Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10194


This item is only available as the following downloads:


Full Text

fc
v
;
)
AMO XXXIX NUMERO 214.
Par tres biczcs adiantados 5S000
Ptr lies mezes vencidos 6SO00
SABBADO 19 DE SETEMBRO DE 1863.
Por amo ad untado..... 19$00O
Porte franco para o subscriptor.
DIARIO DE PERNAMB
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPQO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alejandrino de Lima i
Natal, o Sr."Antonio Marques da Silva Araratv. o
Sr.A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
mazonas, o Sf. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO BOL*
Alagas, o Sr. Claudno Falco Dias; Bahia, o
Sr. Jos Martina Alves; Hio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins < Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruaru',
Altinho e Garanbuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth. Limociro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Taearatu', Cabrob,
Boa Viati, Ouricury e Exu' as quartas feiras.
Serinhem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
Una de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao l/% dia.
EPHEMERTOES DO MEZ DE SETEMBRO.
4 Quarto ming. as 9 h., 44 m. e 2 s. da t.
13 La nova as 1 h., 16 m. e 38 s. da m.
20 Quarto cresc. as 10 h., 8 m. e 2 s. da m.
27 La cheia as 2 h., 37 m. e 2 s. da m.
PREAMAR DE HOJE.
Primcira as 7 horas e 42 minutos da manhaa.
Segunda as 8 horas e 6 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPQRES COSTEIROS.
Para o su]I at Alagas a 5 e 25; para o norte at
a,,ra"J* a 7 e 22 de cada mez; para Fernando nos
dias 14 dos mezes dejan, maro., maio, jul, set. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipueos s 6 /* 7, 7 % 8 e
8 y2 da m.; de Olinda as 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao as 6i/2 dam.; do Caxang e Varzea s 7
da m.; de Bemfica s 8 da m.
* ^i/RC1fe.; paP.,0 Apipueos s 3 A, 4, 4 A, 4 A,
' K-' l' e 6 ^ trde'' Para OInda 3S 7da
manhaa e 4 i/2 da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
de para Cachang e Varzea s 4 Bemfica as 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TIUBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal docommereio: segundas e quintas.
Belaco: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DIAS DA SEMANA.
14. Segunda. Exaltaeo da Santa Cruz.
15. Terca. S. Domingos em Soriano.
16. Quarta. Ss. Cornelio e Cypriano ram.
17. Quinta. As Chagas de S. Francisco.
18. Sexta. S. Jos de Cupertino f.; S. Sophia.
19. Sabbado. S. Januario b. m.: S. Nilo b. m.
20. Domingo. As Dores de N. Senhora.
ASSIGNA-SE
no Recife, em a livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Figueiroa de
Faria & Filho.
PARTE QFFICIAL.
GOVERNO DA PROVINCIA.
2.' seccao.Secretaria do governo de Pcrnam-
4>uco, 16 de setembro de 18G;t.Pela secretaria do
governo se convida o Sr. Guilherme Muniz de Sou-
za, a vir ou mandar pagar o jwrte do requerimen-
to em que pede ao governo imperial a serventa
vitalicia dos offlcios de contador e partidor do ter-
mo da Escada, sem o que nao poder o mesmo
requerimento seguir o seu destiao.
O secretario do governo,
Dr. Francisco de Paula Salles.
Portara.O presidente da provincia attendendo
ao que requereu o bacharel Luiz Carlos de Maga-!
Ihes Breves, lente da liugua grega do Gymnasio
Provincial, resolve conccder-lhe um mez de licenca
com ordenado, para tratar de sua sade.
Dita.Os Srs. agentes da companhia Brasileira
de paquetes a vapor facam transportar no vapor
Cruzeiro do Sul at a corte disposico do minis- i
terio da agricultura, commercio e obras publicas e ,
nos termos da 9* das condicoes annexas ao decre-
to n. 2,513 de 17 de dezembro de 1859, a medida ]
de quarleirao que lhc ser apresentada pelo porta-
dor desta ordeni.
Dita.Os Srs. agentes da companhia Brasileira
de paquetes a vapor manden) dar transporte at o
Rio do Janeiro no vapor Cruzeiro do Sul, em lugar
de r destinado passageiro de estado, a D. Fa-
canda de Castro Menczes.
Dita.Os Srs agentes da companhia Brasileira
Expediente do dia 16 de setembro de 1863.
Offlcio ao presidente da provincia do Rio-Grande de paquetes vai5r mandem dar transporte at o'
i Norte.Nao correndo jwr conta dos cofres des-1 Rl dfi Janeiro no vapor Cruzeiro do Sul, em lugar i
do
ta provincia, nem podendo ser pago pelos cofres
geraes, segundo me deelarou o inspector da the-
souraria de fazenda, as despezas feitas com os
destinado a passageiro de estado, Joo Hermcne-
gildo Borges Diniz.
Dita.Os Srs. agentes da companhia Brasileira
presos vindos dessa provincia" com destino ilha de paquetes a vapor mandem dar transporte ate o:
de Fernando, em quanto esperam na casa de de- Mo de Janeiro no vapor Cruzeiro do Sul, em lugar
tencao opportunidade de navio para seguirem seu destinado passageiro de estado, a Anglica Ju-
destino, rogo V. Exc, se digne de expedir suas nuaria Correia.
onlens para que sejam logo ndemnisados os cofres
desta provincia da quantia de 81,5737, constante da
couta junta despendida com 21 presos sentencia-
dos Tinao d'alu para aquello presidio.
Dito aoExm. presidente da provincia da Para-
hyba.Nao correndo por conta dos cofres desta
provincia, nem podendo ser paga pelos cofres ge-
raes, segundo me deelarou o inspector da thesou-
rana de fazenda, as despezas feitas com os presos
viudos dessa provincia, com destino ilha de Fer-
nando, em quanto esperam na casa de detenco
opportunidade de navio para seguirem sen destino,
rogo V. Exc, se digne 3e expedir snas ordens
para que sejam logo ndemnisados os cofres desta
provincia da quantia de 2915094 rs., constante da
couta junta, despendida com 38 presos sentencia-
dos vindos d'ahi para aquelle presidio.
Dito ao Exm. presidente da provincia do Cear.
Despachos do dia 16 de setemhro de 1S63.
Reqiieritnenlos.
Anna Mara do Carmo.Informe o Sr. director
do arsenal de guerra.
Alcxandrino da Silvcira Lima Veneno.Informe
o Sr. Dr. juiz de direito da comarca de Olinda.
Guilhermina Basilissa de Oliveira e Souza. In-
deferido.
Bacharel Luiz Carlos deMagalhes Breve.Passe
portara concedendo um mez de licenca.
Mathias Goncalves de Miranda.Nao ha vaga.
Manoel Gomes do Reg.Requeira pelos canaes
competentes.
COJIJUMX) DAS ARMAS.
A vista do ofllcio do commandante docorpo de po-' Qiiarlcl ncncral dn rnmr
licia desta data constante da copia junla. Picar V. !gM"fl J"
Exc, sciente de nao ser desertor daquelle corno' amme, 1/ ae.
Jos Manoel de Oliveira. ne ti-m \o wr nrncf>:n-' Ordem dn
coramando das armas de Per-
naiiiiiiKu, i7 de setembro de 1863.
Jos Manoel de Oliveira, que tem de ser processa- Ordem do dia 251.
do nesta provincia, por haver resistido a priso, | O general commandante das armas faz public"
segundo V. Exc, deelarou em seu oflieio n. 23 de para o lins convenientes que hoje seguem, para a
2i de agosto ultimo a que respondo. '. provincia da Bahia a reunir-sc ao 10 batalho de
Dito ao brigadeiro commandante das armas. infamara a que ficou pertencendo por troca o Sr.
Remetto V. Exc, para ter o conveniente destino,> alferes loo de Souza Feitoza que ser desligado
propoz em seu offirio de hontem sob n. 1,701. um cito Dr. Luiz Carlos Augusto da Silva.
capello civil para o servico do hospital militar,
vi -to que lia necessidade de seinel liante providencia,
segundo V. Exc. deelarou em dito offlcio.
Dito ao mesmo.Queira V. Evo. informar acer-
ca do que pondera o delegado do termo de Naza-
reth no incluso offlcio.
Dito ao^ commandante da guarda nacional do
Recife.Em aviso de 3 do corrente derlarou-me
o Kxnu Sr. ministro da justiga, que naquell data
O general julga do seu dever declarar, que o
mencionado Sr 2o cirurgiao bem se houve no ser-
vico desta guarnico. De esclarecida cnteligen-
cia, zelos, humano e pontual no eumprimento de
suas obrigacoes, soube elle captar com taes predi-
cados a estima de seus superiores, e sobretudo do
general commandante das armas, que tendo delle
perfeito conhecimento est habilitado para aquila-
tar a suas distmclas qualidades no duplo carcter
solicitara do ministerio da fazenda aexpedieo das de medico e militar,
convenientes ordens para que continu a abonar a Receba pois o Sr. Dr. Luiz Carlos Augusto da
Firmino Jos de Oliveira, capitao secretario desse Silva essa expontanea manifestaco, com o testemu-
commando superior, a gratlflcaco mensal de 305, nho do apreco em que o general tem a sua pes-
que llie foi marcada em o Io de fevereiro, pelos soa, c os seus servicos.
serviros, que presta ao mesmo commmando. O que AssignadoSolio'nio Jos Antonio Pereira do
communieo V. Exc. para sua intelligencia. Lago.
Dito ao mesmo.Queira V. Exc. informar sobre ConformeJote Ignacio
o que pede o lente cirurgiao da guarda nacional
da provincia da Parahyba, Justino Jos de Souza
Campos, no incluso requerimento, ao qual va i jun-
ta a respectiva patente.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Mande V. S. ajustar conlas at o fin do mez cr-
lente e passar guia de soccorrimente ao alferes do
8o batalho de infamara, Joao de Souza Feitosa,
que na forma das ordens imprtaos tem de seguir
para a Baha amanhaa.
Dito ao director das obras militares.De con-
formidade com o que solicita o brigadeiro com-
mandante das armas, em oflieio de 15 do corrente
sob n. 1,700, mande V. S. caiaro quartel do '.)' ba-
talho de infamara e pintar as portas e portadas, e
Ixm assim fazer urna-barra de cor as paredes.
Communicou-se ao inspector da thesouraria de'
fazenda.
Dito ao Dr. chefe de polica.Mande V. S. rece-
Ltr bordo do vapor Cruzeiro do Sul, afun de ser
remetlido para o presidio de Fernando na primeira
Oj portunidade, o reo escravo Verissimo, da pro-
vincia do Maranhao, que tem de cumprir all a
teiro, capito
detalhe.
de Mam Reg Mon-
ajudante de ordens encarregado do
INTERIOR
Relalorio que devia ser presente assemhla (jeral
legislativa na terceira sesso da derima-primeira
legislatura, pelo ministro e secretario de estado
dos negocios da agricultura, eoiniiierrio e obras
puhliras, Pedro de Alcntara Bellegarde.
COLOXISACAO.
estado das colonias a cargo
E' satisfactorio o
do governo imperial as provincias do Espirito
Santo, Minas Geraes, S. Paulo, Paran e Santa Ca-
tharina. i
Situadas em trras ferteis, c nao longe de
centros populosos, ellas tem recebido urna di-
rcecao conveniente, o que talvez haja con-
pena de gales perpetuas.Communicou-se ao juiz corrido para o augmento do seu pessoal, des-
. municipal da primeira vara desta cidade, 'penando at no coracao dos nacionaes o de-
Dito ao commandante do presidio de Fernando. \ sejo de buscar as colonias o bem-estar que
Transmiti V. S., por copia, para seu conhe-; lhes podem assegurar os trabalhosda lavoura.
cimento e direceo, as informacoes ministradas | O governo imperial contina a dispensar s co- i
pelo Exm. presidente das Alagas e o juiz de di-. Ionias os beneficios de que sao merecedoras, sendo
rcito da comarca de Porto Calvo, relativamente a cauteloso na escolla do pessoal encarregado de as |
pna a que foi condemnado Manoel Calisto do as- dirigir. fi
cimento, que se. acha cumprindo sentenea nesse j Tem mcreeiooVsua particular attencao a me-'
presidio, segundo V. S. dectarou em seu ofllcio de di cao c demarcacao dos prasos colonia'es, o a ve-'
20 de junho ultimo. i ritlcaQo o ratficacao daquellcs cujos limites po-
Dito cmara municipal do Recife.Tendo-me dem suscitar duvidas e questoes : tem providen-
sdo apresentada pelo barao do Livrainento, Dr. ciado acerca da construegao de edilicios e outras
Jos Bernardo Galvo Alcoforado e Antonio Luiz obras indispensaveis aesses estabelecimentos, como'
dos Santos, lima proposta que se acha junta, data- sejam capcllas, casas de oraciio, e de residen-!
da de 18 de junho ultimo, para a construrco de cia para os respectivos sacerdotes, e directores;'
una via frrea ou de trilhos urbanos, desta cidade e finalmente tem tomado na mais seria consi-
para a povoacio de Apipueos, e tendo-a os mes-
jnos em consequencia das modifcacoes indicadas
pela repartidlo das obras publicas, lamben) anne-
xas substituido dita proposta de conformidade
com estas, pela que igualmente acompanha este,
datada de 14 do corrente, haja a cmara munici-
pal do Recife de dar acerca da mesma a sua infor-
macaona forma da le provincial n. 518 de 21 de
junho de 1861, -que autorisou a organisaco] e o
privilegio daquella empreza.
Dito ao juiz municipal da primeira vara desta
cidade.Transmiti por copia Vmc. para seu
conhecimento e direcgo a petico que me ende-
recou o preso Manoel Calisto do Nascimcnlo, que
se acha cumprindo sentenea no presidio de Fer-
deracao a abertura c melhoramento das vas de
communicaco, fonte segura do desenvolvimen-
to e prosperidade das colonias, porque facili-
ta-Ibes o transito para os povoados e portos do
litoral.
As colonias provinciaes de S. Pedro do Sul con-
tinan) a merecer acerca de seu adiantamento c
prosperidade o conceito em que geralmente sao
tidas.
Nada de novo ha respeito das colonias funda-
das por particulares na provincia de S. Paulo.
A importacao de trabalhadorcs destinados aos
estabelecimentos agrcolas cargo dos fazen-
deiros e proprietarios ruraes, foi escassa no ul-
timo anno. A associaco central de colonisa-
nando, bem como as informacoes ministradas pelo cao, que Ihe serve de intermediaria, ainda nao
Exm. presidente da provincia das Alagas e o juiz conseguio remover os tronceos que tem occor-
de direito da comarca do Porto Calvo relatvamen- rido a fim de que ella produza os desejados re-
te a pena a que foi condemnado o mesmo preso. sultados.
Dito directora da companhia de Ileberbc; Sobre o estado daquella associaco reflro-mc
Em vista do que representou-me o director dasao que meus antecessores dissera m acerca de
obras publicas em offlcio de hontem sob n. 177, semelhante instituicao, cabendo aqu smente
recommendo directoria da companhia de Bebe- declarar-vos que no dia 1. do corrente mez
ribe, que sempre que lhe for preciso mandar des-' expirou o praso de 5 annos, dentro do qual ti-
calcar ou escavar as ras para o servico de seu nha direito s subvencoes garantidas pelo g
encanamento, nao o faca sem que previamente o 2. do art. 8." do contrato que celebrou com
communique aquella repartico, afim de que esta o governo, e que chegada a poca de co-
possa vigiar se as ruinas causadas no calcamento mecar o reembolso dos adiantamentos fetos na
sao convenientemente reparadas, como sao obri- forma da 2." parte do art. 7." do mesmo con-
gadas a faz-lo nao s essa companhia, mas todas trato.
as outras que tem encanamentos nesta cidade. Segundo me informou o director da 3. direc-
Igual mutatit mutandis ao gerente da companhia toria tem-se despendido com o servico da emigra-
de illuimnacao a gaz, e communicou-se ao direc- cao e colonisacao apenas a somma de..........
tor das obras publicas. 1,757:2815989 rs. do crdito de 6,000:0005000 rs.
Dito ao juiz de paz presidente da mesa parochial aberto pelo decreto n. 885 de 4 de outubro de
de Santo Anto.Recebi com o offlcio de Vmc da- 1856.
tado de 10 do corrente as copias das actas da elei- catechese.
cao de eleitores a que se procedeu nessa freguezia Sem embargo dos esforcos empregados pelo go-
no dia 9 de agosto ultimo, e recommendo-lhe que verno imperial para collocar este_ servico na al-
mo remeta urna segunda via das referidas c- tura das conveniencias publicas, nao se ha podido
pas. anda reunir os elementos precisos para o regular
Dito aos agentes da companhia Brasileira de pa de modo satisfactorio,
quetes a vapor.Podem Vmcs. fazer seguir para O governo imperial coraprehende a civilisado-
os portos do sul o vapor Cruzeiro do Sul. amanna ra accao deste servico, e na convieco de que
hora indicada em seu offlcio desta data. ^ com o tempo se alcancarao beneficios reaes
dos sacrificios feitos, nao descansar emquan-
to lhe nao hoirver dado a mais apropriada di-
receo. I
Para se resolver este problema, cuja solucao
interessa nao s rebgio e civiisaeao do paiz,
mais tambem agricultura e industria nacionaes,
por este ministerio tem-se exigido informacoes
acerca de todas as circunstancias concernentes
aeste objecto, a fim de que do estudo e medita-:
ao deltas se possa formular um systema, que.
acuite a obra da regeneraco desses milhares de
individuos que actualmente existem entregues
mais crassa ignorancia, e vida impro-
ductiva dos povos nmadas, confiados tao smente
nos productos espontneos da natureza.
E' facto incontestavel e provado que voz su-
blime da rebgio chrisjaa muitas hordas selva-
gens dos primitivos habitantes do novo mundo
tem recebido com as aguas santas do baptsmoa
aptido necessaria a civilsacao. O governo nao
podia desconhecer os elementos civilisadores de!
que dispem as missoes da catechese, e os lia
approveitado tanto quanto lhe tem sido permit-
tido.
Felizmente acham-se removidos alguns obs-
tculos que difflcultavam o progresso deste ser-
vico.
Emquanto porm subsislirem as causas que de-,
mnram a maior diffuso da luz evanglica pelas
tribus selvagens, e impedem o aproveitamento de
tantas forjas actualmente inactivas, o governo im-'
perial continuar, coi* os meios de que dispoe, I
a preparar o plano em que se dever desenvolver
to importante servico.
No relatorio competente offereco-vos mais ele-
mentos sobre as missoes existentes, e sobre os al-
deamentos dos indios j conquistados sociedade
civil e religio.
A direceo dos correios, e da navegacao con-
siderada como servico fio transporte, corre pela
4.* directoria deste ministerio Com os da-
dos que me foram fornecidos, passo a chamar
a vossa attencao sobre o que ha de mais impor-
tante.
Cerni.
Esse ramo de administraco publica contina
a bracos com muitas difficuldades, que lhc nao
permittem prestar todos os servicos que sao para
desejar.
Sem pessoal sufflciente, e convenientemente
remunerado; sem meios aperfeicotios de com-
municaco e de transporte; tcdo de servir
urna populaco disseminada em tao vasta extensao
de territorio; fcil de comprehender-se quo
longe o nosso servico postal deve estar do grao
de perfeicao a 1|ue tem attingido em outros
paizes.
Estas rellexoes, e outras que. por certo, se apre-
sentaro ao vosso Ilustrado espirito, em minha
opinio attenuam as faltas que se notam constan-
temente, mas nem sempre com fundamento rasoa-
! vel, no desempenho deste servico.
j ministerio a mcu cargo iiao se tem descui-
dado, entretanto, do empregar todos os meios a
seu alcance, para obrigar os respectivos em-
' pregados a cumprirem seus deveres com zelo,
fazendo syndicar pelas autoridades competen-
tes dos factos menos regulares, que lhes sao im-
putados.
Infelizmente se as faltas commummente sao de
fcil verilicaco, seus autores escapam geralmen-
te saneco da lei, nao restando ao governo en-
to mais" do que o emprego dos meios adminis-
trativos, de que nem sempre prudente e equi-
tativo usar, visto que nao parece rasoavel fundar
actos de rigor em meras presumpees de culpa-
bilidade.
Durante o anno passado mandaram-se instau-
rar tresc processos de responsabilidade con-
tra empregados do correio, sobre os quaes
recahiam suspeitas de abusos no eumprimen-
to de suas obrigacoes ; entretanto nos que
se acham concluidos, nem um dos indiciados
deixou de alcancar a absolvicao por falta de
proras.
E, pois, considerando os altos interesses que se
prendem boa e regular administraco do servico
postal, chamo a vossa attencao para a necessidade
de habilitardes o governo imperial afim de que, na
reviso do regulamcuto deste ramo de servico, que
convm fazer, no intuito de desembarazar sua mar-
cha por meio de urna melhor diviso do respectivo
trabalho, que facilitar a sua prompta e eflicaz fis-
calisacao; possa remunerar suflicienteinente o
pessoal da administraco do correio, embora ainda
por algum tempo se nao augmente o numero de
seus empregados, a nao ser em algumas das admi-
nistrages mais importantes, como a da corte : e
semclhantemente para que possa providenciar so-
bre a construeco de cdilicio especial, ao menos na
corte, apropriado a este genero de servico, que sem
duvida depende muito das condicoes peculiares da
casa em que executado.
Alm destas, outras medidas em bem deste ser-
vico sao lembradas no relatorio da quarta directo-
ra, ao qual me reporto, certo de que nao deixareis
de aprecia-las no seu justo valor.
Vai-se tornando indispensavel crear na corte um
servico urbano regular, que j estara estabelecido,
se este ministerio nao carecesse dos meios de o le-
var a effeito.
As circunstancias nao permittem ainda que o
correio se possa encarregar de seguros de valores
ao portador, ou seguro proporcional, instituicao de
reconhecida vantagem para o commercio, e para o
publico eni geral : e, pois, forcoso conlentarmo-'
nos por ora com o seguro Hxo. cujo servico entre-
tanto carece tambem de melhoramentos.
Na provincia do Bo Grande acha-se estabeleci-
do, e em effectividade, o systema das malas-pos-
tas, que tanto favorece a regularidade do servico
postal.
E' urna das poucas provincias em que j se po-
de dar maior desenvolvimento a semelhante sys-
tana.
As presidencias das provincias da Bahia e de
Pernambuco foram autonsadas a crear para o ser-
vico do correio, carteiros especiaes as estradas de
ferro : e na primeira dasmesmas provincias esta-
bcleceram-se agencias nos lugares em que se fazam
necessarias.
No relatorio a que me tenho referido, encontra- ]
reis todas as indicacoes relativas-as alteracoes que
occorreram no servico do correio do imperio, du-
rante o anno findo.
A receita deste servico subi no ultimo exerci-,
ci somma de 383:2895019, alm do rendimento
de algumas agencias, calculado em 4:0005000, cu-
jos balances ainda nao chegaram directoria res-'
pectiva.
Nota-se, pois, neste exercico em relacao ao an-
terior um augmento de receita na importancia de
20:0005000 pouco mais ou menos.
A despeza que no mesmo exercicio elevou-se
somma de 572:4115932, superior ao anterior em
22:6325447, apresentou o dficit de 185:122913
ris.
Beleva, porm, notar-se que no algarismo da
despeza foi incluida a quantia correspondente a
44,003 fr. e 45 X cents* paga ao correio francez
por saldo de suas contas do lde outubro de 1860
30 de junho de 1862.
O numero de papis, que transitaran) pelo cor-
reio, orou no anno findo em 6,205,864.
O quadro seguinte mostra qual o progresso que
de anno para anno tem tido o movimento dos pa-
pis que passaram pelo correio no ultimo quin-
quenio.
1858 5,167.438
1859 5,303.501
1860 5,730.720.
1861 5,889.028
1862 6,205.863
- bntre os appensos do relatorio da directoria
competente, encontrareis duas exposicoes que fo-
ram apresentadas a este ministerio pelo oficial da
secretaria de estado dos negocios estrangeiros, Luiz
i?!? de0,,veira encarregado pelo governo impe-
rial ne estadar na Europa os systeraas postaes das
nacoes mais adiantadas.
Navegaeito subvencionada.
ns companhias de navegacao por vapor, subven-
cionjdas polos cofres geraes, desempenharam re-!
guarniente durante o anno findo, os servicos a que '
seObrigaram por seus contratos.
#.?mformaccs que vos posso offerecer sobre '
cada urna dellas, no tocante ao seu material, mo-'
vimento, receita e despeza, constam do relatorio
da quarta directoria.
Era eumprimento da resolucao n. 1,169 de 22 de!
agosto dei anno passado, por decreto n. 3,091 de 7
de maio do corrente, foi realisado o emprestimo de'
que trata a mesma resolucao; e innovaram-se os'
contratos, que regulavam os servicos que era1
obrigada a companhia brasileira de paquetes.
Convencido de que o estado financeiro desta com-
panhia havia melhorado, e que cumprla zelar
quanto fosse possivel o dispendio dos dinheiros
pblicos, o governo limitou o emprestimo quan-
tia de 252:0005000, valor igual quarta parte da
subveneo annual, que percebe a mesma compa-
nhia.
Esta somma ser paga por meio de letras do
thesonro nacional no prazo de cinco mezes; c re-
embolsada em prestadles mensacs de dez contos
de ris, oito mezes depois de vencida a ultima
letra.
Foram eliminadas quatro viagens das que a com-
panhia faz entre os portos de S. Pedro e Montevi-
deo, realisando-sc desta forma urna economa de
16:0005000 annuaes.
As oito viagens restantes devem coincidir com
as que a companhia do Alto Paraguay se obrigou
a fazer entre Montevideo e Cuyab ; e assim hca-
ram ligados mais ventajosamente para o commer-
cio nacional os dous pontos extremos Corte e
Cuyab.
Foi elevado ao duplo o espado que at cnto era
destinado para a bagagem dos colonos, que sao
transportados pelos paquetes desta companhia.
Convinha colloca-la em estado de poder fazer
face, eom os seus proprios meios, a quaesquer des-
pezas provenientes de sinistros ; nesta conformi-
dade ficou estabelecido que, do seu fundo de re-
serva dever chegar a ter disponivel a quantia de
300:0005000, que ser depositada em qualquer es-
tabelecimento bancaro.
Para o preenclnmento desta somma dcstinar-se-
ha, desde j, toda a quantia* applicada ao fundo de
reserva; e no caso de que ella venha a desappare-
cer, ou a diminuir em razo de algum uso legiti-
mo, ser preenchida por toda a receita liquida.
O decreto a que alludo, e que se acha annexo,
atienden rcpresentaeao da companhia no tocante
alteraco da disposi<;o do artigo 13 do contrato
de 17 d dezembro de 1859 ; deixando, porm, co-'
mo enmpria, esta clausula dependente da vossa ap-l
provacao que solicito.
Liimtirlu corle Cararellas.Depois da encam-
IjyjyQi? contrato celebrado com a companhia do
Jue iry, a navegacao para este ponto do imperio '
Pteve encarregada urna casa commercial da
'corte.
Parecendo, porm, conveniente fixar tanto a sua
duraco, como as condicoes por que deve ser feita, j
c alm disso comprehender a navegacao do res- >
pectivo rio, que -sou complemento, e da qual sa [
nao havia incumbido aquella casa commercial: fo- [
ram contratadas ambas com a companhia Ma-
cah e Campos pela somma mcnsl de 4:500-5 :
sendo 4:0005 pela navegacao costeira, e 5005 pela
fluvial.
Por este contrato, cujas condicoes constam das
clausulas, que baixaram com o decreto n. 3.030 de
12 de dezembro de 1862, que j foi submettido
vossa approvacao, ficou estabelecido que a navega-
gao costeira chegaria at o porto de Caravellas,
na provincia da Babia, para o fim de se ligar as-
sim esta com a navegajao contratada com a com-
panhia bahiana.
Companhia Pernambucana. Ponderando a con-
veniencia de se estabelecer urna navegacao regu-
lar por vapor entre o porto do Recife, e a ilha de
Fernando de Noronha, que um dos pontos mais
importantes de navegado ao norte ; e, ao mesmo
tempo de estender o servico da companhia Per-
nambucana at a provincia de Sergipc ; e consi-
derando que esta idea havia j obtido o assenti-
mento da cmara dos Srs. deputados na sesso do
anno passado, o governo imperial contratou o ser-
vico cima exposto com a refciida companhia pela
somma annual de 50:0005-
A companhia obrigou-se a fazer seis viagens re-
dondas ilha de Fernando de Noronha, c a chegar
at Aracaj, tocando em Penedo, na sua viagem da'
linha do sul.
Acha-se a realisacao deste contrato dependente
de vossa approvacao.
CompanhiaEspirito Santo.Foi prorogado por
tres annos o contrato celebrado entre o governo e
esta companhia.
Linha da corte a Santos. Com a casa commer-
cial desta praca, Ivahy & Braga, contratou o go-
verno imperial a navegago por vapor entre este
porto e o de Santos.
Aquella casa obrigou-se a fazer seis viagens re-
dondas por mez em dias e horas regulares, ou, pe-
lo menos, tres viagens na bypothese de nao ter
mais de um vapor.
O governo poder dispr gratuitamente de seis
passagens de r, c outras tantas de proa, alm de
seis toneladas de carga, em cada mez ; em com-
pensaco os vapores empregados nesta linha goza-
ro das prerogativas concedidas aos paquetes. A
isto se limitan) as concessocs por parte do governo.
Outras linhas.Pende de detberacao do se-
nado um projecto de resolucao, approvado na c-
mara dos Srs. deputados, o qual concede favores
navegacao por vapor as aguas do Uruguay.
Julgo esta navegacao de vantagens, e por isso
chamou a vossa attencao para este objecto.
A presidencia do Bio de Janeiro contratou a na-
vegacao do rio Itaboana ; e a do Para; urna via-
gem mensal entre a capital desta provincia e al-
guns portos da ilha de Joannes.
CRDITOS.
Extraordinarios.
O servico da exposico dos productos-nacionaes
em Londres exigi a abertura de um novo crdito
extraordinario no valor de 30:0005, que effetiva-
mente foi autonsado pelo decreto n. 3.038 de 29
de dezembro do anno passado.
Por mais estranho que pareca o facto da decre-
taco de tres crditos extraordinarios para o mes-
mo servico, explica-se fcilmente pela natureza es-
pecial deste, o pela circunstancia de ter sido pela
primeira vez rcalisado entre nos, e feito em luga-'
res e pocas diversas, o que nao facilita va o calcu-
lo previo; e finalmente pelo dever que o governo
imperial se impoz de guardar a mais severa econo-
ma no dispendio dos dinheiros pblicos.
SUPPLEMENTARES.
verba Secretara de estado.Em quanto es-
ta-reparticao nao possuir um orcamento destinado
a satisfazer as despezas que lhe sao peculiares, a
abertura de crditos supplementares a esta verba,
justifica-se por si mesma.
As mesmas causas que, no exercicio passado, de-
rara origem a abertura de um crdito supplemen-
tar, reclamaran), no exercicio corrente, o empre-
go dete meio. Pelo decreto n. 3..0.78 de 24 de abril
ultimo, foi aberto um erudita de 80:2505 para oc-
correr s despezas do sftfvicc- desta rubrica. Do 1
Lucindo Carlos Rodrigues.
Benlo Jos de Santa Anna.
Eelippe Nery da Silva Amorim.
Antonio Joaquim da Conceico.
Luiz Pinto da Silva.
Juvino Jos da Costa Rabello.
Zefirino Rodrigues Coelho.
Antonio Nery da Silva Amorim.
Mathias Rodrigues Coelho.
dejulho do corrente anno em diante, comecar a
ter execuco um orcamento proprio deste ministe-
rio, c neste me parece que a quantia votada satis-
far o servico da secretaria.
A' verbaCarpo de bombeiros.Pelo mesmo de-
creto de 24 de abril foi o ministerio a mcu cargo
autorisado a despender a somma de 16:0005 com
o servico da extincfo dos incendios.
Tal servico passou a ser feito por este ministe- .
rio, miando a reforma, que lhe foi dada pelodecre-! Jesuino Nery da Silva Amorim.
to n. 2.587 de 30 de abril de 1860, havia augmen-! Antonio Joaquim de Santa Anna.
tado muito as respectivas despezas, que eram e lm Antonio Jos de Santa Anna.
continuado a ser pagas pela verbapessoal da po-1 Jos Tclles dos Santos,
liciado reamente do ministerio da justica. Justino Jos de Souza-
No exercieio passado, gracas ao augmento de Manoel Rodrigues do Nascimento.
crdito, com a quantia que o ministerio da justica' Manoel Francisco Rodrigues,
primitivamente poz disposicao da repartico a Bernardino Jos de Santa Anna.
meu cargo, foi possivel occorrer ao pagamento de | Reinaldo Mendes da Silva,
todas as despezas respectivas ; nao se podendo,
porm, realisar no vigente exercicio a mesma cir-
cunstancia, foi forcoso recorrer abertura do cr-
dito supplementar.
Juntas encontrareis copias dos decretos de que
tenho tratado, pela exposico dos motivos e com-
petentes demonstraces, que os acompanharo, po-
dereis reconhecer mais cabalmente as razes, em
que se fundou o governo imperial para empregar
o remedio de que trata o 2 do art. 4o da loi n.! Jos Rodrigues de Souza.
589 de 9 de 1850. Antonio Gomes de Oliveira,
Augustos e dignissimos senhores.Os melhora- \ Joao Jos da Silva Regis.
mentos materiacs do paiz em geral, que corran I Delfino Jos Rodrigues,
pelo ministerio a meu cargo, reclamam especial-
mente a vossa attencao. Se os sacrificios do the-
sonro tendem cortamente a augmentar com o seu
desenvolvimento, ora confiado a urna repartico
especial ; sabis a influencia benfica que podem
exercer sobre o bem-estar da populaco, e sobre a
adminstraco do paiz. Taes sacrificios sao apenas
adiantamentos, e de esperar que a iniciativa in-
dividual, tao propria das nossas insttiuicjjes. ve-
nha para o futuro a desenvolver-se, assim dimi-
nuindo os encargos dos cofres pblicos.
Finalisando aqui a exposico geral do estado
dos negocios a meu cargo, nvamente vos certifi-
co da pontualdade com que desejo ministrar
vossa consideraco, quaesquer informacoes que
julgueis necessarias a bem do servico.
Rio de Janeiro, 12 de maio de 1863. Pedro de
Alcntara Bellegarde.
Manoel Barbosa Cabral.
Manoel Rodrigues Lecr.
Joao Marques da Cruz.
Francisco Ray mundo R. Borges.
Manoel Rodrigues de Amorim.
Alexandre Dias Guerra.
Joao Antonio Rodrigues.
Arnaldo Jos Rodrigues.
Jos Rodrigues Coelho.
PERWAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
Pedem-nos que lembremos a necessidade de
sercm Iluminadas com alguns bicos de gaz a ra
do Nascente c a travessa do Lima, que existem s
escuras, ao passo que sao ellas sufficientemente
habitadas.
Isto posto, com estas linhas solicitamos a lem-
ca da autoridade competente para ordenar a res-
pectiva providencia.
Por frequentes vezes havemos reclamado pela
execuco de posturas municipaes, que iam sendo
infringidas ; e se mais ou menos temos consegui-
do o tim que levamos em vista nessas reclamacoes.
todava acabamos de convencer-nos, que ha um
fiscal que, prcterindo o cumprimeuto de seus dc-
veres, tem ainda o desplante de ostentar que
muito de proposito o faz por ser advertido pelo
Diario i
Em presenca de semelhante cvnismona omiasio
de deveres, cumprc que este mesmo Diario, cu-
jas advertencias razoaveis recalcitra to dscom-
munalmcnte esse fiscal, lhc taca sentir que, de-
pondo esses ares de incongruente sobranceria.
deve cumprir com as suas obrigacoes pela execu-
gaointeiradas posturas municipaes. alias serao
capituladas somisses, ante as quaes a municipa-
lidade far cessar os proventos da conezia que pa-
rece desfructar esse senhor.
As providencias, cuja necessidade costumamos
fazer valer, nao sao em nosso proprio beneficio ;
mas prendem-sc ao desta cidade, que pagando im-
postos, para deltas receber o Sr. fiscal o seu orde-
nado, tem direito pleno de exigir que se lhe pres-
tem aquellas condicoes de bem estar, que justificara
a imposico peranteascienda e a pratica adminis-
trativa.
Comer boje o septenario do Senhor Bom Je-
ss dos Passos na igreja matriz do Corpo Santo,
tendo lugar no dia 27 do corrente a festa; a qual
se annuncia com todo o esplendor possivel.
Sao oradores as vesperas o Revd. Antonio de
Alouqucrquc Mello, na festa o pregador da capel-
la impenal Fr. Joaquim do Espirito Santo, no Te-
Deum o Revd. Antonio Manoel d'Assumprao.
A orchestra dirigida pelo Rvm. Sr. padre Pri-
mo Feliciano Tavarcs.
Nos intcrvallos tocar urna das melhores bandas
de msica militar desta cidade.
Remettem-nos o seguinte :
Jos Martins da Cruz, amigo commercianie,
sob carregado de numerosa familia, acha-se pros-
trado em cima de urna cama com o terrivel mal
dos Lazaros e sem meios de subsistencia foi sem-
pre honrado e mui compridor de seus tratos, avis-
ta da miseria era que se acha tem incumbido aos
seus amigos, Luiz Cesario do Reg, Gaspar Anto-
nio Vieira Guimares e Jos Joaquim Pereira de
Mendonca, para lhe agenciar urna subsenpeo de
seus collejas logistas.
A subscripeo poder ser mensal ou por urna
s vez.
Damos o resultado da eleico parochial da
freguezia da Boa-Vista, do sertao :
Eleitores.
Luiz de Carvalho Brando.
Manoel Jacome Bczcrra de Carvalho.
Andre Nunes Braulio.
Jos Pereira Brando.
Liberato Alves Guimares.
Jos Alves do Barros.
Antonio Joaquim dos Santos Mangabeira.
Joao Vital de Santiago.
Andre Arsenio Pereira Brando.
Florencio Alves de Oliveira.
Jos Pastor Ferrara Lima.
Manoel Hyppolito Lima Jnior.
Joaquim ogucira de Souza.
Severiano Rodrigues C. de Macedo
Antonio Jos da Cruz.
Benedicto II. de Carvalho Brando.
Aureliano Pereira Brando.
Thomaz Alves Vianna.
Isidoro Jos de Macedo.
Joaquim Jos da Silva Montanha.
Francisco Correia da Guerra.
Manoel Ribeiro de Salles.
Jos Honorio de Souza.
.Ivaro Antonio da Silva.
Domingos Alves dos Santos.
Feliciano Dias Guerra.
Francisco Alves dos Santos.
Jos.Maracde Cordeiro.
Jos Alves de Oliveira.
Leandro Rodrigues Borges.
Ignacio Rodrigues de Santa Anna.
Clcmentino Pereira Brando.
Francisco Dias Lapcas.
Egjdio Martiniano do Alencar.
Joao da Costa Agr.
Malaquias Torres da Silva.
Rufino Borges de Souza.
Antonio Thomaz Geric.
Jos Lopes Tcixelra Genovez.
Supplentes.
Claudio Alves Guimares.
Bernardo Pereira do Rosario.
Francisco Barbosa Nogueira.
Francisco Vieira Nunes.
Francisco Jos da Silva Ramos.
Germano Pereira Rosa.
Hermenegildo Jos da Silva.
Jos Barbosa de Canutara.
Remettem-nos o seguinte resultado da elei-
co para deputados geraes nos tres collegios mais
prximos do 2 districto eleitoral da provincia da
Parahyba :
Collegio de Campina'-Grande.
Dr..Jo3o Leite. ... 42 votos
Dr. Arago e Mello. 41
Dr. Braz Florentino 1
Collegio de Cabaceira.
Dr. Braz Florentino 30 votos
Dr. Joo Lelte ... 10
Dr. Arago c Mello. 10
Dr. Olynto Meira. 10 .
Collegio de S. Joao.
Dr. Braz Florentino 40 votos
Dr. Arago e Mello 30
Dr. Olvnto Meira. 10
Somma
votos
c
Dr. Arago c Mello
Dr. Braz Florentino.
Dr. Joo Leite ... 52 r
Dr. Olynto Meira. 20
O districto d dous deputados, e consta-nos
que nos collegios de Cabaceiras e S. Joo, fizeram
os_ progressistas as suas duplicatas, cujo resultado
nao val a pena mencionar em consequeucia das
irregularidades de que esto inradas.
t Em S. Joo apresentou-se o" delegado de poli-
ca dentro da igreja com gente armada, e, depois
de expellida a mesa legitima, presidida pelo pri-
meiro juiz de paz, fez-se a eleico com um juiz de
paz de Alagoa do Monteiro, districto visinho, etc.,
efe Em snmma, as violencias e as arbitrarieda-
des foram ahi de tal ordem, que o presidente da
provincia, era desaggravo das tais, e para dar
urna satisfacao ao publico, vio-se na dolorosa ne-
cessidade d demittir as autoridades policiaes, que
ha pouco nomeara, e com o auxilio das quaes se
commetteram tao enormes attentados.
Em Cabaceiras reprodnzio-se a mesma scena.
Depois de apoderarem-sc da urna as autoridades
com a sua gente armada, e expellidos o primeiro
juiz de paz com os outros membros da mesa legi-
tima, fizeram a eleico com una mesa presidida
por certo individuo, que havia sido votado em 5"
lugar para juiz de paz, o qual recebeu o juramen-
to do estylo nicamente das mos do rereador me-
nos rotado da respectiva cmara, na matriz c sem
secretario I !
Fez-sc a chamada pela qualifiracao de 1860,
toda falsificada, estando a do corrente auno per-
taita e acabada, e concorreram a votar os mora-
dores das freguezias visinhas
Faz hoje beneficio no Santa Isabel, o sympa-
thico artista Penante, com o bello drama portuguez
Dr e Tormento, que cheo de lances nteressan-
tes e attrahentes.
Alm disso leva mais o beneficiado, urna sua sce-
na cmica, sendo preenchidos os intcrvallos por
pedacos de msica tocados no armnico pelo Sr.
Clementini.
Pelo subdelegado de Nossa Senhora do O* de
Goianna foi preso, era flagrante. Manoel Cardozo
de Mello, por ferimento leve produzido em Anto-
nio Granja.
Ainda urna vez voltamos a fallar dos magn-
ficos preparativos que se fazem para a solemnisa-
go do oitavo anniversaro do Hospital Portuyurz
de leneficenria, que ter lugar amanhaa 20 do cor-
rente.
sempre possuido de jubilo, que annunciamos
aos nossos leitores os passos dados no carainho da
perfeicao social, tendo por base a caridade, e por
principios as doutrinas consagradas humanida-
de no cdigo sublime c immortal sanecionado pelo
Divino Mestre, e sellado mais tarde com o sangue
precioso do Martyr de Golgotha.
sempre com" enthusiasmo, repetimos, que as
nossas columnas se offerecem manifestado do
pensamento elevado, annunciaco da idea nobre
e santa, que vo erguer aqui um templo virtude.
levantar ali um instituto s tattras, abrir acola um
asvlo indigencia, erigir mais alem um monu-
mento, que atieste e eternise a gloria de urna fa-
milia, do um povo, de urna gera^ao A todo
quanto tende em fim a nobilitar e engrandecer es-
ta parte mimosa da criaco, feita semclhanca do
priprio Creador,e que entretem a cadeiaque dater-
rajse prende celesta moradao homem t
O Hospital Portuguez. j o dissemos e nao nos
cansamos de repiti-lo. presta incalculaves servicos
aos nossos irmos desvalidos qua fazem parte 'da
colonia portugueza aqui residente ; e'esta institui-
eo caridosa, aberta em 16 de setembrode 1855,
solemnsando um acto grandioso da naco portu-
gueza, foi o prego que os subditos portuguezes
aqui lancaram em prol da humanidade desvalida c
soffredora,depoisde tercm aleado um altar consa-
gracao das lettras, syrabolisado no Gabinete de Lei-
tura, qne nao ha roaitos das commemorou o seu
dcimo segundo anniversaro.
O homem physico e moral, foi perfeitaracnte com-
prehendido pelos portuguezes residentes entre nos,
pois que para o espirito franquearan) o prtico da
sciencia e da verdade no seu bello Gabinete ; para
o corpo abriram o sen Hospital, onde sao recolhi-
dos todos seus compatriotas fulminados da doene.a
e feridos da desgraca c da miseria na estrada es-
cabrosa da vida.
E' pois amanhaa o da escolhido pela junta ad-
ministrativa do Hospital, para a festa annual que
abi se costuraa celebrar; sendo este anno feita com
mais pompa, e com|ura novo acto de caridade exer-
cido pelas nossas amaveis patricias, que alm de
se prestaren) a concorrer com as suas prendas, vo
algumas dellas fazer o leilo; ceremonia asss edi-
ficante e digna de um povo civilisado e eminente-
mente hospitaleiro e caritativo como o nosso.
A actual junta administrativa digna de lodos
os elogios pelos imraensos esforcos que tem feito
em prol da prosperidade do estabelecimento sob sua
guarda e vigilancia, mrmente o seu provedor que
tem sido iucansavel no desempenho satisfactorio
de seu honroso emprego, antepondo muitas vezes




tfrt
/


Ufe
Diario de Pernambuco Sabbado If de Setembro de 18S.

aosseus proprios interesses os do Hospital Porta- doce agora, em mysticos arroubos,
ijuez de Beneficencia. ebuxar sobre as paginas da mente
O patacho brasileiro Regulo, entrado hontem A virgem, que sorrio-nos edr de pejo,
do Rio de Janeiro, encontrou 6 do crreme, na Cujo seio por nos arfou tremente.
lat. S. 2122' e long. 3930' O- de Green., um _. .
vapor de guerra com baudeira franceza, que mi- %*%.*?* tra.zei;mea. menos
utos depiis de ter reconhecido a nacionalidade do *. ra$5es deste retoro
patacho, substituto pela americana do norte, o que f c*Pa"sao dos ** della
-lo jnlgar como corsario. Segundo o rumo que A maviosa nota de um suspiro !
levava, pareca dirigirse ao Rio do Janeiro.
Reparticao da polica :
Em rectificacao ao extracto da parte das oceur-
rencias do dia 16 docorrente, faz-se certo que por
haver escapado, dcixou do sor mencionado, como
recolhido casa de detcncao, Rellarmino Alves de
JVroucha, branco, ordem do Dr. juiz municipal da
0 Mercantil de Alagoas, pnbiica o seguintc
sobredas cousasmais nofaveis fundadas non.7:
7 sao os das da semana, como todos sabemos.
7 sao as obras de misericordias espiritnacs e 7
as corporaes.
7 sao as idades do liomem.
7 sao os irmaos Machabeus que morreram juntos
! vara, par* cumprir a pena a que Ibi condemna- sao os irmaos Machabeus que morreram j
-rio por crime de injuria. valorosamente por observancia da divina lei.
Extracto da parte do dia 18 do setembro de 7 ^ os famosos infantes de Lara em Hesp
1863.
17
os
Hespanha,
que nasceram de um parto o morreram todos 7 no
inesmo dia pela fcatholica.
7 sao os Sacramentos da Santa Madre Igreja.
7 sao os peccados moraos.
7 sao as virtudes contra elles.
7 sao os dons do Espirito Santo,
to de Mello, como criminoso deWicidio, ambos! os tormentes, que dormiram de um
vindosdeGoiannaJooSuaresNcpomuceoeJoa- S?I$-anno encerrados em urna cova do
flUim da Silva Res, brancos, ambos sem declarado r"^,1'*0' e esperttram no lempo do impera-
do motivo Theodozo os quaes depois do contarem o suc-
A' ordem do subdelegado do Recife, o portuguez' !f Jl *Ma' P*88*}8. m"-eram Jodos 7 c fo-
Foram recolhidos casa de detencao no dia
do corrente :
A" ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica,
pardos Antonio Nunes da Encarnaco, como deser-
tor do 7 batalho de infamara, Jos Leoncio Pin- ]
Joao Vieira, por insultar a urna sentinella, Miguel,
africano, escravo de Luiz Antonio Pereira, por sus-
peita de estar fgido.
A' ordem do da Capunga, o pardo Joaquim F-
lix Jos, por crime de furto de cavallos.
O chefe da 2' seccao.
/. G. de Mezquita.
Movimento da casa de detencao no dia 18 de
setembro de 1863.
Existiam........ 403 presos
Entraram....... 7
Sahiram....... 8
A saber :
Existem......... 402
Nacionaes...... 290
Estrangeiros..... 28
Mulheres...... 8
Estrangeiras..... 4
Escravos....... 67
Escravas........ 3 >
402
Alimentados a cusa dos cofres pblicos.. 172
Movimento da enfermara no dia 18 de setembro
de 1863.
Tivcram baixa:
L'rsulmo Francisco de Castro, ccphalalgia.
Raymundo, escravo sentenciado, torticollo.
Tiveram alta:
Manoel Francisco do Nascimento.
Jos Felippe Santiago.
Luiz, escravo de Francisco Luiz Cavalcanti.
UM POCO DE TUOO.
Da Semana ///s//ni/aex!rahimosoquesegue:
Sr. director, aqui estao estes bouquets que a
Sr.' Rouxinol manda V. S. para que Ih'os faga
atorar quando ella cantar hoje no theatro.
Diga a Sr." Rouxinol que eu os ajuntarei aos
outros que por coma da empreza ja comprei para o
mesmo tim.
Olha, Jacintha, que peixe bonito comprei hoje
no mercado para o nossojantar.
nm numorado, mami; se me tivesse dito,
eu poda l-lo de graca; pois se andam offerecen-
do pelas mas, en masse.
OUTR'ORA.
Formoso ospelho Que vidro puro !
Bemdito arlista que o fabricou I
Tuda me vejo as minhas gracas :
Onao linda forma Quao bella cstou !
HOJE.
Maldito espelho Que vidro escuro !
Leve o diabo quem o inventou !
l ueste vidro nao posso ver-me
Sem como eu era, nem como cu sou
A cidade de Orleans acaba de ollereccr igreja
de Domremy um bollo o riquissimo estandarte de
Joanna d'Arc, copia fiel d'aquclle que que a ilustre
herona fazia eondozir diante de si no memoravel
cerco d'aquella cidade.
Em una das faces deste pendo est represen-
tado o Padre Eterno, sentado sobre um throno de
uuvens ; abaixo d"esla imagem vem-se dons anjo?
era adoracao, e mais em baixo l-se : emzido
por o Sr. Dupanloup, arcebispo de rleans. A
utra face oncena o que se segu cscripto em
.raudos caracteres de ouro : A Domremv, ho-
menagem elembranea da cidade de Orleans", 8 de
maio de 1863, i-'fi." aniii versarte do livramentode
Orleans por Joanna d'Arc.
A cmara de Domremy qur inaugurar este es-
tandarte com o maior explendor, tanto para agra-
i condignamente a oflerta da cidade de Or-
leans, como para prestar um novo testemunho de
..proco aquella que salvou a Franca ha quavtoze
seclas.
Esta solemne (sta (ere lugar no dia 14 do se-
lembro corrente.
Deu-se ltimamente na exposico internacional
de Hamburgo un aeontecimente'curioso.
\ niara a exposico o novo rci da Grecia Jorge
I, e, quando eslava na seccao de machinas agrco-
las de nova invencao, encontroii-se com o ez-rei
Otlion. "v^
0 rei rccentonionte eleto manifestou o maior
embarao na prosenca da melle cujo posto vai oc-
ctipar.
Diz a Preste de Pars, que para as novas cousas
convem crear novos nomos. Exhibido,- pala-
m precisa para qualiflear o individuo que exerce
nina industria ltimamente descoberta. Diz-se
eshibidor por que mostrador sera ambiguo, c em
certos casos, mesmo irreverente.
1 m exhibidor de Washington chamado Ralbe-
man acaba decomprara Gustavo Coorbet esse ce-
lebre quadro om que todos osjornaes Glaram e
'i'10 mBjt08 i......'os viram. Tem por titulo : O re-
gi i o da Conferencia.
Dunnta dona aanos itailiaman viajar com o
ma lio e mostra-lo-ba aos estrangeiros, que o nui-
zortni ver... por dinheiro.
quadro qoinnoar os lucros desta escralo, e em
lodo o caso podor contar com una somma de 32
mil francos que Ibe assegui ou Ratlieman.
Diz a .{brille dn Mmfqoe una sociedade de ca-
pitalistas inglozos sollicitou do govorno russo a
coneeasao de un caminho de ferro de Moscou a
Sebastopool.
A sociedade pode o goso pleno e inteirodos ren-
dimontos da exploraban desta linha durante cem
annos, dejxando ao govorno a facnldade da com-
pra, mas somonte depois de SO annos. segurando
toda v.a elle a companhia um juro de 6 por cont
durante o prazo da concessao e ainda durante a
construeeae. B muito.
ram sepultados em sepulcro de ouro pelo proprio
imperador.
7 foram os sabios da Grecia.
7 as maravilhas do mundo.
7 os Psalmos Penitenciaes.
7 as horas cannicas.
7 as peticoos do padre nosso.
7 as mysteriosas palavras de Christo na cruz.
7 horas esteve Christo na cruz.
7 sito as ordens ecclesiasticas: 4 raaiores e 3 me-
nores.
Aos 7 mezes formado o hoiiiem no ventre ma-
ternoaos 7 mezes ihe sahem os dentes, aos 7 an-
nos os muda aos 70 annos decahem os po-
dres.
7 varoes loram annunciados do co antes de nas-
cercm : Ismael, Isaac, Sansao, Jeremas, S. Joao
Baptista, Santo lago menor e Christo.
o 7 dia descangou Dos depois de creado o
mundo.
7 foram os annos de maior abundancia no Egyp-
to, e outros 7 de maior esterilidade.
7 sao os signos da msica.
7 sao as estrellas da pleiade a que se chama sete
estrellas e vulgarmonte se reputa svmbolo da arca
de No.
Em 1807 parti D. Joo II para o Brasil e do dia
7 de marco chegou ao Ro de Janeiro.
7 foram os deputados do Brasil que se oppozeram
ao projecto de recolonisacao em Portugal, e se re-
fugiaram na Inglaterra para onde embarcarara se-
cretamente.
No dia 7 de setembro foi proclamada ^indepen-
dencia nacional.
7 sao os ministros da eomia brasileira.
7 sao os vereadores das cmaras muncipaes no
imperio. ,
7 sao, finalmente, os candidatos pela provincia
das Alagoas deputaeao geral.
Jornaes da illia da Reuniao dao os seguintespor-
meres sobre a revolucao de Madagascar :
Durou desde 8 de maio at 12 e neste ultimo dia
foi que assassinarara o rci Radama,
Nao tem havido luta pela sua morte, e o seu rei-
nado considera-se como nao tendo existido, succo-
dendo directamente a rainha Rabodo rainha Ra-
llbalo, me de Radama II.
Os jesutas, as irmaas de caridade e em geral to-
dos os europus foram respeilados e o governo
apressou-se a manifestar que s se tratava de urna
questao interna.
Foi estabelccida a pena de morte, mas nao po-
dendoapplicar-se seao por (un eonselho presi-
dido pela rainha.
Esta para Ihe ser concedida a cora teve de as-
signar urna constituigao, e acceitar um eonselho
que limita o seu poder real.
Diz-se que se Radama II tivesse querido assig-
nar esta constituicao o acceitar este eonselho nao
teria sido assignado. Doze homens penetraram no
palacio e o estrangularan^ porque nao permittido
derramar sangue dos reis; a rainha eslava presen-
te, quiz gritar, mas pedio-se-lhe que passasse a ou-
tra casa.
Xo dia 9 de maio cinco ou seis mil oflciaes, reu-
niam-se em casa do primeiro ministro Renovol-
nivu e apresentaram-lhe una lista de proscripcao
de 33 grandes do paiz, cuja cabera pediam. Entre
osles iam os sete favoritos do, Radama. No dia 10
de manha fez-se esta peticao ao rei em nome do
povo mas Radama recuson. encerrou-sc no pala-
cio com os 33 grandes, e pozeram a defender a
lial.itagao real todas as tropas que havia disponi-
veis.
O partido hostil consoguio por tim que Radama
se prestasse a entregar os grandes com condicao
de so Ihes conservar a vida ; porin sabendo que
os iam algoinar negou-se novanioiito. declarando
que prefera nioner a entrega-loe com to duras
condiedes. Poucos momentos depois desta decla-
racao." foi arrombada una porta do palacio e a mul-
tido se apoderou dos grandes matando 28 dos 33;
os restantes diz-se que eseaparam.
Julga-sc que foi entilo que tamben) mataram o
re, ainda (|ue outros assoguram que foi estrangu-
lado no dia seguinte.
O cadver do rei foi enterrado sem pompa, e de
noite, como renlcsthronado.
A prorlaniacao da rainha, por sua clevacao ao
throno, diz que os estrangeiros nada tem que te-
mer c que podem continuar sou commcrcio, por
ijue os acontecinientos oocorridos tem o exclusivo
carcter de assumptos internos.
Diz-se que ha muitos descontentes com a subi-
da ao throno da rainha Rabodo, especialmente no
exercito, e que se teme a guerra civil.
COMMERCIO.
wovo ic a m t o
DE
mente se sacrillcam pelo progresso e prospenda-
de do paiz, seja qual fr o lugar onde nascain.
O articulante, porm. falta a verdade na parte
em que allrma, ser o Illm. Sr. Dr. Jos Antonio de
Figucircdo, mteiramente alheio a provincia do Cea-
r e talvez indiferente aos negocios, que altamente
a interessam.
Quem sabe ?... Talvez o proprio articulante te-
nha em sua consciencia urna prova indelevel,
da um testemuuho sempre vivo, e irrecusavel
falsidade de sua assercao... Alm de outros mo-
tivos. .. a razao, a propria constituicao poltica do
imperio lhe dirao que nao pode ser indifferentt a
marcha poltica do Cear. e nem de -provincia al-
8urna, um cidadio brasileiro, e muKo menos in-
fferente aos negocios do Cear um liomem as
condicoes do Illm. Sr. Dr. Figueiredo.
Puo ser estranho ao Cear, e ndifferente a sua
prosperidado aquello que tem no Cear os seus
melhores c mais dedicados amigos polticos e parti-
culares ? Pode ser indifferente ao Cear quem tem
no Cear numerosos prenles e amigos, e demais a
mais todos os seus bens ? Pode ser indifferente
prosperidade do Cear um Pernambucano casado
com urna Cearense o tendo lilhos cearenses ?
A candidatura de um cidado brasileiro pelo 2"
circulo do Cear, as circunstancias em que so ,
acha o Illm. Sr. Dr. Jos Antonio de Figueiredo, 5rlgue ,W^**&JfarB-niercadorias.
nao portante, urna candidatura que revele da ^cm hollandezaDeiusfarnha de trigo,
parte do digno chefe do partido liberal
i
0 novo banco paga o 11 ditidendo
de dez mil reis (IGJOOO) pw aego.
Alfandega
Rendimento do dia 1 a 17. 217.0555337
IdemdodialS........ 8:16BJL&49
22o: 220*886
urna di-
lio vintenio da alfandega.
Voluntes entrados com fazendas
com gneros
Voluntes saludos com fazendas
com generes
Descarregam no dia 19 de setembro
59
544
-----603
portae&o.
reecao irregular e anlipatliica, que muito de propo- VaPr nacional Cruzeiro do Sul, viudo dos por-
silo parece querer-se imprimir no partido liberal, tos do norte, manifestou o seguinte :
com O lini de rodii7-ln a trkt o danlnr^vni nnn.ii. Do M.iranhHn
A candidatura do Illm. %v. lar.
Jos Antonio de Figueiredo
lelo 3 districto eleitoral da
provincia do Cear.
Sob esta inscripeo um Clrense, sem nome, pro-
nuncia-s no Jornal do Recife de lo do corrente
contra a candidatura do Illm. Sr. Dr. Jos Antonio
de Figueiredo.
E' pena que o escriptor nao quizesse por a baixo
do sou longo artigo sua assignatura; por que, por
ella se conheceria, desde logo, se foi a voz do sua
consciencia, ou o despeito, que lhe moveu a penna
na injusta apreciaco dessa candidatura, e sobre-
tudo no modo desabrido com que se houve para
com o distoncto e muito Ilustrado chefe do partido
liberal do Loara, o Illm. Sr. Dr. Thomaz Pompu
de Souza Brasil.
Occupando-se da impreiistu candidatura profe-
no o articulante, anonymo, as segundes palavras
em relaeao ao candidato, e ao digno chefe do par-
tido liberal do Cear:
Carcter honeste e Ilustrado, o distincto Per-
com o fim de reduzi-lo a triste e deploravel condi-
cao de instrumento para fins meramente particu-
lares.
Ncstas palavras. que, ah ficara*citadas, irroga o
articulante, que, alias se confessa amigo do digno
chefe do partido liberal do Cear a mais grave of-
fetsa, offeusa tanto mais revoltante, quanto infun-
dada, e nteiramente inapplicavel ao carcter do
distincto Cearenso o Sr. Dr. Thomaz Pompu de
Souza Brasil.
Todos quantos conheoem o Ilustrado chefe do
partido liberal do Cear, saben que o grande se-
gredo da popularidade, e da plena confianca que
elle tem sabido adquirir conservar na sua "pro vin-
ca natal nao vem tanto do sua profunda Ilustra-
cao, attestada por escriptos de grande merecimep-
to, que circulam no paiz, nem dos valiosos servicos,
prestados por longos annos, pela imprensa, a cajsa
da liberdade, do commercio e da industria do Cea-
r, como principalmente da moderacao do seu ca-
rcter, e da sua proverbial modestia, que o levam,
naturalmente, a offuscar-so na roda dos seus ami-
gos e correligionarios polticos.
Inteligencia vigorosa, e enriquecida pelo mais
pertinaz estudo, e experiencia dos negocios pbli-
cos, nao obstante isso, o Sr. Dr. Pompeu nao da um
passo, em poltica, sem ir de accordo com os seus
numerosos amigos, e no que toca a apresentacao de
candidatos quem nao sabe que o Ilustre chefe do
partido liberal nada resolve sera que, previamente,
tenha consultado o corpo eleitoral ?
Ora sendo tai o carcter do Illm. Sr. Dr. Pom-
peo, como geralmcntc conhecido, evidente que
essa rontade imperiosa, que lhe empresta o articu-
lante, como o nico titulo, que recommenda a can-
didatura do Ilustrado Dr. Jos Antonio de Figuei-
redo, s existe na sua phantasia.
Vonlade imperiosa Em quem luta contra um
presidente hostil 1 em quem est debaixo ? em
quem nao dispfiem dos empregos, das gracas ?
Vontade imperiosa Sobre eleitores, que o pro-
prio articulante proclama dignos 1
urna contradioao!
Eleitores dignos,*sao os que votam com liberdade
o consciencia, sao os que teem a-precisa indepen-
dencia para sustentar a dignidade do voto; ora so-
bro taes eleitores que imperio pode ter a vontade
de um homem, que nao tem, por si, outra autorida-
de, senao a do seu proprio nome ? I
Nao pois na vontade imperiosa que est o mal: a
causa da antipathica e irregular direccao do parti-
do liberal, como claramente se v das palavras do
articulante, est teda as seguintes razoes :
i' porqneo Illm. Sr. Dr. Jos Antonio de Figuei-
redo nao filho da provincia do Cear I
2* porque com a candidatura do Sr. Dr. Figuei-
redo, e a do Sr. Dr. Antonio Joaquim Rodrigues,
ambos genros do Exm. Sr. Francisco de Paula Pes-
soa, se quer plantar urna oligarchia, e elevar os
pauhstas a despeito da flaqueza dos seus elementos,
e desprestigiar os Saboias.
3 porque se excluio da chapa do 2 circulo os
Illm. Sr. Dr. Joao Felippe Figueira de Mello, e oca-
pitao do corpo de engenheiros Joao Ernesto deMe-
doiros Figueira de Mello, os quaes tem, ambos o
grande defeito depertencer a importante familia dos
Saboias.
Estas razoes, porm, sao manifestanieute impro-
cedentes :
1" porque tanto direito teem hoje os eleitores do
r circulo do Cear para eleger o Sr. Dr. JoJj An-
tonio de Figueiredo, filho da provincia de IV -lain-
buco, quanto tiveram os eleitores da provincia tT
Pernambuco para eloger em duas legislaturas, oS',
Dr. Jeronynio Martiniano Figueira de Mello, liltv
da provincia do ear-
r porque se ha receio de uina oligarchia pelo
facto de seren eleilos dois memores de urna fami-
lia, sem elementos no circulo e sem importancia,
o que nao se deveria receiar se fossem eleitos os
dous niembros da importante familia dos Saboias,
como o proprio articulante o confessa ?
E pois, sem querermos nivellar todas as fami-
lias do *> circulo do Cear, sem querermos demo-
cratizar cssas familias com a importante familia
dos Saboias, importancia que somos us primeiros
em confossar, concordando com o articulante, ap-
plaudimos a candidatura de dous membros de urna
lamiha, que nao dispoem dos elementos de que dis-
poom a importante familia dos Saboias.'
O articulante, por sua vez, concordar com nos-
co, que os recelos de unta oligarchia sao mais para
temer, em una familia importante, do que em
una tamilia sem elementos : e foi sem duvida para
evitar os pongos de urna oligarchia, do pie tan-
to se teme o articlame, que os eleitores do 2 cir-
cuios, talvez aronselhados pelo Ilustre chefe do
partido liberal, tomassom a si iucluirein as listas
dous membros de una familia sein'importaneia e
sem elementos.
Outro cearense.
FUBLICACOES A PEDIDO.
Composifo. de anacaiiuita p-iloral de
Kemp.
Todas as molestias e afTeccoes da garganta e
dos pulmoes, desapparecem como por um mgico
encanto, mediante a aceo deste ncomparavel e
irrcsistivel remedio. Padecemos de asthma os
quaes durante o espaco de alguns annos, nao ihes
era permittido, ou nao podiam deitar-so ou pos-
tar-se n'uma posicao horisontal; boje respirar h-
viemonto e o Ihes dado a consolaeo do noderom
Do Maranho.
i caixinha com oito cartoes de seda para vesti-
dos c 3 tres pecas de escomilha preta : a Ferreira
& Matheus.
30 volumes diversos com mobilia, madras, el-
pelho, tapetes, vidros, lavatorio de fblha, candiei-
ros, folies, fogoc varios artigos de uso; ao Dr. M.
Gatt.
1 caixo; a Meuron & Bruebt.
1 latinha ; a Jos Henrique C. C. Jnior.
2 saceos; ao Dr. Francisco da Silveira.
1 encapado ; a Kalkmann 4 C.
1 caixote ; ao Dr. C. Alcoforado."
1^barrica; a ordem.
Vapor francez Guienne, vindo do Bordeaux, ma-
nifestou o eguiute : '
20 caixas sardinhas, 65 dius queijos, 8 ditas
ameixas, o ditas conservas, 30 barris manteiga ; a
10 caixas vinho, 65 ditas queijos : a Tasso & Ir-
maos.
55 caixas queijos ; a Brender a Brandis.
25 caixas queijos ; a N. O. Bieber & C.
1 dita fazenda de seda elstica; a A. J. Faria.
1 caixa amostra de assucar, 1 dita um relogio, 6
dius sodas, ezendas, e fitas de seda, 2 embrulhos
amostras de fazendas; a J. Keller & C.
1 caixa objectos religiosos ; a Fre Egidio Gazizo.
4 caixas chapeos de feltro, de palha, bonets c
couros ; a Christiani & Irmaos.
3 caixas vestidos, sedas, fazendas, roupas c
amostras; a Monteiro Lopes & C.
1 caixa perfumara e luvas ; a Viuva Leconte.
1 caixa livros, ouro era folha e objectos de es-
critorio ; a Jos Nogueira d Souza.
3 volumes roupa ; a Rufino Antonio de Mello.
1 caixa roupa de seda ; aL. A. Siqueira.
6 barris e l caixa vinho, 1 caixa amostras; a F.
Sauvago & C.
1 caixa rotlos: aos mesmos.
11 caixas queijos; a Vicente Francisco da Costa.
4 caixas sedas e outras fazendas; a Monhard 4 C
1 caixa livros e modas ; a Antonio de Abneida
Gomes.
1 caixa bijoutera; a Paul Cohn.
2 caixas mercearia e sedas ; a E. A. Burle & C.
1 caixa roupa e mercearia; a Buessard Mi 11o-
chau & C.
2 caixas mercearia e modas ; a Vaz & Leal.
1 caixa calcado ; a J. P. Arantes.
1 caixa sedas ; a Izidoro Netlo.
1 caixa mercearia ; a Manoel & C.
2 barris vinho, 1 fardo rolhas; a Meuron & C.
2 caixas fructas seccas; a F. Dubarrv.
2 caixas bizas; a Mello Lobo & C.
7 ditas fazendas, ditas de seda, roupa, luvas,
mercearia e requifes, 1 cmbrulho amostras ; a Lin-
den Wild & C.
2caixasrazendas.de seda ; a Dammayer Car-
neiro & C. ^
1 caixa pentes, 3 barris vinho ; a Tisset Frercs.
4 caixas mercearia, quinquillera, e agulhas. a
Ferreira & Araujo.
3 caixas fazendas ; a Carvalho Nogueira & C.
4 caixas calcado, modas, mercearia, camisas etc.
i caixas amostras ; a Henrique & Azevcdo.
1 caixa mercearia, 1 volurne amostras ; a Alves
Hamburger 4 C.
1 caixa fitas de sedas; a ordem.
3 barris vinho ; a Luiz Puech.
25 caixas velas de cera, 20 ditas passas ; a F.
A. Fonceca.
5 caixas figos, 1 dita amostras de algodo ; a M.
J. R. e Silva & Genro.
4 caixas figos ; a C. Alves Guimaraes.
10 ditas ditos a Euzebio R. Rabello.
34 caixas maeas; a Marques Barros & C.
1 caixa vestidos ; a D. P. Wild A C
1 caixa fazendas e calcado ; a ChLeclcre.
1 caixa amostras ; a Santos Aguiar.
1 dita papis; a J. P. da Costa.
1 dita amostras ; a Noefit Nadler.
1 caixa porcelana; a D. Mara Sarment.
I caixa livros c mercearia ; as irmaas de cari-
dade.
i caixa sinetes; a J. Grosjeau.
1 caixa linha ; a Cmara & Guimaraes.
Escuua hollandeza Ikni, vinda de Trieste, con-
signada, a N. O. Bieber & O. manifestou o se-
guinte :
1812 barricas 90 metas e 60 quartos com far-
nha de trigo, 1 barril e 7 caixas vinho: aos con-
signatarios.
1 pacote livros impressos para o consulado da
Austria.
Recebcdoria de rendas internas
geraes de Pernambuco.
Rendimento do da 1 a 17. 20:2523346
Idra do da 18......... 325A498
20:7775844
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 17. 24:3755377
dem do dia 18......... 1:3375186
Illm. Sr. Dr. juiz provedor dos residuos.Diz a
supphcante que da certidao supra, v-seque o sup-
plicado, ou se oceulta para nao ser citado, ou est
fora desta comarca em lugar que sua familia igno-
ra, e assira requer a supphcante V. S., que se
sirva mandar passar carta de editos, com o praso
de 30 das, para ser o supplicado citado por todo
conteudo na peticao retro, pelo que espera rece-
ber merce.Como procurador, Jos Theodoro Go-
mes.
Recife
THEATRO
DE
a
3lU<
Despacho.Como requer.
de 1863.
10 de agosto
Nada mais se continha em dita petico e o mais
aqui copiado.
E para que cheguo ao conhecimento do sunnli -
cado Francisco de Paula Borges Uchoa mandei
passar o presente, pelo qual citado para todo o
conteudo na peticao neste transcripta, com o pra-
zo de 30 dias, que ser afflxado no lugar do costti-
me e publicado pela imprensa depois que tiver
passado pela chancellara.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 11 de agosto de 1864).
Eu Galdino Themstocles Cabral de Vasconcellos
o subscrevi.Manoel Gentil da Costa Alvespaga
250 rs. de direito de chancellara por parte da San-
ta Casa de Misericordia.
Recife, era supra.Vasconcellos.Eslava o sel
lo das armas mperiaes com a verba seguinte :
N. 22-400 ris.-Pagou 400 res. Recife, 13
de agosto de 1863.Franca.Chaves.
N.:193.Pagou 250 reis; de direitos de chancel-
lara.Recebcdoria, 13 de agosto de 1863.Cal-
laca.Chaves.
Eslava o sello da chancellara.D. Francisco
Balthazar da Silveira, presidente.
Transifou pela chancellara. Recife, 16 de agos-
to de 1863.O esenvao Francisco dos Reis Sanes
Campello Jnior.
Lancada a folhas 5 do competente livro n. 13.
Recife, 14 de agosto de 1863.-Campello Jnior.
Esta conforme com o original. Recife 18 de
agosto de 1863.-0 escrivo, Galdino Temistocles
Gabral do. Vasconcellos.
0 Dr. Tristao de Alencar Araripe, official da imde-
rial ordem da Rosa e juiz de direito especial do
commercio desta cidade do Recife, capital da
EHPIUHZA
DB
A. .1. DIARTE CMIBRA.
Recita IIvrc da assignatura.
Sabbado, 19 de setembro de 1863.
BENEFICIO DO ACTOR
os de i,i u % MnuuiiB.
Depois de urna escolhida ouvertura, subir
scena o lindo drama em tres actos, de Antonio
Mendes Leal, intitulado
PERSONAGENS.
Dr. Olveira .....
Julio de Oliveira, seu filho
Henrique Seabra .
Andr Monteiro, typogra-
pho.......
Mara Simdes ... i
Rosa, sua irma .
D. Mxima da Purifica-
cao, viuva.....
Gertruaes, criada do dou-
tor.......
Convidados c criados.
O primeiro e terceiro actos passam-se em Bcm-
nca ; o segundo em Lisboa.
Em seguimente ao drama o Sr. Pietro Clementi-
m, perito tocador de armnico, condecorado por
ba Magestade o Imperador da Austria,
0 Sr. Flavio.
Lessa.
O beneficiado.
O Sr. Guimaraes.
A Sr.' D. Philomcna.
D. Camilla.
D. Jesuina.
D. Leopoldina.
feiloouvir.executat as seguintes pecas :
1.- Quarteto da operaI Puritani. '
Mazurka com variacijes sobre motivos de Ma-
2;
chbet.
O beneficiado cantar depois a jocosa aria do
nmm mu km.
Clementini ainda far ouvir o se-
6 tn'ITl
provincia de Pernambuco e seu tenn, por. L 2? PrSua Magestade o Imperador"*? Brasil e
imperial c constitucional o Sr. Pedro II, a; i-, 'JUV"C0 das diversas capitaes em que se tem
quem Dous guarde, etc. f
Paco saber pelo presente que no dia 12 de ou-
tubro deste auno, se ha de arrematar em praca pu-
blica desto juzo depois da audiencia respectiva a
casa terrea sita na ra da Conceicao da freguezia
da Boa-Vista n. 18, com duas janellas e 1 porta com
rotula, cozinha fr, quintal murado, cacimba
meioira, com um telheiro no fundo, avahada em
3:0005, a qual pertencente. a Joao Pinto de Lemos
Jnior, e vai praca por execueao que contra o
mesmo encaminha Thomaz Jos da Silva Gnsmao,
e na falta de licitantes, ser arrematada pelo pro-
co da adjudicaco com o abatimento respectivo da
lei.
E para que chegue ao conhecimento de todos,
mandei passar editaes que sero affixados nos lu-
gares do costume e publicados pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife, capital
da provincia de Pernambuco, aos 17 dias do mez
de setembro de 1863, quadragesimo segundo da
independencia e do imperio do Brasil.
Eu, Manoel de Carvalho Paes de Andrade, es-
crivo o escrevi.
Tristao de Alencar Araripe.
DECLARACOES.
io-.m-ym
.ao de podorem
reconciliar e gozar de um profundo e
somno, depois de terem tomado
tranquilo
- algumas doses.
Tosscs presistentes c fatigadoras, resfriamentos e
dofluxos da peior especie, hemorrhagia dos nul-
inniiun iuu-,1', ,i-, ,-,>, .i.~.- ; '"
nambucano, o Sr. Dr. Jos Antonio de Figueiredo,'. '"oes, rouquido, peda da toz, moTeTtlasdo nodo
retine as quahdades necessarias para desempenhar c da tracha-arleria onm unta .. .._" *7
com symptomas
A seguinte
de S. Paulo :
poesa do Sr. J. N. Kubitscheck,
NA SOLIDAO.
A jurity no fundo da floresta
Sauda o sol na lgubre assonia ;
Niivens de fogo vo beijando o accaso.
Flameja o incendio no morrer do dia.
Tingirim-se os listees da tarde amena,
Desdobram-sc as roupagens as mais raras :
Meu D.;us, que vem meus olhos no universo
Que nio seja um poema em vossas aras ?
Que panorama immenso descortina-se
Aqui da solido entre os segredos !
De tenues sombras CQbre o val um manto,
ie alio pino nem douram-se os rochedos f
Aos pallores da tarde, entre perfumes,
o ergne a natureza a voz suprema
Km si mesmo se abysma o pensamento
ia crenjao suspenso ante o poema.
Meu Dos, que simo agora que em meu peito
lima emocao derrama-se tamanha ?
Jamis meu coracao assim puls:ira,
Simo agora o tremor de fibra extranha.
que sorvo urna seiva mvsleriosa
Nos painois, que jamis sohara Rubens :
Quo ocano em torrentes de belleza
Da (erra ao cu, da solido s nuvens
sem oulros ttulos, capazos de i ecommcnda-lo a um suavissimo remedio. Elle imparte vigor e fomle-
voto consciencioso dos dignos eleitores do 2 dis- aos orgaos da respiracao, e os torna impenetra-
tricio, para que sua apresentacao podesse ser acei- veis e capazes de resistor quaesquer repentinas
a por todos Ejna verdade quaes os servicos, pres- mudancas da temperatura; e alm disso, nao ten-
lados pelo Ilustre candidato a provincia do Cear ? do olla outros ingredientes mais do que omais
KM CI a marc!la PliIira do Ct'ara. e suave c a0 mesmo tempo saudavel balsamo ve**
Titessm^'^.^"^ocios que mais altamente fj; razao esta por que pode ella ser Molleada e
ft lklri! candidato faltara os ele- dada as enancas da mais tenra idade em omais
camS^^a^S^^1?!!!^-!- a^fWwgla Todos os princi^ dro-
, e por cons^uinte sua apresentacao. gustas a lem venda.
Bras
se
isil, a despeito de ludo isto. nio Z&ZE
nao pela direccao irregular e ant'mlhicl ,
z^vroposito, ^sbrtstns
partido liberal dessa provincia reduzmdo-se-llie a'
ti iste e deplorai'el condicao de instrumento para llns!
meramente particulares. -
O
cons?lhelro los liento
Cunta Figueiredo.
da
De seraehantc trecho decorre nue aos nlhn dn1 inT^nlido/nistrada amnna candidatura as
articulante, anonymo, a candidatura SfiSr di SLS* fl,ndaram^ao devo com
Dr. Jos Antoniode Figueiredo nao se renme: ?8J2?e^r.!??.f???5,ra ? PWca
Navio entrado no dia 18.
Rio de Janeiro16 das, patacho nacional Regulo.
de 164 toneladas, capito Joaquim Antonio de
Parias, equipagem 10, carga 6,000 alqueires de
farnha de mandioca ; a Antonio Luiz de Olivei-
ra & C.
Nao houvcram saludas.
EDITAES.
tudo deixar
6 SOlpfYlTiP
da aos votos conscencwsosdoVdgore'leZn.y',n ISZZlZ, cnerosidadc de leaes amigos, queme
> circulo j por falla de scrvicos^iaSrpro 5to r7 m^ *.^f 5fMl!! ""W" 1ue
vinca dorara, eja por ser o candidato, ^ra. '^^%^J^ ^SZ^&i
ensoberbecido oceupand eirectivamenteT.m iS
"xc uXroif ?n r/b;ir'ou flcando o 55
excluido d ella, ao lado de tantos caracteres urna.
2assM7,n afogados D0 *^2!5S
bemaosque de coracao me voteriam 5 fofez'
mente nio est.vessem'lfgados lei jSada ere
_ _--------^s, itUeira-
mente ameio a marcha poltica da mesma provincia,
e qttir indifferente aot negocios, que de perto a i*,
teressam.
t' verdade que o Illm. Sr. Dr. Figueiredo nao
tem servicos prestados provincia do Cear, e
quando os tivesse, nao seriamos nos quem os apon-
tasse ; porm tambem verdade que elle tem ser-
viros muito relevantes, muito valiosos, feitos cau-
sa da liberdade, aojpartodo liberal do imperio, e es-
tes sao sufflcientes para legitimar a sua candida-
tura pela provincia do Cear, emborano seja ah
nascido. A liberdade nao tem patria, e esto tem o
I seio bastante largo, e o coracao sempre aberto para 1
J todos os seus filhos, para todos guantes, generosa-1
? directori> em que o governo actual houve
O Dr. Manoel Gentil da Costa Alves supplente do
juiz municipal da segunda vara e provedor de
capellas e residuos, nesta cidade do Recife e seu
termo, por S. M. I. e Constitucional quo Deus
guarde, etc.
Fago saber aos que o presente editol virem quo
por parte da junta administrativa da Santa Casa
de Misericordia, foi dirigida a este juizo a peti-
co seguinte :
Diz a junta administrativa da irmandade da San-
ta Casa de Misericordia do Recife, que quer fazer
citar a Francisco de Paula Borges Uchoa, morador
na Piran^a freguezia dos Afogados, para avaliagao.
atempagao, e seguimente da appellaco por elle
interposta da sentenca proferida por este juizo, es-
crivo Vasconcellos, nos autos para contas da tes-
tamentaria do fallecido Sebastiao Mauricio Wan-
derley entre partes como autora a supphcante por
tanto pede ao Illm. Sr. Dr. juiz provedor dos resi-
duos assim o delira.Espera receber merc."
Como procurador, JosffTheodoro Gomes.
Em a qual peticao foi proferido o despacho se-
guinte :
Despacho.Como requer. Recife 4 de agosto
de 1863.Araujo Barros.
Certifico que nao citei ao mencionado Francisco
de Paula Borges Uchoa, pdrque tendo-me dirigido
ao sitio denominado Bebedouro na freguezia dos
Afogados, lugar da residencia do mesmo, e procu
rando pessoa que sobre oflitoUchoadsseinforma-
edes encontrei o dito sitio como deserto e vollaudo
a esta cidade fui ra da Praia onde o dito Uchoa
tim armazem de carne secca ahi encontrei um fi-
lho do mesmo administrando o dito armazem o
qual declarou-me que seu pai andar por fra em
cobrancas e que nao sabia do lugar.
O referido, verdade sitio, do Bebedouro.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda desta provincia, manda fazer publico que o
concurso annunciado para o dia 12 de outubro vin-
douro, lica espagado para 19 de inesmo mez, e que
nesse dia deverao comparecer os pretendentcs nao
s aos lugares vagos do praticantes da alfandega,
como aos da recebcdoria de rendas, e que tambera
deverao comparecer no dia 19 de outubro vindou-
ro, os candidatos Silvino Candido de Albuquerque
Sobreira, Jos'; Delfino da Silva Carvalho, Francis-
co Urcisinio de Carvalho Paes de Andrade e Jos
Felippe de Moraes e Silva, (pie preslaram exame
nos dias 6, 7 e 8 de julho do corrento anno, para
os lugares vagos de praticantes desta thesouraria,
afim de fazerem exame e seren approvados as
materias de que trata o artigo primeiro paragrapho
primeiro do decreto n. 3114 do 27 de junho ulti-
mo, conforme foi determinado polo tribunal do the-
sonro nacional na ordem n. 156 de 3 do corrente
mez.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Pernam-
buco, 18 de setembro de 1863.
Servmdo de official maior,
Manoel Jos Pinto.
Inizo dos feitos da fazenda na
donal.
Na quinta-lbra 24 de setembro corrente, na sala
das audiencias, pelas 10 horas da manhaa, em pre-
senca do Illm. Sr. Dr. juiz dos feilos da fazenda
se vender em praca publica una casa de um an-
dar e solio n. o'6, sita na ra da Caixa d'Agua,
pertencente Andr de Abrea ftrto. avahada por
10:0005000, e penhorada pela fazenda nacional
para pagamento do que o mesmo deve.
Recife 18 de setembro de 1863.
O solicitador,
Francisco Xavier Pereira de Brilo.
No dia 23 do corrente, pelas 11 horas da ma-
nhaa, em audiencia do Dr. juiz de orphos. tora
lugar a praca da renda do sobrado n. 72. sito na
ra de S. Francisco desla cidade, pertencente aos
orphos de Jos Fernandes Eiras.
Inizo dos feitos da fazenda na-
cional.
Ht dia 21 do corrente, na sal i das
audiencias, pelas 10 horas da manliaa,
en jiresenca ttjjM. Sr. Dr. juiz dos
feitos da fazendasc vendeo os ol
jectos seguintes penliorados a llanoel
Antonio Pereira para pagament. do
que deve fazenda nacin ti : 12 ca-
deiras de palhinh i, 2 dilas de bal neo,
2 dilas de braco, 2 consolos, 1 sor, 1
esa redonda e 1 piano de Jacaranda,
1 carteira, 1 mesa para jantar e 12
cadeirasdeamircllo, e avadado tudo
por 220$. Recife 14 de setembro de
1863.-0 solicitador,
F. X. P. de Biilo.
Arrcmatago
Hoje 19 do con ente, depois da au-
diencia ilo Illm. Sr. Dr. juiz municipal
da segunda vara, ter lugar a conti-
nuadlo da arremalaco j annuuciada
por este Diario, de diveivos escravos
pe tencentes a herauca do Uuado Jos
Fernando da Cruz, os paes >o pra-
ca lequerimento da herdeira e in-
ventariante para pagamento dos ere-
dores da mesma bejuca.
O Sr. Pietro
guime :
1." Cavatina da operaErnani.
Io Retirada dos Austracos em Solferino.
Terminar o espectculo com a linda c jocosa
scena-comica, composta e executada pelo benefi-
ciado, intitulada
mm aso eu mo m caso
E' com este espectculo que o beneficiado espe-
ra merecer a proteccao do publico pernambucano
ao qual elle confessa a sua gratido pelos subidas
provas de estima que j inmerecidamente lhe tem
prodigalisado.
O drama urna das melhores produccSes do-
distincto dramaturgo o Sr. Antonio Mendes Leal.
Representa um bello quadro de nobres e genero-
sos sentimentos de dores intimas e de caracteres
existentes na sociedade.
Quanto ao mais o publico julgar depois do es-
pectculo.
Dcsejando abrilhantar o sou beneficio com doces-
sons de um instrumento melodioso, o beneficiado-
aprsenla o Sr. Pietro Clemenlini para executar
diversas comiiosicoes, c assim tambem para tor-
nado conhecido do publico.
Principiar s 8 horas.
A ULTIMA SEMANA
DO
CIRCO
GRANDE OCANO

No dia 22 do corrente mez vai ser arremata-
do em hasta publica na sala das audiencias oalu-
guel do sobrado do dous andares n. 110 da Senza-
la Vclha da freguezia de S. Frei Pedro Goncalves
avahado em 700fi por anno, requerimento de
Manoel Firmino Ferreira tutor dos orphos me-
nores lilhos do fallecido Manoel de Almeida Lopes.
Cousulado provincial.
Pela mesa do consulado provincial se faz publi-
co que no ultimo do corrente mez inda-se o praso
marcado para a arrematado do anno financeiro
indo de 1862 a 1863 dos impostes da decima ur-
bana de 20 0|0 do consumo de agurdente, de 4
0|U sobre os estabelecimentos de commercio fra
da cidade, prensas de algodo, cocheiras, cavalla-
rices, holeis, botequins, casas de pasto, tvpogra-
pbias, e fabricas, de8 0|0 sobre consultorios m-
dicos e cirurgicos, escritorios e cartorios, de 12
0[0 sobre estabelecimentos de commercio em gros-
so e a rctalho, armazens de recolher, de depsitos
e de trapiches, de 30,5 sobre casas de Miliar mo-
das, chapeos e roupa feita cstrangeira, e de com-
nnssao de escravos, de 300* sobro companhias
anonymas e agencias, de lOOsobre correctores
commerciaese agentes de leilao, de 305 por es-
cravo empregado no servico de alvarengas, de 500
rs por tonelada de alvarengas e canoas abenas, de
o |0 sobre a renda dos bens de raiz pertencentes
a corporacoes de mao-morta;eo de carros, carro-
sas, vehculos e mnibus, ficando sujeitos a seren
executados os que nao pagarem at aquelle dia.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco 2
de setembro de 1863.O administrador.
Antonio Carneiro Machado Rio*
SMLDING & BOGERS
Director geralCharles J. Rogers.
.\otieia especial para domingo,
llavera espectculo somente neste dia noite.
Em consequencia do excessivo calor durante a
tarde, e tornando-se assim bastante inconimodaiiva
para o auditorio, artistas e cavallos, a representa-
cao do domingo, soler lugar de noite, comprehen-
dendo ueste espectculo todas as variedades ori-
gmaes que estavam destinadas para as duas repre-
sentacoes.
HOJE.
19 de setembro.
BENEFICIO
DE
AXDREW LEHMA1VN
O l'al.ll Vi O-AR I IS | %
E
urna trovoada de novidades f
GALIIOFA! GALHOFA! GALHOFA !
A viso
Um alfaiatc estar prompto para coser os botoes
dos colletes que porventura estourarem durante o
tempo que os espectadores estiverem arrebentan-
Engrarada arle de montar a cavallo !
Engranadas gimnsticas !
Eugracados acrobticos!
Fngraf adas dansas
e a mais jocosa de
Todas as pantomimas engrandadas !
Aviso particular.
Prcvine-se aos espectadores para que se nao pre-
cipitem em mu desses descommedidbs paroxismos
de riso, visto que o palhaco nao se torna responsa-
vcl por algumas explosoes que disto possa resultar.
Gratificaces
Afim de que o publico lodo possa participar dos
aCnOSiiCnn"cos (,ue ser5 Produzidos nesta occasio,
o Palharo offerece o seguinte induziraento, a saber:
Hecompensa 1$
a todas as pessoas que pagarem 25* por um ca-
marote.
Recompensa 1$
a todas as pessoas que pagarem 5 por urna ca-
deira.
Reconipensa 500 rs.
a todas as pessoas que pagarem 2 por urna entra-
da de platea geral.
Outro avito especial.
Sendo informado o Palhaco depois do que ci-
ma lica dito, por nm afamado medico seu amigo
que nao havia perigo aUum em comprazer n'um
desatinado e longo riso; pelo oontrario, cnlribue
para o bom estado de saude e obesidade.
i.er Refleetlr! FTcparar !
1


Sia
casiao se produzir a cmica mysterio-
n ~


-=
Mario 4c Peraamhtice ftaMkftdo I
tro de 1883.
=:
sentimc
bensivel e romntica pantomina.'intlulada
Mil CANSA
OD
O OVO DE Ol HO.
Com maravilhosas mctamorphoses, transforma-
metaphoricn. incompre- rosinha, o sobrado todo forrado de papel c pintado
a branco e o quintal murado, alni do sobrado que
flca deseripto ha mais terreno, a poder ser divi-
dido para differentes ediflcacoes podcndo ser ven-
dido em lotes de differentes' palmos o que melhor
se ooder verificar em vista da planta em mi do
referido agente que est prompto a dar explica-
coes mgicas e resultados ine'xplicaveis, compre- fA60efti"e,c^r,as mcoiuo a mostraros ttulos da
hendendnnston.aisde 30 artistas, segundo foi itB!m?Posse e, 'eilaospra effectuado terca-fei-
produzido na corte pelo Circo Grande Ocano, e '{** % corrente pelas 11 horas da manhaa no
as principaes cidades da America do Norte e Sul, '***> Sno Santo ao ** oAaTm&zcn} dos Srs"
aonde foram sempre recebidos com frenticos ap '
plausos.
Palmeira & Beltrao, defronte da associacao com-
mercial.
AVISOS DIVERSOS.
Associacao Typographlca Per-
nauahiicana.
Domingo, 20 do correte, llavera sessao extraor-
dinaria do conselho, no lugar e hora do costume.
Secretaria da Associaeiio T\ pograpbica Pernam-
bucana 18 de setembro de 1863.
O Io secretario, Gutlherme Canejo.
ii:m>\%.i:v*.
Miii Gansa (fada)...... Mr. H. W. Rttggles.
Carlos (moco pobre)... Mr. Henry RoUande.
Armand (pi de Mara). Mr. W. Duverna.
Squire Bugle (rieaco ve-
lho gaiteiro)........ Mr. Andretv Lehmann.
Mara (filba de Armand) Mus Kate Ormond.
Urna gansa (que poe
ovos de ouro)....... Joven Carlos Fish.
Argumentos c incidentes.
Os amantes Carlos e Mara nao podem casar por
ser o nrimeiro pobre. O rieaco velho gaiteiro,
Squire Bugle, pede a mao de Mara e esta Ihe
dada. Mi Gansa d a Carlos urna gansa que poe
om ovo de ouro todos os dias. Carlos faz presente
da gansa a Armand para sua fllha, porm, o velho
avareuto e ambicioso, anciose de obter de urna s
vez todos os ovos, quer matar a gansa, c 6 imped- de Ulmua.
do pela Mi Gansa que retribue a todos, transfor-; Os bilhetes C meios bilhetes acham-SC
mando-os, por mgica, nos seguintes caracteres, I venda Ba. respectiva thesouraria, ra
(como, segundo se suppoo, fazem as fadas l lodos Prp os pais ambiciosos que intervera nos virtuosos amo- Lresl n- 1D>
. verdade.
A sociedade Recreativa Terpsichore encommen-
dou mobilia de Jacaranda e espelhos, mas para o
prompto pagamento desses objectos, nao lhe ha de
ser preciso emittir acedes de 155000, como as que
emittio a sociedade Bella Harmona.
.______________ Alguna socios._______
Alugam-se duas grandes casas terreas bei- I
ra do Capibaribc, na travessa da Ponte de Ucha
Sanl'Aritaa, com baixa de capim e arvoredos, ten-
do urna dellas 3 salas, 4 quartos, sotao e indepen- '
dente cozinha, 2 quartos e estribara ; e a outra
3 salas, 5 quartos, sotao com janellas e grande co-
zinha, com calcada no oitao do lado do norte, jar-
dim, cocheira, estribara, e um qnarto para cria-
do : a tratar na ra da Mangueira na Boa-Vista n.
4, ou na ra do Amorim n. 51.
Precisase de urna ama de leite : na ra das
Trincheiras, sobrado n. 17.
"RS
fiWSCraX*
COMPTABILIDADE COMMERCIAL
PELO
DE. WITRTJVIO PINTO BANDEIRA
Profrssor da segunda eadeira do Corso Commtrcial PernamliiKaao.
DOliS BELLOS VOLI MES EM 8. FRAXCEZ
l
LOTERA.
Sabbado 26 do corrente mez se extrahir
a segunda parte da primeira lotera a bene-
ficio da igreja de Nossa Senhora das Neves
res de seus lilhos):
Carlos (Mr. Henry RoUande) era Arlequim.
Maria (Miss Ormond) em........ Columbina.
Armand (Mr. \V. Duverna) em... Pantaloon.
Squire Bugle (Mr. AmlrewLehmann Palhago.
Os outros papis sao desempenhados pela com-
panhia.
AGOUA C0MEC\ A FOLIA.
Os paderos em aperto.-Qucm roubou os pas-
tis ?Um espeto manobrado com vantagem.
O carador e os salteadores de estrada.A bolsa
ouavida!Urna pequea partida de dados.De-
Solacao sem guilhotina.O palhago feito um gran-
e dutor em medicina.
Promennde faskionable.Sentido com os ladrees!
A vendedoura de peixe e urna senhora do tom.
O pedreiro com o nariz escangalhado.
O pobre emigrado e sna familia.A manca en-
trame a nova ama.
Jig tnmbour major e priso do desertor.A sen-
tenca e a execuro! Nem sempre se podo confiar
em armas de fogo.E' mais ngradavel o som de
guitarras do que o de una descarga do fuzilaria.
As mercaduras parisienses do negociante vio ter
ra da Imperatriz n. 44, loja do Sr. Pimen-
tel, ra Direita n. 3, botica do Sr. Chagas,
e ra da Cadeia n. 45, loja do Sr. Porto.
Os premios de 5:000/ at 105 sero pa-
gos urna hora depois da extraerlo at as 4
horas da tarde, e os outros no da seguinte,
depois da destribuico das listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
3 f delles ser feito logo que sejam receidas as
da canta. Vite PEmpereur Vite Napolen
Grand!
Da de compras na praca do mercado. Qucm
roubou os ovos TUm franco e um marreco cho-
cados con a maior brevidade.Cuben as figuras.
A louca quebrada, os ovos estragados e a horta-
liza, carne e peixe atirados pelo chao.-A praca do
mercado em barulho.
H>l"K0 BRAVO!
TOI'RO BRAVO!!
TOURO BRAVO!!
W. T. B. Van-Orden Jnior,
Secretario.
iiOTEIM A.
O thesoureiro das loteras desta provinl
ca, desojando 'extrahi-las era maior capita-
e com menores intervallos, offerece a vanta-
gem de dous por cento quem comprar
para negocio, na quantia de 100)5 para cima;
assim como se prope a estabelecer corres-
pondencias para qualquer localidade da pro-
vincia, remettendo bilhetes, meios e listas,
sob flanea idnea; devendo o pagamento
I. o livores e me reo I ni enl os.
Palpitar*) de corado.
Sr. redactor.Permitta-me, por va da sua res-
peitavel foltajdecertificar que fui tao affligido com
urna palpitacao de coracao, que minha saude esla-
va de tal modo arruinada, que nao poda tratar de
minha vida, por fraqueza ; mas tendo applicado
as chapas raedicnaes do Sr. Ricardo Kirk, cscrip-
toro na ra do Parto n. 119, vejo-me perfeitaraen-
te restablecido para continuar outra vez as mi-
nhas occupac5es.
Tendo a maior fe nestas chapas, recommendo-as
a todas as pessoas que podercm ter a mesma affec-
cao que eu tive.Lourenco Jos Ferreira da Cos-
ta, ra da Misericordia n. 42.
Augusto Frederico de Oliveira tendo de au-
sentar-so desta cidade pelo espaco de 30 dias, faz
publico que durante a sua curta ausencia consti-
tuio como procuradores para gerencia de todos os
negocios relativos sua casa commercial, em 1.*
lugar ao Sr. Miguel Augusto de Oliveira, em 2," ao
Sr Manoel Francisco Pontes, c ao Sr. Eduardo*
Candido de Oliveira, procurador com poderes es-*
peciaes para tratar dos negocios das massas falli-
das de Scve, Filhos & C, e de viuva Amorim &
Filho, de que administrador e depositario.
NOTICIA NOTICIA NOTICIA.
Candes de visita
Candes de visita
Cartdes de visita
Cartees de visita
Candes de visita
Candes de visita
Candes de visita
Candes de visita
Candes de visita
Candes de visita
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador
_______ Ra do Imperador
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
.Vivrgaeao costeira a vapor.
Parahyba, Natal. Macu, Aracah e Ccar.
O'vanor Mainangnape comman-
dute Moura, seguir no dia 22
da (torrente as 5 horas da tarde
para os portos cima indicados.
Recebe carga al o dia 21 ao
meio dia, encommcodas, passageiros e dinheiro a
frele al> o dia da saluda as 3 horas: c-rriptorio
no Forte do Mallos n. 1.
listas e novos bilhetes rcmettidos. O the-
soureiro certo da conveniencia desse negocio,
convida aos Srs. eommerciantes da Victoria,
Goianna, Rio Formoso, Nazareth, Serinhem
c mais localidades populosas da provincia, e
mesmo os desta capital, que o quizerem, a
entenderera-sc com elle,'na thesouraria das
loteras, ra do Crespn. 15: advertindo
que receber era pagamento e sem descont,
os bilhetes premiados de todas as loteras
da provincia recolhidos thesouraria da fa-
zenda provincial.
Thesouraria das loteras, 20 dejunho de
1863.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Para a Baha val sabir com muita brevidade
o veleiro patacho D. Lu:, capilao Jos T.'ixciradc
Azevedo, por ter a maior parte do carregamento
prompto : para o resto trata-se com os consignata-
rios Palmeira & Rcltrao largo do Corpo Santn.
4, primeiro andar.
Rio de Janeiro.
O patacho Social, 1" citase e 1" ordem, segu
breve, anda recebe alguma carga frete e escra-
vos : 4rata-se com Marques, Barros & C, largo do
Corpo Santo n. 6.
LEILOES.
i OJfc
Sabbado 19 do rente sll horas na da Ca-
deia numero o3.
DE
Un guarda louca, carteiras, cadeiras, consolos, me-
sas, quadros, mappa, secretaria, resfradeira,
relop o suis-o, tinteirode prata," estante grande
para guardar livros, camas de ferro, paliteiro
de prata, bandeijas, missangas 280 niassos e ou-
tros objectos miados que
Pelo agente Euzebio se vender em leilao na-
queHe (lia e hora.
A mesa regedora dairmandadede rossa Se-
nhora do Bom Parto, faz sciente ao respeitavel pu-
blico, que justos motivos occorrem pelos quaes foi
iransferida a festa da mesma Senhora, para a lar-
cena ilonimga de outubro prximo futuro.
Consistorio da irmandade, 18 de setembro de
18G3.
O escrivao,
___ Joaquim MSo Alies Lima Jnior.
Aluga-se urna casa retilicada de novo, sjta
no Monteiro, defronte da capel la de S. Pantalao,
tendo commodos para grande familia, quarto no
quintal para escravos : quem a pretender, pode
procurar alli o Sr. Nicolao Machado Freir, ou na
ra larga do Rosario n. 27, taberna, e sendo por
auno se alugar muito em cunta.
Irmandade do Wenhor Bom Je-
ss dos Passos, erecta na igre-
ja do.Corpo Manto, freguezia
de H. Fr. Pedro Cioucalves do
Recife.
Em cumprimento do art. 17 cap. 4." do com- i mesmo tem exposto venda em sua dita casa
promisso desta irmandade, convido os charos ir- $ nas ou,"as do costume os novos e felizes bilhetes
maes para comparecerera no consistorio da mesma oa ^'Runda parte da primeira lotera a beneficio
domingo prximo vindouro, 20 do corrente, as 11 a !reJa das Neves de Olinda, que se extrahira a
horas da manhaa, afim de se concluir a eleicao 2b 9o corrente mez e as sones que elies obtivercm
dos procuradores e raesarios, pelo modo proscripto -craopcla mesma forma pagas nma hora depois
no citado art. 17 cap. 4." do compromisso.
Consistorio da irmandade do Senhor Bom Jess
LOTERA
CASA DA FORTUNA.
O abaixo assignado faz sciente ao respeitavel
publico que vendeu em seus muito felizes bilhetes
garantidos as sortes de 1:000,5, de 5005 e outras
de 1005, 405 e 205 da lotera que so acabou de
extrahir a beneficio da Santa Casa da Misericordia
e convida aos possuidores de ditos bilhetes a vi-
rem receber seus respectivos premios integral-
mente sem descont alguin em seu estabelecimen-
; to Casa da Fortuna ra do Crespo n. 23.
COMPltEHENDENDO
O primeiroPreleccdes theorico-praticas de escrlptn-
raco mercantil.
O segando NocSes de arithmetica com-
mercial, adaptadas pratica das operaedes com-
merciaes e elementos do systema
mtrico com snas appllcaces
ao commerclo.
PREgO DE CADA VOLUME Sfi.
Esta obra, apezar de elementar, vem precncher urna lacnna, que era sentida entre nos
onde raUocem esenptos de certas especialidades rom accesso a todas as ntelgencias ; e as-
dos principios da comptabilidade administrativa e commercial.
. .Com este intuito, sob urna forma essencialmente classica, reuni'u o Sr. r Witruvio os
principios da comptabilidade commercial no que tem elles de mais elementar, e eoordenou-
os de modo a facilitar o mais possivel o seu estudo as pessoas que se destinara s profissoes
comraerciaes, sendo taes a concisao e a clareza postas no desenvolvimento respectivo, que oo-
de-se aprender a materia, chegando-se a escripturar os livros |or partidas doblada* e appli-
car o calculo as operaedes do commercio, sem carecer da nterveneao de um mestre
O primeiro volumc, formulado sobre a obra de Bertrand, oceupa-se mais especialmente
quer pelo da formacao, existencia e extinecao dellas era face da lei.
ripturacSo,
Neste appendice, dupli-
cadamente recommendavel por sua originalidade e pelo cunho de especialismb, tem o em-
mercianle una guia para sua direccao, qualquer que seja a forma da sociedade ipie contraa
completa este volumc o specimenou resumo de urna escriptiiracao. ficticia verdade mas em
tudo semelhante a de urna casa de commercio ordinario, offerecendo una serie de operaedes
successivamente mais difflceis, que assim inicia gradualmente a maneira de escrntura-las
nos dilterentes livros de urna casa de commercio.
SOCIEDADE
De orJeni do Sr. presidente convido
o
lodos os
socios a comparecerera a reuniao que ter lugar
domingo 20 do corrente, as 10 horas da manhaa,
na casa de suas sessoes, ra do Calalxmco n. 4 .
advertindo que os que nao comparecerem ou se
submetterem a resoluco de 2 de agosto prximo
passado, lhe ser app'licada i pena de eliminacao.
Sala das sessoes da sociedade Amor ao Prximo
18 de setembro de 1863.
Joaquim Manoel da Silva Mendes.
1. secretario interino. *
dos Passos na igreja do Corpo Santo do Recife 17
de setembro de 1863.O escrivao
Antonio Gomes Miranda Leal.
Jou noH'te tlaainnri
est morando narua do Rangei n. 10, e nao se es-
cusa a qualquer servico que com o mesmo te-
nhain negocios.
Claudio~Dubex, proprietario
dos mnibus, faz sciente aos
Srs. assignantes que ostao em
atrazo com a paga das asig-
naturas hajam de se porem era
dia at o lim do mez de se-
tembro, os que assTin nao praticarem dou ordem
aos boliciros para os nao receberem poto nao
possivel que oceupe elfectivo um caixeiro nesta
Precos.
Bilhetes inteiros ..... 65000
Meios bilhetes...... 35000
Para as pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Bilhetes........ 55300
Meios......... 25730
______ Manoel Martins Fiuza.
>'o dia 16 do corrente voou da ra da Gloria
para a banda da Ponte Vellia ura papagaio com
um pedaco de corrente no p ; se a posara que o
pegou, tiver consciencia e o queira restituir
sen dono, pode mandar ra da Gloria n. 3, que
recelar recompensa se o exigir.
O segundo, egualraente formulado sobre a obra de Kottinger, oceupa-se particularmente
da arithmetica commercial cora exerricios e problemas pelo' meio mais simples, fcil e breve
' tm conjuncta, acerca de todas as opcracOea platicas usuaes no commercio envolvendo
Uos de cambios de pra^a praca e por piaras intermedias, bem como negocios de bancos
arbilragens de cambios, alm do desenvolvimento do Byatem mtrico em suas relaces
o commercio, Ilustrado por meio de tabellas de conversad. ^^
da regra conjuncta, acerca de todas as operaeras praticas
clculos de
com;
com o commercio, i ilustrado por l_
O editor nada mais accrescentar estas breves palavras, qui^ assis deraonstram a im-
ponancia real desta obra, devida a intelligencia e a applicafao aecurada do seu autor senao
que 6 ella de ulilidade geral, e que a nenhnm cominerciante e mesmo a hornera algum 'de let-
tras e licito deixar de possui-laem sua estante ; pois o commercio em suas variada* evolu-
coes, entende actualmente com tudo que se liga a vida.
A assignatura toma-se nas livrarias dos Srs. Guimaraes \ Oliveira. Nogiieira de Son-
za, Juhao d Pereira e Geraldo H. de Mira, sendo realisada sua importancia pela anota de cada
volume ao sabir do prelo, para o qual ora entra o primeiro.
O EDITOR.
Aluga-se urna pi ota escrava para ama de
leite, e nao obstante ter um filho de 2 mezes tem
abundancia de leite e muito bom, cozinha e cn-
gqrama bem. por preco comraodo : quem quizer
cnbranca quando deve ser foita adiantada, os Srs. annuncie para ser procurado._______________
saliem ijue bolieiros, caixeiros, ferreiro, marci-l' f'aii>|i>a 'S* okopiiIi
ftc^^s^Ta-^'T^ i ^m sss-Sffas^ di.
sageiros rateos, quando vao jiara entrar no em-
nilMis bajara de ir munidos da impotente paga
para nao fiear em calotes, a earapnca val pan
LEI 10
DE
168 lonelladas de carvao de pedra.
310 raixas com latas de gaz.
2 lanchas novas.
2 baeiras novas.
50 peras de cabos de manilha.
44 (1 las (Ir dito alcatroado.
8 barra com carne de vacca.
2 cascos com verniz.
AJ
Henry Manter eapitao da galera americana Sa-
muel Robertson, arribada neste porto por forja
maior onde foi legalmente condenraada, tara leilao
porcontaerisco de quem pertencer precedida a
autorisacao do Illm. Sr. inspector da alfandega
cora assistencia de um emprendo da mesma re-
jiarlicao para o effito nomeado, em presenca do
cnsul dos Estados-Unidos c por intervenco do
agente Pinto, dos objectos cima descriptos," parir'
do carregamentcf da referida galera, cujo producto
servir para occorrer as despezas que o raesrao
navio tem feito neste porto.
O leilao ter principio s 10 horas do dia cima
-dito no armazcm do bario do Livramento ces
d'Apollo.______
lelIo
A 91 do corrente,
Augusto C. de Abreu far leilao por intervenco
do agente Pinto de 50 pecas do algodao avariadb e
em seguida vender fazendas inglezas e francezas:
segunda-feira 21 do corrente s 10 horas da ma-
nhaa em ponto, em seu armazem ra da Cadeia
n. 36.
40 PUBLICO
O Dr. Vilella Tavarcs abri novamente o seu es-
critorio de advocada na ra do Crespo, sobrado
de un s andar n. 1, defronte da livraria econ-
mica do Sr. Nogueira. Encarrega-se de quaesquer
causas civis, commerciacs, criminaos c eclesisti-
cas, e prometi s pessoas que nelle depositarem
sua conlianca, todo o zoilo e cuidado pelas cansas
de que o ecarregareni Aceita casas de partido.
Pode ser procurado todos os dias uteis das 9 i/2
horas da manba s 4 da tarde, e lora desse lem-
po, e era casos urgentes, era sua casa, na ra da
Trompe n. 7.
Aluga-se o sitio da Capaila na estrada de
Joao de Barros, cora boa casa de morada, estriba-
ra, casa para escravos, boa cacimba cora bomba,
ura grande viveiro, grande baixa com capim para
verlo e invern, muitos arvoredos de frueto :
quera o pretender, dirija-se ao mesmo, que l
achara cora quem tratar.
para nao licar em raloies.
quera talhada.
BA1CO l \flAO
ESTABEL.ECIDO XA CIDADE DO PORTO
Ayenles eiu Pcrnaniliuco
Antonio Liiiz de Oliveira
Azevedo i C.
Sacara por todos os paquetes sobre o
mesmo banco prazo ou vista, sobre a
caixa filial em Lisboa, e agencias em Fi-
gueira, Coimbra, Aveiro, Visen, Villa-
Real, Hegoa, Vianna de CasteUo, Guima-
raes, Baraellos, Lamego, Covilbaa. Braga,
Penafiel, Braganca, Amarante, Angra,
liba da Terceira,"lllia de Faias, Ilha da
Madeira, Villa do Coude, Valeaca, Bastos,
Oliveira de Azeineis. Chaves *e Fafe, a
oito dias vista ou ao prazo que se conven-
conar, no seu escriptorio ra da Cruz
n. 1.
Ahjg.vse a casa terrea n. 'J no principio da
ra lidt-rial. com 2 quartos, 2 salas, cozinha fra,
q.iint^^ cacimba : a tratar na ra do Queiraado
BMMTO 71.
O Sr. Sesostris Silvio Sarment tem urna
carta nesta typograpbia para ser entregue em
mao.
Precisa-se alugar urna escrava para ama de
casa : na ra da Gloria n. 44.
A pessoa a quera pertencer unas raadeiras
que cxistcni na estaco das Cinco Puntas, vmdas
no trem da semana passada, querendo vende-las,
dirija-se ra da Moeda, taberna n. 20, que abi
achara com quem tratar. '
Precisa-se de un caixeiro que entenda de
pbarmaeia : na botica da ra doCabug n. li.
PIIECI8.4H9E
de urna pessoa que se encarreguo de engommar
para pequea familia : a mandar roa morada e
precos era carta fechada loja ns. 6 e 8 da praca
da Independencia, cora a inicial Z.
Toma-sc a quantia de 1:0005 a juros, dando
por seguranca ura casal de escravos e um menor
de 6 annos: a pessoa que quizer dar* dita quan-
tia. annuncie para ser procurado.
Qucm precisar de urna ama crioula para to-
do o servico de casa de familia, dirija-se ao pa-
teo do Terco n. 16, sobrado.
Bastos & Reg pedem s pessoas que tem pe-
nhore.- em sua loja, de os virem tirar no praso de
oito dias, do contrario sero vendidos em leilao.
por quanto derem para pagamento.
PR EDIOS
Terca-fcira 21 de frrenle.
0 agente Pestaa legalmente autorisado vende-
r em leilao os predios .seguintes :
1 s lio na ra da Fundicao em Santo Amaro em
chaos proprios, murado por tres lados, contendo
dentro 4 casas terreas todas com portad para o
largo projectado para a capella, duas meias aguas,
um alicerce com 32 palmos de frente e 90 de fun-
do pnprlo iara nelle se levantar sobrado, o refe-
rido ?itio alm de muito arvoredo tem um exeel-
lente viveiro e tem saludas com portees para as
ras da Fundicao e estrada do cemilerio.
Uuiagrande casa tcrrea.com cocheira, estriba-
ra, binbeiro de pudra c cal, cora mais outra casa
a beiea da estrada, parte mitrado, em chaos forei-
.ros no lugar Parnamtrira, o sitio todo plantado
de arvoredos e grande baixa de capim.
Um grande sobrado no.principio da estrada de
Joo de Barros, com **) palmos de frente e 2,100
no maior fundo, em eMet proprios, com cocheira,
estribara, quarto para banho, quartos para cru-
dos, gua encanada para a estribara, banheiroe
Ama.
Precisa-se de una preta forra ou captiva para o
servico interno e externo de urna casa de duas
pessoas : no Forte do Mallos, ra do Cordoniz nu-
mero 9.
Fugio do engenho Javenda, no da 16 do cor-
rente, a negra Sebastiana, crioula, mea fula, tem
na mao direita 2 ou 3 dedos alcijados, na testa,
junto aos cabellos, urna marca de um taino, cara e
nariz grandes: quem a apprchonder, leve-a ao
mesmo engenho que ser recompensado. "
Os abaixo assgnados avisara ao respeitave
publico e especialmente aos seus freguezes, que de
commiim accordo tem dissolvido a sociedade na
oflicna de scrralhero e ferreiro, sita na travessa
do Chafariz n. 17, em Fra de Portas, ficando o ac-
tivo e passivo por conta do socio lloffmann, c deso-
nerado de todo c qualquer ouus o socio Mohaupt.
Recife 17 de setembro de 1863.
_________________Mohaupt A lloffmann.
R. B. Lasserre & C, mudaram seu escrip-
torio da ra da Cruz n. 13 para a mesma ra n. 5.
O abaixo assignado faz sciente ao publico,
que nao tem letras ou obrigacSes algumas, venci-
das ou por vencer, assignadas e aceitas por sua
letra e signal, e caso appareca alguem declarando
ser o mesmo abaixo assignado devedor por titulo
de semelhante natureza, as assignaturas que em
taes ttulos se acharem sao falsas e apocrpnas, ou
ento foram ttulos ja ha tempo pagos, e que lhe fo-
ram subtrahidos.John Donnelly.
Na cocholra de Claudio Dubcux ra do Im-
perador n. 43, tem para vender-se um cavallo de
sella muito bonito, grande e novo, marchador e
manco e juntamente outro propro para carreiras :
quem pretendor d-se para experi mentar.
CASA DE SAUDE
Eu Sanio Amaro
Do Dr. MIa Ramos.
l'nieo estabelccimento desta natureza
que existe entre nos, montado do modo
que pode com todo o commodo e zelo tra-
tar qualquer doente, que nella seja reco-
Ihdp.
O*edificio magestoso e conserva-sc
era perfeito estado de limpeza e conve-
nientemente mobiliado.
Os doentes sao separados, segundo os
sexos, natureza das molestias e condicoes
sociaes.
Ha quartos fortificados para os aliena-
dos, e urna enfermara para as partu-
rientes.
O proprietario encarrega-se de qual-
quer operaeao.
O estabelecmento franqueado qual-
quer pessoa que o queira visitar. .
Primeira classe 35000 diarios.
Segunda dita.... 25300 >
Terceira dita.... 25000
Para que qualquer doente sejaali rece-
bido, basta que se mande o norae do doen-
te e da pessoa que o remette, com a de-
claracao da morada.
. O proprietario aceita contratos annuaes.
com qualquer que queira ter um ou mais
leitos sua disposico.
SHilihDi;
r.\i%o ni \c 11< i:\ti: dosco-
cii:ikok B-:.fn bi:h.wti-
bixo
O Sr. presidente da sociedade l'niao Bendicen-
te dos Cocheiros convida aos seuhores socios que
tenham a bondade. de comparecer no da 21 do
corrente mez, s 8 horas da aote, na sala das
nossas sessoes, para tiatarmos de negocios tenden-
tes a mesma; e ficando todos prevenidos para o
23 do mesmo mez, acharem-se as 2 horas da tar-
de na mesma casa para fazermos a nossa eleicao.
Sala de nossas sessoes 17 de setembro de 1864.
Balbino Jos dos Santos,
2. secretario interino.
O Sr. Luiz Jos Maipes queira
pparcecrnes'a lypo.graphia._______
Precisa-se tomar a premio a quantia de
10:0005000 rs. dando-se hxpotheca'eni predios de
valor muito superior. A pessoa a quem convena
dirija seu noine em carta fechada, livraria da
Praca da Independencia n. 6 e 8, com as iniciaes
P. M. para ser procurado._______^________
Precisa-se de urna ama para casa de homem
soltero : na ra Direita n. 20.
J. VIGNES.
N. r.. RIA DO IMPERADOR N. 55.
Os pianos desta anliga fabrica sao hojo assaz conbecidos, para que seja necessaro insistir sobre a
sua superoridade, vantagens c garantas que olTerecem aos compradores, qualidades estas ncontesta-
veis querelles tem definitivamente conquistado sobre lodos os que tem apparecido nesta praca ; pos-
suindo um teclado e niaehinismo queobedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
nunca falhar, por seren fabricados de proposito, e ler-se feito ltimamente melhoramentos raportan-
tissimos para o clima deste paiz ; quanto s vosas sao melodiosas e flautadas, e por isto muito agrada-
veis aos ouvidos dos apreciadores.
Pazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como nado Sr. Blondel, de Pars, socia
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposicoes.
No mesmo estabelecmento se acha sempre um explendido e variado sortimento d msicas dos
melhores compositores da Europa, assim como harmnicos c pianos harmnicos, sendo tudo vendido
por precos muito razoaveis.
An importante e$tabelecimento de fazend s
ra do Grespo n 17, de Jos Gomes Villar
K^ Protejaai Kxmas. senhoras a este bello estabelec-
mento de fazendas.
Ah Vv. Excel lencias encontrarao as melhores fazendas as mais modernas viudas
em direitura de Paria e Inglaterra.
Chegaram de Pars os mais bellos cortes de la com barras delicadsimas, a elles
antes que se acabem.
Peras de niadapolo de 12 jardas a 45, 45300 e 35, ditas de algodaozinho de 10
jardas a 'l e i-'iftO. ditas de bretanhade rolo a 35, bramante de linho de 10 palmos de
largura a 25 a vara, rambraia lisa fina de 10 jardas a 45 a peca, chita francesa fina es-
cura a 320 rs. o covado, las de cores muito delicadas a 320 c 360 rs. o covado, vestidos
de Wond com canda o manta proprios para noivas, manteletes, capas pretas de muito
gosto a Luiz XIV, solferinos pretos bordados, chapelinas de-muito gosto, veos para cha-
peos prctos e brancos, vestidos braneos bordados, cassas de cures lindissiinas a 210 e
280 rs. o covado, organdys de muito gosto a 400 rs. o covado. chapeos de sol de panno
para meninos a 15600 cada um.
Msicas importantissimas para piano e canto de todas as forras e se vendan por
baratissimo preco para acabar.
Admirareis litas escossezas de muito apurado gosto proprias para vestidos no verao
fazenda ptima de 3 e 4 palmos de largura a 100 e 500 rs. o covado.
IPPROVA^AO E AUTORISADO.
DA
ficADEHii mmu m mm\u
oo
O cirurgio do corpo de saude do exer-
cito Dr. Luiz Carlos Augusto da Silva, seguindo
no vapor Cruzeiro do Sul para a corte, com des-
tino provincia de Santa Camarina, nao podendo
pela presteza de sua viagem despedir-se pessoal-
mentc de todas as pessoas que o honraram com a
sua araizade. o que muito sent, soccorre-se do
vehculo da imprensa para cumprir esse dever,
assegurando-lhe o seu mais sincero reconheci-
mento, e offerecendo-lhes os seus servicos naquella
provincia, on era outra qualquer parte onde esti-
ver. Faltara anda com o sou dever, se por ven-
tura deixasse de patentear a sua gratido aos Per-
nambucanos pelo
acolhmento benvolo que lhe
fizeram, e a sia familia, durante a sua estada nes-
ta capital, levando comsigo as mais vivas saudades Presisa-se de um caixeiro portugus de ida-
e recordacoes. I de de 20 25 annos, que tenha pratica de tabor-
ELLE. na e d fiador a sua conducta : em Fra de Portas
Na frente do Computo de quarta-feira ultima so- ra do Pifiar n. 143.
bresahio depois do voto Hcre urna carretilha ou g*ratatflBfiag IMMlffim
gazetilha, sob a qual se l lembranra, lembra-se. I SSWSIml BNSiflK
etc., etc., assignaoa pelo amigo da igualdade, que 9K Aluga-sc um molouuo de 16
jpstamente ta'rabem o maior inimige das tabernas W bom copeiro : na ra de S.
dos pateos c das travessas, | mero 29.
_Senbor meu, a sua lembranra foi muito mal
iBlibran. Arrede, pois, a sua lingua das dnas
coltecta* dos fundos das tabernas que Vmc. cilou
e dos arnlazeus que Vmc, nao citou, porque nem
ellas, nem ellos, apezar dos pozares, dewm pagar. raflt Uil PUd U Ll'UZ U. I, IDUMO pro-
as cujas duas epljectas que Vmc. falla, porque a! pril) para qaalqoer esCPptor0! tra-
istonao obnga le algnma. BUlRde? adeos mea m* ,i ,., kj
charo. Sou seu-Tanjasno. Ittr noarmazem do mesmo sobrado.
Aluga-se o prime- i andar do so-
s-rija ESTBEITA DO ROSARI0--3
Francisco Pinto Ozorio continua a col-
locar dentes artificiaes tanto por meio de
molas como pela pressao do ar, nao re-
cebe paga alguma sera que as obras nao
(quera a vunude de seus dimos, tem pos
e outras preparacoes as mais acreditadas
para conservago da bocea.
\liiita se o quarto tu lar e sotao
do sobado da ra da Cruz if 40, com
bastaste* eosimodos para familia a
tratar no armazeni do mr-sm sobrado.
JUNTA CENTfiAL DE HYGIENE PUBLICA
ELECTRO-MAGNTICAS EPISPASTICAS
di:
RICARDO KIRK
Para serem appllcadas s parales affectadas, sem resguardo
nem ineommodo
Pede-se ao Sr. Rogoberto Barlxisa da Silva mo-
rador na rtva do Imperador junto a secretaria de
polica, nrinieiro andar, queira dirigir-su rus da
Imperatriz n. 42, a tratar de negocio que nao ig-
nora, pois do contrario se expora ao publico o pro-
cedimento do interno senhor para com o annun^
ciante,
Manoel Joaqun. Moretra.
Muito conhecidas nesta corte e em todas as pro-
vincias deste imperio, pelos seus infalliveis resul-
tados em todos os casos de inflammacao, seiam ex-
ternas ou internas (com cansaco e falta de respt-
racao) como do estomago, figado, baco, bofes, rins,
tero, peito, palpitacao de coracao, gargantas,
olhos, ervsipellas, rheumatismos, paralysia, e todas
as affeecoes nervosas, etc., etc.
Igualmente para quaesquer inehacoes, rendas,
tumores intestmacs e venreos, scrophulas, tobi-
nhos, papos, etc., etc., sejam qual for o seu tarua-
nho e profundeza, por meio da supuracao serio ra-
dicalmente extirpados.
(Estas chapas nao podem fazer mal de forma al-
guma, ellas tem sido applicadas aos olhos com o
mellior successo, vejam-se os attestados de curas
completas que ja foram publicados pelos joroaes.)
O uso ddlas aeonselbado e recetado por habis e
as innmeras curas completamente obtidas nas d-
wnas molestias em que foram applicadas, e fazem
aterecer e conservar a conlianca do Ilustrado pu-
blico, qnc j tive a honra de merecer deUe 25 an-
uos de existencia e de pratica.
N. 1!. Nesta corte e de todos os pontos dcst
imperio rocebem-se partieipaeocs satisfactorias e
respeito das ditas chapas medicinaos.
As encommendas das provincias devem ser di-
rigidas por escripto, cora todo o cuidado de fazer
as neressarias explicaedes, se as dianas sao para
homem, senhora, menino ou erianea, declarando a
molestia e em que porte do corpo existe.
Para inchaedes, feridas, lobinhos, papos, etc.; o
molde iusto de sea tamanho em um jiedaco de pa-
pel, a declaracao onde existe, afim de que a chapa
seja da forma da irte afleetada, e para que possa
distinctos facultativos, sua eficacia ineontestavel, c 'ser bem applicada em seu lugar.
PODE-SE MANDAR VIR DE QUALQUER PONTO DO IMPERIO
DO RRASIL
As chapas serao aeompanhadas das suas com- Consulta s pessoas que se dignaren! honrado
ias, se
tarde.
ESCRIPTORIO
odtentos explica^oes, e- tambem de todos os acces- com a sua conlianca, todos os dias, sem excepcao,
denos necessarios paia suas applicae,des. das 9 horas da manhaa s 2 da urde.
\. flU RIJA DO PARTO 1%.
E EM PERNAMBUCO
Para as eneomnendas ou tatormacoes dirijamsa pharmaaa de los Alexandre Ribeira,
ra do Queimado n. lo.
4MIITM Ann>
w


I ..
vM*ii de Pernambneo laMMdo i de Setembro de ISAS.


CURATIVO
PELAS
PILULAS PAULISTANAS.
Eu abaixo assignado, Bento Ferreira de Meraes,
soffrendo a molestia do desmancho de satifHe, pro-
cura no principio dclla o (calamento por meio de
um dos abaixo assignados, mandando-me inirue-
diatamente o autor (.arlos Pedro Etchccoin entre-
gar : em menos de quatro mczes tudo se extin-
gui ; porm ainda mandou-me seguir o tratamento
para bem purificar a massa do sangue.
Santa-Branca, 13 de marco de 1859.A rogo
do Sr. Bento Ferreira de Montes, Salvador Jos de
.tratro.Como lestemunhas, Joaqitim EUntterio
de Souza.Joaqun Rodrigues do Prado.
AGENCIA PRINCIPAL
Rio de Janeiro, ra do Parto, n. 119-
DEPOSITQ EM PERNAMBUCO
Na pharmacia do Sr. Jos Aloxandre Ribeiro ra do
,__________Qucimado n. 15. _______
Precisa-se alugar urna escrava queoosinhe c
engommc na ra do Imperador n. Jl, segundo
andar.__________________________________
Ainda resta para se alugar 2 casas novas
agora acabadas, ptimas para passamento de festa,
por ser muilo perto da praca, no lugar4a Capun-
ga, na primcira entrada antes de cliegar S. Jos
do Maiiguinlio, com varios commodos, quintaos
amurados; a tratar no mesmo lugar n. 19.
Aluga-sc a nova casa terrea n. 1 B da ra
dos Prazeres da Boa-Vista : a tratar na ra estrei-
ta do Rosario n. 28.
Attenco
O Sr. Jos Paulo do Reg* Barrete, advegado na
villa do Cabo, tenha a bondade de dirigirse lo-
ja de Jos Gomes Villar na ra do Crespo n. 17, a
negocio.______________^___________
Merece u4len$ao.
Urna pessoa braneacom alguma edu-
cacao e s tendo em companhia a viuva
materna, se offerece nos misteres seguin-
tes, a quem se quizer utilisar.
Tem conhecimcntos jurdicos com que
se pode haver muito bem em quaesquer
ac urge tratar-so quando menos se espera.
Trata mdicamente c com proveito a mui-
tas molestias.
Tem o necessario saber para guiar
novicos officiaes de carpina no fabrico de
varias < mentos de machinas de engenbo, quando
exijam taes servidos. E' igualmente pra-
tiro nos traballtos agrcolas em adminis-
trar engenbo, .acrescendo por si, saber
fazer assucar e o purgar, com o que
mais provavel prevenir prejuizos nao pe-
queos que as vezes se dao com os as-
sucares ruins, s conliecido quando se
os tiram e que s ahi que muitos se-
nhores procurara remediar o mal despe-
dindo os operarios e cahindo todos na
mesma avonturaeau. Quem pois preci-
sar do annunciante para este ultimo ca-
so, isto, para administracao de enge-
nho, podera ahi se aproveitar das mais
habilidades do annunciante e que para
fazer negocio deverao annunciar pela fo-
lha Ordcm, ou por carta fechada com as
Iniciaos M. L 0. M. dirigida ao Sr. redac-
tor de dita folha Ignacio Bento de Loyola.
c
SEGUROS DE YIDA EM MUTUALIDADE.
A direccao do BANCO UNIAO tendo obtido do governo de S. M. F. a autorisacao para estabele-
eer o seguro de vidas em mutualidades, faz publico que desde j toma subscrip^ocs annuaes por urna
s vez, debaixo das seguintes eoodicdes :
Com perda de capital e lucros;
Dito capital smente;
Dito lucros smente;
devendo a prlmeira liquidacao ter logar no 1" de Janeiro de 1859.
As vantagens do emprego de capitaes em mutualidade, sao obvias, porque nao smente se co-
I Ihe o juro de quantias diminutas, de que avulsas se nao poderia tirar nenhum resultado; mas alm
: disso, este rendimento augmentado pelo capital ou lucros, ou ambas as cousas, conforme as condicfcs
da subsenpeao, dos que fallecem. Tambem partido pelos socios sobreviventes tudo aquillo que os so-
cios morosos nos seus pagamentos, sao por este motivo obrigados a pagar, bem como caducidades que
occorrercm pela falta de cumprimente do compromisso social.
As liquidaces sao pelo systema das companhias hespanholas, Tutelar e outras ; e para se poder
fazer urna idea do que pode producir tuna entrada annual de 100, publica-se a seguinte tabella basca-
da sobre a experiencia de muitos anuos de companhias dcsta natureza :
1 Em o annos Em 10 ainos Em 15 annos Em 20 annos Em 25 annos
Por um
Por urna
As entradas por urna s vez dao resultados muito superiores as annuaes.
Porto, 10 de agoste de 1863.Os directores do Banco Uniao, Jos da Silva Machado.F. M. van
der Niepoort.
Agentes em Pernambuco : Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, ra da Cruz n. 1.
menino de 1 dia a 1 anno 1105 4005 9005
de 1 anno a 2 > 905 3005 7505
de 2 a 3 865 2905 7205
> de 3 a 4 i 865 2805 7105
de 4 a 15 > 865 2705 7005
pessoa de IS > 20 . 865 2705 7005
de 20 > a 30 > 865 2705 7105
de 30 a 40 > 865 2705 7205
de 40 > a 50 > 905 3005 7505
2:0005 4:7005
1:7003* 3:7005
1:6005 3:5005
1:5605 3:4005
1:5505 3:3505
1:5405 3:3305
1.5605 3:4005
1:6000 3:7005
1:8005 5:0005
COMPRAS.
Compra-se cobre e latao vclho
Attenco
Farinha de mandioca.
Vende-se farinha de mandioca a mclhor que exis-
na ma da Cadcia do Hecife n. 36, pi'i- te no mercado por ser de Santa Camarina, a bor-
mciro andar.
Compra-se
cobre, chumbo e latao velho : no oitao da secre-
taria da polica no armazem da bola amarella da
ra do Imperador.
Compra-se effectivamente ouro e prata em
obras velhas : na praea da Independencia n. 22 te-
ja de bilhetes.
VENDAS.
Precisa-se de 1:4005
theca de escravos : quem
mesmo jornal.
a premio com hvpo-
tiver annuncie neste
AOVA HOSPEDARA
ATRAVIATA
Ra larga do Rosario esquina para a do Queimad
numero 37.
O proprietario do conhecido hotel Trovador, ac-
cedeudo ao pedido de alguns seus amibos e fre-
ao 11. y. 'guezes, que, por suas posicOes e senedade nao
Nova loja dos barateiros, ra do Queimado. \ qUerain tomar parle na geral concurrencia de seu
Las de ultimo gosto, covado a 440 rs.; organ-! j,^ rcS0|veu aproveitar o excellente sobrado em
dis de padroes lindissimos, varas a 800 rs.; ba-' qUe funccionou a sociedade Corybantina c nelle
loes de arcos o melhor possivel, a 35500, 45 e 5 ;; estabeleccr urna hospedara, com aceiado servido,
alpaca de linho para vestidos, covado a 240' rs.; Dj|hares para distraeco e lunch precos razoa-
cambraias de cores para vestido, covado a 280 rs.; ves ^ tondicSo da escolha de freguezes para
cambraicta muito fina, peca de 12 jardas a 75 i' dita hospedara, a variedade de artigos de comida
cassa lisa pelle de ovo, peca de 12 jardas a 75500.' e Debda sempre nelle encontrados, a reserva em
Ao n 29 me estarao os concurrentes da freguezia de ou-
Xova loja dos barateiros, ra do Queimado. \ tros de condicao, por ventura inferior.e a frescura
Paletots de merino setim, fazenda de custo de que em dita hospedara sempre se experimenta,
205 por 105 ; ditos de alpaca preto a 35200; brim, sao seguras garantas que animara e fazem espe-
branco lonn, vara a 6i0; brim de cores para cal-, rar as lionrosas visitas da classe mais aceada da
ca, covado a 480 rs.; camisas com pcitos de fustao, nosja sociedade jovem e alegre. Sob estes a
AURORA
LARGO DA
O dono do grande estabelecimento denominado AURORA RRILHANTE, ao
largo da Santa Cruz n. 84, avisa o respeitavel publico, e com especialidade aos
seus freguezes e amigos, que recebeu um completo sortimento dos melhores e
mais novos gneros que vem ao mercado, e que vender sempre por precos
muito rasoaveis.
Queijos novos vindos neste vapor
(cobertos), o melbor que ha, a 2500 J de Hollanda, a 640 e
RRILHANTE.
SANTACRUZ.
Vende-se urna casa com 32 palmos de fren-
te, na estrada de Joao de Barros, junto ao sitio da
capclla, tem 2 salas grandes, 4 (martes, cozinha
fra, cacimba, portiio ao lado, com grande quintal,
e bastantes ps de larangeiras : quem a quizer
comprar, dirija-se ao sitio junto, que l achara
com quem tratar.
Vende-se urna negra de meia idade, que co-
zinlia com perfeigao.
Vende-se urna casinlia na ra Imperial n.
212, chaos proprios, e tem 16 palmos de frente, e
um grande quintal que deita para o Capibarbe
por 4005 a tratar na ra do Amorim n. 36, ta-
berna.________________________
0 f. LLO CINTA
Ja sabido que o- gallo nao poda deixar de
cantar annunciando a seus numerosos freguezes os
riquissimos pentes que acaba de receber por este
ultimo vapor.
do do patacho Fri$ 11 do corrente, por menos do que em out qual-
quer barco : a tratar a bordo ou na ra Amo-
rim n. 43._____________________________
Cola da Baha
Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo, no seu escriptorio, ra da Cruz n. f
Potassa da Russia.
Acaba de chegar no navio Queen'of tlie Fleet, a
mais superior potassa da Russia, e vende-se a
preco commodo : no largo do Corpo Santo, escrip-
torio de Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, n. 19-
Kua da Senzalla n 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston & C,
sellins e silhes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavallos, e relogios de
ouro patente inglez.
Pentes Mara Pa.
A loja da Aurora, na ra larga do Rosario n. 38,
recebeu riquissimas guarnices de pentes Mara
Pa, os de melhores gostos que tem chegado a este
mercado, assim como tambem tem de muitas ou-
tras qualidades, tanto de atar cabello como de
marrafa.
Redes com laco de fita.
A loja da Aurora na ra larga do Rosario n. 38,
recebeu redes com lacinho de lita para conservar
o cabello, tanto pretas como de cores, ditas de
tranciiiha c sem aep, tudo ist vende-se barate ;
avista faz 16.
r5Y
Genebra em frascos verdadeiras
Portugal.
!3
a 15600; chapeos de sol de alpaca, a 35500.
Ao n. 29.
Nova loja dos barateirosy ra do Quemado.
Bicos preto de liuho, vara a 120, 160, 2i0 e 320
rs.; ricas franjas e trancas pretas e de coros, vara
a 120,160 e 200 rs.; trancas e gales de laa e de
algodao, pecas de 10 e 15 varas, a 200 e 400 rs.;
froeofino egrosso, peca a 160 rs.; vestidinhos de
cambraia bordados, para haptismo. a 25-________
i:\tinos
Para dentro e fra da cidade se manda conduzir
ubjectos por barato preco : a tratar no armazem
na bola amarella da ruado Imperador no oitao da
secretaria da polica.
Maques sobre
O abaixo assignado, agente do banco
mercantilPortuense nesta cidade, saca ef-
fcctivanicntc por todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
qualquer sonima, vista e a prazo, po-
dendo logo os saques a prazo serem des-
contados no mesmo banco, na razao de 4
por cento ao anno aos portadores que as-
sim Ihe eonvier: as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joatiuim da Silva Castr
Aloga-se a casa terrea da ra da Gloria n.
116, ladrilhada e pintada de novo c commodos pa-
ra grande familia, a loja do sobrado n. 35 da ra
da Matriz c o primeiro andar da casa n. 31 da ra
da Scnzala Vellia : a tratar na rcfinaeao da ra da
Seazaia >fpva n. .
iH!l-fHlll
Joao da Silva Hamos, medico pela Uni-
versidade de Combra, d consultas em
sua casa, na ra Nova n. 50. das 8 as 10
horas da manhaa, e das 1 s 6 da tarde, e
recebe ogualmente convites para dentro
ou fra da cidade, com o im de se encar-
regar de qualquer servico de sua profts-
sao.
Os chamados deverao vir por escripto.
pcios o proprietario da hospedara Traviata es-
pera a coadjuvacao de seus amigos generosos para
darem sabida, mediante prego mdico, charu-
tos de Ha vana, licores inglezes e francezes, cerve-
ja branca e preta, queijos de prato, londrino e suis-
so, doces cstrangeiros e nacionaes, e, em urna pa-
lavra a todos os gneros de que est sortido, pro-
prios aum lunch variado, apetitoso e barato.
Na ra do Queimado n. 1 deseja-se fallar
com os senhores Gabriel Germano de Aguiar Mon-
tarroyos, Fernando Francisco de Aguiar Montar-
rovos c Joaquim Francisco de Aguiar Montarroyos.
ilit-i(gjijj5j:)a'{-|ig'{]
Oadvogaro Joao Uoncaives
da Silva Montarroyos tem o seu
ccriplorio na ra cstreita do
Rosario n. 17, onde pode ser
procurado das 9 horas da ma-
nhaa s 3 da larde.
Ditos no vapor passado, a 2$ e
Ditos de manteiga do Serid in-
teiros libra 000 rs., e a retalho
Ditos de qualha, inteiros libra
440 rs., e a retalho a .
Manteiga ingleza flor, libra. .
Dita mais abaixo, (ha grande
quantidade de barris para es-
colher, a 720 e .
Ditahamburgueza, barris peque-
nos, e muito nova, libra .
Dita franceza em barris, libra
520, 540 e......
Cha uxin muito fino, libra. .
Dito dito muito fino, libra. .
Dito nao miudinho, igual em
qual idade ao perola, libra. .
Dito nao grado muilo superior
libra.........
Dito nao grado muito superior
2;>20O Frascos com dita de laranja, a
610 e........
640 Ditos com consenas inglezas e
francezas, a 720 e.....
480 Ditas com mustarda, a. .
800 Caixas com charutos finos, suspi-
ros, de Sima, em Tabocas,tra-
bucos, varetas, aurora e outras
640 muitas qualidades finas para
diversos precos, sendo de 500
640 rs. a caixa a......
Cartas finas para voltarete, o
560 baralho 400 e a duzia 3#400 e
2^880 i Tapioca nova, libra 140 e .
24720; Gomma muito alva, arroba 1^800
** | V, e 20500, e a libra 60,80 e
35000 Saccs grandes com farinha igual
a da trra.......
25800 ^'ts com m'lhc' muito bom, a
15000
960
800
480
Peutes de tartaruga.
At que chegaram os riquissimos pentes de tar-
I taruga a Mara Pa para as senhoras apreciarcm o
que gosto e delicado trabalbo ingindo urna cas-
carrilha guarnecida por botaozinhos, poderao man-
dar comprar antes que se acabem, pois foi una
' pequea amostra que o fabricante mandou : s
| para o vigilante ra do Crespo n. 7.
Caixas de tartaruga
Tambem os amantes da boa pitada acharao gran-
de sortimento de lindas caixinhas de tartaruga
: branca e de cores de todos os tamanhos para ra-
, p at para dar de mimo: s no vigilante ra do
Crespo n. 7._____________________________
Em casa de B. B. Lasserre & C, ra da
Cruz n. 5, vende-sc por precos muito commodos, \ Daj" para capim.Tendo muas'e"boa77vorcs"de
Cambraia franceza de lindos padres a 2V0 rs. o
covado, organdys de superior qualidade a 640 a
vara, lencinhos modernos a 360 o covado, ditos
Polaca com duas larguras a 360 o covado : s na
ra do Queimado n. 43, esquina do becco da Con-
gregacao. ____________
Sitio para vender.
Vende-sc um excellente sitio muito perto da
praea na estrada de Santo Amaro n. 2 defronte do
sitio do Maduro, em chaos proprios, com casa de
vivenda de pedra e cal, com sotao, cosinlia fra,
cacimba com b ja agua de beber, boa horta e boa
45500
35600
160
100
55800
55000
45000
medoc, santernes,
qualidade.
cognac e mostrse primcira
Cal de Lisboa a 4 o barril.
Vendem-se barris de cal de Lisboa de superior
qualidade : no deposito da ra do Brum n. 66.
Cera de carnauba.
Na ra da Cadeia do Ilecife n 57 vende-se mili-
to superior cera de carnauba.
Cola a 480 rs. a libra.
Vendem na ra do Queimado Azevedo & Irmao.
Precisase de urna ama forra ou captiva que
saiba engommar c rozinhar: a tratar na ra Nova
n. 67. segundo andar.
Aluga-se o segundo andar do sobrado na ra
da Senzala Nova n. 42, com bastantes commodos
para familia : a tratar na-mesma.
Ditas com arroz de casca, a.
libra. ." ."". ""*"'' 25720 Ditas comfarello(saccasgrandes) 45500 |P
Dito nao grado muito superior' Alpiste, arroba 45800, e a libra 160 s
libra 25600 e. ..... 254()0iSab250o0 massa' ,ibra lfa> 160>
uXlu7tm\STumar ^^ Maesas novas para varios precos'.
Ancoretas com azeitonas novas,
ANA
UlKll

Laboratorio houieopathico. ra
Xova n. 43.
O Dr. Sabino Olegario Ludgero Pinho tem en-
carregado da sub-gerencia do seu estabelecimento
ao Sr. Jos Alves Tenorio, professor*em homeopa-
thia, e competentemente habilitado para substitui-
lo em (malqucr ausencia________________^_
Os administradores da massa fallida de Fran-
cisco Moreira Das convidam aos credores da mes-
ma firma a apresentarem seus ttulos, afim de se
proceder a devida verificacao; na ra da Cruz nu-
mero ot._____________'__________________
Alugam-se tres me-aguas na ra da Atrai-
cao ns. i, 3 e 6 : a tratar na ra do Bangel, taber-
na n. 7.
ALVICARAS A NOVIDADE.
Sao chegados loja das columnas
na ra do Crespo n. 13 de Antonio
Correa de Vasconsellos & C. riquis-
simos cortes de la muito fina com
barras estampadas e matisadas Im-
peratriz Eugenia, cores as mais deli-
cadas como sejam: cor de ganga, de
lyrio, cinza etc., fazenda fnteiramen-
te nova e nunca vista em Pernam-
buco.
Aluga-se um sitio com casa terrea na cidade
de Olinda, na ra de Baxo, com frente para a ra
do Cabra!, e fundo para a estrada do norte, o qual
alera da casa de morada, tem estribara, casa para
pretos, capim para 2 cavallos, e arvores de fructe,
muito fresco, 6em casa na frente : na livraria ns.
6 e 8 da praea da Independencia.
Excellent morada.
Aluga-sc urna lida casa de pedra e cal com quin-
tal todo murado, tendo 2 salas, 4 quartos, cosinha
fra, estribara, casa para escravos, muito fcesca
por olhar para o nascente, sita na Estrada Nova
defronte da entrada para o engenho Cordeiro : os
pretendentes podem procurar na rna da Cadeia es-
criptorio n. 41.___________________________
Precisase alugar un primei-
ro andar de um sobrado as seguin-
tos ras; Imperatriz, Aurora, Nova,
Crespo e Imperador para residencia de
um estrangeiro que se veioesiabelecer
nesta cidade; quem tiver annuncie ou
dirija-se ra da Imperatriz n." 40, a
fallar com Leopold ferreira Maiios
Riheiro.
Quem precisar de urna escrava para o servico
interno e externo de una casa : dirija-se ra da
Uniao n. 39.
Aluga-se a casa terrea da ra Imperial n.
66 : os pretendentes diram-se Caixa Filial.
Jos da Silva Loyo & C, sacam
sobre Lisboa e Porto.
TINTURARA.
Tinge-se com perfeico para qualquer,
cor, e o mais barato possivel: na ra do
Rangel n. 38, segundo andar.
Alugam-se a loja do sobrado n. 193, e arma-
zem 171 da ra Imperial; o armazem n. 4 da ra
do Apollo, e a casa n. 27 da ra do Burgos: na
ra da Aurora n. 36.
11600
355001
geni,
Precisa-se de vendedeiras de bolos de venda-
e paga-se bem: na botica do pateo do Carmo.
/.AUOUA.
DRAMA HISTRICO PELO OR. THEBERGE, NO
QUAL NAO INTERVEN PERSONASE
- FEMENINA.
Na ra Nova n. M vende-se a l#oo o
exemplar.
Botica e armazem de
drogas
Ra do Cabug n. II.
DE
Joaquim Uarlinho da Cruz Correia.
Vende-se o seguinte :
Salsa parrilha de Brstel.
Pastilhas assucaradas de Kemp.
Pastilhas vermfugas de Kemp.
Elixir de citro lactato de ferro do Dr. Thermes.
Bob da Lafecteur.
Xarope depurativo d'odoreto de ferro de Guy.
Xarope peitoral sedativo de Guy.
Pastilhas peitoracs balsmicas de Gny.
Plalas da vida.
Burel franciscano (mesclado) para imagens.
Injeccao Brow.
Xarope de ctrato de ferro de Chable.
Pilulas contra sesdes.
Salsa parrilha de Sands.
Extracte fluido de salsa parrilha de Bailys.
Xarope alcoolico de vellame.
Alm destas drogas ha constantemente um com-
pleto sortimento de tintas, verniz, ouro para dou-
rar, preparados chimicos e pharmaceuticos que se
vendem por commodos precos.
do.Rio em latas de urna e
mais libras, a i #600,1,5800 e 2$000
Bolaxinhas de sodas c outras em
latinhas, a 10100, 1#>00 e .
Barricas com bolaxinhas inglezas,
a 20, 20500 e ...... i
Chocolate francez, hespanhol
portuguez, a 10, 10120 e.
Caf do Cear muito novo, arro-
ba 90500 e do Rio 80500 e 90000
Espermacete, libra a 640, 720 e 800
Veilas do Aracati em caixa," arro-
ba 100 e a libra. .... 400
Ditas de composifao, 90500 e
100 a arroba, 320 e, .
Carne verdadeira do Serid, a
280 e. -.....
Linguicas do sertao, a melhor
que ha neste genero, a. .
Ditas do Reino e presunto de La-
mego, libra......
Presuntos inglezes para fiambre
libra.........
Macarrao, talharim ealetria, libra
Sevadinha e sag muito novo,
libra .,....,.
Estrelinhas, rodinhas e pivide
para sopa, libra.....480
Caixa com 8 libras de dita nova 30000
Ervilhas novas, libra. .
Latas com peixes vindos dos me-
lhores conserveiros de Lisboa
muito preparados, a lata. .
Ditas com outros, americanos, a
Ditas com marmelada superior,
280
360
320
400
500:
750
480
320
60
500
40500
500
480
10000
500
a 10200 e garrafas. .
Caixas com 2 arrobas de batatas,
a 20500 e a libra.....
Vinhos da Figueira muito supe-
or, caada 40500 e a garrafa
Ditos da Figueira mais abaixo,
caada 40 e. .
Dito de Lisboa, a 400, 480 e .
Dito branco de Lisboa, Carcave-
los e outros, a 640, 560 e. .
Dito do Porto muito fino, caada
60 e 50500, e a garrafa 720,
800e........
Garrafascom capils para refresco
Massos com 20 massinhos de pa-
litos para dentes, a. ... 180
Grozas de caixinhas de palitos
do gaz, a. ..... .
, Servejas -de boas marcas para
diversos precos.
Balaios do Porto muito bonitos
de diversos tamanhos.
Azeite doce de Lisboa, a garrafa
Vinagre muito forte, caada
10600 e a garrafa 240 e .
Pimenta do reino, cominho, er-
va-doce e folha delouro a libra
Tijolos de limpar facas. .
-lU Cordas para pastar, a 200,320 e
i Ditas para andames, cento 30,
! 30500 e....., 40000
' aa Duzias de copos lapidados para
8001 agua e vinho, a 60500 e .
20400
640
280
480
160
400
Vende-se urna escrava preta, bonita figura :
a tratar no becco do Veras n. 5-
gg Las com 8 palmos de lar
gura.
Cheguem a loja de Marcelino & C, ra
do Crespo n. 5, para verem laas muito
finas, lisas e de quadros, gostos inteira-
mente novos, proprias para vestidos e ca-
pas e presos muito commodos. Alm
disto existe um variavel sortimento de
fazendas finas e grossas presos raaoa-
I "J veis- _
Vende-se 1 boi manso de carroca, preco com-
modo, bem como compra-se ou aluga-se 1 preto,
, ainda que seja de meia idade; na ra Nova, taber-
S| na n. 53._______________________________
C\ DE CtRNAlBl-
Vende-se cera de carnauba do Aracaly de supe-
rior qualidade, em porc.ao c a retalho -, na ra
do Queimado, loja de cera n. 77.
Aos senhores consuinmidores deiyiz.
Nos armazens do caes do llamos n. 18 c na ra
| do Trapiche-Novo (no Recfe) n. 8, se vende gaz
; liquido americano primcira qualidade mais barato
do que em outra qualquer parte.
Vende-se ou aluga-se
Vende-se um sitio na Capunga, com una boa
casa para familia, com viveiro e tanque para ba-
nho e rio, com muitas fructeiras cora fructo :
quem pretender, dirija-se ao Manguinho, casa que
faz esquina para a ra da .-.mi/.ade : a tratar com
a viuva do Sr. Joao Evangelista da Costa e Silva.
fructo : trata-se na ra dos Guararapes n. 28.
* Ciro de bico.
Vende-sc grao de bico a 45 a arroba, e 160 rs. a
libra : no armazem progressivo n. 9 no largo do-
Carmo.
A ssucar do Monteiro
Ba do Imperador n. 28 e caes de Apollo n.
67, a 200 rs. a libra, e de 8 bras para cima
a 50600 aarroba.
Cal de Lisboa
a mais nova do mercado : na ra do Vigario n.
19, primeiro andar.
Potassa da Kussia.
Vende-se em casa de N. O. Beber A C,
successores, ra da Cruz n. 4.
Vende-se a Historia do Brasil de Sutthey :
na ra estreita do Bosario n. 19, segundo andar.
Veude-se barato.
Riscados escocezes para vestido cores fixas a'
200 rs. o covado, organdys de gostos inteiraraento
novos a 360 rs. a vara ou a 340 rs. o covado, cha-
peos de sol de seda para senhora e meninas a
-'.'iOO : na ra do Queimado n. 43, loja.._______
Motilados a preeo fabuloso e p-
tima qualidade.
Na travesea das Cruzes n. 6, taberna, vendem-se
os seguintes gneros: manteiga franceza a melhor
que li.i no mercado a 560 rs. a libra, dita ingleza
a 720 e 640 rs., agurdente de canna engarrafada
ha 3 annos a 240 rs. a garrafa, que parece de
Franca, dita de pipa a 200 rs. a garrafa, e Canad
a 15120, espirito de vinho a 280 a garrafa, e ca-
uada a 15600, vinho p melhor que iwssivel da
Figueira a 480 a garrafa, e caada a 35300, dito
mais baixo a 400 rs. a garrafa, dito do Estreito a
320 a garrafa, vinagre branco proprio para con-
serva a 320 rs. a garrafa, azeite doce de Lisboa a
600 rs. a garrafa, dito de carrapato a 320 rs.
Leile puro
Vende-se ao p da vacca: na ra do Sebo nu-
mero 33.
Cal de Lisboa
nova : na ra do Vigario n. 19, primeiro
andar.
Aos Srs de engenho
No caes d'Apollo ai-niuzeiu n. ii.l, de
Jos Duartedas Neves,aclia-se ven-
da a mais superior farinha Fontana
sendo muilo rccomiuendada as casas de
familia, as barriquinhas de 3 arrobas
e de 48 libras cada urna.
, Espirito de vinho de 38 graos
libra 640 c....... 7201
Ditas com fructas em calda.
30500
f
Ditas com massa de tomate, 6i0 e
Ditas com ameixas francezas, a
Ditas com figos de comadre, a
Ditas com sardinhas de Nantes,
a 320 e........
Caixas com doce de goiaba mui-
to fino, a 560 e ... .
Vinhos em garrafas, champanhe
cognac, Bordeaux, licores finos
500 earrafa.......28
720 Passas de carnada, novas a 480
10280 Papel almaco, de pezo e greve,
104001 de boa qualidade,
' Caixas com o verdadeiro vinho
4001 chamiss, (1 duzia). ..140000
. Toucinho de Lisboa, libra 320
640! arroba. ....... 90000
Frasqueiras com a verdadeira
genebra de Hollanda, a 60000
Sevada nova, libra.....160
para diversos precos.
E muitos outros gneros que se tornara enfadonho menciona-los, e que se
promette vender barato.

Precisa-se de urna ama de leite para acabar de
criar um menino : a tratar na ra do Imperador
n. 54, livraria.
Alugam-se o 1." 2. e 3." andares do sobrado
da raa da Lapa n. 13 por barato preco : a tratar
na praca da Boa-Vista n. 9.______________
Aluga-se urna preta ptima engommadeira e
cozinheira, e faz todo e mais servico interno de
urna casa de familia : na praca da Boa-Vista nu-
mero 9.
Anda est para alugar-se o sobrado na ra
dos Coelhos n. 10, onde moraram o padres lasa-
rta*.
Precisa-se de um caixeiro para um deposito,
de 14 a 16 annos, que fiador a sua conducta
a ra Imperial n. 179.
Contina a ayer pao de senteio nov os dia*
quartas e sabbados de cada semana, na padaria
cm Santo Amaro ao p da fundicao. na ra da Im-
peratriz n. 22, e ra do Brum, confronte o chafa-
r n. 47, ra da Cruzes, deposito n. 39, na Pai-
sagem, taberna da esquina do Sr. Bento, que vira
para o Bemedio, e no armazem progreuo, largo
da Pcnha n. 10.___________________________
Aluga-se a casa da roa do Pilar n. 3*: na
ruadoCotovelk>n. |2,
t oiupanhia fldelli
segaros martimos e ter-
restres estabelcetda no
Rio de Janeiro.
AGENTES EM PF.PNXMBIX0
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo k C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de segaros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
ras e predios no seu escriptorio ra da
D. 1.
O Sr. Jos Francisco das Neves tem urna
carta vinda da Europa na ra do Queimado n. 37,
que pode mandar receber, pagando o porte deste
annuncio. __________________
Aluga-se urna boa esrrava robusta e de boa
conducta para fazer o servico de urna casa inter-
no e externo ; quem precisar, d/rja-se ra dos
Pires n. 51.
NOVO ESTABELECIMENTO DE MEDICINA HOMEOPATHICA
RA-NOVA M. 48.
O Dr. Sabino 0. L. Pinho mudou o seu CONSULTORIO para a loja de marmore
ra Nova n. 43, onde continua a dar consultas todos os dias uteis desde o meio dia at
2 horas.
Os enfermos, que o procurarem logo na invaso da molestia, sem que hajam to-
mado qualquer remedio, nem allopathico, nem homeopathico, pagaro metade dos precos
estipulados. Esta concesso tem por fim facilitar a cura de molestias, que podem tornar-
se complicadas pelos emprego intempestivo da therapeutica e ao mesmo tempo adquirir
para a horneopathia maior numero de adeptos pela bateza da cura.
Em attenco as pessoas pobres, que n5o podeta sahir de dia, o Dr. Sabino resol-
veu dar duss consultas por semanas as tercas e sextas-feiras das seis as sete horas da
noite.
Os chamados para visitos e conferencias devem ser dirigidos por escripto ao con-
sultorio desde 8 horas do dia at 8 da noite, na certeza de que ser5o attendidos na orden
de sua precedencia, salva a circumstancia de eminente perigo.
ADVERTENCIA.
O novo consultorio est prvido dos melhores medicamentos, desde a primer*
at a trigsima dynaminjsacSo.
E como os mdicos hespanhes e allemSes n5o cessam de certificar a major efi-
cacia das ultissimas dynaminisacdes do tratamento das molestias chromcas, o Dr. Sabino se
oceupa agora de elevar os seus medicamentos s potencias mais altas (por ora ate 200.),.
afim de verificar por si mesmo a ferca dynamica, que se Ihe attnbue. : por baratissimo preco de 10500 a peemba:
Os mdicos, que "quizerem experimentar taes dynaminisaces poderSo dirigir ao s no Vigilante, ra do Crespo, n. 7.
consultorio suas receitas, que ser5o aviadas gratuitamente para os pobres.
No mesmo consultorio se vende a novissima edico do Thesouro homeopathico
ou Vademcum do homeopatha, obra ndispensavel a dos que querem usar da hemeo-
pathia.
Xudo o que diz reaDeitJ^ovunedicina se ada abundantemente neste novo estabe-
aecimento.
Koa da Senzalla Nova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a 110 rs., idemde Low
Moor libra a 120 rs.
O GALLO CANTA.
J sabido que quando chega o vapor da
Europa, o gallo canta annunciando aos seus
j numerosos freguezes as galanteras de mais
gosto e da ultima moda que por elle re-
' cebe, como sejam:
Camisinhas para senhoras.
Requicimas camisinhas com manguitos e
gravatinhas para senhoras : s no Vigilante,
| ra de Crespo, n. 7.
Cirigolinlias.
Riquissimas cirigolinhas ou gravatinhas,
sendo cousa de muito gosto, e a primeira
j vez que apparece para js senhoras de bom
'gosto: s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Pentes de concita.
Tam bem chegaram riquissimas guarni-
ces de pentes de liDdo gosto, tanto para
atar, como para marrafas, por precos ra-
soaveis : so no Vigilante, ra do Crespo,
n.7.
Redes com lacinhos de fita.
Lindas redes pretas e de cores com um
lindo lacinho de fita para conservar o cabel-
lo, pelo barato preco de Il50'i; assim como
os novos enfeites para cabeca ti 3(5000, 4$ e
5^000: s no Vigilante, ra do Crespo,
n. 7.
Ligas.
Riquissimas ligas de seda de bonitas cores
a 10500; assim como fita propria para o
mesmo effeito a 500 a vara: s no Vigilante,
ra do Crespo, n. 7.
Luoas de Jovin.
Tambem chegou e chegam por todos os
adamascados a U a duzia.
Toalhjs
vapVreslrand^VtentoBd7hmdeTwinT p,u'03 ^]0 pTJ ***' *"*
aonde os freguezes podem escolher : s no
Vigilante, ra do Crespo, n. 7.
ntremelos e babadinhos.
Tambem ebegaram grande sortimento de
entremeios e babadinhos, que se vendem
'-.-
\itm
Vendem-se superiores charutos suspiros a 13200
cada meia caixa, ditos de diversas marcas, caixa
de 100 charutos a 13200, ditos de ditos, meias cai-
xas, a 600 rs. : no deposito da ra Nova n. 58.
Mllilu*
Presuntos novos de Lamego por proco que ad-
mira, inteiros a .120 rs. a libra, e a retalho a 400
rs. : s no armazem da aurora brilhante, no pateo.
da Santa Cruz n. 84._______________________
Vende-sc na praca da Independencia ns. 37 o-
39. capellas de aljfar para se botar no cemiterio
publico no dia de finados com as inscripcoes se-
guintes :
Minha mai.
Meu pai.
Meu esposo.
Minha esposa.
Meu llho. .
Minha filha. \
Urna lagrima.
Saudades, sempre vivas do apurado gosto desta
ainda nao vieram igual a este mercado.
Botica.
Pilulas inglezas de pobre-homem.
Pilulas doDr. Alian.
Salsa parrilha de Bristol.
Remedios do Dr. Chable.
Pilulas americanas.
Remedios do Dr. Kemp.
Rob rAffecteur.
Sortimento do papel para forro de salas e guar-
nieses : vende-se na botica e drogara de B. F. de
Souza & C, ra larga do Rosario n. 31.
FAZENDAS
NA
Xova loja de Custodio, Carvalho
4k Companhia.
*7RA Ql EIMAUO27
Cambraia
organdis para vestidos a 240 rs. o covado.
MadapolSo
finojroprio para camisas a preco de 83 a peca.
Cobertas
de panno de linho grandes a 3000.
lafka
de panno de linho grandes a 23-
ParaHCsa
pannos adamascados para mesa a 13300.
Guardaoapos
Fivellas para cinto
Tambem chegaram grande sortimento o>
lindas fivellas de ac e de metal com pe-
drinhas e sem ellas, pelo barato preso lie
20 e 20500, dando-se a fila para.as mes-
mas : s no VifHte, na do Crespo, n. 7.
Fustio branco
proprio para roupa de meninos pelo barato preco
de 320 rs. cada covado.
ntremelos
unos bordados pelo barato prego de 13300 a peca.
Babados
bordados de todas as larguras peea 23500.
Goliuhas
bordadas a 640, 800 e 13.
Camisinhas
de cambraia para senhora a 23.
BaHes
de reos para senhora a 33600.
laHesfcmafcpUa
para meninas a 23300.

MM


Diario d Pernaoibuco Sabfoaoo lo de Seembio de 1863.
GRANDEEXP
osicto
' As bareges do Pavo.
Vende-se modermssimas bareges matisa-
dos pava vestidos, pelos baratissiraos pre-
ces de 480 e 500 rs. o covado : na ra da
Impcratriz, n. GO, loja de Gama <5 Silva.
ADMIREN! AS PECHINCHAS,
na lo|a do Pavao.
Ricos cortes de cambraia bramos com ba-
bados e duas saias bordadas crox, tendo
bastante fazenda para vestido, pelo baratis-
de fazendas baratissimas que se ven*
dem para liqaidar; na loja do Pa-
\o, ra da Impcratriz, b. 60.
Heste estabelecimento acha-sc um grande
e variado sortimento de fazendas, tanto de
luxo, como de primeira necessidade, pro-
prias para a praca e para o matto, que se
vendem por precos muito resumidos, de to- smo pre0 e 3^ catia um; ditos de cni-
das as fazendas dao-se amostras, deixando braia de seda com barras e babados, a
penhor, ou mandam-se levar em casa das 25500, para acabar; cortes de vestidos a
familias para escoUicrem, pelos caixeiros da Mara Pia, sendo fazenda de bonito gosto, a
3$500; cortes de cambraia brancos com ba-
badinhos, a 20; enfeites para cabeca, sendo
a Garibaldi e a turca, a 40; ditos com litas
e flores, a 20; camizinhas bordadas para
senhoras, a 15; manguitos de varios modcl-
los, a 400, 500 e 640 rs; calcinkas pra
meninas, a 500 e 640 rs: gollinlias bor-
dadas, a 320 e a 500 rs.; sedas de qua-
drinhos, a 6i0 rs.; ditas de listas, a 400 r.
o covado ; fustio para vestidos e roupinbas
de meninos, a 320 rs. o covado; alpakin ou
loja do Pavao.
Las com 9 palmos de largura
na loja do Pavo. 1400.
Vendem-se laazinhas transparentes de urna
s cor, de quadrinhos proprias para capas
e vestidos, tendo 9 palmos de largura, pelo
baratissimo preco de 10400 o covado; s
na ma da Imperatriz n. 60, lojado Pavo.
O Pavo vende las de palmos
de largura a 500 rs.
Vendem-se laazinhas infestadas, sendo das gurgurao de linbo, a 260 rs. ; ganguelin,
m:is modernas, de urna s cor e de qua- urna s cor, a 320 rs. o covado; toalhas de
drinhos, proprias para vestidos e capas, pelo linho adamascadas para rosto, a 10; vestua-
baratissimo preco de 500 rs, o covado ;-di- rios para meninos e meninas, a l5600 e 20;
tas matisadas, fazenda muito fina a 500; di- tiras bordadas e entreineios, mais barato que
las garibaldinas a 4iOrs.; ditas de qua- em outra qualquer parte: tudo isto pe-
dros a 360 e 280 rs.: s na loja do Pavo, chincba e vende-se para liquidar: na ra da
ra da Imperatriz, n. 60. de Guimares & Imperatriz n. 60, loja e armazem do Pavo
Silva, de Gama < Silva.
-* ti oaa = -------- Grosdenaplos a 1:500 rs., na loja do Pavao.
Laaiinhas a O rs. o covado. Ycndem4 grosdenai)les 1)rJet0 muito boa
escuro, claro e prelas proprias parailuto; y^ finissimo m (la Q fa_
d. as transparentes com paImmhas pe o ba- veslidS de
rato preco de 280 ^ <*""*>* Senho:as, para capas roupa para homem,
S!T tff 10 tapealnz, lendo ^^ 6 ^Jg lde largura e
n. w,iloja uo1 ra jo. sendo muito leve, vende-se pelo baratissimo
tR ANuF. PF.fiHINImHA ppecdemo covad0) garantind-se iue
UlLtUll/*l 1 uuuuiuua 1 na0 se torna rua) e vendem-se nicamente na
a O rs. na loja do Pavo. loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60:
Cassas a 210 rs.organdj a 210 rs. Corles de (Mas a 2:000 e 2:500 rs.
Vendem-se muito bonitas cassas francezas I Na loja do Pavo veude-se cortes de chitas
a 240 rs. o covado ; organdy matisado, pa- inglezas, tendo 10 covados, a 20, c com
drSes tnuito bonitos a 210 rs. o covado; 12% covados, a 20500, sendo todas de pa-
ditos, fazenda finissima quesempre se ven- dresescuros: na ra da Imperatriz n. 60,
deua10OOO avara, liquida-se a 600 rs. a de Gama A Silva,
dida.eu 360 rs. o covado, por haver grande Carnauba.
porco na ra da Imperatriz, n. 60, loja Vende-se cera de carnauba em saccas, por
do Pavo, de Gama & Silva, preco muito em cont, ou mais barato do
que em outra qualquer parte : a tratar na
O Pavo vende cbHas francezas rua da imperatriz n. 60, loja de. Gama &
aSHOrs. silva,
Vendem-se chitas francezas a 280 rs.; 1
ditas escuras com muito bom panno a 320;!
ditasa 360; ditas muilo finas e muitoen-
corpadas a 400 e 500 rs. o covado ; s na
loja do Pavo, rua da Imperatriz, n. 60.
\ova peen lucha de cortes de
cambraia na loja do Pavo.
Vendem-se corles de cambraia brancos
com babados a 20500; ditosa 30000; ditos
a 40000 ; ditos chinezasa 4000o ; pegas de
cambraia transparentes, adamascadas, pro-
prias para vestidos, tendo 8 varas e raeia.a
:t >000; ditas lisashrancas e decores a 20500,
30000,' 30900, 4)5000 e 50000 ^peeas de
cambraia de carocinhos tendo 8 varas e meia
cada urna, sendo brancas e de cores, a 30500;
ditos a 20500; pecas de cambraia paracor-
tinados, sendo tapadas e transparentes com
20 varas cada pega a 00000, isto tudo para
apurar dinheiro: na loja do Pavo, rua da
Imperatriz, n. tiO, de Gama A Silva.
O Pavo vende chales
ESSENCIAS DEPURATIVAS
Auti-sjpliililica e anti-rheuiualica
A p pro va da pela imperial
academia de medicina.
C0MP0SIQA0 E PnEPARACO DO
Or. Ernesto Frclcrico dos Sanios,
Pharmaceutico pela escola de medicina
do Rio de Janeiro.
Estas cssencias cuja formula ja foi ap-
provada pela academia imperial de medi-
cina do Rio de Janeiro, e peias qnaes seu
autor foi premiado na exposicao nacional
de 1861 e com duas medallias na expo-
sicao de Londres, sao sera contestae,ao o
mais cfllcaz de todos os medicamentos at
hoje conheoidos para o curativo de todas
as molestias syphilicas ou que dependam
de urna alteracao do sanguc.
Distinguem-se estas essencias pelos ns.
i e 2, cujas formulas variara considera-
velmente, a de n. 1 empregada com o
matf feliz resultado as molestias jenc-
reas ou que dependam de alteracao do
sangue, como, cancros venreos, cliagas
sypiliticas, boubas, affeccocs herpeticas
e' dartrozas, as blennorrhas, eucor-
rheas, vegetacocs syphihticas, escrophu-
las, escorbuto, ery pelas etc. A de n. 2
tem sido empregad 1 exclusivamente pa-
ra debellar os rlieumatismos syphiliticos
e gotosos e as exostoses ou tumores
osseos.
Acha-se a venda este precioso medica-
mento na rua do Rangel n. 62, pharina-
cia de Medronbo & Martins.
mm&m
MwnLmJmmL
/tiBL
Um Descobriiuento Espantoso!
0 Uuud Scieutifico uuauiuiamente o approva.
SEM SEGUIDO.
QUINQUILHARIAS.
Rua do Queimado, ns. 49 e 55, lojas de
Jos Bigodinho, queiram ver ver as fazendas
que abaixo annuncio, pois todas eu garanto
que sao muito novas e baratissimas.
Pegas de trancas de algodo de to-
das as cores a....... 80
Duzias de linhas com 200 jardas, A-
lexandre, a '. 10100
Carritel de qualquer numero 100
Varas de aspas para balito 80
Caixas com superior obreias 40
Ditas de colla ......~ 40
Pares de botesde punho a .y 120
Pares de sapatos de tranca .10280
Ditos muito superiores, a 10600
Caixas e pacotes de papel amisade de
cores a. ....... 600
Duzia de raeias muilo linas para se-
nhora a........30500
Duzia de ditas cruas para homem a 2400
Baralhos muito finos paca voltarete a 300
Carriteis de linha com 100 jardas a 30
Cartoes de linha branca e de cores a 20
Novellos de linha com 400 jardas a 60
Dilus muito grandes com 800 jar-
das a .......
Cartes de linha com 200 jardas (est
se acabando a ......
Vara de fila preta com colxetes para
vestido, e tem um resto parda a
AUenco!
Posto que domine no cora-
co do BALIZA a mais bem en-
tendida ambicao de tirar de
seu negocio as raelhores van-
tagens, com tudo elle nao pro-
cura fazer fortuna vendendo
gato por lebre;
Quando nao se negocia aca-
nhadamente, est bem ao alcan-
ce de todos a facilidade de fa-
zer-se boas compras, para ven-
der-se barato.
Lelam 4odo&.
Ao armazem do BALIZA po-
dem ser devolvidos quaesquer
gneros que por ventura nao
sejm do contento dos sonho-
res compradores. Nao ica
rescutimento alijum em se to-
car por nutro, ou reslituir-se
o dinheiro recebido,
Manter a todo o cusi o seu
crdito, e agradar aos seus a-
migos c freguezes, todo o
desejo do proprietario deste
estabelecimento,
LKD! LEDEJ LEDE!
Sempre a frente do progresso,
Constante marcha o BALIZA,
Tem por norte o bem commum.
A verdade por divisa.
120
60
100
i i IS A \ 11 i:
A' 20000. 20500, 30000, 50000, 60000.
7>000, 8,000 e 100000.
Vendem-se diales de merino estampados,
claros e escuras a 20, 20500 e 30000; ditos
muilo Iin3s de todos os precos e qualidades,
tanto de pona redonda como quadrados;;
assim como finissimos chales de crepon com
C&ras inteiramente novas e ricamente bor-
dados a matiz, sendo chegados pelo ultimo
vapor a 100000 : ditos de pello, bordados,
a 20 : s na loja do Pavo, rua da Impera-
triz, n. 60.
As casemiras do Pavo infesta-
das a I0GOO.
Vendem-se casemiras francezas enfesla-j
das, proprias para calcas, coleles, palitos,
e capa para senhoras, por ter de urna s
cor, sendo fazenda que sempre se vendeu!
a 30000. liquida-se a 10000 o covado : s i
na loja do Pavo.
O Pavo vende
i 10-5000 madapolo Elefante.
Vendem-se pegas de finissimo madapolo
marca Elefante, sendo fazenda muito larga
com 24 jardas cada peca, pelo baratissimo
preco de 100000; garantindo-se que val
muito mais dinheiro ; dito marca Aguia a
80000; dito marca Pavo a 70000 : na rua
da Imperatriz, n, 60, loja de Gama A Silva.
(Grande pcebincha em chapeos
de sol na loja do Pavo.
Vendem-se chapeos de sol, a ingleza, sen-
do cobertos de linho e forrado de verde/pro-
prios para senhoras que forem passar a fes-
ta, ou para meninas levarem para a escola,
pelo barato preco de 1060 ; ditos marque-
ziuhas, de seda com franjas e cabo de do-
A Coiniiostcao Anacahuita
Peitoral de Kemp.
Por espaco de muito tempo se ha uzado ex-
tensamente em Tampio para a cura de
TSICA pulmonar,
CATAREHO, ASTHKA,
BROSCHITE, TOSSE CONVULSA,
GRUPO 0UGARR0TILH0,e
Infiamma9oes da Garganta e do Peito,
e isto com um resoltado to feliz e verdadei-
rameute assombroso o pao ou madeira d'uiua
arvore que chamio Asacahlita, c que s
se epeontra no Mxico.
A Composiijao Anacahuita Peito-
ral d Kenip nin Xarope delicioso, intei-
ramente differentc na sua composiqao de
todos os mais Peitoraes e Expectorantes ma-
nufacturados do fructos Astringentes, cascas
e raizes, te, o nesino nao conten nenhmu
Acido Prussico ou outros quaesquer ingre-
dientes venenosos.
Todas as molestias c affeccoes da garganta
e dos pulmos desappareceni como por ura
mgico encanto, mediante a aceito deste n
rompazavel e irrcsktivel remedio.
venda as boticas de Caors & Barboza,
rua da Cruz, e Joo da C. Bravo de C, rua
da Madre de Dos.
No a- mazem de fazendas bara-
tas de Santos Coelho
Rua do Queimado numero 19.
Vende-se o seguinte
Cohortas de chita
da India pelo barato preco de iS.
Lentes
Objeclos de tintura e msica.
Na rua do Queimado, ns. 49 e oo, est
queimando tudo pelos precos abaixo decla-
rados, e prestem toda a ltenlo para ver
o que bom e barato.
Duzia de facas e garfos muito finos a 20OOI
' Dita dita dita de cabo preto muilo "
| finasa.........30200
Dita dita dita de balanco, melhor.a 5|500
Tesouras para costura, muito fi-
! nasa.........400
Ditas ditas para unhas, muito finas a 400
Carlas de alfinetes de ferro a 80
Ditas ditos de lalo muito tinosa 40
Ditas de dito grandes..... 120
Caixas de phophoros de pao 10
Grosa de ditos do gaz a 202OO
Duzia de dito dito a 20C
Massos de palitos para dentes a 16C
Abotoaduras para coleles a ... ICO
Escovas para roupa,muito finas a 400,
500e .......800
DE
Largo do Uvramelo ns. 38 e S \
Dcfi'ftulc da grade da igreja
AO RESPEITAVEL PUBLICO
Senhores e senhoras
0 incansavi proprietario da grande armazem do Baliza toma a liberdade de mandar
, d"iarar do alto da imprensa pernambucana, que elle perfeitamente liberal em offerecer aos seus
bene\olos freguezes as memores qualidades dos mais bem escomidos gneros, nao s do paiz como do
' estrangeiro a precos de contentar e satisfazer a todos.
Fazendo to publico e espontaneo manifest, o referido BALIZA julga de seu rigoroso dever
declarar mui seria e pusitivamente nesta oportunidade, que tamban o mais firme c dedicado conser-
vador de sua numerosa freguezia.
Da boa qualidade e baratan dos gneros offereddos aos seus freguezes, junta ao pequeo ca-
nto que tira para si, tem sabido fazer o BALIZA a mais perl'eita liga de interesses recprocos, que a to-
das as consciencias devef>or forca e necessariamente agradar.
Tendo.por conveniente tambem a publicacao do seguinte aviso, o BALIZA faz saber nicamente
aquellas pessoasque sempre estao prompta-s a comprarem tudo, com tanto que se Ibes permita paga-
ran logo, que eic
NiO VENDE FIADO.
Os amigt-s da economa, aquellos que s compram os objectos de que carecem, o que gostam fi-
nalmente de empregar bem o su dinheiro venham a este estabelecimento.
LEIIM TODO^f.
Do prefio-de qualquer genero annunciado a venda em outros estabelecimento?, podem OS senho-
res freguezes dinnuir cinco por *cento, e vtr comprado ao Baliza, que sendo, como todos sabem, o ho-
mem do movimento prefere gaahar muito-pouco, com tanto que seja por militas vezes repetido.



-

IwJkl
brara 3*000 ditos de seda para homensu- P-o de IMfe
sendo com armacao de balea a W e 7J, isto de |nho fmo de um s l0 Laralissimo
para apurar dinheiro : so na loja do Pavao, pre50 e ^
rua da Imperatriz, n. 60. Tullas aleoehoadas
. j -. m para maos pelo barato preco de 55 a duzia.
Casemiras da Escocia a 0OOO Vestldinhos de seda
o corte. para menina pelo baratissimo preco de 4.
Vendem-se cortes de caxemira da Esco- Lencos de seda"
cia, para calcas, pelo barato preco de 2*,' para algibeira pelo barato preco de 15.
tendo da mesma fazenda para vender em | Ricas saias de fusto
covados a D80 rs., sendo esta fazenda mui- pelo barato preco de 5*500.
10 CtiSfin.* Sms'e^:! fluimospropri^algiSa pelo baratissimo
rante-se que nao desbola, iamoem se ven- ^ 2fi e 240da dnz^.
dem cortes de caxemira ingleza, de cores r"v CltrtM deea|ca
escuras para caifa pelo barato preco de de ganga amarella de lista c quadros pelo bara-
____ ri_ ._.. ,. n KCV\ re n MMM i;,.,|mn nmn j i lin n i-m-io
Hadapola
1800 cada corte, ou a 500 rs. o covado
s na loja do Pavo, rua da Imperatriz,
n. 60.
Infestado a 40OOO
S o Pavio.
Vendem-se pecas de madapolo infesta-
do com 42 ardas a 4)5000, ditas a 4#oO0,
ditas com 24 jardas a 7,5500 e 80000 : s
na loja do Pavo, na rua da Imperatriz.
D. 60. "
Ricos vestidos branc*.
Vendem-se os mais ricos vestidos fe cam-
braia brancos, bordados a croch, lo os
mais'modernos que tem vindo ao mf.
tendo as saias 4 pannos, e vendem-se
tissimo preco de 15200 o corte.
Peras do madapolo
fino largo pelo baratissimo preco de 8#.
Pecas de bretonha
de rolo com 10 varas pelo barato preco de 35200.
. Petas de cambraia
de salpicos Una com8 Ii2 varas pelo barato preco
a*4f.
Atoalhalho de linho
com 8 palmos de largura proprio para toalha de
mesa pelo barato preco de 25500 a vara.
Barege
de lindos gostos pelo barato preco de 440 rs. o co-
vado.
Esleir da India
propriapara forro de sala de 4, 5 e 6 palmos de
largura
A 10 rs.
baratos precos de i loja do Pavo, rua da Imperatriz, n. 60, de y) e 80 rs.: na roa ip Queimado a. 47, loja de
Gama & Silva, Plro Tinoco.
M3JI EGlUDOa
, PECHINGIA.
Perfumarla de superior aualidade.
0 rival sem secundo, rua do Queimado,
ns. 49 e 55, est disposto a vender mais ha-
rato que nunca vendeu, para o que queiram
ver:
Duzia de sabonetes finos a 720
Saboneta inglez, o melhor, a 10
Frascos eom agua de Colonia muito
fina a......., 400
Ditos de dita grande a 500
Ditos de Lavande ambreado, o me-
lhor, a........560
Ditos de macaca oleo muito boma ,(l
Ditos perola muilo superior a 200
Ditos de oleo de babosa a 240, 320.
400 e.........SOO
Ditos de banha branca a 320
Dito de cheiro muito bonitos a 500
Ditos de banha, pequeo, muito fina
:.....200
Ditosjle opiata a 200 rs., e boa a 900
Ditos de banha japoneza a 800
Ditos de banha transparente a 720
Ditos de oleo filoconne a 800
RIVAL
SEM SEGUNDO.
Objeetos diversos.
Rua do Queimado, ns 49 e 55, vende os
objectos abaixo declarados, pois para aca-
bar; estes precos nao sao para continuar,
mas as nesessidades assim o permitte..
Pares de luvas de algodo finas a 80
Caivetes de aparar penas, de 1 to-
ma a ,........ 80
Ditos de 2 ditas a......160
Caixas de colxetes francezes a. 40
Duzia de dito francez a 360
Massos com grampos lisos e de cara-
col a ......... 40
Duzia de dedaes de metal em caixi-
nha de vidro.......320
Tinteiro de'vidro com tinta superior
a..........160
Ditos de barro que serve para tin-
teiro a........100
PABA OS FREGUEZES DO MATTO E
DA PRACA.

J admira Arara como vende liaulo.
Vende-se ricos riscados com 14 covados
a 200 o covado ; cortes de chitas com pe-
queo toque de mofo a rOOO ; ditos lim-
pos a 2,5000 e 2.-5500; ditos de cambraia
i branca com palmas solas com urna vara
de largura a 2000, peas de cambraia
Grande iquidaco Ae I i/ernlas sen re-1 branca a 2/OO, 3,5000 e 3-5500 : rua da
l0Tfa de preco, na rna da Impera- imperatriz, n. 50.
Na Arara
liiz, toja e armazem da Arara, n.
06, de Lourenc Pereira .tiendes
Guimares.
\n\\ a vende a lazinbas a 320 rs.
Vende-se laazinhas finas com quadrinhos
de cores a 320 rs. o covado ; ditas a 400,
Vende-se baratissimo para ver cortes de ditas infestadas finas a 5C0, ditas de duas
cambraia com babados bordados cora pe- larguras de urna s cor proprias para capas
queno toque de cupim a OOO, 15000 e de senhora a 500 o covado: rua-da Impe-
2#000; pecas de cambraia com salpicos ratriz, loja da Arara, n. 56 de Mondes Gui-
brancos e de cores com -varas a 2#500 ; I maraes.
camisas de meias de la paraervico a 50L^ (jue pechuuha a 20 rs., chitas largas,
rs. ; nca6 capas de cor, de fantazia por] y^^ ctiftu
45-RUA DIREITA-45
Grosas de botoes de louca prateado a 160
Pecas de tranga lisa encarnada a 20
Varas de bicos e rendas, para aca-
bar a ......... 60
Varas de labyrinto de 3 dedos de -
largura a........ 100
Ditas de-pos para dentesa 1001 seda a 20000 : na rua da Imperatriz, n. W,
Pentes de tartaruga a 3^000 e 30300 >fle Mendes Goimares.
tOfOOO, fazenda de20/ : s na loja da
Arara, ruada Imperatriz, 56.
* Arara vende os enfeites
a 1000.
Vende-se ricos enfeites para cabeca de
senhora a l,-)00O; meia* cruas muilo lar-
gas para senhoras 320 o par ; lencos de
retroz e vidrilhos para peseoco de senhora
e meninas a 500 rs.; ditos de seda, finos.a
1/000 ; ditos com franja a 10500 ; ditos de
seda de urna s cor para homens e meninos
a 800 rs.: na rua da Imperatriz, loja da
Arara, n. 56, de Mendes Guimares.
(iullinlias da Arara a 320 e a 1,000.
Vende-se gollinhas com punhos e boto-
sinhos, muilo ricas e bordadas a 10000; di-
tas s com botosinho a 320 ; chapeos de
sol de seda eom franja para senhora e me-
ninas a 20300 e 30000: na rua da Impe-
ratriz, loja da Arara, n. 56, de Mendes
Guimares.
Arara vende os baldes, a 3#000.
Vende-se bales de 20, 25, 30,35 e 40
arcos pelo diminuto preco de 30000, 30500,
40000 e 40500, s na Arara vende-se ba-
les de madapolo por 30500 ; ditos de
brilhantinas ina6 com listas a 4/000 e 40500:
loja da rua da Imperatiz, da Arara, n. 56,
de Mendes Guimares,
Ricas cuberas de velado a 8,000 rs.
Vende-se ricas cobertas para cama gran-
de, aveludadas, a 8*000 ; ditas de fusto
para cama a 50000; ditas de damasco de
lindos gostos a 40000 ; ditas a 20000: rua
da Imperatriz, loja da Arara, n. 56.
Arara vende chales a 300.
Vende-se chales brancos com pequeo to-
que de avaria a 300 rs.; ditos de tarlatana a
500, ditos de merino limpos a 300 0; ditos
de laazinhas finas a 19600 ; ditos de la e
francezas com pequeo
ioque de mofo a 240 rs. o covado ; ditas
limpas muito finas a 320, 300, 400 e 500 o
corado, na loja da rua da Imperatriz, 56.
Arara vende roupa feita para
homem.
Vende-se palitos de casimiras inglezas a
30500, 40000 e 50000 ; calcas de ditas in-
glezas 20000 e 30000, coletes da mesma
fazenda a 20000, carnizas francezas finas a
10600, 20000 e 2500, ditas inglezas com
abertura de linho e prega larga a 30000,
seroulas francezas de linho a 10600 e 10800,
ckaposde massa pretos e de cores a 10600,
20 vo a 20500, grvalas de seda de cores a
320 e500 rs., lene1"s brancos finos a 20,
meias cruas a 120, oh I que pechincha; na
rua da Imperatriz, loja e armazem da Ara-
ra, n. 56. de Mendes Guimares.
Madapolfo da Arara a 1,000 rs.
Vende-se pecas de madapolo francez. in-
festado a 4000 e 40500, dito inglez muito
fino a 60500,19, 80,9/ e 100, pecas de
algodozinhoa 40500, 30000 e 50500 mui-
to encorpado, tambem se vende muito bara-
to bretanha de linho, brim de linho fino a
10280 a vara, guardanapos para mesa a 200
rs. cada'um : rua da Jmpe airiz, loja da
Arara, n, 56.
Eia, rapasiada, corageml parece queja
entregastes os vossosjoanetesaos duros sci-
xosdo pessimo calcamento da nosta cidadel
S se observa em vossos ps botinas acalca-
imadas e gastas at ;i ultima sola; sapaldes
rasgados e quasi sem saltos.... nem tanto I
a qoebradeira nao deve chegar at este pon-
to f Vinde rua Direita munir-vos de excel-
ente calcado com 40 e at 60 por cento
menos do seu valor.... allendei:
Borzeguins, Nanles, bezerro e va-
queta 2 e meia solas .... 80500
Borzeguins, Nanles, bezerro, va-
queta e lustre 2 solas. 80000
Borzeguins, francez e hamhurguez,
bezerro, lustre e couro de por-
co_70e........60000
Sapatoes, Nanles, bezerro e vaque-
ta 2 e meia solas.....50500
Sapatoes, Nantes, vaqueta, lustre e
bezerro 2 solas......50000
Sapatoes, Nantes, sola evira. 40000
Ditos para menina, com laco. 30500
Ditos de ditas, de cores. 20800
Sapatos para senhora e homem,
tPete.......... 80O
Sapatos de borracha para senhora. 10400
dem idem para meninas. 10000
Sapatos de lustre para senhora. 10000
dem de lustre s avessas 500
Cal de Lisboa e potassa da
Hnssla.
Vende-se na rua da Cadcia do Rpcifc n. 26, para
onde se mudou o anligo c acreditado deposito da
mesma rua n. 12, ambos os gneros sao novos e
legtimos, e se vendem a preco mai barato do que
outra qualquer parte.
A' vendn na Livraria Universal
rna do Imperador n. 34
0 Ontono, collecco de poesas por An-
tonio Felicia* de Caslilho.
Os Amores de P. Ovidio Naso. Para-
phrase por Antonio Feliciano de
Caslilho; seguida pelagrinalda o vi-
din na por Jos Feliciano de Castilbo.
Oilhographia Portngueza pr Jos Fe-
liciano de Castillio.
Almanak de Caslilho para 1864.
vinho do Porto superior.
Vende-se em caixas de ama duzia : no escripto-
delro Antonio Luiz Olivdra Azevedo & C.
Vende-se um negro de meia idade, beirf ro-
busto, proprio para qualquer servico, sabe cozinhar
o diario d una rasa, e tambem sabe botar canoa
na travessa do Pocinho n. 26 sobrado.
i ollas a Mara Pa.
. A loja da aurora na rua larpa do Rosario n :W
receben ricas voltas pretas a Maria Pia, assim "
mo tambem receben rap rolao francez lano em
libras como em meias libras, oqual se veode tanio
em licracomo a retallio do mais fresco
chegado.
que tem
A praso ou a dinheiro.
Vende-se urna txceilente barraca de 28 a 30
caixas, muito bem construida, e apparelhada : ;
tratar na rua de Apollo n. i. primeiro andar.
Familia de mandioca
em saceos grandes/ e de superior qualida"
de ; no armazem de Tasso Irm3os, rqa do
Amorim, n. 35.
CU DKLISHOt
Vende-se cal nova de Lisboa : no largo do Cor-
po Santo, esrriptorio de Manoel Ignacio de Olivei-
ra & Filho n. 19.
**
MHLADQ>-


=n
Diarlo de Peraautbnco ... afoliado l de Seteaabro de I 83.

y
GRANEO E COMPLETO SORTIMENTO DE MOLHADOS
m
u
a
kyj
Oi
1 V;
V *9 5
s %>
s t A.
1^ O
-o
u ^ c
~. *--
J eo *-
o o
i w a.
"3
^, c: -i
& <
& 3 sr
C H t-
45 as o
3 o 5S
o s~
-
o 0 s
~i o "
Wh ~
***
V ~ s
m 50
00 d k s
i- 2 3 O"
so ft
O 0 O o t
O -
a. 0 o
W O "
^i o 0
Si *3 "t i
ce t "t s 3 i
2- ec f^>
u *~
60
4< sa. 0 O
C9 "t tt
5 o -3
-*
-^ ^
t
Vinhos em pipa: Porto Figueira e Lisboa, a
4oo, 44o, 5oo e 56o rs. a garrafa, e em
caada a 2,56o, 2,8oo, 3,ooo, 3,5oo e
4,ooo rs. do melbor.
dem lagrimas do Douro, especial vinho do
Porto mandado vir de conta propria a
lo.ooo rs. a duzia e l.ooo rs. a garrafa.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado, das seguintes marcas: Duque do
Porto, Feitoria, Nctar, Velho Secco, Cba-
misso, Madeira superior a 9,ooo rs. a ca-
xa e l.ooo a garrafa.
dem Bordeaux das melhores marcas: St.
Julien, Medoc, S. Esteph e outros a 7oo
rs. a garrafa, e 8,ooo rs. a caixa com urna
duzia.
dem muscatel de Setubal verdadeiro a 2,ooo
rs. a garrafa e 22,ooo rs. a caixa.
Garrames com 5 garrafas de vinho do Por-
te do Alto douro a 2,2oo rs. com o gar-
rafao.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira
muito proprio para a nossa estacao, por
ser mais fresco a 2,4oo rs.
Vinhos velho ^hamisso em barril muito pro-
prio para sobremesa por ser muito" claro
e macio a 6oo rs. a garrafa e 4,5oo rs. a
caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero a 5oo rs. a garrafa e 3,8oo
rs. a caada.
Garrafoes com 5 garrafas de vinagre de Lis-
boa al,2oo rs.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo rs. a garrafa
e l,4oo rs. a caada.
Velas de spermacet a 6oo, 64o e 68o rs. o
masso.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de encommenda especial a 8oo rs.
a libra,
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
54o rs. e em barril a 5oo rs.
dem cm potes de 4 16 libras muito fina e
propria para doente a 8oo rs. a libra e o
pote separado.
Banha de porco a 54o rs. a libra, e em bar-
ril se far abatimento.
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
de l,6oo, l,8oo, 2,ooo e 2,5oo rs. cada
um
dem londrinos os mais frescos que se po-
dem desejar a 8oo rs. a libra.
Caf do Rio de 1* e 2a qualidade de 8,ooo a
8,5oo rs. a arroba, e 28o a 3oo rs. a fi-
bra.
Arroz caroliuo e do Maranhao a 3,ooo rs. a
arroba e loo rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra e
em porcSo ter abatimento.
Caixinhar de ameixas francezas de 1 1/2, 2
e 3 libras, elegantemente enfeitadas com
diversas estampas no exterior da caixa a
l,3oo, l,5oo, 2,ooo, e 3,ooo rs-.
Fructas em caldas das seguintes qualidades:
ameixa, rainha Claudia, cerejas, pero,
ginja, pecego- e alpech a 5oo rs. a lata.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 6oo rs. a libra, e em la-
tas de 1 Vj e 2 libras.
Ameixas francezas em frascos de 1 1/2 e 3
libras de l,4oo a 3,ooo rs.; tambem ha em
latas de l,ooo e 3,ooo cada urna,
Cha huxim miudinho mandado vir de en-
commenda especial a 2,8oo rs. a libra,
garante-se a boa qualidade.
dem hysson o mais superior a 2,6oo rs. a
libra, afianca-se ser igual ao que regular-
mente se vende a 3,ooo e 3,2oo rs.
dem preto muito fino a l,9oo rs. a libra.
dem mais baixo, e miudo proprio para ne-
gocio a l,6oo rs. a libra.
Presunto inglez para fiambre o mais fresco
que se pode desejar a 8oo rs. a libra.
Genebra de laranja a 9oo rs., a frasco.
Chouricas e paios, os mais frescos que se
pode desejar, a 5oo rs. aiibra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa
e lo,5oo a caixa.
Ricas caixinhas com confeites e frutas seccas
muito proprias para mimos pelo baratissi-
mo proco de l.ooo rs. cada urna,
Marrasquino de Zara- em frascos grandes a
8oo rs. o frasco.
Licores francezes das seguintes marcas: A-
nizete de Bordeaux, Plaisir des dames, e
outros a l.ooo rs. a garrafa e lo.ooo a
caixa.
Passas muito novas a 6,ooo rs. a caixa e
36o rs. a libra, ha caixas, meias e quartos.
Bolaehinha ingleza a mais nova que se pode
desejar a 2,5oo rs. a barrica, e 24o rs.
a libra.
Azeite francez clarificado a 8oo rs. a garrafa
e 9,ooo duzia.
Conservas ingleza6 dos melhores fabricantes
Mixed e Pickles, ceblas simples, e outras
a 8oo rs*. o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes muito
nova a 4oo rs. o pote.
Mlhos inglezes de todas as qualidades e das
melhores marcas a 5oo rs. cada urna gar-
rafinha.
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de doce, manteiga
ou outro qualquer liquido de l.oooa 3,ooo
rs. cada um.
Palitos do gaz, a 2o rs. a caixinha e 2,3oo rs.
a grosa.
Milho alpista a 160 rs. a libra.
Milho painco a 140 rs. a libra.
Gomma para engommar muito fina e alva a
80 rs. a libra a 2,300 rs. a arroba.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Sabo verdadeiro hespanhol que raras vezes
vem ao nosso mercado a 300 rs. a libra,
e em caixa ter abatemento.
SabSo raassa de 180, 200, 220 240, rs. a
libra do melhor.
Graixas em latas muito nova a 120 rs. a lata
e 1,300 rs. a duzia.
Peixe em latas muito novo : savel, pescada,
curvin, salmo e outras qualidades prepa-
rados de escabexe, segundo a arte de cozi-
nha de 1,400 a 2,ooo rs. a lata.
Genebra dellollanda em botijas de conta a
440 rs. cada urna.
Papel greve pautado cliso a 3,500 rs. a res-
ma.
Azeite doce de Lisboa muito fino em barril a
640 rs. a garafa, e era porcSe ter abati-
mento.
Champagne das mais acreditadas marcas a
l.ooors. agarrafa e lo.ooo re. o gigo
com urna duzia.
Doce da casca da goiaba a 4oo, 5oo, 6oo,
7oo, 8oo, e l.ooo rs., o caixao grande.
Chocolate portuguez. hespanhol, francez, e
suisso, das melhores qualidades a 9oo rs.
a libra.
Velas de carnauba e composifo a 32o, 36o,
e 4oors., a libra, e de lo.ooo a ll,ooo rs.
a arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa a l.ooo
rs. a ancoreta, e l,5oo a de Lisboa, stas
ultimas raras vezes vem ao nosso mercado
pela sua boa qualidade.
Massas para sopa macarro talharim e aletria
muita nova a 48o rs. a libra.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Bahia a 4,ooo, 3,5oo, 3,ooo e 2,5oo rs. a
caixa.
Serveja das melhores marcas a 5,ooo rs. a
7,ooo rs. a duzia.
Biscoitos inglezes das seguintes marcas:
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travellies
Lunch, Cobin, eoutras a l,2oo rs. a lata.
Bolaehinha de soda especial encommenda a
l,8oo rs. a lata.
Iem Craknel em latas de 5, 7 e 15 libras a
4,ooo, 5.5oo, e ll.ooo rs. a lata.
Massa de tomate em latas de 6oo a 7oo rs.
cada urna.
Sardinha de Nantes a 36o rs. a lata.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijollo de limpar facas a 16o rs. cada um.
Ceblas a 9oo rs., o molho.
Farinha de Maranhao muito alva e cheiroza
a 14o rs. a libra.
Pimenta a 36o rs. a libra.
Cominho, cravo, era doce, enxofre, palitos
de dentes em caixinhas que tudo vende-
mos por baratissimo preco.
Ricas caixinhas com confeites e fructas sec-
cas muito proprios para mimos pelo bara-
tissimo preco de l,oo rs. cada urna.
Baratissinias bandeljas. Eocommeodas d'aguia branca recebi-
A aguia branca por muitasAozes tem da- das pelo ultimo vapor.
do a conhecer que quando acha alguma pe- Ricos, pentes de tartaruga com chapa de madre-
chincha, nSojqaer somentc com ella encher peroia.
o papo, ao contrario desoja que toda sua boa !0?.ilos, Nes de madreperola.

freguesa e o publico ein geral pnivem da
tnesma, o que agora mesmo acontece tom
essns; baratissimas bandeijas, cuja limitaco
de presos admira, em relaco aostamanhose
dades: avista do que convm todos a-:
proveitarem-se dessa opportuna occasio c
proverem-se d'um traste sempre necessario,
e que lhes custar quasi motado do justo va-
Aasim, pois, dirigirenv-se com dinhei-
ro alegre e espacosa loja d'aguia branca
^ua do Queimado n. 8.
Delicadas caotas de dita.
Lindos chapcozinhos do selim para baptisados.
Uicos de seda Lrancos e pretos.
Bonitas caixinhas com msicas c sem ellas para
costura.
Tranceln;, de la para enfeites.
Fitas de seda eslreitas para ditos.
Ditas de velludo com listras pare barras de ves
tidos.
Aspas de balea para vestidos.
Ditas de aeo para espartilhos.
Bandesde dina.
Pulseiras de contas para meninas.
Paos para abrir luvas e port-charutos.
Essencia de ail para engomniados.
P6a by^ienicos de Lubin para dentes.
Leite virginal para tirar sardas.
Dito dires para extinguir as caspas.
Vinagre aromtico para vertigens, dores de ca-
bera, etc.
fosmetique surfine para cabellos.
Pomada para bigode.
Renda de fil, Usa.
NO
AHMAZKM
DE
4s afama tas copos com banha, e
boSdcs com Isiscs'ipcoes.
Ohegaram novamente para aaguia branca
es es afamados e estimados copos com banha
ria; assim como os bonitos boioes de por-
cellana dourada tambem com banha, e novas
:' naviosas e-jocoserias, mui ade-
(juado parapreseatesrestaporemaueosapre- B*enlcs de concha.
re concorram, munidos de tlinheiro, Comas novas c diversas guarnices de
espacosa loja d'aguia branca ra do' pentes que a Aguia Branca acaba de rece-
mado n. 8. jbcr, veio tambem urna pequea qualidade
Ciraxa econmica. | de pentes de concha que com graca e acer-
A aguia branca acaba de receber essa acredita- tadamente servem para o moderno atado dos
iJSSS ln ''"j;i s^Iore (,>l'1 ^cabellos. Ellessao de bonitos e agradaveis
ramente rccoahecida ; essa boa graxa se torna! mi i, j i 6
recemmeiMlada, tanto porque o ratrado hUrndo moldes- edclamanho pequemno como con-
eomella deixa perfeitamente lustroso ao menos vem para o fim que Sao. E'osla a primei-
trasdas sem necessidade de novo unto, como,ra vez que d'ellcs aqui chegam, por isso
Mesmo porqw sua preparacio appropriadlparaque a moda novissima, pelo que ganha-
' rao a palma aquellas senlioras que
XJETREXRO VERDE.
Neste eslabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concur-
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem' um n
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras, -i
homens e meninos.
Casacas de panno preto, 350 e 305000 Cohetes de fusto e brim bran-
Sobrecasacas idem, 300 e 25O0O co, 30500, 30 e 20500
Paletos idem e de cores, 250, Seroulas de brim de linho.
200,150 o...... 40*(> 2*400 e...... 2,5000
RA DO QUEIMADO N. 46
DE
ella vem
venda na
ra do
amanar e conservar o como
barritinho?, e acha-se
' i n. H, loja d'agoia branca, aos rezumidos
- de MO BOOe GW rs.
TERCOS
pnmei-
ro se apresentarcm com clles," para o que
los mandaro comprar na lo;a d'Aguia Bran-
ca, rua do Queimado, n. 8.
Bolsas para viagens.
Vendem-se na rua do Qoeimado, loja d'Aguia
Branca n. 8.
%'ollas prctas
HABA PA.
Aguia Branca receben as desejadas voltas
e Gordas le coraana.
A aguia branca pensando constantemente em
i-vir a toda a sua freguezia, notoo que ainda
vii fi iio algum agrado a aquelles. que pru-
e acertadamente resando, comprem duver de:
christao, e quando reparoa essa saa falte, l)r,-'tas, mu compndas e graiidas.
tu vir u acaba de receber delicados tergos e | Phosphoros hysicnicos
eoras de cornalina com cruz de prata, os quaes E DE SEGL'HAXtjA.
i aispoicao dos liis que estiverem dispostos!. Esses pbospboros hygienicos c'de seguranza, sao :
i I i'ino. -Se .'(5 para possuirem um bonilo indubilavelmente os melhores que ate agora Iem
i com os quaes podem mesnop pedir a appareddo, por cuja superioridade tanto se tem
| irospet idade d'aguia branca, eiii seu ale- fai[0 conhecidos c recommendados. Elles merec-
gre e espteoto ninlio da rua do Queimado n. 8. damente ganharam a preferencia a todos os outros
..___fc pelas vaotajosas razocs de que nao deitam aquello
uahlizinhos com perfninarias e prejudicial e mo cheiro que costumam deixar
se ni ellas. i fl,iasi todos os outros, e mesmo pela seguranca de
A aguia branca vende bonitos bahuzinhos com 6 ''ue es,am isemptos de incendiar pois que em
Ditos de casemira, 200, 150,
.120,100 c......
Ditos de alpaca, 50 e. .
Ditos ditos pretos, 90, 70,
50 e........
Ditos de brim e ganga de co-
res, 40500, 40, 30500 e. .
Ditos branco de linho, 60,50 e
Ditos de merino preto de cor-
dao. 100, 70 e..... 50000
Calcas de casemira preta, 120,
100, 80e......
Ditas de cores, 90, 80 e. .
Ditas de meia casemira de co-
res, 50500 e.....
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 50, 40500 e
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40500, 40 e .
Ditas de gapga de cores,
30500, 30 e.....
Cohetes de velludo preto e de
cores, 90 e......
Ditos de casemira preta, 50 e
Ditos de ditas de cores 50
Ditas de algodo, 10600 e. 10400
70000 Camisas de peitos de linho,
30500 50, 40, 30 e.....20500
Ditas de madapolao, 30,
30500, 20500, 20 e.....10GOO
Chapos de massa, pretos fran-
30OOO cezes, 100, 90 e. 80500
40000 Ditos defltro, 50, 40,30500 e 20000
Ditos de sol, de seda, 12;?,
H0, 70 e......40500
; Collarinhos de linho fino, ulti-
70OOO ma moda....... GiO
700001 Sortimento completo de grava-
tas. 0
40000 Toalhas parroslo, duzia, 110,
90 e........60000
40OOO Atoalhado adamascado de li-
nho vara......10280
20500 Chapqs deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....40000
FAZEYIIAS E ROITPAS FEITAS.
Sortimento completo de sobrecasacos de panno a 250, 280, 300 e 350, casacas
mu.to bem fettas a 250, 280, 300 e 350, paletots acasacados de panno preto de 160 at
a alde casemira de rtr a 150, 180 e 200, paletots saceos de panno e case-
mira de 80 ate 140, ditos saceos de alpaca, merino e laa de 40 at 60, sobre de alpaca e
merino de 70 ate 100, calcas pretas de casemira de 80 at 140, ditas de cor de 70 at
i#, roupas para menino de todos os tamanhos, grande sortimento de roupas de brim,
como sejamcalcas, paletots e cohetes, sortimento de cohetes pretos de metim, casemira
e velludo de 40 a 90, ditos para casamento a 50 e 60, paletots brancos de bramante a 40
e o&, calcas brancas muito finas a 50, e um grande sortimento de fazendas finas e moder-
nas, completo sortimento de casemiras inglezas para homem, menino e senhora, ceroulas
de linho e algodSo, chapeos de sol de seda, luvas de seda e de Jouvin para homem e se-
nhora. lomos urna grande fabrica do alfaiato, onde recebemos encommendas de grandes
obras, que para uso esta sendo administrada por um hbil mestre de semelhante arte e um
pessoa de mais de cmcoenla obreiros escolhidos, por tanto executamos qualquer obra com
promptidao o mais barata do que em outra qualquer casa.
Ti
nF.
TODAS AS OUALIDADES
DE >
ANTONIO MAIA DE BEITO
30000 m
20000
600
frasijiiinlios dechein
k., serviido este
rs por 1-5300 e vasios por 800
.ara meninas, e mesmo para
totes,etc., etc. : na ruado Queimado. loja d'aguia
ica n. 8.
\ovlssiimos c bonitos enfeites
para caoecas.
(Juando o bello sexo senta a falta de bons
enfeites para cabeca, eis que a aguia branca
rocebe urna sua encommenda de bonitos e
eeadofl e ifeites, c de modernissima moda,
muito serondo isso para sanar aquella falta,
fazer com que as Exmas. apreciadoras da
. empreza Coimbra possam melhor real-
sar e mostrarem o apurado gosto que as
guia. Esses enfeites sao d'um tecido bas-
tido com continhas d'aco, e mui bem
enfeitados com flores, fitas, bicos,-plumas
entretanto que sendo obra de muito
gosto ciKl.im 50, 00 e 70 dinheiro avista;
na espacosa c alegre loja d'aguia branca rua
do Queimado n. 8.
Alotiiis' com pe-fumarias.
Militas vezes aconteca que se procurando urna
bella galantera para se onertar a urna senhora ou
oonina em seus anniversarios, ou mesmo na
amarrajiiodas mestras destas, so nao acha va cousa
wie satisfizesse. agora, porm, j niio deve succe-
tier assim itorque na loja d'aguia branca encontra-
ra o pretndeme bellos objectos para esse fim, so-
Bre-sahindottttre elles esses bonitos albuns com
perfumaras, cujo gosto e novidade lhes d a pri-
mazia. A aguia branca folgr de contente se
ssas offertes recahirem sempre em suas predilec-
tas freguezas, e quando assim nao seja, nao faz
mal. porque a mimoseada reparando na singulari-
dade do objeeto, querer desde logo alistar-se no
numero daquellas. Em todo o caso- havendo di-
nheiro, dirijam-se rua do Queimado, loja d'aguia
branca n. 8, quo tudo se arranjar.
Chegaram luvas de pellica para a loja d'a-
iruia branca rua do Queimado n. 8.
Novas cintas elsticas pora senhoras
casadas.
A reconhecida utilidade dessas necessarias cin-
tas elsticas fez com que em breve se acabassem
as quo vieram da primeira vez, deixando assim
descontentes militas senhoras que se nao poderam
prover dellas, vista do que a aguia branca mau-
dou buscar mais algumas, que acabaui de chegar,
ainda mais pereites que as primeiras, isso por se-
Tem menores; agora, pois, podem as senhoras ea-
adas prevenirem-se. mandando-as comprar na
loja d'aguia branca, rua do Queimado n. 8. Se a
aguia branc.i precisasse de scmelhante obra de
eerto desta vez nao caria sem ella.
nenhuma outra parte fazcm fogo a nao ser no es-
pecial papel, que vem pregado na caixa, onde tam-
bem nenhum falla em qualquer que seja a este-
cho ; e alin de todas essas boas qualidades occor-
re mais a da barateza porque as Caixas cem 400
pnospboros custam apenas 210, o que niio ha com-
parafio para com quahjuer das outras qualida-
des. Assim pois, convm o uso Uelles, todos os
eslabelecimentos, cscriptorios, cartorios, reparti-
eres, casas particulares, etc., etc. Acham-se
venda na rua do Queimado loja d'Aguia Branca
n. 8. Que ni comprar porcao ter um abatimento
rasoavel.
Amostras de agulhas Inglezas.
A aguia branca acaba de receber por amostra
urna pequea quantidade de carteiras de molde nao
commum com agulhas inglezas de urna admiravel
superioridade. As carteiras trazem accommoda-
daniente qnatro papis de agulhas sortidas em
grossuras, e estas na verdade sao de qualidade an-
da nao vista aqui, o que fcil deconhecer-sc pelo
seu bom acabamento, pois que sao perfeitamente
20500 Lences de linho.
Cobertas de chita chineza.. .
70000 Pennas d'aco, as mais superio-
40000 res, a grosa......
i Relogios de ouro orizontaes,
0e........30500' 900,800 e......700000
Ditos de setim preto. 50000Ditos de prata, galvanizado,
Ditos de ditos e seda branco, patentes e orisontaes, 400 e
.60 e.......50000 Obras de ouro, adercos, meios
Ditos de gorgurao de seda adercos, pulceiras, rozetas,
pretos e de cores, 60, 50 e 40000. aneis e cruzes.
CONHECIDA POR FABRICADA V1VA.
N. 21 Antiga rua dosQuarteis de policaN. 21.
Constando ao annunciante, que alguns especuladores de m f, vendo o crdito
que gosam os meus cigarros, e para podorem dar consumo aos seus andam vendendo tanto
na praca como pelo mato, illudindo os meus freguezes, dizendo que sao meus ; e como to-
% dos os meus cigarros sao vendidos na.minha fabrica, e nao mando pessoa alguma vender
por mtnha conta fora della, taco o presente annuncio para evitar que comprem gato por
lebre ; e para seguranca dos senhores consumidores deste genero e especialmente os seus
freguezes, aviso que todos os massos de cigarros que forera vendidos na rainha fabrica sao
marcados com um distmcvo que declara o meu nome, o nome da rua e
mesraa casa.
o numero da
300000
Aproveito a occasio para scientificar aos mesraos senhores, que constantemente
encontrarao um completo sortimento de cigarros de diversas qualidades, e do melhor fumo
escomido, por sua boa qualidade j bem conhecida.
POR MENOS DEZ POR CENTO
NOS
FimrDirAo
UE '
ua
n
i i:
f '
miunrm i ohsi
FRANCISCO ANTONIO CORREIA CARDOSO,
Rua do ll ni ni N. 99. .
Acha-se novamente aberto este antigo e proveitoso estabelecimento, prompto para
RVADOB
he
ID'DS Sff^g,
KS. 21 E 23-URG0fD0 TERQO-NS. 21 E 23.
Recebem por conta propria a maior parte dos gneros existentes nos seus arma-
izens e porjsso dehberou-se seu proprietario a rende-los por menos 10 % do que em
Antro finolnnop iOftQ rra.a#i/llf ,, mmaSam .... ..1; l.. t *
rece caro, mas que apreciada a boa qualidade dol-
as, so terao a lamentar o nao vir mais dellas.
Tambem veio igualmente caixinhas com alflnetes
domados, e outros brancos, os quaes se vendem a
i'M rs., 320, 500, 640 e 14 a caixinha, tudo isso
na rua do Queimado, loja d'aguia branca n. 8.
Maravllha das bellas, noves e
delicados enfeites para ves-
tidos.
aprasivcl a aguia branca o ter de avisar a
sua boa freguezia, que acaba de receber pelo pa-
quete francez um bello sortimento de enfeites de
seda denominado maravilha das bellas, os quaes '
servem tanto para vestido de senhora como para
roupinhas de criancas. Seus novissimos e delica-,'
dos desenhos, suas escolhidas c bem acertadas co-
res fazcm um todo agrada vel aos olhos de qualquer
vvente que saiba apreciar o bom. Assim, pois, a'
outra qualquer parte, garantiddo a superior qualidade.
i.< ani todos.
Manteiga ingleza especialmente escolhida a 72o e 8oo rs. a libra,
executar quaesquer encommendas de ferr fundido, balido ou de iro'za'. nondas para 'dem franceza (le primeira qualidade a 56o rs. a libra, e em barril a 54o rs. a libra,
engenhos, com vapores ou sera elles, tudo com a maior promptido, perfeico e com-.'jrT.0^ ^a^ me,no,,r d mercado a loo rs. a fibra e 3,ooo rs. a arroba ou sacco,
modo preco ; tem varias obras promptas da melhor e mais solida construeco que p- Cafe do R, e Ceara mel,lor nesle genero a 28o e 32o rs. a libra.
Batatas novas a 5o rs. a libra, em arroba a i,4oo rs. e em caixas de quatro arrobas por
I Bolachinhas americanas, as mais novas neste genero, a 2oo rs. a libra e 3,ooo rs a barrica
1 Palitos do gaz, vindos por conta particular, a 2,3oo rs. a groza.
| Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor, a l,8oo e 2,ooo rs.
I Vinho do Porto em garrafa de superior qualidade a 9oo rs. a garrafa.
, dem em pipa Figueira e Lisboa a 4oo rs. a garrafa, e a 3,ooo a caada.
Milho alpista o mais limpo que ha no mercado a i 6o rs. a fibra, e a arrroba a 5 ooo re
Vetas de spermacet, composicSo e Arcaty, a 4oo, 36o e 64o rs. a libra
polidas, pomas mui agudas e bem tiradas, e fundos dem ser vendidas por raetade de seu valor, como sejam :
ovaes. Gusta cada carteira 1, oque de certo pa- Moendas inteiras e meias ditas de varios tamaitos, para engenhos.
ric ruin qnroniqni I.1-.0 m. I..-I<,,1.. >|n| j j j 1 r O
Portas d'aguas guarnecidas de bronze com parafuzo de rosca quadrada.
Rodas de espora, carretas e rodelas angulares.
Parafusos e cavilh5es de ferro ou de bronze, rosca quadrada ou singela.
AguIhOes fundidos de azas e balidos para rodas d'agua e chumaceiras com bronze
Bronzes e torneiras de todos os tamanhos e qualidades.
Taxase fundos de alambique, de ferro fundido, de varios tamanhos.
Cnvos e portas de fornalha de varios tamanhos e qualidades.
Urna machina de destillacao continua do autorCollares__
Fogoes americanos econmicos para casa de pequea familia.
Fornos de fazer farinha.
Tobos de chumbo de todas as grossuras.
Cobre em arrobas e folhas. dito, dito.
Folha de Ftandres em caixas, bom sortimento.
Chumbo em lencol e em rolos de diversas grossuras.
E urna grande porco de pecas de obras tanto de ferro fundido como balido ou de
duvida este era LJaver dinheiro, havendo-o,' diri- bronze que seria enfadonho descrever.
jam:sc sem susto ao espacoso e alegre ninho de Espera, pois, o proprietario deste estabelecimento que o publico sempre benigno
e prestar toda sua confanca e allenco.
"aguia -branca, rua do Queinjado n. 8, que acharao
as verdades cima ditas.
Naarmazem da aurora
Santa Cruz n. 84, vendem-se queijos do reino o
mais novo possivel a 1,3400, t$700, U e 2*400,
queijo~nove de prato a 800 rs. a libra, d'to mantei-
ga a 640 rs., e de qualha a 400 re. ________x
Am rs, weutlhe^T
Vende-se palha de carnauba c carne secca do
sertao por precos muito commodo : no armazem
Taixas de ferro.
Vendem-se taixas de ferro do mais acreditado
brilhante, no largo da fabricante c por preco mais razoavel: no arma-
7.CU1 de assuear de Jos da Silva Loyo & C.
Vinho puro.
No escrtptorio de Euzebio Raphael Rabello, na
rua da Cadeia n. 56, vendem-se ancoretas com ex-
cellenle e puro vase tinto de Lisboa, sement des-
tinado para gasto do casas partioulares per ser re-
de JoaquimFrancisco de Alm, no Forte do Matto.' mettido pelo proprio fazendeiro ou lavrador.
l*otassa nacional.
Veade-se superior, potessa do Rio de Janeiro, da
mais nova que ha no mercado, a preso muito com-
modo ; no largo do Corpo Santo, escriptorio de
Manoel Ignacio de Oliveira & Filho. n. 49._______
Toucinho de Lisboa novo e grosso de primeira qualidade a 32o rs. a libra, e 9,ooo rs a
arroba.
Alm destes gneros ha outros muito baratissimos, assim como cha do melhor,
azeite doce, vinagre, cebollas, alhos, pimenta, cominhos, erva-doce, charutos de todas as
qualidades. chouricas, sabao verdadeiro de 16o a 24o rs. a libra, genebra de todas as
qualidades, que tudo se vende barato e quem duvidar venha ver.
C'cU de Lisboa
Cal virgom chegada houtem em ancoretas u-
to bem acondicionadas e por preco commodo: no
antigo deposito da rua do Trapiche n. 13, arma-
zem de Manoel Telxeira Basto.
mmm
F1 \ III^ AO DA AURORA.
Nesta grande e bem montada fabrica de machinismo, a mais antiga no imperio, con-
tinua-se a executar com a maior presteza e perfeicio encommendas de toda a qualidade
de machinas usadas no paiz, tendo sempre prompto o segrate :
Grande sortimento de moendas de canna de todo/s os systeraas e tamanhos.
Machinas de vapor de diversas qualidades.
Taixas fundidas o batidas.
Crivos e boceas para fornalhas.
Bronzes e aguilh5es.
Rodas, rodetas e rodas d'agua.
Guindastes fixos e portoteis.
Machinas de cyhndros para padaria.
Serras de ac para serrara.
Fatechas para barcos, etc., etc., todo] \*yc preco que bem convida.




ua

l>

t
I
k
Diarlo de Pernaaibiico abbado 19 de Setembro de ISttS.
PDSSi
GRANDE ARMAZEM
AK

EE
^MM^MMm^^mmmmMmmwi^
GRANDE ARMAZEM DE MOLHADOS
DE
Eduardo Marques de Oliveira C.
\. 36, RIA DAS CRt'ZES N. 36
balrro de Santo Antonio.

0 proprietario do muito acreditado armazem denominado Progressista tendo
sempre era vista fazer todo o que for possivel para bem servir aos seus freguezes, teafj
deliberado vender os seas j bem conhecidos gneros de primcira qualidade pelos precos
abaixo mencionados, e affianca s pessoas .que mandarem comprar por seus criados ou
escravos, serem tSo bem sen-idas como vindopessoalmente; encarrega-se de aviar qualquer
encommenda, ainda mesmo contendo objectos nSo proprios deste estabelecimento. O
mesme pede aos senhores que mandarem comprar neste armazem o favor de mandarem
devolver qualquer objecto que nao agradar, devendo os mesmos senhores ter toda atten-
c3o com os seus portadores, fazendo-lhes ver que s no armazem Progressista da ra das
Cruzes n. 36, que se vendem os melhores gneros por mais barato preco, porque estes
muitas vezes orvidam-se e v5o outra parte onde os servem de maneira a desagradar este
estabeleei ment.
TODOS
os
VAPORDS
se recebem gneros de conta
propria e dos melhores esta-
belecimentos da Europa, ga-
rante-se todo e qualquer ge-
nero comprado neste
ESTABELECIMENTO.
COMPLETO
SORTUBNTO BE MOIHABS.
vende-se em porrao e a reta-
lho, aprompta-se com toda a
presteza e exactidao qualquer
encommenda dirigida a este
ESTABELECIMENTO.
>
o
z
sr a-
l
da San se ven i 2
6. sr . C
c
a- OD
US
:
2. i *f
s
O < O
nnhrn iSS, a T S u gandes estabelecimentos demolhados, encontrar o respeitave
tl ,B n a?' bem como seus numerosos freguezes do centro, expostos venda
U d'it 2eners Pr raenos Preo Que em quaesquer ou-o estabelecimen-
Sh nro J PisPara bem senir os seus freguezes existe na Europa um dos so-
nPitJoi L^vem V,ndos de conta PrPria diversos gneros, e desde j encontrar o re*-
nne ILK'C0 sempre os me'uores gneros do nosso mercado, e por precos baratsi-
mos como abarco vero, a saber :
Manteigai ngleza de I. qualidade, a 800 rs.
a libra,
dem de 2. qualidade, a 700 rs. a libra,
dem franceza, cbegada ltimamente, a 6oo
rs. a libra.
Batatas em gigo de arroba a l,5oo rs.
Maces chegadas no vapor lnglez,
Ervilhas muito novas a 24o rs. a libra,
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor,
de 25 20500.
dem prato, chegado neste ultimo vapor, o
mais fresco que se pode desejar a 700 rs.
a libra.
dem londrino, mandados vir de encommen-
da especial, a 900 rs. a libra.
dem suisso, muito fresco, a 800 rs. a libra.
Caf do Rio de 1. e 2. qualidade a 85500
e 80800 a arroba, e 280 e 300 rs a libra.
Arroz da India e Maranho a 120 rs. a libra
e 30200 a arroba.
AveHSas as mais novas
rs. a libra.
de superior qualidade a cada
xinha.
neste genero a 240
Presuntos do Porto muito novos a 560 rs. a
libra.
Legumes francezes para sopa, como seja,
Julienne, ralange d'quipage, Choux e
outras qualidades, a 400 e 500 o masso.
Amendoas de casca4 mole a 320 rs. a libra, e
em porco ter abatimiento.
Garrafoes com 5 garrafas de vinho do Porto
do Alto Douro a 2/5400 cora o garrafo ;
afianca-se que nesse genero o melhor
que veio ao mercado.
Idera com 5 garrafas de vinho Figueira muito
superior e mais proprio para a nossa esta-
CJopor ser mais fresco a 20400.
Cha hysson o mais superior a 20600 a libra,
afianca-se ser egual ao que regularmente
vendemos a 30200.
dem huxim miudinho, o mais superior que
vera ao nosso mercado a 20700 a libra.
dem preto muito fino, a 20000 a libra.
Chocolate para Uoo, I ,ooo e 1,2oo rs. a li-
bra.
Garraloes com o garrafas de superior vinho
de Lisboa a 20100 cada um.
dem com 5 garrafas de v.nagre de Lisboa
a 10100 com o garrafo.
dem com 5 garrafas de
guez a 800 rs. cada um.
Vinhos generosos vindos do Porto engarra-
fados das seguintes marcas: Genuino,
Porto fino, Nctar, Duque do Porto, Fei-
toria, Velho secco, Chamico, Madeira su-
perior e outros a 900 rs. a garrafa e 90
a duzia.
Mostarda preparada
400 rs. cada um.
em potes muito nova a
vinagre hambur-
Milho-alpista a 180 rs. a libra.
Gomma #para engommar muito fina e alva a
80 rs. a libra e 20300 a arroba.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Sabao verdadeiro hespanhol, que raras vezes
vera ao nosso mercado, a 300 rs. a libra e
em caixa ter abatimento.
dem massa de superior qualidade de 160,
180, 200, 220 e 240 rs. a libra.
Graixa em latas muito nova a 120 rs. a lata
e 10300 a duzia.
Peixe em latas muito novo: svel, pescada,
curvma, salmao e outras qualidades, pre-
parado de escabexe segundo a arte de
cozinha a 10400.
Papel grve pautado e liso a 30800 a resma.
Gcnebra de Hollanda em botijas de conta a
460 rs. cada urna.
Vinhos em pipa: Lisboa e Figueira das melho-
res marcas a 30200 e 40000 a caada do'
melhor c 500 rs. a garrafa, em porco ter
abatimento.
Vinho velho Chamico em barril, muito proprio
para sobremesa, a 640 rs. a garrafa e
50000 a caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero a 560 rs. a garrafa e a 40000
a caada.
Vinagre puro de Lisboa a 200 rs. a garrafa
e 10400 a caada.
Azeite doce de Lisboa muito fino, em barril
a 640 rs. a garrafa,. e em porcao ter
abatimento.
Champagne das mais acreditadas marcas, a
10000 a garrafa, e 100000 o gigo com
urna duzia.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Bahia a 30500 a caixa, tambem temos
para 20000, 20500, 30000 e 30200 a
caixa.
Vellas de spermacete superiores a 600, 640,
e 680 rs. o masso.
dem de carnauba e eomposico a 320, 360,
e 400 rs. a libra e de 100 a 110500 a
arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa, a 10000
a ancoreta do Porto e 10500 a de Lisboa
Os proprietarios do muito acreditado armazem Progresso fazem sciente ao respeita-
v6l publico e com especialidade aos seus amigos e freguezes que tem resolvklo resumir os
precos dos seus acreditados gneros, como abaixo verao nao obstante os precos menciona-
dos a vista da qualidade dos gneros que se prova quanto se deseja servir satisfatoria-
mente aos nossos freguezes, advertindo-lhes que mandem seus portadores, que sero to
bem servidos como se viessem pessoalmente, isto s no Progresso.
Manteiga ingleza perfeitamente flor
no ultimo vapor a 8oo rs. a libra.
dem de 2.* qualidade a 76o rs. a libra.
dem de 3.a dita a 64o rs. a hora.
dem para tempero a 32o e 4oo rs, a libra.
Manteiga franceza a mais nova que ha no mer-
cado a 58o rs. a libra, e em barril ter aba-
timento.
Banha de porco refinada a 520 rs. a libra.
Vinho em pipa Porto Figueira e Lisboa a 4oo,
48o, 5oo, 56o rs. a garrafa, era caada
2;8oo 3,ooo 3,5oo e 4,ooo rs.
dem em barril o mais superior que tem vin-
ao mercado a 6oo rs. a garrafa.
Lagrimas do Douro especial vinho do Porto a
1,000 agarrafa e a lo.ooo a caixa, o preco
nao indica a qualidade d'este precioso vi-
nho, porm venhamao Progresso que a vis-
ta faz f, a este genero constantemente man-
damos vir de conta propria e por isso po-
demos vender por raenos que outro qual-
quer annunciante.
chegada | Farinha de Maranho muito alva e cheiroza
a 16o rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 32o rs. a libra e a 9,ooo
rs. arroba.
Sardinhas de Nantes a 36o rs. a lata.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. agarrafa e a
4,8oo rs. a caada.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e a
l,2oors. a caada.
Garrafoes com 5 garrafas de vinagre de Lis-
boa a l.loo rs.
Champanhe das marcas mais acreditadas
Amendoas a 320 rs. a libra.
Avelaes a 2oo rs. a libra
Ameixas a 10 a libra.
Ditas em frasee por 20800.
Arroz pilado da India loo rs. a libra e 30ooo
a arroba.
Dito dito do Maranho 120 rs. a libra e 30500
a arroba.
Azeite doce francez 800 rs. a garrafa.
Dito de Lisboa 680 rs. a garrafa.
Agurdente de canna de cabeca a 240 e 320
rs. a garrafa.
Azeitonas a 320 rs. a garrafa c l,3oo a an-
coreta.
Batatas inglezas a 6o rs. a libra e 1,800 a
arroba.
Banha de porco a 55o rs. a libra.
Bolachinha de soda a 10400 a lata.
Bolachinha ingleza a 200 rs. a libra, e a bar-
rica a 30000.
Chi. hysson a 20200 a libra.
Dito dito fino a 20600 a libra.
Dito miudinho a 20800 a libra.
Dito do Rio a 10800 a libra.
Dito preto a 10900 a libra.
Charutos de diversas qualidades a M200,
10500 e 30 a caixa.
Champagne a 10 e 10500 a garrafa.
Chouricas a 560 e 600 rs. a libra.
O i .------- _T---------- i ""*> a uw c UUU IB. U 111)1.1.
i 1} TH g,g0' e a 8o n- e a Conservas inglezas a 800 rs. o frasco,
l.ooo rs. a garrafa. Cafc em grao a 300 e 320 rs. a libra, e 90 e
Serveja preta marca T e XXX a 6,5oo e n-.9'*200,3 m'oba-
7,ooo rs. a duzia, e a 6oo rs. a garrafa, I J?lt0 mo,do m rs- a libra-
tambera temos das mesmas marcas para 4, i ~oce de 8oiaba a 560 rs. o caixo.
e 4,5oo rs. a duzia, e a 4oo rs. a garrafa. EsP'rto de vinho de 38 graos, a 280 rs. a
ii i garrafa.
dem branca Te cobrinha a5,5oo e 6,ooo rs, 'Farinha do Maranho a 160 rs. a libra,
a duzia e 5oo rs. a garrafa, tambem ha, Dita flor de laranja a 10 o frasco,
para 4,ooo rs. a duzia. Feijo branco muito novo a 440 rs. a cuia.
Graxa em latas grandes a l,3oo rs. a duzia!Figos a 32 rs- a ,ibra-
e 12o rs. a lata.
Vassouras do Porto arqueadas de ferro obra
de muita duracao a 4oo rs. cada urna.
Palitos de dentes massos grandes a 2oo rs.
e 28o rs.
Vinho do Alto Douro das marcas mais acre-
ditadas e especialmente escolhido por um
de nossos socios, como sejam: Camoes, Du-
que, do Porto, D.Luiz, Carcavellos, Cha-
misso Filho, Madeira secco, e Feitoria a.
9oo rs. a garrafa e 9,ooo rs. a caixa com Paltos do gaz a 20 rs. a caixinha e 2,3oo rs.
12 garrafas. a groza.
Garrafoes com especial vinho do Porto con-'r,.i. *L 4i .
tendo Sgarrafas a 2,5oo rs. Ge ea fcAIFrKche cn*Pda n? ultm? vaPr
lata? de 2 libras a 8oo rs. o pechincha.
dem com 5 garrafas de superior vinho Fi- Genehra -V Hniian,!, ,~.>-
gueira a 2,4oo rs. uene.Dra -e Hollanda garrafoes com 16 gar
rafas por 6.5oo rs.
dem com 5 garrafas de vinho Lisboa a',, ,
2,1oo rs. Wep em frasqueiras a 6,3oo rs. e 6,5oo rs. ea
v.y n ,. 56o rs. o frosco affianca-se ser verdadeira.
Vinho branco de Lisboa proprio para missa ,. .
vindo j engarrafado de Lisboa a 64o rs. aem e ?ot,ja em Daras com quatro du-
Vinho Bordeaux das mHhorcs marcas: St
Julien, Medoc e S. Estephe e outros a
640 rs. a garrafa e 70500 a caixa com
urna duzia.
Chouricas e paius, o mais novo que se pode
desejar, a 250 c 600 rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez dos melhores^/a-
bricantes a 900 rs. a garrafa e 100500 a
caixa com urna duzia.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
800 rs. cada um.
Licores francezes, muito finos, das seguintes
mareas: Anizetta do Bordeaux, Plaiser des
dames, Crme de Noyau, Eau Dantzic,
Crrae de Menthe, Hude de Venus etc. etc.
Passas muito novas e de carnada a 400 rs. a
libra e 60500 a caixa com urna arroba, ha
caixas, meias c quartos.
Ameixas francezas era frascos de 1112 e 3 1- Saro*has ue, ?antes' do fabricante **' a
bras de 10400 a 20800, tambem ha latas' W rs' a Iata'
de 6 libras. | Toucinho de Lisboa novo a 320 rs. a libra
Marmeiada imperial, dos melhores conser-' J^la SfS'?? ^ ^ Um-
veiros de Lisboa, a 600rs. a libra, em la-' mo,10 a 900 rs'
tas lacradas hermticamente. Erva-doce muito nova a 400 rs. a libra.
Fructas em caldas de todas as qualidades em Cominhos idera idem a 640 rs. a libia.
latas muito bem enfeitadas, a 500 rs ca-1 Garrafoes vasios a 500 rs. cada um.
da urna. ]
Ditos com 5 garrafas de genebra a 20400,
Massas para sopa: estrellinha, rodlnha e pe-
vide a 500 rs. a libra e 40500 a caixa com
8 libras liquido.
Massas para sopa muito novas: talharim, ma-
carrao e aletria a 400 e 480 rs. a libra.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso das melhores qualidades a 900 rs.
a libra.
Doce da casca da goiaba a 800 rs. o caixo.
Cerveja das melhores marcas de 50500 a
60000 a duzia e 540 rs. a garrafa
Biscoutos nglezes de diversas qualidades a
10300 a lata.
Bolachinha de soda, especial encommenda,
muito nova em latas grandes a 20000 cada dem
urna.
a garrafa.
dem em barril muito superior a 5oo rs. a
garrafa e a 4,ooo e 3,8oo a caada.
Ameixas francezas em caixinhas de 1 */, 2
e 3 libras elegantemente enfeitadas com ri-
.cas estampas na caixa exterior a l,3oo
l,6oo 2,000 o 2,5oors.
dem em latas de, 1 '/a e 3 libras a l,4oo e
2,6oo rs, cada urna.
Figos de comadre em bauzinhos de folha
muito proprios para mimo a l.Ooo.
dem em caixinhas a l,4oo rs.
dem em caixinhas emticamente lacradas
e muito bem enfeitadas a l,8oo rs.
dem a 2oo rs. a libra.
zias a 44o rs. cada botija.
dem de laranja em frascos grandes verda-
deira italiana a 1 ,ooo rs. o frasco.
Marrasquino de zara a 72o rs.
Licor francez
Genebra de Hollanda em botijas a 5oo rs.
Dita Hamburgueza a 44o rs. a botija.
Gomma d'araruta a 100 rs. a libra, e 20600
a arroba.
Graixa em latas a 120, e 10300 a duzia.
Genebra em garrafoes de 14 garrafas por
40600. y
Licor fino a 800 rs. a garrafa.
Dito em garrafas grandes de superior quali-
dade a 10500.
Manteiga ingleza flor a 800, 900 e J0 a libra.
Manteiga franceza a 6oo e 64o rs. a libra.
Dita hollandeza a 72o 8oo rs. a libra.
Mostarda a 640 rs. o frasco.
Previno-se ao respeitavel publico que todos os gneros cima sao de boa quali
dade, e para desengao venham ver; assim como outros que deixam de ser annunciados.
Massa de tomates a 640 rs. a libra.
Dita estrellinha para sopa a 560 rs. a libra.
Massa estrellinha para sopa a 5oo rs. a libra.
Macarro, aletria e talharim a 48o re. a li-
bra.
Marrasquino de Zara a 800 rs. o frasco.
Passas a 4oo rs. a libra.
Palitos para dentes a 180 rs. o masso.
Phosphoros do gaz a 20500 a grosa.
Paios novos a 640 rs. a libra.
Queijos do reino do ultimo vapor a M
20500.
Dito de prato a 720 rs. a libra.
Cenejas de marcas superiores a 500, 560.
600 e 640 rs. a garrafa, e 50500, 60
60500 a duzia.
Dita em barril por 40, e 240 rs. a garrafa.
Cevada a 240 rs. a libra.
Sardinha de Nantes a 360 e 400 rs. a iafc-
nha.
Sag a 240 rs. a libra.
Sabo massa a 200, 240 e 280 rs. a libra.
Sevadinha a 280 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 160 rs.
Vellas de spermacete do gaz a l,2oo rs. a -
libra.
Ditas do gaz muito boas.
Ditas dito em caixas de 6 libras por 40000.
Ditas de carnauba a 400 rs. a libra.
Ditas de eomposico a 360 e 380 rs. a libra.
Vinho do Porto, caada a 50500, garrafa ?
720 rs.
Dito Lisboa, caada a 40 e a garrafa a 500
rs.
Dito Figueira, caada a 30840 e a garrafa
480 rs.
Dito dita superior, caada a 40 e a garrafa
a 500 rs.
Dito Estreito, caada a 30200 e a garrafa -
400 rs.
Dito Bordeaux a 720 e 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa em garrafoes de 5 garra
fas por 10400.
Dito em caada a 20, e a 260 rs. a garrafa.
Vinho do Porto em garrafoes de 5 garrafas
por 20500.
Dito dito engarrafado a 10 e 10200.
Dito lagrimas do Douro a Ii00a garrafa.
Vinho branco de Lisboa a 70 rs.-a garm?..
e 50 a caada.
Dito do estreito a 600 rs. a garrafa, e a 05C
a caada.
FITNDI^AO DO BOWMA1-RUA DO
BRUJ U. 38.
Este muito acreditado estabelecimento est prvido de um completo sortimento de
machinismos proprios do fabrico de assucar, a saber:
e virirn taSrf fachinas de vapores as mais modernas e mais acreditadas.
is de vidro brancos a 72o e 8oo rs. Rodas d'agua de ferro com seus pertences.
Passas de carnadas as mais novas que ha no |
mercado a 4oo rs. a libra e a 6,ooo rs.
caixa.
Vinho Bordeaux das melhores qualidades
que tem vindo ao mercado a 72o e 8oo
rs., e em caixa a 7,5oo, 8, e 8,2oo rs.
Azeite doce refinado do fabricante Pelanol e
outros a 8oo rs. a garrafa.
Conservas inglezas sortidas e de urna s qua-
lidade a 8oo rs. o frasco.
Araruta verdadeira a 32o rs. a libra.
alva a 8o rs.
f Gomma de engommar muito
a libra e 2,2oo rs. a arroba.
Salmo em latas
8oors.
ermeticamente lacradas a
a,, Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca a 16o rs. a libra.
Lagostim em latas grandes a l,4oo.
Savel, corvina, cherne, vezugo, peixe espada,
preparados pela primeira arte de cozinha a
a l,3oo rs.
Massa de tomates em latas de 600 a 700 rs.
cada urna.
Bolachinha ingleza. a mais nova que se pode
desejar,
fibra.
a 30000 a barric a e 240 rs. a i
Farinha do Maranho muito
a 160 rs. a libra.
alva e cheirosa
garante-se ser verdadeira de Hollanda.
I Cebollas a granel a 640 rs. o cento.
Canella a mais nova
10000 a libra.
Azeite fiancez clarificado a 800 rs. a garrafa
e 90000 a caixa cora urna duzia.
Conservas inglezas dos melhores fabricantes
Mixed Piekles, ceblas simples, e outros
a 760 rs. o frasco.
Farinha verdadeira de araruta a 500 re. a
libra, garante-se a superior qualidade.
Palitos -para dentes em caixinhas douradas
Breu, a 320 a libra e 80 a arroba.
do nosso mercado a
Alfazema o que pode haver de melhor neste
artigo 280 rs. a libra.
Phosphoros de seguranca individual a 20 re.
a caixinha.
Papel de embrulho muito superior a 10120
a resma.
Vinho da Figueira, o que ha de melhor a
40000 a caada.
Coposfinos para agna a 6jJ000 a doria.
Queijos flamengos chegados no ultimo va-
por a 2,4oo rs.
do vapor passado a 2,2oo 2,000 e
l,8oo, rs.
dem prato do ultimo vapor a 64o rs. alibra.
Doce da casca da goiaba caixSes grandes a
6oo e9oo rs.
Chouricas as mate novas que ha no mercado
a 48o rs. a libra.
Chouricas mouras encommenda especial nos-
sa a 5oo rs. a libra.
Prezunto verdadeiro de famego em calda
de azeite 5oo rs. a libra
Bolaxinha ingleza a mais novas que ha no
mercado a 2,ooo rs. a brriquinha com
1 arroba, e a 24o rs. a libra.
dem de soda de diversas qualidades a 1,400
res.
dem em latas grandes, proprias para lunche,
com 5 a 6 libras por 2,4oo rs.
Sevada muito nova a 12o rs. a libra e 3,2oo
ss. a arroba.
Macarro a 32o rs. a libra.
dem e talharim o mais novo que ha no mer-
cado a 48o rs. a libra.
Aletria a 5oo rs. a libra.
Arroz carolino a loo rs. a libra e a 2,8oo rs.
a arroba.
dem do Maranho
3,ooo a arroba.
ar12o
rs. a Ubra, e a
Moendas e meias moendas de todos os lmannos.
Rodas dentadas, angulares e de espora.
Taixas de ferro batido e coado.
Boceas de fornalha pelo novo systema Wetson.
Alambiques de ferro fundido.
Fornos para cozer farinha.
Moinhos para moer mandioca.
Arados americanos, etc. etc.
INJECCAO E CAPSULAS
VEGETAES ao MATIC07
GRIMAULT E CLA PHARWACEUTICOS EM PARS;
Novo tratamenlo preparado com as folhoa de Mauro, rrorc do Pera, para a cura rpida o infnlliv.l
da Gonorrhea sem recelo algum da conlraccao do canal ou da inflammac.ao dos Intestinos. 0 clebre
doutor iticord, de Pars, ter renonclado, desde sua apuarco, ao emprego de qualquer outro tratameulo.
Emprega-se a injecrao no comco do fluxo. as capsulas em todos os casos chronicos c inveterados, que
resisrao s preDarac.de do copahu, cubeba e s njccc.5cs com base metalca.
Depsito geral: em Part, em casa de MM. Griraault e c, pharm.ircntlcos, 7, ra de la Feuillade;
em Lisboa, Jos-Ajo.llnho da Costa-Carralho jnior; no Tnrto, Migad Jos de Seosa-Fer-
relra; em o Kio-de-Joneiro, Geataa, 102, ra S. Pedro-, em Baha, Jo*-Catano Ferrelra-Enplif
helra; em Rio-Grande, Joaqun de Godoy; em Haranho, Ferrelra e C; em Pernambuco,
shoum e <:*, ra da Cruz, 22 Sonsa, e as principaes pharmacias do Brazil.
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22 em casa de Caros A Barboza.
AGENCIA
Marmeiada imperial do fabricante Abreu e
outros conserveiros de Lisboa a 600 rs. a
libra.
Frutas em calda de todas as qualidades a
5oo rs.
Ervilhas francezas a 5oo rs. a lata,
dem portuguesas a 64o rs. a lata.
Massa de tomate a 64o rs. a libra.
Amendoas confeitadas a 7oo rs. a libra,
dem de casca mole a 28o rs. a libra,
Avelans a 2oo rs. a libra. I
Caf do Bio o mais superior que se pude de-
"sejar a 32o rs. a libra,
dem a 28o e 3oo rs. a libra e a 8,2oo, 8,4oo
e 8,7oo rs.
Velas de carnauba refinada a 32o rs. a libra,
e a lo.ooo rs. a arroba.
dem de spermacete a 64o rs, a libra.
Chocolate hespanhol e francez a 9oo e l,ooo
rs. a libra.
Estrellinha epe\ide muito. nova a4oors. a
libra, e a 2,ooo rs. a caixinha com oito
libras.
Cha perola muito especial chegado neste ul-
timo vapor de encommenda particular
nossa a 2,8oo rs. a libra.
dem huxim muito superior a 2,7oo rs. a
libra.
dem hysson a 2,56o rs. a libra.
dem hysson a 2,000 e 2,2oo rs. a libra.
dem preto homeopathico e muito superior a
2,000 re. a libra.
dem nacional a l,6oo rs. a libra.
Batatas muito novas a 80 rs. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
e de todas as marcas, como sejam: sus-
piros, havaneiros, messecipes, regala im-
perial, flor das mattas, primores a 4,ooo,
3,5oo, 3,2oo, 3,ooo, e 2,8oo, 2,5oo,
2,000 e!,6oors. a caixa.
DA
FUNDICAO DE LOW-MOOR.
Ra da Senulla nova n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston & C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
Capas c chapeos para senhoras.
Ba do Queimado n. 11.
Chegaram ;t loja de Augusto Porto ricas capa?
pretaspara senliora, chapeos perfeitanientc cnf.'t-
tados, santimbarques pretos de seda, mantelete;
pretos de seda, laazinhas, e outras militas fazen-
dao, tudo por commodos presos.
ESCRAVOS FGIDOS.
ROUPA
t,
Na ra do Queimado n. 43, esquina que
volta para a Congregaco; pechincha.
Paletots de casemira a S, 6, 7, 8,1S e 14,5000,
ditos de panno preto e azul a 9, 10, 12, 16 e 18,5,
ditos sobre-casaeos de panno moito fino por S4 e
28*. ditos de alpaca preta e de cordao a 4, S, 6 e
74, calcas de casemiras de cores a o, 6, 7 e 8,
ditas pretas a 6a00, 8,9 e 105, paletots de fusto
e canga a 2, 2*800, 3 e 44, calcas e colletes do
todas as qualidades e por preejo muito barato, len-
ces de puro linho a pre$o de 24800 e 34, cober-
tas de chita a 24240, collarinhos de linho puro a
800 rs. cada um, e outros muitos objectos que s
a vista ; e para isso se pede a alinelo dos fre-
guezes.
Lencos de labyrintho.
Na ra do Crespn. 14, vendem-se ricos lengos
Felicia, crioula, preta fula, baixa e grossa do
corpo, rosto carnudo c redondo, bons dentes, oluos
amortecidos, bracos grossos, tendo no direito um
cicatriz de um golpe cima do sangradora, mftrs
curtas e grossasj tendo um pequeo defeito no d-
do grande da mao esquerda, ps curtos, largos c
chatos, representa ter 24 26 anuos de idade
quem a aprehender leve-a ra da Uniao n. 38,
ou na cidade do Rio Formoso na casa do collcctor
das rendas geraes, que ser gratificado.
ATM
No dia 3 do corrente fugio a escrava de noror
Auna, bastante baixa, magra, nariz chato, bocea
grande e com urna grande cicatriz as costas, re-
presenta trlnta e tantos annos, desconfia-se andar
em Santo Amaro de Jaboatao, por ter pertencido a
fabrica do engenho Contra Acude e ter sido com-
prada no dia 25 de agosto do corrente: roga-se a
quei a pegar leva-la ra da matriz da Boa-Vis-
ta sobrado n. 33, que ser recompensado.
Est fgida a preta Perpetua, de naco, d
idade 33 annos. ponen mais ou menos, estatura
alta, secca, e muito alladeira, foi escrava do Dr.
Nabor, emprega-se em lavar roupa ao Monte i ro :
quem a pegar e levar roa Imperial n. 164 sera
bem recompensado.
l
1 MUTILADO l
"*~~VTa*aa*aHW iti --------
r*
-H1------


*m
8
Diario de Pernanibnco Sabbado 1 de Krtembro de i&A.
LITTERATDRA.
-iiTri-,-.--rt---f -i ,,
i tagein ao redor do tiapo.
Nagasacki, os batiros ft^mte a cidade
japonesa.
(Coutiuuaeo.)
das. A pronunciagao corrente, c qualquer pes. urna ionga soire, passarem diante dos seus olhos. cerei do benvolo acolnimento dessa gente quando
soa pode, ainda tendo fraca memoria, aprender em mil formas estramblicas: se nao aborrece-se A- me succedia ir 14. Se parava porta de urna her-
alguma* semanas um numerp de palamsaofflwen.' talmente destaieajajinua metamorphose, se nao i dada para pedir fogo, no meemo instante rapazes e
pftr-se em relagao rom os indgenas sem o'abandona espectculo, esta ao menos acostumado raparigas apressavam-se em trazer-me o brasero.
te para
soccorro de um interprete. Todos os estrangeiros'** srp-"cas> a sua curiosidade embota-se, e as
que residem por algura tempo no Japao servem-se'mais extravagantas figuras perdem o poder de ex-
da linguagem do paiz. e at mesmo muitos fallam-'citar nelle uma v,va com^o-
na com facilidade. Quanlo linguagem dos ho-' Todava nao conheci europeu que tivesse desem-
E" habitada, por urna populagao composta de, mens d0 Iettras e das relatos polticas, 6 preciso barcado em Nagasacki sem maravilhar-se da ex-
Ghanas, CUas e Japoneses, srdidos, ignorantes e ( para que* cliegucmos a escreve-la e pronuneia-l cellente situagao da cidade, e da arrebatadora bcl-
pobres. No centro da Iba eleva-se o monle Au- correctamente enlregar-nos a ridos cstudos philo-' leza do panorama. O porto estreito : tem tres
c::!and, cuja fluir de seis e sote mil ps cima lgicos, que no mesmo paiz s teem sido corajosa- milhas de compriraento e apenas uma milha de
largura.
Elle dominado por altas colimas cobertas de
do nivel domar. Tempo vira lalvez em que este mente cmprehCndidos pelos missionarios.
pequeo territorio mereca a attenco dos nave-. As dez horas da noute, o nosso barco introduziu
gantes como ponto de arribada ou campo de ex- se no eslrclto canal que separa as ilhotas de Jiosi- urna vegetaco luxunante ; de campos bem culti-
ploraco. na, situadas entrada da baha de Nagasacki. Lo- vados, de aldeias e pequeos povoados; de templos
Hsurasaos a vinte milhas da costado Japao go costeou a ilha de Papenberg, celebre por cau. e casas separadas, cujas paredes caiadas c grandes
qnanda o vento, que havia dous ou tres das asso- sa de um morticinio de christaos que ahi se fez no. telhados reluzenteslantam, sob os raios do sol, um
prava com violencia, faltou de repente, e o navio fim do seculo XVI; em summa, s onze horas, to- brilho extraordinario atravz da espessa folhagem
ficou parado. lito durou at noute e a maior quei o solo japonez. Eu tinha desembarcado no de arvores seculares.
parle do dia seguinte. Faltndome a pacienm caesdeOora, bairro estrangeiro de Nagasacki. Pos-! Se apaysagcm nao offerece ali o aspecto gran-
resolvt-me entilo procurar um meio de ganhar to que a noute j estivesse adiantada, tive a fortu- dioso ou magnifico de certos lugares celebres, em
mais depressa a trra firme. O navio eslava cer- na de anda adiar reunidos os amigos que me ha- compensacao nao tem falta nenhuma, e tudo pare-
cido de barcos de pesca; al mesmo muitos ap- viam acollado tao cordialmente em tempo da minha ce concorrer a porfa para encantar os olhos. Em
proximaram-se para vender-nos peixe. Aprovei- primeira visita. El les esta vam assentados debaixo 'vez de ficar espantado ou abatido pela grandeza do
findo-mc do conhecimento de algumas palavras da Verandah (galera aborta), fumando e conver- espectculo que se apresenta a seus olhos, o homcm
aponeas que tinha adquirido durante a minha sando como out'ora. Esta vamos certos de que ve- experimenta uma especie de satisfacao e desafogo,
primeira estada em Nagasacki, muito depressa fiz rieis, disse-me o meu amavel hospede. Quem viu elle avanta mais resoluto, mais feliz ao encontr
um ajuste rom o patrao de um desses barcos, o Japao uma vez, aspira voltar a elle; mas nao es-' dessa natureza toda amavel, toda encantadora ; e
Elle ofiereceu-se para condnzir-me esla cidade peravamos tao depressa por vos. Expliquei-lhe reprimindoem si o espirito de critica, somentepro-
e.n quatro horas pela mdica quantia de um o que se tinha passado. Dcr<-m-me muit raziio- cura gozar em paz das bellezas e esplendores de
U rbo (i francos e 50 cent.). Acceitei com mui- uma economa de tempo e dinheiro que flzes-' que 6 ella tao prodiga.
to gosto estas rondiges, munido de ligaos cigar-' tes, disseram-me ; da Franga ou da China tereis' Ogosto de estar s, o apego as cousas presentes,
r )s, de um livro e do meu revolver, deixei o TO- sempre voltado ao Japao. Nao o mais aprasivel! do qual nasce uma certa imprevisao, a desconflanga
ton, aavio que me tinha levado at ali, dando si- paiz do mundo ? S a viagem da Europa ao Ja-' das novidades e o horror das revolucoes, estas
to e hora ao rapitao em Nagasacki, onde teneio-, pao custa tres mezes de tempo e mil dollars, e a differentes faces do carcter Japonez sao explicadas
nava ,est*r antes do sol posto e onde devia annun-; passagem de Shang-hai Nagasacki tambem c de si mesmas por quem pode ver a regio em que
ciar a sua ehegada no dia seguinte.
0 barco para o qual me passra, era tripulado
por seis pescadores. Eram homens de estatura me-
diana, de pello avermelhada, de hombros flexiveis;
musculosos, muito proporcionados. A exrepgao
da charpa que llies aperlava os rins, estavam com-
pletamente mis. Apossei-me da popa do barco
aprasivel. A vossa escolha foi feliz e acertada.
Fui alojado no- meu amigo quarto onde notei com
satisfagao uma dessas desmarcadas camas de Ning-
po (3) cobertas de finas esleirs e cercadas de um
mosqueteiro de garga de seda. Quem dorme sobre
estas grandes camas duras e frescas, tem sonmo
socegado, em salvo dos innumeraveis mosquiles
tinos.
Os marinheh'os japonezes, sem ser em geral
na qual se levantara um toldo; estendi-me a meu' 1ue fazem ouvira sua pequea e curiosa msica vo*
gosto sobre uma esteira muito commoda, e par- ando em redor da cortimr opposta, como um insu-
peravel obstculo, implacavel sede destes bebe-
dores de sangue.... O mesmo criado japonez que
t ia robustos como os marinheiros europeus, sup-' me se,rvira quando estive P* Primcira vez em 0s-
portam a fadiga por muito tempo. Em pe, carre-1ra'en rou no meu1uarl i elle-reconheceu-me im.
gando con. o corpo todo sobre os seus compridos I med'alme;ntc e mostrou-se moito alegre. Siria-
c posados remos, cujo maneio exige membros vi-1U "? *** foram as PnnB,ras Pa,avras 1ue
gorosos e experimentados, elles trabalham sob um'me ,lgm ; el,as s,mficam : otngado pelos an-
sol rdeme durante muitas horas, incessante- llgos favores ; e pin,ara Perfeitamente o carcter
mente e sem mostrar caengo. Quasi sempre' amavel do povo ^ue cu ia ,oraar a ** Esta sau-
acoropanhain o seu Iraballio com um canto mono- da5ao de ba vinda de uso eral JaPao> e cm"
uno, muito melodioso na rlivma mas muitas P"** ,odas "ezesquealguemensontra-seeom
ves ainda. semelliantes aos'marioias chinezes,' ou,ro depo,s de UHia eurla ou lon&a aasenciai Eu
dio, com frequencia, gritos agudos que prolongam *nipre ^uv"a *oin ^*P APraz qwoprhnci.
por alguns segundos, e que teem por principal ef-
feto desembaragar a voz.
Os mcus pescadores rema vam esforgadamente, c
ainda asaira nao avaneamos quasi nada. A mar
contrariava os nossos esforeos, e tres horas depois
\ minia partida, ao pOr-se o sol, eu estava muito
datante da trra. Eotio quasi que me arrependi
de me ter confiado a huinens que nao conhecia ;
mas vinlia tarde o arrependimento. o s me resta-
\. o recurso de turnar a sitoagao tao agradavel
quanlo me fosse possrvel. Porlauto deitei a cabera
sobre uin rolo de esleirs, e embalado pelo mar
adormec ao cinto dos marinheiros. Quando
ropensamento de un homem, ao ver um migo ou
um bemfeitor, despert a lembranca dos servicos
recibidos, e que ais suas primeiras palavrns-sejam
um lestemunho de reconhecimento. Parece qne a
essas- expressoes se devem dissipar as nuvens que
poderam perturbar a serenidade das relagocs passa-
das para deixar subsistir nicamente o que eHas
teem de agradavel. A ingratidao de que sac ae.
cusados os Chins, nao cortamente o vicio dos-ja-
ponezes. Elles conservam por muito tempo a lem
branca do bem que se Mies fez, assim oomo nao per'.
doain o mal que se llies causn. Gratidao e reson-
> | tmento sao manifestace em sentido contrario
i de um mesma c nica quadade da alma. Quem
pertei, era noote. ue estaquahdade capaz deded cacao e odi
f proa do barco, eslava accesa uma grande lan-' ., H, ^ \ CUU1U;
, i i, l : ella existe entre os japonezes e nao se devem r*.
terna de pape Ao trmulo carao que dola saina,,. Jl T. w"". **
, '. i fenr a uma outra causa o seu fanitico patriota
descobr. os seis homens da equ.pagem empurran. I ^ e a m fcna ^ fc ^ p
do os seus reinos com a mesma celerulade com que l
linliam partido. Ao redor de ni i m, dcstingui cen- J Se atguem quizesse reccticraimpressao viva de
cnas de laulernas que serviam para alnmiar a mar-' tudo quanto o Japao offerece de curioso e estra-
cha de pequenos navios eguaes ao meu. A maior i nho, seria preciso que o visitasse inda directamente
parle delles estavam oeeupados na pesca de areno- da Europa. En tao ter-sc-hia sob os olhos um es-J
le., muilo comunial nessas paragens \ e n'uuia ^ pectaculo de effeito sorprendente : tudo que se ^is-
vasta nxtooiao, o mar eslava Iluminado como para. se, tudo que se ouvisse seria durante, os primclros
urna fsta. Cruzando, os marinheiros irocavam en" das cousa extraordinaria e digna de observagao ;
i i si algumas palavras em voz alta. expressao, porm a maior parte dos estrangeiros que'descm-
t jd'/it (ostrangeiio; que ouvi repetidas vezes, com- i barpam em Nagasacki sao riajantcs emritos, que
prehendi que fallavam de mim e do fim da minha ha annos, ou ao menos flesde a sua partida da Eu
viagem. Quando nos adiamos sos, a tres mil lc-
g'ias da patria, somos frequeutementc incitados a
v t perigos onde na verdade elles nao existem. Eu
estiva precavido: mas, notando que os marojos
Bio irrilavam-se na sua conversa, robrei animo.
Convem lazar notar, no comeco destas descrip-
eSea, (|ue o japonez cujo estado profundo para o
elle se desenvolveu.
Felizes na posse nao contestada das riquezas que
receberam da natureza, os Japonezes, comprenen-
der-se-ba fcilmente, nao empregaram nenhuma
forga para por a sua vontade e inclinagoes de ac-
cordo com o qne o paiz t o estado da sua cr/isa-
gao Ihes ofiVreciam.
O occidente e as suas maTatilhas, o genio euro-
peu e os seus audazes peonelros inspiravam-Ihes
admiracao mfituradft de temor. Guardando i
lembranga das desordens de qoe'c-s-primeiros chris-
lcs-vindos ao Japo tinham sido a cansa, ediles cal-
cularan!, com alguna razao, que ttido quanto tives-
sem de ganhar no commercio do estrangeiros-vnaq
correaponderia ao qne se arriscavam a perdrme-
os seu* governadores homens prudentes, intelli-
gentes, e'quasi sempre muito instruidos, mostra-
ram-se os fiis interpretes d espirito'nacional tor-
nando-seiftdiferentes aesprimeiros passs qnede-
ram os representantes da? naciJes occdntaes.
Esta reserva nao foi sufflcient parar garantir o
Japao da invasao estrangeira. Desde qtto os Ame-
ricanos c os-Iglezes resolveram vir a ssr os ami-
gos dos Japonezes, cra-lhes impossivel lvrar-se
dessa temve amizade.
Hoje em dia sao vistos estej-novos hospedes' sli-
damente establecidos sobre todos os pontos do Ja-
pao em que permittido o coonaercio estrangeiro,
e nada d'aqui em dinte poder expnlsa-los da ierra
fecunda, cuja exploragao industriosa elles erapre-
henderam em nome da civilista e ilos seus inte-
resses.
Ao redor da baha de Nagasaeki reina grande
animagao. A' entrada encoberta peta pequea ilha
de Papenberg, fca duas aldeias cujo habitantes en-
tregam-se a pesca, e agricultura. Entrando-se no
porto, avistam-se direta casas di- campo e choiv-
panas espalhadss sobre o cume das eollinas. Ex-
tende-se depois cidade, que grande e agradavel:
est dividida era tres partes : Ncgasarki proprr?.-
mente dita ; Dcima, antigo estabelecimento hot-
landez \ c Ora, bairro dos estrangeiros.
Nagasacki est situada sobre nnt belfo- !llc de
forma irregular e encostada urna-- radei. le col-
linas caja altura varia de quinhentos a ni.i p.v
Estas eollinas trmioam a paysagemn'um dos mais
pittorescos horisoates Coram-nas-ri|ussmas flo-
restas, e as sua&cncostas cobrem-se perder de
Se entrava, o pae me convdava assentar-me, e a
mae, sandando-me com um ar modesto, servia-me
cha. A familia toda reunia-se em roda de mim, c
examinava-me com uma curiosidade infantil que
nao me desagradava. Os mais ousados pegaran no
panno de meu vestuario, uma menina abalancava-
se a agarrar-rae os cabellos, e fugia risonlia c en-
vergonhada ao mesmo tempo.
Com alguns botoes de metal, eu fazia as crianzas
perfeitamente felizes. i Muito obrigado repc-
tiam todas, e, pondo-se de joelhos, inclinavam as
suas lindas cabecas e sorriam para mim com uma
graga que me admirava de encontrar nesla classe
nfima da sociedade.
Quando retirava-me, acompanhavam-me at
beira da estrada, e quasi j perdendo-os de vista
ainda ouvia o som das suas vozes amigas, gritan-
do : Seianra mate monitchi (adeus, at ama-
nilla). >
Fallo dos annos de 1859 1861; nao atrevo-me
a affirmar que o mesmo acolnimento obsequioso
seja ainda reservado aos estrangeiros que passeiam
nos campos japonezes. Desde esse lempo, as nos-
sas relafes com os indgenas passaram por peno-
sas proras, e hoje conservamo-nos na presenea del-
les em uma attitude ameagadora, quando nao aber-
tamente hostil.
Agora mesmo qUe escrevo, uma cidade florescen-
te e inoffensiva, Yedo, 6 ameagada polas forgas n-
glczas, porque o taikenm nao pode concordar com
a reparagao que o governo da Gra-Bretanha exigiu
pelo assassinato de um de seus subditos, M." Lcnox
Richardson (4). O povo japonez tem sido persua-
dido ponco pouco pelos seas chefes ver nos es-
trangeiros homens perigosos, e se ainda aeofhe-os
com poltica, nota-se que elle cede quasi sempre a
um sentimenfode temor.
Ao oeste da baha, avista de Nagasacki, acba-se
o estabelecimento rnsso, situado pertoda aldcia in-
dgena de Inassa. O Russos acostirniaram-se no
Japo a isotir-se dos ostros estrangeiros. Emquan-
to os negociantes e funeeionarios Iraneezes, ingle-
zes, americanos e hollaodezes residem promiscua-
mente junto a margem oriental da baha, as portas
de Nagasacki c no centro do commercio, os Russos
veiii retirados em Inassa, pequea aldek'povoa-
b de frades, pessadores e agricultores.
E evidente que os interesses inglczes e Irarrezcs
sao muito diverso? dos- que elles procuram no ex-
tremo Oriente. Nao occUpam-se no commercio-,
nao-mem representante em Yokama, onde ha mafor
trafe, estabeieeer-se no Japao. Smente em Ilakodat, ci-
dade nstrito industrio.::, na qual porm, nao teem
sahida ae fazendas estrangefras, sendo que por islo
os Ingleses e Americanos abandonaram-na, em
Hakodati que est detente dos portos da Mand-
chourie, e*iste uma peqneoa esquadra' de vapores
russos.
Admira qn* a mesm aacao seja ali represen-
tada por uiweonsul geral, nm medico e um sacer-
dote, com habitaco permanente; tambem fundou-
se um hospital, construiu-so'um esialeiroe foram
tomadas medidas que demenstram a inteneao evi-
dente de cr.-ar-se em tal cidade um eslabcleeimen-
to duradouro.'
O governo rnsso tem a paixao de certos proprie-
tarios ricos
em que abriram relagfies com o Occidente, teem
excitado com toda ajnstiga nossa admirac^b'os
nossos elogios.
Durante uma Ionga serte de seculos, elles vive-
ram quasi que absolutamente sos, dcsconhccidos c
indifferentes o resto do mundo, obstnando-se em
nao ver nem aprender nada do que se passava alm
do seu imperio insular. Elles cercavam-se em seu
paiz de um insolente desdem, o o celebre verso
I'cniltis tolo ttivito orbe Britannos
applicava-se-lhes com mah justeza do que aos bra-
vios antepassados da nago ingleza. Assim nada
progredia : sciencias, arles, industria, poltica,
phlosophia, tudo permaneca estacionario, tudo pa-
reca affeclado para sempre de uma esterlidade
fatal.
Com ludo, bastou um aconlecmento muito sim-
ples e inevitavel, a abertura dos seus portos, para
arrancar o Japo da apparente immobilidade em
que consuraiam-sc as suas forgas.
A presenga dos estrangeiros eslimulou a sna
energa, e procurando mita-Ios, elle submelteu-se
lei do progresso, de cuja influencia tinha escar-
necido largo tempo. *
Raga intelligentc, vivaz e orgulliosa, sobretudo
paciente, os Japonezes, nao contcnlando-se com
admirar nos outros e que Ibes fallava ; trahalha-
rain : no espago de quatro annos, formaram uma
pequea esquadra d navios- de guerra, reorgani-
saramo seu numeroso exercilo,que vae ser arma-
do e disciplinado Europa ; csjabeleceram em
Yedo nm collegio destinado ao ensino das linguas
e sciencias do Occidente ; pediram aos Pazcs Bai-
xos medico que ensinam-lhes, em carsos regula-
res e assduamente frcijuentados, a arte moderna
de curar.
Ascienda da navegago, de maior wntagem
para insulares, elles tambem aprendern! dos Hol-
landezes (o), e eom tanto proveito que sem nenhum
soccorro estrangeiro, foram capazos de intreduzr
barcos vapor s- costas da America.
Tao rpidos progressos Jattestam no povojnpo-
nez uma energa pouco commum; justioa reco-
nliece-los, e seria injustea eren em um scntimenlo
de insuperavel antipata que o separasse sem mo-
tivo dos Europeus. Muito depressa elle admiroua
sua forra, a sua audacia, a sua inteligencia; con-
fessoudeboa mente a sua superioridade, procurou
at certo ponto a sua all.-nnga^ e lalvez na*da mais
desejasscipic ama-Ios, se elles nSo se zessem tao
difficeis.
II
A cidado "e Nagasacki e:-< situada ntre 129
56' de longide slc e 32 41 de latitude- norte. O
seu clima sadio c temperado. Alli o thermome-
Iro raras vezes desee at zero, e o mais forte calor
do verao nunsa excede a 35 centgrados. A tem-
iieratura meda-do anno em Nagasaki egoal do
Florenga ou Roma; nesse lugar encontra-se a pri-
mavera e o rafia do meio-da d Franga, cjbi in-
vern tao benigo que quasi semelhanle ao de
aples.
:%s mezes do junho e jullio, l?gasacki, wdc
geralmente chova mnto, innundda por torren-
tes chagua ; e o psqneno observatorio meteorol-
gico spie, por cocsel&o de Mr. de Siebold, fot eri
gido desde 1814 em Decima, preva' que-o medio
dar os seus dominios. A ilha- de Yezo, cuia capi-
tal Ilakodat, completara excelentemente as
suas ultimas aequisigoes no extremo Oriente,e nao
se deve- por eui duvda que em pouco tempo elle
nao lance mc do prmeiro pretexto para apo&sar-
so della.
Akonoura, oulia dependencia de Nagasaiki, vi-
sinha de Inassa, esta hoje muito (brscente. Esta
pequea aldeia pcrlencia outrora a umprneipe
japonez quo nella. fazia fabricar, bemou rutk as
ferragens naeessarias a censtruegao dennvios.;
mas, ha mulles annos, o gorcrno de tuikoum ad-
quiriu a pivpriedade deste tirrilorio ; dep&is, com
ropa, adquiriram um tal habito de ver mudarem
continuamente diante de s os homens e as cousas,
que se tornaran! quasi iusensiveis ao altraclivo da
novidade e propensos confundir o que original
e caracterstico com o que commum e banal. O
homcm conforma-se rpidamente com as mais di-
versas circunstancias, e com uma facilidade ver-
sabio crigado de difflculdades, apresenta ao viajan-1 dadeiramente maravilliosa que acostuma-se quillo
o deserta ou o
ocano, a monlanlia ou a planicie, a diversidade
o soccorro de engenheiros e mechanistas que fez
vista de campes-cultivados e de prados que servenvj vr da Hollanda, fundou em Akonoura urna, ospecie
de moldura ? paeifieas casas das famHas de agri- de escola pratica de construego naval : ella tem
cultores ; ma3 para baixo, nos araidores da cidado produzido exceHentes discpulos no decurso de
que oceupam- a base das eollinas at altura de alguns annos, e presentemente os Japoncws cstio
duzentos ps, descobrem-se tcmjlos cercados de em estado de construir barcos a vapor, que ainda
vastos jardin6.ende passeiam os vivos c repousara ; quando nao possam ser comparados com os mais
os mortos. | bem acabadas das construegoes navaesda.Europa
De ordinario manignlicas eseadas de pedra do e America, com tudo demonstram que lem este
ingresso a esses templos. Os cemiterios sao con-1 povo urna- grande aptido para utilsa-se de tudo
servados religiosamente. Sobro o tmulo dos que quanto qur imitar do estrangeiro.
Os Japonezes flzeram Jouvavels esforeos para Pajo contrario, elle riveu feliz e estimado no Ja-
approximar-se da Europa, esfe foco de sciencia e fio, ninguem desconflava das suas crengas religio-
luzes, e os seus progressos desde a recente poca sas, era recebido pelo governador de Nagasacki
como seu egual, e o nico obstculo posto sua
libarda* tinha sido a prohibigao, afinal justificada,
de nao passeiar sem uma escolta japoneza fra da
feitoria.
A antiga Decima, a Decimapittoresca deHcepfer,
de Thumhcrg e de Siebold, foi destruida por um
incendio. A nova Dcima perdeu o seu carcter; pa-
rece-se com uma pequea cidade da Frisa, e apenas
conten uma meia duzia de ras commodas e bem
alinhadas. As casas, caiadas, teem uma apparen-
cia de quarteis. Ellas na sua edificagao nao pedi-
ram nada emprestado ao Japao, c parece que os
architectos que as fizeram s ambicionaram crear
para seus habitantes uma grosseira imagem da pa-
tria ausente.
A feitoria hollandeza serve de residencia a trin-
ta negociantes c alguns empregados. Este peque-
no numero de individuos forma, at no scio da co-
lonia europea, uma sociedade sut generis. Os que
compoem-na, teem os seus interesses parte; vi-
vem, divertcm-se, negociam e alteram uns eom os
outros.
Raras vezes sao encontrados em Oora, oufro
bairro franco, e olham com frialdade para es n-
gleze e Americanos, desembarcados honten eiw
uma trra onde elles j estao, ha duzentos amos.
Aquelles os abandonam com muito gosto a sea re:
tiro, at mesmo os acolhcm com um certo desdem
i Os Inglezes, dizcm, jamis acceitariam uma po-
sgao semellrante aquella a qne os Hollandezes |se
teem snjeitado no Japo durante dous seculos.
Alm disto fallam com orgulho da extensao que o
commercio com os- Japonezes tomn desde que se
apossaram delle, e repetem porfa -que a raga an-
glo-saxonia a nica que sabe praticar a arte de
C9k>nisacao.
O novo bairro estrangeiro, Oora, apresenta im
asprto menos desconnecdo e mais animado;
nelle qne residem os recem-chegados que a aber-
tura des portos do Jaj)fo chamou dos dfferentr
paizes 9 Europa ou da America. Elle foi edifica-
do ao sol da cidade japoneza, em uma encllente
situagao.
Em lugar de estar inteiramente apartado, come
Decima, cn?59ta-se a aprasivjis eollinas colierts-
de casas de campo, em cima das quaes fluctuara,
desde que o sol'nasce at que p6e-se, as bandeiras-
dos consulados fa Franga, dos Estados-Unidos, d
iSraa-Brctanha e Portugal.
A maior parte das casas de Oora sao espagosas,
bem arejadas e rodeadas no pritnciro andar de
uma galera aberta (Verandah), que cncontra-se
em qnast todos os domicilios estrangeiros ao ste
de Cap. o lugar mais aprasivel da casa, c cada
familia nelle rcune-se a noute para receber os ami-
gos e fallar da Europa, nico objnctcdc conversa-
gao que minea esgota'-se.
Mil exemplos me ajftdariam a demonstrar quan-
to esta lembranca est arraigada no coracao dos
estrangeiros toreados viver no extrao Oriente.
Escolho om nico. Depois do jantar, quando sao
despedidos os criados, o dono da casa reclama um
pouco de silencio, levanta o copo e dir: t Absent
frirnds! (Aosamigos ausentes \)God Ntfn them !
(Que Dcu3-os abence !> responde o auditorio. Be-
bem, e a oonversa contiena.
Este toast, feto respeitosamente, sem demons-
tragao de alegra ou tristeza, tem alguna cousa de
tocante; 3 expressao de saudades sincoras da pa-
tria ausenta, tambem a manifestage um tanto
prosaica da- nostalgia anglo-s'xonia. Os amigos
ausentes nao sabem c nem podera saber a que pon-
to sao amados de seus amijos, habitantes das colo-
nias remolas.
Estes homens de semblr nte pensati'ro, que pare-
ce terem sement um persamento, o de amontoar
ouro, c que- procurando enriquecer-ss, eondemnam
se sem queixar-se uma vida de aberrerimento e
fadigas. estos homens aceumulam no intimo dos
seus coracCos thesouros de alTeigo pelos que lhe
sao charos e estao longe JeHes. Tambem que tes-
ta nao fazem aquelles quo lhe recemmendado da
Europa, e que lhe traz, oom algumas linhas traga-
das por maa amiga, umaiiembranca da palria olio-
rada!
dos Cias chuvosos tem sido de cento o oito por an-
nao desprezam nada para Mredon-afno. Ela contm dez mil casas e perto de setena e
cinco mil habitante?.
te um todo de locncSes facis que lhe permitte em com que est obrigado a viver
muilo ponco lempo, conversar sobre cousas usuaes-
faz lembrar o da lingua
O som da lingua japoneza
italiana. (2) As vogaes nella abundara, o quando
era ajuntameito hannonioso, sao sempre accentua-
(2) Eis aqu algumas palavras japonesas cinapoio
d istaasscrcao : m > Ulto, felicito ; alngto, agra-
deco ; tadniwa. logo ; mn, ainda nao ; seianra,
at avista; konilclu, boje ; miouileld, ainanhaa;
vritiks', eu : anata, vos ; omoi, tu etc.
ou uniformdade, tudo
liar.
lhe vem ser logo fami-
0 estrangeiro que vae ter ao Japao aeha-se quasi
sempre na disposieao de um homem que, assentado
diante de uma camara-optica, tivesse visto, durante
(3) Cidade chineza afamada por suas obras de
marcinera.)
morreram no. correr do anno, darramam-se flnes
vicosas; tambem junto delle deposifam-se pequeas
tagas com agua, sa! e arroz; e em certas occasiOes
sao Iluminados com lanternas brancas em signal
de lutC) e incensados.
Ao rj>rle de Nagasacki abre-se um large valle,
banhado por um regato que corre para a bahia, e
habitado por numerosa o tranquilla "popalago de
agricultores. Muitas veces fiz s longas excursoes
atravz desta parte da campia, c jamis- me esque-
5
FOLHETIM.
CMIIIRHO
POR
MAUR1C10SAND.
Tercclra parte.
(Omlinuarao do n. 213 J
A marqueza de Mauvcsin olhava para miaba
prima com muda estnpefacclo.
Nesse interim annuociaram que o jantar estava
promplo: todos pozeram-se mesa. 0 cura c a
castellaa r itaram um betudiciie, e a Sra. d'Asta-
fort, que nao tinha esse costante, imitou-os toda-
va para dar-so importancia. Margarida porm
nao fez o mesmo, o que foi reparado : era justa-
mente o que ella quena.
O jantar, ou para mclhor dizera ceia foi sim-
ple, e bem servida. O doutor, como apreciador
da materia, gabava todas as iguarias; o Sr. de La
Chapelaiide devorara como um crocodilo. Meu
to estava desasosegado : olhava furtivamente para
sua filha, a marqueza, o Sr. de Mauvesin, e para
mim.
A conversagao foi-sc animando pouco a pouco;
/allou-se aiud da cagada; de)ois os vnhos co-
megaram as suas reciprocas murmuracoes; o que
as proril cas signal evidente de relacionarem-
se.
Achava-neao lado do cura, que, depois de sa-
tisfazer soiTrivclmente o seu apettite, dirigiu-me
algumas perguntas a respeto do Sr. Desormes c
sua filha : entre outras cousas perguntou-me onde
fura educada madamoiselle Desormes, e se era
tambem protestante como sua defunta mae.
la responder ao cura, eis que Margarida, que
presura atlcngao nossa conversa, elevou a voz,
e disse com um desembarago de que a nao suppu-
nha capaz.
Sim, Sr. cura, todos os Valery sao protes-
tantes.
Os Valery, uma verdade, disse a marque-
sa ; porm os Desormes, nao.
Palavra de honra, Sra. marqueza! acudiu
meu tio cuja rustica franqueza nao se podia do-
lirar s exigencias da sua situagao. Os Desormes
nio se embaracam com cssas cousas.
Pois que f exclamou o cura: o Sr. nao tem
crenca algunia ?
Creio nos sanfenos c as batatas! tornou
meu tio com uma risada, a que quera dar foros
de conciliadora, mas que foi acolhda por um si-
lencio profundo.

Margarida, satisfeitissima por ver seu pae coro-
promelter-se, accrescentou que de sua parte era
muilo fiel sua heresia.
Entretanto, minha senhora, replieou o cura,
se V. Exc. casar com um catholico, crcio que mu-
dar...
Engana-se, atalhou minha prima com firme-
za, nunca me hei de casar com um catholico.
Cala-te! tornou o Sr. Desormes. Nao sabes
o que ests dizendo I
A Sra. dAstaforl mudou o rumo da conversa-
gao : o cura teimava porm em eonlraua-la com-
migo. Exaltou o merecimento da marqueza de
Mauvesin, como para me dar a entender a dislan-
cia que separava uma senhora tao piedosa, tao no-
bre, affavel c dislncta as suas palavras c accoes,
de uma mocinha hertica, de nasciraento plbcu,
c muilo pungente na sua linguagem.
Agradavam-me snmmamente s observagoes
do bom cura, pois via-o bastante escandalisado
com os projectos da marqueza. Nesse interim at-
trahiu-me a altengao a conversagao dos convivas
que se achavam em nossa frente. Margarida di-
zia :
Dou-lhe os meus parabens, Sr. marquez I
Souio que est para casar.: ser indiscripgo per-
guntar-lhe com quem ? *
Mas...respondeu o Sr. de Mauvesin balbucian-
do e olhando para meu to; creio que...
Se segredo, tornou minha prima vivamen-
te, descance, pois apesar, de curiosa, sou muito
discreta para guarda-lo 1
O meu casamento, minha senhora, era ainda
um segredo; mas *e V. Exe. desoja sab-lo, dir-
Ih'o-hao depois do jantar.
Dispenso este incommodo...Tambem cousa
que me nao interessa.
Seguiu-se novo silencio, um silencio incommodo
para todos. Vi meu tio corar e empallidecer al-
ternativamente. Fanny encarava sua amiga com
admiracao. A marqueza prestara attenco a seu
filho, nico que nao se clava por adiado,' e prose-
gua nos seus gracejos. Ral empregava todos os
exforgos para desviar a grossa nuvem que se
amontoava sobre nos, e o jantar acabou cmllra
sem mais outra novidade.
islo um trago caracterstico gae estabelece
uma linha divisoria profunda entros Japonezes c
e os Cnias. De longe, Akonoura, com os seus
grandes edificios sobrepujados por altas chamins
de tijolo encarnado, asscmclha-se perfeitamente
alguma das nossas grandes fabricas industriaes, o,
excepcao da physionomia e linguagem dos seus
operarios, julgar-aos-hiamos. por effeito da magia,
em Lancashire.
(4) Vede a Revista do 1' de Janeiro de 1863.
Quanto aos estrangeiros, cujo numere nao psssa
de cem ou cento e-vinte, morara Sra da cidade,
era bairros de que j- fallei situados ao sui e oeste,
chamados Dcimo e Oora.
Deciinn, antiga ftitoria hollandeza, forma uma
ilhota separada da cidade por um. canal qne
atravessado por uma ponte de madoira. Amiga-
mente ochava-so todas as noules uma porta que
dava entrada para easa ponte, e es-lloll inden?s,
tratados de alguma- serte como prioneiios, nao
tinham mais, at o amanhecer, a facilidade-de
transpwr os acanhades limites da sua resideneia.
Hoje hs-toda a liberdade, com tudo, o tempo pasea-
do cona pauegyri.*is lsongeros, o-para aprem-
io devidamente preciso lembra-ls.cm relagoaos
antigoo Hollandezes-residentes ali.
Fazia*se na Europa a mais fals&ida do seu mo-
do de vida e das eondicoes da sua presenga no
Japao. A este respeto, invocare!.o testemunhode
Mr. Donkercurtiiis, commissario real da Hollanda,
outr'ora.chefe da feitoria de Deama, c qucdeixou
no Oriente ptima reputagao : como outros amitos,
elle jamis viu, senao nos livnos, os Hollandezes
submetterem-s&a tralamentos indignos, ptsarem a
cruz, e s poderem approxiaiar-se dos altos fune-
eionarios japonezes com demonstrages do mais
servil respeto.
(3) M. van Kattendyk, loje ministro da marraba
em Haya, foi por muitos annos seu professor.
Apraz-me ainda citar Mt.de Siebold, o Dr. Pom-
peu c o abbadc Mermet, como homens que, no
professorado, prestaran! grandes o duradouros
servigos nago japoneza.
mim, c Margarida que finga nlere>sar-se pelo ja-
go de Fanny.
Quanto a mim, eonservava-me encostado eha-
min. Meu ta foi sentar-se ac. meu lado a'um
dos bancos de pedra que guarnecem os lados da
mesma chamina, e revestiu-se de um ar confiden-
cial.
Nao sei, me disse elle, o que tem hoje tua
prima: porm, apesar do que disse e do que fez,
nao leve geito senao submetter-se. A marqueza
persiste no seu intento porque s olha para o meu
dinheiro. O negocio sempro no dia 13. Anda
decide-te tambem por Fanny : far-se-ha tudo ao
mesmo dia; e poupars deste modo os gastos das
bodas'
Madamoiselle d'Astatort, Margarida, Mauvesin,
de Vinceux, Boc, La CJiapelaudo e eu seguamos o
carro, em que iam meu tio e a Sra. d'Astafort.
com muito vagar pelo mu estado do caminho.
Mauvesin collocou-sc a uina lado de Margarida, e
eudooutro : pareca disposto a nao deixa-la, e
cantarolava arias de cacada.
O senhor pretende ir cantando assim a.; ebe-
gar a S. Joao ? perguntou minha prima. boni-
to, mas aborrece!
O marquez calou-se : uma refega de vento fez
estremecer as folhagens. O cu tornavcrse escuro
outra vez.
Temos ainda tempestade, disse o Sr. de Vin-1 vamos no meio dessas florestas, onde custoso seria
cha. Suppuz que qaeria cumprir a sua promes-
sa, compromettendo-se a ponto de fazer com que o
marquez renunciasse sua mao.
Durante um quarto.de hora corremos como dous
insensatos atravos da copiosa chuva que o vento
acoulava sobre os nossos roslos. Guiava-noso
clarao dos relmpagos, que deslumhra vam os- ca-
vallos, j espantados pelos roncos incessantes.do
trovao. Atravessaram urna correnteza j profun-
da, galgaram duas eollinas escarpadas; cmfim of-
fegantes, abatidos de fadiga, pararam.
A tempestade tinha diminuido de violencia.
Procurei reconhecer o lugar em que nos aeha-
ceux. Fariamos bem em apressar nos mais para
Julguci-mc o ludibrio de algum sonho, ouvindo nao molharmo-nos como ha pouco.
Ral dirigir os seus parabens ao marquez, que re-
cebou-os cora fatuidade. Meu tio esfregava as
mos de contente. Margarida continua va triste e
abatida
Curvara a cabeca vontade paterna f Extn-
guir-se-hia a sua coragem ? Entretanto comoaau
tao bem ?
L se abatiam como nm castello de cartas as es-
perangas, que en havia formado, os meus sonhos
de felicdade, a minha vida futura I L se abatiam
a uma s palavra do Sr. Desormes a minha pacien-
cia o abnegacao! E Margarida contormava-se com
essa decisao I
Tive raiva della; aecusei-a interiormente de
fraqueza e de traigo : tive desejos de agarrar em
Fanny, abraga-la na presenoa do todos para vin-
gar-nie deste modo.
A razo voltou-me porm. Se Margarida finga
submetter-se vontade de seu pae, era talvez pa-
ra evitar algum escndalo: quem sabe se nao
quercria mesmo experimentar a minha paciencia I
Procurei nos seus olhos um rao de esperanga :
nao me va, ou finga nao me ver. Fanny travou-
mo do braco, e pediu-me que me contivesse. Mas
nada havia que receiar : a clera ceder o lugar
ao aniquilamento. Nem. mesmo restava-me odio
para o Sr. de Mauvesin : abandonava a partida !
Nao roe lembra ter tido nunca tao grande dcscon-
tentamento, nem maior despreso pela vida I
Atravessando o.salo para Ir preparar o meu
cavallo, oSr. Desormes pediu-me que mandasse
Poucos momentos depois o Sr. Desormes condu- tambem por o carro, pois, eram horas da partir. O
ziu Margarida para uma sala visinha: a marqueza cu tornara-se mais claro; algumas estrellas tre-
e seu filho os seguiram. O cura ficou fazendo as" mulavam atravs de grossas nuvens que o vento
honras da casa, e os" criados proximaram as me- Ungia. Apresentei eu mesmo o cavallo minha
sas de jogo. Ral, que tudo comprehendra, che- pima; quera arrancar-lhe algumas palavras, sa-
gou-sc a mim para sondar-me : sustentei porm o ber o que decida da minha sorte. Em quanto a
assalto, e devorei a minha inquietacao. ; ajudava a montar, disse-me que o marquez quize-
No fim de uma hora minha prima volton paluda ra por forga acorapanha-la a S. Joao; mas que ella
e muda : Fanny interrogou-a em voz baixa, ella a esperava ter occaso de fallar-me no earainho,
repelliu com despeino. A Sra. de Mauvesin appa^ que nao sabisse pois do seu lado,
receu tambem com o marquez, que vinha com ar i J que Margarida assim me fallava, nao estava
triumphante. Meu tio estava rubro, e pareca reas-! tudu perdido 7 Comprehendi mal a sua conducta :
sumir um ar imponente. Todos sentaram-se retardava apenas o procedimento decisivo, que pro-
mesa do jogo, excepte elle, que aproximou-sedonetteu-raeter.nocasodeqneaissoaobrigassetn^
Segunda refega, mais forte que a primeira, aba-
louos carvalhos ; e ouviu-se eroseguida o ronco de
um trovao. A tempestade avangava rpidamen-
te ; o vento soprava na direogo que seguamos.
A carruagem comegou a andar mais apressada,
e os nossos cavallos cmiHoaram a trote.
Para que tanta pressa f me disse Margarida
Suxando a redea do sea. Nao delxaremos por isso
e molhar-nos. De mais, gosto de respirar o ar
violento das rajadas. Ouve, Marcos, o rumor gra-
ve que vae nestes bosques, como que scmeHiante
voz do mar ? Sao os qucixumes dos espiritos da
noute, que fogem adiante da tempestade, e que-
brara na sua carreira desordenada os ramos e tron-
cos das arvores da floresta I
Madamoiselle Desormes est potica disse
Mauvesin. Nunca ouvir dizer cousas tao bellas a
respeito de uma refega de vento I
Havia sarcasmo no tom com que o marquez dis-
sera estas palavras. Margarida fingiu nao pres-
tar-lhes attengo, e prosegulu dirigindo-se sempre
a mim :
E a grande fada com os seus caes pretos,que
nos qur mal por termos cagado nos seus bosques,
e que vae envolver-nos n'um turbilhao de raios
de vento !..
Um trovao formidavel seguiu-se a estas palavras
de Maotarida : fomos envolvidos n'uma rede de
fios de fogo ; uma grande arvore fulminada pelo
raio abateu-se nossa vista com estrondo enorme.
O meu cavallo espantou-se, du um salto para o
lado, e quasi perco o equilibrio e vou ao chao.
A' claridade deslumbrante do relmpago suc-
cedeu profunda escurido : ouvi a voz de minha
prima que me chamara, e a de Ral perguntando
se alguem ficara ferido, e depois o tropel dos ca-
vallos que partiam a galope. Gritei tambem por
minha vez para sabor de que lado estavam os ou-
tros : ninguem respondeu.
Ao clarao de outro relmpago vi qne me aehava
sosinbo ; mas a dez passos de distancia reconheci
Margarida e o meu cavallo branco, em que ellaia
montada. Aproximei-me logo, e fallei-lhe ; nao
percebi a sua resposta : apenas percebi que me
encontrar o caminho de dia. Estavamos perdidos,
e disto advert a minha companheira
verdade, respondeu ella, perdemo-nos \
Ao som da sua voz iquei aterrado : nao era
Margarida.
Madamoiselle Fanny exelamei. Pois a
senhora E Margarida onde est ?
Quem sabe Talvez com o seu noivo Elle
melhor conhecedor de cavallos do que o Sr.
Spahi, que confundiu a minha hacana branca com
o seu cavallo rabe pardo-escuro I
Nao graceje, senhora, nao augmente o meu
supplicio 1 Oh I Eu j devera sabor que a senho-
ra muito m t
Frequentemente tenha admirado a hondada con
a qual homvns indifferentes as singularidades- do
Japao e u. i .hia faziam-ce cieertmes de virante-,
cujo nico titulo ;i sua benevolencia era umftioarta
de ivcommendaeo de uin amigo communL i
Cm tal penhor lo sagrado como uma. letra, da
cambies e uincliefe de familia, depois i!, ter ex**-
minado se tudo esta em regra, naoconstnte que-se
proteste qur urna qur outra.
Os meus amigos de Nagasacki pozeiam;se intei-
ramente minha dUposigo. Por eaasa delles e
dos longos passeos-que eu dava s, sem nada te-
mer,, atravs da cidude c do campo, adquir ea tres
mezes conhecimento sufflcient da lingua ocostu-
mes dos habitantes.
(Contimw-se-km)
fazia signal de segui-la, e partiu como uma fre-
Entao fica-me querendo mal?
Nao fui porventura Iludido pela senhora,
que de proposito me desviou de Margarida f
Sendo assim, devera antes agradecer-me por
lhe ter poupado uma querela com o Sr. de Mau-
vesin. Elle hoje nao est do muito bom humor, e
parece rosolvido aos casos extremos.
O que qur dizer com isto, minha senhora ?
Rogc-lhe o obsequio de explicar-se.
Quero dizer que Margarida foi uma louca
em provocar'face a face a esse homem de pouca
intelligencia e limita vaidade, exacto ; porm de
uma audacia e obstinago a toda a prova. Ha nes-
se fidalgote um orgulbo brutal que prudente res-
ucitar. Margarida pensou que o Sr. Adalberto de
Mauvesin tomara as suas declaragoos extempor-
neas como signal de aversao I... Pobre amiga !
Nao conjiece ainda o mundo O marquez tradu-
ziu tudo isso como amor despenado...
Imbcil I xclamei.
Imbcil ou nao, o caso que se jnlga ama-
do... e o melhor ser deixa-lo na sua crenga
porque no dia em quo se julgar offendido no seu
amor proprio... sentido coro a vinganga !
As palavras de Fanny irritaram-me a tal ponto,
que se Mauvesin ali estivesse te-lo-hia esmagado.
Essa moca prfida e cruel tornava-me doudo !
Sigamos, senhora, disse-lhe eu esporeando
o cavallo que empinou.
Seguir para onde ? replicn ella. De que
lado?
Soej as. retleas ao cavallo, quo volton a cafie^s
com admiravel resolugo : o animal sabia o cami
nho do seu ninho.
Fam*y procuroupersuadir-me com os seas gritos
de*ue cu ia engaado : nao- prest -lhe attenwo.
Foi obleada a seguir-me para nao ficar s si i
no fim de uma hora chegaraos a S. Joao.
Erara duas horas da madrugada. Kadom veiu
receber os cavallos, e disse-me que os ouiros ha
viam chegado a muito tempo, que tinham esperade
por nos, e que afinal se reeolheram, excepto a Sra.
d'Astafort qne estava inquieta pela ausencia de sua
filha.
Com effeito encentramos a matrona porta do
salao : reprehendeu a tilha acremente por andar a
correr nos matos toda a noute em corapanbia de
um homem.......
Porm, minha mae, a tempestade nos sepa-
rou dos outsos e ambos nos nos perdemos.
Nunca hei de crf quo te podesses per-
der por tanto tempo; conheces muito bono, o paiz
intil mentir!
Juroi Sra. d'Astafort que- sua Alba dizia a ver-
dade.
Eu nao sou tao simploria, Sr. Marcos, ose
nao tenha ja percebido que o Sr. entende-se per-
hitamente com ella. Nao lhe prohibo que gosle de
minha filha, mas deve-se guardar certas conve-
niencias..... Ent3o julga quo muito do meo gos-
to ver os outros a rirem-se na minha cara, quando
rae aflhjo e me encommodo por causa della f O Sr.
a comprometteu. Felizmente um homem. honra-
do, e nao deixar do reparar a sua falta
o que chama a Sra. minha falta? perguntei
vivamente offendido com estas loucas sopposiges.
Afiiango-lhe quo respeito madamoiselle Fanny como
a uma irmaa; que nunca nensei em requcsta-la,
porque nunea tive intengoes de pedir-hc a sua
mao....
O que diz, Sr.! ? Pois nao foi isto que o fez
voltar da frica ?
Pedi a Sra d'Astafort quo gnardasse para o dia
seguinte taes cxplicagoes, as quaes, com quanto
nada tivessem de offeasivo para madamoiselle de
Astafort, s a esta cabla esclarecer mais de sangue
fri.
Reeolhi-mc ao meu quarto; nao pode dormir.
Puz-me a notar os acontecmentos do dia.
Nao creio as insinuagoes de Fanny ; entretanto
fizeram-me tanto mal I
Queagitagol Naopossiveldomlna-la.... Uma
idea fixa apodera-so de mim : Margarida talvez es*
tivesse s com Mauvesin I
Oh! Como custa esta noute a passar.
FIM DA TERCEIRA PARTE.
(Continursela.)
PERNAMBCO.- TYP. DE M. F. t. & FILHO
-~*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E5BEHEN0T_93U8LG INGEST_TIME 2013-08-27T22:11:56Z PACKAGE AA00011611_10194
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES