Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10221


This item is only available as the following downloads:


Full Text
?
'
AMO XXXIX HOMERO 241.
Por tres mezes adiantados SSOOO
Por tres mezes vencidos 6JO00
DIARIO DE

OOARTA FEIRA 21 DE OOTDBRO DE 1863.
Por anno adiantado. ..... 19&00O
Porte para o subscriptor. 3JJ00U
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima'
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva 5 Araraty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL
Alagas, o Sr. Claudino Falclo Dias; Baha, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins & Gasparino.
PARTTOA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas
sextas-feiras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Carnaru',
Altinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Taearatu', Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas feiras.
Sennhlem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
Ilha de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao
'A dia.
EPHEMERIDES DO MEZ DE OUTUBRO.
4 Quarto ming. as 3 h., 36 m. e 8 s. da ni.
12 La nova as 3 h., 17 m. e 2 s. da i
19 Quarto cresc. as 4 h,., 40 m. e 32 s. da t.
26 La cheia as 2 h., 30 m. e 20 s. da t.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 9 horas e 18 minutos da manha.
Segunda as 9 horas e 42 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagas a 5 e 23; para o norte at
a Granja 7 e 22 de cada mez; para Fernando nos
das 14 dos mezes dejan, marc., niaio, jul, set. cnov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipucos s 6 "A, 7, 7 '/j, 8 e
8 V* da m.; de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde: de
Jalwatao s 6 / da m.; do Caxang e Varzea s 7
da m.; de Bemflca s 8 da m.
Do Recife : para o Apipucos s 3 '/j, 4, 4 "A, 4 V?,
o. 5'A, 5 Vi e 6 da tarde; para Olinda s 7da
manha e 4 /, da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
de ; para Cachang e Varzea s 4 '/j da tarde; para
Bemfica s 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commereio: segundas e quintas.
Relacao: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commereio: segundas s 11 horas.
Dito de arphlos: terjas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas e seitas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DAS DA SEMANA.
9. Segunda. S. Pedro de Alcntara f. p. do imp.
20. Terca. S. Joao Cancio; S. (Crapazio m.
2i. Quarta. S. rsula e suas comp. vv. mm.
2a Quinta. S. tadislo f.; S. Berarlia v. m.
23.. Sexta. S. Joo Capistran f. t S. Joao Boin.
24. Sabhado. S. Raphacl arch. -, S, Fortunato m.
25. Domingo. Ss. Crispim e Cnspiniano irs mm.
ASSIGNA-SE
no Recife, em a livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Figueiroa da
Faria & Filho.
PARTE QFFICIAL.
GOVERUO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 17 de outubro de 1863.
Offlcioao commandante das armas.Sirva-se V.
Exc. de ordenar ao commandante do 4." batalho
de arlilhana a |>, que satisfaga a exigencia rons-
Ttante do aviso da reparticao da guerra, por copia
inclusa, datado de 30 de setembro ultimo, relati-
vamente ao 2 cadete do mesmo batalho Fran-
cisco Carueiro da Silva.
Dito ao mesmo.__Haja V. Exc. de habilitar-me' ,s,a> denominado Petrolina, tendo por limites os (Lancamcntos no hvro dos culpados.
com a sua informado de modo a'poder satisfazer do 3 districto de paz da freguezia do mesmo ndice dos mesmos.......
o que exige o Exm. Sr. ministro da guerra, em nome!- I Offlcios reservados......
aviso de lo de setembro ultimo, por copia inclusa, I Dila.O presidente da provincia conformando-1 Notas de emolumentos. ..
relativamente ao soldado do 7. batalho de infan- 'sc com a proposta do Dr. chefe de polica n. Mappas de crimes e factos notareis,
taria Manoel Francisco dos Santos, a quem se man- '.427, de 15 do corrente, resolve nomear autorida- i Mappas de suppletorios. .
dou dar baixa do servico militar pela ordem do dia | pohciaes do districto de Petrolina, os cidadiios Borros dos mesmos
Dito ao juiz de paz mais votado do Curato da Registros de ttulos de subdelegados .
S.Convenho em que se faca na igreja de Nossa Termos de juramento......
Senhora do Amparo dessa freguezia, como Vmc. j Termos de nanea........
\ prope em sen offlcio de 16 do corrente, a eleico Passes da via frrea.......
a que se tem de proceder no dia 1 de novemhro' Offlcios registrados.......
vindouro, visto que nao pode prestar-se a esse Lancamentos de contas......
fim a do Curato da S, que serve de matriz por se Extracto das partes diarias para jor-
acliar oceupada naquelle dia com a festa de todos naes...........
os santos, e no seguinte cem o ofilcio pelos finados. Partes diarias.........
Offlciou-se a irmandade do Amparo. I Assentamentos de criminosos captu-
Portaria.O presidente da provincia confor-' rados. ......
mando-se com a proposta do Dr. chefe de polica Assentamentos de crimes e factos no-
n. 1,427, de lo do corrente, resolve crear um dis- taveis..........
trelo de subdelegacia policial no termo da Boa-' Assentamentos de desertores.
n. 354.
Dito ao provedor da Santa Casa da Misericordia.
De conformidade com a sua informado, datada
<3e hontem, pode V. S. mandar entregar a exposta,
filha de Joao Lins da Costa Leite, cujo requer- i
ment deixou de acompanhar a sua citada infor- '
maelo. *
D'ito ao mesmo. -Mande V. S. inscrever para ser *
opportunamente admittido no respectivo cnllegio o Miguel boncalves Barbosa,
orpho filho de Josepha Maria Pereira de Alean- Adnao Baptista Guimares.
seguintes :
Subdelegado.
Manoel Francisco de Souza.
Supplentes.
1 EgydioMartinianode Alencar.
2 Ignacio Rodrigues de Santa Anna.
Antonio Joaquim de Santa Anna.
Francisco Vieira Nunes.
Dita.Os Srs. agentes da companhia brasileira
de paquetes ajvapor mandera dar transporte para a
Registro dos passaportes.
Passajiortes.....
Vistos nos mesmos .
Legitimacoes.....
Licenca......
Busca. ......
Registros de legitimacoes.
Somma. .
6 que comecasse por por em queslo todos os prn-
i cipws, e que se estrasse intimando as leis de uina
r* coosiitninte, reproduzindo as desordens de 1848.
." duque de Saxe Coburgo conformou-se com a
o a ,sao dos soberanos ; nao amuou, nao se retirou'
38 despenado. Os exaltados propalaram que S. A.
romper todas as relaedes com o congresso, e que
lo a mao de 1ua,lluer fu'ura cooperaco. Afflr-
30 maram at, que o duque era autor do opsculo in-
titulado Revelacoes ao povo allemao crrea do con-
37 gresso dos principes. Essa publicado nao acredi-
ta no resultado tangivel das augustas delberaces;
27 nega boa f, patriotismo, aos membros da reuniao, e
W sostena que a Allemanha nada lucrar com as
oz suas resolues.
^ifi Jr*"l de Francfort foi autorisado pelo gover-
3 no de Saxe Coburgo a declarar que o duque nao
1 autor nem collaborador da brochura impressa em
Bruxellas ; e que outrosim nao parlilha as ideas e
4 as doutrinas que nclla se defendem. S. A. julga
9 preferivel avane.tr gradualmente, conquistar
ln.j hoje urna immunidade para melhor obter outra no'
143 da seguinte. antes do que consumir mezes e annos.
2 es,eril conflicto para realisar urna perfectibil-
1- dade que as cousas humanas nao adquirem de
1 chofre.
Os soberanos esto de accordo sobre a ndole da
12 cliifederacao, segundo a definicao do artigo 1 do'
projecto ; sobre a organisa^rio" do directorio, do
t conselho federal; emtm, sobre as
quese espera do norte, ao capillo Claudio Marques
de Souza que vai recolher-se ao 1 batalho de infan-
tana, ficando sem effeito a portara que se expedio
acerca desse ofOcial em o do corrente.
Dita.Os Srs. agentes da rompa ahia brasileira
de paquetes vapor mandem dar transporte para
a corte, por conta do ministerio da guerra, no va-
por que se espera do nortf, ao lente Manoel Joa-
tada de hontem, e soh n. 1929, a gratificarlo,
que tiver direito_ por ha ver apprehendido o deser-
tor do 7." batalho de infamara, soldado Belarmino
Jos Pinto.
Dito ao mesmo.Com a copia do offlcio do bri-
gadeiro commandante das armas n. 1936 de 16 do
corrente,transmuto V. S. paraos fins convcnlen-
Eippilipntf do secretario do governo.
Offlcio ao brigadeiro commandante das armas.
S. Exc. oSr. presidente da provincia mande com-
municar V. Exc. que nesta dala proferio no re-
querimento do capello da repartidlo eclesistica,
Lourenco de Albuquerque Loyola, sobre que Y.
Exc. informou em offlcio n. 1,921 de 15 do corren-
es^2 mappas^dojnovimento havido no pessoal das I te, o despacho do theor seguinte: Como requer,
de sem prejuizo do cumprimento dos deveres do sup-
plicante, como capello do exercito.
Despacho do dia 17 de outubro de 1856.
Requerimentos.
Galdino Jos da Assumpcao.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Ignacio Vieira de Mello.Passe portara conce-
dendo a prorogacao pedida.
Joao Antonio de Oliveira.Informe o Sr. Dr.
chfe de polica.
Josepha Maria Pereira de Alcntara.Mande-se
inscrever o filho da supplicante para ser opportu-
namente admittido.
Margarida Alves Vianna.Como requer.
Padre Lourenco de Albuquerque Loyola.-Como
requer, sem prejuizo do cumprimento dos deveres
do supplicante, como capello do exercito.
enfermaras do hospital militar e provisorio
Santo Amaro na primeira quinzena deste mez.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.De
conformidade com o que solicitou o chefe de poli-
ca, em offlcio de hontem, soh n. 1134, mande V.
S. pagar a Francisco Mendes dos Santo, ou a pes-
soa por elle autorisada, a quantia de 1025000 des-
pendida com o sustento dos presos pobres da ca-
deia do Brejo nos mezes de agosto e setembro des-
te anno, como se v das duas contasjuntas, e urna.
v4z que nao haja inconveniente nesse pagamento.
Communicou-se ao chefe de polica.
Dito ao director g.'ral da inslrucco publica.
Pelo seu offlcio de 15 do corrente, sbb n. 17'!, fi-
-quei^ inteirado de haver o conselho director, em
sessao de 13 imposto ao professor publico de ns-
truc^ao elementar da villa do Limoeiro Joaquim
Theodoro de Vasconcellos Aragao, a pena de m
mez de suspensao, por considera-o incurso no de-
licio previsto no artigo 96 2 da lei provincial n.
369 de 16 de maio de 1855.Communicou-se
thesouraria provincial.
Ditoao mesmo.Defer nesta data, em vista da
informaeo, que V. S. minstrou hontem, soh n.
179, o re'queriinento em que Margarida Alves Vian-
na pede dispensa do exame de habilitacao, para
enatnar particularmente primeira lettras n'esta ci-
dade.
Dito ao director do arsenal de guerra.Mande
V. S., com urgeaia, concertar a guarita da guar-!
da da thesouraria de fazenda, como requisitou o I
brigadeiro commandante das armas, em offlcio n. j
1932 de 18 do corrente.Communicou-se ao com-
mandante das armas.
REPARTIDO DA POLICA.
ItESlMO DO EXPEDIENTE FEITO PELA SECnET.UlIA
DE POLICA, Dl'KANTE O MEZ DE SETEMBRO PRXIMO
ruma
Ofpcios dirigidos. Nmneros de officios.
Ao presidente.
Ao t da relaeo.....
Ao commandante das armas. .
Ao commandante do con de poli-
ca............
Ao chefe de polica da Parahyba. .
Ao
Ao
Dito ao mesmo.Informe V. S. com brevidade, Aojuiz de direto
se j foram reinettidos para o Cear, e em que lem-
po os objectos, que por avisos de 18 de marco, e
31 de dezembro do anno passado, se mandou for-
necer enfermara militar d'aquella provincia.
Dito ao mesmo.Transmiti por copia V. S.
para ter execuco o aviso circular de 6 do corren-
te, declarando como se devem entender as despen-
sas, que se tem concedido pelo ministerio da guerra
a alguns o|erarios das repartieres e estahelecimcn-
tos em attcnco ao tempo de servico, e estado vale-
tudinario dos mesmos operarios.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.A
vista do que V. S. ponderou em sua inforniacao
n. 391 de 16 do corrente, resolv augmentar com
400 res diarios, a contar desta data, o salario de
1200, que actualmente percebe Antonio Jos da
Cunha Guimares, como collaborador de escritu-
rarlo das obras do melhoramento do porto : o que
communico V. S. para ter execueo.Commu-
nicou-se thesouraria de fazenda.
Dilo ao commandante do corpo de polica.Po-
de V. S. fazer engajar no corpo sob seu commando
o paisano Marcellino Prudencio Machado, que para
isso foi julgado apto, como consta do seu offlcio n.
423 de 15 do corrente.
Dito ao Sr. Jos Joao de 'Amorim.Recebi a
communiracao, que em 16 do corrente, me dirigi
Ao
Ao
Ao
Ao
Ao
Ao
Ao
Ao
Ao
da Baha,
das Alagas. .
do commereio.
de Olinda. .
do Rio Formoso.
de Santo Anio. .
do Bonito. .
de Goianna. .
de Limoeiro. .
de Brejo. .
de Flores. .
de Tacarat.
De passaportes
De legitimacoes.
Termos de llanca.
De licenca. ".
De buscas. .
tara, a que se refere a sua informacao de hontem
-datada.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda. Baha, por conta do ministerio da guerra, no vapor i Portaras em favor das partes.
Mande V. S. ajustar contas at o Dm do mez corren-
te, e passar guias de soccorri ment ao capitao Clau-
dio Marques de Souza, e tenente Manoel Joaquim
de Souza, que teem de seguir no vapor, que se es-
aera do norte, o primeiro para a provincia da Ba-
bia, e o segundo para a corte.Communicou-se ao
-commandante das armas.
Dito ao mesmo.Recommendo V. S., que nao .
havendo inconveniente, mande pagar ao sargento qum Souza, que vai recolher-se ao 4 batalho
do corpo de polica, Manoel Luizde Siquera, como de inlantaria, a familia deste. composta de mulher
pede no incluso requer ment, c em vista do at- e dus lilhos menores, e ao soldado voluntario do
testado junto em duplicata sobre que versa a infor-' batalho da mesma arma Numeniano Jos de
inac,io do brigadeiro commandante das armas, da- Barros Jnior.
prerogativas e
----------- origem da cmara federal.
Emolumentos arrecadados no mesmo mez : Nao hava pois motivo algum fundado para an-
2865000 tever dissenso insanavel em outras presenpcoes.
un A,Sunm attribuic5es do directorio, algumas esti-
pula ces relativas competencia ou formaeo do
Somma.
115040
25000
45000
200
3065240
tribunal federal, provocaram talvez ohjefQdes mais
ou menos insistentes.
No prejudicaram comtudo o complexo do pensa-
mento de reforma.
Urna clausula importante poderia ser o pomo de
discordia que dispersasse os athletas do areopago.
Se a Austria procurasse metter-se no Zollverein
Secretara de polica de Pernambuco, 16 d outu-
bro de 1863. com, as suas vistas mesquinhas acerca da protec- i
O secretario, 5I0 industria ; se tentasse destruir as condicoes I
Eduardo de Burros Falcao de Laceria. econmicas dos estados da Allemanha septentrio-
- nal para substitu-las pelos preccitos anti-econom-'
eos das suas casas flseaes, seria inevtavel urna op-
posiijao formal da maioria dos membros do con-
gresso. Mr. de Schmerlng evitou hbilmente o es- j
colho ; sacrlficou os interesses do fisco austraco s
1 trancendentes vantagens de urna confederadlo |
I sympathica e regenerada.
A reuniao dos soberanos na sede da dieta ger- aJf'L'tKSfe Tf- a crean* ?i,alidKade,?
manica, no ser nteiramente estril. Pdedizer- ^snaig?"^Pq,Ue?,a^ J*,0 n0\ ^ S*2*
sesemtemcridade.quesedeuumpassoemdirec- g *gffgLJlf&W .**! h c"t0
Cao undade poltica de urna grande naci. Os ?"? ^^Z t "Sf! MriM. ^ Uv,.
mal disfarcadosciumes da Franca, da Inglalerrra gnora-se se a mocao foi approvada, como divul-
EXTERIOR.
O ron gresso de Francfort.
da Russia, de sobeio indicam, que o accordo do
chefe da dynastia de Hapsburgo tende a chamar
virilidade um povo dotado de todo os requisitos
para fazer brilhante figura na Europa, para no
carecer de alliancas estrangeiras, para nao receber
a le de potencia alguma.
gam vanos jornaes.
Em alguns crculos bem informados duvida-se
dessa referencia. As folhas austracas insufladas
pelo successo, fallamcom prematuro entono da vic-
toria, por se haver segurado a annuencia mais ou
menos sincera de quasi todas as testas coroadas,
O programma auresentado pela Austria ora desi, exS^?*' "" !ia:fH a ___, r ,
nado a assegurar-llio o melhor papel; mas o in>' .Z^1 ?u confederacao sempre foi ci
uradnr nn SimhtfMi m martiflrapps imeltaZs ^rada comopacto entre principes soberanos.
consi-
, ce-
lebrado na pleniludo de suas prerogativas mages-
taticas.
Anda hoje, em muitos estados constitucionaes, o
simados Desdff- m.ona.rcha Pode dar forca de lei aos tratados que
n 1 uiimnM fie nao 'nvolvem compromisso financeiro. Sem res-
oria Mfura para o l'ejtar semelhante principio, a projectada reforma
tinado
perador nao combaten as modiflcacScs suscitabas
as vistas demasiado exclusivas.
Assim, o directorio, composto de cinco membros,
um pela Austria, um pela Prussia, o terceiro pela
Baviera, e os dous ltimos des _
rentes estados, foi alfim elevado
modo que deixa de haver maioria segura para
governo de Vienna. Abandonou-se a combinado ..*- .
de seis membros Oxala nao prepondere pensamento tao obnoxio 7
Era fcil dar-se o caso de empate em semell.an- Av,r1^rrm,a/a"'a,rl(,c todo'-0 ?0,hico.re:da **
te congresso. Era novo o methodo adoptado para o g0* **' os principes nao. tardarao em
desenlace. Nohavia voto de qualdade que fizesse d!vlrgrenf,a' e, >"?" de tra'icfort nao Man
pender o fiel da balanca. A 'solucao achar-se-hia ra.de fallaz ostentacao, se o projecto
na maioria dos habitantes correspondente aos re-
presentantes de qualquer das fraccoes que fizerem
Ao juiz municipal da primeira vara .
Ao t da 21 dita.. .
Ao de Olinda. .
Ao de Goianna. .
Ao de Nazareth. .
Ao c da Escada .
1 Ao t i de Serinhem. .
Ao de Barreros. .
j Ao de Bonito. .
Ao de Flores. .
Ao t de Porto Calvo. .
Ao promotor publico do Recife .
Ao de Olinda. .
Ao cnsul Inglez........
Ao cnsul Americano......
Ao inspector da thesouraria de fa-
zenda...........
Ao inspector do arsenal de marinha .
89 equilibrio. Com a ultima decso torna-se ociosa
3 a engenhosa suggestao.
22 A presidencia do directorio, que a Austria que-
ra para si, nao foi admittida pelos soberanos pre-
g sentes. Nao se a atreveram a desfeitear a Prussia
g directamente.
1 Decidiram que ambos os governos se entndes-
9 sem acerca do assumpto, demittindose do encargo
l de fixar esse ponto.
I A disposieo que habilitava o directorio a dccla-
1 rar a guerra, quandoenteudesse que os interesses
1 da confederacao eram seriamente ameacados, foi
i substituida pelo amigo preceito da uniao pura-
1 mente defensiva, removendo-se desta arte as ap-
1 prehensoes, que causara naEuropaa ndole offen-
3 siva de novo pacto germnico.
2 : Tambem sc disse, que a Austria aproveitara o
3 ensejo para introduzir a Hungra, a Gallicia e a
7 i Veneca nos territorios da confederacao, garantin-
1! do assim um auxilio federal contra qualquer ata-
2: que a essas provincias ; mas nada apparece que
1 justifique o receio. Os conselheiros do imperador
o Sr. Jos Joo de Amorim, cnsul da Repblica Ao inspector da sade publica
Argentina, c do Chili nesta provincia, de haver
cncarregado interinamente das respectivas func-
res consulares a seu irm.o o Sr. Manoel Jdo de
Amorim, durante a viagem, que vai fazer as pro-
vincias do sul, e tenho a dizcr-lhe em resposta, que
approvel provisoriamente a sua deliberado, de-
vendo porem o referido seu irmao apresentr o im-
perial exequtur no prazo de 3 mezes contados de
hoje. Renov ao mesmo Sr. cnsul os meus pro-
testos de estima e considerado.Communicou-se
ao chefe de polica, inspector da thesouraria de fa-
zenda e ao capitao do porto.
Dito ao juiz de direto de Flores.Transmiti a
Vmc. a inclusa certdao, que me foi remeltida pelo
inspector da thesouraria de fazenda, com offlcio de
15 do corrente, sob n. 787, e da qual consta que o
tabcllio publico do termo de Ingazeira, Lucio dos
Ao major Antonio Bernardo Quinteiro.
Ao commandante da forca da guarda
nacional destacada......
Ao commandante do brgue Jtaina-
rac...........
Ao commandante do destacamento de
Gravat..........
A cmara municipal do Recife. .
Ao provedor da Santa Casa da Mise-
ricordia..........
Ao capitao do porto.......
Ao tenente recrutador......
Ao offlcial de estado no quartel de po-
lica...........
Ao offlcial do registro do porto.. .
Ao mordomo do hospital Pedro II. .
Ao engenheiro fiscal da Iluminado a
Santos Pessoa, incompetente eiliegalmente tem ar-l 6a2 -
recadado o imposto do Sillo, incorrendo assim as Ao fornecedor dos presos pobres da
penas do art. 137 do cdigo criminal, aflm de que casa de detencao.......
mande azer elfectiva responsablidade desse ta-1 Aos delegados da provincia......
bellio, c seja a fazenda nacional mdemnisada do, Aos subdelegados da provincia. .
que houver elle, recebido de tal imposto.-Com-. Ao administrador da casa de deten-
municou-se thesouraria de fazenda. I J?ao. .......
Dito ao miz municipal do Cabo.Communico a Ao Dr. Jos Urdozo Q. Fonceca. .
Vmc. paraseuconhecimento, e aum de que faca Ao Dr. Domingos Sonano Fernandes
constar ao agraciado, para apresentr em tempo o Soares
respectivo Ululo, quo por decreto de 13 de agosto Ao Dr. Francisco Lins Laidas. .
ultimo, bouveSua Magestade o Imperador pm^AoDr. Vicente Lynllo Mannho. .
bem fazer merc Francisco Cantillo de Paula Pa- Ao Sr. Fehppe Manoel de ChristoLeal.
checo da serventa viulcia do offlcio de deposita- Ao Sr. Joao Francisco da Lapa. .
rio geral desse termo.Communicou-se taibem Ao Sr.
Ao Sr. Manoel Dionizio Q. do Reg. .
Ao Sr. Joaquim da Motta e Silva. .
Ao Sr. Manoel Zacaras da Silva Bra-
Ao Dr. Francisco de S Jbuquerquc.
Ao Sr. Joo Joaquim Alves.
ao agraciado.
Dito cmara municipal de IguarassuPara
que o collector dessa villa possa no corrente exer-
cicio fazer o lancamcnto do imposto de decima ur-
bana, faz-se preciso que a cmara municipal de
Iguarassu mande numerar, como llie cumpre as
casas que na mesma villa e na povoaco de llama- Portaras de nomeacOes. .
rac estiverem sujeitas quelle imposto, visto as-! Portaras em favor de partes. .
sim o haver solicado o inspector da thesouraria Editae. .........
provincial em offlcio de hontem, sob n. 524.-: Minutas de offlcios. .
|ommun,cou-Se ao inspector da thesouraria pro-1 OJgjde^g
1
226
42
52
1
1
1
1
i
1
i
1
1
1
1
1
i
i
3
430
121
6
foram assaz perspicazes para no provocar animo-
sidades e objeccoes plausiveis. Nao quizeram ar-
riscarse a um fevez ; e fica smente ao abrigo do
pavilhao germnico o que de origem puramente
allema.
Julgou-se ao principio, que os debates se prolon-
gariam indefinidamente, e que os monarchas, to-
mando gosto s lides parlamentares.reprduziriam
as scenas de intcrminavel controversia, achaque
habitual das cmaras legislativas. Em dous dias
apenas se disculiram tres artigo, dos quaes dous
no podiam suscitar serios reparos. O projecto
consta de trnta e dous artigos. Assustava a demo-
ra, de que necesstaria o seu exame. Entretanto,
desde 2o de agostoadiantou-se muito. A tarefa ter-
mnou a 2 do corrente ,
Em sessao de 26, o debate versou principalmen-
te sobre a composico e periodicdade da cmara
federal. Era preciso designar a quota de membros
de cada estado, que nella devem figurar, o methodo
de eleico desses delegados, e a durado do seu
mandato.
A disirbuicao dos deputados pelos dderentes
r de fallaz ostentacao, se o projecto de reforma
federal deixar de ser submettido aos debates das
cmaras de toda a Allemanha.
Na poca actual, no basta o accordo d?s testas
coroadas. Os parlamentos que vo ser chamados
a enviar representantes ao seio da dieta, devem
naturalmente ser consultados acerca do mrito da
reforma sanecionada em Francfort.
Em 1815 os soberanos que organisaram a ron-
federaeo, podiam dispensar a annuencia da demo-
cracia. frente dos seus exercitos victoriosos,
personificavam o absolutismo puro. Hoje ha ou-
tro elemento que tambem influe nos negocios do
estado : a naco. Para attend-lo, nao basta no
pacto regenerado conceder ao povo estes ou aquel-
les direitos. A par dos direitos ha deveres, e a
burguezia ha de querer avahar o seu alcance an-
tes de os aceitar.
O Nacionalcercin vai breve entrar em scena.e ha
de examinar severamente a tarefa concluida em
Francfort.
Se os monarchas noadmitlirem appellacao nem
aggravo; sc as cmaras, a imprensa c a opinio
publica da Allemanha nao tverem licenca para
analysar, discutir e propor qualquer aperfeicoa-
mento, que se considere aproveilavel, o recem-nas-
cido ter existencia rachitca, enfesada, e a sua
vida ser curta.
A attitudc passva da Prussia, reforcada com a
opposico popular dos diferentes estados, nao tar-
dar em reduzir a lettra morta o nosso programma
germnico.
(Jornal do Cammercio de Lisboa.)
PERNAMBUCO.
mo estabeleeimento a abrir urna conta, e a extra-
hi-la, bem como a oceupar um caixeiro no respec-
tivo rccelwmento.
Ora, isto que dase para com aquelles que pagam
regularmente, dobram para com os que pensam.
diversamente, fazendo at proflssao de comprar fia-
do, sem Ibes importar o fim do mez do logista que
proenra dinheiro para pagar suas letras, cousa des
vezes peior do que a sabbatina para o cstudante
cabula.
No ser possivel urna modficacao nesse costu-
me, para muitos systematicos ?
No dia 15 do corrente leve lugar a festa ie
S. Pedro de Alcntara, protector e padroeiro. do
hospital Pedro II.
Pela manha cantou-se na respectiva capella urna
missa, com pratica pelo Rvd. Sr. fr. Joaquim do Es-
pirito Santo, assslindo ao acto os Exms. presiden-
tes da provincia e da relacao, desembargadores,
membros da adminislracao e muitas outras pessoas
consideradas.
Em todo o decurso do dia esteve o hospital pa-
tente visita publica, e a concurrencia foi no-
tavel.
Acha-se funeconando o tribunal do jury de
Olinda ; e entrando ante-hontem em julgamento o
preto Seraphim, escravo, por crime de homicidio,
foi condefhnado a gales perpetuas, appellando o
seu curador desta sentenca.
Os trabalhos comecaram s 10 horas da manha
e terminaran! s 3 da madrugada de hontem.
A freguezia de Petrolina, termo da Boa-Vista,
foi erigida em districto policial com a mesma de-
nominado e os pronnos limites, sendo nomeado
para subdelegado o Sr. Manoel Francisco de Souza,
e para os respectivos supplentes os Srs. Egydio
Marti nano de Alencar, Ignacio Rodrigues de Santa
Anna, Antonio Joaquim de Sant'Anna, Francisco
Vieira Nunes, Miguel Goncalves Barbosa e ^drio
Baptista Guimares.
De Olinda dizem-nos o se^uute :
Acham-se alinal recolhklos cadela diversos
individuos em quem recahiam suspeitas de screm
autores uns c conniventes outros, nos furtos c rou-
bos ltimamente praticados nesta cidade em al-
gumas tabernas, de um dos quaes Vmc. deu no-
ticia.
Por isto v-se quo ao digno subdelegado nao
cabem as imputacoesque enlao se Ihe fizeram sem
fundamento; e pelas pesquizas feitas e conse-
quentes prisdes acha-se elle tambem justificado, nao
obstante a mingua de soldados para bem se des-
envolver em sua polica.
c Elle comecou a desfiar a meiada,e ha de che-
gar a yerdade por fim.
noite de ante-hontem houve um comeco
de incendio na habitacae do Exm. Sr. Dr. J. Pires
Machado Portella; ms sendo cousa de pouca con-
sequencia, foi incontinenti extinelo, apezar de no
achar-se o mesmo senhor em casa.
Todo o prejuizo cifrou-sc em roupa do seu uso,
que ardeu. *
Depois d'amanha se extrahr a 7* parte da
3* lotera do Gymnasio Pernambucano.
Hoje far leiIo, s 11 horas em ponto, o
agente Olympio, de mobillas, cryslaes, objectos de
ouro, bullanles e diversos artigos de apurado
gosto.
Reparticao da polica :
(Extracto das partes do dia 19 de outubro.)
Foram recolhidos casa de detencao no da 18
do corrente :
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, 8
sentenciados, vindos da provincia do Piauhy, e
Jos, pardo, escravo de Joo Jos Henriques, fia-
do da Parahyba, como fgido.
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio, Joa-
quini Jos Ferreira, branco, Manoel Jos Ferreira,
pardo, ambos por suspeitos de serem desertores
A' ordem do da Boa-Vista, os africanos Manoel,
escravo de Joao Fernandes da Cruz, Maria Victo-
ria, escrava de um tal Alexandre, ambos por in-
fraccao de posturas.
A ordem do do IVres, Joao Caetano da Silva
Pinto, pardo, como desertor da armada c Thomaz,
africano, escravo do tcnenle-coronel Manoel Joa-
quim do Reg Albuquerque, por insultos.
O chefe da 2' seccao.
7. G. de desquita.
Tivcram alta :
Benedicto Moreira da Silva.
Emiliano Jos Anacleto.
Jos Severo do N'ascimento.
Ursulino Francisco Castro.
Tiveram baixa:
Flix Jos Rodrigues, rheumatismo.
Jos, escravo de Franciscc-Femra de Mello, febre
cerebral.
Obituario do da 20'DRoctvbro, no cemite-
rio publico.
Rachel, escrava, Pernambuco, 17 annos, solteira,
Santo Antonio ; hepatite chronica.
Justina Maria do Espirito. Santo, Pernambuco, 7
I annos, S. Jos ; hydropisia.
Francisco Tavares da. Silva, Pernambuco, 33 an-
annos, solteiro, S. Jos, eoDgesto pulmonar.
Rosa lina, Pernambuco,. 7 dias, S. Jos ; espasmo.
Maria Lins Carneiro de Lacerda, Pernambuco, 3f
annos, casada, Jaboatao ; hydropisia.
' Joanna Maria da Conceiciio, Pernambuco, 60 an-
nos, viuva, Santo Antoa; gastro i n ter i te.
I Antonio Benedicto do Espirito Santo, frica, 79
annos, solteiro, Boa-vista ; iiiflammarao de in-
testino.
Francisco, escravo, frica, 60 annos, solteiro, San-
to Antonio ; tubrculo pulmonar.
Um menino expos, cujo nome ignora-se, Pernam-
buco, 2 mezes, Santo Antonio; inflammaco.
Goncalo, escravo, Pernambuco, 50 annos, "soltei -
I ro, Santo Antonio; gastro-hepatite ehronicp.
1 Thereza, escrava, frica, 60 annos, solteira, Reci-
fe ; emphyzura pulmonar.
'Emilia Mara das Virgens, Pernambuco, 21 annos
solteira, Santo Antonio ; um gastro hepatite.
REVISTA DIARIA.
Abertura de urna fallencia negocio em que se
deve proceder com toda a cautella o mesmo reser-
va pelos inconvenientes resultantes desse facto.
in simples requerimento de um credor com al-
legado do que o commercianlo F. cessou os seus
pagamentos, visto uo Ihe ter pago urna letra, sob
testemunhos de empregados seus ou de pessoas de
esta"dosVna"proporco daTmportncia, no deu lu- oceupacoes que pouco crdito merecem, ao passo
gar a dissendo A'controversia acalorou-se, quan- que nesse mesmo da pagara elle vanos dbitos,
do o duque Ernesto de Saxe-Coburgo entendeu nao pode^ofTerecer materia bastante para ser anui-
deveroflerecer urna emenda, para que os comicios latado o indiciado na fallencia, e assim proceder-
populares fossem incumbidos de escolher os repre- se razoavelmcnte, e sem oflensa nem prejuizo do
sentantes federaos. 0 duque tem-se ostentado na .crdito commercial que deve ser cercado de toda
reuniao como o elemento conciliador, como o ami- a garanta e atiendes possveis.
go convicto do imperador da Austria, em cuja leal- O procedimento que ah argimos por taes in-
dade e patriotismo acredita. Afastando-se do grao convenientes tem em sua pratica dado lugar pro-
duque de Badn, que sustenta os interesses prus- cessos inuteis e a prejuizos insanaves de fazendas
sianos, procurou segurar ao projecto austraco o e de crdito, com inutilisarao do individuo victi-
maior numero de adhesoes. mado muitas vezes um capricho pueril de quem
Relacionado todava com os membros mais in- nao mede a extenso de um negocio destes, c nem
fluentes do nationalcerein, julgou em sua consejen- discrimina o probo do que o nao .
ca que nao poda trahir o principio mais impor- Com effeito, em taes proceso assim nascdos,
tanto do credo poltico dos seus amigos, negando a quando se discute e julga a acelo criminal, o re-
camara electiva a origem puramente popular ; e sultado ha sido sempre a absoivieo, porque o ou-
nesse sentido fallou largamente, argumentando at tro por cerlo no poderia ella ter. Mas nsto no
com a conveniencia de tirar Prussia o plausvel vai menos de um espago de dous a tres annos, e
pretesto de suas objeccoes, dando mencionada nelle o indiciado em fallencia v sumrem-se-lhe
cmara a ndole democrtica. todos os icios; e mesmo quando nao prosiga ella
O re de Baviera, o duque de Mecklemburgo e por Lilta de fundamentos jurdicos, o seu crdito
outros, incumbiram-se de refutar as allegages do lea abalado, as facilidades anteriores cessam, e
predilecto da joven Allemanha. Ponderaran), que avulta enloa impossibilidade pratica de continuar
o procosso suggerido pela Austria dara funeciona- no negocio, de modo que a consequoncia urna
ment mais regular das instituicoes federaos ; que liquidado, damnosa duplicadamente pela reduedo
haveria perigo e mesmo impossibilidade de eleico de precos e pela sublracco desse meio de vida ao
directa em algumas partes da Allemanha, especial- commerciante.
mente as provincias em que o elemento estran- Sobre isto deve-se azer algum estudo, atienden-
geiro avulta ao la lo do germnico ; e que os de- do-se aos coronarios que dahi decorrem.
pinados, designados pelos respectivos parlamentos O systema do liado tem no Brasil assumido
deveriam representar Belmente as aspracocs sen- proporces grandiosas, que vo ao infinito.
satas, moderadas dos governos e dos povos.
O artigo do projecto austraco foi approvado qua-
si unnimemente. Os soberanos assustaram-se
cora a perspectiva de urna cmara revolucionaria,
Pessoas abastadas e que pagam regularmente,
entram em-um estabeleeimento de porta aherta,
compram e mandara tancar objectos muitas vezes
da importancia ^de 80 rs., focando assim ao mes-
PS c p m
0 p s' 3 X
1 i
3 n 1 5'
3 s
;

:

g
>
* 1 IA m S Masculino. 1 1 z >
i- * t 1 ao 1 e Feminino. i s >
j. . .1. Masculino.
> < 1 1 1 1 - Feminino. 2
1 m Masculino, i 1 i
Feminino. 1
Masculino.
Feminino.


>5!S

Masculino
2
Feminino.
total.
I
5
00
ADVERTENCIA.
Na totalidade dos doentes existem 167, sendo
alienados 9 homens e 26 muflieres.
Foram visitadas as enfermaras estes das :
Pelo Dr. Villas-Boas s 7 3/4.
Pelo Dr. Doradlas, s 11, 101/2, 11 12, 10
10 1/1
Pelo Dr. Sarment, s 7 50", 7 3/4, 7 50,7 3/4,
7 3/4, 7 3 4, 7 da manha.
E pelo Dr. Villas-Boas, s 6;l/2, 8 1/2, 5 1/2.
Falleceram :
Francisca Maria das Mercs, tubrculo pulmonar.
Eduardo Francisco Lins, dem dem.
Movunento da casa de detencao do dia 18
de outubro de 1863 :
Existam. ... 352 presos
Entraram ... 16
Sahiram.... 12 >
A saber
Existem.
356
Naconaes. . 247
Estrangeiros . 27
Muflieres . 13
Estrangeiras . 3
Esc ravos . 62
Escravas . 4
356
Alimentados custa dos cofres pblicos. 137
Ul P0UC6 DE TUDO.
Urna carta de Constantinopla dirigida aos jor-
naes francezes, diz a respeito do comit nacional
da Polonia o seguinte :
Conta-se que Novkoff, sendo prevenido por urna
carta anonyma que urna pessoa se comprometlia a
dar-lhe, medante a gratificarlo de 50,000 rublos
de prata, a lista dos membros do comit revolu-
cionario, e a dizer o lugar em que se achava este
mysterioso governo c os meios de accao de que
dispunha, dirigio-se a sitio convencionado, conven-
cido que poda encontrar em Constantinopla, en-
tre tantos Polacos, um capaz de trahir um segredo
to importante por urna somma de 50,000 rublos.
NovikotT encontrou, effectvamente, um homem
desconhecido que, fiel snapromessa.lhe entregou
mu masso de papis, tendo todos estes no alto as
palavras: Governo nacional > impressas em
crandes caracteres..
Entre os papis que Ihe foram mostrados na
mcia obscundade em que se achavam havia um,
coberto de nomes, que o desconhecido dsse ser a
lista dos membros do comit.
Julgando-se feliz com a descoberta que acabava
de fazer, e que cautelosamente guardou debaxo
do seu paletot, o encarregado dos negocios da Rus-
sia contou a somma de que ia munido, e regres-
sou apressadamente ao palacio da embaixada, re-
cejando que o individuo mysterioso reconside-
rasse.
Os papis continham toda a serie de decretos do
governo provisorio, urna lista completa das victi-
mas da insurreico polaca, c nm recibo com o sel-
lo do comit secreto dos 50,000 rublos que Mr.
Novkoff deu sem o pensar para a causa polaca I
Em Liverpool foi ltimamente condemnado
morte um marinheiro hespanhol, por nome Jos
Maria Alvarez, aecusado e convencido do crime de
homicidio.
O criminoso foi ignominiosamente enforcado no
dia 12 de setembro, na curta idade de 22 annos.
junto com outros tres assassinos inglezes. O pa-
tbulo foi levantado no terracoda priso de Kirk-
dale, calculando-se que presencearam este terrivel
espectculo cerca de 30 mil pessoas.
Kirkdale fica situado nos suburbios da populosa
Liverpool. Foi a primeira vez quo nesta cidade
se presenceou o suppliciode cinco condemnados
reunidos. *
O cnsul de Hespanha supplicou em vao da ra-
nha de Inglaterra a commutado da pena do cri-
minoso, pretextando como fundamento da suppli-
caque o homicidio havia sido perpetrado em de-
fesa propria. Tres das antes do marcado para a
execu^ao recebeu o condemnado a visita do cn-
sul, que entre palavras de resignado c de f Ihe
I communicou que no fra despachado o seu bom
desojo.
Alvarez subi ao patbulo com rosto sereno e
; animo fri, saudou tres vezes a multido que o
I contemplava, e entregou o pescoco s mos do al-
; goz, triste representante da lei iniqua c da feroz
I civilisarao da orgulhosa Inglaterra.
No jardim zoolgico de aclimatarlo de Pars fez-
1 sc um importante ensaio de que resultou a possi-
Ululado c grande uliliaade de aclimatar na Eu-
I ropa varias especies de legumes da China e da No-
1 va Celanda.
A Revoluco de Setembro d a segrale estatisli-
| ca sobre tabelliaes :
Londres conta 2,803:034 habitantes, e tem s 4o
tabelliaes.
Parisiconta 1,525:535 almas c tem 30 tabelliaes.
Madrid tem s 329,207 habitantes, e conta 104
tabelliaes.
Lisboa cora320,000 almas tera cincoenla e tantos
tabelliaes. ,
A Nacao publica o seguinte :
O rei dos Paizes-Baixos (Hollanda) est aqu ha
um mez. Vive em Bade como um simples bur-
guez ; toda a gente est encantada da sua urbani-
dade e simplicidadc.
Houve comtudo um pequeo desagrado entre S.
M. e a princeza MenschikofT.
Conta-se assim o caso :
A princeza MenschikofT, que passa aqui toda a
estaco dos banhos, pedio ao rei no club russo per-
missao para fumar um charuto. Diz-se que o rei
manifestara o desejo de que se nao fumasse na sua
presenca, porm a princeza nao fez caso.
Hontem a noite em um baile em casa de ma-
dama Behague era preciso optar entwo rei dos
Paizes Baixos e a princeza russa, pafp o rei ti-
nlia declarado que nao ira ao baile se a princeza
l estivesse.
A princeza foi sacrificada e nao teve convite.
Em Vienna d'Austria formou-se urna sociedade
para fazer urna viagem roda do mundo.
A companhia Lloyd de Trieste mandou armar
para esta viagem o vapor de ferro a hlice Fiume,
que percorrer 32,000 mllhas martimas e visitar
30 portos.
Os apparelhos necessarios para estas explora-
coes identificas, bem como os instrumentos, serlo
fornecidos pela sociedade.
t
Acabam de ser inspeccionadas em Pars todas
as arvores plantadas as ras, pracas e largos.
A superficie actual da cidade de 78,020,000
metros, e contm 148,800 ps de arvores, as quaes
oceupam urna extenso de 5,836:800 metros qua-
d rados.
Nos passeios a essencia predominante a do
lamo, em seguida o pltano, o castanheiro, o sy-
comoro, o til, a acacia e a verniceira do Japao.
As mais pequeas das arvores que ornam os
passeios e os boulevards tera 20 cetimetros de al-
. .___ -__a .i. RA unlimnlms d

Movimento da enfermara do da 17 de outubro tura, e a mais grossa 2 metros e 60 centmetros ae
de 1863. I circunferencia.
**


/
I
i.

r
Alarlo de Pernamboeo Qnaita elra *l d Outubro de i8S.

Amanilio
Tomando a circumferetiria media observa-se-
que urna arvore cujo tronro tem 3o ronumeirosoe
dimetro apresenta as suas folhas urna superucie
de 130 melros, tendo as 148,000 arvores .....
220,222.000 metros. habitante
Para urna populado de 1.36.000 habitarais,
cabem 144 metros de verdura a cada um.
Lemos n'um jornal francez, que havia muito lem-
po qeos dono dos rebanhos de cameiros que
Su am aos mercados prximos a Pars, notavam
o dcsapparecimento de urna ou duas rezos sempre
Finaran^ asentares diligencias para se desco-
l.rir o autor de tacs subtracedes, ate que porten
Ssegu.o-se apanhar o, ladrao em flagrante, po- ao Sr. desembargado! Re.se S.lva
_<_ .i-wi-Sn <.ra um co. AS appeuatoes eiiei*.
dono indus- Appellante, Jos Joaquini Fernandes Firmo; ap-
\ appellaro civel. I Muitos doenles desta molestia se teem entregue
Appellante, Antera ViciVa da Cunha ; appellado, ao uso do leo de ligado de bacalhuo, e outras pro-
Manoel Ignacio de Jess.
.4 appellacao crime.
Appellante, o promotor ; appcllado,
Borges dos Santos.
O Sr. desembargador Gitirana passou ao Sr. des-
embargador Lpurcnc.o Santiago
As appellaroes civeis.
Appellantes, D. Felic.id'ado Maria de Vasconcel-
los e (linos; appellado, o Dr. Antonio de Carvalho
Apellante, Pedro Jos da Costa ; appellado,
Antonio Joao Ferreira Damasceno.
OSr. desembargador Louronco Santiago passou
rm o ladrao era um cao.
Pertencia o habilidoso animal s
trio o a um fulano moc.o de cortador, .|uc tinha pe ado o coronel Manoel Da GonMga.
lavado a sua prolissao para se fazer marchante.: Appellante o Dr Ccrvas.o Connives da Sil\
A rulss5o chegava a um rebanho com o pretexto Apellante, Francisco Antonio Pereira da Silva ,
feoinrer comprar alguna cameiros, e depoisdo appellado, Francisco Tavares da S.lva.
de querer comprar alg
os examinar, indicava ao seu
cao, por um signal
O intelligen-
parlicular, os que havia de rauhar. O mtell.gen-1 M pe
te animal choirava a presa, e depo.s guando ano.- Si ha
tecia vol.ava s, e sen. ser visto consegua atetar u Sr
.4 appellaro crime.
o jiiizo; appellado,
Joo Jos da!
um ou dous cameiros dos designados,
seu dono. Km consequeneia desta desrabar-
la, o ladrao por procuracao foi entregue a justiea.
O Sr. Y. Jnior remette-nos a seguinte poesia :
MAIS AMOR.
Sao mcoccultcs, baldado,
ccultar, porque ? tcns modo ?
Nao o julgues bem guardado,
Eu ja sei u leo segredo ;
Nao m"o quieste dizer,
Mas teus olbos transparentes
Sogrcdos n'alina existentes,
Aos meus olhos deixam ver.
A culpa, pois, nao minha,
Nem tambero a culpa tu.
E' que a sorte corre asinha
A' deixar de ser to croa ;
J torturado roe tem
A sorte, nao bastante ?
Nada no mundo constante,
A sorte muda tambera.
Sao teus olhos os rateados,
Foram ellos os trahidores,
Se culpa cessar cuidados,
Se liahir abrandar dores ;
K nao implores a Deus
Para que Ibes mude a essenca,
Por piedade e clemencia !...
<)ue Deus ouve anjos doscus.
Quanto amor tu tens guardado
No peito qiianta ventura I
E porque nao bei gosado
Tudo, tudo, virgem pura ?
Nao te confus em mim ?
Receias qae te nao ame ?
Ou teas inedoque eu m'inflamme
No teu amor dado assiro ?
Nao temas, nao o' querida,
Que eu morra as tuas cha.nmas,
Sem ellas que m'inflammas,
Mais amor-por tua vida !
E que seja tal o ardor,
Que- paraca duro, fero,
Deixa, que morrer eu quero,
Que grato o morrer d amor I
Hei gosado teus olhares,
Mas nao sou feliz bastante,
Que cu quizera-os aos militares,
Quizera-os todo instante ;
Sou feliz, mas quero ...ais,
Quero que en. fogo m'iuflammcs,
Quero, em lim que tu me ames
' ju. o amor de que s capaz.
Do mundo acaso receias
Prejuizos, impostura f
Deixa do mundo as ideas,
Gozemos nossa ventura;
K louca do mundo a voz,
Que o mundo nao nos entende,
Nosso amor nao comprehende :
E que importa o mundo nos ?
Nao duvides que s amada,
Nem duvides que s querida,
Por minha alma torturada'.
Por teu amor minha vida;
E porque sempre nao vena
Ver por li quanto hei sotTrido ?
Ab I ter-te o mundo prendido
As azas d'anjo que tens !...
Se nao te bouvesse prendido
0 mundo as formosas azas,
Veras quanto bei suffrido I...
Em quanto amor tu ...e abrazas I...
Quizera, querida, cntoo
Que vuasses ao reliro,
Teu nome ouvir n'um suspiro
Sabido do conejo.
Quizera entao que ao mcu leilo
Voasses, quando eu dorinisse,
Curvada sobre o meu peito
A tua fronte cahisse ;
(Juverias meu sonl.ar,
E teu nome de mistura
Com amor, prazer e ventura,
Suspirando articular.
Da-me tudo rizos, prantos,
Teu amor nao tenba meta,
Dou-te o que tenbo meus eantos
E meu amor de poeta ;
Quero mais amor, sim, mais,
Quero que em fogo ni'inflammes,
Quero em lim, que tu me ames
Com o amor de que s capaz 1
Appellante,
desembargador Reis c Silva passou ao Sr
|ue condu- ao Sr. desembargador Motta
Luiz da
.4 appellaro eieel.
Appellantes, os berdeiros de Manoel
Veiga ; appellada, a fazenda.
O Sr. desembargador Motta passou
embargador Peretti
A appellaro civel%
Appellante, Jeronymo Jos Figueira de Mello ;
appellado, Onofre Muniz Ribeiro.
.4 appellaro crime.
Appellante, Manoel Professor Rispo ;
a justica.
O Sr. desembargador Assis passou ao Sr. desem-
bargador Doria
As appellaroes civeis.
Appellante, a preta Caetana, por seu curador ;
' appellada, D. Maria Joaquina da Silva Manta.
! Appellante, o bacbarcl Antonio T. de Serpa
Rra.ido; appellado, Joaquim Goncalves Lima
O Sr. desembargador Doria passou ao Sr. des-
sembargador Caetano Santiago
As appellaroes crimes.
Appellante, o escravo Ignacio ; appellada, a jus-
tica. ,
'Appellante, o juizo ; appellado, Jos Francisco
de Paula.
paracoes do resinas e blsamos, sem que dellas
tenliam tirado proveito; e alguns expositores de
medecina combatem com muita razio esse irata-
mento.
E' costume carregar o estomago do doente com
medicamentos oleosos e balsmicos; porm estes
em vez de tirar a causa augmentam-la, esquejan-
do o sangue, ao mesmo tempo que tiram o apetite,
relaxara os solidos, o sao de toda sorte perni-
ciosos.
Tudo o que se izer para extinguir a tosse,
alm do exercicio e rgimen apropriado devem
ser remedios de natoreza acida, detergente e cal-
mante. ... .
Os cidos possuem a virtude de produzrem bons
eeitos nesta enfermidade, porque, nao s contri-j
btiem a apagar a sede quando aeommette^a febre
cibica, mas tambem a refrescar o sangue.
OSr. Amaro Januario Francisco de Paula, mo-
rador no pateo do Terco n. 26, tendo sido desenga-
ado pelo ultimo medico que o assistia, c achan-
do-se j em estado de nao poder andar com os ps
bastante enchados, com o tratamento de minhas
preparacoes de veame acha-se muito melhorado,
com admiraco daquclles que o viam no estado
em que se acbava.
Quando a febre etlica o acommettia, minha
presc ipgio era o seu alivio.
Mandava que dissolvesse o sueco de um limito
ao Sr. des- em urna chicara d'agua com bastante assucar, e
em um copo grande misturar com um papelinbo
' dos pozes refrigerantes para .tomar, com que ali-
viava, e pela manhiia o xarope etherio de veame c
p.lulas alcoolicas do mesmo.
lenho aconsclhado que faca uso dos vegetaes de
appellada, natureza acida, como laranjas, linies, pitangas,
etc., eapplicacaode plantas amargosas, que fortili-
cam o ostomago, c servem ao mesmo tempo para
destruir e mitigar a sede.
A Sra. D. Joaquina Anglica de Sa Barreto, mo-
radora na ra Direita n. 100, leudo una sua cs-
crava fallecido ha uoucos dias submcltida ao tra-
tamento de seu medico, resolveu procurar-me para
tratar de um outro escravo, que sofria da mesma
enfermidade, prescrevi-lhe o xarope e as pillas
de veame, tem melhorado consideravelmcnte.
O Sr. Temoliao Amancio Martins, achando-se
gravemente accommettido desta molestia, procu-
rou-me ltimamente, dizendo-me, que, tendo sido de-
sengaado pelos seus professores, desejava curar-se
LodgWO Antonio d'Albii'iuerque Mello.
Mordomos.
Os Illms. Srs.:
Manoel Cavalcanti d'Almeida Mello.
Antonio dos Passos Miranda.
Menelo dos Santos da Fonseca Lins.
Miguel Jos da Motta Jnior.
Joaquim Jos Ramos.
Dr. Miguel de Figueira Paria.
Mordomas.
As Exmas. Sras.:
D. Rosa Candida de Lima.
D. Clara Francisca Maria dos Prazeres.
D. Rosa Candida Paes Barrlo.
D. Rosa Maria Paes Barrlo.
D. Antonia Delfina dos Anjos.
O. Francisca Tranquelina da Conceicao Botelho.
I). Maria Philomena de Moura Novaes.
]). Joanna Baptista de Souza.
Encarregados da festa.
Os Illms. Srs.:
Alferes Joao Pedro de Jess da Malta.
Rufino Raulino da Silva Sera.
Jos Joaquim d'Azevdo.
Consistorio da confraria de Santa Rita de Cassia,
em 16 de novembro de 1863.
O vigario interino
Frei Antonio de Santa Rita.
20 fardos e 1 caixa papel, 1 dita nha, 1 dita
couros, 1 dita cartas de jogar, 1 dita sedas, 1 dita
pentes de chifre, 1 dita mercearia a ordem.
1 caixa chapeos; a Lima Bairao.
o bom andamento e despacho dos autos crimes.
de necessidade que tacara constar nos recursos e
appellaces que tem de vir instancia superior,
qnaes os reos que sendo pobres nao pdem pagar
1 dita saceos do viagem
gucira.
1 dita verniz, 1 dita papel, i barris tinta a J
M. da Cruz Correia.
1 dita miiidezas, 1 dita velas | a E. Bourgeois.
1 dita calcado; a Vaz & Leal.
2 ditos cartoes vasios, 2 barris cobre ; a A. J. da
Costa e Silva.
14 caixas calcado; a J. P. Arantes.
2 ditos trastes ; a L. de M. Gomes Ferreira.
i dito calcado; a L. A. S.
1 dito papel; a Scbafter.
1 fardo alpaca de laa c algodao, 1 caixa fumo;
a Manoel & C.
10 barris tinta, 2 caixas sabao, o ditas mercea-
ria, 33 ditos (lores, chapos, papel, porcelana, esp-
teos, chapos de palha, temis, fazendas, chales,
modas e roupa ; a Alves Hamburger & C.
COMMERCIO.
E para constar, e para que chegue ao conhoci-
mento de todos a qnem toleressar possa, far-se-ha
este publico pelos jornaes desta capital, depois do
competente registro na chancellara.
Recife, 1 de julho de 1863.
D. Francisco BaJIliazar da Silveira.
DECLARACOES.
4 ditas fumo, 2 ditas papel para cigarros ; a L.
Bourgard.
7 ditas chapos, calcado, fazendas e roupa; a A.
C. de Abren.
1 dita objectos chymicos cporcelana; a L. uia-
pclier.
3 ditos papel amarello; a Meuron & C.
24 votemos chapos, roupa, couros, fazondas,
cartoes, bonets, miudezas, etc. ; a Ferreira &
Araujo.
1 dita filas de seda ; a C. D. Ribeiro.
Barca porlugueza S. \lm\oel II, viudo do Porte
0 Banco toma saques sobre as pravas do Rio de consignada a Manoel Joaquim Ramos
NOVO BANCO
DE
PfiRNAMBUCO
No dia sexta-feira, 23 do corrente, depois da
audiencia do Sr. Dr. juiz municipal da 1." vara,
teera de ser arrematados, por ser a ultima praca,
os objectos da taberna da ra da Senzala Velha n.
50, constantes do escripto que se acha na mo do
Ejrteiro, por execuco do Domingos Fernandes
odrigues dos Passos contra Joaquim Gonealves
Beltro.
No da 23 do corrente, depois da audiencia
do Sr. Dr. juiz municipal da |. vara, se bao de ar-
rematar em basta publica os trastes penhorados
por execui;ao de Joaquim Francisco Franco ao
padre Francisco Alves de branles, |>or ser a ulti-
ma praga, escrivo Baptista.
No dia 23 do corrente, depois da audiencia
do Illm Sr. Dr. juiz municipal da !. vara, tem de
ser arrematado o escravo silvestre, idade 12 an-
uos, lela quantia de 4004, por execuco de Jos.';
Fortunato dos Santos Porto, contra Candido Tho-
Janeiroe Babia.
"SO\ BANCO
DE
MWlllU'f.O
EM 21 DE OLTBRO DE 1863.
O banco descoma na presente semana
cento ao anuo at o prazo de 4 mezes e
cento at o de 6 nwzes.
a 8 por
a 10 por
embargad
Alfandega
Rendimeuto do da 1 a 19. 249:402^741
pelo tratamento do veame; com effeito acnava-se |,jem 0 l3 20........ 12:989201
262:431*942
1 & maz Pereira utra, escrivo Baptista.
tumi jicral.
Pela administracao do corrcio desta cidade se
faz publico que cm* virtude da ronven^ao [tostal,
O Sr. desembargador Peretti passou ao Sr. des- no estado do gravidade : appliquei-lbe as prepara-
nbargador Accioli goes de veame, consegu restabelecer-lhe um
Appellaro crime. j pouco as forcas, e mitigar a tosse e a febre, com
Appellante, o juizb ; appellado, Juvenal Antonio I o que, a meu conselho, pode transportarse para o
Flix Vieira. '"gar da Gamcleira, do onde tenho tido noticias
A appellacao civel. achar-se melhor.
Appellantes, Adriano Xavier Pereira de Brito e I Quando alguem so v com tosse vai ao medico,
oteros; appellada, a fazenda. este o examina e declarao senhor esta anee todo
O Sr! desembargador Accioli passou ao Sr. des- dos pulmoeso doente desanima, com esta senten-
emlwrgador Uchoa Cavalcanti Qa entende estar sem mais cura, quando os factos
A appellacoes crimes.
Appellante, Joo Ferreira de Lacerda Jnior
lio vintenio da al aiidega.
Volumes
1
entrados
Volumes sahidos
appellado, Manoel Fernandes Beltro.
A l.' horas da tarde encerrou-se a sessao.
; e a experiencia tem demonstrado que muitos, ten-
do procurado o lugar apropriado, se tcem salva-
cora fazendas
com gneros
com fazendas
com gneros
154
463
-----617
27
212
-----239
; do; e assim explicara muitos expositores de me-
Descarregam no dia 21 de outubro
Barca inglcza Envoycarvao.
Escuna hanoveriauaiirt-mercadorias.
d0?aa,' nesta provincia temos facilid.de hoje c! Barea portugueza-S. Manoel ^versos gneros
recurso do ar; porque a va frrea nos proporcio-
; na, po3 que cm pouco tempo urna pessoa que
i existe nesta cidade fcilmente so transporto para
as ultimas estaees de Gamcleira e Una, lugares
perto do Bonito e de outros pontos que sao consi-
derados serto, quanto mais que os mesmos luga-
. res j nao sao inaos, segundo, pens, principalmcn-
PUBLICARES A PEDIDO.
Illm. Sr.Tem Pernambuco de concorrer
agora com o seu voto para piecncliimenio
da vaga que no senado deixou o Sr. visconde teo vero.
de Albuquerque. A lisia trplice que para I Mas dr-se-haurna pessoa pobre nao tem mais
SI,,k a consliu^iK-lilto,!ira- &%^'!!t^S3Z
peno tem de ser apresentada a escollia da an'ugam\se iwr proco commodo, e mesmo muitos
cora vai ser confeccionada. generas de primeira necessidade, all se venden
Pernambuoano, seria para mim de altis-' pelos mesmos precos que aqui.
i heroica provincia a honra de ser contado en- (lcveni reger) e |hes fornecerei os roedi-
tre OS seus escolhidos. camentos gratuitamente.
Assim, pois, apresento-me candidato lis- Nao deixarei dn advertir ao publico, que as mi-
ta trplice para senador, em cuja eleicao vai, nhas prcparaccs devlame sao reun
minha provincia empenhar-se agora
! tros ingredientes, e com elles tenho obtido ptimos
a mmlia provincia cmpennai-mj Meus principios polticos Sao conhccidos.' outros, que por ahi se annunciam, cujas prepara-
Na imprensa, bem como na tribuna parla- (dea ignoro, assim com o aproveitamento delles
m prensa
mentar, tenho-me definido claramente.
aos enfermos, quera por ventura tenliam sido
applicados; cada um responde por si, e eu alterno .
Nao cedo desses principios, nao ti ansijo,. com verdade o que aqu tenho relatado, cujos me- porcao de gssouaos consignatarios
CIIR0MC4 JtDICURIA.
TIIIBIVIL DA RELAMI.
SESSAO EM 20 DE OUTUBRO DE 1863.
'RESIDENCIA DO EXM. SU. CONSEI.IIEIRO
SII.VEIRA.
As 10 horas da manhaa, ai-hando-se presen-
tes os Srs. desembargadores (Jaetano Santiago,
Gitirana, Lourenco Santiago, Motta, Reis e Silva,
Peretti, Accioli, Assis, e Doria, faltando sem
partkpacao o Sr. desembargador Ucha Caval-
canti, abrio-se a sessao.
O Sr. desembargador Guerra, procurador da co-
ra, eomparcecu.
Passados os feitos c entregues os distribuidos,
deram-e os seguintes
jrl.C.AME.NTOS.
Appellaroes ciceis.
Appellante, Jos Velloso Soarcs; appellada, a
fazenda.
Di'spiezaram-scos embargos.
Appellante, Jos Ignacio de Mello ; appellado,
Alexandre llezerra de Albuquerque Barros.
Continuada a sentenca.
Appellaroes crimes.
Appellante, Joao da Silva Pessoa do Sique
appellada, ajustica.
Confirmada a sentenca.
Appellantes, Jos Gomes dos Santos
appellada, a justira.
Reformada em parto a sentenca.
Appellante, o promotor
de Oliveira lia tos.
Manilou-se proeeder urna diligencia.
Appellante, Luiz Raposo de Oliveira ; appellada,
a justir-a.
Annillou-se o proeesso.
DH.ICKNC1AS.
Com visto ao Dr. curador geral
A appeUat-ac civel.
Appellantes, os herdeifos de D. Ja ;intha Maria
de Abren
nem transgirei jamis a cusa delles. porque
' os reputo os mais santos, visto enyolverem
se^uranca de liberdade constitucional, e con-
duzirem prosperidade e progresso do|
; paiz, moralisaciio e legitimidade de sua-ad-
' ministraco.
Se lenho andado bom caminho diga-o ago-
i ra a provincia onde nasci: respeitoso me
aprsenlo a ella para ser julgado.
Entre tantos, to Ilustrados e dignos i-
|hos de Pernambuco, e ousada talvez minha
apresentato. Sirva-mo, porm, de des-
culpa o grande desejo que nutro de ser 11 til
I essa provincia e ao paz, e a subida honra
' de ser por ella distinguido com to alta pro-
va de confianca.
Se islo pode justificar minha prelencao,
permita V. S., que eu sollicite sua valiosa
coadjuvacao em prol da minha candidatura.
E' poderoso o concurso dc[seus servicos, e
por tanto Ihe rogo que acceilc a minha apre-
sen laco c a tome sob seus cuidados.
Dirigindo a presente V. S. cumpro
quanto devo sua posicao, emerecimentos;
mas sollicitando o seu apoio, nao desejo o
menor sacrificio de consciencia.
A esculla que vai a provincia proceder
de suman importancia para o seu futuro;
ella, pois, deve presidir a mais ampia li-
berdade, muila calma e rellexo, perfeito
desinteresso pessoal, e consciencia pura.
Recata em quem recair a escolha de Per-
nambuco, seja ella, porm, digna dessa pro-
vincia illuslre por tantos ttulos, tal o meu
desejo.
Aceche V. S. os sentimentos de alta esti-
ma e considerado com que meassigno.De
V. S. patricio e creado respeilador.
Joaquim Snhlanha Marinho.
Rio de Janeiro, 20 de junho de I8G3.
dcamentos nesta provincia s vendo em minha
botica na ra Direita n. 88.
Jos da Rorha Paranhos.
Nazarelh do Cabo, 7 de sctenibro de 186;).- lilil.
Sr. Jos da Rocha Paranhos.- Com o niaior prazer
levo ao conhecimento de V. S. que o doente, que
V. S. achava-se administrando-lhe remedios,
acha-se no todo restabelecido, por quanto nada
serte, tendo desaparecido no todo a tosse, tem
muita disposico comida, c acha-se nutrido.
Findou de tomar os ltimos remedios, qucV.S. a0 ditos e 4 barris v.nho,
receitou no dia 30 do passado, resta agora V. S. raate ; a R. B. Lasserro.
mandar-me dizer qual a dieta que o doente deve 2-) barris e 2o meios
conservar, e por quantos lempos, mencionando as''
comidas que dever usar d'aqui em diante.
Resto-me agora agradecer i V. S. o cuidado que
tomou no tratamento do meu sobrinho, abaixo de
Deus, devido o seu restabelecimenlo a pericia de
V. S., e por isso e pode V. S. sempre contar
com os meus diminutos prestimos, c desejarci
em todo tempo dar urna prava do meu reconbeci-
mento.
Desejo V. S. todas as venturas, por ser de V. S.
muito respeilador e obrigadissimo criado.
Francisco Beringuer Cezar de Menezes.
Barca franceza Raoulmercaduras.
Brigue hollandez Zeenymphfarinba de trigo.
Barca i ngleza Vesion carvao.
Patacho americanoR. W. Ti athfarinha.
Importado.
Brigue hollandez Zeenymph, entrado de Trieste
em 16 do corrente, consignado N. O. Bicber &
C, manlfestou o seguinte :
,22o barricas farinha do trigo, 3 toneladas de
lastro de pedra ; aos mesmos.
Patacho americano R. W. Throth, entrado de
Baltimore em 19 do corrente, consignado aThom
Burkiuyoung & Roberts, manifestou o seguinte:
917 barricas farinha de trigo, 200 ditos bolachi-
nha, 100 barris banha, 600 resmas de papel de
embrulbo e 728 toboas de pinho ; aos mesmos.
Escuna ingleza Margant, entrada de Terra No-
va em 17 do corrente, consignada Johnston Pa- bolas
ter & V.., manifestou o seguinte :
1,280 barricas bacaihao, e 500 ditos fariuha de 300 palacocs
trigo ; aos mesmos. lc1aix;., roul)a>
Barca franceza Raoul, entrada do Havre, cons.g- deAlmeida.
nada a Tissct freres, manifestou o seguinte :
100 barris e 100 meios ditos com manteiga, 500
gigos batatas, 60 caixas sardinhas, 2 barris vinho,
1 caixa com crystaes, 400 barricas cimento e una
^aos consignatarii
li.'i barris e 125 meios manteiga ; a Vicente
Ferreira da Costa.
170 barris e 230 meios manteiga ; a Johnston
Mer & C-
123 barris e 30 meios manteiga, 1 caixa conser- j
vas>% a Tasso Irmaos.
100 barris e 100 meios manteiga, 26 caixas sar-
dinhas, 3 ditos couros ; a Bieber & C.
75 barris e 78 meios manteiga ; a Rabe Scham-
mettau & C.
2o barris e 2o meios manteiga, 2o caixas cognac,
Genro, manifestou o seguinte
72 barris pregos, I caixao escovas, 1 dito nen-
ies, 3 ditos fechaduras, 10 cimbeles pomada, 9
tos nha; a Thomaz Fernandes da Cunha.
3 caixas cravos e ferraduras ; a Manoel Ribeiro celebrada petos govenios brasileiro
Fernandes.
4 caixoes sinos ; a Henriqne Jos dos Santos.
I caixao obras de ouro e prata ; a Francisco Go-
mes de Mattos Jnior.
1 caixao obras de prata ; a Jos C. Oliveira Fi-
gueiredo.
1 caixao macaas ; aF. A. Nogueira.
1 lata polvo; a Antonio S. A.
1 embrulho miudezas; a ordem.
8 barris vinho; a M. J. ti. da Fonte.
2 saceos feijo, 3 caixoes ceblas, I canastra
macaas, 2 eaixdes linbas ; a Prente Vianna & C.
1*canastra mafias; a Joao Martins Villela.
1 caixao imagens; a Jos dos Santos Neves.
40 canastra albos; a Antonio I-opes Brasa.
8 fardos peneiras, 100 caixas macaas, 130 ditas
albos, 8 canastras folha de louro, 120 cadenas, 1
sof, 2 bancas, 1 mesa e 3 pedras para as ditas ;
a Angeiino Jos dos Santos Andrade.
2 canastras macaas ; a J. T. de Oliveira.
1 canastras macaas ; a Theotonio.
80 toneladas de 'pedra de lastro ; aT. d
Loyo & C.
3 fardos lonas ; a Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo (t C .
2 caixoes doce ; a Jo< Hcnnquc Ferreira.
155 caixoes macaas ; a Lima & Bairao.
12 saceos totea de louro ; a Joaquim Vieira de
Barros. .
1 barril peixe em salmoura ; a Antonio Jos dos
Rds- -
2 caixoes arbusto ; a Tasso Irmaos.
2 canastras maceas ; a Jos Antonio de Carva-
lno. ,
1 barril e 1 caixao vinho ; a Ferreira & Araujo.
6 barris pregos ; a Antonio Valentim da Silva
l'irp,w3
215 caixas batatas, lo barris vinho, 1580 rateas [JSa ^mandar "pagaTcm fundos do cor-
cebolas, 24 moios de sal, 4 canastras mafias ; a Tfm excr,.cio aos cre(iores da fazenda de dividas
Manoel Joaquim Ramos c Silva & Genro. I do exer(.cio (n(io de 1861 1862. As pessoas in-
9 barris peixe, 1 volumc macaas, 30 resteas ce-, teressa(las devero requerer mesma thesouraria
las, 1 sacco miudezas, 1 gaiola me ro, 1 dita ca- dar3o e paKamCnto doq
narios ; a Antonio Tcixeira de Carvalho.
c francez, se-
rao expedidas malas para a Europa no dia 30 do
corrente pelo vapor francez Bearn. As cartas se-
ro receladas ale 2 horas antes da que for marca-
da para a saludado vapor, cosjoruaes at 4 horas
antes.
Administracao do corrcio de Pernambuco 21 de
outubro de 1863.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Arreniulaco.
No dia 21 do corrente mez, linda a audiencia do
Sr. Dr. juiz municipal da segunda vara, escrivo
Baptista, ser vendida em hasta publica, a quem
mais dr, urna casa terrea meia-agua n. 33, rom
sotan, na ra de Hortas desta cidade, avahada en
500-3000, a qual casa foi penhorada Andr do
Abreu Porto e sua mulher, na execugao que Ihe
move a Santa Casa de Misericordia desta cidade :
pede-sc a quem tiver dircito ao slo da mesma
casa que comprela na occasio da praca, ou an-
nnncie por este jornal.
Caix-i filial em Pernamhti'-e.
Por ordem da directora do banco do Brasil sao
convidados os senbores accionistas localisados na
caixa filial de Pernambuco recolhcrem ahi al o
dia 23 de Janeiro de 1864 a nona e ultima presta-
cao de 10 0/0, ou 205 por aceao, de conformid.iite
com os rticos 8 e 9 dos estatutos do banco do Bra-
sil, e art. 45 dos estatutos da caixa filial.
Sala das sesses da directora da caixa filial do
banco do Brasil em Pernambuco 1. de outubro de
1863. O secretorio,
Jos Mamedc Alves Ferreira.
De ordem ii Illm. Sr. inspector da thesou-
raria de fazenda desta provincia, se faz publico quo
a mesma thesouraria em virtude da ordem do-
1 thesouro de 5 do corrente n. 184, acha-se au-
a Jos Antonio Coirabra.
1 dito macaas; a Manoel Dias
15 barris e 20 meios
Almeida Gomes.
100 barris e 100 meios manteiga, 2 caixas cou-
m; a Manoel J. R. e Silva A Genro.
25 barris e 23 meios manteiga; a Ferreira & (
Martins. ,
60 barris e 60 meios manteiga, 10 caixas papel;
a J. M. da Rosa. |
50 barris e 50 meios manteiga; a J. B. da ron
I caixao arbustos; a Joaquim Rodrigues A.
3o barris sardinhas, 10 arrobas de peixe, 19 ca-
nastras macaas, 1 caixao vinho, 1 dito pentes ; a
Pedro Jos'da Rosa.
3 barris peixe, 200 resteas ceblas c 6 canastras
macaas ; a J. Pinto.
200 resteas ceblas ; a Bento Res.
30 resteas ceblas : a L. Gomes da Silva.
300 resteas ceblas ; a Manoel Martins Branco.
1 barrica sardinhas; a Antonio Pereira.
2 barris peixe, 1 capoeira coolhos ; a Antonio
Moreira. ,
2 canastras maclas, 1 embrulho arcos de penet-
ra ; a Manoel Santos Carvalho.
Escuna hanoveriana Luna, vindo de Hamburgo, 1
consignada a Manoel Joaquim Ramos c Silva &
caixa obieetos d al- Genro, manifestou o seguinte :
' 100 barris 310 frasqueiras, 400 garrames c 200
Sodr da caixas enebra, 4 caixas espadas, 2 ditas couro de
lustro, 1 dita fazenda de linbo, 1 paeole cnvelopes
para cartas ; a Manoel Joaquim Ramos c Silva &
tenro- f
2 caixas obras de vidro: a Bartholomou fran-
cisco de Souza.
1 caixa conserva, 2 ditas presuntos, 2 encapados
com pomada; a C L. P. Roeck.
0 caixas bnm de linho, 1 pacote amostras: a
Linden Wild & C.
1 caixa fazenda de la, 1 pacote amostras 5
manteiga
manteiga; a Antonio de
eir
Illustre eleilor pernambucano. Se en-
tendis em vossa consciencia que mereco o
vosso voto para senador do imperio, langae o
meu nome na urna eleitoral, que saberei
corresponder vossa conanca
Vosso compatriota,
Flix Peixoto de Brito e Mello.
Tolos os
se tcem dedicado
enancas asseveram
FUGAS DE
e ellicaz que at hoje tem sido conhecido. Acham-
se ellas exclusivamente preparadas rom as subs-
tancias vegttoes as mais salutferas. O seu sabor
delicioso, nao causara nauseas nem dores e pro-
duzem o seu elleito completamente sem que seja
preciso logo inmediatamente usar de nenhuma
especie de purgantes. Tanto as mis com os pro-
prios filhinhos nunca dese^peram dellas, porque
se as primeiras teem completa confianza as pas-
tilbas estes ltimos as toinaui com o maior prazer
imaginavel. Desde que estos admiraveis e incom-
paraveis pastilhas foram descobertas, todos os de-
ntis vermfugos asquerosos teem sido quasi intei-
ra 11 lente abandonados e desterrados por todos. As
pastilhas de Kemp se acham lindamente acondi-
cionadas dentro de frasquinhos de crystal nao s
para a sua boa exportocao como para sua conser-
vadlo contra todas as vicissitudes dos lempos.
A venda em todas as lujas de drogas e boticas.
I dito ;
i sacco
dito
dito
coca Jnior. i Schapheitlm & C.
60 barris e 60 meios manteiga, 2 caixas couros,
; 2 ditos chapos, 1 dita livros, 1 dita fazendas ; a
----- I Izidoro Nctto <& C.
.. 1 I 60 barris e 40 meios manteiga, 1 caixa pannos
UiCdlCOS que CSpCCialmCIHC dela, 27 ditas marroquras, perfumara, niiude-
cura das enfermidades das zas, chapeos e papel, 1 embrulho amostras ; a Ben-
que as PASTILHAS VERMI- rique & Azevcdo.
KEMP o remedio o mais excellente 10 barris e 20 meios manteiga, 1 caixa pregos, 1
dita esplhos, 3 ditos calcado, porcelana e papel; a
Robert & Filhos.
30 meios barris manteiga, 200 gigos batatos, 14
caixas banha, 14 barris tinta, 2 caixas modas, 1 di-
ta pentes, 1 dito chapos de sol, 2 ditas colwrtores
de la, 1 dita cartoes, o ditas roupa, 15 ditas fazen-
das de la e de algodao, 12 ditas c 3 fardos cha-
peos ; a E. A. Burle & C.
30 barris e 30 meios manteiga, 1 caixa miude-
zas, 1 dito mercearia e candes, 7 ditos fazendas de
algodao e laa, 3 ditos chapeos de palha, 2 ditas
pentes, 37 ditos e 16 volumes roupas parasenhora,
papel, chitas, chapos, perfumara, cartas de jogar,
calcado, requifes, brnquedos, esporas, livros, cou-
ros, etc. ; a Mello Lobo S C.
4 caixas pianos; a J. P. Vogeley.
1 dita dito ; a Ignacio Pinto.
35 ditos champanhc, 3 ditas fazenda de algodao,
5 barris cognac, 125 gigos com batatos ; a Scha-
fheillim.
1 caixa vidros ; a P. Maurer.
Elcico .los levlos que ho de festejar; J^^ iJS&i1*agu,has''d,a
a AOSSa seuhOPa d.l rieilaile I COn- 6 barris agurdente, 40 caixas sardinhas, 300
fraria .le Santa Rita Je Cassia \lBtt*tt&*Sfr brulhos amostras; a Joo Keller & C.
caixas pianno, 148 macos cabos, B 0 barris al-
o, 1048 barras de ferro com 50430 libras; a
2
catro.
N. O. Bicber & C.
Vapor nacional Apa, entrado dos portos
do norle, manifestou o seguinte :
1 fardo e 1 caixa com 49i chapeos
Chily ; ordem.
Encommendas.
1 encapado j Ferreira & Matheus,
1 dito
do
a D. Josefa M Uibeiro.
Joo Pedro B. Vieira.
Jos Joaquim de Campos,
Tristo de A. A.
Levinu Pinto Brando.
caixole ; Joao Pedro C. Moreira.
dito: J.B. da Fonceca Jnior,
dito ; Jos Sergio Ferreira
I carlo ; Jos Joaquim
mes. .
Rccebcdoria de rendas Internas
geraes de Pernambuco.
Rendimento do dia 1 a 19. -059fJ3
Idm do dia 20......... :3W#OM
da Silva Go-
31:3675030
Phtysica.
O xarope elherio de veame por mim preparado,
| muito tura aproveitado aos que sotrrem desta mo-
lestia, e de lamcntar-se, qu, no obtuario desta
e outros ;' cidade a maioria dos que sucumbem d tubercu-
i los pulmonares, sem procurarem o recurso do
I pratico e do experentc, quo tees podem eneami-
appellado, Clementino nhar o meio de sua salvaeao.
O Sr. Braga com loja de ferragens na ra Direita,
foi desengaado por dous habis mdicos, acha-se
bom com o tratamento por mim proscripto.
A Sra. Jeronyma Maria da Coneeico, moradora
na travessa do'Monteir n. 10, achnde-se desen-
gaada, tambem mim recorreu e acha-se resto-
Dclccida.
Um sobrinho do senhor professor de Nazarelh
do Cabo, acha-se bom, como se v de sua cartoabaixo
appcllado, Jos Peres da Cruz. transcripto, alm de outros factos, que poderia
dksiomaco dk da. | aqu mencionar. .
Assgnou-se dia para julgamcnto dos seguintes \ A pblysica a destribuicao e amagreira de todo
feitos- corpo, em conseqoencia de chagas, tubrculos, e
As appellacoes crimes. eonereccao dos bofes e de empyema, atropina per-
Appellante, Manoel Jos do Bomm ; appellado, vosa, e outras molestias que viciara os humores,
Joaquim Jos de Lyra. como escorbuto, alporcas, gallico, astnma, bexigas,
Appellante, o promotor ; appellado, Joaquim' sarampo, ele.
aetaoo de Oliveira. Na phtysica chegando ao estado de gravidade, o
App 'liante, Jos Francisco dos Santos ; appella- que muito pode concorrer para a salvaeao do
da, a justiea. | doente e ajudar os medicamentos o ar do campo,
Appellante, Jos Brilhante de Alencar ; appella-' exercico conwniente e dieta, a qual nao deve ser
da, a jnstiea. de nenhuma cousa quente. ou de dlllcil digesto;
Ai appellacoes ciceis. e a bebida eumpre que seja do natureza branda e i
Appellantes, Santos & Rolini; appellado, Jos fresca.
Moreira Lopes. Todo o seu alimento se ha do dirigir a moderara'
Appellante, a faionda ; appellado, Francisco Es- acrimonia dos humores, e a nutrir, e suster o do-
leves aes Barreto. ente, para o que preciso reduzi-lo ao uso de
O conflicto de jnrisdicco entre o juiz municipal vegetaes de leite.
e o subdelegado de Mossor. Toda comida o bebida, que se tomar ha de ser
passacbns m poucas porcoes, para evitar qne o excesso do
O Sr. desembargador Caetno Santiago passou chyto fresco opprima os bofes, e accelere muito a
ao Sr. desembargador Gilirana rculacao do sangue.
aria
anoodc 1863.
Juiz por elcico.
O Illm. Sr. Jos Joaquim de Lima Bairao.
Juiza por cleico.
A Exma. Sra. D. Narcisa Sophia da Silva Maa.
Juiz por devoco.
O Illm. e Revm. Sr.'padro Antonio d'Albuquer-
que Mello.
Juiza por devoco.
A Exma. Sra. D. Thcresa Joaquina de Souza
Torreao.
Escrivo por elcico.
O Illm. Sr. Jos Joaquim Gomes d'Abreu.
Escriva por eleicao.
A Exma Sra. D. Adelanto Mana Montero Soarcs.
Escnvaes por devoco.
Os Illms. Srs.:
Dr. Manoel da Costa Honorato.
Juvenal da Silva Magalhaes.
Escrivas por dev&^ao.
As Exmas. Sras.:
D. Engento Zeferina dos Santos.
D. Joanna Emilia de Moraes Pereira.
Juizes protectores.
Os Illms. Srs.:
Capitao Joao Caetano d'Abreu.
Alferes Manoel Anselmo Pereira Guimaraes.
Manoel Jos de Souza.
Narciso Maria Carnciro.
Miguel Archanjo Mindello.
Alexandre Jos da Silva.
Juizas protectoras.
As Exmas. Sras.:
D. Rosa da Conceieao Mendes Ribeiro.
D. Maria do Carmo Rodrigues de Menezes.
D. Amada Carolina Thcard Lopes Senna.
D. Isabel Celestina Rodrigues Halliday.
D. Mana Emilia de Faria Gadault
D. Francisca Tranquelina da Conceieao Botelho.
Procaradores.
Os Illms. Srs.:
Amaro Gomes da Silva Ramos.
Antonio Dias da Silva Cantea!.
12 caixas obras de ferro, crystaes, perfumara, |
porcelana, chapos, trastes e photographia, 1 em-
brulho amostras; a T. T. Bastos.
i caixas fumo; a J. B. dos Reis.
3 ditas vidros e porcelana, 2 ditos obras de ferro
e perfumara, 3 ditos couros ; a Prente Vianna
& C.
1 caixa xaropes; a J. A. Pinto.
2 ditos chapos, 1 dito ditos de feltro, 1 dito di-
tos de seda, 1 dita fazenda de algodao e laa; a
Chrisliaui & Irmao.
1 caixa porcelana ; a Antonio Pinho Borges.
3 ditos pianos ; a J. Vignes.
1 dita papel para msica e instrumentos ; a II.
Domont.
1 dito objectos para chapeos de sol, meto barril
vinho ; a F. Maestraly.
1 barril tinto, 1 caixa diversos objectos ; a Jos
Nogueira de Souza.
1 caixa piano; a J. C. Ayres.
1 dito marroquim, 1 dito couros ; a C. Leclere.
7 caixas, 1 barril e 1 fardo plantas medie.naes c
remedios; a B. F. de Sonza.
Consnlado provincial.
Rendimento do dia 1 a 19. 24-53fltyW5
dem do dia 20......... *! *^
25:7785007
MQVIMENTO DO PORTO.
Sacio entrado no dta 20
Liverpool39 dias, barca ingleza Ann, de 185 to-
neladas, capitao R. Redmore, equipagem 8, caa-
ga fazendas e outros gneros; Patn >ash
2Varw sahitlos no mesmo dia.
Rio de Janeiro por S. ThomazPatacho hanove-
riano Frisa, capitao H. K. Hellerccks, em lastro.
' Portos do Su I-Vapor nacional Apa, commandantc
o primeiro-tenente Joaquim de P. Guedes Aleo-
forado.
50 caixas queijos ; a Ferreira & Matheus.
EDITAES.
Tribunal da relaco.
Por ordem do Exm. Sr. conselhelro presidente
II ditos miudezas,' fazendas, brnquedos' e car- da relacao se: manda novamente publicar o ed.to
t5es, 1 embrulho amostras ; a Mo'nteiro Lopes
&C.
1 embrulho amostras ; a Faria Jnior.
24 caixas fazendas de algodao, instrumentos,
perfumara, etc., 2 caixas calcado, 1 dita livros, 1
dito sedas, 6 ditos chapeos, 3 ditos cavilhas de fer-
ro, 1 barrica queijos; a Linden Wild & C.
14 ditos e 9 fardos fazendas de algodao, 2 caixas
roupa, 6 ditos chapeos do seda, 1 dita couros, 5 di-
tos arcSes, 3 ditos objectos de seleiro e cooros, 3
ditos pannos, 3 ditas calcado, 10 ditos crystaes. 1
embrulho amostras ; a F. Sauvage 50 gigos champando, 1 caixa ignorase; a Saun-
ders Brothers. ^
l caixa sodas, 1 dito chales de casimira, 1 ditos ment dos artigos 99 e 100 da Ici de 3 de dezem
fazendas de algodao o de 15a, camisas e marroquins; bro de 1841, o dos artigos 467 o seguintes do re-
a Monhard & 3. gulamento n. 720 de 31 de Janeiro de 1842: e para
do Io de julho do corrente anno, que mais urgente
se torna cm consequencia da disposico do novo
regulamenlo n. 3,139 de 13 de agosto prximo
Ando, que no 3 do art. 31 o na parte 2 do art.
43. imitoe novos deveres.
Recife, 17 de outubro de 1863.-0 secretono,Do-
mingos Alfonso Ferre'r*jTAL
O desembargador D. Francisco Balthasar da Sil-
veira, presidente da relacao de Pernambuco,
etc. etc.
Pelo presente edito! faco saber a todos os juizes
do direito e municipaes das diversas comarcas su-
jeilas a aleada desta relago, que para fiel cumpri-
. ..quidacao e pagamento do que se Ihes dever at
30 de junho de |t864, at quando vigorar a sobre-
dita ordem.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco, em 16 de outubro de 1863.
Servindo de ollicial-maior,
Manoel Jos I'into.
Conselho administrativo.
0 conselho administrativo para foruecimento do-
arsenal de guerra tem de comprar os objectos se-
guintes : ',,,..
Para a conipaujna de cavallaria de linha.
Bonets 76, botins pares 188, tovas pares 198,
mantas de lia 66, panno azul covados 512, ca-^
mira encarnada covados 9 1|2. dito verde covados
9 l|2,olanda de forro covados 301, brim bramo-
varas 891, algodozinho varas 49.', botoes granitos
de metal amarello lisos 1,064 ditos, pequeos do-
mesmo metal 008.
Para o arsenal de guerra.
80 varas de brim da Russia.
SO resmas de papel almaco.
30 garrafas de tinto preta.
20 frascos de tinta ingleza.
JO broxas sortidas para pintores.
Para a Colonia militar de Pimenleiras.
1 bandeira m|.erial de flelo com 2o palmos de
comprida e 16 ditos de largo, 1 dito de dito dito-
coin 9 palmos de comprida e o ditos do largo.
Para o arsenal de guerra.
Ferro inglez em barra com 172 polegadasde lar-
gura e 3 oitavos de grossura "0 quintaes, gomma
arbica libras 5, massosde <>bivias0.
Para o presidio de Fernando
Um nincho segundo o modello existente na se-
cretara do conselho.
Quem quizer vender toes objectos apresentem as
suas propostas em caria fechada na secretaria do
conselho as 10 horas da manhaa do dia 23 do i or-
re n te.
Sala das commissoes do conselho administrativo
para forneci.nento do arsenal de guerra, 16 de
outubro de 1863.
Antonio Pedro de S Barreto,
Coronel presidente
Sebaslio Antonio do Reo Ranos,
Vogal e secretario.
Conselho de compras na vaos
Tendo o conselho de promover a compra, sob
as condi^es do estylo, dos objectos do material da
armada abaixo declarados, convida aos que pre-
tenderen) vend-los apresentarem suas pron-
tas em cartas fechadas no dia 22 do corrente mez
at s II horas da manhaa, em que essa lera
lugar.
Objectos.
8,000 armellas de cobre, 2 bataneas iiue pesen
8 10 quintaes, 20 arrobas de cairo velbo, 1 ca-
noa de 50 palmos de comprmento mais on racm l
e 8 de bocea, carviio de cock 20 arrobas, esto-
pa de algodao 50 esguinchos, 6 pharoes sendo t
de luz verde, 2 de luz encarnada e 2 de luz natu-
ral, 20 arrobas de graxa do Rio Grande, 40 pecas
de lenha de barca, 180 libras de linha alcalroada o
mcrlin, 20 arrobas de morrao, 100 arrobas de ot
de lindaba, 8 duzias de costados de pao rargaVde 2
pollegadas, 8 duzias de costados de pao carfs da
1 1)2 pollegada, 2 redes de pescar, 6,000 telhas
do barro, 4,500 tijollos de alvenaria batida, 12 dn-
zias de toboas de pinho da Sueria de 1 pollegada,
10 duzias de toboas de pinho da Sueria de 1 l|-
pollcgada, 10 duzias de taimas de louro ou ama-
rello de 38 palmos de comprmento e 2 de largu-
ra, e 100 vertedores.
. Sala do conselho de compras navaes, 17 de ou-
tubro de 1863.
O secretorio,
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Aviso.
Para conhecimento de todos a quem possa inte-
ressar as rclaces commerciaes, rom a repblica
argentina, e com.cspecialdade os Srs. capities de
navios, como para desempenho de instrneces re-
cebidas, se manda transcrever em sua integra o
seguinte decreto de 24 de setembro uliimo.
El presidente de la repblica ha acordado y de-
creta :
Articulo 1. Los buques procedentes d puertos-
donde haya agentes consulares de la republicano
no haiga sus manifestos visados como correspon-
de por los cnsules respectivos, seria obligados
pagar el duplo de los derechos consulares que de-
bieron satisfacer en el puerto de su procedencia,
cuyo importo ser percibido por la colectura,
aplicando la mitad al fisco y depositando la otra
mitad disposicin del cnsul a quien corres-
ponda.
Art 2. La multo del duplo que queda eslabeie-
cida por el articulo anterior, empezara cobrarse
cuatro mezes depues de la publicacin de este de-
creto, cobrndose entretanto los direchos imh
res solamante como lo dispona el articulo del
decreto de 7 de noviembre de 1862,
Art. 3." Communiquese quienes corresponde,
publiqueses y dse al registro nacional.
(Assigndo) -MUre.Rmlimo de Etssdd.
Consulado da repblica argentina em ninam
buco, 15 de outubro de 1863. Jote JotTo e Ame-
ran, cnsul.
t.



.

Diarlo de Pernambitco Q na ra felfa til de Onuliro de 1883.
'
/
THEATRO
DE
A 22A<
EMPREZA
' DK
A. J. DIJARTE COIMBRA.
Recita concedida em favor das obras da
groja do Divino Espirito Santo.
Ql'ARTA-FEIRA 21 DE OUTBRO.
Sul)ir scena o muilo lindo drama em dous
actos,
SETE HE SETENBltO
Em seguida representar-se-ha a comedia em um
acto,
QUERO E NAO QUERO.
Finda a comedia o Sr. Penante representar pe-
la primeira ver a scena-comica de sua prodcelo.
ESTIMANTE EM QUEBR ADEIR A
]>ar;i fim ao espectculo a comedia em dous ac-
tos, do Exin. Sr. Mendos Leal Jnior,
AFiLIIUM 110 BVRAO.
Bis o espectculo que a mesa regedora da ir-
maudade do Divino Espirito Santo offerece ao pu-
blieo l'oniaml.ueano, esperando sua concurrencia
para um acto tao meritorio.
lina banda marcial achar-se-ha no salao para
ni,us abrilhantar o espectculo.
No intcrvallo do segando acto do drama urna
ommisso ir pelos camarotes receber as esportil-
las i|ue se dignarem otlerecer |ra este Beneficio.
U resto dos bilhetes de terceira ordem e platea
es tao desde j disposicao do publico.
Comeear s 8 horas.
DE
Iscmc, movis, e ontros muitos
objettos.
Quiuta-feira 22 do correute
s 12 horas.
O agente Olympio, em seu armazem, far leilo
dos objectos cima : na ruado Imperador n. 16.
LEILO
Oe um siti cora casa tarta no Slan-
gunh<.
O agente Almeida competentemente autorisado
far leilo de um sitio no Mangunho, esquina que
volta para a ra da Amizadc da Capunga Nova,
rom casa terrea de tres Janellas envidracadas na
frente, portao ao lado, duas salas, quatro quartos,
cosinha foft, copiar, coxcira.c estribaria, em chaos
pro|rios, com 180 palmos de largura e 500 de fun-
do, murado na frente e o mais cercado a limo,
com alguns arvoredos c cacimba.
Qulnfa-felra do corrente.
O leilo ser effectuado a porta da Associaoao
Commercial as 11 horas do dia cima. _____
DE
Movis e escravos.
O agente Almcida far leilo requerimento dos
administradores da massa fallida de Seve Filhos &
C, e mandado do Illm. Sr. Dr. juiz especial do
commercio, dos movis e escravos existentes na
ra da Aurora n. 46, segundo andar, pertencenles
mesma massa,
Scxta-ffir 23 do carrate
s 11 horas do dia.
AOS 5,000:000
CASA DA FORTUNA..
Bilhetes jaranlidos,
A' ra do Crespo S e casa
do eos turne.
D.'iiois d'amanliaa
No dia 23 do corrente so extrahir a stima par-!
te da terceira lotera do Gymnasio.
O abaixo assignado recommendando ao respe-
tavel publico a compra dos seus mu afortunados
bilhetes garantidos, lembra Ihe a vantagem que
I ha em recebar os premios por inteiro. por quanto
quem tirar a sorte de 8:000,5 era bilhete garanti-
do nao recbela somente 4:2005, e"1 virtude dos
disconlos de 16 por cenlo que se faz em vista
das leis, mas sim os 5:0005 que vem a ser a dita
quantia e mais a de 8004 que pagar o abaixo as-
signado, importancia de dito disconto, acontecendo
! o mesmo com as outras sortes.
Os bilhetes garantidos pelo abaixo assignado le-
varao a sua assignalura de chancella atravessado
na frente do bilhete.
Os premios maiores A; 104 serao pagos urna
hora depois da extraccao.
I'iecos.
Bilhetes inteiros..... 6*Xa
Meios bilhetes...... 35000
Para as pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Bilhetes........ &4M
Meios......... 257:>0
Manoel Martin* Fiuza.
it\)$ Ir. gra'ifU'.iCsi'.
Fugio no dia 6 do corrente um mulatinho de
nome Joo, de 13 14 annos de idade, com os sig-
naes seguintes : corpulento, cor alatoada, cabello
amarellado, olhos pequeos, bom feito de ps c
mos, tem urna cicatriz de um coucc de cavado
em urna das pernas, bem ladino, e passa por
forro; levou camisas e ccroulas do algodozinho
azul e chapeo de bala : quem o pegar, levando a
sen senhor Antonio Francisco do Abren, na villa
de Pao d'Alho, receber 1004 de gratilkacao.
Alugam-se tres casas terreas ns. 13, 2i e 23
na ra da Amizade, na Capunga, com commodos
para pequea familia : a tratar na ra das Trin-
cheiras n. 1, loja de tartarugueiro.______________
Para passar a testa.
Aluga-se urna casa terrea com muitos commo-
dos. quintal murado, concertada e pintada de no-
vo : na ilha do Retiro, na Passagem da Magdale-
na : a fallar na ra da linperatriz n. 40. loja.
N
COMPTABILIDADE COMMERCIAL
PELO
DR. WITEDTIO PINTO BANDEIRA
Piofessor da segunda railrira do Curso Commercial Peraamanraat.
NOS BELLOS VOLHIES EM 8. FR l.NCEZ
COMNtKtlENDENDO
Precisa-se de urna ama forra para o servico de
urna casado pouca familia : na ra do Qucimado
n. 39. *_______________________
Aluga-se ou traspassa-se o arrendamento da
padaria da ra dos Pescadores n. 1, tendo as nie-
lliores conimodidades possiveis, com 2 fornos gran-
des, c mais alguns pertences, servindo igualmente
para grande rclinacao ou saboaria : a tratar na
ra do Kangel n.!>, padaria.
O prlmelroPrelecces theorlco-praticatt de eoeripti
raeo mercantil.
O segundoMoldes de arithmelloa eom-
aicrclal, adaptadas pratlca das operaedes con-
merciaes e elementos do sysiema
mtrico com suas applicaceg
ao commercio.
I'REQO DE CADA VOLME 5*.
LE rVO
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do su I esperado
t*iL.-^\ at o dia 30 do corrente um dos
wxfiv!_ vaPrcs da companhia o qual de-
,-v"?-*?MhE pois da demora do costume se-
^^sisP seguir para os portos do norte.
Desd j recbenme passageiros e engaja-se. a
carga que o vapor poder conduzir, a qual forera
ser embarcada no dia de sua chegada: encom-
meadas e dinbeiro a frete at 6 dia da sabida as 2
lloras, agencia rna da Cruz n. 1, cscriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C._
Dos portos do norte esperado
at o dia 2 de novembro o vapor
Princeza de Joinville, comman-
dante o capitao de fragata Santa
Barbara,o qual depois da demora
do costume seguir para os portos do sal.
Desde j reeobem-se passageiros c engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua ebegada. cncommen-
Ias e dinbeiro a frete at o dia da sabida as 2 ho-
ras, agencia' roa das Cruz n. 1, escriptorio de An-
tonio Luiz de 01 reir Azevedo & C.
Aracaty.
O biate Dous Irmaos, segu nestes das : a tra-
tar com o Sr. Joo Al ves de Quintal no trapiche do
algodao.
Cear.
O palhabote Garilmldi, segu por estes das a
tratar eom Tas80 Irmaos.
O palhabote Garibaidi segu para
n Babia nestes dias, tem a inaior
..arle do carregamento prompto, tra-
cjta-se com Tasso Irmaos ou com o
capitao Custodio Jos Vianna.
Para o lio de Janeiro pretende seguir com
muita brevidade o brigue nacional Almirante :
lew parto de seu carregamento prompto, e para o
resto que Ihe falta. Irata-se com os, seus consigna-
tarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo, no seu
escriptorio ra da Cruz n. 1. _________________
DE
Urna casa terrea
Scxla-feira 23 de atahra.
O agente Pinto far leilo (precedida a compe-
tente autorisacao) de urna casa terrea sita na tra-
vessa da ra doNogueira n. 24, com 16 palmos de
frente e 88 de fundo; o leilo ser effectuado s
11 horas do da cima dito, na ra da Cadeia n.
24, escriptorio do mesmo agente. _______
Companhia fldelldadc de
segaros martimos e ter-
restres estabelecida no
lio de Janeiro.
AGESTES EM PEPNAMBl'CO
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidclida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
ras e predios no seu escriptorio ra da
Cruz n. 1.
Arlthinetiea. algebra e geo-
metra.
O professor de matliematicas no Gymnasio pro-
vincial ensina pelas ferias estas faculdades : os
prctendentes dirijam-se casa de sua residencia,!
na ruaDireila n. 74. para matricularem-se.
Quem quizer dar roupa engommar por I
commodo preco, dirija-se ra do Mundo Noto
n. 48.
m-

DE
De um cavallo
Se\la-fi'ira 23 de outubro.
O agente Pinto far leilo a requerimento dos
depositarios da massa fallida de Joaquim Vieira
Colho & C. e por mandado do Illm. Sr. Dr. espe-
cial do commercio, de um cavallo mellado perten-
cente mesma massa, isto s 11 horas do dia ci-
ma dito, a porta do sobrado da ra da Cadeia n.
2i, esquina do becco Largo. ____________
COMPANHIA
PERNAMBCANA
DE
Xavcgaeo costeira a vapor.
Macei e esealas.
O vapor Cnmaragibe, rnmman-
dante Moura. seguir para os
jiortos cima indicados no dia 24
de outubro prximo. Receber
carga at o dia 2:5 ao icio dia.
Kncoiumendaj, passageiros c dinbeiro a frete at o
Mattos n. 1. _______________________________
COMPANHIA PERNAMBCANA
DE
-PAQUETES A VAPOR
Paralulia, Natal, Mar, Araraly c Cear.
O ropor Jagunrlie, conunandan-
te Lobato, seguir para os portos
^x cima indicados logo que regres-
*-i** se de Fernando. dia da parti-
da ser annunciado opportuna-
mente.
DIVIDAS
Seiti-feira, 2:h<-ouluiiro.
O agente Pinto far leilo requerimento do
administrador da massa fallida de Victorino Jos Fer-
reira, e por despacho do Illm. Sr. Dr. juiz especial
do commercio, das dividas activas da mesma mas-
sa, na importancia de 16:6815480, de conformida-
de com urna nota existente em poder do mesmo
agente: o leilo ser effeetualo s II horas do
dia cima dito, na ra da Cadeia n. 24, escrip-
torio.
AVISOS DIVEBS0S7
LOTERA.
DEPOIS D'UUMIAA.
Sexta feirn, 23 do crtente mez, se ex-
Iraliir a stima parle da terceira lotera do
(iyunasio Petnamliucano terceira conces-
85o), no consistorio da igreja de Nossa Se-
nliura do Rosario da fregucia de Santo An-
tonio. Os bilhetes e meios bilhetes acham-
se venda na respetiva lliesouraria, na
do Crespo n. 15, e as casas commissiona-
das: na da Imperatriz n. 44. loja do Sr.
Pimentel: ra Direila n. 3, botica do Sr.
Chagas; ra estreita do Rosario n. H, ty-
I pograpliia do Sr. Mira; ra da Cadeia n.
! 45, loja do Sr. Porto. Os premios de....
15:000,5000 at io^OOO rs., serao pagos tama
boro depois da extraccao al s 4 horas da
tarde, e os oulros no dia seguinte depois da
destribuico das listas.
Thcsouraiia das loteras, 10 de outubro
de 1803.
Servindo de thesoureiro,
Jos Rodrigues de Souza.
Aluga-se a casa terrea da ra da Alegra n.
42, com muitos commodos para familia; a chave
acha-se na taberna da ra Velha n. 33 : a tratar
na ra da Cadeia do Hecife n. 47, loja.__________
Aluga-se urna casa com soto, nostio do Cor-
deiro, margem dorio Capibaribe, com commo-
dos para grande familia, coznha fiara, quartopara
criado; estribaria para seis cavados, coeheira para
carro, ere.; urna dita, tambem margem do rio,
com commodos para familia, e estribara para 4
cava I los : a tratar no paleo do Carino n. lo.______
Os abaixo assignados, berdeiros legtimos do
finado Jos Manoel da Costa, moradores, um na
Haixa-Verde, outros do dstricto de Panollas de
Miranda, termo da cidade de Caruar e comarca
do Bonito, amigamente jiertencente a contarca de
Santo Antonio de Garanbuns, fazein saber ao Sr.
Antonio Joaquim Braganga, que nos flus de julho
de 1863 foi que tveram noticia de ter vindo una
carta preeatoria pelojuizo municipal de orphos, e
ausentes da villa de S. Fideles, comarca de Cani-
pos dos Goitacaes da provincia do Itio de Janeiro,
requerimento do Sr. Antonio Joaquim Braganea,
solicitando pelos berdeiros do mesmo finado Jos
Manoel Costa, e estes por nao saberem nem mes-
mo os empregados da comarca de Garanbuns, tan-
to que foi devolvida dita precatoria polo juizo de
Garanbuns, dizendo que nao existem taes berdei-
ros, cuja resposta mal infundada, ou por negligen-
cia dos empregados, ou pela distancia, ou etHao
pelos empregados novos que ha naquella comarca,
poisosantigos empregados bem conlieciinento ti>
nbam de Antonio Manoel da Silva e de D. Lui/.a
Mara de Jess, sogros do finado Jos Manoel da
Costa, casado que fui com D. Mai ia Joaquina da
Conceicto, os quaes tveram 4 filhos, Francisco
Manoel dos Santos, Thereza Mana de Jess, Joan-
na Maria de Jess e Anua Mara de Jess, depois
de ausente o finado Jos Manoel da Costa, morrea
sua mulher D. Maria Joaquina da Conceico. lea-
rain os filhos desta em poder do seus avs, poucos
anuos depois da morte de D. Maria Joaquina da
Concei^ao morreu seu pal Antonio da Silva, conti-
nuaram a ficar os filhos do finado Jos Manoel da
Costa em poder de sua av, e de cuja casa, depois
de criados casaram todos, e a lilha Anua Marki do
Jess, do finado Jos Manoel da Costa, MUbAmo
depois de casada morreu e nao deixoii tilnos, o
existem pois os berdeiros legtimos do finado Jos
Manoel da Costa, Francisco Manoel dos Santos, ca-
sado, Joanna Maria de Jess, casada com Marceli-
no Jos dos Santos, e herdeiros de Thereza Maria
de Jess, casada com Francisco Pereira de Mello.
este morreu em 1836 do cholera, tendo niorrulo
sua mulher dous annos antes, de parto, deixando
os filhos seguintes. netos do tinado Jos Manoel da
Costa, Manoela Thereza de Souza, casada com Do-
mingos Loureneo Bezcrra, e Maria Thereza de Je-
ss, casada co'm Francisco Xavier d Omcna e
I Joao Francisco Pereira de Mello; e para que che-
gue ao conlieciinento do Sr. Antonio Joaquim Bra-
zanea na villa de S. Fidelios, provincia do Itio de
Janeiro, fazemo presente annuncio em quanto se
apresentam ossohreditos herdeiros ou pessoas que
faeaiu suas vezes, aflm de arrecadarem o que por
justo direito Ibes assste nos bens deixados pelo fi-
nado Jos Manoel da Costa, cujo falleceu em 1837,
cujos herdeiros presentes ignoravam a residencia
de seu pai, sogro e av. l'anellas 6 de outubro de
1863.
Publicaro liltcraria
CCLfA EAKKFPENUME\TOJ
Drama de costumes. ori-
iy^inal portugiiez em 4 MMH
S JOAQUIM GERARDO DE BASTOS. !
Este drama, em um volume nitidamen- I
I te impresso, acha se venda em Santo J
jS Antonio, na ra do Crespo n. 2, livrara r
fli Econmica, e no Recite na ra da Cruz l
g| n. 52, livrara do Sr. Jos Barbosa de }
rg! Mello, c ra da Cadeia loja do Sr. Car-
gjg doso A\res; preco 2$.
Os Srs. assigna'ntes, que aiuda nao ti-
^| verem recebido os seus exemplares, po-
ja derao procura-Ios em qualquer das iu-
j^> (lieadas lujas.
Ollererem-se duas amas com bastante leite
para criar: na ra da Gloria n. M.____________
Aluga-se o sitio da senhora viuva Carvalho,
em S. Jos do Manguinho, com boa casa de sobra-
do, t'sjeirada. quartos para Miados estribara,
fructeras, baixa de eapiin : no mesino sitio se dir
quem trata do alugucl.
- Quem precisar de urna ama de leite com l-
Iho, rinda do mato, dirija-se ra das Flores nu-
mero 19.
Estaubra, apezar de elementar, vem preencher urna lacuna. que era sentida rntn* m*
onde fallccem escriptos de certas especialidades com accesso a todas as intelligcncias ; r as-
sim o editor pensa fazer um servido dando-lhe publicidade, tanto mais qnanto hoje, qiic as
trajisaccees commerciaes e industraes vao entre nos tomando notavel descnvolvinientu. deve
entrar na educaban daquelles (ue se quercm apphcar a taes ramos da vida o connecunenlo
dos principios da comptabilidade administrativa e commercial.
Com este intuito, sob urna forma essencialmente classca, reunin o Sr. Dr. WHrnvio os
principios da comptabilidade commercial no que tem elles de mais elementar, e eoordnou-
os de modo a facilitar o mais possivel o seu estudo s pessoas que se destinam < pronV-i>s
commerciaes, sendo taes a coneisao c a clareza postas no desenvolvment respectivo, qne \*t-
de-sc aprender a materia, chegando-se a escripturar os livros por parlkla- iMiradas e appli-
car o calculo s operacoes do commercio, sem carecer da intervrnco de um mestre.
O primeijo volume, formulado sobre a obra de Bertrand. teeim-M wk ,-ifialm-ntr
da escripturaco mercantil por partidas dobradas, cujos principios sao dt-s^nvlvidos em har-
monia com a legislaco brasileira, contendo alm disto um importantissimo app<>nilice *>bre
as sociedades commerciaes em todos os seus movimenlos. quer pelo lado da criptor-.io.
quer pelo da formadlo, existencia e extineco deltas em face da le. .Vste apiinlk-.-. dn'pl-
cadamenle recommendavel por sua originalidade e pelo cunho de esperiasnes km o rom
merciante urna guia para sua direceo, qualquer queseja a forma da swiedade qm- crititraia.
('.limpela este volume o specimeno resumo de tuna escripturaco, ficticia v.rdade, mas em
tudo semelhante de urna casa de commercio ordinario, offereeendo urna serie o> eppra^Ses
successivamentemais difflceis, ((ae assim inicia gradualmente a maneira de csrriptura-las
n nos dilrreiiies livros de urna casa de comniercio.
O segundo, egualmente formulado-sobre a obra de Kottinger, oceupa-se particularmente
SX da arithmetica commercial com exercicios c problemas pelo meio mais simpl>-<. fcil p breve
(^ da regra conjuncta, acerca de todas as operacoes pi ticas usiiaes no commen-i. enriilvpndo
B clculos de cambios de praca praca c |>or placas intermedias, keni como neg.K-ios de bancos
SR com arbitragens de cambios, alm do desenvolvnncnto do systeina mtrico em suas reiaeSes
hh com o commercio, Ilustrado por meio de tabellas de conversan.
O editor nada mais accrescentar estas breves palavras. que nsss demonsiram a m-
*}">, portancia real desta obra, devida a intelligenciac a applicacao acrurada do f* que ella de utiliilade geral. e que a nenliuin commerciant e mesmo a honiem alpnm d.- let-
tras licito deixar de )>ossui-la em sua estante ; pois o commercio em suas variadas evolt-
C.UCS, entende actualmente com tudo que se liga a vida.
Ajissignatura tomase as livi.irias dos'Srs. Guimares \ Olivrira. Nngneira de Sou-
za. Julio i Pereira e Geraldo H. de Mira, sendo realisada sua iui|>ortaiicia |x-la quola de rada
volume ao sabir do prelo, para o qual ora entra o primeiro.
O EDITOR.

Manoel Jos Cameiro, vem por este meio
agradecer cordealmente a todos os senhores
que se digoaram assistir as exeuuias que no
dia 17 se Iteran |>or alma da sua mui presa*
da esposa, Maria Resalina Carneiro, ede novo
os convida paraassistirem a missa do stimo
dia, que ter lugar na qninta-feira 22 do cor-
rente pelas 6 horas da manha, na igreja de
Nossa Senhora do Terco.
Red*, 20 de outubro de 1863.
LELOES.
Qv P\
n HOJEe
s IO hoi*:t. no armazem da rna
da Cadeia do Reclfe n. 97, oi-
o da greja do Corpo %:uito.
0 agente Olympio vender em leilo ricas mo-
bilias de jacal imil com tampos depedra marinore,
4ima burra de Ierro, ricos espelhos da altura de
um homem, garrafas de crystal, apparclbo de gos-
to para sobremesa, carleiras para escriptorio, um
silhao, relogios de parede de multo gosto, inmen-
sidades de objectos domaisapurado gosto, os quaes
d*ia-sc de mencionar por se tornar massante :
na vespera e dia do leilo podero ser examinados
todos os artigos. ______
Fr. Wcrafini de Caanla, misio-
nario capiiehlnho. aehando-se
na nropa na oceaslo dofalleei-
meiito de seu eonipanheiro e es-
pecial amigo Fr. Sebastian da
Mr i a, agradece cordealmente
todas as pessoas que tomaram
parte no funeral e enterro lo
fallecido, e em geral a todo o po-
ro de Peruambiico, que tanto se
dcstingulo ueste acto, e nao po-
denilo agradecer pessoalmcntc
por ter de partir para o Rio de
fanciro no dia 90 do corrente.
pede o dispensem. e offerece seu
pequeo prestimo onde quer que
se ache.
I)-se dinbeiro a juros: no pateo do Terco
n. 12 taberna.
LE LO
HOJK
Ujiaila-IVia 21 do corrale as M horas na ra da
Cadeia ti. ::t
DE
li faqneiro de pata obra fio Porto.
Pelo agente Euzebio se vender em leilo o se-
^uinte por conta e ordem de quem pertencer e de
urna familia que se retira para fora da provincia :
urna mobilia de mogno, guarda roupa, mesa clsti-
ca, camas de amarello com balaustres para urna
.i.ssoa, como para casal, e ditas de ferro, casticaes
rleiras de faia de balanco, cadeiras de amarello e
-tmarello quadros, tomadores de mogno, carteira
de viagei'n proprias para tirar copias, duas collcc-
^des devia-sacra. ________________
EifiiO
un
A'si horas da manha
Xo armazem n. 3 ti rna da
Cadeia,
4e um niuMi lio ollici-l Pelo agente Euzelii se vender em leilo um
tiiiilatinho proprio para ipialqucr servido de 18
.i unos de idade ; entende de servidos de padaria.
'fiflIdimO
feuinla-feira i* do corrente.
Pelo agente Pinto na ofllcina de marmorista, na
rna Nava n. 30, de diversas imagens de alabastro
artificial, das mclhores pe tem vindo este mer-
cado.
BAMCO IWI.tO
ESTABELECIDO NA CIDADE DO PORTO
Agentes em Pernambueo
Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo >v c.
Sacam por todos os paquetes sobre o
mesmo banco prazo ou vista, sobre a
caixa filial em Lisboa, e agencias em F-
gueira, Coimbra, Aveiro, Vizeu, Villa-
Beal, Regoa, Vianna de Castello, Guima-
res, Barcellos, Lamego, Covilhaa, Braga,
Penaiel, Rragan(a, Amarante, Angra,
Ilha da Terceira, Ilha de Faias, Ilha da
Madeira, Villa do Conde, Valenca, Bastos,
Oliveira de Azemeis, Chaves e Fafe, a
oito dias vista ou ao prazo que se conven-
cionar,no seu escriptorio ra da Cruz
n. 1.
SOCIEinUE
PC!
ARTISTAS SIECnAMCftS E LIRERiES
DE
PERNAMBUCO.
De ordimi do Illm. Sr. director da Sociedade dos
Artistas Mchameos e Liboraes, estabelecida no
consistorio da igreja de S. Jos, sao convidados
todos os senhores socios para boje 21 do corrente,
assistirem a missa que se tem do celebrar na mis
ma igreja, as 7 1|2 horas da manha em honra da
Senhora do Amparo, e a noite, as 7 horas, compa-
recerem sesso magna de anni versara
Secretaria da Sociedade dos Artistas Mchameos
e Liboraes de Pernambueo 21 de outubro de 1863.
Silveira, 1." secretario.
Aluga-se urna das casas terreas situadas na
estrada do Chora-menino, ao entrar da ponte pe-
quea, tendo os seguintes commodos: 2 salas, 4
d.uartos, coznha fra. quintal murado e cacimba :
a tratar na estrada do Hospital Porluguez, sitio n.
1, ou no pateo do Carino, sobrado n. 2, primeiro
andar.
O abaixo assigindo, possuiudo a alvarenga
denominada Alabamn, d'onde lira os meios de sub-
sistencia honesta para si e sua familia, vio com
sorpreza, que homens ambiciosos, e a quem o abai-
xo assignado nunca bostilisou, de proposito, appvo-
veitando-se da occasio de se adiar dita alvarenga
ancorada alraz da I'undico de Bowman no da Ift
do corrente a noite, forain fazer diversos furos
com trados de meta pollegada, para desl'arte inu-
tilisarem a mesma alvarenga, e pola de modosa
nao poder mais tomar carga. Sendo esse facto
una verdadeira violaco do direito de proprieda-
de e um crime punivel; nao sabendo o abaixo as-
signado quem fosse, com certeza o autor de seme-
lhante alternado, offerece a quantia de 2006000 a
quem Ihe der noticia exacta da pessoa que prati-
cou seinelhantt! acto; assim como pede s autori-
dades do paz, por sua parte facamas pesquizas no -
cessarias, visto romo o abaixo assignado paga di-
reitos nacionaes, pela posse de semelhante alvaren-
ga de seu dominio.
Manoel Espinla de Mendonca Jnior.
ASexandre Dorotbcu das Mercs vendo uo
Diario ile Pcrnambitro de 16 deste mez n. 237-uina
pergunla nos seguimos termos : pergunta-se ao
Sr. A. I). M. com loja de ourives na ra da Impe-
ratriz, queiru dizer que fin deu ao traucelim de
ouro que Ihe foi oflerecido por um homem mal Ira-
Jado e desconhecido, tendo Smc. procedido a exa-
uie da qualidade e peso, dando em resultado 10
oitavas e meia, deixando em poder do |olfereeedor
o relogio que desapegara do mesmo traucelim, e
fazer retirada sem paga. O sunga eu tratou logo
de verificar onde existia o trancelim que Ihe fra
offerecido por venda, e que fizera apresentar ao
inspector de quarteirao o Sr. Florencio Rodrigues
de Miranda Franco, por desconfiar ser furtado, por
quanto cntendeu que a pergunta Ihe era dirigida.
Para verificar onde tal trancelim exista, enten-
deu-se com o mencionado Sr. inspector, em poder
de quem ficra elle, e pelo mesmo senhor inspec-
tor Ihe foi declarado que o trancelim existia em
poder do subdelegado o Sr. Queiroga.
Agora no Jornal do Ri-afe de 17 do correnle^rio
declarado pelo Sr. Queiroga um annuncio policial,
que em seu poder existe um trancelim de ouro
com passador, que foi apprehendido por Francisco
Joaquim Ramos e Silva.
Pensa o annunciantc ser este o trancelim a que
se refere a pergunta. e assim ficar satisfeita a cu-
riosidade do perguntador, que alias iodia ter sido
mais explcito para nao se descobrir mysterk) na
sua pergunta: julga, porm, o mesmo annun ins-
te de seu dever declarar ainda que o trancelim em
queslao nao foi apprehendido pelo Sr. llamos e Sil-
va, c sim pelo Sr. inspector Florencio, a quem o
annunciante o levara com a pessoa que pretendeu
vende-lo; bem como que esse mesmo trancelim
pesara 10 oitavas e meia. tinha dous passadores,
una flga e um eucaste de moeda. Recife 19 de
outubro de 1863.
Alcxandre Dorolheu das Mercs.
BOU NEGOCIA..
Traspassa-se por 6005 nma hypotlieca j venci-
da, no valor de 7004, vencendo os juros de 3 OjO
ao mez, pagos adiantados e mentalmente, sendo
dita hvpoHicea sobra uw escravo crioulo, bonita
figurai idade 22 a 23 annos. ofilcial de alfaiate i o
motivo se dir a pessoa qu > quizer fazer este ne-
gocio, annuaciando por este Diario.
Continuam andar fgidos
desde o dia 8 de outubro deste correte auno os
dous escravos sabidos do sitio da Torre, do abaixo
assignado, sendo um de nome Hodellon, pardo cla-
ro, de idade de 18 para 20 annos, boa estatura e
bem augurado, e civilisado, cheio do eorpo, cabel-
los sollos e annelados, costuma trazer sempre
aberto na frente moda nazarena, foi escravo de
Antonio Gonealws Ferrara, proprietario do ciigc-
nbo Mangueira, na Escada, rosto redondo, vindo
agora o bugo de barba, olhos, nariz e bocea regu-
lares, denles limados um pouco na frente, pernas
linas e ps grandes, tem na canella c no tornozelo
do pe marca de cicatriz pequea e marca de caus-
tico de una banda en cima das coslellas. levou
etaapo de feltro ror de cinza em meio uso : o en-
tro que desencaminbou cliama-se Fliomaz, aca-
borlado, de 00 anuos de idade, natural de Atalaia
ou Taquara, perto da Paralaba do Norte, alto e
bastante grosso do corpo, muilo civilisado e canta-
dor, vistas baixas, e falla um pouco descansado,
cabellos soltos e grandes, rosto redondo e com al-
gumas marcas de bechigas antigs, tem nina per-
na mais grossa do que a outra, e esl com uma.ci-
catriz alm de outras muilas j sas. bom traballia-
dor de enxada, machado e fouce, ha muilo estove
fgido quatro anuos, trabalhando como forro.de
orne nadado, na estrada de ferro; ambos leva-
rain enxada, fouce de roear, e um faci de rocar
capi ni c roupa de sobrece'lenle : ruga-se s autori-
dades poheiaes. capiles de campo ou alguma pee-
soadopovo se o virem, o inandarem pegar, levan-
do no Becfe, ra do Imperador n. 44, que serio
bem recompensados.
Domingos Antiines VillaeaJ_____
0 capitao di campo da freguezia de Munbe- i
ca declara que tem em seu poder um preto por
nome Theodoro, de naciio Camund : quem for seu
dono pode vir procura-lo no lugar de sua residen-
cia (Pontezinha) que depois de dar os sgoaes com-
[M'tentes ser entregue.
ALMAJNAK
blando a confoccio at-se o a mannk
dula provincia, que contina scritn-
prosso tiesta hpoiaplih, convidasen
todas as pessoas pne lelle fazcm pa te,
para que remellara livrara ns. %eS
da praca da Independencia, seus nonn s
e qoaldade de cst-be'ecimcnto, e aos
senhores c cujtenlios que sedignern
ri'inetler alm dos nomes destusen-
gentos, oda fregueziae comarca a que
perlencerem.
NOVO ESTABELECIMENTO DE MEDICINA HOMEOPATHICi
RA MOTA r. 48.
0 Dr. Sabino 0. L. Pinito muilou o seu CONSULTORIO para a luja do ni.umora
ra Nova n. 43, onde continua a dar consultas todos os dias oteia toda o rneiu dia ata
2 horas.
Os enfermos, que o procurarem logo na invasao da molestia, sem que hajam to-
mado qualquer remedio, nem allupathico, nem liomeopalliieo. pagarle metailf i* pnpjai
estipulados. Esta concessBo tem por lim facilitar a cura de molestias, que podem tornar-
se complicadas pelos empreg intempestivo da llierapeutica e ao mesmo tcm|> alquirir
para a homeopatliia maior numero de adeptos pela liateza da cura.
Em attencto as pessoas pobres, que nao podem sahir de dia. o Dr. Saliino res<^
Ven dar duss consultas por semanas as tercas e sextas-feiras das seis as seje-horas da
noite.
Os chamados pata vistos e conferencias devem ser dirjgidos por escrpto ao con-
sultorio desde 8 horas do dia at 8 da noite, na certeza de que serao atlendidos na orilee
de sua precedencia, salva a circumslancia de eminente perigo.
ai>vi;ti:mia.
0 novo consultorio est prvido dos memores medicamentos, desde a primeira
at a trigsima dynaminjsacyo.
E como os mdicos hespanhes c allemies nao cessam de certCV a maj..r effi-
cacia das ullissimas dynaminisacies do tratamento das molestias ebronicas, o Dr. Sabino se
oceupa agora de elevar os seus medicamentos s potencias ni.iis altas i por ora at .*).
aflm de verificar por si mesmo a forca dynamica, que se Ihe attribue.
Os mdicos, que quizerem experimentar taes dvnaminisai'oes podero dirigir ao
consultorio suas receitas, que serao aviadas gratuitamente para os pwrw.
No mesmo consultorio se vende a novissima edico do Thesnnro homtopathiec
ou Vademcum do homeopatha, obra indispensavel a dos que quercm usar da liomei-
pathia.
Tudo o que diz respeito a nova medicina se acha abundantemente ueste novu estatn"-
aecimento.
HB R^-f
PRE8TEM TODA ATTEXCAO
PROTEJAM TODOS
soiueauqr-j sojoqpiin sop su5joj sb scpoi op otunj a onepl bjki! sbjistik
lope.voo csjos u s.ui'.i op sBiuj bssbj somapaj.\
opB.voa 0 sj 00V B SBn sojoj op bjiiujsk.) ap snlc^
-opeaoj o ti m < si:ss>(
sEtjuoii oprnu sbiuki
som|Bt 01 3P 0|iii:iui:i|
Ol|U|| op Bipill' BJ
oqii|| op s.mi.-V-|
i:.mi',:.i | spos op
SOpBAOJ OS 3 >I-'1UI.'U1 't'||Ol|
sopepjoq
soauBjq sopnsaa op sauoo
'?0S SOldJll SJ|d|0|HBK
b.iiiSji:[ ciun op socpo3|\r
sopeisaju sopo3|\r
B5od B ^g Ti J>
'#9 'SfS 'ff 8P sooiodBpt'K
soiuis
so||jq oiuuu sciji up
tapapaaa.
iii;p:q .i:1'.^
s.>nli.ic>piwi|K;
tatMa >eili:;i
-Bj| op Bq|BiI ap sKUi|*lei|n
(mi oiiTiMi af aaedaajo
supo*
'equruionv
ssins 'subj 'bjjoic|8ui op BJUiiajjp ma sepui.v sspuozBj ap oiuomuijos opbuba j o||.mj mn
okjbjjuoduo saxg a\ qs 'oiuoiiaoiaqBiso oj|oq osso b sBJoquos sBiuxa aBBfajBR|
-siuii sozojucij s.io|odcpBK'-8-) 'opuoiq op sopijsaA soaiji
onpo3|V I soqo|i sv\yi
"UV11IA S3IH00 3S0f
a
:; >
e^ro
Ante-hontem desappareeeu da Boa-Vista nm ca-
chorro d agua, de bom taanle, bastante gordo, d
pelo nomemarquez,tem todo o cabello, cauda
coto, com um olho e urna orelha manchados de
prelo : quem o pegar ou dellc der noticia certa do
lugar onde esteja, dirjase ra larga do Rosario
n. 46, que ser generosamente recompensado.
Antonio Pacheco d' Almeida, Porluguez. re-
tra-se para Portugal.
Na praca da Boa-Vista, loja n. 30, tem urna
ama para cozintiar c engommar._______________
Precs*-se fallar aoSr. Pedro Paulo dos San-
tos, na ra da Praia, armazem de Antonio Pinto de
Azevedo, sobre a venda das casas da preta Bene-
dicta Mara da Conceico, de que o mesmo senhor
nao ignora.
O linda
Aluga-se urna pequea casa na ladwra do \a-
radouro para pequea familia que queira tomar
banhos salgados : a tratar-se na ra do Livramcu-
to n. 8, sobrado.
ATTENCM)
Faco sciente ao publico que todas as pessoas
que se valerem de meu crdito flcarao cm desem-
bolso, sejaqoe familia frInnocencio Ahe da
Silveira.
l\ -u IMJ3 op un-i n snpuazty op o|uompd|oi|0|>; !|M|aVlB| ^
MMioi iivr:noH.i
mmm% m (o?i
soHiaoMvaisa a soNV3iawvjvaad-
MMM
SEGUROS DE VIDA EM MUTUALIDADE.
A direceo do BANCO UNlAO tendo obtido do governo de S. M. F. a aulorisa$o para stofcrk
cer o seguro de vidas em mutualidades, faz publico que desdo j toma subsenpees ananaes por nma
s vez, debaixo das seguintes condicoes :
Com perda de capital e lucros;
Dito capital smente;
Dito lucros smente;
devendo a primeira liquidar) ter lugar no f de Janeiro de ItW? sam.
As vantagens do emprego de eapitaes em mutual.dade, sao ob.a>, porque nao someMe tee^
Ihe o juro de uiantias diminutas, de que avulsas se nao poder.a tirar nenhnm resulta.!..; ma. alen.
disso este rend nenio augmeo adopVlo capital ou lucros, ou ambas as cousas, confunne eo^r.-
da su^^cripS dos que fallecen. Tambem partido pidos sociossobrev.ventes tudo agu.lloye -
?ios"S3^os^u's pagamentos, sao por este motivo ongados a pagar, bem como cadunda* jae
necorrerem nela falta de cumprimento do compromlsso social. ____
occorrerem pe r ^ comp;inhi)ls heSpanholas, TiHelar e outras; e pani ue
foipr nma idea do da sobre a cxDerienca de muitos annos de companhias desta natureza :
Em annos Em 10 annss Em 15 atines Em 20
Por nm menino
de 1
de 1
, > de 3
de 3
> de 4
Por urna pessoa de 15
de
t > de 90
de 40
dia
anno


a
a i
a 3
a 4
a 1S
O
a 30
a 40
a 50
1 anno i 104
904
4004
3004
2904
9804
2704
2704
2704
2704
3004
9004
7504
7204
7104
7004
7004
7104
7204
7504
As entradas por urna s Tez dao resoltados muito superiores as annnaes.
Porto, 10 de agosto de 1861Oa directores do Banco Umio, Jo$i de M
AeT Agentes ta Pernambueo : Antonio Luii de bYeira Azeredo & C., roa da Cm i.
-**


i
Diario de Perna_draco -Cuarta felra 1 d*-ubro de IMS.
IRMANDADE DO TERt?).
Tendo de se proceder a eleicto da mesma
no da 22 do corrente, peco a Protff^J
dos dignos irmaos em geral, para que fleem
o seu voto para juiz ou thesoure.ro omu
digno irmio procurador o Sr. Marcelino An-
tonio Alves de Brito, que com sua pe-
riencia espera desempenhar e^e impor-
tanto cargo. Mtn
O irm&o de cmcoenta >e m.
------------Jinda esl por alugar-sc o segundo an-
dar do sobrado n. 44, em a ruad Auro-
ra : quem o qizer dirija-sc a esta mes-
ma ra casa n. 10.
FAZENDAS DE BOM GOSTO.
PASA VESTIDOS.
Aluga-se a toja do sobrado n. 193 da ra Im-
perial, e o armazcm n. 4 da ra de Apello : na ra
da Aurora n. 36._____________________________
Aluga-se urna boa casa nova e -pintada de
novo, com 3 quartos, 2 salas, cozinha tora, quint!
e cacimba, na ra do Principe n. 4, fregueua da
Boa-Vista, o lugar muito sadio : a tratar na ra
Nova n. 3___________________________________
Precisase fallar ao Sr. Leoncio Josjheofilo
que veio da Bahia : dirija-se ao armazcm de Tasso
Irmaos a fallar com Raymundo Corma de Men-
donca.______________________________________
Aluga-se a casa terrea da ra Imperial n.
160, com bons connnodos para familia, grande
quintal com grande telheiro e portao que deit pa-
ra um terreno com cainboa : a tratar -na padana
da ra Direita n. 84.
Maques sobre Portuga
O abaixo assignado, agente do hanco
mercantil Portuense nesta cidade, saca ef-
fectivamente por tedos os paquetes sobre
o racsmo banco para o Porto e Lisboa, por
qualquer somma, vista e a praee, po-
dendo logo os saques a prazo serem des-
contados no mesmo banco, na razio de I
porceotoaoanno aos portadores que as-
simlhe convier : as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
Furtaram na noite do dia 10 do corrente dous
cavallos pertencentes ao Dr. Francisco Caldas Lins,
do cercado de seu engenho Siqueira, na freguezia
do Rio Forinoso, com os signaes segumtes : um
mellado, cauda e dinas pretas, castrado, grande,
gordo, os quatro pspretos at cima, sera anda-
res, porem de sella; outro rodado sujo, cauda e
dinas prctas, bom tamanho, grosso, rastrado rela-
do pelos peitos por ter sido de roda, urna baixa
em unidos lados das costellas, meio corcunda e de
carga : quem der noticia dos mesmos cavallos ou
os entregar a seu dono no referido engenho, sera
recompensado com a quantia de 50 a 1003.
Jscravos para a lugar.
Alugam-se 5 esclavos robustos e proprios para
todo o servieo : na ra dos Coelhos sobrado n. 8,
loja.
MDAME F\>VB0LHE\U
propondo-se a dar licoes de piano e canto, tem a
honra de offerecer o seu prestimo aos pas de fa-
milia dest cidado, a quem assegura desde ja todo
o desvelo no aproveilamento de suas discipulas.
para o respectivo trato, pode-se dirigir ra Nova
n. 9, loja do Sf. Dumont.
Superiores cortes de gorgurao de seda com flores matisadas os mais modernos que tem vindo a Per_mbuco.
Ditos de moreantique de cores, de listas, de flores, e achamalotados, cores mu lindas.
Ditos de moreantique pretos de palmas com barra.
Lindos cortes de grenadine de seda com barra e chale igual. ... ._, ,_ O, _, mj, ..rlo
Ditos de lia com barra matisada e da mesma cor, a imperatmnelo barato preco de 10*. 125, 18* e 20 cada corte.
icos vestidos de^blonde para noiva com lindas mantas de filo de seda, de blond e com capella.
Ditos de cambraia brancos bordados a 125, 15$, 25$ e 35$ cada corte.
Lindas laas lisas flnas.a 300 re. o covado.
Ditas de quadrinhos e de flores a 400, 500 e 600 rs. o covado. _______
Superiores organdvs om listas de seda, os mais modernos que tem viodoa Pernambuco.
Lindas ___ de cores e suocrior aualidad a 400,500 e 640 rs. a vara; assira ...
Sfum vliado sorUmentPde percales, chitas francezas a 280,320,400,500 e 640 rs. o covado, e outras mu.tas fazendas que
seria eoadoalio mencionar.
PARA HOUfBltOS DE SIIVIIOKA*.
Manteletes de seda pretos a 18.
Capas pretas de .grs a 255, 305 e 35$.
Ditas muito superiores a 40$, 45$ e 50$.
Superiores santiembarques de casemira.
Ditos ditos de lindas laziahas lisas e de quadros.
Ditos de seda pretos e de cores.
Ditos de musselina de seda chineza.
Superiores manteletes de torcal pretos. .. ___
Lindos chales de musseUna e de chally matisados com listas de seua.
Novos chales de toroal c outros muitos artigos modernos.
PARA CABERA DE SEMHORA E MEMIOS.
Superiores enfeites de flores, gostos os mais modernos em Paris, chegados pelo ultimo vapor francez.
Lindos chapeos de palha da Italia enfeitados com muito gosto, a Imperatriz ea \ aleroy.
Ditos de palha para meninos e meninas.
E\remdoest,rSsC'trgos o estreitos, tiras bordadas largas e estrella,, tiras de fustao k^{"llpM*M{
bordadas e outros muitos artigos de gosto por precos mais commodos do que em outra qualquer parte na ra ao crespo n. u, ioja
das columnas de Antonio Cerreia de Vasconcelos & C.
Vo Irgodo l'aiaizo n '_(j comprase
una esciava que seja sadia e una ne-
nha de 12 a 14 auuus.
Compra-se um mulato, bonita figura, proprio
para pagem de 16 20annos, um moleque tambem
bonita figura, de 10 12 annos, urna preta que
saiba bem cosinhar e engommar, e urna dita com
urna cria, que saiba cosinhar; na ra da Cruz
n. 1.
Compra-se effectivamente ouro e pratt em
obras velhas : na praca da Independencia n. tt lo-
ja de bilhetes.
YENDAS.
= Vende-se um escravo pardo de 25
annos, e de bonita figura; na ra do Qoei-
rado, n 13, primeiro andar.
Yi'iulem-se pombos grandes e de qualidaies:
na ra da Gloria, casa n. 110.
PELOS" PRECOS DE LISBOA
Vcn da manha s 3 da tarde, at o da 8 do corrente.
AURORA
1, 1
LARGO DA
BRILHANTE.
1, U
SANTA CRUZ.
\tmwjiimjmmmm
Contina a haver pao de senteio no nos das
quartas e sabbados de cada semana, na padaria
em Santo Amaro ao p da fundicao, na ra da Im
peratriz n. 22, e ra do Brum, confronte o chafa-
riz n. 47, ra das Cruzes, deposito n. 39, na Pas-
sagem, taberna da esquina do Sr. Bento, que vira
para o Remedio, e no armazcm progresso, largo
da Penha n. 10.
;
aixeiro.
Precisa-se de um caixeiro para deposito-, a tratar
no Becco-Largo n. 14.
Aluga-se o armazcm do sobrado n. 5, da ra
da Moeda no Forte do Mattos.
l'in mulato corpulento, de 18 annos de idade,
e capaz de prestar-se todo c qualquer servieo,
tambem se alugana mesma ra da Cadeia n. 24,
ou no pateo de Pedro 11 n. 31._________________
Est vender-se a casa terrea n. 24 da ra
da Palma, se alguem tem o que oppor annuncie
dentro de 4 dias, a contar de hoje.
Recife 19 de outubro de 1863.
Precisase de um homem para trabalhar com
carroca : a tratar na ra da Scnzalla Nova n. 9.
Precisa-1* de urna ama para comprar c co-
sinhar : na ra Nova n. 38 loja._______________
Oabaixo assignado tem resol vido fazer qual-
quer viagem para o interior da provincia, empre-
cando-se em levar cartas e todos qnaesquer docu-
mentos com a maior presteza possivel, e para este
fim d fiador de sua conducta : trata-se com o
abaixo assignado na ra do Rangel n. 33, ou no
cartorio do Sr. tabellio Almeida, ra do Impe-
rador.
Firmino Jos Martins.
Arrenda-se por festa, ou por anno o sitio Co-
queiros na estrada do Barro, com casa de vivenda,
multas aores fructferas, muitos ps de cajuei-
ros, tem boa agua de beber, rio perto para banho,
excellente baixa para capim, terreno para planta-
roes e outras multas proporcoes vantajosas que so
se vendo : os pretendentes dirijam-se ra de
Hortas n. 24 primeiro andar, ouao engenho l'choa
que aeharao com quem tratar.
Joaquim Fernaudes de Azevedo, retira-se
para o Rio de Janeiro._______________________
Casimiro Luiz Pereira, retira-se para o Rio
de Janeiro._________________________________
Precisa-se de una ama para cosinhar e com-
prar, para urna casa de pouca familia : na ra da
Concordia n. 34, sobrado do armazcm do Sol.
i ni sobrado de tres andares
alugar-se.
Quem o pretender com os bons commodos que
tem, vista para o mar, nerto da praca do commer-
cio, emfim na ra da Cruz n. 9 : dirija-se ra da
Cadeia do Recife n. 24.
MBM
Joao Affonso Botelho segu para a feira de Pe
dras de Fogo ;i comprar gado de minha eonta, e
todo o negocio que elle fizer o dou por bem feito.
Beberibe 19 de outubro de 1863.
Manoel da Silva Sampaio.
Roga-se ao Sr. Jos da Silva Alves o favor
de mandar buscar o trabalho que mandou fazer na
lythographia da ra da Cruz do Recife n. 46,
achandq-se prompto ha tempo o dito trabalho, e
ignorando-se a morada do mesmo senhor.
ALUGA-SE
A casa da ra da Gloria n. 52 : a tratar-se no
Recife ruada Moeda n. 9 armazem.
Antonio Jos Ferreira Alves faz sciente ao
respeitavel publico que desde dia 17 do andante
deixou de ser seu criado o suliditn hespanhol Do-
mingos Garcia Lins, c portanto seu cobrador.
Jos Antunes Guimaraes vendo no Diario n.
239 de 19 do corrente um annuncio chamando-o
ir hoje praca casa n. 58 da ra de Joao Fernan-
dos Vieira, por divida de Andr de Abreu Porto,
declara cm lempo quo est casa Ihe pertence, e
nao ao dito Porto; e para evitar duvidas no futuro
faz a presente rieelaraco._________________
Na nadara do abaixo assignado, ra
Larga do Rflzario n. 16, precisa-se de um
amassador que tnha pralica de vender pao
na ra.Matwd Antonio Aluga-se na casa em Bebiribe ; a
alar com J. E. de ii. Reg, na ra do
Trapichen 34.
AMA D U51TE.
Offerecem-se na ruado fiaJdereiro, n. 28,
tres amas de leite, e urna secca para dis-
mamar chancas
freasa-se de um menino para car
xeiro de lia 16 annos ; na ra Nova, de*
psito, n. 58
. Precisarse- de urna ama porlugueza
que sirva para o servieo interno de urna
casa de familia ; na rya do Queimado, n.
18, segundo andar._______
A pessoa que aununccMj querer 200d
sobre urna escrava, tas Crioulas, n. 5,
Francisco Jos Fernandas Pires dono do grande estabclccimento de molhados denomi-
nado AURORA BRILHANTE, avisa ao respeitavel publico unto da praca como de fora e com
especialidade aos seus freguezes que o seu estabeleclmento acha-se prvido de novo sorti-
mento de bons gneros tanto do paiz como do estrangeiro e promette vender muito em coma
tauto a retalho como em grosso :
960 Yinho do Porto em pipa muito Uno a
640 640, 720 e........g_
400 Dito da Figueira puro a 560 e caada 45200
Dito dito a 480 e caada .... 3800
560' Dito de Lisboa branco proprio para
missa.........
640 Dito de dito cracavelos, terno e outros
Manteiga ingleza flor a libra 800 e .
Dita segunda surte dita dita a 720 e .
Dita terceira sorte dita dita a 480 e .
Dita franceza da nova a 600 e em Lar-
ris a..........
Dita hamburgueza em barris pequeos
a 600 rs. a libra e.....
Banha de porco fina a.....
Cha huxim miudiuho muito superior
a libra........
Dito hysson miudinho o mellior possi-
vel a libra.......
Dito hysson graudo a.....
Dito dito a........
Dito preto o melhor a desejar a .
Dito dito em massos a.....
Dito nacional em latas de una e mais
libras a 1600, 15800 c .
Queijos do reino do vapor a 25iOO, 25,
15760 e........
Dito de prato muito novo a libra 640 e
Dito de manteiga muito frescaes do Se-
ndo a libra.......
Ditos de qualha a libra.....
Bolachinha ingleza de 240 e 320 c bar-
riquinha a arroba a 25 c > .
Latas com bolachinha do soda, cracre-
nell, raixide, viioria, peqninique e
outras qualidades superiores a .
Ditas com ameixa franceza nova a li-
bra 800 e .......
Ditas com figos de comadre novos la-
tas de 4 libras a.....
Ditas ditas de dito com 8 libras
Ditas com marmelada nova a libra
640 e.........
Ditas com massa de tomates a libra
640 e.........
Ditas com peixe de Portugal muito
bem conservado em molho sendo sa-
vel, salmonete, congro, goraz e ou-
tros a.........
Ditas com ostras americanas a .
Ditas com sardinhas de Nantes a 360 e
Ditas com fructas em calda a .
Massa para sopa, macarrao, talharim,
aletria, eslrelinha, pevide, rodinhas
e arroz a libra ....
Caixas com libras de massas surtidas a
[Va ra do Queimado n. 1
deseja-se fallar aosSrs. Gabriel Germano de Aguiar
Montarroyos e Joaquim Ribeiro de Aguiar Mon-
tarroyos.________________________________
Aluga-se
o primeiro andar da ra da Imperatriz n. 34, com
muitos commodos e fresco : a tratar na taberna
do mesmo.
640
480
5880
Batatas novas inglczas a libra 60 rs. e
arroba........15600
Resteas com grandes sebolas cento a 25000
Soltas a.........
Presunto de Lamego a libra .
Dito inglez para fiambre a .
Vinhos genuinos engarrafados no Por-
to, chamico, duque do Porto, lagri-
mas do Douro e muitos outros finos
de 15280 a 25500 a garrafa, e duzia
de 145 a 205, dito engarrafado
a 500.........
Vinagre de Lisboa puro a 240 e 280 e
caada ........
Serveja branca e preta a garrafa 500
35000 560 e..... .
5720 Vinho Bordeaux em caixa a 85, 95 c
25560 105 e garrafas a 800, 900 e .
25000 Genebra de laranja em frasco a 15 e
15600 Dita verdadeira de Hollanda a 640 c .
Frascos com conservas ingleza s a .
25000 Dito com mustarda franceza a 480 e .
I Alpista arroba 55 e libra ....
I55OO Espermacete libra 640, 720 e _. .
720 Velas de carnauba e de composicao do
Aracaty arroba 105 e libra 360 e
Carne do berid a libra ....
Linguica do serto nova a .
Ervilhs novas a libra a
Sevada nova em grao arroba 25500 e
libra.........
Sabao hespanhol branco a
Sabo massa a 160, 200, 240 e .
Vassouras de timb e grande quanti-
dade a.......
Saceos grandes com farinhade Goian-
na a 45800 e .......
Ditos com Tardo de Lisba de 100 li-
bras a 455OO e .....
Ditas com arroz de casca novo a .
Azeitc de coco e carrapato a 480 c .
Dito doce de Lisboa a garrafa .. .
Amendoas novas libra.......
Passas novas libra 480 e......
Gomma muito alva c nova arroba 25800
e libra..........
Dita mais trigueira arroba 25 c libra
60o............
Linguicas do reino novas de 560 e ..
Scvadinha e sag novo libra.....
Ancoretas com azeitonas novas a ..
480 Espirito de vinho a garrafa .. .
255OO Ma$os com 20 macinhos de palitos
640
480
35OOO
15600
15000!
15400
255OO
720
700
15000
800
500
500
600
15600
640
15000
900
960
800
640
180
880
400
240
400
240
100
280
280
120
55500
55000
45OOO
320
640
320
640
100
80
640
320
15280
280
.
3--RIA ESTRE1TA
Francisco Pinto Ozorio contina a col-
locar dentcs artiticiaesjanto por nieio de
molas como pela pressao do ar, nao re-
cebe paga alguma sem que as obras nao
fiquem a vontade de seus donos, tem ps
c outras preparacoes as mais acreditadas
para conserva^ da bocea.
urgen
-- Aloga-se um sobrado a
do Gapibaribe, muito grande e fresco,
sito na ponte, de Celta, por preco com-
modo: na ma do respo n. 19, loja.
Manoel Corroa de Souza, subdito portuguez
vei a Macei.
li-
200
160
aqu a
Finalmente ludo que consta tendente molhados encontrar sempre
co um grandesorti ment, de boa .quajid^ej^por^precos commodos^
nos para denles a
Tapioca nova libra......
Toucinho de Lisboa novo arroba 105
800 e libra..........360
320 Vinho xerez o melhor possivel a 85 a
750 caada e a garrafa a.....15000
Gigos com uina duzia de serveja fran-
ceza a 55, e a garrafa a 500
Grao de bicco novo a 45 a arroba, e a
libra.......____ 160
Saceos grandes com farinha de Goianna
15000 e Santa Catharina a 45500 e. 55000
o respeitavel publi-
Precisa-so de um caixeiro de 12 a 14 annos
de idade : na ra Direita dos Afogados n. 32, pro-
fere-se Portuguez.
AMA HE LE*TE
se precisa na ra da Imperatriz, loja de fazendas
n. 28.

Aluga-se o primeiro andar da ra do Crespo
'n. 23 ; a tratar na loja.______________________
Despedida.
O abaixo assignado seguindo para a provincia da
Baha e nao tendo tido tempo para despedir-se de
cada um de seus companheiros d'esta guarnicao, o
: faz por meio deste, offerecendo-lhes alli seu pres-
timo : igual despedida faz todas aquellas pessoas
i que o honraram com sua amizade, e as quaes tam-
bem offerece-lhes o mesmo.
O capito Claudio Marques de Souza.
V &.
J. VIGNES.
1114 DO IMPERADOR
W. 55.
Os pianos desta antiga fabrica sao hoje assaz conhecidos, para que seja MgM^JMhft be*
sua superioridade, vantagens e garantas que offerecem aos compradores.^hdades estas .ncontesu-
veis que.elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apptfWJdfl nJP___ P<*
suindo um teclado e machinismo que obedecem i *U M *^*+^JEBS
nunca falhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se fe.to <^SSS^SSSiSS
tissimos para o clima deste paiz -, quanto s vozes sao melodiosas e flautadas, e por isto muito agraua-
veis aos ouvidos dos apreciadores. ______ j n. ->n
Fazem-e conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Fans, socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em tedas as exposi^oes.
No mesmo estabelecimento se acha sempre um explendido e vanado sortimento de msicas aos
inelhores compositores da Europa, asm como harmnicos e panos harmnicos, sendo tudo vendido
por presos muito razoaveis.
ALVPRIS.
Precisa-se de urna ama para o servieo interno
e externo de urna casa de pouca familia; na ra
Bella n. 40. ______
Perdeu-se urna pulceira de ouro esmaltado de offerece-so um homem com as habilitacoes
azul ferrete, desde a botica homeopathica do Sr. para caixeiro de qualquer negocio, como seja, Uber-
Dr. Sabino, na ra Nova, at Santo Amaro, por nai |0j_( armazem de atacado, guer seja casa es-
delr i da fundicao do Sr. Star, via, ra Nova, ra trangeira ou nacional, do que dar conhecimento
do Imperador, pateo de Palacio, ponte nova o ra da de sua conducta : a fallar na ra larga do Rosa-
Aurora at Santo Amaro. Dase boa recompensa rio n _3( ou annuncie quem precisar.___________
a quem entrega-la na botica do Sr. Dr. Sabino^ I _, Est para aUlgar 0 ^^o da ra do Trapi-
i che, onde tiveram escriptorio Brander a Brandes
& C. : a tratar com Guimaraes Alcoorado.
Precisa-sede um cont de ris aos juros que
! se convencionar, dando-se hypotheca em urna es-
crava moca, e obra de ouro : na loja de miudezas
da Esperanza se dir quem quer. _____________
ALUGUEL.
Aluga-se por anno ou pela festa o sitio da Pitom-
beira no lugar da Casa-Forte, com boa casa com
muitos commodos, coxeira, estribara, e quartos
para fetor e eriado.com muilas arvores de fructo e j
todo murado, cacimba com muito boa agua de be-
ber, e tanque : a tratar na ra do Sebo n. 24.
O secretario da irmandade de N. S. do Terco
convida de novamente a todos os irmaos para a
reunio de mesa geral na quinta-feira 22, pelas 5
horas da tf de, visto que por motivos imprevistos
nao pode ter (ugar no domingo 18 do corrente.
aecife 19 ile outubro de 1863. Domingos Ri-
\tmro da Cunh Pveira, secretario.
- Pede-se pessoa que encommendou uns car-
t5e< para o Sr. Geo: Whashington, de Macei, o
favor d os vir procurar, ________________
' Aluga-se a casa terrea sita na ra da Palma
n. 50 : a tratar no largo do Carmo n. 18, segundo
andar.________________________________
Pracisa-s* de jjffi paquno de 12 a 16 annos
para caixeiro de jabrn, com prt>ca
na ra da
COMPRAS.
Compra-se i ou 2 escravas com algumas
habelidades, ainda que sejam de meia idade,
bem como um prelo da mesma idade; na
Capunqa, ra das Crioulas, n. o, as casas
novas._________________________________
Compram-se Diarios : na ra eslreita do Ro-
sario n. 1, taberna do Pocas.
Um preto.
Compra-se um preto de 35 a 45 annos de idade-
na ra do Crespo n. 17, loja. ________
Compra sk
Trezentos caibros de 25 palmos, sem casca : na
ra dos Pires n. 58._____ _______________
COMPRA-SE
Sendo por preco commodo e estando em Lora es-
tado, um braco grande de batanea e pesos de di-
versos tamaitos, que reunidos facam cinco arro-
bas : na ra Imperial n. 64. ^^^^p_____
~^Cnq)rae"um inuIato'bonitafigiKaTpropno
para pagem de 16 20 annos, um moleque, tambem
bonita figura, de 10 12 annos, urna preta que sai-
ba bem cosinhar e engommar, e urna dita com cria,
que saiba cosinhar; na ra da Cruz n. 1._______
Compra-se urna negrinha de 10 16 annos
de idade: na ra Imperial n. 49.______________
Compra-se cobre, latao e chumbo: no arma-
zem da bola amarella no oitao da secretaria de po-
lica, ruadoImperajdor^_^___________^
Compram-se barriquinhas que serviram de
bolachinha americana a 500 rs. cada urna : na
ravessa da ra das Cruzes taberna n. 6._________
Compram-se duas negras perfeitas coznhei-
ras e eftgommadeiras: na ra de Apollo n. 84,
segundo andar.
Compra-sc cobre k lilla velho
na roa da Cadeia do Hecife n. 36, pri-
meiro andar.
Compra-se urna casa terrea de boa construc-
cBo, situada em alguma das principaes ras desta
cidada: a tratar no escriptorio de Manoel Ignacio
de Olivejra k Fjlho, no largo do Corpo Santo nu-
mero 19.
As cidadese villas da monarchia portu-
gueza que teem braso de armas, obra
que tem merecido grandes elogios nos
jornaes de Portugal, assim como no
Correio Mercantil desta corte, 3 vols.,
com 126 estampas, em broebura 85 e
encadernados.
Novae completa ed icio de todas as obras
de Bocage, dispostas e annotadas por
J. F. da Silva, precedidas de um estudo
biographico sobre o poeta, por L. A.
Rebollo da Silva, e com o retrato do
autor, 6 vols. encadernados.
(Porm os Srs. leitores nao se equivo-
quem com urna outra edicao antiga, em
formato mais pequeo, que por ah se
vende, cuja edi(o nao comprehende
as obras inditas.)
A casa do leao, por Julio Gerad, ornado
de 12 estampas, 1 vol.
0 iivrojicgro, pelo padre Diniz, em conti-
nuar.u aos Mysterios de Lisboa, por
Camillo Castcllo-Branco, 1 vol
Inqueritos acerca das repartieses de ma-
rinlia, obra utilissima para a historia da
marinlia, 2 grandes vols.
Natureza das cousas, por Tito Lucrecio,
por L. Leilao, 2 vols. em brochura.
Medicina legal, por Sedillot, traduzida
pelo mesmo, 2 vols. encadernados.
Discurso dos tres deputados Antonio Jos
d'Avila, Jos Maria Grande e Antonio
de A. Mello c Carvalho, 1 vol. em bro-
chura.
Discurso de Joaquim Antonio de Aguiar,
1 vol. em brochura.
Dito de Passos Manoel, 1 vol. em bro-
chuia.
Visconde de Bragelone, por A. Dumas, 10
vols. encadernados, com estampas.
Vinte annos depois, pelo mesmo, 5 vols.
encadernados, com estampas.
Os tres mosqueteiros, pelo mesmo, 4 vols.
encadernados, com estampas.
Colleccao completa do Panorama desde
1837 at 1858, 16 vols. encadernados.
Eneida de Virgilio, traduzida por Barrete
Feio, 3 vols. idem.
Illustracao Luso-Brasileira, completa 3
vols. in-folio, idem.
Fastos da igreja, por L. A. Rabello da Sil-
va, 2 vols., idem.
Sermoes pelo conego Soares Franco, 2
vols. com 24 sermoes, brochados.
Chronica da rainha D. Mara II, 3 vol. in-
folio encadernados.
Memoria da litteratura contempornea,
por L. Mendonca, 1 vol. encadernado.
Noticias histricas do duque de Palmella,
pelo mesmo, 1 vol. brochado.
Poesas de Palmeirim. 3" edicao, 1 vol.
encadernads.
Cirurgia e medicina clnica e pratica, por
M. J. Jos da Rocha, 1 vol. brochado.
Rudimentes de economa poltica para
uso das escolas, 1 vol. idem.
Monitoria secreta ou Instruccoes dos Je-
sutas, 1 vol, idem.
E' j ministro, aventuras de um Anasta-
cio, 1 vol. idem
O mentor da mocidade, dedicado a el-rei
D. Pedro V, 1 vol. idem.
O conselheiro dos amantes, ou colleccao
de cartas amorosas, 1 vol.
Educacao das mais de familia, ou a civili-
sacao do genero humano.
Relatorio do commissario regio junto a
commisso imperial, 2 vols. idem.
Curso elementar de physica, por Rodri-
gues Gucdes, 1 vol. dem.
Catalogo dos manuscriptos da bibliotheca
de Evora, 1 vol. in-folio.
Conselho dos Dez,ou historia da machina
infernal, 1 vol. idem.
Jeronynio Paturot em prooura de urna
posicao social, 1 vol. idem.
Paraplirases da Epstola aos Pisos, ou
arte potica de Horacio, 1 vol. por D.
Gastao da Cmara Coutinho, idem -
O tratado do principe das letras traduzido
por B. Feio, 1 vol. idem
Grammatica hespanhola para uso dos Por-
tuguezes, 1 vol. idem
Gua do povo para escolheruma medicina,
1862, i vol.
Poesas de Antonio Mendes Leal, 1 vol.
idem
Urna viagem pela litteratura, por Ernesto
Biester, 1 vol. idem
Genio da lingua portugueza, por Lone, 2
vol. encadernados
Poesas por Henrique Vau Deiteres, 1
vol. brochado
Opsculo acerca do Palmeirim de Ingla-
terra e do seu autor, por Manoel Odo-
rico Mendes, 1 vol. dem
Formulario medico-cirurgico, pelo Dr.
Klerk, 1 vol. idem.
Addicoes do Manual do Tavatiao, 1 vol.
brochado
Peti^ao de recurso cora, pelo bispo de
Met lene, 1 fol.
Relatorio sobre a exposicao de Paris, 2
vol. dem.
Cnticos de Jos da Silva Mendes Leal J-
nior, 1 vol. encadernado
Todos os romances de Camillo Castello-
Branco, cada volume encadernado a
A. Dumas, romance de urna senhora, tra-
duzido, 2 vol. em brochura iii-8
Nem um nem outro, romance traduzido,
3 vols. idem
Roberto Va lenca, romance por A. A. Tei-
xeira de Vasconccllos, 1 vol. idem
Memorias do eoracao, romance, por Alfre-
no Hogan, 1 vol. idem
Duas mulheres da poca, romance pelo
mesmo, 1 vol. idem
Os dous renegados, drama, por J. da Silva
M. Leal, 1 vol
O vicio em doutnna, drama em 4 actos
Os dous proscriptos ou a restaurado de
Portugal em 1640, drama histrico em
5 actos e 6 quadros, 1 vol.
A mocidade de D. Joao V, comedia em
5 actos, por L. A. R. da Silva, 1 vol
Othelo ou o Mouro do Veneza, tragedia
em 5 actos, pelo mesmo, 1 vol.
Os homens do marmore, drama em 5 ac-
tos, por Mendes Leal Jnior, 1 vol.
O homem de ouro, drama em 3 actos, pelo
mesmo
A heranca do chanccller, comedia em 3
actos, pelo mesmo, 1 vol.
Pedro, drama em 5 actos, pelo mesmo, 1
vol.
A pobreza envergonhada, drama em 5 ac-
tos pelo mesmo, 1 vol.
Alva estrella, drama em 5 actos, pelo
mesmo, 1 vol.
Dalila, drama em 4 actos e 6 quadros, por
Antonio de Serpa, 1 vol.
Casamento e despacho, comedia em 3 ac-
tos, pelo mesmo, 1 vol.
Licdes para maridos, comedia em 3 actos
por Lopes de Mendonca, 1 vol.
Dous casamentes por conveniencia, come-
dia em 3 actos, por Palmeirim, 1 vol.
Come se sobe ao poder, comedia em 3 ac-
tos, pelo mesmo, 1 vol.
O sapateiro da oseada, comeda em 1 acto,
pelo mesmo, 1 vol.
A domadora de feras, comedia em 1 acto,
pelo mesmo, 1 vol. _
Um risco, comedia em 2 actos, por A. t-
de Lacerua, 1 vol.
Scenas de familia, comedia em a actos,
pe|o mesmo, 1 vol.
IO50OO
145500
15300
IO5OOO
500
500
400
A duplice existencia, comedia em 4 ac-
tos, pelo mesmo, 1 vol.
A probidade, comedia em 2 actos e 1 pro-
logo, pelo mesmo, 1 vol.
Os Ulhos dos trahalhos, drama em 4 actos,
pelo mesmo, 1 vol.
Urna licao de florete, drama em 4 actos,
pelo mesmo, 1 vol.
Trabalho e honra, comedia em 3 acto*, 1
, vol.
Aristocracia e dinhero, comedia em 3 ac-
tos, pelo mesmo, 1 vol.
Coraco de ferro, drama phantastico em
5 actos, pelo mesmo, 1 vol.
0 chale de cachemira, comedia em 1 acto,
. 1 vol.
porigoso ser rico, comeda em 1 acto,
pelo mesmo, 1 vol.
Abel c Caim, comedia em 3 actos, por M.
Leal, Antonio, 1 vol.
Urna victima, drama em 3 actos, pelo
mesmo, 1 vol.
Dr e amor, comedia-drama em 3 actos,
pelo mesmo, 1 vol.
A tarde entre a murta, comedia em 3 ac-
tos, por J. de Abom, 1 vol.
O recommendado de Lisboa, comedia em
254OOI l acto, pelo mesmo, 1 vol.
O homem poe e Dos dispoe, comedia em
357OO: 2 actos, pelo mesmo, 1 vol.
1 As nodoas de sangue, drama em 1 acto,
pelo mesmo, 1 vol.
Cada louco com sua inania, comedia em 1
acto, pelo mesmo, I vol.
Camoes do Roci, comedia em 3 actos, por
J. M. Feij, 1 vol.
A Torre do Corvo, drama em 4 actos, pelo
mesmo, 1 vol.
Carlos, ou a familia de um avarento, co-
115000 media em 4 actos, pelo mesmo, 1 vol.
Pedro-Sem, comedia em 5 actos pelo
65000 i mesmo, 1 vol.
Rcmexido e garrilheiro, drama em 3 ac-
55000 tos, pelo mesmo, 1 vol.
Um quadro da vida, drama em 5 actos,
6I5OOO por Ernesto Biester, 1 vol.
A redempeao, comedia-drama em 5 actos
pelo mesmo, 1 vol,
Duas pocas da vida, comedia em 3 ac-
tos, (icio mesmo, 1 vol.
As obras de Horacio, imitacao, comedia em
1 acto, pelo mesmo, 1 vol.
Um homem de consciencia, comedia em 2
actos, pelo mesmo, I vol.
As Brasileiras, comedia-drama em 3 ac-
tos, por A. Hogan, 1 vol.
Ninguem julgue pelas apparencias, come-
dia em 3 actos, pelo mesmo, 1 vol.
Os dissipadores, comedia em 4 actos,jelo
mesmo, 1 vol.
melhor nao experimentar, comedia em
1 acto, pelo mesmo, 1 ni
A irmaa de candado, comedia em 2 actos,
pelo mesmo, 1 vol.
O marido no prego, comedia em 1 acto,
pelo mesmo, 1 vol.
J nao ha tolos, comedia em 1 acto, pelo
mesmo, 1 vol.
Nao desprezes sem saber, comedia em 1
acto, pelo mesmo, I vol.
O colono, comedia-drama em 3 actos, pelo
mesmo, 1 vol.
Segrcdos de cora^ao, comedia-drama em
3 actos, pelo mesmo, 1 vol.
0 ju izo do mundo, comedia-drama em 3 ac-
tos, pelo mesmo, 1 vol.
k mascara social, comedia-drama em 3
actos, polo mesmo, 1 vol.
A pelle de leao, comedia-drama em 3 ac-
tos, polo mesmo, 1 vol.
A roda da fortuna, comedia-drama em 3
actos, polo mesmo, 1 vol.
Nem tudo que luz ouro, comeda em 3
actos, pan nicsnio, 1 vol.
O dia 1" de dozembro de 1640, comedia
heroica em 3 actos, pelo mesmo, 1 vol.
O ultimo dia dos Jesutas em Portugal, dra-
ma histrico em 4 actos, 1 vol.
Plalos no Credo, comedia 0111 1 acto. 1
vol.
A vida em Lisboa, comedia em 4 actos,
por J. Cesar Machado, I vol.
Primeiro o dever, comedia-drama em 3
actos, pelo mesmo, 1 vol.
A esposa dovo KWBpa_wr seu marido,
comedia em 1 acto, pelo mesmo, 1 vol.
I53OO o capitao Betrelim, comeda em 1 acto.
pelo mesmo, 1 vol.
320 o segredo de urna familia, comedia em 3
' actos, por J. C. dos Santos, 1 vol.
557OO o pai prodigo, comedia em 3 actos, pelo
mesmo, 1 vol.
920 OJliomom das cautelas, comedia em 2 ac-
tos, polo mesmo, 1 vol.
1 Gil-Braz de Santilliana, comedia em 3 ac-
520 i tos, pelo mesmo, 1 vol.
Mara, ou o irmao e a irma, comedia em
15800 2 actos, pelo mesmo
Urna chavena de da, comedia em 1 acto,
500 \ pelo mesmo, 1 vol.
Convido o coronel, comedia cm 1 acto, pelo
3001 mesmo, 1 vol.
I a heranca de um lio russo, comedia em
254OO1 2 actos, pelo mesmo, l vol.
Os moedeiros falsos, comedia-drama cm
25400 3 actos, pelo mesmo, 1 vol.
IA cora de Carlos Magno, peca mgica em
15700 4 actos, por J. A. de Olivara
; A princeza de Arrondella, tragedia bur-
255OO lesea em 3 actos
> A sombra dosineiro, tragedia burlesca em
25350 3 actos, por J. J. de Araujo
Um bico em verso, scena-comica, pelo
6201 mesmo
! O prncipe escarate, tragedia burlesca em
2 actos, pelo mesmo
Amor e arte, drama em 3 actos, por J. R.
Cordeiro
O arrependiment salva, drama em 1 ac-
to, pelo mesmo
Camoes e o Jo, scena-comica, por Casi-
miro de Abreu
Anjo, mulher e demonio, comedia-drama
em 2 actos, por G. Aguiar
Amor e amsade, comedia em 1 acto, por
J. E. Coelho
Amor e dever, comedia cm 3 actos, por F.
Serra
0 segredo de urna esmola, comedia-dra-
ma em 2 actos, por A. Assis
95500
305000
35100
255OO
2055OO
25400,
15550:
251OO
900
320
240
240
320
520
159OO,
457OO
I
35OOO
552OO
15550
15500
15300
800
900
I5OO0'
620
700,
600
700
15250 j
8001
15200.
800,
Stambul, comedia em 3 actd e 9 quadros,
por A. Abraaches
t__fSO'Amot virgem em urna peccadora, come-
* I dia em 1 acto, por Bulho Pato
15250 A cruz' drama em 5 actos, por L. de > aa-
i concellos
15250 29 ou honra e gloria, comedia de costuroes
I militares, em 3 actos, por Romano
900 Tudo no mundo comedia, comedia em j
I actos, por Jos de Torres
15050 A conversao da um agiota, comedia em 2
I actos, por Jos de_Vascncellos
850 1640 ou a restanracao de Portugal, lacio
I histrico cm 4 actos
15050 Graznella, drama em 1 acto, por Andrade
I Ferreira
960 Os dous irmaos, drama cm 4 actos, por
Rodrigues Paeamn
15030 O prestigiador, drama, por Rodrigues
^| Coelho
320 O re do mundo, historia do dinhero e
I sua influencia, 3 vol. em br.
420 Urna pagina da universidade
1 Economa social
420 Bibliotheca do progresso e os conleinpora-
I neos, 7 vol.
840. Bographia da cardeal Aintonello
840-
600
960
480
800
800
800
320
420
650
420-
520-
650
240
320
420
300
300
15050
620
800
800
15250
950
620
320
420
800
950
15050
520
420
420
240
320
420
620
520
520
m
120
520
520
520
240
800-
420
400
400
620
520
620
500
500
320
300
600
420
860
420
520
200
480
540
600
320
550
240
640
480
800
480
850
710
5
490
800
30
510
809
_5S
800
14500
140
1
*



Diarlo de Peruaiubuco *uara feira ti de Outubrode 183.
f

1
v v
GRANDE EXPOSIQ&O
de fazendas baratissimas qac se ven-
dem para liquidar; na loja do Pa-
vo, ra da Imperalriz, h. 60.
Neste estabelecimento acha-se um grande
e variado sortimento de fazendas, tanto de
luxo, como de primeira necessidade, pro-
prias para a praca e para o matto, que se
vendem por precos muito resumidos, de to-
das as fazendas dao-se amostras, deixando
penhor, ou mandam-se levar em casa das
familias para escolherem, pelos caixeiros da
loja do Pavao. v
Laas rom 9 palmos de largara
na loja do PavSo. i400
Vendem-se laazinhas transparentes de urna
s cor, de quadrinbos proprias para capas
e vestidos, tendo 9 palmos de largura, pelo
baratissimo prego de i3400 o covado; s
na ra da Imperalriz n. 60, lujado Pavao.
O Pavo vende las de 4 palmos
de largnra a &OO rs.
Vendem-se laazinhas infestadas, sendo das
mr.is modernas, de urna s cor e de qua-
drinhos, proprias para vestidos e capas, pelo
baratissimo preco de 500 rs, o covado ; di-
tas matisadas, fazenda muito fina a 500; di-
tas garibaldinas a 440 rs.; ditas de qua-
dros a 360 e 280 xs.: s na loja do Pavo,
ra da Imperatriz, n. 60. de GuimarSes
Silva,
Lazlnhas a 200 rs. o covado.
So Pavo.
Vendem-se laas de cordozinho proprias
para vestido, sendo muito ba fazenda, com
as cores seguintes: alvadia, cor de caf.rxo
escuro, claro e pretas, proprias para luto ;
ditas transparentes com palminhas, pelo ba-
rato preco de 280 rs.; ditas infestadas de
quadros a 280 rs.: s na ra da Imperalriz,
n 60, loja do Pavao..
GRANDE PECHINCHA
a 900 rs. na loja do Pavo.
C.assas a 210 rs.organdr a 210 rs.
Vendem-se muito bonitas cassas francezas
a 240 rs. o covado ; orgndy malisado, pa-
drees muito bonitos a 240 rs. o covado;
ditos, fazenda finissima que sempre se ven-
deu a 10000 a vara, liquida-se a 600 rs. a
dida, ou/3O rs. o covado, por haver grande
porc5o\na ra da Imperalriz, n. 60, loja
do Pavo, de Gama 4 Silva,
Nova pechlncha de cortes de
eambraia na loja do Pavo.
Vendem-se corles de eambraia brancos
com babadoia 2^500; ditosa 3000; ditos
a 40000 ; dilos chinezasa 4500o pecas de
eambraia transparentes, adamascadas, pro-
prias para vestidos, tendo 8 varas e meia a
35000; ditas lisas brancas e decores a 25500,
35000, 35500, 45030 e 55000 5 pecas de
eambraia de carocinlios tendo 8 varas e meia
cada urna, sendo brancas e de cores, a 35500;
ditos a 25500; -pegas de eambraia para cor-
tinados, sendo tapadas e transparentes com
20 varas cada peca a 95000, isto tudo para
apurar dinheiro: na loja do Pavao, ra da
Imperalriz, n. <0, de Garuad- Silva.
O Pavo vende chales
A 25000, 25500, 35000, 55000, G5000.
75000, 8,000 e 105000
Vendem-se chales de merino eslampados,
claros e escuros a 25, 25500 e 35000; ditos
muito lios de lodos os pregse qnalidades,
tanto de pona redonda como quadrados;
assim como (intssimos chales de crepon com
cores inteiramente novas e ricamente bor-
dados a matiz, sendo chegados pelo ultimo
vapor a 105000 ; ditos de pello, bordados,
a -25 s na loja do Pavo, ra da Impera-
lriz, n. 60.
As casemiras do Pavo Infesta-
das a I$ttOO.
Vendem-se casemiras francezas entesta-
das, proprias para caigas, coletos, palitos,
e capa para senhoras, por ter de urna s
cor, sendo fazenda que sempre se vendeu
a 35000. liquida-se a 15000 o covado : s
na loja do Pavo.
4.rande peeliincha em chapeos
de sol na loja do Pavo.
Vendem-se chapeos de sol, a ngleza, sen-
do cobertos de linlio e forrado de verde, pro-
prios para senhoras que forem passar a fes-
ta, ou para meninas levarem para a escola,
pelo barato prego de 1560 ; ditos marque-
zinhas, de seda com franjas e cabo de do-
blara 35000 ; ditos de seda para homens,
sendo com afmago de balea a 65 e 75, isto
para apurar dinheiro : s na loja do Pavo,
ra da Imperalriz, n. 60.
C a&enilras da Escocia a 3#000
o cor te.
Vendem-se cortes de caxemira da Esco-
cia, para calcas, pelo barato prego de 25,
tendo da mesma fazenda para vender em
covados a 580 rs., sendo esta fazenda mui-
to encorpada a imilago de caxemira, e ga-
rante-se que nao desbola. Tambem se yen-
dem cortes de caxemira ingleza, d cores
escuras para caiga pelo barato prego de
1*800 cada corte, ou a 500 rs. o covado : 1
s na loja do Pavo, ra da Imperalriz,
n. 60. y
Madapol&o Infestado a 40OOO
S o Pari.
Vendem-se pegas de madapolo infesta-
do com 12 jardas a 45000, ditas a 455O0,
ditas com 24 jardas a 7550o e 85000 : s
na loja do Pavo, na ra da Imperatrizv
n. 00.
Ricos vestidos brancos.
Vendem-se os mais ricos vestidos de eam-
braia brancos, bordados a croch, sendo os
mais modernos que tem vindo ao mercado,
tendo as saias 4 pannos, e vendem-se pelos
baratos precos de 105, #25 e 16 : s na
loja do PavSo, ra da Imperatriz, n. 60, de
Gama & Silva.
ADMIREN AS PECHINCHAS.
na loja do PavSo.
Ricos cortes de eambraia brancos com ba-
bados e duas saias bordadas crox, tendo
bastante fazenda para vestido, pelo baratis-
simo preco de 35 cada um; ditos de eam-
braia de seda com barras e babados, a
25500, para acabar; cortes de vestidos a
Maria Pia, sendo fazenda de bonito goslo, a
35500; cortes de eambraia brancos com ba-
badinhos, a 24 ; enfeites para cabeca, sendo
a Garibaldi e a turca, a 45; ditos com litas
e flores, a 24; camizinhas bordadas para
senhoras, a 13; manguitos de varios model-
los, a 400, 500 e 640 rs; calcinkas para
meninas, a 500 e 640 rs: gotlinhas bor-
dadas, a 320 e a 500 rs.; sedas de qua-
drinbos, a 640 rs.; ditas de listas, a 400 rs.
i o covado; fusto para vestidos e roupinhas
j de meninos, a 320 rs. o covado; alpakin ou
' gurguro de linho, a 260 rs. ; ganguelin,
urna s cor, a 320 rs. o covado; toalhas de
linho adamascadas para rosto, a 15; vestua-
rios para meninos e meninas, a 15600 e 25;
tiras bordadas e entremeios, mais barato que
em outra qualquer parte: tudo isto pe-
chincha e vende-se para liquidar: na ra da
Imperatriz n. 60; loja e arraazem do Pavo
de Gama 4 Silva.
Grosdenaplcs a 1:300 rs., na loja do Pavao.
Vendem-se grosdenaples preto muito boa
fazenda, a 15500, 14600, 15800 c 25 : s
na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60.
Para luto vende-se na loja do
Pavo.
Vendem-se finissimo selim da China, fa-
zenda sem lustro, proprio para vestidos de
senhoras, para capas e roupa para homem,
tendo esta fazenda 6 palmos d& largura e
sendo muito leve, vende-se pelo baratissimo
prego de 25200 o covado, garantindo-se que
nao se torna ruga, e vendem-se nicamente na
loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60:
Corles de chitas a 2:000 e 2:500 rs.
Na loja do Pavo veude-se cortes de chitas
inglezas, tendo 10 covados, a 25, e com
12% covados, a 25500, sendo todas de pa-
drees escuros: na ra da Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva.
Carnauba.
Vende-se cera de carnauba em saccas, por
prego muito em conta, ou mais barato do
que em outra qualquer parte : a tratar na
ra da Imperatriz n. 60, loja de Gama A
Silva,
Os cortinados do l':> \ ao.
Vendem-se os mais bonitos cortinados de cam-
braias adamascadas, lapadas e transparentes, pro-
prios para adornar janellas e para camas, tendo de
varios gostos c porcao de pares iguaes, conforme
possam precisar, e vendem-se nicamente na loja
do Pavao, na ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Sedas de quadriuhos a 800 rs. s o
Pavao.
Vendem-sc as mais delicadas sedinhas de qua-
drinhos, muito miudinhos, sendo proprios para
vestidos de senhora e ronpinlias para meninos c
meninas, sendo fazenda que sempre se vendeu a
15300 e torra-sc a 610 e 800 rs. o covado, e sedas
brancas lavradas, proprias para vestidos de noivas
a 800 rs. o covado : s na loja do Pavao, ra da
Imperatriz n. 60, loja de Gama & Silva.
Ricos vestidos de Sonlhambac, vende
o Pavo.
Vendem-se os mais modernos vestidos a Sou-
thambac, com barras de seda pelo diminuto preco
de 105000 cada um : s na loja do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Um confeito e especifico para
expellir os Vermes.
^;i t-:f S f 22 *> i1 \* f pm 51 h vb s
Ch-A aiCl V G 8 tfuSaJ^li?!
DB KEMP.
Os meninos is pedem gritos, ponjue
ellas sao de cheiro, sabor c cor agrada*
veis. A elegancia, 1 segundada do ac-
co, nofi'cnsivo das
Paslhas Vermfugas de Kemp
A PAR DA BOA
ComposicSo exclusivamente Vegetal,
ro estas poia as Bnas melhores e mais
completas que se poasa fazer c com justa razio as
collocio na categora d'uui favorito uni-
versal.
A snperioridade das
Pastillias de Kemp
sobro todas as prparaces destinadas
para o mesnio fim devido sua sim-
ples compoeicfio o sen aroma agrada-
vel e i rapidez e infallibildade com
que alcanca a destruicao total das
LOMBRIGAS.
venda as boticas de Caors & Barboza,
ra da Cruz, e Joo da C. Bravo & C, ra 1
da Madre de Dos.
AGENCIA
DA
FNDICO DE L0W-M00B.
Ilua da Senzalla nova n. S2.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor j
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos.__________________1
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston 4C.,:
ra da Senzalla Nova n. 42.
SEJtl NEGVIDO.
QUINQUILUARIAS.
Ra do Queimado, ns. 49 e 55, lojas de
Jos Bigodinho, queiram ver ver as fazendas
que abaixo annuncio, pois todas eu garanto
que sao muito novas e baratissimas.
Pecas de trancas de algodao de to-
das as cores a....... 80
Duzias de linbas com 200 jardas, A-
lexandre, a ...' 10100
Carrilel de qualquer numero 100
Varas de aspas para balSo. 80
Caixas com superior obreias a 40
Dilasde colla........ 80
I libra de la sortida.....40000
l libra de 13a muito superior em co-
res e qualidade......70000
Pares de botes de punbo a ... 120
Pares de sapatos de tranca 10280
Dilos muilo superiores, a 10600
Caixas e pceles de papel amisade de
cores a. ....... 600
Duzia de meias muito finas para se-
nhora a........30500
Duzia de ditas cruas para homem a 2*400
Baralhos muilo Onos para vollarete a 300
Carrileis de linha com 100 jardas a 30
Cartoes de linha branca e de cores a 20
Novellos de linda com 400 jardas a 60
Ditos muilo grandes com 800 jar-
das a .......120
Cartoes de linha com 200 jardas (est
se acabando a...... 60
Vara de la prela com colxeles para
vestido, e tem um resto parda a 100
Objectos de tintura e msica.
Na ra do Queimado, ns. 49 e 55, esl
queimando tudo pelos precos abaixo decla-
rados, e prestem toda a altenco para ver
o que bom e barato.
Duzia de facas e garfos muito finos a 20500
Dila dita di la de cabo preto muito
finasa.........30200
Dila dila dita de balanco, melhor,a 50500
Tesouras para costura, muito fi-
nasa .........400
Dilasditas para unhas, muilo finas a 400
Carlas de allineles de ferro a 80
Dilas dilos de lalao muito finos a 40
Ditas de dito grandes.....120
Caixas de phophoros de pao 10
Grosa de dilos do gaz a 20200
Duzia de dito dito a 200
Massos de palitos para denles a 160
Abotoaduras para coleles a ... ICO
Escovas para roupa.muilo finas a 400,
500 e.........800
SEM KlH-rXJM.
PECHINCHA.
Perfumara de superior qualidade.
O rival sem segundo, ra do Queimado,
ns. 49 e 55, esl disposto a vender mais ba-
rato que nunca vendeu, para o que queiram
ver :
Duzia de saboncles finos a .
Sabonele inglez, o melhor, a .
Frascos com agua de Colonia muito
fina a......., .
Ditos de dila grande a .
Ditos de Lavande amUreado, o me-
lhor, a........
Dilos de macar oleo muito bom a .
Ditosperola muito superior a .
Ditos de oleo de babosa a 240, 320.
400 e .......
Ditos de banda branca a .
Dito de edeiro muito bonitos a .
Ditos de banda, pequeo, muito fina
..........
Dilos de opiata a 2<"'0 rs., e boa a .
Dilos de banha japoneza a .
Ditos de banda transparente a
Ditos de oleo filoconiie a .
720
I60
400
500
500
100
200
500
320
50i
200
900
800
720
800
RIVAL
FARINHA
H8

BALIZA
Attenco ?
Posto que domine nocora-
$0 do BALIZA a mais bem en-
tendida ambicao de tirar de
seu negocio as melhores van-
tagens, com tudo elle n3o pro-
cura fazer fortuna vendendo
gato por lebre;
Quando n3o se negocia aca-
nhadamente, est bem ao alcan-
ce de todos a facilidade de fa-
zer-se boas compras, para ven-
der-se barato.
I.elain todos.
Ao armazem do BALIZA po-
dem ser devolvidos quaesquer
gneros qne por ventura n5o
sejam do contento dos senho-
res compradores. Nao fica
resentimenlo alijum em se tro-
car por outre, ou restiluir-se
o dinheiro recebido,
Manter a todo o custo o seu
crdito, e agradar aos scus a-
migos e freguezes, todo o
desejo do proprietario deste
estabelecimento,
LEDE! LEDEJ LEDE!
Vende-se saccas grandes com a melhor farinha,
tanto de Sania Cal ha ria, assim como de Porto
Alegre pelo barato preco de 1,5000 a sacca ; na
ra do Amoriin n. 43, ou na ra da Madre de
Dos n. 8.
------------------------------------------------------------------------------^----------- j
rara pascar afesa.
Vende-se a casa denominada Casa amarclla,
situada em um dos melhores lugares do Arraial,
com bastantes com modos para familia, quartos pa-
ra escravos, estribara, etc. : a tratar na ra do
Mondcgo n. 47, padaria.____________________ :
H a dinheiro a tt o par.
Borzeguins de bezerroe outras qualidades, obra
muito bem acabada, iguaes asque se vendem por ,
105 e 125, liquidacao, aproveitar que a porcao
pequea : na ra do Imperador loja junto ao
pac-________________________;__________1
Vendem-se madeiras de sicupira e de ama-
relio para construeco e concertos de canoas, aber- !
tas, inclusive cavernas, busiardas, gios, etc. etc. :
a tratar na ra do Queimado n. 10.
SEM SEGUNDO.
Objeetos diversos.
Ra do Queimado, ns 49 e 55, vende os
objectos abaixo declarados, pois para aca-
bar; estes piceos nao sao para continuar,
mas as nesessidades assim o permilte.
Pares de luvas de algodao finas a 80
Caivetes de aparar penas, de I fo-
ll.a a ,........ 80
Ditos de2 ditasa......160
Caixas de colxetes francezes a. 40
Duzia de dito francez a 360
Massos com grampos lisos e de cara-
col a ......... 40
Duzia de dedaes de metal em caixi-
nha de vidro.......320
Tinteiro de vidro com tinta superior
a..........160
Dilos de barro que serve para tin-
teiro a ........100
Grosasde botes de tonca prateado a 160
Pecas de tranca lisa encarnada a 20
Varas de bicos e rendas, para aca-
bar a ......... 60
Varas de labyrinlo de 3 dedos de
largura a.......100
Ditas de pos para denlesa 100
Pentesde tartaruga a 30000 e 30500
Resmas de papel de cores a 20000
Lilas com H palmos de lar-
gura.
Cheguem a loja de Marcelino^ & C, ra
do Crespo n. 5, para verem laas muilo
linas, lisas e de quadros, gostos inteira-
mente novos, proprias para vestidos e ca-
pas e precos muito commodos. Alm
disto existe um variavel sortimento de
fazendas finas e grossas precos moa-
veis.
Hoio francez a i#20ua|
meia libra
E' chegado pelo ultimo vapor de Bor-
deaux aquella excellente pitada a l&iQO
a meia libra ou i hectogrammas: em ca-
sa de Manoel & C. ra Nova n. 23.
hua da Senzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston & C,
sellins e silhoes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela, 1
chicotes para carros e montaria, arreios para
carros de um e dous cavallos, e relogios de
ouro patente inglez.
Delicado mimo.
Domingos da Silva Campos com taberna na ra
do Imperador, defronle da relacao, avisa aos seus
freguezes e amigos que recebeu urna pequea por-
cao de caixinhas com ameixa rainha Claudia,
ricamente enlejiadas pelas freirs de Elvas, pro-
priamente para um delicado mimo, e seus precos
muito razoaveis conforme o tamanho._________
Farinha de mandioca
em saceos grandes, e de superior qualida-
de ; no armazem de Tasso Irm3os, ra do
Amorim, n. 35. _
Vlnho puro.
No escriptorio de Euzebio Raphael Rabello, na
ra da Cadcia n. US, vendem-se'^ncoretas com ex-
cellente e puro vinho tinto de Lisboa, smente des-
tinado para gasto de casas particulares por ser re-
mettido pelo proprio fazendeiro ou lavrador.
Vidros de cores
Vendem-se caixas com vidros de cores e a re-
tamo : na ra da Imperatriz n. 05.
Sempre a frente do progresso,
Constante marcha o IBALIZA,
Tem por norte o bem commum,
A verdad o por divisa.
GRAIDE
MOLH \ DO:
DE
Largo do Llvramento ns. 38 e 38 A
Defronle da grade da reja
AO RESPEITAVEL PUBLICO
Senhores e senhoras
0 incansavel proprietario do grande armazem do Baliza toma a liberdade de mandar
declarar do alto da imprensa pernambucana, que elle perfeitamente liberal em offerecer aos seus
benvolos freguezes as melhores qualidades dos mais bem escolhidos gneros, nao s do paz como do
estrangeiro a precos de contentar e satisfazer a todos.
Fazendo tao publico e espontaneo manifest, o referido BALIZA julga de seu rigoroso dever
declarar mui seria e pusitivamentc nesta oportunidade, que tambem o mais firme e dedicado conser-
vador de sua numerosa freguezia.
Da boa qualidade e barateza dos gneros ofierecidos aos seus freguezes, junta ao pequeo ga-
nho que tira para si, tem sabido fazer o BALIZA a mais perfeita liga de inleresses recprocos, que a to-
das as consciencias deve por forca e necessariamente agradar.
Tendo por conveniente tambem a publicaco do seguinle aviso, o BALIZA faz saber nicamente
aquellas pessoas que sempre estio promplas a comprarcm tudo, com tanto que se Ibes permita paga-
rem logo, que elle
NAO VENDE FIADO.
Os amigos da economa, aquelles que s compram os objectos de que carecem, o que postam fi-
nalmente de empregar bem o seu dinheiro venham a este estabelecimento.
IiEIAlfl TODOS.
Do preco de qualquer genero annunciado a venda em outros estabelecimentos, podem os senho- ^w
res freguezes diminuir cinco por cento, e vir compra-lo ao Baliza, que sendo, como todos sabem, o ho-
mem do movimento prefere ganhar muito pouco, com tanto que seja por muitas vezes repetido.
I
Cal de Lisboa
no armazem de Guimaracs k Alrofora-
do na ra do Amorim n. 54, no Recie,
vndese liarris com cal novacmpedia
chegados boje de Lisboa no patacho
II aria da ti loria, urna nova que existe
no mecado.______________________
a
r> os g
> c o o rj sr-
a-5
09 1
*^ u o o
usuSTags yg =
?Cct/)OrT~.=-g?
c/.
c TJ
.. vv <#' w rr q, ^
u .
Si.
1*2 5^5
M
al o
M ClBs
O. m
3
j.
O >
S l-^ m
3 w a -
' O o P ?. Q- g
-'
o
< O C? D O
Si &!'.!&
*VLt%
4? % 3 V cu 3 ft
rirlS-
S3C
9
aTS
si
as'

5
o

I


a
3 g- *
S g =3
a
5 a
~
D
_ "O o M
O 03 O V
O "I 03
03 03 g,
-5??
03 -1
3s?
S3S
03

a
sr
03
a
s
H
9

se
e
Farinha de mandloea
Vende-se farinha do mandioca da melhor e mais
nova que ha neste mercado, no escriptorio de Ma-
noel Ignacio de Oliveira A Filho largo do Corpo
Sanio n. 19, ou abordo do palhabote Viamao, an-
corado no caes do barao do Livramento, junto ao
patacho Regulo.___________________________
Vende-se na praca da Independencia ns. 37 e
39, capellas de aljfar para se botar no cemitero
publico no dia de finados com as iuscripcoes se-
guintes :
Minha mai.
Mcu pai.
Mcn esposo.
Minha esposa.
Meu filho.
Minha Dlha.
Urna lagrima.
Saudades, sempre vivas do apurado gosto desta
ainda nao vierara igual a este mercado.
45--RUA DIREITA-45
lutosa uiBa
Eia, rapasiada, coragem! parece queja
entregastes os vossos joanetes aos duros sei-
xos do pessimo calcamento da nossa cidade I
S se observa em vossos ps botinas acalca-
nhadas e gastas at ultima sola; sapates
rasgados e quasi sem saltos ncm tanto !
a quebradeira nao deve chegar at este pon-
to I Vinde ra Direita munir-vos de excel-
lente calcado com 40 e at 60 por cento
menos do seu valor___attendei:
Borzeguins, Nantes, bezerro e va-
queta 2 e meia solas .... 8i)o00
Borzeguins, Nantes, bezerro, va-
queta e lustre 2 solas..... 8)5000
Borzeguins, francez e hamburguez,
bezerro, lustre e couro de por-
co 70 e........60000
Sapates, Nantes, bezerro e vaque-
ta 2 e meia solas.....5)5500
Sapates, Nantes, vaqueta, lustre e
bezerro 2 solas......50000
Sapates, Nantes, sola e vira. 40000
Ditos para menina, com laco. 30500
Ditos de ditas, de cores. 20800
Sapatos para senhora e homem,
tapete......... 800
Sapatos de borracha para senhora. 10400
dem idem para meninas. ... 10100
Sapatos de lustre para senhora. 10000
dem de lustre s avessas -. 500
WtnicAo do respeitavel publico
Para .grande i>chinclia
Custodio, rarvalhoil C, rna do
Queimado n. ti.
Offerecem ao respeitavel publico a mais fina de
todas as cambraias tanto em desenhos como em
tintas sao as verdadeiras organdys da India che-
gados a esta capital pelo ultimo vapor inglez. A
grande quantidade que recebemos faz com que a
vendemos pelo baratissimo preco de 300 rs. cada
um covado, venham ver para d'esenganarem-se se
grande pechincha s na ra do Queimado n. 87.
Aos Srs de engenho
No caes d'Apollo armazem n. 55, de
Jos Duarle das Neves, acha-se ven-
da a mais superior farinha Funlana
sendo niuilo rerommendada as casas de
familia, as barriqniulias de 3 arrobas
e de 48 libras cada nma.
A asnear do Monteiro
Ra do Imperador n. 28 e caes de Apollo n.
67, a 200 rs. a libra, e de 8 bras para cima
a 50600 aarroba.
SSSJ
O GALLO CANTA.
Nao possivcl que o gallo, vendo cnliai mi K i
ninho objectos de elegante gosto, deisedaare
seu canto, annunciaudo aos geui l'nfnen s. para
que maudem ou venham ver pan querer, a saler :
Enfeilt's
Chegnram os riqnissimo? enfeiles o grin.1M.1s de
flores, cousa muilo delicada e de mnitofosto, 11 ii
s as senhoras poderao apreciar : s 11 viiri!
ra do Crespo u. 7.
Flores
Tambem chegaram os delicados mam on 1
matizados de lindas cores, que ierren para qual-
quer enfeilc : s no vigilante, ra do Cn.-po fe. 7.
Ciulos
Tambem chegaram os novos e delicado! rfeMn
com fivella, guarnecida de pedrinhas e duas Lorlo-
tinhas no centro, cousa de muilo gaste : l no \i-
gilante, ra do Crespo n. 7.
Randeijas
Riquissimas bandeijas de charao e oulras quali-
dades de lindos desenhos, que se venden pev 1.
eos baralissimos para acabar : s no vigilai ;>.
ra do Crespo, n. 7.
Pomada real
Tambem chegaram os bonitos copos de porcel-
lana fina com banha e com lindos retratos, ?ene\>
privilegiada pela rainha de Hespanha : s no vigi-
lante, ra do Crespo n. 7.
SahOBftfs de familia
Grande sortimento de sabonetes para lo precos, de superiores qualidades, a 160, (;0, iM),
280, 310, 400 e 500 rs.; assim como estoj s rom
todos os preparas para impar denles pelo barato
preco de 3000 : s no vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Deliradas trsourinha.s
Grande sortimento de tesourinbas. tinto para
unhas, como para costura; assim como mnifvs
oulros objectos de gosto, que niio possivcl annun-
ciar pela grande variedade de sortimenlos, rnjes
precos serio menos do qne em outra qualquer
parte : s no vigilanle, rna do Crespo n. 7.
ao n. 29.
Nova loja dos baraleiros na ra do Queimado.
Velludo de cores fazenda muito boa o covado a
34000, baldes de panno 3200, dilos de arcos
34OOO, 44000 e 54000, laas de duas largaras
para vestido o covado 500 rs., chitas francezas o
covado 360 rs., melim branco para forro de
vestido o covado a 120 rs., tarlatanas de todas as
cores a vara 720 rs.
Ao n. 29.
Nova loja dos baraleiros aa ra doQaeimado.
Cassa lisa pelle de ovo a peca 74300, eambraia
lisa muito fina a peca de ITi* m ni-
braieta peca de 12 jardas 74000, camlu-a.a adamas-
cada para cortinado a peca de 22 yarasa 104000,
meias finas para senhoras a duzia a 44000, chafes
de laa ponta redonda 324500.
Ao n. 29.
Nava loja dos baraleiros aa rna do Queimado.
Bicos pretos de linho a vara 120, 160, 240, 320
rs franjas de seda a vara i 80 c 160 rs., galocs
de'seda de algodao c de 15a para enfeites de vesti-
do a peca de 10 o 15 varas a 400, botes de seda
de velludo e de fustao duzias 120.___________
Kna da Senialla Itova i. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a 110 rs., idem de Low
Moor libra a 120 re. ____________
Vende-se urna casa de pedra e cal, rom da-
as salas e dous quartos, sita na roa do Socego on
Campo Verde na Boa-Vista n. 21 : a tratar na ma
do Imperador n. 69, loja de bahns.


I
V
^.






Diarlo le Pernanibuio tuarta felra *1 de Ontnbro de 1B3.
I
/

Graxa econmica.
Albnus ci ni perfumarias.
Muitas vezes aconteca que se procurando uma
XAROPE
deLABELONYE
PharmaeeuUeo da primeira classe
i:m Pars.
Este medicamento empregado ha mais de
A aguia ^S^AfmSSSS S?- behYgalantaria para se offertar a urna scnl
da grasa econormo^ cuja *^or"^csseVna menina em seus aniversarios, ou mesrao na
a T^X,K tanto' pi So lastrado amarrado das mestras destas, se nao achava cousa
S^rtS'pSSaSwSS lustrlo ao menos aue satisfizesse, agora porm, j nao deve succe-
ffsdasS n'ecessidade de novo unto, como der assim porque na loja d'asu.a branca encontra-
m^mo norauc sua nreparacao e appropriada para rao pretndeme bellos objectos para esse nm so-
SarPeeSvr ocouro ; ella Vera em caixi- bre-sahindo entre elles esses botutos tbuns com
n e barrizinhos, e acha-se venda na ra do perfumaras, cujo gosto e novidade eH"P"
Oueimadon. 8, loja d'aguiabranca, aos rezumidos mam. A aguia branca folgara de contntese
? Tde 400,'o00 e 640 rs. essas ofTertas recahirom sempre em suas pred.lec-
1 ^ las freguezas, e uuado asstm nao seja, nao taz
Peste de concha. I mal, porque a mimoseada reparando na singulan-
Comas novas e diversas guarnieses de ^ ft^rS ^o ffi ftSS S
pentesque a Agu.a Branca acaba de rece- ^rTdt&e ra do Quemado, loja d'aguia
bcr, veio tambem uma pequea quahdade branca n. 8, que tudo se arranjar. ,
de pentesde concha que con graca e acer-; Chegaram luvas de pellica para a loja da-
tndamente servem para o moderno atado dos gua branca, ra do Queimado n. 8.
cabellos Elles sao de bonitos e agradaveisj Bolsas para viagens.
moldes, e de latnanho pequenino como con- Vendem-se na ra do Queimado, lojad'Aguia
vem para o fim que sao. E' esta a primei- Branca n. 8. j
ra vez que 'elles aqui chegam, por isso ( ifiLfEa
que a moda novissima Pe' ^e^^j A Aguia Branca rSu 'as desejadas roltas
rao a palma aquellas Senhoras que prtmet- ^u compndas c gradas.
ro se apresentarem com elles, para o que
os mandado comprar na lo;a d'Aguia Bran-
ca, ra do Queimado, n. 8.
apollas, llores e luvas enfelta-
das para noivas.
Pelo ultimo paquete a Aguia-brancarece-:
boa os artigos cima sempre necessarios s
noivas, os quaes, segundo suas recommen-
daces, vieran de muito gosto, e perfeita-
Aa capellas s5o de mui moderno e agr-120 annos, com successos_ constantes, pelos
davel molde de tinas flores, e acabadas com melhores mdicos em toaos os paizes, cen-
todo o esmero : as flores solas sao exlre- ira as molestias do coracao.as hydroptstas
mmente delicadas e proprias para enfeites e as affecedes do peito,_acaba de receber
\ luvas porm, apreciada obra de Jou- cas ou inorgnicas, palpitares, hydropistas
vin pareo que foram enfeitadas pelas mes- geraes ou parciaes, hydrothorax, asthmas
mis fabricantes das mimosas dores, pois que chronicas, broiichiles nervosas, e fluxos
em "oslo e perfeico nadadeixam a desejar. chronicos, aptioma (extmecao da voz), etc.
Silo essas, pois, as capellas, flores c luvas As gazetas medicas fallam calorosamente
que corresp'uidem riqueza do vestido, for- sobre os effeitos preciosos do Xarope de
mam o completo asseio e perfeico, e ele- Labelonye, que tem hoje adquirido um dos
vara a gallianlia da candida noiva. Resta primeaos lugares no quadro dos medtea-
sononte q.ie os prctendenles munidos de mentos os mais afamados e da tlierapeulica
dinheiro dirijam-se alegre e espacosa lo- universal, como o declaram os celebres me-
ia d'\"uia-branca, ra do Queimado n. 8 dicos francezes: Andral pai e filho, Bouil-
lad, Cotleieau, Desruelles, Fouquier, Le-
Malendarlos seiuanaes :_pelo ;raajre, Marjolin. Pasquier, Rostan, Ilous-
preoo todos comprar. !seau [)(,|aberge, Parmantier, Puche, Ther-
Sao desomma utilidade esses kalendanos rim vj;|t jde p0iliers), etc., e outros fa-
semanaes. purque mostrara acertadamente cu|laticos (]os mais celebres.
;i data e titas da semana, sem o continuo tra- yende-se cm garraflnhas de vidro verde,
balho de bolir nelles diariamente, pelo que lrazem]0 um rolu|0> fundo cor de violeta
se lornam necessarios e preferiveis a todos c)arap jaspeado, no qual sobresalte o nome
os outros ; tanto para casas de familias, co-\iabeUmiie, o gnrgalo ta garrafa traz uma
rao mestnn para qualqtier outra parle, e t|.a MU, jaspea(|a> com a |rma de Labe-
principalmente por 800 rs. cada um : na h e a r0,|ja ^^.^ C0Ill uma capsula
ra do Queimado, loja d'Aguia-branca, n. 8. (]c m(u bran alelas ersias Inglezas.
A loja d'Aguia-branua, na ra do Queima-
do n. 8, est bem provida de mui boas
meias croas inglezas, tanto para bomens,!
como para meninos, as quaes est vendendo
baratamente em proporcSo da snperiorida-; bosa na ra da Cruz n. 22.
de d-llas: assim, pois, os prelendentes di-;|Ts5=
rijam-se cora dinheiro e sem susto dita lo-
ja, que serio bem servidos. Tambem ha um
bom sorlimenlo de ditas brancas para se-
Dhoras c meninas, c san vendidas na mesma
conformidade.
Phosphoros de cera.
Vendem-se a 4*o rs. a du/.ia de caixinhas
de phosphorns de cera : na ruado Queima-j
. ROVPA FEITA
NO
ABBIAEEH
DE
X.ETREXRO VE3RJE.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concor-
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
homens e meninos.
Casacas de panno preto, 355 e 30)5000' CoUetes de fustao e brim bran-
Sobrecasacas idem, 30, e 250000 ( co, 3J500, 34 e ... 2*500
Paletos-dem e de cores, 25(5, ;Seroulas de brim de linho,
204 15(5 e......10^000 2)5400 e......24000
Ditos de casemira, 205, 154, Ditas de algod5o, 14600 e. 15400
125 105 e...... 75000 Camisas de peitos de linho,
Ditos de alpaca, 55 e. 35500 55, 45, 34 e. 25500
Ditos ditos pretos, 95, 75, Ditas de madapolSo, 35,
55 e. .....35500 25500,24e.....15600
Ditos de brim e ganga de co- i Chapeos de massa, pretos fran-
34000, cezes, 104, 94 e. .
45000 Ditos defltro, 55, 45,35500 e
Ditos de sol, de seda, 125,
RA DO QUEIMADO N. 46
Mil
ZJ
DE
FAZEMDAS E ROITPAS FE1TAS.
Sortimento completo de sobrecasacos de panno a 254, 284, 304 e 354, casacas
muito bem feitas a 255, 285, 305 e 355, paletots acasacados de panno preto de 164 M-
254, ditos de casemira de cor a 155, 185 e 204, paletots saceos de panno e case-
mira de 84 at 145, ditos saceos de alpaca, merino e 15a de 45 at 65, sobre de alpaca e
merino de 75 at 104, calcas pretas de casemira de 84 at 144, ditas de cor de 75 ale
154, roupas para menino de todos os tamanhos, grande sortimento de roupas de brim.
como sejamcalcas, paletots e cohetes, sortimento de cohetes pretos de metim, rasemira
e velludo de 44 a 95, ditos para casamento a 54 e 64, paletots brancos de bramante a 44
e 54, calcas brancas muito finas a 54, e um grande sortimento de fazendas finas e noder-
nas, completo sortimento de casemiras inglezas para homem, menino e senhora, ceroolas
de linho e algodlo, chapeos de sol de seda, luvas de seda e de Jouvin para horneas e le-
nhora. Temos uma grande fabrica de alfaiate, onde recebemos encommendas de grandes
obras, que para uso est sendo administrada por um hbil mestre de semelhante arte e va*
pessoal de mais de cincoenta obreiros escolhidos, por tanto ejecutamos qualquer obra coa
promptidSo e mais barata do que em outra qualquer casa.
res, 45500, 45, 35500 e.
Ditos branco de linho, 64,54 e
Ditos de merino preto de cor-
dio, 104, 74 e.....55000
Calcas de casemira preta, 125,
105, 85 e......75000
Ditas.de cores, 95, 85 e. 75000
Ditas de meia casemira de co-
res, 555O0e.....45000
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 54, 455O0 e 450OO
Ditas de brim branco e de co-
res, 55,. 45500, 45 e 25500
Ditas de ganga de cores,
35500, 35 e.....25500
Cohetes de velludo preto e de
cores, 95 e......
Ditos d casemira preta, 55 e
Ditos de ditas de cores 55
45 e........ 35500;
85500
25000
ESTABELECIMENTO COMMERCIAL
DE
m
45500
114, 75 e......
Collarinhos delinho fino, ulti-
ma moda.......
Sortimento completo de grava-
tas.
Toalhas para rosto, dzia, 115,
95 e........
Atoalhado adamascado de li-
nho vara.......
Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....45000
. 35000
. 25000
640
4
65000
15280
'>
I
Ditos de setim preto.
Ditos de ditos e seda branco,
65
Ditos de gorguro de seda
pretos e de cores, 65, 55 c
Lences de linho. ... .
j Cobertas de chita chineza.. .
75000 Pennasd'aco, as mais superio-
res, a grosa......
Relogios de ouro orizontaes,
905,8056......
Ditos de prata, galvanizado,
tf
45000
55000
patentes e orisontaes, 405 e
^ ----> ^qqq Obrasdeouro,adercos, meios
aderecos, pulceiras, rozetas,
45000 aneis e cruzes.
600
7O5O00
305000
5
i .o;
d>
FCMDI^AO BOWMM-RIJA DO
7e Digiiialc de Labelonye, 'pbarmacien, I Este muito acreditado estabelecimento est prvido de um completo sortimento de
Pars.
Deposito geral
Villeneuve, 19.
em Pars, ra Bourbon-
machinismos proprios do fabrico de assucar, a saber:
Machinas de vapores as mais modernas e mais acreditadas.
Rodas d'agua de ferro com seus pertences.
Em Peinambuco.na casa de Caors & Bar- Moendas e meias moendas de todos os tamanhos.
Rodas dentadas, angulares e de espora.
Taixas de ferro batido e coado.
Boceas de fornalha pelo novo systema Wetson.
i Alambiques de ferro fundido.
iFornos para cozer farinha.
iMoinhos para moer mandioca.
'Arados americanos, etc. etc.
Inglezas:
Opiata
Colonia.
e asna da
(raule armazcm de linlas.
Este armazem conten tudo quanto
^precisa para que a industria de pintura, do
qoaluer sonoro que soja, aosoinpi'iilio
gen liui. istD oinbollo/.ai'. consoivir o
reprodnzr.
Montsdo em grande escala e snppndo
direetamonte por grandes fabricas de Ka-
iis. Londres e Hainburgo, pode olerecer
.. productos de oonfianca, e satisfaaer qual-
A Aguia-branca da ra do Queimado n. 8J s gner eneommenda agrosso trato e a re-
acaba de receber a apreciada opiata ingleza,! f*ff lalho. ___
assim como mui boa agua da Colonia tam-|| ^^LTlST tSSVt
bjiu itigleza. IjB quo linio oslar vista, as difforontes co-
OMSrrafas COin agua da Colonia, j ^ res do quo tiverem neros Queimado n. 8. |(0, recendoJronhaneaasqueve.nl do frapara
Ko^as cintas elsticas pura scnlioras | ^^gS^JSJitS.|
N. 21 LARGO DO TER^O -R. 21
0 proprietario deste bem sortido annazem de molhados vende os seus gneros ja I
bem conhecidos de primeira qualidade, e por isso caprichou de escolher, para bem servir
Cx;5i-r;iis> s-woit "** iwiwuw. j-a\ res ae que htorwi m-i -.--111.1111. (W) O IU"oorOt'iriO (leste Dem SOniao anna/.ciii uc uiuuionus irauc ua ai.us bww j i
Chegaram novas garrafas com agua da Co- M la tintas cm massa o em p impaipa- H mnhi,.ifiL rip rimeira (iiialidade, e por isso caprichou d escolher, para bem servir.
rni Va a loja ^Aguia-branca, ra o!| v,u;,;;, ,,as ,;;^ para o que .era pess6as
Qu-.'imado n. 8. \m, recendtvrondancaasipio w.n do fraj.ara |S|. oncarreadas para este lim, eos pode vender por menos de 10 a 20 % do que em outra
casadas.
A reconhecida utilidai'.e dessas noocssarias cin-
tas elsticas fez com quo em breve so, arabnssem
as que vieram da primeira vez, deixando assim
6 ac intentes mnitas senhoras que se nao poderam
provor dellas, vista do que a aguia braafta man-
uscar mais alcumas. quo acabam de ehegar,
anda mais perfeitas qae as primitas, isso por se-
rem menores; agora,pois, podem as senhoras ca-
sadas prevenirem-se, mandando-as comprar na
loja d'aguia branca, ra do Queimado n. 8. So a
aguia branca prooisasse de semelhante obra de
.i-rto desta voz nao ficaria sem ella.
enfeites
Xovfcslinos e bonitos
para canecas.
Qaando o bello sexo sentia a falta de bons
tes para cabeca, eis que a aguia branca
recebe urna sua eneommenda de bonitos e
ados enfeites, e de modernsima moda,
muito servindo isso pira sanar aquella falta,
:T com i' as F.Miias. apreciadoras da SR
ta do oonsumidor. que SO assim tora tin-
tas (teseas o vordadoiras.
Ha tambem ouro verdadeiro, vorde em
p oemfollia, prata em tulla, p debron-
zear de varias coros, diamantes para cor-
/a.s tar vidros, burnidores, ncar superfina en-
carnada, ainarolla o vordo. tintas vege-
lars. azul, rosa, vordo o amarolla, inolon-
sivas, nicas que so devoiu emprgar as
concitarlas, colleccSes de pinceis para
ungir madeira, com propriedade, e outros |
do varias qualidades, voruizos. copal, *
graia, branco ou oscuro para o interior
o exterior, para etiquetas e quadroa tin-
tas linas em tubos, em erayoes ou pastel,
tollas para quadros. caixas de tintas linas
e papel para desenlio.
Kssencias aromticas verdadeiras. fras- ^
I eos o vidros para vidraoa de todos os ta- ~
"" manbos. e niuitos outros objectos, cuja
uiiliilado o emprego s com vista pode-
rao ser mostrados.
Joan Pedro das Neves,
Gerente.
bra e a arroba a
0 GaLLO CANTA
J sabido que, (piando chega o vapor da Eu-
ropa, o gallo canta anni-nciando aos seus numero-
sos freguezes as galanteras de mais gosto e da ul-
tima moda que por elle recebe, como sejam :
Cumsinlins para senhoras.
' Riquissimas camisinlias com mauguitos e gra-
vatinhas para senhoras : s no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Ciriqolinltas.
Riquissimas cirigolimjas ou gravatinbas, sendo
cousa de muitogosto, e a primeira vez que appa-
rece para as senhoras de bom gosto : s no Vigi-
lante ra do Crespo n. 7.
Pnitrs de comha.
empreza Coimbra possam melhorreal-
,:: e mostrarena u apurado gosto qae as
Esses onfuitots san d'um tecido bas-
Utnte fino cora continlias d'aco, e mui bem
itados com llores, fitas, bicos, plumas
etc., entretanto que sendo obra de muito
gosto custam 55, 6# e 7d dinheiro vista;
na espajosa e alegre loja d'aguia branca ra
do Queimado n. 8.
Encnnneoas d'agoia branca recebi-
da> pelo mliiiio vapor.
Kkos peales de tartaruga com chapa de madre-
perola.
Besitos leqnes de madreperola.
Delicadas canelas de dita.
Lindos chapeozinhos de setim para baptisados.
Bieos le sida brancos o pretos.
Bonitascaiiinhas com msicas e sem ellas para
costura.
Trancelinsde la para enfeites.
Fitas do seda eslreitas para ditos.
Ditas do velludo cora listras para barras de ves
tidos.
Aspas de balea para vestidos.
Ditas de ac para espartilhos.
Dndoos d dina.
l'ulseiras de contas para meninas.
Paos para abrir luvas e port-cbarutos.
Essencia de ail para engommados.
Pos hvgienicos de Lubin para denles.
Leite Virginal para tirar sardas.
Dito d'ires para extinguir as caspas.
Vinagre aromtico para vertigens, dores do oa-
beea, oto.
Cosmetique surfine para cabellos.
Pomada para bigode.
Renda do tilo, lisa.
fflaravllha das bellas, novos e
delicados enfeites para ves-
tidos.
aprasivcl a aguia branca o ter de avisar a
sua boa freguezia, q..e acaba de receber pelo pa-
quote francez um bello sortimento de enfeites de. Ala para as mesmas
seda denominado maravilha das bollas, os quaes ( crespo n. /. ..
n unto para vestido de senuora eomo |iara U U.-ILLU ./'
rouninhas de enancas. Seus novissimos e delica- j sabido que o gallo nao poda denar de can-
dos desenhos, suas escolhidas e bem acertadas co-' ,afi annunciando a sens numerosos reguezes as
res fazcm um todo agradavel aos olhos de qualquer runsimos pentes, que acaba de receber por este
vvente que saiba apreciar o bom. Assim, pois, a uumo vapor,
duvida est em haver dinheiro, havendo-o, di-
aos seus
;encarregada
qualquer parte.
Vcrdadeira genebra de llollanda em botijas de conta certa a 400 rs.
dem de laranja em frascos grandes a 1,000 rs. o de llollanda a oOO rs.
Caivinbas cora 8 libras de aassas de carnada a 2,100 rs. e a libra a 480 rs.
Velas de espermacete, carnauba e composico a 63o, 44o e 30o rs. a
10,000 rs.
Palitos do gaz sem avaria a 2,3oo rs. a groza e 2oo rs. o maco.
Serveia das melhores marcas a 500 rs. a garrafa e a duzta a 0,000 rs.
Vinho das melhores marcas F. L. 1. a loo, 5oo e 0G0 rs. a garrafa c a caada a 2,8oo e
4,000 rs. _
Batatas desembarcadas ltimamente a 00 rs. a libra, e a arroba a 2,800 rs.
Bolachinhas americanas a 2,ooo rs. c 3,5oo rs. a barrica c 2oo rs. a libra.
Azeitc doce de Lisboa a 3,ooo rs. o galao, e a G'10 rs. a garrafa.
Queos do reino os mais novos do mercado a l,8oo e 2.000 rs.
Milhn alpista o mais limpo que ha a 5,000 rs., a arroba a 100 rs. a libra.
Manleiga ingleza perfeitamente flor a 800 e a 720 rs. a libra,
dem franceza, muito superior, a 560 rs. a libra e em barris a o40 rs. a hbra.
Caf do Rio da 1.a e 2. sorte 280 e 320 rs. a libra, e a arroba, a.8,800 e 9,000 rs.
Cha de primeira e segunda sorte a 2,8oo 2,5oo c 2,ooo rs. a libra.
Tijolo francez de grande tamanho a 14o rs. cada um. e a lem dos gneros anunciados
ha outros muitos que enfadonho seria menciona-los : vende-se a dinheiro vista.
CALfimiRU E FI!MIIC.\0 DE METAES
Mito na iua do lliiim n. 40 jnaio
a fnndico do %r. llov mam. pcrtcnccntc a
Vi Naca I rmo A C.
Neste estabelecimento encontraro os freguezes um completo sortimento
de tudo que diz respeito as artes de calderelro, funileiro, laloeiro, ferreiro e
fundiro, e os abaixo asssignados que o dirigem, promettem servir a todas as
pessas que se dignarem de os procurar, com promptido, sinceridade e pre-
cos muito rasoaveis. O dito estabelecimento estando montado em ponto
grande, tanto no que diz.respeilo a pessoal, como em materia prima, e tendo
habis oficiaes, pode executar com toda a perfeico e seguranza qualquer Sj?
obra tendente as artes cima mencionadas e aJToitamente pdem os abaixo as- ;
signados assegurar ao publico que nenhum outro estabelecimento Ihe pd^ ^j-*
fornecer mais barato e mais perfeito do que ellos, visto que recebem de sua
propria eneommenda todas as materias empregadas em ditas obras.
Alambiques simples e continuos de to- Sinos de 16 libras 8 arrobas.
d&s os tamanhos e dimences. Parafuzos de bronze e ferro para r<>-
Machinas de cobre para destilar e res- das d'agua.
tilar espirito at 40 graos pelos sys- Torneiras de bronze e bronzes .1
temas de Logier e erosne. | engenho. ,
Carapucas e serpenfinas de cobre, e Encanamentos de cobre e ebum)
estanho, avulsas. todas as grossuras.
Taixas e tachos de cobre para engenho Bombas para cacimbas, aspirantes
e refinaco. de repucho.
Paroes de cobre e todos os cobres ne- Bombas para destilarnos.
cessarios para o fabrico do assucar. Ditas para regar jardins, borlas e
Cobres para rodas de moer mandioca.' capim.
Machinas econmicas para lavar roupa Ditas para navios e barracas de varias
o mellior possivl. I qualidades e dimencoes.
Cobre em lenco! e arrodellas, estanho em barrinha, chumbo M larra.
lencol e canos de todas as grossuras. *
Yillara lima dr C.
-
FUMDI^AO
DE
FRANCISCO ANTONIO CORREIA GARlM)Slt,
Btua do Briim, X. H'i.
Acha-se novamente aberlo este anligo e proveiloso estabelecimento. prompto pra
executar quaesquer encommendas de ferro fundido, balido ou de bronze, moendas para
engenbos, con vapores ou sera elles, tudo com a maior promptido. perfeiro c com-
modo preco ; tem varias obras promptas da melhor e mais solida construeco qne p-
.. dem ser vendidas por melade de seu valor, como sejam :
Moendas inteiras e meias ditas de varios tamanhos, para engenhos.
Portas d'aguas guarnecidas de bronze com patafuzode rosca quadrada.
Bodas de espora, carretas e rodelas angulares.
I'arafusos e cavilhes de ferro ou de bronze, rosca quadrada ou singela.
Agulhoes fundidos de azase balidos para rodas d'agua e ebumaceiras com bronze.
Bronzes e torneiras de todos os tamanhos e qualidades.
Taxase fundos de alambique, de ferro fundido, de varios tamanl*.
Cnvose portas de fornalha de varios tamanhos e qualidades.
Uma machina de deslillaco continua do autorCollares.
Foges americanos econmicos para casa de pequea familia.
Fornos de fazer farinha.
Tubos de chumbo de todas as grossuras.
Cobre em arrobas e folhas. dito, dito.
Folha de Flandres era caixas, bom sortimento.
Chumbo em lencol e em rolos de diversas grossuras.
E uma grande porco de pecas de obras tanto de ferro fundido como Iwtido ou d*
bronze que seria enfadonho descrever.
Espera, pois, o proprietario deste estabelecimento que o publico sempre benigr.
prestar toda sua confianca e attcnco.e
CAPAS ESCOSSEZAS
Ka roa do Queimado n. 11.
Chegaram loja de Augusto Porto, ricas capas
escossezas com as melhores franjas que tem vindo
a esta pratja, capas de casemira de uma s cor
com franjas iguaes, capas com mangas do melhor
grosdenaple, manteletes de seda preta muito su-
periores.
Luvas de pellica,

Coa do almila n. II.
DE
Joaquim Hartinhu da Cruz Corroa.
Vende-se o seguinte :
Salsa parrilha de Bristol.
Pastilbas assucaradas de Kemp.
Pastilhas vermfugas de Kemp.
,n______o ,ln o Elixir de citro lactato de ferro do Dr. Thcrmes.
pCtl (l i ti lUb. Rob da Lafocteur.
mr .j n ;.n,|n m it Xarope depurativo d'odoreto de ferro de Guy.
A a ra do Queimado n 11. xai^pltorai sedado de g.
Chegaram casa de Augusto Porto muito supe- Pastilhas peiloraes balsmicas do Guj
riores esleirs de diversas larguras, para salas, Pilulas da vida,
as quaes se vendem por commodos presos. i Burel franciscano (mcsclado) para imagen-;.
______________________________________ Injcccao Brow.
m^T ., I" nn Xaro|>e de curato de ferro do ('hable.
% S'yla 1F *',m& Mj Pilulas contra sesftes.
Botica e armazem
drogas
de
Fnrinha de mandioca
de Santa Catharinn. da melhor e mais aova existo nesto morcado -. rende t em porrSn gran
des e peipienas op" proco muito favoraTrl. a aor-
do da barca utn I. olivada ora 11 l turna* r
ancorada dofronto do trapiche Barao >> Lirra-
mento : a tratar no cscriptorio de Miguel Jn*r AI-
ves, ra da Cruz n. 19._____________________
Vendem-se dons torrnos, nm rom f/Vi [lahaw
de frente sito na na Imperial, fregneiia e A Jaar
n. 22C>. outro com 200 palmos de frwilr site fM
Santo Amaro periodo sitio rio Sr. Cato : a iraf.ir
na ra do Trapiche n. 9.
*
cal ni: .i^bo t
Vende-se a I.-30UO o barril na rea
n. 20.
Apolli
No armazem do caes do Ramos, e na ra do
Trapiche n.
dade.
Ha para chogar rquissiinas guarnc,5es de pen-
tes de lindo gosto, tanto para alar come.para mar- VTiiTi^uito Mperio"o"r 425000^ dJT.'
rafas, por procos razoaveis : sa no > igilante, ra ___________ r _________
do Crespo n. 7.
Rales com lacinitos de filar
Lindas redes pretas e de cores com um lindo la-
cinbo de fita para conservar o cabello, pelo barato
preco de 1300; assim como os novos enfeites pa-
ra cabefa a 35000, 4 c 5.5000,: s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Ligas.
Riquissimas ligas de seda de bonitas cores a
14500; assim como fita propria para o mesmo ef-!
feito a 500 rs. a vara : s no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
*ras i\e Jouvin.
Tambem ebegou e chegam por lodos os vapores
As mais novas vindas pelo ultimo paquete, as-
sim como as mais finas chitas Percalles, que tudo
se vende por commodos procos : na ra do Quei- por prego commodo una machina de cozer, cm Salia^mUtt deSUtfs.
. mado, n. 11. Na mesma loja se vendem camisas \ bom estado : naTua do Imperador n. 16. ; ^^ta^!tofl!!iIi?n,ha dc Bail>>-
\ inglezas, sendo os peitos, punhos e colarnhos de
8, vende-se gaz dc primeira quah-:
mmmm
BKIn
i'alausa da tiussta
Yende-se em casa de IV. C. Bie-
ber & C, successoies, ra da
Cruz o. \.
Vondem-se tres boas casas terreas, na
ra dos Prazcres, (Boa-vista), novas, e ba-
ratas ; a tratar no becco do Veras a. 15.
Vende-se um mulatinbo de 12 13 annos,
muito proprio para pagem, ou bolieiro; na da Ca-
grande sortimento de luvas de Jouvin, oude os fre-, deta do Recife, n. 3.
jcuezes podem escolher: s no Vigilante, roa do
Crespo n. 37.
Entremeios e bahadinhoi.
Tambem ebegou grande sortimento de ntre-
melos e babadinhos. que se vendem pelo barat-
sima pre?o de 1*500 a pecinha : so no Vigilante,
roa do Crespo n. 7. '
urdas para cmlo.
- Vende-se uma casa coin pequeo sitio na Ca-
punga, ra da Jacobina, junto a casa que foi do ti-
nado padre Capistrano, por preco commodo : a
tratar no pateo do Terco n. 32.
iam-se seni susto ao espacioso e alegre moho de
aguia branca, rita do Queimado n. 8, que acharao
as verdades cima ditas.
Vende-se uma boa casa terrea com grande
soto, quintal murado com sabida para outra ra,
Tambem chegu grande sortimeiUo, de lindas fi-! gtyg ^eT^^^ll^^
ia ,ape.odebartte re'ot 'dndola Pender dirija-se roa do Boecio n. 58 que se
&KnS^S2!r86*iio Vigilante, ra do dir quem as vende.____________________
Na ra Imperial n. 62, vende-se um mulali-
rilio peja, com dous annos de idade, quem o |prc-
tender pode dirigir-se ao lugar indicado a qual-
qper hora do dia.
Palitos do gaz.
Vendem-se continuadamenie no deposito geral,
Cal de Lisboa I trnvessa da Madre de Dos n. 16, armazem de Fer-
s nova do mercado : na ra do Vignrio n. reir & Martins, em porc5es c a retalho, por mo-
19, primeiro andar. l "Jico proco.
o livro o rovo.
Segunda edicao mais correcta, ornada com!
27 estampas, e augmentada com 48 paginas!
Xarope alcoolico de vcllame.
Alem destas drogas ha constantemente um com-
pleto sortimento de tintas, vemiz, ouro para dou- i do. e grand
rar, preparados chimicos c pharmaceuticos qne se
vendem por commodos procos.______________
Vende-sc
' Superior gaz americano de su-
perior qnalldade a 5O rs. a gar-
rafa : no pateo do Car ni n. M
na loja do Costinha.
Gaz.
Contnua-se a vender gaz da melhor qualidade :
de texto,"contendo : a vida de NossoSenhor na ra da Imperatriz, loja de funileiro n. 6o.
Jess Christo, fbulas, o vigario, o bombo- vendem-se canos de ferro do pollegada dc
mem Ricardo, quadrupedes uteis, o profes- dimetro para encanameato d'agua na ra Di-
sor primario, moral pratica, Sirao de Nan- reita, padaria n. 84.________________________
tua, mximas e sentencas, hygiene, receitas j'
necessarias, o Brasil: vende-se na vraria de
Cal de E.lsbe e potassa da
nnssla.
Manoel Figueira de Faria A Filho, praca da Yead^se na ra da Cadeia do Recife n. 26, para
Independencia ns. G e 8, a bon rs. o exem- onde se mudou o amigo e acreditado deposito da
nlar em brochura, e a 1* cartonado. i mesma ra n. 12, an-uos os gneros sao novos e
; legtimos, e se vendem a preco mais barato do que
1 outra qualquer parte.
Grande annazem da rAptvr* de .es-
tires l'a da Cadeia to lien fe si-
me ro til).
Para easasaents*.
Ricos vestidos de fil bordado por prer tmmmn-
~\c sortimenti do objectos dr"I xn para
ornar salas : na ruada Catan do lterifea.Cf.
Cirastde armazem da
de Londres, rna da Cadeia
Hocl fe n. O
Pcrfomarias iaas.
Esplendido sortimento do perfumaras fiaas da
principaes fat)ricantos de Londres e de Pars, ea
rica* caixinhas,e vidro de rryslal: Tse-*e mm-
tssimo barato na ra da Cadeia do Ser* a. S.
Vende-sc na ra de S. Franrisro. rasa 3.
um instrumento de nome Boafr-aordo aaraatma
msico, principalmente para baiaBjao, e woa Sa-
rato._______
Vende-se uma cscrava rerolhida, pakie
nm mez, propria para ama de leile, aaw
mar e coxiahar : na ma larca da
loja.
Vende-se
alcatrao ou verniz do gaz, pelo preco do gazome-
tro: no annazem da bola amarolla no oitao da se-
cretaria da polica.
vende-se
chumbo para caca a lOrs. a libra, estopa de linho
a 80 rs. a libra: no armazem da bola amarolla no
oitao da secretaria da pocia.
%os eoehelros. ~
Vendem o encerados pretos e de cores para
forrar carros: no armazem de Tasso Irmos.
CtLIlEMSBOt
Vendem-se barrlseom eal des-
ta proeedenea. em pedra, ehega-
da boje, e nnlra nova, ne ha no
merend, na rna do Trapiche n.
13. armazem de Manoel Telsel-
ra Basto.
Veawn-se 4 garro pardoa* |
carro: na ra larga do Rasaria, laja m.
Cal de Lisboa
nova : na roa do Vigara n. 19,
i/Hl
Cambraias muito Bnas a MO rs. o
tas franeexas matisadas a 310 w.
ra do Queiaas a.____________
A W rs et fHa.
CassaaomitafcVlas e Suas : mim
n. 17, loja de Jos* Gomes Villar.



......
Diario de Peroanibiico miarte l*** ** ** Ontufcr de 18S.
9 tmm
GRANDE ARMAZEM
/
AB

EE
R. 36, RCA DAS CITCKS N. 36
DO
balrro de Santo Antonio.
0 proprietario do milito acreditado armazem denominado Progressista tendo
sempre em vista fazer tudo o que for possivel para bem servir aos seus freguezes, tem
deliberado vender os seus j bem conhecidos gneros de primeira qaalidade pelos precos
abaixo mencionados, e affianca s pessoas que mandarem comprar por seus criados ou
tetaros, serem to bem servidas como vindopessoalmente; ncarrega-se de aviar qualquer
encommenda, ainda mesmo contendo objectos nao proprios deste estabelecimento. 0
mesmo pede aos senhores que mandarem comprar ueste armazem o favor de mandarem
devolver qualquer objecto que nao agradar, devendo os mesmos senhores ter toda alin-
elo com os seus portadores, fazendo-lhes ver que so no armazem Progressista da ra das
cmzes n. 36, que se vendem os melhores gneros por mais barato preco, porque estes
muitas vezes olvidam-se e v5o outra parte onde os servem de maneira a desagradar este
estabelecimento.
I vas inuito novas a 1 ,ooo a libra. i Mustarda preparada, muito nova a 360 rs. o
Castanhas a 2oo rs. a libra, pote.
MgOS a 320 rs, a libra, I pa,itos do gaz a 2O0 rs. a duzia de caixinhas
Vuibo sapenor da Figueira e Lisboa, a 400, Inf, r 440, 480e 500 rs. a garrafa, e a 2,500,' e -',uo rs" grosa"
2,700, 3,000 e 3,400 rs. a caada. Ditas hygienicas e de seguranga a 240 rs. a
(11171(1
Id engarrafado, das segurntes marcas du-1
que do Porto, Feitoria, Nctar, velho secco, Alpista muito limpo a 160 rs. a libra,
ChamissoeMadeira superior a 8,500 rs. a G d engommar a 80 rs. a libra, e
.lni.i n vni 1 r' i asuran ___
GRANDE ARMAZEM DE MOLHADOS
VE
I "H
TODOS
o
t
os
3 COMPLETO
VAPORD
se recebem gneros de corita
propria e dos melhores esta-
belecimentos da Europa, ga-
rante-se todo e qualquer ge-
nero comprado neste
ESTABELECIMENTO.
Q
O
H
03
SORTIMENTO DE MOLHADOS.
vende-se em porcao e a reta-
lho, aprompta-se com toda a
presteza e exactidao qualquer
encommenda .dirigida a este
ESTABELECIMENTO.
AOS SENHORES LOGISTAS
Desta capital, arrabal-des eprovincias
adyacentes.
MAIUEL fc
N. 23 RA NOVA N. 23.
Tem a satisfcelo de participar particularmente aos seus amigos e fropuezos, i em
geral a todos os senhores logistas desta e de outas provincias, que cm oonsequencb da
suas relaces com as principaes pracas manufactureiras da Europa, lem eonsegnidn
montar a sua fabrica da chapeos de sol sobre urna escala importante, aponte de |
offerecer vantagensaos pretendentes, tanto na qualidadee bem acabado dos sen
tos, como pela reduccao dos precos; verdade incontestavel, de que se podero i i>i rea-
cer vista da fezenda e pelos precos que vo abaixo :
Chapeos de sol de seda para hornero 28, a 72)5 a duzia.
Ditos 26, a 66*000.
Ditos 24, a 605.
Ditos para senhora 18 e 20, a 48$.
A duzia tem descont de 12 pdr cento.
Ditos de panninho prcto e de cor, armario do baleia 20, 24 e 26 mudos, liquido
a 26)51 a duzia.
Ditos de junco 20, 24, 26 e 28, a 18$ a duzia.
Venham ver para convencerse da verdae.
Encarregam-se de encommendas para da Europa.
duaia c 800 rs. a garrafa.
2,200 rs. a arroba.
dem Bordeaux de diversas marcas a 640 rs. & l0 noyo e a,T0 a 240 rs# a iibra.
a garrafa e 7,00rs. a caixa com i2 garrafas, i
. v. i inn Sabr, hespanhol, a 280 rs. a libra,
dem Muscatel deSetubala 1,700 rs. a gar-
rafa, e l8,po rs. a duzia. | tem massa a 180, 200 e 220 rs. a libra.
r.arrafes con rrafas de vinho do Porto, Peixe em latas, savel, pescada, e corvina a
Lisboa e Fi, i a 2,100, 2,200 e 2,3001 1.000 rs. a lata.
M, com o garrafo. Genebra de ij0||anda em butijas de cunta a
dem branco muito superior a 500 rs. a garra-! 400 rs.
la e 3.500 rs. a caada. ipapel greve paulado e so a 3400 rs a
' arrafes com 5 garrafas de vinagre a 1,1 oo rs. j resma.
Vinagre superior de Lisboa a 1,400 rs. a ca-. Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa.
nada c 200 rs. a garrafa. 'champanhe das mais a creditadas marcas
Vetas de spermaecte superiores a 580 e 640
rs. o maco.
Manteca ingleza de I.* qualidade, a 800 rs.
a libra.
dem de 2.1 dita, a 700 rs. a libra.
dem de 3*. dita a 600 rs. a libra.
Idera franceza, amelhordo mercado a 540 rs.
e em barril a 500 rs. a libra.
Idemem latas cora 2 '/i libra ja 1,400 rs. a lata. I
Biaba de porro refinada a 500 rs. a libn, |
v I
Qaetjos flafflcngos chegados ltimamente a
2.000 rs.
dem prato o mellior que ha neste genero a
700 rs. a libra.
Arroz Carolino e do Maranho a 2,800 rs. ar-
roba e 100 rs. a libra.
Amendoas de casta molo a 280 rs. a libra.
Caixinhas com amenas fraocezas, de diversos
ramanhosal, 200,1,400,1,800e2,100rs.
cada urna.
Frutas em calda, ameixas, rainha Oladia, pe-
cagos ealpech a 480 rs.
Marmeladadetodosos conserveiros de Lisboa
a 600 rs. a libra.
Ameixas em latas de I "* e 3 libras a 1,200
e 2,400 rs. a lata e900 rs. a libra.
Champanhe das mais
a 10,000 rs. ogigo e 1,0 0 a garrafa.
Doce de goiaba de 400 a 800 rs. a caixa.
Chocolate portuguez, francez, hespenhol e
suisso de 800 a 1,200 rs. a libra.
Velas de carnauba e de composicao a 320 e
30 rs. a libra e 9,500 e 10,000 rs. a ar-
roba.
Os proprietarios do muito acreditado armazem Progresso fazem sciente ao respeita-
vel publico e com especialidade aos seus amigos e freguezes que ten resolvido resumir os
precos dos seus acreditados gneros, como abaixo verao nao obstante os precos menciona-
dos a vista da qualidade dos gneros que se prora quanto se deseja servir satisfatoria-
mente aos nossos freguezes, advertindo-lhes que mandem seus portadores, que sero Uto
bem servidos como se viessem pessoalmente, isto s no Progresso.
Manteiga ingleza perfectamente flor chegada
no ultimo vapor a 8oo rs. a libra.
dem de 2. qualidade a 76o rs. a libra.
dem de 3,* dita a 64o rs. a libra.
dem para tempero a 32o e 4oo rs, a libra.
Manteiga franceza a mais nova que ba no mer-
cado a 58o rs. a libra, e em barril teraba-
timento.
Banha de porco refinada a 520 rs. a libra.
Vinho em pipa Porto Figueira e Lisboa a loo,
48o, 5oo, 56o rs. a garrafa, em caada
2,8oo 3,ooo 3,5oo e 4,ooo rs.
dem em barril o mais superior que tera vin-
ao mercado a 6oo rs. a garrafa.
Massas para sopa
400 rs. a libra.
macarro e talharim a
Cha huxim omelhor que c possivel encontrar
neste genero a 2,700 rs. a libra.
Idcn liysson muito superior a 2,5oo rs. a
libra.
dem miudinho a 2,700 rs. a libra
dem preto de qualidade muito fina a 1,800rs.
dem mais inferior a 1,500 rs. a libra.
Genebra de laranja a 000 rs. o frasco e 5001
rs. os fraseos pequeos.
t'.limiirost'paios os mais novos que ha no
mercado a 500 rs. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Ba-
bia 3,800 3,400 3,000 e 2,400 rs. a
caixa.
Cerveja das melhores marcas de 5,000 a
6,000 rs. a dozia.
Biscoitos ingleses de todas as marcas a 1,200
rs. a lata.
Bolaixinhas de soda em latas grandes a 2,000
e 1,800 rs. cada lata.
Massa de tomates em latas de 1 libra a 560
| e 640 rs.
Sardinhas de Nantes muito novas a 340
rs. a lata.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijollo para areiar facas a 140 rs. cada ura.
Farinha de Maranho a 140 rs. a libra.
Pimcnta da India a 3iO rs. a libra.
Erva-doce a 320 rs. a libra.
Palitos para meza a 160 rs. o maco.
Verdadeira farinha de ararula a 500 rs. a
Farinha de Maranho milito alva e cheiroza
a 16o rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 32o rs. a libra e a 9,ooo
rs. arroba.
PHOSPHATO de FE
DE LERAS, DOCTOR EM SC1ENC1AS, INSPECTOR DA ACADEMIA DE PARIZ, etc., etc.
Kate novo fsrniginow), approvado por todas as Academias da Medicina do mundo inleiro, rene a
composicao dos ossos e do sangue, e contera o ferro em estado liquido. Segundo as observantes frita nos
hospitaes deParii e consignada no Prospecto i elle superior s Plala* fcrrui > ao lariaio
dc forra, aa farra redolido pelo hydrogeneo, aa eltrala de ferro, A* Minia c Xnrapc de
loduro de ferro elle cura rpidamente a ictericia branca, c&r paluda, dread'ealmago.diaiMrs i-eno-
sas, aflecces nervosas, escrophulas, mingoa de fangue, perda de frca e appeliie, ii icuularidades,
faltas menstruaes, e Aores brancas. E o melhor adjuvanle do olea de flado de baeaibo.
Depsito geral : em Parii, en casa do MM. Grlmault e C", pharmaceuticos, 7, ra de la Fruiltade
em Lilboa, en casa de nodrlao da Caata-Carvalha) no Porto, en casa de Mlgael Ja de *aa-
Farrelra; em o Rt'o-d-Jonero, lua relalo e Mala, ra do Sabio, II; em Baha en ca.-a
Jao Carlaao Ferrrlra-Eplahrlra; em itio-Grande, en casa de Joaaala de Gador ; em Maran-
ho, en casa de Ferr ira e C; em Pernomtmco, shoum e C, ra da Cruz, J2 Sansa, e as principaes
pharmacias do Braxil.
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22 em casa de Caros A Barboza
Sardinhas de Nantes a 36o rs. a lata.
MU E\POSIC\0 DE MEMAS.
Baratissimas que se vendem para apurar di-
nbeiro, na luja e armazem da Arara, ra
da Imperatriz n. 56, loja de Lourenco
Pereira Mendes Guimares.
Neste grande estabelecimento acha-se um
grande sortimento de fazentlas, tanto para o
matto como para praca, advertindo aos
Casimiras da Arara.
Vende-se cortes de casimiras escuras a
1^600 e 2^000, tambem se vende em covado,
1 covado e tres (piartas d urna calca a 13
0 covado; na loja da Arara.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa e a I este rande estabelecimento acha-se um 'de as cankraias de aw^-kaa a 10H
4^oo rs. a caada. Lrande ^rtimento de fazendas, tanto para o Vendc-sc pecas de cambalas de rama-
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa ea maUo ^ para a praca, advertindo aos nhosde cores bwf^af?.3 PtS 'T
l,2oo rs. a caada. Ix^ freguezes que as fazendas tem subido, bra.a fiza bna a & e 3J500 ditas para ror-
Carrafoes com 5 garrafas de vinagre de Lis-' DOrm no ^ estabelecimento cada vez ven- tinados de 20 varas a 83, ditas de 10 vana
boa a l,loo rs. e ^s baratissimo, na loja cima da Arara, a 43, c 33, corles de cassa com palmas N+
Champanhe das marcas mais acreditadas a rua (ja imperatrz n. 56. us> com vara dc lar^ura a 2f>' na Arara
8 e a io.ooo rs, o gigo, e a8oo rs. ea rua da Imperatriz n. 56.
1 000 rs. a garrafa. Principia Arara, cassas organdis a 200 rs.--------------------------------------------
Vende-se cassas orgaadis de qadros, cor yQ armazem de fazeiBdn bara-
Serveja preta marca T e XXX a 6,5oo e de cafo para vestidos a 200 rs. o covado, cas- tas dc Mantos Coelho
7,ooo rs. a dnzia, e a 6oo rs. a garrafa, sas franCezas finas 240, 280 e 320 o cova-, rua DO quemado n. 19 VESDE-6E o SK-
tambem temos das mesmas marcas para 4, u0 pupeiina dt quadrinhos para vestidos de GiIINwiE \ j-
e 4,5oo rs. a duzia, e a 4oo rs. a garrafa. JB3 a 320 o covado: rua da Imperatriz ^ ^^ ^1* da hto
dem branca Te cobrinha a5,5oo e 6,ooo rs,,n- 5(i Arara. LfnfOS
a duzia e 5oo rs. a garrafa, tambem ha! Sedinhas da Arara a iifiOrs. do pannodolinhoa2iOOO.
Lagrimas do Douro especial vinho do Porto a
l,ooo a garrafa e a lo,ooo a caixa, o preco
nao indica a qualidade d'este precioso vi-
nho, porm venhamao Progresso que a vis-
ta faz f, a este genero constantemente man-
damos vir de conta propria e por isso po-
demos vender por menos que outro qual-
quer annunciante.
Vinho do Alto Douro das marcas mais acre-
ditadas e especialmente escolhido por um
de nossos socios, como sejam: Camoes, Du-
que, do Porto, D.Luiz, Carcavellos, Cha-
misso Filho, Madeira secco, e Feitoria a
9oo rs. a garrafa e 9,ooo rs. a caixa com Paltos do gaz
12 garrafas. a^ro. ,
Garrafoes com especial vinho do Porto con- Gelale Alperche chegada no ultimo vapor
latas de 2 libras a 8oo rs. pechincha.
Lenccs
linlio fino pelo
barato proro it.
Palitos de denles massos grandes a
e28ors.
20 rs. a caixinha e 2,3oo rs.
tendo 5 garrafas a 2,5oo rs.
dem com 5 garrafas de superior vinho Fi-
gueira a 2,4oo rs.'
dem com 5 garrafas de .vinho Lisboa a
2,loo rs.
libra.
Frascos com
cada um.
aineixas francezas a 1,400 rs.
Cognac inglez a Ooo rs. a garrafa.
Marrasquino de Zara a 7oo rs. o frasco e
S.ooo rs. a duzia.
Lloares franceses, annizetc, plaisir des da-
mes, etc., etc. a8oo rs. a garrafa c8,5oo
rs. a duzia.
Passas as melhores
rs. a libra. -
que se encontram a 360
Bolachas, inglezas muito novas a 24o rs.
a libra, e 3,5oo rs. a barrica.
Azeite refinado a 8oo rs. a garrafa.
Conservas inglezas de todas as qualidadesa
750 rs. o frasco.
Prezuntos do Porto a 5oo rs. a libra.
Batatas muito novas em gigos com 38 libras
por 1,500 rs.
Cancha da India a I,loo rs. a libra.
Cominho a 64o rs. a libra.
Azeitonas de Lisboa muito novas a l,6oo rs.
a ancoreta.
Estrelinha e rodinha para sopa a too rs. a
libra.
Legumes seceos para sopa a 4oo rs. o maco.
Breu louro a 3oo rs. a libra e 8,ooo rs. a
arroba.
Papel pautado e liso almaco e de peso de
3,ooo, a 4,ooo rs. a resma.
Ervilhas seccas chegadas
2oo rs. a libra.
no ultimo vapor a
'
ovwrnpajaqrnso aiso JBp
rjigrffrf e EJiauBm ap ma.uas so apno 'ajjrjd crino b og\ a as-rneprAjo saza.v sejmur sajsa
,)tib.iod "oJom oiOJeq s!Bia aod saaauaa sajoqiam so apua.\ as anb a gg -u saznjQ sep
em cp cwssaJtoid mazGoiJB ou os anb jav saq|-opuazBj 'sajopejiod suas so moa ot
aaua e0} 491 sajoquas sotusara so opua.\ap 'jepejde obu anb opafqo janbpmb ja\]a\ap
tu.i.icuuBui p JOabj o mazBuuB aisau jBjdutOD majBpUBra anb sajoqrias soe apad orneara o
oj'iaowaiaqeis3 arsap soudojd obu sopafqo opuajuoa orasara bduib 'epuarauoaua jaub
-icnb jbi\b ap as-B8aJJBDua aruauieossad opui.v ouhksopiAjas raq obj raaias 'soxeiasa
no sopc3 ?nas jod jejdraoa raajBpuera enb sBssad sb bougijb a 'sopsopuara oxiBqB soo
-jd so\ad apGpqenb ejiamud ap sojauaS sopiaaquoa raaq sf snas so japoav opBjaqqap
iimj 'sazan8ajj snas sob Jiuas raaq BJBd ia.\rssod joj anb o opnj jozbj bjsia oa ajdras
opn Bisissa.i3o.id opBuiraouap raazBiuJB opEiipajac oiinin op ouBiaudbjd o
|nl"V pnas p M4|aq op zhj, p B,|4 98 v
aa
para 4,ooo rs. a duzia. Vende-se sedinhas dc quadrinhos e de lis-
Graxa em latas grandes a l,3oo rs. a tan*** J**" ^J^^J!l^Zl\^^
e 12o rs a lata men,nas a 30 covado- laazinhas.dc qua*, Lencos de cassa
(drinhos a 320 o covado, ditas multo nnas i,ran(.0S) finos proprios para alpib!ra kIo Larato
Vassowras do Porto arqueadas de ferro obra transparentes, fazenda chegada neste ultimo preco de 2ooo e 2400 a duzia.
de muita duracjSo a 4oo rs. cada urna. I vapor a 400, 500 e 560.rs. o covado, desta Fil liso lino
a qualidade s tem Arara : rua da Imperatriz pelo baratissimo preco de 6() rs.avara.
rs- n. 56, de Mendes Guimares. Madapolio Una
! peras de madapolao largo superior pelo baiatioi-
llutra pecbincha na Arara a 210 rs. mo preco de IfOM.
Vende-se chitas francezas cores fixas com Ricas saias
pequeo toque de mofo, porm aiianca-se que de fustao a 3W00.
loco que se lave fica limpa, padres escuros; .Pefa8 d< breUnlia .maMt
e Claros a 240 e 280 rs. O covado, ditas lim- (*> Ao com 10 varas ,uopna para sata a 350O.
pas finas, a 320 360 sM)n 0a; ^^ JZn^t^O vara, pelo t,a-
na loja da rua da Imperatriz da Arara n. 50,, rat0 pret.0 dC jo^ooo.
de Mendes Guimares. Bramante de linho
Arara vende as camisas para senlioras. finoiwdez palmos dc largura pelo barato preco
Vende-se camisas para senhoras com goli-,dc a ^ a|corhoa(|as
nhas e punhos, com botaozmho e grvateu para mri0 ,ielo baratissimo preco ,le S|0a dn-
fazenda vinda por este ultimo vapor a 4#500 za.
cada urna, golinhascom botozinho e punho \ Atoalhado de linho adamascado
muito finas a IdOOO, gravatinha ou golinha! proprio paratoalha de mesa a2,>ioo a wra.
com botozinho para senhora a 320 rs., I Algodo monstro
s na Arara vende-se capinhas bordadas' com 8 palmos de largura pelo barat.s
Genebra de Ilollanda garrafoes com 16 gar-
rafas por 6.5oo rs.
dem em frasqueiras a 6,3oo rs. e 6,5oo rs. e a
56o rs. o frosco affianca-se ser verdadeira.
Vinho branco dc Lisboa proprio para missa ,dem de ^y em barrcas d
vindo ja engarrafado de L.sboa a 64o rs. zas JJJ^ cada boUja 4
a garrafa.
dem em barril muito superior a5oo rs. a garrafa e a 4,ooo e 3,8oo a caada. eira mam a I'000 rs- ,rasco-
Ameixas francezas em caixinhas de 1 % 2 Marrasquino de zara a 72o rs.
e 3 libras elegantemente enfeitadas com ri-^ Licor francez de todas as qualidades em
cas estampas na caixa exterior a l,3oo
para menino a lfOOO cada urna, entre-meos
de 15000 a vara.
Corles dc caifa
M
i e*Yiiuv luvvHrj
caixa exterior
l,6oo 2,ooo e 2,5oors.
dem em latas i.e, 1 '/s e 3 libras a l,4oo e
2,6oo rs, cada urna.
Figos de comadre em bauzinhos de folha
muito proprios para mimo a l,6oo.
dem em caixinhas a l,4oo rs.
dem em caixinhas emticamente lacradas
e muito bem enfeitadas a 1,8oo rs.
dem a 2oo rs. a libra.
Passas de carnadas as mais novas que ha no
mercado a 4oo rs. a libra e a 6,ooo rs. a
caixa.
Salmo em latas emticamente lacradas a
8oo rs.
Lagosfrm em latas grandes a l,4oo.
Savel, corvina, cherne, vezugo, peixe espada,
preparados pela primeira arte de cozinha a
a l,3oors.
Queijos flamengos chegados no ultimo va-
por a 2,4oo rs.
dem do vapor passado a 2,2oo 2,ooo e
l,8oo, rs.
dem prato do ultimo vapor a 64o rs. alibra.
Doce da casca da goiaba caixes grandes a
6oo e9oo rs.
Chouricas as mais novas que ha no mercado
a 48o rs. a libra.
Chouricas mouras encommenda especial nos-
sa a 5oo rs. a libra.
Prezunto verdadeiro de lamego em calda
de azeite 5oo rs. a libra
Bolaxinha ingleza a mais novas que ha no
mercado a 2,ooo rs. a barriquinha com
1 arroba, e a 24o rs. a libra.
dem de soda de diversas qualidades a 1,400
reis.
dem em latas grandes, proprias para lunche,
com 5 a 6 libras par 2,4oo rs.
Marmelada imperial do fabricante Abreu e
outros conserveiros de Lisboa a 6eo rs. a
libra.
Frutas em calda de todas as qualidades a
5oo rs.
Ervilhas francezas a 5oo rs. a lata,
dem portuguesas a 64o rs. a lata.
Massa de tomate a 64o rs. a libra.
Amendoas confeitadas a 7oo rs. a libra,
dem de casca mole a 28o rs. a libra,
Avelans a 2oo rs. a libra.
garrafas de vidro brancos a"72o e 8oo rs. ^000 e id280 a peca; na loja da Arara,
1 rua da Imperatriz n. ob.
Vinho Bordeaux das
e tiras bordadas para enfilar vestidos a; dc pan(?;i arnare||ade lista e de qu.i.iro fazenda sn-
melhores qualidades
. que tem vindo ao mercado a 72o e 8oo
rs;, e em caixa a 7,5oo, 8, e 8,2oo rs.
Azeite doce refinado do fabricante Pelanol e
outros a 8oo rs. a garrafa.
Conservas inglezas sortidas e de urna s qua-
lidade a 8oo rs. o frasco.
Araruta verdadeira a 32o rs. a libra.
Gomma de engommar muito alva a 8o rs.
a libra e 2,2oo rs. a arroba.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Sevadinha de Franca a 16o rs. a libra.
Sevada muito nova a 12o rs. a libra e 3,2oo
ss. a arroba.
Macarro a 32o rs. a libra.
dem e talharim o mais novo que ha no mer-
cado a 48o rs. a libra.
Aleiria a 5oo rs. a libra.
Arroz carolino a loo rs. a libra e a 2,8oo rs.
a arroba.
dem do Maranho a 12o rs. a libra, e a
3,ooo a arroba.
Caf do Bio o mais superior que se pode de-
,4Sr^.arSbrae,8.oo,8,4o ** '* "'^ "^
peror pelo baratissimo preco de 1,5200 o corte.
Laazinha dc qnadro
de gosto inteiramente novo pelo baratissimo preco
Redinhas da Arara para senhoras. I de 480 rs. o covado.
Vende-se redinhas para segurar cabello a I Pana de cambraia de salaos
1,5000 rs., enfeites para caneca de senhora a fina com 81/2 varas pelo baratissimo Prc?o de
IdlOOO rs., meias croas para senhora a 320,
lencos de retroz para meninas a 320 rs s
na Arara, rua da Imperatriz n. 56, de Men-
des Guimares.
Anda mais nma pechincha na Arai a a 25000 rs.
Vende-se cortes de chitas inglezas a 2fJ000,
ditas francezas com um pequeo toque de
mofo, porm afianco que logo que lave fica
limpa, vende-se a 25500, cortes de riscados
suissos, com 14 covados a 35000, cortes de
cassa de babados e dc barras a 25000, para
acabar, ditos de barras de seda a 35000 rs.,
ditos brancos bordados de groxe enfeitados
com enlre-mcios a 45000: rua da Impera-
triz, loja da Arara n. 56 de Mendes Gui-
mares.
Arara vende roupa feita.
Vende-se calcas de meia casimira e de
brim a 25000 rs., palitos de brins dc cores
a 25500, ditos brancos a 35000, ditos de ca-
simira a 45000 o 65000, camisas francezas
a 15600, 25 e 20500, ditas de linho de pre-
ga larga a 35000, seroulas de bramante de
algodo a 15600, ditas de linho a 25, gr-
valas a 400 e 500 rs., pares de meias a 120
e em duzia a 15400, 25500 e 35 : rua da
e 8,7oo rs.
Velas de carnauba refinada a 32o re. a libra,
e a lo.ooo rs. a arroba.
dem de spermacete a 64o rs, a libra.
Chocolate hespanhol e francez a 9oo e l,oeo
rs. a libra.
Estrellinha epe\ide muito nova a 4oo rs. a
libra, e a 2,ooo rs. a caixinha com oito
libras.
Cha perola muito especial chegado neste ul-
timo vapor de encommenda particular
nossa a 2,800 rs. a libra.
dem huxim muito superior a 2,7oo rs. a
libra.
dem hysson a 2,56o rs. a libra.
dem hysson a 2,000 e 2,2oo rs. a libra.
dem preto homeopathico e muito superior a
2,000 rs. a libra.
dem nacional a l.Goo rs. a libra.
Batatas muito novas a 80 rs. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
Cortes de lia a 35600, 15 55 rs.
Vende-se ricos cortes de la de quadri-
nhos a 35GOO, 45 e 55 cada corle, s na
Arara; rua da Imperatriz, loja da Arara
n. 56.
Arara vende ricas colxas aveludadas a &5000 rs.
Vende-se ricas colxas aveludadas para ca-
ma a 85, ditas de fusto a 55, ditas de da-
masco a 45, ooberlas de chita a 25000 ; rua
da Imperatriz, loja da Arara n. 56.
Lencos de seda da Arara a 800 rs.
Vende-se lencos de seda fino, um s a
800 e 15000, ditas com franxa a 15500,
chales de merino estampados a 35000, ditos
finos a 55, 60500 e 80, s na Arara; rua da
Imperatriz n. 56.
Pecas de camhraia de Ierro
pelo baratissimo preco dc 22O0.
Esleir da Imlia
para forro de sala de 4. 'i e 6 palmos de largura.
Batatas
C.aixas com duasarrobas de batatas de eadas do patacho Marta da Gloria, boje, pelo I ra-
lo preco de 3J a caixa : na rua do Aniorim n. 't-!.
ou na rua da Madre de Dos 11. .'i.
>Elililii
Otxrram de pressa.
Borseguins para homem a 35, sapatos de conro
para senhora a 3iO rs., sapalosde oleado com sil-
to para dita a 640 rs. : na rua dos Qnartcis n. '2.
Fr. Mebastfo da Vlrgcni.
Vendem-se livrinhos com versos dedicados me-
moria do virtuoso Fr. Sebastiao d;i Virgein, a 160
rs. : na livraria dos Srs. Guimares & Oliveira,
na esquina da rua do Imperador.______________
Oleo de ricino.
Vende-se oleo de ricino em latas a 400 rs. a li-
bra, na rua da Cadeia Velha n. 1.
Wen H
Vende-se um pequeo sitio, no luear do Bario,
ao lado esquerdo, segundo sitio, Baixa das A reas,
junto a primeira bomba ao lado esquerdo, boa
baixa de capim que di todo anuo e muito bom
rancho e muito afreguezado; vende-se muito em
conta para tratar, no mesmo.___________________
~~ Vende-so urna carraca propria para padaria
e juntamente um cavallo : na rua do Rangel n. 9
ESCRAVOS FGIDOS.
Balies de arcas americanos a 35000.
Vende-se bales de arcos americanos a 30
30500,40 e 45500,bales de panno a 30500,
ditos briihantina a 40, s na Arara vnde-
se pecas de madapoiao enfestado fino a 40,
e de todas as marcas, como sejam: sus-ditas de 14 jardas fino a 50500, 70 e 85,
piros, havaneiros, messecipes, regala im- algodSo cncorpado a 40, 40500 e 50000 rs.,
perial, flor dasmattas, primores a 4,000, s na Arara; rua da Imperatriz, loja e ar-
3,5oo, 3,2oo, 3,000, e 2,8oo, 2,5oo, mazem da Arara n. 56, de Lourenco Perei-
2,000 e 1,60o rs. a caixa. | ra Mendes Guimares.
Fugio no dia 4 do correntc mer o escravo
preto, Luii, que representa 30 e tantos annos de
dade, crioulo, baixo e cheio do corpo, ps largos,
andar vagroso, olhos vesgos e peuenos, caneca
chata, bocea saliente, eom falta de denles, costuna
embriagarse : quem o pegar, leve-o ao armazem
do caes do Ramos n. 6, que ser generosamente
gratificado.
50' de gratifica?o.
Quem popar a escrava Jacintha. crenla, de ida-
de 30 annos, receber a gratikacao cima; cuja
escrava tem urna marca de um talho na testa so-
bre o olhodireito, quandoanda puxa por nina per-
na, anda constantemente noenpi-nho Paulista aon-
de tem uns lilhos era Mara Farinha, na proprieda-
de do Dr. Serna Brandao, e no engenho Japomim
do Dr. Honorio : por isso pede-se encarecidamente
s autoridades o favor de a pegar e remette-la a
rua Nova n. 44, terceiroanaar, <|ue muito e agra-
dece; e auim #roteata-se aabre a fs*oa qne river
a dita escrava oceulta.
f

"
._^_
^TlLADi


8
Alario de Pernnmbtico Qnarta felra tt de Ontnbro de l&AS.
LITTERATORA.
vaclllaee.
Mea beta, svezesno Mr da maguas.
No 6 activo dos vaivens do mundo,
Alinlia alma deseetemerosa e fraca
L vae sumir-se no abysmar profundo I
E l perdidona letal descrenca
Deflnlto ao somno de infeliz lorpr :
De Deus, da patria, de meus paes queridos,
O santo vulto SO me traz horror !...
Dcpois l mesmono cruel jazigo
Vie vsilar-me tua imagem bella,
E, enlao, reclamo da esperanca os louros,
E o peitoa somma de effusoes.revella !
E, nesse vo, que seduz minha alma,
Ea sin lo enchr-me de valor sublime!
E um novo ser, multiplicado em forcas,
A idea santa de te amarme imprime I
Eofiaco artista, quesuecumbe s vezes
No desabrido social proscenio,
Gracns idea de gozar leus mimos,
Despena e- vivose transforma em genio I
T vos, ineu anjo, que prodigio immenso
Tea rosto imprime no destino meu t
Vs-me ncancavel na cuslosa arena?
Tudo c milagre desse rosto leu!
T vs mil bravos do saber na lula
Dando-me um spro da coragem sua ?
Vs-me da gloria conquistando as flores ?
Pois tudo obra da belleza la
Pota ludo obra do fulgor que accendes,
Tudo milagre deste santo amor t
Sem ti minha alma, suecumbindo sorte,
Nao despertara do cruel torpr !
flem baja o fado quefelizme acea !
Viva o impulso que me eleva aqu.
Nao pelo gozo que a vaidade inspira!
Mas como a nuvem que me cinge ti...
E, se em leu riso de amoroso affecto
Nao bebe effluvios meu porvir nascente,
Pergam louros que o amor despresa !
Desmaie a forca de meu peito ardente 1
Recife
Outubro : 18G3.
Clao GueiTciro de Castro.
0 que vae pelo mundo.
Nota de Mr. Drouyn de Lhnys ao embai-
xador da Franca em S. Petersburgo, para
ser presente ao governo russo :
faris, 3 de agosto de 4863.
t Sr. duque.Quando o governo do im-
perador de accordo com os gabinetes de
Londres e de Vienna, resolveu dirigir as
suas commnnicacoes de 10 de abril e 17 de
jotitio corte da Russia, era levado a isso
por consideracoes de interesse geral e de
bumanidade que expozemos com a maior
franqueza.
Tinha por fim levar aquella potencia a
procurar os rucios de reslabelecer a tranquil-
lidade sob bases duradouras, c evitar que se
repelissem desrdeos que nunca rebentaram
sem inquietarcm lodos os espiritos na Euro-
pa, e sem prem a paz em perigo. O go-
verno russo pareca a principio reconbecer a
legitimidade d?s nossas observaces. De
alguma maneira nos convidara a apresenlar-
llie as nossas ideas, e deviamos suppor que
eslava resolv'nlo a acceilar as deliberaeoes
que julgaramos conveniente adoptar.
Sendo esta situacio commum com as
cortes de Inglaterra e de Austria, combina-
mos de accordo as bases que podiam servir
de ponto de partida para as negociaces; e
O programma no qual concordamos, de ac-
cordo com os principios mais elementares de
equidade, um leslemunbo inequvoco de
moderacao.
Por isso acolhemos com sorpresa epezar
o laclo de ter o gabinete de S. Petrsburgo,
modificado a sua altitude anterior, declinan-
do fui nirimente as nossas propostas e subs-
tituindo-as por outras inadmissiveis
Efectivamente, qual a sua linguagem
as commnnicacoes pelas pelas quaes respon-
deu ao? passos dados simultneamente pelas
tres potencias?
u Na opinio do principe Gorlschakoff, o
estado da Polonia nao passa de ser a conse-
quencia de excitacoes viudas do exterior,
sem as quaes a agilaco teria cessado, grabas
a aeco das leis, perante a indiffercnca e .
repulso das massas. E' nicamente este
carcter revolucionario que d a questao um
interesse europu, e que conslitue o assump-
to da troca de ideas a que a Russia quiz pres-
ta r-se.
< O pabincte de S. Petrsburgo declara
que os seis pontos indicados, como contendo
o germen de resolucoes proprias para se pa-
cificar a Polonia, nada teem que se opponha
s intences ue S. M. o imperador Alexan-
dre para com os Polacos; porm exige antes
de as tomar em consideraco, que se resta-
belecam a crdem material e o respeito pela
auloridade. Urna suspensao de armas seria
impraticavel. A nica transaccao compati-
com a possivel exadid3o, Sr. duque, est
em completa desharmonia
mais positivos, e affasta-se
cmodo espirito dos tratados.
S. Exc. o principe Gorlschakoff faz enlre-
A questao polaca, na opinio do prin- ver a perspectiva depois da completa sub-
cipe Gorlschakoff nao europea senao pela
sua origem e pelas suas tendencias revolu-
cionarias, e os aconlecimcnlos actuaes sao
nicamente obra de urna demagogia cosmo-
polita.
t No nosso tempo temos vislo sociedades
agitadas por nimios movimentos diversos
para confundrem n'um mesmo nome os es-
forcos desesperados de um povo defendendo
a sua nacionalidade, e as aspiracSes desorde-
nadas de espiritos enfermos atacando as bases
da ordem social.
* As agilaces da Polonia s3o devidas a
causas que nada teem de facticio ou acciden-
tal. Sao o resultado de urna situacao que
data de mais de um seculo, e que mais do
que nenhuma outra conjunclura tem contri-
buido pa.. provocar e manter a revolucSo
na Europa.
f A revolta que presencearaos, annuncia-
missao dos revoltosos. Da ultima amnista
se pode inferir que influencia pode ter as
disposices dos Polacos urna simples pro-
messa de clemencia.
n3o se recusara
ment.
a associar-se ao seu pensa-
vel com a dignidade da corte da Russia i que, no silencio das armas; se fizessenv das deaordens actuaes, e coadjuvar a Rus-
com os sentimenlos da naco e do exercitoe combinacSos que as duas partes podessenisia, por um examo detido do estado da Po-
a submisso previa dos Polacos. O gover-acceilar, e que a suspensao provisoria das lonia, a fazer desapparecer a causa de com-
no russo n5o contesta s potencias que as- hostilidades precedesse urna pacificaco defi- plicac5es sempre renascentes. Deviamos
sgnaram o tratado de Vipnna o dreito de o nitiva. suppor que o governo russo, animado de
interprelarem segundo a sua convicio; po- O gabinete de S. Petersburgo rejeilaes- disposices conformes com as das potencias,
rm sobre essas clausulas disse-se j tudo
sem se obter resultado piatico ; e a ivunio
de urna conferencia ira muilo alm dos li-
mites dodireito de interpretarlo. A mar-
cha que se deve adoptar indicada pelo que
se faz as negociaces de Vienna. So foram
registrados na acia do congresso os princi-
pios geraes que inleressam a Europa.
Hoje nao enlram em discusso esses
principios; porm os pormenores admin-
Irativos e asoombnaces internas davamulil
materia para conferencias entre as tres cor-
tes que concluirn) os tratados separados, de
3 demaio de 1815.
A argumentaco que levamos indicada,
ta idea, em nome da naco e do exercito
russo; esl, porm, a dignidade de um
grande imperio inleressada na conlinuac5o
de um luta desegual? Tambem nao pensa-
vamos que fosse realmente impraticavel a
idea de um armisticio destinado a facilitar as
negociaces.
Os adversarios mais irreconciliaveis
da Russia nao ousariam recusar ou rom-
per cssa tregoa. No caso contrario a res-
ponsabilidade pesava sobre elles. Devena
fazer-se esta tentativa, e mesmo quando fi-
casse mallograda, nem por isso era menos
honrosa e til para quem a emprehen-
desse.
Nao teriams a mesma confianga no re-
com s fados' sultado de urna amnista sujeita as conve-
tanto da letlra nencas polticas do governo russo. e de que
t O gabinete de S. Petersburgo subsli-
tue tambem o assentimento que, as suas
precedentes declarares, pareca ter dado
reunio de urna conferencia das potencias
que assignaram as actas de Vienna, por urna
proposta de conferencia entre a Russia, a
Austria e a Prussia, sobre as questes de
administrado interna suscitadas pelo estado
de cousas na Polonia. Alm disto, as poten-
cias nao teriam senao um dreito de inter-
pretado, que nao poderia prejudcar o mo-
do de ver da Russia, e nenhuma utilidade
se poderia tirar de ama nova discusso so-
bre estipulaces tantas vezes debatidas, sem
que se conseguisse vir a um accordo.
Depois de Ihes dar esta esperanca, en-
tendeu dever rejeitar as suas propostas e
contestar a sua competencia. Reivindicando
a independencia absoluta das suas resolucoes
e o pleno exercicio da sua soberana, o gabi-
nete de S. Petersburgo d-nos a inteira li-
berdade do nosso juizo e da nossa conduc-
ta ; o que nao podemos deixar de regis-
trar.
Tem ainda o governo do imperador um
dever a cumprir : chamar seriamente a
altenco do principe Gorlschakoff para a
gravidade da situacao e para a responsabili-
dade que ella impe Russia.
A Franca, Austria e Graa-Rretanha fl-
zeram ver a urgencia de se p6r termo a um
estado de cousas deploravel e perigoso para
a Europa. Alm disso designaram os raeios
que Ihes pareca deverem ser empregados
para se obter esse fim, o offereceram a sua
coadjuvacao para com mais certeza se conse-
guir um resultado. Se a Russia n3o fez o
que est ao seu alcance para realsar as in-
tences moderadas e conciliadoras das tres
potencias, se nao entra no caminho que Ihe
foi indicado por conselhos amigaveis, torna-
se responsavel pelas graves consequencas
que pode trazer a prolongafo da revolta na
Polonia.
da por symptomas evdenteSrfo provocada jj* me ProPnho a*ora'Sr- du4ue' a
questao da Polonia, e sobre as clausulas do
nao poda deixar
consequencias.
A Polonia respondeu a ella appellando
n3o para as paixes revolucionaras, mas pa-
ra o que lia de mais elevado no coracSo dos
tratado de 9 de junho do mesmo anno, pelas
quaes o congresso entendeu dever regular
. | a sorte da riacho polaca. Junto a esta nota
d ri J?a J C P uma memoria que recorda os fados e pre-
e de religiao.
Nao ser um fado de noloriedade incon-
leslavel que toda a nacao polaca, cada indi-
viduo e cada classe, segundo seus mcios,
activamente ou passvamente, segundo o lo-
cal e as circunstancias, se tem dedicado
revoluco ?....
Que valem, em presenta de tal mani-
cisa o pensamento dos plenipotenciarios. Re-
porto-me a ella, e limilo-me a constatar aqu
os dados essenciaes que evidentemente se
deduzem delta.
c A assignatura de acta geral de Vienna
foi precedida, verdade, da conclusao de
tratados especiaes entre as tres potencias li-
mitrophes da Polonia ; porm esses trata-
festafo, as agilaces de alguns comicios de. dos haviam sido preparados por longas e
emigrados ? ... Por isso os gabinetes nao laboriosas negociaces, de que se n3o pode
se illudiram quanlo ao verdadeiro carcter
dessa revolta, e lizeram ver a corte da Rus-
sia o alcance dclla. as cmaras francezas,
no parlamento da Inglaterra, no conselho ge-
ral do imperio, em Austria, a opiniao das
tres naces fez-se senlir pelos seus orgos
mais acreditados, a fim de que os governos
persistissem no caminho que haviam to-
mado.
Na Europa, em toda a parte, onde exis-
desconhecer o carcter verdaderamente eu-
ropu. Alm disto, o congresso nao estabe-
leceu uma distinecao 13o absoluta, como o
suppe o gabinete de S. Petersburgo, entre
as estipulaces geraes e as disposices par-
ticulares. Se urnas sao introduzidas textual-
mente na acta final, outras esto expresa-
mente annexas a ella. De resto, a miss3o
das potencias n3o rever os pormenores dos
regulamentos de administraces e p-los em
t Dignae-vos, Sr. duque, 1er esta nota ao
principe Gorlschakoff e deixar-lhe copia del-
la, bem como do documento official que vae
junto.
tem corpos deliberantes, foi parlilhada esta harmona com os progressos da poca. Os
opinio. Independentemente dos poderes' propros principios geraes est3o em discus-
constitucionaes, em toda a parte demontra-' s3o, e o fim dos gabinetes dar a paz
ces lvres e espontaneas teem feito ver a' Polonia, ou determinando a applicac3o que
vivacidade das impresses publicas, cuja'comportam as estipulaces de Vieuna, ou
unanimidade a imprensa todos os diascons- suggerndo as modificaces que ellas podem
tala. Tendo de guardar pelo, sentmento soffrer, afim de melhor satisfazeVem^as ne-
da sua responsabilidade, maor reserva e cir- cessidades do futuro. As potencias que -as-
cumspecco, quasi lodosos gabinetes, desde sgnaram as actas do congresso sao, pois,
a corte de Moma al Porta Ottomana, des- competentes para deliberaren de accordo
de Slokolmo at Lisboa, consignaram em! com a Russia sopre as questes de dreito
notas, de que o gabinete russo leve conheci-'publico e de interesse geral, que a insur-
mento, a express3o de opines conformes'reico polaca pe de alguma maneira na
com aquellas de que as tres corles mais ordem do da.
particularmente se inslituiram interpretes A corte da Austria, que o governo rus-
junto delle. Os governos, longe de prece- so convidava para concorrer a esta negocia-
derem a opinio, seguram-a moderando-a. cao separada, de que seriamos excluidos,
Foi o que fez, no que Ihe respeita, o gover- bem como o governo de sua magestade bri-
no do imperador; e, cumprindo este dever tannica, a Hespanha, Portugal e a Sueca ;
nao hesita em affirmar que seria obstinar-se a corte da Austria foi a primeira a reconhe-
em uma illuso fatal o continuar a explicar, cer que uma tal proposta nao poda ser aco-
por causas que esto lo pouco emharmo- Ihida, e repelliu-a sem hesitar, comocontra-
nia com o testemunho da historia e com os ria sua aignidade.
factos contemporneos as temiveis convul- Pela sua parte, o governo do impera-
ses que ensanguemtam a Polonia. dor, sr. duque, n3o pode acceder nem
O gabinete de S. Petersburgo est re- combnaco apresentada pelo gabinete de S.
solvido, diz elle, a tomar em consideraco Petersburgo, nem s consideracoes expostas
os seis pontos que Ihe foram recommendados em abono da ola do principe Gorlschakoff.
como base das deliberaeoes, porm sob con-1 Temos a convicc3o de que, persistindo
dc3o de que a revolta seja previamente re- na poltica que adoptou, afasla-se tanto dos
primida. Cromos, pelo contrario, Sr. du- conselhos de uma saba poltica, como das
que, que o meio mais seguro para acalmar estipulaces dos tratados. N3o tendo, po-
os espiritos ser a applicaco e desenvolv- rm, conseguido fazer-lhe partilhar a con-
mento immedato de um vaslo systema de vieco de que estamos compenetrados, res-
concesses verdadeiramento proprias para ta-nos agora registrar a inulilidade dos nos-
sedar salisfacoaosenlimento nacional. Con- sos esforcos. Nao dependa das potencias
flictos que se repetem lodo* os das, e nos que a soluco da questao polaca, to intima-
quaes tanto sangue tem sido j derramado, mente ligada tranquillidade da Europa,
nao podem, perpetuando-se, deixar de tor- fosse j discutida com a reflexo e serieda-
nar os resentmentos mais implacaveis, des- de necessarias. Sem ideas de ambico par-
truindo todos os meos de conciliac3o. I ticular, sem paixo, como sem opiniao tnte-
Profundamente commovidas com este cipada, eram ellas dirigidas nicamente pe-
especlaculo, as tres cortes se lisongeavam de lo desejo de contrbuc3o para a pacificaco
FOLHETIM.
A CONDESSA DIANA
POR
MR. MARIO UCH1RD.
O suflrHgio universal.
(Conclusao.)
Haver quem deseje moslrar-se hostil
esta nova aristocracia dos campos ? Nao de
certo: a egualdade para ser completa e sin-
cera, nao deve arrastar nenhuma excluso
pronunciada em nome de rivalidades anti-
gs que n3o exislem mais.
Mais felizes do que em 89, temos visto
riscarem-se todos esses antagonismos de clas-
ses que envenenaram e perderam lanas cou-
sas, mas que desappareceram diante de no-
vas necessidades e dos perigos communs;
hoje o campo franco para tudo quanto sou-
be elevar-se ou conservar a estima e a con-
sideraco.
O favor do dia nao ainda para aquello
que um contemporneo espirituosamente
chamou c hornera obstculo > ; eomtodo um
pouco de independencia anda aprazao nosso
paiz.
Todos os homens podem ser independen-
tes, uns apezar da sua pobreza, outros ape-
zar da sua riqueza aroeacada; mas as virtu-
des mediocres teem precisao de apoiar-se
em certas condices materiaes e moraes de
uma existencia independente.
Talvez convenha tambem lamentar que os
representantes da gloria intelledual da nos-
sa trra estejam como aniquilados e perdidos
na multido. Nao queremos na verdade ser
exclusivamente governados pela litteratura
e sciencia, mas nao quereriamos ainda me-
nos ser governados sem ellas em nome da-
quelles que n3o sabem lr. A omnipoten-
cia eleitoral do numero uma garanta suf-
ficiente contra a influencia dos homens que
s teem por fortuna o talento, e que estao
certos de nao ser esbulhados delle.
Desejar-se-hia censura-Ios por se opp-
rem tendencia das sociedades modernas
para a mediocridade collediva ? Como mui-
to bem disse Mr. Mili nao poderemos con-
seguir uma democracia hbil, se a demo-
cracia n3oconsente em que a tarefa que pe-
de da habilidade seja feta por aquelles que
possuem-na.
A' esta sabia reffexo poder-se-hia accres-
centar que a diffuso de luzes sas, de uma
instrueco moral, econmica, religiosa e
histrica, tanto mais necessaria quanto a
poltica de um paiz imperfeita.
Que se nos permita repetir em conclu-
sao, em quanlo acerca de voto universal,
Mr. Mili percorre o vasto campo dalheoria,
nos nos debatemos as necessidades da pra-
tica: diante de cada um de nossos esforcos
erge-se uma nova complicaran; mas, nesla
luta por um progresso prudente e rasoavel,
natural que nos appliquemos ao esludo de
um livro notavel sobre o governo represen-
tativo, de que se pode tirar esta regra ge-
ral ; preciso antes de tudo fugir do cullo
iheocratico da mullido cudeusada, cojo
despotismo lo assustador como outro qual-
quer.
contra semelhante perigo qae se fez
urna especie de protesto no movimenlo elei-
toral de que o nosso paiz acaba de ser o
iheatro. Certas pcssas pretendam que as
massas immoveis e ligadas as desprezo de
censura e de liberdades polticas, deteriam
por toda a parle o arrojo daquelles a quem
nao contentasse o nvellamento sob a aulori-
de; o voto universal n3o Ihes responde,
mas, como o philosopho grgo diante do so-
phisla, levanta-se e camnha. Nao se pode
de certo dizer que as cousas tenham muda-
do de face, mas fcil de ver que tomaram
uma cor differente.
O brilhante xito de alguns no ultimo es-
crutinio e a derrola honrosa de outros mui-
tos mostram que uma nova ordem de ideas
nasceu no paiz. A queslo suscitada nao ,
embora o digam, uma questao de partido.
Posto que se tenha procurado dar um carc-
ter de luta pessoal e directa ao mov ment
discreto que em principio nada mais era do
que o resultado de um legtimo espirito de
exame, ninguem ainda cuidou em gritar
nem viva o rei, nem viva a faeco; ideas mais
geraes teem trazido um comco de reacc3o
que interessa propria sakieao dos dem-
cratas ; porque a inversao indouta da de-
mocracia por todo o principio e elemento
de organisacao social, que nao seja ella pro-
pria, poderia tambem Ihes ser funesta.
(11)
Emfim, como possivel prova-lo pelo exa-
me dos algarismos e das classificaces que
veem em apoio deste estudo, o grande nu-
mero e os abundantes bala Hies, aos quaes a
Providencia se mostra frequentemente favo-
ravel, eslo do lado das classes medias, que
tambem podem de hoje em diante revend-
car como complemento legtimo a seu poder,
os grandes talentos, as altas posices e as
grandes fortunas, que nella entram ou della
sahem, assm como essa parte sedentaria do
pauperismo, que estabelece-se e eleva-se
pelo trabalho, economa, ordem e proprie-
dade.
Todo o movimento do mundo moderno
neste sentido; nao convm deixa-lo desviar-
se da sua tendencia, nem consentir que cha-
madas inconsideradas egualdade absoluta
criem um perpetuo obstculo liberdade sa-
bia e regrada.
Que os syslemas representativos nao se-
jam uma chimra, ou que as eleicoes e poder
legislativo sejam simplesmente o resultado
de uma operaco de arithmetica, basta cal-
cular para conhecer aquelles que devemser,
nao os senhores, mas a forca vital do paiz.
Se se deve tremer diante de certas phantas-
mas de desordem possivel muito exageradas
e frequentemente invocadas, a abdicaco se-
xennal do paiz as m3os de um nico pelo
voto universal o mais seguro abrigo contra
eventualidades funestas?
NSo s3o sempre mencionados Tito e Mar-
co Aurelio, e este ultimo n3o assignou, pos-
to que com pesar, diz-se, edictos de perse-
guico contra os christos? Quem nao deso-
jara encontrar o bom despota do qual Mr.
Mili faz um gracioso retrato? Conforme o
sabio publicista, seriamos cortamente felizes
de l-lo por amigo, mas nao de conliar-lhe
um poder sem limites.
Temos um outro -sonho que n3o o de
uma monarcha absoluta temperada pela re-
voluco, esta fada irnica e poderosa que
nos vende algumas vejes to caro o que se
er que nos d, e se possivel desejar-se ou-
tra cousa que nao seja um estado de inter-
mitencia em que n3o se carecera do ocio e
do abandono geral sob um despotismo con-
fortavel s agitaces vilenlas de uma liber-
dade despertada de improviso : oscillaco
peridica que, pelo movimento apressado da
pndula dos nossos deslinos, nos presagiara
um episodio de licenca temivel, se a astro-
logia revoluccionaria podesse estabelecer os
seus clculos sobre a experiencia do pas-
sado.
i
Recebi uma carta de sua prima lady Claren-
cey, continuou ella vendo que eu nao responda,
na qual me diz que espera v-lo em Clarencey-
Castle antes de voltar Londres... Enlao, Andr,
acrescenton rindo-se do meu ar espantado, est
mudo ?
Em nos mesmos esl a verdadeira salva-
guarda contra a desordem; ninguem pode
lutar utilmente por nos sem que tambem
nao hitemos. as difficuldades inevitaveis
da vida poltica, a victoria nao pertence -
quelles que, retirando-se para longe do thea-
tro da luta, s querem combater por pro-
curaco.
Se ainda nao se achou o justo limite en-
tre o direito de resistencia e o direito de re-
volta, cumpre-nos presentemente procra-
lo. A energa e o espirito poltico do um
povo podem apparecer atravs de todas as
inslituices, sem ir ncessantemente buscar
syslemas mais ou menos engenhosos, porque
tanto valem os homens, quanto valem as Ins-
lituices.
Sob os diversos uniformes e sob as diffe-
rentes bandeiras que adoptou o nosso paiz
as variadas phases da sua historia, sob a
(H) Guizot, a Geraco de 1789, Revista
de 15 de fevereiro ultimo.
armadura feudal de cavalleiro, como seb a
tnica de simples pe3o, os nossos soldados
sempre mostraramas mesraas virtudes guer-
reras. Sob todas as formas de governo, p-
de-se egualmente desenvolver as mesmas
fraquezas ou as mesmas virtudes polticas e -
civis.
Um novo lucro comeca com a nova legis-
latura, os espiritos despertaram, at mes-
mo derramou-se no ar uma especie de per-
fume de opposico. Temos seis annospara
preparar um novo progresso e para iraba-
Ihar na elevaco de duas grandes cousas que
n3o seriam inconciliaveis em paiz christo,
isto ,o principatum ac libertatem de Tcito'
Em seis annos, os mestres da nossa primei-
ra juventude teroenvelhecido, estes ao lado
dos quaes combateram os nossos paes e os
nossos irmos primognitos sero menos
proprios para a luta aclva; e apenas pode-
r3o dar-nos sabios conselhos; lero herdei-
ros ou successores ? A sua heranca ser
dfficil de soffrer ; mas evidentemente a
lica est mea aberta, e preciso concorrer,
senao para o triumpho, ao menos para ter
parte na aeco. Em seis annos, ter soado
para muitos a hora da madurez ; d'aqui at
l, laboremus, o que qur dizer sopamos
assim como que trabalhemos. Este duplo
sentido nos conven: talvez que o futuro
esteja em nossas m3os, deixa-lo-hemos es-
capar ?
Entre as aternatvas de desordem e de
auloridade extremas, a Franca frequente-
menle confiou a sua sorte aquelles que n3o
trabalhavam pela liberdade; n3o poderia
moslrar-se hoje mais perspicaz e mais df-
ficil ? Desde que todo o mundo repre-
sentado, a pratica do governo representati-
vs para sempre impossivel ? Muitos ho-
mens affirmam que com a democracia nao
seria possivel fa/er um todo da ordem e da
liberdade, e que se cumpre ter uma con-
fianca Ilimitada na liberdade, que nos vera
de Deus, s se deve concede'1' ama conti-
anca restrngeme aos lberae e nem sem-
pre sao inspirados do c ..oro effeito,
quaudo se calculara as desgranas e as per-
'urbaces que temos atravessado, ou que
nos ameacam em nome da liberdade, por
fim de coatas to a miudo confiscada, quem
pode ser pacficamente liberal ? mas quem
pode nao o ser quando se considera quies
sejam as consequencias funestas e inevita-
veis de lodo o de-polismo prolongado ?
Anda quando os tmidos se animem, o tem-
po nos incita, o voto universal tem mar-
chado ; quem querer ficar sozinho atraz ?
Para quaesquer paragens a que nos conduza
o baixel da patria, por meio de votaco,
iremos bem ; tanto mais longe estamos do
porto, quanto mais precisamos dos esfor-
cos de todos para desempenhar o dfficil
papel de habis no justo e de bem succe-
ddos no honesto. Por conseguinte nesle
arduo caminho que devemos asnear mais
ou menos para guardar o nosso lugar en-
tre as naces, e qur se faca, qur se aban-
done o seu officio de homem lvre. deve-se
reconbecer que o paiz comeca a desojar uma
participacao mais activa e uma censura
mais effediva nos seus negocios, e ser per-
mittdo suppor que o periodo que vem de
comecar nao lindar sem que a verdadeira
democracia, que comprehende o mundo
todo, apoiada as partes perfedives da cons-
tituico actual, reclame as suas inmunida-
des e os seus dretos de bur"uezia.
Eu tinha uma madrinha e um tutor ; o destino
se encarregou de uni-los.
Nao te ras, meu charo Wilhelm, se dou com-
co a estas memorias, que para ti escrevo, como se
fosse contar a historia do Passaro azul.
A minha historia muito real, como vas ver.
O meu tutor era velho, intratavel e feroz: a mi-
nha madrinha era joven, aflavel e bella. Um fal-
cao cruelmente agarrado a uma pombinha. Feliz-
mente a pombinha era altanada, o que fazia com
que intimidasse um pouco o falcao, que nao ousa-
va alTi "ina-la abertamenle.
Viva eu em rompanhia de ambos no sombro
castello de Ardennes, antipa habitacao feudal si-
tuada n'iiin rochedo, e hbilmente restaurada;
agreste e florida ao mesmo lempo : uma especie
de aliutre n'uma moita de myrlos.
Um dia em que eu e minha madrinha passeia-
vamos cavallo ao lado um do outro, e pensativos,
sombra dos carvalhos das minhas florestas, ella
roe disse :
Andr, vae correndo o mez de junho, e voc
tem j vinte annos : chegado o momento, meu
ilho de cuidar da sua viagem para a Inglaterra.
J eu nem pensava em semelhante cousa ; to-
das as minhas ideas eram de liberdade : os perfu-
mes da tnanha, o compacto da fomagem onde tre-
miam as gotas de orvalho, os gritos dos passari-
nhos espantados nos seus ramos, o mysterio, o si-
lencio, que sei eu ? talvez os meus vinte annos
que alegres pulavam-me no coraeao, ou a belleza
de minha madrinha que irradiav no meio de to-
da essa primavera encheram a minha alma de
um recoihimento voluptuoso e puro...
Nem eu j pensava em semelhante cousa!
O mundo ?... A vida?... Conheco tudo
isto pela pon ta do dedo.
Bem sei, Sr. barao d'Orbach, quo V. S. 6 phi-
losopho, c pode concorrer a uma cadeira com os
seus diplomas na algibeira. Mas lembre-se de me
haver dito outro da que Carlos V afllrmava que
1 por cada lingua, que o homem aprende, augmenta
Na verdade eu nao sabia o que dissesse. A idea J0 seu valor a sua inte||pencia e vontade, um
dessa viagem, decedida desde muito tempo, sor- novo homum uma nova intelligencia e vontade. O
prendeu-me em tal quielacao de espirito, tao cheia de imperaaor devra acrescentar que todo
de doces encantos, que sent um grande aperto de J^,, que' visita uma oulra ^^ onde ^^ co_
coraeao. her o bem, redobra a sua vrtude cvica.
7\ST u ?e -e de,xa-1,a.- m,1nna madrinha.' I Devo confessar para minha vergonha, que ouva
exclamei. Hei de ir para lao longe... e sozi- as pa|avras dc minHha madrinha> *as n0H]ne pres-
nn.nm m; :.j;i.n i__..--- _,. tava attencao. Os nossos cavallos iam a passo :
nA^^^^I^?^-P*, admiravao balanco harmonioso do seu talhe fle-
VcomebsaambosCrrr "^ U Um'd I el- as 5? d SeU C" VE"e de r"
E havade nue rir tenho cinco um e nnatrn ***> 1ao ,razia-me ao pensamento o lindo verso em
pofegadas depura big^eslonros otm'esS?' K WSEE? 22? l *oh os
eum arzinho de mata-mouros, do qual minnl m *ef ^na 'Es dffiS.^ fl,h ""^
drinha procurava corrigir-me.
Haviam apenas seis mezes que sahira da Uni-
versidade de Heidelberg, onde desde a edade de
quinze annos viv sem mentor na qualidade de es-
tudante, e dos mais boheosos, como bem o attes-
tava uma grande cicatriz proveniente do meu quin-
to duello, que me ohrigou a deixar a cidade, c vol-
tar casa do meu tutor em lastimoso estado.
Nao tenha medo, proseguiu minha madri-
nha. Na Inglaterra nao ha lobos, nem papo I
E' verdade ; mas ha almas do outro mundo I
E rimo-nos com mais vontade ainda.
Depois que demos expansao nossa hlaridade,
minha madrinha tornou ao seu thema. Nao sei .
que terror se apederava de mim. Emquanto ella guidos a ponto de tentar um anjo decahido, final-
naufragado as praias de Cartlago :
Dixit et avertens rosea cervice refulsit.
Entretanto nao a loura imagem de Chypre se-
melhanto condessa Diana : porm esta nao Ihe
lica abaixo em belleza, e quem o duvidar v a
Florenca ver o seu retrato no palacio Pitti, onde a
guia ou kalendario appellida, nao sei porque, a Ju-
diili d'Allori.
Essa Judith a propria condessa com todos os
seus encantos, com a sua graca aflavel e severa ao
mesmo tempo. E' a mesma fronte suave coroada
de abundantes cabellos pretos, os mesmos olhos
scintillantes e hmidos, sombreados de longos su-
perrillos que cobren) as palpebras, e os tornam lan-
Nada, senao que estarc bem longe... e bem
s I
Ao suspiro que me escapou repetindo estas pa-
lavras, ella voltou-se, e sorprendendo os meus olhos
lixos no seu seio, e o xtasis em que me achava,
corou, e disse um pouco confusa.
Vmc. bem curioso e impertinente, Sr. meu
alunado.
Aposto em como est reparando na ligeireza do
meu trajar I
Oh 1 pelo contrario ; acho at muito adora-
vel essa ligeira desordem.
Cuidado I disse ella me ameacando a sorrir-
se com o seu chicotinho.
E ambos comecamos a galopar ; minha ma-
grandes papoulas vermelhas. Amo-a, porque mur-
mura s vezes aos meus ouvidos a cancao da es-
peranca, bonita cancao que te nao repito, porque
escripia na linguagem do cu... Eu a comprchen-
do.... mas nao espero I
Assim, pois, meu amigo, recebers todos os dias,
como hoje, algumas linhas escriptas por mim,
verdadeiros franmenlos do meu coraeao.... Rio-me
desde j da decepcao do Dr. Schultz quando se
aperceber de que o logro I... Mas estou fatigado :
amanha continuarei o meu romance.
II
Prosigamos na minha narracao, Wilhelm. Deves
lembrar-te de que a interrompi hontem no mo-
drinha assumindo'um ar italiano, e eu perdido no' ment em que, percorrendo a floresta, Diana dei-
meode doces pensamentos renascidos nessa belia xara-me ficar bastante commovido fallando na mi-
manha de junho. nha viagem.
Quando sahimos do bosque, conheci quo ama- Galopavamos, animados pela carreira, e eu nem
va tanto a condessa Diana, minha madrinha, que pensava em discutir o sentmento que me domina-
impossivel era separar-me della. va. Era tao feliz, tao altjvo com o meu amor !
Minha querida madrinha, repliquei eu final-
mente, estou prompto a obedecer-lhe : mas mi nha
prima Clarencey me esperar pelo menos um
mez.
Oh tambem nao ha tanta pressa, respondeu
ella. Demais a nossa solido Ihe ha de despertar o
desejo dc viajar.
('.llegando a um pequeo prado pouca distan-
cia do castello, no qual se deposita toda a madeira
que se tira para ronstrucedes, encontramo-nos
fllava, eu a encarava silencioso, perturbado, e
sentia-me verdaderamente espantado idea de ir
para tao longe e *.
Com effeito tornei-me tmido : parecia-me que
os limites do universo luminoso confinavam no ho-
risonte, at onde a vista podia alcancar; e que
alm s haviam trevas.
- Pense bem, meu rapaz, no rico patrimonio
que Ihe ser entregue na sua maioridado, e que
Ihe impe graves deveres. Voc deve conhecer o
que a vida e o mundo para cercar de beneficios
| a felicidade que a sorte Ihe permitte.
mente a mesma tez fresca e alva como ama ptala
de camelia branca.
E quando caminhava ? Pareca uma deusa er-
rante em sagrados bosques.
Era mais velha do que eu justamente tres estos,
e quando perd minha me na edade de troze an-
nos, acabava ella de despozar o tutor, que tornou
conta de mim ; e o seu doce sorriso quasi que con-
solou a minha dorida juventude.
O que diz, pois da minha argumenlacao ?
Digo que de urna sabedoria profunda,
I E o qtre concliw ?
Ah t meu charo Wilhelm, ha um anno que me
acho encerrado n'uma casa de doudos do Dr.
Schultz em Carlsruhe I... Espero sempre... e ella
sem vir !... Esqueceu-me talvez I... Nao, nao me
esqueceu ; morreu como eu, e nao m'o querem
dizer, com medo de que corra ao seu encontr.
Como vs, meu amigo, sigo o conselho que me
deste : distraio-me, procuro abreviar as longas ho-
ras de captivero cscrevendo-te o romance da mi-
nha vida.
a minha alma que te envi : pobre alma quo
j nao pode ser til um corpo escravo e desa-
lentado I
Entretanto, confesso-te, este cadver palpita ain-
da ao descrever os dous annos que se passaram
depois que te deixe I Acho um prazer amargo em
resuscitar as minhas mesquinhas alegras que ia-
zem sepultadas I Sobre o raminho d'ouro das do-
ces recordacoes ellas se erguem, e volteiam em
torno de mim, paludas como um coraeao de wil-
lis brincando uma restia da la no centro das
tuas florestas germnicas. Vejo-as atravs das
minhas palpebras semi-fechadas, suspendo a res-
piraeoeom medo de espanta-las.
D'entre ellas ha uma que mais mo attrahe :
traz urna cor de centaureas entrelacadas de
0 ,
com o conde Hugues de Maufert, meu tutor e pri-
mo, que assista aos trabalhos em companhia da
seu intendente.
O conde era um dos legtimos herdeiros desses
antigos Gaulezes, quem os soldados de Cesar
contemplavam com terror. Tinha quasi seis ps
Quem Ihe deu permisso para montar em
Ralph, r. Andr ?
Tenho acaso necessidade da sua permisso,
senhor, para montar em um cavallo que me per-
tence ?
Oh 1 pode quebrar o pesco? quando andar
ssinho : mas j Ihe prohib uma vez por todas o
servir-se deste animal, quando sahisse em compa-
nhia de minha mulher.
Senhor, disse minha madrinha, fui eu qnem
Ihe pediu...
Minha querida Diana, interrompeu elle, nao
posso admittir que um pedido, mesmo da sua parte,
autorise seu afilhado a transgredir as minhas or-
dens. Oh l, Tony t accrescentou bradando um
dos gromms que nos seguiam. Toma sentido no
que vou dizer. Se deixares outra vez o Sr. barao
laucar mao deste cavallo sem minha ordem, has
de te haver comigo I
Parece-me que o senhor esquece, repliquei
eu corajosamente, quo me acho em edade de obrar
como bem me aprouver. .
^ndr I... exclamou minha madrinha ases-
tada com a minha audacia.
O que diz elle ? replicn o conde dando um
*% PpormmuraSenei reso.utaroen.e o seu olhar. e
reS;S queSstou disposto a reeo-
nhecor a tutella dos seus lacaios de estribara, o
ue nassarei o chicote no seu Tony se elleliver o
desaforo de qnerer impedir-mc que lance nwo dos
cavallos que sao meus, e que custaram o meu di-
" ste rapaz est louco f exclamou meu tutor.
A estas palavras empalledici : um estremei-
mento espantoso percorreu-meo corpo todo,
de altura, o rosto severo e carregado," a barba ccr-l Oh! le^, calase iconde I isso minha
rada cabellos densos e embraV.uecendo, ainda madnnha^m ^to^upphcanto.
que tivesso eincoenta e cinco annos. Era um pou
co corcovado como todos os homens de estatura
agigantada. Grcas sua forca atletica tornra-se
tao famoso quao temido no paiz.
Em p beira do caminho, o conde esperou que
nos chegassemos. Supendeu um pouco o seu
chapu para comprimentar a miaa madrinha e
dirgindo-se mim, disse com ura tom de vo que
me (ez gelapo. sangue ;
- Por Deus," minha querida respondeu ello
brutamente. J quanto basta para toma-lo por
um louco.
(ConttMar-se-kaJ.
\
\
A' uma tal reclamaco anda n3o formu-
lada sinceramente pelo voto universal, qual
a resposta que o futuro nos reserva ?
Ninguem pode preve-la : mas parece que
graves premissas foram establecidas, assm
como que comecamos uma nova pagina da
historia contempornea, e seria pouco,
exemplode M. Mili, todo o esforco em es
clarecer as vias ainda incgnitas pelas quaes
avancam as massas eleitoraes do paiz, que
procuram ejercer sua parte de influencia
sobre o movimento legal da vida civil e po-
ltica.
Duque D'ayen.
(Revista dos dous mundos. Tiad. por A, de
Mendonca.)
\
\
PERNAMBVCO- TTP. E M. F. F. & FILHO-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E3TSA37BC_Z1OIM4 INGEST_TIME 2013-08-28T03:13:09Z PACKAGE AA00011611_10221
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES