Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10185


This item is only available as the following downloads:


Full Text
i

l

I*


V
*
ANUO XXXIX HOMERO 205.

Por tres mezes adiantados 5S000
Por (res meies feneidos .
.jjum

OARTA FEIRA 9 DE SETEMBRO DE 1863.
Por amo adantado ..... 19$00O
P.orte franco para o subscriptor.
DIARIO DE PERNAMBUCO.

ENCARttBGADOS DA SUBSCRIPCO NO NORTE
Parahjrba. o Sr. Antonio Alejandrino de Lima;
Natal, w. Antonio Marques da Silva; Araratv,
ir. A. T.emos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao. o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA StBSCRIPCAO NO SUL'
Alagas, o Sr. ClaudinoFalco Dias; Bahia, o
Sr. Jos Marlins Alves; RiSe Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins & Gasparino. \
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
c n v t c fii r a c
Santo Antao, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruaru',
Altinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'AIho.Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas feiras.
Sennhem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Piraenteiras as quintas feiras.
Ilha de Fernando todas as veres que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao % dia.
EPHEMERTDES DO MEZ DE SETEMBRO.
4 Quarto ntflfe. as 9 h., 4i m. e 2 s. da t.
13 La nova as i h., 16 m. e 38 s. da m.
20 Quartocresc. as 10 h., 8 m. e 2 s. da m.
27 La cheia as 2 h., 37 m. e 2 s. da m.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 11 horas e 42 minutos da manhaa.
Segunda as 12 horas e 6 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Paraosul at AlagSas a 5 e2B; para o norte at
. ?\ a e 22 de cada mez; para Fernando nos
das 14 dos mezes dejan, marc., maio, jul, set. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS-
Para o Recife : do Apipucos as 6'/, 7, ^ Vi, 8 e
i r m-'' de 0linda ^ 8 da m-e 6 da ,anIc i dp
Jaboatao as 6'/, da m.; do Caxang e Varzea s 7
da m.; de Bemca s 8 da m.
S t /ReCfp. / "* AP''PUC0S 3 Vi, 4, 4 A, 4 '/i,
' l'' 5.h e 6 da tarde; para Olinda s 7da
manhaa e 4 i/j da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
de ; para Cachang e Varzea s 4 '/i da tarde; para
Bemfica as 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TMBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relacao: tercas e sabbadoe s K) horas.
Fazcnda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas- e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DL4S DA SEMANA.
7. Segunda. S. Regina v. u\. Pampld k
8. Terca, efc A Natividade de N. Sentara
i, (liarla. 8. Sergio b.; S. Rufino m.
O. Quinta. S. Nicolao Toteafteo; & Bafea n
U. Sexta. S. Theodon penitente Proa n
12. Sabbado. S. Macrobio m. S. UVwio m.
i3. Domingo. S. Aula v : S. Ilcronides n.
ASSIGNA-SE
no-Rerife. em a livraria -* proca da Ineprnd v -
ns; 6 e 8, dos proprietarios Manoel Vmeiroa fr
Faria & Filho.
PARTE OFFICIAL.
fiOVERM DA PROVINCIA.
ixpediente do dia i de setenibro de 1386.
Offlcio ao brigadeiro commandante das armas.
A vista do disposto no final do aviso da repart-
cao da guerra, de 14 de abril ultimo, constante da
copia inclusa, nao pode ser satisfeito o pedido que
devolvo de estojos para limpeza do armamento da
companhia de artfices ; o que declaro V. Exc.
cm resposta ao seu offlcio n. i',96 de 28 de agosto
ultimo.
Dito ao mcsmo.Deferindo o incluso requeri-
mento do promotor publico do Limoeiro bacharel
Bartholomu Torquato de Souza c Silva, autoriso
V. S. a mandar pagar-lhe integralmente os seus
vencimentos relativos ao mez de agosto ultimo, con- ]
siderando assim abonadas as faltas que deu nos
dias 10 e 11 d'aquelle mez, por nao haver por encom-
modos de sande entrado em exercicio no dia 9, em I
que findou-se a licenca em rujo goso se achava.
Dito ao mesmo.Nao tendo o Exm. Sr. ministro ,
da agricultura, commercio e obras publicas devol- i
vido o contrato, celebrado com o barao do Livra-
mento e Marteneau para a construcgo da ponte de i
ierro quo deve substituir a antiga ponte do Recife,
nao pode por isso ser remettido agora para essa tho-
souraria como V. S. solicitou em offlcio de hontem,
sob n. 666 o mencionado contrato, o que ter lugar
logo que fr reraeltido secretaria da presidencia
e neste sentido j se offlciou aquelle ministerio em
2 deste mez.
Dito ao mesmo.Constando de offlcio do com-
mandante superior deste municipio, datado de hon-
tem, sob n. 98, nao ter sido ainda pagos os venci-
mentos da torca da guarda nacional destacada nes-
ta capital, em consequencia de duvida suscitada
nessa thesouraria acerca do abono de fardamento
do guarda Segismundo Lopes da Silva, que, por
doente foi recolhido ao hospital militar, recommen-
do V. S. que mande pagar tacs vencimentos com
o descont da importancia desse fardamenio e in-
forme a respeito de semelhante duvida.
Dito ao mesmo.Tomando em consideracao o
que no incluso reqncrimento expozo escripturario
do arsenal de guerra Francisco Seraphico de Assis
-Carvalho, autoriso V. S. a mandar pagar integral-
mente ao supplicante os seus vencimentos relativos
ao mez do agosto ultimo, considerando assim abo-
nadas as faltas que por doente deu elle em todo
aquelle mez.
Dito ao mesmo.Se nao houver inconveniente
mande V. S. pagar aos negociantes Mara 4 Rocha
conforme solicitou o commandante superior d co-
marca de Garanhuns, cm offlcio de 18 de julho ul-
timo, sob n. 14 a quantia de 3335760 reis, em que
importamos vencimentos relativos aos mezes de
marco maio deste anno, dos guardas nacionaes
destacados naquella villa, segundo consta dos prets
juntos em duplcala.
Dito ao mesmo.Devol vendo V. S. os papis
que viera m annexos a sua informacao de 23 de
agosto ultimo, sob n. 646, tenho a dizer que em
vista della mande pagar ao furriel do 9. batalho
de infamara Emigdio Marcolino de Mello, a quan-
tia de 405000 proveniente do aluguel de urna ca-
noa que conduzio de Piranhas Penedo, o mesmo
furriel, 3 recrutas e as pracas que escoltavam a
estes, pois que taes recrutas sendo remettidos de
Tacaratu foram destinados ao servico da armada,
segundo consta de offlcio do capitao do porto data-
do do 1 docorrente, sob n. 122.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Em vista do incluso pedido mande V. S. adiantar
ao thesoureiro {pagador da repartieo das obras
publicas conforme solicitou o respectivo director,
em offlcio de hontem, sob n. 169, a quantia de
7:0005000 para occorrer aos pagamentos das obras'
por administraro cargo d'aquella reparticao.
Dito ao mcsmo. Determinando nesta data que
fique sem cffeito a autorisaeo que, em 18 de julho
ultimo havia dado, como V. S. communiquei, ao
juiz de dircito da comarca de Nazareth. para man-'
dar fazer pela quantia oreada de 3:1365000, os1
concortos de que precisa a respectis-a cadeia, em
vista do que a tal respeito ponderou o mesmo juiz ;
de direito assim o communico V. S. para seu co-
nhecimento e governo.
Dito ao Dr. chefe de polica-.Pelo offlcio do de-
legado de polica do termo de Cimbres, por copia
junto ao de V. S. n. 1279 do Io do corrente, ttquei
scientede se terem feito pacifica e regularmente
as eleicoes de eleitores as freguezias d'aquelle
termo.
Dito ao commandante do corpo de polica.
Sciente fiquei pelo offlcio de V. S. n. 354 de 2 do
crreme, de que o cabo de esquadra Jos Elias de
Souza, depois de julgado apto conirahio novo por
ter concluido o engajamento com que servia.
Dito ao commandante superior de Olinda e Igua-
rassu.Expeca V. S. suas ordens para que' urna
guarda de honra do batalho n. 14 do municipio
de Iguarassu assista aos actos da festa de Santos
Cosme c Dami.o que all tem de celebrar-se no
da 27 do corrente.
Dito ao director do arsenal de guerra.Mande
V. S. admittir na companhia de aprendizes desse
arsenal o orphao menor Antonio, de que trata Be-
nedicta Micilia Pereira Rocha, em seu requerimen-
to, urna vez que para isso seja salisfeita a disposi-
eo do art. 4 do regulamento n. 113, de 3 di'Ja-
neiro de 1842.
Dito ao mesmo.Mande V. S. a Imittir na com-
panhia de aprendizes desse arsenal o menor Joao
Antonio Braga, filho de Rita Maria da Cunceicao.
ma vez que esta satisfaca a dsposicao do art. 4
do regulamento de 3 de Janeiro de 1&42.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.Con-;
cedo a autorisaeo que V. S..olicltou em sen offl-
cio n. 473, de 14 de abril ultimo, para mandar abo-1
nar a cada ura dos africanos livres que entraram,
I depois da ordem da presidencia i
de J833, e ahi permanecen! em
aciio diaria de 120 rs., que perce-:
, citada ordem os que toram ante-!
nrmenle admittidos no mesmo arsenal, visto que
todos se applicara a igual servico, devendo essa
despeza correr pela verbaobras do melhoramen-
to do porto.
Dito ao administrador da ca9a de detencao.A
Vmc. ser apresentado o par de sapatos n. 1, de
que traa o incluso offlcio do presidente do conse-
lho administrativo, para que informe se na casa de
detencao pode ser manufacturada obra igual, e
porque prego.
Dito cmara municipal de Olinda.Em res-
posta ao offlcio de 3 do corrente, em que a cma-
ra municipal de Olinda, pede autorisaeo para ex-
ceder a verba designada no exercicio de 1862
1863 para despeza com jury e eloijocs, visto que
somente resta a quantia de 265310, insufflciente
para occorrer s que se tem (je fazer com a elei-
d de dcputadds gerae?, no dia 8 do corrente, te-
nho a dizer me&ma cmara que me declare quan-
to mas preciso para semelhante despeza.
Dito a cmara municipal da villa do Granito.
Tenho presente o offlcio que me dirigi a cmara
municipal da villa do Granito, em 4 do agosto pr-
ximo (indo, ao qual respondo dcclarando-lhe que
tendo sido pela le provincial n. 348 de 9 de abril
ultimo, transferida a sede desse municipio para a
referida villa do Granito, deve. em vista da lei, rou-
nir-se ahi o collegio eleitora e ser a respectiva
mesa presidida interinamente pelo juiz de paz mais
votado do Io districto da matriz da frejuozla,
njnjtQ bem suppSe essa cmara. ^
Dito ao soDOelegado de Aguasalias, alferL
Joo Francisco da Cuaha.Pelo sen offlcio de 1
do mez passado, fiquei sciente de se haver proce-
dido ah a elficao de eleitores sem alteraco da
ordem publica.
Portara.O presidente da provincia attendendo
aoque requereu Jos Estevao dos Santos, resolve
conceder-lne licen^a para ir ao presidio de Fer-
nando, no hiale nacional Camnragibe, tratar de ne-
gocio de seu particular mteresse.
SUPREMO TKIBIVU,
DE
de 6 do corrente, comtnunicando ter o Sr. juiz de
direito Dr. Agostinho Luiz da Gama entrado em
exercicio na comarca de Mag, no Io do corrente.
Averbc-se.
J>o Sr. juiz de direito Dr. Joaquim de Azevedo
MfJnteiro, de 30 de julho Ando, enviando certidao
de* seu exercicio na comarca da Campanha, a da-
lar de 27 d'aquelle mez.Averbe-se.
Certidoes de exercicio.
Dos Srs. juizes de direito:
Dr. Joo de Salom Queiroga, na comarca de
XT iM Reclamara de antiquidade.
N. 152, relator oSr. Almeida.
Levantou-se a sessao ao meio-dia.
SESSAO EM 22 DE ACOST DE 1863.
Presidencia do Sr. conselheiro barao de Montserrate.
(Secretario o Sr. Dr. Pedreira.)
As 9 horas e meia abrio-se a sessao, achando-se
presentes os Srs. conselheiro barao de Montserra-
Jequ'inhonha; a~daa"r delude Tutumo.- aESSr^'ffi &*% Siqueira, Veiga,
Averbe-se depois de sellada. *S? E2& bafa0Kde P'rapama, Pantoja, Bri-
Dr. Francisco Jos Furtado, na vara do com- rhado \wl r^;,Ca"Chrr0' Manan Simoes, Ma-
mercodacidade do Maranhao, a daur de 3 de .$^figM$^fl( SrS' Azeved>
Leu-se e approvou-se a acta da antecedente.
para y-
dol
servil,: <
bem em >,
SESSO EM 8 DE AGOSTO DE 1863.
Presidencia do Sr. conselheiro barao de Montserrate.
s 9 } horas da manhaa abrio-se a sessao,
achando-se presentes os Srs. conselheiros barao
de Montserrate (presidente), Nabuco, Almeida, Si-
queira, Veiga, Cornelio Franca Pantoja, Brito, Sil-
va Tavares, Ernesto Franca, Chichorro, Mariani,
Simoes, Machado Nunes, faltando com causa os
Srs. Azevedo, Messias de Leao e barao de Pira-
pama.
Leu-sc e approvou-se a acta da sessao antece-
dente.
EXPEDIENTE.
Officios.
Do ministerio da juslica, de 28 de julho lindo,
communicando ter Sua Magestade o Imperador
prorogado o prazo por mais quinze dias para o Sr.
Dr. Jos Soares Teixeira de Gouva ir entrar em
exercicio na comarca da Conslitucao.=Registre-se
e averbe-se.
Das presidencias das provincias :
De Pernambuco, de 3 de julho findo, enviando a
resposta dada pelo juiz de direito, Dr. Trsto de
Alencar Araripe, reclaraacao do Sr. Dr. Jos Cae-
lano de Andrade Pinto. Ajunte-sc ao respectivo
processo.
De Matlo-Grosso, de 23 de junho ultimo, commu-
nicando ter concedido licenca ao Sr. juiz de direi-
to Dr. Manoel Pereira da Silva Coelho.Averbe-se.
Dos Sr. juizes de direito :
Dr. Olegario Herculano de Aquino Castro, de 20
de julho lindo, respondendo reclamacao do Sr. I
Dr. Jos Caetano de Andrade Pinto..-Ajunte-se ao
respectivo processo.
Dr. Agostinho Luiz da Gama, de 3 do corrente,
enviando certidoes de seu exercicio no cargo de
chefe de polica da corte e na comarca de Mag.
Averbem-se.
Requeriinentos.
Dos Srs. juizes de direito :
Dr. Joaquim Pires Goncalves da Silva, Joaquim
Ferreira Carneiro, Antonio Luiz Alfonso de Carva-
lho e Jos Alfredo Machado, pedindo o registro das
cartas imperiaes, mandando-os para as comarcas
do Prncipe-Imperial no Piauhv, o primeiro; da
Parahyba, em Minas, o segundo'; do Ip, no Cea-
r, o terceiro ; c do Rio-Pardo, em Minas, o quar-
to.Deferiram-se.
Dr. Manoel Maria do Amaral, pedindo averba-
mento da coma do decreto removendo-o para a co-
marca da apella, c da certidao do seu exercicio
na mesma comarca.Defero-se.
Do Sr. Goncalo Carlos de Vasconcellos, pedindo
que, independente de preparo, e por se tratar de
processo criminal de responsabilidade, seja distri-
buidor e tenha andamento a denuncia por elle dada
contra tres desembargadores e dous deputados do
tribunal do commercio do Maranhao. Defero-se
depois de alguma discusso.
Exposinlo das reclamares.
N. 131, pelo Sr. Nabuco.
N. 132, pelo Sr. Almeida.
Jl'LG KU ESTO.
Revistu civel.
N. 6370.Recorrentes Francisco Borges Caslel-
lo-Branco e sua nulher, recorridos Silvestre Jos
da Cunha Castello-Branco e sua mulhcr. Nao co-
nheceu-se da revista por ter sido apresentada fra
de lempo.
Passagem das reiistas.
Ns. 1776 o 6389 ao Sr. Almeida.
Ns. 6377 e 6391 ao Sr. Siqueira.
N. 6378 ao Sr. Cornelio Franca.
Passagem das reclamares.
N. 131 ao Sr. Almeida.
N. 132 ao Sr. Siqueira.
DISTIUBlIQAO.
Revistas citis.
N. 6403.S. Jos. Relacao do Rio.Escrivao
A. Araujo.Recorrente Jo Nepomuceno Correa,
recorrido Miguel Correa de Siqueira. Ao Sr. Si-
moes.
N. 6404.Marianna. Relacao do Rio.Escri-
vao A. Araujo.Kecorrentes Antonio Moutinho Este-
ves e sua mulher D. Esmeril Maria dos Anjos, re-
corridos Jos Pereira dos Santos, sua mulhcr e ou-
tros.Ao Sr. Machado Nunes.
N. 6403.Jaguaro.-Relacao do Rio.Escrivao
A. Araujo.Recorrentes Valentim, Serafim, e Jus-
tina Maria da Conceico, |>or seu curador, recorri-
do Heleodoro Machado Marques. Ao Sr. Nabuco.
N. 6406.Arax. Relacao do Rio. Escrivao
A. Araujo. Recorrente Joaquim Francisco Terra,
recorrido Joo Borges de Araujo.Ao Sr. Almeida.
N. 6407. Rio-Pardo, em Minas. Relacao do
Rio.Escrivao A. Araujo. Recorrente Claudio da
Rocha Brandao, recorrida D. Anna Marcellina de
Oliveira.Ao Sr. Siqueira.
6408.Corte. Tribunal to commercio do Rio.
Escrivao Brandao.Recorrentes -s curadores da
massa fallida de Kostron Dutton & 'C, recorridos
Lauthian Fairlie & C.Ao Sr. Veiga.
Processo de responsabili lude.
N. 13".Denunciante Gonzalo Carlos de Vascon-
cellos, denunciados os desembargadores Basilio
Quaresma Torreo, Antonio Joaquim de Albuquer- i
que e Mello e Jos Pereira da Graca, adjuntos e
deputados commerciantes Joaquim Antonio da ail-1
va Ferreira e Jos Joaquim Lopes da Silva, do tri-
bunal do commercio do Maranhao. Ao Sr. Al-
meida.
Conclusao das revistos.
N. 6399 o Sr. Silva Tavares.
N. 6400 ao Sr. Ernesto Franca.
N. 6401 ao Sr. Chichorro.
N. 6402 ao Sr. Mariani.
Dia.
Ficaranc .om dia para julgamento.
A revista criminal.
N. 1773, relator o"Sr. SiuiSes.
A revista civel.
N. 6336, relator o Sr. Almeida.
Ix,'vantou-s#a sessao s 11 1/2 horas da manhaa.
SESSAO EM 12 DE AGOSTO DE 1863.
Presidencia do Exm. Sr. conselheiro barao de
Montserrate.
A's 9 horas e meia da manhaa abriu-se a sessao.
achando-se presentes os Srs. conselheiros barao de
Montserrate (presidente), Almeida, Siqueira, Vei-
ga, Cornelio Franca, barao de Pirapama, Brito,
Silva Tavares, Ernesto Franca, Chichorro, Marian-
ni, Simoes, Machado Nunes, faltando com causa
os Srs. Azevedo, Messias do Leao, Nabuco e Pan-
toja.
Leu-se e approvou-se a acta da sessao antece-
dente :
EXPEDIENTE.
Oficios.
Do ministerio da justica, de 5 do corrente, com-
municando ter Sua Magestade o Imperador proro-
gado o praso por mais 30 dias para o Sr. U'r. Lud-
gero Goncalves Silva ir entrar em exercicio na co-
narca de Iiapemirim.Regislre-se e averbe-se,
^a presidencia da provincia do rjq (je Janeiro,
junho ultimo.Averbe-se.
Exposicao das revistas.
N. 6394, pelo Sr. Veiga.
N. 6400, pelo Sr. Ernesto Franca.
N. 1773, pelo Sr. Chichorro.
JULGAMENTO.
Revista civel.
EXPEDIENTE.
Officios.
Do ministerio da justca de 13 do corrente, man-
dando, para informar-sc, a petfclo do porteiro deste
tribunal, o Sr. Manoel Jos de Sant'Anna, que prc-
i\. 6336.-Recorrentes os herdeiros de Jos \ic- tende a gratifcalo que seu antecessor tinha para
tormo Jorge, recorrida D. Mana Luiza Paes Leme. o asseio da casa.Informou-se
Negou-se a revista.
Passagem das revistas.
N. 6394, ao Sr. Cornelio Franca.
N. 6400, ao Sr. Chichorro.
Ns. 1773 e 6383, ao Sr. Mariani.
Conclusao das revistas.
N. 6403, ao Sr. Simoes.
N. 6404, ao Sr. Machado Nones.
N. 6406, ao Sr. Almeida.
N. 6407, ao Sr. Siqueira.
Ns. 6408, ao Sr. Veiga.
DISTRIBUICAO.
Revistas civeis.
N. 6409.Bananal (provincia de S. Paulo.)Re-
lajo do Rio.Escrivao A. Araujo.Recorrentes
D. Clemencia Maria de Oliveira e outros, recorri-
dos Joo Pereira da Silva Filho e outros.Ao Sr.
Cornelio Franca.
N. 6410. Corte.Relacao do Rio.Escrivao A.
Araujo.Recorrentes Gomes Freir de Andrade
Tavares e outros, recorrido o. visconde do Bomfim. I
Ao Sr. barao de Pirapama.
N. 6411.Corte.Relacao do Rio.Escrivao
Botelho.Recorrente Francisco Augusto Mendes
Monteiro, recorrida D. Henriqueta Mara da Cruz
Franco.Ao Sr. Pantoja.
Dia.
Ficaram com dia para julgamento.
A revista criminal.
N. 1773, relator o Sr. Simoes.
A revista civel.
N. 6369, relator o Sr. Silva Tavares.
N. 6382, relator o Sr. Pantoja.
Levantou-se a sessao as 11 horas da manhaa.
Informou-se.
.osecretaria de estado dos negocios da justica,
de 19 e 20 do corrente, communicando que S. M.
o Imperador houve por bem:
Aposentar o Sr. juiz de direito Dr. Jos Bernardo
de Loyola, attendendo ao que o mesmo represen-
tara e aos servaos por elle prestados, com ordenado
relativo ae tempo de magistrado;
Prorogar (portara de 30 julho findo) por mais
seis mezes, com ordenado, a licenca concedida ao
Sr. desembargador Joaquim Firmino Pereira Jor-
Se'.dareac*P de Pernambuco, para tratar de sua
saude.Registrem-se e averbem-se.
Requerimento.
Do Sr. Flix Forno, pedindo que se mandasse
appensar aos autos de revista em que elle parte
com a companhia de seguros Santa Cruz, a senten-
Ca que concedeu revista ao Sr. Guilherme Berg na
causa com a companhia de seguros Seguridade.
Indefeno-se.
r Exposicao das revistas.
N. 6403, pelo Sr. Nabuco.
N. 6392, pelo Sr. Almeida.
N. 6393, pelo Sr. Siqueira.
. Redacrao.
.2l-2pprovada a redaec da sentcnca na revista
n. 1773, relator o Sr. Simoes.
IL'LGAMENTOS.
Revista criminal.
N' 1.7J77-Recorrente Luiz Loureiro de Fretas,
recorrida Mana Eufrasia de Oliveira.Negou-se a
revista. B
Revista civel.
H. 6382.Recorrente o major Thomaz Ferreira
(juterres e sua mulher, /ecorridos Jos Mariano
Aluno de Araujo e su mulher.Concedeu-se a
revista, e designou-sc a relacao do Rio para latear
novamente a causa.
Reclamacao de antiguidade.
N. 131Reclamante o juiz de direito Ludgero
Goncalves Silva.- Julcou-sc procedente a reclama-
Campos.Relacao do Rio.Escrivao Assis^ajgl""
REVISTAS ENTRADAS E PARADAS TOR FALTA DE PRE-
PARO.
Corte.Tribunal do commercio do Rio.Escri-
vao Brandao.Recorrente Jos Ferreira de Car-
valho, reccorridos Francisco Jos da Costa Brito
&C.
Araujo.Recorrente Manoel Joaquim da Silva, re-
corrido Mariano Antonio da Rocha.
Maragogipe.Relacao da Baha.Escrivao Er-
nesto Ribeiro.Recorrente Manoel Jos de Souza
Lobo, recorridos D. Joanna da Silva Andrade, o
tenente Jos Dias de Castro, D. Maria Josepha Dias
de Castro e outros, viuva e herdeiros do (nado
Luiz Lourcneo do Valle Quaresma.
(O processo para cada revista sao 65100.)
SBSSO EM 19 DE AGOSTO DE 1863.
Presidencia do Sr. conselheiro barao de Mont-
serrate.
(Secretario o Sr. Dr. Pedreira.)
A's 9 horas e meia abriu-se a sessao, acliando-
sc presentes os Srs. conselheiros barao de Mont-
serrate, presidente, Nabuco, Almeida* Siqueira,
Veiga. Cornelio Franca, barao de Pirapama, Pan
toja, Brito, Silva Tavares, Ernesto
chorro, Mariani, Simoes, e Machado
taudo com causa
Leao.
Leu-sc e approvou-se a acta da antecedente.
EXPEDIENTE.
Officios.
Das presidencias das provincias :
De Pernambuco, de 7 do corrente, communi
fra seren ouvidos os juizes interessados.
Passagem das revistas.
. 6390, 6404 e 6403, ao Sr. Almeida.
. 6392, ao Sr. Siqueira.
. N. 6371, ao Sr. Simoes.
Conclmo das revistas.
N. 6412, ao Sr. Brito.
N. 6413, ao Sr. Silva Tavares.
Suspeirao.
O Sr. Almeida jurou sspeicao no processo de
responsabilidade n. 137.
DISTRIBIIQAO.
Revistas civeis.
N. 6414.Capital do Rio-Grande do Norte.Tri-
bunal do commercio de Pernambuco.Escrivao
Pereira.Recorrentes Filgueiras, Sands & C. asen-
tes do Seguro de New-York, recorrido Domingos
Franca, Chi- Hennque de Oliveira.Ao Sr. Ernesto Franca.
Nunes, fal- R- 6413.Recife.Tribunal do commercio de
os Srs. Azevedo, e Messias de Pernambuco.Escrivao Albuquerque.Recorren-
te Manoel da Silva Passos, representante da firma
de Novaes & Passos, do Rio de Janeiro, recorridos
os administradores da massa fallida de Novaos &
C, de Pernambueo.-Ao Sr. Chichorro.
N. 6416.Recife.Tribunal do commercio de
Pernambuco. Escrivao Albuquerque.Recorren-
tes os administradores da massa fallida de Seve,
cando que o Sr. juiz de direito Dr. Joo Rodrigues Filhos & C, e Prente Vianna & (;., como manda
Chaves cntrou a 22 de julho findo em exercicio da tarios de Antunes & C, de Aracatv, recorridos Fe-
comarca de Flores.Averbe-se.
De Sergipe, de a do corrente, communicando
o
ter enviado, sem declarar a quem, urna portara
deste tribunal.Ajuntc-se ao respectivo processo.
Certidoes de exercicio.
Dos Srs. juizes de direito :
Dr. Joo Paulo Monteiro de Andrade, no cargo
lix Sauvage & C, Ao Sr. Mariani.'
N. 6417.Recife.Relacao de Pernambuco
Escrivao Campello.Recorrente Bento Jos da
Costa, recorrido Manoel Jos Lcite.Ao Sr. Si-
moes.
N. 6418.Corte.Tribunal do commercio do
Rio. Escrivao Brandao.Recorrente Jos Pran-
de chefe de polica interino da provincia do Espi- cisco de Carvalho, recorridos Francisco Jos da
rito-Santo, a datar de 22 de julho findo.
Dr. Eduardo Pindahyba de Mallos, no cargo de
chefe de polica da provincia de Minas, desde 3
de Janeiro ultimo at 11 de junho.Averbem-se.
Exposicao tas revistas.
N. 6,408 pelo Sr. Veiga.
N. 6,390 pelo Sr. Mariani.
N. 6,397 pelo Sr. Pantoja.
N. 6,398 pelo Sr. Brito.
N. 6,399 pelo Sr. Silva Tavares.
N. 6,388 pelo Sr. Simoes.
N. 6,404 pelo Sr. Machado Nunes.
N. 6,396 pelo Sr. barao de Pirapama.
JULGAMENTO.
Revista criminal.
N. 1773.Recorrente Francisco Amancio de San-
ta Rita, inspector de quartero da freguezia da
cidade de Paranagu, recorrida a justica.Conce-
deu-se a revista e designou-se a relacao da Bahia
para julgar novamente o processo.
Passagem das revistas.
N. 6390, c 6,404 ao Sr. Nabuco.
N. 6408, ao Sr. Cornelio Franca.
N. 6396, ao Sr. Pantoja.
N. 6381 e 6397, ao Sr. Brito.
N. 6398, ao Sr. Silva Tavares.
N. 6399, ao Sr. Ernesto Franca.
N. 6388, ao Sr. Machado Nunes.
Passagem de reclamacao.
N. 131, ao Sr. Siqueira.
Conclusao das revistas.
N. 6403, ao Sr. Nabuco.
N. 6409, ao Sr. Cornelio Franca.
N. 6411, aoSr. Pantoja.
Conclusao do processo de responsabilidade.
N. 137, ao Sr. Almeida.
DISTRIBCIQAO.
Revistas civeis.
N. 6412.Recife.Tribunal do commercio de
Pernambuco.Escrivao Albuquerque.Recorren
Cosa Brito & CAo Sr. Machado Nunes.
N. 6419.Cidade do Ass no Rio-Grande do
Norte.Relacao de Pernambuco.Escrivao Can-a-
lbo.Recorrente Justino Pereira Gallo, corrido
! Manoel de Mello Montenegro Pessoa.m Sr. Na-
buco.
N. 6429.Feira de Sant'Anna.Tribunal do
commercio da Rahia.Escrivao Magalhaes Castro.
Recorrentes Jos Luiz da Silva Lima c Constan-
tino Joaquim da Silva Santos, recorrido Manoel
Alves Pereira de Amorim.Ao Sr. Almeida.
| N. 6421.Recife.Relacao de Pernambuco.
Escrivao Campello.Recorrentes o desembargador
Jeronymo Martiniano Figueira de Mello e outros,
recorridos D. Rita Francisca de Carvalho Paes de
Andrade e seus filhos.Ao Siqueira.
Da.
Ficaram com dia para julgamento:
As revistas ricis.
N. 6362, relator o Sr. Almeida.
N. 6379, relator o Sr. Veiga.
N. 6380, relator, o Sr. Cornelio Franca.
N. 6389, relator o Sr. Machado Nuns.
N. 6391, relator o Sr. Nabuco.
REVISTAS ENTRAJ>AS E PARADAS POR FALTA DE
PREPARO.
Corte.Relacao do Rio.Kscrivao Botelho.Re-
crreme o D. abbade do mosteiro de S. Bento,
recorridos Manoel Maria Correa de S e sna mu-
lher.
Santo Antonio da Patrnlha.Relacao do Rio.
Escrivao A. Araujo. Recorrentes'Clarimundo
Antonio dos Santos Lins e'Feix da Silva c suas
mulheres, recorridos Antonio Ferreira Maciel e sua
mulher.
Barra-Mansa.Relacao do Rio.Escrivao Bote-
lho.Recorrentes Jos Jdstiniano da Silva Jnior
e outros, recorridos Joao Galvao da Costa Franca
ta de um exemplar desta sua composicao, a qual
ora temos sob as vistas-.
Primeira producto de um talento aue se des-
cnvolve, nao traduz apenas as primicias de Intelli-
gencia que inicia a vida das lettras va mais Ion-
ge, de certo. Revelando passos seguros na carrei-
ra que elle estra, trahe em seu autor a existencia
de condicoes para csse ramo de ltteratura; pois
que, segundo o voto autorisado dos Srs. Mendes
Leal e Palmeirim, membros da commisso de cen-
sura que foi a peca submettida, ha nello as
necessarias habilitacoes, eonhecimento da scena,
intuitos verdadeiramente moraes, sumo discerni-
mento c descricao.
A produeco do Sr. Gerardo de Bastos traduzin-
do um episodio juvenil de sua vida intima, perten-
ce ao genero do drama de costumes o qual, por
sua naturalidade e por photographar asevolu-
Coes da vida pratica em seus incidentes, torna-se
mais recoinmendavel, e assim justifica a preferen-
cia que vai gauhando no dominio do muJklo real,
quando desenvolvido com tino e COnhecimeids
coracao humano no decurso da aeco.
Estes caractersticos sao sustentados na Culpa e
Arrependimento per modo vantajoso tanto mas,
quanto o proprio sentimento a fonte da inspira-
Cao em que o.autor foi ouvir motivos de ser para
o seu drama.
Quando a alma se impressona, a penna nao ih>
de deixar de ser eloquente, derramando em suas
maiiifestacocs o que aquella tem em seu seio.
Ferido mortalmente em seus affectos, com a vi-
da do coracao extinctapela perfidia da mulhcr que
o lludira, e nao comprehendera-lhc o amor m-
menso, que espontaneo Ihe brotava d'alma, o autor
retrata esta phase de sua existencia com as c-
rea verdadeiramente locacs do sentimento, que o
assoberbava todo ; e o drama assim desenvolvido
e a propria alma emaccao, com as suas impressoes
encontradas, ora sob o dominio de fugaz conten-
tamente, ora despenhada deste no golpho do des-
espero.
fiestas condicoes, o drama do Sr. Gerardo de Bas-
tos rico de interesso; e a soluco que lhe d no de-
sentecho, rehabilitando peloarrependimento a mu-
lher perjura, que lhe crestra as illusoes, o nico
capital de felicidade, segundo Lopes de Mendonca,
que Deus concedeu imagi naco do homem, de um
bello efteito artstico, e repusa na grande scien-
cla do coracao humano, ao passo que expunge de-
feitos de organisacao moral deste, apresentando-o
sob um aspecto sympatco.
Luiza, apezar de idealisado o seu t\po na solu-
Co, representada como deve se-lo ; porque a
excepcao nao pode sobr'elevar-se regra.
Luiza, a perjura, nao o tvpo da mulher; po*
rm Luiza, a dedicada, retrata esse ser que resu-
me em si o brilho de todas as estrellas do lirnumcn-
to, e destila de suas menores acedes o perfume de
todas as flores da trra.
A Culpa c Arrcpendimtnto nao desmerece das
produccSes de igual genero, e conquista para seu
autor um nome na repblica das lettras.
Correu asss folgado o da 7, dando-se todos
os Pernambucanos s maos para solemnsaco do
anniversario da nossa emancipacao poltica, sendo '
para notar que fomos acompanha'dos nessa expan-
sao de sentimenlos patriticos pelos eslrangeiros
que comnosco vivem.
Os estabelecmentos commerciaes do pequeo e
grande trato conservaram-se fechados, por espon-
tanea impulso, durante o dia.
Houve cortejo ao meio dia effigie de S. M. o
Imperador, no palacio da presidencia, sendo o acto
devidamente concorrido; e s 2 horas Te-Dcum,
na matriz desta freguezia de Santo Antonio, a que
assistio numeroso concurso de pessoas gradas e de
todas as gerarchias da nossa sociedade.
A' noite illuminaram-se todas as habitaeoes;
bandas de msicas, depois de tocarem cm fente
de palacio, percorreram as ras ao som de varias
pecas, sendo acompanhadas por grande parte da
populacao; e um batalho popular uniformemente
trajado, passeiou pela cidade com ordem e nume-
roso acompanhamento, trazendo sua frente urna
msica marcial.
No quartel de polica de guarda nacional desta-
cada promoveu erealisou una illuminaco. e deu
um co|K) d'agua; e em S. Jos de Riba-mar fez-sc
urna illuminaco de agradavel elfeito.
No Sonta Isabel foi scena o drama de que j
demos conta.
Salvaram a fortaleza do Brum e o briguc barra
Itamarac, tendo este o os demais navios da esta-
co, bem Como todos os mercantes, estado emban-1
deirados em arco.
Segunda-feira ultima fundeou neste porto, pro-
cedente de Cadix e Tenerife, a canhoneira deguer-1
ra da marinha hespanhola frica, sob o commando !
do Sr. capitao lente Ramn Bravo, montada por '
tres rodizios regulares, e tripolada por cento e tan-
tas pracas.
Veio concertar e tomar carvao nosso porto,
d'onde deve seguir em pouco para Montevideo com
osala pela Bahia e Rio de Janeiro.
Tendo tundeado a frica minutos antes de urna
hora, embandeirou para logo com as cores de sua
nacao, oceupando o tope do mastro grande a ban- \
deira brasileira.
No dia 7 do corrente, na capella de Cmara-!
gibe, eclebrou o Exm. monsenlior Joaquim Pinto i
de Campos urna missa, em aeco de gracas ao Todo !
Poderoso, por haver S. M. o Imperador'sabido sal-!
vo do desastre ha pouco succedido em sua augus- j
ta presenra. Assistiram diversas pessoas.
-Hontem commemorou a irmandade dp Divi-
no Espirito Santo a reconciliacao de sua igreja, com
missa cantada e sermo, que'foi recitado pelo Rvd. i
padre Leonardo Joo Grego, e ladainha i noite.
Hontem comecou o processo de fonoaco das
mezas nos diversos districtos da provincia, cando
assim organisada a mesa do primeiro:
Presidiente
Dr. Lourenco Trigo de Loureiro....... 173 votos
Secretarios
Dr. Eduardo de Barros Falcad de Lacer-
da Cavalcanti de Albuquerque...... 136
Dr. Domingos de Souza Leao......... 131
Escrutadores
Floriano Correa de Brito..........4. 91
Decio de Aquino Fonseca............ 89 e
Commisso de verifirarao
Dr. Aprigio Justiniano da Silva Guimares.
Dr. Deodoro Ulpiano Coelho. Cataoho.
Dr. Antonio Epaminondas. de Mello.
Em consecuencia de ter dado parte de doente o
Sr. Dr. Domingos de Souza Leo, foi nomeado para
a commisso de verifteaco de poderes o Sr. Dr.
Jos Ladislao Pereira da Silva.
Hoie deve comecar o recebimento 004 cdulas.
tes os credores flseaes da massa fallida de Sve,' e outros.
Filhos & C., recorridos Antunes & Irmaos.Aoi Mar de Hespanlvi.Relacao do Rio.Escrivao
Rccerrorjtcs Manoel Jos de Oliveira e
Sr. Brito.
N. 6413.Corte.Tribunal do commercio do
Rio.Escrivao Brandad.Recorrente o commen-
dador Joo Paulino do Azevedo Castro, recorrida
a companhia de seguros Feliz Lembranca.Ao Sr.
Silva Tavares,
Dia.
Ficaram com dia para julgamento :
A revista crtmmal.
N. 1776, relator o Sr. Machado Nunes,
As revistas civeis.
N. 6362, relator o Sr. Almeid*
N. 6379, relator o Sr. Veiga.
N, 6380. relator o Sr. Cornelio Franca.
N. 6382, relator o Sr. Pantoja.
N 0389, relator o Sr. Machado Nunes.
Botelho.
sua mulher, rerridos Joaquim Jos Teixeira
e mJ!0S- ( Preparo para cada revista sao de
65100.)
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
P ca,.tdtogo dramtico acaba de ser enrequecido
c1ui a pubcaco da Culpa t Arrepenttimento, dra-
|ma em quatro'actos devido pena do Sr, Joaquim
(Gerardo de Bastos, que nos obsoquiou cora, a offer-
Communicam-nos o seguinte :
Os academices do actual Io anno o alguns do
2o anno da F'aculdade de Direito, reunidos no dia 6
em os salos da academia, levaram effeito a or-
ganisacao da sociedade Eimua Litterario Pernam-
bucano, oom approvaco final de seus estatutos, ac-
cordando unnimemente que, d'ora em diante at o
dia 23 de outubro vindouro, as questes mais im-
portantes de direito natural e romano servissem de
objecto de discusso, e quo as sessoes tivessem lu-
gar todos os das que fossem feriados para a Fa-
culdade, s tO horas da manhaa.
Procedendo-se em seguida oloico dos novos
membros da mesa, foram eleitos.
Presidente, o acadmico Antonio Pedro de Mi-
randa.
Vicc-presidente, o acadmico Samuel Wallace
Mac OowcU.
1 secretorio, o acadmico t'kxwm Jos de Mi-
randa.
2? secretario, o academizo Adolpho O-ineala.
: Lins.
Thesoureiro, o acadmico Antonio Pedr > Perrei-
, ra l.ima.
1 FoMlesignada depois a j runde questad da 4b-
tineeao entre o direito e a mora! para tst duentiiti
no domingo 13 do corrente-, senda ur,.rrea* .|.
desenvolver a questao o Sr. Floriano Miraafe
Sr. Samuel designado para com tf-r a opima"
for sustentada pelo Sr. Miranda.
As vantagensimmediiLi- Msaradeiiiici." '.
! anno, resultam da discussu I ..ju. -[,,. ,], ,u,
vai oceupar-sc a sociedad.-. intil referir, pona
estao na consciencia de lodos. ilM- .pi.- der que umitas desasa qoeatdes sen arias .! p.Kit
prximos actos deste anno ; rumpre. pois, iui<-
feliz idea, digna de i mi tacad e Ion wr, seja aaaiaaa>. %
e abracada por todos quanto* |Hj.l.r.tti roniritair
para a sua constante c plena real'ia-i>, especial
mente os acadmicos do anuo, a q.-ni ella i I
iucontestavel proveto.
^It^ido^inforinado os no-xs aaMMi das di
3encas (pie IH.'Rmlira a actual digna direcri..
o Club Commerciul, n.'; fflloil'i le pr> parar a i
rar a rejpeetiva casa, de maneira i l>"deT dar
gularmente a mesma sociedad.- as parti.os nuni-
saes, interrompidas em virtud.- do inal aronm-i
ment que a privou do excellente i>r.-dio mii .iu>
ella se installra no dia i de novembro d.- |*>!
segundo anniversario do des.'inl.arqu.- .1. S> MM
II. pesia cidade ; nao podemos .l.-ixar faaW
mais circumstanciadamenle do primean aate dad"
cm 6 do corrente, depois da r--nda ink-mipi-o,
bem como do asseio e magnificencia da cara.
Em menos de oito dias, apa tan lo foram o* e-
corridos aps a resoluco tomada para a penna
Beoda da sociedade n predio em roe le provi-
soriamente funecionado, epwmiaa urna completa
admira ve I transformaco no interior d.-ste vaaSJB
edificio!
Us diversos compartimentos em que se divida o
pavimento suiwrior, desappareceram como por en-
canto, para vr-se um correilor perfeitanwaav ttm-
tral, que d comuiunicaco as duas salas anterior e
posterior e aos gabinetes Menea, naa ehajani-
perfumoso toucador destinado a> dama, urna s
leta para os homens c outra para o bote>|iiim : n
vez desses quartos c repartimentos propria da-
pessoas que ahi anteriormente r .-idiam. e dos di-
versos misteres inherentes ao escriplorio romaarr
cial que ahi se havia estaU-lecido.
O goso com que a casa eslava moliilhada, adrn
nela e Iluminada naquella noite. dava-lln- um
pecto sorprendente I Qoaaa. collorando-i>-
tremidade do salo de baile esti-ndesse .. fal
pelo comprdo corredor, senta nm nao se aai
alegre e festivo, contemplando 05 diversos Insfre-
de vidro riquissimos collocados em sueeesso nn-
outros, (( o bello e fragrant kaaan aitil'riul en
grinaldado de rosas e folhas naturaes i> cHei e
luzentes globos coloridos, armado na varanda p>-
une os dous leos cm ajai se divid- o e**ri. e
que liga o salo do lado domar, aja* *e iL- Wh i
sala intermedia que d para o corredor que rondiz
do bilhr e dos differeules jogos. aH ladalaat tan
do Trapiche.
A concurrencia de seiiboras e ravallM-iron lu mu
merosa, reinando constaniemenie 1 aniaaarao e al-
gria desde s 8 horas da noite s i da mailruu.xf
em que terminou o divertimento.
A direceo do Club houvc-se. coaan sn cafara va
com toda deferenciac urbanidade; e non en bw-
sivel ser mais perfeito o servii-o. nem i 1
11I10 de todas as allribuice teuleule ao tx.ni
10 e satisfaco dos concurrentes.
A simpliidade dos vestido- e enfeiles do MI.,
sexo, que all affluio. nana i llianeza .- fian.;.
hospitalidade de lodos os convivas do fcslim --iJ
estalieleceram urna alegre r.-uni faimlias, on*-
si'i ae aspirava o aroma das tl<\-, eos tanlnn
de cxquesilas |n'rfuiiiari.is: ond.- I.iilhav.n
e as gracas, o esplendor a magia oV una testa to-
da cheia deasea mil goaoa atti.oliven par Aeaaaau
indelt-veis c saudosas iuipi
A |wrta do Club tocou urna b.mea militar etn
quanto entraram as familias. A .-reli.-stni dsal>
do baile, regida pelo professor IV-dro Justino
cutou excellentes eescolbidas ijualrilliase walsa-
Louvores nobre direerao do Om, pelo wa e
constancia que tem mostrado no dtx-mp- >
sua ardua larefa; gloria ao iiwan-avel ditvrlor -I
mez, pelos heroicos ufaren que eatfntasj paraasajf
lhantar a sua partala ; h'onri aos aacan aja*
dignamente tem sustenlado ean r--er.atiffa iaanV
tuico, despeito de todas ,1- .
experimentado a sociedade ir* dolonan >ami
ponjue tem passado. 4
Passageiros do brigue nacional //>;nlS,
sabido para o Rio de Janeiro Anna Martta Ai
Cooceicao e Silva, i lill.as e I IH1k>. 1 .-rtana cwii
2 filhos menores.
Passageiros do patacho nacional Cuprm. >a
Indo para o Rio de Janeiro Manoel de Km
Joaquim Ferreira Ramos, r.oriolano Sebastopol
Maciel Hortas, Augusto(aptuiino tionrarres Liaa.
e 3 escravos eatragar.
Pass.ageiros do Inate na> tonal '.<.,/
sabido para a Ilha de Feriund<> Manoel I
maz dos Santos e I criado, Quiteria Mari 1 d. 1
ceico c 1 liiha, Jos Esleves dos Sanios I Mano-!
Vicente Gomes.
Passageiros da barra pu tugneza M*?*/*
U entrada do Porto : Antonio Tmeln Magallia^
D. Marianna Alves de Araujo. Amoaw s1 Fer
nandes, Joan Fernandes Saaana, Anrono Trnan
desda Silva. Antonio tionk--- de oliveira. Jo.u|uii.
Lopes Anjos, Albino Manpu- lunario. Jumpii'.
Azevedo Canario, Jos Femandes ib- Mello l
Gomesde Azdvedo. Manoi-l Joaipiirmla SiU. I
quim Jos de Magalhaes. Franei-,-.. Mana .le Mo
raes. Joaquim Carneiro, Miguel Js k Caata. Xa-
noel Vieira. Jos Martins, Albano Ao Ariaral Bo
telho, Joaquim da Silva Pereira. Franrce* Jaa
nio da Silva Maia, Jos (mcjlves Maaa, La Bav-
rebio de Abrcu Vieira. Lnii" de ManJHaa. Laan
de Almeida CoeHio. Jos Joaquim di Souza. Jo-
Antonio Villela, Jos Joaquim. Man. el F.mande-,
Fulgencio Antonio, Antonio Alves V inmoole, ajan
co de Paiva, Carlos Carnulro de tzrvedo. Vn4i
nho Duarte, Maximiano da Silva.
Passageiros do vapor nacu nal Jmmuti', -
hido pan os portos do norte : Joa raala M. *
Carvalho, D.Clarinda Maria di Vnnuwmfin ata
esenva, Joaquim Ignacio Pereira Jnnicr. Franrr-
ca Duarte de Freitoa, FeJix tarcum, A*e Jmmbmi
de Araujo. cabo de esqoad Manoel Lriag anla>
Ribeiro Jnior. Joao Antonio Cavaban*. *m*mm
Ferreira, Francisco de Souxa Oliveira. aanajaan
Benigno de Souza, Antonio Gregow. Trajano Jane
(avalcante. Joad de Memlonca Iwtao e I mnn
Antonio Alvaro Ferreira da Sirva. Joo Lniz fian-
cal ves. Joaquim Antonio Peroro Vinaaro. km* Jn-
come Tasso, Williaxa, Reya, Tlionuz \mlren-i. i'jkJ
tao Alberto dos Santos Pinto. Jos* Jone da Tajas,
I Vicente de Paula,, Valeriano Franrfc* nt* rJaa-
gas, os esenros Sebasiijto, 1 amIUlu e Jos> na.ean>
panhia de Jos- Jaeonac Tasso. Manwl .Nunfs laav
eo. Antonio Fcrnaadns Guimares. Bernacdh> Sa-
muel Tavares e Pedro de Souza Tenorio.
Movimonio da cana de dHa-nrao mm *> 3 fe
setembro de 1863.
Existiam........ MI B*ea*a
Entraraaa....... 1
Sahiram........ ftt .
Existen....,
A saber :


Naci
Mulheres------
Estrangeins...
3

MUTILADO)**
1


^
talarlo de Pernambuco Qiiiiiia felra 9 de etcmbro de 1S.
i
Escravos....... 69
Escravas........ 5
"39T
.Alimentados a custa dos cofres pblicos
V Existiam..... 395 presos
Entniram---- 6 >
Saliiram..... 4 1
Bxistem...... 397 >
A saber
Nacionaes..... 282 >
Estrangeiros... 26 >
14 1
Estrangeiras... 3 >
175
Escravos...... 67
Escravas...... 5
397
Aumentados custa dos cofres publicas.. 174
Moviniento da enfermara na dia 7 de setembro
tic 1863.
Teve baixa:
Antonia Mara da Concejero; Syncope.
w B. 8 I ! 1 9 3 i 3 3 W '/. 5' 3 W > f a | 2 a.
i i SI .*: 1 ** * Masctilirt*. > n 1 I s i
iiii i Fnmnino. SI 1 1 mIKI SS 1 -3 2.
' i I 1 Masculino. S 1 1. 1 i S 1 i 8 2
1 Feminino. "1
| 1 1 1 1 1 Masculino. 71 en o O.
m Feminino. \ S s*
si. IS Masculine, j E I| o i o
H 14. Fruiinino. 1
ie 1 1 * 1 Muscmlin 8 es 1 o I H SE o
zl _. Fenthino. 35 1
1 tata obsf.bvac.5es.
O calamento e a mormlha no eco se talha.
A mulher que casa, faz bem, e a que nao casa,
fax mcllior.
Mais valo casar-se do que abrazar-se.
Casars e amansars
Casa o fllho quando quizeres, e a filba quando
poderes.
Com teu visinho casars teu fllho e bebers tea
viuno.
Quem longc vai casar, ou va encanado, ou vai
engaar.
Quem w> tem sogra nem carinada, bem ea-
sada.
Se qwres bem casar, casa com teu igual.
Antes que cases, v o que fazes, porque nao n
que desates. ^
Toscana, cada om na
doentes que recolhe.
proporcao do numero de
A Nacao publica o seguinte :
Entre os Tactos curiosos que referen) as corres-
pondencias do Mxico consigna-se o de ter, sido
para all mandado um batalho de negros egypi-
cos, romposto de 700 pracas, por se iulgar que
A* appellacoes crimes.
AppeUaate, o jmzo ; appellado, Antonio Jos
Pereira Silvano.
Appellante, o juizo ; appellado, Joao Soares de
Lima.
AppeBante, o juizo ; appellado, Jos Gabriel do
Santos.
poderia nielhor resistir aos rigores do clima, e ter juizo.
Appetfante, Joao da Mot Vlrgem \ appellado, o
ficado" i eduzido a 60 homens em consequeneia das
enormidades do paiz.
No Io de Janeiro deste anno havia matriculados
em Inglaterra 2,192 vapores, a que correspondiam
810,538 toneladas brutas. ^
Tem corrido em Londres o rumor de que entre
a Rassia e os Estados-Unidos do Norte se havia ve-
rileado urna allianca oflensiva e defensiva.
Appellaate, o juizo ; appellado, Antonio Francis-
co Rodrigues.
Appellante, Manoel Francisco dos Santos ; an-
pellada, a juslira.
Ai appellacdes cireis. *
. Appellante. Aleixo Jos da Luz i appellado, Joa-
quim Antonio da Silva Itarros.
Appellaate, Manoel dos Santos Oliveira Goncal-
ves; appellados, Felippe Nery e oulros.
Appellante, D. Maria Hellena Pessoa de Mello ;
appellada, D. Joaquina Benedicta Vieira da Silva
do Rocife, Joao Joaquim da Costa Lete, Joaquin
Antonio Pereira, Jos de Almeida Lima, Joao Go-
mes Caldeira, Dr. Joao Nepomoceno Das Fernan-
des, Joaquim da Conba, Joo Ferrara Lima. Joa-
quim Mauricio Goncalves Rosas, Jos Francisco de
Carvalho, Joaquin Mauricio Wanderlev, Jos Cus-
I todio Peixoto Soares, Manoel Antonio de Jess Ma-
' noel de Souza Tavares, Pedro da Hora Santiago e
levantou-se a sessio.
Eu Francisco Canuto da Boa-Viagem, secretorio,
a escrevi.=Barro Reg, presidente,Heao Main.
Gameiro.Mello.Reg e Albuquerque.Leal Ser
Barata ~Almeida.Reg.
Nao compres mua
cuidando que ha *:
manca,
sarar, nem cases com mulher m, cuidando que se
aa de emendar.
Assegura-se que a viagem de Mr. Thiers a Vicu-
a tem por objecto reunir dados o noticias para' os administradores dos "conventos
urna historia de Napoteao II, duque de Retchstad ; e Gloria, de Olinda e Iguarass
e que o imperador 'Austria lhe mandara entregar | 0 Sr. desembargador Asis pi
Appellante, o solicitador de residuos; appellados
4ka Conceii;ao,
todos os documentos que tinha em seu poder.
Nem
viuva.
de menina te ajuda, nem^ cases com
.0 filho de tua visinl tira-ihc o ranbo, casa o
com tua lilha.
0 homem rico com a fama casa sen filho.
Para mal casar, mais vale nao casar.
Por cobica de florim nao te cases com ruim.
affeicao te casaste, trabamos te entre-
Por
gaste.
Mai, que
chorar.
cousa casar? Filha, liar, parir e
Cuantas vezes te ardeu tua casa? Quantas casei
lilha.
Ao peixc fresco gasta-o cedo; e tendo tua filha
crescido, d-lhc marido.
A niii 11 nt casada nao desbarba.
A niulneV mal toncada u formosa, ou mai
casada.
O esposo
rado.
aborrecido poucas vezes fica hon-
0 amor de todas as mullicres digerir-se-lu cerno
urna pilula, < a paixo de unva s nao a deso|iar
todo o rhuibardo de Alejandra.
O liomem tendo a mulher feia, tem a fama se-
gura.
O oracao do hornera nui generoso, e o da
mulher mu delicado; quer por pouco lien nuiilo
premio, e por muito mal nenhum castigo.
Nos casamentes todo o erro est em cobicar a
fazenda que est na bolsa, e nao examinar a pessoa
que leva para sua casa.
L-se no Mercantil, de Porte-Alegre :
Nossos leitores se recordaro de Ihes haver-
Adiertencia.
Na totaldade dos uoentes existem 167, sendo, I
alienados 10 homens e 33 mulheres.
Fciain visitadas as nifeiiuaiias estesdias :
As -7 1/2, 7 oO, 8 1/4,8, 9, 8 1/2, 8 3/4 pelo Dr.
DorneNas; s 8,'7 10, 7 20, 7 1/4, 7 1/2, 7 1/4 pelo
Dr. Sarment ; e de tarde pelo Br. Pereira do Car-
ino, quando ha urgencia.
Kalleeeraiii : mos noticiado que o Sr. Vasco Pinto Bandcra, hon-
Lourenco Benedicta congestoocerebral. | rado fazendeiro do Rio-Pardo, depositara no dia 25
Pedro Antonio da "Sil va ; tubrculos pulmonares.; de abril deste anno, na residencia do digno Dr.
Obiti.uno oo da 6 ok sETK.MHiiii n< cemh erio juiz municipal daquclle termo, era presenc de va-
TM'uco: rios cidadaos, um caixao contendo seis arrobas e
Bibiano Pereira de Aquino, Baha, 20 annos, sollei-' algumas libras de caruo de vacca em conserva.
ro, Boa-Visto, totano. Essc caixao foi aberto no dia 31 do passado em pa-
lacio, estando presentes S. Exc. o Sr. presidente, e
vermes,
soltoiro,
Amaro, Pernanibuco, -'I annos, Boa-Vista,
Pedro Antonio de Silva, Para, 35 annos,
Boa-Vista, ithtliysca.
Rufino, Pernambuco, 1 anno, Boa-Vista, espasmo.
7 _
Maria, Pernambuco, 1 hora, Sao Jos, espasmo.
Maria Rosa, frica, 60 annos, solteira, Recife, cho-
lera.
Francisco Joaquin Duartc, Portugal, 48 annos, ca-
sado, Boa-Vista, concestao cerebral.
Bernardina, escrava, 10 annos, Boa-Vista; cholera.
Maria GoncaKcs, Pernambuco, 33 annos, solteira,
Recife, clKilera.
Manoel do Carino, Pernambuco, 28 annos, solteiro,
Recite, varila.
Ifortencia, Pernambuco, 8 dias, Santo, Antonio, es-
pasmo.
Loo, Pernai.ibuco, 1 mez, Santo Antonio, pblhy-
sica.
.los Autiiui > Berilf, Bergica, 30 annos, solteiro,
Boa-Vista, ascte.
M POUCO DE TBOO.
Do Fgaro iraduzimos o seguinte:
l'ni louio escolar que estudava o Anligo Testa-
ineiito, eommentora-o maneira de Renau.
Allinnain, disse elle ao professar.que Saioiuo
era um t mu rico.
Com eflito, lornou o professor; elledeslem-
brou a miaba de Sala por seu luio.
Mas, retonpiio o menino, a Biblia diz. que
tUe foi (lovnir ao lado de seu pues... Logo nao li-
aba nem um leito de seu I

Outro escolar, que tinha de mais que o prece-
dente ao qneixo alguns cabellos de barba nascente,
encoatrou Mr. Arual, o sabio medico do impe-
rador, em um sali; e lUnptottamente Ibe per-
guntou.
Dr., que o amor platotco?
Meu i haro amigo, replieou o doutor sem lie-
silar; i: cxiiio iodos os tnicas. Tin exci-
tante.
Da Btsta Popular, da corle, imriMwin a iioe-
sia que segu:
A IM BEIJO.
floniem Julia deu-me um beijo
; me tem feilo scisuiar...
,Leve a noito velando,
Indi nao nido atinar I
Dai um beijo sobre os labios
.-'iii ver a face corar .'...
Eu, que sou vclho c sabido
.Xas eoosas do coracSo,
Eu que tremo a um leve tof|ue
De branca, mimosa mao,
au posso ver dar um beijo
A sangue fri... isso nao!
Jaquello beijo era fri
Tao fr Que disse tego comigo :
No meu tompo era melhor,
Davara-se beijos... que l>eijos,
Faziam mudar de cor I
Porque o beijo tao sem graea,
une Julia bontem me deu, '
Nao (razia aquello fogo
Que nos faz gosar lira cu...
Seo os dellas assim todos?
Isso agora nao se eu...
De certo o beijo foi fro,
Por alguem na sala estar,
E lalvez assim quizesse
I leste modo disfarcar...
Nao pode ser... estva gente,
Mais razio para corar-
os membros de urna commisso que convidara pa-
ra essc fim, composta dos Srs. Dr. ('bamba, Lopo
Goncalves Bastes e Castro Ramalhe.
A carne achava-se em perfeite estado de con-
servacao, com cor. cbeio e sabor excellentes, e
satisfez a todos. O Sr. Dr. Ubatuba, cuja opinio
autonsada e insuspeita nestas materias, declarou
mesmo que a nielhor que tem visto.
O grande desidertum da provincia para le-
vantar os productos da nossa principal industria
do abatimento desanimado)' em que definham, con-
siste era adiar novos mercados para o sen con-
sumo.
Esse desidertum s se pode obter preparn-
dole a carne em condicoes de ser bem aceita nos
mercados estrangeiros, onde nao tem apparecido
anda, sem com tudo se lhe augmentar os gastos
da produccao que faz actualmente.
Parece-os que a louvavel tente ti va do Sr.
Vasco Piulo Bandeira assegura este resultado.
A carne preparada pelo seu systeiua nao repug-
na pelo sea asiiccto, como acontece com o nosso
{rrosseiro xarque, e depois de cozida, sendo antes
bem lavada, tem um sabor agradavel como a car-
ne verde salpresa.
Quanto aos gastos de producto, basta dzer que
o trabalho mudo menor do que o que necessa-
rio para o preparo do xarque, com grande econo-
ma de lempo e de sefvico.
A carne pode ser acondicionada em caixoes. De
urna taboa de pinho, sem outro trabalho mais que
o de sorra-la ein pedacos de dmenses proporcio-
nadas, se fabrica um caixao para seto arrobas.
Emfim, fetos todos os clculos e deduzidas todas
as despezas do preparo da carne, inclusive rao de
obra, rende urna rez no estobclecimento 18500O,
sendo o preco da carne 2-5 [>or arroba, c os precqs
do como, do" sebo e da graxa os actuaes.
E nao s nos mercados estrangeiros, que pode
ter fcil extraccao a carne preparada por aquello
melliodo. E provavel que mesmo nos mercados
brasileiros tenlia o consumo que nao tem o xarque.
porque pode servir de alimento para todas as clas-
ses. At mesmo para os fazenderos da provincia
seria de urna grande economa a conservacao da
carne de seu uso por aquello meio. sabido que
urna rez magra nao d a mesma quantidade de
carne, sebo e graxa, que da urna ree gorda; al o
couro dcsta de muito maior peso. A differenca
tal que ninguera a dcsconliece. Por consegrante,
seria de urna grande vantagem prevenirein-sc os
nossos fazenderos para o perodo da magreza do
gado, matando na melhor quadra as rezes neces-
arias para o consumo de seos estabeleciinentos.
Tcro assim melhor alimento durante o invern, e
em maior quantidade os outros productos do gado.
Se outro resultado nao livor tao esporancosa ten-
tativa, sead as patarras que aqui vio escripias,
CHROMCA JiDMARIi
THIRrVAI. DA KllLirlO.
SESSAO EM 5 DE SETEMBRO DE 1863.
PnESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELHBmO SILVEIRA.
As 10 horas da manha, achando-se presen-
tes os Srs. desenmargadores Caetano Santiago,
Gilrana, Lourenco Santiago, Motta, Peretli, Accoli,
Ucha Cavalcanti, Assis e Doria, abrio-se a ses-
sao.
O Sr. desembargador Guerra, procurador da co-
ra, nao compareceu.
Passados os feitos
deram-sc os segnmtes
JILGAMEKTOS.
Recorrcnte, o juizo ; recorrido, Rostron Rooker
Relator o Sr. desembargador Gitirana.
Sorteados os senhores desembargadores Doria,
Assis e Accioli.
Nao se tomn conhecimento.
Appettacops crimes.
Appellante, o promotor ; appellado, Belarmino
Porfirio de Farias.
A' novo jury.
Appellante, Francisco Pereira Ferragem ; appel-
lada, a juatica.
Continuada a sentenca.
Appellante, o juizo
Ramos.
Confirmada a sentenca em parte.
Appellante, Jos Pereira de Mello.; appellado,
Manoel Correa de Mello.
Foi absolvido o reo.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Francisco
Moreno.
A* novo jury.
Appellante, o julio ; appellado, Joao Euzebio da
Luz.
bnprocedente.
Appellante, o juizo ; appellado, Bernardino Xa-
vier.
A' novo jury.
Appellante, o juizo : appellado, Joao, escrava
A' novo jury.
Appellante, o promotor; appellado, Jos Serafim
Moreno.
A' novo jury.
AppeUacio cicel.
Appellante, Antonio Vicente Magalhacs ; appel-
lado, Joao Paulo de Oliveira.
bargador Doria Passou ao Sr. desem-
As appellacoes crimes.
Appellante, Sebastao Ribeiro de Mello ; aDDel-
lada, a ustica. FF
Appellante, ojuizo ; appellado, Joaquim Roberto
de Araujo.
Appellante, ojuizo ; appellado, Servulo Placido
Barbosa.
Appellante, Joao Jos ; apppellada, a justiea.
Appellante, Manoel Augusto Balbino Ramos; ap-
pellada, a mstica.
Appellantes, o juizo e Claudino Jos de Souza ;
appellados, Romualda Maria da Conceieao e o
juuo.
A appellacao civel.
Appellante, Joaquim da Frasca Cmara ; apnel-
c entregues os distribuidos, lado, Joao Alves de Carvalho Csar. w
Appellante, bacharel Felippe Carneiro do (Hinfla
Campello; appeHados, Jos Duarte Rangel e ou-
tros.
O Sr. desembargador Doria passou ao Sr. de-
sembargador Caetano Santiago
Apfirllardes crimes.
Appellante, o juizo ; appellados, Joaquim da Ro-
cha Guedes e outro.
A i hora da tarde encerrou-se a sessao.
PUBLICARES A PEDIDO.
Americo Jos dotSaatos t elrtm
p rimeira cadeira e .1 dtum sa segaMm
Francisco Rodrif nes Vna.. $t3*
i sabbatma na primeira ratera a> I
ficada, e 3 jostift-adas m
Alvaro Antonio da Cusca, I
priineira cadeira e t ditas m
Porfirio Amanrio Gmurem^i
Latina justificada na phmrin nk.ii* # ft
segunda.
Joao Ferrera V OKvrira Suva,*
na primeira camn, e 4 Ato bb sapa
Antonio Pires Ferrara Fim, te i 4
na primeira cadeira e S ditas na.
Joao Thom da Silva imim, I I \
na primeira cadeira I
Elias Jos. Pereira, ij__
1 diu na segunda.
Jesnino Jos1 tomes. I jastiAraa aa
cadeira.
Alexandrino Leonel Maraes .laatoaaa, 3
meira radtrira semlo t ai jaMafraa. 11
eVKmstm^mmm J\
tV\mAmmm
CAVABA VHMCITAL
Aos vinte e sete de julho de 1863, tendo compa-
aonellado Micnel de Sonza recid9 ^ Srs- vereadores Barata de Almeida, Gus-
1 lavo do Reg, Mello e Seve, nao houve sessao por
falta de numero.
Eu, Francisco Canuto da Boavagem, secretario
a cscrevi.Barata de Almeida.Mello.Leal Se-
ve.Reg.
- .ra Parnern
cadas na primeira i-adeira J ato
Jos (andido da Silva Kraara. i
primeira cadeira e I Mas aa
Antonio Joa<|uim de Suata
das na primeira radeira '.">*
D. Antonio de Souza da Silvetra
na primeira radeira.
Antonio Goncalves t A
Todos os mdicos que especialmente se leen de-
dicado cura das enfermidades das eriaans
asseveram que as pastilhas vermfugas de!
Kemp o remedio o mais excellente e effi-' cadas na segunda."
caz que at hoje lem sido conhecido. a- Franrsro rVrrei
cbam-se ellas exclusivamente preparadas com
as substancias vegetaes as mais salutferas.
0 seu sabor delicioso, nao causam nauseas
nem dores e produzem o seu elTeilo com-
pletamente sem que seja preciso logo in-
mediatamente, usar de neuhumn especie de
purgantes. Tanto as mis, como os proprios' segunda radeira.
filhos nunca desesperaram dellas, porque se i ftfcy ds ^w rtoaiai, :t
as primeiras teem cmplela conlianca Batlp"
pastilhas, estes ltimos as tomam com maior
prazer imaginavel. Desde que estas admi-
raveis e incomparaveis pastilhas foram des-
cobertas, lodos os demais vermfugos as-1
querosos teem sido quasi inleiramente a-
bandonados e desterrados As pastilhas de
Kem. se acham lindamente acondicionadas
dentro de fras luirihos decrystal.na s para
a sua boa exportaco, como para sua con-
servacao contra todas as vicisitudes dos
tempos.
A venda em todas as lojas de drogas e
boticas.
COMMERCIO.
SESSAO EXTRAORDLXARIA AOS 3 DE AGOSTO
DE 1863.
Presidencia do Sr. Heniiques da Silva.
Presentes os Srs. Gustavo do Reg, Seve, Barate,
Mello e Gameiro, faltando sera causa participada
os mais senhores; abrio-se a sessao, c foi lida e
approvada a acta da antecedente.
Leu-seo seguinte:
EXPEDIENTE:
Un offlcio do secretario da presidencia, remet-
iendo, de ordem de S. Exc. o Sr. presidente da
provincia, um exemplar da colleccao das les pro-
vinciaes, promulgadas no correut auno.Ao ar-
chivo.
Outro do mesmo, eommiraicando de ordem do
Exm. Sr. presidente da provincia haver S. Exc. era
Mantearse remetter para o tribunal do com- 30 de julho ultimo providenciado, afim de que po-
la reparticao das obras publicas, seja prestada a
planta do passeio publico, de que trata o offlcio da
cmara de SO do corrente sob n. 30.lnteirada.
Outro do Dr. juiz de direito da 2 vara criminal
deste cidade, dizendo que compctindo-lhe receber
do cofre municipal a quantia de oi^iOO, conforme
a certidao que remelle, sirva-se a cmara de orde-
nar seu pagamento.Que se ouvisse o advocado.
mereja
Mandaran com vista ao Dr. curador geral
Al appellardes crimes.
Appellante, ojuizo ; appeuado, Manoel Antonio
Appellante, o promotor; appellado, Jos Joaquim
de Santa Auna.
01I.10ENCIAS.
AppearSes ricis.
Appellantes, os herderos de Manoel Luiz da Outro do juiz de pazmais votado do 1 distrcto
\eiga ; appellada, a fazenda. da freguezia de Muribeca, Nereu de S e Albu-
i ao Sr. desembargador procurador da querque, requistando o livro e mais objectos pre-
... ... ... __ c'sos para o processo das elcices daqiiella fregu
Adriano Xavier Pereira de Bnto '>-:'-----------" *--
coroa
Apjiellanle,
appellada, a fazenda.
Com viste ao Exm desembargador procurador
da cora.
Appellante, o curador do escravo Honnogenes;
appellado, Manoel Mariins de Araujo Castro.
Cora vista ao Dr. curador geral. .
As appellacoes matar [ ,
Com vista ao Sr. desembargador promo -1
juslica
Ap"pellautero iHomotor; ippillado, Antn,
mes da Silva Xiunga.
Appellante, o promotor ; appellado. Joaquim
ximiano de Araujo.
Appellante, o juizo ; appellado, Joao Felippe da
Silva.
Appellante, o juizo; apjiellado, Ignacio Rodri-
gues de Brto.
la
zia.lnteirada por que ja se tinha feito a remessa.
Outro do contador, dizendo que a quota votada
para a limpeza das ras, j se achava extineta, e
at excedida na quantia de 1434710, c sendo de
necessidado a continuacao de tal despeza, honves-
se a cmara de providenciar.Que se pedisse au-
torsacao presidencia.
Outro do engenhero cordeador, informando fa-
voravelmente a |ieti>ao da irmandade de XossaSe-
nhora do Terco, que pede para que lhe soja con-
cedida licenca e cordeacao afim do reedificar o oi-
-A tao de sua igreja que lica do lado da ra Direito.
^^ Mandou-se dar cordeacao.
Ontro do mesmo, informando que Francisco Bo-
telho de Andrade, arrcmattanle do aterro da ra c
praca que tica entre as ras do Hospicio e da Au-
rora, pode receber, como requer, a primeira pres-
teeo de seu contrato, viste ja ter feito aterro sufli-
Appellante, Jos Colho Lopes : appellado, Pedro cente para ier direito ao que pede. Mandou-se
Alexandrino Braga. pagar.
desicnacao dedia. Outr do mesmo, coinmunicando ter drgdo-se
Assignou-se dia para julgamento dos segumos ao becco do Falcao para dar cordeacao a unas ca-
fetos : sas que ali pretendem edificar, observara ser mais
As appellacoes aunes. conveucnte acabar com o mesmo becco, do que
Ap|iellante,opromotor; appellado. Francisco An- consentir que se faeam as edillcacoes pedidas.
tomo de Moura. Que este ljecco corlando pelo mei um quarteirao
Appellante, ojuizo; appellado, Manoel Henrique pequeo, torna-se contrario ao aformoseamento e
de Sandes e outros. regularidade daquelle lugar, accrescendo que a
Appellante, Joaquim Jos Ribeiro ; appellada, a sua suppressao nfio traz nenhum inconveniente,
juslica. I por quanto as caas que presentemente existem l
Appellante, Francisco Jos Miguel appellada, a estao collocadas nos ngulos das ras que fcam
juslica. as extremidades do mesmo boceo, e para ellasl
Appellante, o juizo appellado, Eloy, escram tem portas.Que se offlciasse ao engenhero para
Appellaroes aris. apresentar planta mostrando a conveniencia da
Appellante Basilio Alvares de Miranda Varejao; suppressao do dito becco, afim de com ella propor-
appellado, Joaquim de Almeida Pinto. se presidencia a alteracao da plante.
Appellante, Gaspar 'Cvale anti de Albuquerque Outro do fiscal do Recife, informando a petcao
l choa; appellados, Joao de S Albuquerque e ou- na qual Zefcrino Ferrera Velloso pede licenca'pa'
tros. [ ra estabeleccr na ra do Brum nos armazens ns.
passaoens. 70 e 78 urna oflicina de caldereiro, diz que parecc-
0 Sr. desembargador Caetano Santiago passou lhe juste scmelhantc pretencao, visto que tacs ar-
Sr. desembargador (tirana mazens ficam juntos a officua de Cardozo 4 Mes-
NOVO WMJSCB
DE
0 novo banco paga o 11 dividendo
de dez mil ris (10$000) por aeco.
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 7.
Porto39 dias, barca portugueza Despique II,
de 293 toneladas, capitao Faustino Joao de Carva-
lho, equipagem li, carga sal e outros gneros ; a
Ferreira & Loureiro.
Sania Cruz de Tenerife28 dias, canhoneira
hespanhola frica, cominandanle o capitao-tenente
D. Ramn Bravo.
Boston42 dias brigue inglez Bipantuins, de
179 toneladas, capitao Sant Clair, equipagem 8,
carga 1,803 barricas cora farinha de trigo e outros
gneros ; a J. Pater & C, recebeu ordens e seguo
para a Baha.
Navios saltidos no mesmo dia,
Barcelona polaca hespanhola Senlurita. capitao
Geraldo Maristany, carga algodao.
Havana sumaca hespanhola Farorta, capitao
Gabriel Beltran, carga Carne secca.
Havana Sumaca hespanhola Traviata, capitao
Geraldo Casis, carga carne secca.
Illia de Fernando Mate nacional Camarapm,e*r
plao Joaquim Dias de Azevedo, carga differentes
gneros.
Porlos do Xorte Vapor nacional Jaguaribe. com-
mandanlc Manoel Joaquim Lobato.
MtoHM mirados no dia 8.
Terra-Xova32 das, brigue inglez .Vcr, Ae SU
toneladas, capitao I. Jenklns. equipagem 12. car-
ga 2,820 barricas com farinha de Irigo, 2o 1 di-
tas com bacallao e 231 calas com arenques ; a
Saunders, Brothers & C.
Baha4 dias, patacho nacional Espadarte, de 123
toneladas, capitao Francisco Jos ele Souza, equi-
pagem 11, carga 1,200 al:|ueirus de farinha dr
mandioca; a Manoel Ignacio de Oliveira &
Filho.
Abetos subidos no mesmo din.
Rio de JaneiroPatacho nacional Capuam, capitao
Theotonio Jos da Silva Rosa, carga assucar e
vinho.
Rio de JaneiroBrigue nacional Imperador, capi-
tao Jos Rodrigues Prales, carga eijao e as-
sucar.
BahaPatacho dnaraarquoz Joanna. capitao J.
Vietheer, carga parle da que trouxe de An-
tuerpia.
le
i
^
EDITAES.
ao
.4 appelhufio civel.
Appellante, a fazenda ; appellado, Joao Francisco
Pontos, i
O Sr. desembargador Lourenco Santiago passou
s
ellas ao menos serVirao para restar que cumpr- ao'sr aesemiargSorMoUa
mos o nosso dever, ja que nao temos esperances; j annellacCio rrme
FS?j%LE*r?, a "?sa- indus,-ia Appellante, o proniotor ; appellado, Antonio Rav-
^SSSSmii encaar H"3^ appel,arSo cive,
mmimTmmmtVmSSm^^ F 'B ^"^ ^ '
^^Si^^b^^l^!^^^^ O Sr'.'.le'sembaVador Motla passou ao Sr. des-
lio estimulo mais que o depreciamento de seus! embarcador PereUi
productos ao passo uue nos, tabulando nos mes- i ILoeltaro crime
~ im0"," e,^ fJ. SSSSS''qne *nnle' Appellante, Jos'ferroso Valce
juro as emprezas ( ue tentarem a exporiacao iustica
Appellacao civel.
Appellante, Luiz Jos da Costa Amorim ; appel-
iiui
appellada, a
das carnes, cruzamos os bracos, vendo e lamentan-
do os nossos desastres sem dar um passo por cau-
sa desse frivolo e funesto horror da iniciativa
Ai! j se, foi por s/ntenea.
Que sao s dos que me ao...
Era n'um jogo de prendas,
Fu beijo de obrigacao,
DeaM que dao-se cm os labios
Sem saber o coraco!
O duque deHamilton, queullimamenle falleceu
em Paris, em resollado de urna queda, tinha segu-
rado a sua vida, a 24 de junho ultimo, ni vinie
companhias, na sciuma de 100.000 libras'esterli-
nas .>0:00()5).
Maria bem casada, e a oulra haja m
Ofeteeemos Icitura os seguimos pensameirtes
sobre o easamente, collegidos pelo Sr. M. A. Silva
liosa.
Casar, casar sea bem c sabe mal.
Casar, casar qur bem, qur mal.
i asareis e ein manten* alvos comeris.
Quem casa com mulher rica e feia, tem ruim
cama e boa mesa.
Seja
fada.
lilha'" VCI dade e C01" raentfa <>" a velha a sua
A quem faz casa, ou se casa, a bolea lhe fica
rasa.
De dia em dia casars Hara.
Por casa nem por vinha, nao cases com mulher
parida.
Quem casa sua lilha, depennado lica.
Quem casa por amores, mos dias o peores
noites.
Suite, e nenhum mal pode trazer a visinhanca.-
oncedeu-se.
FaJIeccu em lHdres o raarquez de Xormamby
Constantino Henrique-Phipps, com 67 annos, pois
tinha uascido a 16 de raaio de 1797. Tinha casado
em 1848 com a filha de lord Ravousworth, da qual
teve lio filho nico, Jorge Augusto Constantino,
conde de Mulgrave.
Foi-lhe conferido era 1818 o titulo de marquez
de Xormamby, sendo entao cande de MuJgrad.
Era cavalJeiro da Jarreteira, merabro do conse-
w, e foi succcssivaniente governador geral da
Jamaica em 1832, lord do sello privado em 1884
lord lugar-tenente da Irlanda em 1835, secretario
do Efado das colonias em 1839, secretario do in-
terior de 1839 a 1841, erabaixador de Paris de
1846 a 186*2, e ministro plenipotenciario era Plo-
renca de 1835 a 1858.
I'fiQcipiou a vida publica como raembro da c-
mara dos communs por Scarborough de 1818 a
1820. por Higham-Ferrers de 1822 a 1826, e por
Maltn de 1826 a 1830.
Escreveuo livro l'm anno de rcvolucoi, diri-
gido contra os homens do 1848, que foi traduzido
era franeez, c escreveu e puhlicou os romances de
agradavel mediocrdade Slm e nao., .Mathlde.
() contraste e .0 propheta de S. Paulo.
unrcondeUt.8gradgn,,adCS ""? ^ H.
^lleceuemFlorenc,.7condeAngloloGaHLPos.SouTllanU!, ^ aPPellad0' "* ^ de
^d0LdL^ ra^e formna.e muito beneficente AppeHante, Joao Hiplito de Meira Lima;
lada, a fazenda.
O Sr. desembargador Peretti passou ao Sr. des-
embargador Accioli
Ai appellfoes crimes.
. Appellante, Luiz Rapflso de Oliveira; appellada,
a justiea.
Apne'llanles, Manoel Jos da Silva outros ; ap-:
pellada, a justiea.
As appellaroes riveis.
Apptlanto, Fraucisco Cokles Teixeira d'Arau-
jo ; appellada, D. Anna Joaquina Teixeira Ca-
valcanti.
Apijellante, Joajuim Jos de Mello ; appellado,
Flix Pereira de Souza.
Appellante, Manoel Elias de Moura;
bacharel Manoel Frmino de Mello.
Appellante, Pedro Alves dos Santos; appellado,
Jos de Souza Marinho.
Ao Sr. desembargador Caetano Santiago
A appellacao citet.
AppeJiante, Manoel Cavalcante de Albuquerque;
appellado, Alcxandre Jos Rodrigues.
Ao Sr. desembargador Giu'rana
A appellacao civel.
Appellante, a fazenda ; appellado. Joaquim Lo-
pes de Almeida.
O Sr. desembargador Accioli passou ao Sr. des-
embargador l'cha Cavaloanli
As appellaroes trnes.
Appellante, Jos Caetano de Oliveira: appellada,
a jibitica.
Appellante, o juizo; appellado, Tito Alexandre
Ferreira Passos.
As appellaroes cireis.
Appellante, Antonio Alves Vianna ; appellado,
Geo. Kewnorth dr C.
para os pobres, que nuncaledhe diriganTibaldo' pefia'd'o,'ffi.tZS%ZgJ^^. f
as suas necessidades quiz terminar a sua carrei-1 Ao Sr. ILmSoVxI^
~ por um acto esplendido de caridado. Apnellantes Santoi k tnun A
No seu testamento instituio por herderos dos MbreiralS *Ro"n5 app6llado'
seus bens, queinfevalem menos de quatro mitSes O Sr. desembargador cha Cavalcanti
de francos (700:000#COO;, todos os bospitaes da ao Sr. desembargador Assis u"a,caw'
Outro do mesmo, informando sobre o que na pc-
ticao que devolve. pede Antonio Fernandes Velloso
para fazer um cano para dar esgoto as aguas plu-
vaes do quintal de sua casa n. 10. do becco das
Boias, declara que justo o que requer o peticio-
nario, e esta no caso de ser deferido.Concodcu-sc.
Outro do mesmo, declarando nao haver incon-
veniente em pennittr-se que a irmandade do San-
tissimo Sacramento daquella freguezia cubra, co-
mo pede, o becco que fica no oitao da mairiz, e
bem assim abra urna porta no muro.Mandou-se
informar ao engenhero cordeador.
Outro do mesmo, informando sobre o que na pe-
tcao, que devolve, requer Francisco Jos Regallo
Braga, por fazer aguas fuadas em sua casa n. 21
da ra Senzalla-nova, declara poder o peticionario
fazer a mesma obra, por quanto a casa est feita de
conformidade com a plante.Concedeu-se.
Outro do fiscal do Poco da Panella, participando
haver mandado fazer termo de infraccao as postu-
ras de 30 de junho de 1849, contra Jos Maria de
Mello Zumbao, Rozendo Maximiano dos Santos,
Francisco Vidal e Antonio Bahullnteirada.
Outro do mesmo, pedindo se lhe mandasse pagar
a quantia de 35000, importancia que despendeu
com a conducao de um cadver encontrado no rio
da dita freguezia.Mande-se pagar.
Outro do administrador do cemiterio da fregue-
zia do Poco, remetiendo o mappa dos entcrrainen-
tos feitos naquello estabelecimenio desde o dia 12
appellado, lo de julho ultimo.Ao procurador.
Entra era discussao o parecer addiado na sessao
ultima, e tendo o engenhero apresenlado a planta,
como lhe foi exigida, o Sr. Rogo pede a palavra e
contina a sustentar a inconveniencia de estebe-
lecer-se o passeio no lugar em que se pretende, co-
mo j o havia declarado as anteriores sessoes.
O Sr. Seve pede tambem a palavra, e raostra a
conveniencia e necessidade de ser feito o mesmo
passeio no lugar indicado pela commisso, referin-
do-se ao que tinha j dito a scmelhantc respeito
emautras occasides.
Por fim requerimento do Sr. Ifenriques da
Silva, continua o parecer addiado.
Prestam juramentos seguintesjuzes de paz do
2o anno do 1 distrcto da freguezia de Muribeca,
Domingos Lins de Albuquerque, 3" supplcnte do
3o distrcto da freguezia dos Afogados, chamado pa-
ra preencher a liste e Jos Antonio de Oliveira An-
lunes, 3* supptente do 4" dislricto da mesma fre-
guezia dos Afogados, o qual foi tambem chamado
para preencher a lista.
Despacharam-se as pecdes de Antonio Jos dos
Res, Antonio Jos de Sfquoira, Antonio Goncalves
da Silva, Antonio Domingues Pinto, Rernardo Lo-
pes de Oliveira, ChristovSo Guilherme Bronkenfeld,
Frmino Pessoa da Gama, Francisco Botelho de
Andrade, Francisco de Pinho Borges, Genuino Luiz
Nunes, baehnrel Ilermogenes Scrates Tarare de
passou I Vasconcellos, Dr. Ignacio Firmo Xavier, Ignacio Jo-
's Cabral, irmandade do Santissimo Sacramento
FACULinDBDEDIMEITO.
Be ordem do Exm. Sr. dircitor se faz
publica a li>ta das faltas dos cslu-
danles fasta Facnldade, rebinas
aomez de julho prximo passado,
e julgada em can^regaofio de 19 do
corrente.
Ql'ABTO A.N'XO.
Americo Pinto Brrelo, 3 inclusivo 1 sal.batina
justificada na primeira cadeira e 2 ditas na se-
gunda.
Andr Cavalcante de Albuquerque, 3 o ", jus-
tificadas na primeira cadeira c 2 ditas na se-
gunda.
Antonio Florentino Mndello, 3 e A justificadas
na primeira cadeira e 2 ditas na segunda.
Augusto Coln da Silva Rios, 1 justificada na
primeira cadeira.
" Bento Ciciliano dos Santos Ramos, 2 justiiicadas
na primeira cadeira e 3 ditas na segunda.
Innoccncio Antonio Fernandes, 2 e 'A justifica-
das na primeira cadeira o 1 dita na segunda,
ao Dar
ap-
Jos
Joao Damasceno Pinlo de Mendonea,"2 justifica-
da na primeira cadeira e 2 ditas na segunda.
Jesuino Jos do Frailas 4 Justificadas na primei-
ra cadeira c 2 ditas na segunda.
Joao Jos do Monte Jnior, 2 justificadas na pri-
meira cadeira e 3 ditas na scguuda.
Joaquim Corroa de Araujo Jnior, 4 e ", na
primeira cadeira e 2 ditas na segunda.
Joaquim Guenes da Silva Mello, 1 e '/, justifica-
da na primeira cadeira.
Jos Francisco de Paula Correa de Anaujo 6 e l/t
justificadas na primeira cadeira e 3 ditas na se-
gunda.
Jos Henrique Cordeiro de Castro, 3 justificadas
na primeira cadeira e 3 ditas na segunda.
Coriolano Augusto de Loyola 2 justificadas na
primeira cadeira e 2 inclusive urna sabbatiua ditas
na segunda.
Jos Vieira de Araujo, 2 justificadas na primeira
cadeira c 3 ditas na segunda.
Antonio Epaminondas do Barros Correa 1 just-
cada na primeira cadeira c 2 ditas na segunda.
Antonio Pinto Xogucira de Accioli i justificada
na primeira cadeira e 1 dita na segunda.
Egydio Francisco das Chagas, 2 justificadas na
primeira cadeira c duas ditas na segunda.
Eugenio Gomes Becco, 2 justificadas na primei-
ra cadeira.
Herraogenes Octaviano Alves Fgueiredo, 1 jus-
tificada na primeira cadeira c 3 ditas na segunda
Pnscihano da Silva Freir, 1 justificada na pri-
meira cadeira. v
Raymundo Mendos de Carvalho I justificada na
segunda cadeira.
Frmino Licmo da Silva Soares 1 e "A na nri-
meira cadeira e 3 ditas na segunda
Jos Ricardo Gomes de Carvalho, 2 justificadas
na primeira cadeira e 3 ditas na segunda
Manoel Caetano de Oliveira Passos, 3 justifica-
das na primeira cadeira o 3 ditas na segunda.
Augusto Magno de Mello Mallos 3 e 1/4 jtisti-
licadas na primeira cadeira e 3 ditas na segunda.
Pompiho Cavalcante de Mello, 3 e 3/4 inclusive
1 sabbatina na primeira cadeira sendb 1 nao justi-
ficada, e 4 justificadas na segunda. meira cadeira, 10 ditos na
Miguel Figueira de Faria i o i/4 justificada^' "'ibbatinana tereeira nao
na primeira e 1 dita na segunda. rancisco Antonio
(lUlherme Amazonas de S, 1 justificada na pr\A primeira cadeira, 1 dita na
metra cadeira e 2 ditas na segunda. I ra, sendo 6 nao justificadas.
radeira
na segunda.
Ezequiel Franco da S. 2 >
(na justificada na prii
segunda.
Felippe Franco te Sa. i e
tina justificada na primeara i
segunda.
Paulino Rodrigues Htarinanea, ti
das na primeira radeira, el
Pedro yansen Ferreira, t i
ra cadeira.
Agostiniw Julio *V> Cal
ficada na priineira n
Joao Alves Mergnlhia, i j
cadeira. e 2 ditos aa seguan.
Goncalln de Agniar Boto de Mei
da aa primeira radeira. 2 ditos i__
Manoel (te Siqoetra Cavalrjaa \ j
primeira radeira, e ti ditos iartomi
na segunda
Barnab Elias da R.a CaJhrimii,
na priineira cadeira, e I aMantoa aa saja
Virgilio Peixoto Je Antojo Pitowni. i 3
1 sabbatina justificada, na prianiiiradein tafo
justificada na segunda.
Manoel Lo|M* da Canta Marwi. 4
primeira radeira, e I dito na nua
Epiphano Vem-s Itonuagars 4a IWra, t i
si ve I sabbatma justificada na pruia radHra. *
2 ditos na segunda.
Gomnillo de Ijpw Fernaadn IVm. I e* -
meira cadeira. senlo 3 ao jii %n% ten, c S
cadas na .-guma
Anstdes le Paula Das Mirtins.
na primeira radeira, e I dita na
Jos; Avelino argel do Votara!
sabbatma jusiiflcada na primeira a
na -'(.'linda.
Joao Baptista da Co*ta 'arvalno. I
primeira cadeira.
Bento Mi nervio, i da Silva, 2 na ptamia
ra, sendo I na., jiisiilirada. > t f
gunda.
Theodoro Thaileu .1'AssnmpraV>. 3 i
primeira raileira. e 3 ditos n saja
B'nviiido Pinto Lubo, 2 a V, na i
ra, sendo I nao justificada, e 3 joatiajeadas i
gunda.
Manoel Rodrigue ile Armib Cj
das na prim.-ira cadeira. e 2 na
nao justificada.
Joaquim Germano Ramo- i e
primeira radeira. e | dita aa i
Malina., da Veiga ?milla*, .l"
priineira cadeira. 3 iiirlu-ix I
segunda.
Mil.iades Pereira da Silra. 3 na [
ra, sendo 2 nao jii-lificadas. | jiuairadu a
gunda.
Foram abonadas as faltas da -fonda eaaaam
retaliis ao av.i >ir junb. que anda oahafana)
sido menos I). Antonio de Soona da mitin 1
e Virgilio Peixoto de Aranjo Paliueira l
0HNTi A.N.Mi
Alfr.tlo Sergio Ferreira. 1 jiniHi nliii ai
ra cadeira. i ditas na -.iiii.Li. e H inri.M I
batina nao jn-iiiica.la aa torecam
llermino Fraariaai J.-ronri. do E-pwtoSaaja.
2 justificadas aa primeira radeira. I dita na --
gunda e >i nao jiMiii.-a.to na ferreira
Mileno de Torres Baiftein. 4 laatitenan* aa pri-
meira cadeira, I diu na secunda, e 2 dita- iu
ceira.
Manoel Barbosa de Araujo, 3 na praarsn. cadei-
ra. 2 na seronda e 3 na l-rrdra. -ead Jtmim.
nina destos atoan* afaJaannVaana,
Olympio Euzebio de Arn.\elas aatall I toabnV
cada na -ecirada cadeira.
I- rancisco Antonio de Corvato! I sin i t ato an
primeira cadeira. I dito na lanli Vli
l.'iieira.
Celso Tertuliano Fernandes JuiMelLi. 2 jnaanV
cadas na primeira radeira. e I dito aa lerreira.
Darki Comes da Silreira, i jiniaVai m an ari-
metra cadeira. -> ditas na segunda, t 14 ia tome
2 satibaiinas ditas na lerceira.
Francisco Leonardo de S.uza Miramla i^aa*. 2
jusiilic.ida- i.a primeirat-a<|.'ira. 2 iBthww lato-
batina dilas na -.'unda. e 2 dito* na lerren-a.
Manoel Jos Com-alves Fiam 2 ju^uarada a
priineira radeira. e nao ju-tilira.to iu 'ereesra.
i.ii.io i.iieuviro de Castro. I jo^anrada an pr
meira cadena. 3 atoa na segunda, e i laitowi l
saboatina uo justificada na lerceira.
Ernesto Pinto Lbo (>dro, I JBaaflcaia aa an-
meira cadeira. I dita na sejrunda. ,- i na.. insaaV .-
das na lerceira.
Antonio d Souza B;i\uu, 2 jiMirada* aaan-
meira cadeira. 4 dilas na segunda, e 3 ditas E
ceira.
Itaymundo Theodoiieo de astro silva, 3 j
ficada aa primeira cadeira. .1 ditas aa *ei
3 dilas na lerceira, sendo l nantoaanaada,
Jos Alves da Silva. | juMitirada aa praeira
cadeira. I dte na segunda, e I ain jantaVjdi an.
(erceaa.
Jos Marianno ItNiro. S jiislinradas a
ra cadeira, li ditas na segunda. 7 dnaai
va, sendo 1 nao juslilirada.
Joa Rndrigaai rVrein Jnior. 7
primeira cadeira, 3 dita.- na n |di* c t
aira I saliliatina Anas na terr.-ira.
Eduardo Lajer Labia, 1 jusiiarada aa
cadeira. I dita na segumla. e I dito nao i
na lerceira.
Jos Maria Carneiro de AltoM|ueroue !
justificada na priineira eaileira. I diu na
e I nao justificada na lerceira
Francisco de Paula Cavalcante de Alaaajaaanj
\ justificada.- na primeira cadeira, .1 dato aa*i
gunda, e 2 ditas nao justificada- aa terreara.
Manoel de Valado Pimenlcl. 7 jntiftr^
primeira cadeira, 3 ditas na segaada, e I I v
tes na lerceira.
Alfredo Sergio Teixeira de Mac. -l> 2 i^al
na priineira cadeira, 2 dita* na i
na lerceira.
(arlos Augusto Xaj lor, '< justili.
ra cadeira, 4 ditos a segunda, t am
sendo 1 nao justificada.
Manoel Joaquim dosSanios Palurv 1 mk> i
ficada na tereeira cadeira.
Antonio Jos Marques 3 pWiiridni i
cadeira, 3 ditas na segunda, e I da
ceira.
Ignacio Accioli de Mmeida, I jwlifi idi an art-
illen a cadeira. 1 dita na secumla, e I ". aaan-
mieada na tereeira.
Joao Franklin da Silveira Tarara, Si
na primeira cadeira ; 2 ditas na i
tas na tereeira.
Antonio Paulino de Soasa rrhoa, 5 j
na primeira cadeira, 3 ditas na i
tereeira, sendo 1 '/ J*>el~~
Alfonso Xavier Fqrters de
cada na segunda cadeira, el i
tina ditas na tereeira.
Francisco Antonio Correa de S. 3
na primeira radeira, 3 ditos na i
na tereeira.
Joao Jos de Moura
primeira cadeira, 8 ditas'
ceira, sendo 3 nao jiisUficadas.
Manoel Pereira Giiimaraes.
primeira cadeira, 2 dito*
na lerceira.
Joao Pernandes 12iaves, .10



12
el",
m
m


*..- *-"
*>
*T*P.:&**
P
Mari de Peraawi>utf .
Jg*?..*1!.fr1>' i* n*Prt- Ceaselho atlmioisfiativo. i
na pnmeira cadeira, 4 ditas na segunda e 2 nao guiates guerra' wm ao comI)rar os objectos se-
justificadas na terceira. Para 0 arspna| d ff,lnpr,
Joao Amonio de Barros Jnior, S justificadas na ManKueiras oara bomba deaE in^nHm mP
primeira cadeira, 3 ditas na segunda e 3 /, na trJjBR^a^^SSSS ''iKS^Sk%
comprimento e 9 a 16 pollegadas de largura e 1
terceira, sendo 1 nao justificada.
Antonio Lipes da Suva Bar, 8 Meadas na diu ue erossur.a 10"dual, dTtaTde rarralba'cor
pnmeira cadeira, 3 ditas na segunda e 2 ditas na 16 a 2ifa]m05ae comprimento e 9 a 16 pollegadas
de largura e 3 guarios de dita de grossura 10 du-
zias ; pregos ripacs da trra, 100,000, pregos cai-
lerceira.
^ivino Loos de Barros Silva, 1 justificada na ..
fwmeita cadeira, 1 dita na segunda, e Inaojus- Mog 10 milheiros, cobre velho 10 arrobas ali-
tificada na torreira. cates sonidos 90 ogos ,ornos de m5o ^0$
Candido Maras de lmeida,-2 jusficadas na jn lijlos de ladrilho 2,000, jolos de alvS
prtmera cadeira, 4 diias na segunda e 4 ditas na j)0oo, cal preta 80 alqueires, Mnuaes encvclope-
terceira. -... dicos 20, historia de Simo de Nantua 20, oduscu-
Vicente Candido Ferreira Taurinao, 3 justifica- |os de Moral religiosa 30, Economas da Xhu-,
das na pnmeira cadeira, 3 ditas na segunda e 3 niana 30, Kesumosda doutrina christaa30, caTtas!
Vi.ditas na terceira de A B C 100, taboadas 100, traslados de bastardi-
oel Leocadio de Lima, 3 jusficadas na pn-
meira
seudo
Magnficos espectculos.
Elaboradas allegoiias <& \
Camponezes histricos.
n'um estyld muito interessante fra das capitaes
do velho mundd, serao os caractersticos das rc-
presentacoes desta O.slacao.
Amanhaa serio pubKfiados tnais alguns prome-
nores enr matorias de intefwae para o publico.
W. T. B. Van-Orden Jnior,
Secretario-
LEILAO
AVISOS MARTIMOS.
Francelino Bernardo Qumteiro, 3 justificadas na mass0S) lapis 12 duzas, gomma arbica 5 libras,
. 2 na ter- ferro nglez em barra de 1 1/2 pollegada de largu-1 das, passageiros e^iTheYro YTretT atTdia'Ta
primeira cadeira, 3 ditas na segunda, e
teira nao justificadas.
Manoel de Lentos Souza Machado, 2 justificadas
na terceira cadeira.
Jos Baptista Gitirana, 4 justificadas na primei-
ra cadeira, ,' ditas na segunda e 4 ncmsive 1 sab-
batina na terceira, sendo 2 nao justificadas.
Joaquim Panlta Bastos de Oliveira, 4 justifica-
das na primeira cadeira, 3 ditas na segunda c 4
na terrena, sendo 1 nao justificada.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
\avega?5o costeira a vapor.
II.HA DE PEONANDO DE NORONHA.
No dia 14 do correntemez s 11
horas da manhia segu para a
11 ha de Fernando um des vapo-
res da companhia que receber
carga at o dia 12. Encommen-
Armarfto ,t(> una taberna
Riia do linp "<' *
Setta-ftra \\ de f rento.
A8 11 HOtlAS.
Antonio Jos Teixeira por interveneao do agente
Simoes, far leilao da armacao cima, cm bom es-
eslado, e pintada de novo, em locitJidade vantajoza,
garante-s a chave, e alugnel euramodo, com taes
utilidades deve haver e espera urna boaconcur-
renca.
AVISOS DIVERSOS.
COMPTABILIDADE COMMERCML
PELO
DR. WITRITVIO PINTO BAJTDEIRA
Professor di segunda cadeira do Cursa Caar! PerranbMara
LOTERA.
ra e 3/8 de grossura 50 quintaes, carvio de pedra
20 toneladas.
Para a capella do presidio de Fernando.
Um ornamento branco completo, 2 caadas de
vinho branco, 1 arroba de cera branca cm velas de
libra.
Para o hospital militar.
Tijellas de lonca azul medindo 12 oncas d'agua
100, chicaras e pires 24, calix de vidro 12, garios
sahida s 10 horas
Forte do Mattos n. 1.
da manhaa : escnptorio no
Lourenco Bezerra Cavalcanti de Albnquerque, e facas o duzias, colheres de metal principe 6 du-
l justificada na primeira cadeira, .1 ditas na se- zas> ^ c flecha 30 arrobas,
gunda, e 1 justificada na terceira. para 0 70 batalliao de infantaria.
Custodio Jos Leito de Salos, 5 justificadas na Casemira amarella 44 e meio covados.
primeira cadeira, 7 ditas na segunda e 6 ditas na Quem quiacr vender taes objectos aprsente as
terceira. suas propostas om carta fechada na secretaria do n* costme, segura para os portos do sul.
Joao Silverio Marques Bacalho, 6 justificadas consellio, s 10 horas da manhaa do dia 9 do Dcsde Ja reccbem-sc passageiros e engaja-se a
na primeira cadeira, S ditas na segunda o 9 in- corrente mez. i carSa 1ue v?Pr Poder _condnzir, a qual dever
lusive 1 sabbatina ditas na terceira.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Espera-se dos portos do norte at
o da 16 do corrente o vapor Cm-
zeiro do Sul, commandante o ca-
pitao de mar c guerra Gervasio
Mancebo, o qual depois da demo-
na primeira cadeira, 4 ditas, na. sog
na terceira. y
Francisco Aniintasdaiosta Barros, 1 justificada
na segunda cadeira 11 2/aitos na terceira.
Jerunymo Cabral Rengues Chaves, 1 justifica-
da na pnmoin 2*V| f Qita na terceira.
helis jos de Souza Jnior, 2 justificadas na
primeira adeira, 4 "na segunda e 5 ditas na ter-
cena.
Sala das sessos do conselho administrativo, para; ser embarcada no dia de sua cheeada cncom
""ndas e dinheiro a frete ate o da da saluda at
de
'- oaia uao t:^uo^ uu wiijiuif auuuuioudtMU, lidia-----------\: V C,S------V-j*
Magno Bruno Manpies Bacalho, o justificadas foruecimento do arsenal de guerra 3 de setcinbro'mendas e dinheiro a frete ate o da da saluda as
sogi'jida,eJLd;jo>; de J863 horas: agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio (
Antonia Luiz''de Oliveira Azevedo d C.
.mo...
Ai Pedro de S Baireto.
Coronel presidente.
Sebastiao Antonio do Reg Barros,
Vocal secretario.

.I11I/0 dos icii cional.
No dia 10 do corrente, na sala das audiencias,
s fetos da fazenda,
pelas 10 horas da manhaa, se vender cm praca
publica um sitio no lugar dos Butrins, em Olinda.
Trujano Viriato de Medeiros, 2 justificadas na Cm casa ue morada e olaria, avahado por 3:0005,
AfHIA
rt1!i''0a',"i'n Dominues Cameiro, 3 justifica- na presenca do Illm. Dr. juiz d.
as m *Imeirjw^L. 1 dita na segunda, e 1 -
dita na terceira.
COMPAiJHIA BRASILEIRA.
v DE
PAQUETES A VAPOR.
- (Juarla-feira 16 do crtente seextrawr
a segnnda parte da segunda lotera da Santa
Casa da Misericordia.
Os bhetes e meios bilhetes achara-se
venda na respectiva thesouraria, ra do
Crespo n. 15, e as casas commissionadas
ra da Inaperatriz n. 44, loja do Sr. Pimen-
tel, roa Direita n. 3, botica do Sr. Chagas,
e ra da Cadeia n. 45, loja do Sr. Porto.
Os premios de 5:000/ at ^0& sero pa-
gos urna hora depois da extracpo at as 4
horas da tarde, e os outros no dia seguinte,
depois da destribuico das listas.
|0 thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
XiOTERIA.
O thesoureiro das loteras desta provinl
i ca, desejando extrah-las em maior capita-
c com menores intcrvallos, offerece a vanta-
:gem de dous por cento quem comprar
para negocio, na quantia de 100( para cima;
DOl'S BELLOS \ OL MES El 8. FR1XCZ
COMPItEHKXDESDO
O prlneiroPreleeeeH (heorleo-pratleas de e*er!pi
rafo naercanill.
O segundo -XoeSes de arlthmellea ra-
me re al. adaptadas prallea das operaees -
merciaes e elementos do sysiema
Mtrico con suas appllcaedes
ao commerelo.
PRECO DE CADA V0LUME 5A.
ditas na segunda c 2 ditas na
nda
primeira cadeira, o
terceira.
Vctor Isaac de Araujo, 3 justificadas na pri-
meira eadeira, 4 ditas na segunda e 3 '/i ditas na
terceira.
Alfonso Jos de Oliveira Filho. 8 justificadas na
primeira cadeira, 2 ditas na segunda e 1 dita na
terceira.
Francisco Antonio de Freitas Barros, 2 justifica-
las na primeira cadoira, 3 ditas na segunda e 4 na
terceira, sendo 2 nao justificadas.
Antonio Pereira Camello, 1 justificada na se-
gunda cadeira, e 3 ditas justificadas na terceira.
Jos Fiel de Jess I.eite, 8 justificadas na.pri-
meira cadeira, ti ditas na seguuda e 9 inclusive 3
salibalinas ditas na terceira.
Mauoel da Costa Honorato, 1 justificada na pn-.
meira cadeira.
Fclippe altro c Castro, 2 justificadas na primei-
ra cadeira, 1 dita na segunda e 1 nao justificada
na'terceira.
Forain justificadas as faltas da primeira cadeira
do quinto anuo, com nlaeao ao mez de jando, que
anda O nao havjain sido.
Secretaria da Faculdade de Direito doRecife, 2G
de agosto de 1863.O secretario, Jos Honorio Be-
zerra de Untes**.
O Dr. Mauoel ticntil da Costa Alves supplente do
juiz municipal da segunda vara e proyedor de
eapellas e residuos, nesta cidade do Beeife e seu
termo, por S. M. 1. e Constitucional que Deas
gaarde, etc.
Faco saber aos que o presente edilal virem que
jwr parto da junta administrativa da Santa Casa
de Misericordia, foi dirigida a este juizo a pet-
fao seguinte
penhorado a Caetano Goncalves Pereira da Cunha,
qual depois
me seguir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros
delles ser feito logo que sejam rcebidas as
c engaja-se a ^45 e novos bilhetes remedidos. O the-
para pagamento do que o mesmo deve fazenda carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
nacionaf. Recite 2 de seteinbro de 1863. ser emiarcada no dia de sua chegada: cncom-' SOureiri)*eriO da conveniencia desse negocio,
O solicitador,
Francisco Xavier Pereira de Brito.
CIRCO
GRANDE OCANO
AO PARA.
Vai seguir com brevidade o hiate Lindo
le, capitao Antonio Maria da Costa e Silva, eso lhc-
resia lugar para um terco do seu carregamenlo;
tratar com o consignatario Antonio de Araeida Go-
mes, ra da Cruz n. 23, 1." andar.
Para Lisboa
vai sabir no dia 20 do corrente o brigue porttiguez
Bella Figueirciisc, capitao Jos Correa de Carva-
lho Sobrinho, ainda pode receber urna pequea
quantidade de carga e passageiros, para os miaes
tem excellentes commodos : a tratar com o con-
signatario E. R. Rabello, ra da Cadeia n. 55'.
mendas e dinheiro a frete at o dia da sahida as 2 convida aos Sr^-.-ommerciantes da Victoria,
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de Goianna, Rio FormoS&vNazarcth, Serinhaem
Anton.o Lmz de Ohveira Azevedo Si c. e mais localidades pnpnlos'aTtkKprovincia, e
mesmo os desta capital, que o quilCTem, a
entenderem-se com elle, na thesouraria das
loteras, ra do Crespo n. 15: advertndo~
que receber em pagamento e sem descont,
os bilhetes premiados de todas as loteras
t da provincia recolhidos thesouraria da fa-
zenda provincial.
Thesouraria das loteras, 20 dejunho de
,1863.
0 thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Esta (Ara, aperar de elementar, vem preenrher urna laruna. pie era *attfa nar* afe 1
onde fallecen escMptm e certas especialidades com accesso a todas as inlr1lifr<>iMia s *m~\
smi o editor peroia fazer um tendeo daudo-lhc pqMieidade, tanto mais qnanfn hoj>. im$> a 1
transaceoes corrnierciaes e indusfriaes van entre nos tomando nolavrl d^envorrinM-Mo, err '
entrar na educaeij darnielles que se ootrem apphrar a taes ramos da vi.la o nlnriiwiii '
dos principios da coraptabilidade administrativa e rommerrial.
Com este intuito, seb urna forma eseeneialmente rlassira. renniu > Sr. Dr. WArar oc
principios da coniptabilidadc commercial no que Mu afln de mai- elementar. n
os de mudo a facilitar o mais possivel o s<".i esludo s pesaias (ne si- d.-iuiam >
comnierciacs, sendo taes a eoncisao e a clama postas no dpsenvo/vmvTil'. rr^rnth* de-se aprender a materia, rhegando-se a escripturar os livros |w>r partMln- 'W.radas n
car o clenlo s operaeoes do commercio, sem carecer da mternmtm> l \\m imHrr.
O primeho voluie, formulado sobre a obra de Bei trand. occn-' mal r pimliu1
da escripturacao mercantil pt>r partidas dobradas, cojea utiwijiiui aw mawMmi *m km-
monia com a legislaco brasiloira, contendo alm disto nm iiiiporranii->rmo i|.|Hn,lii-e ifci '
as sociedades commrciaes eni todos os seus mo\ vientos, quer |wl M da ^nptnnrt, 1
quer |>elo da formacao, existencia c extiiieco deUae em lace da le Xtsie ammmmt, rtnp.:-
cadamente recommndavel por su.: originaJidade e fmtowukotmamriamuam lm*i
^ mereiante urna guia para sua aira fio, ipialnuer qo< raja 1 tbnm da nrMara qrfe rom
Completa este VOtQBM O specimenourasnmo de nina 1 cripliiraeao. fc-rieia f'-rihilc. dm
tudo scmelhante de urna casa de commercio ordinario, oflenrendo nm *rr*r de apenara i
successivamente mais diliceis, que assim inicia gradualmente a man-ira de r iriafiarai
nos differentes livres de urna casa de commercio.
O segundo, egualniente brandado sobre a obra de Knltnger, oernpa-se nartirnbrn
da arithmetica commercial com exercieios e problemas |*-1o m-io mai- -impk- I
da regra conjuncta. acerca de todas as operaeoes praliea< nsoaes n.. rwwairt>. envoli
clculos de cambios de praca praca e |>or praeas intei......|.-.-. bm raen tmfftm ib U
com arbitragens de cambios, alm do dcscnvolvmenlo do s\stema nutrico -ni iras r>-la
com o commercio. Ilustrado por meio de tabellas de WTirara.
O editor nada mais accrescentar otas breves palavra. que a*si- H-moTVrMi al
portancia real desta obra, devida a intelligencia e a applieacio raranda ibi ,' ,,,1^ m
que ella de ntilidade geral. e que a nenbiini commercianl mesmo ,. ;,., ,p nm ov M-
ti^as licito deixar de possui-la em sua estante ; pois 0 rommerrk/ ,.'m .,ia. vahad ftw-
cjcs, emende actualmente com tudo que se Hga 1 ida. *
A assignatura toma-se as li vi arfas dos Srs. Goimaries y 1
za, Juliao & Pereira e Geraldo II. de Mica, arado realisada *naL
volume ao sabir do pelo, para o qual ora entra o primej;,,.
o ranai
NOVO ESTA8ELECIMENT0 DE MEDICINA HOMEOPATHICi
RA IVfA Ha 4:i.
*
' Oliv.ii. \\r
iii|X'ii".v-i.i |la qt..ia A'
Sm-,


Precisa-sc de um caixeiro que tenha bastante
pratica de taberna e d fiador sua conducta : no
pateo do Terco n. 141.
*
?in da
Para a Baha vai sabir com mnita brevidade De boje at sabbado tem para se vender com
o veleiro patacho I). Ijiiz. capitao Jos Teixeira de pouco dinheiro 4 nulas do serto e 1 cavallo : a
mu\m k mm
Director geral.=Car/us /. Rogers.
O director respuilosainente se refere a alguns dos
la
Diz a junta administrativa da irmandade da San- ,,,a\u.*mnln. ,.,.,
a Carada Misericordia do Recite, .pie quer fazer S22^!*.?.*?10 ^m.podido ef-
ia uasa ue .Mise icouia uo necue, que uuei iizui r...... ,-,.,,,.,, f, _X ----.';.....
cita, a Francisco de Paula Boiges Ucl.oa.llorador ^^IC52J0 d aP^?^
na Piranga freguezia dos Aforaras, para avaliacao, Z T^ ^^^ Pr""eira Cldade
atempaclo, e segmmento da appellacao porelto h^^T.n^^r?/?h2S?S^l, SSMJ?**"
internos-la da senten.-a nroferida r este iuizo. es- ^'^d *,"?'naiaullias de aleen do Equador, c
Azevedo, por ter a maior parte do carregamenlo
prompto : para o resto trata-se com os consignata-
rios Palmeira & Beltrao largo de Corpo Santo n.
4, primeiro andar.
Rio de Janeiro.
O veleiro hiate Cursor, capitao Jos Ignacio da
Silva, segu sem demora: tem parle da carga
pi'ompta, para o resto trata-se com Miguel Jos
II io Ir Janeiro.
O patacho Social. 1* classe e l1 orden.
O Dr. Sabino O. L. Pinhomudouo seu CONSULTORIO para aloja
ra Nova n. 13, onde continua a dar consultas lodos 00 das ubi- doral 9
2 huras.
Os enfermos, que o procurarein logo na iii\asi.i da nu>li'>ti;i, svni iju. Lijara mad'i qualqui'i' remedio, era allopranico, nem bomenpailik-o, pagaiao n>*h ibs petfe
estipulados. Esta conCOSSiO tem por fim facilitar a cura de molestias, qne pndni t'-raar-
- Aluga-se o segundo andar do pateo do Parai.- se complicadas pelos emprego intempestivo da llierapeiitita e ao mesmo ln -. ?.'ijjrTK
zo n. 39: a tratar na ra da Roda n. 17.______'_ para a homeopatliia maior numero de adeptos [iela batea da can.
I.ouis Cahors. subdito francez. vai a Europa. Km attenrao as pessoas pobres, que DO podent salir de dia. ( Dr. SalntH' reaol-
~$ en dar doss consaltas por semanas as tercas e sextas-feiras dra km raan l>ras da
VA.WLTAH. inoik'-
tratar com o proprielario em casa do Sr. Pedro
Pueclic, ra do Trapiche, hotel da barra.

O Si". Antonio i'ereira de Oliveira Maia tem
artas de importancia, viudas do Cear, na ra da
Cruz n. 23, 1." andar: roga-se ao dito scnbor o fa-
vor de as procurar rom brevidade.
Os chamados para visitos e conferencias devein ser dirjfridi> mu- :(.. c
soltorio desde 8 horas do dia at 8 da noHe, na eert za de que sero at
de sua precedencia, salva a circomstaneia de eramente parigo.
inlerposta da senteoea proferida por este juizo, es- s direclor fl ^ arls[as CX|)er]|,- hrcve: ain(la rW(.bl ainnia ,.arga 6 freIe
vos: trata-se con *
Corpo Santo n. 6.
SStMfeSE tzs^ZXS.. Nra
\i\i:a 1 i:\cia.
O novo consultorio eeti prvido das mclhores oradicoal l"--
derley sobre partes como autora a supplirante por
tanto pede ao Illm. Sr. Dr. juiz provedor dos resi-
duos assim o delira.Espera receber mere.
Como procurador, Jos Theodoro Gomes.
Km a qual petico foi proferido o despacho sc-
goinic:
Despaclio.Como reqoer. Reeife i de agosto1
de 1803.Araojo Barros.
Certifico que naocitei ao mencionado Francisco :
de Paula Borges l'choa, mn/ue-jiwdff'fflw dirigido1
aositiu dcwttflhado Bebedoro na freguezia dos
'' ISlraSS Sna^riSmld^lTJSSS
aaOsCiniOlllia- n.,iir..w tlll-lilonlac lHU*h... ...,llr._.- .1.
brado com eterna gratidao.
O porlalil ainphiiheatro acha-se augmentado com I
120cadenas addicionaes; proporcionando umaug-
melo de commodo em o inesmo theatro, o qual
tem sido preferido na escolha popular o de bom
tom e at mesmo os camarotes. I
Jfint ussentos yeraes
leem sido prvidos, o entradas c sahidas muis espa-
cosas, dando desta sorte, um ar de um elegante '
theatro lyrieo.
Vina cerca porttil
abias realisa o que o cor- at a trigsima dviianiiiiisacan.
?ZXX?& /E como os mdicos bespanl
LEILOES.
',
DE
ranlo pessoa que sobre o dito l'choa
pijes eiiconlrei o dito sitio como desertoe voltando
esta cidade fui ra da Praia onde o dito l'choa
tem armazem de carne secca ahi encontrei um li-
Ibo do mesmo administrando o dito armazem o
qual deelaiou-me que seu pai andava jwr fra em
cobrancas e que nao sabia do lugar.
O referido, verdade sitio, do Bebedouro. 8 de
agosto de 1863. O ofllcial do juizo Joao da Costa
Braga.
E pela supplicante igualmente me foi dirigida a
replica seguinte :
illm. Sr. Dr. juiz provedor dos residuos.Diz a
supplicante que da cerlido supra. v-seque osup-
plicado, ou se oceulta para nao ser citado, ou est
fra desta comarca em lugar que sua familia igno-
ra, e assim requer a supplicante V. S., que se
irva mandar passar carta de editos. com o praso
de 30 dias, para ser o supplicado citado por lodo
COOteudo na peticao retro, pelo que espera rece-
lar meic.Como procorador, Jos Theodoro Go-
mo.
Despacho.Como requer. Reeife 10 de agosto
de WB3.
Nada mais se continha cm dita peticao eo mais
aqui copiado.
E para que chegue ao conhecimento do sappli-
cado Francisco de Paula Borges l'choa mandel
passar o presente, pelo qual cilado para todo o
contendo na peticao ueste transcripta, com o pra-
zo de 30 dias, qu ser adiado no lugar do costu-
me e publicado pela imprensa depois que tirar
passado pela chancellara.
Dado e passado nesta cidade do Reeife de Per-
nambnco, aos II de agosto de 1863.
Eu Galdino Themistoeles Cabral de Vasconcellos
o subscrevi.Manoel Geiilil da Costa Alves -paga
230 rs. de direito de chancellara por parte da San-
ta Casa de Misericordia.
Reeife, era supra.Vasconcellos.Kstava o sel-
lo das armas imperiaes com a verba seguinte :
X. 22400reta.-Pagos WO ris. Recite, 13
de agosto de 1863.Franca.Chaves.
X. 103. -Pagou 230 rfsj de direitos de chancel-
lara.Recebedoria, 13 de agosto de 1863.Cal-
laca. -Chaves. *
Eslava o sello da chancellara.D. francisco
Balthazar da Silvera, presidente.
Transitou pela chancellara. Reeife, 16 de agos-
to de 1863.O esenvao Francisco dos Res Nunes
Campello Junior.
I^an^ada a foihas l> do competente livro n. 13.
Reeife, 14 de agosto de 1863. -Campello Jnior.
Est conforme com o original. Reeife 18 de
agosto de 1863. -O cscrivo, Galdino Temistocles
'Cabral de Vasconcellos.
MaHA. H
pessoas turbulentas que costumam collocar-se da flldl WW
parte do exterior; emquanto que Mj9 Ach
Uu pautado ti prora d'agua I arenle Pestaa fara leilao por ordem do Illm. una opl
cobre o lodo deste edificio, tornando-se desneces- ^r cnsul de S. M. Fidulissima e por conta e ris-! de te
sario o sabir para fra por causa da chova, como co dc 1uem perleucer do expolio do finado Do- los os'
se deram alguns casos o anno passado.O cumple- mingos da Costa Meira, consislindo em diversos cha
to estabelecimeuto estar todo ; objectos de mohilia nova a Luiz XVIII que se acha- i (ori
llluminado pelo interior e exterior I rao patentes na aravessa do Carioca n. 3 (ra dajrarqne
de maneira que os concurrentes nao lerao de hilar Prai:l : quarla-fcira 9 do corrente pelas 10 hora
na eseuridao para chegarem ao seu destino. da manM ,a-
Mudunrns importantes --------------------------------------------------------------------
se tecm eftectoado Ros artistas: aquellos que eram:
mediocres, leem sido substituidos por non plus ul-
tra em lodos os ramos.
Analjse.
f O manhoso com suas labias
If^u^fk^^^^^^^^ Ecomo os mdicos hespaohoes e aHamfas 1*3 rayara de rtjrawa
! manilas s a prevertjao pode descobrir : o manho- cacia das ultissimas dyiianiiiiisaeocs do tratamento das molestias clineiicas. o Dr. SaNn. W
I so mais perigoso que o salteador! ilude, sedoi oceupa agora de elevar os seus medicamentos s potencias arate altas ( por ora at > )
> afim de verificar por si mesmo a terca dynamica, que se Ihe atUibue.
Os mdicos, que quizerem experimentar taes (Unaminisacoes podnfe diricir a
consultorio suas receitas, que serio aviadas grataitamente para oa poifw.
No mesmo consultorio se vende a novissima edico do Thesonro AoraraMW'Ca
ou Vademcum do homeopalha, obra indispensavel a dos que queivro asar da horaea
pathia.
Tudo o que diz respeito nova medicina se acha abundantemeiit.' n<
aecimento.
nao seus interesses: o verdadero manhoso nao
j tem carcter, nem religlao, nao tem amigos, nem
consciencia : fecha os olhos a todas as desgracas
i com tanto que consiga seus libidinosos lins. sua
morada no covil das columnas.....
A-!i:l-!]i
iiniaopmWrJo
n
Os t cilios e novos artistas
sao actualmente cm numero miasi guai,
validade de competico que nao deixa de
ainda que amigavelmente, o publico lera
e na n-
existir i
occasiao
fiESJLAO
DE
SECLARACOES.
SAMA CASA I)K HhBKlCOKDIA DO
RECIPE.
A Illma. pinta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Reeife, tendo de contratar a pu-
blicaco de seus traba Ihos, convida quem convler,
a lemetter suas propostas em caria fechada no dia
10 do corrente s quatro horas da larde.
Santo Chrlsma em Iluda.
Autorisado por S. Exc. Kvm.1 tenlio de
administrar por alguns dias o Sacramento
da Confirmacao na capella dos Milagres da
cidade de linda, principiando a 20 do
corrente, pe as 4 horas e tneia da tarde. Os
chrismandos adultos devora confessar-se para
receberem o Sacramento era estado de gra-
ca. E ser5o as oTertas beneficio da mes-
ma capella. I
O conego
Joao Gkrimttomo de Paiva Torres.
PSEDIOS
IIOJE.
MISS
KATE ORMOXD
lem-se desenvolvido muito em destreza, graca e
belleza.
JOVE.N CARLOS FISII
tem-se aperfeicoado to rpidamente, que o torna
quasi que um velho artista na sua propria estima-
-o.
FERINAXD TOURXIAIRE
tem chegado "a um ponto tal de pcrfeieao, que nao
Ihe resta lugar para mais nada.
THEODORO TOURXIAIRE
tem rcduzido as qualidades na arte de montar a
cavallo a urna verdadeira sciencia.
WILLIAM DCVERXA
tem augmentado a sua etasticidade a um tal ponto,
de dar lugar a superficiaes snperstieoes populares
uo Rio da Prata, de goe ellealimenuva-se de gom-
ma elstica, produccao da provincia circuinvizinha
no Para.
JERRY WORLAXD
Apenas prehenche um passatempo. de algumas
dilDcultosissimas faeanhas acrobticas, e o resto da
companhia velha, provar que tem se desenvolvi-
do a passos agigantados desde o anno passado. Dos
de discernir al que poni o direclor foi incansavel k.,.,.,1., <.>:., n
afim de Ihe obter ama ampia provisao de ntrete- MUdMa-leira V UO COI'l'CUle, as 10 110-
ras da na 11 lia
O agente Simoes, legalmente autorisado, vende-
r em leilao um sobrado de um andar ein solo pro-
prio, situado praca de Pedro II n. i ; una casa
terrea tambem em solo proprio, situada ra das
Trincheiras n. 9. Os pretendemos queiram exami-
na-las 011 informarcm-se do referido agente, na
ra do Vigario n. 17. primeiro andar, aonde ser
effectuado o leilao.
lloga-se
pessoa que polio una capa do Senhor Rom Jess
dos Pobres Alflictos emprestada para um doente,
bajado leva-la quanto antes para nao ver seu no-
me por extenso.
Precisa-se de um estrangeiro para feitor de
[engenho: quem pretender, dtrUa-se praca da
Roa-Vista, sobrado n. 3, segundo andar.
Preeisa-se de urna ama que tenha boa con-
ducta, para casa de um homem solteiro, que rozi-
nhebem, lave e engomme : a tratar na ra do Vi-
gario n. 17. primeiro andar.___________________
Edward Hughes, Mary Hughes, e o menor
Thomaz Hughes retiram-se para fra do imperio.
A pessoa que annunciou para comprar una
taberna,dirija-se a ra Augusta o. 112 ou Ili que
se dir quem tem.
PR EBIOS
As 11 horas do dia quinla-feira 10 do
corrale.
A' porta da assocta^o Com-
mercial.
O agente Pint far leilao a requerimento dos
novos artistas, b publico deve estar reservado para curadores fiscaes o depositario da massa fallida
urna nova sensacao produzida pelo joven edistincto de viuva Amorim A Filho, e por mandado do Illm.
cavalleiro o qual dotado de um dom da natureza. 8r Dr. juiz especial do commerelo, no dia, hora e
ANTOXIO CARLOS DO CARMO lugar cima mencionados, dos predios abaixo des-
stanto que, na pessoa do novo palhaco artifl- criptos, pertencentes a mesma massa, a saber :
) Urna casa dc sobrado na ra dc S. Bento em Olin-
da n.
Urna dita de dous andares e sotao assobradado na
^ ra da Cruz do Reeife n. :t8.
Um grande armazem na ra do Apollo n. 20, no
qual tem urna stima parte urna filha de D. Ma-
ria Sebasliana de Amorim.
cm iii^ix- .n. t ..iii \, |fiii-ii-'mi qui- ene acMjuvuive, cia casa terrea na ra da Gloria n. '".,
no francez, allemo, hespanhol e nglez, tornando- l'm ||tio na Pon,e de l'choa com grande casa de
se de urna maneira to engolfado as cousas espan-! sobrado.
tosas que este genio universal faz : quo semduvida l dito no inesmo lugar, com casa terrea e solio,
passarao em claro os erros que elle porventura Um Sl.t10 na Passagem da Magdaleua com casa di-
haja de commetter algumas vezes miquillo que elle YJd'MPaia "ous inquihiios.
entr
cioso
AXDREW LEHMAN'X
O direclor espera que tenha prvido o fim dese-
jado e que ser tambem recebide aqui como elle
tem sido cm Franca, Rerlin, Madrid c Nova-York.
O publico generosamente relevar a este formoso
artista a sua comparativa ignoraucia na lingua
porlogueza, com o progresso que elle desenvove,
Os pretendentes podero desde ja examinarem
os referidos predios, podendo oliler dos curadores
fiscaes ou depositario da mesma massa ou do agente
encarregado da venda qualquer informacao a res-
quer exprimir.
Entre os classicos gvmnasticos
OS IRMO'S ROLLAXDES
Guilhermc & Hcnrique, alguina colisa de una cas ,
se mais limpa e elevada, est para ser vista, e su-; Pe" dos mesmos predio?,
perior ao que tem sido produzido neste ramo d'arte.
LA PETITE ANNETTE
c urna senhora em miniatura, um modello em ra-
liidez na maturacao da arte de andar a cavallo e
equilibrio e do que o publico nao pode conceller
ama idea approximadaj de antcmSo ; e com a coo-
peracao de i
MADAMnXLEHMAXN
o Ballet ser um dos vultos do circo ocano.
OS SBEa* CAVALLOS
f&rfio justiea Mfdracao doestanelecimentoneste
particular. -4- Alguns tem morrido c outros novos
repostos em sou lugar, porm o Hirain reconhece
os direitos quo elles toaos teem como artistas no
seu modo d* execucao.
LEILAO
H
Fazendas francezas.
Quinta {eir 10 do corrente.
Cals 4 Irmao faro leilao, por interveneao do
agente Pestaa, de um completo e variarlo sorti-
mento de fazendas francezas, como sejam organ-
dis, casemiras, paletots do diversas qualidades, lo-
ras, chapeos, marroquins, chapeos do seda para
cnuva e nmitos outros objectos qno serao paten-
tes, quinta-feira 10 do corrente, em sou armazem
ra da Cruz.
lia a^ida em 11:21 olho
es que filo.
me bastanamente accommettido dc
na aguda em um olho esquerdo depois av
rade por todos os meios medicamen- e^|
ngicos, resolvi-mc anplicar urna das '
sdoSr. Ricardo Kirk eomescrp-
Parto 11. 119; e posso-lhe asseve-
perfeitamente hom no peimeno es-
paco do lo dias. Aprov-iioao occasiao para agra-
decer ao dito senhor por meio desta folha para fa-
zer eonheccr publicamente o grande beneficio que
recebi. Rio de Janeiro (S. Christovo).
Jacintho Severino de Medeze.

*<*>^>*'. ~v*.r^ e^ff^ rv*-jvp. 'V&2VS -viiv^ */^'' ^/JV^ af1XAO^ABflAflBflBflra
INTERNATO
DE
m
m
ATTMNQJkt.
O procurador da cmara municipal de Olinda,
abaixo assignado, avisa a qu'in convier, que o si-
tio dos Rutrins, penhorado por parte da fazenda a
Caetano Goncalves Pereira da Cunha. e que tem
de ir praca no dia 10 do corrente. peranleo Illm.
Sr. Dr. juiz' dos feitos da fazenda, foreiro mes-
ma cmara devendo, portante, o arrematante pa-
gar os foros vencidos e o taudemio respectivo.
Jos Joaquim Xavier Sobreira.
F2)o
ESTABELEC1DO NA CIDADE DO RECITE
Director0 bacliarcl em mathematicas
BERNARDO PEREIRA DO CARMO JUNIOR.
O director do internato de S. Bernardo, aceedondo aos pedido- de varios paes de
respectivos collegiacs, e de outras pessoa? desta raptad, removeu o sra nraararirarara
da Caponga para esta cidade.
Nao tendo evitado esforcos nem sacrificios para pro|mrrionar ros seos alumno*
urna perfeita educacao pliysiea' moral, inlelleelual e religiosa. olTeieceido-lli- urna ha-
bitaeo com bastantes eoiidicoes de salubridade. habis professores i|ii i aa soroi en
prepara-los convenientemente ao fim que se deslinam. medico pratieo que lliesfaca
comprehonder os preceitos da hygiene a Ibes cure das doeneas. e lina'.menai nm sacr-
dole Ilustrado c honesto que Ihes explique os principios da religo enristib. e*|Tara
assim constituido niio deixar o seu estbelecimento de merecer dos Srs. pa de fami-
lias o auxilio c confianea com que j alguns o ton honrado; e Ihes roga, Umi eran a
todas as pessoas inleressadas, que se dignem de visitar o mesmo s onde sempre encontrarao franco ingresso.
O collegio tem a sua sede no espaeoso edificio n. 32 ra da Aurora, ront.gao ra
do collegio dos orphaos. ,
Nos estatutos do collegio. que esli dwpesieao de qnein o-apuzer le. s achara
consignadas as condicSes de entrada e matricula as diversas aulas do estaMnf-
mento.
Precisa-se alugar urna prela para o servieo
de urna casa de pouca familia : na ra Velha, so-
brado n. 43, segundo andar.
Alugam-se duas escravas, sendo urna que
lavae engomma: a tratar na ra do Hospicio nu-
mero 24.

Alugam-se tres mei-aguas na ra da Arrai-
caous. 1, 3 e 6 : a tratar na ra do Rangel, taber-
na n. 7.
PROTECCO
Msicas para piano e caate,
de luttis as farras e
vende-si iiaralissicnj para
acabar.
O NOVO
PROTECClO
urna pnlccira compast de contas de
cornalina ene una-la c conlas de 011ro,
atrirnand nma*e ontras: quem livor
achado e qnizer entrcga-la dirija-se
Injatli'wiiri>c> na ranlo r,(HM n 3,
casa do Si*. SU noel Antonio Goncalves,
que ser i-ecunipens do.
- 0 Sr. morador da ra.....
que devendo doas asignaturas deste
Diario, urna de 6 mezes, c outra de
tres mezes, illmlio o caixeiro da lo-
ja dc livros da praca da Indepen-
dencia, asseguranao que urna d'ellas
pertcncia a assignante, para se Ihe
levar menos p eco, queira >ic deci-
dir essa dovida alias se publicar o
seu nome.
Mnsk-ss para pian* r caat*
de todas aa forras t
vendc-s baratisidraa rara
acabar.
i:**tabi:i.i:c 1 ti 1: tito
DE
Jos Gomes Villar na ra do Crespo n. 17, ost-mioo mais htm surti-
do possivel espera merecer a proteceo do publico em geni.
Cortes de Ida muito bellos
deIkadissimos corles de laa com barras o njellior ue ten nade a esta praviacia
rgandis de padrees delicados e muilo fiaos a 100, a 210 e a 2S0 rs.' a cavara.
Uas de qnailros muilo chiques a 320 rs, 1 cinade.
Para noivas, teaus.
0 rico vestido de blonde com sua masa bonita e sua grinalda dr muilo wsto, to-
mos a rambraia de linlm para camisas, tomos as sajas bordadas, teos Mtouflraa, ra-
mos n halio mnilo redondo e muito caique, temos ra ricos cortos de rambraia
bordados, temosbramaite belga para lencoes, temos a krelaima para cania
a selecia ou o csgnUo para osIabjrinVoos, temos as cajias pretas a Luix XIV, tonos a cra-
pelina a Harta Pa com o seu veo muilo chique, temos as entremeios larras ricanewebar-
dados coma ninyuem lem, proprios para enfettos dc ronpas brancas. Assln cano tonas ai
fazendas arima mencionadas e militas aatras, que seria enfadonho menoraar.
No ac esqHe^aravfregneaea, at lag.
MUT1LADDn
***
*--

II


f
'
**>
f
i
-
|Al


Diarto de Pernambuco <*uari> lelra O de *etemIro de i 8AS.
LOTERA
CASA DA F0RTUi\4
O abaixo assignado vcndcu cm seus felizes bi-
at!S Prantitlos a sol le de 5000 e outras de
100,5, 405 e 205 da lotera que se acabou de ex-
iralr a beneficio doGymnasio e convida aos pos-1
suidores de dito bilhetes a virera receber seus:
respetivos premios integralmente sem descont'
algum em seu estabeleciraento Casa da fortuna
ra do Crespo n. 3. |
O mesrao tein exposto a venda em sua dita casa
e as outras do costumeos novos e folizos bilhetes
da segunda parte da segunda lotera a beneficio i
ta Santa Casa da Misericordia que se extrahir a I
Ifido corrente mez e as sones que clles obtiverem j
sern pelamesma forma pagas urna hora depois ,
da exlracrao. |
Presos.
Bilhetes inteiros..... 65000
Meios bilhetes,..... 35000
Para as pessoas que -compraran
de 1005n;ua Bilhetes........ SJBOQ
Meios......... 25750
Manort Marttns Fiuza.
DE
DE
J. VIGNES.
X. 5 A. RA DO IMPERADOR X. 55.
dril
Aluga-sc una sala com dous quartos rauito
frescos proprios para os senhores advocados on
cartorio, no primeiro andar do sobrado da ra do
Queimado n. 41: a tratar na loja.
Os pianos desta amiga fabrica sao hejo assai conhecidos, para que seja necessario insistir sobre a
sua superioridade, vantagens e garantas que offerecem aos compradores, qualidades estas incontesta-
vs qu c jelles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tom apparecido nesla praca ; pos-
uindo um teclado e machinismo que obedecem todas as vontades c caprichos das pianistas, sem
nunca 'alhar, por senem fabricados'de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos importan-
tssimos para o olima deste paiz; quanto as vozes sao melodiosas e flautadas, c por isto muito agrada-
veis aos ouvidos des apreciadores.
Fazem-sc conforme as encommendas, tanto nesta fabrica oenio na do Sr. Blondel, de Paris, socio
correspondente de J. Vignes, em enja capital foram sempre prermados'em todas as exposieSes.
No mesmo-estabelecimento se acha sempre um esplendido e variado sortimento de msicas dos
melhores compositores da Europc, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido
por precos muito razoaveis.
NOTICIA NOTICIA NOTICIA.
Cartoes de visita
Ahogare a casa da estrada de Luiz -3o Reg
n. 12, com bastante eommodo c quintal murado,
tambem ^e aluga a casa da ra Augusta n. -''i : a
tratar na ra do Virario taberna de Joao Simio de
Alweida n. II.____________________
. Aloga-se urna escrava i|iie lava, ^osinln e
engoma peifeitaiiente : na ra da Reda n. 17,
primeiro andar.
eldame Miedeiulorp, modista franeeza,recentc-
aeBte chegada de Pars, partiei|>a aos seus fre-
uezese a tois as pessoas (|uc se quizerem utili-
zar de seu prestimo. que transferio a sua residen-
cia da ra do Crespo n. 13 j>ara a ra do Hangel.
Ahiga-se um sitio naCapunga, com casa pa-
va numerora familia e com iianho no rio : quem
pretenda', dirija-se ao Manguinho, casa que faz
esquina para a ra da Aniizade, que achara com
quero -tratar.
APPROVA^AO E 11 TOIC ISAV VO.
DA
ACDEM!A IMPERIAL II imtU
E
JUNTA CENTRAL DE HYGIENE PUBLICA
ELECTRO-MAGNTICAS EPISPASTICAS
DE
RICARDO KIRK
-Para scrcui applicadas as partes affectadas, sem resguardo
uciu incoinmodo
Muito conhecidas nesta corte e ein todas as pro-
vincias deste imperio, pelos seus infallveis resul-
Jflerece-se urna muiher de idade para ama | lados em todos os casos de iuflammacao, seiain ex-
dfe casa de familia, para eiii.'ommar,e havendo pre- lernas ou internas (com cansaro e falta de respi-
clsao tambem lava : na ra Dircita n. 8o. rarao) como do estomago, ligado, baco, bofes, rins,
palpitacao de coracao,
Manoel u7
Lenios. subditos po
I'recisa-M' di
alione sua capaci-'
Vista n. 5-*i.
'a Silva e Miguel Marques de
es, vao Europa.
nara padaria que
o Rosario da lioa-
Casas para alagar.
Alugam-se as casas ns.6 o is da ra da Conquis-
ta con commodos para familia : a tratar na ra
do Subo n. o, taberna. ____________^^___
Precisa-se de urna ama para comprar e co-
zinhar ; na na Nova n. '!8. loja.
m& 0 bacharel Heraclo Vespasiano Fiock >||
"Ts Romano advoga nos auditorios desta o- ,.?
Jifa dade c pode cr procurado para os mis- "*_
.V teres de sua prolissao, das 11 horas da .;/
i manliaa as : da larde, no escriptorio do O
*? Sr. Dr. Horaes o Silva, na ra do Crespo "'.
*0' n. 13, entrada pela ra do Imperador, c \j|
* fra dessas huras un casa de sua residen- .,>
cia na ra do Cabug n. 3, primeiro ,T
' andar. |j
Precisa-se de um rapaz t'ortuguez ijue lenha
pratica de taberna : na rua do Socegg n. :i.
Amfa-se o segundo andar da rua do Crespo
i!. 15, por cima da thesouraria das loteras, decen-
1c para morada de pequea familia, ou para qual-
quer advogado : a tratar com o thesoureiro das
as.
19lina .\uva-I9
Frederico Gantier, eirargilo dentista,
taz todas as operacSes de sua arte, c col-
leca denles artiflei es, ludo com superio-
ridade e perfeicao, que as pessoas enten-
didas Ihe reconnecem.
Tem agua e nos dentificio.
ulero, peito, palpitagao de coracao, gargantas,
olhos, ei ysipellas, rheumatismos, paralysia, e todas
as affeceoes nervosas, etc., etc.
Igualmente para qnaesquer InehacJSes, ferdas,
tumores intestmaes e venreos, scrophulas, lobi-
niios, papos, ele., etc., stfjam qual for o sea tama-
ito e profndela, |wr meto da supuracao sero ra
diealmenti; extirpados.
tETs 77(777w?TaTrp,E,I'.'itt4azer maj_dc_ferna' -
guma, ellas tem sido applicadas aos olhos com o
melhor successo, vejain-se os attestados de curas
completas que j foram publicados pelos jornaes.)
O uso debas aconselhado o receitado por habis e
dstinctos facultativos, sua efficacia incontestavel, e
as innmeras curas completamente obtidas as di-
versas molestias em que foram applicadas, e fazem
merecer e conservar a confianca do Ilustrado pu-
blico, qne j tive a honra de merecer delle 2o an-
nos de existencia e de pratica.
N. B. Nesta corte e de todos os-pontos desta
imperio recebem-se participaoScs satisfactorias e
respeito das ditas chapas medicinaos.
As encommendas -fias provincias devem ser di-
Cartoes de visita
Cart5es de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Rua do Imperador
Rua do Imperador
Rua do Imperador
Rua do Imperador
\o% V HOSPEDARA
A TRAVIATA
Rua larga do Rosario esquina para a do Queimado
___ junjero 37.
O proprietario do conhecido hotel Trovador, ac-
Cedendo ao pedido de alguns seus amigos e fre-
guezes, que, por suas posices e scriedade nao
queriam tomar parte na geral concurrencia de seu
hotel, resolveu aproveitar o excellente sobrado cm
que l'unccionou a sociedade Corybantina c nelle
estabelecer urna hospedara, comaceiado servido,
buhares para distraccao e lunch presos razoa-
KA\(0 ITMI&O
ESTARELECIDO NACIDADE DO PORTO
Agentes em Pernambuco
Antonio Luiz de Ollvelra
Azevedo & C.
Sacam por todos os paquetes sobre o 1
mesmo banco prazo ou vista, sobre a
caxa filial em Lisboa, e agencias em Fi-
gueira, Coimbra, Aveiro, Vizeu, Villa-
Real, Hegoa, Vianna de Castello, Guma-
raes, Rarcellos, Lamego, Covilha, Draga,
Penaliel, Draganca, Amarante, Angra,
lllia da Tercelra, Ilha de Faias, Ilha da
Madeira, Villa do Conde, Valenca, Rastos,
Oliveira de Azemeis, Chaves e Fafe, a
oito dias vista ou ao prazo que se conven-
cionar,no seu escriptorio rua da Cruz
n. 1.
Aluga-se a casa terrea da rua Imperial n.
66 : os pretendentes dirijam-se Caixa Filial.
Para passar a festa.
Aluga-se um sitio com boa casa de morada
maFgcm do rio Capibaribe, situado na Capunga,
pertencente out'rora ao finado Joao Leite de Aze-
vedo : quem o pretender, dirija-se ao armazem de
assucar de Jos da Silva Lovo & C.
^n^Z^'T,;^ ,0 , as nefessanas expheacoes, seas chapas sao para .iik hosncdiria a viriertade do irti-.i
^ncm, senhora,meninopu_crianca,_declarando l\f^S^^^lZ&
molestia c em que parte do corpd existe.
dita hospedada, a variedade de artigos de comida
reserva cm
que estarao os concurrentes da freguezia de ou-
Para inchacocs, feridas, lobinhos, papos, etc.; tros de condicao, por ventura inferior,e a frescura
molde justo de seu tamanho em um pedaco de pa <|ue em dita hospedara sempre se experimenta,
pe, a declaracao onde existe, afirn de que* a chapa sao" seguras garantas que animam e fazem espe-
seja da forma da parte affectada, e para que possa rar as honrosas visitas da classe mas aceiada da
ser bem applicada em seu lugar. nossa sociedade jovem e alegre. Sol estes aus-
picios o proprietario da hospedara Traviata es-
PODE-SE MANDAR VIH DE QUALQUER PONTO DO IMPERIO pera a coadjuvacao de seus amigos generosos para
i darem sabida, medante preco mdico, a charu-
DO BRASIL j tos de Ha vana, licores inglezs c francezes, eerve-
As chapas serao acompanhadas das suas com- Consulta s pessoas que se dignarcm honra-lo ja Ijram'a eP1*0'3' floijos de prato, londrino e suis-
odtentes explicaces, e tamliem de todos os acces- com a sua confianca todos os da sem excepcao i s0' doces Ps'range'''os 8 nacionaes, e, em urna pa-
derios necessarios para suas applicacoes. das 9 horas da mahhaa as 2 da tarde lavra a ,odos os gneros de que est sortido, pro-
prios a um lunch variado, apetitosa o barato.
Na rua do Queimado n. 1 deseja-se fallar
com os senhores Gabriel Germano de Aguiar Mon-
tarroyos, Fernando Francisco de Aginar Montar-
royos e Joaquiii Francisco de Aguiar Montarroyos.
Os administradores da massa fallida de Joa-
quim Jos da Costa Fajozes Jnior e Fajozes. J-
nior &Azevedo, ainda convidam os senhores ere-
dores referida massa a apresentarem-lhes os seus
ttulos afirn de podercm cumprir o dsposto no ar-
tigo 8o9 do cdigo commercial : na rua da Cruz
n. 06.
A pessoa que annunciou querer com-
Drar tima taberna, dirija-se ao paleo do Ter-
1 12,
ESCRIPTORIO
Y. 119 RUA DO PARTO IV. 119
E EM PERNAMBUCO
Para as encommendas ou nformacoes dirijam-se pharmacia de Jos Alexandre Rbero,
rua do Queimado n. lo.
CRIADO.
Precisa-se de um criado, que tambera
j emenda de servico de sitio, dando-se 120^1
[por auno : na roa Nova n. 23, Io andar,
das 10 s 12 horas da manliaa.
Aluga-se o segundo andar do sobrado na rua
da Senzala Nova n. 42, com bastantes commodos
para familia : a tratar na mesma.
Precisa-se alugar annualmenta ou por festa
um sitio desde a Ponte de fe'cha at o Poco da
Panclla, com algumas aecommodaijoes, e que seja
perto de rio corrente : a tratar com Antonio Jos
Rodrigues de Souza, na rua do Crespo n. do.
U avogatio Joao Goncalvcs
da Silva Bontarroyos tem o sen ^
escriptorio Da rua estreita dojjf
Rosario n. 17, on4e pdc serl
procurado das 9 lloras da ma- g|
ii lia s 3 da tardo. __B
Alugam-se a loja do sobrado n. 193, e arma-
zem 171 da rua Imperial ; o armazem n. 4 da rua
do Apollo, e a casa n. 27 da rua do Burgos: na
i ua da Aurora n. 36.
C'ouipauhhi i seguros maril Irnos e ter- g
reslrcs cstabelccida no ^
Rio de lancho. 0
l AGENTES EM l'EPNAMBUCO fe|j
Antonio Luiz de Oliveira Azcvtdo 4 C, ^
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
dc, tomam seguros de navios, mercado-
ras e predios no seu escriptorio rua da
Cruz n. 1.
re.
Ainda est para alugar-se o sobrado na rua Arara, n, 50.
dos Coelhos n. 10, onde moraram os padres lasa-
ritas.
Ricas cobertas de Telado a 8,009 rs.
Vende-se ricas cobertas pare cama gran-
de, aveludadas, a 81000 ; ditas de fustao
para cama a 55000 ; ditas de damasco de
lindos gostos a 4000 ; ditas a 2(5000: roa
da Imperatriz, loja da Arara, n. 56.
Arara v4; chiles 500.
Vende-se chales brancos com pequeo to-
que de avaha a 500 rs.; ditos de tarlatana a
500, ditos de merino limpos a 30 0; ditos
de laazinhas finas a 1W00 ; ditos de Ra e
seda a 2)5000 : na rua da Imperatriz, n. 56,
de MendesGuimaraes.
J admira Arara como vende barato.
Vende-se ricos riscados com i i corados
a 200 o covado ; cortes de chitas com pe-
queo toque de mofo a 2OOO ; ditos lim-
pos a 2!5000 e 2.5500; ditos de cambraia
branca com palmas solas com urna vara
de largura a 2,5000, pecas do cambraia
branca a 2/500, 3)5000 e 3)5500 : roa da
Imperatriz, n. 56.
Arava vende as laazinhas a 320 n,
Vcnde-se laazinhas finas com quadrinhos
de cores a 320 rs. o covado ; ditas a 400,
ditas infestadas finas a 500, ditas de doas
larguras de urna s cor proprias para capas
de senhora a 500 o covado : na da Impe-
ratriz, loja da Arara, n. 56 de Alendes Goi-
mares.
Ob, qae pecbincha a 210 rs., dulas largas.
Vende-se chitas francezas com pequeo
toque de mofo a 240 rs. o covado ; ditas
limpas muito finas a 320, 360, 400 e 500 o
covado", na !ja da^ua da Imperatriz, 56.
'Arara vende ronpa relia para
liomeui.
Vende-se palitos dg casimiras nglezas a
, 3;j500, 4)91000 e 5,5000 ;~cacis~fJ8,ditas in-
glezas 2*000 e 3)5000/ coletes da* mesma
fazenda a 2<5000, carnizas france*s finas a
, 15600, 25000 e 2^"- ditas ing/ezas com
abertura de linho e prega larga a 3,5000,
seroulas francezas de linho a 15600 e 1580o',
chapeos do massa pretos e de cores a 1560o'
25000 e 25500 ditos de palha muito no-
vo a 25500, grvalas de seda de cores a
320 e 500 rs., lencas brancos finos a 25,
meias cruas a 120, oh que pechincha; na
rua da Imperatriz, loja e armazem da Ara-
ra, n. 56, de Mendes Guimares.
Madapolo da Arara a i,000 rs.
Vende-se pecas de madapolo francez in-
festado a 4500 e 45500, dito inglez muito
fino a 65500,19, 85,9/ e 105, pecas de
algodozinhoa 45500, 55000 e 55500 mui-
to encorpado, tambem se vende muito bara-
to bretanha de linho, brim de linho lino a
15280 a vara, gttardanapos para mesa a 200
cada'um : rua da Impeatriz, loja da
8
mmm^
Precisa-se il" urna ama para amamentar urna
raianca: na rua lasTrindieiras, sobrado de um!
avilar por cima da loja de barbeiro.
Aloga-se uro primeiro andar rom commodos i
pa-a erandi familia, no caes do Ramos : a tratar
coa Jo Bjgino de Miranda.
Aluga-se o segundo andar da casa da rua do
Queimado n. Vi : a tratar na loja do mesmo.
Jofiu da Silva liamos, mi dic pela l'ii-|
vei.sidadc de Coimbra, d consullas em 5
sua easa, na i ua N'ova n. oO, das 8 s 10 j
hoi^s da manlta, e das i s Cda tarde, e
rwt-l.....pialmeBte convites jiara dentro
f-utU^rn da cidaur- com olim i\r nirar-
regar do quabjuer servieo de sua profls-
sao.
Os chamados d;verao vrr por escripto.
laboratorio honieopalhico. rua
Aova u. 4.
O Dr. Saiunii Olegario Ludgero Pinho tem cn-
earregado da BOb^erencia do seu estabelecimento
aoSr. Jos Aves 3-*uorio professor em homeopa-
thia, e compet/jnteni'Mitu halultado para substitui-
;lo em qiialqucr ausmeia.___________________
Os administradores da massa fallida de Fran-
cisco Moreira Das ootvidam atj credores da mes-
ua firma a apresentnrem seus ttulos, afirn de se
proceder a devida vericaco; na rua da Cruz nu-
iniero o i._____________
rrecisa-se de uira escrava para cozinhar c
oniprar : na rua do Queimado n. 33, loja.
Aluga-se uioi caa na rua da Ponte*
Velna., a. 35, por 105000; e outra dita no
segundo becco da Caratta do Garmo, n. 2,
. por I000 : a tratar nar.ua estreita do Ro-
sario, n. ii.
Xa esuada do Mangunlw, antes dc.ibegar
ponte, sitio n. 21 se dir quem cende urna bonita
escrava de .anuos, que cose perfeitamente costu-
ra chaa, e tem lions principios de engommado.
Acha-se ausente o mulato Aaastacio, altura
regular, cheio 4o eorpo, andar vagaroso, e tem an-
I>a as maos fovuira.-. falla um tanto descancado,
pessoa queopegar.le*e-o rua da Impeatriz n. 2*
que se gratificar. _____^_________
Ainda est por alugar-se o sobradnho da
i ua Dircita n. 8.> e a ioja do mesmo, com armaco
jVtra taberna ou deposito, ou outra qualquer coli-
sa : quem pretender, falle na rua das Crues, so-
brado n. lado direito quem va da rua do uei-
mado para S. Francisco, jo mesmo sobrado ba
liara vender duas bonitas coleiras de pedra V
Lisiioa.________________________^______
- Pre*vi-se de unta ama para casa de familia'
que saiba eozmhar e engommar : na rua do caes
22 de Novembro n. 3, segundo andar, entrada a
esqnerda.
ALVICARAS A NOVIDADE.
Sao chegados loja das columnas ,
na rua do Crespo n. 13 de Antonio
Correa de Vasconsellos A- C. riquis- mt I
simos cortes de la muito fina com B
barras estampadas e matisadas Im- ^!
peratriz Eugenia, cores as mais deli- g|
cadas como sejam: cor de ganga, de M
lyrio, cinza etc., fazenda fnteiramen-
te nova e nunca vista em Pernam- B|
* bUC- ^. I
)% 38..,.;.- & -.:; ^ ^ )mmm'
ftingaein contrate negocio algum com a pe- ,'
i|iii'iia parte no engenho do Gollegio situado perto
la matriz da Luz, pertencente ao fallecido Jos de
Bspindola liitancoui t, pois que ella se acba legal-
| mente penhorada pelo juizo do commercio desta
capital.
Pasi-aiaeuto de festa por pouco
diiilieiro.
Aluga-se o excellente sobrado da entrada do
Monteiro, com grandes commodos para duas fami-
lias, e aluga-se por pouco dinheiro : quem preci-
sar, approveite em quanto tempo : a tratar na
rua do Vigario n. 8 .com Cosme Jos dos Santos
Callado.
Aluga-se um sitio com casa terrea na cidade
de Olinda, na rua de Raixo, com frente para a rua
do Cabral, e fundo para a estrada do norte, o qual
alem da casa de morada, tem estribara, casa para
pretos, capim para 2 cavallos, e arvores de fructo,
muito fresco, sem easa na frente : na livraria ns.
6 e 8 da praca da Independencia.
CASA DE SADE
Em Sanio Amaro
Do Dr. Kilva Ramos.
l'nico estabelecimento desta Dataren
que existe entre nos, montado do modo
qne pode com todo o commodo e zelo tra-
tar qualquer doente, que nclla seja reco-
mido.
O edificio magestoso c conserva-se
em perfeito estado de limpeza e conve-
nientemente mobiliado.
Os doentcs sao separados, scgtMo os
sexos, natureza das molestias e cbdJt-Vs*
sociacs.
Ha quartos fortificados para os aliena-
dos, e urna enfermara para as
rientes.
O proprietario encarrega-se de"
quer operaeao.
O estabelecimento franqueado" qual-
quer pessoa que o queira visitar.
Primcira classe 35000diarios.
Segunda dita.... 25500
Terceira dita.... 2000 >
Para que qualquer doente seja ali rere-
bido, basta que se mande onome do doen-
te e da pessoa que o remette, com a de-
claracao da morada.
O proprietario aceita contratos annuaes
com qualquer que queira ter um ou mais
leitos sua disposicao.
ZAMORA.
DftMA HISTRICO PELO DR. THEBERGE, NO
' QUnL NaO INTERVEN PERSONAGEM
FEMENINA.
Na rua No^i n. 11 vende-se a l^ooo o
exemplar.
Precisa-sede 1:4005 a premio com hypothe-
cadeescravos : qnemtiver annuncie nesse mes-
mo jornal.______________________________
Aluga-se um dos.maiores armazens da rua
de Apollo n. 10: a tratar na rua da Senzala Ve-
lha n. 96, padaria.
ATTENCAO
O abaixo assignado, residente
Pentes de concha.
Com as novas e diversas guarnicoes de
pentes que a Aguia Branca acaba de rece-
ber, veio tambem urna pequea qualidade
de pentes de concha que com graga e acer-
tadamente servem para o moderno atado dos
cabellos- Ellesso de bonitos e agrada veis
moldes, e de tamaito pequenino como con-
vera para o Pira que sao. E' esta a primei-
ra vez que d'elles aqu cliegam, por isso
em Campia que a moda novissima, pelo que ganha-
que primei-
para o que
Grande, da provincia da Parahyba, ha dous anuos, rao a palma aquellas senhoras c
se acha nesta praca para hquidacao de seus neg- ,-0 se anresentarem com pIIps'
cios: quem tiverde com elle tratar pde-o procu- '" be ''Presenwrcm com enes.
rar em Santo Amaro casa de seu ilho, o terceiro
annista liento Horges da Fonseca.
os mandaro comprar na loja d'Aguia Bran-
ca, rua do Queimado, n. 8.
Tinge-se
cor, e
Uangel
TINTURARA.
com perfeicao para qualquer
o mais barato possivel: na rua do
n. 38, segundo andar.
li
&rutog
0 Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na rua da Cruz n. 53,
Io e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua prolis-
sao medica, e com especialidade
sobre o seguinte
Io molestias
2o
3o f
Lig 0 ES
DE
PARTIDAS DOBRADAS
ARITMTICA
TRES VBZES PQR SEMANA
TERCAS, QIINTVS E SABIJADOS
DAS 7 S 0 HORAS DA NOITE
Prcfo 10,000 rs. nuosaes pagos adiantados.
Manuel Fouseea de Medelros,
contina a dar ligSes das referidas materias no
primeiro andar do sobrado darfua Nova, que faz
equina para a Gamboa do Carino, onn\? trabalha'o
Sr. E. Gadault. As pessoas a quem o premuno do
annunciant puder aproveitar aignem-seproeai'-'o
, de olhos ;
de peito:
dos orgaos geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rao examinados ua ordem de suas
entradas comecando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias das
6 as 10 da manhaa, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
cao que julgar conveniente para o
prorapo restabelecimento dos seus
doentes.
Os bacliareis Joao Diniz Ribeiro
da Cunha e Francisco de Paula Penna
mudaram seu escriptorio de. advogacia
para o primeiro andar do sobrado n.
2G da rua de Qm na 'o onde podem
ser procurados para os misleresdcsua
profssodas8 da manhaa s 3 horas
da tarde e fra dessas horas as casas
de suas residencias.
Ico
Alugam-se as casas terreas as ras
seguintes : Augusta, n. 47 ; e as Cinco
pontas, n. 37 ; trata-se na rua de Santo,
Amaro, n. 28.
~~~ ATTENCAO
Jos Joaquim de Novaes faz sciente ao respeita-
vel publico, c com especialidade ao corpo do com-
mercio, que no da 3 de setembro presente tomou
conta do estabelecimento da rua oya n. 61, da
qual era gerente Manoel do Reg Soares, Ocando
o mesmo Novaes na obrlgac'5o ao pagar aos Srs.
credore6 os dbitos das fazem?* que nos lvros
de entrada da casa, se acharem *em ser satisfel-
tos; nao podendo mais ninguem fsdo este da
comprar nem assignar documento algui? com esta
firma senao o mesmo Jos Joacjuim de Novaes^
MUIIAM^A.
O bacharel Amaro Joaquim Fonseca de g|
Albuquerquc reside na freguezia da Hoa- Jsj
| Vista travessa do Veras n. 15, onde pode fjgj
J|i{ s,'r >''(5"radu para os misteres de sua fjgl
S prolissao das 9 s 10 horas da manhaa e S
1@{ i da tarde em diante. Hj
Materiaes
Bota-se arca a 1^280, sendo cm todas as mareis
e sendo s em mareis grandes, e para entrar em
camboas a 1 -itiiHi. -canoas de milheiro para cima, e
vende-se tijojp de alvenaria grossa a 185 o milhei-
ro, posto no porto, c crrega-se lijlo dos Remedios
at a ponte provisoria a 3 o milheiro, e do Giqni
a 35 at a ponte da Boa-Vista, Picando o dono su-
jeto ao descarrego : quem precisar, dirija-se
rua Dircita dos Aogados n. 13. Xa mesma tasa
vende-se una canoa propria para carregar de 300
a 350 feixes de capm.
Precisa-se fallar ao Sr. Jos Flix Ri-
f-beiro de Carvalho, que mora no pateo do
Paraizo, nesla typographia.
Naques sobre Portugal. |fj
O abaixo assignado, agente do banco gB
mercantil Portuense nesta cidade, saca ef- g
fectivamente por todos os paquetes sobre I
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
Sualquer somma, vista e a prazo, po-
endo logo os saques a prazo serem des-
contados no mesmo banco, na razao de 4
por cento ao anno aos portadores que as-
sim lhe convier : as mas do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castra
mmm hp mm
COMPRAS.
Compras de eScravos.
Xa rua da Cruz do Hecife n. 45 enmpram-sc es-
cravos para o servico de engenho.
- Compra-se um molcquc de idade de lo a 11
annos : quem tiver para vender dirija-se Soleda-
! de n. 8, taberna.
Compra-se efectivamente ouro obras reinas : na praca da Independencia n. 22 lo-
ja de bilhetes.
Vendem-se superiores charutos suspirosa 1-300
cada meia caixa, ditos de diversas manas, caixa
de 100 charutos a 13200, ditos de ditos, meias ca-
xas, a 600 rs. : no deposito da rua Nora n. 58.
INJECCAO BROW.
Remedio infallivel contra as gnorrheas
antigs e recentes, nico deposito na bo-
tica franceza, rua da Cruz n. ii, pre-
go 3.
YENDAS.
RELOGIOS,
Vende-se em casa de Johnston Paler .-
C, rua do Vigario, n. 3, um bello sorti-
mento de relogios de ouro patente in-
' glez, de um dos mais afamados fabricantes
de -Liverpool, e tambem urna variedade de
= Vendem-sc tres vaccas de leite, tambcm.se hn; i^.ii:
toma em conta um bom quarto : a tratar na rua |bonitos Irancellins para os mesmos.
de Hortas n. 24. primeiro andar.
Vendem-se as casas ns. 28 e 30 da rua do
Socego : a tratar na rua do Sebo n. 54.
ATTEi\(M
Xo principio da estrada de Joao de Barros
aluga-se um grande sitio com sobrado, e muitos
arvoredos de fructo, com jaqueirs, manguelras,
cajueiros, coqueiros, saputzeiros, larangeiras, ca-
pim, c muitas outras vanlagens alem de agua para
beber ; o sobrado est perfeitamente limpo e for-
radas as salas c quartos de papel, com banheiro
dentro de casa e canos que conduzem agua para o
banheiro, estribara e cozinha, tendo commodos
para carro, cavallos e criados, emlim urna perfeila
morada para quem quer tirar proveito, c tem tra-
tamento : a tratar com Guimaracs & Alcoforado,
na rua do Ainorim n. 54, das 8 s 5 horas da
tarde.
3-1111 ESTREITA DO ltOS.tlllO-3
Prajgcisco Pinto Ozoro continua a coi-
locar entes artificiaos tanto pormeiode
molas como pela presso do ar, nao re-
cebe paga aIguma sem que as obras nao
fquem a vontade de seus donos, tem pos
e outras preparacoes as mais acreditadas
para conservadlo da bocea.
t Francisco Maria Rodrigues, subdito
prtoguez, retira-se para Portugal.
AMA
Precisa-se de nma ama forra ou cativa
para o servijo interno de urna casa de peu-
ca familia : trata-se no Forte do Mattos,
rua do Cordoniz, n. 0.________
Aluga-se urna preta muito fiel e boa
vendedeira, por 20,000 rs.: a fallar na rua
Augusta, n. 13.
Ao n. 29.
JVoca loja dos barateiros, rua do Quemado.
Las de ultimo gosto, covado a 440 rs.; organ-
dis de padroes lindissimos, varas a 800 rs.; ba-
ldes de arcos o melhor possivel, a 35500, 4 e 5 ;
alpaca de linho para vestidos, covado a 240 rs.
cambraias de cores para vestido, covado a 280 rs.;
cambra ie i a muito Pina, peca de 12 jardas a 7 ;
cassa lisa pelle de ovo, peca de 12 jardas a 7#500.
Ao n. 29.
Nova loja dos barateiros, rua do Queimado.
Paletots de merino setim, fazenda de custo de
205 por 105; ditos de alpaca preto a 35200; brim
branco lona, var.a a 640; brim de cores para cal-
ca, covado a 480 rs.; camisas com peitos de fustao,
a 15600; chapeos de sol de alpaca, a 35500.
Ao n. 29.
Abra loja dos barateiros, rua do Queimado.
Bicos prto de linho, vara a 120, 160, 240 e 320
rs.; ricas franjas e trancas pretas e de cores, vara
a 120,160 e 200 rs.; trancas e galSes de la e de
algodao, pecas de 10 e 15 varas, a 200 e 400 rs.;
I froco fino egrosso. peca a 160 rs.; vesUdjnhos de
I cambraia bomdos, para baptismo, a 25.
PASAOS FREGUEZES DO MATTO E
A PRAgv.
Na Arara
(runde liquidaran de fazendas sem re-
terva de preco, na rua da 'mpera-
Iriz, loja c a ina/.iMii da Arara, n.
06, de Lourenco Pereira Hcndcs
Guimares.
Vende-se baralissirao para ver corles de
cambraia com babados bordados com pe-
queo toque de cupim a 1)5000, 1#600 e
2jS00O; pecas de cambraia com salpicos
brancos e de cores com 8 varas a 25500 ;
camisas de meias de lia para servico a 500
rs. ; ricas capas de cor, de fantazia por
lOfiiOOO, fazenda de 20/: s na loja da
Arara, rua da Imperatriz, 56.
A Arara onde os enlodes
* a i#ooo
Vende-se ricos enfeites para cabeca de
senhora a 1#000; meias cruas muito lar-
gas para senhoras 320 o par ; lencos de
retroz e vidrilhos para pescoco de senhora
e meninas a 500 rs.; ditos de seda, finos a
1/000; ditos com franja a 15500 ; ditos de
seda de urna s cor para homens e meninos
a 800 rs.: na rua da Imperatriz, loja da
Arara, n. 56, de Mendes Guimares.
RUA DO IMPERADOR
N. 22.
Grande ai inaicn de tintas.
Este armazom conten tudo quanto
preciso para que a industria de pintura.de
qualuer genero que seja, desempenhe
seu lim, isto cmbelluzar, conservar e
reproduzir.
Montado em grande escala e supprido
dilectamente por grandes fabricas de Pa-
ris, Londres e Hamburgo, pode offerecer
productos de confianca. e satisfazer qual-
quer encoinmenda grosso trato e a re-
ta I ho.
Os Srs. artistas pintores, e os donos di1
obras poderao escolher vontade. [xiis
que tudo estar vista, as dilferenles co-
res de que tiverem necossidade.
Ha tintas em massa e em p impalpa-
vel, o como as obras a envendan > se
deve empregar tintas muidas, e nao me-
iiiiiilo confianca as que vem de fra para
commercio, por velhas, e talvez falsiuVa-
das, neste armazem se as moer vi*-
ta do consumidor, que s assim ter tin-
tas frescas e verdadeiras.
Ha tambem ouro verdadeiro, verde em
p eemfolha, prata em folha, p debron-
xear de varias cores, diamantes para cor-
tar vidros, burnidores, ncar superfina en-
carnada, amarella c verde, tintas vtj
taes, azul, roxa, verde e amarella, inoffen-
sivas, unirs que se devem empregar as
confeitarias, colleccfcs de pinceis para
fingir madeira, com propriedade, e outros
de varias qualidades, vernizes, copal,
graixa, branco ou escuro para o interior
e exterior, para etiquetas c quadros, tin-
tas linas em tubos, em crayes ou pastel,
tellas para quadros, caixas'dc tintas linas
e papel para desenlio.
Essencias aromticas verdadeiras, fras-
cos e vidros para vidraca de todos os ta-
maitos, e muitos outros objectos. cuja
utilidade e emprego s com a vista pode-
rao ser mostradds.
Joao Pedro das Neves,
Gerente.
O LIVBO DO POYO.
tiollinhas da Arara a 320 e a 1,000.
Vende-se gollinhas com punhos e botio-
sinhos, muito ricas e bordadas a 1^000; di-
tas s com bolosinho a 320; chapeos de
sol de seda com franja para senhora e me-
ninas a 2(530o e 30000: na rua da Impe-
ratriz, loja da Arara, n. 56, de Mendes Segunda edico mais correcta, ornada com
Goimaraes. 27 estampas, e augmentada com 48 paginas
* ..... i- -- k ir *,~ de texto, contendo: a vida de Nosso Senhor
Arara vende o* baloes. a 3*000. Jcsus chl.isto, fbulas, o vigsrio, o bom ho-
Vende-se bal5es de 20, 25, 30,35 e 40 mena Ricardo, quadrupede* otis, o profes-
arcos pelo diminuto preco de 30000, 30500, sor primario, moral pratica, Simio d- Naa-
40000 e 40500, s na Arara vende-se ba- tua, mximas e sentencas, hygiene, receitas
loes de madapol3o por SJSOftj ditos de necessarias, o Brasil: vende-se na livraria de
brilbantinas finas com listas a 4/000>40500: M"->cl Figueira de Faria d FUho, praca da
loja da rua da Imperatiz, da Arar, P. *6, Ir .pendencia ns. 6 e 8, a 600 rs. o exem-
dc Mendes Goimaraes, \ i P'ar em brochura, e a Itcartooado.
TILADQL-

*-
.

/


4111
lMIBk'~

uiui-o de Peruautbuco Ctuarta felra O de seiembro de lgfcs.


*.
NOVA EXP0SIQ&0 CASEMIRASINGLEZAS
na loja do Pavo, de fazendas bara-
tissimas.
O 1,700 rs, o curie.
Vendera-se cortes de casemiras escuras para
calca, pelo barato preco de 1*700, tambem se ven-
j dem das mcsmas a 480 rs. o covado, proprias para
Neste esfcbelecimer.to i^]t0^^\^l^^^^l^^
mente um grande sormento de fazendas
de gosto e de primeira necessidade, sendo
tanto proprias para a praca, como para o
mato ; de todas as fazendas do-se livros de
amostras, deixando ficar penhor, ou man-
dam-se levar em casa das familias pelos ca-
xeiros da loja do Pavo.
I-as com 8 palmos de largura,
na loja do Pavo.
Vendem-se lazinha enfestada propria para
vestidos, com 8 palmos de largura, sendo
fazenda mais moderna que tem vindo ao
mercado pelo baratissimo prego de ifJ600 o
covado: s na ra da Imperatriz n. 60, loja
do Pavao.
cassas a OO rs. o corado.
Vendem-se cassas francezas de padrees
miudinhos e cores fixaspelo barato preco de
200 rs. o covado; ditas finas a 340 e 320
rs. o covado : s na ra da Imperatriz n. 60,
loja do Pavao.
Organdy, a "lo rs. o corado,
na loja do Par So.
Vendera-se organdy de cores matisado, fa-
zenda que val muito mais dinheiro, pelo ba-
rato prego de 240 rs. o covado gu 400js,. a
vara: s na ra dj iifipcraTrz n.~G, loja
do PavSo.
O Pavo rende os modernos ves-
tidos a balo,
com barras Maa pa, sendo os mais
modernos que qu*i lem ^^ a0 mercado,
wm ajata de un | pann0) ^fa bastante
"fazenda para o crpo, e vende-se pelo barato
preco de 33500 cada un: esta pecbincha
s existe na ra da Imperatriz n. 60, loja e
armazem do Pavo.
Nora pechineha de laas enfesta-
das a 400 rs. o corado.
S o Pavao.
Vendem-se laazinhas enfestadas transparentes
com delidados padrOcs sendo de urna s cor com
listras e quadrinhos a vendem-se a 400 rs. o cova-
do : na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60 de
Gama & Silva.
Cortes de cambraia, a 3500,
na loja do Pavo.
Vendem-sc cortes de cambraia brancos com
babados, a 2i5500; ditos, a 45I ; ditos com
barras e babados de seda, a 35, 35300 e, 45;
s na ra da Imperatriz n. 60, loja e arma-
zem do Pavo.
Cortes de cambraia chlneza, a
4, na loja do Paro.
Vendem-se ricos cortes de cambraia cbine-
za, os mais modernos que tem chegado, sen-
do brancas comlindissimospadres, pelo ba-
rato prego de 45 cada corte, tendo bastante
fazenda para um vestido: isto s na ra da
Imperatriz n. 60. loja e arnrnem do Pavo.
Baldes a 3500, sO o Paro.
Vendem-se balos americanos que sao os
memores, tendo 20 arcos, a 35300; ditos
de 30, a 45300; ditos de 40, a 55 ; ditos
de bramante, a 35300 c 45; ditos para me-
ninas, a 25 e a 35: s na ra da Impera-
triz n. 60, loja e armazem do Pavo.
Cortes de culta, a #500, na
loja do Pavo.
Vendem-se cortes de chita com 12 1|2 co-
vados cada um, a255O0; ditos com 40 cora-
dos, a 25; cortes de cassa mindinha de co-
res fixas com 10 covados, a 25; ditos de
organdy matbisado com 10 covados, a
25400": sna roa .la Imperatriz n. 60, loja
do Pavo.
Ascaseniiras do Pavo pechin-
eha a .#
Vendem-se corte.- de casimira torneen para
caiga, fazenda moite lina. padroes claros e
escuros. a 55 o corte: s na loja do Pavo,
ra ca Imperariz n. 60.
GRANDE PECHINCHA
Vende o pavao, organdys a 360 rs.
HE.U SKU1AIIO.
QULNQUILHARIAS.
Ra do Queimado, ns. 49 e 55, lojas de
I Jos Bigodinho,|queirom ver ver as fazendas
que abaixo annuncio, pois todas eu garanto
que sao muito novas e baratissimas.
Pegas de trangas de algodo de to-
das as cores a
Vende-se finissimo organdys matizado com os n An u~i,M Mm ann <*r,u<
mais delicados padroes miudinhos com assentos. Du,z,as Urancos, sendo neste artigo o mais moderno que lexandre, a .....
existe no mercado, sendo fazenda que sempre se Carrilel de qualquer numero ,
vendeua 141200 a vara, e presentemente vende-se 1 Yaras de aspas para balo .
a 360 rs. o covado: so na ra da Imperatriz n. 60, r c pnm v
loja do pavao, de Gama & Silva.
Caixas com superior obreias a
Ditas de colla '.....
80
15100
100
80
40
40
120
15280
15600
GUITAS ESCURAS StSLtT, '
a 2,200 e 2,640 rs., s o pavo. lares e sapatosqe tranca .
Vendem-sc cortes de chitas com padroes escu-! ^os rauit0 superiores, a .
ros, tendo 10 1/2 covados a 25200, e com 12 1/2 Catxas e pacotes de papel amisade de
covados a 25640, c pechineha e vende-se por este cores a. ....... 600
preco cm razio dos cortes serem em mais de um Du7a e meias muito finas para se-
pedaco : s na loja do pavao, ra da Imperatriz nhora a........ 3o00
Duzia de ditas cruas para homem a 2*400
n. 60, de Gama & -lva.
Laazinhas a O rs. o corado.' Baralbos muito finos para voltarete a
Na loja do Pavo. Carriteis de linha com 100 jardas a
Cartes de linha branca e de cores a
Novellos de linha com 400 jardas a
Ditos muito grandes com 800 jar-
das a .......
Cartes de linha com 200 jardas (est
Vende-se laazinhas de cordaozinho de urna s
cor, sendo azul claro, azul escuro, ferrete, cor de
caf claro e escuro, alvadio, roxinhas proprias pa-
ra luto, sendo fazenda que val muito mais dinhei-
ro vende-se pelo diminuto proco de 200 rs. : sna
loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Os manguitos e golinhas do
Paro.
pichincha, a 320 e a 400 rs.
Vendem-se golinhas de fil, bordadas, a
400 rs.; ditas de cambraia, a 320 rs.; cal-
cinitas para meninas, a 500 rs.; manguitos,
a 500 rs.; manguitos com golinha, a 800 bjectos
rcis; manguitos de cambraia, a 320 rs.: s
na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
se acabando |a
Vara de fita prela com colxetes para
vestido, e tem um resto parda a
300
30
20
60
120
60
100
Um coafeito e especifico para
expeilir os Vermes,
Fastilhas Tenuifegas
DE KEMP.
$EiI-.SEf1T!l'lMh
d tintura e msica.
Na ra do QueinKido, ns. 49 e 55, est
queimando tudo pelos pregos abaixo decla-
rados, e prestem toda "S altengo para ver
o que bom e barato.
Duzia de facas e^arfos muito aosa 25500
Dita dita dita de cabo preto muito
finasa.........35200
Dila dita dita de balango, melhor, a 55500
Tesouras para costura, muito fi-
nasa .........400
Ditas ditas para unhas, muito finas a 400
Cartas de alfineles de ferro a 80
Ditas ditos de lato muito tinosa 40
Ditas de dito grandes.....120
Caixas de phophoros de pao ... 10
Grosa de ditos do gaz a 25200
Duzia de dito dito a .
Massos de palitos para denles a .
Livros para meninos todos cheios de
calungas a.......
Abotoaduras para coletes a .
Escovas para roupa,muito finas a 400,
500 e.........
Os meninos ;'ts pcdoni grito?, porqne
ellas sao de cheiro, Babor o cor agrada-
veis. A elegancia, a segnridade de ac-
eito, o ineffensivo das
Pastilhas Vermfugas de Kemp
A PAB l'A SU A
Cotnpoi<;ao exclusivamente Vegetal,
eo estas pois as Bnaa melliores e mais
completas de todas as recommendacoes
que bo.posea fazer eoom justa raeo a>:
colloco na categora d'utii luvorito uni-
versal.
A snperioridade das
Pastillias de Kemp
Bobre kda> as preparaces destinadas
para o inesnio tim 6 devidu sua sim-
ples composico o sen aroma agrada'
vel o rapidez o nfalliblidadc com
que alcanca a destrncao total das
Ditos de banha branca a .
Dito de cheiro muito bonitos a .
venda as boticas de Caors & Barboza, Ditos de banha, pequeo, muito fina
ra da Cruz, e Joo da C. Bravo & C, ra ..........
da Madre de Dos. Ditos de opiata a 200 rs., e boa a .
Ditos de banha japoneza a .
Ditos de banha transparente a .
LOMBRIGA8.
O gallo canta finando recebe.
200
160
320
160
800
SEI SECnXMMK
PECHINCHA.
Perfumara de superior qualklade.
O rival sem segundo, ra do Queimado,
ns. 49 e 55, est disposto a vender mais ba-
rato que nunca vendeu, para o que queiram ;
ver :
Duzia de sabonctes finos a 720 j
Sabonete inglez, o melhor, a 160-j
Frascos com agua de Colonia muito^^.
fina a......., ^ 001
Ditos de dita grande a .
Ditos de Lavande ambreado, o me-
lhor, a.......fw iOO
Ditos de macaca oleo muito bom a 100 {
Ditos perola muito superior a 200
Ditos de oleo de babosa* 240, 320.
400 e .......500
. 320
. 500
O gallo canta, principalmente quando re-' Ditos de oleo filoconne a
cebe as suas novas encommendas para sa-
tisfazer aos seus hons freguezes.
Gravatiuhas.
E' chegado um bonito sortiraento destas
200
900
800
720
800
na roa da Imperatriz n. 60, loja do Pavo. gcavatinhas, tanto para homem como para
lustao do Pavo senhr-:a que se vende pelo baratissimo pre-
go de 500, 800 e t.OOO rs.; s no Vigilante.
Vendem-se fuslo com- lavr miudinho' ra do Crespo, n. 7.
para roupa de meninos, a 320 rs. o covado; I Pirolteiz,
RIVAL
SEM SEGUNDO.
Objectos diversos.
Ra do Queimado, ns 4j) e 55, vende os
objectos abaixo declarados, pois para aca-
bar; estes pregos nao sao para continuar.
brim de Jir.no de quadrinhos para roupa de Tambem chegou um grande sortimento mas as nesessidades assim o permitte
meninos, a 560 rs. o covado; ganguelim
de ama s cr, a 320 rs. o covado; popelina
de la, de quadrinhos encarnados e pretos,
para vestidos t!e senhoras e roupa de meni-
nos, a 1$ o covado: s na ra da Impera-
triz n. 60, loja e armazem do Pavo.
de pirolteiz on conservadores para cabellos, Parcs de luvas de algodo finas a
tanto pretos como de lindas c6r.es pelo ba- Caivetes de aparar penas, del fo-
ratissimo prego de 1,000 rs. cada um. "ia a ........
Capaila paranoica. Ditos de 2 ditas a......
Tambem chegou um rico sortimento de Caixas de colxetes francezes a. .
capellas brancas, cousa muito chique para Duzia de dit0 francez a .
noivas, pelo baratissimo prego de 5,000 rs., Massos com grampos lisos e de cara-
6,000 rs 7,000 rs. e 8,000 rs. ; s no co1 a.......
Duzia de dedaes de metal
7.
Os palclot do Pavo, assobrecasaeaao 42:000 rs.
Vendem-se paletas de panno, sobrecasacas' Vigilante,' ra do Crespo, n.
de panno preto muito bom e muito bera Fitas de velludo e de seda.
fefeas, a 12#: sobrecasacos de dito, a iW; Tambem chegou um completo sortimento
paltlots sacos de dilo. a 75; caicas de eaehe-' de fitas de velludo de n. 6 a n. 200; assim
mira da Escossia, a3 ; ditas de casemra como um rico sortimento de fitas de seda,
preta, a 5#; ditas de casemira de cor, muito j lavradas e lisas de todas as larguras e qua-
fina, a ~j& e a 5#500; coletes de casemira de lidades por pregos que admiram ; s no
cor e prela; paletot de casemira de cor, Vigilante, ra do Crespo, n. 7.
a 7$; tudo isto para apurar dinheiro: s! iico de seda e linho.
na ra da imperatriz n. 60, toja do Pavo. j Tambera ehegou um bonito sortimento
de bieos, tanto de seda como de linho, as-
sim eomo rendas finas e de labyrinto, que
Cortes de cadiemira da Escoca, 2:000, na
loja do Pavo.
Vendem-se esta nova fazenda muito encor-! guezes
pada imitago de casemira, tendo padroes n. 7.
escuros e alegres, afiancando-se que nao des-
bota, a 2$ o corte para caiga, 011580 rs. o co-
vado para paletot, colete etc.: s na loja do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60.
Fazendas brancas, na loja do
Pava.
Vendern-se pegas de madapolao enfestado,
francez, com 20 varas, a 80; dita com 12
jardas, a 40 ; dito inglez muito fino, a 70,
70500 e 85; ditos muito superior, a 10$;
ditos de 40 jardas muito fino, a- 40800 e a
56600; algodozinho muito encorpado, a
40800, 50500 e 60; bretanha com 4 pal-
mos de largura, muito fina, a 10 a vara;
pegas de cassa de cordo para babados, com
6 varas, a 30500 ; ditas com 12 varas, a 70:
Pe chincha, a &00 rs. o covado,
sO o Pavo.
Vendem-se as mais modernas laazinhas
enfestadas, transparente, tendo 4 palmos de ] Amorim, n. 35
largura, e sendo lizas e de quadrinhos, de
urna s cor, propria para vestidos e capas,
a 500 rs. o covado: s na loja do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60. de Gama & Silva.
O Pavao vende a S e 305OO
cortes de 15a, a 30 e 30500; ditos comj 22
covados, a 50: s na ra da Imperatriz 11.
60, loja e armazem do Pavo. l-
seus ptegos faro admirar aos meus fre-
s no Vigilante, ra do Crespo,
Franjas pretos e de cores.
Tambem ha as riqui6simas franjas pre-
tas largas, proprias para as lindas capas ou
manteletes; assim como brancase decores,
que seus pregos tambem os pretendentes
se admiraro, por que sempre nesta loja se
vender por pregos muito rasoaveis; s 110
Vigilante, ra do Crespo, n. 7._______
Ugas finas.
A toja da Aurora, na ra larga do Rosario n. 38,
recebeu ligas de seda para senliora, tambem roce-
beo ricas velas esmaltadas para sintos de senho-
ra ou de menina, reos pentes de marrafa e de atar
cabello com laco, os mais modernos que tem che-
gado, assim como tambem recebeu guarnicde& de
pentes pretos muito modernos, que tanto serve pa-
ra luto como para galla, colares pretos a balo :
tudo isto se vende barato, quem duvidar man-
de ver.
Farinha de mandioca
em saceos grandes, e de superior qualida'
de ; no armazem de Tasso Irmos, ra do
em caixi-
nha de vidro.......
Tinteiro de vidro com tinta superior
a..........
Ditos de barro que serve para tin-
teiro a........
Grosas de botes de iouga prateado a
Pegas de tranga lisa encarnada a ,
Varas de bicos e rendas, para aca-
bar a .........
Varas de labyrinto de 3 dedos de
largura ....... .
Caixas de folha com phosphorosa .
Ditas de pos para dentesa .
Pentes de tartaruga a 30000 e .
Collares deperolas.
A loja da Aurora da ra larga do Rosario n. 38,
recebeu collares de perolas com cruzes esmaltadas
do pedras de differentes modelos, obra a mais rica
que tem chegado, para qualquer senhora ou meni-
na, assim jseaio tambem recebeu alfintes doura-
dos com pedras, obra milito fina, brincos dourados
com esma'te de pedras de differentes vdelos, os
mais fino? que tem chegado em obra franceza.
FAZENDAS BARATAS
27Ra d Queinado27
NA
Vo\a loja de Custodio, C'arvalho
A < 0111 p.-tuhla.
Fuslao fraoeez
para vestidos de senhora e meninas, fazenda mui-
to lina e pelo barato prego de 260 rs. o covado.
Finas cambraia* organdys a 340 rs. o covado.
Bales
de arcos, de todos os tamanhos, polo preco de
-3*600.
Calciubas
bordadas para meninas, pelo barato prego de 2*200
cada um par.
Laazinhas
matizadas finas para vestido a 440 rs. o covado.
Coberlas
de chita a 2*000.
Lences
de panno de linho a 2*.
Toalbas
de fustao, pelo barato prego de 400 rs. cada urna.
Camisinhas
de cambraia para senhora a ifi.
Golinhas
de linho para senhora e meninas a 640, 800 e i.
Sortimento
de meias para meninos c meninas.
Liazinha
preta para vestido a 500 rs.
Guardanapos
adamascado a 2i a duzia.
xw *
m%m%mmmm%fflffi%y&%
Attenco!
Posto que domine no cora-
go do BiVLIZA a mais bem en-
tendida ambiguo de tirar de
seu negocio as melliores van-
tagens, com tudo elle nao pro-
cura fazer fortuna vendendo
gato por lebre;
Quando nao se negocia aca-
nhadamente,est bem ao alean-
ge de todos a facilidade de fa-
zer-se boas compras, para ven-
der-se barato.
m
Lelam lodos.
Ao armazem do BALIZA po-
dan ser devolvidos qumpn
geoatt qne por variara ola
sejnm do contento dos saibo-
res compradores. Rio ica
resentimento alum em h tro-
car por outro, ou restituir-.-.-
0 dinheiro recebido,
Manter a todo o ctistn o MI
crdito, e agradar KM M ;-
migos e freguezes, loio 0
desejo do proprietario deste
estabelecimento,
LEDE! LEDE! LEDE!
Sempre a frente do progresso,
Constante marcha o i m.i/.a.
Tem por norte o bem commiim.
A verdade por divisa.
c. it \ i > i;
i>i
Largo do Livramento ns. 3^ e 38 A
Defronle da graic da groja
AO RESPEITAVEL PUBLICO
Senhorcs c senhoras
iberdade de mandar
oferecer aos s< ns
O incar-savel proprietario do grande ariuazciti do Balixa toma a
doctorar do a!lo da imprensa pernambucana, que elle perf-itamente liberal em
benvolos freguezes as melhores qualidades dos mais bem escomidos gneros, Bfc w w pal como do
estrangeiro 9 pregos de contentar e satisfazer a toilos.
Fazendo tao publico e espontaneo manifest, o referido BALIZA julga de seu rigoroso rtevw
declarar mui seria e pusitivamente nesta oportunidade, (pie tambem o mais firme e dedi
vador de sua numerosa freguezia.
I' ''!'
ijUt; a ti>-
Da boa qualidade e barateza dos gneros offerecido aos seas freguezes, junta ao p
nho que tira para si, tem sabido fazer o BALIZA a mais perfeita liga de interesses redproe ,
das as eonsciencias deve por forga e necessariamente agradar.
Tendo por conveniente tambem a publicaro do seguinte aviso, o BALIZA faz saber umcamtmit ~
aquellas.pessoas que sempre esto promptas a comprarem todo, com tanto que < Ihi-s pernuiia 1 i.:i-
rem logo, que elle
NftO VENDE FIADO.
Os amigos ds economa, aquellos quescompram os objectos de que carecem, e que L-ostam ti-
rialmenic de empregpj- bem o seu dinheiro venhain a este estabetecimento.
IiEIAM TODO.
Do prego de qualquer genero annunciado a venda em outros esUbelecimenlos, 1
res freguezes diminuir cinco por cento, e vir compra-lo ao Baliza, queseado, como Indos sahm. o *
mem dj tnovimento prefere ganhar muito pouco, com tanto que seja por militas vem repetdo.
mM$M
NADA^OLEOiKFKiADOnKn \C.UII \(
XAROPE DE RBANO IODADO
lo, P
Segundo os attestados dos mdicos dos hospilaes de Pariz, consignados no Praa
de varios Acadmicos, este Xarope emprega-se cora o maior succesao, em lugar do i__
BACALHAO, aoqual elle realmente superior. Cura as molestias de petto, as escrfulas, o lymphatismo, j
aos humoresou ao entupimento das glndulas. O rtoutor c.rnivr, do hospital de San' llli7 '"' !an*'
o recommenda d'um modo inteiramente particular as molestias da plle, conjunctamente 1 'om a* pUulas
que teem seu nome.
Depsito geral: em Parit, -en casa de MM. GrimulUC*, pharmaecuticos, 7, ra de h Feuil.'ade ;
em Lisboa, en casa de nodrig* du coNia-Carvuiho no Porto, en casa de Miguel Jos a su.'*-
reraelra; em o Rio-de-Janeiro, luv Pelzot* e Dlnlc, roa do Sabio, II; em Bahia, eti *a <' Jone-cactuno i>rrelra-Esplahi-lra; eci Rio-Grande, en casa de Jouaula de Goday ; fin Varan-
kao, encasaderorrclreC;emJ'ernflmbi), Shonme c-, ra da Cruz, 22; soasa, enas prin cipaes _
pharmacias do Brasil.
45--RUA DEREITA~44
Deposito geral em Pernamliuco ra da Cruz n. 22 em casa de Caros A Barboza. 1^
ESSENCIAS DEPURATIVAS, j
Jjil-svphjlitca c anli-rbeomatira
Approvada pela imperial ]
academia de medieina.
UJUHiSMJAO E ntBPARACSa 0
Dr. Ernesto Fredet'ico dos Sanios,
Pharmaceuiico pela escola de mediana l
do Rio de Janeiro.
Estas cssenci&s cuja formla ja foi ap-
provada pela academia imperial de medi-
ei 11a do Hio de Janeiro, e polas quacs sea
autor tai premiado na exposicao nacional
de 1861 o com duas medailias na oxpo-
agao de landres, sao sem conlestsgao o
mais efficaz de todos os medicamentos at
hoje conhecdos para o curativo de todas
as molestias s>pliilicas ou que dependam
de urna alteracao do sangue.
Distingucm-se estas essencias pelos ns.
1 c 2, cujas formulas variam considera-
velmente, a de n. 1 6 empregada com o
mais feliz resultado as molestias vene-
reas ou que dependam de alteracao do
sangue, como, cancros venreos, (hagas
sypinliticas, boubas, aflfeerfics herrieticas
e dartrozas, as Mcn.norrh(;as, loncor-
rlieas, vegetagfies sypliihticas, escrophu-
las, escorbuto, ery jpelas etc. A de n. 2
tem sido cmpreg^di exclusivamente pa-
ra debellar os rfieumatismos Ryphilitlcos
e gotosos e as exostoses ou tumores
osseos.
Acha-se a venda este precioso medica-
mento na ra do Hangel n. 62, pharma-
cia de Medronho & Martins.
qoei
jloegai
Ra da Senzalla a 42.
Vende-se, em casa de S. P. Jobnston & C,
sellis e silhes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
j dcates para carros c montara, arreios para | SaptCe, a
e i-elogios de
carros de um e dous cavallos.
ouro patente inglez.
Yinho puro
Eia, rapasiada, i panat ft
enlregastis os \<.~.> ju.n,, ;>-.,, tku'o
xos do pi -mu" tiiltanvito da nnmai
S se oljsrrv.i fin i i*
abadas e gastas ati' a ult:m?.jofci:
l"ISJ.r:li!iiS r r|unsi III **!
a (juebradt'ira nao ilew i begar al t
to Vinde ;i ra DmiUi rauoir-vM)
i lente calcado cora n He > par
'menos do seu valor.... attewW:
\ijzcL-nins. Nant. ^. koani e -
^ui'ta -i e m solas ....
"iguins, Naiit<-s, bezerre. a-
a e lustre solas. .
os. fraii'i-z >-haiiihiirgoez,
lustre e cuan ile par-
bezerro,
lea, hcaern i vaq-
'ofct.-*.....
ta 2 e m.ia xwwla, lustre e
; Sapatoes, Nant.'.-, .....
bezerro2s,.l;is. evira. .
Sapatoes, Xa ntes, si'Li 'ajo. .
Bi >i'z.
No escriptorio de Euzebio Raphael Raello, na Ditos para menina, com,
a da Cadea u. 5, vendem-se ancoretas com ex- nln.'., ,,;,.,, ,
lente e puro vinho tinto de Lisboa, gmenle des- ir .(1t ,>' '" (',r,,>-
rua
cellente
tinado para gasto de casas particulares por ser re-
medido pelo proprio fazendeiro ou lavrador.
i*(fis.sa da ltiis-.ii.
Acaba de chegar no navio Queen of // Flrr, a
mais superior polassa da Russia, e vende-se a
preco commodo : no largo do Corpo Santo, cscrip-
torio de Manoel Ignacio de Oliveira & Filho. n. 19
Vinho do porto.
Es|a afamada pinga de superior qualidade, em
cairas de urna e duas duzias de garrafas, vende-
se nWscnptorio de Marques, Barros & ('.., largo
do Corpo Santo n. 6, segundo andar.
Sapa tos para senhora e h
tapete.......
Sapatos de borracha para senho
dem idem para meninas.
Sapatos de lustre para senhora.
dem de lustre s avessas,. .
ra.
PAPEL
de cores para listas de eleitores
A aguia branca suppde que nao faz mal em offe-
recer aos athlctas uns pacotes com 2oi folhas de
papel de cores, que pode servir ptimamente para
listas de eleitores, e tanto melhor por cusfar cada
pacote o diminuto proco de l$8O0, e ser cadaum
de urna s cor, o que difflcil de encontrar a nao
ser na ra do Queimado, loja d'aguia branca n. 8.
Na mesma loja tambem lia de outras qualidades,
branco e azul, assim como anvelopes.
Viiilft Collares
Superior pinga, em barris de dcimo, chegado
de Lisboa, vende-se por baratissimo preco para
liquidar : no armazem n. 7, ra do Vigarin.
Vende-se ama carroca para ca-
vallo ratificada de novo com todas as
ferragens novas por preco commodo: a
fallar com o Sr. Joaquim Fcrnandes
dos Santos com taberna na Trenipcteni
ordeiu para vende-la.
Hacas.
Raratissimas caixas com macas de superior
qualidade ; vende-se no armazem da ra do Viga-
fio n. 7.
Vende-se ou arrenda-se o engenho S. Elias
sito na freguezia de Serinhaem. a tratar na na da
Cadeia do Recite n. 39. escriptorio da vinva de
Manoel Goncalves da Silva.
Vndese urna parte do sitio da Piedade jun-
to do engenho Socorro, com casa, arvoredos de
fructo, capella. trras para planlaeSo : qnem o
pretender, dirija-se ao escriptorio do Illm. Sr. Dr.
Alcoforado.que achara com quem tratar.
aos sus. i iivsi nnm&s k tu.
Nos armazem do Caes ik Raao n. t%
na ma do Trapiche Novo no RerVi .*>.
vende gaz liipiido ameri-aaoi
d.uli' a retallH a I O a lata de 3
sim como latas de 10 e de 5 L
em porciio mais barato qoe i
quer parte.
Cal de
a mais nova do mercado
19, primeiro andar.
na ra
Vi-ar;-.
Kna da y a zalla \>a B. 41
Neste estali.'kvJmento vendenMie:!
ferro coado libra a 110 rs.. HleafoLpv
Moor hbra ai20rs.
Vende-se manteiga ingleza fina a 800 e 500
ris, franceza a 360 rs., toucinho nove a 300 rs.,
arroz a 100 rs., chouricas novas a 500 rs., esper-
maeele a 600 rs. a libra, vinho de Lisboa e Figuei-
ra a 408 e 500 rs. a garrafa : na ra da? Cruzes
p. 24, esquina da travessa do Ouvidor.
Vende-se a ariiiaci. da top a. M 4rea V-
va, eiividracada e cm muito boa esta : a nter
na mesma loja.
ia\ii U'iT f)5
\endem-se superioresekaraMi .wpiui a!!>
cada meia raixa, ditos de di vera* mmrrm. Mate?
de 100 charutos, a 1*200. dita te*, MM ra-
xas, a 600 rs. : na ra Swn a. Mi
QneH ai*
Ricas ebapeliDhas de se
das e bellos mos pera seshon, aeia ierra Mite
do sen valor : m rea do (Jeisii, tete a I*
iMIITIl
"-:T-diuj ii FrrvFr



---------
tarto de Prraaulmc* QnaHa feira O de Ketemfero 4e 183.
ir
GBANEO E COMPLETO SORTIMENO DE MOLHADOS
[UJJ
1 0
s %>
* g
o V
e *5
~ O
-O 9i
U w-
U
* 0
*S |
" es
| c
o
i
3 0
te
o
6
"<3
55
O
55-
fLul
^


a
^9 O

9
8
-o
|
Vi

9
-~
2
s

ce
O
O
60
o
O
S


a.
O
E
8
o
O
-~
c
o
D
^*
O
-3
-
ce
o
i
SO
t
*
3
ec
C
e*
O
O
O
50
O
t

o
o
o

S
S
i
*
c
o
13
s
o
o
*
eo
O
i
o
o
O
Vinhos em pipa: Porto Figueira e Lisboa, a
4oo, 44o, 5oo e 56o rs. a garrafa, e em
caada a 2,56o, 2,8oo, 3,ooo, 3,5oo e
4,ooo rs. do melbor.
dem lagrimas do Donro, especial vinho do
Porto mandado vir de conta propria a
1 o.oeo rs. a dozia e i.ooo rs. a garrafa.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado, das seguintes marcas: Duque do
Porto, Feitoria, Nctar, Velho Secco, Cha-
misso, Madeira superior a 9,ooo rs. a cai-
xa e l.ooo a garrafa.
dem Bordeaux das melhores marcas: St.
Julien, Medoc, S. Esteph e outros a 7oo
rs. a garrafa, e 8,ooo rs. a carxa com urna
duzia.
dem muscatel de Setubal verdadeiro a 2,ooo
rs. a garrafa e 22,ooo rs. a caixa.
Garrafoes com 5 garrafas de vinho do Por-
to do Alto douro a 2,2oo rs. com o gar-
ramo.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira
muito proprio para a nossa estaco, por
ser mais fresco a 2,4oo rs.
Vinhos velho chamjsso em barril muito pro-
prio para sobremesa por ser muite claro
e macio a 6oo rs. a garrafa e 4,5oo rs. a
caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero a 5oo rs. a garrafa e 3,8oo
rs. a caada.
Garrafoes com 5 garrafas de vinagre de Lis-
boa al,2oo rs.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo rs. a garrafa
e l,4oo rs. a caada.
Velas de spermacet a 6oo,
masso.
64o e 68o rs. o

3
03
ti
Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de encommenda especial a 8oo rs.
a libra,
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
54o rs. e em barril a 5oo rs.
dem em potes de 4 16 libras muito fina e
propria para doente a 8oo rs. a libra e o
pote separado.
Banha de porco a 54o rs. a libra, e em bar-
ril se far abatimento.
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
de l,6oo, l,8oo, 2,ooo e 2,5oo rs. cada
um
dem londrinos os mais frescos que se po-
dem desejar a 8oo rs. a libra.
Caf do Rio de 1* e 2a qualidade de 8,ooo a
8,5oo rs. a arroba, e 28o a 3oo rs. a li-
bra.
Arroz careliuo e do MaranMo a 3,ooo rs. a
arroba e loo rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra e
em poreao tera abatimento.
Caixinhas de ameixas francezas de 1 1/2, 2
e 3 libras, elegantemente enfeitadas com
diversas estampas no exterior da caixa a
l,3oo, l,5oo, 2,ooo, e 3,ooo rs.
Fructas em caldas das seguintes qualidades:
ameixa, rainha Claudia, cerejas, pero,
ginja, pecego e alpech a 5oo rs. a lata.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 6oo rs. a libra, e em la-
tas de 1 /f e 2 libras.
Ameixas francezas em frascos de 1 1/2 e 3
libras de l,4oo a 3,ooo rs.; tambem ha em
latas de l,ooo e 3,ooo cada urna,
Cha huxim miudinho mandado vir de en-
commenda especial a 2,8oo rs. a libra,
garante-se a boa qualidade.
dem hysson o mais superior a 2,6oo rs. a
libra, afianca-se ser igual ao que regular-
mente se vende a 3,ooo e 3,2oo rs.
dem pretomuito fino a l,9oors. a libra.
dem mais baixo, e miudo proprio para ne-
gocio a l,6oo rs. a libra.
Presunto inglez para fiambre o mais fresob"
que se pode desejar a 8oo rs. a lihw/
Genebra de laranja a 9oo rs a frasco.
Chouricas e paios, os mais frescos que se
pode desejar, a 5oe- rs. a libra.
Cognac verdadeirenglez a 9oo rs. a garrafa
e lo,5oo,ir caixa.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
8oo rs. o frasco.
Licores francezes das seguintes marcas: A-
nizete de Bordeaux, Plaisir des dames, e
outros a l.ooo rs. a garrafa e lo,ooo a
caixa.
Passas muito novas a 6,ooo rs. a caixa e
36o rs. a libra, ha caixas, meias e quartos.
Bojachinha ingleza a mais nova que se pode
rs. a barrica, e 24o rs.
desejar a
a libra.
2,5oo
Azeite francez clarificado a 76o rs. a garrafa
e 9,ooo a duzia.
Conservas inglezas dos melhores fabricantes
Mixed e Pickles, ceblas simples, e outras
a 8oo rs. o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes muito
nova a 4oo rs. o pote.
Mlhos inglezes de todas as qualidades e das
melhores marcas a 5oo rs. cada urna gar-
rafinha.
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de doce, manteiga
ou outro qualquer liquido de 1 ,ooo a 3,ooo
rs. cada um.
Palitos do gaz, a 2o rs. a caixinha e 2,3oo rs.
a gresa.
Milho alpista a 160 rs. a libra. *
Milho painco a 140 rs. a libra.
Gommapara engommar muito fina e alva a
80 rs. a libra a 2,300 rs. a arroba.
Sag muito novo a 2 rs. a 1bfh -- -
Saba verdadeiro hespanhol que raras vezes
vfcm ao nosso mercado a 300 rs. a libra,
e em caixa ter abatemento.
Sabo massa de 180, 200, 220 240, rs. a
libra do melhor.
Graixas em latas muito nova a 120 rs. a lata
e 1,300 rs. a dzia.
Peixe em latas muito novo : savel, pescada,
curvin, salmo e outras qualidades prepa-
rados de escabexe, segundo a arte de cozi-
nha de 1,400 a 2,ooo rs. a lata.
Genebra deHollanda em botijas de conta a
440 rs. cada urna.
Papel greve pautado e liso a 3,500 rs. a res-
ma.
Azeite doce de Lisboa muito fino em barril a
640 rs. a garafa, e era poroto ter abati-
mento.
Champagne das mais acreditadas marcas a
l.ooo rs. agarrafa e lo,oo re. o figo
com urna duzia.
Doce da casca da goiaba a 4oo, 5oo, 6oo,
7oo, 8oo, e l.ooo rs., o caixio grande.
Chocolate portugus, hespanhol, francez, e
suisso, das melhores qualidades a Ooo re.
a libra.
Velas de carnauba e composicao a 32o, 3o,
e 4oo rs., a libra, e de lo.ooo a I I,ooo re.
a arroba. .
Azeitonas novas do Porto e Lisboa a 4 ooo
re. a ancoreta, e l,5oo a de Lisboa, estas
ultimas raras vezes vem ao nosso mercado
pela sua boa qualidade.
Massas para sopa macarrao talharim e aletria
muita nova a 48o rs. a libra.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Babia a 4,ooo, 3,5oo, 3,ooo e 2,5oo re. a
caixa.
Seroja das melhores marcas a 5,ooo re. a
7,ooo rs. a duzia.
Biscoitos inglezes das seguintes marcas:
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travellies
Lunch, Cobin, eoutras a 1,2o rs. a lata.
Bolachinha de soda especial encommenda a
l,8oo rs. a lata.
Iem Craknel m latas ue 5, 7 e io ltos a
/4,ooo, 5.5oo, e ll.ooo rs. a lata. J
a 7o> rs.
m.
. Baraisslaias baadeljas.
A aguia branca por militas vezes tem da-
do a conhecer. que quando acha alguma pc-
cbincha, nao quer somonte com ella
JklS
fiata<
3

elsticas pura scnlioi-i
casa ilas.
A.rcconherida ulilidade dessas necessarias cin-
encher ,as wasticaa fez com que esa breve se acabassera
no Ir li na hm as <>ac vieram Ja P'riieira vez, deixando assim
o iapo, ao com ai in uesi ja que toaa sua Boa descontentes muitas senhoras que se nSo poderam
froguezia C O publico cm gcral provem da prover deltas, vista do que a aguia brancVman-
mesma, o que agora mesmo acontece com dou buscar mais algumas, que acabam de chrgar.
ssas; baratissimas bandeijas, cuja limitaco ainda "iais perfeitas que as primeiras, issopor se-
de nrecos admira, em relaco aostamanhose ^SS^'ISJS^^ na
qualidades: avista do que convem a todos a- loja d'aguia branca, ra do Queimado n. 8. Se a
proveitarem-se dessa opportuna OCCasiao e agola branca precisasse de semehante obra dte
proverem-se d'um traste sempre necessario, ,'''^,0 des,a vcz nao fi,,aria sem ella,
e queiihes custar quasi motado do justo va- Eiicoiumendas d'aguia branca recebi-
lor. Assim, pois, e dingirem-se com dinhoi-
ro aleare o espacosa loja d'aguia branca
Massa de tomate em latas de 6oo
cada urna.
Sardinha de Nantes a 36o rs. a lata
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijollo de limpar facas a 16o rs. cada wi
Ceblas a 9oo rs., o molho. ,
Farinha de Maranho muito alva cheiroza
a 14o rs. a libra.
Pimenta a 36o rs. a libra.
Cominho, cravo, erva doce, enxofre, palitos
de dentes em caixinhas que ludo vende-
mos por baratissimo prero.
Ricas caixinhas com confeits e fructas sec-
cas muito proprios para mimos pelo bara-
tissimo preco de i,ooo rs. cada urna.
ra do Queimado n. 8.
Os afamado copos com banha, e
boies cout insci'ioces.
Chegaram novamnnle para a aguia branca
escs afamados c estimados copos com banha
fina; assim como os bonitos boies de por-!
:e'l.ina dnrada tambem com banha, e novas
mscripcoes ma\ iosas c jocoserias, mu i ade-
quado para presentes resta porem que os apre-
. ewdores concorram, munidos de dinbeiro, 1
H irre e espacosa loja d'aguia branca ra do;'
Queimado n. 8.
ftraxa cconoenlca.
A aguia branca acaba de receber essa acredita-''
d;i graxa econmica, cuja superioridade esta ge-
ramenle reconbecida ; essa boa graxa se torna!
omeadada, tanto porque o calcado lastrado
cometa doixa perfeitamente lustroso ao menos
dias sem ecessidade de novo unto, como'
mesmo porque sua preparacao appropriada para
amaciar e con rvar o couro : ella vem em raixi-
nnas e barrizinbos, e acha-se venda na ra do
Queimado n. 8, toja d'aguia branca, aos rezumidos
irecos do 400, 500 e 6i0 rs.
das pelo ultimo vapor.
Iticos pentes de tartaruga com cliapa de madre-
perola.
lionilos loques de madreperola.
Delicadas canelas de dita.
Lindos cbapeoziohos de setim para baptisados.
lucos de seda brancos e pretos.
Bonitas caixinhas com msicas e sem ellas para
costura. y,
Trancelinsde K,a Fitas de seda esvVitas para ditos.
Ditas de velludo com listras para barras de ves !
tidos.
Aspas de balea para vestidos.
Ditas de ac para espartilbos.
Handes d dina.
l'ulseiras de conlas para meninas.
Paos para abrir lavas e port-cliarutos.
Bssoncia de ail para engommados.
P6s bygienicos de Lubin para dentes.
Leite virginal para tirar sardas.
Dito d'ires para extinguir as caspas.
Vinagre aromtico para vertigens, dores de ca-
lieca, or.
(losmetique surlinepara cabellos.
Pomada para bigode.
Honda de tilo, lisa.
ROIIPA FEITA
NO
ARHAZE9I
DE
li ^\Im
RA DO QUEIMADO N. 46
!f !TOIM(D
DE
IETREIRO VERDE
Neste estabelecimento ha sejnpre um sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concur-
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande e vanado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
homens e meninos.
Delicadas teMMii*iuha& Taco para
bordados c labyriuthos.
A pedido de algumas senhoras suas predicletas
fi cuezas, a aguia branca mandn vir dessas de-
licadas tesourinhas d'a^o pontas agudas, proprias
para bordados e labyiinthos, e urna vez chegadas
como de facto ebegaram, a aguia branca convida
Capachos COiupridos c redondos as de mais sondaras suas boas freguezas para
Wndem-se na ra do Queimado,'loja d'aguia aproveitarem-se da occasiao e bem empregarem
branca n. 8. seus cni cada urna dessas linissimas tesouri-
nhas, na certeza de que perder por cnegar larde;
quem se demorar em as mandar comprar no ale-
gre e espacosa ninho d'aguia branca, ra do Quei-
mado n. 8, onde tambem ha outras curvas e direi-
tas para nnbas.
Rabadlnhos estrenos ebordados
Vendem-scna ra do Queimado n. 8, loja d'aguia
branca.
TERCOS
sordas de cornalina.
A aguia branca pensando constantemente em
bem servir a toda a sua freguezia, notou que ainda !---------------------------------------------------------
nao havia foito algum agrado a aquellos que pru-! \rn m *na ravn Ao f ~>i,;r. !.,.
(I a'o e acertadamente rosando, cumprem dever de ." a Wa^e?/l rtC JazenUaS Utira -
Casacas de panno preto, 35(5 c
Sobrccasacas idem, 30^ e .
Paletos idem e de cores, 25)5,
20& 15,5 e......
Ditos de casemira, 20^, 15^,
125, 10 e...... 7f5OO0
Ditos de alpaca, 5)5 e. .
Ditos ditos pretos, 95, 70,
55 e........
Ditos de brim e ganga de co-
res, 40500, 40, 30500 e. .
Ditos branco de linlio, 60, 50 e
Ditos de merino preto de cor-
dao, 100, 70 e..... 50000
Calcas de casemira preta, 120,
100, 80e......
Ditas de cores, 90, 80 e. .
Ditas de meia casemira de co-
res, 50500 e.....
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordao, 50, 40500 e
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40500, 40 e .
Ditas de ganga de cores,
30500, 30" e.....
Cohetes de velludo preto e de
300000 Cohetes de fustao e brim bran-
250000 co, 30500, 30 e ....
SeronJas de brim de linho,
20500
100000
70000
30500
30500
30000
40000
50000
70000
70000
40000
40000
20500
20500
1 e......20000
-.algodo, 10600 c. 10100
>as de peitos de linho,
5^0,.30 e.....20500
Ditas de madapolao, 30,
20500, 20 e.....10000
Chapeos de massa, pretos fran-
cezes, 100, 90 e. 80500
Ditos de fltro, 50, 40,30500 e 20000
Ditos de sol, de seda, 120,
II#, 70 e......40500
Coharinhos de linho fino, ulti-
ma moda....... 040
Sortimento completo de grava-
tas. 0
Toalhas para rosto, duzia, 110,
9$ c........60000
Atoalhado adamascado de li-
nho vara......10280
Chapos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....40000
FAZENDAS E ROUPAS FEITAg.
Sortimento completo de sobrecasacos de panno a 250. 280 305 e 3S4
VTaZ f?laS 3 ^' ?*\ 30*e 3. Poette asacados Je'panno preto de 160
mlL.S(ie,CT/Tr.de Cr V5f m e 20*> Paletols ns detono eaZ
mtra de 80 ate 140, ditos sacos de alpaca, merino c 13a de 40 at 60, sobre S aluaca e
mermo de 70 ate 100, calcas pretas de casemira de uSiSXmZSStWm
cnt;3mPfamenT,d?t0d0Sn0StamanhS' grande sortimento de ronnas de briaa.
IS^A P,a,0tS e C0,letes' sortimnt de leles pretos de mJum. caS
e \ crfi J' fr1'^ a^nk,lt" a :i* ? < ral-'l"ls branes de bramante ., i
e u0, calcas brancas muito finas a 50, e um grande sortimento de fazendas linas e moder-
nas, completo sortimento de cascmiras inglezas para homem, menino e senlKTa, ceronla
de linho e algodao, chapeos de sol de seda, luvas de seda e de Jouvin para homem e^
nhora. Temos urna grande fabrica de alfaiate, onde recebemos encomiendas 7VJL
't^XS^T1* ftow**>Blrada por um hbil mostr de semelhant, arfe e um
f ilL f m?6 rC,en 3 0breU'0S escol,"d,s' P tanto executamos qualquer obra m
promptidao e mais barata do que em outra qualquer casa.
DE

TODAS AS QUALIDADES
DE
ANTONIO MAIA DE BRITO
COI
Lences de linho.
Cobertas de cinta chineza..
res, 90 e......70000 Pennasd'aco, as mais superio-
30000^
20000
boni cliristo, e quando reparou essa sua falta,
mandou virf e acaba do receber delicados tercos e
coras de cornalina -
tas de Santos C'elho
Ra do Queimado numero 19.
Vende-se o seguinte
Golloras de chita
da India pelo barato preco de 2.
Lences
! de panno de linho a 25.
lauuzinhos eos perfumarlas e Lences do bramante
sem cijas. Ide linh0 ''."0 (le Ul" s i,anno Pe' baratissimo
A aguia branca vende bonitos bahuzinhos com 6 i Pre5.de ^ _.__.....
ftasquinbos decheiros por JdOO e vasios i>or800'
orvindo estes para meninas, e mesmo para
(oas, etc., etc. : na ra do Queimado, loja d'aguia
coras de cornalina com cruz de prata, os quaes
de:xa disnosioao dos tiois que csliverein djspostos:
a gastar I(300,25e .o para possuirem um Itonito
ou cora, cun is <|ii:u-s poden mesmo pedir a
Deus pela urosperidade d'aguia branca, em seuale-
o nihu da rua do Queimado n. 8.
branca n. 8.
Liabas martas e lustrosas para
bordar
. vendem-se na loja d'aguia branca rua do
Quoimadp h. 8.
Xovissuuos e bonitos enfeites
para caberas.
Quando o bello sexo senta a falta de bons
enfeites para caneca, eis que a aguia branca
nc&be urna sua encommenda de bonitos e
delicados enfeites, e de modernissima moda,
muito servindo isso para sanar aquella falla,
e fazer com que as Exmas. apreciadoras da
belia empreza Coimbra possam melhor real-
sarj e mostraren! o apurado gosto que as
gafa. Esses enfeites sao d'um tecido bas-
tante fino com continuas d ac, e mui bem
enfoitados com flores, fitas, bicos, plumas
etc., entretanto que sendo obra de muito
gosto custam 50, 60 e 70 dinheiro vista;
na espacosa e alegre loja d'aguia branca rua
do Queimado n. 8.
^IbBns com perfumarlas.
Muitas vezus aconteca que se procurando urna
bolla galantana para se offertar a urna senhora ou
menina em seus aumvrsarios, ou *mesioo na
aiuarracaodjis mestras deslas, so nao aclmva cousa
laiie salisflzesso, agora, porm, j nao de ve succe-
' 'der assim porque na. loja d'aguia branca encontra-
r o pretndeme bellus objectos para esse fin, so-
Jire-salimdo entre ellos esses bonitos albuns com
perfumaras, cujo gosto e novidade Ibes d a pri-
inazia. A aguia blanca folgar de con'ente se
m suas predilec-
tas fregaeas, o uuaao assim nao seja, nao faz
.al. pori|ue a munoaeada reparando na singulari-
.e'i; do ojecto, querer 'djjsd logo alistar-se no
urnero da_quollas. Em todo o caso liavendo di-
ro,dirijam-se-rua do Queimado, loja d'aguia
a n. 8. que tado se arranjar.
Chegaram luyas
branca, ma
para maos pelo barato prego de 5 a duzia.
Vestidinhos de seda
paira menina pelo baralissimo preco de 4.
I i'Miik 111' fiila
Lencos de seda
para algibeira pelo barato preco de 15-
Ricas s.iias de fustao
l>elo barato preco de #500.
Lonfos de cassa
finissimos proprios para algibeira pelo baratissimo
preco de 2 e %fi00 a duzia.
Corles de calca
do ganga amarella de lista e quadros pelo bara-
tsimo preyo de 10200 o corto.
Pefasde madapolao
fino largo polo baratissimo prego de 80.
Pecas de breUnha
de rolo com tO varas pelo barato prego de 35200.
Peras de raniliraia
Jl-' saJ|iicos fina eoiu8 1|2 varas pelo barato prego
llcalliamo delinlio
com 8 palmos de largura proprio para toallia do
mesa pelo barato prego de 20300 a vara.
ilarege
de lindos gostos pelo barato prego de 440 rs. o co-
vado.
Esleir da ludia
propria para forro de sala del, i> e 6 palmos de
largura.
Ditos de casemira preta, 50 e
Ditos de ditas de cores 50
. 0 e........
Ditos de setim preto. .
Ditos de ditos e seda branco,
60 e .
Ditos de gorguro de seda
pretos e de cores, 60, 50 e
40000; res, a grosa.
Relogios de ouro
orizontaes,
30.-JOO 900,800 e.
50000 Ditos de prata, galvanizado,
patentes e orisontaes, 400 e
50000 Obras de ouro, adercos, meios
aderecos, pulceiras, rozetas,
40000 aneis e cruzes.
F1TJVDICLO
di?
CONHECIDA POR FABRICADA VIUVA
N. 21 Antiga rua dos Quarteis de polica-N. 21.
Constando ao annunciante, que alguns especuladores de m f. vendo o rmki..
que gosam os meus c.garros, e para poderem dar consumo aos seus andam vendando Un
na praca como pelo mato, illudindo os meus freguezes, dizendo que sao meus cnT
ti ^l?LTrS ^V'^05 m minha fabrica> e nr, nan* alguma vender
Pfpu"hacontafura della,faco o presente annuncio para evitar que comprem Rato^oT
lebre ; e para seguranca dos senhores consumidores deste genero e especialmente os Z
freguezes, aviso que todos os massos de cigarros que forem vendidos na minha fabrica*
marcados com um distinct.vo que declara o meu nome, o nome da rua
mesina casa.
e o numero da
Aproveito a occasiao para scientificar aos mesmos senhores. que constante,
encontrarao um completo sortimento de cigarros de diversas qualidades. e do mHInTfuau
escomido, por sua boa qualidade j bem conhecida. "r iw
POR MENOS DEZ POR CENTO
NOS
DE
CONSI
1RMAZEVS
RVflVQ I CONSERVAQR
DK
NS. 21 E 23-LARC0JD0 TERg0-.\S. 2t E 23.
FRANCISCO ANTONIO CORREIA CARDOSO, ^^SSTT^gS^SU^'t^nytSL
Rua do Bniui, X. 83. <> m,.i:j..i.
; outra qualquer parte, gai antiddo a superior qualidade.
L. ... Lelam todos.
o ou de bronze, moendas para .anle^a m8leza especialmente escolhida a 7o e 8oo rs. a libra,
promptidao, perfelrSo e com- I.dem franceza e primeii a qualidade a 56o rs.
prompto para
a libra, e em barril a 54o rs. a libra.
Acha-se novaraente aberto este antigo e proveitoso estabelecimento,
executar quaesquer encominendas de ferro fundido, balido
engenhos, com vapores ou sem elles, tudo com a maior promptiao, per,
modo prego ; tem varias obras promptas da melhor e mais solida construccao que p-' AlT.0^Pilado melhor do mercado a loo rs. a libra e 3,ooo rs. a arrota ou sacro
dem ser vendidas por metade de seu valor, como sejam : Cafe do Rl e do Cear o melhor neste genero a 28o e 32o rs. a libra.
Moendas inteiras e meias ditas de varios tamanhos, para engenhos.
Portas d'aguas guarnecidas de bronze com parafuzo de rosca quadrada.
Rodas de espora,' carretas e rodetas angulares.
Parafusos e cavilhoes de ferro ou de bronze, rosca quadrada ou singela.
Agulhoes fundidos de azas e batidos para rodas d'agua e chumaceiras com bronze,
Bromes e torneiras de todos os tamanhos e qualidades.
Taxase fundos de alambique, de ferro fundido, de varios tamanhos.
Crivos e portas de fornalha de varios tamanhos e qualidades.
Urna machina de destillacao continua do autorCollares.
Fogoes americanos econmicos para casa de pequea familia.
E urna grande porco de pecas de obras tanto de ferro fundido como batido ou de
bronze que seria enfadonho descrever.
Espera, pois, o proprietario deste estabelecimento que o publico sempre benigno
e prestar toda sua conGaoca e altenco.
Molhados a pre^o fabuloso e p-
tima qualidade.
Na travessa das Gruzes n. 6, taberna, vendem-se
os seguintes gneros : manteiga franc
?Mft n 'nercaio a 56 rs. a libra, dita ingleza
a 7JO e 640 rs. agurdente de canna engarrafada
ha 3 annos a S40 rs. a.garrafa, que parece de
Potassa nacional.
Vende-se superior potassa do Rio de Janeiro, da
merca'
modo; no largo do Corpo
mais nova que ha no mercado, a prego muito com-
- modo: no largo do Corpo Santo, escrii
manteiga franceza a melbor Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, n. 19.
CALDELISBO*
\ ende-sc cal nova de Lisboa : no largo do Cor-
S'ant, escriptorio de P ?a"!0' escnptorio de Manoel Ignacio de Olivei-
ra & filho n. 19.
a l,4oors. e em caixas de quatro
Batatas novas a 5o rs. a libra, em arroba r5. e
4,5oo rs, M
Bolachinhas americanas, as mais novas neste genero, a 2oo rs. a libra e 3 ooo rs
Pablos do gaz, vindos por conta particular, a 2,3oo rs. a groza.
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor, a l,8oo e 2,ooo rs
Vinho do Porto em garrafa de superior qualidade a 9oo rs. a garrafa
dem em pipa Figueira e Lisboa a 4oo rs. a garrafa, e a 3,ooo a caada
Milho alpista o mais hmpo que ha no mercado a 16o rs. a libra, e a arrrota a 'i c* r.
Velas de spermacet, composicao e Aracaty, a 4oo, 36o e 64o rs. a libra
Toucinho de Lisboa novo e grosso de primeira qualidade a 32o rs a libra ,.,,
arroba. **
Alm destes gneros ha outros muito baratissimos, assim comorh do -----
azeite doce, vinagre, cebollas, albos, pimenta, cominhos, ena-doce, charutos\fc STL
qualidades. chouricas, satao verdadeiro de 16o a 24o rs. a libra? genebra d!
qualidades, que tudo se vende barato e quem duvidar venha ver.
ranea dila de pipa aOO rs. a garrafa, e caada
a U120, espirito de vinho a H a arrati
uada a l^OO, vinho
zem de Manoel Teixeira Dasto.
(Jal de Lisboa
Cal vrgem chegada hontem em ancoretas mui-)
garrafa, e ca- to bem acondicionadas e por prego commodo: no
igueira-ailiOaparralXaKilS anli. d?Psit0 d_a rua do_TrapAe n. 13, arma-
mais baixo a M)0 r>. agarrafa, dito do Estrito a
320 a garrafa, vinagre branco proprio para con-
serva a 320 rs. a garrafa, azeite doce de Lisboa a
600 rs. a garrafa, dito de carrapato a 320 rs.
Vende-se um piano francez muito bonito, e
pellica para a loja da-1 de excedentes vozes: quera o pretender, dirija-sc
do Queimado n. 8. r agencia de leilOes na rua do Imperador.
Vende-se urna taberna com poucos fun-
dos ou so a armacao a aliar no pateo do
Terco, n, i 2.
,ALUNAIDELMBBAK(\S
LiiM-Brasileiro
PARA 1864
Por t astllho.
Acabam de chegar estes interessantes almanaks,
e vendem-sc na livraria econmica ao p do arco
de Santo Antonio.
Potassa da Kussia.
Vende-se em casa de N. 0. Bieber 4 C,
uccessores, rua da Cruz n. 4.
FlJMDI^AO DA AURORA.
Nesta grande e bem montada fabrica de machinismo, a mais antiga no imperio, coa-
nua-se a executar com a maior presteza e perfeico encommendas de toda a qrobdadn
de machinas usadas no paiz, tendo sempre prompto o seguinte :
Grande sortimento de moendas de canna de todos os svstemas e
Machinas do vapor de diversas qualidades.
Taixas fundidas e batidas.
Crivos e boceas para foraalhas.
Bronzes e aguilhoes. /
Rodas, rodetas e rodasiTagua.
Guindastes fixos e portateiS.
Machinas de cylindros para padta. f"*
Serras de ac para serrara. T
Fatechaspara barcos, etc., etc., Vudo por^preco qoe bem convida.



Diario le Pernanalmeo ... Qiiarta fe Ira <| Hremhro de 1848.

\
\
\
l* -
(B PISI
GRANDE ARMAZEM
AE
EE
N. 36, RA DAS CRl'ZES N. 36
W>
balrro de Santo Antonio.
0 proprietario do muito acreditado armazem denominado Progresista tendo
sempre em vista fazer tudo o que for possivel para bem servir aos seus freguezes, tem
deliberado vender os seos j bem conhecidos gneros de primcira qualidade pelos precos
abaixo mencionados, e affianca s pessoas que mandarem comprar por seus criados ou
escravos, serem tao bem servidas como vindopessoalmente; encarrega-se de aviar qualquer
encommenda, anda mesmo contendo objectos nSo proprios jj&te estabelecnento, 0
mesmo pede aos senhores que mandarem comprar neste armazem o favor de iwIarem
devolver qualquer objecto que nao agradar, devendo os mesmos senhores te? toda atten-
e3o com os seas portadores, faaendo-lhes ver que s no armazem Progresista da ra das
Cruaes n. 36, que se vendem os melhores gneros por mais barato preco, porque estes
muitas vezes olvidam-se e v5o outra parte onde os servem de maneira a desagradar este
estabelecimento.
GRANDE ARMAZEM DE MOLHADOS
DE
^y*ai&j%miia^^
I.
DE
Eduardo Marques de Oliveira C.
de superior qualidade a cada
xinba.
Manteigai ngleza de 1.* qualidade, a 800 rs.
a libra,
dem de 2. qualidade, a 700 rs. a libra,
dem francs, chegada ltimamente, a 6oo | MoJg*J HT^& Pt
rs. a libra.
Batatas em gigo de arroba a i,5oo rs.
Macaes chegadas no vapor lnglez,
Ervilbas muito novas a 24o rs. a libra,
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor,
de 2# 20500.
400 rs. cada um.
Milho-alpista a 180 rs. a libra.
Ge minia para engommar muito fina e alva a
80 rs. a libra e 2300 a arroba.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
dem prato, chegado neste ultimo vapor, o t Sabao verdadeiro hespanhol, que raras vezes
mais fresco que se pode desejar a 700 rs.
a libra.
vem ao nosso mercado, a 300 rs. a libra e
em caixa ter abatimento.
dem londrino, mandados vir de encommen-1 ,..._ _.
da especial, a 900 rs. a libra. *J ~d-e- suPeriOT *!** de 160,
dem suisso, muito fresco, a
180, 200, 220 e 240 rs. a libra.
i rs. a libra.
Caf do Rio de 1.a e 2.a qaldade a 85oOO Graixa em latas muito nova a 120 rs. a lata
e 8^800 a arroba, e 280 e 300 rs a libra. I e 10300 a duzia.
Aroi!J1(]LIaranh30 a ,20rsalibraPeixe em latas muito novo: svel, pescada,
corvina, salmo e outras. qualidades, pre-
e 30200 a arroba.
Avelaas as.mais novas neste genero a 240
rs. a libra.
Presuntos do Porto muito novos a 560 rs. a
libra.
Legumes francezes para sopa, como seja,
Julienne, mlange d'quipage, Choux e
outras qualidades, a 400 e 500 o masso.
Amendoas de casca mole a 320 rs. a libra, e
em porco ter abatimento.
Garrafoes com 5 garrafas de vinho do Porto
do Alto Douro a 20400 com o garrafao ;
afianca-se que nesse genero o mclhor
que veto ao mercado.
dem com 5 garrafas de vinhe Figueira muito
superior e mais proprio para a nossa esta-
cao por ser mais fresco a 2$ 400.
Cha hysson o mais superior a 25600 a libra,
afianca-se ser egual ao que regularmente
vendemos a 30200.
dem huxim miudinho, o mais superior que
vem ao nosso mercado a 20700 a libra.
dem proto muito fino, a 20000 a libra.
Chocolate para 9oo, l,ooo c l,2oo rs. a li-
bra.
Garrafoes com 5 garrafas de superior vinho
de Lisboa a 20100 cada um.
dem com 5 garrafas (te i .nagre de Lisboa
a 10100 com o garrafao.
dem com 5 garrafas de vinagre hambur-
guez a 800 rs. cada um.
Vinhos generosos vindos do Porto engarra-
fados dns seguintes marcas: Genuino,
Porto fino, Nctar, Duque do Porto, Fei-
toria, Velho secco, Chamico, Madeira su-
perior e outros a 900 rs. a garrafa e 90
a duzia.
Vinho Bordeaux das melhores marcas: St
Julien. Medoc e S. Estephe e outros a
040 rs. a garrafa e 70500 a caixa com
urna duzia.
Ghouricas e paies, o mais novo que se pode
desejar, a 250 e 600 rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez dos melhores fa-
bricantes a 900 rs. a garrafa e 100500 a
caixa com urna duzia.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
800 rs. cada um.
parado de escabexe segundo a arte de
cozinha a 10400.
Papel grve pautado e liso a 30800 a resma.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
460 rs. cada urna.
Vinhos em pipa: Lisboa e Figueira das melho-
res marcas a 30200 e 40000 a caada do
melhor e 500 rs. a garrafa, em porcaoter
abatimento.
Vinho velho Chamico em barril, muito proprio
para sobremesa, a 640 rs. a garrafa e
50000 a caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero a 560 rs. a garrafa e a 40000
a caada.
Vinagre puro de Lisboa a 200 rs. a garrafa
e 10400 a caada.
Azcite doce de Lisboa muito fino, em barril
a OO rs. a garrafa, e em porcao ter
abatimento.
Champagne das mais acreditadas marcas, a
10000 a garrafa, e 100000 o gigo com
urna duzia.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Babia a 30500 a caixa, tambem temos
para 20000, 20500, 30000 e 30200 a
caixa.
Vellas de spermacele superiores a 600, 640,
e 680 rs. o masso.
dem de carnauba e composico a 320, 360,
c 400 rs. a libra e de 100 a II0500 a
airoba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa, a 10000
a ancoreta do Porto e 10500 a de Lisboa.
Massas para sopa: estrellinha, rodlnha e pe-
vide a 500 rs. a libra e 40500 a caixa com
8 libras liquido.
Massas para sopa muito novas: talharim, ma-
carrao e aletria a 400 e 480 rs. a libra.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso das melhores qualidades a 900 rs.
a libra.
Doce da casca da goiaba a 800 rs. o caixo.
Ceneja das melhores marcas de 50500 a
60000 a duzia e 540 rs. a garrafa
Biscoutos inglezes de diversas qualidades a
10300 a lata.
TODOS
os
YAPORDN g
se recebem gneros de conta ^
propria e dos melhores esta- ^
belecimentos da Europa, ga- o
rante-se todo e qualquer ge- t^
ero comprado neste 2
ESTABELECIMPTO,
COMPLETO
SORTMEXTO DE MOLHADOS.
vende-se em porc5o e a reta-
Iho, aprompta-se com toda a
presteza e exactidao qualquer
encommenda dirigida a este
ESTUELECIMEXTO.
C/5
o
z
S o
t .6
4
a M
M -a
o j a
z. a fl
a s. 2
-8
e 'O
L. si
1 i
1
2 1
-t. V
r; o
'i. 3
>
= a
3 t*

c
Os proprietarios do muito acreditado armazem Progresso fazem sciente ao respeita-
vel pubUco c com especialidade aos seus amigos e freguezes que tem resolvido resumir os
precos dos seus acreditados gneros, como abaixo verao n5o obstante os precos menciona-
dos a vista da qualidade dos gneros que o prova quanto se deseja servir satisfatoria*
mente aos nossos freguezes, advertindo-lhes que mandem seus portadores, que serao Uto
bem servidos como se viessera pessoalmente, isto s no Progresso.
Manteiga ingleza perfeitamente flor chegada
no ultimo vapor a 8oo rs.'a libra.
dem de 2.a qualidade a 76o rs. a libra.
dem de 3.a dita a 64o rs. a libra.
dem para tempero a 32o e 4oo rs, a libra.
Manteiga franceza a mais nova que ha no mer-
cado a 58o rs. a libra, e em barril ter aba-
timento.
Banha de porco refinada a 520 rs. a libra.
Vinho em pipa Porto Figueira e Lisboa a 4oo,
48o, 5oo, 56o rs. a garrafa, em caada
2,8oo 3,ooo 3,5oo e 4,ooo rs.
dem em barril o mais superior que tem vin-
ao mercado a 6oo rs. a garrafa.
Lagrimas do Douro especial vinho do Porto a
1,000 a garrafa e a lo.ooo a caixa, o preco
nao indica a qualidade d'este precioso vi-
nho, porm venhamao Progresso que a vis-
ta faz f, a este genero constantemente man-
damos vir de conta propria e por isso po-
demos vender por menos que outro qual-
quer annunciante.
Vinho do Alto Douro das marcas mais acre-
ditadas e especialmente escolhido por um
de nossos socios, como sejam: Camoes, Du-
que, do Porto, D.Luiz, Carcavellos, Cha-
misso & Filho, Madeira secco, e Feitoria a
9oo rs. a garrafa e 9,ooo rs. a caixa com
12 garrafas.
Garrafoes com especial vinho do Porto con-
tendo 5 garrafas a 2,5oo rs.
dem com 5 garrafas de superior vinho Fi-
gueira a2,4oors.
dem com 5 garrafas de vinho Lisboa a
2,loo rs.
Familia de Maranho muito alva e cheiroza
a 16o rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 32o rs. a libra e a 9,ooo
rs. arroba. r
Sardinhas de Nantes a 36o rs. a lata.
Azeite doce*de Lisboa a 64o rs. agarrafa e a
4,8oo rs. a caada.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e a
l,2oors. a caada.
Garrafoes com 5 garrafas de vinagre de Lis-
boa al,loo rs.
Champanhe das marcas mais acreditadas a
8 e a lo,ooo rs, o gigo, e a 8oo rs. e a
l,ooors. agarrafa.
Serveja preta marca T e XXX a 6,5oo e
7,ooo rs. a duzia, e a 6oo rs. a garrafa,
tambem temos das mesmas marcas para 4,
e 4,5oo rs. a duzia, e a 4oo rs. a garrafa.
dem branca Te cobrinhaa5,5oo e 6,ooo rs,
a duzia e 5oo rs. a garrafa, tambem ha
para 4,ooo rs. a duzia.
Graxa em latas grandes a l,3oo rs. a duzia
e 12o rs. a lata.
Vassouras do Porto arqueadas de ferro obra
demuita duracoa 4oo rs. cada urna.
Palitos de denles massos grandes a 2oo rs.
e28o rs.
IVcstes novos e grandes estabelecimentos de molhados, encontrar o res|>tuv|
publico d'esta cidade, bem como seus numerosos freguezes do centro, exposlo \t&/m
todas as qualidades de gneros por menos preco que em quaesquer outro estahfc-ciaMft.
tos d esta ordem, pois para bem servir os seus freguezes existe na Europa na At<% >r~
cos para serem vindos de conta propria diversos gneros, e desde j encontrar o r**-
peitavel publico sempre os melhores gneros do nosso mercado, e por precos Vrthm
mos como abaixo verao, a saber :
Massa de tomates a *40 rs. a libra.
Dita estrellinha para sopa a 560 rs. a ..bra.
Massa estrellinha para sopa a 5oo rs. a tiara.
Macarrao, aletria e talharim a 48o rs. a li-
bra.
Marrasquino de Zara a 800 rs. o frasco.
Passas a 4oo rs. a libra. v
Palitos para dentes a 180 rs. o Phosphoros do gaz a 20500 a g
Paios novos a 640 rs. a libra.
Queijos do reino do ultimo vapor a 20
20500.
Dito de prato a 720 n. libra.
Cervejas de marcas superiores a 500, Nt
600 e 640 rs. a garrafa, c 50500, (4 t
60500 a duzia.
Dita em barril por 40, e 240 rs. a garrafa.
Cevada a240rs. a libra.
Sardinha de Nantes a 360 c 400 rs. a se-
nil i.
Sag a 240 rs. a libra.
Sabo massa a 200, 240 e 280 rs. a libra.
Scv.nlinha a 280 rs. a libra.
Toucinho de Lisbua a 320 rs. a liltra.
Tijolo para limpar facas a 100 n,
Vellas de iiniiiMuilm do ga/. i 1,200 m.
libra.
Ditas do gaz muito boas.
Ditas dito em cautas de 6 libras por iOf:.
Ditas de carnauba a 400 rs. a libra.
Bitas de composico a 300 c- 30 rs. a libra.
Vinho do Purto, caada a 50500, garrafa
720 rs.
Dito Lisboa, caada a 40 c a garrafa a 50t
rs.
Dito Figueira. caada a 30840 e a garr..*a
480 rs.
Dito dita superior, caada a 40 e a garra
a 500 rs.
Dito Estivito. caada a 30200 e a parrafea
400 rs.
Dito Bordeaux a 720 e 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa em gairafiVs de ."> *>
fas por 10400.
Dito em caada n 2#, e a 200 rs. I | i.
Paltos d
tos (log;
m
f^ffi A
az a 20 rs. a caixinha c 2,3oo rs.
Gela^Be Alperche chegada no ultimo vapor
f latas de 2 libras a 800 rs. pechincha.
Genebra de Hollanda garrafoes com 16 gar-
rafas por 6.5oo rs.
dem em frasqueiras a 6,3oo rs. e 6,5oo rs. ea
56o rs. o frosco affianca-se ser verdadeira.
Amendoas a 320 rs. a libra.
Avel5es a 2oo rs. a libra.
Ameixas a 10 a libra.
Ditas em frasco por 20800.
I Arroz pilado da India loo rs. a libra e 30ooo
a arroba.
I Dito dito do Maranho 120 rs. a libra e 30500
a arroba.
Azeite doce francez 800 rs. a garrafa.
|Dito de Lisboa 680 rs. a garrafa.
Agurdente de canna de cabeca a 240 e 320
rs. a garrafa.
Azeitonas a 320 rs. a garrafa e 1,3oo a an-
coreta.
Batatas inglezas a 60. rs. a libra e 1,80o a
arroba.
i Banha de porco a 55o rs. a libra.
IBolachinha de soda a 10400 a lata.
Bolachinha ingleza a 200 rs. a libra, e a bar-
rica a 30000.
Cha hysson a 20200 a libra.
Dito dito fino a 20600 a libra.
Dito miudinho a 20800 a libra.
;Dito do Rio a 10800 a libra.
Ditopretoa 10900 a libra.
Charutos de diversas qualidades a 10200,
10500 e 30 a caixa.
Champagne a 10 e 10500 a garrafa.
Chouricas a 560 e 600 rs. a libra.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
Caf em grao a 300 e 320 rs. a libra, e 90 e
1 90200 a arroba.
Dito moido a 360 rs. a libra.
Doce de goiaba a 560 rs. o caix3o.
Espirito de vinho de 38 graos, a 280 rs. a
garrafa.
Farinha do Maranho a 160 rs. a libra.
Dita flor de laranja a 10 o frasco. ,
Feijo branco muito novo a 440 rs. a cuiS.
Figos a 32o rs. a libra.
Genebra de Hollanda em botijas a 5oo rs.
Dita Hamburgueza a 44o rs. a botija.
Gomma d'araruta a 100 rs. a libra, e 20600
a arroba.
Graixa em latas a 120, e 10300 a duzia.
Genebra em garrafoes de 14 garrafas por
! 40000.
Licor fino a 800 rs. a garrafa.
: Dito em garrafas grandes de superior quali-
dade a 10500.
Manteiga ingleza flor a 800, 900 e 10 a libra.
Manteiga franceza a 600 e 64o rs. a libra.
Dita hollandeza a 72o 800 rs. a libra.
Mostarda a 640 rs. o frasco.
Vinho do Porto 1 m earrafTVs de 5 garria
por 20500.
Dito ditoTigarraf.idua 10 e IMOtl
Dito lagrimas doDoiima l->jnoa <-.n ,.-s
Vinho branco de Lisboa a 720 rs. a garra*.
e 50 a ranada.
Dito do estreito a 000 n. a garrafa, t a 40500
a caada.
Vinho branco de Lisboa proprio para missa ,. m ...__.__ ,
vindo j engarrafado de Lisboa a Oio rs. Wem de b,ot|Ja,em *"* >m quatro du-
a garrafa.
ziasa 44o rs. cada botija.
dem de laranja em frascos grandes verda-
deira italiana a l,ooo rs. o frasco.
dem em barril muito superior a 5oo rs. a
garrafa e a 4,000 e 3,800 a caada.
Ameixas francezas em caixinhas de 1 % 2 Marrasquino de zara a 72o rs.
Prcvine-se ao rcspeitavel publico que todos os grama ni sao ik boa qrafcV
dade, e para desengao venham ver; assim como outros que deixam de ser annnnria**.
Licores francezes, muito finos, das seguintes
marcas: Anizctta de Bordeaux, Plaiserdes
daraes, Crme de Noyau, Eau Dantzic, Bolachinha de soda, especial encommenda,
Crme de Menthe, Ilude de Venus etc. etc.
Passas muito novas e de carnada a 400 rs. a
libra e 60500 a caixa com urna arroba, ha
caixas, meias e guarios.
Ameixas francezas em frascos de 11)2 e 3 li-
bras de 10400 a 20800, tambem ha latas
de 6 libras.
muito nova em latas grandes a 20000 cada
urna.
Massa de tomates em latas de 600 a 700 rs.
cada urna.
Sardinhas de Nantes, do fabricante Basset, a
360 rs. a lata.
Toucinho de Lisboa novo a 320 rs. a libra.
Tijolo de limpar facas a 180 rs. cada um.
Marmelada imperial, dos melhores conser-1 Cebollas o mlho a 900 rs.
veiros de Lisboa, a 600 rs. a libra, em la-
tas lacradas hermticamente. Erva-doce muito nova a 400 rs. a libra.
Fructasem caldas de todas as qualidades em Cominhos idem dem a 640 rs. a libra,
latas muito bem enfeitadas, a 500 rs ca- Garrafoes vasios a 500 rs. cada um.
da urna.
Bolachinha ingleza. a mais nova que se pode
desejar, a 30000 a barric a e 240 rs. a
libra.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
a 160 rs. a libra.
Azeite francez clarificado a 800 rs. a garrafa
e 90000 a caixa com urna duzia.
Conservas inglezas dos melhores fabricantes
Mixed Pickles, ceblas simples, e outros
a 760 rs. o frasco.
Ditos com 5 garrafas de genebra a 20400,
garante-se ser verdadeira de Hollanda.
Cebollas a granel a 640 rs. o cento.
Canella a mais nova do nosso mercado a
10000 a libra.
Alfazema o que pode haver de melhor neste
artigo a 280 rs. a libra.
Phosphoros de seguranca individual a 20 rs.
a caixinha.
c 3 libras elegantemente enfeitadas com ri- Licor francez de todas as qualidades em
cas estampas na caixa exterior a l,3oo garrafas de vidro brancos a 72o e 800 rs.
l,6oo 2,000 e 2,5oors.
dem em latas de, 1 '/* 6 3 libras a l,4oo e
2,6oo rs, cada urna.
Figos de comadre em bauzinhos de folha
muito proprios para mimo a 1,60o.
dem em caixinhas a l,4oo rs.
dem em caixinhas ermeticamente lacradas
e muito bem enfeitadas a 1,80o rs.
dem a 2oo rs. a libra.
Vinho Bordeaux das melhores qualidades
que tem vindo ao mercado a 72o e 800
rs., e era caixa a 7,3oo, 8, e 8,2oo rs.
Azeite doce refinado do fabricante Pelanol e
outros a 800 rs. a garrafa.
Conservas inglezas sortidas e de uraa s qua-
lidade a 800 rs. o frasco.
FMDI^IO DO BOWniAX-RlTA 1MI
Este muito acreditado estabelecimento est prvido de um conpfet MU Je
machinamos proprios do fabrico de assucar, a saber:
Machinas de vapores as mais modernas e mais acreditadas.
Rodas d'agua de ferro com seus pertences.
Moendas e meias moendas de todos os tamanhos.
Rodas dentadas, angulares e de espora.
Taixas de ferro batido e coado.
i Boceas de fornalha pelo novo systema Welson.
Alambiques de ferro fundido.
Fornos para cozer farinha.
Moinhos para moer mandioca.
Arados americanos, etc. etc.
Araruta verdadeira a 32o rs. a libra.
; Gomma de engommar muito alva a 80 rs.
Passas de carnadas as mais novas que ha no I a libra M,2oo rs. a arroba,
mercado a 4oo rs. a libra e a 6,000 rs. a &, muito iovo a 24o rs. a libra.
1lYO I
Sevadinha de Franca a 16o rs. a libra.
caixa.
Papel de embrulho muito superior a 10120
Farinha verdadeira de araruta a 500 rs. a a resma-
libra, garante-se a superior qualidade. iftho dJ Figneiraf 0 que na ^ meUl0r a
Palitos para dentes em caixinhas douradas* ^40000 a caada.
Bren, a 320 a libra e 80 a arroba. Copsfinos para agua a 60000 a duzia.
Salmo em latas ermeticamente lacradas a
800 rs.
Lagostim em latas grandes a l,4oo.
Savel, corvina, cherne, vezugo, peixe espada,
preparados pela primeira arte de cozinha a
a l,3oors.
Queijos flamengos chegados no ultimo va-
por a 2,4oo rs.
dem do vapor passado a 2,2oo 2,ooo e
l,8oo, rs.
dem prato do ultimo vapor a 64o rs. alibra.
Doce da casca da goiaba caixes grandes a
600 e9oo rs.
Chouricas as mais novas que ha no mercado
a 48o rs. a libra.
Chouricas mouras encommenda especial nos-
sa a 5oo rs. a libra.
Prezunto verdadeiro de lamego em calda
de azeite 5oo rs. a libra
Bolaxinha ingleza a mais novas que ha no
mercado a 2,ooo rs. a /barriquinha cora
1 arroba, e a 24o rs. a libra.
dem de soda de diversas qualidades a 1,400
reis.
dem em latas grandes, proprias para lunche,
com 5 a 6 libras por 2,4oo rs.
Marmelada imperial do fabricante Abreu e
outros conserveiros de Lisboa a 600 rs. a
libra.
Frutas em calda de todas as qualidades a
5oo rs.
Ervilhas francezas a 5oo rs. a lata,
dem portoguezas a 64o rs. a lata.
Massa de tomate a 64o rs. a libra.
Amendoas confeitadas a 7oo rs. a rltira.
dem de casca mole a 28o rs. a libra,
Avelans a 2oo rs. a libra. i
Sevada muito nova a 12o rs. a libra e 3,2oo
ss. a arroba.
Macarrao a 32o rs. a libra.
dem e talharim o mais novo que ha no mer-
cado a 48o rs. a libra.
Aletria a 5oo rs. a libra.
Arroz carolino a loo rs. a libra e a 2,8oo rs.
a arroba.
dem do Maranho a 12o rs. a libra, e a
3,ooo a arroba.
Caf do Rio o mais superior que se pode de-
sejar a 32o rs. a libra.
dem a 28o e 3oo rs. a libra c a 8,2oo, 8,4oo
e 8,7oo rs.
Velas de carnauba refinada a 32o rs. a libra,
e a 10,000 rs. a arroba.
dem de spermacete a 64o rs, a libra.
Chocolate hespanhol e francez a 9oo e 1,000
rs. a libra.
Estrellinha e pe\ide muito nova a 4oo rs. a
libra, e a 2,000 rs. a caixinha com oito
libras.
Cha perola muito especial chegado neste ul-
timo vapor de encommenda particular
nossa a 2,8oo rs. a libra.
dem huxim muito superior a 2,7oo rs. a
libra.
dem hysson a 2,56o rs. a libra.
dem hysson a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
dem preto homeopathico e muito superior a
2,ooo rs. a libra.
dem nacional a l,6oo rs. a libra.
Batatas rauito novas a 80 rs. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Babia
e de todas as marcas, como sejam: sus-
piros, havaneiros, messecipes, regala im-
perial, flor das mattas, primores a 4,ooo,
3,5oo, 3,2oo, 3,000, e 2,8oo, 2,5oq,
2,000 ei,6oors. a caixa.
AGENCIA
DA
FUNDIGO DE LOW-MOOR.
Ra da Senialla nova o. 12.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos.
------------------------------------.------------
Arados americanos e iflachinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston A C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
Vinho lo Porio huprrtor.
Vende-se em caixas de nina rio de Antonio Luiz Oliveira amii A I
Cal de Lisboa c potase* 4
Knsftla.
Vender na roa daCadeia d I
onde se mudou o anlipn c nrmirnln d-|..,-
mesma na n. 12, amUis <>- ^.ii. 11 ... 1
legtimos, i' vcml.-m a pn-rn mais barato d **
outra qnaltnitT pMt.
Vende-se um negro it tnria idade. b* ro-
bnsto, proprio para qoaliju mka rauatar
o diario d'uma rasa, e tambem tibe batir nm
na travesa do Porinho n. SS .obrado.
ROUPA
Na na do Queimado n. 43, esquina que
volta para a Congregaro; pechincha.
Paletots de casemira a 5, 6, 7, 8, 12 c li000:
ditos de panno preto e azul a 9, 10, 12, 16 e 180,
ditos sobre-casacos de panno muito uno por 24 e
285. ditos de alpaca preta e de cordao a 4, 3, 6 e
70, calcas de casemiras de cores a 5, 6, 7 e 80,
ditas pretas a 60500, 8,9 e 100, paletots de fustao
e ganga a 20, 20800, 3 e 40, calcas e colletes de
todas as qualidades e por preco muito barato, len-
ces de puro linho a prcoo de 20800 c 30, cober-
tas de chita a 25240, collarinhos de linho puro a
600 rs. cada um, e outros muitos objectos que s
vista ; e para isso se pede a attenco dos fre-
guezes.__________________________________
Assucar do Monteiro
Ba do Imperador n. 28 e caes de Apollo n.
67, a 200 rs. a libra, e de 8 libras para cima
a 5)5600 aarroba.
Na ra do Queimado n. lOloja dFT
rao & Maia, vendem-se : r"^
Chapeos de castor branco para homem
a 34.
Ditos de palha de seda para senhora. a 5
Lencos brancos de cassa duzia IJttOO.
Ditos de cassa pintada a 25.
Chales de la e seda um 2V.
Las escuras o oovado 200 rs.
Cola ta Bata
Tem para vender Antonio Luii de Offreira Aze-
vedo, no sen esorlptorio, roa da Cruz n. i
Vende-se o ilullegio abr*nad d>s rs- .re
consciencia, obra utilissima ao* tmtmtm f*n*
que aspiram o cargo pastoral : na ra Bdb a. it.
~^
ESCRAVOS FGIDOS.
:s Fugio do engenho Atalaia, fi|ii a int-
nhSem. no dia 10 do corrente. o esrr.iT Pulujar-
rio, idade 40 annos. rrinnlo. cor fula. ha*tai'> ".
corpulento, com falta de dentes na frente, umi*-
co desbotado da cor. pes e pernas um f*mr* Ma-
chados, desronlia-se cpie tenia tonado a i
do Rerife por estar vendida nesla prara a
Ignez, a qual era sua companheira. ha* eansa
mora para as parles da Magdak^a ragiii as
autoridades policiaes e rapilVs de rompo apprehendam e levem ao dito engenh". on m
da Praia ao Sr. Genuino Jos da Rosa, qor
recompenrado.
100,000 de gratiarara.
i'.un lin a fgido desde Janeiro o molalo de mu
Raj mundo, natural do Ico, catalura regalar. Hbt
de 18 annos, rabera chata, rabellos rinpiaaii,
testa grande, rosto oval com urna Btala aa face
esquerda, maraes saliente*, (lentes limados pnan-
dos, bocea regular c principio de boro. p>-s aaas
pequeos; eestumava andar calcad, 0 inlrtih
va-se livre : quem o apprehender dfrija-se r.
da Cadeia do Rerife n. 21, I.uiz Imoau
ra que entregar a referida gratiorarao.


lOOf 4c pateafM
Fugio no dia 19 de agosto do corre
occasiao de se levar ao fea aaiijar a rm
representa ter de idade 90 aaaa
rosto regondo, caboUoa cara
nariz chato, 'bocea regular,
direito urna marra de qaeim _.
vestidos de cltt, e um ctate roga-jf.
autoridades pohciaes e a ifkfKtwtmm
de appreheode-l e leva-la a da Ca
que receber a graficatao de m*
1


Diarlo de Pernambaco Qnarta feira 9 de fteteaabro de l 3.
LITTERATURA.

\
Misteriosa.
Ku vcjo-ic; c sempre a mesma,
A boca ahcrla coni un riso,
Como flor do paraso
Que o.labio de Deus beijou.
Nos olhos o mesmo fluido
Com que miniralma prondeste,
A ininiralnia qoe esqunceste
Porque de mais to leinbroii.
Mas eu devia eucontrar-tc
Depois de too longa ausencia
Para contar-te a existeneia-
Qao passei longe de ti;
E se nao eres no que digo
Olha bem para o meu rosto
, E dz-me se foi de gosto,
- -Se de dor, que envellieci.
Que envellieci; por que sinto
Xa primavera dos annos,
Que o gelo dos desengaos
A minha edade malou.
Mancebo, choro a esperanca
Da infancia na sepultura,
Pola, na desventura
Minli'harpa desaflnou.
Vea meu riso ? E' gelo amargo.
Meu olhar ? 01 liar de louco
l'ara quem a vida pouco,
Nada a mortc c tudo o cu.
Ai I quaudo para a tormenta
J nao havia bonanoa
Com a derradeira esperanca
MinK 'lma p'ra l se crgueu.
' M" o menos por consolo
sta ainda a certeza
De que folgas na grandeza
Do teu Justino feliz.
Se fallas tudo te escuta,
Se olhas tudo se encanta ;
Tu andas sentindo a planta
De eoraedes n'um tapiz.
Lcmbrar-me de que s ditosa
"No centro das minhas dores,
E' doce cerno achar flores
No meio do espinheiral:'
E' deixarem-rae que solt
Dos labios de moribundo
Urna bengo para o mundo,
E nao blasphemia fatal.
Se nao reneg da vida
A's portas de um cemiterio
E' porque trago um mystcrio
Guardado no coraeio.
Mysterio de muito enlevo I
Mystcrio de minha vida 1
Urna perela cahida
Nos mares da perdeid.
Porm um da hei de ergue-la
Pura, candida, brilhando,
Dos meus prantos a banhando
Pu lindo-a com os labios meus;
Entao que venlia a mortalha,
Abencoando a agona :
En morrerei c'o a alegra
Dos predilectos de Deus.
Eu vejo-te : c sempre a mesma
Clieia de vida e esperanca
Qual descuidesa oranca
Que para tudo sorri.
Eu vejo-tc c fico alegre!
En vejo-te c esqueoo as dores I
Eu vejo-te e apanho flores
l'ara Mirar sobre ti!..
3 miembro.
Victobi.vxo Pumue.
X3 ames.
ARTOXIO DE SOIZA N>T0.
O' quantas vezes, poeta,
Faz o amor qual urna sola
Um anjo o trilho perder ?
Quantas vezes na roscira
So ostenta rosa altaneira
Que o amor a faz raorrer ?
Tu bem vs I Hoje os amores
Sao as mais murchaveis flores,
Nasccm e pendem p'r'o chao !
Militas vezes urna rosa
Que nao ama mais airosa,
Tem mais vida que um botio !
Porque teu peito se sent
Queimado por chamma ardente
Que o corado te desfaz ?
Porque vivos sempre triste
Como a procella que assiste
De noute, no mar audaz ?
E' porque nesse teu crneo
Tens o fogo coetneo
Que se traduz por amor !
E' porque sentes teu peito
Fibra a fibra, eito eito
Estalar sobre urna dr !
Urna dor profunda e forte
Dada ao poeta por sorte
P'ra no peito a reguardar ?
Lina dr, um desatino
Que corre par do destino
P'ra dar vida e p'ra matar I
Por tanto, moco, nao ames,
Receia.....oh I nSo te inflammes
as chammas do padecer I
Amor1-*! nuvcm sumida
No lupanar da perdida,
Onde a vida um morrer I
Amor simples desejo !
Amor lascivo beijo
Que se rouba mulher sia I
Amor bago de orvalho
Que peisa noute no galho,
Mas que scea demanhia !
Amor das furias filho!
Amor astro sem brilho,
Mas mais do que outro seduz !
Amor phantasma horrendo
Que sahe do inferno tremendo
Formando imperios de luz I...
Rccife setembro de 1863.
Belmiro Salgado.
Tem j alguns vapores servidos nicamente por
naturaes do paix.
Esto em camfnho para Europa varios mance-
bos que o governo do Taicum envia para estudar
nossas sciencias e artes.
D. SlMBALDO DE MAS.
(RevolHrao de Setembro.
Mais um brinde ao Alheen no
dia da sesso magna desa so-
<*iedade.
Dc bravos a torca dcscaace um momento
Se qui no aposento da gloria chegar :
A lata brilhante se torna funesta,
Se ao riso da testa nao deixa um lugar I
Ao templo de ouro votado a verdade
Bi ni a beldade trazer sen matiz,
E ambas unidas em temos branos
Mistaran seus laoos no quadro Miz!
Sciencia divina, que os brilhos expandes
Por cima dos Andesna aliura do cuI
Feliz de quem pode no aliar do leus liymnos
Gosar de leus mimos, prender-se em teu vu I
Falta de quem pode tocar teus encantos
E ouvindo teus cantos sonhar um porvir f
Fea de quemsobre leus arduos labores
Soletra os valores que sabes nutrir I
Oh vos que das letras solfreis todo o embate,
Minaos do combato-corageni; e valor MI!
O mesmo cancaco que a dor nos imprime
'Ao tlirono sublime vos ha de transpr 1
\oae como cysncs csplicra^clevad, w
Que a patria adorada precisa de vos,
Plantando a sciencia que vem d'outros mundos
Seus dotes fecundos trazei sobre dos !
e o nauta em perigospor mais que valente
A luta presente-chorando-maldiz !
L vem no horsonte < llamado futuro
O astro seguro, brilhante, e feliz!
E.i nossas fileras suecumba smenle
QuemTraed e indolented tudo ao prazer;
Mss firme o soldado que accend a corageni
A justa homenagem consagre ao dever I
lema o apostlo que tera-se empenhado
Correr abracado com o porte da cruz !
Nao tema o alhleta que impvido corre !
Que o mariyr nao morre-transforma-se era luz -
Agora na lula vexame, delirio,
Descrenca e martyro, desanimo e dir :
Depoiscomo papa do mal que restes
MI heneaos celestes, mil risos de amor I
Os grandes do mundo virio respelar-vos,
Virio adorar-vospor bem ou por mal
A propria beldade l mesmo do throno
Ser vosso abono de gloria immortal I
No culto de um anjo votae ral cuidados,
Firmae denodados a vossa ambicio I
Mas ah que das letras no fgomais tarde -
RO seja covarde fiel corado !
Amaepois amando seris mais briosos-
Porni fervorosos lutae sem tremer !
E a flor da bellesa com o riso divino
o vosso deslino vira se prender!
Mostrae ao universon'aureola vossa
Que a trra, que nossa, seus astros j tem t
Da patria o roturo firmae sobre os hombros,
Fazei mil assombros aos mundos de alm I
Sim I sempre valentes honrae vosso posto
E nunca o desgosto vos corte o perfil I
E vosso triumphoqual frvida chamma
Nos quadrs da Ama record o Brasil I
Recifeoutubrodo 1862.
Catao Gcrreibo df Castro.
Os europeus do Japo Kevoltice pacifica que aca-
ba de elfcctuar-se nesse imperio.
II
Ja disse que todos os senhores (Damos) vi-
viam a melado do anno em Ydo, e quando sa-
inara, deixavam ali as suas familias. Ora, con-
tndole estes grandes do Japo por centenares,
e tendo cada um grande numero de criados, a
capital Ydo se tinha tornado maior que- Lon-
dres. Isto posto, acontece agora que em urna
reuniao que tiveram os Da mos, decidirn), de
acord com o Taicum, (que um mancebo de
poucos annos) retirarem-se todos, e nao tornar
se nao passados sele annos) o que equivale pro-
vavoJmentc a nao voltar nunca.
Pelas ullimas noticias se eslava esta decisao
levando a elfeito; e varios Damos nao s des-
mobilavam seus palacios, mas at os derao-
liam, e os levavam em parte, e que possivel.
por serem as construceoes cm grande parte de
inadeira.
Para esta decisao ter contribuido, talvez o
estar a legafao britannica construindo em Ydo
urna grande casa de cantara que poderia servir
de fortaleza.
Tcm-se decidido egualmente que o Taicum v
a Miako prestar homenagem ao Mikado. Pela
consttuicao do paz, devia islo effecluar-sc todos
os anuos, porm havia muitos que tal se nao
Casia.
Parece que tambem se tem decidido que os ren-
dimentos das alfandegas dos jiortos abortos aos cs-
trangeiros sejam rcmettidos ao Mikado e nao ao
Taicum.
Julgam alguns que os Daraios olham cora pre-
vencio os estrangeiros porque vem nellcs um no-
vo elemento que se introduz no paiz, e do qual po-
de um dia servir-so o Taicum para lhes abater o
poder e annula-los.
porm ponto duvidoso so os Damos se rao
para suas trras, despresando d'aqui em diante a '
supremaca da Taicum c obrando em tudo como
soberanos indcpendenles, ou se se agrupevo em
volta do Mikado.
Por era quanto dirigen)-se a seus respectivos es-
tados.
Seja como fr o certo que a grande dade de
Ydo, qual os europeus aeabam de ter accesso. I
foi destruida, e que so tem alterado essencialmen-'
teaconstituioao que regia o Japao havia mais de!
quatro seculos.
III
Qual vae ser agora a situacao dos europeus nes-
te imperio ? Que poltica seguiro os governos
christos, e com especialidade o britannco c rus-
80 f Roto o laco que prenda todos os reguos em
torno do Taicum, nao se reproduzirao, talvez as
guerras civis, que tanto tem agitado n'outras po-!
cas este archipelago f Quesles estas, cuja rosolu-1
cao o teinpo nos trar, c quo de promto indicaro i
provavelmente os successos.
Entre tanto nao ser inopportuno dar urna idea,
ainda que ligeirissima do carcter, civilisacao e
costumes deste remoto jiovo.
Governado- por-um grande numero do senhores,
*era, como consequencia necessaria, soffrido mui,-
tas guerras; sendo por isso um povo essencialmen-
te militar.
Ao contraro do que acontece na China, o solda-
do tora mais consideracao que o hornera de lettras.
Os vares desde a mocidade, e alguns ainda des-
de a edade de 10 a 12 annos, cingem espada, sen-
do esta mais ou menos larga segundo a elevaco
da .-u;i rktJHw
As esposases nobres edoschefes levam tambem
sua espada (ordinariamente quando vio de visita
Ih'a leva urna das suas creadas). E nao isto um
vio adorno, pois todas as grandes senhoras apren-
dem a maneja-las desde meninas.
O cobarde perde a consideracao publica, e des-
honra sua familia. Islo faz que os criminosos quan-
do vao para o patbulo, por mais horrivel que seja
o supplicio se eslorcem por mostrar um completo
desprezo da vida.
O suicidio urna ac^ao honrosa, como o desafio
na Europa. Quando um horaem nao pode pagar
suas dividas ou por qualqucr modo so acha coilo-
cado em urna m siluacao, tudo remedeia suici-
dando-se, e a aflronta da familia- fica lavada.
Pratica-se o suicidio fazendouma cruz no ventre
com a espada pequea, do que resulta a saida dos
intestinos, e em seguida a morte.
Quando qualquer decide matar-se, ninguem jul-
ga deveraconselhar-lhe que desista do seu proposito.
As vezes o suicido d lugar a urna especie de
testa, pois o interessado convida a comer os seus
prenles e melhores amigos, c em presenca de to-
dos rasga o ventre.
Dizem que ha as grandes cidades mestres que
ensinam a bem praticar esta operario.
Os commerciantes sao pouco estimados, c nao
lhes e permitido montar a cavallo.
Escrevem por meode um alphabeto svllabico, an-
da que a esenptura idcographica china tambem
conhecida dos letrados, e usada a miudo pelos go-
vernantcs. Imprimem-se muitos livros em Ydo o
Miako.
Os homens ilustrados tem muita noticia da his-
toria e das cousas da Europa, e desejam com avi-
dez adquirir nossos conhecimentos.
Teem cafes e estalagens para viajantes ; nenhu-
mcjoccupai;o impede estes asiticos de comer
juntos SSPBWhristaos.
nr^.t J!miUa. fe tem 8*u esctldo d'armas que
onjectoa de seu servicn.
m^=m,da.aS!fcie.deartefacts este o povo o
mais amantado da Asia, e seus rticos de diario
seu gase de seda, sua louca, sen paffe wnS os-
tros productoa da sua industria sao na mesma Chi-
na objecto de luxo.
As muflieres nao cobrem a cara, nem se escon-
dem. Nao quebrara os ps como as chinas, porm
a danja Ibes desconhecida.
Homilas sobre os princlpaes mi-
lagrea de Jess Christo, pelo
II. P. Ventura.
PRIMEIRA.
O mancebo possesso de dormir.
Math. IX ; Jarc. IX (1) Luc. IX.
Quero que saibaes, qual o
cuidado que tenho por vos, para
que vossos coracoes sejam con-
solados.... instituidos em carida-
de e cheios de todas as riquezas
de urna perfeita intelligcncia,
para conhecerem o mjsterio do
Deus Padre e de Jess Christo :
no qual estio todos os thesouros
da sabedoria e da sciencia.
(Coloss. II, 1, 2 e 3.)
Foi com estas magnificas palavras, que S. Paulo
claramente revolou-nos, quaes os thesouros que
Jess Christo nos ordena hoje, que procuremos no
cu, e como podemos aoba-los. S. Paulo nos en-
sina, que esses thesouros sao os proprios mysterios
do Verbo Eterno, Filho de Deus, Filho e Salvador
dos homens. Todos os thesouros da sabedoria do
Ser infinito e da sciencia da salva?ao eterna estao
reunidos nelle, e oceultos ao orgulho do homem.
Nenhuma outra sabedoria, nenhuma outra scien-
cia pura, nem santa, nem perfeita, nom necessa-
ria ; esclarecendo-nos, ella nos santifica, como nos
instrue e nos governa ; ao mesmo tempo que nos I
corrige, enriquece-nos, consola-nos, o humilha-nos j
para coroar-nos.
Bem differente da sabedoria humana, a qual, diz
S. Agostinho, s nos instrue pelas palavras, a sabe-
doria incarnada instrue-nos pelos fados ; porque
Jess Christo sendo Paiavra, mas palavra via, sub-
sistencia pessoal, infinita, perfeita, as accoes dessa
eterna e ineffavel potorro de Deus, sao tambem
urna palavra, um discurso, um ensino para o ho-
mem. Assim, ao mesmo tempo que o Senhor, em
sua ternura, revela-nos por suas divinas palavras
os mysterios mais sublimes, asdoutrinas mais ele-
vadas, e as verdades mais- preciosas, confirma-as.
e torna-as sensiveis, traduzindo-as em {actos : suas
accoes divinas sao, por assim dizer, outros tantos
discursos vislveis, que se comprehendem e se vem.
Assim cumpre-se o orculo d'lsaias, annunciando-
nos que na escola do Redemptor nos nos instru ria-
mos, nao s ouvindo-o, mas tambem vendo-o.
Todas as cousas sorprendentes e admiraveis, que'
o nosso divino Salvador fez, sao, contina dou-
tor da graca, ao mesmo tempo obras e patarras :
obras, porque sao factos reaes; palavras, perqu
sio mysteriosas e propheticas.
E porque, dizia S. Fulgencio, nos, ministros- da
palavra divina, nao fazemos retumbar, quando pre-!
tendemos fallar das cousas divinas, essa voz do
Deus incarnado para a instruc^ao do hornera, ex-
pondo ao povo suas accoes, seus exemplos e seus
prodigios ? Quanto nao se firmara a f entre os
chrislaos I quanto nio augmentara a devocao, e
quanto nao so prepararan) as virtudes christas I
Quanto a raim, meus raaos, a exerplo do
grande Apostlo, juro nunca negar, senao a vida c
as obras de Jess Christo, o grande c nico bem
da virtude e da sabedoria de Dous.
E pois, que j tivemos a falicidade de fazer-vos
admirar esses thesouros da saibcdora e do poder
de Deus. manifestados por Jess Christo nosop-
probrios de sua paixao, propomo-nos no curso des-
ta quaresma a descobrir-vos- esses jnesmos thesou-
ros oceultos na glora de seos princpaes milagres.
Ahi acharemos tambem a eondemnac" ie todos
os erros, a manifestacao de- todas as ve., 'es, e a
reprovaca^de todos os vkios; porque ssfcs pro-
digios sao a escola das mais bellas virtudes : o
mrito alii recebe a sua recompensa, o alflclo
bobo cousolaces abundantes, e o mseravel acha
um remedio para lodos os seus males.
De feito, meus irmaos, queris conhecer as hor-
riveis devastacies e ruinas, que Satanz opera as
almas por meio do peccado ? Queris saber quaes
sao os meios de repara-las ? Ouvi a historia da
cura desse mancebo possesso pelo* espirito maligno.
Esiudemos hoje ura tao bello milagro, afim de
bem comprehendermos qual a miseria, o quaes os
remedios do peccado, e qual a egreja, nossa Mae,
durante a santa estacio que hoje comecamos, ex-
horta-nos a evitar c apagar por meio da oracao e
da penitencia.
Mas, senhores, eu rcconhec.0 e confesso,que sera
o auxilio da vossa graca nao me possivel, nem
expr os mysterios do vosso poder, nem faze-Ios
comprehender a este auditorio, nao menos disnc-
to do que piedbso. Meu Deus, nos todos vos pedi-
mos este auxilio pelas entranhas da infinita mise-
ricordia, quo vos fez operar to grande* cousas
por amor de nos ; vo-lo pedimos por intercessao
de Mara, na pessoa de quem comecou a serie dos
vossos prodigios ; vo-lo pedimos pelos merecimen-
tos do vosso primeiro apostlo S. Pedro, cujas cin-
zas repousam noste augusto templo. Fazei, Senhor.
com que nos todos, esclarecidos pelo esplendor dos
vossos milagros, possamos mais e mais comprehen-
der a magnificencia de vossa religiao, as consola-
coes de vossas promessas, c as riquezas de vosso
arftor!
Primeira parte.
Os Evangelistas referem, que o Salvador do
mundo, tendo desodo do monte Thabor, oude se
havia miraculosamente transfigurado, viu urna
grande multidao, que cercara seus discpulos, os
quaes haviam Picado no pe da montanha, e com
quem disputavam os escribas astuciosos e mus.
Quando Jess Christo chegou perto da multidao,
disse : Qual o assumpto da vossa contenda ? Por-
que assim estaes em conlestacao ?
O amavel Salvador tinha ainda o rosto radiante
de luz, dessa ineffavel belleza da magestade divi-
na, com que se havia mostrado aos tres apost-
los ; (2) de sorte que o poro, vendo-o to mages-
toso, tao resplandecente e tao bello, ficou estupe-
facto. Agrupados era torno delle, todos o sauda-
vam com respeito, rendendo-lhe suas homenagens;
mas ninguem ousava responder s suas pergun-
tas. S houve um homem affcto, que prostran-
do-se perante o Salvador, lhedisse :Meu Senhor,
e meu Mostr, eu sou o mais infeliz de todos os
paos ;"s tenho um filho, e esse, ah causa da
minha desplaci ; um m espirito delle se apo-
derou, e fa-lo soflrer cruelmente ; ora atira-se ao
fogo, ora a agua ; ja grita de repente, j torna-se
surdo e raudo, e o espirito agita-o escumando, der-
ruba-o, e deixa-o por instantes, depois de o haver
dilacerado. Tenho-o apresentado aos vossos dis-
cpulos para o curarera, mas isto nao lhes tem sido
possivel. Ah Curae-o, Senhor, se o podis ; ten-
de compaixao de um pac e de um filho, ambos
desgranados.
(1) A narracio de S. Marcos l-se na mlssa da
quarta-ria da 17* semana-depois do Pentecosts.
Este milagro aconteceu no anno 18 do Tiberio Au-
gusto, 33 da edade do Salvador, 3 de sua prega-
cao, a 7 do mez de agosto, junto ao monte Thabor,
no cume do qual Jess Christo se havia transfigu-
rado no da antecedente.
A alwSiS^ Unk0s qucbaviam aS-
{Nota do traductor.)
O que significa esta supplica ? Ensina-nos, se-
gundo a observacao de Santo Estevio, que o filho
desse judeu estara menos doente cm seu corpo,
do que seu pae em sua alma; que se um nao era
feliz em sua situacao, o outro era fraco em sua f;
porquanto, em vez de queixar-sc de sua pouca f,
acensa os discpulos de nao harerem podido ex-
pellir o demonio. E depois, exclama S. Chrysos-
omo, o que essa cstranha supplica ? Ao passo
que o pae implora com tanta iramildade o socorro
do Meslre, lanca publicamente o descrdito sobre
os discpulos! Assim em nossos dias vemos os
chrislaos atlribuirem aos ministros do Senhor de-
sordens e crimes provenientes da incredulidade o
da-rreligiao dos poros: que mais commodo
atirar sobre os outros a causa dos males, que
aconteceu por nossa culpa.
Em rerdade, desgracadamente ha ministros in-
flis e prevaricadores ; mas so tal pastor nio tem
nem o espirito nem as obras do seu estado, deixa
de ser certo, que haja entre os christios grande
numero de ricios e de escndalos ? E as ovelhas
sao mais exactas no cumprimento dos seus dere-
res, do que o pastor ? Ah I um poro corrupto nio
merece ter santos para pastores.
Mas, oque dizer daquelles que fingindo um res-
peito hypocrita por Jess Christo, nao se Mapa,
em publico como em particular, de aviltar os seus
ministros ? E como depois ousam esperar obter os
soccorros que pedem ao Senhor, se estao cheios de
fel e de raiva, de despreso e odio secreto contra
seus padres ? S merecem a resposta, que o Salva-
dor deu ao pae desse filho possesso do demonio, e
ao povo judeu que partilhava sua infidelidade c
seu despreso pelos discpulos :Oh geraoao in-
crdula, infiel e perrersa I at quando estarei no
meio de ros, fazendo-rosmisericordia intilmente?
Nao caneareis a minha paciencia por rossas injus-
tas queixas, por rossas injuriosas supplicas e por
vossa hypocrita piedade ? (3)
Entretanto o Salvador, sempre torno, depois de
haver assim condemnado a dureza dos judeus, e
de tantos christos cera vezes mais endurecidos do
que elles, accrescentou logo : Trazei esse menino
para perto de mim. (i) Era para ensinar-nos, diz
Beda, que o homem de zdo deve, iraitacao de
Jess Christo, elevar-se contra o peccado, mas
usar de caridade e compaxio para com o pec-
cador.
Notae ainda, meus irmaos, a maneira prudente
c doce, com que o Salvador reprehendeu esse pae,
que acabava de dizer-lhe se podis. Vede ; elle
duvida do poder de Jess Christo c mostra a im-
perfeici da sua f; mas o Salvador pareee ter ps-
quecido-essaoflensa : nao Ihc dirige exprobacio
alguma, nem mesmo urna queixa. S lhe recom-
menda erer, assegurando-lhe, que a f omnipo-
tente. Deus, diz S. Chrysostomo, tinha permittido
a molestia desse mancebo para attrahr seu pae
f [ida vista do milagre da sua eura.
E vede como sao admiraveis o mysteriosas e&tas
palavras do Salvador : Se podis crr, tudo pos-
sivel aquelle que er r O leproso, que cheio de con-
fianza nc- poder de Je9us Christo, exclama :Se-
nhor, se quizerdeS) podeveis curar-memcreceu re-
ceber de prorapto esta bella respoata Sim, eu o
quero, s ewado no mesmo instantemas, aconte-
ceu o contrario a esse pae, cuja supplica nos re-
fere o Erangelho deste dia. O pac exprimc-se
desta maneira ambigua : Se vos poisivel, atrae
meu filho ; e em eguae* termos re3ponde-lhe o
Salrador : Se poderdes crr, obtereis 0' que pedis.
Assim falla o renerarel Beda.
Esta resposta do Salvador danos una admira-
vel ligio : faz-nos conhecer que Dous asa para com-
nosco daraesma linguagera, com que Ihs dirigimos
nossas supplicas ; mostra nos que de nosso eora-
co, que Deus tira a regra de seu procedimento a
nosso respeito, que participamos dos seus favores,
segundo as disposiedes com que os recebemos, ou
pela f mais ou menos perfeita, que acompanha as
nossas ocacoes j e ensina-nos Analmente, que o
que poe ura termo s suas gracas, nio o esgota-
mento do seu poder ou da sua misericordia, pois
que sao infinitos, mas sim a fraqueza e a imperfei-
io de nossa f. Esta c pois a medida d.' seus be-
neficios : quem er tudo, obtem ludo.
Assim o comprehendeu felizmente esse pac af-
fcto ; e prorompendo em solucos, exclamou repe-
tidas vezes: sim, Senhor, creio; mais acrescentae
por vossa graca, o que falta perfeirao da minha
f. S. Jeronyrao tira destas palavras esto ensino
importante: a verdadeira f, a que solida e per-
feita, c agrada a Dous, nao aquella que resulla
do raciocinio, mas a que] se obtem por meio da
oraeio; demais, a nossa f ser sempre fraca e en-
ferma, se o que a inspira por sua graca, nao a sus-
tenta por seu auxilio.
Jess perguntou ao pae do possesso: Desde
quando isto llic acontece ? E o pae respondeu :
Desde sua infancia. Ora, este Deus, a quem to-
dos os lempos sao presentes ao mesmo tempo, nio
tinha necessidade alguma de indagar do outrem,
quando havia comecado a possessio do infeliz. Elle
nao fez pois esta pergunta, para saber o que j sa-
bia, mas para faz-lo saber aos christios que o ig-
nora vam : que esta possessao desde o infancia era
a punigio do peccado que esse pae commettra,
consagrando desdo a mais tenra edade o seu fha
ao demonio, como se diz na Escriptura : ronsagra-
ram seus filhos e filhas aos demonios (Ps. c. v.)
Entretanto, tendo-se trazido o mancebo para
junto do Salrador, o espirito maligno, confuso e
furioso por aehar-se era sua presenca, perturbou
logo o mancebo, de sorte que este, caliindo, rolara
e espumara. Mas o Salvador, para ensinar-nos que
corrigindo os homens desviados, deremos primeiro
de tudo procurar destruir o peccado por nossas
palavras e abracar o peccador para salva-lo, nio
fez exprobacoes ao mancebo, mas ordenou ao de-
monio : Espirito surdo e mudo, en te mnndo, sahe
deste moco e nfio tornes a entrar nelle. como se
tivesse dito: Espirito inmundo, que nao obedeces-
te aos discpulos, obedecers agora ao seu mostr.
Nio mais o homem que te falla, mas o Deus que
te ordena. Nio s sahiras no mesmo instante des-
te corpo mas respeita-lo-has de tal sorte, quo nel-
le nio tornars a entrar : o Senhor quem falla.
Voz omnipotente, como resistir-ros t De feito o
demonio, dando um grande grito, o agitando rio-
lentamente a sua victima, sahiu, e o mancebo ficou
(3) Matt. XVI; Luc. XLI.
Fallando assim, Jess Christo, diz S. Jeronymo,
mostrou-se muito cuidoso da salvaco dos judeus.
Quando o medico r, que o doente nao faz conta
das suas prescripcoes, acaba por dizer-lhe :De-
rerei vir intilmente a vossa casa ? Deverei ainda
perder o meu tempo comvosco, porque vos digo
urna cousa e fazeis outra ? Segundo outros padres
essas palavras do Salvador sio a hnguagein do
mais terno amor : porquanto, primeiro manifes-
tou o desejo, que tinha de morrer por nos ; cm
segundo lugar mostrou a vontade que tinha de
dar-nos o seu Evangelhoa nspovos gentos. Fi-
nalmente, dizendo at quand> vos soffrerei ? que-
ra dar a entender, que os soffria, nio por neces-
sidade, mas por longanmidade do seu amor, des-
se amor, que espera a volta do peccador, c nio a
sua morte.
(4) O Salvador nio poda fazer a cura de lon-
ge ? Podia-o; foi pois, urna nova exprobacio diri-
gida aos judeus. Quera dizer-lhes : Trazei aqui
esse mancebo, afim de que vos, que nao quizestes
crr-mc, quando ros fallara da parte de Deus, me
acreditis ourindo o demonio dar testeraunho de
mira, e coris reconhecendo-vos mais obstinados e
perversos do que p raesnw demonio,
como mono, e muitosdiziam que haj^H hai^lfaite, os aeccadoretnao
Entao Jess abaixando-se. peguakUia^H Dmb> p passaaa dia,
levantando-o, entrego* a te*jk$W$< oeir ao ate o
secordia infinita, amor inmenso do SavadorlJB PK*To domoao roaba a
lo contacto apenas de sua mi drina, reroca a vi- com que Deus ooca o tnlo 4a
da o infeliz mancebo, que o cruel inimigo do homem que elle peccador oora a
havia deixado como morto. oa alma, ah! nio pode plorar o
Jess Crhisto quiz com este grande milagre, se- 8raca- nem recebe''a- ** Deoa? a
gundo os santos padres, figurar o grande mysterio fernal r'rnu assim tm n'nho "*
de sal vacio, que eslava a ponto de realisar cm fa-! flue C'""cumda com f0*8 "****
vor dos christios, era urna ordem do cousas muito
lemente nesse coraco. sobre o qual
Esse possesso escamara, nuapa
mais nobre o importante. De felo, esso mancebo, mcnte-
que o espirito maligno possuia desde a infancia, Es:sc
significa todo o genero humano cabido desdo sua lallava de seccra 0n' ,B
origem sob o imperio do demonio|pela culpa de seu l>ccca,,or- D* teito, este
primeiro pae. Os discpulos e os escribas; que dis- toraa assumPt0 de seos
putam entre si, c que nio conseguem sararesse en- ,uao e;*ail,Ja,0:iOS> ranTe '
demoranhado, representam os doniorcs da lei e os dad'
philosophos pagios que por lanos seculos de balde moUea L'm 'iue *ire.
se haviam esforcado para purificar os homens de seus' ^^ manceD0- que coni^mp
peccados, c subtrahi-los escravidio do espirito das ,ancar-se J no fgo, j na agua:
trevas; porquanto una tal victoria nao estava reser- ca vada, nem lei mosaica, ainda que dada por Deus, rastra Ja ao g0 dacotera- J *> '<"or
nem a sabedoria dos homens. Finalmente, esse' aos exccssos da impudicicia, qa i
mancebo, que s foi curado, depois que Jess Chris- mas' amo"ecen>-n'a, e corrompem-a'aa,
to desceu do Thabor, o povo fiel, que s pode ser agua dissolTe c destrue os carpos.
exalcado depois da ucarnacio do Verbo Eterno, o zel do pudor e o amor da virrimiade aaa i
qual baixou torra das alturas inaccessiveis de inspirados por um impulse serreto &* Daaa,
sua gloria. E, notae, meus irmaos, que ao apparc- mesma sorte, diz S. Cypriano. o aojo
cimento do Salvador na planicie, toda a disputa inspira-nos secretamente as lajorias e a
cessa; os discpulos e os escribas calam-sc, met- l m aulrtr accrcsccnta, que os perea tein-se por entre o povo, e agrupam-se cm torno bordainentos do peccado da carne, tem uai em*
do Salvador j contemplara-nj^om admiracao, e
honrftajaAgpm ura respeito uil. O evangelista
quiz raostraaa grande prodigio, pelo qual os sabios
e os ignorantes, os Judeus e os gemios, deviam
pregaco do Evangelho, terminar todas as suas dis-
putas sobre os destinos da humanidade, para reu-
nirera-sc e formarem un) s povo, cheio de f, res-
peito e amor por Jess Christo, esperando delle s,
pela f em seu poder e pela flddfdadc sua graca
a feheidade c a salvaco.
O possesso mais particularmente a figura do
povo dos gemios, que, segundo o teslemunho de S.
Paulo, estava tomado pelas potencias aereas.
por isto que, quando- um gento quer se tornar
christio, comcc.a-se por expellir o demonio por
me da niposicio das raios e dos exorcismos. O
espirito mu havia tornado surdo e mudo-esse pos-
sesso : isto significa que os gemios se tinhara tor-
nado, pelo espirito diablico que os dominara, sur-
dos para os preccitos d3 lei primitira, e mudos pa-
ra reconliecerem e confosearem o verdadeiro Deus.
Finalmente, de nio poderem os discpulos curar
esse miseravcl, Acarnos saliendo que nenhuma
creatura era capaz de corar as naeoes idolatras de
sua surdez espiritual, nem de restituir-lhes a pata-
rra para a confissao da divndade rcrdadcira;e
que tal prodigio estara reservado ao filho do Deus
feito hornera.
Ora, Josu- Christo renova pretfcgio todos os das,
nio s geralmente, mas ainda e um modo parti-
cular, livrando da escravidio de Satanaz as almas
dos peccadores' arropendidos, das quaes o mancebo
do nosso Evangelho" era urna perfoila imagem. De
feito, o proprio Salvador pronuncia, estas palavras :
Aquelle que me ama, ser tambem amado por
meu pae ; eu e meu pae viremos a elle, c faremos
nelle a nossa morada (Joan. XIV). Se pois certo,
por estas palavras do Evangelho, que Deus habita
verdadeiramenli na alma do justo, ho ser muito
natural que o demonio por sua rez habite na alma
do peccador, nao por sua essencia, mas por sua
malicia e pelo effeito de sua perfidia '
A Escriptura ea tradcc3o, assira orno a lilhur-
gia, conhecem duas especies do possessao :
A primeira ade que fallamos hojtvc a de urna
multidao de outros homens que foraiu lirres por
uaias palarra doSalvador,c muitas rozos smente
por sna presenca; tambem a detodos os que ca-
da, dia sao livres pelos exorcismos do* ministros da
egreja, qual o-Eilho de Deus deixou tal poder e
smenle a ella.
A segunda a do Judas, de quem o demonio se
apoderou. depois de haver ellecommettidoo horrivel
sacrilegio de receber a divina Eucliaristia era es-
tado de peccado mortal. a de Magdalena, da
qual o Salvador oxpelliu sete demonios, que segun-
do o testemunha. de S. Ambrosio o de outros pa-
dres, habitavaia nella com os seto peccados cipi-
tacs. E finalmente, a de lodo hornera, que vem ao
mundo. Por isto a egreja, na administracao do
Sacramento do. bapiismo, comeca a ceremonia ex-
orcisando o calhechumeno e cxpollindo o demonio,
que habita em sua alma pelo peccado.
A invaso. do demonio no corpo muitas vezes
sem culpa, do que a soffre; a;da alma acontece cm
consequeneia e em companhia do peccado. Algu-
mas vezes a primeira nio passa de fiugunento, no
interesse de vorgonhosas paixes; a segunda
sempre urna funesta realidade. Aquella em nada
perturba a paz, c nao altera a graca de Deus, posto
que se manifest por horriveis signaes no corpo,
esta pelo contrario deixa o corpo lirre e sio, mas
produz na alma terriveis desastres e irreparaveis
ruinas.
E vede : Deus, habitando no coracio do justo,
santifica todas as suas potencias c eleva todos os
seus sentimentos, inspira-o, sustenta-o, dirige-o
ennobrece-o, eleva-o, divinisa-o, e faz delle, nio sei
se dera dizer um horaem anglico ou um anjo em
corpo mortal. Assim o demonio, habitado no co-
racio do peccador, ricia todas as suas potencias,
e corrompe todos os seus sentimentos; forma-o,
entrete.m-n'o, opprime-o, degrado-o, e torna-o", di-
lo-hei, um verdadeiro demonio incarnado. E as-
sim como Deus, diz o apostlo, quera opera na
alma do justo, Satanaz quem opera, por sua per-
versidade, as dos peccadores. Mas, a aceio de
Deus no justo nio lhe tira a liberdade do bem;
pelo contrario, lh'a conserva, tornando-a maior e
mais perfeita, e por isto mesmo lhe deixa todo in-
teiro o mrito da virtude, que lhe inspira (e nisto,
quojconsisleo grande mystcrio da graca.) O mesmo
acontece, quanto a aegio do domonio no peccador:
ella nio destrue a libordado do mal, mas a corro-
bora, a mantera, o a augmonta; deixa ao desgra-
nado peccador a responsabilidade dos vicios, que
| lhe inspira, c tambem nisto, que consiste o horri-
1 vel mysterio do peccado.
Grande Deus, porque um tio espesso vu, ape-
nas penetravel ao puro olhar da f, oceulta aos
olhos do homem os mysterios do mundo espiri-
tual? Oh se esse vu se dilacerasse por um ins-
tante que vergonha estampar-se-hia em rossas
frontes, peccadores Vricis que accredilando se-
' guir rosssos caprichos.seguiscegamenlo e insciente-
' mente os do deminio; que o ajodaes em seus de-
j signios, que trabalhaes em seu proveito, c que exe
: culaes suas vontades culposas. Sim, conheceries,
com grande confusio o dr, que em quanto crdes
mandar-obedeceis, o que lisonjeando-vos de li-
vres-curvaes ignominiosamente a cabeca sob o
jugo da mais vergonhosa escravidio, segundo o bel
prazer do mais dcspresivel, do mais igaobil, e do
mais cruol dos tyrannos. Conteraplae vossa ima-
gom, peccadores; vede no endemoninhado de hoje
os terriveis phenomenos, geradas invisirelraente
pela accio diablica em vossa alma, fielmente cx-
pressos na possessao terrirel do seu corpo.
Primeiro'; o demonio o hart tornado surde *
mudo. Assim, a alma, que olle tyrannisa, sarda*
para a voz de Deas, e mada para a oracao, De
l!l-
espiritos impuros nao s para e%riu4m m mal
mas tambem para farilitar-lhes a rxenrin. Oft'
que terrirel mo istro I
O evangelista conta ainda. que o i
messar aos ares o posaeaao e atirara-o
te no chao. esta justamente a iMaacfcB, pHa
qual elle trata os seas escravos : r a rapav f
segu invariavelmenle : plcra os |n 11 tmMti. U-
zendo-os subir muito alto sobre as ondas i
lhoso, para preciptalos d.qoi* rom i
gonha em todas as sorte* de rrimr* e i infc
mas.
Oh mundanos! exclamou a este proposito S
priano, vos a quem una eulpoca prmperttaaV ter
na tio orgulhosos. to aliiroM por aaa
emprestada, c que nao estes, vm, i
incitado de orgulho, espiritoaltiro e fronae VI
ze, quando ros persuads reinar toa
da sociedade. jazeis sobre o *+>; ^stnes i
sanente decahidos da alta jerarrlria. a i
via elevado o carcter e a proitsao de i
Perdestes o vosso signal de anmii. e a*
nastes semelhante ao bruto. Nao obstaste I
que vos cerca, vos chafurdaes na lana; e a*p
que vos elevaes com tanta mleniarao acia d>
tros homens, eLs-ros ariltados, esientlidu*.
dos aos ps de Satanaz, que. depaia de a Inr-r
corrompido, reina sobre v>. e apiedadamente. Que sorte liarer nas dMgra-
cada ?
Apenas o degraeado avistou o
bou-se. queren4o a toda torea
bem o que fazem esses pobres
teem o demonio no corarao. VCdeea eaa
egrejas, a vista dos santos aliares, dataste m
augustas ceremonias, om proenra da* pnsoas
sagradas ao Altiseimo, nos bellos da das
solemnidades, que os chamara para
eomo elles experimentam urna indispostri* isa,
rior. um pozar secreto, urna agitar), par o* per-
turba e os transtorna. A prssmea da itii Eii
haristia, que tanto rog,.zija fiel wlqradBf; pa-
lavra de Dous lio agradavH ao uorHo-d JMte ;
os doces nomes de Jess e Mario, balsn
para o coraeao anunie do vetdaik-ir ct
do isto agila-os e atormenu-o*. Oh Des
devemos lastima-los:
Finalmente, o espirito immundo torrad*, i st
do Filho de Deus. a sabir .'o corpo do i
agitou-o violenlamenie. e s.tu um giasdt I
Assim. quando p.|.i vouia do a abandonar a alma do peccadnr,
que nunca de angustias e amarpor.
ador quer c migo rodobra seus esforcos, maJii|4i<-a a* i
tenate cscolhos no camitM>. aran de imptaVa*
andar para a salvaco. e de il.-mf.rar J-a
E quando o laceador qu.-, jonle>sar >r> ^
dos. sua repugnancia augmenta. Ma f*iS
naso mais pungente, sua .ipprehesso mate tira .
propurc;ai- que se aproxima .lo ministro dfeftrai
tencia. A palhdcz estaiaava em mu ser swi
eoracaopatita, asa iraca \..z torna-at
confuso ncertu. elle dest^aria ja
quando alias nao mfea Banda por ..o.|e i
principiar. Pobre menino. nala Irmas :>
corageni ; triumpha dess.- arlilrio. pH<
momo torna a alma to linmbt |ura en fe*,
faltas, quanto a havj.i t..rna>lo misatla pana
metle-las; ex|x"ie conlbaam.-nle ao padre dt *
Christo, como ao proprio Je sus t:hnlo. ixh ai
fermidades do leu ci i t*u?
ello te curara. Sun, meus irmata, esta crate
lavra- teubsoJ,,,. -prononeadasoaa o pe-
cailor |H'lo padre, tera leda a v.rtu.1.- e toan a V
cacia da propna palavra .lo Filho & I Misma**
possesso : quebrara os Isaas, que ,. rrte
cado, e livra-lo-ha para se'mpre do podar i
nio. '
SeijuHdn parU.
a\MlO que a cura, com que araUimo*
tornos, lesna sido a obra do poder e da
do Salvador, todava o mancebo ana
ve nella urna certa parte. De fcito, .
vador Un eatendia a uio, elle fez um
pz-se de p. i )i a. J.-sus. que eaaasat a a
infeliz, que jazia do chao como morto pasprto
Deus, que primeiro caminha, por mo atara, nt
soccorro do homem : e esse pobre enferma, eme -
levanta por si im-sin... li.-ura atoda o limana\a>-
corresponde o coopera para agrara ratesto
que. quando resuscitamo da morv da asnaad
para a vida espiritual, a Bjaea fu/ muito. anas na..
faz ludo. Ella nos previne, pe eru fuga aisasi-
gO par em voz poderosa ajnila-nos e so
mas. pede-nos tamben), que lhe presteans
curso de nossas fon-a -as !--.
Que obras sio essas O Salvador v*e
sinar no Evangelho; por.punto. tcruavNw
apostlos :
Porque nao podemos expellir .> derit.*
Elle rcs|H)iideu-lhes
Por causa da fraqueza de rossa fr.
E depois accrescentou
f
kmV
venc
mee
Estas especies de eipirifcw m
"in com a oraran e o j.-jum i
a>
estre quiz dar-nos rana admirare! Ura>>*.
Jos seus dJKtpoJot. l>rn.'iro tnoetroa>>
cessidade d urna f viva e d'uma snse
no soccorro de Deus; e d.' feito ros a i
S. Pedro Chrysologo, o filho nio'obtere a cana
nao depois que o |o foi firmado aa le asas a a-
do pae obicve a enra do filho. coma a i
deste foi a punieio da iiiudelidade
nio basta a f, contina Beda;
a oracao e o jsjnm : s. rom es)
mos tnuraphar desses espirito _
vemos a desgrara de acolner em i
pelo peccado.
Assim meus irmaos : depowde I
derado do nosso espirito pelo i
reina em nossos eorpos peta raaansetednda. s>
peccado impuro, como todcaaii
orgulho do espirito. O hornean
meulo de Ik'us, comeca sempre pa
mesrrto em sen eniendimentn,
seu proprio mrito e de sua i
do tambem a estima dos outra.
que este amor desordenado le ana i
nao o satisfaz, e sente-se i
espiritual, procura, diz S.'
naes, porque nao pode rirer i
leile. Embevece-se
carne), conw alguma
real; e do orgulho, que em
espirito, cae na lascivia do corpa, asa a
o orgulho do sentido. ^ *^
(CtmtmmwrmUJ
PERNAMBUCO.- TTP. W M- F f. *

CyaatBm,
nr ssate Maja ana da-
'
MUTILADO
ILEGVE


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYK8YH2VZ_NBAXGC INGEST_TIME 2013-08-28T03:03:56Z PACKAGE AA00011611_10185
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES