Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10209


This item is only available as the following downloads:


Full Text
'"*.
AMO XXXIX NUMERO 229.
Por tres mezes adiaifados SJOOO
Per tres mezes vecldos 6$O00
P*

QABTA FURA DE OTUBBO DE 1863.
Por anno adiantatfo.....9#00<)
Porte para o subscriptor. 3$0(K>

PIARIOJDE PERNAMBUCO.

ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima'
Natal, o Sr. Antonia Marques da Silva; Araeatv, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaqtiim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Manocl Pinheiro & C.; A-
niazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCO NO SUL
Alagas, o Sr. Clandino Falcao Dias; Bahia, o
Sr. Jos Martins Alvos; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins & Gasparino.
EPHEMERIDES DO MEZ DE OUTUBRO.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
IgSSe?a Santo Ailo, Gravat, Bczerros, Bonito, Caruaru", ** Jf a nova as 3 h> *7 m. e 2 s. da t.
Altinho e Garanhuns as tercas fciras. 19 Quarto cresc. as 4 h., 40 m. e 32 s. da t.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqneira, 26 La cheia as 2 h., 30 m e 20 s da t
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrob'
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sol at Alagas a 8 e 23; para o norte at
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
a Granja 7 e 22 de cada^nez; para Fernando nos Tribui>al do commercio: segundas e
**" f^R^A^]****-- tercas e sabbados s 10*0,2
dias
as.
Fazenda
Jrob,|
Boa Vista, Ouncurv e Exu' nas quartas feiras.
Serinhaem, Rio Formoso, Tamndar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras nas quintas feiras.
Una de Fernando todas as vezes que para ali sabir
navio.
Todos os estafetas partem ao '/dia.
**t* oHeeife : do Apipucos s 6 u&zt^i Rd?/01inda as,8 2a m-e ? da tarde; Juizo d0 coramcrcio: segund
Jahoatao as 6 DIAS DA SEMANA.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 10 horas e 8 minutos da manhla.
Segunda as 10 horas e 30 minutos da tarde.
quintas s 10-horas.
las s 11 horas.
da m.;
DoReel
5, 5'A, WU 6 da larde; para Olinda al 7 da
mmnaa e 4 >/2 da tarde; para Jaboatao s 4 da tar- i D-^
de* para Cachang e Vanea s 4 '/* da tarde; para ^egundi vara do civel: quartas e sabbades-a 1 hora !' fJlm!in] da praa da,In^PMl>nria
Bem{ic*as 4 da tarde. ^ datarte *> ""* ns .6 e 8., dos propnetanos Manoel Fjgueiroa de
4Bembca s 8 'da m. I DiK> de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
^t/ PaIa^A.^0^L31/A^^,A.4.,^r|p^imeira vara do
dia.
civel: tercas e sextas ao meio
o -Segunda. Ss. Placido e seus eorap. mm.
6. Terca. S. Bruno; SvErolhides.
7. Quarta. S. Marcos p.; S. Augusto presb
8. Quinta. S. Brgida; S. Demetrio ra.
0. Sexta. S. Dionizio b. m.; S. AbraM*
10: Sabbado. S. Francisco de Borja.
11. Domingo. S. Sainetea; S. Placida L
w
ASSIGNA-SE
PARTE QFFICIAL.
GOYMO BA PROVINCIA.
3.' seccao.Rio de JaneiraMinisterio dos ne-
gocios do imperio, em 6 de agosto de 1863.Illm.
e Exm. Sr.Foram presentes Sua Magostada o
Imperador os ofllcios de V. Exc. ns. He 12 de 27
de Janeiro deste anno, em que d conta das deci-
ses que proferio acerca da accumulacao do cargo
do juiz de paz com o de professor de latim do
t.ymnasio Pernambucano, e da validade dos tra-
ba los da qualificacao de votantes presididos pelo
cidadao que accumulava os mesmos cargos.
Expoe V. Exc. quanto a primeira questao, e
consta das copias que acompanharam o offlcio n.
11, que havendo alguns eleitores da parochia da
Boa-Vista nessa capital, consaltado se era compe-
tente, e legitimo para presidir a junta da qualifica-
cao da mesma parochia o juiz de paz mais votado,
que accumulava o cargo de professor de latim do
Gymnasio Pernambucano, V. Exc. decidir que
liavia incompatibilidade nessa accumulacao confor-
me a doutrina dos avisos ns. 89 e 163 de 4 de ju-
nho, e 28 de novembre de 1847, e n. 561 de 29 de
novembro de 1862, c que portanto o dito juiz nao
podia exercer os dous cargos, sem perder o direi-
>to a um delles, devendo fazer opelo do quo mais
Mo con vi esse.
Que tendo o mesmo juiz de paz reclamado con-
tra esta decisao, por nao julga-la fundada nos avi-
sos citados. V. Exc. confirmara, corroborando-a
com os avisos n. 541 de 19 de novembro de 1861,
e n. 544 de 18 de novembro de 1862.
Quanto a segunda questao consta do offlcio n. 12
mandar parar pelos motivos declarados no citado
offlcio com as obras do hospital de Misericordia de
Olinda, logo que esteja coberta.
Dito ao director das obras militares.-Approvan-
do o orcamento na importancia de 43,3440 reis,
que veio annexo ao scu offlcio de hontem datado,
sob n. 197, autoriso V. S. a mandar collocar os
ventiladores de que precisa dous paies da plvora
da fortaleza fio Brum, conforme sohcitou o direc-
tor do arsenal de guerra, em offlcio de 13 de agos-
to ultimo, sob n. 58, a que se refere a informacao
do brigadeiro commandante das armas de 14 do
mez prximo passado sob n. 1687.Fizcram-se as
necessaas comoinnicacoes.
Dito ao director do arsenal de guerra.Em
cumprimento do que determina o aviso de 12 de
setembro ultimo, mande V. S. fornecer ao2 bata-
Ihao de infantaria as pecas de fardamento constan-
tes da nota junta por copia, para pagamento dos
vencimentos do anno prximo passado spracas do
10 batalhao da mesma arma que a elle se acham
addidos.
Dito ao juiz de direito Dr. Manoel da Silva Nei-
va.Tevc nesta data o conveniente destino o offl-
cio que veio junto ao de Vmc. do 1" do crreme
com endereco ao Exm. presidente do supremo tri-
bunal de justica.
Dito ao Dr. juiz dos feitos da fazenda.Remeti
a Vmc. para as fins convenientes, a inclusa carta
percatoria dirigida pelo juiz dos feitos da fazenda
da provincia do Maranhao contra Joaquim Ferreira
Ramos, a qual me foi transmitida pelo^Exm. presi-
dente daquella provincia com offlcio de 16 de se-
tembro ultimo. ,
Ditoao presidente emembros do collegio eleito-
ral'do Rio Formoso.Nao
novo governo sympathico aos estados rebeldes. Es- eajsperanca de o chamar a melhores seatimentos
se susto deva dar que pensar ; anda do muado serio enrejadas todaTas atKcs l Su Se?
germnico gue vai oceupar-se o nosso boletn: to. O recuTlo ser a intmEo os iornaes
A agitacao un.taria antiga na Allemanha ; o autriacq|de Francfort o anTeacam La e^n reveta-
que e novo e que ella ganha pouco a pouco todas as cu(B esnlgadoras '"<"V c revea
25?rpi"z' qu? assim PreParada Pr "**> *as isso ao mais do que o prologo Logo que
seculode d.scussoes, tentativas e decepC6es, e ag- o panno cahir ter lugar o epi oxro da reTesen-
tada alternativamente em todas as conchas da so- tacS do congresso ; lT-sc-ha ivTe curso f ceJc-
c.edade, quando t.ver lugar a unidade ser urna ra trgica Ss traidores sero entrenes s m-
obra que ha de durar. na3 infernaes da impren^^ retecionim
O movuneto comear entre a mocidado ardente Antes de se encerrar o S?S c "imperador
das universidades, nao sob a forma de planos de Francisco Jos pronuSciSu^TdTcur^em auc
accao, mas sin de vagas aspiracoes patriticas, de dirigi a si mesmo e Vseus Te"del berantes kS
sonhos poetios, de interesse social, de e%-ocacao do tac3esrcalorosas: Ndsrnwtram S^e tavamos
PTt!ZT?S fmr- P^f103 a fazcr sacrfflcTos o que BaJ
A creacao deZollverem nao perseguindo em ap- niao nm facto de summa imnortanc a O mi -
parenca senao interesses materia, fez mais em rador tcrmlnou mamSdoKt^e que SS-
faJLdaSSa unidade ha tanto de#jada do que as desse convocar um segundo con-rc^quM-
soc.edadc, ^r ,nm J rfJ.. a. nsie todo, os membroTda grandeS aUemaa.
. tendo acompanhado ao
zrvr rv! 0"iei0 1ue me dir'8io em 12 de setembro ultimo
.rirt.^TZn 2,riC vei annftt>. Que V. Exc. de-' mesa do collegio eleitoral da cidade o Rio For-
,'.ere'" val,dos os traiaihos da qualificacao, i moso a copia authentica de que trata a 2* parte do
Kc- q f sendocclel>rados antes, de conhecida i citado offlcio, recommendo mesma mesa que me
isao sobre a primeira questao nao poda a mes- enve com urgencia a referida copia
ma decisao annula-las.
Sua Magestade o Imperador, tendo ouvido a sec-
cao dos negocios do imperio do conselho de esta-
do.Houvo por bem approvar as decisoes de V.
Exa. por sua inmediata resolucao de 30 de julho
ultimo, tomada sobre consulta de 9 do mez antece-
dente, e manda declarar-lhe:
1. Que as decisoes dos j citados avisos e outros
sobre materia idntica sao baseados o terceiro,
principio estabelecido pelo aviso n. 89 de 4 de ju-
nho de 1847, de nao poderem ser accumulados car-
gos pblicos, que nao possam ser desempenhados
satisfactoriamente, quando servidos ao mesmo tem-
po por um individuo, o que V. Exc. fazendo appli-
cacao deste principio ao caso em questao, cora
acert decidi que o referido juiz nao podia aecn-
mular os dous cargos de que se achava inves-
tido.^
Nao admissivel nem pode ser aceita por ser of-
fensiva da lei, assim como da boa razao e conve-
niencia do servico publico, em que ella se funda,
a distinccao que este juiz faz entre as attribuicdes
judiciarias dojuiz de paz. e as polticas, ou elito-
raes, gue esto annexas a este cargo, declarando
qq nao qur exercer as prlfleiras, mais somente
as seguudas. as quaes podem ser desempenhadas
cumulativamente com as do professorado.
Com este fundamento foi que, em questao idn-
tica, decidi o governo pelo aviso n. 585 de 22 de
dezembro de 1860, que sendo a presidencia da me-
sa parochia) urna funecao annexa ao cargo de juiz
de paz, o cidadao que nao podia servir este cargo
por ser ncompativel com outro. nao podia tambem
exeMK aquella funecao; e foi anda o mesmo fun-
damento que dctou a decisao do aviso n. 520 de 7
de novembro do anno passado, tratando da escusa
nicipal, de servir nesta qualidade o cargo de juiz
municipal, ao passo que pretenda continuar na
presidencia da cmara.
portanto improcedente o argumento do juiz
quando com elle impugna a applicacao do aviso n.
544 do 18 de novembro de 1862, expedido pelo
ministerio da justica por tratar smente das attri-
buicoes judiciarias do juiz de paz, tanto mais que a
decisao deste aviso foi adoptada pelo ministerio do
imperio no aviso n. 561 de 29 do citado mez e an-
no, e portanto ainda improcedente o argumento,
quando fosse admissivel adistinecao quefazaquel-
le juiz.
2." Que sao sem duvida validos os trabalhos da
junta de qualifleacao presididos pelo referido juiz,
e V. txe. dccidindo-os assim, conformou-se com
a opinio do governo, declarada no paragrapho ter-
Portaria.6 presidente da provincia, attendendo
sociedades secretas com as sitas reminiscencias da
idade media. Ella constituio a Allemanha com-
mercial como a litteratura constituir a Allemanha
intellectual.
Agora trata-se de constituir a AUemaBba poiiu>
ca : Este ultimo progresso se ha de realisar : A
Allemanha despertar um dia e pasmar de se ver
urna potencia poltica.
Como quer que seja, a discussao nao ter sido
intil : passando dos discpulos aosracstros ella foi
durante muitos annas como que o previlego dos
professores das universidades. Mil planos de cons-
tituicoes, cada qual mais inexecutavel, foram ela-
borados por elles, sem pretencao a serem realisa-
dos nicamente como problema de sciencia po-
ltica.
Entretanto pouco pouco, gracas ao verein na-
cional a agitacao ganha a burguezla, os homens do
commercio e da industria, bem depressa os politi-
ces nao podero ignora-la, e unir-se-ho para sua
solucao.
Emflm os proprios soberanos foram obrigados a
tomar parte no movimeiRo e discutir qucstSes que
a 20 annosfra um crime de alta traigao propor
Foi um dos ltimos a deixar Francfort, e dirigise
ao castctlo de Roscnon para ah visitar a rainha de
Inglaterra, que fura all passar alguns dias.
iw outro lado o comit permanente do verein
nacional acaba de publicar urna proclamacao con-
reando os associados para urna assemblea geral
emLeipsik a 16 e 17 de outubro.
I n SardCm d d'a Scra somcntc a Questao al-
Compete a nacao, diz o comit, assegurardes-
ta vez urna solnro definitiva aos projectos da re-
forma federal. Convm que ella se rena mais fir-
memente do que at aqui sob a bandeira da liber-
"le unidadc ; que d conta a si mesma dos
tecunentos; que aceite com relexao o que
,servir, e repula com decisao o que preju-
sciplina da igreja; por quanto ollende o. referido Teve baixa :
ecretoem seus estotuidos a dignid^dd eos dre- Manoel Antonio NepomuceB sarnas
do episcopado brasileiroy priva os seminarios Manoel Ferreira da Silva samas
beneficios de que sao-oredores, e fere final- Jos Ignacio de Oliveira, gaslrite '
mente com humilhacao o clero na pessoa dos pro-, Raymundo, escravo de Ildefonso Vianna
fessores dos mesmos seminarios, como lucidamen-' Tiveram alta :
te o desenvolve o Exm. Sr. D. Antonio de Macedo Vicente Ferreira da Silva
I Antonio Jos da Silva.
yr^Jl 3ar- ?0 Sann,a Isabel 8xande e ,Luiz' escravo de Isabel Maria.
2 Crtfr 1f,C! .a benfic'0d0 Sr- Rafael Jo-, Porfefto, escravo do JoaquD>Ehso Alves
dlcamarflV% M SWT C """^ a 7 ,,asss?eir^ d^ hiato nacional Sfrppm,
aa cmara de 6. M. F. c- Sr. D. Luiz I. do da lha de Fernando : ^^
fcstanoite annuncia-se sob os mais bellos aus- Jos da Silva Canda Manocl Cardoso Rlheim
mems, e o nosso publico anceia na perspectiva, de Felieidade de Santa A S cS
emocoes novas, que lhe tem de encher o peto;. por Coneeico e 1 menor. JosepL Mara* da CoafeiV '
que de ante-mao conhece que o artista, que se lhe I Jamr!o Fernand da^Silva?Manoel NuSvt
na notos' ffi0^ ?*?& ^acm ouve "a> soldado Vipc'" *** & "K inclv
^, ? ii- do sctl mstrumento, que sob o. dos que acabaran-, o degredo e 1 mulher
KmteecZxn'rotsfv1 SS* a traVeSSUra l ~ ,1>assaKeiro^ da barca ingtozaTwsahida
cit um trecho expressivo o alegre, e lagrimas na para Liverpool :
Hfiff da naruionia auc difunde em accentos ins- D. Emma Linduey e 1 nina menor. Eduardo Hen-
vin-
prados.
E nos que conliecemos o Ilustre artista pela re-
if.'lt'.'lii iin.i n tiroomln. am pua M -*!T___>._..:
ry Ilugles e sua iiinaa Mar* Huglel
OBITL-AntO DO DIA 6 -DEorrUUBO, HO CEM1TK-
ao que ponderou o bacharel Leocadio de Andrade apenas. D'ahi a um 4 de agosto allemao dista
Pessoa em offlcio do Io de setembro prximo findo, | niuito. Mas o negocio amadurece e prepara-se, e
resolve prorogar por 3 mezes o praso de igual tempo um dia vira em que a mais leve agitac3o bastar
a 50 annos, disse em conclusao o manifest,
narara. seu sangue os nossos pais, csacrfi-
com alegra a sua vida no campo da bata-
Leipisik. A patria nao reclama ainda se-
nt dom de nossa parte. Possa o dia anni-
rTh*?no fi-sarado de nossa libordadc encelar os
ilnos a nao enfraquecerem nas lulas que a nacao
sustenta pela amizade e liberdade.
concedido para apresentar a sua
direiio da comarca de Cabrob.
Dita.O presidente da provincia, attendendo ao
que requereu Joo Eduardo Pereira Borges, chefe
da 1' companhia da seccao urbana, e tendo em vis-
ta a informacaodo respectivo commandante,resolve
n^c^nSa
essaagitacao? Chi lo sa ? mas ella vira. Entro- vessem pessoaf diSs a^ ver urna ameaca na
tanto o congresso dos soberanos allemaes em Franc- recordado (le LeDisik
fori devia encontrar serios obstculos em sua mar- Em tildo isto
c"a- mais de
O pnmciro era a desigualdade de posicao das seja, e pouco
do mundo
putacao ue o precede em sua dgressao artstica; Rio publico
hSiqm SCU- 'nerD. havemos informacSes ca-| Pedro, Pernambuco, 1 anao. Sanio Anloaie con-
baes nutrimos iguaes almejos, cantando v-los rea-' vulsoes. auiob con
Usados nesse alegre scrao, que o Sania Isabel nos, Fredcrico Pinto.de Lemos, Pernambuco, 1S annos
proporciona noje. I sulteiro. Recifc aneurisma.
Nm, isto tora urna realisacao ; por que Raphael Guilhermina do Rosario, Pernambuco 25 anno-
roner tem-se apresentado a muitos plateas, a mu-' solteira, BoarVisla ; derramamento cerebral
tos julgamentos, a militas criticas, como o diz um Maria Uaudia do Espirito-Santo, Pernambuco 28
escriptor. Mas nestas provas todo levantaram um i annos, solteira, Roa-Vista ; aneurisma
braito de saudac;rt) c de reconhecimento do scu Manoel Pereira dos Santos, Maranhao, iO annos
ment desde o curopeu at o americano.; e isto I casado, Boa-Vista ; tubrculos pulmonares
o que teremos de tazer daqui a algumas horas em Joo, Pernambuco, 10 mezes, Boa-Vista.; eolito
homenagem ao merecimento real. j Antonio Teixeira de Barcellos, Ro de Wiro', 28
ao alancea que se procedeu no mez findo. annos. soltoiro. Rna-VIsiA : (rasim nmriK.
lango- a que se procedeu no mez findo,'
na thesouraria provincial, veriflearam-se as seguin-'
tes-existencias por saldo nas vanas caixas, que all
fiinccionam :
Exercicio corrente..
Dito findo-.........
Depsitos.
Em acedes.. 2:1335600
Em letras... 336:884,5061
Emdinheiro. 2:3105055
341:5275736
Parece que nao ser rauito conveniente a ag-
27:4445-381
41:0965652
conceder-lhe 2 mezes de liecnsa com vencimentos pessoas que tinham asseto no congresso. Sem
para tratar de sua sade. i fallar dos burgo-mestres das cidades livres havia
Dita.O presidente da provincia, tendo em vista em torno do tapete verde dos principes fortunas
o que requereu Joaquim Jos de Olinda Tavares, mui diversas. Ora tal principe que conta apenas
praticante da thesouraria de fazeada e bem assim 30,000 subditos professa a respeito de urna questao
a informaco do respectivo inspector do Io do cor- dada principios diametralmente oppostos aos do
rente sob n. 748, resolve conceder-lhe 2 mezes de um soberano cujo reino conta 4 ou 5 milhoes de
licenca com vencimentos para tratar de sua sade habitantes.
onde lhe convier. O segundo obstculo ora a variedade das cons-
ulta. O presidente da provincia, attendendo ao titnicocs polticas em vigor alm do Rheno. A
que requereu o vigario collado da freguezia de In- Allemanha encerfa em scu seto todas a formas po-
gaseira Dmaso de Assumpcao Pires, resolve con- liticas desde o rgimen feudal de Mecklemburg
eeder-lhe 3 mezes de licenca com vencimentos na at o constituciBalisnio puro do grao-ducado de
forma da lei, para tratar de sua sade onde lhe Badn, at a fMma republicana representada pelas
convier, contada do Io do corrente em diante, de-! cidades livres.
yendo o supplicante deixar na regencia da mesma Havia ainda um grave motivo de opposicao, de
freguezia o sen coadjuctor, e apresentar esta porta-1 completa diversidade de vistas. A essas difflcul-
ria ao Exm. prelado diocesano. ; dades, resultantes do estado de cousas deve-se ac-
cerscentar as que provm da inepcia das pessoas.
Despachos do dia 3 de outubro de 1863.
Requerimentos.
Antonio Malaquias de Macedo Lima.Informe o
Sr. director das obras publicas.
O mesmo.Informe o Sr. engenheiro director da
reparticao das obras publicas.
Padre Dmaso de Assumpcao Pires.Passe por-
tara concedendo a licenca pedida.
Bacharel Francisco Antonio Cesario de Azevedo.
Encaininhe-se.
'Herculano da Costa Almeida.Nao ha vaga.
Joaquim Ribeiro de Aguiar Mpntarovos.Passe
portara concedendo a prorogaco pedida.
Capitao Tliomaz Rodrigues Pereira.-Informe o
Sr. commandante superior da guarda nacional dos
municipios de Santo Antao e Escada.
EXTERIOR.
PARS.
6 de setembro de 1863.
ceiro do aviso n. 108 de 23 de abril de 1849, a res- O governo em vez de reunir o novo corpo lcis-
jteilo de um acto praticado pela cmara municipal I lativo addia sempre a sua convocaco para os ulti-
da Campanha, sob a presidencia de um cidadao, "
cuja cleico foi annullada, por se declarar ncom-
pativel aquello cargo com o de juiz municipal que
exercia.
O que tudo communico V. Exc. para seu co-
nliecimento e governo.
Deus guarde V. ExcMrquez de Olinda.
Sr. presidente da provincia de Pernambuco.
As observacoes ....v...,^.,.^ ... .a.*.,..
Otrabalhoda diplomacia a respeito dos negocios
da Poloniat marcha mui lentamente. Por causa
dcsta questao as relaedes entre as grandes poten-
cias estavam a ponto de soffrer urna transformacao
nova, e fallou-se em urna conferencia da Franca,
Prussia e Russia, e em urna allianca estreita da In-
glaterra e Austria.
Essas mud.inr.is deveriam ser attribuidasem
parte demonstroslo allemaa em Francfort, a
qual a Prussia qulzcra responder de um modo to-
dojspecial. A cssa recusa da Prussia attribueui
agfm Pars do principe Hohenzollern.
^"nif-sc a Prussia potencias estrangeiras para
pse a um movimento nacional, certomente o
'que nao pode eleva-la na Allemanha. As circums-
tancias em que a Prussia se apresentaria Fran-
ca tram a cssa allianca todo o seu valor, e lhe
acarretam grave embarac. Realmente ellas s
podem dar um novo elemento ao sentimento na-
cional hoje to forte na Allemanha, c voltar esse
sentimento contra o governo da Prussia, que se
quizesse trabalhar contra a Allemanha, unindo-se
a Franga e Russia, nao acharia um s homem,
um s escudo. E' urna allianca pouco invejavcl a
ffl
'nuo i
de presidente do congresso, recaiiir sobre a tarefa
mais ardua.
Todos fazem justica s qualidades possoaes de
que elle tem dado prova nessas delicadas funeces.
Parece que fra da questao da presidencia do di-
rectorio em que se mostrou intratavel, em todos os
outros pontos moslrou-se muito conciliador. Foi
redigido um processo verbal regular de cada ses-
sao por Mr. de Bugebben, encarregado das func-
coes da secretaria em consequencia da recusa do
, rei Joao. Esses processos verbaes foram contra-
- r,nf do-lermo leal' e> Para na? de'sar P^to assignados por todos os soberanos. E muito prova-
as supposiooes, esporanojis ou receos polticos, o vel que esses curiosos documentos jamis serao
gabinete recebe sobre tudo o sello de um ministe- dados publicdade
n*2!.'H. v. u O duque Ernesto de SaxoniaCoburgo Gottaunio-
Os consell os geraes acabara de abrir a sua ses- se a Francisco Jos, seui mesmo recuar ante o sa-
sao animal, havendo una interdiccao mais ou me-, enficio das ronvicedes que ainda na vespera osten-
odo o discurso de abertura pelo re-, tava, o que muito admirou aos seus amigos do re-
rein nacional. 5' que o duque um principe que
Para a maior parte desses principes a empreza era
superior as suas torcas : muito poucos haviam en-
tre elles que podessem, primeira vista, descobrir
os prejuizos que Ibes resultara de tacs disposices
do projecto, ou antes que fossem capazes, ainda
, quando por urna especie de intuico reconheces-
sem o perigo de adiar instataneam'entc argumen-
tos a apresentar em favor de seu direito
^J%fd%L Que no dia sejruiii ao que Guilhcrme I nao conheCa que deve
te depois que a noitc ou para melhor dizer o mi- tentar um esforco decisivo elle decidio-se a dis-
nistro houvesse aconselhado, ver-se-hia um sobe- so|vcr
rano reclamar a reviso de um paragrapho que
?Kl"rJSLE SSfaria perdera paCCn' claiente que elle procuranas novas clcicoes um
VILm nneiope- P mcio de fortificar-se para 1-!- '......'
Essas difflculdades nao desanimaram Francisco
Jos : resisti, nao obstante sobro s, em qualidade
pito postor- de urna potencia que se suicida,
da segura- Nao que Guilherme I nao i
10 passadioo.
Neste sentido j l\ouvc algoma providencia da
parte do Sr. Dr. delegado, que por meios suasorios
pretendt'u arredar o referido ajuntamento ; e im- ,
porta puis que a populaco se compenetrando da '' flrSf. aPPe,,t*8a spef- de um amor
justeza dessa providencia, nao a nullifique na pra-1 u^dsabroch.a nalmente urna imagem do pa
annos, solteiro. Boa-Vista ; gastro iatcr.ite.
UM POUCO DE TUDO.
Extratamos o quo segu :
O beijo^nao mais do que mn, igual de respei-
to ; urna prova de eonsideraeao que nos merece a
pessoa ou objecto, no qual o mpregamos. Do mis-
ino modo que depositamos um eoulo na fronte de
urna Irmas, beijainos tambora tuna- saata reliquia,
dando assim nm testemunho do.nosso am/lr c de-
/
oecoder udi bejo so-
iiuo;: *o>eijo(dizuni
camintu de ferro, por
, i--o oadinho em que so
fundem as existencias humanas -y a lava ardente,
que incendia os alTectos extremosos; o ponto de
partida para os grandes commettiaentos; a pri-
a cmara dos deputados de Berln. A expo-
sicao dos motivos do decreto de dissolucao faz ver
meio de fortiicar-sc
Austria.
Esse decreto
resistir s tentativas da
tica, concorrendo antes para que se remova aquel-
lo inconveniente, alias notavel por um motivo
duplo.
Remettem-nos as seguintes linhas como lcm-
branca para o preenchimento de urna lacuna, alias :
notavel ; e nos dando-lhes publicdade, submette-;
rno-las a apreciagao da directora do Gabinete Por-
luguez de Lritttra, que sobro ellas ter de prover '
como cntendor de conveniencia.
Urna necessidade real paralvsa os bons dese-
jos daquclle que entre nos pretende adquirir al-
guns conheci ruemos sobre a nossa historia patria :
a caresta e ainda mais a falla de bons autores nas
livranas publicas desta cidade.
O Gabinete Portuguez de Leitura, a que deve
tanto a classe meda desta cidade, pela faeilidade
com que diffunde ao povo alguns conliecimentos e
gosto, tora urna bella colleceao de obras de littera-
tura e historia de todos os p'aizes, excepto da nos-
sa. E' este estaboleciment o que mais azadamen-
to nos devia fornecer taes obras, com o que nos fa-
ria um servoo sem duvida inapreciavel.
Mas, como elle nao as tenha, ouso pedir V.
queira lembrar aos dignissiraos directores do Ga-
biucie na sua Revista a acquisico de algumas
obras desta especie, como bem : Soulhev (que nas
livranas vende-se a.325 e nem todos o pbdem com-
assignala o congresso de Franc- jprar), Beauchamp, Abcvillc Historia dos Capuchi-
lilil. -1 ili i-n il 1i4 r o mliirkfYn iI.inAn 1 nU n r> Ill.n -1 *____. 1 "~ i.i
E\|iedienle do dia 3 de outubro de 1863.
Offlcio ao Exm. presidente da Parabiba.Faco
seguir hoje no vapor Tocantim que parle para o
sul o offlcio quo para ser enviado ao Exm. Sr. mi-
nistro da marinha V. Exc. me remetteu com o seu
datado de 2 do corrente.
Dito ao Exm. presidente da provincia do Mara-
nhao.Nesta data dei o destino conveniente a carta
precatoria que V. Exc. me remetteu com o seu offl-. mais atrazadas monarchias
ceo de que nao involvessem alguma allusao as
questoes polticas que se agitam. Emfira para que
nao podesse substituir duvida alguma sobre a re-
pugnancia que inspira hoje s essa palavra poli-
tica acaba de supprimir-se em um conflu da
Franca urna modesto associacao agrcola sob pre-
texto de propaganda poltica.
E entretanto a occasio mal escolhida para pro-
clamar-se esse interregno da poltica. As mais
graves eventualidades pesam sobre a Europa a
paixao das reformas internas penetrou no seio das
os soberanos c os re-
fort, como um ataque dignidade e independencia
daPrassia, c faz um appello enrgico ao sentimen-
to nacional dos Prussos.
Depende do rei tornar esse appello effit-az ou es-
tril.
As sympathias populares s lhe voltario com
sinccridadc, e se elle qur reconquistar a opiniao,
convm que o faca com um projecto de reforma
mais liberal que o da Austria, pois que d'ora em tsfaeao pessoal,
diancia a forma, o prestigio e a supremaca na Al-! gera que me faz
lemanha s pertencem ao liberalismo.
Entretanto, nao parece mais duvidoso que o go-
verno russo nao cuido em por lra a questao pola-
ca, adoptando o rgimen representativo, e conce-
dendo por sua occasio ao reino da Polonia urna
constituicao especial que continha, segundo se diz,
concessoes mais vastas e completas do que os seis
pontos formulados pelas potencias.
Isso valer scra duvida muito mais que o horois-
cio de 16 de setembro ultimo. | presentantes dos povos reuniram-se e deliberaram
Dito ao brigadeiro commandante das armas. do outro lado do Rheno; os homens da religio, da
Expeca V Exc. as suas ordens ao director do: sciencia e do progresso, con vocam-se de ura canto
hospital militar para que na remessa mensalmcnte: d* Europa a outro para reunirem-se em congres-
tliesouraria de fazenda das contas e documentos I so. Por toda a parte a palavra est em ordem do
das despezas d'aquelle estabeleomonto, sejam ob-' dia sobre todas as grandes questoes que constituem
servadas as indicagoes que no offlcio junto por co- a poltica.
pa. sob n. 739, fez o inspector d'aquella reparticao. | evidente que a Franca smente nao que de-
Dito ao mesmoCommunico V. Exc. que por i ve limitar-sc a contemplacao dos negocios propra-
aviso do ministerio da guerra de 12 de setembro mente ditos, justamente quando a poltica geral
ultimo, so mandn fornecer pelo arsenal de guerra! domina por toda a parte e partindo de to alto : e
desta provinciaao 9. batalhao de infantaria as pegas de mais o negocio mexicano nao est ainda em seu
de fardamento constantes da noto inclusa por copia primeiro episodio poltico. Os sentimentos suble-
para pagamento dos venrimentos do anno prximo' vados no norte da Uniao americana por c;
passado, as pracas do 10. batalhao da mesma arma Franca silo urna questao grave,
que a elle se acham addidas. A invocacao da doutrina Monre bem poderia
Dito ao ~
^S^^^^S^!T mo d0 genc-ral pifiis. sains.
io. procura uisiraccoes tora, utrora na mu- ore a nuestafKlo sahpp a ns pn|ans ci3n A-,enne.
sica, hoje na poltica ; amante da popularidade,
e desde que nao foram mais applaudidas as suas
operas, entregou-se comedia de intrigas sobre a
pre a questao de saber se os Polacos esto dispos-
tos a sacrificar sua nacionalidade quaesquer que
sejam as concessoes.
Segundo os noticiadores, a Russia seria dividida
a beneKrdao|PartfdVnac3?aTr^mT* SSTnwM ^ "" "" CnStU5a
Austria, com tanto que tonha occasio de se apre- ^ os Polacos provdos de ampl8S nsttQ?5es
JKBSmT dOCOngreSS ^ 1- ^ al- sTnSs^do^Sr^^tus1 etcTu^/eS
O cunhado do dunuc Ernesto o nrinemo dP Ra. resPe"ados e o governo especial funecionaria s-
wmsjirovMuo_eoD| sso. uesejava pFo\ar a sin- missao constitucional de chefe do poder execu-
tivo.
Em urna palavra o programmaA Poloniali-
vre na Russia, vai servir de thema e pretexto ao
czar.
As novo constituiedes projectadas teriam eorao
resultado separar o ducado de Varsovia, a Litlma-
na, a Podola, e Wolhynia. Do forma que a Po-
cerdade de sua conversao s ideas lberaes, e sa-
hio-se de maneira que satisfez os mais incrdulos.
Seu proposito foi perfeito, e o reconhecimento de
seus subditos, a sjmpathia da Allemnha liberal o
vngaram amplamente dos dissabores que tem sof-
frido em Francfort. Afim de apressar o encerra-
mento dos trabalhos do congresso recorreu-se in
extrentis a coramissoes, que, composlas dos repre- |onia"flcaria nais retalliada que antes da insurrei
sentantes dos diversos interesses de que se oceupa- cg0
va aassembla, prepararam nos intervallos das v' ^So hava raais do que a separacao resaltante da
causa da sessoes plenanas os elementos de urna rpida dis- difterenca dos governadores ou tenentes do sobe-
cussao : grabas a esse mudo de proceder, foi que rano aiem do que resultara da divergencia das
-------------------------- ----- -------- se conseguio encerrar a discussao do projecto. Di- nctirmvfips fundamentaos Tuda ksnwis o svs-
mcsma-Transmittopor copia V. Exc. ser seguida de factos.E, realmente, se smente se: zemos projecto porque mais tarde terao lugar em "
lhe de a_ de vida execucao, o aviso expe- tratou de fundar urna monarchia no Mxico, nao Dresde conferencias ministeraes que hao de com-
pletar a reforma do pacto federal, e dar ao osboco
para que
dido pela reparticao da guerra, em 16 de setembro vemos interesse que justifique a intervencao fran-
ultimo, recommendando que fique sem effeito. e ceza. Apenas as tropas francezas doixassem o Me-
deixem de ser averbadas na respectiva f de offl- xiro urna intervencao mexicana em favor de Jua-
cios quaesquer notas relativas ao coronel ex-com- rez ou de qualquer outro succederia a intervencao
mandante do 7. batalhao Joaquim Jos Gongalves franceza em favor dos clericaes. Com que direito
Fumes, por exce.sso de licenga e falta de apresen- se espantariam de semelhante intervencao ? E
tac,Io em tempo competente, nesta provincia onde como que o mais grave dos diplomatas |>oderia
se acha aqnelle corpo. I pretender seriamente que a Franca, que estl a mil
Dito ao mesmoTransmitto V. Exc. para os leguas do Mxico tenha tido o direito de intervir,
(ins convenientes a inclusa relacao de alteraees ao passo que os Estados-Unidos nlo poderia faz-lo
eoncerneutes ao alfcres do 7. batalhlo de infanta- sem commetter um crime? Entretanto se nao se do-
ria Jos Bento dos Passos Lima a qual me foi re-, fendesse o governo estabelecido de queteria servi-
metlida cora aviso da repartidlo da guerra de 21 j do estabelec-lo?
de setembro prximo findo. O que ha, pois, no fim de tudo isto o protecto-
Ditoaomesmo.-Paraque eu possa satisfazer a radoda Franca estabelecendo-se no Mxico, ees-
exigencia do aviso do ministerio da guersa de 14 tendendo-se cada vez mais amanhaa talvez pelo re-
de setembro ultimo, junto por copia, haja V.' conhecimento dos escravos por parto dos estados
Exc. de informar-me se nao obstante a suspenslo do Sul, mais tarde por intervencoes successivas no
do abono do dez reis, com que foi augmentado a, seio das diversas repblicas latinas ; em urna pa-
etape da tropa para urna raeao fie agurdenle ani-; lavra a bandeira franceza em frento da Uniao,
sada durante a epidemiado cholera morbus, por, um conflicto cujas consequencias podem ser incal-
aviso de 3 de abril do anno passado, continua o de' culaveis. Ou nao ha nada no fundo da questao me-
mais 40 reis diarios autorisado em igualdade decir-' xcana, ou o que ha isto, que singular e digno
enmstancia por aviso de 12 do mesmo mez e anno.! de censura, pois um tal antagonismo resultara pa-
DitoaodesembargadorprovedordaSantaCasade ra a Franca um mullidlo de despezas, perdas de
Misericordia doRecife.Pelo seu offlcio de 29 de se- homens o perigos de todo o genero.
joji)broulimo,fiqueiinteirado da deliberaclo queto- Em todo o caso est ao alcanco de todos o susto
mou a juma administrativa dessa Santa Casa de que misa aos Americanos do Norte a vista de um.
tema mais fatal entre aquelles de que tem sido at
hoje victima a Polonia, que em vez de avancar; re-
cuarta na via da autonoma nacional. Presente-
mente a nacionalidade polaca comprimida : com
o novo systema seria feita em pedacos.
G. M.
a retorma do paci federal, e
sua forma definitiva.
Depois entrar-se-ha em negociacoes com a Prus-
sia, afim de obter a sua approvacao ; apresentan-
do-sc em seguida o projecto a approvacao das di-
versas cmaras allemaas, e s depois de atravessar
todos esses transmites successivas poder-so-ha can-
tar um de profundis sobre o tmulo da dieta ger-
mnica.
Foi no Io de setembro que o congresso torminou
as suas sessoes e emittio seus ltimos votos. O
grlo duque de Bailen e o duque de Saxonia We-
inar nao se assocaram a essa empreza por libera- i Comeoamos hoje em nossa 8" pagina a publica-
lismo, e o duque de Mecklemburg imitou-os por co da memoria apresentada a S. M. o Imperador
absolutismo. O grao duque manifestou as suas re- pelo Exm. Sr. D. Antonio de Macedo Costa, hispo
servas e escrpulos em urna nota que desenrola do Para, com relacao ao decreto de 22 de abril
aos olhos dos Allemaes a perspectiva de reformas prximo passado, n. 3,073.
mais liberaes, e que talvez fosse sufflciente para A memoria do Ilustrado pastor da igreja pa-
arruinar o projecto austraco. O congresso decidi raense digna de ser considerada pela erudito
deixar-lhes assim como ao rei da Prussia a facul- que contm, e pelas verdades que raanifesta, vin-
dade de poder acquiescer mais tarde com a empre- gando os direitos da igreja a pleiteando pelo bem
za, o que presuppe da parte da maioria a firme | da religio, que o referido decreto desconheceu no
REVISTA DIARIA.
determinadlo de executar o projecto, apezar dos
obstculos quo possa encontrar, qur da parle dos
principes, qur da dos povos.
Agora evidente que o grao duque de Badn
modo de uniformisaclo dos estudos dos seminarios
opiscopaes,
A voz autorisada do Ilustrado pastor nao pode
deixar de ser attondida polo governo imperial, que

'


tomando a iniciativa da abstenco, collocou-se em I sem duvida. ha de reconsiderar a Siateria, fazendo
lima djc posicao Emquanio houver urna fr* cessar os obstculos, que assim, foram creados
nhos na ilha do Maranhao (talvez s haja eni fran-
cez, o que pouco importa.) Castriolo Lusitano,
Simao de Vasconcellos. Vida de Padre Jos de An-
chieta, Rocha Pilla Historia da America, Robert-
son, idem, Ferdinand Denis, etc., que sao indispen-
saveis para encher a lacuna da colleceao do mesmo
estabelecimento.
Ve, pois, V. que nao 6 to simplesmente a sa-
mas principalmente o interesse
raportuna-lo, esperando que ser
atlendido um, etc.
Deixou de ser hontem julgado, segundo havia-
mos annunciado, o processo de Antonio Jos Al-
picri por haver o sea advogado em razao do seu
estado enfermo requerido o adiamento do jura-
mento.
Submetteu-se ao. (rbenal o processo do roo An-
tonio Martins de Oliveira, que no mez de fevereiro
de 1848 assassinra na freguezia do Poco da Pa-
nella Joaquim Themotheo.
Foi o reo eondemnado pena do gales perpe-
tuas, sendo jugado incurso no grao mximo do
art. 193 do cdigo criminal.
Foi advogado o Sr. Dr. Jeronvmo Salgado de
Castro Accioli.
Informam-nos qiw muito soffrem os habitan-
tes da ra dos Guararapes, com um jogo da bola
que ali lia, no qual quasisempre se dio disturbios.
Nao seria, pois, mo que a polica por ali dsse um
passeio.
Moradores da tvu da Gruz se nos qneixam do
mo uso de se por a soccar naquella ra couros,
alta de serem ao depois batidos, incommodando
quantos por ali habitara nao sA cora o mo cheiro
que exhalam, como com os cabellos que delles
voam e pegam-se ao fato. Achando-se marcados
lugares para semelhante trafego, parece que o Sr.
fiscal bem podia dar um passeio por ali, atn de
fazcr desappareccr a infraccao.
Repariicao da i'qucia :
Ex.racto da parte do dia 6 de outubro.
Foram recolhdos casa de detonlo no dia o
do corrente.
A' ordem do subdelegado do Recite, os pardos
Manool Pedro de Souza, por disturbios; c Antonio
Francisco das Chagas, por insultos.
A' ordem do do Santo Antonio, Jos Antonio
Maia, portuguez, para averiguae&os em crime ma-
anea vel. v
A ordem do de S. Jos, Antonio Jos Correa,
portuguez, sem declaraclo do motivo; Domingos
Romciro, hespanhol, por suspeito.
A'ordemdo da Capunga, Manoel Jos Pereira
portuguez, para avcnguacOes policiaes.
O chefe da 2* sejcao
J. G. de esquita.
Movimento da casa de detestad no di- i
outubro de 1863. m
Existam...... 388 presos
Entraram..... ja ,
Sahiram ...... 4' >
de
A saber
Existem...... 366
Nacionaes..... 262
Estrangeiros,.. 27
Mulheres...... 9
Estrangeiras... 3
Escravos...... 6i
Escravas...... 3
366
Alimentados custp os cofres pblicos.. 181
Movimeuto da^ifermaria no dia 5 de outubro
qo i(w3 ^________^^
1JLEGVEL
raizo no mumlo.
Desde o prfido beijo de Judas, fazendo entregp.
de seu Divino Mestre, at o.presente; beijo ten
exercido urna grande influencia nos destinos na hu-
raanidade.Respeitoio ou insultante ; saterno dii
conjugal; verdadeiro ou falso; dado 00 vendido :
indifTerenre ou por amor; o boyo 1 o sollo
que se firmam muitos tratados, com que se de !i-
ram muuas guerras, com que se cstae?Icrem ruji-
tas pazos, com que se consoiidam muitos irape:ios,
e al se abatem muitos throoos!
A primeira vista, sem philosoptar um ps^po,
parece que um beijo, mafe* um boyo, a sorama
sempro bejos, edaipii nao passa: pois nm cnu.i
no por. urna regra especial de arhmetica, i reu-
nio destas parcelias apresentam um resultado di-
verso, mas nem por isso menos satisfactorio.
Folheai.os litros da historia vede todos esso-
aconteciinentas, nosquaos o beijo. tem OBM aceii>>
raais 011 menos pronunciada r o reco.il.ecoreis a
vordado do que avauvamns.
No laco que prend a mullkr ao Itcavera, olio
mera familia, a familia bvaanidada 1 l.uuiani
dade ao Creador ; o beijo tem. tido si uprc om im-
portante papel deseniponhar.
O beijo una especie de-conductor que ttan-
imite os sentimentos do um ser pan outro.
Assim como ha beijos que. avivando as rosas da
face, imprimem nina sensac;o da ma doco feliri
dade ; assim tambem t)oi(jos existen),, que deixain
impresso o estigma indetevj| da maldirao, a man-
cha de um crime que itto se lava !
No beijo ha, pois, mui/as vezes a passagem d.-
urna alma para outra, e por \&o que taremos re-
montar ao beijo a erigem de rauito* bens e de
muitos males.
Ua beijos sinceros, a slo aquelles.que urna mi i
imprime na fronte da um filbo'; ha beijos casto? e
sao aquellos que se AepositMfl na face de urna es-
posa; ha beijos iunecentese so aquelles que da
mos n'uma cranca que derme, ha beijos indilfe
rentos, c slo ot por mera cortesa -, fmalawnio, ha beijo sagrado-,
e sao aquelles que gravamos sobre o tmulo de ui
pai querido, no retrato de rana irmaa que se ado-
ra, na tranca mimosa, nica reliquia do um am':
infeliz!
O beijo a porta, por onde se entra no sane ju-
o do amor; otbunbulo, om que se qiieiraa a
myrra do sedimento ; a pyra, onde ardo o fogo
da sympatbt'a; o. vinculo, que liga duas alma-
n'ura so cor po. tendo ambas a mesma vontade. nu-
trindo os rr.esmos desojo*, alimentando a* tuesma>
esperaHea.'j; ambicionando a mesma gloria '
^.nes de concluir, oucamos o Sr. Palmeirim.
Rerange r portuguez, :
Um beijo nao peccado,
Se foi aceito c foi dado.
Sem mo pensar;
Peacado talvez seria,
Negar-se com trrannia
De un beijo dar. >
Eis o que pensamos sobre o beijo..
Mais vale oxperimenta-lo, que julga-lo
Mas, julgue-o quera nao pode experimenta-lo
O Mercantil d a seguinte noticia :
Um jornal de Lyon, na sua revista scii*Nfca,
falla-nos de urna to extraordinaria applicacao da
lihotograplua, que a roalisar-se com fruet serla
do um grande proveito para as investigacoes cri-
minaos.
Um photographo inglez teve a idea do reprada
zir peto collodion o olho de um boi algumas Mi
depois de morrer.
Examinando esta prova ao microscopio, descu-
bri distinctamento sobre a relina as linhas do pa-
vimento do matadouro, ultimo objecto, que linda
affectuado a viso do animal abanando a cabera
para receber a raachadada.
Esta experiencia, segundo o autor, tanto me-
lhor quanto feita mais prximamente da cessacao
da vida. Se, pois, se reproduzisse pela photograpnia
os olhos de urna pessoa assassinada dentro de Tin-
te e quatro horas depoi* da *ua morte, dere appa-
recer na retina, por meio do microscopio, a ima-
gom do ultimo projecto, que se apresentou aos
olhos da victima, ora neste instante supremo para
o assassino, que se fitam os olhares do assasai-
nado.
S falta, que o facto se verifique, e proveitosa-
raente porque se tal se der esta achado o fio muito
seguro para confirmar ou achar o reo.
O Sr. Y. Jnior pede-nos a publicarlo sefuinte
FLOR E MYSTERJO.
Ha na campia
Flor pequenina
To lindato bellato eheia d'encantos.
Que despena amor,
Porm causa dor.
Que risos nos d, porm causa prantos.





Diario Pernambuco -- fcuarla felra 9 de Outubro de 1SOS.

--
Mas o son amor
Tem U,,to sabor,
E a dr qne ella d tem tao bom doer,
Que, mesmo ella assim,
Eu quero-a p'ra rafal.
Mas ella T Emystcrio, nao hei de dizcr.
A Revaluco de Setembro escreve o seguinte:
OSrMne diz o Escoliaste Medico, leu ama
memoriaTnaacademia das sciencias de Pars.so-
bre a qtianidade de acido-carbomco que existe
na atmosphera. .
A coiiciuso mais importaue e que a quantida-
de deste gaz varia durante o anno. Em dezcm-
bro a Janeiro ha aproximadamente a rnesma pro-
porcao ; augmenta em fevereiro, marco, abril c
maio ; diminue nos mezes de junho, julho e agos-
to, o augmenta outra vez em setembro c novem-
bro, sendo a mxima proporcao em uulal.ro.
O gaz acido carbnico tambem abundante de
noute que de dia. O mximo d-sc ao mcio dia.
Tambem' augmenta depois das grandos chu-
yas.

suas
~
I.ou-
bacliarel
I renco Itezerra Carneiro da Cnnha.
O Sr. desembargador Doria passou ao Sr. de-
sembargador Caetano Santiago
.1 appellaco crime.
AppeHante, o promotor; appellado, Bernardo
Jos da Rocha.
A nppttiar/M civel.
Appellantes, Santos & Ron appellado, Jos
Moreira Lopes.
A 1 'i horas da tarde encerrou-se a sessao.
PUBLICARES 1 PEDIDO.
Eaeola central do methodo
Castilho.
No dia 4, festejamos em a nossa escola central
na ra das Flores o 10 anniversario da installa-
para -que ch'gue ao coabncime^o (]c todos, E para constar se mandm passar o presente e
niandei fazer o presente editar, c,ae sera alUxado publicar pelo jornal. _^
nos lugares do costumc e platicado pela mprensa.! Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
Dado e passado ncsta cidade de Recite de Per- buco, i de outubro de I83.
nambuco, aos 5 de outubro de 1863.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, escri-
vo, o subscrevi.
Tris/do (ti Menear Araripe.
cao do insigne methodo Castilho, este methodo ra- 0 Dr. Tri^ao de AleHcar Araripe, official da im-
TRIB1VAL DO JURY.
5.' SESSA. -DlAo DETjUTI'BRO.
PUESIDENCIA DO Sn. R. JOAO ANTONIO DR ARAUJO
Freitas Henriqies, JUZ DE direito da i.* VARA
CHIME.
Promotor publico. O Sr. Dr. Francisco Lco-
poldino Gusmo Lobo.
Escrivo. O Sr. Joaquim Francisco de Paula
Esteves Clemente.
Advogado. O Sr. Dr. Americo Netto de Men-
donca. .
As 10 horas da manhaa feita a chamada acha-
ram-se presentes 37 sonhores.
Forana dispensados da sessao, por motivos de mo-
lestias os senhores:
Dr. Amaro Joaquim Fonseca de Albuquerque.
ional, que'conformando-se com a natureza. per
mitte quando o assumpto da lcito gracioso, como
as historietas de algumas das lettras, que os me-
ninos ram,graceJemecommcuttcm as figuras ame-
moateas das mesmas lettras, e at fazerem bulha,
nao passando excesso oque inuito contribuir
para tomarem desde principio o gosto do estado, e
pw'.i ordem da Rosa, e juiz de direito especial
do commcrcio da cidade do Recife, seu termo,
capital da provincia de Pernambuco, por Su
Magestade Imperial e Constitucional, o Sr. D.
Pedro II, a quem Deus guarde, etc.
Faco saber pelo presente, que Fernando Anto-
nio de Menezes por seu advogado me dirigi a pe-
0 secretario,
A. F. d'Annunciacao.
Clausulas cspeciaes para a arrematacao.
i. Os reparos do M e 23* leos da estrada
da Victoria, na extencao de 2,093 bracas
na
TTt'9.
As malas que de**e condnzir o vapor u.
manguape com destino s provincias la
Rio Grande Ao orte,Gara e partos i
serlo fechadas hoje (7) as 3 oras da urde cas
ponto.
Arrciuatario.
No dia 14 do correntc mez, liada a aadiea
Sr. Dr. juiz municipal da 1* van,esemal
importancia do 2:7500000, serao executados ; m, ser vendida em basta pabra, a
der, urna casa terrea mei-agua n. 331
Tin homem, que nao costuma pagar as
dividas, chegou-se ao p de um rico capiulista, a
quem elle era absolutamente desconhecido, e
Preciso que V. S. me empreste 5005000
res.
Ora essa tornou o capitalista; porque vem Dr. Cicero Odn Peregrino da Silva
fazer-me semelhante pedido se eu nao teuho a Antonio Ricardo do Reg,
honra de o conhecer ? F | Dr. Manoel de Figucird Faria.
E' porque os que me conheccm, redarguiu Joaquim Correa de Araujo.
o catoteiro, j me nao empreslam um so real! Foram dispensados do compareciraento ae naja
os senhores:
Eduardo Firmino da Silva.
Dr Rulino Augusto* de Almeida. ,
Francisco Antonio das Chagas.
Foram multados em 20$000 rs. cada um dos
senhores multados no dia anterior, e tambem os
Srs. seguintes:
Dr. Joaquim Barbosa Lima.
Joaquim Pedro Brrelo Mello Reg.
Jacome Geraldo Maria Lumachi de Sello.
IIIKOMIV Ji Miium.
TRIBU.VAL DO COJUMERCIO.
SESSAO ADMINISTRATIVA EM 5 DE OUTUBRO
DE 1863.
presidencia do exm. sr. desembargado*
soizaT
As 10 horas da manhaa, reunidos os Srs. deputa-
tlos Malveira e Rosa, o Sr. presidentedeelarou abor-
ta a sessao para mero expediente, designando o Sr.
deputado Malveira para servir de secretario.
despacho*.
O requerimeuto da companhia da estrada de
ferro, pedindo o registro do contrato feito com o
medico Henry P. In. D.Registre-sc.
O de Sacavem, Barbosa & C, satisfazendo o des-
pacho de 10 de setembro ultimo.Registre-se.
0 de Antonio Al ves de Carvalho Veras, visto pe-
to Sr. desembargador fiscal, pedindo o registro do
seu contrato com Jos Joaquim Gomes de Abreu.
Satisfaga as exigencias do Sr. desembargador fiscal
de conformidade com os 5 Io e 5o do art. 302 do
cdigo.
O de'Miguel Jos Barbosa Guimaraes, pedindo
explicacOes da lei, sobre o caso que figura.Vista
ao Sr. desembargador fiscal.
O de C. P. Van Johnston e William James Hay-
nor, representantes da casa bancaria London &
Rrasilian Bank, pedindo o registro de urna esenp-
tura de arrendamento. Registre-se.
Nada mais houve.
predis|>6e os meninos para fazerem nelle maor ticao do theor seguinte : Illm. Sr. Dr. juiz de di-
progresso. (Vide 2* edicao do methodo Castilho, reito do commercio. Fernando Antonio de Mene-
pagina 13.) A estes neceados imperdoaveteno an-. zcs, tendoobtido o mandado junto, para ser exocu-
tigo systcma, nessa rancosa rotina, que tantas la-! tado o seu devodor Jos Martins da Silva, e nao se
grimas ainda costa in'nocento puericia, que de- ] adiando este actualmente nesta provincia, e cons-
vem de lerem os nossos alumnos, como nunca ho tando ao supplicanto que elle se acha ausente, re-
de lr os das escolas do antigo rango. Com effeito,; quer V. S. se digne mandar que seja citado o
de "conformidade com o respectivo orcamento ap-
provado pelo conselho da direc
publicas.
2/ O arrematante dar principio
IHIra
aos trabalhos
no de quatro
quem vio o pequenino Asterio Pereira'4laaCosta,
com 7 annos de idde, Odilon da Cuaha Soares
Guimaraes, o menino ulho do Illm.Sr. Dr. Sabino
e o espirituoso Miguel Moreira Pinto Lirffc, tao pe-
queninos que foi preciso coloca-los de p n'un
banco alto quem vio lr estes meninosSBcou logo
fazendo urna alta idea d methodo dJLExm. Sr.
conselheiro Castilho; e nao se pense qro se resu-
me so nisto o seu adiantamento. A arithmetica
que ensinamos pelo systeft de Mr. T. Taje, des-
presando as operacoos abstractas c adoplando s-
supplicado e intimado por editaos de'cinco (has,
visto como j na accao se provou a sua ausencia,
Pede V. S. deferimenta Espera receber mer-
c.Maximino Sobreira de Mello, procurador.
E mais se nao continha em tal peticao, na qual
dei o despacho seguinte : Sim, com o prazo de
dez dias. Recife 3 de outubro do 1863. Alencar
Araripe.
E mais se nao continha em tal despacho aqui
transcripto, c em observancia do qual o res|tectivo
escrivo Manoel de Carvalho Paes de Andrade,
TRIBUNAL DA RELAC.lO.
SESSAO EM 6 DE OUTUBRO DE 1863.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO
SILVEIRA.
As 10 horas da manhaa, achando-sc presen-
tes os Srs. dcseinbargadores Caetano Santiago,
Gitirana, Lourenco Santiago, Motta, Peretti, Accioli,
c Doria, faltando com partlcipacao o Sr.
mbargador Ucha Cavalcanti, abrio-sc a ses-
Bento Luiz do Amaral e Silva.
Dr. Manoel do Nascimento Machado Portclla.
Jos Alfredo de Carvallw.
O Sr. juiz de direito deelarou aberta a sessao.
Entra m julgamcnto o reo Pedro Jos dos San-
tos, aecusado por crime de furto. .
O Sr. juiz de direito nomeou o Sr. Americo .Net-
to de Meudonca curador do reo, visto ser este
menor.
O jury de sentenca foi composto dos senhores
seguintes:
Gustavo Jos do Reg.
Domingos dos Passos Miranda.
Viceute Machado Freir Pereira da Silva.
Gedeo Forjaz de Lacerda.
Joao Valentim Vjllela.
Dr. Joaquim de Ofiveira e Souza.
Dr. Felippe Nery Collaco.
Luiz de Moraes Gomes Ferreira,
Francisco Antonio da Silva Cavalcantc.
Francisco de Paula Gongalvcs da Silva.
Camillo de Salles Peixoto.
Dr. Angelo Henriques da Silva.
E prestaram o juramento dos Santos Evange-
lhos. ., .
Foi o reo interrogado e procedeu-se a leitura ao
processo.
O Sr. promotor pedio a condemnacao do reo, no
grao medio da art. 257 do cdigo criminal.
O Sr. advogado deduzindo a defeza, pedio a
absolvico do reo. .
Findo os debates e preeuchidas todas as :
mente as concretas, promove de tal softe o gosto | que este subscreveu, fez passar o presente, pelo
dos meninos pelo calculo que ellos resolveudo as, qual e seu theor intimo ao referido ausente Jos
conlas de companhia as quaes executam as qua- Martins da Silva, para que dentro do mencionado
tro operaeoes, se habilitan! fcilmente pata qual- prazo de dez dias pague ao indicado supplieante
quer regr urea, multiplicando o segundo termo Fernando Antonio de Menezes a quantia contada
pelo terceiro e dividindo o producto pclofjrimeiro, | em dito mandado na importancia do 5284988, de
acham a incgnita que as contas de-juro ou de principal, juros e custas, sob pena de, findo o men-
companhia Ihes inculca um ganho ideal, com o que \ conado prazo de dez dias, se proceder penliora
milito se diwtem. O mesmo d-se a respeito da de seus bens, quantos forem bastantes para paga-
grammatica. Todos os dias simultneamente sao ment da referida quantia e custas que accresce-
conjajados por todos os meninos, differentes ver- rem.
bos otb 4 conjugac&is o que Ihes facilita a conhe-; Portaoto, toda e qualquer pessoa, prente, amigo
cer o sujeito de qualquer proposicao. Fazem dia- ou conhecido do referido ausente Jos Martins da
riamente a analyse gramnfatcal c lgica, de suas Silva poder-lhe-ha fazer sciente de todo o expen-
escriptas que ve'rsam, nao era traslados da antiga dido.
rotina, mas em recibos e as differentes especies ae I E para qne chegue ao coahecimento de todos,
oracesgrammaticaes. Adoatrinachristaa,oajudar: mandei fazer o presente edital, (rae seraffixado
a nnssa, a oontabilidade no abaco, o systema metri-, nos lugares do cortme, e publicado pela imprensa,
co decimal, as licoes de moral e eivlidade, as re- Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
mio
ra
inezes, contados na forma da lei.
3.' Os pagamentos serao feitos em duas presta-
rdes iguaes, a primeira no mcio da execucao da
obra e a segunda depois do seu recebimento dee-
nitivo. ...
4.a O arrematante, na execucao dos trabalhos,
seguir as prescrip<;oes que lhe forem dadas pelo
engenheiro.
5.' O nic'smo engenheiro lhe marcar o ponto em
que deve ser comecado o servico.
Conforme,
A. F. SAnnunciacao.
O Illm. Sr. inspector da tliesouraria provin-
cial, em cumprimento da resolucao da junta da
fazenda, manda fazer publico, que vao novamente
pra^j no dia 15 de outubro prximo vindouro,
para ser arrematado quem por menos fizer os
contratos seguintes:
Concertos da cadeia da villa de Serinhaem, pela
quantia de 2:596000.
Reparos da |wnte da Mamucabinha, na estrada
provisoria de Tamandar Piabas pela quantia de
2:2005000.
Concertos da ponte da povoacao de Beberibe,
pela quantia de 2255500.
E para constar se mandou publicar pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 28 de setembro de 1863.
O secretario,
A. F. a"Amunciarao.
appella-
gras em verso, e cantadas para mellior gravarem-se
na memoria, e tudo por este methodo que o nico
simultaneo puro, tem produzdo os aaravilhosos
resultados que temos apresentado em publicas ex-
posiews, no salo de Santa Isabel, aos Exms. pre-
sidentes desta provincia, e a numeroso concurso
de expectadores; vantagens de que gosam as nos-
sos Ilustres collegas D. Priscila, Ramos, Barros
Leite, Silva, Simoes e quantos de coracao humani-
tario adoptarem este methodo do ensino pelo amor.
Tem, pois, decorrido dez annos de triumpaos para
o Exm. Sr. conselhjeiro Dr. Antonio Feliciano de I
Castilho, a quem toca toda a gloria deste brillante
resultado.
Escola central, 6 de outubro de 1863.
Francisco de Freitat Gamboa.
cesa srtlavaa
roa de Hortas desta cidade, avahada eai 3na>, a
qual casa foi penhorada a Andr de Abrea r
e sua mulher, na execucao que lhe move a
casa da misericordia desta cidade : pede-se a i
tiver direito ao solo da mesma casa, qae
ca na occasio da prai;a, oq annoarie por
biario.
Hoje 7 do corrente, depois da audiearia da
Sr. Dr. juiz mimicipal da 2.* vara, lena de ser ar-
rematada a casa terrea da roa das Calcadas a. M,
pertencente a Norborto Mnniz Teixeir Gaaawaia
e sua mulher; dita casa foi avallada per l:0i>4,
por execucao de Francisco Jos Pires.
lRspecco do arsenal a> uariaba.
Faz-se publico qne a commissao de perito, exa-
minando na forma determinada no regatuaento
annexo ao decreto n. 1324 de 3 de fenreiro de
1854, o casco, machina, caldeiras, apparHaa, **-
treaco, veame, amarras e ancoras do vapor Mu-
manguape da companhia Pernambncana d aavr-
gaco costeira, achou todos esses objeelos eai rr-
gular estado.
Inspecco do arsenal de mariunade Peraaasbnco
6 de outubro de 1863.
O inspector,
M. A. Barbosa de Ais
"L_L_ -1
DECLARACOES.
o
As erianeas flagelladas por af-
fee^es verminosa*.
Sao promptamente all viadas mediante urna s
dso das pastilhas vermfuga de Kemp, cujo aspec-
to tao tentador c sen sabor tao gosioso, quo as
erianeas nunca chegam a recosa-las por mais qne
nidades da lei, o Sr. juiz de direito propoe os que-. forem oflerecidas. Estas admiraveis pastilhas sao
silos seguintes: grandemente procuradas por quatro razoes
!.* qnestao. ,. Nao contm mineral algum
Br. desembargador Guerra, procurador da co-
rea, ho compareceu.
Passados os feitos e entregues os distribuidos,
deram-se os seguintes
JIMiAMENTOS.
Appellares critnes.
Appellante, Joao Leandro de Barros
laila, a justica.
Reformada a sentenca c absolvido o appellante.
Appellante, Domingos* Martins de Oliveira; ap-
pellada, a justica.
Confirmada a sentenca.
Appellantes, Joao d Barros Baptista e outros
appellada, a justica.
Absolveram o appellante.
Appellante, o promotor ; appellado, Francisco
Jos Vieira.
Improcedente.
Appellante, Thomaz Fernandos da Silva Gororo-
ba ; appellada, a justica.
Confirmada a seatenea.
Appellante, o promotor j. appellado, Antonio Pe-
reira da Silva.
A' novo jury.
Appellantes," Manoel Jos da Silva e outros ; ap-
pellada, a justica.
.V novo jury"
Appellante, o juizo ; appellada, Herculana Mara
da Gmceicao.
A" novo"jury.
Appellante, o juizo ; appel ado, Manoel Felippe
Perora.
A" novo jury.
AppellacSes rceU.
Appellante, Jos Ferreira Pinto de Campos; ap-
iolado, Manoel Joaquim Baptista.
Confirmada a sentenca.
Dll.lCKNCIAS.
Com vista ao Sr. desembargador promotor da
justica
.4 appeVmfw rrime.
Appellante, o juizo; appellados, Targino de Sou-
za Trindrde e outros.
DESIGNACAO DE DIA.
Assigaou-se dia para julgamcnto dos seguintes
feitos :
Appelluroe* aimes.
Appellante, Thomaz Femandes da Silva Gororo-
ba ; appellado, o juizo.
AppeJIante, o promotor; apiicllado, Joaquim Ma-
riano de Araujo.
Appellante, o juizo ; appellado. Joao Felippe de
Soaza.
Appellante. o juizo ; appellado, Ignacio Rodri-
gues Brito.
Appellante, o promotor; appellado, Jos Antonio
do Carmo.
Appellante, Jos Coelho Lopes 5 appellado, Pe-
dro Alcxandrino Braga.
PASSAOENS.
O Sr. desembargador Gitirana passou ao Sr. des-
einbargador Lourenco Santiago
As appellarex mines.
Appellante, Jos Brillante de Alencar
da, a justica.
Appellante, Jos Francisco dos Santos 1
da, a justica.
A appellaaw civel.
Appellantes, os herdeiros de Manoel Luiz da
Veiga ; appellada, a fazenda.
Ao Sr. desembargador Molla
A appellarao cicel.
Appellante, a fazenda ; appellado, Francisco Es-
teves Paes Barreta
Ao Sr. desembargador Accioli
.4 appellarao cicel.
Appellante, Manoel Paulino da Cunha Gouva ;
appaaado, Dr. Joaquim Jos Nuncs da Cunha Ma-
chado.
O Sr. desembargador I-ourenco Santiago passou
ao Sr. desembargador Motta
As appellacoes crmet.
#Appellante, o juizo ; ap|iellado, Jos Joaquim de
mta Auna.
Appellante. o juizo ; appellado, Manoel Antonio
Appellante, o juizo ; appellado, Francisco das
Chagas Dcoio.
Appellante, Jos Joaquim Floriano, por seu cura-
dor; appellada, a justica.
.4 apjH'ilaco civel.
Appellante, o Dr. Jorge Dornellas Ribeiro Pes-
soa ; appellado, Manoel Martins de Araujo Castro.
Ao Sr. desembargador Accioli
.1 itpprllacao cirel.
Appellanles, o juizo o, Antonio da Silva Gusmao;
appdlados, os mesmos.
O Sr. desembargador Motla passou ao Sr. des-
embargador Peretti
A appellnrilo crime.
Appellante, o promotor; appellado, Antonio Go-
mes da Silva Xebinga.
O Sr. desembargador Peretti passou ao Sr. des-
embargador Accioli
As appellaroes civris.
Appellante, o juizo; 'appellado, Martinho de
Borgcs L\ ra.
Appellante, Casemiro Rarbosa de Lima Cama-
rao appellada, a justica.
Appellante, Manoel Antonio Nepomueeno ; ap-
pellada, a justica e Joao Flix de Almeida,
N Appellante, Constantino Jos Barhalho t appel-
lada, a justica.
A apuellaco civel.
Appellante, Jos Ignacio de Mello; appellado.
Alexandre Bezorra de Alhuijuerque Barros.
O Sr. dOBorabarpador Assis passou ao Sr. desem-
bargador Doria
L reo Pedro Jos dos Santos, no da 19 de
novembro de 1861 entrou em o armazera de fazen-
das de Francisco Mouhard, e d'elle tirou para si
contra a vontade de seu dono, um masso de
chales ?
2. O dito reo no supra mencionado da 19 de
novembro de 1861, entrou em o armazera de fa-
zendas de Francisco Monhard u'esta capital, e d all
tirou para outro um masso de cales contra a von-
tade de seu dono .'
3." xistem circunstancias atenuantes a favor
do reo?
2.' queslao. .. .
I." O reo Pedro Jos dos Santos, no da 19 de
novembro de 1861, entrando em o armazem de ra-
teadas de Francisco Monhard n'esta capital, tentou
tirar para si contra a vontade de seu dono um mas-
so de chales, assim manifestando por actos exte-
riores, e principio de execucao, o que nao teve
effeito por circumstaucias independentes da von-
tado do delinquente ?
2. O dito reo no dia 19 de novembro de lM,
entrando em o armazem de fazendas de Francisco
Monhard nesta capital, tentou tirar para outro
contra a vontade de seu dono um masso de chales,
assim manifestando por actos exteriores, e princi-
pio de execucao. o que nao teve effeito por circums-
taucias indepeiidcutes da vontade do delinquente?
3. Existem circumstaucias attenuantes a favor
do reo ? .."_
Recolhido o jury de sentenca a sala das confe-
rencias 'i hora depois de meio dia, voltou a 1
hora, respondendo aos quesitos pela maneira se-
guinte :
1." questao.
Ao 1. e 2." Nao por unanimidade.
Deixou de responder ao 3. por ficar prejudi-
cado.
2.a questao.
Ao 1. e 2." Nao, por 9 votos.
Deixou de responder ao 3." por ficar prejudicado.
Lida a respostas pelo Sr. Dr. Angelo Henriques
da Silva, presidente do conselho, o Sr. juiz de di-
reito publicou sua sentenca absolvendo o reo, econ-
demnando a munieipalidade as custas.
Lcvantou a sessao addiando-a para o dia segra-
te, s 10 horas da manhaa.
Nao exigem os depois de aperientes;
Produzem o objecto desejado, sem causar
a mnima dor ou encommodo ;
As erianeas geralmente se acham inclina-
das a tomar mais do qne aquelle numero indi-
cado.
Nenhuma rali que dellas tenha feito uso urna s
vez admitiira nenlium outro vermfugo em sua
casa.
A venda em todas as boticas e lojas de drogas
do Brasil.
COMMERCIO.
NOVO BANCO ,
DF
PERMAlIBlJCOi
O Banco toma saqnes sobre as pracas do Rio fc
Janeiro e Bahia. J
AI fanilega
nendlmento do dia 1 a 5 2*:MO*78
Idemdodia6........22:6868b8
95:0775646
Hoviineato da alfandega.
Volumes entrados com fazendas
com gneros
Volumes sahidos
cora fazendas
com gneros
i
98
----- 102
212
296
COMMUNICADOS.
appella-
appclla-
Descarregam no dia 7 de outubro
Brigue hamburguezDeafarinha c mercador ias
Barca ingleza Vesioncarvao.
Barca ingleza Enroycarvao.
llecebcdorla de rendas Internas
geraes de Pcrnambnco.
Rendmento do dia 1 a 5 6:2363319
dem do dia 6......... 7953530
7:0313849
pru.viiua eleico de senador.
Estamos quasi em vesperas de um novo tonino
cleitoral, de muito mais alcance para o futuro da
proviueia !
Tiata-se de eleger um senador, isto um man-
datario vitalicio !
Quao livro. o conscienciosa nao deve ser esta
eleico !
Embargar a vontade do povo neste acto solem-
ne, tyrannia indigna de um governo verdadeira-
mente nacional; atracoar a causa do mesmo po-
vo ; faz-lo voltar condicocs, inda mais avil-
antes, do que nos lempos colonaes ; e noste
caso, ser mais coherencia abolirmos a nossa. for-
ma de governo I
A conslituigao do estado no seu artigo 45, 111, |
estatu o seguinte :
Para ser senador requer-se :Que seja pessoa 1
de saber, capacidade e virtudes, com preferencia \
os que tiverem feito servico patria.
Atiente liem a provincia nestas palavras : com
preferencia os que tiverem feito serviros patria.
Ora, o ser ministro de estado, para desmentir no
poder as opinioes da vespera; o percorrer, como
presidente, todas as provincias do imperio, sem
demorarse em cada urna-dellas mais de tres me-
zes ; o saber hbilmente arquiar as pomas n'um
salao de bailes, o fumar nm bom charuto da Ha-
vana, e e
servicos da ordm daquelles de que resa a consti-
tuicao?
Pcrtencero tambera esta cathegoria o flagel-
lar seus seraelhanles com o latego da satyra, da
calumnia, e da diffamacao ?
Pcrnambucanos de todos os partidosaquelles
que nao tiverem perdido ainda os briosse nao
sacrificardes odios velhos ao mximo pensamento
de salvar a dignidade da provincia, veris repo-
trear-se na cadeira vaga do senado algum tittr,
que de vos se au lembrar apenas apandarse as
delicias da saberia.
Vede bcra I...
Jnnins.
Consulado provinelal.
Rendmento do dia 1 a 5 4:0503493 cincoenta mil ris
dem do dia 6
1:0883162
3:138365o
nambuco, aos 5 de outubro de 1863.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, escri-
vo o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe.
Dr. Trist&Pde Alencar Araripe, ellicial
da imperial ordem da Rosa, juiz de di-
reito e especial do commercio da cidade
do Recife e seu termo, capital da pro-
vincia de Pernambuco, por Sua Magestade
Imperial e Constitucional o Senhor D.
Pedro II, quem Dos guarde etc.
Fa?o saber pelo presente, que no dia 19
do mez de outubro do corrente, se lia de
I arrematar por venda a quem mais dr
I em prtea publica deste iuo, depois da au-
. diencia respectiva, o escravo Benedicto, de
110 annos de idade, pouco mais ou menos,
avaliado em quinhentos mil ris, o qual
pertencente a D. Vicancia Ferreira de Al-
buquerque Nascimento, e vai praca por
execucjSo que contra a raesma move Mar-
celino Jos Lopes, e na falta de licitantes
ser a arrematacao feita pelo preco da ad-
judkaco com o abatimento respectivo da
lei.
E para que chegue ao conhecimento de
todos mandei passar editaes que serao af-
fixados nos lugares do costume e publica-
dos pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de
Pernambuco, aos 5 de outubro de 1863.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade,
escrivo, o subscrevi.
Tristao de Alencar kraripe.
0 Dr. Tristao de Alencar Araripe, official
ila imperial ordem da Res, e juiz de
direito especial do commercio desta ci-
dade do Recife, capital da nrovincia de
Pernambuco, e seu termo, por S. M Im-
perial e constitucional, o Senhor D. Pe-
dro II, a quem Deus guarde, etc.
Faco saber aos que o presente edital vi-
rem e delle noticia tiverem, que no tlia 3 de
novembro do crrenle anno, se ha de arre-
matar por venda a quem mais der o seguin-
te : um si lio com quatro casas, no lugar das
Aras, lendo a primeira dezesete palmos de
largura e quarenta de fundo, de taipa, em
mu estado, avaliada por cincoenta rail ris;
asegunda com vinte sete palmos de frente
e quarenta de fundo, de taipa, em mu es-
I tado, avaliada por setenta mil ris; a tercei-
* ra com quinze palmos de frente e quaren-
ta de fundo, de laipa. em mu estado, por
quarenla muris; a quarta com dezesete
palmos de frente e quarenta de fundo, de
taipa, em mu estado, avaliada por cinco-
enta mil ris; Um sitio junto as mesmas
casas, com sessenlae quatro palmos de fren-
te e seiscenlos e dez palmos de fundo, com
cacimba e alguns arvoredos, sendo a largura
do fundo do sitio, cento e quarenla palmos,
em trras foreiras, avaliado pordtizentos e
urna casa terrea na ra
3003000
3001900
:t003<>00
3003000
3601000
3003000
:t003000
3003000
Tribunal da rela?ao.
Por ordem do Exm Sr. conselheiro presidente
da relacao, faz-se publico para todos os effeitos le-
gaes, que o numero dos solicitadores de causas
que acham-se sem proviso, sanio dando-sc alguns
Je menos, c por isso renova-se a publcacao, e de-
clara-se que sao os seguintes : Victorino Jos de
Souza Travassos, Paulino da Silva Mindello, Joa-
quim Innocencio Gomes, Flix Francisco de Maga-
hcs, Juvclino Arruimo de Barros Correia, Manoel
Raymundo Pena forte, Joaquim Francisco de Albu-
querque Santiago, e Joaquim Theodoro Al ves.
Becife 2 de outubro de 1863.
Domingos Alfonso Ferreira.
Secretario.
O procurador da cmara municipal desta ci-
dade manda publicar a relayo abaixo, que lhe foi
remettda pela mesma cmara, dos senhores que
tendo deixado de comparecer as sessoes do jury, fo-
ram multados pelo Sr. Dr. juiz de direito da pri-
meira vara presidente do mesmo jury.e pede a ca-
da nm dos mesmos enbores que se dignem reco-
llier ao cofre municipal a importancia em que fo-
ram multados, evitando assim que se proceda exe-
cutivamente.
Cmara municipal do Becife, i de outubro de
1863.
O procurador.
Jorge Vctor Ferreira I/>pes.
6 de junho de 1863.
Jos Goncalves da Porcincula. .
Jos Lopes Guimaraes.......
Jos Pires Campello de Almeida. .
Mariano de S Albuquerque. .
Francisco Antonio de S Barrete .
Joaquim Pedro Carneiro Campello.
Dr. Manoel Figueira de Faria. .
Manoel da Vera Cruz.......
Jos Ignacio de Lira........ t5fiXn
Manoel Carneiro Leao.......
Antonio Francisco das Neves. .
Amonio de Albuquerque Mello. .
Francisco Pereira d'Arruda Cmara .
16 de julho.
N'ereu de S Albuquerque......
Jos Pedro Vellozo da Silveira Jnior.
Antonio de Albuquerque Mello. .
Jos Joaquim de S Idilio......
Antonio Francisco Lisboa Esteves. .
Joaquim Lucio Monteiro da Franca ..
Joaquim Mileto Maris...............
Dr. Manoel Figueira de Faria.. ..
Francisco Lopes Guimaraes..........
Antonio Ferreira d'Annunciaeao .
Cain filial era Pernamhoj'o.
Por ordem da directora do banco do Brasil sao
convidados os senhores accionistas localisados na;
eaixa filial de Pernambuco recolherem ahi al o ,__
dia 23 de Janeiro de 1864 a nona e ultima presta- mMfa,
cao de 10 0/0, ou 03 por accao, de confornfidade, p
ora os rticos 8 c 9 dos estatutos do banco do Bra- j_______
sil, c art. 45 dos estatutos da caixa filial.
Sala das sessoes da directora da caixa filial do
banco do Brasil em Pernambuco I. de outubro de
1863.-0 secretario,
Jos Mamede Alvos Ferreira.
Prara de movis.
Na quarta-feira 7 do corrente
cia do Sr. Dr. juiz municipal da
ma praca dos movis penhorados
te Marques por execueo de Joao
ros Wandcrley, escrivo Atbayde; os movis sao,
1 sof, 2 caderas de balance, 1 mesa redonda com
pedra, 16 cadeiras, 1 cadeira de braco, e 2 conso-
los com pedra.
Arrematacao
THEATRO
DE
BHPRUA
aa
A. J.MJ.4RT1CMIIRA.
Grande e variada) esperiaral*
A BENEFICIO
DO
Insigne clarinetista pnrtajacz,
S. *. F. Sr. D.
QUARTA-FEIRA 7 DE OITIB0
Logo que a orenesta bou ver executado asnada
suas mais brilhantes symphonias, salar eeaa
pela companhia dramtica a magnifica ratnana-
di ama em tres actos, do Sr. 1'iiaillo CasaaV-
B raneo,
IBEMOtlIlS
LAGRIMAS.
Seguindo-se depois a comedia em nm acto,
OINGLEZ MACHINISTA.
ORDEM DO ESPECTCULO.
No intervallo do primeiro arto o Sr. Raphaet ta-
car, acompanhando-o a grande njafnjaaj
MA PHANTASIA
sobre motivos da opera flan*
3003000
3OO3OOO
3003000
3003000
2803000
2803IKK)
2603000
2603000
2003000
2003000
20030 0
20031x10
2003000
para clarineto,
VIATA.
No intervallo do segundo
SOIVEMR HE NORME.
No intervallo do terceiro
vtKi.%vora
para saxophone, sobre motivos da operaSONM-
BULA.
Finalisar o espectculo com
CANTO GREGO v
para clarineto.
O emprezario do tbeatro de Santa habet, anafre
firme nos bons desejos de .1 presentar ao Masando
6O3OOOI publico desta capital artistas de reconhw-ido aieri-
' 10, com que pro ve o seu interesse e zelo pela rans.
-^' das arles no Brasil, acaba de combinar com o Sr.
Raphael Jos Cror.er na ordem do espertando aa-
nunciado.
por islo a coadjavacao. do respeitav.'l
lixnecar > 8 hora-.
AVISOS MARTIMOS.
Para o Rio de Janeiro
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 6.
Bahia2 das e meio, vapor americano de guerra
Mohican, commandante Glysson.
liba de Fernando3 das, hate nacional Sergipa-
no, de 54 toneladas, captao Henrique Jos Viei-
ra da Silva, carga milho, feijo e geremuns ; ao
mesmo capitao.
Bahia17 dias, brigue nacional Minerva, de 18o
toneladas, capitao Jos Francisco Prates, equi-
pagem 13, carga 7,000 alqueires de farinha de
mandioca e fcijao; a Manoel Ignacio de Oliveira
A l'illio.
Montevideo22 das, brigue dinamarquez Coman-1
deur, de 182 toneladas, capitao Stehr, equipagem
8, carga carne, sebo e farello a Tasso & Ir-
mo.
Navios sahidos no mesmo dia.
Assbarca brasileira Barreto, capitao Jos Mar-
tins da Silva Vianna; em lastro.
Terra-Novapatacho inglez Ftorenee, capitao John
u;i na-1 W. Shamonon; em lastro. .......
scarrapicar garbosamente a barba, serao Liverpoolbarca ingleza Imogene, capitao wituara
Smith, carga assucar e algodao.
Observacao.
Suspendeu do lamai o para New-York, a galera
ingleza Editli Bayne, capitao W. Ziteway, com a
mesma carga que tronxe de Bombay.
CORRESPONDENCIAS.
Srs. Redactores.L\ em seu jornal urna declara-
cao, firmada pelo secretario da relacao, e por mais
de urna vez repetida, dos nomes dos sol lidiadores,
que se acham actualmente sem proviso.
Acabo de 1er o annunclo d"um desses mesmos
sollicitadores em que declara-se habilitado a conti-
nuar no exercicio de suas funecoes, visto achar-se
provisionado pelo presidente do tribunal do com-
mercio. Por amor da regularidade dos processos,
e, ainda mais, por interesse das partes, pergunta-
rei aos entendidos :
{.* Pode funecionar legtimamente o sollictador
que nao tiver proviso passada pelo presidenta da
relacao ?
.; Serao validos os actos arjllcados por tae3
sollicitadores ?
n
Imperial, n." 278, com vinte e cinco pal-
mos de frente e quarenla de fundo, com
duas porla9 e duas janellas na frente, parte
de lijollo e parle de barro, com o reparti-
mento de barro, e um terreno ao lado, com
vinte e cinco palmos, em completa ruina,
cujos fundos deitam para o rio Capibaribe.
Ierras foreiras a marinha, avaliada por du-
zentos e cincoenta mil ris, as. quaes foram
penhoradas por execucao dos curadores lis-
caes da massa fallida de Amorim, Fragoso,
Santos A C., contra Francisco de Barros
Reg.
E nao havendo lanzador que cobra o pre-
(0 da avalac3o, a arrematacao ser feita
pelo valor da adjudicarlo com o abatimento
da lei.
E para que chegue ao conhecimento de
todos mandei publicar o presente pelos jor-
naes com de lei.
Recife 28 de setembro de 1863, quadra-
gesimo segundo da independencia e do im-
perio do Brasil.
Eu, Manoel Maria Rodrigues do Nasci-
mento, escrivo o subscrevi.
Tristoo de klencar Araripe.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria de fazen-
da manda fazer publico a todos os habitantes desta
I provincia que em virtude da ordem do Exm. Sr.
ministro a fazenda, presidente do tribunal do tbe-
1 souro nacional se proceder do Io de dezembro pro-
! ximo tuturo pela thesouraria a substituicao das
' notas do mesmo thesouro do 2003 da 2* e 3" es-
0 Dr. Tristao de Alencar Araripe, official da impe-' tampas, valor por valor at o fim de julho de 1864,
rial ordem da Bosa e juiz de direito especial! comecando do Io de agosto subsequente a soffrer
do commercio desta cidade do Recife capital da as ditas notas o descont da lei na razao de 10
provincia de Pernambuco e seu termo por Sua | por cento no Io mez, de 20 por cento no 2, e assim
por diante de modo aperderem todo o valor no d-
cimo mez.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Pernam.
seguir con
Uminint'
EDITAES.
Magestade Imperial e Constitucional o Sr. D.
Pedro II a quem Dos guarde, etc.
Fago saber pelo presente, que no dia 12 de feve
reiro do anno prximo vindouro, pelas 11 horas buco 3 de outnbro de 1863.
da manhaa na sala das audiencias, lera lugar a re'
uniao dos credores da massa fallida de Rostron
Roock & C, na conformidade do art. 135 do regu-
lamento n. 738 de 25 de novembro de 1850, afira
de que, reunidos todos os credores em minha pre-
senta, venllquem os seus crditos, concedam ou
neguem a concordata, ou formem o contrato de
Servindode offlcial-maior.
Manoel Jos Pinto.
O Rlm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. presi-
dente da provincia, manda fazer publico qne no
dia M do corrente, perante a junta da fazenda da
mesma thesouraria, se ha de arrematar, a quem
uniao, e procedam noraeaco dos administrado-, por menos fizer a obra dos reparos do 22 e 23-
res dos bens da referida massa fallida, advertindo; leos da estrada da Victoria, avaliada em......
que nenhum crodor ser admiltido por procurador, 2:7W4000-
se este nao tiver poderes cspeciaes para os actos, e' A arrematacao ser feita na forma da le provin-
que a procuracao nao pode ser dada pessoa que cial n. 343 de 15 de maio de 1854, e sob as clau-
seja devedora dos fallidos, e nem um procurador sulas especlaes abaixo copiadas.
por dous ou mais diversos credores. En) obser- As pessoas que so propozerem a essa arremaia-
vando qne todos os credores da referida massa, cao comparecam na sala das sess5es da referida
fallida comparecam em dito da, hora e lagares de- junta, no dia cima mencionado, pe|o meio dia e
slgMQs, ''ob pena de se proceder as iuac revelias. coiapetentempnte habilitadas.
Hoje, depois de fuxla a nudicncia do
Illm. Sr. Dr. juiz municipal da segunda
vara, lera logara continuadlo da arre-
matacao ja anunciada por este Diario
de diversos cscravospertencentes a he-
ranca do finado Jos Fernando da Cruz,
os qhacs vao a praca requet imento
da herdeira e inventaiianle para pa-
gamento dos credores da mesma h*-
1 anca, sendo que entre os mesm- s es-
cravos ha um bom official de ferreiro,
urna ptima lavadeira c nm hortelao e
jardineiro.
Pela admnistracao do correo desta cidade se
faz publico que de conformidade com o decreto
n. 187 de 15 de maio de 1861 e respectivas ins-
truecoes teve hoje lugar o processo de abertura
das cartas atrasadas perlencentes ao mez de se-
tembro de 1862 condemnadas consumo pelo art.
138 do regulamento dos correios de 21 de dezem-
bro de 1844, assislindo a esse processo o commer-
ciante Narciso Jos da Silva. Desla abertma re-
sultou achar-se tres cartas com documentos e di-
nheiro que Pica descripto em livro para este fim
destinado, sendo ellas de Villeneuve & C. do Bio
de Janeiro com dous recibos c um mil ris em di-
nheiro para Marico Jos Furtado, urna de Jos da
Silva Ramos, de Portugal para Autono da Silva
Ramos com urna procuracao, e outra finalmente
de Custodio Lins da Silva Peixoto (da Baha) para
Serapbim da Silva Peixoto, com um recibo. Por
ultimo procedeu-se ao queima de todas as mais
cartas de que se lavrou o respectivo termo, que
o que se segu. Correo de Pernambuco, 5
do outubro de 1863.
Termo do consumo das cartas pertencentes ao
mez de setembro de 1862.
Aos 5 dias do mez de outubro de 1863 s 11
horas da manhaa na sala da administracao do
corrcio de Pernambuco, estando presente" o Sr.
administrador c thesoureiro Domingos dos Passos
Mrandacmals empregados abaixoassignados, pro-
cedeu-se em virtude do art. 138 do regulamento
dos correios de 21 de dezembro de 1844 o consu-
mo de 242 cartas c 43 jomaos sendo 117 selladas e
125 cartas e 43 jornaes nao sellados na importan-
cia de 223766 rs., como consta da factura e cuja
importancia vai descarregada nesta data ao mes-
mo Sr. administrador e thesoureiro, o empregados
abaixo declarados.
Eu Eduardo Firmino da Silva ajudante contador
que o escrevi.
O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Osofflciaes papelistas,
Luiz de Franca de Oliveira Lima.
Ismael Amavel Gomes da Silva.
Vicente Ferreira da Pomuncula.
O pralicante,
gnello Heraclio Araujo Piriumbuco.
O porteiro,
Manoel Marwho Soma Ptmentei.
Para o Ro de Janeiro pretead
muita brevidade o brigue nacional
tem parle de seu carregamento prompio, e para >
resto que lhe falta, trala-se com os seos comigaa
tarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo. iw>
escriptorio ra da Cruz n. I.
COMPANHIA PERNAMRUCANA
DE
?Vavega?5o coaOira a vapor.
Parahiba, \alal. Mar", \racatv, Ccar, f .Varara
O vapor Mamiinqiiupr Comu1.11. -
dante Moura, seguir para M
portos cima indicados no dia '.'
de outubro prximo. Recetora
carga at o dia 8 ao mcio dia.
Encommendas, passageiros e dinheiro a rele al o
dia da sahida as 3 horas : escriplori no Porte do
Mattos n. 1.
Para a Bahia pretende sahir com muila bre-
vidade a escuna Ernestina, por ler a maior parte
da carga prompta, para o resto que Ibes falta Ira-
ta-sc cora os consignatarios Palmeira & BHtrao
largo do Corpo Santo n. 4, primeiro andar.
LEILES.
DR
m grande sitio com casa de pedra e cal,
com grandes salas, qoartos, lerraco, co-
sinha fra, quartos para pretos, eslriba-
ria, cacimba cora boa agua de beber, sen-
do o mesmo sitio a beira do rio, com cer-
ca de limito e parte murado, cora laran-
geiras, jaqueiras, mangneiras, goiabei-
ras, cajueiros e outros arvoredos e com
grande baixa de capim que poda sosteo-
tar dous cavallos.
I'OJE
Quarta-feira 7 de oatafcr* is II aam.
0 agente Pinto legalmente aotorisado fa-
r leilo do sitio e casa supra mencionado
no lugar da Torre, o qual torna-se recom-
mendado por ficar junto da projectada pon-
te que tem de ser feita naquelle lugar.
O leilao ser effectuado no dia e hora ci-
ma dito em seu escriptorio roa da Cadeia
n. 24, o mencionado sitio pertence a Jos
Mariana de Albuquerque.
DI
Urna escrava cent cria.
O agente Almeida far leilo por autorsacao
dos administradores da massa fallida de Bastes &
Lemos, de urna escrava com cria aerteaoente a
mesma massa.
HOJE.
Em seu escriptorio ra da Cadeia do Recife n.
W, s U horas.
>.ii. -i.iii
ILEGVEL
1
J


Diario de Pernambuco Quara felra 9 de Outubro de 16 AS.
vinho* xerez, Porto, cognac.
cha preto, e carne salgada de
porco e vacca.
HOJE.
0 agente Pestaa far loilao por ewita e risco
de quem pertencer de caixas com vinho xerez, di-
Us do Porto, ditas com cognac, algumas caixas
cora superior cha preto primeira qualidade e bar-
ris rom carnesalgada tanto de porco como de vac-
ca, tudo eftS totes sem limites para fecliar contas,
tambera haver caixas de vinho Bordeaux dos'
mais acreditados fabricantes e ditas de vinho'
moscatel, as amostras acham-se no armazem do .
Annes onde ter lugar o leilao quarta-feira 7 do
correnle pelas 10 horas da manhaa. ^^^^
Lelliode m sitio com umaeasa
de pedraecal ednas detalpa.
Quinta-feira 8 do correnteas 10 horas.
O agente Olimpio vender em leilao era seu ar-
mazem, ra do Imperador n. 16, nra sitio deno-
minado Grozelhassituado na estrada do Arraial
defronte do collegio all existente, com 500 palmos
de frente e 1000 e tantos de fundo, tendo o mesmo
bastantes arvoredos de fructo, urna baixa com ca-
pim. cacimba com agua de beber e muitos com-
modos a casa, remiendo mensalmente todas tres
casas 38A000 e pagando de foro ao patrimonio dos
orpbaos 85000 annuaes. Os pretendentes podem
entender-se com o referido agente para qualquer
informaeao.
AVISOS DIVERSOS.
Ao publico religioso
Acha-se venda na ra do Imperador n. 29, a
vera efflgie do virtuoso Pr. Sebastiao, representan-
do-o vivo e revestido de seus hbitos talares. O
Hvms. padres missionarios da Congregacio de Nos-
sa Senhora da Penha sao unnimes em attestar a
lidelidade da efflgie daquellti distincto religioso. Os
preeos sao mdicos e ao alcance de todos._______,
Precisa-se de nma pessa que queira tomar
conta de um sitio de planta de capim, que traba-
lhe ou tenlia quem trabalbe : para tratar no Pas-
sei, loja n. 7. ______
l
HOJE
Leilo quarta-fclra 9 do corren-
te s 11 horas, no armazem n.
*3 da rna da Cadeia, sem limi-
tes.
Pelo agente Eusebio se vender em leilo urna
mobilia de Jacaranda constando de sof, mesa re-
donda o consolos com tampo de pedra e 14 cadei-
, leltos e camas para meninos, ditas de ferro,
Instituto Archcologlco e CJeo-
graphlco Pernanibncano.
Pela Secretaria do Instituto se fazem publicar os
| seguinles artigos additivos aos Estatutos, para co-
i nhecimento das pessoas a quem o seu contexto
. possa interessar:
Art. 1. A assignatura da Revista trimensal do
Instituto custa 30O0 ris poranno, pagos recep-
cio do primeiro numero.
Art. 5.a Os socios correspondentes pagara de
joia 10,5000 res, e sao exemptos das contnbuicoes
trunensaes; mas s recebem a Revista prestando a
Nao assim os socios bono-
ras, leltos e camas para meninos,
cama de ferro para casal, grades para escriptorio
e cancellas, quadros, banheiro de folba de Flandres respect yaass gnatura. N*
para tomar a chovisco, bandeijas de ferro, porta li- ranos, que a teem gratuita
cor de vidro de cor lapidado/candelabro, carrinho Art. 6. Os soeos efectivos teem a Revista sem
de tres rodas para menino mappa geographico, augmento do onus proscripto pela ultima parte do
pal iteirode prautinleiro, outras obras de ouro artigo 7. dos Estatutos, urna vez que nao estjam
eprata um par d aparadores *nw>nm atrazados as prestarle trunensaes por mais de
guarda roupa/uma estante para Ijvros tambem de l
mogno, liltradeira e carteira de viagem.
liElliVO
BE
Art. 7. O socio elfectivo eleito que, dentro do
praso de 30 das contados da data da comraunica-
cao, nao procura obter o seu diploma, deixa vago o
seu lugar4 assim como os actuaos que deixam de
| o fazer dentro do mesmo prazo contado, da data do
de respectivo annuncio, publicado pelos jomaos. Os
aue se atrazamnasprestacoes trimensaesporespaco
e 3 annos, sao eleminados.
Art. 8.a A entrega dos diplomas feita pelo Se-
cretario perpetuo, vista do recibo do Thesourei-
ro, exceptos os dos socios honorarios, que sao en-
viados gratuitamente, logo que respondan!, no prazo
de
lua casa terrea e soio em Foia
Portas n. 55.
Quinta-feira 8 do corren!r.
O agente Pestaa vender por conta e risco
quera pertencer urna casa terrea c sotao sita na
ra do Pilar em Fra de Portas n. 53, de pedra e
cal, niuito bera edificada, com 2 janellas e porta, proscripto no artigo seguale.
nma sala na frente e 2 quartos no corredor, por- Art. 9.' Sempre que 6 mezes depois da respecti-
trw para o sotao ao qual tem 4 quartos, sala atraz va participacao qualquer individuo approvado pelo
para jantar com um quarto, cosnha fra, muito Instituto para socio correspondente ou honorario
erando, quintal murado por arabos os lados e cora nao tcm respondido, cleminado.
dous quartos, cacimba e no fundo para o lado da Art. 10. Os socios efectivos sao pessoas domici-
mar tem um tclheiro era toda a largura da casa liadas na sede do Instituto. Quando qualquer delles
prompto a reparlir-sc onde se faz urna pequea varia de residencia, considerado como socio cor-
casa, os Srs. pretendentes podero examina-la a respndeme, e preenebida a vaga que deixa;
Sualqucr hora e o leilo ter lugar quinta-feira 8 salvo aquelle que h sido efectivo e torna para a
o corrente pelas 10 horas da manhaa em ponto sede do Instituto, o qual, por esse facto, volta tam-
no largo do Corpo Santo junto a taberna dos Srs. bera sua anterior qualidade de efectivo, na pri-
- da associaeao com- ineira vaga que ha, se assim o reclama.
Art. 11.* O socio correspondente que passa a
| efectivo, alcm dos onus a que fica sujeito por esse
facto, obrigado a coniplecar a importancia da joia
respectiva, sendo por isso averbado o seu diplo-
ma. O efectivo porin que passa a corresponden-
te nao tcm dircito de exigir o excesso da joia, que
como tal havia pago.
Secretaria do Instituto, 7 de outubro de .1863.
/. Soares d Azevedo.
Secretario perpetuo.
Palmoira & Beltro defrontc
morcial.
IKIIMI
DE
I II \ C.tS.% TERREA.
Quinla-feira 8 lo corrente as 10 horas
da ni 'lia .
O agente Olympio levar novamento em leilo a
casa terrea de"pedra e cal sita na ra de S. Mi-
guel (nos Afogados) n. 22, a qual tem 2
quartos, cosinha fra e quintal grande murado
com i>orto, pagando de foro annualmente 2fiz0 c
rende mensalmente IOS-
O leilao ser efectuado no armazem do referido
agento ra do Imperador n 16.
LE LO
DE
LOTERA
EXTRAORDINARIA
Aos lo:oooooo e 2:oooooo.
Sabbado 10 do corrente mez, anda-
rao impreterivelmente as rodas da 2a par-
te da i0a lotera a beneficio da matriz da
Boa-Vista desta cidade, pelo mui agradavel
plano abaixo publicado.
O abaixo assignado solicita do respeitavel
publico amante desta provincia, a compra
lina burra de ferro, 1 dila de inadeira, 2 eseriva-
ninhas, 2 earteiras, 2 armarios, i prensa, i
balcaO, 1 quadros, Irelogjo, i mochos, 2 lva-
la! ios, 2cadoras privadas, Koucador, 8 mesas, dos respectivos bilhetes, concorrendo assim,
1 radeira de balanro, f remmoilas, i guarda- nao s para o bem das nossas loteras que
lonra, 2 raarunezas, 2 sofs, 10 cadeiras e ou- tanto a engrandecen!, como para o fim pa-
iros objpclos. i ra que ella concedida.
4|uiuta-fcira. H de outubro. Os billietesemeios bilbetes acham-se dea-
O agente Pinto far l.ilao a requerimento dosj^ venda na tlicsouraria das loteras
caradores liscaes e depositarios da massa rallida da (|n ("rn^nii n I *; r> ms msh mmmk
* SLflj* mandada do Illm. r.ua fl iAP*P n; ,,,> e [ias cafrs commis-
dcummercio, dos objectos' sionadas, ra da Imperatrtz n. i i, loja do
Sr. Pimentel, ra Direita n. 3, botica do
Sr. Chagas, ra estreita do Rosario n. i 2,
typographia do Sr. Mira, e ra da Cadeia n.
45, loja do Sr. Porto.
Os premios de 10:000^000 e de ris
2:0003000 serao pagos logo ao findar a ex-
traccao, e os outros at os de 20#000 urna
hora depois c por diante at s i da tarde.
O thesoureiro,
Antonio Josi' Rodrigues de Souza.
PLAXO
para as partes extraordinarias
de loteras, approvado pelo
i:\ni. Sr. presidente da pro-
vincia.
2,500 bilhetes a 10^000......
Beneficio, sello c [commissao 20
por cont................
Aiuva Amorni &
Sr. Dr. juiz especial
cima mencionados pertencentes mesma massa,
c existentes no annazom do sobrado da ra da
Cruz n. i)8, onde se efectuar o leilo s 10 horas
do da cima dito. ____
LEIlAO
DE
moliilia r
cadeiras, 1
I m piano il armario forte e novo, i
amarillo nova, 2 aparadores, 12
esa do jautar, \ astean, \ escrivaninun, i
mesa para joyo, \ dita rom gavela, i cama de
forro, 1 bid, 1 tapete, 1 escrivaninha, i car-
loira, 12 cadeiras,i marqueza, i candelabro
c 2 serpentinas.
t|uinta-fcira. 8 de outubro.
ra da Cruz n. 38.
O agente Pinto far loilao por conta de diversos
de todos os movis cima descriplos, existentes no
primeiro andar do sobrado da ra da Cruz n. 38,
onde se efectuar o leilo s 11 horas em ponto
25:0005000
3:0005000
'
Liquido... 20:0005000
LIIIAO
DE
Fazeiulas franeczas e miu ezas.
4|nlnta-feira 8 do corrente.
Cals Irma"s faro leilao de um completo sorti-
nento de f.zcndas francezas como sejam : cami-
sas, eassas organdys, paletots de panno preto, de
mira, de brini branco e de cor, chapeos para
hornera de feltro e de seda de todas as qualidades,
chapeos de sol de seda e de panninho, luvas de
sida, alirodo e pelica, raarroijuins, nentes para
atar cabello de tartaruga dos mais modernos, ditos
-de alizar de balea, colxetes cin carios e em cal-
xinlias, toques de madreperola, botoes de todas as
ipialidades e muitos outros objoctos do miudeza :
iiuinta-feira 8 do corrente polas 11 horas da ma-
nliaa no seu armazem ra da Cruz n. 51._______
LEILAO
DE
suavos, movis, crjstaes e oulros mnitos objeetos
Huiuta-Itelra H do corrente
AsH emea horas.
1 premio de................... 10:0005000
1 dito de
1 dito de......................
1 dito de......................
2 ditos que tero os nmeros mais
approximados ao que obtiver o
premio do 10:00005000, sendo
cada um a 2005000...........
3 ditos de 1005000..............
2 ditos que tero os nmeros mais
approximados ao que obtiver o
premio de 2:0005000. sendo ca-
da um a 1005000.............
8 ditos a 405000...............
2 ditos que tero os nmeros mais
approximados ao que obtiver o
premio do 5005000, sendo cada
urna.405000.................
21 ditos a 205000................
2:0005000
5005000
2005000
4005000
3005000
2005000
3205000
O agente Olympio far leilo em seu armazem a
roa do Imperador n. 16,-dos objectos oima men-
cionados.
DE
KMt'lt t yo* i: hoyi:i*.
O agente Almeida far leilo requerimonto
dos administradores da massa fallida d Seve Fi-
ilios C. c mandado do Illm. Sr. r. juiz especial
do commcrcio dos seguintes escravos e movis :
Maa de idade de60annos; Francisco de 12 an-
uos ; Joo de 11 annos; Perpetua de 11 annos;
Jos de 8 annos; Antonio do 40 annos: Themoteo
de 80 annos ; rsula de 20 asnos; Catharina de
' annes ; Jeao Nogueira de 70 aanos; Felicidad*
de 30aanos; Valerio do 5 annos; e Vicente de &
annos.
17 cadeiras de Jacaranda, 2 ditas com bra?o, 2
ditas de balanco, 1 sof, 2 consotos, 1 mesa com
jtedra, 1 piano hamburguez, 1 mesa elstica de
sunarelto eom 5 taboas, 1 dita menor, um apara-
dor e amarello. 2 marquezas, 18 cadeiras prctas
inglezas, i guarda vestidos, 2 ditos de -piahp pin-
tado, urna privada de amarello, 3 lavatorios de
jimarello, ieastiraos de casquinho com lanternas,
urna mesa de piaho para engommado, um cande-
labro com 5 mangas, 10 cadeiras hamburguezas,
ii m espolho grande dourado, urna mesinha de
amarello, um lavatorio, urna lamenta de metal,
muios muitos objectos qne estaro patentes aos
Hexin-feira do corrente
s 11 horas do dia, no Mamunlo sitio do Sr. Se-
\v. defronte da entrada para a Capunga.
As 10 horas encontrarlo os eoncorrmtes um
mnibus para o transporte na esquina da ra do
Crespo.
805000
4205000
558 ditos a 105000................ 5:5805000
600 premio.-.
1900 brancos.
2500 bilbetes.
N. B.As sortes mmores de^4005000esto sujei-
aos descontos das leis.
Thesouraria das loteras, 20 de setembro de
tas 1863.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza
AOS 10,0001000
CASA DA FORTUNA
Bilbetes 'garantidos,
A'ra do Crespo n. 93 e casas
do costume.
Sabbado se extrahir a lotera extraordinaria
em beneficio da matriz da Boa-Vista.
O abaixo assignado recommendando ao respei-
tavel publico a compra de seus mui felizes bilhe-
tes garantidos lembra-lhe a vantagem quo ha em
receoer os premios por inleiro por qaanto quem
tirar a sorte de 10:0005 em bilhete garantido nao
receber smente 8:4004 em vrrtude dos des-
contos de 16 por eento que Ihe faro em vista das
leis, mas sim os 10:0005 que vem a ser a dita
quantia e mais a de 1:6005 que pagar o abaixo
assignado importancia de ditos descontos, aconle-
eendo o mesmo com as outras sortes.
Os bilhetes garantidos pelo abaixo assignado le-
co \ varo a sua assignatura de chancella atravessada
na frente do bilbete.
Os premios maiores de 205 sero pagos urna
hora depois da extraccao.
Proooa.
Bilhetes inteiros..... 135000
Mems bilhetes......' 6#000
Para as pessoas que comprarem
d 1004 para cima.
Bilhetes........ f*
Meios...... .8*wo
Manoel Martins Fiuza.
Antonio do Squeira Cavalcanti previne a todas
as pessoas, e especialmente as empregadas no com- (
mercio, que nao de" cousa alguma qnc pedircm era
seu nome, sem que aprsenle assignatura sua, pois
nao tem por costume mandar ver objecto alguin
fiado, como ha dias aconteceu se lhe apresentar
urna conta sendo tomada por urna sua escrava,
sem dizer-se qual era. As pessoas que assim pro-
cedercm fazem grande favor, ao contrario arns-
cam-se a perderem os seus objectos.___________
O abaixo assignado declara que nada
deve ao Sr. Antonio Pinto de Azevedo.
Pendro Paulo dos Santos.
Da noite de 28 para 29 de setombro prximo
passado fugio da cidade da Victoria urna escrava
de nome Maria, cabra, de 35 38 annos de idade,
baixa, cabellos annelados e compridos, porm que
nao amarra, tendo sobre os olbos, ou um pouco
abaixo, duas ctoatrizes que bem parece ter sido
marca de chicote em tampo de outre senhor, levou
toda a roupa, sendo vestidos de chita, entre olios
um de cassa branca, e um chale azul, gosta de to-
mar seus tragos de agurdente, ella tal vez queira
passar por liberta, e com efeito pode passar por
tal, por isso deve-se reparar para os hombros, onde
mostra os mencionados signaes : qualquer pessoa
3ue a pegar, leve dita cidade, na casa de Alexan-
re Jos de Hollanda Cavalcanti que ser recom-
pensado. ________
Hoje 7 do corrente, sahir luz o segundo
numero da D. Liga. Est de patente : vende-se na
tvpographia do Dr. Barros, ra da Imperatriz, na
lvraria. popular, ra do Imperador, de Antonio Do-
mingnes Ferreira. Prego 4o rs._______________
Aluga-se urna casa terrea na ra Velha n.
90: quem a pretender dirija-se ra Direita n.
9i, primeiro andar, ou na taberaa que fica ao pe.
Ylngam-sc
as casas terreas n. 62 da ra da Concetoo, e 5 da
ra do Hospicio: a tratar na ra do Encantamen-
to n. 13.
Alnga-se
urna casa terrea na ra da Gloria n. 52 : a tratar
no Recife, armazem n. 9.
NOTICIA NOTICIA NOTICIA.
Cartees de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cfrtes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartdes de visita
Cartoes de visita
j'toes de visita
Cartoes de visita
85000 a duzia
5000 a duzia
a duzia
a duzia
. duzia
duzia
duzia
duzia
duzia
duzia
a
a
a
a
a
a
85000
85000
85000
81000
85000
85000
85000
85O00 .
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador
____ Ra do Imperador
A pessoa que no da o ofereceu um molcque
na ra do Imperador n. 71, segundo andar, queira
ter a bondade do dirigir-se mesma para concluir
o ajusto.________________________________
Armazn* para alngar.
Alugam-se os dous grandes arraazens.da ra do
Apollo n. 38 e 40, communicados por dentro por
meio de arcos, e proprios para um grande estabe-
lecimento de assucar uoutro qualquer negocio por
ter cxccllente porto de embarque : a tratar com
Antonio Alvos Barbosa, na ra de Guararapes
n. 28._______________________________
Furtaram do engenho remandes, de 22 para
23 de setembro, duas burras, sendo urna castanha,
grande, e bem feita, sendo um pouco pernuda, an-
da a passo e galopa soffrivel, a outra c ruca, pe-
quena e bem feita, ambas esto gordas, sao feridas
no quarto, com o ferro do senhor de engenho Li-
moeinnho da freguezia da Escada : supp5e-sc te-
rem levado ditas burras para os lados de Apipucos
e Casa Forte, conduzdas por um ladrad de nome
Tobas, que assste por all, de nome mudado, elle
cabra bem escuro, barbado, bem choto do corpo,
o seu modo de vida c furtar cavados ha mais de
15 annos ; ueste mez de setembro tem furtado na
freguezia de Ipojuca 6 cavallos, entrando estas duas
burras : quem as apprebender, poder levar no
dito engenho Fernandes, ou nesta praca ao Sj\
Francisco Quintino Rodrigues Estevcs, que soro
pagas todas as despezas.
O abaixo assignado, tendo |>or consellio dos
facultativos voltado aos trabalbos do foro como so-
licitador, tanto no civel como no comuiercio, o
apezar de sua boa vontade, conheccu que nao po-
da vencer o trabalho dos dous auditorios em ra-
zo de sua idade e estado de saudc pelo que resol-
veu nao continuar no foro civil, nao s por serem
as questoes mais diffireis em consequencia da mo-
rada dos escrives, como porque seus constitun-
tes sao todos commerciantos, razo por que findan-
do-se seu provimento no civel, nao cuidou de tirar
outro. e para que alguem nao supponha "que o avi-
so mandado publicar pelo Exm. Sr. conselheiro
presidente da rclaco lhe seja desairoso, vem ante
o publico fazer a presente declaraoo. Recife 6 de
outubro de 1863.
Victorino Jos do Souza Travassos.
Precisa-se de una ama que saiba cozinhar o
diario do urna casa de potica familia, e as compras:
na ra da Concordia, casa terrea n. 38.________
a ra do Codorniz n. 12 precisa-se de urna
ama.____________
Perdou-se no sabbado, do sitio do Sr. Brlt,
at no largo que foi viveiro, um cachorrinho de
raca ingleza eom os signaes seguintes : pelo preto
a corrido, tendo sobre os olbos dous pontos amarel-
los, e um risco tambem amarello na parte superior .
das maos e ps, que acompanha at as patas, ter |
um palmo de comprido e meio de alto, orcinas e |
cauda cortadas, sobre a cabera tem urna pequea
falta de cabello, levou no pescoco urna fita encar-
nada com um guzo de metal: quem o achou ou
delle der noticia, dirija-sc ao sitio cima, ou na
ruado Trapiche n. 17, que ser generosamente
gratificado.
Agencia de leudes,
Amonio Jos Cordeiro Smoes scientifica ao res-
peitavel corpo do commercio d/sta praca, como
tambem aos seus amigos, que mudou o seu escrip-
torio da rna do Vi gario n. 17 para o primeiro an-
dar do sobrado n. 28 na ra da Cadeia, aonde pode
ser procurado lodos os dias uteis, das 9 horas da
manbia s 4 da tarde, ara exercer os misteres de
sua profisso. ____________^___
Aluga-se um mulato escravo muto fiel e de
boa conducta, entende de todo o servico de casa
de familia, sabe tambem bolear : quem pretende-
K, dirija-sc ra do Apollo n. 25, segundo andar.
Alngnel.
Aluga-se o primeiro c segunda an-
dar do sobrado da ra Velha 11. 20 : a
tratar na ra do Sebo n. 24.
O Sr. Joaquira Antonio Pereira Botelbo, na-
tural da villa de Angiga no reino de PortugaIJe
que veo para Pernambuco em 24 de novembro de
1860, dinja-se ra do Imperador n. 38, pharma-
cia franceza para receber noticias de sua patria de
pessoas que lhe interessam, ou quem souber do
mesmo senhor, e aonde est, pode informar na
mesma botica. __________________^__
Ka ra do Quemado n. 1
deseja-se fallar aos Srs. Gabriel Germano de Aguiar
Montarroyos c Joaqulm Ribeiro de Aguiar Mon-
tarroyos.______________ ___________
Abreu & Veras mudarara seu escriptorio da
roa do Vigarto n. 21 para a ra da Cruz n. 34.
Arrenda-se una excedente casa de campo
no Poco da Panella, em bellissimd posico, muito
fresca, com graude lerraco em frente para recreio,
e commodos para numerosa familia, com cocheira,
estribara, quartos para criados e feitor, sitio bem
plantado, com jardim, horta. tanques para banhos
e lavagem de roupa, etc., etc. : qum a pretender,
dirija-se a ra da Imperatriz n. 1", segundo andar.
Aluga-sc um sobrado de um andar, contendo j
duas salas, dous quartos e una cosinha, sito no
o da Asseinbla; tratar na ra Augusta
W;__________________________________ \
- Aluga-so por 185000 a casa terrea da ra
(.nararapes u. 67. com duas salas, dousquar-
cosinha, quintal e sotao : tratar na ra da
Cadeia do Recife. n. 47 toja.
Quem precisar de um Portuguez de boa con-
duda e j de idade, para criado de ra ou para
casa, dirija-se ra da Florentina n. 9.
Aluga-se urna negra ensoramadeira, lavadei-
ra, cozinbeira, sabe tratar de una casa e de meni-
no : na ra da Alegra n. 7
PMM.IIIA E ANTIGA CASA FELIZ
PORTUGAL
PORTO
Ra n l'lores, 1 e 3 (juntoa groja da Misericordia )
PARA A
, GRANDE LOTERA DE HESPANHA.
Cuja e\ra3.
Pesos fortes. Sfoeda portugueza.
I
I
i
2
30 de
100 de
2816 de
9
de
PREMIOS.
de..........
de..........
de..........
de 20,000 pesos fortes.....
10 de 10,000 ditos.......
15 de 5,000 ditos.......
2,000 ditos.......
1,000 ditos.......
500 ditos.......
1,000 ditos cada um para os 9
da dezena que obtiver o premio de
pesos...........
9 de 400 ditos para os 9 ditos dila do de 1,000
pesos...........
2 approximaces de 1,000 pesos cada urna para
os nmeros anteriores e posterior ao premiado
com 300,000 pesos.........
2 ditas de 700 pesos para os ditos do de 1,000 ps.
2 ditas de 500 pesos para os ditos do de 50,000 ps
3000 premios em 30.000 bilhetes......
nmeros
300,000
300,000, ou rs. 270:000,4000
100,000
50,000
40,000
100,000
75,000
60.0G0
100,000
1,408.000
90:0000000
45:000^000
36:0000000
90:0004000
67:5004000
54:0006000
90:0000000
1.267:200^000
9,000 8:100*000
3,600 3.2404000
2,000 1,400 1,000 1:8000000 1:26O/0OD 900400O
2,250,000 2,025:0004000
Bilhetes inteiros a
Meios bilhetes a
Preeos em moeda forte.
, 1200000 | Quintos de bilhetes a
. 605000 Decimos a-. ,
24*000
120000
Jos Ignacio Forera koriz,
COM LO/.V DE CAMBIO E BILHETES DE LOTERA*
AQancado no governo civil do Porto, cin couformidade do edita!
de 'is de Jiinho de iso.
Satisfaz com promptido todas ai encoramendas que lhe sejam feilas. mesmo em
grande qnantidade e pelos preeos cima indicados, vindo acompaadas do seu importe :
e no fim da extraccao remette as listas dos premios. N. B. Sendo a encommenda de
cinco bilhetes para cima, faz-se o abatimento de 5 por eento.
Para informacoes no escriptorio da ra da Cruz n. 19,
Ao importante, estabelecimento de fuzend s
ra do Grespo n 17, deJos Gomes billar
a
^* Protcjam lanas, senhorasa este bello estabclecl-
mento de fazendas.
Ah Vv. Excellencias enconlrarao as melbores fazendas as mais modernas ralas
em direitura de Pars e Inglaterra.
Chegaram de Pars os mais bellos cortes de la eom barras delicadissimas, a elles
antes que se acabem.
Peras de madajiolo de 12 jardas a 4JS, 4-SoOO e 5-3, ditas de algodaozinho de
lo
jardas a 44 e 44500, di las de bretanha de rolo a 3, bramante de lnho de 10 palmos de
largura a 24 a vara, cambraia lisa lina de 10 jardas a 1$ a peca^chita fr
cura a 320 rs. o covado, laas de cores muito delicadas a 320 e 36"
Ain a se precisa de um caixeiro
ue cnlMidade pliarmaeia: ni ruado
almila n. II.
Precisa-se de um bomem (|uc cnlenda perfei-
tamente de retinarao, como lwm derreler e bater.
e tambem de caf, paga-se bom ordenado : a tra-
tar nos fundos da casa do Sr. Flix, ourives : na
ra da Senzala Vcllia cora Jos Maria Machado.
I Francisco Jos da Silya Ralis retirando-se
liara o Rio de Janeiro em virtude da procnracSo
passada nesta data no cartorio do tabelliao Almei-
da, encarregou ao Sr. Jos Maria Nunes para o re-
presentar durante a sua ausencia em todos os seus
negocios. Recife 5 de setembro de 1864.
ATTEI^AO.
Na ra estreita do Rosario n. 19 tr^alha-se com
toda a pe-fecao em bordados, e floiflr de todas as
qualidades, apromptam-se ricas grinaldas e bo-
quete para casamentes e bailes, da-se tambem li-
ndes de flores s familias que quizercm aprender.
franceza lina es-
360 rs. o covado, vestidos
de blond com rapclla e manta proprios para noivas, manteletes, capas prelas de rauito
costo a Luiz XIV, solferinos prctos bordados, rhapelinas de muito gosto, veos para cha-
peos pretos e brancos, vestidos brancos bordados, eassas de cores lindsimas a 240 e
280 rs. o covado. organdys de muito gosto a 400 rs. o covado, chapeos de sol de panno
para meninos a 15600 cada um.
Mosteas importantissimas para piano c canto de todas as forras e se vendem por
baratissmo preco para acabar.
Admiraveis laas escossezas de rauito apurado gosto propnas para vestidos no verao
fazenda ptima de 3 e i palmos de largura a 400 c 500 rs. o covado.
Da casa da ra das Cruzes, em Santo Anto-
nio, n. 41. segundo andar, desappareceu no dia de
segunda-feira 5 do corrente, um caboclnho com
o nome de Francelino, representa ter 12 13 annos
de idade, muito esperto, bem fallante, e achava-se
vestido com camisa de chita rxa e calca de algo-
daozinho azul listrado: quem o apprehender con-
duia-o supradita casa que se lhe gratificar.
Precisa-se de um caixeiro que tenha pratica
de taberna i a tratar na ra Imperial, padaria nu-
mero 51.
O Sr. Manoel Jos da Silva Cabra I, na ra
Bella n. 6, dir quem da 2:000; a premio com hy-
potheca em urna casa terrea.
Aluga-se um silio em Henifica, a margem do
Capibaribe.com casa para grande familia, arvoies
fructferas e algum terreno para plantacao : a
tratarna ra Nova n. 47, loja de Bastos & Reg.
O Sr. Leandro Guedes Alcoforado tem urna
carta de summa importancia, na ra da camba
do Carino n. 30, primeiro andar, devendo-a procu-
rar de manhaa al as 9 horas, e das 4 da tarde em
diante.______________________________
Offerecc-se urna mulber com bastante leite :
na ra da Gloria n. 92. __________________
Acha-se justa e contratada a taberna do Sr.
Jos Pereira de Alcntara Brando, na ra do Co
tovello n. 22, largo do Mondego, livre e desemba-
racada de todo e qualquor debito que a mesma
possa estar sujeita ; e por isso quem se Julgar com
direito raesma, dirija-se ao mesmo senhor.
ALMAJNAK
Estando a confeccio ar-se oa'inanak
de-ia provincia, que contina ser im-
presso nesla hpoi^raphi", couvida-se a
todas as pessoas pue irlie fazem pa> te,
para que remellara lvraria ns. % e 8
da praca da Independencia, seus nomrs
e qualidade de eshbe!enmonto, e aos
se nitores ne engenlios que se dignem
remcller atm ds notues de seus en-
genhos, o da freguezia e comarca a que
perlcncercm._____________________
Aluga-se o sobrado de um andar e sotao da
ra Direla n. 82 : a tratar na padaria da viuva
Machado._______________________________
Aluga-se por prego commodo o segundo an-
dar do sobrado da ra da Senzala Velha n. 48 : a
tratar na loja do mesmo.
Para dentro c fra da cidade se manda conduzir
objectos |ior barato prego : a tratar no armazem
nabolaamarellada ra do Imperador no oitao da
secretara da polica.____________
Lotera extraordinaria.
Constando-me que algumas pessoas se
acham em duvida a respeito dos nmeros
mais aproximados aos das sortes maiores/
julgo conveniente declarar que sem funda-
mento essa duvida, por quanto clarissimo
est que os nmeros mais aproximados ao
n. 1 saoosns, 2e3, e ao n. 2500 sao os
ns. 2498 c 2499, assim como que os nme-
ros mais aproximados a outro qualquer que
nao seja o n. 1 e 2500, como por exemplo
on. 2000, sao os ns. 1999 e 2001, sendo
certo que ao possuidor de um bilhete deste
plano pode caber por sorte de um a tres
premios. Recife 30 de setembro de 1863.'
0 thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Aluga-se por 165000, o segundo andar do ,
sobrado do becco do Campello n. 4, tendo commo-
do para grande familia : tratar no raesrao. |
Precisa-se de una ama para comprar 6 co-
sinhar para tres pessoas de familia : a tratar na;
rea dos Guararapes n. 18 sobrado de um andar.
_____________^____________________________ i
Aibwm de Hernambuco.
Os senhores assignantes das vistas
de Pernambuco, que anda as nao te-,
nliain receido, queiram ter a bondad
c manda-las procurar na Ivlhograpaia
de Francisco Henr Caris, ra da Cadeia
do Recife n. 52 primeiro andar.______;
Precisa-se de um deslribuidor para este
Diario, o qual deve saber lr.
Agencia de passaporte.
Claudino do Reg Lima, despachante de passa-
porte, tira-os para dentro c fura do imperio por
commodo proco, e com presteza : na ra da Praia.
primeiro anda'r n. 47.
Chegou no ultimo vapor vindo da Europa nra
mogo portuguez, e quer arranjar-se em una reli-
nagao, o qual est habilitado para se encarregar
do trabalho da mesma. tem muito boa pratica do
ofJlcio : pode ser procurado na ra estreita do Ro-
sario n. 18.
Companhia fldelidade de |@|
segnros martimos e ter- ^
restres estabelecida no
Rio de Janeiro.
AGENTES EM PEPNAMU1C0
Antonia Luiz de OlTfira Azevedo A. C
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, morcad-
rias e predios no seu escriptorio ra da \
Cruz n. I.
Aluga-se o primeiro andar da ra do Crespo
n. 23 ; a tratar na loja._______________.______
Firinino Coelho Pereira. subdito portuguez
rctira-se para fra da provincia.
Precisa-se alngar urna escrava para cozinhar.
comprar e fazer todo o mais servico de urna casa
de familia, responsaliilisando-se o senhor pelo seu
comportaraento : a tratar na ra d a Cruz n. 611,
armazem.
DENTISTA DE PARS
19Rna Nova-19
Fredcrico Gautier, cirurgiao dentista,
faz todas as operages dr sua arte, e col-
loca dentes artiliciaes, tudo com superio-
ridade e perfeicao, que as pessoas enten-
didas lhe reconhecera.
Tem agua e pos dentifico.
Aluga-se urna casa terrea com sotao e pinta-
da de novo, sita na ra da Gloria n. 80 : a tratar
na ra da Imperatriz n. 62.
Pedro Cherracaro, Vicente Chcrnicaro, ir-
ruios, subditos italianos, vao para Europa
mugi
Aluga-se a bem situada casa de tres andares com
lotes, na esquina da ro* do Crespo n. 9 : a tratar
na mesraa rna n. 13, ou no largo do Corpo Sanio
n. 6, segando andar.
Previno a rapazeada do Recife, que se acaba
de abrir na villa de Iguarass, na ra da Ponte n.
7, nra hotel com todas as commoddades e aceio, '
e debaixo da direccao do oroprietario Antonio Go-!
mes Cordeiro de Mello, cujas manciras aflaves e ]
delicadas attrahcm a estima- de todos que o fre-
quentam. Nos que all estivemos na festa do SS.
Cosme e Damio. e que apreciamos tudo quanto
deixamos dito, nao podemos deiur de prevenir
nossos patricios para que se approveUem de tao;
bellas commoddades.Um dos apreciadores.
- 0 Sr. Pedro Paulados Santos quei-
ra dirigir-se i na d Piala armazem
de Antonio Pialo de Azevedo, eam ur-
gencia___________________________
Os escrives no#proteNtos4letras
mudar.m o seu cartorio para a raa do
Imperador n aa>ar terrea onde resi-
de o solicitador Albuqacrqae Mi*.
a de marmore.
Uno de Faria
devidamente autorsado polss Srs. admi-
nistradores da massa fallida de Faria & C.
com approvacao do Sr. Dr. joiz de direito
especial do comuiercio, convida pelo pre-
sente annuncio a todos os Srs. devedores
da dita firma extracta, a solvercm sous
dbitos com a maior brevidade, dirigindo-
se para esse fim casa do annunciante,
i- andar do sobrado da rna do Imperador
por cima do estabelecimento do Sr. Flix
alfaiatc. O annunciante,,nao tratando de
cobrar dividas suas, caso em que podoria
ter contemplacao para cora alguns dos
Srs. devedores, a quem estima e grato,
mas sim tendo do dar prompto c inleiro
cumprlmentoao mandato, que recebeu dos
ditos Srs. administradores, que particu-
larmente lhe recommendaram, que acco-
asse a todos aquelles que nao quiessera
amigavelmente pagar, julga devor prove-
nir dlsso os mesmos devedores, de quem
espera dcscnlpa se o forcarem a propor
acg5o em jaizo contra elles.
setembro do 1863.
No Diario de Pernambuco de hoje, foi publi-
cado um annuncio polo Sr. Manoel Jos Fernandes
Barros ao qual nao posso deixar de responder. E
verdade que do meu poder perdeu-se o testamento
com que fallecen a Sra. D. Carlota Joaquina de
Albuquerque Cmara, o qual consta-me que appa-
recera e se acha em poder do Sr. Dr. Gabriel Soa-
res Raposo da Cmara, porem apresso-me a deca-
rar, que se recebi o testamento de que se trata ao
sahir da repartgao foi na qualidade de amigo offl-
cioso do Sr. Barros, por conhecer seu sobrinho na
pessoa do portador, o nao na qualidade de emprega-
do publico comojquiz fazer crdr o mesmo Sr. Barros.
Recife, 3 de outubro de 186J.
Vicente Machado Freir Pereira da Silva.
'mmmm
Aluga-se a seguido andar do
sobrado n. 6da raa da Lapa: a
tratar na raa Velha a. 57.
mmm
Alaga-sc a loja de tres portas na rna do Ca-
bog n. tA : qnem pretender a chave, pode pro-
curar no mesmo correr, loja de miudeus n. 4, que
achara com quem faca negocio a vontade do pre-
tndeme.
^
Precisa-se de vendedeiras de bolos de venda-
gera, e paga-se bem: na botica do pateo do Carmo.
Precisa-se de nm caxeirn de 16 18 annos
de idade, que tenha alguma pratica de taberna, c
ene d ao "Hfdadeiro conhecimento de ~
Saeta, no Recife roa da Cruz n 99.
Manoel Raymund Pcnaforte, solicitador pro-
visionado pelo Exm. Sr. presidente do meretissimo
tribunal do commercio, conlina a residir na ra
do Livramcnto n. 23, segando andar, aonde pode
ser procurado das 7 horas da manhaa at as 9, c
das 3 al as S horas da tarde, em sua casa, para
os misteres de sua profisso.__________
Alngam-se a lola do sobrado n. 183 e anna-
rem n. 71 da raa Imperial; o armazem n. 4 da
a do ApoIM* a casi o. 27 da ra do Burgos : a
llar na ra da Aurora n. 36.
Da-se dinheiro a juros sobre penhores- : no
pateo do Terco n. l.
LOTERA*
O thesoureiro das loteras desta
cia, desejando extrahi-las em iuaior~capit.il
e com menores intervallos, offerece-ataata-
gem do ous por eento quem cmrar
para negocio, na quantia de 1(M) para ci na.
e de 1 *i por 'o as loteras extraordi^lp;
assim como se prope a establecer corres-
pondencias para qualquer localidad da pro-
vincia, remetiendo bilhetes iaeias e listas,
sob banca idnea; devendo o pagamento
deUes ser feito logo que sejara recebidas as
listas e novos bilhetes remetdos. O the-
soureiro certo da conveniencia desse negocio,
convida aos Srs. eonunerciantes da Victoria,
Goianna, Rio Forrooso, Nazareth, Serinbaem
e mais localidades populosas da provincia, e
mesmo os desta capital, que o quizerem. a
entenderenvse com elle, na thesouraria das
loteras, ra do Crespo n. 18: advertindo
que receber om pagamento e sem descont,
os bilhetes premiados de todas as loteras
da provincia recomidos theaouraria da fa-
zenda provincial,
Thesouraria das loteras. 80 dejnnbo de
1868.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
f
.
.
< i.



Diario de Pernambuco Coarta feira 1 le Outuhi-o de 1S FAZENDAS DE BOM GOSTO.
Precisa-fie alagar urna escrava costureira e (
engommadeira, e que se preste a qualquer outro i
servico : no escriptorio de Edward Fenton Holq, |
ra do Trapiche, ou no sitio chamado de uo Ma-'
ria de-'Seixas, na Casa Forte. _____________ j
Aluga-se a casa terrea da ra da Alegra n.
48, eem 3 janellas e 1 porta, a chave para ver, est
na taberna da ra da Velha n. 33 : a tratar na ra
da Cadete do llecife n. 47, loja.
Superiores cortes de gorgurao-de*eda com flores matisadas os mais modernos que tem vindo a Pernambuco.
Ditos de moreantique de cores, de listas, de flores, e achamalotados, cores mui lindas.
Ditos de moreantique pretos de palmas com barra.
Lindos cortes de grenadine de seda com barra e chale igual. Ario
Ditos de laa com barra matisada e damesma cor, .a imperatriz pelo barato prego de 105, 123, 1* e 2U caaa corte.
Ricos vestidos de blondo para noiva com lindas mantas de fil de seda, de Wond e com capella.
Ditos de cainbraia brancos bordados a 123, 15,5,253 e 353 cada corte.
Lindas lias lisas tinas a 500 rs. o covado. ^ *
Ditas de quadrinhos o de flores a 400, 500 e 600 rs. o covado.
Superiores organdvs com listas de seda, os mais modernos que tem vindoa Pernambuco.
Lindas cassas de cores de superior qualidade a 460,500 e 640 rs. a vara; assim ...i*.. ,.
Como um variado sortimentode percales, chitas francezas a 280,320, 400, 500 e 640 rs. o covado, e outras multas fazendas que-
ria enfadonho mencionar.
PARA IHHI ICItOS DE SENHORAS.
Manteletes de seda pretos a 38.
i Capas preta6 de grs a 255, '> Ditas milito superiores a 40$, i3<5 e 50$.
Superiores santiembarques de csemira.
Ditos ditos de lindas laazinhas lisas e de quadros.
Ditos de seda pretos e de cores.
Ditos de musselina de seda ehiueza.
Superiores manteletes de torgal pretos.
Lindos chalesde musselina e de chally matisados com listas de seda.
Novos chales de torgal e outros muits artigos modernos.
PARA CABERA RE SEWMORA E HIEMIHOS.
Superiores onfeites de flores, gestos os mais modernos em Paris, chegados peto ultimo vapor francez.
Lindos chapos de palha da Italia enfeitados com muito gosto, a Imperatriz ea Valeroy.
Ditos de palha para meninos e meninas.
Entremeios bordados largos e estreitos, tiras bordadas largas e estrella,, tiras de fustao bordadas para cal^s de meninas saias
(bordadas e outros imiitesartigos detesto por pregos mais commodos do que em outra qualquer parte : na ra. do Lrespo n. 13, toja
.das columnas de Antonio Corroa de Vasconccllos & C.
Precisa-se de um pequeo de 12 a 14 aunos,
I que tenha pratica de taberna : quem pretender,J
dirija-se ra do Palacio do Risp n. 40.
Aluga-se a sala da frente do pnmeiro andar
do sobrado da ra do Qucinudo n. 15, propria pa-
ra qualquer escriptorio : a tratar na mesina ra,
.hotica n. 15. ___________
Quem precisar de urna preta para coziuliar
e engommar, dirija-se ao pateo de S. Pedro n. Itf.
Domingos Gcrbase, subdito italiano, retira-se
.para fra da provincia.
0 GALLO CANTA
J sabido que, quando chega o vapor da Eu-
ropa, o gallo canta annunciando aos seus numero-
sos freguezes as galanteras de mais gosto e da ul-
tima soda que por elle recebe, como sejam :
Camsinhat para senhoras.
Riquissimas camisinhas com mauguitos e gra-
vannas para senhoras : so no Vigilante, ra do,
Crespo n. 7.
drigolinhas.
Riquissimas cirgolinhas ou gravatinhas, sendo
cousa de muito gosto, e a primeira vez que appa-
s no Vigi
ippa-
Vigi-
rece para as senhoras de bom gosto
lauto ra do Crespo n. 7.
Pentes de concha.
Ha para chegar riquissimas guarnieres de pen-
tes de lindo gosto, tanto para atar, como para mar-
rafas, por pregos razoa veis': s no Vigilante, ra
do Crespo n. 7."
Redes com lacinhos de fita.
Lindas redes pretas e de cores com um lindo la-
Acha-se justa e contratada a venda livre e cinho de fita para conservar o cabello, pelo barato
. desembarazada do deposito n. 6 da ra da Lingoe-1 preco de 1,5500; assim como os novos enfeites pa-
ta : quem se achar com direto ao mesmo tenha a I ra cabeca a 33000, 4$ e 55000 : s no Vigilante,
bondade de comparecer ou fcizer suas reclamag5ts
no mesmo deposito, no praso de tres dias, a contar
da data deste, depois do que lloara sem elfeito todo
e qualquer obstculo dita venda.
roa do Crespo n. 7.
Ligas.
Riquissimas ligas de seda
Minifico negocio, prese ou dinhiro.
Urna familia que retira-se da provincia
vende urna mobilia completa de sala de
visita, com mesa oval de podra, cadei-
ras de circular, de charao, riquissirao
piano, jarros, cama de casado, commoda,
lavatono, mesa de sala de jamar, dita de
janter^riquissimo aparador, crystaes e
muitdPtmtros objectos.
A' quem comprar, e quizer ficar com a
casa, cede-se gratuitamente as bemfeito-
rias feiias nella, tendo sido pinico tempo
pintada e concertada de novo: encl-
lente morada, muito fresca, contmutos
commodos, tendo quatro quartos, duas
salas, um sotao com quatro quartos, bom
salo, excel lente vista etc.
A' tratar a qualquer hora, das 10 em di-
ante, na ra da Matriz de Boa-Vista, n. 26
segundo andar.
mmwsmym
Vende-se urna pequea armacao com os per-
tences necessarios para taberna, col loeada na ra
direita dos Afogados casa n. 60; ptimo lugar para
ue nonitas cores a negocio, e aluga-se a casa, a qual tem commodos-
A o publico
1 i va\ -w--- -- -- Mv.gw.w, i'iuB o. a va. a i uai tutu liiiiuouws
l*>o00 i assim como fita propria para o mesmo ef- para qualquer familia, e grande quintal murado
jeito a oOO rs. a vara: so no \ igilante, ra do composto de parreiras bem carregadas de uvas
Crespo n. 7. hratiPitR rnmoir.ii; flcrnoiri ninhoiras .> muris ir.
Manoel Ignacio da Silva Teixeira, com padaria
no pateo da Santa Cruz n. 1, e na casa inmediata
da ma do Rosario n. 55, contina a mandar fabri-
car, alem do pao de differentes denominacoes e ta-
manhos, e da melhor farinha quevem ao'mercado,
a antga bolacha furada de differentes tamanhos,
bem como de 5, 10, 20 e 40, sem que lhe ajunte a
menor partcula de oleoso, 6 trabalhada a braco,
propria para saos e doentes, e igualmente a bola-
I cha quadrada, maior e menor, trabalhada no cy-
lindro, assim como biscoitos, fallas e bolachinhs
| doces e tambem com ovos ; e breve mandar fa
i zer as excellentes roscas que se usam no Porto,
i Braga e Barcellos, tambem com ovos, e que annun-
1 ciara o dia, ludo fabricado com esmero e aceio, e
pregos razoaveis, conforme a qualidade.
:\
Oadvogado Joo GoifaUcs
da Silva Yonlarro\o> tem o seu
_ e^crjpiorLo na ra estrella do
i Rosario u. 17, onde pode ser
jlg procurado das 9 horas da nia-
|g nliaa s 3 da tarde.
Ainda este por alugar-se o segundo an-
dar do sobrado n. 44, em a ra da Auro-
ra : quem e quizer dirija-se este mes-
ma. ra casa^n. 10.
Francisco Augusta tem o
sen escriptorio de advogado na ra do
if Imperador n. 69, onde pode ser procu-
Ia? rado das 9 horas da manhaa s 3 da
>~* larde.
Francisco Jos Fernandes Pires dono do grande eslabelecimento de molhados denomi-
nado AURORA BRILHANTE, avisa ao respeitavel publico tanto da praca como de frae com
especialidade aos seus freguezes que o seu eslabelecimento acha-se prvido de novo sorti-
mento de bons gneros tanto do paiz como V estrangeiro e promette vender muito em conta
tanto a retalho como em grosso :
ZAMORA.
DRAMA HISTRICO PELO DR. THEBERGE, NO
QU&L NAO INTERVEN PERSONAGEM
FEMENINA.
Na ra Nova n. it vende-se a i#000 o
exemplar.
Joao da Silva Ramos, medico pela Unt-
versidade de Coimbra, d consultas em
sua casa, na ra Nova n. 50, das 8 s 10
horas da manhaa, e das 4 s 6 da tarde, e
recebe egualmente convites para dentro
ou fra da cidade, com o fim de se encar-
regar de qualquer servigo de sua profls-
sao.
Os chamados deverao vir por oscripto.
spo
Luvas de Jouvin.
Tambem chegou c chegam por todos os vapores
grande sortimento de luvas de Jouvin, oude os fre-
guezes podem escolher : s no Vigilante, ra do
Crespo n. 37.
Entremeios e babadinltos.
Tambem chegou grande sortimento do entre-
meios e babadinhos, que se vendem pelo baratis-
sima prego de 1,5500 a pecinha : s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Firclas para cinto.
brancas, romeiras, flgueiras pinheiras e outras ar-
' vores de fructo, tem cacimba, fica muito perto da
estago c do chafariz, assim como da matriz; a
mesma casa muito fresca, c boa para passar a
festa, tambem se vende a casa se a quizercm com-
prar : quem a pretender dirija-se a mesma casa-
!n. 60.
COMPRAS.
TINTURARA.
Tinge-se com perfeifo para qualquer
cor, e o mais barato possivel: na ra do
Rangel n. 38, segundo andar.
BAYCO V VI AO
ESTABELEC1DO XA CIDADE DO PORTO
AijcbIos em Pernamburo
Antonio Liiiz de OHveira
A/evedo k C .
Sacam iwr todos os paquetes sobre o
mosmo banco prazo ou vista, sobre a
1 aj.v filial em Lisboa, e agencias em Fi-
gueira, Coimbra, Aveiro, Vizeu, Villa-
Rcai, Hegoa, Vianna de Castello, tuima-
raes, Barcellos, Lamego, Covilha, Braga,
Peniftgl, Rraganca, Amarante, Angra,
Ilha da Terceira, ilha de Faias, libada
Madcira, Villa do Conde, Valenga, Bactos,
Oliveir do AzomoLs. Chaves e Fafo a
oitodias'.istaou ao prazo que se con\n-
oionar,nc seu escriploiio xua da Cruz
n. 1.
o n. 29.
Nova loja dos luralciros na ra do Quoiniado.
Velludo de coces fazenda muito boa o covado
:000, baloes de panno 3,5200, ditos de arcos
a :)0Q0, 45OOO e 'SOOO, laas do duas Jarguras
liara vestido o covado 500 rs., chitas francezas o
oovado 360 rs., raolim branco para oiro de
vestido o covado 180 rs., tarlatanas de todas as
ores a vara 720 rs.
Ao ti. 29.
Nova loja dos haralcin s na ra do.Queimado.
Cassa lisa pello de ovo a pega 75500, cambraia
lisa muito fina apega de 17 varas 105, cam-
braieta peca de 42 jardas 7000, cambraia adamas-
cada para cortinado a pega de 22 varas 105000,
iucum finas para senhoras" a duzia 45000, chales
de laa jtonta redonda 325500.
Ao n. 29.
Nova toja dos harateiros na ra do Queimado.
Bicos pretos de linl a vara 120, 160, 240, 320
rs., franjas de soda a vara 80 e 160 rs., galoes
de seda de algedo e de laa para enfeites de vesti
do a pega de 10 e 15 varas a 400, bcles de seda
de velludo e de fustao duzias 120.
Manteiga ingleza flor a libra ,800 c 960
Dita segunda sorto dita dita a 720 e 640
Dita terceira sorte dita dita a 480 e 400
Dita franceza da nova a 560 e em bar-
ris a.......... 520
Dita hamburgueza em barris pequeos
a 600 rs. a libra e.....640
Banha de porco fina a 560 e 480
Cbbuxim miudinho muito superior
a libra........25880
Dito hysson miudinho o melhor possi-
vel a libra.......35000
Dito hysson graudo a.....25720
Dito dito a........253W)
Dito preto o melhor a desejar a 25000
Dito dito.em massos a.....l560
1 Dito nacional em latas de urna e mais
libras a 15600, 15800 e 25000
Queijos do reino do vapor a 25100,25,
15760 e........15500
Dito de prato muito novo a libra 640 e 720
i Dito de manteiga muito frescaes do Se-
1 rid a libra.......640
1 Ditos de qualha a libra.....480
Bolachinha ingleza de 240 e 320 e bar-
rjquiuha a arroba a 25 e 35000
Latas com bolachinha de soda, cracre-
nell, mixide, viloria, pequinique e
outras qualidades superiores a 15600
Ditas com ameixa franceza nova a li-
bra 800 e ....... 15000
Ditas com figos de comadre novos la-
tas de i libras a.....15'i00
Ditas ditas de dito com 8 bras .- 25500
Ditas com raarmelada nova a libra
640 e .........720
Ditas com massa de tomates a libra
640 e.........700
Ditas com peixe de Portugal muito
bem conservado cm molho sondo sa-
vel, salmonete, cong;ro, goraz e ou-
tros a ......... 15800
Vinho do Porto em pipa muito ^fino
640, 720 e
800
Dito da Figueira puro a 560 e caada 4-5200 ^
Dito dito a 480 e caada .... 35800 m.
Dito de Lisboa branco proprio para ^
mesa.........640 yg:
Dito de dito cracavelos, temo e outros WL
a500.........600^|
Vinagre de Lisboa puro a 240 c 280 e
caada........15600
Serveja branca e preta a garrafa 500
560 e........640
Vinho Bordeaux em caixa a 85, 95 e
105 e garrafas a 800, 900 e .
Genebra de laranja em frasco a 15 e
Dita verdadoira de Hollanda a 640 c .
Frascos eom conservas inglezas a .
Dito com mustarda franceza a 480 e .
Alpista arroba 55 e libra ....
Espermacete libra 640, 720 e .
Velas de carnauba e de composieao do
Aracaty arroba 105 e libra 360 e
Carne do Serid a libra ....
Linguiga do sertao nova a .
Charutos linos de Simas, suspiros, pa-
risiences, regala, delicias e muitas
outras qualidades c autores para di-
versos pregos ......
Emilias novas a libra a .
Scvada nova em grao arroba 2500 e
Ulna.........
Sabao hespanhol branco a .
Sabio massa a 160, 200, 240 e .
Vassouras de timb e grande quanti-
dade a........
Saceos grandes cora farinha de Goian-
na a 45800 e........55300
Ditos eom farello de Lisba de 100 li-
Compra-se urna parelha de cavallos de bom
tamanho e j ensinados para andar cm carro : tra-
ta-sc no armazcm n. 52 da ra da Cadoia.
Compram-se Diarios a 45 a arroba : na ra
Direita n. 61, loja de chapeos.
Compram-se 200 pallias [de coqueiro : nos
Apipucos, a fallar com o Sr. Jos Alfonso Ferreira.
~NalirdrCres"pyH76 cop7sTuTna ba- Pel baratissimo preco de 680 rs. a vara.
*io para vender.
Vende-se um excellente sitio muito perto d
praga na estrada de Santo Amaro n. 2, d-
Tambem chegou grane"sortimento de lindas fi-: frn'e do sitio do Maduro cm chaos proprios com
vellas de ac e de metal com pedrinhase sem el-, ca.sa,d,5 vivenda de pedra e cal, muito fresca, cora
las, pelo barato prcc,o de 25 c 24300, dando-se a boa 1,aixa Para caPim e hrta Pr ter agua todo
fita para as mosmas : s no Vigilante, ra do anno de nascenga, com muitos e bons arvoredos
Crespo n. 7. de fl'ucto; a tratar-sc na ra dos Guararapes
0 GALLO CA^TA.
J sabido que o gallo nao podia deivar de can-
tar, annunciando a seus numerosos freguezes os
riquissimos pentes, que acaba de receber por este
ultimo vapor.
^Hoklo francez a i2iai^
meia libra
E' chegado pelo ultimo vapor de Bor- 5^
deaux aquella excellente pitada a 15200
a meia libra ou 2 kylograinmas : cm ca-
sa de Manoel \o arniazeui de fazendas bara-
tas de Mantos coc lio
Rl'A DO QUEIMADO >'. 19 VENDE-SE O SE-
Gl'l.NTE :
Cobertas de chita da India
pelo barato prego de 250OO.
Lencos
de panno de linho a 25000.
Lences
de bramante de linho fino pelo barato prego de
35000.
Lencos de cassa
brancos, finos proprios para algihoira pelo barato"
prego de 25000 e 25'tOO a duzia.
Fil liso lino
langa grande com 5 pesos do 2 arrobas, 1 arraba,
1|2 arroba, 8 libras, 4 libras, 2 libras e 1 libra,
tudo j usado.
Compram-se barriquinhas que serviram de
bolachinha americana a 500 rs. cada urna : na
travessa da ra das Cruzes taberna n. 6.
- Continua-sea comprar ouro e prata em obras de rol com 10 lariS (f?^ffi? wia a 350-
Mada|H)lo fin
pegas de madapolo largo superior pelo baratsi-
mo prego de 85000.
Ricas saias
de fustao a 55500.
Pegas de brelanha
orn ?3 usadas : nopateodoTergon. 12, taberna.
900
960
800
640
180
880
400
240
400
240
100
280
280
120
Pegas do cambraia
NOVA EXPOSIC40 HE FAZENDAS,
Baratissimas que se vendem para apurar di-
nheiro, na loja e armazem da Arara, ra
da Imperatriz n. 5G, loja de Lourenco-
Pereira Mendes Guimares.
Neste grande estabelecimenlo acha-se um
grande sortimento de fazendas, tanto para o
matto como para praca, adviutindo aos
seus freguezes que as fazendas tem subido,
porm no seu eslabelecimento cada vez ven-
de mais baratissimo, na loja cima da Arara,
ra da Imperatriz n. 56.
Principia Arara, cassas oryandis a 200 rs.
Vende-se cassas organdis de quadros, cor
de caf para vestidos a 200 rs. o covado, cas-
sas francezas Anas 240, 280 e 320 o cova-
do, pupelina de quadrinhos para vestidos de
senhora a 320 o covado: ra da Imperatriz
n. 50, Arara.
Sediuhas da Arara a 06O rs.
Vende-se sedinhas de quadrinhos c de lis-
^ftinhws miudas para vestidos de senhora e
meninas a 500 o covado, laazinhas de qua-
drinhos a 320 o covado, ditas muito finas
transparentes, fazenda chegada neste ultimo
vapor a 400, oOO e 500 rs. o covado, tata
qualidade s tem Arara : ra da Imperatriz
n. 56, de Mendes Guimares.
Oulra pechinrha na Arara a 210 rs.
Vende-se chitas francezas cores fixas com
pequeo toque de mofo, porm afianca-se que
logo que se lave fica limpa, padres oscuros
- Compram-se duas negras porfeitas cozinhoi-
ra6 c engommadeiras : na ra de Apollo n. 84,
segundo andar.
Compra-sc cobre e lato velho :
na ra da (adeia do Hecife n. 36, pri-
meiro andar.
I Comprase effectivamente ouro e prata em
obras volhas : na praga da Independencia n. 22 lo-
jde bilhetes.
adamascada para cortinado com 20 varas pelo ba- e claros a 2i0 c 2ao rs/0 ^.^^ (|tas ,m.
rato progode 1^ ^ fi ^ Q
fino com dez palmos de largura pelo barato prego "a loJa da ra .da Imperatriz da Arara n. oG
de 25300 a vara.
Toalbas alcochoadas
VENDAS.
para mo pelo baratissimo prego de 55000 a du-
zia.
Aloalbado de liuho adamascado
proprio para toalha de mesa a 25500 vara.
Algodo monstro
com 8 palmos de largura pelo baratissimo prego
de 15000 a vara.
Cortes de caiga
de Mendes Guimar3es.
Arara vende as camisas para senhoras.
Vende-se camisas para sentaras com goli-
nhas e punhos, eom bc^tizinho c grvala^
fazenda vinda por este ultimo vapor a 4>>oO
cada urna, golinhascom bolaozinho e punlio
muito finas a 1/jMMXn gravatinha ou golinha
com bolaozinho papa senhora a 320 rs.,
s na Arara vend-se capinhas bordadas
&"<' v
Maques sobre Portugal
Oabaixo assignado, agente do banco
mercantil Portuense nesta cidade, saca ef-
fectivamente por todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
qualquer somma, vista e a prazo, po-
aondo logo os saques a prazo screm des-
contados no mesmo banco, na razjio de 4
per cento ao anno aos portadores que as-
simjhe convier : as ra* do Cmjo n.
8 ou do Imperador n. 51.
"aaqaim da Sjjva Castro.
AVISO.
Francisco Jes Alves Guimares, Joaquim
Olintho Bastos e Demetrio .\ccacio d'Arau-
jo Bastos, memln-os da firma social de GUI-
MABilES & BASTOS, avisam ao publico e
ea sais freguezes e amigos, que transferiram
o sen eetabelecimento de fazendas denomina-
do Loja da Boa F da casa da ra do Quei-
mado 9.-22 para a casa da mesma ra n. 46,
niide surttMHo de fazendas de todas as qualida-
des ederoupasfetas.
Participm tambem que esabeleceram
urna olficina de alfaiate, a qual est sendo di-
rigi4a por um hbil mestre, pelo que estSo
promptos a mandar apromptar qualquer obra
de alfaiate, por medida e a contento do fre-
guez.
Esperara, pois, os mesmos que continua-
do a merecer preferencia, que at hoje os
seus freguezes e amigos Ihes tm dado.
" Precs*-M de urna ama para todo o servigo
de urna casa, prefure-se escrava ; na ra Direita
numero 16.
Al usase no Poco
urna casa na ra do Rio n. 16; com bom banho na
frente, 2 salas e 3 quartos, cosinha fra, quintal
murado de novo, fazendo frente para a ra da
Poeira, com porto onde se disfructa o pato da
ja.'fiz, s pela festa ou .innuaJflM) f pelo preco
nao deiar?o de passar a festa nroatar na rna do
Aragao n. &
Ditas com ostras americanas a .
Ditas com sardinha de >'antes a 360 e
Ditas com finetas em calda a .
.Massa para sopa, maearrao, talharim,
aletria, eslrelinha, pevide, rodinhas
e arroz a libra ....
Canas com libras de massas sortidas a
Batatas novas inglezas a libra 60 rs. e
arroba ........
Resteas com grandes sebolas cento a .
.Sulla.- a.........
Presunto de Lamego a libra .
Dito inglez para fiambre a .
Vinhos genuinos engarrafados no. Por-
to, chamico, duque do Porto, lagri-
mas do Douro e muitos outros finos
de 15280 a 25300 a garrafa, e duzia
de 145 a 205, dito engarrafado
aqui a........
400
oOO
300
480
25500
15600
25000
800
320
750
35000
45000
320
640
320
640
100
E um sera numero de objectos que nao possivel mencona-los.
bras a 45300 e
Ditas com arroz de casca novo a .
Azeite de coco c carrapato a 480 e .
Dito doce de Lisboa a garrafa .. .
Amendoas novas libra.......
Passas novas libra 480 e......
Gomma muito alva e nova arroba 25800
a libra..........
i Dita mais trigueira arroba 25 c libra
60e..............
Linguigas do reino novas de 360 e ..
Sevadiha e sag novo libra .. .
Ancoretas com azeitonas novas a ..
Espirito de vinho a garrafa .. .
Magos com 2Qiiiacinhos de palitos
nos para ovhtcs a........
Tapioca nova libra......
i Toucinho de Lisboa novo arroba 105
e libra..........360
Balainhos do Porto c- diversos tama-
i nhos ..........
Cordas para amarrar animaes e an
daimes
. !. !i .V .?. A, J.
BEST QUALITY.
de ganga amarellade lista e de quadro fazenda su- para menino a 15000 cada urna, eutro-iurius
ce pat-
80
640
320
15280
280
A-
200
160
Colourcd flanncl shirts of choi
terns, at n. 4 ra do Crespo.
Camisas ingle as
de flanela de cores muito lindas, ven-
dem-se por prego commodo; na ra do
Crespo n. 4.
Vende-se um faqueiro e doze colheres de

perior pelo baratissimo prego de 15200 o corte.
Laazinlia de quadro
de gosto inteiramente novo pelo baratissimo prego
de 480 rs. o covado.
Pegas de cambraia de salpieos
fina com 81/2 varas pelo baratissimo prego de 45.
Pegas de ramhraia de forro
pelo baratissimo prego de 25200.
Esleir da India
para forro de sala de 4. 3 e 6 palmos de larsura.
CHAMAMOS
e tiras bordadas para enf itar vestidos a
15000 e 15280 a peca: na loja da Arara,
ra da Imperatriz n. 30.
Reilinhas da Arara para senhoras.
Vende-se redinhas para segurar cabello a
15000 rs., enfeites para caheca de senhora a
lfOOOrs., meias cruas para senhora a MO,
lencos de retroz para meninas a :i0 rs. s
na Arara, ra da Imperatriz n. M. de Mon-
des Guimares.
Ainda mais urna nediiticlia na trata a 2->000 rs.
cha c 1 para assucar : na ruada Gloria n, 9-j. A tteilCUO do respeitavel publico Vende-se cortes de chitas inglezas a 5000,
Vende-se um carro americano-de 4rodas,' Custodio t irviilio A C | ditas francezas com um pequeo toque de
com assentos para duas ou quatro pessoas : na; ,*,- mfo porm afianco que logo que lave fa
cocheira do Sr. Paulino, praga do capim._______ 2/ Com armazem de fazendas a ra do Queimado 2/ |jmi)a> vendo-se a 5.*i0 cortes de listados
Pentes de tartaruga. Rcceberam pelo ultimo vapor, urna verdadeira suissos, com 14 co'vados'a l^OOO, cortes de
que gosto e delicado trabalho, fingindo urna cas-
carrilha guarnecida por botaozinhos, poderao man-
dar comprar antes que se acabem, pois foi urna
pequea amostra que o fabricante mandou s para
para o Vigilante da ra do Crespo n. 7.
Calvas de tartaruga.
Tambem os amantes da boa pitada acharad
grande sortimento de lindas caixinhas de tartaru-
ga branca e de cores, de todos os tamanhos, para
rap, proprias at para dar de mimo: s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7.
Custodio, Carvalho V c.
27 Com armazem de fazendas ra do Queimado 2/
Rcceberam pelo ultimo vapor, urna verdadeira
pentes de lar- Pech'r. deiros organdins indianos, e pelo baratissimo prego l"-". ',u,us1 .
de 300 rs. cada um covado, fazenda esta que se acauar, ditos de barras de seda a .15000 rs.,
devia vender preco de 800 rs. cada um cova-. ditos brancos bordados de groxe enfeitados
do. Por ser urna verdadeira pechincha que com entre-meios a r)000: ra da Imnoia-
chamamos attencao do respeitavel publico, atim de ,..7 |n.. a rr. n ;< ,io \i.>ri virem sortirem-se 23**. a*TfarpnHa mn, ulz> ,0Jd a Ara,a n- (|e Alendo bui-
barata.
de vestidos de fazenda
Ruado Queimadon. 27.
Vende-se urna porgao de casaes do pombos
batedores: na ra da -Matriz da Roa-Vista, taber-
na n. 27.
maraes.
Arara vende roupa frita.
Vende-se calcas de- meia casimira e de
brim a 25000 rs palitos de brins de cores
SEGUROS DE VIDA EM MUTUALIDADE.
A direceo do BANCO UNIO tendo obtido do governo de S. M. F. a autorisugao para estabele-
cer o seguro de vidas em mutualidades, faz publico que desde j toma subscrpg5eg annuaes por urna
s vez, debaixo das seguintes condigoes :
Com perda de capital e lucros;
Dito capital smente;
Dito lucros smente;
devendo a primeira liquidago ter lugar no 1 de Janeiro de 1839.
As vantagens do emprego de capitaes em mutualidade, sao obvias, porque nao smente se co-
lhe o juro de quantias diminutas, de que avulsas se nao poderia tirar nenhum resultado; mas alm
disso, este rendimento augmentado pelo capital ou lucros, ou ambas as cousas, conforme as condigoes
da subscnpgjio, dos que falleeem. Tambem partido pelos socios sobreviventes tudo aquillo que os so-
cios morosos nos seus pagamentos, sao por este motivo obrigados a pagar, bem como caducidades que
occorrerem pela falta de cumplimento do compromisso social.
As liquidares sao pelo svstema dascompanhias nespanholas, Tutelar c outras; e parase poder
fazer urna idea do que pode produzir urna entrada annual de 105, publica-se a seguinte tabella basea-
da sobre a experiencia de muitos annos decompanhias deste natureza :
Em o annos Em 10 auno* Em l.'i annos Em 20 annos Em 25 annos
Por um menino de 1
i de 1
de i
i de 3
> de 4
Por urna pessoa de 15
> de 20
> de 30
, de 40
dia
anno
i
2
t
i
18
20
80
40
.50
anno 1105
863
864
863
863
903
4003 9003
3003 7503
2903 7203
2803 7103
2703 7003
2703 7003
2703 7103
2703 7203
3003 7503
2:0003
1:7003
1:6003
1:3603
1:3503
1:5403
1.5603
1:6000
1:8003
7003
7003
5003
4003
3503
3303
4003
7003
0003
As entradas por urna s vez dao resultados muito superiores s annuaes.
Porto, 10 de agosto de 1863.Os directores do "Banco UniSo, Jos da Silva Machado.F. M. van
der Niepoort.
Agentes em Pernambuco : Antonio Ln de Oliveira Azevedo A C, ra da Cruz n. 1.
n. 15, das 9 horas da manhaa as 4 da tarde, o se-
- Vende-se a taberna da praca da Boa-Vista n. I guinte : cartas de ARC, teboadas, cathecismos de
21 propria para principiante por ter poucos fundos doutriua christia, cartas para convites de enterro,
bem afreguezada para a trra e na mesma se dir o officios de defuntos, pautas, traslados, procura-
o motivo porque se vende. l cocs bastantes geraes e especiaos, apudautas, le-
----------- tras, conhecimentos, carlilhas. Simio de Nantua,
obra completa, economa da vida humana, diccio-
Azevedo & narios fraucezes, e francez para quem correcta-
mente quer' traduzir o francez, selecta franceza,
Zinco em folha.
Vendem na ra do Queimado n. 32
Irmo.___________________________
Vende-se um escravo bom criado e bom co-! Virgilio, Horacio, tudo por prego mui commodo.
zinheiro, de idade 30 annos : na travessa do Car- ADrovelteui o barato.
Urna mobilia de Jacaranda cm bom uso, constan-
- Contina a vender-se na ra do Imperador a 25">00, ditos brancos a 35000, ditos de Ca-
simira a 45000 e 05000, camisas francezas
a 15000, 25 e 25500, ditas de linho de pre-
ga larga a 35000, seroulas de bramante de
algodao a 15000, ditas de linho a 25. bra-
vatas a 400 e 500 rs., pares de meias a 120
e em duzia a 15iOO, 25500 e 35: ra da
Imperatriz, loja da Arara n. 50.
Corles de lia a 35600, t 10 re.
, Vende-se ricos curtes de la de quadri-
nhos a 35600, 45 e 5jjl cada corte, s na
mo n. 1.
pim._,---------_. i i ni.i uiuuilia ur j.iL.u anua aui uuin uau,
Vende-se oleo de ricino muito novo em lates te de 2 banquinhas do abrir o lampo, 1 mesa de Arara ; ra da Imperatriz, loja da Arara
por prego commodo : na fabrica da travessa do meio de sala, 1 sof e 10 cadeiras por 1203, tudo n# 50.
Carioca n. 2, Caes do Ramos.________________ dinheiro viste : na ra nova de Santa Rite n. 65,
Vende-se um boi de carroga grande e gordo, ou ra Augusta n. 54.
na tra-
assim como urna vacca lourlna com cria
vessa da Ponte de l'eha, segundo sitio.________
Vende-se urna escrava de idade 28 annos,
boa cozinheira, engomma e lava, s quer ir para
o mato, por 5503 : na travessa do Carino n. 1.
Farinha.
Vendcm-se saceos grandes com muito boa fari-
nha de Santa Catharina a 43500 e 53, assim como
saceos com dita grossa propria para animaes a 33,
farinha de ararute verdadeira em caixas de 4, 8 e
Vende-se urna escrava perfeite engommadei-116 libras a 800 rs., tercio de Lisboa, saceos gran-
ra e cozinheira, de idade 25 annos: na travessa do' des, a 43500 e 53, de arroz de casca e milho a 43 :
Carmo ni n0 armazem da aurora brilhante, largo da Santa
Cruz n. 84.________________
gn' Vende-se um correntio de ouro de lei, e um
a relogio de prata patente suisso : no largo do Pa-
raizo n. 14.
A prazo ou a dinheiro.
Vende-se urna excellente barcaga de 28 a
caixas, muito bem construida e aparelhada :
tratar na ra do Apollo n. 4, primeiro andar.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da
roa da Cruz n. 40, muito proprio para qualquer
e*criptorio ou residencia de rapazes soltetros : a
tratar no armazem do mesmo sobrado.
laboratorio honteopathleo, ra
\ova o. 43.
O Dr. Sabino Olegario Ludgero Pinho tem en-
carregado da sub-gerencia do seu estebelecimento
ao Sr. Jos Alves Tenorio, professor em homeopa-
thia. e competentemente habilitado para substitu-
to em aualquer ausencia
PrecS3-se ^e ,;000W a premio de um por
cento e por temW ^e mezes 80,)re hypotheca em
urnaUA terrea livre e u^mbaracada, a guaina
Aluga-se a loja do sobrado n. 19 da ra Ao-
va, propria para qualquer estebelecimento : a tra-
tar na ra da Cadete n. 62, segundo andar.
Continua a haver pao de senteio novo nos dias
quartes e sabbados de cada semana, na Dadaria
em Santo Amaro ao p da fundigao, na ra" da Im-
peratriz n. 22, e ra do Rrum, confronte o chafa-
riz n. 47, ra das Cruzes, deposito n. 39, na Pas-
sagem, taberna da esquina do Sr. Bento, que vire
para o Remedio, e no armazem progresso, largo
da Penha n. 10.
de 30JI mensaes: quem tal
dirija-Be a ra Augusta n. 8f.
neu*.
quizer fazer
Claudio Dubeux convida os seus benignos
credores a virem receber no seu flcriptorio na
ra do Imperador n. 43, o primero djvitten? d
respectiva concrdate de 4 de outubro d 692.
vende-se ou aluga-se
Vende-se um bom sitio no lugar da Capunga
Velha, com boa casa para numerosa familia, com
um bom tanque para banho e viveiro com peixe e
^^^StiififfiS? a 132" SStf'^ :dnoTr-
'.5I2:------------------ mazem da estrella, largo do Paraizo n. 14.
lueijos e vinhos,
Queijos frescos a 13800, vinho da Figueira e
Lisboa a 23800 a caada, e 360 rs. a garrafa, man-
teiga ingleza flor a 800 rs., e franceza a 560, cha
fino a 23700 e 23200, preto a 13760, arroz a 90
Chales
definissimogazedeseda, ditos de1 tematar^de noeir0) c bom para enxada: na ra do Queimado
Vende-se um escravo bom oleiro, bom ca-
gostos chinezes os mais lindos possiveis, e ditos n- >.
nalmente denominados mexicanos, de muito bellos ulf *'
Arara vende ricas rol\as avelndadas a 85000 re.
Vende-se ricas colxas aveludadas para ca-
ma a 85, ditas de fustao a 55, ditas de da-
masco a 4fjl, cobertas de chita a 2^0o6 ; roa
da Imperatriz, loja da Arara n. 56.
Lencos de seda da A. ara a 800 rs.
Vende-se lencos de seda fino, um s a
800 e 1,5000, ditas com ranxa a I55QO,
chales de merino estampados a 35000, ditos
finos a 5)91, 60500 e 85, s na Arara; roa da
Imperatriz n. 56.
Arara vende as cambraias de careeinbos 25500
Vende-se pecas de cambraias docaroei-
nhos de cores brancas a 20500 a peca, cam-
braia liza fina a 35 e 35500, ditas para cor-
tinados de 20 varas a 85, ditas de 10 varas
a 40, e 35, cortes de cassa com palmas sol-
tas, com 1 vara de largura a 20, na Arara ;
ra da Imperatriz n. 56.
Casimires d< Arara.
Vende-se cortes de casimiras escuras a
l06OO|e 20000, tambem se vende em covado,
i covado e tres quartas d urna calca a 10
padrSes, sendo todos esses chales muito recommen-1 Vende-se ou aluga-se urna casa de taipa na vado na loja da Arara,
daveis para a presente estecao, e sobre tudo pelo povoagao de Reberibe, com 5 quartos, 2 salas, com j WJV B.t A. .nrhilM
seu diminutissimo prego que de 43 cada um. armagao para venda : quem quizer comprar, diri-
ja-se mesma casa, ou ra de Santa Rita n.
Palitos do gaz.
Vendem-se continuadamenie no deposito geral,
travessa da Madre de Dos n. 16, armazem de Fer-
reira 4 Martins, em porgos e a retalho, por m-
dico prego.__________ _____________
II.
Massa phosphorlca
para matar ratos e barates a prego de 300 rs. cada
pote, cujo effeito prompto e infallivel : na tra-
vessa da Madre de Dos n. 16, armazem do Fer-
reira Mfartias,
INSTALUQAO.
A BOA F.
Ra do Queimado n. 22.
prielario, este resolveu fazer asna insttllacSo, ex-
pondo ao respeitavel publico deste captol um
e muito bello sortimento de
Vende-se baloes de arcos americanos a 30
30500,40 e 405OO,bales de panno a 30500,
ditos brilhantina a 40, s na Arara vende-
se pecas de madapolo enfestado fino a 40,
ditas de 14 jardas fino a 50500, 70e80,
algodo cncorpado a 40, 40500 e 50000 rs.,
Este estebelecimento tendo passado a novo pro- go na Arara; roa da Imperatriz, loja1 e ar-
mazem da Arara n. 56, de Lowenco Perei-
ra Mendes Guimaraea.
-
nn*M


Diario de Pemamlmco Quarta felra % de Outnbi-o de 1663.
GRANDE EXPOSICftO
'O covado
ra vestidos e roupinhas
, i. o covado; alpakinou
.Ifarguro de linho, a 2(50 rs. ; panguelin,
de fazendas baratissimas que se \en- uma s cr> a m rs 0 covado. ^ d
linho adamascadas para rosto, a 4#; vestua-
deni para liquidar; na loja do Pa-
vao, ra da lmperatriz, n. 60.
Neste estabelecimento acha-se um grande
e variado sortimento de fazendas,. tanto de
luxo, como de primeira necessidade, pro-
prias para a praca e para o matto, que se
vendem por precos muito resumidos, de to-
das as fazendas d5o-se amostras, deixando
penhor, ou mandam-se levar em casa das.
familias para escolherem, pelos caixeiros da
loja do Pav5o.
i,as com O palmos de largara
na loja do Pavao. i so.
VeDdem-se I5azinlias transparentes de lima
s cor, de quadrinhos proprias para capas
e vestidos, -tendo 9 palmos de largura, pelo
baratissimo preco de t#400 o covado; s
na ra da lmperatriz n. 60, lojado Pavao.
O Pavao vende las de 4 palmos
de largara a 500 rs.
Vendem-se lazinhas infestadas, sendo das
mais modernas, de uma s cor e de qua-
drinhos, proprias para vestidos e capas, pelo
baratissimo preco de 500 rs, o covado; di-
tas matisadas, fazenda muito fina a 500; di-
las garibaldinas a 4i0rs.; ditas dequa-
dros a 360 e 280 rs.: s na loja do Pavo,
ra da lmperatriz, n. 60. de GuimarSes d-
Silva,
Jiazlnhas a 200 rs. o covado.
S o Pavo.
Vendem-se las de cordozinho proprias
para vestido, sendo muito boa fazenda, com
as cores seguintes : alvadia, cor de caf.rxo
nos para meninos e meninas, a 10600 e 2#;
tiras bordada's e entremeios, mais barato que
em outra qualquer parte: tudo isto pe-
chincha e vende-se para liquidar: na ra da
lmperatriz n. 60, loja e armazem do Pavao
de Gama Silva.
Grosdenaples a 1:300 rs., na loja do Pavo.
Vendem-se grosdenaples preto muito boa
fazenda, a 10500, 10600, 10800 e 20 : s
na loja do Pavao, ra da lmperatriz n. 60.
Para luto vende-se na loja do
Pavo.
Vendem-se finissimo selim da China, fa-
zenda sem lustro, proprio para vestidos de
senho:as, para capas e roupa para homem,
tendo esta fazenda 6 palmos de largura e
sendo muito leve, vende-se pelo baratissimo
preco de 20200 o covado, garantindo-se que
nao se torna ruca, e vendem-se nicamente na
loja do Pavao, ra da lmperatriz n. 60:
Cortes de chitas a 2:000 e 2:500 rs.
Na loja do Pavo veude-se cortes de chitas
inglezas, tendo 10 covados, a 20, e com
12% covados, a 20500, sendo todas de pa-
droes escuros: na ra da lmperatriz n. 60,
de Gama & Silva.
Carnauba.
Vende-se cera de carnauba em saccas, por
preco muito em conta, ou mais barato do
que em outra qualquer parte : a tratar na
ra da lmperatriz n. 60, loja de Gama -
Silva,
Os cortinados do Pavao.
Vcndem-se os mais bonitos cortinados de eam-
braias adamascadas, tapadas e transparentes, pro-
escuro, claro e pretas, proprias para luto ; priospara adornanancllas e para camas, ten'do de
ditas transparentes com palminlias, pelo ba-j varios gostos c porcao de pares iguacs, conforme
rato preco de 280 rs.; ditas infestadas de possam precisar, c vendem-se nicamente na loja
quadros a 280 rs. : s na ra da lmperatriz, I do Pavana ra da lmperatriz n.60, de Gama &
n. 60, lojado Pavo. ',
GRANDE PECHIWCHA ..... .....
a O rs. na loja do Pavo.
Cassas a 210 rs.organd a 2i0 rs.
Vendem-se muito bonitas cassas francezas
EM ftEtt lVIMI.
QU1NQU1LHARIAS.
Ra do Queimado, ns. 49 e 55, lojas de
Jos Bigodinho, queiram ver ver as fazendas
que abaixo annuncio, pois todas eu garanto
que sao muito novas e baratissimas.
Pecas de trancas de algodao de to- j
das as cores a....... 80
Duzias de linhas com 200 jardas, A-
lexandre, a..... 10100
Carritel de qualquer numero 100
Varas de aspas para balo 80
Caixas com superior obreias a 40
Ditas de colla....... 80
1 libra de la sortida ..... 40000
1 libra de la muito superior em co-
res e qualidade......70000
Pares de botes de punho a ... 120
Pares de sapalos de .tranca .10280
Ditos muito superiores, a 10600
Caixas e pacotes de papel amisade de
cores a. ....... 600
Duzia de raeias muito finas para e-
nhora a........30500
Duzia de ditas cruas para homem a 2*400
300
30
20
60
o Pavao.
Vendcm-se os mais modernos vestidos a Sou-
thambae, com barras de seda pelo diminuto preco
de 105000 cada um : s na loja do Pavao, ra da
lmperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Um confeio e especifico para
expellir os Vermes,
Sc'-'S de quadriuhos a 800 rs. s o
Pavao.
Vendem-se as mais delicadas sedinhas de qua-
drinhos, muito miudinhos, sendo proprios para
vestidos de senhora e roupinhas para meninos c
meninas, sendo fazenda que sempre se vendeu a
1 re cnvi.ln nraan/K- mil nl 11-SSOO e torra-se a 640 e 800 rs. o covado, e sedas
a_4U rs.o covado, rgano) malisacio, pa brancas lavradas, proprias para vestidos de noivas
droes muito bonitos a 240 rs. O covado ; 'a 800 rs. o covado : s na loja do Pavao, ra da
ditos, fazenda finissima que sempre se ven-; lmperatriz n. 60, loja de Gama Silva.
deual0OOO avara, liquida-se a 600 rs. a Ricos vestidos de Soulhambac, vende
dida.ou 300 rs. o covado, por liaver grande
porco : na ra da lmperatriz, n. 60, loja
do Pavo, de Gama & Silva,
Xova pechincha de cortes de
cambraia na loja do Pavo.
Vendem-se corles de eambraia brancos
com babados. a 20500; dilosa 30000; ditos
a 40000 ; ditos chinezasa 4000o ; pecas de
eambraia transparentes, adamascadas, pro-
prias para vestidos, tendo 8 varas e meia a
30000; ditas lisasbrancas e decores a 20500,
30000, 3500, 40030 e 50000 pecas de
eambraia de carocinhos tendo 8 varas e meia
cada uma, sendo brancas e de cores, a 30500;
ditos a 20500 ; pecas de eambraia para cor-
tinados, sendo tapadas e transparentes com
20 varas cada peca a 90000, isto tudo para
apurar dinheiro: na loja do Pavo, ra da
lmperatriz n. fiO, de Gama & Silva.
O Pavo vende chales
A 20000, 20500, 30000, 50000, 60000.
70000, 8,000 e 100000-
Vendem-se diales de mam eslampados,
clacos e escuros a 20, 20"fe 30000; ditos
m'uilo linos de todos os pregse qualidades,
tanto de ponta redonda como quadrados;
:issim como inissimos chales de crepon com
cores inteiramente novas e ricamente bor-
dados a matiz, sendo chegados pelo ultimo
vapor a 100000 : dilos de pello, bordados,
a 20 s na loja do Pavo, ra da lmpera-
triz, n. O.
Ascassmiras do Pavo infesta-
das a lGOO.
Vendem-se casemiras francezas enfesta-
das, proprias para calcas, coletes, palitos,
o capa para senhoras, por ter de urna s
cor, sendo fazenda que sempre se venden
a 30000. liquida-se a 10600 o covado : s
na loja do Pavo.
Cirande peehincha em chapeos
de sol na loja do Pavo.
Vendem-se chapeos de sol, a ingleza, sen-
do cobertos de linho e forrado de verde, pro-
prios para senhoras que forem passar a fes-
a, ou para meninas levarem para a escola,
pelo barato preco de 1060 i; ditos marque-
zinhas, de seda com franjas e cabo de do-
brara30OOO; dilos de seda para homens,
sendo com armaeo de balea a 60 e 70, isto
para apurar dinheiro : s na loja do Pavo,
ra da lmperatriz, n. 60.
Caxemlras da Escocia a 2000
o corte.
Vendem-se cortes de caxemira da Esco-
cia, para calcas, pelo barato preco de 20,
tendo da mesma iizenda para vender em
covados a 580 rs., sendo esta fazenda mui-
to encorpada a imitagao de caxemira, e ga-
rante-se que nao desbota. Tambem se ven-
dem cortes de caxemira ingleza, d cores
escuras para calca pelo barato preco de
1*800 cada corle, ou a 500 rs. o covado :
s na loja do Pavo, ra da lmperatriz,
n. 60.
Uadapolo infestado a 4000
S o Pavo.
Vendem-se pecas de madapolao infesta-
do com 12 jardas a 40000, ditas a 40500,
ditas com 24 jardas a 70500 e 80000 : s
na loja do Pavo, na ra da lmperatriz.
n. 60.
Ricos vestidos brancos.
Vendem-se os mais ricos vestidos de eam-
braia brancos, bordados a croch, sendo os
mais moderno? que lem vindo ao mercado,
tendo as saias 4 pannos, e vendem-se pelos
baratos precos de 100, 120 e 16 : s na
loja do Pavo, roa da lmperatriz, n. 60, de
Gama & Silva,
ADMIREN! AS PECMNCHAS,
na loja do Pavao.
Ricos cortes de eambraia brancos com ba-
bados e duas saias bordadas crox, tendo
bastante fazenda para vestido, pelo baratis-
simo preco de 30 cada um; ditos de eam-
braia de seda com barras e babados, a
20500, para acabar; cortes de vestidos a
Mara Pa, sendo fazenda de bonito gosto, a
35500; cortes de eambraia brancos com ba-
badinhos, a 20; enfeites para cabeca, sendo
Garibaldi e a turca, a 40; ditos com fitas
e flores, a 20; camizinhas bordadas para
senhoras, a 10; manguitos de varios model-
los, a 400, 500 e 640 rs; calcinkas para
meninas, a 500 e 640 rs: gollinhas bor-
dadas, a 320 e a 500 rs.; sedas de qua-
drinhos, a 640 rs.; ditas de listas, a 400 rs.
Baralhos muito Gnos para voltarete a
Carriteis de iinha com 100 jardas a
Cartoes de Iinha branca e de cores a
Novellos de Iinha com 400 jardas a
Ditos muito grandes com 800 jar-
das a .......120
Carles de Iinha com 200 jardas (est
se acabando a...... 60
Vara de fita prela com colxetes para
vestido, e tem um resto parda a 100
NEJI SECiUMIO.
Ohjectos de tintura c musita.
Na ra do Queimado, ns. 49 e 55, est
queimando tudo pelos precos abaixo decla-
rados, e prestem toda a attenco para ver
o que bom e barato.
Duzia de facas e garfos muito finos a 20500
Dita dita dita de cabo preto muito
finas a.........30200
Dita dita dita de balanco, melhor,a 50500
Tesouras para costura, muito fi-
nas a .........400
Ditas ditas para unhas, muito finas a 400
Cartas de alfinetes de ferro a 80
Ditas ditos de lato muito finos a 40
Ditas de dito grandes.....120
Caixas de phophoros de pao 10
Grosa de ditos do gaz a 20200
Duzia de dito dito a 200
Massos de palitos para denles a 160
Abotoaduras para coletes a ... 160
Escovas para roupa.muito finas a 400,
500 e.........800
DE KEMP.
Os meninos ;\ pedem gritos, ]>or elhis bo do cheiro, sabor e cor agrada-
veis. A elegancia, a seguridade de ae-
ran, o inoft'ensivo das
Pastilhas Vermfugas de Kemp
A PAB I>\ SO \
C'oiiinasfc.ao exclnsivanien:e Vegetal,
sfo estas pois as euaa melliores e mais
completas de tocias as recommendacus
que se porga fazer e com justa razSo as
collocfu i;a categora d'aui favorito uni-
versal.
A BTrperioridade das
Pastilha3 de Kemp
sobre todas as preparares destinadas
para o mesmo im devklo sua sim-
ples composico sio sen aroma agrada-
vel e i rapidez c infallibilidade com
que alcanca a destruico total das
LOMBRIGAS.
A venda as boticas de Caors & Barboza,
ra da Cruz, e Joo da C. Bravo & C, ra
da Madre de Dos.
SEJJI SEGUIDO.
PECHINCHA.
Perfumara de superior qualidade.
O rival sem secundo, ra do Queimailo,
ns. 49 e 55, est disposto a vender mais ba-
rato que nunca vendeu, para o que queiram
ver :
Duzia de saboneles finos a .
Sabonele inglez, o melhor, a .
Frascos com agua de Colonia muito
fina a...... .
Ditos de dila grande a .
Dilos de Lavando ambreado, o me-
lhor, a........
Ditos de macaca oleo muito bom a .
Ditos perola muito superior a .
Ditos de oleo de babosa a 240, 320.
400 e.........
Ditos de banha branca a .
Dito de cheiro muito bonitos a .
Ditos de banha, pequeo, muito fina
..........
Ditos de opiata a 2^0 rs., e boa a .
Ditos de banha japoneza a .
I Ditos de banha transparente a .
I Ditos de oleo filoconne a .
720
160
400
500
500
100
200
500
320
500
200
900
800
720
800
Farinlia de mandioca
em saceos grandes, e de superior qualida-
de ; no armazem de Tasso Irmaos, ra do
Amorim, n. 35.
los coehelros.
Vendcm-sc encerados pretos e de cores para
forrar carros : no armazem de Tasso Irmaos.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston & C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
Potassa da Hussia
Vende-se em casadeN.O. Bie-
ber 4 C., snecessores, ra da
Crnz n. 4.
ESTOPA DA TERRA
Vende-se na ra Direita n. 91 a 15600 a arroba.
Oh! que admlraeo.
Vende-se um piano por 505, muito proprio para
quem quer aprender por pouco dinheiro, pois
usado : quem pretender procure na ra dos Pires
n. 34, que se dir quem vende.
Taixas de ferro.
Vcndem-se taixas de ferro do mais acreditado
fabricante e por preco mais razoavel: no arma-
zem de assucar de Jos da Silva Loyo & C.______
Vende-se ou arrenda-se o grande sitio deno-
minado Caiana, na freguezia da Varzea, com uma
casa de taipa j coberla de telhas, com bastantes
ps de larangeiras, coqueiros, cafezeiros, etc. te.,
sendo as terras.de grande produccao : a tratar na
ra do Hospicio n. 22. Na mesma casa ha para
alugar-se um ptimo moleque para todo e qualquer
servico de uma casa, e mesmo para a ra, muito
fiel e bastanto esperto e sem vicios.__________
BAL.
\11enco
Posto que domine no cora-
CSo do BALIZA a mais bem en-
tendida ambico de tirar de
seu negocio as melhores'van-
tagens, com tudo elle nao pro-
cura fazer fortuna vendendo
gato por lebre;
Quando nao se negocia aca-
nhadamente, esta bem ao alcan-
ce de todos a facilidade de fa-
zer-se boas compras, para ven-
der-se barato.
I^elan todos.
Ao armazem do BALIZA po-
dem ser devolvidos quaesquor
gneros qne por ventura nao
sejam do contento dos senta-
res compradores. Nao fica
resentimento aljum em se tro-
car por oirtro, ou restituir-?*1
o dinheiro recebido,
Manler a todo o custo o seu
crdito, c agradar aos seus a-
migos e freguezes, todo o
desejo do proprietario deste
estabelecimento,
LEDE LEDEi LEDE^
Sempre a frente do progresso,
Constante marcha o BALIZA,
Tem por norte o bem conimuui,
A verdade por divisa.
u n a \ n i:
1
DE
Largo do Uvramento ns. 88 e 38 A
Defronlc da grade da groja
AO RESPEITAVEL PUBLICO
Senhores e senhoras
0 incansavel proprietario do grande armazem do Baliza toma a liberdade de mandar
declarar do alto da imprensa pernambucana, que elle perfeitamente liberal em offerecer aos seus
benvolos freguezes as memores qualidades dos mais bem escolhidos gneros, nao s do paiz como do
estrangeiro a precos de contentar e satisfazer a todos.
Fazendo tao publico e espontaneo manifest, o referido BALIZA julga de seu rigoroso dever
declarar mui seria e pusitivamente nesla oportunidade, que tambem o mais firme e dedicado conser-
vador de sua numerosa freguezia. /
Da boa qualidade e barateza dos gneros offerecidos aos seus freguezes, junta ao pequeo ga-
nho que tira para si, tem sabido fazer o BALIZA a mais perfeita liga de interesses recprocos, que a to-
das as consciencias deve por forca e necessariamente agradar.
Tendo por conveniente tambem a publicaco do seguinte aviso, o BALIZA faz saber nicamente
aquellas pessoas que sempre estao promptas a comprarcm tudo, com tanto que se lhes permita paga-
rem logo, que elle
NAO VENDE FIADO.
Os amigos da economa, aquelles que s compram os objectos de que carerem, e que gostam fi-
nalmente de empregar bem o seu dinheiro venham a este estabelecimento.
IEIAU TODOS.
Do preco de qualquer genero annunciado a venda em outros eslabelecimenlos, podem os senho-
res freguezes diminuir cinco por cento, e vir compra-lo ao Baliza, que sendo, como todos satom, o lio-
mem do movimento prefere ganhar muito pouco, com tanto que seja por militas vezes repetido.

45-RUA DIREITA--45
RIVAL
SEM SEGUNDO.
Objectos diversos.
Ba do Queimado, ns 49 e 55, vende os
objectos abaixo declarados, pois para aca-
bar; esles precos n5o sao para continuar,
mas as nesessidades assim o permitte.
Pares de luvas de algodo finas a .
Caivetes de aparar penas, de I fo-
Iha a ........
Ditos de 1 ditas a......
Caixas de colxetes francezes a. .
Duzia de dito francez a .
Massos com grampos lisos e de cara-
col a .........
Duzia de dedaes de metal em caixi-
nba de vidro.......32o
Tinteiro de vidro com tinta superior
a .........
Ditos de barro que serve para tin-
teiro a........
Grosas de botes de Iouca prateado a
Pecas de tranca lisa encarnada a ,
Varas de bicos e rendas, para aca-
bar a .........
Varas de labyrinto de 3 dedos de
largura a.......
Ditas de pos para denlesa .
, Pentes de tartaruga a 3#000 e .
Resmas de papel de cores a
80
80
160
40
360
40
160
100
160
20
60
Cola da Baha
Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo, no seu escriptorio, ra da Cruz n. 1_______
Hua da Senzaila n 42.
Vende-se, em^sa de S. P. Johnston & C,
sellins e siies infclfiZfiS, candieiros e casti-
caes hronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavaUos, e relogios de
ouro patente inglez.
100
100
34800
2,5000
FAZENDAS
NA
\ova loja de Custodio, Carvalho
& Companhia.
S7RA DO Qi EIMAUO 27
Cambraia
organdis para vestidos a 2i0 rs. o covado.
Madapolo
fino proprio para camisas a preco de 8 a peca.
Cobertas
de panno de linho grandes a 2A00.
Leneecs
de panno de linho grandes a i5
Para mesa
pannos adamascados para mesa a 1,8500.
Guardanapos
adamascados a 25 a duzia.
Toalhas
para mos pelo preco de 400 rs. cada urna.
Fusto bruteo
proprio para roupa de meninos pelo barato preco
de 320 rs. cada covado.
Entremfios
finos bordados polo barato preco de 1300 a peca.
Babados
bordados de todas as larguras pera 25500.
Golinbas
bordadas a 640, 800 e 15-
Camisinhis
de cambraia para senhora a 25.
Baldes
de arcos para senhoraa 35600.
gMMM^ Balesmadade polio ^.j
Jara merinas a 25o00.
TM-S3 MASAR
Eia, rapasiada, coragem! parece queja
entregastes os vossos joanetes aos duros sei-
xos do pessimo calcamento da nossa cidade I
S se observa em vossos ps botinas acalca-
nhadas e gastas at ultima sola; sapates
rasgados e quasi sem saltos nem tanto!
a quebradeira nao deve chegar at este pon-
to 1 Vinde i ra Direita munir-vos de exced-
iente calcado com 40 e at 60 por cento
menos do seu valor.... attendei:
Borzeguins, Nantes, bezerro e va-
queta 2 e meia solas .... 8)5500
Borzeguins, Nantes, bezerro, va-
queta e lustre 2 solas. 8)5000
Borzeguins, francez e hamburguez,
bezerro, lustre e couro de por-
^ co 70 e........6^000
Sapates, Nantes, bezerro e vaque-
ta 2 e meia solas. .... 50500
Sapates, Nantes, vaqueta, lustre e
bezerro 2 solas......50000
Sapates, Nantes, sola e vira. 40000
Ditos para menina, com laco. 30500
Ditos de ditas, de cores. 20800
Sapa tos para senhora e homem,
tapete......... 800
Sapatos de borracha para senhora. 10400
dem idem para meninas. iiWOO
Sapatos de lustre para senhora. 10000
dem de lastre s avessas 500

3 c-K
O
= Ss'E-s5i2-.-a"S'ts
"g3?&J 3 3 o = d I
< -!'fl f r.

talilir

co
- a '
lll
.g.Sc?g-3
r:
2
i o
3 OS
ifiPl
3c-
- t3
03 Si S
&9

3
o_
S
ra
en
2.
te
cp
a
3
CO
en
o e
c c?= q
-i as 3
Q, ~J S
llfl
z: '/".
O

I w O
fi S o
3 w
?!
cTS5?
"O o
as -
g
o a'
I
Aueicao
Farinha de mandioca.
Vende-se arinha de mandioca a melhor que exis-
to no mercado por ser de Santa Camarina, a bor-
do do patacho Frisia, entrado neste porto no dia
II do corrente, por menos do que em outro qual-
quer barco : a tratar a bordo ou na ra do Amo-
rim n. 43.
O GALLO CANTA.
.Nao possivcl que o gallo, vendo entrar a
ninho objectos de elegante gosto, deixe dp dar i
seu canto, annunciando aos seus freguezes, para
que mandem ou venham ver para querer, a sabor :
Enfeites
Chegaram os riquissimos enfeites e grinalda- (lores, cousa muito delicada e do muito gosto.
S as senhoras poderao apreciar : s no vigilante,
ra do Crespo u. 7.
Flores
Tambem cliegaram os delicados ramos de llores
matizados de lindas core?, que servem para qual-
quer enfeite : s no vigilante, ra do Crespo n. 7.
Cintos
Tambem chegaram os novos e delicados cintos
com flvella, guarnecida de pedrinhas e duas borlo-
tinhas no centro, cousa de muito golo : s no vi-
gilante, ra do Crespo n. 7.
Bandeijas
Riqusimas bandeijas de charlo e entras quali-
dades de lindos desenhos, que se vendem por pre-
cos baratisimos para acabar : s no vigilante,
ra do Crespo, n. 7.
Pomada real
Tambem chegaram os bonitos copos de porcel-
ana fina com banha c com lindos retratos, semto
irivilegiada pela rainha de Hespanba : s do vigi-
lante, ra do Crespo n. 7.
Saliouetes de familia
Grande sortimento de sabonetes para todos os
precos, de superiores qualidades, a 160, 200, 540,
280, 320, 400 e 300 rs.; assim como estojos com
todos os preparos para limpar dentes pelo bai ato
preco de 35000 : s no vigilante, ra do Crespo
n. f.
Delicadas tesonrinhas
Grande sortimento de tesourinhas, tanto para
unhas, como para costura; assim como mnitos
outros objectos de gosto, que nao possivel annun-
ciar pela grande variedade de sortimentos, cujos
Assucar do Monteiro
Ra do Imperador n. 28 e caes de Apollo n.
67, a 200 rs. a libra, e de 8 libras para cima
a 50600 aarroba.
Aos senhores consuiumidores de gaz.
Nos armazens do caes do. Ramos n. 18 e na rna
do Trapiclic-Novo (no Rccife) n. 8, se vende gaz
liquido americano primeira qualidade mais barato
do que em outra qualquer parle.
Cal de Lisboa a 40 o barril.
Vendem-se barris de cal de Lisboa de superior
qualidade: no deposito da ra do Bmm n. 66.
FOMTAJVA.
Vende-se a moito superior familia
de trigo marca Fontana, chegada uiti-
mam-ule a este mercado, em barricas,
meias e quartos: no armazem de Joo
Quirino d'Aguilar & ('.., no caes d'Apol-
od.33.
. i
do que em outra qualquer
s no vigilante, ra do Crespo n. 7.
i precos serao menos
parte
s com 8 palmos de lar-
gura.
Cheguem a loja de Marcelino & C, ra
do Crespo n. 5, para verem lilas muito
finas, lisas e de quadros, gostos inteira-
mente novos, proprias para vestidos e ca-
pas e precos muito commodos. Alm
disto existe um variavel sortimento de
fazendas linas e grossas precos razoa-
Vende-se na praca da Independencia ns. 37 e
39, capellas de aljfar para se botar no cemiterio
publico no dia de tinados com as inscripces se-
guintes :
Miuha mai.
Meu pai.
Meu esposo.
Minha esposa.
Meu iilhn.
Minha lilha.
Uma lagrima.
Saudades, sempre vivas do apurado gosto desta
anda nao vieram igual a este mercado.
Roa da Senzaila Nova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro epado libra a HO rs., idem de Lo*
Moor libra a i 20 rs.
Botica.
Pilulas inglezas de pobre-homem.
Pilnlas do Dr. Alian.
Salsa parrilha de Rristol.
Remedios do Dr. Chablc.
Pilulas americanas.
Remedios do Dr. Kemp.
Rob l'Affecteur.
Sortimento de papel para forro de salas e
nieSes : vende-se na botica e drogara de B.
Souza & C, ra larga do Rosario n. 34.
'
Aos Srs de en gen lio
No caes d'Apollo armazem n. 55, de
Jos Duarle das Neves, acha-se ven-
da a mais superior farinlia Fontana
sendo muito recommendada as casas de
familia,as liaiTijiiiiilias de 3 arrobas
c de 48 libras cada uma.
Armages douradas
para cortinados vende-se por preco muito barato,
tambem vende-so um sof, 2 cadiras do balanco
estufada de molas e forradas de panno de couro,
modelo a Luiz XV : na ra da Ponte Velha n. 8.
Farinha de mandioca
Vende-se farinha da mandioca da melhor e mais
nova que ha neste morcado, no escriptorio de Ma-
noel Ignacio* OT^Jt Filho largo do Corpo
jilo n. 10, ou :ibordo alhabote Viamo, an-
w Livramento. junto ao

J




IIII lili III
Mario ile Pernaaibuco (ftuarta felra 9 de Ontubro de I S3.
P
i
SORTIMENTO Di MOLHADOS
1 09
3 g
*5 g 03 t
O 03
*W 03 .
-. 60
-o o
w ^ a
~ <**)
'y. k
O o
93 "t s=-
"tt t
1 ?J
o ^
03 H
tf "o
3 O 03 i O -S 03
o" 2 *- i v
"^ t 03
o so i s
-j o
& O t -a
*-^ o
03 ~6 03 03 s
-C se C2-
<* ss 3 3 o
3 | Cr- o
03 o eo O 03
o es C3 O CJ-
c o. o 0 o t
03 60
ha o -t 60 O
03 "*" i
ce t "t t 03 i
p 00 fc.
w o t- O
** fl O S4. c o "t fe 0 o
03
"t
-c c 03
"* o t
Vinhos em pipa: Porto Figueira e Lisboa, a
4oo, 44o, 5oo e 56o rs. a garrafa, e em
caada a 2,56o, 2,8oo, 3,ooo, 3,5oo e
4,ooo rs. do melbor.
dem lagrimas do Douro, especial vinho do
Porto mandado vir de conta propria a
io.ooo rs. a duzia e l.ooo rs. a garrafa.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado, das seguintes marcas: Duque do
Porto, Feitoria, Nctar, .Velho Secco, Cha-
misso, Madeira superior a 9,ooo rs. a cai-
xa e i,ooo a garrafa.
Mam Bordeaux das melhores marcas: St.
Julien, Medoc, S. Esteph e outros a 7oo
rs. a garrafa, e 8,ooo rs. a caixa com urna
duzia.
dem muscatel de Setubal verdadeiro a 2,ooo
rs. a garrafa e 22,ooo rs. a caixa.
Garrames com 5 garrafas de vinho do Por-
to do Alto douro a 2,2oo rs. com o gar-
rafio.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira
muito proprio para a nossa estac3o, por
ser mais fresco a 2,4oo rs.
Vinhos velho chamisso em barril muito pro-
prio para sobremesa por ser muito claro
e macio a 6oo rs. a garrafa e 4,5oo rs. a
caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero a 5oo rs. a garrafa e 3,8oo
rs. a caada.
Garraioes com 5 garrafas de vinagre de Lis-
boa a 1,2oo rs.
\'inagre puro de Lisboa a 2oo rs. a garrafa
e l,4oo rs. a caada.
Velas de spermacet a 6oo, 64o e 68o rs. o
masso.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de encommenda especial a 8oo rs.
a libra,
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
54o rs. e em barril a 5oo rs.
dem em potes de 4 16 libras muito fina e
propria para doente a 8oo rs. a libra e o
pote separado.
Banha de porco a 54o rs. a libra, e em bar-
ril se far abatimento.
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
de l,6oo, i,8oo, 2,ooo e 2,5oo rs. cada
ura
dem londrinos os mais frescos que se po-
dem desejar a 8oo rs. a libra.
Caf do Rio d 1 e 21 qualidade de 8,ooo a
8,5oo rs. a arroba, e 28o a 3oo rs. a fi-
bra.
Arroz caroliuo e do Maranho a 3,ooo rs. a
arroba o loo rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra e
em porc3o ter abatimento.
Caixinhas de ameixas francezas de 1 1/2, 2
e 3 libras, elegantemente enfeitadas com
diversas estampas no exterior da caixa a
l,3oo, l,5oo, 2,ooo, e 3,ooo rs.
Fructas em caldas das seguintes qualidades:
ameixa, rainha Claudia, cerejas, pero,
ginja, pecego e alpech a 5oo rs. a lata.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 6oo rs. a libra, e em la-
tas de 1 */ 2 fibras.
Ameixas francezas em frascos de 1 1/2 e 3
libras de l,4oo a 3,ooo rs.; tambem ha em
latas de l.ooo e 3,ooo cada urna,
Cha huxim miudinho mandado vir de en-
commenda especial a 2,8oo rs. a libra,
garante-se a boa qualidade.
dem hysson o mais superior a 2,6oo rs. a
libra, afianca-se ser igual ao que regular-
mente se vende a 3,ooo e 3,2oo rs.
dem preto muito fino a l,9oo rs. a fibra.
dem mais baixo, e miudo proprio para ne-
gocio a l,6oo rs. a libra.
Presunto inglez para fiambre o mais fresco
que se pode desejar a 8oo rs. a libra.
Genebra de laranja a 9oo rs., a frasco.
Chouricas e paios, os mais frescos que se
pode desejar, a 5oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa
e lo,5ooa caixa.
Ricas caixinhas com confeites e frutas seccas
muito proprias para mimos pelo baratissi-
mo prego de l.ooo rs. cada urna,
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
8oo rs. o frasco.
Licores francezes das seguintes marcas: A-
nizete de Bordeaux, Plaisir des dames, e
outros a l.ooo rs. a garrafa e lo.ooo a
caixa.
Passas muito novas a 6,ooo rs. a caixa e
36e rs. a libra, ha caixas, meias e quartos.
Bolachinha ingleza a mais nova que se pode
desejar a 2,5oo rs. a barrica, e 24o rs.
a libra.
Azeite francez clarificado a 8oo rs. a garrafa
e 9,ooo a duzia.
Conservas inglezas dos melhores fabricantes
Mixed e Pickles, ceblas simples, e outras
a Soo rs. o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes muito
nova a 4oo rs. o pote.
Mlhos inglezes de todas as qualidades e das
melhores marcas a 5oo rs. cada urna gar-
rafinha.
Vasos inglezes vastos de 4 a 16 libras, muito
preprios para deposito de doce, manteiga
, ou outro qualquer liquido de 1 ,ooo a 3,ooo
rs. cada um.
Palitos do gaz, a 2o rs. a caixinha e 2,3oo rs.
a grosa.
Milho alpista a 160 rs. a libra.
Milho painco a 140 rs. a libra.
Gomma para engommar muito fina e alva a
80 rs. a libra a 2,300 rs. a arroba.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Sabao verdadeiro hespanhol que raras vezes
vem ao nosso mercado a 300 rs. a libra,
e em caixa ter abatemento.
Sabao massa de 180, 200, 220 240, rs. a
libra de melhor.
Graixas em latas muito nova a 120 rs. a lata
e 1,300 rs. a duzia.
Peixe em latas muito novo : savel, pescada,
curvin, salmao e outras qualidades prepa-
rados de escabexe, segundo a arte de cozi-
nha de 1,400 a 2,ooo rs. a lata.
Genebra deHollanda em botijas de conta a
440 rs. cada urna. -
Papel greve pautado e liso a 3,500 rs. a res-
ma.
Azeite doce de Lisboa muito fino em barril a
640 rs. a ganda, e em porcao ter abati-
mento.
Champagne das mais acreditadas marcas a
l.ooo rs. agarrafa e lo.ooo rs. o gigo
com urna duzia.
Doce da casca da goiaba a 4oo, Soo, 6oo,
7oo, 8oo, e*l,ooo rs., o caixo grande.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez, e
suisso, das melhores qualidades a 9oo rs.
a libra.
Velas de carnauba e composico a 32o, 36o,
e 4oo rs., a libra, e de lo.ooo a H,ooo rs.
a arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa a l.ooo
rs. a ancoreta, e l,5oo a de Lisboa, estas
ultimas raras vezes vem ao nosso mercado
pela sua boa qualidade.
Massas para sopa macarro talharim e aletria
muita nova a 48o rs. a libra.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Bahiaa 4,ooo, 3,5oo, 3,ooo e2,5oo rs. a
caixa.
Serveja das melhores marcas a 5,ooo rs. a
7,ooo rs. a duzia.
Biscoitos inglezes das seguintes marcas:
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travellies
Lunch, Cobin, c outras a l,2eo rs. a lata.
Bolachinha de soda especial encommenda a
l,8oo rs. a lata.
Iem Craknel em latas de 5, 7 e 15 libras a
4,ooo, 5.5oo, e ll.ooo rs. a lata.
Massa de tomate em latas de 6oo a 7oo rs.
cada urna.
Sardinha de Nantes a 36o rs. a lata.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijollo de limpar facas a 16o rs. cada um.
Ceblas a 9oo rs., o molho.
Farinha de Maranho muito alva e cheiroza
a 14o rs. a libra.
Pimenta a 36o rs. a libra.
Cominho, cravo, erva doce, enxofre, palitos
de denles em caixinhas que tudo vende-
mos por baratissimo proco.
Ricas caixinhas com confeites c fructas sec-
cas muito proprios para mimos pelo bara-
tissimo prego de l.oo rs. cada urna.
{
'sapn
Baratisslmas lian del jas. Peutes de concha.
A aguia branca por muitas vezes tem da- Com as novas e diversas guarnieses de
do a conhecer que quando acha alguma pe- pentesqoe a Aguia Branca acaba de rece-
chincha, nao quor somente com ella encher l]er- vei tambem urna pequea qualidade
o papo, ao contrario deseja que toda sua boa de pentesde concha que com graga e acer-
freguezia e o publico cm geral pruvem da "admente servem para o moderno atado dos!
mesma, o que agora mesmo acontece com cabellos. Elles sao de bonitos e agradareis,
essas; barassimas bandeijas, cuja limitago moldes, edetamanho pequenino como con-
de pregos admira, em relagao aostamanhose vem Pai'a o fim que sao.- E' esta a primei-
ra vez que d'elles aqu chegam, por isso
que a moda novissima, pelo que ganha-
ro'a palma aquellas senhoras que primei-
ro se apresenlarem com elles, para o que!
os mandaro comprar na lo;a d'Aguia Bran-'
qualidades: avista do que convm todos a-
proveitarem-se dessa opportuna occasio e
proverem-se d'um traste sempre necessario,
e que llies custar quasi metade do justo va-
lor. Assim. pois, dirigirem-se com dinhei-
rua do Queimado n. 8.
G.> afamados copos com banha. c
ro alegre o espacosa loja d"aguia branca ca' rua d Queimado, n. 8.
ho.sphoros hyglenlcos
E DE SEGURAXCA.
hoics conTinscrlpccs. ??? l)h1osPl,oros hygienicos e de seguranca, sao
_, ri iittduitavelmente os inelliores que at agora tem
Chegaram novamente para aaguia branca|apparcriJo, por cuja supenoridade tanto se tem!
esses afamados e estimados copos com banha teilo conhecidos e recommendados. El les merec-
fina; assim como os bonitos bioes de por- da1me"t' ranharam a preferencia a todos os outros
(Vllana ourada Hmhom cnin h-inlia p nnwac ficlas vanlaJos.as razoes de que nao deitam aquelle .
ceuana aouraua tamotm com Danlia, e no\as |)rejuipial e m;i0 clieiro ue costuniam dcixar'
inscripcocs maviosas C jocoserias, mut ade- (quasi todos os outros, e mesmo pela seguranca de:
quadopara presentes resta porem que os apre- que estn isemptos de incendiar pois que em
ciadores concorram, munidos de dinheiro, ,l(,n.',un|a ufa parlo tomani fogo a nao ser no es-
jIpotp p psiticfKi inh d'acmia branca nn I.i peoial paDel' 1ue vem progarto na caixa, onde tam-
aiegre e espada toja uaguia oania rua do hm] n,.nU,dm faUa cm qua|(|uer qiI0 seja a esra.
Uueimauo n. 8. j cao; e ajm de todas essas boas qualidades occor-1 ]
Craxa econmica. ic mais a da barateza porque as caixas cm 400
A aguia branca acaba de receber easa acredita- pbosnboros cuslain apenas 240, o que nao ha com- i
da graza econmica, cuja superiaridade est g.- paracao para com qualquer das outras qualida-'
ramente reconhecida ; essa boa graxa se torna des- Ass'm pois, convm o uso delles, todos os
recommendada, tanto porque o calcado lustrado eslabclecimentos, escriptorios, cartorios, repart- :
com ella deixa perfeitamente lustroso ao menos (.'"S^ casas particulares, etc., etc. Acham-se
tros das sem necessidade de novo unto, como venia na rua do Queimado loja d'Aguia Branca
ni sm i porque sua preparacao appropriadapara 8- Q'icm comprar porcao ter um abatimento
amaciar econservar ocooro; ella vem cm caixi- rasoavel.
hasebarrhinhos,eacha-se venda na ruado Fiirn'nmr-iul-K d'asaU Iii-mw-i pacaIi-
Quoimado a. 8, loja d'agaiabranca, aos rezumidos ^ncramcnads a agaia branca recei
as pelo ultimo vapor.
Ricos pontee de tartaruga com chapa de madre-
perola.
KOI IA FEITA
NO
AB9IAZKH
DE
LXTREXRO VERDE.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo^ de rupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concur-
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
l'homens e meninos.
RUA DO QUEIMADO N. 46
rasan
DE
30#000
25)5000
Casacas de panno preto, 35$ e
Sobrecasacas idem, 300 e .
Paletos idem e de core>. %>&,
20, m e......lOT***
Ditos de casemira, 20$, 150,
m, 10,5 e...... 7O0v
Ditos de alpaca, 50 e. .
Ditos ditos pretos, 90, 70,
50 e........
Ditos de brim e ganga de co-
res, 4^500, 4& 3^500 e. .
Ditos branco de linho, 60,50 e
Ditos de merino preto de cor-
dao, 100, 70 e..... 50000
Calcas de casemira preta, 120,
preoos de 100, 500 c CiO rs
TERCOS
*
e coi'as de cornaEiua.
A aguia branca pensando constantemente em
bem servir a toda a sua freguezia, DOtD que anda
nao havia feto algum agrado a aquelles que pru-
deate e acertadamente resando, cumprem dever de
bom ebristao, e quando reparou essa sua falta,
mandn vir e acaba de receber delicados lerdos e ,
coras de cornalina com cruz de prata, os quaos'
deixa dispo6icao dos fifis que estiverem dispostos
tai 1 500*2-5e 35 para possuirem um bonito!
terco ou corda, com os quaes podem mesmo pedir a
Deas pela prosperidade d'aguia branca, em seuale- j
gre e espacoso uinbo da rua do Queimado n. 8.
Ciaiiiiziuhos com perfumarlas e
sem ellas.
\ aguia branca vende bonitos hahuzinhos com 6
rrasqntnbos derheiros \v.<\- l-5.?oo e vastos por 800
. fvii!'! i estes para meninas, e mesmo para
. 'tc, ele. : na rua do Queimado. loja d'aguia
: 0. 8.
burlMlmO .c htaitos enfeitcs
para cabcc.a?.
guando o beo sexo senta a falta de bous
<:i;fetes para cabeca, cis que a aguia branca
. he urna sua encommenda de bonitos e
ddieados enfeites, e de modernissima moda,
100, 80 e......70000 ma moda.
Cohetes de fustao e brim bran-
co, 30500, 30 e 20500
Seroulas de brim de linho,
20400 e......20000
Ditas de algodao, 10600 c. 10400
Camisas de peitos de linho,
30500 50, 40, 30 e.....20500
i Ditas de madapolo, 30,
30500! 20500, 20 e.....10600
Chapeos de massa, pretos fran-
30000 cezes, 100, 90 e. 80500
40000 Ditos defltro, 50, 40,30500 e 20000
Ditos de sol, de seda, 120,
110, 70 e......40500
Collarinhos de linho uno, ulti-
GO
Ilonitos leques de madreperola.
Delicadas canelas de dita.
Lindos chapeozinhos de setim para baptisados.
Uicos de seda brancos e pretos.
Bonilas caixinhas com msicas e sem ellas para
costura.
Trancelins de liia para enfeites.
Filas de seda eslreitas para ditos.
Ditas de velludo com listras para barras de ves
ti dos.
Aspas de balea para vestidos.
Ditas de ac para espartilhos.
Bandees de dina.
Pulseiras de contas para meninas.
Paos para abrir uvas e port-charutos.
Essenria de ail para engommados.
Pos hygienicos de Lubiu para denles.
Leite virginal para tirar sardas.
Dito dires para extinguir as caspas.
Vinagre aromtico para wrtigens, dores de ca-
beca, etc.
Cosmetique surline para cabellos.
Pomada para bigode.
Renda de fil. lisa.
Amostras de agulhas Inglezas.
A aguia branca acaba de receber por amostra
una pequea quantidade de carteirasde molde nlo
commum com agulhas inglezas de urna admiravel
superioridade. As carteiras trazem accommoda-
daniente quatro papis de agulhas sortidas cm !
Ditas de cores, 90, 80 e.
Ditas de meia casemira de co-
res, 50500 e.....
Ditas de princeza c merino pre-
to de cordo, 50, 40500 c
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40300, 40 e .
Ditas de ganga de cores,
30500, 30 c.....20500
Cohetes de velludo preto e de
cores, 90 e......
Ditos de casemira preta, 50 e
Ditos de ditas de cores 50
40 e........
Ditos de setim preto. .
Ditos de ditos e seda branco,
40000
40000
20500
40000,
30500'
50000
0
60000
10280
70000 i Sortimento completo de grava-
tas.
Toalhas para rosto, duzia, 110,
90 e........
Atoalhado adamascado de li-
nho vara......
Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....40000
Lences de linho..... 30000
I Cobertas de chita chineza.. -- 20000
70000 Pennasd'aco, as mais superio-
res, a grosa...... 600
Relogios de ouro orizontaes,
900, 800 e......700000
Ditos de prata, galvanizado,
patentes e orisontaes, 400 e
60 e.......50000 Obras de ouro, adereces, meios
Ditos de gorguro de seda aderecos, pulceiras, rozetas,
pretos e de cores, 60, 50 e 40000 aneis e cruzes.
300000
rosillo uo jioiv Ji .-t x-itr a no
9111LW Y. 38.
Este muito acreditado estabelecimento est prvido de um completo sortimento de
muito servindo isso para sanar aquella falta, ^ossuras e estas na yerdadesaode quaUdade ana- machinismos proprios do fabrico de assucar, a saber:
< m ., n i-v.i.., nnJn.inmi. /i, da nao vista aqu, o que e fac deconnecer-se pelo ,, r r '">"-
e fazer com que a txma,. apieuadotas dajscu bom acabame'nlo; ^ que sao pcrfeitamente Mach.nas de vapores as mais modernas e mais acredi
bella empreza Loimora possam meinor real- pondas, ponas mu agudas ebem tiradas, e fundos Rodas d'agua de ferro com seus pertences.
e mostrarcm o apurado gosto que as ovaes. Custa cada carteira i&, o quede ceno na- Moendas e meias moendas de todos os tamanhos.
rece caro, mas que apreciada a boa qualidade del- Rodag dentadas, angulares e de espora,
as, so terao a lamentar o nao vir mais dellas. ,_:_.. j. ,___V_:j______j. "^
acreditadas.
sai-
guia. Esses enfeites s3o d'um tecido bas-
tante fino com continhas d'afo, e mui bem
i Tambem veio igualmente caixinhas com alfinetes
, Taixas de ferro batido e coado.
euieitaos com uores, nas, dicos, plumas i dourados. e outros brancos, os quaes se vendem a Boceas de fornalha pelo novo svstema Wetson.
etc.. entretanto que sendo obra de muito 210 rs., 320, 500, 640 e i& a caixinha, tudo isso Alambiques de ferro fundido.
K').-.to custam 50, 60 e 70 dinheiro vista; n rua do Queimado, loja d'aguia branca n. 8. Fornos para cozer farinha.
Bolsas para vlagens. Moinhos para moer mandioca.
oa espacosa e alegre loja d'aguia branca rua
do Queimado n. 8.
b"
Albtiiis com pe-fumarias.
Muitas vezes aconteca que se procurando una
la galantaria para se offertar a urna senhora ou
menina em seus anniversaros, ou mesmo na
., .ii uracao :i mestras destas, se nao achava cousa
satuifizesse, aguia. pori'-m, ja nao de ve succe-
>ie.r assim porque na loja d'aguia branca encontra-
-a o pretendenle l>elIo.s objectos para esse fim. so-
VendenMe na rua do Queimafo, loja d'Aguia Ar'ados;"am"ercaiM), "te"".""^
Branca n. 8.
Voltas pretas
A MARA l'IA.
A Aguia Branca recebeu as desejadas voltas
pretas, mui compridas e gradas.
Maravllha das bellas, hoyos e
delicados enfeites para ves-
tidos.
aprasivel a aguia branca o ter de avisar a
lindo entre elles esses bonitos albuns com Sna l>o freguezia, jtff acaba de receber pelo pa-,
perfumaras, cujo gosto e novdade Jhes da a pri-1 quofe francez um bello sortimento de enfeites de
niazia. A aguia branca folgar de contente se seda denominado maravilha das bellas, os quaes I
"ssas olleras rccalurem sempre em suas predilec- servem tanto para vestido de senhora como para
ta> frefuezas, e quando assim nao seja, nao faz roupinhas de criancas. Seus novssimos e delica-
mal, porque a mimoseada reparando na sngulari- dos desenhos, suas escolhidas e bem acertadas co-
dade do objecto, querer desde logo alistar-se no, res fazem um todo agradavel aosolhos de qualquer
rmnipro dauellas. Em todo o caso havendo di- j vvente qnc saiba apreciar o bom. Assim, pois, a
nhPiro,~dijH>-sc roa do Queimado, loja d'aguia, duvida est em haver dinheiro, havendo-o, diri-
' jam-se sem susto ao espacoso e alegre ninho de
aguia branca, rua do Queimado n. 8, que acharao
as verdades cima ditas.
branca
Studo se arranjara.
lavas de pellica para a loja d'a-
guia braflll!*rna do Queimado n. 8.
Novas cintas elsticas pura senhoras
rasadas.
A reconhecida utilidade dessas neeessarias cin-
tas elsticas fe com que em breve se acabassem
as que vieram da primeira vez, deixando assim
descontentes muitas senhoras que se n5o poderam
provee dellas, vista do que a aguia branca man-
dou buscar mais algamas, <|ne acabam de cliegar,
anida mais perfeus que as primeras, isso por se-
rem menores; agora, pois, podem as senhoras ca-
sadas prevenirem-se, mandandO-a* comprar na
loja d'aguia branca, rua do QtelMado n. 8 Se a
aguia branca precisasse de semelhante Obra de
certo desta vez nao fiearia sem ella.
Cal de Lisboa e potassa da
lliissia.
Vende-se na rua daCadeia do Recife n. 26, para
onde se mudou o antigo e acreditado deposito da
mesma na n. 12, ambos os gneros sao novse
legtimos, e sp vendejn a preco mais barato do que
ootra qnakmer parte.______________________
Cal de Lisboa
a mais nova do merend: na rua do Vigario n.
19, primeiroandar. ________ ,.r
Cal de Lisboa
nova!; na rna do Vigario n. 19, primeiro andar.
PHOSPHATO de FERRO
DE LERAS, MOTOR EM SCIENCIAS, INSPECTOR DA ACADEMIA DE PARIZ, etc., etc.
~j** fcrTn81nM' PProvado por todas as Academias da Medicina do mundo Intelro, rene a
compoiSo (tos ostos e do langue, e contem o ferro em estado liquido. Segundo as observacSes feltas nos
"ospUaes de wje consignadas no Prospecto i elle i superior is nial.. frrrumo.., o UetU
TSL.^'irj e cura raPjd,m>te ictericia branca, cor paluda, ddresA'etftmago, dlgestoes peno-
WteS,. .il. rophulu, mlngoa de sangue, perda de (orea e appeUteT irregularldadei,
iSSS^SS' L5nSSbn,ncM- E "*!!>" ajuvanto do ole* 4. .do e ...iho.
_DS!!?!,? !?* !!*w.. oo MM. ri.Mii e C-, pharmac"utico, 1, rua de la Feuillade;
p^rTaclaVdo Br3T*'e C"i mPtTnat^^>. C. ruadaCrui, JJ; s..., e as principa
Deposito geral em Pernambuco roa da Cruz n. 22 em casa de Caros & Barboza
Vend-se tina superior para ailar roupa a Vinho nnro
Sfrritan Strrafrm ti" SSr^f^8 : 13 So escriptoro de Euzeb." Raph'ael Rabello, na
antia mtS'aio?nfe,>n" g am,,ia,raa da Gadeia n' **> venaem-se ancoretas com'ex-
anila roupa omannointeiro. ____________ ceente e puro vinho ,nt0 de Uttfa ^^^ des.
\ 4M500 o sacco tinado para gasto de casas particulares por ser re-
de superier farinha de Santa Catharina ou de Por- mel,ido P*10 proprio fazendeiro ou lavrador.
to-Alegre vende-se a bordo do patacho Regulv, I ----------------------v~Zl----------------------------
emprcao &n a retalho : trata-se com o capto a t6Bf-9t m_.^ ^ j
ou rom Antonio Luiz de Oliveira Azevedo un sanctuario de Jacaranda : na rua da lajera?.
C. no seu escriptorio, rua da Cnu n. |.
triz leja de marcineiro n. 15.
FAZEMDAS E ROUPAS FEITAS.
SorUmento completo de sobrecasacos de panno a 25)?, 28#, 305 e 355, casacas
muito bem fetas a 255, 285, 305 e 355, paletots acasacados de panno preto de 165 at
255, ditos de casemira de cor a 455, 185 e 205, paletots saceos de panno e case-
mira de 85 at 145, ditos saceos de alpaca, merino e la de 45 at 65, sobre de alpaca e
merino de 75 at 105, calcas pretas de casemira de 85 at 145, ditas de cor de 75 at
155, roupas para menino de todos os tamanhos, grande sortimento de roupas de brim.
, como sejamcalcas, paletots e colletes, sortimento de colleles pretos de metim. casemira
e velludo de 45 a 95, ditos para casamento a 55 e 65, paletots brancos de bramante a 45
e 55, calcas brancas muito finas a 55, e um grande sortimento de fazendas finas e moder-
nas, completo sortimento de casemiras inglezas para hornero., menino e senhora, ccroulas
de linho e algodao, chapeos de sol de seda, luvas de seda e de Jouvin para homem e se-
nhora. Temos urna grande fabrica de alfaiate, onde recebem ".ncommendas de grandes
obras, que para uso est sendo administrada por um hbil mestre de semelhante arte e um
pessoal de mais de cincoenta obreiros escolhidos, por tanto execulamos qualquer obra coro
promptidao e mais barata do que em outra qualquer casa.
ESTABELECIMENTO C0MMERCL4L
DE W
CALDERARh E F(l.\l(!.lO DE METAES,
Sito na rua do Brum n. JO junto
a fui(lico do %t. ISowmani. pertenceute a
Villaca Irmo il C.
Neste estabelecimento encontraro os freguezes um completo sortimento j3
de tudo que diz respeito as artes de calderetro, fwtilciro, laoeiro, ferreiro e ^
fundfao, e os abaixo asssignados que o dirigem, promettem servir a todas as a.
pessoas que se dignarem de os procurar, com promptidao, sinceridade e pre-
cos muito rasoaveis. 0 dito estabelecimento estando montado em ponto 7&
^Jh grande, tanto no que diz respeito a pessoal, como em materia prima, e tendo h*
obra tendente as artes cima mencionadas e aloitamente piklem osabaixo as- r,
Tj/}:i s|gnados assegurar ao publico que nenhum outro estabelecimento- llio pode K
fornecer mais barato e mais perfeito do que elles, visto que recebem de sua ^
propria encommenda todas as materias empregadas em ditas obras.
Alambiques simples e continuos de to- Sinos de 16 libras 8 arrobas.
dos os famanhos e dimencSes. i'arafuzos de bronze e ferro para ro-
Machinas de cobre para destilar e res- ( das d'agua.
tilar espirito at 40 graos pelos sys-' Torneiras de bronze e bronzes para
temas de Logier e Derosne. engenho.
Carapucas e serpenfinas de cobre, e Encanamentos de cobre e chumbo de
estando, avulsas. todas as grossuras.
Taixas e tachos de cobre para engenho Bombas para cacimbas, aspirantes e
erefioacao. | de repucho.
Paroes de cobre e todos os cobres ne- Bombas para destilaces.
cessarios para o fabrico do assucar. Ditas para- regar jardins, hortas o
Cobres para rodas de moer mandioca. capim.
Machinas econmicas para lavar roupa Ditas para navios e barcacas de varias
o melhor possivel. I qualidades e dimences.
Cobre em lencol. e arrodellas, estanho cm barrinha, chumbo em barra,
lenfol e canos de todas as grossuras.
Villaca Irmo & C.
FUMIMCAO
DE '
DE
FRANCISCO ANTONIO COBREIA CARDOSO,
Rua do Brum, M. H9.
Acha-se novamente aberto este antigo e proveitoso estabelecimento, prompto para
executar quaesquer encommendas de ferro fundido, balido ou de bronze, moendas para
engenhos, com vapores ou sem elles, tudo com a maior promptidSo, perfeic3o e com-
modo preco ; tem varias obras promptas da melhor e mais solida construccJo que pfl-
dem ser vendidas por metade de 9eu valor, como sejam :
Moendas inteiras e meias ditas de varios tamanhos, para engenhos.
Portas d'aguas guarnecidas de bronze com parafuzo de rosca quadrada.
Rodas de espora, carretas e rodetas angulares.
Parafusos e cavilhBes de ferro ou de bronze, rosca quadrada ou singla.
Agulhes fundidos de azas e batidos para rodas d'agua e chumaceiras com broaae,
Bronzes e torneiras de todos os tamanhos e qualidades.
Tasase fundos de alambique, de ferro fundido, de varios tamanhos.
Crivose portas de fornalha de varios tamanhos e qualidades.
Urna machina de destinarlo< continua do autor Collares.
Fog5es americanos econmicos para casa de pequea familia.
hornos de fazer farinha.
Tobos de chumbo de todas as grossuras.
Cobre em arrobas e fblhas. dito, dito.
Folha de Flandres em caixas, bom sortimento.
Chumbo em lencol e em rolos de diversas grossuras.
E urna grande porcao de pecas de obras tanto do ferro fundido cono batido ou de
brooie que seria enfadoono descrecer.
Espera, pois, o proprietario deste ertabelecimeoto que o publico sempre benigno
prestar toda sua conflanca e atteocJo.e
r
MUTILAD
JlLEQV


I

\
D|ari de PcrnaiMbueo QwarU lelr 9 He Onfahro de 13.
GRANDE ARMAZEM
AE
GE
N. 36, R* DAS CRIIMS N. 36

GRANDE ARMAZEM PE MOLHADOS
balrro de
DO
*an Antonio.
0 pr'oprietario do muito acreditado armazem denominado Progresista tendo
Sempre em vista fazer tudo o que for possivel para bem servir aos seas freguezes, tem
deliberado vender os seos j bem conhecidos gneros de primeira qualidade pelos precos
abaixo mencionados, e affianca s pessoas que mandarem comprar por seus criados ou
escravos, serem t3o bem servidas como vindopessoalmcnte; encarrega-se de aviar qualquer
encommenda, atada mesmo contendo objectos nao proprios deste estabelecimento. 0
mesmo pede aos senhores que mandarem comprar neste armazem o favor de mandarem
devolver qualquer objecto que nao agradar, devendo os mesmos senhores ter toda atten-
cao com os seus portadores, fazendo-lhes ver que so no armaiem Progressista da ra das
Oruzes n. 36, que se vendem os melhores gneros por mais barato preco, porque estes
muitas vezes olvidam-se e v5o outra parte onde os servem de raaneira a desagradar este
estabelecimento.
Vinho superior da Figueira e Lisboa, a 400, \ Mustarda preparada, muito nova a 360 rs. o
TODOS
06
TAPORDS
se recebem gneros de conta
propria e dos melhores esta-
belecimentos da Europa, ga-
rante-se todo e qualquer ge-
nero comprado neste
ESTABELECIMENTO.
COMPLETO
SORTIMBNTO DB MOLBAIWS.
vende-se em porc5o e a reta-
lho, aprompta-se com toda a
presteza e exactidao qualquer
encommenda dirigida a este
ESTABElECIlffiNTO.
DE
Eduardo Marques de Oliveira C.
o
>
o
z
&a o
fc
os i 1
Lk.
a ^
m 8 9 m
z -a -S
tZ3 a i
S 3
as t*
s
3 s-1 s 1 9 S 2 L. a- 3 2. I* 3
3

s.
o.
N/estes novos e grandes estabelecimentos de molhados, encontrar o respeitavel
publico d'esta cidade, bem como seus numerosos freguezes do centro, expostos venda
todas as quididades de gneros por menos preco que em quaesquer outro estabeledme-
tos d'esta ortem, pois para bem servir os seus freguezes existe na Europa um dos so-
cios para serem vindos de conta propria diversos gneros, e desde j encontrar o res-
peitavel publico sempre os melhores gneros do nosso mercado, e por precos baratsi-
mos como abaixo verao, a saber :
Amendoas a 320 rs. a libra.
AvelSes a 2oo rs. a libra.
Ameixas a 1-5 a libra.
Ditas em frasee por 20800.
Arroz pilado da India loo rs. a libra e 30000
a arroba.
Dito dito do Maranho i20 rs. a libra e 35500
a arroba.
HO, 480 e 500 rs. a garrafa, e a 2,500,
2,700, 3,000 e 3,400 rs. a caada.
dem engarrafado, das seguintes marcas du-
que do Porto, FeMoria, Nctar, velho secco,
Cliamisso, e Madeira superior a 8,500 rs. a
duzia e 800 rs. a garrafa.
-pote.
Os proprietarios do muito acreditado armazem Progresso fazem sciente ao respeita-
vel publico e com especialidade aos seus amigos e freguezes que tena resolvido resumir os
precos dos seus acreditados gneros, como abaixo vera nao obstante os precos menciona- Azeite doce francez 800 rs. a garrafa.
... a j Dito de Lisboa 680 rs. a garrafa,
dos a vista da quahdade dos gneros que se prova quanto se deseja servir satisfatona- Agurdente de canna de cabeca a 240 e 320
rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 200 rs. a duzia de caixinhas! mente aos nossos freguezes, advertindo-Ihes que mahdem seus portadores, que sero tSo
e 2,100 rs. a grosa. | j^ servidos como ^ viessem pessoalmente, wto s no Progresso.
Ditas hygienicas e de seguraba a 240 rs. a
duzia.
Alpista muito limpo a 160 rs. a libra,
MemBrirdeaux de diversas marcas a 640 rs.
a garrafa e 7,500 rs. a caixa com 12 garrafas. Gomma de engommar a 80 rs. a libra, e
' 2 200 rs. a arroba.
dem Muscald deSetubala 1,700 rs. a gar-i
rafa, e 18,000 rs. a duzia. Sag muito novo e alvo a 240 rs. a libra.
Garrafes com 5 garrafas de vinho do Porto,' Sabo hespanhol, a 280 rs. a libra.
Lisboa e Figueira a 2,100, 2,200 e 2,300',< massa a 180, 200 e 220 rs. a libra,
rs. com o garrafao. |
.. .. Peixeem latas, savel, pescada, e corvina a
dem hranco mudo superior a 500 rs. a garra- lftnnps a ^ v
fa e 3,500 rs. a caada.
Garrafocscom5g.urafasdevinagreal,loors.|GeJ^rJsdo Hol,anda m bati'asde COnlaa
Vinagre superior de Lisboa a 1,400 rs. a ca-' Pa { udo e Hso ikO0 r9.a
nada e 200 rs. a garrafa. resma.
Vra* raJT0616 8uperiore$ a m e 64 Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa.
Manteiga ingleza de
a libra.
I.1 qaalidade, a 800 rs.
dem de 2.a dita, a 700 rs. a libra,
dem de 3. dita a 600 rs. a libra.
Champanhe das mais a creditadas marcas
i a 10,000 rs. ogigo e l,0v0 a garrafa.
Doce de goiaba de 400 a 800 rs. a caixa.
Chocolate portuguez, francez, hespenhol e
i suisso de 800 a 1,200 rs. a libra.
dem franceza, a melhor do mercado a 540 rs. Velas de cainauba e de composicao a 320 e
3C0 rs. a libra e 9,500 e 10,000 rs. a. ar-
roba.
e em barril a 500 rs. a libra,
dem em latasjcom 2 % libra $ a 1,400 rs. a lata.
Ranha de porro refinada a 500 rs. a nVra.
Massas para sopa
400 rs. a libra.
macarro e talharim a
Charutos dos melhores fabricantes da Ba-
bia 3,800 3,400 3,000 e 2,400 rs. a
caixa.
Cerveja das melhores marcas de 3,000 a
6,000 rs. a duzia.
Queijos flamengos chegados ltimamente a
2.000 rs.
" ... |)i. ." uueha neste genero a
700 rs. ^ a. >* s
Arroz Carolino e do Maranho a 2,800 rs. ar-
roba e 100 rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 280 rs. a libra. Biscoitos ingleses de todas as marcas a 1,200
TS. u 1313.
Caixinhas com ameixas francezas, de diversos Bolaixinhas de soda ein latas grandes a 2,000
tamanhosal, 200,1,400, l,8OOc2,IO0rs. e 1,800 rs. cada lata.
ta(la uma- Massa de tomates em latas de 1 libra a 560
Manteiga ingleza perfeitamente flor chegada
no ultimo vapor a 8oo rs. a libra.
dem de 2.a qualidade a 76o rs. a libra.
dem de 3,* dita a 64o rs. a libra.
dem para tempero a 32o e 4oo rs, a libra.
Manteiga franceza a mais nova que ha no mer-
cado a 58o rs. a libra, e em barril ter aba-
timento.
Banha de porco refinada a 520 rs. a libra.
Vinho em pipa Porto Figueira e Lisboa a 4oo,
48o, 5oo, 56o rs. a garrafa, em caada
2,8oo 3,ooo 3,5oo e 4,ooo rs.
dem em barril o mais superior que tem vin-
ao mercado a 6oo rs. a garrafa.
Lagrimas do Douro especial vinho do Porto a
1 ,ooo a garrafa e a 1 o.ooo a caixa, o prego
nao indica a qualidade d'este precioso vi-
nho, porm venharaao Progresso que a vis-
ta faz f, a este genero constantemente man-
damos vir de conta propria e por isso po-
demos vender por menos que outro qual-
quer annunciante.
Vinho do Alto Douro das marcas mais acre-
ditadas e especialmente escoltiido por um
de nossos socios, como sejam: Cames, Du-
que, do Porto, D. Lu/, Careavellos, Cha-
Fartaha de Maranho muito alva e cheiroza
a 16o rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 32o rs. a libra e a9,ooo
rs. arroba.
Sardinhas de Nantes a 36o rs. a lata.
Azeitonas a 320 rs. a garrafa e 1,3oo a an-
coreta.
Batatas inglezas a 6o rs. a libra e l,8oo a
arroba.
Banha de porco a 55o rs. a libra.
Bolachinha de soda a 1(0400 a lata.
Bolachinha ingleza a 200 rs. a libra, e a bar-
rica a 30000.
Cha hysson a 2,5200 a libra.
Dito dito fino a 20600 a libra.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. agarrafa e a Dito miudinho a 20800 a libra.
4,8oo rs. a caada. Dito do Rio a 10800 a libra.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e a|Dtto preto a 10900 a libra.
l,2oors. a caada. 'Charutos de diversas qualidades a
- 10200,
Garraloes com 5 garrafas de vinagre de Lis-
boa a 1,loo rs. Champagne a 10 e 10500 a garrafa.
Champauhe das marcas mais acreditailas a Chouricas a 560 e 600 rs. a libra.
8 e a lo,ooo rs, o gigo, e a 8oo rs. e a Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
l.ooo rs. a garrafa. < Caf em grao a 300 e 320 rs. a libra, e 90 e
Serveja preta marca T e XXX a 6,5oo e' W* a arroba.
7,ooo rs. a duzia, e a6oo rs. a garrafa, Dito mo.do a 360 rs a libra.
tambem temos das mesmas marcas para 4, oce & ?iaba a 560 rs o caix5o.
e 4,5oo rs. a duzia, e a 4oo rs. a garrafa. Espirito de vinho de 38 graos, a 280 rs. a
garrafa,
dem branca Te cobrinhaa5,5oo e 6,ooo rs, Farinha do MaranhSo a 160 rs. a libra.
a duzia e 5oo rs. a garrafa, tambem ha Dita flor de laranja a 10 o frasco.
para 4,ooo rs. a duzia. ; Feij3o branco muito novo a 440 rs. a cuia.
Graxa em latas grandes a l,3oo rs. a duzia E*08 a 32 a "^a.
e 12o rs. a lata.
Vassouras do Porto arqueadas de ferro obra
de mnita durag5oa4oo rs. cada uma.
Palitos de dentes massos grandes a 2oo rs.
e 28o rs.
Frutas em calda, ameixas, rainha Oladia, pe-
wgos e alpech a 480 rs.
Un melada de todos os conserveiros de Lisboa i
a 000 rs. a libra.
e 640 rs.
Sardinhas de
rs. a lata.
Nantes muito novas a 340
misso A Filho, Madeira secco, e Feitoria a
9oo rs. a garrafa e 9,ooo rs. a caixa com Paltos do gaz a 20 rs. a caixinha e 2,3oo rs.
12 garrafas. j^groza.
Garrafes rom especial vinho do Porto con- la de Alperche chegada no ultimo vapor
tendo 5 garrafas a 2,5oo rs. U iatas de 2 libras a 8oo rs. pechincha.
,, i* : Manteiga franceza a 6oo e 64o rs. a libra.
dem com 5^ garrafas de superior vinho Fi- Genebra de Hollanda garraloes com 16 gar-Dita hollandeza a 72o 8oo rs. a libra.
I rafas por 6.5oo rs. Mostarda a 640 rs. o frasco.
Genebra de Hollanda em botijas a 5oo rs.
Dita Hamburgueza a 44o rs. a botija.
Gomma d'araruta a 100 rs. a libia, e 20600
a arroba.
Graixa em latas a 120, e 10300 a duzia.
Genebra em garrafes de 14 garrafas por
40600.
Licor fino a 800 rs. a garrafa.
Dito em garrafas grandes de superior quali-
dade a 10500.
Manteiga ingleza flor a 800, 900 e 10 a libra.
gueira a2,4oors.
dem com 5 garrafas
2,loo rs.
Vinho branco de
de vinho Lisboa a
Lisboa proprio para missa
a 64o rs.
dem em frasqueiras a 6,3oo rs. e 6,5oo rs. e a
56o rs. o frosco affianga-se ser verdadeira.
dem de botija em barricas com quatro du-
zias a 44o rs. cada botija.
Massa de tomates a 640 rs. a libra.
Dita estrellinha para sopa a 560 rs. a libra.
Massa estrellinha para sopa a 5oo rs. a libra.
MacarrSo, aletria e talharim a 48o rs. a li-
bra.
Marrasquino de Zara a 800 rs- o frasco.
Passas a 4oo rs. a libra.
Palitos para dentes a 180 rs. o masso.
Phosphoros do gaz a 20500 a grosa.
Paios novos a 640 rs. a libra.
Queijos do reino do ultimo vapor a 20 *
20500.
Dito de prato a 720 rs. a libra.
Cervejas de marcas superiores a 500, 560.
600 e 640 rs. a garrafa, e 50500, W
60500 a duzia.
Dita em barril por 40, e 240 rs. a garrafe.
Cevada a 240 rs. a libra.
Sardinha de Nantes a 360 c 400 rs. a lato-
nha.
Sag a 240 rs. a libra.
Sabao massa a 200, 240 e 280 rs. a libra.
Sevadinha a 280 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 160 rs.
Vellas de spermacete do gaz a 1,2oo r?. z
libra.
Ditas do gaz muito boas.
Ditas dito em caixas de 6 libras por 40OOC
Ditas de carnauba a 400 rs. a libra.
Ditas de composigao a 360 e 380 rs. a libra.
Vinho do Porto, caada a 50500, garrafa s
720 rs.
Dito Lisboa, caada a 40 e a garrafa a JK*
rs.
Dito Figueira, caada a 30840 c a garrafa
480 rs.
Dito dita superior, caada a 40 e a garra':
a 500 rs.
Dito Estreito, caada a 30200 e a garrafa a
400 rs.
Dito Bordeaux a 720 e 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa em garraloes de 5 parra-
fas por 10400.
Dito em caada a 20, e a 260 rs. a garrafa.
Vinho do Porto em garrafes de 5 garrafa
por 20500.
Dito dito engarrafado a 10 c L>200.
Dito lagrimas do Douro a 1-5400 a garrafa.
.Vinho branco de Lisboa a 720 rs. a garrafa.
e 50 a caada.
Dito do estreito a 600 rs. a garrafa, c a 4050''
a caada.
dem de laranja em frascos grandes verda-
deira italiana a i ,ooo rs. o frasco.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijollo para areiar facas a 140 rs. cada um.
Farinha de Maranho a 140 rs. a libra.
Pimenta da India a 340 rs. a libra.
Erva-doce a 320 rs. a libra.
Palitos para meza a 160 rs. o maco.
Verdadeira farinha de araruta a 500 rs. a
libra.
Frascos com ameixas
cada um.
francezas a 1,400 rs.
Ameixas em latas de 1 lf$ e 3 libras a 1,2001
e 2,400 rs. a lata e 900 rs. a libra.
Cha huxim o melhor que possivel encontrar
neste genero a 2,700 rs. a libra.
Idfln hysson muito superior a 2,5oo rs. a
libra.
dem miudinho j 2,700 rs. a libra
dem preto de qualidade muito fina a 1,800 rs.
dem mais inferiora 1,500 rs. a libra.
Genebra de laranja a 900 rs. o frasco e500
. s. os frascos pequeos. Prezuntos do Porto a ooo rs. a libra.
Chauricose paios os mais novos que ha no Batatas muito novas em gigos com 38 libras
mercado a 500 rs. a libra. Por l>i,0 rs-
r.oK.iac ingles a 9oo rs. a garrafa. Canella da India a l,loo rs. a libra.
Marrasquino de Zara a 7oo rs. o frasco e Combino a 64o rs. a libra.
8,ooo rs. a duzia. Azeitonas de Lisboa muito novas a 1,6oo rs.
a ancoreta.
Licores francezes, annizete, plaisir des da-'
mes, ele, etc. a 8oo rs. a garrafa e 8,5oo Estrehnha e rodinha para sopa a 6oo rs. a
is. a duzia. 'lDra-
pssas as melhores .pie se enrontram a 360 Legumes seceos para sopa a 4oo rs. o maco.
vindo j engarrafado de Lisboa
a garrafa.
dem em barril muito superior a 5oo rs.
garrafa e a 4,ooo e 3,8oo a caada.
Ameixas francezas em caixinhas de i % 2 .Marrasquino de zara a 72o rs.
e 3 libras elegantemente enfeitadas com ri- Licor francez de todas as qualidades em
cas estampas na caixa exterior a l,3ool garrafas de vidro brancos a 72o e 8oors.
l,6oo 2,ooo e 2,5oors.
dem em latis de, 1 l% e 3 libras a I,4oo e
Previne-se ao respeitavel publico que todos os gneros cima sao de boa qnab
dade, e para desengao venham ver; assim como outros que deixam de ser annnnriados.
LIQUIDAClO!!
NO
HtHAXKfflT OIEVADOR
; Breu louro a 3oo rs. a libra e 8,ooo rs. a
arroba.
Papel pautado e liso almaco e de peso de
3,ooo, a 4,ooo rs. a resma.
Ervilhas seccas chegadas
2oo rs. a libra.
no ultimo vapor a
rs. a libra.
Rnl libra, e 3,5oo rs. a barrica.
Azeite retinado a 8oo rs. a garrafa.
Ctaromm inglezas de todas as qualidades a
750 rs. o frasco.
0}U9Uip8l8qinS3 91S8 JBp
-bj3wwp u uioueui ap raa.vjas so epno 'ajjcd BJjno b oba a as-ujBpuio sezeA sejmu sajsa
airijod oaojd oiojBq srein jod sajauaa sajoqpui so epooA os anb a gg -u saznja sbp
i:ni ei etsiswjaojd uwzbujjb ou os anb Jd.\ Mqi-opuazej, 'soJopBjJod snos so raoo ogi
-U3UB Bpoi J^n saJoquas sotnsoui s opua.vap 'JcpciSc obu onb opofqo JonbiBnb J9.\io.\8p
uwJBpueTn ap joabj o raazBrajB ajsou JBadraoo raojBpuBm anb sajoquas soe epad orasara o
'oiuaraiaapqBisa aisap soudoad ogu sopafqo opuajuoa ouisain Bpu|B "Bpuararaooua aaub
-lunb JBivBap as-B8ajJBDu'd : aiuara|possad opui.\ oraoa.sopiAjas raaq 051 majas 'soabjoso
no sopsx) snas jod jejdraoo majBpuera anb ssssad sb b5ubb a 'sopenopuaui oxreqB so^
-ajd sojad apapiiBub BJiarajjd ap sojguag sopiaaijuoa uiaq Bf snas so japuaA opBJaqnap
uiai lsazan8ajj snas sob Jiuas maq eaed jaAissod joj anb o bpnj jazBj bisia ma aadmas
opuaj 'B|swsaj8oJd opeuimouap raazBuuB opsiipajOB ojmra vop oiJBiaudojd o
'99 'a ~ >!>n |ni:s ap ojj|cq op /iijj p 1:11.1 98 'Jal
3d
30

2,6oo rs, cada uma. f
Figos de comadre em bauzinhos de folha
muito proprios para mimo a 4,60o.
dem em caixinhas a l,4oo rs.
dem em caixinhas ermeticamente lacradas
e muito bem enfeitadas a 1,80o rs.
dem a 2oo rs. a libra.
Passas de carnadas as mais novas que .ha no
mercado a 4oo rs. a libra e a 6,000 rs. a
caixa.
Salmo em latas ermeticamente lacradas a
800 rs.
Lagostim em latas grandes a l,4oo.
Savel, corvina, cherne, vezugo, peixe espada,
preparados pela primeira arte de cozinha a
a l,3oo rs.
Queijos flamengos chegados no ultimo va-
por a 2,4oors.
dem do vapor passado a 2,2oo 2,ooo e
1,800, rs.
dem prato do ultimo vapor a 64o rs. alibra.
Doce da casca da goiaba caixes grandes a
600 e9oo rs.
Chouricas as mais novas que ha no mercado
a 48o rs. a libra.
Chouricas mouras encommenda especial nos-
sa a 5oo rs. a libra.
Prezunto verdadeiro de lamego em calda
de azeite 5oo rs. a libra
Bolaxinha ingleza a mais novas que ha no
mercado a 2,ooo rs. a barriquinha com
1 arroba, e a 24o rs. a libra.
dem de soda de diversas qualidades a 1,400
reis.
dem em laias grandes, proprias para lunche,
com 5 a 6 libras por 2,4oo rs.
Marmelada imperial do fabricante Abreu e
outros conserveiros de Lisboa a 600 rs. a
libra.
Frutas em calda de todas as qualidades a
5oo rs.
Ervilhas francezas a 5oo rs. a lata,
dem portuguezas a 64o rs. a lata.
Massa de tomate a 64o rs. a libra.
Amendoas oonfeitadas a 7oo rs. alibra.
dem de casca mole a 28a rs. a libra,
Avelans a 2oo rs. a libra.
ME
N. 21LARGO DO TERQO-N. 21
Avisa-se ao respeitavel publico que mudou-se do seu estabolecimenln i
denominado conservativo em consequencia de percisar concert, que obrigou-se a |imUu
Vinho Bordeaux das melhores qualidades! os gneros e por ser grande quantidade, est resolvido a vender por menos de 20 a M)
que tem vindo ao mercado a 72o e 800,% do que em outra qualquer parte garantindo-se a superior qualidade de qualquer ge-
nero comprado neste armazem.
Garrafes com vinho Figueira mandado vir por conta propria por 20000.
Vinho em pipa, Figueira, Lisboa, Porto de 32o a 5oo rs. a garrafa.
Batatas novas a 40 rs. a libra e a l,2oo rs. a arroba ou caixa.
Conservas inglezas sortidas e de uma s qua- iCn do melhor que ha no mercado a 2,800, 2,5ooo e 2,ooo rs. a libra,
lidade a 800 rs. o frasco. Manteiga franceza de muito boa qualidade a 5oo rs. em barril e 560 rs. a libra.
dem ingleza perfeitamente superior a 72o e 800 rs. a libra.
Tijollo francez de grande tamanho a 14o rs. cada um.
Bolachinhas inglezas a 2,ooors. a barrica e 2oo rs. a libra.
Velas de espermacete, Aracaty e composico a 36o, 44o e 63o rs. a libra.
Palitos do gaz sem avaria a 2oo rs. o maco e 2.3oo rs. a groza.
Milho alpista muito limpo a 160 rs. a libra, e arroba 5,000 rs.
Alem destes gneros ha outros muitos que enfadimho seria mencionados, o .
se a dinheiro.
rs., eem caixa a 7,5oo, 8, e 8,2oo rs.
Azeite doce refinado do fabricante Pelanol e
outros a 800 rs. a garrafa.
Araruta verdadeira a 32o rs. a libra.
Gomma de engommar muito alva a 80 rs.
a libra e 2,2oo rs. a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franfa a 16o rs. a libra.
Sevada muito nova a 12o rs. a libra e 3,2oo
s. a arroba.
Macarrao a 32o rs. a libra.
dem e talharim o mais novo que ha no mer-
cado a 48o rs. a libra.
Aletria a 5oo rs. a libra.
Arroz carolino a loo rs. a libra e a 2,8oo rs.
a arroba.
dem do Maranho a 12o rs. a libra, e a
3,000 a arroba.
Caf do Rio o mais superior que se pode de-
sejar a 32o rs. a libra,
dem a 28o e 3oo rs. a libra e a 8,2oo, 8,4oo
e 8, Too rs.
Velas de carnauba refinada a 32o rs. a libra,
e a lo,ooo rs. a arroba.
dem de spermacete a 64o rs, a libra.
Chocolate hespanhol e francez a Ooo e 1,00o
rs. a libra.
Estrellinha epevide muito nova a 4oo rs. a
libra, e a 2,000 rs. a caixinha com oito
agencia 100$ de graiifirara*
DA Fugio no da 20 i!e selemltm d- 1H3!*, do 1
TiTTTT\rn I rt 1*11 rnnr haaii nho Monge, comarca de Goianna, frpgu.'iia *e ItoV
FUNDICAO DE LOW-mOOR. be, o escravo crioulo por nomc Bartolom.., *
Rm ili Scii/alla nova n I idade ** annos- alll,ra TeSal3r- cor P1"61? ** *
nua a MBiaua nova n. 1-. den|es na fren(p ivas ,,, encarnada-, *,
Neste estabelecimento continua a hayer poUca ba,.b,) corpo nm l)ouco fomi.in. vems *-
um completo SOrtimentO de moendas e meias as, ps pequeos, olhos regalares, e o braaeo *
moendas para engenho, machinas de vapor oiho um pouco verm.iho. maMo \\r*w*, lantfai
p tachn* (te ferrn hqtido e coado de todos OS de ^"a- e ^os,a de mbreagar-se, a*
e tacnas ae ierro Dauuo e coauo, ot iouos os jn(jma do valent Es,,; escravo ronsia agora w
tamanhos para ditos. 0 ann0 passado fra preso no B;-ejo de S. \\r*m
^^ pelo subdelegado dalli o Sr. Mano.M -' > Regty pm
----- .m.~~ -.-*m occasio de bebedeira e dizer uue linhahfcwwi
ESCRAVOS FGIDOS. mortc cm 1>edras de Fos- ^iowfoi r,,"*Hn
______""""* ww **" m eadeia de Nazarelh. e nao tendo aopareci .... me foi posto em liberdade, e dessa oreaso cato
Fugio em diasdomcz de abril do crreme ((0e foi lrabalhar na estrada de ferro ramonome
anno, o escrauo Manoel, de naao, idade de 50 an- ,Je j^ FrancSCo a titulo de forro : qoeni o
no engenho Monge cima dito ser gratifica*) nm
100*000.
nos, pouco mais ou menos, com os signaes seguin-
tes : tem a perna direita torta, bocea grande,
beicudo, sem barba e anda qoasi sempre embria-
gado, foi escravo do fallecido Joaquin de Paula
Lopes : quem oSappreheadcr leve-o ra da Ca-
deia n. 00, segundo andar, quesera recompensado.
iTTTEH^AO.
Ainda se acha fgida a escrava Jacintlia, e eons-
ta-me que esta escrava vive occulla pelos escravos
iiDrag I do Sr- Dr. Antonio Tristao de Serpa Brandao, em
Phi nernla muito esnecial ehflffad neste ul- Marinha Farinha, e quando dahi sahe oceultada
Cha peroia muito especial cnegauo nesie tu-1 ,os escravos do Sr. Honorio, dono do engenho
timo vapor de encommenda particular j Japumim, em Goianna; por isso peco aos mesmos
nossa a 2,8oo rs. a libra.
dem huxim muito superior a 2,7oo rs. a
libra,
dem hysson a 2,56o rs. a libra.
dem hysson a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
dem preto homeopathico e muito superior a
2,ooo rs. a libra,
dem nacional a i,600 rs. a libra.
Batatas muito novas a 80 rs. a libra.
senhores de rae fazerem o favor de a mandar pe-
gar, e remette-lo ra Nova n. 44, que se pagar*
todas as desperas, assim como muito se agradece
aos mesmos senhores. __________
m

Contina a estar fgido desde abril do cor-
rente anno o escravo comprado ao Sr. Manoel da
Gama Romeiro, morador ora SaBto Amaro de Seri-
nhaem, de nomc Seraphim, crioulo, de 25 annos
de idade, pouco mais ou menos, bonita figura, al-
to, espadando, pouca barba, olhos esbranqu irados,
dentes alvos e perfeitos, ps grandes, dedos bem
separados o desunidos, unhas achatadas, c quando
Charutos dos melhores fabricantes aa Bania atemorisado gagueija consta que tem sido visto
e de todas as marcas, como sejam: SUS- no sitio do Arraial ou Casa Forte, moradia do Sr.
Diros havaneiros, messecipes, regaba im-,Mai>oel Romeiro de Gouveia: qnem o opprehender
npri-,1 flnr perial, flor das mallas, P"rao a *'00' M oUveira, no engenho Jaasir ou Cachocira, em
3,5oo, 3,200, 3,000, 6 ,800, .DOO, serinhaem, ou nesta pra^a, na ra Direita n. 3,
2,000 e i,6oo rs, a caixa. I era generosamente recompensado.
Da casa de seu senhor o hachare I Nabar Car-
neiro Cavalcante, fugio na noile de i do rorrea
uiez, o escravo Joaqun), de 3i anno?. mol**. V
cabellos carapinhos, bous denles, pello wjyai
guma cousa spera, cor macilcou (leo* wmn4*
de sesoes a pouco iempo) estatura e corpo rfai.<
res; levou alguma roui enlroxada coa re
de, e chapeo de conro, gosta muito os MUr m
sos e canur, foi comprado juuuinei
llicr, que falleceu em flns do anno |
pitao Ale\andre Borges dos Sanio,
Catle do Rocha, termo da Parahyba.
presume que ter de ir. Rogare ai
policiaes e aos capitaes de campo, a
e a conducao do dito escravo, ao sito
irada de Belm onde reside o ~
nhor.
Acba-se ausente a um mez a WKmt Ana-'
cia, altura regular, cheia do corpo, andar
sado, tem ambas as rnaos foveiras de 1
tem marcas de custicos no peseofo e bo
cuja mulata bem conhecida por andar
tcas, sapatinhos de lia e outras reodas ae t
nesta praca como em Iguarass, S. 1/mrearoe di-
versas partes, tem sido ^Jgpojrada '' dedo o
mesmos objectos nesta a ^Wb**0*- &
te e na Estrada Nota. P,
ve-aao Monteiro?1
ouruada!
1 mente se I
"* '--------------
T
i







I
8
Diario de Peroanifeuco HnH* Mr i iHichro de I *S.
LITTERATRA.
rlL: ST'0! SKW' *".'.. "'"' "< flj cidade e,erna, Sahidos ambos de Deas, anda Agostinho, a luz da egrejad" frica, o maior eenio
o Carato, fitho de Deus vivo, que rustes ao mu n ne de diverso modo nnrniM n n^Q. DL.!.i >.L ,L>. >n j '.umur gumu
tlo.-(Iorm. XI, 27.) qoe aeai\erso moao, porque o poder espiritual I tenh|ki8lrado o mundo, deu estas
feota directamente da ImRtalcto divina, cmquan- |MHMnDa nova e urna importancia
b, n nrlnrlfe il- "W? t0 ,em pCral Se "a0, '"l a ella senio indirecla 1ae chamou naturalmente sobre ellas a attencao
? .f?JL?!LK3^ 11H0 ,. ini?*Tr- ,COn} r?Provado ,e'os> n, mente ; puras ****&" da JU^*- e da bondade de toda a egreja. Desde entao os mais notaveis
(agres de Jesustln* ^^^.-Aj,da dejesus-por Ernesto Re- infinita, esses dons poderes inda que pela propria, prelados, S.Hilario d'Arles, S Paulin"t CT
Por estas razos, sob a invocaeio do santo nome
de Deas.
R. P. Ventura.
SEXTA.
nan, Paris, 1863; e condemnamos este livro por' tjni R.. nann\~. n
e*tar incado de propos.c5es temerarias, impias, es- ,ndolc e 0ni Pecu,iar se colloqnem em

As bodas de Cana.
Joinni. II.
O que casa a sua filha don- r
zella, '
casa
bem cu tenho Espfi
Dcus.
(I. Cor. I7/,:i8 e 40.;
(Continuacao.)
Eutrulanto, meas irmaos, nao vos niaravilheis,
de que SBmao e %ia esposa abracem assim a santa
virgindade. Elles beberam o vinho milagroso de
Jess Christo, que .', como dissemos, a fisura do!raas '>rror impiedade "com urna terna carida-
v,o mais my^ da Md. : v,* < SfM5SSS SASTgE
delicioso e mella vil, que arranca a alma das pai-, de Jess, afim de que Deus nao o puna pelo atten-
x<5es carnacs. e embriaga-a com as delicias do es- k'do que ousou commcMer, mas Ihe conceda a
pirita Tal vinho faz correr no mel da corrupcao ^5a,oi ,retralar..aules de morIer' a, b'asPhemias
os lizes do pudor l acabam. de atterrar o mundo catholico.
o." E ser nossa presente carta pastoral etc.
K. pois, Jess Christo com osuu milagro, nao s _______
exaltou a virgindade, mas ainda revelou-nos, qnal M
a somente que a produz, qual o sueco que a rega,! Men,0a apresentada S. M. o Imperador pelo hispo
qual o mysterio que a fecunda, desenvolve-a e man- do Para acerca do dwrelo n. 3,073 de 22 de
tera-n'a. abril ultimo qne uniformisa os estudos das ca
o grao escomido, o vinho precioso da eucha- deiras dos senin'rios episcopaes subsidiadas pelo
ristia. estado.
E notac, que o vinho miraculoso da Cana foi so- Senhores.Se dever rigoroso dos bjspos fazer
mente a figura da eucharistia; e todava levou cl'egaraverdadeaopdothrono,bemdocecumprir
dous esposos a abracaren, a virgindade. Ora, se' este dever quando sobre o throno se assenta um
tal foi a eficacia da figura desie sacramento, qual' monarcha digno cm tudo de ouvi-la.
ser a virtude de suarealidade? Se o vinho mira. E'com toda a confianca que este r.
culoso do Salvador produziu tal effeito, o que pro- m'inspira que venho respetosamente augusta
duzircra nos o seu singue precioso? S. Joo presenca de V. M. I, a impulsos de ininha consci-
Clrysostomo apressa-se em no-lo dizer : o effeito cncia reclamar contra o decreto n. 2 073 de 22 de
TIIC li <" I 11 i''i 1 it,i. I < t i t i A nnnlmnn r\r* hhiJa nl!l >.I!a _______ < _
espheras Ambrosio de Milo, Ibas d'Edessa e outros muitos,
candalos'as, blasph'emaWias7 sacrilegas, errneas! perfeitamento destnelas e independentes, sao cha- e tambera os principaes concilios nao cessaram de
TS. ... flA lmados a entenderem, a se auxiliaren, mutua- recommendar, e propagar por toda a parte tao
s aos ecclesiasticos e aos fiis ;ub- mente, e a realisarem de um modo harmnico o uleis fundacSes, a que o famoso decreto do conci-
fim supremo da ft-ovideacia no governo deste' lio de Trente, as sess. XXIII cap 18 de reforra
mundo :-a fellcidade do genero humano. I veiu dar emfim o ultimo desenvolvimento e per-
Mas esta harmona tao necessaria ao floresci- feic,5o.
monto da religiao e ao governo das sociedades nao Por este decreto, recebido com applauso por toda
pode existir seno com a condlcao de que cada a christandade, sao os seminarios confiados sol-
um desses poderes so mantenha inviolavelmenteicitude dos bispos assistiios pelo conselho de dous
tTLtir^VLiT F**? atribui5eS; Ws dos mats antigos e experimentados, escolhi-
sen invadir as do outro. A egreja nao tem que dos pelosmesmos b,spos, segundo o Espirto Santo
governo lerapora. do estado o' lhes nspirar; ahi nJo aos bispos % ZZ
tem que ver com o iodas as medidas para-sustentar e fortificar um es*
- a nossa Jurisdicgao comprar este livro,
a'f. mlor- iu JSuAan le''-' guarda-.,0 emFla-lo, sob as penas canoni-
m u te E o EsnSi o d l.n'P?SIS aque'cs 1ae scicn,e voIun,ara-
> mente lerem, gtiardarem ou propagaren! Jvros
lierelicos.
3. Exhortamos aos padres, s communidades
religiosas e aos fiis a juntaren) a sua aejao de
rafas, depois da communbao. urna oracao em
esaggravo dos ultrages feitos pessoa adoravel
do FE S. Jess Christo.
4. E como de vemos sempre unir em nossas al-
entender com o
estado reciprocamente nada
governo espiritual da egreja.
Tal a independencia dos dous poderes, princi
pi capital que nao se poderia abalar sern transtor-
tabelecimento tao santo e tao pi ; ahi se declara
que devem ainda os bispos escolher e approtar
professores idneos para os seminarios, presererer-
nar profunamente todo o plano divino na econo- lhes o que devem ensinar, segundo julgarem a pro-
mais natural deste mysterio acalmar os arredo-
res da concupiscencia, e reprimir os estmulos da
carne cunta o espirito. Ilaziio porque o remedio
nico, corto c infallivcl para triumpliar das tenta-
c5es carnaes, c receber freqiicntemente a divina
eucharistia. E de feito, quaes sao os que levam
urna vida pura e anglica ? Os que vao multas ve-
res, com a^ disposiooes exigidas, sentar-se a mesa
'urharstica. Quaes sao os libertinos, os dissolu-
tos que espantam o mundo pela licenca e pelo cy-
tiisino das suas impurezas? Os que nunca se ap-
proximam do aliar, ou os que o fajera apenas urna | com avisos
vez por anno, para profnalo. Nao nos queixe-
mos, pois, da fraqueza da nossa carne, contra a
qual Jess Christo deixou-nos um antidoto tao cffi-
caz e tao poderoso. Usemos, como conveniente,
desse antidoto; entao venceremos esta carne re-
belde, comecaremos a gosar as delicias do espirito,
. posto que aida na ierra, iremos iniciando-nos
na posse do cu. Amen.
no Floriano Flix Desprez, por graca do
da sania s apostlica, arcebispo deTou-
Cara pastoral de *. Bxe. o *r.
arzobispo de Touloiisc, con-
demuando o livro iutitulado
Vida de ^esnspor Krncsto
Renn.
Juliano
Dens e
lou.se e de,Narbonne.'prmaz'.'la tallia Xarbonne-
za. prelado assistente ao solio pontificio etc
Appareceu ha i>ouco. carissimos irmaos, um li-
vro impo sob o falso titulo deVida de Jess
por L. Renn. Eslavamos resolvido a conservar-
me-nos em silencio soljj-e esta obra, recelando des-
pertar a attencao publica para urna aecao mi com
a sensacao qne produz urna censura, 'o favorecer
urna especularlo que se funda no rumor do os-
candato com a poblicidade de nma condcmnai-o.
Mas hoje que esta obra perversa tem adquerido a
nuior notoriedadc, nao ha mais perigo em torna-
la condecida, porem sim em parecer tolera-la ls-
im pois vamos levantar a voz. carissimos irmaos,
wiT-22S?Sa0 aS .Cm053es da cnscienci
I, l.hca indignada, e tambera para qne nao-so acre-
dite que os bispos, instituidos por Deus para diri-
g rom a egreja, abdicara o direito de julcar cm
materia de deatrna. fc
l'nristo carissimos irmaos, sera entrarmos nr
parte fundamental da mencionada obra deisam '
aos contraversstas o cuidado de apreciar o v- )S
scientiaeo do Sr. Henan, e de provar-lhe uue lor
longe un ser um innovador, nao mais qr c\\*
tardo plagiario de Sneno Ario e de Straus' mia das sociedades humanas.
t A vos deu Deus o imperto, dizia Osio, bspo de
cordova, ao grande (kmstanno} a nos o governo
da egreja ; e da forma que aquelle que usurpa vos-
so poder imperial resiste ordera de Deus, asslm
evocando vosso tribunal as causas a egreja vos
tornarieis culpado de um grande erime Est es-
eripto : Dae ao Imperador o que do Imperador, e
a Deus o que de Deus.
psito e tanto a egreja esteve sempre convencida
que estes pios estabelecimentos, interessavam no
ultimo ponto a substancia mesmo de seu governo
espiritual, que ura concilio de Aquilea celebrado
no anno de 1596 nao duvidon declarar que t sera
este subsidio nao poderia firmar-se e manter-se a
disciplina ecelesiastica.
t Assira a egreja atienta era difundir por toda a
parte a instrnecao, creando escolas gratuitas em
I beneficio da mocidade, e inspirando aos maiores
t impuna cenamente a prespendade de vosso' genios o heroico pensament de se dedicaren, ao
remo, escrevia Flix III ao imperador Zenio, que \ penoso ensino d elasse pobre e miseravef, consa-
vos appresseis.... a vos conformar ordem estabe-' S11:d'* grande- arcebispo ja sitado, entn> as re
smo lempo fruc-
iiao lombar da
looca do orgulho.
dado de informar-
. durar taulos secu-
, estancar lautas la-
adoramos,
cuidado de estabelecer
.lissivel. se o Messias dos
os secutes c os povos mais
o, por tercmjulgadocvidcn-
e dava de sua divindade, ou
sopbico louvado como um cn-
. Renn, e que apenas um lio-
so declarar Deus nao o sendo;
alsidade de sua asserejio com im-
icto chamadas falsamente milagros,
i- emfim a idolatra no mundo, usur-
;oes surprehendidas pelo cbaratanis-

Olanlo nada lhe pertence no sen livro sen7 ? por-
lidia da forma e a impiedade da mtencao io a per-
lieixaraos ao scuso commnm o cuida-'
dirsoprofessaruma opiii.io da qual Jo de deci-
a 'hrisiandade tem explicado mirante resulta, que
los os livros santos sein compre.he' desoito secu-
0 mundo civilisado tem sido ao me- .ide-los, c todo
to e ludibrio de tal mvsttficaeao,
razan em nome de urna critica
Deixamos experiencia o cu
nos se o Christo do Sr. llenan
tes, praticar tantas virtudes
grimas como o Curiste que
Deixamos lgica o
qual (los dous mais adr
christaos parante quem
cultos se tem proslrad-
tes as prona que ell
este usadas phik
t sublimo,pelo Sr
mem honrado por
por sustentar a f
1 osturas de f'
c |>or eternisa-
pando adjrac
mo.
I'asand'
nios aos ,> a outros pontos de vista, nos deixa-
assitu er ^aristas o cuidado de apreciar se attacar
as coro -professo o dogma fundamental de todas
odiosr munhoes christas nao commetter um
Fr^r alternado contra a religiao da materia dos
.cezes.
Jeixamos aos polticos o cuidado de meditar se
rmittir que se offenda a cabera de todo principa-
do a poder: Est caput omn'S phncipatus el potes-
tat (Col. II, 10) nao consentir que se fusliguem
todas as autoridades legitimas da trra na pessoa
de seu chefe. Em verdade carissimos irmaos, no
da em que for desentlironisado o Deus em cuja
presenca a justica profere os seus orculos e que
consagrou os poderes terrestres por estas palavras :
Dae a Cesar o que de Cesar (Math. XXII, 21),
nao restara mais urna s autoridade firme perante
a consciencia publica. Porque attentar contra a
pessoa adoravel de X. S. Jess Christo derrabar
a primeira autoridade dos imperios christaos, e
solapar as bases de lodos os outros.
Deixamos anda carissimos irmaos, aos moralis-
tas o cuidado de pronunciar se bemfeitor de seu
paii aquelle que declarando a moral do Evangelho
puramente humana, reconheceu implcitamente
que se podia impunemente !bertar-se della sem
commetter-se crime algum, e estabelcccu assim o
principio.de urna anarchia capaz de precipitar a
civlisacao moderna, pela mais horrvel libcrtina-
gem no mais horrivel cahos.
Abandonamos emfim philantropia o cuidado
de declarar se tem bem merecido da humanidade
soffredora aquelle que acaba de arrancar o divino
Crucificado das maos dos desgranados sem conso-
laees. de derrabar as cruzes no alvergue do po-
bre, e de proclamar que a esperanca christaa nao
mais qne um prejuiso dos seculosignorantcs.
Seria intil, carissimos irmaos, se quizessemos
enumerar todas as blasphcmias e impiedades que
contm o livro que vos denunciamos, pois nos fal-
tara tempo para faze-Io. Por isto, como nao c de
nosso dever conta-las,mas smente assignala-las,te-
mos julgado que agora era occasiao propria para
exercer um acto de autoridade ao qual estamos
corto que corresponderis por um acto da mais
viva t.
Fieh dcsta diocese catholca, ura attentado co-
mo nao se tinba ainda visto desde o da em que o
philosopho de Fem y exclamou : Esmaguemos o
infame! acaba de commetter-se contra o Deus que
adoramos, N. S. Jess Christo. Padres a quem el-
le honrou com o seu sacerdocio; paes e mes cu-
ja autoridade consaflfjjsx: esposos christaos cujos
iaros consolidou, ms] Byk quem elle abencoa
ainda todos os diajj ^Efr quem prometteu os
primeiros lugaMl ^^P> todos nos> caris"
simos irraaosJH HT c urna repitamos
como a irmiufl Hete grande brado de
abril ultimo, que uniformisa os estudos das cadei-
ras dos seminarios episcopaes, subsidiadas pelo
estado decreto que inspirado sem duvida pelos
desejos mais puros de favorecer a egreja, abre in-
felizmente urna nova brecha cm sua disciplina,
nflige-lhe novas humilhacoes e aperta cada vez
mais ascadeias com que se aeha ella opprimida
em nosso paiz.
permtta V. M. I., que o diga com a dolorosa
franqueza que devo ter nesta occasiao : de mu-
to, Senhor, os bispos do Brasil somos contristados
c decretos restrictivos da liberdade e
independencia de nosso sagrado ministerio; de o
maito notamos com magua a funesta tendencia d
governo a ingerir-sc na economa da egreja como
se se procurasse reduzi-la pouco e pouco condo
cite de um eslabcleeimento humano, a um raeri-
ramo d'administracao civil.
Parecem nao ser mais os bispos do Brasil que-
funecionarios pblicos, sujeitos ao conselho de es-
tado, que imitacao da celebre mesa de conscien-
cia e ordens, decide em ultima instancia as qucs~
toes mais graves de direito cannico e d'adminis-
tracao ecelesiastica, apenas dignandtv-se s vezas
consultar os prelados como meros informantes.
A catechese, a residencia dos jarochos, o novi-
ciado dos conventos, a adrainUtfacjo das. egrejas
delles, os estatutos das ca.thodraa* c dos semina-
rios, a organisacao que se deva dar a estes ltimos
estabelecimentos, e at os nemes que lhes compe-
tem, as condicoes que se dov^em exigir para admis-
sao s ordens, tudo, Uto jitfga o governo soc de sua
aleada, sobre tud',, isto s-er com direitc de deci-
dir, decretar e > >egislar, o se um hispo do imperio
promove esir 0ias et8i favor das pias obras da pror
pagajo da f c a -jn^ infancia, porque dous
decretos ll> e c0nc01jpm para isso urna autorisacao
que ahi r c ,jec|asa. necessaria; em lim para po-
dermo? assistr ao exame dos nossos lentes do sc-
n!iua' io mister que o decreto de 22 de abril
jio, declare que os bispos pdenla assistir a
c exame.
Em tao tristes circuraslancias, egualmente hu-
milhados pelas facilidades que nos sao concedidas
c pelos poderes que nos sao tirados, nossa linha de
proceder nao pode ser duvidosa, Senhor.
Guardas do deposite sagrado e postes pete Espi-
rito-Santo para regermos a egreja de Deus ua
plena liberdade que Jess Christo lhe adquiriu
com o preco de seu sangue, empenhados pelo jura-
mento de nossa sagracao a manter inviolaveis os
dircitos da hierarchia sagrada a que pertencemos,
nao podemos licar mudos sem trahir nosso
dever,
Sentmellas vigilantes, um brado ao menos langa-
remos do alto dasmuralhas santas para assignalar
aos poderes deste mundo o falso caminho em que
se acham empenhados, eao paiz inteiro o abysmo a
que, sem o quercrem e sem duvida na melhor f,
o vao conduzindo.
lecida na egreja, ero lugar de lhe substituir pres-
cripcoes de om direito puramente humano.
Ninguem me poderia persuadir, ajuntaS-Jbiio
Damasceno, que a egreja deva ser governada por
eis eivis; ella-o peta mstituicoes transmitas
por nossos paes ou por escripto eu por tradieao
oral. Porqo.) nao foi aos- reis, mas-aos aposteles e
seus successoresque conferiu Jesos Christo o-po-
der de ligar e desligar.
O apstol diz : Bfens estabelwm alguns- na
greja : primeiro apostlos: segundo.prophetas *r- legio8' a'Fran?f' iah,da *P*nas Jo-goWo deuina
espantosa revotucaoque enrolveu na mesma ruisa
o throno e o altar,quebron poucos annos o cin-
gras invariaveis de seu governo a institucSo de
seminarios ou casas especiaes, onde como em vi-
veiros permanentes se nutrisse e perpetnasse a
tribu escolhida a quem deveconttor-se o deposite
da are santa. >
Eu podera ajuntar ainda a pratfca de toda a
egreja eatholfea, que em tados os paizes considera
os seminarios como estabelecimentos puramente
ecclesiasticos, sujeitos, ramo taes, jnrisdicco ex-
clusiva-dos bispos.
A mesma Franca, cuj'o governo dominado ainda
pelas Badlc^oes do vellio gallicanismo, nao per
certo dtescuidao em manter snas regalas e privi*
O gbverno nao pode reformar os seminarios,
raas smente fornecer aos bispos os meios male-
riaes para essa reforma.

O governo nao pode, sem faier grave injuria
dignidade e honra do episcopado, snjeitar ao con-
traste de suas secretarias os regulara entes dos se-
minarios, como nos foi ordenado por urna circu-
lar recente; ainda menos oflereccr aos bispos pro-
jectos de regulamentos para esses estabelecimen-
tos como no consta ter acontecido n'uma diocese
do imperio.
O governo nao pode impr aos bispos urna nova
disciplina contra a que est estabelecida na nossa
esrreja, e creio que em todas as do mundo, sobre a
maneira de nomear os lentes dos seminarios, tiran-
do-nos o direito de que estavamos de posse de os
nomear livremente, e prescrevendo, sem nenhum
accordo com os prelados, a le do concurso, a qual
se vigora no provimenlo das paroehias, por auto-
ridade do concilio ecumnico de Trente, e nao por
disposico de lei civil.
O governo nao tem direito de ordenar que se lhe
sejam enviados os compendios pelos quaes se Icc-
ciona nos seminarios, pois tem os bispos missao di-
vina de ensinar religiao, e ensfnala com sobera-
na independencia dos poderes dese mundo-, e inda
que possa um ministro de estado sor mil vozes mais
esclarecido que um prelado, falta-llre a missc- ne-
cessaria para ensinar, porque nao foi aos ministros
dos reis da trra, mas aos pastores da- religiao qne
foi dito : Ide e ensinaef
Assim apezar da boa vontade que tem o governo
de favorecer egreja rorroso- dizer que elle ultra-
passou os limites dentro dos quaes devora limitar
sua acclio para nao offender os direitos dlla. E
eis porque reclamamos, senhor. V. M. imperial o
coroprehende em sua alta sabedoria. O que est
era-queslao nao precisamente o seminarie;_ a
libeidade da egreja ; o que nos eombatemos nao
o simples acto de um ministro, a cujas rectas in-
teneoes sabemos fazer justica ; 6 a tendencia de-
ploravel da maior parte dos ovemos de quererem
arrancar sociedade christaa toda autoridade so-
bre sua disciplina externa e sobre suas possessocs
temporaes; o principio desorganisador que snb-
mette O'governo da egreja ao magistrado civil,
principio que um seo escriptor diamou com ra-
zao a grande heresia desles tempe*; esse dirsite
pblico-hostil que qur encerrar a egreja nos limi-
tes do astado, reduzir a nada sua divina indepen-
da, dirigir a marcha de sua admiiHSttacao e esta-
Iha-la a-sens direitoe.
fMfe-
ceiro pastores e doutores-para a pertticao dos san-
tos ; mas nao dissereis f.
Ao governo vil, ainda. urna vez^enmpre prover
sobre o temporal dos-estados; a egreja cabe a.ad'
ministrafo das cousas espirituaes -t e ella te notan-
te mais direito.dereivintfear esta sua independen-
cia na esphera espiritual, qaanto-1 a primeira a
manter e a sostentar como invielavel a indepen.
dencia dos goveruos na esphera temporal. A egreja
com effeito naenoina-nenidestitus os funecionarios
do estado, ncm toma costa aos ministros da gestao
culo de ferro de seu monopolio universitario, a
deixou emfim engrandes o pequeos seminarios
sob a vigilancia exclusiva do episcopado, semre-4
servar-se o governo a mnima parte na direccao
quer moral,quer intelkemal desses sagradosa'st-
los, d'onde nem por isso tem deixadode sabir os-
humens mais eminentes em ledras e virtudes. Tal
a disciplina dessa grande egreja que tanto tem
contribuido para a gloria da Franca, egreja pata
sempre Ilustre a que se eve os Bossuet e os F*-
iiclim, e que nnindo as luzes pureza da f, o zelo
religioso ao amor da patria, a dedicacSo ao throno
saotidade des costumes, tem merecido o respei-
dos negocios que corren por suas pastas nem hr t0 c a venera?w> ^e ,OI0S os Pvos> com0 pr0-
lok rJ.r "*--- n. urf.____. i clamava no principio iesto secute- um distittoto
eis soore uaan?as, nem regula os processos- eleito- rtmflinti
raes, nem decreta refirmas para a- magistratura, 0 A propria Inglaterra, apezar de dominada pe-
exercito, a^ marinha- j los mais injpstos preconceitos contra o cathofiois-
Tudo isto est sob a aleada do. governo civil e a *' da. nese P0"10 UH> admiraycl exemplo dc-to-
Fiz ver qne i?e uteis
vez apressar o desenvoln
te industria, se os operarios <
sem mandados para esses vanos
a natnreza tem desdobrado
e riquezas, levassera romilpi
scientificos necessarios ao
las e aprecia-las : que quem percorren o* i
do espirite humano, nao '
vedoras aos missionartes camoaeos
phia, a corographia, a botnica, a
tras scienrias humanas ; que emfim o gwtran im-
perial que pensa ja com previdente sotirimit tm
assegurar por estudos mais ampios e mais m>
fundos a alia eduracao inlellectoal do clero Wv
sileiro, promovemk) o estalieieciineiilo de facaaia-
des theologicas em que a mocidade estoiam a-
profunde as sciencias sagradas, adiara sem En-
vida conveniente ir desde ja preparando esse k
songeiro futuro ministrando aos bispos smalas
de complctarem qnanto ( possivel, o qmrs m
estudos elementares dos pequeos e _
minarios, afim de que pussain um da os
destes estabelecimentos levar aos cursos
res aquella torea c distinceo d'espirito, qoc
fructe de estudos elementares completes e
mente dirigidos.
"SGtSZ
lerancia.
egreja migara commetter umerime se uljrapassas-1 m ollegios catnolicos que ali existem. diz
se a raa, que Deus, mesmo lhe raarcou, euiolrendo. um historiador contsmporaneo, sao, bem como os
se em negocios se miar es.
O estado deve pois, usando de reciprocidade, res-
pequenos seminarioc de Franga, inteiramento snb-
raettdos aos bispos-dos districtos onde se acham
e governados por padres seculares.... Qaalquer
peitar a liberdade da egroja na administracao dos que seja. o regnw destes ccllegios, ou subordi
negocios espiritnaiis e nao ingerir-se por forma al- nados aos vigarios apostlicos, ou perteneentes a
guma nelles. Deve-o, Sonhor, sob nana do Doster-!a,guma coneregai:ao religiosa, nem o estado, nem
^r u; inAn^i a uoiversidade exercem autoridade algnroa no n-
gar-se a le mndamental que regula as relacoes tericr destas casas.
dos dous poderes c roraper-se o vinculo sanda- c Nestes coltegios o governo nao pedo senao a
vel que os devo ligar entre si para felicidaB do obediencia s leis, e a universidade nao exige dos
mundo.
Ora maguera pode negar quo os seminarios per.
toncara ao espiritual.
Com effeito a nota distinctiva e caracteristica dc-
aspirantes senao que satisfacam as condi^Ses de
nm exame, euioprograrama' publicado um anno
antes. Tudo e deixado- sabedoria e religiao
dos bispos, ou dos superiores .
A vista de provas tao peremptorias qnera pode
es
Nao, Senhor, nao podemos resolver-nos a tomar,
cm circuraslancias tao criticas para a egreja, a
tremenda responsabilidade do silencio.
Embora neste secute em que tanto se assoalham
ideas de liberdade e tolerancia se nao possa soffrer
que reclamemos urna e outra era favor de nosso
santo ministerio; embora as mais puras ntencocs
corram risco de ser desfiguradas, nao eremos sabir
dos limites da submissao e do resp,eito devidos aos
altos poderes do estado fazendo-lhes ouvir, com a
dignidade calma do nosso ministerio, a voz da
verdade c da justica.
Senhor! Se o decreto n. 3,073 de 22 de abril do
corrente anno em nada compromettesse os direi-
tos da egreja e o bem da religiao, nos seriamos os
primeiros a aceita-lo com reconhecimente, e a nos
subraetter elle com aquella perfeita obediencia
que nao cessamos de ensinar aos povos por nossas
palavras e cxemplos. Infelizmente, porm, assira
no.
O decreto offende a dignidade c os direitos do
episcopado.
O decreto priva os seminarios dos beneficios
que lhes promette c assegura a alta proteccao
de V. M. I. amigo e protector munificentissimo das
sciencias c das lettras.
O decreto, finalmente, fere e humilha o clero da
maneira a mais injusta na pessoa dos professores
destes pios estabelecimentos. Tacs motivos s3o
mais que sufficientes para legitimar, nao digo as
resistencias, mas a inaccao dos bispos, que pode-
ro supportar um jugo oneroso, mas nao p-lo
elles mesmos sobre si, para me servir das proprias
palavras do episcopado de Franca n'uma luminosa
Memoria dirigida em 1828 ao rei sobre egual as-
sumpto.
Permitti, Senhor, que eu desenvolva as tres
proposicocs que acabo de enunciar.
I
Primeramente digo que o decreto offende os
direitos e a dignidade do episcopado, e por conse-
quencia perturba aquelle feliz accordo e harmona
urna cousa esperitual consisto na relacao directa Iria dfSC(>nneceri Senhor, a natura toda ecclesins-
**- u u ici<\..u uiitua | ljpa destes esobciecimentos ? Fura precizo lancar
que ella toen com o lim pxoprio da egreja que a um lraCo sobre a tegislacao cannica a tal resnei-
santilicaeao o a felicidade eterna das almas. Tuao to, abalar os testemunhos mais authenticos da his-
o que a este fim immediatamente se refere cspitori*. desconhecer a natnreza dessas escotes sa-
ritual assim como tauo o que se refere iramedia*^^
lamente ao tim proprio da sociedade civil, que e o p^ e contrariar emfim a pratca umversalmente
bem estar e a feiecidade desta vida, 6 temporal- seguida nos paizes mais Ilustrados do mundo.
Tal o genuino criterio, a verdadeira nota distincti-! l>is ^m, o decreto de 22 de abril parece des-
, u conhcccr ludo isto. Com effeito basea-se mphch
va dos dous poderes, a linha divisoria quo os sopa tamente o decreto neste principio, que ao poder
ra profundamente ; tal to principio que so deve i civil compete legislar sobre seminarios, sema me-
seguir como um fio conductor, diz um sabio publi-! or contemplago o intelligencia com a auto/ida-
cistaallerao, para n3oexpor.se a eahir as raais %g^^^^.
pengosas aberracoes. minarios, mudar o programma dos estucos; (art.
IIa7,Porra, a.guraa cousa que se refiraraais '^S^T^^jSSSSJ^
immediala e directamente ao fim proprio da egre-' lne approuver (art. 8") inspeccionar os compen-
do que os seminarios ? Trata-se com effeito de dios porque leccionam ; (art. 14o) o qne equivale
perpetuar o sacerdocio j de formar sombra do Pco mais ou menos a secularisar estes estabe-
santuario ministros idneos para a propagado do j ^SS^leTmenor^aof jSsdlcgn Jo
Evangelho ; de nutrir com o puro leite da doutrr ^ piSCopado que soffre desfarte, contra as intenes
na e da piedade os futuros apostlos que devem um! do governo catholico de V. M. I., mais um golpe
dia pela efflcacia da palavra e dos sacramento fazer!em seus sagrados direitos, mais urna offensa era
chegar as almas a seu eterno destino. Tal a na-1 "^2*Tem se quer tomos consultados; e s ti-
tureza e o fim desta pia instituieao. Se isto nao vemos noticia do decreto depois de publicado. Tudo
espiritual, Senhor, se isto naointeressa a economa se fez a nossa revelia, como se nenhum voto tive-
intma da egreja, se isto nao se refere drectamen- ramos em nossos seminarios Ah Senhor, que
Eis oqnuns eombatemos; senhor, em nome da
religiao o da justica ; em nome da egreja e da so-
ciedade egualmente ameaeadas; porque emfim a
alavanea de demolicao empregada ooittra a autori-
dade ecelesiastica na tarda em voSar-se contra to-
da autoridade ; o como se exprime um grande 6is-
po, quando a causa da egreja desconhecida, teda
justica, toda subordiaaeo cstao em vesperas de ser
violadas.
A historia das revelucoes justifica de sobra esta
asscrcau a o movimonto que abala- o mundo neste
momento nos d direito de repetir mais que nunca
aos que-drigem os negocios pblicos esta palavra
de um antigo pontfice : Que nadai.ha mais til aos
principes do que deixar a egreja seguir as sites leis.
Ora i ao que na parece ter-sealtendido bastan
te nesse-decreto de- 22 de abril e eis a primeira
razio porque julgomos dever reclamar eontra
elle.
Mas-ao menos ter este acto traaido grandes van-
tag.-i:.- aos seminarios do imperio? corto que
ainda que as houvesse c importantssmas^ nao po-
denamos aceita-las com quebra. da nossa dignidade
e dos principios sagrados que devemos- manter ?.
raas emfim o ado do governo talvezse justifique de
alguma sorte considerado sob este novo, aspecto ?
Inmlizracnte nao.
II
O deereto.nao preenche os intuitos bemfazejos de
V. M, imperial a respeito dos serainarios. Fiel
linha tracada pelo alvar de 10 de maio de 1805
que faz parto da legislacSo cm vigor, tem querido
V. M. imperial nao s que seja respeitada e adop-
tada a lcgislacao do concilio ecumnico deTrento
no que concerne aos seminarios episcopaes, mas
at se ha dignado dar a estes pios estabelecimentos
urna animacao que pareca dever abrir-lhas o mais
auspicioso futuro.
Em todos os relatorios ctos ministros que tem
nestes ltimos terapos geridoos negocios ecclesias-
ticos so lem as mais bem pensadas phrases sobre
a necessidade de regenerar o clero e dar-lhe urna
instruccao mais larga e mais conforme s exigen-
cias dos tempos.
te ao fim proprio della, eu nao sc mais em verda-
de o que so possa chamar espiritual. Bem co nhc.
nao isto o quo pareca merecer do religioso go-
verno de V. M. I. o episcopado do Brasil.
Nem se diga que o governo civil s entende re-
co que se tem inventado um processo commodo guiar o ensino das lettras humanas que sao de sua
para justificar as mais flagrantes invasoes no do- a,cj}da- ,.
. ,. .i O decreto se estende a todo o complexo doses-
mino da egreja; consiste em espmtualisar de ta' ludS do seminario e nenhuma distinceo faz en-
modo a accao della, que fique toda confinada nodo" tre sagrados e profanos ; e se o episcopado de
minio do invsivel ; mas se devesse considerar s Franca sustentou com razao na grave Memoria su-
como espiritual o que invsivel e interior, e como ^SSSIS,!!^ oTSTas
emporal o que e exterior e sensivel, entao cahiria |etlras i,umanas nao 6 mais que um accessorio de
a egreja toda sob o dominio temporal, porque a que em summa a religiao pode prescindir, e que
egreja urna sociedade esscncialmente pttfcwi; os o principal, que leva comsigo tudo o mais, evi-
Sacras, o Sa^cio, M. os fl. c fS^AgtS'SSl'SSi
externo, o ensino apostlico, o governo das consc- mente ^^ espirites mais elevados da Franga, ati-
endas, tudo isso fra temporal porque tudo isso cahirem emfim, como cahiram, todas as barreiras
tem um lado por onde toca ao material e ao sen" universitarias e ficarem os pequeos seminarios
sivel Fsta monstruosa theoria no atnmrta ani- absolutamente isentos do jugo do governo ; quan-
tsta monstruosa tneona nao supporia ana (o mas ge dey( js,0 dzer dos nossos seminarios
lyse. Ella dara como resultado a absorpcao com. do Brasi|; que sao verdadeiros grandes seminat-ios
pleta do elemento espiritual no elemente temporal, onde se aprende a theologia e as raais disciplinas
da egreja no estado, do sacerdocio no imperio, e sob sagradas e s peraccidens existeni nelles alguns
poucos cursos de estudos preparatorios
Tudo pareca annunciar que o religiosa e Ilus-
trado governo de V. M. imperial estava emfim de-
cidido a fazer cessar a mais funesta das desegual-
dades, como se exprime um celebre publicista,
aquella que arrasla todas as outras, a desegualdade
dos talentos o das luzes as diversas classes da so-
ciedade, elevando o clero ao nivel de instruccao a
que tem direito e que mister nao s para o bem
da religiao, seno tambem do paiz, porque nao
menos importante para a prosperidade deste ter
habis mdicos e jurisconsultos, do que sacerdotes,
que, modelos de virtudes e guardando em seus la-
bios a sciencia, se colloquem na altura de sua au-
gusta missao.
Ora, para isto era mister alargar c completar o
quadro dos estudos do clero, e primeiro que tudo
dos estudos secundarios, base indispensavel de to-
da solida instruccao ; c como urna tenga experien-
cia tem mostrado que s em internatos especiaes
podem os aspirantes ao sacerdocio bebef *a scien-
cia e piedade necessarias para preencherem um
dia dignamente as funeces do sagrado ministerio,
pois difficilmente se conservaran puros se desde
os tenros annos nao fossem tirados do meto da cor-
rupcao do secute, d'ahi a necessidade de so dar
maior desenvolvimento s escolas secundarias ec-
closiasticas, ou pequeos seminarios, pondo-se estes
pios estabelecimentos, quanto aos estudos, no mes-
mo p dos melhores collegios do imperio.
Taes (orara as graves razoes que
governo para a creac-o de nma
thematicas elementares no seminario do fava, r
nao menos graves podera ter allegado para aes-
labclecimento de urna- de historia promaa. afe
grammatca lingua nacional, d'eiepese bibtiea e
de lingua grega, disciplinas importantissimas qne
fazem parte do-ensino do den cm todos os par*'-
cultos, sendo conhecimpnio desta ultima I ta-
gua particularmente necessario aos que cultivan-
a sagrada theologia, por se adraren esrripios ao
bello idioma de Homero, nao s muitos livros da
Escriptnra Sagrada, seno tambem urna graasV
parte dos mais venerandos monumentos da tra-
dKO'universal.
Pois-bem, Senhor, o que faz o decreto de SI de
abril i Em vez de satis fazer a estas necessidasVs
palpitantes do ensino eclesistico, forneceiido- ao*
bispos os convenientes meios para alargaren os
programma escolares de seus seminarios ; em vez
de tirar este tao importantes estabetecimentos da
triste penumbra em qne ainda se acham e dar-
Ihes o-desenvolvimentoqne as promsssas do illas-
irado governo de S. M. L as exigencia* da poc?
e as aspiraces generosas de nossa mocidade tor-
iiavaiu necessarios ; ao inverso, snpprime a ca-
deira do grego, a de exegesc bblica, a de direito
natural e elocuencia sagrada estabdeeidas no se-
minar da IMu'a, a de lingua indgena cstabeleri-
da no Para, e em lodos os seminarios do imperio.
a de geographia que Mate-Brun chaman com ra-
zao irmaa e emola da historia, e cujo eonh
to faz parte da edncaco iitteraria do nfimo <
pregado de qualqucr repartirn publica firando
assim os nossos pequeos seminarios, como se U*
no artigo 1 do decreto mal dotados rom ama ra-
deira delatim, francez, rhetorica c phosopbia !
O mesmo governo comprehendeu perfeiremente
que nao podiam cifrar-se nisto os conhecimentos
litterarios do- clero brasileiro. tanto assim que
aecresrentou estas palavras ; Fica entendido que,
alm destas cadeiras, os bttpos poderr, crenr m*
que julgarem convenientes sendo anMBMfe peku
rendas da mitra.
Eu nao seKSenhor, se com a minguada eongrua
de 3005000 por mez que- tem os hispes do Bra-
sil, congrua inferior aos ordenados e emowmentos
de muitos empregados subalternos das reparticoes
do estado ; eu nao sei se com essa mesuninha e
vergonhosa congrua, unida a alguns renoimentos
insignificantes do cartorio ecclesiastieo podero os
bispos preencher essas laeunas deixadas pelo go-
verno no ensino do seminario, tendo elles alias
todos os dias tantos pobres que soccorrer, tantas
pias obras que alimentar c tantos encargos ine-
vitaveis qne satisfazer.
As rendas da mitra Senhor, pla minha parte
confesso ingenuamente V. M. I. que nao sei o
que isto seja. O que sei que ha freguezias nessa
corte que rendera seis vezes mais que a mitra do
Para, e creio que era muitos bispados do Brasil
as ecusas correrlo pouco mais ou mer-s pela mes-
ma con'
So o governo qur seriamente que os bispos
criem as caderas necessarias, romece por dotar
convenientemente os seminario,,. Varios eminen-
tes estadistas nossos tem incalido em seus relato-
rios esta sabia medida, que c. un.,.
cessidade real e geralifiente sen. a governo
isto se obrigou solemnemente pc-ji citado al-
var de 10 de maio de 1805 em que prometteu pro-
teger, sustentar e fazer florescer este* pios asy los
como aqueltes de que maior bem podo provir re-
ligiao e ao paiz.
Esta medida em si mesma de nma inquestio-
navel necessidade. Todo o mundo sabe que as
pouoas pensoes e diminutas que so pagam ao se-
minario sao insufficientes para o costeio destes e-
tabelec Unen tos.
No estado actual de indifferenfisrao religio ,, i
que tem infelizmente chegado nossa sociedade. a
quasi totalidade das familias abastadas aflamara
seus futios do sanduario e os fazem entrar em tro-
pel em outras carreiras mais brilhantes : misier.
pois, primeiro attrahir os filhos destas familias pe-
lo beneficio de urna educacao quasi gratuita, oiv
mu pouco dispendiosa ; segundo, sustentar maior
numero do meninos pobres, tomndoos desde os
mais tenros annos e embuindo-os desde entao nos
hbitos de urna virtude salida, inspirando-lhes es-
ses nobres sentimentos de dedicacao, desinterosse
e caridade que devem torna-Ios depois dignos mi-
nistros do sanduario. Eis o que fez, o episcopado
de Franca, depois da grande revoluco. para salvar
nesse paiz o sacerdocio prestes perecer, como se
exprima Mr. Feutrier em um relatoro ao rei. Foi
assim que elle conseguiu ir pondo o pessoal do
clero em proporcao com as nocessidades daquella
egreja, aproveilando vocales que se leriara perdi-
do sem tal auxilio.
cursos de estudos preparatorios. Com
quanto mais razao ainda se deve dizer delles que
o principal leva comsigo o accessorio eque estes
religiosos estabelecimentos sao, e ficarao sempre
sendo por sua essencia ecclesiasticos e como taes
isentos do poder leigo ?
t Que o principe deva ter e tenha com effeito
pretexto de separarjo poder espiritual do temporal)
annularia e destruira completamente aquelle.
Senhor, o governo catholico de vossa magestade
imperial est bem longe de admittir um erro tao
grosseiro quanto funesto. O governo catholico de
vossa magestade imperial comprehende muito bem sobre" as escolas ecclesiasticas,_ destinadas a per-
que es.a pretendida disciplina puramente Mema ^^SSSS^TSSS^&SS-
e um ente imaginario e de razao ,como dizia o pedjr a (ransgressao das leis, manter os direitos o
grande Bossuet, e que nao se pode conceber urna a honra da soberana ; que elle possa exigir e exe-
sociedade de homens compostos de alma e corpo, cutar por si mesmo a reforma dos abusos que in-
sera que a accao dessa sociedade se manifest no g ^ Sor^rotc^rSa' Z
sensivel e repercuta de alguma sorte na esphera abusos na ordem espiritual e prestar o apoio do
temporal. Asslta a educacao dos sacerdotes tem braco secular para o mantenimento dasregras ca-
tambem o seu lado temporal, sem por isso deixar nonicas, convm-se nisto que possa conceder ou
de ser urna cousa eminentemente espiritual. Tal recusar a taes estabelecimentos urna proteccao,
.____:._:. i__:,...:- ____. __ privilegios, beneficios, na intcncao de favorecer o
e o seminario ; urna instituto pa, que os sagra- ^rogre^so da ? contribuindo a perpetuar os mi-
dos caones confiarais exclusivamente aos bispos nistros do Evangelho, a religiao nao ingrata e
como um dos ramos mais essenciaes do rgimen lhe retribuir ao cntuplo, por preco desta mag-
pastoral, diz o douto arcebispo D. Romualdo. nificencia, nao s o reconhecimento e a effeicao,
I senao tambem a dedicacao e os servicos; que as-
Mas o.estudo da origem e desenvolvimento his- Sim recebara as escolas 'ecclesiasticas urna sanc-
torico destes institutos lancar nova luz sobre a cao que lhes faca gozar todas as vantagens de que
que deve reinar entre os dous poderes. Nao era natureza d'ellesj bem determinada, e especificada eslode posse todos os outros estabelecimentos le-
preciso mais para o considerarmos como um ver-
o douto oratoriano Thomassino era a principio na estas vantagens nao lhes sejam concedidas seno
propria casa dos bispos, nos mosteiros, nos presby- com certas condiedes, sem o cumprimento das
tnrins ni. *e wliieavam os mannehos nue asnravam quaes nao possam goza-las: nada Cm tudo isto que
dadeiro mal feito religiao c ao paiz.
um principio tao verdadeiro quanto umver-
salmente recebido que da estreita allianca e per-
feita intelligencia entre os dous poderes depende o
repouso das consciencias e a paz dos estados.
Tudo o que tende a semear gerraens de descon-
fianca e desunio entre a egreja e as potencias se-
culares, lauca a humanidade em falsos caminbos,
diz um autor, e a engaa duplicadamente no ponwfl
de vista do.seu. bem estar temporal e de sua felj-
i.
terios que se educavam os mancebos que aspiravam quaes nao possam goza-las: nada em tucto isto que
fllstar-se na milicia sacerdotal Ali sob a imme- exceda opoder. Pol'tICO> 1ue invada Pder esPl"
alistar-se na milicia saceruoui. aii, son a imme- ri(ua,. mas a|m pin ,emer ft usurpa?5o> e bem
iata vigilancia dos pastores crescia em sciencia e prxima est.
virtudes a chara tribu destinada a servir ao altare Taes sao, Senhor, os limites precisos da juris-
ao tabernculo ; ali orvalhadas de heneaos, desa- dicva0 do > civil sobre as escolas sacerdo-
iouuu v taes; esses limites sao tracados com mao firme e
brochavam essas plantas esperancosas, que erara segura ^ i||ustp0 episcopado de Franca; os
depois transplantadas, como preciosas sementes, bispos do Bras'.l, estou certo, nao admittlrao j-
pelas diversas partes, das diocess: Seminarium. S, mais oatro.
Eram estas por certo as paternaes inteneOes de
V. M. imperial quando requisicao do inclyto ar-
cebispo D. Romualdo, por decreto de 11 de outubro
de 1831 se dgnou dotar o pequeo seminario da
Bahia de urna cadeira do latim, francez, grego, phi-
losophia, rhetorica e geographia, dando assim es-
perancas aos outros bispos do imperio de obterem
de um governo tao amigo das letlras eguaes van-
tagens para suas dioceses.
Fez-se-nos entrever at a magnifica perspectiva
de um ensino superior offerecido nossa esperan-
Sosa mocidade no gremio de academias ou facul-
ades theologicas, e pareca que a realisaco deste
grande desidertum nao se retardava senao por sen-
tir o governo a necessidade de ajudar-nos primeiro
a completar o quadro ainda mal organsado e in-
completo do ensino elementar dos nossos semina-
rios.
Esta era ao menos minha humilde convieco,
tanto que em data de 21 de Janeiro do anno passa-
do me dirig com toda confianca ao governo conju-
rando-o que me ajudasse a preencher urna das mais
sensiveis laeunas, que eu notava no programma dos
estudos do seminario, a de urna cadeira de mathe-
maticas, disciplinas, que tanto cooperam para a il-
lustracao e solidez do espirito, dando-lhe nma som-
ma de conhecimentos uteis e habituando-o aquella
clareza de ideas, severidade as deduec,5es e or-
dem rigorosa do pensamento que sao a mais pre-
ciosa vantagem que se pode colher dos primeiros
estudos e o instrumento universal para a acquisi-
S5o ulterior de todas as sciencias, no pensamento
o famoso d'Aguessau.
Como eu ponderava entao ao governo as scien-
cias exactas se tem tornado no secute em que vive-
mos de tao frequente applicaco no trafico da vida;
e se acham tao derramadas por todas as classes da
sociedade, que fra em verdade vergonhoso um
ecclesiastieo ignora-las completamente ; que por
isso nos melhores seminarios da Europa, cujos pro-
gramraas de estudos sao tao sabiamente combina-
dos, oceupam as matheraaticas um lugar distincio,
havendo em todos esses estabelecimentos cursos de
geometra, trigonometra, arthmetica e algebra
acompanhados de algumas nocoes indspensaveis do
sciencias naturaes, e em alguns, como em S. Sul-
picio, cursos especiaes de physica e chymica que
se percorrem parallelamento com os de philoso
phia durante dous anno? antes de comejar-se o cur
so tipolgico
/
Ora, para isso foi necessario recorrer ao gover-
no, o qual, sem embargo de injustos preconceitos,
nao recusou urna dolacu essas escolas, &o in-
contestavelmente necessarias perpetuidade do
sacerdocio e conservacao da religiao catbolica no
reino christianissimo.
Nenhum estabelebimente pode subsistir sem
dotaeo, diz outro ministro celebre, e nao suspeito,
Mr. Portalis, fallando dos seminarios. Outr'ora as
leis do estado autorisavam os bispos e os obriga-
vara at a dolar estes estabelecimentos unindo-lhes
beneficios... No momento actual falta-I bes este
recurso, pois que nao ha mais beneficios. A dota-
cao dos seminarios nao pode estar se nao cargo
do estado. Mas de todas as despezas publicas nao
ha urna que mais ulil seja c raais favoravel. As
leis romanas eollocaram tudo o que diz respeito ao
culto na elasse das consas quo pertencem esen-
cialmente ao direito publico e que interessam de
urna maneira particular os costumes de urna na-
Cao e a felicidade dos homens. J
Estas razoes impressionarao, eu o espero, nossos
homens de estado.
Senhor, o governo do Brasil ada felizmente
mo meios facis de favorecer aos seminarios. As
fazendas dos extinctes religiosos mercenarios des-
tinados por bulla da santa s e decreto da augusta
rainha D. Mara I, de gloriosa memoria, formar
o patrimonio do seminario do Para e de um esta-
belecimento de orphas, poderiam ser applicadas
pete thosouro esses fins tao pios, em vez de se
acharem esses bens desviados de sua primitiva ins-
tituieao com manifesta irregularidade e injusttea,
apezar das enrgicas reclamacoes e repetidas qnei-
xas de meus veneraveis predecessore* Poderia o
governo tomar medidas anlogas emautros bispa-
dos c talvez at consagrar-sc dotajpm d semi-
narios urna parte dos bens de algumas congrega-
coes religiosas existentes, mediante concrdala com
a santa s, e estes bens redondos pois, em no-
me dos mesmos seminarios, a aponecs da divida
publica garantirara a estas casas a necessaria ren-
da para congrua dos reiteres, dos professores e
mai empregados necessarios e sustentacSo de
maior numero de alumnos pobres ; tudo sem sa-
crificio dos cofres pblicos.
Ora a nada disto proveu o decreto de quo falla-
mos, o qual, contra as intencoes de V. M. I. tantas
vezes manifestadas, supprime caderas do seminario
cm vez de augmentar-lhes o numero, o em lugar
de dotar convenientemente estes estaibdenhaentos
os deixa na mesma posico precaria em qne se
acham, e os bispos lutando cora os mais creis era-
baragos.
(Continuar te ha.)
PERNAMBUCO.- TYP. UE M. F. F. 4 FIbB<>



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EA8O78WG3_J9IYLP INGEST_TIME 2013-08-27T23:23:25Z PACKAGE AA00011611_10209
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES