Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10198


This item is only available as the following downloads:


Full Text
1
_
^
AMO XXXIX NUMERO 218.
Ptr tres mezes achantados
Por (res mezes vencidos .
5S000
6$O00

FEIRA U DE SETEMBRQ
Po? ano adiantado. ... 19$00O
Porte para o subscriptor; 3JJ0O0
DIARIO DE PERNAMBUCO.
ENCARREGADOS DA SUBSCRD?gO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Amonio Alexandrino de Lima'
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Araeatv, o
Sr.A.de Leraos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Ohveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL.
Alagdas o Sr. Claudino Faleao Dias: Baha, o
Sr. Jos Martms Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martms 4 Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Antao, Gravat, Bczerros, Bonito, Caruaru',
Altinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas feiras.
Sennhem, Rio Pormoso, Tamandar, Una, Barrci-
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
Ilha de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao '/da.
EPHEMERIDES DO MEZ DE SETEMBRO.
4 Quarto ming. as 9 h., 44 m. e 2 s. da t.
13 La nova as i h., 16 m. e 38 s. da m.
20 Quarto cresc. as 10 h., 8 m. e 2 s. da m.
27 La cheia as 2 h., 37 m. e 2 s. da m. .
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 11 horas e 42 minutos da manha.
Segunda as 12 horas e 6 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Fara o sul at Alagdas a e 25; para o norte at
v,ra"'a a e 22 de cada mez; para Fernando nos
oas 14 aos mezes dejan, marc., maio, jul, seL enov.
B PARTIDA DOS MNIBUS.
rara o Recife : do Apipucos s 6 '/,, 7, 7 A, 8 e
SffijSfi; d?,0'n i m ^ *n6 d?m-5 d0 Gaxange Vanea s 7
ni,de ^mfca s 8 da ra.
uo Recife : para o Apipucos s 3i/,, 4, 4 'A, 4 'A,
minh. \ (', e,6 da trde! Dara 0linda as 7da
nf en 3 da tarde I P3 Jaboatao s 4 da tar-
Rpm^ara- cfJnana e Varzea s 4 '/ da tarde; para
uemica as 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TRTBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relago: tersas e satinados s 10 horas.
Fazenda: quinta s tO horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tergas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civei: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
PARTE OFFICIAL.
DIAS DA SEMANA.
21. Segunda. S. Matheus ap. c evang,
22. Terca. S, Mauricio m.; S. Santinob.
23. Quarta. S. Lino p. ni.; S. Tecla v. m.
24. Quinta. N. Senhora das Mcrcs.
23. Sexta. S. Justina v. m.; S. Calistrato m.
26. Sabbado. S. Cleophas; S. Firmino b.
27. Domingo. Se. Cosme e Damio.irs. mm.
ASSIGNA-SE
no Recife, em a livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Figaeiroa d
Faria k Fklho.
GOTOO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 21 de setembro de 1863. *
Oflicio ao brigadeiro commandante das armas.
Fica approvado o contrato que V. Exc, segundo o
lermo annexo por copia ao seu oflicio n. 1,739 de
19 do corrente, celebrou com o padre Manoel de
Sant'Anna Luz, para exercer as funecoes do seu
ministerio na qualidade de capellao do hospital mi-
liiar e das enfermaras filles.
Dito ao mesmo.Remctto inclusas V. Exc.
para torera o conveniente destino as relacoes de
alteragoes occorridas com os militares aque'allude
a nota do ajudante general do exercito constante
da copia junta
Dito ao mesmo.Com a inclusa copla do oflicio
dojuiz municipal supplente de Villa Bella, de 14
de agosto ultimo, respondo ao que V. Exc. me di-
rigi sob n. 1,364 solicitando a remessa do auto de
inquiricao de lestemunhas sobre a fuga do crimi-
noso Flix Alexandre de Castro.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. Exc. de informar
acerca do que pede o sentenciado Joaquim Jos
Leandro no incluso requerimento.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Recife.Em deferimento ao requerimento
do lente cirurgio da guarda nacional da Para-
hyba Justino Jos de Souza Campos, autoriso V.
Exc. a mandar aggrega-lo ao 3o batalho de infan-
taria da (ruarda nacional sob seu commando supe-
rior, visto que est residindo no respectivo dis-
tricto e satstez as disposiedes do art. 45 do decre-
to n. 1,130 de 12 de marco de 1833, segundo V.
Exc. informou em offlcio de 19 do corrente.
Dito ao cnsul inglez.Em additamento ao meu
offlcio de 2i de agosto ultimo, remeti inclusas por
copia, ao Sr. G. S. Lenon Hunt cnsul de Inglater-
ra nesta provincia, as informagoes ltimamente
ministradas pela repartico da polica relativamen-
te a apprehensao dos objectos roubados ao subdito
Jlobert b. Eaton.Repovo ao mesmo Sr. cnsul os
meus protestos de estima e consideracao.
Dito ao Dr. chefe de polica.Ao offlcio de V. S.
de 28 de agosto prximo lindo, respondo dizen-
do-lhc que tendo sido revogada pelo art 45 da lei
provincial n. 510, a autorisacao concedida presi-
dencia pela lei n. 387 de 27 dejunho de 1856, para
reforma do regulamento da casa de detencao, s a
assembla legislativa provincial cabe resolver so-
bre o qu-.> propoz o administrador daquelle estabe-
Iecimento em offlcio por copia junto ao de V. S.
cima citado; pelo que convm que em occasio
oppertuna lembre ao dito administrador essa medi-
da para ser proposta a mesma assembla.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Declaro a \. S. para seu conhecimento e fin
conveniente, que por despacho desla data e em
vista de sua informago de 16 do corrente sob n.
4o9, indefen a petigo em que Claudio Dubeux re-
correu para esta presidencia da decisao dessa the-
souraria pela qual julgou bem conectada a cochei-
ra em que o supplicante recolhe os seus mnibus'
na povoagao de Apipucos.
Dito ao director do arsenal de guerra.Respon-
do ao offlcio que V. S. me dirigi em 11 do corren-
te, sob n. 89, remettendo-lhe por copia a informa-
do ministrada pelo inspector do arsenal de mari-
iiha em 16 deste mez, acerca do cabo velho de que
necessita esse arsenal para tacos de pera.
Dito ao director das obras militares.Recom-
mendo V. S. que sem demora mande fazer com
urgencia os rncenos de que necessita o chafariz
do quarlel do 2 batalho de infamara, afim de que
d a agua necessaria para o consumo do mesmo '
batalho, tendo em vista oque j foi V. S. autorisa- i
do para isso por offlcio de 19 de agosto ultimo.
Dito ao mesmo.A' vista do offlcio n. 1,662 do
brigadeiro commandante das armas, constante da
copia junla, entenda-se V. S. com os gerentes da
companhia de illuminacao gaz, e exiga que se
facam com urgencia os concertos necessanos ao
encanamento da illuminacao do quarlel do corpo i
de guarnicao afim de despparecerem as faltas so-;
bre que representa o mesmo brigadeiro.
Dito ao mesmo.Promova V. S. na forma do
regularnenlo de 18 de julho de 1856 a execugao do;
acrescimo e reedilicagao do muro do qtiartel do 2o
batalho de infamara cerlo de que para esse fim
fica approvado o orramento queV. S. me apresentou
eom o seu oflicio n. 165 de 31 de agosto ultimo.
Dito ao commandante do corpo de policia.Pelo'
seu oflicio n. 385 desla data, fiquei intirado de ter!
o soldado do corpo sob seu commando Antonio j
Luiz de /Jidrade, concluido seu engajamenlo e:
contratado novo depois de julgado para isso
apto.
Dito ao commandante superior d Pao d'Alho.
Deferindo o requerimento do capitao da 21 compa-
nhia do batalho n. 17 de infantaria da guarda na-
cional sob seu commando superior Antonio Vicen-
te Maria de Araujo, o autoriso a mandar passar-lhe
a guia do que trata o art. 43 do decreto n. 1,130
de 12 de margo de 1853 visto ter elle transferido a
sua residencia para o dislricto do batalho n. 16
da mesma arma.
Dito ao commandante superior da Boa-Vista.
Dou solugo a consulta fcita por V. S. em data de
6 de junho ultimo, declarando que, na falta de ma-
'or para substituir o commandante do batalho n.
,7 de infantaria da guarda nacional desse munici-
pio, deve o commando recahir interinamente na
forma do artigo 18 do decreto n. 1334 de 6 de abril
de 1854, sobre o capitao mais antigo do batalho,
observando-se a disposigao do artigo 16 da lei n.
602 de 19 de setembro de 1850.
Dito ao director geral da instruegao publica.
Em vista do que informou V. S. em offlcio de 18 do
corrente, sobre o que requerou Veriato Sergio de
Moura Mattos.oppostor ascadeiras do Curso Com-
mercial Pernambucano, designo o referido Veriato
para reger interinamente a terceira cadoira do
mesmo curso durante os oito dias de licenga que
obteve o respectivo professor: devendo V. S. todas
as vezes que esliverem impedidos porqualquer mo-
tivo os professores cathedraticos daquelle cstabele-
ciraento, designar um dos oppositores para substi-
tuir a eadeira, cujo professor achar-se fra della.
Dito ao juiz de direilo de Goianna.Transmiti
\ me. para seu conhecimento, e afim de que faga
constar ao tabelhao e escrivao dessa comarca, Ma-
noel Joaquim de Faria Braga, copia do aviso expe-
dido pelo ministerio da jusliga em 3 do corrente,
com referencia ao sello do livro de rol dos culpa-
dos d'aquelle escrivao.
Dito ao gerente da companhia Pernambucana.
Pode Vmc. fazer seguir para os portes do norte
at o Cear o vapor Mamanguape, no dia e hora
indicado em seu offlcio de 19 do corrente.
Portarid.) presidente da provincia, attenden-
do ao que requereu Francisco Antonio de Almei-
da, arrematante dos reparos da estrada do norte,
resolve de conformidade com a informagao minis-
trada a este respeito pelo director da repartico
das obras publicas, em 21 de agosto ultimo, e sob
n. 164, prorogar por mais trinla dias o prazo con-
cedido ao predito arrematante para a conclusao
das obras do seu contrato, a contar do dia em que
se findou a prorogago que obteve ltimamente.
Dita.O presidente da provincia, attendendo ao
gue requereu o bacharel Felisbino de Mendonga
Vasconcellos, juiz municipal e de orphaos do ter-
mo de Barreiros, resolve conceder-lhe dez dias de
licenca com vencimentos na forma da lei, para tra-
tar de sua sade nesta capital.
Dita.Os Srs. agentes aa companhia brasileira
ele paquetes a vapor, mandem dar transporte a r
(>ara a corte por conta do ministerio da guerra, no
vapor que se espera do norte a Francisco de Paula
Ferro Trant, que teve balxa do servigo na quali-
dade de primeira cadete primeira sargento do se-
gundo batalho de infantaria.
Dita.O Sr. gerente da companhia Pernambu-
cano de navegagao costeira, faga transportar por
conta do ministerio da guerra no primeira vapor
que seguir para o presidio de Fernando, dous vo-
lumes contendo fardamento e 79 colxSes destina-
dos aos destacamentos de primeira linha existen-
tes no mesmo presidio.
Despachos do dia 21 de setembro de 1S63.
Reauerimentos.
Antonio Vicente Maria de Araujo.Dirija-se ao
Sr. commandante superior da guarda nacional do
municipio de Pao d'Alho.
Claudio Duboux.Em vista da lei nao tem lugar
o que pede o supplicante.
Bacharel Felisbino de Mendonga Vasconcellos.
Passe portara concedendo a licenga requerida.
Bacharel Jos Rodrigues do Passo.Informe o
Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Joao d'Andrade Lima e outro.Requeira pelos
canaes competentes.
EXTERIOR.
A abertura do istlinio de Suez.
II
As prevengoes que se haviara manifestado e as
hostilidades que da parte da Gra-Bretanha se ti-
nham rompido formalmente contra o projecto do
canal martimo, entre os dous mares que banham
o Egypto, comegaram a dissipar-se perante a ener
a sua largura definitiva, existe perfeitamente de-
limitado por diques, levantados com as trras pro-
venientes dos deatterros executados. Falta ape-
nas altear e consolidar algumas porgues dos diqnes
e proceder a aterras e desaterros nos pontos onde
o terfeno natural se acha ser maisou menos eleva-
do cima do nivel do mar. Executados estes lti-
mos trabalbos ficar perfeitamente construida a
primeira secgo do canal martimo, com urna lar-
gura de 58 metros e na extenslo de 62 kilmetros
finn0tSra0,and0"Se en,rC M homens a|g"HS
n m raoslrava-sc commovida c chorava.
ten* Za res das ruas> Pr onde Passava o en-
mmnVc!P):ain as varandas. e participavam dos
1S HQem,mentos- P3'38 a meia voz> e como
m.oiio um ^Pe"0. recordavara as virtudes da-
F m ^Ue lant0 P01"ellasso hav'arecommendado.
via e ouvI?aUmraamente imDressionado con o 1 | Agripino Theodoro de Santa Anna, Pernambuco,
Desfilan um. f.._____ i9 annos- s0""1-0. Boa-Vista ; tubrculo pulmo-
, esniaNa.apoz retro um magnifico carro fu- nar.
de' Rita Eduvrges deCarvalho, 37anuos, solteira,
i S. Antonio ; thysiea pulmonar.
| Jos, Pernamlxico, 5 mezes, S. Jos" ; inte-
. rite
Affonso, 3 mezes, S. Jos ; espasmo.
Francisco, Pernambuco^ 7 annos, Boa-Vista ;
espasmo.
mteiramente isnlado no meio dos lagos Ballah e I J^SJ^g^K n7gr'oTr=to^0-" | ""ursu a Maria da Conceigo, Pernambuco, 33 an-
Na parte novamente emprehendida do canal ma-; susfinhalnlt^fjala de vetadoI^SlTS^ DS' SllC'ra' ^'^; llSCa pU'monar-
n..mo entre o lago Timsah e a chapada^de lous-, fico ^Sff^^WeJStt ^ ~
ln,Llt^ 2sAeviam. ocupar, prefenram Boa-Vista ; hypetrophia nocraco.
Pernambuco, 60
umbelicar.
nos, solteira, es-
cravo, Recife; cougestao encephalica.
corpo
Mas
iu, cusiruio-se as margens ao ta-, Mas, quem era, comnadro esse nne tantis la serv.co com dous_mil e quinhentos! mas fazia derram'ar 7po^ quera'S raunira^o
sao. Este canal destinado a tor- crescido numero de nes^L lZ? ^TSSLZ?
soum, o canal
prfuandffi%aee2inni^raKtri
diterraneo.
tam urna
Para ligar
termina em Ismaiua, com o canal martimo que
vem de Porto-Said, construio-se as margens do la-
go um canal de ser~*
metros de extenso. tsw uado a tor- crescido ni
nar brevemente possivel postoque de um modo vam no semblame aKrafunda deTeuco?a?
provisono, a navegagao desde Porto-Said at Suez. Nao era um dessesTrfiSos da fortuna?2
A promp a conclusao do canal de agua doce at os vai-vens da Siiica ou ofS do oaro coll^k
Suez e reclamada como urna condiclo essencial ram no fastigio do poder^ou da abas^nri d nrtn
ePmre0osTsmanrdeasment0 d0S ""^'^ d CaMl, 'herlami"os de ^&^&&
Xjsirodr^conseguir abastecer com al^ud\PSrSsmNarbre:!ade **"' ^
STraS^ffiSel.^ dSPC1S^^^
Continuam-se actualmente com grande activida- sionario capuchinhoTue ?anto^^se^.Vos nrestou a
gica perseveranca do Sr. Lesseps, diante da attitu- grande baca rectangular dever ser c struu
adndesrSSeSXiSS Pa'rCmar 3S TT D CXlre-m, d eana! jun^ d^Por^Said .
biauues eiupreds aa civnisagao. d ah avancarao duas ietes das nnaes a nri-iapnnl
^!S! tocOjte^CgMttSto.yltla. entrar mu?to mai" AS^^l^f^
lutava com o desejo de enriquecer o Egypto com
parte do Levante. ^ a jetee occidental aquella em
i oda aquella mulido appareceu expontanea-
mente, e a pompa do seu enterro nada custou dos
bens do raorto.
. A diplomacia ngleza, que pretenda frustrar no' Prose"iiem-sp ns Moda --- An____ tlfa de flores>d ai"es regadas pelo pranto vertido
vdade dos seus agentes. Lord Stratford de Rad- devem^J^^S^SiJS^^S^ pelo repoUSO eterno do .
sanio
cliffee sir Henry Bu.wer leriam cada um pelo seu SSc ^"poVmtS^Si!!?'???!!^ l^W-
lado, procurado serviros interesses egostas do seu sentemente a inteng^, Hraga?"S
varao, assim apre-
A verdade e a conveniencia da Europa inteira' S Q ^ S ,ngresso n0 ^a"^' c em estemunho s suas eminentes
qua-
por toda>parie, onde era necessario evanVelsa ^0^^^^^ ds %??.^sahiracnto de ura ,
UMP0UC0 0ETU00.
Sob a denominagao dos Dorminliocos extrahmos
do allemo o seguinte :
Durante a ultima anarchia que'reinou em Fran-
ca em 1848, havia em Paris una grande quadri-
Iha de ladroes, denominados os dorminhocos (en
dormeurs). Urna tarde passeava um sabio em m |
dos jardins pblicos, quand approximou-se-lhe
um homem bem vestido, e apertou-lho a mo.
Osenhor nao conhece-mc ?
Nao, meu senhor, respondeu-lhe o sabio.
Eu sou um negociante de Lille, onde ha setc
sete annos
de ter-vos
O improvisado negociante tirou do bolgo urna
caixa de rap.
. Nao gasta ? disso elle ao sabio.
Obngado.
Parece-me que o senhor nesse tempo gastava.
Desacostumei-me disso, tornou o sabio.
Porm como possivel que o senhor nao se
Chora de ra va,
Pobre coitada ;
Fica zangada,
Que vinagren a t
Eu sou da moda,
Chupo o meu trago.
Como c naopago,
Por brincadeifa.
E se ha quem diga
Que sou tratante,
Sagaz birbante,
E' maroleira;
Porque s finto
Parvos mscales,
Mos alfaiates,
Por bandalbeira.
Tambem, por mofa,
Logro os logistas.
Foros cambistas,
De mao ligeira;
Abclhas mestras,
Raloes livreiros,
Os sapateiros,
E a engommadeira.
Que santa vida.
Meu anjo Rento,
Oh que portento.
Que pepineira!
Sempre folgando,
Sem ter cuidado,
Ser namorado,
Que pagodeira.
Quem deve- e paga
Nao tem milo,
E' parvo tolo,
Nao tem bom tino.
Vivaacnibanga,
V de tristeza.
Morra a pobreza
Que isla divino !

_A Revolnriio de Setembro publicaoquesegne
sob o titulo de Trasladatfw do Duque da Jrceiya :
Prestou-se hojeaderrdeira homeaagem unabre
Perraitta-me' ao bravo general que arvorou nos muros desta
ci-
lembre de ter-me visto ? Pense bem.
que deixe-o por um momento. ] dade o esFandarto ca liberdade qaado ida'gote-
0 desconhecido retirou-se, e o sabio continuou a 'java do patbulo o sanguc das ultimas victimas do
despotismo.
passear.
Dentro de dez minutos tornou o mesmo a appa-
recer teve o mesmo dialogo com o sabio, e olerc-' jazigo dos npssos res, no temlo d S, Vicente
SfiTjasu^sanfSf ^=d^^aepar^d'S ^S&sBiSrffiiB
go aos seus trabalhos collossaes i de bTdte |r^eSS^r^^JPl2?^S= !5? rePc.ntina i tda essa homenagem fela por
A Inglaterra havia,perdido as esperangas de rea- j desde iSS fber.a a drculacto ^3,ncw ?"em viveu esqueemo do secuto,
lisaraprophecaqueumdosgovernadoresgeraes J AlmMS?oSSSdi?tai^?L. inh. ^errado as estrenas paredes de urna humilde
da India brtannica tinha formulado n'uma ds car- ihos nci mtododeSrto ondeKn a d$ *' ou,1uando PPreeia era para cheo de zelo
tas aoseu ministro : A Inglaterra, com um p mais eenrfoc^divida rnl vifM ?S nos aPntar cam,nho da eternidade, mittigando
na India e outro no Egypto, ser um dia a senhoFa "fmproSr^ci^^o^S d'esf ---?a $ m^$ .sol7rimentos ?oma **** recompensa quo
errao, e
A7ointoes professadas no parlamento inglez pe-; ig&f^gm qUe 3
lo conde Rtissell, e pelo Ilustre Gladstone, repre-
sentavam a reaego do bom senso britannico.contra
as exageragoes deste patriotismo intolerante, que
A cidade de Ismailia levanta-se agora n'um siti'
onde nao ha muitos annos nao existia urna s "
bitago. O genio francez suscita d'entre as
olha com sobrecenho todas as grandes emprezas arde'ntes os primeiros fructos da cvilisacao.
aa civilisagao quando ellas nao sejam inauguradas
a rea
justa recompensa que
a paciencia, a abnegaco e a caridade ho de ter
no outro mundo ; tudo isto me convence de sua
salvjp.
vo attonito, compadre, com o facto que vos
Da referir, e que vem em abono do que levo
dito. Escntai:
ceu-lhe rap.
J disse-lhe que nao gasto.
Perdoc-me ter esquecido, tornou o dcsconhe-
cido.
Em poucos instantes desappareccu o mesmo, o
sabio foi ter com urnas senhoras, e disse-lhes de-
I pois de ter relatado toda a conversacao que tivera
com o improvisado negociante.
Eu nao fui tolo em nao tomar rap da caixa
de um homem que parecia-mo um dorminhoco.
, Oh I se elle soubesse que eu hontem comprei urna
caixa por 50 lojzes 1
O estrenuo soldado da Terceira reppusa hpje no
Faga o favor de mostrar-no-la, disse urna das templo.
de Fra ao. lado do imperador e da sua augusta
(ilha.
Foi no dia do 34 anniversar-o da imponente ba-
talha da viHa da Praia que o experimentado gene-
ral foi reeostar-se no tumulc ao p daquelles por
quem exjiozera o peito sbahs.
A ceremonia da trasladage. foi contemplada por
um cortejo de nobres e de pleheris, soldados e pai-
sanos, dcputag5es de offlc'u-.bdade do.exercito e da
armada, e algiasjornalistas.
S. M. el-rei, seguido dos seas ajudantcs e
camaistas, chegou por olla das 11; t/2 horas ao
senhoras.
sob os auspicios da bandeira nacional.
A idea do Sr. de Lesseps, que j tinha
autoridade dos antigos, e o projecto offerecido ao
general Bonaparte pelo engenheiro I.epre, que o
Tres linhas telegraphicas, urna continuando a li-
nha do governo desde Zogarig at Ismailia, a se-
i -^jSi^ia&fmmS&mX ^S^fmSSminiS-e-naplaci(fezdoseu
O sabio por mais que procurasse a caixa, achou
pe, estou que tambem nao precisa mais de caixa.
do o canal martimo
mo centro e alcangando Suez, ao longo do cana
sua vida. O amigo toman-
i terceira, sahindo do mes- do do retrato, disse-lhe gahofado,^e^oi!dro"ob-
dc
23^:?^^^
plena confirmago na apreciagao insuspeita dos Cairo, Damietta, Porto-Said, Kantara. El-Guisr, IS:
frabalhos, escripia pelo Sr. Hawkshaw, presidente mailia Zacari" e outros
ceo, e se nao me dissesseis que isto era um ho-1
- n^, TP^iv mem' ac""cditaria que fosse um ortmgt'ango.
do
hoje reputado como o successor
phenson.
Quando o vice-rei Mohamnied Sald visitou a In-
glaterra convidou o engenheiro inglez a examinar
no isthmo os trabalhos j emprehendidos pela com-
panhia e a formular sobre este assumpto a sua
valiosa opiniao.
dar
una
celebrado Ste- medrado todos 2,700 toneladas; um servigo meico taboa deu urna queda e parti um braco i
bem organisado e hosp.taes adequados, servidos a Ha cousas, compadre/que enchm tnto o lio-
rlfAdf n pelnS \rmaas da caridade ou da mpm de assombro.que mais que as procuro
congregacao do Bom Pastor; ura servico religioso, explicar,fico cada vez mais ahombrado
presidido segundo as crencas e ritos as pessoas Bem odia ser que se elie nao suWsse na taboi
empregadas as cons ruccoes, or sacerdotes lati- nao cahime ; mas que subte cahi
, nos e gregos, ou por tmans rabes, esco as prima- hraco
latirtetoiaT^L^r^^^ ** Jornale!-
latorio todas as questoes debatidas ja largamente; ros; provem a todas as necessidades physicas c
c parti o
acerca do canal de Suez, c chega a conclusoes al-' moraes da populagao empregada
lamente lisongeiras para a empreza.
O Sr. Hawkshaw pensa
dos que ha que fazer anda
fficuldades extraordinarias,
hdade de que alguma circunstancia possa originar I .
obstculos de que um hbil engenheiro nao chegue' -
finalmente a triumphar.
E cgualmente de opiniao que nenhuma seria dif-
ficuldade se oppor conservago fcil c real da
obra, depois de concluida, sem que seja necessario
dispender annualmente quantias incompativeis com
ascondigoes econmicas de urna til exploragao.
O Sr. Dr. Eduardo de Barros Faleao de
cerda Cavalcanti de Albuquerquc, pede-nos
I..r
REVISTA DIARIA.
Temos as seguintes no ticias eleitoraes
O distincto engenheiro inglez discorda apenas da^ao 5 districto :
ideas da empreza eniquanto os ao custo total das^
obras projectadas.
PERNAMBUCO.
relativas
$
Emquanto orgamentos da com-'
panhia cncerram a despeza inteira om 200 milhoes I
de francos, o Sr. Hawkshaw julga necesssario ex- i
ceder esta quantia em mais 50 milhSes de francos.
No folheto publicado pela empreza, no qual se le >
a traduego franceza da sabia memoria do enge-1
nheiro de Londres, responde o Sr. Voisin, director;
geral dos trabalhos do islhmo s observag5es do
Sr. Hawkshaw, e parece demonstrar que os orga-
mentos da obra se nao affastam notavelmente da
quantia que realmente haver que dispender.
Do extenso c circumstanciado relatorio apresen-
tado pelo Sr. Fernando de Lesseps assembla
geral dos accionistas, celebrada em Paris a 15 de
julho prximo passado, passamos a extrahir o que
seja sufflciente para dar idea do actual estado dos
trabalhos e da parte delles que se acha terminada.
Os trabalhos emprehendidos pela companhia
abrangem :
l' A construegao de um canal martima desde
Suez no Mar Vermelho at Porto Said, no Mediter-
rneo.
2o A construegao de um canal fluvial derivado
do Nilo, a pouca distancia do Cairo, at ao '
Timsah. desdo all at Suei
Collegio de Villa-Bella.
Dr. Seraphico .... 33
Dr. Brandao..... 33
Collegio de Flores.
Dr. Brandao, 44
Dr. Seraphico
oscravos,
obras de
ouro, prata e brilhantes, j annuneiado, na ra do
I Brum n. 84, por intervengo do agente Pinto.
Sob proposta do Dr. chefe de policia foi conce-
i dida a exonerago que pedio Jos Antonio de Brito
Bastos do cargo de 2o supplente do subdelegado de
policia da freguezia da Varzea, e para substituir
foi nomeado Jos Jacques da Costa Guimaraes.
Foram privados dos postos, os alferesda 1* com-
panhia Jos Gomes da Silva Coutinho, e da 2' Joa-
3uun Dias Barbosa, pertencentes ao batalho n. 19
e infantaria da guarda nacional de Nazareth, este
por nao ter solicitado patente no prazo da lei e
aquelle por ter-sc mudado do districto do batalho
sem licenga ha mais de 2 annos.
Sob proposla do commandante do batalho. n.
19 de infantaria da guarda nacional de Nazareth fo-
39
Dr. Faris...... 5
Recapitulando a votacao supra com addigao da rara Promovidos a alferes o guarda Eduardo-Anto
queja temos publicado/perteeente aos ciemos ?io.de, Albuaerque Mello eo 2 sargento Joaquim
do Brejo, Cimbres e Ingazeira, d o segrate re- "le,,,(^vi^'JI,iPa1!?.a..1^C0mPanhi*8aflue^
le para a 2a do mesmo batalho.
RKPABTigO DA POLICA !
Extracto da parte do dia 23 de setembro de
1863.
Foram recolhidos casa de detencao no dia 22
do corrente :
A' ordem do subdelegado de Sanio Antonio.An-
sultado :
Dr. Brandao .... 187
Dr. Seraphico. ... 179
De Beberibe mandam-nos a seguinte noticia:
Polas 4 horas da tarde do dia 19 do corrente,
na povoagao de Beberibe, foi cruelmente espan-
cado o terido na cabega, o portuguez, proprietario
abastado, morador na mesma povoagao, Theodoro na Maria do Nascimeto, Maria Magdalena de
do Lago, por cinco individuos mal reputados, alli Jess, Alexandre Antonio Pereira de Lima, bran-
moradores. e assim maltratando aquelle infeliz, co, Pedro Ignacio Pires Quinto, pardo, todos por
em sua propria casa, foi alm disso preso e reeo- disturbios; Adelpho, Africano, eseravo do Antonio
lhido em urna casa particular, a ordem do subde- de Albuquerque Maranhf, por briga.
legado do lugar, ao passo que os autores desse at-; A'ordem do da Boa-Vista, Ricardo, Africano,
tentado passeiam impunemente afrontando as leis eseravo de Francisca Pinto, por infraego de pos-
lago do paiz e a moralidade publica, embora o alarma turas.
que causou naquella povoagao esse faoto, cuja or- A' ordem do de S. Jos, Rosa, crioula, escrava
Ao projecto de construegao- do canal fluvial liga-' gem foi a briga de um cachorra do um dos taes de Jos Pedro de Mondonga, por disturbios.
se a acquisico j realisada da lingua de trra que
decorre desde Abbasseh a Ras-el-Wady n'uma ex-
tenso de mais de 11,000 heclares, e que foi com-
prada pela companhia pelo prego de 2,000:000 frs.
A companhia planeia arrotear em vinte annos
50,000 hectares, servindo-se do canal fluvial para
as irrgaces que ho de facilitar esta cultura.
O canal fluvial e de irrigago acha-se desde o
de nome Quintas com outro da offendido.
Depois d'amanha se extrahir a 2* parte da
1* lotera, em beneficio da groja de Nossa Senhora
das Nev s de Olinda.
De Abren de Una escrevem-nos com data de
19 do corrente :
O cholera nesta povoagao e lugares adjacen-
tes, tem declinado, mas sempre vo apparecendo
mez de Janeiro do anno passado aberte navega- alguns casos, tendo sido o numero dos mortos nao
; gao entre Ras-el-Wady at ao lago Timsah, n'uma
O chefe da 2* secgo.
J. G. de Mesquita.
Movimento da casa de detencao no dia 22 de
setembro de 1863.
Existiam........ 353 presos
Entraran!....... 7 >
Sahiram....... 18
A Semana Ilustrada publica o seguinte sob a de-
noninaco de
PABA ANTES E PARA DEPOIS.

Quando Aurelia era sojleira
Namorava p'ra casar;
Casou-se Aurelia... e namora
Para quando enviudar.
nECEITA PARA F;VZER IM JANOTA.
Para fazer um janota, como sao aquelles, quo an-
dam vadiando sempre pela ra do Oavidor e em
outros diversos lugaces desta cidade, precisa-se s-
mente de quatro coimas bem simples, o com estas se
arranja um pelinlra, ao verdadeiro sentido da pa-
lavra, e da maneira seguinte : cis as. quatro cou-
sas aqui pintadas.:
Urna espinba, um chapeo, um eogumek e duas
varetas.
Pega-se na espinha, e junta-se ella com as duas
varetas por baixo, puxa-se sobre tudo o cogumelo
e no lugar da cabega bota-se o. chapeo eokero.se-
neiro est, prompto.
Assim, o mundo, e o janota ainda pode pavcr
Fiada a missa de portifical fez-sa a trasladagao,
que- foi acompanhada dos cantos religiosos usados
era- taes ceremonias.
O distincto professor o Sr. Jos Maria Christiano.
que foi o eompanheirp.fiel do finado maestro portu-
guez Joaquim Casimiro Jnior, cujo genio musi-
cal todos os dias estamos admirando, empenba te-
dos os esforgos pata que se erija um monumento
fnebre memoria daqueile admiravel maestro,
que foi o maior.talent msico portuguez do pre-
sente secute.
de esperar que a nuraarosa classe de que o fi-
nado foi a aajor gloria se nao esquive acoadju-
var o Sr. Christiano nessa merecida eisti'ssima
homenagem.
Emilia das. Neves. lem sido firneticamiinte ap-
plaudida ; agradou immenso na Damctdas Came-
lias que ji,foi scena duas vezes, e liontem mais
que nunoa na Muther fw deita cartas, em que o
enthusiismo subi de ponto.
As poesas icereirse succedido tedas as noites
com urna profusao pasmosa ; a eximia actriz teve
o condo de afinar a lyra de alguns, que-de ha
muito a tinhaiH sobracado, e de despertar n'outros
a ingpiracao, que Ibes nao conhec-iamos. Entre as
poesas, que mais fallaram ao sentmento do bello,
figura adoExm. Sr. Francisco de Mello Peixto
Goelho, a quem os lagos do hvmineu nao tiveram
brea bastante para lhe prender no peito a admi-
ragao e a enlhusiasmo, que tao bem nos desenhou
extenso de 35 kilmetros.
No mez de dezembro de 1862 comegaram-se os
trabalhos da secgo que vae desde Timsah at Suez.
i O trago desta secgo, j navegavel actualmente,
conta, a partir de Nefiche, um comprimento de 18
kilmetros e meio. No mez de julho do presente
anno, os contingentes de operarios fellahs, minis-
trados pelo governo egypcio pelo systema de cor-
ves, deveriam concluir urna nova porgo de 8 ki-
lmetros, com a qual a navegagao se estenderia at
as pedreiras de Dgebel-GeneTe, a quasi meia dis-
tancia entre Suez e Timsah.
Pelo que se refere ao canal martimo entre o
Mediterrneo e o golpho arbico, as dragas, traba-
filando activamente no grande lago Menzaleh (que,
cstendendo-se na costa do Mediterrneo entre Da-
mietta e antiga Pelusium, vae-se dilatando at Kan-
tara) e egualmente no Ballah, que coramunica com
o primeiro, e os trabalhos executados alm deste
ultimo, tem aberto j urna commnnicagao directa
, entre Port-Said, entrada do canal no Mediterrneo
' at o lago^Timsab.
i Em toda esta extenso o canaj martimo j com
Existem......... 384
A saber
Nacionaes...... 278 >
Estrangeiros..... 27
*Mulheres...... 9
Estrangeiras..... 3
Escravos....... 64
Escravas........ 3 >
~384 .
Alimentados a custa dos cofres pblicos.. 171
Movimento da enfermarla no dia i3 de setembro
de 1863.
Tiveram baixa
menos de cera.
t Acha-se aqui o Sr. Dr. Pedra, que com urna
ambulancia foi mandado pelo governo a cuidar
dos desvallidos, este joven medico ha conquistado
sympathias de uns e louvores de outros, porque
com zelo, humanidade e desinteresse ha so pres-
tado a todos, o que nao cousa nova dlier-se
delle, que bastante conhecido nessa capital, por
seus servigos ; depois de sua chegada nao falleceu
mais ninguem do cholera, o que prova a sua pra-
tica em atacar to terrivel inimigo. >
O nosso collaborador remette-nos a seguinte
carta.
Compadre.Prescnciei na tardo de 15 do cor-
rente um espectculo sorprendente e enternecedor. Manoel Joaquim do Carvalho, ostomatitc.
Seria aproximadamente 5 horas, quando um I Antonio Carlos Pessoa, rheumatismo.
longo abafado arruido, prenuncio de extraordi-l Passageiro do hiato nacional Santa Rita, vin-
nario acontocimento na vida regular do nosso po- do do Ass : Joo Rodrigues da Silva Valle,
vo, dispertan minha cunosidade, eme fez attento. I Obtario na nu 22 de setembro, no cemite-
Era a saudosa homenagem, que urna multido rio pbuoo.
de mais de tres mil pessoas, rendia a um morto, Eulalia. Maria Melitande, Pernambuco. 30 an-
que era levado mos de sacerdotes disti^ctos. 0. nos, casada, S. Antonio; urna hepatite aguda,
cemiterio publico. Jos Augusto Caldas Brandao, Pernambuco 24
Essa multido, composta de, p(mtS ^ ^s annos, solteiro, Boa-Vista; ttano-
MUTTLADOl
near-se da vida, que gosa, como nos disse o amigo, em harmoniosas estrophes. Damos os parabens
Getuhnp. i S. Exc. e sentimentos que se tenha obstinado em
I nao franquear ninguem a.sua mimosa produe-
go, para aqui a transcrevermos.
! Na noite de 20 em que suba scena a Medta,
\ alguns espiritos porventnra excessvamente ciosos
i do seu pundonor, julgando-se offendidos por um
j passo menos considerado,da commissao do tbealro.
j projectavam manifestar-lite seu desgosto com urna
pateada, que se devia dar depois das chamadas
Emilia, para que esta nao tomasse para si.
Foi porm o caso, que alguns acadmicos da uni-
versidade foram no. final do terceiro acto, ofhrecer-
lhe ao palco urna corda de flores ; depois de a re-
ceber, Emilia, aproveitando a occasio e tembran-
do-se de momento, tendo abrogado um por nm os
acadmicos que.a cercavam, voltou-se para* pla-
tea dizendo que aquelle abraco, que acabava de dat-
aos acadmicos, o transmit ta ao publico, dMrjando
que fosse o. iris de bonanra que acatmiute os re-
senttmentos talguem, que ponentina se julgasse
offendido.
estas palavras da actriz, que lhes sahiam tr-
mulas dos labios, a platea rompeu em estrepitosos
applausos, dos camarotes chuveram poesias im-
pressas, e comegaram-se recitando outras ; e eram
aquelles, que ma*is votayam pela pateada, que
mais applaudiam agora, dando assim, com & ce-
dencia da sua manifestagw), um testemunho de
gratido mulher, quo nos tem feto pastar noites
de verdadeiro xtasi. .
Assim terminou, pois, um incidente, que poda
trazer graves desgostos.
Quando o panno correu o os apqlausos cessa-
ram, Emilia das.Neves com as lagrimas, no cribo*
dizia aos acadmicos : urna cousa que nnnea
esquecerei, o encontra-los sempro m volta de
mim as minhas maiores afflicges; referia-se
ella entd um igual incidente que teve lugar no
Porto por occasio das recejtas, que os acadmicos
de Coimbra deram alli em favor da Polonia.
Paro o dia 29 projectam-lho os lamecences urna
ruidosa ovago, para o que j mandaram fazer
no Porto urna rica cora de louro ; do que houvgr
fallaremos.
o janota.
Sou bonito, sou da moda,
Chibanto de bollo gosto;
Sou gamenho, tenho garbo,
Porte airoso e bem composto.
Vivo alegre, passo larga,
Tenho trinta namoradas,
Deis viuvas, seis donzellas,
Sete velhas, nao casadas.
Ayas, amas e criadas
Das matronas que apontei
Baronezas e condessas?
Emais outras, que eu ssei.
Dos janotas sou modelo,
Figurino abaloado.
Caiga fina, mangas tfas,
Cabellinho bem frisado.
A luneta ao olho presa,
Sapatinho envermsado,
Casaquim a Dom Murzelo
E o casquete afunilado.
Fago andar em roda viva
Mil cabegas d'alto bordo;
Mas se um vil credor esbarro,
Foge o sonho, ento acord!
E de Rhodes qual colosso,
Fico mudo, altivo e quedo ;
Ouoo a lenda impertinente,
Bem tugir como um penedo.
Aps um, vem grosso bando,
Este grasna, aquelle ruge,
Rosna o lorpa taberneiro,
Todo o resto orneja emuge.
Perfilando o collarinho,
Que da orelha passa alm.
Corre a mao as algibeiras.
Mas nao puxo nem vintem I
Berra o criado,
Grita o barbeiro ;
Quero dinheiro!
Que frioleira I
Eu que, sem gimbo,
Ando pulando,
Vou me safando
Que pagodeira l
Eis que de um canto
Salta ralvosa,
A gordurosa
Da cosinheira;
Pede os salarios,
- Falla em tomate,
= Eu em remate,
Dou-lhe atrazeira,
Da Nacao extrahimos o seguinte :
Os operarios da operago central do caminho de
ferro romano, prximo a Massimi acharara urna
estatua colossal de Faustina, mulher de Antonio o
Pi, eum os symbolos da Concordia.
!a testa tem differentes tragos de ouro, e na fa-
ce alguns de cor vermelha.
O papa fez presente della ao Capitolio.
Fournier, ua sua Hydrographia, attribue a in-
vengao das cartas martimas ao nosso inclyto in-
fante D. Henrque, fllho d'el-rei D. Jlo I.
O certo accrescentou D. Jos Urcullu, ao re-
ferir esta noticia, eme ?- portuguezes foram os
primeires que BMfl is martimas.

que Henrique IV urtava




_. >_
- j


Ufarlo de Pernambuco Quinta felra *4 de ftettmbro de i 8S.
ao jogo, c tambem se nao pejava de roubar objecto slonario apostlico capuchinlio. Xella tendoporj
do que gostesse, achando-o a gello. duas vezes, em Janeiro de aiO e cm outubro de,
Quando esuva de bom humor, corifessava estas I87, aleado sua vimrota **% prol do bem eapi-
baldas, accrescentando : ritual deetc povo** ao templo que lhe serve de ma-
Mu fez me devo considerar em ser rei, por^ac triz, dexou nos corajes susceptiveis de rcconhe-
so o nao fosse, ba muito que teria sido enorcado- cimento e gratidao, indeleveis provasde suas altas
e admiraveis virtudes, bem como real e dedicada
Lemos n'um jornal de Madrid que o Sr. Me- affeicao.
reto est propagando noeaercto de visinho reino No dia 21 do crreme, stimo doseu fallecimen-
um novo mcthodode esgrima, em que se emprega to, celcbrou-se uaigreja matriz urna missa resada,
a espingarda armada de bayoneta. e em seguida se lhe entoou um memento pelo seu
Nao ha muitos dias que, estando elle em Valen- eterno repouso.
cia por pouco lempo a tomar banhos, Instruio duas Assistio a irmandade do Santissimo e muitas ou-
companhias d'um regiment, que foram applaudi- tras pessoas de ambos os sexos, sendo que mais
dos por (uantos presenciaram os seus exercicios; de urna lagrima lbe foi vertida pela saudade, rc-
e, rollando a Toledo, instruio all, em 8 lcoes, conhecimento e gratidao.
Nao serei eu, c da roca, que presuma fallar.
COMMERCIO.
tamliem duas companhias de catadores de Llerc-
na, deixando admirados todos os que as viram ma-
nobrar.
Accrescente o mesmo jornal que este" zelo de lio
distincto professor est conseguindo que a esgri-
ma da espingarda com bayoneta se v difTundindo
em toda a infamara hespnhola com pasmosa ra-
pidez.

MOTO B Atf CO
DE
aqaejonteio mandado e termo de penhora que
se Mguem :
EoTManoel Silvino de Barros Falcad, escrevente
juramentado o escrevi.
Eu.Adolpho Liberato Pereira de Oliveira, es-
crivao interino, o subscrevi.
E em cumprimento, o indicado escrirao fez pas-
sar o presente com o ~
Consulado provincial.
O administrador do consulado provincial faz
publico aos devedores dos impostes pertencentes ao
excrcicio todo de Wol a 1863, que de conformi-
dade portara do lllm. Sr. inspector da thesoura-
ria abaixo declarada 6 encerrado o respectivo pa-
praso de 10 dias pelo qual ^amentoa 1 hora da arde do dia 30 do corrente,
O OVO banCO pasa O \i dividendo chamo, intimo ehei por intimados os referidos,'S"^,^!!^ nM-p*ar^ ate *^Ha b,m
j____-i _i /iftfiftAA\ -1 credores incertosdo indicado executado para qno
3. dito.............. Gil-Braz.
i.4 dito.............. Guimaraes.
Povo, tambores, soldados, salteadores, etc,
DEHOWTAQAO DOS ACTOS.
1. A miseria.
2. A louca.
3. O ebefe dos salteadores.
4. O reconheclmento.
Lemos na Correspondencia de Espaa que, se-
rrando urna caria de Londres, se acaba all de for-
mar urna nova compaubia para a construccao de
lira camiuho de ferro subterrneo que se estrala
;. toda aquella capital, no mesmo genero do queja
tst funecionando com to bom resultado na pe-
a conseguir-sc que seja mais fcil c menos exposta | tudes todas ser manchas que nos deixaram co-
s circulaba pelas ras. nhecer perfeitamente o cumprimento de um pre-
ceito, de urna ordem sublime e transcendente.
Diz o mesmo referido jornal que a companhia A existencia de Fr. Sebastio da Virgem sobre
dotelegrapho transatlntico trata de emprehender a trra nao pareca so a existencia de umhomem,
quanto mais enumerar as reaes virtudes do Ilus-
tre finado ; seria isto o mesmo que pretender ec-
clipsa-las4 porm smentc cerlificando-lhe que a
Escada nao foi surda dr que pungi os cora-
christaos, pelo fallecimento desse vulto digno dos
verdadeiros rospeitos de urna sociedade catholica,
acrescentarei smente que elle foi sobejamente cre-
dor de quanto lhe testemunhou essa religiosa capi-
tal, cuja discripcao s tive noticia pelo que publi-
cou este seu bello jornal; porquanto se ser justo,
benfico, indulgente, caridoso, cumprir um pre-
ceito de Deus, elle o cumprio, como o attestam es-
sa consciencia pura, essa vida innocente, csse
exacto, se nao excessivo cumprimento de seus de-
' veres religiosos, essa religio perfeita, essas vir-
de um christo, de um ministro, de um santo I mas
sim a de um anjo revestido da natureza humana.
Seu coracao parece nao ter tido um movimento ;.
sua alma nao ter concebido urna idea -, sua lingua i
tambera ja os trabalhos necessarios para a colloca-
c,ao de um cabo submarino entro a Irlanda c a
America, e que ja para esse fim tem os capitaes
necessarios.

0 jornal hespanhol Las Novedades publica urna
tradcelo dos versos autgraphos do imperador
A imam, dirigidos rainha Isabel, dos quaes j fize- jad que demonstrou deveria sera metaje termo de
mos mencao um destes dias. suas acedes, como o provou at esses ltimos dias
Foram traduzidos pelo Sr. Garca Lpez, que de sua carreira sobre a trra,
.viajou naquelle.s distantes pazcs,_ e que diz ser A conclusao de scmelhante vida ser indubite-
imposivel traduzir com exactidao os referidos velmcnte o gozo presenca de Deus na Scmpter-
versos, segundo a lilterattira chineza. nidade.
Parece que o sentido delles o seguinte : ,. Villa da Escada, 22 de setembro de 1863.
Knsinar ao povo a humanidade c a juslica a t'w dus da Escoda.
significacao dapalavra nlto.'
1 iVAoa terceira syliaba da vozi-p/ia-M/io.
Hcspanha, pois. nao pode deixar de corres-
ponder ao seu nome.i
As palavras da rainha Isabel nao pdem dei-
xar de ser de bondade, nem ter outro objecto se-
ad a humanidade e a justiea.
de dez mil ri (0$000) por aeco.
nowbanco
DE
PERNAMBUCO
O Banco toma saques sobre as pracas do Rio de
Janeiro e Babia.
Alfandega
Rendimento do dia 1 a 22. 266:9014953
dem do dia 23........ 15:364*456
281:866*409
Movimento da alfandega.
Volumes entrados com fazendas
com gneros
Volumes
sahidos

com fazendas
com gneros
118
221
-----339
108
388
comparecam neste juizo dentro do referido praso,
afim de allegarem o que fr de justica, pena de
revelia.
E para que chegue ao conhecimento de todos
ser publicado na forma do estylo.
Recife, 28 de agosto de 1863."
Eu, Adotyho Liberato Pereira de Oliveira, es-
crivao interino", o subscrevi.
Tristao de Alencar Arar pe.
DECLARARES.
5." Operdo.
Mesa do consalado provincial de Pernambuco 22 ^S* Pasa-se em Portugal,
de setembro de 63. .Dara "m ao espectculo a muito linda secna-co-
Antonio Carneiro Machado Rios. Illica> Produccao do nosso mmto sympathico actor
O inspector da thesouraria provincial recom- e col,e8a Francisco Cobreia Vasoues,
menda ao Sr. administrador do consulado provin-
cial que admitta o pagamento dos impostos perten-
centes ao exercicio prximo lindo cm liquidacao
somonte at 1 hora da tardo do dia 30 do corrente-, I
aflm de que recolhendo-sc as 2 horas o que entao
so houvcr cobrado, se possa concluir nesse dia
o balance e encerrar a cscripturacao do dito exer- Beprcsentada pelo actor Antonio Jos Peixoto.
cicio. I .
Thesouraria provincial de Pernambuco 21 de se- As enormes vezes que o drama Ann fiual foi
terabro de 1863.Jos Pedro da Silva. ? s^na na c6rK e a geral aceitadlo que receben,
Conforme. O chefe da 2.' seccao, decidiram a beneficiada laucar mao delle para
Francisco Ferreira Martins Ribeiro. seu oen:i<>. conscia do feliz xito, c tanto mais
A cmara municipal desta cidade, tendo de quan, esla Principal papel a cargo do Sr. Coim-
proceder no dia 8 de outubro prximo vindouro a BlV. ,
apnracao geral dos votos para deputados assem- i _JL .ne:'a VIVA 0 CHICO
GRANDE OCANO-.
ConsHio administrativo.
O conselho administrativo, para fornecimento
do arsenal de guerra, tem de comprar os obiectos
seguintes:
Para o arsenal de guerra,
ue 1 linho da Suecia do 3/4
A beneficiada tem encontrado .
ba geral dos dous collegios elcitoraes do 1. dis- Preza lodo. ntcrcs<-e para que o drama tenhaum
l m, J!Sho.da.Suec'at'o3/*dePolega aJS^k '^khP!,nll0(,aSuec'a para forro> mesmos collegios assistirem a este acto, confor- TlJ^f. u Sr' oimbra> pordemais conhecldo
^^ti^^'^6^"11^16^10^- modisp&oarLS do decreto n. 2621 de 22 de do ,Publ'C0 Pernambucano, a quera a benefic.ada
493' .22L \l *? Palm^ de/omPnmento,: agosto^ 1860. E para cumprimento do artigo, Dede fL?1'0? c1oadJuvaSao.- A. m
6, gomma laca, arroba 1; espirito de vinho, cana- citado se mandou publicou o presente. 0s bilheles desde laestao a disposicao do pubh-
2XL5 f^n e iinh0 branco> "TS^ 10 ; b0,Gcs Pa?<> da cmara municipal do Recife em sesso' ^ em ma0 da ncneflciada heatro a qua/qner
sSSfnmJr ^ rss ^are 21 de selemb,ro ,de lr -s*? Hernda
pretos de Silva, pro-presidente.rrancisco Canuto da Boa-
vlagem, secretario.
Descarregam no dia 24 de setembro
Briguc inglezJoshua & 3/nri/mercadorias.
Barca francezaJ10 Grande idem.
Importaco. nos brancodeosso, grozsSOO; ditos pretc
Hiato nacional Exhala^, vindo do Aracatv, con- osso' groza,> W0 fechadu',as de gravatas 50.
signado a Gurgel Irmaos, manifestou o seguinte: sstdio de Fernando.
31 caixas com cera de carnauba
Perante a cmara municipal desta cidade es-
oHihLI'ad0 ^Poe.Iro (curtidos) ou na.falta tarao era hasta publica nos dias 24 do corrente
hora.
Comear s 8 horas.
.linda haver quem duvide?
Das noticias vindas do norte no ultimo vapor
vio-se que est completamente desmentido o boato,
que corria, de que o Sr. conselheiro Jos Bento da
Agora que Hespanba, Franca e Annam sao Cunha Ftguciredo sahiria eleito deputado pela pro-
nices irinaas podera urna dellas abandonar a ou-. vincia do Cear.
tra ? Se o boato se tivesse verificado, de quantos po-
Se d"um festina aonde todos se regosijara hou-. dos nao seriara lioje victimas o pai e o fllho? *
ver um dos convidados que soffra, corno bao de os -
outros ter alegra ?
CAIAftA WNKMML
SESSAO EXTRAORDINARIA AOS 31 DE AGOSTO
DE 1863.
Presidenria do Sr. Reg e Albuqnerqtie.
Presentes os Srs. Mello, Gustavo do Reg, Bara-
ta, Henriques da Silva, Seve c Gameiro, faltando
sera causa participada os mais senbores: abrio-se a
Bessio, e foi lida e approvada a acta da antece-
dente.
l.eu-se o seguinte :
EXPEDIENTE :
lira oflicio do Exra. presidente da provincia,
transmittindo cmara para seu conhecimeuto, e
execugao, na parte (ue lhe diz respeito, um exem-
plar iiupresso do decrelo 11. 3069 de 17 de abril ul-
timo, regulando o registros dos casamentes, nasci-
meatos, e bitos das pessoas que professarem rcli-
giao difireme da do estado.Que se excutasse.
Outro do mesmo dizendo, visto que o informou
a cmara em oflicio de 26 de marco ultimo, nao
desvantajoso ao respectivo cofre, aceitar a propos-
ta, constante do incluso requerimento de Flavio
_.as
como se nao vericou, nem una patarra de lou-
vor tonto desinteresse e lealdade da parte des-
ses dous Ilustres e prestantes cidadaos, cujos pre-
cedentes honrara a sociedade brasileira.
Os amigos sinceros do Sr. conselheiro Jos Ben-
to devera se achar satisfeitos por verem que os
factos e a honestidade com que elle tem procedido
em todos os tempos, sempre vem desmentir os em-
bustes dos seus poucos porm gratuitos ini-
migos.
Ora qnem poderia acreditar que o Sr. conse-
lheiro Jos Bento se faria eleger pela provincia do
Cear por intermedio do seu filho Jos Bento J-
nior! ?
S quem os nao conhecesse acreditara em
tal.
Scjamos justos para com todos e mesmo para
com aquelles, cuja doutrina poltica nao profes-
samos.
Estamos muito convencidos de que os proprios
Srs. conselheiros Paes Brrelo e S e Albuquerque
nao dariam o menor valor ao boato, desde que se
lembrassem do que se passou entre clles c o Sr.
Jos Bento em outras eras.
Quando o Sr. Paes Barretto em 1832 servia o
cargo de chefe de polica as Alagoas com o Sr.
Ferreira Catad, que pretende continuar por espaco conselheiro Jos Bento, entao presidente daquella
de ires anuos na arremataco do iimiosto das afl- Pro,vl"cia' aconteceu o segrate:
ricoes de pesos c medidas pela quantia annual de Sr- Paes Barrcto acabava de receber cartas
1>:2315000 res, por que a ubteve 110 exerciciomu- de Pernambuco, que lhe asseguravam que a can-
nicipal corrente, auloi isa mesma cmara a acei- datura do Sr. Jos Bento estar cm perigo emi-
tar 3. proposta do supplicairte sob as raesmas ga- ncn,c> 'luc n;"5seria reeleito: e dirigindo-se mme-
rantias porque seeffoctuou aquella arremataco. diatamente a palacio fez-lhc sentir isso mesmo,
Posto cm discussao o sr. Mello pede a palavr, e dizendo-lhe que d aqu a tres dias seria o primeiro
diz que entenda que a cmara nao devia utilisar- deputado pelas Alagas se elle presidente lhe per-
se da autorisagao, i>or que j havia a mesma ca- wM^se declarar aos seus amigos d'ali o estado pe-
90 saceos farinha de mandioca; a Jos Goncal- ^,ro'K'sta.?,eJ,lcarfa echada na secretaria do
V- conselho, as 10 horas da manhaa do dia 30 do cor-
ves Torres.
76 ditos dita de dita, 11 ditos milho, e 5 ditos cas-
tanhas; a ordem.
rente mez.
Sala das sessdes do consclhoadministrativo para
rncciin
de 1863.
Antonio Pedro de S Barreta,
Coronel presidente.
Sebastio Antonio do Reg Barros,
Vogal secretario.
No dia 25, depois da audiencia do lllm Sr.
Dr. juiz de/irphaos, vai .prara por venda urna
casa terrea de pedra e cal na ra da Esperanza,
12 duzias detaboasdecaneleira, 1 caixote rap,: n? camlnho novo da Soledade, freguezia da Boa-
ixoes charutos, 40 ditos cha, 739 saceos caf, I y'^aom, n- f> c?m 1ima Prta.e traa janella,
12 alq'ueires de'farinha de mandioca a granel; J^cimPnt0 do arse"al de guerra, 23 de setembro
ignoraa-se.
Brigue nacional Almirante, vindo do Rio de Ja-
neiro, consignado, a Antonio Luiz de Oliveira Aze-
redo, manifestou o seguinte :
Gneros estrangeiros.
1 caixa cadaco de algodo, 100 barr3 banha, 5
surroes cravo da India ; a ordem.
Gneros nacionaes.
2 caixSes
227 rollos fumo, 60 barricas sebo, 600 saceos are
lo, 3300 alqucires de farinha de mandioca; a
ordem.
Hiate nacinal Santa Rita, vindo do Ass, consig-
nado, a Tasso Irmaos, manifestou o segrate :
423 alqucires de sal. e 80 saceos farinha de man-
dioca ; aos mesmos.
com 15 palmos de vao e 84 de fundos, sem repar-
timentos, avahada em 600* ; vai praca reque-
' rimento de Justino Manoel da Conceieao e Anto-
1 nio Manoel da Conceieao.
Directora das obras militares,
A directora das obras militares, tendo de man-
car accrescentar o muro do quartel do Hospicio, e
Recebedoria de rendas internas
geraes de Pernambueo.
Kindondiaddiala22 W:S8SS **j"^'sr5ss^
dem do da 23.......... 996*975 taro quartel do 7. batalhao de infanura as Cin-
' co Pontas : convida
em parte reedifica-lo; assim como de mandar caiar
todo o quartel do 9." batalho, e pintar as respec-
tivas portas eportaes,ebem assim fazer urna bar-
as pessoas que se quizerem
propor a estes servicos, a apresentarem suas pro-
postas na dita directora nos dias 24, 2o e 26, das
10 horas ao mcio dia, onde poderlo obter os es-
clarecimcntos de que necessitarem.
Directora das obras militares de Pernambuco
23 de setembro de 1863.Luiz Francisco de Paula
de Albuquerque Maranho.
Tribunal do commercio.
i'ela secretaria do tribunal do commercio de
Pernambuco se faz publico que o corretor Anto-
: nio Botelho Pinto d Mesquita Jnior nomeou a
Joao Doweley Jnior para seu preposto cm subs-
tituieo a Mereliano Augusto de Oliveira, que fica
A.ssu, 9 das.Hiate nacional Satita Ra, de 60 to- desonerado.
neladas, capitao Joaquim Antonio de Figueiredo, Secretaria do tribunal do commercio de Pernam-
equipagem 7, carga sal e farinha de mandioca ; buco 21 de setembro de 1863
23:647*384
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 22. ... 34:127*602
dem do dia 23......... ; 711*188
34:837*790
MOVIMENTO DO PORTO.
Nucios entrados no dia 23.
a Tasso & Irmo.
Rio-Grande do Sul, 23 dias.Hiate nacional Artis-
ta, de 239 toneladas, capitao Joaquim Jos Al ves
das Nevos, equipagem 12, carga 11,600 arrobas
de carne secca ; a Barthoomeu Lourenco.
Julio Guimaraes,
Offlcial-maior.
Caixa Filial do London Brasiliau Bauk.
A dita caixa descoma a razao d 8 por cento ao
anno at o prazo de 4 mezes. Recebe diiiheii o a
por cento c de 6 mezes para mais a 7 por cento ao
pagem 7, carga fazendas
Roberto Lightbown.
e outros gneros
Navio sal ido no mesmo dia.
ruara posto era praca aquello imposto, em innln
de 24do corrente, e anda mais por que considerara
qne a renda doilo imposto subira a inaior quan-
tia (o que aquella por que f.ira arrematado, e tan-
to assim era que na casa exis.ua um requerimento
offerecendo-se quantia inaior, o que diversas pes-
soas se pieparavam paralanear na arremataco do
referido imposto.
0 Sr. Barata, pede a palavra, e declara que ten-
do a cmara reconhecdo na informacTio dada
presidencia, ser de vaotagem o conirato, por quan-
to, em vista do estado actual do commercio. nao
havia esperancas de scmelhante imposto elevar-se,
pelo qne tinta pedido aatorisacao para fazer o
contrato, e esta leudo sido dada, nada mais restava
se nao mandar lanar o respectivo tormo, e prose-
guir nos mais que se lizessem necessarios.
O Si". Gustavo do Reg pede tambem a palavra,
ediz que a cmara se havia Icinbrar que elle foi
um des que mais se oppoz a pretenco de Flavio,
e que nao obstante foi ella informada favoravel-
mentc com as razos que a cmara julgou, e que
tendo o Exm. presidente da provincia, em vista do
que a mesma cmara ponderou, antonsado o con-
trato, parecia-lhe qne assim se devia executar.
O Sr. Henriques da Silva declaren igualmente
pensai com os senhoree que ltimamente fallaram.
Jolgando-se a malcra discutida e posta a votos
p -ni no sentido de ser feilo o contrato, e mandou-
se espedir as ordens necesarias ao procurador, c
fazer o termo, e bem assim retirar-se da praca a
arremataco de tal niiwsto.
Outro do procurador, communicando que, con-
forme a ordera que lhe foi dada em 13 de jullio
naaaado, contratou como bario de Livramento a
deeanrobraco da (tarle da casa em respaldo na
ra de Santo Amaro, que fosse necessana cortar-
se para utilidado publica, pela i|uantia de 60TJr!>000
res.Approvou-se. c se aulorisou ao procurador
a proseguir nos de mais termos.
Foram approvados dous pareceres da comns-
sao de polica : o primeiro no sentido de se inde-
ferir a peticao de Palatino Joaquim Correa de
rigoso de sua eleicao por Pernambuco. Honolul.Galera ingleza Dolphim, capto.l. P.
O Sr. Jos Bento respondcu-lhe^ que nao quera! Clark, carga dlfferentes mercadorias.
flMrM|lti
Suspcndeu do lamaro para Ilha Mauricia a .
um s voto as Alagas, e que nada dissesse acer-
ca dp semelhanlc assumpto, sob pena de deixar
de ser seu amigo.
E com elteito nao teve o Sr. Jos Bento votacao
nlguma as Alagas e nao sahindo daquella vez
reeleito deputado por Pernambuco apenas licou no
lugar de 1." supplentc.
Quando o Sr. S e Albuquerque presidia a pro-
vim la das Alagas e o Sr. Jos Bento a de Pernam-
buco deu-se urna vaga de senador por ali: e aclian-
do-sc o Sr. S e Albuquerque nesla dade de salu-
da para as Alagas perguntou ao Sr. Jos Bento
(em casa do Sr. Dr. Luiz de Carvalho, aonde se
achavam ambos) se elle nao se apresentava can-
didato por aquella provincia, onde tinha muitas
alTeices, e onde seria o primeiro votado, desde
que o governo deixasse correr a eleicao livre-
niente.
O Sr. Jos Bento respondeu, que lembrava-se
anda do que havia dito na cmara respeito das
candidaturas dos Srs. Chichorro e Ernesto, e que
por tanto nao pretenda a honra de ser eleito por
ali, bem que j honvesse recebido muitas provas
da boa ventado dos seus amigos das Alagas, e
especialmente dos eleitores, que anda eram os
mesmos que elle havia dcixado, os quaes o haviam
positivamente convidado para se apresentar : e
acrescentou, que os Algoanos deviam votar no
Sr. Sinimb, a quem elle jamis embarazara com
o seu nome.
Bem se-v que procedimento tal inteiramente
excntrico da quadra cm que vivemos, e em que
quasi todos, que niio quereni Masar por tolo, pro-
curara pozar braza a sua sardinha, logo que appa-
rece favorawl occasiao, sem embaracarem-se em
tcias de aranhas, nem importarem-se de pisar so-
bre os cadveres dos amigos, com tanto que gal-'
guem, tubam, enipolgiiem'.
Perianto o boato da eleicao do Sr. conselheiro
Jos Bento pelo Cear nao era de admirar na pre-
sente poca c nesta trra da Santa Cruz onde
a anno ; o em conta corrente a razao da nietade do
I descont da caixa filial do banco do Brasil. Tam-
bem saca sobre Londres, Paris, Hamburgo, Portu-
gal etc.
Arremataco.
-\'o da 29 de setembro vao praca os bens per-
ca ingleza Arimip, capitao Henrv Banks, cora o T" nI,e, ao ,,nado Luiz Borges de Cerqueira, por
mesmo lastro que trouxe de Santos. ,^5 a ultima praca, as dividas p.
EDITAES.
Dr. Tristo de Aloncar Araripe, oflicial da impe-
rial ordem da Rosa e juiz especial do commer-
cio d'csta cidade do Recife de Pernambuco, c
seu termo, por Sua Magestadc Imperial, o Sr.
D. Pedro II, quem Dos guarde etc.
Faco saber aos que o presente edital virem, que
acha-se aberta
Cocido &
pertencentes ao mes-
mo, os terrenos da ra Imperial c cinco accoes
da companhia de Beberibe, e urna grande quanli-
dade de raadena de sicupira ao p da mar pe-
quena em Fora de Portas, e os escravos pertencen-
tes ao mesmo, que ser effectuada na sala das au-
diencias, -em presenca do lllm. Sr.Dr.juiz de or-
phaos : os pretendentes poderao examinar o es-
esenpto de praca em mao do porteiro do juizo
Amaro Antonio de Parias.
Arremataco.
Sabbado, 26 do corrente mez, depois da audien-
)erta a tallencia de Joaquim Vieira ca do lllm. Sr. Dr. juiz municipal da secunda va
C, pela sentenca do theor segrate : ra, continuar a arremataco de diversos escraros
vendo-se d estes autos que os commerciantes Joa- pertencentes heranca do finado Jos Femando
quim Vieira Loelho & (,., acham-se era estado de da Cruz, os quaes vao praca requerimento da
insolvencia, hei por declarada a sua fallencia, cu- **~
quaes
herdeira e inventariante para pagamento doscrc-
ja data legal se contara do da 10 do mez prximo dores da mesma heranca, sendo que entre os mes-
vi'-.......... mos escravos ha um bom bortclao c jardinciro,
Noineio curadores fiscaes os credores James um oflicial de ferreiro e urna ptima lavadeira
ityuer & u, quep restarao juramento, c para que j
se nomeie depositario marco o dia 23 do corrente
mez s 12 horas da manhaa, sendo convocados os
credores.
restados os
cia por editaos
Conselho de compras navaes.
Tendo o conselho de contratar por tres mezes
I'aiva, na'qul pede ser indemnisado daquauliade 1* vimos em pocas passadas eleitos deputados
1:770*000, importancia do terreno de que est de P8'*8 provincias de Sergipe e Marauho, os seus
posse a cmara, e onde se acnaa praca do Capim.
11 senado no sentido de se informar a presidencia
o oflicio do director da reparticao das obras publi-
eaa, dizcudo que se a Ici que delermiuou o calca-
inento da cidade nada dispc acerea dos passeios
que guarnecera as casas, subsiste a postura que
respectivos presidentes que estaram administran-
do, e na mesnissima occasiao em que o governo
insinuava aos presidentes que nao se deviam
apresentar candidatos!
O caso que ellcs foram eleitos. E o que lhes
aconteceu? O primeiro d'ahi a pouco estava mi-
impoe a obrigacao de sua factura aos proprielarit*, "ls"' de *'slado. e o segundo foi logo eleito c esco-
devendo esses passeios serem feitos de conformi- lnldo senador. Fizeram perfeitamente o que de-
viam fazer, porque quem esquece o seu proprio
interesse nao espere que outrem o venha pro-
mover.
Mas se o gracioso boato se tiresse realisado
respeito do Sr. Jos Bento, Virgem Santissima!....
O que nao se dira hoje contra elle e contra seu
cao, e mais providencias legacs.
Recife, 19 de sclenibro de 1863Tristao de Alen-
car Araripe.
E mais se nao contralla em dita sentenca aqu
transcripta, c pelo presente sao convocados os cre-
dores dos preditos fallidos para comparecerem na
sala dos auditorios no dia e hora supra declarados
para o que ser o presente publicado pela impren-
sa, e affixado na rma do estylo.
Recife, 22 de setembro de 1863.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimcnto,
cscriyao o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe.
1 lfll\J1ik II 4*vn*lavA A 1 jkl^l .1 -_
bem como o fornecimento dos objectos abalxo de-
clarados, convida aos pretendentes a apresentarem
suas propostas em -cartas fechadas no da 26 do
corrente mez at as H horas da manhaa em que
isso lera lugar.
Objectos de fardamentos para a companhia
de aprendizes artfices.
Ronets do uniforme, ditos para o servico blusas
de algodaoazul americano, ditas de brirn branco
camisas de algodozinho, calcas de brirn branco'
ditas de algodo azul americano, cobertores de la'
colches de linho cheios de capim, colchas de'al-
godao, .frdelas c calcas de panno azul, fronhas de
dade com a mesma postura, que a couimisso en-
trale nao dever ser alterada, obrigando-se aos pro-
pretarios a fazer passeios de lages c nao de lijlo,
pois seria um onus, mu pesado para a classe po-
bre, e o mesmo se d cm obriga-los a fazer novos
passeios, estando os passeios de suas casas perfei- ,
tos, obrigacao que emende a coramissd deve pesar ,,ln0> actual presidente do Ceara r! Cobras e la-
sobre quem pela uecessidade da obra docaleamen-' garlos, porque os apostlos do vicio, nunca encher-
to desmanchar o passeio. I gando as suas faltas, muito se esmeram em castigar
TtMdo Jos Elias Machado Freir, requerido para as dos seus semelhantes, cujo rosto umitas vezes
3ue se lhe permittisse cercar o terreno de propre- lancam deTeitos que nunca tivorain !
ade da cmara, na ra de Santa Rita, e onde o Assim sao as eousa?, deste mundo, muitas das
mesmo ja tem um estaibeiro com consenco da dita 'inaes se vao passando desapercebidas apesar de
cmara obrgando-se a demolir a cerca a sua cus- cm ea<>a canto nao faltaren! pregadores de moral
e bons costumes!
Damos pois muitos parabens tanto ao Sr. Jos
liento pai, como ao filho por se nao ter realisado a
noticia, em virtude da qual j se dizia ao ouvido=
Bem feito seja, que o Sr. marquez de Olitula leve
essa tremenda bofetada, pois que elle bem podia
ter demeltido o Sr. los Bento Jnior.
Um que nunca duridou.
PUBLICARES A PEDIDO^
Eiephan liases.
l'm preto escravo do lllm. Sr. commendador Il-
defonso Simo Lopes, fazendeiro em grande na ci-
dade da Barra Mansa, prorincia do Rio de Janei-
ro, atlacado de eiephantiases e j n'um estado
arancado da molestia, com os ligamentos dos d-
dos em estado de dissolucao, e abandonado pelos
mdicos; o proprietario, quiz como um derradeiro
recurso experimentar os efleitos da
Salsa parrllha de Brlstol,
e com verdadeiro assorabro e estupefaccao, todos
i presenciaram e accompanharam os diferentes pro-
--------------------- I gressos da completo enra operada por tres frascos
A freguezia da Sacada nao foi ndifferenle ao 'da dita salsa, na pessoa deste individuo, o qual
sentidissimo passamento desta para a verdadeira pode ser visto e interrogado aqui no Rio de Janei-
vida, do venerando Fr. Sebantts da Virgem, mis- ro por quem quizer.
ta, e sem indemnisacao alguma, quando se lhe
exija.
O Sr. Barata oppoe-sc a semelhante conccsso,
requerenflo que se ordenasse ao engcnhero que,
examinando os terrenos que naquclla ra tem a
cmara, indicasse quaes os precisos para logradou-
res pblicos, e quaes os desnecessarios para esse
tim, depois doque tomara a cmara a providencia
que convesse.
Approvou-sc a indicaeo apresentada, e mandou- i
se addiar o requerimento.
Despacharam-se as iieices de Anna Benedicta
(ioraes, Antonio da Silva Ferreira, D. Abbade do j
Mosteiro de S. Bento, Antonio Jos Bittancourte,
Bario do Livramento, Elias Baptista da Silva, Joa-1
quim Gregorio do Reis, Joao Joaquim da Costo Lei-
te, Joaquim Antonio da Silveira, Jos Joaquim da
Silva, Manoel Alves Sanliago, Palatino Joaquim
Lorrea de Paiva c levantou-se a sesso.
Eu Francisco Canuto da Boa-Viagem, secretario,
a escrevi.-Banw Reg, presidente.Mello.Hen-
rique da Suva.~Gameiro.~Rego.
COMMUNICADOS.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, oflicial da impe-; algodozinho, lencos pretos para gravatas I.
ral ordem da Rosa e juiz de direito especial do de algodozinho, sapatos, saceos de guardar rouna
commercio desta cidade do Recife e seu termo, e travesseiros de linho cheios de capim.
capital da prorincia de Pernambuco, por S. M. j Para osimperiaesmarinheiros e aprendizes
Imperial e Constitucional o Sr. D. Pedro II, que ditos.
Dos guarde, etc. Bonets de panno azul, camisas de brim branco
taco saber pelo presente, que no dia 19 do mez caifas de algodio azul americano, ditas de brim
de outubro se ha de arrematar por venda quem branco, ditas de panno azul, camisas de akodio
mais der em praca deste juizo, depois de Anda a azul americano, fardetas de panno azul lencos
audiencia respectiva, a casa terrea sita na ra de pretos para grvate, polainas de panno orlo esa-
Joao Fernandes Vieira, da freguezia da Boa-Viste, patos.
n. 38, com 20 palmos de largo, porte e janella na. Para os fuzileiros navaes.
frente, 2 salas, 2 quartos, cosinha fora, e quintal Bonets de chapa e palla, calcas de brim branco
murado, avahada em 800& qual pertencente a camisas de brim branco, fardas de panno azul di-
Andre de Abreu Porto, e vai praca por execncao tas de brim branco, gravatas de sola de lustro'no-
que contra a mesma encaininham Kalkamann Ir- lainas de panno preto e sapatos.
maos & C.
E na falte de lancadares ser a arremataco feita
pelo preco da adjudicacao com o abatimento respec-
tivo da le.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandei passar editaos que serio publicados pela
imprensa e afflxados nos lugares do costume.
Dado c passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 23 de setembro 4e 1863.
Eu Manoel Paes de Andrade, escrivao o subs-
crevi.
Tristao de Alencar Araripe.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, oflicial de impe-
rial ordem da Rosa e juiz de direito especial do
commercio nesta cidade do Recife de Pernam-
co por S. M. Imperial e constitucional o Sr. D.
Pedro II a quem Deus guarde etc.
deSucloV3ncTe,UZr0a.PriendC-Jluns au!os 1 !
Sbr\l de Vasrnneenn,VnnLGld,n ^""stocles do disposto no art. 138 do regulamcnto geral dos
Oue rz Fonceca ^ 2 "5'* Paula crrelos de 21 de dezembro le 18, e art. 9 do
nVrmns seZr,tnhnr^f'*1'1 fal dcvidos decroto 783 de ^ d maio de 18o! se proeede-
eente ao di o Kmn "* d'nhe,r per" ra -consumo das cartas existentes neste adminis-
F sendn JltjKw tracao> Frtencentes ao mez de dezembro de 1862,
mrii.* fiT^S^ d^fia e11?.*.08 fetos e no'dia fde outubro prximo, as 11 horas da ma-
StoA^X^tE^T,^ Rod|- nha, na porta do mesmo crrelo, e a respectiva
& i/1*, me fo1 feit0 Te(l*e- lisla s acha desde j exposta aos nteressados.
Tc1^^"^"'? d? *W* lCTmV Administracao do correio de Pernambuco 21 de
Aos 2ide agosto de 1863, neste cidade do Red- setembro de 63.-0 administrador,
te, em publica audiencia que aos feitos e partes: Domingos dos Passos Miranda.
dava o Dr. miz especial do commercio TrstSo No da 23 do corrente-, depois de linda a au-
de A encar Araripe, pelo solicitador Rodolpho Joao diencia do lllm. Sr. Dr. juiz de orphlos, tem de se-
Barata de Almeida por parte do exequente, foi a' rem arrematadas por venda duas partes da casa
acensada a penhora feita em bens e dinheiro per- terrea n. 2 da ra da Concordia, araliada por 4005,
lencentes ao executado Francisco de Paula Quei- sendo ditas partes no valor de 1:5435628, perten-
roz l-onceca e reouerido que ficassem assignados centes aos menores Izidoro c Joaquim, filhos dos
os o mas d le e 10 aos credores incertos, o qne! finados seus pas Joao Manoel de Siqueira e sua
patrimonio e rendas da mesma cmara, que
ram de ser arrematados na ultima praca de 3 do
corrente mez, por falte de licitantes: coqeiros por
60OS0O0 ; 500 rs. sobre cabera de gado vaceum
476S500; casinhas da riheira 1663300; gado vac-
eum rccolhido no curral 605500; repeso do acou-
gue 125500 ; carga de farinha e legumes 185432
gado ovelhum 25560 : os pretendentes podem com-
parecer no paco das sessdes da cmara nos refe-
ridos dias, munidos de fiadores habilitados na for-
ma da lei para.poderem lancar, sem o que nao po-
derao ser admittidos a faze-lo.
Paco da cmara municipal da cidade de Olinda
17 lie setembro de 1863.Antonio Joaquim dcAl-
meda fiuimares Alcoforado, presidente.Marco-
lino Dias de Araujo, secretario.
Jnizo dos feitos da fazenda na
elonal.
Na quinla-fcira 24 de setembro correte, na sala
das audiencias, lelas 10 horas da manhaa, em pre-
senca do lllm. Sr. Dr. juiz dos feitos da fazenda
se vender em praca publica urna casa de um an-
dar e sotao n. 5'6, sita na ra da Caixa d'Agua,
pertencente Andr de Abreu Porto, avahada por
10:0005000, e penhorada pela fazenda nacional
para pagamento do que o mesmo deve.
Recife 18 de setembro de 1863.
O solicitador,
Francisco Xavier Pereira deBrito.
Pela Subdelegada de S.Jos, se faz publico que
foi apprehendido em mao de Antonio Carlos, por
alcunliaQuitcoque se suppe ser criminoso
de morte na comarca de Santo Anteo, um cavallo
ruco, castrado, com urnas pintas no espinhaco,
dinas compridas, c com diversos ferros.
Quera se julgar com direito ao referido cavallo,
prore o dominio, que lhe ser entregue.
Subdelegada de S. Jos, 21 de setembro de 1863.
0 subdelegado,
Braz Antonio da Cunha Mbuquerqne.
Pela mesma subdelegada se faz publico que
na|noute do dia 19 do corrente, em a ra Impe-
rial desta freguezia foi apprehendido Justino Al-
ves de Souza, por se suppr furtedo, um cavallo
castanho, com os ps calcados, cauda comprida,
tendo urna cicatriz do lado direito,e com ferros nos
lados.
Se algucm se julgar cora direito ao referido ca-
vallo prove o dominio que lhe ser entregue.
Subdelegada de S. Jos, 21 de setembro de 1863.
0 subdelegado,
Braz Antonio da Cunha Albuquerque.
COlTC'lO.
Pela administracao do correio deste cidade se
faz publico que em virtude da convenco postal,
celebrada pelos governos brasileiro e francoz, se-
rn expedidas malas para a Europa no dia 30 do
corrente. As cartas soro recebidas at 2 horas
antes da que for marcada para a sabida do vapor,
c os iornaes at 4 horas antes,
Administracao do correio de Pernambuco 21 de
setembro de 1863.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo, para fornecimento do
arsenal de guerra, tem de comprar os objectos se-
gu nt es':
Para o 2o batalho de infantera.
Porte para bombo 1, portes para caixa de guerra
10, portes para pifaro 2.
Para o 9 batalho de infantaria.
Botes grandes de metal bronzeado com o n. 9
812, cordao de rctroz 116 raras, dito de la 72
varas.
Para a companhia de menores.
Candieiros para gaz 7, gaz 12 galoes.
Para o hospital militar.
Cadeiras com assento de palha 12.
Para o arsenal de guerra e casa da guarda de
palacio.
Azeite de carrapato 500 caadas, fio de algodo
3 arrobas, estanho em verga 2 arrobas, velas es-
tearinas 150 libras.
Para o 7o batalho de infantera.
Papel alniaeo 6 resmas, penas de ac 6 caixas,
ditas de ave 200, caivetes 2, tinta preta 6 garra-j
fas, lapis de pao 6 duzias, areia preta 6 libras, col-
lecces de cartas para principiantes 36, taboadas
36, grammatcas portoguezas por Monte-Verde 12,
compendios de arithmetica por Avila 12, pautas 12,
jjgcripta ou bastardo 36, cartilhas de doutrinas
Inristaa 12, caixas de instrumentos para desenlio
linear 3, metro 1.
Quem quizer vender taes objectos aprsente as
suas propostas em carta fechada na secretaria do
conselho, s 10 horas da manhaa do dia-2o do
corrente mez.
Sala das sessoes do conselho administrativo, para
fornecimento do arsenal de guerra, 18 de setembro
de 1863.
Antonio Pedro de S Barreto,
Coronel presidente.
Sebastian Antonio do Reg Barros,
Vogal secretario.
OS ILTIMOS Ql'lTRO ESPECTCULOS
DO
CIRCO
GBAiYDE OCANO
& ROfiEltS
Director geralCharles J. Rofers.
HOJTE*.
24 de setembro de 1863
BENEFICIO
DOS
IIIti IOS ItOlllMIlS
Urna infnidade de novidades!
Primeira noite da excitante e
equestre do Orinte, intitulada
bella pantomima
ALTO NO DESERTO
retratando os hbitos c costumes das tribus erran-
tes dos rabes, o estylo de vivercm, a retirada das
mancas dos campos, e intimidade existente entre
as familias Beduinas e sens cavados.
PRDCIPAES INCIDENTES.
Primeiro.O rancho durante a noite.Mulheres
e criancas da tribu nutrindo e acariciando os ca-.
rallos que cstao lomando repouso sobre a planice.
Elles mesmos retirando-se para descangarem a
fadiga da noile.
Segunda.O alarma Chegada de outra tribu.
Sellar os cavallos. Preparos para fgida ou
combate, ou recebc-los com bom acolhimcnto.
Terceiro.Chegada de urna tribu amiga.Recep-
c,ao.Exercicios as festas dos Beduinos.
Primeira noite da irrisoria pantomima intitulada
VOL AU VENT
OU
AS AVENTURAS DE DM1 NOITE
Envolvida em posicoes criticas, singulares, conira-
terapos, resultados* desnaturaes provenientes de-
iucidciits naturaes, e inexplicaveis combinagoes
cmicas.
(ivninasticos c acrobticos
ficaro exhaustos de seus chef eminentes artistas, emquanto que
Equitaco e aerostticos
contribuirn com sua completa qnota para os fol-
guedos em geral.
Espectculos.
Qitmta-'fcira 24 de setembro.
Sabbado 2C de setembro.
Domingo 27 de setembro.
Terra-frira 29 de setembro.
Dcsarmar-se-ha o ampbi-theatro portel i.
Quarta-feira 30 de setembro.
e a partida da companhia para as Antilhas ser na
Quiita-feira |. de outubro.
W. T. B. Van-Orden Jnior,
Secretario.
Para os africanos lirres'.
Caigas e camisas de algodo azul americano.
Para as africanas livres.
Camisas de algodozinho e salas de algodo azul
americano.
Effectua o conselho estes contratos sob as con-
dicocs do estylo, inclusive de seren facturados os
obiectos de fardamentos conforme as medidas da-
das aos contratantes, e de acompanharem as res-
pectivas propostas as amostras das fazendas.
Sala do conselho de compras naraes 19 de se-
tembro de 1863.
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Secretario.
Correio.
Pela administracao do correio desta cidade se
faz publico para fins conrcnienles, que em virtude
v, do disposto
Vasconccllos contra Francisco de Paula' correios de
THEATRO
DE
E9IPRRZA
DE
A. J.DL.ARTE COIMERA.
Recita livre da assignatura.
Sabbado, 26 de setembro de 1863.
RENEFICIO DA ACTRIZ
Pliiloincna Augusta de Biltancourl
Wandck.
Subir scena o magnifico drama de grande es-
pectculo, era cinco actos, do.Sr. Francisco Lnz
Machado,
0 AMOR FILIAL
ou
OS SALTEADORES DA USfUU
DO POBRE.
PERSONAGENS.
gicardo............. OSr. Coimbra.
Francisco............
Joao, o pobre.........
Mauricio.............
Miguel............
Roberto, lOannos.....
Luiza...........
Emilia...........
Juliana
AVISOS MARTIMOS.
\COMPANHIA BRASILEIRA
\ DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte esperado
at o dia 2 de outubro o vapor To-
cantins, commandante o primeiro
tenente Pedro Hypolito Duarte. o
qual depois da demora do costu-
me seguir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada: encom-
mendas e dinheiro a frete at o dia da sahida as
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
ASr.'

Lessa.
Flavio.
Thomaz.
Santa-Rosa.
Alves.
D. Camilla.
D. Philomena.
D. Jesnina.
ouvido polo indicado juiz, assim lhe defrlo do j mulher, e vao praca por despacho do juizo, a 1 salteador....."'" n Sr Paname
que lavre o presente do protocolo das andiencias I requerimento do nter Jos Ignacio de Avilla. ; d?to. ?[.'.'.' [.'.' Porio
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do sul | esperado
at o dia 30 do corrente o vapor
Apa, commandanle Alcanforado
o qual depois da demora do cos-
tume seguir para os portos do
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encom-
raendas e dinheiro frete at o dia da sahida s'2
horas: agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo &.C________
Para o Rio Grande do Sul segu com mnila
brevidade o brigue escuna Cysne, capitao Jos Mon-
teiro de Almeida ; recebe alguma carga a fete :
e para tratar na ra da Cruz n. 3, escriptorio de
Araorim Irmaos._______________________^^
Para Montevideo vai seguir com muita bre-
vidade o brigue brasileiro Sorpreza, capitao Jos
Rodrigues de Almeida, recebe alguma carga a fre-
te, para o que trata-se no escriptorio de Amorim
Irmaos, na ra da Cruz n. 3.
Para a Baha vai sahir com muita brevidade
o veleiro patacho D. Luiz, capitao Jos Teixeirade
Azevedo, por ter a maior parte do carregaroemo
prompto : para o resto trate-se com osconsignaia-
rras Palmen* 4 Beltro largo do Corpo Santo n.
'4, primeiro andar.
/



-

fHTILADQJ


-
Mario d Pernambuco Quinad felra 34 de etenibro de #.
LlIltIS.
DE
Eseravos, moris e Jola.
COMO SEJAM :'
Jos, mulato, com 26 annos.
Pairo Congo com 50 annos.
Antonio, Angico cora 45 annos.
Ventura, Africano com 43 annos.
Antonio, crioulo com 26 annos.
Albina, crenla com 38 annos.
Tliereza, Africana com 40 annos.
Mara, crioula cora 50 annos.
Claudina, Africana com58 annos.
Feliciana, idem com 40 annos.
Silvana, crioula com 23 annos.
Mara, mulata com 24 annos.
Di'liiiu, crioula com 32. annos.
Luiz (cria mulato) com 11 annos.
Luiza-fcria mulata) com 5annos.
Manoel, Africano 60 anuos.
Francisco, idem 46 annos.
Mara, crioula 40 annos.
Romana, idem 16 annos.
Felicidad cabra com urna filha de 9 metes.
Luiza mulata 6 annos.
Alexandrina idein 40annos.
Lubina idem 15 annos.
Januario crioulo30 annos.
Juvencio dem 28 annos.
Silvestre idem 12 annos.
AVISOS DIVERSOS.
LOTERA.
depois rmiiru.
Sabbado 26 do corrente mez se eitrahir
D-se 50f 00.
Na entrada do hospital Poulugue^
no domingo 20 do corente, s o horas
da tarde, pei'dcu-se desde a casa-do Sr.
. Perdea-se
nontem em transito do Hospital Pqrtuguer para o
2 u,na Pulie1ira de oaro : ojera a achou e
quizerresti uar, o levara ra larga do Rosario n.
zo> toja de louea, onde ser gratificado.
a segunda parte da pnmeira lotera abene- b ^ r Am,jfl *l ao
ficto da igreja de Nossa Senhora das Noves *ranc,!,cl0 *"* ,a tos! Aiaujo ate tu
de OHnda. I ro*81 hospital, mu alfinele de ouro
Os bilhetes e meios bilhetes acham-se : eom esmalte preto com 8 perolas em
venda na respectiva thesouraria, ra do' voltae no meio 9 brilhantes: roga-se
Crespo n. r5, e as casas cormnissionadasl a q0em 0 (ver acha(|0 0 obsequio leva-
ra da Imperatriz n. 44, loja do Sr. Pimen-
tei, ra Direita n. 3, botica do Sr. Chagas,
e ra da Cadeia n. 43, loja do Sr. Porto.
Os premios de 5:000/ at 105 ser5o pa-
gos urna hora depois da extracto at as 4
horas da tarde, e os outros no dia seguinte,
depoi& da destribuico das listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
As soguintes pessoas retiram-se desta pro-
vincia para as Antlbas, quinta-feira prxima, no
patacho americano Hannah, a sabor : Charles J.
Rogers e um menino, Sra. Ormond e filha. Jerry
Worland, sua mulher o filha, H. W. Ruggles, W.
T. Van Orden Jnior, Henry Rollande, William
lo ra Nova n. 67, sepudo andar,
ais de residencia de Joo ?treir lou-
tinho, de quem receber a.offiferta ci-
ma de 50$. Pede-se aos Srs. orives e
mais pessoas a apprehenso deste ol>-
jecto no caso de llics ser offerecido
Dase 4005 sobre hypoieca era umbom es-
cravo que saiba (rabalhar em sitio: na taberna do
paleo do Terco n. 12. _________
Vende-so urna taberna com poucos fundos o
bem areguezada, ou s a armacao, a praso ou a
dinheiro : no pateo do Terco n. t._________
no
Saques sobre Portiiga..
O abaixo assignado, agente do banco
mercantil Portuense nesta cidade, saca et
rcctivamente por todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
qualquer somraa, vista e a prazo, po-
aondo logo os saques a prazo serem des-
contados no mesrao banco, na razao do 4
por cento ao anno aos portadores que as-
sim Ihe convier : as ras do Crespo n.
o ou do Imperador n. 51.
Joaiiuim da Silva Castro.
COMPTABILIDflDE COMMERCIAL
PELO
DR. WITRTIO PINTO BANDEIRA
Proffssor da segunda cadeira do Curso Commmial Prrnamburaao.
~ Offerece-se um homem de raeia idado para
cnado, o qtial compra e cozinha : na ra da Flo-
rentina n. 20.
Na ra do Quoiraado n. 1 doseja-se fallar
com os senhores Gabriel Gormano do Aguiar Mon-
tarroyos, Fernando Francisco de Aguiar Montar,
rojos e Joaquim Francisco de Aguiar Montarrovos-
DOl'S BELLOS VDLIMES EM 8. FRJUCEZ
COMPRKnENDENDO
O primeiroPreleccdes tfacorlco-praticas de escrlptu-
raco mercantil.
O segnndoNoces le arit lime i lea cont-
nerelal, adaptadas pratiea das operaees com-
ntereiaes e elementos do srstcina
mtrico com suas applicaces
ao commcrclo.
PRECO DE CADA VOL.ME 5.
D-se dinheiro a juros sobre penhores
Rollande, Jtiien Wyetk WilHam Wyette e Geor- pateado Terco n,. 12, taberna.________________
"c Wilkins, subditos americanos, Antonio Carlos Antonio di Leonard Poluchi, subdito italiano,
o Carmo, subdito brasileiro, Andrew Lehmann, rctira-se para fra da provincia.___________
r Precisa-se fallar nesta praca com o procura-
rma- I maas e William Duverna, subdito inglez. dor ou prente do Sr. Luiz Antonio Fer.reira Santos:
Urna raobilia de Jacaranda, 1 candelabro, 2 ser-
pentinas, 3 pares de jarros, 1 piano de mogno, ca-
deira e caixa para msica, 2 espelhos, 1 commo- sua mulher e filho, subditos russos, Ferdinand
da, 1 guarda vestido, 2 toucadores, 3 marquezas, Tourniaire e Theodore Tourniaire, subditos alie
4 mes;.s, lmobilia deamarello, camas de
cao, 2 banheiros. 4 tallas, 24cadeiras. 2 camas de
ferro, 2 camas para menino, meio apparelho para
janlar, meio dito para alraoco, copos, clices, gar-
rafas para vinbo, 1 grande fugao de ferro, 1 guar-
da louea de amarcllo, e outros objectos.
1 puiceira, 1 meio aderero de ouro, constando
A estacao naval da Cidade de Olinda, tendo
de solemnisar no dia 4 de outubro do mez prximo
futuro, festa de sua padroeira a Senhora do Ro-
sario, faz publico e convida aos fiis, a qual ser
celebrada na groja de S. Sebastiao da mesma ci-
dade.
ra nova de Santa Rita n. 19.
Quem precisar de urna ama de leite, dirija-se
rua'do Xogueira, casa n. 25, que achara com
quem tratar.
de ura^pulseira e um par de rosetas com 14 bri- lrjs Abdon Freir de Carvalho, depois da festa,
lliantes, I pares de brincos, 1 par de rosetas com a uei|a msica militar do 4o batalhao de arlilharia
diamantea, i salvas de prata, 17 colheres de sopa a p, tocar differenles variacSes e cavatinas. As
3 horas da tarde havera dauga de corda, c a bella
msica ahi postada sobre um tablado, tocar toda
Precisa-sc alugar urna pessoa que compre c;
Pregar no Evangelho o dicono Sesos- cozinhe, e faca o servico de urna casa do homem,
solteiro : na rua.do Queimado n. 33 A, loja.
e cha. relogio c outros objectosmiudos.
IIOJE.
O agente Pinto far leiio com autorisacao do
tarde. As 4 horas da tarde subir ao som da bel-
| la msica um balo s 6 horas haver terco, an-
novo banco do Pcrnambuco como liquidatanos da; tes do Te-Doura subir outro balao ao ar. No Tc-
massa lallula de Mesqmta &Dutra c Francisco An- Deum pregar o dicono Manoel Cavalcantc As-
tonio Correa Cardozo, de todos os objectos jcima | sjs Bezerra de Menezes. Depois do Te-Deum su-
descriptos pertencentes a mesraa massa e existen
tes no primevo andar do sobrado da ra do Brum
n. 84, onde se effectuar o leiio s 10 horas do
dia supra mencionado.____________
IjEIIjAO
DI
Kohilias completas, crvslaes, escra-
vos, obras de ouro c prata e outros
mnitos objectos etc.
IIOJ
Quiula-fcira 21 do corrente s 11 horas.
O agente Olyinpio ,era scu armazem ra do
Imperador n. 16, far leilao de diversos trastes,
crystaes, obras de ouro e prata c outros mnitos ar-
tigos que se tornara eufadonho mencionar.
MIJE
DG
Passas c inaiilriya fraueeza.
O ifuBte Pestaa vender jH)r conta e risco de
qnem pertenec eaixas e meis caixas com passas
o illiarris com manteiga franceza fina igual a in-
glcza, tado ser vendido em lotes a vontade dos
compra lores: quinta-feira 24 do corrente pelas 10
horas da manhaa no arinazcra do Annes defronte
da alfar.dega.
LEILAO
DE
95 barricas com genebra de
llollaada.
o agente Pestaa vender por conta e risco do
quern.perlcncer io barricas com genebra de llol-
landa verdadeira para fechar conlas : boje 24 do
corrente s 10 horas da manhia no armazem do
Annes defronte da alfandega.
bir ao som da bella msica o ultimo balao.
Hugommadeira.
Lav-so e engorama-se com a maior perfeicao
possivel por commodo pre^o, garantindo-se as pe-
as couadas lavage'm e eugommado : quem qui-
zer dirija-se ao principio da ra do_Hospicio, so-
brado novo de um andar com portao de ferro ao
lado.
Alugam-se escravos, tratar na saboaria do
Afogado ra de S. Miguel ou no Recife no deposito
de sabo da ra da Senzala Velha n. 136._______
Procisa-se de urna ama de leite : na ra das
Trincheiras, sobrado n. 17.
Precisa-se devendedeiras de bolos de venda-
gera, e paga-se bera: na botica do pateo do Carmo.
Na ra da Senzalla nova n. 39 taberna da es-
quina que vira para o becco Largo, .precisa-se de
urna ama secca, forra ou escrava : a tratar na
mesraa taberna. ________________________
JLOTEKIV.
O thesoureiro das loteras desta piovinl
cia, desejando extrahi-las em maior capita-
_ Na ra Direita n. 80, segundo andar, ha para I e m, m?n0reS ntervallos, offeiece a va.lta-
alugar-se una mulher forra para lavar e engom- 8em de dous Por cento a quem comprar
mar. ___________________________ para negocio, na quantia de 100# para cima;'
Quera annunciou querer 1:0005 comhypo- assim como se propoe a estabelecer corres-;
thec, entenda-se na loja da ra estreita do Rosario pondencias para qualquer localidade da pro-
uumero 10.______________________________ vincia, remettendo bilhetes, meios e listas,
Ucsapparcceu da ra Augusta n. 60, na noi- sob flanea idnea; devendo 0 pagamento
te do dia 10 do corrente, um gato maltez, pnde, dtUes ser fet0 |ogo que sejam recebdas as
bastante gordo, cinzento, com a barriga branca. ____ .-.? .H /-. .i
castrador quemo tiver pegado, tendo consciencia, llsUls e novos bilhetes rcmettidos. 0 the-
pode-o levar casa cima, que alm de se liie soureiro certo da conveniencia desse negocio,
agradecor se recompensar generosamente. convida aos Srs. eommerciantes da Victoria,
Goianna, Rio Formoso, Nazareth, Serinhaem
e mais localidades populosas da provincia, e
mesmo os desta capital, que o quizerem, a!
entenderem-se com elle, na thesouraria das
loteras, ra do Crespo n. 15: advertindo
, que receber em pagamento e sem descont
1 os bilhetes premiados de todas as loteras
Oadvogado Joo Goncahcs
da Silva Mootarroyos temo seo
escriptorio na ra estreita do
Rosario n. 17, on-le ptle ser
procurado das 9 horas da ma-
nhaa s 3 da tarde.
Aluga-se o segundo andar do sobrado na ra
da Senzala Nova n. 42, com bastantes cornmodos
para familia : a tratar na mesma.
Aluga-se a casa terrea da ra Imperial n.
66 : os pretendentes dirijara-sc Caixa Filial.
Jos da Silva Loyo & ('., sacam
sobre Lisboa e Porto.
^ K& &$ es?
pRt i
T>fi
Offerece-se urna mulher para casa do pouca
familia ou hornera solteiro para engomraado: a tra-
tar no pateo de S. Pedro n. 2.
3-RIA ESTREITA DO B0SARI0--3
Francisco Pinto Ozorio contina a col-
locar dentes artifiriaes tanto por meio de
molas como pela pressao do ar, nao re-
cebe paga alguma sem que as obras nao
fiquein a vontade de seus donos, tem pos
c outras preparaeoes as mais acreditadas
para conservaeao da bocea.
Precisa-se do urna ama
na ra Augusta n. 110.
para todo servico
AMA
LE AO
DE
l'ma casa terrea em chaos foreiros
sila ra de S. Miguel nos Afogados.
(*em limites)
Si'vla-feira 26 do corrente s II horas.
O agente Olympio vender era leilao urna casa
terrea de pedia e cal, sita na ra de S. Miguel n.
22. a qual lera 17 palmos de largura, 2 salas, 2
quarloSj coeiaka fra e quintal grande murado cora
por lo, pagando de furo mensalmente 25020. O
leilao ser ellectuado nodia e hora cima no ar-
mazem do referido agente, ra do Imperador nu-
mero 1 ti.
Fazendas. ronpa feita, arma^o
e uienrillos existentes na loja
da na \ova u. -ttt.
lc\ta-fcira > do corrente is 12 horas.
Nem limite.
O agente Olympio acha-se autorisado a vender
ii b'ilo umaporco de roupa feita, armacao e
jnais objectos existentes na loja da ra Novan. 40
del'ronte da igreja da Concei^o.
LEILAO
DE
olasy movis e dividas.
Sali'iail i 26 do corrate I hora da (ar-
le (ii-pois da audiencia.do lllni. Sr. Dr. juiz imi-
iiiripal da sei|unda vara.
0 geme olympio requerimento dos adminis-
iiadons da massa fallecida de Manoel Buarquo de
.'tlacdc e mandado dolllm. Sr. Dr. juiz municipal
da segunda vara, em presenca do mesmo, vender
om leilo publico as joias, movis e dividas perten-
centc a mesraa massa. O leilao ser effeetuado no
dia e hora cima no armazem do referido agente
ra do Imperador n. 16.
DE
lio sitio denominado Kuijongo freguciia dos Afo-
uadus estrada que vai para Moloeolomb.
O agente Almeida competentemente autorisado
far leilao de um grande sitio com casa de vi ven-
da, com excelentes cornmodos, a qual nao est de
todo acabada por fra, o chao proprio, tem cerca
.le 800 ps decoqueiros dos quaes j200 do fru-
to, basantes mangabeiras, cajueiros, larangeiras,
-limeiras, muito mangue em estado de se cortar le-
jijin. urna baixa famosa para capim, pasto para 10
vaccas annualmente, um formidavel viveiro e on-
iros era principio, embarque ao p da casa, urna
Iba com capacidade para se dividir em 3 grandes
propri >dades, onde ha bastantes plantaijoes de ro-
^a. nu loes, melancias e batatas.
abbado 2H do eorrete.
O leilao sor effeetuado defronte da associacao
commercial porta dos Srs. Palmeira & Beltro,
s 11 horas.-
liahos
DE
Quem precisar de urna ama para cozinhar e en-
gommar. e fazer todo o servico de urna casa, di-
ja-se ra do Amorimn.*31, segundo andar.
Precisa-se alugar um escravo para o servieo
de casa e ra, ou do um criado para o mesmo fin:
na ra do Queimado n. 29.
Aluga-se urna casa terrea na ra Vella n.
90 : quem a pretender, dirija-se ra DireiU n.
91, pnmeiro andar, ou na taberna do sobrado que
fica junto.
Ama.
Precisa-se de urna ama para o servico interno e
externo de casa de urna s pessoa : na ra da
Cruz n. 16, priraeiro andar.
Alaga-se a loja do sobrado n. 19 da rna -No-
va, propria para qualquer estabeleeimento : a tra-
tar na na da Cadeia u. til segundo andar._____
Aluga-se por prego commodo a casa terrea
n. 6, no priraeiro becco da camba do Carmo : a
tratar na ra da Cadeia n. 62, segundo andar.
da provincia recolhidos thesouraria da fa-
zenda provincial.
Thesouraria das loteras, 20 dejunho de
I8G3.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
AOS 5:000,000.
CASA 1)4 FORTTM
Bilhetes garantidos run do
Crespo u. 33 e casas do cos-
tiime.
Depois de amanhiia se exlrahir a segunda par-
te da primeira lotera a beneficio da igreja de If.
S. das Neves de Olinda.
O abaixo .issignado recommenda ao respeitavcl
publico a compra dos mui felizes bilhetes garan-
iidos,os quaes sem duvida olTerecem muita vant*-
gem ao jogador pois que receber qualquer prc-
miovpor inleiro sera os descontos das leis.
Precos.
Bilhetes inteiros..... 65000
Meios bilhetes...... 3,51000
Para as pessoas que comprarem
de 1003 para cima.
Bilhetes........ 53500 #
Meios......... 23750
_______________Manoel Murtins Fiuza._____
Attenco e multa attenco.
Quem tiver penhores na ra do Rangel n. M,
queira vir resgatar, sob a condico de serem
vendidos para pagamento do principal e juros, no
prazo de 3 dias, lindos os quaes nao haver recla-
mado alguma. Recife 19 de setembro de 1863.
O abaixo assignado faz sciente ao respeita-
vel publico e especialmente ao corpo do coramer-
eio que por toda esta semana tem de sahir para o
mato afim de tratar de sua cobraba, faz o presen-
to para que nao se chamem a ignorancia.
Jos Antonio Anselmo Monteiro.
pi-RcisM-sf fallar ao Sr. Fran-
cisco Jos de .%tbuq8rqne nesta
typoffraphia.
IIA \C O 1 \l AO
ESTABELECIDO NA CIDADE DO PORTO
Agentes en Pcrnambuco
Antonio Luiz de Ol reir
Azeredo k C.
Sacam por todos o paquetes sobre o
mesmo banco prazo ou vista, sobre a
caixa filial em Lisboa, e agencias em Pi-
gueira, Coimbra, Aveiro, Vizeu, Villa-
Real, Regoa, Vianha de Castello, Gnima-
Tes, Barcellos, Lamego, Covilha, Braga,
Penafiel, Braganca, Amarante, Angra,
liba da Terceira,"llha de Faias, liba da
Madeira, ViBa d^o Conde, Valenca, Bastos,
Oliveira de Afemeis, Chaves e Fafe, a
oito dias vista ou ao prazo que se conven-
cionar.no sen escriptorio rna da Cruz
n. 1.
RA DO IMPERADOR
N. 22.
di awle armazeiu de tintas.
Este armazem conten tudo quanto
preciso para qiieainduslriaile pintura.de
qualuer genero que seja, desempnilie
sen lim, isto embellezar, oonsenar e
reprodiizir.
.Montado em grande escala e supprido ^|
directamente por grandes fabricas de Pa- gg
lis. Londres i' Ilamburgo, pode ofTerecer
productos de ronfianca, e satisl'azer qual-
quer eneommenda grosso trato e a re-
talho.
Os Srs. artistas pintores, c os donos de
obras poderao eseolhor vontade, pois
(|ue tudo estar vista, as differentes co-
res de. que tiverem necessidade.
Ha tintas em massa e em p impalpa-
vel. e como as obras a envernizar s se
devu empregar tintas muidas, e nao nie-
reeendo couliancaasqueveni de fra para
eomnieicin. por vellias. e lalvez falsifica-
das, ueste armazem se as moer vis-
ta do consumidor, iiue s assim leri tin-
tas frescas e verdadeiras.
Ha tamliem ouro verdadeiro, verde em
p eeinfolha, prata em fulha, pdobron-
zear de varias cores, diamantes para cor-
tar vidros. burnidures. ncar superfina en-
cunada, aniarella e verde, tintas vege-
taes, azul, roxa, verde e amarella, inoffen-
sivas, nicas qie se devem empregar as
confeitarias, colleccoes de pinreis para
fingir madeira, com propriedade, e outros
de varias (jualidades, vernizes, copal,
giaixa, branco ou escuro para o interior
e exterior, para etiquetas e quadros. tin-
tas tinas em tubos, em rrayes ou pastel.
tellas para quadros, caixas de tintas linas
e papel para desenno.
Bssencias aromticas verdadeiras, fras-
cos o .idrus para vidraea de todos o* ta-
inanlii.s, e inuitos outro's objectos, cuja
utilidade e emprego s com a vista pode-
rao ser mostrados.
loio Pedro das Neves,
_ Gerente.
Aliignel tle casa.
Aluga-se urna das melhores casas para quem
quizer passar a festa, na povoaco de Jaboatao, do
: lado do rio, 6 a nica qne se acha desoecupada", c
aluga-se por mdico preeo : a pessoa que preten-
der, declare por este jornal a sua residencia.
0 Sr. Loi Correa de Ghsiuo que
niudou-se da cidade tle olin(la,queira di-
riiir-se esta tvpographia, concluir
o Hcgorio que sabe._______________
0 Sr. Luiz .los Marques qu'ira
appareccrncsa tytograihiii
I
TE\C10,
^f^a-.-e a loja na rna da Imperatriz n. 15, com
dmoes coiniiiodidades e por preeo commodo.
Arrendam-se os doos grandos armazens da
ra de Apollo ns. 38 e 40, communicados por den-
tro por meio de arcad) e proprios para um esta-
beleeimento em ponto grande, e trata-se com Anto
nio Alves Barbosa nos mesmos armazens
de differentes qualida-
des e cognac.
Terea-frira 30 do corrate.
O agente Pestaa vender era leilao para liqui-
dacao e por conta o risco de quera pertencer vi-
lio de Bordeaux de diversas ([ualidades em bar-
ris e (aixas, aJgum especial, dito de Madeira em
lixa-S dito muscatel em caixas, cognac em barris
o em.5aixa3 superior qualidade j conbeci heste
mereflin, bter era duzias, sendo todo vendido-em
res i vontade dos compradoras: terca-feic* 30 !' Precisa-sc tomar a premio 5*000* dando-so Aluga-se a casa terrea da ra do Soce
do corrente pelas 10 horas da manhaa no arma- i hypotheca em terreao*3 superior vaior: a pessoa *i, com 2 satas, 2 quartos, csioha fra, coni
retn da ra da Guia n. 33, onde o agente espera a (juem convier dirija seu nome em carta fechada cimba meeira, quintal murado : a tratar na
vend(r tudo e promette ser sem limites. I a hvrariado Sr. Figueiroa com as iniciaes A. Bt do Crespo loja n. 25.
Alugam-se o 1." e 2." andares da-casa da
ra de Apollo n. 37, por prego commodo, bem co-
mo a casa terrea da ra do Fbgo n. 30 : a tratar
na ra da Moeda n. 29.
AMA
Preeisa-se do urna |>reta forra ou escrava que
saina bem cosinhar e tratar do mesmo servico de
urna casa para tratar na ra da Cruz n. 8, segun-
do andar.
- Os administradores da massa fallida de Ca-
margo & Silva convidam aos credores da referida
massa avirem receber oprimeiro dividendo de li
por cento, em seo escriptorio no largo do Corpo
Santo n. 13.
YO HOTEL Di: PARTS
24-Rna 4a Crn/,-2i
Preeisa-se alugar um moleque para levar comi-
das fra
Domenico Gerbase, e Fibrestro Gerbase, sub-
ditos Italianos, retiram-se para a Europa.
- Aluisa-sr-o primeiro andar do so-
brado d;i ra da Cruz n. 40, mulo pro-
prio para qoalquer escriptorio: tra-
tar no armazem do mesmo sobrado.
Anda est para aiugar-se o sobrado na- ra
ros Coclhos n. 10, onde moraram os padres lasa-
ditas, *^
Alnga-se o primeiro andar da casa da na.
da Cruz n. 18 : a tratar no armazem da mesraa
casa _______
Antonio Ferreira Cardoso, subdito portuguez,
Segu para o Aracaty.
Aluga-se o sobrado da senhora viva Las-
serre assim como 2 casas pequeas e nma meia
agua na Capunga Velha : a traiar em casa de R.
B. I.asserre 4 C. ra da Cm n. B.
Antonio Monteiro Rebollo Jnior subdito por-
tuguez retira-sc para o Rio de Janeiro.
n.
PEDIDO.
Aos irmaos da irmandade de N. S. do Terco, c a
todos os devotos da mesma senhora.
A mesa regedora da irmandade de S. do Ter-
co, vendo a eminente ruina que ameacava a igreja
de sua Excelsa Padroeira, resolveu pr'ompta reedi-
lieaeao, e como seja obra muito superior s suas
Coreas, vera pelo presente implorar de todos os
seus irmaos e do respeilavel publico, sua coadju-
vaeao concorrendo cada um com aquella esmela
qu "sen pi eorae Ihe dictar. A mesa certa da
religiosidade de seus irmaos e do respeilavel pu-
blico habitante nesta bella provincia, nao vacillou
de. carregar sob seus debis hombros, com as con-
sequencias de urna obra to dispendiosa, por estar
convencida que ser coadjuvada era seu nobre era-
penbo afim de que, o muito antigo templo de sua
Excelsa Padroeira a Virgem Senhora doTerco, se-
ja reedificado e convenientemente ornado, ficando
muito mais somptooso do que d'antes.
Est nomeada urna comraissao cora posta dos
charos irmaos juiz l.ourenco Ribciro da Cunha
Oliveira, secretario Domingos Ribeiro da Cunha
Oliveira, c definidor Manoel da Fonseea Medeiros,
para dirigir-se a cada um de seus irmaos c ao pu-
blico cm geral, paraobter a respectiva esmola. Es-
t tambem noraeado thesoureiro da obra o charo
irmao ex-juiz Dionizio Hilario Lopes, morador na
na Direita cora loja de cera junto igreja, onde
os dignos irmaos e devotos (que por motivos nao
possam ser procurados) poderao dirigir-se a en-
tregar suas esmolas.
A mesa regedora nao se vangloria de ser a mo-
tora de to importante obra. Se gloria ha, recabi-
r ella, sobre aquelles que de bora grado concor-
rer cora seu bolo. Ella apenas tem consciencia
que est cumprindo seu dever, e dar-se-ha por aa-
tisfeita se vir a realisacao de tao importante reedi-
ficaco o mais breve possivel.________________
Precisa-se alugar um holeeiro escravo que
tenha boa conducta,e sem vicios : na ra do Quei-
mado n. 44, prjraeiro andar.
Precisa-se failar ao Sr. Francisco Cordeiro
Coelho Cintra, na ra da Madre de Dos, a negocio
l'recisa-se alugar urna escrava que saiba co-
zinhar o diario de una casa e engommar : a tra-
tar ama Imperial n. 162.
Pede-se ao Sr. tenente-coronel Luiz Francis-
co de Barros Reg o favor de vir ra do Quei-
raado n. 1). loja.___________________________
O abaixo assignado pefo presente declara ao
Sr. Francisco Xavier Mcndes,da Cunlia,quc venha
trazer-mo a minha tetra que em seu poder existo,
(a vencer) visto eu nao ter achado no lugar Cari-
ris Velhos o gado que elle me vendeu, do croar pro-
cede dita letra, pois nao tendo elle seu formal de
partilhas e j sabendo que nao existia o gado que
Ihe havia pertencer, veto de improviso fazer nego-
cio comigo, pelo que protesto nada Ihe dever sem
que se emenda comigo, o mesmo serve para se nao
poder fazer transaccao com a minha letra, pois te-
mos que litigar em juizo, nao o querendo Sr. Cu-
nta fazer por bem. Engeriho Salgadinho 10 de
setembro do 1863.
Miguel Mendes da Silva.
PWRSHIHRaS'
DENTISTA DE PARS
19Ra Nova -19
Frederico Gautier, rirurgiao dentista,
faz todas as operaees de sua arte, e col-
loca dentes artificies, tudo com superio-
ridade e perfeicao, que as pessoas enten-
didas Ihe reronnecmi.
Tem agna e pos dentificie.
Para dentro e fra da cidade se manda conduzir
objectos por barato proco : a tratar no armazem
na bola amarella da ra do Imperador no oilao da
secretaria da polica______________________^
Quem precisarde urna criada portugueza,
dirija-se a roa de A pollo n. 4. primeiro andar.
Irmandade de Xossa Mennora do
Rosarlo.
A mesa regadora desta irmandade, erecta na
man* dtr Corno Santo, convida a todos os irmaos
paraTeuniSo no dia 28 do frrente, as 4 horas da
-*", afim do se proceder a efeieao da nova mesa.
Jos Fernandes Ptoflft*
Escnvao.
Esta obra, apezar de elementar, vem preencher urna lacuna, que era sentida entre nos
dos principios da comptabilidade administrativa e eommorcial.
Com este intuito, sob una forma cssencia I mente classica, reuniu o Sr. Dr. Witruvio os
O primeiro voluine, formulado sobre a obra de Bel trand, oceupa-se mais es|ieciataiente
da escripturaco mercantil por partidas dobradas, riljos principios sao desenvolvidos em har-
mona cora a legislaeao brasileira, contendo alera disto om importantissimo appendice sobre
as sociedades commerciaes era todos os seu* movimentos, qoer pelo lado da ese iptnracao
quer pelo da forniaeo. existencia e extinecao dolas em face da le. Neste appendice, deli-
cadamente recoinniendavel por sua originalidade e pelo cunho de espeeialismo, tem o com-
contraia.
masem
o|,eraroes
successivamente mais difflceis, que assim inicia gradualmente a maneira de eseriptura-las
nos differentes livros de una casa de commercio.
O segundo, egualmenu> formulado sobre a obra de Kottinger, ocenpa-se particularmente
da arithmetica commercial com esercicios o problemas pelo meio mais simples, fcil e breve
da regra conjuncta, acerca de todas as operaees platicas usuaes no commercio, envolvendo
clculos de cambios de praca praea e ior praeas intermedias, bem como negocios de bancos
com arbitragons de cambios, alm do desenvolvimiento do systema mtrico em suas relacoes
com o commercio, Ilustrado por meio de tabellas de conveso. ^^
O editor nada mais accrescentar estas breves palavras. qne asss demonstran a im-
portancia real desta obra, devida a intelligencia e a applicaca acrtirada do sen autor senao
que c ella de utilidade geral, e que a nenhum commerciante e mesrao a homem algum 'de let-
tras licito deixar de possui-la em sua estante pois o commercio em suas variadas evolu-
ces, entende actualmente cora tudo que se liga a vida.
Aassignatnra toma-se as livrarias dos Srs. C.iiimares ^ Oliveira. Xogueira de
za, Juliao & Pereira e Geraldo II. de Mira, sendo realJsada sua importancia pela quita de
volume ao sabir do prelo, para o qual ora entra o primeiro.
O EDITOR.
J. VIGNES.
*. 55. RI.1 DO IMPERADOR M. 55.
Os pianos desta antiga fabrica sao boje assaz conhecidos, para que seja necessario insistir sobre a
sua superioridade. v.mtagens e garantas que offerecem aos compradores, qoalidades estas incontesta-
veis querelles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; pos-
suindo um teclado e niacliinismo que obedecem todas as vontades c caprichos das pianistas, sem
nunca falhar, por seren fabricados de prepsito, e tOP-se feito ltimamente melhoramentos importan-
tissimos para o clima deste paiz; quanto as vozes sao melodiosas e flautadas, e ixir isto muito agrada-
veis aos ouvidos dos apreciadoras.
Fazem-se conforme as eucommendas. tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Paris, socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposieSes.
No mesmo estabeleeimento se acha sempre um explendido e variado sortimento d msicas dos
melhores compositores da Europa, assim como harmnicos c pianos harmnicos, sendo tudo vendido
por presos muito razoaveis.
S^
o importante, estabeleeimento de fazend s
ra do Grespo n 17, de Jos Gomes Villar
F Protejain E&inas. .senhora a este bello estabeleei-
mento de fazendas.
Ahi Vv. Exccllencias encontrarao as melliores fazendas as mais modernas
cm direitura de Paris e Inglaterra.
Chcgaram de Paris os mais bellos cortes de la com barras delicadissimas,
antes que se acabem.
Pecas de madaiiolao de 12 jardas a 45, 45o00 e o5, ditas de algodozinho de 10
jardas a 45 e 45.'i00, ditas de bretanba de rolo a :<5. bramante de linlio de 10 palmos de
largura a 2-5 a vara, cambraia lisa lina de 10 jardas a 45 a peca, chita franceza fina es-
cura a 320 rs. o covado, las de cores muito delicadas a 320 e 360 rs. o covado, vestidos
de blond com capella c manta proprios para noivas. manteletes, capas pretas de muito
gosto a Luiz XIV, solferinos pretos bordados, chapelinas de muito gosto, veos para cha-
peos pretos c brancos, vestidos brancos bordados, cassas de cores lindissimas a 240 e
280 rs. o covado, organdys de muito gosto a 400 rs. o covado. chapos de sol de panno
para meninos a 15o00 cada um.
Msicas importantissimas para piano c canto de todas as forjas e se vendem por
baratissimo preeo para acabar.
Admirarais laas escossezasde muito apurado gosto proprias para vestidos no verao
fazenda ptima de 3 e 4 palmos de largura a 400 e 300 rs. o covado.
APPROYA^AO E AUTORISACAO.
DA
immu \mu 11 i m medicina
JUNTA CENTRAL DE HYGIENE PUBLICA
ELECTRO-MAGNTICAS EPISPASTICAS
DE
RICARDO KIRK
Para serem applicadas s partes affeetadas. sem resguardo
* s nem ineomniodo
Muito conhecidas nesta corte c em todas as pro-
vincias deste imperio, pelos seus infalliveis resul-
tados em todos os casos de inflammacao, seiam ex-
ternas ou internas (com cmaro c falta ae respi-
rado) como do estomago, ligado, baco, bofes, rins,
tero, pejto, palpitacao de coracao, gargantas,
olhos, erysipellas, rheumatisraos, paralysia, e todas
as affecces nervosas, etc., etc.
Igualmente para quaesquer inchacoes, feridas,
tumores intestinaes e venreos, scrophulas, lobi-
nhos, papos, etc., etc., sejam qual for o seu tama-
ito e profundeza, por meio da supuracao serlo ra-
dicalmente extirpadost
(Estas chapas nao podem fazer mal de forma at-
gmna, ellas tem sido applicadas aos olhos com o
melhor snecesso, vejam-se os attestados do curas
completas que j foram publicados pelos jornaes.)
O uso dellas aconselhado e reeetodo por habis e
distinctos facultativos, sua eficacia ineontestavel, e
as innmeras curas completamente obtidas as di
versas molestias em que foram applicadas, e faieo
merecer conservar a confianra do illustnado pu-
blico, que j Uve a honra de merecer delte 25 an-
nos de existencia e de pratiea.
X. B. Xesta corte e dir todos os pontos dest
imperio reeebem-se partici|)acoes sasfactorfa* e
respeito das ditas chapas medicina.?.
As encommendas das provincias devem ser di-
rigidas por escripto, com todo o cuidado de fazer
as necessarias explicac6es, se as chapas sao para
homem, senhora, menino oh crianca, declarando a
molestia e em que parte do corpo existe.
Para inchacSes, feridas, lobinhos, papos, etc.; o
molde justo de seu tama ni 10 em um pedaco de pa-
pel, a declaracao onde existe, afim de que chapa
seja da forma da parte affectada, e para que possa
ser bem applicada cm seu lugar.
PODE-&E MANDAR VIR DE QUALQUER PONTO DO IMPERIO
DO BRASIL
As chapas serio acompannadas das suas com- Consulta s pessoas (fue se dignarem honra-lo
odtentes explkacoes, e Umbem de todos os acces- com a sua confianza, todos os dias, sem exeepcao
derios necessarios para suas applcagoes. das 9 horas da manhaa s da tarde.
ESCRIPTORIO
IV. 119 RIJA DO PARTO V. 11.
E EM PERNAMBHC0
Para a eheommmdas on MUrtnaeoes dirtjtta-se pharmacia de Jos Alexandre Bibeiro,
roa do Queimado n. 15.
i~--*-a.





Diarlo de PernaMbnceQuinta lelra 14 de ftetenibr de 18S.


V
NOTICIA NOTICIA NOTJGLA.
Cartdes de visita
Cartees de visita
Cartdes de visita
Cartees de visita
Candes de visita
Cartoes de visita
('acides de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
CartSes de visita
8,5000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85OOO a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Uua do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador
SEGUROS DE VIDA EM MTUALIDADE.
A direceao do BANCO UNlAO tendo oblida do governo de S. M. F. a autorisacao para estabele-
cer o seguro do vidas cm mutualidades, faz publico que desde j toma subscripcoes annuaes por urna
so vez, aebaixo das seguintes condiedes :
Cun per da-de capital e lucros;
Dito capital smente; .
Dito lucros smente;
devendo a primeira liqualacao ter lugar no l* de Janeiro de 1859.
As vantagens do emprego de capitaes m mutuaBdade, sao obvias, porque nao smente se co-
in o juro de quantias diminutas, de que avulsas se nao poderia tirar nenhum resultedo; mas alm
disso, este rendimento augmentado pelo capital ou lucros, ou ambas as cousas, conforme as condieoes
da subsenpeao, dos queallecem. Tambem partido pelos socios sobrevi ventcstudo aquillo que os. so-
cios morosos nos seus pagamentos, sao por este motivo brigados a pagar, bem como caducidades que
occerrerem pela falta de cumprimento do compromisso social.
As liquidacoes sao pelo systema daseompanbias hespanholas, Tutelar e outra6; e parase poder
faier urna idea do que pede produzir urna entrada annual de 105, publica-se a seguinte tabella basca-
da sobre .a experiencia de muitos annos deeompanhias desta natureza :
Km 5 annos Era 10 annos Ein 15 annos Em 20 anuos Em 25 annos
4:7005
3:7005
3:3005
3:4005
3:3505
3:3305
3:4005
3:7005
5:0005
As entradas por uma-so vez dao resultados anuitosuperiores as annuaes.
Porto, 10 de agosto de 1863.Os directores do Banco Unio, Jos da Silva Machado.F. M. van
der NiepootX.
Agentes em Pernambuco : Antonio Luiz de Oliveira Azevedo A C, ra da Cruz n. 1.
Por un menino de 1 dia a 1 anno U05 4005 9005 2:0005
de l.anno a 2 905 3005 7505 :l;7005
de 2 > a 3 865 2905 7205 4:6005
de 3 > a 4 86*. 2805 7105 1:5605
de 4 1 a 15 > 865 2705 7005 1:5505
Por urna pessoa de 15 > 20 865 2705 7005 1:5405
de 20 a 30 865 2705 7105 1.5605
de 30 > a 40 . B6J 2705 7205 1:6000
de 40 a 50 > 905 3005 7505 1:8005
NOTO ESTABELKIMENTO DE MEDICINA HOMEOPATHICA
RIJA JVOVA Y. 43.
O Dr. Sabino O. L. Pinho mudou o seu CONSULTORIO para a loja de marmol*
na Nova n. 43, onde continua a dar consultas todos os das uteis desde o meio dia at
2 horas.
Os enfermos, que o procurarem logo na invaso da molestia, sem que hajam to-
mado qualquer remedio, nem allopathico, nem homeopathico, pagaro meia.de dos pre$oi
estipulados. Esta concessao tem por fim facilitar a cura de molestias, que podem tornar-
se complicadas pelos emprego intempestivo da therapeutica e ao mesmo lempo adquirir
pira a homeopathia maior numero de adeptos pela bateza da cura.
Em attenco as pessoas pobres, que nao podem sabir de dia, o Dr. Sabino resol-
vea dar duss consultas por semanas as tercas e sextas-feiras das seis as sete horas da
noite.
Os chamados para visitos e conferencias devem ser dirjgidos por escripto ao con-
sultorio desde 8 horas do dia at 8 da noite, na certeza de que sero attendidos na ordem
carregado da sub-gerencia do seu estabdediucnto (,e saa precedencia, salva a circunstancia de eminente perigo.
aoSr. Jos Alvos Tenorio, professor em bOBMOpa-j ADVERTKXCIA.
thia, e competentemente habilitado para ubttitui-j O novo consultorio est prvido dos memores medicamentos, desde a primeira
at a trigsima dynaminjsacao.
E como os mdicos hespanhes e allemSes nao cessam de certificar a major efi-
cacia das ultissimas dynaminisacoes do tratamento das molestias chronicas, o Dr. Sabino se
oceupa agora de elevar os seus medicamentos s potencias mais altas (por ora at 200.a),
am de verificar por si mesmo a forga dynamica, que se lne attribue.
Os mdicos, que quizerem experimentar taes dynaminisacoes poderao dirigir ao
consultorio suas recetas, que serao aviadas gratuitamente para os pobres.
TTNTURARrA. -
Tinge-se cor, e o mais barato possivel: na ra do
Rangel n. 38, segundo andar.
Alugam-se a loja do sobrado n. 193, e arma-
zera 171 da ra Imperial; o armazem n. 4 da ra
do Apollo, e a casa n. 27 da ra do Burgos: na
ra da Aurora n. 36.
ZAHORA.
DRAMA HISTRICO PELO DR. THEBERGE, NO
PAL NAO INTERVEN PERSONAGEM
ftlCNINI.
Na ra Nova n. H vende-se a i #000 o
exemplar.
Vende-se um carrinho d'alfandega, por preco
commodo-, nos Qualro-Cantos da ra da Gloria n.
95, taberna.
ATTTlXV'l.
Vende-se urna armacao em ponto pequeo feita
a moderna por barato prego : na ra Directa n.
19, a tratar na mesina.
Vende-se urna casa na ra da Rarra na villa
'Ia Escada, perto do rio, propria para se passar a
festa, e sen-e tambera para negocio, pois tem um
quarto separado : a tratar na ra Direila n. 8, ou
na mesma villa com sua propietaria Joaquina Ma-
ria do Monte._____________________
Vende-se a armacao e gaz da taberna da ra
da Lingoeta n. 5 : a tratar na ra da Cruz n. 36.
Companhia fldelldade d
seguros martimos e ter-
restres estabelecida no
Rio de fanelro.
AGENTES EM PEPNAMBl'CO
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo k. C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da compaahia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
predios no seu escriptorio ra da
n. 1.
COMPRAS.
re-
Vende-se tinta superior para ailar roupa a
2*000 cada garrafa, e 1* as meias garrafas : na
ra Velba n. 93. Com urna garrafa urna familia
aila roupa um anno inteiro.
Compram-se duas negras perfeilas cozinhei-
ras e engommadeiras: na ra de Apollo n. 84,
segundo andar.
Compra-se cobre e lato velho :
na ra da Cadeia do Kecife o. 36, pri-
meiro andar.
:]loi{}loi( {Igjjjltffi
Jeaoda-Silva Hamos, medico pela i m-
versidade de Coimbra, d consultas em
sua casa, na ra Nova n. 50, das 8 s 10
horas da manhia. das i s Oda tardo, e
recebe -egualuiente convites para dentro
cu fra da cldade, com o fin de 6e encar-
i errar de qualquer servico de sua profis-
I *3o.
Os chamadar- deverao vir por eseripto.
JjfjHjfijj
liberatorio hoHieefyathfeo, rita
Xova ii. 43.
O Dr. Sabino Olegario Ludgero Pinho tem en
to em qualquer ausencia
Continua a haver pao de senteio novo nos dias
quartas e sabbados de cada semana, na padaria
em Santo Amaro ao pe da fuudicao, na ra da Im-
peratriz n. 22, e ra do Brum, confronte o ehafa-
riz n. 47, ra das Cimes, deposito n. 39, na Pas-
sagem, taberna da esquina do Sr. Bento, que vira
para o Remedio, e no armazem progresso, largo
da Penba n. 10.
Aluga-s urna casa na ra das Flores: quem
quizer falle ua alfandega cor: Joo Duarte Carnei-
10 Monteiro.
Compra-se
cobre, ohumbo e lati velho : no oitao da secre-
taria da polica no armazem da bola amarella da
ra do Imperador.
Compra-se effectivamente ouro e prata em
obras velhas : napraca da Independencia n. 22 lo-
ja de bilhetes.
Mal de Lisboa.
Vende-se a bordo da barca portugueza Despique
II, superior sal de Lisboa : a tratar na ra da
Senzala Nova n. 4.
A 4.oo o sacco
de superior farinba de Santa Catharina ou de Por-
to-Alegre : vende-se a bordo do patacho Regulo,
em porcao ou a retalbo : trata-se com o capitao a
bordo, ou com Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
& C, no seu escriptorio, ra da Cruz n. 1.
Vendein-se barris com breu : na ra da Sen-
zala Velha deposito de sabio n. 136.
Nada inals barato.
Vende-se por 605 um piano de mesa em bom
estado apezar de um diminuto concert e afinacao
que precisa : na ra dos Pires n. 34 ou na taber-
na da ra do Principe se dir quem tem.
A prazo ou a dlnhelro.
Vende-se urna encllente barcaca de 28 a 30
caixas, inuito bem construida e aparelbada : a
tratar na ra do Apollo n. 4, primeiro andar.
A PREFERENCIA
Ha rna Velha numero 1
Tem exposta venda mobilia de Luiz XV, de
amarello assim como fabrica-se de diversos gostos
a Luiz XV, de Jacaranda, e outrasquaesquer obras
por menos preco do que em outra qualquer parte,
assim como concerta-sc e envernisa-se por barato *mtUJ= p uauaunnos, que se
preco.
YENDAS.
PARA
Vende-se um rico vestido de blonde de seda,
propriopara noiva, com capella, palma de peito,
veo e botinas de setim branco, por commodo pre-
So: naruadoQueimadon. 10, loja deFerr3o&
laia.
Em casa de R. lj. Lasserre & C, ra da
Cruz n. 5, vende-se por precos muito commodos,
medoc, santernes, cognac e mostrse primeira
qualidade.
Ao bom osI.
, Na ra Nova n. 55 se dir quem vende a mclhor,
mais rica e aceiada cadeirinha, propria para con-
No mesmo consultorio se vende a novissima edigao do Thesouro AomM/wiW^^ 'luem
ou Vademcum do homeopatha, obra indispensavel a dos que querem usar da horneo- traste,
pathia.
Tudo o que diz respeito aova medicina se acha abundantemente neste novo estabe-
aecimento.
um bom
VEJAM
4 escravos de 30 a 40 aunos para todo o servico,
muito robustos: na travessa do Carmo n. 1.
NOVOS
No grande armazem da aurora brilhante ha quei-
jos do reino a 15400 1600 25 e 2^400, presuntos
de Lamego novos, inteiros, a 320 a libra, queijo
prato novo a 720, de manteiga a 640, e de qualha a
400 rs. a libra, carne do Serid a 240 rs. em man-
tas : no largo da Santa Cruz n. 84.
f.I-'P
O
FAZENOAS DE BOM GOSTO.
FAEA 7BST1D0S-
Superiores cortes de ^orgurao de seda com flores matisadas os mais modernos que tem vindo a Pernambuco.
Ditos de moroant.quc de cores, de listas, de flores, e achamalotados, cores mui lindas.
Ditos de moreanlique prettM de jialmas com barra.
Lindos cortes de greoaJine de seda com barra e chale igual.
Ditos de iaa com barra raatisada e da mesma cor, a imperatriz pelo barato preco de 105; 125, 185 e 20 cada corte,
eos vestidos de blonde para noiva cora lindas mantas de lil de seda, de blon e com capella.
Ditos de w.mbraia brancos bordados a 125, 155, 25'5 e 355 cada corte.
Lindas laas lisas linas a 500 rs. o covado.
Ditas de quadrinhos e de llores a 400, 500 e 600 rs. o covado.
Superiores organdys com listas de seda, os mais modernos que tem viudo a Pernambuco.
Lindas cassac de cores do superior qualidade a 400,500 e 640 rs. a vara; assim
Como um vanado sortimento de percales, chitas francezas a 280,320, 400, 500 e 640 rs. o eovado, e outras muitas fazendas que
aftdonho mencionar.
PARA HOMBROS DE SlIVllOltAS.
Manteletes de seda pretos a 18.
Capas pretas de grs a 255, 305 e 355.
Ditas muito superiores a 405, 455 e 505.
Superiores santiembarques de casemira.
Ditos ditos de lindas laazinhas lisas e de quadros.
Ditos de seda pretos s de cores.
Ditos de musselina de seda chineza.
Superiores manteletes de torcal pretoe.
Lindos chales de musselina e de chai I \ matisados com listas de seda.
-T.OVOS diales de torcal e outros mullos, artigos modernos.
PARA CABERA RE SEMHORA E ^IE\I\ON.
Superiores enfeiles de flores, gostos os mate modernos em Paris, chegados pelo ultimo vapor francez.
Undos cluiposde palha da india enfeitados com muito gosto, a Imperatriz ea Valerav.
Ditos de palha para mcninos.e meninas.
Di los de seda bordados.
btmm 1,':n,ren*:ios bordados largos e estreitos, liras bordadas largas e estrella*, tiras de fustao cordadas para caleas de meninas, saias
. i c nuos,nillll(Js artigos de gosto por precos/nais commodos do que em outra qualquer parte : na ra do Crespo n 13 loia
das columnas de Antonio Vende-se urna va cea
duas garrafas de leite, por
ra da Imperatriz n. 19.
preco commodo : na
v LOJA DE MIUOEZAS
iY 16 Ra do Queimado X. 16
Macinhos de grampas 30 e 60
Tesouras diversas 40, 80, 120 e 160
Ditas finissimas para costuras 600 e 15000
Caivetes flnissimos de 2, 3 e 4 folhas 800 e 15000
Fitas e cordoes- para enfiar espartilho 80
120
com cria, a qual d. Enfiadores pretos para borzeguins
Por 550,000 rs,
4 escrava crioula de idade 30 annos, excellente
cozinheira, 4 ditas de idade 35 a 40 annos para
todo o servico : na travessa do Carmo n. 1.
Loques finos.
A loja da aurora na ra larga do Rosario n. 38, i
recebeu ricos leques de madreperola, e tambem
ligas de seda, que tanto serve para senhora como
para menina.
Capachos para sof.
Tambem receben bons capachos grandes para
soni, ditos de meio taanlo para porta, ditos re-
dondos para meio de sala.
Retroz da primeira sorte
Tambem recebeu retroz azul ferrete, preto e de
todas as cores, da raelhor qualidade que lera che-
gado ao mercado.
Capellas para noiva.
Receben ricas cap
Pecas de tranca de lalisa e de caracol pre-
ta e de cores
Ditas de dita de caracol mesclada 60 c
Ditas de dita branca de caracol
Ditas de dita dita para debrum de coleles
120, 160, 240 e
Ditas de bicos e rendas brancas 800, 15 e
Ditas de ditos pretos finos 15, 15200 e
Ditas de franjas branca para cortinados
i Ditas de dita dita cstreita
60
100
80
Ditas de aita de seda preta e de cor
Ditas de fita de veludo lavrado 15 e
Ditas de dita do retroz pretas e de cores
Ditas de dita de seda n. 1,1 1/2 e 2
Ditas de dita branca para cus 320,400 500 e
Ditas de dita para presilha de borzeguins
Varas de bicos pretos estreitos e largos 120 e
Ditas de dito preto largura de um palmo
Ditas de labyrintho estreilo c largo 120 e
Ditas de dito com um palmo de largo
Ditas de bico e renda branca 80, 120 c
Ditas de dito adamascado
Ditas de franja de seda prela e de cor
Dilas de fila para cs 40, 60, 80 e
pellas brancas linas para noiva,
i ,ei?m 1 b1.ue.lsLde diljerentes cores, ricos sapa-1 Ditas de dita "de "borracha prela" e" de cr
1 n,,?L nmenno bordailos.a seda Para meninos, Dilas de dita trancada de 13a e de seda
I e muito propnos para baptisado assim como lam- Ditas de dita de veludo lavrado 120 e
bem toucas de seda para o raes no Din.
240 RS.
o covado
Novo sortimento de cambraia franceza de lindos
: padroes por 240 rs. o covado ; grande pechin-
j cha, mandem antes que se acabe : na ra do Quei-
mado n. 43, esquina que volta para a Congregacao.
I Vendem-se duas balancas decimaes, duas
ditas romanas, e urna dita portugueza, grande, do
I autor Romo, com conchas e correntes : na ra
I; da Cadeia do Recifc n. 43, loja de fazendas.
\ endem-se
cem moedas de 165 de ouro velho : na ra do Ca-
bug loja de miudezas d'aguia de ouro.
Cal de Lisboa
nova: na ra do Vigario n. 19, primeiro andar.
Vende-se a armacao da taberna da ra do
Mondego n. 97 : a tratar na ra do Sebo n. 54.
- Alga se o (juarto ajelar e solo
do sobrado da ra da Cru. w <4., com
bastantes commodos para familia. a
tratarlo armazem do mesmo sobrado.
O solicitador Pedro Alexandrino da Cosa
Machado encarrega-sc as villas do Cabo-e Ipju-
ca de cobrancas e tudo mais que for tendente
sua profissao : pode ser procurado nasfiegundas-
fciras na ra do Imperador n. 61, primeiro andar,
k 1?- !?is dias a^'arao pessoa competentemente
habilitada com quem se poderao entender a eme-
Inante despacho.
Joao Jos Rodrigues, professor publico pri-
mario do collegio dos crphaos, fazvraos senuo-
respaisoerainiliaque, podendo actualmente di-
|wr de jhis algum lempo em consequencia de se
ter mudado para esla.ciadc aquelle collegio, ten-
eiona abrir na freguezia do Recife um curso par-
tiealar da hogua latina e outro a noite da france-
za, para o que se acha devidamento titulado. O
meeoio continua a leccionar por casas particulares
pnmejras letras, grammatica nacional e francez,
e se cciupromette a jeosinar a allar e escrercr es-
ta lingua. Pode ser procurado sa ra dos Guara-
rapes n. 34, onde por ora reside, das 3 lioras da
tarde em diante.
Precisa-se ajqgar urna escrava que seja per-
feia engommadeira e que emenda alguma cousa
de costura : na ra do Brum n 34._________
Alugam-se os andares e loja do sobrado da
ra da Penha n. 29 : a fallar na mesma ra n. 5.
ALVIf^ARAS A JOVIPADE.
Sao chegados loja das colmenas
na ra do Crespo n. 13 de Antoeio
Correa de VaseonseUos C. riqujs-
siraos cortes de laa muito fina com
barras estampadas e raatisadas Im-
peratriz Eugenia, cores as mais deli-
cadas como sejam: cor de ganga, de
l)7o, cinza etc., fazenda fnteiramen-
te nova e nunca vista em Pernam-
buco.
Massa fallida
Os adralnltradores da casa de Btb".'08 Lemos
pedem a todos os credores para que oresentem
seus ttulos at o dia Vi do crrente mmiTQ, na
ra do Trapiche n. 34, aflm dse proceder f&'-
o e ordenar-se o dividendo.
Pivdeu-se de Jaboatao ate ao Recife cinco
chavinhas : quem as achou queira leva-las ra
estreita do Rosario n. 1, que ser recompensado.
CASA DE SAUDE
Em Santo Amar
Do pr. Uva Ranos.
nico estabelecmento desta natureza
que existe entre nos, montado do modo
que pode com todo o commodo e zelo tra-
tar qualquer doente, que nella seja reco-
mido.
O edificio magestso e conserva-se
em perfeito estado de limpeza e conve-
nientemente mobiliado.
Os doentes sao separados, segundo os
setos, natureza das molestias e condicoes
sociaes.
Ha quartos fortificados para o* aliena-
dos, e urna enfermaria para as partu-
rientes.
O proprietario encarrega-se de qual-
quer operaeao.
O estabelecimento franqueado qual.
quer pessoa que o queira visitar.
Primeira classe 35000 diarios.
Segunda dita.... 35500
Terceira dita... 25000
Para que qualquer doente sejaali rece-
ido, basta que se mande onome do doen-
te e da pessoa que o remette, com a de-
claracao da morada.
O proprietario aceita contratos annuaes
com qualquer que queira ter um ou mais
Iejto* a sua disposicacr.
Attenco e multa attenco.
Quem tiver penhores na (raressa dos Expostos
n. 18, quejram vir resgaiar no praso de tres dias,
sob a eondicao de serem vendidos para pagamen-
to do principal, e juros, findos osquaes nao haver
reclamadlo alguma.
Recife, 22 de aetembre de 1863.
Vendem-se forquilhas de ferro j chumbadas
, em pedrapara latada por 35 das grandes, e 25500
das pequeas: em S. Jos do Manguinho, sitio do
leao junto a capella.
Ditas de galao branco lavrado
Dilas de tramoya e babado largo 80 e
Ditas de fita acharaalotada para cinteiro
Ricas (velas de cornalinas e pedras para cin-
teiro
Riguissimos cintos para senhora
travatiuhas modernas para senhoras a
Ricas atacas de cornalina para senhoras a
Grvalas de seda para homem a.160 e
Ditas de setim preto para homem a
Luvas brancas de pellica a
Ditas de cor com toque de mofo
Ditas de seda para homens e senhoras a
Ditas de montara e Escocia a
Pentes de atar cabellos a 40 rs., 200 rs. e
Dilos de tartaruga, modernos a 45 c
Ditos dourados e marrafas a Mara Pa a
Cartoes com clcheles a 40 rs., 60 rs. e
Caixinhas com ditos a 40 rs., 60 rs. e
Agulhas de fundo dourado ns. 6 ate 15 a
Ditas da Victoria ns. 6 at lo a
Oitava de retroz preto e de cores a
Duzias de botoes linos para coletes a
Grosas de botoes de porcelana pintada a
Massos com 20 papis de palitos lixados finos a
Attenco.
Na ra estreita do Rosario n. 41, se-
gundo andar, se offerece urna pessoa pa-
ra engommar com alguma perfeicao e
commodaniente nos precos.
Resmas de papel almaco liso a 25500, 35 e
Ditas de papel almaco pautado a 35600 e
Dilas de papel de peso pautado a
Pacotes de papel pequeo de cores a
Ditos de papel branco amisade a
Caixinjias de papel pequeo azul a
Ditas com 100 emvelopes a 800 e
Ditas de pennas de langa a
Ditas ditas caligraphicas
Escovas finas para denles a 160 rs., 320 rs. e
Ditas para cabellos com espelho a
320
15200
15400
:ir5000
800
35000
I540O
240
400
600
400
200
500
200
500
200
160
400
100
160
140
160
100
160
500
15600
45000
15000
600
500
I5OOO
15500
640
15000
500
640
55000
352OO
80
80
160
100
160
320
120
280
Os cortinados do Pnvo.
Vendem-se os mais bonitos cortinados de eam-
braias adamascadas, tapadas e transparentes, pro-
prios para adornar janellas e para camas, tendo de
varios gostos e poreio de pares iguaes, conforme' Ditas inissimas para facto a
possam precisar, e vendern-se nicamente na loja [ Toucadorescom p a 800, 15000 e
do Pavao, na ra da Imperatriz n. 60, de Gama &! Bonitascaixinhas vasias para guardar joias
Silva. e outros objectos a 240,360 e
Sedas de quadriuhos a 800 rs. so o
Pavo.
356O0
55000
35800
700
700
800
15000
800
15200
480
720
720
45000
Vendem-se as mais delicadas sedinhas de qua-
drinhos, muito miudinhos, sendo proprios para
vestidos de senhora e roupinhas para meninos e
meninas, sendo fazenda que sempre se vendeu a
15500 e torra-se a 640 e 800 rs. o covado, e sedas
Aluga-se a casa terrea da ra dos Guarara-1 brancas lavradas, propinas para vestidos de noivas
es n. 67 : a tratar na ra da Cadeia do Recife n a 800 rs. o covado : so na loja do Pavo, ra da
7, loja. Imperatriz n. 60, loja de Gama & Silva.
Ricos vestidos de Southambac, vende
o Pavo.
Vendem-se os mais modernos vestidos a Sou-
thambac, com barras de seda pelo diminuto preco
de arcos; de 105000 cada um : s na loja do Pavo, ra da
larguras imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Para o* genhores de engeohos.
Offerece^e um m^o babi!, tendo j alguma pra-
iica, para caxeiro de aJgum engenho, que d fiador
sua conducta, qnem pertendw annuncie por este
Diario, ou traa na ra da Concordia n. 4.
Ao n. 29.
.Nova loja dos baraleiros na ra do Queimado.
velludo de cores fazenda muito boa o covado
35000, baldes de panno 35200, ditos
.35000, 45000 e 55000, laas de duas
para vestido o covado 800 rs., chitas francezas o
covado 360 rs., metim branco para forro de
vestido o covado 120 rs., tarlatanas de todas as
cores a vara 720 rs.
Ao a. 29.
Nova loja dos baraleiros na rna do Queimado.
Cassa lisa pelle de ovo a peca 75500, cambraia
lisa muito fina a peca de 17 varas 105, cam-1
braieta peca de 12 jardas 75000, cambraia adamas-
atoa para cortinado a peca de 22 varas 105000,1
meias finas para senhoras a duzia 45000, chales
de laa ponta redonda 325500.
Ao n. 29.
Nova loja dos baraleiros na rna do Queimado.
Bicos pretos de linho a vara 120, 160, 240, 320
rs., franjas de seda a vara 80 e 160 rs., galoes
de seda de algodo e de la para enfeites de vesti-
h2 a i?T deJ 10. e iS var" a *0. toldes de seda
de velludo e de fustao duzias 120
F* John Broadwood & Mons^j
Um piano com ponco uso deste au-
tor tem para vender Andrade k Reg,
rna do Crespo n. 8, esquina da do m-
480
Brincos e rozetas pretas a 160 e 240
Ditos pretos e de cores, a balo a 400 e 800
Ditos dourado e de pedras, a balao a 15200
Bonitos grampoc a balo a 500
Duzias deeolheresde metal do Principe para
cha a 25000
Ditas de ditas mais ordinarias a 500
Bonitas bonecas de cera a 15500 c 25000
Ditas ne massa a 200, 400, 600 e 15000
Sapatos de tranca para homem a 15800
Duzias de palitos de fogo a 160
Chicotes e bengalas a 15 e 25000
Caixas de lamparillas para azeite e gaz a
O GALLO CANTA.
J sabido que quando chega o vapor da-
Europa, o gallo canta annunciando aos seus
numerosos freguezes as galanteras da mais
gosto e da ultima moda que por elle
cebe, como sejam:
Camisinhas para senhras.
Requicimas camisinhas com manguitos e
gravatinhas para senhoras: s no Vigilante,
ra de Crespo, n. 7.
Cirigolinhas.
Riquissimas cirigolinhas ou gravatinhas,.
sendo cousa de muito gosto, e a primeira
vez que apparecepara as senhoras de bom
gosto: s no Vigilfhle, ra do Crespo'
n. 7.
Pentes de concha.
Tam bem chegaram riquissimas guarn-
ces de pentes de lindo gosto, tanto para
atar, como para marrafas, por precos ra-
soaveis: s no Vigilante, ra do Crespo,
Q.7.
Redes com lacinhos de fila.
Lindas redes pelas e de eres com un'
lindo lacinho de fita para conservar o cabel-
lo, pelo barato preco de i50'>; assim como
os novos enfeites para cabeca a 30OO, U e
5)5000: s no Vigilante, ra do Crespo,,
n. 7. N
Ligas.
Riquissimas ligas de seda de bonitas core*
a 1,5500; assim como uta propria para o
mesmo effeito a 500 a vara: s no Vigilante,
ra do Crespo, n. 7.
, Luvas de Jovin.
Tambem cliegou e chegam por todos os-
vapres grande sortimento de luvas de Jovin,
aonde os freguezes podem escolher-: s no
Vigilante, ra do Crespo, n. 7.
ntremelos e babadinhos.
Tambem chegaram grande sortimento de
vendem
por baratissimo preco de I 500 a pecinha:
s no Vigilante, ra do Crespo, n. 7.
Fivellas para cinto.
Tambem chegaram grande sortimento de
lindas Gvellas de ac e de metal com pe-
drinhas e sem ellas, pelo barato preco de
20 e 20500, daudo-se a fila para as mes-
mas : s no Vigilante, ra do Crespo, n. 7.
0 G'ILO CUITA
Ja sabidoque o gallo nao poda deixar de
cantar annunciando a seus numerosos freguezes os
riquissimos pentes que acaba de receber por este
ultimo vapor.
Pentes le tartaruga.
At que chegaram os riquissimos pentes de tar-
taruga a Maria Pia para as senhoras apreciarem o
que gosto e delicado trabalho fingindo urna cas-
carrilha guarnecida por botozinhos, poderao man-
dar comprar antes que se acabem, pois foi urna
pequea amostra que o fabricante mandou : so-
para o vigilante ra do Crespo n. 7.
Caixas de tartaruga
Tambem os amantes da boa pitada acharao gran-
de sortimento de lindas caixinhas de tartaruga
branca e de cores de todos os tamanhos para ra-
ll at para dar de mimo: s no vigilante ra do
Crespo n. 7.___________________
S NA ARARA.
Esta-se liquidando diversas qualidades de fazen-
das por precos baratissimos, na loja cima da
Arara, ra da Imperatriz n. 56, de Loureneo P.
Mondes Guimaraes.
A Arara vende cassas a 800 rs.
Ven-so cassas para vestidos a 200 rs. o covado,
cassa-organdis fina a 240,280 e 320 o covado, al-
pakini de linho para vestido de senhora a 240 o
covado, cassas suissas de quadrinhos, a 280 e 320
o coyado ; na loja da Arara n. 56, de .Mendes Gui-
maraes.
Hnfeites da Arara a lOOf>.
Vende-se enfeites para caliera de senhora a 15.
dilos paribaldinos a 25, gollirhas bordadas com
botozinhos a 15, gollinhas smente"320 rs.. meias
croan para senhora, muito largas, a 320 rs. o par,
meias para homem a 120 rs. e dilas para meninos
a 100 ; na ra da Imperatriz n. 56. loja da Arara.
A i rara vendecasemirasa E Vende-se cortes de casemira inglezas escuras a
15600. ditas escuras infestadas a 15800 : tanibcm
se vendo em covados a 15, pois tem duas larguras
e um covodo e tres quartas d um corle de calca
corles de casemira preta a 35500 : ra da born
rali iz n. 56, loja de Mendes Guimaraes.
Oh que pecl lincha a 2,500 rs.
Vende-se pecas de cambraias de carocinhos
brancas c de cores a 25500, ditas de salpicos a
15800, dilos de palmas solas de 1 vara de largu-
ra a 25, pecas de cambraia brancas finas a 35 o
35500, pecas de cassas para cortinados com 20
varas a 95, ditas de 10 varas a 45500, na ra da
Imperatriz n. 56 loja e armazem da Arara, de
Mendes Guimaraes.
Lencos de seda da Arar a 800 rs.
Vende-se lencos de seda de urna s cor muito
finos a 800 rs. ditos estampados a 15 c 15500 com
franjas, chapeos de sol ou marequezinhos para se-
nhora, com franjas e o cabo preto de 25500 a 35
d i tos para homem a 55; na ruada Imperatriz n.
50, Arara de Mendes Guimaraes.
A Arara vende ricas colchas a 8,000 rs.
QXSSd5cf ri.casfco!,hasde velludos para cama a
H>000, ditas de lustao a 55, ditas de damasco a
45, cobertas de chita a 25, cobertores de algodao
de pello a 15600, lencos brancos finos a 200 rs
tapetes para sala a 55. *
Grande pechraclia, o corle de cambraia por 1,000.
Vende se corles de cambraia com pequeuo to-
que de copim a 15 e 25 cada um, cortes de cam-
braia de babados finas a 35 e 45, camisas de meia
para senhora a 500 rs., lencos de retroz para se-
nhora a 500 rs. : na ra da Imperatriz, loja da
Arara n. 56, de Mendes Guimaraes.
Madapoln infestado a 1,000 rs,
Vende-se pecas de madapolo francez infestado
fino de 12 jardas a 45, 45500, dito inglez fino
marca Morin, 75500 ; dito marca Hainha a "5 dito'
marca HH a 85, dito n. 6,85500, dito n. 7,95500,
diloelephante fino a 105, algodao muito incorpado
a 45, 45500, 55 e 55500 pechincha, brim d
linho a 15280 a vara, dito a 640 rs., dito fino do
de algodao a 280 e 320 : no ra da Imperatriz n
56, loja da Arara de Mendes Guimaraes.
A Arara vende bales a 3,000 rs.
Vende-se baldes de arcos americanos, os melho-
s que tem vindo, de 15, 20, 25, 30, 35 e 40 ar-
'otassa da Hussia
Vende-se em casa de \. 0. Hio-
ber & C, snecessores, ra da
Cruz n. 4.
- 7m nT^se de liVuu* a PreD m nypoie-
caem urna boa casa terrea ne*ta cidade ouem
este negocio quizer lazer annuncie por est fola
7 Procurado, r"
INJECCAO BROW.
para se?
Remedio infailivel contra as gnorrheas
antigs e recentes, nico deposito na bo-
tica franceza, ra di! Cruz n. 22, pre-
COS*
100 e 160
Cartas portuguezas e francezas a 200 e 300
Cinturoes de borracha para homem a 320
Suspensorios sem e com elsticos a 160 o 480
Lapis azues e encarnados a 120
Caixas de obreias de massa e colla a 80 o 120
Frascos cora tinta azul e encarnada a 320
Boioes com tinta preta ingleza a 120
Duzias de canudos de pomada branco a 240
Cosmetique chato e redondo a 100 e 600
Sabonetes chatos e de bola a 200 e 800
Caixas de pos para dentes a 240 c 720
Frascos |de pos hygenicos im a 15OO
Frasqulnhos de patcholv a 500 e 800
Frascos de banha franceza a 300, 500, 700 e 15000
Ditos de banha finas transparente a
Ditos com banha e extracto a
Dilos de porcelana com banha a
Garrafas d'agua florida a
Frascos de oleo plnlocome a
Bitos d'agua de Colonia a 500 e
Ditos de oleo de babosa do Rio a 480
Ditos de sndalo (extracto) a
Cestinhas com vidros de extractos a
Caixinhas com 6 vidros de dito a
Bahuzinhos com perfumaras a
Pecas de fita de veluno de seda ns. 4,
24, 30, 0 e 60, preta, cor de rosa,
900
15200
800
15500
900
800
500
15000
700
15280
15800
8, 12, 16,
encarnada,
verde, azul e mutissimos outros objectos qne se-
ria enfadonho mencionar, os qoaes se vendem
muito mais barato qne em outra qualquer parte :
t na ro do Queimado, n. 16.
res
eos. "pelos precos de 35, 35500, 45 e 55, ditos de
brilliantina a 45 c 45500 : s na Arara, ra da
Imperatriz n. 56, de Mendes Guimaraes.
Cuitas a 200 e 210 rs. o covado.
Vende-se chitas de cores fixas a 200 rs. o cova-
do, dilas francezas com pequeo toque de mofo a
240, dilos lirapos a 320, 340 e 40 rs. o covado
chitas em corte, finos a 25000, ditos francezas a
25500, cortes de riscados francezes com 14 cova-
dos, fazenda nova a 35 : s na Arara, rna da Im-
peratriz n. 56, loja de Mendes Guimaraes.
Laazinhas da Arara a 320 rs.
Vende-se laazinhas finas de quadriuho para ves-
tidos a 320 e 400 rs. o covado, ditas com 5 palmos
de Iargura.de umascr, a 500 rs.; ditas de qua- '
drinhos a 500 rs., capas para senhora a 105 e 85 ;
roupa feita para homem, calsas de casemira da
Escossia a 25, palitots de meia casemira a 25500,
35500 e 45, cemisas francezas a 25, ditas de lis-
tas a 25500 e 35, ceroulas de linho a 15600 e 25 :
na ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Attenco para lodos,
Eu abaixo assignado declaro aos devedores da
firma de Magalhaes 4 Mendes, o favor de viren
pagar seus dbitos, e juntamente aquellas pessoas
que tem negado dividas, o favor de pagarem, do
contrallo se declara os seus nomes por este jornal,
e serao cobradas judicialmente, conforme a lei.
Ra da Imperatriz, loja da Arara, n. 56.O liqui-
datario da firma Magalhaes & Mendes, Loiirenco
Pereira Mendes Guimaraes.
Voceas de leite
Vendem-se tres excellentes vaccas de leite e um
garrota de raca tounna : quem qnizer dirija-se ao
Rosarinho, quasi confronte o sitio do Sr. desembar-
gador Villares, sitio do finado Frnctnoso Jos "Pe-
reira Dutra, onde ellas estad, e a tratar na na do
Mondego n. 24, com Antonio Philadelpho Pereira
Dutra.
LEGVEL




I


___
wmmtmmm
Diarlo de Peruainbuco Quinta feira 34 de Sctewbi o de i SUS.

GRANDE EXPOSIQAO
de fazeodas baratissimas qoe se ven"
dem para liquidar; na loja do Pa-
vo, roa da Imperatriz, h. 60.
Nesle estabelecimento acha-se um grande
e variado sortimento de fazendas, tanto de
luxo, como de primeira necessidade, pro-
prias para a praca e para o mallo, que se
vendem por presos muito resumidos, de to-
das as fazeodas dao-se amostras, deixando
penhor, ou mandam-se levar em casa das
familias para escolherem, pelos caixeiros da
loja do Pavao.
las com O palmos de largura
na loja do Pavo. i$ loo.
Yeodem-se ISazinhas transparentes de. urna
o covado; fustao para vestidos e roupinhas
de meninos, a 320 rs. o covado; alpakin ou
gurgurSo de linho, a 260 rs.; ganguelin,
urna so cor, a 320 rs. o covado; toalhas de
linho adamascadas para rosto, a llk vestua-
rios para meninos e meninas, a 1(51600 e 20;
tiras bordadas e entremeios, mais barato que
era outra qualquer parte: tudo isto pe-
chincha e vende-se para liquidar: na ra da
Imperatriz n. 60, loja e armazenr do Pavao
de Gama & Silva.
Grosdenaples a i:>00 rs., na loja do Pavao.
Vendera-se grosdenaples preto muito boa
fazenda,. a 10500, 10600, 10800 e 20: s
na loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60.
Para luto vende-se ua loja do
Pavao.
Vendem-se finissimo selim da China, fa-
zenda sem lustro, proprio para vestidos de
s cor, de quadrinhos proprias para capas senhoras, para capas e roupa para homem
e vestidos, tendo 9 palmos de largura, pelo
baratissimo preco de 10400 o covado; s
na ra da Imperatriz n. 60, lojado Pavo.
O Pavo vende las de 4 palmos
de largura a AOO rs.
Vendem-se lazinhas infestadas, sendo das
mais modernas, de urna s cor e de qua-
tendo esta fazenda 6 palmos de largura e
sendo muito leve, vende-se pelo baratissimo
preco de 20200 o covado, garantindo-se que
nao se torna ruca, e vendem-se nicamente na
loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60:
Cortes de chitas a 2:000 e 2:300 rs.
Na loja do Pavao veude-se cortes de chitas
inglezas, tendo 10 covados, a 20, e com
l.aiuhas a
SALSAPARRILHA
drinhos, proprias para vestidos e capas, pelo 12% covados, a 20500, sendo todas de pa-
baratissimo preco de 500 rs,o covado; di- roes escuros: na ra da Imperatriz n. 60,
tas matisadas, fazenda muito fina a 500; di- e Gama & Silva,
las garibaldinas a 440rs.; ditas de qua- Carnauba.
dros a 360 e 280 rs.: s na loja do Pavo, Vende-se cera de carnauba em saccas, por
ra da Imperatriz, n. 60. de Guimaraes preco muito em conta, ou mais barato do
Si iva, j que em outra qualquer parte : a tratar na
'OO rs. o eovado. rua l,a Imperatriz n. 60, loja de Gama &
S o Pavo. Si,va'
Vendem-se las de cordozinho proprias
para vestido, sendo muito boa fazenda, com
as cores seguintes: alvadia, cor de caf.rxo
escuro, claro e pretas, proprias para luto ;
ditas transparentes com palminhas, pelo ba-
rato preco de 280 rs.; ditas infestadas de
quadros a 280 rs.: s na rua da Imperatriz,
n. 60, loja do Pavo.
GRANDE PECHINCHA
a tOO rs. na loja do Pavo.
Cassas a 210 rs.organdy a 240 rs.
Vendem-se muito bonitas cassas francezas
a 240 rs. o covado ; organdy matisado, pa-
drees muito bonitos a 240 rs. o covado;
ditos, fazenda flnissima que sempre se ven-
deu a 10000 a vara, liquida-se a*600 rs. a
dida,ou 360 rs. o covado, por haver grande
porco : na rua da Imperatriz, n. 60, loja
do Pavo, de Gama A Silva,
\oa pechlncha de cortes de
cambraia na loja do Pavo.
Vendem-se cortes de cambraia brancos
com babadosa 20500; ditosa 30000; ditos
a 40000 ; ditos chinezasa 4000o ; pecas de
cambraia transparentes, adamascadas, pro-
prias para vestidos, tendo 8 varas e meia a
30000; ditas I isas brancas e decores a 20500,
30000, 30500, 40030 e 50000 ; pecas de
cambraia de carocinhos tendo 8 varas e meia
cada urna, sendo brancas e de cores, a 30500; I
ditos a 20500; pecas de cambraia para cor-
tinados, sendo tapadas e transparentes com
20 varas cada peca a 90000, isto tudo para
apurar dinheiro: na loja do Pavo, rua da
Imperatriz, n.60, de Garuad- Silva.
O Pavo vende chales
A 2*000, 20500, 30000, 50000, 60000.
70000, 8,000 e 100000.
Vendem-se chales de merino estampados,
ciaros e escuros a 20, 20500 e 30000; ditos
muito finos de todos os preeos e qualidades,
tanta de pona redonda como quadrados;
assim como finissimos chales de crepon com
ricamente bor-
DE BRISTOL.
As curas milagrosas de
ESCROJFUT..9S,
TJLCEriAS,
CHACAS ARTIGAS,
ENFERMIDADES SYPHILITICAS,
Erysipelas, Rheumatismo,
Nevralgias, Escorbuto,
ele, etc., te,
que tem grangeado e dado o alto re-
lime
SEJfl M](.i ilMK
QUINQUILHARIAS.
Rua do Queimado, ns. 49 e 55, lojas de
Jos Bigodinho, queiram ver ver as fazendas
que abaixo annuncio, pois todas eu garanto
que sao muito novas e baratissimas.
Pegas de trancas de algodao de to-
das as cores a....... 80
Duzias de linhas com 200 jardas, A-
lexandre, a..... 10100
Carritel de qualquer numero 100
Varas de aspas para balo 80
Caixas com superior obreias a 40
Ditas de~ colla '........ 40
Pares de botoes de punho a 120
Pares de sapatos de tranca 10280
Ditos muito superiores, a 10600
Caixas e pacotes de papel amisade de
cores a. ....... 600
Duzia de meias muito finas para se-
nhora a........ 30500
Duzia de ditas cruas para homem a 2*400
Baralhos muito finos para voltarete a 300
Carriteis de linha com 100 jardas a 30
Cartes de linha branca e de cores a 20
Novellos de linha com 400 jardas a 60
Ditos muito grandes com 800 jar-
das a ....... 120
Ca toes de linha com 200 jardas (est
se acabando a...... 60
Vara de fita prela com colxetes para
vestido, e tem um resto parda a 100
si:w suuiaiio.
Objectos de tintura e msica.
Na rua do Queimado, ns. 49 e 55, est
queimando tudo pelos preeos abaixo decla-
rados, e prestem toda a attenco para ver
o que bom e barato.
Duzia de facas e garfos muito finos a 20500
Dita dita dita de cabo preto muito
finas a.......... 30200
Dita dita dita de balanco, melhor.a 50500
Tesouras para costura, muito fi-
nas a .........400
Ditas ditas para unhas, muito finas a 400
Cartas de alfineles de ferro a 80
Ditas ditos de lato muito finos a 40
Ditas de dito grandes 120
Caixas de phophoros de pao 10
Grosa de ditos do gaz a 20200
Duzia de dito dito. a 200
Massos de palitos para denles a 160
Abotoaduras para coletes a ... 160
Escovas para roupa.muito finas a 400,
500 e.........800
Salsaparrilha de JBristol
por todas partes do universo, bSo to
smente devidas
nica Legitima e Original
SALSAPARRILKA DE BRISTOL,
PREPARADA EXCLUSIVAMENTE POR
LAMAN Si KEMP PE NOVA YORK,
Mediante a reccita do Di: C. C. Bstol.
SEM SEGUIDO.
PECHINCHA.
Perfumara de superior qualidade.
O rival sem segundo, rua do Queimado,
ns. 49 e 55, est disposto a vender mais ba-
rato que nunca vendeu, para o que queiram
ver :
Duzia de sabonetes finos a 720
Sabonete inglez, o melhor, a 160
Frascos com agua de Colonia muito
fina a......., 400
Ditos de dita grande a 500
Ditos de Lavande ambreado, o me-
lhor, a........500
Ditos de macaca oleo muito bom a 100
Ditosperola muito superior a 200
A venda as boticas de Caors & Barboza,' Dilos de oleo de Dabosa a 2i0, 320.
rua" da Cruz, e Joo da C. Bravo & C, rua 400 e.........500
Ditos de banha branca a 320
Dito de cheiro muito bonitos a
cores inteiramente novas e
dados a matiz, sendo chegados pelo ultimo ]a Madre de Dos.
vapor a 100000 : ditos de pello, bordados, __________________
a 3 %. s na loja do Pavo, rua da Impera-. ^ fl mazB^ de fazendas bara. I Slos^SnhV,'peq7eno,V muVflna
triz.iL 00.
1 -~ ...*-- 1 tas de Santos Coelho
Aseasemiras do Pavao iufesta-
das a I#eoo.
Vendem-se casemiras francezas enfesta- j brUs de f|li|
das, proprias para calcas, coletes, palitos,' da inda pelo baral0 pre50 de 25.
Lenees
Rua do Queimado numero
Yende-sc o scpiiinte
200
900
800
720
800
e capa para senhoras, por ter de urna so
cor, sendo fazenda que sempre se vendeu
a 30000, liquida-se a 10600 o covado : s
na loja do Pavo.
Grande pechlncha em chapeos
de sol na loja do Pavo.
de panno de linlio a 25-
Lenees do bramante
de linho fino de um s panno pelo baratissimo
preco de 35.
Toallus alcoelioadas
para mos nelo barato prego de 55 a duzia.
Vestidinhos de seda
para menina pelo baratissimo preco de 4.
Lencos de seda
Vendem-se chapeos de sol, a ingleza, sen-
do cobertos de linho e forrado de verde, pro-
prios para senhoras que forem passar a fes- para algibeira pelo barato preco de 15
la ou para meninas levarem para a escola,! Ritas saias de fusto
pelo barato preco de 1060 ; ditos marque- Pd barato preco de o5300.
ibas de> sedacom franjas ecabo.de do- JS? S pelo baratissimo
brar a 3;>000 ; ditos de seda para homens,: prc0de cli&Mf dlufa
sendo com armaco de balea a 60 e 70, isto j Q0rtes de Mia
para apurar dinheiro : s na loja do Pavo,; de ganga amarclla de lista c quadros pelo bara-
' tissimo preco de i200 o corte.
Pejasde madapolo
rua da Imperatriz, n. 60.
Caxemiras da Escocia a OOO
o corte.
Vendem-se cortes de eaxemira da Esco-
cia, para calcas, pelo barato preco de 20,
tendo da mesma fazenda para
fino largo pelo baratissimo preco de 8#.
Pecas de bretanha
de rolo com 10 varas pelo barato preco de 3^200.
Peras de cambraia
vender em . dc4.
Atoalhallio de linho
Ditos de opiata a 200 rs., e boa a
* Ditos de banha japoneza a .
Ditos de banha transparente a .
i Ditos de oleo filoconne a .
RIVAL
SEM SEGUNDO.
Objeetos diversos.
Ba do Queimado, ns 49 e 55, vende os
objectos abaixo declarados, pois para aca-
bar; estes pregos nao sao para continuar,
mas as nesessidades assim o permitte.
Pares de uvas de algodo finas a 80
Caivetes de aparar penas, de 1 fo-
lhaa ,........ 80
Ditos de 2 ditas a......160
Caixas de colxetes francezes a. 40
Duzia de dito francez a 360
Massos com grampos lisos e de cara-
col a ......... 40
Duzia de dedaes de metal em caixi-
nba de.vidro.......320
Tinteiro de vidro com tinta superior
a..........160
Ditos de barro que serve para tin-
teiro a
covados a 580 rs., sendo esta fazenda mui
lo encorpada a mitaco de eaxemira, e ga-! com 8 lmos d"tarjm'mfo pan toaliia de! Grosas de botoes de louca prateado a
raote-se que nao desbota. Tambem se ven-1 mesa pe|0 barat0 preco de 2^500 a vara. Pecas de tranga lisa encarnada a ,
Barege
de lindos gostos pelo barato preco de 440 rs. o co-
vado.
Esleir da India
Eropriapara forro de sala de i, $ e 6 palmos de
jrgura
dem cortes de eaxemira ingleza, d cores
eseuras para calca pelo barato preco de
1*800 cada corte, ou a 500 rs. o covado :
s na loja do PavSo, rua da Imperatriz,
n. 60.
Madapolo infestado a 4000
S o Pavio.
Vendem-se pecas de madapolo infesta-
do com 12 jardas a 40000, ditas a 40500,
ditas com 24 jardas a 70500 e 80000 : s
na loja do Pavo, na rua da Imperatriz.
n. 60.
Ricos vestidos brancos.
Vendem-se os mais ricos vestidos de cam-
braia brancos, bordados a croch, sendo os
mais modernos que tem vindo ao mercado,
tendo as saias 4 pannos, e vendem-se pelos
baratos preeos de 100, 120 e 16 : s na
loja do Pavo, rua da Imperatriz, n. 60, de
Gama & Silva,
ADMIREN AS PECHINCHS,
na loja do Pavao.
Bicos cortes de cambraia brancos com ba-
bados e duas saias bordadas crox, tendo
bstante fazenda para vestido, pelo baratis-
simo preco de 30 cada um; ditos de cam-
braia de seda com barras e babados, a
20500, para acabar; cortes 4e> vestidos a
Mara Pia, sendo fazenda de bonito gosto, a
30500; cortes de cambraia brancos com ba-
badinhos, a 20; enfeltes para cabeca, sendo
Garibaldi e a turca, a 40; ditos com fitas
e flores, a 20; camizinhas bordadas para
senhoras, a 10; manguitos de varios model-
los, a 400, 800 e 640 rs; calcinkas para
meninas a 500 e 640 rs: golnhas bor-
dadas, a 320 e a 500 rs.; sedas de qua-
drinhos, a 640 rs.; ditas de listas, a 400 rs.
CiL IM I IMM>%
Vende-se eal nova de Lisboa : no largo do Cor-
po Santo, ecriptorio de Manoel Ignacio de Olivei-
ra 4 Filho n. 19.
Varas de bicos e rendas, para aca-
bar a ......... 60
Varas de labyrinto de 3 dedos de
largura a.......100
Ditas de pos para den tesa ... 100
Pentes de tartaruga a 30000 e 30500
Cera de carnauba.
Na ru da Cadeia do Recite n 57 vende-se mui-
to superior cera de carnauba. ______________.
Cal de Lisboa a 4# o barril.
Vendem-se barris de cal de Lisboa de superior
qualidade : no deposito da rua do Brum n. 60.
Aos Srs de engenho
No caes d'ApolIo armazem n. 55, de
Jos Dnarle das Xeves, acha-se ven- S2S*
da a mais snperior larinlia Fontana
sendo muito recommendada as casas de
familia, as bami| ni tilias de 3 arrobas
e de 48 libras cada urna.
Vende-se na praca da Independencia ns. 37 e
39, capellas de aljfar para se botar no cemiterio
publico no dia de finados com as inscripcSes se-
Btintes :
inha mi.
Meu pai.
Hcu esposo.
Minha esposa.
Meu filho.
Minha Glha.
J5 nk aj
r
Attenco!
Posto que domine no cora-
co do BALIZA a mais bem en-
tendida ambico de tirar de
seu negocio as melhores van-
tagens, com tudo elle nao pro-
cura fazer fortuna vendendo
gato por lebre;
Quando nao se negocia aca-
nhadamente, est bem ao alean- -
Ce de todos a facilidade de fa-
zer-se boas compras, para ven-
der-se barato.
Leiam todos.
Ao armazem do BALIZA po-
dem ser devolvidos qoaesqaer
gneros qne por ventura nao
sejam do contento dos senho-
res compradores. Nao fica
resentimento al^um em se tro-
car por outro, ou restituir-se
o dinheiro recebido,
Manter a todo o custo o seu
crdito, e agradar aos seus a-
migos e freguezes, todo o
desejo do proprietario desle
estabelecimento,

LEDE* LEDE* LEDE!
Sempre a frente do progresso,
Constante marcha o BALIZA,
Tem por norte o bem commum.
A verdade por divisa.
u 11 % \ 111:
m
DE
Largo do Uvraniento ns. 38 e 38 A
Defrontc da grade da igreja
AO RESPEITAVEL PUBLICO
Senhores e senhoras
0 incansavel proprietario do grande armazem do Baliza toma a libcidadc de mandar
declarar do alto da imprensa pernambucana, que elle perfeitamente liberal em offerecer aos seus
benvolos freguezes as melhores qualidades dos mais bem escolhidos gneros, nao s do paiz como do
estrangeiro a procos de contentar c satisfazer a todos.
Fazendo to publico e espontaneo manifest, o referido BALIZA julga de seu rigoroso dever
declarar mui seria e pusitivamente nesta oportunidade, que tambem o mais firme c dedicado conser-
vador de sua numerosa freguezia.
Da boa qualidade e barateza dos gneros offerecidos aos seus freguezes, junta ao pequeo ga-
nho que tira para si, tam sabido fazer o BALIZA a mais perfeita liga de interesses recprocos, que a to-
das as confidencias deve por forca c necessariamentc agradar.
Tendo por conveniente tambem a publicaco do seguinte aviso, o BALIZA faz saber tnicamente
aquellas pessoas que sempre esto promptas a cbmprarem tudo, com tanto que se Ihes permuta paga-
ran logo, que elle
NAO VENDE FIADO.
Os amigos da economa, aquellos que s eompram os objectos de que carecem, e que gostam fi-
nalmente de empregar bem o seu dinheiro venham a este estabelecimento.
iJEI O TODO*.
Do preco 4e qualquer genero annunciado a venda em outros estabolecimcntos, podem os senho-
res freguezes diminuir cinco por cento, e vir compra-lo ao Baliza, que sendo, como todos sabem, o ho-
mem do movimento prefere ganhar muito pouco, com tanto que seja por mudas vezes repetido.


ESTABELECIMENTO CO.YIMERCIAL
DE
iCALDERARIA E FUMIGO DE METAES,
8ito a rua do Brum n. 40 junto
a fundico do Sr. itow mam. pertencente a
Villaca Irmo il .
Neste estabelecimento encontraro os freguezes um completo sortimento
de tudo que diz respeito as artes de caldereiro, funileiro, latoetro, ferreiro e
fundico, e os abaixo asssignados que o dirigem, promettem servir a todas as
pessoas que se dignarem de os procurar, com promptido, sinceridade e pre-
sos muito. rasoaveis. O dito estabelecimento estando montado em ponto
grande, tanto no que diz respeito a pessoal, como em materia prima, e tendo
habis officiaes, pode executar com toda a perfeico e seguranca qualquer
obra tendente as artes cima mencionadas e affoitamente pdem os abaixo as- ^
signados assegurar ao publico que nenhum outro estabelecimento lhe pode
fornecer mais barato e mais perfeito do que elles, visto que recebem de sua
propria eneommenda todas as materias empregadas em ditas obras.
Alambiques simples e continuos de to- Sinos de 16 libras 8 arrobas.
dos os tamanhos e dimences.
Machinas de cobre para destilar e res-
tilar espirito at 40 graos pelos sys-
temas de Logier e Derosne.
Carapucas e serpenfinas de cobre, e
estanto, avulsas.
Taixas e tachos de cobre para engenho Bombas para cacimbas,
e reflaco. de repucho.
Paroes de cobre e todos os cobres ne- Bombas para destilaces.
Parafuzos de bronze e ferro para ro-
das d'agua.
Torneiras de bronze e bronzes para
engenho.
Encanamentos de cobre e chumbo de
todas as grossuras.
aspirantes c
ce6sarios para o fabrico do assucar.
Cobres para rodas de moer mandioca.
Ditas para
capim.
regar jardins, hortas c
Machinas econmicas para lavar roupa Ditas para navios e barcacas de varias
o melhor possivel. i qualidades e dimences.
Cobre em lencol e arrodellas, estanho em barrinha, chumbo em barra,
lencol e canos de todas as grossqras.
^ \iliaca Irmao
FOITAIA.
Vende-se a milito superior farinha
de trigo marca Fontana, chegada ulii-
inaniHiite a este mercado, em barricas,
meias e quartos: no armazem de Joo
Quirioo d'Agailar & (J., no caes d'Apol-
lon. 53.
Potassa da Russla.
Acaba de chegar no navio Queen of tlie Fleet, a
mais superior potassa da Russla, e vende-se a
preco commodo : no largo do Corpo Santo, escrip-
torio de Mqpel l|nacQ 3e Qliveira. 4 Filho, |?
Saudades, sempre vivas do apurado gosto desta
ainda nao vieram igual a este mercado.______
Botica.
Pilulas inglezas de pobre-homem.
Pillas doDr. Alian.
Salsa parrilha de Bristol.
Remedios do Dr. Chable.
Pilulas americanas.
Remedios do Dr. Kemp.
Rob 1'AfTecteur.
Sortimento de papel para forro de salas e guar-
nieres : vende-se na botica e drogara de B. P. de
Soiua & C, rua larga do Rosario n. 34.
Farioha de mandioca
em saceos grandes, e de superior qualida'
de ; no armazem de Jasso IrmJos, rua do
Amorim, n. 35.
Vende-se um negro de meia idade, bem ro
bu6to, proprio para qualquer servico, sabe cozinhar
o diario d'uma casa, e tambem sabe botar canda:
pa travessa do Pocinho i). ?6 sobrado.
Aos seubores consummidores de gaz.
Nos armazens do caes do Ramos n. 18 e na rua
do Trapiche-Novo (no Recite) n. 8, se vende gaz
liquido-americano primeira qualidade mais barato
do que em outra qualquer parle.
Las com palmos de lar-
gura.
Cheguera a loja de Marcelino & C, rua
do Crespo n. 5, para verem las muito
finas, lisas e de quadros, gostos inteira-
mente novos, proprias para vestidos e ca-
pas e preeos muito commodos. Alm
disto existe um variavel sortimento do
fazendas finas e grossas preeos razoa-
veis.
Vende-se urna negra de meia idade, que co-
zinba cftm perfeico : na rua larga do Rosario n.
46.
CEIU DE n\Uil\.
Vende-se cera de carnauba do Aracaty de supe-
rior qualidade, em porco e a reulho -, na roa
do Qoelmado, loja de cera n. 77.
Rua daScnzallan 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston & C,
sellins e silhes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavallos, e relogios de
ouro patente inglez._______
Rna da Senzalla Nova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro, coado libra a UO rs., idem de Low
Moor libra a 120 rs.
mi
Eia, rapasiada, coragem I parece que j
entregastes os vossos joanetes aos duros se-
xos do pessimo calcamento da nossa eidade !
S se observa em vossos pea botinas acalca
nhadas e gastas at ultima sola; sapatoes
rasgados e qnasi sem saltos___nem tanto l
a quehradeira nao deve chegar at este pon-
to Vinde rua Direita munir-vos de excel-
lente calgado com 40 e at GO por cento
menos do seu valor.... attendei :
Borzeguins, Nantes, bezerro e va-
queta 2 e meia solas....
Borzeguins, Nantes, bezerro, va-
queta e lustre 2 solas. .
Borzeguins, francez e hamburguez,
bezerro, lustre e couro de por-
co 7:5 e........
Sapatoes, Nantes, bezerro e vaque-
ta 2 e meia solas.....
Sapatoes, Nantes, vaqueta, lustre e
bezerro 2 solas......5(5000
Sapatoes, Nantes, sola e vira. 4#000
Ditos para menina, com laco. 35500
Ditos de ditas, de cores. 2#800
Sapatos para senhora e homem,
tapete......... 800
Sapatos de borracha para senhora. 1.5400
dem dem para meninas. i #000
Sapatos de lustre para senhora. 1^000
dem de lustre s avessas 500
80000
6(5000
500
l
Pentes fiarla Pa.
A loja da Aurora, na rua larga do Rosario n. 38,
recebeu riquissimas guarnieses de pentes Mara
Pia, os de melhores gostos que tem chegado a este
mercado, assim como tambem tem de multas ou-
tras qualidades, tanto de atar cabello como de
mairafa.
Redes com laco de fita.
Aloja da Aurora na rua larga do Rosario n. 38,
recebeu redes com lacinho de fita para conservar
o cabello, tanto pretas como de cores, ditas de
trancinha e sem laco, tudo isto vnde-!e barato :
avista faz f.
FAZENDAS
NA *
Iova loja de Custodio, Carvalho
A Com pan lila.
27-RUA U Qi I'IMAUO27
Cambraia
organdis para vestidos a 240 rs. o covado.
Madapolo
fino proprio para camisas a preco de 85 a peca.
Cobertas
de panno de linho grandes a 5000.
Lenefas
de panno de linho grandes a i
Para mesa
pannos adamascados para mesa a 10300.
Gnardanapos
adamascados a 25 a duzia.
Toalhas
para mios pelo preco de 400 rs. cada urna.
Fusta* branco
proprio para roupa de meninos pelo barato preco
de 320 rs. cada covado.
Entremeios
finos bordados pelo barato preco de 15300 a peca.
Babados
bordados de todas as larguras peca 25300.
Iioliuhas
bordadas a 640, 800 e 15.
Cunisnhas
de cambraia para senhora a 25.
IdtfM
de arcos para senhoraa 35600.
Ilalesmatadp polio
dar meninas a 25300.


.

de Fernambuco
a fel *de ttetemfcpo de 1883.



GRANEO E
r-W
!^-
3
Oa
1 es
*> 0 o
s s
0 s "53
o V)
i
-o o
V A. 53
w j
- *> fr>
o o
os "53 m,
"S t
s - -
* a
t 03 3 t
53 O pe o - 3 3 3 3 t
v
s *.
-^ o w
o so -s 3
3 u Cr
A. 5 t 53
<^a 0 **
V c ^
O >
53 53 3 O -3 o
O O C 3
o o
c . ce O
O "53
3 0 o "t es O
3 N s
0 53 53 g 3 so
~ <* ~
s o k o
*-* t r o 3.
* A. ** o -
o i
0 "53 V
-i "t
o o 3
-c* o
^* o 53
Vinhos em pipa: Porto Figueira e Lisboa, a
4oo, 44o, 5oo e 56o rs. a garrafa, e em
caada a 2,36o, 2,8oo, 3,ooo, 3,5oo e
4,ooe rs. do melbor.
dem lagrimas do Douro, especial vinho do
Porto mandado vir de conta propria a
lo.ooo rs. a duzia e l.ooo rs. a garrafa.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado, das seguintes marcas: Duque do
Porto, Feitoria, Nctar, Velho Secco, Cha-
misso, Madeira superior a 9,ooo rs. a cai-
xa el,ooo agarrafa.
dem Bordeaux das memores marcas: St.
Julien, Medoc, S. Esteph e outros a 7oo
rs. a garrafa, e 8,ooo rs. a caixa com urna
duzia.
dem muscatel de Setubal verdadeiro a 2,ooo
rs. a garrafa e 22,ooo rs. a caixa.
Garrames com 5 garrafas de vinho do Por-
te do Alto douro a 2,2oo rs. com o gar-
rafao.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira
muito proprio para a nossa estaco, por
ser mais fresco a 2,4oo rs.
Vinhos velho chamisso em barril muito pro-
prio para sobremesa por ser muito claro
e macio a 6oo rs. a garrafa e 4,5oo rs. a
caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero a 5oo rs. a garrafa e 3,8oo
rs. a caada.
Garrafes com 5 garrafas de vinagre de Lis-
boa a l,2oo rs.
Vinagre puro de Lisboa a 20o rs. a garrafa
e l,4oo rs. a caada.
Velas de spermacet a 6oo, 64o e 68o rs. o
mass'o.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de encommenda especial a 8oo rs.
a libra,
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
54o rs. e em barril a 5oo rs.
dem em potes de 4 16 libras muito fina e
propria para doente a 8oo rs. a libra e o
pote separado.
Danha de porco a 54o rs. a libra, e em bar-
ril se far abatimento.
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
de l,6oo, i,8oo, 2,ooo e 2,5oo rs. cada
um
dem londrinos os mais frescos que se po-
dem desojar a 8oo rs. a libra.
Caf do Rio de 1* e 2a qualidade de 8,ooo a
8,5oo rs. a arroba, e 28o a 3oo rs. a li-
bra.
Arroz caroliuo e do Maranho a 3,ooo rs. a
arroba e loo rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra e
em porcao ter abatimento.
Caixinhas de ameixas francezas de 1 1/2, 2
e 3 libras, elegantemente enfeitadas cora
diversas estampas no exterior da caixa a
l,3oo, l.Soo, 2,000, e"3,000 rs.
Fructas em caldas das seguintes qualidades:
ameixa, rainha Claudia, cerejas, pero,
ginja, pecego e alpech a 5oo rs. a lata.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 6oo rs. a fibra, e em la-
tas de 1 Vi e 2 libras.
Ameixas francezas em frascos de 1 1/2 e 3
libras de l,4oo a 3,ooo rs.; tambora ha em
latas de l.ooo e 3,ooo cada urna,
Cha huxim miudinho mandado vir de en-
commenda especial a 2,8oo rs. a libra,
garante-se a boa qualidade.
dem hysson o mais superior a 2,6oo rs. a
libra, afianca-se ser igual ao que regular-
mente se vende a 3,ooo e 3,2oo rs.
dem pretomuite- fino a l,9oo rs. a libra.
dem mais baixo, e miudo proprio para ne-
gocio a t,6oo rs. a libra.
Presunto inglez para fiambre o mais fresco
que se pode desejar a 8oo rs. a libra.
Genebra de laranja a 9oo rs.. a fiasco.
Chouricas e paios, os mais frescos que se
pode desejar, a 5oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa
e lo,5oo a caixa.
Ricas caixinhas com confeiles e frutas seccas
muito proprias para miraos pelo baratissi-
mo preco de l.ooo rs. cada urna,
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
8oo rs. o frasco.
Licores francezes das seguintes marcas: A-
nizete de Bordeaux, Plaisir des dames, e
outros a l.ooo rs. a garrafa e lo.ooo a
caixa.
Passas muito novas a 6,ooo rs. a caixa e
36o rs. a libra, ha caixas, meias e quartos.
Bolachinha ingleza a mais nova que se pode
desejar a 2,5oo rs. a barrica, e 24o rs.
a libra.
Azeite francez clarificado a 8oo rs. a garrafa
9,ooo a duzia.
Conservas inglezas dos melhores fabricantes
Mixed e Pickles, ceblas simples, e outras
a 8oo rs. o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes muito
nova a 4oo rs. o pote.
Mlhos inglezes de todas as qualidades e das
melhores marcas a 5oo rs. cada urna gar-
rafinha.
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 libras^ muito
proprios para deposito de doce, manteiga
ou outro qualquer liquido de l.oooa 3,ooo
rs. cada ura.
Palitos do gaz, a 2o rs. a caixinha e 2,3oors.
a grosa.
Milho alpista a 160 rs. a libra.
Mdho painco a 140 rs. a libra.
Gomma para engommar muito fina e alva a
80 rs. alibra a 2,300 rs. a arroba.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Sabo verdadeiro hespanhol que raros vezes
vem ao nosso mercado a 300 rs. a libra,
e em caixa ter abatemento.
Sabo massa de 180, 200, 220 240, rs. a
libra do melhor.
Graixas em latas muito nova a 120 rs. a lata
e 1,300 rs. a duzia.
Peixe em latas muito novo : savel, pescada,
curvin, salmo e outras qualidades prepa-
rados de escabexe, segundo a arte de cozi-
nha de 1,400 a 2,ooo rs. a lata.
Genebra deHollanda era botijas de conta a
440 rs. cada urna.
Papel greve pautado e liso a 3,500 rs. a res-
ma.
Azeite doce de Lisboa muito fino em barril a
640 rs. a-garafa, e em porcao ter abati-
mento.
Champagne das mais acreditadas marcas a
l.ooors. agarrafa e lo.ooo re. o gigo
com urna duzia.
Doce da casca da goiaba a 4oo, 5oo, 6oo,
7oo, 8oo, e l.ooo rs., o caao grande.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez, e
suisso, das melhores qualidades a 9oo rs.
a libra.
Velas de carnauba e composicao a 32o, 36o,
e 4oo rs., a libra, e de lo.ooo a H,ooo rs.
a arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa a l.ooo
rs. a ancoreta, e l,5oo a de Lisboa, estas
ultimas raras vezes vem ao nosso mercado
* pela sua boa qualidade.
Massas para sopa macarro talharim e aletria
muita nova a 48o rs. a libra.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Babia a 4,ooo, 3,5oo, 3,ooo e2,5oors. a
caixa.
Serveja das melhores marcas a 5,ooo rs. a
7,ooo rs. a duzia. ,
Biscoitos inglezes das seguintes marcas:
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travellies
Lunch, Cobin, eoutras a l,2oo rs. a lata.
Bolachinha de soda especial encommenda a
l.Soo rs. a lata.
Iem Craknel em latas de 5, 7 e 15 fibras a
4,ooo, 5.5oo, e ll.ooo rs. a lata.
Massa de tomate em latas de 6oo a 7oo rs.
cada urna.
Sardinha de Nantes a 36o rs. a lata.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tjollo de limpar facas a 16o rs. cada um.
Ceblas a 9oo rs., o molho.
Farinha de Maranho muito alva e cheiroza
a 14o rs. a libra.
Pimenta a 36o rs. a libra.
Cominho, cravo, erva doce, enxofre, palitos
de dentes era caixinhas que tudo vende-
mos por baratissimo preco.
Ricas caixinhas com confeites e fructas sec-
cas muito proprios para mimos pelo bara-
tissimo preco de l,oo rs. cada urna.
&MBU'
Baratissimas .bandeijas.
A aguia branca por militas vezes .tem da-
do a conhecer que quando acha alguma pe-
chincha, nao quor somonte com ella encher
o papo, ao contrario desoja que toda sua boa
. freguezia e o publico ora geral prvem da
mesma, o que agora raosmo acontece com
essas; haratissimas bandeijas, cuja limitacao
de presos admira, em relaco aostamanhose
qualidades: avista do que convra todos a-
proveiUrem-se dossa opportuna occasio e
proverem-se d'um traste sempre necessario,
e que Ihes costar quasi metade do justo va-
lor. Assim, pois, dirigirem-se com dinhei-
ro alegre e espacosa Ioja d*aguia branca
ra do Queimadb n. 8.
Os afamados copos com banha. c
hoics com luscrlpces..
Chegaram novamente para a agina branca
esses afamados e estimados copos rom banha
una; assiin como os bonitos boioes de por-
cellana doorada tambem com banha, e novas
inscripoes maviosas e jocoserias, mui ade-
quado para proslitos resta porcm que os apre-
ciadores concorram, munidos de dinheiro,
alegre e espacosa loja d'aguia branca ra do
Queimado n. 8.
Ciraxa econmica.
A aguia bra-nra acaba de rcccbcr essa acredita-
Encorautcndas d'agoia branca recebi-
das pelo iiHimo vapr.
Ricos penles de tartaruga com chapa de madre-
peroia.
Bonitos loques de madreperola.
Delicadas canelas de dita.
Lindos chapcozinhos de setim para baptisdos.
lucos de seda brancos e pretos.
Bonitas caixinhas com msicas e sem ellas para
costura.
Trancelins de laa para enfeites.
Filas de seda eslreitas para ditos.
Ditas de velludo com listras para barras de ves
(idos.
Aspas de balea para vestidos.
Ditas de ac para espartilhos.
Bandes de dina.
Pulseiras de conlas para meninas.
Paos para abrir luvas e port-charuto?.
Kssencia de ail para engommados.
Pos hygienioos de Labia para denles.
Leite virginal para tirar sardas.
Dilo d'ires para extinguir as caspas.
Vinagre aromtico para vertigens, dores de ca-
beca, etc._ '
' -metique surllne para cabellos.
Pomada para bigode.
Renda de fil, lisa.
Penles de eoneha.
Com as novas e diversas guarnigocs de
pentes que a Aguia Branca acaba de rece-!
ber, veio lambem urna pequea qualidade
de pentes de concha que com grata e acer- i
tadamente servem para o moderno atado dos
cabellos. Ellos sao de bonitos e agradaveis
ramente reconhecida ; essa ba grasa se torna; raoldes, edetamanho pequemno como con-
rerommemlada, tanto jwrque o calcado lustrado vem para 0 lim que so. K' esta a primei- :
. perfeitamente lustroso ao menos ra vez que d'elles aqui cliegam, por isso
que a moda novissima, pelo que ganha-
: ella "vem" em elxi- rSoa Palma aquellas senhoras que primei-;
nhas e barrizinhos, e acha-se venda na ra do ro se apresenlarem com el les, para o que
Qneimadon. 8, loia d'aguia branca, aos rezumidos os mandaro comprar na loa d'Aguia Bran-
pr os de 400, 500 e 640 rs. ^ rua do Quenado> n. 8/
OlIM FEITA
NO
ABMAZEM
DE
X.ETREIRO VEADE.
I
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concor-
rentes, para o que tcm um dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas
homens e meninos.
de todas as qualidades, para senhoras,
30000
255000
da graxa econmica, cuja superioridade est ge-
tres das, sem neressi'lade de novo unto, como
mesmo porque sua preparacao appropriada para
Casacas de panno preto, 355 e
Sobrecasacas idem, 30^ e .
Paletos idem e de cores, 25&.
-m&, 15* O ,. .
Ditos de casemira, 20^, 15)5,
IM, 10( e...... 7^pO
Ditos de alpaca, 55 e. .
Ditos ditos pretos, 95, 75,
55 e........
Ditos de brim e ganga de co-
res, 45500, 45, 35500 e. .
Ditos branco de linho, 65, 55 e
in"00
7fcp0
35500
35500
35000
TERCOS
c coras de cornalina.
Bolaus para viagens.
Vendem-se na rua do Queimado, loja d'Aguia
Branca n. 8.
Voltas prclas
A aguia branca pensando constantemente em \ HARA PI\
bem servir a toda a sua freguezia, notou que ainda A Agaia Itranca receben as desejadas voltas
nao nana rerto alguna agrado a aqueiies que pru-' pretas, mui compridas e gradas.
dente e acertadamente rasando, eumprem dever de l*Ziosnlioi*os li v ioitios
boa BfcriBtao, e quando reparn essa sua falta,' i"i'"p!T'nr\
*&*^!Xtt*^ & Phosphoros'hygienicos o'de seguraba, sao
I quasi todos os outros, e mesmo pela seguranra de
que estam isemptos de incendiar pois que" em
, L u nenhuma outra parte fazem fogo a nao ser no es-
J pedal papel, que vem pregado na caixa, onde tam-
a esta-
qalidades occor-
,... porque as caixas cm 400
., ,' .. ,. plwsphoros costain apenas 240, o que nao ha com-
^vlS.siaios C JKtuitos enicitcs paraeao para com (pjalqner das outras qualida-
para cahe^as. i los- Assim pois, eonvnt o uso delles, todos os
Quando o bello sexo sentia a falta de bons ^belceimentos escriptorios, cartorios, reparti-
coes, casas parhcnlares, etc.. etc. Acham-se
venda na rua do Queimado loja d"Aguia Branca
n. 8. Que ni comprar porcao ter um abatimento
Klahiizinkos com perfumarlas <
ellas.
-rnT T .> ne u.i>iuiiinos com o pccial papel, que vem pregado na caixa, on.
rasqumh,.. de rheiiS |wr 10900 e vasios por 800 Un ,.n|mm fa|na Pm )|liaiquer que seja
'' e"">do r ineniivw, e mesmo para cao; e alm de todas essas boas qualidades
joias,etc., etc. : na rua do Queimado, loja iTagma re mais a da baratez porque as caixas c
enfeites para caheca, ois que a aguia branca
recebe urna sua encommenda de bonitos e
delicados enfeites, e de raodernissima moda,
muito servindo isso para sanar aquella falta,
e fazer com que as Exmas. apreciadoras da
bella empreza Coimbra possam melhor real-
sar e raostrarem o apurado gosto que as
guia. Esses enfeites sao d'um tocido bas-
tante fino com continhas d'aeo, e mui bem
enfeitados com flores, fitas, bicos, plumas
etc., entretanto que sendo obra de muito
gosto custam 55, 05 e 75 dinheiro vista;
na espacosa e alegre loja d'aguia branca rua
do Queimado o. 8.
Albns com perfumaras.
Muita- vetes aconteca que se procurando urna
bella galantaria para se ofrertar a urna senhora ou
menina em sens anniversarios, ou mesmo na
amarragao das mestras destas, se nao ac.hava cousa
3ue satktizesse, agora, porm, j nao deve succe-
er assim porque na loja d'aguia branca encontra-
r o pretndeme bellos objecin para esae fim, so-
bre-sahindo enlre elles esses bonitos albuns com
rasoavel.
Amostras de agulhas inglezas.
A aguia branca acaba de receber por amostra
urna pequea qnantidade de carteirasae molde nao
commum com agulhas inglezas de urna admiravel
superioridade. As carteiras trazem accommoda-
damente quatro papis de agulhas sortidas em
rossuras, e estas na verdade sao de qualidade ain-
a nao vista aqui, o que 6 fcil deconhecer-se pelo
seu bom acabamento, pois que sao perfeitamente
polidas, pontas mui agudas e bem tiradas, e fundos
ovaes. Custa cada carteira 1, o que de certo pa-
rececaro, mas que apreciada a boa qualidade ael-
las, so lento a lamentar o nao vir mais dellas.
Tambem veio igualmente caixinhas com alfinetes
dourados, e outros brancos, os quaes se vendem a
tit) rs., 320, 300, r. lo r i a caixinha, tudo isso
na rua do QucimJdo, loja d'aguia branca n. 8.
Haravilha das bellas, no vos e
delicados enfeites para tcs-
. tidos.
E aprasivel a aguia branca o ter de avisar a
sua boa freguezia, que acaba de receber pelo pa-
quete francez um bello sortimento de enfeites de
perfumaras, cujo gosto e novidade Ihes da a pn- seda denominado maravilha das bellas, os quaes
mazia. A aguia branca folgar de contente se servem tanto para vestido do senhora como para
essas olTertas recahirem sempre em suas predilec- roupinhasde criangas. Seus novissimos e delica-
tas freguezas, e quando assim nao seja, nao faz dos desenhos, suas esrolhldas e bem acertadas co-
ma!, porque a mimoseada reparando na singulari- res fazem um todo agradavel aosolhos de qualquer
Ditos de merino preto de cor-
do, 105, 75 e.....55OO0
Calcas de casemira preta, 125,
105, 85 e......75000
Ditas de cores, 95, 85 e. .
Ditas de meia casemira de co-
res, 55500 e.....
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 55, 45500 e
Ditas de brim branco e de co-
res, 55, 45500, 45 e .
Ditas de ganga de cores,
35500, 35 e.....
Cohetes de velludo preto e de
Colletes de fusto 6 brim bran-
co, 35500, 35 e 25500
Seroulas de brim de linho.
25400 e......25000
| Ditas de algodSo, 15600 e. 15400
Camisas de peitos de linho,
I 55, 45, 35 e.....25500
Ditas de madapolo, 35,
25500, 25 e.....15600
Chapeos de massa, pretos fran-
cezes, 105, 95 e. 85500
45000 Ditos defltro, 55, 45,35500 e 25000
Ditos de sol, de seda, 125,
H5, 75 e......45500
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda....... 640
75000 Sortimento completo de grava-
tas. 5
45000 Toalhas para rosto, duzia, 115,
95 e...... 65000
450OO Atoalhado adamascado de fi-
nito vara......15280
25500 Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....45000
25500 Lences de linho..... 35000
Cobertas de chita chineza.. 25000
RUA DO QUEIMADO N. 46

DE
cores, 95 e... .... 75000 Pennasd'aco, as mais superio-
Ditos de casemira preta, 55 e
Ditos de ditas de cores 55
45 e...... .
Ditos de setim preto. .
Ditos de ditos e seda branco,
65
JJ)itos de gorgurao de soda
pretos e de cores, 65, 55 e
600
45000' res, a grosa.
i Relogios de ouro orizontaes,
35500' 905, 805 e......705000
55000,Ditos de prata, galvanizado,
| patentes e orisontaes, 405 e
e ... 55000 Obras de ouro, adercos, meios
aderecos, pulceiras, rozetas,
aneis e cruzes.
305000
FAZENDAS E KOI PAS FEITAS.
Sortimento completo de sobrecasacos de panno a 255, 285, 305 e 355, casacas
muito bem fetas a 255, 285, 305 e 355, paletots acasacados de panno preto de 165 at
255, ditos de* casemira de cor a 155, 185 e 205, paletots saceos de panno e case-
mira de 85 at 145, ditos saceos de alpaca, merino e laa de 45 at 65, sobre de alpaca e
merm de 75 at 105, calcas pretas de casemira de 85 at 145, ditas de cor de 75 at
1^5, roupas para menino de todos os tamanhos, grande sortimento de roupas de brim.
como sejaracalcas, paletots e colletes, sortimento de colletes pretos de metim, casemira
e velludo de 45 a 95, ditos para casamento a 55 e 65, paletots brancos de bramante a 45
e 55, calcas brancas muito finas a 55, e um grande sortimento de fazendas finas e moder-
nas, completo sortimento de casemiras inglezas para hornera, menino e senhora, ceronlas
de linho e algodo, chapeos de sol de seda, luvas de seda e de Jouvin para homem e se-
nhora. Temos urna grande fabrica de alfaiate, onde recebemos cncommendas de grandes
obras, que para uso est sendo administrada por um hbil mostr de semelhanto arte e um
: pessoal de mais de cincoenta obroiros escolhidos, por tanto executamos qualquer obra com
promptido c mais barata do que em outra qualquer casa.
DE
TODAS AS QUALIDADES
DE
ANTONIO MAIA DE BRITO
CONHECIDA POR FABRICADA YIVA.
N. 21Antiga rua dos Quarteis de policaN. 21.
Constando ao annunciante, que alguns especuladores de m f, vendo o crdito
que gosam os meus cigarros, e para poderem dar consumo aos seus ahdam vendendo tanto
Ir na praca como pelo mato, illudindo os meus freguezes, dizendo que sao meus ; e edmo to-
|. dos os meus cigarros sao vendidos na minha fabrica, e nao mando pessoa alguma vender
por minha conta fura della, faco o presente annuncio para evitar que comprem gato por
lebre ; e para seguranca dos senhores consumidores deste genero e especialmente os sens
freguezes, aviso que todos os massos de cigarros que forem vendidos na rainha fabrica sao
marcados com um distinctivo que declara o meu nome, o nome da rua e o numero da.
mesma casa.
Aproveito a occasio para scientificar aos mesraos senhores, que constantemente
encontrarao um completo sortimento de cigarros de diversas qualidades, e do melhor fumo
escolhido, por sua boa qualidade j bem conhecida.
POR MENOS DEZ POR CEIjffO ~
45000
NOS
$
fiutdicAo
dade &> bjecto, querer desde logo alislar-se no
numero daqucllas. Em todo" o caso bavendo di-
vivente que saiba apreciar o bom. Assim", pois, a
duvida est em liaver dinheiro, havendo-o, diri-
nheiro, diriiam-se rna do Queimado, loja d'aguia jam-se sem susto ao espaeoso e alegro ninho de
branca n. 8, que ludo se arranjar.
tiliegaram luvas de pellica pafa a loja d'a-
guia braTca, rna do Queimado n. 8.
Novas cintas clsticas pora senhoras
casadas.
A nieonhecida utilidade dessas necessarias cin-
tas elsticas fez com .que, em breve se acabassem
as que vieram da primeira vez, deixando assim!
aguia branca, rua do Qneimado n. O, que aeharao
as verdades cima ditas.
Cal de Mstoa e psftasaa da
Vende-se na rua daCadeia do Recife n. 26, para
onde se mudou o amigo e acreditado deposito da
mesma rua n. 12, ambos os gneros sao novse
descontentes umitas" senhoras que se n5o uoderam j ^*^j1 a Pre5 mais barat0 do 1e
prover dellas, vista do que a aguia branca man- m'tra f'ual('ut r Parte"----------------,----------------
don buscar mais algumas, que acabam de chegar,
ainda mais perfeitas que as primeiras isso por se-
ren menores; agora, pois, Pi as senhoras ca-
sadas prevenirem-se, mandado-as comp
loja d'sguia branca, rua do Queimado n
aguia branca precisasse de sennawnlo
eerto desta vez nao ficaria sem ella.
na
8. Se a
obra de
cal de Uaawa
a mais nova do mercado : na rua do Vigario n.
19, primeiro andar.___________________
Vinho do Porte superior.
Vende-se em caixas de urna duzia : no escripto-
deiro Antonio Luiz Olireir* Azevedo & C.
DE
DE
FRANCISCO ANTONIO CORREIA CARDOSO,
Rua do llruiu. \. 89.
Acha-se novamente aberto este anligo e proveitoso eslabelecimento, prompto para
exeeotar quaesquer encommendas de ferro fundido, batido ou de bronze, raoendas para
engenhos, com vapores ou sem elles, tudo com a maior promplidSo, perfeico e com1-
modo preco ; tem varias obras promptas da melhor e mais solida construccao que p-
dem ser vendidas por metade de seu valor, como sejam :
Moendas inteiras e meias ditas de varios tamanhos, para engenhos.
Portas d'aguas guarnecidas de bronze com parafuzo de rosca quadrada.
Rodas de espora, carretas e rodelas angulares.
Parafusos e cayilhoes de ferro ou de bronze, rosca quadrada ou singela.
Agulhes fundidos de azas e batidos para rodas d'agua e chumaceiras com bronze,
Bronzes e torneiras de todos os tamanhos e qualidades.
Tasase fundos de alambique, de ferro fundido, de varios tamanhos.
Criws e portas de fornalba de varios tamanhos e qualidades.
Urna machina de destillacSo continua do autorCollares.
Foges americanos econmicos para casa de pequea familia.
Fornos de fazer farinha.
Tubos de chumbo de todas as grossuras.
Cobre em arrobas e folhas. dito, dito.
Folha de Flandres em caixas, bom sortimento.
Chumbo em lencol e en rolos de diversas grossuras.
E urna grande porcao de pecas de obras tanto de ferro fundido como batido ou de
bronze que seria nfadonho descrever.
Espera, pois, o propietario deste eslabelecimento que o publico sempre benigno
e prestar toda sua confianca e attenco.
CSI
ARMAZi.\S
Tahas de ferro.
Vendem-se taixas de ferro do mais acreditado
fabricante e por preco mais razoavel: no arma-
zn de assucar de Jos da Silva Loyo & C.
vinho puro.
No escriptork) de. Euzabio Rapbael Rabello, na
rua da Gadeia n. 55, vendem-se ancoreUs com ex-
cellente puro vinbo tinto de Lisboa, smente des-
tinado para gasto de casas particulares por ser re-
mettido pelo proprio fazendeiro ou lavraaor.
Potassa nacional.
Vende-se superior potassa do Rio do Janeiro, da
mais nova que hajio mercado, a preco muito com-
modo; no largo do Corpo Santo, escriptorio de
Manoel Ignacio de Olivcira 4 Filho, n. 19.
Cal de Lisboa
Cal virgem chegada hontem em ancoreta's mul-
to bem acondicionadas e por preco commodo : no
antigo deposito da rua do Trapiche n 13, arma-
zem de Manoel Toixefra Rasto.
M
8, !DD3 3TD3.
N8. 2i E 23LIRGOroO TERCO-NS. 21 E 23.
Recebem por conta propria a maior parte dos gneros existentes nos seus arma-
zens epor isso deliberou-se seu proprietario a vende-los por menos 10 /o do que m
outra qualquer parte, garantiddo a superior qualidade.
Lean todos.
Manteiga ingleza especialmente escolhida a 72o e 8oo rs. a libra,
dem franceza de primeira qualidade a 5o rs. a fibra, e em barril a 54o rs. a libra.
Arroz pilado .melbor do mercado a loo rs. a libra e 3,ooo rs. a arroba ou sacco,
Cafe do Rio e do Cear o melhor neste genero a 28o e 32o rs. a libra.
Batatas novas a 5o rs. a libra, em arroba a ,4oo rs. e em caixas de quatro arrobas, por
4,5oo rs,
Bolachinhas americanas, as mais novas neste genero, a 2oors. a libra e3,ooors. abanica.
Palitos do gaz, vindos por conta particular, a 2,3oo rs. a groza.
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor, a I,8oo e 2,ooo rs.
Vinho-do Porto em garrafa de superior qualidade a9oo rs. a garrafa,
dem em pipa Figueira e Lisboa a 4oo rs. a garrafa, e a 3,oo a caada.
Milho alpista o mais limpo que ha no mercado a 16o rs. a libra, e a arrroba a 5,ooo re.
Velas de spermacet, composicao e Aracaty, a 4oo, 36o e 64o rs. a libra.
Toucinho de Lisboa novo e grosso de primeira qualidade a 32o rs. a libra, e 9,ooo rs. a
arroba.
Alm destes gneros ha outros muito baratissimo, assim como cha do melbor,
azeite doce, vinagre, cebollas, albos, pimenta, cominhos, erva-doce, charutos de todas as
qualidades. chouricas, sabSo verdadeiro de 16o a 24o rs. a libra, genebra de todas as
qualidades, que todo se vende barato e qnem duvidar venha ver.
* -I II >
FUIDI^lO DA AUBORA,
Nesta grande e bem montada fabrica de machinismo, a mais antiga no imperio, eon-
tinua-se a executar com a maior presteza e perfeico encommendas de toda a qualidade
de machinas usadas no paiz, tendo sempre prompto o seguinte :
Grande sortimento de moendas de canna de todos os systemas e tamanlw.
Machinas de vapor de diversas qualidades.
Taixas fundidas e batidas.
Crivos e boceas para fornalhas.
Bronzes e aguilhoes.
Rodas, rodeias e rodas d'agua.
Guindastes fixos e portateis.
Maebras de cjadros para padasia.
Serras de nce jart serraria.
Fatechaspara barcos, etc., etc., tudo por pre?a que be coaTid.
u




Mi
Mari* de PeraanlMieo Calata feira 84 de etentbro de 18S.
S MISI
GRANDE ARMAZEM
AE
EE
N. 36, RA DAS CRCHS N. 36
DO
, balrro de Hanto Antonio.
0 proprietario domuito acreditado armazem denominado Progresista tendo
sempre em vista fazer tudo o que for possivel para bera servir aos seus freguezes, tem
deliberado vender os seus j bem conhecidos gneros de primeira qualidade pelos precos
abaixo mencionados, e affianca s pessoas que mandarem comprar por seus criados ou
estratos, serem to bem servidas como vmdopessoalmente; encarrega-se de aviar qualquer
encommenda, ainda mesmo contendo objectos nlo proprios deste estabelecimento. O
mesno^pede aos senhores que mandarem comprar neste armazem o favor de mandarem
devolver qualquer objecto que nao agradar, devendo os mesmos senhores ter toda atien-
do cotn os seus portadores, fazendo-lhes ver que s no armazem Progressista da ra das
Cruzes n. 36, que se vendem os melhores gneros por mais barato preco, porque estes
multas vezes.olvidam-se e v3o outra parte onde os servem de maneira a desagradar este
estabeieeimento.
GRANDE ARMAZEM DE MOLDADOS
DE
3*MRmm&m&fflMmmxK
DE
Eduardo Marques de Oliveira C.
TODOS
COMPLETO
SORTMESTO DE M0LHAD9S.
se recebem gneros de conta ^ vende-se em porco e a reta-
APOR
C/5
O
>
o
o
propria e dos melhores sta-
belecimentos da Europa, ga-
rante-se todo e qualquer ge-
nero comprado neste
ESTABELECINEINTO.
O
lho, aprompta-se com toda a
presteza e exactidao qualquer
encommenda dirigida a este
ESTABELECIMENTO.
gestes novos e grandes estabelecimentos de molhados, encontrar o respeitavei
publico d esta cidade, bem como seus numerosos freguezes do centro, expostos venda
todas as qualidades de gneros por menos preco que em quaesquer outro estabelecimen-
tos desta ordem, poispara bem servir os seus freguezes existe na Europa um dos so-
cios para serem vindos de conta propria diversos gneros, e desde j encontrar o res-
?itavel publico sempre os melhores gneros do nosso mercado, e por precos baratissi-
! mos como abaixo verSo, a saber :
Amendoas a 320 rs. a libra.
Manteigai ngleza de 1.a qualidade, a 800 rs.
a libra,
dem de 2. qualidade, a 700 rs. a libra.
dem franceza, chegada ltimamente, a Coo
rs. a libra.
Mtalas em gigo de arroba a 1,5oo rs.
MacSes chegadas no vapor lnglez,.
Ervrfltts muito novas a zo rs. a libra,
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor,
de 20 20500.
dem prato, chegado neste ultimo vapor, o
mais fresco que se pode desejar a 700 rs.
a libra.
dem londrino, mandados vir de encommen-
da especial, a 900 rs. a libra.
dem suisso, muito fresco, a 800 rs. a libra.
Caf do Rio de i. e 2.a qualidade a 85500
e 84800 a arroba, e 280 e 300 rs a libra.
Arroz da India e Maranhao a 120 rs. a libra
e 3200 a arroba.
A velaas as mais novas neste genero a 240
rs. a libra.
Presuntos do Porto muito novos a 560 rs. a
libra.
Lcgumes francezes para sopa, como seja,
Julienne, mlange d'quipage, Choux c
outras qualidades, a 400 e 500 o masso.
Amendoas de casca mole a 320 rs. a libra, e
em porco ter abatimento.
Garrafoes com 5 garrafas de vinho do Porto
do Alto Douro a 2#400 com o garrafo ;
aflanca-se que nesse genero o melhor
'pie veto ao mercado.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira muito
superior e mais proprio para a nossa esta-
co por ser mais fresco a 2#WX).
Cha hysson o mais superior a 2f$G00 a libra,
aflanea-se ser egual ao que regularmente
vendemos a 3,9260.
l(i*m huxim miudinho. o mais superior que
vem ao nosso mercado a 2#700 a libra.
dem preto muito fino, a 2#000 a libra.
Chocolate para 9oo, I,ooo e l,2oo rs. a li-
bra.
Garrafoes com 5 garrafas de superior vinho
de Lisboa a 20100 cada um.
dem com 5 garrafas ne vinagre de Lisboa
a 13100 com o garrafo.
dem com 5 garrafas de vinagre hambur-
gufll a 800 rs. cada um.
Vinhos generosos vindos do Porto engarra-
fados das seguintes marcas: 'Genuino,
Porto fino, Nctar, Duque do Porto, Fei-
toria, Velho secco, Chamico, Madeira su-
perior e outros a 900 rs. a garrafa e 9$
a (rema.
Vinho Bordeaux das melhores marcas: St
Jirien, Medoc e S. Estephe e outros a
846 re. a garrafa e 70500 a caixa com
urna duzia.
ehooricas e paios, o mais novo que se pode
desejar, a 250 e GOO rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez dos melhores,fa-
bricantes a 900 rs. a garrafa e 100500 a
\a rom urna duzia.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
800 rs. cada um.
Licores francezes, muito finos, das seguintes
marcas: Anizetta de Bordeaux, Plaiser des
dames, Crme de Noyau, Eau Dantzic,
Ci me de Menthe, Hude de Venus etc. etc.
Fassas muito novas e de carnada a 400 rs. a
libra e 00500 a caixa com urna arroba, ha
cai-xas, meias e quartos.
\meixas francezas em frascos de 1 l]2 e 3 li-
bras de 1^400 a 20800, tambem ha latas
dt; 6 libras.
dem em caixinhas de 1 li, 2 e 3 libras
elegantemente enfeitadas com ricas es-
tampas na caixa exterior a l,3oo, I,5oo,
1,8oo e 2,4oo.
Mannelada imperial, dos melhores conser-
varos de Lisboa, a 600 rs. a libra, em la-
tas lacradas hermticamente.
Fructas em caldas de todas as qualidades em
latas muito bem enfeitadas, a 500 rs ca-
da urna.
Bolachinha ingleza, a rnais nova que se pode
disejar, a 30000 a barric a e 240 rs. a
liara.
Fariaha do Maranhao muito al va e cheirosa
a 160 rs. a libra.
Azeite francez clarificado a 800 rs. a garrafa
e MKXX) a caixa com urna duzia.
onnervas inglezas dos melhores fabricantes
Mixed Pickles, ceblas simples, e outros
a 760 rs. o frasco.
Farinha verdadeira de araruta a 500 rs. a
libra, garante-se a superior qualidade.
palitos para dentes em caixinhas douradas
Bren, a 320 a libra e 80 a arroba.
de superior qualidade a cada
xinha.
Mostarda preparada em potes muito nova a
400 rs. cada um.
Milho-alpisia a 180 rs. a libra.
Gomma para engommar muito fina e alva a
80 rs. a libra e 20300 a arroba.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
SabSo verdadeiro hespanhol, que raras vezes
' vem ao nosso mercado, a 300 rs. a libra e
em caixa ter abatimento.
dem massa de superior qualidade de 160,
180, 209, 220 e 240 rs. a libra.
Graixa em latas muito nova a 120 rs. a lata
e 1,5300 a duzia.
Peixe em latas muito novo: svel, pescada,
curvina, salmao e outras qualidades, pre-
parado de escabexe segundo a arte de
cozinha a 10400.
Papel grve pautado e liso a 3^800 a resma.
Genebra de Hollanda em botijas de eonta a
460 rs. cada urna.
Viuhos em pipa: Lisboa e Figueira das melho-
res marcas a 3^200 e 40000 a caada do
melhor e 500 rs. a garrafa, em porcSo ter
abatimento.
Vinho velho Chamico em barril, muito proprio
para sobremesa, a 640 rs. a garrafa e
50000 a caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero a 560 rs. a garrafa e a 40000
a caada.
Vinagre puro de Lisboa a 200 rs. a garrafa
e 10400 a caada.
Azeite doce de Lisboa muito fino, em barril
a 640 rs. a garrafa, e em porco ter
abatimento.
Champagne das mais acreditadas marcas, a
10000 a garrafa, e 100000 o gigo com
urna duzia.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Bahia a 30500 a caixa, tambem temos
para 20000, 20500, 30000 e 30200 a
caixa.
Vellas de spermacete superiores a 600, 640,
e 680 rs. o masso.
dem de carnauba e composicao a 320, 360,
e 400 rs. a libra e de 100 a 110500 a
arroba.
Azitonas novas do Porto e Lisboa, a 10000
a ancoreta do Porto e 10500 a de Lisboa.
Massas para sopa: estrellinha, rodlnha e pe-
vide a 500 rs. a libra e 40500 a caixa com
8 libras liquido.
Massas para sopa muito novas: talharim, ma-
carro e aletria a 400 e 480 rs. a libra.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso das melhores qualidades a 900 rs.
a libra.
Doce da casca da goiaba a 800 rs. o caixo.
Ceneja das melhores marcas de 50500 a
60000 a duzia e 540 rs. a garrafa
Biscoutos inglezes de diversas qualidades a
10300 a lata.
Bolachinha de soda, especial encommenda,
muito nova em latas grandes a 20000 cada
urna.
Massa de tomates em latas de 600 a 700 rs.
cada urna.
Sardinhas de Nantes, do fabricante Basset, a
360 rs. a lata.
Toucinho de Lisboa novo a 320 rs. a libra.
Tijolo de limpar facas a 180 rs. cada um.
Cebollas o mlho a 900 rs.
Erva-doce muito nova a 400 rs. a libra.
Cominhos idem idem a 640 rs. a libra.
Garrafoes vasios a 500 rs. cada um.
Ditos com 5 garrafas de genebra a 20400,
garante-se ser verdadeira de Hollanda.
Cebollas a granel a 640 rs. o cento.
Canella a mais nova do nosso mercado a
10000 a libra.
Alfazema o que pode haver de melhor neste
artigo a 280 rs. a libra.
Phosphoros de seguranca individual a 20 rs.
a caixinha.
Papel de embrulho muito superior a 10420
a resma.
Vinho da Figueira, o que ha de melhor a
- 44000 a caada.
Coposfinos para agua a 60000 a duzia.

Os proprietarios do muito acreditado armazem Progresso fcrzem ciento ao respeita-
vel publico e com especialidade aos seus amigos e freguezes que tem resolvido resumir os
precos dos seus acreditados gneros, como abaixo verlo nlo obstante os precos menciona-
dos a vista da qualidade dos generse que se pro va quanto se desoja .servir satisfatoria-
mente aos nossos freguezes, advertindo-lhes que mandem seus portadores, que ser3o tifo
bem servidos como se viessem pessoalmente, isto s no Progresso.
Manteiga ingleza perfeitamente flor chegada
no ultimo vapor a 8oo rs. a libra.
dem de 2.a qualidade a 76o rs. a libra.
dem de 3.a dita a 64o rs. a libra.
dem para tempero a 32o e 4oo rs, a libra.
Manteiga franceza a mais nova que ha no mer
cado a 58o rs. a libra, e em barril ter aba-
timento.
Banha de porco refinada a 520 rs. a libra.
Vinho em pipa Porto Figueira o Lisboa a 4oo,
48o, 5oo, 56o rs. a garrafa, em caada
2,8oo 3,ooo 3,5oo e 4,ooo rs.
dem em barril o mais superior que tem vin-
ao mercado a 6oo rs. a garrafa.
Lagrimas do Douro especial vinho do Porto a
l,ooo a garrafa e a lo.ooo a caixa, o preco
nao indica a qualidade d'este precioso vi-
nho, porm venhamao Progresso que a vis-
ta faz f, a este genero constantemente man-
damos vir de conta propria e por isso po-
demos vender por menos que outro qual-
quer annunciante.
Farinha de Maranhao muito alva e cheiroza
a 16o rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 32o rs. a libra e 9,ooo
rs. arroba.
Sardinhas de Nantes a 36o rs. a lata.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. agarrafa e a
4,8oo rs. a caada.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e a
l,2oo rs. a caada.
Garrafoes com 5 garrafas de vinagre de Lis-
boa a l,loo rs.
Champanhe das marcas mais acreditadas a
8 e a lo.ooo rs, o gigo, e a 8oo rs. e a
l.ooors. agarrafa.
Serveja preta marca T e XXX a 6,5oo e
7,ooo rs. a duzia, e a 6oo rs. a garrafa,
tambem temos das mesmas marcas para 4,
e 4,5oo rs. a duzia, e a 4oo rs. a garrafa.
dem branca Te cobrinha ao,5oo e 6,ooo rs,
a duzia e 5oo rs. a garrafa, tambem ha
para 4,ooo rs. a duzia.
Graxa em latas grandes a l,3oo rs. a duzia
e 12o rs. a lata.*
Vassouras do Porto arqueadas de ferro obra
demuita duraco a 4oo rs. cada urna.
Palitos de dentes massos grandes a 2oo rs.
Vinho do Alto Douro das marcas mais acre-
ditadas e especialmente escolhido por um
de nossos socios, como sejam: Camoes, Du-
que, do Porto, D.Luiz, Carcavellos, Cha-1 ""e28o'rs*
misso A Filho, Madeira seoco, e Feitoria a!
9oo rs. a garrafa e 9,ooo rs. a caixa com Paltos do gaz a 20 rs. a caixinha e 2,3oo rs.
12 garrafas.
Garrafoes com especial vinho do Porto con-
tendo 5 garrafas a 2,5oo rs.
dem com 5 garrafas de superior vinho Fi-
gueira a2,4oors.
a gro
Gela de/Upercbe chegada no ultimo vapor
le 2 libras a 8oo rs. pechincha.
ora de Hollanda garrafoes com 16 gar
rafas por 6.5oo rs'.
Idem com 5 garrafas de vinho Lisboa a;Mcmemira8qaera8a6,3oorB.e0,8ooc8.ea
' 56o rs. o frosco aflianca-se ser verdadeira.
Vinho branco de Lisboa proprio para missa n__i u i
vindo j engarrafado de Lisboa a 64o rs. Me?J ,b?i'ja,em- f3 "** 1uatr0 du"
a garrafa.
zias a 44o rs. cada botija.
dem em barril muito superior a 5oo rs. a deln- de ,la.ranJa era frascos randes verda'
garrafa e a 4,ooo e 3,8oo a caada. de,ra ,taliana a >000 rs- fr
Ameixas francezas em caixinhas de 1 % 2 Marrasquino de zara a 72o rs
e 3 libras elegantemente enfeitadas com ri- Licor francez de todas as qualidades em
cas estampas na caixa exterior a l,3oo i garrafas de vidro brancos a 72o e 8oo rs
l,6oo 2,ooo e 2,5oors.
Idem em latas de, 1 '/* e 3 libras a 1,40o e
2,6oo rs, cada urna.
Figos de comadre em bauzinhos de folha
muito proprios para mimo a l,6oo.
dem em caixinhas a l,4oo rs.
dem em caixinhas emticamente lacradas
e muito bem enfeitadas a 1,8oo rs.
idem a 2oo rs. a libra.
Passas de carnadas as mais novas que lia no
mercado a 4oo rs. a libra e a 6,ooo rs. a
caixa.
Salmao em latas ermeticaraentc lacradas a
8oors.
Lagostim em latas grandes a l,4oo.
Savel, corvina, cherne, vezugo, peixe espada,
preparados pela primeira arte de cozinha a
a l,3oo rs.
Vinho Bordeaux das melhores qualidades
que tem vindo ao mercado a 72o e 8oo
rs., e em caixa a 7,5oo, 8, e 8,2oo rs.
Azeite doce refinado do fabricante Pelanol e
outros a 8oo rs. a garrafa.
Conservas inglezas sortidas e de urna s qua-
lidade a 8oo rs. o frasco.
Araruta verdadeira a 32o rs. a libra.
Gomma de engommar muito alva a 8o rs.
a libra e 2,2oo rs. a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca a 16o rs. a libra.
Sevada muito nova a 12o rs. a libra e 3,2oo
ss. a arroba.
Macarrao a 32o rs. a libra.
dem e talharim o mais novo que ha no mer-
cado a 48o rs. a libra.
Queijos flamengos chegados no ultimo va- Aletria a 5oo rs. a libra.
por a 2,4oo rs.
dem do vapor passado a 2,2oo 2,ooo e]
l,8oo, rs.
dem prato do ultimo vapor a 64o rs. alibra.
Doce da casca da goiaba caixes grandes a
6oo e9oo rs.
Chouricas as mais novas que ha no mercado
a 48o rs. a libra.
Chouricas mouras encommenda especial nos-
sa a 5oo rs. alibra.
Prezunto verdadeiro de lamego em calda
de azeite 5oo rs. a libra
Bolaxinha ingleza a mais novas que ha no
mercado a 2,ooo rs. a barriquinha com
1 arroba, e a 24o rs. a libra.
dem de soda de diversas qualidades a 1,400
reis.
dem em latas grandes, proprias para lunebe,
com 5 a 6 libras por 2,4oo re.
Marmelada imperial do fabricante Abreu e
outros conserveiros de Lisboa a 6oo rs. a
libra.
Frutas em calda de todas as qualidades a
5oo rs.
Ervilhas francezas a 5oo rs. a lata,
dem portuguezas a 64o rs. a lata.
Massa de tomate a 64o rs. a libra.
Amendoas confeitadas a 7oo rs. a libra,
dem de casca mole a 28o rs. a libra,
Avelans a 2oo rs. a libra.
Arroz carolino a loo rs. a libra e a 2,8oo rs.
a arroba.
dem do Maranhao a 12o rs. a libra, e a
3,ooo a arroba.
Caf do Rio o mais superior que se pode de-
sejar a 32o rs. a libra.
dem a 28o e 3oo rs. a libra e a 8,2oo, 8,4oo
e 8,7oo rs.
Velas de carnauba refinada a 32o rs. a libra,
e a lo.ooo rs. a arroba.
dem de spermacete a 64o rs, a libra.
Chocolate hespanhol e francez a 9oo e l.ooo
rs. a libra.
Estrellinha e pe\ide muito nova a 4oo rs. a
libra, e a^.ooo rs. a caixinha com oito
libras.
Cha perola muito especial chegado neste ulJ
timo vapor de encommenda particular
nossa a 2,8oo rs. a libra,
dem huxim muito superior a 2,7oo rs. a
libra,
dem hysson a 2,56o rs. a libra,
dem hysson a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
dem preto homeopathico e muito superior a
2,ooo rs. a libra.
dem nacional a l,6oo rs. a libra.
Batatas muito novas a 8o rs. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
e de todas as marcas, como sejam: sus-
piros, havaneiros, messecipes, regala im-
perial, flor das mattas, primores a 4, ooo,-|
3,5oo, 3,2oo, 3,ooo, e 2,8oo, 2,5oo,
2,ooo e l,6oo rs. a caixa.
AvelSes a 2oo rs. a libra.
Ameixas a 10 a libra.
Ditas em frasco por 20800.
Arroz pilado da India loo rs. a fibra e 30ooo
a arroba.
Dito dito do Maranhao 120 rs. a libra e 30500
, a arroba.
Azeite doce francez 800 rs. a garrafa.
Dito de Lisboa 680 rs. a garrafa.
Agurdeme de canna de cabeca a 240 c 320
rs. a garrafa.
Azitonas a 320 rs. a garrafa e l,3oo a an-
coreta.
Batatas inglezas a 6o rs. a libra e l,8oo a
arroba.
Banha de porco a 55o rs. a libra.
Bolachinha de soda a 10400 a lata.
Bolachinha ingleza a 200 rs. a libra, e a bar-
rica a 30000.
Cha hysson a 20200 a libra.
Dito dito fino a 20600 a libra.
Dito miudinho a 20800 a libra.
Dito do Rio a 10800 a libra.
Dito preto a 10900 a libra.
Charutos de diversas qualidades a 10200,
10500 e 30 a caixa.
Champagne a 10 e 10500 a garrafa.
Chouricas a 560 e 600 rs. a libra.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
Caf em grao a 300 e 320 rs. a libra, e 90 e
90200 a arroba.
Ditomoido a 360 rs. a libra.
Doce de goiaba a 560 rs. o caixo.
Espirito de vinho de 38 graos, a 280 rs. a
garrafa.
Farinha do Maranhao a 160 rs. a libra.
Dita flor de laranja a 10 o frasco.
Feijo branco muito novo a 440 rs*. a cuia.
Figos a 32o rs. a libra.
Genebra de Hollanda em botijas a 5oo rs.
Dita Hamburgueza a 44o rs. a botija.
Gomma d'araruta a 100 rs. a libra, e 20600
a arroba.
Graixa em latas a 120, e 10300 a duzia.
Genebra em garraues de 14 garrafas por
40600.
Licor fino a 800 rs. a garrafa.
Dito em garrafas grandes de superior quali-
dade a 10500.
Manteiga ingleza flor a 800, 900 e 10 a libra.
Manteiga franceza a 6oo e 64o rs. a libra.
Dita hollandeza a 72o 8oo rs. a libra.
Mostarda a 640 rs. o frasco.
Previne-seao respeitavel publico que todos os gneros cima sao de boa quali-
dade, e para desengao venham ver; assim como outros que deixam de ser annunciados.
Massa de tomates a 640 rs. a libra.
Dita estrellinha para sopa a 560 rs. a libra.
Massa estrellinha para sopa a 5oo rs. a libra.
Macarrao, aletria e talharim a 48o rs. a li-
bra.
Marrasquino de Zara a 800 rs. o frasco.
Passas a 4oo rs. a libra.
Palitos para dentes a 180 rs. o masso.
Phosphoros do gaz a 20500 a grosa.
Paios novos a 640 rs. a lib'ra.
Queijos do reino do ultimo vapor a 20
20500.
Dito de prato a 720 rs. a libra.
Cenejas de marcas superiores a 500, 560.
600 e 640 rs. a garrafa, e 50500, 60
60500 a duzia.
Dita em barril por 40, e 240 rs. a garrafa.
Cevada a 240 rs. a libra.
Sardinha de Nantes a 360 e 400 rs. a lato-
nha.
Sag a 240 rs'. a libra.
Sabo massa a.200, 240 e 280 rs. a libra.
Sevadinha a 280-rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 160 rs.
Vellas de spermacete do gaz a 1,2oo rs. a
libra.
Ditas do gaz muito boas.
Ditas dito em caixas de 6 libras por 40000.
Ditas de carnauba a 400 rs. a libra.
Ditas de composicao a 360 e 380 rs. a libra.
Vinho do Porto, caada a 50500, garrafa a
720 rs.
Dito Lisboa, caada a 40 e a: garrafa a 500
rs.
Dito Figueira, caada a 30840 e a garrafa
480 rs.
Dito dita superior, caada a 40 e a garrafc
a 500 rs.
Dito Estrcito, caada a 30200 e a garrafa a
400TS.
Dito Bordeaux a 720 e 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa em garrafoes de 5 garra-
fas por 10400.
Dito em caada a 20, e a 260 rs. a garrafa:
Vinho do Porto em garrafoes de 5 garrafal
por 20500.
Dito dito engarrafado a 1$ e 10200.
Dito lagrimas do Douro a 10400 a garrafa.
Vinho branco de Lisboa a 720 rs. agarrafa.
e 50 a caada.
Dito do estreito a 600 rs. a garrafa, e a 40500
a caada.
FUUDI^AO BO BOWMAM-RUA DO
IIRFjfl N, 38
Este muito acreditado estabelecimento est prvido de um completo sortimento de
machinismos proprios do fabrico de assucar, a saber:
Machinas de vapores as mais modernas e mais acreditadas.
Rodas d'agua de ferro com/ seus pertences.
Moendas e meias moendas'de todos os tamanhos.
Rodas dentadas, angulares e de espora.
Taixas de ferro batido e coado.
Boceas defornalha pelo novo systemaWetson.
Alambiques de ferro fundido.
Fornos para cozer farinha.
Moinhos para moer mandioca.
Arados americanos, etc. etc.
INJECCAO E CAPSULAS
VEGETAES ao MATICO.J
GRIMALT E C' PHARMACEUTICOS EM PARS:
Novo tralamento preparado com as folbaa de Matlco.i-Torc do Pero,para acura rr.pilaelnfalllvrl
da Gonorrhea sem reccio algum da contracQSo do tuna: ou da influnmacio dos intestinos. O clebre
doutor nieard, de Parts, ter renonciado, desde sua appariqo, ao emprgo do qualquer outio tratamento.
F.mprega-se mjecco no comco do luxo. as capsulas em todos os casos coronices e Inveterados, quo
resistirfio s preparacocs do copahu, cubeba e s injecc.Ps com base meta!'ion.
Depsito geral: em Parit, em casa de MM. Grlmault e o, pharmaceuticos, 7, ra de la Feuillade;
un UsMi, Joac-Agoatlnho da Casta-Carralho Jnior; no Vorto, Miguel Jos de South Fer-
relra; em o Rio-de-Janeiro, Geataa, 102, ra S- Pedro; em Bahia, Jos-Catano Ferrelra-Epin-
helra; em Rio-Grande, Joaqun de Godoy; em Maranhao, Ferrelra e C"; em Pernambuco,
su o u ni e C, ra da Cruz, 22; soma, e as principae pharmacias do Brazll.
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22 em casa de Carosa Barboza.
AGENCIA
DA
FUNDICO DE LOW-MOOB.
Roa da Senulla era n. -12.
Neste estabelecimento contina a hayer
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
Cola da Baha
Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo, no seu escriptorio, ra da Cruz n. 1
ESCMVOS FGIDOS.
Farinha de mandioca.
Vende-se farinha de mandioca a melhor que exis-
te no mercado por ser de Santa Catharina, a bor-
do do pataeho Prisia, entrado neste porto no dia
li do corrente, por menos do que em outro qual-
quer barco : a tratar a bordo ou na ra do Amo-
rim n. 43.
Assucar do Monteiro.
Ra do Imperador n. 28 e caes de Apollo n.
67, a 200 rs. a libra, e de 8 libras para cima
a 5)5600 aarroba.
Fugio no dia 20 de agosto do corrento anno
da cidade do Rio Formoso, a escrava Monica, que
tem os signaes seguintes: estatura regular, prat.i.
nariz afilado, olhos grandes, ps incaados por ter
soffrido de erysipela: quem aprehende-la pod*ri
leva-la mesma cidade em casa de seu senhor Jo-
s Gomes Goimbra ou nesta cidade no escriporjo
da viuva do fallecido commendador Manoel Gon-
calves da Silva, que ser gratificado.
Acha-se ausente de casaba seis mezes o par-
do Francisco, de idade de 20 annos, estatura regu-
lar, secco, cor acaboclada, rosto redondo, oreas
grandes, dentes chelos de lodo, cabellos graMes e
carapinhados, sabe lr, escrever e contar, o allaia-
tc trabalbou em casa do Sr. Jorge Rodrigues Ma-
chado, mtitula-se de forro e assigna-se p|fr.n-
cisco Xavier Nunes Quinteiro, sahio de caca de
eaxemira verde escura, paletot preto de alpaca,
chapeo de palluha branca e calcado de botmas de
lustro : roga-se s autoridades e a qualquer pessoa
que souber onde se acha oceulto, a appmensao
do mesmo, e qualquer noticia, azeretn o obsequio
do leva-lo ra das Cruzes n. 39, primeiro andar,
ou na ra Nova, casa dos Srs. Quinteiro &; Aff-a.
que se gratificar a quem der noticia do mesmo.
Vende-se on aluga-se
Vende-se um sitio na Capunga, com urna boa
casa para familia, com viveiro e tanque para ba-
nho e rio, com muitas fructeiras com tracto :
?[uem pretender, dirija-se ao Manguinhe, casa que
az esquina para a ra da Amizade : a tratar com
a viuva do Sr. Joao Evangelista da Costa e Silva.
Fugio em dias do mez de abril do frrente
anno, o escrauo Manoel, de nacao, idade de 30 an-
nos, pouco mais ou menos, com os signaes seguin-
tes: tem a perna direita torta, bocea grande,
beicudo, sem barba e anda quasi sempre embria-
gado, fo escravo do fallecido Joaqmm de Paula
d'ean. 3o, segundo aBtSr, que ser recompensado.

>.


1 -
^
"^^



8
Pfcri e Pcf aubnco -. QninU felra i4 le e.embro de 1-01



AGRICULTURA.
Carta do Sr. P. 1. de Varnkagea aoE.xm. Sr. ministra
dos negocios da agricultura, commereio t obras
publicas, sekre o erttivo da ranna e do fumo.
Para a bibliotheca do ministerio cuja drocc,ao
i confiada V. Exc. ou para a da Sociedade Au-
adora da Adiistiia. pareoe-me que, em lodo
caso, conviria obter-so, tao completas como se po-
drssem encontrar, as colleczoes das Unitarias de la
Sociedad Econmica e os Anote de la Junta deFo-
'./ da Havana, em que seacham insertos traba-
lhos mui importantes, alguns dos quaes boni seria
fosseiii ntrenos reproducidos.
t O nosso prestanto cnsul na Havana. o Sr. Jos
XigueJ Fernandez, respeitavel septuagenario c res-
peitavel feommerciante e propietario de engeuho
por associacao que por vezes tem cffectuado para o
li asil remessas de ementes de tabaco, poder ser
por V. Exc. vantajosaniJtilc encarregado do cum-
plimento de quaesquer orou"5 Pis> por via dos
Estados-l'nidos sao facis as reii.'.essas Para ^ra"
sil. Alm dos livros que recommtTdo conviria
taivez incumbi-lo de mandar um caixao ontendo
estacas de todas as especies de canna que se .?">-
duzem era Cuba. Tambem poderia ser encarrega-
do de eflectuar ao mesmo tempo a remessa de um
arado cultivador dos que servem para arrancar o
oaprai.
Seno tivessemos ja entre nos plantas da pal-
mara mpenal, originaria desta ilha, e aproveita-
na a occasao para pedir tambem que se introdu-
jese, como ja a temos, ? me cumpre aecrescen-
tar que por ora naolbe conhecemos a importancia
%XZLlWam< <* a""ore mahI que para
vis a quando tem ella nimias utilidades rees, nao
ItZ *SHWr lavradores- como para os esta-
an!t7-0 Udo dessa Pa'^ira se utilisa, como suc-
2&S2 Ia' COn' a raraaba. -O (ronco d ex-
i! TadSira; a casca uma esPecie de ,aboado;
^rti5 Ldas ramas- s d"fhC,,h0r <1V-cer,as folhas *" forrar as car-
mfml 1taC0'-rubnr as scnza,as c tejopares; ofi-
&%? A.o~ granda nu,r,"nento para cevar cerdos.
Atanores nos pastos dao boa sombra e os tron-
cos sao pelo gado_ proferidos a quaesquer outros
da festa, ambos
earrojarani-
fazor
titudo era ridicula e ao
A um signal dado
os homens deratu i
se nm sobre o outrol
o sen adversario caHr de cabeca para' baixo. O
choque foi ternvel; o ruido retinu surdamenteno
circo todo, e as carnes dos combatentes, no lugar
em que tinham recebido o encontrao, ficaram de
repente muito vermellias; mas a pancada tinha si-
do calculada com tanta destreza que o effeito, por
assim dizer, ficou neutralisada Elles recuaram
como duas massas inertes e com a mesma forca e
ngeircza destas, quando impellidas urna contra a
outra K
Voltaram carga immediatamente, cncontran-
do-se a porfa com todas as suas torcas, fazondo ca-
na um fortes esforcos para ficar s na posse da
arena. Depois de algumas tentativas inuteis, re-
nunciaran! terminar o combate deste modo; e com
inimcnsos applausos da multidao que segua as
phases da lula com febril interosse, alfim elles
agarrarani-se corpo a corpo.
Entao houve um espectculo excitante, qual o
de dous colossos ns, rigorosamente ligados, hom-
bro contra hombro, peito contra peito, os bracos
enlatados, as pernas ajanadas e sustentando sem
curvar-se o peso enorme que carregava sobre
ellas.
Tcsraa ^Sf^sa^^s,^ ?.y- **--..*. *
tristemente caracterstico da vida local.
Tinhamo-nos pproxlmado de nma dessas djoro-
jas, e atravs dos Tardes da gr ade distinguimos
uma sala espacosa, guarnecida de esteiras de
bamb, e fracamente alumiada por qnatro grandes
lanternas de papel d cdr. A nossos lados se a-
chava urna duzia de Japoneses que, gradados
grade, examinavam como nos o que se passava na
sala. Havi^ali oito raparigas magnficamente ves-
tidas de compridos roup5es de estofos preciosos;
qnelles de que usavam as jovw>s Japonezas. Al.
gumas tinham fincados nos cabellos alflnetes de tar.
{aruga da mais bella qualidade. (12)
Terminada a ceia, as meninas levantaram a me-
sa, e outras pessoas entraram na sala. Eram qua-
tro ghekos ou cantoras, cujo vestuario rivalisava
em riqueza com o das djoros; cada urna dellas tra-
zia na mao o sam-sin, instrumento favorito dos Ja-
ponezes. Depois de afinados os seus sam-sins, el"
las comecarara tocar servindo-se, para ferir as
STOfcSS "'VDa.m enfre'ns m da inaroUhott
ra do Jardim Botnico da Laga, por cortos'
Ser^agr?SSaSvd0 1 ^i/urna das\
ll^n A guaramos, e sem duvida esteonome indio-li <
SlhVS. RUardaam m 'Pns *S.3Sd? S
[illia>, taivez em S. Domingos. An'
ra., pelo menos, son obrigado a concV ?surearpe
vando para o imiuedialo paquete o qne ;ur Tes%'
er acerca da cultura e preparado de Iei a dl-
VtuBa del Abajo, e das grandes Wlh ,abaco m
susceptivel a cura secca do fumo da F )ras de Ia6 e
der os charutos baliianos competir jahia' Para P"
vana. com os da Ha-
Entretanto, aproveito a occay
os protestos de admirarao e resp iao Para reiterar
a honra de ser de V. Exc.Illr e'' com 1uc tenno
selheiro JoSo Lins Vieira Can.* e Exm. Sr. con-
De V. Exc. atteui'ioso venr ansao de Sinimb.
tricio, Francisca Adolpho de rador e reverente pa-
Varnhagem.
(Do Diario Offkial.)
wnT tra:
Os nembros enrijam, os msculos mostram-se
vigorosos. Ambos os lutadores conservam-se im-
moveis. Em continente um dos dous agarra o seu
adversario pela cintura, com um braceo ergue-o e
conserva-o suspenso no ar por muitos segundos,
depois lanca com violencia esta massa para fra da
arena, e a faz rolar entre os lutadores que, como
o publico, teem seguida com olhos curiosos todas
as peripecias do combate. Esbaforido, varillante,
e correndo-lhe o suor, o vencedor avanca ao meio
do circulo, salida o publico erguendo os bracos, e
retira-se ao som de interminaveis applausos.
Os athletas japonezes chamados Soumos, tar.
mam uma casia particular. Elles gosam de urna
certa considerago. Os burgueses ufanam-se de
ser vistos em sua companhia, e os convidara para
fumar e beber em suas casas ; at mismo os no-
bles nao despresam-se de frequenla-los. Ha di-
versas sociedades de lutadores. O campeo de
cada uma ao mesmo tempo o chefe ; elle pos-
sue, como os hroes do n'n<;-inglez, um cinto de
honra que de ordinario lhe fot dado pelo magnate
da sua provincia natal, e com que elle orna-se no
comee/) e no fim de cada representacao, A luta.
como profisso, nao exeree-se livremente.
Todo o athleta deve pertencer a uma sociedade,
e obrigado a contontar-se com o salario que
della recebe ; quanto ao chefe, elle tira nos bene-
ficios a parte do leao, Comtudo nao senhor ab-
soluto da sua companhia ; elle tambem depende do
rei dos lutadores que preside a grande sociedado
de Yedo ou Kioto, e paga um tributo annual. Os
ehcfes de sociedades teem o posto de official, e tra-
zem duas espadas, signal distincto da nobreza do
Japao. Estn continuamente do viagem e condu-
zem as suas companhias s diversas provincias,
demorando-se as grandes cidades durante um
tempo determinado pela autoridade. Ajuntam
muito dinheiro, porque os Japonezes sao amadores
acocoradas sbreos calcanhares, segundo o uso do cord *^"~^^^Z col ran^ di
Japao, permanecan dlre.tas e immoveis, com os uma hacha-darmas %
olhos pregados na grade que nos separava dellas.
e tendo em seus olhares brilhantes essa fixidade'
particular aquellos que nao reparam no qne veem.
Os seus bellos cabellos, cor de azeviche, estavam
amarrados com arte e ornados de compridos al-
flnetes de tartaruga amarella. Ellas eram muito
mocas; a mais velha contava apenas vinte annos,
as mais novas tinham ponco mais de quatorze
annos.
Algumas se faziam notar por sua belleza, mas
todas mostravam um ar resignado, fatigado, e so-
bretodo indifferente, que ajustava-se mal com os
A msica japoneza nao pode comparar-se com a
nossa ; comtudo distinguem-se nos cantos popula-
res alguns motivos facis e agradaveis. Tambem
deve-se reconhecer que os Japonezes sao dotados de
muito boa audico ; elles tocam e cantam perfei-
lamente unisonancia, e observam com exacti.
do a rhyma frecuentemente muito dilcil da sua
cantoria. Por ordem da o-bassan, as raparigas le.
vantaram-se para executar passos de danca uma
ou muitas figuras. Os seus gestos toreados, as
suas contorsoes estramblicas, estavam em muito
pouca harmona com a idea que temos formado da
seus juvenis sembfantese que fazia pena ver. Ex-Jgraca ; mas estes movimentos ffexivese dSctos
postas como os ammaes raros o sao em um paleo, se adaptavara fielmente ao carcter da msica ora
exa.mm _" e cr,,icata?. pausadamente por cada lenta e triste, ora rpida e ruidosa, e que servia
curioso, para serem vendidas ou alugadas ao pri-
meiro Iancador, estas infelizes offereciam um es-
pectculo que me causou a mais amarga impres-
Uraa mulher velha appareceu na entrada da
V:iCIH a
Nagasacki, o-
o redor do i:ijfio.
II
bairroi francos e a cidade
japoneza.
Quanto aos (Continuaco.)
dos e grosse-' lutadores, jamis vi homens tao por-
ches de seif .ros ; eram v'ordadeiros colossos, Bac-
duzentas ps, dos quaes o mais delgado pesava
se dista, libras, e o chefe, como orgulhosamente
l'are- trezentas c quarenta libras.
rtvi jr e que estas cscolhas sao estramblicas,
so de istilicam-se pela natureza do exercicio a que
F! rom entregar oslutadores ja ponezes.
ve* icar de posse da arena e expulsar o seu ad-
j .sario, tal ( o objecto da luta. Para conseguir
to. una grande corpulencia de muita vantagem,
sendo esta a razao porque sao elles recrutados en-
tro os homens mais pesados. Aquellos, que iam en-
trar em scena estavam quasi mis. porque s tra-
ziam uma banda de seda verde muito aperlada em
redor dos rins. Acocorados ao longo da estrada,
olhando estpida e tristemente para defronto de si,
offereciam um espectculo curioso, porm repug-
nante.
Tinha-se acabado uma das lufas quando tomamos
assento no circo. Um official avaneoo sobre o es-
trado e annunciou ao publico quaes eram os dous
athletas que iam apparecer, depois leu em um pa-
pel muilos nomes proprios e algarismos; era uma
lista das apostas feitas ntreos espectadores acer-
ca da prxima hita, as quaes conforme o costume
japonez, tinham sido communicadas ao commissa-
rio da festa para seren lidas em voz alta, na in-
tenc.uo de estimular o ardor dos combatentes. Ter-
minada a leilura, o official desviou-se para desoc-
cupar o centro da arena: dous athletas apresenta-
ram-se, c depois de ter saudado o publico erguen-
do os bracos cima das cabecas, dispozeram-se para
a peleja. Os preparativos uraram muito tempo ;
a multidao, que derla estar acostamtda a isto, nao
queixava-se. mas os estrangeiros perderam a pa-
ciencia, e a sua exclamaeao liiakko (apressai-vos)
se fez ouvir mais de urna'vez. rom grande satisfa-
zlo dos Japonezes, que deram gargalhadas.
Os lutadores comeearam por derramar na areia
alguns graos de arroz e algumas gottas d'agua para
2ue Ihes fosse favoravel o dous dos gladiadores,
epois molharam do leve as suas espaduas, os seus
brifoe e pernas, esfregaram as maos com areia,
i .icutaram movimentos extravagantes, indubita-
velmente com o fim de tornar flexiveis os seus
membros, e alinal acamparam-se um em frente do
outro no meio da arena, na postura de homens que,
com todas as suas forcas, se preparara para abrir
pessagem.
Agachados as pontas dos seus largos ps, com
os cotovelos apenados contra o corpo, o pescoco
estendido,o meio corpo inclinado adiante, a suaat-
enthusiastas dos seus exercicios.
Deixamos o circo depois de ter assistido a diffe-
rentes lutas, e voltamos as ras. Estavam deser-
tas^ a multidao enchia entao as casas, onde entre-
gava-se com abandono ao prazer da mesa. Era
diversas partes, viraos rostos afogueados pelo
sakki (agurdente do arroz) que nao erara mais
senhores da sua razao ; porm, em todos esses lu-
gares, reina va nos espirites urna disposico jovial
e pacifica. Paramos diante de muitas casas, o
cada vez que o faziamos, eramos immediatamente
rogados para entrar, beber e comer. Nao accei-
taraos estes convites, por que o official nosso guia
nos prevenira que ainda tinha de nos conduzir
um lugar particularmente curioso. Como a ma-
droire celebrava-se nos arrabaldes do bairro de
Dcima, situado em uma das extremidades de
Nagasacki, elle nos tornou trazer para atraz, e
nos fez atravessar a parte mais populosa da cida-
de. Depois de ter transposto uma solida porta
sao.
sala e prononciou algumas palavras; uma das ra-
parigas se fevantou logo, mas com a lentrdao do
automato. Ha via neste modo d mover-se afcuma
cousa de inconsciente, como nos animaes easina"
dos que exeeutam, por ordem do seu dono, certas
manobras a qne estao acostumados.
Eutramos pela porta vizinha da grade e atrates-
samos um corredor estreito e escuro, fechado as
duas extremidades, eque dava ingresso ama
grande sala levantada alguns ps cima do solo.
A prolongaeao do corredor por onde tinhamos
entrado reparha-a em duas metades deseguaes. .
direita vimos urnas trinta pessoas. Eram meninas
de oito quatorze annos, raparigas, e mulheres
cuja edade era difcil determinar, porque as Japo-
nezas, desde que passaram dos trinta annos, pare-
cem quasi sempre mujto mais velhas do que na
realidade nao o sao. E sobretudo ao abuso dos ba-
nhos muito quentes, e tomados a miudo, que se de-
ve attribuir esta velhice preeoce. Algumas dessas
meninas j estavam deitadas e dormiam profunda-
mente, com a cabeca sobre um travesseiro de ma-
deira coberto de lia. Aquellas que ainda estavam
em p traziam, em honra da madzouri, os seus ves-
tidos mais ricos. Mulheres e raparigas conserva-
vara-se assentadas ao redor dos braseros, comendo
e bebendo, fumando e conservando.
nossa chegada, uma velha vestida com decen-
cia, velo a nosso encontr e perguntou-nos o que
desejavamos. O official nosso guia respondeu que
queramos ver danzarinas e cantoras, e que era
preciso preparar-nos uma ba comida no mais bel-
lo lugar da casa. A velha conduziu-nos, atravs
de um jardim plantado de formosas arvores, at
um pavilhao, onde accendeu lanternas de cor e
uma duzia de ruins bougias de pera vegetal finca,
das em candelabros de ferro.
A loja do pavilhao ormava uma nica peca; o
primeiro andar, pelo contrario, dividia-se em um
grande uumero de quartos ou antes de cubculos,
separados uns dos outros por caixilhos cobertos de
papel. As esteiras que cobriam o soalho, eram fe-
ralmente muito limpas e de qualidade superior, o
papel das paredes muito novo ; finas eseulpturas
em madeira ornavam os pilares e as partes superio-
res das portas. Em summa, o pavilhao em quees-
tavamos, formava uma habitado japoneza muito
aprazvel.
A mulher que nos tinha guiado, especn de guar-
da que se chama o-bassan, retirou-sedepois4ater
recebido as nossas ordens. Sem demora vo%u
acorapanhada de tres meninas que, como ella, tra'-
guardada por soldados, achamo-nos na entrada de zjam mesasinha de madeira preta envernizada, co-
uma ra de aspecto rateramente singular Com- da mesma mater mas de differentes cres
priaeimflto larga, esta roa e/a socegada, escura chicaras e garrafas de porcelana, emfim os utensi!
lios necessarios uma comida. Ellas
e eslava quasi deserta.
As suas casas nao assemelhavam-se s que eu
j tinha visto, eram mais espagosas do que as ba-
bitacocs dos nicrcadores c artistas, mas nao se des-
cubra nellas o porto que serve de entrada aos
palacios da nobreza. Fortes grades de madeira
necessarios a uma comida. Ellas iam e vi-
nliam, serias e muito oceupadas; outras pequeas
companheiras se reunirara a estas, e em alguns
minutos tinhamos diante de nos uma ceia japoneza
muito bem servida : ella compunha-se, do mesmo
modo que o banquete a que eu tinha assistido, de
obstavam o seu ingresso sem impedir todava que! ovos duros, de lagosta, de peixe cr e cosido, de
fosse visto o que se passava uo interior. Serviam-
Ihe de entrada portas baxas e macicas, dispostas
em um dos lados da fachada. Tudo contribua
para emprestar a este lugar solitario um carcter
de sngutaridade e de mystcrio. Era noute. Aqu
arroz, de fructas e doces; o vinho doce de Osak-
ka, o sakki e o cb nao foram esquecidos. As
iguarias eram appetitosas e bem preparadas, e ro-
mos servidos com tanta destreza quanta bondade
pelas pequeas criadas. Estas meninas, conhecidas
de acompanhamento a um poema recitado pelas
ghekos. Depois da danca, que durara muito tem-
po, houve um momento de repouso e silencio. As
ghekos acceitaram com muitos agradecimentos os
beles e o sakki qne lhcs mandamos offerecer; as
danearinas, animadas pela o-bassan, comeearam
sentr-semais a gosto.e conversaram em voz baixa-
Algumas eram mote lindas; porm o que me far
pressonou muito mais do que as fecoes do seu
rosto era o ar modesto que realcava a ellas todas.
Vendo-as assim tmidas e reservadas, qnalquer as
tomara por mocas honradas da classe media. Urna
nica se fazia notar por um desembarazo de proce-
der queeontrastava siegularmenie com a sua fig
ra plida e distncta. Nao ha nada de admira"
vel, me disse ura dos nossos amigos a quem eu ti-
nha communicado a ninha impressae : esta rapa-
riga passa por uma belleza moda e muito procu-
rada. O anno passado, ella era tmida em exces.
so ; depois, passou algnns mezesem Decima eOora
a frequentando os nossos compatriotas que se tor-
nou tal qual a vedes. Podis admittr como regra
geral que os indgenas degeneram oralmente lo-
go que entran em relacao comnosco.
A que causas attribuir este phenoraen o, poueo
lisongeiro para o nosso amor proprio ? Nao aqu
que devemos indaga-to; mas afftrroo que no Japao
como na China, a boa, a amavel sociedade indgena
desappareceu em toda parte onde reina ainluen-
ciados europus.
Oscou/ts (maridas) de Decima sao ladroesin-
corrigiveis, os mercadores de Yokohama toraam-
sededaem dia mais atrevidos, e as Japonezas
que sao obrigadas soffrer a companhia dos es-
trangeiros perdem muito depressa a modestia que
faz o seu principal encanto. (13)
Eu nao saberia explicar de outro modo o estado
de desmoralisaeao das djoros, em cuja companhia
me achava senao qualificando-o de estado incons-
ciente.
Toda a moral funda-se na conscencia. Onde
n5o existe esta, pode haver desmoralisacao? O que
certo, que a vida das djoros nada tem que of-
fenda a conscencia japoneza. 'N'um dos templos
mais venerados de Yedo, no templo de Akatza ou
Qua-non-sama, penduram-se junto do altar retra-
tos de algumas djoros celebres por sua belleza e
caridade; elles sao indicados s raparigas vendi-
das como modelos imitar.
Na grande cidade de Somonoseki,- ha um verda-
deiro mosteiro de djoros (14), que oi fundado pela
mulher de nm antigo imperador do Japao, aflm de
acudir aos gastos de uma guerra emprehendida
contra vassalos rebeldes.
Uma djoro pode de alguma sorte nao decair c
reentrar na sociedade por via de um casamento
honroso.
Este facto renovou-se, que eu o soubesse, tres ve-
zes durante a minha estada no Japao, e explica-se
pela organisagao particular da instituirao qual
pertencem as djoros.
Urna familia pobre est sobre-carregada de Dlhos
ou a morte do seu chefe a priva dos seus princi-
pies recursos, entao succede muitas vezes que as
raparigas que fazcm parte desta familia sao entre-
gues alguma casa de cha.
Rcdigem-se nessa occasao duas especies de con-
t rato, conforme a sua edade, se de poucos annos
ou casadeira.
e ali accendiam-se lanternas de papel. Os passa-1 sob o nome de Kabrousses-'oa Kaamerons, sao edu"
geiroscaminhavam depressa, e pareca que muitos cadas pelas djoros (meretrizes) e pela o-bassan, e
d'entre elles se oceultavam, por que, nao obstante destinadas a serv-las assim como s pessoas que
um calor muito forte, tinham envolvido a eabec' jrequentam a casa.
em grandes lencos, de modo a s ficarem deseo- Durante a ceia, vimos entrar muitas raparigas -,
bertos os olhos. Tinhamos sido conduzidos a par- eram as djoros. Ellas se apresentaram uma aps
te mais diffamada da cidade, em pieno bairro das outra, c nos dirgiram profunda venia pondo-se de
djoro-jas ou casas de cha. A prostituicao japone- joelho e tocando a trra com as suas frontes, de-
za tem um carcter tao extraordinario, a sua in-
fluencia sobre os costumes pblicos tao podero-
sa, era fim ella tem dado lugar a interprctacoes tao
falsas, que nao possivel, apesar de ser materia
pois retiraram-se para ura canto da sala. Por con-
viie nosso, vieram assentar-se junto de nos e to-
maram uma parte modesta na nossa comida. De-
mais, eram caladas e reservadas, respondendo com
dfficil de tratar-se, deixar de entrar na apreciado acanhamento as nossas perguntas. S no alto pre-
FOLHETIM.
CALIIRHO
POR
MAURICIO SAXD.
(Continuafcio do n." 217.;
Admirada da minha preoccunaS3o Margarida me
perguntou onde tinha eu achado o bonito alinete
antigo que levava na mao, e tomoa-o para admirar
a esculptuca da flgurraha que lhe servia de ca-
beza.
Margarida, lhe disse en observando os seus
Olhos, nao reconheces este alfinetc ?
Nao; nunca o vientre as preciosidades da
nossa collecrao. Mas agora reparo; v, Marcos,
a ponta est tinta de sangue I
Sangue ? Ah! sim...este sangue meu.
Contei-lhe-como me ha via ferido na occasao de
achar o alfinetc; mas nao lhe toquei no meu so-
nho, nem na desappan'zao de Callirho.
Marcos, meu amigo, tu me oceultas alguma
consa. Ests paludo I O que tens ? Falla. O que
qur dizer esto alfinete ?
Nada, um mero gracejo I Onde est Callir-
uof
A estatua ? Porque me fazes esta pergunta ?
Porque nao est na bibliotheca I
Margarida olhou-me admirada : tomei a sua ad-
miracao por uma tacita confissao.
Para que flzeste isso ? lhe disse eu triste-
mente.
. ~ M*c!8> replicn ella, ests hoje incompre-
hensivel !-Se eu nao confiasse em ti, vendo-te as-
sim triste e dlstrahido, dira que a estatua te traz
perdido de amores por ella, e que Fanny teve ra-
zio de dizer que no meu lugar teria ciumes desse
passado, que tanto teoecupa aimaginacao! Es-
quece essa bella de olhos de esmalte, v os meus,
que sao vivos, e dizem quanto te amo!
Encarei-a filamente procurando lr no fundo da
sua alma Com effeito teria ella ciumes da esta-
tua, e manda-la-bia por isso esconder ?
1
Porm Margarida desviou o seu olhar do meu
dizendo que os meus olhos a turbavam.
Interpretei mal esse embarazo, e confesso que
fiquei despertado. la fazer-lhe algumas censuras,!
mas vejo Kadour que, por discr^ao nao ousando!
approximar-sc de nos, me fazia signaes s escon-
didas. Nesse interim veio tambem Nanniche cha-
mar a sua ama para certas providencias domesti-
cas, que exigiam a sua presenza.
Quando fiquei s Kadour me disse :
Sidi, eu ter muito modo! Mulher de podra
nSo est na sala dos livros, estar junto da cama
db sidi, e nao querer voltar para seu lugar I Muito
pesada, e Dolin ser um medroso I Se sidi levou
ella l, forte como dous: mas se nao levou...
Entao, atalhei eu, tambem crs que ella fos-
se passeiar?
Allah grande I Nada impossivel a elle re-'
plicou o rabe olhando para o cu com ar inspi-
rado.
A estatua eslava com effeito oceulta por detraz
das pesadas cortinas do meu leito. Como ira ter
ali? Que importa! Achei-a, e julgava-me tao feliz,
que corra ja para abraca-la: conteve-me porm a
presenca de Kadour, que silencioso me observava.
tnamei-o atlm de ajudar-me a leva-la para a biblio-
theca.
Oh Sidi nao poder levar s I Entao nao foi
sidi quem trouxe I
E como teria eu a forca de transportar essa es-
tatua de marmore, se o seu peso era j de mais
para nos dous ?
Collocando-a no seu pedestal pareceu-me que os
brazos cediam pressao, e que suas laces se colo-
riam. Nao quiz acreditar nesta nova phantasia, e
para certficar-me perguntei a Kadour de que cor
eram as faces da estatua.
Rosadas como as de Nanniche, responden o
rabe com simplicidade.
Ou eu nao era visionario, ou Kadour tambem o
era I Sahi precipitadamente para fugir multidao
de ideas mais ou menos impossi veis que me abala-
vam a rasao, e transtorna vara a ordem das cousas
estabelecidas na natureza I
Mareos Valery Cadanet.
29 de setembro de 1831
Meu caro amigo.
Sou muito, muito feliz I Caso aflnal com Marga-
rida Meu tio acaba de dar o seu consentimento.
Devo dizer-te egualmente que sou bastante rico.
Cahiu-me das nuvens um testamento. O melhor
enviar-te o meu jornal, que te pora ao facto dos
acontecimentos destes ltimos das, prevenindo-
te de que o leas primeiro, e depois esta carta que
lhe serve de complemento.
Foi hontem que meu to me concedeu official-
mente a mao de sua filha. Andava em casa de
um lado para outro, triste e abatido : nao quiz.al-
mocar comnosco; tinha raiva de todos, de mira
mais que de todos.
Vendo-o no jardim encaminhei-me para elle afim
d abranda-lo porm apenas me avistou, deu-me
as costas, e seguiu para o campo. Entretanto bem
desejaria eu chama-lo a memores sentimentos, ou
pelo menos deixa-lo em paz, pois pensei em reti-
rar-me de novo, levando com tudo a esperanza de
um dia desposar minha prima.
Voltei ao salao, ahi encontrei o cura, que vira
no castello de Chiz, em conferencia com a Sra.
d'Astafort. O que vinha elle fazer n'uma residen-
cia de herticos ? Quereria conf essar a Sra d'As-
tafort, a quem falta finura e dissimulacao ? Viria
na qualidade de espio da m arqueza ?
Co mo qur que fosse, logo que me viu, veio
apertar-me a mao com paternal familiaridade, fe-
licitando-me pela minha nova e brilhante fortuna.
Quem lhe dara parte dos meus negocios ?
Ouvimos o rodar de um carro; o cura corren
janella, e annunciou-nos o Sr. de La Chapelaude
no tom de quem v finalmente ebegar uma pessoa
que esperava.
La Chapelaude entrou com ar de importancia e
pediu para fallar immediatamente ao Sr. Desor-
, mes. Margarida disse-lhe que sea pae achava-se
nos seus trabalhos, mas que ia manda-lo chamar.
O cu ra anzou um olhar de intelligencia ao seu
| compan heiro, e declarando que iria elle em pes-
soa ao encontr do Sr. Desormes, sahiu com ar
mystenoso.
D'ahi a poucos instantes entrou Fanny acompa-
nhada de Boc. *
- O dabo do Desormes est tardando muito, e
eu tenho pressa I disse o Sr. de La Chapelaude fa-
miliarmente.
(12) Um alfinete grande de tartaruga amarella
custa de 100 a 1000 francos.
(13) Nao quereria, por nenhum prezo, unir-me a
alguns viajantes, meus antecessores, que,'depois
de ter gosado da hosptalidade dos europus no ex-
tremo Oriente, os apedrejam, aecusando-os de fal-
tos de equdade, de aptidao e dignidade em suas
relacoes com os indgenas. Os estrangeiros que
residem na China e Japao formam sociedades res-
peitabilissimas. Se o dinheiro que o seu commer-
cio faz circular tem muitas vezes uma triste in-
fluencia sobre os indgenas com quem estao em
contacto, e que pertencem geralmente as mais ba-
xas classes da sociedade, sera injusta responsa-
bilisa-los por um resultado em que nao tem partea
sua vontade.
(14) As meretrizes que nelle entram fazem voto
de nao sahir mais.
No ultimo caso, multo mais raro, a moca ala-
gada casa de cha por um certo tempo, e sua fa-
milia recebe por ella uma somma que rariade des
vinte ros (iiW 200 francos) por anno, e que
constitue um augmento consideravel dos seus re-
ditos.
Se menina, ajusta-se por uma vez, nao exce-
' dendo o seu valor de 50 a 100 francos; de mais,
' o comprador se obriga concorror com tudo e
' dar-lhe uma boa educazao.
At a poca da sua nubilidade, a menina ves-
tida e nutrida; aprendo lr e oscrever, dansar
cantar e tocar o sam-sn; em uma palavra en-
sinam-lhe tudo quanto convm uma moca bem
educada; aos quinze oudezessois annos, a sua edu-
cazao deve estar terminada. Faz-se entao della
um& gheks (cantora) uma o-doori (danzarina) ou
uma djoro; ella soffreum ou outro destes estados sem
ter o direito nem o pensamento de quexar-se. A
sua vontade nao foi consultada quando kameron
(menina), entregaram-na casa do cha; a sua von-
tade ainda nao se exerceu, quando tornou-se pre-
ciso pagar a divida que contradir recebendo du-
rante muitos annos todos os cuidados que eom ella
Uvera o seu dono, porque nao se pertence : vic-
tima da miseria ou da cubica dos seus paes que,
sendo seus senhores naturaes, cederam-n3, por
contrato legal, e por um tempo determinado, ao
proprietario da casa de cha. Desde entao este
sobstitue aos paes, vem a ser senhor absoluto, e
tem o direito de dispor della como de sua cousa, is-
to a sua vontade.
Seja o que fr, gheks, o^doori, eu djore> (15) nao
passa de uma escrava cuja vida resume-se na pala-
vra obedecer; obra por impulsos de outrem, exe-
cutaassuas ordens, trabalha para elle.e nao guar-
da um bolo de todo o dinheiro que lhe rende o
seu infeliz estado.
E portanto, uma creatina muite desgrazada que
seria deshuraanidade despresar, porque exerce sem
vontade e sem proveito a sua vergonhosa pro-
fisso.
Chcgando a edade de vinte e quatro ou vinte e
cinco annos, deve, conforme o theor do contrato
que ligou-a casa de cha, ser restituida a si mes-
ma e reconquistar a sua independencia. Tal nao
o resultado ordinario destas especies de ajustes,
a menos que ella nao seja- feia ou desvalida da na-
tureza, quasi que a nica probabilidade de alean-
Zar a sua libcrdade no tempo fixo. Se, pelo con-
trario, ella bonita, o senhor abusa da sua igno-
rancia para rete-la em seu poder ; elle a obriga
contrahir dividas servindo-lhe uma comida mais
suceulenta, ou vendendo-Ihe joas e estofos mais
preciosos do que aquelles que estao obligados
dar-lhe.
Sao muito poucas as que teem forza bastante
para resistir tentaeoes tao attrahentes. Ellas en-
dividam-se, e como nao possuem, acabado o con-
trato, nenhuma outra cousa no mundo senao o seu
corpo, sao forzadas, afim de pagar as suas dividas,
a vende-lo por novo praso. Assim, por um enea-
deamento de circumstancas que as dominam, acon-
tece muitas vezes a estas infelizes creaturas mor-
rer na propria casa em que entraram meninas, em
que a sua juventude murchou em um offlcio de
ignominia, e em qne velhas e affeiadas acham um
ultimo asylo como criadas (kots-koi), como guardas
(o-bassans); ou como mestras de escola, de dansa
ou do msica.
V-se uma ou outra cujos encantos ou boas qua-
lidades captivam homens que as resgatam pagan-
do as suas dividas: mas a maior parte se resigna
morrer no estado em que viveu (16).
Alguns dias depois da celebracao da grande
madzouri, Mr. \V... disse-me que o seu barco a
vapor, o S. Luiz, estava de saluda. Despedi-me dos
meus amigos de Decima e Oora, e para gravar no
meu espirito a mais agradavel lembranza da deli-
ciosa cidade que ia deixar, subi pela ultima vez a
col lina que eleva-se ao meio dia de Nagasacki, e ao
p da qual est collocado o consulado inglez. Era
no mez de outubro.
A natureza ainda nao tinha perdido a sua frescura
e vivacidade, e desenrolava a meus olhos um bori-
sonte encantador. Sobre um terrado situado a oi-
tocentos ps cima do mar, vi estender minha di-
reita a magnifica baha de Nagasacki; ella estava
(15) As ghekos e o-dooris hiera voto de castida-
de at a poca de seu casamento, que s pode ef-
fectuar-se depois que teem sahido da casa de cha.
Ellas nem sempre guardam este voto, cuja nfrac-
Zao ordinariamente julgada com muita indulgen-
cia ; mas a lei d ao dono de uma cantora ou de
uma dancarina o direito de pun-la severamente
quando ella falta s condicoes do contrato que f-
ra obrigada contrahir. Encontram-se ghekos e
o-dooris fra das casas de cb; exercendo livre-
mente a sua profisso. As cantoras teem, como os
lutadores, suas directoras em Yedo ou Kioto. Cer-
tas arias populares que tocam, pertencem a todos
mas, para poder executar publicamente outras, de-
vem pagar um tributo muito forte, especie de di-
reito de actor, aos mestres da msica japoneza. Os
seus princpaes instrumentos sao o sam-sin, gui-
tarra de tres cordas; o hoto, bandoln de treze cor-
das ; o grande sam-sin, de que se servem para
acompanhamento dos solos de poemas picos; o
kikion, rabeca de quatro cordas; o biwoua, guitar-
ra de quatro cordas, da qual s podem usar os pa-
dres ; tinalmento o pfano, o timbale e o zabumba.
(16) As djoro-jas (casas de cha) e todas as pes-
soas que as habitam estao sob a vigilancia da poli-
ca. Uma djoro nao pode passeiar na sua sem
estar munida de um foudd, especie de passaporte,
que deve ser renovado todos os mezes, e, pelo qual
o proprietario da casa de cha obrigado pagar
uma somma muito consideravel.
coberta de bailis indi'aticos e de navios, sulcan-
do-a em todos os sentidos barcos cujas velas gran-
des ealvas a brisa da tarde inchava, e que desl-
savam silenciosamente sobre as aguas de ura azul
escuro. ,K meas ps estavam Oora com suas ha-
bitaz&es europea, Nagasacki com as suas ras
compridas, as suas pequeas casas caladas, os
seus innumeraveis templos, cujos immensos telha-
dos brilhavam ao pr-se o sol, depois Decima a
fabrica de Akinoura, Inassa e o estabelecimento
russo, e mais longe, ao norte da baha, a vasta
planicie semeada de aldeas e choupanas, onde eu
dra to agradaveis passeios.
A' minha esquerda, aosul, appareciam innume-
raveis (has, urnas verdes, cultivadas, cobertas de
campias, do florestas c povoados, outras nuas e
desertas.
O mar cercava a todas como un immenso cinto
de azul e prata: elle era bello e meigo, e eu me
esquecia de que muitas mezes o tinha visto furio-
so, trazendo o terror e a desolaco.
Deste modo riscou-se no meu espirite todo quan-
to eu tinha visto de triste, at mesmo efe- doloroso,
durante a miaba residencia no Japao ; mas a lem-
branza da incwnparavel belleza deste paiz c da
sua branda e intclligente populaeSo ficon gravada
na minha memoria.
RODOLMO LlKDA.
(A. de Mendonr.a.Revista dos Dous Mundos.)
E' alguma cousa
perguntou Margarida.
Nao, madamoiselle; obrigado.
que eu possa dizer-lhe?
Trago uma
carta para elle, e venho aqu da parte do Sr. Adal-
berto Duluc, marquez de Mauvesin.
La Chapelaude pronunciou com tal emphase es-
te nome e titulo, que julguei ouvir mal, e pedi-lhe
que os repetisse. ^
Duluc I exclaraei olhando para minha prima
Duluc, pareceu-me ouvr tambem! disse el-
la como eu admirada da semelhanza desse nome
com o da historia de Callirho.
Sim, Duluc, Duluc de Mauvesin, replicou La
Chapelaude. O que ha nisto de admirar ?
Foi algum novo titulo que o Sr. de Mauvesin
tomou depois da morte do marquez, seu pae ? per-
guntou a Sra. d'Astafort.
Perdao, minha senhora ; Duluc o seu no-
me verdadeiro. Seu av tomou o do Mauvesin
por allianza Seus antepassados tinham erigido
em marquezado um feudo desse nome. E' cousa
muito sabida.
Ora pelo amor de Deus exclamou Boc em
tom que nao admitta replica. Nunca houve mar-
quezado na familia dos Duluc, e a dos Mauvesin
extniguiu-se ha muito tempo. Os Duluc podem
ser fidalgos, porm nao tao nobres como os de La
Chapelaude.
E quem o duvida ? replicou o homnculo
impertigando-se na sua cadelra. Nos c datamos
de 1103 : porm isto nao impede que o Sr. Adal-
berto...
Seja marquez, e chame-se Mauvesin, con-
cluio Margarida sorrindo-se.
Entretanto supponho, disse Fanny por sua
vez encarando-me, que os antepassados do Sr. Du-
luc remontavam a mais de dous mil c trezentos
annos; nao verdade, Sr. Marcos ?
verdade, minha senhora, respond eu ds-
trahido.
A mensagem do marquez dava-me o que pensar.
E esse nome de Duluc ou Dbu-Lug, de que s ouvi
fallar em sonhos, e que entretanto nao era myste-
rio paraos outros, recordava-me as sensaz&es do-
lorosas, porque passe na noute antecedente.
Finalmente chegou meu tio com o cura. Des-
culpou-se por ter leito esperar um fldalgo de tao
antiga nobreza como o Sr. de La Chapelaude, que
entregou-lbe a carta de que vinha incumbido. Mou
tio que estava de au humor, em vez de abr-la,
voltou-se para o cura dizendo :
Havemos de ver, Sr. abbade, se isto algum
negocio de sacrista forjado por V. Rvma. pelo
odio que tem aos protestantes, ou se a rsoluzo
de um mancebo nebre I Co'os diabos I Nao o
considero tio tdlo I Creio antes que, como eu, pou-
eo se embaraza com isso de religldes ; e demais
muito tarde para Yir contar-me esorupulos, pois
sabia de antemao que minha filha pertence eg^
ja reformada, como sua defunta mae I
Desmpco das tribns-gf lvagens qne habitam o sur-
tan e margo ns do paiz lian hado pelo rio Xiiin,
cima de suas caeboeiras.
Antes de fazer, em conformidade eom as inda-
gazes que proced, e experiencia propua, a des-
crpzo das tribus selvagens que habitan o paiz,
que se dilata cima das cachoeira6 dorio Xing,
julgo necessar, para melhor intelligencia, dar a
seguinte e xplicacao.
o paiz, de que se trata ama- vastissima regan
verdaderamente ignota na maior parte de sua ex-
tensao pois que at hoje, se nao me encano, ne-
nhum escriptor ou viajante scientifico dlle tem
dado noticia completa, qur navegando o rio Xin-
g propriamente dito, e. seus confluentes, qur ca-
minhando por trra, a nao ser at certas localida-
des j conheoidas geegraphicamentc, ondfc alguns
curiosos e homens doutos, tem chegado, eomo em
1813, o principe Alberto, da Prussia e seo* com-
panheiro; o somente marcas gravadas em pedras
e annosos madeiros, denotam que os primeiros
viajantes de raza civilisada, que ali chegaram, ou
que por ali passaram, foram os padres da oompa-
nhia de Jess, e tropas de aventuremos, on tropas
regulares, enviadas pelos' conquistadores de entao,
e posteriormente os que, como j disse, por enrio-
sidade, ou obrigazlo qnalquer, as tem visitado :
comtudo tradiezao que os referidos padres dila-
taram suas perigrinazes alm destes lugares ; po-
rm, nao resta presentemente indicio algum.
Informamos indgenasjurunnas e tueunhapeuas,
que ha vinte annos, acuco mais ou menos, uma
tropa de homens la-ancos, vestidos maneira dos
habitantes das provincias vizinhas, conforme a
descripzo que driles fazem, armados de carabi-
nas, pistolas e sabres, ou facas de mato, pretende-
rara atravessar, ou antes encaminhar-se donde vi-
nham para a margem meridional do rio ; porm,
nao o conseguirn!, por terem sido atacados pelos
antropophagospeopaias,que os exterminaran.
Informam mais que os mesmos indgenas, que de
certo lugar, a que os naturaes ou os visitantes de-
ram o nome de egrejinha, e que se acha situado na
mesma margem, caminhando sempre para o. sul,
a uma marcha regular de oito dias, j se sabe, sem
caminlio trlhado, se encontraram extensos campos
que apascentam quantidade de gado vaceum e ca-
vallar, enaproximidade dos mesmos, uma gran-
de cidade e outras povoaoes que sabido, devem
sor algumas das cidades e povoaoues da provincia
limitrophe.
Terminando esta simples noticia, direi que todo
o paiz fertilissimo em gneros ^rogas|naturaes,
como salsaparrilha, cravo, copahiba e com espe-
cialidade gomma elstica, que abunda as ilhas
ainda nao exploradas, e que se achara situadas en-
tre as duas margens, formando um verdadeiro ar-
chipelago, que se estonde por uma infioidade de
leguas, comprehendendo o que desde a sua foz
passa pela villa de Porto de Moz, c mais povoa-
ces : magnifica para a cultura do algodao, ca-
f, tabaco, cacu, milbo, feijo e mandioca de toda
a especie, a qual se acha no mais completo atraso
(direi completo abandono) porque, os naturaes. na
maior parte, apenas se empregam era fazer pe-
queos rocados para plantazoes de mandioca; pou-
eo mais lhes produz quo o necessario para seu
consumo, tendo havido occasioes em que esse mo-
mo lhes falta, sendo o nico effeito do commercio,
em todo o rio habitado, algumas arrobas de gom-
ma elstica, extrahida as ilhas do mesmo rio,
quem das cachoeiras, cuja safra tem tugar tao so-
mente desde setembro a dezembro de cada nno;
acrescentando, comtudo, que desdo o. auno prxi-
mo passado, apezar das difflculdades que ainda
existiam e.que felizmente so aeham destruidas,
comezaram algumas tentativas de extracoao de g-
neros das ilhas e territorio de cima que tlveram
esperanzoso xito, pois que, os diversos especula-
dores que l foram, transportaran! desde outubro
prximo passado at maio do crreme anno, para
mais de 1,000 arrobas de borracha, algum cravo
e copahiba, havendo dora avante toda a probabi-
lidade de um avultado augmento ; ciremnstancia
esta que s depende da vontade de quem quizer
l ir trabalhar. Se um da a industria o a actvi-
dade presdirem os destinos deste grande raanan-
cial de riqueza, esse auguloda bella provincia do
Para ser por si s a trra da promissao d um
povo escolhido.
(Continursela)
Disse-lhe toda a verdade, Sr. Desormes, re-
plicou o sacerdote com dozura Esperava-se que
madamoiselle Desormes se con vertera: porm
ella declarou positivamente o contrario.
Minha filha nao tem que ver com essas cou-
sas : seguir a religio que cu lhe ordenar.
Meu charo Sr. Desormes, interveio La Cha-
pelaude, o senhor est fra da razao : nao se tor-
eara as consciencias. A Sra. marqueza de Mauve-
sin muito severa neste ponto, e nao consentira
por modo algum n'uma falsa converso. Tenha a
bondadede 1er a sua carta.
Meu tio leu em voz alia :
t Illm. Sr. Desormes. Ha certas explcazoes
delicadas e penosas, que muito desejo evitar. E por
isso envo os_Srs. abbade Giraud, e La Chapelaude,
que lhe di rao as razos que nos obrigam, a mim
e a meu filho, a retirarmos o pedido que tivemos
a honra de fazer-lhe, ignorando os impedimentos
que exstiam. Crea no meu pezar e no desejo que
tenho de continuar com as nossas relaz&es. Sou,
etc.
Bem v, disse o cura, que viemos aqui como
simples erabaixadores.
Sim, sim, accrescentou La Chapelaude, a com-
missao nao agradavel ; mas nao podamos re-
cusar.
Margarida offendida com a resistencia de seu
pae, teve desejos de declarar alto e bom som que a
noticia nao poda ser mais agradavel do que era :
mas meu tio nao lhe deu tempu.
Muito bem I exclamou elle amarrotando a
carta Nao faltava mais senao isto I J eu o es-
perava : uma tatastrophe traz outra apoz de si I
Porm o marquez ?
O marquez nao tem vontade differente da de
suamae, respondeu o cura. A carta o explica
muito bem.
Pois diga ao seu marquez e sua marqueza
que percebo claramente o motivo da sua desisten-
cia. Era nos meus escudos que ambos tinham os
olhos pregados; e agora que sabem...
Dingl-nie a meu tio pedndo-lhe que se conti-
vesse.
Oh I Deixa-me socegado : tu s a causa de
' tudo I Hei de fallar na presenca de todos. Pdem
i levar as minhas palavras a esse fidalgote, pdem
I dizor-lho que eu fazia-lhe muita honra aceitandq-o
por meu genro ; j que smente agora se lemhra
1 de que somos plebeus, saiba que os plebe n,s wm-
bam del lo, e para nao dar-lhe mais lugar a arre-
pendimento, minha filha casar com seu primo
Marcos Valery. No prximo domingo sero cor-
ridos os banhos. E' esta a minha resposta.
Bravo I exclamou Boc. Ora eis ahi o que
uma resolucao bem tomada !
Meu tio sahiu vermelho de raiva : corri aps
elle para o abrazar e tranquil! isa-lo : porm re-
pelliu-me com gesto grosselro dizendo :
Naocarecodas tuas consolazes, e nem agra-
decimentos. Fallo com franqueza, nao consinto
nesse casamento por meu gosto. Ests contente ?
pois eu no. Amas a minha filha, e ella te corres-
ponde ? Tanto melhor para ambos t Casera-se, e
deixem-me ficar em paz I
Meu tio estava nessa occasio tao pooco tralavel.
que tive realmente vontade de deixa-lo : porm
senta dentro em mim que, a meu pezar, apezar
mesmo delle, amava-ocomo um simplorio que sou.
Mostrei-lhe tanta affeico, que aflnal consegu tran-
quillisa-lo. Mandci depois Margarida para o con-
solar tambem, c cabo de uma hora voltaram ao
salao, ondo se achavam reunidos a Sra. d'Astafort,
sua filha, Ral, o doutor e Boc, satisfeitissimo conw
se a minha felicidade fosse delle tambem.
O Sr. de La Chapelaude c o cura haviam se re-
tirado. Os tabelliaes Chassepain e Lormond chega-
ram depois cora rolos de papel debaixo do braco e
uma grande pasta : nao esperavara achar as cou-
sas em tao bom p.
Margarida voltava com o semblante radioso :
pareca cingir-lhe a fronte uma aureola de felici-
dade 1 Trazia pela mo o seu velho pae, que sor-
ra.
Anda anda ; acarcia-me', adula-me para que
te eu perde a tua obstinazo e desobediencia. Es-
tava ceg, nao via que rae enganavas I Nao te que-
ro mal por isto, afinal de contas s quero a toa fe-
licidade. Marcos um excellente coraoao; pos-
sue hoje riquezas, condecorado, em summa um
hornera perfeito : mas devo dizer-lhe que nao foi
franco contigo.
Ia desculpar-me ; meu to atalhou-me e prose-
guiu :
"~. f^1* bom' basta- Abraca a tua esposa, e se-
jam felaes, mea* Olbos, como eu o desejo I
(Cmttmar-se-ha.)
PERNAMByCQ,-. TYP. DB M, F. F. 4 FJLJiQ
I ILEGfVLl

j
I
l : .
%mm


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ENWEPVMPC_PQ954R INGEST_TIME 2013-08-28T03:17:08Z PACKAGE AA00011611_10198
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES