Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10188


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AUNO XXXIX NUMERO 208.
Por tres mezes ada abis
Par Ires mezes vencidos .
5*000
6SO00
K
DIARIO
SABBADO 12 DE SETEMBRO DE 1863.
Por anno adiantado..... 19$00O
Porlc franco para o subscriptor.
ENCARREGADOS DA SBSCRIPQO NO NORTE
farahyba,
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os das.
I EPHEMEHIDES DO MEZ DE SETEMBRO.
Boa Vista, Ourirurv e Exn' as quartas feiras.
Sorinhem, Rio Formbso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta c Pinienteiras as quintas feiras.
Ilha de Fernando todas as vczcs que para ali sahir
navio.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL'
Alagdas, o Sr. Claudino Falrao Dias; Bahia o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins Todos os estafetas partera ao '/i dia.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 2 horas e 6 minutos da tarde.
Segunda as 2 horas e 30 minutos da manhaa.
dias laos mo, *e-cada mez; para amando nos Tribunal do commercio: segundas e quintas.
" ; KSBjduRMSJat4mcnov-Re,af50: ^e** >^.
8'Udxm^iJ,A^mcos as 6 7* 7> 7 % 8 e Fazenda: quinta s 10horas.
"' ae Bemfiea as 8 da m.
iw Herir : para 0 Apipucos s 3 '/,. 4, 4 y4f 4'/,,
manhaeV / a6.da,,arde' Pra 0,i"da s 7 da
de n r^ ^terd,'.'; ')ara Jabo;" 4 da tor-
BmETda 3S VmM S 4* da ^ *"
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.

\
PARTE QFFICIAL.
GOMO DA PROVINCIA.
lipidente do dia 9 de setembre de 1386.
Oficio ao Exm. presidente da provincia da Pa-
r'^T o'lvis,a d0 mie v- Exc- solicitou em seu
offlcio de 8 do crreme sob n. 3717, dei nesta data
as necessarias providencias, alim de que o com-
mandante do primeiro vapor da corapanhia brasi-
ieira que para ah seguir, receba na thesouraria de
fazenda desta capital, e conduza para essa. a ser
entregue na repartico do thesouro provincial a
quantia de 16:0005000 de que trata o seu citado
ouicio.Oftlciou-se neste sentido aos agentes da
companhia brasileira de paquete's vapor.
Dito ao brigadeiro commandante das anuas.
Convem que V. Exc. tendo em vista o que linde-
ra o director das obras militares no oflicio de 5 do
corrente, per copia incluso, expeca as suas ordens
para que os commandantes dos corpos, fortalezas
c o director do hospital militar nao mandem fazer
obras ou concertos naquelles estabelecimentos sem
lerem sido requintados V. Exc. e competente-
mente auiorisados. v
Dito ao cnsul dos Estados Unidos.Satisfazendo
a requisicao feita pelo Sr. Thomaz Adamson Jnior,
cnsul dos Estados Unidos, em oflicio de 5 do cr-
reme, remeti ao mesmo senhor consol os dous in-
clusos refalnos, sendo um com que o meu ante-
militar,
parlici-
das armas em
cessor entregou-me a administracao desta provin-
cia, eo otitrocom que abri a sessao ordinaria da
assemlea legislativa provincial no corrente anno.
Keitero ao Sr. cnsul dos Estados Unidos, a seiju-
ranja de minha perfeita estima e distincta conside-
nttOi
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda
mmumeo a V. S. que em 30 de agosto ultimo.
trou no exercicio de suas funceoes o pharmaceu-
p contratado para o servico do hospital militar
ios telippeRabello de Miranda, como
ieio brigadeiro commandante
do primeiro do corrente.
Dito ao mesmo.Era oflicio n. 1613 do primeiro
do crvente, participou-me o brigadeiro comman-
dante dtos armas, que foi noraeado para servir in-
terinamente o emprego de almoxarife da fortaleza
do Bruim em substituirao ao primeiro sargento do
quarto batel bao de artilharia a p Luiz Ignacio da
vayo segundo cadete segundo sargento domes-
utainao Francisco Folegoneo de Souza Maga-
que entrou em exercicio das respectivas func-
naquella data: o que communico a V. S. pa-
conhecimento.
p> to mesmo.-Em vista do pret junto era du-
plica e me foi rcmettido pelo commandante
a comarca do Rio Formoso, com oflicio
orrenie, e nao havendo inconveniente,
i7<-Ja>gar a Joao Marcello Calado, aquan-
i/8U rs., proveniente dos vencimentos
pos ao mez de agosto ultimo, do destacamento
ardas nacionaes da povoaeo de Gamella mu-
lo de serinliaem, por nao tr sido essa quantia
Francisco Jos da Silva. Informe o conselho
administrativo do arsenal de guerra.
Jeronymo de Aguiar e Albuquerque.Informe o
Sr .inspector da thesouraria de fazenda.
D. Maria Rita da Cruz Neves. Satisfaca a exi-
gencia constante do parecer fiscal.
Maria Rosalina de Oliveira e Silva. Prove o
que allega.
DIAS DA SEMANA.
7. Segunda. S. Regina v. m.; S. PamniHio b
8. Terca, c^ A Natividad de N. Senno.
9. Quarta. S. Sergio b.; S. Rufino m.
Ift. Quinta. S. Nicolao Tolentino; S. Snlviom
l. Sexta. S. Theodora penitente; S. Proto ib.
1? Sabbado. S. Macrobio m.: S. Liborio m.
13. Domingo. S. Auta v.; S. Heronidesm.
ASSIGNA-SE
no Reeife, em a livraria da praca da Independen' >
ns. & e 8, dos proprietarios Manoel Figueiroa d
ana 4 Filho.
nhecin
que
rentej
dei
INTERIOR.
RIO DE Jt\i:iltll.
Relalorio que devia ser presente assembla geral
leyislativa na terceira sessao da derima-primeira
legislatura, pelo ministro e secretario de estado
dos negocios da agricultura, commercio t obras
publicas, Pedro de Alcntara Bellegarde.
(Continuadlo.)
4. secrao.Pendem de approva<;ao do governo
os planos desta secgSo que se estende de sua bifur-
cacao no Pirahy, subindo pelo valle do Parahyba
ao ponto terminal na provincia de S. Paulo.
Tambcm a construeco desta parte da estrada
acha-se adiada pelas difflculdades financeiras so-
brevindas companhia, c de que j tratei.
Da Baha.No dia 31 de Janeiro deste anno,
terminadas as obras das duas ultimas seccoes desta
estrada, foi ella aberta ao transito publico.
Seu estado financeiro ainda nao satisfactorio :
entretanto suas aeces sao coladas favoravelmente
na praca do Londres, o que se nao pode attribuir
senaoa alta garanta do juro concedido pelo gover-
no, e a confianca que elle alli inspira pela pontua-
lidade no pagamento de seus compromisos, e em
razao da benevolencia cora que ha sempre tratado
, as craprezas quo gozam daquclla/garantia.
No anno findo seu balanco foi o seguinte :
Receita 153:8165621
Despeza. 243:5i95i00
Dficit 89:7825779
Este dficit, porm, tora de descer a 74:4265917
s?. fJ"jesolvida a eliminado da quantia de ris
15':33o5862 despendida com a renovacao das cer-
cas da primeira seccao, na forma do' parecer da
commisso da tomada das contas respectivas, sobre
o que nao obteve ainda informacao de nosso mi-
nistro em Londres, onde deve ser discutida esta
questao.
Sem embargo, porm, deste resultado, innega-
vel que a receita vai annualmente subindo, com
quanto a despeza tenha tido a mesina progressao,
o como se> do seguinte quadro :
Receita, Despeza.
1860 20:9695765 35:1495591
1861 62:2335957 113:5515533
1802-153:8165621 243:5995400
As circumstancias ponderadas no relatorio an-
terior explieam esle faeto. E possivel que a aber-
tura de toda a estrada, verificada no corrente an-
no, melhore de tal sorte sua receita, que nao se-
ment cnegue para occorrer s despezas do cos-
teio, mas ainda para contribuir para nS juros res-
pectivos, diminuindo-se assim os sacrificios dos
thesonros nacional e provincial, principalmente se
a directora e seus agentes por seu lado emprega-
rein a mais rigorosa economa nos gastos do tra-
fego.
No intuito de melhorar as circumstancias finan-
ceiras desta empreza, por ordem do governo im-
perial, foi apresentado pelo engenheiro fiscal res-
pectivo, que em grande parte attribue este dese-
quilibrio entre a receita c a despeza da companhia
agar ^ 'Uilino ;i tarifa actual, um projecto de nova tarifa, que
U! devia conciliar os interesses da companhia com os
da lavoura.
E nao obstante ter sido autorisado o presidente
provisoria-
o seu capital garantido, e restando ainda iior fazer EffectivamentP am,nii ,
despezas importantes para a conclusao das obras ~S m '' mw aquella engenhei
AflMMffln itnnrinrinrln nr, __?._?___. .. '
Posto que possuamos
obras, com *^g*5L augmento Sa'Sde" ^Suamos n,ui,os rios ^ d5 KP
era hynothese alguraa exceder a sorama o>T riam 1 T COn.1 p0aeo dl6pcnd, P^e"
600,000, ou que oto^l do capital garantio nnl tS^SSSSSBJSSTJ
ca fosse
Bahia.
raaior do que
capital garantido nun-
o da estrada de ferro da
co do transporte d
bhca, ou entregue a alguma empreza particular.
Mistem na directora competente diversas pro-
postas para urna rede electro-telepraphica, destina-
da nao so a ligar todas as provincias do littoral do
rauitosartigosque nio*o.I^S^Z^^ B"8"' a Europa'
bateante k a "j "l"Kus i.fvnaaI1ra,nSarg50/Cha-Se !*?den,e d0 J0^- raz5 de nao Srem 5ar^f ZZT* m I Smone a ^'^So da questao supra-apresenta-
vZj^T- de eDeen{,eiros Dr. Joao Ernesto a navegacao En Sil, P,eq' ,,oda"a da pod.era habilitar ?ovr~
Viriato de Medciros,.que foi incumbido de exami- cremento'a aaeLS?JSil2L22, ,omado.0'n- sobre taes propostas.
nar os referidos relatnos, e de solver algumas r^rmittemVs'pirar'
duvidas que existem entre a companhia e
que estas circumstancias favoraveis Ihe ligir todas uSSSX
erno imperial a delibe-
e para isto trato de col-
c esclarec montos ne-
ogo-
i
uniquei, mais urgente se tornar a
pera Ihe concederis a necessaria autorisacao para
providenciar sobre o augmento do capital pedido para franquear a
pela companhia. EUmSLA"Z5P?" do Amazonas ao com-
nossas
espero, for habilitado
linhas fluviaes, e se, cmo lisacao dsta idea
vegaco do Amazonn,sC,eoSanrmS lL^ qUf' S0"" ensaio> ora sc ac"a"' eslabe-
?..isac,o i estrada ainda nao est ve- ^S^ngeT SS^SESlF ^^^SS^S^S^ -
A comniisso de tomadas de eontas, que func ^VS^S^^V^S^^^t ?"arin"0 da ^ de Pet^pobs^ol^onduto
'a",A em Pernambuco, capitalsou a 2' seccao em anno. enSJ0 e eni 1ualauer estacao do ja a incxper.encia.de estacionarios pouco habita-
P'an' ?' : a 3"*cm 314,888, 3, 1,
em 279,134, 7, 10, cujas sommas juntas
PSSH0*1 l'. sec^ Prefazera o total d<
i.zu.OO, que foi primitivamente garantido
Os agentes da companhi representararn
estes clculos e nao se tem decidido or ora cou alguma por naohaverem chegado a SSSS ta^^^l%am*> dcscm-
o parecer da mesma commisso, e os respectivos O Dr. Emman. el 1iS S, u
documentos. *^ n J>iL L ? 4el L,a.ls- 1ue navia Sld incumbi-
do pelo governo da explorado da parte do rio de
.ratara^sTr^^^ lf^*SE^ T" ^^2
torisado o nosso ministro en >ndres para que rehtorin LTJ?"tes' de apresentar um
procedesse a urna capitalismo approximada da 2- \2225J*!*l9.+ communica achar-se
seccao com o fim de nao retardar o pagamento dos os nevo\,H ^SH'C que- enconIra'-eis entre
juros que fosseradevidos, o que foi cumplido sen- Sn deiSf dos t'SE
do por este funccionario avahado em 230 253 4 miaXmh 'rabalhos definitivos, aos
6, o custo desta parte da estrada. ZtrL taWrlX1>)annar P|anlas. nivelamentos o
Posto tenha melhor fuii.ro m H, R.W. ^ SSS5S25SS""*6^" 1e flcou de enviar-
odera formar juizo seguro sobre a importancia,
melhor futuro que a da Bahia por
ora nao e satisfactorio o seu estado financeiro, vis- var ens e .^~Vi-V--i?~,* ------.|-.- .a,
{g.SSfi' da estrada ""orre quasi a 'tota- m&JlRSSgfS?'"** ^
Reconhecida
No anno de 1862 a receiu foi de 353:WW7 e Parahvba d S iSWllSft S?
i despeza de 331:0655900 ; realizando portante o do Rio de Janeiro^^roen^fi Be"'
equenosado de -:wArus7 .. ^.vZ__ U,J "'a,'janeiro,porespaco demais
lidade da receita.
a possioilidade da navegacao do rio
na provincia
pequeo saldo de 22:3883357"e sendo TCkm SSLH "'"^V' Pr csPa50 de mais de 20 ftguas.
de 93 o/, da receita. desptza f-T 5 ,av?ura e o commercio, tanto do
municipios comprehendidos entre aquellos dous
tono poda ser attribuido em grande parte sua
aos estudosnecessariospara verificacao"dos meios
que cumpre empregar afim de melhorar aquella
navegacao. Anda mais importante se torna esto
._ quantia
iu pela respectiva collectoria segundo consta
o oflicio.
lao mesmo.Declaro V. S. para seu co-
mento e flm conveniente, que os vencimentos
i couformidade com o seu oflicio de 4 docor-
\ devem ser pagos ao escripturario do arsenal
^rra Francisco Seraphico de Assis Carvaiho,
o os dos mezes de julho e agosto desle anno, co-
mo consta du requeritnenlo que foi annexo ao ci-
tado oflicio. e n.i,'1 os de agosto somente, como por
engao se menciomOU-
Dito ;m mesmo.-VMande V. S.
Manoel la Cruz Coftsseiro
rs., em que importaran as despezas fetas com a
nova casinha do forte d%_ Buraco, urna vez que es-
lejam em termo as duas
duplcala, que me foram
dns obras militares coi
^ob n. 170.
Dito ao mesmo. Aul
oSbras miniares a
precisos cm diversos ,
oruleza do tirata, mediar i te a quantia de 2/o5->28 contra os seus interesses que foram resguarda-
nesta
para seu connecimento e du -eccao. i (JU(i penue d f0,.macoes pedi(las
Dito ao commandante do c orpo de polica.Po-! da fazenda.
de V. S. fazer engajar no cor ;>o sob seu coniman-
^iiclusas comas jumas cm ja provincia para approva-lo, e dar-lhe
remettidas jielo director j nientc execuQao, anda nao pode ser iio'slo em uso
otticio de o do corrente | por se oppr a isto o superintendente da compa-
nhia.
orisando o director das; Contra a cohranca dos direitos de expediente
mand.v ir executar os concertos sobre os arligos importados para o servico e uso
s cor, ipartimenlos c pnsaoda; da estrada, reclamou a directora por entender que
s., constante do orcamei. 'to junto por copia, que dos no decreto de sua iicoriwracao.
esU data approve, assim o communico a \. S. >o se ha podido ainda resolver es
iara seu conhecimento e du "eccao. ,,., IM,nri,. ,i0 if,.man..c nr.rti.Ue ,n
esta questao,
ao ministerio
Francisco, cuja realisacao a companhia moStra-sc
desejosa de emprehender.
A proposta que a directora desta estrada fizeram
dous empregados superiores da companhia para ciaes, que abastecen d'agua os encanamentos da
*inr. -es l'crein "*""." '*" *"""v? i"^->'" ;- ; dirigirem a contento della o servico do trafico de capital, tiveram o mais feliz xito, visto que fte-
S iJ^M hiS no nmn'cnnlia ^,S?o funsdelel,os de construeco, e nao tendo sido acei- toda aliaba, mediante una pequea porcentagem rara reronhecer a possiblidade de se aproveitar
-im i 4!llpaao al"0' como ronswa u> seu omcio tas algumas soceSesja ha mnto abortas ao tran- i dos aM*" *-----------
n. 359 de o deste mez.
Dito ao commandante do presidio\ de Fernando.
Ao capit.o Jos de Cerqueira Lima\commandan-
ria, mande V. S. entregar medanle reAibo 180 pa-
res dos ppalos fabricados na oflicina alia estabele-
cida, afim de serem distribuidos pelas prVcas da-
quelle destacamento por conta do fards
cido no anno de 1862.Communicou-se ao
do arsenal de guerra.
Dito ao mesmo.Incluso remetto a V.
Iac5es com os competentes precos dos objec los que
com destino a csse presidio, foram pelo arsenal de
guerra embarcados nos hiatos Cammagilte c[
pao.
Dito ao director das obras publicas.Co
formaeao junta por copia prestada pela
municipal do Reeife em 5 do corrente. sob
respondo ao seu oficio de 2 deste mez, n. 16*1
que me communica Vmc. haver o fiscal da1
nio ven-
rector
ns re-
Sergi-
\ erilicaudo-se que a va frrea apresenlou al-
nstruccao, en"
ssja ha mnto
sito publico, senao provisoriamente, o DI
toS^erda.qrS ITrXSelS cS^ 5 ""S *ar5T-5
elevada tarifa, o governo imperial ordeno!, ao en ^T^Ll^^^:^^ 9. 4 Procedess
genheiro fiscal que de acerdo com o superinten-
dente da directora apresentasse sua approvacao
urna nova tarifa, a qual, baseando-se na experien-
cia ja adquirida, consultaste todos os interesses.
Ja foi apresentado este trabalho, e acha-se proviso-
riamente cm execucao.
exame por quanto a referida navegacao se prende
ao trafego do cammho de ferro de D."Pedro II.
Os engenheiros Keller, pai e filho, foram encar-
^,rEtXrra!'Va,',aSC,,SSet0'a5an, "" S^SSo'Sl'S.nK SeaCta'"
te servido ser mais bem assegurado.
Eslava as vistas do governo imperial autorisar
0 prolongamentoda linlia de Petronolis at a villa
(ia Farahjbado sul; porm achando-se sem cons-
trueco grande parte da terceira secrao da estra-
da de ferro de D. Pedro II, e devendo acompanha-
ia urna linda telegraphica para o servico da mes-
ma estrada parecen desnecessario o dito proln-
gamelo. F
Durante o tempo oecorrido de 24 de abril do
anno passado a feereiro deste anno os telegraphos
renderam a quantia de 1:3545120, somma im-
portante, se se consideram as poucas relacoes com-
merciaes que presentemente a [iraca do Rio de Ja-
neiro entretem cora aquella cidade".
Durante esse tempo foram Iransmiltidos da
1 ramha para a raiz da Serra, a cidade de Petropo-
lis, c vice-versa, 1,231 recados com 31,626 iiala-
vras. '
Os servieos relativos s trras publicas, eoloni-
sa^ao e catechese, sao pelo regulamento da secre-
taria incumbida terceira directora : passo a dar-
vos una resumida conta do estado destes impor-
tantes ramos ; referindo-me para maior desenvol-
vimento ao annexo relatorio da respectiva direc-
tora.
porm, forcoso confessa-lo, por ora nao se lem
consegrado grande resultado.
s, Emijrarao.
E com o maior jubilo que vos communico que a
cousa da, emitracao para o imperio vai ganhand..
terreno na Europa, principalmente na Suissa e so-
estados da Allemanha.
Para !SoiKpieioso resultado contribuio, de cer-
to .mnto a imparcialidade com que o bario de
iciiu.li comraissario do governo da confederacao
smssa, desempenhou a alta missao quo foi confiada
a sua mtellipenca e probidade.
As benvolas meneos do governo. imperial em
favor da emigracao e da colomsaciio, os actos sig-
mlicativoseom que por muitas vezes tem provado
o mteresso que ffga a tao importante questao, fo-
ram deydamente apreciados |>or aimelle Ilustre
cavalheire, e reconhecidos pelo seu governo no re-
lato que dirigi ao poder legislativo.daquella
confederacao. ^
i i.a C1l>08i?a",1da 31 directoria. annesa a este tra-
patbo, aeha-se o transumpto de tao importante tra-
Este documento oflicial publicado, e conhecido
actualmcnre em toda a Allemanha, tem influido po-
derosamente para as ideas inexactas que at certo
tempo vigoravam nos respectivos estados sobre a<
cousas de Brasil, se tenhara modificad. muito; e
de crer que sua influencia benfica se nao limite
- so a este resultado, porm que, coadjuvada pelas
mrormacoes favoraveis que d'aqni enviara scu
prenles c amigos colonos morigerados, trabaja-
dores c circumspectos, aos quaes a prata j tem
sullicientemente esclarecido sobre a facilidade com
que entre nos se pode ganhar a vida c-ohegar mes-
mo a riqueza ; conicce a encaminhar-se para o im-
perio alguma da emigracaojque daquella parte da
buropa annualmente se dirige para a
Norte.
parte
America do
TORRAS IMBUCAS.
licpartires etpeclim.Continuam a subsistir as
i'legacas das provincias do Espirito Santo. S.
mmente aquellesen-i Paulo, Paran, Santa Camarina c S. Pedio do
namja muito avultados, se como j notei, sua des-
peza nao acompanhasse tamuem o augmento da
receita : pntrptnntnii nii'nn, ranilla tni nri.or<>c3n
como se v do seguinte quadro :
:o: sirga,
por vapor,
Anno.
18581859
18591860
18601861
18611862
18621863
Receita.
118:5705830
150:0505877
169:5485484
315:1085861
372:2255100
Despeza.
114:5195106
167:1525997
180:1195468
216:9825640
341:449-5154
L, pois, se a respectiva directoria empregar toda contina a estar confiada nspecoao geral.
a energa e boa vontade em firmar um systema da Para a construeco dellas o svstema de arrema-
mais rigorosa economa em suas despezas, e em di- tacao, por meio de'propostas, tem sido em geral
niinuir o numero dos ftinccionarios, actualmente preferido, como mais vantajoso aos cofres piibh-
superior as necesidades do servico, e os elevados eos, entretanto nao possivel abandonar o aysle-
cujas despezas or-1 O interesse da fiscalisacao das medices, legiti-
"L!m.P'"a""a d. i 2??^reis,ro e. venda de Ierras, bem como os
importantes nes-
do imperio,
QBSraiSr i""3" a Mi^ 'uira7^ o^slemama^e^oS^^
que for mais conveniente a este respeto. as outras provincias, aquellos servieos tem si-
obius imblicas do Misiripio 'do enrarregados a commissoes de engenheiros,
A administracao e direcciio das obras feilas no T.VX "m0r par,e- act'u,niu,ai" as atlribuieois
municipio da corle, por conta do thesouro publico, tTi!lJTr!!l\S'm^ 'SlaS comn"ssoes- '
i.,.i.ii..r.,. c... ,.-.j- .-. ._____-.__.' sua n.uure/.a mar
salarios (jue percebem, fra de questao que a
despeza tomara propon-oes mais modestas, e se
ma da administracao, que em algumas circums-
tancias especiaes necessario empregar, e que
tem a vantagem de conservar um pcssoal habili-
tado, sempre prompto para acudir aos serviros
que nao comportara demora.
E assim se tem conseguido rcduzir muito o pos-
crincios que ora fazem os tliesouros geral o provin- soal da inspeccao geral das obras publicas e di-
' oque perinitlirao governo imperiar alten- minuir consideravelmente a despeza que se fazia
conservara mais estacionaria, ao passo que o des-
envolvimento progressivo da industria da provin-
cia augmentar por certo sua receita de modo que
desapparecam, ou tornar-se-hao muito leves os sa-
cial;
der para o projecto de prlongamento deM\ linha
frrea, da estacao terminal de Una at V rio S.
com este ramo de servico sem ao mesmo tempo
deixar-se de attender para suas necessidades e
conveniencia.
Abastecimento il'aoua.Os estudos c experien-
cias a que se procedeu no anno lindo nos manan-
Ida a
guezia da Boa-Vista embargado a construccaoi do
passeio margem do caes na ra da Aurora.
Dito ao Dr. Alclbiades Jos de Asevedo Ped
2" cirurgio em commisso na povoaeo de Un
Km vista do que me communica Vmc. em
oflicio de 2 do correte, com referencia epid
do cholera-morbiis nessa povoaeo, tenho a
que logo que se torne dispensavel ah a su
senfea, recolha-se a esta capital dando por fj
sua commisso.
Dito ao eommissyio vaccinador. Reme
Vmc. com urgencia algum puz vaccinieo pa
enviado ao delegado do termo de Santo Ant"
o solicitou.
Dito ao superintendente da estrada do fe
Constando de offlcios do engenheiro fiscal d
da de*erro de 6 e 7 do corrente ter sido m
om dos tren* da mesma estrada, na ma
6, no lugar denominado Guiaba, um1
da provincia celebrou com o superintendente
accordo, no qnal foram assenladas as condlcoes
definitivas para a aceitaco de toda a estrada.
Nao est ainda inteiramente rcsoh'ida a questao
da capitalisaco: somente a da primeira seccao
na importancia de 155,000, ficou eflectuada.
sobre os clculos para a da 2" e 3 seccoes bou-
ve disconcordancia entre o delegado do governo, o
Sr Morgan, que julgava deverem importar era
i99,861,18. e a directoria, que as orcava era
475.000.
Nem um destes clculos, porm, foi feito de con-
formidade cornos principios estabelecidos no de-
creto n. 1,299 de 19 de setembro de 1853, que re-
gula a materia, peccando os da directoria por ha-
ve-la firmado em urna base aproximada do nume-
ro de leguas; e as do delegado do jroverno em nao
haver este attendido para a disposico da art. 19
do citado decreto, mas somente para a do art. 20.
Cora a terminaeo das obras da estrada, cerca de
; 3,000 trabalhadoros tinhara de licar sera trabalho,
e em consequencia disto era de receiar que se en-
j tregassem a urna vida menos regular.
U| Convinha providenciar de modo a tirar-se todo
ia o proveito desses individuos, tanto em vantagem
zcr! dellcs, como do paiz, e ligar: aliste todos quantos,
i seudo estrangeiros, nao permeneocriam nelle des-
io tran-1 aos saldos que existirem em cada semestre, prova urna quantidade de agua sufliciente para o abas-
residente exuberantemente que muito ainda resta por fazer tecimento da cidade, cm qualquer estacao do
nte_ um ; no tocante a economa as despeeas respectivas. anno.
Tendo-se realisado dficit no Jjalanco da receita O governo tem recebido propostas para o forne-
e desbeza de alguns annos, a bmpanhia pedio o cimento publico c particular de tao indispensavel
pagamento dessas diflerencas, que por ella tem elemento, e conjuntamente indicacoos para reunir
sido levadas a conta do capital garantido. a este servico os da extineco dos" incendios, e da
Esta questao pende ainda do estudo a que se est irrigaco.
procedendo Os proponentes pretendem satisfazer a estas ne-
ve b. uuio.sJrabalhos desta via frrea, que cessidades por me de companhias. e mediante
deve ligar o municipio de Jundialn com o litoral, vantagons pecuniarias em systema semelhante ao
na cidade de Santos, vo progredindo com a neces- das estipuladas com a empreza cargo da com-
sana regulandade. panhia City-Iraprovoment.
.n!!u.ma.de_?"as_sec5Ses se acna concluida por Se o governo for autorisado para contratar esto
oiTerccessem meios de ganhar a
estra-
to por
aa do
omem
de que se lhes
vida.
Nesta conformidade foi reeoramendado ao presi-
dente da provincia que proeurasse fomentar a aber-
tura de estradas c caminhos, que puzessem os cen-
tros productores cm communicacao com a via fr-
rea, e nos quaes fossem ocenpados os ditos opera-
rios ; c fundasse," ao longo da estrada, colonias
agrcolas onde tambem lhes fossem olferecidos
meios facis de trabalho.
O trafego da estrada, durante fl periodo de que
dia 6, no
que dorma sobre os carris. nao tonda s*no possivel trato, foi o seguinte:
parar o referido trem a tompri do -.-vitar-so essa oc- Passageiros___ 75,073
currencia, recommendo ao Sr. superintendente fa- (293.926 arrobas,
ca aos conductores das locomotivas todas as adver- Mercauorias.... ^ ^^ pa|moscubjcos
tencas e admoestacoes precisas, para que sejam Encommendas.. 9,591 volumes.
sempre vigilantes e ltenlos, c empregnem todos. Animaos............ 1,826 caberas.
> 'F
os seus esforcos para que semelhantes factos'
rentes.
Dito cmara municipal de Olinda.Declara a
cmara municipal de Olinda, em resposta ao s\i
oflicio de 3 do corrente. que approvo as arremata-
^oes dos impostes de que tratam os termos de con-
trato, que acompanharam o seu citado oflicio, e pe-
las quantias nelles mencionadas, devendo a mes-
ma cmara inaadar p6r novamente em praca as
que por falta de licitantes dexaram de ser arre-
matadas.
Despaches do dia 9 de setembro de 1863.
Requer intentos.
Anna Maria do Espirite Santo.Prove o que al-
lega.
Benedita Mecilia Pereira Rocha e outro.Conce-
do a lcenea pedida, pagos os direitos.
Clara Herminda da Silva Cardeal.Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Emygdio Getulio de Oliveira. Informe o
inspector da thesouraria provincial.
y
De Pemambuco.Xo dia 30 de novembro do an-
no passado foi aberta ao transito do publico a es-
trada de ferro de Pernambuco desde a estacao
central em Cinco-pontas at Una, seu termo, segun-
do as estpulaces vigentes.
A directora desta empreza acha-se actualmente
mais inclinada a attender c a satisfazer as justas e
razoaveis reelamaedes acerca das respectivas obras
que por vezes Ihe tem sido dirigidas por parte do
governo imperial.
Nao foi possivel ainda deferir-se de qualquer
I modo o requerimento em que ella pedio augmento
i do capital garantido, preterirn que depende do co-
I nhecmento do resultado da confrontacao dos reia-
; torios apresentados pelas duas commissoes de in-
uerito, que foram nomeadas, urna para exame das
spezas feitas em Pernambuco e outra para a ve-
ficaco das contas das sommas despendidas em
ondres.
orno, porm, era urgente vir-lhe em auxilio as
cas circumstancias em que se achon, esgotado
naver aconmanhiaque se encarregou da construc- servico, estou convencido de que se poder assim
cao, preferido o systema de trabalhar simultanea- obter abundante fornecimento d'agua para todos
mente cm todas as seccoes, de sorte que todas ti- os mistera^da vida.
isTc
quera concluidas, e sejam abertasao mesmo tempo.. A realisTco destas obras, com os servieos de
Entro os trabajadores da estrada suscitaram-se illuminacao gaz, c dosesgotos, formar jm svs-
no anno passado algumas questoes e descontenta- lema completo, que muito contribuir para a sa-
memos sobre o pagamento de seus salarios, que lubridade, commodidade e polica dos habitantes
lam produzmdo conflictos serios. da capital.
Felizmente a presenea do chefe de polica da pro- Caes da Gloria.Para a consolidacao e seguran-
vincia, que foi pessoalraente syndcar das causas ca doste caes, segundo informou o engenheiro en-
de tal mov ment, desvaneceu todas as apprehen- carregado das obras accessorias o complementares,
socs; e a energa com que procedeu neste con- ainda se ter de despender a somma de 7:0003000
junctura, foi sufliciente para restabelecer a ordem reduzindo-se de 5:5605000 a quantia por elle a
e a harmona entre os operarios e os empreiteiros principio oreada para a construeco das obras
que satistizoram os salarios devidos, e as indeinni- mencionadas. Toda a obra e reparos importam na
sacos reclamadas pelos sub-empreiteiros. somma de 841:1405000.
Alguns novos disturbios tem modernam
i modernamente lia-
Canal do Mangue.Acha-se concluida esta im-
portante obra, que veiu melhorar ascondi^Ses hy
vido, que sjrao certamente castigados.
A assenjPa legislativa desta provincia represen- gienicas do "bifro om que foi construida,*c fazer
tou ao governo imperial, pedindo a prolongacao da aproveitar grande exteusao de terreno para a edi-
linha de Jundiahy at Campias; mas como nao licacao da cidade.
chegaram ainda a este ministerio os esclarecimen- O" engenheiro incumbido de a inspeccionar, at-
tos precisos sobro as despezas desta obra, que o testa a solidez e perfeicao com que ficou acabada,
presidente da provincia licra de enviar, nada se Seu custo orcou por 1,3/"8:OOOJIO0.
pode resolver sobre a mesma representacao. EmprezaRia de JaneiroCity Improvement.
Tanto a respeito desta, como das demais estra- A companhia que contraten a realisacao de tao
das do paz, encontrareis no relatorio da 2* direc- consideravel, uao til melhoramento, emprega
loria inforraacoes raais crcumstanciadas. todos osesforcos para dar o maior desflnvolvimen-
estradas e*ontf.s. to as obras reepcctivas, as quaes comecadas em
Das estradas encarregadas administracao do mais de meiado do anno passado, comprehendem
governo geral, a que mais cuidado d actualmente j a maior parte dos bairrosde Cattete e. da Gloria,
pelos grossos capitaes empenhados na sua cons- No intuito de ir habilitando nossos novos enge-
truc^o, e pelo estado desfavoravel em que se acha nheirus com a pratica de obras desta ordem, fo-
a companhia empresaria : a da Unao e industria, rain por este ministerio nomeados alguns dellcs pa-
Pendem da dehberacao da assembla geral legis- ra, sob a diroccio do engenheiro cm chefe da em-
lativa os seus destinos. preza, estudmrem os respectivos trabalhos.
Sobre este objecto, uada tenho a aecrescenlar ao teleohaoiios.
que ja foi expendido no relatorio passado. Areos.Pelo decrete n. 3,030 de 7 de fevereiro
Procede-se na provincia do Para exploraclo de deste anno foi approvado o regulamento para o
una estrada do Rio Capim para a provincia de servico destes telegraphos.
Goyaz. Acha-se j explorada a eyenso de 46 le- Depois, parecendo conveniente, crear maior nu-
i^as. mero de estacoes telegraphicas a leste e oeste da
-KstaJ:onc,u,da a Pnte de ferro contratada por entrada do porto, e em outros pontos da costa,
250:0005 para ligar os bairros da Boa-Vista e de para melhor e mais fcil conhecimento da naveg-
banlo Antonio, na provincia de Pernambuco, no ^ao costeira, tornou-se necessario desenvolver este
ponto do rio Capibaribe, que tica entre o tbeatro servico, e portento brevemente ter-se-ha do ang-
de Santa Isabel e a ra da Aurora. mentar o quadro do regulamento citado, que teve
Na esperanca de obter mais vantagens para a em vista o estado em que elle entilo seachava.
fazenda nacional, o governo autorisou ao capito Elctricos.Urna das necossldades mais urgen-
de engenheiros Dr. Joao Ernesto Viriato de Medei- tes, a que cumpre attender, o estabelecmento de
ros, que se acha em Londres em commisso, para urna linha de telegraphos elctricos que ligue os
contratar a ponte de ferro do Reeife com, quera pontos mais distantes com o centro do imperio
melhores vantagens pfferecer, ( Urna Irate. telegraphica deste. ordem seria\

de
soes, por
s araovives. consultam melhor os
interesses da fazenda nacional, nao so por naoexi-
girem grande pessoal, como tambem i>or permtti-
rera que, terminado o trabalho em urna provincia,
Iiossam ser transferidas para outras, ou de todo
dispensadas.
No relatorio da directora respectiva, encontra-
reis informacoes minuciosas sobre cada urna das
commissoes de engenheiros anteriormente crea-
das, ou nomeadas no anno passado, c bem assim
acerca dos servieos por ellas prestados.
Aceitando os dados que com elle me foram aprc-
senlados, v-se que as commissoes que trabalha-
ram em sote das provincias alli mencionadas, con-
seguiram legitimare revalidar 323 posses. eses-
manas, com una rea de 101,306,853 bracas qua-
dradas ; sendo 316 posses com 89.185,065" bracas
quadradas. c 6 concessocs provinciacs com......
12,121.810.
Revela aqu notar que muitas questoes antigs
e complicadas por circumstancias diversas, sobre
os terrenos das provincias do Cear e Alagoas con-
cedidos aos Indios, que actualmente se achara del-
les mais ou menos esbulhados; ou foram dormiti-
vamente terminadas pelas niesmas commissoes
de engenheiros. ou esclarecidas de tal sorte, que o
governo imperial, boje cabalmente habilitado, tra-
te de providenciar convenientemente a tal res-
peito.
Nao vos pode ser anda apresentado o mappa
geral das tenas devolulas, cujo dominio tem sido
verificado legalmente, pelos motivos que expoeo
director da terceira directora.
Coniprehendendo, porm. a importancia de um
trabalho desta natureza, que deve servir de base ,
para o futuro cadastro nacional, dei as providen- remediar algumas lacunas que deixou a referida
cas necessarias para que, no decurso deste anno, '
se possam coll'gir os eselarecimentos, que sao in-
dispensaveis para so Ihe dar comeco de execrado.
Legitimantes e rcvalidaroes.EMc sen ico n3o
tem. ainda conseguido a regularidade que para
desojar.
Muitas causas concorrem para que elle nao te
B principalmente na emigrado espontanea quo
se deve fundar a esperanca de augmentar com ra-
pidez a populaco do Brasil. A colonisacao, pela
lorma por que at agora tem sido dirigida, e mes-
raomelhorando-sc o seu svstema, ter como essen-
cial vantagem o estebelecr a correnteza da emi-
gracao ; e conseguida esta no ponto satisfactorio,
deverao em parte cessar os sacrificios que o the-
souro tem feito para este servico.
Convm pois facilitar por todos os meios a em-
gracao, concedendo-lhes os favores que forem ne-
cesarios para a encaminhar para os nossos portos.
Estou convencido de que o exacto conhecimento
da constituido, das leis, das toreas o mais circums-
tancias do imperio, sem a menor exageraco ou
occullacao da verdade, servir muito causa da
emigraco para o Brasil.
O governo procurar pois remover a pouco e
pouco todas as causas que irapedem o curso da
torrente da emigracao curopi-a para nossas praias.
sem entretanto desvar-se dn linha que se tracou
em relacao aos favores, com que auxiliar a emi-
gracao expontanea, e que constara das bases geraes
dos contratos celebrados em 1861 com a casa de
Steimman & C, de Antuerpia, e que por todos os
meios a seu alcance o ministerio a meu cargo pro-
curou tornar bem conhecido por toda a parte; re-
fpa tpe'seSH^SmSS&'^fr"iSrTSTtmS
inlencocs do governo a esle respeito, a fim de se
evitarem queixas, tilhas de osperaneas mallogadas.
Taes providencias, aeouselbadas pelas con.ve
men'cias desta ordem dos interesses da publica ad-
ministracao, obliveram na Europa o melhor aco-
Ibimento, e tambem serrirao para eombaler a in-
dlsposicao contra a emigracao para o imperio.
Nesta coiif.inndade nao tem sido aceitas nem
nina das propostas que foram dirigidas ao gpverno
imperial para a introduc o de colonos mediante
auxilios pecuniarios do" governo ; e actualmente
apenas existe una eoneesso do anno de 1862, que
garante pequeos auxilios pecuniarios aos colonos
alleraaes, que forem chamados por seus prenles
e amigos residentes no Mucury; a do aviso do l
de julho de 1861. que assegurou a Ernesto Luiz
Steiber os meios de vir estabelecer-se com 30 fa-
milias saxonias em urna das colonias do governo:
finalmente, a detiberacao de 9 do fevereiro ultimo,
que autorisou o Dr. Blomenau para estebelecr na
colonia a seu cargo mais 500 colonos com os favo-
res estipulados no aviso de 22 de junho de 1862.
Pelo respectivo ministerio se organisou o regu
lamento sobre os casa montos eathol icos, d'e que fa'
la o art. 2 da lei de 11 de setembK) de 1861.
Esta medida, de una importancia traaseendente
na questao da emigracao e colonisacao, por seu
turno lera de influir multo benficamente em nosso
favor, visto que um dos argumentos em que os
inimigosgratuitos do Brasil mais se fundaram pa-
ra rombater a emigracao para o imperio, c quo
mais ealava no espirito imminentente religioso dos
poros alleraaes, pela maior parte protestantes, era
a carencia de urna legislacao que regulasse os ac-
tos do estado civil que entre nos csto a cargo das
autoridades eclesisticas, e estreitamente ligados
aos Sacramentos'da nossa santa religio.
Pelo ministerio do imperio vos serao trapsmitti
dos mais ampios desenxolvimentos sobre esta im-
portante materia, e vos scro pedidos os meios d<
lei.
Para tornar bem eonhecidas na Europa a< van
tagens que pode oereccr um estabelecimento de
emigrantes no imperio, dei as providencias neces
sarias para que sejam levantadas plantas topogra-
phicas das colonias do governo e das trras medi-
das e demarcadas que podem ser vendidas, afim
nha tido o necessario incremento ; e entre ellas jd? asenyiar para os pontos da Europa onde con-
apreseolaroi especialmente a falta de agrimensores
e juizes commissarios, e a repugnancia que anda
em muitas provincias se nota contra a exeeuQao
da lei de trras, na parte coneernentc a este ob-
jecto.
Atlribue-se-lhe geralmente intoneao muito diver-
sa da que ella teve cm vista, quando decretou esta
medida de incontestavel vantagem para o estado e
para os interesses particulares que fleam dest'arte
completamente resguardados.
Entretanto nao raro ver-so que desengaados,
depois de urna primeira legitimaco ou revalidado
acerca de suas apprehensocs. os habitantes, ou pos-
seiros animam-se, o desojara mesmo regularisar
seus titules de propriedade pelos meios estabeleci-
dos na citada lei.
Durante o anno findo registraram-se 1,5.40 pos-
ses e sesmarias, as provincias mencionadas no
relatorio a que me tenho referido, e foram multa-
dos 731 posseiros na importancia de 9:7005000.
dos quaes elfectuou-sc o recebimento da somma de
8:5755000.
Venda de trras.Segundo informou-me o direc-
tor da directoria das trras publicas, tcm-se ven-
dido as provincias do Espirito Santo, Santa Ca-
tharina c S. Pedro, desde o anno de 1859 at o de
vier dissiminar taes eselarecimentos.
A estas plantas devem acompanhar noticias cr-
cumstanciadas acerca das.qualida.les dns trra,
dos ramos de agricultura que podem ahi florescer,
das vantagens destes. etc.; e bem assim das distan-
cias queesses lugares guardara com os centros de
poputacao mais importantes ou os portos marti-
mos.
Sobre o mais que en poderla acrescentar a res-
peito desta materia, reporto-me ao que se acha *s-
cripto no relatorio competente, annexo a este.
Cabe-me aqu fazer algumas ponderacoes sobre
a necessidade de animar a emigracao, ou antee a
transplantecao dos nacionaos, afim de se colloca-
rem em condicoes econmicas mais vantajosas.
A populagao do imperio nao se acha repartida
na relacao da uberdade das torras, e de sua facfii
dade de communicacoos, assim que as provin
cias do Cear e do Rio Grande do Norte, sojeitas
a frequentes seecas, relativamente maior do. que
as regioes do Amazonas. Muitos desejariam trans-
phmtar-se, estabelecendo urna corrente de emigra-
cao nesto sentido, ao que obsta a desposa das pas-
sagens.
Facilitando este movimento, colloear-scJitam cm
mclbores condicoes productoras
1862. 108 lotes de'trras cora 142,675,296 bracas mcinores condicoes productoras m.i.llmres de bra-
quadradas, regulando seu preco de X a 20 reaes S0*.'.- on(l """-'sultana notavel avigmento da riqueza
e importando o preco da venda em 113,234:3155. '
Sobre esta parte do servico as provincias, no-
tam-se muitas irregularidades a que cumpre por
cobro. O governo imperial se nao tem descuidado
de dar as providencias a seu alcance para que ces-
se um estado de cousas tao pouco satisfactorio.
Tem onegado ao conhecimento deste ministerio
noticia de frequentes invasoes de trras devolutas
ja medidas ou verificadas, para o fim de devassar
as maltas e extrahir madeiras de lei, acobertando-
se os invasores com urna simulada compra de'-^g
trras que requerem, mas que nio chegam a rea-
publica, c grande auxilio pan o desonvoMiento
dos proventos que deve auferir o. estado, mui prin-
cipalmente realisando-se oponsameoto dogQverno.
ja em outra parte rtvvuifcslado, da abertura da
grande rio Amazonas ao, commercio estrangoiro.
(Co'ntimar-se-ha.)
Esto ministerio ha expedido as nyd'IS enrgicas e
terminantes ordens para reprim.^- taes abusos e re-
salvar os iaferesses do estad* assim prejudicados,
t O'ARIIHPOIIM/X IA DO MA-
RIO DE PEKWMBKO.
Macei, 9 de setembro de 4893.
No dia 30 de agosto, como esteva annunciado.
teve lugar a reunio da companhia l'nio Mer-
cantil, para curar-se dos meios de faier funcci -
nar a fabrica de tecidos de Fernao Velbo, visto
ILEGfVL
I Hll.I U_. I I!. ..... I.. mi.





k



Mario de Pernanibiic (SaMmdo lt d fetembro de ISAS.
i

reunio-se hontem
eleiiorcs segu
-ficou a mesa coroposta dos
inte
como, estando todas as ebras promptas, s falta a
materia prima, ou em termos claros, numc'"!r
para compra-la, e pagar aos operarios, que nesw | ^ ThomM d0 Bom-flm Espindola.
fabrico se empregarera. MesarioS.
O barao de Jangua,.motor pri*g* *suem0 I Jos Joaquim lavares Costa,
preza, nao qur mais coob.nuar agasiaruu ,, p^re Manoel Amancio das Dores Chaves,
capital da companhta de *$|MKT,it0 nVna Filigonio Jucundiano de Araujo.
alem do empres.mio, de ff^,iores ac- Francisco Flix de Gusn.o. .
compantua pelo barao, que e um aos uw ^^ ^ ^ ^ de n0,iciar.,he.
monistas. _inros(ad. csti correndo juros,1 Post-Jcnpim.-Agora mesmo (K Choras da
Esta quantia einpresi da esttjwnwuo^juiji*, torde) a^ de ^o resultado da votacaodo col-
legio da capital. ,
O Sr. Perdigo conseguio ser o segundo votado,
deixando de t* por este motivo grande votacao o
Sr. Tavares Bastos.
Eis o resultado
Esta quanua euHJie^u ~ ;:-
me bao do recabir sobre a corapanlua, nao
^nto o pensafcontrario de alguns, atienta a fall
de autorisacao coma despea feta alem do
ca-
P,Os accionistas pelas multas contrariedades sof-
fridas estad completamente desanimados e fox
ca a onnenrrfT com mais dinhciro para es
se a concorrer com mais dinhciro para esta em-
Os Senhores.
'' Dr. Ambrosio Machado da C. Cavalcante
M=*E~*-MSsr"
aceoes por metade de scu valor.
Depois da expsito feita pelo barao sobro o es-
tado da empreza, accordaram os socios presentes,
in numero de 8, em nomear urna commissao para
rever as contas da administracao e dar seu pa-
rc?e.r- m; a Ana accionistas! Jos Francisco Soares
Ficou composta esta commisaao dos.**;_':": n. -mi,.
Dr. Esperidtao.--
Dr. A. Tavares Bastos..
Dr. Estfindola...........
Dr. Jos Angelo........
Dr. Carlos Lobo......
Joao de Almeida Monteiro, Aatomo Mara de Aginar
e Flix da Costa Moraes.
O resultado lhc ccmmunrcarci.
_ No domingo ( 30 de agosto ) leve lugar a
festividadedo Senhor Bom Jess dos Malinos
iom toda a pompa, e a tarde a procissao percor-
reu algamas ras da cidade. llmM. llo
- bs ltimos dias de agosto, e Pnc,P,0*i'J0r
corrate, foram copiosas as chavas, e o mesmo >nos
constatar succedido por algumas localidades a
ponto de fazer mal lavoura. ,*..
_ 0 cholera-morbus tem ccifado algumas \idas
no lugar Poco, as imracdiacoes desta capital.
Para cuidar dos pobres accommettidos por.este
flageHo foi contratado um medico com a diana
^pTacto da presidencia teve lugar um rateio
da quantia de 4:0005000 e untos paf PWjS?
da de 25::!i:5i 18 que deve a Santa Casa da Mise-
ricordia desta capital a scus empregados JES
dores, e thesonraria provincial de adiantamtnto
Jeito para seu costeio.
Adariroa a todos o estado a que chegou esta con
Xa administr-aco passada foi norneada urna
<-ommisso-cranosla dos inspectores das thesou-
rarias de fazenda, e provincial, e do negociante
Manoel de Vasconccllos Jnior, que ltimamente
obteve dispensa da commissao seu ped";0-
Entretanto nao sabemos se foi em virtude do re-
sultadodos trabalhos da commissao que teve lugar
esta providencia do Exm. Sr. Souza Gonzaga ; l
qual agradou geralmente.
Reformen tambein o rcgulamento c submetteu-o
na parte religiosa approvaca do diocesano.
Para bein desta benelica iustuicao prasa a
Dos que tenha sido extirpado o vicio pela raz.
No dia 2 do correute pubticou-se aqu o
Mercantil, jornal que, segundo diz, nao tem pol-
tica, nem compromisso com pessoa algitma; o seu
fim nico Indar de todos os interesas sociaes.
Sahe, porm, tres vezes por semana.
Nao se apartar elle do calumbo que deyc tri-
Ihar para regeneraco da impreasa no Brasil ...
o qne desejamos.
Pensamos sebre esle assumplo com um esenp-
tor coatemporaneo, que temos vista.
Es as suas palavras :
t Preferimos a imprensa cordata e moralisada.
Queremos antes v-la, sempre discreta do que
s vezes desalisada.
Queremos antes presencia-la sentada no seu tri-
bunal, no forum publico, com a sua balanca, nunca
manchada de iniquidades, cora o seu gladio puro de
todo o sangue das alheas reputuees, exercitando
a sua suprema judicatura, do que segui-la por en-
Votos.
134
117
113
67
6
i
1
1
1
Suas raaos de alllnin. bem torneadas;
Sea seio de alabastro tinha a cor,
De marflm, nata, ou jaspe pareca,
Aos olbos de seu Bardoo Trovador.
Tinha porte magestoso, nobre, altivo,
Voz sonora, que prenda as attencSes ;
Bracos d'anjo, que por um dos seas amplexos,
Hendidos traz magoados coraedes.
Um' bouquet de mil flores escolhidas,
Que com garbo d'heroina el'empunhava,
Tinha aroma precioso d'agua florida,
Odor, que todos quasi extasiava.
Dr. Tiburcio..
Consta-nos tambeui que no collegid da villa do
Norte nao se escreveu o nomo do Sr. Perdigo.
Esperemos o resultado.
Numa.
E' verdade que receiando as urtas do povo
molecorio, que bom Ihe poda por, olo os milos,
porque sino nao tem milos, mas em cacos o ba-
dalar, pretendeu depois tornar-se em lapara
fazer-se restea, e ir beijar no fundo do quarto
o leito de cambraia da innocente amada, que tai-
vez nunca o visse nem o conhecesse.
O homem afina!, parece que, teve cousciencia
disso, o entao j nao sino,'nem mais la pretendeu
ser. Desejou poder saltar de rico, que sem duvi-
da um desses pobres de ponte, torios e laza-
rentos, para ter o ineffavel prazer de vi r l um dia
escorado em um pao de vassoura pelas calcadas,
entrar e depois subir longas escadas entre ais, le-
vantar a anUphona e pedir em voz de soprano urna' De rainha toma o sceptro ; s aclamada
esmola sua querida I.... E p'ra throno um coracao aceita mais ;
Nao achei de gosto a inverso, sobre as chagas Impera, dieta a lei, rende teas ps,
e dores rheumaticas, talvez viesse das aguas fur- Varonis corac^es, peitos mortaes !
tadas umperdoe, irmo, e depois os anjos po-! =
diam dzeramen, e o poeta Iicar mendigo, e.....' Em Versailles acaba de fallecer o decano da
para sempre I..- critica e da imprensa musical de Paris, Mr. Etien-
, Melhor ser o que porque com vida e dinhei- ne JeanDelecture.
ro tudo se alcanca, e bem tolo quem se mata.
Nao scismou certamente era estar assentadinho
de seu tomar fresco na ponte, ir depois para casa
tomar sea cha, resar a Nossa Senhora e dormir
seu somno, que era o melhor que fazia.
Se os poetas, compadre, se quizerem virar em
crnicas ambulantes, e continuarem os commer-
PERHAMBCO.
REVISTA DIARIA.
Escrevia o finado desde 1814, c publicava as
suas revistas no Jornal dos Debates.
membrana da traca arteria e o delicado tecido dos
pulmoes o em parte um vigor veidadeirameute ma-
raviihoso ajodo o apparelfio do rspirc8es.
Encontra-se em todas as principis ufas de dro-
gas da America do Sul.
COMMEBCIO.
\OVO BAHO
DE
PERS.41BW0
0 novo baaco paga 11 divideado
de dez mil ris (10$000) por aceo.
Alfaadega
Rendimento do da 1 a 10. *:"g*
Idemdodtall........ld.K56#/
144:98o*13o
84
83
82
328
322
319
loO
150
148
2
461
459
449
70
70
69
1
44
32
28
28
acola os viandantes, rasgando a capa a uns para
que sob o lustre do exterior apparecam as mise-
rias da vula humana, laceranup as carnes a ou-
tros, para cevar em urna emboscada o sentimento
ignobil da vinganea, apoiitando o punlial ao peto
de outros para receber em ouro o resgate da honra
ameacada, estendendo as raaos supplicautcs a ou-
l ros na humilhacao da esmola de um offico, de
urna prebenda d urna fita na corrupcSo, na ve-
niaga, e na infame abdicayo da consciencia e da
voatade. >
Na verdade a impreusa nem deve de ser ribeira,
nem prostbulo.
Desmoralisada perde ella toda a sua torca; e
entao nao sendo ouvidauem acatada a sua opiniao,
as suas injurias c difamacoes nao ferem a pes-
soa alguma.
Diario das Alagos tem continuado a pro-
pbwoVnf,3ffitfli,a8,ifliafij /orP"' ""~:A
Parece que adormece sobro os louros da victoria,
00 queem suaslileiras reina alguma desharmonia.
O diabo nao tao feio como o pintam, assim
er muita gente ; at esta data tem falhados os
prognosticos de tempestades, de que as aruspces
polticas baviam previsto a exploso no campo da
liga.
Todava compre eaofessar que ha algum des-
mantelo as suas fileiras.
O Mercantil no seu segundo numero declara
por ter ouvido de pestoa fidedigna que : Os li-
yiieirus desliifiraM-sa....
Tudo entretanto concorre para um desfecbo, que
nao se ha de fazer esperar.
Anda bem nao tinha cessado de todo o desa-
pontamenio em algumas barracas do campo da liga
com a candidatura do Sr. Soares, que por este seu
acto deixou de ser considerado o benemrito do
partido, como era at entilo, nem se descartado da
do Sr. Perdigo, que em prol de sua pretencae of-
ferece honrosos precedentes, e muitos e valiosos
servicos, quandoemuiu bello dia apparece as co-
lumnas do Jornal de MurM, o Dr. Tiburcio Vclc-
riano da Rocha Lins solicitando tambem um lugar
de deputado peloprineiro districto ; elle membro
da familia Calhriros que disp-jc de um collegio de
108 votos na villa do Norte.
Esta candidatura foi um meteoro !!
Appareceu o candidato as vesperas da eleico,
e com uouca demora corra ui Iodos os circuios
que o Sr. Dr. Tiburcio tinlia retirado a sua pre-
tencao por nao adiar apoio nc eleilorado da villa
do Norte cemposto d etc.!!*
Multo perdeu o Dr. Tiburcio to conceito de seus
amigos e attiados com esle acto para alguus irre-
llcctido.
Entendemos que devia elle a todo o transe cor-
rer as vicissiiudes da urna, una vez (e a primeira)
que a ellas se ujeitou.
S razoes mu ponderosas obrigam a assim pro-
ceder-se.
Eutendeo elle que una Ixia retirada sigual de
vaUntia.
Estar ueste (jaso 1
Sernos em faeedo que vai occorreBdo, que ha
um completo desmantelo entre os ligueirds desta
provincia.
O directorio, que o represeotava. ..fujit,cca-
sit, erupit
Parte dos membros pucha para um lado, e par-
te para outro; osSrs. Dr. Jos Angelo e Soares,
uao querendo umadivisao no partido a lano custo
por elles creado e susenlado em diversas |Aases,
e dflieeis > criticas situacocs, fazem de obedecer
dictadura.
Dixem os adeptos, que nao evilaram elle* Sejfla
para se mcrgulharem em Caribydes.
E isto o (jiie geralmente corre de Iwccaem bocea
e a^ que nao se resucita; mais!___
forca confessa-io, o descontentamento visi-
. el, nao pode ser disfar ado por ineio vulga-
res.
O vclho Perdigo nao dc6ktio da candidatura,o
contina, apoiado em seus amigos, a tentar o ulti-
mo esforco.
Quem tem de seu lado a raz&o, o lempo nos des-
cubrir.
Os lbenles dissidentes nao querem a imposicao
de chapa, porque praticar o mesmo que se ceusu-
rava nos outros.
Deise-se ao eleitorado a escolha dos que mere.ee-
rcm represenla-los.
O povo que nao sahe escolher, nem separafo
joio do trigo, idiota.
i-se de outro modo enforca-se a liber-
lantas vezes por elles apregoada e
de setembro foi aqu festejado.
m e cortejo com as formalidades
as noites de 6 e 7, percorreu as ras da ci-
dade um batalbao de meninos do lyceu e pessoas
do novo, precedido da msica do corpo poli-
cial.
Com a chegada do vapor CottuyuM da com-
panhia Bahiana, cspalhou-se o boato da nenia do
vapor Apa, e foi esta noticia dada pelo Diario
das Alagos; mas carece ella de fundamento, pelo
que ouvimos do commandaule do mesmo va-
por.
Esta noticia aqu contada at cora pormenores,
e oriunda de cartas viadas da Baha.
0 coflegio dertoral desta parochia e de Ipica
Temos as seguintes noticias eleitoraes :
I'lll.MEIIlO DISTRICTO.
Collegio de Pao d'Alho.
Conselheiro Paes Barrete.....
Dr. Urbano Sabino...........
4)r. Feitoza.................
A' vista desta votacao reunida do outro colle-
gio que compoe o primeiro districto eleitoral, sao
depulados por elle com' a votacao seguinte, c
aliles :
Conselheiro Paes Barreto.....
Dr. Feitoza.................
Dr. Urbano Sabino...........
WWRM DISTRICJO.
Collegio de Goianna.
Conselheiro S e Albuqueique.
Dr. Souza Carvalho............
Dr. Sil vino Cavalcante.........
Dr. Lopes Netto..............
Esta votacao addcionada a dos domis eollegios
que hontem jemos, completa a eleicao do segundo
districto, sendo portante deputados os senhores :.
Dr. Souxa Carvalho............
Conselheiro S e Albuquerque.
Dr. Sil vino Cavalcante...------
TKHCE1RO DISTRICTO.
Collegio de Santo AtUao.
Dr. Souza Bandcira..........
Dr. Ignacio de Barros........
Dr. Luiz Felippe.............
Conselheiro S o Abuquerque.
Collegio de Serinkiient
Dr. Souza Bandeira..........
Dr. Luiz Felippe.............
Dr. Jos Bento...............
Dr. Ignacio de Barros........
A recapitulaco desses dous eollegios com aditi-
cio da votacao dos deinais j publicados, d o re-
sultado seguinte, considerada a eleicao procedida
na matriz de Ipojuca :
Dr. Souza Bandeira.......... 227
Dr. Luiz Folippe............. 214
Dr. Ignacio de Barros........ 212
Considerada porm de preferencia a elcici
fectuada no convento, o resultado seguinte
Urna correspondencia de Boma diz o seguinte :
O celebre pianista Franz Listx, quo actualmente
se acha habitando no antigo convento dos domini-
cos, no Monte Pincio, foi na poneos dias visitado
ciants a se fzerem'animaes carniceiros, vou es- por S. Santidade, que all foi acompanhado do car-
conder-me, e ad cautelam j raandei abrir um deal Merode e de um ajudanto de cmara, e de
rombo no caes all por perto da ponte Starr com mais algumas pessoas de reconhecida nohreza.
sufficientcs acommodacoes para ter comigo alguns Pi IX quiz sorprender no seu retiro o celebre
emigrados, bem entendido, se acamara, ou quem pianista, que tao famoso se tornou pelas suascoin-
quer que fr, nao me pregar a peca de o mandar posicocs, e especialmente pela sua couvcrso ao
tapar. Tcnbo f, porm, que bao, porque o se- catholicisrao, que tao grande impressao causou em
gredo se ha de guardar. todo o mundo catholico.
Em satisfacao urna representacao do Sr. di-. Listz locou differentes composicoas suas, tanto
rector das obras publicas, foram hontem exped- em piano como em harmnico, e Pi IX parecen
das pelo Sr. Dr. chefe de polica as convenientes gostar muito de o ouvir, e dando-lhe os mais affec-
ordens, afim de que cesse temporariamente a pro- tuosos agradecimentos, disse-lhe :
hibicao cstabelecida de entrarem pela ponte da Tendes um admiravel talento est em vos
Boa-Vista os carros e mais vehculos que daquellc mao fazer sentir aos nossos ouvidos os cantos di-
bairrd"se dirigirem para os de mais da cidade, cm- vinos da esphera celeste, todava, os cantos mais
quanto durar a obra do calcamento da ra da Au- harmoniosos, e as harmonas mais sublimes nos as
rora. ou vi remos um dia l em cuna.
O vapor Mamauguape, chegado hontem, de O Santo Padre apontava jnesta occaso para o
Scrgpe e Alagoas, apenas nos trouxe a missiva do cu com um gesto solemne, o de urna verdadeira
nosso correspondente, que vai em outro lugar. inspiracio.
Hoje pelas 11 horas do da ir novamente a! -----
leilao, porta da Associac;io Commercial, os pre- Publica o Jornal) Porto o seguinte :
dios pertcncentes massa fallida da viuva Amo-; O peridico Tour du monde refere alguns nota-
rial & Filho, servindo de base as maiores oflertas veis rasgos da inteiligencia dos elephantes.
obtidas no leilao do da 10 do corrente. Um jornal de Medras conloa para provar a no-
Rkparticao da poucia '. tavel sagacidad destes animaos um faci qne se
Extracto da parte do dia 11 de seterabro de passou nopaiz dos Perraaus e cuja responsabih
1863.
Foram recolhidos casa de detengao no dia 10 toria.
do corrente :
A' ordem do sulxlelegado do Recife, jitonio
Fcrreira da Silva, branco, como cmplice era cri-
me de roubo.
noviiiipa to da alfandega
Volumes entrados com fazendas
> com gneros
Volumes sabidos
com fazendas
com gneros
2f
574
-----601
A' ordem do da Boa-Vista, os crioulos Simplicio animal evitando que o moco encarregado de o ser-
Veira Ramos, por crmc de defloramento ; Catha- vir lbe cerceasse a racao em sen proveito.
ria Quaresma, por brga e Insultos, e Joaquim, Tudo foi muito bem a principio, mas no fim u
pardo, escravo de Manoel Pedro Cardoso Vieira, algum tempo descobrio-se que o arroz do elephan-
por crime de furto. te diminua rpidamente, e mandou-se ehamar o
O chefe da 2* seccao. guarda para o interrogar sobre este assumpto.
/. O. de Mezquita. | O hoaiem defendeu-se como pode e terminou
Movmento da casa de deteneao no dia 10 de com a mais natural indignado :
86
1,213
-----1,299
Descarregajn no da 12 de setembro
Barca francezaColignycemento.
Barca portuguezaDespique 11= ceblas e albos.
Patacho nacionalJaboato farinlia e mais g-
neros.
Importado.
Vapor nacional Mamanguape, vindo dos portes
do norte, manifestou o seguinte :
DoCear.
28 saceos com 204 arrobas c 13 libras de caf,
5 caixoes com 3,000 rapaduras ; a ordem.
Do Acarac.
10 saceos gomma de mandioca ; a Guedes &
Gonc,alves..
De Maco.
4 surroes com 6 arrobas do carne secca, 5 sac-
eos com 16 arrobas de cera de carnauba; a Jos
Lucas Soares R. Cmara.
70 coaros salgados, 1 garajo com 8 arrobas de
carne secca ; a Cunta Irmos & C.
350 couros miudos; a BernardDo Jos Mon-
teiro.
1 barrica com 2 arrobas de carne secca; a Jos
passou uu pan uus reuuaua c vuj niivu~... ai., I.'.rmnde-
dade fica cabendo ao primeiro edictor da bis- A,;y Jn0a^6 ambas de ^e secca : a Ma-
noel de Souza Carneiro Pimpao.
1,470 couros miudos, 1 caixo com 10 libras de
manteiga ; a Manoel Jos da Silva Grillo.
1 caixao com apparclho a Francisco Alves Mon-
teiro.
Hecebcdorla de rendas internas
geraes de Pernambuco.
Rendimento do dia 1 a 10. 8:5374457
dem do da 11......... 4:2904728
O divn mandou Nagercoil um elephante para
ahi empuar madeira para edifica^oes, o pediu a
sposa de um missionarkt residente oeste lugar
que tivesse a bondade de vigiar a alimenlacao do
setembro de 1863.
Existan!. .
Entraram.
Sahram .
401 presos
4
A saber
Exstem...... 396
Nacionaes.....
Estrangeiros...
Mulliores......
Estrangeiras...
Escravos......
Esc ra vas......
Dr. Herculano.............. 222
Dr. Luiz Felippe............ 209
Dr. Ignacio de Barros........ 207
OT.UtTO DISTRICTO.
Collegio do Carama.
Votacao lquida.
Dr. Jos Leandro de Godoy c
Vasconcellos.............. 80
Dr. Francisco de Paula Baptista 39
Dr. A. Epaminondas de Mello.. 20
Dr. Jeronymo Villcia de Castro
Tavares.................. 1
A fregueza da Bapoza, que pertence ao collegio
supra, foi tomada em separado, mas sendo a vota
cao liquida e legal deu o seguinte resultado :
Dr. Godoy.................. 13
Dr. Epauiinoudas............ 13
Votacao em separado de eleitores alm do nu-
~Dr." Godov~. .................. 3
Dr. Villea.................... 3
Votacao de um supplente que foi chamado em
lugar de un eleitor nao qualificado :
Dr. Godoy .................. 1
Dr. Epaminondas..'.......... 1
Foi prvido por portara de 10 do cerrente-
no lugar de oppostor das cadeiras do Curso Com-
merctal Pernamburauo o Sr. Juveniano Fernandes
da Silva Manta, nos termos do artigo 17- do rcgu-
lamento de 29 de fevereiro de 1860.
OSr. Silva Manta lilho do mesmo Curso, onde
fez seas estados com distincto aproveitamento, ob-
lendo cm seguida carta de babilitaro.
A via frrea |iroduzio em seus differentes
ramos de receila no mez prximo passado, a quan-
tia de 17:5995437.
Os concerios da |>onte da Boa-Vista vio com
una morosidade, que para admirar; o que se tor-
na lauto mais pasivo! quanto de presente acha-sc
o transito dos carros desviado e por um lado em
que se atolara em arela com incommodo e prejuizo
daquelks a quem perteiiecui.
L' para desejar, |iois, ijue se terminem quanto
antes esses reparos, am de restalielccer-se pela re-
ferida ponte o transito de entrada e saluda, urna
vez qne j otmnrimm os tralialhos do calcamento
da ra da Aurora.
Em data de 3 do corrente, escreve-nos de
Guianna um nosso assignaate, aecusando falta de
receliiiiunto de seus Diarios pois apenas receben
.18 nmeros do mez prximo passado.
Semlo a remessa feita com a pontualidade do
coslume por esta empreza, ao digno Sr. adminis-
trador pedimos as devidas providencias para sanar
o al.uso de que se queixa o Sr. Eustaquio Constan-
tino Redevivo.
Damos a carta do nosso eollaborador :
^Compadre.O desenvolvimiento moral desta por-
eotiaha de genero humano corre tao arrojadico
nesses ltimos lempos, que vai deixando os fojsseis
em completa e ineffavel pasmaeera.
E' um gosto ahi v-los de queixe banda sem
tugirem nem pestauejarem, entertelados e tisos co-
mo um busto de gesn do pmpo de Waterloo.
Nao para menos, o mundo mardia, c aqui, a
excepcao das esganicadas objuigatonas4as velhas,
corre a vapor n'uma progressao admiravel I
Nao temos anda, verdade, um asylo para a in-
fancia desvalida, a qual se cria algures no leitc da
crpula ; mas isso de pouco cuidado, porque essa
pobre gente, como o cisco que volteia em cima
d'agua, ha de por im fazer caneca, e envolver-se
na torrente do progresso humanitario.
Tambem nao temos systema de ensino primario,
simples e adequado as intelligencias dos meninos;
mas isso vira, como o annuncia urna epidemia de
grammatcas, urnas lillas das outras, e portante
com as mesmas predispoecoes originaes.
Da mesma forma nao temos thealro, porque a
castracao do existente, ainda em estado de infante,
o reduzo a urna cousa tao deforme quo bem se po-
de comparar com aquelles msicos celebres ita-
lianos da capella imperial, verdadeiros homens-
zarroes as formas visveis, e meninos de 10 dias
adioromingarquando cantam ou fallam I
Mas, compadre, em troca de tudo isso, temos
poetas a valer, litteratos de pulso e urna chusma
de commerciantes progressstas e progressivos, tao
amigos do prximo e em geral de todo vvente, que
por amor dellcs so vo methamorphoseando ora
em araras, pavees, aginas, gallos epatoris; ora
em ledes c elephantes, veados e em quanta bicha-
ra antidiluviana scescafedeu da arca de o para
povoar a torra e os ares!
Felizmente ainda nenhum se quiz transformar
em tubarao, que a se dar isso, estaramos cercados
Um mariqve, e a nossa desgraca sena anda peior
do que a do Mxico, onde a plvora e a bala fran-
foram escrever cm caracteres de
285
26
10
3
68
4
396
v5o fez passar o presente, pelo qual chamo e inti-
mo ao referido justificado para que compareca
dentro do dito prazo.
Recife, 4 de aposto de 1863.
En Adolpho Liberato Pereira de Oliveira escri-
vao-lnterino o subscrevi.
Tristao de Alencarr Aratpe.
Tribunal da relajo.
FeMos parados a" secretaria da re lacio por tallado
. pagamento do respectivo preparo desde 1 de
jtaeirt do cerrente at hoje.
Aggravo de instrumento do jnlz municipal de Se-
rinhaem,
Aggravante, Francisco de Barros Wanderley;
aggravado, juiz.
Aggravo do juiz de paz da Boa-vista.
Aggravante, Joao Francisco Saraiva ; aggravado
o juizo.
Aggravo do juiz de paz da Boa-vista.
Aggravante, Joao Francisco Saraiva ; aggravado,
o juizo.
Aggravo do juizo de ausentes do Recife.
Aggravante, o cnsul de Portugal; aggravado o
juizo.
Aggravo do juizo da fazenda.
Aggravante, Jos Marcelino Alves da Fonseca ;
aggravada, a fazenda provincial.
Aggravo dojuizde capellas desta cidade. .
Aggravante Augusto Adolpho Wanderley Lias ;
aggravado, o juiz.
Appellaco civel do juizo municipal de Porto Calvo.
Appellante Ernesto Augusto de Manguaba e Sil-
va e sua mulher ; appellada D. Mariana Joaquina
Accioly Wanderlev,seus Albos e outro.
Appellaco civel do juiz municipal de Bananeiras.
Appellantes, Jos Barroso de Carvalho, e outros ;
appel lados, Manoel Januario Bezerra Cavahjanli o
scus filhos.
Appellaco civel do juiz municipal do Cabo.
Appellante, Jos Victorino de Paiva; appellada,
D. Mara Rita de Mello.
Appellaco civel do juiz municipal de Flore.
Appellante, D. Mara Francisca dos Santos ; ap-
pellados, Manoel Joaquim Liraoeiro e sua mulher.
Appellaco civel do juiz municipal do Grato.
Appellante, Barbara Francisca de Jess; appel-
lado, Manoel Francisco da Cruz.
Appellaco civel do juiz municipal de Caruar.
Appellante, Joao Salivador da Cruz; appeilado,
Domingos Ferrcira da Costa.
Appellaco do juiz municipal desta cidade.
Appellante, Paulina Maria Bastos ; appcilado An-
tonio Goncalves da Silva.
Appellaco civel do juiz municipal do Grato.
Appellante, Joao da Cruz de Jess ; appellados,
Francisco Cabral de Vasconccllos, e sua mulher.
Appellaco civel do juiz da fazenda das Alaftai-
Appelante, Dr. Jos Angelo Marcio da Suva ;
appellada, a fazenda publica.
Appellaco civel do juiz municipal do Limeeir-
ppelante, o bacharel Antonio Joaquim de Fi-
guereido Seabrajcurador dos menores filhos do fi-
nado Antonio Barbosa de Souza e sua mulher ; ap-
pellado, o conego Joo Bcrnanuvem Maciel.
Alimentados custa dos cofres pnblico6.. 173
Movmento da enfermara no dia 11 de setembro
de 1863.
Tivcram baxa : |
Damiao Goncalves Rocha, rheumatsmo.
Manoel Francisco do Nascimento, contusoes.
Teve alta :
Ignacio, escravo, Sentenciado.
Passageros do vapor nacional Camaragibe
vndo de Macei : I^uiz Francisco, Joaquim L.!
Marques Guimaraes, Paulino Rodrigues de Barros,
Felippe J. Cardoso, Manoel Joaquim Peixoto, Dr.
Antero Manoel de Mederos Furtado.
Obituario do di.\ 11 de sETRMBRoxocEmTERro
publico : *
Antonio, Pernambuco, 14 mezes, Boa-Vi. inflan-
Antonio Ia'o de Mello, Pernambuco, 6S_anno,
viuvo, S. Jos, ascitc. \
Raymundo, liberto, frica, 30 annos, soltciro, Ro-
cife, cholera.
Innoeencio Jos de Oliveira, Pernambuco, 20 an-
nos, soltero, Recife, gastro-encephalite.
- Mnha senhora, quem se atreve a snppor que
eu seja capaz de roubar o meu pequeo ?
O elephante que o eslava mirando maliciosa-
mente, estendeu sbitamente a tromba e despejou-
lhe da algibeira urna grande quantdade de arroz
que all eslava. v .
Ha principalmente a notar neste caso a malicia
do olhar clepbantino, siugular pheoomeno sobre o
qual ficamos medtau lo.
Da Nardo extrahimos o que segu:
Os geueraes do exercito federal allemao tem es-
tado agora a impeccona-lo e, segundo os dados
que remetteram Dieta de Francfort, urna forca
muito mais importante do que geralmente se jul-
gava.
Compoe-se de 734,599 horaens, 112,131 ca-
vallos. ,
Descontando a parte com que se nao pode con-
tar para a guerra, tica reduzido este exercto a
526,000 soldados de infantera, 76,471 de cavalla-
ria, com 170 bateras, que tem 1,226 pecas de cam-
panha, e 276 de sitio.
12:8285185
Consulado provincial.
Rendimento do da 1 a 10. 13:4445326
dem do dia 11......... 1:1115789
145565115
MOVMENTO do porto.
Navio entrado no dia 11.
Maceiii24 horas, vapor nacional Camaragibe, de
184 toneladas, commandante Francisco Jos da
Silva Ralis.
Nao houve saluda.
UM POUCO OE TUDO.
Do Petit Journal traduzimos o seguinte, que se
l nos jomaos de Vienna sb o titulo de mu acto
de Justina do imperador d'Austriu. :
Quarla-feira dirigindo-se o imperador Francisco sa|as.
A Russia faz os maiores esforcos para dar
grande desenvolvimento marinha militar.
No dia 15 de julho a esquadra comprehendia
38,958 marinheros, 3,624 offlcaes e 90 gene-
raes. _.
Tora 245 vapores de todas as cathegonas, e 71
navios de vela.
M
As not^-ias da Turqua affirmam que pioseguem
ali com a maior actividade os preparativos milita-
res de mar e tena.
O governo qur eslar prompto para qualquer
eventualidade.

Est-se organsando em Paris urna nova empreza
para facilitar a moda, que ali se tem introduzido,
das representacoes em casa.
As companhias para este fim sao difficcis de
organisar e mais anda de dirigir ; mas pa-
rece que um antigo actor trata de formar
urna especialmente destinada a representar as
EDITAES.
Jos a Reichenan para urna cacada, encontrou em
camin una rapariga com "os vestidos rolos e
desfeita em lagrimas ; e mal S. M. a apereebeu.
parou o cavallo e raquerio a causa de seu pranto ;
ao que respondeu a misera, que sendo vendedora
de cerejas, acabava de ser ultrajada, passandopor
um odioso alternado. I
O mseravel, accrescentou ella, pozera-lhe
nina faca aos peitos, e em seguida tinha-a despo-
jado de todo o scu possuido, que andava por qua-
lio ftorins.
Por mil francos tem-se comedia em casa; e para
o futuro ha de ser provavehnente mais barato,
podendo atente, nos seus dias festivos ou de bom
humor, mandar pedir actores a casa do empre-
sario, como hoje manda encommendar sorvetes e
bolos.
Urna comedia para amanhaa, s tantas horas, na
ra de tal.
E nos convites que se fizerem aos amigos, pode
accrcscentar-se no fim com comeda.
urna excediente idea!
Que caiunho tomou o scelerato, replicou vi-1
vamente Francisco Jos, c que signaes tem elle ? nava em Hespanha em 1833, segundo um jor-
Dadas as nformacoes pela rapariga, o impera- na| ac Madrid, que se refere a dados eslatisticos
dor poz-se pista do criminoso, e so cessou as suas' uo rcpuIa exactos, 37 ordens religiosas do sexo
pesquizas quaudo reconheceu-lhes a nutihdade I raasCulino com 1,8:14 casas de commundade ou
absoluta. Mas nao ficou ah S. M. ; ordens ternu-' conventos, e 31,270 individuos.
uautes foram dadas a polica para a apprebensao I Era 1359 havia ordens religiosas, com 41 con-
do cul|iado o qual, depois de dous dias de mees- ventos, que contadm 719 frades.
santcs buscas, foi agarrado e entregue justica,
apezar de uao ser novico na carreira do crime."
Quanto desditosa rapariga, recebeu domonar-
cha um donativo de uatureza tal, que se nao tem
torca de fazer-lhe esquecer suts penas, ao menos
servir para aligeira-las.
'A-
Do Fimro traduzimos o seguinte :
l'ma das manas do nosso tempo querer-se ser
alguma cousa.
Ter um titulo o souho mais acariciado..
Membro da sociedade lvrica dos Eilhos
pollo.
Mendiro da Sociedade das Bellas-Artes.
Mcmwod'aqui.
Memore d'acol.
Cavalleiro desta ordem.
Cavalleiro daquella outra.
L'm empregado do ministerio de
No mesmo anno havia 412 religiosas exclaustra-
das cujas pensos importavam em 715,578 reales
sendo a provincia de Badajoz a que tinha maior
numero, porque tinha 103.
Em Madrid havia s 26.
As religiosas que a Hespanha coma va nesse
anno de 1859 eram 12,990, e segundo a or-
ganisaeo de communidades pode montar a
1,862.
A diocese em que havia maior numero de con-
ventos era a de Toledo, que tinha 115 com 2,587
religiosas.
O total dos conventos de freirs era entao de
866.
Nesse referido anno havia 38^563 sacerdotes;
de modo que, sendo a populaco de Hespanha
15,464,340 habitantes, resulta haver por cada sa-
cerdote 401 almas.
e vice-pre-1 Qs sacerdotes do clero cathedral classificavam-se
sidentc de urna sociedade promotora dareproduc- assim segundo essa estatistca : 53 prelados ; 280
cae dos animaos. dignidades; 769 couegos; 889 beneficiados, 206
Ora, como mettem-no a bulha, elle procura Capelles serventes; 16,988 parochos e ecnomos;
e, ha pouco, dizia so- .33 coadjutores e curas; 10,168 clrigos secu-
mettem-n o
mostrar a sem razio disto
ore. tal :
Vos gracejis f Mas garanto-vos que nao
urna sinecura !
Do Charivari traduzimos o que segu :
Conheceis a D*** o vaudevilista de cabellos
hrancos, e antigo empregado de urna reparticao de
seguros ?
i: um sucio de faca e calho, como dizia Gil
Prez.
Elle nao pode star tres minutos assentado sem
dormir.
Oh I urna enferniidade. Onde adquirisles
este coslume de sempio dormir as cadeiras ?
as reparti<;oes, respondeu D'".
lares c regulares adstrictos s parochias das dio-
ceses ; 3,414 exclaustrados sem nenhum cargo ec-
clesiastico as referidas dioceses.
I
PUBLICARES A PEDIDO.
circo DE
SPALD1XG & ROGERS,
Pergunta-se aos directores deste circo, qual a ra-
zad por que tendo elles estado no Rio de Janeiro,
Montevideo, Buenos-Ayres, etc., nunca elevaram os
De Olinda solicitara-nos a publieacao da seguin- preces das cadeiras a mais de 25 e platea a 15,
te poesa, suscitada por urna partida all dada no
dia 5 do corrente pela offlcia.'idade do quarto bata
lliao de artillara a p :
11 M ma do baile.
Foi aquella que trajou de cana a cr<.
Bem tal hado vestido, matizado,
De rxas palmas soltas, qnal um co,
Sereno, de vero, bem estrellado.
ceza foram escrever em caracteres de sangue a
palavra civllsacSo !... Abrennntio I
Vi ha poucos dias um poeta que nao estando VnXte%A. tambera rxa na cintura
K^^s^ess^Ttanai^chorava i^^w pSissffi
O one Sr '' Fluctuautes corriam t as plantas.
Juro pelas saudades da vossa infancia.que nun- QQaes de "* flhas duas P"^"33-
ca o haveis advinhar.
Sabis em que se quera virar o poeta T
Sursum corda '.... em.....sino !.... Shn, cm sino n hrilh
demjava elle poder virara para, gosto badalar S.K^ftw^l'tt
as orelhas de urna pobre ereatura, a qual o anjo
da guarda teve forfa bastante para se livrar desse Seos olhinhos eram prcios, matadores,
martyrio cruel. Suas faces nacaradas, que belleza f
J vistes quererle tanto bem assim ? Pois era EDtre os labios, cor de cravo, bem se viam
o bem qne elle qaeria a sua amada. Pcr'las finas, meu Dos I oh t qne riqueza f
Em guarda, pareciam collocadas,
A thesouro divinal, cofre sagrado ;
Ou entao, raios dous de sol brilliantt,
Quando face do mar contemplado.
entretanto que nesta provincia tem augmentado
mais 50 / I Nd entendemos ser conforme da
maneira que os Srs. directores estabelecem seme-
bante exorbitancia, a eremos me attndero a esta
reclamaeo, que nos parece tanto justa quanto ra-
zoavel.
Utu dildtanti pobre.
O Dr. Hermogcnes Scrates Tavares de Vasconcel-
los, juiz municipal da 1* vara nesta cidade do
Recife por S. M. I., etc. t
Faco saber aos que o presente edita! virem, em
como Antonio Domingos Pinto, me inderessou a pe-
ticao do theor seguinte :
'tllm. Sr. Dr. juiz municipal da 1* vara.-Diz An-
tonio Domingos Pinto, commorcianle estabelecido
com loja de trastes nesta cidade, que-qur fazer
citar a Joaquim de Souza Valle, para fallar aos
tarmos do um lihello civel cm que Ihe pretende
pedir a quantia do 373,6500 que Ihe est a dever o
supplicado de aluguel de trastes e de importancia
de outros que tendo sido alagados deixou o suppli-
cado de os entregar, como tudo ser melhor expos-
to no mencionado libello. E porque o supplicado
se acha ausente em lugar incerto e nao sabido e
tendo j sido para aconeiliaco justificadasuaausen-
cia e julgada esta por sentenea como se mostra pe-
lo documento junto; requer o supplicante :i Y. S.
que dispensada a justificaeo dessa ausencia neste
juizo, se sirva de mandar passar carta de editos
com o prazo da lei, afim de ser por ella citado o
supplicado para dito fim, ficando deste logo citado
o supplicado para todos os demais termos da mes-
ma aeco at final sentenea e sua execucao, pqpi
de revelia.
Pede V. S. deferimento e receber merc.
Advogado Martins fibetro.
Nada mais se continha dita pelicao a (|ual sendo-
me apresentada, nella dei o meu despacho se-
guinte :
Destribuida.-^Citc-sejja forma requerida.
Recife, 2 de setembro de 1863. Tatures di Vas-
concellos.
Em virtude de dito meu'despacho, e tendo sido
a accao distribuida, o escrivao fez pastar o prose-
te, por bem da qual o seu theor mando a todas as
pessoas, prenles, amigos e conliecidos do dito Joa-
quim de Souza Valle, ibes facam aviso de que pelo
presente citado para fallar aos termos de um li-
bello civel que Ihe vai propor Antonio Domingos
Pinto, afim de que 110 prazo da le compareca nes-
te juizo por si ou por procurador afim de alegar a
sua defeza sob pena de se proceder a sua re-
velia.
t para que chegue ao conhecimento de todos,
mandei passar a presente, que ser publicada e
afixada no lugar publico do costume.
Dado c passado com o prazo da lei, nesta cidade
do Recife de Pernambuco, aos 4 de setembro do
anno da Nascimento de Nosso Senhor Jess Chrsto
de 1863.
Eu Pedro Tertuliano da Cunha, escrivao o es-
crevi.
Hermoqenes Scrates Tarares de Vasconcellos.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, olicial da impe-
rial ordem da Rosa, e juiz de direito especial >\o
coinmercii) desla cidade do Recife c sen termo,
capital da provincia de Pe namhueo, jiorSuaMa-
gestade Imperial e constitucional o Sr. D. Pedro
II, que Dos guarde, etc.
Fa0 saber aos que o presente edital virem e del-
le noticia tiverem que por parte de Jos Joaquim
Lopes de Almeida. me foi dirigida a peticao do
theor seguinte:
lllm. Sr. Dr. juiz do commercio.Diz Jos Joa-
quim Lopes de Almeida, que havendo obtido a sen-
tenca junta contra Jos Maria de Carvalho Jnior,
por si e como tutor dos menores Mara Jovina Be-
zerra de Mello, Flix Bezerra de Mello Leilao, Can-
dida Rosa Bezerra de Mello, herdeiros da mulher
do dito Jos Maria de Carvalho Jnior, acontece
que este se acha ausente em lugar incerto e nao
sabido pelo que se Ihe nao pode intimar a referida
sentencia, afim de se proseguir nos mais termos da
' execucao.
Nestas circunstancias o supplicante reqner V.
S. digne-se admitti-lo a justificar a ausencia do
supplicado afim de que seja esle citado por editaos
para todos os termos da execucao sob pena de re-
velia.
Nestes termos requer e pede V. S. deferimento
e receber merc. O advogado Joao Francisco Tei-
xeira.
E mais se nao continha em dita peticao aqui co-
piada, na qual dei o despacho do theor seguinte:
Para a justificaeo marco o dia 11 do corrente
mez as 12 horas da manhaa.
Recife, 9 de julho de 1863. Alencar Araripe.
E mais se nao continha em tal despacho aqui tuui
bem e fielmente copiado.
E tendo o justifieanto produzido suas lestemu-
[ nha que declararan! achar-se o justificado ausen-
Appellaeao civel do juiz municipal de Cabe.
Apellante, Manoel Ignacio de Jess ; appeliados,
Antero Vieira da Cunha, sua mulher e sua, mai.
Embargos, de Manoel Goncalves Agr ; embar-
gada a fazenda provincial.
Revista civel
Recorrentcs, Rosalina Fernandes d'Almeida c
seus filhos ; recorridos, Pedro Jos de Almeida e
outros.
Recife, 5 de setembro de 1863.
O secretario da relacao, Domingo Afouso
reir.
Terca-feira 15 de setembro do corrente,
pois de Onda a audiencia do Sr. Dr. juiz de orgaos
ir praca em hasta publica um sitio pertearente
aos herdeiros do finado Jos Maria da Costa Car-
valho, sito na estrada de Joao Feraaudes A'ieiri,
por execucao que contra os mesmos movem Goi-
marlies, Souza & C, pelas 11 horas da mabfeia.
Arremata?!*, \
Quarla-Teira 16 do torrente, depeis daa*e-
ria do tllm. Sr. Dr. juiz municipal da seg;
ter lugar a cnntiiuiacao da arrematar de
sos escravos perteucentes a heranra do
Fernando da Cruz, os quaes vo i .rara pa
(jmenlo dos rredores da mesma bcranr
* CIRCO
GRANDE OCEAftf
SPALDW6
& ROGERS
Car/es J. Rogis. v.
<^
A coiuposicao aaacahoita peitoral de
Kemp. I te em lugar incerto, sellados o preparados os autos,
Alegrem-se todos aquelles que por espaeo de au-1 subiram a minba conclaso, e netles dei a senten-
nes Inteiros teom vivido agoniados e afflictos petos ca do theor seguinte :
sofrimentos da asthma e dos bronchites. Este ex-1 Hei por justificada a ausencia de Jos Maria de
cellenie e inoffensivo remedio vegetal ataca promp- Carvalho Jnior, que se provoa estar cm lugar ra-
tamente com invariavel seguranca essas molestias,, certo; e mando que seja citado por editos de 30
mesmo m* sms peiores formas. A arvore d'onde dias para o fim requerido a lt. 23. E pague o usti-
0 co balsamo extrahido tem sido verdadeira- ficante as ctistas.
mate a ARVORE DA VIDA para milhares de pes- ReoMte, 3 de agosto de 1863.TristSo de Menear
soas que padeciam das affeccoes dos pulmdes e da' Araripe.
garganta. Limpa e faz remover todas as mucosi-! E mais se nao continha cm dita sentenea *-~t* GrandV
ades acumuladas nos vasos bronchlos, fortifica a I copiada, em cumplimento d. qual o referido es .-l las dama^^H
L W. Rnggles. <\
Lehmann.
Director dafmsicaJulien Wvette
uarda QbupaTom Moore.
eiro James Fuqua.
achinistaR. Me. Cormick.
A estradas/representacoes sero execntadae no
porttil ampbJRtbeatro, no Campo das I'rDcezas.
I* de setembro
principiatfi s 7 >/i horas da note precisamente a
chegada *e S. Exc. o presidente da provine* as
portas esltaro abertas as 7 horas em ponto; cora o
SGIN7E PRO&RAMMA
PRIMEIRO.
Sa/^sBo/oH/f-pela companhia, terminandoeom o
SEGUNDO
Salllo mortal duplo f debut)Gulherme Itofttnda
TERCEIRO.
Ei(uitarao gytnnastica os irmos ToBrniaires.
QUARTO.
Escoda encantada (debut) Andrew Lehmann.
QUINTO.
quitara poticaMiss Ka Ormond.
V SEXTO.
GtoHuaslica clstica (debut) os matos Rol-
lndoos.
STIMO.
Eqitacao empello (primeira vez)joven Caria*
Fish.\
INTRVALLO DE 20 WIINUTftS.
OITAVO.
A corda teza, Prematura (debut)la petitte Ao-
NONO.
A corda teza, extraordinaria (debnt) Andrew
Lehamann.

./
i
A
y<
DCIMO.
La ZingareUa (debut)Miss Kate Ormood & Sra
l^ebmann. .
DCIMO PRIMEIRO.
O cavallo hiramintroduzido pelo director.
DCIMO SEGUNDO.
Canna'"^ ""'^ (debat) ~ Aa** Cm4* do
I'W
DCIMO TERCEIRO.
O honum de borracha Wilai Duverna.
DCIMO QUARTO.
O torneio ou os das dettjt$Maria fnrinMfe* *.>
Urna scena do tempe i EZ^Stegt
SSwSTI^ C apparen' ^'"'lando eiSS.
des fetos de homens e cavetos, sexuado os
mes dos tempo passado'
PROTCIPAE8 INCIDEHTES.
i bravos, be_^
IL6VK1


Diarto e Pvramikiiee aW>ado lt de *er* de 1S3.

_. Comliate espada e escudo entre orto bravos
caraBairos.
3. Os arautos.O des_io.-*:Combate entre o ca-
valleiro preto e o eavalleiro branco.
4.* Jogo de argolinha e da azagaia.
3.* Coraco do vencedor.
6. Grande luta entre quatro peritos cavalleiros.
Morte do eavalleiro branco e de sea nobre ca-
valto.Remocao do cadver do eavalleiro vencido
e do seu cavalk) Bucephalus.
PR EBIOS
Urna casa
Olinda.
COMO SEJAM :
de sobrado na roa de
S. Bento era
y O escriotorio dos bilhetes estar aberro pa- Un dita de dous andares o sotSo na ra da Cruz
- :-taugurac5o das
s 10 horas da manhaa em
nnos, sendo a inangurac^ das do Reclfe n. 38.
representac,5es, boje
ponto.
As representaoes terao lugar todos os
Sabbados
Domingos
Terom
Quintas
Comecando s 7 V horas precisas.Podas abor-
tas as 7 em ponto.
Domingos de tarde
comecando s 4 horas em ponto. Portas abertas s
3 V em ponto.
Aviso particular.
As pesfoas que comprarem bilhetes no domingo
deiwao menciouar se sao para de tarde ou de mi-
te, pois que es bilhetes s servem para as repre-
sentaoes respectivas.
Lemranca
AMANHAA, DOMINGO
(^ DUAS ,__*
Ri:riii:si:\r\,i:**
de
Um grande armazem na ra do Apollo n. SO.
l'm sitio na ponte de Ucha cora grande casa
sobrado.
Um dito no mesmo lugar eom casa terrea e sotao.
Umdito na Passagenida Magdalena com casa di-
vidida para dous inqnilinos.
Sabbado i 2 do corrate s H horas em poni.
A' porta da assoclaco Com-
inero ia I.
O agente Pinto levar novamente a leilo no dia
e hora cima dito os predios supra-raencionados,
pertencentes a massa fallida de viuva Amorim 4
Filho, servindo de base as maiores offertas obtidas
em leilao do dia 10 do eorrente. I
Finas
DE
e barris de viulio de Lisboa.
Segunda-fe ira 1 i do eorrente.
Eozebio Raphael Rabello far leilao por inter-
vencio do agente Pestaa para fechar factura de
porco de barris e pipas de vinho de Lisboa mar-
cas JB e CV em lotes vontade dos compradores
HOSARIO-3
Francisco Pinto Ozorio contina a col-
locar dentes artillciaes tanto por meio de
molas como pela pressao do ar, nao re-
cebe paga alguma sem qne as obras nao
qucm a vontade de seus dooos, tem pos
e outras preparagoes as mais acreditadas
para conserva$ao da bocea.
A connandlla.
Nao podendo os administradores da massa falli-
da da commandita funecionarem sem que antes
recebam o competente titulo, que a copia da acta
da reunio em que foram nomeados ; disnem-se os
segunda-feira 14 do eorrente pelas 10 horas da credores que por si ou seus procuradores estivc-
manhaa no armazem do Annes onde pode desde ram presentes e votaram, de ir ao cartorio do es-
j ser examinado e o agente espera a concurren- crivao da dita fallencia, Manoel Mara, assignar a
cia de sens freguezes e amigos amantes da boa
pinga para poderem pechinchar.
A'S 7
USA
AS 4 DA TARDE
ocnu
DA NOITE.
AVISOS DIVERSOS.
Assoclaco Typograplilca Per-
nambneana.
Domingo. 13 do eorrente, haver sessao extraor-
dinaria doconselho, no lugar e hora do costume.
,. Secretaria da Associaco Typographica Pcrnam-
f^* Os bilheteiros estarao presentes no es- bucanail de setembrode 1863.
criptorio do circo as 9 horas da manhaa, e os con- : 01 secretario, Guilherme Canejo.
tinnos eporteiros aehar-sc-ho tos seus postos para
mesma acta, afim de poder-se
as respectivas copias.
extrahir e remetter
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da ra
de Aguas-Verdes n. 100, com bastantes coramodos
para familia : a tratar na rua Direita n, 10.
recebercm ordens hoje s 6 horas da tarde.
W. T. B. Van-Orden Jnior,
Secretario.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Xavegaco costelra vapor.
Maeei e escalas
O vapor Mamanguape comman-
daitte Moura. seguir para os
portos cima indicados no dia 13 gos uma hora depois da
do eorrente as 5 horas da tarde. A
carga ser recebida at o dia 14
ao meio dia, encommendas, passageiros c dinheiro
afrete at o dia da saluda as 3 horas: escriptorio
no Forte do Mattos n. 1.
LOTERA.
Quarta-feira 16 do eorrente se extrahir
a segunda parte da segunda lotera da Santa
Gasa da Misericordia.
Os bilhetes e meios bilhetes acham-se
venda na respectiva thesouraria, ra do
Crespo n. 15, e as casas commissionadas
ra da Imperatriz n. 41, loja do Sr. Pirnen-
tel, ra Direita n. 3, botica do Sr. Chagas,
e ra da Cadeia n. 45, loja do Sr. Porto.
Os premios de 5:000/ at 10$ sero pa-
extraeco at as 4
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Espera-so dos portos do norte at
o dia 16 Uo eorrente o vapor Cni-
zeiro do ShI, commandante o ra-1
pito de mar e guerra Gervasio
Mancebo, o qual depois da demo-
ra do costume, seguir para os portos do sul.
Desde j rocebem-so passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, enfom-
mendas e dinheiro frete at o dia da sahida s 2
horas: agencia na da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevcdo & C.
/ coupmhia
' messageris&mperiales.
At o dia 14 do corrento espe-
ra-se da Europa o vapor francez
Guicnite, commandante Enout, o
qual depois da demora do costu-
me seguir para o Rio de Janei-
ro tocando na Babia, para passagens etc., trata-se
na agencia ra do Trapiche n. 9.__________________
horas da tarde, e os outros no dia seguinte,
depois da destribuiejo das listas.
JO thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Ainda est por se alugar o
segundo andar do sobrado n.:
44 em a roa da Aurora : quem a:
qui/er, dirija-se essa mesmo!
ra, casa, n. 10.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
QITETES A VAPOR.
Dos portos do sul esperado at
o dia 14 do eorrente o vapor To-
rantins, commandante o-primeiro
tenente Pedro Rypolito Duarte, o
qual depois da demora do costu-
me seguir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser "embarcada no dia de sua chegada: encom-
memlas e dinheiro a frete at o dia da sabida as 2
toras, agencia ra da Cruz n. 1. escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
CASA DE SAUDE
Em Santo Amaro
Do Dr. Silva Ramos.
nico estabelecimento dcsta natureza
que existe entre nos, montado do modo
que pode com todo o commodo e zelo tra-
tar qnalquer doente, que nella seja reco-
lhido.
O edificio 6 magestoso c conserva-se
em perfeito estado de limpeza e conve-
nientemente mobiliado.
Os uoentes sao separados, segundo os
sexos, natureza das molestias c condicSes
sociaes.
Ha quartos fortificados para os aliena-
dos, e uma enfermara para as partu-
rientes.
O proprictario cncarrega-se de qual-
quer operaeao.
O estabelecimento franqueado qnal-
quer pessoa que o queira visitar.-
Priraeira classe 3_OOOdiarios.
Segunda dita.... 25300
Terceira dita.... 2,5000
Para que qualquer doente sejaali rece-
bido, basta que se mande o nomo do doen-
te e da pessoa que o remette, com a de-
rlaracao da morada.
O proprietario aceita contratos Minaos
com qualquer que queira ter um ou mais
leitos sua disposi.ao.
Lotera
CASA A FORTUNA
O abaixo assignado vendeu em seus felizes >i-
_?__S Pandos sorte de 5005 c outras de
??' u e ** ** ,oteria 1ae se acabou de ex-
trahir a beneficio doGymnasio e convida aos pos-
suidores de ditos bilhetes a virem receber seus
respectivos premios integralmente sem descont
algum em seu estabelecimento Casa da Fortuna
ra ao Crespo n. 23.
0 mesmo tem exposto a venda em sua dita casa
enas outras do costnmeos novos e felizes bilhetes
da segunda parte da segunda lotera a beneficio
da Santa Casa da Misericordia que se extrahir a
16 do eorrente mez e as sortcs que ellos obtiverem
serao pela mesma forma pagas uma liora depois
da extracciio.
Precos.
Rilhetes inteiros..... 65000
Meios bilhetes...... 35000
Para as pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Bilhetes <-. 5500
Meios......... 25750
__________________Manoel Martins Fiuza.
Aluga-se uma sala com dous quartos muito
frescos proprios para os senhores advogados ou
cartorio, no primeiro andar do sobrado da ra do
Queimado n. 41: a tratar na loja.______
COWPTABILIOADE COMNIERCIAL
PELO
DB. WITKUVIO PINTO BANDEIEA
Prefrsser da wgiinda cadfira do Curso Commrrrial fmmhKiM.
WOl'S BELLOS VOLl'lLS EM 8." iKANCIZ
COMPUKmrNBBNDO
O primeiroPrelec^es theorico-praticas de ecrl|tn-
raco^ mereaatil.
O segundo.Vo^oes de aritlimetlca con-
merclal, adaptadas a pratlea das operares com-
merclaes e elementos do systema
metrleo eom suas appllca^es
ao commerclo.
PREgO DE CADA VOLUME 55.
Companhla fidelldat
segaros martimos e ter-
restres estabeleelda no
Hio de Janeiro.
AfiF.NTES EM PEPNAMIIIT.O
Anlonio Luiz de Olivrira Airveie & C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
dc, toiiiam seguros de navios, mercado-
ras e-predios no seu escriptorio ra da
Cruz n. 1.
Ainda est para alugar-sc o sobrado na ra
06 Coelhos n. 10, onde moraram os padres lasa-
ritas.
HsnB
O abaixo assignado avisa pelo presente; que
pessoa alguma faca negocio com Marcelino de Car-
valho. morador na comarca do Rio Formoso com
relacao aos sous bens seguintes :O sitio denomi-
nado Reducto, sito na mesma comarca, e as escra-
vas Felippa, crioula, de idade de -'i aunos. e Jose-
pha, mulata de dade 14 aunos, |iorqiie Ihe eslo
liypothecados por escriplura passada a 2 de outu-
brodc 1862. Ecomo agora conste ao abaixo as-
signado que nma rtessas escravas fora remettida
para a ciilade do Retifo afira de ser vendida e ap-
plicado seu producto ao pagamento dos Srs. Jos
Joaqiiim Gomes de Abreu e Frineisco da Costa
Maia, elle apressa-se era fazer o presente aviso.
protestando contra semcllianto vondi, n-und '
dircito que a le lhe confeojpara garantir a q
ta que lho deve Marcelinoue Carvalbo.
Rio-Forraoso, 30 de agosto de 1863. )
Antonio Francisco Cesar de Vasconrella* Campos.
O padre Flix
Aluga-se um dos maiores armazen's da ra
de ApoUo n. 10 : a tratar na ra da Senzala Ve-1
Iban. 96, padaria. ',
TINTURARA.
Tinge-se com perfeico para qualquer ,j
cor, e o mais barato possivel: na ra do :
Rangel n. 38, segundo andar.____________
Massa fallida de Joaquim Lu-1
ci Monte ir o da Franca
Aos credores.
N0 se verificou a renniao dos credores da dita
massa, no dia 7 do eorrente, para nomeacao do li-1
quidataro, de novo conviJa-se para que compare-1
cara na casa do depositario, ra do Apollo n. 2, no j
da 12 do eorrente s 10 horas da manhaa.
Quera precisar de urna ama para coziuhar, 1
dirija-sc s Cinco Ponas n. 81 __________________'
Os administradores da massa fallida de Joa-,
quim da Costa Maia, tendo entrado no exercicio de
sen cargo, convidara .aos credores do mesmo fal-
lido para que dentro do praso de oto dias do pre-
sente annuncio lhe apresentem seus ttulos afim de
serem verificados e classificados. no pateo da ma-
triz de Santo Antonio n. 2, e no batee Largo nu-1
mero 1 A. Recfe 9 do .setenibro de 1863._______
Fazem-se capas, batinas, barretes, chamarras
e canas viatorias : no boceo Largo n, 2.___________!
Heleodorio de Aquino Fonseca segu viagem
para Lisboa._____________________________________
Maria Adelaide da Conccicao, suljdita por-
tu^ueza, retira-sc para Lisboa.____________________
, Aluga-se a casa terrea n. 9, no principio da
' ra Imperial, com 2 quartos, 2 salas, cozinha (Ara,
I quintal ecaciir.ha : a tratar na ra do Quemado
In. 71.
Esta obra, apezar de elementar, vem prcencher uma lacuna, que era sentida entre nos
onde fallecem escrptos de certas especialidades com accessoa todas as intelligencias ; e as-
sim o editor pensa fazer um ser vico damlo-lhe publicidade, tanto mais quanto hoje, que as
transaceoes commerciaes e ndustriaes vio entre nos tomando notavel desenvolvimento, deve
entrar na edueacao daqnalles (pie se querem apphear a taes ramos da vida o conhecimento
dos principios da comptabilidade administrativa e cnmmercial.
Com este intuito, sob uma forma essencialmente classica, rcuniu o Sr. Dr. Witruvio os
principios da comptabilidade conimercial no que, tem elles de mais elementar, e coordeuou-
os de modo a facilitar o mais possivel o seu estudo s pessoas que se destinara s profissdes
commerciaes, sendo taes a conciso e a clareza postas no desenvolvimento respectivo, que po-
de-se aprender a materia, chegando-se a escripturar os livros por partidas dobladas e appli-
car o calculo s operacoes do comraercio, sera carecer da intervenco de um mestre.
O primeiro volume, formulado sobre a obra de Rertrand, necupa-se mais especialmente
da escripturaco raeicantil por partidas dobradas, cujos principios sao desenvolvidos eralur-
monia com a legislacao brasileira, conteudo alm disto um importantissmo appendce wbre
as sociedades commerciaes era todos q| seus movimentos, quer pelo lado da ese iptura^ao,
quer pelo da formaco, existencia e cxTincco dellas em face da lei. Neste appendice, dupli-
cadamente rccommendavel |ior sua originalidade e < pelo cunho de especiali>ino,' tem o com-
merciante uma guia para sua direc^ae, qualquer qne seja a forma da sociedade que contraa.
Completa este volume o specimenou resumo de uma escripturaco, ficticia- verdade, mas em
tudo semelhante de uma casa de commcrcio ordinario, oflerecendo uma serie de operacoes
successivamente mais difflceis, que assim inicia gradualmente a maneira de escriptura-las
nos dfferentes livros de nma casa de comraercio.
O segundo, egnalmente formulado sobre a obra de Kottinger, oceupa-se particularmente
da arithmetica commercial com exercicios c problemas pelo meio mais simples, fcil e breve
da regra conjuncta, acerca de todas as operacoes praticas usuaes no commercio, envolvendo
clculos de cambios de praca praca c por (iracas intermedias, bem como negocios de bancos
com arbitragens de cambios, alm do desenvolvimento do systema mtrico em suas rela$6es
com o commercio, Ilustrado por meio de tabellas de ronversao.
O editor nada mais accrescentar e^tas breves palavras, que asss demonstram a im-
portancia real desta obra, devida a intelligencia e a applicacao aecurada do seu autor, senao
que ella de utilidade geral, e que a nenhum commerciante e mesmo a homem algum de let-
tras licito deixar de possui-la em sua estante ; pois o commercio em suas variadas evriu-
goes, cntende actualmente com todo que se liga a vida.
A assignatnra tomase as livrarias dos Srs. Guimaraes A- Oliveira, Nogueira de Seu-
za, JnliV) & Pereira e Geraldo H. de Mira, sendo realisada sua importancia pela quota de cada
volume ao sahir do prelo, para o qual ora entra o primeiro.
O EDITOR.

J. YIGNES.
X. ... RIT.4 OO IMPERADOR W. 55.
Os pianos desta antiga fabrica sao hoje assaz conhecidos, para qne seja necessario insistir sobre a
sua superioridade. vantagens e garantas que offereceni aos compradores, qualidades estas incontesta-
veis que lies tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nest praca ; jos-
suindo um teclado e maehinismo qneobedeeem todas as vont.tdes e caprichos das pianistas, sera
nunca falhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoraraentos mportan-
tissmos para o clima deste paiz: quanto s vozes sao melodiosas e flautadas, e por isto muito agrada-
veis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto tiesta fabrica como nado Sr. Blondel, desparta, secit
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposicoes.
No mesmo cstahelecimento se acha sempre um esplendido e variado sortimento de musieas do
, melhores compositores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido
OITcrece-se urna ama pan casa de Domen): nrp,,c ,.;, nunavria
onrn ,in ,mP-, hmiKa -na ma do Nosno ra Pr nreC0S muito razoa\eis.
solteiro ou de pouca familia : na ra do Nogueira
numero 5.____________________________________
Quem precisar de uma ana para o servieo
interno de pouca familia, dirija-se ao pateo do Pa-
__) n. 33.
sssssss
rW1
i .; ''. v: % __
Vicente Pereira,
a" 6 Rio de, Janeiro.
subdito portuguez, segu
Jos dos Santos
vai Europa.
Villaea. subdito brasileiro,
Alguma pessoa que costume cobrar dividas
na villa do Paco de Caraaragibe. querendo se en-
procurar na padaria
1NTERNATO
DE
. Brrelo de Vascancellos mu-:
dou a sua aula para a ra do Imperador n. 37, se- carregar de mais uraa, pode
gundo andar, sendo a entrada pelo n. 3o. Recebe ] da ra Direita n. 81.
alumnos de latim a francez, c assim tambera de
prmeiras lettras, cujo cnsno comecar no dia 13
do eorrente mez.
AO PARA.
Vai seguir com brevidade o Late Lindo
ie, eapito Antonio Maria da Costa e Silva, eso lhe-
Aluga-se o armazem do sobrado da ra de
Apollo n. 47 : quem pretender, entenda-se com
Jos Antunes Guimaraes; as chaves para ver, es-
tao no primeiro andar do mesmo._________________
amado Trapiche n. 11, precisa-se de uma
ama com leite.___________________________________
Linden, Wild & C. mudaram o seu armazem
de fazendas da travessa do Corpo Santo para o lar-
go do mesmo n. 13.______________________________
l'in professor allemo que tem bstanle pra-
tca para ensillar piano, geographia, latim e fran-
cez, deseja um lugar em um engenho ou na cida-
de : para tratar, na ra do Trapiche no segundo
andar do hotel do Sr. Pedro Punche.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da ra Sol, cocheira n. 57.
da Cruz n. 18 : quem pretender, entenda-se com ; .
Jos Antunes Guimaraes, na praca do commercio,!l
ou ra do Rangel n. 53; as chaves para ver es-
tao no armazem do mesmo sobrado._______ -
do sobrado
i ItfillO.
Precisa-se do um criado : tratar na ra do
Aluga-se o segundo andar e sotao
SrSSS toKe^S^ da mTHfejL 28 quem pender, enten-
lurH-ular de Instruc^o
primarla.
O abaixo assignado mudou-se para ra da Con-
ceicao sobrado de um andar n. 6.
Francisco Deotato Lins.
mes, ra da Cruz n. 23, 1." andar.
Rio de Ianeiro.
O velero hiate Cursor, eapito Jos Ignacio da
Silva, segu sem demora; tem parte da carga
prompta, para o resto trata-se com Miguel Jos
Alvos, ra da Cruz n. 19. _________________
Para Usboa
vai sahir no dia 20 do eorrente o brgue portuguez
Bella Figueirense, capitao Jos Correta de Carva-
iho Sobrinho. ainda pode receber urna pequea
jttantidade de carga e passageiros, para os quaes
tem cxcellentes comniodos : a tratar com o con-
signatario E. H. Raliello, rua da Cadeia n. 00.
Para a Rabia vai sahTcom muita brevidade
o velero pataclio 1). Lmz, capitao Jos Teixeira de
Azevedo, por ter a maior parte do carregamento
prompto : para o resto trata-se com os consignata-
riosPalraeira & Reltro largo do Corpo Santo n.
4. primeiro andar.
Rio de Janeiro.
O patacho Social, 1* classe e 1' ordem, segu
breve, ainda recebe alguma carga frete e escra-
vos: tratase com Marques, Barros & C, largo do
r,orpo Santo n. 6.
LEILOES.
uno
HOJE.
Sabbado 12 do corren e s \\ horas.
O ageste Simoes levar de novo leilo as divi-
das da massa fallida de Diogo Filho k C, na im-
portancia de 17:853*677. requerimento do cu-
rador ftacal e mandado do lllra. Sr. Dr. jmz es-
pecial do commercio. A relacao e ttulos acha-se
exposto ao ame dos pretendentes no escrip-
torio do mesmo agente rua do Vgario nt 17, pri-
meiro andar, aoodc ser elTactuado o leilao.
IEILlAO
?VDX
bol mancos.
MOJE.
O agaat' ilaopor coma e
de quem p dos e pi vico sabbado _
-nte pelas 10 hws da manbia no largtrl^,
fanega armazem do Sr. Annes.
Aluga-se
da-se com Jos- Antunes Guimaraes, na praga do |
commercio, ou na rua do Rangel n. 53 ; as chaves
para ver, esto no primeiro andar do mesmo so-
brado_______________________________________
Precisase de um estrangeiro para feitor de No dia ; do eorrente fugo a escrava de l
engenho : na praca da Boa-\ tsU n. 5, segundo Anna |jastante axaj magra, nariz chato, bocea
andar. [grande e com uma grande cicatriz as costas, re-
i presenta trinta e tantos annos, desconfia-se andar
I era Santo Amaro de Jaboato, por ter pertencido a
o bem conhecido sitio na estrada no Mdnteiro, o fabricado engenho Contra Acude e ter sido com-
qual fo oceupado algum tempo pelo Sr. cnsul prada no dia 23 de agosto do* eorrente: roga-se a
hespanho), tem cxcellentes commodos para grando ; qUem a pegar leva-la rua da matriz da Boa-Vis-
familia, tem sen jardim bem tratado, tem bom poco ta sobrado n. 33, que ser recompensado._________
de agua de beber cocheira, estribara casa para Aluga-se parto.de um segundo andar em uma
criados e todo fechailo de muros, tem dons portees, d / % ^ Roa-Vista, muito
^.^t^^tom^n0^m^la^^^i. propro para os Srs. estudanles por ser perto da
sahidaparaamargemdor.oparaobelhibanbo ^J^, aluga-se igualmente uraa cocheira no
quem o pretender, dirija-se a rua larga do Rosario "'"' '(>dio com eoinmodos para
n. II, a fallar com o proprietario Hennque Jorge. ^'JSKnjltlnlS
(liiveiro.
OfTerece-se para caixeiro um rapaz Portuguez, j pa
tanto para taberna ou deposito, ou padaria, e da ;
fiador a sua conducta, e de todos os tres negocios
tem ortica : quera precisar annuncie para ser ,
procurado_______________________________ I
Por *5g mensaos,
Aluga-se o 4. andar e sotao do sobrado da rua j
da Cruz n. 40 : a tratar no armazem do mesmo
sobrado.________________________________
Continua-se a cozinbar para foro com per-
feico, c por preco mais commodo do que em outra
qualquer parte :* na rua do Rangel n. 30._________
Ama.
Precisa-se de uma ama para cozinhar e engom-
niar para duas pessoas : no Recfe, rua da Cruz
n. 43 primeiro andar._____________________________
Quem precisar de uma ama de leite dirija-se
rua do Calabouco-V'elho. casa n. 2.______________
Precisa-se de uma auia para coziuhar em ca-
sa de pouca familia, prefere-se viuva : na rua da
Roda, sobrado da esquina de um andar, com vene-
zianas.____________________________________________
Aluga-se uma casa terrea sita na rua Velha
n. 90 : quein a pretender, dirija-se rua Direita
n. 91. primeiro andar. _^__________________
mais de dous
rua da Au-
rora sobrado n. 42.
Terrenos de marlnha.
O agrimensor dos terrenos de marlnha pede aos precisa-se alugar uma preta que seja perita
Srs. Luiz Ferreira Maeiel Pinheiro, Thomaz Fer- cngomtnadeira e cosinheira : na rua Nova n. 39,
reir Maeiel Pinheiro c Francisco Jos Martins da nrfm.m .-indar
Costa qneiram vir assignar os termos do medico
de seus terrenos, que j se acham promptos, afim
de serem remettidos thesouraria da fazenda, para |
se lhes passar os respectivos ttulos de aforamon
primeiro andar.
tos que requereram.
Joao Borstelmann vai para Maeei._________
Precisa-sc alugar uma escrava que seja lim-
pa e fiel, e que cozinhe alguma cousa, agradando
paga-se bem : na rua da Cadeia, armazem n. 30,
ou ilha do Retiro, na priraeira casa.________________
Precisa-se alugar pretas ou pretos, boas ven-
dederas de lilos,e tambem pagase vendagem :
na ma do Aragao n. 14.__________ ____________
Francisco Fontan, subdito hespanho], retira-
se para Maeei.
Jos Portella, subdito hespanhol, retira-sc pa-
ra Maeei. _____
m\
risco
or-
No dia 15 do eorrente mez se arrematar de
venda linda a audiencia do Dr. jaiz de orphos,
um terreno na rua Imperial cora 30 palmos de
frente e 135 de fundo, com alicorees para se le-
vantar casa, sendo avahado em 240i"J. _
Aluga-se o segundo audar do pateo do Pa-
raso n. 29 : tratar na rua da Roda n. 17.
Aiugam-se duas casas na rua Imperial sendo
uma para morada de familia, est pintada de no-
vo e outra para botar qualquer negocio, tem ca-
cimba, grande quintal e banno salgado : a tratar
no largo do Paraizon.14. ______
Aluga-se a loja da rua da Imperatriz n.
a tratar-na mosma rua n. 10.
15
Offerece-se uma ama com bastante leite, chega-
da do mato: na rua do Caldeireiro n. 28._______
__John onneily quer vender suas trras na
rua da Praia n. 61, tendo de frente 59 palmos o de
comprmento 380, em frente do caes do Ramos a
largura de 88 palmos, tambem se vender oiten-
ta mil lijlos de alvenaria, e com 38 portas muito
bem fets de amarello, com portaes, caixilhos,
etc., e 58 travos lavradas com 40 palmos cada nc^uuiua,
uma, tudo de qualldade, e alguma cal; tudo se Vende-se em casa de JohnSton Pater A
vender por baratsimo proco : quem pretender, r rua 0 Vinrio, D. 3. um bello sorti-
dirija-aeac.telhoiron.6inaruaaaP^ ouem,mento de re,*gios d patc_w jn.
Precisa-se alagar nm primei-
ro au lar de um subiado as segain-
iosruas: Imperatriz, ror, ftova,
Crespo e Imperador para residencia e
um eslranReiro que se vea estabeliccr
nesta cidade; quem tiver unniinr.it. ou
dirija-se a raa da imperatriz n. 40, a
fallar com Leopoldo Ferreira Ha tiiis
Riheiro.
Para alugar.
Alga-se nm sitio no Mondego n. 38 : quem
pretender dirija-se ao mesmo sitio que achara cora
quem tratar. '______ -______
ESTABELECIDO NA CIDADE DO RECITE
Director0 baeharel em malhematicas
BERNARDO PEREIRA DO CARMO JNIOR.
O director do nternato de S. Bernardo, accedendo ao^s pedidos de varios paes dos
respectivos collegiaes, c de outras pessoas desta capital, removeu o seu estabelecimento
da Capunga para esta cidade.
Nao tendo evitado esforgos nem sacrificios para proporcionar aos seus alumnos
uma perfeita edueacao phvsica, moral, intellectual e religiosa, ofiereoendo-lhes urna ha-
bitacao cora bastantes condicoes de salubridade, habis professores que sao solcitos em
prenara-los convenientemente ao lim que se destinara, medico pratico que lhes faga
comprehender os preceitos da hvgiene e Ibes cure das doencas, e finalmente um sacer-
dote Ilustrado e honesto que lhes explique os principios da religio chnstaa, espera que
assim constituido nao deixar o seu estabelecimento de merecer dos Srs. paes de fami-
lias o auxilio e confianca com que j alguns o tem honrado; e lhes roga, bem como
todas as pessoas interessadas, que se dignem de visitar o mesmo seu estabelecimento,
onde sempre encontraro franco ingresso. ...
O collegio tem a sua sede no espacoso edificio n. 32 a rua da Aurora, contiguo ao
do collegio dos orphaos. .
Nos estatutos do collegio, que estao a disposicao de quem os qmzer 1er, se acham
consignadas as condicoes de entrada c matricula as diversas aulas do estabeleci-
mento.
I 00*
s_
Excellent morad i.
Aluga-se uma boa casado pedra e cal com quin-
tal todo murado, tendo 2 salas, 4 quartos, cosinha
fra, estribara, casa para escravos, muito fresca
por olhar para o nascenle. sita na Estrada Nova
deronte da entrada para o engenho Cordero : os
pretendentes podem procurar na rua da Cadeia es-
criptorio n. 41.
ENSAIO LITTKRARIO PERNAMBUCANO.
Domingo as 10 horas da manhaa, nos saldes da
academia, ter lugar a sessio ordinaria-para a dis-
cussao da questo : se o direito e a moral se har-
monsam completamente.
Secretariado Ensaio Luterano pernambucano
em 10 de setembro de 1863-
J. N. Tolentino de Carvalho.
1. secretario.__________
__Um moco que escreve bem deseja entrar
como adjunto em algum escriptorio commercial
para praticar : quem precisar annuncie para ser
procurado.___________________________________
Alugam-se escravos a tratar na saboara
dos Afogads, rua de S. Miguel, ou na rua da Sen-
tala Velha, deposito de sabo n. 138.
Precisa-se de uma ama forra ou captiva que
faca todo o servieo memo e externo de uma casa
de'poux familia': quemquizer, dirjase a rua do
Brum n. 61, oUeina de ferreiro, que
com quem tratar
APPROVA^lO E AUTORISAVAO,
DA
ACiDEBA IMPERIAL SI MMUM
JUNTA CENTRAL DE HYGIENE PUBLICA
ELECTRO-MAGNTICAS EP1SPAST1CAS
DE
RICARDO KIRK
Para serem appllcadas s partes affectadas.
nem Ineoiumodu
sem resguardo
ah achara
Muito conhecidas nesta corte e em todas as pro-
vincias deste imperio, pelos seus infalliveis resul-
tados em todos os casos de inflammaco, seiam ex-
ternas ou internas (com cansaco enalta de respi-
racao) como do estomago, ligado, baco, bofes, rins,
tero, pet. palpitacao de coracao, gargantas,
olhos, erysipellas, rheumatismos, paralysia, e todas
as affecc.des nervosas, etc., etc. \
Igualmente para qnaesquer incliacoes,Vieridas,
tumores intesunaes e venreos, scrophulas, lobi-
nhos, papos, etc., etc., sejam qual for o seu tama-
ito e profnndea, por meto da supnracao serao ra-
dicalmente extirpados.
(Estas chapas nao podem fazer mal de forma al-
guma, ellas tem sido applicadas aos olhos com o
melhor successo. vejam-se os attestados de cana
completas que j foram publicados pelos jomaos.)
O nso dellas aconselhado e receitado por habis e
distinctos facultativos, sua efflcacia ineontestavel, e
as innmeras curas completamente objhia. na- di-
versas molestias em que foram aplicadas e huera
merecer e conservar a c^pianea do tlhutrado pu-
blico, qne j tive a honra de merecer delle 25 an-
nos de existencia e de pratica.
N. B. Nesta corte e de todos os pontos dest
imperio rocebem-se participacoes sasactorias e
respeito das ditas chapas medicinaes. j
As encommendas das provincias deven ser di-
rigidas por escripto, com todo o cuidado de fazer
as necessarias explicacoes, seas chapas sao para
homem, seahora, menino ou crunsa, declarando a
molestia e em que parte do corpo existe.
Para inchaedes, feridas, lobinhos, papos, etc.; o
molde justo de seu tamanho em um pedaeo de pa
ne! a declarar*) onde existo, afim de qne a chapa
ej da forma da parte afTeetada, e para que possa
ser bem applicada em sen lugar.
- Aluga-se a casa terrea da rua do Jasmim n., PQDE-SE MANDAR VIR l)E QUALQUER PONTO 1)1) IMPERIO
4, para pequea familia : a tratar na rua do Ran-
gel n. 2t, primeiro andar
Fra de Portas ti. 70, das 9 horas da manhaa at as
3 da urde.
tfetta lypographia preciaa-se tallar ao Sr.
tTranrrailaoiiagalhaes, enaueTaador.
glez, de um dos mais afamados fabricantes
de Liverpool, e tambem uma variedade de
bonitos traocellins para os mesmos.
Aluga-se uma casa terrea grande com 3 ja-
nellas e 1 porta, na rua da Alegra : a tratar na
rua do Imperador n. 67, segundo andar.__________
Aluea-se nm sitio bom para paesar a festa,
na rua de Jlo Fernandes Vieira, m casa de mo-
rada, cocheirajstribara, quartos para pretos, bas-
tantes arvoredls, baixa para capm, c com um bom
viveiro: quem pretender, para vr dirija-se mes-
ma rua, casa do Sr. Bernardo da Conha Teixeira,
e para tratar na taberna da rua do Imperador nu-
mero 83.
D-se a quantia de 20$ pelo aluguel de uma
escrava qne cozinhe e faca as compras para uma
casa com pouca familia : a tratar no caes de A-
pollo n. 17, segundo andar.
DO BRASIL
As chapas serio acompauhadas das suas com- Consulta f Jo*j_*A K
odenles explicacBcs, e tambem de todos os acces- cora a sua ^nflanc*todos osfl|
derios necessartos para suas appliea?es. "" h"ras ^ manhaa d
*.
das 9 horas da manhaa s!
ESCRIPTORIO
119 RIJA DO PARTO lt
ira-l
pcao,
E EM PERNAMBUCO
Para as encommendas ou
nformacaes diram-se pharmacia de Jos Alexandre Fubeiro,
rua do Queimado n.
0*t*+mmm*mimm
4____nLADQ>



!


LOTERA.
0 thesoureiro das loteras desta proyiaj
cia, desejando extrahHas m maior capit-
e com menores intervallos, offerece a vanta-
gem de dous por cento quem comprar
para negocio-, na quantiade 4000 para cima;
assim como se propoe a estabelccer corres-
pondencias para palquer localidade da pro-
vincia, remetiendo bilnetes, meios e listas,
sob llanca idnea; devendo o pagamento
delles ser feito logo que sejam recebidas as
listas e aovos bilnetes remettidos. O the-
soureiro certo da conveniencia desse negocio,
convida aos Srs. eommerciantes da Victoria, j
Goianna, Rio Formoso, Nazareth, Serinhaem!
e mais localidades populosas da provincia, e
mesmo os desta capital, que o quizerem, a
entenderem-se com elle, na thesouraria das;
loteras, ra do Crespo n. 15: advertindo
que receber em pagamento e sem descont,"'
os bilnetes premiados de todas as loteras
da provincia recolhidos thesouraria da fa-
zenda provincial.
Thesouraria das loteras. 20 de junho de
1863.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza. I
- i-----------------------------------------1
Do hoje at sabbado teni para se vender cora
pouco dinheii 4 muas do sertao c 1 cavallo : a
iratar com o proprietario cm casa do Sr. Pedro
Poeche, ra do Trapicho, hotel da barra.
-,-.- v *..<** ,*.,+, ?K*<&
O bacharel Heraclio Vespasiano Fiock *a
Romano advoga nos auditorios desta ci-
dade e p*sser procurado para os mis-
teres de si i a profisso, das 11 horas da
manba s 3 da tarde, no escriptorio do ;.
Sr. Dr. Moraes e Silva, na ra do Crespo
n. 13, entrada pela ra do Imperador, e
fra dessas horas em casa de sua residen-
cia na ra do Cabog n. 3, primeiro
ailar.
- Precisa-se de um rapaz Portuguez que tenha \
pratica.de taberna : na ruado Socego n. 56. i
- A fuga-se o segundo andar da ra do Crespo
n. 15, por cima da thesouraria das loteras, decen-
te para morada do pequea familia, ou para qual-
quer advogado : a tratar com o thesoureiro das
loteras.
H, 84
LARGO DA
Diario de Pernaiubuco afoliado t de Sete-abro de I8AS.
BRILHANTE.
tu
SANTAGRUZ.
O dono do grande estabelecimento denominado AURORA BRILHANTE, ao
largo da Santa Cruz n. 84, avisa o respeitavel publico, e com especialidade aos
seus freguezes e, amigos, que recebeu um completo sortimento dos melhores e
mais novos gneros que vem ao mercado, e que vender sempre por precos
muito rasoaveis.
'Queijos novos vindos neste vapor
Genebra em frascos verdadiras
(cobertos), o melhor que ha, a 20500 de Hollanda, a 640 e
Ditos no vapor passado, a 2(51 e 20200
Ditos de manteiga do Serid in-
teiros libra 600 rs., e a retalho
Ditos de qualha, inteiros libra
440 rs., e a retalho a .
Manteiga ingleza flor, libra. .
Dita mais abaixo, (ha grande
quantidade de barr s para es-
colher, a 720 e .
Ditahamburgueza, barris peque-
nos, e muito nova, libra .
Dita franceza em barris, libra
520, 540 e ..... 560
Cha uxn muito fino, libra. 208.30
Dito dito muito fino, libra. 20720
Dito nao miudinho, igual em
qualidade ao perola, libra. 30000
Dito nao grado muilo superior
.libra.........20800
to nao grado muito superior
15000
Frascos com dita de laranja, a
640 e........960
640' Ditos com conservas inglezas e
francezas, a720e.....800
Ditas com mustarda, a. 480
Caixas com charutos finos, suspi-
ros, de Sima, em Tabocas, tra-
bucos, varetas, aurora e outras
muitas qualidades finas para
diversos precos, sendo de 500
rs. a caixa a......4(3500
Cartas finas para voltarete, o
baralho 400 e a duzia 30400 e 30600
Tapioca nova, libra 140 e 160
(i unira muito al va. arroba 10800
20 e 20500, e a libra 60,80 e, 100
Saceos grandes com farinha igual
a da trra.......50800
Ditas cora railho muito bom, a 50000
Ditas com arroz de casca, a. 40000
480
800
640
640
libra.........20720 Ditas com farello(saccas grandes) 40500
DENTISTA DE PARS
19Una Nova -19
Frederico Gauticr, cirurgiao dentista,
todas as opr-raroes do sua arte, e col-
:a denles artitic&es, tudo com superio-
idade e perft'icao, que as pessoas enten-
didas lhe reconnecem.
Tem agua e pos dentiflcio.
Dito nao grado muito superior, Alpiste, arroba 40800, e a libra
libra 20600 e......20400.Sab5 massa' libra ,20> 160'
Dito preto o melhor possivel, libra 20000 29e ;
Dito do Rio em latas de urna e Ma?aas novas para vanos i"*08-
mais libras, a 10600, 10800 e 20000 Anco.r^tlcom aze> tonas, novas,
Bolaxinhas de sodas e outras em a l^ ea 8*!- .
latinhas, a 10400, 10500 e 10600 Ca,xas com 2 arrol)as de batatas>
Ba"2TSlaeXnhaSng'eZaS' ^Ivinh^Flgue^muito sp.
ChSeTatzVhespanhol e """^ S^ffS^S^
portuguez, a 10,10120 e. 10200 Z&di 45 e
Cafe do Cear uito novo arro- Di^e Lisboa,' a W, 480 '.
90500 c do Rio 80oOO e 90000 Dit0 branco de Lisba', ^vc^e-
ba
Aluga-se urna casa em Fra de Portas,
do Pilar : quem a pretender, dirijarse Fra de
Portas a fallar com Manoel da Silva Tv'evcs.
loao da Silva liamos, medico pQlTin-'
versidade de Coimbra, d consultas em
sua casa, na ra Nova n. 30. das 8 s 10
horas da manhaa, e das 4 s 6 da tarde, e
recebe egualmente convites para dentro
ou fra da cidade, com o im de se encar-
regar de qualquer servico de sua profls-
sao.
Espermacete, libra a 640, 720 e
Velias do Aracati em caixa, arro-
ba 100 e a libra.....
Ditas de composico, 90500 e
100 a arroba, 320 e, .
Carne verdadeira do Serid, a
280 e........
Linguicas do sertao, a melhor
que ha neste genero, a. .
Ditas do Reino e presunto de La-
mego, libra......
Presuntos inglezes para fiambre
libra........
Macarrao, tamarim ealetijia, libra
Sevadinha e sag muito novo,
libra .,....,.
Estrelinhas, rodinhas (! pi'vid
para sopa, libra. .
800
400
360
320
400
500
750
480
320
480
Os chamados deverao vir por escripto.
los e outros, a 640, 560 e.
Dito do Porto muito fino, caada
60 e 50500, e a garrafa 720,
1 800e....... .
Garrafas com capils para refresco
Massos com 20 massinhos de pa-
litos para dentes, a. .
Grozas de caixinhas de palitos
I do gaz, a.......
i Servejas de- boas marcas para
diversosprecos.
Balaios do Porto muito bonitos
de diversos tamanhos.
Azeite doce de Lisboa, a garrafa
Vinagre muito forte, caada
10600 e a garrafa 240 e .
Pimcnta do reino, cominho, er-
va-doce e folha delouro a libra
Laboratorio lioineopathico. na
\na u. 43.
O Dr. Sabino Olegario Ludgero Pinho tem en-
earregado da sub-gerencia do seu estabelecimento
ao Sr. Jos Alvos Tenorio, professor em homeop-
tica, e competentemente habilitado para substitu- i
lo em qualquer ausencia. ___________ ,
Os administradores da massa fallida de Fran-
cisco Moreira Dias convidam aos credores da mes- i
na firma a apresentarem seus ttulos, afim de se
proceder a deluda verificacao; na ra da Cruz nu- i
mero Si.
Aluga-se tuna casa na ra da Ponte-.f
Velha, n. 35, por 100000; e outra dita no i
segundo becco da Camba do Carmo, n 2, i
por 120000 : a Iratar na ra estreila do Ro-
sario,'n. 12.
KBDED-SE
urna piilcciri eo posta de ron las de
cornalina ene-ii*naia e conlas de onro,
atprnnndo urnas e outras: quem tiver
adiado c quizer entrega-la dirija-sc
loja de onrives na ra d Cabog n 3,
casa do Sr. 51*noel Antonio Goncalves,
que ser recompensado.
Alugam-se tres mei-aguas na ra da Atrai-
i;o ns. 1, 3 e 6 : a tratar na ra do Rangel, taber-
na n. 7.
Caixa com 8 libras de dita nova 30000 n
aTr, Tijolos de hmpar facas. .
240 Cordas para pastar, a 200, 320 e
Ditas para
Ervilhas novas, libra.
Latas com pelxes vindos dos me-
lhores conserveiros de Lisboa
muito preparados, a lata. .
Ditas cora outros, americanos, a
Ditas com marmelada superior,
libra 640 e........
Ditas com fructas em calda. .
Ditas cora massa de tomate, 640 e
Ditas com ameixas francezas, a
Ditas com igos de comadre, a
Ditas com sardinhas de Nantes,
a 320 e.....
160
240
280
60
560
40500
500
480
10000
500
180
20400
640
280
480
160
400
NOTICIA NOTICIA NOTICIA.
Carldes de visita
Candes de visita
Candes de visita
Cartees de visita
Candes de visita
Candes de visita .
Candes de visita
Candes de visita
Candes de visita
vCartdes de visita .
85000 a duzia
8000 a duzia
8*000 a duzia
8,5000 a duzia
8*000 a duzia
88000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
8*000 a duzia
8*000 a duzia
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador r
BAffCO ITMllO
ESTABELECIBO NA CIDADE DO PORTO
Ageites em Pernambuco
Antonio Luiz de Olivelra
Azevedo k C.
Sacam por todos os paquetes sobre o
mesmo banco prazo ou vista, sobre a
caixa filial em Lisboa, e agencias em Fi-
gucira, Coimbra, Aveiro, Vizen, Villa-
Real, Regoa. Vianna de Castello, Guima-
raes, Barcelfos, Lamego, Covilnaa, Braga
Penafiel, Braganca, Amarante, Angra'
llha da Terceira, Una de Faias, Ilha d
Madeira, Villa do Conde, Valenca, Bastos,
Oliveira do Azemeis, Chaves e Fafe, a
Loito dias vista ou ao prazo que se conven-
cionar,no seu escriptorio ra da Cruz
n. 1.
Aluga-se a casa terrea da ra Imperial n.
66 : os pretendentes dirijam-se Caixa Filial.
Aluga-se o segundo andar do sobrado na ra
da Senzala Nova n. 42, com bastantes commodos
para familia : a tratar na mesma.
vmwA HOSPEDARA
ATRAVIATA
Rita larga do Rosario esquina para a do Queimado
nnmero 37.
O proprietario do conhecido hotel Trovador, ac-
o de alguns seus s
guezes, que, por suas
queriam tomar p
hotel, resolveu aproveitaf o excellente sobrado em
Precisa-se alugar annualmente ou por festa
um sitio desde a Ponte de lcha at o Poco da
Panella, com algumas accomraodagdes, e que seja
Kjrto de rio corrente : a tratar com Antonio Jos
odrigues de Souza, na ra do Crespo n. 15.
0 advogado Joo toncalves
da Silva ttonlarroyos tem"o seu
e^criplorio na ra eslreita do
Rosario n. 17, onde pode ser
procurado das 9 horas da ma-
| nlia s 3 da tarde.
Alugam-se a loja do sobrado n. 193, e arma-
zem 171 da ra Imperial ; o arraazem n. 4 da ra
do Apollo, e a casa n. 27 da ra do Burgos: na
ra da Auroran. 36.
HOTO RIVAIi
Loja de indezas
16 Ra doQueimado 16
Luvas de pellica para senhora e homeni a 1*000
Thesouras diversas, a 40, 80,120 e 160 rs ^^*
Ditas grandes para alfaiate, a 600 rs.
Pegas de tranca preta lisa, a 40 rs.
Ditas de tranca branca de caracol, a 80 e 1J0 rs.
Massinhos com 27 grampas," a 30 rs.
* Fius e cordoes para enfiar espartilho, a 60 rs.
Lscovas para denles, a 160, 400 e 500 rs.
Massos com 20 papis de palitos lixados, a 280 rs.
uuzas de botoes de duraque preto, a 120 rs.
brosas de botoes de porcellana pintados, a 0 rs
Pentes de atar cabellos, a 40.J60 e 240 rs.
Ditos de massa em caixinhas, a 640 rs.
nitos dourados com marrafas, a 3*200
Oitavas de retroz preto e de odres, a 120 e 160 rs
Libras de retroz preto e de cores, a 6AO00
Papis de agulhas fundo dourado n. 6 al 48, a
i\Kj rS.
Cartdes de eolchetes francezes, a 40, 60, 80 e
up rs.
Caxinhas de ditos, a 20, 40, 60 e 80 rs.
Luvas de Escocia bordadas, a 240 rs.
Ditas de seda bordadas, a 640 rs.
Ditas para montara, 500 rs.
Pecas de flta de velludo de cores, a 1*000.
Ditas de bico preto, a 1*000 e 1*200.
Resmas de papel almaco paulado, a 4*000 e 3*000
Ditas de dito, dito liso, a 2*500, 3*000 e 4*000.
Caxinhas depennas dea^.a 600, rs. 1*200, o
1*600.
Ditas com envelopes, a 800 e 1*000.
Duzias de lapis de pao, a 60, 120, e 200 rs.
Espelhos de gaveta, 160, 240 e 320 rs.
Pegas de franja branca, a 800 rs. e 1*000.
Thesouras linissimas para costura a 800 rs. &
1*00.
Pecas de franjas com borlla, a 3*500.
Sabonetes finos, a 120.
Frascos, legitimo oleo de babosa, a 500 e 600 rs.
Ditos de banha franceza, a 300, 500, 700 e 1*000.
Ditos de sndalo a 1*000.
Desencaminhou-se do poder do abaixo as-
signado urna letra aceita pelo Sr. Dr. Luiz Carlos
eriam tomar parle na KX^c^renctae se'u I S sT D'fKe'po'comf Fa.ff nT
hotel resolveu aproveitar o excellente sobrado em I tnte annuncto nara nTw PrnnsTt ? FZ
de setembro de 1863.
c bebida sempre nclle encontrados, a reserva em
I que estao os concurrentes da freguezia de ou-
tros de condicao, por ventura inferior.e a frescura
que em dita hospedara sempre se experimenta,
sao seguras garantas que animam e fazem espe-
rar as honrosas visitas da classe mais aceiada da
nossa sociedade jovem e alegre. Sob estes aus-
picios o proprietario da hospedara Traviata es-
pera a coadjuvacaodeseus amigos generosos para
darem saluda, mediante prego mdico, charu-
tos de Havana, licores inglezes e francezes, eerve-
! ja branca e preta, queijos de prato, londrino e suis-
' so, doces estrangeiros e nacionaes, e, em urna pa-
lavra a lodos os gneros do que est sonido, pro-
prios a um lunch variado, apetitosa e barato.
lo
Duarte Borges da Silva.
F. Lembcke, subdito de Bremen, vai ao Rio
de Janeiro.
ATTE\C\0.
Carteinnhas de madreperola para baile e para
notas : vendem-se muito em conta, em casa de J.
Falque, ra do Crespo n. 4.
ATTEN(iO
Na ra do Queimado n. 1 deseja-se fallar
com os senhores Gabriel Germano de Aguiar Mon-
tarroyos, Fernando, Francisco de Aguiar Montar-
royose Joaquim Francisco de Aguiar Montarrovos.
40000
30500
Caixas com doce de goiaba mui-
to fino, a 560 e .
Vinhos em garrafas, champanhe
cognac, Bordeaux, licores finos
para diversos precos.
andamos, cento 30,
30500 e....., .
son Duzias de COPOS lapidados para
ow agua e vinho, a 60;5OO e .
Espirito de vinho ^q garrafa.......280
720 Passas de carnada, novas a .' 48Q
10280 Papel almaco, de pezo e greve,
10400 de boa qualidade,
Caixas com* o verdadeiro vinho
'*00; charaisso, (1 duzia). ..140000
Os administradores da massa fallida de Joa-
quim Jos da Costa Fajozes Jnior e Fajozes, J-
nior & Azevedo, ainda convidam os senhores ere-
dores referida massa a apresentarera-lhes os seus
ttulos afim de poderera cumprir o disposto no ar-
tigo 859 do cdigo commercial : na ra da Cruz
n. 56.
S*.
Toucinho de Lisboa, libra 320
GAO' arroba........90000
Frasqueiras com a verdadeira
genebra de Hollanda, a 60000 ^
Sevada nova, libra.....160 B
E muitos outros gneros que se tornara enfadonho menciona-los, e que se
promette vender barato.
Esperase a c> ncurrencia do respeitavel
publico.
C..-L. P. Rocck vai ao Rio de Janetro.
Pas^amento de festa por pouco
dinheiro.
Aluga-se o excellente sobrado da entrada do
Monteiro, C4.m grandes commodos para duas fami-
lias, e aluga-se por pouco dinheiro : quem preci-
sar, approveite em quanto tempo : a tratar na
na do Vigario n. 8 cora Cosme Jos dos Santos
Callado.
Aluga-se-um sitio com casa terrea na cidade ,
de Olinda, na ra de Baixo, com frente para a ra '
do Cabral, e tundo para a estrada do norte, o qual
aleta da casa deplorada, tem estribaria. casa.para'
pretos, capim par& 2 cavallos, e arvoresde fructo,
muito fresco, sem asa na frente : na livraria ns.
C e 8 da praca da Independencia.
A*m(}AJU& A NOVIDALR
8o chegados loja das columnas
aa .rtu do Crespo n. 13 de Antonio
Corroa de Vasconsellos & C. riquis-
simos rtes de la muito fina com
barras .estampadas ematisadas Im-
perUriz ingenia, cores as mais deli-
cadas como sejam: cor de ganga, de
lyrio, tanza etc., fazenda fnteiramen-
te non e nunca vista em Pernam-
buco.
fc^ Xa loja da ma do Crespo n. i, de tlos Gomes Villar.
TROCA-SE FAZENDAS POR DINHEIRO.
A ellas antes que se aeabem.
Pecas demadapolo de 12 jardas a 4*, 4*500 e 5*, ditas de algodaozinho de 10
jardas a 4* e t*500, ditas de bretanha de rolo a 3*, bramante de linho de 10 palmos de
largura a 2* a vara, cambraa lisa Dna de 10 jardas a 4* a peca, chita franceza fina es-
cura a 320 rs. o covado, laas de cores muito delicadas a 320 e 360 rs. o covado, vestidos
de blond com capeila e manta proprios para novas, manteletes, capas pretas de muito
gosto a Luiz XIV, solferinos pretos bordados, chapelinas de muito gosto, veos para cha-
peos pretos c brancos, vesdos brancos bordados, cassas de cores lindissimas a 240 e
280 rs. o covado organdys de muito gosto a 400 rs. o covado, chapeos de sol de panno
para meninos a 1*600 cada um. ,
Msicas importantsimas para piano e canto do todas as torcas e se vendem or
baratissimo preco para acabar. ^
Admiraveis laas escossezas de muito apurado gosto proprias para vestidos
fazenda ptima de 3 e 4 palmos de largura a 400 e 500 rs. o covado.
ZAMORA.
DRAMA HISTRICO PELO DR. THEBERGE, NO
QUL NAO INTERVEN PERSONASEN
FENENINA.
Na ra Nova n. 11 vende-se a 10ooo o
qxemplar.________
Materiaes
'iota-se ara a 1*280, sendo em todas as mareis
e sendo s em mareis grandes, c para entrar em
cambas a 1*600, canoas de inilheiro para cima, e
! vende-se lijlo de alvenaria grossa a 18* o milhei-
ro, posto no porto, c oarrega-so tijolo dos Remedios
at a ponte provisoria a 3* o rnlheiro, e do Giqui
a 3* at a ponte da Boa-Vista, Picando o dono su-
jeito ao descarrego : quem precisar, dirija-se
ra Dircta dos A togados n. 13. Na mesma casa
vende-se urna canoa propria para carregar de 300
a 350 feixes de ^apim.
Precisa-se fallar ao Sr. Jos Flix Ri-
beiro de Carvallio, que mora no pateo do
Paraizo, nesla lypographia.
PARA OS FREGUEZES DO MATTO E
DA PRAQA.
Na Arara
Grande liifiidarao de fazendas sem re-
zerva te prco, na ra da 'mpera-
Iriz, loja e annazem da arara, n.
06, de Lourenco Percira .Mondes
Guimares.
i carIr^araSizra,vfr crtes de
nesta cidade com casa de commissoes e negocios carabraia cm babados bordados com pe-
de conta propria, faz sciente ao corpo do commer-1 lueno toque de cupim a 10000, 19600 e
ci e a seus comitentes que admittio para seu so- 20000; pecas de cambraia com salpicos
co o seu caixeiro Antonio Alves de Carvalho Ve- brancos e de cores com 8 varas a 20500
ras, cuja sociedade teve comeco era 10 de julho camisas de d ,, ....".l.
prximo passado, e que a tirma de sua casa com- t-dlu,:sd? ue '"-'a ue ida para servifo a ouu
mercial tica sendo Abreu & Veras. rs- r|C3S capas de cor, de fantazia por
100000, fazenda de 20/ : s na loja da
______ Arara, ra da Imperatriz, 56.
________Z A S.________I A irara vende os enfeites
- Couipra-se cobre e latao velho; i Vende.se ^L para cabeca de
na ra da ladcia do Kecife n. 36, pri- senhora a 10000; meias cruas muito lar-
gas para sen horas 320 o par ; lencos de
Compra-se
cobre, chumbo e lato velho : no oitao da secre-
taria da polica no armazem da bola amarella da
ra do Imperador.
= Compram-se duas negras que sejam
cosinheiras e engommadeiras para urna encom
menda : na ra do Apollo n. 3C, segnudo andar.
Compra-se effectivamente ouro e piafa em
obras velhas : na praca da Independencia n. 22 lo-
ja de bilhetes.
retroz e vidrilhos para pescoco de senhora
e meninas a 500 rs.; ditos de seda, finos a
1/000 ; ditos com franja a 10500 ; ditos de
seda de urna s cor para homens e meninos
a 800 rs.: na ra da Imperatriz, loja da
lt* Arara, n. 56, de Mendos Guimares.
YENDAS.
iWifk
linIliulias da Arara a 320 e a 1,000.
Vende-se gollinhas com punhos e botao-
sinhos, muito ricas e bordadas a 10000; dic-
tas s com bolaosinho a 320 ; chapeos de
sol de seda com franja para senhora e me-
ninas a 2050o e 30000: na ra da Impe-
ratriz, loja da Arara, n. 56, de Mendes
Guimares.
!y SU &'i ^i Sl Si! s
um traje cmpleto araZoVa, APa vcndc os ba,5es' a 3*000'
mmnn Lutnpubiu uc vesiuw ac lio a arcos pelo diminuto preco de 30000 30500
SCda (blond), capeila, ramo do -W'OO e 40500, s na Arara vende-se bv'
ptitO,voebor:equins por 8 g. pes de madapolo por 30500; ditos
i'.- j -j i i bnlhantinas finas com listas a 4/000 e 40300:
alem do Vestido ha anda uma loja da ra da Imperatiz, da Arara, n. 56,
por cao de fazenda para faier de Mendes Guimares,
se oco corpinho : na ra do* Man tarn de venido a s.ooo rs.
Vi
NOY ESTABELECIMENTO DE MEDICINA HOMEOPATHICA
RA VOVi TV. 48.
4visoae respeitavel pulrrici.
Antonio Mximo de Barros Lcite, professor jubi-
lado e instrueco primara, continua na sua pro-
lissSo de ensino em ja casa de residencia na ra
do Queraado n. 32, 2." e 3.* andares, e promette
empregar todos os esforeos e recursos de sua lon-
ga pratiea de 38 annos Je magisterio, afim de .con-
seguir no ihk curto espaeo de tempo o bom adian-
(amenlo de seus alumnos. Pelo que o annuaciaS'
te convida aTeios os pas de familias quer desta
idade, quer de outra qualquer parte para lhe con-
liarem seus pupilos ; asseverando aos pais dos
mesos que aceita pensionistas por preco muilo
conirnodo em relaeae ao estado do paiz.e em quan-
to ao saa eslatatoeiient) <: ello o mais arejado
adverte mais que era dito seu estabeleci-
mento se eMinam todos os preparatorios, e o ensi-
no primado pela Jeitura repentina de Castilho, o
que as crancintuilbra^am commuita alacridade.
MiKuei Angelo Lacorte, Italiano, vai para a
Europa, levando era sua companhia o seu primo
Josepho Ferraro.__________
Na ra do Vigario n. 8 se dir quem d
2:0004 sobre hypotheca em um predio que esteja
desembarazado.
O Dr. Sabino O. L. Pinho mudou o seu CONSULTORIO para a loja
na Nova n. 43, onde continua a dar consultas todos os dias uteis desde o
i 2 horas.
de marmore
meio dia at
Aluga-se urna negra que engomma e cozmha
>ofrrivelmente, e tambem aluga-se um jnulatinho
g .2 annos, gastante ntelligente: os preferentes
dirljatti--.se ra da Imperatri n. o, primro
andar.
Os enfermos, que o procurarem logo na invaso da molestia, sem que haiam to-
mado qualquer remedio, nem allopathico, nem homeopathico, pagar5o metade dos nreM
estipulados. Esta concessao tem por fim facilitar a cura de molestias, que podem tornar
se complicadas pelos emprego intempestivo da therapeutica e ao mesmo temno admiirir
para a homeopathia maior numero de adeptos pela bateza da cura.
Em attencao as pessoas pobres, que nao podera sahir de dia, o Dr Sabino resrtU
ven dar duss consultas por semanas as tercas e sextas-feiras das seis assete horas d_
noite.
Os chamados para visites e conferencias devem ser dirjgidos por escripto ao con-
sultorio desde 8 horas do dia at 8 da noite, na certeza de que ser3o attendidos na orden
de sua precedencia, salva a circurastancia de eminente perigo.
ADVERTENCIA.
O novo consultorio est prvido dos melhores medicamentos, desde a
at a trigsima dynaminjsarao.
E como os mdicos hespanhes e ailemes nao cessam de certificar a major effi-
cacia das ultssimas dynaminisacoes do tratamento das molestias chronicas, o Dr. Sabino se
oceupa agora de elevar os seus medicamentos as potencias mais altas (por ora at 200/),
afim de verificar por si mesmo a forca dynamica, que se lhe attribue.
Os mdicos, que quizerem experimentar taes dynaminisacSes poderao dirigir ao
consultorio suas recetas, que serio aviadas gratuitamente para os pobres.
No mesmo consultorio se vende a novissima edico do Thesouro homeopathico
ou }ademecum do komeopatha, obra indispensavel a dos que querem usar da horneo-
|JalIlla*
Maques sobre Portugal.
O abaixo assignado, agente do banco
mercantil Portuensc nesta cidade, saca ef-
fectivamente por todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
qualquer somma, vista e a prazo, po-
dendo logo os saques a prazo serem des-
contados no mesmo banco, na razao de 4
por cento ao anno aos portadores que as-
sim lhe convier : as mas do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
mmmmmm
No principio da estrada de Joao de Barros
aluga-se um grande sitio com sobrado, e muitos
arvoredos de fructo, com jaqneiras, mangueiras,
cajueiros, coqueiros, saputizeiros, larangeiras, ca-
pim, e muitas outras vantagens alem de agua para
beber ; o sobrado est perfeitamente limpo e for-
radas as salas e quartos de papel, com banheiro
dentro de casa e canos que conduzem agua para o
banheiro, estribara e cozinha, tendo commodos
para carro, cavallos e criados, cmfim urna perfeita
morada para quem quer tirar proveito, e tem tra-
tamento : a tratar com Guimares & Alcoforado,
na ra do Amorira n. 54, das 8 s 5 horas da
tarde.___________________________
lo n. 29.
Nova loja dos barateiros, ra do Queimado.
Laas de ultimo gosto, covado a 440 rs.; organ-
dis de padroes lindissimos, varas a 800 rs.; ba-
ldes de arcos o melhor possivel, a 33300, 4# e 5 ;
alpaca de linho para vestidos, covado a 240 rs.
IiililBl Queimado n 10, l-ja de Fr-
reo & Maia
Vende-se urna morada de casa terrea, nova,
com commodos suficientes para familia e negocio
por ter ao lado loja com armacao para fazendas ou
outro qualquer, em um dos' melhores locaes da
povoacao dos Montes, mais conhecida por Trombe-1
Vende-se ricas cobertas para cama gran-
de, aveludadas, a 8'000 ; ditas de fusto
para cama a 5#000 ; ditas de damasco de
lindos gostos a 4000 ; ditas a 2000: ra
da Imperatriz, loja da Arara, n. 56.
Arara vende chales a 300..
Vende-se chales brancos com pequeo to-
i
ta, freguezia de Agua Preta, que di presente-mora que de avaria a 500 rs.: ditos de larlatana a
JaTnarSarg TtZfflo"^ ^ *?* G "* W 0; dio
-----------------------------------.____________ de. aazinhas fina* .i I3i is
Baratissimo.
_ i de laazinhas Gnas a 1*600 ; ditos de I;
seda a 2f5OO0 : na ra da Imneratri/ n Kft
1 escravo sem defeito, idade 43 annos, proprio',iP Mendes(iiiimarlP* ""Perainz, n. w*,
para sitio, por 150, 3 ditos para todo o servico, 1 jUe -"enes<'uimar>es.
excellente escrava por 450,5, 1 escrava de idade I J admira Arara como vende barato
30 annos, cozinheira, por 556*, 1 escravo bom ma- ^ Vende-se ricos r_K_dn_ enm 11 -a--.
nnheiro por5505, i dito bom criado, 1 escravo' ~-_ e se os r.lscaaOS cora 14 covados
para engenho de idade 32 annos por 350* na a 20 Z0^ i Cortes de Chitas com pe-
travessa do Carmo ft. i. _______, queno toque de mofo a 2^000 ; dilos lim-
WUV .,.,------- Pos a 2^000 e 2f>300; ditos de cambraia
flilUi'.Mi branca cora palmas solas com urna vara
caixas com velas de cera de 2 a 16 em libra, assim de largura a 2,5000, peras de cambraia
como era grume v.ndo de Lisboa, superior fazen- branca a 2/500, 3,5000 e 35500
da ; vende-se por preco commodo para fechar con-; imtipratri? n kr
fas, e em porcoes de urna, barrica ou urna caixa : ""lt- *>
na ra da Cruz n. 23, escriptorio de Almeida Go-
mes.
Vende-se urna cadeirinha :
cantamento n. 13.
ra da
na ra do En- de cores a
i ditas infestadas
Ama vende as liazinbas a 320 rs.
Vende-se laazinhas finas com quadrinhos
20 rs. o covado ; ditas a 400r
finas a 500, ditas de duas
- Vende-se urna bonilanegnnha de 15 annos, ran7nra ,Ip1 Har Z,L- QUaS
cosinhaodiariode urna casa e tem principio d T gariS de on? *? c6r Pr,Pr|as para capas
costura: a tratar na ra Nova n. 39, primeiro de ienhora a 500 o covado : roa da Impe-
ratriz, loja da Arara, n. 56 de Mendes Gui-
Vende-so a taberna do becco do Campello n. [ maraes,
cambraias de cresjiara vestido, covado a 280 rs.; i *> l'vre e desembaracada, ^com poucos fundos, e Oh, pe
primeiw
Tudo o que diz respeito nova medicina se acha abundantemente neste novo estabe-
aecimento.
cambraiela muito fina, peca de 12 jardas a 7* j
cassa lisa pelle de ovo, peca de 12 jardas a 7*500.
Ao d. 29.
Nova loja dos bartenos, ra do Queimado.
Paletots de merino setim, fazenda de custo de
20* por 10*; ditos de alpaca preto a 3*200; b/im
branco lona, vara a 640; brim de cores para fal-
ca, cova4o a 480 rs.; camisas com peitos de fustao,
a 1*600; chapeos de sol de alpaca, a 3*500.
Ao n. 29.
Nova loja dos barateiros, ra do Queimado.
Para acabar.
Bicos preto de linho, vara a 120, 160, 240 e 320
rs.ricas iranias e trancas pretas e de cores, vara
a 120,160 e 200 rs.; trangas e galles de la e de
algodao, pecas de 10 e 15 varas, a 200 o 400 rs.;
froco fino e grosso, pe?a a 160 rs.; vestidinhos de
cambraia bordados, para baptismo, a 2*.
Joaquim Duarte dos Santos convida pelo
rtn SLt0Dd?- os mi8s e companheos
do fallecido Bibiano Pereira d'Aquno, m-
sico do 7 batalh:io de infanura, afim de
assisurem a urna missa que sele de Cele-
brar pelo descamo eterno do meu mui ore-
aw_M?'8^ M '?.[_* de Nossa Senhora do
Ter^, domingo i do corrente pelas 8 horas
da manhaa.
bem afreguezada para a trra.
peehincha a 240 rs., chitas largas.
Vende-se chitas francezas com pequeo
. Vende-se oJottS."ffit? libra, queiios' rauUo f^f TS 5 US
do reino novos a 2*300 e 2ff, ditos do sertao a 640,! nmp?s mu,t, .,ln!s a 30' 30. 400 e 500 O
ditos londrinos a 800 rs., manteiga ingleza flor a co^do, na loja da ra da Imperatriz, 56.
900 e 800 rs., dita franceza a 600 rs., banha de Arara vende ron ni rl t -
porco refinada a 560, chouricas e paios a 600 rs.,
gomnu a 60 e 80 rs., farinha de araruta a 240,'
amendoas a 200 rs. a libra : no largo do Carmo,
esquina da ra de Horta- n. 2.
Botica.
Punas inglezas de pobre-homem.
Pilulas doOr. Alian.
Salsa parrilha de Bristol.
Remedios do Dr. Chable.
Pilulas americanas.
Remedios do Dr. Kemp.
Rob l'Affecteur.
Kolaxinha de lelte
O autor da dita bolaxinha, por ter o distribuidor
doente, nao a tem mandado a casa de seus fregue-
< por isso pede aos mesmos queiram mandar
zes
> t~* ~ i-~ a nicoiiiua 4UCUU1 manoar
seus pedidos padaria da.rua da SeaiaHa.veJha
0. 84,
par
bornea.
Vende-se palitos de casimiras inglezas a
3*o00, 4,51000 e 5*t3O0 ; calcas de ditas in-
glezas 2,51000 e 30000, coletes da mesma
fazenda a 20000, carnizas francezas finas a
1*600, 20000 e 25O0, ditas inglezas com
abertura de linho e prega larga a 3*000,
seroulas francezas de linho a 10600 e 1*800,
chapeos de massa pretos e de cores a liWOO,
20000 e 20500, ditos de palha omito no-
hortimento de papel para forro de salas e guar- vo a 205OO, grvalas de seda de tres a
m55es : vende-se na botica e drogara deB. F. de! qn wn ipnroc hranrns finra .9X
Souza & C, ra larga do Rosario n. 34. i ed0 n-> ,enC ,s trancos finos a 2^,
- Vende-se ou arrenda-se o grande sitio deno- >m CS a ^- &l^J!!^\ M
minado Caviana, na freguezia da Vanea, de muito rua da Imperatriz, lojai e armazem da Ara-
boas trras por serem de grande produccao, com ra n- ^6. de Mendes Guimares.
Madapolo da Arara a 4,060 rs.
Vende-se pecas de madapollo francez in-
festado a 4000 e 40500, dito inglez muito*
Para retratos fino a 6500' 7*' 8*'9' e ^W, pecas de
por metade de seu valor urna machi-1 algodaozinho 3 4*500, 5*0
urna casa de laipa j coberta de tlhas, tem bas-
tantes ps de larangeiras, coqueiros, cafezeiros,
etc., etc. i tambem aluga-se a casa do pateo da Pc-
nha n. : a tratar na rua do Hospicio n. 22.
Vende-se r
china para tirar retratos por qualquer systema, I to encorpado, tambem se vende muito bara-
prompta a trabalhar com todos os seus pertences
de caixinhas, quadrinhos, molduras, cMaucaa, etc.,
etc., ensinando-se gratuitamente a passoa qoe a
comprar traiar na loja franceza da roa Nova
* II. ou na rua dtM n- 9 primeiro andw.
to breanlM de linho, brim de linho fino a
I/** *> /ara, guardanapos para mesa a 800
rs ^.uaum: roa da Imp
Arara, n, 56.
4
T


Diario de Peraamlmco abfoado 19 de Seeiubro de 1848.
I
?
GRANDE EXPOSIQSO
de fazendas baratissimas qac se ven
den para liquidar; na loja do Pa-
vo, roa da Imperairiz, a. 60.
Neste estabelecimento acha-se um grande
e variado sortimento de fazendae/tanto de
laxo, como de primeira necessidade, pro-
prias para [a praca e para o matto, que se
vendem por presos muito resumidos, de to-
das as fazendas dao-se amostras, deixando
penhor, ou mandam-se levar em casa das
familias para escolherem, pelos caixeiros da
loja do Pavo.
Laas eom palmos de largura.
na loja do Pavao. ISIO
Vendem-se laazinhas transparentes de urna
s cor, de quadrinhos proprias para capas
e vestidos, tendo 9 palmos de largura, pelo
baratissiiho prego de 15400 o covado; s
na ra da Imperatriz n. 60, lojado Pav3o.
O Pavo vende las de 4 palmos
de largura a 500rs.
Vendem-se laazinhas infestadas, sendo das
mais modernas, de urna s cor e de qua-
drinhos, proprias para vestidos e capas, pelo
baratissimo preco de 500 rs, o covado; di-
tas matisadas, fazenda muito fina a 500; di-
tas ganbaldinas a 4i0rs.; ditas dequa-
dros a 360 e 280 rs.: s na loja do Pavao,
ra da Imperatriz, n. 60. de GuimarSes Silva,
Laazinhas a O rs. o covado.
S o Po.
Vendem-se ISas de cordSozinho proprias
para vestido, sendo muito boa fazenda, com
as cores seguintes: alvadia.cr de caf.rxo
escuro, claro e pretas, proprias para luto;
ditas transparentes com palminhas, pelo ba-
rato preco de 280 rs.; ditas infestadas de
quadros a 280 rs.: s na ra da Imperatriz,
n. 60, loja do Pavo.
Cortes de la a J 0OOO e G0OOO
na loja do Pavo.
Vendem-se cortes'de la matizada, tendo
15 covados cada corte, pelo barato prego de
74500 e 60OOO, sendo claras e escuras; di-
tas infestadas tendo 12 covados a 30500; di-
tas de cordozinho a 20500: na ra da Im-
peratriz, n."60, loja do PavQ.
GRANDE PECHINCHA
a OO rs. na loja do Pavo.
Cassas a 210 rs.organdy a 210 rs.
Vendem-se muito bonitas cassas francezas
a 240 rs. o covado ; organdy matisado, pa-
droes muito bonitos a 240 rs. o covado:
ditos, fazenda inissima que sempre se ven-
de u a 10000 a vara, liquida-se a 600 rs. a
dida.ou 360 rs. o covado, por haver grande
porco : na ra da Imperatriz, n. 60, loja
do Pavo, de Gama Silva,
O Pavo vende chitas francezas
" a*SOrs.
Vendem-se chitas francezas a 280 rs.;
ditas escuras com muito bom panno a 320;
ditasa 360; ditas muito finas e muito en-
corpadas a 400 e 300 rs. o covado; s na
loja do Pavo, ra da Imperatriz, n. 60.
\ova pechlncha de cortes de
cambraia na loja do Pavo.
Vendem-se cortes de cambraia brancos
eom babadosa 2.3300; dilosa 3*000; ditos
a 40000 ; ditos ch
cambraia transparentes
prias para vestidos, tendo 8 varas e meia a
3&000; ditas lisas brancas e decores a 2#300,
30000, 30500, 400 JO e 50000 ; pegas de
cambraia de carocinhos tendo 8 varas e meia
cada urna, sendo brancase de cores, a 30500;
ditos a 20300 ; pegas de cambraia para cor-
tinados, sendo tapadas e transparentes com
20 varas cada pega a 00000, isto tuJo para
apurar dinheiro: na loja do Pavo, ra da
Imperatriz. n. 60, de Gama A Silva.
Popelina Ciarlbaldl.
Vendem-se as mais modernas popelinas
de quadrinhos miudos e grandes, sendo fa-
zenda imitago de cassa. propria para ves-
tidos, tendo de todas as cores, a 320 rs o
covado; na ra da Imperatriz, n. 00, lojado
Tavao.
O Pavo vende chales
A 20000, 20300, 30000, 30000, 60000.
70000, 8,000 e 100000-
Vendem-se diales de merino estampados,
claros eescuros a 20, 20500 e 30000; ditos
muito finos de todos os procos e qualidades,
tanto de ponta redonda como quadrados;
assim como finissimos chales de crepon com
cores inteiramente novas e ricamente bor-
dados a matiz, sendo chegados pelo ultimo
vapor a 100000 ; ditos de pello, bordados,
a 20 ; s na loja do Pavo, ra da Impera-
triz, n. 60.
Aseasemlras do Pavo infesta
das a I#GOO.
Vendem-se casemiras francezas enfesta-
das, proprias para calcas, coletes, palitos,
e capa para senhoras, por ter de urna s
cor, sendo fazenda que sempre se vendeu
a 30000. liquida-se a 10000 o covado : s
na loja do Pavo,
O Pavo vende
A 100000 madapolao Elefante.
Vendem-se pegas de finissimo madapolao
marca Elefante, sendo fazenda muito larga
com 24 jardas cada peca, pelo baratissimo
preco de 100000; garantindo-se qac val
muito mais dinheiro ; dito marca Aguia a
80000; dito marca Pavo a 70000 : na ra
da Imperatriz, n. 60, loja de Gama & Silva
Grande peehlucha cna ehapos
de sol na loja do Pavo.
' Vendem-se chapeos de sol, a ingleza, sen-
do cobertos de linho e forrado de verde, pro-
prios para senhoras que forem passar a fes-
ta, ou para meninas levarem para a escola.
Madapolao Infestado a 4000
S o Pavo.'
Vendem-se pegas de madnpolSo infesta-
do eom 12 jardas a 40000, ditas a 40300,
ditas com 24 jardas a 7050o e 80000 : s
na loja ,do Pavao, na ra da Imperatriz.
n. 60.

SfHT SEGUIDO.
QUINQUILHARIAS.
Ra do Queimado, ns. 49 e 55, lojas de
Jos Bigodinhojqueiram ver ver as fazendas
que abaixo annuncio, pois todas eu garanto
que sao muito novas e baratissimas.
Pegas de trangas de aigodo de to-
das as cores a.......
Duzias de linhas cora 200 jardas, A-
lexandre, a..... .
80
Ricos vestidos brancos.
Vendem-se os mais ricos vestidos de cam-
braia brancos, bordados a croch, sendo os
mais modernos que tem vindo ao mercado,
tendo as saias 4 pannos, e vendem-se pelos
baratos pregos de 100, 120 e 16 : s na carrle[ <]e qUa|quer numero ,
loja do Pavo, ra da Imperatriz, n. 60, de Varas Je aspas para ba|3o t
Gama & Silva, Caixas com superior obreias a .
Grande pechlncha embales, na Ditas de colla .......
loja do Pavo. Pares de boloes de Punno a
Vendem-se os melhores bales de arcos Pares de sapatos de tranga .
americanos, que sao os melhores por se Ditos muito superiores a .
uo quebrarem; pelo baratissimo prego Caixas e pacotes de papel araisade de
de 30 e 30500 ; sendo de 30 arcos por 40. | cores a. ....... .
e de 35 e 40 ditos, por 40500 : isto s na Duza de meias muito finas para se-
lojado Pavo, ruada Imperatriz, n. 60, de( ntaora a...... .*, .
Gama & Silva. i Duza de ditas cruas para homem a 2*400
10100
100
80
40
40
120
10280
10600
600
30500
Lencos de seda a 800 rs. so o
Pavo.
Vendem-se lengos de seda de cores, lisos
e com listas em volta, grantindo-se esta-
rem em perfeilo estado, pelo barato prego
de 800 rs,: s na ra da'lmperatriz, n. 60,
loja do Pavo.
PANNO PRETO A 20000 E A 20500
s'o Pavo.
Vende-se panno fino preto muito encor-
pado a 20500 e 20000 ; dito cor de caf a
20000; cortes de casemira preta infestada
a 40000 e 50000 : s na loja do Pavo, ra
da Imperatriz, n. 60.
Baralhos muito finos para vollarete a
Carrileis de linha com 100 jardas a
1 Cartees de linba branca e de cores a
Novellos de linha com 400 jardas a
Ditos muito grandes com 800 jar-
das a ... .
Cartoes de linha com, 200 jardas (est
I se acabando |a C,.....
rs> j Vara de fita preta com colxetes para
vestido, e lera um resto paTda a
300
30
20
60
120
60
100
^\m
/>
8EJI NEI.itAIIO.
Objectos de tintura e msica.
Grande pechlncha em roupa na I Na ra do Queimado, ns. 49 e 55, est
loja do Pavo. queimando tudo pelos pregos abaixo decla-
Vendem-se palitos de cores claraste es- rados, e prestem toda a attengo para ver
curas a 60000, ditos todos debrunhados a, 0 que bom e barato.
70000, ditos de panno preto muito boa fa- DUZa de facas e garfos muito Gnos a 20500
zenda a 70000, ditos sobrecasacados a 120, Dita dita dita de cabo preto muito
caigas de casemira a 40, 40500, 50, 60 ej finasa.........3^200
70, ditos de caxemira da Escocia a 30; pah-Dita dita dita de balango, melhor,a 50500
tos de dita de 40 e 40500; coletes de ca- Tesouras para costura, muito fi-
semira preta e de cores, camisas de todas as j nas a.........400
qualidades, e ceroulas: tudo isto vende-se Ditas ditas para unhas, muito finas a 400
para liquidar na loja do Pavo, ra da Im- Cartas de alfinetes de ferro a 80
peratriz, n. 60, de Gama & Silva. Ditas ditos de lalo muito finos a 40
' Ditas de dito grandes ..... 120
Caixas de phophoros de pao ... 10
Grosa de ditos do gaz a 20200
As bareges do Pavao.
Vende-se modernissimas bareges malisa-
dos para vestidos, pelos baratissimos pre-
gos de 480 e 500 rs. o covado : na ra da
Imperatriz, n. 60, loja de Gama & Silva.
J sabido que quando cl.ega o vapor da Escovas para roupa,muito finas a 400,
Duzia de dito dito a .
Massos de palitos para dentes a .
Livros para meninos todos cheios de
calungas a.......
Abotoaduras para coletes a
Europa, o gallo canta annunciando aos seus
numerosos freguezes as galanteras de mais"
gosto e da ultima moda que por elle re-
cebe, como sejam:
Camisinhas para senhoras.
Requicimas camisinhas com manguitos e
gravatinhas para senhoras: s no Vigilante,
ra de Crespo, n. 7.
Cirigolinhas.
500 e
200
160
320
160
800
NEJI NKC.I VIM>.
PECHINCIIA.
Peffumaria de superior qualidade.
0 rival sera segundo, ra do Queimado,
Riquissimas cirigolinhas ou gravatinhas, ns. 49 e 33, est disposlo a vender mais ba-
sendo cousa de muito gosto, e a primeira rato que rfunca vendeu; para o que queiram
vez que apparece para js senhoras de bom ver :
gosto: s no Vigilante, ra do Crespo Duzia de sabonetes finos a .
7 Sabonete inglez, o melhor, a .
Pentes de concha. Frascos com agua de Colonia muito
Tam bem chegaram riquissimas guarm-
lina a
inezasa 40OO>; pegas de ces de pentes de lindo gosto, tanto para unos ue una granue a .
jntes, adamascadas, pro-'atar, como para marrafas, por pregos ra- Ditos de Lavande ambreado, orne-
soavcis
n.7.
s no Vigilante, ra do Crespo, I lhor a
Ditos de macaga oleo muito bom a
Redes com lacinhos de fita. Ditos Derola muito sunerior a
Lindas redes preas e de cores com um
lindo lacinho de fita para conservar o cabel-
lo, pelo barato prego de 1050 >; assim como
os novos enfeites para cabeca a 30000, 40 e
50000: s no Vigilante, ra do Crespo,
n. 7.
Lif/as.
Riquissimas ligas de seda de bonitas cores
a 10300; assim como fita propria para o
mesmo effeito a 500 a vara: s no Vigilante,
ra do Crespo, n. 7.
Lavas de Jovin.
Tambem chogou c chegam por todos os
vapores grande sortimento de luvas de Jovin,
aonde os freguezes podem escolher: s no
Vigilante, ra do Crespo, n. 7.
B^^jJ^^: objectos abaixo declarados, pois para ac-
Tambem chegaram grande sortimento de ,..!......_____ /._ ;.:___
entremeios e babadinhos, que se
! Ditos perola muito superior
Ditos de oleo de babosa a 240, 320.
400 e .....
Ditos de banha branca a .
Dito de cheiro muito bonitos a .
Ditos de banha, pequeo, muito fina
..........
Ditos de opiata a 200 rs., c boa a .
Ditos de banha japoneza a .
Ditos de banha transparente a .
Ditos de oleo filoconne a .
RIVAL
SEM SEGUNDO.
Objectos diversos.
Ra do Queimado, ns 49 e 55, vende os
200
900
800
720
800
vendem ^ar; esles P,ecos n^ s^ Para continuar,
mas as nesessidades assim o perraitte.
80
80
por barat.ss.mo prego de,1^00 a pec.nha. pares de ,uvas de ^ fiJ
so no Vigilante ra doCrespo, n. 7. Can d d f
Ficellas para cinto. ,, e r
Tambem chegaram grande sortimenlode' .',.:; ""
liadas fivellas de ago e de metal com Pe-'SSsTcoUelesfraniesa'
drinhas e sera ellas, pelo barato prego de -gj f d?to|ffncM?^ *
20 e 20500, dando-se a fita para as mes- |jg"2 .*omlmnoflisos e de cara'
s no Vigilante, ra do Crespo, n. 7. ""T. 8ramP0S "sos e de cara"
mas
Vende-se orna carroca para
vallo ratificada de novo com todas as
ferragens novas por preco comuiodo: a
fallar com o Sr. Joaquim Fernandes
dos Santos com taberna na Trempe tem
ordem para vende-la.
Vinlio puro.
No escriptorio de Euzebio Raphael Rabillo, na;
ra da Cadcia n. 55, vendem-se ancorelas com ex-
cellente e puro vinho tinto de Lisboa, smente des-
tinado para gasto de casas particulares por ser re-
mettido pelo proprio fazendeiro ou lavrador.
col a
ca. Duzia de dedaes de metal em caixi-
nha de vidro.......
Tinteiro de vidro cora tinta superior
a..........
Ditos de barro que serve para tin-
teiro a........
i Grosas de botes de louca praleado a
j Pegas de tranga lisa encarnada a ,
; Varas de bicos e rendas, para aca-
bar a ........
PECHINCHA.
Vende-se queijos de qualha a 10$ a arroba e
400 rs. a libra: defronte da matriz da Boa-Vista
n. 88.
Varas de labyrinlo de 3 dedos de
largura a .......
Caixas de folha com phosphorosa .
Ditas de pos para dentesa .
Pentes de tartaruga a 30000 e .
40
360
40
320
160
100
160
20
60
100
^ 40
100
30300
Vende-se a verdadeira grana n. 97 em barricas
de 15 duzias de potes : no armazem deioate da
porta da alfandega.________________________
Vende-se urna taberna bastante afreguezada
e com poucos fundos, propria para um principian-
te : a tratar nos Afogados, ra de S. Miguel n. 82.
Vende-se urna excellente escrava ftabra)
com 20 annos de idade, cose chao, eogomma e co-
sinha alguma cousa, boa figura, sem achaques e
neto barat prego de 1060 ; ditos marque- mu modesta : quem pretender dirija-se ao sobre-
pelo udidw F'^V" f ,*, djnho que tem no principio do pnmeiro becco da
zinhas, de seda com franjas e cabo (le dO- ru4de'SantaTlierezaaoIadodaigrejan.8.
brara 30000 ; ditos de seda para homens,
sendo com armago de balea a 60 e 70, isto
para apurar dinheiro : s na loja do Pavo,
ra da Imperatriz, n. 60.
C axemlras da Escocia a OOO
cor i e.
Vendem-se cortes de caxemira da Esco-
cia, para calcas, pelo barato prego de 20,
tendo da mesma fazenda para vender em
comlos a 580 rs., sendo esta fazenda mui-
to encorpada a imitago de caxemira, e ga-
rante-se que nao desbola. Tambem se ven-
dem cortes de caxemira ingleza, |d cores
escuras para caiga pelo barato prego de
1*800 cada corte, ou a 500 rs. o cova
s na loja do Pavo, ra da Imperat
D. 60.
Vende-se um bonito moleque com 18 annos,
bastante robusto, proprio para gualquer servigo :
a tratar no armazem da ra do Imperador n. 16.
Vende-se um escravo mulato de figura ele-
gante, de boa conducta, proprio para pagem, e o
motivo por que se vende se dir ao comprador :
na ra da Imperatriz n. 77.
Hadapolo com avarla na loja de
Custodio, Carvalho fc C.
Madapolao fino com toque de avaria, a preco de
44500 a pega.
ATTTEJCAO.
VeudeK-se qoeiios do serlao de coalha e mantei-
. muito novos a W0 e W0 rs. a libra : na ra
Wreita D, 11.
FAZENDAS BARATAS
27---ltua do Qneimado---27
NA
Nova loja de Custodio, Carvalho
<& Companhia.
Fustio franeez
para vestidos de senhora e meninas, fazenda mui-
to fina e pelo barato prego de 260 rs. o covado.
Finas cambraias organdys a 340 rs. o covado.
Baldes
de arcos, de todos os tamanhos, pelo prego de
34600.
Calcinhas
bordadas para meninas, pelo barato prego de 24200
cada um par.
Laazinhas
matizadas finas para vestido a 440 rs. o covado.
Crierlas
de chita a 24000.
Lencoes
de panno de linho a 24.
Toallias
de ustao, pelo barato prego de 400 rs. cada urna.
Camisinhas
de cambraia para senhora a 24.
fioliobas
de linho para senhora e meninas a 640, 800 e 14
Sorlimenla
de meias para meninos e meninas.
Liazinha
preta para vestido a 500 rs.
Guardanios
adamascados a 34 a duzia.
O BALI5K
Attencao!
Posto que domine no cora-
gao do BALIZA a mais bem en-
tendida ambiguo de tirar de
seu negocio as melhores van-
tagens, com tudo elle nao pro-
cura fazer fortuna vendendo
gato por lebre;
Quando nao se negocia aca-
nhadamente, est bem ao alean-
ge de todos a facilidade de fa-
zer-se boas compras, para ven-
der-se barato.
Lelain todos.
Ao armazem do BALIZA po-
dem ser devolvidos quaesquer
poneros qne por ventura nao
sejam do contento dos senho-
res compradores. N3o tica
resentimento algum em se tro-
car por outro, ou restituir-se
o dinheiro recebido,
Manter a todo o custo o sen
crdito, e agradar aos seus a-
migos e freguezes, todo o
desejo do proprietario deste
estabelecimento,
LEDE! LEDE! LE DE!
Siempre a frente do progresso,
Constante marcha o iiai,I'A.\.
Tem por norte o bem eommiini.
A verdade por divisa.
mmim

MOLHIDO
DE
Largo do Livramento ns. 3S e 38 A
Dtfronlc da ^rade da groja
AO RESPEITAVEL PUBLICO
Senhores e senhoras
O mcansavel proprietario do grande armazem do Baliza toma a liberdade de mandar
declarar do alto da imprensa pernambucana, que elle perfeitamentc liberal em offerecer aos seus
benvolos freguezes as melhores qualidades dos mais bem escolhidos gneros, nao so do paiz como do
estrangeiro a pregos de contentar e satisfazer a:todos.
Fazendo tao publico e espontaneo manifest, o referido BALIZA julga de seu rigoroso dever
declarar mui seria e pusitivamentc nesta oportunidade, que tambem o mais fume e dedicado conser-
vador de sua numerosa freguezia.
Daiioa qualidade e barateza dos gneros offerecidos aos seus freguezes, junta ao pequeo ga-
nho que tira para si, tem sabido tazer o BALIZA a mais perfeita liga de interesses reciprocos, que a to-
das as conseiencias deve por forca e necessariamente agradar.
Tendo por conveniente tambem a publicarlo do seguinte aviso, o BALIZA faz saber nicamente 5
aquellas pessoas que sempre eslo promptas a coraprarem tudo, cora tanto que so Ibes permuta paga-
ren logo, que elle
NAO VENDE FIADO.
Os amigos da economa, aquellos que s compran os objectos de que carecem, e que gostam fi-
nalnente de empregar bem o seu dinheiro venham a este estabelecimento.
ItC2IAM TODO.
Do prego de qualquer genero annunciado a venda em outros estabelecimontos, podem os senho-
res freguezes diminuir cinco por eenfo, e vir compra-Jo ao Baliza, que sendo, como todos sabem, o ho-
n,\emdo movimmto prefere ganhar muito pouco, com tanto que soja por muitas vezes repetido.
/
wm*
mSmSXtSMW^ml
t|nem nao comprar.
Ricas chapelinhas de Sflda .muito bem enfeiUi-
das e bellos gostos para senhora, pela terga parle
do seu valor : na ra do Queimado, loja b. 41.
Um Ikscobrim'iio Exitoso!
0 Hundo Scieiuififo unauimamtnU 9 approva.
A Coiiiposi^ao Anaeahuita
Peitoral de kemp.
Por espaco de mnto tempo se ha tizado ex-
tensamente em Tampico paw a cura de
TSICA PLMONAH,
CATAfiRHO, ASTHMA,
BRONCHITE, TOSSE CONVULSA,
CRUPO OU GARROTILHO, e
Inflamma^Set da Garganta e do Peit o,
e isto com um resultado to feliz e verdadei-
ramente assombroso o pao ou madeira d'unia
arvore que chamo Anacadta, e que s
so oncontra no Mxico.
A Gomposico Anaeahuita Peito-
ral de Kemp e' um Xarope delicioso, intei-
ramente difibrente na sua composic.ao de
todos os mais Peitoraes e Expectorantes ma-
nufacturados de fructos astringentes, cascas
e raics, &c., o mesmo no contem nenhum
Acido Pruttico ou outros quaesquer ingre-
dientes venenosos.
Todas as molestias c affccces da garganta
e dos pulmoes dcsapparecera como por um
mgico encanto, mediante a accao deste in
comparavel e irresistivel remedio.
venda nas boticas de Caors & Barboza,
ra da Cruz, e Joo da C. Bravo 4 C, ra
da Madre de Dos.
Farinha de mandioca
em saceos grandes, e de superior qualida'
de ; no armazem de Tasso Irmios, ra do
Amorim, n. 35.
CAL DE LISBOA
Vende-se cal nova de Lisboa : no largo do Cor-
po Santo, escriptorio de Mtnoel Ignacio de Olivei-
ra & Filho n, 19.
ESSENCIAS DEPURATIVAS.
tuli-s}puilitica e ao(i-rheumatita
.tpprovada pela imperial
academia de medieina.
COMPGoICOE raKPAHACAO DO
\dr. Ernesto Frederice tos Sanios,
Pharmaceutice pela escola de mediana
do Rio de Janeiro.
JEetas essencias cuja formula ja foi ap- ?
proyada pela academia imperial de medi- j
cia do Rio de Janeiro, e pelas quaes seu j
autor foi premiado na exposicao nacional j
de 1861 e com duas medalhas na expo- j
^le Londres, sao sem conlestanao o 1
mais eflicaz de todos os medicamentos at j
hoje conbeeidos para o curativo de todas !
as molestias syphilicas ou (jue dependam J
de urna alteraeao do sangue.
Dislingucm-se estas essencias pelos ns.
1 c 2, cujas formulas variam onsidera- |
velmente, a de n, i empregada com o |
mais feliz resultado nas molestias vene- a
reas ou que dependam de alteraeao do |
sangue, como, cancros venreos, diagas fi
sypuiliticas, boubas, affeccocs herpeticas 8
e iiarii'lizas, nas blcnnorrhas, leucor- |
rhcas, vegetacoes syphiliticas, escrophu- jj
las, escorbuto, erysipelas etc. A de n. 2 8
i.-n 1 sido empregd 1 exclusivamente pa- |
ra dcbcllar os rheumatismos syphiliticos fi
c gotosos c nas exostoses ou tumores g
osseog. g
Acha-se a venda este precioso medica- fi
ment na ra do Rangel n. 62, pharrna- g
cia de Mcdronho A Martins.
Molhados a preco fabuloso e p-
tima qualidade.
Na travessa das Cruzes n. 6, taberna, vendem-se
os seguintes gneros: manteiga franceza a melhor
que h.i no mercado a 560 rs. a libra, dita ingleza
a 720 e 610 rs., agurdente de canna engarrafada
ha 3 annos a 240 rs. a garrafa, que parece de
Franca, dita de pipa a 200 rs. a garrafa, e caada
a 1120, espirito de vinho a 280 a garrafa, e ra-
llada a 15600. vinho o melhor que possivel da
Figueira a 480 a garrafa, e eanada a 35500, dito
mais baixo a 400 rs. a garrafa, dito do Estreito a
320 a garrafa, vinagre branco proprio para con-
serva a 320 rs. a garrafa, azeite doce de Lisboa a
600 rs. a garrafa, dito de carrapato a 320 rs.
45SUA DirEITA~45
I,
4
Vende-se ou arrenda-se o engenho S. Elias
sito na freguezia de Serinhaem, a tratar na ra da
Cadcia do Recife n. 39, escriptorio da viuva de
Manoel Goncalves da Silva.
AOS SRS. CONSUMIDORES DE GAZ.
os armazens do Caes do Ramos n. 18 e
na ra do Trapiche Novo (no Recife) n. 8, se
vende gaz liquido americano primeira quali-
dade a re taino a 100 a lata de 5 galoes, as-
sim como latas de 10 e de 5 garrafes e sendo
em porcao mais barato que em outra qual-
quer parte.
llua daSenzailan 42.
Vende-se, em casa de S. P. JohnstonC,
sellins e silhoes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
diicotes para carros e montara, arreios para
carros de om e dous cavallos, e relogios de
ouro patente inglez.
I Eia, rapasiada, corageml parece queja
: entregastes os vossos juanetes aos duros sei-
I xos do pessimo calfamento da nossa cidade-l
; S se observa em vossos ps botinas acalca-
nhadas e gastas at ultima sola; sapales
, rasgados e quasi sem saltos.... ncm tanto I
a quebradeira nao deve ebegar at este pon-
to I Vindo ra Direita munir-vos de excel-
lente calcado com 40 e at 60 por cento
menos do seu valor.... attendei :
Borzeguins, Nantes, bezerro e va-
queta 2 e meia solas .... 8#o0
Borzeguins, Nantes, bezerro, va-
queta e lustre 2 solas. 8#00
Borzeguins, franeez e hamhurguez,
bezerro, lustre e couro de por-
_ co 1$ e........64000
bapates, Nantes, bezerro e vaque-
ta 2 e meia solas. ... 5^(500
Sapatoes, Nantes, vaqueta, lustre e
bezerro 2 solas......5,5000
Sapates, Nantes, sola e vira. 4#000
Ditos para menina, com laco. 3I500
Ditos de ditas, detfOres. 2^*800
Sapatos para senhora e homem,
tapete......... 800
Sapatos de borracha para senhora. 1*5400
dem idem para meninas. 1,0000
Sapatos de lustre para senhora. UIOQO
dem de lustre s avessas ... 500
Charuto
Vendem-se superiores charutos usuiroa 1*200
cada meia caixa, ditos de diversas marcas, calxa
de 100 charutos a 15200, ditos de ditos, meias cai-
xas, a 600 rs. : no deposito da ra Nova n. 58.
Vinho do Porto superior.
Vende-se em caixas de urna duzia : ao escripio-
rio de Antonio Lniz Qliveira Azevedo A C.
Cal de Lisboa e potassa da
Rnssla.
Vende-se na ma da Cadeia do Recife n. 26, para
onde se mudou o antigo e acreditado deposito da
mesma ra n. 12, ambos os genero sao novos e
legtimos, e se vendem a preco mais barato do que
outra qualquer parte.
- ^ ende-se um negro de meia idade, bem ro-
busto, proprio para qualquer servico; sabe cozinhar
o diario d'uma casa, e, tambem sabe botar canoa :
na travessa do Pocinho n. 26 sobrado.
Na estrada do Manguinlio antes de
chegar a ponte, sitio n. 21, se dir quem
vende nina bonita negra de 11 annos, que
cose perfeilamenle costura cha, e tem bons
principios de engommado.
Potassa da Kussia.
Vende-3e em casa de N. 0. Bieber A C,
successores, na da Crui n. 4.


Mari* de PeruMbnto abitad lt de Hrtcmhro de 1*03
GRANEO WfWUPtnnORTIll 0 DE MOLHADOS
Vlnhn om nina Dnntn PimiiSru A I.iehn 9 Rsnha Ho .____ iiw. ...
(8
(25
s>
[UJ3

o

t
c
v>
55-
O
i
iS>
>

so
*-
O
e
S
*>
O
0
o
o
ce
o
"t
O
S

t
t
o
J
ct>
H
st
o
-
E
o
o
o
02
5
t
o.
o
-
3
&3
t
"t
eo
O
o
9
SO
5-
O
v>
t
E
t
so
0
so
s
tH
O
CO
O
o
O
"t
so


t

8
S
t
o
t
t-
*
a
t-
O
t
t
t-
o
"t
o
o
Vinhos em pipa: Porto Figueira e Lisboa, a
4oo, 44o, 5oo e 56o rs. a garrafa, e em
caada a 2,56o, 2,8oo, 3,ooo, 3,5oo e
4,ooo rs. do melbor.
dem lagrimas do Douro, especial vinho do
Porto mandado vir de conta propria a
1 o,o*o rs. a duzia e l.ooo rs. a garrafa.
dem do Alto Douro vindo "do Porto engar-
rafado, das seguintes marcas: Duque do
Porto, Feitoria, Nctar, Velbo Secco, Cha-
nrisso*, Madeira superior a 9,ooo rs. a cai-
xa e 1,000 a garrafa.
dem Bordeaux das melhores marcas: St.
Julien, Medoc, S. Estepb e outros a 7oo
rs. a garrafa, e 8,ooo rs. a caixa com urna
duzia.
dem muscatel de Setubal verdadeiro a 2,ooo
rs. a garrafa e 22,ooo rs. a caixa.
Garrafoes com 5 garrafas de vinho do Por-
te do Alto douro a 2,2oo rs. com o gar-
rafSo.
dem com 5 garrafas de vinho Figneira
raoito proprio para a nossa estaco, por
ser mais fresco a 2,4oo rs.
Vinhos velho chamisso em barril muito pro-
prio para sobremesa por ser muite claro
e macio a 6oo rs. a garrafa e 4,5oo rs. a
caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero a 5oo rs. a garrafa e 3,8oo
rs. a caada.
Garrafoes com 5 garrafas de vinagre de Lis-
boa al,2oo rs.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo rs. a garrafa
e l,4oo rs. a caada.
o
sa.
O
-
"t
o
so
so
k
O
o
O

I
o
"t
.
o
t
Velas de spermacet a 6oo,
masso.
64o e 68o rs. o
Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de encommenda especial a 8oo rs.
a libra,
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
54o rs.,"e em barril a 5oo rs.
dem em potes de 4 46 libras muito fina e
propria para doente a 8oo rs. a libra e o
pote separado.
Banha de porco a 54o rs. a libra, e em bar-
ril se far abatimento.
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
de l,6oo, l,8oo, 2,ooo e 2,5oo rs. cada
um
dem londrinos os mais frescos que se po-
dem desojar a 8oo rs. a libra.
Cafe do Rio de 1 e 2a qualidade de 8,ooo a
8,5oo rs. a arroba, e 28o a 3oo rs. a li-
bra.
Arroz caroliuo e do MaranhSo a 3,ooo rs. a
arroba e loo rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra e
em porclo ter abatimento.
Caixinhas de ameixas francezas de 1 1/2, 2
e 3 libras, elegantemente enfeitadas com
diversas estampas no eferior da caixa a
l,3oo, l,5oo, 2,ooo, e 3,ooo rs.
Fructas em caldas das seguintes qualidades:
ameixa, rainha Claudia, cerejas, pero,
groja, pecego e alpech a 5bo rs. a lata.
Marmelada imperial dos melhores conserva-
ros de Lisboa a 6oo rs. a libra, e em la-
tas de 1 >/i e 2 libras.
Ameixas francezas em frascos de 1 1/2 e 3
libras de l,4oo a 3,ooo rs.; tambem ha em
latas de l,ooo e 3,ooo cada urna,
Cha huxim miudinho mandado vir de en-
commenda especial a 2,8oo rs. a libra,
garante-se a boa qualidade."
dem hysson o mais superior a 2,6oo rs. a
libra, afianca-se ser igual ao que regular-
mente se vende a 3,ooo e 3,2oo rs.
dem preto muito fino a l,9oors. a libra.
dem mais baixo, e miudo proprio para ne-
gocio a l,6oo rs. a libra.
Presunto inglez para fiambre o mais fresco
que se pode desejar a 8oo rs. a libra.
Genebra de laranja a 9oo rs., a frasco.
Chouricas e paios, os mais frescos que se
pode desejar, a 5oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa
e lo,5oo a caixa.
Ricas caixinhas com confeiles e frutas seccas
muito proprias para mimos pelo baratissi-
mo prego de l.ooo rs. cada urna,
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
8oo rs. o frasco.
Licores francezes das seguintes marcas: A-
nizete de Bordeaux, Plaisir des dames, e
outros a l.ooo rs. a garrafa e lo.ooo a
caixa.
Passas muito novas a 6,ooo rs. a caixa e
36o rs. a libra, ha caixas, meias e quartos.
Bolachinha ingleza a mais nova que se pode
desejar a 2,5oo rs. a barrica, e 24o rs.
a libra.
Azeite francez clarificado a 8oo rs. a garrafa
c 9,ooo a duzia.
Conservas inglezas dos melhores fabricantes
Mixed e Pickles, ceblas simples, e outras
a 8oo rs. o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes muito
nova a 4oo rs. o pote.
Mlhos inglezes de todas as qualidades e das
melhores marcas a 5oo rs. cada urna gar-
rafinha.
Vasos inglezes vastos de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de doce, manteiga
ou outro qualquer liquido de l,ooea 3,ooo
rs. cada um.
Palitos do gaz, a 2o rs. a caixinha e 2,3oo rs.
a grosa.
Milho alpista a 160 rs. a libra.
Milho pamco a 140 rs. a libra.
Gomma para engommar muito fina e alva a
80 rs. a libra a 2,300 rs. a arroba.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Sabao verdadeiro hespanhol que raras vezes
vem ao nosso mercado a 300 rs. a libra,
e em caixa ter abatemento.
Sabao massa de 180, 200, 220 240, rs. a
libra do melhor.
Graixas em latas muito nqya a 120 rs. a lata
e 1,300 rs. a duzia.
Peixe em latas muito novo : savel, pescada,
curvin, salmao e outras qualidades prepa-
rados de escabexe, segundo a arte de cozi-
nha de 1,400 a 2,ooo rs. a lata.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
440 rs. cada urna.
Papel greve pautado eliso a 3,500 rs. a res-
. ma.
Azeite doce de Lisboa muito fino em barril a
640 rs. a garafa, e em porcae ter abati-
mento.
acreditadas marcas a
e lo,ooo rs. o gigo
Champagne das mais
1 ,ooo rs. a garrafa
com urna duzia.
Doce da casca da goiaba a 4oo, 5oo, 6oo,
7oo, 8oo, e l.ooo rs., o caixao grande.
Chocolate porluguez, hespanhol, francez, e
suisso, das melhores qualidades a 9oo rs.
a libra.
Velas de carnauba e composic5o a 32o, 36o,
c 4oo rs., a libra, e de lo.ooo a H,ooo rs.
a arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa a 1,oog
rs. aancoreta, e l,5oo a de Lisboa, estas
ultimas raras vezes vem ao nosso mercado
pela sua boa qualidade.
Massas para sopa macarrao talharim e aletria
muia nova a 48o rs. a libra.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Bahia a 4,ooo, 3,5oo, 3,ooo e 2,5oo rs. a
caixa.
Serveja das melhores marcas a 5,ooo rs. a
7,ooo rs. a duzia.
Biscoitos inglezes das seguintes marcas:
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travellies
Lunch, Cobin, e outras a l,2oo rs. a lata.
Bolachinha de soda especial encommenda a
l,8oors. a lata.
Iem Craknel em latas de 5, 7 e 15 libras a
4,ooo, 5.5oo, e 11,ooo rs. a lata.
Massa de tomate em latas de 6oo a 7oo rs.
cada urna.
Sardinha de Nantes a 36o rs. a lata.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijoilo de lirapar facas a 16o rs. cada um.
Ceblas a 9oo rs., o molho.
Farinha de Maranho muito alva e cheiroza
a 14o rs. a libra.
Pimenta a 36o rs. a libra.
Cominho, cravo, erva doce, enxofre, palitos
de dentes em caixinhas que tudo vende-
mos por baratissimo preco.
Ricas caixinhas com confeites e fructas sec-
cas muito proprios para mimos pelo bara-
tissimo preco de l,oo rs. cada urna.
Bara*sima* bandcljas. Novas fcitas elsticas pura senhoras
A agui.i branca por muilas vezes tem da- casadas.
do a conherer que quando acha alguma pe- A reconhecida utilidade dossas necessarias cin-
Chincha, nao quor somente com ella encher las elsticas fez com que em breve se acabassem
o papo, ao contrario deseja me toda sua boa 5S fr^i. e o publico e ^prtvemd. SOgffSXSt,VSSS
mesma, o que agora mesmo acontece com don buscar maJB algumas,mjeacabamdecbegar,
essas; baratissimas bandeijas, cuja limitacao ainda mais perfeilas que as primeiras, sso por se-
de presos admira, em relaco aostamanhose rem menorcs< agora, pois, podem as senhoras ca-
oualidades- avisli do mir convi'-m torta-j a. fada5. Prevenirem-se, mandando-as comprar na
qudiiu,iucs. ,i\ isra uo que lomtm a toaos a- ioja d aguia branca, ra do Queimado n. 8. Se a
proveijarem-so dessa opportuna oocasino e aguia branca precisasse de scmelhante' obra de
proverem-se d'um traste semprc necessario, ciiodesia vez nao (icaria sem ella.
e que lhes custar quasi metade do justo va- riu.lin,mnj,c
lor. Assim. pois. dirigirem-se com dinhei- '
ro aletrre e espacosa toja d'aguia branca
ROUPA FEITA
NO
AHJIA/FJI
A *\%\\*
RA DO QUEIMADO N. 46
ra do Queimado n. 8.
Os afamados copos com banha, c
boici com isiscrlp^es.
Chegaram novamente para aaguia branca!
esses araraados e estimados copos com banha'
fina; assim como os bonitos boioes de por-!
cellana dourada tambem com banha, e novas
inscriprnes maviosas e jocoserias, mni ade-
quado para presentes resta porem que os apre-
ciadores concorram, munidos de dinheiro, !
alegre e espacosa toja d'aguia branca ra do
Queimado n. 8.
Cira%a econmica.
A aguia branca acaba de receber ssa acredita-
da graxa econmica, cuja superioridade est gc-
ralmenle reconhecida ; essa boa graxa so torna
recouuneudada, lauto porque o calcado lustrado
com ella aeixa perfeitamente lustroso ao menos
tres dias sem necessidade do novo unto, como
mesfiiu porque sua preparacao a|tpropriada para
amaciar econservar oc-ouro ; ella vem em caixi-
nhas e barrizinho<, < acha-se venda na ra do
Queimado n. fi. luja d'aguia branca, aos rezunndos
presos de 400, 500 e (!W rs.
d'agoia branca recebi-
das pelo ultimo vapor.
lucos pentes de tartaruga com chapa de madre-
peroa.
Bonitos leques de madreperola.
elicadas caetas de dita.
lindos chapeozinhos de setim para baptisados.
lucos de seda brancos e pretos.
Bonitas caixinhas com msicas e sem ellas para
costura.
Trancclins de laa para enfeites.
Fitas de seda eslreitas para ditos.
Hitas de velludo cota listras para barras de ves
tidos.
Aspas de balea para vestidos.
Ditas de ac para espartilhos.
Bandoesde dina.
Pulseiras de contas para meninas.
Paos para abrir luvas e port-charutos.
Ksscncia de ail para engommados.
Pos bygienicos de Lubin para dentes.
Leite virginal para tirar sardas.
Dito d'ires para extinguir as caspas.
Vinagre aromtico para vertigens, dores de ca-'
beca, etc.
Cosmetique surfine para cabellos.
Pomada para bigode.
Benda de fil. lisa.
K.ETREXRO VERDE.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concor-
rentes,j)ara o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
homens e meninos.
Casacas de panno preto, 350 e 300000 Colletes-de fustao e brim bran-
Sobrecasacasldem, 30$ e. 25000, co, 3500, 30 e 2&00
Paletos idem c de cores, 250, ; Scroulas de brim de linho,
200, 150 e 100000 20400 e......20000
Ditos de casemira, 200, 150, ,f j Ditas de algodo, 10600 e. 10400
120, 100 C.....- --^oo" -
FAZEMBAS E ROUPAS FEITAS.
Sortimento completo de sobrecasacos de panno a 250, 280, 300 e 350 casacas
mu,tobemfe.tasa250, 280 300 e 350, paletots acasacados de panno prec?de 2
250, ditos de casemira de cor a 150, 180 e 200, paletots saceos de
1 mira e op "
S ?J ?7aICnS*' p,a-etots e colletes' sortiment de cohetes pretos de metim, casen
e velludo de 40 a 90, ditos para casamento a 50 e 60, paletots brancos de bramante a 4
e u0, calcas brancas muito finas a 50, e um grande sortimento de fazendas finas e moder-
nas completo sortimento decasemirasinglezasparahomem, menino e senhora, ceroulas
.o e algodao, chapeos de sol de seda, luvas de seda e de Jouvin para homem e se-
Vtabadlnhos cs< rei os c bordados
Vendem-se na ra do Queimado n. 8. loja d',
branca.
:uia
Delicadas esou rinhas d'aco para
bordados e laby rinthos.
A pedido de algumas senhoras suas predicletas
freguezas, a aguia branca mandou vir dessas de-
licadas tesourinhas d'aco pontas agudas, proprias
para bordados e labyrithos, e una vez chegadas
como de facto chegaram, a aguia branca convida
as de mais senhoras snas boas freguezas para
aproveitarem-se da occasiao e bem empregarem
mus25 emeada urna dessas finissimas tesouri-
nhas, na certeza de que perder por chegar tarde;!
quem se demorar em as mandar comprar no ale-'
sj?rc e espacoso ninho d'aguia branca, ra do Quei-
l branca pensando constantemente m Sfa-Jnge ^^ ha outras curvas e direi-
bem servir a toda a sua freguezia, notou que anda
nao havia feilo algum agrado a aquelles que pru-' Pontos de concha
tote e acertadamente regando, enmprem oW de Comas novas e diversis ffnarnMlaa Ho'
bom chnstao, e quando reparou essa sua falta, ,, n g uamipoes de
mandou vir e acaba de receber delicados tercos PenlesQue a Aguia Oranca acaba de rece-
'lina com cruzdeprata, os quaes ber, ,veio tambem urna pequea qualidade)
de pentes de concha que com graca e acer-'
Capachos compridos c redondos
Wndem-se na rua do Queimado, loja d'aguia
branca n. 8.
TERCOS
e coras de cornalina.
Ditos de alpaca, 50 e.
Ditos ditos pretos, 90, 70,
50 e........
Ditos de brim c ganga de co-
res, 40500, 40, 30500 e. .
Ditos branco de linho, 60, 50 e
Ditos de merino preto de cor-
d5o, 100, 70 e.....
Caifas de casemira prcta, 120,
100, 80e......
Ditas de cores, 90, 80 e. .
Ditas de meia casemira de co-
res, 50500 e.....
Ditas de princeza e merino pre-
to^e cordo, 50, 40500 e
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40500, 40 e .
Ditas de ganga de cores,
30500, 30 e.....20500
Colletes de velludo preto e de
Camisas de peitos de linho.
50, 40, 30 e.....2)9800
"pOitas de madapolao, 30,
30500 T 20500, 20 e.....10GOO
Chapos de massa, pretos fran-
cezes, 100, 90 e. 80500
Ditos de fltro, 50, 40,30500 e 20000
Ditos de sol, de'seda, 120.
H0. 70 e......40500
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda....... GiO
Sortimento completo de grava-
tas. #
Toalhas para rosto, duzia, 110,
95 e........60000
Atoalhado adamascado de li-
nho vara......10280
Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....40000 ,_
Lences de linho.....30000 M
Cobertas de chita chineza.. 20000
3*
30000
40000
50000
70000
70000
40000
40000
20500
i IrL os uma g,'-ndt ^"3 d0 alfaiate' onde recebemos encommendas de grandes
'< S f 'iq?e pa-a uso.esta sendo administrada por um hbil mestre de semeihante arto e um
Ernmn He#ai'dG k^1!? obreiros escolhidos. Por tanto executamos qualquer obra cton
^promptidao e mais barata do que em outra qualquer casa.
^v^*m m WAflflM
BE
TOII.iS AS Ol tllIMntS
DE
ANTONIO MAIA DE fiBITO
cores, 90 e......70000 Pennas d'aco, as mais superio-
deiia a disnosicio ilos (eis que estiverem dispbstos
a gastar l1U00,ie 3J para possoirem um bonito
lergo ou coma, com os qo ni mesmo pedir a
Deus i>ela prosperidade d'aguia branca, em sen ale-
gre e espaeoeo ninho da rua do Queimado n. 8.
fftahtizinbos com perfumarlas e
sem ellas.
A aguia branca vende bonitos bahuzinhos com 6
frasqulnhos decheiros por 15300 e vasios por 800
rs., servindo estes para meninas, e mesmo para
nas, etc., etc. : na rua do Queimado, loja d'aguia
ranea n. 8. ^
Ditos de casemira preta, 50 e
Ditos de ditas de cores 50
40 e........
Ditos de setim preto. .
Ditos de ditos e seda branco,
600
Llanas maclas e lustrosas para
bordar
vendem-se na loja d'aguia branca rua do
Queimado n. 8.
NteTissimos e bonitos enfeites
para cabecas.
Quando o bello sexo senta a falta de bons
enfeites para cabeca, eis que a aguia branca
recebe uma sua encommenda de bonitos e
delicados enfeites, e de modernissima moda,
muito servindo isso para sanar aquella falta,
e fazer com que as Kxmas. apreciadoras da
bella empreza Coimbra possam melhor real-
sat' e mostrarem o apurado gos'to que as
guia. Esses enfeites sao d'um tecido bas-
tante nao com continhas d'aco, c mu bem
enfeilados com flores, fitas, bicos, plumas
etc., entretanto que sendo obra de muito
gosto custam 50, 60 e 70dinheiro vista;
na espacosa e alegre loja d'aguia branca rua
do Queimado n. 8.
tadamente servem para o moderno atado dos
cabellos. Ellessao de bonitos e agradaveis
moldes, edelatnanho pequenino como con-
vem para o fim que s5o. E' esta a primei-
ra vez que d'elles aqni chegam, por isso
que a moda novissima, pelo que ganha-
rao a palma aquellas senhoras que primei-
ro se apresentarem com elles, para o que
os mandarlo comprar na loja d'Aguia Bran-
ca, rua do Queimado, n. 8.
A Ib us cni perfumaras.
Militas vea aconteca que se procurando una
PM plantarte para se offertar a uma senhora ou
menina em rqb anniversarioa, ou mesmo na
amarracao das mestras destas, se nao acha va cousa
>ra, porm. j nao dove sticce-
flf>r ass.n, P;,rinje na ,njn ^^^ )jr;)nca encontra.
rt o pretendente liellos objectos para esse flm, so-
kre-sHiundo entre elles esses bonitos albuns com
arruinaras, cujo posto c novidade lhes d a pri-
ffr2? cah,rp wpw em suas prediter-
tos fhRii.-zas, e jiundo usim no seja, nao fez
nal, porque a mimoseada renanuirtn na d^ndaTi
Ode do ubjecto, querer dXC SZ
umero daquellas._ Em todo #S havendo T
heiro, dinjan.-se rua do QneKo K-miu"*
kranca n. 8, que tudo se arraniarL J g
- Chegiram luvas de pellica para a loia d'a-
fiua brancada do Queimado n. 8. J
No a-mazcm de fazendas bara-
tas de Santos C<>elho J
Rua do Queimado numero l.
Vende-se o segninte
Coborlas de chita
da India pelo barato prec.o de 25.
Lcufes
de panno de linho a 25.
Lenpocs do bramante
do lmho fino do um s panno pelo baratissimo
prec.o de 35.
Toalhas aleoenoadas
para mos pelo barato preco de 55 a duzia.
Vestidinhos de seda
para menina pelo baratissimo preco de 45.
Lencos de srda
para algibeira pelo barato preco de 15.
icas saias de fustao
pelo barato prepo de 5500.
Landos de eassa
finissimos proprios para algibeira pelo baratissimo
proco de 25 e 25400 a duzia.
Cortes de calca
de ganga amarella de lista c quadros pelo bara-
tissimo preco de 15200 o Porte.
fofas de madapolao
fino largo pelo baratissimo prego de 85.
Pfs de nrelanlia
de rolo com 10 varas pelo barato prego de 35200.
Pecas de rambraia
de salpicos fina com81r2 varas pelo barato prego
40000 res, a grosa.
Relogios de ouro orizontaes,
30500 900, 800 e......700000
50000 Ditos de prata, galvanizado,
I patentes e orisontaes, 400 e
6* e.......50000 Obras de ouro, adergos, meios
Ditos de gorguriio de seda | aderecos, pulceiras, rozetas,
pretos e de cores, 60, 50 e 40000 aneis e cruzes.
CONHECIDA POR FABRICADA VlVA.
N. 21 Antiga rua dos Quarteis de polica -N. 2.
Constando ao annunciante, que alguns especuladores de m f, vendo o codito
que gosam os meus cigarros e para poderem dar consumo aos seas andam "endendo Zto
na pra^ como pelo mato Jludindo os meus freguezes, dizendo que sao meus e como T
dos os meus cigarros sio vendidos na minha fabrica, e nao mando pesso^T alguma Zto
por minha conta fora delta, fago o presente annuncio para evitar que comprem ato J
lebre ; e para seguranca dos senhores consumidores deste genero e especialmente os nl
tT> l030is "MOJ cigarros que forem vendidos na mmKbrS
que declara o meu nome, o nome da rua e o numero
da
300000
I
"J*vF'
FUJirDicAo
LE
)3
si-:
marcados com uin distinctivo
mesma casa.
On,npr0-Veit0a occa,siopara scientificar aos mesmos senhores, que constantemente
POR MENOS DEZ POR CENTO
NOS
AK.TI.1ZE.\S
mms 1 coNs
DE
FRANCISCO ANTONIO CORREIA CARROSO, zef c PT iS0 ^ proebrfe vende-Ios por menos
a amigo e proveitoso estabelecimento, prompto para .. A-eiam loaos.
de ferro fundido, balido ou de bronze. moendas para }lantea mPIeza especialmente escolhida a 72o e 800 rs. a libra.
lies, tudo com a maior promplidao, perfeigio e com- \Tm franceza de pnmeira qualidade a 50o rs. a libra, e em barril a i
Hwa do Km 111. N. H'.
Acha-se novamente aberto este antigo e proveitoso estabelecimento
executar quaesquer encommendas di
engenhos, com vapores ou sem elle
modo prego ; tem vanas obras promptas da melhor e mais solida construccaoque p-! Arros! pilado o melhor
dem ser vendidas por metade de seu valoiv como sejam :
Moendas inteiras e meias ditas de varios lamanbos, para engenhos.
Portas d'aguas guarnecidas de bronz com parafuzo de rosca quadrada.
Rodas de espora, carretas e rodetasangolares.
Parafusos e cavilhSes de ferro ou de bronze, rosca quadrada ou singela.
Agulhoes fundidos de azas e batidos para rodas d'agua e chumaceiras com bronze
Bronzes e torneiras de todos ps-tamanhos e qualidades.
Taxase fundos de alambique, de ferro fundido, de varios tamaitos.
Crivos e portas de fornalha de varios tamanhos e qualidades.
Uma machina de destillagSo continua do autorCollares.
Fog5es americanos econmicos para casa de pequea familia.
E uma grande porgao de pegas de obras tanto de ferro fundido como balido ou de
bronze que seria enfadonho descrever.
Espera, pois o proprietario deste ertabelecimento
e prestara toda sua conlianga e attencao.
wmm
IODO 8RV(D83
NS. 2t E 23-LARG0rD0 TERCO-NS. 2i E 23.
Hecebem por conta propria a maior parte dos gneros existentes nos seus arma
w isso dehberou-se seu proprietario a vende-los por menos 10 "i do mTZ
, outra qualquer parte, garantiddo a superior qualidade. /o do que em
I.eiaiu lodos.
- 54o rs. a libra
do mercado a loo rs. a libra e 3!oo rs. a arroba ou sacco"
Cafe do Rio e do Cear o melhor neste genero a 28o e 32o rs. a libra
que o publico sempre benigno
a l,4oo rs. e em caixas de quatro arrobas por
\
Batatas novas a 5o rs. a libra, em arroba
4,800 rs,
Bolachinhas americanas, as mais novas neste genero, a 2oo rs. a Ubra e 3 000 rs a ha'
Palitos do gaz, vmdos por conta particular, a 2,3oo rs. a groza barrica.
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor, a l,8oo e 2,000 rs
Vinho do Porto em garrafa de superior qualidade a9oo rs a garrafa
dem em pipa Figueira e Lisboa a 4oo rs. a garrafa, e a 3,ooo a caada
.Mi no alpista o mais l.mpo que ha no mercado a 16o rs. a libra, e a arrroba a 5 000 rs
Velas de spermacet, composigo e Aracaty, a 4oo, 36o e 64o rs. a libra
Toucinho de Lisboa novo e grosso de primeira qualidade a 32o rs. a "libra, e 9 000 re. a
Alm destes gneros ha outros muito baratissimos, assim como cha do malfcor
torte doce, ymagre, cebollas, alhos, pimenta, c^minhos, erva-dol dZ^K
azeite
qualidades.
cliouricas, sabo verdadeiro
de 45.
Atoalballio de linho
com 8 palmo.', de largura proprio para toalba de
mesa pelo barato prego de 5o00 a vara.
Barege
de lindos gostos pelo barato prego de 440 rs. o co-
vado.
Estelra da India
propria para forro de sala de 4, 8 e 6 palmos de
largura.
Polassa nacional.
Vende-se superior potassa do Rio de Janeiro, da
mais nova aue ha no mercado, a prego muito com-
modo; no largo do Corpo Santo, escriptorio de
Mauoel Ignacio de Oliveira & Fllho, n. 19
nm
de cores para listas de elellores
A aguia branca suppe me nSo faz mal em offe-
quahdades, que tudo se vende barato e quem duvidar venia v
cominhos, erva-doce, charutos da todas.
loo a 24o rs. a libra, genebra de todas as
r.
Cal de Lisboa
Cal virgera chegada hontert em aneoretas mui-
to bem acondicionadas e por preco commodo: no
antigo deposito da roa do Trapiche n. 13, arma-
zem de Ma'hoel Teiseira Basto.
FVnrilI^AO DA AURORA.
Inn,1f'a g'ande e bem montada fabrica de machinismo, a mais antiga no imperto, een-
recer aos athietas uns pacoteseom Mt foihas de;""ua'seua executar com a maior presteza e perfeic3o encommendas de toda a qualidade
papel de cores, que pode servir ptimamente para de machinas usadas no paiz, tendo sempre nromoto o setuinte :
'islas de eleitores, e tanto melhor por custar cada ^J-
Rua da Senzalla \ova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ierro coato libra a 110 rs., idemdeLow
Moor libra a 120 rs.
pacote o diminuto prego de (JtfOQ. e ser cada um
de uma s cor, o que diflcil di? encontrar a tao
ser na rua do Queimado, loja d'aguia branca n. 8
Na mesma loj tambem ha de outras qualidades,
branco e azul, assim como anvelopcs.
Potassa da Itussta.
Acaba de chegar no navio 0**n of (he Fleet, a
mais superior potassa da Rnssia, e vende-se a
i prego commodo : no largo do Coipo Santo, escrip-
1 torio de Manoel Ignacio de Otiveica t Filbo, n. 19
sempre prompto o seguinte
uranae sortimento de moendas de canna de todos os svstemas e tamanhos.
Machinas de vapor de diversas qualidades.
Taixas-fimdhas e badas.
Cnvos e bocea para fornalhas.
Bronzes e aguilhes.
Rodas, rodetas Ib. rodas d'agua.
Guindastes fixos eportateis.
Machinas de cyhndros parajwdaria. ^r/
Serras de afo,pacasrmra.
Fatechas para barcos, etc., etc., tudo por prego que bem convida.
_^_
- /


'

Blarlo de Pernaiubueo fcafebado lt de Seiembro de 18S.
9
I
O

M
GRANDE ARMAZEM
AE
EE
*m9mmxmmjmm&\mMwmx*L
DE
II
GRANDE ARMAZEM DE MOLHADOS .
DE
Eduardo Marques deOliveira C.
\. M, REA DAS CRUSS N. 3
DO
balrro de auto A* 0 proprietario do muito acreditado armazem denominado Progrwista tendo
sempre em vista fazer tudo o que for possivel para bem servir aos seus freguezes, tem
deliberado vender os seus j bem conhecidos gneros de primeira qualidade pelos precos
abano mencionados, e affianca s pessoas que mandarem comprar por seus criados ou
escravos, serem tito bem servidas como vindopessoalmente; encarrega-se de aviar qualquer
eaeommenda, anda mesmo ontendo objectos nao proprios deste estabelecimento. O
mesmo pede aos senhores que mandarem comprar neste armazem o favor de mandarem
devolver qualquer objecto que n2o agradar, devendo os mesmo's senhores ter toda atteo-
c5o com os seus portadores, fazendo-lhes ver que s no armazem Progressista da ra das
. cruies n. 36, que se vendem os melhores gneros por mais barato proco, porque estes
muitas vezes olvidam-se e vao outra parte onde os servem de maneira a desagradar este
estabelecimento.
TODOS
os
Manteigai ngleza de i.* qualidade, a 800 rs.
a libra,
dem de 2.1 qualidade, a 700 rs. a libra.
Idera franceza, chegada ltimamente, a 6oo
rs. a libra.
Batatas em gigo de arroba a i,5oo rs.
Maces chegadas no vapor Inglez,
Ervhas muito novas a 24o rs. a libra,
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor,
de 2 2,5500.
de superior qualidade a cada
xinha.
Mostarda preparada em potes muito nova a
400 rs. cadaum.
Milho-alpista a 160 rs. a libra.
Gomma para engommar multo fina e alva a
80 rs. a libra e 2,5300 a arroba.
Sag muito novo a 240 rs. a libra. '
dem prato, chegado neste ultimo vapor, o Sabao verdadeiro hespanhol, que raras vezes
mais fresco que se pode desejar a 700 rs.
a libra.
dem londrino, mandados vir de encommen-
da especial, a 00 rs. a libra,
dem suisso, muito fresco, a00 rs. a libra.
Caf do Rio de I. e 2. qfialdade a 8#500
e 8,5800 a arroba, e 280 e 300 rs a libra.
Arroz da India e Maranho a 120 rs. a libra
e 30200 a arroba.
AvelSas as mais novas neste genero a 240
rs. a libra.
dovos a 560 rs. a
Presuntos do Porto muito
libra.
Legumes francezes para sopa, como seja,
Julienne, mlange d'quipage, Choux e
outras qualidades, a 400 e 500 o masso.
Araendoas de casca mole a 320 rs. a libra, e
em porco ter abatimento.
Garrames com 5 garrafas de vinho do Porto
do Alto Douro a 2,5400 com o garraao ;
afianca-se que nesse genero o melhor
que veio ao mercado.
dem com 5 garrafas de vinhe Figueira muito
superior e mais proprio para a nossa esta-
clo por ser mais fresco a 25400.
Cha hysson o mais superior a 2#600 a libra,
afianca-se ser egual ao que regularmente
vendemos a 30200. J
dem huxim miudinho, o mais superior que
vem ao nosso mercado a 24700 a libra.
dem preto muito fino, a 25000 a libra.
Chocolate para 9oo, l,ooo e 1,2oo rs. a li-
bra.
Garrafes com 5 garrafas de superior vinho
de Lisboa a 20100 cada um.
dem com 5 garrafas de >.nagre de Lisboa
a 1 5100 com o garraao.
dem com 5 garrafas de vinagre hambur-
guez a 800 rs. cada um.
Vinhos generosos vindos do Porto engarra-
fados das segiiintes marcas: Genuino,
Porto fino, Nctar, Duque do Porto, Fei-
toria, Yelho secco, Chamico, Madeira su-
perior e outros a 900 rs. a garrafa e 90
a duzia.
Vinho Bordeara das melhores marcas: St
Julion, Medoc e S. Estephe e outros a
640 rs. a garrafa e 70500 a caixa cem
urna duzia.
Chouricas e paios, o mais novo que se pode
desejar, a 250 e 600 rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez dos melhores fa-
bricantes a 900 rs. a garrafa e 100500 a
caixa com urna duzia.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
800 rs. cada um.

VAPOIUIN
se recebem gneros de conta
propria e dos melhores esta-
beleciment08 da Europa, ga-
rante-se todo e qualquer ge-
nero comprado neste
ESTABELECIMENTO,
COMPLETO
SOIITIMEXTO BE MOLHADOS.
vende-se em porco e TTFta-
lho, aprompta-se com toda a
presteza e exactidSo qualquer
encommenda dirigida a este
ESTABELECIMENTO.
o
z
8
5-
5'
-
a
O
i-i

2
S
5
T.
O
c
N'estaB novos e grandes estabelecimentos de mslhados, encontrar o respeitavel
pubhco d'esta^ldade, bem como seus numerosos freguezes do centro, e.xpostos venda
todas as qualidades de gneros por menos proco que em quaesquer outro esLibelecimeo-
tos d'esta ordem, pois para bem servir os seus freguezes existe na Europa um dos so-
cios para serem vindos de conta propria diversos gneros, e desde j encontrar o res-
peitavel publico sempre os melhores gneros do nosso mercado, e por precos baratissi-
mos como abaixo verao, a saber :
Amendoas a 320 rs. a libra.
Avelaes a 2oo rs. a libra.
Ameixas a 10 a libra.
j Ditas em frasco por 20800.
Arroz pilado da India loo rs. a
a arroba.
Dito dito do Maranho 120 rs. a libra e 30500
a arroba.
Os proprietarios do muito acreditado armazem Progresso fazem sciente ao respeita-
vel pubhco e com especialidade aos seus amigos e freguezes que tem resoh'ido resumir os
precos dos seus acreditados gneros, como abaixo vero nao obstante os precos menciona- Azeite dore francez 800 rs. a garrafa.
v ^ Dito de Lisboa 6Sp rs. a garrafa.
dos a vista da qualidade dos gneros que se prova quanto se deseja servir satisfatona- Agurdente de canna de cabeca a 240 e 320
mente aos nossos freguezes, advertindo-lhes que raandem seus portadores, que serio taoi r?; a Barraja
6 "__ Aseitonas a 320 rs. a garrafa e 1,3oo a an-
bem servidos como se viessem pessoalmente, isto s no Progresso. crela.
Batatas inglezas a 6o rs. a libra e l,8oo a
arroba.
Banha de porco a 55o rs. a libra.
Bolachinha de soda a 10400 a lata.
Toucinho de Lisboa a 32o rs. a libra ea9,ooo Bolachinha ingleza a 200 rs. a libra, e a bar-
rica a 30000.
Cha hysson a 20200 a libra.
Dito dito fino a 20600 a libra.
Massa de tomates a 640 rs. a libra.
Dita estrellinha para sopa a 560 rs. a libra.
Massa estrellinha para sopa a 5oo rs. a libra.
MacarrSo, aletria e talharim a 48o rs. a ti-
libra e 30ooo i bra.
1 Marrasquino de Zara a 800 rs. o frasco.
vem ao nosso mercado, a 300 rs. a libra e
em caixa ter abatimento.
dem massa de superior qualidade de 160,
180, 200, 220 e 240 rs. a libra.
Graixa em latas muito nova a 120 rs. a lata
e 10300 a duzia.
Peixe em latas muito novo: svel, pescada,
curvina, salmo e outras qualidades, pre-
parado de escabexe segundo a arte de
cozinha a 10400.
Papel grve pautado e liso a 30800 a resma.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
460 rs. cada urna.
Vinhos em pipa: Lisboa c Figueira dasmelho-
res marcas a 30200 e 40000 a caada do
melhor e 500 rs. a garrafa, em porco ter
abatimento.
Vinho velho Chamico em barril, muitoproprio
para sobremesa, a 640 rs. a garrafa e
50000 a caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero a 560 rs. a garrafa e a 40000
a caada.
Vinagre puro de Lisboa a 200 rs. a garrafa
c 10400 a caada.
Azeite doce de Lisboa muito fino, em barril
a 640 rs. a garrafa, e em porco ter
abatimento.
Champagne das mais acreditadas marcas, a
10000 a garrafa, e 100000 o gigo com
urna duzia.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Babia a 30500 a caixa, tambem temos
para 20000, 20500, 30000 e 30200 a
caixa.
Vellas de spermacete superiores a 600, 640,
e 680 rs. o masso.
dem de carnauba e composico a 320, 360,
e 400 rs. a libra e de 100 a 110500 a
arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa, a 10000
a ancoreta do Porto e 10500 a de'Lisboa.
Massas para sopa: estrellinha, rodlnha e pe-
vide a 500 rs. a libra e 40500 a caixa cotm
8 libras liquido. (
Massas para sopa muito novas: talharim, ma-
carro e aletria a 400 e 480 rs. a Aibra.
Chocolate portuguez, hespanhol, Jwancez e
suisso das melhores qualidades) a 900 rs.
a libra. \
Manteiga ingleza perfeitamente flor chegada
no ultimo vapor a 8oo rs. a libra.
dem de 2.1 qualidade a 76o rs. a libra.
dem de 3,a dita a 64o rs. a libra.
dem para tempero a 32o e 4oo rs, a liara.
Manteiga franceza a mais nova que ha no mer-
cado a 58o rs. a libra, e em barril ter aba-
timento.
Banha de porco refinada a 520 rs. a libra.
Vinho em pipa Porto Figueira e Lisboa a 4oo,
48o, 5oo, 56o rs. a garrafa, em caada
2,8oo 3,ooo 3,5oo e 4,ooo rs.
dem embarrilo mais superior que tem vin-
ao mercado a 6oo rs. a garrafa.
Lagrimas do Douro especial vinho do Porto a
l,ooo a garrafa e a lo.ooo a caixa, o preco
nao indica a qualidade d'este precioso vi-
nho, porm venhamao Progresso que a vis-
ta faz f, aeste genero constantemente man-
damos vir de conta propria e por isso po-
demos vender por menos que outro qual-
quer annunciante.
Vinho do Alto Douro das marcas mais acre-
ditadas e especialmente esrolhido por um
de nossos socios, oomosejam:Camoes, Du-
que, do Porto, D.Luiz, Carcavellos, Cha-
misso & Filho, Madeira secco, e Feitoria a!'
9oo rs. a garrafa e 9,ooo rs.
12 garrafas.
Farinha de Maranho muito
a 16o rs. a libra.
alva e cheiroza'
rs. arreba.
Sardinhas de Nantes a 36o rs. a lata.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. agarrafa e a Dito miudinho a 20800 a libra.
4,-too rs. a caada. | Dito do Rio a 10800 a libra.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e a Dito preto a 10900 a libra.
l,2oo rs. a caada. Charutos de diversas qualidades a 10200,
Garrafes com 5 garrafas de vinagre de Lis-1
boa a l.loo rs.
Cliampanhe das marcas mais acreditadas a
8 e a lo.ooo rs, o gigo, e a 8oo rs. e a
l.ooo rs. agarrafa.
Serveja preta marca T e XXX a 6,5oo e
7,ooo rs. a duzia, e a6oo rs. a garrafa,
tambem temos das mesmas marcas para 4,
, e 4,5oo rs. a duzia, e a 4oo rs. a garrakri
10500 e 30 a caixa.
Champagne a 10 e 10500 a garrafa.
Chouricas a 560 e 600 rs. a libra.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
Caf em grao a 300 e 320 rs. a libra, e 90 e
90200 a arroba.
Dito moido a 360 rs. a libra.
tambem temos das mesmas marcas para 4, S^^^ttfSfj^a- a
garrafa.
dem branca Te cobrinha ao,5oo e 6,oo rs, Farinha do Maranho a 160 rs. a libra.
^a duzia e 5oo rs. a garrafa, tambem ha Dita flor de laranja a 10 o frasco.
para 4,ooo rs. a duzia. -v I Feijo branco muito novo a 440 rs. a cuia.
o a Figos a 32o rs. a libra.
Graxa em latas grandes i,3oo rs. a duzia Gel)ra (]e Ho|,anda cm botijas a 5oo rs
e izo rs. a lata. \ Dita namburgueza a 44o rs. a botija.
Vassouras do Porto arqueadas de ferro obra Gomma d'araruta a 100 rs. a libra, e 20600
de muita duraco a 4oo rs. cada urna. a arroba.
palitos de denles massos grandes a 2oo rs. fe" em ,atas a e,^00 a duzia
Q ^o^ _, e Geebra em garrafes de 14 garrafas por
ezl4or&- 40600.
a caixa com Mtos do gaz a 20 rs. a caixinha e 2,3oo rs. Licor fino a 800 rs. a garrafa.
a'itoza. Dito em garrafas grandes de superior quali-
Garrafoes com especial vinho do Porto con-
tendo 5 garrafas a 2,5oo rs.
dem com 5 garrafas de superior vinho F
gueira a 2,4oo rs.
dem com 5 garrafas de vinho
2,loo rs.
ajiroz;
''Eic
10500.
11*lili* 1
Vinho branco de Lisboa proprio
vindo j engarrafado de Lis
a garrafa.
dem em
2,6oo
Genebra de Hollanda garrafes com 16 gar"
rafas por 6.5oo rs.
dem em frasqueiras a6,3oors.e6,5oo rs. ea
56o rs. o frosco affianca-se ser verdadeira.
11*1 mis^A
VfUn i^ Idom dc bot'a cm barricas com quatro du-
a o-o rs. 7as a 44o rg ca(|a botja_
dem em barril muito
garrafa e a 4,ooo
apenor a ooo rs.
,8oo a caada.
dem de laranja em frascos grandes verda-
deira italiana a 1 ,ooo rs. o frasco.
Ameixas francezajf em caixinhas de 1 '/, 2
e 3 libras elegantemente enfeitadas com ri-
cas estampis na caixa exterior a l.-tno
l,6oo 2,qo e 2,5oors.
i bra.
Manteiga franceza a Coo e (iio rs. a libra.
Dita hollandeza a 72o 8oo rs. a libra.
Mostarda a 640 rs. o frasco.
Passas a 4oo rs. a libra.
Palitos para dentes a 180 rs. o masso.
Phosphoros do gaz a 20500 a grosa.
Paios novos a 640 rs. a libra.
Queijos do reino do ultimo vapor a 20
20500.
Dito de prato a 720 rs. a libra.
Cervejas de marcas superiores a 500, 560,
600 e 640 rs. a garrafa, e 50500, 6 e
60500 a duzia.
Dita em barril por 40, e 240 rs. a garrafa.
Cevadaa240rs. a libra.
Sardinha de Nantes a 360 e 400 rs. a lati-
nha.
Sag a 240 rs. a libra.
Sabo massa a 200, 2401 280 rs. a libra.
Sevadinha a 280 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 160 rs.
Vellas de spermacete do gaz a 1,2o rs. a
libra.
Ditas do gaz muito boas.
Ditas dito em caixas de G libras por 40000.
Ditas de carnauba a 400 rs. a libra.
Ditas de composico a 360 e 380 rs. a libra.
Vinho do Porto, caada a 50500, garrafa a
720 rs.
Dito Lisboa, caada a 40 e a garrafa a 500
rs.
Dito Figueira, caada a 30840 e a garrafa
480 rs.
Dito dita superior, caada a 40 e a garrafa
a 500 rs.
Dito Estreito, caada a 30200 e a garrafa a
400 rs.
Dito Bordeara a 720 e 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa em garrafes de 5 garra-
fas por 10400.
Dito em caada a 20, e a 260 rs. a gnrrafa
Vinho do Porto em garrafes de 5 garrafas
por 20500.
Dito dito engarrafado a 10 e 10200.
Dito lagrimas do Douro a 10400 a garrata.
>>fljs. j garrafa.
ia
Vinho branco de Lisboa a
e 50 a caada.
Dito do estreito a 600 rs. a garrafa, e a 40500
a caada.
Previne-se ao respeitavel publico que todos os gneros cima sao de boa quali-
dade, e para desengao venham ver; assim como outros que deixam de ser annunciados.
de, 1 V* e 3 libras
cada urna.
I,4oo e
Figos de comadre em bauzinhos de folha
BBiifeb proprios para mimo a l,6oo.
idemi. era caixinhas a l,4oo rs.
i
Id-m em caixinhas emticamente lacradas
e muito bem enfeitadas a 1,8oo rs.
dem a 2oors. a libra.
FinVDI^AO DO BOTOtiLlUT-llUA. IIO
BRUIII W. 3S,
Este muito acreditado estabelecimento est prvido de um completo sortimento de
Marrasquino de zara a 72o rs. machinismos proprios do fabrico de assucar, a saber:
Licor francez de todas as qualidades em "na? f vapores as mais modernas e mais acreditadas.
garrafas de vidro brancos a 72o e 8oo rs. i 1* agUa t frr T 2*7 ?ertenC.es- .
*, u o ow i, i Moendas e meias moendas de todos os tamanhos.
Vinho Bordeaux das memores qualidades Bodas dentadas, angulares e de espora.
que tem vindo ao mercado a 72o e 8oo Taixas de ferro batido e coado.
Boceas de fornalha pelo novo systema Wetson.
Alambiques de ferro fundido.
Fornos para-cozer farinha.
Moinhos para moer mandioca.
Arados americanos, etc. etc.
rs., e em caixa a 7.5oo, 8, e 8,2oo rs.
Azeite doce refinado do fabricante Pelanol e
outros a 8oo rs. a garrafa.
' Conservas inglezas sortidas e de urna s qua-
lidade a 8oo rs. o frasco.
Doce da casca da goiaba a 800 rs. ol caixo.
Cerveja das melhores marcas de 5fl,500 a
60000 a duzia e 540 rs. a garrafa l
Biscouos inglezes de diversas qualidades a
10300 a lata. T

Bolachinha de soda, especial encommejnda,
muito nova em latas grandes a 20000 cada
urna. (
Licores francezes, muito finos, das seguintes
marcas: Anizetta de Bordeaux, Plaiser des
dames, Crme de Noyau, Em Danteic,
Crme de Menthe, Hude de Venus etc. etc.
Passas muito novas e de carnada a 400 rs. a
libra e 60500 a caixa com urna arroba, ha
caixas, meias e quartos.
Ameixas franeczas em frascos de 1 lr2 e 3 li-
bras de 10400 a 20800, tambem ha latas
Tijolo de limpar facas a 180 rs. calla um.
Marmelada imperial, dos melhores conser- Cebollas o mlho a 900 rs.
veiros de Lisboa, a 600rs. a libra, em la-1 .. AA 1 "
las lacradas hermticamente. Erva-doce muito nova a 400 rs. i, libra.
Fructas em caldas de todas as qualidades em f Cemmhos dem dem a 640 rs. <$
latas muito bem enfeitadas, a 500 rs ca- Garrafes vasios a 500 rs. cada
da urna.
Massa de tomates em latas de 600 a 700 rs.
cada urna.
Sardinhas de Nantes, do fabricante Basset, a
360 rs. a lata.
Toucinho de Lisboa novo a 320 rs. a libra.
Bolachinha ingleza, a mais nova que se pode
desejar, a 30000 a barnc a e 240 rs. a
libra.
.Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
.a 160 rs. a libra.
Azeite .raaeez clarificado a 800 rs. a garrafa
e 90000 a caixa com urna duzia.
Ditos com 5 garrafas de genebjt a 20400,
garante-se ser verdadeirae Holanda.
Cebollas a granel a 64fJrs. o centn.
Canella a mais nova do nosso mercado a
10000 a libra.
Alfazema o que pode haver de melhor neste
artigo a 280 rs. a hbra.
Conservas ii.'glezas dos melhores fabricantes phospborgji^de seguranca individual a 20 rs.
___a -\- 1 l mhW1. iannlixn e\ futir* f\Q ^ 'kmvl U
Mixed PickJes, ceblas simples, e outros
a 760 rs. o irasco.
Farinha verdadeira de araruta a 500 rs.
libra, garante-se a superior qualidade.
Palitos para dentes em caixinhas do
Breo, a 320 a libra e 8| a arroba.
m^'1
a"aixmha.
Papel de embrulho muito superior 10120
a resma.
I i
Vinho da Figueira, o que ha de nelhor a
40000 a caada. i
j* Coposfinos prt agua a 60000 a cfyuia.
Araruta verdadeira a 32o rs. a libra.
Gomma de engommar muito alva a 8o rs.
Passas de carnadas as mais novas que ha no] a libra e 2>2o rs- a arroba.
a libra e a 6,ooo rs. a ^ muit0 novo a 24o rs a ,ibra
Sevadinha de Franca a 16o rs. a libra.
Sevada muito nova a 12o rs. a libra e 3,2oo
ss. a arroba.
mercado a 4oo rs.
caixa.
Salmo era latas
8oors.
ermeticamente lacradas, a
Lagostira em latas grandes a l,4oo.
Savel, corvina, cherne, vezugo, peixe espada.
Macarro a 32o rs. a libra.
preparados pela primeira arte de cozinha a ,., ,. .
a 1 3oo rs ,"em e ^'hanm o mais novo.que ha no mer-
cado a 48o rs. a libra.
Queijos flamengos chegados no ultimo va-
por a 2,4oo rs.
dem do vapor passado a 2,2oo 2,ooo e
l,8oo, rs.
dem prato do ultimo vapor a 64o rs. alibra.
Doce da casca da goiaba caixoes grandes a
6oo e.9oo rs.
Chouricas as maS novas que ha no mercado
a 48o rs. a libra. v
Chouricas mouras encommenda especial nos-
sa a 5oo rs. a libra.
Prezunto verdadeiro de lamego em calda
de azeite 5oo rs. a libra
Bolaxinha ingleza a mais novas que ha no
mercado a 2,ooo rs. a barriquinha com
1 arroba, e a 24o rs. a libra.
dem de soda de diversas qualidades a 1,400
reis.
dem em latas grandes, proprias para lunche,
com 5 a 6 libras por 2,4oo rs.
Marmelada imperial do fabricante Abreu e
Outros conserveiros de Lisboa.a 6oo rs. a
libra.
Frutas em
5oo rs.
calda de todas as qualidades a
Ervilhas francezas a 5eo rs. a lata,
dem portuguezas a 64o rs.- a lata.
Massa de tomate a 64o rs. a hora.
Amendoas confeitadas a 7oo rs. a libra,
dem de casca mole a 28o rs. a libra,
Avelans a 2oo rs. a libra.
Aletria a 5oo rs. a libra.
Arroz carolin a loo rs. a libra e a 2,8oo rs.
a arroba.
dem do Maranho a 12o rs. a libra, e a
3,ooo a arroba.
Caf do Rio o mais superior que se pode de-
sejar a 32o rs. alibra.
dem a 28o e 3oo rs. a libra e a 8,2oo, 8,4oo
e 8,7oo rs.
Velas de carnauba refinada a 32o rs. a libra,
e a lo.ooo rs. a arroba.
dem de spermacete a 64o rs, a libra.
Chocolate hespanhol e francez a 9oo e l.ooo
rs. a libra.
Estrellinha e pevide muito nova a 4oo rs. a
libra, e a 2,ooo rs. a caixinha com oito
libras.
Cha perola muito- especial chegado neste ul-
timo vapor de encommenda particular
nossa a 2,8oo rs. a libra.
dem huxim muito superior a 2,7oo rs. a
libra.
dem hysson a 2,56o rs. a libra.
dem hysson a 2,ooo< 2,2oo rs. a libra.
Idea preto homeopathico e muito superior a
2,ooo rs. a libra,
dem nacional a l,6oo rs. a libra.
Batatas muito novas a 8o rs. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Baha
e de todas as marcas, como sejam: sus-
AGENCIA
DA
! Na n jc do dia 23 do agosto do corrente an-
uo fugiodo engenbo Jundi ue rima, comarcado
Rio Formoso, um esclavo do abaixo assignado, ae
PTTTlITlTPfl TW T nW-lVATl nome Francisco, recentemenle coiiipiado ao Si.
rumiJibAU JJfi Ijuw inuun. ,aulino Auitus,'0 da Silva |.1V1I,. 1'l.lir,M.,l!aiilll,
Ra da Senialla uot n. -12. ter 26' a 2G aunos de uhe, e oora os suman
Neste estabelecimento contina a haver gpinjes : alto, secco, I......espigado, cbenos
um completo sortimento de moendas e meias P1*?e j^1^. Pu,ca tarli;i- *"' fa"a 4"'l1, :'"
aoendas para engenho, machinas de npor I fjaSJKi^^tlt
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: cm casa de S. P. Johnston & C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
ROUPA
5o
Na rita do Queimado n. 43, esquina que
culta para a Congregacao ; pechincha.
Paletots de casemira a 5, 6, 7, 8, 12 e 140O0,
ditos de panno preto e azul a 9, 10,. ii, 16 e 18*,
ditos sobre-casacos de panno muito fino por 24 e
285, ditos dc alpaca preta e de cordo a 4, 5, 6 e
7$, cairas de casemiras de cores a 5, 6, 7 e 8,
ditas pretas a 64500, 8,9 e 10& paletots de fustao
e canga a i&, 2*800, 3 e 4*, calcas e colletes de
todas as qualidades e por prego muito barato, len-
jes de puro linho a prego de 2*800 e 3*, cober:
tas de chita a 2*240, collarinhos de linho puro
600 rs. cada um, e outros muitos objectos que s
vista j e para isso se pede a attencao dos fre-
guezes.
* Assucar do Monteiro
Ra do Imperador n. 28 e caes de ApoUo n.
67, a 200 rs. a libra, e de 8 libras para cima
a SflflOO aarroba.____________ .:
Cola da Baha
Tem para vender Antonio Luir de Oliveira Aze-
vedo, no seu escriptorio, ra da Cniz n. 1
Cal de Lisboa
a mais nova do mercado : na ra do Vigario n.
19, primeiro andar.
massa de cor preta tudo esburacado, oueom mn
outro de panno rom beiras dc couro de lustre an-
da novo. provavel que irnlia seguido paraum
dos engenhos seguintes : Dromcda o, Lages, l'o-
gosou Lobo, por ter alii prente^, llrrnnimenda-
se, portanto. .todas as autoridades polieiaes eca-
pitaes de campo a sua apprehensao, e iromette-se
generosa gratiticaco a quem o trouxer ea#a o
seu senhor Joaquim Jos de Aguiar..
Xa noitc de 23 de agosto do corrente anno
desapparercu do engenho Jundi de cima, comar-
ca do Rio Formoso, da rasa de seu senhor, u e.*ar
vo Paulo, em ompanhia de ditas esrrnvas do Sr.
Paulino Augusto da Silva Freir Jnior, representa
ter 18 a 20 annos de idade, 6 fulo, altura regalar,
rossura proporcionada, cabellos carapinhos, i^-
eca pequea, testa e olhos grandes, tem falta de
dentes na frente, bem feito dc pos e maos, eni
urna das pernas quasi encostada ao nltem dnas
marcas dc feridas, levou caira de casalppa cor -le
trra j usada, camisa de chita pii;tnMM*iancai-
nado, paletot de brim, e um chairo de nossa i
zenta, ha certeza de andar escondido em um desaes
engenhos : Fogos, Dromedario, Lobo on Lagci. e
com maisprohabilidade neste ultimo por ahi morar
os pas : qoemoappnhender, dirija-se aoengenlio
Jundi de cima, freguezia de lTna, que ser gene-
rosamente recompensado.
100,000 do gratificarse.
Contina fgido desde Janeiro o mulato de nome
Raymundo, natural do Ico, estatura regular, idade
de 18 annos, cabeca chata, cabellos rarapinbo?,
testa grande, rosto oval com una fstula na face
esquerda, macaes salientes, dentes limados pontu-
dos, bocea regular e principio de buco, ps e maos
pequeos ; eoslumava andar calcado, e inlitol*-
va-se livre : quem o apprehender dirija-se ra
da Cadeia do Recifen. 21, Luiz Antonio Seque-
ra que entregar a referida gratifleagao.
ESCBAVOS FGIDOS.
Acha-se fgido desde o dia 4 do corrate o
escravo por nome Adao, pertenceate ao abaixo as-
piros, havaneiros, messecipes, regaba im- {signado, e muito conhecido por ter trabalhado
perial, flor das mattas, primores a 4,ooo, \muito temP m alfandega, e presentemente andar
2,000 e 1,600 rs. a cana. | Domingos C. Pires Ferreira,

i:?orava fgida.
No dia 2 do corrente sabio a escrava Franciaca,
dc nacao Cassange, para vender, com um taboleiro
de roletes com urna toalha, c ate hojo nao appare-
ceu maii; esta preta representa ter 40 annos,
os signaes sao : bexiguenta, olhos grandes, e un
ramo bordado as .eostas, levou vestido de chita
rxa com listras arnadas e panno da Costa com
froco branco : quem pegar a dita escrava tenha a
bondade de leva-la ra das Trinclveiras a. 1SS,
que ser beni gratificado.
M
\
f
A


i I
~f

LITTERATRA.

DUHo Ae PeriiMiifcuco -. afcfafe It d Wembr* de i*.
M
la passeie ai do lii., de Janeiro.
(Concluido.)
En resumo a historia fo esta : em dias de jullio
de 1566, qtiaudo Estaeio de Sa tinta ja lancado os
fundamentos da cidade de S. Sebastiao, p'erto do
Pao de Assuc.ir. e jf nnnlinha ali diante dos Fran-
eezes e dos Tamoyos seus alliados, vieram alguns
destes/solvageas em vintc ca assimular ura ata-
nte provocar os Por^ngaeies, que.
indo-se Iludir, sahiram em quatro canoas a
comtmWos : fingiram-se os Tamoyos amedronta.
dos e foram-se retirando, eom o que ainda mais
animados os Portuguczes, toncarara-se em seguida
o perseguico do inlmigo mas, de sbito, ao do-
brar um cabo, viram-se no meio de duzentas canoas
que cercaran) as suas quatro : o combate era des-
agua! e o xito nao poda ser dnvidoso, tanto mais
qne alguns Francezes animavam e dirigiam.os
Indios ; succedendo, porm, atear-se o fogo na pl-
vora de urna das canoas, o logo a mulher do prin-
cipal ou Gmaixar que assim se chamava, ao ver
o i'iccndfo, comecou, tomada do pavor, a bradar
que era ardil dos Portuguozes para queimar a to-
dos os Tamoyos e logo deila a fugir, assim como
um jejum espiritual, e o jejum como que urna
oracao corporal. A oracao sujeita a alma a Deus,
. e o jejum sujeita o con alma. Estas duas gran-
des praticas da vejdaafcra religio reunidas esta-
betecem no christo ffnbmissao do corpo alma,
e da alma a Dens; collocam o homem em seu es-
tado natural, e restituem-lhe a ordem e a harmo-
na quebradas nelle pelopeccado e pela presentado
espirito maligno. A mortificacao sem a oracao fo-
menta o orgulho, e a oracao sem a mortificacao
degenera em supersticao. Separadas urna da oU-
tra, aftastam em vez de aproximar a Deus ; era
vez de apasigua-lo, excitara sua colera. Pelo con-
trario, diz S. Cypriano, a oracao torna acceitavel o
jejum, ofterecendo a Deas; c o jojpm, santificando
a oracao, exalca-a. Assim a boa oracao, a oracao
clfiraz, aquella que anda annexa mortificacao.
Urna eflutra sao como dous mensageiros celestes,
pelos qnaes pedimos e oblemos de Deas, nosso so-
berano Monarcha e amabilissimo Pae, um soccorro
prompto e poderoso para vencer os assaltos de Sa-
tanaz pu livrar-nos de sua tyrannia.
E' por isto que, no 9anto tempo comecamos
hoje por instituicao apostlica, a egreja junta ton-
gas oraees a um jejum solemne. Ao mesmo tem-
po que exige, que reprimamos pela abstinencia a
concupiscencia da carne, qur que nos humilhemos
perante Deus pelas oraees de sua liturgia. Por-
quanto, diz S. Leao, sao estas aspraticas mais agra-
daveis a Jess Christo, e quemis apavoram o ini-
migo commum : pdem-n'o em fuga, e Deus vem fi-
xar sua morada em nossas almas.
bre a montanha^M p da mesma montanha ha-
via sarado o leproso ^depois, d& o evangelista, en-
trou em Capharaaum,
Esta partcularidade, diz S. Joo Chrysostomo
encerraum mysterio ;e.es-aqtri a sua significa-' tI
cao. O bom mestre, depois de haw cumprido a- 1?
sua m.ssao, queera curar osjudeusfigurados pelo
K re/ra JOd^.' dCVa ir tarabem *" vi-
sitar, obtendo mais Actos, os gentos, figurados
pelo servo do centuriao, ao qual vrha restituir a
sadde era Capharnaum. Do feito, Capharnaum,
que significa casa ou campo de abundancia, era,
Continua o mesmo padre, a figura da ^
p-?p: :Pi:7^!s^ns Par.. i0
servo mralutirn ttiA am~a .*____. r I .. ^^ sotamos, e digo a este=va-> "-' ~--i- -
ZHr,nemdatadottlfrem**to. Quan- elle toe; guelle=vem, e elle vem eameu
isa duem estas nniuvic n-iivr-.\-1 *______ ... ,____.. ... v' 'a meu
ta cousa direm estas poucas pifars f Ao mesmo
tempo que fazem a pintura mais triste do estado
servo, que representam abandonado sem reme-
dio a urna immobilidade dolorosissima, mostrara a
ternura do amo. Na verdee este homem verda-
deramente bom falla de seu servo com a raesma
ternura o docura, com que fallara de seu proprio
fllho. Como que sent em seu corceo todas as
dores, que o servo soffre no corpo, de sorlc
- que
elle centuriao esta doente e como que a marte do
ormou-se dos gentos, e que foi, pela bondade de servo arranear-Ihe-Iia a vida.
TL^^^\'mi5^^^A Todava> ^odeve admirar-nos, meus ir-
vae, e mundo, proclama e confessa toda a religio.
vo^faze isto, e elle faz. Com estas' palvra quTz Por ^J*** Origines deixar de dizer-lhe
elle d.zer, segundo S. Agostinho :-Se a mira, que IT "f '-h' mai to passo de um hornera fraco, sujeito a autoridade I fm'B fbaro e ,M> """to da verdade, como vos
de rauitos basta-rae, porque tenho alguns soldados l** S^1" "*** laz D0 *
deba.xo de minhas ordens, dizer a algum delles *enu,,dade em 1ue nascestes ? Como um
ou a meu servo, que v ou que venha, que faca ou 'esteuin,1 *> Pu"> e *> lmpido da f poMe sa-
nao faca una cousa, para ser obedecido no mesmo! bocca de ura adorador insenito dos dolos ?
instante, porque nao poderois vos fazer o mesmo,! G^se o nosso pasmo, meus irmaos. Esto conhP
benhor vos que sois independente e soberano cin,ento taoalto e tio sublime de nossos celes!'
senhor de ludo ? mviwi... a ..______._,r. ^''es
Que humildade e que fervor I Confessando-se a
si mesmo, e profundamente humilhado dos pecca-
.'le-.. m*A >.J>_____ *
do eta nalavra o ro ,!,, o-v= -------'> ""' aumirar-os, meus ir- .--------f-<""-- uumunaao aos pecca-
um da heil dVah^ri M'nha aIma sera maS- Quereis saber' diz 0rienes- "rao racioci-J do? 1ue havia "ommettido sob o iraperio da suprs-
um da cheia de abundancia.
O proprio centuriao indica-nos anda mais clara-
mente o mesmo mysterio; porquanto, como o ob-
serva Santo Agostinho, era romano de origcm, pa-
na va o centuriao? Se este mancebo meu servo,
eu son o servo do Creador. Se elle tem em mim
ura amo na trra, eu o tenhob ecu, e infinita
mente mais poderoso. Se pois eu nao tiver pieda-
de do meu servo, como Deus ter misericordia
para comigo ? Assim deviam pensar todos os que
gao por sua religio, e soldado de proflssao.
Ora, este centuriao tinha um servo a nnom
namenteamava. Estando el^a^Tuma' iT".""-"^-
5^_pa,?l,>'siia[W> offrendoatrozes dores, e redu-
parte em suas enfermidades, a
- Os amos chrstaos
deviam aprender, com o exemplo desse amo pago,
alguns dos seus amigos, escolldos d'entre
respeitaveis dos judeus, a
o Guanara e todos os seus companheiros de com-1
b '. Os Portiiguezcs attribuirm a milagro de S. I uesgraa a n6*> mca> rm5os, se, despresando
Sebastiao o terem escapado a tao grande perigo I pra"cas '^0 sa'uares, deixamos o demonio habitar
o padre Siraao de Vesconcellos diz que foi visto !J* S Pf- pe5fada Ah fl^desgracada urna
um soldado, multo gentil-homem. apparecer de ca- J~JJ S?" comPaDnia! Mas, quanto mais | as. porque o cenrariao nao ia pessoalmente ne-
na em canoa, combatendo contra os selvagens, e do J T,*'T *? e,Ia "*tB,orte' rofeiindo-se -no padre Joseph de Anchieta, preten- ZlT^? M acbar nas arras deSi* "
de. que esse soldado fosse S. Sebastiao. Certo 6; "Q ab<>minavel! Oh! qoe espantosa sorte
quevoltaram cidade nascente aquelles-bravos de; fera ,^
osman.anasade, i dasalvaco desuaal-
Dedirem Jn o,i,j- --------- ,a ua "yas*o ae sua ai-
cuja chegada a CapharnauJatbav, de s!be?qu' ^^'M ""** de f} mas> a irrel-
salvasse o infeliz de urna morte prxima e inevi-
tavel.
,: gue desespero borrtvet! Assim eomo o demonio
giao, pervertendo os que obedecem, tambera endu-
rece os que mandara. Osqueservem, sao muita vez
menos estimados do que a materia, e soffrem mais
dureza e desprezo do qoe os mais vis animaes Por
um mdico salario que se Ihes da, quer-se que
elles estejam ao servco de todas as paixoes c de
islacio de S, e os seus nionm alijados, os lo-1 etZZZ!^^ m Cmplice ra tem' M*1*
dios do intuido Ararigboya, c arcao de gracas 'LT^tfl?. ^ coraPanhe.ra nos braseiros arden-
por victoria tao assignalada, comecaram a celebrar
no dia 20 de Janeiro, dedicado aquello santo mar-
nhecida por festa das canoas.
Creio que as meas companheiros de passeio de-
v ji-me estar muilo agradecidos pelo resumo que
fh de nao sei quantas columnas do livro aterrador
do padre Simao de Vasconcellos \ mas. em vez dos
livores que mereco por servco tao relevante, eu
pe$o em premio imtitttirao de regatas, no Rio
de Janeiro.
l>igam-me c : os Veuezianos armando-sc em
tes, diz S. Cypriano.
Mil vera felizes, meus irmaos, se,'pela hnmil-
oadedenossa oracao e pela severidad* de nosso
jejum, entrando no espirito da egreja, morremos
para o mundo c para suas illueoes, afim de viver-
mos para Deus c com Deus. Deus ser coawoseo
e nos com elle; repollaremos pacificamente em
seus bracos, eomo dorme no regaco de sua mi o
menino,, que afina! despertando v&se com ella fece
a face, recebe suas ternas caricias, e restaura-se-
com o seu leite. Tal ser a nossa felicidade, meus>
irmaos, se tendo vivido para Deus eom Deus, mor-
sejava? O evangelista no-lo ensina, quandodiz,
que este homem era doce e humilde de coracao, e,
demais estrangeiro e idolatra, pelo que se julgavaf vida,
rtodos os caprichos. O dia e a noute, a sade e a
ia e o corpo, o tempo e a eternidade,
rermos no seio de Dous : alm da morte desnena-
.rraefazendo.se ao mar era perseguicao dos reraos nos bracos desse Deus de amTLeTr-
rS-t a ,n"am ,^ad aS SUaS "0VaS'; ,ar-nos-ha sobre seu eora0o, e ench^-nos-ha das
orate bat.ndo.os, e trazendo em triumpho.as heneaos de sua pa.e das casicias do seu araor e
su bolias. rveram para as suas regatas origen, inundar nossos coraces cora urna torwnte de de-
iWte, du que essas auatro canoas de! ciaS( de nefTaves.e\tcrnas d as
amigos-para dele-o no caminfro, fazendo que Ihe
dissessem estas beflas pala^Tas-: Nao tomis o
trabalho, Senhor, de vir at junto do homem que
indigno-de receber-tos; para conceder-me o Be^
deveres a respeinr de seus criados, elles renunciara
a fe, e tornam-se peiores do que os proprios in-
flis.
neflcio que vos mande pedir, vossa aresenca nSVA MaS' K desPrezo a dureza para com aquelles
.ssas naTavr^c Ique 0S ur">9>, ^m, infidelidade
necessaria : basta urna das vossas palavras.
Porra, quanto mais este honrado offlcial se recnv
nhecia indigno de recefeer Jess Christo em sua
casa, mais gustosamente o- amavel Salvador conti-
nuava o seu eaminho. Finalmente, tendo tanta
bondade triumphado de sua humildade, o centuriao
sahu ao encontr do Senhor, e dee aproxi-
mou-se.
c
soaa
t'i intenssante, du que essas quatro canoas de
Tortuguezes e Indios alliados que nao recuam
diante de duzentas canoas immigas, e quepelcjan-
do com ardor tem por compaalieiro no combate o
finipno S. Sebastiao, que espauta os inimigos com
m fogo milagroso, que se dina, n'aqueile caso e
por aijuelle motivo, urna celeste (lamina ?
(jue iui|>orta que o sobrenatural se misture nes-
(a Iradieao com os fados registrados na historia ?
Twios os povos iunain zelosos e guardam suas tra-
dc3es com todos os milagros que as exaltam, e
v.* ni aellas um encanto e a poesa do seu passado
Aproveitomos o pouco que temos en urna cur-
t s.i na vida de fres seculos e meio.
As regatas sao instituiees utilissimas: nao
jirc-ciso demonstra-lo.
Arhar na sua historia um origen romanesca
pira a instituicao das regatas curo sobre aziij
l'.":raqualquer na^ao.
Pois ento ? *
Hestanre-si' entre nos a fhta thu cawfas com a
instituicSo das regatas': o dia da festa martima
i marcado pela historia : o dia 20 de Ja-
neiro.----------------->---------------
Quo nos falta ? Quem ipieira ser o juiz da festa
O juiz da festa acha-s'' natural e suavemente
oieito sem empenhos nem caballa.
O juiz da fesia deve ser a oorporacSo da mari-
nlia brasileira. que prestar assim um grande e
i' ito servico patria e ao martyr S. Sebastiao.
(Do Jornal du Commcrcio, do Rio.)
SEGUNDA.
0> wnturio (1). '
Math. XVIII, 13.
Um povo, que nao coahteci, me
serviu 5 ao ouvir aminh3-voz me
fei obediente.
(Ps XVII)
Nestes termos fez Deus annunciar, cora orto se-
culos de antecipacovpor seu propheta. a conver-
jo dos gentos religio christSa. Nos eramos era
verdade esse povo, p Deus como que harta cs-
quecido e nao conhecia, e que entretanto foi solici-
to era reconhecer o rerdadeiro Deus, recbe-to, ou-
vi-lo cora fidelidde, e obedecer-lhe constantemen-
te : Um povo que nmhconheci, etc.
"e"s"5 Miteaton com annunciar-nos por
meio de seus propheta esse mvsterio de seu amor
por nos, antes que se cumprisse pela nrecMB de UU""0S aposlolos o seus successores, por meio
SLTSE *Ira#> evanglica. As
Notae, meus irmos, esta admiravel expressao :
& centuriao aproettmou-se de Jess (Mathi V). O
evangelista, diz Beda, quiz fazep-nos compreheoder,
com taes palavras>que o centuriao se apro*in*va
de Jess Christo muilo mais por sua f do que por
su* presenca; que tanto mai se aproximaba,
quanto roaior era a ; semelhaate hemorrhwssa.
que, tendo apenas toeado de leve a fimbria dfe seu
vestido, se achou sarada, e eslava muilo mai per-
to do Salvador, do que a tur ba que o apertava.
Notae mais, que o centuriao nao cuidou da m-
plwar o poder do Fila ue Deus, seno depois-qne
o divino Salvador fez chegar aos-seus ouvids a
fama dos prodigios, e depois que entrou emCa-
pharnaum. S ento o centuriao vae ao enoontro
do Salvador, quando alias o Salvador o ha preve-
nido, dirigindo-se sua morada. OFilho deDeus,
quera desde ja mostrar, que, quando mesmeos"
gemios nossos paes, abracando tao promptamente
a f de Jess Ghristo, gareciam preveni-lo, todava
suacoBverso s devia operar-se por sua viada
para o meio de nos, na pessoa da & Pedro, dos
outros apostlos e de"seu
, a compaixo
e o cuidado pois elles conduzem verdadeira f-
porque a melhor disposico para obter um tal the-
souro, e a raridade, e nada toca o coracao de Deus
a nosso respeito como oexercicio da misericordia
para com os homens.
De feito, vede, com que promptido e amor Jess
Christo corresponde ao tem e afllicto centu-
nao-Consolae-vos; eu mesmo vou curar o-vosso
servo (Matt. VIf).-Dces eadmiraves palavras.
exeima um autor. Grande o poder de Jess
Christo, que com urna s palavra pode operar mi-
lagros-; porm raaior ainda a sna humildade;
por quanto o Filho eterno de Deus nao desdmha
ir pessoalmente a um pobre escravo para ou-
ra-lo.
ticao paganica, o centenario, em vez de ser conso-
lado pela infinita bondade do Salvador,antes esteva
desconcertadoconfuso.aniquilado. Homem verdade-
ramente feliz 1 J tinha o espirito da lei de Jess
Christo, antes que deila houvesse feito proflssao c
a graca ja o havia iniciado era seus mystenos.
Como o observa Orgenes, elle era, pela naconali-
dade o pela jerarcha, estrangeiro para os judeus,
mas unido a Deus pela f ; este chefe de soldados
fazia a alegra e as delicias dos anjos.
Razo porque S, AgostiDho Ihe dirige esta espe.
ce de exprobaco : porque centenario dizesSon
'ndigno de que entris em minha casa ? preci-
samente porque vos credes e vos reconheceis indig-
no, que mcrecestes receber, nao s no recinto do
vossa morada, mas era vosso corac.o, esse verbe
de Deus feito hornera. Sim, vos o aeolheste* e ro-
cebestes em vos mesmo, e sois bemaventurada'
Se nao tivesseis j recebido em vossa alma essa
Deus que vos julgaes indigno de receber em vosse
habitacao.no terieis sustentado urna lnguagem tao
humilde, tao cheia de f.
Entretanto nao esquecamos, meus irmos, que
l mesmo Salvador, que, nao-sendo para isto
seus apostlos; qur hoje no-lo mostrar
como em
ssim, diiS. Prospero,
reahdade na pessoa. do centuriao. Porquanto" I "0S "^ Pensamos em.Dous, sena porque Deus
como o observa S. Joao Chrvsostomo, Jess Christo PenSW prmeiro em ; nos nao o procuramos,
quiz, que todas as accoes visveis e extenores que'' senao,eOS 1ae elle preveniu-nos emsuainfiaita
praticou durante sua vida mortal, fossem demais m,sePCOrdia, vindo a nos; e a f pura c sant. que
entendidas era um sentido mystico e espiritual. Probi*amos, que o mais precioso dos bei 'o o
Por isto, contina; o mesmo padre, este Salvador mas t*1*'10-0-0. mais generoso dos- sou* "
adoravel, operando-milagros, nao fazia s as obras fleios-
de seu poder, mas revelava verdades importantes;
e em quanto deixava pasmos todos os que eram
testemunhas dessas obras, quera tambera instruir
os que procuraran) comprehende-las.
rogado, foi a casa deste soldado pago, o mesmo,
que sereetsa a vistor o filho dnm grande princi-
pe judeu, posto que para isto rogassem. O divino
Mestre quera, segundo S. Gregorio,, abater o nosso
orgulb, e fazer-nos apreciar os homens, nao por
sua jerarchia, mas peto que elles sao. Se sao ri-
cos e poderosos, os reverenciamos, abstraccao feita
de sereaj.elles as imagens de Deus. Mas, o Filho
de Deus feito homem-,. indo ter com um pobre ser
vo, depois de haver Decusado visitar o filho de um
principe,.nos ensina, que os verdadeiros servos de
Deus devem despresar os bens terrestres tao esti-
mados pelos filhos do secio; e, como diz oulro-l
autor, Jess Christo nao quiz visitar o grande per-
sonagem, afim de nao fazer crr que estimava as
riquezas, o foi para junto do pobre afim de mos-
trar, que nao despresava o fraco. o peque-
no. Quanto esta emulajao entre a humildade do
Salvador e o seu amor pelo homem admira-
vel t
Procuremos, pois, meus irmos, entender em um
ntido mysterioso c prophetico o milagro, que o
Evangelho deste dia nos refere, e pelo- qual a con-
I iomI!las sobre os prlncipaes ml-
lagi'cs de efesus Christo. pelo
R.1*. Ventura.
PRIMEIRA.
O manrrho possesse do ilomnnTn.
Mntli.lX Man: IX; L'IC IX.
(Contiuuacao.)
Para trinmphar destas duas enfermidades, to
iuraaineuit* ligadas que formara urna s, para ar-
raarar ao loimigo de nossa salvacio essas duas ar-
i eom qoe nos fulmina, nos 6 forcoso, diz S. Je-
i nyino. empregar os dous
creve hoje o Senhor, isto .
aquella como remedio enfermidde do espirito, t
preste mentit este como om freio as paixes d ^Evangelho C// de Ara Christo, pelo grande nu-
corpo. Porquanto a oracao liumilha o orgulho, e o mero de milagros e longa residencia, que Jess
jejum cnfraquccc a carne. A oracao como que Christo ah fez.
havia dirigido por intermedio de seus amigos : Se-
nitor, mandei vos dizer, que o meu servo est doente
en. minha casa, e soffre cruelmente. Oh. supplica
prophetico omyagre que o I Yf^^T ^ ** S*"*^ eM,SUna S"
L Liar. 1 1.'.-I lJoao Chrysostomo; o centuriao nada accrescenta
a estas palavras; nao pede ao Salvador, que sare
^ Es** bondade do divino Mestre, como suas doces
lendo chegado ao Salvador, o centuria, pros- lalavras, foi um raio de luz que eselareceu o een-
tou-se aos seus ps, renovando a supplica que lhc friao, e que Ihe descobriu a divndade, a grande-
za^e a magestade de Jess Christo oceultas sob o
versojlas^gentios foi figurada c comecou a cum-
yrir-se. Consideremos na f do humilde centuriao
o penhor e o modelo da nossa : feliies de nos, se,
imitando seus senlimenlos c suas-obras, poderuios
obter a sua recompensa.
Prmeira parte.
Nosso divino Salvador havia pregado ao povo so-
(i) Este milagro acaeceu no 7o anno de Tiberio
32" da edade de Jess Christo, 2o de sua pregago,
no mez de maio, em Capharnaum, cidade da Galilea,
e seu servo; contenta-sc com dizer-lhe a sua mo-
lestia c o seu desgracado estado; quanto sua cu-
p-a, entrega-se bondade do coracao to temo de
Jess, mostrando assim que o cra to sabio para
comprehender e tao poderoso para operar, quanto
fcil de enternecer-se c prompto em soccorrer todos
os desgranados.
iiK.os", qu nos pros-1 n5 lon8c do lago de .Geatsaroth, entre os confins
a oracao e o jejura : (da tribu de Zabuln^ a de Nephtal, chamada no
FOLHETIM.
(2) Do ordinario a naralysia urna molesia len-
ta, sem grandes dores, nem perigo prximo: o
contrario era a deste desgracado. O celebre me-
dico Guilherrae Adero mostra, que todaa as moles-
tias saradas pelo Verbo incarnado eram desespera-
das e naturalmente incuraveis, salvo para o medi-
co por excellencia. O mesmo diz Santo Am-
brosio.
/^mJ?m^iA!IIf,iCwl,0S pracapnWiea, e;Um delles despenha-sc do rochedorporm nao
!!T.sn.a.lmenletdobaixo dos Prticos de suas mo-1 solta um gritlo profere urna pa^vraTo ru"do
AlililRHO
ron
HllRiCIOS.WD.
Terceira parte.

fCoiilin/iarao do i>. 27J
Mandei tocar retirada, c reunidos todos jura-
mos viugar a morte de Dun-Glan, ou destruir
loma. E' gwalmente sabida a resposta dos Ro-
manos ao enviado, que de minha parte Ihes foi
exigir a entrega dos irmos Fabios.
Oh I observou mea tio surrndo; chamavas-
i Brenous nesse tempo ?
Os Romanos fizeram do meu titulo de breen
(chefe) um nome proprio.
E' verdade; lembro-rae que li isso nao sei
Cid que lugar: quando rapaz ensinaram-me a his-
toria romana. Os Romanos mandaram-te tomar
fusco, e recompensaran) os Fabios em vez decas-
-tiga-loa. O que (|ueresf J nesse tempo era cohio
hoje : da um por si.
Sm, repliquei eu, nesse tempo reeodtiecia-
so o principio de que a razo do mais forte sem-
pre a melhor, ao pas&o que era desconhecido o di-
veito das gentes. Mas a palavra dos Gaulezcs era
fcagrada; e nessa invaso, que foi urna verdadei-
ra plhagem, convenho, elles desenvolverara nao
obstante ideas e sent mentos briosos, e urna cora-
geni a toda a prova. Foi assim que a nossa terri-
vel trimarcuta, dividida em tres columnas, e en-
contrando-so com o exercito romano no confluente
d Alba e d'Albula, o derrotou completamente, e
tres das depois chegaramos ;is portas de Roma.
O resto todos sabem.
Sallemos, sm, dsse Fannv. A populaco
temonsada refugou-se na cdadella, e os^Gule-
acharam as portas abortas c a cidade abando-
nada.
a~.E c!"a um csPectaculo solemne, o terrivcl esa
cidade triste e silenciosa Nella uenotrnV .V"..
niendoe r em cousa alguma;
Nella penetramos tre-
-jcar em cous
pois ludo aquillo nos pareca um sonho.
Mas um dos seus soldados, disse Margarida,
ousou tocar na veneravel barba de um senador
conesso que me revoltn sempre seraelhante pro-
cedimento.
O' meu Deus! exclamei eu. Antes de con-
demnar cuntprc saber-se como as cousas se pas-
saram. O soldado foi o mu escudeiro Kad-wr...
-- Kadour, interrompeu Fanny rindo-se.
Kadour ou Kad-wir, como quzer. Depois
de havermos alravessado toda a cidade sem encon-
radas muitos velhos trajando vestimentas de pur-
pura, sentados em cadeiras de marfim. Nao se
levantaran) a nossa chegada; apoiados em seus
compridos bastees deixaram-se licar impassiveis
como estatuas, c tentaran) ainda em cima intimi-
dar-nos com o ar magesto'so, que brilhava em seus
semblantes : mas os Gaulezes pouco se, embaraca-
ram com estes ares de gravidade proprios para in-
timidar os fracos; pois que estavam habituados a
encarar todas as pessoas e todas as cousas. Eis a
razao porque levaram a mal que desta arte quizes-
sem zombar delles.
O meu escudeiro Kad-Wir aproximou-se a ura
desses velhos impassiveis, e depois de examina-lo
alternamente por mera curiosidade, perguntou-liie
rindo-se o que significava semelhante maneira de
combaler os iomens. O senador nao se dignou
responder-lhe, e Kad-Wir, como me disse ao de-
pois, entrou em duVida se seria um ente vivo :
para certiear-se passou a mi de leve pela barba
do Romano, que descarrega-lhc immediatamente
na cabeca o seu basto. Antes que cu tivesse t-
do tempo de impedi-lo j o meu escudeiro irritado
havia traspassado o velho com o seu sabr.
Foi o signal da carnificina. A mor parte dos
baratantes tmham fgido nossa aproximaco :
mas alguns senadores, e princpaes cidados, que
para applacar a colera dos deuses consentirn) em
hcar expostos ao perigo, forara passados a fio de,
ggft-. A. "d1e foi saqueada, e depois ncen-! do aby^moTo fund do auaUazam
diada ;e nos levantamos nosso acampamento i dos meus compEros Q
sobro as sdus ruinas fumegantes.
Esteva eumprida a prome
Roma dexara de existir. Dispensem-
que fizera o seu corpo cali indo passou desaperce-
bido na cdadella. Contnuei a minha ascenso
agarrando-me as menores asperezas da rocha : eis
que de repente ponho a mo n'um animal; ia lan-
ta-lo no espaco, quando reconheci o meu cao Dhu
que me seguir a meu pesar.
Chego finalmente ao alto da montanha, piso na
muralha tao baixa neste lugar que o mou cao a
transpoz de um salto. Avaneo sem demora, os
meus companheiros me seguem, urna sentinella
adormecida am sera ter tempo de despertar.
As escadas de oorda sao lancadas aos nosses cuer-
reiros que comecam o assalto sem rumor.
Vou sempre acompanhando o mearlo que po-
zera adiante pista do inimigo. De'repente vejo-
o precipitar-se sobre um bando de gansos estran-
Silar um, o enguli-lo n'um momento. O pobre
bu tinhadesculpa, esteva esfaimado. Os outros
gansos assstam-se, soltam agudissimos gritos, e
fazem um alarido tal que os sitiados correm com
archotes accesos, precipitam-se sobre nos, e nos
repellen) com os seus enormes escudos. Firo a
torto e a direilo, mas era como se atacasse a urna
muralha. Jmpellido e arrastado pelos meus com-
panheiros caio ao p da muralha, e rolo no preci-
picio...
... Quando tornei a abriros olhos urna cinta
amarella se alongava no honsonte : en o dia.
Ilhci em torno de mim ; esteva suspenso cima
im os cadveres
O qur que fosse pucha-
i^XKnZrw,, .~ Va-m polos ves,idos c Mcodi-me com violencia :
^Z11^EZ?TJ& m*SL. ??.?!-Lme P iosensive.men.e jun-
me de contar a historia do Capitolio por multe to-
nhecida uuc ella .
Nada, nada, disse meu tio ; desejo saber se
e verdadeira essa historia dos gansos.
K' to verdadeira, respond, que quasi rae
ia custando a vida.
Como assim ?
Eu Ihe digo. Fomos roa! succeddos nos
primeiros assaltos, e consumamos a paciencia an-
te aquella rocha maldita. Tnhamos j devastado
todos os campos, os viveros comecavam a faltar-
nos, e os nossos cae* de combate "
to a mna pedra do rochado joe ficava um pouco
saliente. Era o*meu cao Dhu, que rae havia sus-
tdo na queda.
A minhha posicio pareca desesperada, eu,
porm, nem pense nisto. Invoquei o soccorro de
vu-^sua humanidade; foi, diz S. Jeronymo, um
rasgo da\graca, que fez-Ihe admira-Io, ama-loe
adora-lo. Pv esta razo, confuso e pasmo, vacil-
ando entre a idmiraco e o reconhecimento, entre
a humildade e \amor, o centuriao exclamoa :
Quem sou eu, Scnhor\para que vos digneis de vir
minha casa f Nao, iwo^am digno de tal honra!
E accrescentou, sempre cim o mesmo transporte
de humildade e de f: Pois q\t*a vossa bondade
to grande, Senhor, que necessidd^e ha de virdes
minha casa f Dizei una palavra,' e meu servo ser curado. Admiraver xpresso da
humildade a mais profunda, diz S. Pedro Chryso-
logo. Este centuriao pede ao Salvadr, que nao
v sua casa pela mesma razo, pela q(ual S. Pe-
dro Ihe pdiu, que sahisse de sua barca. Estes
homens verdaderamente humildes temiam, que a
hospitaldade nao fosse digna do hospede' divi-
no.
Continuando, disse o centuriao: Por^ii eu, que
Qual pois, o privilegio do desejo sincero, da
fe humilde, do amor de votado I O divino mestre
da humildade honra com sua pessoa a mesa de um
phanseu ; mas, demorando-se na casa desse hos-
pede orgulhoso.nao habita em seu coracao. O Filho
deDeus nao acha ainda onde descarcar a cabeca
nessa morada elisia- de riquezas, mas pobre de vir-
tudes. Pelo contrario, habito no eoracao do centu-
riao, sem ter entrada em sua casa.
Mae, esta expressao.Dizei smente urna peda-
vra ainda muito mais mysteriosa c muito mais
bella; consderae-a, meus irmaos, com urna a*
enco toda particular. Em primero lugar, por
estas palavras o centuriao, diz Orgenes, reconhe-
ce era Jess Christo um Deus iramen9o,presente em
todos os lugares. Com-efleto, como se dssesse :
Bem que longe pelo corpo, vos podis entretanto
curar meu servo, junto ao qual cstaes presente pe-
lo espirite Vossa presenca nao falta a lugar al-
gum, e todos os pontos- do espaco estad sujeitos ao
vosso olhar divino ; dae pois esta prova da vossa
divndade.
A Glosa observa, que as palavras preferidas pelo
centuriao relativamente promptido com que seus
servos e seus soldados Bie obedecem,. confirman)
esta idea, que elle tinha do poder de Jess Christo;
porquanto, como se tivesse dito ao Salvador :
Eu, comums signal, faco partir meu servo e vol-
tarem meus- soldados; com razo mas forte, por
urna s palavra e um s acto de vossa vontade,
sem que seja necessario achar-vos corporalmente
presente podis, Senhor, ordenar molestia que
cesse, e ella.logo desapparecer, e a saude voltar
no mesmo- instante. Eutenio accrescenta, que o
centuriao eom estas palavras quiz dizer a Jess
Christo :Vos sois o Deus Omnipotente, e podis
rois manifestar vossa vontade pela, palavra s, e
esta ser logo transformada e convertida em acto.
Quanto, meus irmos, grande e excedente a f
desse pagad 1
Pode muito bem ser, respondeu Margarida ;
assim como tambem o pae Carnat pode ser o escra-
vo Karnach, que voltasse a este mundo.
L isso me indiflerente, disse meu tio ; mas
a historia de Camillo ? Elle fez-te abaixar a grini-
pa... Hein I Bera vs que sei alguma cousa da
historia. )
Nao exacto : Camillo l nao appareceu, e
os Romanos, que cscreveram a sua propria histo-
ria, falsificaran) um pouco a nossa. Lerabro-me
Um autor vae ainda mais longe, e desta mesma
palavra deduz o conhecimento d*um maior myste-
rio, isto do Pae e do Filho, revelado ao centu-
riao peto Espirito Santo.
E de feito, notae, meus irmaos, que esta expres-
sao rf/c Verbo, dizei ao Verbo, pouco regu-
lar, segundo a grammatica ; mas- sublime e divi-
na aos olhos da f. Elle nao. diz : Senhor; pro-
nunciae urna palavra, dic Verbum ; porm, orde-
nao palavra, dic Verbo. Ora, qual este Verbo,
(oa esta palavra) ao qual qur elle, que Jess Chris-
to ordene ? N3o certamente, diz S. Pedro Chry-
sologo, o verbo (ou a palavra), de que nos servi-
mos no discurso, e sera o qual este nao pode exis-
tir; mas, o Verba omnipotente, sem o qual
nenhum prodigio pode ser operado. No, o ver-
bo da linguagem humana, mas o verbo do cnien-
dimento divino. Elle pede, pois, que o padre Eter-
no presente era Jess Christo, falle a este Veroo
Divino, d qual diz o prophete:Deus mandar o
seu Verbo, c os homens sero curados (Ps. 148.)
Eis o centuriao que era Jess Christo er o Ver-
bo eterno mandado para a salvaco do mundo;
er, que elle o Verbo, que encorra toda a virtu-
de e todo o poder ; er, que o vosso Verbo* Senhor,
a salvaco o a vida, e por consegrante reconhecc
urna trindado de pessoa e de accao, e em Jess
Christo ura Dous Omnipotente o inmenso sob os
traeos do homem; isto reconhece a Trindade do
mysterius, dos quacs o centuriao neophvto de non
eos instantes falla, nao s como christo, mas como
grande theologo, nao Ihe foi dado pelo ministerio
terrestre da carne nem do sangue, mas pela graca
de nosso Pae celeste. Tal conhecimento nao foi 0
elTeito do racciocinio humano, mas da rcvelaco di-
vina. Nao se deve crr, diz S. Pedro Chrvsologo,
que o centenario tenhaporsua eloquencia'tocado
citado a piedade daquelle que autor da pieda-
de O Salvador de maneira alguma tinha necessi-
dade deste hornera afim de leva-lo a fazer as cou-
sas, para cuja realisaco tinha vindo tena; mas
foi o proprio Jess Christo, quero por sua graca es-
elareceu e instruiu esse amo caridoso, levando-o
nao s a crr, mas a ser o primevo a pregar aos
bomens o grande mysterio da inearnaco peto
qual o mestre, na pessoa de tesas Cbrisfc, deseen
at a classe de servo, sob a forma de nm eseraw.
Deus mesmo, sob os despojos do homem, abaixou-
se at o homem, para levantar os que tinham cahi-
do, para curar os doentes, quebrar as cadeiasdos
escravisados e resussitar os mortos.
O mrito do centenario nao foi, pois, ter eonheci-
do os maiores mysterios, por que esse conhecimen-
to foi meramente gratuito datarte de Jess Cmtsto;
mas t-Ios crido e professado, desde que os conhe-
eeu, com tal ptenitode de eonviccao, tal firmeza.de
vontade, tao grande humitdade de espirito e to
grande fervor de sentimentos, que o proprio Jess
Christo ouvindo-e foi tomado de adroiraco, como
o refere o Evangelista; e vottando-se para o povo
que o-segua, disse :-Jamais encontrei to grande
fe en todo Israel. fMatr. X.)
E de facto, meus-irmos, se-, como oobservam
Orgenes, S. Jeronymo e S. Joao Chrvsostomo, ex-
cepta rmos Maria, divina mae de Jesns Christo,
e os apostlos que coflocados em urna-ordem espe-
cial da graca, tiveram urna perfrelo particular da
fe, os filhos de Israel, aquelles mesmos que^creram
em Jess Christo, tiveram urna f sempre defei-
tuosa e imperfeita. Nathanael tem necesidade,
para crer, de fazer longos discursos; Um mestre
da synagoga nao er, que Jess Christo possa fazer
um milagro, nao se achando corporalmente pre-
sente. A propria Martha, erendo que Jess Christo
pode curar os doentes, nb ere entretanto, qpe pos-
sa resuscitar es mortos. O povo de Israel nao ouve
adoutrina celaste do Mcssias, senao depois de ha-
ver sido saciado do seu pao miraculoso-; e, confor-
me a exprobaco que Ihe faz o Salvadbn, nao er
nas verdades, se nao v os prodigios. S o cen-
tenario, soldado de prollsso e pago de religio
er sem fazer raciocinio algum e sem esperar mi-
lagros er, log.que conhece; apenas ere, adora
apenas adora, confessa em Jess Christo. um Deus
feito homem, um Deus immenso, infinite, omnipo-
tente. Cousa admiravel, diz S. Pedro Chrysologo
o-oenturiooccupa a cadeira da verdade, e ensina
eomo mestre da fe antes de ter sido discpulo. Elle
annuncia, quacs os motivos de credibidade e os
fundamentos da ; ensina a maneira de obede-
cer, ; ensina qual a regra para orar ; antes de
ter estado na escola da religio christa, pratica
as virtudes e cumpre os deveres da mesma reli-
gio.
rompan, pois sinto-me opprimido sob o peso de
circumtetancias, que mui fcilmente poderiam es-
A prmeira pessoa com quem me avistei ao en-
trar no acampamento foi Kilnias, que roe disse :
I^tyi8 respeitaste a vida de minha fllha,
porque tardaste tanto a vir ? Tal vez seja tempo
i pois ella te pertence, assim como tudo o
qweupossuo. A sua magnanimidade, a hospita-
ldade que de mira recebeste, e a inscripeo do
Ainda mais : este bom soldado, diz Orgenes,
teve a felicidade de annunciar e sentir em si mes-
mo, como por urna prophecia, os sentimentos
de humildade, de medo e ae conuso da alma fiel,
quando Jess Christo, no Sacramento da Eucharis-
tte, se prepara para entrar na morada do seu cora-
cao. Assim, quando nos approximamos da santa
mesa para receber o mysterio do corpo e do san-
gue de Jess Christo, devemos, cora a mesma hu-
mildade e a mesma f, mas ainda com o coracao
do que com a bocca, repetir a Jess Christo essas
palavras: Senhor, eu nao sou digno.
V-se claramente por estas palavras de Orge-
nes, autor antiquissirao, que a egreja titou da tra-
dico apostlica o uso de fazer repetir tres veees
pelo padre as bellas palavras do centuriao. Admi-
ravel emulaco entre o centuriao e a egreja O
centuriao ensinou egreja a linguagem da t e da
verdadeira humildade; e a egreja, fazendo com
que seus padres repitam milhares de vezes cada
da essas palavras, na dispensado do augusto sa-
cramento, eternisou a memoria da humildade e \
fe docenturio. Ah sem duvida devia caber ao
hornera de f mais viva e mais perfeita, que jamis
fContinuar-se-hm.J
bem dos factos, eu o pretendido Brennus E a lh ^ue e a nunca deixa> revelaro a
j que Vmc. lembra-se to bem do que leu, meu i culp.a,D1jWade em ter postergado os juramentos de
charo to, deve saber que afinal os Romanos nos i fas.tllJa(,ie> offereceram a paz mediante duras condicoes para! la ^ torluraA confessou tudo o que sabia. O lu-
elles. Deviam : 1 pagar duas mil libras de ouro; I ^U1*n' ?s JU'zes> .e os sacerdotes a condemnaram
2 fornecer-nos viveros e dar-nos carretas para a I ? s*r ferrada viva, e contra ti proferirn) a sen-
conduccao dos despojos i 3 ceder aos Senonios, ,en4a porque nos tinham prestado soccorro. urna poreo rao ao/5 ?f.e? '. 0s sacerdotes e as vestaes foram
de territorio ; 4 deixar na sua cidade, caso a roe-1Duscar ^allirho com toda a pompa, e conduzirara-
dificassera, urna porta sempre aberta para que nao
tivesscmos o trabalho de arromba-la, quando nos
aprouvesse voltar ali.
Foram precisos muitos dias para ajuntar tanto
ouro : mal chegavam todas as riquezas dos tem-
plos, a prata do estado, e at mesmo as joias das
mulheres. Os seus senadores e sacerdotes vieram
em proeisso pagar-nos o tributo; notei, porm,
que se haviam munido de pesos falsos, e censrel-
os : como negassem o facto, e eu nao quizesso ser
Iludido, puchei o meu sabr, e colloquci-o na ba-
lanca, dizendo aos meus cavalleiros:
Fazei como eu, opponde a torca m f.
E dirigindo-rae aos Romanos, acrescentei:
Desgranados de vos, vencidos, se nao qui-
zerdes reconhecer quanto pesam as espadas gau-
16ZBS I
tar alerta, e prestes
portas iamos
no eaminho que devera seguir 7"era o" mais per'i*
goso, mas tinha a vantagem de ser o menos vi-
giado.
Partimos em silencio: a noute ora escara, e
tova tudo to socegado qne eu ouvia a respira-
cao dos guerreiros, qne me seguiam na escalada.
O iniraige resignou-se e pagou.
Haviam sete mezes quo me apartara de Callirho ;
arda em desejos de torna-la a ver. Detenninei o
Tentalea, e dos deuses CabVes de Callirho, e ser- da da partida, e carregados de gloriosos despojos
vi-me tao bem dos ps e da*mos que conseguio pozeroo-nos em marcha. Camillo que se tinha re-
sal var-me do precipicio : entretanto os sitiados colhido Veies depois da batalh'a d'Allia violn
podiam avistar-me ds alto de suas muramas. as condicoes da paz, e acocou alguns destcamen-, u
O da comecava a tancar a sua luz sobre tudo, tos nossos ; porem o grosso do exercito, composto' para extinguir todo
nao havia tempo a perder. Dhu ammon-me com especialmente de Senonios o Boienses nao foi in-
o seu exemplo, e onde paesa um cao, pode tambem commodado.
aulez joven e disposto: agachndome Os nossos alliados deixaram-nos no nosso acam-
espinos, agarrando-me as saHencias pamento de Biturigia, e se diriirif am aos seus la-
! da rocha, rolando, escorregando por sobre declivios res, fatendo-nos prometter une na^ariam or l
a sorte hervosos n'um abrir e fechar d'olhos cheguei na nossa volta para a Cltica? iteS5S*
lames- haixnrln Han itn Un Pnpnnlrn Inrlnc no nwmc ,S-1_ mn A_______n?. '_7_". P'S Wl. era Y. atble
n a ao templo: depois de despirem as suas vesti-
mentas os helores acoitaram-lhe o corpo avaras
sem que ella deixasse ouvir ue|s gemido : o seu
coracao, cheio de tua imagem, nao fraqueou. Os
carrascos encerram-a dentro de um esquife, guar-
necido de cochins no interior para abalar os grito-
das victimas : mas Callirho nada dizia. a mul-
ar^i^6 abatlda>afrastva-se silenciosa para
aPfint1n'E.a^0.r,ej0 aS l0Jas se fechava"i -
S fe ge-a1, Ponlae todos em Arretium
amava" T* a miha fllha. No fim da ci-
dade ao (pe da muralha ha ura lugar era nue
S Zufe "'"n"6 CTjo- ^ etores abrirn)
Ln^O &raSde achote tomou pela
a beff^SSeaflrinei2 reiRnada' rondu^"a
at a oeira da cova de onde elia nao devia sabir
mira e disTba qiTda filha voltou-se ento p a
Adcus, meu pae! "-------"-
^s vezes rnHTl'B'l 5?rk!g. E
desceu corajosamente : o seu vu embaraco-se
% T Sa, Tesmo SeTKdl
atsemnara^a-io. Apenas chegou ao fundo do tmulo o carrasco retirou immed.ataniente a eso
. andayam estei- passar um Gaulez joven edisposto: agachndome
maos. Propuz que teotassemos um ultimo ex/or- por entre os
co, urna surpresa nocturna.
irin^iue-riam .scuir-'ne; mas eu tiro 0
. Mrreiros Somente : os outros deveriam
uestes a invadir a cdadella cuias dsTrini ,, XJ,Z ,~m LZi^ P-m' Q0$ meu! B'turi?'0S- Queran) avistar do noo
tentar abrir. Reparei durante oX 0Re v vnT g ^^ S 6U "S ma-ge"S d Andria Indra^ Sozar em Pa* da
ne deven MimiF -> m.-.* Np.il ,a, .. r ., suas riquezas, e narrar aos seus os briosos feitos
hr^ePntodanarrafaoizoutra pausa. Alera- darmas, que praticaram. Quanto a mim estava
i dos. meus companheiros mortos apertava- decidido a flear junto de Callirho
me o coracao.
8er crivel
Passei rpidamente pelos factos, one sao conhe-
que odtodoTS ^m^JSSSSSSJS^L C6V0tJ mmdV a^a entrar no nue
MBkv onoffro? ,a oesceodente do sen me diz respeito pessoalmente. Sou entretanto for-
^ jado a penir aos meus ouvintes que me nao inter-
fMJIltADQ
nha filha este raunao^iK 'IZT^ %
par.raEUm,rosadira de Ser ^SS
paz ia \ao tres das que espero. Airora sn n-
des entrar na cidade por astucia, porquf as nortos
sao solidas e bem guardadas, os rauros altoos-
Seif hnt,a^ftenlad0S P^riSK55
Ser Se os pw.Clonam Dou,ra cousa an com-
men o diirante irS T fize,ram *> bom *eM'
mo Km n.M- -uas festas Lectisternios, foi por-
^fc^1830 de tom* armas e valenta
para oppor as invasdes constantes dos Romanos.
Hoje que nada mais ternera daquclles, a quem ven-
cestes, so desejam repellir-vos para alm des Ape-
ninos. O lucumon j roandou sattir de Arreti'j
os Gaulezes, que J se tinnra estebelccido. V^
o Gaulezes, voltees mais valcntes, porm menos
numerosos : e t, fizeste mal em deiiarrot
Senonios e Mensos. Com o seu soccorro Jcdenat
tentar um assalto contra a cidade, entretanto que
entregue a tuas nroprias forcas, nem noves pensar
rusto... O que fazer, o deuses immortaes [ O oue
noEexeeShda Sfdd? ^ *"* *** "*>
I^vanta-te, Kilnias, ihe disse eu ; hoio mes-
mo ters tua filha viva ou morte. Voha cidade e
diz ao Incumon que eu Ihe ordeno que me abra
as suas nonas dentro de urna hor*, ou vingarei o
insulto feito aos meus compatriotas. Se elleceder
entrare, com os meus guerreiros, e iremos todo*'
em socco^o de Callirho,- se, porm recusar en
trarc, s e disfarcado ,>elo 'leito do'ribeSI de
me esperaras cora dous escravos. Mra obra
nada fe lagrimas que sao indignas de umS
mera \ ae, e os deuses nos protejan) I
Reun os guerreiros, e Ihes particinei o mon
plano de ataque. Quinhentos a se^centos homens
sob o mamando de Wir-Ohu-Mar darlo.oS
com grande arruido, afim d attrahir o iniramo a
um so ponto, ao passo que eucom o meu escadei-
ro, sem despertar suspeilas, penetrare! na iidade
So deSKKahUm COrpo dc resem sob o
i?, lh a,d" "h!,.que sorprender os sitiados.
Karnach objectou dizendo que eramos em mui
pequeo numero para tomar Arretium
in,roirVCJ adeiro ufim de WalaMgli, accrescen-
Zl ^\ \T T busoa de Gallirho, que o traz
preso por artes de sortilegio. Bem Ihe preveni
quando a joven de olhos negros entrou na sua
IIa : Da me quiz acredi,ar- Ac'ora n*0 reeeia
expor a sua vida e de seus bravos guerreiros para
renaver essa escrava, pois sua escrava a soberba
Etrusca Se quer urna esposa, busque-a ao menos
entre pessoas de condicao livre e de sangue gau-
lez, e nao ontre os da raca de Cus, raca maldita,
c condemnada a desapparecer da face do mundo I
Karnach, respond, nao perdas sorte o to
haver feito escravo de Kilnias e sua filha 1 Sas
hoje que s livre deves esquecer o passado. ,*,
co digno de um Gaulez insultar urna munV^ Vse
fosses nobre e cavalleiro, dar-rae-hias !>, ama
tisfacao. Sabe que a minha escrava mora.
que, se tent o ataque de Arretium, nar nnnir a
lucumon da sua traico "" u
Seja pelo que fr, bradou K^d-Aneith nonco
importa, urna vez que combatamos JOrnalTaue
va pregar os seos orculos os coJooos tmidos e
prudentes, que so servem papa lavrar a trra. Nos
somos guerreiros, queremos somente cmbala
Desgraca, desgraca ao3 Arrecanos I
uRN.
(Continuar-se-ha.)
AMBUC.- IIP. DE M. F. F. 4 FIU
t=L
nflhi
*B

-


SDPPLEMEOTO AO HUMERO 208.
Por tres mezes adianlados oSOOO
Por (res mezes vencidos 6SO00
/
SABBADO 12 DE SETEMBRO DE 1863.
Por auno adiantado..... 19$00O
Porte franco para o subscriptor.
DIARIO DE PERNAMBUCO.
^
EXTERIOR
OHHr.SIOIVKY< 1 \ DO DIA-
RIO DE PEMAHBFCO.
umM
33 de agosto de 1863.
O paquete Naraire, chegado Bordeus com a
mala do Brasil, irouxe-nos noticias do imperio da
ultima quinzena do julho, c entre essas a da pro-
hibijao quo o governo imperial mandara passar
entrada do corsario Alabama, nos nossos
DIARIO D PERNAMBUCO
vo; mas lord Russell se recusara receher a depu- ponto de proclamarem a independencia pura e
tajao enviada por aquella assembla popular, sem simples de toda a Polonia, aliena at cerlo ponto a
que todava allegasse dcsculpa alguma, e nestas s\ mpathia que os homens polticos da Gra-Brcta-1
circumstancias pareca que (icaria sem seguimen- nha sentem por aquella causa, visto como da exe-1 O vapor francez Guienne, chegado hoje da Eu-
to o que se passra naguelb reuniao. Os perso- j cucao absoluta daquelle plano resultara provavel-1 ropa, foi portador de cartas c jornaes com datas :
nagens inllueiites daquclla assembla resistiram, mente uina complicado europea. A junta revo-1 de Hamburgo 20, de Pars e Londres 23, do Porto
porm, aquella deoiso do ministroda cora.recor-' lucionaria de Varsovia rejeitou como insuficiente ,20 c de Lisboa 2l do passado.
rendo directamente a rainha a quem reverente-: o rrogramma apresenlado Russia pelas tres po-1 O acontecimento que mas prenda a altencao pu-
mente apresentarwn a resolujo aUudida, que en- tencias j mencionadas I i blica na Europa, saluda do paquete, era a reu-
tretanto nao foi aeolhida, por entender Sua Mages-1 no dos soberanos allemaes em Franckfort, a con-
tade que nao deveria faze-la, sem a interrenjao do alleceu no da 1J do correntc, em Chatam, lord: vte 0 imperador d'Austria.
seu consemero responsarel. Asshn, pois, flceu ; L.lv(,e> 'fue ,inlia uraa reputajao europea por haver O rei da Prussia recusou-se a fazer parte do con-
sem resultado mais esta tentativa daquelle meeting, Sl0 pacificador da India por occasiao da recente ( gresso, apezar da entrevista que teve em Gastein
para chegar seu lim de modo queo governo nao revolucao cypaia. Durante a guerra da Crimea,. com 0 imperador Francisco los.
ser obrigado a exprimir de urna naneira cathe-: s.ir "a Campbell, que depeis foi lord Clyde, des-1 o principe real da Prussia foi chamado Gas-
con" "" osso" gorica as suas vistas acerca do ponto ventilado na- i tlnguio-so extraordinariamente no campo da bata- lem u muftos previam, que era chamado para rc-
quella assembla. Demais teria sido altamente ilna> eicomquanto scus talentos militares nao fos-1 presentar a Prussia no congresso de Franckfort.
comprometiente para este governo animar aquella sen de grande alcance, obteve todava naquella Depois do famoso discurso deste principe em Dan-
1 trig, o re da Prussia nunca mais o tornara a ver;
portos. |)or haver este transgredido a proclamaeo
de Sua Magostado o Imperador que regulou o *di-
reito dos neutros na actual luta Americana. Esta
resolujo, preventiva de novas e futuras complica-
jocs entre as nossas autoridades c as da Lnio,
tem sido aqu considerada muito prudente e digna
de ser imitada. Tem sido exactamente a queseo
dos corsarios confederados nos portos da Graa-
Bretanha que por vezes tem posto era risco as boas
relajoes entre os gabinetes de Londres e o de, -^i |>0|c
Washington, c por consegrante o publico inglez *^ 0 Qlob. foih'
applaude sempre as medidas enrgicas que ten-'
deputacao, quando o governo da rainha busca che- campanha um grandoaome por sua bravura. Lord
gar a seus fins pelos mcios paclicos. Ragln que era commandante em chefe do exercito
O proprio MoraingPosl. jornal de queseservelord inglez na Crimea, recommendou sempre sir Coln
Palmerston para exprimir as suas opni5cs e que Campbell commuita destinecao; e esta cirrums-
at certo tempo se mostrou muito bellicoso, advo- tancia o habilitou para mais tarde- ser investido do
ga agora a causa da paz, ponderando que a Ingla-, commando em chefe do exercito ingeX na India,
ao ir alm dos recursos da diplomacia era i 'go Que Nana-Sahib levantou all o gri
j volta contra a soberana da Inglaterra
de lord Russell, diz abertamente I ___.. .... _
que a Graa-Bretanha nao far a guerra a Russia iJ "|l.e^a^mPa^nf.A^..5:.l-vde' canCado
trra nao i
c julga-se que a viagem do principe a Gastein.
devida influencia que a rainha da Prussia exerce
no animo do seu marido.
Todos os esforjos empregados para reconciliar o
principe real com Mr. do Bismark, presidente do
grito d 1'' coaselho, tem sido infructuosos. 0 principe decla-
rou pu!'.,,camcnte que nunca a Prussia Tora m,
Cartas_ de S. Pctersburgo dizem que o gabinete I mais decedida vontade de se conservar em boas
russo nao esta disposto por forma alguma a fazer relaooes com os europeus.
concessdes Franca.
A resposta do principe de Gastschakoff deve ser
conhecida em principios de setembro.
Os artigos do fMtt e do Jornal des Debis, ava-
hando o despacho do principe de Gortschakolf,
produziram profunda sensaco em Londres e Pa-
rs.
Despachos de Shanghac de i de junho dizem
que os insurgentes atacaramjNankim, apoderan
do-sc de alguns fortes. O soberano espiritual or-
denou a expulso dos estrangeiros c mandou fe-
char as portas.
A escolha do principe Maximiliano para o
i imperio do Mxico, suscitou explicacoes gazeta
JL^Sfi a 22 as rclPstas do- Pnnc'Pe && autriaca. Esta explicacoes sorprenderaam a Euro
7 Austria e a branca nao sap concillado- pa porque 0 arlig da ^fo|ha austraca mostra cer-
igido a Austria nao spero; I ,a reserVa c menos indifferenca pela escolha feita
mexicanos.
o gabinete de S. Petersburgo ve que a Austria nao pcia assembla dos notavois
pode quebrar completamente a cadea que a pren- j A gazeIa dcc|ara cautellosaraente que o governo
parte* dapoIoiI^c ^--^1.??--- I pituco nao tomou a menor parte as combina-
grassar novamente
c por sso nao desespera de a con-! ,.oeS que produziram a esolha do archiduque, cnia
te comsigo. No despacho a Fran-! Jeicao, diz ter sido um negocio puramente pessoal
ea falla de um soberano que tem sido ja um inimi-1 entre aquelle principe e o imperador Napoleao.
go e que pode anda declarar-lhe guerra. O prin-1 As explicacSes da yazeta chegam ao ponto 'i"
humilhada como 2? len,r em fluc de Bsmark rebeldes ; eera ques
guerra, u pn..
cipe de Gortschakoff da entender que o nao assus-
ta a guerra.
O Journal des Debis, tratando da questo do
armisticio e da recusa desdenhosa do principe de
Gortschakoff, compara a situacao actual cora a do
1826, em que a Grecia se insurreccionou contra a
t..w,., a Tnrnnia tratava os gregos do
")"' 1 V* ,. 1
cana. As folhas inglezas noticiaram que a discus
sao, suscitada entre o presidente da Bahia e o
con
da
britanmeo
timento eminentemente sympathico era favor do
novo inglez. A opinio publica? aqui contina a
ser-nos favoravel, e os jornaes de todas as cOres
polticas tora abertamente advogado a necessidade
do restabclccimonto das relaooes diplomticas da
Graa-Bretanha com o Brasil.
A proposta da mediaeao do rei de Portugal no
conflicto anglo-brasileiro foi aqui aeolhida com
muita satsfaceSo, como j disse na minha antece-
dente missiva; existe, pormo, receio que esse ex-
pediente nao venha a produzir o desojado resulta-
do, porque bem rcconliecida a insistencia com
que o ministerio Palmerston-Russell sustentou os
actos do Mr. Christie, e por virtude da qual o con-
de de Russell difcilmente peder fazer ao Brasil
eoneessoes que possam satisfazer o governo impe-
rial. O ministro do Brasil havia reclamado do ga-
binete de Londres que este dsse urna plena satis-
fcelo pelos insultos hitos, c que pagasse urna in-
demnisaoo pelos premisos havdos; isto porm
foi recusado, pelo que a legacao imperial pediu
os seus passaportes antes mesmo de haver o rei
dos Belgas decidido a questao dos offletaes. resul-
tando d ah a cronoa de que lord Russell eslava
firme em manter os actos de Mr. Christie. Quem
pois acreditara fcilmente que dous mezes depois
daquelle succosso o governo inglez nos fara as nm >al,olea" uue a principio pareciam tao belli-
concess&es que reputamos indspensaveis para a !as eSi!ta,r?L f'ues' ,H,laca ? >'a opinio de
coutinuayao de relaooes amigareis f Dahi a difli-
que tambem regularan!
en-
pela
I qual o principe Gortschacoff recusou Varios dos
| pontos apresentados pela Gra-Bretanha, parece
haver sido dictada por aquella prudencia, de mo-
do que se acredita geraltnentc que a Inglaterra
nao dar o carcter de ultimtum as suas reclama-
cocs como alias pareca no principio. Se o impe-
rador Alexandro. recusar condescender com o pe-
dido deste gabinete, o governo britanmeo quando
muito interromper suas relaooes polticas com a
Russia, mas nao llic far a guerra, porque esse ex-
pediente seria_ aqui actualmente reprovado pela
maioria danaco. Lord Palmerston tem-no assim
comprehendido e por sso fez urna diversao na sua
poltica de guerra.
A mesma Franca, que se mostrava disposta a in-
sistir cora energa pela obtenoao dos seis pontos
qucpropozra Russia, hoje si; mostra concban-
te, comquanto haja renovado as suas instancias na-
quelle sentido. A nota de Mr. Drouin de L'huvs
indica claramente a urgente necessidade de que"o
gabinete russo acceda s rccl.imaoes das tres po-
tencias, mas ncm por sso impoe comminatoria al-
guma : esta a linguagom em quo, segundo se af-
dirige a poltica.
Accrescentou mais que se retirara dos negocios
putjiicos, ate chegar o momento em que soja neces-
. |'.sano desembainhar a espada. Por este motivo
O seu funeral teve lugar sem pompa alguma,: lForre \f3t0 de que se vai nomear um nink'.erio
segundo recommendra o lustre fallecido, sondo
os seus restos mortaes depositados em Kensal,
Green. As autoridades pretendiam fazcr-lhe snmp-
tuoso enterramento na abbadia de Westminstcr.
mas vista da disposioao contraria do defuntoti-
veram de desistir.
As folhas inglezas tem largamente cscripto so-
bre a rounio dos soberanos allemaes. que acab-
de ter lugar no dia 17 do corrente em Frn' pf',"*
sob a presidencia do imperador A'A'- ,, n n;'
dessa conferencia urodor1- m^SS- f?'
na auemaa ie^_oua a ,midadc dc que (ant0 carcce
A ~vrganisaoao militar da confederaoao lgura
no numero das reformas propostas, bem como a
rormacao de um poder executvo composto da Aus-
tria, Prussia, Baviera e mais duas outras potencias
allemaas, que devero ser eletas por todo o corpo
federal. ^
Alm disso haver um conselho dc federaco I
composto de diias^camaias. sendo a primeira for-
mada de principes allemaes, e a segunda de 300!
delegados escolhidos pelas diversas cmaras da fe-1
deragao, mas dos quacs a metade serao fornecdos'
pela Austria e pela Prussia. Tal parece ser em
jhohenzollern, e espera-se que enlo
cordeaes as relaooes entre o rei e seu
nlho.
mais
firma, se dirigi o gabinete das Tulherias ao da resumo o plano que acaba de propor o imperador
KUSSia. A'Awmal* n_ -i_
O que ter, porm. modificado as ideas do impe-
Krn vordade nin
porque nada mais justo do que o pedido que o go-'a Al|-1I,ia 'ovasse
vYrn imperial lizera, e desistir delle seria como ;2uan 0,ce"? (l
Austria, cora o lira de reformar o pacto federal
allemo. A confederaoao se achava all totalmente
representada, menos os soberanos da Prussia e da
Dinamarca, que declinaram o convite de sua ma-
gostado apostlica : espera-sc entretanto que o ga-!
Berln acceder ao plano dc reforma'
sua recusa seguir-se-hia
randc dcsconsideraeao na
opimao publica da Allcmanha.
No dia 16 est vara era Franck'".-, ^ imiK.nd0r
d Austria e muitos nrincinos i '"'P.^81101
vdados ulWb 'imcipts ijne |iaviam sidocon-
O discurso de -
qup transtornar a sua legitima causa.
Nestas circumstancias nao se espera aqui gran-
de resultado da mediaeao
As noticias do Mxico chegam ate 10 deJAlli
rao passado, e sao ellas chcas dc imponar
olilica. No dia 10 daquelle mez, a junta d-
notaveis, reumda na capital por ordeni do gov
vanas folhas bom acreditadas," esta mudanca tem
cuidado de lima proinpta concillado entre o Bra-1 ca"*aUa Pela ''ocusa da Inglaterra c da Aus- .
sil c a Inglaterra, menos que por influencia do! ria cm r gucrra a Russia de aocordo com a [ proposto, jiorquanto da
mediador o governo do Brasil estoja disposto a for- i T'03. nel Que esta nao quereria entrar sos j para a Prussia una g
muUr um outro programma que soja acccitavol > "ma tal empreza.
por osle governo. Mas isto nao dc presumir ver(J!u, mnguem acreditara fcilmente que
a levasse at esse ponto a sua poltica,
erlo que tem mtoresse immediato na
i partillia da Polonia, e a Inglaterra nao quer, como
i evidente, entrar n'uma guerra que nao seria aqui
nuestao embora a )0I'ulai'> Pr lhe faltar urna causa que sirva imme- ino provisorio, proclamou a cessagao do goveiiio
opinio publica contine a exercer sobr o "overno u,a,amenle os iteresses brtannicos. : republicano naquelle paiz, c a consegrante orgau-
uma benfica pressao em nosso favor. Lord Pal-1 Ora. nestas circumstancias o imperador Nano- sa>'ao da9uellc oslado sb a forma monarchica,
merston por certo o mais decidido inmigo que lelo carece dum apoo, como seria a allanoa da' ,"e.c,?4a ?-oa imPcnal ao archiduque Maxi-
temos, o nuera impedir o conde de Russell de des-. Inglaterra e da Austria, para fazer a guerra um
fiar-se da conducta primitiva que adoptou na' Pa>z'o longnqtto, e d'ah procede provavelme
questao brasi"
frente da admm ttossia, quando a principio pa-; ser catholico apostlico romano ; alm disso con- de "domicilio,'cxecuo de scnreo^ldicae'^cmi"
. 6 assim que a opra^agora prdomi...... 'fe ? *"*?**> Cm ,i,ul de ***** ao && ,0dS 0S n*e?0cios fedl'lk's "uc MM
cm
rador d'A" oerlura, pronunciado polo impe-
nrinei- -Ta muito extenso ; cis os pontos
1" ..paes:
Urna assembla de soberanos da naoo al-
lemaa, deliberando sobre a felicidado da pa'tra,
successo de que nao ha memoria desde sceulos.
Queiram as benoaosdo Dospermittir, que da nossa
conferencia provenha um futuro venturoso Con-
fiando no carcter elevado dos principes confede-
rados, confiando no espirito do povo, compenetrado
dos sentimentos de jiKtica, c ensinado pela expe-
riencia, tve desejos dc observar o complemento da
reforma federal, a regcneraeao da patria commum.
O imperador expoudo clquentemente que ao
mesmo tempo liberal e conservador de todos os d-
reitos dymnastieos, acorosecnta :
Procuremos vir sera demora um accordo,
quanto aos objeclos de menor tonsderaoao. tendo
presente a importancia incaleulavel dos pontos que
nos reunem aqu. Conservemos em todas cousas
o lugar que pertence poderosa Prussia. Espere-
mos que, com auxilio dc Dos, ooxemploda nossa
unao tenha grande influencia em todos os cora-
ooes allemaes. Terei sempre a satisfaoao pessoal
de haver fido cm vista, cm poca tao' critica, a
eonsolidaeao dos laoos nacionaos, que unem os al-
lemaes, procurando elevar quanto seja possivel a
confederaoao germnica, pela qual somos conside-
rados urna naoao compacta,
O projecto que o imperador d'Austria pretende
"?eitar pela confederaoao, consisto na crca-
um parlamento allemo. que deve sor com-
duas cmaras, l'ma a assembla de de-
seria formado pelo numero dc 300 depu-
oll tercos pelas cmara.- dec-
s diversosVstados allomaos, eTOulro ""Y,|
-amaras altaV A cmara altanera formauT
Hus xu.ia, wiewaram conferencias, c que uellas se
propozera o armisticio que logo foi aceito pelos
gregos c recusado pela SBlme Porta. A confe-
rencia declarou uue, esta medida era justificada,
nao so quando pelos aconteciraentos internos de um
estado solfriam a seguranoa c os iuteresses essen-
caes de um estado visinlio, mas tambem quando
os diretos de humandade eram violados pelos ex-
cessos de um governo cruel e brbaro.
Em 1830 os Belgas eram rebeldes para o re dos
Paizes Baixos ; e as potencias reunidas emeonfe-
Debales. Em 1826 e cm 1830 eram atacados pela
insurreicao os governos da Porta e dos Paizes Bai-
xos, que comeoaram aecusando o armisticio ; os
rebeldes, isto os Gregos e os Belgas adheriram
mimcdiatamente esta idea.
Em 1863 apresenta-se o mesmo espectculo ;
o principe Gortschakoff regeita o armisticio e o
governo nacional polaco aceta-o: em 1863 como
em 1826 e 1830 a modcraoolest da parte dos re-
beldes.
' Ha dous mezes declarou lord Palmerston aos
I Polacos que qualqucr das duas partes que recu-
1 sasse o armisticio a.ssumiria urna grande respon-
sabilidade. So fazemos um pedido Inglaterra :
conforme a sua maneira de proceder com as pa-
lavras do primeiroministro.
APressec Vienna diz que as lentidoes da di-
plomacia sao uin triumpho para o gabinete russo,
que s quer ganhar temj>o, e restabelecer em pri-
meiro lugar o silencio dos cemiterios na Po-
lonia.
A insurreiyao da Polonia toma cada vez mais
incremento. Em toda a provincia dc Varsovia se
organisam novos destacamentos de insurgentes.
No palatinado de Ploek augmentaran! as forras da
insurreicao 300 cavalleiros bem armados.
O governo nacional prepara-se para a campa-
nha do invern, e tem fcito compra de immensa
quantidade de pellos.
Os insurgentes cortaram as pontos de todos os
caminhos de ferro~para a Bussia o para a Aus-
rincipes dos differenfos\ estados que se reuni-
rao para examinaren! as resofuces das assem-
blas.
A cmara baixa tixar o oroamenlo federal, tra-
cando as linhas fundamentaesparaa logslaoaoes-
modo pecial dos estados allemaes, em tudo quanto'disser
urna monarchia limitada, hereditaria, cujo chefe respeilo a imprensa, direito de reunio, privilegio
railiano d'Austria.
ente O povo mexicano proclamou por aquello modo
tao brasileira; em quanto elle estiver, pois, Que o gabinete das Tulherias se mostra hoje conci-
le da administraooia Inglaterra, duvido que liante para com a Russia, quando principio pa-
laeoes polticas entrc\o Brasil e a Gra-Breta-1 recia estar disposto a provocar a luta. j ferio essa monarchia com o titulo'de mirador ao gracao e todos oV^gocms'feifeiaos'qc ""oonsti
manto pe- > principe alludido, c se este recusar depositou as oionalmente forcm sbmottdos ao poder da con
no a recu- raaos do imperador Napoleao todos os poderos deraco.
as re
nha. reham a ser restai
firme c duravel.
la paz. embora a Russia venha novamente
O grande peccado do Brasil, aos olhos daquelle' Bar o iieddo das tres potencias,
ministro, tem sido o commercio de escravos ; e ape-! A guerra, especialmente nosta quadra avanoada
zar da completa extinceao daquelle trafico, esse es- '< do anuo, seria muito custosa para a Franca, que
tadista procura punir-nos, ainda as futuras gera-, s>'m o a|H)io da Inglaterra e da Austria diffic'ilmen-
coes. Esta a verdade que nao convm dissimu- (le wdoria penetrar na Polonia ; c por conseguinte
ar, para que ao menos possamos cscolher um ter- j partido bellicoso aflecta actualmente um certo
reno de defeza. : respeilo pela dignidade imperial da Russia, pondo-
Na ultima qninzena seguiram para Pornambtico rando quenraa recusa por parte do czar nao irn-
os seguimos navios : The Masnk no dia 1 i, e So-' porta para as potencias reclamantes o dover dc o
raplnna no dia lo. obrigarem pela foroa !
Chogaram da Babia : Ella Gladstone (l'n aLi- Tal a verpool e Atmenka 17) do Rio-Grande Fal-, IWva e provvi ri?LTSSS5 AJeSSre
n r'.w ,n^. i., -i- i -,., r s0 I"''li(, da franca, Austria e Inglaterra, paro-
mm n- ffl i%was!l,eo7?dc .i' "Ca1-i a ''11,l'Iuasi ^is,ira ^ Jessa R>cusa visto co-
n inLLc !,l ?* aS 4/> Us consol,da- mo o principe Gortschacoff disso
dos.nglezes .1 % 9.11/2. Fundos portuguezes 3 te que o gabinete de S.
l poremptoriamen-
Petersburgo nao accede-
&*L "ofo"1'6^;' > Grc"os 2>J2 ,ia Jamais ^ eo"Ifes l-rincipaes que lhe proiw.
Russos o % 9o. L turcos4/. garantidos 102 1/2. 7,.|;uu as alliadas potencias. ;
- /.. i .mi na mumh iiutoiwws, istO a COUCOSSo d(
w*flE22n*%ini T',"^'" aum i "i armisticio o a convooaeao de ama coofejamcia
nrn in d TI < ? **. % J /* d *** cstao a ; daqucllas tres potencias com a Russia. afim
premio de *. .(/* a 1/2: e as de S. Paulo com o de
1 a I 1/2. >
O novo Lanco eslabelecido entre esta pryoa o o
brasil, sera definitivamente constituido cm pouco
confo-
_ deraoao.
para que este soberano escolha um outro principe O poder exocutivo ser excrcido por um direc-
quo com ao condiooes mencionadas, venha a gover- torio, sob a presidencia da Austria, composto de
nar o Mxico. setc raembros escolhidos de entro todos os soberanos
a inr.^t.-.n ---_____.~ allemaes, sendo divididos em seto secooes : Aus-
A Inglaterra affecto anotar esta nova ordem de tria, Prussia, Baviera, Wurteniborg c Bade, os dous
cousas mas o seu despeno nao e por sso menos Hesses, Saxonia e llanover
sonsivel, porque [.oloracto de urna monarchia na- A resposta do rei da Baviera ao discurso de
quella parte do mundo sob os auspicios da Franca abertura do congresso foi em termos muito resor-
^^JT^L^.'^S*J!!!9fS*^'^0 vados- A ntonoao que a dictou foi muito duvi-
que de certo annulla a influencia bntann.ca na- dosa, e na phrase que expressou nao havia enthu-
quetia reguo. siasmo nem brilhantismo.
Nao por oniquanto sabido se o archiduque Ma- i'feS ^ conSrc3.so sc ^^ nao so-
ximiliano aceitar a cora do Mxico, e muitome- P;0I1p"?5,pi0I dc uma refor,ma ?mcaz' mas quan"
nos se aceitara polo modo quo lhe foi offerecida, ^''" ?, br *G el,a dCVC SCr maiS 0U
visto como nao houve sulTragio universal como ""IUb amP|a-
' Diz-se que os duques de Coburgo. de Bade c de
Weimar redigem um contra projecto anlogo ao
que a Prussia aprosentra n'outros tempes
dieta.
O rei da Dinamarca negasse. segundo consta, a
aceitar o convite feito pela Austria.
Os seberanos reunidos em Franckfort instam
parece ser agora a lei moderna. A Franca apoiou
aquella eloieao. .
A imprensa austraca ten/ combatido a aceitacao
da cora mexicana pelo atfhiduque Maximiliano. |
como contraria aos intereises austracos que al
certo ponto ficariam dependentes da influencia
declinar emnoraeda Austria, toda responsabilidade.
que possa suscitar a nova situacao do Mxico, e
particularmente a responsatilulMc das desintelli-
gencias que pos^; occorrer con a America.
O Times considera a oleico do Otum^Z !"*"
ximihano romo um perigo, e como uma prva do
intinudadc das_relaooesj\w existe entre os dous
governos. u .Moru rio. nao com a colera da Inglaterra mas da Ame-
rica.
Quando, diz elle, o norte c o sul sc reconci-
larcm, nao cousentiro que a Franja se arrogue o
direito de estabelecer no Novo-Mundo colonias mi-
litares o de fundar novos imperios.
Em Madrid lamenta-sc que ao thrno do Mexi
co nao tenha sido chamado um principe hespa-
nhol. mas nao vemos que alli sc faoam objecces
fundaeao do um governo regular" que sc chame
imperio.
O Mormng-Post d grande importancia aos as-
sumptos do Mxico. Diz que os Estados-Unidos
antes da guerra civil nao teriain permittdo a in-
tervenoo na America.
Acresccnta que provavel que a oceupacao do
Mxico d lugar uma allianca cora o sul, quo
exerce grande influencia as insttuices ameri-
canas.
Os habitantes do Havana assignaram uma peti-
oao, pedndo que na organisaco do governo me-
xicano a Franca ea llespanha chegassem un
accordo.
Assogura-sc como provavel o reconhecimento
pela Franca o Inglaterra do principe Maximiliano
com o imperador do Mxico, c que este exemplo
ser seguido pela Austria c Blgica, cujos sobera-
nos sao prenles mui prximos do nosso impera-
dor e pelas domis naces.
A Patrie de 26 dc agosto diz quo o ministro dos
Estados-l nidos deve prximamente communicar
a Mr. Drou\ n dc L'huvs um protcsto'contra o im-
perio do Mxico, considerado como uma ameaca
independencia americana.
O Mxico excita a sollioitude dc Sua Sanlidado.
correspondendo eleioo do novo imperador. O
Santo Padre vai enviar para alli um nuncio apos-
tlico. Diz-se que ser encarregado esta missao
raonsenhor Vitellesclu, arcebispo de Sebucia. que
com monsenhor Granchi, representaram as festas
dc Trento o episcopado italiano, c que depois foi a
Vienna. onde teve occasiao de conheccr o archi-
duque Maximiliano.
O iloniteur do dia 17 diz que o governo francez
mandara uma ordem para o Mxico, a quaLan^njl-
a itussia o
dentro dos limites da ordem, agitou-se agora, e
consta que as buscas que se tem feito cm casa de
alguns grandes senhoros ltimamente presos, fo-
ram encontrados papis que dao a entender a
existencia da machinaco contra o dominio aus-
traco naquella parto da Polonia.
Pensa-se que a Russia nao cstranha a estas
combinaces.
Diz-se que Mouravicff ir substituir o prncipe
Constantino, c que TrcpolTe ser iioineado prefeito
dc polica.
As atrocidades de Mouravicff continuara a cn-
oher do assorabro a Europa catholica. Nos ba-
nhos de ubblon niorreu rana menina polaca do
20 airaos, por nomo Slanianoff, era consequencia
dos aceites de knout, que MouravielT lhe mandou
dar por trazer factos de lulo. Todos os Polacos e
Allemaes que estavam naquella torra, acompanha-
rain o enterro desta infeliz victima do despotismo
russo.
Para a Sibcria partera todos os dias novos con-1
teram contra os Francezes, c ser prohibida a ex-
porlaoao do numerario que servia dc incentivo
existencia de algumas guerrilhas mexicanas.
Foi tambem mandada outra ordem ao almirante
da esquadra para bloquear as costas desde o sul
de Matamoros at Campeche inclusivamente.
Dizem que Commonfort e Doblado adheriram
inlervenoo franecza. O general Berbluer \>e-
dido de Jurez marcha cora 2.130 homens para S.
Luiz do Potosi.
As industrias minera o agrcola ..stao n'um es-
lado deploravel e nao permittem o pagamento dos
duzentos cquarenta niilhesde piastras de dividas
reclamadas, comprchendendo as despezas de inler-
venoo.
Diz-se que Montholon ira substituir Sobgny no
Moxico.
E esperada na Europa uma deputacao mexicana
de cinco membros para apresentar a archiduque
o decreto da assembla dos notaveis.
Mr. Lincoln) quer obrigar o general Meado.
-1 RStt2Sl^tfS Meade^Ke1
a faze-lo, e insiste pela sua domissao, pois ja pedio
lempo, segundo a le ingleza; c segundo me consta
a directora pretende organisar a companha sem
demora em eonformidade com as leis do imperio,
afim de que essa nova e importante
mece suas operacoes entre osla praea c
As acooes do London & Brasiliah Bank
gularcm a traostao polaca. Como esperar, pois.
que agora, so pelo simples facto da insistencia, vi-
ra a Russia a ceder, quando esta sabe que nao! franecza : sustenta entretanto que sua alteza im"'eora rei da Prussia, para que v tomar parte nos
e os reclamantes ? Njhguein! pcrial poder fazer aqullo que sua conscienoia seus trabalhos. Foi deputado em commisso es-
acredita que o gabinete dc Sao Pctersburgo venha
a deixar a sua poltica evasiva, que consiste sem-
pre era proniettor sera nada cumplir: nem que, sc
empreza co-, assim for. occorra na actualdade uma guerra en-
i o Brasil. ropa por motivo daquclla questao, porquanto as
ank. conli- potencias que isso poderiam conduzir esto bem
nuam a premio de 8, hayendo sempre muitapro- |ongc de se acharom de accordo para semelhanle
cura dos ttulos. Arada nao houve destribuijao de (m.
c interosse lhe aconselliareni. i pccal para este fim o rei de Saxonia ; e por este
motivo se suspenderara as conferencias.
Corre aqu como certo que sir James Hudson,! O re da Saxonia chegou a Badn no dia 20 s
que ate agora exercia cm Turin o cargo de envia- 4 horas, c oda Prussia a meia noute com Mr. dc
do da Inglaterra, ser mandado Vienna para Bismark. A entrevista dos dous soberanos teve
celebrar em nomo da Italia um tratado dc com- lugar no dia 21 ao meio dia. Nesse mesmo da
merciocoma Atstna. Parece que nesse documen- r^.ossou Franckfort o rei dc Saxonia sem oda
to sera implcitamente reconhecido o statu quo Prussia, que sc recusou por escripto a compare-
desse novo reino, e, ikjs, se julga que depois dos- ccr no congresso.
tratado havera uma reconciliaoo qualquer en-' Na sessao do da 22
Se
dividendos, mas nao tardara seis mezes que a di- Durante muito tem lord Palmerston advogou as
ratona nao faja o seu primeiro pagamento de ju- deas da guerra, porque receiando que a /ranea
ros que se espera sera favoravel. vj,.ssc a allar-se com a Austria para fazer a guer- ('lre os gabineios dc Vienna e do Turin!
O mundo official desta grande naoao acha-se ne a Polonia, quera inlervir na contenda para as- A retirada de Sir James Hudson
actualdade cm descanjo, agora, que o parlamento sim manter a influencia ingleza no continente eu- servio com muito louvor durinte
dermraou as suas sesses. Muitos dos ministros'
\eixaram Londres no goso de suas
.'i^'i' Presidenlcdo conselho pr.
nhou a rainha na sua v.agem a Allemanha so lord | (,ue|ia empreza. mudoii do dreccao, tanto mais que! por espirito dc nepotismo deseia nrotecr \in! Ire a P^ssia c a Austria, pois que a Prussia
qualquer en- Na sessao do dia 22 tomou-se conhecimento des-
ta resposta que muito cortoz c expressa o agra-
de Turin, onde 'ecimento aos principes confederados. pelo pesar
15 annos, temlQue.e"?.s,nanifestara de o nao vercni no congres
esta
J,l?.?!0n,n J!P C d.Uussell se acham na ca- existe aqu um partido muito forte em favor da guem "acredita conio lord RusseT tem"eoalhado empregando meios estratgicos para t
pitalmascbte partir om breve para a Escossia com paz, |frcnte do qual se acha o conde Russell, I que Si-'-
sua familia. ministr dos negocios estrangeiros.
iiiih^no ai iad / ra,nha ?ml?r>a em Groen- 0 visconde dc Palmerston, (juc o ministro mais i onde era altamente estimado7ondc ractraciai;
^ i->d.a,Ldu^ren,e'a,frdodo h,aleava- popularde toda a Inglaterra, achou-sc desta vez dos scnVos Inglaterra sX
t^ri i^fio^S'"''T,CgHUindK V,agem ,,ara I"'< desaecordo con, a opinio popular : entretanto.! guns ann^s no Bra il como ram"ro ,?nglcz
tuerp a o Allemanha Tendo chegado no da 12 a paia nao perder a sua aureola, soubc arrepender- As ,.: w ,,,. ,, '" 'ng,CI-
^SiB?* Blgica toraou sera demora oca? ieemtcmpo.de modo que so acha actualmente JrJSaXSfc? ?Sdo.,!do8' W
m,nhod5felro_Hu9aconnuz'oaocastellodeLaeken, frente da opinio em rela.o grande e momento-
sa questao da Polonia.
que Sir Jamos Hudson pedisse a sua remocao pois tooeleca a divisao entre a assembla quo est ds-
qnc este diplmala viva contente naquelle 'jaz, cutmdo o projecto austraco.
Os jornaes allemaes assegurain que foram
; approvados muitos dos artigos do projecto de re-
I forma.
onde era aguardada pelo seu augusto prente, o
rei Leopoldo.
Nesta localidade demorou-sc pouco tempo ai|uel-
la augusta senhora que continuou sua viagem para
Rosenau, no ducado de Coburg, a 13 do corrente.
passando por Cologne, Bonn e Francfort; o neste
ultimo ponto demorou-se algumas horas, avistan-
do-se com varios dos principes allemaas alli reu-
questao
Os insurgentes polacos mantm-sc com alguma
vantagem, sobrotudo no palatinado do Lublin e na
Lithuania; mas ningiiem acredita seriamente no
triumpho da revolucao, salvo se a Franca vier a in-
torvir na luta em favor da Polonia. O general Mou-
ravielT, commandante em chefe das tropas russas
na Polonia, exerce os maiores rigores contra os
nidos e que deviam celebrar no dia 17 uma confe- insurgentes e'scus aleicoados, de maneira que a
renciasob a presidencia do imperador d Austria, le do terror se acliaali'no mais completo exerci
acerca dos negocios da con federaco germnica.
Uma parte telegraphica annunciou posteriormente
para aqui que Sua Magostado a rainha chegra sem
encommodo a Rosenau, onde passar algumas se-
manas.
Lord Granvillc ficra em Francfort para obser-
var a poltica que alli se est fazendo.
A questao polaca nao deixa, porm, de oecupar
a altencao do publico aqui, c a imprensa mantm
constantemente em actividade o espirito nacional
favor daquella grande causa. Como noticiet na
minha antecedente carta, teve lugar em S. James-
Hall nesta capital, um numeroso meeting em favor
da Polonia no qual foi resol vido que se pedisse a
este governo a nter ven gao armada da Graa-Breta-
ulia era defeza dos sagrados direitos daquelle po-
, que che-1 O congresso de Franckfort olhado pela Russia
gara ate 8 do correntc, nada adiantam de inipor- comjnus olhos. Sabc-sc que alguns agentes do
tante. O general Lee sc achava de novo em Fre- governo russo se exforcam para ncutralisar a ac-
dericksburgo, emquanto que Meado oceupava a po- cao deste congresso; porque a allianca da Prus-
sijao fronteira sobre o Rappanhanock. Este havia I sia nao pode, aos olhos da Russia compensar a
recebido do general Grant 15,000 homens de re-! hostilidade da Austria |a arrestar atraz de si toda
forco, e se preparava para atacar o inimigo. Lee! a Allemanha.
contava rcurar em Fredericksburgo 150,000 ho-
mens cora 300 pecas de artilharia, para tambem
atacar o inmigo ; e so suppe que elle avancar
daquelle ponto, por va de Alexandria, em direc-
cao de Harhngton Heights.
O cerco dc Cliarlcston continuava sem relaxa-
jao, esperando-se que as bateria do general Gil-
more tenham ja aberto o fogo da lha Morris contra
o forte Sunter.
O vapor federal ronsides se achava smente
ci. A imprensa ingleza tem denunciado esses hor-
rores, que tem servido dc pretexto para que no
parlamento da Gr-Brotanha se haja levantado ama
voz em favor daquelle povo opprimido, ponderan-
do que cm nome dos* tratados a Russia deve acce-! 500 bracas deste ponto,
der s justas reclamacocs daqucllcs infelizes. Em Em Nova-York as autoridades federaes ha-
verdade, os massacres pelos soldados moscovitas viam conseguido restabelecer completamente a or-
de uma populacao indefeza, embora a insurreicao dem, tendo j apprehendido varios dos fautores dos
exista ah; a conflscago da propriedade dc mui-, desgracados sucressos dos dias de julho I O alista-
tos polacos, e finalmente a arbitraria o recente pri-! ment ja progredindoregularmente, e ogovernador
sao do arcebispo de Varsovia, monsenhor Felinski, SAvmmir niwii #iinr,tf> fn,- ___.".___i.
tem provocado as iras deste povo contra a Russia,
reputada alias aqui de m f na execujo do tra-
tado que rcgulou a sortc da Polonia.
Aexageraco. porm, com que os insurgentes
buscara sustentar a sua bandeira, chegando ao
Seymour pareca disposto a fazer executar a lei
todo custo.
O presidente Davis proclamou uma amnystia em
favor dos desertores, e procurava elevar o seu
exercito, afim dc oppor seria resistencia s enor-
mes massas que o norte est alistando.
^
O congresso dc Franckfort parece nao ter s o
fim ostensivo das reformas da oonfederaoao. mas
tambem dar aos principes germnicos explicacoes
verbaes sobre apoltica austro-franceza, cm op-
posijo apoltica russo-prussiana, afim dc soce-
gar os soberanos allemaes sobre as consequencias
que esta nova poltica pedera produzir na Eu-
ropa-
A allianca franco-austraca dara uma nova diroc-
co questao polaca. Estas duas potencias inti-
mamente ligadas exigiriam em caso preciso pelas
armas, a soluco que a Russia categricamente
nao quer dar.
Este accordo intimo das duas potencias, que
j conhecido em S. Petersburgo causa ali serios
receios, o o principe de Gortschakoff nada desprc-
zou que pedesse despertar este respeilo s des-
confiancas da Inglaterra. As potencias esto como
nunca prximas um rompimento diplomtico.
As notas das tres potencias foram entregues ao
overno russo no dia 18 ; mas lem o programma
os seis pontos como mnimum.
K
numerosas.
Attribuem-se Mouravicff as sogmntes patarras:
Sc as potencias intervierem foroa armada, a
Lithuania ha de arder como um arente
Na Russia continuam dc dia para dia com maior
actividade os preparativos para urna guerra de-
fensiva. Foram mettidos pique muitos navios
entrada do porto finlandez de Trangsund.
A guariueo do mesmo porto foi reforcada cora
.'1000, soldados, que pertencoran ao antgo' exercito
da Crima.1
Escrevem de Corf (ilhas Jonas) que o alto
coiiiinissario recebcu ordein dc Londres para dis-
solver o parlamento jnico, c de convocar outro no
espaco do quarenta dias, para proceder votaeo
da anncxaoo das Ilhas Jonas Grecia.
Nao ha seno um navio de guerra de alto lote
no porto. Todos os da estajo adriatica, sob o
commando do contra-almirante Yerverelors acham-
se as aguas da Grecia, para manterem o socego o
a ordem at chegada do novo monarcha.
O rei dos gregos enviou assembla nacional a
seguinte mensagem, escripia em liugua grega cas-
signada pela propria mo do joven monarcha:
c Agradejo assembla o novo testemunho de
confianca que acaba de rae dar, proclaraando-me
maior, seis mezes antes do termo legal. Farei o
possivel por me mostrar digno dessa confianca.
E' grande o meu desejo de partir para a mi-
nha nova patria, e sahirei d'aqui para a Grecia
apenas o permita a questo relativa s ilhas
Jonas.
t No cntanto a patria conta cora o patriotismo c
o espirito de concordia da assembla nacional.
t Copenhague 18 (30) de julho de i863.--./o>'0e.
O ministro da fazenda de Alhenas, declarou
que o dficit chegra a 10 milhoes de drachmas;
as recoilas nao cobradas pelo thesouro.sbem 50
milhoes, e podem-se obter anda mais 50 mlhoes
dos bens nacionaes.
As ultimas noticias dc Madagascar appresen-
tam um carcter grare, depois do ultimo movimen-
to, o quo comprora bem o estado de excitaco em
que ficou aquello paiz.
O ministro do fallecido Radama II. que poz a
sua assignatura no tratado concluido com a Fran-
ca foi |assinado, e o governo existente prohibi
que os francezes tomassem posse de terrenos que
lhe hariam sido concedidos, em virtude de outro
tratado.
Estas noticias, que ainda nao sao officiaes, tem
produzido sensaco em Franca, e tanto mais quan-
to consta que o cnsul francez, obrigado a arrear
o estandarte de sua naco, tere dc |rctirar-se para
algumas legoas da capital com os*seus compatrio-
tas.
Suppoe-se que o governo imperial _..
para Madagascar uma divisao naval cotuigumas
torcas de desembarque, aUm de procurar restabe-
lecer a ordem. #
O governo Japonez offoreceu-se "a pagar uma
somma importante como indemnisacSo dos lamen-
taveis suecessos occorridos em setembro do anno
passado. O governo do rei Tycoon, manifesta a
por duas vetes.
O governo de Washington assignou. segundo
consta, um tratado dc allianca com a Russia, em
que se obliga a declarar a" guerra Franca o
Inglaterra, sc estas potencias roniperem as hostilida-
des contra o governo russiauo.
Mr. Davis.presidente do sul. publicou um mani-
fest cm que convida o exercito a lutar. conceden-
do amnista geral todos os ofliciaos o soldados
ausentes sem liecnca, que voltarem .ios seus postos
no praso de vinte dias. O manifest excita as
raulheres a empregarem a sua influencia para au-
xiliaren! a acoao do governo, volando para que as
pessoas quen caiba o sorvieo militar, delle se nao
eximan!.
O governo confederado dou ordem s autorida-
des militares de Mississipi e Luisania para a des-
truco dc todo o algodo que cahir era poder dos
federaos.
Os federaes abandonarara o slio de Wagner. O
coronel (Minare que alli commandava as forjas,
conheceu que a artilharia de que dispunha, era
impotente contra a acoao do forte. Parece, pois,
que as suas operajes se destinam agora contra o
forte Sunter, cuja oceupacao pelos separatistas foi
o principio da luta actuar
A cavallaria federal de Rufford passou o Rappa-
hanock no da L de agosto, e avanjou sobre Cul-
pepperandie cncontrou muitas forjas confederadas.
Teve alli lugar um sanguinolento combate e Ru-
ford foi obrigado a retirar jiara Brandv-Station.
A expedijo de Wcksburgo chegou a Port-Hud-
son. Diz-se que est sendo commandada
Grant.
Afllrma-sc que o general confederado Tailor
derrotou o general Banks na Luisiania. Os con-
federados lizeram seis mil prisioneiros.
Diz-se que o exercito confederado de Lc conta-
ra no fim do mez de agosto 150 mil homens c 300
pecas de artilharia.
Lee prepara-se para atacar Chalertons.
Em Portugal nao ha noticias polticas que
merejam mencionar-se.
Ne dia i% dc agosto installra cl-rei, junto ao
seu pajo do Mafra,o Asylo aos Filhos dos Soldados,
pronunciando uma cloquentc allocujo. O acto
esteve brilhanle.
I un estabelecer-se dous bancos liypotheca-
rios privilegiados; um em Lisboa, e ouiro na ci-
dade do Porto.
O marquez dc Bella ia substituir cm Lisboa
o conde dc la Minerva, representante do re de
Italia. Em Lisboa promoviam-se donativos para
js viuvas o orphos do martyres da independen-
cia polaca.
Fallava-se na possibilidade do enlace matri-
monial de el-rei D. Fernando, pai do Sr. D. Luiz I
com a rainda de Inglaterra. O Sr. D. Fernando
anda nao tinha regressado Portugal.
O parto da rainha D. Mara Pa estar muito
prximo,
PERNAMBUCO TYP. DE M. F. F. & FILHO
por




ILEGVELl


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EE9YB8S98_BFWDKI INGEST_TIME 2013-08-28T00:39:45Z PACKAGE AA00011611_10188
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES