Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10196


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO XXXiX NUMERO 216.
Por tres mezes adiantados 5S000
Pr Ir* nezes vencidos 6jO(J0
TERCA FEIRA 22 DE SETEMBRO DE 1863.
Por anno adiantado..... I9$000
Porte (raneo para o subscriptor.
DIARIO DE PERNAMBUGO.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCO NO NORTE
Parahvba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima'
Natal, o 'Sr. Antonio Marques da Silva; Araeaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oiiveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCO NO SUL.
Alagas, o Sr. Claudino Falca o Das; Baha, o
Sr. Jos Martins Altes; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martius d Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS,
Olinda, Cabo e Escada todos os das.
Iguarassu*, Goyanna e Parahyba as segundas e
sextes-feiras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruaru',
Altinho e Garanhuns as tercas reiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella,Tacaratu', Cabrobo,
Boa Vista, Ouricury e Exu" as quartas feras.
Sennhaem. Rio Formoso, Tamandar, l'na, Barrei-
ros. Agua Preta e Pimenteiras as quintas feras.
Ilha de Fernando todas as vezes que. para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao V2 da.
EPHEMERIDES DO MEZ DE SETEMBRO.
4 Quarto ming. as 9 h., 44 m. e 2 s. da t.
13 La nova as 1 h., 16 m. e 38 s. da m.
20 Quarto cresc. as 10 h., 8 m. e 2 s. da m.
27 La chela as 2 h., 37 m. e 2 s. da m.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 10 horas e 6 minutos da manha.
Segunda as 10 horas e 30 minutos da urde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagdas a 5 e 25; para o norte at
a Granja 7 e 22 de cada mez; para Fernando nos
dias 14 dos mezes dejan, marc., maio,jul, set. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipucos as 6 Vi, 7, ? Vi, 8 e
8 '/i da m.; de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao as 6 >/2 da m.; do Caxang e Varzea as 7
da m.; de Bemflca s 8 da m.
Do Recife : para o Apipucos s 31/1,4, 'A, 4 Vi,
5, 5 Vj. Vi e 6 da tarde; para Olinda s 7 da
inanhaa e 4 y. da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
de ; para Caehang e Varzea s 4 Vi ,arde i Para
Bemfica as 4 da tarde*.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relacao: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da. tarde.
DAS DA SEMANA.
21. Segunda. S. Mathous ap. e evang.
22. Terca. S. Mauricio m.; S. Santino b.
23. Quarta. S. Lino p. m.; S. Tecla v. m.
24. Quinta. N. Senhora das Mrrcs.
2.}. Sexta. S. Justina v. 111.; S. Calistrato m.
26. Sabbado. S. Cleophas; S. Firmino b.
27. Domingo. Ss. Cosme e Damio irs. mm.
ASSGNA-SE
no Recife, em a livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Figueiroa de
Faria & Filho.
PARTE QFFICIAL.
OVERNO DA PROVINCIA.
Iiaedrnlf 4o dia 18de setembro de 1863.
, connexao e dependencia do inventario a que se
procedeu por esse mesmo juizo pela morte do pri-
meira marido da inventariada Angelo Jos de Mou-
ra aviso de 15 de fevereiro de 1855; e quarto final-
mente, anda pelo genrico principio jurdico da
prevencao por ter sido esse juizo o primeiro que
iniciou o sobredito inventario.
Portara.O presidente da provincia, annuindo
Offlcio ao bngadeiro commandante das armas. ao que sollieftou o inspector da thesourariapro-
Sirva-sc V. Ere. de mandar ouvir a junta militar vincial em offlcio de 15 do crrante sob n. 455, re-
de sade acerca do modo" porque foram executa- solve abrir nm crdito suppiementar na importan-
dos os concertos e caiadura da enfermara de cho- ca de 8355600 para pagamento, das despezas fci-
lericos de que tratam os inclusos papis. tas com a illuminaco da casa de detencao no Io
Dito ao mesmo.Respondo ao offlcio de V. Exc.! semestre deste anno, visto achar-sc extincta a con-
datado de 9 do crrante, sob n. 1,649, declarando- signacao votada para esse fim no 4o do art. 16 do
lhe que o director das obras militares informou em exercicio prximo em liquidaco.Communicou-sc
data de 14 deste mez, achar-se a guarita da guarda ao inspector da thesouraria provincial, remetten-
da thesouraria de fazenda tao arruinada que nao do-se copia desta portara,
admtte concert algum. Dita.O presidente da provincia, tomando em
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda. consideracao o que expoz o inspector da thesoura-
Restituindo V. S. o requerimento de Gualter ria provincial em offlcio de 16 do crrante, sob n.
Martiniano de Alencar Araripe a que se refere a 463, resolve abrir um crdito suppiementar na im-
sua informacao de hontem, sob n. 711, o autoriso portancia de 2155750 rs. para que pela verba con-
cm vista desta, a dar como provado pelo recibo signada no art. 39 da lei do orcamento do exerci-
tendem que nao ha motivos para modificar os pre-
ceitos da arte at hoje em voga.
Perto de um tere/) dos atacantes acha-se nos nos-'
pitaes por effeito do clima. Beauregard publica
pomposos boletins e promette escarmentar de ve-
ras os federaes. Anda nao lempo de entoar o
Te-Deum. Depos da prompta captura de Nova
Orleans, temeridade contar com a indefinida re-
sistencia de Charleston. Lincoln empenha-se cm
oceupar o principal foco da revolta.
Mandar exercito atraz de exercito, para lograr
o intento. Em Washington importam-sc pouco com
a carnificina do intil assalto do forte Wagner,
com os milhares de irlandezes e allemaes, cujos
cadveres estrumam o slo. Ha rumas de papel
moeda para comprar bracos europeus, e mesmo a-
mcrlcanos. Ha a inabalavel obstinacao anglo-saxo-
nia, multiplicando o esforz medida que surgem
os obstculos.
Emquanto no norte se manifestam tendencias
para a paz, e se alastra a opposicd poltica de
Lincoln, incontestavel, que o sul nao trepida, nao
desfalecc, nao se mostra prostrado. Nao apparece
na forma da lei, para tratar de sua saude onde lhe
convier.
Sob proposta do Dr. chefe de polica foi exo-
nerado o tenente-eoronel Manoel Antonio dos Pas-
sos e Silva do cargo de 1 supplente do delegadodo
do termo de Olinda, considerados vagos os de 2 e
5 supplentes do mesmo delegado, e os de 3, 4, 5
e 6o supplentes do subdelegado do districto daquel-
la cidade, e finalmente nomeados para os cargos
policaes abaixo declarados os cidadaos seguintes :
Supplentes do delegado de Olinda.
1." Dr. Jos Cardoso de Queiroz Fonceca.
2." Dr. Domingos Soriano Fernandes Soares.
3." Dr. Francisco Lins Caldas.
4. Dr. Vicente Cyrillo Marinho.
5." Fclippe Manoel de Christo Leal.
Supplentes do subdelegado de Olinda.
2." Joao Francisco da Lapa.
3." Manoel Dionisio Gomes do Bego.
4." Manael Nunes de Mello.
5. Joaquim da Motta e Silva.
6." Manoel Zacaras da Silva Braga.
Hoje fazem acto do Io anno dous cstudantes
em duplcala junto ao mencionado requerimento, co prximo findo em liquidaciTO, possam ser pagas; de Washington; nao se injuriara e deprimem os no anno lectivo passado, foram mandados admitlr
eito pelo supplicante de 1455390 Joaquim Antonio Rodrigues e Jos Candido de generaes; nao se reage contra o recru
partido reclamando transacco com os magnatas do curso commerctal, que tendo ouvido o mesmo
deprimem os -
rec rutamento.
osupprimento feito pelo supplicante de 1455390 Joaquim Antonio Rodrigues c Jos Candido de goneraes; nao se reage contra o recrutamento. a acto por acto legislativo,
para pagamento dos vencmentos relativos ao mez Rarros as quanlias que se Ihes est a dever prove- Neste caso, ainda que Charleston seja brevemente Informam-nos que a empreza da illuminacao
de outubro do anno prximo passado, do destaca- nienle de cusas em que foi condemnada a fazenda' vencida, nao augmenta a probabilidade da sujeieao a gaz lera determinado transferir da ra do Impe-
camenlo de guardas nacionaes da villa do Ex e provincial.Communicou-sc thesouraria provin- j dos mcrdonaes. rador para o gazometro o referido armazem; e que
sobre que versa o offlcio desla presidencia de 25de cial remetiendo copia desta portara. Ainda que todas_ as cidades do sul estejam em neste sentido j ha providencias tomadas,
maio ultimo. Dita.O presidente da provincia tendo, em vista poder de Lincoln, nao peder este dispensar um so | Sem que possaraos por nos inesmos avahar at
Dito ao mesmo.Para os fins convenientes, trans- oque requereu o arrematante dos concertos da 1 homem dos qualro exercitos que alimenta, nem um que ponto seja exacta esta informacao, nao pode-
mitto V. S. osdous inclusos mappas do movimen-1 da ponte sobre o rio Una, Jos Francisco do Rogo' s navio da esquadra que bloqueia a costa._ Ate mos com tudo deixar de notar que essa transfe-
to havido no pessoal das enfermaras do hospital: Barros, e bem assm a informacao da reparlico que os separatistas se entreguem discripcao ou rancia inconveniente para o publico pela diston-
das obras publicas de 13 de junho ultimo, sob n. fiquem independentes, o norte ter que mantr em ca do ponto escolhido, ao passo que parece-nos que
114, resolve conceder-lhe um mez de prorogacao armas forcas collossacs. dessa medida nenhuma vantagem peder provir
militar na primeira quinzena do mez crranle.
Dito ao inspector da thesouraria provincial
Mande V. S. fornecer ao corpo de polica, como
solicitou o respectivo commandante em officio des-
ta data, sob n. 381, os dous livros mencionados no
incluso pedido.
Dito ao mesmo.Respondendo ao officio de 16 do
-crrante, sob n.458comque V. S. impugnoulo paga-
mento da obra dos raparos do passadieo do canal
do Hospicio, tenho a dizer em vista do que a este
respeito informou o director das obras publicas,
em offlcio de honlem, que deve V. S. mandar eflec-
tuar esse pagamento conforme determine! em o Io
deste mez, segundo consta dos papis que de-
volvo.
Dito ao Dr. chefe de polica.Expeca V. S. as
suas ordens para que o administrador da casa de
detencao entregue quando lhe fr exigido pelo bri-
gadeiro commandante das armas, o sentenciado
militar Candido Pereira da Silva, que all seacha,
c tem de ser enviado para o presidio de Fernando
na primeira opporlunidade, afim de cumprir ape-
na de carrnho perpetuo.
Dito ao conselho administrativo Recommendo
ao conselho administrativo que compre para for-
necimento do almoxarifado do arsenal de guerra,
os objectos mencionados nos dous pedidos que aqui
ajunto.
Dito cmara mcnicpal de 01inda.=Em respos-
ta aos oflicios que me dirigi a cmara municipal
de Olinda em 3 e 17 do crranle, tenho a dizr-lhe
que concedo mesma cmara a autorisacao que
podepara des|>endcr mais al o flm do exercicio
eorlBiite a quanlia de 665850 rs., pela verba desig-
nada para as despezas com jury e cleices, visto
achar-se esta quasi extincta.
Dits ao director das obras publicas.Tendo ou-
vido a cmara desta capital sobre a materia de seu
offlcio n. 134 de 3 de julho ultimo, recebi da mes-
ma, em resposla, o offlcio de 31 de agosto findo, a-
para a conclusao das obras do seu contrato a con-
tar do dia em que se findou o praso para esse fim
marcado no mesmo contrato.
Despachos do dia 18 de setembro de 1863.
Requerimentos.
Dr. Francisco Pinto Pessoa.Passe portara con-
cedendo a I cenca pedida.
Francisco Antonio de Figueredo.Informe oSr.
director geral da instruceo publica.
Fielden Brothers. Informe o Sr. inspector da
thesouraria de fazenda.
Jos Fidelis, africano livre. Diga o desembar-
gador Jos Pereira da Costa Motta.
Jeronymo Theolonio da Silva Loureiro. Infor-
me o Sr. director geral da instrurro publica.
Os federaes, que fallam em aggredir a Franca e para a empreza, mesmo quanto ao lado econmico,
a Inglaterra por causa do Mxico ou do armamen-1 E, pois, de esperar que esta reconsidere a sua
to de corsarios, devem avahar a seguranca que te- determinaco, combinando a que atinal possa to-
ram as tropas das duas potencias, que se propo- mar com a faclidade dos consumidores,
zessem a oceupar os estados do norte. Perto do seu i O Sr. Virato de Medeiros, oppositor do Cur-
paiz, viram o que a raca hespanhola pode fazer, o so Comme rcial, foi designado pela presidencia na-
que os circassianos tem feilo, o que os polacos es- ra 1er no impedimento dos professores.
tao praticando. Ho ntem os religiosos capuchinhos fizeram ce-
Podem por conseguinte saber o que havera a es- lebrar, em a igreja de seu convento, um offlcio su-
perar dos descendentes da Gra-Bretanha, ainda lemne pelo repouso eterno do finado Rvd. Fr. Se-
3uo as cidades estivessem as maos de um invasor, bastiaoda Virgem.
etestado. A igreja achava-se inteiramente coberta de preto
Se o odio, o resentimento dos separatistas contra havendoem seu cruzeiro urna simples mas cigan-
os federaes pela destruicao de suas casas, sequestro, te ca, Iluminada por 170 luzes.
de seus bens, e morle dos parantes, sequer meta-1 A s 8 horas e meia da manhaa teve comeco o
I de do ^ue se ostento, dez annos de continuas victo- offlcio, sob a direccao do Rvd. conego chantre Jos
rias nan rarantiran a nn mansa o nacifica dos da Trindadp an nual rui Dssembar"ador Firmino Antonio de Souza. nas na0 garantirao a posse mansa e paciuca dos da Tnndade, ao qual assistiram 25 sacerdotes c um
Nao pode mais ser deferido avista da informacao. | lerriloros pronunciados. j crescido numero de pessas, sendo entre aquellos
iJ2 "-- t"",:__:_. n..-.___.-, <__^ Tui As rodomontadas, as hravatas dos nue. sem cer- diversos relieiosos carmelitas p franciscanos.
Jos Muniz Teixeira Guimares.Concedo a li-
cenca que pede na peticao junta, pagos os direitos
nacionaes.
Commcndador Jos Candido de Rarros. Dirja-
se thesouraria provincial.
Mara Benedicto da Motta Sil vera. Prove a sup-
plicante ter salisfeito as condicoes do arl. 28 da
le n. 369, de 14 de maio de 1853.
Manoel Pereira Lima.Indeferdo.
Manoel Gomes de Mello.Em
cao nada lia que deferir.
As rodomontadas, as bravatas dos que, sem cer- diversos religiosos carmelitas e franciscanos,
teza de dominar os niraigos internos, desafiara a Desde s 6 horas at s 8 da manhaa, foram ce-
guerra cslrangcira, denunciam o ignobil artli- lebradas missas por diversos sacerdotes de todas as
co dos enleudimeulos grosseiros de qualquer na- jerarchias, vindos expontancamente ao convento
cao. j para esse fim.
Os que assolaram os estados do golpho, debalde A orchestra, regida pelo hbil professor de mu-
se lisongeam de ter ao lado os povos reduzidos sica Jos Miguel, esteve terna e pungente, como o
miseria para os ajudar a conquistar o Mxico e o pedia o acto.
Logo aps a missa, cneetou-se a encommendacao
no tmulo, offlciando no caslrum doloris os Rvds.
Canad, derrotando as duas mais poderosas naces
vista da informa- da Europa. ,
Napoleao, respondeu as provocagoes fazendo ac- conego viga no Rezende, visitador geral dos fran-
I clamar o archiduque Maximiliano imperador do ciscan^/provincial dos carmelitas e padre-mestre
Mxico. Lord Joliu Russell provavelmente far Ost.ipjiwro.
ouvidos de mcrcador, s qucixas de Mr. Sev/ard, Emjtodos os semblantes se via desempenhada a
emquanto os americanos nao passarem de pala- idr a compuncao, pela ausencia toreada daquel-
vras. ftv por (juem oravam, se bem que mitigada pela
O presidente Davis, aperlado pelas circumstan-# supposicao do predilecto lugar que elle deve oceu-
cias, nao se descuidando de aproveitar o menor en- par na corle celeste, attendendo-se vida exem-
sejo de apoio externo, mandou offerecer ao impera-! piar que teve neste mundo.
O sol ardcnle do verao torna quasi impossivel as dor dos francezes allianca offensiva e defensiva, re- Tendo desapparacido do lugar Hespanha. do
conhecendo o imperio inaugurado no Mxico; e termo de Bnique, Florencio Jos Teixeira, pardo,
al, se elle quizer, nao duvidar em converter n'ou-! casado com Thereza Maria de Jess, espalharam-se
tro imperio a sua confederacao, comlanto que baja: boatos de ter elle sido assassnado por sua mulher
auxilio, de qualquer especie, para debellar as pha- c um primo, de nome Salvador Pereira Brandao,
guerra
l,s<:ulos \ nidos.
em questilo. tenho a declarar-Ilie o seguinle, para
servir-lhe de direccao nos trabalhos do calcamento
da cidade:
1. Segundo o citado parecer da commisso. sao
os proprietarios obrigados, factura dos passeios de
suas casas, urna vez que nenhuma disposicio pos-
terior s sobreditas posturas, os exime disso: mas
nao Ihes impondo estas no seu artigo 18, nem qual-
3uer oulra lei, a obrigacao de fazercm tacs passeios
o lagdo. deve Ibes ser pcrmitiido faz-tos de t-
jollos. ou de pedns irregulares, emquanto de 011-
tro modo nao fr determinado, pelo meio compe-
tente, a bem da regularidade do calcamento, c
commodidade publica.
2." Impomlo igualmente o mencionado artigo 18
aos proprietarios a obrigagao de concertarem os
seus passeios todas as vezes. que fiquem arruina-
dos, >: claro que tacs concertos nao devem ser fal-
los por essa reparticao, ou pelo empreiteiro do cal-
lamento, a cusa dos cofres pblicos, o que nao
obsto entretanto que os mesmos proprietarios pos-
sam se o quizercm, ajuslar com o dito empreiteiro
c sua custa a execucao dos referidos concertos.
3." Sendo ainda pel artigo 19 das posturas obri-
gados os pro|iri''tarios a rebaixarem os seus pas-
seios quando islo seja preciso para que ellos che-
guem ao nivellamento adoptado no calcamento da
respectiva ra, Igual obrigacao Ibes incumbe de
altea-Ios nos casos em que tambem seja islo neces-
sario para o mesmo fim. o que lgicamente decorre
das obrigacOes cima declaradas.
4." Portnlo, se em consequencia do nivellamen-
to dado ao calcamento de urna ra, algum ou al-
guns passeios da mesma tiverera de ficar abaixo
ou cima daquelle, ou se essa reparlico as achar
sem as devidas dimensoes, ou arruinados, e care-
ando por isso era quaesquer desses casos de re-
novaco ou reparos, dever logo communica-lo a
cantan cora os esclarecimentos convenientes, para
que esta intime os proprietarios no sentido de exc-
cutarem em seus passeios as obras que torera ne-
cessarias inmediatamente, ou em seguida do cal-
lamento da parte da ra correspondente as suas
testadas, ou em prazo razoavelmente limitado.
."i." Se porm. em algum passeio que por achar-
se no devido nivellamento c nas mais condicoes
exigidas pelas [Kisturas, se deva considerar perfei-
to, segundo a expressao final do parecer da com-
missad da cmara, se houver de tocar ou fazer al-
gum estrago em razo dos trabalhos do calcamen-
to, e soniente neste caso, essa reparlico dever
ordenar que seja o mesmo em occasio opportuna,
reposto no seu antigo estado por conto da obra do
mesmo calcamento ou mediante ajuste especial que
far com o empreiteiro deste, dependente de appro-
vacao da presidencia.
6. Nao tendo a cmara mandado ainda tirar o
nivellamento de que trata o art. 20 de suas postu-
ras ser observado no calcamento da mesma cida-
de o que por esto reparlico tiver sido ou fr tira-
do' tendo em vista as disposicoes do regulamento
de'22dedezembrodel854.
Dito ao juiz municipal supplente de Tacaratu.
Evidenciando-se do inventaro a que se procede
or fallecimento de Antonio Gomes de Jess, junto
or copia ao seu offlcio de 31 de julho ultimo, que
Vmc. netise termo e o juiz municipal de villa Bel-
la no de sua jurisdiecd cada um por sua vez deu
principio aquelle mesmo inventario, resultando
d'ahi o conflicto constante do offlcio e inventora ja
referidos, tenho a dizer-lhe em resposla, c sotucao
a sua duvda que em vista do parecer junto por
copia do conselheiro presidente da relacao, e dis-
posicoes de direito acerca da materia, esse juizo
o competente para proseguir nos termos d'aquclle
feito, primeiro, porque os inventarios devem ser
feitos no juizo do districto do domicilio do inven-
tariado, anda que morra fra delle, e tenha bens
sitos em outro temtorio para onde se deve depre-
car as diligencias necessarias; segundo, porque de-
clarando o conjuge sobrevvente e inventariante
Pedro Jos! Soares, ser ah domiciliario, e devendo
a mulher seguir o foro do marido, nao se lh< po-
de dar domicilio diverso do deste ; tercelro, pela
langes lederaes.
O que responder Napoleao a semelhante convi-
te, nao fcil precisar. E' todava evidente que
para manter a nova ordem de cousas, no Mxico,
convin dispr do apoio dos estados confederados.
Os norte-americanos, que j entraram triumphan-
cora quem ella entretinlia relaces de amizade, e
procedendo a polica algumas pesquizas,' desco-
brio o cadver, j em putrefaceao, enterrado n'um
rocado perto da casa. A polica capturou os dous
criminosos, e prosegue na formacao do processo.
Depois de termos convidado osnossos leilo-
venienles dos pantanos, das lagoas, das aguas estag-
nadas.
Emquanto duro o toreado armisticio, recapitule-
mos os successos mais recentes. O general Lee re-
tirou ainda urna vez para a liaba do Rappahan-
nock; e as principaes cidades do norte, que a im-
prensa ingleza suppunha merc dos separatistas, les na capital d'essa repubca: que se apoderaran! res para assislirem festa explendida que o Hospi-
respiram livros da inquietaco. A gentalba, que de tres das suas melhores provincias, entendem tal Portuguez de Beneficencia celebrou no dia 20
em Nova-York se fartou de mortes, incendios e sa- que lodo aquelle territorio Ibes pertence, de dire- do corrente, commemorando o seu oitovo anniver-
ques, digere franquillamente o fructo dos ltimos' to, seno de fado. sario, corre-nos o dever de darmos urna sucinta
alternados, sem perder esperanca de recomecar, A presenta de tropas francezas, no paiz lmitro- discripcao dessa solemnidade tao edificante como
logo que se offereca ensejo. phe, pungente otfensa s venerandas cinzas do magestosa.
O presidente Lincoln, parece baver abandonado presidente Munre ; e a accessao de um archidu-! O edificio do Hospital achava-se primorosamente
a lei do recrutamento, em que funda va lisonjeiras que austraco ao solio de Montezuma, considera-sc decorado, interior e exteriormente. Na galera dos
perspectivas. Emquanto Davis chama s armas insulto e ameacji seguranca, ao pundonor dos pu- bemfeitores daquelle excellenlc asylo de caridade,
todos os homens validos de 18 45 annos, o gover- rtanos. alm dos retratos que j all existim, sobresahia
no de Washington conslrangido a recorrer ao Nao pois de crr, que o governo de Washing-! este anno o de Sua Magestode Fidelssiraa o Sr.D.
syslema dos engajamentos, das gratificaces e dos ton se circumscrev por largo espaco prudente Luiz I, que chama va a alinelo de todos ; nao s
sidos dobrados. Os allemaes, os irlandezes, os reserva; nao provavcl que dcixe de excitar a pelo primor do desenho e colorido, como pela fiel
suecos, os norueguezes sao ainda os principaes for- Franca a resentir-se das suas reclamacocs, dos seus! e perfeito copia de todos os traeos phisionomicos
necedores de carne para o acougue. ultrages. I do joven monareha, sendo este trabalho o mais
Os habitantes de Pensylvania perderam os fre- Em quanto na Europa os gabinetes se lisongeam | bem acabado que temos visto : figurava a esquer-
ciiezes do norte e do sul, aos quaes fizeram pagar de evitar as hostilidades comas variadasevolucoes' da do de Sua Magestode Imperial o Sr. D. Pedro
da diplomacia, ninguem duvda, que de outro la-' II, entrada para a capella.
do do Atlntico pode n'um momento baver inciden-
te fortuito, que obrigue a Graa-Rretanha, 011 a
Franca, ou ambas, a entrar em guerra com os Es-
tados-Unidos.
Quando se reflecte, que o arrojo do commodoro
Wilkes, esteve por um fio a produzir terrivel con-
flicto entre inglczes e americanos, ninguem pode
tao caro os gneros, que Ihes Venderam. O Ohio
exulto com o aprisonamento do general Morgan
edos quatrocentos guerrilhas a cavallo, que o se-
guiam. Por espaco de largos mezes, o audacioso
caudilho conseguiu interceptar comboyos, provi-
ses, dinheiros, correspondencias ; escapando sem-
pre s ciladas armadas para prende-lo, at que al-
lim pagou o tributo ao contingente de desastres par-
t I hados pelos insurgentes.
O general Meades afaslou-se do systema de mo-
destia que tantos crditos lhe grangeou depois da
victoria de Gettysburgo, em que Lee teve talvez
fra de combate 35:000 homens, asseverouter cap-
turado ha pouco urna diviso inteira do adversa-
confederado eca formalmente o
asseverar que amanhaa nao surja outro episodio
anlogo.
Em Inglaterra, em Franca deseja-sc a paz. A
opniao publica repelle naturalmente as impruden-
cias e as provocacoes governamentoes contra ou-
tras potencias.
Mas, em ambos os paizes por extremo sensi-
As enfermaras do Hospital estovam'ornadas com
todo aceio e simplicidade, fazendo agradavel effei-
to sobre os leitos dos doentes as cobertas de chito
de cores claras e alegres, bem como as encamadas
na enfermara de segunda classe.
N'uma pequea enfermara collocada ao lado da
capella, vimos sentada em urna cama urna menina
de prazenteiro semblante, a qual pedera ter seis I
annos, a quem ha poucos dias o Sr. Dr. Pitanga,
medico do Hospital, fizera operacao n'uma perna
extrahindo-lhe o osso da canella, que estova caria-
do, cora tal mestria e felicidade que nos consta fi-
car a menina perfeitamento curada e sem difflcul-
dade ou defeilo no andar; sendo feito todo o cura-
c de um dos
ro. O general confederado nega
descalabro, enumerando as forcas que Ibes obede- vcl o rgulho nacional, sobremanera excitavel a I tivo expensas do mesmo Hospital,
cera ; e assignala as perdas sensiveis dos federaes irritacao das massas. Se o governo de Washing-: mordomos da actual administraco.
no combate de cavallaria em Chester's Gap, onde ton ou os seus agentes menoscabam formalmente I A feslvidade religiosa foi feito com toda a ma-
a sua retaguarda bateu a vanguarda inimiga, obri- a dignidade das potencias occidentaes, se prejudi-' gestade do culto divino, orando missa o Rvd. ca-
gando-a a retroceder com perda consideravel. cam os respectivos subditos, se offendem qualquer pello do exercito Antonio Augusto do Andrade o
As tropas de Rosencrauz conseguiram incendiar das banderas os estadistas nao terao meio de con-1 Silva, c lsdainha o Sr. padre Leonardo Joao Gre-
a Carolina do norte depsitos de algodao novator ter a indignaeao publica. Ser inevitovel o rom-| go. A' missa toi slo laudamus t cantado pelo Sr.
de cinco mlhes de dollars. Os soldados de Sher-! pimento, cujas consequencias nao licito prever, | Joao Pereira Rabello Braga, que a isso de bom
man destruirn! o principal edificio de Jackson, acompanhado dos sacrificios, dos dispendios e da grado se prestou, rejrendo elle mesmo a orchestra
ao estabelecimento em visito s enfermaras. Nao
vimos all agentes de polica, nem alguma osten-
tacao de torca publica. Contemplamos um in-
menso arraial, composto de pessoas de todas as je-
parchias sociaes; ouvimos os sons festivos de duas
bandas de msicas militares, que alternadamente
ocavam ; vimos o exercicio da verdadeira carida-
de, qur nessas maos que depunham na taca o
ebolo para o alivio do pobre, qur nesses desgra-
sados que com a satisfacao estampada no rosto
agradeciam os beneficios que eslavam recebendo.
Fazemos sinceros votos pelo augmento c pros-
peridade de tao til quo magnifico instituto de
caridade ; louvores sejam dados ao Sr. provedor
Manoel Ribeiro Bastos, e a todos os membros da
dito junto administrativa, que tao solemnemente
festejaram expensas suas o oitovo anno da exis-
tencia do Hospital Portuguez de Beneficencia nesta
cidade.
Os terceiros franciscauos procederam hontem
eleicao da nova mesa, que deve funecionar no
anno de 1864, a qual deu o seguinle resultado :
Ministro.
Joaquim Mauricio Goncalves Rosa.
Vice-ministro.
Adriano Xavier Pereira derriti.
Secretorio.
Jos Goncalves Malveira.
Syndico.
Theothonio Flix de Mello.
Vigario.
Manoel Nascimento dos Santos.
Mestre.
Luiz Manoel Rodrigues Vallenca.
Visitadores."
Joao Raptisto Campiano.
Antonio Fernandes da Costa Lima.
Olympio Connives Rosa.
Joaquim Claudie Monteiro.
Definidores.
Antonio Pereira de Farias.
Antonio Jos da Silva Brasil.
Padre Antonio Manoel d'Assumpcao.
Manoel Goncalves Ferreira da Silva.
Jos dos Santos Neves.
Joaquim Antonio Pereira.
Francisco Jos dos Passos Guimares.
Bernardo Alves Ribeiro.
Tburcio Valeriano Baptista.
Thomaz Francisco Salles R.
Antonio Moreira de Mendon^a.
Jeronymo Emiliano de Miranda Castro.
Procuradores.
Joao Jos Rodrigues Mendes.
Francisco Jos Alves Guimares.
Jos Fernandes Lima.
Ladislao Jos Ferreira.
Manoel Luiz da Veiga-
Delindor geral.
Antonio Ramos.
Ministra.
D. Ursulina Epbigenia de Souza e Silva.
Vice-ministra.
D. Anna Maria de Jess Leal.
Repartiqao da polica :
Extracto das partes dos dias 20 c 21 de setem-
bro de 1863.
Foram recolhidos casa de detencao no dia 19
do corrente :
ordom do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Frede-
rico Carlos d'Araujo, branco, sem declaracao do
motivo.
x ordem do Dr. juiz municipal da Ia vara, Cy-
priano Gomes d'Olivcira, Indio, como sentenciado a
quatro annos de priso.
A ordem do subdelegado de Sanio Antonio, Zefi-
riuo Leite de Souza e Jeronuno Cesar d'Albuquer-
que, brancos, por disturbios; Manoel Gomes Pe-
reira, Hespanhol, Miguel Joaquim das Chagas, tam-
bem brancos, c "Joao Venceslao de Jess Vereda,
pardo, todos por briga ; Joao de Dos Euphasio,
igualmente pardo, por embriaguez ; os crioulos
Joaquim Alves Corroa, para averiguaces, e Joan-
na, cscrava de Flix Paz da Silva Pereira, a re-
querimento deste.
ordem do de S. Jos, Maria Thcmotca do Pa-
raizo, parda, por insultos c olTensas moral pu-
blica.
ordem do da Boa-Vista, Belysario Francisco
da Costa, branco, Joao Evangelista de Mendonga,
crioulo, ambos por suspeita em crime de furto de
cavallos.
Dia 20 -
A ordem do Dr. juiz municipal da 1* vara, Ma-
noel Pereira da Silva, pardo, como condemnado a
seis mezes e meio de priso.
ordem do subdelegado do Bccife, Jos, Africa-
no, escravo de Joao de tal, por fgido.
A ordem do de Santo Amonio, Carolina Duartc
d'Albuquerque ou Oiiveira, branca, por disturbios.
ordem do de S. Jos, Domingos Moreira ou Pe-
reira do Valle, Portuguez, por desordem ; Severia-
no Rodrigues dos Santos, branco, por ebrio e dis-
turbios ; os pardos Domingos Thom dos Santos,
Leonel Bandeira de Mellos Anna Theresa de Jess,
serai-branca, todos para averiguaces em crime de
furto ; Antonio Carlos Pessoa, tambem semi-branco,
como criminoso de morte,no termo de Santo Anto.
ordem do da Capunga, Jos Araancio d'Oli-
veira, pardee Manoel Jos Pereira da Silva, indio,
para correccao.
ordem do de Jaboatao, Manoel Jos Jnior,
pardo, sem declaracao do motivo.
O chefe da 2" seccao.
J. G. de Mesquita.
Movimento da casa de detencao no dia 19 de
setembro de 1863.
Existiam........403 presos
Entraram....... 13
Sahiram....... 11
Manoel, Pernambuco, 9 das, Boa-Vista, convul-
ces.
Luiz, escravo, Pernambuco, 24 annos, solteiro, S.
Jos, gangrena.
AnacJeto, escravo, Pernambuco, 2 mezes, Recife,
convulscs.
Joao, Pernambuco, 18 mezes, Recife, convulsoes.
que tontos annos consumiu na edificado, e que me-1 perd de vidas, inherente a urna
recia a admiraco de nacionaes e de eslrangeiros. e duradoura.
A tomada de Viksburgo c Port-Hudson, habilita
boa parte das forcas de Grant e Banks a acudir a
oulros pontos, Picando o curso do Mississipi dis-
posigo das canhoneiras do contra-almirante Por-
ten O numero dos prisioneiros confederados foi
tao crescido, que o venceder entendeu opportuno
manda-Ios todos para casa, com juramento de nao
pelejarem mais na presente campanha. Essa gen-
te, completamente desmoralisada, exhausto de re-
cursos, espalha o terror e a assolaeio nas trras
por onde passa, manchande-se com abominaveis
crimes.
Em Charleston, depois da oceupacao dailha Mor-
ris, os do- norte nao tem sido felizes. Accumula-
ram-se os maiores recursos para assaltar o forte
Wagner, urna das importantes defezas externas da
praca. Gilmore e Putnamdirigiam o ataque, sendo
o impulso tao denodado que chegaram a cravar a
bandeira estrellada nas muralhas da cidadclla. Os
defensores, furiosos com a presonea do dous regi-
mentos de negros que os federaes obrgavara a ir
na frente, atiravam-se a cllcs como leoes, mataram
mais de 1:000 inimigos, entre os quaes Putnam,
recuperando o terreno perdido.
O bombardeamento dos navios couraeados nio
produzio effeito sensivel nas fortificacoes. A ex-
periencia avulta para mostrar, que a cantara, a
vor razao alguma plausivel. Pelo emquanto os
monitores norte americanos nao se mostram mais
eficazes contra as, defezas de Charleston, do que
quaesquer outras tpbarcacdes de guerra. Os ho-
mens technicos tomam """ ^..liados: en-
luto encarnizada
(Jornal do Commercio, de Lisboa.)
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
No collcgio de Ingazeira, pertencente ao 5*
districto, foram votados para deputodos geraes os
senhores :
Dr. Seraphco ... 28
Dr. Brandao ... 28
O resultado, pois, dos collegios do Brejo, Cim-
bras e Ingazeira o seguinte :
Dr. Brandao ... 110
Dr. Serfico ... 107
O concurso para praticantcs da alfandega foi
transferido para o dia 19 do mez que entra.
Na ausencia do Sr. Rocck, tica o Sr. B. No-
biling encarregado interinamente das funecoes de
cnsul da Suecia, Noruega, liamburgo, Austria,
Prussia, Dinamarca, OIdemburgo e Bramen
nessa occasio. Grande concurse de fleis assistio
do manha e noitc estos duas ceremonias na
capella, estando presentes diversas autoridades e
pessoas gradas, bem como o Sr. cnsul de S. M.
F., urnas que alli concorreram por convite, outras
expontancamente
As 5 horas da tarde tevecomeco o basar de pren-
das offerecidas ao mesmo Hospital por diversas se-
nhoras c cavalleiros, havendo entre ellas diversos
labores executados por algumas de nossas elegan-
tes patricias. O respectivo leilao foi feito pelo Sr.
Jos Maria Pestaa, que se houve com multo res-
peito e deferencia aos circumstanles. Durante a
arrematacao estiveram presentes muitos distinctas
e formosas damas, e em commissao por parte do
Hospital as Exmas. Sras. D. Emilia Constonca de
Moraes Freir e D. Idalina de Souza Moutinho.
O producto do leilao, que foi cerca de 1:0005 rs.,
poderia ser muito mais crescido se o acto tivesse
fugar em sitio mais apropriado, e fosse realisado
com as formalidades e estmulos que se observam
era outras partes, onde estas festos de beneficen-
cia sao mu communs, e de summa vantagem para
os estobelecimentos de caridade ; e de mais esta
novdade entre nos nao foi annunciada com a
nota dos resultados; e en-
- Hje d o Circo um espectculo em beneficio; precisa antecedencia, para sepremunirem^as nos-
da Associac&o-Typographica Pernambucam. sasjovens prendadas, que de certo muito prazer
dignodelouvoFoprocedimento dos Srs. Spal- tenam de concorrer comseus delicados ramos
; x. u,c mm m =c, cer^-.vnZr. urna pequea in-
ladainha,
cunde'com a sa concurrencia sse soccorro, que A concurrencia de povo foi extraordinaria, nao
a arte presto a si mesma por meio to significativo, havendo incidente algum que podesse empanar o
Foram concedidos ao amanuense da thesou- bri(ho daquella festa. Todos se mostraram alegres
raria provincial, Joao Cesar Cavalcante de Albu,i e satisfeitos, e com toda a confianca e franqueza
querque, tres mezes de cenca com vencimentos, percorriam, ojardim e a cerca, e daqui se dingem
Existem......... 405
A saber :
296
Eslrangeiros 28 I
Mulheres...... 10 1
Estrangeiras.... 3 t
Escravos...... b4
4
405
Alimentados a custa dos cofres pblicos..
Dia M
405 presos
Entraram..... 12
Sahiram...... 2
415 1
A saber :
303 I
Estrangeiras... 29
Mulheres...... 11 1
Estrangeiras... 3 -
65
4 >
173
415
Alimentados custa dos cofres pblicos.. 173
ObTUARIO 00 DIA 20 DE SKTEMBHO, NO CKMITE-
R10 PUBLICO.
Neste dia nao houveram enterramentos.
Dia 21.
Gulhermina, Pernambuco, 2 annos, Recife, con-
vulsoes.
Manoel Joaquim Alvares de Oiiveira, Pernambuco,
46 annos, casado, S. Jos, tubrculos pulmo
nares.
Francisca Maria dos Santos, Pernambuco, 62 an
nos, casada, S. Jos, typonetes.
Maria, escrava, Pernambuco, 18 aonos, solteira,
Recife, tubrculos pulmonares.
UM POUCO DE TUDO.
Do Figuro traduzimos o que segu :
Anda urna palavra sobre Mr. Ernesto Renn.
E de urna mulher.
Ella appellidado de (Jetario Fenillet da theo-
logia.

Dzcm que os edictores da Vida de Jess tem
vendido at agora triuto e cinco mil exemplares da
obra
Mr. Renn, que recebe um franco e cincoenta
centesimos por cada exemplar vendido deve ter
recebido por sua parte cincoenta e dous mil e
quinhentos francos, nao devendo ser inferior a dos
livreiros ; a qual calculada em igual quantia, tore-
mos um total de cento e cinco mil francos, para
cumprir esta palavra das Escripturas Santos :
t Klles partilharo enlrc si os meus vestidos, e
tirarao sorte a miuha tnica.

Calino comprara um objecto qualquer em um
armazem, e indo a pagar, detou sobre o balco
urna moeda, que emitlio um sora suspeito :
urna moeda falsa, disse o mercador.
Calino pedio-a, vira c rovra-a ; e vendo o mil-
lesimo de 1811, exclama :
Que! esto, urna moeda falsa; Desde 1811
que j o leriam apercebido !

A proposito mais oulra do mesmo.
Contavam em presenga de Calino o rasgo, real
ou apocrypho, do imperador Napoleao, que solici-
tado por urna mulher para dar-lbe o retrato, tirara
da algibeira una moeda de vinte francos, e lh'a
dera.
Muito bem magnifico exclama Calino,
ouvindo-o. Quando tiver occasio, fare outro
tanto.
Da Revista Popular transcrevemos o que segu,
recommendando-o leitura publica :
Estou desesperado I Os diabos levem a poesa e
mais quem lembrar-se que pode existir poesa no
campo I
Porque fataldade deivei-mc fascinar pelos con-
vites de Octavio, dizendo-me: t Tu que s poeto
duas vezes, poeta e pintor, melle na tua mala de
viagem os teus laps c papel e van gozar alguns
dias das bellezas da mnha tormosa Valenca; vem,
pois, eu te espero anciosamente
Muito bem, Sr. Octavio, cah na asneira, e
eis-me aqu em Macacos, dorinndo como um laza-
ron sobre una velha enxerga que tresanda de per-
cevejos t
Eo caso que para me distrahir, para deixar-
me cahir de somno, vou fazer desta mnha viagem
um caderno de imprcsscs.
Bom I bein lcmbrado, ah vai !
Esta manhaa, a vista dn convite do Sr. Oefavr,
acordei o mais cedo que me foi possivel fazer, corri
para o campo de Sau'Anna, e eis-me na estaco da
estrada de ferro, entregando ao bom do recebedor
os meus cobres e recebendo em troca um pedacito
de papel, dando-me assenlo na 2" classe dos carros
at Macacos.
Fazia um fri dos diabos, c es-me cata de urna
carruagem que tivesse menos gente, para estat-
uais minha vonlade, e, se possivel fosse, dei-
tor-me.
Felizmente encontrei urna; porm infelizmente
eu nasci para ser um tolo; a culpa nao minha.
Nao ha via ninguem, porque eu tinha sido o pri-
meiro a entrar e muito antes de principiar a fu-
megar as fornalhas.
Oh dizia com os meus bote?, como vou aqui
bellamente, nem um Pacha e como vou admirar
o campo e as bellezas, o co e os seus esplendo-
res...
D liccnea disse urna voz fanhosa como o
cornetle-pislon do theatro deS. Pedro. Escm mais
nem menos um lrpa de quatro costados empurra
adianto de s urna obesa e senatorica mulher e dous
meninos e urna menina... Oh sim, bem bonita
que era ella. Isto consolou-mc um pouco!
Maldito importuno, tinha dito ; porm a menina
sentou-sc ao meu lado, c eu murmurei baixinho.
Abencoado sejas tu, meu lrpa
Diabos os diabos levem-te, carcamano, que vens
tao importunamente collocar-le entre mim e a bel-
la I Ah miseravcl, se eu jiodesse mandar entre-
gar-te a Garbaldi, nao estaras agora cora essa
caixinha de joias e teteias sobre as cxas e privan-
do-rae do doce conchegado desse anginho que tens
ao leu lado.
Signte quiene frofontl iLt puos f mi muito
lindos!
Qual botes nem meios boles! disse-llie
zangado ; e para distrahir-aie lirei da minha mala
de viagem um volante des cantos de Goncalves
Dias, e principiei a folhea-lo. Nisso o apilo mec-
nico da locomotiva retii por todo o bairro de S.
Diogo, e o colosso de ferro principiou a trotar pe-
las duas ordens de trilhos com urna velocidade
diablica. Fechei o lvro. O velho, que pareceu-me
o pai dos dous meninos e da menina, e por deduc-
cao o esposo da respeitovel matrona que o acom-
panhava, deu um pulo lo desastrado que bateu
com arabos os sapatdes na raixa do italiano. A
caixa cahio c o italiano ficou fulo de raiva A ma-
trona quiz apanha-la, a menina tambem, eu acom-
panhei-a no movimento, nossas maos se encontra-
ran), ella sorno-se docemenle ; a caixa resvalou
para baixo do banco, todos tentamos segura-la, o
italiano poz-se de cocaras, e eu aproveilei-me da
manobra para collocar-me ao lado da menina.
Creio que os senhores militares a chamanam mu-
dar de posicaopor contra-marcha esquerda. Eni-
lim, o carcamano apanhou o seu thesouro, o velho
e a velha tentaran! desculpar-sc, e para agradar ao
patricio de Mazzini principiaram a regatear-lho
um par de bichas para a menina. Eu aproveitava-
me da posicao que tanto a custo tinha conquistado.
Lembrei-me de um amigo que tinha no collegio,
que sempre rae repeta : < Na guerra, assm como
no amor, o mais feliz que primeiro toma a ini-
ciativa. > Abr o lvro, e acertei logo com a mc-
lhor poesa que Alexandra Hcrculano confessou
ter litio na sua vida; principiei a lela
t Seus olnos too negros, tao bellos, to puros,
t De vivo luzir,
< Estrellas incertas. que as aguas (tormentes
t Do mar vo ferir. >
Oh I bellissima I veja, minha senhora, que
.esplendor de linguagem, que harmona, quo suavi-
dad:
E cheio de enthusiasmo eu apresentava o l-
vro aos olhos da minha bella companheira do
viagem.
E' muito bonito, me disse ella, porm eu
gosto mais das poesas do primo Chica
Nao conheoo, disse eu, cahindo do co do
ideialismo no limbo da realidadel
Pois o senhor nao conhece o meu sobrinho
Chico? disse-me a velha interrompendo os seas
ajustes com o carcamano.
Nao, minha senhora.
Admira-me, pois c um moco muito conhecido
na corte. Mariquinhas, disse ella dirigindo-sc
moca, tu te recordas d'aqaelles versos que ella
fez aos teus olhos asskn que ehegou de Pars, no
dia dos toas annos ?
Sim, mama 1..



**>
/


Diario de Fernantlmco ... Terca felra de ftetembro de i SUS.
V. F.xc, disse-lhe eu, pedera dar-me a honra
de repet js....
A menina crou nm pouco, kw para a Telha,
essa sacuijiu-l!c cora a cabeca, e ella princi-
piou:
Teus olhos sao formosos, Mariquinhas,
Como pondr de riz perfumado,
E comnie jeune-garcbn, mi heureux,
A teus ps v-me lioje arrebatado.
Oh 1 exclamci eu.
Uh 1 gritou o velho.
Psiol interrompeu a velha.
Mariquiohas rise do effeUo dos sens versos,
e continuou:
Sim, formosa donzella, iris de paz,
Bonmceuse espoir de tout ma tie,
. Eu te amo como a rosa o som da (rauta,
Como Eva feliz amou David 1
Bellissimo! interrompi eu quasi chorando
tle riso.
Psio me disse a velha.
Mariquinhas concluiu entluisiasmada:
Recebe, mon amovr, cedov offrande,
u Que je reiui htmiikmetd tes pitos,
So dia dos leus anuos tens mil grabas,
Como o vasto rochedo de Moyss.
Que lal ? me disse a velha; o ineu sobriuho
Chico, nao nm grande poeta ?
Grande! muitograndemesmo! disse-lhe cu,
nm poetao t
Como elle falla rancez! como elle sabe val-
sar c cantar! um prodigio o meu sobrinho
Chico I
Mamiii! disse a menina, elle me disse que
O enfant gati de minia lia.
Enfant 1 enfant 1 murmtirou a velha, gt!
gt!... ah sim, quer dizer, menino gaiato.... ah I
ah! ah aquello Chiquinho tem cada lembranca!
-Nao acha o senhor que elle um moco muito ins-
truido?
Muitissimo, disse eu. mas o que foi elle fazer
Europa ?
O que foi tazer ? Foi estudar engenhara 1
E agora ? retorqui cada rez mais curioso.
Agora, disse o velho, agora elle passeia pela
ra do Ouvidor, anda de carro, frequenta bailes,
cauta duelos, faz versos e... o Chiquinho um mo-
co rico, e quando o pai crear urna estrada de ferro
elle ser o engenheiro d'ella 1
Dou-lhc os parabens, meu caro senhor, pelo
ptimo fobrinhoque possue.
Otrigado, mil vezes obligado pelos seus fa-
vores, responden-me o velho.
D. Mariquinhas entretanto comprehendeu a iro-
na das minhas palavras, e disse-me baisinho:
O senhur parece que nao gosta de meu pri-
mo; que mal me faz elle?
Ah! D. Mariquinhas, seu primo muito
querido pela senhora, por isso c que eu nao svm-
pathisocom elle.
A menina toniou-se mesmo vermelha como a
crista de um gallo e fez um d'esses momos de fa-
ceirice, too cheie de gracas e de pretencoes, como
s as mnlheres que que'rem agradar sabem fa-
zMos.
E eu dava-me por bem pago da manobra que
tinha exeeutado por conversoes, para collocar-me
ao lado da prima do Sr. engenheiro cantante, poe-
lante e dancante.
Chegamos estaeao da Cascadura.
Ah I tao cedo I disse D. Mariquinhas.
Ser possivel que eu tenha j a infelicidade de
perder urna tao bella companhia. retorqui-lhe com-1
pletamentc sensibilisado.
Nao, porm nos (leamos na estaeao dos Quei-1
ni a dos.
Que pena que assim seja .' meu Deas Eu |
contava fazer toda a minha viagem ao lado de urna
tao graciosa creatura.
D. Mariquinhas corou, e depois com a voz bai-
xinha, como as mocas sabem fallar, miando nao
lesejam ser ouvidas |>or seus pais, ella me per-
guntou:
O senhor para onde vai ?
Eu, oh eu sou um desgranado, eu vou por
este mundo sera desuno, perdido como um lou-
co, bandado as lagrimas do infortunio, desespe-
rado da |wrte. Quera sabe onde amanhaa deita-
Com os dtabos por essa nao esperava eu 1 digne do prodigalisar-lhe sua protoccao. Nao,
contava achar os aunases e seguir amanhaa para por certo; mas seja-nos ao menos permitlido
"c,ma-, m I cons'8nar que a mesma associacao, anear do ras-
-* L*fDr im> amotine, me disse o ho-, tituida de recente data, tem prodigansado neon-
mem, nos temos aqor muito boas bestas, ose-, testaveis beneficios a diversos de seus membros que
or ... sem elles teriam supportado todo o ricor de nma
Como e isso?.... sortc adversa. B
Sim, senhor, bestas de aluguel, muito fortes! Aptzarde todos osembaracos, tem ella desem-
e Bonitas e tambem baratinhas. penhado sua missao com toda constancia, e anda
veremos, lhe disse eu \ esperarei mais um uenhum de seus membros recorreu de balde sua
' a!*1" K che8*m os snimaes : no entonto pre-' proteceSo, qne presentemente se estende tambera a
liso escancar ; quero primeim que todo um ba- algunas viuvas de associados, as quaes
nho um quarto....
Immediatamentej meu senhor; vamos, aqui
mesmo pegado ao sali, veja este lindo gabinete ;
- tem assim
a mesma associacao mitigado os soflrimentos.
Nao ha muito que, perdendo na sociedade em
commandita dos Srs. Amorim, Fragozo, Santos di C.
porque se lhcs tem administrado justica, vcem por
seus procuradores requererem V. s.' que se sirva
mandar juntar esta aos autos com as procuracocs
e ttulos de dividas, lomando-se-lhes por termo os"
seus protestos, por todos esses atropellos, concur-
rencia desses novos credores, para a todo o tempo
Ihes estar salvo os seus direitos e recursos como
for'de justlca : portanto pede a V. S. deferiraento.
Hermenegildo Fernando de Ronza Lobo Fran-
cisco Jos da Costa e Silva.Francisco das Chacas
tardeiro Campos,Jos de Jcsu* Moreira.
Despacho.
, ?SrJ?u*,Vi te--Batatem 19 de setembro
de 1863.Mello Snior.
EDITES.
anda esta noite esteve aqu liospedada a familia' quasi lodo seu capital, depois de perds aturris
^rLri J"^**- enll7 ^P** ? ., T "" emprw?s-' **ia a Assoe'a?io Tvpogra- Cowpflrfrr.-Na correspondencia de Macei de 9
^J/0'^"1 k .mesmo' dtsselhe CU-J E,fui plliea *)as-sar a restnne'r scu-l soccorros, faltando do correntc, publicada no seu Diamtali w l
entrando 0^tal gabinete que teve a honra de los- sua missao, se por ventura nao tivesse ella sabido, seguinte : -----------ia' vem
Por acto da presidencia teve Ingar um rateio da
e tantos para pagamento
Casa da Mise-
erapregados,
podar o Sr. barao um inmenso casarao com urna em tao critica situaco, dar prova de firmeza no
velha cama de pinho, duas cadeiras, uraa mesinha' desempenho de ardua missao, que tem a desempe-' quantia de quairo contos c
e.... uns dore ou quatorze saceos de milho ou fci- noar, e assim e que aperar de todos esses factos, e da de 25:3ill8, que deve a Santa C
,8n-Si f,?Bto- a k J* dsPr 5* de."P.^ sufflciente, nao arre- ricordiadesu cap tal\oSSm a seus
b ah a um quarto de hora chegou-me o banho ~*^ "" "- -~
em urna tremenda gamella de pao ; sem mais ce- ciados, aos quaos, custa de todo .sacrificio tem
feceucmseuzelo caritativo para com seus asso-1fornecedores e athesuraria provincial deaoW
remonias tranquei a porta, desp-mc, e quaudo pu
nha-me em p denh-o da tal baca das maltas, es
correguei redondamente, e feliz de mim que cabi
continuado a despensar os soccoros estabelecidos,
tendo de presente como pensionistas tres viuvas e
dous socios.
tamento feito para seu costeio.
Adroirou a todos o estado a que chegou esta con-
rana I
Na administracao nassada foi nomeada
O Illra. Sr. inspetor da thesourana de fazen-
da desta provincia manda fazer publico que tem
marcado o dia 12 de outubro prximo vindouro
Sara o concurso que, avista da ordem do tribunal
o thesouro n. 113 de 6 do corrente mez, se tem de
abrir nesta mesma thesouraria, para preenchimen-
to das vagas de praticantcs existentes na alfande-
ga desta cidade. Os exames versaro as mate-
rias de que trata o J 1. do art i. do decreto n.
Consulado provlnrl.il.
Pela mesa do eoniulado provincial se faz| publi-
Z'SSS?^'0*!*-COrrente mez finda"se opro
n^I^ iP^a,a.o^m.a,a?So d0 anno financeiro
k t nn J863 dos ,mPst0S da decima ur-
bana de 20 0|0 do consumo de agurdente, de 1
0|0 sobre os esiabeiecimenim de commerci fra
da cidade, prensas de algodao, coeheiras eavalla-
rices, notis, botequins, casas de pasto, typoKra-
phias, e fabricas, de8 00 sobre consultorios m-
dicos e cirurgioos, escriptorios e eartorlos de 12
0|0 sobre estabelecimentos de commerci em gros-
ji t* de 27 de junho do corrente anno, a saber : so e a retalho, armazens de recolher, de depsitos
lenura, analyse grammatical e orthographia, ari- e de trapiches, de 305 obre casa* de bilharmo-
tninetica e suas apphcacoes ao commerci, cora es- das, chapeos e roupa feifa estrangeira, e de'cem-
pecialidade a reduccao de moedas, pesos e raedi- misslo de escravos, de :W0# sobre companhias
aas, calculo de descont, juros simples c compos- anonvmas e agencias, de 1005 sobre corredores
s e suas applicaeoes. Os commerciaes c agentes de Icilao, de 30*? por es-
> culi i f hnm'rnmiwn^iiwiA -----4--------*^"" r "I" "u"i """ uou uc mil perteDCeBteS
de setembro de 1863.O administrador.
Antonio Carneiro Machado Rios.
DECIiRACOES.
Gemendo e chorando, praguejando e maldizen-1 possamais desembracad'anWte comini? cor-1 teve despensa da commissIoVseu pedido"
do-me, toma o banho. responder a sua missao, libertado seus associados Entretanto nao sabemos se foi em virtude do re-
L ma hora depois veo-me o jantar, ou antes a do pengo oppressor da miseria, nao hacerumente
ceia. Comi e que me trouxeram ; nao sci mesmo que esperar indeflferentismo por parte do publico
o que ; porm aianco que nada prestava : entre-1 pernambucano sempre magnnimo, sempre phy-
tato eu tinha urna fme" dos diabs. lantropico.
Deitei^me ; porm assaltado por pulgas e perce- Nos assim julgamos, tendo como certo que nao
vejos, nao pude pregar olbo; desesperado levan- ser de balde o nosso appello para consecucSo de
tei-me e abri a minha cartoira de viagem, para meios que faciliiem a realisaco de Uns to no-
distrahir-me escrevendo estes apontamentos. bres, como aquelles, a que se prope a Associacao
Urna imagem formosa vem mirarse de continuo Typographica Pernambucana, a
nos meus ollios : como bella e graciosa I a raos a honra de pertencer.
cuja direceo'te-
encantadora Mariquinhas, toda cheia de gracas e
de encantos. E a sua flor ? oh I ei-la aqui sobre
meu peito; vem, talvez que o teu perfume tenha
a propriedade de espantar os percevejos e as pul-
gas, que me atormentara as jxraas.
Ser urna grande dcscobrta para a sciencia ;
anda bem que ella vira da prima do Sr. engenhei-
ro cantante, dansante e versejante.
Anda bem !
L-se no Tempo, sob o titulo de assassmato o se-
guinte :
Foi preso e se acha em Monte-Alegre, um indi-
viduo casado, que horrorosamente assassinra sua
propria mulher, pelo simples motivo (segundo con
Henfe 21 de setembro de 1A63.
Juvencio Aurelia no da Cunita Cesar.
Presidente.
Guiikerme Jos Pereira Conejo.
i.' Secretario.
Caitos Jos Dios da Silva.
2." Secretario.
CORRESPONDENCIAS.
Senhor es redactores.Ji ha lempos que temos
reparaUo nos relevantes servicos que vai nrestando
fessouesse desalmadoimarido^de nao ter^querido |adignalguarda nacionaf destacada nesta praca.
Quanuo hontem veio a confirmar a nossa a'ssers-
acompanha-lo para o lugar denominado Palmciri-
nha, perto do districto daquella villa, onde preten-
da inudar-se.
Dizem pessoas que o conhecem, que elle com-
pletamente doudo, e de facto deve-se crr : por-
que alm de ter publicamente confessado seu ter-
rivel crime, acrescentou : que o sacerdote que
o tinha casado, lhe havia dito que se nao sepa-
rasse daquella infeliz se nao por norte ; e co-
mo ella nao o quizesse acompanhar, por isso elle a
matou para poder mudar-se I
A autoridade competente procedeu a corpo de
delicto no cadver da assassinada e processa o de-
linquente na forma da lei.
0 Commerci do Porto escreve :
Appareceu ltimamente as ierras de William
Alien, em W'esport (Inglaterra), urna tartaruga
que tinha na concha o nome de Humphrev Alien,'
com a data 171 (a ultima cifra estava s/ada), e
o de David Alien, com a data de 1787.
Conhecia-sc por tradiecao a familia desta larla-
ruga, que tem visto passar muitas geracoes, mas
que ha inuito tempo tinha desapparecido.
A primeira data prova que ella vivia j ha se-
cuto e meio !
sao.
Tendi Manoel Jost de Mattos, com taberna na roa
da Praia, deixado por easualidade urna das portas
berta, logo que por all passou a ronda apltou e
reunindtee differeotes palrulhas.mandaram imme-
diatamcilte chamar o Sr. subdelegado de S. Jos e
vendo este que a refferida taberna nao era na sua
frepucziaL participou o Sr. subdelegado de Santo
Antonio, este deu suas ordens, e foi immediata-
mente a referida taberna corrida com assistenria
de seu froprietario e nao tendo faltado
alguma n tiraram-se.
Por consoquencia o referido proprietario agra-
dece nao s as autoridades que deram prom|)tas
providenc as, como as patrullas que garantiram
seu establecimento.
Reeife, f| de setembro de 1863.
Manoel Jos de Mattos.
PUBLICARES A PEDIDO.
cousa
sultado dos trabalhos dacommissao que leve lugar
esta providencia do Exra. Sr. Souza Gonzaga. a
qual agradougeralmentc.
Reformon tambem o regulamento, e submetteu,
na parte religiosa, approvaco do Exm. dioce-
sano.
Para hem desta benfica instituicao praza a Deus
que tenha sido extirpado o vieio pela raz.
Ejwrque temos nesta nossa capitel urna insti-
taicao igual que se refere aquelle corresponden-
te, mas que, embora certos obstculos, tem segui-
do urn caminho mol diverso da de Macei, segun-
do o citado correspondente, por isso esperamos em
Deus que a sua administracao a da Santa Casa
da Misericordia desta cidade tendo, como tem,
por seu orgao eporseu thesoureiro os Srs. desem-
bargador Peretti e eommendador Jos Pires Fer-
rara, contine a prestar humanidade desvalida
os soccorros que tal instituicSo offerece.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo, para focnecimento do
foilmlrlaiSC.legacia d-e S"Jo6-se faz PnMieoque
Xfi m mao dc Antonio Cailos' pr
ZPna-Q'tocoque se suppoc ser criminoso
de mortc na comarca de Santo Antao, um cavalto
ruco, castrado, com
Sel dC gUerra'ltm d C",prar S bjCCt0S ", e-S's,rcL
COMMERCI.
-\OVO BA\(0
DE
0 novo tae pasa e 11 dividendo
de dez mil ris (i0000) por ace*.
guintcs:
Para o 2o batalho de infantaria.
Porte para bombo i, portes para caixa de guerra
10, portes para pifaro 1
Para o 9" batalhao de infantaria.
Botes grandes dc metal bromeado com o n. 9
812, cordao de retroz 116 varas, dito de laa 72
varas.
Para a companhia de menores.
Candieiros para gaz 7, gaz 12 galoes.
Para o hospital militar.
Cadeiras com assento de pal ha 12.
Para o arsenal de guerra e casa da guarda de
palacio.
Azeite de Garrapato 300 caadas, fio de algodao
3 arrobas, estanto em verga 2 arrobas, velas es-
tearinas 150 libras.
Para o 7 batallio de infantaria.
Papel almaco 6 resmas, penas de ac 6 caixas,
ditas de ave 200, caivetes '
uem se julgar com dircito ao referido cavallo
prove o dominio, que lhe ser entregue
Subdelegada de S. Jos, 21 de setembro de 1863.
0 subdelegado,
Braz Antonio da Cunita Albuqueraue.
Pela mesma subdelegada se faz publico que
na noule do da 19 do corrente, era a ra Impe-
rial desta freguezia foi apprehendido Justino Al-
ves de Souza, por se suppr furtado, um cavallo
casianho, com os ps calcados, cauda comprida
endo urna cicatriz do lado direito,e com ferros no*
lados.
Se alguem so julgar com direito ao referido ca-
vallo prove o dominio que lhe ser entregue.
Subdelegada de S. Jos, 21 de setembro de 1863.
O subdelegado,
Braz Antoitio da Cunha Albuqtierque.
Pela subdelegara da fregnezia de S. Jos se
faz publico que nesta data foram remettidos ao
Pihilas vegetaes assncaradas de hemps
agradaveis vista, exemptas de todo o sabor
Por-umrclalorio |)arlamentar publicado emLon- repugnante, tito suaves quao efllcazes, tnicas e
dres, se v que as pecas Armstrong fornecidas pe- purgativas estas famosas pulas possuem pois, to-
ja companhia de artil'haria de Eleswiek aogoverno da* as.mapreciaveis qualidades pertencenles um
NOVO BANCO
DE
m:ic\ \tiiki < o
O Banco toma saques sobre as pracas do Hio de
Janeiroe Babia.
Alfandega
Hendimenlo do dia 1 a 19. .
dem do da H.....,
239:783,11214
16:9633764
236:748*978
Movlmento da alfandega.
Volumes entrados com fazendas
com gneros
inglez, custaram 443,203 libras esterliuas, 7sh.e remedio catliartico, alterativo e restaurante.
9 din. pota o juizo medico, confirmado pela experici
Tal
Volumes saludos
com fazendas
com gneros
6.T
117
-----180
90
126
Descarregam no dia 22 de setembro
216
rienda de Briguc inglezJoshua & Maryraercadorias.
escripia ou bastardo 36, carlilhas de doutrinas
christa 12, caixas de instrumentos para desenho
linear 3, metro 1.
Qucm quizer vender tees objectos aprsente as
suas propostas em carta fechada na secretaria do
conselho, as 10 horas da manhaa do dia 25 do
corrente mez.
Sala das sessoes do conselho administrativo
O subdelegado,
Braz Antonio da Cunha Albuquerque.
Arrematado.
No dia 29 de setembro vai a praca os bens per-
tencenles ao finado Luiz Borges de' Cerqueira, por
ser a ultima pra?a, as dividas perteneentes ao mes-
sam oas sessoes do conselho administrativo, para mo, os terrenos da ra Imperial e 8 accOes da rom
f^necimeuto do arsenal de guerra, 18 de setembro panhia do Beberibe e urna grande Xntidade de
a n i j a madeira de sicupira ao p da mar oeauena eia
Antomo Pedro de Sa Barreta, Fora de Portas, e^os esemos pertencentT ao uZ
Coronel presidente.
Sebastio Antonio do Bego Barros,
Vogal secretario.
do
fifeWrW!"*,&* cU'-' para as P^8 Armstrong a,8?a.c mel!lor aperitivo geral, o uraco remedio I 300 barrilinhos plvora, 1
1,396,990 lib. st. 7 sh. e 4 din. ^ | anti-b.hoso que se pode conseguir qur neste ou latas, 32 caixas cluL 7 ditas clruX i ?i 7JE
em qualqucr um oulro paiz Em consoquencia' de linho, 2 fardos lona, IU Siri S
IS se acharnm nrnml c nni/lic Jonim .m fru. u, ia ,i i:_l.__ I '. v. *"" ucatr.io. JU dl-
I
C41AIA waantmL
dellas se acharem acondicionadas dentro em fras-
quinhos de crysial, o tempo nao altera *uas
propriedades. f
A venda em todos os principaes eslabele*
tos pharmaceuticos do mundo.
re a fronte, qiieimada pelo spro agudo do deses-
pero?...
Dei no fraco da moca ; era urna romntica de
mao cheia, tinha a cabeeiuha cheia de punhaes,
de lagrimas, de suspiros, de saudades. Olhou-me
estupefacta, vio-me o ar condoido, e nos seus olhos
brilhou urna doce e melanclica compaixo.
Como f o Sr. nao tem um amigo, um irmao,
um prente que o ame, para que viva assim tao
isoladoeva szinho por este mundo de l'hristo kEbb.U) EXTRAMRDIXARIA AOS 3 DE AGOSTO
3cm bcr para odc t ** ^mm- DE 1863. ,us tn^"1" v iw barras e t:t0 feixes de forro; a Patn Na Xao tcnbo ninguem, sou como esse Judeu Prttidenci do Sr. Barros Reg. ------- jl Caixa i.-ridn ,i im.
Kiranteda legenda bblica, sem teclo, sem abri- Prsenles os Sis. Reg eAII)Uquerque,Guslavodo _,...,,, j- %. nho; a R" L,Shl''Ovanne &
goesemapoio Reg, Seve, Baraa, Mello, Maiae cirairo. abri- ****** de olanna. r.W barrilinhos chiunhn H. .- u
" ^ n .,nurmurou a memna- a sessao' c fui lida,: approvada a acia da ante- Hlin. Sr. juiz municipal c commerci 3. sup-' plvora U ?i rmV ,t* n,nnicao- 6, barris
nTr : Mar"lu,nhas- * ,;!,?.? "'a : .''" S0U Ul amaldicoado, O Sr. presidente declara que, a razao de convo-, Lobo procurador da companhia de seguro mariti-1 13 fardos e *0 m. u.sa. ,. ^ t .
i o sem asvlo ; entrelanlo, continuei ( car a cmara para hoje, foi para o fim de que ve-, mo indemnisadoia, Francisco Jos- da Costa e Silva de linho uanno l al ,iL t***0' bnm
pouco seria preciso para; rideada a lista dos juizes de paz do primeiro dis- procurador de Francisco Guedes d'Araujo, Fran dapolao'; a Ferreha l ir*TJ* cober,or. ma-
olhar de amor, um sorriso tricto das freguezias do municipio, se preenchesse cisco das Chagas Cordciro Campos procurador de I 93
presa a Iranca de mis ca-! aquellos que os nao tivesse completos, o que assim "
L?l2 A l,nhaca- 2 ba,'ricas dobradices, 4 ditas
zinco, ditas ferragens, 13 caixas foll de (lan-
dres, 2 ditas metal, 1 barril pregos de dito, 1 sac-
'"' lfK t fu?r l CaiP lou,'a' "tas'vidros.
140 barras e 1.J0 feixes de f-rrn i P,lf.n vi.
Ijem
lu
lita
sem
melanclicamente
minha felcdade.
de amisade. I'iua
lcitos bello.
Eis ahi ludo
suir....
A menina filava-me cheia de .
olhava com ungida cobica para urna rosa'que ella
indolentemente beijava.
Um assobio prolongado e estridente annun-
ciou-nos a proximidado da estaeao ; mais um
momento, a locomotiva parava.
Chegamos "... Disse ella com tristeza.
E eu sigo raen destino, respondi-lhe ;
menos essa flor viesas s minhas raaos cora
a lianea de uns ea-
negros, urna llr eminurchecida. se'resolveu, chamando-se para juramentar no dia
o que eu desejo c morro jior pos-: 8 do corrente um juiz de paz da freguezia de S.
Jos, um da freguezia da Varzea, e dous da fre-
admiraco, c eu' guezia de Muril>eca.
Em seguida leu-se o seguinte
EXPEDIENTE.
Cra olllcio do Exm. presdeme da provincia,
declarando em resposia ao ollicio da cmara
de 20 dejnllio ultimo, sb n. 31, que approva a
alleracao projiosta pela mesma cmara na planta
do bairro do Becife.Que se couiniunieasse ao
engenheiro cordeador para fazer a allerafao.
Oulro do juiz de paz do primeiro districto da
freguezia de S. Frei Pedro Goncalves, pedindo hou-
vesse a cmara de enviar-lhe o livro da qualilica-'
cao dos votantes da mesma freguezia para servir l
no dia 9 do corrente.Que se respondesse que o
I-* ... ...i. .i v i wn i.-i .< uumu -tituiji,'. i i
cisco das Chagas Cordciro Campos procurador
Jos Kanes de Paula, Jos de Jess Mourinaprc
Araujo.
caixas tccidos de algodao.
ocu- tras, 7 ditos machinas e
oh
se ao
orno uraa
seria bem doce este
lembranca de ainisade
exilio 1
Ella enrubeceu toda, nao sei se de pejo ou se
de yaidade. O velho, a velha e os meninos, todos
i menina tanto fez que icou para a ul-
1 rolttme amos-
rador de Candido Jo'sda Silva Guimaraes, 'credo-, MelTors "c """""""l5 B Perlences; a Soulhall
res da raassa fallida dos negociantes nao malricu-1 23 caixas quejos a F CAO
l!ffiL,*MB*S a Manoel Igna-
lados Manoel Moreira da Costa Passos e Candido'
Moreira da Costa, pelos ttulos juntos, que tendo ci de Oliveira A Filho
ellos supplicantes vindo por (res retes da cidade i barrica faccas a Yaz
do Reeife a esta, para assistirem a reuniao dos i caixa cofre de ferm
credores dos ditos fallidos, fazendo nisso crescidas
despezas com cavallos etc., se tem espacado essa
reuniao por quairo veros; urna reqerimento
do curador da massa, c as outras por falta desse
- & Leal.
Cosa &C.COfredeferr:a Vicen,e
28 volumes fazenda
C. de Abreu.
Ferreira da
s e diversas miudezas; a A.
pilulas e letreiros; a
cambraia de algodao j a Scha-
livro nao pode sabir
que se o mesmo juiz
de lizesse
de sua
cmara
livro.
conlianca
onde lhe
lima, c no momento da partida estedeu-me a
niaoznha, e com ella a sua rosa.
Adeus, disse (remnlamcnte.
Eu taacei-iue s maozinhas, beiiei-as com ar-
dor. Ella deseen ; en acompanhei-a alguns mo-
ments rom os olhos. e quando ella voltou-sc para
ver-me, eu leve! aos labios as primicias de seu
anmr.
Qst i umi GariteMi I disse-mc nina voz
que me lez estremecer. Era o earcaraano ncm
mais nem menos, que me tinha acompanliado as
manobras com a menina.
^ (Mi1, disse-lhc era
hspanhol ou italiano :'
lo italiano, mas causeo do hespanhollc.
Eslimo muito, dissc-lhe eu nutrindo
idea de vinganca. Salte da noticia
hontem pelo paquete ?
-mgunci, disse elle.
os saiba, continuei, que o Sanio Papa pi-! quatorze palmos de largura fica enl
ir Emmanuel e '-
Ihes urna surra
del Garwo.
juizo a titulo de doente, sendo essa molestia por Joo da C. Bravo & C
duas veros communicadas ao escrivao da causa por! l caixa lencos de
bilhetes, e nao se passando o exercicio da vara a pheitlim 4 C
quem eompelisse nos termos da lci, por assim I 100 sarene'im a m;.., i u
adoecer o juuo como nao possivel era direito, e & rmaos 6 CUX3S I*0***" I a Tasso
so lembrado V. S. como lavrador do engenho do 2 barricas e 1 caisa m.......iw .- ^
eommendador Antonio Francisco Pereira credor ditas ^ *-Ca' a B**** f* ^lica, 2
r do archivo da secretaria, c \ simulado da massa fallida, por letra com sello fal-
de paz nao tinha lista por on- so como consta dos respectivos autos, c i
4 caixas phospho-
ura pouco despeitado
que
e 2 ditas drogas, 20 barricas enxadas, 10
Mr^,lCa"S dC chnmb0' 7 barr,cas machinismo e
a chamada, mandas por uraa'pessa' amigo do credor Manoel 'Jos Ferreira' genro do !Tal^dK din? ?W*k .d,aiS ^
lira-la na secretoria da mesma mesmo commendador.quc tem letra romo aquello ,15o, I (aWrftiSde aS?^ lee'^de ateo-
seria lornecido o respeclvo tambem de crescida quantia, que se resscnlc do ros \ a ordem de diversos
, mesmo delTeto, a quera esse juizo, protege de ma- i 9
Oulro do juiz de paz do lercero districto da fre-i neira quena primeira reuniao dos credores fez mo
guezia dos Alogados. Domingos Lins de Albuquer-' nomcar depositario da massa fallida, aquelle com-,
querque, corainunicaiido achar-se era exercicio do mendador, com dous votos, conlra tres, como tudo
dito cargo.Inleirada. consta dos respectivos autos, em beneficio desses fardo
Oulro do eugenlieiro cordeador, informando o protectores dos fallidos, em favor de quera esse u.aL, .,ai c,aob d(! algodao: a
reqerimento, no qual Paitar & Oliveira pedem' juizo, tambera por despacho de 12 de mato do
e permissao para reedificar a sua easa n. 23 da ra corrente anno laucando na petico do curador da
da Senzala-Velha no mesmo alinliamento em que | massa existente, nos autos mandar retirar dclles
presentemente se acha ; diz que, segundo a planta' os documentos que prova va m a fraudulencia des-
^i^_v!^._^^der^Mr8P>'^lao!?* luebra, c subirem os autos a condusatr, e
D. Ribeiro.
13 caixas e 6 fardos (ecidos
mes e Ryder & C.
2 caixas pfaapos dc l e carnizas de flanella: a
L. A. Siqueira.
48 pecas de ferro c i caixa roscas: a T. Aoui-
chegou donascenteeS do poenle, sendo certo que tendo isto dar como deu nelles o despacho julgando a que-
lugar, licara all um recamo que pode prcslar-se bra casual mesmo a despeito de ura falso activo
; raaos Iras, pois que tendo a casa em que estira figurado por dividas imaginarias, extrbidas de
ditos e 6 lardos tecidos de
linho, >03 caixas sabao; a
lhon Vicior PmmVi ZihmSuLiM "......" ","1"*,"" i ''U""J1 u '">>""< largura, nca erare duas has- 'livros nao rubricados c era
imannel e (raribaldi, e mandou dar-! tanto altas, e que mui provavelmenle tao cedo nao do
publicamente e mett-los na torre
sellados como consta
respectivo exame que existe nos autos, e que
serao reconstruidas ; diz mais que o bairro do Re-' por isso tacs livros nada provara em juizo, 'segn-
i rile, ao seu ver, nao pode adininir a reforma or- do a legislatura commercial c mesmo pelos subidos
Papa l. lu nue a dS Wn S h "u P|anta ,la,llelle iaS^r, visto que nao, valores, dados aos bens como se prova confrontando
l'aua%7/ssr'^ 'pra mais in- as certdSes juntas com o respectivo inventario,
tl^ '." r0S convenientes rae vanlagens, sendo relia parcial- especialmente a respeto da casa do fallido Candi
rarearaano blasphemou como mente ; cnlenJe por consegulnle que a pretendi do Moreira da Costa, que no inventerkffol ara-
nada { dos supplicantes nao se acha fra de fundamento, liada por 7:0005000 rs., tendo-sc pouco antes ava- Adamsot Howto C 'dS de algodao: a
-visia das informaces, concedeu-se. liado por 4:000^000 rs., no entonto que como 8 caixas e 23 fardos tecidos de algodao a Babe
li tu ti I t un \. i
E o maldito do
um Judeu conlra o Papa, contra Antonelli
poupou, e ou ria-ine desesperadamente.
s eempanheiros eotraram nesso momento
no Fonseca.
6 caixas lijollos, 2
algodao e brim de
Johnston Pater & C.
3 caixas saceos dc tapete dc laa, chapeos de sol
do seda e tecido de seda e algodao ; a T Chrte-
liansen.
84 pecas cabos, 200 saceos arroz, 6 barricas fer-
rageus, 1 dita pregos, 4 caixas metal, 70 ggos
9 barricas e cexios louca, 33 barricas cefveia.
15 caixas e 19 fardos lecidos de algodao e de li-
nho ; a Saunders Brothers & C.
i caixas e 9 fardos lecidos de
liara a camugem.
Deixei o italiano
u m. uaraia fez o seguinte reqerimento que sabido e notorio toes bens lera constantemente de- Schmettu & C
.^cmumca^rcaU^Tiffi T&mtSBlmf^ ***
.riste A imagen, da raenTn.fwalSne dianto ^TLS!ffXL SLf? d? ?\' S^SSS b"'a7"'lfradf los a quem es-' Patacho nacional Regulo, vmdo do Bio de Janei-
dos olhos, e a roa que perfumara com seus labios DetoTubV d din im Z LT ^ S,J&lTi" S! "?">sfercncas de das da reumao, ainda pro- ro, consignado a Antonio uiz de Oliveira eve-
pousava na ultima casa de meu paleto!. I reK ou 1 ^;/'" U |)"1? tnlninal da ,CRC ^n*^'"*8 lemPo suficiente para fazerem do & C. manifest* o seaninle :
O que o cora<;o do hornera Por brincadeira tivas'massas ReX ", de'^.nT^ac-f8 ST0" fJ,a,'ccer aJc,do nuinc,' d9 c.redres simulados, 5,800 alqueros de farinha de mandioca, 40 la-
representei urna scena amorosa, e agora djzia-me' O vereador Bar- Vi-'iimo!^ e !86J--S- R~ *Iue P08831 foriliar uma 'a'oria suOiciente e ca- tas dc banha- a ordem. '
a alma que eu era capaz de amar aquella orianca I I)Snm*t^SSS c PM' fl06 P08*'"1 eo^^r aos fallidos a moralo- ,..,. a- -a- -
com toda a caslidade dos alTeclos. ^^HluSSSf (SS^lJM^ ^ FrancjC <'(> concordata que bem iiuirorem ; sutfocan- ecebedorla de rendas Internas
E sabido : a mulher o animal mais curioso Ferreira I imn "udr'Ir 1 u,"^ c ,ore Joao do.os votos d<* legtimos credores como tudo j geraes de Pernambnco.
da creacao; se aquella nao lentasso saber paral Eu Francisco Canuto dV toa vK,"8!^ S?sa-0- ^oje-M' ^P"*?*1 dos proprlos autos com a Rendimento do dia I a 19. 21:6844778
diriga meus passos, nao me _viria 'idea a escreVT-^t^*iVM,T?^!G^ SSS?lf flL^5f?M*" ,dm d dia21- 2:2,'&
talvez nao me oceu- Ual Seve.Mello.Reg
onde
aquelle lur de romance, e
passe ura momento com ella.
Nao sei quanto tempo levei a scismar, nem mes-1 '-
moque visoes doudejram-mepela imaginacio, nem j
sei se paramos em outro ponto alm de Macacos ;'
somenie desperlei ouvindo o Oslbem pronnn- i
ciado do italiano. Caraco '. osti est um papista I
Vamos, que estamos em el dssierto !
Eu levantei-nje e segui-o sem saber para onde. |
Addio t dis6e-me o italiano. E dirigio-se para
nina pequea bodega '~
para todos os lados e
flarrar'aes .-Casa depasti
trato.
Consoladora idea! pasto e animaes !...
COMMNICADOS.
issoclaco Typographiea Per-
nanibiicana ao publico.
Tendo a companhia cquestre Spalding & Roger
junto a estaeao. Eu olhei resohido dar hoje nm beneficio Associacao Ty-
vi ma.s adame em lettras pographica Pernambucana, vimos imprensa para
storecebem-se animaes a na qualidade de membros da direccan da mesma
receram ua primeira reuniao. e s agora aoro-
yeilando-sc da molestia desse juizo, desde 10 at
4 do correntc para no dia 12, dar
23:9785379
> como deu
,^rpSL"'^^^ do da
anta Casa da Misericordia
Reeife.
A lllm." junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Rccife,manda fazer publico que no
dia 24 do corrente pelas 4 horas da urde na sala
de suas sessoes, contina a praca das rendas das
casas aliai vii declaradas por tempo de um a tres
annos, e que nao con vindo que ditas casas conti-
nuem a estar fechadas, os pretondentes compare-
cara com seus fiadores ou com cartas (lestes no,
mencionado dia c hora e tarara as suas propo stas
nao obstante a renda designada nesta publica cao
Estabelecincolos de caridade.
Ba Direita.
N. 4 particular e 33 publico um andar.
N. 82 particular e 3 publico tres an-
dares................
N. 83 particular e 7 publico tres an-
dares........ ......
Ra do Padre Floriano.
N. 6 particular e 47 publico casa terrea.
N. 7 hartirtilar e 43 publico casa torrea.
N. 66 particular e 63 publico casa ter-
rea ......... ....
N. !K) particular e 13 publico casa ter-
rea. #, a, sa Ia ,a
Becco da Carvalha.
N. 10 particular e 3 publico casa (errea.
Ba dos Pescadores.
N. 16 particular e 11 publico casa ter-
rea.................
Ra da Calcada.
-Y 21 particular e 38 publico'casa ter-
rea.................
Una de Borlas.
N. 29 particular e 41 publico dous anda-
res.................
Ba da Imperalriz.
N. 47 particular e 68 publico casa tor-
rea.................
Una da Boda.
X. 33 particular e 3 publico casa terrea.
X. 36 particular e 5 publico casa terrea.
X. 37 particular e 7 publico casa terrea.
X. 92 particular e I publico casa torrea.
Ra da Gloria.
X. 51 particular e 63 publico casa ter-
rea......... ......
Ra do Encantamento.
X. 52 particular e 3 publico 3 andares.
Ba do Azeite de Peixe.
X. 53 particular e 1 publico 2 andares.
Ruada Lapa.
X. 36 particulare8 publico um andar.
Ba do Pilar.
X. 59 particular o 73 publico casa ter-
rea............. .. ..
Ba de So Bora Jess das Crioulas.
X. 61 particular e 8 publico casa terrea.
Ba da Cruz.
X. 68 particular e 15 publico 3 andares.
Becco da Lama.
X. 73 particular e 30 publico casa ter-
rea......... ......
Travessa do Carcereiro.
X. 83 particular e 11 publico casa (er-
rea.............
Palrimmiio de orpliaos.
Becco das Boias.
X. 39 particular e 18 publico dous an-
dares ...............
Ba da Moeda.
X. 44 particular e 21 publico casa ter-
rea ...............
Kua do Amorim.
MSfOOO
9005000
9005000
1865000
1265000
1405800
1685000
1495000
2005000
1365000
4005000
3065000
1085000
895000
1125000
1205000
1445000
4805000
6005000
1445000
1835000
is.
1205000
1:0005000
915000
1005000
3005000
~ ao mes-
mo, que sera electuada na sala das audiencias em
presenca do lllm. Sr. Dr. juiz de orphaos, os pre-
tondentes podero examinar o escripto de praca
em mao do porteiro do juizo Amaro Antonio de
Fanas.
Pela subdelegara do Peres foi apprehendido
do poder do ladro, que furtava, um cavallo rozi-
Iho, velho, que se acha recolhido a deposito : quera
for seu dono, compareca. que provando o dominib
lhe sera entregue. Subdelegada do Peres 19 de
setembro de 1863.O subdelegado,
Alexandre Martin Crreia Barros.
Correio.
Pela administracao do correio desta cidade se
faz publico qne era'virtude da convenci wstal
celebrada pelos governos brasileiro e francez se-
rao expedidas malas para a Europa no dia 30 do
corrente. As cartas serio recebidas at 2 horas
antes da que for marcada para a sabida do vapor
e os jornaes at 4 horas antes, *
Administracao do correio de Pernanibuco 21 de
setembro dc 1863.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Correio.
Pela administradlo do correio desta cidade se
faz publico para fins convenientes, que em virtude
do disposto no art. 138 do regulamento geral dos
corrcios de 21 de dezembro de 1844, e art 9 do
decreto n. 783 dc 13 de mato de 1831, se procede-
r o consumo das cartas existentes nesta adminis-
tracao, uertencentes ao mez de dezembro de lo*2
no da 3 de outubro prximo, as 11 horas da ma-
nhaa, na porta do mesmo correio, e a respectiva
listase acha desde ja exposta aos interessados.
Administracao do correio de Pernambuco 21 de
setembro de 1863.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Correio
smalas que deve conduzir o vapor cosleiro
Manianguape com destino s provincias da Parala-
ba, Rio Grande do Xortc, Cear e portos interme-
dios serao fechadas hoje 22 do crrenle, as 3 ho-
ras da tarde em ponto.
Xo dia 22 do correntc mez vai ser arremata-
do em hasta publica na sala das audiencias o alu-
guel do sobrado de dous andares n. 110 da Senza-
la \ elha da freguezia dc S. Frei Pedro Goncalves
avahado era 7005 por anno, i reqerimento de
Manoel Firmino Ferreira tutor dos orphaos me-
nores filhos do fallecido Manoel de Almcida Lopes.
X. H particular e 21 publico 3 andares.
X. 36 particular e 26 publico casa tor-
rea
2315000
3005000
725000
jualidadc de membros da direccao "da mesma
associacao, consignar esse facto, e 'invocar a pro-
pe- Keu^ !
la hospedara, l'm guapo rapazel veio ao meu
encontr e obsequiosamente livrou-me da carga,
desfazendc~se em mil oflerecimentos.
Antes de tudo, meu amigo, sabe dzer-me se
tem aqni abroma pewa da casa do Sr. Octavio,
lavrador de Valenca ?
.Xo, senhor f
sem dnvida a Associacao Typographica Pernam-
Ihmshm, pela grandeza dos flus, que tem ella a
reabsar.
NSo nosso intnito fazer uma resenha dos be-
nficos resultados que a classe typographica tem
esses requerimentos aos autos, nos quaes entre
oulros credores figurara, o portuguez Jos Benlo I
de Muir (testemunha no processo de fallencia) '
Manoel Lourcnro da Silva, Joaqun, RapSlde-
&ft*%(pa.rente^deoV- S"> estes notoriamente
fallidos de bem Ignacio Borges da Costa Rios, e o
capitao Lniz Cavalcanti de Albuquerque, gnros
do credor o eommendador Antonio Francisco Pe-1
reir, o eapitao Benlo Archelo Vaz Curado eo1
i Epiphanio o
-Jos o Dr. Ho-
norio, e o segundo dizem que aparentado por alni-
dade ilbcito, e finalmente Manoel Antonio da Sil-
veira, tambem testemunha na fallencia como cons-
dem
Ba do Burgos.
X. G9 particular e 21 publico casa ter-
rea .............. 725000
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
eife 19 de setembro de 1863.
O secretario,
F. A. Caialcanti Cousseiro.
Juizo dos fel tos da fazenda na
clona!.
Xa qunta-feira 24 de setembro corrente, na ala
das audiencias, pelas 10 horas da manhaa. em pre-
senca do lllm. Sr. Dr. juiz dos feitos da fazenda
se vender cm praca publica uma casa de um an-
dar e sotion. 56, sita na ra da Caixa dA^ua
pertencente Andr de Abreu Porto. avaliadapor
10:0005000, e penhorada pela fazenda nacional
para pagamento do que o mesmo deve.
Reeife 18 de setembro de 1863.
O solicitador,
Francisco Xavier Pereira de Brito.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria^de fa-
zenda desta provincia, manda fazer publico que o
concurso annunciado para o dia 12 de ouuibro vin-
douro, fica espajado para 19 dc mesmo mez, e que
nesse da deverao comparecer os pretondentes nao
so aos lugares vagos dc pralicantes da alfandega
Consulado provincial.
ento do da 1 a 19. 27:3445862
do da 21......... 6:4335206
-------------!como aos da receliedoria'de rendas e me tamhon
34:0005068, devero comparecer no dia 19 de utbro vid,
_--------------------------------------,ro, os candidatos Silvino Candido de Albuquerque
Sobrera, Jos Delfino da Silva Carvalho. Franca
ln'STIdoCarv*il,.oPs,es deAndrade "*
i Felippe de Moraes e Silva, que prestaram e\am
1 nos das 6, 7 e 8 dc julho do corrente anno pan
os lugares vagos de pralicantes desta thesourana
aflm de fazerem exame c seren apnrovados as
materias de me trata o artigo primeu-7paragrapho
primeiro do decreto n. 3114 dc 27 de junho ulti
mo, conforme foi determinado pelo tribunal do Ihe-
MOVIMEiYTO DO PORTO.
Nario cnts-ado no dia 21.
Aracatv17 das, hiato nacional Exalarfto, dc 37
toneladas, capito Trajano Antones 'da Costa,
equipagem 6, carga sola a farinha de mandio-
ca ; a Grugel Irmao.
Navio sahido no mesmo dia.
colhido dessa InrtituieSo para justificar; o^ "pedido cdigo eomme?eul fdtog^VeKs cTm nrS:
i qne boje dirigimos ao publico, 9f|m deque se sufflclente os supplicantes'j caSos d? manelra
frt^.^L^'^^5 detodn?sseoccorrid Penedo-Cutcr nacional Emma, eapitao Adelino mez naCnal a rdem Dl lfe de W*
n"J5*2f!aa* *" *!5* *" Ff?d?-1 ^Ipideo Pinbo, carga carne Wr e oufros ge: "Seral^ A. ^____,. ,.l22......._
res que nao tem sido nos termos
eros.
Observacdo.
Passou para o norte nma barca oriental.
ge-' Secretaria da thesouraria deazoda de Pernam-
, buco, 18 de setembro de 1863.
Serrindo de official niaior,
Manoel Jos Pinto.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda de Pernambuco manda fazer publico que
hca marcado o dia 2 dc novembro prximo vin-
douro para o concurso que era virtude da circular
n. 37 dc 2/ de agosto ultimo se lera de abrir nesta
mesma tbesourana para preenchimenlo das vagas
de terceiro escriturario da thesouraria e quartos
da alfandega desta cidade. Os exames versarao
sonco as segrales materias : theoria da escriptu-
racao mercantil por partidas simples e dobradas
e suas applicaeoes ao commerci e ao thesouro
traduccao correcta das linguas ingleza e franceza'
ou pelo.menos da ultima, principios geraes d
geograplua e historia do Brasil, algebra at eqna-
coes do 2" grao e pratica do servco da reparticao
em que o empregado cstiver servido para o em-
prego de 4" cscripturario da alfandega o exame
versar tambem sobre estalislica commercial.
Os pralicantes c quaesquer oulros erapregados
da mesma classe que se proponliara acs lugares
vagos deverao ser examinados as materias eni
!jueo na<> oram antes da existencia do decreto n.
.114 de 27 de junho deste anno.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco 19 de setembro de 1863.
Servido de ofllcial maior,
Manoel Jos Pinto.
a m Noodiar22 d? C0/nte, depois da audiencia,
do Htm. b>r. Dr. juiz de orphaos, vai praca por
venda uma casa terrea de pedra e cal na ra da
Esperanca, no caminho novo da Solcdade, fregue-
zia da Boa-Vista n. 33, chaos propros, avallada em
6005 ; vai a praca a reqerimento de Justino Ma-
noel da Gonceicao e Antonio Manoel da Concebio
- Pela thesouraria provincial se faz publico mi
as arrematacoes das obras dos reparos do inrae
dramento da estrada da Victoria, foram transferi-
das para o da 24 do correte.
Secretaria da thesouraria provincial dc Pernam-
buco 17 de setembro de 1863.O secretario,
v a- a> j A> F' d'Annonciadio.
r Xo da 22 do corrente, pelas l<6 horas da ma-
nhaa, em audiencia do Dr. juiz de orphaos, lera
lugar a praca da renda do sobrado n. 71 sito na
ra de S. Francisco desla cidade, pcrtencenlc ao
orphaos de Jos Femandes Eiras.
afUIzo dos feitos da fazenda na-
cional.
!Vo dia 24 do correnle, na sala fias
autlicm as, pelas 10 horas da maulla,
em presenca feilos da fazenda se vender os ob-
jectos seguintcs penhorados a Manoel
Antonio Pereira para pagamento do
3ne deve fazenda nacional: 12 en-
eiras depalMiln, 2 ditas de bahnco,
2 ditas de braco, 2 consolos, \ sof"
mesa redonda e \ piano de Jacaranda,
1 carteira, 1 mesa para jantar e \i
cadeiras de amarello, e avallado lado
por 220$. Reeife 14 de setembroo"e
<86f.0 solicitador,
P. X. P. de Brita.
*

naDIlLADQJ
irr "r mai
M*
ii mt mm\mm


Mura de Petakhuen Tpkji felra tt de ethro d ifct.
TEATRO
DE
EMPRESA
DE
. J. DIJARTE COIIBRA.
lleciU livro da asignatura.
Sabbado, 26 de setembro de 1863.
Prepara-se para subir scena no da indicado,
o magnifico drama ora cinco actos, do Sr. Francis-
co Luz Machado,
0 AMOR FILIAL
01'
OS SALTEADORES DAI0NT11UI
DO POBRE.
Os bilhestes desde j estao venda no escriptorlo
do theatro.
COMPAJ.HIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portas do sul | esperado
at o da 30 do corrate o vapor
Apa, commandante Alcanforado
o (pial depois da demora do eos-
turne seguir para os portos do
Desde j recebem-sc passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encom-
mendas e dinheiro frete at o dia da sahida s i
horas: agencia ra da Cruz n. i, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo C.________
Para o Rio Grande do Sul segu cora muita
brevidade o brigue escuna Cysne, capitao Jos Mon-
teiro de Almeida ; recebe a'lguma carga a frete :
e para tratar na ra da Crin n. 3, escriptorio de
Amorlm Irmos.
LEILRO
DE
Joius, movis e dividas.
Sabbad 26 do correnle 1 har da Ur-
de depois da audiencia do Illa. Sr. l)r. juix um-
niripal da segunda rara.
O agente Olvmpio requerimento dos adminis-
tradores da massa fallida de Manoet Bnarque de
Macdo e mandado dolllm. Sr. Dr. jnlz municipal
da segunda vara, em presenca do mesmo, vendar
em leilao publico as joias, movis e dividas perten-
eente a mesma massa. O leilao ser effeetnado no
dia e hora cima no armazem do referido agento
roa do Imperador n. 16.
S LTIMOS CKCO ESPECTCULOS
DO
CIRCO
GRANDE OCANO
Para Montevideo vai seguir com muita bre-
vidade o brigue brasileiro Sorpreza, capitao Jos
Rodrigues de Almeida, recebe alguma carga a fre-
te, para o que trata-se no escriptorio de Amorim
Irmaos, na ra da Cruz 3-_________________
Para a Baha vai sabir com muita brevidade
o vcleiro patacho I). Lmz, capitao Jos Teixeira de
Azevedo, por ter a maior parte do carregamento
prompto : para o resto trata-sc com os consignata-
rios Palmeira A Bcltrao largo do Corpo Santo n.
4, primeiro andar.
LEILOES.
LEIlJLO
DE
Koupafeita,aroiicao e ulencilios evis
tentes na luja d ra Nova n. 40.
HOJK
Tere a-feira 22 do correnle s 10 horas.
Mem limite.
O agente Olvmpio aeha-se autorisado a vender
em leilao urna'porcio de roupa feita, armaco e
mais objectos existentes na loja da ra Nova n. 40,
defronte da igreja da Conceicao.
SPALIHW. k OGERS
Director geralCharles J. Rogers.
ihmi:
Terca-feira *& de mimbro.
BENEFICIO
DA
Associacao Tvpoxrapliica Peraam-
bucana.
COM
Todas as variedades de euuilaco.
Todas as variedades de Gvroiiaslkas.
Todas as variedades de Acrobticos.
Toda* as variedades de aerostticos,
(iavallos ensillados em qnanlidade.
E
ni a* BmnMtMwtBAm pa.\-
TON I MAM
' JAtX, 0 MATADOR DE GIGANTES
MACACO MALIGNO
revestidas de caracteres escolhldos e poderosos.
uivs late Ormoad
La pettlte A nuc le
Sra. I.ehmann
%vst. worland
Wra. Ormond -
Vnonlo Carlos lo Carino
Bovcn Carlos 'hIi
Andrw Lehmnn
Wllllam Dnverua
Charles V. Rogers
llenry Blollaude
William llollande
Ferdinand Tonrailaire
Tlieodore Tonrnlalre
lerry Worland
E cada utn dos quaes se esforcar para mostrar
i apreciacio do fado, de quc.apennae eviden-
temente mais "poderosa do que a propria espada :
3ne sua gralido para com os pacilicos, amantes e
edicados a nobre arte typographica, a qual ellos e
todos os mais artistas devem em geni a sua gran-
de repalacio, nao passar desanpcreebido, comparc-
cendo neste dia em seos mais primorosos actos,
ajudados por aquellos espontneos esforeos que in-
variavclmente costamam empregar.
O segbate ser a rotiua seguida pela companhia
at a sua partida.

Enpeelaculos
Qtunto-feir 2'i di- setembro.
Sabbado 26 de setmbro.
Domingo 27 d Miembro
Terra-feirt _9 de settmhro.
Para cada urna das represenlaeoes respectivas se
esto preparando aceas as mais primorosas em
brilbaatismo e novidade.
Quarta-feira 90 de setembro.
Desarmar-se-ha o amphi-thealro portati.
Quinta-feira l. de outvhro.
Partida para s Antilhas.
A Associacao Typographica Pernambucana soli-
cita o concurso do respeitavel publico desta cida-
de para a representaeao que em auxilio do cofre
da beneficencia de seas ios necessitados acaba
le ser concedido pela generosa Companhia do
Circo Grande Ocano.
Na clhisiio do sen roeonhecimento, desde j an-
ticipa o sed agrededmento nao s as pessoas do
iublico qocaprotegerera, romoaosSrs. SpaldingA
togers. e mais artistas e empregados da Compa-
nhia.
Nointervallo urna ronumssao ir cumprimentar
u pessoas que se dignaram aceitar camarotes c rc-
ceber as soas ordens.
W. T. Van-Orden Juar,
Secretario.
PR ED10S
iio.ii;
0 agente Pestaa legalmente autorisado vende-
r cmjeilao os predios seguimos :
1 sitio na ra da Fundicao em Santo Amaro em
chaos proprios, murado por tres lados, contendo
dentro i casas terreas todas com portao para o
largo projectado para a capella, duas meias aguas,
um aliccrce com 32 palmos de frente e de fun-
do proprlo para nelle se levantar sobrado, o refe-
rido sitio alm de milito arvoredo tem um excel-
lente viveiro e tem sabidas com portos para as
roas da Fondicio e estrada do cemiterio.
Umagr.nnde casa terrea com cocheira. estriba-
ra, banlieiro de pedra e cal, com mais outra casa
a beira da estrada, parte murado, em chaos forei-
ros no lugar Parnameirim, o sitio todo plantado
de arvoredos c grande baixa de capim.
Tin grande sobrado no principio da estrada de
Joao de Barros, com 400 palmos de frente c 2,100
no maier fundo, em chaos proprios, com cocheira,
estribara, quai to para banbo, quartos para cria-
dos, agua encanada para a estribara, banheiro c
cosnha. o sobrado todo forrado de papel e pintado
a branco e o quintal murado,alm do sobrado que
tica descrilo ha mais terreno, a poder ser divi-
dido para di Arenlos edtficacdes podendo ser ven-
dido em lotes de differentes palmos o que melhor
se poder verificar em vista da planta em mao do
referido agente que est prompto a dar explica-
cocs necessanas bem como a mostrar os ttulos da
legitima posse e o leilao ser effectuado ter<;a-fei-
ra 2i do correnle petas 11 horas da manhaa no
largo do Corpo Santo ao p do armaiem dos Srs.
Palmeira & Uellrao, defronto da associacao com-
mcrcial.
DE
l'm sitio denominado Mujonyo freguea dos Afo-
yados estrada que vai para Motncolomb.
O agente Almeida competentemente autorisado
far leilao de um grande sitio com casa de vi ven -
da. com excetlentes commodos, a qual nao est de
todo acabada por fra, o chao proprio, tem cerca.
de 800 ps de coqueiros dos quaes j 200 do fru-
to, bastantes mangabei ras, cajueros, larangeiras,
limeiras, muito mangue em estado de se cortar le-
nba, urna baixa famosa para capim. pasto para 10
vaccas annualmente, um formidavel viveiro e ou-
tros em principio, embarque ao pe da casa, urna
ilha com capacidade para se dividir em 3 grandes
propriedades, onde ha bastantes plantacoes de ro-
ca, meloes, melancias e batatas. i
wahitado 't do correte.
O leilao ser effectuado defronte da associacao '
coromerciai porta dos Srs. Palmeira 4 Beltrao,
s 11 horas.
AVISOS DIVERSOS.
LEILAO

AVISOS MABITIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
A'avegaco costelra a vapor.
Paralaba. Natal, Maro, Aracatv e Cear.
O vapor Mamanguape comman-
dante Moura, seguir no dia 22
do corrente as 5 horas da tarde
para os portos cima indicados.
Recebe carga at o dia 21 ao
meio da, eeommendas, passageiros e dinheiro a
frete at o (lia da sabida as 3 horas: escriptorio
no Forte do Mallos n. 1-
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos porros do norte esperado
at o dia 2deoulubroovapor To-
emtmu, commandante o primeiro
tenante Podro ilypolito Duarto, o
qual depois da demora do rostu-
me seguir para os portos.do sul.
Desde j reeebcm-se passageiros c engaja-sc a
larga que o vapor poder conduzir, a qual dever
:;er embarcada no da de sua rllegada: encom-
iendas e dinlioiro a frite at o dia ta sabida as 2
Horas, agencia rua da Cnu n. 1, escriptorio de
.Atonto Lui de Oliveira Azcvodo V C._________
RO DE JFi Kl IIO
O nove e veleiro hiate C iltaoce Igna-
cio >SiNa segoe imitretertveliBWe-aofh 23 do
corrente, e apias recebe alguma* cargas miudas
e cscravos a frete a tratar com Miguel Jos Al-
tes, roa da Cruz n. i!>.
Augusto Cesar de Abreu continuar o seu leilao
de fazendas inglosas e francesas por interreneao
do agente Pinto : terca-feira 22 do corrente s' 10
horas da manhaa em ponto no seu armazem rua
da Cadi'ia.
Manoel, Africano 00 anuos.
Francisco, dem 46 annos.
Mara, crioula W annos.
Romana, dem 16 annos.
FeUcidade cabra com nina lilha de 9 mezos.
I.uiza mulata ti anuos.
Alexandrina dem 10 annos.
Lubina idem lo annos.
Januaro crioulo -'10 anuos.
Juvencio dem 28 annos.
Silvestre dem \2 annos.
lotera.
Sabbado 26 do corrente mez se extrahir
a segunda parte da prmeira lotera a bene-
ficio da igreja de Nossa Senhora das Neves
de Olinda.
Os bilhetes e meios bilhetes acham-se
venda na respectiva thesouraria, rna do'
Crespo n. 15, e as casas commissionadas
rua da Imperatriz n. 44, loja do Sr. Pimen-
tel, rua Direita n. 3, botica do Sr. Chagas,'
e rua da Cadeia n. 45, loja do Sr. Porto.
Os premios de 5:000/at 100 scro pa-
gos urna hora depois da extraeco at. as 4
horas da tarde, e os outros no dia seguinte, i
depois da destribiiicjo das listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
DsemS^O.
IV entrada do hospital Porluguez,
no domingo 20 do corrente, s .'i horas
da tarde, perden-se desde a Mtm do Sr.
Francisco Jos da Costa Araujo fttti
mesm hospital, nm alfincte de 01110
com esmalte pfeto com 8 pcrolas em
voltac no un'io 9 liiilhanics: roga-se
a quem o tiver adiado o obsequio lva-
lo rua Nova n. 67, segundo andar,
cas de residenc'ade !oaoPreir Mou-
tinho, de quem receltei a offerta ci-
ma de oOS Pede-sr; aos Srs. om ves e
mais pessoas a appreliensao desle, oh-
jecto uo caso de Ihes ser offerecido.
D-se VH)& sobre h\|>othera em un bom cs-
cravo que saila Irabalhar ein silio : na tatemado
paleo do Terco n. 12.
D-se dinheiro a uros sobre penhoivs i'
pateo do Terco n. 12, taberna.______________>
-- Tintur'. in^leza instanlanef para
ungir a barba e eabellos -em manrliar
a pello, preparada poiDesnous: aihuse
venda li ruai do Imperador n. 44,
botica.
O Sf. Luiz Correa de Gusnio que
mndon-se da eidade de oli nda,qneira di-
rigir-e esta typographia, conclnir
Jiego^iojujejabe^________________
Alugnel dr casa.
Aluga-se urna das melhores casas para quem
quizer uassar a festa, na povoacao de Jaboatao, do
lado do rio, a nica qne se acha desoecupada, e
aluga-se por mdico preco : a pessoa que preten-
der, declare por este jornal a sua residencia.
Antonio Jos Pereira de Miranda vai a Lis-
boa.
Os administradores da massa Mida de Ca-
maigo a Silva conridam aos credores da referida
massa a virem receber o primeiro dividendo de li
por cento, em seu escriptorio no largo do Corpo
Santo n. 13. I
Alaagnrt.
ftUga-se o priiu> iro andar do sobra-
do da rua lela n. 20: a tratar n t rna
do Sebo n. 24
~i^revine'se aos devedores remissos da firma
social de Aranaga, Hijo & C, que se no prazo de
j t138 "?? ^'iparecerem no escriptorio da rua
do Trapichen. 6 a saldarem seus dbitos, scrao
a sso coagidos judicialmente iranscrevendo-se
seus nomes. Recite 18 de setembro de 1863.
Preeisa-se fallar ao Sr. Francisco Jos de
Albuqucrque nesla typographia.______________
A mesa regedora da irmandade de Nossa Se-'
nhora do Bom Parto, faz sciente ao respeitavel pu-'
buco, que justos motivos occorrem pelos quaes foi
iransferida a festa da mesma Senhora, para a tes.-
ceira dominga de outubro protimo futuro.
Consistorio da irmandade, 18 de setembro de
1863.
O cscrivo,
__________Joaquim Milito Alies Lima Jnior.
O Sr. Sesostris Silvio Sarment tem una
carta nesta typographia para ser entregue em '
mao. |
0 Sr. Luii 4os Marques qu^ira
apparecernes'a typographia.________
Aluga-se o sitio da Capella na estrada de
Joao de Barros, com boa easa de morada, estriba- [
ria, casa para escravos, boa cacimba com bomba,
um grande viveiro, grande baixa com capim para
verao c invern, muitos arvoredos de fructo :
quom o pretender, dirija-se ao mesmo, que l
achara coto quem tratar. ^^^____^_
Augusto Frederico de Oliveira tendo de au-
sentar-so desta cidade pelo espaco de 30 dias, faz
publico qne durante a sua curia ausencia consu-
mi romo procuradores para gerencia de todos os
negocios relativos sua casa commercial, em 1."
lugar ao Sr. Miguel Augusto de Oliveira, em 2.ao
Sr Manoel Francisco Pontes, c ao Sr. Eduardo
Candido de Oliveira. procurador com poderes es-
peciaos para tratar dos negocios das massas falli-
das de Seve, Filbos & C, e de vuva Amorim *
Filho, de que administrador e depositario.
Aluga-se urna casa ivtilicada de novo, sita
noMonteiro, defronte da capella de S. Panlalio,
tendo commodos para grande familia, quarto no
quintal para escravos : quem a pretender, pode
procurar all o Sr. Nicolao Machado Freir, ou na
rua larga do Rosario n. 27, taberna, c sendo por
anuo se alugar muito em conta.
DE
DE
J. ViGNES.
X. 5... RIA DO llIPRRADOR W. 5.
Os pianos desta antiga fabrica sao hoje ssaz ronheridos, para que seia necessario insistir sobre a
sua snpenondade, vantagens e garantas que offererem aos compradores, qnalidades estas incontesta-
veis querelles ten definitivamente conquistado sobre todos es que tem apparecido nesta praca pos-
suindo um teclado e marlnismo que obedecein todas as vontades e caprichos das pianistas sem
nunca falhar, por serem fabricados de proposito, e ier-se feilo ltimamente mellinramento* mportan-
tissimos para o clima deste paiz ; quanlo s vozes sao melodiosas e flautadas, e por isto muito a^rada-
veis aos ouvidos dos apreciadores. c
Fazem-se conforme as eeommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondei, de Paris socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as cxposicies.
No mesmo estabelecimento se acha sempre um explendido e variado sortimento de msicas dos
melhores compositores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido
por preces muito razoaveis.
Ao importante ettabeleeimento de fuzend 8
rua do Grespo n l,dc Jos* Gomes ^lar
6^* Protejam Exilias, senhora a este bello estabeleci-
mento de faxendas.
Ah Vv. Excellencias encontraro as melhores fazendas as mais modernas vindas
em dircitura de Paris e Inglaterra.
Chegaram de Paris os mais bellos corles de laa com barras delcadissinias. a elles
antes que se acaben).
Pecas de madapolao de 12 jardasa i-S,'*3J00 e o, ditas de algudaozinbo de 10
jardas a 45ei,V>00. ditas de bretanha de rolo a 35, bramante de linbo de 10 palmos de
largura a 2$ a vara, cambraia lisa lina de 10 jardas a \-i a peca, chita Irauceza fina es-
cura a 320 rs. o covado, lias de cores muito delicadas a 320 e 360 rs. o covado, vestida
de blond com capella c manta proprios para noivas, manteletes, capas prelas de inuiUr
gosto a Luiz XIV, solferinos pretos bordados, cbapelinasde muito gosto, veos para clia-
pos pretos c brancos, vestidos brancos bordados, cassas do cores lindissiinas a 2iO e
280 rs. o covado, orgamhs de muito gosto a 400 rs. o covado, chapeos de sol de panno
para meninos a 15600 cada um.
Huaicas importantissimas para piano e canto de todas as forcas e se venden) por
baratissimo preco para acabar.
Admiraveis laas cscossezasdi: milito apurado gosto proprias para vestidos no verao '
fazenda ptima de 3 e \ palmos de largura a 400 c 500 rs. o covado.
APPROTA^AO E AUTORAA^AO.
DA
AciDfsil imperial ii mmmm
E
JUNTA CENTfiHL DE HYGIENE PUBLICA
Joao Osarte Maginario
est morando na rua do Bangel n. 10, c nao se es-
cusa a qualipier servico qne com o mesmo le-
iliam negocios.
DE
Escravos. inoris e joias.
COMO SKJAM :
Jos, mulato, com 26 annos.
Pedro Congo com 50 annos.
Antonio, Angico com 45 annos.
Ventura, Africano com 45 annos.
Antonio, crioulo com 26 annos.
Albina, crioula com 38 annos.
Thereza. Africana com 40 annos.
Maria, crioula com 50 annos.
Claudina. Africana com 58 annos.
Feliciana, idem com 40 annos.
Silvana, crioula com 23 annos.
Maria, mulata com 24 annos.
Dellfna, criouia com 32 annos.
Cuiz (cria mulato) com 11 annos.
I.uiza (cria mulata) com 5 annos.
Urna mobilia de Jacaranda, 1 candelabro, 2 ser-
pentinas. 3 pares de jarros, 1 piano de mogno, ca-
deira e caixa para msica, 2 espelhos, 1 comino-
da, 1 guarda vestido, 2 toucadores, 3 marquezas,
4 mesas. 1 mobilia de amarello, camas de arma-
cao, 2 banheiros, 4 tainas, 24cadeiras, 2 camas de
ferro, 2 camas para menino, meio apparelho para
janlar, meio dito para almoco, copos, clices, gar-
rafas para vinho, 1 grande fugo de ferro, 1 guar-
da louca de amarello, e outros objectos.
1 pulecira, 1 meio adereco de duro, constando
de una pulseira e um par de rosetas com 14 bri-
lliantes, 4 pares de brincos, 1 par de rosetas com
diamantes, 2 salvas de prata, 17 colheres de sopa
e cha, relogio e outros objectos miudos.
Quinta-fcira 24 de setembro.
O agente Pinto far leiio com autorisacao do
novo banco de Pernambuco como liquidatarios da
massa fallida de Mesqnita & Dutra e Francisco An-
tonio Correia Cardozo, de todos os objectos cima
descriptos pertencentes a mesma massa e taln-
tes no primeiro andar do sobrado da rua do Brum
n. 84, onde se effectuar o leilao s 10 horas do
dia supra mencionado. _______________
'SO e
AttenoO e ninita attcneo.
Quem tiver penhiores na rua do Rangel n. 54.
queiram vir rcsgataK sob a condicao de seren
vendidos para pagamento do principal e juros, no
praso de tres dias. fihdos os quaes niio haver re-
clamacao alguma. ijecife 10 de set.-mhro de 1863.
Bastos & Reg pedem as pessoas qne tem pe-
nbores em sua loja, de os virem tirar no praso de
oito dias, do contrario sero vendidos em leilao.
por quauto derem para pagamento.
Tomase a quantia de 1:0005 a juros, dando t
por seguranza um casal de escravos e um menor
de 6 annos: a pessoa que quizer dar dita quan- i
tia. annuncie para ser procurado.___________
Aluga-se o primeirtp andar da casa da rua
da Cruz n. 13 : a tratar \no armazem da mesma
case
Claudio Dubex, proprietario
dos mnibus, faz sciente aos,
Srs. assignantes que cslo em \
atraco com a paga das assig-
natuias hajam de se porem em
dia at o lini do mez de se-'
tembro, os que assim nao praticarem dou ordem
aos bolieiros \k\th os nao feceberem pois nao
possi^aLqui- oeoupc eectWo um eaixeiro nesta
cobranct quando deve ser feita adiantada, os Srs.
sabem que bolieiros. caixeiros, ferreiro, inarci-1
neiro, pintor, enrrjeiro, inilbo, capim, cavallosetc. |
Indo comprado eplgo vista, nao possivrl .
haver assijrnantes em atrazo 200r3 a 9005. vista
dos DOQCOS mteresses que tenho nestas linhas nao
BOMvel continuar assim OOOO os Srs. passa-
ros avulsos. quando vo para entrar no om-
s bajan) de ir munidos da competente paga
Iranio Usaren calotes, a carapuca vai para
quem talhada.
ESTABELEC1DO NA CIDADE DO PORTO
Agentes era Pernaiuboco
Antonio I.nlz d* tMIvelra
Azevedo & c.
Sacam por todos os paquetes sobre o
mesmo banco prazo ou vista, sobre a
caixa filial em Lisboa, e agencias em Fi-
gueira, Coimbra, Aveiro, Vizeu, Villa-
Real, llcgoa, Vianna de Castello, Guima-
rSes, Baicellos, I.amego, Covilbaa, Braga,
Penafiel, Braganc?, Amarante, Angra,
Ilha da Terceira, liba de Faias, Ilha da
Madcira, Villa do Conde, Valen'ca, Bastos,
Oliveira'de Azemeis. Cliaves c Fafe, a
oito dias vista ou ao prazo que se conven-
conar, no seu escriptorio rua da Cruz
n. 1.
ELECTRO-MAGNTICAS EP1SPASTICAS
DE
RICARDO K1RK
Para serem apolicadas s partes affectadas. sem resguardo
nem Inconiiuodo
Muito conhecidas nesta corte e em todas as pro-
vincias deste imperio, pelos seus infallivcis resul-
tados em todos os casos de nllaminacao. sejam ex-
ternas ou internas (com cansaro c fulla de rcsii-
racftii) como do estomago, figado, baco, bofes, rins,
tero, peito, palpitacao de coracao, gargantas,
olhns. erysipellas, rlieumatisoaos, pantlysia, e todas
as afleecoes nervosas, etc., ele.
Igualmente para quaesquer inchacSes, feridas,
tumores intestinaes e venreos, scrophulas, lobi-
nhos, papos, etc., etc.. sejam qual for o seu tama-
nho e profndela, por meio da supuraclo sero ra-
dicalmente extirpados.
(Batas akofwi nSopodem lser mal de furnia al-
guma, ellas tem sido applicadas aos olhos com o
mellior successo, vejam-si- os attestados de coras
completas que j foram publicados pelos jornacO
O uso dellas aionselliado e receitado por habis e
distinctos facultativos, sua eficacia incontestavel, e
it*
IEIIiAO
DK
Mokilias completas,. erystaes, escra-
vos, obras de ouro e prata e outros
muitos objectos etc.
Quinta-ffra 21 do correnle s H horas.
O agente Olvmpio Sem seu armazem rua do
Imjierador n. 16. fara leilao de diversos trastes,
crvstaes, obras de ouro c prata e outros muitos ar-
tigos que se tornam enfadonho mencionar.______
Previne-se at devedores da e?-
tinctn firma de Aranaga & finan que se
no prazo de 20d as nao comp^rcccrcm1
no escriptorio da i ua do Trapiche Nova
n. 6, a saldarrm seus dbitos, sero
is vendo-se seus noines pelos jomaos.
Recite \ 8 de setembro de 1863.
1 Aluga-se urna preta ptima engommadeira e
cozinbeira, e faz todo o mais servico interno de
urna casa de familia : na praca da Boa-Vista nu-
mero 9._________________"_______________
Previnc-se aos devedores rejnissos
da firma social de Aranaga, Hijo &''.,
que se no praso de 20 oias niio com*
patecercm no fscript'rio da rjM do
Trapiche n. 6, a saldarem seos debito*,
sero a M<> coagidos judicialnienlc,
transcrevendo-se seus "oaes. lecife?
18 de setembro de 1803.
Arrendam-se os dous grandes armazens da
rua de Apollo as. 38 e 40, communicados por den-
tro por meio de arcadas, o proprios para um esta-
belecimento cm ponto grande, c tratase com Anlo-
nio Alves Barbosa nos mesmos armazens_______
Aluga-se urna casa na rua das Flores : quem
quizer falle na alfandega com Joao Duarte Carnei-
ro Monteiro._________________ -
Alugam-se o 1. e 2." andares da casa da
rna de Apollo n. 37, por preco commodo, bem co-
mo a casa terrea da rua do'Fogo n. 30 : a tratar
na rua da Moeda n. 29.
Os abaixo assignados avlsam ao respeitavel
publico o especialmente aos seus freguezes, que de
commum accordo tem dissolvido a sociedade na
offleina de serrallieiro e ferreiro, sita na travessa
do Cbafariz n. i", em Fra de Portas, fleandoo ac-
tivo c passivo por conta do socio Ifoflmann, e deso-
nerado de todo e qualqiur onus o socio Mohanpt.
Recife 17 de setembro de Ifi:t.
Mohaupt & Hoffmann.
li. B. Lasserre & C., mudaram seu eserip-
lorio da rua da Cruz n. 13 para a mesma rua n. o.
Xa cocheira de Claudio Dubeux rua do Im-
perador n. 43, tem para vender-se um cavallo de
sella muito bonito, grande e novo, marchador e
manco e juntamente outro proprio para carreiras :
qnem petender d-se para experimentar.
LE 40
Offerece-sc um homem de meia idade para
criado, o qual compra c cozinha : na rua da Flo-
rentina n. 20.
hftw. e
| hontem em transito do Hospital Porluguez para o
Recife urna pulseira de ouro : quem a acbou e
quizer restituir, o levar rua larga do Rosarlo n.
26. loja de louca, onde ser gratificado.
DE
lima casa terrea em chaos foreiros
sita rua de S. Miguel nos Afogados.
(Sem limites)
Sexla-feira 26 do correnle is 11 horas.
O agente Olvmpio vender em leillo urna casa
terrea de pedra e cal, sita na rua de S. Miguel n.
22. a qual tem 17 palmos de largura, 2 salas, 2
; quartos, cosinha fra e quintal grande murado com
'portao, pagando de foro menealmente 2*020. O
' leilao ser effectuado nodia e hora cima no ar-
(mazem do referido agente, rua do Imperador nu-
I mero 16.
2. AVISO.
Pede-sc por segunda voz ao Sr. Rogoberto Bar-
bosa da Silva, estudante do collegio d'artes mora-
dor junto a secretaria de polica, primeiro andar,
queira dirigir-sc rua da Imperatriz taberna n. 42,
tratar de negocio que nao ignora, pois o contra-
rio se expor ao publico o proced monto do mesmo
senhor para com o annunciante.
CASA DE SALDE
Em Sanio Amaro
Do Dr. silva Ramos.
nico estabelecimento desta nalureza
que existe entre nos, montado do modo
que pode com todo o commodo e zelo tra-
tar qualquer deente, que neli seia reco-
Ndi
O edificio magesloso e conserva-se
em perfeitb estado de limpeza e conve-
nientemente mobiliado.
Os doelites so separados, segundo os
sexos, natureza das molestias e rondifSes
sociaes.
Ha quartos fortificados para os aliena-
dos, e urna enfermara para as partu-
rientes.
O proprietario encairega-se de qual-
quer operacao.
O estabefecimento flanqueado qual-
quer pessoa que o queira visitar.
Prmeira classe 3*000diarios.
Segunda dita.... 2*500
Terceira dita.... 2*800
Para que qualquer docnte sejaah rece-
ido, basta eme se mande o nomo do doen-
le e da pessoa me o remette. com a de-
clfi faci da morada.
O proprietario aceita contratos annuaes
com qualquer que queira ter um ou mais
leitos sua disposeao.
Presisa-sc de um eaixeiro parlugnez de ida-
de de 20 2.*i annos, que tenha pratica de taber-
na e d fiador a sua conduela : era Fra de Portas
rua do Pillar n. 143.
Para os senhores deengcnhos.
Offerece-sc um moco hbil, tendo j alguma pra-
tica, para caxciro de algum engenlio, que* d fiador
sua conducta, quem pertender annuncie por este
Diario, ou trate na fu da Concordia n. 4.
Massa fallida
Os administradores da casa de Bastos & Lemos
pedem a todos os credores para que apresentem
seus titnlos at o dia 28 do corrente setembro, na
rua do Trapiche n. 34, aflm dse proceder a vori-
cao e ordenar-se o dividendo.
as innmeras curas completamente obtidas as di
versas molestias em que foram applicadas, e fazem
merecer conservar aconlianca do Ilustradopu-
l liro. qne j tive a honra de merecer dclle 2o au-
uos de existencia e de pratica.
N. I!. Nesta corte c de todos os pontos dest
imperio recebem-se participacoes satisfactorias e
respeito das ditas chapas medicinaos.
As eeommendas das provincias devem ser di-
rigidas por escripto. com todo o cuidado de fazer
as necesarias explicacdes, se as enanas sao para
homem, senhora, menino ou crianca, declarando a
molestia e em que parte do corpo existe.
Para nchacSes, Tei idas, lobinlios, papos, etc.: o
molde justo de_seu tamaito em um pedaco de pa-
pel, a dool.iraeo onde evi.-te. fin d> seja da forma" da parte aneciada, e para que possa
ser bem applicada em aan lugar.
PODE-SE 1MAXDAH VIR DE QUALQUER PONTO DO IMPERIO
DO RRASIL
As cTiapas sero acompanhadas dassuascom- Consulta s pessoas que se dignarem hnralo
odenles explicaooes, e tarobem de todos os acces- com a sua conlianca, todos os dias, sem excepeo.
derios neeessartos para sus applicacoes. das 9 horas da manhaa < 2 da tarde.
ESCRIPTORIO
Y. 119 RITA DO PARTO V. 119
E EM PERNAMBUCO
Para as eeommendas ou nformacoes dirijam-se pharmacia de Jos Alexandre Ribeiro,
rua do Queimado n. 15.
o n. 29.
Nova loja dos barate iros na rua do Queimado.
Velludo de cores fazenda muito boa o covado
:i*0U8, balos de panno 3*200, ditos de arcos
3*000, 4*000 e 5*000, laas de duas larguras
para vestido o covado 500 rs., chitas francezas o
covado 360 rs., melim branco para forro de
vestido o covado 120 rs., tarlatanas de todas as
cores a vara 720 rs.
Ao n. 29.
\ova loja dos baraleiros na rua do Queimado.
(iassa lisa pello de ovo a peca 7*500, cambraia
lisa inuito fina a peca de 17 varas 10*, cam-
braieta peca de 12 jardas 7*000, cambraia adamas-
cada para cortinado a peca de 22 varas 10*000,
meias finas para senhores a duzia 1*000. chales
de laa ponta redonda 32*500.
Ao n. 29.
.Nova loja dos baraleiros na rua do Queimado.
Bicos pretos de linho a vara 120, 160, 240, 320
rs., franjas de seda a vara 80 e 160 rs., gal oes
de seda de algodo o de laa para enfPites de vesti-
do a peca de 10 e 13 varas a 400, botoes de seda
de velludo e de fusto duzias 120.
AMA
Precsa-sc de una preta forra ou escrava que
saiba bem cosinhar e tratar do mesmo serveo de
urna casa : para tratar na rua da Cruz n. 8. segun-
do andar.
Precisa-se tomar a premio 3:0003 dndose
h\ potheca em terrenos de superior valor: a pessoa
a quem convier dirija seu nome em carta recitada
livrariado Sr. Fguciroa com as iniciaos A. M.
%tteno5o e multa attenr-ao.
Quem tiver penbores na travessa dos Expostos
n. 18, queiram vir resgatar no praso de tres dias,
sob a condicao do serem veudidos para pagamen-
to do principal, e juros, lindos os quaes nao havera
reclamacao alguma.
Recife, 22 de setembro de 1863.
Atteneo.
Na rua estreita do Rosario n. 41, se-
R gundo andar, se offerece urna pessoa pa-
ra engommar com alguma perfeiciio e
commodamente nos presos.
Aluga-se a casa terrea da rua dos Guarara-
pes n. 67 : a tratar na rua da Cadeia do Recife n.
47, loja._______________________________
Precisase de 1:000* a premio com hypotbe-
caem urna boa casa terrea nesta cidade : quem
esto negocio quizer fazor annuncie por esta folha
para ser procurado.
Antonio Ferr ira Cantoso, subdito porluguez.
segu para o Aracatv.
Aluga-se o sobrado da senhora viuva I_s-
serre assim como 2 casas pequeas e urna meia
agua na Capunga Velba a tratar em casa de R.
R. Lasserre & C. rua da Cruz n. 5.
Antonio Monteiro Rebollo Jnior subdito por-
tuguez retira-se para o Rio de Janeiro.
Aluga-se a casa terrea da rua do Socego n.
44, com 2 salas, 2 quartos. csinha fra, com ca-
cimba meeira, quintal murado : a tratar na rua
do Crespo loja n. 23.
\<> HOTEIi l>F PARS
2 i-IIna da Cruz-2i
Precisa-se alugar um molcque para levar comi-
das fra.
Domenco Gerbase, eFibrestm Cerbase, sub-
ditos Italianos, retiram-se para a Europa.
Fugio em dias do mez de abril do corrente
anno, o escrauo Manoel, de nagao, idade de 50 an-
nos, uouco mais ou menos, com os signaos seguin-
tes: tem a per na direita toita, bocea grande,
beieudo, sem barba e anda quasi sempre embria-
gado, foi escravo do fallecido Joaquim de Paula
Lopes : quem o apprehendcr leve-o rna da Ca-
deia n. 53, segundo andar, quesera rocompansado.
-* Precisa-se alugar urna escrava que seja per-
feita engommadeira e que etenda algyma eousa
de costura : na rua do Brum n 3k___________
Alugam-so os andares e loja de- sobrado da
rua da Pcnha n. 29 : a fallar na mesma rua n. S.
Perdeu-se de Jaboatao at ao Recif cinco
chavinhas : quem as achou queira leva-las rua
estreita do Rosario n. i, que ser recompensado.
DENTISTA DE PARS
19Rna Nova-19
Frederico Gantier. cirurgao dentista.
faz todas as operaeoes de sua arte, e col-
loca dentes artificiaos, tudo com superio-
ridade e perfeieao, qne as pessoas enten-
didas Ihe reconnecem.
Tem agua e pos dentifteio.
L1Q OES
N
PARTIDAS DOBRADAS
ARITMTICA
TRES VEZES POR SEMANA
TERCAS, QUINTAS E S.MBAWS
DAS 7 S 9 HOHAS DA N01TE
Prcce 1(M)00 rs. mensaes pajes adianUies.
Uauuel Fonseea de Medeleoa,
contina a dar liroes das referidas materias ne
primeiro andar do sobrado da roa Nova, que faz
esquina para a Gamboa do Carmo, onde trabalha e
Sr E. GadanH. As pessoas a quem o presumo do
annunciante puder aproveitar dignem-se procura-lo
ahi smentc nes dias e horas cima des)gnadas.


I









i
Ufarla de Fernamlmo* Terca frira ** de Setenabro de *3.
NOTICIA NOTICIA NOTICIA.
Candes de visita
Candes de visita
Cartees de visita
Cartees de visita
Candes de visita
Cartoes de visita
Candes de visita
Candes de visita
Candes de visita
Cartoes de visita
85000 a duzia
85000 a duzi
8,5000 a duzia
8*000 a duzia
8*000 a duzia
8*000 a duzia
8*000 a duzia
8*000 a duzia
8*000 a duzia
8*000 a duzia
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador
H
Toa da Silva Ramos, medico pela hi-
versidade de Coimbra, d consjiltas em
sua casa, na ra Nova n. 50, das 8 s 10
horas da manha, e das 4 s 6 da tarde, e
recebe egualmente convites para dentro
ou fra da cidade, coin o fim de se encar-
regar de qualquer servido de sua profls-
sao.
Os cliamados deverao vir por escripto.
Tima do Queimado a. 1 deseja-se fallar
com os'seakaresGabriel Germano de Aguiar Moa-
ttrroyoi'Paatto Francisco de Agtar Montar-
Toyos e Joaquim Francisco de Apiar Montarroyes.
0 advogado Joao Goncalves 1
da Silva Mntameos lema seu
escriptorio ua ma estreita do^
Rosario n. 17, onde pode ser.]
procurado das 9 horas da ma-
nhaa s 3 da tarde.
Aluga-se o segundo andar do sobrado na ra
da Senzala Nova n. 42, com bastantes commodos
para familia : a tratar na mesma.
Aluga-se a casa terrea da xua Imperial
06: os pretendentes dirijam-se Caixa Filial.
n.
Jos da Silva Lo vo A (., sacan
sobre Lisboa e Porto.
TINTURARA.
Tinge-se com perfeicao para qualquer
cor, e o mais barato possivel: na ra de
Rangel p. 38, segundo andar.____________
Alugam-se a loja do sobrado n. 193, e arma-
zem 171 da ra Imperial; o armazem n. 4 da ra
do Apollo, c a casa n. 27 da ra do Burgos: na
ra da Aurora n. 36._____________
I'recisa-se de vendedeiras de bolos de venda-
gem, -e paga-se bem: na botica do pateo do Carmo.
e
SEGUROS DE VIDA EM MUTUALIDADE.
A direccao do BAM.0 NIAO tendo obtido do govenio de S. M. F. a autorisacao para estabele-
cer o seguro de vidas em mutualidades, faz publico que desde j toma subscrioedes annuaes or urna
s vez, debaixo das seguintes cendicoes :
Com perda de capital-o lucros;
Dito capital smente;
Dito lucros smente;
devendo a primeira hqnidacao ter lugar no Io de Janeiro de 1839.
Alugam-se tres mei-aguas na ra da Atrai-
cao ns. 1, 3 e 6: a tratar na roa do Rangel, taber
na n. 7.
COMPBAS.
Peales Mara Pa
cbeTrimS "^ ^a do Rosario-a. 38,
jccdou riqusimas guarnidos de nenies Mari
fta, os de melhores gostos que tem chSo a es e
mercado, ass.m como tambem tem deSas ou
,^s quahdades, tanto do atar calilo de
Compram-se duas negras perfeitas cozinhei- **edes com Iaco de fita.
ras e engommadeiras: na ra de Apollo n. 84,1 A loJa da Aurora na ra larga do Rosario n 38
segundo andar. I recebeu redes com lacinho de fita para conservar
o cabello, tanto relas como de cores
Compra-se cobre e lato velho
As vantagens de emprego de capitaes em mutuaudade, sao obvias, porque nao smente se co- na ma da Ladda do HeClfc n. 36. Dr
lhe o juro de quantias diminutas, de que avulsas se nao poderia tirar nenhum resuUado.; mas alm ni o ira nd-n. '
disso, este rendimento augmentado pelo capital ou Jucros, ou ambas as cousas, -conforme as condices irv"IUdr-
da subscripcao, dos que tallecem. Tambem partido peios socios sobreviventes tudo aquille oue os so-' ~
cios morosos ~
occorrerem
Compra-se
no i lilao
' trancinha' e sem lajo, tudo isto rende-se barato*
i- avista faz f- '
Sitio para vender.
Vende-se um excellente sitio amito perto da
pracana estrada de Santo Amaro n. i defronte do
sitio do Maduro, em chaos proprios, com casa de
os nos seus pagamentos, sao por este motivo obligados a pagar, bem como caducidades que' ,.Ahro phnmh J ?T'
_.j pela falta de enmprimento do compromisso social. i cobre, chumbo e latao velho : no oitao da secre-
As liquidaedes sao pelo svstema das comnanhias liespanholas, Tutelar outtas e aara se noder' toria.daI P0!1 no armazem da bola amarella da vi venda de pedra e cal, cora sotao cocinba ra,
fazer urna idea do que pode .produzir urna entrada annuai de 10*, publica* a Sute tabella ba*a- i o Imperador. cac.mba com boa agua de beber, boa horta e boa.
da sobre a experiencia de uitos annos de coinpanhias desta natureza : ^"m----------------------------------- 'hh* nara "an,m ,on'in ran,Ma hn" """" *
baixa para capim, tendo muitas e boas arvores de
Por um menino de 1 dia
de t amo
> > de 2
> de 3
> > de 4
Por urna pessoa de 15 >
> de JO i
> > de 30
de 40 a 50
1
2
3
I
15
M
30
V)
En ii annos Era 10 annos Em 15 annos Em 20 annos Em 2o annos
anno
110*
90*
8(15
86*
86*
86*
86*.
86*
90*
400*
300*
290*
280*
270*
270*
270*
270*
300*
900*
750*
70*
710*
700*
700*
710*
720*
2:9005
1:700*
1:600*
1:560*
1:550*
1:510*
1.560*
1:6000
1:800*
4:700*
3:700*
3:500*
3:400*
3:350*
3:330*
3:400*
3:700*
5:000*
ja de bilhetes.
YENDAS.
As entradas por urna s vez dio resultados muito superiores s annuaes.
Porto, 10 de agosto de 1863.Os directores do Banco Uniad, Jos da Silva Machado.R M. van
der iStepoort.
Agentes em Pernambuco : Aatonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, ra da Cruz a. 1.
ZAHORA.
DRAMA HISTRICO PELO DR. THEBERGE, NO
QUAL NAO INTERVEN PERSONAGEM
FEMENINA.
Na ma Nova n. U vende-se a 15ooo o
exemplar.
mmwmwmmmswm
Companhia fldelldade d m
seguros martimos e ter-
restres estabeleclda no
II i o de lanelro.
AGENTES KM PEPNAMBUCO
Antonio Lniz de Oliveira Azevedo & C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
do, rias e predios no seu escriptorio ra da
Cruz n. 1.
AURORA
N, S-
LARGO DA
BRILHANTE.
SANTA CRUZ.
Vende-se urna taberna com poucos fundos e
bem afreguezada, ou s a armado, a praso ou a
dinheiro : no pateo do Terco n. 12, taberna.
PARA
Assucar do Monteiro
Ra do Imperador n. 28 e caes de Apollo n.
67, a 200 rs. a libra, e de 8 libras para cima
a 50600 aarroba.
Vende-se na praca da Independencia ns. 37 e
39, capellas de aljfar para se botar no cemiterio-
publico no dia de finados com as inscripces se-
Veade-se um rico vestido de blondc de seda,! $iates :.
propriopara noiva, com capella, palma de peito, JJinha mai.
veo e botinas de setim branco, por commodo prc- JJeu pai.
co : na ra do Queimado n. 10, loja de Ferrao & JJeu esposo.
Maia. | Minha esposa.
Vende-se umearrinho d'alfandega, por preco ka rik.
commodo; nos Quatro-Cantos da ra da Gloria b. Uma'lagrima.
Laboratorio homeopathico, ra
v*i n. 43.
O Dr. Sabino Olegario Ludgero Pinho tem en-
< arregado da sub-gerencia do seu estabelecimento
ao Sr. Jos Alves Tenorio, professor em homeopa-
hia, e competentemente habilitado para substitu-
o em aualquer ausencia
ALVipARAS A NOVIDADE.
Sao chegados loja das columnas
na ra do Crespo n. 13 de Antonio
Correa de Vasconsellos & C. riquis-
simos cortes de la muito fina com
barras estampadas e matisadas Im-
peratriz Eugenia, cores as mais deli-
cadas como sejam: cor de ganga, de
lyrio, cinza etc., fazenda fnteiramen-
te nova e nunca vista em Pernam-
buco.
ao
O dono do grande estabelecimento denominado AURORA BRILHANTE,
largo da Santa Cruz n. 84, avisa o respeitavel publico, e com especialidade aos
seus rreguezes e amigos, que recebeu um completo sortimento dos melhores e
mais novos gneros que vem ao mercado, e que vender sempre por precos
muito rasoaveis. F r ^
95, taberna.
JlTTTE\\iO.
Vende-se urna armacao em ponto pequeo feita
a moderna por barato preco : na ra Direila n.
119, a tratar na mesma.
Precisa-se de urna ama de leite
Trincheiras, sobrado n. 17.
na ra das
040,
i
continua a iiavi-r pao de sentcio novo nos das
quinas e sabbados de cada semana, na padaria
em Santo Amaro ao p da fundicao. na ra da Im-
j)eralriz n. 22, e na do Brum, confronte o chafa-
riz n. 47, ra das Cruzes, deposito n. 39, na Pas-
sagem, taberna da esquina do Sr. Bento, que vira
para o Remedio, c no armazem progresso, lariro
da Penha n. 10.
i.otnon's e merecimentos.
Palpitaco de corafao.
Sr. redactor.Permitta-me, por via da sua res-
peitavel folhajdccertificar que fui to aflligido com
urna palpitaco de coracao, que minha saude esta-
va de tal modo arruinada, que nao pedia tratar de
minha vida, por fraqueza ; mas tendo applicado
as chapas medicinaes do Sr. Ricardo Kirk, escrip-
torio na ra do Parto n. 119, vejo-me perfeitamen-
te restabelecido para continuar outravez as mi-,
nhas oceupacoes.
Tendo a maior f nestas chapas, recommendo-as
ajodas as pessoas que poderem ter a mesma affec-
530 que eu ti ve.Lourenco Jos Ferreira da Cos-!
ta, ra da Misericordia n. 42.
Quem precisar de urna ama erioula para to-
do o servico de casa de familia, dirija-se ao pa-
teo do Terco n. 16, sobrado.
Queijos novos vindos neste vapor
(cobertos), o melhor que ha, a 20500
Ditos no vapor passado, a 2$ e 2200
Ditos de manteiga do Serid in-
teiros libra 600 rs., e a retalho
Ditos de qualha, inteiros libra
440 rs., e a retalho a .
Manteiga ingleza flor, libra. .
Dita mais abaixo, (ha grande
quantidade de barris para es-
colher, a 720 e .
Ditahamburgueza, barris peque-
nos, e muito nova, libra. .
Dita franceza em barris, libra ~
520, 540 e......gG0
Cha uxin muito fino, libra. .
Dito dito muito fino, libra. .
Dito nao miudinho, igual em
qualidade ao perola, libra. .
Dito nao grado muito superior
libra.....
Genebra em frascos verdadeiras
de Hollanda, a 610 e .10000
Frascos com dita de laranja, a
640 e........960
Ditos com conservas inglezas e
francezas, a 720 e.....800
480 Ditas com mustarda, a. 480
800 Caixas com charutos finos, suspi-
ros, de Sima, em Tabocas.tra-
bucos,varetas, aurora e outras
muitas qualidades finas para
diversos precos, sendo de 500
rs. a caixa a......40500
Cartas finas para voltarete, o
baralho 400 e a duzia 30400 e 30600
160
640
640
j Vende-se urna casa na ra da Barra na villa
da Escada, porto do rio, propria para se passar a
festa, e serve tambem para negocio, pois tem um
quarto separado : a tratar na ra Direila n. 8, ou
na mesma villa com sua proprietaria Joaquina Ma-
ria do Monte. _________
Vende-se a armacao e gaz da taberna da ra
; da I.ingoeta n. 5 : a tratar na na da Cruz n. 36.
Vende-.se tinta superior para ailar roupa a
I 2*000 cada garrafa, e 1* as meias garrafas : na
ra Velha n. 93. Com urna garrafa urna familia
aila roupa um anno inteiro.
Mal de Msboa.
Vende-se a bordo da barca portugueza Despique
II. superior sal de Lisboa
Senzala Nova n. 4.
Saudades, sempre vivas do apurado gosto dest*
anda nao vieram igual a este mercado.
Botica.
Pilulas inglezas de pobre-homem.
Pilulas do Dr. Alian.
Salsa parrilha de Bristol.
Remedios do Dr. Chable.
Pilulas americanas.
Remedios do Dr. Kemp.
Rob l'Affectcur.
Sortimento de papel para forro de salas e guar-
nieses : vende-se na botica e drogara de B. F. de-
Souza & C, ra larga do Rosario n. 34.
Farinha de mandioca
em saceos grandes, e de superior qualida'
de ; no armazem de Tasso Irmos, ra do>
Amorim, n. 35.
208801 Tapioca nova, libra 140 e .
Gomma muito alva, arroba 10800
20 e 20500, e a libra 60,80 e
Saceos grandes com farinha igual
a da trra.......
Ditas com milho muito bom,
20720
30000
100
50800
50000
Voceas de leite
Vendem-se tres excellentes vaccas de leite e um
garrote de rara tourina : quem quizer dirija-se ao
Rosarinho, quasi confronte o sitio do Sr. desembar-
gador Villares, sitio do finado Fructuoso Jos Pe-
reira Dutra, onde ellas esto, c a tratar na ra do
Mondego n. 24, com Antonio Philadclpho Pereira
Dutra.____________________
A 4^500 o sacco
Vende-se um negro de meia idade, bem ro
a tratar na ra da busto, proprio para qualquer servico, sabe cozinhar
o diario d'uma casa, e tambem sabe botar canoa :
na travessa do Pocinho u. 26 sobrado.
Ama.
Precisa-se de urna preta forra ou captiva para o
servico interno e externo de urna casa de duas
pessoas : no Forte do Mattos, ra do Cordoniz nu-11
mero 9.
. 20800 *'*"*' j^" """".*""'"' uu,u' tt ?*JV"V M) de superior farinha de Santa Catharina 011 de Por-
Dito nao graudo muito superior | Ditas com arroz de casca, a. 40000 m to-Alegre: vende-se a bordo do patacho Regula,
,1'bra......... 20720 Ditas com farello (saccas grandes) 40500 W* emporio ou a retalho : trata-se com o capitao a
ii. .... 11 f T __r (IiikIa ...... l .. 1 rit\\r\ 1-1
LOTERA
CASA DA FORTUNA
o abatxo assignado faz solate ao respeitavel
publico que vendeu em seus muito felizes bilhetes
.'arantidos as sortcs de 1:000,5. de 5005 e outras
de lOO, 405 e 205 da lotera que se acabou de
extrahir a beneficio da Santa Casa da Misericordia
o convida aos possuidores de ditos bilhetes a vi-
ran receber seus respectivos premios integral-
mente sera descont algum em seu estabelecimen-
to Casa da Fortuna ra do Crespo n. 23.
O mesmo tem exposto venda em sua dita casa
ij as outras du cosame os bovos e felizes bilhetes
da segunda parte da primeira lotera a beneficio
da groja das N'eves de Olinda, que se extrahira
-6 do corrate mez e as sones que elles obtiverem
serio pela mesma forma pagas urna hora depois
da extraegao.
Preeos.
Bilhetes inteiros..... 65000
M. ios bilhetes...... 35000
Para as pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Bilhetes........ 55500
Meios......... 2575O
Slunoel Maiiins Fiuza.
Alujase o (|iiai'to auilar e sotao
dosotiradodaruada Cruzn* 40, com
bstanles commodos para familia a
tratar no armazem do mesmo sobrado.
Alugam-se duas grandes casas terreas be-
ra do Capibaribe, na travessa da Ponte de Uchaa
Sant'Anna, com baixa de capim e arvoredos, ten-
do urna dellas 3 salas, 4 quartos, soto e indepen-
den te cozinha, 2 quartos c estribara ; e a outra
3 salas, 5 quartos, soto com janellas e grande co-
zinha, com calcada no oitao do lado do norte, jar-
dim, cocheira, estribara, e um quarto para cria-
do : a tratar na ra da Manguera na Boa-Vista n.
4, ou na ra do Amorim n. 54.
- 0 cirurgao do corpo de saude do exer-
cto Dr. Luiz Carlos Augusto da Silva, seguindo
no vapor Cruzeiro do Sul para a corte, com des-
Uno provincia de Santa Catharina, nao podendo
pela presteza de sua viagem despedir-se pessoal-
mente de todas as pessoas que o honraram com a
sua amizade, o que muito sent, soccorre-se do
vehculo da mprensa para cumprir esse dever,
asscgurando-lhes o seu mais sincero reconheci-
mento, e offerecendo-lhes os seus servidos naquclla
provincia, ou em outra qualquer parte onde est-
ver. Faltara anda com o seu dever, se por ven-
tura deixasse de patentear a sua gratidao aos Per-
nambucanos pelo aeolhimento benvolo que lhe
fizeram, e a sua familia, durante a sua estada nes-
ta capital, levando comsigo as mais vivas saudades
c recorda;oes.
Prefto verdade.
Pelo presente atiesto ejuro, se preciso for, que,
soffrendo longo lempo de urna inflamma^ao de li-
gado, nao pude obter melhoras em quanto nao re-
corr as chapas medicinaes do Sr. Ricardo Kirk,
com escriptorio na ra do Parto n. 119, com o uso
das quaes liquei completamente restabelecido em
28 dias.
Rendendo este preito verdade, c annuindo ao
pedido de escrever tal declaracao, creio tambem @B Presuntos inglezes para fiambre
fazer um servido aos que por desventura soffrerem gis libra
a que eu sofria. i Macarro, talharim e aletria, libra
Sevadinha e sag muito novo,
Dito nao grado muito superior, Alpiste, arroba 40800, e a libra 160
libra 20600 e......20400 Sab3 massa> libra ,20' ,6()'
Dito preto o melhor possivel, libra 20000 200e......, 240
Dito do Rio em latas de urna e Magaas novas para varios precos.
mais libras, a 10600, 10800 e 20000 Ancoretas w azeitonas novas,
Bolaxinhas de sdase outras em a 10200 e garrafas. ... 280
latinhas, a 10400, 10500 e 10600 Caixas com 2 arr0Das de batatas,
Barricas com bolaxinhas inglezs," viiWi fc G
. Vinhos da Figueira muito supe-
or, caada 40500 e a garrafa 560
a 20, 20500 e.....30500
Chocolate francez, hespanhol e
^ portuguez, a 10,10120 e. 10200
Caf do Cear muito novo, arro-* -
ba 90500 e do Rio 80500 e
Espermacete, libra a 640, 720 e
Vellas do Aracati em caixa, arro-
ba 100 e a libra.....400
Ditas de composico, 90500 e
100 a arroba, 320 o, .
Carne verdadeira do Serid, a
280 e........
Linguicas do sertao, a meihor
que ha neste genero, a. .
Ditas do Reino e presunto de La-
mego, libra......
Pedro Bernardino de Moura
Redactor do jornal Echo do Sul.
Rio Grande do Sal 12 de "agosto de 1863.
Reconheco verdadeira a assignatura supra. Ro
Grande do Sul em 17 de agosto de 1863.Em tes-
temunho da verdade, o tabelliao Manoel dos Santos
Nascimento.
(Extrahido dos jornaes do Commercio, Mercantil'
e Diario. Rio de Janeiro em 30 de agosto de 1863). 1
Preclsa-se de caxciro para taberna; na ra |
Augusta n. 114, dando fiador da sua conducta.
librar
Estrelinhas,
rodinhas e pivide
Ditos da Figueira mais abaixo,
caada 40 e. 40500
Dito de Lisboa, a 400, 480 e 500
Dito branco de Lisboa, Carcave-
^ los e outros, a 640, 560 e. 480
[Dito do Porto muito fino, caada
60 e 50500, e a garrafa 720,
ofin! 800 e........10000
"u Garrafascomcapils para refresco 500
Massos com 20 massinhus de pa-
litos para dentes, a. ... 180
Grozas de caixinhas de palitos
do gaz, a.......20400
Servejas de boas marcas para
500, diversos precos.
Balaios do Porto muito bonitos
ile diversos tamanhos.
Azeite doce de Lisboa, a garrafa
Vinagre muito forte, caada
10600 ea garrafa 240 e .
Aos Sr5 de engenho
No caes d'Apollo armazem n. 55, de
Jos Duarle das Neves, acha-se ven-
da a mais superior farinha Fontana
sendo muito recommendada as casas de
I familia, as barriquinhas de 3 arroba *
e de 48 libras cada urna.
~ FONTANA. "
\endc-sc a muito superior farinha
de trigo marca Fontana, chegada ulti-
I mamante a este mercado, em barricas,
ira escravo sem 2?!rio par. sitio, de I ,e)a.S C *> : ? *M *
idade U annos, por 1205 : na travessa do Carmo Uuirino d Agttllar iV C-, Caes d Apol-
numerol. Ion. 53.
.lor^aoou a retalho : trata-se com o capitao
bordo, ou com Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
& C, no seu escriptorio, ra da Cruz n. 1._______
Vende-se a armacao da taberna da ra do
Mondego n. 07 : a tratar na ra do Sebo n. 51.
S NA ARARA.
320
400
irecos baratsimos na loja cima da fora ccimba, porfi ao lado, com grande quintal,
lS?1* L0"re,": 1-!<'lasfinles ^s de larangeiras : quem a mlzr
Esta-se liquidando diversas qualidades de fazen-
das por precos
Arara, ra
Hondea Gum
A Arara vende cassas a S'OO rs. I
Ven-se cassas para vestidos a 200 rs. o covado,
cassa-organdis fina a 2i0,280 e 320 o covado, al-1
pakim de linho para vestido de senhora a 240 o
covado, cassas suissas de quadrinhos, a 280 c 320
o covado ; na loja da Arara n. oG, de Mondes Gui-
maraes.
i ni. hrs da Arara a l^OOO.
Veade-se onfeltes para cabeca de senhora a 1-5.
ditos garibaldinos a 2, gollinhas bordadas com
bofiosinhos a 13, gollinhas smente 320 rs., meias
Vende-se uina casa com 32 palmos de fren-
te, na estrada de Joao de Rarros, junto ao sitio da
capella, tem 2 salas grandes, 4 quartos. cozinha
comprar, dirija-se ao
com quem tratar.
sitio junto, que l achara
Potassa da Hiissia.
Acaba de chega no navio Quem of tlie Fleel, a
mais superior potassa da Russia, e vende-se a
preco commodo : no largo do Corpo Santo, escrip-
torio de Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, n. 19
750
480
320
para sopa, libra.....480 P'menta do reino, cominho, er-
Aluga-se um preto para o servico de campo,
ou de coxeira, quem quizer dirija-se ao Curso
Commercial, das 3 s o horas da tarde, que acha-
ra com quem tratar.
Aluga-se um moleaue de 16 annos
bom copeiro: na ra de S. Gonealo nu-
mero 29.
Jos Augusto Galvo Prese Tiberio Anto-
nio Galvao Pires convidara a todos os seus p-
renles, amigos e collegas, para assistirem
missado stimo dia,que se ha de selebrar a-
manhaa 22 do corrente s 9 horas na Matriz
da Boa-Vista, por alma do seu presadsimo
e sempre chorado Pai Tiberio Gomes Lapem-
berg Pires.
Caixa com 8 libras de dita nova 30000
Ervilhas novas, libra. .
Latas com peixes vindos dos me-
lhores conserveiros de Lisboa
muito preparados, a lata. .
Ditas com outros, americanos, a
Ditas com marmelada superior,
libra 640 e....... 720
Ditas com fructas em calda. 500
Ditas com massa de tomate, 640 e 720
2i0
10000
800
va-doce e folha de louro a libra
Tijolos de limpar facas. .
Cordas para pastar, a 200, 320 e
Ditas para andames, cento 30,
30500 e
Duzias de copos lapidados para
agua e vinho, a 60500 e
Espirito de vinho de 38 graos,
garrafa.......280
Passas de carnada, novas a 480
O GALLO CANTA.
J sabido que quado chega o vapor da
a 100 ; na ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara. numei0s05. freguezes as galanteras de mais
gosto
cebe,
a 100 ; na ra da Imperatriz n. 06. loja
A Arara vende casenii ras a 1 JJttOO
Vende-se cortes de casemira inglezas escuras a
15600, ditas escuras infestadas a 15800 : tambem
se vende em covados a i&, pois tem duas larguras,
e da ultima moda que por elle re-
como sejam:
Camisinlias para senlioras.
Requicimas camisinhas com manguitos e
IS.Tct^JST^ff1: r S S&: H4*1'sen,,oras s no vw
40000
30500
Caixas com o verdadeiro vinho
400 j chamisso, (1 duzia). 140000
. Toucinho de Lisboa, libra 320
Cal teir de escripia.
Quem precisar de um caixero para escripia, di-
rija-se ra das Larangeiras n. 5, primeiro andar,
das 8 da manlias 9 da noite em dias uleis, e das
7 da manhaa s 8 da noite nos domingos.
Na ra da Senzalla nova n. 39 taberna da es
quina que vira para o becco Largo, precisa-se de
urna ama secca, forra ou escrava : a tratar na
mesma taberna.
ingos.
Alnga-se a casa terrea n, 9 no principio da
ra Imperial, com 2 quartos, 2 6alas, cozinha fra
quintal e cacimba: a tratar na ra do Queimado
numero 71.
AVISO DE INTERESSE PABA 0
PLBLirO
Manteiga ingleza flor a 800 rs. e 720 rs., fran-
ceza a 560, chaperola 2*700 e 2*200 rs., caf
lavado 300 e 280 rs., queijos frescos de vapor
2*100 rs., arroz 100 rs., a libra, toucinho 300,
stearinas 600 rs., carnauba 360 rs., sabao massa
220 rs., vinho Figueira e Lisboa 400 rs., azeite
doce 600 rs., vinagre 200 rs., azeite de carrapato
300 rs. a garrafa e 2*240 a caada, no armazem
da estrella, largo do Paraizo n. I i.
' CABKETOS
Para dentro e fra da cidade se manda coaduzir
objectos por barato preco : a tratar ao armazem
na bola amarella da ra do Imperador no oito da
secretaria da polica.
Ditas com ameixas francezas, a 10280 Papel almaco, de pezo e greve,
Ditas com figos de comadre, a 104001 de boa qualidade,
Ditas com sardinhas de Nantes,
a 320 e.......
Caixas com doce de goiaba mui-
to fino, a 560 e .
Vinhos em garrafas, champanhe
cognac, Bordeaux, licores finos
para diversos precos.
E muitos outros gneros que se tornara enfadonho menciona-los, e que se
tromette vender barato.
640
arroba........90000
Frasqoeiras com a verdadeira
genebra de Hollanda, a 60000
Sevada nova, libra.....160
O solicitador Pedro Alexandrino da Costa
.Machado encarrega-se as villas do Cabo e Ipoju-
ca de cobrancas e ludo mais que for tendente
sua profissao : podo ser procurado as segundas-
ieiras na ra do Imperador n. 61, primeiro andar,
t Ti m"s dia* acnaro pessoa competentemente
habilitada com quera se poderlo enteader a seme-
J liante despacho.
Joao Jos Rodrigues, profesar publico pri-
mario doicollegio dos orphaos, faz ver aos senho-
res pas de familia qne, podendo actualmente ds-
por de mais algum tempo em consequencia de se
ler mudado para esta cidade aquelle collego ten-
cona abrir na freguezia do Recife um curso par-
ticular da llqgua latiaa e outro a aoite da france-
za, para o que se acha devidamente titulado. O
mesmo eontinua a leccioaar por casas particulares
primelras letras, grammatica nacional e francez
e so comproiaette a enginar a fallar e escrever es-'
la lingua. Pode ser procurado na ra dos Guara-
rapes a. 34. oade por ora remide, das 3 horas da
larde em dianie. <
Maques sobre Portugal^
O abaixo assiguado, agente do banco
mercantil Portuense nesta cidade, saca ef-
fectvamente por todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
qualquer somma, vista e a prazo, po-
dendo logo os saques a prazo serem des-
contados no mesmo banco, na razao de 4
por cealo ao anno aos portadores que as-
sim lhe convier : as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador a. 51.
JoaqUim da Silva Castro.
mmmm
Aluga-se o primeiro andar do so-
brado da roa da Cruz n. 40, muito pro-
prio para qualquer escriptorio: tra-
tir ao armazem do mesmo sobrada.
Precisase alagar um prinei-
ro andar de um sobrado as seguin-
los ras: Imperatriz, aurora, Nova,
Crespo e Imperador para residencia de
um cHtrangeiroque se veioestabelecer
nesta cidade; quem tiver annuncie ou
dirija-se rna da Imperatriz n. 40, a
fallar coro Leapoldt Ferreira Martins
Ribeiro.
o sobrado na ra

Anda est para alugar-se
ros Coelhos n. 10, onde morjram os padres lasa-
|ditos;
NOY ESTABELECIMENTO DE MEDICINA HOMEOPATHICA
HIA MOTA X. 43.
O Dr. Sabino 0. L. Pinho mudou o seu CONSULTORIO para a loja de marmor*
ra Nova n. 43, onde continua a dar consultas todos os dias uteis desde o meio dia at
2 horas, l
Os enfermos, que o procurarem logo na invaso da molestia, sem que hajam to-
mado qualquer remedio, nem allopathico, nem homeopathico, pagaro metade dos pre$oi
estipulados. Esta concesso tem por fim facilitar a cura de molestias, qne podem tornar-
se complicadas pelos emprego intempestivo da therapeutica e ao mesmo tempo adquirir
para a homeopathia maior numero de adeptos pela bateza da cura.
Em attencSo as pessoas pobres, que nao podem sahir de dia, o Dr. Sabino resol-
veu dar duss consultas por semanas as tercas e sextas-feiras das seis as sete horas da
noite.
Os chamados para visites e conferencia? devem ser dirjgidos por escripto ao con-
sultono desde 8 horas do dia at 8 da noite, na certeza de que serSo attendidos na orden
de sua precedencia, salva a circumstancia Ae eminente perigo.
ADVERTENCIA.
O novo consultorio est prvido dos melhores medicamentos, desde a primeira
ate a trigsima dynaminjsacSo.
E como os mdicos hespanhes e allemSes nao cessam de certificar a major effi-
cacta das ultissimas dynaminisacoes do tratamento das molestias chronicas, o Dr. Sabino se
oceupa agora de elevar os seus medicamentos s potencias mais altas (por ora at 200 *)
aflm de verificar por si mesmo a ferca dynamica, que se lhe attribue. '
Os mdicos, que quizerem experimentar taes dynaminisacoes poderao dirigir ao
consultorio suas receitas, que ser3o aviadas gratuitamente para os pobres.
No mesmo consultorio se verde a novissima edico do Thesouro homeopathico
ou Vademcum do homeopatha, obra indispensavel a dos que querem usar da horneo-
MnOtta
flii. Tu^ ^e ^ respeto nova medicina se acha abundantemente neste novo estabe-
aecinjento.
*.
MOTILADO 1

- Inii
ratriz n. 06, loja de Mendos Guimaraes.
Oh que preliinclia a 2,500 rs. '
Vende-se jiecas de cambraias de carocnhos
brancas e de cores a 2o00, ditas de salpicos a
2oOO, ditos de palmas solas de 1 vara de largu-
ra a 25, pe^as de cambraia brancas finas a 3$ e
3>o0O, pecas de cassas para cortinados com 20
varas a 95, ditas de 10 varas a 4S300, na ra da
Imperatriz n. 36, loja e armazem da Arara, de
Mondes Guimaraes.
Lencos de seda da Arara a SOO rs.
Vende-se lencos de seda de urna s cor muito
finos a 800 rs. ditos estampados a i$ e 15500 com
franjas, chapeos de sol ou marequezinhos para se-
nhora, com franjas e o cabo preto de 25500 a 35,
ditos para homem a 55 ; na ra da Imperatriz 11.
56, Arara de Mendes Guimaraes.
A Arara vende ricas colchas a 8,000 rs.
Vende-se ricas colchas de velludos para ama a
85000, ditas de fustao a 55, ditas de damasco a
45,cobertasde chita a 25, cobertores de algodo
de pello a 15600, lencos brancos linos a 200 rs.,
tapetes para sala a 55.
Grande pecuineha, o corte de cambraia por 1,000.
Vende se cortes de cambraia com pequeuo to-
que de copim a 15 e 25 cada um, cortes de cam-
braia de babados tinas a 35 e 45, camisas de mea
para senhora a 500 rs., lencos de retroz para se-
nhora a 500 rs. : na ra da Imperatriz, loja da
Arara n. 56, de Mendes Guimaraes.
Madapoln infestado a 1,000 rs,
Vende-se pecas de madapolo francez infestado
fino de 12 jardas a 45, 45500, dito inglez fino,
marca Morin, 75500 ; dito marca Rainha a 75,dito
marca HH a 85, dito n. 6,85500, dito n. 7,95500,
dito elephantc fino a 105, algodo muito incorpado
a 45,455OO, 55 e 55500 pechincha, brim d
linho a 15280 a vara, dito a 640 rs., dito fino de
de algodo a 280 e 320 : no ra da Imperatriz a.
56, loja da Arara de Mendes Guimaraes.
A Arara vende balees a 3,000 rs.
Vende-se baldes de arcos americanos, os melho-
res que tem vindo, de 15, 20, 25, 30, 35 e 40 ar-
cos, pelos precos de 35, 35500, 45 e 55, ditos de
brilhantina a 45 e 45500 : s na Arara, ra da
Imperatriz n. 56, de Mendes Guimaraes.
Chitas a 200 e 210 rs. covado.
Vende-se chitas de cores fixas a 200 rs. o cova-
do, ditas francezas com pequeo loque de mofo a
240, ditos limpos a 320, 340 e 400 rs. o covado,
chitas em corte, finos a 25000, ditas francezas a
255OO, cortes de riscados fraacezes com 14 cova-
dos, fazenda nova a 35 : s na Arara, ra da Im-
peratriz n. 56, loja de Mendes Guimaraes.
Lazinhas da Arara a 320 rs.
Vende-se lazinhas finas de quadriuho para ves-
tidos a 320 e 400 rs. o covado, ditas com 5 palmos
de largura, de urna scr, a 500 rs.; ditas do qua-
drinhos a 500 rs., capas para senhora a 105 e 85 ;
roupa feita para homem, calsas de casemira da
iscoss'a a 25, palitotsde meia casemira a 25500,
35500 e 45, cemisas francezas a 25, ditas de lis-
tas a25500e 35, ceroulas de linho a 15600 e 25 :
na ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Atlcuco para todos,
Eu abaixo assignado declaro aos devedores da
iirma de Magalhaes & Mendes, o favor de virem
pagar seus dbitos, e juntamente aquellas pessoas
que tem negado dividas, o favor de pagarem, do
contrario se declara os seus nomes por este jornal,
e serao cobradas judicialmente, conforme a lei.
Ra da Imperatriz, loja da Arara, n. 5%O liqui-
datorio da firma Magalhae* & WMdes, Loureaco
Pereira Mewles Guimaraes,
ra de Crespo, n. 7.
Cirigolin/ias.
Riquissimas ciiigolinhas ou gravatinhas,
sendo cousa de wuito gosto, e a primeira
vez que apparece para s senlioras de bom
gosto: s no Vigilante, ra do Crespo-
n. 7.
Pentes de concita.
Tambem chegaram riquissimas guarni-
coes de pentes de lindo gosto, lano para
atar, como para marrafas, por precos ra-
soaveis: s no Vigilante, ra do Crespo,
n.7.
Redes com lacinhos de fita.
Lindas redes prelas e de cores com um
lindo lacinho de lita para conservar o cabel-
lo, pelo barato preco de IfloO'); assim como
os novos enfeiles para cabeca a 3#000, 4^e
oJOOO: s no Vigilante, ra do Crespo,
n. 7.
Ligas.
Riquissimas ligas de seda de bonitas cores
a li5500; assim como fita propria par o
mesmo effeito a 500 a vara: s no Vigilante,
ra do Crespo, n. 7.
Luvas de Jovin.
Tambem chegou e chegam por todos os
vapores grande sorlimento de luvas de Jovin,
aonde os freguezes podem escolher : s no
Vigilante, ra do Crespo, n. 7.
Entremeios e babadinhos.
Tambem ebegaram grande sortimento de
entremeios e babadinhos, que se venden
por baratissimo preco de Ifl'JOO a pecinha:
so no Vigilante, ra do Crespo, o. 7.
Fivellas para cinto.
Tambem chegaram grande sortimento de
lindas fivellas de ac e de metal com pe-
drinhas e sem ellas, pelo barato preco de
2)5 e 20500, dando-se a fila para as mes-
mas : s no Vigilante, ra do CrespoTn. 7.
0 GtLLO CA\Ti
Ja sabido que o gallo nao poda deixar do
cantar annunciando a seus numerosos freguezes os
riquissimos peales que acaba de receber por este
ultimo vapor.
Pentes de tartaruga.
At que chegaram os riquissimos peales de tar-
taruga a Maria Pia para as senhoras apreciarem o
que gosto e delicado trabalho fingindo ama cas-
carrilha guarnecida por botaozinhos, poderao maa-
dar comprar antes que.se acabem, pois foi urna
pequea amostra que o fabricante mandou so-
para o vigilante ra do Crespo a. 7.
Caixas de tartaruga
Tambem os amantes da boa pitada acharao gran-
de sortimento de lindas caixinhas de trtara
branca e de cores de todos os tamaitos para ra-
p at para dar de mimo: s no vigilante ra do
Vlnhodo Porto aaiperlor.
\ ende-se em caixas de orna duzi : no escripto-
" Aalwrio Luiz Oliveira Azevedo & C,
< I-V



-
- -^
Diario de Pernambuco Terca felra ZZ de Setembro de I8tt3.
RRNnr PYPnQirXn i A* bar*ge <> pavao.
UllHIlUt LArUOIyHU Vende-se modernissimas bareges matisa-
de fazendas haratK*ima nnc si vin"'dos P3" vestidos> Pelos baratissimos pre-
A! !! P.188138 1?SLn" tos de 480 c 500 rs. 0 covado: na ruada
dem para liquidar; na loja do Pa
vo, ra da lmperatriz, 60.
Neste eslabelecimento acba-se um grande
e variado sortimento de fazendas, tanto de
laxo, como de primeira necessidade, pro-
prias para a praca e para o mallo, que se
lmperatriz, n. 60, loja de Gama & Silva.
ADMIREN! AS PECHINCHAS,
na loja do Pavao.
Ricos cortes de cambraia brancos com ba-
bados e duas saias bordadas crox, tendo
bastante fazenda para vestido, pelo baratis-
vendem por precos muito resumidos, de to- simo preco de H cada um; ditos de cni-
das as fazendas do-se amostras, deixando braia de seda com barras e babados, a
penhor, ou mandam-se levar em casa das a^oo, para acabar; cortes de vestidos a
familias para escolherem, pelos caixeiros da Maria Pia, sendo fazenda de bonito gosto, a
loja do Pav3o. 3#500; cortes de cambraia brancos com ba-
ilas com 9 palmos de largura ^D!!s'a 2* enfeites Para c*bcc.a, sendo
a loja do PavSo. i* loo .a wribaldi e a turca, a 40; ditos com fitas
Vendcm-se laaziohas transparentes de urna e "res> a,^ camizinhas bordadas para
so cor, de quadrinhos proprias para capas senloras, altf; manguitos de varios model-
e vestidos, tendo 9 palmos de largura, pelo ,os' .a 40, gP e 6*. rs; alcmUas para
meninas, a 500 e 610 rs: goliinhas bor-
dadas, a 320 e a 500 rs.; sedas de qua-
drinhos, a 040 rs.; ditas de listas, a 400 rs.
o covado ; fustao para vestidos e roupinhas
de meninos, a 320 rs. o covado; alpakin ou
gurgurao de linho, a 260 rs. ; ganguelin,
urna s cor, a 320 rs. o covado; toalhas de
baratissimo preco de 1$100 o covado; s
na ra da lmperatriz n. 60, lojado Pavo.
O Pavo vende las de 4 palmos
de largura a 500 rs.
Vendem-se lazinlias infestadas, sendo das
meis modernas, de urna s cor e de qua-
drinhos, proprias para vestidos e capas, pelo linho adamascadas para rosto, a'10; vestua-
baratissimo preco de 500 rs, o covado; di- rios para meninos e meninas, a 1)5600 e 20;
tas matisadas, fazenda muito fina a 500; di- tiras bordadas e entremeios, mais barato que
tas garibaldinas a 440 rs.; ditas dequa- em outra qualquer parte: tudo isto pe-
dros a 360 e 280 rs.: s na loja do Pavo, chincha e vende-se para liquidar: na ra da
roa da lmperatriz, n. CO. de Guimares & lmperatriz n. 60, loja e armazem do Pavao
de Gama & Silva.
Grosdcnaples a 1:500 rs., na loja do Pavo.
Vendem-se grosdenaples preto muito boa
Silva,
Lazinhas
a *0 rs. o covado.
S o Pavo.
Vendem-se laas de cordozinho proprias
para vestido, sendo muito boa fazenda, com
as cores seguintes: alvadia, cor de caf.rxo!
escuro, claro e pretas, proprias para luto ;'
Um Descobriincnto Espantoso!
0 Hundo scii'utiicu uuauiuianicntc o approva.
fazenda, a 10500, 10600, 10800 e 20: so
na loja do Pavao, ra da lmperatriz n. 60.
Aara lulo veudc-se na loja do
Pavo.
ditas transparentes com palminhas, pelo ba-1 X?nST ,finis8im0 selim %!f?"
rato preco de 280 rs.; ditas infestadas dezen^sem "'^o, proprio para vestidos de
quadros a 280 rs.: s na ra da lmperatriz, < f^-f/ pfa cf a| e uPa Para homem'
n. 60, loja do Pavo. I ten esta.,fazenda 6 Palmos, deu lar8ura c
/i i imn nnflitiwfln i sen(1 muit0 ,ev'e, vende-se pelo baratissimo
IrRANnF. PF.flHiPinHA Preco de 202OO o covado, garantindo-seque
*imii/*j *JU***iiu**rti ^ nj0 se toma ruca, e vendem-se nicamente na
a OO rs. na loja do Pavo., loja do Pavo, ra da lmperatriz n. 60:
Cassas a 210 rs.organd a 210 rs. Cirios do chitas a 2:000 e 2:500 rs.
Vendem-se muito bonitas cassas francezas' Na loja do Pavo veude-se cortes de chitas
a 240 rs. o covado; organdy matisado, pa- inglezas, tendo 10 covados, a 20, e com
dres muito bonitos a 240 rs. o covado;1Wt0 covados, a 20500, sendo todas depa-
ditos, fazenda finissima quesempre se ven- dres escuros: na ra da lmperatriz n. GO,
deu a 10000 a vara, liquida-se a 600 rs. a,de Gama & Silva,
dida, ou 360 rs. o covado, por haver grande Carnauba.
porco : na ra da lmperatriz, n. 60, loja! Vende-se cera de carnauba em saccas, por
do Pavo, de Gama A Silva, preco muito em conta, ou mais barato do
_ _-. Iquccm outra qualquer parte : a tratar na
O Pavao vende chitas francezas rua aSOrs. silva,
Vendem-se chitas francezas a 280 rs.;!
ditas escuras com muito bom panno a 320;
ditasa 360; ditas muito finas e muiloen-
corpadas a 400 e 500 rs. o covado; s na
loja do Pavo, rua da lmperatriz, n. 00.
Aova pechlncha de cortes de
cambraia na loja do Pavo.
Vendem-se cortes de cambraia brancos
com babados a 2:>300; ditosa 30000; ditos
a 40000 ; ditos chinezasa 4000o ; pecas de
cambraia transparentes, adamascadas, pro-
prias para vestidos, tendo 8 varas e meia a
30000; ditas lisas brancas e decores a 20500,
30000, 30500, 40000 e 50000 ; pecas de
cambraia de carocinhos tendo 8 varas e meia
cada urna, sendo brancase de cores, a 30500;
ditos a 20500; pecas de cambraia para cor-
tinados, sendo tapadas e transparentes com \
20 varas cada peca a 90000, isto ludo para '
apurar dinheiro: na loja do Pavao, rua da
lmperatriz, n. tiO, de Gama A- Silva.
O Pavo vende, chales
A 20000. 20500, 30000, 50000, 60000.
70000, 8,000 e 100000-
Vendem-se chales do merino estampados,
claros e escuros a 20, 20500 e 30000; ditos
muito finos de todos os precose qualidades,
tanto de pona redonda como quadrados;
assim como finissimos cbales de crepon com
cres inteiramente novas e ricamente bor-;
dados a matiz, sendo chegados pelo ultimo!
vapor a 100000 ; ditos de pello, bordados, j
a 20 s na loja do Pavo, rua da Impera-
triz, n. 60.
Aseasemiras do Pavo infesta-!
das a i.Hooo
Vendem-se casemiras francezas enfesta-
das, proprias para calcas, coleles, palitos,
e capa para senhoras, por ter de urna s
cor. sendo fazenda que sempre se vendeu
a 3(5000. liquida-se a 10000 o covado : s
na toja do Pavo,
O Pavo vende
A 100000 madapolo Elefante.
Vendem-se pecas'de finissimo madapolo
marca Elefante, sendo fazenda muito larga
com 2 4 jardas cada peca, pelo baralissimo
preco de 100000; garantindo-se que val
muito mais dinheiro ; dito marca Aguia a
80000; dito marca Pavo a 70000: na rua rua da Cruz, e Joo da C. Bravo A C., rua
da lmperatriz, n. 60, loja de Gama A Silva, da Madre de Dos.
Grande peehincha em chapeos ----------------------------------------
de sol na loja do Pavo. No a'mazem de fazendas bara-
Vendem-se chapeos de sol, a ingleza, sen- tas de Santos Coelho
do cobertos de linho e forrado de verde, pro- ( Rua do Queimado numero i.
prios para senhoras que forem passar a fes-, Vende-sc o seguinte
ta, ou para meninas levarera para a escola, i Coborias de chita
pelo barato preco de 1060 >; ditos marque-'da India pelo barato preco de 2.
ziuhas, de seda com franjas e cabo de do- Lencoes
brar a 30000 ; ditos de seda para homens, de Panno dc J***
sendo com armado de balea a 60 i 70, isto de 1nho flno ^SSS%o baratissimo
para apurar dinheiro : so na loja do Pavao,! preCo de 3J.
rua da lmperatriz, n. 60. Toalhas alcochoadas
para menina pelo baratissimo preco de 45.
Lencos de seda
ESSENCIAS DEPURATIVAS.
Anti-syphilitica e anU-rbenniatka
Approvada. pela Imperial
academia de medicina.
COMPOSICAO E PREPARADO DO
|Dr. Ernesto Frclcrico los San los, jj
Pharmaceutico pela escola de medicina
do Rio de Janeiro.
Estas cssencias cuja formula j foi ap-
provada pela academia imperial de medi-
cina do Rio de Janeiro, e pelas quaes sea
autor foi premiado na exposicao nacional
deJ861 ecom duas medalhas na expo-
sicao dc Londres, sao sem contestacao o
mais cfflcaz de todos os medicamentos at
hoje connecidos para o curativo de todas
as molestias syphilicas ou que dependam
de urna alteracao do sangue.
Distinguem-se estas cssencias pelos ns.
1 e 2, cujas formulas variam considera-
vclmente, a de n- 1 empregada com o
mais feliz resultado as molestias rene-
reas ou que dependam de alteracao do
sangue, como, cancros venreos, cbagas
syphiliticas, boubas, affeccoes herpeticas
e dartrozas, as blennorrhas, eucor-
rheas, vegetacoes syphiliticas, escrophu-
las, escorbuto, ery pelas etc. A de n. 2
tem sido empregadi exclusivamente pa-
ra debellar os rheumatismos syphiliticos
e gotosos e as exostoses ou tumores
osseos.
Acha-se a venda este precioso medica-
mento na rua do Rarigel n. 62, pharma-
cia de Medronho & Marlins.
QUINQUILHARIAS.
Rua do Queimado, ns. 49 e 55, tojas de
Jos Bigodinho, queiram ver ver as fazendas
que abaixo annuncio, pois todas eu garanto
que sao muito novas e baratissimas.
Pecas de trancas de algodo de to-
das as cores a....... 80
Duzias de linhas com 200 jardas,' A-
lexandre, a..... 10100
Carritel de qualquer numero 100
Varas de aspas para bal5o 80
Caixas com superior obreias a 40
Ditas de colla [....... 40
Pares de botoesde punho a 120
Pares de sapatosde tranca 10280
Ditos muito superiores, a 10600
Caixas e pacotes de papel amisade de
cores a. ...,'... 600
Duzia de meias muito Unas para e-
nhora a........30500
Duzia de ditas cruas para homem a 2W00
Daralhos muilo Anos para voltarete a 300
Carriteis de linha com 100 jardas a 30
Cartoes de linha branca e de cores a 20
Novellos de linha com 400 jardas a 60
Ditos muito grandes com 800 jar-
das a .......120
Cartoes de linha com 200 jardas (est
se acabando a...... 60
Vara de Ola preta com colxetes para
vestido, e tem um resto parda a 100
A'(ompos^'io Anaeahua
Peitoral de kemp.
Por espaco ile muito tempo se lia tizado ex-
tensamente em Tampieo para a cura de
TSICA pulmonar,
CATAERHO, ASTHMA,
BRONCHTE, TOSSE CONVULSA,
CRPO OU GARROTMO, e
Infiamma9es da Garganta e do Pelto,
c isto com nin resultado to feliz c verdadei-
ramente assombroso o pao ou madeira d'uma
arvorc i que cbamo Anacahuha, c que s
se encontra no Mxico.
A Composi9o Anacahuita Peito-
ral de Kemp e' um Xarope delicioso, intei-
ramente differente na sua composicao de
todos os mais Fcitoraes c Expectorantes ma-
nufacturados de tuctos astringentes, cascas
e raizes, .lc(/t> Prussico ou outros quaesquer ingre-
dientes venenoso?.
Todas as molestias c affeccoes da garganta
o dos pulmoes desapparecem como por um
mgico encanto, mediante a M$o deste in
comparavel c irresistivcl remedio.
venda as boticas de Caors & Barboza,
Objectos de tintura e msica.
Na rua do Queimado, ns. 49 e 55, est
queimando tudo pelos precos abaixo decla-
rados, e prestem toda a attencao para ver
o que bom e barato.
Duzia de facas e garfosmuito Tinosa 20300
Dila dita dita de cabo preto muito
finas a.........3020,
Dita dita dita de bataneo, melhor,a 505(
Tesouras para costura, muito fi-
nas a .........400
Ditas ditas para unhas, muito finas a 400
Cartas de alfinetes de ferro a 80
Ditas ditos de lalo muito finos a 40
Ditas de dito grandes.....120
Caixasde phophoros de pao 10
Grosa de ditos do gaz a 20200
Duzia de dito dito a 200
Massos de palitos para denles a 160
Abotoaduras para coletes a ... 160
Escovas para roupa,muito finas a 400,
500 e.........800
o corte.
Vendem-se cortes de caxemira da Esco-
cia, para calcas, pelo barato preco de 20,
tendo da mesma fazenda para vender em
covados a 580 rs., sendo esta fazenda mui-
to encorpada a imitacJo de caxemira, e ga-
rante-se que nao desbota. Tambem se ven-
dem cortes de caxemira ingleza, d cores
escuras para calca pelo barato preco de de anga amarella de lista e quadros pelo bara-
19800 cada corte, ou a 500 rs. o covado : tissimo preco de 1*200 o corte.
para algibeira pelo barato preco de Ifi.
Ricas saias de fustao
pelo barato preco de 54500.
Loncos de cassa
finissimos proprios para algibeira pelo baratissimo
S'iOOa duzia.
i preco de 2 e 25
Corles de caifa
SEM suca \ no.
PECHINCHA.
Perfumara de superior qualidade.
0 rival sem segundo, rua do Queimado,
ns. 49 e 55, est disposto a vender mais ba-
rato que nunca vendeu, para o que queiram
ver :
Duzia de saboneles finos a 720
Sabonete inglez, o melhor, a 160
Frascos com agua de Colonia muito
fina a......., 400
Ditos de dita grande a 500
Ditos de Lavande ambreado, o me-
lhor, a........500
Ditos de macaca oleo muito bom a 100
Ditos perola muilo superior a 200
Ditos de oleo de babosa a 240, 320.
400 e......... 500
Ditos de banha branca a 320
Dito de cheiro muito bonitos a 500
Ditos de banha, pequeo, muito fina
..........200
Ditos de opiata a 200 rs., e boa a 900
Ditos de banha japoneza a 800
Ditos de banha transparente a 720
Ditos de oleo filoconne a 800
RIVAL
SEM SEGUNDO.
Onjeetos diversos.
su na
n. 60.
Madapolo
loja do Pavo, rua da lmperatriz,
Infestado
S o Pavo.
a 4000
Petas de madapolo
Gno largo pelo baratissimo preco de 8*.
Pe?a de brelanba
de rolo com 10 varas pelo barato preco de 3,5200.
Pecas de cambraia
70500 e 80000 : so
rua da lmperatriz.
Vendem-se pecas de madapolo infesta-!desalpicosflnacom8 lavaras pelo barato preco
do com 12 jardas a 40000, ditas a 40500, l
ditas com 24 jardas a
na loja do Pavo, na
n. 60.
Ricos vestidos brancos.
Vendem-se os mais ricos vestidos de cam-
braia brancos, bordados a croch, sendo os
mais modernos que tem vindo ao mercado,
tendo as saias 4 pannos, e vendem-se peips
baratos presos de 100, 120 e 16 : s na
loja do Parao, rua da lmperatriz, n. 60, de
Cama Silva,
Atoallialho de linho
com 8 palmos de largura proprio para toalha de
mesa pelo barato preco de jOO a vara.
Barege
de lindos gostos pelo barato preco de 440 rs. o co-
vado.
Esleir da ludia
propriapara forro de sala de 4, 5 e 6 palmos de
largura
CAL DE LISBOA
Vende-se cal nova de Lisboa : no largo do Cor-
po Santo, escriptorio de MaDoel Ignacio de Olivei-
ra Filho a. 19,
Rua do Queimado, ns 49 e 55, vende os
objectos abaixo declarados, pois para aca-
bar; estes precos nao sao para continuar,
mas as nesessidades assim o permitte-
Pares de luvas de algodo finas a .
Caivetes de aparar penas, de 1 fa-
lla a ,........
Ditos de 2 ditas a......
Caixas de colxetes francezes a. .
Duzia de dito francez a .
Massos com grampos lisos e de cara-
col a .........
Duzia de dedaes de metal em caixi-
nha de vidro.......320
Tinteiro de vidro com tinta superior
a..........
Ditos de barro que serve para tin-
teiro a........
Grosas de botoes de louga prateado a
Pecas de tranca lisa encarnada a ,
Varas de Lieos e rendas, para aca-
bar a ........
Varas de labyrinto de 3 dedos de
largura a........100
Ditas de pos para denlesa ... 100
Pentes de tartaruga a 30000 e 30500
80
80
160
40
360
40
160
100
160
20
60
BALI
AttencSo!
Posto que domine no cora-
Co do BALIZA a mais bem en-
tendida ambico de tirar de
seu negocio as melhores van-
tagens, com tudo elle nao pro-
cura fazer fortuna vendendo
gato por lebre;
Quando nao se negocia aca-
nhadamente, est bem ao alcan-
ce de todos a fcil idade de fa-
zer-se boas compras, para ven-
der-se barato.
Ao armazem do BALIZA po-
dem ser devolvidos quaesquor
gneros qne por ventura nao
sejam do contento dos senho-
res compradores. Nao fica
resentimento algum em se tro-
car por outro, ou restituir-se
o dinheiro recebido,
Manter a todo o custo o seu
crdito, e agradar aos seus a-
nigos e freguezes, todo o
desejo do proprictario dcste
cstabelecimento,
LEDE! LEDE LEDEi
Siempre a frente do progresso,
Constante marcha o 16Ai.i/,a.
Tem por norte o bem commum.
A verdade por divisa.
Q AIDE
ARMAZEM E
DE
Largo do Livraniento ns. 38 e 38 A
Defronte da grade da igreja
AO RESPEITAVEL PUBLICO
Senhores e senhoras
O incansavel p*oprietario do grande armazem do Baliza toma a liberdade de mandar
declarar do alto da imprensa pernambucana, que elle perfeitamente liberal em offcrecer aos seus
ienevolos freguezes as melhores qaalidades dos mais bem escolhidos gneros, nao s do paiz como do
estrangeiro a precos de contentar c satisfazer a todos.
Fazendo to publico e espontaneo manifest, o referido BALIZA julga de seu rigoroso dever
declarar mui seria e pusitivamente nesta oportunidade, (ru tambem o mais firme c dedicado conser-
vador de sua numerosa freguezia.
Da boa qualidade e barateza dos gneros offerecidos aos seus freguezes. unta ao pequeo ga-
nho que tira para si, tem sabido fazer o BALIZA a mais perfejta li<;a de interesses recprocos, que a to-
das as consciencias deve por forca e necesariamente agradar.
Tendo por conveniente tambem a publicaco do seguinte aviso, o BALIZA faz saber nicamente
aquellas pessoas que sempre esto promptas a comprarem tudo, com lanto que se Ihes permita paira-
fem logo, que elle
NAO VENDE FIADO.
Os amigos da economa, aquellos que s compram ns objeetos de que carecem, e que nalmente de empregar bem o seu dinheiro venhama este estabelecimento.
liKi.i.w Tonos.
Do preco de qualquer genero annunciado a venda em outros estabelecimcnlos, podem os senho-
res freguezes diminuir cinco por cento, c vir compra-Jo ao Baliza, que sendo, como todos sabem, o ho-
mem de tiwvtmento prefere ganhar muito pouco, com tanto que seja por muitas vezes repetido


ESTABELECIMENTO COMMEBCIAL
DE
CALDERABIA E FUDIClO DE METAES,
Mito na rua do Bru n. 40 junto
a fundico do 8r. Bowmam. pertencente a
Vlaca Irmo *i c.
Neste estabelecimento encontraro os freguezes um completo sortimento
de tudo que diz respeito as artes de caldereiro, funileiro, latoeiro, ferreiro e
fundico, e os abaixo asssignados que o dirigem, promettem servir a todas as
pessas que se dignarem de os procurar, com promptido, sinceridade e pre-
cos muito rasoaveis. O dito estabelecimento estando montado em ponto
grande, tanto no que diz respeito a pessoal, como em materia prima, e tendo Wk
habis ofliciaes, pode executar com toda a perfeico e seguranca qualquer
obra tendente as artes cima mencionadas e affoitamente pdem os abaixo as-
signados assegurar ao publico que nenhum outro estabelecimento Ihe pode
fornecer mais barato e mais perfeito do que elles, visto que recebem de sua
propria encommenda todas as materias empregadas em ditas obras.
Alambiques simples e continuos de to- Sinos de 16 libras 8 arrobas.
Parafuzos de bronze e ferro para ro-
das d'agua.
Torneiras de bronze e bronzes para
engenho.
Encanamentos de cobre e chumbo de
todas as grossuras.
Bombas para cacimbas, aspirantes e
de repucho.
dos os tamanlios e dimences.
Machinas de cobre para destilar e res-
tilar espirito at 40 graos pelos sys-
temas de Logier e Derosne.
Carapucas e serpentinas de cobre, e
estanto, avulsas.
Taixas e taclios de cobre para engenlio
e refinaco.
Paroesde cobre e todos os cobres ne- Bombas" para destilaces.
cessarios para o fabrico do assucar. Ditas para regar jardins, hortas e
Cobres para rodas de moer mandioca. | capim.
Machinas econmicas para lavar roupa Ditas para navios e barcacas de varias
o melhor possivel. I qualidades e dimences.
Cobre em lencol e arrodellas, estanto em barrinha, chumbo em barra,
lencpl e canos de todas as grossuras.
Eia, rapasiada, coragem! parece que j
entregastesosvossosjoanetesaos duros sei-
xos do pessimo calamento da nossa cidade '
So se observa em vossos ps Jiotinas acalca-
nliadas e gastas at ultima sola: sapates
rasgados e quasi sem saltos.... nem tanto !
a quebradeira nao deve chegar at este pon-
to I Vinde rua Diretta munir-vos de excel-
ente calcado com 40 e at 60 por
menos do seu valor.... attendei :
Borzeguins, Nantes, bezerro e va-
queta 2 e meia solas....
Borzeguins, Nantes, bezerro, va-
queta e lustre 2 solas. .
Borzeguins, francez c hamburguez,
bezerro, lustre e couro de por-
co 73e........
Sapates, Nantes, bezerro e vaque-
ta 2 e meia solas.....5^500
Sapates, Nantes, vaqueta, lustre e
bezerro 2 solas......
Sapates, Nantes, sola e vira. .
Ditos para menina, com laco. .
Ditos de ditas, de cores. ...
Sapatos para senhora e homem,
tapete......... 800
Sapatos de borracha para senhora.' 1,5400
dem idem para meninas. i600
Sapatos de lustre para senhora. 14000
dem de lustre s avessas 500
centc
80500
8^000
60000
50000
>000
30500
20800
y

Aos senhores consumniidores de gaz.
Nos armazens do caes do Ramos n. 18 e na rua
do Trapiche-Novo (no Recite) n. 8, se vende gaz
liquido americano primeira qualidade mais barato
do que em outra qualquer parle.
Las com 8 palmos de lar-
f gura.
. Cheguem a loja de Marcelino & C, rua
do Crespo n. 5, para verem laas muito
Anas, lisas e de quadros, gostos inteira-
mente novos, proprias para vestidos e ca-
pas e precos muito commodos. Alm
disto existe um variavel sortimento de
fazendas finas e grossas precos razoa-
veis.
Vlaca Irmo & C.
Rua daSenzallan 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston & C,
sellins e silhes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavallos, e relogios de
ouro patertte inglez.
Em casa de R. B. Lasser/e & C, rua da
Cruz n. 5, vende-se por precos nroito commodos,
medoc, santernes, cognac e mostrse primeira
qualidade.
Vende-se urna negra de meia idade, que co-
zinba com perfeico: na rua larga do Rosario n.
46.
CE A DE HWUU.
Vende-se cera de carnauba do Aracalv de supe-
rior qualidade, em porcao o a retajho; na rua
do Queimado, loja de cera n, 77.
Cal de Lisboa a 40 o barril.
Vendem-se barris de cal dc Lisboa de superior
qualidade : no deposito da rua do Brum n. 6o.
Cera de carnauba.
Na rua da Cade!* do Recite n 57 vende-se mui-
to superior cera de carnauba.
Cola a 48 rs. a libra.
_\endem na rua do Queimado Azevedo & Irmao.
Rua da Senzalla Nova n. Ai.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a 110 rs., idem de Low
Moor libra a 120 rs.
. FAZENDAS
NA
Nova loja de Custodio, Carvalho
& Companhia.
27-RUA DO Qt EIMAUO 27
Cintran
organdis para vestidos a 240 rs. o covado-
Madapolo
fino proprio para camisas a preco de 8 a peca.
Cuberas
de panno de linho grandes a 25000.
Lenffs
de panno de linho grandes a 2.
Par mesa
pannos adamascados para mesa a 15500.
Goardanapos
adamascados a 2-5 a duzia.
Toalhas
para mios pelo preco de 400 rs. cada urna.
Fusta braaco
proprio para roupa de meninos pelo barato Drcro
de 320 rs. cada covado. "
Entremeios
finos bordados pelo barato preco de 1^00 a peca.
Babados
bordados de todas as larguras peca 2*500.
Golinhas
bordadas a 640, 800 e 1*.
Camisinbis
de cambraia para senhora a 2*.
Balees
de arcos para senhoraa 34600.
Ilalf smadadr poli
Idara meninas a 2*500.
wm
'.




Mario de Pera a tu buco Trrea felra 9t dr Nrembro dr 1S3.

E COMPLETO SOBTIMENTO DE MOLHADOS


* i
*5
O
A.
-
-a
o
o
_ -c:
8
%>
l
(kU
w-^y
ti
2 o
-* *--'
s. i
C
HU
C9
O-
11
te

5 *
11
S4.
H
SS
O
>
t
^
o
t
ec
*>
Cr-
eo
O
e*
<
O
0
O
t

t
**
o
S
t
3
o
-
*
o
Vi

o
t
6<5
O
03

A *? -S
69
C
O)
O
c

03
"t
03
t
Vinhos era pipa: Porto Figuera e Lisboa, a
4oo, 44o, 5oo e 56o rs. a garrafa, e em
caada a 2,56o, 2,8oo, 3,ooo, 3,5oo e
4,ooo rs. do melbor.
dem lagrimas do Douro, especial vinho do
Parto mandado vir de conta propria a
lo,ooo rs. a duzia e 1,000 rs. a garrafa.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado, das seguintes marcas: Duque do
Porto, Feitoria, Nctar, Velho Secco, Cha-
misso, Madeira superior a 9,ooo rs. a cai-
xa e l.ooo a garrafa.
dem Bordeaux das memores marcas: St.
Jalien, Medoc, S. Esteph e outros a 7oo
rs. a garrafa, e 8,000 "rs. a caixa com urna
doria.
dem muscatel de Setubal\erdadeiro a 2,ooo
rs. a garrafa e 22,ooo rs. a caixa.
Garrafoes com 5 garrafas de vinho do Por-
te do Alto douro a 2,2oo rs. com o gar-
rafo.
dem com 5 garrafas de vinho Figuera
muito proprio para a nossa estacao, por
ser mais fresco a 2,4oo rs.
Vinhos velho chamisso era barril muito pro-
prio para sobremesa por ser muito claro
e macio a 600 rs. a garrafa e 4,5oo rs. a
caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero a 5oo rs. a garrafa e 3,800
rs. a caada.
Garrafes com 5 garrafas de vinagre de Lis-
boa al,2oors.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo rs. a garrafa
e l,4oo rs. a caada.
Velas de spermacet a 600, 64o e 680 rs. o
masso.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de encommenda especial a 800 rs.
a libra,
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
54o rs. e em barril a 5oo rs.
dem em potes de 4 16 libras muito fina e
propria para doente a 800 rs. a libra e o
pote separado.
Banha de perco a 54o rs. a libra, e embar
ril se far abamento.
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
de l,6oo, !,8oo, 2,000 e 2,5oo rs. cada
um
dem londrinos os mais frescos que se po-
dem desejar a 800 rs. a libra.
Caf do Rio de 1* e 2a qualidade de 8,000 a
8,5oo rs. a arroba, e 28o a 3oo rs. a li-
bra.
Arroz caroliuo e do Maranhlo a 3,ooo rs. a
arroba e loo rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra e
em porcao ter abatimento.
Caixinhas de ameixas francezas de 1 i/2, 2
e 3 libras, elegantemente enfeitadas com
diversas estampas no exterior da caixa a
l,3oo, i,5oo, 2,ooo, e 3,ooo rs.
Fructas em caldas das seguintes qualidades:
ameixa, rainha Claudia, cerejas, pero,
ginja, pacego e alpech a 5oo rs. a lata.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a Coo rs. a libra, e em la-
tas de 1 4/i e 2 libras.
Ameixas francezas em frascos de 1 1/2 e 3
libras de i,4oo a 3,ooo rs.; tambem ha em
latas de 1,000 e 3,ooo cada urna,
Cha huxim miudinho mandado vir de en-
commenda especial a 2,8oo rs. a libra,
garante-se a boa qualidade.
dem hysson o mais superior a 2,6oo rs. a
libra, afianca-se ser igual ao que regular-
mente se vende a 3,ooo e 3,2oo rs.
dem pretomnito fino a l,9oo rs. a libra.
dem mais baixo, e miudo proprio para ne-
gocio a 1,-600 rs. a libra.
Presunto inglez para fiambre o mais fresco
que se pode desejar a 800 rs. a libra.
Genebra de laranja a 9oo rs., a frasco.
Chouricas e paios, os mais frescos que se
pode desejar, a 5oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa
e lo,5oo a caixa.
Ricas caixmhas com confeiles c frutas seccas
muito proprias para mimos pelo baratsi-
mo preco de l,ooo rs. cada urna,
Marrasquino de Zara cm frascos grandes a
800 rs. o frasco.
Licores francezes das seguintes marcas: A-
nizete de Bordeaux, Plaisir des dames, e
outros a 1,000 rs. a garrafa e i 0,000 a
caixa.
Passas muito novas a 6,000 rs. a caixa e
36o rs. a libra, a caixas, meias e quartos.
Bolachinha ingleza a mais nova que se pode
desejar a 2,5oo rs. a barrica, e 24o rs.
a libra.
Azeite francez clarificado a 800 rs. a garrafa
e 9,000 a duzia.
Conservas inglezas dos melhores fabricantes
Mixed e Pickles, ceblas simples, e outras
a 800 rs. o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes muito
nova a 4oo rs. o pote.
Mlhos inglezes de todas as qualidades e das
melhores marcas a 5oo rs. cada urna gar-
rafinha.
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de doce, manteiga
ou outro qualquer liquido de 1,00o a 3,ooo
rs. cada ura.
Palitos do gaz, a 2o rs. a caixinha e 2,3oors.
a grosa.
Milho alpista a 160 rs. a libra.
Miho painco a 140 rs. a libra.
Gomma para engommar muito fina e alva a
80 rs. a libra a 2,300 rs. a arroba.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Sabo verdadeiro hespanhol que raras vezes
vem ao nosso mercado a 300 rs. a libra,
e em caixa ter abatemento.
Sabo massa de 180, 200, 220 240, rs. a
libra do melhor.
Graixas em latas muito nova a 120 rs. a lata
e 1,300 rs. a duzia.
Peixe em latas muito novo : savel, pescada,
curvin, salrao e outras qualidades prepa-
rados de escabext?, segundo a arte de cozi-
nha de 1,400 a 2,000 rs. a lata.
Genebra deHollanda em botijas de conta a
440 rs. cada urna.
Papel greve pautado e liso a 3,500 rs. a res-
ma.
Azeite doce de Lisboa muito fino em barril a
640 rs. a garafa, e em p orea o ter abati-
mento.
Champagne das mais acreditadas marcas a
l.oeo rs. agarrafa e 10,000 rs. o gigo
com urna duzia.
Doce da casca da goiaba a 4oo, 5oo, 600,
7oo, 800, e 1,000 rs., o caixo grande.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez, e
suisso, das melhores qualidades a 9oo rs.
a libra.
Velas de carnauba e composico a 32o, 36o,
e 4oo rs., a libra, e de lo.ooo a i i ,00o rs.
a arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa a l.ooo
rs. a ancoreta, e l,5oo a de Lisboa, estas
ultimas raras vezes vem ao nosso mercado
pela sua boa qualidade.
Massas para sopa macarrao talharim e aletria
muita nova a 48o rs. a libra.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Babia a 4,ooo, 3,5oo, 3,ooo e 2,5oo rs. a
caixa.
Serveja das melhores marcas a 5,ooo rs. a
7,ooo rs. a duzia.
Biscoitos inglezes das seguintes marcas:
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travellies
Lunch, Cobin, eoutras a l,2oo rs. a lata.
Bolachinha de soda especial encommenda a
l,8oo rs. a lata.
Iem Craknel em latas de 5, 7 c 15 libras a
4,000, 5.5oo, e H,ooo rs. a lata.
Massa de tomate em latas de 600 a 7oo rs.
cada urna.
Sardinha de Nantes a 36o rs. a lata.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijollo de limpar facas a 16o rs. cada um.
Ceblas a 9oo rs., o molho.
Farinha de Maranho muito alva e cheiroza
a 14o rs. a libra.
Pimenta a 36o rs. a libra.
Cominho, cravo, erva doce, enxofre, palitos
de dentcs em caixinhas que tudo vende-
mos por baratsimo preco.
Bicas caixinhas com confeites e fructas sec-
cas muito proprios para mimos pelo bara-
tissimo preco de l,oo6 rs. cada urna.
'

Enconi meadas
d'aguia
braoca recebi-
BaratissEmas bandeijas.
A guia branca por muitas vezes tem da- das pelo ultimo vapor.
do a COnhecer que quando acha alguma pe- Ricos pentes de tartaruga com chapa de madre-
chincha, nao quer somonte com ella encher Pero!a:. ,
o papo, ao contrario deseja que toda sua boa gKJSt de T*
freguezia e o publico cm geral provem da Lindos chapeozinhos de selim para baptisados.
mesma, o que agora mesmo acontece com! Ricos de seda brancos c pretos.
essas; baratissimas bandeijas, cuja limitacSo* Bonitos cantabas com msicas e sera ellas para
de procos admira, em relaco aostamanhose
qualidatles: avista do que convm todos a-
ROPA FEITA
proveitarem-so dessa opportuna occasio e
proverem-se d'um traste sempre necessario,
e que Uies custar quasi metade do justo va-
lor. Assim, pois, dirigirem-se com dinhei-
ro alegre e espacosa loja d'aguia branca
raa do Queimado n. 8.
costura.
Trancclins de lita para enfeites.
Fitas de seda estrellas para ditos.
Ditas de velludo com listras para barras de ves
ti dos.
Aspas de balea para vestidos.
Ditas de ar;o para espartilhos.
Randcs d dina.
Pulseiras de contas para meniuas.
Paos para abrir luvas e port-charutos.
Esseneia de ail para engommados.
Pos hygienicos de I^ubin para dentes.
Leite virginal para tirar sardas.
Dito d'ires para extinguir as caspas.
Vinagre aromtico para vertigens, dores de ca-
9a afacisnflos copos com bnnh. e
boles com sssciipccs.
Chegaram novamonte para a agina branca
esses afamados c estimados copos com banha' beca, etc.
fina: assim como os bonitos boioes de por- josmetique surfinepara cabellos,
cellana dourada tambem com banha, e novas Ka d.'mo,ufa
inscripcoes maviosas c jocoserias, mui ade-' Pentes de concha.
Mt4o para presentes resta porem que osapre-! Comas novas e diversas guarnicoes de
dadorescoucorram, reunidos de .Imheiro. ,,entes que a Aguia Branca acaba de rece-
alegre e espacosa loja d'aguia branca ra do \n:v> veio tambem urna pequea qualidade
Queimado n. 8. 1 de pentes de concba que com graca e acer-
Cira&a econmica. Itadamenleservem para o moderno alado dos
^A *g'a branc* acaba.dc receber^essa acredito- cabellos- Files sao de bonitos e agradaveis
4a graxa econmica, cuja supenoriuaue esta ge- ,.
ramente rccunliccida 5 essa boa graxa se torna moldes, edelamanho pequemno como con-
recoounend:id:i. tanto porque o raleado lustrado vem para o fim que sao. E' esta a primei-
eonuBik deixa perfeitamente lustroso ao menos ra vez que d'elles aqni cliegam, por isso
ttwdas sem necessidade de novo unto como que a mi)(]a e novssima. pelo que ganda-'
momo porque sua prepararlo e a]ipropnada para ;-
ella vem em caixi-
NO
IHMAZEJl
DE

I
XJGTBEXRO VRX>.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concur-
rentes, para o que tem ura dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande c variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
homens e meninos.
RA DO QUEIMADO N. 46

30r?000
254000
>0

;ol
3^500^
amanar e conservar o conro
nhas e barminhos, e acba-se
Queimado u. 8. loja d'aguia branca, aos rezumidos
pr-.-os de MX), 800 e 6O rs.
rao a palma aquellas senhoras que primei-
venda na ra do ro se apresenlarem com ellas, para o que
TERCOS
e coras de cornalina.
A aguia branca pensando constantemente em
Nb servir a toda a sua freguezia. nolou que ainda
nao baria feito algum agrado a aquellos que pru-
dente e acertadamente rosando, compran dever dc
bom eliristao, o quando reparou essa sua falta,
mandn vir e acaba de receber delicados tercos e
cortas de cornalina com cruz de prata, os quaes
deixa disnosieao dos liis eme cstiverem dispostos
a gastar l)&."3X),25c 35 para possairem um bonito
os mandaro comprar na lo;ad'Aguia Bran-;
ca, ra do Queimado, n. 8
Bolsas para viagens.
Vcndein-se na ra do Queimado, loja d*Aguia
Branca n. 8.
'oKas preas
MARA PA.
A Aguia Branca recebcu as desojadas voltas
pretos, mui compridas u gradas.
Phosplioros higinicos
E DE SEGniAN'CA.
Esscs pliospboros byglenicos e'de seguranza, sao
indubitavelmente os melhores que at agora tem
apparecido, por cuja superioridade tanto se tem
feito conhecidos e reeommendados. Ellos mcreci-
Casacas de panno preto, 35(5 e
Sobrecasacas idem, 30;? e .
Paletos idem e de cores, 25,
20& *35t e......
Ditos dc casemira, 20)5. lo^.
W, 100 e......
Ditos de alpaca, 5 e. .
Ditos ditos pretos. 95, 7$,
50 e........
Ditos de brim e ganga de co-
res, 40500, 40, 30500 e. .
Ditos branco de linho, 60, S0 e
Ditos de interin preto de cor-
dao, 100, 70 e..... 50000
Calcas dejeasemira prcta, 120,
100, 80 e......70000
Ditas de ifres, 90, 80 e. 70000
Ditas de imeia casemira de c-
20500
20000
10400
20500
Cohetes de fustao e brim bran-
co, 30500, 30 e .
Seroulas dc brim de linho,
20400 e ......
Ditas de algodao, 10600 e. .
Camisas de peilos de lindo,
50, 40, 30 e.....
Ditas de madapolo, 30,
20500, 20 e.....10GOO
Chapeos de massa, pretos fran-
30000. cezes, 100, 90 e. 80500
40000 Ditos de fltro, 50, 40,30500 e 20000
Ditos de sol, de seda, 120.
110, 70 e......40500
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda.......
Sortimento completo de grava-
tas.
nn
FZEMDAS E ItOl/f'AS I II AS.
Sortimento completo de sobrecasacos de panno a 250, 280, 300 e 350, casacas
muito bem feitas a 250, 280, 300 e 350, paletots acasacados de panno preto de 160 at
1250, ditos de casemira de cor a 150, 180 e 200, paletots saceos de panno e case-
1 mira de 80 at 140, ditos saceos de alpaca, merino e la de 40 at 60, sobre de alpaca e
I merino de 70 at 100, calcas pretas de casemira dc 80 at 140, ditas de cor de 70 at
150, roupas para menino de todos os taannos, grande sortimento de" roupas de brim.
como sejamcalcas, paletots e cohetes, sortimento de cohetes pretos de metim, casemira
e velludo de, 40 a 90, ditos para casamento a 50 e 60, paletots brancos de bramante a 40
e 50, caifas brancas muito finas a 50, e um grande sortimento de fazendas finas e moder-
nas, completo sortimento de casemiras inglezas para homem, menino e senhora, ceroulas
de linho e algodao, chapeos de sol de seda, luvas de seda e de Jouvin para homem e se-
nhora. Temos urna grande fabrica dc alfaiate, onde recebemos encommendas de grandes
obras, que para uso est sendo administrada por um hbil mestre de semelhante arte, e um
I pessoal de mais de cincoenta obreiros escolhidos, por tanto executamos qualquer obra com
promptidao c mais barata do que cm outra qualquer casa.
s
640
i w corda, com os quaes poden) mesmo pedir a damente ganbaram a preferencia a todos os outros
Deus pela prospendade d aguia branca, em seale- pelas vantajosas razos de que nao deitam aquelle
prejudicial e mo cheiro que costumam deixar
quasi todos os outros, e mesmo pela seguranea de
que estam isemptos de incendiar pois que em
gre e espacoso ninbo da ra do Queimado n. 8.
fSahiiziuhos com perfumarlas e
sem ellas.
A aguia branca rendo bonitos bahminhos com 6
fras.iuinhos dedicos |> r 1-5)00 e vasios por 800
rs., tentado osles para meninas, e mesmo para
jotas,etc.,te. : na roa 'lo Queimado, loja d'aguia
brinca n. S.
\ovlssimos c bonitos enfeites
p;ic;i caberas.
Quando o bullo sexo sentia a falta de bons
enfeites para cabeca, eis que a aguia branca
recebe urna sua encommenda de bonitos e
delicados enfeites, e de modernsima moda,
muito servindo isso para sanar aquella falta,
e fazer com que as xmas. apreciadoras da
bella empreza Coimbra possam melhor reat-
ar e mostraren) o apurado gosto que as
guia. Esses enfeites sao d'um tecido bs-
tate tino com continhas d'aco, e inui bem
enfeitados com (lores, fitas, bicos, plumas
etc., entretanto que sendo obra de muito
gosto ciislam 50, 60 e 70 dinheiro vista;
na espacosa e alegre loja d'aguia branca ra
do Queimado n. 8.
Albuns com pcrfnniaris
Militas vezes aconteca que se procurando una
bella patentara para so oftertar a urna senhora ou
menina* em seus aniversarios, ou mesmo na
amarraran das mestras destas. se nao acha va cousa
rae safitoesse, agora, porm, ja na ilor assim porque na loja d'aguia branca encontra-
ra o pretndeme bellos objectos para esse fim. so-
bro-sahindo entre elles esscs bonitos albuns com
perfumaras, rujo gosto e novidade llies da a pri-
maca. A aguia branca migara de contente se
olleras recahirem sempre cm suas prcdilec-
- es freguezas, e quando assim nao seja, nao faz
nial, porque a mimoseada reparando na singulari-
dade do objecto, quercr dsde logo alistar-se no
numero daquellas. Em todo o caso havendo di-
nheiro, dirijam-se ra do Queimado, loja d'aguia
branca n. 8, pie tudo se.arianjar.
Chegaram luvas de pellica para a loja d"a-
guia branca, ra do Queimado u. 8.
Novas cintas clsticas pura senhoras
casadas.
A reeonhecida utilidade dessas necessarias ci-
as elsticas fez com que em breve se acabaen
is que vieram da primeira vez, dexando assim
ikiranlWltnn muitas senhoras que se nao poderam
prover dellas, vista do que a aguia branca man-
lou buscar mais alguuias, que acabam de chegar,
;iinda mais pereitas que as primeras, isso jwr se-
ren menores; agora, pois, podem as senhoras ca-
sadas prevenirem-sc, mandando-as comprar na
loja d'aguia branca, ra do Queimado n. 8. Se*
aguia branca precisasso dc semelhante obra de
certo desta vez nao ficaria sem ella.
nenhuma oulra parte fazem fogo a nao ser no es-
pecial papel, que vem pregado na caixa. onde tam-
bem nenhum falla em qualquer que seja a esta-
cao ; c alm de todas essas boas qualidades occor-
re mais a da baialeza porque as caixas cem 400
pbosphoros cusUim apenas 240, o que nao ba com-
paragao para com qnalquer das outras qualida-
des. Assim |K)is, convm o nso delles, todos os
ebtabelecimentos, escrptorios, cartorios, reparti-
cSes, casas particulares, etc., etc. Acham-se
venda na ra do Queimado loja d'Aguia Branca
n. 8. Quem comprar porejio ter um abatimento
rasoavel. *
Amostras de agulhas inglezas.
A aguia branca acaba de receber por amostra
urna pequea quantidade de carteirasde molde nao
commum com agulhas inglezas de urna admiravel
superioridade. As carteiras trazem accommoda-
daaiente quatro papis de agulhas sortidas em
grossnras. e estas na verdade sao de qualidade ain-
da nao vista aqui, o que fcil de conhecer-se pelo
scu bom aeabamento, pois que sao perfeitamente
polidas, ponas mui agudas c bem tiradas, e fundos
ovaes. Gusta cada carteira 1, o que.de certo pa-
rece caro, mas que apreciada a toa qualidade del-
las, s lorio a lamentar o nao vir mais dellas.
Tambem veio igualmente caixinhas com alfinetes
dourados, e outros brancos, os quaes se vendem a
240 rs., 320, 5.00, GiO e i a caixinha, tudo isso
na ra do Queimado, loja d'aguia branca n. 8.
Jlaravilha das bellas, no vos e
delicados enfeites para ves-
tidos.
aprasivel a aguia branca o ter de avisar a
sua boa freguezia, que acaba dc receber pelo pa-
quete francez um bello sortimento de enfeites de
seda denominado maravilla das bellas, os quaes
--1 vnii tanto para vestido de senhora como para
roupinhas de criancas. Seus novissimos e delica-
dos descntios, suas escolhidas c bem acertadas co-
res fazem um todo agradavel aos olhos de qnalquer
vvente que saba apreciar o bom. Assim, pois, a
dnvida est em haver dinheiro, havendo-o, diri-
alegre ninho de
res,
0300 e. .... 40000 Toalbas para rosto, duzia, 110,

Ditas de princeza e merino pre-
to de cordao, 50, 40500 e
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, -40500, 40 e .
Ditas de ganga de cores,
30500, 30 e.....
Cohetes Je velludo preto e de
cores, 90 e......
Ditos de casemira preta, 50 e
Ditos de; ditas de cores 50
40 e .'.......
Ditos de setim preto. .
Ditos de ditos e seda branco,
90 e........60000
40000 Atoalhado adamascado de li-
nho vara......10280
20500 Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....40000
20500 Lences de linho..... 30000 &
Cobertas de chita chineza.. 20000
70000 Pennas d'aco, as mais superio-
40000: res, a grosa. ..... 600
Relogios de ouro orizontaes,
900,800 e......700000
Ditos de prata, galvanizado,
patentes e orisontaes, 400 e
i
30500
50000
60 e.......50000 Obras de ouro, adercos, meios
300000
Ditos de gorguro de seda
pretos e de cores, 60, 50 e 40000
adereces, pulceiras, rozetas,
aneis e cruzes.
FODICAO
DE *
*D
rs f
i
i:
DE
TODAS AS QUALIDADES
DE 5>
ANTONIO MAIA DE BRITO
CONHEC1DA POR FABRICADA VlVA.
N. 21Antiga ra dos Quarteis de policaN. 21.
Constando ao annunciante, que alguns especuladores de m f, vendo o crdito
que gosam os meus cigarros, e para poderem dar consumo aos seus andam vendendo tanto
na praca como pelo mato, illudindo os meus freguezes, dizendo que sao meus ; e como to-
dos os meus cigarros sito vendidos na minlia fabrica, e nao mando pessoa alguma vender
por minha conta fura della, faco o presente annuncio para evitar que comprem gato por
lebre ; e para seguranea dos senhores consumidores deste genero e especialmente os seus
freguezes, aviso que todos os massos de cigarros que forem vendidos na minha fabrica sSo
marcados com um distinctivo que declara o met nome, o nome da ra e o numero da
mesma casa.
Aproveito a occasiao para scientificar aos mesmos senhores, que constantemente
encontraro um completo sortimento de cigarros de diversas qualidades, e do melhor fumo
escolhido, por sua boa qualidade j bem conhecida.
POR MENOS OEZ POR CENTO
NOS
AR9IAZEXS
DE
M^lilE 8, QXD8 8R9(D8
NS. 21 E 23UftfOfM TERfO-NS. 21 E 23.

Recebem por conta propria a maior parte dos gneros existentes nos seus arma-
zens e por isso deliberu-se seu proprielario a vende-los por menos 10 /o do que em
FRANCISCO ANTONIO CORREIA CARDOSO, outra qlquer parte, garantiddo a superior qualidade.
Ra do liriini. M. 8*. 7 u,^laa'ods*

i
'^g^rS^o^SiSi bronze^ueseria enfadonho descrever.
Acha-se novamente aberlo este anligo e proveitoso eslabelecimento, promplo para
executar quaesquer encommendas de ferro fundido, balido ou de bronze, moendas para
engenbos, com vapores ou sem elles, tudo com a maior promptidSo, perfeicSo e com-
modo preco ; tem varias obras promptas da melhor e mais solida construccao que p-
dem ser vendidas por metade de seu valor, como sejam :
Moendas inteiras e meias ditas de varios tamanhos, para engenbos.
Portas d'aguas guarnecidas de bronze com para tuzo dc rosca qoadrada.
Rodas de espora, carretas e rodelas angulares.
Farafusos e cavilhes de ferro ou de bronze, rosca quaJrada ou singela.
Agulhoes fundidos de azas e batidos para rodas d'agoa e chumaceiras com bronze,
Bronzes e torneiras de todos os tamanhos e qualidades.
Taxase fundos de alambique, de ferro fundido, de varios lamanhos.
Cnvos e portas de fornalba de varios tamanhos e qualidades.
Urna machina de destillagao continna do autorCollares.
FogSes americanos econmicos para casa de pequea familia.
Fornos de fazer farinha.
Tubos de chumbo de todas as grossuras.
Cobre em arrobas e folhas. dito, dito;
Folha de Flandres era caixas, bom sortimento.
Chumbo em lenco! e em rolos de dwersas grossuras.
E urna grande porcao de pecas de obras tanto de ferro fundido como balido ou de
Manteiga ingleza especialmente escothida a 72o c 8oo rs. a libra.
dem franceza de primeira qualidade a 56o rs. a libra, e em barril a 54o rs. a libra.
Arroz pilado o melhor do mercado a loo rs. a libra e 3,ooo rs. a arroba ou sacco,
Caf do Rio e do Cear o melhor neste genero a 28o e 32o rs. a libra.
Batatas novas a 5o rs. a libra, em arroba a t,4oo rs. e em caixas de quatro arrobas por
4,5oo rs.
Bolachinhas americanas, as mais novas neste genero, a 2oors. a libra e3,ooors. abanica.
Palitos do gaz, vindos por conta particular, a 2,3oo rs. a groza.
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor, a l,8oo e 2,ooo rs.
Vinho do Porto em garrafa de superior qualidade a 9oo rs. a garrafa.
dem em pipa Figueira c Lisboa a 4oo rs. a garrafa, e a 3,ooo a caada.
Milho alpista o mais limpo que ha no mercado a 16o rs. a libra, e a arrroba a 1,000 rs.
Velas de spermacet, composicao e Aracaty, a 4oo, 36o e 64o rs. a libra.
Toucinho de Lisboa novo e grosso de primeira qualidade a 32o rs. a libra, e D.ooors. a
\ arroba.
\ Alm destes gneros ha outros muito baratissimos, assim como cbfrd arito,
azeite | doce, vinagre, cebollas, alhos, pimenta, cominhos, erva-doce, charutos de toda as
qualidades. chouricas, sabo verdadeiro de 16o a 24o rs. a libra, genebra de tois as
qualidades, que tudo se vende barato e quem duvidar venha ver.
as verdades cima ditos.
Mol hado a pre^o fabuloso e p-
tima qualidade.
Na travessa das Cruzes n. 6, taberna, vendem-se
os seguintes gneros: manteiga franceza a melhor
que h.i no mercado a 360 rs. a libra, dita ingleza
" encarrafada
de
Espera, pois, o proprielario deste estabelecimento que o publico sempre benigno
e prestar toda sua conflanca e alinelo.
Taixas de ferro.
Vendem-se taixas de ferro do mais
a720 c 610 rs.raiuardont dc eanna engarrafada fabricante e por preco mais razoavel:
ha 3 annos a 240 rs. a garrafa, que parece de
Fianca, dita de pina a200 rs. a garrafa, e caada
'a 1*120, espirito dc vinho a 280 a garrafa, e ca-
uada a 1,6600, vinho o melhor que possivel da
Figueira a 480 a garrafa, e caada a 3*500, dito
mais baixo a 400 rs. a garrafa, dito do Estreito a
320 a garrafa, vinagre branco proprio para con-
serva a 320. a garrafa, azeke doce de Lisboa a
600 rs. a garrafa, dito de carrapalo a 320 rsi
acreditado
no arma-:
zem dc assucar de Jos da Silva Lovo & C.
Vi alio puro.
No escriptorio de Euzebio Raphael Rabel lo, na
ra da Gadeia n. 55, vendenve ancorlas com es-
colente e paro vinho tinto de Lisboa, smente des-
tinado para gasto de casaa pareulan s par aer re-
mullido pelo proprio fazendeiro oulavrador.
Potassa nacional.
Tende-se superior potassa d Rio de Janeiro, da
mais nova que ha no mercado, a preco muito com-
modo; no largo do Corpo Santo, escriptorio de
Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, n. 19.
(Jal dc Lisboa
Cal virgem chegada hontem em aneorelas mui-
te bem acondicionadas e por preco eaomodo: no
antigo deposito da ra do Trapiche a. 13, aroia-
zem de Manoel Teixeira Basto.
FITlflH^lO DA AURORA.
Nesta grande e bem montada fabrica de maehinismo, a mais antiga no imperio, oot-
tinua-se a executar com a maior presteza e perfeicSo encommendas de toda a qualidade
; de machinas usadas no paiz, tendo sempre prompto o seguinte :
Grande sortimento de moendas de canna de todos os systemas e tamanhos.
Machinas de vapor de diversas qualidades. Mk^ tj
Taixas fundidas e batidas.
Coros e boceas para fornalhas.
Bronzes e aguilhoes. '
Rodas, rodetas e rodas d'agua.
Guindastes flxos e portateis. /
Machinas de cylindros para padaria. <
Sorras de neo para serrara.
Fatechas para barcos, etc., le., tno- por preco que bem convida.





at

Diarlo de PerunMieo Terca tetra tt de etemhro de tS.
D W
GRANDE AKMAZEM
EE
GRANDE ARMAZEM DE MOLHADOS
CE
N. 36, RIA DAS CRUHS N. 36
DO
balrro de Santo Antonio.
0 proprietario do muilo acreditado armazem denominado Progressista tendo
sempre em vista fazer tudo o que for possivel para bera servir aos seas freguezes, tem
deliberado vender os seos j bem conbecidos gneros de primeira qualidade pelos precos
abaixo mencionados, e affianca s pessoas que mandarem comprar por seus criados ou
escmos, serem Ho bem servidas como vindopessoalmente; encarrega-se de aviar qualquer
encommenda, ainda mesmo contendo objectos n3o proprios deste estabelecimento. O
mesmo pede aos senhores que mandarem comprar neste armazem o favor de mandarem
devolver qualquer objecto que nao agradar, devendo os mesmos senhores ter toda atten-
cao com os seos portadores, fazendo-lhes ver que s no armazem Progressista da ra das
Qruzes n. 36, que se vendem os melhores gneros por mais barato preco, porque estes
&m%mmMmmmmte.
DE
Eduardo Marques de Oliveira C.
T0?0S I COMPLETO
VAI*OItI)H S SORTIMEXTO DE M0UL4B0S.
se recebem gneros de conta
propria e dos melhores esta-
belecimentos da Europa, ga-
rante-se todo e qualquer ge-
nero comprado neste
ESTABELECIMENTO.
vende-se em porcSo e a reta-
mo, aprompta-se com toda a
presteza e exactidSo qualquer
encommenda dirigida a este
ESTABELECIMENTO.
#
Os proprietarios do muit acreditado armazem Progresso fazem sciente ao respeita-
vel publico e com espccialidade aos seus amigos e freguezes que tem resolvido resumir os
precos dos seus acreditados gneros, como abaixo verao n3o obstante os precos menciona-
muHas vezes olvidam-se e v3o outra parte onde os servan de maneira a desagradar este do % vjsta da q||SlUdade dos generos que M prova quanto se deseja servir satisfatoria-
mente aos nossos freguezes, advertindo-lhes que mandem seus portadores, que serb tao
bem servidos como se viessem pessoalmente, isto s no Progresso.
Manteiga ingleza perfeitamente flor chcgada Farinha de Maranho rauito alva o cbeiroza
estabelecimento.
de superior qualidade a cada
xinha.
Manleigai ngleza de 1.a qualidade, a 800 rs.
a libra.
dem de 2.* qualidade, a 700 rs. a libra. |M___. _-___._____., ___
Idenfrancea, chegada ltimamente, a 6oo | preparada em potes mu.to nova a
rs. a libra.
Batatas em gigo de arroba a I,5oo rs.
Macaes chegadas no vapor Inglez,
Ervilhas muito novas a 24o rs. a libra,
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor,
de 24 20500.
dem prato, chegado neste ultimo vapor, o
mais fresco que se pode desejar a 700 rs.
a libra.
dem londrino, mandados vir de encommen- jde
400 rs. cada um.
Milho-alpista a 180 rs. a libra.
Gomma para engommar muito fina e alva a
80 rs. a libra e 2,5300 a arroba.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Sabio verdadeiro hespanhol, que raras vezes
vem ao nosso mercado, a 300 rs. a libra e
em caixa ter abatimento.
da especial, a 900 rs. a libra,
dem suisso, muito fresco, a 800 rs. a libra.
Caf do Rio de 4. e 2. qualidade a 80500
e 8^800 a arroba, e 280 e 300 rs a libra.
Arroz da India e Maranho a 120 rs. a libra
e 30200 a arroba.
neste genero a 240
Avellas as mais novas
rs. a libra.
novos a 560 rs. a
Presuntos do Porto muito
libra.
Legamos francezes para sopa, como seja,
Julienne, mlange d'quipage, Choux e
outras qualidades, a 400 e 500 o masso.
Amendoas de casca mole a 320 rs. a libra, e
em porfo ter abatimento.
Garrafoes com 5 garrafas de vinho do Porto
do Alto Douro a 20400 com o garrafo ;
afianca-se que nesse genero o mdhor
quo veio ao mercado.
dem cora 5 garrafas de vinho Figueira muito
safflfcor e mais proprio para a nossa esta-
co por ser mais fresco a 20400.
Cha hysson o mais superior a 2-5600 a libra,
afianca-se ser egual ao que regularmente
vendemos a 30200.
dem huxim miudinho, o mais superior que
vem ao nosso morcado a 20700 a libra.
dem proto muito fino, a 2#000 a libra.
Chocolate para 9oo, l.ooo c I,2oo rs. a li-
massa de superior qualidade de 160,
180,200, 220 e2*0rs. a libra.
lata
Graixa em latas muito nova a 120 rs. a
e 10300 a duzia.
Peixe em latas muito novo: svel, pescada,
corvina, salmSo e outras qualidades, pre-
parado de escabexe segundo a arte de
cozinhaa 10400.
Papel grve pautado e liso a 30800 a resma.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
460 rs. cada urna. ,
Vinhos em pipa: Lisboa e Figueira das melho-
res marcas a 30200 e 40000 a cafiada do
melhor e 500 rs. a garrafa, em porcSo ter
abatimento.
Vinho velho Chamico em barril, muito proprio
para sobremesa, a 640 rs. a garrafa e
50000 a caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero a 560 rs. a garrafa e a 40000
a caada.
Vinagre puro de Lisboa a 200 rs. a garrafa
e 10400 a caada.
Azeite doce de Lisboa muito fino, em barril
a 640 rs. a garrafa, e em porcao ter
abatimento.
Champagne das mais acreditadas marcas, a
10000 a garrafa, e 100000 o gigo com
urna duzia.
a 16o rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 32o rs. a fibra e a 9,ooo
rs. anxba.
Sardinhas de Nantes a 36o rs. a lata.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa e a
4,8oo rs. a caada.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e a
I ,oo rs. a casada.
Garrafes com 5 garrafas de vinagre de Lis-
boa a l,too rs.
Champante das marcas mais acreditadas a
8 e a lo.ooo rs, gigo, e a 8oo rs. e a
lroeo rs. a garrafa.
Serveja preta marca T e XXX a 6,5oo e
7,000 rs. a duzia, e a 6oo rs. a garrafa,
tambem temos das mesmas marcas para 4,
e 4,5oo rs. a duzia, e a 4oo rs. a garrafa.
dem branca Te cobrinhaa5,5oo e 6,ooo rs,
a duzia e 5oo rs. a garrafa, tambem ha
para 4,ooo rs. a duzia.
Graxa em latas grandes a l,3oo rs. a duzia
e 12o rs. a lata.

{
-s;
S
S
R
-3
S.
3

3
B*a
-**
5". a va
b, '- 2 O
B) o
a. -i ^
5-5' 3 a 3
-5 i

O e 2?
gestes novos e grandes estabelecimentos de molhados, encontrar o respeitave
publico d'esta cidade, bem como seus numerosos freguezes do centro, expostos venda
todas^ as qualidades de generos por menos preco que em quaesquer outro estabelecimen-
tos d'esta ordem, pois para bem servir os seus freguezes existe na Europa um dos so-
cios para serem vindos de conta propria diversos generos, e desde j encontrar o res-
peitave publico sempre os melhores generos do nosso mercado, e por precos baratissr-
mos como abaixo verao, a saber :
Amendoas a 320 rs. a libra.
Avenes a 2oo rs. a libra.
Ameixas a 10 a libra.
Ditas em frasca por 20800.
Arros pilado da India loo rs. a libra e 30ooo
a arroba.
Dito dito doMaranho 120 rs. a libra e305001 Passas 4oo rs. a libra.
a arroba. Palitos para dentes a 180 rs. o masso.
Azeite doce francez 800 rs. a garrafa.
Dito de Lisboa 680 rs. a garrafa.
Massa de tomates a 640 rs. a libra.
Dita estrellinha para sopa a 560 rs. a tibia.
Massa estrellinha para sopa a5oo rs. a libra.
Macarr3o, aletria e talharim a 48o rs. a li-
bra.
Marrasquino de Zara a 800 rs. o frasco.
Phosphoros do gaz a 20500 a grosa.
Paios novos a 640 rs. a libra.
hra.
Garrafes com 5 garrafas de superior vinho
de Lisboa a 20100 cada um.
dem cora 5 garrafas ae vinagre de Lisboa
a 10100 com o garrafo.
dem com 5 garrafas de vinagre hambur-
guez a 800 rs. cada um.
Vinhos generosos vindos do Porto engarra-
fados das seguintes marcas: Genuino,
Porto fino, Nctar, Duque do Porto, Fei-
toria, Velho secco, Chamico, Madeira su-
perior e outros a 900 rs. a garrafa e 90
a duzia.
Vinho Bordeaux das melhores marcas: St
Julien, Medoc e S. Estcphc e outros a
640 rs. a garrafa e 70500 a caixa com
urna duzia.
Chouricas e paios, o mais novo que se pode
desejar, a 250 e 600 rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez dos melhores fa-
bricantes a 900 rs. a garrafa e 100500 a
caixa com urna duzia.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
800 rs. cada um.
Licores francezes. muito finos, das seguintes
marcas: Anizetta de Bordeaux, Plaiserdes
dames, Ccrme de Noyau, Eau Dantzic,
Crme de Menthe, Ilude de Venus etc. etc.
Passas muito novas e de carnada a 400 rs. a
libra e 60500 a caixa com urna arroba, ha
casias, meias e quartos.
\meixas francezas em frascos de 1 Ij2 e 3 li-
bras de 10400 a 20800, tambem ha latas
de 6 libras.
dem em caixinhas de 1 lft, 2 c 3 libras
elegantemente enfeitadas com ricas es-
tampas na caixa exterior a l,3oo, l,5oo, Toucinho
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Baha a 30500 a caixa, tambem temos
para 20000, 20500, 30000 e 30200 a
caixa.
no ultimo vapor a 8oo rs. a libra.
dem de 2.a qualidade a 76o rs. a libra.
dem de 3,a dita a 64o rs. a libra.
dem para tempero a 32o e 4oo rs, a libra.
Manteiga franceza a mais nova que ba no mer-
cado a 58o rs. a libra, e em barril ter aba-
timento.
Banha de porco refinada a 520 rs. a libra.
Vinho em pipa Porto Figueira e Lisboa a 4oo,
48o, 5oo, 56o rs. a garrafa, em caada
2,8oo 3,ooo 3,5oo e 4,ooo rs.
dem em barril o mais superior que tem vin-
ao mercado a 6oo rs. a garrafa.
Lagrimas do Douro especial vinho do Porto a
l,ooo a garrafa e a 10,000 a caixa, o preco
nao indica a qualidade d'este precioso vi-
nho, porm venhamao Progresso que a vis-
ta faz f, a este genero constantemente mon-
damos vir de conta propria e por isso po-
demos vender por menos que ouiro qual-
quer annunciante.
Vinho do Alto Douro das marcas mais acre-
ditadas e especialmente escolhido por um
de nossos socios, comosejam:Cames, Du-
que, do Porto, D.Luiz, Carcavellos, Cha-
misso A Filho, Madeira secco, e Feitoria a
9oo rs. a garrafa e 9,000 rs. a caixa com
12 garrafas.
Garrafes com especial vinho do Porto con-! Gelap Alpewhe chegada no ultimo vapor
tendo 5 garrafas a 2,5oo rs. 1 latas ^ 2 )jbras a 800 rs. pechincha.
dem com 5 garrafas de superior vinho Fi-fGenebra de Hollanda garrafes com 16 gar-
gue.raa2,4oors. rafas por 6.5oo rs.
^TlSV ^^ deVnh LSba a'Womerafrasqucirasa6,3oors.e6/5oors.ea
"' 56o rs. o Arengo atlianca-se ser verdadeira.
Vinho branco de Lisboa proprio para missa .__, K^- n 1 j
*ar *? -1 *sz a.7,Kias.ram qmtto d-
dem em barril
Vassouras do Porto arqueadas de ferro obra
de milita durarn a 4oo rs. cada urna.
Palitos de dentes massos grandes a 2oo rs.
e 28o rs.
Paltos do gaz a 26 rs. a caixinha e 2,3oo rs.
a.
Agurdente de canna de cabeca a 240 e 320 Queijos do reino do ultimo vapor a 20
rs. a garrafa.
Azeitonas a 320 rs. a garrafa e l,3oo a an-
coreta.
Batatas inglezas a 60 rs. a libra e l,8oo a
arroba.
Banha de porco a 55o rs. a libra.
Bolachinha de soda a 10400 a lata. ^
Bolachinha ingleza a 200 rs. a libra, e a bar-
rica a 30000.
Cha hysson a 20200 a libra.
Dito dito fino a 20600 a libra.
Dito miudinho a 20800 a libra.
Dito do Bio a L08OO a libra.
Dito preto a 10900 a libra.
Charutos de diversas qualidades a 10200,
10500 e 30 a caixa.
Champagne a 10 e 10500 a garrafa.
Chouricas a 560 e 600 rs. a libra.
Conservas mglezas a 800 rs. o frasco.
Caf em gr3o a 300 e 320 rs. a libra, e 90 e
90200 a arroba.
Dito muido a 360 rs. a libra.
Doce de guiaba a 560 rs. o caixo.
Espirito de vinho de 38 graos, a 280 rs. a
garrafa.
Farinha do MaranhSo a 160 rs. a libra.
Dita flor de laranja a 10 o frasco.
Feijo branco muito novo a 440 rs. a cuia.
Figos a 32o rs. a libra.
Genebra de Hollanda em botijas a 5oo rs.
Dita Hamburgueza a 44o rs. a botija.
Gomma d'ararula a 100 rs. a libra, e 20600
a arroba.
Graixa em latas a 120, c 10300 a duzia.
Genebra em garrafes de 14 garrafas* por
40600.
Licor fino a 800 rs. a garrafa.
Dito em garrafas grandes de superior quali-
dade a 10500.
Manteiga ingleza flor a 800, 900 c 10 a libra.
Manteiga franceza" a 600 e 60 rs. a libra.
Dita hollandeza a 72o 800 rs. a libra.
Mostarda a 640 rs. o frasco.
20500.
Dito de prato 720 rs. a libra.
Cenejas de marcas superiores a 500, SCO.
600 e 640 rs. a garrafa, e 50500, 60 a
60500 a duzia.
Dita em barril por 40, e 240 rs. a garrafa.
Cevada a 240 rs. a libra.
Sardinha de Nantes a 360 e 400 rs. a !ati-
nha.
Sag a 240 rs. a libra.
Sabo massa a 200, 240 e 280 rs. a libra.
Sevadinha a 280 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 160 rs.
Vellas de spermacete do gaz a l,2oo rs. a
libra.
Ditas do gaz muito boas.
Ditas dito cm caixas de 6 libras por 40000.
Ditas de carnauba a 400 rs. a libra.
Ditas de composico a 360 e 380 rs. a libra.
Vinho do Porto, caada a 50500, garrafa a
720 rs.
Dito Lisboa, caada a 40 e a garrafa a 506
rs.
Dito Figueira, caada a 30840 e a garrafa
480 rs.
Dito dita superior, caada a 40 e a garris
a 500 rs.
Dito Estreito, caada a 30200 e a garrafa a
400 rs.
Dito Bordeaux a 720 e 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa em garrafes de 5 garra-
fas por 10400.
Dito em caada a 20, e a 260 rs. a garrafa.
Vinho do Porto em garrafes de 5 garrafas
por 25500.
Dito dito engarrafado a 10 c 10200.
Dito lagrimas do Douro a 10400 a garrafa.
Vinho branco de Lisboa a 720 rs. a garrafa.
c 50 a caada.
Dito do estreito a 600 rs. a garrafa, e a 40500
a caada.
Vellas de spermacete superiores a 600, 640,
e 680 rs. o masso.
dem de carnauba e composico a 320, 360,
e 400 rs. a libra e de 100 a 110500 a
arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa, a 10000
a ancoreta do Porto e 10500 a de Lisboa.
Massas para sopa: estrellinha, rodlnha e pe-
viilr a 500 rs. a libra e 40500 caixa com
8 libras liquido.
Massas para sopa muito novas: talharim, ma-
carro e aletria a 400 e 480 rs. a libra.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso das melhores qualidades a 900 rs.
a libra.
Doce da casca da goiaba a 800 rs. o caixo.
Cerraja das melhores marcas de 50500 a
60000 a duzia e 540 rs. a garrafa
Biscoutos inglezes de diversas qualidades a
10300 a lata.
Bolachinha de soda, especial encommenda,
muito nova em latas grandes a 20000 cada
urna.
Massa de tomates em latas de 600 a 700 rs.
cada urna.
Sardinhas de Nantes, do fabricante Basset, a
360 rs. a lata.
de Lisboa novo a 320 rs. a libra.
muito superior a 5oo rs. a
garrafa e a 4,000 e 3,8oo a caada.
Ameixas francezas em caixinhas de 1 '/*, 2
e 3 libras elegantemente enfeitadas com ri-
cas estampas na caixa exterior a l,3oo
l,6oo 2,ooo e 2,5oors.
dem em latas de, 1 i% c 3 libras a l,4oo e
2,6oo rs, cada urna.
Figos de comadre em bauzinhos de folha
muito proprios para mimo a l,6oo.
dem cm caixinhas a l,4oo rs.
dem em caixinhas ermeticamente lacradas
e muito bem enfeitadas a 1,8oo rs.
dem a 2oo rs. a libra.
dem de laranja em frascos grandes verda-
deira italiana a 1,000 rs. o frasco.
Marrasquino de zara a 72o rs.
Licor francez de todas as qualidades em
garrafas de vidro brancos a 72o e 800 rs.
Vinho Bordeaux das melhores qualidades
que tem vindo ao mercado a 72o e 800
rs., e em caixa a 7,5oo, 8, e 8,2oo rs.
Azeite doce refinado do fabricante Pelanol e
outros a 800 rs. a garrafa.
Conservas inglezas sortidas e de urna s qua- },}ohi}ws pa,a moer mandioca-
uAmA o oiU m ~ i. Arados americanos,
Previne-se ao respeitave publico que todos os generos cima sao de boa quali-
dade, e para desengao venham ver; assim como outros que deixam de ser annunciados.
FU\IAO 1IO BOWMAX-RUA DO
RRUU1 M 38. ^^
Este muito acreditado estabelecimento est prvido de um completo sortiraento de
machinismos proprios do fabrico de assucar, a saber:
Machinas de vapores as mais modernas e mais acreditadas.
Bodas d'agua de ferro com seus pertences.
Moendas e meias raoendas de todos os tamanhos.
Bodas dentadas, angulares e de espora.
Taixas de ferro batido e coado.
Boceas de fornalha pelo novo systema Wetson.
Alambiques de ferro fundido.
Fornos para cozer farinha.
lidade a 800 rs. o frasco.
Araruta verdadeira a 32o rs. a libra.
alva a 80 rs.
Gomma de engommar muito
, a libra e 2,2oo rs. a arroba.
Passas de carnadas as mais novas que ha no
mercado a 4oo rs. a libra e a 6,000 rs. a gag muito novo a 24o rs. a libra.
caixa.
! Sevadinha de Franca a 16o rs. a libra.
Salmo em latas ermeticamente lacradas a i_.
800 rs Sevada muito nova a 12o rs. a libra e 3,2oo
1,80o e 2,4oo. I Tijolo de limpar facas a 180 rs. cada um.
Marmelada imperial, dos melhores conser- Cebollas o mlho a 900 rs.
veiros de Lisboa, a 600rs. a libra, em la- to m ,:_
tas Iteradas hermticamente. t brva-doce muito nova a *uu rs. a irara.
Fruetas em caldas de todas as qualidades em; Comi**08 idem idem a 64 rs- a ,ibra-
latas muito bem enfeitadas, a 500 rs ca-. Garrafes vasios a 500 rs. cada um.
i\z Mota
Ditos com 5 garrafas de genebra a 20400,
BAachiaba ingleza, a mais nova que se pode garante-se ser verdadeira de Hollanda.
30000 a barnc a e 240 rs. a I
desejar, a
libra.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
a 160 rs. a libra.
Azeite francez clarificado a 800 rs. a garrafa
, e 9O0O a caixa com urna duzia.
Cebollas a granel a 640 rs. o cento.
Canella a mais nova do nosso mercado a
10000 a libra.
Alfazema o que pode haver de melhor neste
artigo a 280 rs. a libra.
Conservas inglezas dos melhores fabricantes phosphoros de seguranca individual a 20 rs.
Mlxed Pickles, ceblas simples, e outros
a 760 rs. o frasco.
Farinha verdadeira de araruta a 500 rs. a
Hbra, garante-se a superior qualidade.
Palitos para dentes em caixmbas dotrrwks
Breo, a 320 a libra e 80 a arroba.
a caixinha.
Papel de embrumo muito superior-a 10120
a resma.
Vinho da Figueira, o que ha de melhor a
40000 a caada.
Coposfinos para agua a 60000 a duzia.
Lagostim era latas grandes a l,4oo.
Savel, corvina, cheme, vezugo, peixe espada,
preparados pela primeira arte de cozinha a
a l,3oo rs.
Queijos flamengos chegados no ultimo va-
por a 2,4oo rs.
dem do vapor passado a 2,2oo 2,ooo e
1,80o, rs.
dem prato do ultimo vapor a 64o rs. alibra.
Doce da casca da goiaba caixes grandes a
600 e9oo rs.
Chouricas as mais novas que ha no mercado
a 48o rs. a libra.
Chouricas raouras encommenda especial nos-
sa a 5oo rs. a libra.
Prezunto verdadeiro de lamego era calda
de azeite 5oo rs. a libra
Bolaxinha ingleza a mais novas que ha no
mercado a 2,ooo rs. a barriquinha com
1 arroba, e a 24o rs. a libra.
dem de soda de diversas qualidades a 1,400
res.
dem em latas grandes, proprias para lunche,
com 5 a 6 libras por 2,4oo rs.
Marmelada imperial do fabricante Abreu e
outros con8crveiro8 de Lisboa a 600 rs. a
libra.
Sevada muito nova a 12o rs.
ss. a arroba.
Macarro a 32o rs. a libra.
Frutas em
5oo rs.
calda de todas as qualidades a
Ervilhas francezas a 5oo rs. a lata,
dem portuguezas a 64o rs. a lata.
Massa de tomate a 64o rs. a libra.
Amendoas confeitadas a 7oo rs. a libra,
dem de casca mole a 28o rs. a libra,
Avelans a 2oo rs. a libra.
Idem e talharim o mais novo que ha no mer-
cado a 48ors. alibra.
Aletria a 5oo rs. a libra.
Arroz carolino a loo rs. a libra e a 2,8oo rs.
a arroba.
dem do Maranho a 12o rs. alibra,ea
3,ooo a arroba.
Caf do Rio o mais superior que se pode de-
sejar a 32o rs. a libra.
dem a 28o e 3oors. a libra e a 8,2oo, 8,4oo
e 8,7oo rs.
Velas de carnauba refinada a 32o rs. a libra,
e a lo,ooo rs. a arroba.
dem de spermacete a 64o rs, a libra.
.Chocolateihespanhol e francez a9oo e l.ooo
rs. a linl.
Estrellinha e pevide muito nova a 4oo rs. a
libra, e a 2,ooo rs. a caixinha com oito
libras.
Cha perola muito especial chegado neste ul-
timo vapor de encommenda particular
nossa a 2,8oo rs. a bra.
dem huxim muito superior a 2,7oo rs. a
libra.
dem hysson a 2,56o rs. a libra.
dem hysson a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
dem preto homeopathico e muito superior a
2,000 rs. a libra.
dem nacional a 1,60o rs. a libra.
Batatas muito novas a 80 rs. alibra.
Charutos dos melhores fabricantes da Baha
e de todas as marcas, como sejam: sus-
piros, havaneiros, messecipes
perial, flor das mattas, primores a 4,ooo,
3,5oo, 3,2oo, 3,ooo, e 2,8oo, 2,5oo,
2;oooe l,6oo rs. a caixa.
etc. etc.
\M)A,),,OLEO.)i,ri(iAli()iV1.l]AC\I.lI\0
XAROPE DE RBANO IODADO
Segundo os altestados des mdicos dos hospitaes de Pariz, i-i-nnignados no ProMjeclo, e a apP1-"^1'"
de ranos Acadmicos, este Xarope empreea-se com omaior succcso, cm lugard" OLEO HE EIGADO DE
BACALHA0, ao qual rile realmente superior. Cura as molestias de peito, as t>,u,ulas, 0 I jmphatiauo, 1
pallidez e molleza das carnes, as perdas d' appetite, e regenera a constituiQao purificando o sangue. Em
summa o mala poderoso depurativo conhecido. Elle nunca canea o estmago ou os intestinos como o
ioduro de potassium e o ioduro de ferro; e admmlstra-se com a malor efflcacidade aos meninos sujclto;
aos humores ou ao entupimentodas glndulas. O Doutor Cazenave, do hospital de San'Luis de l'ari.",
o recommenda d'um modo Inteiramente particular as molestias da pelle, conjunctamente com as pilulas
que teem seu nome. ,
Depsito geral: em Pan's, en casa de MM. Grimaolt e O, pharmaceuticos, 7, ra de la reuiilade
em Lboa, en casa de Rodrigo 4a CMta-Carralho ; no Porto, en casa de Mlael Joc de Souza-
rerrelra; em o Rio-de-Janeiro, Tiara PtU.lo e Dintz, ra do SabSo, 11; em Baha, en casa de
Jas-Caetano F*rrlra-Eliih*lr; em Rio-Grande, en casa de Joaqun de Godoy; em aran-
fcdo, en casa de Ferrelra e O; em Pernambuco, saoum c o, ra da Crn, 2; Sansa, e as prlncipaes
pharmacias do Braiil.________________________^__^_^^__
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22 em casa de Caros & Barboza.
AGENCIA
DA
FUNDICO DE LOW-MOOB.
Roa da Senulla nova n. 42.
Neste estabelecimento contina a hayer
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston 4 C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
Capas e chapeos para sciilioras.
Ra do Queimado n. 11.
Chegaram toja de Augusto Porto ricas cama
pretaspara senhora, chapeos perfeitamente enlu-
tados, santimbarmies pretos de seda, manteletes
pretos de seda, laazinhas, e outras militas faz> n-
dao, tudo por commodos precos
Aueot-ao
Farinha de mandioca.
Vendc-se farinha de mandioca a melhor que exis-
to.no mercado por ser de Santa Camarina, a bor-
do" do patacho FYis'a, entrado neste porto no dia
11 do corrente, por menos do qnc em outro qual-
quer barco : a tratar a bordo ou na ra do Amo-
rim n. 43.
Cal de Lisboa e poiassa da
Rnssia.
Vendc-se na ra daCadeia do Recito n. S6, para
onde se mudou o antigo e acreditado deposito da
mesma ra n. 12, ambos os gneros sao novos e
legitimo?, e se vendem a preco mais barato do qiw
outra qualquer parte.
Cal de
a mais nova do mercado
19, primeiro andar.
Cal de Lisboa
nova: na ra do Vigario n. 19, primeiro andar.
ESCRAVOS TUGIDOS.
Lisboa
na ra do Vigario b.
Cola da Baha
Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vdo, no seu escriptorio, ra da Cruz n. 1
No dia 3 do corrente fugio a escrava de nome
Amia, bastante baixa, magra, nariz chato, bocea
Venpe-se ou aluga-se grande e com urna grande cicatriz as costas, re-
Vende-seumsttio na Capunga, com urna boa presenta trlnta e tantos annos, descona-se andar
retalia im- casa, para familia, com viveiro e tanque para ba- em Santo Amaro de Jaboatao, por ter pertencido a
nho e rio, com tnuitas trueteiras com fructo : fabrica do engenho Contra Acude e ter sido com-
qaem pretender, dffija-se ao Manguinho, casa que prada no dia 28 de agosto do correute: roga-se a
faz esquina para a ra da junizade : a tratar com aueui a pegar leva-la ra da matriz da Boa-\ is-
a viuva do Sr. Joa# Evangelista da Costa e SUra. ta sobrad n. 33, que ser recompensado.


I
-

iCi din


Diario de Pernaaibuco Terea lelra M de etembrA de ISOI
LITTERATURA
O que vae pelo mundo.
is a nota dirigida pelo principe ie Gortschkoff
ao embaucador uto em Para:
' Ilccebi agora a sua participado de 13 (23)
Je iullio. c enviei-a inmediatamente para a Fin-
landia, alimdeque fosse levada ao conliecimcnlo
do S. i. o Imperador. Nao posso, pois, partici-
par V. Exc a impresso que produziria cm nos-
so angosto soberano.
Cumpre-ine, todava, comniunicar-lhe, por
este correio, as observares que me foram sug-'
gura, por ura lado, que o tnovimento no reino, e Fot por isso que manifestamos o facto, emnos- ma de chegar a um acedrdo conforme com o inte-
deve ser gerai para poder resistir a todas as for- so entender evidfMA que a convleco de nraa res geral e com as relacoes qne de ha rauito nos
cas" do governo russo; e, por outro lado, que no
exterior nao ha smenle as intrigas dealguns emi-
grados, senao tambem as sympathias altamente
expressadas pela opinio publica, pelas reunioes
populares e por quasi todos os governos.
O mo vi ment polaco apresenta, em nosso en-
tender, duas faces distinctas. No interior, nao ne-
gamos que ha germens de descontentameuto inhe-
rente natureza das cousas m um paiz que se re-
corda de ter sido independente. Ser sempre f-
cil incitar os nimos evocando a lembranca des-
r^. sas tradicjtes. A Russta s possue aquellas pro-
vincias ha um seculo apenas. Durante este pe-
geridas por uma rpida leitura. Estas observacSes',. 9t "Ll .
". ... nodo, os successos, no exteribr, constantemente
nao se referem ao fundo da nuestao, visto que _....,.. ., .. -
.,. .' perturbarara oIrabalho de ass milacao necessana
anda ignoramos as concusocs orticas as quaes; .. .. : ,, -
., f v\ : para apagar as divergencias histricas sb a ac
chegara o governo francez depois de consultarcom c3o de uma forftJ un(,*de
os gabinetes de Londres e de Vienna.
intervengo estranglra ert principal causa da "Ugam ao governo de 8. M. o imperador dos Fran-
persistencia e progresso da revolta no reino; e ceses.
que nao suppozemos um s instante, que est facto Estimaremos que S. M. esteja as mesmas dis-
entrasse nos intuitos do governo francez, que o in- posiedes para comnosco, e V. Exc. nao deve oc-
dicmos a sua attencao como o principal obstculo' cuitar ao Sr. Drouyn de Lhuys quao difficil nos se-
que se oppunha realisacao do voto que nos testi- r a nossa missao, se em Franca desconhecerem as
munha a favor da prompta pacificaco do reino. \ necessidades que nos impoc os sentimentos naeio-
t III.Nao podemos deixar de manter as obser" naes, os quaes nao sao s o resultado dos attracti-
vaces comidas na resposta que demos relativa- vos ou sympathias populares, mas ligam-se tam-
raente suspensao das hostilidades : existe uma hem s tradicoes mais queridas c aos interesses
revolta ; nao ha belligerantes, mas sim, de ura la- mais vitaes do paiz que a connanea do povo russo
do rebeldes armados, e do outro o governo legal' collocou ao abrigo do patriotismo do seu augusto
Domorar-me-hei nicamente sobre a aprecia
ao que o Sr. Drouyn de Lhuys fez, na conver-
sacio com V. Exc, terca dos diversos pontos da
nossa resposta.
LO Sr. ministro dos negocios estrangeiros
de Franca reconhee que, era principio, nao rejei-
tamos os seis artigos: mas o seu parecer difiere
quanto condicio previa que establecernos para
a ;ua applicacao, Julga que a sua execucao in-
mediata apressaria a tranquilldade do reino, em
quanto, no estado de agitaco que ali actualmen-
te dominare impossivel prever o momento em
que pojsam conceder-se taes reformas. D'ahi
parece colligir o Sr. Drouyn de Lhuys que, defi-
nitivamente, a nossa resposta implica o intuito de
nao aceitar os seus pontos sob a apparencia de
uma adhesao em principio.
< Parece-nos, Sr. barao, que, a esse respeito,
os factos fallam mais alto. Foi ja ontorgada por
. M. o imperador a maior parte das providencias
implicadas, nos seis pontos; c longe de pacifica-
ren! o reino, servir m de base para a insurreicao
armada. Os agitadores serviram-se dessas refor-
jas e da autonoma administrativa, que crcaram,
para revolucionarem o paiz. Era claro o seu fim.
Coneebondo a esperanza da inteira independencia
com o auxilio da intervencao estrangeira, nao po-
diam declarar-se contentes com as instituicoes li-
beraos, representativas e progressivas de que o
governo mentara os fundamentos.
Deviam, pelo conirario, considerar o bom xi-
to dessas relrmas. que chamavam o reino da Po-
lonia.a um caminho de progresso regular, como a
ruina de suas aspiracoes ; por isso fizeram das
reformas a base de urna revolta. Os seus senti-
mentos nao se alteraran! desde que as nacoeses-
trangeiras assentaram os referidos pontos. Dccla-
imam bem alto que se nao satisfariam nem des-
cansariam as armas era quanto nao obtivessem o
desidertum a que aspirara, isto a reconstituico
da Polonia nos limites de 1772.
Se o gabinete imperial nao rejeitasse, a m
f. e os rodeios, teria porventura sido artificioso
da sua parte acceitar catliegoricaraente os seis ar-
tigos, alim de fazer recair nos insurgentes a res-
ponsabilidade do seu despreso aos olhos das na-
ces que os apoiam. Nao quizemos, porm, ver
em negocio tao serio a opportunidade para um
manejo politico. Convidado os governos para le.
almcnte communicarmos as nossas ideas, julga-
nio-los animados de egual sentiniento de ehegar-
mos & nm aecrdo a respeito de uma questao que
interessava humanidade e tranquilidade geral.
c Foi, pois, com inteira franqueza que Ihe
aponamos uma verdade, em nosso entender ;
Uto e, que os seis artigos propostos, os quaes em
principio nao se affastam dos intuitos de S. M. o
imperador, s podiam receber applicacao pratica
depois do restabeleeimento da ordem material no
reino.
c Nao haver de certo um s estado na Europa,
que, em taes condicSes e em tao curto lanco de
lempo, conseguisse fundar a unidade poltica. Nao
examinaremos agora as diversas experiencias que
se fizeram. Participaram necessariamente das
agitaces de uma poca mu abalada.
t Para ficarmos em terreno pratico, assegura-
remos nicamente que S. M. o imperador tcntou
apagar os dolorosos vestigios do passado conec-
dendo reformas liberaes, que deviam conciliar as
lices da experiencia com as exigencias da poca.
A iniciativa d'essas reformas pertence a S. Mages-
tade.
As providencias que foram tomadas, e as que
a providencia de S. M. preparara, affastam-se pou-
co a pouro das bases recommendadas pelas tres
naeoes para assegurarcm a pacificaco do reino.
Porque que taes esforcos ficaram infructferos e
s acceleraram a sublevacao do paiz ?
Comeca aqui a inffuenca do estrangeiro. Pri-
meiramente, a da emigracao que, ha trinta annos
conspira abertamente e contra a tranquilidade do
reino, ao abrigo da proteceao que tem encontrado
em alguns estados ; segundamente, as influencias
polticas em que sempre se fundaram as esperan-
cas da revolucao na Polonia.
Embora fossem activas e perseverantes as in-
trigas da emigracao, teriam, comtudo, pouco effei-
to sobre a situacao interna do reino, se nao procu-
rassem as influencias polticas os meios de aego-
'Ilimitados.
As naeoes carecem de ordem material. A
massa das populacoes geralmente ligada a esta
condicao indispensavel de qualquer propriedade.
O governo imperial podia e ainda pode contar com
este elemento essencial, que existia na Polonia
como cm outra parte.
c 11.Julga o Sr. Drouyn de Lhuys que acen-
samos o governo franca em u uossa asseroSo de
que a conspiradlo permanente oiganisada no ev-
terior a causa principal da actual revolta.
i Nao podia entrar em nosso pensamento seme-
jante intencao. Estamos convencidos de que o
governo francez ve" com desagrado, taes manejos,
e nao desconhecc o seu carcter revolucionario-
Mas tanteo certo que essas intrigas existem,
apestr d'elle ; que em Pars tem o principal cen-
tro-, que alimentara a agitacio moral do reino e
Ihe lornecem recursos materiaes. Taes factos
sao de uma evidencia tao plpavel, que desne-
cessario dissimula-los.
i Deviamos conlinna-los afuii de chamar a at-
temjao do governo francez c dos gabinetes asso-
ciados sua attitude diplomtica para este lado
essencial da questao. Era um appello amgavcl
que dirigamos ao sen concurso, attendendo a um
interesse que se nos figurou commum por dupli-
cado motivo : em primeiro lugar, porque a promp-
ta pacifteaeo do reino da Polonia, objecto de um
desejo geral, dependa directamente da perma-
nencia d'essas causas, e cm segundo lugar, porque
a tendencia revolucionara cosmopolita, que des-
nvolvia cada vez mais a agitaco polaca pela
paiticipa^o dos elementos anarrhicos de todos os
paizes, Ihe dava aos nossos olhos o carcter de
um perigo europeu.
O Sr. ministro dos negocios estrangeiros re-
futou a nossa apreriacao do movimento na Polo-
nia. Nao v ali a obra da minora turbulenta e
das intrigas da emigracao no estrangeiro ; asse-
A medida que fosse applicando, aperfecoando
o completando as instituicoes preparadas pela ini-
ciativa de S. M. o imperador.desenvolvendo os inte-
resses materiaes e de educacao moral do paiz, de-
via esperar ver serenadas as* paixoes, dissipadas as
recordaces irritantes e o reino habituado-a cami-
nhar paralelamente com a Russia na estrada do
progresso que, de certo, seria mais favoravel aoseu
bem estar do que os odios naconaes e os conBc-
tos sanguinolentos a que foram arrastados os dous
paizes.
Era este precisamente o resultado que mais
defla receiar a emigracao, que perdiria assi a
sua significago poltica e as suas esperanzas. Foi
por isso que se esforcou para turbar a todo custo
o trabalho da pacificaco, c que ali fez resplandecer
aos olhos dos Polacos a esperanca da restauracao
de sua independencia com o auxilio da interven-
cao estrangeira. Eisa verdadeira causa que pro-
nioveu e alimentou o movimento.
Sem esta esperanza poderla a emigracao pro-
vocar alguns disturbios, mas nao conseguira uma
revolucao; os habitantes pacficos repelliriam es-
sas tentativas ; as massas ser-lhes-hiam hostis ca-
mo sao contra tudo que as perturba na sua vida
laboriosa ; e era este, com effeito, o quadro que
apresentara at hoje a situacao do reino. Se algu.
ma cousa dissimulou o carcter da revolta aos
olhos das classes que, por naturesa e interesses,
devem conservar-se estrauhas a ella, e contribuiu
para attrahir a sua adhesao moral, foi nicamente
o atlraclivo das sympathias, das excitacocs de toda
a especie provocadas no exterior^ e, por fin, da in-
tervencao a favor da independencia da Polonia.
Os promotores da revolta comprehenderam-no
perfeitamentc. Nao oi para defenderem as insti-
tuicoes mais ou menos representativas e liberaos
que pegarem em armas c revolucionaram o paiz ;
clara e abertamente declararam que o seu fim exclu-
sivo era a reconstitnielo da Polonia com os limites
de 1772 ; e constantemente teem apresentados aos
seus compatriotas a intervencao estrangeira como
o remate da empreza a que as potencias foram con-
vidadas a associarcm-se.
t E por isso que as desordens degeneraram em
insurreicao, e que de um tumulto nasceu a revol-
ta, sob a duplicada influenciadas instituicoeslivres
outorgadas por S. M. o imperador, e as incitacoes
do estrangeiro.
O Sr. Drouyn de Lhuys reconhecer que a lin.
guagem da imprensa occidental est longe de de-
sanimar os revoltosos, e que a accao diplomtica
dos gabinetes tem dado lugar a erradas interpre-
tae,oes.
Em questoes tao graves e delicadas, os verda-
deros intuitos do governo nao sao comprehendidos
pelos povos ; sao sompre desfigurados pelos orgaos
da imprensa ; a opiniao publica anda por isso en-
gaada, e os gabinetes expoem-se a inconvenien-
tes serios tomando-a por guia. absolutamente
necessario que nao s attendam aos intuitos, mas
tambem interpretacao que estes pdem ter, e a
influencia que exerce a interpretacao.
autoridades o exercito regulares.
Nestas condicoes nao ha outra transaccao pos-
sivel que nao seja o restabelecimeto da ordem e
submissao dos rebeldes. preciso que estes depo"
nham as armas ou que o governo abdique a anto-
ridade. Nao comprehendemos de uma outra fr"
na a questao de dignidade e ordem publicas.
Quanto applicacao material, nao sabemos como
possa negociar-se um armisticio, nem quaes os
meios que garantam a sua execucao.
IV.Emquanto nossa proposta de uma con-
ferencia preliminar das tres potencias limitrophes,
fo-nos saggerida, como V. Exc. observou ao Sr
soberano.
Acceite, etc., etc.
Gortsdutkolf.
Viagem ao redor do Japo.
ii
Nagasacki, os batiros francos e a cidade
japoneza.
(Continuacao.)
Ha no Japo, como disse, dtias religoes esta-
blecidas e reconheeidas, o buddhismo e o sin-
tismo. Encontram-se, as classes elevadas da
sociedade, um grande numero de discpulos de
Confucius, os siodosins, como se appellidam, nen-
raimstro dos negocios estrangeiros da Franca nelo .j __ j .* ,
-n.; nej.-t.j .i .o.Lw ^ sadores livres, que desprezam toda a espec c de
principio consignado nos tratados de 1815. aue ser- j ,-.
. j ku> i .,.; ai-in^.ti.. a J yuoscU exercicios devotos propriamente ditos, c que sup-
ve de base a accao diplomtica dosgabmetes. E ^m quc a vcrdajlera religiao consiste no pe-
a proposta conforme com a natureza das cousase accordo das a ^ com os ^ J
aos precedentes diplomticos. i.... A ,. ^ ,. .. ...
r bfa razao. O sinlumo a rehgiao primitiva do
Foi por isso que nao tratamos de pedir o con- Japao. (9) Os templos que Ihe sao dedicados re-
sentiracnto preliminar das duas cortes compartid- ceberam o nome de m O que mais os distin-
pantes,nem nos explicamos com ellas. Tenbamosqne gue dos leras templos buddhistas, nao se verem
responder aos principios reciprocamente estabeleci- nelles dolos. Ordinariamente sao pequeos e cer-
dos entro os governos de Francajnglaterra c Austria, cdosde jardins ou cemiteros ; emprega-se no
Em troca de propostas que nos pareceram levanta- seu servicoum exercito de monges que teem, ao
ram objecces serias, suggerimos-lhes uma combi- que parece, o direito de casar-se, e que segura-
na?ao que julgmos no espirito elettra dos tratados, mente nao fizeram voto de castidade. Quanto ao
e que pode conduzir a ama solucao pacifica confor- boddhismo, elle divide-se em difierentes seitas,
me os votos communs. j das quaes as quatro principaes esto reconheci-
t A opinio que o Sr. Drouyn de Lhuys exprs^ dasj mas ha outras muitas : apontaram-me doze,
son a este respeito, confirma que a questao, de que'e "^ oasarei afirmar que estoja completa a lista,
se trata, nos conduzir a difficuldades, por mal fun- POTfpie reina a este respeito entre as pesseas que
duda, e que desde todo o> principio arrisca adigni- deviam melhor saber uma ignorancia vergo-
dade dos gabinetes.
O governo francez, aseim como o de Inglater-
ra e da Austria, exprimia-nos o desejo da prompta
pacificaco do reino da Polonia. Participamos del-
iciosa.
No clero buddhista, alguns sacerdotes casam-se,
outro ficam celibatarios. Se mis alimentam-se
exclusivamente de legumes e ovos, outros nao R*em
I horror ao peixe; em summa, parece que todos,
le no mesme grau. Tanto, assim, que convidamos Com muito raras excepces, sao t3o preguicesos
o governo francez para urna discusso amigavel quanto-estupidos, e, pesto que pertencam uma
sobre a base dos tratados. Recommendou-noseile,
como meio de alcancar c- fim proposto, diversas
combi nacoes. Respondemos que os seis anigos que
serviam de base estavam nos intuitos no nosw au-
gusto mona p cha.
c A idea de uma conferencia que tinha em nosso
entender, o inconveniente i estabelecer a inge-
rencia directa das potencias estrangeira?, enfraque-
casta que, na graduaco social, esti logo atraz da
nobreza, ainda assim nao gozam de-nenhuma eco-
sideradio.
More por muito tempo perto de- um convento
japoner, e aproveitando*me da experiencia do men
hosped, o abbade Mermet, pude perfeitamente co-
nhecer a vida intil e ociosa dos monges. Elles
levam a vida toda em repetir formulas de orac,oe
(um rosario serve-lhes para calcular o
para calcular o numero
dellas), em tocar sinos, em rufar tambor, em presi-
dir s ceremonias funebpes. em nedir esmolas e
cendo o nosso prestigio, e dando forca as preten- sobre tudo em comer mail0' ^ff^^S^Ji
coes exageradas da insurreicao, substituimo-lh pe- oflicios, que teem lugar da madrugada, de dia e ao
la da conferencia preliminar das tres potencias di- anoutecer, duram muito tempo.
rectamente interessadas, a qual tinha a vantagem' Al. &- um cantoehao que, pelos versos e-
. msica nao deixa de ter abruma senxflhanca conv
de manter a acCao independente das qnestoes- de 0s das nossas egrejas. Multas vezes quando eu
administracao interior, conduzindo ao mesmo fim, despertava ao amanhecer, vendo o grande templo
conforme com o espirite e lettra dos tratados. Es-' lluminae-se de claroes raysteriosos, ouvindo a psal-
ta proposta foi-nos inspirada pelo desejo deoonci- modia rH'notona, dos monges ja|>onezos que a brisa
J3n ^ J i da manhaa trazia ate man, poda julgar-me trans-
1 "'. portado a milhares de leguas em pleno paiz catho-
t Nao podemos deixar de lamentar o juizo que lico, porta de um mosteiro de cartuxos.
sobre o assumpto fez o Si. ministro dos gocios' Da. mesma sorte, noote, quando os- bellos sinos
estrangeiros da Franca I(los temP'0S do Nagasacki annunciavam. o fim do
Tambem nos sornrebMidPii mnim -viinnr dia e convidavam os homens ao repouso, os fiis a
ianiocm uos sorprenendeu muito a impres-1 ora50) aeUdia-nie ainda uma nova lembranca da
sao que produzram no Sr. Drouyn de Lhuys as patria nessas chamadas sonoras que me recorda-
palavras em que ia concebida a nossa resposta. VMn a Ave Mara.
A questao I mulo seria para comportar uma in- ,,areco If os sacerdetesjaponezes, monges oo
iJL ~-.~ J -, pviwi um* iu i^n^,^ os bo.sans ass,m chamados, silo os nicos
tencao irnica, e muito menos provocadora. Mas individuos desta sacie que oceupam-se com algu-
andan'isto se revela a influencia das falsas, ba-maperseveranca no culto religioso.
ses de toda esta negociacao e das ouestSes de dic-' G povo'tant01uant0 Pude jnlgar por mim raes-
nulaito niin iliiwnii7t ilir:" .;... m0 c segundo as informacesdos habitantes estran-
n.dade (iued.sgraf admente exc.tou, pela i olki- geiros> 0 ^^ faz da S& um 0 do im
dade que Ihe tom sido dada e pela inlervcnc^*. das tancia secundaria elle trata os seus densos, em
paixoes pela impronsa e da opiniao publica. l>ua maior parte antigos hroes canonisados, como
Mu judiciosamente procedeu, Sr. barao, re- Vala M ^.superiores, isto ,com as apparoncias
velando o sentimento de dignidade ferida que po- fc^diU^SrSrrtnXa^
de manifestar-so na expresso do nosso pnsa- alguma familiarrdade,ecomam acatamente sojei-
mento.
Em presenea dos ultrajes que nos foram pro-
digalisads, nao podamos deixar de nos mostrar
FOLHETIM.
CALLIRHOE
POR
MAURICIO SAXD.
Iiiarla parte.
(Continuaro do n. 211.)
27 desetembro.
Kadour me avisou de que meu tio tinha sahido
no sea carro s seis horas da manhaa ; que leva-
ra o ehapo preto como quando a fazer visitas, e
2ue Dohn o acompanhra : a ninguem, porm,
isse aonde ia.
A' Lignieres talvez, pensei comigo mesmo.
O Sr. Lormond ja Ihe deve ter dado parte do testa-
mento.
Encontrei no salao a Sra. d'Astafort. Ia dirigir-
me a essa senhora, afim de fallar-lhe francamente
nos seus projectos de casamento, e desvanecer as
suas illusoes a respeito : mas ella preveniuo meu
intento, c apenas rae vi a disse estendendo-me a
mo :
J sel tudo. Fanny me confessou que Ihe
nao ama, e apezar de que a sua conducta assim
m'o flzesse crer, vejo agora que me enganei. Nao
a quero casar contra a sua inclina^o : peco-Ihe,
portante perdo do que hontcm disse. A culpa nao
foi sua ; e eu nao sou como o Sr. Dcsormes, que
qur (brear a vontade da filha.
A cara matrona s quera tagarellar : fcilmen-
te consegu que me contasse o que se havia passa-
do na vespera.
Nao preciso ser-se leitceiro para adevinhar
que Margarida nao pode supportar a presenea do
marquez. O senhor bem viu o modo porque ella
so houve no castello de Chiz, e o tom com que fal-
lava orgulhosa marqueza. Por minha f! se eu
fosse o marquez, teria ali mesmo renunciado aos
milhoes de madamoiselle Desormes : mas elle n5o
5 soberbo, ou entao tem grande necessidade de
to a secretas apprehensoes^
Quanto s divergencias qoe separam entre si as
diversas seitas do btuldhisaw. ou que dlTerencam
esta religiao do sinismo, quasi impossivel deseo-
sentidos. Estamos longe de querer attribur ao bri-las, e a este respeito apenas se possuem dados
governo francez intencoes ofensivas para comnos- I'"'1 ambiguos Pareco que os indgenas nao es-
..........i..,.,. -- tao mais adiantados; em summa, elles lembram-se
co. Alimentamos a persuacao da smeendade dos pouco de semelhante questao, e rezam, sem distinc-
seus esforcos para contr as violencias da impren- ] ^o de seitas, em qualquer egreja que encontram
sa e a expresso do sentimento publico, que deve I em_ sua passagem.
merecer tanta consideracao no seu paiz, como en-
tre nos. Japo, viu, com muitasatisfaco^os Japonezes apre-
O governo da Franca compreheudor de cer-: sentarem-se nella em multidlio. Foi com signaes
to, que nos era impossivel desconhecer a forca da |-------------r-:---------------------__________
vontade nacional manifestada tao enrgicamente! (9) O rinrttno, em japonez sin-siou de sin,
Quando acabou-se a bella egreja catholica de
Yokohama, o abbade Girard, vigario apostlico no
dinheiro para supportar affrontas tao dfflceis de
digerir.
O marquez nao me pareceu l tao suscepti-
vel, pois que reconduziu minha prima casa, e
com um tempo insupportavel!
Espere t Oua o mais. Quando voltames,
ao entrar neste salao o encontramos s. Pareca
reflectir, e ao cabo de dez minutos, vendo que nem
Fanny uem o senhor tinliam ainda chegado, notou-
me intencionalmente essa ausencia. Ora, j ella
me causava cuidados, sem ser preciso que o tal
marquez me despertasse certas ideas : e se nao
fosse marquez, dira muito bem que um animal.
Dcsormes offereceu-lhe hospedagem vista do mu
tempo ; porm, elle recusou seccamente e rctirou-
se sem cumprimentar a ninguem, o que, segundo
dizem, civilidade na Inglaterra, mas quanto
mim grosseria em toda a parte. Seu tio mos-
trou-se contrariado; desejaria que a filha mudasse
logo de vestidos, e viesse despedir-se do noivo :
mas o noivo pareca j nada mais pretender, e
sahiu com ar insolente. Margarida nao voltou mais
ao salao, de sorte que ignoro o que se passou entre
elles no trajete de Chiz at aqui.
Pois vae sabe-lo agora, disse minha prima
que entra va naquclle momento.
Eabracando a Sra. d'Astafort, e me estendendo
a mao, proseguiu :
Logo depois daquello trovo medonho, que
nos dispersou, o marquez bradou : t Sigamos, si-
gamos I Elles vao adante! Acreditei na sua bda
fe, e segui-o; porm, tendo galopado por alguns
momentos debaixo de toda a chuva, vi ao claro
dos relmpagos que estavamos sos ; nao descobri
o carro de meu pac, nem os outros companheiros.
u marquez disse que nos achavamos na floresta Jac-
quelin ; reconheci com effeito o caminho. Propctt-
mc que descesse e entrasse na casinha do guarda
em quanto passava a tempestade, que dobrava de
furor. Semelhante proposta nao me agradava .
recusei._ Elle instou e saltou em trra. Sent na
cscuridao agarrar-mc aosps, attrahi-los a si no
intuito de obngar-me a descer tambem com o ris-
co de fazer-me cahir. Fquei encolerisada, dei
duas chicotadas ao acaso : supponho que o chico-
tinho bateu-lhe, pois largou-mc logo praguejando.
Depois segurou as redeas do men cavallo para
inipedir-me de ir adiante. O rabe, que nao gosta
de ser maltratado, exasperou-se, impinou, e des-
prendeu-sc a final. Aproveilei a occasiao para sal-
var-me a galope. O marquez mohteu, e ouvi-o ga-
lopando em meu segnimento Iradando que eu ia

na Russia, sob a influencia dos ltimos acontec-
mentes.
t O governo imperial esforca-se para acalmar,
esclarecer c contr a exploso do espirito publico
profundamente ferido por ataques sem anteceden-
tes na historia.
c O dever dos governos, e a missao da diploma-
cia afastar do caminho dos grandes negocios as
paixoes exageradas que podeni ser pergosas para
a paz.
Temos consciencia de nao haver despresado
nada que possa concorrer para esta obra de con-
ciliario, e de nao nos termos afastado, nem no
pensamento, nem no facto, no desejo que nos anij titulo de Archivos de Nippon.
cahir. Felizmente estava bem segara, e se o seu
tavallo inglez mais lgeiro, nao tem porm a do-
cilidadc do bravo Medjer. Duas vezes o Sr. de
Mauvesin passou adiante de mim sem conseguir
esbarrar-lhe a carreira. Cheguei emfim a S. Joao
quatro ou cinco minutos primeiro que elle. Subi
ao meu quarto, e nao quiz mais descer. Demais
estava tao alquebrada de fadigas o commoces que
receiei pela minha sade. Nanniche pediu que me
deitasse, e deu-me uma chavena de cha.
Farei com que o Sr. marquez de Mauvesin
se arrependa da sua audacia I exelamei eu incon-
sideradamente.
Nao facas tal, prohibo-te! replcou Margari-
da. Lembra-te primeiro.....
E entao! atalhou a Sra. d'Astafort admira-
da. Pois Margarida nao trata o Sr. Marcos por
tul **
Isto acontece algumas vezes, disse minha
prima com desembaraco. E' um costume de inan-
cia, que nao posso esquecer.
Quasi Ihe caio aos ps, pcdindo-lhe perdo dos
mus pensamentos que a seu respeito tivra no'
dia antecedente.
Naturalmente, minha querida omeina. deve'
voc estar bem zangada com o marquez 1 Mas
seu pae 1 Nao ha de querer saber disto. O casa-
mento est fixado para o da 15, e feitos todos os
convites para o baile dos esponsaes no dia 4.
Sera transferido o casamento, os convidados
desavisados, respondeu Margarida com calma.
E logo apresentando-me Sra. d'Astafort ac-
crescentou com meigo sorriso:
Salvo se meu pae consentir qoe me case com
este a quem amo !
Agarrei as mos da minha muito amada, e co-
bri-as de beijos.
Oh! meu Deus I exclamou a Sra. d'Astafort
Ievantando-se e sentando-se logo como um automa-
to cuja mola se quebrasse no momento de func-
cionar. Voces amam-sc Eu bem desconfia va...
de vez em quando...
Fanny nao lh'o disse ?
Nao. E ella sabia tambem ? Agora compre-
hendo tudo. .
A Sra. possue o nosso segredo, tornou Mar-
garida abracando-a, guarde-o, excepto porm o ca-
so em que jnlgue necessario communica-lo a meu
pae.
Seu pae nunca consentir, digo-lhe desde'ja.
Se me ti veesem consultado, dir-lbes-hia que reec-
tissem melhor....
deus, e siou, f, reconhecc por primeira divindade
a deusa do sol.
Tensis-Dat-Sin-Sama. Esta deusa nasceu em
uma poca interminada na provincia japoneza
d'/s/V, e del la que descendem as numerosas
dynastias de deuses e semi-deuses que precede-
ram a Sim-Mou, o primeiro imperador-homem do
Japo e o ascendente dos dairis, mikados ou impe-
radores esptritnaes deste paiz. At hoje apenas se
teem adquirido sobre a religiao dos Japonezes da-
dos contradictorios, de que muito difficil fazer
apparecer a verdade. Parece que os proprios
Japonezes nao conhecem bom a sua religiao, ou
nao Ihe do muita importancia. As informafoes
mais completas que existem a este respeito, acham-
se na volumosa collecco cuja publicado M. de
Sebold emprehendeu ha 33 annos, e que tem o
Tenho reflectido muito, e muito tenho soffrido.
Oppuz vontade de meu (NM ama especie de iner-
cia que elle ha tomado por fraqueza. Quera que
p rompimento partisse dos Mauvesin : eis a razo
porque hontem noute parec hesitar depois da
declara?ao da marqueza por seu filho. Oh! meu
pobre Marcos bem vi como soffrias, e affligia-
me tambem : ao mesmo tempo alegrava-me o mo-
do porque te submettas as nossas condiccoes. E'
porque nao duvidavas da minha palavra I Houve
um momento em que deitei quasi tudo a perder, e
tivestea coragem de te nao intrometteres. Sabes
que nao quero que te batas com Mauvesin. Agora
estou certa de que ha de renunciar-me de seu mo-
tu proprio, pois a Providencia forneceu-rae occa-
siao de manifestar a esse senhor os meus senti-
mentos, e de grava-Ios talvez na face com o meu
chicotiuho...
Querida Margarida I Como estou envergonhado
por ter duvidado de sua palavra !
O Sr. Desormes s voltou nelas dez horas da
noute. Estava de pessimo humor, o que nao o
embaracou de cear, e depois passou ao salo, on-
de_poz-se a passeiar de um lado outro, com as
mps para traz, a cabeca baixa, e mastigando o
charuto.
Margarida perguntou-lhe por diversas vezes a
causa do seu amuo : mas elle nada respondeu.
Diga-nos, meu tio, aire vi-me tambem eu a
d|zer por minha vez, diga-nos o que tem no cora-
f ao...Foi a Lignieres, viu o Sr. Lormond ?
Vou a Lignieres quando quero, me respon-
deu elle grosseiramente, e nao vejo a quem dar
satisfaces.
Est realmente colrico, Sr. Desormes per-
Entou a Sra. d'Astafort. O que Ihe afflige tanto
m sabe que todos nos nos interessamos pelo se-
nhor...Seria por ventura esse Mauvesin...
Qual Mauvesin t O. negocio e mais grave.
Trata-se da minha fortuna. Eis-me obrigado a
embolsar o senhor meu sobrinho de um milhao e
duzentos mil francos, e a senhora minha filha de
oitocentos mil francos I E depois tirar-me-bei do
negocio como puder e com o que ficar (
E sem reparar na admiracao da Sra. d'Astafort,
proseguiu:
Trabalhe a gente, trabalhe muito; vele non-
te e dia pelas suas propriedades; para que uma
bella manhaa venham dizer : Tudo isto nao seu,
meu bom homem! Restitua o que Ihe nao perten-
ce I...E tu, continuou meu tio dyrigindo-se a mim,
que precisao tinhas de YOltar d'Africa para pr-me
de um profundo respeito que elles penetraram no
recinto sagrado ; examinaram attentamente a ima-
gem de Christo, depozeram offrendas sobre os d-
graus do altar, e at mesmo alguns ajoelharam-se
e recitaram oracSes. Nada era mais natural do
que ver nelles gente interamentc disposta a con-
verter-se ao christianismo; mas as pessoas nm
pouco familiarisadas com os seus costnraes, nao
podiam illudir-se por muito tempo. Sobretodo
elles conservavam no novo templo a posicao respet
tosa que convm s pessoas bem educadas cm todo
o edificio consagrado ao culto, qualquer que elle
seja.
Quanto imagem de Christo, ella nao era a seus
olhos mais do que a de um grande homem do Occi-
dente da qual era preciso prostrarem-se, como o
fariam, se esse Senhor apparecesse em pessoa. A
nica crenca ali consolidada era o respeito devido
a hierarchia, antoridade, grandeza humana. A
lanatica dedicacao dos Japonezes quelles a quem
estao sujeitos, a mais evidente prova.
O sentimento religioso, tal qual o comprehende-
mos, Ihes estranho, e a facilidade com que apro-
ximam-se do christianismo, provindo de sua indifte-
ren^a em semelhante materia, o que mais desani-
ma os nossos missonarios. Cahiria em um gran-
de erro, quem se lembrasse de attribur influen-
cia de conviegoes religiosas as leis severas que
proscrevem a introduccao do christianismo no Ja-
pao. S se deve ver nisto um acto puramente po-
litico
Quando o governador de Yokohama fez saber ao
abbade Girard que castigara com priso, al mes-
mo com raorte, a todo aquello que d'entre os Japo-
nezes se atrevesse a por osj)s na sua egreja, de
certo nao o guiava veneracaonem respeito ao bud-
dhismo oa sinhsmo, porque elle era siodosin ou pen-
sador livre, nem odioao christianismo, que nao co-
nhecia ; tema nicamente que as frequentes rela-
ces dos missonarios e dos indgenas nao cstabclc-
cessem entre elles uma especie de confraternidade
que por toda a parte o governo de laikoum esfor-
ca-se por impedir.
O Olympo japonez conten um grande numero
de deuses e semi-denses; tambem ha meitas fes-
tas na sua folhinha (10). Algumas passam sem
pompa; ma em tempo das mais, solemnes mad-
zouris ( o nome que teem), "a populaco toda
alvoroca-se : aproveta-se da occaso com fervor
para assistir a grandes banquetes e brhantes es-
pectculos, emfim para divertir-so e abandonar-se
Vnteiramente a seu genio.
Tive a boa fortuna de achar-me cm Nagasacki
quando celebrou-se a festa do padroeiro da eidade.
E" a madzouri por excellencia, e olfereceu-mc du-
rante tres das curiosos objecfos de observaco' e
divertimento.
O governador, homem amavel e distincto com
quem eu contradir amizade, da qual ainda sao
me esqueci, mandou pouco tempo antes da festa di-
zer ao meu hospede, o cnsul americano, que fizra
preparar lugares que-nos permittiam assistir aos
espectculos pblicos, os quaes se iam dar em lou-
vor do padroeiro de Nagasacki.
No dia aprazado, nao faltamos ao convite. Nesse
dia, a cidade toda nao rrabalhava; as ras estavam
desertas y as lajas fechadas, e os raros passageros,
em trajos de festa, caminhavam apressadamente
para o bairro em que celebrava-se a madzouri.
Ali hava multido, multidao compacta e alegre,
mas cal ii wi c inoffensiva.
Com essa pohtica de que os Japonezes jamis se
apartara, pressurosos arredavam-se sobre a nossa
passagem y tinham o ar de quera dizia : Eis aqui
estrangeiros; tenhamos para com elles as atten-
coes devidas aos hospedes-. Assim atravessamos
uma praca em que lutadores acabavam um de seus
exercicios,.e tendo subido uma grande oseada acha-
mo-nos dante do recinto reservado onde deviater
lugar a representacao dramtica. Um official es-
pera va-nos entrada.
Depois de saudar-nos reverentemente o de ex-
primir-nos oseu pezar por.serios tao poneos,con-
duzu-nos para um camarote coberto, a lado de
um outro que era oceupado pelo governador e
principaes ofilciaes da sen casa. Tiveram a pre-
caugo de guarnecer o camarote do bancos estufa-
dos como ce nossos, porque os Japonezes-costuniam
assentar-se no chao; e bem assim, de eollocar nel-
le uma mesa sobre a qual era servido em abun-
dancia tudO' quanto a cosinha japoneza oflerece de
mais delicado : arroz, peixe cr c cosido, ovos, le-
gumes, fructas, doces, vinho doce dOsakka, Sakki
(agua-ardente de arroz) e cha. Apenas tinhamo-
nos assentado, quando criados nos troux-eram ca-
chimbos e-fumo. Passados alguns minutos, o go-
vernador enviou um dos seus officiaes, acompa-
nhado de um interprete, para agradecer-nos o ob-
sequio de termos acceite oseu con vito* O espec-
tculo que poda offerecer-nos era, na sua opiniao,
muito pouco digno de nos; mas esperava que, fa-
zendo-lhe justica, ficassemos cortos da sua boa von-
tade cm procurar-nos alguma disteaeeio.
Eu e meus companheiros nao pensvamos assim.
O espectculo que tinhamos sob os olhos era to
variado quanto interessante. Dante de nos exten-
dia-se um grande espado vasio; ao-redor delle,
apertava-se a multido, que conservava-se, por cau-
sa da presenea do governador, em respeitoso silen-
cio. Deram-se os melhores lugares s criancas.
J era um prazer v-las com o cabello cortado mui-
to rente, vestidas urnas deroupas de seda brilhan-
te, outras de reupas de algodo, porm todas con>
modas c bem arranjadas, olhando para toda a par-
te com soffrega curiosidade e alegre esperteza.
Atraz dellas estavam os paes, homens graves com
longos vestidos oscuros, aportados em redor dos
rins por um estreito cinto obt), no qual pendura-
se a escrivaninha, o saquinho de fumo, o cachimbo
e o leque.
As mulheres usam de mais adornos : os seus
bellos cabellos sao alisados eom cuidado, enfeados
de compridos alfineites e suspensos por peales de
tartaruga amardla; ellas pintain-se muito; o rebi-
que e o alvaiado formara carnadas espessas sobre
a sua fronte, o seu eolio e suas faces; as mais
desembaracadas douram os labios, as mais modes-
tas contentam-se com botar-lhcs carram. As mu-
lheres casadas teem, segundo o costume as sobran-
celhas corladas e os denles denegridos, o que est
longe de torna-las bellas a nossos olhos (11). Pelo
(10) As principaes festas celebram-se no primei-
ro, sogundo e quinto mez do anno. O dia do anno
bom festejado como entre nos. Fazem-se reci-
procamente visitas c presentes, e o uso de cartes,
nessa occasiao, est ali mais em voga do que na
Franca. O segundo mez (N-gouats) aquelle em
que se celebra a grande festa das mulheres; o
quinto consagrado aos homens. Os meninos que
nascem nesse mez sao considerados como predesti-
nados uma existencia feliz.
em taes apuros ? Ests mais rico do que eu Rem
poderia desconfiar de que o velho Valery, vivo ou
niorto, me havia de pregar uma peca dstas I Es-
se velho rencoroso nunca me perdoou as partidas
de jogo que Ihe ganhei! Foi uma ingratidao, pois
se jogava com elle era smente por distrahi-lo...E
Rosala I...Louca, que guardn semelhantcs papis
em vez de lanca-los ao fogo t...Oh meu Deus I co-
mo ha gente to bruta Emfim nao ha remedio.
E' realmente bello esse apparato de filhos, paes,
avs, testamentos! Que asno inventara isso de
testamentos
Deixei que meu tio desafogasse o primeiro im-
peto da clera. Via nessa perda de fortuna um
castigo sua cobica; e pois o lastima va como se
lastima a um menino malcreado, a quem impos-
sivel chamar a razo.
Quando o vi mais tranquillo, perguntei-lhe se o
Sr. Lormond Ihe havia tocado em cortos projectos
de casamento.
Ah! sim, respondeu elle em ar do zombaria:
agora que ests rico voltas s tuas antigs ideas !
Nao penses em tal cousa. J dei a minha palavra,
e hontem noute acabei de comprometter-me. A
fortuna que me resta bastar para o dote que pro-
metti: fico pobre, o mesmo, trabalharei: cava-
rei a trra, eu mesmo dirigirei a charra se fr
Teciso; porm terei a satisfaccao de dizer : A
ira. marqueza, minha filha; o Sr. conde, meu
neto I
Nunca! Nunca! bradou Margarida resolu-
tamente.
Nunca I O que qur isto dizer tornou meu
tio furioso. Tens o arrojo de resistir minha von-
tade
Tambem eu tenho vontade, meu pae!
Oh! E' de mais I
E cruzando os bracos, meu tio encarou sua filha
sem faze-la abaixar os olhos. Aps alguns mo-
mentos de silencio, replicn :
Faz-me o obsequio de dizer o que pretende a
senhora
Pretendo desposar meu primo Marcos !
Meu tio calou-se, fechou os punhos, affastou-se
de Margarida, den uma volta pelo salo, e encon-
trando o bastidor da Sra. d'Astafort, metteu-lhe os
ps, indo a final sentr-se n'uma poltrona.
Margarida segurou-lhe a mo, e ajoelhando a
seus ps, replicn com firmeza:
Sim, meu pae, pretendo desposar Marcos.
Era a vontade de minha me, era tambem a vpn-
contrano as mocas quela lei nao subraette a este
costume barbare, sao encantadoras; ellas possuem
os mais bellos dentes do mundo, olhos meigos, so-
brancelhas orejas e bem arqueadas; ao rosto do
um puro oval, ajuntam talhe esbelto, formas gra-
ciosas, maneiras cheias de candura e muitas vezes
de notavel distinecio. preciso v-las approxi-
mar-se com profondas venias e amaveis sorrisos
preciso ouvir-lhes dizer, passando uma pela ou-
tra : M-pira gomen assi, pedindo desta sorte per-
do de um incommodo ilusorio, para convencer-
mo-nos de que o povo japonez, em qualquer dos
seus membros, o povo mais affavel e polido do
mundo.
De repente levanta-se nm grande rumor: a mul-
tido entr'abre-se c deixa passar atravezdasnas fi-
leiras uma companhia de cmicos ambulantes; os
primeiros tocam pfano, timbale, /.aburaba e san-
sin (guitarra de tres cordas); outros esto carrega-
dos de taboas e ierra menta ; os ltimos sao tres e
cada um delles traz escarranchado sobre os seus
hombros um menino de dez a doze annos, ridicula-
mente pintado e vestido. N'um volver d'olbos, os
machinistas arranjaram o scenario c collocaram as
decoraQes. A acgo vae passar-se do meio de nm
jardim : ha moutas, arvores, uma pequea casa ;
ate mesmo nao faltam os mais accessonos. os m-
sicos tomaram assento; os tres meninos cstiram as
pernas sobre o tablado do improvisado theatro, e
deixam aquellos qne os vestem o cuidado de endi-
rcitar os seus enfeites ; o director est no seu pos-
to ; dao tres pancadas no timbale, c comeca a re-
presentacao. *
Nao comprehendi nem as bellezas nem os deta-
Ihes da farca que se representava dessa vez-, era
um encadeamento de declamarse de inverosim-
Ihangas. Sobrctudo reparei n'nma oousa, na im-
pertubavel presenea de espirito dos jovens actores,
que pareca nunca cstarem expostos a um momen-
to de turbaco. A fbula era muito simples. fJm
rapaz est fazendo declaracoes a uma rapariga,
um velho surprehende as suas mutuas confiden-
cias. Scena violenta. Os dous homens puxam pe-
las espadas c cruzam-nas injuriando-se reciproca-
mente ; a rapariga chora e por fim mette-se na
briga atacando alevosamente o velho por detraz :
elle cae, e o amante mata-o. Pouco depois, o mor-
to reapparece sob o trage de uma divindade, aben-
coa os jovens esposos que nao teem o mais leve re-
Hiorse do assassinato commettido. Pelo contrario,
todos tres empenham-se em festejar esse dia com
urna dansa desordenada ; a orchesta excita-os fa-
zendo um ruido que vae sempre augmentando e
que para arrebatadamente em certo lugar da sym-
phonia. Tudo cessa entao; os meninos trepam-se
de novo sobre os Irombros dos seus conductores,
o theatro desarmado, e a compaahia de msica
na frente, e correndo, torna a tomar o caminho por
onde veiu. Ella substituida por novos actores
que seguidamente o sao por outros, e vae repetir
0 seu pequeo drama diante de novos espectadores-
os quaes esperam-na em um outro ponto da cida-
de. A representacao de cada peca dura perto de
quinze a vinte minutos, inclusive o tempo que se
gasta em armar e desarmar o theatvo; os entre-
actos nao excedem atlezminutos. Desde as nove ho-
ras da manhaa, o publico ja tinha visto desfilar uma
meia duzia de companhias, e at o sol pr-se ainda
ver vinte.
Depois de ter assistido a cinco ou seis represen-
tacoes dramticas das quaes eu nao comprehendia
muita cousa, mas que assemclhavam-se- nisto, qne
cada uma tinha tres meninos por inteipretes, dei-
xamos o espectculo afnn de ir ver os outros di-
vertimentosda granie madzouri de Nagasacki.
Fizemos apresentar os nossos cumplimentes ao
governador, o qual ordenou a um dos seus offi-
ciaes que nos acompanhasse em toda parte onde
quessemos ir.
O que me parecer mais singular ne espectcu-
lo, ao qual eu acabava de assistir, era a agilidade
dos jovens actores. Cmicos que tivessem enve-
Iherido nos tablados-naomostrariam mais desem-
baraco, attractivo c sangue fri do que estes me-
ninos.
Em presenea de um publico numeroso, compos-
to em parte de altas personagens, elles-nao se ixiti.
midaram, nem eincaram.
Kola oiis;i(ii;i nfiu me desagrada va. Estimo mu-
io a modestia, virtude amavel que assenta nos me-
ninos-, como diz um antigo proverbio ; mas a ti-
midez quasi sciaprc e uma forma particular da
vaidade, e a meu ver um menino que aprendeu
bem.a sua li^So% e que est certo de nao tropecar,
deve exprimirse animosamente. Asna presehoa,
de espirito e filha da ingenudade uma prova da
: confianza quo ee tem nos seus mestres.
Em todos os pantos da cidade por onde passaa-
mosy reinava extraordinaria aniraacao ao mesmo
tempo que perfeita ordem. Passando, viraos nm
ielotiqueiro, ura dizedor de bucBa-dicha, uma' mu -
her que mostrava passaros domesticados, um, ho-
1 mein quo, por qualquer c-iw's (pequea ju^-i'ide
I cobre) fazia ver um gigantesco gato bravo Urnas
! pelot icas principalmente excitaram a minha alten-
' cao pela astucia graciosa com que foram, exeeu-
iulas.
O pelotiqneiro apresentou uma grande berbo-
tota de papel, mas to perfeitamente imitada, que
na distancia de alguns passos julgar-se-hia ser um
insecto vivo. Elle atirou esta borboleta ao ar, de-
pois agitando hbilmente o seu leque, susteve-a
em cima da sua cabeca, fe-la gyrar, subir e des-
cer imprimindo a todos seus movimeatos a appa-
rencia de um ente animado ; acahou deixando ele-
var-se ella uma altura immensa, donde ehhiu
lentamente sobre uma flor que o pelotiqneiro tinha
na mao, servindo-lhe as suas largas azas de guar-
da-quedas.
O circo dos lutadores, onde nos achavamos,
posto que espacoso, estava atulhado de espectado-
res ; mas nos tinliam sido reservados bons lugares,
donde via-se comniodamente tudo quanto se pas-
sava. Havia no centro um estrado circular, levan-
tado dous ps cima do solo, e tendo de dimetro
vinte ps pouco mais ou menos. O tablado estava
guarnecido de um colcho de palha coberto de es-
iwssa carnada de areia fina, alim de tornar as. que-
das mais brandas ou menos perigosas. A super&-
ci da arena era levemente concava.
^____________ (Continua-se-ka)
(11) Os dentes alvos e as sobrancelhas bom de-
buchadas tambem sao aos olhos dos Japoneses at-
tributos necessarios belleza. As mulheres, afeian-
do-se depois de casadas, fazem um sacrificio cjijo
valor nao se deve desconhecer. Tornando-se maes
do familia, do seu dever serem esposas fiis, mes
cuidadosas. Entao a belleza para ellas uma qua-
lidade de pouca importancia, e para mostrar que
abdicam toda a pretencao de agradar, submettem-
sc ao uso de denegrir os dentes o cortar as sobraa-
celbas.
tade de Vmc em outro tempo. Lembre-so bem...
Seja justo, seja bom para commigo, mes pae I
Mas...o marquez...a minha palavra...
A sua palavra nao obriga a de sua filha, dis-
se eu. Demais o marquez est arruinado, e Vmc.
lica sendo tao rico hoje como o era hontem f Por
acaso tomando-me por seu genro nao ha de asse-
gurar a Margarida a fortuna qne contava dar-lhe
Vmc. dono e administrador de consideraveis
propriedades, s-lo-ha sempre. Em que mos
mais habis, mais prudentes, e mais activas, en-
tregarei a gesto dos meus bens ? Bom sabe quo
nada entendo dessas cousas, e Vmc muitas vejes
me reprehendeu- por isto, Regosije-se pois; nao
tendo a pretencao de dirigir por mim o que meu,
deixo tudo ao seu cuidado.
Este ultimo argumento pareceu abala-lo.
Ceda, Sr. Desormes, ceda, replcou a Sra.
d Astafort enchugando os olhos. Case. estes dous
meninos...Bera v que se amara, e sempre se ama-
ran)...
Tambem a senhora! oh nao mo deixare
enternecer pelas lagrimas e pelas supplicas, e nem
me dobrare s ameacas. Nao, nao, est dito!
Margarida ergueu-sc palllda, e disse com voz
firme :
Pois bem 1 Esperarei que chegue a poca da
minha maioridade I
O Sr. Desormes retirou-se aleando os hombros.
A Sra. d'Astafort correu aps le para faz-lo mu-
dar de resoluco. Fanny, que muda e impassivel
assistira a essa scena, disse emtim dirgindo-se a
Margarida:
Hoje se est realisando o que eu to predisse
sempro: teu pae nao ceder I
Minha prima e eu nos olhamos em silencio : el-
la tinha vontade de chorar. Tomei-lhe a mao para
agradecer-lhe tanta coragem e firmeza : Margari-
da porm, com essa graca ingenna que so ella
possue, estendeu-me a face, em que brilhava uma
lagrima, o me disse :
Esperemos I -
Nao screi de outro seno de ti! Vem, abraja a
tita esposa !
4

I

<
(Conlimutr-se-ka.)
PfRNAMBUCO.- TYP. DE M. F, F. & FILHO

iraOIILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EM9XKJ0QO_892N93 INGEST_TIME 2013-08-28T01:13:27Z PACKAGE AA00011611_10196
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES