Taixas de ferro batido e coado.
hh06 a 3#t0(), i( e 5)3 cada corte, s na Boccas de fornalha pelo novo systema Wetson.
Araran rua da Imperatriz, loja da Arara Alambiques de ferro fundido,
n. 56.' Fornos para cozer farinha.
Arara vende ricas eolias anudadas a 8^000 rs. Moinhos para moer mandioca.
Vende-se ricas colxas aveludadas para ca- Arados americanos, etc. etc.
ma a 8?, ditas de fusto a 5$, ditas de da-________
masco "4i?, cobertas de chita a 2*000 ; rua
da Imperatriz, loja da Arara n. 56.
Lencos de seda da Arara a 800 rs.
Vende-se lencos de seda fino, um s a
800 e 10000, ditas com franxa a l#500,
chales de merino estampados a 30000, ditos
finos a 50, 60500 e 80, s na Arara; rua da
Imperatriz n. 56.
Balos de arcos americanos a 30000.'
Vende-se baloes de arcos americanos a 30
30500, 40 e 405OO,baloes de panno-a 30500,
ditos brilhantina a
i
.1
ERVADOR
DE
Compra-se eftectivamente ouro e prata em
obras velhas : na praga da Independencia n. 82 1-
ja de bilhetes._______
Compra-se um mulato, bonita figura, proprio
para pagem de 16 20 annos, um moleque, tambem
bonita figura, de 10 12 annos, uma preta que sai-
ba bem cosinhar e engommar, e uma dita com cria
que saiba cosinhar; na roa da Cruz n. 1.
Compra-se cobre, Jatao e chumbo: no arma-
zem da bola amarella no oitao da secretaria de po-
licia, rua do Imperador.
Compram-se barriquinlias que serviram de
bolachinha americana a 500 rs. cada uma : na
ravessa da rua das Cruzes taberna n. 6.
KDWm 3* !D3 SIT! N. 21LARGO DO TEHQO -N. 21
O proprietario deste bem sortido armazem de molhados vende os seus gneros j
, s na Arara vende- bem conhecidos de primeira qualidade, e por isso caprichou de escolher, para bem servir
se pecas de madapolo enfestado fino a 40, aos seus freguezes, mandando vir a maior parte do seu sortimento, para o que tem pessas
ditas de 14 jardas fino a 50500, 70 e 80, encarregadas para este lim, eos pode vender por menos de 10 a 20 % do que em outra
algodao cncorpado a 40, 40500 e 50000 rs., nual s na Arara; rua da Imperatriz, loja e ar- Verdadeira genebra de Hollanda em botijas de conta certa a 400 rs.
mazem da Arara n. 56, de Lourenco Perei- Idera de laranJa em frascos grandes a 1,000 rs. e >ie Hollanda a 500 rs.
ra Mendes Guimares. Caixinhas com 8 libras de oassas de carnada a 2,400 rs. e a libra a 480 rs.
Casimiras da Arara.
Vende-se ertes de
Velas de espermacete, carnauba e
10,000 rs.
composicao a 63o, 44o e 36o rs. a libra e a arroba a
limeno^Z^S,^^ Pa,itosd0 *azsem avaria a 2>300 rs- agroza 2oo rs. o maco.
das melhores marcas F. L. P. a 4oo, 5oo e 56o rs.
4,ooo rs.
Preeisatse.de uia ama de leite que no
nha filho: na roa Directa n. 4, segundo andar.
Fallencia.
_Os Srs credores de Guilherme Luiz de Almeida
saoeonvjdados a trazerem seus ttulos aos admi-
lustradores oa rua da .Cadeia n. 57 para o dignas-
te, to no art. 59 do codgo.commercial. P
Aluga-e o sitio da senhora viuva Carvalho,
em S. Jos do Manguinhe, com boa casa de sobra-
do, esteirada, quarMjs para criados estribara,
frncteiras, baixa deepim: no mesmo sitio se dir
quem trata do aluguel.
O bacharel Francisco Gomes Vellosa de Al-
Uiquerque Lins teto o seu escriptprio de advoca-
ba aa roa do Queimado n. 41, orimero andar.
it este para a praca do Pedro D. ^
Ka rua do Qaejmado n. |
deseja-se fallar aos Srs. Gabriel Germano de Aguar
2?KS0y08 0flqUai Ribeiro de Agolar "Sw-
C oiupaulila OdelIdade de
segaros marltlnos e ter-
restres estabeleclda no
Rio de Janeiro.
AGENTES BM PEPNAMBOCO
Antonio Luiz it Olivrira Aievedo & C,
competentemente aulorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguro de navios, mercade-
ras e predios no seu escriptorio rua da
Cruz n .1.
- Compram-se duas negras perfeitas cozinhei-
ras e engommadeiras: na rua de Apollo n. 84'
segundo andar. _________
Compra-se cobre e lato velho
na rua da Cadeia do Hecife o. 36, pri-
meifo andar.
_ Compra-se uma casa terrea de boa construc-
cao, situada em alguma das principaes ras desta
cidade: a tratar no escriptorio de Manoel Ignacio
de Oliveira 4 Filho, no largo do Corpo Santo nu-
mero 19. ^
o covado; na loja da Arara.
Ar Vndete "pStTJiSSlX^ 5a?1? 1fsembarcadas uUimament a 5o a ** e a arroba a 2,8oo rs.
nhosTcres oanels a 2T00 a eca ES" ?,ach'nhas americanas a 2,ooo rs. e 3,5oo rs. a barrica e 2oo rs. a libra.
Ma HaX HU^L^kZ'- ^J de Sba 3'0 rSj ^a,a0',e a J rs" a en-
tinados de 20 varas a 84 dita* do ivl Q"?,J0S do rem0 os mais novos do merca a e cortefde m*L nalmas sol "h alpisU mais ,imP que ha a 5' n> a arroba a ,G0 rs-a libra-
1 palmas sol- Manleiga ingleza peritamente flor a 800
5oo rs.
a garrafa e a caada a 2,800 e

tas COm 1 vara de. larmira a SA M Arara '"""^'S" 8"=/- pe iciwuieme hu aouuea /zu rs
ru da taoeratr z n 56 1 ]*m franceza- muit0 suPerior' a 56 rs- a libra e
rua da imperatriz n. 56._________ l Cj!f do Rjo da t e 2/ mUj ^ g 32Q rs g ^^
ewmW5fe um ^''rocom praticadeti
W a tntof na rua do Amorim n, 36.
_. Tomjni.iiA.
nnge-se com perfeicfio ara qualquer
nJi om/ barato poaeiveU M rua do
ngel n. 38, secundo andar.
Aluga-se a east terrea da roa da Alegra p.
42, com muitos commodos para familia; a chave
aeha-se na taberna da rua Velha n. 33 : a tratar
na rua da Cadeia do Reeife n. 47, loja.
VENDAS.
Camisas de 13a (flanela) de
barato preco de 550 a duzia
uma: na rua do Crespo n. 4.
Cbegado pelo vapor:
S para o vigilante, rna do Cres-
po n. 9.
At que chegaram as muito desejadas cascarri-
Ihas de todas as cores com uma lltinha de velludo
no centro, cousa muito elegante para enfeite, assim
como de outras qualidades, e precos muito razoa-
vels : s no vigilante, rua do Crespo, n. 7.
Para dar de mimo.
Chegaram as riquisslmas nonecas de todos os
tamanhos, vestidinhos.ricamente enfeitados, cada
um em sua caixinha, propriamente para um deli-
cado mimo, por baratissimo preco: s no vigilan-
te, rua do Crespo a. 7.
Para os sentares tachareis.
Chegou tempo a riquissima Ota de chamalote
e a 720 rs. a libra.
e em barris a 540 rs. a libra.
., e a arroba a 8,800 e 9,000 rs.-
| Cha de primeira e segunda sorte a 2,8oo 2,5oo e 2,ooo rs. a libra.
Tjjolo francez de grande tamanho a i 4o rs. cada um. e a lm dos gneros annunciados
ha outros muitos que enfadonho seria nenciona-los: vende-se dinheiro vista.
FITWDIAO
DE '
Vende-se uma n.gra boa quitondeira, e por
Pfeco commodo : ua rua do Queimado n. 2, loja
aopTguica.
Aluga-se uma casa com sotao, no sitio do Cor-
deiro, i margem dorio Capibaribe, com commo-
dos para grande familia, cozinba fra, quartopara
criado; estribara para seis cavallos, coeheira para
carro, etc.; uma dita, tambem margem do rio,
com commodos para familia, o estribara para 4
cavallos : a trawr BO pateo do Carinp p. 15, '
Fardo.
vende se um completo fardio da guarda nacio-
nal do 3. baulhao, por preco razoavel, e uma bao-
aa para o servico ordinario; na rua da Cruz, ar-
mazem n. 26.
eovad
o.
A240rs
Grande sortimento de cambraia de fr flxaj a
M rs. p cavado j na rua do Queimado q. #, es-
quina que volta para a Congref aolo.
DE
FRANCISCO ANTONIO CORREIA CARDOSO,
Rua do Bruna, IV. 8. 7
Acha-se novamente aberto este anligo e proveitoso estabelecimento, prompto para
para cartas dos" senhors hachareis, assim coio executar quaesquer encommendas de ferro fundido, balido ou de bronze, moendas para
- engenhos, com vapores ou sem elles, tudo com a maior promplidao, perfeic5o e com-
modo preco ; tem varias obras promptasda melhor e mais solida construcc3o que p-
dem ser vendidas por metade de seu valor, como sejam:
Moendas inteiras e meias ditas de varios tamanhos, para engenhos.
Portas d'aguas guarnecidas de bronze com parafuzo de rosca quadrada.
Rodas de espora, carretas e rodelas angulares.
Parafusos e cayilhes de ferro ou de bronze, rosca quadrada ou singela.
Agulhoes fundidos de azas e batidos para rodas d'agua e ebumaceiras com bronze,
Bronzes e torneiras de todos os tamanhos e qualidades.
Taxase fundos de alambique, de ferro fundido, de varios tamanhos.
Cnvoso portas de fornalha de varios tamanhos e qualidades.
Uma machina de destillacio continua do autorCollares.
FogSes americanos econmicos para casa de pequea familia.
Fornos de fazer farinha.
Tubos de chumbo de todas as grossuras.
Cobre em arrobas e folhas. dito, dito.
Folha de Flandres em caixas, bom sortimento.
Chumbo em lencol e era rolOs de diversas grossuras.
B uma grande porcao de pecas de obras tanto de ferro fundido como batido ou de
enfadonuo annunclar.e vutTdoi"thgam^m^Dronze que seria enfadonho descrever.
mette-se fazer JodQ p flegoejp; s no vigilante, rua j Espera, pos, o proprietario deste estabelecimento
branca, lisa, propria para abrir letras, (
sintos : s no vigilante, rua do Crespo n. 7.
Pontea de niarrafa.
Tambera chegaram os riquissimos pentes de
niarrafa com pedrinhas,os lindos pentes de regaco
para meninas, meias de seda e sapatinhos proprios
para baptisados, meias de seda para senhora, Atas
de laa para debrum, lita de linho, trancas de lia,
de linho e de seda, luvas de seda e pellicaVe fio de
Escocia e camurca, alfinetes de cabeca chata, car-
cirinhas com todas as agulhas precisas para eos-
tura livelas de madreperola esmaltadas de ac
m ITcf?! flrf de daa? cualidades, caixinhas
com paslhas de perfumara, abafadores de laa
para senhora, toucas e sapatinhos de la, pulseiri-
Sfw ,?r"cha ^ra w manguintoi, iuse
cordes de borracha, sabonetes redondos; ditos
chamados de familia, pomadas de todas as quali-
dades e dos fabricantes mais afamados, clcheles
pratiados muito finos, retroz de todas as qualidade*
retroz em carretel e em novello,- e de meada de'
todas as cores, escovas para dentes, ditas para*rou-
pa, ditas para chapeo e dis |>ara unha, de todos
os precos, e outros mais objectos, que se tornara

prestar* toda sua confianca e attencio.e
quo o publico serapre benigno



Diario le Pemambuco Sabbado 94 de Outuhiod i83.
ln *

GRANDE EXPOSiglO
de faiendas barassimas que se ven-
de para liquidar; na loja do Pa-
vo, ra da Imperatriz, i. 60.
o covado; fasto para vestidos e roupinhas
de meninos, a 320 rs. o covado; alpakin oh
gurgurao de linho, a 260 rs.; ganguelin,
umas cor, a 20 rs. o covado; toalhas de
linho adamascadas para rosto, a i; vestua-
rios para meninos e meninas, a 10600 e 20;
tiras bordadas e ntremelos, mais barato que
em outra qualquer parte: tudo isto pe-
Jh_incha e vende-se para liquidar: na ra da.
e armazem do Pavao
Neste estabelecimento acha-se um grande
e variado sortimento de fazendas, tanto de v
luxo, como de primeira necessidade, pro- imDeratri7 n i in;!
prias para a praca e para o matto, que se de Gama A Silva
vendem por procos muito resumidos, de lo-1 r.r.j..-i i.. ,, _*
das as fazendas d5o-se amostras, deixando v w *!esal:f0r87n ,lojatdoP,T*\A
pcohor, ou mandam-se levar era casa to'fa^^t^f^ffi^.^
familias para escolherem, pelos caixeiros da ^EVol ^S0?' ^ e Hk S0
loja do Pavao i J Pav3 rua da Imperatriz n. 60.
.Para lato vende-se na loja do
Lias com palmos de largara i'avo.
na toja do PavSo. i#4<>o Vendem-se flnissimo selim da China, fa-
Vendem-se laazinhas transparentes de urna! zeda sem lustro, proprio para vestidos de
s cor, e vestidos, tendo 9 palmos de largura, pelo tendo esta fazenda 6 palmos de largura e
baratissimo preco de 1)5400 o covado; s sendo muito leve, vende-se pelo baratissimo
na rna da Imperatriz n. 60, lojado PavSo. I preco de 20200 o covado, garantindo-se que
* i*i v n vendo i-ib j m ----- 'n5ose torna ca, e vendem-se nicamente na
de laranrl ^ rPa m8, do Pavio' n,a da ,mPeratriz n" 60:
tas matisadas, fazenda muito Ona a 500; di- JefiaSS s ImPeralnz 60,
tas garibaldmas a 440 rs.; ditas de qua- iue uama a-
Sh .ri? lY ^' Vende-se<*" aSba'em saccas, por
rua da Imperatriz, n, 60. de GnmarSes d preco muito em conta, ou mais barato do
qoe em outra qualquer parte : a tratar na
Laazinhas a tOO rs. o covado. rua da Imperatriz n. 60, loja de Gama &
S PavSo. Silva,
Vendem-se I5as le cordSozmho proprias! Sedas de quadrinhos a 800 rs. s o
para vestido, sendo muito boa fazenda, com Pavo.
as creseguintes : atvadia, cor de caf, r5xo I Vendem-se as mais delicadas sedinhas dequa-
escuro, laro e pretaS; proprias para luto; drinhos, muito miudinhos, sendo proprios para
ditas transparentes com patarinhas. nelo ba- vesti.dosde senhora e roupinhas para meninos e
ratonrm dp 280 r rtii infi.li Aa meninas, sendo fazenda que sempre se veadeu a
nV^w un '"(estadas de 15500 e torra-se a 640 e 800 rs. o covado, e sedas |
quadres a 28(J rs. SO Ba rua da Imperatriz, brancas lavradas, proprias para vestidos de noivas
n. 60, loja do PavSo.
GRANDE PECHINCHA
a OO rs. aa loja do Pavo.
Cassas a 2i0 rs.organdy a 2-fO rs.
Vendem-se muito bonitas cassas francezas
a 240 rs. o covado ; organdy matisado, pa-
drees muito bonitos a 240 rs. o covado;
ditos, fazenda finissima que sempre se ven-
dea s 0OOO a vara, liquida-se a GOO xs. a
dida, ou 360 rs. o covado, por haver grande
porfao : na rua da Imperatriz, n. 69, loja
do Pavo, de Gama & Silva,
Xova pechincha de cortes de
ambrala na loja do Pavo.
Vendem-se cortes de cambra i a brancos
com babadosa 25300; ditos a 3000; ditos
a 4,5000 ; ditos cliinezasa 4000o ; pecas de
cambraia transparentes, adamascadas, pro-
prias para vestidos, tendo 8 varas e meia a
33000; ditas lisas brancas e de cores a 20500,
35600, 30500, 45000 e 35000 j pecas de
cambraia de carocinhos tendo 8 varas e meia
cada urna, sendo brancase de cres,a 305OO;
ditos a 25300; pecas de cambraia para cor-
tinados, sendo tapadas e transparentes com
20 varas cada peca a 95000, sto tudo para
apurar dinheiro: na loja do Pavo, rua da
Imperatriz, n. (0, de Gama Silva.
O Pavo vende ehales
SEM Si:<-1 MHK
QUINQUILHARIAS.
Ruado Queimado, ns. 49 e 55, tojas de
Jos Bigodinho, queiram ver ver as fazendas
que abaixo annuncio, pois todas eu garanto
que sao muito novas e barassimas.
Pecas de trancas de algodao de to-
das as cores a ...... 80
Duzias de lionas com 200 jardas, A-
lexandre, a..... 15100
Carrilel de qualquer numero 100
Varas de aspas para balo 80
Caixas com superior obreias a 40
Ditas de colla....... 80
1 libra de 15a sortida.....45000
1 libra de la muito superior em co-
res e qualidade......75000
Pares de boloes de punho a 120
Pares de sapatos de tranca .15280
Dites muito superiores, a 15600
Caixas e pacotes de papel amisade de
cores a. ."..,'... 600
Duzia de meias muito finas para se-
nhora a........35500
Duzia de ditas cruas para homem a 2*400
Daralhos muito finos para voltarete a 300
Carriteis de linha com 100 jardas a 30
Carloes de linha branca e de cores a 20
Novellos de linha com 400 jardas a 60
itos muito grandes com 800 jar-
das a .......f2o
Cartoes de linha com 200 jardas (est
se acabando a...... 60
Vara de fita prela com colxetes para
vestido, e tera um resto parda a 100
SaVIMb
SEJ?I m:<. f \ DO.
Objectos de tintara e msica.
Na rua do Queimado, ns. 49 e 55, est
a 800 rs. o covado : s na loja do Pavao, rua da quemando tudo pelos precos abaixo decla-
tmperatri n. 60, loja de Gama & Silva. rados, e prestem toda a altencSo para ver
Ricos vestidos de Southambac, vende o que bom e barato.
O Pato. | D?2'3 de facas e garfos muito finos a 25500
Vendem-se os mais modernos vestidos a Sou-, D'ta dita dita de Cabo preto muito
thambac, com barras de seda peto diminuto preco finas a 35200
fmSSadTeGa^'stvad0Pav50' "" ta ?la dila dila de Wanjo, melhor,a 55500
raade pechincha de l.s a (^T .para .C0^lu"' mUfit0 fi"
a Yendem.seasa?s'derrfs*.aazinhas matisa-! 5!;*f SS SS*'*" "
das para vestidos de senhoras* meninas pelo ba- ^artas,?e al,|netes de ferro a .
ratissimo preco de 320 rs. o covado, por ter che-. Ditas ditos de ialo muito finos a
BAL
AttencSo!
Posto que domine no cora-
co do BALIZA a mais bem en-
tendida ambico de tirar de
seu negocio as melhores van-
tagens, com tudo elle nao pro-
cura fazer fortuna vendendo
gato por lebre;
Quando nao se negocia aea-
nhadamente, est bem ao alan-
fe de todos a facilidade de fa-
zer-se boas compras, para ven-
darse barato.
Lciam todos.
Ao armazem do BALIZA po-
dem ser devolvidos quaesquer
gneros qne por ventura nao
sejam do contento dos senho-
res compradores. Nao fica
resentimento algum em se tro-
car por outre, ou restituir-so
o dinheiro recebido,
Manter a todo o custo o seu
crdito, e agradar aos seus a-
migos e freguezes, todo o
desejo do propriotario deste
estabelecimento.
LEDE! LEDE! LEDEt
emrpre a trente do progresso,
onstaoiv niaretta o BALIZA,
Tem por norte o bem commiun.
A verdade por divisa.
ftMAIDE
400
400
80
40
Rado urna grandeporcao desta fanda loja do Ditas de dito grandes .120
m como se vende outras mais finas com Caixas de phophoros de pao .' 10
25200
200
160
160
d;senhos miudinhos a 360 rs. o covado : s 1
loja do pavao rua da Imperatriz n. 60, de Gama j5ro?a ,de d.l,os do 8az a
& Silva.
Um Descobrimcnto Espantoso!
0 Mundo Srk-Bfleo nnanimamente o approva.
Duzia de dito dito a
Massos de palitos para dentes a .
! Abotoaduras para coletes a .
Escovaspara roupa.muito finas a 400,
500e ;......
OL H t DOS
jsS
55000,
65000.
A 25000, 25500, 35000,
75000, 8,000 e 105000.
Vendem-se diales de merino estampados,
claros e eseuros a 25; 25500 e 35000; ditos
muito finos de todos 'os.precos e qualidadcs,
tanto de pona redonda como quadrados;
assim como finissimos chales de crepon com
cores inteiramente novas e ricamente bor-
dados a matiz, sendo chegados pelo ultimo
vapor a 105000 ; ditos de pello, bordados.
.1 5 s na loja do Pavo, rua da Impera-
triz, n. 00.
Aseasen! i ras do Pavo infesta-
das a lBOO.
Vendem-se casemiras francezas enfesta-
<3as, proprias para ealfas, coletes, palitos,
e capa para senhoras, por ter de urna s
e/w, sendo fazenda que sempre se vendeu
a 35000. liquida-se a 15000 o covado : s
na loja do Pavo.
Grande peliincha eui chapeos
de sol na loja do Pavo.
Vendem-se chapeos do sol, a ingleza, sen-
do cobertos de linho e forrado de verde, pro-
prios para senhoras que forem passar a fes-
ta, ou para meninas levarem para a escola,!
pelo barato preco de 1500 ; ditos marque-
zinhas, de seda com franjas e cabo de do-
blara 35000 ; ditos de seda para homen6,
sendo com armaco de balea a 65 e 75, isto
para apurar dinheiro ; s na loja do Pavo,
rua da Imperatriz, n. 60.
Caxemiras da escocia a 3$000
o corte.
Vendem-se corles de caxemira da Esco-;
cia, para calcas, pelo barato preco de 25,1
tendo da mesma fazenda para vender em:
covados a 580 rs., sendo esta fazenda mu-
to eheorpada a imitaco de caxemira, e ga-l
rante-se que nao desbota. Tambem se ven-'
dem corles de caxemira ingleza, decores}
escuras para calca pelo barato preco de
15800 cada corte, ou a 500 rs. o covado
800
A Coni|?0Nkao naialiiiifa
"eslora!! de Keinp.
Por 6?paqo de muito lempo so b:i uzado ci-
tonsaiBcnte em Tampieo para a enra de
TSICA PULMONAR,
CATARRHO, ASUMA,
BRGTCHITE, TOSSE CONVULSA,
CRUPO OU GARROTERO, e
Infiamma^oes da Gargcata e do Peito,
e isto com um resultado tito fc-]z e verdade-
rameate assomUroso o pao ou madeira d'uma
srvoae A que cIain.To Asacaiiuita, c que so
se euconra no Kexieo.
ACompos9o Anacahuita Peito-
ral de Kemp e' uoi Xarope delicioso, intei-
ramente differente i}i nu composi^o de
todos os mais PoitoracE e Expectorantes ma-
nufacturados de fructos astringentes, cascas
e raizes, &c, o nwsmo mo contera nenhum
Acido Pru-uico ou ontrn /paesquer ingre-
dientes venenosos.
Todas as molestias c aflec5 da garganta
e dos pulmocs desapparecem como por um
mgico encanto, mediante a aeco deste n
loniparavel e irresistivcl remedio.
HW9 HKUL\IIO.
PECHINCHA.
Perfumara de superior qualidade.
O rival sem segundo, rua do Queimado,
ns. 49 e 55, est disposto a vender mais ba-
rato que nunca vendeu, para o que queiram
ver :
Duzia de sabonetes finos a 720
Sabonete inglez, o melhor, a 16o
Frascos com agua de Colonia muito
'ina a.......t 400
Ditos de dita grande a 500
Ditos de Lavande ambreado, ome-
! Hior, a ........500
Ditos do macaca oleo muito boma 100
Ditosperola muito superior a 200
Ditos de oleo de babosa a 240, 320.
400 e......... 500
Ditos de banha branca a 320
Dito de cheiro muilo bonitos a 500
Ditos de banha, pequeo, muito fina
,*....... 200
Di tos de opiata a 2^0 rs., e boa a 900
Ditos de banha japoneza a 800
Ditos de banha transparente a 720
Ditos de oleo filoconne a 800
Largo do Livramento ns. 3* e 38 A
Defronte AO HESPEITAVEL PUBLICO
Senhores t senhoras
d-tar^fS?T! Wrietari0 d0 pande armazem do atiza toma a liberdade de mandar
declarar do alto fe aprensa peraambncana, .que lio peritamente liberal em offerecor aos seus
benvolos freguezes as melhores qualidades dos mais bem escolhidos gneros, nao s do paiz como do
estrangeiro a precos do contentar esatisfazer a todos. F
Fazendo taoiwblico e espontaneo manifest, o referido BALIZA julga de seu rigoroso dever
declarar mu sena e punitivamente ne sta oportunidade, que Umibem o mais firme e dedicado conser-
vador de sua numerosa freguezia. bei
Da-boa qualidade e barateza dos generas-ofleoecidos aos seus freguezes, junta ao pequeo lla-
nto que taagan si tem sabido fazer o BALIZA a maisperfeita liga de interesses recprocos, que ato-
fes as constancias deve por forca e n'ecessariamente agradar. 4
*naiTSfnPr conwniente ^nbem a Public^cao do seguinte aviso, o BALIZA faz saber nicamente
S K^uc elle"6 SemFe PrmPtaS 3 COmprarcm tU(,0> ccm tant0 ^ '"es permita pnga-
NO VENDE FIADO.
JLEIAxW TODOS.
res freg^K^ fodem osenho-
-. do ^ento^re gaznar multo pouco, &^^Am^^
'M1
o ho-
w$mm
RIVAL
SEM SEGUNDO.
Objectos diversos.
Rua do Queimado, ns 49 e 55, vende os
objectos abaixo declarados, pois para aca-
bar; estes precos nao sao para continuar,
masas nesessidadesassim o permilte.
Pares de luvas dealgodo finas a 80
Caivetes de aparar penas, de I fo-
l^a ,......... 80
Ditos de 2 ditasa......160
40
360
mKmkmSMmmWW^Sm
Caixas de colxeles francezes a.
Duzia de dito francez a .
Massos com grampos lisos e de cara-
col a .......
A venda as boticas de Caors ct Barbn, Duzia de dedaes de melal em caixi-
1 Cruz, e Joao da C. Bravo &.C., rua i nha de vidro.......
Tinteiro de vidro com tinta superior
Cal de Lisboa
no arniaem de feimares k AlroXora-
do na rua do Amorim n. 54,110 Ret-jfe,
vndese harriscom cal novanipedra WKS^I^
cegados hoje de Lisboa no patacho VAM KBAlMia
Hariada loria, urna nova que existe on<' r,aPas,ada> coragem! parece'queja
no mercado ^T9tes ^s vosfs J0anetes aos duros sei"
xos do pessuno calcamento da nossa cidade I riores%sioiras rfe diversas K
ao se observa em vossos ps botinas acalca- as naes se vendem por commodus
nhadas e gastes at ultima sola; sapatoes
rasgados e quasi sem saltos.... nem tanto 1
a quebradeira nao deve chegar at este pon-
!^O- >^5 C3 T -i g
S^S^coot? sr r5 as o o M s
O e S
" P fcr c
2*2
3
t' B.5
- w S. W-ig
-. O O X
3 sr D b
J n? o o
es m

fg.8rs.s
C vi
t%
CD
*
S" w sr
a."
j-
pa
$y"s s-
da Madre de Dos.
AGENCIA
DA
FUNDICO DE L0W-M00R.
Rua da Senzalla nova n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
que serve para tin-
a
Ditos de barro
teiro a
Grosasde botes de louca prateado a
Pecas de tranca lisa encarnada a ,
Varas de bicos e rendas, para aca-
bar a ... .....
dedos de
um completo sortimento de moendas e meias!
s na loja do Pavo, rua da Imperatriz, raoendas para engenho, machinas de vaporearas de labyrinto de 3
n. 60. e tachas de ferro batido e eoado, de todos os largura a......
.MadapolSo In^stado a 4^000 tamanhos para ditos. Ditas de pos para dentesa .
S- Pavio. Arados americanos e machinas paraenlesde,t^taruga a 30000e
Vendem-se pecas de madapolo infesta-1 lavar roupa: era casa de S P Johnston A C IRcsma& de PaPel de cores a
do com 12 jardas a 4,5000, ditas a 40500, rua fe Senzalla Nova n 42
ditas com 24 jardas a 7030o e 80000 : s
na loja
n. 60.
do Pavo, na rua da Imperatriz.
Rico vestidos brancos.
40
320
i 60
100
160
20
60
100
100
30500
24000
22,0 o ao-
C Q
to ee "s ai- O
2 _. O U 9
3
-o
3
O. w
"'ir
& s' o a o
g 3
=3 3 2
0 o-B
para salas.
Na ruado Queimado n II.
Clicgaram casa de Augusto Pono mnilo supe-
iras, para-safan^
y O GALLO CANTA.
Aao possivel que o gallo, vendo entrar


B S S
~> 9 Si
=
si
3 _
a
v FARINHA
Vende-se saccas grandes com a melhor feriaba,
Cailiarina, assim como de Porto ricamente enfeitadas pelas freirs de Elvas, pro-'
Delicado mimo.
Domingos da Silva Campos com taberna na rua
do Imperador, defronte da relacao, avisbaos seus
freguezes e amigos que recebeu urna pequea por-
cao de caixinhas com ameixa rainha Claudia,
.. ------~ ", u.--...i i,uiuu uo i ui id 1 n .MiM-iin.- riiifnini.i> |iri,is ireiras ue civas, pro-
Aiegre pelo barato preco de 4000 a sacca ; na priamente para um delicado mimo, e seus precos
Vendem-se OS mais ricos vestidos de cam-! R" d0 amorim n. 43, ou na rua da Madre de ; muito razoaveis conforme o tamanho.
I'eos n. 5.
hraia brancos, bordado a croch, sendo os
mais modernos que tem vindo ao mercado, i
So a dinheiro a Og o par.
Farinha de mandioca
em saceos grandes, e de superior qualid.i-
tendo as saias 4 pannos, e vendem-se pe|0 ^ns de bezerro. outra. quaidaTe, obra T.^!Vcm de Ta"o rmaos rua do
baratos precos de 100, I20ei6: so na K f'^ Wfo**** T vendera^ri L LT ?
loja do Pavao, rua da Imperatriz. n. 60, de l^ull n Sf^.S^T l!Sf JI?* Amrm' "' 35'
80500
80000
60000
50500
flores.
to I Vincle ruaDireitamunir-vosde e&ImS%,S^^SlS
lente calcado com 40 e at 60 por centO1ue maudem ou vcoliam ver para querer, a sfcer"
Enfeites
Chegaram os riquissimos enfeites o grtntldas de
res, cousa muito delicada e de muito costo noit
so as senhoras poderao apreciar : s no vlante
rua do Crespo 11. 7. '
Klercs
Tambem chegaram os delicados ramos de flores
matizados de lindas cores, que servem para qual-
quer enrede : s no vigilante, rua do Crespo 11. 7.
Cintos
Tambem chegaram os novos e delicados rinfos
com fivella, guarnecida de pedrinhas e duas borlo-
tinhas no centro, cousa de muiro gosto : s no vi.
gilante, rua do Crespo n. 7.
Bandeijas
lA\nnL ""lnjss.ma,s bandeijas de charilo coutras quali-
iS i adct de "ndos desenhos, qoe se vendem por i re-
20800 j eos baratissimos para acabar : so no vigilante
rua do Crespo, n. 7.
menos do seu valor.... attendei:
Borzeguins, Nantes, bezerro e va-
queta 2 e meia soias ....
Borzeguins, Nantes, bezerro, va-
queta e lustre 2 sojas. .
Borzeguins, francez e hamburguez,
bezerro, lutre e couro de por-
co 70 e........
Sapatoes, Nantes, bezerro vaque-
ta 2 e meia solas.....
Sapatoes, Nantes, vaqueta, lustre e
bezerro 2 solas. ...... 50000
Sapatoes, Nantes, sola e vira. ,
Ditos para menina, com laco. .
Ditos de ditas, de cores. ,
Sapatos para senhora e homem,
tapete......... 800
Sapatos de borracha para senhora. 10400
dem idem para meninas. l Sapatos de lustre para senhora. 10000
dem de lustre s avessas 500
Gama & Silva,
ADMIREN! AS PECHINCHAS,
na loja do Pavao.
Ricos cortes de cambraia brancos com ba-
bados e duas saias bordadas crox, tendo
bastante fazenda para vestido, pelo baratis-
simo preco de 30 cafe um; ditos de cam-
braia de seda com barras e babados, a
20500, para acabar; cortes de vestidos a
Mara Pia, sendo fazenda de bonito gosto, a
M500; cortes de cambraia brancos com ba-'
Wdinhos, a 20 ; enfeites para cabeca, sendo!
pequea : na rua do Imperador loja junto
paco.
ao
\fiolo francez a j $20u a
meia libra
E' chegado pelo ultimo vapor de Bor-
deaux aquella excedente pitada a 14200
a meia libra ou hectogrammas: em ca-
sa de Manoel & C. rua Nova n. 93.
Roa da Senzalla n 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston de C,
Violto puro.
No escriptorio de Euzebio Raphael Rabello, na
rua da Cadcia n. 55, vendem-se ancoretas com ex-
! cellente e puro vinho tinto de Lisboa, smente des-
: tinado para gasto de casas particulares por ser re-
mettido pelo proprio fazendeiro ou lavrador.
Vidros de cores.
Vendem-se caixas com vidros de cores e a rc-
talho : na rua da Imperatriz n. 65.
Farinha de mandloea
Vende-se farinha da mandioca da melhor e mais
nova que ha neste mercado, no escriptorio de Ma-
noel Ignacio de Oliveira 4 Filho largo do Corpo
Santo n. 19, ou abordo do palhabote Viatnao, an-
corado no caes do bario do Livramento, junto ao
patacho Regulo._________
a Garibaldi e a turca, a 40; ditos com fitas sellins e silhoes inglezes, candieiros e castil
e flores, a U; camizinhas bordadas para caes bronzeados, lonas inglezas, fio devela,
eenhoras^a 10; manguitos d vanos model- chicotes para carros e montara, arreios para
,0S' -\r;* OH I re; ^T^ ?ar> e1"^ de m e dous cavallos, e relogios de
meninas, a 500 e 640 rs: gollmhas bor-
re
rs:
a 320 e a 500 re.; sedas de qua-i ~
fmmm
Corram de prensa.
Borsegnins para homem a.3, sapatos de couro
para senhora a 320 rs., sapatos de oleado comsal-
to para dita a 640 rs. : na roa dos Quarteis n. 22.
rinb8, a 640 editas de'listas, a Wi^U^?^ TASSSiI.il
rua do Jas-
lili
--Attenfio o respcitavel publico
Para a grande pechincha
Custodio, Carvalho AC, rna do
Queimado n. 91.
Offerecem ao respeitavel publico a mais fina de
todas as cambraias tanto en jjesenhos como em
tintas sao as verdadeiras organdys da India che-
gados a esta capital pelo ultimo vapor inglez. A
grande quantidade que recebemos faz com que a
vendemos pelo baratissimo preco de 300 rs. cada
um covado, venham ver para desenganarem-se se
grande pechincha so na rua do Queimado n. 27.
Vinho de Collares e Cartacho.
Vende-se em ancoretas pequea* o especial vi-
nho de Collares e de Cartacho : a tratar no arma-
zem da rua do Vigario n. 7.
Vinho do Porto e particular.
No largo do Corpo Santo n. 6, segundo andar,
se vende o especial e particular vinho do Porto en-
garrafado, caixas de 1 e 2 duzias: a tratar no ar-
romada real
Tambem chegaram os bonitos copos de porcel-
lana fina com banha c com lindos retrato'; sendo
privilegiada pela rainha de Ilespanha : s no vifr
lante, rua do Crespo n. 7. r
Sabonetes de lamilia
Grande sortimento de sabonetes para todos os
K!,*Wr\2Perifi? 'I^'dades, a 160, 200, 210,
wu, J20, 400 e 500 rs.; assim romo cstojos com
todos os prearos para limpar dentes pelo barato
preco de 3*000 : s no vigilante, jma do Cmpa
Deliradas tesonrinbas
Grande sortimento de tesourinhas, tanto para
nnhas, como para costura; assim como mnifos
outros objectos de gosto. que nao possivel .innnn-
ciar pela grande variedade de sortimentos, enjos
precos serao menos do que em outra qualquer
parte : s no vigilante, rua do Crespo n. 7.
Vende-se a laberna do pateo de S. Pedro n.
1 : qnem pretender, dirija-se mesma.
Oleo de ricino.
Vendc-se oleo de ricino em latas a 400 rs. a li-
bra, na rna da Cadeia Yelba n. i. <
r
Vende-se na praca da Independencia ns. 37
39, capellas de aljfar para se botar no cemiterio I mazem da rua do Vigario n. 7.
publico no dia de tinados com as inscripcoes se-
guintes :
Minha mai.
Meu pai.
Mea esposo.
Minha esposa.
Meu filho.
Minha fllha.
Urna lagrima.
Saudades, sempre vivas do aparado gosto desta
ainda nao vieran igual a este mercado.
L ,.i
GAL U LISB04
vendem-se barrls com cal des-
ta procedencia, em pedra, chega-
da hoje, e tralca nova, que ha no
mercado, na rna do Trapiche n.
13, armazem de Manoel Telieft-
ra Basto.
Facililla de S. Mailieus
Vende-se a bordo do patacho Industria, defron-
te do trapiche Barao do Livramento, a bem contie-
nda e nova farinha de S. Matheus, a melhor ata
dalli temos no mercado.
Gaz.
Contina-se a vender gaz da melhor qualidade
na roa da Imperatriz, toja de funileiro n. 65.
Venda de nma taberna
Vluva Como & C. de intelligencia com seus crc-
dores,e curador nomeado ao ausente Victorino Jos
Saldanha, e com despacho do Dr. juii de direito do
commercio, vende o estabelecimento de taberna
sito na rua larga do Rosario n. 3o : a tratar con
o credor Luir Jos da Costa Amorim fc C, na rua
da Madre de Dos.
A lea trio.
Vendem-se barris de Icatrao, chegados ltima-
mente : na rua da Cn a. 4.
MUTILADOl



.
arlo de Peruanaftw* #*!* ** ** de 1863.


GRANDE ARMAZEM
AE
EE
N. 36, RIJA DAS CRUIBS N. 36
DO
balrro de Santo Aatonlo.
GRANDE ARMAZEM DE MOLHADOS

0 propr.etario do imito acreditado armazem denominado Progressuta tendu
empre em vista fazer tudo o que for possivel para bem servir aos seus freguezes, tem
deliberado vender os seus bem couhecidos gneros de primeira qualidade pelos presos
abaiio mencionados, e affianca s pessoas que mandarem comprar por seus criados ou
esclavos, serem Uto bem servidas como vradopessoalmente; encarrega-se de aviar qualquer
encommenda, ainda mesmo contendo objectos nao proprios deste estabelecimento. O
tramo pede aos senhores qua mandarem comprar ueste arma* o favor de mandarem
devolver qualquer objecto que nao agradar, devendo os mesmos nbores ter toda atten-
cao com os seus portadores, fazendo-lhes ver que s no armazem Progresista da ra das
Cnizes n. 36, que se vendem os melhores gneros por mais barato preco, porque estes
umitas vezes olvidam-se e van otra parte onde os servem de maneira a desagradar este
estabelecimento.
Mustarda preparada, muito nova a 360 rs. a
pote.
Uvas muito novas a l.ooo a libra.
Castanhas a 2oo rs. a libra,
ffigos a 30 rs, a libra,
Vinho superior da Figueira e Lisboa, a 400,
TODOS
os
VAPOR!**
COMPLETO
SRTIMEMO DE MOLHADOS.
GRESSIVO
1E
MOLHADO
O l.argo do larm
Grande sormento para a festa por menos
10 a 20 por cento do qu em outra qualqner
parle.
2
i-a
se recebem gneros de conta ^jj vende-se em porco e a reta-
propria e dos melhores esta- ^ Bio, aprompta-se cora- toda a
betecimentoe da Europa, ga- ^ presteza e exactido qualquer
rante-se todo e qaakjuer ge- tn encommenda dirigida a este
ero comprado neste ^
fifi ESTABELECIMEMO.
ESTaBELECIMEWO. ^
Duarte 4 C. scientiflcam aos seus freguezes e ao publieo emferal, que acaba de che-
gar da Europa um socio que faz parte da firma, cora um grande e bello sortmwnto de
j molhados por elle escolbidos, os quaes se vendem por monos de lo a 2o por o/0 do que ou-
; tro qualquer annunciante, garantindo a boa qualidade e peso de qualquer genero vendido
oeste j muito acreditado armazem, e por isso, firmados em que cumprem fielmente o
que promettem, pedem todos os Srs. dapraca, de engenhos e lavradores, o favor de
mandarem suas encommendas ou retacees ao armazem Progresivo, certas de nao term
em tempo algum occasiao de se arrependerera.
Aviso.

*0
Palitos dogaz a 200 rs. a duzia de caixinhas
. i e 2,100 rs. a grosa.
440, 480 e 500 rs. a garrafa, e a 2,500,
2,700, 3,000 e 3,400 rs. a caada. ; Ditas bygienicas e de seguranza a 24U rs. a
, duzia.
dem engarrafado, das seguintes marcas du-
que do Porto, Feitoria, Nctar, veiho secco,' Alpista muito limpo a 160 rs. a libra,
Chamisso, c Madeira superior a 8,500 rs. a Gomma de engommar a 80 rs. a libra, e
duzia e 800 rs. a garrafa. 2 200 rs a arroba.
dem B.rdeaux de diversas marcas a 640 rs. g mul0 novo e ai?0 a 24fj rs. a libra.
aL';.irarae7,500rs.acaixacoml2garrafas. B
' k I Sabao hespanhol, a 280 rs. a libra.
Uem Muscatol de Setubal a 1,700 rs. a gar-
rafa, e 18,000 rs. a duzia. | tem massa a 180, 200 e 220 rs. a libra.
Ganaron com 5 garrafas de vinho do Porto, \ Peixe em latas, savel, pescada, e corvina a
Lisboa e Figueira a 2,100, 2,200 e 2,300 1.000 rs. a lata,
rs. com o garrafao.
Todos os Srs., que comprarem para tornarem a vender, tero, alm da diflrenca
Os proirieterios do muito acreditado armazem Progresso azem sciente ao respeita- publicada, mais 5 per % de abaumento. Os proprietarios tamban garantem o bom
vel publico e com especiaKdade aos seas amigos e freguezes que tem resolvido resumir os acondicionamenlo ainda mesmo dos mesmos para o mais alto serto.
*rw dos seus acreditados gneros, como baixo verte rio obstante os ptecos menciona-1 ,,,.,
grecos dos seus acrcuna u u, ^.^ Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groza e 2o rs. a
dos a vista da qualidade dos generse que se prow quanto sdese* servir satsfatona-(^ J JJ JJJJ m%m$m
ente aos nossos freguezes, advertindo-lhes que mandem seus portadores, que serto to ^ ^^ ^^ ^ mmQ ^ a
bem servidos como se viessem pessoalmente, isto s no Progresso.
Genebra de Hollanda era butijas de conta a
400 rs.
Papel greve pautado e liso a 3,400 rs. a
resma.
dem branco muito superior a 500 rs. a garra-
fa e 3,500 rs. a caada.
G arame. com 5 garrafas de vinagre a 1,1 oo rs.
Vinagre superior de Lisboa a 1,400 rs. a ca-' Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa.
uadac*K)rs. agarrafa. [champanhe das mais acreditadas marcas
Velas de sperraaceta superiores a 580 e 640 a 10,000 rs. ogigo e I.OiiO a garrafa.
C8- o maco. Doce de goiaba de 400 a 800 rs. a caixa.
Manteiga ingleza de 1.a qualidade, a 800 rs. chocolate portuguez, francez, hespenhol e
1 lil.t -X ...:__~ ,1 OAA 1 -Jilll .-- .i 111,.a
Manteiga ingleza perfeitamente or chegada Farioha de Maranho muito alva e cheiroza
no ultimo vapor a 8oo rs. a libra.
dem de 2.a qualidade a 76o rs. a libra.
dem de 3.a dita a 64o rs. a libra..
dem para tempero a 32o e 4oo rs, a libra.
Manteiga franceza a mais nova que ha no mer-
cado a 58o rs. a libra, e em barril ter aba-
timento.
Banha de porco refinada a 520 rs. a libra.
Vinho em pipa Porto Figueira e Lisboaa 4oo,
48o, 5oo, 56o rs. a garrafa, em caada
2,8oo 3,ooo 3,5oo e 4,ooo rs.
56o rs. a libra, e era barril ter abatimen-
to.
dem ingleza em potes de 4 a 16 libras a
a 16o rs. a libra. 8oo >s. a libra e o pote separado.
Cha uxim o mellior neste genero, mandado
Toucinho de Lisboa a 32o rs. abra ea9,ooo
rs. arreba.
dem hysson, grande, muito bom a 2,6oo rs.
a libra.
suisso de 800 a 1,200 rs. a libra.
Velas de carnauba e de composicao a 320 e
30 rs. a libra e 9,500 e 10,000 rs. a ar-
roba.
Massas para sopa macarrao e talharim a
400 rs. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Ba-
. hia 3,800 3,400 3,000 e 2,400 rs. a
caixa.
Cerveja das melhores marcas de 5,000 a
6,000 rs. a duzia.
a libra.
Mam do 2.a dita, a 700 rs. a libra.
dem de 3\ dita a 600 rs. a libra. .
dem franceza, a mellior do mercado a 540 rs.
e em barril a 500 rs. a libra.
Idemem latas com 2 '/ihbras a 1,400 rs.alata.
Banha de pon refinada a 500 rs. a libra.
goeijos flamongos chegados ltimamente a
2,000 rs.
dem prato o melhor quo ha neste genero a
700 rs. a libra. Biscoitos ingleses de todas as marcas a 1,200
Arroz Carolino e do Maranho a 2,800 rs. ar- rs. a lata.
roba e 100 rs. a libra. Bolaixinhas de soda em latas grandes a 2,000
Amendoas de casca mole a 28^ rs. abra. e 1,800 rs. cada lata.
. Massa de tomates em latas de 1 libra a 560
e 640 rs.
dem embarrilo mais superior que tem vin-
ao mercado a6oo rs. a garrafa.
Lagrimas do Douro especial vinho do Porto a
l,ooo a garrafa e a lo.ooo a caixa, o preco
nao indica a qualidade deste precioso vi-
nho, porm venhamao Progresso que a vis-
ta faz f, a este genero constantemente man-
damos vir de conta propria e por isso po-
demos vender por menos que outro qual-
quer annunciante.
Sardinhas de Nantes a 36o rs. a lata.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. agarrafa e a; Idem pret0) muit0 ^ a 26oo rs. a Ubra.
4,8oo rs. a caada.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e a dem preto, mais baixo, a 2,ooo rs. a Ubra.
GaraSscomTgtrafas de vinagre de 1^L"^ Sra^lSS"propriopm"^"
boa a 1 ,loo rs. \ goc,' a *00 r6' a Dra-
Champanh das marcas mais acreditadas a Banha de porco refinada muito alva a 46o
Be a lo.ooo rs, o gigo, e a8oo rs. ea rs> a libra, e em barril se far abatimen-
Vinho do Alto Douro das marcas mais acre-
ditadas e especialmente escomido por um
de nossos socios, como sejam: Camoes, Du-
que, do Porto, D.Luiz, Carcavellos, Cha-
l,ooo rs. agarrafa.
to.
Serveja preta marca T e XXX a 6,5oo e Biscoitos inglezes das seguintes marcas:
7,ooo rs. a duzia, e a 6oo rs. a garrafa, craknel, Soda, Ceede, Captain, Travellies
tambem temos das mesmas marcas para 4, Lunch, Cabin, e outras militas marcas a
e 4,5oo rs. a duzia, e a 4oo rs. a garrafa. |40O rs- a j^.
dem branca Te cobrinhaa5,5oo c 6,ooo rs, Bolachinha de soda, especial encommenda, a
a duzia e 5oo rs. a garrafa, tambem ha 2,2oo rs. a lata,
para 4,ooo rs. a duzia.
Graxa em latas grandes a 1,3oo rs. a duzia
e i2o rs. a lata.
Biscoitoinglez Craknel em latas de 5, 7 e 15
libras a 5,ooo e 6,ooo rs. c de l,2oo a
8oo rs. a libra.
Caixinhas com ameixas francesas, de diversos
tamnr.iiosal, 200,1.400,1,800c2,100rs.
cada urna. Sardinhas de Nantes muito novas a 340
ft-utas (,>i> calda, ameixas, ramha Oladia, pe-, rSi a jala>
wgos e alpech a 480 rs.
Marmelada de todos os conserveiros de Lisboa
a 600 rs. a libra.
Vassouras do Porto arqueadas de ferro obra Queijos do reino pelo baratissimo preco de
demuita duracaoa4oo rs. cada urna. l.Ooo, l,8oo e2,ooors., os do ultimo
Palitos de dentes massos grandes a 2oo rs. vapor. ftl iKm
8 8 dem prato muito fresco a 64o rs. a libra.
la V'hn' MaiiPir wfa. p Feitoria a dem londrino muito fresco a 8oo rs. a libra.
^na^hldZ^Z caixa com Paltos do gaz a 20 rs. a caixinha e 2,3oo rs. I vinhos em pipa rPorto, Figueira e Lisboa, a
42 garrafas. I a 8roza- 48o, 56o, e 64o rs. a garafa, e de 3,ooo a
Garrafoes com especial vinho do Porto con- Getea e Alpercbe chegada no ultimo vapor
tendo 5 garrafas a 2,5oo rs. latas de 2 libras a 8oo rs. pechincha.
dem com 5 garrafas de superior vinho Fi- Genebra de Hollanda garrafoes com 16 gar
gueira a 2,4oo rs. rafas por 6.5oo rs.
dem com 5 garrafas de vinho Lisboa a idememfrasquerasa6,3oors.e6,5oors.ea
56o rs. o frosco aflianca-se ser verdadeira.
2,loo rs.
Vinho branco de Lisboa proprio para missa I(lem de bot:a em \miym com quatr0 du-
vindo j engarrafado de Lisboa^a 64o rs. zias a Uo rs_ aiia botija_
a garrafa.
zias a 44o rs. cada botija,
dem de laranja em frascos grandes verda-
l
' Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijollo para areiar facas a 140 rs. cada um.
Ameixas em latas del / e3 libras a 1,200 Farinha de Maranho a 140rs. a libra.
c 2,400 re. a lata e 900 rs. a libra. | piraenla da lndia a 340 rs. a libra.
Cha lmxini omolhor que 6 possivel encontrar' Erra-doce a 320 rs. a libra.
Palitos para meza a 160 rs. o maco.
Verdadeira farinha de araruta a 500 rs. a
neste genero a 2,700 rs. a libra.
Mcm hysson muito superior a 2,5oo rs. a
libra,
dem nnudmho a 2,700 rs. a libra
libra.
Frascos com ameixas francezas a 1,400 rs.
cada um.
Mem preto de qualidade muito fina a 1,800 rs.
dem mais inferior a 1,500 rs. a libra. prozunt(,s do Porto a 5oo rs. a libra.
fs t ';:: ;;2rs "aSM m, **? -- ^ iibns
Chouricose patos os mais novos que ha no por l.aoo rs.
mercado a 500 re. a libra. Canella da India a l.loo rs. a libra.
Cominlio a 64o rs. a libra.
dem em barnl mu.lo superior a uoo rs. a dera taliana a QQ0 rs 0 frasco
garrafa e a 4,ooo e 3,8oo a caada.
t ., r. ;.;i,s Aa i i; a Marrasquino de zara a 72o rs.
Ameixas francezas em caixinhas de 1 */s, 2 **
e 3 libras elegantemente enfeitadas com ri- Licor francez de todas as qualidades em
cas estampas na caixa exterior a l,3oo garrafas de vidro brancos a 72o e 8oors.
l,6oo 2,ooo e 2,5oors.
dem em latas de, 1 V e 3 libras a l,4oo e
2,6oo rs, cada urna.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa em latas de 1 e mais libras
a 7oo rs. a libra.
Figos de comadre em bauzinhos de folha
muito proprios para mimo a 1,6oo.
dem em caixinhas a l,4oo rs.
dem em caixinhas ermetiemente lacradas liuadc a 8o rs" frasco-
e muito bem enfeitadas a 1,8oo rs. Araruta verdadeira a 32o rs. a Ubea.
dem a 2oo rs. a libra. Gomma de engommar muito alva a 8o rs.
Passas de carnadas as mais novas que ha no j bra e 2,2oo rs. a arroba,
mercado a 4oo rs. a libra e a 6,ooo rs. a gag muito novo a 24o rs. a libra.
Cognac inglez a 9oo rs. a garrafa.
Marrasquino de Zara a 7oo rs. o frasco e
8,ooo rs. a duzia.
,",,,S: TS Z^^Z Uto !** "*- par, sopa a 600 .. ,
Azeitonas de Lisboa muito novas a l,6oo rs.
a ancoreta.
rs. a duzia.
libra.
Pama as melhores que Se encontrara a 360 Legumes seceos para sopa a 4oo rs. o maco
rs. a libra. -
Bolachas, inglezas muito novas a 24o rs.
a libra, e 3,5oo rs. a barrica.
Asette refiMdo a 800 rs. a garrafa.
Conservas inglesas de todas as qualidades a
750 rs. o frasco.
caixa.
Salmo em latas ermeticamente lacradas a
800 rs.
Lagostim em latas grandes a l,4oo.
Savel, corvina, cherne, vezugo, peixe espada.
a l,3oo rs.
Queijos flamengos chegados no ultimo va- Alera a 5oc, rs. a libra
Brcu louro a 3oo rs. a libra e 8,000 rs. a
arroba.
Papel pautado e liso almaco e de peso de
3,ooo, a 4,ooo rs. a resma.
Ervilhas seccas chegadas no ultimo vapor a
2db rs. a libra.
omaunoaiaqinsa ojse JBp
-eiSesop enouGui ap raa.uos so apno 'atJed ejjno b 05.V a os-mcpiAjo S9ze\ seiinrasojsa
onbjod 'o.^oiil oiojcq sibui jod sojaua3 sajoqiaui so apuaA Os onb a og -u samjo sep
ciu el) |8isJBfl*l mzeaueouos onb ja.\ s.iq|-opuazej 'sajopejjod snas so raoo o5
-uniR epd'iai sajoquas somsara s optia.\ap 'jepBj8e obu anb oioafqo janb[enb ja\io.\ap
niiicpuBui ap jo.vgj o raazeuuB ajsau jBjdtuoa raajBpueui anb sajoquas sob anad orasara o
'mti.Mu oiaqnsa aisap soudojd obu sopafqo opuajuoa ouisaui epuiB 'Bpuaunuooua jaub
atk rwvBOp as-B8ajJBona f ajuara[possad opui.\ oraoa sopiAjas raag o?i maaas 'soabjoso
no som soas Jod jeadoioa uiajepueui onb sBOSsad sb b5ubjb a 'sopsuopuara oxieqB so3
-ejd sorad apcpqwib BJiamud ap soisoaS sopoaquos raaq ?t snas so jpua\ opejaqnap
mai 'sa/ana 11 snas sob jt\m uiaq BJed jOAissod jo/ isnb o opni jozbj bjsu ma aaddias
opuaj^ 'BisissaaoJd opedrtnouap raazcuiJE opeiipaioc ounra op ouetaudod o
OC n |OOi*v oine ap JJIB| op znj.) p J C 'K
n
aa
hq

por a 2,4oo rs.
dem do vapor passado a 2,2oo 2,ooo e
l,8oo, rs.
dem prato do ultimo vapor a 64o rs. ahbra.
Doce da casca da goiaba caixes grandes a
600 9oo rs.
Chouricas as mais novas que ha no mercado
a 48o rs. a libra.
Chouricas mouras encommenda especial nos-
sa a 5oo rs. a libra.
Prezunto verdadeiro de lamego em calda
de azeite 5oo rs. a libra
Bolaxinha ingleza a mais novas que ha no
mercado a 2,ooo rs. a barnquinha com
1 arroba, e a 24o rs. a libra.
dem de soda de diversas qualidades a 1,400
reis.
dem em latas grande*, proprias para lunche,
com 5 a 6 libras^ 2,4oo rs.
Marmelada imperial do fabricante Abreu e
outros conserveiros de Lisboa a 600 rs. a
libra.
Frutas era calda de todas as qualidades a
boors.
vilhas francezas a 5oo rs. a lata,
em portuguezas a 64o rs. a lata.
Musa de tomate a 64o rs. a libra.
Amendoas confitadas a 7oo s, abJjra.
4em de casca mel a 28o rs. a libra,
Avelans a 2oo rs. a libra.

Fructas em caldas das seguintes qualidades:
ameixa, rainha Claudia, peras, cerejas,
ginja, pecegos e alperch a 5oo rs. a lata.
Figos em caixinhas de 1 V arroba e de 8 li-
bras a 8,000, 4,000 e 2,ooo rs, e a 3oo rs.
a libra.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra, e
em arroba ter abatimento.
Sardinha de Nantes a 32o rs. a latinha.
'.1 Toucinho de Lisboa a 4oo rs. a libra eemar-
! Vinho Bordeaux das melhores qualidades 1 roba ter abatimento.
Massa de tomates a 64o rs. a libras.
Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
Farinha do Maranho a 14o rs. a libra.
Ceblas a l,2oo rs. o mlho, e a l,ooo rs.
o cento.
Tijollo para limpar facas a 16o rs.
Cerveja das mais acreditadas marcas de
5,000 a 7,5oo a duzia, e de 5oo a 600 rs.
a garraja.
Prezunto para fiamljre muito fresco e novo
a 800 rs. a libra.
Genebra de laranja a 9oo rs. a frasco.
Chouricas as mais frescas do mercado a
54o rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. agarrafa,
e lo,5oo rs. a caixa com urna duzia.
Licores francezes das seguintes marcas: A-
nizete de Bordeaux, Plaisir des daraes, e
de outras muitas marcas a 10,000 rs. a
duzia, e a l.ooo rs. a garrafa.
caixinha.
Milho alpista a 160 rs. a libra.
Painco a 2oo rs. a libra.
Gomma muito alva para engommar a 80 rs.
a libra, e em arroba se far abatimento.
Sag muito novo a 28o rs. a libra.
Sabo verdadeiro hespanhol que raras vezes
vem ao nosso mercado a 28o rs. a libra.
Sabio massa de superior qualidade a 180.
200, e 220 rs. a Ubra do melhor que ha
Graixa em latas muito nova a 120 rs. a lati-
nha, e 1,300 rs. a duzia.
Peixe em latas muito novo : savel, pescada,
curvin, salmo e outras muitas qualidades
preparados de escabexe, segundo a arte de
cozinha, de 1,400 a 2,ooo rs. a lata.
dem do Alto Douro viudo do Porto engar-
rafado e escolhido pessoalmente por um
dos socios que se acha em Portugal, das
seguintes marcas: Duque, Genuino, Ve-
llio secco especial, Lagrimas Doces de
1819, vinho especial D.Pedro Tj vinho
velho, Nctar superior de 1833, Duque do
Porto de 1834, vinho do Porto velho su-
perior, Madeira Secca de superior quali-
dade, vinho do Porto superior D. Luiz I
de 1847, Lacrimas do Douro, especial vi-
nho do Porto, de l,ooo a 1.2oors. agar-
rafa e de lo,oooa 12,ooo rs. a caixa com
umaduzia.
dem Bordeaux de differentes marcas, garnte-
se a qualidade, a 8,000 rs. apaixa com urna
duzia, e a 7oo rs. a garrafa.
Garrames com 5 garrafas de vinho do Porto
do Alto Douro a 2,2oo rs. com o garrafn.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira, mais
proprio para a nossa estaco por ser mais
fresco a 2,4oo rs. com o garrafao.
que tem vindo ao mercado a 72o e 800
rs., e em caixa a 7,5oo, 8, e 8,2oors.
Azeite doce refinado do fabricante Pelanol e
outros a 800 rs. a garrafa.
Conservas inglezas sortidas e de urna s qua-
Sevadiuha de Franca a 16o rs. a libra.
Sevada muito nova a 12o rs. a libra e 3,2oo
s. a arroba.
Macarrao a 32o rs. a libi.
preparados pela primeira arte de cozinha a 1(iem e talharim o mais novo que ha no mer-
cado a 48o rs. a libra.
Arroz carolino a loo rs. a libra e a 2,8oo rs.
a arroba.
dem do Maranho a 12o rs. alifara, e a
3,ooo a arroba.
dem com 5 garrafas de vinagre .a l,2oo rs.
o garrafao.
Vinho branco o melhor neste genero a 600 rs.
a garrafa e 4,000 rs. a caada.
Velas de spermacete as melhores que ha no
mercado a 600 e 64o rs. o masso, e em
caixa se far um grande abatimento.
dem de carnauba e composicao, de 4oo a
32o rs. a libra, e de lo.ooo rs. a 1 l,5oo rs.
a arroba.
Caf de 1* e 21 sorte de 8,3oo a 8,600 rs. a
arroba, e de 28o a 32o rs. a libra do me-
lhor. *
Arroz da lndia, Maranho e Carolina a 3,ooo.
2,8oo e 24oo rs. a arroba e de loo rs. a
80 rs. a Ubra.
Frasqueiras de genebra a 5,8oo rs., c a 80Q
rs. o frasco.
izeite doce em barril, muito fino a 64o rs.
garrafa.
Papel grve pautado e liso a 3,5oo rs. a
resma.
Genebra de Hollanda em botija de conta a
44o rs. a botija.
Champagne das mais a creditadas marcas a
l.ooo rs. a garrafa, e a lo,ooo rs.a du/.ia
ougigo.
Albos a 80 rs. o masso.
Sal refinado a 7o rs. a P*
Passas muito novas a 5oo rs. a Ubra e a
Caf do Rio o mais superior que se pode de- 8,5oo rs. a caixa. a caixas, meias e
sejar a 32o rs. a libra. quartos.
dem a 28o e 3oo rs. a libra e a 8,2oo, 8,4oo
e 8,7oo rs.
Velas de carnauba refinada a 32o rs. a libra,
e a lo.ooo rs.a arroba.
dem de spermacete a 64o rs, a libra.
Chocolate hespanhol e francez a 9oo e l.ooo
rs. a libra.
Estrellinha e pe\ide muito nova a 4oo rs. a
libra, e a 2,000 rs. a caixinha com oito
libras.
Cha perola muito especial chegado neste ul-
timo vapor de encommenda particular
nossa a 2,8oo rs. a libra.
dem huxira muito superior a 2,7oo rs. a
libra,
dem hysson a 2,56o rs. a Ubra.
dem hysson a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
dem preto horaeapathico e muito superior a
2,ooo rs. a labra.
dem nacional a l,6oo rs. a libra.
Batatas muito novas a 80 rs. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Baha
e de todas as marcas, como sejam: sus-
piros, havanetros, messecipes, regaba im-
perial, flor das mattas, primores a 4,000,
3,5oo, 3,2oo, 3,000, e 2,8oo, 2,5oo,
2,000 e l,6oo rs.a caixa.
"
Ervilhas francezas e portuguezas a 64o rs,
a lata de urna libra.
Chocolate francez, hespanhol, suisso, e portu-
guez a l.ooo rs. a libra, e a2o rs. cada
pao de urna ','*
Garrafoes vastos de 5 garrafas at 3 caadas
de 5oo at l,3oo rs. cada um.
Ameixas francezas em caixinhas elegantemen-
te enfeitadas, com diversas estampas
no exterior da caixa, de 1,5eo a 3,ooo rs.
cada urna; tambem ha frascos % latas de
differentes tamanhos que se vendem por
mdico preco.
Massa^para sopa: macawao, tafcarim, *
alelria a 48o rs. a libra, e em; caixa se
fari abatimento.
Doce de goiaba de 4oo a 800 rs. o caixo
grande.
. dem a 2,ooo o caix3o grande,
proprios para deposito de manteiga,doce, Charutos de todas as marcas e dos melhores
e outro qualquer liquido, de l,oooa3,ooo fabricantes da Baha de 3,ooo a 4,ooo rs.
rs. cada um. a caita.
Peras seccas a 3,ooo rs. a caixa e 800 rs.
a libra.
Bolachinha ingleza a 4oo rs. a libra.
Azeite francez e portuguez refinado a 800 rs.
a garrafa, e 9,ooo rs. a caixa com urna
duzia.
Conservas inglezas das seguintes marcas:
Mixed, Pickes, e ceblas simples a 800 rs.
o frasco.
Mostarda ingleza preparada empotesa 4oo
ra. o pote.
Grao de bico a lo rs. a libra, e em arroba
ter abatimento.
Vasos inglezesvasios de 4 a 16 librmuitos, a
Alem dos gneros cima aiwiwfodos ha umijowpjeto rtunent ^.fS*0*' JT"
va doce, alfazema e outros mudos gneros, que tudo se vende por barausssirao prep>,
MUTILADO


-*
Dlaris de PetMWhiieo aMMd n4*no de IMS,
raxa econmica.
Ubni e*n perfumaras.
inedias eem necessidade de novo unto, carao der mn porquena toja d aguia branca encentra-||
KOll'l FEITA
o
mesmo ponina toa preparago appropriada para r o pretendente bellos objectos para esse lm, so-
enlaciar, e conservar o cauro ; ella vem em caixi
ABflA'lEV
. bre-sabindo entre elles esses bonitos albuns com
nhas e barrizinhos, e acha-sc venda na ruado perfumaras, cujo gosto e novidade Ibes dapri-
Dfc
r\ 7,;: ., rcnimidos mazia. A aguia branca folgar de contntese;
22SS2 inif'-fe. M^A reZUm,dS| essasofTertas^ecahirem sempre era suas predilec-
presos m **, mvw ^ ft-egueas, e uando assitn nao seja, nao fu
Pentes de concha. mal, porque a mimoseada reparando na singulari-1
dade do objecto, querer desde logo alistar-se no f
numero daqnellas. Em todo o caso havendo di-
nheiro, dirijam-se rna do Queimado, loja d'aguia i
branca n. 8, que tudo se arranjar. !
Chegaram luvas de pellica para a loja d'a- (|
guia branca, ra do Queimado n. 8.
Bolsas para viagens.
Vendem-se na Tua do Queimado, loja d'Aguia i
Branca n. 8.
Voltas pretas
A MARA PA.
A Aguia Branca recebcu as desejadas voltas, i
pretas, mui rompndas c gradas.
0 GALLO CANTA
J sabido que, (juando chega o vapor da Eu-1
ropa, o gallo canta annunciando aos seus numero-
sos freguezes as galanteras de mais gosto e da ul- N
tima moda que por eHe recebe, como sejam :
Cattumhat jmra senhora.
Riquissimas camisinhas com mauguitos e gra-,|
vatinhas para senhoras : s no Vigilante, ra do (
Crespo n. 7.
Cirigolinhas.
Riquissimas eirigoJinhas ou gravatinfaas, sendo' i
' couaa de muogosto, e a primeira vez que apjia-
davel moldo, de finas llores, e acabadas com rece para as senhoras de bom gosto : s no Vigi-
todo o esmero: a flores softas s3o exire- lante ra do Crespo n. 7.
mmente delicadas e proprias para enfeites
Com as novas e diversas guarnices de
pentesque a Aguia Branca acaba de rece-
ber, veio tambem urna pequea qualidade
de pentes de concha que com grata e acer-
tadamente servem para o moderno atado dos
cabellos. Elles sao de bonitos e agradaveis
moldes, edetamanho pequenino como_ con-
vert para o fim que s5o. E' esta a primei-
ra vez que d'elles aqu chegam, por isso
que a moda novissima, pelo que gartha-
r5o a palma aquellas senhoras que primei-
ro se apresentarem com elles, para o que
os mandarlo comprar na loja d'Aguia Bran-
ca, ra do Queimado, n. 8.
f'apellas, llores e lavas eafcita-
das para noivas.
Pelo ultimo paquete a Aguia-branca rece-
be es arligos aciuia sempre necessarios s
noivas, ss quaes, segundo suas recommen-
ua;oes. vieram de rouito gosto, e perfeita-
i non te delicados.
As capellas slo de mui moderno e agr-

I
XETRXXBO VJBB.
Neste estahelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, voniade dos coucor-
rentes, para o que tem nm dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazeodas de todas as qualidades, para senhoras,
horneas e meninos.
Casacas de panno preto, 350 e 305000' Colletes de fusto e brim bran-
Sobrecasacas idem, 30(J e 250000, co, 3#>00, 30 e .
Paletos idem e de cores, 25*?, Seroulas de brim de linho,
20<, me......iO0OOO[ -4WWQ ......
Ditos de casemira, 200, 15*, Ditas de algodo, 10600 .
12*, 10* e...... 7*000 Camisas de peitos de linho,
Ditos de alpaca, 5*e. 3*S00j 5*, 4*. 3* e. ....
Ditos ditos pretos, 9*, 7*, Ditas de madapoto, 3*,
5*e. .....3*50Q| 2*500,2*e.....1*600
2*500
2*000
1*400
2*500
Para diadeJuaUs.
Linda apenas de tontas com letreiros, npropria-
das para tmulos, sao ellas as unirs ijuo trno nes-
ta praca : vendem-se ni toja de madama viuvai*-
comte, roa da Imperatrlz n. 7. _______
A 200 rs o covartw.
Cassas muito bonitas e tinas : na ra do Crcspe
n. 17, loja de Jos Gomes Villar.
Vendem-se dous terrenos, umrcni 685 palmos
de fronte sito na ra Imperial, freguezia de S. Jos
n. 226, outro cora 200 palmos de frente sito tn
Santo Amaro perto do sitio do Sr. Calo : a tratar
na ra do Trapiche n. 9.
~CAJL UU LISBOA
Vende-se a 4*000 o barril na ra
n. 20.
Apollo
Pentes de concha.
Ha para chegar riquissimas guarnieres de pen-!
tes de lindo gosto. lano paraatar, como para mar-
do Crespo n. 7.
Redes com locinhos de fita.
Lindas redes pretas e de odres com nm lindo la-
cinho de fita para conservar o cabello, pelo barato
preco de {500; assim como os novos enfeites pa-,
dn delgadas vergonteas de jasmin, cachos de, rafas, por precos razoaveis : 6 no Vigilante, ra
resedas, e onlras estimadas flores.
As loras, porm, apreciada obra de Jou-
vio, pstrece que Toram enfeitadas pelas mes-
mnsfafH'icantes das mimosas flores, pois que ,
em gosto e perroiclo nada deixam a desejar. ra cabeca a 39000, 4 e 59000: s no Vigilante,
sho essas, pois, as capellas, flores e luvas!rua CresP n-7- Ligas
__ que correspondem riqueza do vestido, for-1 R^uisaimas ligas de seda de bonitas cores a 1
11 un o completo asseio e perfeic3o, e ele- t500; assim como Qta propria para o mesmo ef-,
vam a galhardia da candida noi va. Resta feito a 500 rs. a vara: s no Vigilante, rua do.
smente qne os pretendentes munidos de j CresPn- uvm de Jwvin. \
Tambem ebegou e eliegam por todos os vapores;
grande sortimento de luvas de Jouvb, oude os fre-
guezes podem escolher: s no Vigilante, rua do
Crespo n. 37.
ntremelos e babadkas.
Tambem chegou grande sortimento de ntre-
melos e babadinhos, que se venuem pelo itaratis-
sima preco de o00 a pecinha : s no Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
Fiada para-cinto.
Tambem cliegou grande sortimento de lindas 0-
vellas de ac e de metal com pedrinhase sem el-
las, pelo barato preco de 29 e 25500, dando-se a
fita para as mesmas : s no Vigilante, rua do
Crespo 7.
0 GALLO CANTA.
I&r sabido qne o gallo n3o poda deiiar de can-
tar, annunciando a seus numerosos freguezes os
riquissimos pentes, que acaba de receber por este
ultimo vapor. ____________
dinheiro dirijam-se alegre e espacosa lo-
ja d'Aguia-branca, roa do Queimado n. 8
Kaleadarios semanaes : pelo
prev-o todos eoaipraro.
Sao de summa utilidade esses kalendarios
somanaes, porque mostram acertadamente
a data e das da semana, sem o continuo tra-
riallio de bolir nellos diariamente, pelo que
se lornam necessarios e preferivets a todos
os outros ; tanto para casas de familias co-
mo mesmo paia qualquer outra parte, e
principalmente por 500 rs. cada um: na
roa do Queimado, loja d'Aguia-branca, n. 8.
Helas ernas inglezas.
A loja d'Aguia-branca, na ma do Queima-
do a. -9, est bem provida de mui boas
mcias cimas inglezas, tanto para homens,
como para meninos, as quaes est vendendo
baratamente em proporco da superinrida-
rijaiu-se com dinheiro e sem susto dita lo-
ja, que serobem servidos. Tambem ha um
bom sortimento de ditas brancas para se-
nhoras e meninas, e sao vendidas na mesma
Phosphoros de cera.
Vendem-se a 2i rs. a duzia de cnixinhas
de phosphoros de cera : na rua do Queima-
do, loja d'Aguia-branca n 8.
logleza'*: Opiata e agua da
Colonia.
A Aguia-branca da rua do Queimado n. 8
acaba de receber a apreciada opiata ingleza,
assim como mu boa agua da Colonia tam-
bem ingleza.
Carrafas eom agua da Colonia.
Chcgaram novas garrafas com agua da Co-
lonia para a loja d'Aguia-branca, rua do
Queimado n. 8.
Novas ciulas Masticas pura senhoras
casadas.
A reeonhocida utilidade dessas necessarias cin-
tas elsticas fez com que em breve se acabassem
as que vieram da primeira vez, deixando assim
descontentes militas senhoras que se nSo poderam
prover dellas, vista do que a aguia branca man-
dou buscar mais algumas, que acabara de chegar,
anda mais perfeitas que as primeiras, raso por se-
ren menores; agora, pois, podem as senhoras ca-
sadas preveniremse, mandando-as comprar na
loja d'afraia branca, na do Queimado n. 8. Se a
aguia branca precisasse de semelhante obra de
certodesta vez nao flearia sem ella.
\ovIs*hnos e bonitos enfeites
para cabeeas.
Quando o bello sexo senta a falta de bons
enfeites para cabeca, eis que a aguia branca
recebe urna sae encommenda de bonitos e
delicados enfeites, e de modernissima moda,
muito servindo isso para sanar aquella falta,
e fazer cora que as Exmas. apreciadoras da
bella empreza Coimbra possam melhor real-
sar e mostraren o apurado gosto que as
guia. Esses enfeites sao d'um tecido bas-
tante fino com continhas d'aco, e mui bem
enditados com flores, fitas, bicos, plumas
etc., entretanto que sendo obra de muito
gosto custam. 5$, C3 c IB dinheiro vista;
na espacosa e alegre loja d'aguia branca rua
do,Queimado n. 8.
EncHmmeottas d'aguia branca recei-
das p(>!o uilimo vapor
Ricos penfoS-'*
pcrola.
Bonitos leques e i.iadieperola.
Delicadas calas de dita.
Lindos chapeozinhos de setim para baptisados.
Bicos de seda bramos e pretos.
Bonitas caixinhis com msicas e sem ellas para
costura.
Trancelins de 15a para enfeites.
Fitas de sedaeslreitas para ditos.
Ditas de velludo com listras para barras de ves
ti dos.
Aspas de balea para vestidos.
Ditas de ac para espartilhos.
Ilandes de clina.
Pulseiras de contas para meninas.
Paos para abrir luvas e port-charuto?.
Essencia de ail para eugommados.
Pos hygienicos de Lubin para dentes.
Leite virginal p;ra tirar sardas.
Dito d*ire para extinguir as caspas.
Vinagre aromtico |ra vertigens, dores de ca-
>sm6Uque surllae para cabellos.
Pomada para bizode.
Renda.de fil, lisa.
Maravllha das bellas, novos e
delicados afeites para ves-
tidos.
aprasive! a aguia branca o ter de avisar a
.luete francez um bello sortimento de enfeites de
4da denominado maravilh das bellas, os quaes
servan tanto para vestido de senhora como para
ronpinhas de criarlas. Sens novissimos e delica-
dos desenos, suaj: escomidas e bem acertadas co-
res fazem um todo agradare! aos olhos de qualquer
vvente que saiba ipreoiv o bom. Assim, pois, a
duvida est em haver dinheiro, havendo-o diri-
iam-se sem susto .10 espicoso e alegre ninho de
aguia branca, ro do Queimado n. 8, queacharao
as verdades cima Utas.
iftaruga com chapa de madre-
Cal de
a mais nova do mercado
10, primeiro andar.
Lisboa
na rua do Vigario n.
Ditos de brim e ganga de eih
res, 40500, 4& 3,5500 e. .
Ditos branco de linho, 66, Si> e
Ditos de merino preto de cor-
d5o, lOtf, 7(5 e.....
Calcas de casemira preta, 12,5,
m, s&<.....
Ditas de cores, 95, 80 e. .
Ditas de meia casemira de co-
res, 50300 e.....
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 50, 40500 e
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40500, 40 e .
Ditas de ganga de cores,
30500, 30 e.....20500
Colletes de velludo preto e de
cores, 90 e...... .
Ditos de casemira preta, 50 e
Ditos de ditas de cores 50
40 e ... .. .
Ditos de setim preto. .
Ditos de ditos e seda branco,
60 e.......
Ditos de gorgurao de seda
pretos e de cores, 60,-50 e
Chapeos de massa, pretos fran-
30000'i cezes, 100, 90 e. 80500
000 Ditos de fltro, 50,40,30500 e 20000
[Ditos de sol, de seda, 120,
50000
70000
70000
40000
40000
20500
70000
40000
30500
50000
50001
40000
110,70 6......0500
Collarinhos de lmho fino, ulti-
ma moda....... 640
Sortimento completo de grava-
tas. 0
Toalhas para rosto, "duzia, 110,
90 e........60000
Atoatttado adamascado de li-
nho vara ..... 1'028O
Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores. .... 40000
Lences de Jinho.....30000
Cobertas de chita chineza.. 20000
Peanas d'aco, as mais superio-
res, a grosa. ... 600
Relogios de ouro orizontaes,
900,800c......7O0OOTJ
Ditos de prata, galvanizado,
patentes e orisontaes, 400 e 300000
Obras deouro,adercos, meios
aderecos, pulceiras, rozetas,
aneis e crujes. 0
r SEKitQE*
Wo armazena de faaendas bara-
tas de Mantos Coelho
A DO QUEIMADO N. (9 VE.NDE-SEOSE-
GLNTE :
Cobtrlas de chita da India
' pelo barato preco de 2*000.
Lencos
de panno de linho a 2000.
Leifoes
de bramante de linho fino pelo barato preco de
3*000.
LencM de eassa
brancos, finos proprios para algibeira pelo barato
preco de 2*000 e 2*400 a duzia.
Fil liso fino
pelo baratissimo preco de 680 rs. a vara.
Madapoln fino
pecas de madapolo largo superior pelo baratissi-
mo preco de 8*000.
Ricas saias
do Kutao a 5*300.
Pecas de bretauha
de rolo com 10 varas propria para saia a 3*200.
Peras do cambraia
adamascada para cortinado com 20 varas pelo ba-
tato preco de 10*000.
Bramante de linbo
fino comdez palmos de largura pelo barato preco ;
de 2*300 a vara.
Ttalbas aleocuoadas
para mao pelo baratissimo prego de 5*000 a du--
zia. Papel de Hubo.
AtMihatIo proprlo para loalha de mesa **P0Ou a vara. 1 onQe se vende este verdadeiro papel eu poi
Aiqodo monslro a retalho em casa do hespanhol, rua dos Quar-
(om 8 palmos de largura pelo baratissimo preco teisn. 8,avisa-se aos compradores o examinaren
de 1*000 a vara. bem este papel pois que tem apparaeido atei-
Cortes de calca ficado.
de ganga amarella de lista e de quadro faztnda su-
perior pelo baratissimo prego de 1*200 o corte.
Lazinha de quadro
batallas
Caixas com duas arrobas de batatas desembar-
cadas do patacho ttaria da Gloria, hoje, peto bara-
to preco de 2*500 a caita : na rua do Aniorim.
43, ou na rua da Madre do Dos n. 5._______
az a SOO rs. a garrafa.
Na rua do Vigario deposito n. 0._______________
Tendeui-se
grades de amarello para portas o janellas enfor-
me as posturas da cmara, para ver e trancas
travessa do Pocinbo 11. 411, com o Sr. Qearqut
Jorge.
As su car do Moriteir
Rua do Imperador n. 28 e caes de Apollo n.
de gosto inleiramente novo pelo baratissimo preco Q1 2Q0 rg m % de g ,ibras dma
de owrs. o covaoo.
Pecas de cambraia de salpicn
a 50600 aarroba.
Una eom 81/2 varas pelo baratissimo prego de 4*.
Pecas de cambraia de forro
pelo baratissimo prego de 2*200.
Esleir da India
I para Torro de sala de i. 5 e 6 palmos de laraura.
Vewle-se um bom terreno na rua da Con-
.quista no Caminbo Novo; com urna pequea casa
de pedrae cal, construida ha seis mezes, algumas
frncteirasqueja se disfructam, larangeiras, poia-
toeiras, janueiras, fructa-pio, pitangueiras, sidrei-
! ra>coragao da India,e ll coqueiro; o dito terreno
tem 30 palmos de frente p 260 e tantos de fundo :
os pretendentes podem Birigir-?e rua do Hospi-
I ci h. '37, ver, e tratar, na cocheira de carros.
Aos eoehelros.
Vendem-se encerados pretos e de cores para
forrar carros : no armazem de Tasso Iruiao?.
ESCB1Y0S FGIEOS.
AOS SERHORES LOCISTAS
Desla capital, arrabaldes eprovincias
adyacentes.
MANUEL -fe 0
N. 23 RUA NOVA N. 23.
de Santa Catharina, da melhor e mais nova que
existe neste mercado ; vende-se era porgoes gran-
des e pequeas e por preco muito favoravel, a bor- Tem a satisfac tiX^A'S^S^Z'ittl geral a todos os senhores logistas desta e de outas provincias, que em consequencia de
monto: a tratar no escn'ptorio de Miguel Jos Al-' suas relacoes com as principaes pracas manufacturaras da Europa, tem consegniuo
ves, rua da Cruz n. 19. _________________ montar a sua fabrica da chapeos d sol sobre urna escala importante, a ponto de poder
Vendem-se os nteneiiios de uma padaria com I offerecer vantagens aos pretendentes, tanto na qualidade e bem acabado dos seus produc-
pouco
mea
n. 18
o uso sendo todo, ou peca por peca, coofor- tos como pe]a re(iucr'a0 dos precos ; verdade incontestavel, de que se podero conven-
Temim P ': "* ^ cer vista da fezeuda e pelos precus que vo abaixo : ,
Direito mternacional privado e a a^plieaao de seus
principios com preferencia as leis principaes do
Brasil, em 1 volume, por Dr. Jos Pimenta Bueno,
8.5000 : no escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo 4 C, roa da Cruz n. 1.
Vende-se a taberna da praga da Boa-Vista n.
2t, com poucos fundos, propria para quem quer
principiar por estar bem afreguezada para a trra:
a tratar na mesma
Chapeos de sol de seda para hornera 28, a 725 a duz'ra
Ditos 26, a 66e000.
Ditos 2 i, a 603.
Ditos para senhora 18 e 20, a 48$.
A duzia tem descont de 12 por cento.
Ditos de panninho preto e de cor, armacao de balia 20, 24 e 26 sortidos, liquido
a 260 a duzia.
Ditos de junco 20., 24, 26 e 28, a 18,5 a duzia.
Venham ver para convencer-se (la verdae.
Encarregam-se de encommendas para da Europa.
l'otassa da avssm
Vende-se em casa de X. 0. Bie-
ber & ., successores, rua da
Crnz n. 4.
Cal de Lisboa e potassa da
Rnssla.
Vende-se na rua daCadeia do Recife n. 26, para
onde se mudou o antigo e acreditado deposito da
mesma rua n. 12, ambos os generds sao novos e
legtimos, e se vendem a prego mais barato do que
oulra qualquer parte.__________
Hita da Senzalla Aova n. 42.
Neste estabeleciraento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a 110 rs., idemdeLow
Moor hbra a 120 rs.
Cal de Lisboa
nova: na rua do Vigario n. 19, primeiro
andar.
non*
Na rtta do Queimado n. 43, esquina que
volta para a Congregago ; pechincha.
Paletots do casemira a 5, 6, 7, 8, 12 c 14*000,
ditos de panno preto e azul a 9, 10, *2, 16 e 1K*,
ditos sobrecasacos de panno muito fino por 24* e
28*, ditos de alpaca prcta o da nordao a 1, ">',(! o
7*, caigas de casemiras de cores a 5, 6, 7 e 8*000.
ditas pretas a 6*500, 8, 9 e 10*, paletots de fusto
e ganga a 2*, 2*800, 3 e 4*, caigas e colletes de
todas as qualidades e por prego muito liarato, len-
ces de puro linho a prego de 2*800 e 3*, rober-
as de chita a 2*240, rollarinhos de linho puro a
600 rs. cada um, e outros inuitos objectos que s
vista; e para isso se pede a attengo dos fre-
guezes.
Continuara andar fgidos
desde o dia 8 de outubro dcste correute aunos
dous escravos saludos do sitio da Turre, do aballe
assignado, sendo um denome Hodellon, pardo cla-
ro, de idade de 18 para 20 anuos, boa estatura
bem augurado, e eivilisado, cheio do corpa, rane-
los soltos e annelados, costuma trazer tempr
aberto na frente moda nazarena, foi escravo de
Antonio Goncalves Ferrara, pMprietario ilo enge-
nho Mangueira, naEscada, rosto redondo, viudo
agora o bugo de barba, olhos, nariz e bocea regu-
lares, dentes limados nm pouco na frente, pe as
Unas o ps grandes, tem na canda e no turnozeto
dop marca de cicatriz pequea e marra de caus-
tico de nma banda em cima das costellas, levou
cluvpo de, feltro cor de cinza em nu*io uso : o <>Q-
tro que deseneamiiihou chama-se i'homaz. ara-
boclado, de 50 annos de idade, natural de Alelan
ouTaqnara, perto da Paraltiha d Norte, alio c
bastante groso do corpa, ninilo eivilisado e ranta-
dor, vistas baixas, e falla um poueo desennrado,
cabellos soltos_p grandes, rosto redondo e eom al-
gumas marcas de bechigas antigs, tem uma per-
na mais grossa do que a outra, e est com urna *i-
catriz alui de outras muitas j saas, bom trabalha-
Hlor de enxada, macliado e fouce, ha muito estove
fgido quatro annos, trabalhando como forro.de
nome mudado, na estrada de ferro: anihos leva-
ram enxada, fouce de rogar, e um faci de rogar
capim e roupa de sobrecelente : roga-se as autori-
dades policiaes, capitaes de campo ou algnma pes-
soa do povo se o virem, o mandarem pegar, levan-
do noBecife, rua do Imperador n. 44, que sera
bem recompensados.
Domingos Antunes Villaga.
S
Fugio a 19 do correte o "iniilalinlio Virginio,
com os seguintes signaes: cor fula, parece servi-
ciado por ter o rosto inchado, olhos boteeadne, na-
riz chato, tem 12 a 14 annos, mas b;.i\o, foi bas-
tante soja a roupa, c rota, de eloodao, foi eseravo
do Sr. Joiio da Silva Pessoa de Siqueira, lavrador
do engenho Jussar, districto de Seriniaem, para
ondnse jnlja elle foi por j o ter tenj de outra
vez, e ter a rnai nessa panigein, tem bastante rn-
gras, que pode illudir, dizondo que forro e or-
plo, desde o cholera ; portanto, rogo s autorida-
des polieiaes, capitaes decampo, ou iniesquer se-
nhores, que por favor o peguera e levem.on faenm
scientc ao seu senhor para o man ir buscar aonde
estiver, que recompensa com o qne agrade a quem
o pegar, e para isso podem- se dirigir rua nova
de Santa Rila ns. 17 e 55 Jo s Fiireira Coelho.
LISTA
GERAL
68
DOS PREMIOS DA
7."
PARTE DA
3.

LOTERA, CONCEDIDA POR LE PROVINCIAL
PARA A EDIFICACAO
OUTUBRO DE 1863.
DA CASA DO GYMNAZIO PERNAMBCANO (3.1 CONCESSAO), EXTRAHIDA EM 23 DE
NS. PHEMS.
1
o
C
7
8
9
12
13
2o
26
29
36
37
39
40
41
42
44
48
53
62
69
72
74
76
77
78
83
87
86
97
99
100
7
8
10
12
14
16
17
21
23
31
32
33
41
46
47
48
50
83
56
60
5*
10*
100*
5*
NS. PRFMS.
161 5*
63 -
71 -
72 -
74
76
78
79
80
89
91
92
9a
96 -
97
98
201
7
10
11
19
21 -
24 -
25 -
28
32
33
35
36
37
42
56
58
59
63
69
74
76
77
82
83
84
86
302
3
10
12
20
24
30
33
M. PRKMS.
5:000*
5*
40*
5*
336
44
45
47
53
58
60
63
66
70.
75
76
83
88
89
91
92
93
97
406
9
11
13
16
19
21
22
24
28
34
40
41
43
44
47
48
51
53
56
37
58
59
60
61
64
63
73
79
87
89
97
99
500
5*
10*
o*
10*
5*
XS. PREMS. NS. PREMS.
10*
5*
501
15
17
18
20
23
24
25
31
32
33
43
45
53
59
68
71
75
78
79
80
83
84
86
87
91
96
97
98
606
15
18
21
24
27
29
31
39
41
46
48
51
53
54
5
67
7i
74
77
80
82
87
88
5*
I
105
5*
10*
3*
100*
5*
C92
93
97
98
700
1
l
6
7
8
28
3
3
38
40
41
46
s
36
57
72
73
77
89
91
94
99
801
3
4
3
11
16
20
22
24
26
28
32
34
38
41
49
51
55
61
66
70
71
72
73
73
77
10*
20*
5*
NS. PREMS.INS. PREMS.
10*
3*
880
88
89
93
93
901
2
3
8
17
26
28
31
33
38
39
40
43
43
47
49
56
60
1
65
67
72
73
77
80
81
84
93
94
95
96
1001
I
3
4
6
12
17
18
19
23
24
27
29
39
43
49
50
*
10*
5*
(0*4 5* 1260
60 61 fifi
62 68
64 70
69 n
73 79
76 . 80
77 ...
85 90 81 85 86
1101 88
4 91
8 93
10 97
12 99
14 1300
15 i
16 7 9
19
21 25 ^~ 11
28 12
30 36 13 14
37 20* i; 18 19 20 23 24
38 42 44 5* 20*"
43 40 5*
56 _ 27
73 ..,. 30
81 33
87 _. 37
90 ^m 39
95 97 40* 40 41 51 54
1202 5*
4 40* 9
6 5* 73
7 20* 78
9 100* 77
10 24 * 79
27 _ 83
29 20* 99
32 5* 1402
43 _ 11
47 _ 12
48 13
50 17
32 29
56 ' 30
NS. PREMS.
105
5*
20*
3*
10*
5*
NS. PREMS.
5*
1434
38
37
39
41
42
47
48
50
58
63
66
69
71
72
79
80
84
85
86
88
90
95
99
1507
10
11
13
14
15
17
22
24
31
32
34
40
42
45
52
55
56
38
500*
5*
105
55
1:000*
5*
-
61
62
64
7
72
76
77
78
10*
5*
NS. PREMS-
1580 5*
84
86
87 -
88 -
91
94
96 -
98
99
1602
5
ia
18
13
29
.11
41
41
46
49
SI
82
58
59
60
64
67
79
81
86
91
93
97
99
1702
4
7
17
23
31
39
41
43
44
47
80
87
59
60
63
06
NS. PREMS.
40*
5*
1768 55 1914
69 19
70 22
74 25
75 29
77 30
80 35
81 40
83 - 42
84 43
1800 43
5 205 49
6 55 30
8 53
10 55
17 _ 57
22 38
24 64
27 68
31 - 77
32 10* 79
33 55 84
36 86
40 89
41 93
42 2000
43 1
44 2
47 7
51 il
52 13
56 14
69 18
66 20
69 24
70 30
71 32
76 33
78 38
79 44
80 51
81 53
84 54
89 _^_ 56
92 58
93 uJ 60
95 r- 62
% 63
901 67
3 10* 8
5 3* 74
7 84
11 10* 90
NS. PREMS. NS. PREMS. ;NS.
5*
55
205
35
2094
2100
2
14
15
17
18
20
21
25
35
36
49
52
34
38
58
60
61
68
78
79
81
86
88
94
2202
3
4
8
9
10
13
18
21
22
26
27
29
33
39
40
52
53
55
56
57
67
71
73
74
77
78
40*
5*
10*
5*
10*
3*
10*
5*
2283
87
94
95
2300
3
8
11
14
19
20
25
27
30
31
32
36
37
38
39
41
44
48
52
54
55
56
PREMS.
5*
NS. PREMS..NS.
10*
55
20*
64
69
73
75 _
77
78 10*
85 8*
n
87
96 .
2400
14
20
21
38
44
43
44
47
48
40
89
62
83
2470
71
74
76
80
82
84
86
91
97
2504
3
G
7
8
20
21
23
26
28
29
30
31
36
37
44
43
60
64
67
69
70
71
72
87
91
93
96
97
2601
3
5
10
1
14
16
19
20
30
39
45
51
a
PREMS. NS.
5*
l'.'EMS.
'i*
105"
55j
l
_!
103
5*
20*
BK
10*
3*
'2G58
59
60
61
62
63
64
65
71
80
83
84
86
87
89
90
92
94
96
2701
8
11
14
20
24
26
27
29
30
31
34
38
40
43
44
82
54
55
56
58
59
61
64
79
86 -
89 -
0 -
91
92 -
10*
8*
97
96
2301
5
10
12
ia
16
17
23
K
27
31
3/
40
42
46
57
61
62
72
74
80
82
86
88
89
94
2900
9
11
13
17
20
H
34
38
39
43
48
49
80
' 51
56
87
62
66
89
72
75
78
86
91
3000
40*
8J
5*
10*
5*
5*
10*
9*
0 ecri3o, Severiano Jos' de Moma.
Pern.Tw> + > ? ** Faria A *w*<>~<863-
MUTILADO


-ir"
8
Mario de Pernaaibiico Mtbio 14 de Outobro de 1868.
LITTERATRA.
romanee Inglez contempo-
rneo.
MISS. M. K. BIUDDON E 0 ROMANCE DE SENSAC5kS.
(Conclusao.)
III
Joao Conyers, como j se sabe, anda vi-
ve. Esse desastrado jockey reslabeleceu-se
das coiisequcncias dessa lerrivel queda, que' direccio
trimonio de mislress Mellish j n5o para
elle mysterio, e sendo preciso, acharia a
prova material nessa certido, que seu amo
conserva cuidadosamente entre o panno e o
forro de um cohete de libr ; mas por ora
n5o e isso que o inquieta ; as duas mil li-
bras esterlinas que das mos de Aurora vao
passar para as de Joo Conyers. o occupam
muilo mais.
Nessa mesma noule, mislress Mellish, vol-
tando ao castello, depara com grupos de
pessoas assustadas, Um tiro retumbou na
do tanque : Jo3o Conyers ah fui
liavia sido causa de o reputarem morlo, e,! encontrado morln Recolhido o cadver, co-
do volta Inglaterra, um acaso fatal como' megara as indagages legaes. Como explicar
ne o conduz pela m5o al a casa do mari-'o assassinato ? Onde adiar o assassino ? Se
o da sua mullier. Aqui accumulam-s^ as a situaco respectiva de Aurora edodefunc-
inverosimilhancas. Do fundo de um hospicio, to fosse mais geralmente conhecida, as inves-
d'Allemanha, onde achava-se a bracos com a
enfermidade e a miseria, Jo5o Conyers nao
pode dcixar do recorrer generosidade de
Aurora. Para isso basta urna carta, e em
falta de carta um desses obscuros mensa-
geiros, que ello jamis de una vez emprc-
rou eni casos laes. Demais como compre-
licnder que Aurora, de ante-mo informada
tigagoes sem duvida se dirigiriam contra
ella. Por acaso essa situadlo felizmente n5o
se revela aos magistrados sen8o depois do
verdict do jury. Mellish sabe dellese en-
tao somenle o segredo que Aurora a lo-
do o cusi quera occullar-lhe. Depois de
um primeiro transporte de dr bera con-
cebvel forca confessa-lo corre a ter
nSo admittiam a$ violentas e bruscas com-
binagSes, as improbalidades manifestas, e
para empregarmos urna triste expresso, as
artimanhas dessa arle degenerada que ec-
cessos de todo genero v5o pouco e pouco
arrestando para a barbaria primitiva Isso
se explica, dizomo-lo ; mas nem por isso
As cousas chegaram
necessario averiguar esse flagelo Litera-
rio, e a grossa artilharia das revistas Iro-
vejou contra a sensational novel. A Quar*
terly ltimamente passava os modelos do
genero pelo crysol do mais severo exame,
e recommendamos esse artigo quelles dos
deixaremos de lamenta-lo, quando e-sacor- nossos leilores que quizerem aprofundar a
rupcSo do romance pelo thealro altera um questo que aqui ventilamos,
tlenlo natural de algum valor. E' um pe-1 Todava, cumpre nota-lo, a reaego con-
sarque se n3o pode deixar de sentir, ao lr tra as funestas tendencias que indicamos de-
esses dous prrneiros romances de urna mu- ve vir do mesmo publico que at agora Ibes
Iher intelligenle sem duvida, cujos defeitos, tem dado 13o solicito acolhimento, sua nica
por maiores que sejam, nao devem fazer raz3o de ser, o nico estimulo dessa deplo-
esquecer seu mrito relativo, e que, no
nosso conceito, julgamos louvar, laslimando-
a por haver sido t3o bem acolhida por cerlos
le lores.
Se, como para temer-se, reputar ella
ravel fecundidade ; devemos espera-la c
talvez anda tenhamos que esperar muito
tempoda repugnancia que esse publico nao
deixar de sentir quando se vir como Ma.
cheth t saciado de horrores de- sanguino-
a tal ponto que fot | tos, promette vir a ser urna das mais ren-
dosas dos paizes tropicaes da America, onde
a planta, como indgena, se d melhor que
em nenhum outro. Pois embora a mesma
planta se produza em varios climas, mais
temperados e al fros, immensa a diffe-
renca no aroma entre a folha amadurecida
ao calor da zona tropical americana e a que
procede de paizes ern que sazona jem meio
dos ses desbolados do oulomno, sob o in-
fluxo de climas, onde as flores parle do an-
no se recolhem em estufas.
Ora como o tabaco, para pobres e ricos,
objecto de luxo, e lodos preferem fumar
do nome desse homem rerommendado com ella, levando o coragao ebeio de lerno-
Mellish, nao empregue toda a sua influencia' ra e perdSo ; mas encontra seu lar vaso,
para afasta-lo de si ? Antes, pelo contrario, Aurora fugiu s pressas, logo que Estevo
ella proroca, organisa por si mesma essa pe- Hargraves, o
rigosa combinacao em virlude da qual Joo
Conyers fica estabelecido a alguns cem me-
tros do castello, e sollicitado a todas as exi-
gencias da mais abusiva tyrannia.
Qtier, 6 verdade, tratar de urna vez com
esse miseravel, e conseguir a peso de ouro
que elle se exile para sempre : mas que va-
lem para serem pagas t3o caro as promes-
sas de um enle tSo vil ? E por que esse vi-
do subalterno aquiescera, podendo esperar
mais do terror que inspira, a esse pacto que
Jimita suas esperanzas ? Comoemfim imagi-
nar que semelhante negociado poder im-
punemonte debater-se entre ama e criado
aos olhos de todos esses Argos que cercam
urna mullier da alta sociedade ? Joo Mel-
lish ceg, e ceg como o amor fiel, anda
bem ; mas essa antiga da que Aurora Floyd
tem conservado junto de si, essa mislress
AValioi Powell que, como ella o sabe, a
odea em segredo, que em compensarlo de
seu respeito, de suas adulagoes entrega-se
a urna osponagem de lodos os minutos e
esse oulro inimigo ainda mais obscuro, um
groom idioia Estev5o Hargravcs. que ella
maJfralou n'um momento de clera, e que
JSgdo entSo, vagando em torno do caslello,
d'onde foi ella 3 causa de o expulsaren) e
busca urna occasio de vinganga a deixa-
ram elles em paz ir e vir furtivamente, re-
ccljer cartas e respond-las ? ... Aurora o
er sem duvida ; pois ella nao poe em seus
actos nem a menor reserva, era o menor
calculo, a assistimos ento a um eslranho
espectculo, o de urna alta dama reduzida a
multiplicar da e noute os passos mais com-
promeiledores para ir s conferencias, que
imperiosamente Ihe marca um dos seus n-
fimos criados. Cada um de seus passos
espiado, cada urna de suas palarras ouvi-
da, cada bilhete seu lido por outros olhos
que aquellos para os quaes era escripto.
Todas as suas entrevistas sao assistidas por
urna leslemunha occulta e algumas vezes por
duas. E' um luxo de tracoes e sorprezas
de que em seus dias de maior deleixo os
nossos escriptores de melodramas nao se
alraveriam a usar. Alraz de cada porta fe-
chaba ha um ouvido atiento ; no fundo de
cada moila. nesse parque de papel pintado,
ha um espido alerta. Accrescenlae a esse.s
meios, j sdicos mesmo no Hieatro, os aca-
sos milagrosos, prodigalisados para motivar
siltiaees as mais indilTerenies, e imagmae
.1 especie de cansaco produzido pelo abuso
inhbil de tardos recursos extremos.
Mas deixemos os meios e fallemos dos re-
sollados. Aurora Floyd, por mera dedica-
,*; i, segundo se nos aflirma, e antes por
amor do seu segundo marido que de si, quer
conseguir, (pie Jos Conyers se ausente de-
finitivamente ; offerece-lhe, pois, a grossa
quanlia do duas mil libras esterlinas, que
ella obtera de seu pae. sem explicar-lhe.
bem entendido, o destino desse dinheiro. O
tratado iinal conclue-se s de/, horas da nou-
te, junio dMim tanque do parque, e perante
duas lestemunhas, cuja presenta as partes
contraanles nem se lembram de suspeilar
Urna dellas c EstavSo Hargraves, esse idio-
ta de que j fallamos, o qual nunca se es-
qnece do modo rude com que foi tratado e
da peda do lugar que oceupa.
Ao lado delle embora o julguem idio-
ta Figaro urna crenca ou um imbcil.
Com effeilo, grapas s carias que abre, s
conversaees secretas de que nao perde urna
palavra. Estevo Hargraves, foito criado de
Joo Conyers, est perfeitamente a par do
que se passa e se projecta. O primeiro ma-
nosso idioia diplomata, veiu
preveni-la do que se passava. Essa fuga,
por mais suspeila que seja, nao abala a im-
perturbavel confianca desse marido, como
nao ha outro. Corre aps sua mullier e vae
encontra-la em casa de Talbot Bulstrode,
quem tinha vindo pedir auxilio e conselho.
Este faz com que elles voltem o mais cedo
possivel ao seu caslello, e tem razo porque
j agitase a opiniao ; strrdos rumores circu-
lara, e advinha-se que carcter tomaram
quando o acaso fez achar-s?, no mesa kr-
gar em que cabiu Jo3o Conyers, a arma que
Ihe dra a morte. Urna pistola de Jo3o Mel-
lish, urna dessas armas de luxo que elle
guardava com o maior cuidado- n'um quar-
to reservado, no qual s sua mulher e efte-
penetra vam.
Ser Aurora culpada ? O pubfieo inclina-
se a cr-lo. Officiosamenle prevenida por
mislress Powel a qual Joo Mellish afi-
nal expulsou de sua casa e que est since-
ramente convencida da culpabilidad^ de Au-
rora a polica poe seos agentes em ampo.
At o proprio Joo Mellish chega a duvidar
da perferta innocencia do seu dolo. Isso
evidentemente o encommoda e prod jz oerio
arrefecimento na suas relaces conjugis ;
mas acha-sc por este modo enfeiticado.'j
lo completa sua dedicaco, to grandiosa
sua ternura, to inexgotavel sua indili-
gencia, que ainda desla vez cerrara os
olhos, e para concordar com a autora, have-
riamos ds admirar isto como um dos mais
sublimes esforcos da alma humana, aquect-j
da, Iluminada pelas cbammas do verdadeipo
amor. Felizmente poapa-nos a autora essa
oncluso. Talbot Bulstrod inlervem, como
Jpiter entre nuvens, para delindar o dra*-|
ma, prajuslica no encalco do verdadeir
criminoso, e por urna lula vigorosamente
sustentada de ambos os lados, provar at a
evidencia que Eslevo Hargraves o assas-
sino de Joo Conyers.
Elle n3o tinha lido impunemente Cot-
seguros indicios a rpida popularidade que [ lentas chimeras, de mentiras puer9, de
conquislou, o ruido que fez a critica a pro- absurdas fantasmagorias.
psito do seu nome, arrisca-se, nesse ca- Quanto a demon->trar-lhe directamente o
rainho que achou tSo largo e plano, a per- valor dessa litteraiura mercantil cuja saida
der urna por urna as boas qualidades que a por elle favorecida, isso urna tarefa de-
distinguem, e a ver desenvolver-se desme- '
didamente o que de boa mente chamara-
mos os maus hbitos de sua peirna. Maisde
um exemplo ah est para adverti-la, e sen-
timos tentaces de indicar-lhe, entre outros,
o de um escriptor com o qual Ihe adia-
mos algama parecenca, o autor de Guy Li-
vingstone. Acolhida, affagada, como elle
fes aos escriptores de algum mrito, s
publicaces luteranas de certa gravidade.
Nada mais fcil de comprebender-se : n3o
do poblico a que nos referimos que sae a
clientela desses escriptores e dessas publi-
caces. Esse publico compe-se principal-
mente para nao dizer unicamenle de
individuos perteneentes a essas eamadas so-
ha pouco o foi, dese/amos que nao fique Iciaes, que sahindo orna aps outra das tre-
lins e Damas diz algores raissBraddon, ga-
nando a habilidade com que um dos seus^
hroes desembaraca-se de um enredo bem
complicado. E' justamente por essas pala-
vras que se poderiam caracterisar o talento
que ella revela e o bom xito que obteve,
Esse bom exilo do mesmo genero do da
Woman in white, e de No ame, se bem
que o autor destes dous ltimos romances
nos pareca levar-lhe vantagera pela discreta
economa dos meios que emprega, por orna
forma mais elegante e bem sustentada* e
tambem, quasi sempre, pelo cuidado que
moslra em respeitar os escrpulos moraes
de seus leilores, Esse cuidado parece es-
lranho a miss Braditon ; ella entra com ad-
miravel sangue fri em pormenores e si-
tuaces que de ordinario repugnara com a I que vem impedir
delicadeza de seu sexo, e preoecupada com
a necesidade de produzir impressOo, pouco
se importa com a demasiada ousada das
ideas, e mesmo com a nudez das pala-
vras.
Fllamostra urna evidente affctaccSo em to-
mar o lom viril, e como em laes casos qua-
si sempre acontece, o ultrapassa e falsea a
medida disfarca-se de mais.
Por mais excepcional que tenha sido sua
vidamiss Braddon exorce, segundo dwem,
a prolisso dramtica nao se explica bem
como pode ella despresar to completamen-
te o recato e a timidez que caracterisam o
romance fem'mino. O que melhor se ex-
plica que se tenha ella imbuido, e mais
do que devia, as tradices do drama, e
que baja introduzido em narraces que as
i FOLHETIM.
A CONDESSA DIANA
POR
MR. MARIO l'ClKIt.
(Continuagao do n. 243.)
V
esquecida como elle o et hoje. Suas ma-
neiras- desenvoltas, sua moral excntrica,
suas arrogantes brutalidades, as affeclaces
de todo genero pelas quaes procurav esse
escriptor bisonno distinguir-so do valgo.
n3o o preservaran desse grande castigo des-
tinado a todas as exagerares, urna vez pro-
duzido o primeiro mov ment de- surpreza;
a indifferenca e o desdem. Nao- recelara-
mos que tal acontecesse a miss Braddon,
se tivessemos- certeza que ella saliera fazer
o difficil esforro de expurgar os dotes que
recebeu da natUresa dos vicios literarios
que deve a um eJucacSo imperfeifav-a mo-
delos mal escoltados.
Entre os compatriotas de Anna Badeliff
o capricho dj moda poz de novo em voga
o romance de ssnsacoessensalionat no-
vefcomo dizem elles, o. romance myste-
rioso; o romance-'-enigm; cuja principal
condlcSo de interesse. cojo nvariavel meio
deseduccao um imbrogto j de si tene-
broso- e obscurecido ainda, complicadVde
modo a deixar at e-fim o leitor suspenaoe
o desenlace imprevisto. Bera miseraveis
em tudb mais, slo, de ordinario, historias
que comecam pelo fim, po'rs lendo a ultima
pagina fica-se felizmente dispensado de lr
as precedentes. Para- aprecia-las engl*-
badamente sem muita fadiga e perda de
lempo, recommendaremos ao leitor qoe
procure-as as colleeces iflmtradas, qpe
frequentemente teero/ as primicias dellai, o
hondn jovrnal ou qualquer outro woetStij
do mesmo genero. A*vvinbel queacompa-
nha cada capitulo diz quanto basta a um bom
(entendedor. Aqui urna creanca estrango
lada, ali ama forma humana cosida n'ura
saco que dous desalmados lancam n'agua,
oh ento um cavallerro a galope, cabellos
erricados, grvala ao vento, ao lado de-um
espectro fcminino qne aperta ao eolio--nm
pequeo fantasma. Por detraz d'aquelles
dous heres que se battem sem testomu-
nhas um bandido ds emboscada faz n'um
delles o alto do seu arcabuz; mais adianto,
sete ou oito bnrglnrs vestidos de preto> ar-
mados de cacetes e- pistolas, penetram
baca luz de urna lanlerro n'uma casa opu-
lenta ; no fundo de- algum bosque solitario
urna dama desgrenhada roja-se aos- ps de
um athetico scelerado que parece pergun-
tar, irresoluto, o que hade fazer della, urna
creada approxima-so do leito de sua ama
para suffoca-la cora, o travesseiro,. mas urna
robusta mo cahe-lhe sobre o hombro, e
vemo-ta, boqni-sberta, com os olhos des-
vainados, em frente do inesperado salvador
a perpetrago do crime.
Eis-aqui urnas exequias mysteriosas, as da>
mtdher do nfgro, (1) que vae ser enterrada,
viva, e que, algumas paginas adiantfe, vamos
ver sahindo sa e salva do tmulo, envolvi-
da as dobras do fnebre sudario ... As-
sim a reveladora vinheta, interpretando
como pode os dramas dos quaes serve como
que de annuncio, s repcesenta pessoas que
se espancam, apunhalam, envenenara ou
suffocaro, bandidos de toda edade e de am-
bos os sexos, e entre esses nmeros scele-
rados de alta e baixa taia, o policeman cir-
culando, com o seu Iruncheon na mo, os
olhos bera abertos, admirado, dir-se-hia, de
ter tanto que fazer.
vas, chegando unta aps outras luz do sol,
fornecem s fncces de ordera inferior urna
*uccess3o continua de leitores ingenuos, im-
pressionaveis, de urna credulidade sem li-
mites, de urna indulgencia a toda arova.
Esses n5o leem as- revistas.
Observando-se esse phenomeno dos nos-
sos lempos democrticos, na verdade pera
admirar que o nivel inferior da litteratnra
de irrraginaro nao se baja ataixado ainda
mais, e assim mesmo um symptoma fa-
voravel ver nesse citos em fermentado,
introduzirem-se pouso e pouco os elemen-
tos precursores de uro futuro menos negro.
Ebtre esses- exagerados romances- que nes-
tes-ltimos annos teemvislo a lur alguns
ha como os do Sr. Wilkce Collns nos
quaes se manifestara a* sinceras preoecu-
pacSesde um artista, a aspirado drom cer-
to ideal, o cuidado de urna observado
exacta, o esmero no estylo. o estado das
litteraluras estrangeiras ;' outros Ba tam-
bem, e nesla calhegoria poremos os de
miss M-addon,. que revela preciosa qua-
lidades naturaes, urna vivaeidade infeliz-
mentepouco castigada e que-pass? a medida
media,, rara imaginario, que podera ser
mais eomedida, mas sem duida attrativa e
sympathica, enlim, e sobretudO'esse nao se
que anda sem nome, que permtte crear
um typo'e-dar-Bw a consistencia, o movi-
mento, aanirnaco a physionomia, a ex-
pressao'e uraa cretura humana i Lady Au-
dley e seu sobrinbo Roberto,
Aurora Floyd e seu segundo marido,
mesmo- Talbot Bulstrode e JoS'o Conyers,
sSo, salvo algumas exagerares, perso-
nagens- que respirara, relratos vivos,
que sua-.exaetidaa> individual, pesia em re-
levo por engenhosos contrastes separa da
fbula absurda a (que pertencera. Elles-la-
zem at certo ponto perder oque ha nella
vulgae e facticio,,e por um lago mais ou me-
nos frgil a ligara, a urna ordemde produc-
Ces qpe a arte pode reconheeer. Foi por
ventura por esse- lado que os-romances de
que acabamos de oceupar-nes, recomrnen-
daram-se principalmente attenco publica
em Inglaterra r E devemos attribuir a voga,
que- obtiveraro, s qualidades- que os enten-
didos ah Batea ? Admitamos que sim,
sera crer, tolavia, absolutamente n'uma, jus-
tica t3o esclarecida, to bem administrada,
ou antes aitnibuamos esse resultado ao ins-
tincto especial que ha no seio da multido,
e que, se a- n3o preserva de enthusiasmos
irrellectidos, em compensado nao Ihe dei-
xa desconhscer o que digno de applauso
unnime.
E. D. Fobgcbs,
(Bevue des.Deux Mondbs.)
que se acham neste caso, e que mais renda
dariam a seus dono e as puzessem de ta-
baco
Os melhores estrumes para esta planta
s3o nqueslionavelmenle os alcalinos e o
ammoniacaes. Os superior tabacos sao
sempre os que mais abundam em potassa, a
qual ajuda muito para a perfeita combustSo
do cigarro ou charuto, e claro est que a
planta ter tanta mais po&Ka quanta mais
se conliver na trra que a cria. Preferem-
se (principalmente para os alfobres) os es-
trumes feitos dos proprios talos e desperdi-
cios da plaa, porm tambera 8e empregam
sempre do melhor, nunca poder haver re- com muta vantagem as cinzas de qualqner
ceio da competencia que Ihe possa apresen- natureza,os eslrumes anraaes bem curtidos
lar a excessiva qoantidade produzda no or- e tambem, escaceando uns e outros, o guano
te da Europa ou dos Eslados-llnidos. S 0 pari^
altendendo-se grande differenca de prefo! ^a Baha 3o mais usados os pentillimos
entre os charutos havanos e os allemaes e escolnendo-se para o planto do tabaco os Iu-
amencanos, que se emprehende gares que durante algum tempo (na dema-
verdade, e se explica como em saa-0 que ^^ prejudicial) serviram de
curraes ou de malhadas ao gado: e a tal
norte
bem esta verdade, e se
Cuba, maitos, que comecaram de pobres
vegneros, se vepm hoje opulentos capita-
listas.
Assim, se pelo querespeita ao assacar e
ao caf somos de parecer que convm proefu-
ponlo que s suas borlas de tabaco deaaim-
nam j curraes ou mffthadas.
| 3. Alfobres.
Para ter urna boa veiga ou malhada- de
zir para o mercado eslrangeiro quanto maistabaco essencial posswr boas plantas ou
possivel ('), opinamos, quanto ao tabaco, que! mutm; e por conseguinle um alfobre bem-
(1) The woman iu Black or Buried Alie.
bv mistress Gordon Smvlhie&
>mmmmtm
tra va pela manha, e quando deixava ooute,
beijava-lhe ossa mo que me- estendia. Nesse dia
nao ousei.
Mulla madrinha attrinutu sem duvida a minha
reserva confusao mu natural pelo accidente a
que ou dra motivo. Com gesto encantador, e ado-
ravel sorriso, levou ella mesma os seus dedos aos
AGRICULTURA.
T \ II1C O DA BAHA.
De que modo ae ha de melhorar
assim o cultivo da planta, como
especialmente a cuca da folha
para charutos, flm de poderem
estes ilvallsar com os hava-
nos.
| i. Importancia da industria do tabac*, e
ftindeste escripto.
A industria do tabaco, principalmente no
ramo da cara secca, propria para os cnacu-
o produzir embora menos mas do melhor,
ser de mais vantagem para o productor e
para o paiz.
A industria do tabaco de todas as enlre-
tropicas, 9 que reqaer menos capitaes. O
pobre qoeno tem mais- que om rancho por
elle feito, de parede de sopapo, e coberto
de sap, c 'ama pouca de Ierra que Ihe de-
ram ou aforau, para a sua roca de mandio-
ca, possue j quasi todo quanto Ihe basta pa-
ra ser cultivador de tabaco e vir concorrer
com um pequeo contingente para o augmen-
to das riquezas-de exporla?o do paiz, e pa-
ra poder recebar, em permuta, algum di-
nheiro com qu compre os artefactos do
commercio externo que nesessite. Assim,
a cultura do tabaco vem a contribuir a esta-
beleoer-se maior egualdade as1 fortunas dos
labradores e a augmentar no' paiz o verda-
d'eiroporo, forre e independent era vez de
classes de ricos e pobres, de patrieio e ple-
beus',. de escravos e senhores, inseparaveis
da industria do assosar.
Via*se, ha poucos annos, nodistricto da
Cachoeira, na Babia, o grande- milagro de
desapparecer inteiramente dahi a^pobreza, e
de augraentarem-se nraito os habitantes,
com a propagado do-cultivo e introdoccSo
dos proeessos da cura-3ecca, devida princi-
palmente ao benemrito suisso-, Lucas
Yessler.-
Esses proeessos podem, porm anda me-
Ihorar-setnuito. S ao seo atraso attriboia-
mos de ha muito.o nao rivalisarem os charu-
tos bldanos-com- os havanos, quando- em si,
a nossa planta era melhor. e quando sempre
na cura negra, isto de rolo ou corda levara
vantagem a de Cuba. Porm, a visita que
acabamos de fazer ao lamoso distrieto de
Vuelta de-Abaj e a compaco dos -proees-
sos ah mais-aperfeicoados-com os qne nota-
mos na Babia em 1861,. nos contirmaram
em nossas apprehensoes. O fim pois deste
pequeo escripto ser revelar esses-proees-
sos difiranles dos nosso,- corrigmdo os
quaes, esta- industria vira: a ser ao Brasil
muito mais rendosa do que hoje .
2. Eieolha e prepararn d ttnmto.
Para o tabaco devem sempre ser preferi-
das as trras- solas e pososas, isto um
tanto areentas, mas com aiguma tentura e
sufficiente abono.
Segundo varias analyses- feilas-pelo Sr.
rPellelier e outros chimicej as meWiores de
Vuelta s Abajo, depois de seocas-, mostra-
ran) conter mais de metade de slice ou ara
lina, sendo da outra quasi-metade^ i|3a 1|4
de materias orgnicas, e o-resto principal-
mente alumina e xidos de- ferro, cuja pre-
senta (dos-ltimos) se nota, a cor geralmen-
te amarellada dessas tenras As que cori-
to m bases calcreas sao as-mais ingratas para
o tabaco, motivo porque- esta planta se nao
cultiva na parte central da ilhade Cuba, on-
de to bem se produz a, canna. as Ierras
compactas e argilosas, em que as debis rai-
zes tem. difGculdade de penetrar, a plaata
definida e as foi has sabem excessivamente
pequeas.
As pantanosas e as salitrosas, ou que re-
cebem demasiada impnessao do vapor do mar
lo pouco servem para o labaco que resul-
tara com pessmo gesto ou horro, como di-
zem os havaneiros
Ha trras ligeiras que depois de aneadas
de dar canna. praduzem excellente fumo.
Em Pernambuco nao faltara bellas- varzeas
(*) Carta (impressa) escripia aa Exm. Sr.
ministro da agricultura era 26 de marco
prximo passaiio.
azul engastada de ouro, que minha madrinha cos-
tumava trazer ao pesclo. Guardei-me bem de de-
clarar a quem pertencia, pois Bastiao leva-la-hia
immediatamente condessa.
Ignoro quanto pode isto valer, tornou elle :
pertence a nos tres, e en me encarrego de ir a
Montherme ver o que onerece o pae Abraham.,
Quanto a voces, cuidado 1 e adeus... proseguiu mous labios, deu-me na face um pequeo bofetao,
dirigindo-se aos companheiros.
Yol tas para Maufert ? perguntei-lhe.
E' verdade, Sr. Andr ; e se Vmc. quizer
que tomei por urna caricia, e passou.
Corei; entretanto fui bastante senhor de mim
para dissimular a commocao interna que me agi-
os seus rendeiros nao o julguem absolutamente
indilTerente aos seus pmeres de familia.
Oht Podem conlar que elles lhes saberao
multo agradecer I disse o conde irnicamente.
Eu o ereio, senhor, retorquiu Diana com cer-
to ar de-dignidade que seu marido sempre respei-
ra.
Livres dos importunos seguimos alegremente em
procura da porta que se abra para a povoac.ao.
A condessa estava ainda um pouco traca; cami-
nhava encostada ao meu braco, o um reste de pal-
preparado e de sement escollada. Nesta*
parte eremos menos bom o systema da Ba-
ha ; onde se encarrega do alfobre quem s
Pem interesse de vender as raudas, sem que-
rer saber .des bons ou mua resultados da
colieita.
O-alfobre deve ser confiado v um homem
experimentado e de consciencia,- que eacolha
para- elle trra- mais a proposito ; tato ,
qus se possa julgar menos sujeita formi-
nas, grillos e lagartas, e em que- tenha fei-
to abortar as smenles das ortigas-, abrathos
e outras malezas que se acbavam anta na
trra. Certas formigas sao da planta lo
grandes persegnidoras, que contra amos
chamadas vivijaguas na Havana. nao-acha-
ram ah melhor reeurso que fazer preces-a
S Marcial e manda vir de Franja outreafor-
migaa- para guerrea-las.
Conrm que o* alfobres ou canteiros en*
que selan^a a sement, sejam uns mais-al-
tos que outros; afim deque, segundo corra
oanno; se aproveitem s as plantas daqvel-
les que-methor teallam vingado, despresan-
do os oalros. As semeates devem sao, -se-
nao viudas animalmente da Havana, da-Vir-
ginia eu do Kenluck.v. pelo menos de algum
distrieto situado o mi longe que fr possi-
vel. Nunca prodneoao- do proprio sitmem
ue vae seracar-se.. Como sao deraasia-
o mi'.idas, para no-capirem mu i juntas,
cosluraam lancar-ae- (erra misturando-as
antes oom ara fina, com o qae se distribue
com mais egualdada. As plantaznbaSk em
quanto-tenras, convm sejam abrigadas-dos
violentos ses e das-frtws pancadas d'agua,
o que seconsegue por.meiode esteiras,ele.
Na Babia, segundo dissemes-, o fazer os alfa-
bres -urna especialidade: eos donosdellee
vendem aos lavradores a duas patacas o ce-
to de mudas escolhidas.
&*Plantaffoe^mcymco dos ta>-
sectos
A 'ransplantatio-ou.cotlocacao das mudas
deve effectuar-se quando estas teem quasi
um palmo : o que na &bia geralmente tem
lugar, no mez da junho.'isto uns cnco-uae-
zes antes do tempo ordinario das aguas,.pa-
ra que, ao chegarem estas, esteja salva a-arr
recadada a col he i ta. ,
Na plantacao- das modas deve'seguirse,
em ponto grande,. regias anlogas s- que
seguem os hortelaos, quando plantara cou-
ves on alfaces. Convem que se prefirom os-
dias nublados, ou pelo menos as tardes,
i [liando a ierra se sinta hmida, us nao
unxarcada- Abrem.-se regos paraleUos, na.
distancia de qpatro a cinco palmos uns dos-
outros, collocando-se uestes as plantas a
dous palmos e meto urna das outras. Fa-
Ihando de pegar aiguma, o que se pode re-
conheeer j ao tesceiro dia, ha quorep-la
inimediataraenle.
Na Uahia cada lavrador costuma fazee a
sua plantacao toda em um ou dous dias se-
guido3> convidando para esse fimaosvisi-
nhos, que naodeixam de concorr.er,; ponqu
o beneficio se paga reciprocamente e-pesque
sao altiahidos alm disso pela festanga, com
que se prapara o lavrador a receb-los, c
que- se d o nome de boi r/e cova ; talvez
por.que, na primitiva, consista era am boi
assado deliaixo da trra, coaso ainda se usa
no suU
Para laeililar o trabalho, conviria ter pre-
viamente- a trra lavrada em glande com
arado, destorroada com a, grada, e dividida
em laboleiros de vinte bragas.da lado.
(tonti/marse-ha}

Deixei os meus velbos amigos promettendo-lhes
que voltaria breve, c prosegu no meu passeio ao
ara so.
Veio-ine ao pensamento ir em peregrinacao ate
essa cabana, em que na vespera se desprender
tao sbitamente o meu coraclo, emquanto eu ve-
lava junto delta.
Chegando a clarcira dos Javalis ia entrar nesse
asylo sagrado, eis que vejo apparecer um homem
no liniiar ; dous outros se achavam no interior :
rcronheri nesses homens os contrabandistas da vi-
inbanca.
Enfadado rom este contratempo resolv passar
adianto ; mas do fundo da cabana urna voz cha-
mou pelo meu nome : era Bastiao, um rapagao de
Maufert, bravo e intelligente, que me era dedicado
como um cao por alguns soccorros que prestei
sua mae enferma durante una de suas ausen-
cias.
Entre, Sr. Andr, recolba-se do sol.
Aceitei o convite. A' um canto achavam-se
amontoados alguns fardos que exhala vam um chei-
rcorte de fumo. Apeiar das leis fiscaes os habi-
tantes das fronteiras nao escrupulisam em materia
de contrabando : para elles era isto nada menos
do que urna industria arriscada, e nem um s da-
quellps que a exercem desconfa do seu visinho.
Por minha f, Sr. Andr, replicou Bastiao,
nao ha ainda urna hora que fallavamosem Vmc.
Temos charutos muito bons, como poucos appare-
eem aqui.
. l'arece-me que continas no teu belloofllcio I
Ouve bem o que te digo, Bastiao ; ainda has de
aaabar enforcado ou assassinado.
(Jue importa I A guerra tem os seus pe-
rigos t
Assim falcando, brincava machinalniente com
uma joia qae volva nos dedos, c que attrahio a
orinha aitencao por tal modo que elle apercebeu-se
disto, e diste : (
E' um achado que acabamos de faier entre
ete montao de folbas.
Reconheci urna pequen a medalua de esmalte
que Ihe faca comnanhia, estous suas ordens. Nao java. Tinha ao pescoco, junto a uma nedalha da I ^dez< que 'he via as faces, causava-me remorsos
tarda cahir a noute. I Virgem, que me dra minha mae, essa joia que a Por .8,d? causa do seu padec ment.
Bespondi-lhe que sim, e partimos ambos. No condessa julgava perdida: era um talismn que
fim de um quarto de hora de caminho, voltei-me me queimava o pcilo.
Andr, perguntou minha madrinha, o que
fez vor hontem ?
. O que posso afflancar que quasi nada se
inquietou seu respeito, minha querida, disso o
meu tutor.
Pouco me embaracou semelhante patetice de
marido : sorri desdenhosamente, na certeza de
para o meucompanheiro, e disse-lhe :
K bem bonito este medalhao...
Pois se Ihe agrada, tome-o, e d o que quizer
para os meus dous socios. Afinal de cuntas o ju-
deu ha de iograr-me com toda a certeza 1
Conclu logo o ajuste, e toraei posse do meu the-
souro.
Ora, poupou-me Vmc. essa viagem, replicou
Bastiao alegremente. Ficarei hoje em Maufert, e
poderei ver Catharina.
E tu Ihe fallas sempre 1 perguntei-lhe em-
que a condessa far-me-hia justica, e respond-lhe :
Fui visitar Simio.
Na verdade a occasio era bem escolhida
pregando um ephonismo do paz que significa va i para divertir-so I replicou o Sr. Maufert.
fazer a corte, Catharina me disse que voc foi duas vezes
E ento I Estamos apaxonados um do saber noticias minhas, acrescentou a condessa.
outro. I Agradeco-lhe essa prova do seu cuidado. J eu
olha o conde I Sabes que elle nao gosta de eslava mais forte, e se nao fosse querer obedecer
que andem fazendo roda s criadas da condessa.; prescripcao do medico, nao supportaria mais esse
J houve quem te visse no parque : se elle te pi- dia de recluso.
I ha, ests aviado... Nesse interim entrono Sr. Placido, intendente
------Oh I Desaflo-o para que me pilhe I Te- do conde. Abencoci a sua vinda, que iaabsorver
nho c os meus meios... \ meu tutor em seus negocios, e dar-me occasio de
Ne dia segujnte desci ao jardim antes da hora conversar a sos com minha madrinha.
costumada. Minha madrinha acordava sempre Vejo com prazer, disse a obsequiosa perso-
muito cedo, e descia logo a visitar os seus jardins; nagem do intendente, que o Sr. barao se acha me-
eu a ajudava a colher flores para os jarros da sala. Ihor esta manha.
Esperei-a nesse dia, inquieto e perturbado, temen- Nao fui eu quem esteve doente, senhor, res-
do e desejando ao mesmo tempo a sua vinda. Be- pondi-lhe seccamente ; foi a Sra. condessa.
ceiava trahir o contentamente em mm produzido O paludo semblante do Sr. Placido enrugou-se,
pela descoberta do que se passava no meu co- fazendo uma careta, o que nelle equivale a um
Querida madrinha disse eu. Oh cifcno me
pesa v-la assim abatida por minha culpa !
Chiton t Nao fallemos mais nisto. Veja que
festa bonita I
Toda a povoacao estava em movimento: era
o preludio d'uma dessas nupcias de Ardennes que
duram oito dias.
O pae Lelut, o rendeiro do conde, era rico e mui-
to aparentado nesse paiz em que todos sao primos.
De dez leguas pelas cercanas concorreram gros-
sos cultivadores com suas familias amontoadas em
vehculos os mais esquisitos. A praga da Egreja
nunca vira tantos abracos, e as faces rubicundas
das raparigas, guapamente trajadas, estalavam
beijos e mais beijos, capazos de assustar os proprios
passaros nos ares.
chegada da condessa Diana, Lelut foi imme-
diatamente aprescntar-lhe a sua lilha, e tambem
o noivo, rapagao bem desenvolvido, que pareca
franco e intelligente, urna dessas naturezas rusti-
cas, de que a educacao moderna e a escola de
rignon fazem os countrytnm, que nos enviar
bem depressa Inglaterra.
O noivo fez o seu cumprmento em ba^ lingua-
gem Em seguida apresentou-nos sua" mae, velha
camponeza arrimada seu braco ; e satisfez esta
etiqueta com tal orgulho e respeito, que to bem
garanta a edade de uma, como a posicao do outro,
que minha madrinha estendeu a mao ao filho e
que V. Exe-. lovava para be
est elle, responden
O seu afilhado
ber leite t
O meu afilhado ? Aqui
Diana .acontando para mira.
este senhor I Como esta crescido t Parece
mais seu marido, Sra. condessa, do que afilhado.
Adeus, Brgida ; d um abraco ero sua filha,
j que se lembra ainda de mim. Vamos, accres-
centou a condessa a rir-so, caminhe, Sr. meu ma-
rido t
E continuamos o nosso caminho gracejando so-
bre essa lembranca de- Brgida, (pie me- causaya
ineffavel perturbacao \. e ao abrigo de- tal gracejo
minha madrinha impunha-me esse doce captiveiro
que uma das formas mais exquisitas do amor.
Passou por nos uma calega em que ia uma se-
nhora nossa vsinha : cumprimentei-a,
Prfido I me disse a condessa graciosamen-
te ; prcvino-Uie do que estou j com ciumes... Vo-
c sorrio-se para a Sra. de Biernes.
E Vmo. olhou muito para o marido della,
respond eu no mesmo tom.
VI
Decorreram algumas semanas : todas as ma-
nhas eram para mm um preludio de felicidades.
A minha existencia escoava-se tao placida ao lado
de Diana, que nao senta mais o despotismo do
conde. Esquecido dos meus rancores, o dos pro-
jectos de independencia, pensava agora com dissa-
br nessa poca ainda ha pouco tao desejada de
minha maioridade, aps a qual nao me era possi-
vel prolongar sem ndescripcio a minha residen-
cia em Maufert, em corapanhia de um tutor avaro
que achava demasiadas as minhas despezas, bem
que cu as pagasse com o mea dinheiro.
Entretanto era essa apenas uma nuve-m passa-
geira no meu cu azul: todo aquello qne'ama-
vive e se alimenta do presente. Eu via Diana to-
dos os momentos do dia : andava sempre ao lado
della; e como cavalleiro desconhecido da legenda,
que semeava violetas por onde passava a sua prin-
ceza, afim de recordar-lhe o paiz do qual a tinham
exilado, assim eu julgava-me orgulhoso por poder
ragao.
Mas esperei em vo : tocou a sineta para o at-
mogo, e ella nao tinha apparecido.
Oh t Ei-lo finalmente, disse meu tutor ape-
nas entrei na sala de jantar. Alegro-me por ter o
prazer de gozar da sua companhia.
Mostrei-nie insensivel a te cumprmento ir-
nico. Logo primeira vista reparei que o talher
de Diana se achava posto. Quasi ao mesmo tem-
po a porta se abriu, vi-a entrar, e corr ao seu en-
contr. Ella estendeu-me a mo ; parei enflado e
confuso.
Por um habito de infancia, quando eu a encon-
abracou a mae.
A bella. Dorothea corou de prazer. A felicidade! espalhar secretamente em torno da condessa essa
sorriso. desses dous coragoes, que se amaran com aquella j atraosphera de amor, que Ihe fallava ao coragao,
Nunca gostei desse Normando tratante e astuto, affeigo honestae verdadeira, que torna as famiflas e supprir destarte a lujustiga do destino,
que oceultava a sua malicia sob ura afr de vileza, e' venturosas, produziu em mim indsivel melanco-1 ^ Qumate poda anibicionar ? JVao era j
mostrava-se to dcil como o seu nome. Era elle' lia. Tambem eu amava... mas o meu amor nun
a alma damnada de meu tutor : isto bastara para' ca passaria de uma illuso
que eu o detestasse. Appellidel-o t Tristo o Ere-
mito.
Concluido o almogo o conde interrompeu a sua
conferencia com o Sr. Placido, e disse minha ma-
drinha :
Fica ainda hoje em casa, minha querida ?
Nao, vou egreja assistir ao casamento do : no,.. est bom ?
Dorothea ; Andr me acompanhar. K bom quo Que pequeo ?
Quando sabimos da Egreja chegou-se Diana
nma mulher de seus cincoenta annos, que a vira
menina.
Ali I Sra. condessa, disse ella, l se rae o
tempo em que V. Exc. corra atravs dos campos !
Minha filha me falla sempre nisto. E o sea peque*
eu oeseo-
lhdo de sua "alma, que s para mim so inclnava ?
Nao era o nico confidente de suas tristezas e ale-
gras ? Ambos nos esta vamos no mundo como que
isolados, e s tinhamos a nossa mutua affeigo para
consolarmo-nos do vacuo que a morte deixra em
torno de nos. Ambos eslavamos submetlidos ao
pesado jugo de um homem desconfiado, invejoso
de toda a mocidade e belleza.
Depois do almoco o conde costumava sempre a
retirar-so com o Sr. Placido. Era ento qne os
nossos peitos se dilata vam, e osaossos semblantes
irradiavam de prazer. Desciamos para t> jardim,
ora alegres e satisfeitos, como eoilegiaesem horas
de recreio, ora melanclicos e pensativos como
dous amantes, lendo algum romance moderno ou an-
tigopoema, que fazia palpitar os nossos coragoes...
Kiniim s tinhamos uma alma, una pensamento,
e eu trema cuidando na inomonlo em que Diana.
se apercebesse disto. I
Uma risita Inesperada veiu perturbar e par, a.
nossa liberdade. N'utua manha de julho etiegoa
ao castello a barooeea de Jonval, lia de Diana, %
qnal, tendo-a recoUdo j orphaa, dora-lhe uma
existencia to- triste e tao falla de fernura, que ao
da em que se falln do casamento ,*ni o. conde ale
Maufert, minha pobre madrinha aceitn, encaran-
do essa desgraea como um meio de |jber,tar-se t
A Sra. barooeza de Jonral, prebendado, de um
dos primeiros captulos da Alleraanha, era uma
dama de porte altivo e arrogara,, wt sabia
allar pertenamente as gragas de uma etiqueta de
outros lempos com cortos ares de bomibiade, que
davara bem a conhecer. a christia de alta linha-
gem, Hayia entre ella e o Sr. d Maafert inteira
communidade de sentimentos ; ambos araremos,
roas dessa arareza que nao seo petar obedeco s
imperiosas obrigagoes que cabero quelles que
teem um nome a zelar, enteadiam-se sobre tudo
maravillosamente.
Pouco sympathisava eu ora essa imponente pw-
sonagem, que vinha quasi todos os annos perturbar
o meu outono, e der- eonfessar qne ella do sua
parte nao deixava de corresponder mais ou oteaos
a esse sentimento de averso : assim fique admi-
rado vendo-a descer do carro, e dirigir-se 4 mim
de bracos abertos consuma efrasao em que- se no-
tara aiguma Inquietacio.
Por detraz da baroneza appareceu urna joven que
desconheci primeira rista.
Ento, Andr, me disse a Sra. de Jonval, nao
rae dar a mo Magdalena sua arotgtuaha de ou
tr'ora ?
Magdalena era filha de um pastor de Frbourg
em Brsgu, lugar da residencia da Sra de Jon-
ral. Era uma ioren sympathica, que seus paes
liaviam entregado aos cuidados e patrocinio da no-
bre prebendada, julgando-se felizes com isto, nao
obstante a differenca de communhdea que existia
entre elles.
J ella tinha rindo por diversas rezes passar
dias no castello ; mas a ultima vez qne a vi era
menina, e agora estava moca feita.
(Continmr-te-ha.)
PERNAMBUCO.- TTP. !>E M. F. F. ft FILHO-
T MUTILADO
^*
^


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EG8AMUN6I_HGLQ6P INGEST_TIME 2013-08-27T23:12:05Z PACKAGE AA00011611_10224
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES