Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10208


This item is only available as the following downloads:


Full Text

AMO XXXIX NUMERO 22g.
*>'
m
Par (res Beses adiantados
Par tres mezes vencidos .
5*000
6JO00

TE8CA FEIRA 6 DE 07BRO DE IS63.

Por* anno adantado. .
Parte- para subscriptor.
9J00O
_ DIARIO DE PERNAMBUCO.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPgO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alejandrino de Lima'
Natal, o Sr. Amonio Marques da Silva; Araratv, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Otveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Manoel Pinheiro mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO NO SUL.
Alagas, o Sr. Clandino Falcao Das; Baha, o
fir. Jos Marlins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira" Marlius & Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Paraliyba as segundas
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruaru',
Altinho e Garanhuns as tergas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazera, Flores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas feiras.
Serinhaora, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
Ilha de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao V dia.
EPHEMERIDES DO MEZ DE OUTUBRO.
4 Quarto ming. as 3 h., 36 m. e 8 s. da m.
12 La non as 3 h., 17 m. e 2 s. da t.
19 Quarto cresa as 4 h.f 40 m. e 3 s. da t.
26 La cheia as 2 h., 30 m. e 20 s. da t
PREAMAR DE HOJE.,
Primeira as 9 horas e 18 minutos da manhaa.
Segunda as 9 horas e 42 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagas a 5 e 26; para o norte at
a Granja 7e22 decadamez; para Fernando nos
dias 14 dos mezes dejan, marc., maro, iul, set. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipncos s-6 A, 7, 7 '/, 8 e
8 Vz da m.; de Olinda s 8- da m. e 6 da tarde; de
Jaboatio s6/i dam.; do CaxangeVarzeas 7
da nt; de Bemflca s-9-dfein.
Do Recife : para o Apipueos 3 V, *, V, 4 V?,
*>> 5 'A, 8 Vi e 6 da tarde; para Olinda s 7 da
manhaa e 4 >/2 da tarde; para Jaboato s 4 da tar-
de ; para Cachang e Yarzea s 4 '/z da tarde j para
Bemlca s 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal dooommercio: segundas-e quintas.
Relami: torcas e sabbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Juizo do cotnmercio: segundas s 11 horas.
Dito de orpUios: tercas e sextas s K) -horas.
Primeira vara-do civel : torgas e sextas-ao meio
dia.
Segunda vara de eivel: quartas e sabbades a i hora
da tarde.
DIAS DA SEMANA.
5. Segunda. Ss. Placido seus romn mb.
6. Terca. &.Bruno; S. EreMiides.
7. Quarta. S. Marcos p. 1S; Augusto mso
8. Quinta. S. Brgida; S. Demetrio a.
9. Sexta. Sr Diomzio b. ib. ; S. Abrahao
10. Sabbado. S. Francisco do Borja.
11. Domingo, S. Samelra-. 3; Placida (.
ASSKJXA-SE
no Recife, err. alivraria da praja da tadepanfenia
ns. 6 e 8, des proprietaries- Manoel FlganNa-de
Faria & Filho .
devo Vmc. solicitar directamente do presidente do' O estrado era no topo da grande sala. Juuto Franca para que a commissao o propozesse adop-
jury a sua despensa para deixar de all compare-. parede estova um docel, sob o qual a Imagcm de
cer, visto a influencia de trabalho em sua repar- Nosso Senhor Jess Christo CruciOcado. A fren-
ticao. to a mesa da presidencia, secretarios e mais mem-
Portaria.O presidente da provincia, atienden- ; bros do centro catholico belga : aos lados da me
do ao quo requereu a professora publica de ins-
truccao elementar da cidade do Rio Formoso Ma-
ra Isabel Lins, e as Informagoes ministradas pelo
director geral da instruccao publica ouvido o con-
selho director c pela thosouraria provincial, re-
solve, de conformidade com a primeira parte do
sa, e um pouco ainda mais para a frente, duas tri-
bunas : atrs destas e da mesa da presidencia os
vi ce-presidentes honorarios.
Aos lados da sala galeras em forma de amphi-! s o Opsculo seja adoptado as escolas primarias,
theatro : em baixo na primeira fileira altas cadei- mas que se procure rulgarisa-Jo em todo o impe-
com espaldar para o cardeal arcebispo de Ma- rio.
Cao do conselho. Mas, alm disso, quizera ella
que as nossas mais de familia em todo o Brasil ti-
vessam sempre mi estas paginazmbas de amor,
pelas quaes fizessem lr e ensinassera seus ilhos no
regaeo, a par da historia do povo-de Deas, c dos
mysterios do christianismo.
E por isso a commissao de parecer que nao
PARTE QFFICIAL.
fiOYERNO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 2 de outubro de 1863.
Offlco ao brigadero commandante das armas.
Em solucao ao officio de V. Exc, n. 1,623 e data
de 2 de setembro ultimo, rcmetlo-lhe por copia o solve, de conformidade com a primeira parte do' ras
aviso de 21 daquclle mez, no qual o Exm. Sr. mi- art. 31 da le n. 369 de 14 de maio de 1853, con- {unes, cardeal arcebispo de Westminster (Wiseman) ,.8a,a do conselho director da mstrnecao publi-
nistro da guerra declara que o soldado Luiz Igna-' ceder referida professora a gratifleacao corres-' patriarcha de Jerusafem, e mais prelados belgas e ca de Pernambuco, 18 de setembro de 1863.Jos
ci de Jess tem direito a receber as prestares pondente quarta parte do seu ordenado, visto inglezcs : depois seguiam-se os outros membros do toares de Aseiedo.Dv. Aprigio Justintano da Sil-
de voluntario que for vencendo, visto ter-se inutili- contar mais de 25 annos de magisterio.Commu- congresso sem distinecao. va iMmaraes.
sado em aegao de servigo.Communicou-se ao ins- nicou-se ao director geral da instruccao publica. | Urna grande parte destes eram ecclesiasticos de Informam-nos que tem-se dado alguns casos Jos, I'ernambuco, S. Jos, 6 dias, ttano.
pector da thesouraria de fazenda. Dita.O presidente da provincia, atlendendo ao diversas naedes, e entre esses ecclesiasticos varios de cholera para os lados do Rosarinho, havendo j _____
Dito ao raesmo.Queira V. Exc. mandar apre-' que requereu Joao Jos Barroso da Silva Juvenis, frades de di tferentes ordens religiosas, a saber fallecido dellc urna parda escrava de pessoa all
sentar um soldado de cavallaria ao. recrutador nos professor publico de instruegao elementar da ci- Franciscanos, Dominicanos, Carmelitas, Capuchi- moradora.
municipios do Recife c Olinda, coronel Francisco dado de Golanna, e tendo em vista a intormagao nhos etc. etc. Todos elles cora os seus hbitos. Ha Nao sabemos se serio casos espordicos, mas
Joaquim Pereira Lobo, para estar s ordens deste' prestada pelo director da instruccao publica ouvi- trinta annos que eu nao tinha visto destes religio- importa vericar afim de se darera providencias
directivamente. I do o conselho director, resolve, de conformidade sos, e renovaram-se-me ao velos agora, saudades tendentes a evitar o sea desenvolvimento.
Ditoao mesmo.Para cumprimento do disposto' com a primeira parte do art. 28 da lei n. 369 de I profundas do passado | Falleceu hontem pela manhaa, na cidade de
-i.* mn,mitmtita* hqj coiomhm1 iu miin*. imik.iiu nriiiRfnfZn i K dizi'm ah : >a poca dos frades passou .' os Olinda, um mogo Glho do Sr. commendador Joao
frailes sao incompativeis com o progresso eu Pinto de Lemos. Succumbk> repentinamente, logo
vejo aqui, nesta Blgica tao liberal, tao industriosa, aps a sabida do banho ; e dizeio-nos que a um
Obituario, do da 4 de oltibro io-obihter!
publico :
Joaquim Rodrigues, Pernambuco, 36 annos, sol-
teiro, Recife,gastrite.
Emercntina, I'ernambuco, 6 mezes, Santo Antonio,
convulsOcs,
-5-
Maria do Rosario, Pernambuco, 70 annos, sokeira,
Boa-Vista, a nazarea.
Caetana, escrava, Pernambuco, 35 annos, soUeira,
Boa-Vista, okoera.
Pompilio, cscravu. 24 annos, solteiro, Maranhao,
Boa-Vista, eholera.
Francisca, escrava, Pernambuco, 22 annos Boa-
Vista, cholera.
no aviso da reparticao da guerra de 9 de setembro 114 de maio de 1855, conccder-lhe a gratifleacao
prximo (Indo, faz-sc necessario que V. Exc. man-' correspondente quinta parte dos vencimentos
Se inspeccionar de satde, pela junta competente, que Ihe competem nos termos do art. 26 da men-
o 2o cadete 1" sargento do 2 batalho de infanta- donada lei, visto haver provado ter-se distinguido
ria, Bernardino \ieira Rabello, enviando-me o res- por mais de 15 annos no exercicio de seu magis-
l>ectivo termo para ser enviado aquella repartido. terio.Comraunicou-sc ao director geral da ins-
Circular aos commandantes superiores da guar- truccao publica.
da nacional da provincia.Lembro V.. a remes
sa dos mappas da torca activa e de reserva e de
armamento, de que trata a circular desta presi-
dencia de 14 de agosto, para cumprimento do aviso
do ministerio da justica de 22 de julho ultimo.
Dito ao conselheiro presidente do supremo tribu-
cal de justica.Transmiti V. Exc. a resposta
que deu o jiz de direito Manoel Jos da Silva Nei-
-va, em satisfacao ao que Ihe foi ordenado om por-
tara de 20 de junho, junta ao ofllcio de V. Exc.
11a mesma data dirigido esta presidencia.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Envi V. S., para os fins convenientes, as duas
inclusas relacoes nominaes do movimento havido
com o pessoal das enfermaras do hospital militar,
na segunda qninzena do mez de setembro ultimo.
Dito ao mesmo.De conformidade com o dispos
Dita.O presidente da provincia, attendendo ao
que requereu o capitao do quarto batalho de arti-
lharia a p Luiz Francisco Teixeira, resolve, de
conformidade com o parecer da junta militar de
sade, conceder-lhe um mez de licenca com sold
simples nos termos do art. 106 do regulamento de
27 de outubro de 1860, para tratar de sua sade.
Fizeram-se as commnnicacoes. .
Dita.Os Srs, agentes da companhia Brasileira
de paquetes a vapor mandem dar transporte para
o Rio de Janeiro no vapor Toccmtms, em lugar de
r destinado passageiro de estado, Antonio
Francisco de Souza Magalhaes Jnior, se nao foi
cumpnda a portarla de 14 de setembro ultimo.
Dita.Os Srs. agentes da companhia Brasileira
de paquetes a vapor mandem dar transporte at
o Rio de Janeiro no vapor Tocantins, em. lugar de
proa destinado a passageiro de estado a Jos Can-
tao civilisada, retalhada de vias frreas como paiz affeccao do coracao, de que soffria j ha lempos.
nenhuma da Europa, e do mundo, rica, abundante, Kra um moco de esperanzas, intelligente_e sym-
feliz como poucos paizes da trra ; vejo aqui, re- pathico. Eslava estimando, devendo matricular-se
pito, os frades a cada passo ensinando, pregando, no futuro anno lectivo da Faculdade do Direito.
orando, sem que ninguem julgue por isso a lber- j. Deve entrar hoje em julgamenlo perante o
dade em perigo, ou o progresso mais difflcil e rae- jury o importante processo em que. reo Antonio
nos rpido. j Jos Alpieri, que luz do meio-dia assassinou pu-
Vejo o ensino entregue, pela maior parte, em blicamente em a ra estreita do Rosario ao subdi-
maos de congregaces religiosas; e ninguem re-1 to portuguez Luiz de Souza e Silva.
to no aviso da reparticao da marinha de 18 de se-
tembro ultimo, constante da copia inclusa recom-, dido de Souza qu consta ser desvalido.
mendo V. S. que mande pagar a Luiza Francisca DitaOs Srs. agentes [da companhia Brasileira
Sitiam a seu hnado marido Francisco Firmino a Baha por conta do ministerio da guerra no vapor
onteiro, por ter exercido com autorisacao da pre- Tocantins, ao soldado desertor do corpo 10 bata-
sideneia o lugar de secretario da capitana do por- lhao de infantera Silverio Carneiro de Souza, que
puta isso um retrocesso
Vejo o padre cortejado, amado, respeitado, e a
Blgica cada vez mais prospera.
Se um governo de livres pensadores pensa em
corromper a classe] ecclesiastica, esta despresa a
seduccao, e segu seu caminho.
Ainda nao encontrei nem um s ccclesiastico, cravo do Sr. Antonio de Souza Leao, por andar
que nao trajasse seus hbitos talares. I fgido, lancou mao de urna faca c deu um taino ao
Nenhum padre tem pejo de mostrar que o Era pescoco, sem grave perigo de sua vida,
para edificar os ve-Ios, j as carrogens da via fer- Foi operado da catarata pelo Sr. Dr. S Pe-
rca, j sombra das alamedas de Matines, resan- reir, no dia 29 do prximo passado mez, o Rvm.
do o offlcio divino para aproveitarera os poucos Sr. padre Jos Fernandes de Bulhfies, que viera de
momentos do repouso que tinhamos as sessoes Macei esta cidade pelos principios desso raesmo
do congresso. Nenhum vi levantar-se da mesa de mez, alim de consultar ao referido doutor sobre a
jantar sem dar gracas a Deus, c beuzer-se. I molestia que soffria nos olhos.
No jantar de despedida, antes de nos assntear-' Os Srs. Drs. Prxedes Pitanga, Joao Honorio,
Ul POUCO OE TUOO.
Traduzimos do Tintamarre :
Quanto ganhaes em vosso negocio ? Dtce*m'0
em cifra redonda.
Era cifra redonda, c fcil. Ganho zero, mea
charo.

Rapaz, traic-mc um jornal I
Qual d'elles, meu senhor?
O primeiro encontrado.
Sr., a easa nao recebe este jornal.
Le-se o seguintc no Courrier des Estafo Uuis, do
qual traduiirao-Io, sb titulo de enrenenameno ac-
cidental :
Urna moca de nome Mary Bennon, criada e re-
sidente na vigsima ra, suecumbio no- sabbado
ultimo em menos de um quarto de hora, em con-
Ser dvogado do reo, segundo nos informam, o
Dr. Joao Francisco Teixeira,
- Pelo delegado de Barreiros foi preso Ignacio 2S2 t v-ene,,"a?" pTm,?,e do um
Francisco dajk, por haver assassiLo Jm um ^J^Z^^tamu^Un*^____
tiro, no da 26 do passado, a Jos Rodrigues.
Sendo perseguido pela polica o preto Ivo, es-
Um etnpregado da pharmacia do Dr. Cooper,
em lugar da proscripcao do Dr., serviuge do Cya-
nurtto de potassium, que um toxico dos mais vio-
lentos.
A infeliz moca ingerto a poreo, 3 foi fulmi-
nada.
Do Petit Journal traduzimos o que segu :
Deve-se celebrar em Orleans dentro em pouco
um casamento curioso.
Um professor de calcuto mental, a quem fallara
os bracos e as pernas, desposa a ama alentada e
no jamar ae aespeuiua, antes de nos assntear- ysars. urs. iraxeaes pitanga, joao Monono. 1 zz."-rz.z.~ rr^~-^Z7~=.r ^=Lr~=r=r^.
mos para comer, o cardeal arcebispo do Malines Galdino e Goncalves de Moraes foram assistentes ^ "^,'8', q po8SU0
para esse pagamento o processo de que trata o fi-
nal do citado aviso, visto pertencerem os venci-
mentos a exercicio lindo.
Dito ao mesmo.Restituo V. S. coberto com
officio do brigadeiro commandante
tado de 21 de setembro ultimo,
querimento documentado em que o
foi capiturado nesta provincia.
I tita. -Os Srs. agentes da companhia Brasileira
de paquetes a vapor mandem dar transporte para
a capital das Alagdas por conta do ministerio da
fazenda c de conformidade com as iustruegoes de
inte das armas, da- 2i de julho ultimo, a familia do chefe de seccaoda
, sob n. 1,744, o re-1 thesouraria de fazendadaquell provincia, Jos Qui-
0 rinodcGes, a qual consta das pessoas menciona-
batalhao de infamara Jorge Caetano de Souza Cous-1 das na relagao por copia inclusa.Offlciou-se ao
selro, pede pagamento da quanlia de 85400, des- Exm. presidente das Alagas.
pendida com o transporte de sua bagagemnasj ____
marcha que.fez de ida evalta villa do Po-d'Aho Despachos do dia 2 de outubro de 1863.
- Tracunhacm, anrn de que nos termos de
Requerimentos
Francisco Botelho de Andrade.Passe portara
concedendo a prorogacao pedida.
Padre Francisco Vcfissimo Bandera.Nao tem
c dalii a
sua inforntagao de hontem, n. 7o4, dada com refe
nania a da contadura dessa thesouraria, mande
pagar ao supplicante somente 65400.
Dito ao mesmo. Mande V. S. pagar ao enge- em vis,a da illfrmac5o.
nheiro W. J. L.ndsey, independcnle de atlestado Jhnslon P;ilei. & c e outros._Concedo a liccn-
de frequencia, como pede no incluso requer.mento dda Q& direUos nacionaes
sobre que versa a sua informacao de 30 de setem-1 Jo5o j~| arro,0 (|a s|va Juvcnis Passe por-
bro ultimo, sob n 747, a grat.ficagao relativa ao tora concedendo a gratifleacao correspondente a 5-
mez de agosto anteceden e, e a que tem direito; rt0 dos vencimenlos que competem ao snpplican-
como engen_he.ro contralado para servir de ajudan- \ nos ,ermos da ,, ^ do a'r, 28 da ,e 369
te ao engenheiroencarregado das obras a caigo do d( 14 de ma0 de 183-
ministerio da agricultura, commercio c obras pu- ;ohnsIon Pater ^ C. joutros. Concedo a lieenga
blicas nesta provincia. pedida pagos os direitos nacionaes.
Dito ao mesmo.-Respondendo ao officio de hon- Lujz 0 de 0| jard,._Drija-se the-
tem, sob n. 783, em que \. S. me participou achar- S01irarja provincial
se prompto a seguir seu destino o inspector no- M b y _p n forma re.
meado para a thesouraria de fazenda do Rio Gran- auerda '
de do Sul Jos Francisca de Moun^ tenho a dizer Padre Fl,wisco Verissimo Bandeira.-Requei-
*" resposlaque desde 14 de setembro.^''mo ; ra por intermedio da directora da instrugao pu-
pcdio-se 01 m a agencia da companhia Brasileira "
ped
de paquetes a vapor, para dar transporte a esse
mpregado e a sua familia de conformidade com
as instruegoes de 24 de julho deste anno, segundo
communiquei essa thesouraria no mencionado
dia 11.
Dito ao mesmo.Nao havendo inconveniente e
estando em termos os inclusos documentos que
me foram remedidos pelo commandante superior
da guarda nacional desla capital com officio de no
EXTERIOR.
Uruxellas, 25 de agosto de 1863.
Meus charos amigos e collegas.
Tenho ainda que dizer-vos alguma cousa do con- 'Vam aqeiles peqcmos
benzeu a mesa, e brou comnosco Vede que pas- da operacao ; a qual se houve o operador com a
mosa reaccao a impellir este povo para a verdadei- pericia que Ihe conhecida e da qual ha dado pro-
ra liberdade na estrada do progresso moral e ma- vas tao brilhantes.
terial I | A operago foi fefla com rara destreza, nao obs-
Hontem quiz eu dar urna vista de olhos a esta tante ser a mesma circunstanciada de embaragos
capital. Dirigi-me Prara Real, e d'ali caminhei imprevistos, que obrigavam ao operador a cada
a sud'este pela ra Real era cujo extremo havia instante a tomar posigoes forgadas c summamente
urna egreja. No meio, esquerda, encontrei a incommodas, nterrompendo at por vezes o res-
Pi'aca do Congresso, em meio da qual se alevanta pectivo trabalho. Alm disto, pela idade do ope-
a columna do congresso, em cuja base esto es- rado, foi elle accommettido de syncopes no correr
criptos sobre o marmore os principiaes artigos da da operago ; o que fez com que fosse o servigo
constituigao, para que nao se apaguem-facilmcntevCxecutado estando elle deilado.
na memoria de governantes e governados. Che- "y Com a extraegao de urna das cataratas despen-
guei egreja que tica na extremidade da ra, e vi |eu n operador cerca de duas horas interrompidas,
que era a egreja de Santa Marta, ainda por ac- a ponto do alguns dos collegas assistentes j terem
bar, mas ja servindo para o culto. No corpo da perdido a esperanga de v-la extrahida, guando
egreja eslava urna ega, e por alma do inorto que toi-lhes apresentada ; outro tanto, porm, nao deu-
repousava ali, acabavam de eclebrar-se os offlcios se com a segunda, em cuja extraegao apenas gas-
da bocea que deve ensinar.
E' porm indispensavel que todo o nosso bom
clero, numerosissimo ainda, apesar das seduegoes
do poder, apesar desses decretos de 2 de Janeiro c
outros de
je, sob n. 109, mande V. S. "pagar os vencimentos ] gressocatholico.e nao devo demorar-me,para Ihe nao j
relativos ao moa de setembro ultimo, dos officiaes diminuir ointeresse. Esperava faze-lo hontem ;" da educ'agao religiosa", logo a imprensa denomina
de l" linha, tambores, cornetas e clarins, emprega- mas nao me chegou o dia para isso. No domingo; da |beral grita contra elle, chama-lhe reacciona-
dos nos corpos da mesma guarda nacional, e bem I apenas ti ve tempo para ir ouvir Botosa ao magnili- rio e miguelista, quando outra cousa nao seja. E
assim a quantia de 1005 proveniente do alugel da co templo de S. Miguel e Santa Ldala, e apos a 0 padre mui|as v se n5o e corajoso ^^ 0
casa que serve de secretaria daquelle commando missa examinar de corrida as principaes bellezas, padre Beirao, prior dos Anjos, padre Reis, Ama-
superior, vencido nos mezes de julho setembro que enrerra aquella esplendida obra de arte. O d0) e outros que por merc de Deus ainda niio
deste anno. I resto da manhaa gastei-o em escrever-vos a prece-. faltam na nossa terra) atemorisa.se 0 emudece,
Ditoao inspector da thesouraria provincial.- dente carta, c a tarde em me orientar um pouco | concedendo a victoria aos iniraigos da egreja que
Autoriso V. S. a mandar entregar ao thesoureiro as ras que rodciam a mmha pousada, pois ate : na0 levavam em mira outro fim pondoKts no pe-
pagador da reparticao das obras publicas, como entao conhecia de Bruxellas seno a Ra Nora por louriuho, senao isso raesmo o silencio a mudez
pelio o respectivo direetor em officio de hontem, onde se vai do Hotel des Etrangers, onde me acho,
sob r. 192, a quanlia de 1:1505 para execugo dos at estago da via frrea do norte, d'onde se par-
reparos, de que necessita o edificio em que func-! te para Malines.
ciona a assembla legislativa provincial.Commu- Fiquei em Bruxellas, porque em Malines nao ha-
nicou-se ao director das obras publicas. I via um quarto, onde eu pudesse recolher-me : as
Dito ao mesmo.Communico V. S. para seu \ hospedaras regorgitavam de passageiros E assim
conhecimento e execugo, que attendendo ao quo de manhaa cedo levantava-me da cama, alraogava e
qui allegou D. Thercza Alexandrina de Souza Ban parta para Malines. All s 10 e mea da manhaa
deira, resolv nesta data releva-la da mulla de 205 sesso das secgoes ale perto da urna hora da tarde.
ano Ihe foi imposta por niio ler apresentado o map- Da urna s tres jantar em urna casa de pasto vas-
pa das alumnas a quem cnsinou primeras lettras tissima, que se esubclecera em urna das salas do
nesta capital no ultimo tremestre de 1861.Com- pequeo seminario, e onde nos juntavamos a co-
municou-sc ao director geral da instruegao pu-: mer aos trezentos c quatrocentos membros do con-
blica. gresso.
Dito ao director das obras militares.Devolvo Urna das vezes que all jantei, estive ao lado do
V. S. as cinco contas de que trata m os seus offlcios principe polaco Czartoryski, que me entreleve
muito fatlando-me de sua infeliz patria. Elle nao
sabia que eu era portuguez ; e quando era cheg^a-
da a minha vez de Ihe fallar tambem da minha in-
feliz patria, dava-se o signal para a sessao geral
das secgoes, e separamos-nos.
A sesso geraldas secgoes durava desde as 3 ho-
ns. 188, 193 c 194 datados de 30 de setembro ul-
timo e Io do corrente, para que vonliam acompa-
nhadas de attestados da junta militar de sade dos
SI 11 es conste terem sido executadas de modo satis-
actorio aos preceitos hygienicos as obras e con-
certos de que tratara as mesmas contas.
Dito ao director geral da instruegao publica. ras da tarde atojas 5 e meia ; e logo depois.havcndo
Atlendendo ao que expoz o bacharel Francisco Ig-' apenas nm pequeo intervallo de meia hora e s
nado de Souza Gouva no incluso requerimento,! vezes menos, comegava a sessao publica, que du-
"~WAnde V. S. admittir no Gvmnasio Provincial como rava at s 8 meia horas da noute. D'alli era par-
aluiminterno o menor de igual nome. filho do tir para a estago da via frrea, e nopnmeirocom-
sui'Plicflile. boi para Bruxellas, aonde nunca cheguei antes das
Dito ao procurador fiscal da thesouraria de fa- 10 horas da noute. Restava-me s o tem neces-
7enda RespontnV ao ofllcio que Vmc. me dirigi sario para dormir, mdemnisando-rae com alguma
em 29 de acost ulffho com referencia ao religioso usura das noutes mal dormidas durante a viagem.
da onlem carmelitana"">Fr Joao do Amor Divino S no dia immediato ao da minha chegada a Ma-
Mavarenhas remetlenda-uie por copla a informa- unes que pude apanhar o secretario geral Mr.
cao aue ao Exm presidente da Babia ministrou o Ducpetiaux, e fallar-lhe durante dous e tres niinu-
provincial do convento da mesma ordem naquella tos dentro do pateo do seminario, em companhia
nrovinc a 'de D- Anton,o de Almeida. All nos disse elle que
Dito ao juiz municipal do termo de Caruart.- D. Antonio e cu estovamos eleitos Tice-presidentes
com a copia do parecer do conselheiro presidente honorarios do congresso, como representantes dos
da relagao, datado de 28 do mz prximo Ando, bons catholicos de Portugal _, ,A on niM
dou solugao consulta por Vmc.Tfeita em 21 do E em verdade as tres da tarde entrando eu para
memo mez com referencia as cultas e estada re-; a sessao geral das secgoes ouvi proclamar os no-
clamadas pelo escrivo desse juizo Gregorio Fran- mes de D. Antonio de Almeida e Dr. Gomes de
cisco de Torres e Vasconcelos ab inventario por Abr, redactor da afio, como vicc-presidentes
fallecimento de Joao Marques Riitropio de Mi- por Portugal
randa T A proclamagao destes nomes foi saudada com ap-
Dito ao gerente da companhia PeAambucana.-! plauso geral pela assembla Devo dizer anu que
Pode Vmc. fazer seguir para os ptfctos de seus este applauso nao foi excepcional, pois egual o tive-
destinos os vapores Jngnaribe e jfaaW dias e horas indicados em seu offlcio da hoje. I lembert e outros por Hespanha o Sr. Aparicio (de-
Dito aos agentes da companhia Brasilera de pa- putado) e outros, etc. etc. : nvutdevowrescentar
quetes a va|)or.-Pdem Vmcs. fazer eguir para tambem, que nao foi nem menos acalorado, nem
os portos do sul o vapor Tocantins, antead hora menos sympathico.
indicada em seu offlcio de boje. KaW APS a proclamagao tomos convidados para ir-
Dito ao administrador do crrelo.Respondo aoV\p?_ tomar awento no eslrado da presidencia, o que
sen offlcio do Io do corrente, declarando-lhe que fjze
ton dous minutos.
Segundo nos dizcm, o resultado deste trabalho
incerto ; o operador acabando o trabalho, nao po-
de proceder as indagagoes precisas para esse lim
em taes casos. Todava almejamos que possa ati-
na^ dizer que foi feliz, restituindo sem estorvo a
vso do universo a quem della esteva privado.
O agente Almeida transferio o leilao de mo-
bilia e escravos pertencentes a massa fallida de
Sevc Pulios & C. para o dia 9 do corrente, s 11
horas do dia.
REPARTtgO DA POLICA !
Extracto das partes dos dias 4 e 5 de outubro :
Feram recolhidos casa de detencao no dia 3
de outubro :
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Ma-
noel Joaquim da Encarnacao Costa, pardo, sem de-
claracao de motivo.
A' ordem do subdelegado do Recife, John From-
bes, inglez, requisicao do respectivo cnsul.
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio, os
africanos Gongalo, escrayo de um tal Miranda, por
embriaguez, Victorino da Costa, por offensas phi-
sicas.
A' ordem do de S. Jos, Jos Joaquim de Lima,
crime de furto, Eugenia, escrava de Antonio Mara
de Faria Neves, por infrargo de posturas.
No dia 4 do mesmo mez :
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chcfo de polica, Anto-
nio Xisto Gogominho, branco, os pardos Manoel
Antonio Nepomueeno, Andr Ferreira da Silva,
como condemnados por crime de furto de cavallos,
e Raymundo, escravo de Ildefonso Alves Vanna,
como criminoso na Parahiba, todos vindos do ter-
mo de Santo Anto.
A" ordem do subdelegado do Recito, os pardos
Germano Jos de Lima, por insultos, Francisco Xa-
vier do O', por ferimentos leves.
A' ordem do de S. Jos, os pardos Manoel Jo-
e Augusto
fnebres. E disse comigo : mais um que deixou
a trra natal, mas para ir morar na patria dos
justos. E ore por sua alma.
Era tres capcllas lateraes estavam tres padres.
E sabis o que faziam ? Cada um eslava ensinan-
do o cathecismo aos seus vinte ou trinta meninos.
Era perto de urna hora da tarde, e a essa hora
fecha-se a egreja. Esperei at o fim da catheche-
se, e vi que cada ecclesiastico antes de despedir
os seus pequeninos alumnos, a quem tratava com
santa aflabilidade, orava com elles. E elles de-
pois desfilavam graves c contentes, sahindo da
egreja.
Detive-me alguns minutos ao p do guarda-ven-
to, at que os padres foram sahindo. Nenhum
lidies deixou de me dar amavclmente a saudagao
chrisia, a que correspond com toda a corlezia.
Com o ultimo que sahiu, entretive conversa de al-
guns minutos, louvando este zelo sacerdotal no
bom ensino; e elle me respondeu, que o faziam
assim por honra de Deus e bem do paiz, pois es-
tavam persuadidos, que se assim nao houvessem
pratieado, nao s teriam faltado aos deveres de
sacerdote, se nao ainda aos deveres para com a
patria, em bem da qual era tudo quanto ensina-
oue se enelSsfi^ageinf ^S tPJSW^^ ^^ **
descanco; que soffra, se tanto fr necessario, os aS tS h trwn Sou -a Vie^
de toda a Europa tem os olhos filos sobre esse scr cnminoso na Va"erahftfft M -. &
paiz; e de ora avante ainda os lera mais para ca- u ]r& toMesauita
mar em defeza delle, para o proteger com o pres- *
tigio das mais santas e poderosas sympathias. Movimento da casa do detengo no dia 3 do
Adeus, meus bons amigos e collegas. Tahrez outubro de 1863.
levai-o, antes
todos.
que desabe 3 ero c nos eszsafc
e
? de-
e....
nao torne a escrever-vos d'aqui, pois tenciono sa
liir manha, ou depois.
Nao sei, se voltarei a Paris; mas provavel
que sim. E se l fr, de I vos escreverei.
Tinha ainda muita cousa que dizer-vos : mas o
tempo pouco. Escreverei com mais extenso,
quando mais opportunamcnte o possa fazer.
Rccommendai-mc muito a todos os meas ami-
gos, cujos nomes nao necessario escrevor aqui,
tendo-os escriptos no coragao.
Publicae desta carta aquillo que vos parecer o
merece. Adeus. Sempre o vosso do coragao.
Gomes dk Amiec.
(Nacao.)
Existiam...... 371 presos
Entraram..... 7
Sahiram .. 20
Existen...... 358
A saber
Nacionaes.....
Estrangeiros...
Muflieres......
Estrangeiras...
Escravos......
Escravas......
255
27
9
3
61
3
358
PERHAMBOCO
REVISTA DIARIA.
Alimentados custa dos cofres pblicos,. 150
Movimento da enfermara no da 4 de outubro
de 1863.
Teve baixa :
Manoel Francisco de Santa Ann, rateramente.
Joao Nery de Vasconcelos, lumbago.
Gongalo, escravo, do finado Miranda, intermit-
iente.
Tiveram alta:
Antonio Martins de Olivcra.
sa-
Nesta Revista j dissemos algumas palavras
acerca do opsculo de Mr. Ambrosio Rendu, que
foi vertido do francez para a nossa Ungua por
pessoa autorisada ; e para que nao se tonha por Victorino, arncano Iivre.
singular a nossa opinio com relagrw ao mesmo \ Passageiros do vapor nacional Jaguaribe,
opsculo, consignamos aqui o parecer dado pela hldo para Macei :
commissao do conselho director da instruegao pu- Manoel Clementino Pereira Jnior, Elias Jos de
blica a respeilo desla obra de moral religiosa : I Almeida, Jlo Luiz Vieira, Joao Jos da Coste San-
A commissao encarregada de dar o sea pare- tos, Tburcio Valeriano Baptisla, Justino EpamV
cer acerca do Opsculo de Moral Religiosa para le- nondas da Annunciaco-Noves, Hermenegildo Jos
tura das escolas primarias por Mr. Ambrosio Ren- Tavares, Octavio Jos Tavares, Joaquim de Almei-
da, autorisado pelo conselho de instruegao publica da e Silva, Rodolpho Krulsenberg, Jos G. Malvei-
em Franca, e traduzido em vulgar por leu ra, Agostinho Locas Gorreia.
acuradamente este formoso livrinho, que tanto tem Passageiros do hiato nacional E jrnaafoo, sabido
de pequeo como de interessante ; e quando pela para o racaty :
doulrina que cncerra e pelo primoroso da verso Capitao Vioento Gurgel do AOttral, sua sohrinha
elle se nao fizesse desde logo recommendavel, bas- tres netos e urna escrava, Raymundo Ferreira dos
taria o nome do autor do Cdigo Universitario, e Santos Caminha e dous criados, Manoel Lemos Fer-
a respeitavel sanego da auloridade do ensino em reir, Francisco Cejqueira Mano.
seus membros.
O art. 213 do codigocivil consaga que o marido
deve proteegao a sua mulher, mas este art. nao
poder na especie ter exeengao ; porque nella tem
antes a mulher de proteger ao marido.
O Sr. Y. Jnior remettem-nos a seguintc poesa :
ROSA DESMAIADA.
Rosa paluda, em meu seio,
Vem, querida, sem reccio
Esconder affticta cor.
Ah I a minha pobre rosa
Cuida que c menos tormosa
Por que desbota de amor.
( GarretFolhas cnidas.)
Querida rosa, perdo /
BB o toque de minha mao
Fez-te a linda cor perder !
Ah 1 perda ao malfadado,
Que s por te haver tocado
Te fez empallidoccr!
Mas nao te desprezo, nao,
Qu'rida flor do coragao,
-- Linda rosa desmaiada ;
Ah se eu to fiz desbotar,
Vem comigo suspirar
Em meus bragos apenada.
Profundo, dorido corte,
Que me deu bem negra sorle,
A alma me oncheu de dores....
E no peitoem lettra escura
Escreveua desventura
De malfadados amores !...
Perda-me, triste rosa,
Desmaiada, mas formosa.
Se o meu tao duro destino
Conhecendo delirei,
E no delirio toquei
Em teu seio purpurino.
Os teus aromas perdidos
Sao meus suspiros sentidos.
E tua linda folhagem,
Hoje secca e desbotada,
De minha alma desmaiada
fiel e pura imagcm.
Perda, pois, triste flor,
Se delirante d'anior
Eu flz-te tao desgranada !...
Mas, se eu te fiz desbotar,
Vem comigo suspirar
Em meus bragos apertada.
A Cruz publica o seguinte episodio bblico :
A sabida do Egypto.
Adejava o genio da desolagao por sobre o reino
de Pliara e banhados os olhos em lagrimas e
convulsivas aportando as mos, em lelto prantea-
vam as maes a morte violenta de seus primoge-
nitos. .
Pairara por um momento o anio do exterminio,
desembainhra a espada vingadra, e ferira de
morte os primognitos dos incireumeisos.
Convinna que o povo de Israel sahisse da trra
da servidlo, e nao quera consenti-lo Phara, a
despeito das ameagas de Moyss.
Fizera o Senhor chover contra oJEgypto, por nove
vezes, pragas horriveis ; mas. endurecorarse o
coragao do rei, e nos muros do Egypto, acabru-
nhada ao peso da mais desptica, opprcssao, gema
ainda a gerago de Abrahao.
Entao baixou o anjo, c respeitando smente as
casas, cujas portas tingia. o sangue do cordeiro,
arrancou dos seios maternos desde o primognito
de Phara at o do mais. humilde servo da familia
cgypcia.
E no dia seguinte, em meio do pranto pungente
das maes, que estreitavam contra o peito o cada-
ver fri e hirto dos. filhos; em raeio do desespero
dos paes e do lutae do pranto de todas as familias,
com o coragao tambem sangrado, com o peito tam-
bem dilacerado, mandou chamar o rei ao enviado
do Senhor. .
1 Ide-vos d'aqui, disse-lho, levai esse povo,
e seus filhos o seus rebanhos, antes que desabe o
co e nos e&maguc a todos.
c Que mais nos (alta ?
< Coavertestes as aguas doces do rio quo ferti-
hsa nossos campos e abastece nossas ciliados em
sangue ptrido e corrompido.
t Destruistos nossos campos, com. a chava de
pedra, que grossa cahia; com a praga dos ga(a-
nhotos que nos devora vam as seracateiras.
t Desenrolastes a morlalha da peste e cobristes
de chagas a horneas e anitnacs.
1 Encliestos o reino de asquerosos e damninhos
animaos.
Envolvesles-nos as trevas e na escurldo
mais espessa, mais medonha, que a da noite em
que uiva o vento a varrer as aras do deserto.
c Levai, levai esse poro maldito, essa raga des-
presivel de nmadas; ide com elle sacrificar ao
deserto esse Dos Uesconhecido, que o protege ;
n
Arrepcndcr^se Phara da oxteai que din :
haviam terminado os tres das concedido
voltava o povo, que Moyss tmra.
E nem mais voltaria, que nao tornara lipidio
escravos que se apanham livies, em meto ddeser-
to, em face da naturea.
Ul
Em frente s aguas do mar Verme 11
nliavam os filhos-dc Israel, s ao son das fatoas t
atabales festejaron o ar da liberdade e o- ton
do capliveiro.
Mas ao longo soava sinistio raido, tomo um
exercito numrelo se ostivesse approxinnado.
E ao sora das gaitas e atabales festejaran o li-
llios de Israel o ar da liberdade e o termo Jo a-
ptiveiro.
E mais sonsival so tornara o raido, e en atore
distinguia-sc o relinchar dos ginetes e o tiair .1-
armas.
Era Pliara, que vinha aps elle : na ai pi
se arrependera da lieenga concedida.
Eiiimudecerara.as vozes dos que caaanaay-t os
sons das gaitas c dos atabales parecan aato o
estridor sinistro. do clarins em Iwra da
bate.
E murmurava. a turba c diriga i_,.
Moyss e blasphemava contra o Senhor.
Ergueu-se ponim Moyss; segredara-to*Bter
no ao ouvido, e c propheta ia curoprir asorde.
do Eterno.
E sobre as aguas movedigas do mar erpna a
dexlra ; murmnraram-lhe os labios wimim pir
palavras, e obedeeendo aqnelle gesto
iinponenle, redemoinharam por nm 1
pois separaruui-.se. formando como daavl
muraJhas.
E pelo caminho aborto, pt: enxuto, \
os filhos de- Israel.
Quiz passar tambem Pliara ;
fogoso cors!, ousado seguio a
escapava.
Seguem os cavalleiros 5 vo aps os
as muralhat oscillam... desabam rom horrWel es-
tampido e sepultara no ab\smo o tavmm t or-
valieho,
Do outro lado do mar, com os oftw a nioa
erguidas para o co, diri;rem os Israelita a* Dcos
dos exereitos este cntico de acgo daga*, este
hymno de reconhecimento:
< Cantemos louvores ao Senhcr, qa acaba de
mostrar-nos tao gloriosamente seu poder.
O Senhor nossa fortaleza, o dere ser o ot>-
jecto de todos os nossos louvores. Slle se ha frit
nosso Salvador.
Este o nosso Dos ; celen: areno soa glo-
ria. Este o Dos de nossos paes ; poUk-areaos
suas maravilhas.
O Senhor se armou como guerreiro en de-
fensa nosso; sea nome Omnipotente. Sepoltoo
no mar os carros e o exercitv de Phara.
Os escollados principes de Mcraphis. foram sab-
mergidos no mar Vermeluc; tragaran ara o
abysinos, ecomo podras se aftrndaran ao seio das
aguas.
c Vossa dextra, Senhor, ostentou soa forUton :
vossa dextra, Senhor, destregoa a homo ninigos
e a lia testes com glorioso podero aos que se apa
nham a vossos designios.
f 1.anca ses sobre elle o fogo da rana ira. qa
os abrazou como palha ; ao sopro de roo tmvi
se dividiram c amontoaram por ambas as pan -
as aguas.
1 Ficaram suspensos cojao monlanlias para nos passo livre no meio do mar.
t Eu os perseguir!, disse nosso inimigo. ar-
lhes-hei alcance : repartirei seus despojos, e *i-
nha alma ser saciada.
Dosembainhare minha espada, e minha s
os exterminar.
1 Porem ao vosso aaeno sopraram os rento 1
reunindo-sc as agais, sorveu o mar aqoelle torne-
ranos que, como chambo, cahirara nos prctantos
abysmos.
c Que poder, Senhor, semelhante ao nsso '
Quem comparayel a vos, todo resjih'fcJor de
santidade, terrivcl, infinitamente digno ds louv"r.
e que obris maravilhosos portentos ?
< Estendcstcs vossas raaos contra nosao iaini-
gos c a ierra os tragou. Por vossa bondad-,
vos pozestes frente do povo, cujas caceas qo-*-
brastes.
< Vos o conduciris com vosso peder sania
habitagao que Ihe baveis destinado.
t Os" habitantes desta trra se irri'aro e sobl'-
varao contra vos ; os Philisteus se rendero com
dr nossas armas.
Entao (carao consternados c principe da
Iduma, amedrentados os robustos Hadianislas. a-
sombrados todos o habitantes de Canaan.
Fiquem, Senhor, desde j. cheios de terror .
espanto vista do poder do vosso brago.
Eiquein immoveis como pedras vendo panal
o mar a vosso povo, conquista e. heranga vossa
t. Vos o introduzireis e estabetecereis no non
Sio, que haveis escolhido lava beranga vossa e
preparado para fivar nelle vcsa morada.
Sim, Dos meu, naqnelle santo locar bav. -
preparado urna |>ermanente manso. onde reinara
o Senhor sobre o seu pove. para sempre o anda
alm dos secutes.
1 Porque tado nos prcur-ettem as maravilhas k
temos diante dos olhos. Entrn Phara .a cavallo
no mar Vermelho com seus carros e ea/raUos, e c
Senhor resol ve u sobre elle as aguas do mar.
Os filhos, porm, de Israel, passarm pelo niV
doli a p enxuto.
CHRONICA .11 MUIRA.
TRIIIIWL o JI'RTs
5.' SESSOk DIA 3 D'i MTTJMi
Phesidencu DO.Sn. Dr. luir y-Tinin n jfcftir
FUEITAS HFMUQt'ES, Jl IZ r* D1HF.IT0 BA.I>* TMA
CRIME.
Promotor publico. O Sr. Dr. Fraudare Leo-
poldino Gusmao Lobo.
Escrivo, O Sr. Joaquim Frauctoca de Paula
Esleves Clemente.
As 10, horas da machia feite a chinada acna-
rara-se presentes 42 ^enhores.
Foram dispensado* da sessa^por mtftvnde no-
lestUs os Srs.
Gamillo de Salles Fonseca.
Geraldo Henrique de Mira.
Francisco Seralco de Assis. (u-vatao.
ioaquim de Almeida Pinto.
Foram roievados das multa anteriores, aar to-
rem comparecido os Srs.:
Dr. Antonio Vicente do Nasr imento FettDM.
Dr. Francisco Jos- Martins Penna.
Foram multados em iOiOt) rs. cada nm dos
senhores multados aos dias anterieres, que nao
compareceram, nem foram dispeasatlav. e tanatn
os Srs. seguintcs 5
Dr. Francisco de Paula Salles.
Dr. Joaquim Jos de Campos.
Dr. Joaquim Antonio Carne ir da Cuaba Marmita
O Sr. juii de direito declaren abara a sanio
Compareoeu o Sr. Dr. Fraacisco de Aojo far-
ros, juiz municipal da V vara, apreatatoa pre-
parados para serem jtihjadoa, o pratena se-
guimos :
1.* Autora a juahea.
Reo preso, Podro Jos das Saatoa.
1861.
art. 25? do cdigo criminal,
2.* Aitforaajustiga,
ao
da
JL



Diarlo de Pernauluico


Reo pre?o, Antn fo
art. 193 Jo Cdigo <
mr
3. Autora a jo^^l
preso, Antogi|^B^BH
no art- 194 do corgncrinimal
1863. *
4. Autora a justtcaJ
eui 26 de abril de
| processado
de abril de
^rWrto fe nm
modo) do que elle rae perteocia
Ter?a felra de Outubro de 1SOS,
}te n aza da orac,ao p'ra Dees se
Da torra ella nao era': peregrina
Passando neste.valle, aqui parou
Mas dos cardos j tendo os ps sangrando,
do barro, ao cu voou....
abril de'1863.
7. Autora a justica.
Reo jireso, Francisco
de Cruz, processado no
so ore
n-aria
guarda-'
va-o como urna preciosidade, o, era tanto preco o
tinha, que nunca me separava delle, levando-o
para toda a parte para onde ia.
Reo praso, Querind Francisco Paiva, processado Ha dous annos, indo a urnas cobrancas ao lugar Uesprendcu-so i
no art JO! do cdigo criminal, em 8 de raaio de \anea-Nova, districto de Cariris Velbos, levava vjrtude assim | ... Sagrado verlto
I W.i. contigo urna carteira cora lotras, obrigaedes, reci- g. ^ omi a ^^ i.... na torra Deus I....
o. Aulora a justica. dos e outros papis, e entre elles o testamento de peretfrjna caminha sobre a trra
Reo preso, Jos Francisco Lins, processado no mou pai. A duas leguas do lugar Malhadinhas, p :* be|la figurar nos cus I...
art. 193 do cdigo criminal, em 31 de Jumo de depois de haver descansado e tomado um banho,
1863. sent a falta da carteira. Procurei-acom diligencia, K como o incens que das chammas s'ergue
6. Autora, D. Antonia Mara Jesuioa Borges. \ suppondo a principio ter-meCahido da algibeira ; Em novellos subindo para o ar,
Reo praso, Rento Alves da Cruz, processado no mas foi tudo baldado, do modo que me convenc A virtud*,das cbammas deste mundo
art. 264. l.e 4 do cdigo criminal, em 29 de depois de que havia sido roubado, ou all mesmo Se desprende, e no cu s vai morar.
por algum passageiro, ou na ultima pousada, pois' ..... .
uao tinlia e era tenho ainda hoje razo para duvi- Termioou-se em final da vida o estadio I
- dar da fldelldade das pessoas que me acompanha- Chegaste ao marco que t erguera Deus I....
irt. 20a do cdigo criminal, em 5 de setembro de [ ram, e quo se empenharam em descobrir a car- uescancaperegrina ca da trra;
1863. teira. Dorme 1.... e acceita nosso extremo adeus!....
8. Autora ajustica. Voltel, pois, dessa viagem triste e desanimado.' v ..-. ,ra_n -^soracado snn I
Reo preso, Pedro Celestino Marques de Silva,; Nao rae atreva a coramunicar a mcu pai a perda &,,"S icaZSo vosea dr !
proejado no art. 201 do eod. criminal, em 10 de do testamento, que pedia ser attribuida por elle a' ^T' que oprano5TkS Kia "'
setembro de 1863. pouco apreco que eu ligava ao acto de meu reco- F."' h,imn an~ i>us ns a> melhor I
Recebidos os prooessos pelo Sr. juiz de direito, nhecimento. ** Da,samo 1ue uem nos oa meinor '
procedeu-se a respectiva chamada e ordcnouoj Estovara as cousas neste estado, quando al guem Chorai!... que vossas lagrimas sao preces
mesmo Sr. juiz de direito que lhe fossem conclu-, soubc que meu pai havia feito testamento, e me Que voando a pos ella buscara Deus I.... '
sos, e que por una tabella se dignasse os dias dos havia roconhecido lilho ; c como isto transtornava' Chorai! que o pranto quando a campa orvalha
julgamentos dos reos. os clculos dessa pessoa, que exerce sobre meu et um eonsolo que nos vem dos cus!....
I.cvantou o Sr. juiz de direito a sessaoaddiando-a! pai nma poderosa influencia, exigiu ella de meu I
para o di* 5 do correntc s 10 horas da manhaa. pai que me toraasse o testamento para ser intili- Chorai!.., mas 9em descrer; com t profunda
. i sado. Na virtude que foi della o fanal;
Cora effeito, meu pai, obedecen*) a essa influen- Com f na cruz, onde ella se ampara,
cia estranha e contraria sua vontade e lions de- E com quem ha de ver Deus afinal.
sajas, perguntou-me pelo testamento, e exigi por v
ratea que cu la'o restituisse. Nao querendo con-
fessar-Ihe o occorrido,, pela razio que ja expuz, lhe Peregrina da vida!___alflm chegates......
responda que o restituira logo. \ Chegaste ao marco, que t'eguera Deus t...
Ha poneos das este negocio tomou um carcter Descanca no teu leito derradeiro.....
Dorme ... e acceita nosso extremo adeus.
COMMNICADQS. !
Aos eleitores do primeiro lis-
ir Ivt o eleltoral.
A elefcao para deputodos provinciaes bate por-',
u ; em hrvc os ele.lores do novo tdem de oseober < (|ue 0 nao quera c.tregar% obrigou-se meu pai
ue na assemulca i., f.iT..r a anai a,\ i^,^. !< *!.& nUMan^n.mn
os seus Mzjfesentantes, aquellos provincial, tem de advogar os seus 4tre4tos e de
promover o progresso e a prosperidade de nossa
provincia
a fazer o papel de meu denunciante, charaando-mc
a juizo criminal para exhibir o testamento, que se
dizia ter sido violado por mim para ler o qe con-
tinha. Fui a juizo, confessei uue tinha com effeito
Muito sao os prctendentes aos nove lugares qne' recebio de jea 0 ^^^ e referi o modo
h-i'M 4fW oceupados petes eteitos noreste pn- \ porflBC 0 havia pe'rdjdo fc|zmcn,e para mim e
ineiro dialncto el.tora, e entreelles Hgora o no- para' csta ,erra ncontTe nm juir ntelligenie e1
me do Sr. r. Manwl Jakqwm Silverra. 'justiceiro, que se nao prestou a servir de vlvula
ta- em duvida o merecimenlq segne, pondo em frente o nome de mea pai, a quera '
eu devo respeito c obediencia.
Consta-me agora, que exigem de meu pai que
me denuncie como laUiicadorouestrillionatano, ou
(Do Correio Sattentt.)
Ouro cerceado I 2*000 a
Patacas hespanholas ... 93S a
de Almeida Gomes, manifestou o ae- Ditas brasileiras..... *933 a
candidatas, e alistendo-nos de qualificar todas as
preten(5es quo ho surgido, nao poienws, como
amigo e apreciador das qualidadcs do Sr. Dr. Sil-
veira, e como flllw desta provincia e interessado
della, furtar-nos ae desejo de dizer
pelo futuro della, furtor-nw m desojo ue uiier que se qaeixo de porcrime de tarto.
inea duna de nalavras era abone 4a candidatura Tal a deIelcria innuncia, que se exerce sobre
daquolte nosso aimpo, recoinmendando-a aos ele.- pai> ett|| frai|acra des'te psra M deixar
lores do pnmeiroeHcuto. subjugar, que eu nao duvido de que isto venha a
0 Sr. Dr. Silver* candalo, e ten direito in- aeontegce' 'raas s0 gMf d(Jsde ja
isputavel a um lugar na represemacao provincial, eu nao'temo o resultado desta luta, em que me
Liberal de convkiw, partidario honesto e mode-
rado, modesto e intelligente, nove na arena polti-
ca, sen cinuproiuissds |>ortanto com um fiassado
ora que nao figurn, e ebeie de estimules para
crear-so ua futuro lisengeiro, e Sr. Dr. Silveira,
tanto con o nais digno, pede ocupar urna cadei-
ra na nossa assembia provincial, olTerecendo boas
garantas actualidade pelrtica.
E nem deseoBlieeido nesta cidade o nome do
Sr. Dr. Silveira. Come prometer publice interino,
lula, era que
querem empenhar. S me pesa de tor de lutar os-
tensivamente com meu pai.
Se eu ainda tivesse a fortuna de possor em mi-
nhas inaos o acto do meu recenhecimento, a que
nao ligo outra importancia sead a de me dar elle
um pai, pois quanto a fortuna, tenho quanto basta
para nao ser pesado a meus semelhantes,estas
ameacas me haviam de tornar recalcitrante en-
trega. Infelizmente nao o tenho, e nao me dado
Pilulas vegetaes azucaradas de R>np.
Eatre as innamerarefs classes de pillas qne
I continuadamente se annunciam, estas s que se
podem verdadeiramente considerar como o proto-
typo dos operativos caieiros, completamente effl-
cazes_ e absolutamente inoffensivos. Na sua com-
liosicao nao entra um s nico tomo de nenhuma
substancia mineral. Constitue pois o nico reme-
dio aecessario para os desarranjos do estomago ir-
regularidade deventre, constipacao habitual, a-
fecijoes biliosas, dyspepsia e todas as enferraida-
des dos intestinos predominantes nos climas cali-
dos.
Tontadas tempo evitam infallivelmente os
mortferos flagellos epidmicos e endmicos das
regios intertropicaes. Sio as nicas plalas que
se vendem era frasquinhos de crystal e a capa as-
sucarada que as cobre conserva sua virtudes e as
torna mu agradaveis ao paladar.
Acham-se em todas as boticas, drogueras e lo-
jas de drogas no imperio do Rrasil.
s Ah estad os feitos
ciou, ah est e tribuna
causa dajustija
itoiffencL tortn-za. a aiividade i ,,,,u""":? ua urigavao oe o resumir, ceuossu pur
rTSr JT, SE S22T2 obediencia aos decretos jud caos.
SgLtg. IflISJiSS* Sci Que mou pai amistado a esta desgracada
S25 S^JMU*Vg'La ota bem contra sua vontade, pois eerto que ain-
publica, que, melher do que nos,----------------- I. ,,a'.,T mu,Z Tmm
Mu lo dignos cleitores H lio raes e tuuito liberaes.
Para que serve ser eleitor ? Para que tantos sa-
crificios 7 Para que lia tantos annos 11 dais sobre as
urnas, fazendo assim ser derramado o sangue de
vossos alliiados 7
Eleitores liberaes, devela volar cerrados, para
Manoel Gomes Stlvnio.
Reci fe, 1 de outubro de 1863.
PUBLICARES 1 PEDIDO.
EPICEDIO
podero fernecer pravas do que deixamos dito.
E senito sen signiticacae ama nomeaeao para
lugar de responsabilidade e de confianca, lembra-
mos aiada a esculla feita pele Exm. presidente da
provincia do Sr. Dr. Silveira para um dos lugares
de supplente de juiz municipal da capital.
Quando lera raiado noves horisontes polticos
por eatre os nevoeiros que j l vao quasi extnc-
tos, quando brUha urna nova luz, quande se inau-'
ura unta nova poltica, urna neeessidade. um
ever, apadrinhar pretences da natureza dajuella
que reciManendamos.
0 contraria disto seria desmentir por tartos a re-
generaran de que carece e pait, e que a melhor
e a mais geaerosa protnessa da actualidade: sena ,
trillar u mesma senda que se dizia ooncada de; f'0,BPos, P01 asiao do lainentavel passamenlo da
erras e de matos 1 Euna. Sra. II. Carlota Joaquina de Albuquerqae
Um elfitor. Cmara, esposa do llltti. Sr. Dr. Gabriel Soares
Raposo da tmara, e a elle e a sua lilha a Exraa.
Sra. D. Anna Carila de Albuqnarqne Barbosa,
efftreeido e dedicado em testeniunlio do maior
pesar e sincera amisade pelo ftr. N. B. Bolvar.
A vida um sonho que se esve na campa.
(Vizconde da Pedro-Branca.)
I
da lhe nao desmerec da estima e affeicao com que' deputados provinciaes, nos cidados abati decla-
sempre me tratou. A tolerancia, pois, com que rados; deveis lembrar-ros que o Ilustre N'unes
me proponho a soffrer todas as consequencias Machado nunca obrigou os eleitores a dareiii seus
dessa luta, saiba o publico que somonte pelo votos a homens, que eram simplcsmonte seus ami-
amor c respeilo que consagro i pessoa de meu pai. gos. Elle s pedia para se votar em correligiona-
j ros e homens. que podiam favorecer a provincia :
assim, pois, dignos eleitores liberaes do primeiro
circulo, deveis lembrar-vos dos correligionarios
abaixo, e vede que lodos sao dignos dos vossos
votos :
AO PUBLICO.
Ameaeado em meu socego, era meus mu reduzi-
dos iitiresses commerciaes, e ate, e que mais,
em minha liberdade e seguranra, por algnem, que,
por intermedio de pessoa a quem jior tantos titutos
amo e venerado fundo d'aima, iwetende Jevar-me
barra dos tribunaes, para responder pelo ne-
jando rrime de ter um pai, que nao se dedignou de
de me reconhecer por seu filho era um documen-
to impctante, julgo do meu dever instruir o publi- El"' oa vida decifrado o enigma f
codos faetos, que explicara a existencia d'esse Materia, e cinzas, podrido e p I......
negro crine, e patenteiam igualmente as boas i'n- Da que nasce nos sorrindo esp'ranfas......
leuroes de quem procura roubar-me, nao s o so- E loS noatc dc pesar.... de d I....
cegoe a tranquillidade de espirito em que vivia, kc ,.,i, mK ,wa~
senaoaindao direito de chamar pai quSlto, qu ^s\^& venturoSorr^
mcdeuoser.quefoncorreu para a minha edu- EdSm^meSe^^''
de^lilme^^nT^^
Bu aqui a historia de minha 'ohscura persona- Eis a vida o que !___ pouco risos
,'da*J : Verdes csp'rancas, ditas, e praser I....'
Son filho natural lo Sr. Luiz Comes Silverio, e E de chofre asdnguslias, o os pesares
nasa em 1832. Minha mai e meu pai eram am- E lagrimas sera fin!.... fatal soflrer
bos solteiros, Hvres e desempedidos ao tempo do I
meu nascimento. Meu pai casou-so cerca de tres E'-'0 da vidadocfrado o enigma I....
airaos depois.com a senhora, que ainda hoje Materia, e cinzas, pqjdridao e p ....
sua mulher ; mas este acontecimento em nada Dia que nasce nos serrudo esp*rancas___
arrefeceu o amor e interesse, que at entao ha- E logo noute de pesar.... dedo! ...
via mostrado por mim ; ao contrario contnuou ,,
cora delirada solcitude a assistr-me com oneces-1 "
sano |iara minha subsistencia, c para que eu re- Termmou-se em final da vida o estadio I..
cebesse uiua educacao apropnada a minha condi-' Qiegasle ao marco que t'erguera Deus I
San. Logo que me achet em estado de eseolher Descancaperegrina-c da torra;
com discernimento urna profissao, dediqiei-mc Dorme ?.... e acceita nosso extremo adeus!
vida commeraal, no que me pareceu ter agrada- w uui.u!>.....
do a meu pai. Satisfeto do meu modo de proce- Dorme! .. uue o somno te ser bem placido;
d( r, e jubjando-rae capaz de dar intciras cuntas A l'> ^empre fiel ao teu dever;
de mim, apresentou-meelle e deu-me crdito em Mi carinhosa !.... pura era teus aflectos,
algumas casas inglezas desta praca ; e isto, e a! T>Po de esposas,firme no querer.
pontualidade, com que satisflz sempre as minhas r___, .. ,
obrigaces, foram parte para que o meu pequeo !, rme'"" Wc ho\comP Cosle sempre,
trafego fosse prosperando. Tinba-mc cstabeleei-! "UI!'a,13' caridosa, affavel, saa \
to na cidade da Victoria, onde ainda hoje tenho "? Ue"s a ?d0. acrdaras sorrindo,
,*i minha residencia. i "^ onde a ,llha P sorn louraa.
Procorando por todos os meios honestos satis-
Dr. Antonio Jos da Costa Ribeiro.
Dr. Joaquim d'Aquino Fonceca.
Dr. Lourenco Trigo de Lourelro.
Dr. Manoel Pereira de Me raes Pinheiro.
Florano Correa de Brito.
Dr. Jos dos Anjos Vieira d'Araorim.
Dr. Joao Francisco Teixeira.
Dr. Deodoro Ulpiaao CoHio Catanho.
Dr. Jos Eustaquio Ferreira Jacobina.
Um eleior que nao escraco e nuito liberal.
GOMMEBCIO.
NOVO BANCO
DE
pi:k\% muro
O Banco toma saques sobre as f raras do Rio de
Janeiro o Baha.
Alfandega
Rendimento do dia 1 a 3 45:243*981
Idemdodiaf........27:1465797
a Aranaga Hijo
a Manoel J. Ra-
Huvlmcnto da alfandega.
72:390*778
Volumes entrados com fazendas
com gneros
Volumes sahidos
com fazendas
com gneros
45
183
----- 228
74
6
80
fazer a raen pai, u jo amor por mira eu nao podia ?ioVes no to^gS?* **" ** *" DOme :
luvidar, a vista de tantas -
Dorme!.
I Flores no leito vir-te-hao tomar
e tio reiteradas pravas, (A viuva infeliz.....o infeliz'orpho
senta rom ndo que elle se nao ttresse lemhrado; Que fail,a vea subeste eonsolar
de rae dar legalmente o seu nomo reeonhecendo-1
me por sen Olho ; entretanto nunca lhe suggeri 111
csta lembranca, confiando que o mesmo 2mr que nroBt> *- -.- i
rae tinha o levara a prt.car esponuneamente I ?"v,, a cxisfenc,a frt" mi1 ven,uraf
este acto, como cora efMto vcio a succeder. ,T ''l* do esWs0' 1ue araon-a o"1 ardo'":
Corra o anno de 1836. Estova cu em minha < J" v |f "f fJX^ ra?0S j? SPoso
casa na cidade da Victoria, quando era ura dia j 8ua Vlda era um sonho de rosas de a"lor-
recebi urna carta de meu pai, na qual exiga que Foi delle a delicia, foi delle os encantos
eu, sera perda de tempo, viesse a esta cidade para A dita na trra, a ventura sorrir '
Tr*1??^ Seu esposo, suas lilhas,-tal era-lhe k vida-
fiz o que raz um fimo obediente : nao me detive S elles faziam seu doce existir
um instante. Apresente-me a meu pai, que me
expoz o que havia. Era, na verdade, negocio Mas tudo acabou-se !... e ella, coitada !......
momentoso, qne entendia com pessoas, factos|e Nos bracos do esposo, e da Ulna a chorar........
cire u instancias, que devo omitir nesu narracao. as ancias da morte... tacteando-lh'as trevas,
issit-nn mn pai o qne pretenda de mim. 'Fiz O adeus d'alm tmulo nao pode Ibes dar 'I ..
tudooyprqneria que eu lizesse, e tenho convic-1 ..
4'aornmeqnc lirn elle nunto satisfeito das ^ l)ude'--'n:t Me, que a dr dasaudade
prora, qoeenifio lhe le. de amor e dedicacao ',nft foi dentro d'aima to forte matar I....
i'ial. v Que ella.....coiada!.....andando l._. anciando.
Dispiiz-mea partir, quando j nSo restaracou- (,eme11;..... suspirau !...... e nao pode fallar!.....
sa alemna a azer ; mas elleexien que me de- rv m,. :.-. i k.
morasse, pois, sc/niudo me disse" desLjSvTreco- fmtn^ht^Xmda eoD8orUj'
zihecer-me por s.,i filho, e dor-me 'o trtulo ou f^!iZ\2m,Tul^m "* ^
cmnento deesa reconhecimento. Comeffeito.de- t.^?* hSm^^L''' V9^e!a
pois de se haver entendido com pessoas compe- Mreni ,saU(lade am^ "'
lentes, fi i um testamento, ejn que me reconhe-' IV
ecu por seu filho e herdeiro, mostrou-m'o ; fomos; r. JA ,
depois juntos casa do Sr. tabelliad Salles, que E a 2or a '"SE? a ,natava '-
lavron em presenca do testemnnhas o nstrumen- ?"a a Tr f1'-;*1 ^lha 0T^^ deixar I....
to de approvaeao com todas as solemnidades da ra a,dor da ^udade I ... a dr da morte,
le; coseu-o, lacrou-o c o entregou a meu pai ; Que do consorte seu Ih ia arrancar ti....
Zt\l^Z*? "I503;, O'1? n'es8<' Fafa/mwtiMnfit/ocittftiriite^..'..
rPronlH grtH.t\CnS^ .-k Sr' ^ (^ae^ na de Qoando diziam neula eUa soffrer,
raa mida de Lrnl & m es,find,da. E en repetmdo ao merencorio esposo
urna moeaa de ouro de 20*01)0 mas meu pai, fa-: .arare' mui arare w nndieer'!
zendo-me reeomer e guardar a moeda. disse-mc \ .....mutgrmee s,u padece, .!......,
que aqnillo alada corra por suaeonta., e eflec-'.....................................
iivamente fez opagamento ao Sr. galles. |
Ncssa occasiSo, e anda no momento da des- Medico, em balde combati-lhe as dores I ...
pedida me disse meu pai que guardasse beni a-' Trabalhei sera cessar... mas nao venc I.....
quellc documento, que nelle eslava a minha feli- Antc Pder de Dcns,misero curvado
cidade -r qao, te olfe morresse primeiro que eu \ Scmpre a seu lado sua dr gem I___
o viesse en apresentar autoridade comnetenip'! r. ...
que so u orrasse primeiro que elle, SrVir"a o'' f,E?rre-u -m flna b" r,Esposa e "*)
dito documento para fritar meus filhos i g? a .!S? ?m lm%* ^ a "* <
Este acto expontoneo d meu pal. me penhoron Sb \?deu ningPLfn Jte 27^
sobremodo, nao porque me cegasse a cobica, ou' <"-cu niiiSueiu nwie aever.......
ainda o simples desejo de ser o herdeiro de sua E morreo em final!.... Foi como a rola
fortuna, qne eu neWHtemo curci de indagara Longe do ninho solucando amor I....
quanto montara; BU) slm, porque va realisados Ferida na verfgem da saudade
os m^us desejos de ter um pal conhecido, ou de' Cahindo nwrfa coutorsoes da dr i..-.
Descarregam no dia 6 de outubro
Brigue inglezJames Sxewartbacalho.
Brigue inglezMaronicgneros de estiva.
Barca ingleza Enroycarvao.
Rarca ingleza -Vesioncarvd.
Rriguc hamburgnezDeafarmha.
Escuna inglezaSen A7mpft=mercadorias.
Importadlo.
Vapor inglez Magdalena, vindo de Soothampton,
entrado em 29 de setembro, Oanifestou o se-
guirte :
1 caixa sedas, 1 dita fazenda de laa, 2 ditas cha-
pos de sol, 1 dita e 1 volume amostras: a Joao
Keller & C.
2 caixas ronpa, I barrica vdros e louca de bar-
ro, 1 caixa diversas miudezas; a J. B. G. Alcofo-
rado,
I caixa presuntos; a F. J. Leite.
II caixas qneijos; a Vicente Ferreira da Costa.
i caixa tecidos elsticos, 1 dita cuteleria, 1 dito
miudezas, 1 volume amostras; a Alves Ham-
burger.
10 caixas fazendas de algodao. 1 embrulho
amostras; a Southall Mellors A G.
1 caixa miudezas, 1 dita lou^a de barro, 1 caixa
com vestidos, 1 dito roupa; a L. A. Siqueira.
1 caixa cassas, 1 dita fructas; a ordem.
1 dito galoes de la, 1 dita botoes. 3 ditas miu-
dezas, 1 volume amostras o 2 caixas fazendas de
hnho e algodao; a Vaz & Leal.
2 ditas fazendas de laa ; a R. B. Lasserre.
1 dito chales, 1 dita fazendas; a Monhard
& C.
2 di las fazendas de algodao, 2 volumes roupa,
1 dito amostras: a Phipps Brothers & C.
2 ditos fazendas de algodao, 1 dito brim de li-
nho e algodao, 1 dito sedas, 1 dito pentes, 1 dito
modas e obras de metal, 1 embrulbo amostras; a
Henrique & Azevedo.
2 barricas presuntos, 2 caixas queijos; a M. J.
G. Fonte.
3 caixas fazendas de algodao. SO barris man-
teca, 2embrulhos amostras; a Saunders Brothers
1 dita objectos de escrptorio; a W. Jenninge.
55 ditos queijos, 56 volumes passas, 1 barril
tinta; a Tasso Irmoe.
2 ditas fazendas de seda, 1 embrulho amostras;
a E. rt. Burle C
1 dito vestidos; a N. O Bieber 4 C.
2 ditas modas e amostras, 1 dita fazendas de al-
godao, e sedas; a Ferreira & Araujo.
1 dita renda de algodao; a L Eenaty.
125 ditos queijos ; a Rrender a Bradis.
1 dito objectos de eacriptorio ; ao banco do
Brasil.
2 ditos perfumaria, e 2 embrullios amostras; a
Linden Wild 4 C
t4 ditas cha; a Mills Latam 4 C
1 cexto bichas e 30 barrilinhos figos; a Ma-
noel Joaquim. Ramos e Silva & Genro.
1 caixa soberanos; a Aranaga Hijo & C.
1 dita calfado; W. Rasslinson.
1 embrulho amostras; a T. Chrisnansin.
2 ditos ditas; a A. V. da Sihra Barroca.
1 caixa amostras; a Tisset freres C
2 volnmes amostras ; a O. A. Eastwood.
1 embrulho amostras ; a R. Lrhtbourn 4 C.
1 volume amostras; ao Dr. J. J. de Moraes.
1 encapado livros. i embrulho amostras; a Pa-
tn 5aan 4 C.
1 carxa vaso? d vidro ; a Henri Forster
1
berio.
1 dita objectos de escrptorio; a Johnston Pater
4 c.
1 dito pennas; a Mello Lobo & C.
1 dita objectos para escrptorio ; Kalkmam
& C.
t embrulhos amostras; a Adamson Howle 4 C.
1 dito ditos; a Rabe Schmmetlau 4 C.
1 dito ditos; a Braga Son 4 C.
i dito ditos; a Carneiro 4 -Nogueira.
1 volume amostras; a Prente Vianaa 4 C
1 dito livros; a Amorim Irmos.
13 caixas rap, 20 ditas fructas verdes; a T. de
Aquino Fonseca.
1 ditasmassa de tomates, 1 dito doces; a Isidoro
Netto 4 C.
23 volumes passas; a J. J. de Lima Bairio.
1 caixa calcado; a J. A. da Silva Guimaraes.
4 ditas velas de cera; Jos A. dos Santos Lessa.
24 ditas fructas verdes; a Francisco P. Ferraz.
3 ditas livros; a Manoel L de Olveira.
3 ditas doces; a C. J. A. Gomes.
12 ditas maclas; a Antonio de A. Gomes.
1 embrulho livros; a J. N. de Souza.
1 dito ignora-se; af.F. Danson.
Brigue nacional Graciosa, vindo do Para e Ma-
ranhao, entrado em 3 do corrente, consignado a
Antonio
guinte :
Do Para.
200 saceos com 500 arrobas de farello;
signatorio.
Do Maranhao.
Generas estrangeiros.
12 caixas licor, e 40 pecas de cabo de manilha ;
a ordem.
Gneros nacionaes.
672 saceos arroz e 400 ditos milho aos consig-
natarios.
Barca nacional Barreto, vinda da Babia por Ma-
cei, entrado era 2 do corrente, consigna do a Pal-
meira & Bellrao, manifestouo seguate :
De Macei.
500 pipas e 400barris vasios, e 2 caixas charu-
tos ; a ordem.
Da Baha.
Mercadoria estrangoira.
1, 240 barricas vasias ; a ordem.
Generas nacionaes.
15 fardos fumo, 688 caixinhas charutos; aos con-
signatarios,
1 fardo fumo; a Antonio Jos Soares Jnior.
Vapor brasileiro Ibcaafiaf, viudo dos portos do
norte, entrado em 2 do corrente, manifeston o se-
gu nte :
30 saceos arroz a ordem.
4 surroes chapeos do Chile
4C
2 barricas olhos de ananaes
mes e S. 4 Genro.
44 rollos salsa; a S. T. Bastos 4 Irmao.
1 caixa W. Raymond 4 C
1 dito a Antonio de Almeida Gomes.
1 encapado; a Antonio da Fonseca Silva.
1 embrulho ; a Geraldo H. de Mira.
1 pacote ; a J. Keller 4 C.
1 caxote ao Dr. Augusto Colin.
1 embrulho; a Saunders Brothers 4 C.
1 mala ; ao Dr. Siqueira.
1 caixa; ao Dr. Abilio J. T. da Silva.
1 caixa ; a Jos da Silva Antones.
i sacco; a Clirtstiani 4 Irmaos.
1 vol urna ; a F. Souvage 4 C
Vapor nacional ilatnanguape, vindo dos portos
do norte, entrado em 3 do corrente, manifeston o
segu nte :
5 barris vinho, 3 caixdes chapeos, 1 caxote oleo
de ligado de bacalho, 1 dito pilulas, 12 saceos ca-
f ; a ordem.
Brigue hamburguez Dea, vindo de Trieste, con-
signado a N. O. Bieber 4 G, manifeston se-
grate :
1,720 arricas farinhade trigo, 20 caixas e 1 pa-
cote papel, 6 toneladas de lastro de pedra; aos con-
signatarios.
100 caixas marrasquino; a Theodoro Christian-
sem.
Brigue inglez Macme, vindo de Liverpool, con-
signado a Soulhal Mellors 4 C, raanifestou o se-
grate :
37 caixas e 2 fardos tecido de algodao, 1 caixa
chapeos de sel de seda e algodao, 30 ditos bolachas,
1 dito toucinho ; aos consignatarios.
30 barricas ceneja, 1 caixa eh, 1 dita biscou-
tos ; a Marques 4 Silva.
30 taxas de ferro ; a S. P. Johnston 4 C.
100 barricas cerveja i a Adamson Howie 4 C.
/30 saceos pimenta, 150 ditos arroz, 53 eras de
la bos de manilha, 11 fardos e 10 caixas tecido de
*'Kodjio ; a ordem.
'i faljdos tecido de linho; a R. Lighttoum 4 C.
ao barris manteiga, 30 caixas cha, 15 barris oleo
de Imhaca, 8 caixas tintos, 8 barris breu, 40 pecas
de cabos, 1 caixa camisas de algodao c linho ; a
Manoel J. R. e Silva 4 Genro.
1 caixa tecido de linho, 127 barricas pregos, 32
ditas correutes, 5 caixas dobradices, 3 fardos teci-
do de algodao a Izidoro Netto 4 C
17 caixas tecido de algodd; a Ferreira 4
Araujo.
8 fardos dito de linho ; a Patn Nash 4 C
1 caixa tecido de la e algodao; a Izidoro Halli-
day C.
1 dito miudezas de la ; a Mello Lobo 4 C.
30 barris manteiga ; a Tbomaz de Aquino Fon-
ceca.
1 caixa liiiha ; a Rabe Schmettan 4 C.
50 barris e 1 caixa ferragens ; a Prente Vian-
na 4C.
250 caixas velas, 100 ditas folha de Flandres, 15
barricas taxas, 3 ditas cravos, 6 ditas ferragens e
51 toneladas de lastro de pedra; a Saunders Bro-
thers 4 C.
150 barricas cerveja, 10 gigos louca, 16 barris
tintos, 20 ditos oleo de linhaca, 11 caixas cha, 12
ditas lencos de algodao, 15 ditas pannnho, 1 dito
tecido de la, 39 ditos e 49 fardos dito de algodao,
1 caixa um carrinho completo e objectos para se-
gero ; a Mills Latham 4 C.
1 caixa tecido de la e algodao, 1 dito tapetes de
la o algodao para sof; a Joao Keller 4 C
Brigue inglez Envoy, vindo de Liverpool, ron-
signada a S. Johnston 4 C, manifestou o seguinte :
500 toneladas de carvd de pedra e 131 volumes
pertences para caldelra de vapor; aos mesmos.
Recelaedorla de rendas Internas
geraes de Pernainbaco.
Rendimento do dia 1 a 3 4:503*2o5
Mem do dia 5......... 1:733*064
Dita ordinaria........ o
Dito do Brasil........
Helaco............ P
Ol*o Pimenta da India
Salsa parrilha loperior
Dita dita regalar
1*800 2*100
.1*100 1*M0
Dita dita oriinaria......o
Tapioca boa.......... (
Uruc............. L
Vaquetas do Maranhao. .. urna
Din do Para....... >
Dita d Pernarobuco .... >
Cambios.
@ 16*00018*000
11*00013*000
8*000
1*200
100
1*600
1*600
1J600
9*000
2*500
140
2*400
2*400
2*400
Londres .
Pars .
Genova. .
Hamburgo.
Anuterdam
Madrid .
Porto
90'V
oo y
3"/*
3/*
3-/*.
8d/v
8d/v
53 Vs
529
527
48
42.50
930
Par.
_ m Melaes.
Pecas de 8*000...... 8*010 a 8*020 a ouro
Oneas hespanholas. 14*040 a 15*040 a
Ditos mexicanas.....14*300 a 14*400 a
Aguias dos Estodos-Uui-
J08...........18*540 a 18*600 a ouro
Soberanos ...------- 4*490 a 4*300 aprat
*945a
3*360a
*873a
2*010 a our.
943 a .
*943a
*960a >
3*580a >
*885a >
8*000 marco
Consulado provincial.
Bendmento do
dem do dia 5
dia 1 a 3
Ditas mexicanas
Vi nte francos
ao con- Cinco francos
Prata portugueza.....' 7*960 a
I Fundos e acedes.
3 p. c. de assentomento... 48 V8 a 50'/
Conpons........48
Banco de Portugal: .... 540*000 a 542
Commeraal do Porto 258*000 a 260*000
Mercantil 262*000 a 264*000
A cota^ao do banco Mercantil com p juro pago
de Io de setembro de 1863,
Revista contmercial
de 13 de agosto a 11 de setembro.
O nosso mercado desde a ultima revisto at o
Dm do mez contnuou com a qouca animado que
lhe notamos; depois desta poca, e at a actualida-
de teye mais algum moviraento, sem que se possa
todava considerar em estado prospero.
No mercado de fundos tm-se effeetuado al-
gumas transaeces, ainda que os compradores com
difnculdade se sujeitam aos presos altos, que hoje
se cottam para os nossos fundos.
^asacar. A desanimacao em que este genero
cahio depois da nossa ultima revista tem continua-
do, e na actualidade o mercado tica bastante
i frooxo.
As transaeces feitos em pequea escala foram
: com reduccoes aos precos ; entre as vendas s te-
: mos a mencionar como mais importante a de 930
; saceos pelo Florinda.
: As entradas deste genero foram de 123 caixas,
298 barris do Rio de Janeiro; 74 caixas, 1 feixo e
13 barriquinhas da Bahia ; 77 barricas e 2917 sac-
eos de Macei ; 139 caixas e 494 saceos de Araca-
5"; 120 barricas e 7983 saceos de Pernambuco ;
1 barricas do Para; 192 do Maranhao e 50 de
Londres.
A existencia hoje de :
2000 caixas, 862 feixos, 104 gigos, 13 paneiros,
5623 barricas, 215 barriquinhas, 55326 saceos,
r.lgodo.Fica todo vendido.
Agurdente do Brasil. Tm-se realisado al-
Kimas vendas para reexportar, e com alguraa rae-
ora nos presos.
Caf. Venderam-se 292 saceos do Rio pelo
Constante, |ra reexportar, e 100 saceos que ha-
viam no mercado para consumo e ao preco de
4*530.
Os supprimentos foram de 292 saceos e 11 meias
barricas do Rio de Janeiro, 263 saceos de Loanda,
727 de Cabo-Verde e 1 da Bahia.
Existem 3326 saceos do BrasH e Colonias.
i laco.---Sustenta os precos, mas as transaeces
tm sido bastante limitadas.
Couros.A ultima reduefo que houve nos pre-
sos deu lugar a effectuarem-se diflerentes trans-
aeces. Do Maranhao e Pernambuco venderam-
se cerca de 5000 salgados e dos de Minas 3000,
aquelles para consumo e estes para reexportar.
Ainda assim o deposito asss elevado.
Gomma copal.Apalha.
~~.....-do Brasil. Poucas vendas. Sustentam-
se as n Ufai^s cona^oes.
.en.'Depois das vendas de 138 barris do Ma-
ranhfio Dcko Anglica e 175 cascos deDemerara pe-
lo Ci: ohumas outras vendas nos consta que se
tenh;. teetnado.
Salsa-purrilha.Poucas transaeces.
Embarcacoes despachadas.
Pernambuco. Jfand da Gloria (patacho portu-
guez) com 24 pipas, 4 caixas, 28 barris e 2 anco-
retas de vinho, 4 (pianolas e 8 barris de dito da Ma-
deira, 2 ancoretas de dito do Porto, 5 pipas e 77
barris de azete, 5 barris de chourcos, 70 de tou-
cinho, 677 saccas de farellos, 20 de semeas, 10
barricas de grao, 8 barricas e 4 saceos de erva-
doce, 6 barricas, 18 surrde e 14 saceos de comi-
nhos, 40 barris de cal, 55 caixas de cera em vel-
las, 12 de cha. 300 caixas de batatas, 300 de cebo-
las, 15 barricas de cevada, 72 de alpista, 100 bar-
ris de peixe em salmoura, 15 de alvaiade, 10 cai-
xas de doce, 30 ancoretas e 7 caixas de massa de
tomates, 143 caixas, 286 meias ditas e 572 qnartos
de passas, e 31 volumes diversos.
Para.Tamega (brigue portuguez ) com 12 pi-
pas, 16 meias ditas e 269 barris de vinho, 3 meias
Sipas c 11 barris de vinagre, 35 barris de azeite,
6 barris e 2 caixas de carne, 110 molos de sal, 20
caixas de azuleijos, 2 barris nalpiste, 8 do comi-
nhos e erva-doee, 78 saceos de legumes, 20 caixas
de massas, lO barricas de bacalho, 134 caixas e 1
barril do fructas, conservas e doce, 175 caixas e
1:000 mlhos de cebollas, 280 caixas de batatas,
230 ancoretas d'azeitonas, 10 caixas com drogas e
vidros, 2 barricas com medicamentos, 13 lages, 100
barris de cal, 407 caixas de cera e 30 volumes di-
versos.
Barra de Lisboa.
Entradas.
Florintla, Souza, Pernambuco.
Bik-F, Res, Maranhao.
Lua III, Costa, Pernambuco.
Saudade, Beiro, Pernambuco.
Bebedouro (barca brasileira), Ma-
cei.
7 laido. Rocha, Para.
Sabidas.
23 SI. Louis (barca trauma ), Para.
4 Tamega, Ferreira, Para,
i 9 Mara da Gloria, Valente, Per-
nambuco.
Embarcacoes carga.
Pernambuco Brigues Confianca, Florinda e
Constante,
Ccar e Pernambuco Barca FTor de S. Simao.
Maranhao Brigue Anglica e patacho Boa-F.
ParaBrigues Henrique e Ltgeiro.
laucos da estrada da Victoria, avahada em ...
.2:75f)*000.
i A airen cao ser feita na forma da le provin-
cial n. 313 de 15 de maio de 1854, e sob as clan-
!> sulas especlaes abaixo copiadas.
_As pessoas que se propcaeram a essa arremato-
jao compareciu na sala das nates da referida
junto, no dia cima mencionado, |ielo mel dia e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou pastar o presento a
publicar pelo jornal.
Secretoria da thesouraria provincial do fin
buco, 1- de outubro de 1863.
O secretario,
A. W. iAnnuneimcio.
Clausulas especiaes para a arrematarlo.
1.' Os reparos do 22 e 23 leos da estrada
da Victoria, na extencd de 2,093 bracas na
importancia de 2:750*000, sero executodo*
de conforraidade com o respectivo ornamento ap-
provado pelo conselho da directora das olmta
publicas.
2.* O arrematante dar principio aos trabamos
no praso de 15 dias e os concluir no de quatro
raezes, contados na forma da lei.
3/ Os pagamentos sero feitos em duas presta-
coes iguaes, a primeira no meio da exeeucao da
obra e a segunda depois do seu recebimento defe-
nitivo.
4.' O arrematante, na exeeucao dos trabalhos,
seguir as prescripces que lhe forem dadas pelo
engenheiro.
5.* 0 mesmo engenheiro lhe marcar o ponto m
que deve ser comecado o servico.
Conforme,
-_,""., A. F. (tAnnundoro.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimento da resolucao da junto da
fazenda, manda fazer publico, que vao novamenle
a pra$ no dia 15 de outubro prximo vindouro,
para ser arrematado quem por menos fizer os
contratos seguintes:
Conccrlos da cadeia da villa de Serinbem, pela
quantla de 2:396*000.
Reparos da ponte da Mamucabnha, na estrada
provisoria de Tamandar Piabas pela quantia de
2:200*000.
Concertos da ponte da poToacSo de Beberibe,
pela quantla de 225*500.
E para constar se mandou publicar pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 28 de setembro de 1863.
O secretario,
A. F. (TAttminciardo.
O Dr. Tristao de Alenear Araripe, offlrial da impe-
rial ordem da Rosa, e juiz de direito especial do-
commercio desta cidade do Recife e sen termo,
capital da provincia de Pernambuco, por Sua
Magestade Imperial e Constitucional o Sr. D. Pe-
dro II, que Deus guarde, etc.
Fa$o saber pelo presente, que no dia 6 de outu-
bro do corrente anno se ha de arrematar por ven-
da a quem mais dr, em praca publica deste jui-
zo, depois da audiencia respectiva, urna parte do-
engenho Regala sito na freguezia da Vanea, com
todas as trras e obras no estado em qne se acham,
o qual moente com agua, e se acha corrente, cu-
ja parte do dito engenho, snas torras e obras rao
a praca pela avaliacd de seis cont* e quatro ren-
tos mil ris, e dito engenho pertencente a Jos
Duarte Rangel, e vai praca por execu;o da viu-
va c herdeiros do finado Bernardo Antonio de Mi-
randa.
E na falta de licitante, ser a arrematafio feita
pelo preco da adjudicacao com o abatimento res-
pectivo da lei.
E para que chegue ao conbecimento de todos,
mandei passar edltaes, que sero afflxados no lu-
gar do costme e publicados pela imprensa.
Dado e pasado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco aos 12 de setembro de 1863.
Eu, Manoel de Carvalho Paes de Andrade, escri-
vao interino, o subscrevi.
Tristao de Alenear Araripe.
%
DECLARARES.
Tribunal da re!aeo.
Helarn dns fritos entrados no corrente anno na
secretaria da relacio e parados por falla do pa-
gamento do respectivo prepare.
6:236*319
3:334*426
725*867
4:060*493
Pra^a deUsboa11 de setembro
de I83.
Precos correntes dos gneros de importardo.
Algodao de Angola
Assucar de Pernambuco, b. (J)
oito mascavado......t
Dito do Rio de Janeiro ...
Dito da Babia, b......
Dito mascavado......>
Dito do Maranhao b.....
Dito mascavado. ..,-.
Dito do Para, bruto >
Dito Dito da India.................. a
Agurdente de canoa do Brasil P
Alpista............A
Arroz da Indis. Ga jjq
Dito dilo bm .......
Caf do Rio primeira sor te 4,
Dito dito segunda dita. ...
Cacao do Para.......b
lino da Balia.........>
Dilo de San Tbom.....d
Oiro di India 162.............
Cravo do Maranhao.......
Dito de Girofe........>
Chifres.......M.
Cornos ecos o Rio A
Couroi verdes do Para ...
Ditos espichados das Hias
Ditos ditos da Bahia.....
Ditos ditos de Angola .... d
Dilos salgados do Maranhao b
Ditos ditos de Pernambuco >
Dilos ditos da Bahia ...
Ditos dito de pgoU d
Dilus ditos de Cabo Vsrde b
Ditos ilitos das libas.....s
Ditos di'us mouros ...... a
Cominhos.........4
Brvadoce.......... Gomma copal capol........$
Dito amare lila.........<
Dita branca...... a
420
1*900
1*300
15C00
1*600
1*500
1*500
1*100
1*300
2*000
2*100
360
2*250
1*500
1*400
1*750
1*350
1*900
1*330
1*440
2*100
2*200
40*00041*000
*600 *700
3*600 3*700
7*000
4*800
4*400 4*300
3*300 3*400
3*000 *
3*000 3*200
7*000 7*500
200 220
*i50 160
9*00040*000
*140
*080
*140
*12
*060
120
060
100
060
100
130
130
160
Agosto..
12
20
28
30
31
Setembro
Agosto...
Setembro
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia o.
Talcahuano 5 mezes, tendo sahido de Nantucket,
ha 48 mezes, barca americana Per, de 281 to-
neladas, capito Turner, equpagem 24, carga
600 barris com azete de peixo ; ao capito : veio
refrescar e seguo para New-Bedford.
Baha 9 das, brigue inglez Exeelsior, de 260 to-
neladas, oapito David Ferioldale, equpagem 9,
era lastro de assucar ; a Johonston Pater & ('.. :
recebeu ordem e seguio para a Parahyba.
A'artos sakmos no mesmo dia'.
AracatyHiate nacional Exhalacao, capito Traja-
no Antunes da Costo, carga differentes gneros.
Macei e portos intermedios Vapor nacional Ja-
guaribe, coramandante Manoel Joaquim Lobato.
EDITAES.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria de fazen-
da manda fazer publico a todos os habitantes desta
provincia que em virtude da ordem do Exm. Sr.
mmistr" da fazenda, presidente do tribunal do the-
souro nacional se proceder do Io de dezembro pr-
ximo luturo pela thesouraria a aubstituico das
notos do mesmo thesouro de 200* da 2* e3- es-
08o I lampas, valor por valor at o mn de juHw de 1864
160. comecando do i de agosto subsequente a sorer
140 as ditos notos o descont da lei na razad de 10
*901 por cento np lraez, de 20 por cento no i>, e assim
izd por diante de modo aperderera lodo o valor no.de-
100, cinto mez. e
130 i Secretoria da Utosouraria de fazenda de Peraam.
120 buco 3 de outubrif de 1863. "
Servodode oflkl-maior.
tn1 nm o Manat Jo* Pinto.
1 UMnn -1.7 UL Sl> ""P"*" "* thesouraria provin-
ifcui $E c'al'cm1cuinPr'men0"a ordem do Exm. Sr. presi-
%%Z ??3^ j?nlL ^ Prov">ca, nianda fazer publico que ao
da 22 do corrente, peante a junto da fazenda da
mesma thesouraria, se ha de arreajajasv a qaasicv
por menos fizer a obra dn reparos
ACGRAVOS.
Aggravo do juizo municipal desta cidade /n-tmeira
vala.)
Aggravante Razilio Alvates de Miranda Varejao,
aggravado Antonio Goncalves de Olveira.
Aggravo do juizo de paz da Boa-Vista (segundo dis-
tricto.)
Aggravante Jod Francisco Saraiva, aggravado
Joao Demetrio de. Almeida Cavalcanti.
Abraco do juizo de ausentes desta cidade.
Aggravante o cnsul de Portugal, aggravado o
juiz de orphos e ausentes.
Aggraro do juizo da pivoedoria desta cidade.
Aggravante Augusto Adolpho Vanderley l.ins.
aggravado o juizo.
Aggravo do juizo da fazenda.
Aggravantes Jos Marcelino Alvesfda Fonceca a-
outros, aggravado a fazenda provincial.
Aggravo do juizo municipal de Iguarass.
Aggravantes Manoel Jeronvmo Barreiros Range
e outros, aggravado Dr. Jos Leandro de Godoy
Vasconcellos.
Aggravo de instrumento do juizo municipal de Se-
rinhaem.
Aggravante Francisco de Barros Vanderlev, ag-
gravado Jos Luiz de Caldas Lins.
Aggravo de instrumento do jutzo municipal de Seri-
nhaem.
Aggravante Francisco de Barros Wanderlev, ag-
gravado Jos Luiz de Caldas Lins.
appelLacoss erris.
Appellaro civel do juizo municipal do Rio
Formoso.
Appellante Manoel Elias de Moura, appellados
Herculano Francelino Cavalcanti de Albuquerque
e outros.
Appellaro civel do juizo municipal de Baa-
neira.
Appellantes Jos Barrozo de Carvalho, sua mu-
lher e outros, appellado Manoel Januario Bezerra,
Cavalcanli.
Appellaco civel do juizo municipal do
Cruto.
Appellante Barboza Francisco de Jess, appella-
do Manoel Francisco da Cruz.
Appeacjio civel do juizo municipal do
Crato.
Appellados Joao da Cruz de Jess e sua mulher-
appellados Francisco Cabral de Vasconcellos e sua
mulher.
Appellaro civel do juizo municipal do Li-
moeiro.
Appellante o curador dos orphos filhos do fina-
do Antonio Barboza de Souza, appellado o coneg
Jod Bernanuvem Maciel.
Appellaco cicel do juizt municipal do
Cabo.
Appellante Manoel Ignacio de Jess, appellado*
Antera Mara da Cunha, sua mulher e sua me.
Appellaro civel do juizo municipal do
Appellante Jos Victorino de Paiva, appellados
Joaquim Manoel do Reg Barreto, e D. Mara Rita
de Mello.
AppeUarSo civel do juizo municipal de
Caruar.
Appellante Jod Salvador da Cruz, appellado Do-
mingos Ferreira da Costa.
Appellaro civel do juizo municipal 4m
Escuda.
Appellantes Jos Pereira de Araujo e outros, ap-
pellados Jod Manoel Pontual Jnior e outros.
Appellaco civil do juizo municipal defiri
Calvo.
Appellantes Ernesto Augusto deMaOguaba e Sil-
va e sua mulher, appellados D. Mariana Joaquina
Accioli Wanderlev. seus Ubos/e outros.
Appellaro end do jupo municipal dula
5*600
400
isttOQ
6*800
4*300
soo
Appellante o
estrada de ferro,
Sorna Bandeira.
Appellaro ci
Appellante Pan
tonto Goacalves
AppeJlacao
Appellante O'
pellada a fazenda.
Appellacao
AppeMaato
res, appcllada
Appetan
supertofeastonto da compaa da
apofflado Jod Paulo Carneiro de
f do juizo municipal destm
cidade.
Mara Bastos, appellado An-
LSiKa
30 do* feitos de Macei.
Jos Angelo Marcio da SH va, ap-
Appellanti
zenda naci<
do juizo da fazenda do Recife.
el Gonptlves Agr e seus flado-
zenda provincial,
t do >ni20 dos feMat desta
MI
os Vellaao Soaras, appattada ato-
Ufcf*!*0 Am /silos dafacemta
d Rertfe
Jas Vettae Soares, appeNada ifa-

A

:
i





Mari* 4e fernambuco Ter ---------
Iterhhi cirel do Rio de Janeiro.
Ilecnrrentcs Rosalina Fernandos d'Almeida o
seus fllhos, recorridos Pedro Jos d'Almeida ou-
Iros.
Recife, 1 de otubro de 1863.
O secretario da relacao. Domingos Affonso
Fetreim.
Arreniataco.
Pelo juno de orphes, depois da audiencia do
da 6 de outubro, vai a praca de renda os escravos
Sidronkyerioiilo com o offlcio de serrador, avaha-
do por 005000, Antonia, crioula, com habilidades
No intcrtnio do terceiro
VARIARES
para saxophone, sobre motivos da operaSOXAM-
Finalrsar o espectculo com
CANTOGREGO
para clarinete-.
O emprezario do theatro do Sarita Isabel, sempre
Arme nos bons desejos de apresentar ao Ilustrado
publico desta capital artistas do roconhecido nieri-
para o servico de casa, avahada por 600*000, por io, com que prove o seuinteresse e zelo pela causa
execocao de Custodio Antonio Soares, cessionario das artos no Brasil, acaba de combinar com o Sr.
de Prancelino Eleuterio Ferreira Chaves e sua mu- Raphael Jos Croner na ordem do espectculo an-
Iher contra Joaquim Vicente Marques.
Arremataco
A contitfnaco ta arremataco de di-
versos escravos pertencentes a heranca
4o finado Js Fernando da Cruz, ai-
uneiada par esie Diaria para sabbado
nhimo, lirn transferida para amanh*
7 do correte, e lera logar debis da
andicncia do 111 ni. Sr. Dr. juiz muni-
cipal da srgiinda vara.
Hoje 6, depois da audiencia do Illm. S. Dr.
juiz de ofphaos, vai i prara por venda urna casa
terrea Je lijlo e cal, sem numero, sita na estrada
que vai para a Venda Grande, na Roa-vlagem, fre-
guezia dos Afogados, com urna porta e duas ianel-
las de frente, contendo 2o palmos c 85 do fundo,
com 2 salas e 3 quartos, cozinha externa, quintal
nunciado.
Espera por isto
publico.
a coadjvacao do respeitavel
Comeear s 8 horas.
Transferencia do leilo da casa
de campo em S. Jos do Man-
guind. .
O leilo da casa cima annuuciado para hoje a
porta da Associaco Cotnmercial Bca transferido
para outro dia, que ser annunciado pelos jornaes,
PIOl KTES A VAPORt em consequencia de nao ter sido possivel estar
Dos portos do norte esperado hontem a dita casa aberta, e exposta ao exame dos
at o da 8 deoutubreo vapor 7b- pretendentes, conforme fot annunciodo.
AVISOS WABITIMQS.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
_Is1 horas, no armaiem n.
& da ra da Cadeia, sem limi-
tes.
Pelo ageute Eusebio se vender em leilo urna
mobilia de Jacaranda constando de sof, mesa re-
donda e consolos com tampo de podra e 14 cadei-
ras, loitos e camas para meninos, ditas de ferro,
cama de ferro para casal, grades para escriptorio
e cancellas, quadros, bauheiro de folha de Flaadres
para tomar a chovisco, bandeijas de ferro, porta h- j
cor de vidro de cor lapidado, candelabro, carrinho ^
de tres rodas para menino, mappa geographico. |
paliteiro de prata e tinteiro, e outras obras de ouro
e prata, um par de aparadores de mogno c uin
guarda-roupa, urna estante para livros tambera de
mogno, (iltradeira e carteira do viagcni.________
orphaos 8000 annuaes. Os pretendemos podem
entender-se com o referido agente para qualqoer
mformacao.
AVISOS DIVERSOS.
cantins, commandante o primeiro
tenente Pedro Hypolito Duarte, o
qual depois da demora do costu-
me seguir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga qne o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada: encom-
em aberto, avahada em 1:000,5 ; vai praca a re-' pendas e dinheiro a frete at o dia da saluda as 2
mierimcnto do inventarame dos bens do finado horas, agencia ra da Cruz n. 1 escriptorio de
Jos Marcelino Sa Costa, Dr. Angelo Henriques da : Antonio Liz de Ohveira Azevedo & C.
Silva.
Hoje 6t depois da audiencia do Illm. Sr. Dr.
juiz de orphaos, vai praca por venda um terreno
com alieerce, com 30 palmos de frente e 160 de
fundo, chao proprio, avahado em 2405 ; vai pra
n :i requerimento do inventarame Dr. Angelo
U'iiriques da Silva.
Em consequencia da mndanca da audiencia,
deve ter lugar hoje na sala das mesmas, linda a do
Illm. Sr. Dr. juiz do commercio, a arremataco dos
escravos penhorados ao Exm. Sr. Visconde de Su-
assuna por execuco de Patn, Nash & C.
Tribunal da relacSo.
Por ordem do Exm Sr. conselheiro presidente
da relacao, faz-se publico para todos os effeitos l-
gaos, que o numero dos solicitadores de causas
auc acham-sc sem provisao, sabio dando-se alguns
e menos, e por sso renova-se a publicaco, e de-
clara-se que sao os seguimos : 'S ictorino Jos de
Souza Travassos. Paulino da Silva Mindello, Joa-
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
la eaaco eostelra a vapor.
II.IIA DE FERNANDO DE NORONHA.
Seguir o vapor Jaguaribe, logo
que volte de Macei. O dia da
ahida ser opportunamente an-
nunciado.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
\:i regaceo eostelra vapor.
Harria r escalas
O vapor Jaguaribe, commandan-
te Lobato, seguir para os portos
cima indicados no dia 7 de o-
tubro prximo. Receber carga
at o dia 6 ao meio dia. Encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at o dia
horas: escriptorio no Forte do
LEILAO
DE
de
qiiiui Innocencio Gomes, Flix Francisco de Maga- da ^^^ jg 3
Ue*. Juvclino Arruimo de Barros Correia, Manoel Mattos n 1
Rayinundo Penaforte, Joaquim Francisco de Albu- '._____________________________
jurque Santiago, e Joaquim Theodoro Al ves. Para o Rio de Janeiro
Recife 2 de outubro de IW3._ 10 brigne nacional Imperial Pedro, de primeira clas-
Domingos AIwiiso ferreira. se, segu preste para all, ainda recebe alguma
Secretaria 1 carga e escravos a frete : a tratar com Marques,
AriVRlatacaO. Barros* C, largo do Corno Santo n. 6, segundo
Por impedimento deixou de ser arrematada na andar, o;t com o capitao Victal Jos da Motta.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Xavegaco eostelra a vapor.
Parahiba, Natal, Maeo, Araralr, Cear, e Acarar
O vapor Mamanguape comman-
dante Moura, seguir para os
portos cima indicados no dia 9
de outubro prximo. Receber
carga at o dia 8 ao meio dia.
Encommendas, passageiros e dinheiro a frete at o
LEILOES.
praca do juizo municipal da 1." vara, no dia 2 do para o Ro de Janeiro pretende seguir com
crreme, para cujo fim foi annunciada, a mobilia muita brevidade o brigue nacional Almirante :
pertencente a Jos Pinto da Costa, por execu^ao de (tcm parte de seu carregamento prompto, e para o
Rocha Lima k Guimares, em liquidacao, devendo resto que lhe falta, trata-se com os seus consigna-
t.-r lugar dita arremataba na praca de 6 do cor- tarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo, no seu
rente, depois da audiencia. escriptorio ra da Cruz n. 1.
O procurador da cmara municipal desta ci-
dade manda publicar a relacao abalxo, que lhe foi
remedida pela mesma candara, dos senhores que
teudo deixadode comparecers sessoes do jury, fo-
ram multados pelo Sr. Dr. juiz de direito da pri-
meira vara presidente do mesmo jury, e pede a ca-
da um dos meamos enhores que se dignem reco-
Iber ao cofre municipal a importancia em que fo-
ram multados, evitando assim que se proceda exe-
ciilivaniente.
Cmara municipal do Recife, 2 de oulubro
983.
O procurador,
Jorge Vctor Ferreira Lopes.
6 de junho de 1863.
Jos Goncalves da Porcincula. .
Jos Lopes Gumaraes. ......
Jos Pires Campello de Almeida. .
Mariano de S Albuquerque.....
Francisco Antonio de S Barreto. .
Joaquim Pedro Carneiro Campello. .
Dr. Manoel Figueira de Faria. .
Manoel da Vera Cruz........
Jos Ignacio de Lira 1......
Manoel Carneiro Leao.......
Antonio Francisco das Neves....
Antonio de Albuquerque Mello. .
Francisco Pereira d'Arruda Cmara .
16 de julho.
Nerea de S Albuquerque......
Jos Pedro Velln da Silvera Jnior.
Antonio de Albuquerque Mello. .
Jos Joaquim de S Leitao......
Antonio Francisco Lisboa Estevcs. .
Joaquim Lucio Monteiro da Franca ..
foaqoim Miletu Maris...............
Dr. Manoel Figueira de Faria .
Francisco Lopes Guimaraes..........
Antonio Ferreira d'Aununeiacjio ...
faiv* lilial em Ptrnamburo.
Por ordem da directora do banco do Brasil sao
convidados os senhores accionistas localisados na
caixa lilial de Pernambnco recolherem ahi at o
da 2:1 do Janeiro de 1864 a nona c ultima presta-
cao de 10 0/0, ou 205 por accao, de conformidade
comosartgos8e9dosestatutosdobancodoBra- 950 SUCCOS COm farillha de mandiOM.
sil, e art. 4.j dos estatutos da caixa filial. Ww* -m-m^
Sala das sessoes da directora da caixa filial do IIUJ !-.
banco do Brasil em Pernamlmco 1 de outubro de' Caetano Cyriaeo far leilao de 950 saceos com
1863.-0 secretario, I farinha de mandioca 22 cuias de superior qualida-
de bem torrada e por isso para aturar sem damno
algum, propria para os Srs. de engenho e ser
vendida em lotes a vontade dos compradores pelo
agente Pestaa: terca-feira 6 do crreme pelas
10 horas da manhaa no armazem do Annes de-
fronte daalfandega.
Ima casa terrea e solo em Fura
Portas n. 55.
tuinla-feira do rorrete.
O agente Pestaa vender por conta e risco de
quem pertencer urna casa terrea e solio sita na
ra do Pilar em Fra de Portas n. 55, de. pedra e
cal, muito bem edificada, com 2 janellas e porta,
urna sala na frente e 2 quartus no corredor, por-
to para o sotao no qual tem 4 quartos, sala atraz
para jamar com um quarto, cosinha fra, muito
Srande, quintal murado por arabos os lados e com
sus quartos, cacimba c no fundo para o lado da
mar tem um telheiro em toda a largura da casa
prorapto a repartir-se oude se faz urna pequea
casa, os Srs. pretendentes poderao examina-la a
qualquer hora e o leilo ter lugar guinta-feira 8
do corrente pelas 10 horas da manhaa em ponto
ho largo do Corno Santo junto a taberna dos Srs.
Palmera & Beltrao defronte da associago com-
mercial. _________^__
DE
IMA CASA TKIIREA.
Quinta-feira 8 do corrate as 10 horas
da in inlia .
OagentcOlympio levar novamente era leilao a
casa terrea de'pedra e cal sita na ra de S. Mi-
guel (nos Afogados) n. 22, a qual tem 2 salas, 2
quartos, cosinha fra e quintal grande murado
com portao, pagando de foro annualmente 2520 e
rende mensalmcute 105-
O leilao ser effectuado no armazem do referido
agente ra do Imperador n. 16.________^^^
LEIUO
DE
Urna burra de frrr, 1 dita de madeira, 2 escrira-
ninhas, 2 earleiras, 2 armarios, i prensa, i
baleiO, i quadros, Irelogio, i moches, 2 lara-
trios, 2 radeiras privadas, Iloucador, 8 mesas,
i eadeira de balanro, 3 cemmodas, 1 gnarda-
louca, 2 marquezas, 2 solas, N eadrtras e li-
tros objectos.
Uiiioia-feira. 8 de outnbro.
O agente Pinto far leilao a requerimento dos aos descontosdas his"
curadores iiscaes c depositarios da massa fallida da ( Thesouraria das loteras,
tas 1863.
m LflTEl
EXTRAORDINARIA
Aos lo:ooo^ooo e 3:ooo||ooo.
SaWjado 10 do corrente Inez, anda-
ro impreterivelmente as rodas da 2a par-
te da 10a lotera a beneficio da matriz da
Boa-Vista desta cidade, pelo mui agradavel
plano abaixo publicado.
0 abaixo assignado solicita do respeitavel
publico amante desta provincia, a compra
dos respectivos bilhetes, concorrendo assim,
Rao s para o bem das nossas loteras que
tanto a engrandecem, como para o fim pa-
ra que ella concedida.
Os bilhetes emeos bilhetes acham-se des-
de j venda na thesouraria das loteras
ra do Crespo n. 45, e as casas commis-
sionadas, ra da Imperatriz n. 44, luja do
Sr. Pimentel, ra Direia n. 3, botica do
Sr. Chagas, ra estreita do Rosario n. 12,
typograpliia do Sr. Mira, e ra da Cadeia n.
4a, loja do Sr. Porto.
Os premios de 40:0000000 e de res .
2:000)?000 sero pagos logo ao lindar a ex-' Precisa-se de um menino de idade de 12 a
traccao, e os outros at os de. 30*000 uMa J:Tinfftf toff ^
ora depois e por Oante ate s 4 da tarde. rea n. 38, das 3 horas da tarde em diante.
O thesoureiro,
Ao importante estabeheimento de fnzend s
ruado Grespon 11, de Jos- Gomes Villar
F* Protejan! Exmas. senhoras a esle bello eatafceleel-
mento de fazendas.
Ah Vv Excellencias cncontrarao as melhores fazendas aS mais modernas viadas
em direitura de Pans e Inglaterra.
Ciwgaram de Paris os mais bellos cortes de Ca com barras dclicadissfma
antes que se acabem.
l'ira- de madapoln de 12 jardas a 4, 4o00 e ii, ditas
a elles
de alKodaoiinh df 10
jardas a 4e 400, ditas de bretanha de rolo a 35, bramante de linho de 10 palmos de
largura a 24 a vara, cambraia lisa fina de 10 jardas a 44 a peca, chita francesa fina es-
cura a :I2() rs. o covado, laas de cores muito delicadas a 320 e 360 rs. o rovado' ve^tidm
280 rs. o covado, organdys de muito gosto a 400 rs. o covado, chapeo
para meninos a 14600 cada um.
Msicas importanfissiniaspara piano e canto de todas a* forcas e
baratissfmo preco para acabar.
Admiraveis laas escossezasde muito apurado gosto proprias para vestidos no verao
fazenda ptima de 3 e 4 palmos de largura a 400 e 500 rs. o croad*
* sol de panno
sp Tendem por
f-M
Ama de me
Precisa-se de urna ama de leite, preferindo-sc
escrava : na ra da Imperatriz, loja n. 28.
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
I. t*f> "
para as partes extraordinarias
de loteras, approvado pelo
i:\in. Hr. presidente da pro-
vinela.
2,300 bilhetes a 104000...... 23:0004000
leneficio, sello e jcommissao 20
por cento................ 5:0004000
Liquido...
20:0004000
1 premio de................... 10:0004000
1 dito de
Aluga-se a loja de tres portas na ra do Ca-
bug n. 2 A : quera pretender a chave, pode pro
- 0 Sr. Pedrt Paula d*9itos aiei-
ra diriir-sc ra d P de Antonio Pinta de \/(MrdoT em ir-
geiu-ia
- Os escriYes ^os^rotestosdeletras
muilirain o seo rartori pata a ra do
Imperador n an-'ai- terreo onde re-i-
curar no mesmo correr, loja de miudezas n. 4,que de o solicitador Alnuqucrque lello.
achara com quem faca negocio a vontade do prc- -----------------:2-----2-----_-------
tendente.
Manoel Haymundo Penaforte, solicitador pro-
visionado pelo Exra. Sr. presidente do meretissimo
tribunal do commercio, contina a residir na ra
do Livramento n. 23, segundo andar, aonde pode
ser procurado das 7 horas da manhaa at as 9, e
D-se dinheiro a juros sobre peabare? : no
pateo do Terco n. 12.
G4BiKT0S
Para dentro c fra da cidade n manda condnzir
objectos jior barato preco : a tratar no armazem
das 3 at as 5 horas da tarde, em sua casa, para na bola aniarella da ra do Imperador no oitw. da
os msteres de sua profissio.
secretaria da polica.
Pede-se ao
Attencdo
soldado da guarda
nacional era
" ^PfnJS i aquartelamenlo Jos Rodrigues da Cruz, que v
j j." ?...................... anAnX Irua ^ A'ecr'ra deposito pagar as comedorias que
tuitoae k................. 2004000 comprou desde 4 de agosto prximo passado e
ditos que terao os nmeros mais
4004000
3004000
20040OO
approximados ao que obtver o
premio de 10:00004000, sendo
cada um a 2004000...........
3 ditos de 1004000..............
2 ditos que terao os nmeros mais
approximados ao que obtiver o
premio de 2:0004000. sendo ca-
da um a 1004000.............
" 8 ditos a 404000............... 3204000
2 ditos que terao os nmeros mais
approximados ao que obtiver o
premio de 90O4O0O, sendo cada
uma404000................. 8O4OOO
21 ditos a 204000................ 4204000
358 ditos a 104000................ 5:5804000
comprou desde 4 de agosto prximo passado e
tem allegado (pie nao recebe sold.
600 premios.
1900 branco&
2300 bilhetes.
N. B.As sortes niaiores de.4004000eslao sujei-
viuva Amorim & Pinos, e por mandado do Illm.
Sr. Dr. juiz especial do commercio, dos objectos
26 de seterabro de
Lotera extraordinaria.
Constando-me que algumas pessoas se
achamem duvida a respeto dos amens
mais aproximados aos das sortes maiores.
julgo conveniente declarar que o sem nmila-
mento essa duvida, por <|uanto eiarissinin
- Precisa-se aterrar um terreno alagado por eS| ,.ue os nmeros mais aproxMtttk
detraz da olana da rua da Gloria, junto o Sr. Dr. i ,3nnon, 9 P { P an n ****% ,r.A ^
Moscozo: quem quizer contratar dirija-se aloja "" Vr/t> a^ ^^
da rua do Crespo n. 14.____________________ "9. 2498 e 24)9, assun como que os nume-
- Alugam-se a loja do sobrado n. 193 e arma- TOS mais aproximados a Olltro qualquer qif
zera n. 71 da rua Imperial; o armazem n. 4 da nosejaon. 1 e 2300, como por exempl"
rua do Apollo e a casa n. 27 da rua do Burgos : a 0 n. 2000, sao os ns. I9!) e 2001, sendi
tratar na rua da Aurora n. 36._______________ certo que ao possuidor d.- um bilbete .1.-1-
Aluga-se urna casa com tres quartos, bom plano pode caber por sorte de um 1 ir--
qnntal, lugar de sombra, muito propria para os ;,rcmi(lS ,,,, f|. \Q x, ^.t(.,lir,ro de lG3
Srs. estudantes (|ue sempre a tcm occupado.sita na I,rt,ni,M>- '<'" > u'vM1lt ">r,,.ai 1W,'J-
O iln'soureiro.
Antonio Jos Hn.lri.irnes de Souza.
|ue seni|
rua dos Coelhos junto ao sobrado
do Mondego olaria n. 13.
ecupao
a tratar na rua
da da sabida as 3 horas : escriptorio no Forte do acina mencionados pertencentes mesma massa,
Mallos n. 1. | e existentes no armazem do sobrado da rua da
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
la
-Para a Baha pretende Xircom, muita bre-1 Croa n.3^ onde: se efectuar o leilao s 10 horas j* ^< p^o^Zo? ot Fenades rua da" Cadeia do Recife, ,
3004000 vdade a escuna Eriieslina, por ter a maior parte
3004000 da carga prompta, para o resto que Ibes falta tra-
.'OO40OO ta-se com os consignatarios Palmera & Beltrao,
3004000 largo do Corpo Santo n. 4, primeiro andar.
.1004000
3004000
3004000
3004000
3004000
3004000
3004000
3004000
3004000
do dia cima dito.
LEllO
DE
3 eaixas com miudezas-
HOJK
LEILAO
DE
mobilia de
cadeiras, i
1
Claudio Dubeux convida os seus benignos __i ... so ni.nf!< credores a virem receber no seu escriptorio na *'" biixim ne ubi caitnrv
rua do Imperador n. 43, o primeiro dividendo da que CnieBlla de JMiarmaCia : li na 00
respectiva concordata de i de outubro de 1862. CallHf II. H.
Agencia le passaporte.
Claudino do Reg Lima, despachante de passa-
porte. tira-os para dentro e fra do imperio por
commodo prego, e com presteza : na 1 ua da Praia.
primeiro andar n. 47.
lu piano d'armnrin forte f n>o, i
amarello nova, 2 aparadores, 12
mesa de jantir, 1 estante, 1 eserhaninha,
mesa para jago, 1 dita rom gaveta, 1 cam;
ferro, 1 bule, 4 tapete, 1 eserivaninha,
teira, 12 caderas.l marqueza, 1 can
e 2 serpentinas.
4) 11 uta- fe ira. 8 le outubro
rua da Cruz n. 38.
O agente Pinto far leilao por coma de diversos
Tcrra-feira 6 de onlHbro (no deposito geral.) de todos os movis cima dcscrptos, existentes no
0 agente Piulo far leilao i requerimen- primeiro andar do sobrado da rua da Cruz n. 38,
40 PUBLICO
Nos abaixo assignados, abem de nossa reputar*
respondemos a um escripto publicado em ama das
colluninas do Campeo, que trata a respeito da ta-
berna no pateo do Terco, denominada Conservador
lancando sobre os caixeiros odosidade, e as sus
peitas dos compradores, dizendo que os referidos
Barros ao qual nao posso deixar de responder. E varanda de frente, 2 salas, gabinete, quartos co- caixeilus da ^tm tosiuniam a onganarem os
verdad? que do meu poder perdeu-se o testamento sinha e terraco; o armazem do mesmo com duas fie,Mll70S nos D0Z0< i|u,indo-os dest arte nos pre-
corn que falleceu a Sra. D. Carlota Joaquina de portas de frente, todo lavado e lageado proprio dos gneros,'como fizeram com um men.n.,
Albuquerque Cmara, o qual consto-me que appa- para negocio de grosso ou a retalho pela ptima comprou na referida taberna mea libra d- a-n
recen e M acha em poder do Sr. Dr. Gabriel boa- local.dade o annazem e pnme.ro andar da casa ^ a 'nas derani.|ht. quarU e meia venrtcando-se
res Baposo da (.amara, portm apresso-me a deca- n. 1 da travessa da Senzala Velha tambera no Re- ass{m do|0 na gra,Kie iiuicaodemeiaiiuarla: pon u
fir iint. il im^.iIm n lii^l 1 rinuit 1 k il.* mi.i co frita -ni aP.i ii>n oiln tm Dne^om^m A,. '/AniriiA i-ni An_
Ann.i/eiis osas c sitios.
Aluga-se o terceiro andar do sobrado 11. 83
rar, que se recebi o testamento de que se trata ao cife ; um sitio na Passagem
sabir da reparticao foi ua qualidade de amigo offl- puros, com 5 casas e quartos
cioso do Sr. Rarros, por coanacer seu sobrinho na alugar-se, baixa de capim para negocio.
do Aongui- cin Api- nos esperamos que o publico sensato couto c, lio
uauo. para acredj|e em uni nSfrpto de to pouca importancia.
0 como o publicada no Cam/>eo,iae s traz por fim
2801000
2804000
2004000
2604000
|2oo todeAves(Hamburger"& C.,e "por despa-1^. scc.ffocl":lr WBe s r em ponto;
I00400 cito do Illm. Sr. Dr.jow especial da com-!do dia ac,m:i d,,-
2(X5(XK) mercio de 3 caixas com bijouterias e miude-
9 zas existentes no deposito gerai, isto l
hora do dia cima dito no referido deposito
na rua do Imperador em frente a secreta-
ria da polica.
1004000
LEILAO
DE
Jos Mamede AI ves Ferreira.
Praca le movis.
Na quarta-feira 7 do corrente, depois da audien-
cia do Sr. Dr. juiz municipal da 2.* vara, a ulti-
ma praca dos movis penhorados a Joaquim Vicen-
te Marques por execuciio de Joo Mauricio de Bar-
ros Wanderley, escri'vo Atbayde; os movis sao,
1 sof, 2 cadeiras de balando, f mesa redonda com
pedra, 16 cadeiras, 1 eadeira de brac,o, e 2 conso-
los com pedra.
Terca-feira 6 do corrente, depois da audien-
cia do Si-. Dr. juiz municipal da L' vara, sei ao ar- Um grande sitio com casa de pedra e cal.
DE
rematados por ser a ultima praca, 4 escravos pe-
nhorados a Nercu de S Albuquerque, por execu-
i-ao que lhe move o tutor dos orphaos fllhos do flna-
THEATRO
DE
5
.1
taanutMA
DR
A. J. DUARTE GOIMBRA.
Grande e variado espectculo
A BENEFICIO
DO
In.sijRf clarinetista portiiijurz, msico da cmara de
S. 1. F. e Sr. D. Lux I,
QUARTA-FEIRA 7 DE Ol'TUBRO.
Logo que a orchesta houvor executado urna das t'ma escrava eom erla.
suas mais brilhantes symphonias, subir scena O agente Almeida fara tetlao por autonsagao
------,w a-----.:.. dos administradores da massa fallida de Bastos &
com grandes salas, quartos, terraco, co-
sinha fra, quartos para pretos, estriba-
ra, cacimba com boa agua de beber, sen-
do o mesmo sitio a beira do rio, com cer-
ca de limiio e parte murado, com laran-
geiras, jaqueiras, mangueiras, goiabei-
ras, cajiteiros e outros arvoredos e com
grande baixa de capim que pode susten-
tar dous cavados.
Quarta-feira 7 de oulubro s 11 boras.
O agente Pinto legalmente autorisado fa-
r leilo do sitio e casa rapta mencionado
no lugar da Torre, o qual torna-se recom-
mendado por fiear junto da projectada pon-
te que tem de ser feita.naquelle lugar.
0 leilo ser effectuado no dia e hora ci-
ma dito em seu escriptorio rua da Cadeia
n. 24, o mencionado sitio pertence a Jos
Marianno de Albuquerque.
LEILAO
DE
I a/.ciiil;is francezas e miii ezas.
tluinta-fclra 8 do corrente.
Cals Irma s f arao leilao de um completo sorti-
mento de f,.zendas francezas como sejam : cami-
sas, cassas organdys, paletots do panno prcto, de
casemira, de brim branco e de cor, chapeos para
homem do fellro e de sela de todas as qualidades,
Iuvas de
chapos de sol de seda e de panninho,
seda, algodao e pelica, marroquns, pentes para .
atar cabello de tartaruga dos mais modernos, ditos ccnJ0 0 mesmo com as outras sortes.
AOS 10,000:000
C4S4 1)4 fORTIM
lllii'li'N garantidos,
A' rua do Crespo n. 93 e casan
do eo.stunie.
Sabbado se extrahir a lotera extraordinaria
em beneficio da matriz da Boa-Vista.
O abaixo assignado reeommendando ao respei-
tavel publico a compra de seus mui foliaos bilhe-
tes garantidos lembra-lhe a vantagera que ha em
rereber os premios por inteiro por quanto quem
tirar a sorte de 10:0004 em bilhote garantido nao
receber smente 8:400-3 era virtude dos des-
contos do 16 por cento que lhe farao em vista das
leis, mas sim os 10:0004 que vera a ser a dita
quantia c mais a de 1:6004 que pagar o abaixo
assignado importancia de ditos descontos, acontc-
DE
pela companhia dramtica a magnifica comedia-
Irama em tres actos, do Sr. Camillo Castello-
Jvaaeo,
46W.(UD4$
Lemos, de urna escrava com cria pertencente a
mesma massa.
Quai ta-IViia 7 do corrente.
Em seu escriptorio rua da Cadeia do Recife n.
48, s 11 boras.
Sefoindo-se depois a comedia em nm acto.
OINGLEZMACHINISTA.
ORDEM DO ESPECTCULO.
No intervallo do primeiro acto o Sr. Raphael to-
car, acompanhando-o a grande orchestra
MA PHANTASIA
sobre motivos da opera TBA-
para clarineto.
VIATA.
No intervallo do
segundo
SOlVEMIt DE NORME.
vinhos \rrez. Porto, cognac,
cha preto, e carne salgada de
porro e varea.
Qiiarla-feira 7 do eorrente.
O agente Pestaa far leilo por conta e risco
de quem pertencar de caixas con vinho xerez, di-
tas do Porto, ditas com cognac, algumas caixas
com superior eh preto primeira qualidade e bar-
ril com earne salgada unto de porco como de vac-
ca, tudoem lotes sem limites para fechar contas,
tambem haver caixas de vinho Bordeaux dos.
mais acreditados fabricantes e ditas de vinho
rauscatel. as amostras acham-se no annazem do
Annes onde tera lugar o leilo quarta-feira 7 do
corrente pelas 10 horas da manhaa.
de alizar de bala, colxetcs em cartoes e em ca
liabas, leques de inadreperola. botos de todas as
qualidades e muitos outros objectos de miudeza :
quinta-feira 8 do corrente lelas 11 horas da ma-
nhaa no seu armazem rua da Cruz n. 51._______
LEIUO
DE
Escravos. movis, crystaes t litros muitos objectos
rjkiinta-felra H do corrente
As 11 eme;a horas.
O agente Olympio far leilao em seu armazem
rua do Imperador n. 16. dos objectos cima men-
cionados.
DE
:*cii % vo* i: movei*.
O agente Almeida far leilo requerimento
dos administradores da massa fallida de Seve Fi-
ltros & C. e mandado do Illm. Sr. Dr. juiz especial
do commercio dos seguintes escravos e movis:
Maria, de idade de 60annos; Francisco de 12 an-
nos ; Joo de 11 annos; Perpetua de U anuos;
*
nacao, o qual est habilitado para se encarregar
do trabalho da mesma, tem muito boa pratica do
offlcio : pode ser procurado na rua estreita do Bo-
sario n. 18.
f-4; +'-4^ ^. ;..:- -
luga-so o segundo andar do
sobrado n. (i da rua da Lapa: a
I tratar na rua Velha n. 5>7.
?*. : &&AM&MmmmMm
Precisa-se da quantia de 6004 a premio de
2 4 mezes sobre bvpoteca em metade de um sitio
no valor de maisde 3:0004 : quem ti ver annuncie.
John Robertson retira-se para os portos do
sul.____________________________________
A qiieiti possa iuteressar.
Avisa-se que a melade do sobrado de ura andar
n. 34 da rua da Concordia, que consenhor o Sr.
i Norberto Muniz Teixeira Guimaracs, acha-sc pe-
! nhorada por uina exeeucao cominercial. escrivo
! JoTto de Andrade._________________________
I A. Schaffler & C. estabelecidos nesta praga
com casa bancaria, fazem sciente ao corpo do com-
Os bilhetes garantidos pelo abaixo assignado le-
varao a sua assignatura de chancella atravessada
na frente do bilhete.
Os premios maiores de 204 sero pagos urna
hora depois da extraegao.
Precos.
Riihetes inteiros..... 124000
Meios bilhetes...... 64000
Para as pessoas que comprarem
de 1004 para cima.
Riihetes........ 114200
Meios......... 5*000
_______________M'inoel Martins Fiuza.
Aluga-se no Poro
urna casa na ruado Rio n. 16, com bom banho na I reto quetendo coiitratado socledade com o Dan-
frente 2 salas e 3 quartos, cosinha fra, quintal 'co suiSo de Santo Gall, continuarlo como pelo pas-
raurado de novo, fazendo frente para a rua da gj^ ^ suas 0pcrac6es bancarias, consistindo em
Poeira, com portao onde se disfructa o pateo da descontar letras, tomar dinheiro em conta corrente
a.,rJ,:_S-0_e i. sii_0.u ann.ualme_n,c Pelo_Prc5 e saccar sobre Londres, Paris, Hamburgo, e dife-
rentes bancos suissos.
nao deixaro de passar a festa : a tratar na rua do
Arago n. 8. ____________
Da casa de seu senhor o bacharel Nabor Car-
neiro Cavalcante, fugio na noi te de 4 do corrente
mez, o escravo Joaquim, de 32 annos, mulato, de
cabellos carapinhos, bons dentes, pelle do rosto al-
guma cousa spera, cor macilenta (tendo soffrido
de sesdes a poeco tempo) estatura e corpo regula-
res; levou alguma roupa entroxada oom urna re-
de, e chapeo de couro, gosta muito de recitar ver-
sos e cantar, foi comprado juntamente com a mu-
Mier, que fallecen em flns do anno passado, ao ca-
pitao Alexandre Borges dos Santos, morador no
Catlo do Rocha, termo da Parahvba, para onde se
Jos de 8 annos Antonio de 40 annos; Themoteo prelume que ter de ir. Roga-'se as autoridades
de 80 annos ; rsula de 20 annos; Camarina do f,an>M e aos capitaes de campo, a anprehenco
policiaes e t
7 anuos ; Joo Nogueira de 70 annos; Fellcidado 5 a conduco do dito escravo, ao sito Torre da cs-
e Tcente de 4 trada ^ ^elm
de 30 annos; Valerio de 5 annos
annos.
17 cadeiras de Jacaranda, 2 ditas com braco, 2
ditas de balaneo, 1 sof, 2 cngolos, 1 mesa
pedra, 1 piano' hamburguez, 1 mesa
capitaes de campo, a apprehencao
ao s
onde reside o seu sobredito se-
nhor.
Precisase de nina ama para comprar e co-
eiaslica de sinhar para tres pessoas de familia : a tratar na
amarello com 5 taboas, 1 dita menor, um apara-
dor de amarello. 1 marquezas, 18 cadeiras pretas
inglezas, t guarda vestidos, 2 ditos de pinto pin-
tado, urna privada de amarello, 3 lavatorios de
amarello, 4 eastieaes de casquinho oom lanternas,
urna mesa de pmbo para engommado, um cande-
labro com 5 mangas, 10 cadeiras hamburguezas,
um espclho grande dourado, urna mesinha de
amarello, um lavatorio, una lanterna de metal,
e outros muitos objectos que estarlo patentes aos
compradores.
sexta-felra 9 do corrente
s 11 boras do dia, no Manguiobo sitio do Sr- Se-
ve, defronte da entrada para a Capunga.
As 10 horas encontraro os concurrentes um
mnibus para o transporte na esquina da rua do
Crespo. ____________________________
l.ellode um sitio com uma casa
de pedrae cal eduas de talpa.
Quinta-feira 8 do corrente as 10 horas.
O agente Olimpio vender em feifao em sen ar-
mazem. rua do Imperador n. 16, nm si'in deno-
minadoGrozelhassituado na estrada rln Arrahl
defronte do collegio alli existente, com BtQ > .<'
de frente 11000 e tantea de fundo, anda n iar tostantes arvoredos de fructo. uma h;.ix;i eom ra
rea dos Guararapes n. 18 sobrado de um andar.
Precisa-se de 1:0O40O0 a premio de um por
cento e por tempp de 6 mezes sobre hypotheca em I
uma casa terrea livre e desembarazada, a qual ren-
de 304 monsaes: quem tal negocio quizer fazer j n. 13 ; a tratar na loja.
dirija-se a rua Augusta n. 21.
lbum de femambuco.
Qs senhores asignantes das vistas
de Pernambnco, que ainda as nao te-
nlian recebido, queii-am terabondade
de FrancMo llenr < arls, rna da Cadeia
do jarifa b. H2 nrimeiro andar._______
I'i.' i-.i-se de um dostribuidor para este
i>;/;, i <\n.i\ deve saber lr. _________
ja
Seven. 12, visinho do Gymnasioi Prpvlncial em ^^'^ i^^; ^ ^^^^^ i o
obra, ou no escriptorio terreo n. 18 da rua do Tor- redilu|os como dlz 0 aulor d'0 u, escripto^ot
res, prximo a praca do commercio. _______ cupou meia col|uinna d C^7o,escriplo este qo
Preelsa-se salta aos olhos de todos pouca importancia, visto
de uma criada para casa de uma familia com- '.como pe-
posta de tres pessoas : a tratar na rua Augusta ullcno escripto que se le no Campeo. talve de
n. S, sobrado de um andar. j v"' a engao de um dos caixeiros da referida la
------nr------------tt--------------esr-.----------- berna ; porm fique certoo Sr. autor de tal escrip-
- Chegou no ultimo vapor yindo da F.uro|)a um \ t0 pygmeU quc 'a n0Ssa dignidade. j cootamos
moco portuguez, e oticr anaiijar-se em.amaren- com ella salva, pela honra, e dignidade do muito
resjieitavel publico; assim como, sempre. qu* o
Sr. autor do peipienino escripto passai, pela refe-
rida taberna, ver na tablela com letras donra
das o titulo de Conservador, e nao de rapiador.
como diz o Sr. lezado em meia quarta de assusrar
louvado Deus !... ser muito pequeo !....
Os caixeiros.
Precisa-se de um homem que entenda perfei-
tainente de ivimaco. como bem derreter e baler,
e tambem de caf, pagase bom ordenado : a tra-
tar nos fundos da casa do Sr. Flix, oarives : na
rua da Senzala Velha cora Jos Maria Machado.
Francisco Jos da Silva Ralis retirando-*-
para o Rio de Janeiro um virtude da procurarn
passada nesta data no cartorio do taUlliao Alnei-
da, encarregou ao Sr. Jos Maria Nuoes para o re-
presentar durante a sua ausencia em todos os se
negocios. Recife S de selembro de 1864.
ATTE^AOo
Na rna estreita do Rosario n. 19 traballia-se rom
toda a perfeico em bordados, e flores de todas a?
qualidades, a"promptam-sc ricas grinaldas e to
quets para casamentes e bailes, da-se tamben k-
coes de flores s familias que quizerein aprender.
\a rua do Queimado n. 1
deseja-se fallar aos Srs. Gabriel Germano de Aguiar
Montarroyos c Joaquim Hilieiro de Aguiar Mo-
tarroyos.___________________^___^___^
Sabbado 3 do corrente, das 4 as 6 boras da lar-
do, desappareceu da praia detraz do Carron ou roa
da Palma, uma cabra (bicho toda prela. e mama
cabelluda, boa criadeira, com 3 cabritos taniU-m
pretos, com as pontinhas do cabo brancas du.i>
cora um signal branco sup|>oe-se ter sido Rala-
da : a pessoa que d'ella der noticias, sera recow-
peensada na rua do Sol n. 37.
Abreu & Veras mudaram seu escriptorio da
rua do Vigarto n. 21 para a rua da Croi n. 34
Arrenda-se uma exrcllente ca_jjm. tua*>
nn Poco da Paradla, em bellissinia posteo, muito
frescaicom graude terraco em frente anjarerreio.
e commodos para numerosa familia, conObcbrira.
estribara, quartos para criados e feilor, solo bem
plantado, com jardim, horta, tanques para
o lavagem de roupa, etc., etc. quera a .
dirija-se rua da Imperatrizu. I/, segundo andar.
Aluga-se um sobrado de um andar, contendo
duas salas, dous quartos e uma cosinha. sito no
largo da Asserabla; tratar na roa Augusta
n. 43.________,_____________________
Aluga-se por 184000 a casa tarrea da ra
dos Guararapes n. 67, com duas sala, dous quar
tos, cosinha, quintal e sotao : tratar na rua da
Cadeia do Recife, n. 47 loja.
Perdeu-se na noite de 1." de outubro uma
subscribi eom seus attestados. pertencendo a
Antonia Francisca Teixeira, embrulhado em ura
lenco de cambraia, e perdido na rua da Cadeia
do Recife : quem achou tenba a bondade de en-
tregar na livraria do Sr. Figueira, que a dona fl
cara agradecida.
Companhia fldell
seguros martimos e ter-
restres estabeleclda no
Rio de Janeiro.
AGENTRS EM PEPNAMBl'CO
\ i: l ii n i o Luiz de 01 te ira Azevedo & C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
rias e predios no seu escriptorio rua da
Cruz n. 1.
Aluga-se o primeiro andar da rua do Crespo
Precisa-se alugar uma cozinheira e engom-
madeira para uma casa de familia, na villa do Ro-
nito: quem qnizer contratar, dirjase rua da
Saudade 21._____________________
Firmino Coolho Pereira. subdito portuguez
retira-se para fra da provincia.
Precisa-se alugar nia esc rara para coxinnar,
comprar e fazer todo o mais servico de uma casa
de familia, rosponsabilisando-se o senhor pelo seu
comportaraento : a tratar na rua da Cruz n. 63,
armazem.
- I'rensa-se de ura caxciro de 16 18 annos | quarias e sabbados de cada semana, na oad
* ubMU, une i. uh.i alguma praUca de uberna, e em ^m AmRro a0 da [vms*0 ^ ruad1
... i !.* ..v ..... ipa AAnhotumantrt ra ciio i>nn. ~* *. -. '- .
nos das
aviaria
Im-
peratriz n. 22, e rua do Rrura. confronte o chafa-
riz n. 47, rua das Crtrfea, deposito n. 39, na Pas-
;:.k lOAOOO, o segundo andar do sagem, taberna da esquina do Sr. Rento, qne vira
lo bccci t!. i Campello n. 4. tendo commo-1 para o Remedio, e no armazem progresso, largo
iiic Ui; un' i-i (a-i. iro conheciroento de sua con-
iiu-ia, Ili"-ir i da Cruz n. Si*.
Ai
,1 rail
pim, cacimba com agua de beber lunitos com-ido para grande familia: tratar no mesmo. 1 da Peana n. 10.
Desappareceu da corredor da casa da rua do
Crespo n. 2 (lado do caes) onde Ibram esanecido
na noite de sabbado 26 do corrale depois do es-
pectculo dous binculos sendo um pequen,, ir
madreperola e metal, com algum oso, dentro da
caixa. tendo esta sobre a lampa em lettras chora-
das Madama Falque, o outro grande, lodo preto
e coberto com pello preta imitando lixa. sem ca
xa -, as pessoas que por acaso tlverem comprado
ou achado ditos binculos farao nm especial favoi
entregando-os a seo dono, o qual alm de mt fi-
ear agradecido se restitnlr* o qne tiverem dado
pelos mesmos : na ma do Owpo n. 4, loja 6V J.
Falque.________________
Quem precisar de ust Portugoat de bao c-
dncta e Ja de idade, para > da roa m para
casa, dirija-se roa da FtoreaSaa a. t.
Aluga-se ama negra daJtjnnaiflw,JaTidi -
ra,eoanrtWra. sabe tratar*"*-
nc: na rua da Alegra n. 7
MU TI LADO
ilLEGVELl


Mari* de Pcrnamlnioo -- Terra telra de Ootuhro de 188.
NOTICIA NOTICIA NOTICIA.
Cartoes de sita
CartSes de visita
Candes de visita
Cartees de visita
Carios de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
8000 a duzia
85000 a duzia
8000 a duzia
60000 a duzia
64000 a duzia
60000 a duzia
60000 a duzia
60000 a duzia
60000 a duzia
60000 a duzia
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador
iRua do Imperador ___
Lava-se e engomma-se com perfeicao, tanto
para hornera como para senhora, por preco mais
comtnodo de que em outra qualquer :jarte : na ra
de S. Bom Jess das Criollas, casa il 36.
Ainda existe por vender-se as obras em fran-
cez, bem eaeaderoadas .e com estampas : Mvste-
rios de Pars, Balzac, Vctor Hugo, obras completas
de Chateaubriand, Guizot, Historia moderna, Can-
ta, Historia universal e Historia do consulado e do
imperio : na troa das Ccuzos, sobrado n. 9, lado
direito quem cisco. Tambem se alugao mesmo sobrado a quem
comprar parte da mobiliaque no niesmo se achay'
- Joaquina fHasPinlieiro Larangeirae Joaquim
Antonio Larangera fazem publico paca conheci-
mento de quero.interessar possa, e com ospeciali-
dade ao corpo do commercio, que compearam ao
Sr. Joao da Silva Augusto a taberna sita na roa
do Rosario da Boa-Vista n. 2, livre e desembaraza-
da : se alguem sejulgar com direito a qualquer
reclamacao, eompareca na iuenia taberna, ao pra-
so de tres dias. Hdfe 2 de outubro de'1863-
Offerece-se urna mulher capaz para<
em casa de pouca familia ; na tua da Imper,
i). te, segundo andar.____________
Quem annuBciou precisar de 3 a i:1
eom cypotheca, dirjale ruaestreitado notario,
loja p. 10. _______
Agencia de leiles.
Antonio Jos Cordeiro Simoes scientifica ao res-
peitavoi corpo do eomnorcio desta praca,/ como
tambemaosseas amigos, que mudouo sulescrip-
torio da ra do Vigario n. 17 para o primeiro an-
dar do sobrado n. 28 oa ra da Cadeia aone pode
ser procurado todos os dias uteis, das-9 horas da
manhaa as. 4 da tarde, para excrcer os misjeres de
sua proflsso.
Desencaminhou-se, indo hontem para o sello,
um saque de Francisco Gaudencio da Costa & Fi-
Ihos, do Para, da quantia de 1:4005 mclem de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.,7a 13 d/v
obre os Srs. M. 0. Jliefaer & C, sucessores
quem o aehsr o poder eutregar no escriptorio
rua da Cruzn. 1.
FAZENDAS DE BOM GOSTO.
PASA 7BSTIDCS-
Superiores crtee de gorguro de seda om flores matisadases mais modernos que emvindo a Pernambuco.
Ditos de moreantique de cores, de listas, de Adres, e achamaletados, cores mui lindas.
Ditos de moreantique pretos de palmas com barra.
Lindos cortes -de frenadme de seda com barra e chale igual.
Ditos de laa ora barra matisada e damesma cor, a imperatriz pelo barato preco de 100, 120, 180 e 20 cada corte.
Ricos vestidos de blondo para noiva om lindas mantas defit de seda, de blond e 081 -capella.
Ditos de cambeaia brancos bordados a 120, 150, 250 e 350-cada corte.
Lindas laas lisas tinas a 500 rs. o covado.
Ditas de quadrinhos e de flores a 406, 500 e 600 rs. o covado.
Superiores organdys com listas de seda, os mais modernos qoe tem vindo a Pernambuco.
Lindas cassas de ores de superior qualidade a 400,500 >e -640 rs. a vara; assim
Como um variado sortimento de percales, chitas (rancezasa 260,320, 400, 500 e 6iQ rs. o covado, e outras muitas fazendas que
-seria tnfadonho mencionar.
PARA HOMBROS DE E]VHORA
Manteletes de seda pretos a 18.
Capas pretas de grs a 250, 3U0 e 350.
Ditas muito superiores a 400, 450 e 500.
Superiores santwmbarques de casemira.
Ditos ditos de lindas laazinhas lisas e de quadros. -
.Ditos de seda pretos e de cores.
Ditos de mnsselina de seda chineza.
MBuperiores manteletes de torcal pretos.
Lindos chales de mnsselina e de cbally matisados com listas de seda.
Rovos chales de torcal e outros muitos artigos modernos.
PARA CABERA RE NEXJIOIIA E MEXI VOS.
-Superiores enfeites de flores, gostos os mais modernos era Pars, negados pelo ultimo vapor francez.
Lindos chapeos de palha da Italia enfeitados com muito gosto, a Imperatriz e a Valeroy.
Ditos de palha para meninos e meninas.
Ditos de seda bordados.
Entremeios bordados largos e estreitos, tiras bordadas largas c estreita-, tiras de fustao bordadas para calcas de meninas, saias
bordadas e outros muitos artigos das columnas de Antonio Correiade Vasconcellos & C.
Precisa-se lugar urna escrava costoreira e
agoramadeira, e que se preste a qualquer outro
servido : no escriptorio de Edward Fenton Holq,
rua do Trapiche, ou ne sitie chamado de Nuno Ma-
. ria de Scixas, na Casa Forte._______
Ataga-se a casa terrea da rua da Alegra n.
42, com 3 Janellas e 1 parta, a chave para ver, est
na taberna da rua da Velha n. 33 : a tratar na rua
da Cadeia do Rccife n. 47, loja.
Precisa-se de um pequeo de 12 a 14 annos,
que tenha prauca de taberna : quem pretender,
dirija-se i rua do Palacio do Bispo n. 40.
Aluga-se a sala da frente do pnmeiro andar
do sobrado da rua do Queimado n. 13, propria pa-
ra qualquer escriptorio : a tratar na mcsina rua,
boca n. 15._______^__________________
Quem precisar de "urna preta para coznhar
e engommar, dirija-se ao pateo de S. Pedro n. lg.
Domingos Gerbase, subdito italiano, retira-se
para fra da provincia
O abaxo assignado, tendo muita necessidade
de fallar aos senhores seguintes, e como ignore
sua* moradas, por isso, pelo presente, pede quei-
ram dirigir-se ;i villa do Cabo : Luiz Vieira de
Frats, Jos Maria da Siveira e Francisco do Nas-
ci ment.
____________________ J. Kreuzer.
Aluga-se um segundo andar e sotao com
co mmedos paragrande familia no caes do Ramos :
a tratar com JosHygino de Miranda.
drogado Joo Goncares
da Silva Montarroyos tem*o seu
escriploro na rua cstreita do
Rosario n. \7t onde pede ser
procurado das 9 horas da ina-
nha s 3 da iarde.
Ainda est por alugar-se o segundo an-
dar do sobrado n. 44, em a rna da Auro-!
ra : quem o quizer dirija-se esta mes-
ma rua casa n. 10.
harel Francisco Augusto" tem o
seu escriptorio de advogado na rua do
Imperador n. 69, onde pode ser procu-
rado das 9 horas da manhaa s 3 da
tarde.
AURORA
LARGO DA
BRILHAJVTR
H, 84
SANTACRUZ.
Maynilico negocio, i erase m i (Mira.
Urna familia une retira-se da provincia
vende nma mobilia completa de da de
visita, com mesa oval de pedra, eadei-
ras de circular, de chanto, riquseimo
piano, jarros, cama de casado, commodt,
lavatorio, mesa de sala de janlar, dita de
jantar, riquissimo aparador, crvataes e
muitos outros qbjectos.
A' quem comprar, e quizer fkar eom a
casa, cede-se gratuitamente as beafciio-
rias feitas nella, tendo sido pouco lempo
limada e concertada de novo : excel-
ente morada, muito fresca, com mnitos
commodos,' tendo quatro quartos, duas
salas, um sotao cora quatro quartos boa
salo, exeellente vista etc. -
A' tratar a qualquer hora, das 10 em di-
ante, na rua da Matriz de Boa-Vista, n. I
segundo andar.
Adiase justa e contratada a venda livre e
desembaracada do deposito n. 6 da rua da Lngoe-
ta : quem se acliar com direito ao mesmo tenha a i __VonH nm* .w,___
bondade de comparecer ou fazer suas reclamac>s' tences necessario -
com os per-
taberna, collorada na rua
--.-v- w...(<-.wv. v-.-.. ^_ .W........W icnres necessanos nara taberna rMu~>A-> n
no mesmo deposito, no praso de tres das, a contar Hinf dns 4tno->Ar> n t^,M,r"aa a
da data desterdepois do que icar sen. eTeito todo Sto^iSSS,l^^,T'mlag"
e qualquer obstculo dita venda ^^f8*^n?.Ca?'" TS1 _te?.?'"
COMPRAS.
Compram-se 206 palhas do coqueiro : nos
Apipucos, a fallar com o Sr. Jos Alfonso Ferreira.
Na rua do Crespo n. 16 comprase urna ba-
lanca grande com 5 pesos de 2 arrobas, 1 arroba,
M2 arroba, 8 libras, 4 libras, 2 libras e 1 libra,
tudo j usado.
de
na
pan
commodos.
para qualquer familia, e grande quintal murado
composto de parraras bem carrejadas de ovas
brancas, romeiras, figueiras pnheiras e outras ar-
I voresde fructo, tem cacimba, tica muito pertoda
estacao e do chafariz, assim como da matriz a
mesma casa muito fresca, e boa para passar a
festa, tambem se vende a casa se a quizerem com-
prar : quem a pretender dirija-se a mesma casa
n. 60.
Compram-se barriquiohas que serviram
bolachinha americana a 500 rs. cada urna :
travessa da rua das Cruzes taberna n. 6.
mtio para Tender.
Vende-se um exeellente sitio muito perto da
praca na estrada de Santo Amaro n. 2, de-
fronte do sitio do Maduro em chaos proprios con
r------:------- i "salde. venda de pedra e cal, muito fresca, com
tompra-se um registro de gaz ja usado e um boa baa para capim e noria por ter agua lodo
candieiro de braco : quem tiver annuncie ou diri-
ja-sc rua das Larangeiras n- 12.
Compra-se una carroca em bom estado, cora
boi ou sem elle : na antiga rua dos Quarteis, fa-
brica de cigarros n. 21.
o anno de nascenca, com muitos e bons arvoredos
de fructo; tratar-se na rua dos Guararapes
n. 28.
ATTENQlO
NOVA EXP0SIC40 m FAZENDAS.
Compra-se urna commoda^em segunda mo, que iBarat,ss,mas que se vendem para aparar di-
nheiro, na loja e armazem da Arara, roa
da Imperatriz n. 36, loja de Loorenro
Pereira Mendes Guimares.
Neste graade estabelecimento acha-se um
grande sortimento de fazendas, tanto para o
matto como para praca, advertindo aos
esteja em bom estado : quem tiver dirija-se rua
da Palma n. 43, defronte de urnas casas novas.
Continua-se a comprar ouro e prata em obras
usadas : no pateo do Terco n. 12, taberna.
Compra-se um tronco
do Rangel n. 17.
em bom uso : na rua
ras eengommadeiras
segundo andar.
na rua de Apollo n. 84",
. Francisco Jos Fernandes Pires dono do grande estabelecimento de molhados denomi-
nado AURORA BRILHANTE, avisa ao respeitavel publico tanto da praca como de fra e com
especiaiidade aos seus freguezes que o seu estabelecimento acha-se prvido de novo sorti-
mento de bons gneros tanto do paiz como do estrangeiro e promette vender muito em conta
tanto a retalho como em grosso :
Aluga-se :iim mulato escravo mui
boa conducta, antende de todo o servio-
de-familia, sabe ambem bolear : quem
lo, dirija-se rua do Apollo n. 23, segu
-luguel.
.8-ot o primeiro c seg
dar sobrado da rua Yellia h.
Ira lar a rua do Sedo n. 24.
fiel e de
de casa
iretende-
lo andar.
Alusa-se
do an-
20:. a
960
640
400
520
640
480
24880
35000
2,3720
25360
25000
15600
O Sr. Joaquim Antcnio Pereira Bolelho, na-
tural da villa de Angiga no reino de JHortugal, e
que veio pan Pernambuco em 24 de noJembro de
1860, dirija-se rua do Imperador n. 38J pharma-
pessoas que Jbe interessam, ou quem ouber do
mesmo senher4 e aonde est, pode in 'ormar na
mesma botica.
Precisa-se de um caixeiroqne tom
urna taberna por balanco : na rua do
mero 73.
"MNTURARIA. "
^ Tinge-se com perfeicao para
cor, e o mais barato possivel:
Flangel ti. 38, segundo andar.
BIVIO L\lAO
ESTABELECIDO NACIJDADE DO PORTO
A(('hlcs em Pernambuco
Antonio Luiz de Oliveira
.t/fvedo & C. -
Sacam por todos os paquetes sobre o
mesmo banco prazo ou vista, sobre a
caixa filial em Lisboa, e agencias em F-
gueira, Coirabra, Aveiro, Vzeu, Villa-
Real, Regoa, Vianna de Castello, Guima-
res, Barcellos, Lamego, Covilha, Braga,
Penafiel, Braganga, Amarante, Angra,
liba da Terceira, liba de Faias, Ilha da
Sladeira, Villa do Conde, Valenca, Bastos,
Oliveira de Azemeis, Chaves e Fafe, a
oito dias vista ou ao prazo que se conven-
cional no seu escriptorio rua da Cruz
de Macei, exigindo-se escreAa soffri-
ve) quaadoJto muito bem: quem pre-
tenderdirija-se rua da orina do
Recite ne-tacdadc loja de fsrragens
de Siha & Abreu, que achara c >ni quera
tratar.
Ao i. 29.
\ova loja dos baraicirns ua rua do Queimado.
Velludo de core* fazenda muito boa o covado
- Precisa-se de um raenin de 13 a _^^b_2^eP5S5_L4,^*% itos e arcos
.- ___ j j i a 35000, 45000 e o5"KK), laas de duas larguras
10 anUOS de Idade para Caneil O de lo- para vestido o covado & 500 rs., chitas francezas o
ja de ferragens e mludczas na cidade ? 360.rs-> ^m branco f****** >e
vestido o covado 120 rs,, tarlatanas d todas as
cores a vara 720 rs.
Ao n, 29.
Nova loja dos barateiros na roa do Queimado.
Cassa lisa pelle de ovo a peca 75300, cambraia
lisa muito fina a peca de 17 varas 105, cam-
braieta peca de 12 jardas 75000, cambraia adamas-
cada para cortinado a peca de 22 varas 105000,
mciae finas para senhoras a duzia 45000, chales
de lSa ponta redonda 325500.
Ao n. 29.
\ova lja dosbaralciros na rua do Queimado.
Bicos pretos de linho a vara 120, 160, 240, 320
rs., franjas de seda a vara 80 e 160 rs., galoes
Manteiga inglcza flor alibra .800 e .
Dita segunda sorte dita dita a 720 e .
Dita terceira sorte dita dita a 480 e
Dita franceza da nova a 560 e em bar-
ris a......I .
Dita hamburgueza em barris pequeos
a 600 rs. a libra e .' .
Banha de porco fina a 560 e .
Cha huxim miudinho muito superior
a libra........
Dito hysson miudinho o melhor possi
vel a libra.......
Dito hysson graudo a
Dito dito a .
Dito preto o melhor a desejar a
Dito dito em massos a .
Dito nacional em latas de urna e mais
libras a 15600, 15800 e 25000
Queijos do reino do vapor a 25400, 25,
_ *5760 e........J55O0
Dito de prato muito novo a libra 640 e 720
Dito de manteiga muito frescaes do Se-
rid a libra........640
Ditos de qualha a libra.....480
Bolachinha ingleza de 240 e 320 e bar-
riquinha a arroba a 25 e .
Latas com bolachinha de soda, cracrc
nell, mixide, viloria, pequinique e
outras qualidades superiores a .
Ditas com amei.va franceza nova a li
bra 800 e.......
Ditas com figos de comadre novos Ja
tas de 4 libras .
Ditas ditas de dito com 8 libras .
Ditas com inarmelada nova a libra
640 e.........
Ditas com massa de tomates a libra
640 e.........
Ditas* cora peixe de Portugal muito
bem conservado em molho sendo sa-
vel, salmonete, congro, goraz e ou-
tros a .........1,5800
Vinho do Porto em pipa muito_fino a
640, 720 c........800
Dito da Figueira puro a 360 e caada 45200
Dito dito a 480 e caada.....35800
Dito de Lisboa branco proprio para
mesa......... 640
Dito de dito craeavelos, temo e outros
a500.........600
Vinagre de Lisboa puro a 240 e 280 e
caada........15600
Serveja branca e preta a garrafa 300
560 e
640
95 e
Vinho Bordeaux em caixa a 85,
105 e garrafas a 800, 900 e .
Genebra de laranja em frasco a 15 e
Dita verdadeira de Hollanda a 640 e .
Frascos com conservas inglezas a .
Dito com mustarda franceza a 480 e
Alpista arroba 55 e libra ....
Espermacete libra 640, 720 e .
Velas de carnauba e de composicao do
Aracaty arroba 105 e libra 360 e
Carne do Serid a libra ....
Linguica do sertao nova a ."
Charutos finos de Simas, suspiros, pa-
risienecs, regala, delicias e muitas
A pulas qualidades e autores para di-
versos precos ......
Ervik^s novas a libra a .
Sevada nova em grao arroba 25500 e
libra.........
Sabiio hespanhol branco a .
Sabao massa a 160, 200, 240 e .
Vassouras de timb e grande quanti-
i dade a ........
720 Saceos grandes com farinha de Goian-
I na a 45800 e........55300
700 Ditos com farello de Lisba de 100 1-
350OO
15600
15000
15400
2J0OO
15000
900
960
800
640
180
880
400
240
400
240
100
280
280
120
Gorapra-se cobre e lato velho :
na rua da Cadeia do K ce i fe n. 36, pri-
meiro andar.
Compra-se effectivamente ouro e prata em
obras velhas : na prac,a da Independencia n. 22 lo-
ja de bilhetes.
VENDAS.
- Compram-se duas negras perfeitas cozinhei- seus freguezes que as fazendas tem subido
porem no seu estabelecimento cada vez ven-
de mais baratissimo, na loja cima da Arara,
rua da Imperatriz n. 56.
Principia Arara, cassas organdis a 200 rs.
Vende-se cassas organdis de quadros, cor
de caf para vestidos a 200 rs. o covado, cas-
sas francezas finas 240, 280 e 320 o cova-
i do, pupelina de quadrinhos para vestidos de
senhora a 320 o covado: rua da Imperatriz
n. 56, Arara.
Sediuhas da Arara a 560 rs.
Vende-se sedinhas de quadrinhos e de lis-
Vendc-se um faqueiro e doze colheres de! tinhas miudas para vestidos de senhora a
cha e 1 para assucar : na rua da Gloria n, 95. meninas a 560 o covado, laazinhas di- qua-
Vende-se um carro americano de 4 rodas, i drinhos a 320 o .covado, ditas muito finas
comassentos para duas ou quatro pessoas : na transparentes, fazenda chegada neste ultimo
cocheira do Sr. Paulino, praca do capim. vapor a 400, 500 e 560 rs. o covado, MU
qualidade s tem Arara : rua da Imperatriz
n. 56, de Mendes GuimarSes.
fluir pechinrha na Arara a 210 rs.
Vende-se chitas francezas edres fixas cora
pequeo toque de mofo, porm afianca-se que
logo que se lave fica limpa, padres escuros
e claros a 240 e 280 rs. o covado, ditas lim-
,pas, finas, a 320, 360 e 400rs. o covado;
1 na loja da rua da Imperatriz da Arara n. 56,
do Mendes Gu maraes.
Arara Tende as camisas para senderas.
Vende-se camisas para senhoras com fofr
nhas e punhos, com botozinho e gravata,
fazenda viuda por este ultimo vapor a IfcktO
cada urna, golinhascomjotozinho a punho
gravatinha ou gottoba
para senhora a 320 rs..
Ira la>SCO
rua do Impera-
Vende-se na livraria universal,
dor n. 54.
Vende-se a taberna da praca da Boa-Vista n.
21 propria para principiante por ter poucos fundos
bem afreguezada para a trra e na mesma se dir
o motivo porque se vende.
Zlnco emfolha.
Vendem na rua do Queimado n. 32 Azcvedo &
Irmao.
ESTOPADA TERRA
Vende-se na rua Direta n. 91 a 15600 a arroba.
Oh! que admlra^o.
Vende-se um piano por 505, muito proprio para muito finas a I #000,
quem quer aprender por pouco dinheiro, pois com bolaoztnho
usado : quem pretender procure na rua do's'Pires
n. 34, que se dir quem vende.
Ditas com ostras americanas a .
Ditas com sardinhas de Nantes a 360 e
Ditas com frucias em calda a .
Massa para sopa, macarrao, talharim,
aletria, estrelinha, pevide, rodinhas
e arroz a libra
400
500
500
480
bras a 45300 e
Ditas com arroz de casca nov a
Azeitede coco e carrapato a 480
Dito doce de Lisboa a garrafa .. .
Amendoas novas libra.......
Passas novas libra 480 e......
Gomma muito al va e nova arroba 25800
I e libra..........
1 Dita mais triguera arroba 25 e libra
60e
55000
15000
320
640
320
640
ALMANAK
Estando a concccionar-se opliuanak
ilo^la nPAvinra ma ,..(;,, c,n ;,.. ,3> "-"'Jos uc seu a vara a ou e ou rs., gaioes
UCSia provincia, que Continua) ser im- de seda de algodao e de 15a para enfeites de vesti-
preSSO nesta tVBOSraBbta, COnVidase a d0 P^a de IO e 15 varas a 400, bteos de seda
todas as pessoas pue delle fazem parte, d^^e"efusta<>uziasi2o.--------------
Dar aue mnrtlam livraHa iU i "" Vencesl0 Alves Lobo e Antonio Gue-
Ew!. 1tJ jlnr.ai,a,s- be o des Pereira retiram-se para o Rio deja-
da praca da Independencia, seis nomes neiro.
e qualidade de estabelecimento, e aos
seuhores de engenta qoe se dignem
remetter alin dos noraes de cus en-
scahos, oda freguezia e eomarca a que
pertencerem.
Curas com libras de massas sortidas a 25500 Lingucas do'rei novas'de 560 "
Batatas novas inglezas a libra 60 rs. e..... Sevadinha e sag novo libra ..
Ancoretas com azeitonas novas
Espirito de vinho a garrafa .. .
Macos com 20 macinhos de palitos
, arroba........1,5600
Resteas com grandes sebolas cento a 25000
Soltasa.........800
Presunto de Lamego a libra
Dito inglez para fiambre a .
Vinhos genuinos engarrafados no Por-
to, chamico, duque do Porto, lagri-
mas do Douro e muitos outros unos
4c 15280 a 25500 a garrafa, e duzia
de 145 a 205, dito engarrafado
aqu a ........
320
750
15000
nos para dentes a ..
Tapioca nova libra .
Toucinho de Lisboa novo
e libra.......
Balainhos do Porto de diversos
nhos.......
Cordas para amarrar animaes
daimes
.f^SUSB nunie de objectos que nao possivel menciona'-los.
Aluga-se o sobrado de um andar
na Direjta n. 82: a tratar na padaria
Machado.
i sotao da
da viqva
Aluga-se por preco commodo o segundo an-
dar do sobra*) da rua daSenzala Velh.n. 48: a
tratar na loja .do mesmo.
Loja de marmofte.
Un*- de Farla
devidamente utorisado pelss Srs. admi-
nistradores da massa fallida de Faria & C
cora approvacab do Sr. Dr. juiz de direito
especial do commercio, convida pelo pre-
sente annuncio a todos os Srs. deve^ores
da4ta firma extracta, a solveremseus
aebrtps comamaior brevidade, dirig|ndo-
^e para esse Ihn casa do annunciante,
- andar do sobrado da rua 4o Imperador
por cima do estabelecimento do Sr. Flix
atraate. O anntiflclante, nao tratando de
cobrar dividas suas, easo em que poderia
JfrQntemptasao para com alguns dos
ns devedores, a quem estima e grato,
mas sira tendo de dar prompto c nte
cumprimento ao mandato, que recebcu los
iiios Srs. administradores, que particu-
larmente Ihe recommendaram, que accio-
nassea todos aquelles que nao quizessem
amigavelmente pagar, Julga dever preve-
nir disso os mesmos devedores, de quem
espera desculpa se o forcarem a propor
accao em juizo contra elles. Recife 25
de setembro de 1863.
Saques sobre Portugal.
Oabaixo assignado, agente do banco
mercantil Portncnse nesta cdade, saca ef-
fectivamente por todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
qualquer somma, vista e a prazo, po-
dendo logo os saques a prazo serem des-
contados no mesmo banco, na razio de 4
por cento ao anno aos portadores que as-
sim lhe eonvier : as rnas do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 31.
raIilr
s na Arara vende-se capinhas bordadas
- Vende-se oleo de ricino muito novo em latas gt fJ ^ ? ?""' ******
por prego commodo : na fabrica da travessa do Domadas para enf itar vestida l
Cariocan. 2, Caes do Ramos.______________ 10000 e 10280 a peca; na loja da Arara,
Vende-se um boi de carroca grande e gordo, 1 rua da Imperatriz n. 86.
assim como urna vacca tourina com cria : na tra- Redinhas da Arara liara senhoras.
vessa da Ponte de Lcha, segundo sitio.
Vende-se urna escrava de idade 28 annos,
; boa cozinheira, engomma e lava, s quer ir para
o mato, por 5505 : na travessa do Carmo n. 1.
Vende-se urna escrava perfeita engommadei-
ra e eozinheira, de idade 25 annos : na travessa do
Carmo n. i.
Vende-se redinhas para segurar cabello a
10000 rs., enfeites para cabeca de senhora a
10000 rs., meias cruas para senhora a :O,
: lencos de retroz para meninas a 320 rs. s
I na Arara, rua da Imperatriz n. M, de _h_H
des Guimares.
Jinda mais una pechincha na Arara a 2-SOO0 rs.
Vende-se cortes de chitas inglezas a 20000,
ditas francezas com um pequeo toque de
Vende-se ou arrenda-se o grande sitio deno- mofo, porm afianco que logo que lave fica
-& P''3"- nakfre?ueiia d* Varzea' com uma! limpa, vende-sc a 20500, cortes de riscados
casa do taipa ja coberta de telhas, com bastantes aSt* c/im 14 envadn* tnnn mZ \1
psde larangeiras, coqueiros, cafezeiros, etc. etc., 1 U1 ,' C.0m V C0Nad lortes ^
sendo as terras^de grande produegao : a tratar n cassa de habados 6 de barras a 2<)000, para
rua do Hospicio n. 22. Na mesma casa lia para I acabar, ditos de barras de seda a .30000 rs.,
alugar-se um ptimo moleque para todo e qualquer I ditos brancos bordados de groxe enfeilados
servico de urna casa, o mesmo para a rua, muito com entre-meios a 10000:
Vende-se um escravo bom criado e bom co-
zinheiro, de dade 30 annos : na travessa do Car-
mo n. 1.
fiel e bastaute esperto e sem vicios.
Cola da Baha
Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo, no seu escriptorio, rua da Cruz n. 1
SEGUROS DE VIDA EM MUTUALIDADE.
^in^.^ BANCO NlAO tendo obtido do governo de S. M. F. a autorisacao para estabele-
7i!^tSt!S^^V^1^ZkVm ^-ipeoeslirnuaespor urna
Com perda de capital e lucros; ,
Dito capital smente;
, ..,..,_ Dito lucros smente;
devendo a primeira liquidacao ter lugar no.l de Janeiro de 1859.
As vantagens do emprego de capitaes em mutualidade, sao obvias, porque nao smente se co-
Tai.xas de ferro.
Vendem-se taixas de ferro do mais acreditado
fabricante e por nreco mais razoavel: no arma-
zem de assucar de Jos da Silva Loyo & C.
A prazo 011 a dinheiro.
Vende-sc urna exeellente barcada de 28 a 30
cairas, muito bem construida e aparelhada : a
tratar na rua do Apollo n. 4, primeiro andar.
Vende-se 011 aluga-se
Vende-se um bom sitio no lugar da Capunga
\ elha, com boa casa para numerosa familia, com I
um bom tanque para banho e viveiro com peixe e'
no, com muitas arvores com fructo, o que ha de
melhor em fructo : quem pretender dirija-se Ca-
Snnga, no sitio cima, a tratar com a viuva do Sr.
oao Evangelista da Costa e Silva
rua da Impera-
de Mendes Gui-
(iiniisiis ingle as
lJZtaSo tmm^mZ^&2*^Jm= iSSfiSLL- **?**&" muit0. *to. vendem-se por
AVISO.
disso, este rendiniento e augmentado pelo capital ou lucros, ou ambas as cousas, conforme as condices
aa suDscnpcao, aos que fallecem. Tambem partido pelos socios sobreviventes tudo aquillo que os so-
cios morosos nos seus pagamentos, sao por este motivo obrigados a pagar, bem como caducidades que
occorrerem pela falta de cumplimento do compromisso social.
I As liqmdacoes sao pelo systema das companhias hespanholas, Tutelar e outras 5 e para se poder
fazer urna idea do que pode produzir urna entrada annual de 105, publica-se a seguinte tabella basca-
da sobre a experiencia de minios annos de companhias desta natureza :
En 9 annos Em 10 annos Em la annos Em 20 annos Em 25 annos
Francisco Jes Alves GuimarSes, Joaquim
Olintho Bastos e Demetrio Accacio d'Arau-
jo Bastos, membros da firma social de GUI-
MABAES & BAStOS," avisam ao publico e
i e a seus freguezes e amigos, que transferiram
o seu estabelecimento de fazendas denomina-
| do Loja da Boa F da casa da rua do Quei-
; mado n. 22 para a casa da mesma rna n. 48,
onde encontraro os freguezes um completo
sortimento de fazendas de todas as qualida-
| des e de roupas feitas. .
Participm tambem que estabeleceraoi
urna officina de alfaiate, a qual est sendo di-
rgida por um hbil mestre, pelo que esto
promptos a mandar apromptar qualquer obra
; de alfaiate, por medida e a contento do fre-
. guez.
Esperara, pois, os mesmos que coutinua-
: rao a merecer a preferencia, que at hoje os
I seus freguezes e amigos lhes tm dado.
Precisa-se de urna ama pa"3 ,0<30 servico
Por um
menino
1
Por urna
de
de
de
de
de
pessoa de
> de
de
de
1
i
2
3
4
15
20
30
40
dia
anno
1
2
3
4
15
anno
20
a 30
a 40
a 50
H05
905
865
865
865
865
805
865
905
4005
3005
2905
2805
2705
2705
2705
2705
3005
9005
7505
7205
7105
7005
7005
7105
7205
7505
2:6005
1:7005
1:6005
1:5605
1:5505
1:5405
1.5605
1:6000
1:8005
4:7005
3:7005
3:5005
3:4005
3:3M|
3:3305
3:4005
3:7005
5:0005
prejo commodo; na rua do Crespo n. 4.
As entradas por ama s vez dao resultados muito superiores s annuaes.
Porto, 10 de agosto de 1863.Os directores do Banco Uniao, Jote da Silva Machado.F. M. van
der Niepoort.
Agentes em Pernambnco : Antonio Lniz de Oliveira Azevedo & C, rna da Crnz n. 1._________
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da
rua da Cruz n. 40, mnito proprio para qualquer
escriptorio ou residencia de rapares solteiros :
tratar no armazem do mesmo sobrado.
V~"r.'T".....----"""*~ I JISI.WM-TO o Ulna rtiua P&I** vv v i ,iyv
frecisa.-^ de vendedera de bplosde venda- de urna caa, prefere-se escrava na "" Direta
gem, e paga-se fcans na botica do pateo do Carnjo, I numero 16,
1 L'm homem de idade se offereco para caixeiro
de qualquer casa de negocio, o qual tem bastante
pratjea, e dar informacoes do sua conducta : na
rua do Calabouco n. 18.
L.aloiatorio hoincopathico, rua
Xova n. 48.
O Dr. Sabino Olegario Ludgero Pinho tem en-
carregado da snb-gerencia do seu estabelecimento
ao Sr. Jos Alves Tenorio, professor em bomeopa-
tma, e competentemente haliilitado para substitu-
to em aualquer ausencia
. Vende-se ou arreoda-se
' o engenho Camurinzinho, situado distante da es-
tacao de Gameleira urna e meia legua, moente e
corrente, com mnito boas obras de pedra e cal,
cxcellentes torras de plantacao de ladeiras, assim
como de varze, fechado de matas de todas as qua-
lidades de madeiras e muito bom de assucar que
sempre preferido no mercado: para melhor in-
formacoes quem o pretender pode dirigir-se ao
mesmo engenho a fallar com o Illm. Sr. Austri-
clino de Castro S Barreto proprietario que foi
desse engenho, e para qualquer negocio trata-se
na rua da Moeda n. 5, segundo andar.
INSTALLASSO.
A BOA F.
Rua do Queimado n. 22.
Este estabelecimento tendo passado a novo pro-
prietario, este resolveu fazer a sua instaHacao, ex-
pondo ao respeitavel publico desta capital um
grande e muito bello sortimento de
Chales
de finissimo gaze de seda, ditos de tamatare de
gostos chinezes os mais lindos possiveis, e ditos fi-
nalmente denominados mexicanos, de muito bellos
padroes, sendo todos esses chales muito recommen-
daveis para a presente estacao, e sobre tudo pelo
seu diminutisslmo preco que de 45 cada um.
Palitos do gaz.
Vendem-se continuadamenie no deposito geral,
travessa da Madre de Dos n. 16, armazem de Fer-
reira & Martins, em porcoes e a retalho, por m-
dico preco.
Aluga-se a loja do sobrado n. 19 da rua i>o-
va, propria para qualquer estabelecimento ; a tra-
tar na roa da Cadeia n. 62, segundo andar.
Xassa phosphorlca
para malar ratos e baratas a preco de 500 rs. cada
pote,cujoeffeito prompto e infallivel : na tra-
vessa da Madre de Dos n. 16, armazem de Fer-
reir & Martins.
Hna da Senzall n 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston A C,
sellins e silhes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para cairos e montara, arreios para
carros de om e dous cavallos. erelogiosde
ouro patente inglez, __^
triz, loja da Arara n. 56
marSes.
Arara vende roupa frita.
Vende-se calcas de meia casimira e de
brim a 2^000 rs-, palitos de brins de cores
a 24300, ditos brancos a 3#000, ditos de ca-
simira a 4)91000 e 60000, camisas francezas
a 1,9600, 20 e 20500, ditas de linho de pre-
ga larga a 30000, seroulas de bramante de
algodo a 10600. ditas de linho a 20, gra-
vatas a 400 e 500 rs., pares de meias a 120
e em duzia a 10400, 20500 e 30: rua da
Imperatriz, loja da Arara n. 56.
Cortes de Ha a 30600, 10 e 50 ra.
Vende-se ricos cortes de 13a de quadri-
nhos a 30600, 40 e 50 cada corte, s na
Arara; rua da Imperatriz, loja da Arara
n. 56.
Arara vende ricas eolias ave ludadas a 80000 rs.
Vende-se ricas eolxas aveludadas para ca-
ma a 80, ditas de fustao a 50, ditas de da-
masco a 40, coberlas de chita a 20000 ; rua
da Imperatriz, loja da Arara n. 56.
Lencos de seda da Arara a 800 ra.
Vende-se lencos de seda fino, um s a
800 e 10000, ditas com franxa a 10300,
chales de merino estampados a 30000, ditos
finos a 50, 60500 e 80, s na Arara; rua da
Imperatriz n. 56.
Arara vende as cambraias de carociihos a 20300
Vende-se pecas de cambraias de caroci-
nhos de cores brancas a 20500 a peca, cam-
braia liza fina a 30 e 30500, ditas para cor-
tinados de 20 varas a 80, ditas de 10 varas
a 40, e 30, cortes de cassa com palmas sol-
tas, com 1 vara de largura a 20, na Arara ;
roa da Imperatriz n. 56.
Casimiras da Arare
Vende-se cortes de casimiras escoras t
106OO|e 20000, tambem se vende em covado,
1 covado e tres quartas d urna calca a 10
o covado; na loja da Arara.
Bailes de arcos americanos a 30000.
Vende-se bales de arcos americanos a 30
30500,40 e 405OO,baloesde panno a 30500,
ditos brilhantina a 44, s na Arara vnde-
se pecas de madapolo enfestado fino a 40,
ditas de 14 jardas fino a 5*300, 70e80,
algodao cncorpado a 40, 40300 e 50000 rs.,
s na Arara; rua da Imperatriz, loja e ar-
mazem da Arara n. 56, de Lourenoo Perei-
ra Mendes Guimares.
i
__
i-.-


Diario de Pernatnbuco Terca fclra ti de Outubro de 1S3.
o covado; sto para vestidos e roupinhas
! de meninos, a 320 rs. o covado; alpakin ou
i gurgurao de linho, a 260 rs. ; ganguelin,
de fazendas baratsimas que se ven- uma s cor) a 320 rs. o covado; toalhas de
GRANDE EXPOSigtO
deio para liquidar ; na foja do IV
vao, ra da Imperatriz, e. 60.
Neste estabelecimento acha-se am grande
e variado sortimento de fazendas, tanto de
luso, como de primeira necessidade, pro-
prias para a praca e para o matto, que se
vendem por precos muito resumidos, de to-
das as fazendas dao-se amostras, deixando
penhor, ou mandam-se levar em casa das
milias para escolherem, pelos caixeiros da
oja do Pav5o.
LSas com 9 palmos de largura
na loja do Pavo. i# loo
Vendem-se lazinhas transparentes de uma
s cor, de quadrinhos proprias para capas
e vestidos, tendo 9 palmos de largura, pelo
baratissirao preco de liOO o covado; so
na ra da Imperatriz n. 60, lojado Pavao.
O Pavo vende ISas de 4 palmos
de largura a 500 rs.
Vendem-se lazinhas infestadas, sendo das
m:.is modernas, de uma s cor e de qua-
drinhos, proprias para vestidos e capas, pelo
baratissimo preco de 500 rs, o covado; di-
tas matisadas, fazenda muito fina a 500; di-
las garibaldinas a 440 rs.; ditas deqtta-
dros a 360 e 280 rs.: s na loja do Pavo,
ra da Imperatriz, n. 60. de GuimarSes &
Silva,
Laazlnhas a 900 rs. o covado.
S o Pava.
Vendem-se las de cordaozinho proprias
para vestido, sendo muito ba fazenda, com
as coresseguintes: alvadia.cr de caf.rxo
escuro, claro e pretas, proprias para luto ;
linho adamascadas para rosto, a 10; vestua-
rios para meninos e meninas, a 10600 e 20;
tiras bordadas e entremeios, mais barato que
em outra qualquer parte: tudo isto pe-
chincha e vende-se para liquidar: na ra da
Imperatriz n. 60, loja e armazem do Pavao
de Gama & Silva.
Grosdenaples a 1:300 rs., na loja do Pava.
Vendera-se grosdenaples preto muito boa
fazenda, a 13500, 10600, 10800 e20: s
na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60.
Para luto vende-se na loja do
Pavo.
Vendem-se finissimo selim da China, fa-
zenda sem lustro, proprio para vestidos de
senho.-as, para capas e roupa para homem,
tendo esta fazenda 6 palmos de largura e
sendo muito leve, vende-se pelo baratissimo
preco de 20200 o covado, garantindo-se que
nao se torna ruca, e vendem-se nicamente na
loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60:
Cortes de chitas a 2:000 e 2:300 rs.
Na loja do Pavao veude-se cortes de chitas
inglezas, tendo 10 covados, a 20, e com
12/0 covados, a 20500, sendo todas de pa-
dres escuros: na ra da Imperatriz n. 60,
de Gama 4 Silva.
Carnauba.
Vende-se cera de carnauba em saccas, por
preco muito em conta, ou mais barato do
que em outra qualquer parte : a tratar na
ra da Imperatriz n. 60, loja de Gama &
Silva,
Os cortinados do Pavo.
Vendem-se os mais bonitos cortinados de cam-
braias adamascadas, tapadas e transparentes, pro-
prios para adornar janellas e para camas, tendo de
GRANDE PECHA
a 300 rs. na loja do Pavo.
Cassas a 250 rs.organdy a 210 rs.
Vendem-se muito bonitas cassas francezas
a 240 rs. o covado ; organdy matisado, pa-
droes muito bonitos a 240 rs. o covado;
ditos, fazenda finissma que sempre se ven-
deu a 10000 a vara, liquidarse a 600 rs. a
dida,ou 360 rs. o covado, por haver grande
porgao : na ra da Imperatriz, n. 60, loja
do Pavo, de Gama A Silva,
lo va peehineha de cortes de
cambraia na loja do Pavo.
Vendem-se corles de cambraia brancos
eom babadosa 20500; ditosa 30000; ditos
a 40000 ; ditos chinezasa 4000o ; pecas de
cambraia transparentes, adamascadas, pro-
prias para vestidos, tendo 8 varas e meia a
3:>000; ditas lisas brancas e decores a 20500,
30000, 3500, 40000 e 50000 j pecas de
cambraia de carocinhos tendo 8 varas e meia
cada uma. sendo brancas e de cores, a 30500;
ditos a 20500; pecas de cambraia para cor-
tinados, sendo tapadas e transparentes com
-20 varas cada peca a 90000, sto tudo para
apurar dinheiro: na loja do Pavo, ra da
Imperatriz, n. 60, de Gama Silva.
O Pavo vende chales
A 2*000, 20500, 30000, 50000, 60000.
70000, 8,000 e 100000.
Vendem-se chales de merino estampados,
claros e escuros a 20, 20500 e 30000; ditos
muito Anos de todos os precos eoualidndes,
lano de pona redonda como quadrados;
assim como finissimos chales de crepon com
cores inteiramente novas e ricamente bor-
dados a matiz, sendo chegados pelo ultimo
vapor a 100000; ditos de pello, bordados,
a 20 s na loja do Pavo, ra da Impera-
triz, n. 60.
Ascasemiras 'do Pavo iul'esa-
das a i#goo.
Vendem-se casemiras francezas enfesta-
das, proprias para calcas, coletes, palitos,
e capa para senhoras, por ter de uma s
cor, sendo fazenda que sempre se vendeu
a 30000. liquida-se a 10600 o covado : s
na loja do Pavo.
Grande peehineha ein ehapos
de sol na loja do Pavo.
Vendem-se chapos de sol, a ngleza, sen-
do cobertos de linho e forrado de verde, pro-
prios para senhoras que forem passar a fes-
ta, ou para meninas levarem para a escola,
pelo barato preco de 1060 ; dilos marque-
zinhas, de seda com franjas e cabo de do-
brara 30000 ; ditos de seda para homens,
sendo com armaco de balea a 60 e 70, isto
para apurar dinheiro : s na loja do Pavo,
ra da Imperatriz, n. 60.
Caxemlras da Escocia a '#000
o corte.
Vendem-se cortes de caxemira da Esco-
cia, para calcas, pelo barato preco de 20,
tendo da mesma fazenda para vender em
covados a 580 rs., sendo esta fazenda mui-
to encorpada a imitacao de cayemira, e ga-
rante-se que nao desbota. Tambem se ven-
dem cortes de caxemira ingleza, d cores
escuras para calca pelo barato preco de
i*800 cada corte, ou a 500 rs. o covado :
s na loja do Pavo, ra da Imperatriz,
n. 60.
.lladapolo infestado a 4#00
Si o Pavo.
Vendem-se pecas de madapolo infesta-
do com 12 jardas a 40000, ditas a 40500,
ditas com 24 jardas a 70500 e 80000 : s
na loja do Pavo, na ra da Imperatriz.
n. 60.
ditas transparentes com palminhas, pelo ba- varios gostos e porcao de pares iguaes, conforme
rato preco de 280 rs.; ditas infestadas de ; possam precisar, e vendem-se nicamente na loja
quadros a 280 rs.: s na ra da Imperatriz, I j? Pav3o>na rua da Imperatriz n. 60, de Gama &
n. 60, lojado Pavo. ,Sllva-
Sed?s de quadriulios a 800 rs. so o
Pavo.
Vendem-se as mais delicadas sedmhas de qua-
j drinbos, muito miudinhos, sendo proprios para
I vestidos de senhora e roupinhas para meninos e
meninas, sendo fazenda que sempre se vendeu a
115300 e torra-se a 640 e 800 rs. o covado, e sedas
; brancas lavradas, proprias para vestidos de noivas
I a 800 rs. o covado : s na loja do Pavao, rua da
imperatriz n. 60, loja de Gama & Silva.
lucos vestidos tic Southambac, vende
0 P;m;o.
Vendem-se os mais modernos vestidos a Sou
thambac, com barras de seda pelo diminuto preco
1 do 10^000 cada um : s na loja do Pavao, rua da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
A GRANDE GURA
PARA TODAS AS MOLESTIAS 1)0
ESTOMAGA, 0 Flu E AS ENES.
AS
PiJnlas Vf getaes Azucaradas
De Zemp
CompostAS dos dois novos resinoides chama-
dos Fodophilixa e Leftandrina, c inteira-
mente livres de Mercurio 011 ontros venenos
minemos ou metallicos, s;7o de grande uti-
ladc nos pases clidos em cazos de
DYSPEPSIA, ENGHAQECA,
Constipaeo ou PrizSo do Ventre,
PABECIMENTOS DO FIGADO,
Affect}5es Biliosas,
HEMORKHOBS, COLIGA,
Ictericia,
FEBRE GASTRO-HEPATICA,
E ontrnsenffrmidadfs anloga.?.
Elhis vao rpidamente substituindo os antigos
purgantes drsticos.
venda as boticas de Caors & Barboza,
rua da Cruz, e Joo da C. Bravo & C, rua
da Madre de Dos.
SEItl NK 1 \ 110.
QU1NQU1LHARIAS.
Rua do Qeimado, ns. 49 e 55, lojas de
Jos Bigodinho, queiram ver ver as fazendas
queabaixo annuncio, pois todas eu garanto
que sao muito novas e baratissimas.
Pecas de trancas de a'godo de to-
das as cores a....... 80
Duzias de linhas com 200 jardas, A-
lexandre, a..... 10100
Carrilel de qualquer numero 100
Varas de aspas para balo 80
Caixas com superior obreias a 40
Ditas de colla '........ 80
1 libra de 13a sortida.....4f$000
1 libra de 13a muito superior em co-
res e qualidade......7#000
Pares de botoes de punho a ... 120
Pares de sapatos de tranca 1#280
Ditos muito superiores, a 1^600
Caixas e pacotes de papel amisade de
cores a. ........ 600
Duzia de meias muito Gnas para se-
nhora a........3500
Duzia de ditas cruas para homem a 2*400
Baralhos muito finos para voltarete a 300
Carriteis de linha com 100 jardas a 30
Cartes de linha branca e de cores a 20
Novellos de linha com 400 jardas a 60
Ditos muito grandes com 800 jar-
das a .......120
Cartes de linha com 200 jardas (est
se acabando a...... 60
Vara de fita prela com colxetes para
vestido, e tem un resto parda a 100
EM SECi l \ IIO.
Objectos de tintara e msica.
Na rua do Qeimado, ns. 49 e 55, est
queimando tudo pelos precos abalxo decla-
rados, e prestem toda a aitengo para ver
oque bom ebarato.
Duzia de facas e garfos muito finos a 2#500
Dita dita dita de cabo preto muito
finas a.........3#200
Dita dita dita de balango. melhor, a ">o'J0O
Tesouras para costura, muito fi-
nas a .........400
Ditas ditas para unhas, muito finas a 400
Cartas de alfinetes de ferro a 80
Ditas ditos de lal3o muito finos a 40
Ditas de dito grandes.....120
Caixas de phophoros de pao 10
Grosa de ditos do gaz a 2#200
Duzia de dito dito a 200
Massos de palitos para dentes a 160
Abotoaduras para coletes a ... 160
Escovas para roupa.muito finas a 400,
500 e.........800
neji si:m \no.
PECHINCHA.
Perfumara de superior qualidade.
O rival sem secundo, rua do Qeimado,
ns. 49 e 55, est disposto a vender mais ba-
rato que nunca vendeu, para o que queiram
ver :
Duzia de saboneles Gnos a 720
Sabonete inglez. o melhor, a 160
Frascos com agua de Colonia muito
fina a......., 400
Ditos de dita grande a 500
Ditos de Lavande ambreado, o me-
lhor, a........ 500
Ditos de macar oleo muito bom a 100
Ditos perola muito superior a 2O0
Ditos de oleo de babosa a 240, 320.
400 e ..... ~. 500
Ditos de banha branca a 320
Dito de cheiro muito bonitos a 500
Ditos de banha, pequeo, muito fina
..........200
Ditos de opiata a 200 rs., e boa a 900
Ditos de banha japoneza a ; 800
Ditos de banha transparente a 720
Ditos de oleo filoconne a 800
BALIZA
A ttcnco ?
Posto que domine no cora-
Co do BALIZA a mais bem en-
tendida ambico de tirar de
seu negocio as melhores van-
tagens, com tudo elle n3o pro-
cura fazer fortuna vendendo
gato por lebre;
Quando nao se negocia aca-
nhadamente, est bem ao alcan-
ce de todos a facilidade de fa-
zer-se boas compras, para ven-
der-se barato.
Lelaiti todos.
Ao armazem do BALIZA po-
dem ser devolvidos quaesquer
gneros qne por ventura nao
sejam do contento dos senho-
res compradores. Nao fiea
resentimento algum em se tro-
car por outro, ou restituir-sc
o dinheiro recebido,
Manter a todo o custo o seu
crdito, e agradar aos seus a-
migos e freguezes, 6 todo o
desejo do proprietario deste
estabelecimento,
LEDE LEDEl LEDE!
Ricos vestidos brancos.
novos pelo
prega de 480 rs. o covado.
Bramante de linbo
Vendem-se os mais ricos vestidos de cam-
braia brancos, bordados a croch, sendo os
mais modernos que tem vindo ao mercado,
tendo as saias 4 pannos, e vendem-se pelos
baratos precos de 10$, 12$ e 16 : s na
loja doPavlo, raa da Imperatriz, n. 60, de de ps(os inte"a
Gama A Silva,
ADMIREM AS PECHNCHAS,
na loja do Pavao.
Ricos cortes de cambraia brancos com ba-
bados e duas saias bordadas crox, tendo
bastante fazenda para vestido, pelo baratis-
simo preco de 30 cada um; ditos de cam-
braia de seda com barras e babados, a
2)51500, para acabar; cortes de vestidos a
Maa Pia, sendo fazenda de bonito gosto, a.
30500; cortes de cambraia brancos com ba-
badinhos, a 24; enfeites para cabeca, sendo
Garibaldi e a turca, a 4; ditos, com fitas
e llores, a 20; camizinhas bordadas para
senhoras, a 10; manguitos de varios model-
los, a 400, 500 e 640 rs; calcinhas para
meninas, a 500 e 640 rs: gollinhas bor-
dadas, a 320 e a 500 rs.; sedas de qua-
drinho6, a 6i0 rs.; ditas de listas, a 400 rs.
A'o armazemde fazendas bara-
tas de Santos Coelho
Rua do Qeimado numero 19.
Vende-se o seguinte
Cobertas de chita
da India pelo barato prego de 25.
Lencfs
de panno de linho a 2.
Lences do bramante
de linho fino de am s panno pelo baratissimo
preco de 35-
Ricos vosliilinlios
de seda enfeitados para menino pelo baratissimo
preco de 4.
Ricas saias de fuslo
pelo barato preco de 55300-
Lencos decassa
brancos finos pelo baratissimo preco de 25 e 25400
a duzia.
Cortes de calca
de ganga amarella de lista c quadros fazenda su-
perior pelo baratissimo preco de 15200 o corte.
Pecas de madapolo
fino largo pelo baratissimo preco de 85.
Pecas de hretanha
de rolo com 10 varas propria para saias pelo ba-
rato preco de 35200 a peca.
Petas de cambraia
de salpicos fina com 8 1|2 varas pelo baratissimo
preco de 45.
Atoalhalho de linho
com 8 palmos de largara proprio para toalha de
mesa pelo barato preco de 25300 a vara.
Laaiinhas de quadro
baratissimo
RIVAL
SEM SEGUNDO.
Objeetos diversos.
Rua do Qeimado, ns 49 e 55, vende os
objectos abaixo declarados, pois para aca-
bar; estes precos nao sao para continuar,
mas as nesessidades assim o permitte.
Pares de luvas dealgodo finas a 80
Caivetes de aparar penas, de 1 fo-
Iha a ,........ 80
Ditos de 2 ditasa......160
Caixas de colxetes francezes a. 40
Duzia de dito francez a 360
Massos com grampos lisos e de cara-
col a .......... 40
Duzia de dedaes de metal em caixi-
nha de vidro.......320
Tinteiro de vidro com tinta superior
Sempre a frente de progresso,
Constante marcha o BALIZA,
Tem por norte o bem commum.
A verdade por divisa.
O II AIDE
DE
Eumcft
Largo do Lfvramento ns. 3 e 38 A
DeVonlc da grade da igueja
AO RESPEITAVEL PUBLICO
Senhores e senhoras
O incansavel proprietario do grande armazem do Baliza toma a liberdade de mandar
declarar do alto da imprensa pernambucana, que elle perfeitamente liberal em offerecer aos seus
benvolos freguezes as melhores qualidades dos mais bem escolhidos gneros, nao s do paiz como do
strangeiro a precos de contentar e satisfazer a todos. N
Fasendo to publico e espontaneo manifest, o referido BALIZA julga de seu rigoroso dever
declarar mui seria e pusitivamente nesla oportuuidade, que tambem o mais firme e dedicado conser-
vador de sua numerosa freguezia;
Da Jwa qualidade e Jbarateza dos gneros offerecidos aos seus freguezes, junta ao pequeo ga-
nho que tira para si, tem sabido fazer o BALIZA a mais perfeita liga de interesses recprocos, que a to-
das as consciencias deve por forca e necesariamente agradar.
Tendo por conveniente .tambem a publicaco do seguinte-aviso, o BALIZA faz saber nicamente
aquellas pessoas que sempre eatao promptas a compraran tudo, com tanto que se Ibes permita paga-
rem logo, que elle
NAO VENDE FIADO.
Os amigos da economa, aquelles que s compram os objectos de que carecem, e que gostam fi-
nalmente de omprogar bem o seu diaheiro venham a este estabelecimento.
IKIAM TODOS.
Do preco de qualquer genero annunciado a venda em outros cstabelecimenios, podem os senho-
res freguezes diminuir cinco por cento, e vir compra-lo ao Balota, que sendo, como todos sabem, o ho-
mem do movimento pre/ere ganhar muito pouco, com tanto que eeja por mulas vezes repetido.
O GALLO CANTA*
45-RUA DIREITA-45

2 5 2

Ditos de barro que serve para tin-
teiro a........
Grosas de botes de louca prateadoa
Pecas de tranca lisa encarnada a ,
Varas de bicos e rendas, para aca-
bar a .........
Varas de labyrinto de 3 dedos de
largura a.......
Ditas de pos para den tesa .
Pentes de tartaruga a 3(5000 e .
160
100
160
20
60
100
100
35500
pelo
com 10 palmos de largura fazenda superior
baratsimo preco de 25300 rs. a vara.
Pecas de cambraia
adamascada Gna com 20 varas para cortinado pelo
barate preco de 105 a pe?a.
Fil Uso
fino pt lo baratissimo preco de 680 rs. a vara.
Esleir da India
de 4, a e 6 palmos de largura propria para for-
ro de sila.
de; Di
Amori
Farinba de mandioca
em sac|cos grandes, e de superior qualida-
armazem de Tasso IrmSos, rua do
i, n.35.
Aos coeheiros.
Vendm-se encerados pretos e de cores para
forrar c*rros : no armawm do Tasso Irmos.
FAZENDAS
NA
Xova loja de Custodio, Carvalho
tfc Companhla.
S7RUA Q[ EIMAUO27
Cambraia
organdis para vestidos a 240 -rs. o covado.
MsIiflHi
fino proprio para camisas a preco de 85 a peca.
Cuberas
de panno de linho grandes a 25000.
Lentoes
de panno de linho grandes a 25.
Para mesa
pannos adamascados para mesa a 1*500.
Guardanapos
adamascados a 25 a duzia;
Tealhas
para mos pelo prego de 400 rs. cada uma.
Fosto branco
Sroprio para roupa de meninos pelo barato preco
e 320 rs. cada covado.
Entremeios
finos bordados pelo barato prego de 15300 a peca.
Babados
bordados de todas as larguras peca 25300.
Gritaba
bordadas a 610, 800 e 15-
Camisinbas
de cambraia para senhora a 25.
Bales
de arcos para senhoraa 35600.
Balesmadade polio
dar meninas a 25300.
Eia, rapasiada, corageml parece queja
entregastes os vossos joanetes aos duros sei-
xos do pessimo calcamento da nossa cidade 1
S se observa em vossos ps botinas acalca-
nhadas e gastas at ultima sola; sapates
rasgados e quasi sem saltos..:. nem tanto!
a quebradeira nao deve chegar at este pon-
to I Vinde rua Direita munir-vos de excel-
lente calcado com 40 e at 60 por cento
menos do seu valor___attendei:
Borzeguin6, Nantes, bezerroe va-
queta 2 e meia solas .... 80500
Borzeguins, Nantes, bezerro, va-
queta e lustre 2 solas. 84-000
Borzeguins, francez e hamburguez,
bezerro, lustre e couro de por-
co 70 e.......*. 60000
Sapates, Nantes, bezerro e vaque-
ta 2 e meia solas.....50500
Sapates, Nantes, vaqueta, lustre e
bezerro 2 solas......50000
Sapates, Nantes, sola e vira. 40000
Ditos para menina, com laco. 30500
Ditos de ditas, de cores. 20800
Sapa tos para senhora e homem,
tapete......... 800
Sapatos de borracha para senhora. 10400
dem idem para meninas. 10000
Sapatos de lustre para senhora. 10000
dem de lustre s avessas ... 500
173 _
o
as 3 -a
.-ce
S ce
O
-as"

3
co -u a. s
,-5
en
a a
s g. as -a "s 9.
*P*VI!l!

B.Sf**38'ifi r
<
-
I
5 S es.
llffti
o. S S"'- 9- 2"3 <" 3
gS.o 2.a Si
v a C ^
i & 1 1 i
' P W 3 3
Atteuco
Farlnha de mandioca.
Vcndc-se farinha de mandioca a melhor que exis-
te no mercado por ser de Santa Catharina, a bor-
do do patacho Frisa, entrado neste porto no dia
11 do correntc, por menos do qne em outro qual-
quer barco : a tratar a bordo ou na rua do Amo-
rim n. 43.
Assucar do Monteiro
Rua do Imperador n. 28 e caes de Apollo n.
67, a 200 rs. a libra, e de 8 libras para cima
a 50600 aarroba.
Aos senhores consummidores de gaz.
Nos armazens do caes do Ramos n. 18 e na rua
do Trapiche-Novo (no Recite) n. 8, se vende gaz
liquido americano primeira qualidade mais barato
do que em outra qualquer parte.
Las com
lar-
'om S palmos c
gura.
Cheguem a loja de Marcelino & C, rua
do Crespo n. o, para verem laas muito
finas, lisas e de quadros, gostos inteira-
mente novos, proprias para vestidos e ca-
pas e pregos muito commodos. Alm
disto existe um variavel sortimento de
fazendas finas e grossas 'procos razoa-
Cal de Lisboa a 4| o barril.
Vendem-se barrs de cal de Lisboa de superior
qualidade : no deposito da rua do Brum n. 66.
FOMTAWA.
Vende-se a milito superior farinha
de trigo nirea Pontana, chegada uiti-
mum-nte a este mercado, em barricas,
meias e quartos: no armazem de Joo
Quitino d'Agnilar& C-, no caes d'Apol-
lo n. 53.
\ende-se na praca da Independencia ns. 37 e
39, capcllas de aljfar para se botar no ceraiterio
publico no dia de tinados com as inscripcoes se-
Suintes :
linha mili.
Meu pai.
MeH esposo.
Minha esposa.
Meu fllho. -
Minha filha.
Uma lagrima.
Saudades, sempre vivas do apurado gosto desta
ainda nao vieram igual a este mercado._____
Rua da Senzalla Nova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a 110 rs., idemdeLow
Moor libra a 120 rs.
Nao possivel que o gallo, vendo entrar em .-ou
ninho objectos de elegante gosto, duixe de dar o
seu canto, annunciando aos seus freguezes, para
que niandem ou venham ver para querer, a saber:
Enfeites
Chegaram os riquissimos eofeltes c grinaldM de
llores, cousa muito delicada e to muito gosto, pois
s as senhoras poderao apreciar : s no vigilante,
rua do Crespo 11. 7.
Flores
Tambem ebegaram os delicados ramos de tor?s
matizados de lindas cures, que servem para qual-
quer enfeite : s no vigilante, rua do t'.respo n. 7.
Cintos
Tambem ehegaram os novos o delicados cinos
com fivella, guarnecida de pedrinhas e duas boris*
tinhas no centro, cousa de muito gosto : s no vi~
guante, rua do Crespo n. 7.
Itandeijas
Riquissinias bandeijas de eharo e mitras qotsV
dades de lindos desenhos, que se vendem por pie-
jos baratissimos para acabar : s no vigilante,
rua do Crespo, n. 7.
Pomada real
Tambem ehegaram os bonitos copos de por.'rt-
lana lina com banha c com lindos retratos, sendo
firivilegiada pela rainha de Hespanha : s no
ante, rua do Crespo n. 7.
Sabonrtrs de familia
Grande sortimento de sabonetes para lodos os
precos, de superiores qualidades, a 160, 00, iO,
280, 320, 400 e 500 rs.; assim como estojos eom
todos os preparos para limpar dentes pelo barato
prego de 35000 : s no vigilante, rua do Grase*
n. 7.
Deliradas tesonrinhas
Grande sortimento de tesourinhas, tanto para
unhas, como para costura; assim como muitos
outros objectos de gosto, que nao possivel annun-
ciar pela grande variedade de sortimentos, cujos
precos serio menos do que em outra qualquer
parte : s no vigilante, rua do Crespo n. 7.
Botica.
Muas inglezas de pobre-homem.
Pilulas do Dr. Alian.
Salsa parrilha de Bristol.
Remedios do Dr. Chable.
Pilulas americanas.
Remedios do Dr. Kemp.
Rob l'Affecteur.
Sortimento de papel para forro de salas c guar-
nieres : vende-se na botica e drogara de B. F. do
Souza A C, rua larga do Rosario n. 34.________
Aos Srs de en gen lio
No caes d'Apollo armazem n. 5o, de -
Jos Duarlc das Neres, acha-se ven-
da a mais superior farinha Fontana
sendo muilo recommendada as casas it
familia, as barriqoinhas de 3 arrobas
e de 48 libras eada uma._____________
Armaces douradas
para cortinados vende-se por preeo-muito barato,
tambem vende-se um sof, 2 cadeiras de balanco
estufada de molas c forradas de panno de couro,
modelo a Luiz XV : na rua da Ponte Yelha n. 8.
Farinha de mandioca
Vende-se farinha da mandioca da melhor e mais
nova que ha neste mercado, no escrintorio de Ha-
noel Ignacio de Oliveira 4 Filho largo do Corjo
Santo n. 10, ou abordo do palhabote Viamo, an-
corado no caes do barao do Livrtfnento, junto ao
patacho Rtqnlo.




Mario ilc Pernamhuco Terra >" ** Wtuhro de 183.

w
8
o
i
-8
m
"CSI
t
-
[UJ3
o
e
-o
t
o
Vi
o
o
<*
o
o
a
sa.
s>
t
a
i.
i
o
t
V
i
S
8

o

t
o
J
<
O
es
o
3
o
!
t
K
es
5
t
t
I
1
41
o
t
3
o
v-
3
t- s
5
a.
O
t
t
M
<> 9
s

o
o
V)
O
"t
O
fe
*
o
"t
*
-
c
o
t
O
o
fe
>>
o
I
4)
"t
4>
t
Vinhos em pipa: Porto Figueirt e Lisboa, a
4oo, 44o, 5oo e 56o rs. a garrafa, e em
caada a 2,56o, 2,8oo, 3,ooo, 3,5oo e
4,000 rs. do melbor.
dem lagrimas do Douro, especial vinho do
Porto mandado vir de conta propria a
io.oeo rs. a dozia e l.ooo rs. a garrafa.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado, das seguintes marcas: Duque do
Porto, Feitoria, Nctar, Velho Secco, ha-
misso, Madeira superior a 9,ooo rs. a cai-
xa c 1 ,ooo a garrafa.
dem Bordeaux das melhores marcas: St.
Juiien, Medoc, S. Esteph e outros a 7oo
rs. a garrafa, e 8,ooo rs. a caixa com urna
lata.
dem muscatel de Setubal verdadeiro a 2,ooo
rs. a garrafa e 22,ooo rs. a cafa.
Garrafoes com 5 garrafas de vinho do Por-
te do Alto douro a 2,2oo rs. com o gar-
rafa.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira
muito proprio para a nossa estacSo, por
ser- mais fresco a 2,4oo rs.
Vinhos velho chamisso em barril muito pro-
prio para sobremesa por ser muito claro
e maeio a 6oo rs. a garrafa e 4,5oo rs. a
caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero a 5oo rs. a garrafa e 3,8oo
re. a casada.
Garrafoes com 5 garrafas de vinagre de Lis-
boa a l,2oo rs.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo rs. a garrafa
e 4,4oo rs. a caada.
Velas de spermacet a 6oo, 64o e 68o rs. o
masso.
Mateiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de encommenda especial a 8oo rs.
a libra,
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
54o rs. e em barril a 5oo rs.
dem em potes' de 4 16 libras muito fina e
propria para doente a 8oo rs. a libra e o
pote separado.
Banha de porco a 54o rs. a libra, e em bar- j
ril se far abatimento. '
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
de l,6oo, i,8oo, 2,ooo e 2,5oo rs. cada
ura
dem londrinos os mais frescos que sepo-
dem desejar a 8oo rs. a libra.
Caf do Rio de ** e 21 qualidade de 8,ooo a
8,5oo rs. a arroba, c 28o a 3oo rs. a li-
bra.
Arroz caroliuo e do Maranho a 3,ooo rs. a
arroba s loo rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra e
em porgo ter abatimento.
Cakkthas de ameixas francezas de 1 1/2, 2
e 3 Ubras, elegantemente enfeitadas com
diversas, estampas no exterior da caixa a
l,3oo, l,5oo, 2,ooo, e 3,ooo rs.
Fructas em caldas das seguintes quididades:
aaeixa, ruaba Claudia, cerejas, pere,
ginja, peeego ealpech a Soors. a lata.
.MarmeladaniperiaJ dos melhores conservei-
ros de Lisboa a Ooo rs. a libra, e em la-
tas de 1 V e 2 libras.
Ameixas francezas em frascos de 1 1/2 e 3
libras del,4oo a S.ooots.; tambem ha em
latas de l,ooo e 3,ooo cada urna,
Cha huxim miudnho mandado vir de en-
commenda especial a 2,8oo rs. a libra,
garante-se a boa qualidade.
dem hysson o ais superior a 2,6oo rs. a
libra, afian^a-se ser igaal ao que regular-
mente se verte a 3, ooo e 3,2oo rs.
dem pretomuito fino a l,9oors. a libra.
dem mais baixo, e miudo proprio para ne-
gocio a f,6oo rs. a libra.
Presunto inglez para fiambre o mais fresco
que se pode desejar a 8oo rs. a libra.
Genebra de laranja a 9oo rs., a frasco.
Chouricas e paios, os mais frescos que se
pode desejar, a 5oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa
e lo,5oo a caixa.
Ricas caixinhas com confeiles e frutas seccas
muito proprias para mimos pelo baratissi-
mo preco de l,ooo rs. cada urna,
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
8oo rs. o frasco.
Licores francezes das seguintes marcas: A-
nizete de Bordeaux, Plaisir des dames, e
outros a l,ooo rs. a garrafa e lo.ooo a
caixa.
Passas muito novas a 6,ooo rs. a caixa e
36e rs. a libra, ha caixas, meias e quartos.
Bolachinha ingleza a mais nova que se pode
desejar a 2,5oo rs. a barrica, e 24o rs.
a libra.
Azeite francez clarificado a 8oo rs. a garrafa
e 9,ooo a duzia.
Conservas inglezas dos melhores fabricantes
Mixed e Pickles, ceblas simples, e outras
a 8oo rs. o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes muito
nova a 4oo rs. o pote.
Mlhos inglezes de todas as qualidades e das
melhores marcas a 5oo rs. cada urna gar-
rafinha.
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de doce, mateiga
ou outro qualquer liquido de 1 ,ooo a 3,ooo
rs. cada um.
Palitos do gaz, a 2o rs. a caixinba e 2,3oo rs.
a grosa.
Milho alpista a 160 rs. a libra.
Mtlho painco a 140 rs. a libra.
Gomma para engommar muito fina e alva a
80 rs. a libra a 2,300 rs. a arroba.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Sabao verdadeiro hespanhol que raras vezes
vem ao nosso mercado a 300 rs. a libra,
e em caixa ter abatemento.
Sabao massa de 180, 200, 220 240, rs. a
libra do melhor.
Graixas em latas muito nova a 120 rs. a lata
e 1,300 rs. a duzia.
Peixe em latas muito novo : savel, pescada,
curvin, salmo e outras qualidades prepa-
rados de escabexe, segundo a arte de cozi-
nha de 1,400 a 2,ooo rs. a lata.
Genebra deHollanda em botijas de conta a
440 rs. cada urna.
Papel greve pautado e liso a 3,500 rs. a res-
ma.
MQLHADOS
Azeite doce de Lisboa muito fino em barril a
6*0 rs. a garafa, e em porcao ter abati-
mento.
Champagne das mais acreditadas marcas a
l,ooors. agarrafa e lo.ooo rs. o gigo
com urna duzia.
Doce da casca da goiaba a 4oo, 5oo, 6oo,
7oo, 8oo, e l,ooo rs., o caixo grande.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez, e
suisso, das melhores qualidades a Ooo rs.
a libra.
Velas de carnauba e composicao a 32o, 36o.
e 4oors., libra, ede lo.ooo a U,ooors.
a arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa a l,ooo
re. aancoreta, e l,5oo a de Lisboa, estas
ultimas raras vezes vem ao nosso mercado
pela sua boa qualidade.
Massas para sopa macarro talkarim e aietria
multa nova a 48o rs. a libra.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Babia a 4,ooo, 3,5oo, 3,ooo e2,5oore. a
caixa.
Serveja das melhores marcas a 5,ooo re. a
7,ooo rs. a duzia.
Biscoitos inglezes das seguintes marcas:
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travellies
Lunch, Cobin, eoutras a l,2oo re. a lata.
Bolachinha de soda especial encommenda a
l,8oo rs. a lata.
Iem Craknel em latas de 5, 7 e*15 libras a
4,ooo, 5.5oo, e 11,ooo re. a lata.
Massa de tomate cm latas de 6oo a 7oo rs.
cada urna.
Sardinha de Nantes a 36o rs. a lata.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijoflo de limpar facas a 16o rs. cada um.
Ceblas a 9oo rs., o molho.
Farinha de Maranho muito alva e ebeiroza
a 14o rs. a libra.
Pimenta a 36o rs. a libra.
Cominho, cravo, erva doce, enxofre, palitos
de dentes em caixinhas que tudo vende-
mos por baratissimo preco.
Ricas caixinhas com confeites e fructas sec-
cas muito proprios para mimos pelo bara-
tissimo preco de l.oo rs. cada urna.
Baraiissimas baudcljas.
A aguia branca por muitas vezes tem da-
do a conhecer que quando acha alguma pe-
chincha, nao quer somente com ella encher
o papo, ao contrario deseja que toda sua boa
freguezia e o publico em geral pro vem da
mesma, o que agora mesmo acontece com
essas; baratissimas bandeijas, cuja limitado
de precos admira, em relaco aostamanhose
qualidades: avista do que convm todos a-
proveitarem-se dessa opportuna occasio e
proverem-se d'um traste sempre necessario,
e que lhes custar quasi melado do justo va-
lor. Assim, pois, dirigirem-se com dinhei-
ro alegre e espacosa loja d'aguia branca
ra do Queimado n. 8.
Os afamados copos com banha. e
boldes com Inscrlpcoes.
Cuegaram novamente para a aguia branca
esses afamados e estimados copos com banha'
fina; assim como os bonitos boics de por-
cellana dourada tambem com banha, e novas
inscrip^es maviosas e jocoserias, mui ade-
quado para presentes resta porcm que os apre-,
dadores concorram, munidos de dinheiro,
atagre e espacosa loja d'aguia branca ra do'
Queimado n. 8.
Craxa econmica.
A aguia branca acaba de receber cssa acredita-
da graxa econmica, cuja superioridado est ge-
ralmente reconhecida ; cssa boa graxa se torna
recommendada, tanto porque o calcado lustrado
com ella deixa pcrfclamcnte lustroso ao menos
tres dias sem necessidade de novo unto, como
mesmo porque sua preparaco appropriada para
amaciar e conservar o couro ; ella vem em caixi-
nhas e barrzinhos, e aoha-se venda na ra do
Queimado n. 8, loja d'aguia branca, aos rezumidos
procos de 'iOO, 500 e 6i0 rs.
TERCOS
e cordas de cornalina.
A aguia branca (tensando constantemente em |
bem servir a toda a sua freguezia, notou que ainda!
nao havia feito algum agrado a aquellos que pru-
dente e acertadamente rosando, cumprem dever de
bora ebristao, e (|uando reparou essa sua falta,
mandn vir e acaba de receber delicados tercos c
coreas de cornalina com cruz de prata, os quaes
deixa disposicao dos fiis que estiverem dispostos ;
a gastar l500',4$e 3,5 para possuirem um bonito
terco ou corda, com os quaes podem mesmo pedir a
Deus pela prospciidade d'aguia branca, em seuale-
gre e espacoso ninho da ra do Queimado n. 8.
Itahuzlnhos com perfumarlas e
sem ellas.
A aguia branca vende bonitos bahuzinhos com 6
rainhos decbeinis por 13500 e vasios por 800
serviuJo estes para meninas, e mesmo para
, etc., ele. : na ra branca n. 8.
\ para cabecas.
guando o bello sexo senta a falta de bons
eufeites para cabeca, eis que a aguia branca
recabe urna sua encommenda de bonitos e
delicados enfeites, e de modernissima moda,
muito servindo isso para sanar aqueHa falta,
e fazer com que as Exmas. apreciadoras da
itdla empreza Coimbra possam melhor real-
sar e mostrarem o apurado goslo que as
guia. Esses enfeites sao d'um tecido bas-
tante fino com continhas d'aco, e mui bem
enfeitados com flores, fitas, bicos, plumas
etc., entretanto que sendo obra de muito
gosto custam 5$, 60 e 75 dinheiro vista;
na espacosa e alegre loja d'aguia branca ra
do Queimado n. 8.
Albuns com pe-fumarias.
Muitas vezes aconteca que se procurando urna
bella galantaria para se offertar a urna senhora ou
menina em scus aniversarios, _on mesmo na
amarrado das mestras destas, se nao achava cousa
que salislizesse, agora, porm, i nao deve succe-
der assim porque na loja d'aguia branca encontra-
ra o pretendente bellos objectos para esse llm, so-
bre-sahindo entre eHes esses bonitos albuns com
perfumaras, cujo gosto e novidade lhes da a pri-
mazia. A aguia branca folgara de contento se
essas otfertas rccaliirem sempre em suas predilec-
tas freguezas, e quando assim nao soja, nao faz
mal, porque a mimoseada reparando na smpilan-
dade do objecto, querer desde togo alistar-se no
numero daquellas. Em todo ocaso havendo di-
nheiro. dirijani-se rua do Queimado, loja d aguia
branca n. 8, que tudo se arranjar. .
Chegaram luyas de pellica para a luja a-
guia branca, ra do Queimado n. 8.
Novas cintas elsticas pera senhoras
casaaa*.
A reconhecida utilidae dessas ness3rias cin-
ta elsticas fez com qne em breve se acabnssem
as que vieram da primeira vez, deixamlo assim
descontentes muitas senhoras que se nao poderam
Srorcr dellas, vista do que a aguia branca man-
ou-busear mais algumas, que acabam da chegar,
ainda mais perfeitavqne as primeiras, issopor se-
rom menores; agora, pois, podem as senhoras ca-
sada- prevenirem-se, roaadando-as comprar na
loja d'arnia branc, rw o Queimado n. 8. se a
aguia branca precisasse de semelhante obra e
ceno de Pentes de concha.
Com as novas e diversas guarnices de
pentes que a Aguia Branca acaba de rece-,
ber, veio tambem urna pequea qualidade
de pentes de concha que com graca e acer-
tadamente servem para o moderno atado dos
cabellos. Ellesso de bonitos e agradaveis
moldes, edetainanho pequenino como con-'
vem para o fim que sao. E' esta a primei-.
ra vez que d'elles aqui cliegam, por isso
que a moda novissima, pelo que ganha-
rio a palma aquellas senhoras que primei-
yo se apresentarem com elles, para o que.
os mandarSo comprar na loja d'Aguia Bran- I
ca, ra do Queimado, n. 8.
Phosphoros higinicos
E DE SEGITRANCA.
Esses phosphoros hygienlcos e'de seguranca, sao,
indubitavelmente os melhores que at agora tem;
apparecido, por cuja superioridade tanto se tem
feito conhecidos e recommendados. Elles mereci-
damente ganharam a preferencia a todos os outros |
pelas vantajosas razos de que nao deitam aquello
prejudicial e niao cheiro que costumam deixar |
quas todos os outros, e mesmo pela seguranca de
que cstam isemptos de incendiar pois que em
nenhuma outra parte fazem fogo a nao ser no es-
pecial papel, que vem pregado na caixa, onde tam-
bem nenhum falha cm qualquer que soja a csta-
cao; e alm de todas essas boas qualidades occor-
re mais a da barateza porque as caixas cm 400
phosphoros custam apenas 240, o que nao ha com-,
paraco para com qualquer das outras qualida-
des. Assim pois, convm o uso delles, todos os
estabeleeimentos, scriptorios, cartorios, reparti-
eses, casas particulares, etc., etc. Acham-se
venda na ra do Queimado loja d'Aguia Branca
n. 8. Quein comprar porcao ter um abatimento
rasoavel.
Encommeudas d'aguia branca recebi-
das pelo ultimo vapor.
Ricos pentes de tartaruga com chapa de madre-
perola.
Bonitos lcques de madrcpcrola.
Delicadas caetas de dita.
Lindos chapeozinhos de setim para baptisados.
Bicos de seda brancos c prctos.
Bonitas caixinhas com msicas e sem ellas para
costura.
Trancelinsdc laa para enfeites.
Fitas de seda estreitas para ditos.
Ditas de velludo com listras para barras de ves
tidos.
Aspas de balea para vestidos.
Ditas de ac para espartilhos.
Bandees de dina.
Puiseiras de contas para meninas.
laos para abrir luvas e port-cbarutos.
Essencia de ail para engomraados.
Pos hygienicos de Lubin para dentes.
Leite virginal para tirar sardas.
Dito d'ircs para extinguir as caspas.
Vinagre aromtico para vertigens, dores de ca-
beca, etc.
Cosmetque surline para cabellos.
Pomada para bigode.
Honda do fil, lisa.
Amostras de agiilhas Inglezas.
A aguia branca acaba de receber por amostra
urna pequea quantidade de carteirasde molde nao
commum com agulhas inglezas de urna admiravel
superioridade. As carteiras trazem accommoda-
daniente quatro papis de agulhas sortidas
KOI PI FEIT1
NO
fftHAlll
DE
UBTREXRO VE)E.
Neste estabelecimento ba sempre um sormeato completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concur-
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
homens e meninos.
Casacas de panno preto, 35 e 30)5000 Colletes de fusto e brim bran-
Sobrecasacas idem, 300 e 250000 co, 30500, 30 e .
Paletos idem e de cores, 250, Seroulas de brim de linho,
200, 15#e......400000, 20400 e......
Ditos decasemira, 200, IS#,%" DiUs de algodo, 40600 e. .
120, 400 e.....*-. 70000, Camisas de peitos de linho,
RA DO QUEIMADO N. 46
"TO
k r
70,

30500
30KX
40000,
Ditos de alpaca, 50 e. .
Ditos ditos pretos, 90,
50 e........
Ditos de brim e ganga de co-
res, 40500, 40, 30500 e. .
Ditos branco de linho, 60, 50 e
Ditos de merino preto de cor-
do, 400, 70 e 50000
Calcas de casemira preta, 420,
400, 80 e......70000
Ditas de cores, 90, 80 e. 70000
Ditas de meia casemira de co-
res, 50500 e.....40000
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 50, 40500 e
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40500, 40 e .
Ditas de ganga de cores,
30500, 30 e.....
Colletes de velludo preto e do
cores, 90 e......
Ditos de casemira preta, 50 e
Ditos de ditas de cores 50
40 e........
Ditos de setim preto. .
Ditos de ditos e seda branco,
60 e.......
Ditos de gorgur3o de soda
pretos e de cores, 60, 50 e
50, 40, 30 e.....
Ditas de madapolo, 30,
20500, 20 e.....
Chapeos de massa, pretos fran-
20500
20000
40400
20500
40600
80500
20000
40000
20500
20500
640
60000
40280
cezes, 400, 90 e. .
Ditos defltro, 50, 40,30500 e
Ditos de sol, de seda, 420,
lt#, 70 e......40500
Collarinhos de linho flno, ulti-
ma moda.......
Sortimento completo de grava-
tas.
Toalhas para rosto, duzia, 440,
90 e.........
Atoalhado adamascado de li-
nho vara......
Ghapos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....40000
Lences de linho.....30000
Gobertas de chita chineza.. 20000
70000 Pennas d'aco, as mais superio-
40000' res, a grosa...... 600
j Relogios de ouro orizontaes,
30500 900, 800 e......700000
50000 Ditos de prata, galvanizado,
patentes e orisontaes, 400 e
Obras de ouro, adercos, meios
aderecos, pulceiras, rozetas,
aneis e cruzes.
50000
40000
300000
DE
FAZEMDAS E KOI IMS FEITiS.
Sortimento completo de sobrecasacos de panno a 250, 280, 300 e 350, casacas
muito bem feitas a 250, 280, 300 e 350, paletots acasacados de panno preto de 460 aO
250, ditos de casemira de cor a 450, 480 e 200, paletots saceos de panno e caae-
mira de 80 at 440, ditos saceos de alpaca, merino e la de 40 at 60, sobre de alpaca f
merino de 70 at 400, calcas pretas de casemira de 80 at 440, ditas de cor de 70 ate
450, roupas para menino de todos os tamanhos, grande sortimento de roupas de bran.
como sejamcalcas, paletots e colletes, sortimento de colletes pretos de metim, casemira
' e velludo de 40 a 90, ditos para casamento a 50 e 60, paletots brancos de bramante a 40
e 50, calcas brancas muito finas a 50, e um grande sortimento de fazendas finas e nvxler-
. as, completo sortimento de casemiras inglezas para homem, menino e senhora, ceronlas
de linho e algodo, chapeos de sol de seda, luvas de seda e de Jouvin para homem e e-
nhora. Temos urna grande fabrica de alfaiate, onde recebemos encommendas de graneas
obras, que para uso est sendo administrada por um hbil mesire de sc-melhante arte e ora
pessoal de mais de cincoenta obreiros escollados, por tanto \ecutamos qualquer obra con>
promptido e mais barata do que em outra qualquer casa.
ESTABELECIMENTO COMMERCIAL
DE
;CALDER4Rh E FUMIGO DE METAES,
Hito na rna lo Brnm n. 40 junto
a fnndlco do Hr. itomiiam. perteneente a
villaea Irmio tV C.
Neste estabelecimento encontrarlo os freguezes um completo sortimento
de tudo que diz respeito as artes de caldereiro, fttmkiro, lahmro, ftrreiro e
fwutif&o, e os abaixo asssignados que o dirigem, promettem servir a todas as
pessas que se dignarem de os procurar, com promptido, sineeridade e pre-
cos muito rasoaveis. O dito estabelecimento estando montado em ponto
grande, tanto no que diz respeito a pessoal, como em materia prima, e tendo
habis officiaes, pode executar com toda a perfeico e seguranca qualquer
obra tendente as artes cima mencionadas e affoitamente pdem os abai\o as-
signados assegurar ao publico que nenhum outro estabelecimento lhe pd-
fornecer mais barato e mais perfeito do que elles, visto que recebem de sua
propria encommenda todas as materias empregadas em ditas obras.
Alambiques simples e continuos de to-. Sinos de 46 libras 8 arrobas.
dos os tamanhos e dimences. Parafuzos de bronze e ferro para rrv
Macbinas de cobre para destilar e res- das d'agua.
tilar espirito at 40 graos pelos sys-1 Torneiras de bronze e bronzes para
em
FITNIH^AO DO BOWMAW-Rl % I>0
ii m *. 38.
Este muito acreditado estabelecimento est prvido de um completo sortimento de
grossuras, e estas na verdade sao de qualidade am- machjnismos proprios do fabrico de assucar, a saber:
da nao vista aqu, o que e fcil deconheccr-se pelo l9.hinai. ap wnnrp* as mais mn seu bom acabamento, pois que sao perfeitamente Wacninas Qe vapores as mais moaernas e mais tcreuiuiiM!.
polidas, pontas mui agudas ebem tiradas, e fundos Rodas dagua de ferro com seus pertences.
ovaes. Custa cada carteira t, oque de certopa- Moendas e metas moendas de todos os tamanhos.
rece caro, mas que apreciada a boa qualidade del- Rodas dentadas angulares e de espora. "
las, s teo a lamentar o nao vir mais dellas. ..". *
Tambem veio igualmente caixinhas com alflnetes Tatxas de ferro Datiflo e coaao.
dourados, e outros brancos, os quaes se vendem a Boceas de fornalha pelo novo systema Wetson.
2iO rs., 320,500,640 cij> a caixinha, tudo isso Alambiques de ferro fundido.
na ra do Queimado, loja d'aguia branca n. 8. | pomos para cozer farinha.
Bolsas para vlagens. Moinhos para moer mandioca.
Yendem-se na ra do Queimado, loja d'Aguia ^^ americanos, etc. etc.
Branca n. 8.
volt pretas
A MARA PA.
A Aguia Branca receben as desejadas
pretas, mui compridas e gradas.
Haravllha das bellas, no vos e
delicados enfeites para ves-
tidos.
aprasivel a aguia branca o ter de avisar a
sua boa frejmeiia, que acaba de receber pelo pa- j
quetc francez um bello sortimento de enfeites de
.seda denominado maravilha das bellas, os quaes
servara tanto para vestido de senhora como para'
roupinhas de enancas. Seus novssimos e delica-'
dos desenhos, suas escomidas e bem acertadas co-
res fzm um todo agradavcl aosolhos de qualquer
vvente que saiba apreciar o bom. Assim, pois, a
duvida est em haver dinheiro, havendo-o, diri-
jam-se sem susto ao espacoso e alegre niaho de
aguia branca, ra do Queimado n. 8, que acharao
as verdades cima ditas.
engenho.
Eionamentos de cobre e chumbo de
todas as grossuras.
Bombas para cacimbas, aspirantes e
de repucho.
voltas
Cal de Lisboa e potassa da
Rnssla.
Vende-se na ra daCadeia do Recifen. 26, para
onde se mudou o antigo e acreditado deposito da
mesma rna n. 12, arabos os gneros sao hotos e
legtimos, e se vendem a preco mais barato do que
outra Qualquer parte. ________
Cal de
a mais nova do mercado
19, prineiro andar.
Usbna
: na ra do Vigario n.
\\\)\., oi.i;()....rii;\io... i;\c\i M \o
XAROPE DE RBANO IODADO
Segundo os UesUdM dos medico dos hospiUes de Paeii, consignados no Propecio, e a JPP^ac*
de ranos Acodemieo, este Xirope empre-se com omalor successo, em lugsrdo OLEO DI FIOAIJU ok
BACALHAO, o qul rile realmente superior. Cura as molestias de pello, as escrofuta, o ljmpnatlsmo,
pillidex e mottea das carnes, as perdai d* mmetlte, e regenera a constltuiclo purlflcando o aangue. Em
mama 4 o mal poderoso depurativo conNeld. Ee nunca canc* o estomago ou os intestinos como o
loduro de potassium e o loduro de ferro; e admlnistra-se com a malor efflcacidade <>*,n08.8Ui*li'2'
aos humores ou ao entuplmento das glndulas. O Daatar Cameastvc. hospital de aap' Lun de nm.
o recommenda d'um modo Intetramente partlcnlar nai mslesUas da pelle, conJuncUmente oom ai plluias
qUDepolto gerajTem Pni, en casa de MM. Criaurais e C, pbarraaceutlcos, 7, rea de la Feulllade;
ean Krtoa, en casa de Rotlrla. a. c*at-Cralsi; no Porto, en casa de Mlaaal Ma de -
rerrelr. em o iio-dTj^r^STi^^ a d SMo, 11; eniBh, en ca. ds
saa-CMS..* rmeira4.atakCi, em 6io-Gra*de, en casa de laa^.la e *!; "L*1^:
Mo, en casa de rerratraaC-V niiiioiia, Slswiaa a O, roa da Cru, Mj Sassaa, ens princlpae
pharmaclas do Brasil. ______ .
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22 em casa de Caros & Barboza
Vende-se tinta superior para ailar roupa a
3000 cada garrafa, o U as meias garrafas : na
ra Vclba n. 93. Com urna garrafa urna familia
aila roupa um anno intoiro.
novaj: na ra do Vigario n. 19, lapTO andar, ,'t no seu es<
MDTJLADOl
A 40SO6 o sacro
de superior farinha de Santa Catharina ou do Por-
to-Aletre : veade-se a bordo do patacho Beguto,
em por^o ou a retalho : trata-se com o capitao a
ou com Antonio Luiz de Oliveira Azcvedo
no sea escriptorio, ra da Cruz n. i.
Vinho puro.
No escriptoro de Eutebio Raphaol Rabello, na
ra da Cadeia n. 55, vendem-se ancoretas com ex-
cellente e puro vinho tinto de Lisboa, somonte des-
! tinado para gasto de casas particulares por ser re-
mettido pelo proprio fazendeiro ou larrador.
Vende-se
um sanctuario de Jacaranda : na ra da impera-
tmlojademarcuisiron.l.
temas de Logier e Derosne.
Carapucas e serpentinas de cobre, e
estando, avulsas.
Taixas e tachos de cobre para engenho
e refinac3o.
Paroes de cobre e todos os cobres ne- Bombas* para destilaces.
cessarios para o fabrico do assucar. Ditas para regar jardins, hurtas r
Cobres para rodas de moer mandioca. capim.
Machinas econmicas para lavar roupa Ditas para navios e barracas de varias
o melhor possivel. I qualidades e dimences.
Cobre em lenco! e arrodellas, estando era barrinha, chambo em
lencol e canos de todas as grossuras.
YiUaca Irmo dr C.
barra,
iiviiiVo
DE
DE
FRANCISCO ANTONIO CORREIA CARDOSO,
Rna do Bruna, X. 89.
Acda-se novamente aberto este antigo e proveitoso estabelecimento,
executar quaesquer encommendas de ferro fundido, batido ou de bronw,
engenhos, com vaporea ou sem elles. ludo com a maior promplido, perfeico e csa-
modo preco ; tem varias obras promptas da melhor e mais solida constrocc3o as
dem ser vendidas por metade de seo valor, como sejam:
Moendas inteiras e meias ditas de varios tamanhos, para engenhos.
Portas d'aguas guarnecidas de bronze com parafuzo de rosca quadrada.
Rodas de espora, carretas e rodelas angulares.
Parafusos e cavilhoes de ferro ou de bronze, rosca quadrada ou singela.
Agulhoes fundidos de azas e batidos para rodas d'agua e ebumaceiras coa
Bronzes e torneiras de todos os tamanhos e qualidades.
Taxase fundos de alambique, de ferro fundido, de varios tamanhos.
Cnvose portas de fornalha de varios tamanhos e qualidades.
Urna machina de destillacao continua do autorColiare.
Fogoes americanos econmicos para casa de pequea familia.
Fornos de fazer farinha.
Tubos de chumbo de todas as grossuras.
Cobre em arrobas e folhas. dito, dito.
Folha de Flandres em caixas, bom sortimento.
Chumbo em lencol e em rolos de diversas grossuras.
E urna grande porc5o de pecas de obras tanto de ferro fundido como bando m de
bronae que seria enfadonho descreve
JMTa. pois, o proprieUrio des te estabelecimento que o publico sempro
toda sua confianfa e atteocao.e


Ma

r
GRANDE ARMAZEM
m
Diario de PcrnanftfciKO Terf letra G U 4Mitfcr le iS.
N. M, Ra DAS CRIBES N i6
GRANDE ARMAZEM DE MOLHADOS
DE
Eduardo Margues de Oliveira C.

balrro de
DO
auto
Antonio.
0 proprietario do muito acreditado armazem denominado Progressista tendo
sempre em vista fazer todo o que for possivel para bem servir aos seas freguezes, tem
deliberado vender os seos j bem conhecidos gneros de primeira qualidade pelos precos
abaixo mencionados, e affianca s pessoas que mandarem comprar por seus criados ou
escravos, serem to bem servidas como vindopessoalmente; encarrega-se de aviar qualquer
eneonwenda, ainda mesmo contendo objectos nao proprios deste estabelecimento. O
mesa pede aos senhores que mandarem comprar neste armazem o favor de mandarem
devoher qualquer objecto que n3o agradar, devendo os mesmos senbores ter toda attfen-
c3o co os seos portadores, fazendo-Ihes ver que s no armazem Progressista da ra das
r.ruios n. 36, que se vendem os melhores gneros por mais barato preco, porque estes
mattas vezes olvidam-se e vio otra parte onde os servem de maneira a desagradar este
'stabeleciraeato.
TODOS
os
1 %lOH!H
se recebem gneros de conta
propria e dos melhores esta-
belecimento da Europa, ga->
rante-se todo e qualquer ge-
nero comprado neste
FSTABKLEOMEMO,

COMPLETO;
SOUTIMKNW DE HflUUftt.
vende*se.em porclo e a.reta-
lho, aprornpta-se com, toda a
presteza e exactidao qualquer
encommenda dirigida a este
ESTABLECIMEPrffl.
o
i-

s
a
I
-3

I 5
35
O.
3'
i
2
9
Os proprietarios do muito acreditado armazem Progresso fazera sciente ao.respeitor
vel publico e cora especialidade aos seus amigos e freguezes que tem resolvidorosumiros
Amendoasa 320 rs. a libra
Avelles a 2oo rs. a libra.
Ameixas alja libra.
Ditas ern. frasco por 2*800.
Arroz pilado da India loo rs. a libra e 3ooo
a. arroba.
Vinho superior da Figueira e Lisboa, a 400,
440, 480 e 300 rs. a garrafa, e a 2,500,
2,700, 3,000 e 3,400 rs. a caada.
dem engarrafado, das seguintes marcas du-
que do Porto, Feitoria, Nctar, velhosecco,
(irwaisso, e Madeira superior a 8,500 rs. a
dazia e 800 rs. a garrafa.
Idea Bordeaux de diversas marca9 a 640 rs.
Dito dito doMaranhao 120ts. a libra e 30500
a arroba.
Mustarda preparada, muito nova a 360 rs. o Pre*s dos ^acreditados gneros, como abaixo veraonSo obstante os presos menciona- \ Azeite doce francez 800 rs. agarrafa.
pote. dos a vista da qualidade dos generse que se prova quaato se desoja, servir satisfatoria-! !l12 1 L!sbo,a 68 rs- a garrafa*
Agurdente de canna de caneca a 240. e 320
Palitos do gaz a 200 rs. a dozia de caixinhas mente aos nossos.fregueiesadvertindo-lhes que mandem seus portadores que serlo, to
p 2 f'Of) rs rrnsi
bem servidos como se viessem pessoalmente, isto s.ne Pregraswh
Dilas hygienicas e de seguranca a240rs. a
duzia.
Alpiste muito mpo a 160 rs. a libra,
agarrafae7,o00rs.acaixacoml2garrafas. Gomma de engommar a 80 rs. a libra, e
2,200 rs. a arroba.
Sag muito novo e alvo a 240 rs. a libra.
Garrafes cora 5 garrafas de vinho do Porto, Sabio hespanhol, a 280 rs. a libra.
Lisboa eFigueira aa
rs. como garraflo.
dem Moscatel deSetubala 1,700rs.agar-
rafa, e 18,000 rs. a duzia.
Lisboa e Figueira a 2,100, 2,200 e 2,300' Ilam ,
,-c nnm,,.nn tem massa a 180, 200 e 220 rs. a libra.
dem branco muito superior a .!00 rs. a garra-
Peixe em latas, savel, pescada, e corvina a
i.OOOrs. a lata.
fa ^3,500 rs. a caada.
Garralescom5garrafasdevinagreal,loors.jGef^sde Hollanda era butijasde contaa
}niS$3f?* ,'400rs-aca-***r* ******liS03*-*>
b esma.
Velas.fle spermacete superiores a 580 c 640 *,l
rs. o maco. Az 5lle doce de LlsDoa a 600 rs. a garrafa.
1 dualidad a ann p< Chompanhe das mais a creditadas n
rs- HO.OOO rs. ogigo e 1,0^0 a garrafa.
Manteiga ingleza de l.1
a libra.
dem de 2.a dita, a 700 rs. a libra.
dem de 3\ dita a 600 rs. a libra.
dem franceza. a melhor do mercado a 540 rs.
e em barril a 500 rs. a libra.
dem ern latas com 2 /i libra s a 1,400 rs. a lata.
Banha de pono refinada a 500 rs. a libra.
Queqos flamengos chegados ltimamente a
2,000 rs.
dem ptyto o melhor que ha ncsteygenero a
700 rs. a libra.
Arroz Carolino e do Maranhao a 2,800 rs. ar-
roba e 100 rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 280 rs. a libra.
Doce de goiaba de 400 a 800 rs. a caixa.
I
Chocolate portuguez, francez, hespenhol
uisso de 800 a 1,200 rs. a libra.
Ve as de carnauba e de composico a 320 e
60 rs. a libra e 9,300 e 10,000rs. a ar-
roba.
Massas para sopa
400 rs. a libra.
macarrlo e talbarim a
Charutos dos melhores fabricantes da Ba-
bia 3,800 3,400, 3,000 e 2,400 rs. a
cjaixa.
Cerjveja das melhores marcas de 5,000 a
6,000 rs. a dozia.
Biscoitos inglezes de todas as marcas a 1,200
rs. a lata.
Caixinhas com ameixas francezas, de diversos Bolnixinhas de soda em latas grandes a 2 000
lmannos al, 200,1,400, l,800c2,100rs. e 1,800 rs. cada lata,
cada urna. I
I Massa de tomates em latas de I libra a 560
Frutas em calda, ameixas, rainha Oladia, pe-
vgos e alpech a 480 rs.
Marmeladade todos os conserveiros de Lisboa
a 600 rs. a libra.
Ameixas em latas de 1 '* e 3 libras a 1.200
e 2,400 rs. a lata e 900 rs. a libra.
Cii huxim o melhor que possivel encontrar
neste genero a 2,700 rs. a libra.
superior a 2,5oo rs. a
dem hys-son muito
libra.
dem miudinho a 2,700 rs. a libra
dem preto de qualidade muito fina a 1,800 rs.
dem mais inferiora 1,500 rs. a libra.
Genebra de laranja a 900 rs. o frasco e 500
rs. os frascos pequeos.
640 rs.
SarJinhas de
rs.a lata.
Nantes muito novas a 340
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
I
Tijllo para areiar facas a 140 rs. cada um.
Farinha de Maranhao a 140rs. a libra.
Piojenta da India a 340 rs. a libra.
Erva-doce a 320 rs. a libra.
Palitos para meza a 160 rs. o maco.
Verjdadeira farinha de arar uta a 500 rs. a
libra.
Frascos com ameixas francezas a 1,400 rs.
cada um.
Presuntos do Porto a 5oo rs. a libra.
Chouricose paios os mais novos que ha no, Batatas muito novas em gigos com 38 libras
mercado a 500 rs. a libra. por l,5oo rs.
Cognac inglez a9oo rs. a garrafa. (Canella da India a l.loo rs. a libra.
Marrasquino de Zara a 7oo rs. o frasco e, Cominho a 64o rs. a libra.
8,ooo rs. a duzia. i t.-L,-.- An. u -.
' Azeitonas de Lisboa muito novas a l,6oo rs.
Licores francezes, annizete, plaisir des da-;
mes, etc., etc. a8oo rs. a garrafa e8,5oo Estrelinha e rodinha para sopa a 6oo rs. a
rs. a duzia.
Passaa as melhores
rs. a libra.
libra.
que se encontram a 360 Legumes seceos para sopa a 4oo rs. o maco.
j Breu louro a 3oo rs. a libra e 8,ooo rs. a
Biilachinhas inglezas muito novas a 24o rs. I arroba.
lib ra, e 3,5oo rs. a barrica.
Azoto refinado a 8oo rs. a garrafa.
Papel pautado e Uso almaco e de peso de
3,ooo, a 4,000 rs. a resma.
Manteiga ingleza perfeitamente flor chegad*
no ultimo vapor a 8o rs. a libra.
dem de 2.* qualidade a 76o rs. a libra.
dem de 3.a dita a 64o rs. a libra.
dem para tempero a 32o e 4oo rs, a libra.
Manteiga franceza a mais nova que ha no mer-
cado a 58o rs. a libra, e era barril ter aba-
timento.
Banha de porco refinada a 520 rs. a libra.
Vinho em pipa Porto Figueira e Lisboa a 4oo,
48o, 5oo, 56o re. a garrafa, em carrada
2,8oo 3,ooo 3,5oo e 4,ooo rs.
dem embarrilo mais superior que tem.vin-
ao mercado a 6oo rs. a garrafa.
Lagrimas do Douro especial vinho do Porto a
l.ooo a garrafa e a 10,000 a caixa, o preco
nao indica a qualidade d'este precioso vi-
nho, porm venhamao Progresso que a vis-
ta faz f, a este genero constantemente man-
damos vir de conta propria e por isso po-
demos vender por menos que outro qual-
quer annunciante.
Vinho do Alto Douro das marcas mais acre-
ditadas e especialmente escolhido por um
de nossos socios, como sejam: Cam&es, Du-
que, do Porto, D.Luiz, Carcavellos, Cha-
misso A Filho, Madeira secco, e Feitoria a
9oo rs. a garrafa e 9,ooo rs. a caixa com
12 garrafas.
Garrafes com especial vinho do Porto con-
tendo 5 garrafas a 2,000 rs.
dem com 5 garrafas de superior vinho Fi-
gueira a2,4oors.
Farinha de MaranhSo muito alva e cheiroza
a 46o rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 32o r& a bf a e a 9,ooo
rs.arr#ha.
Sardinhas do Nantes a 38o rs. a lata.
dem com 5
2,loo re.
garrafas de vinho Lisboa a
Vinho branco de Lisboa proprio para missa
vindo j engarrafado de Lisboa a 64o rs.
a garrafa.
dem em barril moito superior a 5oo re. a
garrafa e a 4,000 e 3,800 a caada.
Ameixas francezas em caixinhas de 1 '/. '
re. a garrafa.
Azeitonas a 320 rs. a garrafa.e l,3oo a an-
coreta.
Batatas inglezas a 60 rs. a libra e 1,80o a
arroba.
Banha de porco a 55o rs. a libra.
BoUehiaha de soda a 4#409-a lata.
BoJachiaha ingleza a 200 rs: a libra, e a bar-
rica a 30000.
Cha hyssoa.a 20200 a libra*
Dito dito fino a 20600 a fibra.
Azeite doce de Lisboa, a 64o rs> agarrafare a; Dito iruudinho a 20800 a libra*
4,800.re. a caada.. Dito do Rio a 10800,a er*
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a.gaffafa.eajDito.pretoa 10900a.libra
Garr^om^afas dovlaagre de Li,I^Jffi 1 \f21 "*** **
^er-marcas,mais. acreditad a SW^tfSCRB
1 L4 !i3a0 mr 6 rs- ea. Conservas inglezas a 800 rs. o fraseo.
1,000 rs. a garraia. Gafe em gr3o a 300 e 320 rs. a libra, eU e
Se/veja preta marca T e XXX a 6,5oo e' .90200 a arroba.
7,000 rs. a duzia, e a 600 rs. a garrafa, Dito moido a 360 rs. a libra,
tambera temos das mesmas:iaarcas para 4,. ^oce .de goiaba a 560 rs. o caLxSo.
e 4,5oof. a duzia, e a4oo rs. a garrafa., EsPrito de vinho de 38gros, a 280 rs. a
dem branca Te cobrinha-a5,5oo e 6,000 re, Farinha do MaranhSo a 160 rs. a libra,
a duzia e 000 rs. a garrafa, tambera ha Dita flor de laranja a 10 o frasco,
para 4,000 rs. a duzia. j Feij50 branco muito novo a 440rs. a cuia.
Graxa em lates grandes a l,3oo rs. a duzia J*osu a 3,2 rs- a libra-
e 12o re. a late; Genebra de Hollanda em botijas a 5oo rs.
_. Dita Hamburgueza a 44o re. a botija.
Palitos de dentes massos grandes a 2oo rs. Graixaem lates a 120, e 10300 a dozia.
Genebra em garrafes de 14 garrafas por
4)J600.
Licor fino a 800 rs. a garrafa.
: Dito em garrafas grandes de superior quali-
Alperche chegadaoi ultimo vapor dado a 10500.
lat/s de 2 libras a 800 rs. pechincha. Manteiga ingleza flor a 800,900 e 10 a libra.
ffl^L __ Manteiga franceza a 600 e 64o rs. a libra.
Genebra de Hollanda garrafes com 16 gar- Dita hollandeza a 72o 800 rs. a libra.
e28ors.
Paltos dojjaz. 20 rs. a caixinha e 2,3oo re.
ag
Geia
rafas por 6.5oo re.
dem em frasqueiras a 6,3oo rs. e 6,5oo rs. ea
56o rs. o frosco affianca-se ser verdadeira.
dem de botija em barricas com quatro du-
zias a 44o re. cada botija.
dem de laranja em frascos grandes verda-
deira italiana a l,ooo rs. o frasco.
Marrasquino de zara a 72o re.
e 3 libras elegantemente enfeitadas com ri-' Licor francez de todas as qualidades em
cas estampas na ^ca.xa extenor a l,3ool garrafas de vidro brancos a 72o e 800 rs.
1 joo ZjOoo c ZjOOu rs.
PTestes novos e grandes estabelecimentos de molhados, encontrar o respeitavai
puDiico tiesta cidade, bem como seus numerosos freguezes do centro, expostos veaii
moas as qualidades de gneros por menos preco que em quaesquer outro estebeleran-
ios a esta ordem, poispara bem servir os seus freguezes existe na Europa um dos s#-
** K" s**m v,ndos de conta propria diversos gneros, e desde j encontrar o res-
jjuwve puDiico sempre os melhores gneros do nosso mercado, e por precos barata
mos como abaixo verJo, a saber :
Massa de tomates a 640 rs. a libra.
Dita estrellinha para sopa a 560 rs. a libra.
Massa estrellinha para sopa a5oo rs. a Mtra.
Macarrao, aletria e taHiarim a 48o rs. a li-
bra.
Marrasquino de Zara a 800 rs. ofrasro.
Passas a 4oo rs. a libra.
Palitos para dentes a 180 rs. o masso.
Phosphoros do gaz a 2300 a grosa.
Paios novos a 640 rs. a libra.
Queijos do reino do ultimo vapor a i* -
20500.
Dito de prato a 720 rs. a libra.
Cervejas de marcas superiores a 500, SCO.
600 e 640 rs. a garrafa, e 50300, 60 -
60500 a duzia.
Dita em barril por 40, e 240 rs. a garrafa.
Cevada a 240 rs. a libra.
Sardinha de Nantes a 360 e 400 rs. a latt-
nha.
Sag a 240 rs. a libra.
Sabao massa a 200, 240 e 280 rs. a libra.
Sevadinha a 280 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 re. a libra.
Tijolo para limpar facas a 160 re.
Vellas de spermacete do gaz a 1 (2oo re. a.
libra.
Ditas do gaz muito boas.
Ditas dito era caixas de 6 libras por 40<<>.
Ditas de carnauba a 400 rs. a libra.
Ditas de composic3o a 360 e 380 re. a libra.
Vinho do Porto, caada a 50500, garrafa
720 rs.
Dito Lisboa, caada a 40 e a garrafa a 500
rs'.
Dito Figueira, caada a 30840 e a garrafa
480 re.
Dito dita superior, caada a 40 e a garrafa
a 500 rs.
Dito Estreito, caada a 30200 e a garrafa a
400 rs.
Dito Bordeanx a 720 e 800 re. a garrafa:
Vinagre de Lisboa em garrafes de 5 garra-
fas por 10400.
Dito era caada a 20, e a 260 rs. a garrafa.
Vinho do Porto em garrafes de 3 garrafal
por 20500.
Dito dito engarrafado a 10 c 10200.
Dito lagrimas do Douro a 10400 a garrafa.
Vinho branco de Lisboa a 720 rs. a garrafa,
e 50 a caada.
Dito do estreito a 600 re. a garrafa, e a 405Of
a caada.
Mostarda a 640 rs. o frasco.
Previne-se ao respeitevel publico que todos os gneros cima sao de boa qual>-
dade, c para desengao venham ver; assim como outros que deixam de ser annunciaoos.
LIQUIDAQaO !!
NO
%ltJl AXKJI CONSERVADOR
DE
<& N. 21^-LARfiO DO TERCO-N. 21
Avisa-se ao respeitevel puMice que mudou-se do seu estabelecimento de molhaddf
denominado conservativo em consequencia de percisar concert, que obrigou-sc a juntar
dem em 1 tes de H/p1 lihras \ 4nn JVinho 5?*25 daS me,n,ores qualidades os gneros e por ser grande quantidade, est resolvido a vender por menos de 20 a-30
que tem v.ndo ao mercado a 72o e 800,% do que em outra qualquer parte garantindo-se a superior qualidade de qualquer
re., e em caixa a 7,5oo, 8, e 8,2oo rs. ero comprado neste armazem.
2,6oo rs, cada urna.
Figos de comadre em bauzinhos de folha
muito proprios para mimo a l,6oo.
dem em caixinhas a l,4oo re.
dem em caixinhas emticamente lacradas
e "muito bem enfeitadas a l,8oo re.
dem a 2oo re. a libra.
Passas de carnadas as mais novas que ha no
mercado a 4oo re. a libra e a 6,000 re. a
caixa.
Salmao em lates
800 re.
emticamente lacradas a
Conservas inglezas de todas as qualidades a Ervilhas seccas chegadas no ultimo vapor a
750 rs. o frasco. 1 200 rs. a libra.
wuorarDgiaqrnsa wsd .rep
-Mesap b ejwuBui ap uw.uas so apno 'ajjcd BJjno c ora a as-mBpiA]o saza.v sBimra saisa
anluod 'ludid ojOJBq srern aod sajaua sajoqiaui so apaa\ as anb a gg -u sazruo sep
boj cp eisissajSoJd uiazeujju ou os anb ja.v saq(-opuazcj 'sajopeyod snas so raoo 053
-uouB epoi Jai sajoquas somsara so opuaAap 'JBpBjSe obu anb opafqo aanb|enb nnftMlf
majcpuera ap JOabj o uiazemje ajsau jejdraoo uiajepueui aab sajoquas sob apad ornsaui o
oiuaaiiaaiaqBjsa 9isap soudojd oro sojaafqo opuajuoa orasara epure 'epTOrauroDoa jaub
-|unb jbae ap as-taxiBDua ; ajuauncossad opujA ooioo sopiAjas raaq o?t majas 'soAwasa
no soptuo snas jod JBjduioa uiajepueai anb sBossad se e5uy.B a 'sopcuotoaam oxreq so3
-a.id >o|ad apepqBnb Bjraniijd ap sojauaS sopipaquoo maq \ snas so japua.v opjaqqap
mai 'saranftijj snas so jfAias maq tx [aAissod joj anb o bpni jazej bjsia uia ajdiuos
opuai 'eisissa.i8o.id opBurraoaap mazeraje opeiipaioe oiimo op oi.reiau*jd o
C oftioiBV opnrs ap JiJ^req op ziu,) p M4 ee \
39
i ixvu}|% iavvHr3
Lagostim em latas grandes a l,4oo.
Savel, corvina, cherne, vezogo, pelxe espada,
preparados pela primeira arte de cozinha a
a l,3oore.
Queijos flamengos chegados no ultimo va-
por a 2,4oo re.
dem do vapor passado a 2,2oo 2,ooo e
l,8oo, re.
dem prato do ultimo vapor a 84o re. alibra.
Doce da casca da goiaba caixSes grandes a
600 e9oo rs.
Chouricas as mais novas que ha no mercado
a 48o rs. a libra.
Chouricas mouras encommenda especial nos-
sa a 5oo rs. a libra.
Prezunto verdadeiro de lamego era calda
de azeite 5oo rs. a libra
Bolaxinha ingleza a mais novas que ha no
mercado a 2,ooo re. a barriquinha com
1 arroba, e a 24o rs. a libra.
dem de soda de diversas qualidades a 1,400
reis.
dem em lates grandes, proprias para loncho,
com8 a 6 libras por 2,4oo rs.
Marmelada imperial do fabricante Abreu e
outros conserveiros de Lisboa a 600 rs. a
libra.
calda de todas as qualidades a
g*
Azeite doce refinado do fabricante Pelanol e' SarraRes com v"ho Pgneira maulado yir por conta propria por 20000.
Frutes em
5oors.
Ervilhas francezas a 5oo rs. a lata,
dem portuguezas a 64o rs. a lata.
Massa de tomate a 64o rs. a libra.
Amendoas confeitedas a 7oo rs. a libra,
dem de casca mole a 28q rs, a libra,
Avelans a 2oo rs. a libra. o^w
^,3
outros a 800 rs. a garrafa.
Conservas inglezas sortidas e de urna s qua-
lidade a 800 rs. o frasco.
Ararute verdadeira a 32o rs. a libra.
Gomma de engommar muito alva a 80 rs.
a libra e 2,2oo rs. a arroba.
Sag muito aovo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca a 16o re. a fibra.
Sevada muito nova a 12o rs. a libra e 3,2oo
ss. a arroba.
Macarrao-a 32o rs. a libra.
dem e talbarim o mais novo que ha no mer-
cado a 48ors. alibra.
Aletria a 5oo rs. a libra.
Arroz carolino a loo re. a libra e a 2,8oo rs.
a arroba.
dem do Maranhao a 12o rs. a fibra, e a
3,ooo a arroba.
Caf do Rio o mais superior que se pode de-
sejara 32o rs. a libra,
dem a 28o e 3oo rs. a fibra e a 8,2oo, 8,4oo
a 8,7oo rs.
Velas de carnauba refinada a 32o rs. a libra,
e a lo.ooo re. a arroba.
dem de spermacete a 64o re, a fibra.
Chocolate hespanhol e francez a 9oo e l,ooo
rs. a fibra-
Estrellinha e pevide muito nova a 4oo rs. a
libra, e a 2,000 rs. a caixinha com oito
fibras.
Cha perola muito especial chegado neste ul-
timo vapor de encommenda particular
nossa a 2,8oo rs. a fibra.
dem huxim muito superior a 2,7o rs. a
libra.
dem bysson a 256o rs. a libra.
dem hysson a 2,000 e 2,2oo rs. a libra.
dem preto homeopathico e muito superior a
2,000 rs. a libra.
dem nacional a i,600 rs. a libra.
Batatas muito novas a 80 rs. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Baha
e de todas as marcas, como sejam: sus-
piros, havaneiros, messecipes, regala im-
Serial, flor das maltes, primores a 4,000,
,5oo, 3,2oo, 3,000, e 2,8oo, ,3oo,
2,000 el,6oors. a caixa.
Vinho em pipa, Figueira, Lisboa, Porto de 32o a5oors. a garrafa.
Batatas novas a 40 rs. a libra e a l,2oo rs. a arroba ou-caixa.
Cha do melhor que ha no mercado a 2,800, 2,5ooo e 2,ooo rs. a libra.
Manteiga franceza de muito boa qualidade a 5oo rs. em barril e 560 rs. a libra.
dem ingleza perfeitamente superior a 72o e 800 rs. a libra.
Tijollo francez de grande temanho a 14o rs. cada um.
Bolachinhas inglezas a 2,ooo rs. a barrica e 2oo rs. a libra.
Velas de espermacete, Aracaty e composico a 36o. 44o e 63o rs. a libra.
Palitos do gaz sem avaria a 2oo rs. o maco e 2,3oo rs. a groza.
Milho alpiste muito limpo a 160 rs. a libra, e arroba 0,000 rs.
Alera destes gneros ha outros rauitos que enfadonho seria menciona-lns.
se a dinheiro.
''Li
100$ de gratiicaco
AGENCIA
DA
FUNDICAO DE LOW-MOOB.
Ra da Senzalla nova n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias pica barba, corpoum pouco fornido, peinas R-
moendas para engenho, machinas de vapor?
e techas de ferro batido e coado, de todos os
Fugio no dia 20 de setembro de 1859, do enge-
nho Monge, comarca de Goianna, fregnozia de Itain-
be, o escravo crioulo por nome Barlholcmeu, de
dade 8 annos, altura regular, cor prcta, falta de
dentes na frente, gengivas bem encarnadas, muito
pouc
PS^JP^JP6-^' .W^^ Sur
taraanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston 4 C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
hotassa da Hussia
Ve.nde-se em casadeN.O. Bie-
ber a C, soecesseres, ra da
Cruz a. 4.
ESCRAVOS FGIDOS.
Fugio em dias do mez de abril do corrente
anao, o escrauo Manoel, de najao, dade de 80 an-
nos, pouco mais ou menos, com o signaes seguin-
tes : tem a perna direita torta, bocea grande,
beicudo, sem barba e anda quasi sempre embria- Serinhem, ou nesia pra^a, na 1
gado, foi escravo do fallecido Joaqum de Paula er generosamente recompensado.
Lopes : quem olapprehender leve-o ra da Ca
dcia n. 55, segunde
segundo andar, que se.ri recompensado.
Anda se acha fgida a escrava Jacintha, e cons-
ta-me que esta escrava vive oceulta pelos escravos
do Sr- Dr. Antonio Tristao de Serpa Brandao, em
Marinha Farinha, e quando dahi sane oceultada
pelos escravos do Sr. Honorio, dono do engenho
Japumim, em Goianna; por Isso peco aos mesraos
senhores de me fazerem o favor de a mandar pe-
gar, e remette-lo roa Nova rt 44, que se pagar
todas as despezas, ft$p como moilo te agradece
aos mesmos senhoi
de gaita, e gosta de embreagar-se, e nesse estado
ntima de valente. Este escravo consta agora que
o anno passado fra preso no Brejo de S. Vicente
pelo subdelegado dalli o Sr. Manoel do Reg, por
occasiao de bebedeira e dizer que tinha feito una
morte em Pedras de Fogo, pelo que foi recolhido fl
cadeia de Nazareth, e nao tondo apparecido u\ cit-
le foi posto emlibcrdade, c dessa occasiao confia
3ue foi trabalhar na estrada de ferro com o nome
e Joao Francisco a titulo de forro : quera o levar
o engenho Monge cima dito ser gratificado con*
100*000.
Contina a estar fgido desde abril do fr-
rente anno o escravo comprado ao Sr. Manoel da
Gama Romeiro, morador em Santo Amaro de 8m-
nhaem, de nomo Seraphm, crioulo, de 82 anm
de idade, pouco mais ou menos, bonita figura, al-
io, espadado, pouca barba, olhos esbranquicados,
dentes alvos e perfeitos, ps grandes, dedos bem
separados o desunidos, unhas achatadas, e quande
atemorisado gagueija consta que tem sido viiie
no sitio do Arraial ou Casa Forte, moradia do *.
Manoel Romeiro deGouveia : quem o opprehender
e entrega-lo a seu senhor, Francisco Manoel de Sou-
za Oliveira, no engenho Jassir ou Cachoeira, eni
Serinhem, ou nesta pra^a, na ra Direita n. 3,
-*
Acha-se ausente a um mez a mulata Anasuv
fia, altura regular, cheia do corpo, andar conipas-
sado, tem ambas as maos foveiras de queimadora,
lem marcas de custicos no pescoco e no peilo,
cuja mulata bem conhecida por andar vendajy
Ideas, sapatinhos de lia e outras vendas nw
nesta pra^a como em Iguarass, S. Loureaoo e di-
versas partes, tem sido encontrada verdeado *f
mesmos objectos nesta praoa, Apipucos,
ie e na Estrada Nova
?e-a ao Monlelra a Tr,
u ra da Imperatra casa
ente se gratificar.
a P* lf
genero'-a-

J



mim
i
8

Diario Peffcaubnco Ttr$* letra ft de Oiituluo de i*.
LITTERATORA
Hornillas sobre os principar mi
agres de Jess Christo, pelo
R. P. veo ura.
SEXTA.
As bodas dr Cana.
JtHiin. II.
0 que casa
relia, faz bem i
casa faz inellior
Lera eu tenho
Deus.
(I. Cor. VII, 38 e 40.;
(Contnuago.)
O que ha de commum entre vos c mira ? Que-
vendo fazer um railagre, nao fallava como Filho
do hornera, mas na qualidade de Filho de Deus.
Nao deu Mara o nome de mae, diz um interpre-
te, mas chamou-a mulher, para dar conhecer
jaa f Deus c como tal nao tem mae.
Por outra parle, acrescenta o santo Dr. A gosti-
nho, Hara pedia este milagro, nao s por com-
paixo dos donos do festiin, mas por amor Jess
Clinsto ; quera, com a divina supplica, levar oseu
divino Filho a aprcssar a manifeslagao de sua di-
vindade. ltespondendo que a sua hova ainda nao
liivia cliegado, o Salvador quera dizer-lhe : Co-
mo Filho do hornera reeonheco-vos por mae e vos
dcvo obediencia e respeito : cedera immediata-
mcntc aos vossos desejos, se o mome nto de mani-
fcstar-me houvessc chegado; o que rae detm ,
que a minha hora anda nao chego u. Quao mys-
- terioso e profundo, c ontina Santo Agostinho, to-
do este discurso de Jess Christo, e quanto gran-
de a sua divina sabedoria Ahi dexa elle ver dis-
tinciamente sua dupla filiagao e suas duas natu-
rezas: divina e humana. Como Deus nao reco-
nhece Maria por rae ; como hornera a ella se sub-
matte na qualidade de filho obediente e respe itoso.
Como Deus falla-lhe com autoridade ; e como ho-
mem obdece-lhe rcspeitosamentc ; revela sua su-
penordade e independencia do Filho de Deus, ao
mesmo lempo que se mostra assim vero Filho do
hornera. (3)
O que ha de certo, diz Beda, que elle acompa-
nhou a sua resposta com tal cxpressao de miseri-
cordia, e com tal accento de piedade, que Maria
comprehendeu perfcitamente, que eslava disposto
a operar o milagre, o qual pareca recusar por
suas palavras.
Do feito, se Maria, allumada pelas luzes do Es.
i pirito Santo, de que bavia ficado repleta, depois de
haver dado luz o seu divino Filho, nao tivesse
assim compreliendido a sua resposta, claro, que
nao leria advertido aos criados, que esperassem o
milagre.
Ella comprehendeu a ordem e o cncadeiamento
d'este futuro mysterio; por quanto nada poderia ser
occulta que era Mae da sabedoria increada, e
bavia sido julgada digna dctrazer o seu Deus em
sen seio virginal.
Mflhgto, que
l^^Wosos
graga em favor dos homens, se-
gundo o pensamento t3o conhecido de S. Bernardo,
passam pelas mSos prissimas de Maria, visto que
no milagre, que nos occupa, facilit os caminhos,
e comega a serie.
De sorle que esta passageni do Evangelho, ainda
que fosse a nica, bastarla abundantemente para
a sua filha don- Jus,iflcar a devocao da verdadeira egreja e de toda
e o que a nao a'" verdaderamente christaa para com Maria,
: julgoque tara- assim como a conflanga que seus filhos nella depo-
o .Espirito de sitam, a seguranca com que a invocam, a ternura
que lhc votara, e o culto que ihe rendem. -
Tendo pois, ouvido a resposta do Salvador e
comprehendido o seu sentido, como acabamos de
explica-lo, Mara disse aos servos, apontando-lhes
seu Filho: .Ide para junto delle, e fazei tudo
quanto vos mandar.
Ora, havia na sala do festim seis grandes vasos
de pedra para agua, que seria puricacao dos
judeus.
Estes vasos tinham capacidade cada um de duas
a tres medidas.
O Salvador ordenou aos servos, que os en-
chessem d'agua, e clles assim o izeram, at as
bordas.
Depois, sem approxiraes ,ar-e laucando de longe,
como tudo parece indica-lo, sua bengao omnipoten-
te, como fez mais farde, quando multiplicou os
paes, toda essa agua flcot immediatamente, muda-
da em um vinho delicioso.
esposos da trra,
Jess C\ ido apresentar o liP ao ninguem mais se occ
presidente^Wnl^rwpmlavel chefe do festim, cha- mas do esposo celeste1
ma o hornera prudente, sobrio, e grave, e conse- Todos M esprtos 0 adnram> (odos og c g
guiptcmcnte a teskraunha mais capaz, a attestar, 0 amam Mos M o|hares procuram (odas as
que esse licor era realmente vinho. linguas o abengoam.
Note-se finalmente, que o proprio esposo tara- ( Entretanto este grande acontecimento realisou-
bera interrogado, e que, exprobacao de ter reser- se> nas Vjgtas 0 Salvador, ames para instrueco
vado para o flm o-liom vinho, declara, que nada dos christaos, do que para utlidade dos judeus,
Mas, admirae o bello exemplo de obediencia e de
respeito dado por Jess Christo. Logo que Maria
disse aos servos, que se dirgssem a seu divino Fi-
lho, este, contrariando a declaracao que havia feto,
e sera replicar, prepara-se para exalear a supplica
de sua Mae, santlsslma.
Assim, segundo S. Cyrillo, a repugnancia que
Josus Christo mostrou a principio em fazer o mila-
gre, a diflculdade allegadaque a sua hora ainda
nao havia chegado, tornaram-sc precisamente as
provas da grande deferencia dcste Filho adoravel
pelas vontades de sua querida Mae; por quanto
em consideracao e respeito a ella, adianta elle a
sua hora, e opera o prodigio, que quera dif-
cil r.
Este bello tcstemunho de estima e esta prova de
amr, que Jess Christo deu a sua doce Mae, sao
para nos felizes presagios do esperanca, penbor
precioso, e motivo muto consolador para deposi-
tarmos a nossa coufianca em Maria.
Tudo isto mostra-nos, que no cu nada recu-
sado as supplicas de Ufara, pois que por simples
desejo e com um s sitial faz, com que seu Filho
adiante na trra a hora dos seus prodigios tudo
(3) Poder-sc-bia dzcr tambera, que a resposta
do Salvador, longe de ser urna exprobacao dirigida
Maria. foi urna deferencia amorosa de um filho
por sua mae. Com effeito, pois quede alguma sor-
te Maria fazia as honras da casa, a mae de Jess
estova ali, ( diz o Evangelho,) c o Salvador era
a-
de
Razao porque S. Chrysostomo affirma, que tudo
quanto o Salvador fez por milagre durante sua
vida mortal, era muito mais til e muito maisper-
feito, do que aquelle que faz todos os das pelas
forcas, que deu natureza.
Depois disse de novo aos servos: tEis o vinho de
que tendes necessidade; tirae-o c levae-o ao que
preside o festim, para que o prove e o distribua
mesa.
Qual nao foi, porra, a admiracao do intendente,
quando, provando esse vinho miraculoso, achou-o
de um gosto exquisito e delicadissimo, e exhalando
alm disto o mais suave cheiro I?
Nao rae consta, dizia elle corasigo mesmo, que
haja aqui tal excellente licor; d'onde veio elle tao
sbitamente ?
Imagina ser urna sorpreza, que o novo esposo
quiz causar-lhe, e docemente reprchende-o por
haver tido era reserva at o lira do banquete tao
delicioso licor, em contrario ao uso cntao estable-
cido de servir no fim os vinhos de inferior quali-
dade, quando os convidados ja estao alegres e
saciados.
absolutamente sabe do que se passava.
Todas estas circo instancias sao outros tantos
testemunhos irrefragaveis do milagre.
Este prodigio esj evidentemente provado por
testemunhas oceulares em seus dons extremos -
um attestado pelos servos, qnc deejaram ter (an-
eado nos vasos agua e s agua; o antro provado
pelo intendente ou presidente e pelo recem-casa-
do, os quaes afllrmam, que o liquido, tirado dos
vasos : vinho, e excellente. # f
O milagre est pois manifestndote demonstra-
do pela simples narragao; anfere de suas proprias
circumsfancias, seus motivos de credibilidede, e
justifica-se a si proprio.; fecha a borca aos hereges
e refuta as blasphemlas, que probamente espa-
lhm contra os milagres do Salvador, (i)
Mas, porqne mostrar pasmo por om tal prodi-
gio, diz Santo Agostinho, quando fot -Dens qnem o
operou T
O vinho ordinario e commum o que seno a
que esta vara presentes.
O Senhor previa, cora effeito, que um da have-
ria hereges, taes como os de que falla S. Paulo, que
ousariam atacar o casamento como urna obra do
demonio e como um grande peccado.
pois para confirmar os verdadeiros christaos
na f deste sacramento, e para ensinar-nos, que
elle o primeiro e legitimo antor do mesmo, que
Jess Christo quiz pessoalmente assistir a estas
bodas. Elle ahi foi, diz S. Mximo, para santifi-
car pela bencao de sua augusta pessoa o casamen-
to, que instituir por sua divina autoridade desde
o principio do mundo. Oh amorosa providencia
deste Dens Redemptor, exclama S. Cyrillo de Ale-
jandra I Como tinha vindo para restaurar e ele-
var a perfeicao toda a natureza humana, era my-
ter, que preparasse os soccorros de sua graga, nao
para os homens queja tinham naseido, mas para
os que houvessem denascer.
Ora, eis o qne & Senhor fez nas todas de Ca-
agua do cu destillada (cosida) as cntranhas da n: veiu santificar por sua presenca e ennobrecer
trra pelos raios do sol f t pelo; primeiro dos sens milagres, o principio de
., ..-.i.. ~. ____i m .- < J nosso nasciraento mesmo segundo a carne; isto ,
o que admira, pois, que o sol de justica, Jess j i
Christo, por sua presenca soraente, tenha mudado
O novo esposo protestou de nada saber.
Sao interrogados os servos; e os que haviam
enchido d'agua os seis vasos declaHm o que tinha
acontecido, e eotitam o milagre a todos os con-
vivas.
Antes de passar adiante, como deixar de reflectir
na maneira admira vel, pela qual estao escriptos
os fados comidos no Evangelho?
Sao contados em poucas palavras, sem artificios,
sem cstudo, sem pretencao; mas, apresentara em
sua simplicidade um aggregado de circumstancias,
que fazera a prova incontestavel de seu mereci-
uicnto.
simples convidado, mas Jess foi chumado, as pal
vras d'este significavara : Vos fazeis o offlcio t
dispenseira, e eu nao passo de um convidado; nada
pois me incumbe coiijuitctamente comvosco; nao
me cabe prover a falla de vinho; cuidae nisto vos,
que representaos os que dao o festim. Assim o
Salvador diz, em urna outra circumstancia aos
apostlos, que se mostravam cheios de solicti'" '
pela turba esfaimada : rt vos incumbe dar .mes
dista,
..postolos,
iagre. No-
uma phophe-
povo, annuncia desde ento, que **tn ner a este
madas deviam ser nutridas cor db- ^ '
da verdade. Da raesma son P*0,^ gr5r^:C
das Maria oraia urna ve- ,t l,a,v"s **
qual anounriava, que se- dadeira prophecia, pela
xao dos infelizes, oble- a mc, SP.na -t comp-''
o vinho di erara! na- Por sua raediacao e oracao
banqueta^ v^/ ? com elle prove o grande
1 .deira egreja.
incumbe
de comer. O que diz, accrescenta o evao-
por experimcnlar S. Felppe c os outros
por quanto eslava resolvido a fazer o mi'
tac entretanto que esta passagera foi
ca. Dizendoa vos incumbe dar
Consideremos tudo isto com S. Joo Chrysostomo,
no milagre que neste momento contemplamos.
Diz-se em primeiro lugar que as urnas de pedra
collocadas na sala serviam para receber a agua
das puriflcacoes dos judeus ; isto que esses vasos
nunca haviam sido empregados para deposito de
vinho, de sorte que nelles nao so poderia tingir a
agua.
O historiador sagrado, fazendo pois observar
esta circumstancia, tornou irapossivel
da parte do incrdulo e do infiel.
E' verdade, que o divino Salvador nao creoii este
vinho, como teria podido faz-Io; nao laocou elle
proprio a agua nos vasos, mas confiou esta tarefa
aos servos; e assim creou nelles outra* tantas tes*
temunhas do milagre, que operava.
Xota-se, que os servos enchem os vasos at as
bordas; conseguintemente ellos s conteera agua
pura, sem que houvesse sido, possivel Misturar
outra consa; e toda & idea d> fraude ou de fascr-
nacao manfesla<;nente excluida.
S. Mximo f?,z a mcsa observacao:
Agua sn'.ente lanoou nos vasos ao ha ora jogo
de maos, nem artificios, nem impostura.
O S^'avador permanece em distancia dos vasos; e
eu) quanto todos guardara silencio, esperando-o
rom reccio e inquietacao, Josus Christo, por um
s acto de sua vontade opera o espantoso mi-
lagre.
Diz-se mais, que Nosso Senhor ordenou aos ser-
vos, que apresentassem o vinho milagroso ao in-
tendente.
Ora este, como atiesta S. Gaudencio firmado na
Indicio, era sempre ura sacerdote cheio de pru-
dencia c de probdade, que os judeus tinham por
costume enllocar na presidencia de seus banquetes
de nupcias, afim de que dsse o exemplo da gra-
vidade e da temperancia, e por sua presenca man-
tivesse os convidados na rbita do dever.
em vinho a agua deste festim, e tenha operado
nesta feliz casa o prodigio qne faz todos os anuos,
pelo eco de sua palavra omnipotente, nas vinhas
de toda a trra ?
As aguas derramadas nos vasos pelos servos do
festim de Cana foram mudadas em vinho pela ope-
racao invisi vel deste mesmo Dens, que faz conver-
terem-se em vinho-as aguas, que das nuvens ca-
hem trra. Jess Christo, mudando urna subs-
tancia creada em outra, revela-se claramente
Creador e senhor de tudo.
O poder e a virtude deste Deus Creador mani-
festem-se sensivelmente presentes no Filho de Ma-
ria, pela mudanca instantnea da agua em urna
substancia de natureza differente, e at oppeet%*
porquanto quem poderia assim mudar a nanireH
za das aguas, senao o proprio qne do- nada as-
creara t
E todo isto resulta das palavras com que o Evan-
gelho termina a naaracao do facto : Por est pro^
digio, operado em Cana da Galilea, o Salvador co-
mecon a serie dos seus milagres, manifeston a sua
gloria e seus discpulos creram nelle. Isto ,
manifston-se o Senhor e o Re da glora: como o
explica Santo Agostinho ; ou segundo a mor parte
dos padres, manifeston o poder, a virtude, a gran-
deza de sua divindade, de sorte que os seos disc-
pulos cream-no o vero Dens, o- Hessia- promet-
ido.
Mu, que digo ? nem s & seus discpulos-: S;
Ambrosio affirma com a rradlccao, qu&todos os
presentes nofestimi e que-provaram do vinho mi-
lagroso, mudaram-se em outros homens por sub-
jugados vista do prodigio ;-levantaram-se purl*
cados da fealdade dps seus peccados ; s-assim co-
mo o Divino Salvador roodou visivelraeate-a agua-j
em vinho, mudou inyisivelmcnte o coraeao de to-
dos osassistentes, removendo-os da supersticao da-
idolatra > f preciosa- e- santa dos vstos orentes.
Ah I ondeqperquo Jesas chamado, em qualqnar.
parte que entra e acolhido com amor, leva abaiv-
dancia, a consolacio o a alegra. Tudo que delta
se a|i|irftxjma, muda-se, transformt-se, santinoa-
di*inisa-se. E oomo nao transformarle "ntet-
se.
ramate cm santidad e em graea no propr lu-
gar em que a agua instantneamente tranllpr-
i suspcita mada em aguaf. pe feito, apenas o Soberano. Mes-
tro manifesta o, seu poder, recebe a homenagem
da seus traeos servos; a casa muda-se subamen-
e em um templo, a reunio em cspectadojifis- ma-
ravmados das obras de Deas, e o festim de nup-
cias em verdadeira festa do rcligiao. Transporta-
dos de alegra e admiracSo os convivas. Bao tive-
ram mais a coragem de eonsumir tao, delicioso li-
c;mas cada ura reseevou cuidadosamente quan-
to pode alini de levar para sua casa, cora vistas di
distribuir pelos doenles, ou guardar como preciosa
reliquia {em memoria de tao. grande milagse-
Ainda mais, meus irmaos: estas palavraswwm-
feslou sua gloriadizem bastantemente, que- esse
dia foi um dia de honra, grandeza, magnifieencia,
trumpho e incomparavel gloria para o Salvador.
Ninguem pensou mais senao nas bodas espirituaes \
FOLHETIM.
C AlilifRlIOi:
POR
MAIRICIOSIXD.
Qmiia parte.
(1) Estas observac&es tem urna grandissima im
portancia de actualidade, pois que em nossos dias
que o protestantismo ha chegado, de negacao em
negacao, a negar os milagres de Jess Christo, es-
for^ando-se por explica-los humanamente, e con-
seguintemente negando a divindade do Salvador.
De nada serve dissimula-lo : o espirito do protes-
tantismo o de um odio infernal contra Jess Chris-
to. Primeiro este odio era secreto oceulto: Jess
Christo foi perseguido em sua esposa, a egreja,
em seus sacramentos, em sen sacrificio e em seu
vigario. Hoje esse odio tirou a mascara, e hivan-
tou-se com um furor diablico contra o proprio Je-
ss Christo. De sorte quo os pretenses reforma-
dores do christanismo acabaran) negando sacrile-
gamente o seu autor.
casamento donde nascemos para a vida cor-
poral.
Vede, meas irmaos, quanto as obras do Senhor-
sao adnih-aveis e fecunda t Quantas cousas su-
blimes nao-eumpria elle em mn s-tempo, por es-
te nico milagre 11 Por urna parte fez brota
a sua gloria, fortfeou e aperfeicoott a f dos seus
apestlos ; por outra santificou as nupcias, des-
traiu a maldiefo que a primeira mulher. por seu
peeeado havia atirahido, e fez baixarcra as celestes
heneaos sobre o principio de nosso nasoimento. (i)
Eis pois previamente descascarados e confundidos
diz Beda, Taciano e MreJao, detractores- das al-
Iianjas- imraaculadas- e da nupcias dirietas ce-
lebrada sombra do pudor, eis sua perfidia so-
lemnemente condemnada e confirmada a verda-
deira f do matrimonio.
De feito, como'nao reconhater por nsroicio
divina o casamento a que assiete o Filho deDens *
Gomo nao admittir por santo um acto, no qual a
santidade poressencia>dignarse de tomar parte?
Gomo nao-orr, que Eteor- abencoa um arto, que
autorisa pelo primeiro dos seus- milagres?" Este
Salvador, que est presente as bfas de Caa,' que
ahi opera um tao grande milagre, o mesmo -que
confirma 8 santifica' o casamento; que o eleva
dignidade de Sacramento. E este facto prova nni-
lo melbor do rae todos-os discursee, que aqueftej
que traz para as nupciae tima carne virginal, faz
urna oousa eaata e virtaoea.
Rosto que-o casamento seja santa era si, e Deas
o tenha instituido, nem.todos os easamentoe, que
os homrnscontraliem. sau santo>
Taes saarnente aquellos, que a Mac do Jtsos
preside, aqaeUes a que -os apostlos de Jesi' sao
chamados, em que Jess Christ intervem. eetno
convidado.
Isto significa, que s saaXo o casamento
samento aoirahido eatre os christaos, sob a de-
pendencia segredo a lei da verdadeira egreja, de
conformidade com adoutrina das apostol"S> c como
sacramento instituida por Jess Christo.
E entre os proprios casamentas dos christaos s-
mente sio santos ospreparadoacom intencoes ho-
nestas, tratados cero severissimo pudor, e recebi-
dos embostado de graea, convidndose assim Jesus
Christo Salvador.. Entao eBe assiste iavisivclmen-
te a taes casameatos, n'elle toma parte, approva-
os com sua presenca, samifica-os. pop sua graea,.
fecunda-os por sua bencao, torna-os prsperos e fe-
lizes.
Bemaventaradas as bodas, em. quo Jesus inter-
vem, e os esposos se esforcam por consagrar, nao
eom apompa, de uii>.luxo mundano, mas cora a
pratica das. virtudes ehristaas.
Quanto, porra, aquclles que,, como.diz o anehan-
jo Raphacl Tobas, conu-ahiado casamento s penr
sam nas inelinacSes do horaem, repellindo Deus de
seu espirito; que consultara mais a paixo do que
a raaao ; e quo, semelhante ao bruto, s aspiram a
contentar a voluptuosidade, e longe estao do desejo.
de receber o sacramento... esses nao convidara
Jesus Christo para seu casamento, e sim o demo-
nio, o que, no diaer do mesmo archanjo, assste>
preside, tornase arbitro e senhor ; e desde o pri-
meiro momento os esposos entrara na dependencia
de seu imperio e tyrannico poder. Ah o casa-

(Conttnuafo do n. 226.)
O caminho, que seguimos, ficava a um lado ci-
ma do rio Crcuse, que roncava por entre os roche-
dos a seis centos pes abaixo de nos. Urna carrua-
gem que virasse naquelle lugar rolara at chegar
ao rio sem ter amparo que a sustivesse naquella
escarpa nervosa c escorregada. Havia um peque-
o parapeito de trra, que nem mesmo servia de
seguranza aos cavalleiros.
IS'otei que havia no chao pisadas de i-avallo : in-
clinei-rae um pouco, e vi calcada a relva borda
do precipicio, c l em baixo margem do Creuse
um cavallo morto, para que olhavam dous campo-
nezes. Pela distancia nao pode reconhecer se se-
ria o cavallo de Fanny ; com tudo veio-melem-
branca que ella poderia ter-se ali mesmo suicida-
do preciptndo-se no abysmo.
De um s galope chegamos ao Pin : a popula-
cao eslava alvorocada, e ajgumas camponezas gru-
fiavam-so port do presbiterio sera se atreverem
a entrar. Soubemos que haviam conduzdo para
ali urna senhora, a quera seu cavallo acabava de
matar n'uma queda.
Entramos ; era com effeito madaraoiselle d'Asta-
fort, deiuda sobre um colchao, e envolvida em len-
ye. Eslava muito palhda ; tinha o rosto ensan-
guentado, os clhos desvairados, e mal podia res-
pirar.
O medico que a examinara, chamou-me parte
c disse :
Nao na mais remedio, est perdida I Agora
tenha coragem !
E sahlu. Odoutor tomara-nos por marido e ir
mo da moribunda.
Fanny reconbeeeu Marcos aflnal, quiz estender-
Ihe a mao, mas salten um grito afflctivo, e cahiu
abatida ao peso da dr. Jolgei-a mort. Marcos
ajodhou-se junto della : os que se achavam pre-
sentes fizeram outro tanto, recitando em voz baixa
as suas oracoes.
Alguns minutos depois Fanny tornou a abrir os
olhos, e disse ao meu amigo com voz pouco dis-
tinct : -
Obrigada I O senhor veio salvar-me... e
intil.. ja est tudo acabado I... D-me ao me-
nos um beijo .. ser o primeiro e o ultimo... Oh I
Nao recuse esta graea a urna moribunda I...
E fazendo um exforgo supremo puchou a si a
cabeca de Marcos com o braco direito : o esquer-
do eslava quebrado. Seus labios j frios rocaram
os labios daquelle, a quem amara tao cruelmente ;
murmurou urna palavra que se nao percebeu, sol-
tou ura fraco suspiro, e a cabeca pendeu-lhe para
tras.
Marcos levantou-se : tinha o rosto tao paludo
como o de Fanny. Eu tambem estava triste, pois
nao das boas cousas ver morrer urna mulher jo-
ven e bella. Na minha conscienca achei que Fanny
fez bem em acabar com essa sua vida de loucuras.
Mas se fossem imaginarios os crimes de que ella
se aceusou ? Verdade que Mauvesin nao suc-
cumbira : entretanto o doutor nao podia afirmar
a ausencia completa do veneno nos seus padeci-
mentos.
A gente do lngar attribuin a morte de Fanny
lam mero accidente. O-seu cavallo assustou-se pro-
vavclmente, dziam clles, atirou-se para o lado do
barranco, e escorregando na relva rolou at o fun-
do do precipicio.
Um pastorzmho, que guardava as suas cabras
no rochedo, viu passar por sobre a suacabega mu-
lher e cavallo, que foram esbarrar nas pedras da
correnteza.
Pareciam duas bolas a rolarem pelo rochedo
abaixo, diza elle.
As quinzc leguas, que percorreramos com tanto
afn para chegarmos um quarto de hora depois da
catastrophe, haviam caneado os nossos cavallos.
Nao havia meio de transporte naquella aldea re-
tirada : fomos obrigados a passar a noute ali, e no
dia segrate, prcenchidas as formalidades, conse-
guimos adiar quem se cncarregasse d conduzir
Dressais o corpo da desgranada Fanny.
Fomos adiante para prevenir sua mae, que ain-
da ignorava o succedido, e mandava procurar a
filha por toda a parte. Pobre senhora I Que scena
afflictlva I Fiquei junto della para a consolar.
Marcos voltou a S. Joao afim de contar sua espo-
sa c seu sogro a desgraca que acabava de succo-
(2) sobre esta passagem e sobre mu i tas nu-
tras dos padres, que seria tnuto longo citar, que
se apoiain os que pensara, que o Sacramento do
matrimonio foi instituido por Jesus Christo ne sta
circumstancia. De feito, oque significa ter abencoa-
do, santificado as bodas, e ter-lhcs conferido a gra-
ea, senao ter elevado o contrato de cada casamen-
to legitimo ao numero daquetles em que Jesu s
Christo est presente ? Isto e, entre os christios,
ao estado de cousa santa e divina, capaz de confe-
rir graga, dignidade de sacramento ?
ment em que Jesus nao Infetvcm, por que nSo
contrahido com as puras e santas o^gtsicdes por
elle exigidas, urna nniSo de pagaos, longe de ser
um acto de religiao e de christaos.
mesmo mais ignobil do que o casamento dos
gentos, por que culposo ; por quanto n'ee ha a
profanacao do sacramento, o sacrilegio, que estes
nao conhecera. Nao a graga, que une esses chris-
taos sensuaes o peccado.
E um casamento preparado pelo peccado, reali-
sado no peccado, nao pode ser fecundo se nao para
o peccado ; deve naturalmente tornar-se (o que
frequentes vezes acontece) um jugo insupprtave!,
urna fonte do ciuiues, de desagrados, despeitos, di-
visoes, odios e desgraeas, consequencias terriveis,
mas necessarias, da accao do demonio, que, cora
excluso de Jesus Christo, reina pelo peccado
n'essas familias.
_ Pelo contrario, o casamento dos esposos chris-
taos, contrahido em estado de graga, santificado
pelas boas obras, embellecido pelo pudor, como
disse S. Paulo, um grande e sublime sacramento,
por quanto o santo casamento humano e corporal
represente urna unio espiritual e divina, a utrio
de Jesus Christo eom a egreja.
Entretanto, por nobre e santo que seja o easa*
meato christao, o estado de virgindade christaa
muito mais sublime, muito mais estimavel, e muito
mais perfeito.
, or feto, que Jesus Cliristo nas mesmas botos-
de Cana, ende tanto esaltou o matrimonio, ainda
mais ennobrecer a virgindade, como passamos a<
ver na
Segunda parte.
Entre as numerosas razoes, pelas qmes o Filho
de Deus quiz naseer de urna mae esposa, ha esta
ssignada por S. Thomaz, que- e firma no sent-
mentocommum dos padres : para que na pessoa
da mae de Qeus fossem honradas as nupcias, e por
este exemplo se impnzesse silencio audacia dos
hereges, que ousassem atacar o casamento. Notae,
porm, meus irmaos, que erabora tenha querido
naseer de nma mae unida a um Itomem por um
casamento- santo e kgitimo, o Ssnhor quiz a
mesmo tempo, que esta mae permanecesse virgen
mesmo no c*tado do matrimonio.
E se Mara nao houvesse permaneeido virgen*
mesmo sendo- mae, j mais bou vera tido Jsus
Christo por Filho. Entretanto o Salvador, nascen-
do de urna mae unida a oro esposo approvou o ca-
samento,' mas preferiu a virgindade, pois que s
quiz para sua mae urna virgem.
Or* esta dupla ligao, que deu-nos por meio de
seu primeiro mysterio, repete-a no primniro do,
seus milagres. De feito, n'este mesmo Svangelho
que temos explicado, se diz, que Maria j se achava
n'estahodas, aatat que o Salvador chegasse com
seus discpulos v isto que Maria preceden Jesus
Christo Testasbodas, como precursor, staarautos
seu porta estandarte.
Ora. .Mria o symbolo o raai* nobre 6 o mais
perfeito da virgindade : coma que a virgindade
personificada e viva*.
O divino Salvador, que fce-se preceder a'cstas
bodas pela virgmdade em pessoa, que orna o ca-
minho-com os hsesd'essa virtede, que tao alto pro-
testa por seu amor e sua proditeegao peto virgin-
dade antes de ii santificar > abencoar as napeias,
declara com isto.-qae aos seasolhs e etasecera-
gao a virgindade-oecupa o primeiro lugar & que
elle honca-a jnc3mparavelinente mais do que o ca-
samento.
Notae ainda, mens irmaco, esta expres&a do
evatgelista: a mae de Jestis-att estava senniue
fizesse mencac. de S. Jos, esposo de Mara, que,
segundo S. Epiphanio, ainda-vivia, e talveacstives-
se nas bodas.
Isto significa, qne Maria estava ali antes como
Ma de Jesus, do que como pan-uta don- esposos ;
ella ahi se achava como u monumento vivo e
urna prova victvel, de que Jesos Christo havia nas-
cidto na trra -de urna mae sem o conenreo de um
pae, assim como no cu nascera de oeii pae sem
participagodc urna mae.
Como, pois* o nosso divine Salvador, convidado
para estas bodas, nao rebasa ir, abencoa-as, e de-
clara cousa licita e-santa todo o casamento legi-
timo, por elle instituido desde o principiado mun-
do, egualmente qur que sua mae virgem ahi es-
teja como nm testemunho vivo, de que elle nao
quiz se nao urna virgem por mae, teado cm viste
mostrar com isto que a virgindade preferivel ao
estado da matrimonio.
Anda< mais : Jess Christo era nenhuma outra
circumstancia honron tanto a sua, mae como na
presento, em que a. principio pareeeu querer re-
preheade-la e nao fazer caso d'ella.
De feito, depois de lhe haver tembrado que cerno
Filho.de Deus nada tinha com alia, depois da tur-
la chamado simplesmente mtulker e nao mae, de-
pois de haver^ declarado que a hora dos seus mila-
gres ainda nao. era chegada, operou entretanto,
sem demora alguma, o prodigio, que Maria pedir.
K evidente, mesmo pelo texto- sagrado, qea Jesus
Christo nao fez esta honra a Maria por ser ella a
mais digna das maes, e sim por ser a mate excel-
lente de todas as mulheres.
A insigne-honra foi foita a mulher modelo, a mu-
lher por excellencia, a mulher da antiga creacaj)
em urna palavra, a mulher perfeita, pos que era ao'
mesmo tempo virgem e me; assim, como Jesus
Christo o tiomem modelo de todos os homens o
hornera primitivo, o homem por excalllencia, o 'ho>
mem perfeito, pof nae ao mesmo. tempo homem
e Deus.
Foi pois urna honra foita a virgindade aniacu-
lada. Significavam as palavras do Christo ; Se eu
posso recusar alguma cousa raie, que roe conce-
beu em seu seio, nada posso recusar virgem, que
muito mais felizmente me concebeu em seu cora-
gao por sua pureza. Fallando mae, digo-vos, que
a hora dos milagres ainda nao chegou ; mas, res-
pondendo virgem da minha predilcegao, que sa-
crilicou gloria de ser virgem a honra ineffavel de
tornar-se minha me, digo-vos, quo o railagre pe-
dido ser feito inmediatamente.
Tudo para que seja manifest, que, se o casa-
mento un institulcao conforme a minha vonta-
de, a virgindade faz entretanto as delicias do meu
corago ; e o casamento me satsfaz, a virgindade
me attrahe, me encanta, e excita o meu amor ;
se o casamento tem reito s minhas bengaos,
a virgindade o arbitro do meu poder; e se
concedo a minha graea ao casamento, faco mila-
gres pela virgindade. y
E de feito, o prodigio operase, mas s suppli-
ca e pela mediagao de Maria Sem duyda bavia
neste bodas muites .raaes e mais d'uma espo-
sa, mas s havia urna virgem: e essa virgem ni-
ca atlrahiu Jesus Christo. S essa virgem v, que
falta o vinho mesa s s ella supplica Jess
Christo 6 obtm o milagre Em resumo, s a Vir-
gem Mana poupa urna grande mortilicagSo aos
esposos, proporciona um vinho delicado aos coavi-
vas, attrahe a bengao do Salvador para estas fe-
zes bodas, e traz este morada o contnfamento
e a paz, a graga e a santida le. 0b gloria I oh es-
plendor ( ol maravilla da santa virgindade, que
tornou esto casamento to alegre, fo santo, tao c-
lebre e tao glorioso I
Mas, como hei fallado de casamento, quando
a tradigao nos diz, que terminado este festim mis-
terioso, os esposos separaram-se por eommum
consentimento, renunciarara o matrimonio,- e jnra-
ram vver no santo estado da virgindade T
De sorte que tendo dito um generoso adeus ao
mundo, a esposa tornou-se, como verosmil, a
companheira in separa vel de Maria ; einqnanto <
certo que o esposo, tendo seguido o Salvador, foi
aggregado entre os doze eo apostlo S.Simio.
Oh bello, delicioso e ioeflavcl rasgo da sabedo-
ria e do poder do Deus Creador 1 O casamento,
no qual dgnourse de tomar parte, acabon, como
aquelle de que nasceu, isto y pela gloria e trum-
pho da santa virgindade. De feito, continua a di-
zer o sabio interprete, a quem tomamos empresta-
das esfas sabias rcflexdes, o Senhor com o assisten-
cia a estes bodas honrou o casamento e appro-
vou-o como urna cousa honrosa e- santa.
Mas, attrahindo os dous esposos ao estado da
virgindade, mostrou, qne esta muito preferivel ;
e por tal facto, que etoquente linguagei preve-
nir o ensino, que S. Paulo devia dar-nos eom as
seguintes palavras : o esfado do casaMento>tom :
maso da virgindade muito metfwr, ai>atare e
maisperfeito.
Oh 3anla virgindade, ornamento da ierra t s
a admiracao dos cus, a complacencia ios santos,
c as delicias de Deus! os-teus louvores.nobre
emula dos-amos, quem poderia narrar, ojiando a
natureza nao te comprehendeu em suas propriat
leis ? O casamento fecundo pela carne;; eti,
virgindade I o s pelo espirito; elle propaga o
povo christSe, e t constitue o seu ornamento ;
elle multiplica os filhos dos homens, e t os do
cu Oh virgindade I t nasees do casamento,
porque se nao houvesse esposos, nao baweria
virgens-; roas na egreja cathcHca sao as vifgens
consagradas Dens. pelo sacricie do seu carpo'
pdo fervor de'seu eoraejio e por snas santas ora-
eoes, attrahenvas heneaos do Sanhor sobre os es-
posos, expiara suas culpas, aDastam os castigos,
donservam entre eiles a barmema, e lhes alcan-
gama fecundidad.
Sim, t s nas regies cathaliras a egura>
suarda e a tuteila do matrimonie,' como a fonte
das gragas de que ella tem necessidade (3). Esta
virtude, meus irmaos, que s o christanismo pe-
ra, /' o sentimentanais delicado da afina, a off ren-
da mais generosa,, o sacrificio mais agradavat; a
pramn mais perfttta. Virgindade santa, d" Kide
da trra, t n>r-encantas e me arrebatas s t,
quem.- esclareces-o espiritol e o nabilita; domas a
carne-e a santifieae; puriucaes o> coragio e o divi-
nsas. s,oh filha.do eu I s o>alimento da pie-
da*, a escada da oracao, a nwstra do pudor, a
cooselfieira da modestia, a mae da earidde. s
o germen precioso,- que s broto na trra depois
da escida do l-Vio de Deus ; e pon islote tornas-
te, oh santa vi rgmdad O rets\dda eterna pu-
rera. o> esplendor da celeste integridade, a imagem
da gerago virginal i Deus Paihe, o melhor fruc-
to da redempcao do> Filho. o mais puro zephyro da
grana do Espirite-Saino, o mais- bello milagre do
Evangelho, a ghinia da egreja eaMiolira, a perfi'i-
gao.avflor, o mais-helio ideal da virtude christaa.
e o maior prodigio- da graga Oh quanto s
digna de ter sido nas bodas do-Caa annuncada.
exaltada e confirmada por Jesos Christo no pri-
meiro dos seus r.iilgres em a ordem da natureza 4 .
der, que dissemos tambem ser devida a um acci-
dente.
O Sr. Desormes e sua filha foram dar os pesa-
mes Sra. d'Astefort. A Sra. Valery, ignorando
que Fanny era sua irma, achou expressoes com
que consolar a pobre mae. Quanto ao Sr. Desor-
mes, conheci pelo seu pezar e pelas suas lagrimas
silenciosas que senta a perda de urna filha, e nao
de urna pessoa estranha.
Quando voltemos S. Joao era mais de meia
noute.
No seguinte dia fui testemunha de urna scena
nao menos terrivel. Nao antecipemos, porm, os
acontec mentes : ougamos fallar Marcos, a quem
interroguei severamente dias depois.
Eis o que elle me coutou :
t Logo que minha esposa e meu sogro partiram
Eara Dressais, atirei-me assim mesmo vestido so-
re o meu leto, abatido pelas commoges e fad;
as da vespera. Nao me foi possivel dormir; ouvi
ar nove horas, depois dez, onze, e finalmente
quando acabava de vibrar a duodcima hora, ou-
vi bater porta do meu quarto que comraunica
com a biblioteca.
Suppuz que fosse Margarida : admirava-me que
tivesse voltado tao depressa de Dressais, o pela pri-
meira vez corresse aos meus bragos com tanta re-
sol ugao I Porm tao grande a sua pureza, que
interiormente agradecia-lhe tal prova de confian-
za. Quiz langar-me a seus ps ; fiquei como para-
fysado. O quarto estava s escuras -, receei que se
atropellasse em al gura movel, o recommendei-lhe
cuidado.
Vejo claramente, me responden ella com um
torn de voz singular.
Tinha-me levantado para abnr a porte : procu-
rei-a no quarto s apalpadellas. Do repente ougo
ranger fortemente o leito que acabava de deixar ;
suppuz que se tivesse quebrado ; dirijo-me para
elle, e sinto enlagarem-me bragos frios como o
marmore.
Meu Deus I Como ests fra I exclamei.
Sim, tenho fro, muito fri, me respondeu ella,
aquece-me. Fannv tambem agora est muito
fra !
E poz-se a rir como ria a estatua. Tive medo,
pensei reconhecer o phantasma de Callirho; e
trmulo pergunte-lhe quem era.
Sou tua mulher, tuda verdadeira mulher.
Diz que me amas, que s a vim amars!
Os seus bracos dclic>.os, porm gelados, aper-
iavam-mc como duas, serpentes. Os seus beijos
apaixonados pareciam querer arrebatar-me a
alma !
Jura que me amas, coutiuuou apertendo-mel
com phrenesi, jura-o por Deus... pelos deuses
Cabires I
Que lembranca exquesita I Ihe disse eu.
Mas, julgando afraal convencer-rae de que tudo
aquilloque eu havia tomado por allucraagdes, nao
era mais do que um gracejo de Margarida, que en-
tao se davaa conhecer, fiz-lhes quantos juramentos
exigiu, entreguei-me aos transportes da paixao,
sem saber todava se estava verdadeiramente acor-
dado, ou se era o ludibrio de algum sonho deli-
rante.
Lembro-me ter ainda ouvido o rumor de um
carro que parava porta de casa : depois disto de
nada me record at o momento em que o dia
comecou a clarear, e com elle a terrivel realidade.
Quem dorma a meu lado nao era Margarida, mas
sim Callirho I
Procurei despert-la... Despertar o marmore I...
Seus bragos immoveis, estendidos sobre a cabega
nao se mov ara ; suas palpebras, fechadas para
sempre, nao se podiam erguer ; e seu coragao de
pedra nao palpitava mais.
Era a estatua I... Mas n'outra attitude, n'outro
estado, qual nunca Ihe tinha visto I Nenhum vu
oceulteva as suas formas admiraveis. Fiquei sor
prendido, encarando flxamente essa Venus da an-
tiguidade que viva momentos antes ; e nao pode
deixar de exclamar:
O' vida o que s ? O passado e o futuro se
rao palavras vastas de sentido? Aeternidadeeis
o presente I Morto ou vivo, Callirho, o que te-
nho feto depois que te deixei ? Falla, responde, j
que para ti nao existem o tempo e a morte I
Mas ella continuava muda, gelada, petrificada.
Colloca-la de novo no seu pedestal era impossivcl;
essa attitude voluptuosa n5o permittl que se tives-
se de p; e de mais, o que pensariam de urna cir-
cumstancia tao i nex plica vel ? Cumpria pois oc-
culte-la a tedas as vistas. Conheces o tmulo gal-
lo-romano que se acha na biblotheca : suspend a
pedra que lhe serve de tampa, e com esforgos
inaudito e torgas duplicadas pelo desespero, levei
Callirho para ali.
Estou certo de que era ella, e fechel-a dentro do
tmulo. Depois sahi para respirar o ar fresco da
manilla, pensava no modo porque explicara a
desapparrigao desse anlo... ou desse demonio, sera
poder achar urna descupa que satisflzesse, quando
chegaste miaba procura.
:l Em nnssos-dias, quando o carcter dastinr-
tivo do secuto a atrev mentla ligeireza.e a im-
pudencia do grande numero oo fallapdaqa^lo, de
que nao tenv eoohecimento, onve-se pergunlar
multas vezes Para que serrm a religiosas ? R
perqu esses hOmons do progresso naopergun-
tam : Para qiu strrem as prostitutas ? Mas. at-
tendei por um pouco. Para esses philosophos epi
eurislas, para esses polticos, mais 'estinbariQ do
que de gairatte, que pensant pdo ventre, a pros-
tituiciio, este grande chaga da civilsacao moder
na, este golpho sera fundo, que engo! tantas tis-
lencias e tantas outras iidpede de naseerera, este
liorrivcl fagello da moral e da salubridade publi-
cas, nada tem de perigoso, de degradantt, nem
de funesto. S as almas generosas, que, deixan-
do aos morios o cuidado de enterrar seus morM>.
isto o mundo aos mundanos, prefercra ser.vir .
Deus, santificarem-sc ionge do.tumulto e-da ccr-
rup^odo sceulo... s essas abnas generosas, di-
go, ihflammam o seu zelo e dos|iertam.sua,phiIn-
iropia. Mas, pois que responder um.dBver,,. p-
dese dizer-lhes: sabis o que fazera a& religio-
sas? Fazcm o que nao faisis, o que nao tonde>
Bem torga nem roracao para fazer : protestara
contra os vossos vicios"; mantera vivas- atcidicao
e a pratica da virtude; rendeui homenagem'
possibilidade da perfegto christaa ; mantera era
vigor os conselhos. evanglicos ; kravara. Deus
por vos, que delle hlasphemaes.; offereccm sua
carne em sacrificio expiatorio poc vos, que desti-
Euraes a voesa pelos, excessos vergonhosos da li-
ertinage e da crpula; attraliera as heneaos de
Deus, detm os seus flagellos e, mediadoras da.
graea e do perdo, sao os aajos tutellares das fa-
milias, as protectaas dos estados; sao talvez taai-
bem os advogados e os escudos de defeza, por
meio dos quaes seis poupados e ainda vivis, vs
que as atacaos.
(O traductor francez accrescenta a seguinte :
O nosso autor termina aqu; mas, ser facil ao>
Isitor supprir, o que elle teria podido dizer cota
relago a ordem temporal. O presente aductor
fica tranquillo, e Pao qur fazer aquillo,. do que
ulgou-se dispensado o abbade Lachat.)
Foi esta a narragao de Marcos. Continuare! a
historia desde o dia que se seguiu a essa noute sin-
gular.
Nesse disse dia, logo muito cedo, chegararo a S.
Joao o Sr. Pillepuce e um Inglez seu amigo, afim
de verem a preciosa descoberte de Mareos. O In-
glez tinha j offerecido ao Sr. Desormes sommas
considerareis em troca da estatua; porm Marcos
as recusou sempre : semelhante proposta chegou
mesmo a irrtalo a ponto de Margarida promet-
ter-lho que desengaara os compradores primei-
ra vez que se eiles apresentassem de novo.
Tinha eu sahido para dar um passeio, e encon-
trei Marcos, cujo ar sombro e pensativo sorpren-
deu-rae. Teria estado toda a noute em companhia
de sua esposa ? NSo ousei pergunter-lhe ; tanto
mais quanto notei que elle receiava as minhas per-
guntes. Fallou-me com voz agitada dos tristes
acontecimentos da vespera, e pronunciou muites
vezes o nome de Fanny.
Fiquei assustdo vendo o seu casamento inaugu-
rado sob to sombros auspicios, e procurei distra-
hi-lo fallando-lhe da frica. Respondia-me por
complacencia; mas nao me presta va attengo, e
conversava ao acaso e distrahido como se houves-
se esquerido o lugar era que se achava.
Lerabrei-lhe que eram horas do al mogo ; e se
bera que rae repugnava fallar-lho da estatua, to-
dava entend que devra adverti-lo da visite do
Inglez. Marcos algou os hombros, e sem -respon-
der seguiu comigo para casa.
Era quasi meio-dia, e a Sra. Valery nao descia
para o almogo. O Sr. Desormes chamou Nannche,
e perguntou-lhe por sua arma ; mas a criada que
por discngao nao tinha entrado ainda no quarto,
subiu ento, e voltou dizendo que ella l nao esla-
va, e que o leito nao tinha sido revolvido.
Pozemo-nos a procurar Margarida sem a encon-
trar. O Sr. Pillepuce e o Inglez couversavam tran-
quillamente no jardim com o meu amigo Marcos,
que pareca mais socegado, e lhes afflrmava que
tinha mandado a estatua para Paris.
Communquei-lhe o que havia a respeito de sua
mulher.
Marcos deixou immediatamente aquelles senbo-
res, e correu em procura deHa.
Passando pela bibliotheca, e vendo a estarna no
seu pedestal, tornou-se lvido eorao um cadver, e
' soltou um grito de espanto. Perguntei-lhe o qu<
jtiplia; n5o respoqi|ea pareca reunir 95 suas.
ILEGVEL
ideas. Estava-mos sos com elle o Sr. Desorines
c eu.
extraordinario I dizia Marcos como quem
procura reeordar-se de alguma eousa. Quem trou
xe Callirho para aqui ?
O que ha nisto de extraordinario ? pergvui
tei-lhe.
Mas entilo, tornou ello espantado e correndo
ao tmulo antiquario, quem que est aqui dentro'
E com forca sobrehumana levantou a pesada
tampa de peora que oceulteva urna mulher...
Era Margarida!
Minha filha! exelamou o Sr. Desormes. Mi-
nha filha, morta, sufocada 1 Dcsgraeado, foste tu
quem a raatou!
Marcos ficra mudo e esttico, com urna das
maos sustenda a pedra, e com a outra estendid.*!
cmo querendo soccorrer sua Joven esposa. O
Sr. Desormes arrancou-a d'alH, c levou-a solu-
gando:
O meu pobre amigo deixou cahir a pedra que se
despedaoou; e logo depois soltou urna horrivw gar-
galhada de lonco. '
Pillepuce e o Inglez, de nada sabendo, eorreram
ao ruido.
Como isto! exclama o primeiro. O senhor
nao disse que tinha mandado a estatua para a ca-
pital? Ora, tacamos sempre onegocio. Se quei
por ella cem mil francos, o Sr. Wilson este prorop-
to para contar-lh'os j.
A estatua I bradou Mareos apoderado de um
verdadeiro accesso de demencia, e agarrando urna
acha cltica de cobre, pesada como urna elava. A
estatua! Querem comprar a estatua ? "
O seu semblante apresenteva urna expressao tao
assusiadora que o Ingle correu para o salo, e
o'chimico refugiou-se n um canto da bibliotheca
vendo Marcos brandir essa arma terrivel, com que
bateu no rosto da estatua.
Ao primeiro golpe a cabega voou em estilhagos;
em seguida foram os bragos, e em poucos momen-
tos s resteva o troooadsforme.
A cada pancada que dava elle exclama va :
Maldigao, maldcao sobre ti, Callirho I Se-
para sempre anniquinda! Acaba-te de urna vez!
(ConJinuur-te-Aa.)
PERNAMBUCO. TYP. OK U f, T. & FILHO-
ss
(Gavlinuar-se-knj S"
Vi


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EUHOFQCHF_MXLKI3 INGEST_TIME 2013-08-28T01:02:02Z PACKAGE AA00011611_10208
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES