Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10201


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AUNO XXXIX HUMERO 221.
Por tres mezes adiantados 5S000
Por (res nezes vencidos 6$O00
SETEMBRO
Po? amo adianlado.....19J0OO
Por-te para o subscriptor. 3$OO0
DIARIO DE PERNAMBUCO.

'-
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Akxandrino de Lima*'
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Araraty. o
Sr. A. de Le,rnos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao. o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheifo & C.; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL*
AJagas, o Sr. Claudino Falcao Dias; Baha, o
Sr. Jos Marlins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Marlins A Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Ohnda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Antd, Gravat. Bezerros, Bonito, Caruaru',
Alfinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazarcth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaran", Cabrob,
Boa Vista, Ouricurv e Exu' as quartas feiras.
Serinhaem, Rio Form'oso, Tamandar, Una, Barrel-
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
Una de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao '/2 dia.
EPHEMERIDES DO MEZ DE SETEMBRO.
4 Qnarto ming. as 9 h., 44 m. e 2 s. da t.
13 La nova as 1 h., 16 m. e 38 s. da m. .
20 Quarto cresc. as 10 h., 8 m. e 2 s. da m.
27 La cheia as 2 te, 37 m. e 2 s. da m.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 2 horas e 54 minutos da tarde.
Segunda as 3 horas e 18 minutos da manhaa.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagas a 5 e 25; para o norte at
a Giwa a 7 e 22 de cada mu para Fernando nos
das itfdos mezes dejan, mare., maio, jul, set. enov.
d ,, t> PARTIDA DOS MNIBUS.
a va, *** = ? J- m-; & 0,inda ^ 8 da m. e 6 da tarde; de
T^^/n l* d? m' do Ca"g e Vanea s 7
| da m.; de Bemfica s 8 da m.
-5 s/ l; 5*^Apip..uc0ss3 V,*, 4 /,41/
' JwL ti*, e,6 ^ Urde; P3 0linda s 7da
maaaaa e 4i/2 da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
de j gra Urhang e Vanea s 4 /z da tarde; para
Bemflia as 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS THIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal docommercio: segundas e quintas.
Relaco: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sexta* s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DIAS DA SEMANA.
28. Segunda. S. Wenceslao duque monge.
29. Terga. S Miguel archanjo; S. Fraternal,.
M. Quart. S. Jcronymo card.; S. Leopoldo m
1. Quinta. S. Remigio b.; S. Verissimo ro.
2. Sexta. S. Leodegario b.; S. Guarino m.
3. Sabbado. S. Maximiano b.; S. Eustaquio m.
4. Domingo. S. Francisco de Assis.
ASSIGNA-SE
no Recife, em a livraria da praca da Indepeadencia
ns. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Figueiroa Faria & Filho.
PARTE OFFIGIAL.
Competir ao conservatorio nao s censura das
pecas, no interesse da moral publica, em todos os
theatros, com recurso para o governo, mas tambem
*..... ~..... a c.ntlca 1tteraria, quanto ao que for subvenco"-
MIXISTERIO DO IMPERIO. nado ;
RrlaiArio ... ... a l ... Ter o direito de exercer inspeccao internanos
iriaione quf diMia ser aposentado a assemhlea theatros; ~~y
eral legislativa pelo respectivo ministro mar-1 Seremdosempcnhadns estas funegoes por urna
mnanos, era a falta de unrformidade no plano de publico; que quanto aos interessados por uns ou
estados, quanto as cadeiras estipendiadas pelos por outros, cadaum J dea a cadeira da amara ao
COirGS piJUlKOS.
seu apaixonado.
Pelo regulamento promulgado com o decreto mflm o que for soar e mundo n. 3,073 de 22 de abril ultimo (annexo H), reme- Vme. certo, qj! JRut?SomSS^S
diou o governo este inconveniente, estabelecendo tim-tim. u u Pr
quez de OKnda.
(Continuacao.)
Aj-SOCUCOES E KSTABELECIMENTOS
LITTERABIOS.
commissao ou jury dramtico com durago deter-
minada, composto por nomeago do governo, de
merabros effectivos do mesjno conservatorio, com
scientificos e um inspector geral dos theatros ;
Instituircm-se as aulas necessarias ao progresso
Academia imperial de medicina. Esta impor- da arle> e da litteratnra dramtica nacional,
tanto instituigd contina a oceupar-se nos estudos: O governo reconhecendo a necessidade de me-
c trabalhos a que se dedica, prestando serviros Inorar* estado dos nossos theatros, c de favorecer
nao s sciencia, como ao governo quando a con- desenvolvimente daquclle ramo da litteratura,
sulta em materias concernentes hvgiene pu- necessidade j exposta em anteriores relatnos,
>lica. j entende que convm habilitar este conservatorio
A publieagodos Animes da academia, a qual ti- P31"3 prestar to importante servico, assentando-o
nha sido interrompida, continuou a ser feita. sobre bases mais convenientes.
Com approvacao do governo foram admittidos na negocios kcclesiasticos.
academia, durante o anno passado, 8 novos mem-' Bispados.Tenho o prazer le annunciar que
bros, sendo 4 titulares, 1 honorario c 3 correspon- todos os hispados se acham prvidos de pastor,
dentes. | Por decreto de 12 de marco do corrente anno foi
Instituto HistricoeGeographicoProsegueesta nomeado bispo da diocese da Diamantina, nica
instituido em seus utilissimos trabalhos sempre 1" e achava vaga, o padre Dr. Joao Antonio dos
com infatlgave! solicitude, alargando a esphera dos Santos.
conhecimentos historico-geographicos, e dando im-! reverendo bispo de Goyaz, que tinha mandado
pulso aos estudos cthnographicos, archeologicos e ton?ar pqsse por procurador em 27 de dezembro de
to|K)grapliicos do imperio. 861, fez a sua entrada solemne na diocese em 17
Durante o ultimo anno enriqueceu o seu archivo de fevereiro do corrente anno.
com crescido numero de documentos preciosos, o Ode S. Paulo fot sagrado em Petropolis no dia 18
o sen museu com diversos objectos interessantes,!de ma' de 1862, e tomando posse em 10 de junho
-que de algumas provincias se Ihe remetteram em por seu procurador o conego Joaquim Manoel Gon-
virtude de ordens expedidas pelo governo.
Commisao scientilica.Reorganisda "esta com-
missao, depois que regressou de sua viagem, como
se referi no relatorio do anno passado, tem-se
oceupado os chefes das differentes sec5es, bem
como o adjunto da de botnica, em colligir, classi-
ticar e concluir os seus trabalhos.
I presidente da mesma commissao contina a
conego Joaqu....
Calves de Andrade, a quem nomeou governador do
bispado, fez a sua entrada solemne era 21 de mar-
(0 ultimo.
O do Rio de Janeiro, que, em consequencia de
seus padecimentos physicos, passra a administra-
tao da diocese aos conegos vigario geral Jos Joa-
quim Pereira da Silva, e juiz dos casamentos Jos
Antonio da Silva Chaves, rcassumio era o Io de
as cadeiras que em todos os seminarios devem Por acto da presidencia de 18 do corrente foi
V- c addiada para 26 de outubro a abertura da asseni-
Aos bispos ficaram todos os meios para exerec- bla provincial, que pela lei deveria ter loSr no
rem sobre os estudos a devida fiscalisacao. dia 1. do mesmo fe
Neste regulamento sao pois consultados os direi- A cansa, que se assigna esse addiamento e
tosepisc-opaesmantendo-seaomesmotempoosdo que quasi posso afflrmar queV nSSo
vILmT .. ,.,**"? P"co leraPo- B esse mesmo absorvido por
felizmente existem seminarios em todas as dio- negocios de eleicoes que tem tido o Exm Sr Dr
ceses cora excepcao smente das de Diamantina, Meira, para confeccionar o seu relatorio sob a con-
e d,I^ea,ra\ ... ... : dici0 dS sfazer as vistas do acto addiccional
Para fundac.ao do ultimo o governo ja autorisou quando decrelou esse dever aos presidentes
a despeza precisa, a fim de que, no proprio naci- S. Ex., apesar de moco, tem comn do mos-
nal que lhe fo. destinado, sito no lugar denomina- trado possuir hbitos eXfioSta
do-Laga-Funda-, prximo a capital da provin- mais parece um velho consummado m cosieio e
C^,8!iaf"n i-reParos de 1ue carec/-... manejo dos negocios pu blicos, do que um magiEra
Na do Maranhao creou o reverendo bispo novo do no*, que ainda est no pr meiro estad o de sua
seminario no convento dos religiosos mercenarios,' carreira poltica; por isso nnc aua discricio e
por entender qne o existente no convento de Santo prudencia, j so vao aqui tornando proverbiaes
Antonio nao preenchia as necessidades da dioce- As minuciosas informacoes queoSr Dr Meira
Koi inaugurado no da 4 de fevereiro do cor- tem exigido dos empregados pblico e'de pessoas
outras competentes para da-las, reveam que o seu
intento e menos deleitar os ouvidos da assembla
se.
rente anno.
(Contttmar-se-ka.)
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 2 i de se terebro de 4863.
cora palavras sonoras, e de mais enphonias da retho-
ricadoque offerecer sua intelligencia e apreciacao
um fttdro perfeito do oslado em que se acha a pro-
vine soto qualquer das relacoes polticas e sociaes,
em qne w a considere, flm de habilito-la com
prestar os seus servidos sem nenhuma retribu- Ju,ho do anno passado o exercicio de sua juris
cao,
dieco.
Movendo-sc duvida sobro a data em que os bis-
pos comecam a ter o direito de perceber a congrua
por inteiro, foi ouvida a tal respeito a secc_ao dos
negocios do imperio do conselho de estado, a Sm
de resolver-se definitivamente se esse direito deve
tornar-se effectivo desde o dia da confirmaco em
Roma, ou se smente, do da sagraco, ou do da
Relaco metropolitana.A necessidade de melho-
rar a organisacao deste tribunal ecclesiastico, que
lem-sej prestado alguns a diversos ministe-1 decide cmullima instancia pleitos da maior impor-
ri0n'c(ilc.os tem rcquisitado. tasefa, contina a fazer-se sentir, e o reverendo
J se deu principio publicado daquelles tra-
Quasi todo o material, que servio as ertlora-
<;oes que fez a commissao, se acha recolhido.
O governo incumbi os chefes das secc5es res-
pectivas de classificar os instrumentos de que se
servio a commissao, e de indicar o destino que
rnais convenientemente se Ihes deva dar, distri-
buindo-os pelas reparticies s quaes possam apro-
Bibhotlieca publca.= A quantia destinada a este
estabelecimento permute apenas que se cure dos
seus servidos ordinarios.
Durante o anno lindo adquiri a bibliotheca.
alera de revistas e peridicos estrangeiros, 4*5 vo-
lumes, dos quaes foram-lhe remettidos 115 pelas
secretarias de estado e presidentes de provincias,
e 2o por diversas typographias ; 69 foram-lhe of-
arc'ebispo, em offleio
expe nestes termos
A rclacao metropolitana foi primitivamente
creada com tres desembargadores, e tinha entao o
arcebispado por seus suffraganeos os bispos do Rio
de Janeiro e Pernarabuco; o do Maranhao, e pos-
teriormente o do Para, que del le se desmembro'u,
- v '> v- nwm i-. pertenciara metropole de Lisboa : apesar da pe-
lerecidos por autores, ou por sociedades Iliterarias,! quena populacao que tinha a metropole brasileira:
c compraram-se 53. I na poca da sua fundafao, e ainda por muito tem-'
foram leitos alguns reparos de que necessitava I po depois, nunca se reputou sufOciente o numero
oediDcio. I de tres ministros para acudir s necessidades dos
A quantia de 3:0005 por anno, com que era au- que dependiam dos julgamentos da relacao; e de"
\iliada a publicacao da Flora BiasMense doDr. | lempo immemorial se introduzioocostume decha-
Martras, ro reduzda a 2:000 pela lei de 9 de se-! mar para o julgamento das causas, com o titulo de
terabro de 1862. I desembargadores extranumerarios, mas sem ven-1
No intuito de prestar ao poder legislativo escla- cimento, alguns ecclesiasticos que o arcebispo re-
recimentos que o habilitassem a resolver sobre a condeca serem idneos para julgar na segunda
conveniencia de continuar, ou nao, a prestar aquel- instancia; mas esta pratica cessou depois do aviso
le auxilio, incumb o ministro brasilciro em l^)n- de 28 de agosto de 1834.
iste, em urna longa carta, a qual se l no an- gnlarmente com tres juizes smente, a lei n. 83 de
ra.Pela leitura do offleio do brigadero comman
dante das armas de 21 do corrente, constante da qa pr^ntemTnW l" ^ '
Antonio de Far.as Duarte, que esto comprehendi-1 Nesta cidade d zem os mediros ne fin
Xte^ QUe a"UdC fflC d V" ElC- de, "****> SSffi, fjfg
Sa^fS^^c^
como o termo de contrato pelo qual o 2 cirurgiao I \ "ta !JL focante .
Dita ao capito do porto.-Pode V. S. despender! kp0S coa]*ciost:,.
at a quantia de 40*000 com a colloca5ao da boia Apuracao dos coEs da einital S tose
dido o seu offleio n. 123 de 21 do corrente.
A contrafaefao um attentado-ao direito de pro-
pnedade Iliteraria -defendente o Sr. Adolpho Ge-
nenno dos Anjos cargeme o-Sr. Julio Cesar de
Mendonca Uchoa.
Procedeu-se desiribuicao de tres Ineses de di-
reito natural aos Srs. D. Carlos Balthasar da Sil-
yeira, Adolpho Laraenha Lins e Joao Pedro Belfort
> eira, para ordem do dia da sessao do i" de ou-
tubro vindouro.
Amanhaa fazem acto do 2 anno dous estu-
dantes do Curso Cotmuercial.
Repaktiqao da polica :
Extrato da parte do dia 26 de setembro.
Foram recoihidos casa de deteneo no da 2o
do corrente :
A' ordem do subdelegado do Recite, Ignacio
oncalvcs Braga, branco, por embriaguez ; os
pardos Antonio Tertuliano dos Res, por distur-
bios ; Manoel dos Passos, por insultos, e Antonio
Monteiro de Fanas, como desertor.
A' ordem do de Santo Antonio, Joao, crioulo
escravo de Candido Jos de Assis, requerimenl
deste.
A' ordem do da Boa-Visto, os pardos Jarintho
Ferreira Gomes, por suspeitode ser escravo, Mara
Joaquina da Porciuncula, por briga ; as Africanas
Rosa e Angela, escravos, esta de Sebastlao Marques
do Nascimento, e aquella de Joaquim de Oliveira;
o crioulo Aniceto, escravo de Bento Jos da Costa
todos por infraegao de posturas, o Manoel Felipp
da Hora, tambem crioulo, para correccao.
A' ordem do d e S. Jos, ManoeJ de Dos do Nas-
cimento, pardo, igualmente para correccao.
0 chefe da 2* secc.ao.
/. G. de Mezquita.
Movimento da casa de detencao no dia 25 de
setembro de 1863.
Existiam........ 374 presos
Entraran....... 13
Sahirara....... 8 >
A saber :
Existem......... 379
de 13 de margo ultimo, a Dito ao director das obras militares. Mande V.
S. com urgencia examinar o edificio, que serve de
arrecadacao geral do 7 batalho de infantaria, e
empregar os meios que forem necessarios para cx-
Moreira 162
Amaro 144 e
Velloso 132
Tarquinio 101
1 hypothese.
A mesma aparago com as
1 em separado.
dos collegios de
t.nguir o cupira all existente e que j tem feito Cang uaetoVTffinpo v mw^t
estragos em varios objectos. Communicou-seao'iistaiflreramdupi.catas f ^
Amaro 246 c 10 em separado
ellpso 210 e 5 dem.
brigadeiro commandante das armas.
Ditp ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Goianna.Expeca V. S. as snas ordens, pa-
ra que o batalho n. 12 de infantaria da guarda
nacional sob seu coinmando superior assista tes-
ta do Orago da freguezia de Goianna na primeira
doininga de outubro prximo vindouro, e acorapa-

orira 167 e 1 idem.
rquinio 104 e 5 idem.
3.* hypothese.
O resultado da2 hypothese com a votarlo do
collegio de Papari, inclusiveos votos doseleitores
nexo G, depois de "ponderar a immensidade da
empreza que a si tomara, pois que o seu plano
abrange toda a Flora do Brasil, que elle exalta
como a mais rica do mundo, e de expr a necessi-
dade que te ve de soccorrer-se da cooperario de
nuiitos homens de sciencias notaveis, cujos nomes
representa, assoejando-os a to vasta empreza, ma-
uifestmenle superior s forjas de um s hornera,
conclue:
Io que impossivel seria determinar a poca em
que poderiam concluir-se completamente trabalhos
2queDorm, se for obrigado a pr-lhes desde
j um termo, e a limtar-se a publicar smente os
que estao em elaborarlo, pensa que, ao menos, as
partes mais importantes poderiam apparerer luz
at o fim do anno de 1864 ou de 1865 ; pois que a
rcuniaodos trabalhos que se acham ainda em maos
de to grande numero de pessoas, depende de tem-
I>o, e nao seria admissivel que licassem abandona-
dos, tendo custado
nheiro.
17 de outubro de 1839 elevou a sete o numero dos
desembargadores da rclco metropolitana, que,
as circumstancias actuaes, ahrangendo o arcebis-
pado da Bahia todo o Brasil, e com o accrescimo
de populacao que tem tido os bispados suffraganeos
e o proprio arcebispado, nao satisfaz, e nao pode
salisfazer, as necessidades das partes, que soffrem j
dclongas muito prejudiciaes ao socego e interesse'
das familias. >
Em resultado, pensa o mesmo metropolita, que,
em quanlo nao se formarem as lcis que regulam o I
processo ecclesiastico, ou se nao augmentar o nu-'
mero dos desembargadores, indispensavel esta-
blecer que os effeitos sejam julgados smente por
tres juizes.
Este assumpto digno da seria atteneao do po-
der legislativo, que seguramente tomar'as provi-
que em sua sabedoria entender acerta-
SiradaSrmrizDa *"* *" *" d ^^^^^mn^s era se aradHT
^DUol Sramnicipal da villa da Escada. fi*" **** ^^ ^ BM*BB ^t**
Sradda VS EscTdTeSanaonTcrdaeTdo ffi & **
corrente relativamente aos serios embarazos com Moreira 185 dem
que (uta na administradlo do seu municipio por Tarquinio 121 idem
falto de posturas, tenho a dizer-lhe que formule e a >
remetu a esto presidencia, para serem provisoria-
mente approvados, os artigos de posturas que jul-
dencas
das.
Entretanto rcmetli o offleio de que tenho tratado:
sacrificios de trabalho. e de di- secgao dos negocios do imperio do conselho de !
estado, para que d seu parecer sobre a medida
em ultimo lugar pelo reverendo arce-
embrada
bispo.
Cathedraes.O mo estado em que se acham em j
geral as cathedraes foi descripto no relatorio do
meu Ilustrado antecessor.
O governo apenas pode, no corrente exercicio,
por a disposicao do respectivo diocesano a quantia ]
Declara finalmente que, na incerteza em que est
sobre o futuro de sua empreza vista da restric-
o feito no auxilio que se lhe prestava, aguarda
urna resolugao definitiva para proseguir nos tra-
balhos, ou limitar-se publicacao dos que estao
feitos.
Parcceu-me attendiveis as consideracoes expen-
didas pelo Dr. Martins ; e visto da transcenden-: de 6:0003000 para os reparsde quecaree a do
cia e utilidade da obra, e da pequea importancia' Para.
da subvengao, com que tem sido auxiliado, pens I Sendo necessaro crear os cabidos dasdioceses
que convem continuar a pre.Mar-lh'a, elevando-a do Rio-Grande do Sul, e do Cear declarou o go-
novamente somma de 3:0003000, para que se i verno aos reverendos bispos quc'procedessem na
nao interrompam tantos trabalhos ja adiantados. forma das leis para o provimento das dignidades
Se assira for resolvido pelo jwder legislativo, o e mais beneficios que os tem de compor.
governo se informar constantemente do progresso: Nao se tem anda votado quantias para os cabi-
que ellos tiveram. dos de Goyaz, e de Cuvab. os quaes convm orga-
CODTni attender a que, em compensaco da I Bisar.
(|uantia prestada para auxiliar a publicado desla Capella imperial.Tendo a oxporoncia demons-
obra, recele o governo 100 exempiares, a medida i trado que as obrigagoes dos dous thesourei-
que vao sendo impressos os fascculos. Destes tem ros da sachristia da capella imperial podem ser
sido ja publicados 30. deserapenhadas por um s serventuario, pelo que
Museu nacional. Em todas as seccoes do esta- se conservava vago um dos ditos lugares, e que o
fcelecimenlo continuaram a ser feitos com regula-1 mesmo acontece a respeito das obrigacoes dos dous
ridade os servaos tendentes conservago, classi-; masseiros, por decreto de 5 de margo ultimo foi
ucacao e arranjo dos objectos que possue. alterada nesta parto a tabella annexa' ao de n. 697
uurante o ultimo anno foram augmentadas as, de 10 de setembro de 1850.
suss cofieccues por offertas de particulares, e da, E como se reconhecesse tambem serem nsuffl-
commissao da exposigao nacional. i cientos os vencimentos marcados para cada um
O crdito relativo ao museu nao permitte quo o' dos referidos lugares, aos quaes por isso se tinham
governo Ine d o desenvolvimento de que suscep-: annexado gratilicagSes, foi fixado ao masseiro o
11 v- ., ordenado annual de 200*000, e ao thesoureiro da
Foram feitos alguns reparos de que careca o! sachristia o de 800*000, com a incumbencia de
edificio. ... i teda a escripturago, que nao cstiver a cargo do
Conservatorio dramtico. -- Este conservatorio I secretario do illustrissimo cabido,
foi instituido em 1843 com o fim de promover os Desta medida nao resultou augmento de despeza,
estudos dramticos, e o melhoramento discena porque a somma dos ordenados fixados equiva-
dos vencimentos que foram supprimi-
gar convenientes aos mteresses de sua municipali
dade.
Despachos do dia 21 de setembro de 1S63.
Requerimentos.
Carlos Luiz Cambrone.Informe o Sr. inspeetor
da thesouraria de fazenda.
Joao Divino de Mello Paixao. Informe o Sr. ins-
pector do arsenal de marnha.
Joao Hypolito de Meira Lima.Informe o Sr. di-
rector das obras publicas.
Joaquim Leocadio de Freitas. Informe o Sr. di-
rector do arsenal de guerra.
Manoel Thomaz Villa-Nova. = Informe o Sr. juiz
municipal do termo de Barreiros.
Odilon Austricliano Brayner.Informe o Sr. juiz
municipal do termo do Bonito.
Thereza Alexandrina de Souza Bandeira.Volte
ao Sr. director geral de instruego publica para ex-
pr o mais que lhe occorrer.
William James Lindsey. Informe o Sr. inspec-
tor da thesouraria de fazenda.
tos,
lente
dos.
A' vista de algumas irregularidades que se prati-
cavam as folhas dos vencimentos dos empregados
da capella imperial, deu o governo, para evito-las,
um modelo, segundo o qual ella agora feito.
Supprimindo algumas verbas de despeza da
mesma capella a fim de fazer cessar o dficit, que
so verifleava annualmente, e equilibra-las com a
j receita, organisou finalmente um orgamento, cuja
recommendou ao monsennor
brasileira ; e pouco depois commetteu-lhe o go-
verno a censura das pegas que fossem destinadas
scena nos theatros da cidade do Rio de Janeiro,
estabelecendo as regras por que se devia dirigir, e
determinando as suas attribuiges; finalmente foi
auxiliado com a subvengo de 6003000 rs. por
anno.
Constantemente se tem elle esforcado para des-
empenhar a sua missao, e cumprir encargo que
aceitn.
Disponio, porm, de recursos muito limitados, e exacta observancia
faltando-lhe os necessarios meios de accao, nSo. inspector,
lem sido, qual se desejra, o resultado aos seus Seminarios.Encarregados da importantissima
trabalhos; cumpre entretanto reronhecer que, por, misso do formar o espirito e o corago dos man-
effeito daquellas atiribuigos o governo lhe confe-' cebos que se destinara s delicadas e altas fune-
rio, ainda que de curta extonso, muitos abusos se cocs do sacerdocio, os seminarios nao podem deixar
tem corrigido, que anteriormente eram frequentes de attrahir a viva solicitude dos poderes do es-
nas representac.5es theatraes, e gravemente offen- todo,
diam a decencia e a moral publica. O governo, nao cessando de dar-lhes a atteneao
Convencido de nao poder com sua actual cons- quo merecem, os tem auxiliado com todos os meios
tiluicao prestar os sen-icos que delle se esperavam,' de que pode dispr; e confiando plenamente na
resorreu o conservatorio, no anno passado, sub-', illustrago e zelo dos reverendos bispos, aos quaes
rnetter consideracao do governo nm projectopara 1 incumbe a sua inmediato direccao e flsealisagao,
sua reorganisago, cujas principaes disposigoes! espera qne produzam preciosos fructos.
i Vi w inconvenientes floe se notavam nos se-
sao
hypothese.
Cora a duplcate sulista de Sant'Annade Mat-
a mais reular :
Amaro 232 e 10 em separado.
Velloso 216 e 5 idem.
Moreira 208 e 1 idem.
Tarquinio 142 e 5 idem.
5.* hypothese.
Com o collegio do Serid (elcigo do l" juiz
de paz i a mais regular.
Amaro 250 c 10 em separado.
Velloso 241 e 5 idem.
Moreira 210 e 1 idem.
Tarquinio 145 e 5 idem.
Da Parahyba nada encontramos nos jornaes que
mereca inengo.
Realisaram-sc hontem as festividades do Se-
nhc* Bom Jess dos Passos, na matriz do (k>rpo
Santo, e da Senhora da Coneeiglo da Escada, na
egreja dos militares, com pompa e brilhantismo
sendo ambos os templos muito concorridos noute.
De Garanhuns nos escrevem 21 do cor-
rente :
No dia 12 um filho do Sr. Joao Ba hia de Mello,
de 17 annos de edade, tendo vindo feira, ao re-
tirar-se perto da noute, ganhouo mato, e suicidou-
se, enforcando-se com o cabresto de um cavallo
em que ia montado. O suicida era sandeu, e ti-
nha por costurac dizer que se matara : urna sim-
plesifpTtfcensao impellio-o a acabar vida! Deus
j se compadega da sua alma.
J Em Bom Conselho deu-se o faci seguinte :
chegaram ali dois individuos, que vinhara de
Paje, era procura de diversos cavallos furtados.
O delegado de polica, o tenente Flix Justiniano
de Albuquerque, sabendo que no sitioJacha-
viam seis sujeitos desconhecidos, que foram in-
dignados como ladroes de toes cavallos, orde-
Bou ao inspector, deCacimbasque os prendes-
se. O inspector, reunindo urna patrulha e acom-
panhado daquelles dous individuos, dirigio-se
para o mencionado sitio, na noite de 13 do cor-
rente, e ao amanhecer do. dia 14 pAz debaixo de
cerco a casa em que estovam os suspoitos.
Estes, depois de recebida a ordem de priso,
rahyba_o vapor costeiro Jaauaribe, sendo portador insultaram a forca publica; e, approxiraando-se-
dc noticias do primeiro ate 20, do segundo at 25 Ihes om dos donos dos cavallos, receben um
e do ultimo at 26 do corrente. '
Na capital do Cear era conhecido o resultado
dos collegios de Baturit, Santo Cruz, Canind, Ira-
peratnz e Ipd, pertencentes ao 2 districlo eleit-
ral, que formava assim a lista dos votados :
Padre Raymundo Francisco Ribeiro......... 129
Dr. A. Joaquim Rodrigues Jnior.......... 128
Dr. Jos Antonio de Figueiredo............. 110
Coronel Joao Antonio Machado ............. 85
Domingos J.Pinto Braga.................... 81
Padre Justino Doroingues da Silva......... 74
Do Rio Grande diz-nos nosso correspondente:
Estamos 25 do mez, e at esto dat nao se sa-
be ao certo do resultado final da eleicao.
t Nao ha memoria de tao notavel demora em elei-
coes anteriores desla provincia.
t Ncm as autoridades, nem os proprios amigos
particulares l do sertao tem tido pressa de manda-
Nacionaes____
Estrangeiros...
Mulheres.....
Estrangeiras...,
Escravos ......
Escravas.......
274
25
11
3
62
4
379
PERMMBUCO.
REVISTA DIARIA.
A lotera que cono no dia 10 em beneficio das
obras da matriz da Boa-Vista, com o plano ex-
traordinario, approvado pela presidencia, com os
premios seguintes :
feto.......... 10:0005000
1 de.......... 2:0003000
lde
3 de.
5 de.
10 de.
21 de.
558 de.
5005000
1003000
403000
205000
IO50OQ
Hontem chegou do Cear, Rio Grande e Pa-
tiro do qual ficou gravemente ferido. Entao a
forca luctou com elles, morrendo final um e
sahindo ontro com fermentos graves: a resis-
tencia foi forte, o houve ainda varios espanca-
mentos, de parte parte. Felizmente foram pre-
sos todos os criminiosos.
< Emllm, morrea hontem na cadeia desta vil-
la de um aborto precedido de grande hemorrha-
gia, Mara Silvana, mulher do celebro Beija-Flor
que, ha pouco tempo, commetteu quatro assassi-
natos no termo de Bom Conselho: essa infeliz
era co-r neste atroz crime.
Dao-nos as seguintes informacoes sobre a
associago Ensaio LUterario Pernambucano :
Hontem 24 do corrente houve sessao ordinaria,
a qual constou do seguinte :
Qidem do dia.
Discusso das theses adiadas :A extinecao do
rem livrar a presidencia, eos amigos das dores de jus vitaet necis foi devida introduegao do ele-
collica, Por""0 estao passando. 1 ment christo na lecislagao romana ; a aboligo
t E verdade, que ninguem crer, que a eleigio da dfferenga entre ingenuos e libertos, feito por
secundaria do Rio-Grande do Norte tem sido muito Justiniano, prejudicando o direito de patronato,
mais complicada, do que o nao foi a primaria. | Tomaram parte na discusso da primeira these
t Estou muito certo, que ha de ser ella urna das os Srs. Espirito Santo e Tolentino, e na da segun-
que mais dem o que fazer commissao de pode- da os Srs. Ernesto Vieira, Ferreira e Samuel,
res, e por consequencia cmara dos senhores de-. I Depois de encerrada a discusso, foram desig-
putados para limudarem-a. | nadas pela presidencia para ordem do dia da ses-
Dos 5 candidatos, que se apresentaram.retirou- sao ordinaria de 27 do corrente, as 10 horas da
se nos das de conflicto o Sr. Dr. Gabriel Soares, manha, as theses seguintes :
em consequencia, diz-se, do fallecimento de sua es- A presoripcao do direito natural; defendente
posa a Sra. D. Urloia. 10 sr. Augusto Estevao de Oliveira e arguonto o Sr.
IJ0S 4 que ficaram, e sao elles os Drs. Jos Mo- Leonardo Francisco de Almeida ;
reir Brandad, Amaro Carneiro, Lelo Velloso e Tar-1 O matrimonio, considerando como contrato o di-
quinio, anda ninguem sabe, quaes sero os 2, aos vorcio, urna consequencia da semelliante con-
quaes a cmara municipal ha de expedir os respec- trato ; defendente, o Sr, Aurelio Jos P Albu-
tivtia diplomas; bem entendido, isto digo eu, que s querque e arguentc o 8r. E|njiro Casado dV Aran-
S?i das coasas, quando ellas penencem ao dominio )6 Lima; *w
Alimentados a custa dos cofres pblicos.. 168
Movimento da enfermara no dia 26 de setembro
de 1863.
Tiveram baixa :
Frederico Carlos de Araujo, syphiles.
Jos Caliste de Freitas, rheumatismo.
Cypriano Gomes de Oliveira, idem.
Goncalo Jos dos Santos, febre catarral-
Belizario Francisco da Costa, sarnas.
Scrafim, escravo de Manoel Pacheco, odontalgia.
Passageiros do vapor nacional Jamaribe,
vindo dos portos do norte :
Jos da Costo Luna, Dr. Pedro Alfonso de Mel-
lo, Domingos Carlos de Saboiae seu escravo Joao,
Jeronymo Jos Figueira de Mello e seu escravo Ru-
fino, Raymundo Jeronymo Ignacio de Araujo, Joao
da Veiga Braga, Vicente escravo de Antonio Ran-
gel do INascimento, Maria Francisca do Nascimen-
to, Joaquim de S Ribeiro, Jos Alexandrc Pereira,
Jos Joaquim da Silva Matuto, Manoel Francisco
da Cunha, Jos Loureneo Collares. Carlos Antonio
de Araujo, Manoel Jos Martins, Joaquim Noguei-
ra da Costa, Joaquim Rodrigues Ferreira, Antonio
Filgueira, Jos Pereira da Costa, Raymundo No-
nato de Freitas, Francisco Zuarte. Antonio Teixei-
ra de aples, Dr.Tarquinio Braulio de Souza e sua
irmaa D. Leocadia Augusta Castello Branco e dnas
cnadas.JDr. Gabriel Soares Raposo da Cmara, urna
hlha, urna criada e quatro escravos. Domingos
Henriques de Oliveira, Fernando de Cerqueira Car-
valho. Candido Marcolino Monteiro, Luiz Soares
Raposo da Cmara, Jos Francisco da Costa, Joa-
quim Justiniano Gnimaraes. .los Joaquim Antu-
nes, Primo Pacheco Borges, Joao de Siqueira Per-
nio, Francisco Gomes Marques da Fonseca, Jos
Antonio Marques Guimares, Augusto Hvgino de
Miranda e dous escravos a entregar.
Passageiros do palhabote nacional Santa
Cruz, vindo de Penedo :
Rufino Jos Correa dos Santos, tenente Manoel
Francisco Botelho, Francisco Xavier da Silva, Joao
Pereira da Silva, Joaquim Pedro da Costa Moreira
e urna esrrava a entregar.
Passageiro do brigue escuna nacional *>j$-
ne, sahido para o Rio Grande do Sul:
Jos Joaquim Durao.
UM POUCO DE TUDO.
Do lbum Litterario extractamos o seguinte,
cuja leitura muito importa a todos:
O sim doce como um favo de mel das abe-
lhas do Hymetho.
O nao amargoso como urna gota de absvn-
thio.
O simalegra a nossa existencia.
O naoentristece a nossa alma.
O sim bello como a luz do sol.
O nao medonho como o fundo de um abvs-
mo.
O sim o cntico de Gabriel.
O nao a blasphemia do Lucifer.
O simtem delicias do co.
O naotem tormentos do inferno.
O simconsola coma a esperanga.
O naotortura como o desespero.
O sim como a predica no morto em face da
multido.
O nacv seraelbante a vos que clama no de-
serto.
O sim a estrella que nos sorri.
O nao a nuvem que nos eBgana.
O sim o arroio que desliza.
O nao a onda que arrebenta.
O simfaz lembrar a harpa do Propheto Rei.
O naorecorda as perseguicoes de Sal.
O sim a palmeira que se ergue.
O nao a parsita que so enrosca.
0 sim o claro da madrugada.
8 naosao as densas trevas da noite.
sim a crenga de Chateaubriand.
O nao o septicismo de Byron.
O sim um balsamo que cicatriza,
O nao urna ferida que sangra
O sim a vida do corago.
O nao-6 a morte do sentimonto.
O sim o fiat lux do nosso amor.
O nao- o conswnmatim tst dos nossos de-
sejos.
O sim- o arrependimenlo de Hermengarda.
O nao a maldigao de Eurico.
O sim as voze* do templo da felicidade.
O nao quasi serapro o epitaphio de um sar-
cophago.
O simjamis enfastia queme-uve.
O naoaborrece sempre a quem esouta.
O sim o Synai da nossa gloria,
O nao o Golgotha das nossas ilhosoes.
Q sim a innocencia de Christo.
O nao o perjurio do Apostelo.
O sim o bcrgo do christo.
O nao o tmulo do atheu.
O sim o gorgeio dos andorinhas,
0 nao o grasnar do corvo.
0 simencanto como as flores da primavera.
O nao-entristece como os gelos do Invento.
O simquasi sempre significa paz.
O naopoucas vezes deixa de exprimir guerra.
o sim-tem graga ainda que escape de ims la-
bios sem cor,
O nao dcsemxabido ainda que parta de ama
boqmuha de rosa.
O simtem a belleza de Narcizo.
O naotem a feakiade de Vulcano.
O simquasi nunea offende.
O naooffende quasi sempre.
O sim suave como um canto.
O nao montono como urna pendula,
0 sim frtil como o Egypto.
O nao estril como a Ethipia.
O sim a aurora da certeza.
O nao o crepsculo da duvida.
O simtem o fugo do enthusiasmo.
O naotem a nev do indifferentismo.
O simtem a serenidade da Esmeralda, a Gi-
gana.
O nao-tem e desespero de Gudula, a emwuV
dada. ~
O shn- urna flor que perfuma.
O nao una sensitiva que se contralle.
O simtem a meiguice de urna frauta.
0 naotem a aspereza de urna bezina.
O sim-tem a simplicidade de urna creanea
O nao-tem o estouvamento de urna velha.
O sim-tem a lealdade de Dimas.
O nao-tem a perfidia de Judas.
O sim tem a virtude de Abel.
O naotem a tyrannia de Caim.
O sim-tem a dogura da sabedoria^
O naotem o amargo da ignoraneiai
O sim expansivo como DemocritO:
O nao concentrado como Heraclito.
O sira ojordo da felicidade:
O nao- o ocano da desgraga.
O sim a Magdalena que se levanta.
O nao a mulher de Loth que se tmmobi-
liza.
O sim sao as palmas de Jerusalm.
O nao sao as apupadas do Calvario.
O sim -sao os anjos de Klop&tok.
O nao -_o satanaz de Miltom
O simsao as vozes dos Prophetas.
O naosao as lamentacoes da Jeremas.
De um sim ou de um.nao pendemui-
tas vezes a nossa felidade ou desgraga. Por isso,
se eu pedir indulgencia aos meus tenores, respon-
dan! sempre que sim era vez de dizereni
que nao I
O Sr. P. Jnior pede-nos. a iasergio da seguinte
poesa:
0 S.tGUiM.
Ah vm, amor seductor c delicado,
Vm ouvir a narrago do vario fado-
Ai de 111:111 !
Urna bella na janella me sorria,
Nos seus hombros sedosos brincar va
O Sagitim.
V, amor, o valor do tal bchinho
Meu rival, beijava-lhe o dedinho
De carroim!
Cobigoso, e invejoso, eu scismava,
E ella mu altiva rae indicava
O Saguim.
V, amor, o pallr tingio-me a face
Suspirei cumenlo pelo enlace...
Nao assira.
No passado enlevado, entregue sene,
Sorria-m'o futuro... mas deu-me a merie
O Saguim.
V, amor, minha dr, jamis se a alma,
Naufragou a esperanga da minh'alaa,
Qual jasmim,
Que o tufao, com paixao, atira ao pd I
Meu presente assim ... teniendo s
O Saguim.
\'-, amor, o amargor qne eu Hhej
Da desventura a toca q'eu esgoto'
T o fim!
Mas agora, como outr'ora, d^mea vida
Pata com que esqueca min'.>. Ai-tuda
O Saguim.
Para que eu possa
Nos labios d'ella
Haurir parcclla
De fido amor.
E d'ella ouvir
Pronunciar
A suspirar,
Toda pudor:
t Vm, mea"luerido!
Ella me chama,
E' que se inflama
No meu amor.
Cont-se que o respeitavel cardeal Wisema* pu-
blicar em breve um rsfutocao a Renn; bemeomo
que monsenhor Francisco ardi, autor da Rotoem
Austria, tambem se propSe a refutar a mesma
obra.
A refutagao fea. por este prelado esperada
com interesse, porque os seus raros conhecimeatos
em philologia, e o ter vivido por muito tempo no
Oriente, afiangam previamente o merecimeato da
obra.
Traduzimos o seguinte da Illustradet. hondn :
O general D. Joao Amonio Pczt, actual presi-
dente da repblica do Per, achavarse em Paris,
quando fot recebida a noticia de ter no dia 3 de
abril e na. cidade de Lima morrido- o ultimo pre-
sidente daquella repblica S. Ramn.
Como o general I'ezet era j o vice-presidente
legal, foi logo chamado patria pelo governo do
Peni, e parti de Southampton no dia 2 de jnlho
passado, devendo por isso esto boje exercendo. a
pcesideneia daquella repblica.
E o primeiro presidente do Per que antes d
tomar a direccao da repuhftca, visitou a Europa, e
temos toda a esperanga de que, sob a sna adminis-
tragao, aquelle paiz naturalmente too rieo, mas
tao desgragado at agora, far grandes progressos.
O general Pezet distinguio-se muito na guerra da
independencia om Hespanha, e nos lugares eivis,
que exerceu em tempo de paz, mereceu sempre a
approvagao geral dos seus compatriotas; de modo
que o seu nome foi proposto pete partido liberal
para a vico-presidencia, todos os outros partidos
polticos o apoiarara, e foi eleeo unnimemente.
Como ministro da guerra e da marinha adquiri
o respeito e estima dos murares de mar e trra.
Por estos precedentes o Per espera entrar em
urna poca de paz e prosperidade.
Antes de sahir da Inglaterra fci reecbido em au-
diencia particular ro castello de Windsor pela ra-
nha Victoria, depois teve as Tulherias Irwepeio
cora todas as honras que so costumam tributar aos
soberanos reinantes.
Estas relagoes deveui ser muito vantaiosas para
o Per, porque o general Pezet pode juqjar por si
mesma e reronhecer as intences dos soberanos
europeos em relaoo aos estados da, America do
O general, tanto em Londres como em Paris, vi
siten os principaes estabelecirpentos e instuiofrs
polticas e litterarias, nulrindo um ardente desejo
de inicia-las na sua patria, para dest'arte promover o
seu progresso, vai com resolugao de comegar desde
j grandes obras, como sao r.aminhos da ferro e can-
naes de irrigaco ; bem como pretende continuar
a exploragao ao Amazonas, cujas feriis praias po-
dero forneoer Europa immensos productos para
o commercio. Para se auxiliar nestos grandes em-
presas tento promover para o Per a eraigracao de
europeos,
0 dxtw presidente, segando nos loormam, teve

M-
i


Diario de Pernambuco Segunda felra tS de Setembro de f 88.
urna larga conferencia cora Mr. Cobden, para com- [
linar a mudanza do systema monetario do Per,
cine presentemente tanto embarac* un commercio
llvre e reciproco.
O general Pexet est na idado da energa e actl-
vidade, a sua sade melliorou muito cm \ icny,
onde o seu porte cavalheiresco e intelligencla, Ihc
grangoaraut as aUeicoes de quaatos os trajarain.
AppeRamV, o promotor; appellado, 'Bernardo com todos os demais subdelegados da ridade, e dem restilada ou do reino
!a Rocha. nenhum, alm do Sr. Braz, so leuibrou alada de dem caxaea.........
AppeHanie. Manoel Jos 4o Borafim ; appellado, inrrepar-lhe a menor falta. dem genebra. ...... .
Joaquira Jos de Lyra. Refofme-se o pessoal dos inspectores da fregu- dem alcool ou esptrito de agua-
Appellante, o juizo; appellado, Joaquim Caetano zla de S. Jos, tirando-se desse corpo pohYial os ardente....., ,
de Oliveira. i agentes corrompidos, criminosos, apaixonados e Algodao em carolo _. arroba
passagens. pretenciosos, e, nao s os encarregados de suas dem em rama ou em laa. ,
O Sr. desembargador Gitirana passou ao Sr. des- ordens, mas anda todos, cuios direitos correm Arroz con casca.
embargador LoHcenco Santiago
As avpellarSes citis.
Appellante, Rita Joaquina de Moura appellado,
Vicente Antonio do Espirito Santo.
A Oxis publica o seguinte sob a denominacao
Os anjos bons e os aujos mat:
Ensina-nos a igreja que Dees, depois de creado
o mundo, creou os aojos, esptritos celestes, com
xoda a intelligencia do bem e 4o mal, e em perfeita pelldo, Jos poioario Borges.
liberdade. As appellacves crimen.
Grande numero desses spiritos, em lugar de Appellante, Jos Coelho Lopes
attribuirem ao Creador tndo quanto linham de bom dro Alexandrlno Braga,
e de excetlento, cholos de orgnlhe, recusaram obe-' Aullante, o juizo ; appellado, Ignacio Rodri
decer a Dos e foratn precipitados no inferno para gucs Brilo.
Appellante, Jos Maximiano Ferreira Lira ; ap-
"ado, Jos Apolinario Borges.
Ai nnnpUiti*T0t rrutp$,
appellado, Pc-
sercm eternamente desgranados.
Acuelles anjos que perseveraran) no bem, sem-i
pre deis Dos, humildes e sempre obedientes as
suas ordens, foram conformados na graca. Habi-
tantes eternos da celeste Jerusalem, vem e ado-
ram continuamente a Dos, de cujas ordens sao
executores, e servem de intercessores dos homens
para com Dos.
Deos-eStabelercu os anjos nao s para guardas
e protectores da igreja, mas tambem, para guias
de cada fiel cm particular. O Anjo do Senlior, diz
o propbeta, acompanhar sempre os justos c os h-
nari de-todo o >erigo.
O amigo e o novo testamento fallam nestes bem-
aveaturados espritus. L-se nclles : tres anjos,
sob a ferina humana, apparocom a A'orahao e an-
nunciam-lhe o nascimento de um filho. O anjo Ra-
pltael acompanha o moco Tobas. O anjo Gabriel
mstruc Daniel sobre o que deve succeder e diz-lhe
o tempo, em que deve viro Messias. O mesmo anjo
prediz a Zaeharias o nascimento de S. Joao e an-
nnncia Bantissima Virgen) a encamarad do Ver-
bo o seu scio.
Foram os anjos que annunciaram aos pastores o
nascimento do Salvador do mundo.
Foram os anjos qoc servirn) Jess Christo no
deserto e o foriitiearam no jardim das Oliveiras.
Finalmente, foram os anjos quo annunciaram a
sua Ressurreicao e a sua Ascencao ao co.
A palasi;i anjo significaMnsageiroou En-
viado.
L'm dos anjos irineipaes, na hierarchia celeste,
S. Miguel e em nome deste anjo que a igreja
celebra amanhaa 29 do setembro a festa de todos
os mais anjos.
A Sarao nana o seguinte :
Escrevem-nos de Roma qne a Sagrada Congro-
gacao dos Ritos publicara om decreto facilitando
muito a beatificaran de denlos e tres martyres
do Japo, dos qnaes cincoonta pertcncem compa-
nhia de Jess, nns como religiosos, outros como
cathequistas.
Nos, os |Rirtiiguezes devenios pedir a Dos o bom
xito desta causa, pois segundo o Fasciculus e Jap-
ponteis floribus, composto pelo padre Francisco
Cardinis da companhia de Jess, entre estes mar-
tyres do Japao rontam-se ."16 porlnguezes, 17 dos
qnaes pertcncem companhia de Jess, 3 aos reli-
giosos de Santo Agoslinlio e 16 sao seculares.

A Associacao Promotora das Bellas-Artes tinlia
em 1862 socios 253 o no anno actual 278, tendo
entrado 97 ueste ultimo anno.
Em 1862 foi 17 o numero dos expositores, 290
de 1863.
Em 1862 expoz 62 trabalhos e em 1863, 116.
Os artistas receberam em 1862 1:1745500, e em
1863 1:4625.
A receita total da associard foi de 1:6565920
em 1862 e de 2:0595300 em 1863.

A fecundidade dos cereacs e arvores fructferas
augmenta de um modo extraordinario por um pro-
eesso, que descobrio Mr. Hoosbrenk.
O imperador Napoleo concedeu-lhe em premio
a croz da I.egiao de Honra, manifestando desejos
de que o novo processo se divulgue quanto antes.
sua observancia, deixarao de testemunhar scenas dem descascado ou pilado
desogradaveis. Assucar mascavado. .
Do nossa parte vamos aguardando os acontec- dem branco......
mentos que so seguirem esta lamentavel occar- dem refinada ....
rencia, para irraos expondo-a com sineer idade e Azeite de amendoim ou mendo-
mparcialmente ao publico e, da estacada,>spe-
ramos, para devolvermos o que cntenerem dizer.
Recife, 25 de setembro de 1863.
A patrulka aquartellada.
PUBLICARES A PEDIDO.
Ao Sr. desembargador M^tta
A appellaro cim^.
Appellante, Antonio Simiao de Fara Mattos .
appellado, Bernardo Jos Goncalves Lyra. Per amor da memona do mimoso poeta, A. J.
O Sr. desembargador Lourenco Santiago passou Franco de Sa julgainos dever rectificar a seguinte
ao Sr. desembargador Motta estancia, que o sapientissmo autor dos artigos pu-
As appellacdrs civeis. blicados no Progresststa com o titulo As lettras
Appellante, Jos Gomes Pereira dos Santos Bas- nojtrasil tomou a liberdade de adulterar,
tos ; appellado, Francisco Elias do Reg Dantas.
Appellante, Martinho de Borges ; appellado, Mi-
Efe a variante proposta pelo sabichao poetastro:
Ao sopro das brisas, ao som das cscalas.
Em leito pomposo formado por Deus,
Um indio gigante dorma as mattas
Ao longe cercado de mil pigmeus.
Eis agora a estancia original :
guel Antonio dos Santos.
Appellante, Jos Ignacio de Mello; appellado,
Alcxandre Bezerra de Albuqucrque Barros.
Appellante, Antonio Norberto de Souza Lealda-
de ; appellada, a cmara municipal de Olinda.
Appellante, Aureliano Cavalcanti da Rocha
Wanderley ; appellado, Joao dos Santos Xunos de
Oliveira.
Appellante, Joaquim Ramos de Qliveira appel-
lado, Antonio Ferreira da Silva.
O Sr. desembargador Motta passou ao Sr. des-
embargador Peretti
As appellaeSes riteis.
Appellante, Domingos Jos Dias de Oliveira;
appellada, a cmara municipal de Olinda. ,
guel Rodrigues dos Santos.
O Sr. desembargador Peretti passou ao Sr. des-
embargador Accioli
.4 appellaro ricel.
Appellante, Francisco Alves Havaleantc ;
lada, D. Mara Joaquina de Santiago.
ao sopro dos ventos, ao som das cscalas,
Em leito pomposo formado por Deus,
Um indio gigante nascido as mattas,
Dorma cercado de mil pigmeus.
0 Ilustre autor do futuro livro As memorias
de um acadmico julgou conveniente por os pig-
meus em certa distancia do gigante ( e pena que
todos os pigmeus nao se ponham igualmente n'uuia
') e declarar que
Deus eslava dentro
das maltas,' assim como ahou mais bonito e subli-
mo brisas que ventos, pois que o suave sussurrar
das brisas casa-se melbor do que o rugir dos ven-
>nel- tos com es,rondso som ds cascatas. Nao ad-
' mira semelhante liberdade em quem, segundo di-
,ao%onll lo d juVi;d ccao entrl o juiz munici- ^ W-to nfo jw pjt^m nem animo de ve-
nal e o subdelegado de Mo^sor rifica-lo), ia transformou Sobieski em Sneco, des-
' O S?. dSmblrgadr Acdo. passou ao Sr. des-! "bno jarim de fructos e pomar de flores, (eras no
^im, ........ caada
dem de coco....... ,
dem de mamona..... ,
Batatas alimenticias..... arroba
Bolacha ordinaria, propria para
embarque.......
dem fina........ ,
Caf bom........ ,
dem escolla ou restolho ... >
dem torrado....... libra
Caibros........,. um
Gal........... arroba
dem branca....... ,
Carne secca (xarque) .... >
Carneiros........ um
Carvao vegetal...... arroba
Cavernas de sieupira .... urna
Cera de carnauba em bruto. libra
dem idem em velas .... >
Cha.......... ,
Charutos........ Cento
Cevados (porcos)...... um
Cocos (seceos)....... cent
Colla.......... iibra
Couros de boi, salgados ...
dem idem seceos espichados.
dem idem verdes......
dem idem cabra cortidos. um
dem dem de onca..... cento
Doces seceos....... libra
dem em gcla ou raassa.
dem em calda.......
Espanadores grandes..... um
dem pequeos...... >
Esleirs para forro ou estivas
de navio........ cento
Estopa nacional...... arroba
300
320
500
600
5J000
205000
15000
25000
11800
35000
45160
25000
15440
800
15200
35500
85000
85500
75800
440
360
280
500
25500
35000
15600
85000
200
360
15400
5500
Toucinho.......O de Lisboa veudeu-se a 85300
por arroba.
Vinagre........ O de Portugal vendeu-se de 1105
a 1205000 a pipa.
Vinhos......... Os de Lisboa venderam-se de
1905000 a 2005000 a pipa, o os
de outros paizes de I6O5OOO a
2OO5OOO.
Velas.......... Venderam-se de 320 a 540 rs. o
masso, das de composcao.
Descontos....... Variaram de 7,8,9,10 a II por
cento ao anno.
Fretes......... Sein transaeces.
i.
MOVIMENTO DO POETO.
JVwfo entrado no dia 26.
Philadclpbia43 das, barca americana Azelia, de
263 toneladas, capitao Kerlin, equpagem 10,
carga 2250 barricas com farinha de trigo; a
Malheus Austin & C.
Navios saltillos no mesmo dia.
Porto AJegreBrguc escuna nacional Guanabara,
capitao Jos Fernandes Coelho, carga sal.
ParaPalhabote nacional Lindo Paquete, capitao
Antonio Maria da Costa e Silva, carga diferen-
tes gneros.
Navios entrados no dia 27.
Portos do norte9 dias, vapor nacional Jaguaribe,
de 442 toneladas, commandante Manoel Joaquim
Lobato, equpagem 31, carga differentes g-
neros.
lXfZ5 Pencdo 2 i/2 dias, palhabote nacional Santa Cruz,
passou
embargador Uehoa Cavalcanti
As ap>eliaciies civeis.
Farinha de mandioca.
dem de araruta.....
Feijao de qualquer qudlidade.
xi ur /mies, etiu m> pP,i.haes
OCMN0 e penes nos matagaes, estrellas tarde e sol l p .^ *
A mm no,te e o que mais declarou numI$gS$S& ^sko
alqueire
arroba

um
arroba
353OO
300
133
230
090
330
105000
15000
320
500
450OO
MH
155000
15600
25300
35000
Appellante, Antonio Viriato de Medeiros Jnior,'g gf SStlT^FjIS' ^ cul rola^
bumierque. 1 *?*""**%' W'oecupados de urna so um- Ucm ordnar0 wres
(HROMCA JlfDICIARI.4.
TRIBVVAL O A KDIMlO.
SESSAO EM 26 DE SETEMBRO DE 1863.
PRESIDENCIA DO EXM. SU. CONSEI.HE1RO SILVEIKA.
As 10 horas da manhaa, achando-se presen-
tes os Srs. desembargadores Caetano Santiago,
Gitirana, Lourenco Santiago, Motta. Peretii. Accioli,
Asis, c Doria, faltando com participaco o Sr.
desembargador Ucha Cavalcanti, abrio-"se a ses-
sia
O Sr. desembargador Guerra, procurador da co-
la. nao compareceu.
Pausados os fetos e entregues os distribuidos,
derani-sc os seguintes
Jll-GAMENTOS.
Appelttirdes crimes.
Appelianle, o juizo
apiiellada, D. Rosa Maria de Albuq
Appellante, Manoel Patricio dos Santos ; appel-:
lado, Fabricio Gomes Pedrosa.
O Sr. desembargador Assis passou ao Sr. descm-.
bargador Doria
As appellares civeis.
Appellante, Antonio (irlos Pereira de Burgos 5
appellado, Antonio de Siqueira Cavalcanti.
Appellante, Manoel Pereira Caldas; appellado,
Francisco Jos Regalo Braga.
Ao Sr. desembargador Gitirana
A appellaciin ciccl.
Appellante, Gustavo Gurgolino de Souza ; ap
pellado, Guilhermc Augusto de Miranda.
O Sr. desembargador Doria passou ao Sr. de
sembargador Caetano Santiago
conquisiar o erro 11
Nestes tristes lempos cm que tantos voluntes de
fioesia chilra vem insultar o bom senso, com ef-
eito de lamentar que as primorosas poesas de
Franco de Si, algumas de Junqueira Freir, etc.,
anda nao tenham sabido a luz : se ha nisso incu-
ria mesculpavei, duplamente a lamentamos, pois
a nossa htteratura reclama em toda a pureza es-
9as produoedes, qne se acbam por ora subjeitas a
taes e quejandas correcdes. Mas, como noer ue
seja, achamos menos censuraveis o estupidot av-
lenlos que resgurdala o tltesouro do genio do que
os crticos ineptos, que o lancam na creulacao as-
sim falsificado.
Um zeloso do tkesouro do genio.
35000
165000
105000
75000
550OO
600
25OOO
235000
25008
115000
85000
200
de 101 toneladas, capitao Jos Victorino das Ne-
ves, equpagem 8, carga 600 alqueres de fari-
nha de mandioca, milho c outros gneros ; a C.
C. da C. Morera.
Liverpool43 dias, brigue nglcz Matonic, de 135
toneladas, capitao llannun, equpagem 9, carga
fazendas; a Mells Lathan 4 C.
Navio sahido no mesmo dia.
Rio Grande do Sulbrigue escuna nacional Sysne,
capitao Jos Monteiro de Almeida, carga assucar
e aguardante.
EDITAES.
Appellante, Joao Jos da Silva; appellada, a AOS SrS. eltitores (lo Sllll(]o (stl'if lo.
justca. Coavindo que a escolha para membros da
daArusfi"'r,AleXa j05' ,ma; app assembla legislativa provincial recaia em
Appellante, o promotor; appellado, Manoel Go- homens que sinceramente compenetrom-se
mes da Silva Jnior. dos interesses vitaes de nossa chara provin-
Ao Sr. desembargador dtrana ca> lembramos aos senhores eleitores do se-
Appellante, ManXreira'caldas ; appellado,' g^O distri?to um nomt ^ julgamo na-
Francisco Jos Regalo Braga.
A 2 <{ horas da tarde encerrou-se a sessao.
GOMMNICADOS.
As pubhcacoes feitas ein differentes jornaes des-
ta ciiiade, acerca da oceurrenca de 23 do corren-
te, enlre_ a subdelegacia de polica, inspectores de
qarteirao da fregueza de S. Jos, e algumas pra-
eas do batalhao de artlharia da guarda nacional
aquartelladas, lera sido guiadas com sagacdadu
quellas condigoes.
0 Dr. Jo5o Honorio Bezerra de Menezes,
cuja aceitadlo pelo directorio progressisla
nao se poder por em duvida, altentos os
precedentes do mesmo doutor e de todos de
sua familia,
l'm amigo.
Queni piTiiiintu quer saber.
Ser licito um arrematante de impostes
uijuai^tMUUD, iuii oiuu j; III.MI.1 ^ uuill >.i^.li lu.tm; I *,
no empenho de cncarecer-se e elevar-se o proced- da fazenda publica andar procurando docu-
mento daqueiles agentes polcaes, e o de eucrun- mentes para justificar cobrancas da fazenda
nar o dos guardas. .... contra certos devedores imaeinarios, de que
Nao smente as publieacoes tem buscado es c f,,^ v^.. -. .- ",,T?ir,,j <',
e.n|.enlo ; noticias infundadas de twO.zttt.ai de formftu astuciosamente urna lista* e jteve
ilesatjgravo'por parte dos compimheiros dos guardas, Cul nome da fazenda e sem Orfler. delta
boatos falsos de pretenedes, anda por parte dclles, mandados execulivos ? Ou lera elle in^nco
de desmoralisar os agentes da pojica, lera tombem ,le defraudar aos porticulares para melhoi"J C
nmoaicLeramadas ua llluliW Publ,ca'^ completar defraudacao feita infeliz fa- ^
meio das impressoes, dessas publieacoes, do zenda provincial ?
pptllado, Amonio Pinbeiro seiodesses boatos e pregSes imaginarios, salta ao
espirito sensato, reflectido e calmo, a distancia que j
Arcoveide.
A' novo jury. os separa da verdadera historia dessa oceurreu-1
Appellante, o juizo ; appellado, Joo Francisco L';'> assusladra aos agentes puliciaes, de sua cau-
estoUio
Calimbas........urna
Gomma.........arroba
ljH'cacuanlia (raz)...... .
Lenha em achas......rento
Toros.......
Linhas c esteios.......um
Mel ou melaco.......caada
Milho..........arroba
Papagaios.........um
Pao Brasil........quintal
dem de jangada......um
Pedras de amolar.....urna 840
dem de ltrar...... t 45000
dem de rebolo ..".... 15200
Piassava.........molho 120
Pontas, ou chifres de vaccas ou
novdhos........cento 55000
Pranchoes de amarello de dous
eostados........um 205000
dem de louro....... 105000
Rap..........libra 15000
Sabad.......... 120
Sal..........alqneire 400
Salsa parrilha.......arroba 255000
Sebo em rama........ 55000
dem em velas........ 75000
Sola em vaqueta......urna 25MM)
Taboas de amarello.....duzia 1105000
dem diversas....... 735000
Tapiocas.........arroba 35000
Tatajuba. ........ quintal 25XXJ
Travs.........urna 65000
Unlias de bo.......Cento 25000
Vassouras de piassava. ... 105000
dem de timb....... 85000
jdem de carnauba...... 65000
Vinagre.........caada 500
Alfandega de Pernainbuco. 19 de setembro de
1863.
(Assgnados):
O 1. conferente, Manoel Peregrino da Silva.
da Silva.
O 2. conferente, Jo Approvo. Alfandega de Pernambueu, 26 de
selembro de 1863.CarvaUto Res.
Conforme. O 4." escripturario, Joo dos Sa
Porto.n
Itecefocdorla de rendas internas
geraeg de Pernambiico.
Rendimento do dia la25. 27:1905842
D. Joao da Purificacao Marques Pcrdigao, conego
regrante de Santo Agostinho, jior graca de Deus
o da Santa S Apostlica, bispo de Pc'rnambuco,
do consclho de Sua Magestade Imperial e Cons
titucional, etc.
Par especial mandado de Sua Magestade Impe-
rial, communicado pelo imperial aviso de 14 de
marco de 1829, expedido pela secretaria dos nego-
cios da justica, pomos em concurso as seguintes
igrejas vagas deste bispado : A de Nossa Senhora
da Paz dos Afogados, a de Nossa Senhora da Pe-
nha do Burit, a de Nossa Senhora do Amparo da
villa da Januaria do Brejo Salgado, a de Santa An-
. na da Catinga dos Alegres, a de Nossa Senhora da
^X Conceicao de Maco, a de Nossa Senhora da Con-
?fj2J i cecao da villa do Conde ou Jaeoca, a de Santa An-
"' na de Upanema, a de Nossa Senhora da Conceicao
Xavier de Carvalho.
A' novo jury.
Appellante. o juizo; appellado, Manoel Theodoro
do Nascimenlo.
A' niiv) jury.
Appellante, Manoel Ferreira de Araujo ; appel-
lada, a justica.
Peremplaa aecusacao.
Appellante, Autonio* Manoel de Santa Rosa; ap-
pellada, a justica.
Improcedente.
Appellante, o juizo; appellado, Antonio Ger-
mano.
A" novo jury.
Appellante. Ignacio Lopes da Silva: appellada,a
justica.
Improcedente.
Appellante, o juizo j appellado, Eloy, escravo.
Improcedente.
Appellante, Pedro Alcxandre Nunes ; appella-
da, a juslica.
Improcedente.
Amellante, o promotor i appellado, Jos Pedro
de Araujo.
Improcedente.
Appellante, Joao Dias de Vasconcellos ; appella-
do. Mano I Thoutaz de Villa Nova.
Absolveram o appellante.
Appellante, Jos Thomaz de Miranda; appella-
da, a justica.
Absolvern) o appellante.
Appellares civeis.
Appellante, o juizo appellado, Ravraundo de
Araujo Lima.
Nao se tomou conhecimento.
Appellante. os administradores da massa fallida
de Seve & Filhos ; appellado, David William Bow-
man.
Desprezaram-se os embargos.
Appellante, Manoel Albino da Costa Gadelha ;
appellado, Manoel Victorino de Couto.
Des(>rezaram-se os embargos.
Appellante, Jos Joaquim da Costa Maciel ; ap-
pclladH, Luiz Jos Marques.
Oe6prezaram-se os embargos.
Appellaate, BasilioAlvares de Miranda Vareja;
annelUtdo. Joaquim de Almeida Pinto.
Desprezaram-se os embargos.
DESICNAC6 DE DIA.
Asstf nou-se dia para julgamento dos seguintes
feilos :
Appellacoes crimes.
Appelatite, o promotor ; appellado, Antonio Pe-
reira da Silva.
AppeHante, o juizo ; appellada, Herculaaa Maria
da Concec.'to.
ajipeliado, Clementino de
de Mello; appellada,
0 juizo; appellado, David Peretre
o ju-oiiiotor; appellado, Francisco
e outros;
Appellante, o juizo;
Oliveira llantos.
Appellante, Jo< Correa
a justica.
Appellanie,
de S e Silva.
Amellante,
ios Vieira.
Appellantes, Jos Comes dos Santos
appellada. a justica.
Appellant-!, o juizo ; appellado, Jos Guilherme
da silva.
Apyetlaces civeis.
AppeHantcs, Joao Camello de Araujo c *ua nm-
llier ; appellados, Jos liomo Goncalves Alves Ni-
lo e outros.
Appellante, Luiz Jos da Cosu Amorim ; appel-
lada, a fazenda.
Appellante, a cmara municipal; appellada, a
nnandade de S. Pedro.
DILIGENCIAS.
Com vista ao Sr. desembargador promotor da
justiga
As appellares crimes.
Appellante, o juizo ; appellado, Joao Flix de
Almeida.
Amellante, o juizo ; appellado, Manoel Thomaz
de Oliveira.
Appellante, Manoel Vicente de Carolho ; appel-
lados, Antonio Jos lavares e outros.
sa, aiuda prejudicial um delles, de seu desfeiche
hoje condecido e altamente compromettedor da
integridade, inteireza c prudencia com que llie
commettido pela le o exercicio de suas func-
cocs. '
Nos, que a testemunhamos e que nos assenho-
reamos de seus incidentes anteriores, como de
suas consequencias, vamos d-la na e cra ao
publico, para que, observando-a e comparando-a,
posea sobre as versiies derramadas, inflingir seu
juizo o decidir de que parte est a rallo.
O inspector de qarteirao da ra, que fica em
frente ao gazometro, daquella fregueza de S. Jos,
de. nome Joao de tal e conhecido por antonomasia
porJoo Uatatatem predileccSes por urna des-
sas multas camelias que ah ha, e que leve a sen-
saboria de repellir seu egosmo, tornando-se libe-
Wore no tangur. ufcm do dia 26
Nao ha duvida, que na massa do sangue que
as senientes de toda a casta de enfermidades e mor-
te se eriam c geram. Applicai e altaeai as mes-
mas promptamenle com o mais poderoso de todos
^TSvS^ '
Nao importa qal seja a natureza da molestia !
sejain escrophulas, erysipclas, cancros, teta-
593521o
27:7845657
ral-e dando que sua belleza fosse vista por outros hJZ? se cha e nr rln u e e
alm delie : o inspector cioso de sua preVosida.le, J> '/? SS^JSSSSA ti
indispoz-sc com o guarda Caudillo Maximiano ? !jSS2f aFS^JmmlZ
d'Almeida, sargento da companhia do j fallado
batalhao de artilharia aquartellado, por suspeitar
que fosse elle um desses venturosos quem a ca-
melia sedexasse ver. Assun dominado do demo-
nio do ciume, jurou seus denses obter urna des-
forra, a occasio que Ihe parecesse propicia
rou-o e cuidou de logra-lo.
Na noite de 23 do con
inspector a fregueza
to, que teve a an
quer
no, febres e sezoes, molestias do figado, as febres
biliosas intermitentes ; mas sim taosomente atra-
vez e por meio da massa do sangue, que a disper-
tante causa pode ser alcancada e promptamente
removida.
Este grande antidoto ou contra-veneno, neutrali-
sa a materia infectada e acre, comida dentro das
veas, da qual resulta c provm quasi todas as mo-
lestias de um carcter o mais terrivel, mediante a
qual,'ellas sao nutridas e aggravadas.
Ella em parte descarrega um golpe fatal essa
nroscada por
systema veneno-
so e extermina tao segura e promptamente assim
como Hercules destruioc anniquillouaquellemons
tro de cent cabecas, imitacao do que, as affliccoes
e enfermidades dos mortaes, formam o mais perfe-
to e exacto antitypo
Portanto, vos todos que vos achais entregues aos
Ju' 1 bracos dos soffrimentos, conservai egravaisto ben>
na vossa memoria, como urna das mais puras e re-
Consnlado provnola!.
42:1555932
2:5205155
44:6765087
....*, l 3 11 ,ia ^ oaoa ou mu tu. t-uiin/ uiim
rente, rondando aquello sas de todas as verdadcs.
T";l.e..nI0sar?e"-! Encontrar-se-ha venda ei
nZT\Tr71,'0m0^rge^i "Encontrar-se-ha venda em toda aparteeem
mimobidade de recostar-se a esqu-' t0.,,. os PS.-, he lee i mentos de drocas.
na do neceo, que, da ra de Aguas-Verdes leva j estaDeitcimcntos ue uro0a.
de Hortas, julgando nao praticar neste actoviola-! ^un*
m,
por
caodepreceitoalgum penal ; o inspector, pori
de sua vez julgou ser criminoso aquelle acto, p.
ficar prximo do lugar delle o vaso de sua carne-!
lia ; c para logo ordenou a prisao do sargento, or-
denando tambem patrulha de guarda nacional
que o acompanhava, que conduzisse-o detenQae.
As pracas, do mesmo batalhao que o sargento,
reronhecendo-o, com elle observaram ao inspector,
3ue cumpririam sua ordem de prisao, rccolhen-1
0-0 seu quartel por ser guarda e estar aquar-:
tellado, mas que, urna vez reconhecida esta sua
qualidade de guarda, nao viam razao para que
o inspector obstinasse em querer caprichosamente
faz-lo conduzir para a casa de detencao ; mas o
inspector s se satisfazia vendo obedecida sua pre-
potencia. Era precisa para mutlisaeao della a
inaccao dos guardas : zeram-n a, para nao se
lomarem cmplices de um capricho desregrado e
dcsarrasoado. Ento o apitar continuado, o ajun-
tar de crescdo numero de pessoas, as vociferacoes
de inspectores companheiros, a vinda do subdele-
gadoo valente Sr. Braz, e logo depois sua retira-
da cm busca de pracas do stimo batalhao de li-
nha, chegada destas e escolta ao sargento. Este,
cercado e vendo-se o instrumento de lodo esse ca-
pricho apparatoso, assenla-se e declara que obede-
ce ordem de prisao que recebra, mas que a
cumprir no seu quartel, e que para a delenead
s o levaiiamd e rastos.
Novo alarma, novas vociferacoes, que dao que o
sargento, soltando-se do cerco va, s, espontnea-
mente e obediente recolher-se prisao am sea
quartel, onde anda est, sem conhecer at agora
o motivo della, que nao Ihe foi communicado, e
qual seu destino, porque, pelo meio legal, nao se
proeurou de modo algum tlxa-lo.
esta a historia da oceurrenca.
Onde ha razao ? Da parte do agente policial, ou
da do sargento ? Qual a culpa deste t Porque se
tem tanto maldito da guarda nacional, em geral,
que nao pode responsabilisar-sc pelas impruden-
ciase precipitaces de inspectores ?
E fcil de concluir
COMMERCIO.
nreve basco
DE
MlMlIBlf.O
0 novo banco paga o \i dividendo
de dez mil ris (10$000) por acca.
NOVO^ANCO
DE
bi:i\\UIS140
O Banco toma saques sobre as pracas do Rio de
Janeiro e Baha.
Alfandega
Rendimento do da 1 a 25. 303:4525066
dem do da 26........25:2615347
330:7135413
iovinifiio da alfandega.
Volumes entrados com fazendas
> com gneros
Volumes
saludos
com fazendas
com gneros
124
327
-----521
111
30
----- 141
Descarregam no da 28 de setembro
Brigue nglezJoshua & Maru mercadorias.
Barca inglezaSeraphiiuz dem.
Barca rrancezaRo Grande idem.
Barca americanaAzelia idem.
Intportaeao.
Barca ingleza Visian, vinda de Cardiff, entrada
cm 26 do corrente, consignada a Wilson Hette &C,
a guarda nacional aquar- manfenlou o seguinte :
tellada, nao esse corpo de bebados, radios c ex- W toneladas nglezas de carvo de pedra ; aos
trafagantes, quando na niesma Ireguezia de S. mesmos.
Jos e sob a administracao do proprlo Sr. Braz, -----
fez bem importante servico, guardando o estabele- ALFANDEGA DE PERNAMBUCO.
jectos sujeilados sua guarda c vigilancia ; n5o Mercadorias. Unidades. Valores,
finalmentea sucia de insubordinados e desobe- Abanos. ceaUt .tnn
dientes quando tem feto os servicos do rondas Agurdente de cana." .',''' caada 500
31 da Iha de Itamarac, a de S. Joao Baptista do Apu-
di, a de Nossa Senhora do Rosario de Muribeca,
a de Santa Anna de Gravat, a de Nossa Senhora
I das Dores de Pat, a de Santa Anna do Serid, a
I de Santa Maria Magdalena da Serra do Teixeira, a
de Santa Loria do Sabngi, a de Santa Maria Mag-
dalena da villa da Imperatriz, a de Nossa Sonhora
da Conceicao do Bonito, a de Nossa Senhora da
Conceicao de Cabaceiras, a de Nossa Senhora do
Rosario do Penedo, a de Nossa Senhora da Concei-
cao da Misericordia em Pianc, a de Nossa Senho-
ra das Dores de Extremoz, a de Nossa Senhora do
O' da Serra Negra, a de Sao Sebastio Martvr das
Caraiibas noApudy, a de Santa Rita da Caxoeira,
a de Sao Miguel da Babia da Traicao, a de Nossa
Senhora da Renha deTaquara, a d Nossa Senhora
da Conceicao de Oulpap, a de Nossa Senhora da
Piedade d Cajazeiras, a de Nossa Senhora do O"
de Goianninha, a de Sao Jos dp Piranhas. a de Sao
Caetano da Rapoza, a de Nossa Senhora da Graca
do Muricv. a de Siio Lourenco de Tijucupapo, a de
Nossa Senhora do Pilar do Taip, a de Nossa Se-
nhora Rainha dos Anjos e Sao Miguel do Taipii, a
de Nossa Senhora da Sade de Taearat, a de Nos"
sa Senhora da Ba-Yiagem da Alaga Grande, no
termo de A reas, a de Nossa Senhora da Conceijao
de Araruna, a de Nossa Senhora dos Prazeres de
Macei, a deNossa Senhora da Conceicao de ta-
zareth, a de Sao Jos de Bezerros, a de Santa Luzia
doNprte, adoSenhor Bom Josas dos Afllictosde
Quebrangiilo. a da povoagao de Piassabuss, a da
povoacad da Pedra Lavrada, na provincia da Pa-
rahiba, a da povoacao de Cruangv. a de Nossa Se-
nhora doTraip ou Porto de Folha, e a de Santa
Maria da comarca da Boa-Vista.
Todo o reverendo sacerdote on clrigo, que quei-
ra fazer opposicao s igrejas cima referidas, apre-
sente-se com sns papis prompfos e correntes, na
forma do esfylo.para ser admittido. fazendo termo
de opposicao dentro do prazo de 60 dias, (Indos os
qnaes se proceder ao concurso, no qnal os reve-
rendos oppositores respnnderiio a nove casos de
moral e consciencia, e farao urna exposicao 011 flo-
mili do Evangelho une assignarmos para propor-
mos a Sua Magestade o Imperador os que forem
jnlgados mais dignos, na formados sagrados cao-
nes e Cone. Trid.
Dado em Olinda sob o nosso signal e sello da
chancellara, aos 26 de setembro de 1863.
E eu o padre Joaquim da Asstimpcao, escrvao
da cmara episcopal o subserevi.
Joo, bispo de Pernambuco.
(!' S.) AtsumpcBo.
Edital pelo qual manda S. Exc. Rvma.'pora con-
curso as igrejas vagas deste bispado, em conformi-
dade das ordens imperiacs.
Para V. Exc. Rvma. assignar.
0 Dr. Tristao de Alencar Araripe, offlcial da im-
perial ordem da Rosa e juiz de direito especial
do commercio nesta eidade do Recife. capital da
provincia de Pernambuco e seu termo por Sua
Magestade Imperial e Constitucional o Sr. D.
Pedro II, a quem Dos guarde etc.
Faeo saber aos que o presente edital virem
delle noticia tiverem, que no dia 28 de setembro
do correte anno se ha de arrematar por venda a
quem mais der em proeja publica deste juizo, na
sala das audiencias, o seguinte : 1 sitio de trras
no lugar de Agoa-Fria, denominado Jacar, leudo
1 porlao na frente, grande ex tensad de trras, ar-
voredos de fructos, divide o fundo com um panta-
no, avahado por 2:5005, e mais a parte do sobrado
de 3 andares, da ra do Imperador n. 79, com os
lundos para o caes 22 de Novembro, com varanda
de ferro para ambas as frentes, tendo cada um dos
andares duas salas e seis quartos e o terceiro an-
llaontem um so,5 C0ln cozil,ha, avahada por
2:8015142 rs., lendo sido a avahado total do mes-
mo predio de 16:0005. os quaes foram penhora-
dos por execucao de David William Bowman, con-
PRAQA DO RECIFE
DE SETEHRRO DE !*:!.
s 3 horas da (arde.
Revista semanal.
Cambios........ Os saques da semarr regularan)
por 27,000 sendo sobre Lon.
dres a 27 '/, 27 i/4 e 27 V d.
por 15000, sobre Pars 352 rs-
por fr., sobre Hamburgo 666 rs-
M. B., sobre Lisboa de 98 a 102
por cento de premio.
Algodao........O desta provincia, escolhido, ven-
deu-se a 215500 por arroba, o
regular a 215000 o o de segun-
da sorte de 195000 a 205000; o
de Macei, |)osto a bordo, a res
215500 e oda Parahyba a 215.
Assucar........O branco vendeu-se de 35000 a
35600 por arroba, o somenos de
25600 a 257OO, o mascavado
penado de 250OO a 25100, e o
bruto de 15700 a 15800 por ar-
roba.
Agurdente.....Vend Couros.........Os seceos salgados venderam-se
de 150 a 155 rs. a libra.
Arroz.......... Opilado da India vendeu-se a
25200 por arroba, e o do Mara-
nhao de 35000 a 35200. tra Francisco de Paula Queiroz Fonseea
Azeite doce.....O de Lisboa vendeu-se de 25550 E nao ha vendo lancador que cubra o preco da
avaliacao a arrematado sera feita pelo preco da
preto, qne representa ter 38 annos pouco mais on
menos, sem offlcio, avahado por 6OO5OOO, Simao
preto que representa ter a mesma idade, sem offl-
cio. avahado por OO5OOO, os quaes foram penho-
rados por execugao de Patn Nash & C, contra o
visconde de Suassuna.
E nao havendo lancador a arrematacao ser fei-
ta pelo preco da adjudicacao, na forma da lei
E para que chegoe ao conhecimento de todos
ser publicado na forma do estylo.
Recife, 10 de setembro de 1863.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimento, es-
crvao o subserevi.
TristSo de Menear Araripe.
DECUBACfJES.
a 25600 o galo.
Baealho....... Rctalhou-se de 145000 a 155000
por barrica, tieando em deposito
150 barricas.
Batatas.........Venderam-se de 900 a 15200
por gigo.
Carne secca.....Vendeu-se de 25400 a 25800 a
arroba, da do Rio-Grande do Sul,
e de 25OOO a 25200, a do Ro da
Prata; Arando cm ser 126,600
arrobas da prmeira e 7,000 da
segunda.
Caf........... Vendeu-se de 85000 a 85600 por
arroba.
Cha............ dem de 15950 a 25200 por li-
bra
Cerveja......... dem de 45500 a 65000 a duzia
de garrafas.
Farinha de trigo. Retalhou-se de 165000 a 185000
a barrica, da de Pbiladelphia e
New-York, de 215000 a 245000
a de Trieste, e a 185000 a fran-
ceza; ficando em ser 5,500 barri-
cas da prmeira, (inclusive um
carregamento chegado esta se-
mana) 1,200 da segunda, 3,000
da terceira e 500 da quarta.
Genebra........ Vendeu-se de 300 a 320 rs. a
Botija.
Louca..........A ingleza ordinaria vendeu-se
com 300 por cento de premio
sobre a factura.
Manteiga.......A franceza vendeo-se de 440 a
adjudicacao na forma da le.
E para que chegue ao conhecimento de todos,
maudei passar editaos que sero publicados pela
imprensa e afiliados nos lugares docostume.
Recife, 29 de agosto de 1863.
Eu Adolpho Liberato Pereira de Oliveira. escri-
vao interino o subserevi.
Tristao de Alencar Araripe.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe official da im-
perial ordem da Rosa c juiz de direito especial
do commercio nesta eidade do Recife de Per-
nambuco por S. M. Imperial etc.
Fago saber pelo presente que no dia 28 de setem-
bro deste anno se ha de arrematar por venda a
quem mais der, em praca publica deste juizo de-
pois da audiencia respectiva, o telheiro da ra da
Concordia, tendo 28 palmos de largo e de fundo 33,
com duas camarinlias, urna sala e um pequeo
quarlo, servindo de rozinha, com urna porta e ja-
nella na frente, alm de um pequeo telheiro sobre
pilares na frenle, rom 13 palmos de fundo e 22 de
argo, avahado em 4005, o qual pertencente aos
herdeiros de Joao Manoel de Siqueira, e vai pra-
ca por execucao que conjra os mesmos cncaminha
Jeriiardino Francisco de Azevedo Campos, e na fal-
ta de licitantes ser arrematado pelo preco da ad-
judicacao com o ahatimento respectivo da lei.
E para que chegue ao cnheermento de todos,
mandei passar o presente edital que ser afiliado
nos lugares do costume, e publicado pela im-
prensa. F
Dado e passado nesta eidade do Recife de Per-
450 rs. por libra, e a ingleza a nanibuco, aos 4 das do mez de setembro de 1863
730 rs.; Aeando em eposito Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade es-
IV'Wl A v'Il)ii:.>i's>i<
1,600 barris entre ambas.
Massas......... Venderam-se de 65000 a 85600
acaixa.
Oleo de h'nhaca.. Vendeo-e a 25200 o galao.
Passas.......'... Nio ba.
Presuntos....... Venderam-se de 135 a 145000 a
arroba.
Quejos........ Os namengot vendram-se de
15500 a 15900 cada um.
Sabio..........O amarello vendeu-se a 150 rs.
a libra, e o do Mediterrneo a
2*0 rs.
crivio o subserevi.
rt r. t.o.s a .,7Vi,/0 Alencar Araripe.
O Dr Tristao de Alencar Araripe, offlcial daimp?
nal ordem da Rosa c Juiz de dh-eito especial
do commercio desta eidade do Recife capital da
provincia de Pernambuco c seu termo por Sua
Magestade Imperial e Consntucional o Sr. D.
Pedro n a quem Dees guarde, ote.
Faco saber que no dia 28 de setembro do corren-
te anno se hade arrematar em arrendamenfo, a
quem mais dr, em praca publica deste juizo. na
sala dos auditorios, os jglnteescravos: Cosme,
No dia 28 do corrente mez de setembro se
ho de arrematar em praca publica do Dr. juiz de
orphaos desta eidade s 11 horas do da os escra-
vas seguintes : Joaquim, crioulo, de idade de 37
annos, avahado por 3005; Feliciana, idade de 12
annos, |ior 5005 ; ..lexandria. de 10 annos, por
3005 ; Thomaz, de 8 annos, por 2005, e Patricio,
de 2 annos, por 1005. Em virtude de urna pre-
catoria vinda do juizo de orphaos da comarca do
Limoeiro.
No dia 29 do andante mez depois da audien-
cia do Dr. juiz municipal da primeira vara, vai-
praca de venda um caixao de casa avaliada em
4005, um terreno aterrado em seguimento ava-
hado por 1605, outro dito cm seguimento avahado
por 1505, um pequeo caxo em alicerces com
principio de parede avahado por 2005, nm terre-
no desocupado avaliado por 1305, nido na ra
Imperial, [tor execucao de Manoel Firraino Fer-
reira contra a uva e herdeiros de Jos Francisco
Tavares.
Pela subdelegacia do Peres se faz pubiieo
que foi aprehendido e se acha na casa do detencao
o pardo de idade 16 annos, que diz chamar-se Se-
bastio e ser escravo de Cazuza Bello morador em
Abreu de I'na ou Barreiros : quem ao mesmo ti-
ver direito compareca qne provando seu dominio
Ihe ser entregue. Subdelegacia do Peres 23 de
setembro de 1863.O subdelegado,
Alexandrino Martins Correia de Barros.
Inspec^So do arsenal de
marinha.
Faz-se publico que a commissao de peritos exa-
minando na forma determinada no regulamento
annexo ao decreto n. 1324 de 5 de fevereiro de
1854, o casco, machina, caldeiras, apparelho, mas-
treaco, amarras e ancoras do vapor Camaragibe
da companhia Vigilante do servico a reboque, acliou
tudo cm regular estado.
Inspeccao do arsenal de marinha de Pernambu-
co 26 de setembro de 1863.
0 inspector,
H. A. Barbosa de Almeida.
No dia 29 do corrente ao meio dia, depois da
audiencia do Illm. Sr. Dr. juiz mnnicipal da !.
vara, tem de ser arrematada a escrava de nome
Silvana, idade 56 annos, pouco mais ou menos, de
bonita figura, e boa cozinheira, avaliada por 4005;
a qual vai praca por execucao de Antonio Jos
Vieira contra Manoel Joaquim da Silva Ribeiro,
para pagamento da hypotheca feita em dita escra-
va, cscrivao Santos.
Arrematacao.
No da 29 de setembro vo praca os bens per-
tencentes ao finado Luiz Borges de Cerqueira, por
ser a ultima praca, as dividas pertencentes ao mes-
mo, os terrenos da rna Imperial e cinco acfes
da companhia de Bcberibe, e urna grande quanti-
dade de madeira de sieupira ao p da mar pe-
quena cm Fora de Portas, e os escravos pertencen-
tes ao mesmo, que ser effectuada na sala das au-
diencias, empresenta do Illm. Sr. Dr. juiz de or-
phaos : .os pretendentes poderao examinar o es-
escripto de praca em mao do porteiro do juizo
Amaro Antonio de Faras.
tdirreio.
Pela administracao do correio desta eidade se
faz publico |iara flns convenientes, que em virtude
do disposto no art. 138 do regulamento geral dos
correios de 21 de dezembro de 1844, e art. 9 do-
decreto n. 785 do 15 de maio de 1851, se proeede-
o consumo das cartas existentes nesta adminis-
tracao, pertencentes ao mez de dezembro de 1862,
no dia 3 de outubro prximo, as 11 horas da ma-
nhaa, na porta do mesmo correio, e a respectiva
lista se acha desde j exposta aos interessados.
Administracao do correio de Pernambuco 21 de
setembro de 1863.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
A cmara municipal desta eidade, tendo de
proceder no dia 8 de outubro prximo vindouro a
apnraeo geral dos votos para deputados assem-
bla geral dos dous collegios "eleitoraes do 1. dis-
tricto desta provincia, convida aos eleitores dos
mesmos collegios assistirem a este acto, confor-
me dispoe o art. 23 do decreto n. 2621 de 22 de
agosto de 1860. E para cumprimento do artigo
citado se mandn publirou o presente.
Paco da cmara municipal do Recife em sessao
de 21 de setembro de 1863. -Angelo Henriques da
Silva, pro-presidente.-Francisco Canuto da Boa-
vlagem, secretario.
No dia 29, depois da audiencia do Illm. Sr.
Dr. juiz de orphaos, vai praca por venda urna
casa terrea de tijolo c cal, sita na estrada que se-
gu para a Venda Grande na Boaviagem, fregueza
dos Afogados. com urna porta e duas janellas de
rrentc, 25 palmos de va > e 85 de fundos, com 2
salas, 3 quartos e 1 gabinete, cozinha fra, quinT
tal em aborto, cacimba s, chito forero. avaliada
em 1:0005, pertencente aos herdeiros do finado
los Marcelino da Costa, a requerimento do Inven-
Olante Angele Henriques da Silva
Consulado provinfial.
O administrador do consulado provincial faz
publico aos devedores dos imposios pertencentes ac
exercicio lindo de 1862 a 1863, que ile conformi-
dade portara do Illm. Sr. inspector da thesoura-
ria abaixo declarada encerrado o respectivo pa-
gamento a 1 hora da tarde do dia 30 do corrente,
sujeitando-se os que nao pagaran at aquella hora
a serem executados.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco 22
de selembro de 1863.
Antonio Carneiro Machado Rios.
0 inspector da thesouraria provincial recom-
menda ao Sr. administrador do consulado provin-
cial quo admita o pagamento dos imposlos perten-
centes ao exercicio prximo findo em liquidadlo
soment? ate 1 hora da tarde do da 30 do corrente,
afim de que recolhendo-se as 2 horas o que ento
so houver cobrado, se possa concluir nesse dia
o balanco e encerrar a cscripturaeao do dito exer-
cicio.
Thesouraria provincial de Pernambuco 21 de se-
tembro de 1863.Jos Pedro da Silva.
Conforme. O chefe da 2.a seccao,
Francisco Ferreira Martins Ribeiro.
Conreino administrativo.
O conselho administrativo, para forneciracnto
do arsenal de guerra, tem de comprar os objectos
seguintes:
Para o arsenal de guerra.
Taboas de pinho da Suecia de 3/4 de polegada
dnzias 10 ; ditos do pinho da Suecia para forro'
duzias 5; costadinhos de amarello com 16 polega-
das de largura e 26 28 palmos de comprimento
6; gomma laca, arroba 1; espirito de vinho, cana-
das 10; cabo de linho branco, arrobas 10; botos
grandes branco de osso, grozas 500; ditos peque-
os branco de osso, grozasSOO; ditos pretos de
osso, grozas 200 ; fechaduras de gravatas 50
Para o presidio de Fernando.
Couros de viado eapoeiro (curtidos) ou na falta
desses de bode, eque sejam bem preparados e de
niaior tamanho, que sao para chapeos, guarda-pei-
tos, gibao e perneiras para vaqueiros, 40.
Quem quizer vender taes objectos aprsente as
suas projiostas em carta fechada na secretaria do
conselho, s 10 horas da manhaa do dia 30 do cor-
rente mez.
Sala das sessdes do conselho administrativo para
tornecmento do arsenal de guerra, 23 de setembro
de 1863.
Antonio Pedro de Sd Bar reto,
Coronel presdeme.
Sebastio Antonio do Reg Barros,
Vogal secretario.
(ai\a Filial do Banco do Brasil.
Os senhores accionistas da caixa fial do
banco do Brasil em Pernambueo que nao sasfiae-
ram a entrada de 10 0|0 da importancia de suas ac7-
coes at o dia 15 do corrente, na conformidade dos
annuncios publicados pelos Diarios desta provin-
cia, sSo convidados a lerem com attencad o dispos-
40 no seguinte artigo 9 dos respectivos estatutos
Art 9. Os accionistas que nao effectaarem os
seus pagamentos com a devida pontualidade dei-
xarao de ser considerados como taes, e perdero
em beneficio do banco as prestaedes anteriormen-
te realisadas. Exceptnam-se todava os casos em
que occorrerem cireflmstancas extraordinarias
devidamente justificadas penante a rociara.
Lata final do banco do Brasil em Pernaataco
22 de setembro de 863.O secretario,
Jos Mamede Alves Ferreira.
mdulado
>.
/

1
+*M


Diario de Pernanibuco fcegunda letra S de feeteiuhro de 183.
Correio.
.Pela adunu.tracao do correio desu cidade se
faz publico que em virtade da convenci postal,
celebrada pelos governos brasileiro e francez, se-
o expedidas oalas para a Europa no dia 30 do
corronte. As cartas serio recebidas at 2 horas
antes da que for marcada par a sahida do vapor,
e os jornaes at 4 lloras antes,
Administraba do correio de Pernambuco 21 de
seterabro de 1863.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
THEATRO
DK
EHPREZA
DE
A. J. DIARTE COIMERA.
Grande espectculo
A BENEFICIO
DO
Hospital Portiiguez de Beneficencia em
Pernambuco.
Quarla-feira, 30 de selcuibro de 1863.
O Sr. Coimbra que tiio digno se tcm tornado da
admiracao do Ilustrado publico desta capital, deu
este espectculo em beneficio dos pobres que no
Hospital Portugue? encontrara Unitivo aos seus sof-
fri montos. Tao digna accao merece louvores.
Logo que a orchestra tiver executado urna de
suas melhores ouverturas, subir scena o magni-
Beo drama de grande espcctaculoi em cinco actos,
do Sr. Francisco Liiz Machado,
0 4)10 FiLUL
01
0SS.\LTE4DMESD.\ftWTASIIV
DO MBltE.
Dar flm ao espectculo a muito linda comedia
em um acto.
II\ IIJLHER POR DESHORAS.|
Os nlarallos serio proenchidos por urna banda
de msica marcial, que a administracao do Hospi-1
tal suas expensas mandar rolloear no salo do,
flicatro para mais alirilhantar tiio digno acto.
A commisso administrativa do Hospial espera
toda a coadjuvaeo para um acto tao meritorio.
Comecar s 8 horas.
ESPECTiClLO DE DESPEDIDA
no
CIRCO
GBANDE OCANO
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETERA VAPOR.
Dos portos do norte esperado
al o dia 2 de outubro o vapor To-
cantina, coromandante o primeiro
tenente Pedro Hypolito Duarte, o
____ qual depois da demora do cost-
me seguir para os pollos dosul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a ail dever
ser embarcada no dia de sua chegada: encom-
mendas e dinheiro a fretc at o dia da sahida as i
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevcdo & C.________
O hiate Santa Rita, para o Araca-
ty segu por estes dias : a tratar
com Tasso Irraaos ou no trapiche do
algodao com o Sr. Joao Alves de
Quintal.____________________
DK
Na entrada do hospital Porluguez,
% inho de dlffereutes qualida-
des e cognac.
Ter{*-feira 2 de frrenle.
O agente Pestaa vender em leilao para liquj-
dacao e por contae risco de quem perteucer vi-1 no (lOlllingO 20 00 COri'iMlle, aS '') horas
nhode Bordeaux do diversas qualidades em bar- tai-di noi-deu sp d*.d >h.-i iIa Sp
ris e caixas, algum especial, dito de Madeira em O Mi ne, peraeu-se dCSuC 8 Cad 00 !r.
caixas, dito muscatel em caixas, cognac em barris FranCISCO Jos da Costa Al'ilUJli l 10
SKaStSSE^^1' hospital, um alfinete de uro
lotos volitado dos compradores: terea-feira 30 (jonj esmalte urclil ('(Mil 8 OCrolas em
.5i un arma- ...
ESTABELECIMENTO COMMERCIAL
DE
o Snc0 e5Je?a' ? M"i 9 artillantes POga-SC
do corrate pelas 10 horas da manha
zem da roa da Guia n. 33, om
vender tudo e promette ser sem limites.
O patacho Campestre, segu para o
Rio de Janeiro por estes 8 dias, com
a carga que tiver, pelo que se far
fretes vontade do carregador, re-
cebe tambem escravos : a tratar com
os consignatarios Tasso Irraaos ou com o capitao
Antonio Gongilves de Araujo.________________
Freta-se para Buenos-Ayres ou Montevideo o
brigue hespanhol Ventura, capitao D. Jaymc Al-
sina, do porte de 300 toneladas, acha-se cm bom
estado e de urna marcha regular : para tratar no
escriptorio de Amorim Irmaos ra da Cruz n. 3.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
I -i. Dos portos do sul | esperado
at odia 30 do corrente o vapor
Apa. commandante Alcanforado
o qual depois da demora do cos-
tume seguir para os portos do
Desde j recebem-sc passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encom-
mendas c dinheiro frote at o dia da sahida s 2
horas: agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azcvedo & C.
Para o Rio Grande do Sul segu com umita
brevidade o brigue escuna Cysne, capitao Jos Mon-
teiro de Almeida ; recebe alguma carga a frote :
e para tratar na ra da Cruz n. 3, escriptorio de
Amnrim Irmaos.
Urna casa terrea sita na
DE
a anea o tiver adiado o obsequio leva-'
lo roa Nova n. 67, seguudo andar,
casi de residencadcJooPereira llou-
tinbo, de quem recebera a offerta ci-
ma do Motocoiomb n.nade 100S. Pede-seaos Srs oiu-m-se
20, nos Afogados, com frente para o nascente, | ""' tac 5C *w> Hr"tse
tendo 400 palmos de fundo, 3 janellas e una Oais ppsSOas a appreheiisao desle D-
porta de frente, corredor separado, cosinha f-! jet'to 110 C3S0 de Ibes ser offereciln
ra, grande quintal com tanque, estribara e ar- *------___.--------------------------
voredos fructferos. ende-se urna taberna com poucos fundos c
Terra-feira 29 do trrenle s 10 horas. g" afreguezada, ou s a armaran, a praso ou a
O agente Simoes, legalmente autonsado vende- d'n.ne'ro : ""Pateo do Terco n. 12.
r em leilao o predio cima apontado em seu es-
m m
Para Montevideo vai seguir com murta bre-
vidade o brigue brasileiro Sorpreza, capitao Jos
Rodrigues de Almeida, recobe alguma carga a fre-
te, para o que trata-se no escriptorio de Amqrim
Irmaos. na ra da Cruz' n. 3.
Para a Baha vai sabir com muita brevidade
o veleiro patacho D. Lu:, capitao Jos Teixeirade
Azcvedo, por ter a maior parte do carregamento
prompto : para o resto trata-se com os consignata-
rios Palmeira & Bcltrao largo do Corpo Santo n.
4, primeiro andar.
WALIHG k ROGEfiS
Director geral CkarUt J. Rogers.
BK'FiFICIO
DE
EV11SS KATE ORMOND
RAIMIA DO CIRCULO
ORGULHO DA PB.0HSSA0
ftovidades semiival!
I lliiii i orcasiao! A^ora ou nunca!
Primeira noite d.\ cxplendida e maravilhosa allc-
goria original e pa rioticv cquestre, envolvendo as
bandeiras nacionaes do Brasil o a dos Estados Cui-
dos, em commemoraco das duas grandes pochas
relatadas as historias destes doos paizes : 7 de
Utabn de 1851 e % 4 dejulho de 1776, abun-
dando em brilhantos evolcoes e tocantes, equestres intituladas
O ESTIi\0
DA
^^
compoaifio do Sr. ('luirles J. Rogers, durante a
sua estada na orte, oxpressamente para, e na oc-
casiao da priineira. visita de
SS. MM. II.
E
SIAS ALTEZAS IUPERIAES
ao Circo Grande Ocano, e dedicado as Suas A-
tmhHteriaet eom lieenca imperial.A allegoria
prognosticao ine\itavel futuro. Ilumina os inters
sesou bom-cstar do publico, e retrata o parentesco
natural qmexiste entro estos dous jovens gigantes
do mundo, e a irresistivel inlluencia que Hms bsA
destinada para exercer sobre o continente da Ame-
vioa.Durante a allegoria offerece-se imaginacao
a espantosa scena equestro, Tnblaux- Vivant de mit$
Kale Ormond montada sobro o cava I lo Hiram.
Primeira noite de Miss Kate Ormoml no novo e
ex juesilo
UNTO POSES CLASICO
E
OAWV i>i: (WIWIKH vs
sobre o cavallo.
A primeira noite depois do regresso da corapa-
nliia, da mythologica equestro pantomima intitu-
lada
0 espectro da chava de prala
espectro errante da Chuva de
Prata. .................Lehmann.
Deija-Flor, fada do Jardim... Joven Carlos Fish.
AzasdeAbelha,fadadaColmea Menino Julio.
Flor de Larangeira, fada das
Flores. .................. Lapetitle Annctte.
os thesoikTe recursos
do Circo Ocano am
Gquestres
Aerbatas
Ctymnnstieos
Daasarlaes
Comediantes
Cavallos e
Ciaarda-ronpa
, '. Icario exhaustos na occasiao desta festa Unai, e de
spedida.
ar Toda as comas deverao ser apreseotadas
parapafamento neso segunda-feira, das 10 horas
ao meio dia.
W. T. B. Vem-Ordm Jtoier,
Secntano.
LEILOES.
iiE:iiiAo
DK
Uscrino*. uioveis, obras deouro
e prata.
. 01 K
Si'ijmilla-IVira 28 de selembro s 10 limas em
poni, ruado Apollo n. 31.
0 agente Pinto legalmente autorisade pelos li-
quidalarios da massa fallida de Mesquita & Dutra
e Francisco A. Correia Cardosofar leilao no dia
e hora cima ditos de todos os objectos abaixo de-
clarados pertencentes a inesnia massa e existentes
no segando andar du sobrado da ra do Apollo n.
34, a sabor :
Manoel. Africano 60 annos: Francisco, idem 4
annos; Maria, crioula 40 annos; Romana, idem 16
annos; Felicidade cabra com una filha de 9 me-
zes ; I.uiza mulata 6 annos ; Alejandrina, idem 10
annos; Lubina idem lo annos ; Januari crioulo
l! anuos ; Juvencio idem 28 annos ; Silvestre idem
12 annos : e Ventura. Africana, 4S annos.
Una mobilia d Jacaranda, 1 piano forte, 1 guar-
da roupa, 48 cadeiras, 2 commodas, 4 bancas, 1
cspclho, 3 uiarquezas, i guarda louc^i o outros ob-
jectos.
1 rico adoreco de ouro com 14 pedras de bri-
Ihantes (valor 600&),7 pares de brincos, 3 pulrci-
ras. 1 salva, colheres c casligaes de prata, 2 relo-
gios c outros objectos de ouro e Drala.
Da-se dinheiro a uros sobre penhores
pateo do Tergo n. 12, taberna.
no
criptorio ra do Vigario n. 17, primeiro andar,
aonde tambem dar as informacocs necessarias a
quem pretender.____________"______________
l.ellio terea-feira do corre-
te, s II horas, na na da
C-adela u. ..
Pelo agente Euzebio se vender em leilao pelo
maior preco que se achar urna casa terrea na ra
do Areial n. 18 no bairro do Recife, com frente
para o nascente olhando para o pharol, pelo que
goza de excedente vista entradas e sahidas de | assim como se propoc a eslabelecer corres-
navios, tendo 2 salas, 3 quartos, cosinha fra, quin-
tal, sendo a sala de detraz assoalhada por ser asso-
bradada e ter por baixo um armazem, foreiro :
os pretendentes queiram antecipar o exame aim
de aproveitar a pechincha.
IiOTJBRIA.
0 thesoureiro das loteras desta provin-
cia, desejando extrahi-las em maior capital
e com menores intervallos, offerece a vanta-
gem de dous por cento quem comprar
para negocio, na quantia de -lOOd para cima,
e de 1 l/t por /o as loteras extraordinarias;
M
Duas casas de ferro sondo urna de 33 palmos de
frente e 18 1|2 de fundo, outra de 22 palmos de
frente e 12 de fundo, 3 bombas, 2 caixas com
forramentas para carapinas, marcineiros e fer-
reiros, 1 foles, 1 cylindro, 1 vapor com torca de
4 cavallos, 2 carrinnos de mo, 2 fogoes ameri-
canos, 1 relogio, 1 armario, i espelho, 13 cadei-
ras, o mesas e outros objectos.
Quarla-feira 30 de selembro.
O agente Pinto far leilao por conta da vinva
Kirkpatrick, de todos os objectos cima descriptos.
existentes na ra Imperial n. 73, s 11 horas do
dia cima noYeferido lugar.
LEILaO
DE
Dividas e nina luneta de ouro cm
corda'.
Quarla-feira 30 do torrente s i\ horas.
O agento Oh mpio em seu armazem na ruado
Imperador n. 16. levar novamente cm leilao pu-
blico as dividas pertencente a massa do fallecido
Manoel Bnarque de Macodo Lima na importancia
do 22:667>37 rs., servindo de base a maior offer-
ta encontrada.
| pondencias para qualquer localidade da pro
vincia, remetiendo biihetes, meios e listas,
sob flanea idnea; devendo o pagamento
delles ser feito Jogo que sejam recebidas as '
listas e novos biihetes remettidos. 0 the-
soureiro certo da conveniencia desse negocio,
convida aos Srs. eommerciantes da Victoria,'
Goianna, Rio Formoso, Nazareth, Serinhaem ^
e mais localidades populosas da provincia, e'
mesmo os desta capital, que o quizerem, a
entenderem-se com elle, na thesouraria das
loteras, ra do Crespo n. 15: advertindo
que receber em pagamento o sem descont,
os biihetes premiados de todas as loteras
da provincia recolhidos thesouraria da fa-
zenda provincial.
Thesouraria das loteras. 20 dejunho de
1803.
O thesoureiro,
_ Antonio Jos Rodrigues de Souza.
C4LI>ERARh E Fl)NI)l(]jiO DE METIS,;
Sito na ra do Kf un u. tO junio
a rundieSo do Sr. Bowman, perteneeute a
vi linea IrmSo *1 ( .
Neste estabelecimento encontrarao os freguezes uro completo sortimento
de tudo que diz respeito a9 artes de caldereiro, funileiro, latoeiro, ferreko e
fiuitlir-o, e os abaixo asssignados que o dirigem, prometiera servir a todas as
pessas que se dignarem de os procurar, com promptido, sinceridade epre-
eos muito rasoavets. O dito estabelecimento estando montado era ponto ,1
grande, tanto no que diz respeito a pessoal, como em materia prima-, e tendo
habis ofliciaes, pode executar com toda a perfeicao e seguranca (uialquer
obra tendente as artes-cima mencionadas e a/todamente pdem o abaixo as-
signados assegurar ao publico que nenhum outro estabelecimento Itoe pode
fornecer mais barato e mais perfeito do que ches, visto que recebei de sua
propria encommenda toda* as materias empregadas em ditas obras.
Alambiques simples e continuos de to- Sinos de 1(5 libras 8 arrobas.
d03 os tamaitos e dimences. Parafuzos de bronze c ferro para ro-
Machinas de cobre para destilar e res-. das d'agua.
tilar espirito at 40 graos pelos sys- Torneiras de bronze e bronzes para-
lemas de Logier e Derosne. I engenho.
Carapucas e serpentinas de cobre, e Encanamentos de cobre e chumbo de
cstanlio, avulsas. i todas as groasuras.
Taxas e tachos de cobre para engenho bombas para radiabas, aspirantes e
e refinaco.. i de repucho.
Paroes de cobre e todos os cobres ne- Bombas pera destilaces.
cessarios para o fabrico do assucar. Ditas para regar jarritas, hortas e
Cobres para rodas de moer mandioca. capim.
Machinas econmicas para lavar roupa Ditas para navios e barrajas de varias
o melhor possivel. I qualidades e dimences.
Cobre em lencol c arrodellas, estanho em barrinha, chumbo em barra,
lencol e canos de todas as grossuras.
Villar a frmo IEIIAO
per-
DE
Esclavos c divcisas miudezas e
fumaria *.
BOJE
0 agente Pestaa vender por conta c risco de
qnem pertoncer diversas miudezas o perfumarlas
para liquidar, assim como o escravos diversos, a
saber:
1 mulato de ii annos, bonita figura, perito olli-
cial de niarcinciro c trabalbador.
^ dilo da Costa de .'10 annos, proprio para arma-
zem de assucar.
1 negra de M annos boa quitandeira.
1 dita de 2 anuos, bonita tigura, engomma, co-
se e cosinha.
1 dito de o0 annos proprio para despejos e ser-
vicos externos de casa.
Tudo ser vendido em lotes c sem limites : sc-
gunda-foira 28 do corrente pelas 11 horas da ma-
nhaa no armazem da ra da Cadeia n. 53.
LEILAO
DE
sera vos
DE
9 caixas com cha pieto.
Qiiinla-feira 1 de oulnbro.
O agente Pestaa far leilao por conta e risco
de quem pertencer de 0 caixas com cha preto, al-
guias a variadas a bordo do Linio P/upuie na sua
recente viagem do Maranlio c ser effeetudu o
leilao ijuinla-foira 1 de outubro polas 10 horas da
inaiiha no armazem do Annes defionlo da al-
fa ndega.
LEILAO
le loja de chapeleiro e dividas
Qniula-feira i." de oulubro.
A' requerimunto do Sr. Joaquim Luiz Vioia o
por mandado do lllm. Sr. Dr. Juiz de orphp-, o
agente Pestaa far leilao das fazondas existentes
na loja de chapeos da na da Cadoa n. 46, assim
como das dividas portonoontos mesan loja: cu-
jas relacocs destas e bataneo d;i (mellas acham-se
em poder do agente cima aflm de poderem ser
examinadas por qualquer dos Sis. pretendentes :
aohando-se em nraito bom estado as fazondas e
no valor de ':8'if>30."0 o as dividas no valor de
8:003S:ii; leilao ter lugar na qninla-foira i."
de outubro s doze horas om ponto na niesma
loja.
FVIUI^O
2) a aacDSjaa
i>b:
IIOJK.
O agento Pestaa legalmente autonsado vende-
r por conta e risco de quem pertencer 8 escravos
diversos, a saber :
Maria, parda de 28 annos, cosinha e principio
de engommado.
Mana, parda de 28 annos, cosinha pouco.
Anselmna, 12 annos.
Bertoleza, 40 annos, lava bem roupa.
Paula, 10 annos.
Jos, 4o annos, para servico.
Estevo, 40 annos, iilom.
Vicente, 38 annos, idem.
Todos bonitas figuras e serao patentes segunda-
feira 28 do corrente na ra da Cadeia n. 50, as 12
horas da manha.
Leilao de 200
saceos
India
com arrot
8io.ii:.
Saunders Brothers & C. farao leilao por conta e
risco de quem pertencer de 200 saceos com excei-
lente arroz da India vindo pelo navio inglez Joshua
& llary. chegado prximamente de Liverpool, em
lotes vontade dos compradores : segunda-feira
28 do corrente pelas 10 horas da manha no ar-
mazem do Annes,
i.ello de IOO ealxas de batatas.
IIIIJE
O agente Pestaa vender em leilao 100 caixas
com batatas de 2 arrobas de superiot qnalidade,
desembarcadas ltimamente, em lotes a vontade :
segunda-feira 28 do corrente pelas 10 horas da
manha n armazem do Annes defronte da alfan-
dega. y
LE i o
DR
50
20 caixas de queijos flamencos e
qneijos prato.
IIOJI.
O agente Pestaa vender por conta de quem
pertenrer 20 caixas dos mais superiores qneijos
liamengos que existem neste mercado e 50 quoijos
prato, sendo vendidos ein lotos vontade dos com-
pradores : segunda-feira 28 do corrente pelas W
1|2 huras empento no amazem do Annes defron-
te da alfandega.
AVISOS DIVERSOS.
LOTERA extraor inaru.
aos i :-u0$
Sabbado 10 de outubro prximo, andarao impre-
teriveliiit-nle as rodas da 2J parte da lotera a
beneficio da malriz da Boa-Vista desta cidade, pelo
mui agrada vol plano abaixo publicado.
O abaixo assignado solicita do respeitavel publi-
co amanto desta provincia, a compra dos respeof-
vos biihetes, concorrendoassim, nao s para o bem
das nossas loteras que tanto a engrandecem, como
para o liin para que ella concedida.
Os biihetes e inoius biihetes acham-sc desde j
a venda na thesouraria das loteras ra do Cres-
po n. 18, e as casas coninjissionadas, ra da im-
peralriz n. 44, loja do Sr. Pimentel, ra Direita n.
;t, botica do Sr. Chagas, ra estreita do Rosarlo n.
12, typographia doSr. Mira, c ra da Cadeia u. 4o,
loja do Sr. Porto.
Os premios de 10:0005 e de 2:0005 sero pagos
logo ao Andar a extraeco, os outros al os do
205, meia hora depois e por diante ate s 4 horas
da tarde.
0 thesoureiro,
Antonio Jote Rodrigues ae Souza.
PLA\0
para as partes extraordinarias
de loteras, approvado pelo
i:\ni. sr. presidente da pro-
vincia.
2,500 biihetes a 105......... 25:0005000
Beneficio, sello c commisso de
20 por cento.............. 5:0005000
IiOTKIA
G48\ i)\ nmu
O abaixo assignado faz scionte ao respeitavel
publico que venden nos seus muito felizes biihe-
tes garantidos as sortea de 5:000 o i-,0005 e outras
umitas de 100 \ 405 e 205 da lotera que so aca-
bou de extrahir em beneficio da groja de s'ossa
Senhora das Novos de Olinda o convida aos pos-
suidores de ditos biihetes a vireni recebor seus
respectivos premios em seu estabelecimento casa
da fortuna ra do Crespo n. 23.
O mesmo tein exposto venda em seu dito os-
talielocimeiilo e as casas do costurac os mu fe-
lizes biihetes garantidos da lotera extraordinaria
a beneficio da matriz da Boa-Vista, a qual se de-
vera extrahir uo dia 10 do outubro prximo ; 6 as
sortes que elles obtverom serio pela mesma for-
ma pagas una hora depois da exlracoo.
Precos.
Biihetes inteiros..... 125000
Meios biihetes...... 05000
Para as pessoas que compraren)
do 1005 para cima.
. Biihetes........ 115200
Moios......... 55600
ilanoel Martina Fiuza._____
- ftrrendan-se os dous grandes armaaeas da
Oe Apollo n>. 38 o 40, eommunicados por den-
iwr meio de arcadas, e pioprios para um esta-
loeimentoem poni grande, e trata-se com Anto-
r>4 Alvos Barbosa nos inesmos armazens
Alugam-se o 1." o 2." andaros da casa da
ra de Apollo n. 37, por preco conuaodo, bem co-
mo a casa torrea da ra do'Fogo n. 30 : a tratar
ni ra da Moedan. 29.
Oalvtgarto Joiio lionc.l>c|
da Silva onlarrovos tora osen
ecriploiio na t cstrcia do
llosario b. 17, on'e plc ser
irorura'lo das 9 Btras da raa-
nliaa <: d lanle.
----
FRANCISCO ANTONIO CORREIA CARDOSO,
lina do Bnian, IV. Ht.
Acha-se novamcnle aberto este antigo e proveiloso estabelecimento, prompta-para
executar quaesqner enommendas de ferro fundido, balido ou de bronze, moendaspara
engenbos, com vapores ou sem elles, todo com a maior promptido, perfeicao e com-
modo prego ; tem varias obras promptas da melbor 'e miis sodn construccoquo p-
dem ser vendidas por metade de seu valor, como sejam :
Moendas inteiras e meins ditas de varios lmannos, para engenbos.
Portas d'aguas guarnecidas de bronze com parafuzo de rosca quadrada.
Rodas de espora, carretas e rodelas angulares.
Parafusos e cavilhoes de ferro ou de bronze, rosca quadrada ou singla.
Agulboes fundidos de azas c batidos para rodas d'agua e chumaceiras com bronze.
Bronzes e torneiras de todos os lmannos e qualidades.
laxase fundos de alambique, de ferro fundido, de varios tamanbos.
Crivosc portas de fornalha de varios tamanbos e qualidades.
Urna machina de destillacao continua do autor Collares.
Fogoes americanos econmicos para casa de pequea familia.
Fornos de fazerfarinha.
Tubos de chumbo de todas as grossuras.
Cobre em arrobas e Comas, dito, dito.
Foiha de Flandres em caixas, bom sortimento.
Chumbo em lencol e em rolos de diversas grossuras.
E urna grande ponfio de peras de obras tanto de ferro fundido como batido ou de
I bronze que seria enfadonho descrever.
Espera pois, o oroprietario de>te estabelecimento que o publico sempre benigno
e prestar toda sua coofianca e atlencao.
TOi
A. Ma-sy. engonheiru
provincia. _______
traaeex, retira-se da
Aluga-se o segundo andar do sobrado na ra
da Senzala Nova n. 42, eom bastantes commodos
[tara familia : a tratar na mesma. ______
Aluga-se a casa terrea da ra Imperial n
66": os pretendentes dirijam-se Ca xa Filial.___
Liquido...
20:0005000
Jos da Silva Ltft i'., sacara
sobre Lisboa c Porto.
Ainda est por alagar-se o segundo an-
dar do sobrado n. 44, em a ra da Auro-
ra : quem o quizer dirija-se esta mes-
ma ra casa n. 10.
Precisa-se de um caixeiro, que tenha pratica
de taberna ; a no Campo Verde n. 56.
Precisa-se do um menino para caixeiro de
taberna, c que fiador a sua conducta ; na ra do
Imperador n. 81. ______________
Aluga-se urna casa com niuitos commodos na
ra de S. Miguel dos Afogados na ra de Hortas
n. 48.__________________________________
Polycarpo Jos Layme despedio o seu caxeiro
Jos Firmino Alves de Quintal. Recife 24 de setom-
bro de 1863.
Na ra Direita a. 8S, segando andar, ha para
alugar-se urna mulher forra para lavar o engom-
mar. ._____________
Precisa-so tomar a premio de 3 a 4:0005
com liypolheca em um predio de grande valor :
quem pretender annimcie para ser procurado.
Deseja-se fallar com Joao Francisco do Bogo
Maia a negocio de seu nleresse na ra da Impe-
ratriz n. 40.__________
Amh izciis, caas e siiios.
Aluga-se o torcoiro andar do sobrado n. 53 da
rna da Cadeia do Hocfo. com I janellas e una
j varanda do (rente, -l salas, gabinete, quartos, co-
sinha e terraco: o armazem do mesmo com duas
, portas de (reate, todo lavado e lageado proprio
I para negocio de grossoou a retamo pela ptima
localidade; o armazem o .primeiro andar da casa
n. Ida travs da Senzala Tema tambem ne Re-
cia! ; um sitio na Passagem do Zongu em Api-
pucos, com 5 casas o (piarlos em separado, para
alugar-se, baiza de capim para negocio, sendo o
nsmo lugar bastante aprazivel, fresco e com boa
agua, por isso mullo rocommendado para quem
soure qualquer encoinmodo de saude: a fallar
com Francisco de Miranda Leal Seve na ra do
Severa. 12, visinho do Gymnasio Provincial em
obra, ou no escriptorio terreo n. 18 da ra do Tor-
res, prximo a praea do commercio.
Precisase de una mullier Ldosa e de bons
costamos para servir de comnanliia a una familia :
na praea do Corpo Santo n. z.
Alagarse o armazem do sobrado n. 16 da ra
da Cruz do Recife : a fallar na ra da Praia, so-
brado n. 43, primeiro andar. __________^^
1 premio de................... 10:0005000
1 ditode..................*.... 2:0005000
500,8000
2008000
300*000
1 dito de
1 dito de......................
2 ditos que tero os nmeros mais
approximados ao que obtiver o
premio de 10:0000, sendo cada
urna 2005000................
3 ditos de 1005000..............
2 ditos que terao os nmeros mais
approximados ao que ebtiver o
premio de 2:000,5, sendo cada
urna 100*........ ......... 200*080
8 ditos a 40*000............... 320*000
2 ditos que terao os nmeros mais
approximados ao que obtiver o
premio de 5005000, sendo cada
urna 40*000................
2i ditos a 20*000..............
358 ditos a 10*000...............
80*000
420*000
5:580*000
600 premios.
1900 brancos.
2500 biihetes.
N. B.-As sortes maiorcs de 400* estao sujeitas
aos descontos das leis.
Thesouraria das loteras,
1863.
26 de selembro de
I O thesoureiro,
_____________Antomo Jos Rodrigues de Souza.
O abaixo assignado previne a quem interes-
sar possa que os escravos Ernesto, de idade 12 an-
nos, Adolpho, de idade 9 annos, Rita de 8, Caetano
de 7. Luiz de 38 annos, e Maria (conga) de 43 an-
nos, pertencentes a D. Francisca de Salles Candida
da Rocha, se achara hyuothocados ao mesmo abai-
xo assignado, que protesta usar do seu direito era
relami a qualquer penhora ou embargo, etc., que
por ventura soffram.
Joaquim Luiz VirSes.
-- Sr. Luiz Jos Marques qneira
apparcccrncsUt typographia._______
GABINETE
P0RTUG11EZ iiB LMTUiU EM PER-
VIHBIO.
Em observancia ao disposto no art. 66 dos esta-
tutos, a directora faz saber a todos os senhores
associados e a quem mais mteressar possa, quedas
suas sessoes ordinarias terao lugar na casa do Ga-
binete, no dia de quinta-aura de cada semana, as
7 horas da noite.
Secretariado do Gabinete Portuguez de Leitura
em Pernambuco 25 de setembro de 1863.
Joaquim Gerardo de Bastos,
!. secretario
Trbulo de grado.
Antonio Melchior de Caldas Braudo, seus manos
e cunhado, agradecen cordial mente s pessoas que
se prestaram e dignaram-se assistir as exequias de
seu muito prezado rmao Jos Augusto de Caldas
Brandan, c de novo rogamos aos amigos e prenles
do mesmo o carioso obsequio deassistirem a mis-
sa do stimo dia, que pelo seu eterno descanco man-
dara celebrar na capella do cemitorio, segunda-
feira 28 do corrente, pelas 7 horas da manha.
Memoria
de mea amigo Jos Augusto de Caldas Brando
tarea! bem moso.no verdor des annos, quando
a esperanca Ibe afagra rindo, deixoa eom a raor-
te o viver de engaos, foi entro os anjos para o co
snbindoM J nao existe o meu sempre chorado
amigo Caldas Brandio. A trra Ihe seja leve.
Recife 22 de setembro do 1863.
I A.JT.
O capitao Jos Luiz Poreira convida aos
seus amigos e conhecidos? para assistirem a
urna missa por alma do sou presado pai Jo-
s Luiz l'oroira.que se ha de celebrar no con-
venio do Carino ainanhaa 29 do corrente s
8 horas, primeiro annversario de seu pas-
sainento" e desde j se confessa grato a todas
y as pessoas que assistirem a csse acto de ca-
ridade e religiao.
Manoel Roberto Ernandes, subdito equato-
riano, retira-se para o Rio de Janeiro.
Muita atlencao
Acha-se fgido o pardo escravo de nome Ths-
maz, nfflcial de alfaiate, idade trinta e quatro as-
nos, altura regular, grosso do corpo. nariz afilad,
bocea regular, hem fallante, e tendo para melhor
signal os escrotos um tanto grandes, traja camisa
branca, jaquota lamben] branca e caifa de cor.
chapeo do Chile ; costama trazer sapalos de tran-
ca, c se intitula forro ; vivo nesta praea ou nos
suburbios : portanto rogase s autoridades poli-
ciacs e eapilaes de campo, a apprhenso do dil
mulato e le.va-lo roa da Mangueira n. 20, que
ser giatilicado._________________________
Preeisa-se
de urna crioula para casa de urna familia com-
posta de tres pessoas : a tratar na ra Augusta
n. 5. sobrado de um andar.
Alugam-se escravos, tratar na saboaria do
Afogadnraa de 8. Miguel ou no Recife no deposito
de saboda ra da Senzala Velhan. I|6._______
Xa ra estreita do Rosario n. 19 trabalha-se com
toda a perfeicao em bordados, o flores de todas as
qualidades, apromptam-se ricas grnaldas e bo-
qneM para casamentes o bailes, d-sc tambera li-
jos de florcs.s familias que quizerem aprender.
Cai\eiro.
1 Offerecc-se para caixeiro de qualquer estabele-
cimeuto um rapaz de boa conducta, que sabe lr e
escrever : no pateo do Livramento n. 31, segundo
andar.___________________________
- Aluga-se a casa da ra da Gloria n. 116, la-
drillada e pintada de novo, com commodos para
grande familia, e o primeiro andar e sotao da casa
da ra da Senzala Velha n. 34 ; a tratar na Ponto
Velhacom o Sr. Antonio Joaquim Ferreira Porto,
ou na renacao da Senzala Nova n. 4.
ALMANAK
Estando i confpcci'ar-sc. ot'manak
na serim-
No engenho Lordeiro, sito na freguezia da: j. n,.ftviiiM (tile cnnl
Varzea, precisa-se deum lavrador forte para occu-tteMd P'",, M> llac ^?111
par um grande silio, com boa casa de podra e cal, prCSSO USla UpO^iaplll', COHTIfl SC
e trras fertes :
dito engenho.
quem o pretender, dirija-se ao
Aluga-se o sitio da senhora viuva Carvallio,
em S. Jos do Manguinho, com boa casa de sobra-
do esteirada, quartos para criados, estribara,
baixa de capim de verao e invern : qiiem o pre-
tender, dirija-se sua propriedade na Capunga,
casa junto ao porto do Lasserre.______________
PEDIOO.
Deseja-se sabor se existe nesta cidade do Recife
ou em outra qualquer da provincia o Sr. Joaquim
Ferreira Ramos, natural da freguezia de Santa
Christina de Malta, reino de Portugal, fimo de Ma-
noel Ferreira Ramos e Rosa Mara de Jess : pe-
de-se, portanto, ao dito senhor ou a qualquer pes-
soa que do mesmo possa dar noticia, o obsequio de
annunciar a sua morada, ou dirigir-se praea da
Independencia n. 3.
C'opeiro.
Aluga-se um mulato escravo muito bom copeiro
e comprador, fiel e inteligente : na ra da Unio
numero 39.
Aluga-se a casa terrea n. 9 no principio da
ma Imperial, com 2 quartos, 2 salas, cozinha fra
quintal e cacimba : a tratar na ra do Quoimado
numero 71.
D-sc dinheiro a juros sobre ouro ou prata.
i'nuenas Doreoes : na ra Velha n 84.
em pequeas porcoes
Aluga-se ota sobrado de tres andares na ra
da Cruz n. 9, com urna xcellenie vista para o mar
e commodos precisos para familia ou mesmo para
escriptorio de qualquer commerciante, dando-se
preferencia a qnem alngar todos os tres andares
quem preleader. dirija-se ao primeiro andar do
sobrado araarello do pateo de Pedro II n. 31.
todas as pessoas pue 'Tile Uitn pa le,
para que remetan aliviana ns. 6 e 8
da praeu da Independencia, sens nom' s
e paldade de eslbe'ecimenta, e aos
senhores remelter alm ds noraes destnsen-
genhos,- o da freguezia e omarca a que
perlencerem.___________
Aluga-se urna preta que seja boa quttandeirn.
para vender : quem tiver dirija-se ra da ma-
triz da Boa-Vista n. 54, onde se declara quem
quer. '_________
O Dr. Villela lavares eontinua a adrogar no
crime e civel: na ra do Crespo n. 1. ^____
Aluga-se a loja do sobrado n. 19 da ra Ao-
va, propria para qualquer estalwlecimento : a tra-
tar na ra da- Cadeia n. t, segundo andar.
Aluga-se por preco coinraodo a casa terrea
n. 6, no primeiro beccoda camoda do Carino : a
tralar na ra da Cadeia n. 62, segundo andar.
Bom neuocio
O arremataste no imposto de 80 rs. sobre carga
de farinha e legumes, vendidos as pracas da Boa-
Vista c S. Jos, vende o da praea da Boa-Vista : a
tratar na ra Imperial, armazem de sal do Amaro
Precisa-se de nina ama de leile: na ra
Trincbeir&s sobrado n. i 7.
das
Precisa-se alagar urna rozihbeira e engom-
madeira para urna casa de familia, na villa do Bo-
nito : quem quizer contratar, dirija-se ra da
Saudade n. 21.
Alugam-se o primeiro e sogundo andares do
sobrado da ra da Penna n. 29, por preco comino-
do : a fallar na mesma ra n. 5.
Paga-se o trabalho de quem o
pegar.
Fugio d'uma gaiolla s 4 horas da tarde do dia
sabbado 26 do corrente mez um checheo bastante
velho, e tendo comsigo um signal muito conheci-
do para o seu dono .qnem o pegar e quizer ter
a bondade de o entregar ao seu proprio dono, dir-
janse ra do Crespo n. 18 primeiro andar, que
ser bemjecompensado.
Ka rna do Qoeiraado 1.1
deseja-so fallar aos Srs. Gabriel Germano de Aguiar
Munlarroyos e Joaquim Ribeiro de Aguiar Mon-
tarmyos. _____________
Aluga-se a casa da rna d"Alegra n. 40 com
muiros commodos para familia: a tratar na ra da
Imperatriz n. 43, on na ra do Imperador n. 67 se-
gundo andar. t________________________
I'm portuguez de boa conducta se offerece a
diversos servicos, como bem seja : o "'nna,r
casa de homem solteiro, servir de tortor paras. gom
sio e para bolieiro, o Q"! tem sna matricula
tambem pinta carros: quem precisar dinja-se a
roa Nova n. 30.
J





NOTICIA NOTICIA NOTICIA.
Cartdes de visita
Cartdes de visita
CrtSes de visita
CartSes de visita
Cartdes de visita
Cartoes de visita
Cartfies de visita
Cartoes de visita
Cartdes de visita
Cartoes de visita
83000 a duzia
83000 a duzia
83(Xt0 a duzia
64000 a duzia
85O00 a duzia
83000 a duzia
83000 a duzia
83000 a duzia
83000 a duzia
83000 a duzia
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Joao da Silva Hamos, medico pe
versidade de Coimbra, da consultas em
sua casa, na ra Nova n. 50, das 8 s iO
horas da manhaa, e das 4 s 6 da tarde, e
recebe egualftiente convites para dentro
ou fra da cidade, com o fin de se encar-
roar de qualquer servigo de sua profis- i
sao.
Os chamados deverio vir por escripto.
Laboratorio homeopathico, na
\ova n. 43.
O Dr. Sabino Olegario Ludgero Pinho tem en-
earregado da sub-gerenria do seu estabelecimento
aoSr. Jos Alves Tenorio, professor em homeopa-
thia, e compelentemente habilitado para substitui-
to em aualquer ausencia
SEGUROS DE VIDA EM MUTUALIDADE.
A directo do BA.NC6 U.NlAO tendo obtido do governo de S. M. F. a autorisagao para estabele-
cer o seguro de vidas em mutualidades, faz publico que desde j toma subscripges annuaes #or urna
s vez, debaixo das seguimos condiges ; ...
Com prda de capital e lucros;
Dito capital smente;
Dito lucres smente-;
devendo a primeira liquida$ao ter lugar no 1 de janoiro de 1869.
As vantagens do emprego de capitaes em mutualidade, sao-obvias, porque nao smente se co-
in o juro de quantias diminutas, de que avulsas se nao poderia tirar nenhum resultad*; mas alm
disso, este rcndimento augmentado pelo capital ou lucros, ou ambas as cousas, conforme as condiges
da subscnpgo, dos quefallecom. Tambem partido pelos sociossobreviventes tudo aquillo que os so-
cios morosos nos seus pagamentos, sao por este motive obrigados 4 pagar, bem como cadaoidades que
occorrcrem pela falta de cumprimento do compromiso social.
As liquidagoes sao,pelo systema das rompa ulnas hespanholas, Tutelar e outras; e parase poder
fazer uma idea do que pode produzir urna entrada animal de 403, publica-se a seguinte tabella basca-
da sobre a experiencia de muitos anuos de companhias desta natureza :
Em i annos Em 10 anuos Em 15 anuos Em 20 anuos Em 2o annos
Preeisa-se de um bom cosiaheiro e de ama
ama para asa estrangeira e de bomem solteiro :
quem se fulgar habilitado dirija-se ra do Tra-
piche n. 6.
Precisa-se de uma mulher idosa para estar
na compaahia de uma menina de idade de 2 an-
nos : na ra do Qucimado, laja da esquina do Pei-
xe Frito.
Aluga-se a casa terrea da ra dos Guararapes
n. 67 : a tratar na ra da Cadeia do Recife n. 47,
loja.
Por um menino de l lia a 1 auno 1103 4003 9003 2:6003 4:7003
de i anuo a 2 903 3003 7503 1:7003 3:7003
de 2 . a 3 803 2903 7203 1:6003 3:5003
do 3 * a 4 > 863 2803 7103 1:5603 3:4003
de 4 a 15 863 2703 7003 1:5503 3:3503
Por uma pessoa de lo a 20 863 2703 7003 1:5403 3:3303
de 20 > a 30 > 863 2703 7103 1.5603 3:4003
de 30 > a 40 i 863 2703 7203 1:6000 3:7003
de 40 a50 903 3003 7503 1:8003 5:0003
As entradas por uma s vez do resultados muito superiores s annuaes.
Porto, 10 de agosto de 1863.Os directores do Banco Unio, Jos da Silva Machado.F. M. van
der Ntepoort.
Agentes em Pernambuco : Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & ra da Cruz n. 1.
C ompauliia fldel Idade
segaros martimos e ter-
restres estabeleclda no
Rio de Janeiro.
AGENTES EM PEFMAMBl'CO
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam 6eguros de navios, mercado-
rias e predios no seu eseriptorio ra da
Cruz n. 1.
AVISO.
Joao Das da Silva retira-se para o Rio de Janei-
ro a tratar de seus negocios.
No armazem de fazenjlas bara-
tas de Santos Coelho
Ra do Queimado numero 19.
Vende-se o seguinte
(loberas de chita
da India pelo barato prego de 23.
Lences
de panno de linho a 23-
Lences do bramante
O GALLO CANTA.
J sabido que quando chega o rapor da
Euf opa, o gallo canta annunciando aos seus
numerosos freguezes as galanteras de mais
gosto e da ultima moda que por elle re-
cebe, como sejam: \,
Camisinhas para senhoras.
Requicimas camsinhas com manguitos e-
de linho fino de um~s panno pelo baratissimo 8rav>lnhas para senhoras: s no Vigilante,
prego de 35-
Ricos vestidinhos
do seda enfeilados para menino pelo baratissimo
prego de 43-
Ricas saias de fusilo
pelo barato prego de 53500.
Lencos de cassa
brancosnos pelo baratissimo prego de 23 e 25400
a duzia.
Cortes de caifa
de ganga amarella de lista e quadros fazenda su-
perior pelo baratissimo prego de 13200 o corte.
Pecas de madapolo
fino largo pelo baratissimo prego de 83.
Pecas de bretanha.
de rolo com 10 varas propria para saias pelo ba-
rato prego de 33200 a pega.
Petas de cambraia
L\
Contina a hawr jiao de senleio novo nos dias
quartas e sabbados de cada semana, na padaria
em Santo Amaro ao p da fundigo, na ra da Im-
peratriz n. 22, e ra do Brura, confronte o chala-
1 iz n. 47, ra das Cruzes, deposito n. 39, na Pas-
sagem, taberna da esquina do Sr. Bento, que vira
para o Remedio, e no armazem progresso, largo
da Penha n. 10.
Quem precisar cIl- um brago grande para
balanga bem como de um terno de pesos francezes
Kilog)|annuncio para ser procurado.
Frau-
nesta
Preelsa-se fallar ao Sr.
eisco Jas de Llbuquerqne,
lypoKraphia.
Naques .sobre
Oabaixo assignado, agente do banco
mercantil Portnense ncsia cidade, saca ef-
feetiyamente por todos os paquetes sobre
o m.;smo banco para o Porto e Lisboa, por
qualquer somma, vista e a prazo, po-
dcndfi logo os saques a prazo sercm des-
contados no mesmo banco, na razao de 4
por cento ao anno aos portadores que as-
sim Ihe convier : as mas do Crespo n.
8 ou dc.inpcrador n. 51.
Joaquim da Silva ("astro.
ATTE\Ci0
Aluga-se a loja na ra da imperatriz n. 15, com
grandes commodid; des c por prego commodo.
NOVO ESTABELECIMENTO DE MEDICINA HOMEOPATHIGA
RIJA MOTA M. 43.
O Dr. Sabino O. L. Pinho mudou o seu CONSULTORIO para a loja de marmere
ra Nova n. 43, onde continua a dar consultas todos os dias uteis desde o meio dia at
2 horas.
Os enfermos, que o procurarem logo na invaso da molestia, sem que hajam to-
mado qualquer remedio, nem allopathico, nem homeopathico, pagarao metade dos preco* i
estipulados. Esta concessao tem por fim facilitar a cura de molestias, que podem tornar-1
se complicadas pelos emprego intempestivo da therapeutica e ao mesmo tempo adquirir
para a homeopathia maior numero de adeptos pela bateza da cura.
Em attehco as pessoas pobres, que nao podem sahir de dia, o Dr. Sabino resol-!
veu dar duss consultas por semanas as tercas e sextas-feiras das seis as sete hora* da
noite.
Os chamados para visitos e conferencias devem ser dirjgidps por escripto ao con-'
sultorio desde 8 horas do dia at 8 da noite, na certe2a de que sero attendidos na ordem
de sua precedencia, salva a circunstancia de eminente perigo.
ADVERTENCIA.
0 novo consultorio est prvido dos melhores medicamentos, desde a primeiri j
at a trigsima dynaminjsacao.
E como os mdicos hespanhes e alternaos nao cessam de certificar a major efi-
cacia das ultissimas dynaminisaces do tratamento das molestias chronicas, o Dr. Sabino se
oceupa agora de elevar os seus medicamentos s potencias mais altas (por ora at 200.a),
afim de verificar por si mesmo a forca dynamica, que se lhe attribue.
Os mdicos, que quizerem experimentar taes dynaminisaces poderSo dirigir ao
consultorio suas receitas, que serao aviadas gratuitamente para os pobres.
No mesmo consultorio se vende a novissima edicao do Thesouro homeopathico
ou Vademcum do homeopatha, obra indispensavel a dos que querem usar da homeo-
pathia.
- Precisa-se de uma escrava para venderla- r?*fefina COm 8 1|2 varas pol baratissimo
rendas paga-se bem : na ra do Hospicio n. 62. i P ae- Atoa|ha|no de ,inho
- Aluga-se o sitio da senhora viuva Carvalho, com 8 palmos de largura proprio para toalha de
", mesa pelo barato prego de 23500 a vara.
Lazinhas de qnadro
Cruz, escriptorib do Sr.'Raymdo B: Lasserre. e gostos^inteiramenie ,novos pelo baratissimo
em S. Jos do Man^
do, esteirada, quartos para criados, estribara, bai-
xa de capira : quem o pretender dirija-se ra da I ,
- prego de 480 rs. o covado.
Aluga-se o primenoandar da ra do Crespo
n. 23 ; a tratar na loja.
Precisa-se do uma pessoa para cozinheira de
casa de familia, preferindo-se do sexo femenino,
e que tenha bom comportamento : a tratar na ra
do Trapiche n. 17, ou na Magdalena, sitio do Sr.
Brito.
B A \t O l \ IO
ESTABELEQDO NA CIDADE DO PORTO
Agentes em Pernambuco
Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & .
Sacam por todos os paquetes sobre o
mesmo banco prazo ou vista, sobre a
caixa filial em Lisboa, e agencias era Fi-
gueira, Coimbra, Aveiro, Vizeu, Villa-
Real, Regoa, Vianna de Castello, Guima-
res, Barccllos, Lamcgo, Covilhaa, Braga,
Penafiel, Braganca, Amarante, Angra,
lina da Terceira.'llha de Faias, Ilha da
Madeira, Villa do Conde. Valenga, Bastos,
Oliveira de Azemeis, Chaves "e Fafe, a
oito dias vista ou ao prazo que se conven-
cional no seu eseriptorio ra da Cruz
n. 1.
Uramaote de linho
com 10 palmos de largura fazenda superior pelo
baratissimo prego de 23300 rs. a vara.
Pegas de.camliraia
adamascada fina com 20 varas para cortinado pelo
barato prego de 103 a pega.
Fil liso
fino pelo baratissimo prego de 680 rs. a vara.
Esteira da India
de 4, 5 e 6 palmos de largura propria para for-
ro de sala.
Vende-se nina vacca com cria, a qual da
duas garrafas de leite, por prego commodo : na
ra da Imperatriz n. 19.
A prazo ou a dinhclro.
Vende-se uma exccllcnte barcaca de 28 a 30
caixas, muito bem construida e aparelhada : a
tratar na ra do Apollo n. 4, primeiro andar.
Em casa de R. B. Lasserre & C, ra da
Cruz n. o, vende-se por pregos muito commodos,
medoc, santernes, cognac e mostrse primeira
qualidade.
COMPRAS.
o covado
Novo sortimento de cambraia franceza de lindos
padres por 240 rs. o covado ; grando pechin-
cha, mandem antes que se acabe : na ra do Quei- dar comprar antes que se acabem,
Tudo o que diz respeito nova medicina se acha abundantemente neste novo estabe- radia nao sendo muito grande, com tanto que
Compra-se um silio propriamente para re
creio queseja perto da praga, com boa casa de mo- de superior farinha de Santa Catharina ou de Por-
mado n. 43, esquina que volta para a Congregagao.
A l#.>00 o sacro
ra de Crespo, n. 7.
Cirigolinhas.
Riquissimas cirigolinhas ou gravatinhas,.
sendo cousa de muito gosto, e a primeira
vez que apparece para as senhoras de bom
gosto: s no Vigilante, ra do Crespo
Pentes de concha.
_.Tam bem chegaram riquissimas guarni-
coes de pentes de lindo gosto, tanto para
atar, como para marrafas, por precos ra-
soaveis: s no Vigilante, ra do Crespo,
n.7.
Redes com lacinhos de fita.
Lindas redes pretas e de cores com um
lindo lacinho de fita para conservar o cabel-
lo, pelo barato preco de l#50i); assim como
! os novos enfeiles para cabeca a 3,5000, '*& e
3,5(000: s no Vigilante, ra do Crespo,
,n. 7.
Ligas.
Riquissimas ligas de seda de bonitas cores
a 1(5500; assim como fita propria para o
mesmo effeilo a 500 a vara: s no Vigilante,
ra do Crespo, n. 7.
Luvas de Jovin.
Tambem cliegou e chegam por todos os
. vapores grande sortimento de luvas de Jovin,
aonde os freguezes podem escollier: s no
Vigilante, ra do Crespo, n. 7.
ntremelos e babadinhos.
Tambem chegaram grande sortimento de
entremeios e babadinhos, que se vendem
por baratissimo preco de i:00 a pecinha:.
s no Vigilante, ra do Crespo, n. 7.
Fivellas para cinto.
Tambem chegaram grande sortimento de
lindas fivellas de ac e de metal com pe-
drinhas e sem ellas, pelo barato prego de
2$ e 25500, dando-se a fila para as mes-
mas : s no Vigilante, ra do Crespo, n. 7.
0 G'ILO C4VTA
Ja sabido que o gallo nao podia deixar de
cantar annunciando a seus numerosos freguezes os
riquissimos pentes que acaba de receber por este-
ultimo vapor.
Pentes de tartarnga.
At que chegaram os riquissimos pentes de tar-
taruga a Maria Pia para as senhoras apreciarem o
que 6 gosto e delicado trabalho fingindo uma cas-
carrilha guarnecida por botaozinhos, poderao man-
pois foi uma
aecimento.
o importante estabelecimento de fazend"S
ra do Grespo n 17, de Jos Gomes Villar.
3* Proejasn Gimas, senhoras a este bello estabeleci-
mento de fazendas.
es-
teja bem plantado : a tratar as Cinco Ponas n. 74.
Compr-se um escravo de meia idade e uma
preta de 4a 50 annos : na ra do Apollo n. 23.
- Compram-se duas negras perfeitas cozinhei-
ras e engommadeiras: na ra de Apollo n. 84,
segundo andar.
to-Alegre : .vende-se a bordo do patacho Reguln,
em porgao ou a retalho : trata-so com o capitao a
qordo, ou com Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
& C, no sen eseriptorio, ra da Cruz n. 1.______
Nada mais barato.
Vende-se por 603 um piano de mesa em bom
| estado apezar de um diminuto concert e afinagao
p ------:-------;---------r~r:-------rr^" Que precisa : na ra dos Pires n. 34 ou na tab'er-
(.0111 jlPl-Mi COPe e lataO VelO : na da ra do Principe se dir quem tem.
as mais modernas vindas
Precisa-se alugar um boleeiro escravo que
tenhaTjoii conducta, e sem vicios: na na do Quei-
madea. 44, primeiro indar.
i:iB<>i!ii:i:ii!ciiM.
Lav-se e enguinina-se com a maior perfeigo
po sivel por commodo pre*;o. garantindo-se aspe-
gas eouliactis lavagem o engommado : quem qui-
zer dirija-se ao principio d rua do Hospicio, so-
lirado novo de um andar com portao de ferro ao
lado.
Na rua Direita n. 8o, segundo andar, ha para
alngar-se.uma .mulher forra p3ra lavar e engom-
mar.
Atuga-se o sobrado da senhora viuva I.as-
serre assim como 2 casas pequeas e uma meia
agua na Capunga Velha : a tratar em casa de R
R. Lasserre & C. rua da Cruz n. 5.
Precisa-se fallar com os lilhos do fallecido
Christiano Pacheco.scndo o fallecido pai Portuguez
natural da ilha de S. Miguel, e que ahi tem uma
irmaa de nome Anna Joaquina Pacheco, para ne-
gocio de seu interosse : na rua Nova n. 8.
Ilndanca.
Theodozio Maduro da Fonccca faz sciente ao res-
peilavel publico e a seus fregueze< que mudou a
sua loja de cabos, da piara do Corpo Santo n. 21
para a rua do Vigai io n. o.
Anda est para alugar-se o sobrado na rua
ros Coelhos n. 10, onde moraram os padres lasa-
Ahi Vv. Excellcncias encontrarao as melhores fazendas
em direitura de Paris e Inglaterra.
Chegaram de Paris os mais bellos cortes de laa com barras delicadissimas,
antes que so acabem.
Pegas de madapolo de 12 jardas a 43, 43300 e 33, ditas de algodozinho de 10
jardas a 43 e 43300, ditas de bretanha de rolo a 33, bramante de linho de 10 palmos de
largura a 23 a vara, cambraia lisa fina de 10 jardas a 43 a pega, chita franceza fina es-
cura a 320 rs. o covado, laas de cores muito delicadas a 320 c 300 rs. o covado, vestidos
de blond com capella e manta proprios para noivas, manteletes, capas pretas de muito
gosto a Luiz XIV, solferinos pretos bordados, chapelinas de muito gosto, veos para cha-
peos pretos e brancos, vestidos brancos bordados, eassas do euros lindissimas a 240 e
280 rs. o covado, organdys de muito gosto a 400 rs. o covado, chapos de sol de panno
para meninos a 13600 cada um.
Msicas importantissimas para piano e canto de todas as forgas e se vendem por
baratissimo prego para acabar.
Admirareis laas escossezas de muito apurado gosto proprias para vestidos no verlo
fazenda ptima de 3 e 4 palmos de largura a 400 e 500 rs. o covado.
POR MENOS DEZ POR CENTO
NOS
na rua da Cadeia do Kecife n. 36, pri-
meiro andar.
Compra-se
cobre, chumbo e latao velho : no oitao da secre-
taria da polica no armazem da bola amarella da
rua do Imperador.
Compra-se effectivamento ouro e prata em
obras volhas : na praga da Independencia n. 22 lo-
ja de bilhetes.
Mal de Lisboa.
Vende-se a bordo da barca portugueza Despique
II, superior sal de Lisboa : a tratar na rua da
Senzala Nova n. 4.
VENDAS.
Aos 8r5 de en gen lio
No caes d'Apollo armazem n. So, de
Jos Duarte das Neves, acha-se ven-
da a mais snperior arioha Fontana
sendo muito recommendada as casas de
familia,as barriqainhas de 3 arrobas
c de N libras cada uma.
FOXTAWA.
Vende-se a muit) superior farinha
de trigo marca Pontana, chegada lti-
mamente a es'e mercado, .em barricas,
stido de blonde de seda, C <\'^ JO-mntm de Joao
propriopara noiva, com capella, palma de peito, "flrlOO Q AgtlIOf fi., 10 Caes d A|tol-
PARA
Tfl
;o e botinas de setim branco, por Commodo pre- \qji% 53.
ditas.
Attencao.
Na rua estreiu do Rosario n. 41, se-
gundo andar, se ouerece uma pessoa pa-
ra engommar com alguma perfeigo c
commodamente nos pregos.
Ao n. 29.
Nora loja dos baralfiros na rua do Qucimado.
Velludo de cores fazenda muito boa o covado
33000, baldes de panno 33200, ditos de arcos
a 33000, 43000 e 53000, laas de duas larguras
para vestido o covado 500 rs., chitas francezas o
covado i 360 rs., metim branco para forro de
vestido o arado 120 rs., tarlatanas de todas as
cores a vara A 720 rs.
Ao n. 29.
Nova laja dos baraleiros na na do Queimado.
Cassa lisa pello, de ovo apega 73300, cambraia
lisa muito fina apega de 1/ varas 103, cam-
braieta peca de 12 jardas 73000, cambraia adamas-
cada para cortinado a pega de 22 varas 103000
mcias finas para senhoras a duzia 43000, chales
de la ponta redonda 323300.
Ao n. 29.
\uva loja dos baraleiros na roa do Queimado.
Bicos pretos de linho a vara 120, 160,240, 320
rs., franjas de seda a vara 80 e 160 rs., galoes
de seda do algodao e do laa para enfeiles de vesti-
do a peca de 10 e 15 varas a 400,' botdes de seda
do velludo e de fastao duzias 120.
Precisa-se de vendedeiras de bolos de venda-
gem, e paga-sc bem: na botica do pateo do Carmo.
mmm \
CfliSiRVQR
DE
Jijis2El 8 D'DS 8&R? AS. 21 E 23-LIR60FD0 TERCO-NS. 2t E 23.
Recebem por conta propria a maior parte dos gneros existentes nos seus arma-
zens e por isso deliberou-se seu proprietario a vende-los por menos 10 /o do que em
outra qualquer parte, garantiddo a superior qualidade.
Lelam todos.
Manteiga ingleza especialmente escolhida a 72o e 8oo rs. a libra,
dem franceza de primeira qualidade a 56o rs. a libra, e em barril a 54o rs. a libra.
Arroz pilado o melhor do mercado a loo rs. a libra e 3,ooo rs. a arroba ou sacco,
Caf do Rio e do Cear o melhor neste genero a 28o e 32o rs. a libra.
Ratatas novas a 5o rs. a libra, em arroba a l,4oo rs. e em caixas de quatro arrobas Dor
4,5oo rs, r
Rolachinbas americanas, as mais novas neste genero, a 2oo rs. a libra e 3,ooo rs. a barrica
Palitos do gaz, vindas por conta particular, a 2,3oo rs. a groza.
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor, a l,8oo e 2,ooo rs.
Vinho do Porto em garrafa de superior qualidade a 9oo rs. a garrafa,
dem em pipa Figueira e Lisboa a 4oo rs. a garrafa, e a 3,ooo a caada.
Milho alpista o mais ltmpo que ha no mercado a 16o rs. a libra, e a arrroba a 5,ooo rs
Velas de spermacet, composicSo e Aracaty, a 4oo, 36o e 64o rs. a libra.
Toucinho de Lisboa novo e grosso de primeira qualidade a 32o rs. a libra, e 9,ooors a
arroba.
Alm destes gneros ha outros muito baratissimos, assim como cha do melhor
azeite doce, vinagre, cebollas, alhos, pimenta, cominhos, erva-doce, charetos de todas as
quahdades. chouncas, sabo verdadeiro de 16o a 24o rs. a libra, genebra de todas as
qualidades, que tudo se vende barato e quem duvidar venha ver.
go : na rua do Queimado n.
Maia.
10, loja de Ferrao &
Ycn,e-seouhvpotheca-se barato
um terreno aterrado, contendo 140
palmos de frente e 200 de fundo, dei-
tando frente para duas roas, sendo
uma para a rua da Concordia c outra
para a do Alecrini, assim como oulro
terreno junio ao g^zomelro contendo
tambem 140 palmos de frente e40O de
fundo pouco mais ou menos, deitamio
tambem para duas ras.
Pechincha.
Pega de bretanha de rolo com 10 varas, propria
para saias, a 33; baloes de 20 arcos por 33, la-
zinhas muito finas de lindo" gosto a 440 rs. o cova-
do; algodao com 24 jardas com toque de avaria
por 53 a pega : na rua do Queimado n. i 7.
Vende-se um carro e boi muito gordo c bom,
por prego commodo : na rua da Conquista, no Ca-
minho Novo n. 11.
RUA DO QUEIMADO N. 46
vende-se gaz americano, primeira qualidade,
a 440 rs. trazendo a garrafa : na rua Direita nu-
mero 31.__________
Vende-so uma casa terrea sita na ruado Cal-
deireiro n. 68, com 3 quartos grandes, 2 salas, co-
zinha fra, com um grande quintal : a tratar na
roa dos Martyrios n. 30.
Vende-se um moinho movido por cavallo e
outro de vento, os quaes servem para differentes
cousas, para padaria e farinha de mandioca : na
rua do Rangel n. 9.
Vende-se uma casa terrea na rua do Jogo da
Bola n. 5, com 2 portas e 1 janella na frente, com
35 palmos de frente e 75 de frente, chaos proprios,
pertencente aos herdeiros do fallecido Polycarpo
Jos das Neves : quem a pretender, dirija-se aos
mesmos herdeiros, on seu procurador Justino Go-
mes Villar, na rua do Senhor Bom Jess das Criou-
las n. 37, at 9 horas da manhaa, e das 3 horas da
tarde em diante.
FAZENDAS
XA
\ova loja de Custodio, Cari-albo
<&: Companhia.
27-RUA L> Q. EIA1AUO27
Cambraia
organdis para vestidos a 240 rs. o covado.
Madapolo
fino proprio para camisas a prego de 83 a pega.
Cobertas
de panno de linho grandes a 23000.
Lences
de panno de linho grandes a 23-
Para mesa
pannos adamascados para mesa a l->00.
Guardanapos
adamascados a 23 a duzia.
Toalbas
para nos pelo prego de 400 rs. cada uma.
Fnslio branco
propriopara roupa de meninos pelo barato preco
de 320 rs. cada covado.
Entremeios
finos bordados pelo barato prego de 13300 a pega.
Babados
bordados de todas as larguras pega 23500.
Golinhas
bordadas a 040, 800 e 13.
Camisinhas
de cambraia para senhora a 23.
Balrtt
de arcos para senhoraa 33600.
Baloesmadade polio
dar meninas a 23500.
pequea amostra que o fabricante mandou : s
para o vigilante rua do Crespo n. 7.
Caixas de tartaruga
Tambem os amantes da boa pitada acharao gran-
de sortimento de lindas caixinhas de tartaruga
branca e de cores de todos os tamanhos para ra-
in' al para dar de mimo: s no vigilante rua do
Crespo n. 7.___________
~~ S NA ARARA.
Esta-se liquidando diversas qualidades de fazen-
das por pregos baratissimos, na loja cima da
Arara, rua da"Imperatriz n. 06, de Lourengo P.
Mendos Guimarcs.
A Arara vende eassas a 900 rs.
Vcn-sc eassas para vestidos a 200"rs. o covado,
cassa-organdis fina a 240,280 e 320 o covado, al-
I pakim de linho para vestido de senhora a 240 o
covado, eassas suissas de quadrinhos, a 280 e 320
o covado ; na loja da Arara n. 56, de Mendes Gui-
marcs.
lnfcites da Arara a I#000.
Vende-sc enfe/tes para cabega de senhora a tf.
ditos garibaldinos a 23, gollinhas bordadas coto
botaozinhos a 13, gollinhas smente 320 rs., mcias
cruas para senhora, muito largas, a 320 rs. o par,
meias para liomcm a 120 rs. e ditas para meninos
a 100 ; na rua da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
A Arara vende easentiras al #ttOO
Vende-se cortes de casemira inglezas escuras a
1,3600, ditas escuras infestadas a 13800 : tambera
se vende em rovados a 15, pois tem duas larguras,
e um covodo e tres quarlas d um corte de cala
cortes do casemira preta a 3-5500 : rua da ImpeJ
ratriz n. 56, loja de Mendes Guimaraes.
Oh que pecllincha a 2.5011 rs.
Vende-se pegas de cambraias de caroeinhos-
f,,.
Aos coehelros.
Vendem-se encerados pretos e de cores para
forrar carros : no armazem de Tasse Irmos.
DE
CtHH'OS
Para dentro e fra da cidade se manda conduzir
objectos por barato prego : a tratar no armazem
na bola amarella da rua do Imperador no oito da
secretaria da polica.
casacas
A luga-
FAZENDAS E ROUPAS FEITAS.
Sortimento completo de sobrecasacos de panno a 25#, 28. 303 e 356
muitobemfeitasaKtf, 280, 300 e 350, paletots acasacados de panno preto d 16?al
a a de casemira de Mr a 150, 180 e 200, paletots saceos de panno e case
mira de 80 at 140, ditos saceos de alpaca, merino e la de 40 at 60, sobre de abac p
merm de 70 at 100, calcas pretas de casemira de 80 at 140, ditas de cor de 70 at
io0, roupas para menino de todos os tamanhos, grande sortimento de roupas de brim
como se-jamcalcas, paletots e coetes, sortimento de colletes pretos de metim, casemira
e velludo de 40 a 90, ditos para casamento a 50 e 60, paletots brancos de bramante a 40
e 50, calcas brancas muito finas a 50, e um grande sortimento de fazendas finas e moder-
nas comptto sort.mento de casemiras inglezas para bomem, menino e senhora, ceroulas
de linho e algodao, chapeos de sol de seda, luvas de seda e de Jouvin para homem e se-
nhora. Temos uma grande fabrica de alfaiate, onde recebemos encommendas de grandes
1 se-1 ras' We para f .est sendo adm.mstrada por um hbil meslre de semelhante arte e um
guado andar,' Jndar j promptiilao e mais barata do que en P"*a qualquer casa, H
i-se
um sitio por tempo de um anno ou por tempo da
festa pa estrada que vai povoago do Monteiro,
com casa commodos para grande familia, pois contm duas
salas, nove quartos, cozinha fra, cacimba com
agua de beber, tanque para banho* etc., etc., todo
murado e" com militas arvores de fructo : os pre-
tndenos diV/laairse rua do Imperador n. 42 se-
Saccos grandes com farelo novo de Lisboa a
43500, farinha igual a da trra a 53300, milho a
435OO, arroz de casca a 43000 : no armazem da
aurora brillante, largo da Santa Cruz n. 84.
Opsculo de moral religiosa por
A. IIoiid 11.
Esteprecioso livrinho que acaba de ser adopta-
do pelo conselho de instruego publica para leitu-
ra as escolas primarias desta provincia, acha-se
venda em todas as livrarias desta cidade a 300
rs. em brochura e 400 rs. encadernado.
Farinha de mandioca
Vende-se farinha do mandioca da melhor e mais
nova que ha neste mercado, no eseriptorio de Ma-
noel Ignacio de Oliveira & Filho largo do Corpo
Santo n. 19, ou abordo do palhabote Viamao, an-
corado no caes do barao do Livramento, junto ao
patacho Regulo.
Vende-se um cabriolet patente inglez, com
assentos para 4 pessoas, e puxado a 1 e 2 caval-
I06 : a tratar na ra Imperial n. 61
Leques finos.
A loja da aurora na rua larga do Rosario n. 38,
recebeu ricos leques de madreperla, e tambem
ligas de seda, que tanto serve para senhora como
para menina.
Capachos para sof.
Tambem recebeu bons capachos grandes para
sof, ditos de meio tamanho para porta, ditos re-
dondos para meio de sala.
Retroz da primeira sorte
Tambem recebeu retroz azul ferrete, preto e de
todas as cores, da melhor qualidade que tem che-
gado ao mercado.
Capel las para noiva.
Recebeu ricas capellas brancas finas para noiva,
e tambem boquets de differentes cores, ricos sapa-
tinhos de merino bordados a seda para meninos,
e muito proprios para baptisado, assim como tam-
bem toucas de.seda para o mesmo fim. '
Madame Buessard Millocheau avisa aos seus
numerosos freguezes que acaba de receber por
este ultimo vapor um lindo sortimento das mais
novas fazendas para senhoras, como lindos corpi-
nhos de musselma, ricas camisinhas, pelerinas, e
bermas, com suas competentes mangas, um riquis-
simo sortimento de flores para bailes e csamen-
os, veos para noivas, um variado sortimento de
mas largas e estreitas, de todas as qualidades, no-
vas grvalas para senhora, diversos objectos para
luto como sejam, chapeos, collarinhos, manguitos,
ti velas e cintos pretos, riquissimos espartilhos de
nova forma, um lindo sortimento de luvas de dous
botes para senhora, bicos de blonde e de linho de
varias qualidades, e de toda largura, fil muito fl-
noL lindas rausselinas e tarlatanas de diversos pa-
dres, muito finas e muito largas; emflm um com-
pleto sortimento das diversas fazendas que os fre-
guezes costumam adiar m sua loja, tudo por pre-
igos raioaveis.
brancas c de cores a 2300, dilas de salpicas a
23500, dilos de palmas solfas de 1 vara de largu-
ra a 23, pegas de cambraia brancas finas a :i$ e
33500, pegas de eassas para cortinados com 20
varas a 9-5. ditas de 10 varas a 43500.-na rua da
Imperatriz n. 5(3, loja e armazem d Arara, de
Mendes Guimaraes.
Leiioos de seda da Arara a S00 rs.
Vende-se longos de seda de uma s cor muito
finos a 800 rs. dilos estampados a 13 e 1-5500 cora
franjas, chapos de sol ou marequezinhos para se-
nhora, com franjas c o cabo preto de 23500 a 35,
ditos para homem a 55 ; na ruada Imperatriz n.
56, Arara de Mendes- Guimaraes.
A Arara icndc ricas colchas a 8,000 rs.
Vende-se ricas colchas de velludos para cama a
83000, ditas de fustao a 53, dilas de damasco a
13, cobertas de chita a 23, cobertores de algodao
de pello a 13C00, lencos brancos finos a 200 rs.,
tapetes para sala a 53.
Grande pechincha, o tarta de cambraia por 1,000.
Vende se cortes de cambraia com pequeuo to-
que de copim a J0 c 25 cada um, cortes de cam-
braia de babados linas a 35 c 45, camisas de meia
para senhora a 500 rs., lencos de retroz para se-
nhora a 500 rs. : na rua da Imperatriz. loja da
Arara n. 56, de Mendes Guimaraes.
Madapolo infestado a 1,000 rs,
Vende-se pegas de madapolo francez infestado
fino de 12 jardas a 45, 45o00, dito inglez fino,
marca Morin, 75500 dito marca Rainha a 75,dito
marca HH a 85, dito n. 6,83300, dito n. 7,93500,
dito elephante fino a 105, algodao muito incorpado
a 45, 43500, 55 e 55500 pechincha, brim dd
linho a 15280 a vara, dito a 640 rs., dito fino de
de algodao a 280 c 320 : no rua da Imperatriz n.
56, loja da Arara de Mendes Guimaraes.
A Arara vende baldes a 3,000 rs.
Vende-se baldes de arcos americanos, os melho-
res que tem vindo, de 15, 20, 2o, 30, 35 e 40 ar-
cos, pelos pregos de 35. 35500,43 e 53, ditos de
brilhantina a 45 e 43500 : s na Arara, rua da
Imperatriz n. 56, de Mendes Guimaraes.
Caitas a 200 e 210 rs. o covado.
Vende-se chitas de cores usas a 200 rs. o cova-
do, ditas francezas com pequeo toque de mofo a
240, ditos limpos a 320, 340 e OO rs. o covade,
chitas em corte, finos a 23000, ditas francezas a
23500, cortes de riscados francezes con? 14 cova-
dos, fazenda nova a 35 : s na Arara, rua' da Im-
peratriz n. 56, loja de Mendes Guimarcs.
Lazinhas da Arara a 320 rs.
Vende-se lazinhas finas de quadriuho para ves-
tidos a 320 e 400 rs. o covado, dilas com 3 palmos
de largura, de uma scr, a 500 rs.; ditas de qua-
drinhos a 500 rs., capas para senhora a 103 e 83 ;
roupa feta para homem, calsas de casemira da
Escossia a 25, palitots de meia casemira a 23500,
35500 e 43, cumisas francezas a 23, ditas de lis-
tas a 23500 e 33, ceroulas de linho a 13600 e 23 :
na rua da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
11 leiir para todos,
Eu abaixo assignado declaro aos devedores da
firma de Magalhaes & Mendes, o favor de viren
pagar seus dbitos, e juntamente aquellas pessoa*
que tem negado dividas, o favor de pagarem, do-
contrario se declara os seus noraes por este jornal,
e serao cobradas judicialmente, conforme a Iei.
Rua da Imperatriz, loja da Arara, n. 56.--0 liqui-
datario da firma Magalhaes & Mendes, Lourengo
Pereira Mendes Guimaraes.
Vende-se a taberna sita no pateo do Terco
n. 25, com poneos fundos, propria para um prin-
cipiantc.______.____________________^_
Os Miseravei.
Vende-se esta grande obra de Vctor Hugo em
10 volumes, traduzida em portuguez, com excel-
lente encadernacao e muito bom papel; na rua d*
Imperatriz n. 60, c na rua da Cruz n. 52, loja de
V





f
iiiij iaiiic 11. VV| *' Uf
Jos Barbosa de Mello.'



Diario le Pernaubuee Segunda elra 2s de Secmbro de I83.

GRANDE EXPOSIQO
de faieadas baratissimas qne se ven'
den para liquidar ; na loja do Pa-
rto, roa da Imperatriz, a. 60.
Neste estabelecimento acha-se um grande
e variado sortimento de fazendas, tanlo de
luxo, corao de primeira necessidade, pro-
prias para a praca e para o matto, que se
vendem por precos muito resumidos, de to-
das as fazendas do-se amostras, deixando.
o covado; fasto para vestidos c roupinhas
de meninos, a 320 rs. o covado; alpakin ou
gurgurao de linho, a 260 rs.; ganguelin,
urna so cor, a 320 rs. o covado; toalhas de
linho adamascadas para rosto, a 10; vestua-
rios para meninos e meninas, a 1,5600 e 2;
tiras bordadas e entremeios, mais barato que
em outra qualquer parte: tudo iste pe-
chincha e vende-se para liquidar: na ra da
Imperatriz n. 60, loja e armazem do Pavao
de Gama Silva.
Grosdenaples a i:o00 rs., na leja do Pavo.
nhor,ou mandam-se levar em casa das;^^^.*8^^^
tilias para e herem, peloscaixeiros da ^do'^^St^^fl."0
mL
loja do Pavo.
La as com 9 palmos de
na loja do Pavo.
largara
UMoo
Para luto vende-se na loja do
Pavo.
Vendem-se finissimo selim da China, fa-
Vendem-se laazinhas transparentes de urna zonda sem lustro, proprio para vestidos de
so cor, de quadrinhos proprias para capas senhoras, para capas e roupa para homem,
e vostidos, tendo 9 palmos de largura, pelo tendo esta fazenda 6 palmos de largura ej
baratissimo preco de 15400 o covado; s sendo muito leve, vende-se pelo baratissimo
na ra da Imperatriz n. 60, lojado Pavao. preco de 2#200 o covado, garantindo-se que
__ .- nao se torna ruca, e vendem-se nicamente na
O Pavao vende laas de 4 palmos loja do Pav0> nia da impCrati iz n. 60":
,, *de largnpa a *PS* Cortes de chitas a 2:000 e 2:.i00 rs.
Vendem-se laazinhas infestadas, sendo das Na i0ja (i0 Pavo veude-se cortes de chitas
mais modernas, de urna s cor e de qua- ngiezas, tendo 10 nados, a 20, e com
dnnhos, proprias para vestidos e capas, pelo 12o/o covados, a 20500, sendo todas de pa-
baratissimo preco de 500 rs, o covado; di- dr5es cscl]ros: na rua da imperatriz n. 60,
tas malisadas, fazenda muito fina a 500; di- de Gama A Silva.
las garibaldinas a 440 rs.; ditas de qua- Carnauba.
dros a 360 e 280 rs.: s na loja do Pavo Vendc-secra de carnauba em saccas, por
rua da Imperatriz, n. 60. de GuimarSes & prcco muit0 em conla> ou mais barat0 do
Wtj j qUe em outra qualquer parte : a tratar na
Laazinhas a SOO rs. o covado. rua da Imperatriz n. fiO, loja de Gama A-
So o Pavo. : Silva,
Vendem-se las de cordozinho proprias! Os cortinados do Pav'to
para vestido, sendo muito boa fazenda com' Vcndem.s0 os mais bonI05 cortinados de Min-
as cores seguintes : alvadia, cor de cafe.roxo braias adamascadas, lapadas e transparentes, pro-
escuro, claro C pretas, proprias para luto ; prios para adornar janellas e para camas, tendo de
ditas transparentes com palminhas, pelo ba-;varios &osto.s e Prc0 de Pares uaes> conforme
rain nrprn.Ip 280 r rato preco uezu rs., ditas intestadas de do PavSo na rua da impcratriz Co, de Gama &
quadros a 280 rs.: so na rua da Imperatriz,! silva.
8E JI SM.IilMK
QUINQUILHARIAS.
Ruado Queimado, ns. 49 e 55, lojas de
Jos Bigodinho, queiram ver ver as fazendas
que abaixo annuncio, pois todas eu garanto
que sao muito novas e baratissimas.
Pecas de trancas de algodo de to-
das as cores a....... 80'
Duzias de liabas com 200 jardas, A-
lexandre, a..... 10100
Carritel de qualquer numero 100
Varas de aspas para balo .... 80
Caixas com superior obreias a 40
Ditas de colla ;....... 40
Pares de botoes de punho a 120
Pares de sapatos de tranca 15280
Ditos muito superiores, a 10600
Caixas $ pacotes de papel amisade de
cores a. ....... 600
Duzia de meias muito Gnas para se-
nhora a........30500
Duzia de ditas cruas para homem a 2*400
Baralhos muito finos para voltarete a 300
Carriteis de linha com 100 jardas a 30
Gartoes de linha branca e de cores a 20
Novellos de linha com 400 jardas a 60
Ditos muito grandes com 800 jar-
das a .......120
CartOes de linha com 200 jardas (est
se acabando a...... 60
Vara de lit prela com colxetes para
vestido, e tera um resto parda a 100
. 60, loja do Pavo.
GRANDE PEGHINGHA
a O rs. na loja do Pavo.
Cassas a 210 rs.organdy a 210 rs.
Vendem-se muito bonitas cassas francezas
Sedas de quadrinhos a 800 rs. s o
Pavao.
Vcndem-sc as mais delicadas sedinlias de qua-
drinhos, muito miudinhos, sendo proprios para
vestidos de senhora e roupinhas para meninos c
meninas, sendo fazenda que sempro se vendeu a
i 300 e torra-se a 640 e 800 rs. o covado, e sedas
a 2A0 rs n rovarin nnnnrtv matisadn na. brancas lavradas, proprias para vestidos de noivas
l0' Pa" a 800 rs. o covado : s na loja do Pavao, rua da
Imperatriz n. 60, loja de Gama & Silva.
droes muito bonitos a 240 rs. o covado;
ditos, fazenda finissima que sempre se ven-!
deu a 14000 a vara, liquida-se a 600 rs. aj
dida.ou 360 rs. o covado, por haver grande
porco : na rua da Imperatriz, o. 60, loja
do Pavo, de Gama de Silva,
\ova pechincha de cortes de
cambraia na loja do Pavo.
Vendem-se cortes de cambraia brancos
com babadoaa 2oOO; ditos a 3000; ditos
a 4^000 ; ditos chinezasa 4400o ; pecas de!
cambraia transparentes, adamascadas, pro-!
prias para vestidos, tendo 8 varas e meia a !
34000; ditas lisasbrancas e decores a 24500,
34000, 34500, 44030 e 54000 ; pecas de
cambraia de carocinhos tendo 8 varas e meia
cada urna, sendo brancas e de cores, a 34500;
ditos a 24500; pecas de cambraia para cor-
tinados, sendo tapadas e transparentes com
20 varas cada peca a 94000, isto tudo para
apurar dinheiro: na loja do Pavo, rua da
Imperatriz, n. 60, de Gama Silva.
O Pavo vende chales
A 24000, 24500, 340OO, 54000, G>0OO.
74000, 8,000 e 104000.
Vendem-se chales de merino estampados,;
claroe e escuras a 24, 24300 e 34000; ditos |
muito finos do todos os procos e qualidades,
tant3 de pona redonda como quadrados;
assim como finissimos chales de crepon com
cores inteiramente novas e ricamente bor-
dados a matiz, sendo chegados pelo ultimo
vapor a 104000 ; ditos de pello, bordados,
a 24 s na loja do Pavo. rua da Impera-
triz n. 60.
As casemiras do Pavo infesta-
das a i#eoo.
Vendem-se casemiras francezas entesta-
das, proprias para calcas, coletes, palitos,
e capa para senboras, por ter de urna s
er, sendo fazenda que sempre se vendeu
a 34000, liquida-se a 14600 o covado : s
na loja do Pavo.
Grande pechincha em chapeos
de sol na loja do Pavo.
Vendem-se chapeos de sol, a ingleza, sen-
do cobertos de linho e forrado de verde, pro-
prios para senhoras que forem passar a fes-
U, ou para meninas levarem para a escola,!
pelo barato preco de 1460 ; ditos marque-
zinhas, da seda com franjas e cabo de do-:
brara340OO; ditos de seda para homens,
sendo com armacao de balea a 64 e "4, isto
para apurar dinheiro : s na loja do Pavo, i
rua da Imperatriz, n. 60.
cavo m I ras da Escocia a 'jjooo
O corte.
Vendem-se cortes de caxemira da Esco-,
cia, para calcas, pelo barato preco de 24,1
tendo da mesma fazenda para vender em I
covaJus a 580 rs., sendo esta fazenda mui-
to eneorpada a imitaco de caxemira, e ga-
rante-se que nao desbot. Tambem se ven-
dem cortes de caxemira ingleza, d cores
escuras para calca pelo barato preco de
10800 cada corte, ou "a 500 rs. o covado :
s na loja do Pavo, rua da Imperatriz,
n. 60.
Jladapolo Infestado a 4#<>oo
Si o Pavo.
Vendem-se pecas de madapolo infesta-
do com 12 jardas a 44000, ditas a 44500,
ditas com 24 jardas a 74500 e 84000 : s
na loja do Pavo, na rua da Imperatriz.
n. 60.
Ricos vestidos brancos.
Ricos vestidos de Soulhambac, vende
o Pavao.
Vendem-se os mais modernos vestidos a Sou-
tliambac, com barras de seda pelo diminuto preco
de lOOOO cada um : s na loja do Pavo, rua da
Imperatriz n. 60, de Gama A Silva.
lasos
OS MAIS AGGRAMTH8
E
D'miia HTtiuaz (iiiracao
DE
ESCRFULAS,
ou erupcoes escrofulosas,
Ulceras de toda a especio.
SYPHILIS, O MAL VENREO,
TUMORES,
i;i)n!itnK.
BERTOEJAS,
SEM SEU lUDO.
Objectos de tintura e mnslca.
Na rua do Queimado, ns. 49 e 55, est
queimando tudo pelos precos abaixo decla-
rados, e prestem toda a attenco para ver
o que bom e barato.
Duzia de facas egarfos muito finos a 24500
Dita dita dita de cabo preto muito
finas a.........34200
Dita dita dita de balanco, raelhor,a 54500
Tesouras para costura, muito fi-
nas a .........400
Ditasdilas para unhas, muito finas a 400
Cartas de alfinetes de ferro a 80
Ditas ditos de lalo muito fios a 40
Ditas de dito grandes.....120
Caixasde phophoros de pao 10
Grosa de ditos do gaz a 24200
Duzia de dito dito a 200
Massos de palitos para dentes a 1G0
Abotoaduras para coletes a ... ICO
Escovas para roupa.muito finas a 400,
500 e.........800
Attenco!
Posto que domine no cora-
cao do BALIZA a mais bem en-
tendida ambico de tirar de
seu negocio as melhores van-
tagens, com tudo elle nao pro-
cura fazer fortuna vendendo
gato por lebre;
Quando nao se negocia aca-
nhadamente, est bem ao alcan-
ce de todos a facilidade de fa-
zer-se boas compras, para ven-
der-se barato.
Ao armazem do BALIZA po-
dem ser devolvidos quaesquer
gneros qne por ventura nao
sejam do contento dos senho-
res compradores. Nao fica
resentimento algum em se tro-
car por outro, ou restituir-se
o dinheiro recebido,
Manter a todo o cusi o seu
crdito, e agradar aos seus a-
migos e freguezes, todo o
desojo do proprietario desle
estabelecimento,
LEDE LE DE' LE DE!
Sempre a frente do progresso,
Constante marcha o BAL1Z t.
Tem por norte o bein commum.
.%. venia de por divisa.
* it v vi > i:
NE.fl SKUl YIIO.
PECHINCHA.
Hyropisia,
Empgens.
HERPES,
Dar tros,
BBYSIFBUS
ESrORBITO.
Tiulaa,
CHAGAS ANTIGS,
Rheumatismo Chrortco8
DEMLIDADE (ERAL,
Nerroridide, Nemlgta,
FUT DE 1PPETTE, FASTO,
SUPPRESSO DAS REGRAS, ou
AMENORRHEA,
720
160
400
500
500
100
200
500
320
500
Vendem-se os mais ricos vestidos de cam-
braia brancos, bordados a croch, sendo os
mais modernos que tem vindo ao mercado,
tendo as saias 4 pannos, e vendem-se pelos I
baratos precos de 104, 124 e 16 : s na
loja do Pavo, roa da Imperatriz, n. 00, de
Gama A Silva,
ADMIREN! AS PECHJNCHAS,
na loja do Pavao.
Bjcos cortes de cambraia brancos com ba-
bados e duas saias bordadas crox, tendo
bastante fazenda para vestido, pelo baratis-
simo praco de 34 cada um; ditos de cam-
braia de seda com barras e babados, a
245OO, para acabar; cortes de vestidos a
Mara Pa, sendo fazenda de bonito gosto, a
34500; cortes de cambraia brancos com ba-
badinhoa, a 24; enfeites para cabeca, sendo
Garibaldi e a turca, a 44; ditos com fitas
e flores, a 24 i camizinhas bordadas para
senhoras, a 14; manguitos de varios model-
los, a 400, 500 e 640 rs; calcinkas
meninas, a 300 e 640 rs: gollinhas
sedas
Reteiicao das l rinas,
emacia(;o,
Ou anmagrecimoito gcral do corjio, prove-
nUnte do estado vicioso do mague,
NFLAMMACOES CHRONICAS,
Affec9es Chronicas do Figado,
Asan COMO TODAS as mais similuaxtes mo-
lestias, PBIXOIPAUfUm fANDO BAO
OACSADA8, 1,1 PRODCZIDA8 PELO MU
LIVIE ISO no Mkkciuio ou
Ql'IXINO,
Aniilm como innilirm pelo rrquriite uxo iln AB-
SK.MCO o oiitnu prrparn;rra llin. me ,
Todas estas Bnermidades prompta e efficaz-
meute ceden A benfica, poderosa e
purificantes qualidades da mu
justamente afamada
Perfumara de superior qualidade.
O rival sem segundo, rua do Queimado,
ns. 49 e 55, est disposto a vender mais ba-
rato que nunca vendeu, para o que queiram
ver:
Duzia de sabonetes finos a .
Sabonete inglez, o melhor, a .
Frascos com agua de Colonia muito
fina a......., .
Ditos de dita grande a .
Ditos de Lavando amurcado, o me-
lhor, a........
Ditos de macaca oleo muito bom a .
Ditosperola muito superior a .
Ditos de oleo de babosa a 240, 320.
400 e.........,
Ditos de banha branca a .
Dito de cheiro muito bonitos a .
Ditos de banha, pequeo, muito fina
.......... .
Ditos de opiata a 2^0 rs., e b3 a .
Ditos de banha japoneza a .
Ditos de banha transparente a .
Ditos de oleo filoconne a .
RIVAL
SEM SEGUNDO.
Objeetos diversos.
Rua do Queimado, ns 49 e 55, vende os
objectos abaixo declarados, pois para aca-
bar; estes precos nao sao para continuar,
mas as nesessidades assim o permitte.
Pares de luvas de algodo finas a 80
Caivetes de aparar penas, de 1 fo-
lha a ,........ 80
Ditos de 2 ditas a...... 160
Caixas de colxetes francezes a. 40
Duzia de dito francez a 360
Massos com grampos lisos e de cara-
col a ......... 40
Duzia de dedaes de metal em caixi-
nba de vidro....... 320
Tinleiro de vidro cora tint superior
a.......... 160
Ditos de barro que serve para tin-
teiro a........ ioo
G rosas de botoes de louca prateado a 160
Pecas de tranca lisa encarnada a 20
Varas de bicos e rendas, para aca-
bar a ......... co
Varas de labyrinto de 3 dedos de
.largura a....... joo
Ditas de pos para dentesa ... 100
Pentes de tartaruga a 34000 e 34500
DE
Largo do Llvranientfo ns. 38 e 38 \
D*fron(c da grade da igreja
AO RESPEITAVEL PUBLICO
Senhores e senhoras
le mandar
aos seus
orno do
0 ncansavel proprietario do grande armazem do Baliza toma a liberdade
declarar do alto da imprensa pernambucana, que elle perfeitmente liberal em oflferecer
benvolos freguezes as melhores qualidades dos mais bem escomidos gneros, nao s do naiz c
estrangeiro a precos de contentar e satisfazer a todos. l
Fazendo tao publico e espontaneo manifest, o referido BALIZA julga de seu rigoroso
declarar mu sena e positivamente nesta oportunidade, que tambera o mais firme e dedicado c<
vador de sua numerosa freguezia. """
Da boa qualidade e barateza dos gneros ofierecidos aos seus freguezes tinta ao
nho que tira para si, tem sabido fazer o BALIZA a mais perfeit liga de interesses
das as consciencias deve por forca e necessariamente agradar.
Tendo por conveniente tambem a publicaco do seguinte aviso, o BALIZA faz saber nicamente
?eTKequeaSelir Semp,'e "^ P,'mplaS f comPrarem ludo' <*ra ^to que ,e.,lhes permita paga-
do ver
iscr-
pequeno (.
recprocos, que a te
Ta-
NAO VENDE FIADO.
Os amigos da economa, aqoelles que s comprara os objectos de que carecen, c que costam fi-
nalmente de empregar bem o seu dinheiro venhara a este estabelecimento
liEIAM TODO*.
. Do preco de qualquer genero annunciado a venda em oulros esttelecimentos nodem os usum.
res ireguezes diminuir cinco por cento, e vir compra-Io ao Baliza, le So?^S1o7!ta! o Z~
mm do moumento prefere ganhar muito pouco, cora tanlo que se/i por mullas SZes repiklS"'
supciiorescoiies.de goigurao de seda com flores matisadas os mais modernos que tem vindo a Pernambuco
Ditos do moreantique de cores, de listas, de flores, e acliamalotados, cores mui 1 ndas. --inamouco.
Ditos de moreantique prctos de palmas com barra.
Lindos cortes de grenadine de seda com barra e chale igual.
nitnc r\c* la /*nm horro molciili n Ai >. (___~^ .
183 e 20 cada corte.
que
WiniIRUH DE RRIH.
venda as boticas de Caors & Barboza,
rua da Cruz, e Joo da C. Bravo & C, rua
Vende-se um carrinho d'alfandega, por preco
commodo; nos Quatro-Cantos da rua da Gloria n.
95, taberna.
Hotassa da Hussial
Vendc-sc era casadeN.O. Bie-
ber 4 (!., saccessores, rua da
Crnz n. 4.
\ende-se na praca da Independencia ns. 37 e
39, capellas de aljfar para se botar no cemiterio
publico no da de finados com as inscripces se-
Simites : p'
linha mai.
Meu pai.
Mcu esposo.
Miulia esposa.
Meu filho.
Minhafilha.
Urna lagrima.
Saudades,jempre vivas do apurado gosto desta
ainda nao vieram igual a este mercado.
Lindas laas lisas linas a 300 rs. o covado.
Dilas de quadrinhos c de llores a 400, 500 e 600 rs. o covado.
Superiores organdys com listas de seda, os mais modernos que tem vindo a Pernambuco.
Lindas cassas de cores de superior qualidade a 400,500 e 640 rs. a vara; assim
seria (SZSwwl^*0 ^ ^^ *""'rancezasa m' "* **>> m e 6i0 ^vado, e outras muitas tWute
PARA IIOUKKON HE irVHOH 1N.
Manteletes de seda pretos a 18.
Capas pretas de grs a 253, 303 e 35,8.
Dis muito superiores a 40, 455 e 505.
Superiores santiembarques de casemira.
Ditos ditos de lindas laazinhas lisas e de quadros.
Ditos de seda pretos e de cores.
Ditos de musselina de seda chineza.
Superiores manteletes de torcal pretos.
Lindos chales de musselina e de chally matisados com listas de seda.
Nona chales de torcal e outros muits artigos modernos.
PARA CARENA RE IEIHORA E MENINOS.
Superiores enfeites de flores, gostos os mais modernos era Paris, chegados pelo nltimo vapor francez.
Lindos chapeos de palhada Italia enfeitados com muito gosto, a Imperatriz e a Valeroy.
Ditos de pama para meninos e meninas.
Ditos de seda bordados.
, a JEntremeios bordados largos e estreitos, tiras bordadas largas e estreita>, tiras de fustao bordadas para calcas de meninas saias
bordadas e outros muits artigos de gosto por precos mais commodos do que em outra qualquer parte : na rua do Crespo n ll loia
das columnas de Antonio Corrcia de Vasconcellos & C. 141 .ii>o n. 1.1, ioja
Potassa da Russla.
Acaba de chegar no navio Queen of the Fleet, a
mais superior potassa da Russia, e vende-se a
Kara f preco commodo : no largo do Corpo Santo, escrip-
Or-1 torio de Manoel Ignacio de Oliveira A Filho, n. 19
de qua-
Botlca.
Pilulas inglezas de pobre-homem.
PilulasdoDr. Alian.
Salsa parrilha de Bristol.
Remedios do Dr. Chable.
Pilulas americanas.
Remedios do Dr. Kemp.
Rob l'Anecteur.
Sortimento de papel para forro de salas e gi
mcoes : vende-se na botica e drogara de B. F. de
Souza A C, rua larga do Rosario n. 34.
Aos senhores consuramidores de gaz.
Nos armazens do caes do Ramos n. 18 e na rua
Una daSenzallan 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnstond C,
Cola da Baha
Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira
.ar-
Farioha de mandioca
em saceos grandes, e de superior qualida*
de ; no armazem de Tasso IrmJos, roa do
Amorim, d. 35.
dadas, a 320 e a 500 rs.; sedas de qua-j Cal de Lisboa
drinbos, a 640 rs.; ditas de listas, a 400 rs.nova: na rua do Vigaro n. i9, primeiro andar,
Vende-se um negro de meia idade, bem ro
basto, proprio para qualquer servico, sabe cozinhar
o diario d'uma casa, e tambem sabe botar canoa :
na travessa do Pofi'nho n. 26 sobrado.
do Trapiche-Novo (no Recifel n. 8, se vende gaz seii:ns p o||,r.po n0le7e 'raliprn p mok! vedo, no seu escriptorio, rua da Cruz n. 1
linnlA ampricann nrimpira niialiriadn mais barato Ml"11? ^ iHUOes. ngieZCS, CanOlCIl Os e Castl- ------------;------------,-----1-------------_
Aze-
liquido americano primeira qualidade mais barato
do que em outra qualquer parle.
Laas com 8 palmos de lar-
gara.
Chegnt'iu a loja de Marcelino A C, rua
do Crespo n. 5, para verem laas muito
Anas, lisas e de quadros, gostos inteira-
mente novos, proprias para vestidos e ca-
nas e precos muito commodos. Alm
disto existe nm variavel sortimento de
fazendas tinas e grossas a procos razoa-
veis.
Vende-se tinta superior para ailar roupa a
24000 cada garrafa, e 15 as meias garrafas: na
rua Velha n. 93. Com urna garrafa ama familia
aila roupa um anno inteiro.
Caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreos para
carros de um e dous cavallos, e relogios de
ouro patente inglez.
Kua da Senzalla Nova 11. 42
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a HO rs., dem de Lov*
Moor libra a 120 rs.
CAL DELISROA
Vende-se cal nova de Lisboa : no largo do Cor-
I po Santo, escriptorio de Manoel Ignacio de Olivei-
ra A Filho n. 19.
Cal de Lisboa a 40 o barril.
Vendem-se barris de cal de Lisboa de superior
qualidade: no deposito da rua do Brum n.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston & C,
rua da Senzalla Nova n. 42.
Attenco
Parlona de mandioca.
Vende-se farinha de mandioca a melhor que exis-
to no mercado por ser de Santa Catharina, a bor-
do do patacho Frist, entrado neste porto no dia
11 do correnle, por menos do que em outro qual-
quer barco : a tratar a bordo ou na rua do Amo-
rim n. 43. ___________
Assucar do Monteiro
Ba do Imperador n. 28 e caes de Apollo n.
67, a 200 rs. a libra, e de 8 libras para cima
a 50600 aarroba.
~
ILEGVEL

/


Diario de Pernamhuco egnnda fe Ira de elembro de 1803.

GRANDE ARMAZEM
41
EE
ff. 36, RA DAS CRUZES N. 3fi
00
balrro de Santo Antonio.
O proprietark) do muito acreditado armazem denominado Progressista tendo
aempro em vista fazer tudo o que for possivel para bem servir aos seus freguezes, tem
deliberado vender os seus j bem conhecidos gneros de primeira qualidade pelos precos
abaixo mencionados, e affianca s pessoas que mandarem comprar por seus criados on
escravos, serem t5o bem servidas como vindo pessoalmente; encairega-se de aviar qualquer
encommenda, ainda mesmo contendo objectos nao proprios deste estabelecimento. O
mesmo pede aos senhores que mandarem comprar neste armazem o favor de mandarem
devolver qualquer objecto que nao agradar, devendo os mesmos senbores ter toda atten-
cio com os seus portadores, fazendo-lhes ver que so no armazem Progressista da ra das
Crozes n. 36, que se vendem os melhores gneros por mais barato preco, porque estes
muitas vezes olvidam-se e vo outra parte onde os servem de maneira a desagradar este
estabelecimento.
Manteigai ngleza de l.1 qualidade, a 800 rs.; de superior qualidade a cada
a unra. xinha
Mera de 2.a qualidade, a 700 rs. a libra,
dem" franceza, chegada ltimamente, a Goo' Mostarda preparada em petes muito nova a
rs. a libra. 400 rs. cada um.
GRANDE ARMAZEM DE MOLDADOS
E
^^^^^^^^^m^^mM^
TODOS
o
P4
os
VAPORDS e
se recebera genero de conta
propria e dos melhores esta-
belecimentos da Europa, ga-
rante-se todo e qualquer ge-
nero comprado neste
ESTABELECIMENTO,
Q
O
H
<
t
<
COMPLETO
SORTIMENTO DE MOLBADOS.
vende-se em porcSo e a reta-
lho, aprompta-se com toda a
presteza e exactido qualquer
encommenda dirigida a este
ESTABELECIMENTO.
id
DE
Eduardo Marques de Oliveira C.
O
>
O
m
==
Q
O
z
S
* s- K
II. g c
s 2 g o < c
|l 3
g
W
N* 'nhhli ,,^e,sles 'yos e grandes estabelecimentos de molhados, encontrar o respeitave!
3 'ffir i, c, j' bem como seus numerosos freguezes do centro, expostos venda
^ t!w A'lit quall.t,ades ^ gneros por menos preco que em quaesquer outro estabelecimer-
dos na r ?0IS para bem servr os seus tewwes existe na Europa um dos so-
npiawi Kr"em vindos de conta propria diversos gneros, e desde j encontrar o res-
mrw 11 PU K semPre os melhores gneros do nosso mercado, e por precos barttissi-

g i mos como abaixo vero, a saber
ZJ Amendoas a 320 rs. a li
t
>
Milho-alpista a 180 rs. a libra.
L
Batatas em gigo de arroba a i,5oo rs.
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor, "' a 'lbra e Um a arr0ba"
. de 2(5 25500. Sag muito novo a 240 rs. a libra,
dem prato, chegado neste ultimo vapor, o; Sabo verdadeiro hespanhol, oue raras vezes
mais fresco que se pode desejar a 700 rs.' vem ao nosso mercado, a 3M rs a libra e
IH: ',\ _, I em caixa ter abatimento.
dem londnno, mandados vir de encommen- ,,
da especial, a 900 rs. a libra. ,dem massa de superior qualidade de 160,
Os proprietarios do muito acreditado armazem Progresso fazem sciente ao respeita-
vel publico e com especialidade aos seos amigos e freguezes que tem resolvido resumir os
precos dos seus acreditados gneros, como abaixo vero nao obstante os'precos menciona-
dos a vista da quadade dos gneros que se prova quanto se deseja servir satisfatoria-
mente aos nossos freguezes, advertndo-lhes que mandem seus portadores, que serSo tao
bem servidos como se viessera peswalmente, isto so no Progresso.
dem suisso. muito fresco, a 800 rs. a libra.
180, 200, 220 e 240 rs. a libra.
^t^.t^L**^!^"**?00 Graixa latas muito nova a 120
e 85800 a arroba, e 280 e 300 rs a libra.
Arroz da India e Maranho a 120 rs. a libra
e 3,5200 a arroba.
Avelas as mais .novas
rs. a libra.
neste genero a 240
rs. a lata
e 10300 a duzia.
Peixe em latas muito novo: svel,*pescada,
corvina, salmo e outras qualidades, pre-
parado de escabexe segundo a arte de
cozinha a 1(5400.
Papel grve pautado e liso a 35800 a resma.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
ifc-^^ 400 rs. cada urna.
mes francP7.es para sopa, como seja,
Julienne, mlange d'quipage, Choux c! Vmbs em P'Pa; Lisboa eFigueira dasmclho-
'utras qualidades, a 400 e 500 o masso. I re* marcas a 35200 e 45000 a caada do
Amendo de casca mole a 320 rs. a libra, e! me,h<>r e 500 rs. a garrafa, em porco ter
CIT1 nnr,'^(l ti>r hilimnnln
Presuntos do Porto muito novos a 560 rs. a
libra.
em pr.;3o ter abatimento.
Gawaioes com 5 garrafas de vinho do Porto
do Alto Duuro a 2?$400 com o garrafilo ;
'itianca-sc que nesse genero o melhor
que veio ao mercado.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira muito
superior e mais proprio para a nossa esta-
go por ser mais fresco a 241400.
Cha hjsson o mais superior a 25600 a libra,
afianca-so ser egual ao quo regularmente
vendemos a 35200.
dem huxir.i miudinho, o mais superior que
vem ao nosso mercado a 25700 a libra.
dem preto muito fino, a 25000 a libra.
Chocolate para 9oo, l.ooo e l,2oo rs. a li-
bra.
Garrames com 5 garrafas de superior vinho
de Lisboa a 25100 cada um.
dem com 5 garrafas de wnagre de Lisboa
a 15100como garralao.
dem com 5 garrafas de vinagre hambur-
guez a 800 rs. cada um. '
Vinhos generosos vindos do Porto engarra-
fados das seguintes marcas: Genuino,
Porto fino. Nctar, Duque do Porto, Fei-
toria, Velho secco, Chamico, Madeira su-
perior e culros a 900 rs. a garrafa c 95
i duzia.
Vinho Bordeaux das melhores marcas: St
Tulien, MedO'" e S. Estephe e outros a
610 rs. a gai-rafa e 7-5500 a caixa com
una duzii
uriras i' jiaios. o mais novo que se pode
desojar, a M c i'OO es. a libra..
iognac verdadeiro inglez dos memores ra-
bricantes a 900 rs. a garrafa e 105500 a
caixa com urna duzia.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
800 rs. cada um.
abatimento.
Vinho velho Chamico em barril, muito proprio
para sobremesa, a 640 rs. a garrafa e
55000 a caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero a 560 rs. a garrafa e a 45000
a caada.
Vinagre puro de Lisboa a 200 rs. a garrafa
e 15400 a caada.
Azeite doce de Lisboa muito fino, em barril
a 640 rs. a garrafa, e em porco ter
abatimento.
(Champagne das mais acreditadas marcas, a
15000 a garrafa, e 105000 o gigo com
urna duzia.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Babia a 35500 a caixa, tambem temos
para 25000, 25500, 35000 e 35200 a
caixa.
Vellas de spermacete superiores a 600. 640.
e 680 rs. o masso.
dem de carnauba c composicao a 320, 360,
e 400 rs. a libra e de 105 a 115500 a
arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa, a 15000
a ancoreta- do Porto e 15500 a de Lisboa.
Massas para sopa: estrellinha, rodlnha e pe-
vide a 500 rs. a libra e 45500 a caixa com
8 libra*liquido.
Massas para sopa muito novas: talharim, raa-
carro e aletria a 400 e 480 rs. a libra.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso das melhores qualidades a 900 rs.
a libra.
Manteiga ingleza perfeitamente flor chegada
no ultimo vapor a 8oo rs. a libra.
dem de 2.a qualidade a 76o rs. a libra.
dem de 3.a dita a 64o rs. a libra.
dem para tempero a 32o e 4oo rs, a libra.
Manteiga franceza a mais nova que ha no mer-
cado a 58o rs. a libra, e em barril ter aba-
timento.
Banha de porco refinada a 520 rs. a libra.
Vinho em pipa Porto Figueira e Lisboa a loo,
48o, 5oo, 56o rs. a garrafa, em caada
2,8oo 3,ooo 3,5oo e 4,ooo rs.
dem em barril o mais superior que tem vin-
ao mercado a 6oo rs. a garrafa.
Lagrimas do Douro especial vinho do Porto a
l,ooo a garrafa e a lo.ooo a caixa, o prego
nao indica a qualidade d'este precioso vi-
nho, porm venhamao Progresso que a vis-
ta faz f, a este genero constantemente man-
damos vir de conta propria e por isso po-
demos vendar por menos que outro qual-
quer annunciante.
Farinha de Maranho muito alva e cheiroza
a 16o rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 32o rs. a libra ea9,ooo
rs. arroba.
Sardinhas de Nantes a 36o rs. a lata.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. agarrafa e a
4,8oo rs. a caada.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e a
l,2oors. a caada.
Garrafoes com 5 garrafas de vinagre de Lis-
boa a l,loo rs.
Champanhe das marcas mais acreditadas a
8 e a lo.ooo rs, o gigo, e a 8oo rs. e a
l.ooo rs. agarrafa.
Serveja preta marca T e XXX a 6,5oo e 95200" a arroba.
7,ooo rs. a duzia, e a 6oo rs. a garrafa, Dit0 moido > 36G rs. a libra.
tambem temos das raesmas marcas para 4,'' oce de goiaba a 560 rs. o caixo.
e 4,5oo rs. a duzia, e a 4oo rs. a garrafa. KsPirito de vinho de 38 graos, a 280 rs. a
ii k t L garrafa,
dem branca Je cobrmha a 5 5oo e 6,ooo rs, Farinha do Maranho a 160 rs. a libra.
a duzia e .>oo rs. a garrafa, tambem ha Dita flor de laranja a 15 o frasco.
para 4,ooo rs. a duzia.
320 rs. a libra.
ArelSes a 2oo rs. a libra
Ameixas a 15 a libra.
} Ditas em frasco por 25800.
Arroz pilado da India loo rs. a libra e 35ooo
a arroba.
Dito dito do Maranh5o 120 rs. a libra e 35500
a arroba.
Azeite doce francez 800 rs. a garrafa.
Dito de Lisboa 680 rs. a garrafa.
Agurdente de canna de cabeca a 240 e 320
rs. a garrafa.
Azeitonas a 320 rs. a garrafa e l,3oo a an-
coreta.
Batatas inglezas a 6o rs. a libra e l,8ooa
arroba.
Banha de porco a 55o rs. a libra.
Bolachinha de soda a 15400 a lata.
BoJachinha ingleza a 200 rs. a libra, e a bar-
rica a 35000.
Cha hysson a 25200 a libra.
Dito dito fino a 25600 a libra.
Dito miudinho a 25800 a libra.
Dito do Rio a 15800 a libra.
Dito preto a 15900 a libra.
Charutos de diversas qualidades a 15200,
15500 e 35 a caixa.
Champagne a 15 e 15500 a garrafa.
Chouricas a 560 e 600 rs. a libra.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
Caf em grao a 300 e 320 rs. a libra, e 95 e
Graxa em latas grandes a l,3oo rs. a duzia
e 12o rs. a lata.
demuita duracaoa4oo rs. cada urna.
Palitos de dentes massos grandes a 2oo rs.
e 28o rs.
Vinho do Alto Douro das marcas mais acre-
ditadas e especialmente escolhido por um
de nossos socios, comosejam:Cam3es, Du-
que, do Porto, D.Luiz, Carcavellos, Cha-
misso & Filho, Madeira secco, f Feioria a
9oo rs. a garrafa e 9,ooo rs. a caH com Paltos do gaz a 20 rs. a caixinha e 2,3oo rs
12 garrafas. V, | a groza.
Garrames com especial vinho do Porto col* : rqia* a* *. i ,
tendo 5 garrafas a 2,5oo rs. ^ Ge e? ^.W"5 ch^adi ultimo vapor
.. 'atas de 2 libras a 8oo rs. pechincha.
dem com 5 garrafas de superior vinho Fi- rIWh*ra Hp Hnii.nA, ft
gueira a 2,4oo rs. ueiicDra de Hollanda garrames com 16 gar
rafas por 6.5oo rs.
dem cora 5 garrafas de vinho Lisboa a ,-> r
2,loo rs. luem cm frasqueiras a6,3oors.c6.5oo rs. ea
56o rs. o frosco aflianca-se ser verdadeira.
Feijo branco muito novo a 440 rs. a cuia.
Figos a 32o rs. a libra.
Genebra de Hollanda em botijas a 5oo rs.
Dita Hamburgiieza a 44o rs. a botija.
Va^af.d?,P.Wlar^eai,as **?.*" Gomntt dararuta a 100 rs. a libra, e 25600
a arroba.
Vinho branco de Lisboa proprio para missa
vindo j engarrafado de Lisboa a 64o rs.
a garrafa.
dem em barril muito superior a 5oo rs. a
garrafa e a 4,ooo e 3,8oo a caada.
Ameixas francezas em caixinhas de 1 '/
dem de botija em barricas com quatro du-
zias a 44o rs. cada botija.
dem de laranja em frascos grandes verda-
deira italiana a l.ooo rs. o frasco.
h
Marrasquino de zara a 72o rs.
cas
l,6oo 2,oo e
Graixa em latas a 120, e 15300 a duzia.
Genebra em garrafcs de 14 garrafas por
.45600.
Licor fino a 800 rs. a garrafa.
Dito em garrafas grandes de superior quali-
dade a 15500.
Manteiga ingleza flor a 800, 900 e 15 a libra.
Manteiga franceza a 6oo e 64o rs. a libra.
Dita hollandeza a 72o 8oo rs. a libra.
Mosteada a 640 rs. o frasco.
Previne-se ao rospeitavel publico que todos os gneros cima sao de boa quai:
(lacle, e para desengao venham ver; assim como outros que deixam de ser annunciados.
mrnmmmMMm
ROUPA FEITA
Massa de tomates a 640 rs. a libra.
Dita estrellinha para sopa a 560 rs. a libra
Massa estrellinha para sopa a 5oo rs. i libra.
Macarro, aletria e talharim a 48o rs. a li-
bra.
Marrasquino de Zara a 800 rs. o frasco.
Passas a 4oo rs. a libra.
Palitos para dentes a 180 rs. o masso.
Phosphoros do gaz a 25500 a grosa.
Paios novos a 640 rs. a libra.
Queijos do reino do ultimo vapor a 25 e
2,5500.
Dito de prato a 720 rs. a libra.
Cervejas de marcas superiores a 500, 560.
600 e 640 rs. a garrafa, e 55500, 65 t
65500 a duzia.
Dita em barril por 45, e 240 rs. a garrafa.
Cevada a 240 rs. a libra.
Sardinha de Nantes a 360 e 400 rs. a lab-
nha.
Sag a 240 rs. a libra.
Sabo massa a 200, 240 e 280 rs. a libra.
Sevadinha a 280 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 160 rs.
Vellas de spermacete do gaz a 1,2oo rs. a
libra.
Ditas do gaz muito boas.
Ditas dito em caixas de 6 libras por 40000.
Ditas de carnauba a 400 rs. a libra.
Ditas de composicao a 360 e 380 rs. a libr2
Vinho do Porto, caada a 55500, garrafa
720 rs.
Dito Lisboa, caada a 45 e a garrafa a BBC*
rs.
Dito Figueira, caada a 35840 e a garrafa
480 rs.
Dito dita superior, caada a 45 e a garrafa
a 500 rs.
Dito Estreito, caada a 35200 e a garrafa
400 rs.
Dito Bordeaux a 720 e 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa em garrafoes de 5 garra-
fas por 15400.
Dito em caada a 25, e a 260 rs. a garrafa
Vinho do Porto em garrafoes de 5 garrafas
por 25500.
Dito dito engarrafado a 15 e 15200.
Dito lagrimas do Douro a 15400 a garrafa.
Vinho branco de Lisboa a 720 rs. a garrafa.
e 55 a caada.
Dito do estreito a 600 rs. a garrafa, e a 4550f-
a caada.
2,5o"o rs.
dem em latas de, 1 */a e 3 libras a
2,6oo rs, cada urna.
Figos de comadn
, Vinho Bordeaux das melhores qualidades
i,4oo e( que tem vindo ao mercado a 72o e 8uo
rs., eem caixa a 7,8oo, 8, e 8,2oo rs.
~^mttArtt?&azggr>~"
Doce da casca da goiaba a 800 rs. o caixo.
Cerveja das melhores marcas de 55500 a
65000 a duzia e 540 rs. a garrafa
Biscoutos inglezes de diversas qualidades a
15300 a lata.
Bolachinha de soda, especial encommenda,
muito nova em latas grandes a 25000 cada
urna.
Massa de tomates em latas de 600 a 700 rs.
cada urna.
Licores francezes muito finos, das seguintes
marcas: Anizclta de Bordeaux, Plaiser des
dames, Ceimr de Noyau, Eau Dantzic,
Crme de Menthc, Hude de Venus etc. etc.
Passas muito novts e de carnada a 400 rs. a
libra e 65500 a caixa com urna arroba, ha
cakas, meias e quartos.
Ameixas francezas em frascos de 1 1)2 e 3 li-
bras de 15400 a 25800, tambem ha latas
de O libras,
dem em caisinhas de 1 % 2 e 3 libras Sardinhas de Nantes, do fabricante Basset, a
elegantemente enfeitadas com ricas es- 360 rs. a lata.
lampas na caixa exterior a l,3oo, i,5oo, Toucinho de Lisboa novo a 320 rs a libra
1,8oo e 2,400. Tijolo de limpar facas a 180 rs. cada'um
Marraelada imperial, dos melhores conser-! Cebollas o mlho a 900 rs
veiros de Lisboa, a 600 rs. a libra, em la-:
tas lacradasjiernieticamentc. I Erva-doce muito nova a 400 rs. a libra.
Fructas em caldas de todas as qualidades em Cominhos idem idem a 640 rs. a libra,
latas muito bem enfeitadas, a 500 rs ca-' Garrafoes vastos a 500 rs. cada um.
da urna.
libra. I Cebollas a granel a 640 rs. o cento.
dem em caixinhas a l,4oo rs.
dem em caixinhas ermeticamente lacradas
e muito bem enfeitadas a l,8oo rs.
Idem a 2oo rs. a libra.
Passas de carnadas qs mais novas que ha no
mercado a 4oo rs. a libra e a 6,ooo rs. a
caixa.
Salino em latas
8oors.
ermeticamente lacradas a
Lagostim em latas grandes a l,4oo.
Savel, corvina, cherne, vezugo, peixe espada,
r preparados pela primeira arte de cozinha a
a l,3oo rs.
Consenas inglezas sortidas e de urna so qua-' \
lidade a 8oo rs. o frasco.
I Araruta verdadeira a 32o rs. a libra.
i
Gomma de engommar muito alva a 8o rs
alihrae2,2oo rs. a arroba.
. Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca a 16o rs. a libra.
Sevada muito nova a 12o rs. a libra e 3,2oo
ss. a arroba.
Macarro a 32o rs. a libra.
NO
A KJI.IZ E M
DE
fc TOftt
2,2oo 2,ooo e
Farinha do Maranho muito
a 160 rs. a libra.
alva e cheirosa
Canella a mais nova
15000 a libra.
do nosso mercado a
Azeite francez clarificado a 800 rs. a garrafa Alfazema o que pode haver de melhor neste
e 95000 a caixa com urna duzia.
artigo a 280 rs. a libra.
GOSSSA^STJ,S J^L^?^ Phosphoros de seguranca individual a 20 rs.
Mixed Pickles, ceblas simples, e
a 760 rs. o frasco.
outros a caixinha.
Farinha verdadeira de araruta a 500 rs. a
libra, garante-se a superior qualidade.
Palitos para dentes em caixinhas douradas
Breu, a 320 a libra e 85 a arroba.
Papel de embrulho muito superior a 15120
a resma.
Vinho da Figueira, o que ha de melhor a
4(5000 a caada.
Coposfinos para agua a 65000 a duzia.
Queijos flamengos chegados no
por a 2,4oo rs.
dem do vapor passado a
l,8oo, rs.
dem prato do ultimo vapor a 64o rs. alibra.
Doce da casca da goiaba caixes grandes a
6oo e9oo rs.
Chouricas as mais novas que ha no mercado
a 48ors. alibra.
Chouricas mouras encommenda especial nos-
sa a 5oo rs. a libra.
Prezunto verdadeiro de lamego em calda
de azeite 5oo rs. a libra
Bolaxinha ingleza a mais novas que ha no
mercado a 2,ooo rs. a barriquinha com
1 arroba, e a 24o rs. a libra.
dem de soda de diversas qualidades a 1,400
reis.
dem em latas grandes, proprias para lunche,
com 5 a 6 libras por 2,4oo rs.
Marmelada imperial do fabricante Abren e
outros consentiros de Lisboa a Boo rs. a
libra.
Frutas em calda de todas as qualidades a
Ervilhas francezas a 5oo rs. a lata,
dem portuguezas a 64o rs. a lata.
Massa de tomate a 64o rs. a libra.
Amendoas confeitadas a 7oo rs. a libra,
dem de casca mole a 28o rs. a libra,
Avelans a 2oo rs. a libra.
dem e talharim o mais novo que ha no mer-
cado a 48o rs. a libra,
ultimo va- Aletria a 5oo rs. a libra.
Arroz carolino a loo rs. a libra e a 2,8oo rs.
a arroba.
LETREXRO VERDE.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concor- 3!
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um |K
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras "
homens e meninos.
dem do Maranho
3,ooo a.arroba.
a 12o rs. a libra, e a
Caf do Bio o mais superior que se pode de-
sejar a 32o rs. alibra.
dem a 28o e 3oors. a libra e a 8,2oo, 8,4oo
e 8,7oo rs.
Velas de carnauba refinada a 32o rs. a libra,
e a io.ooo ts. a arroba.
dem de spermacete a 64o rs, a libra.
Chocolate hespanhol e francez a 9oo e l.ooo
rs.a libra.
Estrellinha e pevide muito nova a 4oo rs. a
libra, e a 2,ooo rs. a caixinha com oito
libras.
Cha perola muito especial chegado neste ul-
timo vapor, de encommenda particular
nossa a 2,8oo rs. a libra.
dem huxim muito superior a 2,7oo rs. a
libra.
dem hysson a 2,56o rs. a libra.
dem hysson a 2,ooo e 22oo rs. a libra.
dem preto homeopathico e muito superior a
2,ooo rs. a libra.
dem nacional a l,6oo rs- a libra.
Batatas muito novas a 8o rs. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia'
e de todas as marcas, como sejam: sus-
piros, havaneiros, messecipes, regalia im-
perial, flor das mattas, primores a 4,ooo,
3,5oo, 3,2oo, 3,ooo, e 2,8oo, 2,5oo,
2,ooo e l,6oo rs.a caixa,
Casacas de panno preto, 355 e
Sobrecasacas idem, 305 e
Paletos idem e de cores, 25(5,
205, 155 c......
Ditos de casemira, 205, 155,
125. 105 e......
Ditos de alpaca, 55 e. .
Ditos ditos pretos, 95, 75,
55 e.......
Ditos de brira e ganga de co-
res, 45500, 45, 35500 e. .
Ditos branco de linho, 65,55 e
Ditos de merino preto de cor-
do, 105, 75 e..... 55000
Calcas de casemira preta, 125,
105, 85 e......75000
Ditas de cores, 95, 85 e. 75000
Ditas de meia casemira de co-
res, 5(5500 e.....45000
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 55, 45500 e
Ditas de brim branco e de co-
res, 55, .45500, 45 e .
Ditas de ganga de cores,
35500, 35 e.....
Cohetes de velludo preto e de
305000 Golletes de fusto e brim bran-
251000 co, 35500, 35 e 25500
Seroulas de brim de linho.
105000 25400 e......25000
, Ditas de algodo, 15600 e. 15400
75000 Camisas de peitos de linho,
35500 55, 45, 35 e.....25500
Ditas de madapolo, 35,
355O0J 25500, 2(5e ..... 15600
I Chapeos de massa, pretos fran-
35000, cezes, 105, 95e. 85500
45000 Ditos de fcMtro, 55, 45,35500 e 25000
Ditos de sol, de seda, 125,
115. 75 e......45500
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda.......* 640
Sortimento completo de grava-
tas.
Toalhas para rosto, duzia, 115,
95 e........65000
Atoalhado adamascado de li-
' nho vara......10280
25500 Chapeos de sol, de alpaca, pre-
tos e de cores.....4(5000
25500, Lences de linho.....3(5000
Cobertas de chita cbineza.
jtr
45000
25O0O
cores, 9(5 e......75000 .Pennasd'aco, as mais superio-
Ditos de casemira preta, 5(5 e 4,5000, res, a grosa...... 600
! Relogios de ouro orizontaes,
35500 905,805e......7050*0
550OO.Ditos de prata, galvanizado,
patentes e orisontaes, 405 e 305000
55000 Obrasdeouro, adercos, meios
aderecos, pulceiras, rozetas,
Ditos de ditas d cores 55
.45e........
Ditos de setim preto. .
Ditos de ditos e seda branco,
.65 e.......
Ditos de gorguro de seda
pretos e de cores, 65, 55 e
4(5000
aneis e cruzes.
5
Taixas de ferro.
Vendem-se taixas de ferro do mais acreditado
fah itante c por prego mais razoavel: 110 arma-
zem de assucar de Jos da Silva U>yo & C.
Vinho pnro.
No escriptorio de Euzebio Raphaol Rabello, na
ra da Cadeia n. 55, vendem-se ancoretas com ex-
aliente e puro vinho linio de Lisboa, smente des-
usado para gasto de casas particulares por ser re-, antigo deposito da ra do Trapiche n. 13, arou-
mettido pelo proprio fazoadeiro oa lavraaor. I zem de Mantel Teixelra Basto.
FelMM nacional.
Vende-se superior potassado Rio do Jaae-o,
mais nova que ha no mereado, a preoo movte em-
modo; no largo do Corpo Santo, escriatorio de
Manort Ignacio de Oliveira <* Filho, n. W.
Cal de Lisboa
Cal virgem chegada homm ea anroretas mui-
to bem acondicionadas e por preco coman





<
I'
MI


Diarto de PeinamJmeo fttgiiuda telr 8 de ftrtfembro de IHS.
)
>'.
GRANEO E COMPLETO SOBTIMENTO DE MOLHADOS
<&&
&& o
fl^Jl 1
i=G{ c>
() s*
,- "'U 5
( EjjflJ 'o
q J5
uL> "
O
S*
.
^_ j e
'J Kj
I-IJI 1
:^j 1
"?3 Os
S
1 0
w C o
s ~ s
&0 "t
o ~ u
1 S.
i. -o o O
c> tv t
J -
V 40 *-
tt | o
" t

-o --^ -
O <
e -o t <3 3 t
"t O s O O CU t
O ** * g -
O t V
o 89 ci 3
-s O &"
, O t ~~
t
"3 a -o ao t
80 t t O t o
9J o 80 O 3 t
O o o t"
*9 o
o -
A 1 o "t 80 o
t t t o
P " fc.
V O fu o
t *
- A 9 O o -
60 "t %>
-o "t t
t
Vinhos em pipa: Porto Figueira e Lisboa, a
loo, 44o, 5oo e 56o rs. a garrafa, e em
caada a 2,56o, 2,8oo, 3,ooo, 3,5oo e
4,ooo rs. do melbor.
dem lagrimas do Douro, especial vinho do
Porto mandado vir de conta propria a
lo.oeo rs. a duzia e i.ooo rs. a garrafa.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado, das seguiates marcas: Duque do
Porto, Feitoria, Nctar, Velho Secco, Cha-
raisso, Madeira superior a 9,ooo rs. a cai-
xa e l,ooo a garrafa.
dem Bordeaux das melhores marcas: St.
Julien, Medoc, S. Esteph e outros a 7oo
rs. a garrafa, e 8,ooo rs. a caixa com urna
duzia.
dem Brocatel de Setubal verdadeiro a 2,ooo
rs. a garrafa e 22,ooo rs. a caixa.
Garrafes cora 5 garrafas de vinho do Por-
to do Alto douro a 2,2oo rs. com o gar-
rafao.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira
muito proprio para a nossa estacTio, por
ser mais fresco a 2,4oo rs.
Vinhos velho chamisso em barril muito pro-
prio para sobremesa por ser muito claro
e macio a 6oo rs. a garrafa e 4,5oo rs. a
caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero a 5oo rs. a garrafa e 3,800
rs. a caada.
Garrafes com 5 garrafas de vinagre de Lis-
boa al,2oo rs.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo rs. a garrafa
e l,4oo rs. a caada.
Velas de spormacet a 6oo, 64o c 68o rs. o
raasso.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de cncommenda especial a 8oo rs.
a libra,
dem frnccza chegada pelo ultimo navio a
54o rs. e em barril a 5oo rs.
dem em potes de 4 16 libras muito fina e
propria para doente a 8oo rs. a libra e o
pote separado.
Banha de porco a 54o rs. a libra, e em bar-
ril se far aba timen to.
Qucijos do reino chegados pelo ultimo vapor
de 1,600, l,8oo, 2,ooo e 2,5oo rs. cada
um
dem londrinos os mais frescos que se po-
dem desejar a 8oo rs. a libra.
Caf do Rio de 1* e 2a qualidade de 8,ooo a
8,5oo rs. a arroba, e 28o a 3oo rs. a li-
bra.
Arroz caroliuo e do Maranhao a 3,ooo rs. a
arroba e loo rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra e
em porcJSo ter abatimento.
Caixinhas de ameixas francezas de 1 1/2, 2
e 3 libras, elegantemente enfeitadas cora
diversas estampas no exterior da caixa a
l,3oo, l,5oo, 2,ooo, e 3,ooo rs.
Fructas em caldas das seguintes qualidades:
ameixa, rainha Claudia, cerejas, pero,
ginja, pecego e alpech a 5oo rs. a lata.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 6oo rs. a libra, e em la-
tas de 1 V e 2 libras.
Ameixas francezas em frascos de 1 1/2 e 3
libras de 1, 4oo a 3,ooo rs.; tambem ha em
latas de l.ooo e 3,ooo cada urna,
Cha huxim miudinho mandado vir de en-
commenda especial a 2,8oo rs. a libra,
garante-se a boa qualidnde.
dem hysson o mais superior a 2,6oo rs. a
libra, aflanca-se ser igual ao que regular-
mente se vende a 3,ooo e 3,2oo rs.
dem preto muito fino a l,9oo rs. a libra.
dem mais baixo, e miudo proprio para ne-
gocio a l,6oo rs. a libra.
Presunto inglez para fiambre o mais fresco
que se pode desejar a 8oo rs. a libra.
Gencbra de laranja a 9oo rs., a frasco.
Chouricas e paios, os mais frescos que se
pode desejar, a 5oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa
e lo,5oo a caixa.
Ricas caixinhas cora confeites e frutas seccas
muito proprias para mimos pelo baratissi-
mo preco de l.ooo rs. cada urna,
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
8oo rs. o frasco.
Licores francezes das seguintes marcas: A-
nizete de Bordeaux, Plaisir-dcs dames, e
outros a I,ooo rs. a garrafa e lo.ooo a
caixa.
Passas muito novas a 6,ooo rs. a caixa e
36o rs. a libra, ha caixas, meias e quartos.
Bolachinha ingleza a mais nova que se pode
desejar a 2,5oo rs. a barrica, e 24o rs.
a libra.
Azeite francez clarificado a 8oo rs. a garrafa
e 9,ooo a duzia.
Conservas inglezas dos melhores fabricantes
Mixed e Pickles, ceblas simples, e outras
a 8oo rs. o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes muito
nova a 4oo rs. o pote.
Mlhos inglezes de todas as qualidades e das
melhores marcas a 5oo rs. cada urna gar-
rafinha.
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de doce, manteiga
ou outro qualquer quido de 1 ,ooo a 3,ooo
rs. cada um.
Palitos do gaz, a 2o rs. a caixinha e 2,3oo rs.
a grosa.
Milho alpista a 160 rs. a libra.
Milho painco a 140 rs. a libra.
Gomma para engommar muito fina e alva a
80 rs. a libra a 2,300 rs. a arroba.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Sabo verdadeiro hespanhol que raras vezes
vem ao nosso mercado a 300 rs. a libra,
e em caixa ter abatemento.
Sabo massa de 180, 200, 220 240, rs. a
libra do melhor.
Graixas em latas muito nova a 120 rs. a lata
e 1,300 rs. a duzia.
Peixe em latas muito novo : savel, pescada,
curvin, salmao e outras qualidades prepa-
rados de escabexe, segundo a arte de eozi-
nha de 1,400 a 2,ooo rs. a lata.
Genebra deHollanda em botijas de conta a
440 rs. cada urna.
Papel greve pautado e liso a 3,500 rs. a res-
ma.
Azeite doce de Lisboa muito fino em barril a
640 rs. a garafa, e em pore5o ter abati-
mento.
Champagne das mais acreditadas marcas a
l,ooo rs. agarrafa e lo,ooo rs. o gigo
com urna duzia.
Doce da casca da goiaba a 4oo, 5oo, 6oo,
7oo, 8oo, e l.ooo rs., o caixo grande.
Chocolate poituguez, hespanhol, francez, e
suisso, das melhores qualidades a 9oo rs.
a libra.
Velas de carnauba e compusifo a 32o, 36o,
e 4oo rs., a libra, e de lo.ooo a I l.ooo rs.
a arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa a l.ooo
rs. a ancorcta, e l,5oo a de Lisboa, estas
ultimas raras vezes vem ao nosso mercado
pela sua boa qualidade.
Massas para sopa macarrao talharim o aletrin
muita nova a 48o rs. a libra.
Charutos dos mais acreditadas fobrtetntefi da
Bahiaa 4,ooo, a,3oo, l.ooo e2,5oors. a
caixa.
Serveja das melhores marcas a 5,ooo rs. a
7,ooo rs. a duzia.
Biscoitos inglezes das seguintes marcas:
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travellies
Lunch, Cobin, eoutras a t.2oo rs. a lata.
Bolachinha de soda especial enconmieiuia a
l,8oo rs. a lata.
Iem Craknel em latas de o, 7 e 15 libras a
4,ooo, 5.5oo, e ll.ooo rs. a lata.
Massa de tomate em latas de 6oo a 7uo rs.
cada urna.
Sardinha de Xantes a 36o rs. a lata.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijollo de limpar facas a 10o rs. cada um.
Ceblas a 9oo rs., o molho.
Faiinha de Maranhao muito alva e cheiroza
a 14o rs. a libra.
Pimenta a 3Go rs. a libra.
Cominho, eravo, erva doce, enxofre, palitos
de dentes em caixinhas que tudo vende-
mos por baratissimo prego.
Ricas caixinhas com confeites e fructas- sec-
cas muito proprios para mimos pelo bara-
tissimo prego de l,oo6 rs. cada urna.
2?^
]srwcr'

h-------
535
"idMMH
Baralisslmis bandeijas.
A aguia branca por muitas vezes tem da-
do a conhecer que quando acha alguma pe-
chincha, n3o quei- s omento com ella encher
o papo, ao contrario deseja que toda sua boa
(reguezia e o publico em geral prvem da
mesma, o que agora mesmo acontece com
essas; baratsimas bandeijas. cuja limitaco
ie precos admira, em relaco aostamanhose
qualidades: avista do que convm todos a-
proveitarem-se dessa opportuna occasio e
proverem-sc d'um traste sempre necessario,
e que lhes custar quasi metade do justo va-
ler. Assim, pois, dirigirem-se com dinhei-
ro alegre e espinosa loja d'aguia branca
ra do Queimado n. 8.
Os afamados copos com banha, e
boies coiu iiiscripcc.s.
Chegaram novaiuente para a aguia branca
esses afamados e estimados copos com banha
5na; assim como os bonitos boies de por-
celana dourada tambem com banha, c novas
mscripcxjes maviosas e jocoserias, mui ade-
cuado para presentes resta porem que os apre-
iadores coricorram, munidos de dinheiro,
alegre e espacosa loja d'aguia branca ra do
Queimado n. 8.
Cira\a econmica.
K aguia branca acaba de receber essa acredita-
da grata econmica, cuja superioridade est go-
ralmente recanbecida ; cssa boa graxa se torna
recommendada, lano pon|uc o calcado lustrado
iiom ella deixa perfeitamente lostreso ao menos
ires das sem necessidade de novo unto, como
mesmo porque sua preparacao p appropriada para
amaciar e consi'rvar ocouro ; ella vem em caixi-
nhas e barrizinhos. e aclia-se a venda na ra do
Queimado n. 8. loja d'aguia branca, aos rezumidos
preeos do 400, 500 e 640 rs.
Pentes de concha.
Com as novas e diversas guarnices de
pentes que a Aguia Branca acaba de rece-
ber, veio tambem urna pequea qualidade
de pentes de concha que com graga e acer-
tadamente servem para o moderno atado dos
cabellos. Ellesso de bonitos e agradaveis
moldes, edetamanho pequenino como con-
vm para o hn que sao. E' esta ti primei-
ra vez que d'elles aqui chegam, por isso
que a moda novissima, pelo que ganha-
rao a palma aquellas senhoras que primei-
ro se apresentarem com el les, para o que
os mandaro comprar na loja d'Aguia Bran-
ca, ra do Queimado, n. 8.
Phosphoros higinicos
E DE SEGl'HANl'.A.
Esscs pliosphoros hygienicos c de seguranga, sao
indubitavelmente os melhores que at agora tera
apparecido, par cuja superioridade tanto se tem
feito conhecides c recommendados. Elles mereci-
damente ganharam a preferencia a todos os outros
pelas vantajosas razocs de que nao deitam aquelle
prejudicial e mo cheiro que costumam deixar
quasi todos os outros, e mesmo pela seguranca de
que estam isemptos de incendiar pois que em
nenhuuia outra parte tasen) fogo a nao ser no es-
Eecial papel, que vem pregado na caixa, onde tam-
em nenliUN falla em qcalqucr ifue seta a esta-
gao; e alis de todas essas boas qualidadi's oecor-
re mais a da barateza porque as caixas cem 400
phosphoros cuslam apenas 240, o que nao ha com-
paracao para coa qualquer das outras qualida-
des. Asna pois, convm o uso delles, todos os
I estabelecimentos, escriptorios, cartorios, reparti-
, ges, casas particulares, etc., etc. Acham-se
] venda na ra do Queimado loja d'Aguia Rranca
n. 8. Que ni comprar porcao ter um abatimento
rasoavel.
Eucommendas d'aguia branca receta-
das pelo ultime vaper.
Ricos pentes de tartaruga com chapa de madre-
perola.
Ronitos leques de madreperola.
Delicadas caetas de dita.
Lindos chapeozinhos de setim para baptisados.
Ricos de seda brancos c pretos.
Ronitas catxinhas com msicas e sem ellas para
costura.
Trancelins de la para enfeites.
Fitas de seda estreitas para ditos.
Ditas de velludo com listras para barras de ves
ti dos.
Aspas de balea para vestidos.
Ditas de ago para espartilhos.
Randes de dina.
Pulseiras de contas para meninas.
Paos para abrir luvas e port-charutos.
Essencia de ail para engommados.
Pos hygienicos de Lubin para dentes.
Leite virginal para tirar sardas.
Dito d'ires para extinguir as caspas.
Vinagre aromtico para vertigens, dores de ca-
beca, etc.
Cosmetique surline para cabellos.
Pomada para bigode.
Renda de fil, lisa.
Amostras de agnlhas inglezas.
A aguia branca acaba de receber por amostra
urna pequea quantidade de carteirasde molde nao
commum com agulhas inglezas de urna admiravel
superioridade. As carteiras trazcm accommoda-
daniente quatro papis de agulhas sortidas em
grossuras, e estas na verdade sao de qualidade an-
da nao vista aqui, o que faeil de couhecer-se pelo
seu boin acabamento, pois que sao perfeitamente
polidas, ponas mui agudas e bem tiradas, e fundos
ovaes. Gusta cada carteira 15, o que de certo pa-
rece caro, mas que apreciada a boa qualidade del-
las, s leio a lamentar o nao vir mais dellas.
Tambem veio igualmente caixinhas com alfinetes
dourados, e .Uros brancos, os quaes se vendeni a
240 rs., 320, 300, 640 e 1$ a caixinha, tudo isso
na ra do Queimado, loja d'aguia branca n. 8.
Bolsas para vlagem.
Yendem-se na ra do Queimado, loja d'Aguia
Rranca n. 8.
volias pretas
A MARA PA.
A Aguia Rranca recebeu as dobejadas voltas
pretas, mui compridas e gradas.
Maravilha das bellas, novos e
delicados enfeites para ves-
tidos.
aprasivcl a aguia branca o ter de avisar a
sua boa freguezia, que acaba de receber pelo pa-
quete francez um bello sortimento de enfeites de
seda denominado maravilha das bellas, os quaes
servem tanto para vestido de senhora como para
roupinhasde criangas. Seus novissiinos e delica-
dos desenhos, suas escolhidas e bem acertadas co-
res fazem um todo agradavcl aos olhos de qualquer
vvente que saiba apreciar o bom. Assim, pois, a
duvida est em haver dinheiro, havendo-o, diri-
jam-se sem susto ao espacoso e alegre ninho de
aguia branca, ra do Queimado n. 8, que acharo
as verdades cima ditas._____________________
Cal de Lisboa e potassa da
Rnssla.
Vende-se na roa daCadeia do Rocifc n. 26, para
onde se mudou o antigo e acreditado deposito da
mesma ra n. 12, ambos os gneros sao novos e
legitimas, t se vendem a prego mais barato do que
ou-anal J* Cal de i sl;!
a ni nova do mercado : na ra do Vigario n.
,9, primeiro andar. .....
AGENCIA
DA
FNDICO DE LOW-MOOR.
Ra da Senzalla nova n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver!
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, macltinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamaitos para ditos.
Vinho do Porto superior.
Vende-se em caixas de urna duzia : no escripto-
deiro Antonio Luiz Oliveira Azcvedo & (',.______
Vendem-se barris com bren : na ra da Sen-
zal Velha deposito de sabao n. 136.
ESCBAYOS FGIDOS.
Fugio em dias do mez de abril do corrente
auno, o escrauo Manoel, de nacao, idade de 30 an-
nos, pouco mais ou menos, com os signaes seguin-
tes : tem a perna direita torta, bocea grande,
beigudo, sem barba e anda quasi sempre embria-
gado, foi cscravo do fallecido Joaquim de Paula
Lopes : quem o!apprehender levo-o ra da Ca-
deia n. 33, segundo andar, que ser recompensado.
b'rolho, ps e mos em relagao as suas purporges,
fugio levando Cainisade chita com listras de cores,
calca de meado de quadros, e chapeo de seda_pre-
to com copa baila e abas largas que subtrahio e
casa. Estemoleque veio de Pajen de Flores aoa-
seravo docapitao Antonio Gomes de Gampus
Pitico, out'rora Antonio Gomes Coimbra, commer-
ciante em Raixa Ven!,', o qnal rcmetteu por scum
mano Christovao, para por elle ser vendido nesta
cidade, ao qnal nha dado procurago e ordene
em primeiro lugar, e em segando a Jos Antonio
dos Santos Cocino, a quem o referido Ghrfrtovao
pedio para ticr com elle at vireni nova- ordens
do dono jiaia ser vendido, visto nao adiar o prego
por elle marcado. O referido moleqne veio em
eompanhia de diversas pessoas, e d'entrc ellas i
der, qoando interrogado, mencionar o nomc de
Jeronuno eChrietovao, a quem o referido molepn
chama senliores mogos : roga-ee, portanlo, as au-
toridades policiaes, aos senliores capitaesde campo
e a qoaesquer |iessoas a apprehensao do referido
moleqii(,aqiiemse retribuir com urna gratilici-
co merecida, e protesta-se contra qualquer pessoa
que o tiver di tillo, nina vez provado o mo Inten-
to, podendo oapprehensor entender-se rom .santos
Coellio na ra do Queimado n. 19. ou com Ferrara
Pinto & C. na mesma ra n. 3.
Desappareceu na noite de 19 de agosto prximo
passado omoleque Athanazio de 12 a 14 annos de
idade, estatura mediana, e de pouco desciment
em relaean a idade, cor parda escura, a qual pare-
ce mais" fula do que parda, tez macilenta, cabellos
carapinhados, e que levou cortados a escovinha,
olhos pardos, tendo o branco dos mesmos amarel-
lado. mui capadocio, e tem ampia vocagao para
a calumnia, para a qual mostra sagacidade*, e sem-
pre que se Ihe ordena para recitar o seu nome
(pois improvisa de saber ler) principia soletrando
pela seguinte forma: ta-ga-atha-na-zio. Athanazio
seu nomc proprio, o que faz comprimindo o riso
que mal se lhe percebe, quando falla franze o so-
Fugio a preta crioula Mara, conhecid* por
Pastora, levou vestido branco desbotado, chales en-
carnado, tem mareas de bciiga pelo rosto, cara
chata, e muito fallante, andava vendendo boU)
cevado : a pessoa que a pegar levo-a ra de San-
ta Tluiv/a n. 16, que ser gratificado.
Fugio no da 23 do corrente o escrav
crioolo, ida Je 30 annos, pouco mais ou mi i .bai-
lo do corpo, cara um tanto larga, 8 barba posea,
falla muito mancinho, levou caira de algodao MU,
e camisa de chita, snppoe-se ter "seguido para o sut
por ter sido do lugar de Porto Calvo, aoude tem
mai e irmiios, no engenho Monte das Cabras : ro-
ga-ses autoridades policiaes e capilaes decampe
de o apprchendcrem e o levarem ra da Praia
dosta cidade n. -29. que sero bem recompensados.
TERCOS
e coreas de cornalina.
A aguia brauea pensando constantemente em
bein servir a toda a sua freguezia, notou que anda
nao havia feito algum agrado a aquelles que [iru-
dente e acertadamente resando, eiimprcm dewjr de
bom christao, o quando reparou essa suaf falla,
mandou vir e acaba de receber delicados tercos e
coras de cornalina com cruz de prata, os quaes
deixa disposigao dos fiis que estiverem dispostos
a gastar l500,2e 3 para possuirem um Minito
terco ou coroa, com os quaes pxlem mesmo pedir a
Deus pela prosperidade d'aguia branca, em seu ale-
gre e espacoso ninho da ra do Queimado n. 8.
IBahuzinhos com perfumarlas e
sem ellas.
A aguia branca vende bonitos bahuzinhos com 6
frasqmnhos de cheiros por 15300 e vasios por 800
rs., servindo estes para meninas, e mesmo para
joias, etc., etc. : na ra do Queimado, loja d'aguia
branca n. 8.
Vovissimos e bonitos enfeites
para cabecas.
Quando o bello sexo senta a falta de bons
enfeites para cabera, eis que a aguia branca
recebe urna sua encommenda de bonitos e
ielieados enfeites, e de modernissima moda,
muito servindo isso para sanar aquella falta,
e fazer com que as xraas. apreciadoras da
bella empreza Coimbra possam mcllior real-
sar e mostraran o apurado gosto que as
guia. Esses enfeites sao d'um tecido bas-
tante fino com continhas d'aco, e mui bem
enfeitados com flores, fitas, bicos, plumas
etc., entretanto que sendo obra de muito
gosto custam 5-3, 0$ e 7$ dinheiro vista;
na espacosa e alegre loja d'aguia branca ra
do Queimado n. 8.
Albuns eom perfumarlas.
Muitas vezes aconteca que se procurando urna
h lia galantaria para se offertar a urna senhora ou
menina em seus annversaros, ou mesmo na
amarraeao das mestras destas, se nao achava cousa
que satistizesse, agora, porm, j nao deve succe-
der assim |rfjiie na loja d'aguia branca encontra-
r o pretenden!*; bellos objectos para esse fim, so-
bre-sahindo entre elles esses bonitos albuns com
perfumaras, cujo gosto e novdade lhes d a pri-
mazia. A aguia branca folgar de contente se
essasoffertas recahirem sempre em suas predilec-
tas freguezas, e quando assim rio seja, nao faz
mal, porque a mimoseada reparando na smgulari-
dad do objecto. querer desde logo ahstar-se no
numero daquelas. Em todo ocaso havendo di-
nheiro, dirijam-se ra do Queimado, loja d aguia
branca n. 8, que tudo se arranjara.
Chegaram luvas de pellica para a loja d a-
guia branca, ra do Queimado n. 8.
Nafas cintas elsticas para sentaras
casadas.
A reconhecida utilidade dessas necessarias cin-
tas elsticas fez com que em breve se acabassem
as que vieran da primeira vez, deixando assim
descontentes muitas senhoras que se nao poderam
prover deflas, vista do que a aguia branca man-
dou buscar mais algunas, que acabam de chegar,
anda mais perfeitas qne as priroeiras, isso por se-
ren menores i kgora, pois, podem as senhoras ca-
sadas prevenirnn-se, mandando-as comprar na
loja d'aguia braica, ra do Queimado n. 8. Se a
aguia bornea precisaase de semelhante obra de
certo desta Tez uSb flearl sem ella.
DOS PREMIOS DA 5. PAR DA I LOTERA, CONCEDIDA POR LE PROVINCIAL N. 557 DE 4 DE MAJO DE 1803. A BENEFICIO DA 1GREJA DE NOSSA SENHORA DAS NEVES DO CONVENTO DE .
S. FRANCISCO DE OLINDA, EXTRA1IIDA EM 20 DE SETEMBRO DE 1803.
2."
I
XS. I'RFMS.i.NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PBEfttS. NS. PREHS. NS. PItEMS. NS. I'ItEMS. XS. PREMS. XS. l'REMS- US. PREMS.IXS. PREMS. XS. PREMS. XS. PREMS. [NS. PREMS. XS. PREMS.. XS. PREMS.
NS. PREMS. XS. P Itl-MS. XS. >REMS. XS. 1 EMS. XS.
;i Bf 187 81 359 8f m Sf 716
o 91 61 46 18
9 92 64 47 ii
12 93 69 88 38
i-> - 98 72 1:000,5 36 42
7 200 73 6* 59 13
28 1 __ 80 61 M
29 8 __ 83 66 :.i
; lo 84 68 52
98 - 28 93 69 54
42 31 10 97 74 oo
13 - 36 10 98 - 75 86
oi - 39 3* 401 79 61
m 43 0 82 65
56 43 6 87 67
08 49 103 i:t 92 70
59 - M 35 I i 93 72
6i 56 20 96 73
71 57 __ 21 99 77
73 - 60 22 103 600 10* 79
79 61 , 24 33 2 33 81
84 - 62 26 6 82
8o - 68 31 13 84
91 69 34 15 83
93 - 77 40 16 87
93 78 43 _ 20 _ 90
% - 81 45 23 __ 91
106 - 82 83 50 52 24 26 92 93
i:> - 85 ^ 55 __ 28 96
il 86 _ 56 _ 29 __ 800
19 87 68 _ 32 __ 3
21 88 _ 70 ^ 38 _ ;
25 92 __ 73 01 39 .^ y
31 - 97 78 ^ 40 *M 16
32 33 36 -42 44 305 80 _^ 41 _ 17
6 8 10 83 86 90 47 49 53 22 26 27
46 11 92 58 35
48 16 93 61 36
49 17 40* 97 _ 63 37
51 18 34 300 . 64 39
34 19 4 71 41
60 28 12 73 52
63 33 13 77 W
64 42 18 82 71
67 44 21 97 75
7i 49 t3 _ 98 103 79
75 50 _ 32 99 33 80
76 52 39 706 1003 84
79 53 40 12 53 86
84 - 58 43 13 - 88
54
103
53
5:0003
53
103
53
892
96
901
3
6
9
*22
23
20
27
43
46
50
54
56
57
62
71
72
73
74
81
83
85
86
87
90
99
1004
8
12
21
25
29
30
33
36
39
46
50
51
52
55
68
71
73
77
84
86
91
92
93
94
55
103
55
103
205
35
105
55
1099
1101
3
6
14
23
25
31
35
39
47
48
49
50
51
52
55
58
59
65
66
68
69
70
74
77
80
82
83
87
90
91
94
93
98
1205
9
11
12
13
14
16
18
19
O
23
25
30
31
32
33
! i-
55
405
33
205
55
1237
45
46
49
31
52
56
57
64
69
70
72
7*
86
99
1300
8
11
14
22
23
23
29
34
36
39
44
59
62
66
68
69
70
71
73
75
76
78
82
86
89
90
98
1400
5
12
16
17
18
19
23
26
27
103
33
105
33
105
33
105
55
403
103
55
1428
29
30
32
N
38
41
U
47
49
Vi
57
59
60
63
69
73
87
89
95
96
99
1500
5
16
29
33
35
36
39
83
60
61
64
67
68
69
73
74
76
78
82
83
84
85
86
88
95
99
1600
4
6
27
;5
403
33
403
53
105
55
205
33
1631
32
33
34
42
44
46
47
49
50
53
88
36
58
64
63
66
68
69
70
72
75
83
85
87
91
93
95
97
98
1701
10
15
17
18
20
23
26
29
39
40
43
48
49
50
53
54
56
62
63
70
73
75
53
1003
35
2005
55
105
1783
84
83
90
93
96
1806
7
12
15
17
22
23
26
27
28
39
40
41
47
50
60
61
63
68
70
74
77
83
84
90
93
95
97
98
1901
3
12
17
24
26
28
29
37
40
41
47
51
33
54
58
61
62
53
103
33
103
53
5003
1963
70
76
78
80
81
83
90
91
93
2000
3-
6
18
21
23
25
27
34
33
46
47
50
52
53
63
66
68
69
70
71
77
84
85
89
94
2102
3
4
6
7
12
13
19
31
33
35
37
103' w
5*J 56
-I 59
-I 62
205
33
55
205
53
10*
53
53 2168
- 69
73
76
77
80
81
82
87
90
92
94
2201
5
7
16
14
17
18
21
28
30
32
36
39
40
rW
46
47
49
54
55
58
63
67
70
74
75
77
83
92
93
97
98
2304
13
17
18
22
24
25
26
36
33 2.338
40
42
44
- 49
- 50
- 51
- 52
- 36
-, 63
- 63
- 68
- i 69
75
76
78
' 86
- i 93
-i 94
103 95
55 2403
4
53
205
55
I
105
35
9 -
13 -
14 -
16
17 -
20 -
21 -
22 __
24
29
31
32
38
41
45
53
55
57
58
60
63
66
68
70
72
76
77
79
105
5*
90 -
2195
2501
3
6
li
15
16
19
20
25
26
31
31
34
35
40
49
50
52
53
54
61
62
66
67
69
79
80
81
82
88
95
2600
1
2
6
14
15
19
20
22
24
26
30
38
41
43
45
51
59
60
61
64
K
2666
/
78
86
88
90
98
96
203 W
B* 2702
'i
9
14
16
17
18
20
31
33
34
35
39
203
53
T
103
33
41
47
49
55
57
60 ^^
61
62
63
95
75
77
81
83
84 105
85 53
95
97
98
2801 105
7 55
10
19 405
22 53
24 20*
28 55
29
31
34
36
38
8* 2b12
43
47
48
30
58
59
83
08
68
li-
li
79
89
92
93
98
96
97
98
2901
9
16
17
20
25
28
35
45
46
48
i 49
53
54
36
58
62
63
64
69
71
72
78
76
78
80
84
89
93
96
87
M
5*
5*
MI*
05
5*
0 e*cri?3o, Set*ria*o Jote? de Honra.
Pern.Tyf. de M. F. de Faria FiUto.W63.
-
ILEGVED


V



* HHMbmm
M
A
DUrU de Pemmhnco Segn.da felra 18 de Miembro de l* AS
LITTERATRA.
Homilas sobre _
agres de esns
R. I. Ventura.
QUINTA.
A (enlacio em particular.
Alalh. IV: Mwc. I; Lucas IV.
para este espirito soberbo, que o Salvador adore-1 Ah desgracado christao, o que sanhar* enm
uioso, uto ,_prostando-se aos seus ps. Assim lom. Q^ menos o pensares, Satanai apre
ramos saliendo, que para adralo preciso, que. sentara no tribunal do soberano juiz esse fatal con-
HS < hrlso. pelo Sfatf n?at,^rngrandif im-a^f''tt*W'P'ra recla0,ar de sna Jas,i?a a<"a alma,que
i I m?li nao nos maravillamos de ver o de- jhe promettes-te. Os bens que a tanto custo e com
a* mon, levar a tal ponto as suris pretencSe* contra' v Q e co
|o.Salvador chegando a solicitar HteSS adora lan,os cmes accumulas-te, passarao a outros, o
I cao sacrilega. Vendo que Jess Ghrisio lbe havia passaras ao diabo. O que fars entao? Que cotn-
^K T iUS, milaSres> deixra-sc transportar mulacio ou que compensado poders offerecer pa-
ndando todo o peso quenos delm, eipoSiiSSESiai" |c f ^es ^" "^eres perdido todo
opeccado que os corea, corramos pela ca de um inferior, o que nao era se nao un mi- PerUend0 a lua a,ma' 0u! '"sensato especulador
paciencia ao combale, que nos est pro- togre da paciencia e liunnnidadc do Salvador do ffirfJe^hris!o^eCOnSam" S;?s;aSa,,ill^deac o salvador era um por nao ha veres comprehend.do a tempo, que de
/ilebr. IV) RMio ik.1 que desta vezj nao lhe diz : Se s' nada ser!e liave/ adquirido ,odo ""verso, se a
( Continuaeao) Filho de Deus ; pois tendo a ambicio tornando-o alma esUi Pedida'
. taK! T^T hoje* iDSCnsat0 3^^^^ ae f ts-a"J2>um n *>
ao ceg, elle se da a conhecer pelo que sempre tou : Bem posso dar-te estes reinos, que te mos-' da estuP'dez de Satanaz : offerece os reinos e os
lu. e sera sempre. tro, dos quaes recebi a posse, c posso da-los a imperios a Jess Christo, que nao veio para adqui-
Dp feiirt n nmnku. ue relio, o propheta no mesmo psalmo, depois exclama S. Mximo. Aquelle que se dobra a tuas homen Pmmrtt eior, n "a pa
das pabrras citadas pelo tentador accrescenta: i vontades, que corresponde a teus designios, que "lnLSf !!il? T aqUe"e qUC
, ., secunda tuas inspiracoes, e que, sujeitando-se ao dispensa a gloria celeste a quem lbe apraz; nada
miciaras, o justo, impunemente sobre o aspi leu imperio, adora-te, esse nao pode, nao deve tem, e empenha-se a tudo dar aquelle que senhor
de e o basilisco pisars o leo e o dragao, sem esperar a gloria dos reinos, c sim o horror do in-. de tudo; c quera ser adorado por aquelle aue re-
que elles possam fazer-.e mal. Ora, David com (g $Jg^ & C0Td?*' Pde"Se ICCbe 3S adra55eS dS aDJ0S- OSenhor> Porm, olhan-
S os serys de Deus e os seus anjos sao livres' do-o com despreso, diz-lhe: Retira-te, Satanaz:
a
e o
Ora, David
iiias pata-ras claramente predisse a victoria que o,
;~m, o amigo do Deus, devia alcanear sobre o de-! independentes e senhores ; desde esta vida reinara esta escriptoadorars o Scnhor teu Deus e s a
raja-lo e fazer- Pe'a niortificaca sobre seu cora?o, e pelo amor; elle servirs. E com isto ensina-nos nne mMhM-
m SaivaHm- sobre os_dos outros ; e um da reinarao nos cus, I ^. An.. A.....^. "9 qae sf,rium
! sobre os dos outros ,"e"um"da remiro"no us", I ~ 7':"Z'tn7*7ZZTT" 'm St"iam'
Christo Ihcs dirigir estas ternas pa: i Pa dos assaltos da avidez, da avareza e o amor
inde roniion nh (.nnidims Ha mon I desenfreiado dos beas- terrestres. recnnhirInHn
| (uando Jess l
lavras
ionio, e a impoteucia d'este para ulti
lhe mal. Que faz Lucifer ? Cita ao Salvador a
primera parte da prophecia. como para tranquil" lavras : vfnde con.o,"o'h"'bemdto's'' de~ mra I -
.i ...u sua traqueza, o com este lago tenta-lo o oc-1 pac ; entrae na posse do reino, que vos foi prepa-' que somos creaturas, servos c adoradores de Deus
Uta astuciosamente a segunda, que lembra sua rad d"*?6 a origem do mundo. |a qaem devenios a homenagem do nosso rrito i
taaz ? S?g^l i **** q=d ou.ro Se
Deus senhor dos reinos da trra, e deu-te a facul- outroSenhor seno Elle.
dade de ser arbitro e despensador d'elles ? Como E a Bronosjto 0fflprvemr. arta P,-,m o ___
promettes o que nao possues ? Como podes dis- a Proposito, observemos arada com S. Jeronv
por assim do mundo, tu que nao s senhor d'clle, ", que um "erro crer, como alguns, que Jess
porm a mais despresive e desgracada das crea- Christo egualmente cendemnouS. Pedro e odeuo
turas ?
Entretanto, ha n'esta ostentacao do pae da men-
tira urna funesta verdade ; peFraitti-ine, meue ir-
maos, expor-vos a este respeito a bella expressao
de um padre :
Deus na ordera de sua Providencia, estableen,
que seria o despensador dos bens da trra, mais
que o demonio tambem teria este poder. IVaoque qneria induzi-io a subtralw-se sua prxima pai-
1S O do-: Tan Vi>m nfrar A mm i... ___,_
pi opria derrota.
SaoJoao Chrysostomo observa ainda, que Deus
as pata-ras do propheta promettea soccorrer os
seas servos por meios dos seus anjos, mas nao lhes
disse, que se precipitassem para serem miraculo-
samoaH soccorridos. Esta addieao, f-la o demo-
nio por sua conta, unindo assim s patarras da ver-
dade divina as da sua perversidade; como o que
a beber o veneno encoberto com as docriras do
iiel.
t'is, pois, contina o mesmo padre, o mestro c
ai*, pois, continua o mesmo padre, o mestro e que o demomo tambem tena este poder. Nao que quena nauzi- a subtratw-se a sua prxima pai-
i modelo dos hereges, e o secreto autor de todas o Creador haja cedido ao principe das trevas o do-xo: Vem a(raz de mim, Satanaz. Isto norn
i luwMiac mimo dos bens do mundo, de que Deus c sempre significa npTa Pntm niu..!.__' '
1 "UC,a- senhor absoluto ; mas, havendo reservado dar aos '*8"" ato J."',ledr '0lag arq temeranamen-
Delie aprendcrain os hereges a torturar e cor- ^rvos alguns bens tmporas como arrimo wiuasie mame ae mim eoammha atroz, por-
rompar as santas Escripturas, dando-lhes um sen- ^""Pcnsa. tambem concedeu ao demonio o poder quanto o que se oollocou perante mim para obstar
.... .. t> distribuir alguns aos peccadores para sua des- os meus desieni'vs nm Satinar ,,* .. nm
lulo maligno e errneo, citando as passagens, que craca e minicSn nni. nn rtanm r.me~>ri..i utsigoias, t um satanaz, c o que vem cm
tillo maligno e errneo, citando as passagens, que
paiecem favorece-los. e supprimindo as que aler-
tamente os condemuam.
Por elle sao inspirados, quando, com audacia in-
inal, ousamritara Escnptura para provar o que
a Escriptura condemna, convertendo em urna fon-
te de erro o augusto deposito da verdade divina.
D'eUe, finalmente, receberam o consclho c o im-
pulso para precipitareni-se das alturas da f catho-
lic i ao abysino dos mais vergonhosos absurdos.
Mas a tgreja, esclarecida pelo Espirito Sauto nao
se deixa sorprender uem engauar pela ousadia dos
hereges.
Pela Escriptura, que ousam citar em seu apoio,
confunde-os e convence-os. condemnando-os como
corruptores, da mesan sorte que Jess Christo,
seu divino esposo, com o ecudo das passagens da
Escriptura legtimamente interpretadas repelle os
dardos de urna falsa doutrina, pelo demonio forgi-
cada sobre aJEscriptura. E de feito responde ao
tentador : Leiubra-te, que tambem esta escrip-
to nao tentars o Senhor teu Deus.
Quo bellas sao estas palavras! diz S. Pedro
Chrysologo. O demonio, dizendo ao Salvador
atira-te, deu-se a conhecer ; assim o Senhor era sua
resposta ndo tentar! o Senhor teu Deus, mani-
festou-se; por quanto applicou-as a si mesmo, e
aununciou-sc Deus e Senhor, e de mais o Salva-
dor, que para nossa salvacao nao se havia precipi-
tado do alto do templo, mas havia dcscido do cu
at nossa bailesa, para ser a ressuneigao dos mor-
tos c nao o modelo dos que tinham cahido.
Mauifestaudo-se, porm, assim, Jess Christo ain-
da uos ensina, que j mais devenios, inspiraco
do demonio da verdade c sem um motivo honesto
c espiritual, ostentar o nosso poder c a nossa vir-
tud, do que em caso algum devenios fazer vaa os-
tentacao, nem tirar motivo de deleite ; e tambem
faz-nos comprehender, que expor-se voluntaria-
mente ao perigo de peccar, contando cora a assis-
tnncia dos anjos e cora a proteccao divina, preten-
der um ml3?re, que nao necessario, que o Se-
nhor nao permittiu, tentar a Deus, e perder-se.
Finalmente, assim como repellem-se as tenta-
j5eS carnaes nutrindo frequentemente o corarao
com a palavra de Deus, impoe-se silencio s pre-
lencoes do orgulho c da vaa presumpeo, lemhran-
do-se do medo de Deu. Senhor de todas as cousas-
Nao tendo o segundo assallo mclhor xito que o
primeiro, o tentador recorrea a um terceiro : to-
mou de novo Jess Christo em seus bracos, e
transportou-o para o cume de urna altissima mon-
tanha, donde o olhar alcancava um vasto horison-
te. Dahi mostrou o demonio ao Salvador os lu-
gares de todos os reinos da Ierra, nomeando-os e
expando sua grandeza.
Depois do que disse-lhe : Dou-te esta immen-
sidade de reinos e de imperios, se por urna s vez
te prostrares peante mim, e me adorares.
Eis como o demonio por suas palavras ostentou
o antigo orgulho.
Tendo tido j urna vez o ardentsimo desejo de
ser semelhante ao Altissimo, qur agora no de-
serto attribnir a si o culto, que s a Deus devi-
do. Nao dizem os interpretes, nao bastante
nio, pronunciando a mesma sentenca contra os
dous ; porque na realMade urna difiere totalmente
da outra.
Com effeito, o Salvador respondeu a Pedro que
em um transporte de amor e compaixao por Jess
-----------------. ., ^ ,... ........ ,,.u ., w- oj mcus uusigui'jr u um saiMia
graca e pumcao, pois que a riqueza e a prosperi- meu seemnipnt(V Iim ohl.Ut5n,
dade dos rapios sao um grande castigo de Deus.J
ao passo que as humilha^oes, os 3offrimcntos c as'
atribulaeoes dos justos sao inuitas vezes grandes-
favores do sua parte.
Assim, da mesma sorte que todos os bens adqui-
ridos n'este mundo pelas vias legitimas e santas
vem de Deus, osobtidos por meio da injustica, da-
fraude e do vicio vem do demonio.
pois em vao, hornera do seeulo, que te en
soberbeces e fazes tao grande ostentacao de teus
ttulos, de teus cargos, de tua riqueza, luxo, pra.
zeres e dignidades ; porquanto se adquiriste tudo
isto forcade fraudes secretas, de extorsoes e de-
usuras manifestase ou pela prostitnicao de tua hon-
ra, pela infamia, pela intriga, cm urna palavra,
pela perdicao de tua alma, nao alcanzaste de Deus,
mas
Mas, quando se
Trata do demonio, nao lhe diz o SenhorVem atraz
de mim, por que o misrrimo j nao pode ser dis-
cpulo de Jess Christo ; e simplesmente : Vae Sa-
tanaz. Isto vae para longede mim, vae ao fogo
eterno, que foi preparado para ti e para os- anjos
eomplices do teu peocado. E pois nos conservamos
ainda a esperan?, qne tiradh a Satanaz : pode-
mos ainda, no tempe, ir aps Jess Christo pela
humildade, se tivermos a desgrana de collocar-nos
perante elle com o orgulho d Satanaz, podemos
tornar a ser christaos.
Conseguintemente, aproveitemos a nossa feliz
eondiejio; accedamos ao convita-de ^aminhar com
Pedro e na fe de Pedro era seguimento de Jess
para
ecebeste-o do demonio nao s o amigo de "ur, e Ud -e Qe rero em seguiment de Jess
Deus mas o de Satanaz. E nao foi gratuitamente,! ehr,'St' M Da qaerem0S oaw nm dia a terrivel
que este te os destribuiu Que nao possa t com- Sen,ena Com que nos an,caa n0 E***&*, eque
prehender, que immenso preco te costara !
Satanaz nao d as riquezas da torra, diz S. Chry-
sostomo, seno para despojar as almas dos bens
indultos da eternidade.
Ainda mais, diz S. Cypriaao, todos os bens que
ser-nos-ha intimada: ir para longo dclte^
sempre malditos, votado ao fogo eterno.
Consideremos mais que asduas outras sespostas
de Jess Christ* a Satanaz foram dadas em; tom
pacifico e partate, ainda que severo e magestoso i
mais, desta ultima vez, como se tratava de abaixar
delta veem sao o preco infame da apostasia, ou da a sacrilega pretencao pela qual o demonio quera
verdade da f ou da santidade da le ou do poder;
pois exige que o hornera se incline perante elle,
prostre-se a seus ps e adore-o.
Na verdade, diz S. Mximo, prosta-se perante o
demonio, o que adquire as dignidades o as honras
do mundo, nao por urna eleico gratuita de Deus,
mas pelos artificios injustos suggeridos pela mali-
cia diablica.
S. Chrysostomo diz tambem, que nada sujeita o
homem ao demonio e o torna seu escravo, como a
avidez das riquezas e os desejos desenfreiados de
possuir
usurpar a adoracao que so devida a Deus o nos-
so Divino Salvador deu a resposta cora um tom de
desprezo, de iodgna?ao e de horror. Porque foi
isto, meus irmaos ? Para fazer-nos bem compre-
hender que, quando se trata de injurias e affrontas
pessoaes viudas dos mus. devenios generosamen-
te supporta-las; mas quando se trata do despreso
de Deus ou da injuria feita a sua divina magestade
repern-ias. roruuamo, como naaa na mais ion-
roso do que soffrer com paciencia as offensas pes-
soaes, nada ha mais impio do que fingir nao ver
l'm outro padre accrescenta finalmente que os as offensas fcitas a Deus, o deixa-las passar impu-
M.~. mmm J ...__1 _" ....I 1 IHH^iH t i
poderosos do seeulo sao realmente levados raon-
tanha pelo demonio, quando por elle sao elevados
as mais sublimes dignidades por meio da injustiga
nemente.
Com estas palavras Adorars o Senhor teu Deus,
Jess Christo, fallou ao demonio do si mesmo. Eis-
desappareceu em um Instante. E- assim que a ig-
nominia, de que foi accumulado. egaalou a petu-
lancia, com que tinha vindo.
Este dispensador audacioso dos reinos do mundo
repellidopor Jess Christo como um vil escravo
Viera subraetter o Messias a urna prova, que jul-
gava decisiva, e volta reprovadoe condemnado por
elle.
. Tanto, porm, esta victoria gloriosa para Jess
Christo, quanto consoladora para nos : sabemos
agora, que nao concedido ao demonio tentar-nos
at onde lhe apraz, mas at onde apraz a Deus ; e
que a um s signal de sua divina magestade for-
cado a deixar-nos em paz, como dcixou Jess
Christo. Quo feliz pois, a nossa condico E' o
que vamos ver na
Segunda parte.
Os santos padres da egreja ensinam-nos, que lo-
gioes de anjos estavam invisivelmentc sobro a trra
em presencade Jess Christo, para curaprimento de
suas vontades, nao por necessidade que tivesse do
seu soccorro, mas por honra sua pessoa e ao seu
poder; razio porque est escripto, que os anjos o
serviam, e nao que o soccorriam.
Assim, quando o tentador se retirou, as tropas
anglicas, diz o texto sagrado, adiantaram-se para
o Christo Redemptor, afta de offerecerem-lhe a ho-
menagem de seu ministerio.
Com que fim, porm, o evangelista notou esta
creumstancia da presenca dos anjos em torno do
Salvador depois da tentaco ? Fe-lo por duas ra-
ze:
A primeira, indicar-nes, diz S. Gregorio, segundo
o uso dos evangelistas, que ha em Jess Christo
duas naturezas em urna s pessoa ; porquanto a
tentaco que soffreu, prov que homem, e os an-
Jos, que o cercavam, mostrara que Deus.
A segunda respeita a nos particularmente. Sendo
certo que es anjos sao os ministros do Senhor, e
esto sempre atientes a sua palavra, nao era pre-
ciso, que tai eircumstancia fosse notada 5 mas, co-
mo tudo o que o Salvador fez em segredo, depois
publicou por bem nosso, azendo-nos saber que os
aajos depois te sua tentaco mostraram-se promp-
tos em servi-Io-, quiz com isto revelar-nos, que os
anjs nos assistirao, quando houwrmos sahido ven-
cedores na luta com o inimigo da nossa salvacao.
Que doce peasamento, meas irmaos I Quanto
nao consolador para as almas que, por urna pro-
videncia em apparencia muito severa, parecem
conderanadas a lutar incessantemente contra o de-
monio, contra a carne c contra o mundo, sem outro
soccorro que o jilo das lagrimas e da dr Apren-
damos d'aqui que-o christao, que imitacao-do Sal-
vador alcanca a victoria, immediatamente recom-
pensado, tornando-se digno da sociedade e da com-
panbia dos anjos porque o vencedor do demonio
tornarso como que um anje.
Oh sorte feliz, diz S. Pedro Damiano, oh honra,
oh gloria do verdadeiro christao! Victorioso do de-
monio, torna-se irmao e companheiro dos anjos;
exitadodo mundo, torna-se herdeiro do cu; trium-
phante de s mesmo por sua propria abnegaco,
torna-se amigo de Jess Christo! Porque foi o Sal-
vador cercado de amigos ? pergunta por sua vez
S. Joao. Chrysostomo. Afim, de que saibamos, que
ao sahir de nosso corpo a alma, victoriosa do de-
monio, da carne e do mundo, ver-se-ha aereada dos
santos anjos, que como um cortejo de honra aeom-
ponha-la-ho cm triumph.o solemne residencia des
bemaventurados.
O proprio Jess Christo revelou-nos a mesma
verdade na parbola do mu rico ; a saber: que
os anjos acorapanham ao cu as almas dos justos;
porquanto esse rico nos diz, que o pobre Lzaro foi
levado pelos anjos ao seio d'Abrahao. Dcste divi-
no cnsino tirou a egreja o termo e alegre rito, eom
que acompanha as almas dos Qeis em sua mortc-
Apenas o christao deu sua alma a Deus, a egreja :
Santos de Deus, vinde prestes em seu soccorro
devemos nao flcar indifferentes, mas ronbat-^s e cebei sua alma em vossos bracos e levae-a pre-
repelli-las. Porquanto, como nada ba mai----- ""* w^
e do crime. Caliera realmente aos seus ps ; ven- j ahi, pois, diz S. Jeronymo, a grande vantagem que
nerani-no, adoram-no, rcndem-lhe culto como a tirou o anjo apostata. Pretender fazer-se adorar
. ...---------------------------v-r------- wnraaiMi-w auuiai pensamentos s
Deus i seguem-no durante a vida, ate que depois da' pelo Salvador e o Salvador declara-lhe com auto- blime uncc.o.
E vos, anjos do Senhor, corro ao seu encontr, re-
cebei sua alma em
i- senc,a do Altissimo.
^ Depois, dirigindo-se alma do defunto, diz-lhe:
Vae com alegra; que um curo inteiro d'anjos le
acollia coma um delles, e, como esse Lzaro ou-
tr'ora to miseravel e agora to feliz, obtenhas tu a
eternidade do repouso e o repouso da eterni-
dade. >
Esta oracao, este voto, estas promessas, estes
pensamentos sao cheios da mais suave e mais su-
morte sao sepultados as trevas eternas. Insensa-! ridade que elle Satanaz devera um dia, a despeito
tos! nao querem ouvir o mandamento de adorar e do seu orgulho, reconhec-lo e adora-lo como seu
e servir um s Deus, nosso Senhor !
Permuta o cu que o numero destes vis servos,
destes sacrilegos adoradores do demonio seja me-
nor 1 Mas, ah 1 exclamava a respeito de seu tem-
po S. Cypriano banhado em lagrimas, este escan- .
dalo se ha estendido por toda a christandade, esta ao demonio at o seu cumprimento,
Senhor c seu Deus.
De mais, viera tenta-lo, para sahir da incerteza,
que o atormentava sobre sua divindade ; mas, co-
peste ha envenenado urna innumeravel mullidlo
de almas. Esta indigna apostasia parece ser a con-
digo universal annexa a acquisico de todas as
honras e de todas as dignidades. A ambigo ha
invadido e translornado tudo ; repousa at no cora-
cao dos ungidos do Senhor, onde, sombra "de
um zelo hypocrita e de urna piedade fingida, dor-
mc em toda a seguranza, e tendo urna vez ahi en-
trado por meio da fraude, oceulta-sc c reina como
soberano.
Quantos homens vemos que por obterem um mi-
seravel fumo de gloria mundana, urna dignidade
inmerecida, de livres que eram, vendem-se como
vis escravos, e celebrara cora o demonio o contra-
to que desde ja firma sua vergonhosa escravido?!
FOLHETIM.
i tiLiitjio:
POR
UOBICIOSAJiD.
(Conlinuafao do n." 220.J
Dirigi-mc apressadamente bibliolheca, onde o
marquez jogava com os Srs. de La Chapclaudc, de
\ mceux, e o doutor. Boc sentado aos ps da es-
tatua a contemplava em silencio.
Encarei o Sr. de Mauvesin com affectacao por
alguns instantes: elle fingiu nao reparar. Nesse
interim sinto alguem collocar-me a mao no hom-
bro -, voltei-me: era Fanny, to paluda como a
estatua. Approximei-me d Boc, e pedi-lhc que a
levasse para dansar : ella recusou.
A Sra. qur ficar aqui ? Pois bem fique.
Fui fechar a porta por dentro, e voltei para jun-
to da mesa do jogo.
Desta vez Mauvesin seguiu-mc com os olhos to-
dos os movimentos, c como visse que cu me collo-
cava cm sua frente, perguntou com voz agaslada :
Qur alguma cousa ?
Sr. Duluc de Mauvesin, pcrguntei-Ihe tam-
bem por minha vez, verdade que o senhor aqui
veiu com a intenco de offerecer ainda o seu no-
me a madamoisefle Desormes ?
Se esta a minha intencao, a ningucm tenho
tle dar satisfaces. Entretanto dir-lhe-hei sempre
que ja nao compito com o senhor. E' muito tarde
meu caro I '
Tomei estas ultimas palavras como urna conflr-
macao das calumnias, que ouvira de Fanny e an-
tes que o marquez tivesse tempo de pronunciar
mais urna palavra, appliquei-Ihe na face tamanha
bofetada que elle cahiu sobre a cadeira. Levan-
tou-se mmediatamente, e quiz atirar-se a mim ;
preveni esse intento, e fl-lo rolar aos ps da esta-
tua, que tremeu no seu pedestal.
As testemunuas desta scena, gente pacifica e
prudente, quizerara accommodar o negocio : mas
nao era possivel, e ri-mc depois muito da lembran-
(,-a de Boc, que tratou aquillo de urna simples de-
surenra.
E' muito, senhores! disse eu. Estou dis-
posicao do Sr. marquez.
Amanilla muito cedo, me respondeu elle, e
espada, porque nao quero deixa-io vivo. O Sr.
de La Chapelaude se entender com as testemu-
nhas do senhor sobre o lugar do duello.
Deixei o Sr. de Mauvesin tranquillisar-sc : quan-
to a mim, eslava perfeilamente tranquillo. Dese-
java desde muito tempo adiar urna occasio de
corrigir esse fidalgote, e por isso senti-me como
que alliviado de um peso.
Offereci o braco a Fanny e convdei-a para dan-
sar : nao quiz apenas podia suster-se. Nao obs-
tante levei-a a seu pesar, e fizemos vis a vis a
Marganda.
No flm de um quarto de hora o marquez reappa
receu, anda palhdo, porm j senhor de si. Al
gumas pessoas desconfia rara, e pozerara-se a coi
cinchar olhaudo para mim. Continuei a danzar
com tanto enthusiasmo que Margarida nao teve
menor suspeita.
A ceia foi annunciada; interrompemos as dan
Cas. Fanny sumiu-se; d'ahi a pouco tornou a ap
parecer triste e pensativa, e foi sentar-se com 1
marquez de Mauvesin junto a um aparador, con
versando ambos era voz baixa. Fallariam elles
mea respeito ? E' provavel.
De repente Fanny soltou um grito, e o Sr. di
Mauvesin cahiu nos bracos de Dolin, que ali esta
va por perto. O seu rosto lornara-se lvido, 01
olhos aoertos e fixos como os de um cadver.
O doutor prestou-lhe os sc'us soccorros, e em
pouco tempo o marquez pfo-se em estado de ret
rar-se. La Chapelaude veiu dizer-me baixinho da
sua parte, que fra aquillo um simples accidente]
que o nao prohiba de acbar-se no dia seguinte no
lugar designado pelas testemunhas : onze horas ds
manhaa, espada, no Terrier-Noir, entre os cas-
tellos de Chiz e S. Joao.
Bato-rae d'aqui a duas horas. Margarida o igi
ora. Se me acontecer alguma desgraca, sabe-
lo-ha ja tarde. Kadour te entregar um rolo de
papis em que esto escripias as minhas ultimas
vontades.
Pareeeu-me justo deixar a fortuna, que possuo,
o Christo deu
suas respostas com tanta verdade c sabedoria. que
Satanaz ncllas nada pode descobrir de preciso e
concluidade, e icou em sua perplexidade e incer-
teza.
Ainda mais, diz S. Mximo, depois de tantas ten-
tativas impotentes, o demonio parte cheio de
maiores duvidas e angustias sobre a divindade de
Jess Christo, do que tinha trazido; porquanto
apenas o Salvador disse Vae-te, Satanaz, elle
desappareceu, sem accresccntar urna s palavra.
Que bella victoria! O demonio viu-se entao venci-
do em Jess Christo pelo homem c pelo Deus ao
mesrao tempo.
Vencido pelo homem, calou-se envergohado c
confuso 5 subjugado pela grave palavra de Deus,
aquella que tinha de ser minha esposa; e isto
fiz n'um testamento, que Kadour entregar ao Sr.
Lormond. A' este bravo spahi deixo dez mil fran-
cos em recompensa dos seus servicos, e por ter
sempre mostrado muita affegao a seu infeliz amo.
Dir-lhc-has que seja sempre honrado, senao a mi-
nha sombra lhe vira puxar os ps todas as noutes.
Nao me esqueci de Boc, nem de Dolin, e nem de
Nanniche : a minha morte servir ao menos para
felicitar alguns pobres. Quanto a ti, alm das
minhas armas, deixo-te urna pequea fortuna que
te pego queiras acceitar por amisade a mim.
Adeus, meu amigo I Quantas vezes te disse na
frica esta palavra^ suppondo nao nos vermos
mais I Os adeuses nao azem morrer! Se nao os
supprimo como puerilidades porque elles cimen-
tam a affeiglo. Confesso-te que me peza deixar a
vida smente por tua causa, e por causa de Mar-
garida : mas tenho a conviccao de que nos torna-
remos a ver. Onde ? Nao sei. Entretanto pare-
ce-me que nao morrerei hoje !
Ora adeus! nao se morre, transmigra-se, e a
morte a passagem de urna para outra vida...Res-
ponderam-me agoraS/ffiem voz muito baixa,
mas to distincta que voltei-me. Ninguem est
na bibliotheca, onde te escrevo; salvo se foi a es
tata que fallou, o que inverosmil I...
Nao estou presentemente com o espirito propen
so a supersticao : sinto-me tranquillo e cheio de
Adeus! e de qualquer maneira que sejax ou
tra vista I "
Teu amigo para sempre
Marcos.
Mareos i Margarida.
5 doutubro de 18o2.
Quando receberes esta carta, j nao existirei
E' Intil d.zer-te que s levo o pm toSES
me de ti por algum tempo, pois nos havemos de
encontrar algures, como ja nos encontramos 1
O nosso amor nao data de dous aunos, o nao Bo-
de acabar assim I E' urna ausencia que facn
nada mais. A alma nao s immortal eterna
tambem. e eierna
Coragem I pensa em mim, o diz todos os dias a
proporcao que avancares no caminho da vida
E mais um dia que me approxima d'aaucll
que me amava mais do que a si mesmo I
Esses ricos sensuaes, ambiciosos,
avaros e crueis, que nadaran mis delicias e honras
do mundo, nao tem em sua morte outra companhia
que urna legio de demonios, que os arrastrara ao in-
ferno ; ao passo que os pobres Lazaros, que pas-
sam sua vida no mundo, mas despresados por elle
. -----, -- ------- .. uiuuuv, mu uc.piejauus por ene
mo Deus havia decretado, que a economa do mys- afflictos por todos os gneros de privacoes tenia
terio da Redempcao do homem devia ficar oceulta cocs e pravas da parte do demonio e sonscente*
pirada pela beneficencia e humanidade, procura
toda a fehcidade possivel para aquelles que as de-
sigualdades da sorte foream-a ahi procurar um
asylo.
Todos os estabelecimentos destenero na Ame-
rica, sao sustentados pelo estado otreom seus soc-
corros, c quando poden. dispensa-Ios, estao ainda
sob sua direccao, porque sao realmente institui-
coes publicas, instituieoes do estado.
No meu entender isto de maior vantagem pos-
sivel ; urna inslituico nacional muito preferivel
a urna instituido particular, por mais magnfica-
mente que esta seja dotada.
Na Inglaterra depois de alguns annos, o gover-
no affecta manifestar um vivo interesse pela gran-
de massa do povo e a rcconhece-lo emflm um com-
posto de creaturas suseeptiveis de apcrfeicoamcn-
to ; mas at ao presente a caridade privada tem
quasi s substituido o governo quando se faz nc-
cessario providenciar sobre o alivio e consolacao
dos pobres e dos afflictos. Qual o resultado ?
O governo do paiz Picando estranho a tantos actos
de beneficencia que honram o carcter inglez,
nao tem a reclamar sua parte no reconhecimento
que estes actos mcrecem. A elle as casas de cor-
receo, a elle as priscs, sao estes os seus asylos.
Assim, nsturahncnte, o pobre olha o governo an-
tes como um senhor severo, prompto a corrigir, e
o punir, que como um protector misericordioso c
vigilante na hora de snas necessidades.
A instituieao Perkins (asylos dos cegos cm Bos-
ton) e administrada por urna ueta, que apresenfa
todos os annos um relatorio a sociedade que ella
representa.
Oscegos indigentes do estado de Massachusset
ahi sao admittidos gratuitamente, os do estado vi-
zinho, 0 Connccticut, os do Maine, deVermontou
de New-Hampshire tem necessidade de um wat-
rom ou mandado de admisso de estado a que
pertcncem, seno sua familia de ve fbrnecer urna
lianca para o pagamento de perto de vinto libras
slerlinas de Inglaterra (1805000) no primeiro an-
uo, e de dez no segundo.
No fim do primeiro anuo ahrc-se urna conta cor-
rente a cada alumno ceg, que deve o preco de sua
pensao, mas este preco nao pode exceder nunca,
cm caso algum a dous dollars (i000) por semana
c o alumno acreditado pelo excedente da somma
paga por elle pela sua provincia ou na familia,
assim como os lucros que sobrar de seu sustento,
de maneira que possa ter tudo o que ganhar ci-
ma de um dollar por cada semana.
Desde o terceire anno sabe-se, se elle est cm
estado de pagar a sua penslo e entao se lhe d a
escotha de sahir da casa, ou de ahi ficar receben-
do o preco de seu trabalho. Aquelles que nao po-
dem ganhar sua vida nao sao conservados porque
nao conveniente que o estabeleeimento seja con-
vertido em hospicio gratuito ; desei-se que elle
seja um cortico onde nao haja senao abelhas tra-
balhadoras.
A iacapacidade physica, ou intellectual exelue
pois desta communidade industriosa os desgrana-
dos que melhor enllocados ficariam nos asylos pa-
ra invlidos. Tal o estatuto, taes sao pouco mais
ou menos os termos do relatorio annual que li.
Fui visitar esta casa n'uma bella manhaa de in-
vern. O cu estava azul como o cu da Italia :
o ar lmpido e briHiantc de todos os lados promet-
tia a meus olhos, que nao sao dos melhores,dis-
tinguir as linhas eos contornos das construc;5es
longiquas. Como a maior parte dos estabeleci-
mentos de caridade da America, este est a urna
ou duas milhas dacidade em um sitio sadio e agra-
davet: o edificio elegante, vasto, bem arejado se
eleva sobre urna altura donde a vista domina a
babfki Parei um momento a porta, e contemplei
esta risonha perspectiva; as vagas faiscavam de
luz, porque o mar era puro e brilhante como o
cu : una s nuvem anpareeia neste vasto qua-
dro de azul, e era a vela branca de um navio que
fazia esta maneha nica no horisonte. De repen-
te meus olhos encontrados descobriram perto de
mim um menino ceg que elle tambem, voltava
para o mar seus olhos immoveis como se houvesse
nelle alguma consciencia doste glorioso espect-
culo. Oh experimentei mmediatamente urna
especie de pezar de estar cercado de tantos es-
plendores, quererla para este desgracado qne o
dia fosse menos luminoso ; s.-nsacao indcfinivcl,
estranha e passageira sem duvida, mas bem real !
Os iovens cegos estavam oceupados em seus
trabamos diarios as diversas salas, excepto alguns
j em reercio, e que brincavam entre si. Aqni
como as instituieoes americanas geralmentc nao
ha uniforme : Dquei satisfeito c por duas razies.
rpida e naturalmente, ainda que ahi se note tam-
bem esta outra expressSo de mquietacao que os
caraetensa a todos, bastante semelhante a que des-
cubriramos sobrejnossas proprlas feicdes, se po-
dessemos nos ver procurando nosso rumo s apal-
padlas as trevas. Ah I se em um salo de bai-
le ou urna recepcao da corte chegassemos de re-
pente a esquecer que nos observavam..... quan-
tos secretos pensamenlos se trahiriam em nossos
oitios, e como coraramos de sua habitual
cnsia !
hypo-
Tal foi a reflexao que me surprehendeu emqnan-
to eslava oceupado em urna outra sala contem-
plar urna joven rapariga, ao mesmo tempo, eca,
surda e muda, privada do olfato, privada quasi do
gosto.... alias bella, dotada de tod3s as facnlda-
oes humanas, capaz de esperar, de amar.. .. De-
licada creatura que nao tinha seno um s senti-
do ... o tacto; ella estava diante de mim, mora-
da de alguma sorte em urna cellula de raarmore.
irapermeavel a lodo tomo de luz e a toda partcula
de som; me aflgurava sua mao apalpando para
encontrar urna saluda, e fazendo signal carida-
de que havia la urna alma immortal a revelar-se.
Ah desde muito tempo j a caridade tinha rin-
do. .. grac.as a ella, esta phvsionomia estava ra-
diante de intelligencia e de prazer. Sim, por seu
carcter, por sua forma graciosa e sua fronte abor-
ta, esta cabera exprima admiravelmente urna ca-
pacuiade de primeira ordem : a pobre cga rinha
entrancado os seus cabellos com suas proprias
niaos, seus vestidos, arranjados tambem por ella
otrereciam um modelo deaeccio e dcsimplicidade:
a seu lado estava a meia que ella tecla, e sobre
urna estante o livro-diario onde esereria o que nio
poda dizer.
Deploravel ruina de urna creatura humana d'on-
rte tinha saludo lentamente este ente affavcl, terno,
alegre e reconhecidof
Como os outros cgos do estabeleeimento ella
tinha urna lita verde a roda dos olhos. seusp^
estava urna boneca vestida por ella. Levantei-a
do chao, c vi que ella lhe tinha feito nm bando
verde semelhante ao sea e que lhe fnba atado so-
bre seus olhos posticos.
Estava asseniada em ama especie de banco for-
mado |ielas extantes dos alumnos, e ahi escrevia
seu jornal quotidiano. Mas tendo logo acabado es-
ta torera, empenhou urna eonversacao animada
com urna das proressora assentada o lado della.
bra sua mestra bem amada, pessoa de urna encan-
tadora figura, e que amara mais anda, estou cer-
to disso,se podesse viMa.
Extrah alguns fragmentos de sua historia, tal
como foi escripto pelo homem a quem ella devia o
que se tinha tornado hoje, narracao tocante, que
lastimo nao transcrever inteiramente.
Laura Bridgman ( seu nome) nasceu cm Hano-
ver, New-Hampoire, a 23 de dezerabro de 18 ti-
nha vindo-ao mundo bonito, com bellos olhos azues,
mas tao pequea, to delicada at aedade de ISme-
zes,quc seus paes nao esperavam iuasi cria-la. Era
sujeita a convulsoes, cuios accessos abalavam hor-
rivclmente esta dbil e traca machina, onde a vida
pareca presa apenas por um fie. A um anno c
meio de edade, parecen tomar foscas; os svmpto-
mas do mal se acalmaram e a 20 mezes estava per-
feitamente boa.
Ento-se desenvolveram rpidamente suas facul-
dades menta es que tinham at agora ficad. ador-
mecidas ; durante os quatro mezes de sade de
que elia gozou mostrou (a crer-se o relatorio de
urna mae talvez parcial) urna intelligencia muito
notavel.
Mas de repente eahiu outra vez doente, e duran-
te cinco semanas a violencia do mal foi tcrrivel,
seus olhos, c seus ouvidos inftaramaram-se, depois
suppozeram, e ella- perdeu pana sempre a vista e o
ouvido; nao se detiveram ai as dores desta po-
bre crianca, a febre durou sote semanas ainda :
conservaram-na no leito durante cinco me-
zes ara la cm urna cmara obscura. Passou-se um
anno inteiro sem que podesse andar sem
apoio; e dous annos antes que se podesse s con-
servar em p. Entao, noteu-se ainda a perda de
seu olfacto, e por consegrante seu sentido do gosto
quasi todo extincto.
S na edade de quatra annos fot que a sade
physica de Laura Bridgraan parece restablecida.
e que pode eomecar seu triste tirocinio da vida do
mundo.
Mas qual era a sua situacao ao redor della a.
noute e o silencio do tmulo : o sorriso de urna.
a. mae nao despertova seu sorriso de crianca -, a voz-
Primciramentc porque estou certo que preciso de um pae nao lhe ensinava a repetir ests primei?
toda a for^a do habito e a ausencia da reftexao ras palavras tao doces aocoracjkx..
para nos reconciliar com estas libres servis de Pae, mae, irmaos, irraas nao. eram para ella se-
que tante nos ufanamos na Inglaterra
porque tal como elle se aprsenla ao
sua temperatura, pela
sao em sua morte cercados d'anjos, e transporta-
dos ao seio de Deus I Oh meus irmaos, abramos
nossos corases alegra firmemos a nossa cora-
gem ; lutemos como valorosos combatontes lute-
raos sempre contra os appetites carnaes, contra as
vaidades do mundo, contra as seduccoes das rique-
zas e das honras, com o que Satanaz faz-nos urna
guerra continuada. A briga tcrrivel, o combate
violento ; mas, o mrito c o triumpho sao grandes,
as consolacoes ineffaveis, a gloria immensa, e a re-
compensa eterna. Amen.
Laura Bridgman.
Os estabelecimentos pblicos, c as fundacoes
philantropicas de Boston me pareceram muito pr-
ximas perfeicao. Urna adminislraco sabia, ins-
Se tiveres necessidade de urna pessoa dedicada
a toda a prava, dirige-te ao men amigo Cadanet,
de quem te fallei tontos vezes : o meu velho Pv-
lades 1 '
Adeus, minha muito amada, minha esposa que-
rida I So levo saudades de ti, e dellc.o mais pou-
co vale I Adeus l...e coragem!...
Marcos.
Jornal de Marcos.
C d'oulublo.
Terminadas as duas cartas de despedida a mi-
nha noiva e ao meu amigo, montei a cavallo.
Em quanto me diriga ao sitio aprasado para o
duello, flava a Kadour, que rae segua, as minhas
ordens e instruccoes no sentido de serem entregues
as ditas cartas, regulados os meus negocios em S.
Joao, podendo depois elle partir para a frica no
caso de que eu suecumbisse.
Kadour me respondeu :
Em quanto Sidi bater-se, eu orar por Sidi!
Allah grande I Allah amar os spahis!
Por muito absorvido que estivesse nos meus pen-
samentos, nao pode deixar de rir dessa proteccao
divina concedida especialmente aos spahis!
Receei chegar um pouco tarde; entretanto ainda
l nao estava o meu adversario. As uas testemu-
nhas o doutor Thibaut e La Chapelaude. conversa-
vara com Ral. Quanto a Boc, com as mos met-
tidas as algiberas, comecava a impacientar-se.
Senhores, lhes disse eu, desculpem-me o ter-
lhes feito esperar. Mas onde estao as espadas ?
Cabia-nos a escolha das armas, respondeu
seccamente o Sr. de La Chapelaude, e nos decidi-
mos pela pistola.
Como qmzerem, repliquei um pouco offendi-
do com esse tom pedantesco. Smente lhesadvir-
io de urna cousa : a pistola arma que pode fa-
llar, e afflanjo-lhes, senhores, que eu quero um
duello de morte. O Sr. de Mauvesin esbofeteado
nio pode ser de outro parecer!
O nosso alilhado foi o offendido, c cabe-lhe
por isto o direito de atirar primeiro, tornou o ho-
mnculo com emphase.
| Senhor, disse o doutor dirigindo-se a Ral,
i aqui se acham duas testemunhas em desaccordo.
Nao sei o que tem esta manhaa o Sr. de La Chape-
laude, o caso que est muito mortificado! Acho
I singular que de seu motu proprio mude a escolha
sem monotomo e desagradavel vestuario, cada
menino nada perde da independencia de seu carc-
ter individual. Outra eonsiderac3o importante :
julgo muito til que se procure* inspirar mes-
mo entre os cegos um pouco de garridice inno-
cente pela emulacao de trajar, e declaro absur-
dos aquelles que consideram a caridade e os cal-
cos de couro de nossos hospicios em Inglaterra,
como inteiramente inseparaveis.
Admirci a boa ordem, o accio e o confortare!
desta casa. As diversas chisses reunidas a roda
de seus professores, respondiam as perguntas com
promptidao, com intelligencia e a vivacidade da
emulacao : quanto aquelles que brincavam esta-
vam alegres e expansivos, como os outros meninos
dasuaidade. Amizades affectuosas pareciam exis-
tir entre elles; porque urna das compensacoes
da desgraca daquelles que soffrem juntos, o poder
amar-se c consolarse mutuamente. Assim o tem
querido a providencia dos afflictos.
Em urna parle da casa consagrada especialmen-
te a este uso estao as offlcinas para os cgos cuja
educarlo est acabada, e que tendo adquirido um
officio nao poderiam exerce-lo em urna manufac-
tura ordinaria por causa de sua cegueira. Havia
ahi muitos no trabalho, fazendo eolehoes, escovas,
etc., etc. Nesta divisan do estabeleeimento, como
em todos os outros, reinavam ainda a alegra, a
actlvidade c a boa ordem.
Ao signal de um sino todos os alumnos se reu-
nirn sem guia ou sem chefe em urna espacosa
sala de msica onde tomaram lugar era rana or-
chesta para escutar um cgo que tocou orgo. Era
elle um mancebo de dezenove a vinte annos, que
depois cedeu o lugar urna menina; esta arom-
panhou o canto geral e depois urna especie de co-
ro. Era slguma cousa triste v-los e ouvi-los por
mais feliz que fosse relativamente sua condicijao:
apercebi a meu lado urna joven cga que privada
por urna doenQa passageira do uso de seus mem-
bros, levantava a cabega para os cantores e chora-
va silenciosamente.
E' curioso examinar a phisionomia dos cgos, c
reconhecer com que liberdade franca ella expri-
me tudo o que se passa em sua alma expontanea,
; segundo nao corpos materiaes que resistiam ao tocar, mas
visitante, nao differiam quasi dos movis da casa seno.por
facultlade de locomoco e
sob esto relacao nao differiam em nada do co e
gato.
Mas a alma immortal prisioneira nesta materia
surda c cega, nao podia morrer nem ser mutilada,
anda que quasi todos os meios de commenaco
cora o mundo lhe fossera cortados, procusava ma-
nifestarle ainda. Logo que Laura pode andar, co-
meeou a explorar o quarto, e depois a casa, fa-
nnliarisou-se com a forma, a densidade, o peso, e
os graus de calor ou de fri de todos os objectos
sobre os quaes chegava a por as mos.
Segua sua mae em suas oceupaces domestica-,
apalpando suas raaos c seus bracos ; sua disposi-
cao imitativa lhe fazia repetir ella njesrna todos os
seus movimentos e aprendeu racsao.a coser e a te-
ccr meias un pouco.
Precisa d#izer-se no entonto que todas estas oca-
sies de communicar mesmo som sua mae eiam
muito limitadas, eque nao tardou era reconheeoro
elfeito moral de sua desgracada situacao! Aquelles
a quera a razo nao pode esclarecer nao saberiam
conduzir-se seno pela forra, e esta necessidade-
reunida privarlo dos quatros principaes sentido^
devia logo reduzir Laura Bridgman a um estad..
peior do que o dos animaes, que perecen se- nm
soccorro raexperado nao chega a proposite para
prolongar sua existencia.
Foi nesta poca rgue seu primeiro instructor, o
Dr. Howe, tendo ouvido fallar della se apressou em
ir a Hanover para v-la. Eu encontrei-a, diz
elle, cora um corpo bem formado com um tempe-
ramento sanguneo nervoso muitcnotavel, urna ta-
boca forte e bella, boa alias, e sempre com sade.
Seus paes se decidiraui" fcilmente a conduzi-la a
Boston, e ella ahi chegou a \ de outnbro de i&t*.
t Durante algum tempo ficou como aturdida :
esperei duas semanas para que ella fizesse conhe-
cimento com sua nova habitaco, e com as pessoas
que a cercavam, para experimentar cusinar-lhe os
signaos arbitrarios por meio ns mM itnoirh
seus pensamentos, com noseo.
por meio dos quaes troeari
(Continuar-se-haj
das armas : hontem noute tinhamos combinado
que o duello seria ferro fri.
Eu voto pela espada exclamou Boc.
Eu tambem, accrescentou Ral.
E tres, replicou o doutor. Tenho horror s
feridas produzidas por armas de fogo A gente
nao sabe as vezes como se haver, pois apresentam I
casos bem singulares! Demais a arma propria
dos desastrados.
O Sr. Adalberto decidir, observou La Cha-
pelaude, j que os seus dous padrinhos nao con-
cordara, contra o costume elle ter voz deliberati-
va. Mas porque se demora tanto ? Sao onze horas
e meia, e eu nao almocei ainda.
Olhe, preciso tomar as suas precauees,
disse o doutor, seno vae a emmagrecer.
Nao tenha recetes, doutor, que aquella massa
diminua I
Sr. de Vinceux I exclamou La Chapelaude
colrico. O senhor ha de acabar por exarcerbar-
rae com os seus gracejos I Retiro-me j.
Perguntei-lhe se tomava aquelle encontr por
urna zombaria. O meu adversario nao se apresen-
tava, e urna das suas testemunhas se retirava sob
o pretexto de estar com fome! Disse-lhe mais que
nao me accommodava com aquelle desenlace, e
que havia de bater-me com o Sr. de Mauvesin,
fosse l quando fosse.
Ouca, Sr. Valery, o os senhores tambem. re-
plicou o doutor dirigindo-se mim e as minhas
duas testemunhas com alguma solemnidade. Nos
lhes parecemos ridiculos, nao verdade ? Os se-
nhores recciam que o drama degenere em come-
Sy"-.l>ois de minna par1e nao creio na possi-
bihdade do duello, pelp menos hoje: estou mesmo
a espera que me venham chamar para acudir um
caso grave em Chiz. Para l conduzi o marquez
esta noute, depois da syncope violento, que os se-
ntares presenciaram, e quando apeou-se do carro
achava-se ainda muito mal. Fiquei ao seu lado at
as seis horas da manhaa, e nao me foi possivel
conseguir del le que adiasse o duello. Ha de vir,
tenham certeza diste, ha de vir ou morte ou vivo,
salvo se me vierem prevenir de que elle se acha
sem sentidos. ..
O doutor fallou rom tanto seriedade que nao era
possivel duvidar-se. Alm disto nao era amigo inti-
mo do marquez, e nem tinha a intencao de appel-
lar para a minha generosidade.
Ral, que estova sempre disposto a gracejar at
mesmo nos casos mais serios, perguntou ao dou-
tor se o Sr. do Mauvesin soffria realmente alguma
molestia, ou se adoccera dos ervos I La Chape-
laude ia repellir o gracejo ; o doutor porm adian-
tou-se, c com o sangue fri, que o caracterisa
respondeu:
O Sr. de Mauvesin tem dado mil pravas de
valenta cora os animaes ferozes das nossas flores-
tas. O Sr. Valery, que j o viu matar um javali
sabe muito bem se elle pouco destro I E m le-
iravel picador montado a cavallo, um destituido em
carruagem Porm ha exemplos de homens as-
sim bravos quo so espantam perante a idea dessa
cousa severa c estpidamente cruel a que chamara
duello. Por mim confesso que fiz quanto pode pa-
ra dissuadi-lo o nada consegu 5 logo a vontode
nelle mais forte do que a commoclo, se quo a
teve Tudo isto era resposta pergunta do Sr
do Mnceux. .
Pode acrescentar. tornou La Chapelaude
que o Sr. de Mauvesin j se bateu em duello, e
raatou o seu adversaria A cousa nao foi to oc-
eulta que o Sr. de Vinceux a ignore I
Nao razo suficiente, objectou ainda o ira-
passivel doutor ; a commoco pode ser forte, ata-
car os ervos, mas nao paralvsar a vontode, como
J Uve a honra de demonstrar. Mas, senhores,
acrediteni, no caso presente o marquez est aa
realidado enfermo, e seriamente talvez : q mal
sbito, que o accommetteu, aprsenla alguns c;
racteres de un pequeo ataque de clera. Tal.
vez em S. Joao, onde faz muito calor, tivesse usa-
do de algumas bebidas refrigerantes : ha terone-
ramentos que nopodem supportaras bebidas he-
ladas. Emuma palavra, affianoo-lhes que elle
esto padecendo. ^
Esperemos ainda, senhores, esperemos o
tempo que fr possivel, Ihos disse eu. Seo Sr de
Mauvesin se acha em estado de rir at aonL *n
contrar-me-ha sua disposicao, ou o duelfotenha
ugar mmediatamente, oa seja espacado para ou-
tro din.
(Contvmar-se-ka.)




A

'-
--
PERNAMBl'CO.- TYP. Ufi M F.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYE6JTE3J_DIEU6O INGEST_TIME 2013-08-28T03:40:25Z PACKAGE AA00011611_10201
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES