Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10218


This item is only available as the following downloads:


Full Text


AMO XXXIXJMRO 238.
Por tres mezes diantados -58000
Por tres mezes vencidos ... 6$09
SAMADO 17 DE ODTTORO DE 1863.
Por anno adiantado. 19(000
Porte para o subscriptas 3JJ00G
DIARIO DE PERNAMBUCO
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alejandrino de Lima'
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva Aracaty, o
Sr.A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
niazonas, o Sr. Jerenvroo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRTPCAO NO SL
Alagas, o Sr. Claudino Faleo Dias; Rahia, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins A Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e|
sextas-feiras.
EPIIEMERTOES DO MEZ DE OUTUBRO.
4 Quarto miug. as 3 h., 36 m. e 8 s. da m.
Santo Ant3o;"Gravat, Becerros, Bonito, Caruara',1 h?Z WJ V \? \
Altinho e Garanhuns as tercas feiras. pnart cresc- 4 K 40 m. e 32 s. da t.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira, 26 La enera as h., 30 m. e 20 s. da t.
Ingazeira, Flores, Villa Bella.Tacaratu', Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas feiras.
Sennhaem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
Ilha de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao l/2 dia.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 6 horas e 6 minutos da manhaa.
Segunda as 6 horas e 30 minutos da tarde.
PARTIDA" DOS VAPORES COSTBIROS.
Para o sul al Alagoas a 5 e 25; para o norte at
a Granja 7et2 decada mez; paraPernando nos
dias t4 dos mezes de jan. marr., maio, jal, set enov.
PARTIDA DOS MNIBUS
Para o Recito: do Apipucos s 6 y^T, 7 '/, 8 e
8 1/2 da m.; d Olinda s 8 da m. e 6 da tarde ; de
Jaboatao s 6A dam.; do Caxang e Varzea s 7
da m.: de Beonea s 8 da m.
Do.Recife: para o Apipucos s 3 '/ 4-, 4-A, 4 >/2,
5, 5 'Ai Vj e 6 da tarde; para Olinda s 7 da
manhaa e 4 /, da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
de ; para Cachang e Vanea s 4 >/> da tarde; para
Bonifica s 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TWBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal docommercio: segundas e quintas.
Relacao: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quinte s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s M horas.
Dito de orphaos: tercas o sextas s 10-horas.
Primeira vara do civel : tercas e sextas ao mioj
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DIAS DA SEMANA.
12. Segunda. Ss. CyprianoeWalfrido bb. mm.
13. Terca. S. Eduardo; S. Daniel m.
14. Quarta. S. Calisto p. m,; & Gaudencio b. m.
15. Quinta.. S. Thereza de Jess v. c.
16. Sexta. Ss. Martiniano, Elisio e Saturrane irs.
17. Sabbado. S. Florentino b.-, S. Mariano m.
18. Domingo. S. Lucas Evangelista; S. Trifona m.
ASSIGNA-SE
no Becife, em a livrara da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietarios aanoel Figueiroa do
Fara & Fho.
PARTE QFFICIAL.
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 1 i de outubro de 1863.
que se acha em concurso pelo edital que veto jun-
to ao offlcio de Vmc, n. 23, de 29 de selembro
prximo Ando, e no caso de j ter sido prvido qual
a razio da vaga, aim de declarar-se essas circums-
tancia no edital, como determina o aviso circular
de 25 d outubro de 1861, do qual se remetteu co-
pia esse juizo em circular de 28 de novembro,
do mesmo anno.
Convm que Vmc. informe igualmente se appa-
receram concurrentes ao offlcio de escrivo priva-
Offlcio ao Exm. presidente do Rio de Janeiro.
Com o offlcio de V. S., do Io do corrente, recebi
um excmplar do relaturio com que V. Exc. abri a tivo do jury e execucoes do termo de Santo Anto,
sessao da assembla legislativa dessa provincia no que pelo edital junto ao seu offlcio de 12 de agosto
corrente anno. do anno passado, foi posto em concurso mandando
Dito ao presidente da Parahiba. Tendo de se- abrir novo, em caso negativo com a declarago
re remettidos para essa provincia no prximo va- cima indicada.
por da companhia Pernambucana de navegacao Dito ao juiz municipal de Cimbres.Nao tendo
costeira, os artigos destarados ao corpo de guarn- apparecido'concurrentes ao lugar de depositario
cao e fortaleza do Cabedello, constantes da relacao
junta por copia : assim o communico V. Exc.
para seu conhecimento.
Dito ao rommandante das armas.Transmiti
V. Exc. 13 procesaos do conselho de guerra das
pragas mencionadas na inclusa relacao, alltn de
que sejam cumpridas as sentengas proferidas pelo
conselho supremo militar de justica em ditos pro-
cesaos.
Dito ao nusmo.Pode V. Exc. mandar dar bai-
xa do servico ao cabo de esquadra do corpo de
sjuarnico, Luiz Gonzaga do Reg, aceitando em
en lugar o paisano Salvador Jos de Lima, visto
estar as coodigoes do regulamento de 29 de setem-
gernl dcsse termo, como consta de seu offlcio de
21 do mez passado, mande Vmc. abrir novo con-
curso e remetta a copia do edital para ser aqu
reproduzido.
Dito cmara municipal da Victoria.Declaro
cmara municipal da cidade da Victoria, em
resposta ao seu offlcio de 7 do corrente, que nesta
data providencio, afini de que o commandante do
destacamento ah existente preste ao fiscal dessa
freguezia, quando por elle fr requisitada urna
praca para o acompanhar as corridas que fizer
nos dias de feira.Offlciou-se ao commandante do
destacamento da cidade da Victoria.
Dito aos agentes da companhia Brasilcira.Po
bro de 1859, como consta da informacao de V. Ex. dem Vmcs. fazer seguir para os portos do norte o
sob n. 1905, de 13 do corrente. I vapor Princeza de joinville, amanha hora indi-
Dito ao m.ismo.Transmiti V. Exc, para ter cada em seu offlcio de hoje.
o destino conveniente a inclusa cerlido de assen- Portara.O presidente da provincia annuindo
(amento do capitao Pedro Alfonso Ferreira, que por ao que solicitou o inspector da thesouraria de fa-
decreto de 8 de jnlho deste anno foi transferido do zenda, em offlcio de boje sob n. 784, resolve dcsifr-
decirao batalho de iafaotaria para o nono da mes- nar os professores padre Vicente Ferreira de Si-
ma arma. queira Varejao, Antonio Egydio da Silva, e Dr.
Dito ao mesmo.Para cumprimento do disposto Antonio Witruvio Pinto Bandeira Accioli de Vas-
co aviso da reparticao da guerra de 23 de setem- concellos, para examinarem no concurso, a que se
bro ultimo, faz-se necessario que V. Exc. me en- tem de proceder na thesouraria de fazenda no dia
vie um novo titulo de voluntario do soldado Jos 19 do.corrente mez, para preenchimento dos lupa-
Bernardo Ribeiro de Lima, que pertenceu ao nono res vagos de pratiranes da alfandega e recebedo-
fcatalhao de infamara, devendo acompanhar aquel- ria de rendas internas, sendo o Io em grammatica
le documento urna certidao dos assentamentos da lingua nacional, o 2* em arithmetica e suas ap-
existontes no predito batalho relativamente a essa plicaces ao commercio, com especialidade a re-
praca : o que declaro V. Exc. para ter execu- duecao de moodas, iwsos e medidas, e o 3o em cal-
cao. I culos de descontos, juros simples e compostes, theo-
Dito ao mesmo.Remello V. Exc. para terem ria de cambios e as stras applicacSes.Communi-
o conveniente destino as relagocs de alteragoes de cou-se ao inspector da thesouraria de fazenda e ao"
que trata a nota por copia inclusa, occorridas com director geral da instruegao publica.
os militares da guarnigo desta provincia que se Expediente do secretario do governo.
Pela secretaria do governo se devolve ao Sr.
Ernesto Botelho de Andradc a inclusa carta pre-
achain fra dalla
Dito ao cnsul da Inglaterra. Com a inclusa c-
a provincia, trouxe ao meu conhecimento c- ,einbro U|,mo> receido naquella thesouraria a
pia da caria que Ihe dirigi o director geral dos =& TTfOrjTeoMtSBda
correos da Inglaterra acerca das duas cartas cojos tarto
nvelopes devoiveu destinadas Londres, e que fo-
ram enviadas em malas fechadas para Franca. Re-
novo ao mesmo Sr. cnsul os raous protestos de es-
tina e considerarlo.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Nos termos de sua informacao de 12 do corrente,
sob n. 777, mande V. S. pagar a Francisco Anto-
nio Bastos a quanlia de 54000 proveniente de en-
cadernaces feitas para o archivo da capitana do
mesma prera-
Despaeho do dia 1 i de outubro de i 806.
JbfwrJMMfoi
Antonio Luciano de Moraes Mesquita Pimentel.
- Informando o Sr. administrador docorrcio exis-
tir naquella reparticao recibo de ter sido entregue
a carta de que trata o suppllcaute, nada ha que
deferir.
Bacharel Joaquim erreira Chaves.Passe por-
Porto, como se v da conta que devolvo coberta tt1i52St!!umi3?* &
com offlcio do chefe daquella reparticao, n. 12o de
26 de setembro ultimo.
Dito ao mesmo. Transmuto V. S. o incluso
pret em dnpiicata, aflm de que nao havendo in-
conveniente mande pagar ao capitao Antonio Ca-
bra! de Mello Leoncio, ou ao seu procurador, con-
forme solicitou o commandante superior da guar-
da nacional da comarca da Boa-Vista em officio de
17 de setembro uliimo, a quantia de 2035100 em
que import im os vencimeutos de 25 praeas que
foram chamadas servico do destacamento para
auxiliara forca de primeira linha, a contar do Io
15 de agoslj deste anno, como se v do mencio-
nado pret.
Dito ao mesmo.Participando o juiz de direito
da comarca do Limoeiro que em 4 do corrente no-
meou o advogado Jos Antonio da Silva e Mello
para exerrer interinamente o cargo de promotor
fublico, por ter o effeclivo, bacharel Bartholomea
orquato de Suza e Silva, dado parte de doente,
declarando o nomeado que entrou em exercicio
no dia 5 deste mez : assim o communico S. V..
para seu conhecimonto. w-- lof &W Bacalhao.-Offlcio de
Dito ao mesmo.-Autoriso V. S. de conformidade 'jus'ca.-haltando idade legal ao suppl.cante nao
com a sua informacao de hontem, sob n. 781, P^e se.ratendido,
mandar pagar ao segundo tenente Antonio Carlos ..7--AiJonso.pa'?10 de Albuquerque Maranhaa-
Jacintho Jos de Mello.Informe o Sr. comman-
dante superior da guarda nacional do Bonito, ten-
do em vista a informacao por copia inclusa do
inspector da thesouraria de fazenda.
Joo Jos Henriques.Informe o Sr. inspector
da thesouraria de fazenda.
O mesmo,-Informe o Sr. inspector da thesou-
raria de fazenda.
Hay mundo Scipio de Andrade Pessoa.Seja
dispensado do servico at que complete a i lade
exigida no Io art. 9 da lei n. 602 de 19 de setem-
bro de 1850.
EDITAL
2' seccao. -Secretarla do governo de Pernam-
co, 14 de outubro de 1863.
Pela secretaria do governo se faz publico para
conhecimento de quem interessar possa, que os
despachos, proferidos pelo Exm. Sr. ministro da
justica, em requerimentos de partes desta provin-
cia no mez de setembro prximo lindo, foram os
seguintes
de Oliveira Mello, nao a quantia de 23620 por el-
le despendida com o destacamento que comman-
dou na cid ide de Nazareth, como se v das duas
contasque devolvo, roberas com offlcio do briga-
deiro commandante das armas de 14 de setembro
ultimo, n. 1683, e sim a de 125780, constante de
sua citada informacao, dada com referencia a da
contadoria dessa thesouraria.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Recommendo V. S. que, em vista da inclusa con-
ta que me foi remetlida pelo juiz de direito da co-'
marca do Bonito com offlcio de 12 do corrente,
mande papar Jos Joaquim Pereira de Mendone,a
a quantia ile 155860, despendida com o tratamen-
10 do preso Manoel Quixaba, que fra accomraetti-
do da varila na cadeia daquella villa.
Dito ao direclor das obras militares.Rccom-'
mendo V. S. que examine com urgencia as obras
que so eslo fazendo no chafariz e no portao do
quartel do Hospicio, alim de que nao fiquem ellas
imperfeitas com prejuizo da fazenda nacional.
Dito ao inspector do arsenal de inarinha.Para
cumprimento do aviso da reparticao da inarinha
de 38 de setembro ultimo, informe V. S., quaesos
embaraces que tem retardado a construccao de um
escaler para o servido da capitana do porto da Pa-
rahyba, a qual foi autorizada por outro aviso da
mesma reparticao, datado de 29 de dezembro do
anno prximo passado.
Dito ai) director do arsenal de guerra,Forneca
V. S. companhia de ravallaria como se delermi-
non en aviso da reparticao de 29 de setembro ul-
timo, o (Mmenlo mencionado em a nota por co-
pia inclusa, para pagamento dos vencimeutos do
anno corrente.
Dito ao wmmandante superior da Boa-Vista.
Inteirado foto offlcio de V. S. de 25 de setembro
dem.Prejudicado.
7.Vicente Licinio Cavalcant Campello.dem,
dem.
7. Joaquim Francisco de Albuquerque Santia-
go.dem.dem.
7. Stiro Emiliano Meira de Vasconcellos.
dem.dem.
7.Thomaz Antonio Maciel.dem.-dem.
Manoel Jos de Sania Anna Araujo.dem
dem.
7. Diogo Baptista Fernandes. dem. dem.
7.Joaquim Theodorico de Albuquerque Mara-
nhao. dem.dem
9. Jos Domingues Codcceira. Guarda nacio-
nal. Indeferido.
O secretario,
Dr. Francuco de Paula Salles.
EXTERIOR.
oiUii;si'oi>\i;\ 1 \ ido dia-
rio ii: PERItAUI4 o.
PORTO.
26 de selembro.
O acontecimento de vulto maior occorrido durante
a quinzena, foi a reunio de alguns cavalheiros,
no dia 19 do corrente, em urna das salas da mu-
nicipalidade portuense, com o fim de levarem
elleiio a organisacao de urna companhia para a
construccao de um caminho de ferro do Porto
Braga, e em que por varias vezes temos fallado
seguindo pelo lilttoral at a povoacao do Varzim, e
desta Villa-Nova de Famalicao, e cidades de
prximo lindo, de se terem dissolvido o, destaca- Braga e Guimares.
mentos das villas de Boa-Vista e Ouricury, tenho i A commissao promotora desta reunio apresen-
a rlizcr-lhej|iP3 resposta, que opportunamente to- tou o relatorio dos seus trabalhos e o anti-projecto
marei em cosideraeo o que V. S. pondera no 11- dos estatutos para a projectada companhia, e resol-
nal de seu citado offlcio. Veu que a referida commissao se reforcasse com
Dito no jtkde direito do Limoeiro.Transmiti as pessoas que julgassc necessarias, e licasse en-
por copia,para seu conhecimento e fins convenien-! carregada de abrir a subscripcao e obrar em tudo
tes, o decreto de 19 de setembro prximo lindo, como entendesse. Esta commissao compoe-se dos
pelo qual S. M. o Imperador houve por bem com-, Srs. Domingos Pinto de Faria, Antonio da SilvaMo-
mutar em gales perpetuas a pena de morte imposta reir, Joaquim Andrade Villares, Alberto do Souza
ao reo escravo Malinas, pelo jury dessa villa.No Neves e Luiz Ferreira de Souza Cruz,
mesmo sentido ao juiz municipal do Limoeiro. O tragado que se propde para esto caminho de
Dito ao juiz de direito do Cal.Approvando a ferro forte e tenazmente combatido por alguns
nomeaclo, por Vmc. feita, do escrivo Manoel Ce- jornaes desta cidade, e nao obteve o favor da opi-
menie llibeiro Varejao para exercer interinamente nio publica.
o offlcio de escrivo privativo do jury e execuges Temos de f que ficar em projecto.
crimin:te$ do termo do Cabo, tenho a dizer-lhe A direcgo do Banco Mercantil foi effectivamen-
cm resposta ao seu offlcio do 3 de agosto ultimo, te aulorisada, em assembla geral de 12 do corren-
que miinde por de novo cm concurso esse offlcio, te, a entrar no emprestimode mil ecemeontos que
declarando desde quando se acha vago, e a lei que o governo vai contrahr para estradas,
o creou na forma do aviso circular de 25 de outu- A antiga pendencia do Banco com o Sr. Eduar
bro de 1861, do qual se remetteu copia esse juizo do Mozere a que nos referimos na missiva anterior,
cm circular de 8 de novembro do mesmo anno, e ainda nesta reunio nao foi resolvida. Nomeou-se
envic copia do edital paraer aqu reproduzido. urna commissao para dar o seu parecer a tal res-
Dito ao juiz de direito de S.Antao.Informe Vmc. peito. De ambas as partes ha sinceros desejos de
desde quando se acha vago, e se nunca foi vitali- terminar honrosamente umaquestao, que maisou-
ciamente prvido o offlcio de escrivo privativo do ira vez o dizemos, ja poda, e devia estar termi-
jurv e execusoes criraiuaes do termo da Escada, > nada,
Em reunio gerat dos accionistas no dia 18, tam-
bem a gerencia do Banco Unilo flcou autorsada a
tomar parte no emprestimo para estradas, a que ci-
ma nos referimos.
Respeitante a remuneraco do directores e
agentes do seguro mutuo de vidas que o mesmo
Banco estabeleceu decidio-seque os directores re-
cebessem 6 por cento sobre a cifra da porcentagem
e sello das apolices que cada socio pagar no acto
de subscrever ; os inspectores geraes 2 e meio por
cento sobre a importancia dos seguros que effec-
tuarem ; e os inspectores locaes 1 por cento da im-
portancia dos seguros que tomarem.
A commissao encarregada de coordenar as alte-
ragoes feitas no ministerio das obras publicas, com-
mercio e industria ao projecto de estatutos do Ban-
co Allianga, bem como as que foram approvadas
as tristemente clebres reunios a que alludimos
na passada missiva, j remetteu os seus trabalhos
definitivos aquella reparticao, e espera-se que elles
obtenham brevemente a sanegao do poder executi-
vo, que para isso se acha aulorisada
Organisou-se nesta cidade um novo estabeleci-
mento eminente civilisador e que muito honra os
cavalheiros que o promovern) e levaran) rea-
lisa gao.
Referimo-nos ao Club de Instruccao Industrial
Portuense que se installou no dia lo do corrente
na casa n. 19 da ra de Entre-Paredes, perlencente
ao Sr Joaquim Rodrigues Pinto, o qual para esse
fim generosamente a cedeu por seis mezes.
Este Club ter urna bibliotheca, e destinado
instruccao das classes artstica e indusirial, e
presta-se desde j applicagao, por meio de pales-
tras, da linpua portugueza, grammatica e lingua
franceza, geographia, chronolqgia, historia, intro-
duego historia natural, chimica applicada e prin-
cipios de direito publico, comraercial, civil e
penal.
A bibliotheca, que por emquanto so se lhe pode-
r chamargabinete de leitura-estar aberra
nos dias santificados, e em todos os dias uteis des-
de as trindades. .
Para ser socio do Club mistar dar, a titulo d
jola de entrada, urna obra completa para a biblio-
theca, e a mensalidade de 250 ris.
O governo e direegao deste til e promettedor
estabeleeimento de instruegao o passa-tempo popu-
lar, confiado urna administragao e um con-
selho.
Para a administragao foram nomeados os Srs.
Francisco Jos do Amaral, presidente ; Daniel
Pinto da Cruz, vice-presidentc ; Antonio Jos da
Costa Lima e .ntonio Luiz da Silva Porto, secreta-
rios ; e Joaquim Rodrigues Pinto, thesoureiro.
Para o conselho os Srs. Dr. Joaquim Marceilino
de Mattos, Eduardo A. Alien, Francisco Pereira de
Azevedo, Eduardo Pereira Cimenta, Agostinho da
Silva Vieira, Dr. Domingos Jos de Castro.
Em reunio do Deflnitorio da Ordem Terceira
de S. Francisco foi resolvida a creacao de dua
escolas de instruegao primaria, urna para o sexo
masculino e oulra para o feminino, em que devem
ser admittidos os filhos e filtras dos irmaos da Or-
dem.
J de ha muito que o Densamente que agora se
traduzio napratica, esvoagava na mente dos pres-
tantes cidadaosque tanto tomam peso a instrue-
gao do povo.
A sustentagao das escolas por meio de urna
subscripgao entre os irmaos da Ordem, que deve
constituir um fundo que lhe a.-segure a sua dura-
gao. A subscripgao est aberra, e consta-nos que a
sua cifra ja muito superior 7 contos de reis.
Suicidou-se, atirando-se d'um segundo andar das
traseiras da casa em que morava na ra do Alma-
da, o Sr. Jos Pereira da Silva Ribeiro, anligo em-
pregado da companhia dos Vinhos. Era homem ge-
ralmente estimado e socio prendado da sociedade
Phylaimonica.
ouando se chega a commetter um desatino des-
tes o juizo est tresvariado. E o infeliz, na verdade,
j de Ira muito que davaindicios de que nao eslava
en> pleno uso de razao.
Os festejos pelo feliz acontecimento, que a todo
o instante se espera, do naseimento de um herdei-
ro corda portugueza, anteciparan-se em Vallon-
go I E caso raro, mas verdadeiro I
Ja por l houveram repiques de sinos, foguetes,
msicas e illumnagao na casa da cmara e em ou-
tras particulares I
Lembrou-se alguem de por lespalhara balela,
e sem niais criterio, foi o quanto bastou para se
ordenarem os festejos prematuros I
Averdade.quenaopodiadeixardeapparecerpouco
depois, veio desapontar os camaristas, que, sem o
pensarem, teem de preparar novas demonstragoes,
pois que as prematuras nao lhe poupam as da uc-
ea si o.
No presente mez tem affluido muitos banhistas a
S. Joo da Foz do Douro, a Cintra dos portuenses,
e que rene em si, em certa poca de cada anno,
o que ha de mais aristocrtico na sociedade da se-
gunda cidade do reino.
A Foz a moda na estagao dos banhos, e como a
moda a moda em toda a parte, todos caminham
com ella.
N'essa poca despovoa-se o Porto e tornase ha-
bilavel a Foz, essa Foz que todos acham feia e que
a todos causa aborrecimento em qualquer dia de
sol esplendido de Janeiro ou fevereiro I Mas a mo-
da quer que ella seja mais seductora nos mezes de
agosto, setembro e outubro, e o que a moda quer
toda a gente deseja.
A festa da Scnhora da Luz foi este anno explen-
dda e fallada I
Aim da pompos festividade religiosa, tiveram os
banhistas da Foz grande fogo de artificio c msica
regiment! no Passeio Alegre na noile anterior ao
dia da festa.
Faltou-lhes ailluminago, mas, dealgumama-
neira, esta falta foi boa para dar festa urna feigo
mais para se ver.
A cidade da Virgem despovou-se e a Foz foi como
por encanto invadida por todos os lados. Uns sal-
tavam dos carros, outros sahiam dos barcos ; uns
deixavam os gericos outros chegavam ap I
Era um louvar ao Sr. de gentinha I N'um ins-
tante ficon a Foz abarrotada e o Porto vasio.
Mas o melhor da festa foram os empurrdes e os
trambulhes I porque a claridade era tal que se nao
viam uns aos outros I Era urna massa negra e
compacta que ondulava no Passeio Alegre, e a qual
nao podra desprender-se pela agglomerago dos que
vinham chegando para gozarem o espectculo do fo-
go de vistas.
Foram 36 as pegas de fogo de artificio, que, na
sua maior parle, nada abonava os conhecimentos
pyrotechmicos dos artistas que o prepararan).
Angelo Alba, e empresario da companhia lyrica
na passada estagao theatral, e que o devia ser tam-
ben) este anno, pois j tinha escripturado os artis-
tas que a deviam formar, deixou de existir.
' Com a sua morte houveram recetes de que fleas-
semos na prxima estagao theatral sem companhia
lyrica, mas felizmente, estao esses recetes de todo
desvanecidos.
Os candidatos empresarios sao j uns cinco ou
seis, contando-se entre elles o maestro Carlos Du-
bini.
Pelo telegrapho foram ratificados os contratos aos
cantores e cantoras que o fallecido Alba tinha es-
cripturado na Italia.
E, segundo informagdes fidedignas, pois que sao
de quem mestre na materia, varaos ter urna com-
panhia lyrica muito regular e muito superior
maior parto das que toom encantado os ouvidos
aos dilrttanlii.
bom que assim seja, porque a msica falla aos
ouvidos e ao coraco sendo interpretada por quem
lhe saiba fazer sobresahir as bellezas o lhe doo h
lorido que ella precisa.
A companhia hespanhola de zarzuela, que vem
para o theatro Baquet j chegou. De todos os seus
artistas apenas nos conhecida a sympalhica se-
iinarita Imperial, que ha annos aqui-esteve na com-
panhia da empreza Maiquez.
O Izidoro Pastor, primetro tenor cmico, o seu
d vector.
Entre as zarzuelas que devem ser postas em see-
na contam-se H ja conheeidas no- palco portuense
o %> novas.
A asignatura foi aberta para sessenta recitas,
A Henriqne Jos dos Santos : 1 caixo com 2si-
bos e seus pertences.
A Jos GoBeigao Oliveira- Figueiredo : 1 caixao
com obras de prata.
A Jos Henrique Ferreira : ftcaixoes rom doce.
A Jos Joaquim Silva Bairo : 150 caixes com
18,000 magaas, e 12 saceos com 30 arrobas e 8 ar-
ralis de folhas de louro.
A Jos dos Santos Neves : I caixo com urna
imagem.
A Manoel Joaquim Ramos e Silva & Genro: 215
r v? que com as extraordinarias, os be- caixoes com 300 arrobas de-batatas, 1580 resteas
necios, emeaino algumas a pedido de varia fam- de ceblas, 15 barris de quinto com vinho e 24
(tas a totalidade exceda a setenta^
O Porto actualmente no que> toca a enterterni-
mentos pblicos est reduzido companhia dosnw-
uinos florentinos que aprsente no theatro de S.
Joao os seus apparatosos bailados, as suas chistosas
comedias e as suas agradaveis cangonetas.
Quando esta eompanhia aqu esteve ha tres an-
nos, fez maior colheia de intoresses e causou mais
enthusiasmo. Cada noote em que representava,
era um completo triumphoeuma completa enchen
quinto
motes de sal.
A Manoel Ribeiro Fernandos-: caixoes com
1000 ferraduras, 200 canellas e 20 milheiros de
cravos.
A Marcelino Jos Gongalve da Fonte: 8 barris
de quarto com vinho.
A Prente Vianna & C. : 2 eaixdes rom 100 mas-
sos de linha,3 ditos com 140resteas de ceblas e 2
saceos com 6 alqneires de feijlo:
A Thomaz Fernandes da Cunha : 72 barris com
L b0e ?ram cmncas> e Pr 90* milheiros de pregos, 1 caixao com 52 duzias
isso mesmo faziam-se valer mais etornavam-se mais de escovas, 3 ditos rom 915 fechaduras, 10 cunhe-
recommenaaveis, mas nem todos pensam assim. tes com 500 duzias de pomada, 9 ditos com 9 du-
Aamirar urna manga nao o mesmo que admi- zjas de meles e 572 massoe do linha, 1 caixao
rar um nomem. Este admirarse pela perfcicao e com 300 duzias de pentes.
destreza com que executa qualquer cousa, aquella
admira-se pela tenra idade e pela graga com que '
a faz.
E' isto que succede com os meninos florentinos,'
Ha tres annos foram admirados e applaudidos pela'
graca e perfeigao eom que cada um d'elles desom '
PERNAMBUCO
penhava a sua parte; agora tambem admirados e
applaudidos, nao se lhe encentra aquello todo ju-
venil que encanta, e por isso que a concorrencia
e o enthusiasmo escaceiaram.
O bailadoGithariua ou a /ilha do bandido O
salvalerio da companhia. Tem sido repetido vezes
REVISTA DIARIA.
Examinan) no concurso, que depois da manhaa
se deve proceder na thesouraria de fazenda, para
pratirante da alfandega e da recebedoria desta ci-
dade, os Srs. professores pblicos :
Padre Vicente Ferreira de Siqueira Varejao, em
n?.hi;n^- h*"de' k?1*' sem,?re co,n agr*d0 d0 i grammatica da lingua nacional,
publico, ate a cqmpanhra se retirar. Tenen,e Antonio Egydio da Silva, em aritmti-
ca e suas appliraeoes ao commercio com reduego
Esta em ensaies um outro bailado tambem de
grandeapparato, e queso appelidaEziMi, ou afi-
Iha do picador,que deve ser poste em scena por
estes das.
O conselho de sade publico do reino, em edital
de 21 do corrente, considerou suspeite de cholera o
porto de Pernambuco.
No dia 17 entrou em Vigo para fazer quarente-
na o brigue S. Manoel I, procedente de Pernambu-
co cora 45 das de viagera.
Abriram termo de carga :em 11 a galera
Europa para o Maranhao; em 14 a barca Favo-
rita para o Rio-Grande, pelo Rio de Janeiro ;em
16 a galera Mara para o Maranhao;em 21 o bri-
gue Esperanza para Pernambuco.
Entraran) no Douro:em 13 barca a Amelia, do
Rio de Janeiro, por Lisboa, em 19 a barca Unido,
de moedas, pesos e medidas.
Dr. Antonio Witruvio Pinto Bandeira e Accioli
de Vasconcellos, em clculos de descontos, juros
simples e compostos, theoria de cambio e suas
applicagoes.
Hontem amanheccu entercado um preto es-
cravo, cuja mtelligcncia nao pode supporiar a ap-
prehenso que lhe oceupou o cerebro de mudar
de senhor, preferindo sob tal presso o suicidio
essa condigo, que lhe actuou fortemente no senti-
mentalismo at esse ponto horrivel.
A polica procedeu as competentes averipuagoes,
e assistiram aoexame os Srs. Dr. Carneiro Montei-
ro e Dias Fernandes.
O respectivo senhor, Antonio Casimiro de Gou-
veia achando-se em difflculdades commerciaes, e
iJ*ltP&.P*? *ra* a *alera ; prevalecendo em tal conjunctura os scnlimetos
Admastor, do Rio de Janeiro, em 43 das. de brio de que dfttJMli n3n ha mniln mttrm
,^h'?ra :-emJ7 ? bngoe Jterar,f **** VT um ataque cerebral
nambuco ;em 20 a barca S. Manoel II para o di-
to porto, e a barca Paquete do Rio-Grande para o
Ro-Grande ;em 24 o palhabote Doroal para este
ultimo porto.
dotado, nao ha muito soflreu
de que anda se nao acha
restablecido; e d'ahi tirando o suicida motivo de
sua venda, recorreu para evita-la ao meio com
que pz termo a seus das.
Ora, esta dupla consequencia do pessmo systema
de se medir a todos os devedores pela mesma
iiw'M'im Ji l}il0'a dos de ma f*' da Pr eert0 1ue Pensar aos
rernamouco, esprjio reflectidos, que na apreciagao das cousas
nao excluem a combinago das suaoos occorren-
tes. Sim, sem nome o systema de executar
O brigue Mercurio de 149 toneladas, capitn Joa-
quimMlomes da Cruz, sabido para '
inannestou o seguinte:
Para Antonio de Almeida Gomes1'; 6 barris com
presuntos, 1 caixo com 100 magos de linha, 1 cu- e
SW2T?r^m BeiS^SSK &JBS[3lSiS
porque tem passado o commercio de dous annos
para c, difflculdades que affectando ao grande
100 fardos com 500 arenles.
A Antonio Lopes Braga : 40 canastras com 4,820
SffcK Sml!E0't CZ ^Tj^dP commercio, ainda mais otem feilo ao pequeo, que
TlSUS.-Salidit0 COm ^fJ^ vendendo praso quasi sempre, e nao sendo loco
marrados com obras de vime e 2 ) embolsado, v-se por torga das crcumstaneias
obrigado a fallar ao cumprimento exacto de seus
compromissos.
!' isto tanto mais para notar, quanto v-se que
rolbas.
A Antonio Luiz Oliveira Azevedo & C.: 110 cai-
xoes com 110 duzias de garrafas com vinho, 2 cai-
xoes com 480 magos de palitos.
A Antonio Valentim Silva Barroca: 24 barris
a devedores de grosss quantis.c cuja soluego
pode offereccr urna perda de 75 a 80 por cento,
cora 476 milheiros de pregos, 7 cunhetes com 1,052 ^ toda a consi er eo checa se ^00 ra
'(^0..feF.hadura5f djto.com 84 magos de linha e|m nUfi ___ MMPlS de metier em si
1 cunhete com 203 duzias de pentes.
A Cunha Irmaos 4 C.": 1 caixo com 80 massos
m fe. e que tiveram a esperleza de metier em si
! grandes valores, sem probabilidade ostensiva de
os poderem solver, sao melhor tratados do que
ji;l. .C. ...______ -____us inHiuiuui suivur, > io me i o raanos uo (iue
fn&'torW.,-^^ queprocedem de modo diverso, e em
rifti 5 t. *nm9d!.. nnm i7in! 'luein Jama,s se observou descarreio da honra.
miSS&A&T&iJPSmrS^ 52l e' Preciso Quesetenha isto em consideragao,
to?i Para evi,ar tes Phenomenos, e nao reprodtuir-se
a Kr..Ti j r__k mj;__. a i.;,. lAfci ^ iMfe'--: i0m TnCJ we apenas eslava subordinada a alguma demora,
10 milheiros de sardinha, 1 caixao com macella, 1 Cr* '
dito cora 100 duzias de pomada, 1 dito cora 50 na- comoaeuselia pouco na ra do, Qxspo
res de sapa.os, 20 pegas de cordo e 12 arralis de Nova S,*ffi5fSfcr d^Sec^o governo"
um privilegio por 15 annos (brevet dtnvention)
para o fabrico e exposigo venda em Franga do
A Francisco Gomes de Mattos Jnior : 6 barris
com 25 almudes de azeite e 1 caixo com 124 pajes
de sapatos.
A Guimares & Luz : 1 caixo com 100 duzias
de pentes.
A Joaquim Gomes da Cruz : 3082 resteas de ce-
bolas.
seu aflador de navalhas etc., que esteve patente na
nossa exposigo de 1862 e que all obteve pre-
mio.
Entre nos ha muito expoz o Sr. Pradines, em
seu armazem.esse instrumento d reconhecida uti-
\ _____- .___._. 0 !. ..,_ a lidade, e de uso indispensavel para todos os que
borabs e e*fSSSSi e \^ iquerem ,er acei em "" navalhaS> facas' ^'
imagem de prata.
A Jos Joaquim Lima Bairo : 1 caixo com 100
livros.
A Jos Joaquim de Lima: 3 caixoes com 150
massos de linha.
A Luiz Antonio da Silva : 1 rolo com 221 arra-
lis de sola.
A Marques Barros & C. : 2 pipas com 40 almu- .
SV'X^ZZ5^ m a'qUereS de fa" i &^^mosr advertencia, por ser ella indubi
A^dSb3SS' 10 caixoes fon>wlment JusU> e Pr nos ^r? WT *ra-
imm^oS-n iTC." U,a5nL balhodeafazermos; porm, quando ulgavamos
160 macos de papelao, 14 saceos com 30,000 ro- tf bem acolhid, e cesiaria seme-
Ihoes e 434 grozas de rolhas, 4 barricas com 518 -1
enchadas, 2 eaixdes com 186 machados e fouces,
4 barricas com 490 enchadas, 8 caixoes com
etc.,
nes.
I Remetlem-nos as seguintes linhas :
I t Na Revista Diaria de 8 do corrente, lemos urna
advertencia, que nos parece muito rasoavel, feita
em nome de moradores da na da Cruz, acerca do
mo costume de alguem, que dclla entende dever
servir-se para por a seccar, e bater couros, com
bstanle incommodo dos moradores e de quem
milheiros de pregos, e 135 canastras com 28,550
maungas de alhos. .
A Manoel Jos da Silva Filgueiras; 1 caixao com
100 pares de chinellos.
A Moreira & Duarte : 1 caixo com obras de
i prata. ,. ,
A Palmeira i Beltro : 34 saceos com rolhas, 4
ditos cora colla, o 13 caivQ* com palitos, macella
eco"a- .
A Thomaz de Aquino Fsnseca Jnior : 20 caixas
com 1250 duzias de pomada.
i A Thomaz Fernandes da Cunha : 4 caixoes com
! 600 duzias de pentes, 360 freios e picadeiras, 20
barris com 60 milheiros de pregos, 5 caixas com
, 279 massos de linha e 600 duzias do pentes e bo
toes.
A barca S. Manoel II, de 379 toneladas, capitao
lbante abuso, vimos no dia seguinte no Diario de
Pernambuco, urna resposta em estylo de rei-peque-
no, que nao deve passar desapereebida.
Parece-nos que o bem geral prefere ao parti-
cular, e que to simples consideragao bastara para
que o Sr. armasenario deixasse de incommodar o
publico, e nao se expressasse com tanta arrogan-
cia. Se o Sr. armasenario paga impostes, tambem
os mais moradores os pagam, o com isso nada mais.
faz do que o seu dever; se paga multas porquo-
incorre em faltas, e isso nao depde muito a favor
do sen respeilo s prescripges legaes.
O melhor cidado nao quelle que, fiadp.no
seu dinheiro, eoteBde poder calcar, e calca aos. ps
as leis do paiz, sujeitando-se embora s penas pe-
cuniarias que ellas impoein. as quaes por nraneira
nenhuma podem colorir ou autorisar a repetigo
de abusos; e por isso esperamos que os.qe prati-
ca o dito senhor armasenario tero um. termo, in-
sistido nos com o senhor fiscal para, que obre
nessa conformidade, e faga respeitan
as posturas
j Pedro Jos da Rosa, conduzio para Pernambuco a da cmara, que qualquer individuo, que tem qua-
seguinte : tro vintens de seu, entende pod* espesmhar im-
Para Antonio Lopes Braga : 40 canastras eom punemente, sera se lombrar qe> quem nao quizer
4552 maungas de alhos. ser inoommodado, deve procurar nao incommodar
A Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C,: 3 far- o prximo.
dos com 15 pessas de lona. Nao estamos em trra do selvagens, mas B.'um
A Antonio Valentim da Silva Barroca : 6 barris paiz eivilisado e constitucional; e por isso, ainda
! com 60 milheiros de pregos. mesmo que o senhor armasenario fosse uu rei'si-
A ngelino Jos dos Santos Andrade : 8 fardos nlm, ja v que a sua vontade, a satisfaga do seus
' com penoras, 20 cadeiras, 1 soi, 2 bancos, 1 me- caprichos, ou o augmento de suas conveniencias e
I sa, 3 pedrasparaa mesa e bancas, 150 caixas com commodidades, havia de estar numa Jaste propor-
alhos, 100 ditas com magaas, e 8 canastras eom fo- gao, nao chegando nunca a olfender os direitos e
Ihas de louro.
' Ao carregador (Antonio Telxeira de Carvalho) :
9 barris com peixe, 30 resteas de ceblas e 400 ma-
i ?as.
A Ferreira & Araujo : 1 barril de oitavo com
I vinho, e-1 caixo com 12 garrafas com dito.
] A Francisco Gomes de Mattos Jnior :
I com obra de ouro o prata.
regalas do qualquer oulro cidado.
Arijuna moradores da roa da Cruz.
Foram absolvidos pelo Dr. juiz de direito da
segunda vara, os commerciantos nao matriculados
Manoel Jos de S e Araujo, e Jos Antonio Alves
de Miranda, que bSviam, sido pronunciados pelo
1 caUao juizo especial por crime de fallencia culposa.
I Ao Sr. subdelegado da Capunga, foi presente
urna quetxa do Dr. promotor publico contra o par-
do Mariano, escravo de Augusto Frederico de Oli-
veira, em nome de Mara da Penha, menor de 17
annos, que se diz offendida em seu pudor virginal
pelo referido escravo.
A' ser verdadeira a impntaco, de esperar que
os Iribunae tenham muio em altengo a natore-
za irreparavel do daino, visto a desigualdad de
condigo entre o offensor e a offendida.
Eneerrou-se hontem a quima sessao judicia-
ria por nao haverem mais precessos serem sub-
meltidos juicamente, deixando de ter lugar o de
Antn Jos Alpieri por estar em tratamento na
enfermara da casa d detengo.
Consta-nos que prximamente ser convocada a
6* sessao judiciaria sob a presidencia do juiz de
direito da 2* vara.
Remetlem-nos as seguintes linhas :
Sr. redactor da Revista Diaria.Tendo Vmc.
dito que, por informagoes, a polica da freguezia
de S. Jos, nao deu signal de si na occasio cm
que foi ferido ames de hontem noote o crioulo
Manoel da Paz, por Candido Jos de Abren, naquel-
la freguezia, permita que diga Vmc. que se dan-
do aquello tacto s 6 horas da larde, guando o
subdelegado andava em dehgencia. logo que teve
conhecimento delle conpareceu ao lugar para dar
as providencias, que no caso cabiam, achando-se
felizmente o offensor j preso em flagrante pela
guarda da ribeira; c com o subdelegado da fre-
guezia de Santo Antonio que tambem all, compare-
cen immediatamente, procedeu logo o corpo de
delicto, com assistencia dos Drs. Pampbilo e Leal
e autos de perguntas ao offendido.
E' este o facto, de nenhuma censara o Sr.
subdelegado de S. Jos que mui zetoso.se tea mos-
trado no cumprimento de seu de veres.
Um espectador. *
O capitao do brigue hespanhol Vigiiantr,
entrado hontem de Barcelona e Malaga, declaron a
autoridade competente que no dia 27 do passado,
achando-se na lat. 20*f c long..t35", cahio
morto no convez o marinheiro Francisco Estap,
que subir ao sexto de gavia para ferrar o Joa-
nte.
O nosso antigo amigo o Sr. coronel Francisco
Alves Cavalcanle Camboim nos autorisa a decla-
rar que nao mudou sua resideneia para o termo
de Barreiros, onde alias tem estado temporaria-
mente, pretendendo quanto antes regressar sua
fazenda, na comarca do Brejo: assim como nos au-
torisa a declarar que nao incumbi a ninguem de
lhe sollicitar a reforma no posto de commandante
superior daquella comarca, e que pelo contrario se
acha firme em reassumi-lo. o mais breve pos-
sivel.
O nosso colaborador remette-nos a sua carta.:
Compadre.Fallemos em segredo ; livre-nos a
Virgem da Lampadosa de sermos ouvidos, ao me-
nos emquanto nao muda o vento* que infuna as
velas de to assusladora aetualidade.
Sim, as cousas j estiveram melhor do qneeste,
e se forem neste cortar, desbragados de nos De
nos quero dizer : da enealistada individualidade
deste yosso compadre, e de outros que vi vem a
arquejar nesta trra dos mariscos, e nao de vos,
que ahi vivis encarapitado e teso como S. Jorge
em procisso de enrvus.
Aquelle Joo Loto tem boas aparas, urna dellas
o chrisma da trra ; ainda nao vi nome que Un-
to lhe quadrasse, e digo-vos os porqus :
Marisca a negra de pousadeiras ao ar as coras
do rio ; marisca o sargento nos prels da compa-
nhia ; o apontador na feria do operario ; o caixeiro
(santos escapularios I) na gaveta do pairao ; o ven-
ilelhao nos pesose falsiflcagdes (sem acJrar um fis-
cal que o esgane ao primeiro capitule, de postu-
ras) -. o logista no logro aos freguezes, impingin-
do-bes com lagrimas de carne assada alcaides,
que baptisam por : pampelinas, bombasinas, mus-
selinas, frandelinas, casselinas, priacezinas e ou-
tras frandulages ao gosto de : anaguas Garibal-
di, seroulas Maria Pia, entremetes Nanoleio e
suspensorios Victoria I
Einiiin ludo marisco ; em toda a parte se ma-
risca. Marisca-se em cafa, e na ra ; de dia e de
noite, e at no fundo das aguas. Sim, compadre,
no fundo das aguas e bem no fundo !
Nao me tomis por um contador de historias,
vinde desenganar-vos e ver com os vossos omos
um godeme emborrachado (isto vestido de borra-
cha) e monstruosamente alarrachado em rabera
de metal com olhos de vidro, maiores que uns ses
encaixilhados que se mostrara na torre do Garmo,
mariscar libras stcrlinas no fondo da ponte do
Recito. Nao ha tubaro ou mero, que o possa en-
carar, tudo delta a fugir espavorido Ainda bem
que c por fra, e bem. peno da lal almanjarra,
esl o gallo vigilante a cantar para qunuta aguia
irela e branca, araras o pavdes ha por este mun-
o, dar-lhe cabo da pelle, mariscando-lbe nos a-
chados.
Mas, comodizia, fallemos baixo, e aerescentarei
com gravidade ; o que serio, seriamente deve ser
tratado:
Aproxima-se a festa, c urna sucia de industriosos
(fallando respetosamente) mostra desejos de pas-
sa-la a la grande, e nem ha disso o que dizer, as-
sim os taes meus senhores procurassem irabalho
honesto, e nao so fossem ageilando por dentro das
casas alheias, o-alapardando quanto rastical de pra-
ta, reluci e dinheiro vo encontrando.
Olinda agora um dos arrakaides mais concor-
ridos pelos passadores de festa,
Quem dira, pobre Olinda I
antiga capital de Pernambuco, exaulorad*dc
suas honras e privilegios para servir de arrabakte
aos passadores de festa I
Depois de urna visiu policial que receberam na
Soledade, surdiram all, nao passarem a festa,
que cedo, mas a arraajarem meios e modos de
passa-U mais tarde alegre e folgadamenSe, onde
bem Ibes convier, porque sao senhores de seus
narizes.
J visitaram duas casas, e poderam levar, dellas-
alguma cousa, deixando a lodos de bocea., aberta, o
sou ao menos dizerprn : aiju flcam as. chaves.
l'ma dessas casas tinha defronte 3 guarda da>
eadeia, e por cisnea subdelegado; mas nem orna
e nem outro pgesentio a rapaseada, que nella se>
introduzio.
Por um plano, de diversad bem.natural. pn
quando a autoridade superior volle para allisoa
attengo, eHes surdam aqui, e enlo, adeus, se-
nhor mundo! Sim, adeus, com todos o seas bo-
nitos, penque l nm dia cahe a casa, e eerte- nao
possuimlo vosso compadre, nem. tendo esperancas
de possuir castigaes de pratas retog'*1 o jnheiro,
prinoipalmento depois que se. iBvenlon dinheiro
sein,cruzes, porque deu elle-em correr erais desias
pobres algibeiras que o diabo dacrut, la se val in-
do quanto Marlha llou, e esta desgranada carne
magra, s igual a que so vende ahi petos agoogues
a 160 rs. a libra, nao tori mais dweo de pedir uu*
bil- de iudemnidade ___
Noto urna cousa : a poucos passos do quarttida
Soledade, segundo oovi. der pela bocea pequea.
doseobrio o subdelegado da Boa-Vista os arotazens
dos taes industriosos, encontrando nelles,a(sra.gen-
e tudo o mais : molhados e seceos, e sellas e gal-
linhas, papagaios e odiabo a qualro, qjk nao pet-
tencem exclusivamente a seceos nem a molhados.
mas ao genero commum de dous.
Noto tambem que a poucos passos da guarda da
cadeia de Olinda se comraetteu aquelle matofieto,
sem que a guarda dsse o me#or signal de rida.
Nao haver por ahi idenidade de pessoa, ou ao
menos canraradaF.em de epo entre uts e outros t
O nosso txenrito bote precisamente o inverso
do que foi \ a^tigamente ha va mos oflfciaes e
bons soldado's, hoje ha bous offlciaes e *os vM+
1
' '**
_______,...

MfLDOl
i


""usa^;;
T>larlo de Pernambnco *a libado IV de Outubro de 1 S3.
4'
los, : que cmqntuto -se procura dar Instrucclto
militar aos offirlaes, mee-se as lileiras quanto
ladro de cavallo ha por este mundo I
O que dizeis a isso T
Que estes j nao mariscan>,:ttBan) cachos de oe-
ras a bragas enchutas.
Reparti^ao dx polica :
(Extracto da parte do dia 16 de outubro.)
Peram reoolhidos casa de deten?ao no da lo
do corrente : ..,
A' ordem do Itlm. Sr. Dr. chefe de polica. Leu-
ronco Fcrnandes Chaves, portuguez, i>or infraccao
da posturas ; Jos Jota Aives da Silva, semi-branco,
Benedicto Jos de Souza, crioulo, ambos como de-
sertores doexercito, vindos do termo da Estada.
A' ordem do subdelegado do Recito, Ismael,
crioulo, escravo de Joaquim Antonio Pinto, re-
querimento do respectivo senhor.
A' ordem do de Santo Antonio, os pardos Ese-
go. ambos para averiguaces policiaes.
O chefe da 2* seccao.
/. G. de Mezquita.
Movimento da casa de detenro do da 15
de outubro de 1863 :
as proporces necessarias para semelhaote Om.-
Concedeu-se.
Tendo o eogenheiro cordeador apresentado a c-
mara, como Ihe foi exigido era sessao de 3 de Agos-
to ultimo, a planta do neceo do Falcad para, em
vista della, se propor ao Exm. presidente da pro-
vincia a suppressao do dito becco, resolvea-se que
a respeito fosso ouvida a commsso de edilicacoes.
A requerimento do Sr. Gameiro, mndou-se of-
ficiar a companhia d-3 Heberibe, mostrando a in-
conveniencia de continuar no lugar em que se acba
o chafari/. da ra da caixa d'agua, e pedndo-se-
Ihe a renmrao paca uto dos lados da mesma ra,
aquelle que r mais apropriado paraesse flm,
Desparharam-se as peti^es de Joa Antonio Pe*
reir da Silva, Joaquitn Francisco das Chagas e
Silva, e Palatino Joaquim Carvalho de Paiva, e le-
vantou-se a sessao.
Eu Francisco Canuto da Boa-viagem, secretario
a eserevi Barata de Almeida, or presidente.
Gameiro.Leal Seve.Reg.Mello.
A saber
Existiani. .
Entraram .
Sahirara. .
FaUeceu .
Existem. .
Nacionaes. .
Estrangeiros .
Mulheres .
Estrangeiras .
Esoravos .
Escravas .
346 presos
34*
439
23
13
3
39
3
342
Alimentados custa dos cofres pblicos. 126
Movimento da enfermara do dia 16 de outubro
de 1863.
Tiveram baixa :
Jos Joaquim Nogueira.
Estevo Jos da Silva.
Ignacio Francisco da Silva.
Jos, escravo do capitao Joronvmo.
Teve alta :
Raymnndo, escravo de Vianna.
Fallecen :
Rumio Jos de Santa Aona ; cbolera-morbus,
Passageiros do vapor inglez Magdalena, sabi-
do para os jicrtos da Europa :
II. C. Mello, Raphael Jos Croner, Manoel da
Cos.ta, Giusepe Ferrari, Domemco Gerbari, Bernar-
do Vi'llio Fidalgo, Autonio Jos Rodrigues e Luiz
de Oliveira Lima.
Swiimam^l2 os annos de marido e mtrfher.
Da Naqao apropriamos o segrate :
Ero Lyon celebrava-so ha das na igreia da Re-
dempe uin casamento, quando, depois dos conju-
res haverem recebido a bencao nupcial, entrou na
igreja urna multrer paluda e desgrenhad traiendo
nos bracos urna enanca.
Dirigindo-se ao noivo, exclamou :
Este lilho -teu; es tu que deves cuidar do
seu futuro.
E deixando a enanca ao p do altar sanio com
' ar magestoso deixando a todos attonitos.
A noiva lacrimosa e afflicta, toniou nos braeos a
crianca, c ameigando-a disse :
E este e meu primeiro fllho!

Hontem noito entraram duas senhoras n'um
estabelecimento do Chiado, aonde estavm sendo
abertos varios volnmes recem-ehegados da alfan-
0 chao estava cheio de palha, o papis tirados
dos caixotes, e na loja havia para mais de dez pes-
soas.
Os calxeiros eslavara conferindo urna factura no
interior do estabeleclmento, e as duas elegantes
\ retiravam-se por nao terem encontrado o que de-
sejavam comprar quando ao sair a porta urna del-
las pisou um vulto que estava entre a palha, en-
viudo gritar angustiada urna voz iufautil:
Mama, pap I
Era evidente que tinham pisado urna cranla.
Lacrimosa e afflicta, a infeliz senhora soltou um
grito, e apressou-se a tirar de entre a palha a in-
feliz victima de imperdoavel esquecimento. To-
mou-a nos bracos, e chegando-lhe os labios face,
e arhando-a fra, notando que sustinha um corpo
inerte exclamou :
Matei-a 1 Matei a pobre rreanca.
E apresentando-a ao seio ouvio-a proferir de
novo:
Pap, mama!
Oh nao 1 falla anda. Pobre anginho I
Os caixeiros riam como perdidos ne interior do
estabelecimento, e este riso fez com que as damas
aproximassem da luz o temo objecto dos seus cui-
dados, e o examinassem.
Era urna boneca Werecentemente chegada com
outras de Franca, e que sendo comprimidas em
rerta mola articulam claramente as
por moio de urna egeobossima
No se regresso casa as damas levavara noa ^JES^t^J^B^
bracos a menina que ha va comprado por uos
tantos mil ris.
Estas curiosas fanecas sao buje mui procuradas
om Lisboa.
Mama, pap
combina cao.
CIIR0MC4 JtDltURU.
TRIBl \AL DO JIRT.
o.' SESSO. DIA 15 DE OUTUBRO.
Presidencia do Sr. Du. Joao Antonio de Araujo
FhKlTAS HeNKIQL'KS, JUiZ B DiHEITO DA 1." VAA
CHIME.
Escrivao. O Sr. Joaquim Francisco de Paula
Esleves Clemente.
Promotor publico. O Sr. Dr. Francisco Leo-
poldino Gusmao Lobo.
Advogado.O Sr. Dr. Americo Netto de Men-
donca.
s 10 horas da manha feita a chamada acha-
ram-se presentes 41 senhores.
Foi dispensado do curaparecimento de boje Sr.
Dr Rufino Augusto de Almeida.
Foraw multados em 20*000 rs. cada un dos
senhores multados nos das anteriores, e tambera os
senhores que faltaran) boje.
O Sr. juiz de direito declarou aberta a sessao.
Entra em julgaraento o reo Manoel Francisco
da Rosa, acensado por crime de homicidio perpe-
trado na pessoa de Remigio Alves da Silva.
Procedeudo-se ao soneto do jury de sentenca,
naiavras '"1 forara recusados pola defeza os Srs. :
Joaquim de Albuquerque Mello.
Dr. Joaquim de Oliveira e Souza.
Ul POCO DE TDO.
Da Gazeta dos Tribunaes, de Franca, traduziraos
o seguinte:
Miss Sarah M. G., pertencia a urna rica familia
de Cincinati, estava para casar com um caixero
nagio, porque o rapaz nao tinlia nada de seu; e os
dous desposados amavam-se com o mais vivo
affecto.
N'este romance, de uuesto, eiles os hroes, nada
deixava prever um desenlace lutuoso; ma- a triste
fatalidad? compraz.-sc em zumbar dos mais brilhan-
tes planos da pobre humanidad* ; e um arrufo,
dos que sao to frequentcs entre namorados, teve
lugar entre os dous. A causa era filial ; talvez
um capricho da menina, que pretenda convencer- [ de photegrapbia
Eduardo Firraiuo da Silva.
Antonio Gomes Miranda Leal.
Dr. Joaqun Antonio Carneiro da Cunta Miranda.
Francisco Antonio da Silva Cavalcante.
Dr. Tarquinio Braulio de Souza Amaranto.
Dr. Joao Jos Pinto Jnior.
suseeptwei de dwapparecerem ao primeiro sopro
da ventana.
Resurge um principio poltico, abatido de longos
annos, trala-se de por em movimento esse princi-
pio, de transfigura-lo em acto. Quem dir que para
tal empresa nao ha a escolher entre os nomes dos
aotigos lutadores, dos homens que curvavam a cer-
viz, sempre protestando e sempre reaistindo contra
os decretos de ostracismo, daquelles que se abra-
caran! com o estandarte na hora da adversidad*,
entre os nones destes e os daquelles que de um dia
para outro abandonaram os seus arraiaes, e inven-
tarara deoominacoes vagas, e enunciaran! aspira-
yoes abstrusas, para nao perderem as postees que
am-se pela acc,ao da verdade e do tempo, para nio
beberera cora os seus antigos alijados na taca da
adversidade r
Quera tal disser, quem aventurar que para a re-
presentacao de um partido basta o aclo de f eito
na vespera do triumpho, e nao comprovado por
faci de qualidade alguma, quem acreditar que
para a representacao de um partido basta o Illho-
tismo e a ignorancia, desdo qne sejam guardadas
certas ro/mulas legaes e offlciaes i esse ou ser
muito pobre de espirito, ou nao fallar de boa t.
Cremos, que Thiers entendido em poltica. Pois
Thiers disse-o muito explcitamente :Os homens
nao sao os principios nem as cousas; mas repre-
sentara tudo isso aos olbos dos povos.
Ser para o partido liberal de Pernambnco o ne-
me do Dr. Urbano Sabino Pessoa de Mello um dos
que devam constituir o syrabolo do mesmo par-
tido?
Consultai a opinilo popular, ide na escalla so-
cial do primeiro ao ultimo liberal de urna e de .ul-
tra extremidade da provincia, e o aome do Sr. Dr.
Urbano ser-vos-ha repetido como una das glorias
doantigo partido liberal pernambuaano, como o ho-
rnera das primeiras predileccoes e attencoes do
eximio patriota Nunes Machado, como o cuete das
lulas heroicas da tribuna e da imprensa contra a
olygarchia de Pernambnco.
E quando assim, completamente unnime, o po-
vo Inteiro de om partido apona para um hornera
como porta-estandarte e arauto da sua iuea, nunca
se engaa.
Demonstra-lo-bemos.
Recife, 14 de outubro de 1863.
COHMERCIO.
PUBLICARES 1 PEDIDO.
Mr. Luoy, ainda que pintor, nao comtudo.par-,
tidario das photographias pintadas, e a este respei-i {* Haocisco de Paula dos Santos AHeluia.
to estamos com elle de aocordo. Acor assim fixa- i & Francisco Jos Martins Penna.
da perde a perfeicao da provade manera que se j
chega ao resultado seguinta :
Urna pintora m, proveniente de ama photo-
graplua o que nao lisongeiro para o artista, j
nem para o photographo.
Com todo se for possivel animar urna prova j
communicando-lhe por raeio da photographia, co-
res mais variadas que o eterno i preto e bran*:
co forneeido pela luz teremos resolvdo urna ques-
to importante, pois a prora ser colorida dille-
rentemento conservando com tudo a sua perfei-
I'ela aecusagd o Sr. Antonio Luis do Atnaral e
Silva.
Ficou o jury de sentenca composto dos senhores
seguintes:
Jos Hygino de Souza Galvo.
Francisco de Paula Gqn^alves da Silva.
Dr. Jos Flix da Bro Macdo.
Manoel Juveucio de Saboia.
Domiugos das Noves Teixeira Bastos.
Vicente Machado Freir Peroira da Silva.
Joao Xavier da Foneeca Cnpibaribe.
Jaeonte Goraldo Mara Luosachi de Mello.
cao photograpliica.
E precisamente esU difficuldade que Mr. Lucy Luiz deMoraes Gomes Ferraira.
resolveu em parte, apresentando j na exposicao. Sebastiao Lopes Ginmaraes Jnior.
Antonio Martins saldanlia.
se ainda mais do amor do seu escolhido.
O poivo demasiadamente sensivel, como todos os
que sentem verdadeiro amor, aecusou-a de fFieza e
de roqvelei ia, e por lira, separaram-sedesavindos.
Nisto ficaram por alguns das.
Sarah esperou por algurn tempo explicacoes ;
mas o noivo continuou zangado. Julgou que ella
o enganava, e suppoz que era victima da incons-
tancia da sua amada.
Com idea de se vingar, foi um da passar-lhe de-
baixo das janellas, com urna formosa rapariga do
seu conhecimento. Para bem desempenliar o seu
papel, tudo erara attencoes e galanteios dirigidos
sua bella companheira.
Sarah, tomando a serio tudo que va, e levada de
um violento accesso deciume, perdeu inteiramente
a cabera. Julgou-.se realmente trahida e abando-
nada. O seu amado prefera outra mulher.. To-
das as suas illusoes estavam perdidas e dissipadas
para sempre todas^s esperanzas de ventura.
Agora s Ihe resta va morrer.
No dia seguinte encontram-lhe no qnarto duas
cartas, urna para seu pai, e outra para o seu ama-
do. Nestas cartas, onde transluziam os mais ler-
nos e apaixonados sentimentos, declarava ella que
sendo victima da mais odiosa traicao, havia decid-
do por termo existencia. Durante a noite sahio
furtivamente de casa, ; foi dar exeeiiQo ao seu fa-
tal intento : nesse dia foi encontrado o seu cadver
no Oho.
fcil de perceber que terrivel golpe esta desas-
trosa noticia velo dcscarregar no desdiloso mance-
bo : era elle a causa deste suicidio.
Atormentado de angustia e de vergonha, duas
vezes attentou contra seus dias, mas a intervencao
dos amigos malogrou os seus esforcos. Seguio'-se
um socego apparente : derramando lagrimas abun-
dantes, o desgranado nao cessavade vociferar con-
tra si proprio, alcunhando-se de assassino infame ;
mas pareca ter inteiramente abandonado a idea de
quaesquer actos de violencia.
No dia do funeral quiz acompanhar o enterro da
pobre suicida : acompanhado de um de seus ami-
gos, em urna carrnagem fechada, segnio o cortejo
fnebre at ao cenutero ; ao voltar a casa, pare-
cia mais desassombrado.
Dir-se-liia que come;ava certa reaccao moral.
Nao cessava, porm, de pedir a Deus queoclia-
masse para si; mas era to natural esta expresso,
me ninguem nella fazia reparo.
Nessa noite ouvio-se um grande estampido no
quarto da menina.
Os moradores da casa correm chelos de susto e
commocao, e cncontram um cadver banhado em
sangue. Sobre urna mesa estava urna carta cheia
de expressoes ardentes e sem coherencia, e repas-
sada de lagrimas, onde se lia que, fatigado da exis-
tencia n5o queria mais vver cora o coracao dila-
cerado, cheio de lembrancas dolorosas. e a cons-
ciencia entregue a remorsos eternos.
Do ABmnx IMterorio extrahimos a seguinte poe-
sa, bella pela inspiracao e viva pela harraonia em
que se ella envolve :
M! verbo augusto que os trmulos labios
Do infante que dorme, murmuram medo!
Orvalho que treme as bordas dos tmulos,
Chorando sozinho da campa o segredo I
Fulgida estrella do co da existencia,
Pliarol luminoso as brumas da vida ;
Por entre rail dores que estalam-me o peito
Diviso-te o syrabolo da cruz sempre erguida!
Mai 1 diz o nauta as horas sublimes
borda do abysmo que o lenta tragar !
E as ondas rcspeitain ao verbo to santo,
Sao Albas; l correm p'ra os seios do mar I
De noite se o raio scntilla no espago
E a negra borrasca rugindo ja vera ;
Mi! a viva sccntelha que corre
Mostrando ao viajante o abysmo d'alm.
Na praia arenosa em que as ondas se arqueiam
E choram, e dormem, e correm a flux;
Mai I o imn qne ao pobre exilado,
O pranto do peito as suas faces conduz I
E o riso do infante, e o brilho da estrella,
Eas ondas da praia, e os cnticos seus ;
Sao notas que Mi I traduzem subjimes
E voam sonoras ao tlirono de Deus I
Sublime epopeia divina poesa,
Innundam o mundo teus raios de luz I
Celeste thesouro que guardo no peito
O pranto enxugaste do Clinsio na cruz I
O peridico inglez The Freeman's journal publi-
ca este curioso annuncio :
l'ma senhora joven precisa marido.
Segunda-dura prxima as tres horas da tarde
pajear- ella per espaco de meia bora na extremi-
dade septentrional do Merion squar* disposla a re-
ceber todas as propostas por escripto que tenham
de entregar-lbe os pretendentes.
Para ser mais fcilmente conhecida levar cha-
peo com veo de seda, e um capuz que ir aberto
para recebar os bilhetes que os candidatos tenham
a complacencia de nelle introduzir com tal destre-
za que pareca nao ser notado pela honesta dama.
Um jornal francez escreve o seguinte :
Un amigo militar, Ignacio Calot, com 106 annos
de idade, pois nasccu a i oV Janeiro de 1757, pas-
miii era Dijon, para as aguas de Bourbonne.
Este antigo soldado de robusta e bella estatura,
anda direito com a caneca erguida, e sem prcclso
de bengala para se apegar.
Sua mulber Margarda Bigot, da mesma idade
qne elle, tcou W domicilio conjugal.
thodo.
provas coloridas por este ine-
As cores que o autor recommenda como as mais
facis de obter e as mais satisfactorias sao, ver-
melhas, azul, amarella, cor de carne.
O vermelho forneeido pelo clilorurelo de so-
dum, o azul pelo cWorureto de cobalto, a cor de
eastanha pelo cyannreto de potassium ; a cor de
carne dada por um banho cuja composicao
mais completa eonsistindo em urna mistura de
chlurureto de codium, de potassa, e acetado de
chumbo.
Jos Heoriques Machado.
E prestaram o juramento dos Santos Evauge-
Ihos.
Foi e reo interrogado, e proceden-se a leitura do
processo.
O Sr. promotor pedio a condemnacao do reo, no
grao medio do ait. 194 do cdigo criminal.
O Sr. advogado deduzindo a defeza, pedio a
absolviendo reo.
Findos os debates e preeachidas as solemnidades
; da le, o Sr. juiz de direito propoz os quesitos se-
Chega-se a graos differentes fazendo variar as. gumtes
proporcoes desUs substancias. O reo Manoel Francisco da Silva, em das
Manera de operar.A sensibilisacao do vidro e do mez de agosto do corrente anno, fez na pessoa
a tragem da prova faz-se como ordinariamente ; de Remigio Alves da Silva o fenmento desenpto
depois com um pincel applicam-se as dissolucoes' no auto de corpo, a blha do processo t
correspondentes s differentes cores, aos lugares 2.- O feriinento produzio no paciente grave
da prova que se qnerem colorir;nao se man-1 encommodo de sade ?
festa effeilb algumporm submettendo a prova
ao banho empregado na pholographia para dar
cor, manifestam-se depois as cores, e ganham
maor grao com o tempo de inimerso no banho
depois necessaro mais passa-la por um banho
de hypposulito de soda.
A pratica deste processo deve exigir experien-
cias antes de appliear definitivamente as cores
desejadas, especialmente a cor de
. a cor de carne, como i
cima dissemos, porm o vermelho ea cor de cas-! me casualmente em.exeivi.Mo e pratica de um^acto
tanha sao muto facis de obter. ; licito com attenco ordinaria ?
Mr. Lucy indica uraa cor de eastanha arruiva-, Recomido o jury de senleuca a sala secretalBas
da de um bello effeito para as rcpreduccSes de ani- conferencias ao meio da, volmn a 1 bora da tar-
raaes.
Este assumpto parecc-nos interessante para a
photographia. ura processo chymico que pode
suppnr at a dcscoberta do grande desidertum
da arte e conserva cao das eres.
aun MiiMtiPAL.
Illm. Sr.Na occasiao a mais solemne, em que
esta heroica provincia vai exereer a mais sublime
je importante funecao da soberana nacional, apre-
sentando sabia escolha do poder moderador tres
' nomes distmetos para o nreenebimento da vaga
' deixada no senado pelo fallecimento do visconde
de-Albuquerqne, e quando eu venho sollicitar a
| honra a mais subida, que um cidado pode pre-
i tender de seus patricios, a de ser contemplado em
urna lista trplice para o lugar de senador, do
meu rigoroso dever explicar-me, e manifestar com
franqueza meas principios e sentimentos para que
os meus concidados po$sam em sua consciencia
julgar-me.
Sinto-me acanhado em miaba pretendi, quando
considero a importancia do mandato, que a pro-
vincia vai conferir: mandato do ma alto alean-
ce, j dot sua natnreza do irrevogavel, J pela gra-
vidade de sen objeeto, e influencia que deve exer-
eer nos destinos do imperio, sendo por isso que
com razao exige a constitufcao qne o candidato
seja pessoa de saber, capaeidade e virtudes, com
preferencia os que tiverem feito serricos patria.
Nao me desrancho de possnir os requisitos pre-
cisos para bem desempenhar o mandato, e ante os
Ilustres Pernambucanos, que se aprtsentam, me
, reconheco e oonfesso o mais fraco e o menos dig-
no ; e se me determino pedir os suffragios de
meus coacidados, fundado sraente na pureza
de minhas intenedes, no desejo de servir ao men
pa iz, e na rerteea, que tenbo na propria cons-
| ciencia, de erapregar os esforcos, que em mira
confieren, para o metbor cumprimento de meus
deveres; animado nicamente por tantas de-
monstraedes de estima e eonfianca, que hei recub-
I do de minha provincia natal, que penboram em
extremo a minha gratidao, e me induzrm a crer
que alguma cousa mereoo no eonceilo nobre c ge-
, neroso de meas comprovincianos.
Meus principios sao bem oonhecidos, e desde o
anno de 1836, om que entrei na scena poltica,
sempre os tenbo sustentado com sinceridade, dedi-
cado e dignidade. Entendo que a liberdade o
fim essencial das sociedades ctvis, e felizmente a
' considero asss garantida em nossas instituicoes
fundamentaos, precisando apenas de algumas re-
formas as leis regulamentares, que a tornem ef-
fectiva na pratica, e assegurem mellior contra os
abusos e vexames da forca e do arbitrio.
Applicarei os mais serios cuidados no intuito de
qusitos pela manera se- occorrer decadencia da agricultura, commercio
| e industria, que olhos vistos defraham, e deman-
dam urgente proteceo.
Com estes principios sollicito de V. S. o seu vot
e valiosa coadjuvaeao, o se Ihe merecer esta prova
de sua honrosa eonfianca, terei no maior apreco e
agradecimento a parte que V. S. se dignar de to-
mar em minha eleico.
3." O paoiente morreu por ser mortal o mal cau-
sado?
4. O paciente morreu, nao por ser mortal o
mal cansado, mas porque nao applicara toda
a necessaria deligencia para remover o mesmo
mal?
3.a Ezistem circumstancias atenuantes favor
do reo ?
8. O jury reconhece que o reo commetteu o cri-
de, respondendo aos
guinte :
Ao 1. Sira, por unanimidade
Ao 2." e 3." Nao, por unanimidade.
Ao 4. Sim, por unanimidade.
Ao o. Nao, por unanimidade.
Ao 6." Sira, por unanimidade.
Lidas as respostas pelo Sr. Francisco de Paula
Goncalves da Silva, presidente do conselho, o Sr.
juiz de direito publicou sua sentenca, absolvendo o
reo e condemnando a municipaldade as custas.
Levantou a sessao addiando-a para o dia se-
guinte, s 10 horas da raanha.
os
o." SESSO. DA 16 DE OUTUBRO.
Presidencia do Sr. Db. Joao Antonio de Aiuijo
FllEITAS HENKIES, JUIZ DE DIREITO DA 1.* VARA
ama.
Promotor publico. O Sr. Dr. Francisco Leo-
polduo Gusmao Lobo.
Escriva O Sr. Joaquim Francisco de Paula
Estoves Clemente.
A's 10 horas da manha feita a chamada acha-
Aos 11 de setembro de 1863, compareceram os
Srs. Gustavo do Reg, Gameiro c Mello, naohouve
sessao por falta de numero.
En Francisco Canuto da Boa-viagem secretario a
eserevi.Reg, Mello e Gameiro.
4." SESSO ORDINARIA AOS 12 DE SETEMBRO Do jury doTa^ de outubro.
^ ., ^ **.?"k -, Os Srs. jurados, cujos nomes publicou o Di'um
Presidencia do Sr. Henumes da Silva de lo do corrente, como recusados pela promo-
Prcsentos os Srs. Seve, Mello, Gustavo do Reg,: Xom, forara os membros do jury de sentenca.
e Gameiro, faltando sem causa os mais senhores, Os recusados pela dita uromotoria foram
abro-se a sossao e foi lida e approvada a acta da; Srs.:
antecedente. i Antonio Carlos Pereira de Burgos Poncc Lcao.
L-se o segrate : Antonio Luiz do Amaral o Silva.
EaPEIENTE. Jacoiue Geraldo Mara Lumachi de Mello.
l ni officio do Exm. presidente da provincia, di-
7.i'iido Picar inteirado de haver conforme Ihe com-
municou a cmara em oflicio de 31 de agosto ul-
timo, suecumbido a urna peneumonia no hospital
Pedro II o africano livre de nome Braz que se j
achava ao servico do cemiterio publico desta ci-1
dade.Inteirada.
Outro de Dr. chefe de polica communicando
ter, era vrtude de requisico da cmara, providen-
ciado no sentido de ser vedada a entrada pela pon-
te da Boa-Vista, dos carros e outros vehculos de! ram-se"presntes40 senhores.
conducoao que do bairro d'aquelle nome se dir-1 F0rain relevadas das multas, todos os senhores
gireni para os outros bairros dacidade, afim de que! (.ue serviram na presente sessao, e que tinham si-
se nao desse o encontr de tacs vehculos na refer- j0 multados pelas faltas dadas no correr da mes-
da ponte por ondo devjam smenle sabir, havia era ma .sessao.
11 do crreme, mandado sobr'estar com semelhan- j Forara multados todos os senhores jurados no-
to providencia, temporariamente, em vista do que tincados, que nao compareceram e nem mandaram
no olUcw) que junto por copia remelle, acaba de so-1 escusas legtimas-
licitar o director da reparticao das obras publieas. T,,mio 0 Sr. administrador da casa de detengo
Inteirada, e se comraunicasse aos fiscaes. officiado ao Sr. juiz de direito, declarando que o reo
Outro,do capitao do porto, dando sciencia a ca- Antonio Jos Alpier, acha-se doente na enferma-
niara que em frente dos trapiches alfandegados ra d'iiuello estabelecimento, e nao havendo mais
conscnlem, ou nao prohihum os Qscaes que se
amarrera navios, abrindo-se para isso escava?oes
na ra, para serem enterradas as ancoras, o que
d lugar nao s a impedir o transito das respecti-
vas ras, como damnificara ao caes, que o fiscal da
fregueziado Recife noconseiito que os catraeiros i
eiicalliein botes junto aocaesdaLingucta. para pin-
tura e lmpeza dos mesmos, anda quando a capi-
tana conceda para isso licenca ; que nao desco-
njiccea competencia da cmara no que concorre a
vigilancia dos lugares pblicos em que a dita ca-
(liania nao tom a inspeccao determiuada no regu-
amento de 19 de maio de 1846, c que aprecaiuk)
o zelo que no cump imento de seus deveres apre-
sentam os fiscaes, e iior isso que se dirige a c-
mara para que ordene aquelles l'unccionarios a pro-
ilt KlC'lH lili 'llillL.M il.. <<* l^i,------------ ......---------->- -
Com a maior consideragao e estima sou de V. S.
patricio e correligionario obrigado
Urbano Sabino Pessoa de Mello.
Recife, Io de setembro de 1863.
processos preparados para serem julgados na pre-
sente sessao, o mesmo.Sr. juiz de direito encerrou
e sessao.
CQMMNICADOS.
i candidatura senatorial do
Dr. Urbano Sabino Pessoa de
Mello.
II AMIGO.
Nao nos digam que fazeraos
proprios.
Os cmpolgadores da actual
questo de nomes
situacSo poltica,
Vendo no Diario de (15) urna publicaco a pe-
dido, do Sr. Antonio d Cunta, relativamente ao
casamento de sua sobrinha D. Mara Amelia, e, so
bem que o meu nome nao tenha parte naquellcdra-
ma ., do meu rigoroso dever reclamar sobre ura
ponto que diz respeito a urna pessoa que inte-
ramente alheia a todo esse negocio.
N5o exacto que fllho algum do meu nobre
amigo o Illm. Sr. Lourenco Cavalcanti, pedisso a
mo da atildada do Sr. Cunha, ou que entrasse cm
concorrcncia com alguem : eu, e smente cu, pelo
muito Interesse que sempre ti ve pelo bem estar da-
quella menina, c conhecendo de perto na pessoa a
que alinde o Sr. Cunha, um moco de um carcter
leal, e qualidades pouco vulgares ( que ninguem
Ihe pode contestar) e fortuna, fallei entre familia
nesse casamento, como urna feliz acquisi^ao nao s
para a moca, como urna alianca honrosa para
nossa familia aconselhando-a sempre, que smente
devia casar com aquelle quo Ihe dctasse seu cora-
cao, que a meu ver eram os roais felizes casamen-
tos quando a escolha fosse feita entre pessoas de
reconhecda probidade.
Havia j (julgo eu ) alguma inclnacao, o que
deu lugar a nao se tornar ao serio a minha lem-
bran?a, e por conseguinte, nao entrar-se no conhe-
cimento da vontade doSr. Cavalcanti, que em todo
este negocio teve menos parte que Pi latos no credo.
Sobre o mais de que se trata, smente direi que
nao tomei parte directa ou indirecta no casamento
tratado, e menos no proceder do Sr. Cunha.
Recife 16 de outubro de 1863.
Joao Antonio Gomes Gutmaraes.
Dre sua inspeccao etc.Que se expedissem as ne- rcm impr silencio com a liga dos nomes proprios,
cessanas ordens, o se respondesse ao capitao do por que a familia est arranjada.
P0rio. Bem se sabe que ceteris paribus este era vez da-
Outro do juiz municipal da segunda vara com- quelle nome pouco importa para o principio; mas
municando haverem 7 do eorrrente, entrado no dizer que, quaesquer que sejam os nomes, urna vez
KUZ de urna licenca, e no dia 18 do mesmo pela que sejam de pessoas que confessam de bocea ape-
mauha cedo reasumido o exercicio de seu cargo, as sua adhesao a este ou aquelle principio, o prin-
Itileirada. cipio est representado legitima e convenienlcmen-
Outro do procurador, communicando acharem-se te, um absurdo, que s pode Iludir os demasa-!
esgotadas as verbas para despezas eventuaes, e de Jmente incautos.
coveirose serventes empregados no cemiterio pu-: Em poltica ha homens, nos quaes a idea como'
blico; pede a cmara qne providencie, visto como que se incarna, vindo assim taes homens a consti-'
indispensavel a continua^ao de taes despezas. tuirem-se seus verdadeiros representantes, salvo a
Que se pedisse autorisaco a presidencia para po- renova^ao lenta e gradual do tempo. i
der a cmara continuar a despender pelas mesinas i Os homens de importantes servicos na vanguar-
verbas. ja, aquelles qne o patz ha visto, com o prestigio da
Acabando de tomar a cmara esta providencia, sua illusti acao e do seu carcter, hitando por amor i
o Sr. Mello pede a palavra, e requer uue se deter- de urna idea cahindo abracados com a bandeira |
mine ao procurador que aprsenle ura balancete do de om partido, empenhando-se nos combates onde
estado de cada um dos cemiterios.Assim se re- elle mais renhido e perigoso, taes homens inspi-
solveu. rain a mxima conflanca aos adeptos da sua idea,
Outro do fiscal da Boa-Vista, formando nao ha- e os nomes desses homens sao e devem ser dignos
ver inconveniente em permittir-se que Elias Joa- de questao.
3uim Couiinho estabeleca na casa n. 14 da ra Alias o aditicio da ponuca, o castelio de um par-
os Pires um ferno de padaria, visto que tem ella tido, nao passariam de montes de areia movedca,
A asthma a esasm do peito liv e
de seus terrores.
Para esta afilie ti V3 e angustiosa molestia,
a qual converte e transforma a vida n'uma
carga pesada, um s remedio seguro existe
a composicao anacahuila peitoral de Kemp.
O consolador somno desterrado, volve a apre-
sen tar-se de novo ao doente que d'elle se
approveita ; a respirado anhelante acom-
panhada d'uma suffocaedo afflintiva em breve
tempo se allivia, a respiraco adqire a sua
acostumada regularidade e plenitude, e den-
tro de muito pouco lempo, os org5os res-
piratorios recobram o seu antigo tom e
vigor.
Seus effeitos sao sempre saudaveis nos
casos de tosse, resfriamento, bronchites, es-
pasmos do peito, assim como todas as mais
enfermidades e affeccoes pulmonares. A
pbtysica pode-se evitar se os que notam os
seus primeiros symptomas usarem para
desde logo deste grande a admiravel an-
tidoto.
E' um balsamo puro e simplesmenle ve-
getal, inoffensivo at mesmo para ascriancas
do peito.
Achar-se-ha venda as principaes dro-
gueras.
634
363
-----997
37
132
----- 169
NOVO BANCO
DE
PERIAMBUeO
O Banco toma saques sobre as pracas do Rio de
Janeiro e Baha.
Alfaadega
Rendimento do dia 1 a 15. 206:415^637
dem do da 16........ii:296#330
219:711*967
Uovlmmto da alfandega.
Volumes entrados com fazendas
com gneros
Volumes sahidos com fazendas
> com gneros
Descarregam no dia 17 de outubro
Barca inglezaVesion carvao.
Barca francezaRaonlmercaduras.
Patacho portuguez Maria da Gloriagneros de
estiva.
Patacho inglez Oicard farinha.
Brlguc hamburguez Margaretha = farinha. e
mais gneros.
Importado.
Vapor francez Bearn, entrado de Bordeaux em
13 do correte, consignado Tsset Freres, mani-
festou o seguinte:
5 caixas fazendas de laa, de seda, e elsticas, 2
ditas merceara, bonet, perfumara o miudezas, 2
caixas calcado, 3 ditas couros, 3 ditas perfumara,
luyas, etc. 1 dita amostras; Linden Wild & C
2 caixas fazendas de algodo, de seda e roupa,
1 dita amostras; Th. & Dammaver.
17 caixas fazendas de la, de seda, de algodo e
mixtas, carnizas, etc., 1 caixa ferramenta, 1 dita
amostras ; C. a Nogueira.
6o caixas queijos; a Tasso & Irmos.
2 caixas fazendas de la, de linho e de algodo,
3 barris vnho; L Mercier.
4 caixas fazendas de laa e algodo, de seda e
mixta, 1 dita amostras Joo Keller 4 C.
6 caixas roupa e luvas; Vaz & Leal.
15 caixas queijos, 1 dita vestidos, flores e lu-
vas ; a N. O. Beber & C.
2 caixas fazendas, i dita roupa, 1 volume agu-
lhas, 2 caixas bixas; Mello Lobo 4 C
25 barris manieiga, 25 caixas sardinhas, 10 di-
tas ameixas, 5 caixas queijos; M. D. T. Bastos.
140 caixas queijos; Brender a Brandis.
0 barris vinho, 3 caixas conservas; Tsset
Freres.
11 caixas queijos; Vicente Ferreira da Cosa
& C
1 volume azeudas, 1 caixa raantelletes: Scha-
fheitlim A C.
1 caixa pannos, 1 dita agulhas, 3 ditas roupa e
merceara, 1 dita flores, 1 embrulho amostras;
Henrique & Azevdo.
1 caixa couros envernizados, 1 dita encerados ;
a Jos Manoel dos Santos.
1 embrulho amostras; Manoel Joaquim.
1 caixa outeleria; Manoel & C
3 ditas calcado; J. P. Arantes.
2 barris vinho, 1 caixa papel, vidros e photo-
graphia ; E. & Mourie.
i caixa perfumara e luvas Viuva Locante.
1 caixa cadeiras, 1 dita objectos de cobre dou-
rados; s Innas de car idade.
1 caixa Jvros e jornaes; Jos Nogueira de
Souza.
1 caixa merceara e roupa -, Bnessard Millo-
chao.
1 caixa merceara; Joao de Faria.
1 caixa chapeos; A. C. de Abreu.
1 caixa oculos e azeile de ligado de bacalbo;
L. Deleuche.
1 caixa chumbo, papel para cigarros; Maia
de Brito.
1 caixa sedas; L. A. Siqueira.
2 caixas chapeos de palha, de feltro e bouets;
Christiani & Irmos.
1 caixa roupa ; Monhard 4 C.
6 ditas figos; Duarte & C.
30 ditas fructas; equino Fonseca.
1 caixa dinheiro; Manoel Ignacio de Oliveira.
I volme amostras; Saunders Brothers & C.
1 volume livros; Cavalranle.
1 dito fazendas; Colho Cintra.
2 caixas modas, 1 dita roupa, 2 ditas fazendas
diversas e 1 volume amostras; Ferreira Aranjo.
3 caixas ameixas; F. Dubarry.
1 caixa amostras de roupa ; Ch. Leclere.
1 caixa candieiros; Antunas.
1 caixa sapatos, 1 dita roupa, 2 barris vinho;
F. Sauvage & C.
3 caixas bichas; Ramos e Silva & Genro.
1 caixa bicos, toucas e grvalas. 1 dita couros,
chapeos, fitas e luvas; Monteiro Lopes 4 C.
1 caixa objectos de ouro, 1 dita bijouteria, 1 di-
la amostras: Lehamm 4 Irmos.
2 caixas fazendas de la, 1 dita dita de seda;
E. rt. Burle & C.
Patacho portuguez Maria da Gloria entrado de
Lisboa em 14 do corrente, consignado E. R. Ra-
billo, manifestou o seguinte:
10 pipas vinho, 5 dilas e 47 barris azeitc, 20
ditos toucinho, 400 ditos cal em pedra, 12 caixas
cha, 34 ditas cera em velas, 300 ditas batatas,
300 ditas ceblas, 30 ancoretas massa de tomates,
6 surrtfcs cominhos; E. R. Rabello & C.
1 encapado peneiras para fabrica; Rabello &
Branco.
14 pipas vinho, 30 barris azeite, 100 ditos peixe
em salmoura, 3 barricas crvadoce, 6 ditos comi-
nhos, 25 ditas alpista, 1:001 caixas passas; T.
de Aquino Fonseca Jnior.
6 barris choricas, 5 ditos alpista, 4 caixas vi-
nhos; Eduardo Marques d'Olivera.
15 caixas cera em velas; A. Valentim da Sil-
va Barroca.
20 barris vinho Marques Barros 4 C.
2 caixes pallio e pertences ; Manoel Ignacio
de Oliveira 4 Filho.
30 barricas alpista. 6 surres cominhos ; A.
J. Arantes.
2 barris e 4 ancoretas vinho, 1 caixa santos;
R. B. Lasserr 4 C.
1 caixote vinagre, i esleir de pallinha; Rer-
nardino Jos Monteiro & Irmo.
4 fardos ervas medicinaes, 2 caixas vidros va-
stos, 2 ditas drogas medicinaes; Joao da Costa
Bravo 4 C.
1 caixote brochas, 1 dito carbonato de amonia-
co, 2 ditos drogas medicinaes, livros de ouro e
prata; Joaquim Ignacio Ribeiro Jnior.
5 barricas cevada, 2 caixotes drogas medici-
naes ; B. Francisco de Souza.
1 caixote carbonato de amoniaco, 1 fardo pa-
poulas; Joao da Silva Faria.
4 Tardos alecrim, 1 dito flor de rnica, 1 dito
dita de viola.
2 barricas amostras, 1 caixote brochas, 2 ditas
drogas medicinaes; Caors & Barbosa.
1 barrica carvo animal, 15 ditas alvaiade, 3
caixes oleo de ligado de bacalbo com iodorto
de ferro, drogas medicinaes, sementes de hortali-
ee e 1/2 alqueire de feijao ; Joaquim Martinho
da Cruz Correa.
2 caixas garrafas para Lcroy, vidros para vo-
mitlo e ditos para opodeldoek ; Joaquim d'AI-
meida Pinto.
200 saceos farelo, 4 ditos e 5 barricas ervadoce,
6 encapados cominhos; A. L. de Oliveira Aze-
vdo 4 C.
477 saceos farello; A. de Almeida Gomes.
10 barricas grao de bico; Jo6 Joaquim de
Lima Bairao.
1 caixote chapas de chumbo e apoliecs ; Feli-
ciano Jos Gomes.
1 caixote velas de cera; Francisco Moreira de
Souza Meirelles.
50 barris toucinho, 10 ditos cevada, 12 barricas
alpista, 2 gigos vazos de lenca; Tasso & Irmos.
1 caixote livros; Francisco Baltar Jnior.
20 saceos semea; Jos Joaquim da Silva Go-
mes.
100 modas de 8000 res e 100 ditas de 35000
reis; Vluva Manoel Goncalves da Silva.
1 caixote miudezas; Miguel Jos Alves.
2 caixas massa de tomates; Manoel Jos Gen
calves da Ponto.
3 ditos dita dita, 3 ditas marmelada i Joaquim
Ribeiro da Gama.
1 caixo sapatos de transa; Valle Porto 4 C
1 caixote macaas Abel Joaquim da Silva.
2 barris vinho; Joo Carlos Bastos Oliveira.
caixote espirito* medicinaes e garrafas para
Leroy, 1 dito drogas medicinaes, 2 ditos carbona-
to de amoniaco, alfazema e oleo de caneHa;
Ignacio Jos do Coulo.
4 fardos alfazema, 2 ditos macella, i barrica
linhaca, 1 caixa oleo de aniz, 1 dita espirito de
alfazema, 1 dita drogas medicinaes, dita oleo de
amendoas, 1 dita oleo de limao: Dentar t Bar-
roso.
1 caixa espirito de alfazema, 1 dita plantas me-
dicinaes, 2 fardos alecrim ; G 0. da Crnx Mar-
tins.
1 eaixa mercurio; Vaz 4 Leal.
2 barricas mastarda, i dita linhaca, 1 caixa
oleo de aniz, 1 dita nos de linho, i dita man, 3
ditas el barrica ervas e drogas medicinaes, vi-
dros, etc.; ao Dr. Joao Pedro M. da Fonseca
| 2 caixas chinellas de rallo; Jos Fortunato
dos Santos Porto.
i caixote chinellas de orello; i ordena.
1 dito ditos de dito ; Satyro Serafun da Suva.
4 ditos ditos de dito; Joaqobn Pereira Aran-
tes.
4 barris vinho, 14 saceos cominos ; a I
4 Mmeos.
5 caixotes marmelada, 2 ditos rnassa de
tes, 2 ditos ervilhas, 1 dito feijo en latas; a
Duarte & C.
1 barril peixe salgado, 3 eextos macaas: a*
capitao.
Vapor nacional Princesa de JoinciUe^
dos portos do sul em 14 do corrente,
seguate:
2 caixes figuras de gesso; Frederiea_
1 bah de tolda e mercaduras;
Adriano P. da C. M.
i barrica caf; Francisco Jos da
Araujo.
40 latas fumo; Antonio L. de Oliveira Amit
do4C.
60 rollos dito ; Qnirino de Aguiar.
20 jacazes toucinho; Ferreira Martina.
Encoraraendas.
1 caixa ; Antonio L. de Oliveira Azev.Jo.
1 eneapado; Tasso 4 Irmos.
1 dito ; l'almeira 4 Beltro.
1 caixa; Solidomo Jos A. P. L.
1 dita; Julio da Silveira Lobo.
1 dita; ao Dr. A. V. M. de Drummond.
1 dita; Maia & Irmo.
1 lata; Accioli de Vasconcellos.
1 encapado; Jos Baplista da Fonseca Jnior.
1 dito; Johnston Pater & C
1 caixote; Guilherme Augusto de A.
1 lata; Clemente F. lavares.
2 barricas; ordem.
Brigue hamburguez Margarrtta, vindo de New-
York, entrado em 14 do corrente, consignado a Jo-
hnston Pater & C., manifestou o seguinte :
1,210 barricas farinha de trigo, 1 eaixa con
uraa machina para algodo, 1 dita arreios, 2 rodas
3 pacotos prannos e pertences, t2 ditos coniendo
forca de um cavallo, 485 resmas de papel de em-
brullio, aos consignatarios.
1 caixa com 9 duzias de calcas de algodo -. a
Rothe i Bidoulac
50 barricas aveia, 50 fardos ferro, 20 caixas ole
retinado, 5 ditas vidros ; a Henry Forsler aC
Brigue inglez Onmard, vindo de New-York, en-
trado em 13 do corrente, consignado a J. Pater
4 C., manifestou o seguinte :
1,739 barricas e 150 melos I
ordem.
farinha de trigo; a
Itecehcdorla de rendaa Interna*
geraes de Prrnanbueo.
Rendimento do dia 1 a lo. I5:I78JCOO
Id.-ui do dia 16......... 4:488000
19666JM0
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 15. 20:3984777
dem do dia 16......... 1:803M*
22 202633
MOVIMENTO DO PORTO.
RMm entrados no dia 16.
Cdiz29 dias, patacho hesponhol Presidente, da
140 toneladas, capitao Raphael Ros, equipagem
11, carga sal; Tasso & Irmo. Segnio para
os portos do sul.
Barcelona e Malaga34 dias do primeiro porto, 26
do segundo, brigue hespanhol Vigilante, de 151
toneladas, capitao Jos Meranbel, equipageni
12, carga vinho, azeite e passas; N. O. Bio-
ber & C, seguio para a Babia.
Terra Nova-32 dias, escuna ingleza MargartU,
de 178 toneladas, capitao D. M. Neil, equipagem
8, carga 1,780 barricas com bacalbo ; Johos-
ton Pater 4 C.
Baltimore53 dias, palhabote americano Hobtrt
W. Trott, de 151 toneladas, capitao James Haw-
Ihon, equipagem 6, carga 800 barricas rom fa-
milia de trigo e outros gneros; Thom Bur-
binyonng cv Roberto
Marios saludos no mesmo dia.
Southampton e portos intermediosVapor ingle*
Magdalena, commandante Woolward.
Cruzar Vapor americano de guerra Mimiktn,
commandante Glisson.
EDITAES.
Faeiridade de Direito.
De ordem do Exm. Sr. director se faz publica a
lista das faltas nao abonadas nos mezes de acost,
setembro e outubro. -"*
Primeiro anno.
Sesostris Silvio de Moraes Sarment, 9 inclusri
i sabbatina na 1* cadeira em agosto.
Segundo anno.
Cicero de Souza Marques, perdeu o anno.
Terceiro anno.
2 cadeira.Joaquim Constancio de Monra Coa
ta, lindoii o anno sem comparecer por e.-iar doente.
Rulino Tavares de Almeida, 4 faltas em setembra
Speridio Zamiro de Souza Lopes, 2 idem.
Manoel Le te Cesar Loureiro, 4 idem.
Tobas de Souza Lima, 5 idem.
Antonio Lourenco de Carvalho Serra,2em agosta
Miguel Gomes de Figueiredo, 2 idem.
Lino Leoncio da Assumpco, 3 em setembro.
Lenidas Ferreira Barbosa, 3 inclusive urna si
Latina, idem.
Jos Francisco de Barros Reg, 2 em agosto.
Uuarto anuo.
1* cadeira.Antonio Florentino Mindello 1 sab-
batina em outubro.
Jesuino Jos de Fre tas, 2 idem.
Joo Jos do Moute Jnior, i idem.
Joaquim Gucnnes da Silva Mello, 2 idem.
Joo Vieira de Araujo, 3 idem.
Egdio Francisco das Chagas, 2 idem.
Eugenio Gomes Becco, 2 idem.
Jos Ricardo Gomes de Carvalho. 1 em agosto.
Pompili Cavalcanti de Mello, 1 dem.
Francisco Rodrigues Seixas, 2 cm outubro.
Joo Thom da Silva Jnior, 1 em agosto e 2 ea
outubro.
Paulino Rodrigues Fernandes Chaves, 1 om
agosto.
Barnab Elias da Rosa Calheiros, 1 idem.
Goncalo de Lagos Fernandes Bastos, 1 sal
idem.
Theodoro Thadeu da Assumpco, I em agosto o
2 em outubro.
Joaquim Germano Ramos, i em agosto.
Quinto anno.
Alfredo Sergio Ferreira, 10 e 1 quarto, inclusive
1 sabbatina era setembro na 3* cadeira.
Olimpio Emilio de Arroxellas Galvo. 1
na em outubro idem.
. Celso Tertuliano Fernandes Qnintella, 1
na em setemhjo na 1* cadeira.
Francisco Leonardo de Souza Miranda
faltas em outubro idem, e 1 na 3\
Manoel Jos Goncalves Fraga, 2 na { cadeira
era outubro.
Jos Alves da Silva, :l na 3J I ni BiatOntiU-
Jose Rodrigues Pereira Jnior, 4 e 2 laaran na
1- cadeira era outubro.
Eduardo Legoor Lobo, 2 na cadete an ou-
tubro.
Jos Maria Carneiro de Albuquerque Mearan, i
e 1 quarto, inclusive 1 sabbatina na m|
sendo aquellas em setembro c estas montnbro.
Francisco de Paula Cavalcanti dei*-
13 inclusive 2sabbatinas na 3' cadeira_
Alfredo Sergio Teixeira de Macedo,Jj
na Ia em setembro e 1 falta idem em a^^_
Carlos Augusto Naytor, 5 inclusive 1 i
idem em outubro.
Joo Franklin da Silveira Tavora, ff
ra em agosto e 3 na 3* em outubro.
Antonio Raulino de Sena Ueha,
sabbatina era setembro e 1 sabbatina e i qua
em outubro na 1* cadeira. jM
Alfonso Xavier Fortes Bustamante, 4 O i
na 1* cadeira em agosto.
Francisco Antonio Correa _
sabbalinas em outubro na 3* a>
Joo Jos do Moura Magaltriea]
t quartos em setembro, e 2 en
deira.
Manoel Pereira (iuimariles^de I
ve 1 sabbatina em setembro idem.
Joo Fernandes Chaves Jnior, 3 ]
em agosto e 8 inclusive 1 sabbatina
nal*.
sabbati-
sabbati-
Conto,2
:2
ilhaea.1
agnoto,2e
na ea-

1
i


J


X

Diario de Perisaibiico
Wabfeado I 3 de Otilubre e ISttS.
ium Moreira Lio, o e i quarto em agosto
o 6 inclusive i sabbatina em setembro, dem. \
Candido Martins da Almeida. 5 na 2' cadeira em
agosto.
Manoel de Lomos Souza Machado, 6 era oulubro
na 3a cadeira.
Jos BaptisU GitiraBa. 6 e i quartos era ootobro
na. i' cadeir.
Custodio Jos Leitc de Salles, 4 e 1 quarto em
agosto, 5 inclusive i sabbatina em setembro e 6
eaa outubro, dem. "
Joo Silverio Marques Bacallao, 5 inclusive 1
sabbatiua em setembro ua 1" cadeira e urna sabba-
tina era ooHJbro na 3*.
Magas Bruno Marques Bacalho, 6 inclusive 1
sabbatina na i' cadeira em setembro e 1 sabbatina
em outubro na 3*.
Francisco Aiuintas da Costa Barros, 6 inclusive i
sabbatina na 1" cadeira em setembro.
DECLARARES.
No da 17 do corrente, depois da audiencia
do Dr. juiz municipal da segunda vara provedor
de capellas e residuos, vo a praca dous cavallos
pertpncentes a bens do evento, avahados um por
203 e outro por 105, a ultima praca.
Arreoiatat'o.
No dia 17 do correte mez'flnda a audiencia do
8r. Dr. juiz municipal da segunda vara, eserivo
Baptista, ser vendida em hasta publica, a quem
I mais er, una casa terrea meia-agua n. 33, eom
solio, na ra de Hortas desta cidade, avahada em
500*000, a qual casa foi penhorada a Andre de
Abren Porto e sua mulber, na execucao que Ihe
move a Santa Casa da Misericordia desta cidade :
; pede-se a quem tiver direito ao solo da mesma c-
Jeronymo Cabral Rodrigues Chaves, 3 na 3* ca- > que eompareca na octasiao da praca, ou an-
nuncie por este jornal.
Artso.
Para conhecimento de todos a quem possa inte-
ressar as relacoes commerciaes,- com a repblica
argentina, e com especiaJidade os Srs. capites de
navios, como para desempenho de nstruccSes re-
dei raen outubro.
Trajano Verialo de Mudeiros, C inclusive 1 sab-
batina na 4" cadeira em setembro.
Francisco Antonio de Freitas Barros, 3 e 1 quar-
to en agosto na 1* cadeira e 9 inclusive 1 sabbati-
na na e i:
'Antonio Pereira Camello, 6 inclusive 1 sabbati-' cebidas, se manda traoscrever em sua integra o
na aa 1* cadeira em setembro e 7 na 3", sendo 4
em setembro e 3 era outubro.
N mesma sesso foi jigado de auno perdido,
por excesso de faltas, Joo Pedreira Franca J-
nior.
Os estudantes que tiverem faltas nao abonadas
as devero abonar at o dia quarta-feira 21 do
seguinte decreto do 24 de setembro ultimo.
El presidente de la repblica ha acordado y de-
creta :
Articulo 1.a Los buques procedentes de puertos
donde haya agentes consulares de la repblica quo
no haigan sus manifestos visados como correspon-
de por los cnsules respectivos, sern obligados
corrente as 11 horas da manha, em que tem de pagar el duplo de los derechos consulares que de-
funecionar a congregacao que hade julgar das ha- bieron satisfacer en el puerta de su procedencia,
billtaces. cuyo importe ser percibido por la colectura,
Por esta mesma occasiao ac faz publico que o aplicando la mitad al Oseo y depositando la otra
pagamento das matriculas de encerramento s po-' mitad disposicin del cnsul a quien corres-
der ter lugar at o da sabbado 24 do corrente. ponda.
Secretaria daFaculdade, 16 de outubro de 1863. ArL 2.
La multa del duplo que queda estable-
cida por el articulo anterior, empezara cobrarse
cuatro mezes depues de la publicacin de este de-
creto, cobrndose entretanto los direchos consula-
res solamante como lo dispona el articulo 8 del
decreto de 7 de noviembro de 1862,
Art. 3." Communiquese quienes corresponde,
O secretario,
Jos Honorio Bezerra de Menezes.
O IHm. Sr. inspector da thesouraria provincial,
manda convidar aos proprietarios abaixo mencio-
nados, a eotregarom na mesma thesouraria, no
praso de 30 das, a contar da primeira publicarlo
do presente, a importancia da quota com que de- publiqueses y dse al registro nacional,
vem entrar para o calcamento da ra da Aurora, ] (Assigndo) MitreRutino de Elizald.
na parte comprehendida entre a ponte da Boa-Vis-1 Consulado da repblica argentina em Pernam-
ta e a de Santa Isabel, conforme o disposto na lei buco. 18 de outubro de 1863.- Joto Joo de Amo-
provincial n. 350. Advertindo que a falta da en-! rwt, cnsul.
trega voluntaria ser punida com o duplo das re- CaU filial em PciliaillblKO.
endas quotos, na araform.dade do art. 6 do re- Por ordem da directoria do banco do Brasil sao
1F T JL iJ&Tvu? ioonnn convidados os senhores accionistas localisados na
300*0001 caixa filial de Pernambuco recolberem ah at o
aa-snftn da 23 de Janeiro de 1864 a nona e ultima presta-
fSSJSn eao de 10 0/0, ou 20* por ac^o, de conformidade
com os artigos 8 e 9 dos estatutos do banco do Bra-
Idem 12Orphos Emilio, Joaquim e
Maria.........
dem 22Visconde de Boa-Vista .
dem 20Netos do finado Manoel Al-
ves Cuerra. ........ 225*000
dem 24-Viuva de Antonio Jos Pe-
reira deS......... 2105000
dem 26Jos Rodrigues de Araujo
Porto........... 180*000
dem 28Olindina Vieira da Cunha. 150*000
dem 30Viuva e herdeiros do des-
embargador Martiniano da Bocha
Bastos.......... 225*000
dem 32Mara das Neves Carneiro
da Cunka......... 300*000
dem 34Herdeiros do viseonde de
' sil, e art. 45dos estatutos da caixa filial.
i Sala das sessoes da directoria da caixa filial do
1 baneo do Brasil em Pernambuco 1." de outubro de
11863. O secretario,
Jos Mamede Alves Ferreira.
No da 20 do corrente, depois da audiencia
i do llhn. Sr. Dr. juiz municipal da 1* vara, tem de
ser arrematada a escrava de nome Silvana, com
56 annos pouco mais ou menos, bonita figura e
Iwa coznheira, avahada por 400* i vai a [iraca
com o abati ment da lei, pela quantia de 300*,
por execucao de Antonio Jos Vieira, contra Ma-
em M-ueramm ao visconae ae j^, Joaqu-iin da si|va Rjbeiro para ,yn da
Hw hi~. n.A.0'. j. '' iS&Sh hypotheca feita em Jila escrava; escrivao Santos.
S ^-yi*LB\p}yLSJl 2S8KK O procurador da cmara municipal desta ci-
Ideni
dem 3S Bario de Guararapes
dem 40Jos Jacintbo da Silva .
dem 42Carlos Augusto Pinto da
Oliveu-a..........
Mam 44 Dr. Virgilio de Cusnio
Colbo..........
Ilein i(i-Eduardo Candido de Oli-
veira ......-. .
Iilem 48Eduardo Augusto Pinto de
Oiiveira..........
dem 50Francisco Augusto de Oli-
velra. .......
dem 54Custodio Alves Rodrigues
da Costa.........
dem 56Jos Daniel Rodrigues da
Cunha ..........
dem 58Vicente de Paula Oliveira
Villas-Boas.........
dem 60Maria Prente da Costa .
dem 62Dr. Joaquim Francisco de
Miranda e Anglico Bernardo de
Miranda..........
Id>n 64Maria Theodora d'Assump-
cao.............
Id an 86Antonio de Azevedo \ illa-
rouca ..........
dem 68Jos Jacinlho da Silvera .
dem 70-0 mesmo......
dem 72 -Viuva e herdeiros de Joa-
quim Jos Lourcnco da Costa. .
Id -m 74 Herdeiros de Bernardo
Uarte Brandao.......
id m 76 Maria Joaquina da Trin-
dade...........
Id-mi 78Joaquina Maria de Deus .
Id 'ni 80 Viuva e herdeiros de Ma-
noel Concalves da Silva ....
dem 82Francisco Goncalves Netlo.
dem 84Dr. Luiz Felippe de Souza
l.eo...........
dem 86Maria da? Neves Carneiro
180*000
150*000
150*000
150*000
180*000
1505000
300*000
procurador da cmara municipal
dade manda publicar a relaco abaixo, que Ihe foi
remettida pela mesma cmara, dos senhores que
tendo deixadode comparecers sessoes do jury, fo-
ram multados pelo Sr. Dr. juiz de direito da pri-
meira vara presidente do mesmo jury, e pede a ca-
da um dos mesmos senhores que se dignem reco-
llier ao cofre municipal a importancia em que fo-
ram multados, evitando assim que se proceda exe-
culivamente.
Cmara municipal do Recife, 2 de outubro de
1863.
O procurador,
Jorge Vctor Ferreira topes.
6 de junho de 1863.
Jos Goncalves da Porcincula. 300*000
Jos Lopes Gtiimaraes........ 300*000
Jos Pires Campello de Almeida. 300*000
Mariano de S Albuquerque..... 300*000
Francisco Antonio de S Brrelo. 300*000
Joaquim Pedro Carneiro Campello. 300*000
Dr. Manoel Figueiroa de Faria. 3005000
Manoel da Vera Cruz........ 300*000
Jos Ignacio de Lira........ 3003000
Manoel Carneiro Lcao....... 900*000
Antonio Francisco das Neves. 300*000
Antonio de Albuquerque Mello. 300*000
Francisco Pereira d'Arruda Cmara 300*000
16 de julbo.
oinnn Nereu de S Albuquerque...... 280*000
sifiuw Jos pedro vehozo da Silveira Jnior. 280*000
Antonio de Albuquerque Mello. 260*000
Jos Joaquim de S Leito...... 260*000
Antonio Francisco Lisboa Esteves. 200*000
Joaquim Lucio Monteiroda Franca .. 200*000
Joaquim Mileto Maris............... 200*0 0
Dr. Manoel Figueiroa de Faria.. 200*000
Francisco Lopes Guimaraes ......... 200*000
Antonio Ferreira d'Annnnciacao ... 160*009
.Mua Casa da Misericordia do
Heciff.
O Illm. Sr. thosourciro da Santa Casa de Miseri-
cordia do Recife manda fazer publico, que no dia
21 do corrente, pelas 10 horas da manliaa, na casa
dos expostos, far pagamento das mensalidadus
vencidas at setembro prximo passado s amas
que so apresentarem acompanhadas das enancas
que llie foram confiadas.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
60*000
150*000
120*000
120*000
75*000
75*000
120*000
U0*000
120*000
36*000
150*000
210*000
180*000
195*000
165*000
presente
Ja Cunha .........
I para constar se mandou publicar
pelo jornal. ......
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 10 de outubro de 1863.
O secretario,
A. F. (TAnnunciarao.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda desta provincia, manda fazer publico que o cih^'l^a^fta^
ocurso annunciado para o dia 12 de outubro vin- Clfe> 13 dc Ulubb f &,,.; C
douro, fica espagado para 19 de mesmo mez, eque *. A. U\alcanl. Lousstiro.
nesse dia deverao comparecer os pretendentes nao m ^ audiencia
so aos lugares vagos de praticantes da alfandega, n .J. n.....:,,:.^ a 2 vara Francisco de
como.aos da recebedoria de rendas, e que tambem JDr. ju z mu ,c pal ojr2. var^ Franusc^^e
deverao coinjarecer no da 19 de outubro vndou- >- objecios^ taberna sita na ra Di
ro os candidatos Silv.iio ^dl^p^.^bua3-^Xtotdade n. 127, avahada por 25*. cuja
.obreira, Jos Dell.no da Silva Carvalho, rranc.s- [^^ e majs objectos ^ ^ a reqaeriml
to de Manoel Gomes da Silva, como tutor dos me-
co rcisinio de tarvamo raes ue Aiiuraue e jse
Felippe de Moraes c Silva, que prestaram exame
nos dias 6, 7 e 8 de julho do corrente anno, pa--a
os lugares vagos de praticantes desta thesouraria,
aiim de fazerem exame e serem approvados as
ni iierias de que trata o art. 1" Io do decreto n.
3,: 14 de 27 de junho ultimo, conforme foi deier-
m.nado pelo tribunal do thesouro nacional naor-
Secretaria da thesouraria de fazenda dc Pernam-
buco, 18 de setembro de 1863.
Servindode ofUcial-maior,
Manoel Jos Pinto.
- O Illm. Sr. inspector da thesouraria de fazen-
a todos os habitantes desta
ores Marcos Gomes da Silva c oulros, na execucao
que o mesmo move pelo carlorio do escrivao Motta
contra Francisco Jos Curreia Guimaraes : os pre-
tendentes que quizerera arrematar dita taberna, po-
dem dirigir-se ra estreita do Rosario, sobrado
n. 8, segundo andar, afira de examinaren) os mes-
mos.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra tem de eomprar os objectos se-
guintes:
Para a companlna de cavallaria dc linha.
Bonets 76, botins pares 188, luvas pares 198,
COMPANIIIA PERNAMBUCANA
DE '
Navegado costeira a vapor.
Maeei e escalas.
0 vapor Camaragibf, comman-
jiante Monra, se|uir para o
portos cima Indicados no dia 24
de outubro prximo. Rcceberi
carga at o dia 23 ao meio dia.
Encommendas, passageires e dinheiro a frete at o
da da sahida as 3 horas : escriptorie no Fort do
Mallos n. 1._____________________________
COMPANIIIA PERNAMBUCANA
DE
PAQUETES A VAPOR
Parahjba, Natal, Maco, Aracaty r Coar.
O vapor Jaguarbe, commaadan-
te Lobato, seguir para os portos
cima indicados logo que regres-
se de Fernando. O dia da parti-
da ser annunciado opportuna-
mentc.______'_____________________ .
Ao Para.
8egue-eom brevMade o veleiro brigue escuna
Graciosa, capitao Jacintho Nunes da Costa, por j
ter prompta urna parte do seu carregamento, para
o resto que Ihe falta trata-se eom o consignatario
Antonio de Almeida Gomes, ra da Cruz n. 23,
primeiro andar._________________^^
lotera.
Sexta feira, 23 do crtente mez, se ex-
trahir a stima parte da terceira Joteria do
Gymnasio Pernambucano i terceira conces-
t&6), no consistorio da igreja de Nossa Se-
nliora do Rosario da freguesa de Santo An-
tonio. OsbiHielese meios bilhetes acham-
se venda na respetiva thesouraria, ra
do Crespo n. 15, as casas commissiona-
da: ru da Impertirii n. 44, loja do Sr.
Pimental: ra Direita n. 3, botica do Sr.
Cbagas; ra estreita do Rosario n. 12, tv-
pographia do Sr. Mira; ra da Cadeia n.
45, loja do Sr. Porto. Os premios de___
5:0000000 at luflOOO rs., sero pagos urna
hora depois da exlraccao al s 4 horas da
tarde, e os oulros no dia seguinte depois da
destribuic5o das listas.
Thesouraria das loteras, 10 de outubro
de 1863.
Servindo de thesoureiro,
Jos Rodrigues de Souza.
COMPANHLA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos pertos do norte esperado
at o da 18 do corrente o vapor
Apa, commandante Alcanforado
o qual depois da demora do eos-
turne seguir para os portos do
tul.
Desde j rceeben-se passageiroe e engaja-se a
earga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encom-
mendas e dinheiro frete at o dia da sahida s
horas: agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo Si C.
Companhfa fldelh
segnros martimos e ter-
restres estabelecida no
Rio de Janeiro.
AGENTES EMPEPNAUBUCO
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo k C,
competentemente autorisados pela direc-
toria da companhia de seguros Fidelida-
de, tomara seguros de navios, mercadu-
ras e predios no seu escriptorio ra da
Cruz n. 1.
LEILOES.
LElLftO
M
Movis e miudeas
IIOJE.
lfo deposito geral.)
O agente Pinto far leilo requerunento de
Guilhenne Jorge da Motta e por despacho do Illm.
Sr. Dr. juiz especial do commercio, de i marque-
zas, 3 bancas, 8 cadeiras, i mesa ludo em mo
estado, e urna porcao de miudezas, objectos em-
bargados a Bernardo da Silva Cardoso e existentes
no deposito geral casa em frente a secretaria de
polica, onde se effectuar o leilo s 11 horas do
lia cima dito.
4 escravos, iu-bia-, prala e um rico
pi no dc jaca i amia.
iio.ii;.
(i agente Pestaa legalmenle autorisado far
leilo por conta e risco de quem pertencer de 4
escravos a saber: 1 mualo para servico, 1 cabra
para servico, 1 crioula boa cosinheira, soffrivel
costurera e engommadeira, 1 mulata com as mes-
mas habilidades e diversos objectos de mobilia,
como sejam : 1 rica mobilia do mogno com ca-
deiras e de bracos, sof, consolos e mesa oblonga,
guarda roupa, apparador, m^sas e dejogo, camas,
marquetas, sofs, cadeiras, quadros, una rica se-
raphina, ricas fructeiras e oulros ricos objectos
de gosto, um apparelho de cha de prata, diversos
objectos para facilitar os trabalhos domsticos co-
mo sejam machinas de limpar facas, de cngoui-
mar c lavar roupa, prencas para livreiros, moinhos
torradores para caf e milho, sorveteiras com-
muns e para sorvetes articiaes, fogoes, fogarei-
roseconmicos etc., candieiros de gaz, 1 barrica
com salitre, 1 grande cofre de forro, diversas ar-
mas de fogo, entre ellas 1 carabiua obra de esme-
ro justo e cursa lOO ps, e mutos differentes
artigos que seria enfadonho enuraera-los e que se
acharao patentes aos concurrentes, sabbado 17 do
corrente pelas 10 horas em ponto, no armazem da
ra estreita do Bosario n. 32.
5"| de qratificaco.
Fugio 15 do corrente Berardo, cabra, que re-
presenta ter 33 annos, baxo, cheio do corpo, tem
toda a barba e bigodes, cabellos um pouco crespos
e curtos, andar vagaroso, falla pausada, ouos pe-
queos, cabeca regular, denles alvos, trajando ca-
misa azul d'algodo, calca de igual fazenda c cor,
com dous remendos nos Jolhos, e chapeo de fel-
tro ; presurae-se que elle tenha tomado a direceo
de Jaboato : quem o pegar leve-o Piranga, si-
tio onde mora seu senhor Jos Alfonso Bandoui,
ou ra da Cruz n. 40, armazem.
CASA DE SAUDE
En Saalo Amare
Do Dr. Hilva Ramos.
nico estabelecimento desta natura
que existe entre nos, montado do modo
que pode com todo o commodo e zelo tra-
tar qualquer doente, eme nella seja reco-
mido.
O edificio magestoso e conserva-se
em perfeito estado de iimpeza e conve-
nientemente mobi liado.
Os doontes sao separados, segundo os
sexos, natureza das molestias e condicoes
sociaes.
Ha quartos fortificados pava os aliena-
dos, e urna enfermara para as partu-
rientes.
O proprietario oncarrega-se de qual-
quer operacfiu.
O estabeleeiment franqueado qual-
quer nassoa que o qneira visitar.
Primeira classe 3AO00 diarios.
Segunda dita.... 45500
Terceira dita.... 25000
Para que qualquer doente sejaali rece-
bido, basta que se mande o nome do doen-
te e da pessoa que o remette, com a de-
claracao da morada.
proprietario aceita contratos annuaes
com qualquer que queira ter um ou mais
leitos sua disposicao.
NOVO ESTABELECIMENTO DE MEDICINA HOMEOPATHICA
BA MOTA \. 43.
O Dr. Sabino 0. L. Pumo mudou o seu CONSULTORIO para a loja de mannore
ra Nova n. 43, onde continua a dar consultas todos os dias uteis desde o meio dia ate
horas.
Os enfermos, que o procurarem logo na invaaao da molestia, sem que Bajan lo-
mado qualquer remedio, nem allopathico, nem homeopathico, pagarao metade dos preaos
e&tipulados. Esta coacesso tem por fim facilitar a cura de molestias, que podem tornar-
se complicadas pelos emprego intempestivo da thepapeulica e ao mesao tempo adqairir
para a homeopathia maior numero de adeptos pela bateza da cura.
Era attencao as pessoas pobres, que nao podem sahjr de dia, o Dr. Sabino resol-
veu dar duss consultas por semanas as tercas e sextas-feiras das seis as sete horas da
noite.
Os chamados para visitos e conferencias devem ser dirjgidos por escripto ao con-
sultorio desde 8 horas do dia at 8 da noite, na certeza de que sero attendidos na ordem
de sua precedencia, salva a circunstancia de eminente perigo.
%ivi;hti:\cia.
O novo consultorio est prvido dos melhores medicamentos, desde a primeira
at a trigsima dynaminjsacao.
E como os mdicos hespanhes e allemes nao cessam do certificar a major effi-
cacia das ultissimas dynamjnisacoes do tratamento das molestias chronicas, o Dr. Sabino se
oceupa agora de elevar os seus medicamentos s potencias mais altas (por ora at 200.a).
afim de verificar por si mesmo a forca dynamica, que se Ihe attribue.
Os mdicos, que quizerem experimentar taes dynaminisaeoes podeFo dirigir ao
consultorio suas receitas, que sero aviadas gratuitamente para os pobres.
No mesmo consultorio se vende a novissima edicto do Thesouro homeopathico
ou Vademcum do homeopatha, obra indispensavel a dos que querem usar da bomeo-
pathia.
Tudo o que diz respeito nova medicina se acha abundantemente neste novo estabe-
aecimento.
\
KIBAO
DE
MOVEIM i: HWC'll.tVO*.
Oagente Almeida em virlude do despacho do
Illm. Sr. Dr. juiz especial do commercio far no-
vamente leilo dos movis e escravos pertencen-
tes a massa fallida de Sevc Filhos ex C.
iioji:
s 11 horas do dia no sitio em S. Jos do Mangui-
nho defronle da entrada para a Capunga.
Os concurrentes encontrarao um mnibus na
esq ina da ra do Crespo as 10 horas do mencio-
nado dia.
LIGUES
BE
PARTIDAS COBRADAS
ARITMTICA
TRES YEZES POR SEMANA
TERQAS, QUINTAS E SlllilUOS
DAS 7 S 9 HORAS DA NOITE
Preco 10,000 rs. mensacs payos adiantados.
Manuel Fonseea de nedeiros.
1 contina a dar lcoes das referidas materias no
primeiro andar do sobrado da ra Nova, que faz
esquina para aCamboa do Carmo, onde traballia o
! Sr. E. Gadault. As pessoas a quem o presumo do
annunciantc r' der aproveitardignem-seprocura-lo
ahi somonte nos dias e horas cima designadas.
IjEIIAO
DE
Couros espichados e 15 saceos
eom dinas de eavallo.
Segunda-leba 19 do corrente,
O agente Pestaa vender por conta e risco de
quem pertencer 13 saceos com dinas de eavallo e
porcao de couros espichados, tudo no estado em
que se achar : segunda-feira 19 do corrente pelas
10 horas em ponto.na ra do Trapiche da alfande-
ga velha n. 19,ilefronte da associacao commercial.
da manda fazer publico
ni- ivincia que em virtude da ordem do Exm. Sr. mantas de laa b6, panno azul covadosal, casi-
uiinistro da fazenda, presidente do tribunal do the- mira encarnada covados 9 1|2. dita verde covados
so no nacional se proceder do 1 de dezembro pro- 9 l|,olanda deforro covados 301, bnhi branco
xino tntiiro pela thesouraria a substituido das varas 891, algodaoznho varas 495, botes grandes
netas do mesmo thewuro de a00 da 2" e 3" es- de metal ama relio lisos 1,064 ditos, pequeos do
lampas, valor por valor al o fim de julho de 1864, mesmo DjetaUR.
comafldo do 1 de agosto subsecuente a soffrer'
Urna loja de alfaiale e fazondas.
Da ra \ova n. IO.
Terea-felra O do corrente.
0 agente Pestaa vender por conta e risco de
quem pertencer. a loja de alfaiale da ra Nova n.
40, constando da armacao, obras fritas e diversas
fazendas anda em peca, bem afreguezada e tem
poucos fondos, propria para qualquer estabeleci-
! ment : o leilo ter lugar na mesma loja. terca-
feira 20 do corrente, pelas 10 horas da manhaa m
ponto.
0 Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
Io c 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profls-
s5o medica, e cora especialidade
sobre o seguinte
Io molestias de olhos ;
2o ) de peito :
3o dos orgios geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
ro examinados na ordem dc suas
entradas eomecando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Oar consultas todos os dias d s
0 as I Oda manha, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
cao que julgar conveniente para o
promplo restalielecimento dos seus
doentes.
, .as dM iotas o descont da lei na razo de 10
jior cento no 1" uiez, de 20 |ior cento no 2o, e assim
por dianto de modo aperderem todo o valor no d-
cimo mez.
Seeretariada thesouraria de fazenda de Pernam.
buco 3 de ootobro de 18<>:.
Servindo de official-maior.
Manoel Jos Pinio.
O Dr. Tristao de .Menear Araripe, offlcial da impe-
rial ordem da Rusa e juiz de direito especial do
commercio desta cidade do Recife, capital da
provinca de Pernambuco e seu termo por S. M.
Constitucional o Sr. 1). Pedro II, a
quem Deus guarde etc.
Paco saber pelo presente que no da 21 do cor-
rent met, pM H horas da manha, na sala das
audiencias, ter lugar a reuniao dos credores da
ui.issa fallida de Urbano Mamede de Almeida. suc-
essor de Mamede A Martjns, na (^Jiiformidade do
artigo 133 i -.ftfu I amento n. 738 de 25 de no-
vimbre de }, afim de que reunidos todos os
liana presenta, verifiquen! os seus
itos,cojcedam ou in'gucm a concordata, ou
rato de unio, e proredam a nomea-
?'los admnistradores dos bens da referida niasta
allida ; advertindo, que nenhum credor ser ad-
ii ittido |wr pmenrador, se este nao ver poderes
o- peciaes para os artos, e que a proenracao nao
{Moa que seja devedora do fal-
rocurador re|Hvsentar por
^^^redoies : em observancia
I i que, todos os credores da referida massa falli-
<11 romi>trecam no da, hora e lugar designados,
. proceder as suas revejas,
bague ao conhecimento de todos
mandei fazer o presente edital que ser aflixado
ing.'ires do costnme, c publicado pela im-
lirMa.
inda* nassado nerta,eidade do Recite de Per-
nimboso, aos 13 de outubro de 1863.
En, Manoel de Carvalho Paes de Andxade,
evrvao o sobserevl.
TristSo de Menear Araripe
Para a Colonia militar de Pimenteiras.
1 bandeira imperial de flele com 2o palmos de
comprida e 16 ditos de largo, 1 dita de dito dito
com 9 palmos de comprida c 5 ditos de largo.
Para o arsenal dc guerra.
Ferro inglez em barra com 172 polegadasde lar-
gura e 3 oiiavos de grossura 50 quintaos, gorama
arbica libras 5, massos de obreias 50.
Para o presidio de Fernando
Um nincho segundo o modello existente na se-
cretaria do conselho.
Quem quizer vender taes objectos apresentem as
suas propostas em carta fechada na secretaria do
conselho as 10 horas da manha do dia 23 do cor-
rento. ...
Sala das commissdes doconsellio administrativo
para fornecimento do arsenal de guerra, 16 de
outubro de 1863.
Antonio Pedro de Sa Barreto,
Coronel presidente.
Sebastian Antonio do Reg Rorros.
Vogal e secretario.
Hoje depois da audiencia do Illm. 8r. Dr.
juiz municipal da 2* vara, tem de ser arrematada
a casa terrea o. 17, sita na ra do Jasmn, por
execneSo de Jos Alves Barbosa contra D. Fngra-
eia do Amparo Sonta Bosa, para pagamento da hy-
potheca feita na mesma casa; escrivao Santos.
Quarta feira 21 do corrite.
s IO koras, no armazem da na
da Cadeia do Recife n. ol-
to da Igreja do Corpo Santo.
O agente Olympio vender em leilo ricas mo-
bilias de Jacaranda com lampos de pedra marmore,
urna burra de Ierro, ricos cspelhos da altura de
um homem, garrafas de crystal, apparelho de gos-
to para sobremesa, carleirs para escriptorio, um
si I bao, relogios de parede de muito gosto, immen-
sidados de objectos do mais aparado gosto, os quaes
doixa-se do mencionar por se tornar massante :
na vespera e dia do leilo podero ser examinados
todos os artigos.
rmm

AVISOS martimos.
Opailiaboto GariMHi segu para
a Babia pesies das, (em a maior
parto do carregamento prompto, tra-
la-se com Tasso Irmaos ou cora o
capitao Custodio Jos Vianna-
Para o Rio de Janeiro pretende seguir com
ranila brevidade o brigue nacional Almirante :
Icbi parte de seu carregajnttnto prompto, e para o
resto que Ihe falta, trata-ie fpra os seus consigna-
tarios Antonio Luiz de Olitefra Aievedo, no seu
escriptorio roa da Cruz n. 1.
AVISOS DIVERSOS.
Precisa-se alugar urna escrava que saiba
vender na ra: no pateo do Terco n. 12.
-r> Proeisa-se alugar tuna sala indepeadenle
para moco solteiro : no pateo do Terco n-12.
Quem precisar de um menino de 16 annos
da rdade para caxeiro de armazem on deposito, o
qual tem alguma pratica: dirija.se na d
Assumpgo o. t\.
Ama.
Quem precisar de urna mulher pao anta de
urna casa de pouca familia, diriia-se travessa dos
Expotlosn. 14.
Precfea-ss fle um caixeim conT pratica de
taberna, euoe.d conhiicimento de sua pessoa :
para tratar, najrua dos Pires n. 38, taberna.
Progiamma da IVsla tle vosn Senta-
ra do Bom-Parto, na igreja deS.Jo>
ite Itiba-il r.
A mesa regedora da irraandade de Nossa Senho-
ra rio Rom-Parto, faz sciente aos seus irmaos e de-
votos da mesma Senhora, que na madrugada dodia
17 se levantar a bandeira acompanbada por me-
ninas .; noite haver vesperas e no domingo (18)
fasta e Te-Denin; sendo o orador tanto da festa
como do Te-Dcum, o ltvm. padre raestre Loyola,
e a orchestra da missa ser do grande autor Ma-
noel Pelijipe, regida pelo padre mestre Candido da
Cunha, tocando em lodos os actos a banda do m-
sica do primeiro dc artilharia da guarda nacional.
Pede-se todos os moradores da ra, que para
maior brilhantismo da referida festa, se sirvam de
Iluminar as frentes de suas casas.
Recife, 16 do outubro de 1863. O escrivao,
Jtnquun Militao Alees Um-
_ SKaSs 191
Naques sobre Portnga
Oabaiso assigoado, agente do banco
mercantil Portuenie nesJa cidade, saea ef-
feeti va mente por tpdos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
aualquer somma, vjsta e a prnzo, Jo-
pndo logo os saques a prazn serem des-
contados no mesmo banco, na razSo de 4
por cento ao anno aos portadores que as-
sim Ihe convier : as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. SI.
Joaquim da Silva Castro.
Antonio Pacheco ii'Almeida, Portuguer, re-
tira-se pora Portugal.
A pessoa que aehou um embrnlho de diario,
tcTutendo dtro 6 1/2 varas de rassa de flores sol-
las, que se perdeu no dia 15 ao meio dia, da ra
da Imperatriz ate a ra do Sebo : terina a bondade
de o levar ra da Cadeia do Recife n. 35 toja
O abaixo assigndo tem justo e contratado
rprar o deposito d ruada Lhigueta n. 6, ao
Manoel AntonioSiquuira : se alguem tiver di-
reito a alguma rertamaco contra o mesmo esta-
bcleeimento, apresnte-se no praso de tres dias,
fiados os quaes" 6 abaixo assigndo nao se respon-
sabelisa por cousa alguma. Recifd In d outubro
I de 1863.Maternos Leni.
PRESTEM TODA ATTENCAO
PROTEJAM TODOS
sdiueauqej s.uot||oiu sop sbjjoj se sepoi ap oiue.i a oueid cied sbjisok
i opBAoa o sjoof e saanj op scuij sssea somopua^
sajoj ap bj|uiosrd ap sedrj
so||aq ojmj scc| ap sayoQ
'svpspjoq -imcs
oe|q se i es
SJnbjequioues
sBi.ud sedeo
!l
-eil ap eq|ed ap seuq.Mleq^
ojsoS ojmu ap sokJbuo
sep
Ki|uemai|v 9
essms 'sued 'eajaje|3ui op ejniiajjp uia sepuiA sepuazej ap oiuatniuos opeuea o o||Dq um
oeieJitiouQ -sang -a.\ iqe 'ojuoiuioojoqejso o||aq ossa e sBJoquos semxa uiEfdjojj
sopepjoq
S0Duejq sopusoA op S31J03
"S?05 s'oidjd sojniaiueK
euiftiei eran op soBpo8|y
sopejsajni soepoSJv
e5od v'fyafL
't9 ''fi 'f P saoioilepciv
somis
opA03 o sj oov seeq
opexoo o sj oi e sessey
sejiuoq oimiu seiiq;)
soui|ed o op diuumcjH
oqui| op equeiajg
oquij ap saoin3sa
Tfiiejq epos op
untaos oe a seiueui 'e||d
-siuij sozaauejj sao[odcpeK -ea 'opuoiq ap sopsa.v sooiu
so$poS|Y i soqn|| sviyi
"UV111A S3IAI09 3S0T
a
/ | II (lllsj.r) Op I!IM I! SRpiI9ZBJ dji 0|U.tlll|.M|d |1!|<0 d)IIl!|.lllllll \)\
nimiox iivr:iioi
ffiim ii (dii
S0HI3DNVU1S3 3 SOMVDiaKViVaad
SEGUROS DE VIDA EM MUTUALIDADE.
A direccao do BANCO UNIO tendo obtida do governo de S. M. F. a autorisacao para estable-
cer o seguro de vidas em mutualidades, faz publico que desde j toma subsrripcGes annuaes por urna
s vez, debaixo das seguintes condicSes :
Com perda de capital e lucros;
Dito capital sement;
Dito lucros smente;
devondo a primeira liquidaco ter lugar no 1 de Janeiro de 1859.
As vantagens do emprego de capitacs em mutualidade, sao obvias, porque nao smente se <> -
Ihe o juro de quantias diminutas, de que avulsas se nao poderia tirar nenhum resultado; mas ali-m
disso, este rendiuiento augmentado pelo capital ou lucros, ou ambas as cousas, conforme as condices
da .-iili.-cripeo. dos que fallecem. Tambem partido pelos socios sobrevivenles tudo aquillo que os so-
cios morosos nos seus pagamentos, sao por este motivo obrigados a pagar, bem como caducidades que
occorrerem pela falta de cumprimento do compromisso social.
As liquidares sao pelo systcma dascompanhias hespanholas, Tutelar e outras; e parase poder
fazer urna idea do que pode produzir urna entrada annual de 10, publica-se a seguinte tabella basta-
da sobre a experiencia de muitos annos decompanhias desta natureza :
Em o annos Em 10 annos Em 15 anuos Em 20 annos Eai
Por um menino de 1 dia a 1 anno 1105 4005 9003 2:0005 4 7005
de 1 anno a 2 . 905 3005 7505 1:7005 3:7005
. de 2 > a 3 86 2905 7205 1:6005 3:5005
> de 3 > a 4 > 805 2803 7105 1:5605 3:4005
> > de 4 a 15 > 865 2703 7005 1:5505 3:3.-05
Por urna pessoa de 13 > 20 865 2703 7005 1:5405 3:3305
de 20 a 30 > 863 2705 7105 1.5605 3:4005
i de 30 a 40 > 865 2705 7203 1.6000 3:7005
r > dc 40 > a 50 905 3005 7505 1:8005 0:0005
As entradas por urna s vez dao resultados muito superiores s annuaes.
Porto, 10 de agosto de 1863.Os directores do Banco Uniao, Jos da Silva Machado.F. M. *an
der Niepoort.
Agentes em Pernambuco : Antonio Luiz de Oliveira Azevedo A C, ra da Cruz n. 1.
APPROVA^AO E A l TOKISA{ AO.
DA
ACADEMIA IMPERIAL II MEDICINA
E
JUNTA CENTRAL DE HYGIENE PUBLICA
ELECTROMAGNTICAS EPISPASTICAS
DE
RICARDO KIRK
Para serem applleadas s partes affectadas, sem resguardo
nem Ivcommodo
as innmeras curas completamente obtidas as di
versas molestias emque foram applicadas, e faz...,
merecer e conservar a conliaiiita do Ilustrado pu-
blico, que j ti ve a honra de merecer dclle 35 an-
nos de existencia c dc pratica.
N. B. Nesta corte e de todos os pontos desta
imperio recebem-se partieipaces satisfactoria e
respeito das ditas chapas medicinaes.
As encommendas das provincias deven sar di-
rigidas por escripto, com lodo o cuidado de auer
as necessarias expiieacoes, se as chapas sa* para
homem, senhora, menino ou crianca, declarando a
moteslia e em que parto do corpo existo.
Para inchaedes, feridas, lobinhos, papas, ele.; a
molde justo de seu tamanho em um pedaca de pa-
nel a declaraco onde existe, afim de que a etapa
seja da forma da .arte afretada, e para que possa
ser bem. applicada em seu lugar.
Muito conhecidas nesta erto e em'todas as pro-
vincias deste imperio, pelos seus nfalliveis resul-
tado* em todos os casos de nflammacao, seiam es-
ternas ou internas (com cansaco e falta de respi-
racaoj como do estomago, figado, baso, bofes, rias,
tero, peito, palpitacao de coracao, gargantas,
olhos, erysipellas, rheumatismos, paralysia, e todas
as affec?oos nervosas, etc., etc.
Igualmente para quaosquer incbacoes, rendas,
tumores intestinaes e venreos, scrophulas, lobi-
nhos, papos, etc., etc., sejam qual for o seu tama-
nuo e profndela, por meio da supuracao sero ra-
dicalmente extirpados.
(Estas chapas nao podem lser mal de forma al-
guma, ellas tem sido applioadas aos olhos com o
inellmr successo, vejam-se os attostados de caras
completas que j foram publicados pelos joruaes.)
O uso delbis aeonselhado e receitado por habis e
distinctos lacultativus, sua fficaeja incontcitivel, o
PODE -8E MANDAR VIH. 1>E QUALQUER PONTO DO IMPERIO
DO BRASIL
As mapas serito aeompanhadas das suas acia- Consulla ^^^ JSmmTJSSS
odente* piirataefse tambem de todos os acces- maaua ^^^ 7S" "Mil^'
dertos necessariol para suas a^licacoes. ;das horas da manhaa as 1 da taran.
M. ti RIJA I> PARTO W. M*
ESCRIPTORIO
E EM PERNAMBUCO
Par, eacomimnd* on taloniatfe dirijaM i ptanMri *>"* M*^
roa do Queimado n. 10.
.


marte de
ftafekado 19 <*e utnbr de i SOS.
/
tinturara.
Tinge-se cora perrero para qoaqoer
efe e o mais barata possivel: na ruado
Rangel n. 38, segundo andar.__________
Anda est por alugar-se oeegunoan-
dar do sobrado n. 44, em a ra Ha auro-
ra : quem o (juiter dirija-se a esta roes-
ma ra casa MU
Precisase de urna ama de
gusta n. 36.
leite: na rna Au-
Aluga-se a leja do sobrado o. 193 da ra Im-
Serial, e o arroazcui a. 4 da ra de Apollo : na ra
a Aurora n. 36. _^____
Aluga-se uina boa casa nova efpintada de
novo, com 3 quartos, 2 salas, cozinha fra, quintal
e cacimba, na ra do Principe n. 4, freguezia da
Boa-Vista, o lugar muito sadio : a tratar na ra
Nova n. 3. ^^____
Faz-se qualquer encommenda de canos de
bom barro, com promptido e poreicao, por prego
muito commodo: nos Remedios, olana da Capella.
' O abaixo assignado fax scienteao .respeitavel
corpo de commercio,que deixou de ser seucaixeiro
o Sr. Joiio Maria dos Santos desde o dia 5 do cor-
rerte mez. Recife !4 de outubro de 1868.
Jos Goncatvcs da Silva Raposo.
Aluga-se a casa terrea da roa de Aguas-Ver-
des n. 94 : a tratar na r*ia do Queimado a. 13.
Constando ao ab taria da ra da Cruz, e hqje oa ra do Trapiche, de
Figueircdo 4 Ferreira, foi fechada a porta pelos
credores, e o mesmo abaixo assignado credor de
204*850 proveniente de doces que forneceu para a
dita confeitaria : previne a quem comprar, que
ica obrigado pela dita quantia.
______Manoel Sunes de Mello.
Ao publico religioso
Acha-se venda na ra do Imperador n. 29, a
vera efflgie do virtuoso Fr. Sebastiao, representan-
do-o vivo e revestido de eos hbitos talare. O
Rvms. padres missionario da Congregacao deios-
sa Senhora da Penha sao unnimes em atlestar a
fidelidade da efflgie daquelle distincto religioso. Os
precos sao mdicos e ao alcance de todos.
Precisase fallar ao Sr. Leoncio JosTheofilo
que veio da Baha: dirija-se ao armazem de Tasso
Irmaos a fallar com Raymundo Corrcia de Jien-
donca.
__Precisa-se de urna pessoa afianzada para co-
bramoas miudas nesta cidadc : dirijam-se por -ear-
ta fechada com as iniciaes \Z, na livrana n. 0 e
8 da praca da Independencia.
Aluga-se um sobradinlio na ra da l'caia
com dous quartos e 2 salas: na livrana n. 6 e 8
da praca da Independencia.
FAZENDAS DE BOM GOSTO.
P_E_ 73STTDCS.
Superares cortes de gsrguro de seda com flores matisadas es tnais modernos que tem vinde a Pernambuco.
tos de oreantique c-cres, de listas, -de flores, e achamatotados, cores mui lindas.
Ditos de oioreantique srets de palmas com barra.
i niiivsivirtps rtp LTcnidme de seda com barra e ctiaie iguai.
Ss delaa coS narrtStisada e damesma c6r, a imperado barato^ de 10*, 1L 8* e 20 cada corte.
Ricos vestidos de btoade para noiva com lindas mantas de filo de seda, de iriwd e com capetta.
Ditos de cambraia braneos bordados a 12*, 15*, 25* e 35* cada corte.
Lindas laas lisas unas, a-500 rs. o rovade.
Ditas Se quadrinhos e de flores a 400, 560 600 rs. o covado.
-Superiores organdys om listas de seda,*s mais modernos qoe tem viudo* Pernambuco.
i iniie paa de cures-de sunerior nuatlidade a 400,500 e 640 rs. a vara; assim ...
^^AlSiSS^A^ hitas francezas a 280,320,400,500 e 640 rs. o covado, e outras mutas fase-das quo
seria.enfadosho mencionar.
PARA HOJtfBKOS DE SI1VHOH 1S.
Manteletes de seda pretos a 18.
Cipas pretas de grs a 25*, 30* _e 35*.
Ditas muito superiores a 40*, 45* e 50*.
-Superiores santiembarques de casemira.
Ditos ditos de lindas tazinhas lisas e de quadros.
Ditos de seda pretos e de cores.
Ditos de musselina de seda chineza.
Superiores manteletes de torcal pretos. .
Lindos chales de muselina e de chally matisados com listas de seda.
Novos chales de torcal e outros muitos artigos modernos.
PARA CARENA RE SEIHOKA E ME* WOS.
Superiores enfeites de flores, gostos os mais modernos em Paris, chegados pelo ultimo vapor francez.
Lindos chapeos de palhada Italia enfeitados com muito gosto, a ImperatnzeaValeroy.
Ditos de palha para meninos e meninas.
KemeiofooSof largos e estreitos, tiras bordadas largas e estrella*, tiras de tuO****** ^racalgs de meninas saias
bordadas e outros muitos artigos de gosto por precos mais commodos do que em outra qualquer parte na ra do Crespo n. 13, loja
das columnas de Antonio Correia de Vasconcelos & C.
Taberna.
Vende-se ou troca-se urna taberna ero son la-
gar e muito afreguezada, por oatra qoe teoto
commodos para familia : quem este negocio ijui-
xer fazer, annuncie por esle Diario ; adverte-se-
que serve mesmo nos arrabaldes da cidadc.
Toucinho do serto u-iUr'i
a libra
Vende-se toucinho do serto a 340rete a libra :
no largo do Carmo esquina da ra de Hortas n. -.
Oleo de ricino.
Vende-se oleo de ricino em lata a. 400 rs. a li-
bra, na ra da Cadeia Velha n. 1.____________
No armazem do caes do Ramos, na ra o-
dasleis,mass,mob0^quevemaser adita Trapichc n. 8> veode.se gaz de paeira quali-
quantia e mais a de 800* que pagara o abano as- llw,J; e r
signado, importancia de ditodisconto, acontecendo
o mesmo com as outras sortes.
Os bilhetes garantidos pelo abaixo assignado le-
varao a sua assignatura de chancella atravessado
na frente do bilhete.
Os premios maiores de 10* serao pagos urna
hora depois da extraccao.
Precos.
Bilhetes inteiros..... 6*000
Meios bilhetes...... 3*000
Para as pessoas que comprarem
de 100* para cima.
Bilhetes........ 5*500
Meios........ 2*750
Manoel Martins Fiuza.
AOS 5,000:000
CASA D4 FORTUNA
Bilhetes garantidos,
A' ra do Crespo n. 93 e casas
do eostunae.
No dia 23 do corrente se extrahir a stima par-
te da terceira lotera do Gymnasio.
O abaixo assignado recommendando ao respei-
tavel publico a compra dos seus mui afortunados
bilhetes garantidos, lembra lhe a vantagem que
ha em receber os premios or inteiro, por quanto
3uem tirar a sorte de 5:000* em bilhete garant-
o nao receber rnente 4:200*, em virtude dos
disconlos de 16 por cento que se faz em vista
Vendem-se tres boas casas terreas, na
ra dos Prazeres, (Boa-vista), novas, e ba-
ratas ; a tratar no becco do Veras o. 1.
i\
Manoel Gocalves de Acular, subdito portu-
gus, reira-se para o Rio de Janeiro.__________
Ao a. 29.
Nota loja dos haratfiros ua ra do Queimado.
Velludo de cores fazenda muito boa o covado
.1*000, baloes de panno 3*200, ditos de arcos
3*000, 3000 e 5*000, las de duas larguras
para vesbdo o covado 500 rs., chiUs francezas o
covado 360 rs., metim branco para forro de
vestido o covado "120 rs., tarlatanas de todas as
cores a vare 720 rs.
A o n. 29.
Nova leja dos barateiros na ra do^ueimado.
Cassa lisa-iiellc de ovo a peca 7*S00, cambraia
lisa muito fina a peca de 17 varas 10*, cam-
braieta peeade 12 jardas 7*000, cambraia adamas-
cada para cortinado a pega de 22 varas 10*000,
mcias finas pac?, senhoras a duzia 4*000, chales
de laa ponta redonda 32*500.
Ao n. 29.
Nova loja dosJiarateiros na ra de Qunniado.
Bicos pretos d<: linho a vara 120, 160, 240, 320
rs., franjas de ajta a vara 80 e 160 rs., galoes
de seda de algodo e de laa para enfeites de vesti-
~ S-a~ peca de 10-ctlS varas a 400, botes de seda
de velludo e defustao duzias 120. __________
O secretario da irniandade de N. S. do Terco
convida a todos os finios da mesma, para reunio
de mesa geral no domingo 18 do corrente, pelas
11 horas da maaha, para se elegerem os novos
unecionarios que teeui de reger a irmandadeno
futuro anno de 1864. .Recife 14 de outubro de
4863. O secretario,
Doiaingo-sRibciro da C Oliveira.
Ao couini'cio.
lm rapaz brasileiro com 9 annos de pratica
coramercial, se offerocc para qualquer escriptorio
ou armazem. dando fiador de sua reputacaO : quem
pretender, deveri dirigir caita fechada com as
iniciaes G. J., pra^a da Independencia ns. 6 e 8.
-Perdeu-se hontem 14" do corrente um relogo
de praja coberto. patente inglez : pede-se a queni
achou,x favor de o levar ra da Aurora n. 36.
que ser bem recompensado.
As&im como tam-
bem se $ede aos senhores ourives e relojoeiros
apprehefto do mesmo se Me ofl'erecerem._____
Criado.
Na ra de Hortas n. 24, piimciro.andar, precisa-
se de um que nao tenha mais que 13 aunos e que
saiba fazer-compras._____________________
Offerece-se una ama vindade fora,.coznliao
diario, engomiaa e cose : na ra do-Sebo n. 35.
Profcssor em flores de cera.
Chegado ltimamente da corte jaresta-sc a dar
iicoes de floresjde cera em casas particulares com
toda apurada porfeicao: ra da Imjieratriz n. 67,
onde pede st;r jn.ccurado._______________^__
Precisa-se alugar una escrava de idade para
comprar em casa ligente para vender de tarde na ra : ^uem esti-
verpestas circumstencias annuncie.___________
Ama de leite.
Precisa-sede urnama de leite: na raa das
Trincheiras n. 8, loja de Jos Joaquim da Cunba
lpei
Aluga-se a casa terrea da ra da Calcada n. W;
a tratar m ra do Sebo u.$4.
A
O abaixo assignado com fjlcina, de ferreiro e
serfalheiro, estalielecido na rim.do Brum n. 15, faz
sciente ao respaitavel publico^u mudou-se para a
uiesRja ra n. 67.
___________Jaao (darlos Frederico Klangwald.
-rr- Precisa-se alagar um eseravp de boa con-
ducta preferindo-se do mato, para seraico de sitio,
-eujoaluguel mcnsalco exceda a 15* : quem o
tavor annuncie._________________^___
Aluga-se por cinco mezes, com alguma mo-
liilia ou em ella, para assar a festa, oana boa
casa em Jaboatao, pouco .distante da ponte, com 3
graades quartos, 1 gabinete, sala de freirte-e jan-
lar, cozinha ,fra, com estriharia, e 1 quarto junto
desta, com grande quintal cercado at o rio Jaboa-
tao : quem a pretender, dirija-se ra Direita cu-
mero*_______________________
Preeisa-se de fli menino pertuguez para cal-
xeiro de una casa ero Panellas de Miranda, dando,
fiador sua^jnduqta : a tratar nspadariadarua
DireiU d. 84.
Aluga-se uw (treta para o servge interno de
urna casa : na ra de Hflrta* n. 126^________
Vende-se por preep commodo, doze grades
circulares de amarello, para portas de arcos, da hi-
tla da carnada; na ra do Imperailor n. 16.
Vendc-se una casa de pedra e cal, com duas
salas e dous quartos, sita na ra do Soeego oa
Campo Verde na Boa-Vista n. 21 : a tratar na ra
' do Imperador n. 69, loja de bahus.____________
CAPAS SCSSZAS
Na na do Queiinado n. 11.
Chegaram loja de Augusto Porto, ricas capas
escossezas com as melhores franjas que tem vind-
a esta [iraca, capas de casemira de nma s cor
com franjas iguaes, capas com mangas do methor
grosdeoaple, manteletes de seda preta muito su-
periores.
Luvas de pellica.
As mais novas vindas pelo ultimo paquete, as-
sim como as mais tinas chitas Percarles, que tudo
se vende por commodos precos : na ra do Qoei-
> mado, n. 11. Na mesma loja se vendem camisas
para qUC leniCllan lltfraria OS. | e O inglczas, sendo os peitos, punhos e colannnos de
da praca da Independencia, seas BomfsjJtahojnuKo^u^^
e quatdade de estbelecimento, e aos *
Aluga-se um sobrado a mrgem
do Capibarbe, niiiiti grande e fresco,
sito na ponte de Celios, por preco coui-
modo: na rna do respo n. \ 9, loja.
ALMASNAK
Estando a confeccio ar-se o a manak
desla provint ia, que contina ser im-
presso nesta typographi^, convida se a
todas as pessoas pue del le fazem pa> te,
AURORA
BRILHANTE.
SANTACRUZ.
LARGO DA
Francisco Jos Fernandes Pires dono do grande estabelecimento de molhados denomi-
nado AUROKA BRUJANTE, avisa ao respeitavel publico tanto da praca como de fora e com
especialidade aos 6eus freguezes que o seu estabelecimento acha-se prvido de novo socti-
mento de bons gneros tanto do paiz como do estrangeiro e promette vender muito em conta
tanto a retalho como em grosso :
960: Vinho do Porto em pipa muito fino a
.... 800
i*-00
720
640
480
Manleiga ingleza flor a libra 800 e .
Dita segunda sorte dita dita a 720 e .
Dita terceira sorte dita dita a 480 e .
Dita franceza da nova a 600 e era bar-
ris a..........
Dita hamburgueza em Larris pequeos
a 600 rs. a libra e.....
Banna de porco fina a.....
Cha huxim miudinho muito superior
a libra........
Dito hvsson miudinho o melhor possi-
vel a libra.......3*000
Dito hvsson graudo a.....2*720
Dito dito a........2#G0
Dito preto o melhor a desejar a 2
Dito dito em massos a.....1*600
Dito nacional em latas de urna e mais
libras a 1*600, 1*800 e 2*000
Queijos do reino do vapor a 2*400, 2*,
1*760 e......
Dito de prato muito novo a libra 640 e
Dito de manteiga muito frescaes do Se-
ndo a libra.......
Ditos de qualha a libra.....
Bolaclnha ingleza de 240 e 320 e bar-
riquinha a arroba a 2* e 3*000
Latas com bolachinha de soda, cracre-
n. II. raixide, vi loria, pequinique e
outras qualidades superiores a 1*600
Ditas cora ameixa franceza nova a li-
bra 800 e.....
Ditas com gos de comadre novos la-
tas de 4 libras a .
Ditas ditas de dito com 8 libras .
Ditas com marmelada nova a libra
640 e.........
Ditas com massa de tomates a libra
640 e.........
Ditas com peixe de Portugal muito
bem conservado em molho sendo sa-
vel, salmonete, congro, goraz e ou-
tros a.........
Ditas com ostras americanas a .
Ditas com sardiphas de Nantes.a360 c
Ditas com fructas em calda a .
Massa para sopa, macarrao, talharim,
aletria, estrelinha, pevide, rodinhas
e arroz a libra ....
Caixas com libras de massas sortidas a
Batatas novas inglezas a libra 60 rs. e
arroba........1*600
Resteas com grandes sebolas cento a 2*000
640
600
1*600
6401 640, 720 e
400 Dito da Figueira puro a 560 e caada 4*200
I Dito dito a 480 e caada .... 3*800
360 Dito de Lisboa branco proprio para
missa.........
640' Dito de dito cracavelos, temo e outros
480! a 500.........
I Vinagre de Lisboa puro a 240 e 280 e
caada .......
Serveja branca e preta a garrafa 500
560 e........
Vinho Bordeaux em caixa a 8*, 9*
10* e garrafas a 800, 900 e .
Genebra de laranja em frasco a 1*
Dita verdadeira de Hollanda a 640 e .
Frascos com conservas inglezas a .
Dito com mustarda franceza a 480 e .
i Apista arroba 5* e libra ....
Espermacete libra 640, 720 e .
Velas de carnauba e de composiclo do
Aracaty arroba 10* e hbra 360 e.
Carne do Serid a libra ....
Linguica do serto nova a.....
Ervi'has novas a libra a > .
Svada nova em grao arroba 2*300 a
libra.........
Sabao hespanhol branco a .
Sabao massa a 160, 200, 240 e .
I Vassouras de timb e grande quanti-
dade a.......
Saceos grandes com farinhade Goian-
na a 4*800 e.......
Ditos com farello de Lisba de 100 li-
bras a 4*500 e .....
Ditas com arroz de casca novo a .
Azeite de coco e carrapato a 480 e .
Dito doce de Lisboa a garrafa .. .
Amendoas novas libra ".......
Passas novas libra 480 e......
iGomma muito alva e nova arroba 2*800
e libra..........
Dita mais trigueira arroba 2* c libra
60c.........
Linguicas do reino novas de 560 e ..
Sevadinha e sag novo libra .. .
Ancoretas com azeitonas novas a ..
Espirito de vinho a garrafa
Aluga-se urna casa na travessa da Trempe
Dan o Mondego, muito fresca, com grandes com -
modos para familia, assim como a loja na ra de
Hortas na esquina que bota para a ra de Aguas-
Verdes, comprehendendo urna boa armacao para
(abena ou outro qualquer negocio, de maneira \
que o pretndeme s tem de entrar com os gene-1
ros, bem localisada, e preco commodo: quem pre-1
tender, dirija-se ao mesmo sobrado cima, terceiro!
andar, ou na ra do Imperador n. 44, terceiro
andar._________________________________
Casas para alugar-se.
No caes d'Apollo n. 17 sobrado de dous andares,
na ra de Santo Amaro, a loja do sobrado n. 14 ;
' a travessa do Pocinho n. 69, armazem proprio
para qualquer estabelecimento : todas as casas
teem bastantes commodos, c alugara-sc por barato
preco : a tratar na ra larga do Bosario n. 34,
botica.
Contina a haver pao de senteio novo nos das
quartas e sabbados de cada semana, na padaria
em Santo Amaro ao p da fundicao, na ra da
peratriz n. 22, e ra do Brum, confronte o chafa-
riz n. 47, ra das Cruzes, deposito n. 39, na Pas-
sagem, taberna da esquina do Sr. Bento, que vira
para o Remedio, e no armazem progresso, largo
da Penha n. 10.___________________________
Ka ra do Qucimado n. 1
deseja-se fallar aosSrs. Gabriel Germano de Aguiar
Montarroyos c Joaquim
tarrovos.
i seubores de engenhos que sedignem
remetter alm dos nouies de seus en-
genhos, oda fregueziae comarca a que
pertencercm.
Justino da Silva Boa-vista, vem por este
meio agradecer cordialmentc a todos os se-
nhores que se dlgnaram assistir as exequias
que hontem se fizerara por alma de seu mui-
to presado irmao Ventura da Silva Boa-vis-
ta, de novo os convida para a missa do sti-
mo dia que ter lugar na terca-feira 20 do
corrente pelas 6 horas da inanhaa na igreja
de Nossa Senhora do Terco.
Recife, 16 de outubro de 1863.
rrecisa-se de urna ama para co-
zinhar e comprar; la ra Direita n. 27,
2o andar.__________________________
Lava-sc e engomma-se no becco das Miudi-
nhas por preco mais barato do que em outra qual-
quer parte
Offerece-se urna criada para ama de casa de
'm" pouca familia, a qual cozinha, engomma e faz o
1 mais de portas para dentro : na travessa do Maris-
co n. 20.
Ribeiro de Aguiar Mon-
1*000
1*400
2*500
720
700
15000
800
500
300
480
25300
400
40
. Ap
100
280
280
120
5*500
35000
4*000
320
640
320
640
100
80
640
320
15280
280
Aluga-se
n. 23 ; a tratar na loja.
Aluga-se a casa terrea n. 92 na ra Augusta,
com seis quartos, duas salas, cozinha, quintal, ca-
cimba e portao para rita do Alecrim, a tratar na
ra do Vigario n. 20.______________________
Aluga-se urna casa com sotao, no sitio do Cor-
deiro, margeni dorio Capibaribe, com commo-
; dos para grande familia, cozinha fra, quarto para
_________________________criado; estribara para seis cavallos, coeheira para
o primeiro andar da ra do Crespo carro, etc.; urna dita, tambem margem do rio,
com commodos para familia, e estribara para 4
cavallos : a tratar no pateo do Carmo n. 15._____
P_recisa-se de um caixeiro com pratica de ta-
berna na ra Imperial n. 139, dando fiador
sua conducta.
Vendc-se um ptimo piano de armar
que custou 750*000 por 350*000: anda
novo, e em bom estado : quem pretender
dirija-se ra do Cabuga botica n. II,
h que se inculcar.
Vendem-se canos de ferro de
dimetro para encanamento d'agua
rcita, padaria n. 84J_____________
pol legada de
na ra Di-
Precisa-se de urna ama escrava para tratar
de urna menina de um anno : no largo do Collegio
junto ao sobrado amarello, terceiro andar.
Engommadelra.
Na ra da Cruz n. 5. primeiro andar, precisa-se
de urna boa engommadeira para casa de pequea
familia: quem estiver no caso de servir all acha-
ra com quem tratar._______________________
Aluga-se urna boa casa terrea na estrada do
de quintal, metade murado e metade cercado, pe
queno jardim na frente, cacimba com duas bom
bas c boa agua e tanque, o lugar o mais sadio
possivel, c seu aluguel barato : a tratar na ra
das Trincheiras n. 1, loja de tartarugueiro.______
Aluga-se um mulato escravo muito bom co-
peiro e comprador, fiel e intelligente : na ra da
Unio n. 39._____________________________
Aluga-se
o primeiro andar da ra da Imperatrz n. 34, com
muitos commodos e fresco : a tratar na taberna
do mesmo.
A Voz da Verdade.
Na segunda feira pela manhaa achar-se-ha
venda na typographa do Liberal um pequeo pe-
ridico denominado a Voz da Verdade, que se in-
cumbir de apreciar a stnacao poltica desla pro-
vincia com linguagem severa, emhora vehemente,
om
Pombal, cora commodos para regular familia gran-, .^.^ Qs faclos-como elles se v5o passanU0)
.i,,,,, i' a franqueza que a mesma situaedo exige, para des-
tOIll UUd5 UUIII :ii.._s. J. ,. M~,.n,U..nA ...lima iln lanla..-
Soltasa......... 800
Presunto de Lamego a libra 320
Dito inglez para fiambre a 750
Vinhos genuinos engarrafados no Por-
to, chamico, duque do Porto, lagri-
mas do Douro e muitos outros linos
de 1*280 a 2*300 a carrafa,.e duzia
de 14* a 20*, Uto engarrafado
aqui a........1*000
Finalmente tudo que consta tendente molhados
um grande soi^-M^^lWjnjich^epw precos commodos.
Macos cora 20 macinhos de palitos fi-
nos para dentes a........ 200
Tapioca nova libra......160
Toucinho de Lisboa novo arroba 10*
e libra..........360
Vinho xerez o melhor possivel a 8* a
caada e a garrafa a 1*000
Gigos com urna duzia de serveja fran-
ceza a 5*, e a garrafa a 500
Grao de bicco novo a 4* a arroba, c a
libra..........160
Saceos grandes com farinha de Goiaana
e Santa Camarina a 4*500 e. 5*000
encontrar sempre o respeitavel publi'
Aluga-se um sitio na ra de S. Miguel dos
Rogados n. 96 junto a fabrica de sabao coroi gran- ^"d_"86r lhe derari as melhores'c'ontas da
lluso'do povo pernambucano, victima de tantas
picardas.
Nao se admitte assignaturas, c vende-se avulso
a 40 rs. Serao indicados outros pontos para a ven-
da do mesmo peridico.____________________
O abaixo assignado declara ao respeitavel
publico, e com especialidade ao corpo do commer-
cio, que elle quando se retirou desta provincia pa-
ra a Europa no anno de 1839, constituio por seus
bastantes procuradores nesta cidadc aos Srs. An-
tonio Gimes de Miranda Leal, Adriano Augusto de
Almeida e Francisco Guedes de Araujo, os quaes
com sua chegada a esta mesma provincia, em fe
de casa, estribara e quartos para pretos, muitos
arvoredos de fructo, baixa de capim, etc.: a tratar
com Manoel Jos da Silva Grilo no sitio de dous
portoes de ferro junto a igreja de S. Miguel nos
Afogados. ________ ________
Na ra do Trapiche n.
| roriz.
28, vende-se linhade
i u l>l carao I i Itera lia
(CULPA E AKKPRNHMEWOL
Drama de costumes. ort- m
fual portuguez em 4 a-to*S
Aluga-se a casa terrea da ra da Gloria n-
116, pintada c ladrilhada de novo, e commodos pa-
ra grande familia : a tratar na ra Velha com o
Sr. Antonio Joaquim Ferreira Porto, ou na ra da
Cadeia n. 12.
OO
pon
JOAQUIM GERARDO DE BASTOS,
gse dram.ii. em u volume ntidamen-
te impresso, aeba-se venda em Santo
Antonio, na ruado Crespo n. 2, livrana
EcoHomca, e no Becife na ra da Cruz
n. 52, lwaria do 6r. Jos Barbosa de
Mello, e ra da Cadeia loja do Sr. Car-
doso Ayresj preco;2*.
Os Srs. signantes, que aiuda nao ti-
verera reeebido os seus exemplares, po-
dero procura-Ios em qualquer das In-
dicadas lojas.
anda se e>t a espera do Sr. Se
sos.lris Silvio de Maraes Sarment, nes-
ta tvjwgraphia.
Est para alugaj--.se o i.* andar do obrado
4 ra de Aguas-Verdes, e urna pequea asinha
com quintal e cacimba, em Oliuda, ra do Cabral :
quem pretender, falle do sobrado da ra das Cru-
zes n. 9, lado direito que) yai da ra do Quej-
mado fiara S. Francisco. No mesmo sobrado ha
duas soieiras de pedra de Lisboa para vender-se;
e se aluga o mesmo sobrado a quem comprar par-
te da mobita que no mesmo se ac ha.__________
Perdeu-se um relogo de patente inglez de
prata com chave ordinaria, com um cordo peque-
o de borracha, meio, foi perdido da casa da
ra da Cruz do Recife at a ra da Cadeia : quem
achar, querendo restituir, queira entregarlo a Joa-
auira de fouza Pinto, na ra da Senzala Velha n.
93, ou rjua da Aurora n. 30, que se lhe dar o
achado,
Precsa-sa ugW um escravo para o servico
de urna casa, preferind^e fue entenda alguma
cousa de cozna; pa ra 4o Pi.r n. 143, taberna
Furtarara na noitedodia 10 do-corrente dous
^rallos pertencentes ao Dr. Francisco /Caldas Lins,
do .cercado de seu engeaho 6quera, na freguezia
do o Formoso, com os slgnaes segrate* : um
mellado, cauda e dinas pretas, castrado, grande,
Precisa-se de 6:000* a premio de um por
| icento dando-se urna boa propriedade por segu-
rauca nesta idade: quem ti ver annuncie.
u abaixo .assignado, respondendoao aununcio
' do Sr. Manoel Xunes de Afelio, declara que o esta-
: belecjiuento na ra do Trapiche n. 18, perteacente
' ao mesjgo abaixo assignado por compra feita i
1 Olvmpio C, de F. Cruz, nunca pertenceu firma
! social alguma, como consta de documentos aulhen-
ticos que esistem em seu poder, havidos no acto
da compra.; em juizo se mostrar, e nao ser por
meio de aonuoctos adrede, que far o annunciante
valioso o seu supposto direito. Recife 15 de ou-
tubro de 1663.
Guilherme Joaquim da Silva Braga.
Aluga-se o 1., i." e 3. andar do sobrado n.
commodo prego, est calado e reticado de novo:
na praca da Boa-Vista n. 9.
eordo t nuatro ps pretos at cima, ser anda- 13 da ra da Lapa, no bairro do Recife, por muito
res MDMide sella; outro rodado sujo, cauda e"
diras pretas, bom tamanho, grosso, castrado, reta-
do pelos peitos por ter sido de roda, urna baixa
era um dos lados das costellas, meio coreondae de
carga : quem der noticia dos mesmos cavallos ou
os entregar a seo dono no referido engenho, sera
recompensado com a quantia de 50 a 100*.
Precisa-se de urna ama secca i na ra da
Senzala Nova n. 39, esquina que volta para o bec-
co Largo, taberna.
. ----------T'n'Aafi c dn Roerlo di'itoa- priedadedenominada Barra de Sennhaem, co
Vista convida a seus Irmaos a coraparecerem no. a7_ ^ aina novos, alera de quasi 1;200* (
Aluga-se a casa terrea da ra /^iperial n.
160, com bons commodos para familia,'
gl_.nde
consistorio para presidirero a eleicao dos novos
eleitos que bao de reger o anno de 63 a 64 no da
18 do corrente, as 11 horas da manhaa. Consisto-
rio 14 de outubro de 1863.O secretario,
Joaquim Jos Fortunato.
Arrenda-se na ra da Aurora n. 26, a pro-
com
e
de
outras proporcoes vantajosas que offe-
Kctabnlo OU tabolea.
Para se col locar em frente de loja,compra-se es-
tando em bom estado, tendo pouco mais ou menos
25 palmos de cumprimento e 3 a 3 I|2 palmos de
largura : na ra da Cadeia do Recife armazem
n.60.
Escravos para alagar.
Alugam-te 3 escravos robustos e proprios par
foros e
recem.
Joaquim Teixera Peixoto Filho, encarrega-
se de tirar ttulos de terrenos de marinba, passa-
portes, follas corridas, restituiedes de impostos, e
eobi'ncas de dividas ; a tratar na ra do Quei-
modn it 30 nrimeiro andar, das 10 horas ao meio-
dia, ou na ra de Pires n. 58 ata as 9 horas da
manhaa.
gestao do que por obsequio se haviam encarrega-
do, c pelo que o mesmo abaixo assignado Ihes
bastante grato; e que dessa poca em diante nenhu-
ma procurjgao mais conferio pessoa alguma, c
nem tem assignado para qualquer negocio, salvo
tao smenle algumas procuracoes que como juiz
da irmandade das Almas do Recife, tem assignado
para tratar-se de questocs judiciaes no foro desta
cidade, concernente mesma irmandade : por tan-
to qualquer procuracao que haja em que figure
nieu nome, nao sendo das de que fallo cima as-
signua como juiz da irmandade, falsa o de nen-
hum effeito se deve reputar.
Pernambuco, 13 de outubro de 1863.
Jos Joaquim de Faria Machado.
Precisa-se de um caixeiro de 10 a 12 annos:
na ra Direita dos Afogados n. 36, prefere-se Por-
tuguez.
ir*
COMPRAS.
Compra-se urna negrinha de 10 16 annos
de idade: na ra Imperial n. 49. _______
3--RCA KSTOITA DO ROSARIO -3
Francisco Pinto Otario contina a col-
locar dentes artiflciaes tanto por meio de
molas como pela pressao do ar, nao re-
cebe paga alguma sem que as obras nao
fiquem a vontade de seus dooos, tem ps
e outras preparacoes as mais acreditadas
para conservacao da bocea.
Compra-se rana taixa em
palmos de dimetro : na praca
numero 22.
bom uso, de 4 a 6
da Independencia
Compra-se cobre, Jato c chumbo: no arma-
zem da bola amarella no oitao da secretaria de po-
lica, ra do Imperador.__________________
Compra-se urna balanca cora pesos
da Cadeia n. 55.
na ra
Peehincha.
Urna robusta escrava de idade 30 annos, tem ha-
bilidades, por 550* : na travessa do Carmo n. 1,
Boa escrava.
Urna escrava de idade 35 annos, cozinha, lava e
engomma, por 500* : na travessa do Carmo n. 1.
Bom copeiro.
Um escravo pardo de idade 36 annos, coznbeiro-
e para todo o servico : na travessa do Carmo n. 1.
rara pasar a festa.
Vende-se a casa denominada Casa amarella,
situada em um dos melhores lugares do Arraial,
com bastantes commodos para familia, quartos pa-
ra escravos, estribara, etc.: a tratar na ra do
Mondego n. 47, padaria.______________
Vendem-se palhas de coqueiro proprias para
banhcro, e botam-se em qualquer porto : a tratar
na ra Direita dos Afogados n. 13.
Vende-se urna negra de nacao, de 40 annos,
pouco mais ou menos, bem gorda c sadia : a tra-
tar na ra de Hortas n. 53._________________
Na padaria da ra Direita n. 84 ha para ven-
der um cavallo muito lionito e gordo, e muito pro-
prio para menino por ser muito pequeo.___
i a dinheiro a ti# o par.
Borzeguins de bezerro e outras qualidades, obra
muito bem acallada, iguaes a-sque se vendem por
10* e 12*, liquidacao, aproveitar que jporeao
pequea : na ra do Imperador loja junto ao
pago.___________________________________
Vende-se sement de coentro muito nova a
240 rs. a garrafa : no largo do Carino, esquina da
ra de Hortas n. _______________^_________
Vende-se urna canoa aberta que carrega 600
lijlos de alvenaria grossa, propria para alguma
otaria ou para capim : quem quizer dinja-se na
da Concordia n. 4, que achara com quem tratar.
Vendem-se madeiras de sicupira e de ama-
rello para ronstruccao e eoncertos de canoas aber-
las, inclusive cavernas, busiardas, gios, etc. ele. .
a tratar na ra do Queimado n. 10. ______
(tUlftlUll M
rta
Nova remessa da verdadeira carnr
serto a 320 e 400 rs. a libra : no
e linguicas d*
armazem da
aurora brilhante. largo da Santa Cruz n. 84.
Vende-se a casa terrea n. 9 da ra do Jas-
mim : a tratar na ra dos Pires n. 64.
Vende-se o deposito sito na ra do Rangel
n. 52 : a tratar no mesmo, proprio para qualquer
principiante.___________________________
Cal de Lisboa
nova: na ra do Vigario n. 19, primeiro andar.
GAZ.
Em latas grandes a lOd e 115 de 5 ga-
los, latas de galo a 25200 e -5SOO, e
garrafas cheias a O rs.: na loja detont-
leiro da ra da Imperatrz n. 05.
Hoio francez a i$2i)u
meia libra
E' chegado pelo ultimo vapor de Bor-
deaux aquella excedente pitada a 1*100
a meia libra ou 2 hectogramnias: em ca-
sa de Manoel & C. ra Nova n. 23.
FARINHA
Irmandade das Almas do
po Santo.
Nao podendo ter lugar a mesa geral que foi an-
nunciada para domingo prximo passado, de novo
convido os nossos irmaos para comparecerera no
domingo 18 do corrente, as 11 horas da manhaa,
no consistorio da mesma irmandade.
Consistorio, 14 de outubro de 1863.
Francisco Jos dos Passos Guimaraes,
Escnvo.
~ Precisa-se de um menino, para caixeiro, de
14 a 18 annos : na ra Nova n. 58, deposito.
Aa-?*";
quintal com grande telhejro e portao que delta pa-
ra om terreno com mhfo alratar na padaWa todo ? MrT, : > roa dos Coelhos sobrado n. 8,
da roa Direiu n. 84. jloja.
O bacharel Jeronymo Salga J. d%^r\ ^f'
conna no ercicio de sua pro._ i_, _:?__
Queimado n. 38 primeiro andar, oade nt,Je ** P"
curado. Aceita causas de partido
-- Jos Mara Nunes, derlara o res-
peitavel corpo do cvmmercio desta
prca qne deiira de ser raixeiro pr
sua'livre e espontanea vontade da Sr.
Manoel Alves Ferreira, de conformida-
de com a carta ce sua espedida do dia
6 do errente, e declara em lempo ao
mesmo senhor qu*. se obriga a dar to-
dos as cschremenlos corjcerqentes
escripturacaa qie se aeliava sea
car|tf I
Compra-se cano de chumbo usado para en-
canamerfto d'agua : na ra do Sabo n. 35, ou ra
Nova n. 48.
Compra-se urna preta que tenha boas quali-
dades e que saiba bem cozinhar e engommar : na
ra da Concordia n. 6, retinacao.
Compra-se urna casa terrea de boa construc-
cao, situada em alguma das principaes ras desta
cidade: a tratar no escriptorio de Manoel Ignacio
de Oliveira & Filho, no largo do Corpo Santo nu-
mero 19.
Compram-se barriquinbas que serviram de
bolachinha americana a 500 rs. cada urna : na
ravessa da ra das Cruzes taberna n. 6.
- Compram-se duas negras perfeitas cozinhei-
ras e engommadeiras: na ra de Apollo n. 84,
segundo andar.
Gompra-sc cobre a lato velho
na rna da Cadeia do Kecife n. 36, pii-
meiro andar.______________________
Compra-se effectivamente ouro e prata em
obras velhas : na praca da Independencia n. 22 lo-
ja de bilhetes.
Vende-te saccas grandes com a melbor farinha,
tanto de Santa Camarina, assim como de Porto
Alegre pelo barato preco de 4*000 a sarca ;
ra do Amorira n. 43, ou na ra da Madre de
Dos n. 5.___________________________________
Fariuha de mandioca
em saceos grandes, e de superior qualida-
de"; no armazem de Tasso Irraios, roa do
Amorim, n. 35.______________________
Vl-ho paro.
No escriptorio de Euzebio Raphael Rabelk), -*
ra da Cadeia n. 55, vendem-se ancoretas o-
cellcnte e puro vinlio tinto de Lisboa, smenle des-
tinado para gasto de casas particulares por serre-
mettido pelo proprio fazendeiro ou lairaaar.
YENDAS.
Batatas.
Caixas com duas arrobas de batatas deseraDar'
cadas do patacho Mara 4a Gima, hoje, pelo bara-
tq ynQQ de 3* a calza : na roa do Ainorim o. W,
wu rtn da Madre de Daos n. 8.
INJECCO BROW.
Remedio infallivel contra as gnorrheas
antigs e recentes,- nico deposito na bo-
tica franceza, ra da Cruz n. 2, pre-
Co35-________._____________________
O L1VHO DO POVO.
Segunda edico mais correcta, ornada con
27 estampas, e augmentada com 48 paginas
de texto, contendo: a vida de Nba Senhor
Jess Christo, fbulas, o vigario, o bom bo-
mem Ricardo, quadrupedes uteis, o proles-
sor primario, moral pratica, Simio d Nan-
tua, mximas e sentencas, hygiene, receitas
necessarias, o Rrasil: vende-se na livrara de
Manoel Figueira de Faria & Filho, praca da
Independencia ns. 6 e 8, a 600 rs. o exem-
plar em brochura, e a IVcartooado.
i
_


"*.
r
Diarlo de Pernantbuco abfcado 19 de Outubiodc lf*a.


GRANDE EXPOSigSO
de fazendas baratissimas qae se ven-
dem para liquidar; oa leja do Pa-
vo, roa da Impcrairiz, b. 60.
Neste estabelecimento acha-se nm grandf
e variado sortimento de fazendas, tanto de
- luxo, como de primeira necessidade, pro-
pinas para a prafa e para o matto, que se
vendem por presos muito resumidos, de to-
das as fazendas dao-se amostras, deixando
penhor, ou mandam-se levar em casa das
familias para escolherem, pelos caixeiros da
loja do Pav5o.
Lias coa palmos de largara
na loja do Pavio. ig too.
Vendem-se laazinhas transparentes de urna
s cor, de quadrinhos proprias para capas
e vestidos, tendo 9 palmos de largura, pelo
baratissimo preco de 10400 o covado; s
na ra da Imperatriz n. 60, lojado Pavao.
O PavSo vende ISas de 4 palmos
de largara a .00 rs.
Vendem-se 15azinhas infestadas, sendo das
mais modernas, de urna s cor e de qua-
drinhos, proprias para vestidos e capas, pelo
baratissimo preco de 500 rs. o covado; di-
tas matisadas, fazenda muito fina a 500 ; di-
tas garbaldinas a 440 rs. ; ditas de qua-
dros a 360 e 280 rs.: s na loja do Pavo.
ra da Imperatriz, n. 60. de GuimarSes &
Silva,
Laazinhas a OO rs. o covado.
Si Pavio.
Vendem-se las de cordozinho proprias
para vestido, sendo muito boa fazenda, com
as cores seguintes : alvadia, cor de caf.rxo
escuro, claro e pretas, proprias para luto ;
ditas transparentes com palminhas, pelo ba-
rato preco de 280 rs.; ditas infestadas de
o covado j'fbsHo para vestidos e roupinhas
de meninos, a 320 rs. o covado; alpakin ou
gurguro de linlio, a 260 rs.; ganguelin,
urna s cor, a 320 rs. o covado; toalhas de
linho adamascadas para rosto, a 10; vestua-
rios para meninos e meninas, a 10600 e 24;
tiras bordadas e entremeios, mais barato que
i3m outra qualquer parte: tudo isto pe-
chincha e vende-se para liquidar: na ra da
Imperatriz n. 60, loja e armazem do Pavio
de Gama de Silva.
Grosdenaples a 1:300 rs., na loja do Pavio.
Vendem-se grosdenaples preto muito boa
fazenda, a 14500, 14600, 14800 e 24: s
na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60.
Para luto veude-se na loja do
Pavio.
Vendem-se finissimo selim da China, fa-
zenda sem lustro, proprio para vestidos de
senhoras, para capas e roupa para homem,
tendo esta fazenda 6 palmos de largura e
sendo muito leve, vende-se pelo baratissimo
prego de 24200 o covado, garantindo-se que
niose torna ruca, e vendem-se nicamente na
loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60:
Cortes de chitas a 2:000 e 2:500 rs.
Na loja do Pavo veude-se cortes de chitas
inglezas, tendo 10 covados, a 24, e com
12% covados, a 24500, sendo todas de pa-
dres escuros: na ra da Imperatriz n. 60,
de Gama A Silva.
Carnauba.
Vende-se cera de carnauba em saccas, por
preco muito em conta, ou mais barato do
que em outra qualquer parte : a tratar na
ra da Imperatriz n. 60, loja de Gama A
Silva,
Os cortinados do Pavo.
Vendem-se os mais bonitos cortinados de eam-
braias adamascadas, tapadas e transparentes, pro-
prios para adornar ja no I las e para camas, tendo de
varios gostos e porcao de pares iguaes, conforme
possam precisar, e vendem-se nicamente na loja
do Pavo, na ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
n^ja doPavoS "" Imperatriz'l Sedas de quadriuhos a 800 rs. s o
GRANDE PECHIHCHA
a OO rs. na loja do Pavao.
Cassas a 210 rs.organdv a 240 rs.
Vendem-se muito bonitas cassas francezas
a 240 rs. o covado ; organdv malisado, pa-
drees muito bonitos a 240 rs. o covado;
ditos, fazenda finissima que sempre se ven-
-deu a 14000 a vara, liquida-se a 600 rs. a
dida, ou 360 rs. o covado, por haver grande
porco : na ra da Imperatriz, n. 60, loja
do Pavo, de Gama < Silva,
\ova pechlncha de cortes de
eambrala na loja do Pavo.
Vendem-se cortes de cambraia brancos
- com hadados a 24500 ; ditos a 34000; ditos
a 44000 ; ditos chinezasa 4400o ; pecas de
cambraia transparentes, adamascadas, pro-
prias para vestidos, tendo 8 varas e meia a
34000; ditas lisasbrancas e decores a 20500,
34000, 33500,44000 e 50000 \ pecas de
cambraia de carocinhos tendo 8 varas e meia
cada urna, sendo brancas e de cores, a 34500;
ditos a 24500; pecas de cambraia para cor-
tinados, sendo tapadas e transparentes com
20 varas cada peca a 94000, sto tudo para
apurar dinheiro: na loja do Pavo, ra da
Imperatriz, n. 60, de Gama A Silva.
O Pavio vende chales
A 24000, 24500, 34000, 54000, 64000.
74000, 8,000 e 104000.
Vendem-se chales de merino eslampados,
ciaro6 e escuros a 24, 24300 e 34000; ditos
muito finos de todos os precose qualidades,
tanta de ponta redonda como quadrados;
assim como finissimos chales de crepon com
cores inteiramente novas e ricamente bor-
dados a matiz, sendo chegados pelo ultimo
vapor a 1O400O ; ditos de pello, bordados,
a 24 s na loja do Pavo, ra da Impera-
triz, n. GO.
Ascascmiras do Pavo lufesta-
das a i#GOO.
Vendem-se casemiras francezas enfesta-
das, proprias para calcas, coletes, palitos,
e capa para senhoras, por ler de urna s
er, seado fazenda que sempre se vendeu
a 34000. liquida-se a 14600 o covado : s
na loja do Pavo.
Grande peehlnclia ein chapeos
de sol na loja do Pavo.
Vendem-se chapeos de sol, a ingleza, sen-
do cobertos de linho e forrado de verde, pro-
prios para senhoras que forem pas6ar a fes-
ta, ou para meninas levarem para a escola,
pelo harato preco de I06O'<; ditos marque-
zinhas, de seda com franjas e cabo de do-
brara340OO; ditos de seda para homens,
sendo com armaco de balea a 64 e 74, isto
para apurar dinheiro : s na loja do Pavo,
ra da Imperatriz, n. 60.
Pavao.
Vendem-se as mais delicadas sedinhas de qua-
drinhos, muito miudinhos, sendo proprios para
vestidos de senhora e roupinhas para meninos e
meninas, sendo fazenda que sempre se vendeu a
15o00 e torra-se a 640 e 800 rs. o covado, e sedas
brancas lavradas, proprias para vestidos de noivas
a 800 rs. o covado : s na loja do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, loja de Gama & Silva.
Ricos vestidos de Soulhanibac, vende
o Pavo.
Vendem-se os mais modernos vestidos a Sou-
thambar, com barras de seda pelo diminuto preco
| de i0#00 cada um : s na loja do Pavao, ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
SfiM NEGIIDO.
QUINQU1LIIARIAS.
Ra do Queimado, ns. 49 e 55, tojas de
Jos Bigodinho, queiram ver ver as fazendas
que abaixo annuncio, pois todas eu garanto
que sao muito novas e baratissimas.
Pecas de trancas de algodo de to-
das as cores a....... 80
Duzias de linhas com 200 jardas, A-
lexandre, a..... 14100
Carrilel de qualquer numero 1^0
Varas de aspas para balo 80
Caixas com superior obrejas a 40
Dilasde colla .*...... 80
1 libra de la sortida.....44000
1 libra de la muito superior em co-
res e qualidade ..".... 74000
Pares de botoes de punho a 120
Pares de sapatos de tranca 14280
Ditos muito superiores, a 14600
Caixas e pacotes de papel amisade de
cores a. ....... 600
Duzia de meias muito finas para se-
nhora a........34500
Duzia de ditas cruas para homem a 2 400
Baralhos muito finos para voltarete a 300
Carriteis de linha com 100 jardas a 30
Carloes de linha branca e de cores a 20
Novellos de linha com 400 jardas a 60
Ditos muito grandes com 800 jar-
das a .......120
Car toes de linha com 200 jardas (est
se acabando a....." 60
Vara de fita preta com colxeles para
vestido, e tera um resto parda a 100
O
il i ni irff i 11 ifl i irnT i
memsm
BALIZA
M tenco?
Posto que domine no cora-
co do BALIZA a mais bem en-
tendida ambicio de tirar de
seu negocio as melhores van-
tagens, com tudo elle nao pro-
cura fazer fortuna vendendo
gato por tebre;
Quando nao se negocia aca-
nhadamente, est bem ao alean-
fe de todos a facilidade de fa-
zer-se boas compras, para ven-
der-se barato.
Um Descobruento Espantoso!
0 Hundo Sricntifico unaaimamcnle o approva.
seui si;*, i \ no.
Objectos de tintura e msica.
Na ra do Queimado, ns. 49 e 55, est
queimando tudo pelos precos abaixo decla-
rados, e prestem toda a attenco para ver
o que bom e barato.
Duzia de facas e garfos muito finos a 24500
Dita dita dita de cabo preto muito
finasa.........34200
Dita dita dita de bataneo, melhor,a 54500
Tesouras para costura, muito fi-
nasa.........400
Ditas ditas para unhas, muito finas a 400
Cartas de allinetes de ferro a 80
Ditas ditos de lalo muito tinosa 40
Ditas de dito grandes.....120
Caixas de phophoros de pao ... 10
Grosa de ditos do gaz a 24200
Duzia de dito dito a : 200
Massps de palitos para dentes a 160
Abotoaduras para coletes a 160
Escovas para roupa.muito finas a 400,
500 e.........800
LEDE! LEDE!
Lelam todos.
Ao armazem ^ BALIZA po_
dem ser de-#v0ivjos quaesquer
generjS ^m p0r ventura ng0
^ejam do contento dos senho-
res compradores. Nao fica
resentimento algum em se tro-
car por outro, ou restituir-se
o dinheiro recebido,
Manter a todo o custo o seu
crdito, e agradar aos seus a-
migos e freguezes, 6 todo o
desejo do proprietario deste
estabelecimento,
LEDE!
Sempre a frente do progresso,
Constante marcha o BALIZA,
Tem por norte o bem commum,
A verdade por divisa.
A Coiiiposi?o Anaealiiiita
Pctoral de kemp.
Por espaco de milito tempo se La uzado es-
tensamente cm Tampico para a cura de
TSICA pulmonar,
CATABRHO, ASTHMA,
BRONCHITE, TOSSE CONVULSA,
CRUFO O GARROTLHO, e
Inflammacoes da Garganta e do Peito,
e isto com um resultado tao feliz c verdadei-
ritnentt assombroso o pao ou madeira d'uina
aore que chaimo Anacahuita, c que s
se encontra no Mxico.
A Composiipo Anacahuita Peito-
ral de Kemp e' um Xarope delicioso, intei-
ramente dill'erente na sua coraposicao de
todos os mais Peitoraes e Expectorantes ma-
nufacturados de fnictos astringentes, cascaa
e raizo*, c, o inesino nao conten ncnlium
Acido Prussico ou outros quaesquer ingre-
dientes venenosos.
Todas as molestias c aflfeccjoes da garganta
e dos piilmes deeappareccm como por um
mgico encanto, mediante a accjilo deste in
comparavel e irresistivcl remedio.
A venda as boticas de Caors & Barboza,
ra da Cruz, e Joo da C. Bravo & C, ra
Caxentlras da Escocia a 'OOO da Madre de Dos.
o corte. |-----------------------------r--------
Vendem-se curtes de caxemira da Esco- Q (JJ[ LQ CANTA
ca, para calcas, pelo barato preco de 2$,
tendo da mesma fazenda para vender em
covados a 580 rs., sendo esta fazenda mui-
to encorpada a imitaco de caxemira, e ga-
rante-se que nao desbota. Tambem se ven-
dem cortes de caxemira ingleza, d cores
escuras para caifa pelo barato preco de
1*800 cada corte, ou a 500 rs. o covado :
s na loja do Pavo, ra da Imperatriz,
n. 60.
adapolo Infestado a 4000
SEI SEGUNDO.
PECHINCHA.
Perfumara de superior qualidade.
O rival sera segundo, ra do Queimado,
ns. 49 e 55, est disposto a vender mais ba-
; rato que nunca vendeu, para o que queiram
ver :
i Duzia de abneles finos a .
' Sabonete inglez, o melhor, a .
Frascos com agua de Colunia muito
fina a......., .
Ditus do dita grande a .
Ditos de Lavande ambreado, o me-
lhor, a........
Ditus de macaca oleo muito bom a .
Ditosperola muito superior a .
Ditos de oleo de babosa a 240, 320.
400 e .......
Ditos de banha branca a .
Dito de cheiromuilo bonitos a .
Ditos de banha, pequeo, muito fina
..........
Di tos de opiata a 2<'0 rs., e ba a .
Ditos de banha japoneza a .
Ditos de banha transparente a .
Ditos de oleo filoconne a .
RIVAL
SEM SEGUNDO.
Objeetos diversos.
Ra do Queimado, ns 49 e 55. vende os
objectos abaixo declarados, pois para aca-
bar; estes precos nao sao para continuar,
| mas as nesessidades assim o permitte
Pares de luvas de algodo finas a .
, Caivetes de aparar penas, de I fo-
lha a ........
Ditos de 2 ditas a ..... .
Caixas de colxetes fnincezes a. .
Duzia de dito francez a .
Massos com grampos lisos e de cara-
col a.........
Duzia de dedaes de metal em caix-
nha de vidro.......
Tinteiro de vidro com tinta superior
720
160
400
500
500
100
200
500
320
500
200
900
800
720
800
(^ is i \ n i;
AKMAZEN
MOLIIiDO;
DE
O
Largo do Llvramento ns. 38 e 38 A
Defronle a grade da igreja
AO RESPEITAVEL PUBLICO
Senhores e senhoras
O incansavel propietario do grande armazem do Baliza toma a liberdade de mandar
C Oeclarar do alto da imprensa pernambucana, que elle perfeitamente liberal em offerecer aos seus
S benvolos fpeguezes as melhores qualidades dos mais bem escolhidos gneros, nao s do paiz como do
estrangeiro a precos de contentar e satisfazer a todos.
Fazendo tao publico e espontaneo manifest, o referido BALIZA julga de seu rigoroso dever
declarar mui seria e pusitivamente nesta oportunidade, que tambem o mais firme e dedicado conser-
vador de sua numerosa freguezia.
Da boa qualidade e barateza dos generus offerecidos aos seus freguezes, junta ao pequeo ga-
;nho que tira para si, tem sabido fazer o BALIZA a mais perfeita liga de interesses recprocos, que a to-
das as consciencias deve por forca e necessariamente agradar.
Tendo por conveniente tambem a publicaco do seguinte aviso, o BALIZA faz saber nicamente.
aquellas pessoas que sempre esto promptas a comprarem tudo, com tanto que se lhes pertnitta pag-
cem logo, que elle
NAO VENDE FIADO.
Os amigos da economa, aquelles que s compram os objectos de que carecem, c que goslam fi-
nalmente de einpregar bem o seu dinheiro venham a este estabelecimento.
LE AJS TODOS.
Do preco de qualquer genero annunciado a venda em outros estabelecimentos, podem os senho-
res freguezes diminuir cinco por cento, e vir compra-Io ao Baliza, que sendo, como todos sabem, o ho-
mem .do movimetito prefere ganliar muito pouco, com tanto que seja por muitas vezes repetido.

80
80
160
40
360
40
320
Cal de Usboa
no armazem de Guimares & A le of o ra-
il na ra do Amoriiii n. 34, no Retire,
vndese harris com cal novaempedra
chegados uoje de Lisboa ni pata> ho
liara da tiloria, una nova que existe
no mercado.
45--RUA DIEEITA-45
SKMe-! BTS i o o oj o
(H
Bi 3 a O &C.-' 55
3-3 ==" y
s.#
S Pavio.
Vendem-se pecas de madapolSo infesta- tes e
do com 12 jardas a 4#000, ditas a 40500, rafas, i
ditas com 24 jardas a 7650o e 80000 : s do Crespo n. 7.
J sabido que, quando chega o vapor da Eu-'., ; ;.......
ropa, o gallo cania annunciando aos seus numero-! Ditos de barro que serve para tin-
sos freguezes as galanteras de mais gosto e da ul-1 teiro a........
tima moda que por elle recebe, como sejam : A Grosas de botes de louca prateado a
Rmuissima^itnh^com uguUos gra-1 ^ de tranca lisa encarnada a ,
vatinhas para senhoras : s no Vigilante, ra do!"aras de bicos e rendas, para aca-
Crespo n. 7. bar a.........
n. Cirigoitas. : Varas de labyrinto de 3 dedos de
Riquissimas cingolinhas ou gravatinnas, sendo j iarnra a
cousa de muitogosto, e a primeira vez que appa- j 1.....
rece para as senhoras de bom gosto : s no Vigi- Ditas de pos para dentesa .
lante ra do Crespo n. 7. Pentes de tartaruga a 30000 e
Pentes de concha.
para chegar riquissimas guarnicoes de pen-
lindo gosto, tanto para atar, como para mar-
Besmas de papel de cores a
160
100
160
20
60
too
100
30500
20000
O y
- 33
5 3 =
* o cr 1 2 S *>
B
O.
Cl B
Cuca y


3 o 2 o co
3 S 3 O-
g.o.S s=3 3
a ( 5.
a o. .-
2 3 sil
a w 2-3
g. 3 j w
a= 3 2. a
O 1>
m
as
V5

o
s no Vigilante, ra
na loja do Pavao, na ra da Imperatriz.
n. 60.
Reos vestidos brancos.
Vendem-se os mais ricos vestidos de cam-
braia brancos, bordado a croch, sendo os
mais modernos que tem vindo ao mercado.
Redes com lacinkos de fita.
Lindas redes pretas e de cores com um lindo la
cinho de fita para conservar o cabello, pelo barato
proco de li&SOO; assim como os novos enfeites pa-
ra caneca a 3000, 45 e 55000
ra do Crespo n. 7.
INSTALLAQflO.
A BOA F.
Ra do Queimado n. 22.
Este estabelecimento tendo passado a novo pro-
prietario, este resolveu fazer a sua installacao, ex
Ligas.
Riquissimas ligas de seda de bonitas cores a
15500; assim como fita propria para o mesmo ef- de finissimo gaze de seda, ditos d
s no VigiUnte, P -plave. 'publico* des* caplal
grande e muito bello sortimento de
Chales
tamatare de
i----------------------.-.,, iiwvvj assiiu iuiiiu na urouria para o iucmhu ci- mu o-----rv. -"" i, n
tendo as saias 4 pannos, e vendem-se pelos feito a 300 rs. a vara: s no Vigilante, ra do guta* Atoa wMh *^.pyn^.tiaiSiiSi
h ZrJ nrarn dfl 100 I2 6 16 s na Crespo n. 7. B nalmente denominados mexicanos, de muito bellos
baratos precos ae iw, iz* e a u so na ~ ^^ ^^ padr3eS| send0 todos essescn_ales muit0 recommen-
Tambem chegou e chegam por todos os vapores daveis para a presente estacao e sobre tudoi pelo
grande sortimento de luvas de Jouvin, oude os fre- seu diminulissimo preto que de 1& cada um.___
guezes podem escolher: s no Vigilante, ra do j TaxaS i'ft fffrO.
3
B
o.
8
-* '
fli
ilfs
O T
09 fij en
a>
a
-5
9,
m
a o
n b o
P S w
'O
co
3

K

o
as ~i
25?


-
i
S
e
Eia,. rapasiada, coragt'm! parece queja
entregastes os vossos joantes aos duros sei-
xos do pessimo calcamento da nossa cidade I
S se observa em vossos ps botinas acalca-
nhadas e gastas at ultima sola; sapates
rasgados e quasi sem saltos___nem tanto I
a quebradeira nao deve chegar at este pon-
to 1 Vinde ra Direita raunir-vos de excel-
lente calcado com 40 e at 60 por cento
menos do seu valor___attendei:
Borzeguins, Nantes, bezerro e va-
queta 2 e meia solas.... 80500
Borzeguins, Nantes, bezerro, va-
queta e lustre 2 solas. 80000
Borzeguins, francez e hamburguez,
bezerro, lustre e couro de por-
co 70 e........60000
Sapates, Nantes, bezerro e vaque-
ta 2 c meia solas.....50500
Sapates, Nantes, vaqueta, lustre e
bezerro 2 solas......50000
Sapates, Nantes, sola e vira. 40000
Ditos para menina, com laco. 30500
Ditos de ditas, de cores. 20800
Sapatos para senhora e homem,
tapete......... 8001
Sapatos de borracha para senhora. 10400
dem idem para meninas. 10000
Sapatos de lustre para senhora. 10000
dem de lustre s avessas 500
Crespo n. 37.
Entremeios e babadinhos. Vendem-se taixas de ferro do mais
n chegou grande sortimento de entre- fabricante:e por prec/
acreditado
no arma-
100, 120 e 16 : s na
loja do PavSo, ra da Imperatriz. n. 60, de
Gama & Silva,
ADMIREN! AS PECHINCHAS.
na loja do Pavao.
Ricos cortes de cambraia brancos com ba-,
hadse tossaiasborda^croj 4> &~tfcTE?S&S2 SiSSTlSSSlSmm
bastante fazenda para vestido, pelo Daraus- roa d4 crespo n. 7.
simo preco de 30 cada um; ditos de cam-j Fcelas para cinto.
braia de seda com barras e babadOS, a I Tambem chegou grande sortimento de lindas fi-
%AXn nara acabar- cArtPs <1a vpstidos a Te,las ,.a?0 e de melal -<2>m Pedrinhase sem el-
X05UU, para acabar, cortes ae vestaos d { ,0 bint0 de ^ fl iim dando.se g
Mana Pa, sendo fazenda de bonito gosto, a flla para as mesmas: s no Vigilante, roa do
30500; cortes de cambraia brancos com ba- Crespo n. 7.
badinhos, a 20 ; enfeites para cabeca, sendo 0 GALLO CAMA.
Garibaldi e a turca, a 40; ditos com litas, Jsabidoquo o gallo nao podia deiar de can-
e flores, a 20; camizinhas bordadas para tar, annunciando a em numerosos freguezes os
senhoras, a 10; manguitos de varios model- 'M' Pentes, que acaba de receber por este
los, a 400, 500 e 640 rs; calcinkas paranltlm,.yaPor---------_------------------------------,
meninas, .800 e 640 rs: gollinhas L- VE^DK-S8 ^aTor^^^^nS^W-
dadas, a 20 0 a 500 rs.; sedas de qua- nma urna de Jacaranda para deposito de ouoi: na'. lo, na ra Cruz n. ou roa d
drinbOS, a 640 rs.; ditas de listas, a 400 rs. ra da Imperatriz, loj* dt warcineiro n. K, numero 40,
E.as com palmo de lar-
gura.
Cheguem a loja de Marcelino & C, ra
do Crespo b. 5, para verem las muito
finas, lisas e de quadros, gostos inteira-
mente novos, proprias para vestidos e ca-
pas e precos muito commodos. Alm
disto existe um variavel sortimento de
fazendas finas e grossas precos razoa-
veis.
VIDROS A 11,000.
Na ra da Imperatriz n. 65, loja de funi-
leiro vendem-se caixas de vidros em perfeito
estado de todos os tamanhos pelo barato
preco de 110 a caixa.________________
Farlnha de maadloea
Vende-se farinha da mandioca da melhor e mais
nova que ha neste mercado, no escriptorio de Ma-
noel Ignacio de Oliveira & Filho largo do Corpo
Santo n. 19, ou abordo do palhabole Viamao, an-
corado no caes do bario do Livramento, junto ao
patacho Regulo.___________________________
A os $rs de engenho
No caes d'Apollo armazem n. 55, de
Jos Duarle das Xevcs, acha-se ven-
da a mais t-aperior arinha Fontana
sendo muito reeommendada as casas de
familia, as barriqniilias de 3 arrobas
e de 48 libras cada ama.
ffl^Ifflol
Attenco do respeitavel publico
Para grande pe- hincha
Custodio, c arvalho A c .. rua do
Qnelmado n. :.
Offerecem ao respeitavel publico a mais fina de
todas as rambraias tanto era desenhos como em
tintas sao as verdadeiras organdys da India che-
gados a esta capital pelo ultimo vapor inglez. A
grande quantidade que recebemos faz com que a
vendemos pelo baratissimo proco de 300 rs. cada
um covado, venham ver para ciesenganarom-se se
grande pechincha s na rua do Queimado n. 27.
O GALLO CANTA.
X5o poesivel que o gallo, vendo entrar em seu
ninho objectos de elegante gosto, deixe de dar o
seu canto, annunciando aos seus freguezes, para
que maiMlem ou venham ver para querer, a saber:
Enfeites
Chcgaram os riquissimos enfeites c (rrinaldas de
flores, cousa muito delicada e do muitogosto. pois
s as senhoras poderao apreciar : s ne vigilante
rua do Crespo n. 7.
Flores
Tambem chegaram os delicados ramos defieres
matizados de lindas coros, que serven para qual-
quer enfeite : s no vigilante, rua do Crespo n. 7.
Cintos
Tambem chegaram os novos o delicados cintos
com fivella, guarnecida de pedrinhas e duas bero*
tinhas no centro, cousa de muito gosto : s no vi-
gilante, rua do Crespo n. 7.
Bandeijas
Riquissimas bandeijas de charao c outras quali-
dades de lindos desenhos, que se vendem por pre-
cos baratissimos para acabar : s no vigilante,
rua do Crespo, n. 7.
Pomada real
Tambem chegaram os bonitos copos do porcel-
lana fina com banha c com lindos retratos, sendo
privilegiada pela rainha de Hespanha : s no vigi-
lante, rua do Crespo n. 7.
Sabonetes de familia
Grande sortimento de sabonetes para todos os
precos, de superiores qualidades, a 160, 800, 2i0,
280, 320, 400 e 600 rs.; assim como eatojos com
todos os preparas para limpar dentes pelo barato
prego do 3000 : s no vigilante, rua do Crespo
n. 7.
Deliradas (esonrinhas
Grande sortimento de tesourinhas, tanto para
unhas, como para costura; assim como muitos
outros objectos de gosto, que nao possivel annu-
ciar pela grande variedade de sortimentos, cojos
precos sero menos do que em outra qualquer
parte : s no vigilante, rua do Crespo n. 7.

Cambraias muito finas a 220 rs. o covado, chi-
tas francezas matisadas a 320 rs. o covado : na
rua do Queimado n. 23.
Atienrlo
Farlnha de mandioca.
Vende-se farinha de mandioca a melhor que exis-
to no mercado por ser de Santa Catbarina, a bor-
do do patacho Fris a, entrado neste porto no dia
11 do corrente, por menos do que era outro qual-
quer barco : a tratar a bordo ou na rua do Amo-
rim n. 43.
A 200 rs o eovad.
Cusu muito bonitas e finas: na rua do Crespo
. 17, loj* de Jo# Gomes Villar.
Vende-se na praca da Independencia ns. 37 e
39, capellas de aljfar para se botar no ceraiterio
publico no dia de finados com as inscripcoes se-
Suintes :
inha raai.
Met pai.
Meu esposo.
Minha esposa.
Meu filho.
Minha filha.
Urna lagrima.
Saudades, sempre vivas do apurado gosto desta
ainda nao vieram igual a este mercado.______
Rua da Senzalla l\ova n. 41
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a HO rs., idem de Low
.Vfoor libra a 120 rs.

Assucar do Mov tetro
Rua do Imperador n. 28 e caes de Apollo n.
67, a 200 rs. a libra, e de 8 libras para cima
a 50600 aarroba.
Vendem-se duas escravas, urna cabra e ootra
mulata de 13 annos, a primeira cozmha o diario de
urna eaa de familia, e a segunda lava bem ronpa,
engomma, cose e faz grade para labyrintho, o me-
lhor possivel : na roa Direita n. 3.


- '
frlaflW **-P*tit*>hf>d6 f de Ontuhro de I8S3.


GRANDE E
SORTIMENTO DE MOLHADOS
^5
Oi
@
3*

a
a
1 i s
0 8
" %
O O o Si
c W- O
-
*- y. -
fti 1 o Si.
"W t
-i
O *
-o s w t
"t ti o i
3 . O i V t S t
** o t 5.
-o -3 O CT"
4- o t t
i -o 3 60 t t"
2 9 3 3
8- c i t< t O
a o 0* t
o t t a. o t-t
o 3 "t
* S so O t 5 O
^ S
* g t
S eo -
V O ?- o
3 s o c Sa- o
bu A. fe O
O 1
"t
t S
o t
Viohos em pipa: Porto Figueira e Lisboa, a
4oo, 44o, 5oo, e 56o rs. a garrafa, e em
caada a 2,56o, 2,8oo, 3,ooo, 3,5oo e
4,odo rs. do melbor.
dem lagrimas do Douro, especial vinho do
Porto mandado vir de conta propria a
lo,ooo rs. a duzia e l.ooo rs. a garrafa.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado, das seguintes marcas: Duque do
Porto, Feitoria, Nctar, Velho Secco, Cha-
misso, Madeira superior a 9,ooo rs. a cai-
xa e 1 ,ooo a garrafa.
dem Bordeaux das melhores marcas: St.
Julien, Medoc, S. Estepb e utros a 7oo
rs. a garrafa, e 8,ooo rs. a cata* com ama
duzia.
dem muscatel de Setubal verddlrt a 2",ooo
rs. a garrafa e 22,ooo rs. a tsaik.
Garraf5es com 5 garrafas de vinho do Por-
to do Alto douro a 2,2oo rs. com o gar-
rafo.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira
muito proprio para a nossa estaca, por
ser mais fresco a 2,4oo rs.
Vinhos velho chamisso em barril multo pro-
prio para sobremesa por ser muito claro
e naci a 6oo rs. a garrafa e 4,5oo rs. a
caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero a 5oo rs. a garrafa e 3,8oo
rs. a caada.
Garrafes com 5 garrafas de vinagre de Lis-
boa al,2oors.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo rs. a garrafa
e l,4oo rs. a eanada.
Velas de spermacet a 6oo, 64a e 68o rs. o
masso.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de encommenda especial a 8oo rs.
a libra,
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
54o rs. e em barril a 5oo rs.
dem em potes de 4 16 libras muito fina e
propria para doente a 8oo rs. a libra e o
pote separado.
Banha de porco a 54o rs. a libra, e em bar-
ril se far abatimento.
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
de l,6oo, f,8oo, 2,ooo e 2,5oo rs. cada
um
dem londrios os mais frseos que se po-
dem desejar a 8oo rs. a libra.
Caf do Rio de 4 a e 2a qualidade de 8,ooo a
8,5oo rs. a arroba, e 28o a 3oo rs. a li-
bra.
Arroa caroliuo. e do Maranhao a 3,ooo rs. a
arroba e too rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra e
em porcao tara abatimento.
Caixinhas de araeitas francesas de 1 1/2, 2
e 3 libras, elegantemente enfeitadas com
diversas estampas no exterior da caixa a
l,3oo, l,5oo, 2,ooo, e 3,ooo rs.
Fructas em caldas das seguintes qualidades:
ameixa, rainha Claudia, eerejas, pero,
ginja, peeego e alpech a 5oo is. a lata.
Marmelada imperial dos melhores eonservei-
ros de Lisboa a 6oo rs. a bra, e em la-
tas de! /ie 2 fibras.
Ameixas fraacezas em frascos de I 1/2 e 3
libras de l,4oo a 3,ooo rs.; tambem ha em
latas de l,ooo e 3,ooo cada urna,
Cha huxim miudinho mandado vir de en-
commenda especial a 2,8oo rs. a libra,
garante-se a boa qualidade.-
dem hysson o mais superior a 2,6oo rs. a
libra, aflanca-se ser igual ao que regular-
mente se vende a 3,ooo e 3,2oo rs.
dem preto muito fino a i,9oo rs. a fibra.
dem mais baixo, e miudo proprio para ne-
gocio a l,6oo rs. a libra.
Presunto ingiez para'fiambre o mais fresco
que se pode desejar a 8oo rs. a libra.
Genebra de laranja a 9oo rs., a frasco.
Chouricas e paios, os mais frescos que se
pode desejar, a 5oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro ingiez a 9oo rs. a garrafa
e lo,5oo a caixa.
Ricas caixinhas com confeites e frutas seccas
muito proprias para mimos pelo baratissi-
mo preco de l,ooo rs. cada urna,
Marrasquino de ara em frascos grandes a
8oo rs. O frase.
Licores franco* das seguintes marcas: A-
ntele de Bordeaux, Plaisif des dames, e
outros a l.ooo rs. a garrafa e 10,000 a
caixa.
Passas multo novas a 6,000 rs. a caixa e
36o rs. a libra, ha caixas, meias e quartos.
Bolachmha ingleza a mais nova que se pode
desejar a 2,5oo rs. a barrica, e 24o rs.
a libra.
Azeite francez clarificado a 800 rs. a garrafa
e 9,000 a duzia.
Conservas ingfezas dos melhores fabricantes
Mixed e Pickles, ceblas simples, e outras
a 800 rs. o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes muito
nova a 4oo rs. o pote.
Mlhos inglezes de todas as qualidades e das
melhores marcas a 5oo rs. cada nona gar-
ra finh a.
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 libras, muito
preprios para deposito de doce, manteiga
ou outro qualquer liquido de l,ooo a 3,ooo
rs. cada um.
Palitos do gaz, a 2o rs. a caixinha e 2,3oors.
a grosa.
Milho alpista a 160 rs. a libra.
Milho pamco a 140 rs. a fibra.
Gomma para engommar muito fina e alva a
80 rs. a libra a 2,300 rs. a arroba.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Sabo verdadeiro hespanhol que rasas vezes
vem ao nosso mercado a 300 rs. a libra,
e em caixa ter aba tomento.
Sabao massa de 180, 200, 220 240, rs. a
libra do melher.
Graixas em latas muito nova a 120 rs. a lata
e 1,300 rs. a duzia.
Peixe em latas muito novo : savel, pescada,
curvin, salm3o e outras qualidades prepa-
rados de escabexe, segundo a arte de cozi-
nha de 1,400 a 2,ooo rs. a lata.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
440 rs. cada urna.
Papel greve pautado e liso a 3,500 rs. a res-
ma.
Azeite doce fie Lisboa muito fino em barril a
640 rs. a gatafa, e em porcio ter abati-
mento.
Champagne das mais acreditadas marcas a
l.ooors. a garrafa e 10,000 rs. o gigo
com urna duzia.
Doce da casca da goiaba a 4oo, 5oo, 600,
7oo, 800, e l.ooo rs., o caixo grande.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez, e
suisso, das melhores qualidades a 9oo rs.
a libra.
Vetas de carnauba e cemposico a 32o, 36o,
e 4oors., a libra, e de io.oooa ll,oeors.
a arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa a l,ooo
rs. aancoreta, e l,5oo a de Lisboa, estas
ultimas raras vezes vem ao nosso mercado
pela sua boa qualidade.
Massas para sopa macarro talharim e aletria
mnita nova a 48o rs. a fibra.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Baha a 4,00, 3,5oo, 3,000 e 2,5oo rs. a
caixa.
Serveja das melhores marcas a 5,ooo rs. a
7,000 rs. a duzia.
Biscoitos inglezes das seguintes marcas:
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travelhes
Lunch, Cobin, eoutras a l,2eo rs. a lata.
Bolachiuha de soda especial encommenda a
l,8oo rs. a lata.
Iem Craknel em latas de 5, 7 e 15 libras a
4,000, 5.5oo, e 11,000 rs. a lata.
Massa de tomate em latas de 600 a 7oo rs.
cada urna.
Sardinha de Nantes a 36o rs. a lata.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijollo de limpar facas a 16o rs. cada um.
Ceblas a 9oo rs., o mol 10.
Farmha de Maranhao muito alva e cheiroza
a 14o rs. a libra.
Pimenta a 36o rs. a libra.
Cominho, cravo, erva doce, enxofre, palitos
de dentes em caixinhas que tudo vende-
mos por baratissimo preco.
Ricas caixinhas com confeites e fructas sec-
cas muito proprios para mimos pelo bara-
tissimo preco de l.oo rs. cada urna.

X
wmita-*>,-;
CSraxa econmica.
A aguia branca acaba de receber essa acredita-
da grava econmica, cuja superioridade est ge-
ralmente reconhecida ; essa boa erra xa se torna
racoinmeudada, tanto porque o calcado lustrado
cometa deixa perfeitamente lustroso ao menos
tres dias sem necessidade de novo unto, .orno
mesmo porque sua preparaba appropriada para
amaeiar e conservar o couro ; ella vem em caixi-
nhas e barrizinhos, e acha-se venda na ra do
Queimado n. S, luja d'aguia branca, aos rezumidos
precos de 400, 500 e 640 rs.
Pentes de concha.
Com as novas e diversas gnarnices de
pentes que a Aguia Branca acaba de rece-
ber, veio tambem urna pequea qualidade
do pentes de concha que com graca e acer-
tadamente servem para o moderno alado dos
cabellos Ellesvsao de bonitos e agradaveis
Hte'-dt^edetamanho pequenino como con-
veni para oiTqud'So: esla a primei-
ra vez que d'elles aqui chegam, por isso
que a moda 6 novissima, pelo que ganha-
rao a palma aquellas senhoras que primei-
ro se apreseniarem com elles, para o que
os mundarao comprar na lo;a d'Aguia Bran-
ca, na doQueimado, n. 8.
t\'>eJIas. flores e Invas enfeita-
das para uoivas.
Pelo ultimo paquete a Aguia-branca rece-
ben arligos cima sempre necessarios s'
noivas, os quaes, segundo suas recommen-
da.oes. vienim de muito gosto, e perfeita-l
nu'nte delicados.
As capellas sTio de mui moderno e agra-!
davel molde, de finas flores, e acabadas com
lodo o esmero: as flores solas sao extre-'
mmente delicadas e proprias para enfeites
de vestidos e mesmo ornatos de cabeca, sen-
do delgadas vergonteas de jasmin, cachos de
esodas, e outras estimadas flores.
As luvas, porm, apreciada obra de Jou-
vi, parece que foram enfeitadas pelas mes-
mis fabricantes das mimosas flores, poisque
em oslo e perfeicSo nadadeixam a desejar.
S5o essas, pois, as capellas, flores e luvas
que corresponden! riqueza do veslido, for-
ra 1:11 o completo asseio e perfeico, e ele-
va;n a gallianlia da candida noiva. Resta
son Mito que os pretendentes munidos de
dinheiro dirijam-se alegre e espagosa le-
ja d'Agoia*branca, ra do Queimado n. 8
Kalendarlos semanaes : pelo
pres todos eompraro.
. 1 de umma Hlilidade esses kalendarios
s nanaea, porque inostram acertadamenle
a d ita e dtas da sematw, sem o continuo tra-
li i de bolir nelles diariamente, pelo que
irnam necessarios e preferiveis a todos
os outros ; tanto para i'jsas de-familias, co-
u i mesmo para qualquer oulra parte, e
principalmente por 500 rs. cada um: na
ra do Queimado, loja d'Aguia-branca, n. 8.
Helas ernas Inglezas.
A loja d'Aguia-branca, na ra do Queima-
do n. 8, est bem provida de mui boas
meias croas inglezas, tanto para homens,
orno para meninos, as quaes est vendendo
baratamente em proporco da superiorida-
de d. lias; assim, pois, os pretendentes di-
rijam-se com dinheiro e sem susto dita lo-
ja, que serobem servidos. Tambem haum
bom sorlimento de ditas brancas para se-
nhoras o meninas, e sao vendidas na mesma
conformidade.
Phosphoros de era.
Vendem-se a 4 rs. a duzia de caixinhas
de phosphoros de cera : na roa do Queima-
do, loja d'Aguia-branca n. 8.
Inglezas : Opiata e agna da
Colonia.
A Aguia-branca da ra do Queimado n. 8
acaba de receber a apreciada opiata ingleza,
assim como mu boa agua da Colonia tam-
Iiuin ingleza.
arralas com agua da Colonia.
Chegaram novas garrafas com agua da Co-
lonia para a loja d'Aguia-branca, ra do
Queimado n. 8.
"ovm cintas elsticas pura senhoras
casadas.
A reconhecida ntilida tas elsticas tez com qu em hrevs te aeabAseem
as que vieram da primeira vez, deixando assim
descontemos militas saatorto que se nl> poderan
Srowr dolas, tan do que a aguia branca man-
bu buscar mais algumas, que acabara de eltegar,
anda mais perfeitas que as primeiras, isso por se-
mm mwiore; agora, pok, podem as senhoras ca-
sada preveoirem^e, raanando-as comprar na
loja d'a*nia branca, ra do Queimado n. 8. Se a
atpiia fcranca precisasse de semalhante obra de
ceno desta vez oao fiearia sem lia.
.Vovisslnios e bonitos enfeites
para eabecas.
Quando o bello sexo sentia a falta de bons
enfeites para cabeca, eis que a aguia branca
recebe urna sua encommonda de bonitos e
delicados enfeites, e de modernissima moda,
muito servindo isso para sanar aquella falta, j
e fazer com que as Exmas. apreciadoras da
bella empieza Coimbra possam melhor real-1
sar e mostrarem o apurado gosto que as
guia. Esses enfeites sao d'um tecido bas-
tante fino com continhas d'aco, e mui bem I
enfeitados com flores, fitas, bicos, plumas
etc., entretanto que sendo obra de muito
gosto custam 55, 6$ e 7$ dinheiro vista;
na espacosa e alegre loja d aguia branca ra
do Queimado n. 8. I
ROUPA FEITA
NO
ABMAZEM
DE
Kunimmendas d'aguia branca recebi-
das pelo ultimo vaptr.
Ricos pentes de tartaruga cora chapa de madre-
pcrola.
Bonitos loques de madreperola.
Delicadas caotas de dita.
Lindos chapcozinhos de setim para baptisados.
Bicos de seda brancos e prctos.
Bonitas caixinhas com msicas e sem ellas para
costura.
Trancelins do laa para enfeites.
Fitas de seda estreitas para ditos.
Ditas de velludo com lisiras para barras de ves
tidos.
Aspas de balea para vestidos.
Ditas de ac para espartilhos.
Bandees de dina.
Pulsciras de contas para meninas.
Paos para abrir luvas c port-charutos.
Essencia de ail para engommados.
Pos hygienicos de Lubin para dentes.
Leite Virginal para tirar sardas.
Dito d'ires para extinguir as caspas.
Vinagre aromtico para vortigens, dores de ca-
beca, etc.
(iosmetiirae surfine para cabellos.
Pomada para bigode.
Renda de fil, lisa.
Albuas c in perfumarras.
Muitas vezes aconteca que se procurando urna
bella galantaria para se onertar a urna senhora ou
menina em seus anniversarios, ou mesmo na
iraarracao das mestras destas, se nao achava cousa
que satiszesse, agora, porm, j nao deve succe-
der assim porque na loja d'aguia branca encontra-
r o pretndeme bellos objectos para esse im, so-
bre-sahindo entre elles esses bonitos albuns com
perfumaras, cujo gosto e novidade Ihes d a pri-
maria. A aguia branca folgar de contntese
essas offertas recahirem sempre era suas predilec-
tas freguezas, e quando assim nao seja, nao faz
mal. porque a mimoseada reparando na singulari-
dade do objecto, querer desde logo alistar-se no
numero daquellas. Em todo o caso havendo di-
aheiro, dirijam-se ra do Queimado, loja d'aguia
branca n. 8, que tudo se arranjar.
Chegaram luvas de pellica para a loja d'a-
*uia branca, ra do Queimado n. 8.
Bolsas para viagens.
tVMutu-M na ra do Queimado, loja d'Aguia
Branca n. 8.
VolJas pretas
MARA PA.
A Aguia Branca recebcu as desejadas voltas
pretas, mui compndas e gradas.
iiaravilha das bellas, noros e
delicados enfeites para ves-
tidos.
aprasivcl a aguia branca o ter de avisar a
sua. boa freguezia, que acaba do receber pelo pa-
quete francez um bello sorlimento do enfeites de
seda denominado maravilha das bellas, os quaes
servem tanto para vestido de senhora como para
roupinhas de crianzas. Seus novissimos e delica-
dos desenhos, suas escolhidas e bem acertadas co-
res fazem um todo agradavel aos olhos de qualquer
vvente que saiba apreciar o bom. Assim, pois, a
ilnvida est em havur dinheiro, havendo-o, diri-
jam-se sem susto ao espacoso c alegre ninho de
aguia branca, ra do Queimado n. 8, que acharJo
as verdades cima ditas.
Cal de Lisboa e potassa da
Rnssla.
Vende-se na ra da Cadcia do Recife n. 26, para
onde se mudou o antigo e acreditado deposito da
mesma ra n. 12, arabos os gneros sao novos e
legtimos, c se vendem a prego mais barato do que
outra qualquer parte.
JUETREXXO VEROS.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concur-
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
homens e meninos.
RA DO QUEIMADO N. 46
IBT0I81TID
1
Cal de
a mais nova do mercado
19, primeiro andar.
Lisboa
na ra do Vigario n
Palitos do gaz.
Vendem-se contnuadamenie no deposito peral,
travessa da Madre de Dos n. 16, armazem de Fer-
reira & Martins, em porcoes e a retalho, por m-
dico preco.
Aos cochearos.
Vendem-se encerados pretos e de cores
torrar carros .no armazem de Tasso Irmos.
para
Vende-se
alcatriio ou verniz do gaz, pelo preco do gasme-
tro : no armazem da bola amaretla no oito da se-
cretaria da polica.
Vende-se
Casacas de panno preto, 35$ e
Sobrecasacas dem, 30$ e .
Paletos dem e de cores, 250,
MUS* e......
Ditos de casemira, 200, 150,
1*2$, 100 e...... 70000
Ditos de alpaca, 50 e. 30500
Ditos ditos pretos, 90, 70,
50 e........30500
Ditos de brim e ganga de c-.
res, 40500, 40, 30500 e. 30000
Ditos branco de linho, 60, 30 e 40000
Ditos de merino preto de cor-
do, 100, 70 e..... 50000
Calcas de casemira preta, 120,
100, 80e......
Ditas de cores, 90, 80 e. .
Ditas de meia casemira de co-
res, 50500 e.....
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordao, 50, 40500 e
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40500, 40 e .
Ditas de ganga de cores,
30500, 30 e.....20500
Colletes de velludo preto e de
cores, 90 e......
Ditos de casemira preta, 50 e
Ditos de ditas de cores 50
.40e........
Ditos de setim preto. .
Ditos de ditos e seda branco,
305000 Colletes de fusto e brim bran-
230000 co, 30500, 30 e 20500
Seroulas de brim de linho,
20400 e......20000
Ditas de algodao, 10000 o. 10400
Camisas de peitos de linho,
50, 40, 30 e.....20500
Ditas de madapolo, 30,
20500,206.....10600
Chapeos de massa, pretos fran-
cezes, 100, 90 e. 80500
Ditos de fltro, 50, 40,30500 e 20000
Ditos de sol, de seda, 120,
H0, 70 e......40500
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda....... 640
Sortimento completo de grava-
tas. 0
Toalhas para rosto, duzia, 110,
90 e........60000
Atoalhado adamascado de li-
nho vara......10280
Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....40000
Lences de linho.....30000
Cobertas de chita chineza.. 20000
Pennas d'aco, as mais superio-
res, a grosa...... 600
Relogios de ouro orizontaes,
900, 800 e......700000
Ditos de prata, galvanizado,
patentes e orisontaes, 400 e 300000
70000
70000
40000
40000
20500
70000
40000
30500
50000
FAZI:\DAS E ROITPAS FEITAS.
Sortimento completo de sobrecasacos de panno a 250, 280, 300 e 350, casacas
muito bem feitas a 250, 280, 300 e 350, paletots acasacados de panno preto de 160 ato
250, ditos de casemira de cor a 150, 180 e 200, paletots saceos de panno e case-
mira de 80 at 140, ditos saceos de alpaca, merino e laa de 40 at 60, sobre de alpaca e
merm de 70 at 100, calcas pretas de casemira de 80 at 140, ditas de cor de 70 at
150, roupas para menino de todos os tamaitos, grande sortimento de roupas de brim.
como sejamcalcas, paletots e colletes, sortimento de colletes pretos de metim, casemira
e velludo de 40 a 90, ditos para casamento a 50 e 60, paletots brancos de bramante a 40
e 50, calcas brancas muito finas a 50, e um grande sortimento de fazendas finas e moder-
nas, completo sortimento de casemiras inglezas para homem, menino e senhora, ceroulas
de linho e algodo, chapeos de sol de seda, luvas de seda e de Jouvin para homem e se-
nhora. Temos urna grande fabrica de alfaiate, onde recebemos encommendas de grandes
obras, que para uso est sendo administrada por um hbil mestre de semelhante arte e um
pessoal de mais de cincoenta obreiros escolhidos, por Unto executamos qualquer obra com
prompdao e mais barata do que em" outra qualquer casa.

ESTABELECIMENTO COMMERCIAL
;^
60 e.......50000 Obras de ouro, adercos, meios
Ditos de gorguro de seda adercos, pulceiras, rozetas,
pretos e de cores, 60, 50 e 400001 aneis e cruzes.
I
LIQUIDARON
wo
ARMAZEM CONSERVADOR
DE
(D$lriIH 8 DD8 8\I!3(D3
N. 21 LARGO DO THtgO-N. 24
Avisa-se ao respeitavel publico que mudou-se do seu estabelecimento de molhados
denominado conservativo em consequencia de percisar concert, que obrigou-se a juntar
os gneros e por ser grande quantidade, est resolvido vender por menos de 20 a 30
% do que em outra qualquer parte garantindo-se a superior qualidade de qualquer ge-
nera comprado neste armazem.
Garrafes com vinho Figueira mandado vir por conta propria por 20000.
Vinho em pipa, Figueira, Lisboa, Porto de 32o a 5oo rs. a garrafa.
Batatas novas a 40 rs. a libra e a l,2oo rs. a arroba ou caixa.
Cha do melhor que ha no mercado a 2,800, 2,5ooo e 2,ooo rs. a libra.
Manteiga franceza de muito boa qualidade a 5oo rs. em barril e 560 rs. a libra,
dem ingleza perfeitamente superior a 72o e 800 rs. a libra.
Tijollo francez de grande tamanho a 14o rs. cada um.
Bolachinhas inglezas a 2,ooo rs. a barrica e 2oo rs. a libra.
Velas de espermacete, Aracaty e composic5o a 36o, 44o e 63o rs. a libra.
Palitos do gaz sem avaria a 2oo rs. o maco e 2,3oo rs. a groza.
Milho alpista muito limpo a 160 rs. a libra, e arroba 5,ooo rs.
Alem destes gneros ha outros muitos que enfdonho seria menciona-los, vende-
se a dinheiro.
FIJMRI^AO IIO ROWMAM-RITA 1M>
RRUM tf. 33.
Este muito acreditado estabelecimento est prvido de um completo sortimento
machinismos proprios do fabrico de assucar, a saber:
Machinas de vapores as mais modernas e jnais acreditadas.
Rodas d agua de ferro com seras pertenees.
Moendas e meias moendas de todos os tamaitos.
Rodas dentadas, angulares e de espora.
Taixas de ferro batido e coado.
Boceas de fornalha pelo novo systema Wetson,
Al ambiques de ferro fundido. 'y*.
de
chumbo para caca a 160rs. a libra, estopa da Itabo ..
a 80 rs. a libra: no arraazaaa da bola aoaarella w^Molnhos para moer mandioca.
oitao da secretaria da poHcia.
Forao para conar faafea.
Moinhos para moer man
'"7Arados americanos, etc. etc.
LESVELl
DE
[CALDEBARIi E FUMIGO DE METAES,
Sito na ra do Brnm n. 40 Junto
a fundico do Hr. Bownam. pertencente a
Villaea Irmo A C.
Neste estabelecimento encontraran os freguezes um completo sortimento
de tudo que diz respeito as artes de cahlereiro, funileiro, latoeiro, ferreiro e
fundipao, e os abaixo asssignados que o dirigem, promettem servir a todas as
pessas que se dignarem de os procurar, com promptido, sinceridade e pre-
cos muito rasoaveis. O dito estabelecimento estando montado em ponto
grande, tanto no que diz respeito a pessoal, como em materia prima, e tendo
habis officiaes, pode executar com toda a perfeico e seguranca qualquer
obra tendente as artes cima mencionadas e affoita'mente pdem os abaixo as-
signados assegurar ao publico que nenhum outro estabelecimento lhe pode
fornecer mais barato e mais perfeito do que elles, visto que recebem de sua
propria encommenda todas as materias empregadas em ditas obras.
Alambiques simples e continuos de to- Sinos de 16 libras 8 arrobas.
dos os tamanhos e dimences. Parafuzos de brorrze e ferro para ro-
Machinas de cobre para destilar e res-' das d'agua.
tilar espirito at 40 graos pelos sys-; Torneiras de bronze e bronzes para
temas de Logier e Derosne. engenho.
Carapucas' e serpentinas de cobre, e Encanamentos de cobre e chumbo de
estanho, avulsas. | todas as grossuras.
Taixas e tachos de cobre para engenho Bombas para cacimbas, aspirantes e
e refinacao. j q repucho.
Paroes de cobre e todos os cobres ne- Bombas para destilacoes.
cessarios para o fabrico do assucar. Ditas para regar jardins, hortas e
Cobres para rodas de moer mandioca.' capim.
Machinas econmicas para lavar roupa Ditas para navios e barcacas de varias
o melhor possivel. I qualidades e dimences.
Cobre em lencol e arrodellas, estanho em barrinha, chumbo em barra,
lenco! e canos de todas as grossuras.
Villaea Irmo & C.
FITNJDI^O
BE
FRANCISCO ANTONIO CORREIA CARDOSO,
Ra do Bruna, .%. St.
Acha-se novamente aberto este antigo e proveitoso estabelecimento, prompto para
executar quaesquer encommendas de ferro fundido, batido ou de bronze. moendas para
engenhos, com vaporas ou sem elles, tudo com a maior promptidSo, perfeico com-
modo preco ; tem varias obras promptas da melhor e mais solida constrncefo que po-
dem ser vendidas por metade de sea valor, como sejam :
Moendas tnteiras e meias ditas de varios tamaitos, para epgealM.
Portas d'aguas guarnecidas de bronze com parafuzo de ronca qwdrada.
Rodas de espora, carretas e rodelas angulares.
Para fu sos e cavillioes de ferro ou de bronze. rosca quadrada ou singela.
Agalhees fundidos de atas e batidos para rodas d'agua e churaaceiras con bronze,
Bronzes e torneiras de todos os tamanhos e qualidades.
Tasase fundos de alambique! de ferro Cundido, de varios lamanUos.
Crivos e portas de fornalha de varios tamanhos a qualidades.
Urna machina de destlaelo continua do aotorCollares.*-
Fogbes americanos econmicos para casa Fornos de fazer farinha.
Tubos de chumbo de todas as grossuras.
Cobre era arrobas e folhas. dito, dito.
Folha de Flandres em caixas, bem sortimento.
Chumbo em lencol e em rolos de diversas grossuras.
E urna grande porcio de pecas de obras tanto de ferro fundido eemo balido ou de
bronze que seria enfadonbo descrever.
ftpera. pois, o proprietario deste estabeleeimeoto que o publico sempre btpiga*
prestara toda sua confianca e atteocSo.e

V
-


_--_*-
^
Diario de PmuflabMC* --- aMNufo i J de Ontaibro de 1*1.


. S 5>11_
GRANDE ARMAZEM
AS
EE

II. 36, RA DAS CREH5S fi. 36
DO
balrro de Sanio Antalo.
0 proprietario do rauito acreditado armazem denominado Progretsiste tendo
sempre em vista fazer todo o que or possivel para bem servir aos seos freguezes, tem
deliberado vender os seos j bem conhecidos gneros de primeira qualidade pelos precos
abaixo mencionados, e affianca s pessoas qoe mandarem comprar por sens criados ou
escravos, serem t3o bem servidas como vindo pessoalmente; encarrega-se de aviar qualfuer
encommenda, ainda mesmo contendo objectos n_o proprios deste estabelecimento. 0
mesmo pede aos senhores que mandarem comprar neste armazem o favor de mandarem
devolver qnalquer objecto que nSo agradar, devendo os mesmos senhores ter toda atten-
cao com os seos portadores, fazendo-lhes ver que so no armazem Progresaste da ra das
Oruzes n. 36, que se vendem os melhores gneros por mais barato proco, porque estes
muitas vezes olvidara-se e vSo outra parte onde os servem de maneira a desagradar este
estabelecimento.

GRANDE ARMAZEM DE MOLHADOS
M
TODOS
os
Mastarda preparada, muito nova a 360 rs. o
pote.
Uvas muito novas a 1 ,ooo a libra.
Castanhas a 2oo rs. a libra,
EIS ?S i i-_- m Mitos do gaz a 200 rs. a dusia de eaixmhas
Yinho superior da Figaeira e Lisboa, a 400, 0 uv\r< me.
440, 480e 500 rs. a garrafa, e a 2;500,' e *,IW re'a grosa-
2,700, 3,000 e 3,400 rs. a caada. Ditas hygienicas e de seguranca a 240 rs. a
dem engarrafado, das segrales mareas du-
- que do Porto, Feitoria, Nctar, velbo soceo, Alpista rauito limpo a f 60 rs. a libra,
VAPORIM
se recebem gneros de conta
propria e dos melbores esta-
belecimentos da Europa, ga-
rante-se todo e qualquer ge-
nero comprado neste
ESTABELECIMENTO,
COMPLETO
SORTIIENTO DB MOLHADOS.
vende-se em porcjo e a reta-
mo, aprompta-se com toda a
presteza e exactidao qualquer
encommenda dirigida a este
ESTABELECIMENTO.
AOS SENHORES LOGISTAS
Desta capital, arrabal des e provincias
adjacentes.
N. 23 RA NOVA -_ N.
Tem a satisfacco de participar particularmente aos
23.
iu a oauaiaLvav w ud utipdr particularmente aos seus amiitos e fre^uei'es e em
grala todos os senhores log.stas desta ede outas provincias, 2? em SSemSnciaS
suas relacoes com as pnnc.paes pracas manufactureiras da Europa ST3SSido
montar a sua fabrica da chapeos de sol sobre urna escala importan* apontopode?
offerecer vantagensaos prelendentes, tanto na qualidade e bem acabado dos seos nn5_>
tos, como pela reducto dos precos ; verdade incootestavel, de que se pode-rfto conven-
cera vista da fezenda e pelos precos que vo abaixo : ~*--j
Chapeos de sol de seda para liomem 28, a 720 a duzia.
Ditos 26, a 66000.
Ditos 24, a 605.
Ditos para senhora 18 e 20, a 480.
A duzia tem descont de 12 por cento.
Ditos de pannnho preto e de cor, armacao de balia 20, 24 e 26 sortidos, liquido
a 260 a duzia.
Ditos de junco 20,24, 26 e 28, a 180 a duzia.
Venham ver para convencer-seda verdae.
Encarregam-se de encommendas para da Europa.
BU EXPSITO DE MEMAS.
Barattesimas que se vendem para apurar di-
nheiro, na loja e armazem d Arara, ra'
da Imperatriz n. 56, loja de Lourenco
Pereira Mendes Guimaries.
INeete grande estabelecimento acha-se um
Os proprietarios do muito acreditado armazem Progresso aran sente ao respeita- grande sortimento de fazendas, tanto para o
. publico e com Mtii m ~ _* e fregae** te _*_, resomir ^Z^JSfSfeR
precos dos seus acreditados gneros, como abaixo verla nao obstante os precos menciona- porm no seu estabelecimento cada vez ven-
."- _.' -. I___. ..... !de mais baratissimo, na toja cima da Arara.
dos a vista da qualidade dos gneros que se prova quanto se deseja servir satisfatona-!rua-,ja imperatriz n. 36
Cban_sso, e Madeira superior a 8,500 rs. a
duzia e 800 rs. a garrafa.
dem Birdeaux de diversas marcas a 640 rs.
a garrafa e 7,500 rs. a caixa com 12 garrafas.
idem Mineare! de Setvbala 1,700 rs. a gar-
rafa, e 18,000 rs. a duzia.
GarrafOes com 5 garrafas de vinho do Porto,
Lisboa eFigueira a 2,100, 2,200 e 2,300
rs. com o garrafto.
dem branco muito superior a 500 rs. a garra-
fa e 3,500 re. a caada.
Garrafes cora 5 garrafas de vinagrea l.loo rs.
Gomma de eogommar a 80 rs. a libra, e
2.2O0 re. a arroba.
Sag muito novo e alvo a 240 rs. a libra.
Sabao hespanhol, a 80 rs. a libra.
tem massa a 180, 200 e 220 rs. a libra.
Peixe em latas, savel, pescada, e corvina a
1.000 re. a lata.
Genebra de Hollanda em butijas de conta a
400 rs.
Papel greve pautado e liso a 3,400 rs. a
resma.
Vinagre superior de Lisboa a 1,400 rs. a ca- Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa.
.a garra a. I Champarme das mais acreditadas marcas
Velas de^permacete superiores a 580 e 640
rs. o maco.
Manteiga ingleza de 1.* qualidade, a 800 rs.
a libra.
dem de 2. dita, a 700 rs. a libra.
dem de 3*. dita a 600 rs. a libra.
dem franceza, a melhor do mercado a 540 rs.
e em barril a 500 rs. a libra.
dem em latas com 2'A libras a 1,400 rs. a lata.
Banha de porco refinada a 500 rs. a libra.
Queijos flamengos chegados ltimamente a
2,000 re.
a 10,000 rs. ogigo e I,0"0 a garrafa.
Doce de goiaba de 400 a 800 rs. a caixa.
Chocolate portuguez, francez, hespenhol e
suisso de 800 a 1,200 rs. a libra.
Velas de carnauba e de composico a 320 e
360 rs. a libra e 9,500 e 10,000 re. a ar-
roba.
Massas para sopa macarrao e talharim a
40.0 rs. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Ba-
bia 3,800 3,400 3,090 e 2,400 rs. a
caixa.
Cerveja das melhores marcas de 5,000 a
dem prlto o melhor que ha neste gon.ro a 6,000 rs. a duzia.
700 rs. a libra. Biscoitos inglezes de todas as marcas a 1,200
Arroz Carolino e do MaranhSo a 2,800 rs. ar- rs. a lata.
roba e 100 rs. a libra. Bolaixinhas de soda em latas grandes a 2,000
Araendoas de casca mole a 280 rs. a libra. e 1,800 rs. cada lata.
,, ... Massa de tomates em latas de 1 libra a 560
i ,;nxii)has com ameixas francezas, de diversos fitn
lmannos al, 200,1,400, l,800e2,100rs.
cada tima.
Frutas em calda, ameixas, rainha Oladia, pe-
chos e alpech a 480 re.
Marmelada de todos os conserveiros de Lisboa
a 600 rs. a libra.
Ameixas em latas de 1 Vj e 3 libras a 1,200
e 2,400 rs. a lata e 900 re. a libra.
Cha huxim o melhor que possivel encontrar
neste genero a 2,700 rs. a libra,
dem hysson muito superior a 2,5oo rs. a
libra,
dem miudinho a 2,700 rs. a libra
Sardinhas de Nantes muito novas a 340
rs. a lata.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijollo para areiar facas a 140 rs. cada um.
Farinha de Maranhao a 140 rs. a libra.
Pimenta da India a 340 rs. a libra.
Erva-doce a 320 rs. a libra.
Palitos para meza a 160 rs. o maco.
Verdadeira farinha de araruta a 500 rs. a
libra.
Frascos com ameixas francezas a 1,400 rs.
cada um.
dem preto de qualidade muito fina a 1,800rs.
dem mais inferiora 1,500 rs. a libra.
Prezuntos do Porto a 5oo rs. a libra.
Genebra de laranja a 900 rs. o frasco e 500
rs. os frascos pequeos. Batatas muito novas em gigos com 38 libras
Chourirose paios os mais novos que ha no Por I>5oo rs.
Canella da India a l,loo re. a libra.
mercado a 500 rs. a libra.
Cognac inglez a 9oo rs. a garrafa.
Cominho a 64o rs. a libra.
Marrasquino de Zara a 7oo rs. o frasco e Apitonas de Lisboa muito novas a l,6oo rs.
8,ooo re. a duzia. a ancoreta.
Licores francezes, annizete, plaisir des a-
mes, etc., etc. a 8oo rs. a garrafa e8,5oo Estrelinha e rodinha para sopa a 6oo rs. a
rs. a duzia. libra.
Passas as melhores que se encontram a 360 Legumes seceos para sopa a 4oo rs. o maco.
Breu louro a 3oo rs. a libra e 8,ooo re. a
arroba.
rs. a libra.
Bolachas inglezas muito novas a 24o rs.
a libra, e 3,5oo rs. a barrica.
Azeite refinado a 8oo rs. a garrafa.
Conservas inglezas de todas as qualidades a
750 re. o frasco.
Papel pautado e liso almajo e de peso de
3,000, a 4,ooo re. a resma.
Ervilhas seccas chegadas no ultimo vapor a
2oo rs. a libra.
oiuaraioojaqeisa ojsa jep
-bjSbsop b BJiaueui ap uia.uas so apno 'aijed eajno e ora a as-menuio sazai seimm sajsa
anbaod 'otaid ojojeq sieui jod sajua3 saaoqioui so epuav as enb (>g -u saznjQ s*p
ni ep eistssai&wd uiazeuuB ou os anb aa.\ saqi-opuezBj 'saoopevod snas so tnoo ot
-iidiie Pl JOi.saJoquassooisouiso opua.vap 'ospeaSe o?u anb opafqo janbjrnb jaAio.\p
ur.uepuBUi ap JOAiij o uidzeuue .qs-m jejduioo luajBpuBui anb sajoquos sos opad omsoui o
'uiuouiiwiaqejs aisap soudoad oiju sojoafqo opuajuoo ouisara epum 'puaminooog jaub
-icub JBivB op as-B3a.UB0ua aiuarairossad opai* otaoo sopuas uwq 051 majas 'soABJDsa
nq sopejjd soas aod jeadaioo inajepueai anb sessad se saueije 9 'sopwotauaai OYieqe so
-o.id sqad apepqenb ejiamud ap sojaua soppaquo.) uiaq e( snas so aapueA op.iaqi|ap
moj 'sazaniajj snos soe Ji.uds maq BJBd |aAissod joj anb o opnj jozbj bjsia uia aadraas
opuaj 'eisKsiloJd opBUjuioijap uiazBuue opejipajae ounu op oraeiaudid o
' |o>V otas* ap J.i|i.| op zn.i > v,p na 9c 'M
30
219
mente aos nossos freguezes, advertindo-Ib.es que mandem seus portaderes, que sero to
bem servidos como se viessem pessoahnente, istosno Progresso.
Manteiga ingleza perfeitameote flor chegada
no ultimo vapor a 800 re. a libra.
Wem de 2.* qualidade a 76o re. a libra.
dem de 3/ dita a 64o re. a libra.
dem para tempero a 32o e 4oo re, a libra.
Manteiga franceza amis nova que ha no mer-
cado a 58o rs. a libra, e em barril ter aba-
timento.
Banha de porco refinada a 520 rs. a libra.
\o armazena de Cazeudas bara-
tas de Santas Coelho
RA DO QUEIMADO N. 19 VNDESE O SE-
GCI.NTE :
(heras de chita da India
pelo barato prego de 2*000.
Uae8
de panno de linho a 2*000.
tafies
de bramante de linho tino pelo barato nrero de
3*000.
Lencos de eassa
branoos, finos proprios para algibeira pelo laraio
pirco de 45000 e 2*M0 a duzia.
Fil liso fino
pelo baratsimo prego de 680 rs. a vara.
Madapolio lino
pegas de madapolao largo superior pelo frrinilffli
mo prego de 8*000.
Ricas salas
de fuslao a 3*500.
llecas 4e brelanba
de rolo com 10 vara propria paTa saa a 3*200.
Pe^as d* camkra
Vinbo em pipa Porto Figueira e Lisboa a 4oo,
48o, 5oo, 56o rs. a garrafa, em caada
2^oo 3,000 3,5oo e 4,000 re.
dem em barril o mais superior que tem vin-
ao mercado a 600 rs. a garrafa.
Lagrimas do Douro especial vinbo do Porto a
l.ooo a garrafa e a 10,000 a caixa, o preco
nao indica a qualidade deste precioso vi-
nho, porm veDhamao Progresso que a vis-
ta faz f, a este genero constantemente man-
damos vir de conta propria e por isso po-
demos vender por menos que outro qual-
quer annunciante.
Prineipia Arara, eassas organdis a 200 rs.
'Yntense eassas organdis de quadros, cor
.(te. caf'para vestidos a 200 ts. o covado, eas-
sas francezas finas 240, 280 e 320 o cova-
Farinha de MaranhSo nmito alva e cheiroza^nhP"f'in4fn^^
a 16o re. a libra sennora a sso o covado: ma da Imperatnz
n. 50. Arara.
lfr*frttlW9l aiibra eaS^oo, ^^ dl Arara mti
ifmmt* Tende-se sedinhas de quadrinhos e de lis- adamascada para oortado com 20 varas pelo r.a-
Sardinhas de Nantes a 3o w. a teta. 'Whas miudas para vestidos de,, senhora e, rt, pre5 de i(S22-..a,.,. ,,
* iZZ a ,u ol ., ninas a 560 o covado. lazinhas de qua-'
Azettodoce de Lisboa a A4*rs. agarrafa a ^^qs a 330 0 covado, ditas muito finas
*/oo re. a caada. transparentes, fazenda chegada neste ultimo
*! V 2i rS" ***"* **JvaPr a 400> 50 e 560 rs. o covado, desta
^!^!Lr Garrafdes com 5 garrafas .de 'vinagra de Lo- ^ de Menaes Guiraaraes.
boa a I,loo re.
Ghampanhs las Mareas mais acreditadas a 0utra ?** na Arra a 210 rs.
8 o-.a 10,000 re, o gigo, e 8lam *a "V""e-se chitas francezas cores flus com
1,000 rs. agarrafe. peqwnottoqaede mfo, porm afian?a-soqoe
, iJage 'qae se lave fica limpa, padres oscuros
Serveja preta marca T e XXX a fLSoo e e. claros a 240 e 280 rs. o covado, ditas lim-
7,000 rs. a duzia. e a 600 re. a garrafa,,,pas, finas, a 320, 360 e 400 re. o covado;
tambera temos das mesmas marcas para 4, ,na toja.da ra da Imperatriz da Arara n. 56,
e 4,5oo re. a duzia, e a 4oo rs. a garrafa, de Mendes Guimares.
dem branca Te cobrinfca a 5,8oo e 6,000 re,
a duzia e 5oo rs. a garrafa, tambem ha
para 4,000 rs. a duzia.
Arara vende as camisas para seuhoras.
Vende-se camisas para seuhoras com goli-
nhas e punhos, com botSozinho e gravata,
\ fazenda vinda por este ultimo vapor a 40500
Graxa era latas grandes a l,3oo re. a doni^^ uma) go|inhascom bot5ozinho e punho
e izors. alara. |Mito finas a 10000, gravatinha ou golinha
Vassouras do Porto arqueadas de ferro obra W)m botSozinho para senhora a 320 rs.,
s na Arara vende-se capinhas bordadas
para menino a 10000 cada urna, entre-meios
e tiras bordadas para enf. ilar vestidos a
14000 e 15280 a pega; na loja da Arara,
de maita duraco a 4oo re. cada urna.
Palitos de dantos massos .grandes a 2oo rs.
e 28o rs.
Vinho do Alto Douro das marcas mais acre-
ditadas e especialmente escolhido por um
de nossos socios, como sejam: Cambes, Du-
que, do Porto, D.Luiz, Carcavellos, Cha-
misso 4 Filho, Madeira secco, e Feitoria a
9oo rs. a garrafa e 9,000 rs. a caixa com, Paltos do gaz a 20 rs. a caixinha e 2,3oo rs.
12 garrafas. a groza.
tenoo 5 garraras a 2,5oo rs. latas/! 2 libras a floo rs. pechincta.
tdoi com 1 K,,af a, Trii .hiIi n- (jeftei5ra ae nonanda garrames com 10 ear-
gueira a 2,4oo re. rafas por 5oo n
dem com 5 garrafas de vinbo Lisboa aL._.- ," ...l....'. '_
2 i00 rs ideraemlrasqueirasae^oors.eS.Soore. ea
56o rs. o frosco afllanca-se ser verdadeira.
Vinho branco de Lisboa proprio para missa 1An An k-tL nm k ^
vindo j engarrafado de Lisboa' a 64o rs., Id?asdae fiS^Sj^b'ja."" ^ *"
a garrafa,
dem em barril
muito superior a 5oo*rs.
4,000 e 3,8oo a caada.
garrafa e a
Ameixas francezas em caixinhas de 1 */
dem de laranja em frascos grandes verda-
deira italiana a l.ooo rs. o frasco.
2 Marrasquino de zara a 72o re.
e 3 libras elegantemente enfeitadas com ri- Licor francez de todas as qualidades emi
cas estampas na caixa exterior a l,3ool garrafas de vidro brancos a 72o e 800re.'
l,6oo 2,000 e 2,5oors. ,
Vinho Bordeaux das melhores qualidades n e^-
que tem vindo ao mercado a 72o e 800
rs., eem caixa a 7,5oo, 8, e 8,2oo re.
dem em latas de, 1 '/ e 3 libras a l,4oo e
2,6oo rs, cada urna.
Figos de comadre em bauzinhos de folha
muito proprios para mimo a l,6oo.
dem em caixinhas a l,4oo re.

dem em caixinhas emticamente lacradas
e muito bem enfeitadas a 1,80o re.
dem a 2oo rs. a libra.
Passas de carnadas as mais novas que ha no
mercado a 4oo rs. a libra e a 6,000 rs. a
caixa.
SalmSo em latas
800 rs.
ermeticamente lacradas a
Lagostim em latas grandes a l,4oo.
Savel, corvina, cherne, vezugo, peixe espada,
preparados pela primeira arte de cozinha a
a l,3oo re.
Queijos flamengos chegados no ultimo va-
por a 2,4oo rs.
dem do vapor passado a 2,2oo 2,ooo e
l,8oo, re.
dem prato do ultimo vapor a 64o rs. alibra.
Doce da casca da goiaba caixoes grandes a
600 e9oo re.
Chouricas as mais novas que ha no mercado
a 48o rs. a libra.
Chouricas mouras encommenda especial nos-
sa a 5oo re. a libra.
Prezunto verdadeiro de lamego em calda
de azeite 5oo rs. a libra
Bolaxinha ingleza a mais novas que ha no
mercado a 2,000 rs. a barriquinha com
f arroba, e a 24o rs. a libra.
dem de soda de diversas qualidades a 1,400
res.
dem em latas grandes, propinas para lunebe,
com5 a 6 libras por 2,4oo rs.
Marmelada imperial do fabricante Abreu e
outros conserveiros de Lisboa a 600 re. a
libra.
Frutas em calda do todas as quaHdades a
5oo re.
Ervilhas francezas a 000 rs. a lata,
dem portuguesas a 64o re. a lata.
Massa de tomate a 64o rs. a libra.
Amendoas confeitadas a 700 rs. a libra,
dem de casca mole a 28o rs. a libra,
Avelans a 2oo rs. a libra.
Tua-da Imperatriz n. 56.
Redinhas da Arara para seuhoras.
Vende-se redinlias para segurar cabello a
10000 TS., CnfeitBS para caboca Aa pnhnrn t
10000 rs., meias cruas para senhora a 320,
fny> na Arara, ra da Imperatriz n. 56, de Men-
dos Guimares.
Aiida mais una pecbincha na Arai a a 20000 rs.
Vende-se cortes de chitas inglezas a 20000,
ditas francezas com um pequeo toque de
mofo, porm afianGO que logo que lave fica
limpa, vende-se a 20500, cortes de riscados
suissos, com 14 covados a 30000, cortes de
cassa de babados e de barras a 20000, para
acabar, ditos de barras de seda a 30000 rs.,
ditos brancos bordados de groxe enfeitados
com entre-meios a 4i5000: ra da Impera-
triz, loja da Arara n. 56 de Mendes Gui-
flno rom dez palmos de largura pelo barato proco
de 2*300 a vara.
TflaPwK atwtrhitwliis
para mao poto baratwskno prego de .'i*000a du-
zia .
AUalbado de linho aiamastado
proprio para toalha de mesa a **iO vara.
Algodao nioostro
com 8 palmos de largura pelo baratsimo prego
de i*000 a vara.
Corles de ealra
de ganga amarellade lisia e de quadro fazenda ti*
perior pelo baraust mo prego de 1*200 o corte.
Lauuba de quadro
de gosto inteiramente novo pelo baralssmo prego
de 480 rs. o covado.
Pegas de eanrbraia de lpicos
fina com 81/2 varas pelo baralissimo prego de 2$.
Peras de caniltraia de forro
pelo baralissimo prego de 2*200.
Esleir da India
para forro de sala de 4. > e 6 palmos de lareura.
AGENCIA
PA
rOHDICiO DE LOW-MOOR^
Hu da Senuila nova n. t.'
Neste estabelecimento contina a baver
um completo sortimento de moemlas e meias
raoendas para engenho, macliinus de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhns nnrn ilit/w_____________________
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston & C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
Azeite doce refinado do fabricante Pelanol e
outros a 8oo rs. a garrafa.
Conservas inglezas surtidas e de urna s qaa-
lidade a 8oo rs. o frasco.
Araruta verdadeira a 32o rs. a libra.
Gomma de engommar muito alva a 8o re.
a libra e2,2oo re. a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca a 16o re. a libra. .
Sevada muito nova a 12o re. a libra e 3,2oo
ss. a arroba.
Macarrao a 32o rs. a libra.
dem e talharim o mais novo que ha no mer-
cado a 48o rs. a libra.
Aletria a 5oo rs. a libra.
Arroz carolino a loo rs. a libra e a 2,8oo rs.
a arroba.
dem do MaranhSo a 12o re. a libra, e a
3,ooo a arroba.
Caf do Rio o mais superior que se pode de-
sejara32o rs. alibra.
dem a 28o e 3oo rs. a libra e a 8,2oo, 8,4oo
e 8,7oo re.
Velas de carnauba refinada a 32o re. a libra,
e a lo.ooo rs. a arroba.
dem de spennaceto 64o re, a libra. .
Chocolate bespanhol e francez a 9oo e l,ooo
rs. a libra.
Estrellinha e pe\ide muito nova a 4oo rs. a
libra, e a 2,ooo re. a caixinha com oito
libras. "
Cha perola muito especial chegado neste ul-
timo vapor de encommenda particular
nossa a 2,8oo rs. a libra.
dem huxim muito superior a 2,7co re. a
libra.
dem hysson a 2,56o re. a libra.
dem hysson a 2,ooo e 2,2oo re. a libra.
Arara vende roapa feita.
Vende-se caigas de meia casimira e de
brim a 20000 rs palitos de brins de cores
a 20500, ditos brancos a 30000, ditos de ca-
simira a 40000 e 60000, camisas francezas
a 10600, 20 e 20500, ditas de linho de pre-
ga larga a 30000, sernulas de bramante de
algodao a 10600, ditas de linho a 20, gra-
va tas a 400 e 500 rs., pares de meias a 120
e em duzia a 10400, 20500 e 30: ra da
Imperatriz, loja da Arara n. 56.
Cortes de lia a 30600,10 e 50 re.
Vende-se ricos cortes de la de quadri-
nhos a 30000, 40 e 50 cada corte, s na
Arara; ra da Imperatriz, loja da Arara
n. 56.
Arara vende ricas eohas ateludadas a 80000 rs.
Vende-se ricas colxas aveludadas para ca-
ma a 80, ditas de fustao a 50, ditas de da-
masco a 40, coberlas de chita a 20000 ; ra
da Imperatriz, loja da Arara n. 56.
Lencos de seda da Arara a 800 rs.
Vende-se lencos de seda fino, um s a
800 e 10000, diUs com franxa a 10500,
chales de merino estampados a 30000, ditos
finos a 50, 60500 e 80, s na Arara; ra da
Imperatriz n. 56.
Arara vende as umbralas de carecinos a 20.'OO
Vende-se pecas de cambraias de caroci-
nhos de cores brancas a 20500 a peca, cam-
braia liza fina a 30 e 30500, ditas para cor-
tinados de 20 varas a 80, ditas de 10 varas
a 40, e 30, cortes de cassa com palmas sol-
tas, com 1 vara de largara a 20, na Arara ;
ra da Imperatriz n. 56.
Casimiras da Arara.
Vende-se cortes de casimiras escuras a
10600 e 20000, tambem se vende em covado,
1 covado e tres q'uartas d urna calca a 10
o covado; na loja da Arara.
* Balees de arco americanos a 30000.
Vende-se balees de arcos americanos a 30
30500, 40 e 40500, baloes de panno a 30500,
ditos brilhantina a 40, s na Arara vende-
so pecas de madapolao entestado fino a 40,
ditas de 14 jardas fino a 50500, 70 e 80,
algodao cncorpado a 40, 40500 e 50000 re.,
ESSENCIAS DEPURATIVAS.
Auti-svahililica e auli-rheiimalica
Ippi'ovada pela Imperial
academia de meilieina.
OMPOSigAO E PREPARADO DO
llr. ErnesiM Fredenc "8 tanltojj
| Pharmaceutico pela escola de Mediana
do Rio de Janeiro.
Estas essencias cuja formula j fo ap-
provada pela academia imperial de medi-
[ eina do Hio de Janeiro, e pelas quaes sen
[ autor foi premiado na exposigao nacional
de 1861 e com duas medalbas na expo-
sigio de Londres, sao sem ronlesiaeo o
mais fflcatde lodosos medieainenios at
hoje conhecidos para o curativo de lodas
as molestias syphilicas ou que dependam
de urna alterago do sangue.
Distingnem-se estas essencias pelos ns.
i e S, cujas formulas variam considira-
velmente, a de n. 1 emprepada com o
mais feliz resultado as molestias ven-
reas ou^que dependam de atteragSo do
sangue, "como, cancros venreos, chairas
^sypniliticas, bonbas, affeceoes herpetieas
e dartroias, as hlennorrhas. Icucor-
rheas, vegetagdes syphihticas,
las, escorbuto, ery-ipelas etc. A den.
tem sido empregad i exclusivamente pa- i
escroMiu- T"~
A de i!. ;!

ra Mendes Guimares.
dem nacional a 1,6oo rs. a libra.
Batatas muito novas a 8o rs. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
e de todas as marcas, como sejam: sus-
IIua da Senzalla n 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston & C,
sellins e silhoes inglezes, candieiros e casti-
piros, havaneiros, messecipes, regala im- faes bronzeados, lonas inglezas, flo devela,
perial, flor das mattas, primores a 4,ooo, j chicotes para carros e montara, arreios para
3,5oo, 3,2oo, 3,ooo, e 2,8oo, 2,5oo, carros de um e dous cavallos, e relogios de
2,ooo e l,6oo rs. a caixa. ouro patente inglez.
ra dehellar os rheunialismos gyphiliticfls
e gotosos c as exostoses ou tnaorta
osseos.
Acha-se a venda este precioso medica-
mento na ra do Rangel n. 62, pharnia-
cia de Medrontio ft Martins.
m
Delicado mimo.
Domingos da Silva Campos com taberna na ra
do Imperador, defronte da relago, avisa aos seus
freguezes e amigos qne receben urna pequea por,-
go de caixinhas com ameixa raioba Claudia,
ricamente enfeitadas pelas freirs de Elvas, pra-
priamente para um delicado mimo, e seus pregos
multo raroaveis eonforme o tamanlio.
ESCRAVOS FGIDOS.
Fugio SO do mei findo, Joao, Angola, bem
ladino, representa ter 35 annos, estatura e rorpe
regular, temolhos papudos, e o signal nials visivel
e ter uns calombos no rosto sahidos de urna a ou-
tra orelha epor debalxo doqueixo, que por essa
causa costuma andar com lengo amarrado nos
queijos : qualquer pessoa que o negar, leve-o ao
seu senhor D. 8. Campos, na ra do Imperador n.
28, que ser gratificado._____________
Fugio no da 4 do correnle us o escravo
preto, Luiz, que representa 30 e tantos annos de
idade, crioulo, barxo c chcio do corno, ps largo?,
andar vigoroso, olhos vesgos e pequeos, cantea
che, bocea saliente, com falta de denles, costuma
embriagar-se : quem o pegar, ksve-o ao armazem
do caes de Ramos n. 6, que ser generosamente
gratificado. ^_________________________
Fugio no dia 11 do corrente o escravo mon-
to denome Manoel eenheeido por Manoel ferreir,
por ser deste offlck), de idade de 30 annos noooo
mais ou menos, com aifuns cabellos brancos po-
rm muito poucos, bem parecido, rosto descama-
do cor bem preta, falla um ponco fanhoso, esta-
tura regtriar, nragro, bastante desbarriga*, 6 na-
tutal da viHa ConWUcioiial de Sant'Anna do
Mato termo da cidade do Ais na provincia do
Rio Grande do Norte, levou roupa e entre ella
raigas de algodao trancado aznl e camisa tambem
de algodao: portan foga-se as autoridades poti-
ciaes e aos csptte de enmoo rrae o fac.im ap>-
prehender e cmdari-lo a casa de son senlior o
major Antonio da Silva Gusmao na cidade do Re-
cite, ra Imperial, qne gratificar generosamente
a quem o cowtanr.



Mario LITTERATRA.
0 qHc vae pelo mundo.
De urna correspondencia de Roma extra-
limoso seguinte:
O segundo conselho de guerra do exer-
Cito francez leve esla semana que julgar um
negocio importante, ao qual consagrou tres
lorigas seskies. Cinco individuos, que ti-
nham feito parle de urna dessas guerrilhas
todos eram da bpiniao que os esforcos do go-
a
temo para manter a uniao e conservar a in-
tegridade da repblica, n3o podiam ter bo
xito.
Afim de rebater este juizo, antecipada-
mente feito sobre urna questo lao vital, di-
rig em 14 de abril de 1802 aos represen-
tantes dos Estados-Unidos no eslrangeiro,
urna carta-cii cular, na qual expuz asopera-
coes da gueraa de mar e ierra, e apresentei
os resultados que se deram.at essa poca.
O preconceito que tentei dissipar subsiste
que se roarutam no estado romano para eva- aindaj e a base de t0(Io 0 ma, tem vindo
dir as migas provincias napolitanas, compa- a este paiz da poltica eslrangeira. Em con-
receram peante o conselho. O principal sequencia da sympalhia que h3o encontrado
aecusado era um mancebo de vinie e cinco n0 eslrangeiro, que os insurgentes teem
anuos, fillio de urna familia suissa, eslabele-1 podldo pro|ongar a sua existencia,
cido em aples, e cuja, l.nguagem e ma- Uma prudente sollicitude e osnleres-
neira aecusa uma educagao dislincta. Os ses essenciaes do paiz e da humanidade,
eram homens vulgares e grosse- obrigam-nos a novamente fazer um esforco
para acabar com semelhante preconceito.
(Segu o extrato dos acontecimentosda guer-
ra em 1863, e que sao conhecidos.)Este
quadro retrospectivo da campanha, contina
o Sr. Seward, mostra que as nossas armas
teem feito grandes progressos no estado.
ros.
Vejamos os fados que resultam da aecu-
saco :
Um tal Durolz. antigo tenente de arti-
llara ao servico do re de aples, tinha em-
prehendido formar um ncleo do exercito,
nao como se diz, para conquistar o reino As tropas de cada uma das duas partes ad-
das Duas-Sicihas, mas para incommodar os versas bao combatido coro torgas bastante
picmontezese procurar agitar os povos a eguaes para que o resultado para qualquer
aellas tenba podido ser de grande vanta-
favor do re ilestlironado. Nao enlrava de cer-
to no peusamento daquelle chefe promover
a pilhagem a maneira de Cliiavone e outros
hroes da legilimidade e do direito divino,
que operam por sua conta, debaixo das for-
mulas polticas, mas os que se lngaro nes-
las aventuras sao obrigados a empregar ins-
trumentos de peior especie.
t Durolz dirigiu-se pois a um contraban-
dista da m fama, chamado Stramenga, o
qual, pela sua circumstancia especial, se ti-
nha feito emprehendedor da restaurado, e
se encarregaram, em attencSo ao estado fi-
nanceiro, de recrutar a gente que devia con-
correr para a expedico.
O numero dos seus soldados de occa-
s5o, elevava-se, segundo Durolz, a 300 em-
quanto Stramenga sustentava que nao tinha
mais de 150.
Seja como fr, os fiados dirigiram-se
isoladamente a um ponto determinado pr-
ximo de Palombara e Durolz tomn o com-
mamlo da guerrilha, possuindo uma bandei-
ra dada por urna mo real, e uma peca de
artilheria, fundida em Roma n'um quartel
pontificio.
O primeiro cuidado deste chefe foi or-
ganisar militarmente o seu pequeo exerci-
to ; depois proclamou uma ordem do da, di-
zendo que todo aqueileque estivesse debai-
xo das suas ordens, que commettesse algum
delicio contra as pessoas ou propriedades
seria punido, pela primeira vez, com cin-
coenta bastonadas e seria fuzilado a reinci-
dencia.
Estas medidas nao agradavam de ma-
neira alguma as pessoas que o acompnha-
v?m, as quaes orecrutador tinha provavel-
mente promettido mais alguma cousa do que
gloria.
c O que o prova uma lista encontrada
em poder de Stramenga na occasio em que
foi preso, e na qual figuravam os nomes dos
principaes habitantes das cdades dos Abruz-
zos, com as seguintes indicacoes: rico em
dinheiro, rico em gados, etc.; o que nao o
prova ainda mais, foi o eUeitaque aqoettaj
-gntewTn^d.a prodttitri)orque provocou
immedialamWtea deserco de uma grande
parle da guerrilha.
Todava aquelle exercito, assim redu-
zido, penetrou no territorio napolitano pelo
monte San-Germano.
Aqyi estiveramecualmenteora desac-
cordo Durolz e Stramenga. Lmquanto o
primeiro pretenda que as suas excursoes no
pai)-. toasen uma serie de ovacoes, o segun-
do assegurava que eram obrigados a escon-
der-s de da nos bosques para evitar a per-
seguido dos povos hostis. O que certo
que ao primeiro encontr com a vanguarda
dos soldados piemontezes, aquella tropa de-
bandou, c foi procurar um refugio no estado
romano.
.'pois desta brusca derrota, Durolz e
gem.
Depois a necessidade de por a cidade
ao abrigo de todas as eventualidades, ha
constantemente restringido a acc5o dos nos-
sos generaes e impedido movimentos atre-
vidos e perigosos que, ordinariamente, con-
duzem brilhantes successos. No oeste,
todava, os resultados tem sido mais felizes.
Temos tomado aos insurgentes cincoenta mil
milhas quadradas. Consultando a carta jun-
ta, ver-se-ha que desde que rebenlou a in-
surreig3o, o governo da Unilo tem recobra-
do a sua autoridade n'um paiz de 200,000
milhas quadradas, tac consideravel em rea
como a Austria, a Franca, ou a pennsula
de Ilespanha e Portugal. as diversas ba-
talhas e nos cercos do mez de jnlho, ce in-
surgentes tem, como j disse, perdido um
terco de suas torgas.
Jefferson Da vis, chefe da sed gao, de-
crelou um alistamento da todos os homens
proprios para o servico na sua diviso mili-
tar. Este alistamento, se se verificar, es-
gotar todos os meios com os quaes se po-
drn fazer soldados. Os insurgentes calcu-
lan que o numero total dos conscriptos se-
r de 70.000 a 95,00u. Os nossos exerci-
tos atacam continuamente os insurgentes em
todos os pontos, com forcas superiores em
numero.
Trata-se de um alistamento de 300,000
a inreja no peito do outro, a corda de glo-
ria das lulas escolares, cingindo a fronte do
vencedor, n3o projeclava a minima sombra
na fronte do vencido, illuminava-a pelo con-
trario com os reflexos de sua luz. A for-
tuna collocara-os em pontos diversos da es-
calla social, mas a amisade supprimira a dis-
tancia.
Luiz de Oliveira, morgado do Alemtejo,
possuia rendimentos consideraves. Julio
Luiz, eu nunca te faltei verdade I
Sim, mas nao me queras desgosiar, e
vias-te embarazado; assim, foi raelhor
Entao, verdade o qae me dizes ? E' bo-
nita, heim ? Eu l pelos retratos nao me
guio. Mentemomo os originaos.
Vae-te, e dela-me. T e Mara s3o
mais dous que eu devo accrescentar im-
mensa lista dos hypocrilas da vlrtude.
Enganas-te; se o fossemos, nao te
diziamos nada.
Luiz passeou ph rene tico pela sala, depois
A tua noiva um anjo de belleza.... parando defronte de Julio bradou:
o do trabalho e o da intelligencia. Todos
e de bondade, respondeu Julio com melan-
cola,
E' um anjo de azas d'ouro. meu a-
Noronha nao tinha outro patrimonio sen5o migo, nao do ouro celestial que esse nlo
tem curso no mercado, mas do ouro da ter-
sao concordes em dizer que n5o pode ha- ra, em boas libras sonantes. Conduze-me
ver melhor capital, masn3o ha agiota que ao leu qnarto. que eu quero-me arranjar
adeante seis vintens sobre esse penhor. I para apparecer com decencia minha noiva.
Luiz de Oliveira, de carcter folgasSo, ac-; Eo bom do morgado deu o braco a Ju-
ceitava o mundo como elle e conscio da lio, earrastou-o para o quarto, cantaro-
superioridade que Ihe eslava assegurada pe- lando por entre os denles uma aria dese-
los seus haveres, ria e gosava, encarando nhecida.
todas as cousas pelo melhor lado, e deles-! N
lando a melancola com todas as forcas da E(Tectuoa,8e o casamento, e com elle nSo
sua organ.sacao de ktzzarone opulento. se alleraram nem a ndole nem 0s hbitos
Emelle, depois de jantar, se estirando em de Luiz de 01iveirat j z de darv0.
cima de uma poltrona, com um charuto en- ,unlariameie desgostos a sua mulher, nao
tre os denles considerava-se completamen- ^ comtudo reSignar-se a stipporur o
te feliz, e n5o mvejava pessoa alguma, a 5ue elle considerava obrigaces fastidiosas
nao ser o sultSo da Turqua, antes da abo- (a vida conjggai,
lico do harem. .;. | Murtas vezes, quando elle sskiho em
Julio Noronha, pelo contrario pall.do e ^ com Maria cq^^^ a abrir am livro
scismador, pareca trazer es ampada na fron-eabocC3ao mesmo t emquanto sua
te a predestmacao do infortunio. | a ia tocar a 0 ^ano a| a BeIodia
Anda enanca, quando os seus oonisc-. ^Iecla se entrava Julio, Luiz, centente,
putos ahora do recreio, se lam entregar ^>m0 uma sentinelta que vae ser rendida,
aos olguedos ruidosos de eldanles, elle. tembrava.se ^ repeteque tinha dado ten-
affastando-se sswho para *S zhmto dez.vouzm griim{0 a ^ ami tioha
sombra, indinan sobre o peito a lo.ra o-;^ ir assistir aHHJa ses95o da ^^p^
beanha, comonm bomemque j canearan ma{on das Be|fas Afl nochapu
as lulas do v.ver, Dir-se-hia que L*Mefoif*a ora um suspiro de sa*-
fada, baloicando-se nos ramos verdes do ar-.fa^0 Nem umQ somDra ^ deSconfianca
voredo, Ihe segredava mysteriosamente a ^ entrava no animo N3ff era Julio 0 m(V
historia do seu futuro. 3 demonio do ra- dlo ^amigos j ^0 era Mara o modelo-
paz, para cumulo de desgracas, era poeta.
das esposas ?
E tinha razao.
Uma noute aconteGeu o que refer; um
qnarto de hora depois da chegad de Julio,

Completados em E*ora os estudos pre-
paratorios, Julio Noronha, nao podendo,
por falta de meios, frecuentar as escolas Loiz safi>se com am pretextoqualquer;
superiores, resolveu-se a vir a Lisboa ac- Maia vum> sahir, sorrindo melancolica-
crescentar mais uma figura tonga precissSo mente.
dos pretendentes, que assaltam os minis-! Seguio-se o silencio de alguns instantes,
tros, sem se lembrarem fue estes senhores, Maria, sentada n'um soft, olhava distrahida-
oceupadoscom a importante larefa defazer mele para as-sombras que a luz de-um cas-
feliz Portugal, nao podem, de forma algu- j tica! projeclava no tapete da sala, Julio olha-
raa, dar-lhes ouvidos. Gemem os preten- va, sem a vr, para uma paizagem d'Annun-
Slramenga voltaram a Roma, onde procura-
vam reorganisar a guerrilha, quando foram
presos pela gendarmera franceza no fim do
niez de junho ultimo.
Of dous chefes e os outros tres acolytos
compareceram ltimamente perante a justi-
fa militar, com. a trplice aecusagao de alista-
mento clandestino, distribuico illicita de
armas de guerra, e associacao de malfei-
tores.
f Durolz conservou durante os debates
uma attitule digna e conveniente. E' um
liomem que se nao deve confundir com os
guerrilhas vulgares; da escola dos Borjs
c dos Trislany, mas tinha a seu favor a van-
tagem de combater pela causa de um rei,
que tinha sido seu, e ao qual jurara ideli-
dade.
i Este aecusado respondeu em francez,
com grande faclidade; acceitou francamen-
te a responsabilidade dos seus actos, glorin-
dose, por assim dizer, do seu procedimen-
to, que lisse ser espontaneo; mas repelln-
do com energa a aecusacaode ter feilo par-
te de uma associacao de malfeitores. O con-
selho, pondo de parte este ultimo motivo de
aecusacao, condemnou-o pelos outros dous
fundamentos, a cinco annos de prisao. A
mesma pena foi pronuncida contra Stramen-
ga e mais outro. Os dous restantes foram
soltos.
* A sala da audiencia tinho sido invadida
homens para substituirem os que hajam
cumplido o seu tempo de servico epara
preencherem a falta dos que teem pereci-
do. Bem convencido da necessidade desta
medida, o povo se submette voluntariamen-
te aos pedidos que Ihe sao feilos. Por toda
a parte os nossosexercitos eslo bem equi-
pados, teem abundancia de munices, e to-
dos os meios de transportes Ihes sao bem
fornecidos. Os soldados que contam dous
annos de servico comportam-se como vete-
ranos, e em todos os combates do provas de
solicilude.
t Acostumados ao campo, endurecidos
pela experiencia, os soldados fazem marchas
que no comeco da guerra, seriam impossi-
ves. A nac3o familiarisa-se com as armas,
e toma fcilmente os hbitos da guerra.
Numerosos alistamentos de voluntarios en-
grossam as fileiras do nosso exercito. To-
das as provises sao compradas em abun-
am/ia. o paiz nao d signal algum de
falla de dinheiro, de material ou de ho-
mens.
* Foi satisfeita uma requisigo de 6,200
cavallos de remonta, e lodos estes animaes
foram expedidos de Washingtom em 4 dias.
O emprestimo que contrahimos foi to-
mado ao par pelos nossos concidados.
t O ouro vende-se de 123 a 128 e nos
estados insurreccionados tem o premio de
1(5200 porcento.
Todos os portos insurgentes esto blo-
queados, cercados, ou oceupados pelas tor-
gas nacionaes.
A confederagao projeclada em uma
parte dividida pelo Mississipi Todas as
fortificagoes situadas as margens do Missis-
sipi estao em nosso poder, e a esquadra fe-
deral vigia-as.
* O Missouri, o Kentucki, o Delaw, o
denles, e o paiz chora.. de enterneci-
mento ao ver os esforcos dos seus incansa-
veis governantes.
Serviu-lhe de multo a atnisade de Luie de
Oliveira. Este, bem relacionado em Lisboa,
deu-lhe uma carta de recommendagio para
um amigo intimo do irmodo sogro de um
oflkial maior, e munido deste talismn; pre-
cioso, Julio Noronha fez em Lisboa a* sua
entrada trumphal, nao como M. d'Artag-
nan, emeima de um cavallo amarello, mas
n'um prosaico wagn do caminho de ferro
de leste.
Foi recebido de bracos abertos, hospeda-
ciagao.
Este Luiz um bello rapaz,, dsse
elle finalmente, mas estouvado como nin-
guem.
Para que- havia de Deus conceder-nos
a imaginagao, respondeu- Maria, se os so-
nhos-que formamos, vena mdade-dissi-
pa-los. Eos sonhoss vetes s3otao bellos,
se-eiles veem do cu, e a realidade da
terral
A voz de Mariav melodiosa e triste-eomo
un queixume, era to mansa que pareca o
echo do pensamento; A Uiz da vela trema
daodo formas phantasticafr aos movefsj e o
do magnficamente, e d'ahi a qumze das, ambiente da sala< tinha naosei que vago- per-
achava-se na importante posco de amanu-j fume de voluptaosidade.
ense, Os sonhos-, que nos- affagam a imagi1-
No dia em que recebeu o decreto deno-' naco, minha senhora, respondeu Jtilie> sao
meago, Julio Noronha mirou-se orgif liosa- anios que descem a esta-mundo, mas que
mente, como Napoleao se havia de mirar no na queda despedacam as aeas de encontr a
dia em que subia ao throno imperial. realidade, ou fcgem. espavoridos para.as re-
Tinha uma filha o dono da casa. Maria gJesd'onde vierara. Que importa? Quem
se chamava ella. Meiga como o seu nome, gosou um momento s as delicias inebren-
parecia que esse corpinho frgil e delicado tes do paraizo* pode soffer depois.
nao era mais do que um pretexto para con-1 Pensa assim, Sr. Noronha? Pois-eu.
servar na trra a alma de um anjo. Julio acho que a feUcidade um licor provocante,
poucas vezes a va; se a encontrava por ac- de que nos n5o saciamos fcilmente* Quem
so, essa apparico luminosa enchia-o de ale- tocou uma vez.com os labios na taca de ou-
gria.comose o anjo da guarda da sr- infan- rodo ideal, nao pode arroja-la de repente
ca viesse, lomando orna forma p- ,e*' ,ama ^ Prosasmo da trra.
preserva lo dao toaWr^Oul munJo. ~A> ---- Toiu wio I oo tom I lunilH luliu, o
vezes, ssinho no seu quarto, ao sentir pas- ha momentos infernaes de tentago, em que
sar no corredor o psinho subtil de Mara, s a morte pode salvar do opprowo.
sentindo-lhe o ranger do vestido, levantava- Ou o sentimeoto do dever^ accrescen-
se, depois della desapparecer. abria a porta tou Maria.
do quarto, como se podesse ver ainda o re- E deixou cahip a cabeca entre as mos.
flexo da aureola celeste, que se devisa na E a luz da vela tremia, dando formes
fronl da mulher que se ama. phantaslicas nos movis, e o ambiente da
Porque Julio amava-a, ainda que nem a sala tinha nao seique perfumes vago de to-
s mesmo o conessasse; e ella nao Ihe t- luptuosidade. ^._____
nha aversao. Quando depois havendo mais M contemplava Mana vidamente. Que
familiaridade, entre el les. Julio sentado na pop de fr mas, qaecofreecio decontor-
sala recitava alguma poesia que tinha feito nos. Arava-lhe o se .o trgido, e Wtod-
na vespera, e Sa qual o retrato da visao que ^ yantando a cabeca, ergueu MMMto
elle dizia cantar, apresentava mal disfarga- ps oll.os, d.r-se-h.a o anjo do soffltmento,
Vae-te
Nao, pela nossa antiga amisade, Luiz,
dize-me o que queres que eu faga para des-
aggravar a tua honra.
Luiz cahiu n'uma cadeira, e as lagrimas
muito tempo contidas, saltaram-lhe dos
olhos.
Sim; era leu amigo, e acreditava em
ti como acreditava nella, como acreditava
em Deus. Era a nica illusao que eu tinha.
Perdi-a. Que importa? Ensinaram-me de-
vras. Nao ha anjos nesie mundo. E' tudo
infamia e hypocrisia.
Julio commovido ajoefhou, e, apertando-
Ihe a mao, disse com voz tmida mas so'
lemne.
Perdoa-me, Luiz, foi uma tentago
fatal; a nica expiagao desse crme a mor-
te. Mate-me, Luiz, mais restitue-me a tua
estima.
Perdoa-me tambera, Lute. murmurou
a vez de Marta junto da porta, o remorso
o meu castigo, o remorso eterno e inexora-
vel. A morie para1 mira um allwio.
Loi'z olhou enlernecido para os dous que
estavamajoelhados a seus ps, e depois le-
vantando-os:
Efem. Foi um desgraga, uma: des-
graga irremediavet. Esquegamos isse. Ju-
rem-mo que n3o procurara, tornar-se a1 ver.
Eu te arranjarei urai emprego em EVora,
Julio. Para ti, Mara1, nao serei mais-do
que um irmao. Juram-me o que Ibes
pego?
Juramos, respondern, os dous.
Bom F agora deixem-me s.
E depois de os ver sahir, o pobre rapar,.
cahindo em aima de uma eadeira, desatou a
horar como ama crianga.
VII
No dia seguinte recebeu; Luiz esta carta:
t Fiel minha palavra, masjulgandoim-
c possivel cumpri-la, deiso uma vida que
seria para mim um supplicio ou um op-
< probio.
t Perdoa ao teu amigo.Jblio.
Atterrado pela1 leitura desta carta Luiz,
copneu ao quarto' de Maria ; achou a porta
fechada. Baten; ninguera Ihe respondeu.
Desesperado, metteu os hombros porta e
arrombou-a. Assim que enlroudeuum grito
de horror.
Maria jazia inanimada em cima da cama,
e o rosto lao lindo>desfigurra-O'0 veneno.
Envaina da mesa eslava* esta carta a-
berta :
* A' mulher com sentimentos de honras,
t que, neceando orna vez, nao se pode re-
generar, arraneando do coracao esse amor
c criminoso, s- Ihe resta um recurso, a
< morte:
Perdoa-me nao poder amar-te ; eras,
pelo teu nobre coragao, digno do amor de
umanj. Eu era s mulher.. Perdoa-me.
c Maria.
linham-se advinhado aquelles dous cora-
coess.e-quas a mesma horaessas duas almas
anglicas, purificadas pelo sacrificio, deixa-
van o envolucro^ terreno, e voavara a abri-
garse no seio do Omnipotente.
Pixhbiro.Chagas.
(evolufo deSetembro.)
da* as feiges deMaria, esta ficava pensativa, inplorando dos cus um raio
do amor di-
crava ligeiramente, e, deixando"correr os vino
Julio perdeu a cabega; approximou-se
por uma multido de exaltados, que repre-
sentan, a flor do partido reaccionario. E'
de presumir que a sentenga tenha sido mal
acolliida no palacio Farnese, onde daria lu-
gar ronsideracoes. Effecti va mente, a
inaugurago de um systema completamente
novo de repressao.
t Al agora os individuos presos pelas
autoridades militares francezas encarregadas
de manter a ordem no estados pontificios,
eram entregues ao governo romano, que se
apressava a solta-los, ou se eram levados pe-
rante uibunaes, estes absolvia-n'os. Foi o
que acontecen, ha dous annos, com um cha-
mado Ricci, chefe de uma guerrilha que ti-
nha feito fogo contra os francezes, e que ti-
nha morto um dos nossos soldados. Este
julgnmcnto produziu entao um eleilo des-
favoravel. Hoje parece ler-se entrado em
ym novo caminho, e esla mudanga de juris-
prudencia ha de tal vez ser mais efficaz do
?ue todos os exforgos da diplomacia para
azer sahir francisco II de Roma
Eis a circular dirigida pelo ministro
dos Estados-Unidos aos representantes ame-
ricanos residentes na Europa :
f Senhor.Sempre que os Estados-Uni-
dos se teem queixado dos decretos pelos
quaes a Graa-Bretanha e a Franca conferi-
rn! prematuramente aos insurgentes o ca-
rcter de parte belligeranle, os homens de
estado desses paizes teem respondido que
Maryland, todos os estados onde ha escravos
apoiam o governo federal. O Missouri orde-
nou j-que a aboligao gradual da escravatu-
ra se verificasse no praso de sele annos. Os
Estados-Unidos sao senhores de quatro quin-
tos do Tennesses, de dous tercos da Virgi-
nia, das costas da Carolina do Sul, da meta-
de do Mississipi, de parte da Louisiana, com
todas as suas cdades, de uma parte de AI a -
haraa, de toda a cosa mantima da Georgia
e da Carolina do Sul, assim como de uma
parte consideravel da costa da Florida.
Com os escravos que ainda possuem,
apezar da proclamago do presidente, alguns
insurgentes estao concentrados nos portos
centraes emeridionaes da Virginia, da Ca-
rolina do Norte, e Carolina do Sul, da Geor-
gia e de Alabama,emquanto outros se acham
para l do Mississipi, separados do principal
corpo do exercito.
t Por outro lado, posto que ha seis me-
zes seria permittido, pelos costumes e les
dos Eslados-Unidos, aos homens da origem
africana usaremde armas para defensa do seu
paiz ha em campanha 22,00 soldados dessa
cathegoria regularmente alistados, armados e
equipados.
Tambem estao prximo a serem orga-
nisados 50 regimentos de mil homes cada
um e 62,000 individuos da mesma classe se
acham empregados como conductores de
carros, trabajadores, etc. Estes fados
dedos pelo teclado do piano, locava para se
dislrahir, ou alguma roerie melancola, ou
algum trecho da Norm?, desse hymno amo-
roso do Sysne da Sicilia.
Decididamente, a msica e a poesia sao as
locomotivas do amor.
III
Uma vez em que os ltimos raios do sol
posto, doirando as vidragas da sala, deixa-
vam na sombra o piano, onde Maria locava
distradamente uma revene, emquanto o
della, e, ajoelhando tmidamente murmu-
rou :
Lembra-se, Maria, daquella tarde em
que a sua bocea proferiu a minha sentenga
fatal; e comtudo os seus olhos pareciam di-
zer amor.
Nunca me ha de esquecer; e essa paixo,
que o mundo julgaria criminosa, arde- tao
pura no meu peito como a lampada no sanc-
tuario. E nem uma esperanga a alimentar-
me a vida e nem a consolago de poder
mesmo
nae e a maeconversavam mais distantes em me a v.ua. nem w? "-i"
! bajxa, Julio, .encostado ao piano, com- alagar a sua imagem, porque .un me
U mnlava o corno esbelto de Maria, que, ves- era_ um enme. D.ga-me, ha soffr.m.
templava o corno esbelto de Maria, que, ves- ^-. -^^ soffriroento
garida de Gbelhe. or" Mana a6"ad>- na0 m6 recor,ie "^
Aconversa linhasido melanclica, linha wrde. .... .____ .
fallado d'amor, dos seos tasls iblimes. > rap.do fulgor de especanca e
das suas bon iwis lorluras. Unbam-se per- s relia que me alluma as Irevas da
d doTum deias dta&.ag que^o eals.ecla e o f6go daquolle beqo alud,bo-
mais perigosas do que orna declaraCao, je me que.ma...... o me consola. Epor-
"'^r.inb.mcabiao'em silencio; o si- climas criminosas. Devora o consome-me.
fallar de mysticas .olop.uosMades 3%^Sffi
A* m5rtc Ha Maria miA IhA nnilflia 30 lado. <** VOlUp UOSlOaaO.
Deixe-me, pense na sua honra e na
das mos de Maria, que Ihe penda ao lado,
emquanto a outra corra mansamente no te-
clado, beijou-a, murmurando Amo-a.
Ella estremeceu, como se essa palavra a-
minha.
O safTcio universal.
(Gontinwqao.)
O voto unisp.rsal nm rairc<,3o n?So po-
der ia ser estebelecido sobre uma base mixta
e ponderada; fundamento necessario de um
justo equilibrio representativo ? Se fo*se
permiltido comparar a arithmetica coma
(.arte da poltica, que o opposto das sci-
encas exactas, poder-se-hia dizer em prin-
cipio quesera uma felicidade achar-seuma
combinado e regea. de proporco pelas
quaessosuppuzesse que a respeito de-elei-
goes a propriedade-eslS para o numei como
o numero est para a industria, est para o
commercio, e cssiro por diante entre os
principaes elementos do paiz (4).
K evidentemente impossivel realisar com
exactido uma tal proposigo, com tudo
possivel approximarmo-nos mais ou menos
deste ideal.. Mas, dr-se-ha, para fundar
uma classificago eleitoral sem dividir a so-
ciedade em classes.systemaincompativel com
os progressos e as ideas modernas, qual a
organisagao a adoptar, que nao seja nem
arbitraria nem offensiva ? A' excepc3o da
ignorancia e da instruego, parece que duas
palavras, pobreza e riqueza, indicam a
grande equas nica disimcgo que existe
entre os habitantes do nosso paiz. Seria
sobre base tao brutal, tao elementar que se
cuidara em eslabelecer uma divisao eleito-
ral ? Ninguem o pretendera ; mas inde-
pendenlemente das pessoas ha uma classi-
ficago tambem raujio natural e positiva
que se apresenta por si mesma. E' a divi-
sao por grandes inleresses, nao se tomando
esta palavra mteres&e no sentido res-
tricto da preoecupacao pessoal de ganho e de
proveito particular mas tal qual a enten-
dera os Inglezes, que concebem uma mais
alta idea dos inleresses, e que quasi teem
feito delles nstiluigoes (nwney interest,
latid interest, etc.); jinteresses rivaes, mas
nao inimigos, porque n3o podem passar
uns sem outros
lia hoje uma especie de despreso pelas
theorias polticas, todos se applicam s theo-
rias sociaes ; ora o estudo dos interesses
faz parle integrante desta ultima ques-
to.
D'aqui ouvmos elevarem-se protestos
eloquentes e numerosos contra o egosmo e
o mesquinho espirito de interesse ; mas a
faca-se o que se quiaer, elles exblirSo sem-
pre ; porque n3o s5o empregados como
instrumentos de ordem e divisao ? Urna tal
divis3o. referindo-se s cousas e nao s pes-
soas 15o smente, n3o apresenta nenhum
dos inconvenientes da antiga nstitaicSo das
classes; pelo contrario a independencia de
todos seria deste modo respeitada, porque
cada um poderia mudar de grupo eleitoral
como de posigo, e o operario de dous fran-
cos por dia, tornando-se por acaso oo por
industria proprielario. inventor, mestre de
fabrica ou commercianle, ira vetar com os
eleitores que livessem interesses anlogos
aquelles que comportasse a sua nova sita-
cao ; proporgo que mudasse de condi-
go de fortuna, mudara de categora eleito-
ral de pleno direito, sem pedir permissao
a ninguem.
No voto universal, porm dividido, se
adiara naturalmente a parte maior ou me-
nor de cada fraegao social existente de laclo
no paiz. Seria, qoanlo s eleices, orna
verdadeira instituigao mixta, e as canoras
resultantes deste systema se amoldaran? co-
mo oulra qualquer eombinaco governafiva
s variacoes de preponderancia e de res-
triceSo das influencia parlamentares.
Se o voto universal imperfeilo n3o nem'
um amo providente nem um servo sempre
dcil,- ao menos um poder real e franco;
no tempo presente, cunpre'no fazer sobre
elle um- ensaio consciencioso. O governo
pelas massas tem. como outra qualquer for-
ma poltica, suas diiTiculdades e inconve-
nientes ; mas, quando fallamos em diviso
eleitoral, nao com o lite- de enfraquecer
a instituieab do voto universal conforme a
antiga mxima : dividir para reinar.
Pelo contrario, o fim da nossa proposigo
seria dar a' poder central a faculdade de di-
vidir para peinar menos, e se a ocessiao
opportuna para oceuparmo-nes especulativa-
mente de represenlagao e votos-, supponha-
mos um instante que o voto- universal nao
seja voto da multidao, mas o-de elementos
destnelos e eguaes do povo inteiro ; nao se
poderia ento; afim de reproducir pelo-sys-
tema electiva- a imagem fiel da sor i Hade,
adoptar a divisao que nos propozemos a de-
linear aqu, como esbogo rpido das torgas
vivas do paiz.- isto primeiso oinlerasse
agrcola e o da propredade, representado
por todo o iadividuo, rico eu.pobre, que
possuisse um trra ou uma casa, e bem as-
sim por todo aquelle que pagasse um arren-
damento de propredade rural;. segundo o
interesse commercial, industrial e martimo,
escolhendo os seus deputados a>parle ; ter-
ceiro o interesse artstico mais bem. distri-
buido, tendo como os outros, em proporco
da sua torga numrica, os seus depulados
especiaes; quarto, finalmente; o interesse
intellectual, lUterario e moral (5) abran-
gendo todos aquellos que, sem. propredade
e- fortuna independenie, vivsm entre nos
das profissdes liberaes ?
Sem parar as difficuldades de detalhe,
qpe a experiencia resolvera, paulatinamen-
te; na suppos'rgao de que una tal systema se
julgasse admissivel, nao se poderia atfirmar
qpe o paiz deste modo seria real monte re-
presentado, etalvez muito realmente na opi-
niao de certas pessoas ?
Os primeiros ensaios da extenso- Ilimita-
da do privilegio eleitoral taem trazido mui-
los contratempos. Com o voto uniweisal es-
perava-se que todo o mundo ficasse satisfei-
to ; mas, na realidade, qer seja lato, quer
restricto o- direito de voto, necessariamente
ha de haver sempre uma grande parte de
pessoas descontentes e derrotadas as elei-
ges. A admisso das massas na vida polti-
ca n!So muda nada a estas coniigoes, porque
da nalareza das nstiluigoes efectivas acei-
tar d'ante-mo egualmente a victoria ou a
derrota.. Os syslemas polticos modernos a
respeito de e'leigoes n5o sao praticaveis e
utois sen3o pela res'ignago das minorias ;
o que se tem achado de mellior al boje,
massomente isto. A theoria absoluta dos
direitos do numera pde> orno outra qual-
quer, fcilmente cahir em absurdo, c. por
lembrar a este respeito om dos mais indi-
ciosos pensameatos de tt. Mili: a differen-
ca entre o escravo irresponsavel e o homem
Uvre que o primeiro obedece a uma.or-
dem pessoal e directa, o segundo a urna-le;
mas, em todo caso, aeaba-se obedaeaodo. a
alguem ou a alguma cousa.
Uns pensavam q-ue com o voto universal
tudo estara perdido, outros que- tud se
salvara: elle nao tem sido nem tao perni-
cioso nem to perfeito. Mas esta instituigao,
crtada em favor do numero, pode ebegar a
resultados contrarios egualdade.
Assim o voto universal puro e simples
abafa e Gomprime as minorias,. n3o so as mi-
norias polticas, que se cnaraam partidos
quando vencidas, e o paiz legal quando
triumpJiam, mas ainda as minoras numri-
cas. Deste modo cem operarios em uma cir
dade de dez mil negociantes jamis serio
representados como operarios : poderSo so-
tar por tal candidato, mas este candidato nao
ser o seu proprio. Um ou dous graades
fabricantes, no meio de dez mil operarios
das suas fabricas, nao sero nunca represen-
tados especialmente, em quanto as leigoes
s se fundaren ao numero e na dhiso. por
localidades-
h^lh^&lKtoSS"" classilicagaode que se traa nao exclue era
cordas-e no seu peito milhares d'chos ter- J* w-lhe m P^ frenrae" q ... nada o poder da op.n.ao e das ideas De-
rivis, e respondeu em voz baixa, mas vi- -.Del?e-m*' Z' .,u,,' Jul'0' qar mais. onde quer que sejam tomados ele.to-
u_._.' j. .L..s. nne Ihe dica que o amo i ,.. nioim. h* m...t* nrAKahii.dQt t
provam como a insurreig3o contina, a des-
gragada povoag3o que, a principio foi um ,.,., .,..,.......,
elemento forte da insurreig3o, e hoje a favor brante de emogao : i que ine a\p que
do governo federal. | sr. Julio Noronha, eu son noiva do' Naoacabou a phrase, um be.jo sellou-lhe
Empregue os fados expostos nesta cr- :seu amigo,
cular da maneira amis conveniente para IV
convencer aquelles que qnerem ver renascer D'ahi a dias, chegou Luiz de Oliveira.
a prosperidade commercial pelo restabeleci- Os dous amigos abragaram-se, e depois em irevas. No ambiente a sais lucuan
ment da paz na America, que-o caminho dos parabens e dos agradecimentos. as pri- nao sei que vago perfume de voiu
os labios.
E a luz tremente da vela langou um ulti-
mo clar3o, depois exlinguiu-se ; tudo ficou
mais prompto e mais certo para chegar ao meiras palavras de Julio foram estas:
fim desejado cessar de sustentar e favore-1 Porque tost falto de franqueza co-
cer os insurgentes, e dexar exclusivamente migo, Luiz, porque nao me disseste que ias
ao povo dos Estados-Unidos o .cuidado de casar ?
tratar das sua questes internas.Sou, etc
de.... e de amor.
VI
No dia seguinte, quando Luiz de Oliveira
se preparava para sahir, appareceu um cria
William H. Seward.i
Um melodrama intimo.
i
Eram amigos de infancia, e nuuca a mais
ligeira nuvem viera alterar a amisade que os
ligava. Condiscpulos no collegio, nunca os
premios concedidos a um tinham feito nascer
Ta.... la ta; nessa nao caba eu: se do que Ihe disse que Mana desejava fallar-
en l'o dissesse, na primeira carta que me Ihe em particular,
escrevesses davas-me as seguintes informa- Demorou-se pouco tempo com ella, mas,
g5es : E' um anjo, uma fada," uma syl- quando sahiu, vinha com o semblante trans-
pbde, e hade ser o modelo das esposas; e tornado. Ao entrar na sala, encontrou Ju-
eras muito capaz de dizer que havia de ser lio. Correu para elle com os punhos cer-
lambem a esposa de um modelo ; e eu fica- rados.
vana mesma. Assim, deste-me informa-' E's um infame, balbnciou Luiz.
goes sinceras, percebesle tu, me pombi- Sou. Vinha confessar-te tudo, Faze
nh de secretarla ? I de mim o que quizeres.
res e eleitos, ha mula probabilidade de
que uns e outros tenham sempre algumas
vistas interesseiras, claras ou occullas. Pa-
rece que difiacil encontrar-se uma combi-
nagao poltica fundada no desinteresse;
qual seria o jury de exame encarregado de
assegurar as aptidoes em semelhante ma-
teria ?
Emfim a diviso dos inleresses materaes
e moraes separadamente grupados e ap-
plcaveis ao voto fraccionado est de todo
descoberla: a dos grandes interesses con-
servadores e productores.
O diversos inleresses, agrcolas, artsti-
cos, manufactores, intellectuaes ou com-
merciaes, s3o planos precisos e distinctos ;
Nomeados. hoje segundo esta djviso so-
mente, os deputados n3o o poderiam ser.
segundo uma diviso por localidades e pes-
soas ao. mesmo tempo? E" urna questo
que convera examinar, porque se, pelo acaso
da residencia, cada um pode esperar ser re-
presentante conforme a sua opniSo polti-
ca, o que muito vago para a maior parle
dos eleitores, nao o 6 conforme sua posi-
go social. A classificago geographica e lo-
cal portan to, mais judie osa do que outra
qualquer 1
Porque o commercio e as artes, a propre-
dade ou a torga manufactura Dio sao repre-
sentadas por nmeros eguaes de eleitores,
nao se stgue que um desses interesses seja
condemnado a soffrer oppresslo de outro,
ou nenhura delles a ser sacrificado; o po-
der n3o deve propender para um lado, e a
proporgo numrica por si s nao uma ra-
zao de justiga nem de epualdade. O numero
tomado como nica base eleitoral pode, em
certos casos, alterar e viciar todas as lei-
goes, sem dar ainda mesmo multidao que
as domina uma verdadeira e pessoal satisfa-
gao, nem um orgao poltico particular e es-
pecial,
(Continuar-se-ha.)
(4) Na constitulgao transitoria de 1791.
um tergo da representagSa era tomado no
territorio, um tergo na contribuigao, um
tergo no povo,
(5) Todos sabem que na Inglaterra as
universidades de Cambridge e Oxford no-
meiara para a casa dos communs represen-
tantes particulares e especiaes.
PKRNAMBUGO.- TTP. E M. F. F- PILHO.
\
HMH-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ECXGPFZU3_8HV5WT INGEST_TIME 2013-08-28T03:42:32Z PACKAGE AA00011611_10218
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES