Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10182


This item is only available as the following downloads:


Full Text
i

i
arho xxxix mam 202.
- ^WB'
Por tres mezcs adiantados 5S00O
Por (res mezes vencidos .

SEXTA KIRA 4 DE SETEMBBO DE 1863.
Por anmy adiantado..... 19$60O
Porte franco para o sustriptor.
DIARIO DE PERNAMBUCO.
ENCARREGADOS DA SUBSCBDPfAO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima:
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Araratv. o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
mazonas, o Sr. Jeroiiymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SlTiSCRIPCAO NO Nt7
AlagSas. o Sr. Claudino Falcao Das; Baha, o
Sr. Jos Murtins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reir Martins di Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo c Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Anto, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruarn',
Altinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Aluo, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqneira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrob,
Boa Vista, Ourieury e Exu' as quartas feiras.
Serinhem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Piraenteiras as quintas feiras.
Una de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao V2 dia.
EPHEMERJDES DO MEZ DE SETEMBRO.
4 Quarto ming. as 9 h., 44 m. e 2 s. da t.
13 La nova as i h., 16 m. e 38 s. da m.
20 Quarto cresc. as iO h., 8 m. e 2 s. da m.
27 La cheia as 2 h., 37 m. e 2 s. da m.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 7 horas e 42 minutos da manhaa.
Segunda as 8 horas e ft minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at AJagas a 5 e 25; para o norte at
aR ^e 22 de cada mez; para Fernando nos
oas 14 dos mezes dejan, marc.. maio, jul, set. enov.
_ PARTIDA DOS MNIBUS.
a iia Recifc : do Apipucos as 6 / 7, 7 /,, 8 e
V2 da m.; de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao as 6'/ dam.; do Caxang e Vanea s 7
da ra.; de Beuifica s 8 da m.
S ?wReCf0, / !* AP'Pucos s 3 l/j, 4, 4 /, 4 /*
?t 1 /j e G da *a,de' Iwra 0,inda- ** 7da
inannaa e 4 i/2 da tarde; para Jaboatao as 4 da tar-
de ; para Caclung e Vanea s 4 '/2 da tarde; para
Beniica as ida tarde.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal doeommercio: segundas e quintas.
Relacao: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quinta* s 10 horas.
Juizo do commereio: segundas s 11 bota*.
Dito de orphuos : tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas e sextas a meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DAS DA SEMANA.
30. Domingo. S. Cuadencia v. nv S. Fantiao m.
31. Segunda. S. Rav mnndo snalo rarri.
1. Terca. S. Egvdio ab.; S. Oedco t tonar
2. (Ju irla. S. Estev.o rei de lunaria.
3. Quinta. S. Eufemia v.; S. Arisfheo b. ni.
4. Sexta. S. Rasa de Vilerho t. f.; S. Rosan t.
o. Sabtado. S. Herculano ni. ; S. Ascenso.
ASSIGNA-SE
no Recite, em a livrarta da praca daJn> ptaaVrta
ns. 6 e a. dos proprietarios M'aooel Ftgtmtm de
Faria & Pilho.


PARTE OFFICIAL.
nivi^TKino da 1 %zi:vi>%.
DECRETO N. 3,139 DE 13 DE AGOSTO DE 1863.
Declara e modifica o regulamento di sello n. 2.713
de 26 de dezembro de 1860.
Hci por bem, usando da autorisaco concedida
na resolucao legislativa de 21 de setembro de 1861,
arL Io 2 e n. 2, ordenar que o regulamento que
baixou com o decreto n. 2,713 de 26 de dezembro
de 1860 seja observado com as segrales declara-
cocs e modificaces :
capitulo i.
Do sello proporcional.
ArL Io As letras de cambio e da trra poderlo
ser selladas nos lugares em que forem saccada,
aceitas negociadas ou pagas, urna vez que e sejam
dentro do prazo marcado nos paragraphos sc-
guintes :
Io As letras saccadas a dias ou mezes de vista
em lugar onde houver recebedor do sello, ou desse
lugar distante at tres leguas pagano o imposto
dentro de trinta dias da data do aceite, e as outras
da data do saque, concedendo-se mais trinta dias
para cada nova distancia de tres leguas, salva a
ils|H)sicao do art. 3o.
2o As que forem saccadas sobre paiz estrangei-
ro paga rao o sello no lugar do saque, ou em qual-
quer outra parte do imperio, dentro dos mesmos
trinta dias, contados da respectiva data.
Art. 2o Os escriptos ordeni poderao satisfazer
o sello no lugar em que tiverem de ser pagos, c
em qualquer tenipo, mas sempre antes de abi vc-
ricar-sc tranferencia ou pagamento.
ArL 3o Os tilulos de crdito a prazo menor de
31 dias, serao sellados at a espera do seu venci-
mento.
ArL 4 Nenhiima obrigaeao poder ser sol vida,
mesmo antea do lempo em* que fr exjgixel, sem
que esteja devidamente sellada.
Art. 3 Os ttulos pagaveis vista considerara-se
vencidos no dia em que fretn pagos, ou protes-
tados por falta de pagamento, sendo-lhes applica-
vel, quando nao houver quitacao ou protesto, a re-
gia do art. 9o do regulamento, que considera ves-
lera do vencimento a 11o dia em que forem ajui-
zados.
ArL 6" O sello das letras de cambio, saccadas e
aceitas dentro do imperio, constar da va que fr
presentada ao aceite ou pagamento, lancando-se
nella a somma das taxas correspondentes a todas
O sello do accressimo ser devido, ainda que se coes, afim de produzirem qualquer effeito diverso
nao lavrcm novos ttulos nem apostillas, averban- daquelle para que froro passados.
do-se naquelles em virtude dos quaes j se acbarem ArL 35. O sello das liecneas de que trata o art.
servndo os empregados. 81 do regulamento, expedidas a empregados pu-
0 novo titulo, que nao importar concessao de bucos ser pago antes doeumpra-sedo chefe
maior vencimento, (icar sujeito a sello lixo do art. da reparticao ou da autoridad) a quem os mesmos
59 4o. empregados frern inmediatamente subordinados.
rubrica de Sua Magestade o Impcrador.-
de branles.
mam da provincia.
mMaarad
ioio da Om
4a seecao.Palacio do governo de Pernambuco,
Art. 18. Nao serao admittidos ao sello proporcio- Nos casos em que o agraciado possa gozar da li- em 2 de setembro de 1863.Declaro Vmc, para
nal sem que estejara assignados por alguma das cenca sem aquella formalidade, o pagamento do sua direeeo, e do collegio eleitoral dessa villa, que,
partes, os saldos em contas correntes mercantis, sello dever ter lugar antes que se comete a con-! para a cofnposfcao, tanto da mesa interina, como
que sao as de que trata o art. 6 14 do regula- tar o tempo da mesma licenca, ou produza olla! da effectiva do mesmo collegio, devem concorrer
ment. qualquer outro efTeito. somente os eleitores da freguezia do Cabo, sobre .
Art. 19. No caso previsto pelo art. 10 do regula- Art. 36. O sello fixo de certidoes escriptas nos ruja eleicao nao houve duvida, ou cqntestaco al- offico de 23 de acost ultimo
memo, de se passarem dous ou mais ttulos do inventarios processados em lugar onde houver es- goma, e que nao sendo permittido ao collegio, qual- Dito cmara niunicinal do Buiaue Accuso
mesmo contrato, cobrar-se-ha o sello smente de tacao rtscal, ou que a elles se juntarcm, poder quer que seja a sua opiniao acerca da legitimidade recebidas roa o oflicio uue me dirisrio a cmara
um exemplar, mas far-se-ha contar este pagamen- ser pago antes da.conclusao para a senten?a final, dos eleitores, recusar-se a receber os seus votos municipal do Buiaue em 20 de agosto ultimo as
to as duplcalas por meio de declaracoes datadas Art. 37. O preceito do art. 58 do regulamento, para deputados, aviso de 19 de dezembro de 1856,1 copias autenticas das actas das eleicoos de eleito-
e assignadas pelos empregados competentes. pele qual o sello fixo dos autos forenses deve ser devem ser tomados em separado os dos eleitores de! res a que se procederam as fre-mezias de seu
trAia'iJn'J,"^*Pssadas en ilude de con- pago antes da conclusao para sentenca final, ex- ^ M'guel de Ipojuca, em que houve duplcala, re-! municipio, e recommendo mesraa cmara que .mmendador Jos Antonio I
IX ^ 3 mlttr "h meSI?a US,'V0 ans df lchS nteriocutonos com forca de m ao poder competente o direito de apre-; me remeta com urgencia segundas vias das copias Major Anlouio dos Santo" VitaT'
-Mlnquez Dito ao director das obras militares.llaja V. S. Fo julgado iinpi'ocedKiiie o p
de entender-se com-o gerente da empieza dogaz, contra o "i-proinotnr publico l>r
providenciar para que seja concertado o bicco de Ribeiro Mavliado.
caz da casa que seve de estado maior no quart el Dizia-se que nao lora sustentada a im _J
do corpo de guarnico, como solicitou o brigadeiro um proceaso instaurado pela MiUlel conimandante das armas em oflicio de 3t de agos- mo de tentttiva de morte ctmHa o eleitar rJ
to ultimo, sob n. 1606.Communicou-se ao briga- rio de Mallos. """"" *""*
deiro commandante das armas. O jury acha-sc convocado paia o I" de oomm
Dito ao eommissario vaccinador provincial. I futuro.
Remetta-me Vmc. alguns tubos de puz vaccinieo Do talanco dado as diir de boa qualidade, para screm transmittidos ao thesouraria-pco'vincial no ultimo d owa findV ea
Exm. presidente do Para, que me requsitou em rificou-se a existencia dos seguales salina :
Bnorekie findo. 6:23ij049
Exercicio correntc
(jmenlo. .
Depsitos. 'ilCTt2V.>
aeguinU; i- o resultado da viwci i.ar'.r ,*! 4-
rormoso :
MH47*tr.
'l~tTv*2
V
delle, que nao constituirem por isso obrigaeao nova sentencas definitivas,
cobrar-se-ha o sello do valer que representaron,' capitulo iii.
e do Ululo do contrato e da differenca dos dous va- Da cobranca do sello.
lores, se a houver. Art. 38. O governo poder reduzir a duas_
Sendo o contrato feito por escriptura publica, in- lampas ou mesmo a urna s, conforme o acn
ciar opportunamente as respectivas eleic5es, o jul-
gar de sua valdade, sem o grave inconveniente de,
pela confusao da votacao de uns e outros daquelles
eleitores, poderem ser* as mesmas annulladas.
Deus guarde VmcSr. juiz de paz presidente
interino do collegio eleitoral do Cabo.
4a seecao.Palacio do governo de Pernambuco.
em 2 de setembro de 1863.Declaro Vmc, para
.......------.....-, sua direccao, e do collegio eleitoral dessa villa, que,
ciaracao, lancada sobre o titulo pelos mesmos em- menses e mais caracteristicos das ditas estampas para a comjiosicao, tanto da mesa interina, como
pregados fiscaes. ou estampa e as classes ou especies de ttulos a i da effectiva do mesmo collegio, devem" concorrer
uuico. Executam-se da disposico deste artigo que essa forma de sello ser applicavel, bem como somente os eleitores da freguezia de Agua-Preta.
os contratos de seguro, em que a taxa proporcional as alteracoes que frcm convenientes no actual
e devida da apolice, em conformidade tabella da svstema do papel sellado.
1* classe, ficando as letras do premio isentas da Art. 39.. A disposico do art. 97 2o do regula-
mesma taxa. ment fica derogada na parte relativa ao sello dos
senr-se-lia nesta urna declaracao do Imposto pago Ihar a experiencia, os cunhos do sello adhesivo,
as letras, datada e assignada pelos competentes que trata o art. 94 do regulamento.
empregados da eslacao arrecadadora. Um decreto especial regular o modo de ust.
.No caso de escripto particular, far-se-ha igual de- sedo sello adhesivo, determinar o desenho, di-
sobre cuja eleicao nao houve duvida, ou contesta-
das referidas actas. Capilao Silvestre Rodrigues Pin*o.
Dito ao juiz de paz presidente da mesa parochial Capitao Jos Antonio Lopes Jt,nk>r
da freguezia de San-Loureni,-o de Tejucupapo.- Antonio Meodes Ramos.
Remetta-mc Vmc. com urgencia urna segunda va Tenente Luiz Fernandes da Silva,
da copia das actas da eleicao de eleitores a que se Tenente Jale Gando (jvalrawi.
procedeu nessa freguezia no dia 9 de acost ul-
timo.
Bernardo Fernandes de Albiniuerqm- Gar a
Major Leandro Jos ra Silva Sinliaui
Dito aos agentes da companhia brasleira de pa- Padre Miguel Peres de Azev. -lo Mea*
quetes a vapor. Pdem Vmcs. fazer seguir para Saturnino Jos Vianna Lima,
os portos do sul o vapor Princeza de Joinnlle ama- Tenente Ivo Augusto da Purifitara.
nliaa a hora indicada em seu oflicio de boje. Tenente
Portara. Os Srs. agentes da companhia brasi-
leira de paquetes a vapor mandem dar transporte
cao alguma, e que, nao sendo pen.nttido ao colle- para a Baha, por conta do ministerio da guerra.
gio, qualquer que seja a sua opiniao acerca da le-1 no vapor Princeza de Joinville, o. voluntario Pedro
midade dos eleitores, recusar-se a recelicr os Martins Francisco Borgcs, que se alistou com des-
Art. 21. Dos contratos de permita de bem de processos que correra pelo juizo de paz, que sao I seus votos para deputados, aviso de 19 de dezembro' tino a servir no hatalo de cacadores daoaella
1Z llOr 011 TOS da IIMM MtaMn A Hovirin coln iconlnc Hu mi^cln om n^t,^n,.A..Ar, ,\n nl, w\ V ,1.. l\ll A....~. .____J...__________J____ l"l i SCI Vil HIJ UdWIIMO Ut tatdUOI^S UdlJULIId
as vias do saque, se o sello fi.r por meio de verba,; nwiien*
c usando-se papel sellado ou sello adhesivo, de igual "emowntes e n
somma, se fr einpregada qualquer destas especies .-.,, ,.,' ,
,i cu,' r anda que estas so nao achem incluidas na disposi-
co do art. 6 i 13 do regulamento, e em geral
quaesquer outros que nao valham cuino ttulos de
transaeco, mas apenas como documento declara-
tivos ou comprobatorios de alguma data, facto ou
qualidade.
raz por outros da mesma natureza, devido sello
na razo do mellior dos dous valores permutados
ou de um delles, quando forem iguaes'ei a. 1,177
de 9 de setembro de 1862, art. 10 31.)
Se a permuta fr de movis ou semoventes, a
taxa sera cobrada na razao da maior dos dous va-
lores.
Art. 22. Fcam isentas do sello proporcional os
ttulos de valor menor de cem mil res, exceptua-
dos os escriptos ordem, as letras, notas promisso- ,
rias, qualquer papel ou titulo o portador, as cau- mesmo regulamento.
telas ou valles de transaccocs de emprestimo de Art. 41. As disposicoos do art. 117 do regula-
dmheiro sobre penhores e as transferencias de ac- ment devem ser entendidas em harmona com s
coes de companliias ou sociedades. dos arts. 1, 2, 3, 4 e 5 do presente decreto
Art. 23. A iseneo do art. 38 8 18 do regulamen-
to s comprehende
sentos d imposto, em conformidade do art. 85,
14, salvo o disposto no art. 18 do mesmo regula-
mento.
CAPITULO IV.
Das multas e do processo em materia de sello.
Art. 40. Os escrives e officiaes pblicos que
praticarem os actos enumerados no art. 116 do
regulamento, e que nao enmprirem o disposto na
segunda parte do art. 20 deste decreto, ficam su-1
edro Joaquim Vi una Ijma-
Felippc Ner> da Silva.
Alteres Manoel de Mendon a e Silva.
Cirurgiao Jos Antonio de Lean
Tenente Lino Carneiro Rodrigues Piulo.
Propietario Manoel Bernardo das Vir-.-f o
Tenente Tito Augusto de Leo.
Proprietaro llenriquc CieBNO ic A'.U:*\.
Tenente Melquades Soar-as Panra
Tenente Bernardino Teixmra Barroe
de 1856, devem ser tomados em separado os dos provincia. Communicou-se ao Drigadciro "com-
eieitores de b. Miguel de Barreiros, em que houve mandante das armas
duplcala, reservando-se ao poder competente o di- Dita. Os Srs. agentes da companhia brasleira .
reio de apreciar opportunamente as respectivas; de paquetes a vapor mandem dar transporte at o- Joo Cavalcant Teixeira.
eieicoes, e jatear de sua valdade, sem o grave in- < R,0de Janeiro, no vajwr Princeza de Joinville, em Vicente Emilio da Silva,
conveniente de, pela confusao da votacao de uns e lUgar de proa destinado a passageiro de estado, a Manoel Fernandes da Suva,
outros daquelles eleitores, poderem ser as mesmas Cordulino Flix de Hollanda, que consla ser'des- Jos de Dos Monteiro.
annulladas. valido. Francisco Gancio Cavafcanti.
oT5?. S?![5 t ny,'7Sr; J"'dL[,?z. P1CSI ente Di,a- s Srs. agentes da companhia brasileira Agostinbo Vieira Cavalcant.
jeitos nicamente s multas e penas do art. 113 do interino do collegio eleitoral de Barreiros. de paquetes a vapor mandem dar transporte at o Joaquim Jos.- da Fonseca.
4" sec$ao.Palacio do governo de Pernambuco, Rio de Janeiro, no vapor Prenceza de Joencilte, em Miguel Cavalcante Barrete.
de sello.
as que forera passadas para fra do imperio
constar da ultima va o pagamento do sello na
forma cima prescripta.
Art. 7 As letras de cambio ou da trra, sacca-
das pelo governo e seus delegados, contra a fazen
da geral ou provincial, e a favor de qualquer par-
qualquer que seja
tractor,
A pena de perda do oflicio comminada aos cor-
rectores |>ela reincidencia na infraceao que o mes-
mo art. 117 prev, ser publicada somente nos ca-
sos em i[iie se provar m f ou dle.
Art. 2. As multas em que incorrerera os infrac-
em 2 de setembro de 18b3.Declaro a Vmc, para lugar de proa destinado a passageiro de estado, a
sua direccao,e do collegio eleitoral dessa villa, que, Joao Fernandes Vieira de Mello, que consta ser
paraj composicao, tanto da mesa interina, como; desvalido.
presidente da provincia resolve conce-
direito da comarca de Tacaratu, ba-
da Silva Mafra, os 3 mezes de liceo-
encimentos que solicitou.
Art. 24. A disposico do art. 38 g 22 do regula- lores serao impostas .
licular ou estabeleciranu., ou por estes a favor da i S^^"^."1!?8 c maildatos ao Pr-! L- Pelas recebedorias de rendas internas, al-
mesma fazenda quando os saques nao forem offe-, oa^^^Hlra^ exteS T-- ,aade*ia8'-nM,sas do rendas e ^tec"9- d* um
emleletttS^EjrffiSS] ISSSSff.
frem ajuizados.
Art. 25, O art. 40 do
e extensiva aos reci- em relacao aos papis que nellas se possam sellar,
" se nao a quaesquer infractores que nao sejam autorida-
des judciaes, eclesisticas, militares e civis, in-
regulamento applicavel I cluido neslas os'vereadores e os chefes das repar
qualquer que seja a sua opiniao acerca da legiti
dade dos eleitores, recusar-se a receber os seus vo- j Expediente do secretario do>vcrno.
IwTSSS^fLSi?co'n JanncTnc^ 0fllc0 insPeclor da tl.tsou.aria de nUHak,
}^'A?rSZl"TvSem*P*^00SA0Sv'\-SV Sr. presidente da provincia manda
1 1^5 a de L3' in q"^ houveil.dMPt,Icf- transmittir V. S. para ter o conveniente destino
te, reservndose ao poder competente o dirato de nc|usa ord j0 ,h { d)
apreciar opportunamente as respectivas eleicoes, e : lli8
julpt de sua valdade, sem o grave inconveniente
ao sello proporcional..conforme o art. 2" 9, e art.
38 S 2o do regulamento.
Art 8" As cartas de crdito o abono pagarao o as transferencias de apolices eaccesque se lize- < ticoesadministiativas,geraesouprovinciaes, quan-
e luantia nellas designada, rem em consequencia de contratos "de penhor pelos | do proeedam em razao dos seus cargos.
sello correspondente quanti
ou de una vez sobre as proprias cartas ou parcial
mente sobre os actos a que derem lugar e cante-
nham obrigaeao ou ronstituam titulo a favor do
mutuante.
Art. 9 Os contratos sociaes sem prazo de dura-
cao e aquel les em que se estipular que a BOCedade
possa durar mais de cinco anuos sem dependen-
cia de novo acto, pigarao o sello de um dcimo
por cento do seu fundo capital, conforme a tabella
da 3* lasse do regulamento.
Pela prorogacao do prazo de duracao cobrar-se-
ha o sello na mesma razao de um dcimo por cen-
to se fr por mais de cinco anana, e de um vigsi-
mo por cento se fr por menos.
Art. 10. O sello do capital das companhiase
sociedades anonymas, e das respectivas caixas li-
liaes e agencias, ser cobrado, em conformidade do
artigo antecedente e das obrigaces tabella da
3* classe do regulamento, medida que o capital se
fr incorporando, calculando-se a taxa, nao sobre
o valor da entrada correspondente a cada aceao
ou accionista, mas sim sobre a importancia total
das mesmas entradas.
Cada accionista pagara soeiedade a quota do
sello que corresponder ao numero de suas accoes,
tirando-a respectiva admiaistracao ou gerencia
responsavi'l pela importancia integral do imposto,
que entrara para os cofres pblicos pela forma j
prescripta na primeira parle deste artigo, e nn pra-
to de90 dias, de que trate o art. 32 do regula-
mento.
. Art. H. O sello do fielameulo de navio a cargo,
rnllifitnoapranrha, ser paito antes do despacho de |
sabida pelo consignatario ou capitao. avista de Porquera os houver^ ass.gnado, com excepeao da-
una nota por qualquer delles assignada, que de-
clare o ame, naekmalidade e tonelagem da cm-
barcacao, e o imposto total do frete, sendo-lbe res-
tituida depois de nella lancada cora a verba da ta-
xa cobrada.
As emits partida ou de fretamento serao sella-
das dentro de trinta dias da respectiva data, se
ante*, na forma do art. 568 do cdigo commercial.
nao forem levadas ao registro, e deste icar cons-
tando o pagamento do sello realisado em qualquer
eslacao arrecadadora deste imposto.
o sello s devido por um dos cxemplares da
nafta de tretamento, procedendo-se a respeto dos
outros nos termos do art. 19 deste decreto.
Art. 12. Os ttulos da classe ou 2" seecao do
regulamento, nos quaes se convencional- a soluco
por prestaces de urna quantia que se nao possa
determinar ou lixar, pagarao o sello corresponden-
te a importancia de urna anntndade.
Art. 13. Nos contratos de lornecimenlo ou com-
quaes se lenha" pago o devido sello, seja qual fr o 2. Pelos presidentes das provincias as respecti
estabeteeiinento ou individuo a quem se facam as vas autoridades e ftmecionarios. comprehendidos na
transferencias, bem como aos actos pelos" quaes excepeao do numero antecedente,
eslas se izerem, levantada a caueo por elfeito da 3." Pelos ministros de estado, s autoridades e
; chefes das reparticocs da corte.
Art. 43. Haver" recurso das decises que im-
puzerem as multas de que trata o artigo antece-
dente :
1. Das repartices fisces da corte e provincia
do Rio de Janeiro, para o tribunal do lliesouro;
das de outras provincias para as thesourarias de
fazenda. e destas para aquelle tribunal, na forma
da legislaco fiscal em vigor.
2." Dos presidentes das provincias e dos minis-
1 tros, para o conselho de estado, na forma do regu-
lamento n. 124 de 5 de fevereiro de 1842.
ArL 44. Para impr as multas em que incor-
rerera os agentes da administracao publica, na
forma do art. 42, os funecionarios que primeirore-
conhecereni a infraceao. remetterao estadio fis-
cal, ou autoridade competente, o documento da
infraceao. em original ou por copia autbentica, i
acnmpnhado dos necessarios esclarecimentos.
Art. 45. O juiz, chefe de reparticao publica, ou
dade civil, ecclesiastica e militar, i
ou municipal, a quem fr presen-
processo administrativo ou judicial, no
qual existam papis que nao tenbam pago o sello
| ou revalidacao nos prazos legaes, exigiro, por des-
! pacho no msmo processo, antes de The dar anda-
mento, que esta falta seja supprida pelas partes in-
teressadas.
Os processos de que trata o art. 88 db regula-
mento, e aquelles que estiverem submettidos aos
tribunaesjudiciarios, militares c ecclesiastcos, s
thesourarias de fazenda geraes e provinciaes. ao
thesouro e s secretarias de estado, poderao toda-
va ser ahi despachados antes de satisfeito o sello
devido, Picando dependentes do pagamento do im-
|ior
soluco da divida.
Art. 26. Asquitacoes e outros ttulos dednhei-
ro provenientes de contratos que tenhara pago sel-
lo proporcional, sao isentas deste imposto, que nao
deve ser repetido em urna mesma transaeco.
Exccptuam-sc aquelles ttulos que comprchen-
dam pagamento de juro ou de quantia niio compu-
tada no titulo principal, os quaes pagarao o sello
do accrescimo, salvas as disposices do art. 30 des-
te decreto e do art. 43 do regulamento.
ArL 27. Nao pagarao sello proporcional as quita-
coes judiciaesevtrajudiciaespassadas aos arrema-
tantes debens de raz que nao importaran ao mes-
mo tempoexoneraco de qualquer outra responsabi-
lidade diversa da que Ibes provm/lo acto de arre-
ma taco.
Art. 28. Quando se houver pago um sello infe-
rior taxa devida e o titulo fr de novo apresen-
tado no prazo legal, cobrar-se-ha*a differenca so-
mente, declarando-se esta circumstaneia na verba nuTqucr"autoridi
e noassento dareceita, por meio das letrasDif. eral, provincial
alterado por este modo o art. 56 do regulamcn- je algum proces
to, tanto para o sello proporcional como para o
fixo.
.-irt. 29. A disposico do art. 53 do regulamento
concernente revalidacao dos ttulos sem data
extensiva aos que forem apresentados com a data
emendada, sem rectilicacao feta no proprio titulo
^a confusao da votacao de uns e outros "fc-
s eleitores, iwderom ser as mesmas annul-
ladas.
Deus guarde Vmc.Sr. juiz de paz presidente
interino do collegio do Rio-Formoso.
4* seecao.Palacio do governo de Pernambuco,
em 2 de setembro de 1863.Verificando-se das ac-
tas das eleices, a que se procederam as fregu-
zias de Caruar e S. Caetano da Raposa, remeti-
das -i secretaria do governo que o numero de seus
eleitores excede ao que devia dar cada urna das re-
feridas freguezias, sendo os da primeira quatorzu
e nao dezesete, e os da segunda doze era vez de
quinte, como se declarou ao juiz de paz mais vo-
tado da primeira das preditas freguezias em offico
de 13 de Janeiro do 1861: assim o communico
Vmc. para seu conhecmento, c alim de fazer sen-
tir ao collegio eleitoral dessa cidade.quc esses elei-
tores excedentes do numero legal nao devem ser
admittdos a tomar parte na organisaco da mesa
do mesmo collegio. cumprindo que seus votos se-
jam tomados em separado, tudo de conformidade
Despachos da dia i.- de setembro de 1863.
Reqiierimentos.
Abaixo assignado dos empregados na secretaria
da assembla legislativa provincial.Informe oSr.
inspector da thcsoiiraria |>rovinciaL
Joao Baptista Gomes Pcnna.Informe a cmara
municipal do Recife.
Manoel Thomaz de Albuquerque. Informe o
Sr. inspector da thesouraria provincial.
Thom Virginio Correia. Informe o Sr. Dr.
juiz municipal da I* vara desla capital.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
Funcconou hontem o histxto
Geonrapliico Pernambucauo com assslencia do
com o dispostono art. 30 das mstruccoes de 22 de Exm lllonsenhor Muuiz Tavares, e dos Srs. Drs.
agosto de 1860.
Deus guarde VmcSr. juiz de paz presidente
interino do collegio eleitoral de Caruar.
Expediente do dia 1 de setembro de 1863.
Joaquim Porjella, Aprigo Uuiaaraes, Nascimento
Feitosa, Soares de Azevedo, Rodrigues Campello.
Figueira, Witruvio Pinto Bandeira. Cicero Pere-
grino, Torres Bandeira, Eduardo de Barros e Se-
rapbico, major Salvador Ilenrique e Barros Falcao.
Aberta a sessao, c approvada a acta da antena-
dente, o Sr. secretario perpetuo d conta do se-
Mari-
i|uelles cujo prazo para o sello nao coraecar a cor-
rer de sua data.
ArL 30. O sello proporcional de um titulo com
prebende as disposices constitutivas do contrato
e as que frem consecuencias necessarias destas.
Se
d .
s constituam outros tantos contratos de diversa
natureza, ser devido o sello de cada urna dellas,
ainda quando se reliram aos mesmos contrllenles,
ficando assim declaradas as disposices do art. 13
do regulamento.
CAPITILO II.
Do sello fixo.
ArL .11. O sello fixo a que saosujeitos osreque- Bm nenhum caso ser retido "pela estaco fiscal
rimemos, inoraorias e memoriaes dirigidos a qual- o titulo que lhc fr apresentado ou remedido ofli-
quer autoridade publica, conforme o art. 58, Io do cialmente, bastando para todos os effeitos legaes
regulamento, deve ser pago antes de serem os di- nma copia authentica delle, assignada tambera pe-
los papis apresentados para informacao ou despa-1 |a parte que a isso se prestar, salvo sempre o dis-
posto no 5 do citado arL 123 do regulamento so-
e, porm o titulo contiver varias estipulaces in- ^ d^d|os dc n^
pendentes urnas das outras, de sorte que por si ^^
Art. 46. As disposices do art. 123 do regula-
mento, na parte em que manda lavrar termo das
nfraeces que chegarem ao conhecimento das es-
tacoes fiscaes, sao applicaveis smente aos papis
sujeitos revalidacao, cuja importancia nao fr lo-
go satisfeita pelas parles, a aquelles que derem lu-
gar imposicao de multa, ou a processo criminal.
iua de gneros para as repartices publicas, nao
havendo dec'.aracao de quantia. por ficar depen-
dente da efectiva' entrega a determinaco do va-
lor dos mesmos gneros, ser cobrado o sello an-
tes da e\pedicao das ordens para o pagamento da
ultima preslaco, ou da importancia total que fr
pago, de urna s yez.
Art. 14. E' sujeito ao sello proporcional a loca-
cao de predios rustiros eu urbanos por prazo cer-
t'o ou indeterminado, sendo, porm, isenta deste
imposto a que nao contiver estipulasen de prazo,
liarmonisado por esta forma o art. 6o 11, com o
art. 8" g do regulamento.
Art. 15. O sello dos contratos, de que trata a
primeira parte do artigo antecedente, ser redoli-
da do prego de todo o tempo da lotacao ou do da
renda de um anno, se o prazo fr indeterminado,
accumulado ao da quantia estipulada sob o titulo
de joia, entrada ou qualquer outro.
os casos de traspasso tomar-se-ha por base do
calculo para o pagamerto do imposto o tempoque
faltar para a terminaco do prazo, ou um anno se
esle fr incerto.
Art. 16. A disposico do art. 9" do regulamento
pela qual se manda considerar vespera do venci-
mento dos ttulos sem prazo estipulado adodia
em que forem ajuizados. para o elfeito de ser co-
brada em conformidade do art. 51. a importancia
da revalidacao em que bouverem incorrido, ex-
tensiva aos ttulos da 3* seecao do capitulo 1 e aos
do capitulo 3* do mesmo regulamento.
ArL 17. Os ttulos de nomeacao, a que se n^te-
re o art. 45 do regulamento, pagarao o sello pro*
poreional da melhoria do vencimento, se a houver,
nos casos de accesso, transferencia, designaco ou
novo provimento para a continuacao no exeroicio
do mesmo emprego.
cho.
Sao isentos deste imposto
1." Os dos officiaes e maij praeas do exercito
egulamenti
bre os papis de grande volurae.
Art. 47. 0 emprego do meio executivo appli-
e armada, de cornos policiaes e guarda nacional,' cavel a todos os casos do revalidacao ou de multa,
Oflicio ao brigadeiro commandante das armas. ,
Ao oflicio que V. Exc me dirigi em 28 de guiute expediente :
agosto ultimo sol. n. 1598, respondo dizndo-lhe Lm oflicio do Sr. Dr. Joaquim Saldanha
que o pagamento do aluguel da casa que servio nbo dando conta de haver apresentado ao governo
de enfermara s
zareth arcomme...
gar logo que o respectivo proprietaro o solicite.! -ni dito do 1 secretarlo da associacao luterana
Quanto, porm, ao forneeiment de azeite e pavos Ensato Jurdico, olH'recendo em nome desta o pi-
para as uzes do quartcl do mesmo destacamento, nieiro numero do respectivo jornal,
deve o commandante deste faz-lo diariamente, | L'm dito em igual sentido cora relacac ao stimo
apresentando a competente conta para ser satis- numero da Facwldade de Dimto.
fL.ta. OSr. major Salvador Ilenrique offerece coorde-
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda. nadas as emendas fetas aos estatutos, c esse ser-
Nao havendo inconveniente e estando em termos vico vai acommissao de mista para cotjalas
os inclusos documentos, mande V. S. pagar nao | com o vencido, e em seguida serem incorporaros
s os veneimentos relativos ao mez de agosto ulti- aos mesmos estatutos.
mo, dos officiaes da guarda nacional aquartellados A commissao de revista le o seguinte parecer
nesta capital, e dos guardas igualmente aqnar/el- i A commissao de redaccao da revista, leudo
lados, a contar do 16 at 31 daquelle mez, mas examinado a proposta junta do Dr. Souza Res, o
tambem a despeza feta com o fornecimento d'a- parecer da commissao de admissao de socios sobre
Jos de Barros Accioh.
Quirino Rodrigues Pinto.
Tenente Thom Bandeira fc Fari.
Joo Francisco Pereira.
Proprietaro Joao Bento de Goarrl.
Padre Pedro Jos Nunes.
Dr. Paulo Martins de AIiir-mIi
Propietario Manoel de Moma SSf gata.
Jo5 Bandeira de Faria.
Rufino Rodrigues da Silva.
Joaquim Bernardo Ganda.
Acerca da crotruce;io do aewa aawei" paMt-
co, volado para le n. 566 th> ro rate anao, r%-
via-nos as consideraroes. que rtnVicirmts a \tim
ra publica.
| Pelo Diauo de 6 de aooMO lado Timo, .pi.-
em aesso da cmara municipal >i'-ia ndade, **
1 ti de junlio prximo passadD. o Sr. -Leal *evp e
mais tres outros vereadores aprevnlaram anna
pro|iosta no sentido de qnantn antes dar -^ ^ven
cao ao passeio publico, d-t'-nninadi pata j ft )
art. 2 da lei provincial d*eat| anno.
O loc.il drsignado para e-te fhn na dita 'ai
t a ara atollada ou alagada. <-ompriBi;adato -a
1 tre os doos canaes que do commiinicac da :aa
d'Aiuorx para a ra do Hospicio, entn" a raa d->
Saodad'j projetada c o canal que corre parai.efa-
nientc i do Hospicio entre a entrada da m *.
Destino o a pim; da. tatenll de iHinda. se
aclia na extrema da dita rui do l1
\ exten.-ao den atda entre o ranal n fni
e do norte de- 2,25<> palmos, e -na la: i
pro\midade do canal do sal anda por T-" >ihw>*
e naquella do ranal do sorte por t.tVH I "***
palmos, pouco mais ou aansaB. no termo i na
Archeologico Ignoramos a razao que levmi o coran hgi
litivo provincial dok-rminar que o ni
pasaeio pnlJico fosse .-onstrui"'" no toj
indicado: sem que entremos ,..: -na p
notaremos no "ntamo apeas i temaba ala-
gados d'eclu ainda existentes, pertencen i partirii
lares e |K>r isso seria precisa quaniia nnito avnl
tada pai j os adquirir litlo de wttWM
ria ou p.>r expropriaco por causa de l
publica. Mas eiuapr observar <*e aa
da cid.:de existe marcado o passeio paMeei
aterrada e alagada enrtaate aire a^anaasaae
ranal do norte, que paisa pela ponte d Starr;
- I
s" praeas cd"o destacamento de Na- imperial a expressao dos seritiraentos e os votos do; a mu arda ajane 840 palmo- de xrpnra.
ettdas do cholera-morbta, ter lu-: Instituto por occasiao da qucsLio anglo-bnsleira. I gymnasio e a dita ponte e 1.4,m
- a ra d Aurora e a do Hospicio.
Nao- ia. verdade duma s'inertrie
tao grande como a primeira. -pie amn
palmos; visto que a st-gund? deiiois dr
medir I.2LI4.800. Ma>. p-/ar da i
exisli'iii, eiitie a> du.i- de 7 -i.itlO
dos. estt ultima, sendo cu'.io
nicipa nada distara quaatea poi>e ?
e alagado ora existente i -< a ranwa
querer, poder tetrr exceanar os rats do
que pnaaa na ponte do Siarr, sea nade
dio. assim com a mor rle do cn*lr
gua para o respectivo quartel. e com o tratamente
de um dos mencionados guardas.
Dito ao mesmo.Transmiti V. S. para o fim
conveniente o incluso aviso de letra na importan-
cia de 91666 rs. saccada pela thesouraria de ren-
a mesma proposta, urna outra do segundo secreta-
rio, e um requerimento do Dr. Witruvio, econsde-
rando que nao est prevista nos estatutos a hypo-
thesc de mudar de doinicibo um socio offectivo, ao-
passo que dos mesmos estatutos como da natureza
das da provincia do Bio Grande do Norte sobre dos encargos dos socios eflectivos resulta a neeee-
essa e a favor de Francisco Jos Pereira Caval- sidade de serem estes sacios doiniCfhados na aM
canti de AlbuquerqueCommunicou-se ao Exm. do Instituto, propoc .
Sr, presidente do Rio Grande do Norte. I iu 1- Que sejam consultados os socio ftr. Cam-
bio ao mesmoDccIaro V. S. para sen co-! Ihaes e ronselhei.ro Antunes, se eonsentem em ser
nhecimento e afim de que o faca constar quem considerados socios correspondentes (visto que se
competir, que com aviso do ministerio da fazenda deve respeitar o.facto consumado; ;
do 20 de agosto ultimo, me foi remettido o decreto! 2Que aojirhgo4 dos estatutos se faca a se-
do nomeacao do guarda-mr da alfandega de Ser- guinte addicao:
cipe. AristdesBarboza Cordoiro Feitosa, para se- Os socios_e*bctivos sewo _pessoas domiciliadas
ros. cao, nao lera effeito nos casos anteriores publica
2." Aquelles em que se pedir a restituicao de ca0 do presme decreto, comprehendidos no % Io
documentos juntos a requerimentos indeferidos. do art. 32 e paragrapho nico do art. U9 do regu-
3. Os de presos pobres dirigidos a qualquer lamento,
autoridade, bein como o documento que os instru- Art. 48. Os infractores das lata e regulamentos
rem, coratanto que a circumstaneia de pobreza seja do sello sao solidariamente respunsaveis fazenda
reconbecda por declaracao lancada e assignada nacional pela importancia da revalidacao dos titu-
nos proprios requerimentos, pela autoridade a quem ios e das respectivas inultas. Tero, porm, direilo
frem prsenles para despachados ou transmit: ios. regressivo uns contra os outros, na ordem era que
S 4 Os que frem dirigidos s estaedes fiscaes se tiverem tornado passivois da mesma responsa-
para o lancamento ecobranca dos impostes. bilidade.
5 5o Era geral todos os que frem apresentados fcxceptuam-se destas disposices os funcciona-
as alfandegas mesas de rendas e pagadorias para nos pblicos, o,ue respondero smente pelas mu-
actos a que as-partes sejam obrigadas em virtude tas que Ibes sao coraminadas as ditas leis e regu-
de le nao tendo por fim iscmpco de direitos, ou lamentos, quando procederem em rato de seus
qualquer outra graca, nem reclmacao ou contes- cai,ps- ..-.-'.._
taciio de (iiialnner natureza. i Ar.'- As Pessoas que, sem lioonea, venderen
Art 32 Os reouenmontos de certides, atiesta- papel sellado, serao punidas com a perda do papel
dosou documentos de qualquer designaco, serao que, em seu poder fr achado, o cora a multa de
sellados com a taxa que competir a taes documen- uoz a cora mil res, procedendo-se contra ellas na
to* quando se juntarem a autos e petices, na for- forma da legislaco em vigor sobre os delirios
ma do art. 5913 do regulamento. P0,'aes _. .. .
Art. 33. As licencas concedidas pelas cmaras Art. oO. Ficam revogadas todas as disposices
municipaes ficam sujeitas ao sello de um mil ris, emeontrano.
cobrndose o de duzentos ris das que o frem pe- O marquet de branles, conselheiro de estado,
las capitanas de portos; alterada assim a disposi- senador do imperio, ministro e^ecretario de estado
io do art. 78 do regulamento. -dos negocios estrangeiros e interino dos da fazen-
/irl. 34. A iseucao estabelecida no art. 85 do re- da e presidente, do tribunal do thesouro nacional,
gularaento nao importa a da taxa do art. 89 3,', assim o tenha entendido e faca executar.
para os papis designados nos 8? 7o e 13 do m^s- Palacio do Rio de Janeiro, em 13 de agosto de
mo art, 85, quando forera juntos a autos q peti-, l8f, 42 da independencia e do imperioCom a
glpe, Anstiaes uarDoza toruwro rama, para se-
gundo conferente da desta capital.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Convido V. S. e os empregados dessa thesouraria
para assisarcni ao cortejo que no palacio da presi-
dencia se tem de fazer efllgie de S. M. o Impera-
dor s 12 horas da manha do dia 7 do correntc
mez, aniversario da independencia do imperio. redamar M,mIfVi ,ftR .
Fuieram-se ideticos conviles as demais repart- Recife, 3 de selembra de 1863.S. R.-A. /{../ coes e estabelecimentos pblicos. I forres Bandetra.Dr. Apngw Justmano da Uva
Dito ao mesmo.Attendendo ao que no incluso, tuimaraes.
raiuerimcnto expoz o professor de francez do O Sr. Dr. >* itruvio l^nto Bandeira aprsenla um
(\ mnasio Provincial Antonio Jos de Moraes Sar- manuscripto do Uado patriota trei Joaquim, Cane-
V. S. a mandar pagar-lhe inte-1 ca, obtido de pessoa nroxima em familiaridade ao
na sede do Instituto; e quando quakuier delles va-
riar do rosidencia (o que ser decidido pelo Insti-
tuto) ser, considerado correspondente, o preenchi-
da a vaga : salvo ao que foi efectivo, e tornou pa-
ra a sede do Instituto, ter asseato neste como effec-
tiva, em a primeira vaga que se dr, se assim o.
mente, autoriso
Oralmente os seus veneimentos relativos ao raez
e agosto ultimo, considerando para esse ten abo-
nadas as faltas que por doente deu o snpplicantc
em todo aquelle mez.
Dilo ao mesmo.Particpando-me o director da
reparticao das obras publicas em oJItcio de hontem,
sob n. 166, haver recebido provisoriamente a obra
da ponte de Ierro sobre o riacho Brumzinho, por
se adiar concluida de conformidade com o respec-
tivo contrato, assim o declaro V. S. para seu co-
nhecimento e afim de que, em vista do competente
certificado, mande pagar a terceira preslaco na
importancia de 4:87S a que tem direito o" arre-
matante daquella obra Theodoro Rampke.Com-
municou-se ao director das obras publicas.
Dito ao director no arsenal de guerra. Mande
V, S. admitlir na companhia de aprendizes desse
arsenal o menor Pedro, a que alinde a sua infor-
macao de 29 de agosto prximo Ando m. 73, us
vez que o pai desse menor satisfaca aa dis.^oslcdes
Jo regulamento n. il3 de 3 de Janeiro de 1842.
mesmo finado, afim de que por elle fosse verifica-
da a identidade do manuscripto offereeido pelo Dr.
Uberato.
E, aceito, e mandado a commissao de reviso
do manuscriptos para interpr o seu parecer.
Sao votados e approvados socios correspondentes
os Srs. Drs, Joaquim Goncalves Lima e Luiz Anto-
nio Vieira da Silva, e primeiro tenente da armada
Manoel Antonio Vital de Oliveira.
Vetn mesa urna proposta do Sr. Dr. Nascimen-
to Feitosa propondo o Sr. Dr. Jos Uberato Barro-
so para preencher a vaga de socio olfectivo; a qual
mandada eomraissjo de admissao do socios.
Nao havendo. mais nada a tratar-se, levantada
a sessao.
Ge Pao-d'Alho do-nos as seguintes noticias :
Q cholera acha-se quasi extincto, apparecendn
penas nm ou outro caso.
As bexigas seguem na villa igual marcha, porm
fra della ainda suecumuem algumas pessoas,
Ainda nao cessarara as chuvas,
dora ler por melade ju dous i. r o-
do que qualquer parVular, ailopCando es am-
ito accao e o sysleiEA empregalos ':m id.atfria i*
cui outras cin um Jaura- pela.- manan!
des estados constecionaes da iuroaa.
turas exigeiu que a lixo de todas a i
ajumado de manUaa cedo, a paria de
d onde levad m seguida r >n\m
carros especia ^ aos aaMBB i aterrar
pela respertivt cmara niruHcipal.
- As calkas demoliccs. Ierras t* rea
nientes de excavaedes ou. de aras. a nivHtoc de-
vem ser igualmente transferida* Jo ragardarx-
traeco aos pontos desuados p*la amorato ir. av
ex|>ens.x* dos donos. por casaos seus na ale-
gados.
Nao eonvindo :, aossa caiuara ler
ral de carros e pessoal de yieirinho,j
em outro tempo. nao fallar q*m qwefcra i
lar o transporte quotidianc do lixo -. o nvscsa cna-
tratador poder-se-ha inraiubir do transpone aV
oAlieas, demolivdes, terna de exeavaeiesatc, ajsnv-
tandd ditos transportes ceno os partiente*. a#-
lectuando per preces mais conunota 4a aja
o faziam os aarroceiros a-iaes, nma wn
blique a cmara municipal p-'-turas
alisolulanienle o despejo de quabra:r lixo.
cao, ralica ele, as praas. rua. araras, on **a-
gradoies* pblicos, sob pena rt multas fcwtex <
inesuKi cora priso.
As aguas servidas e as ir-icrias teeaa nanea
deverao ser misturadas cim o Irxo ea terna* na.
taes carros devam transpodar.
Para aecelerar o al- ero do pase paUrs. a
cmara municipal contratar rota a
compleme o servieo iVnma das
vaaao, contratando igualmente n
nos que julgar rteeessarin, par <
de ser aterrdo.
Os 15 cortos de ris, dm retada pela toi
vincial poderao ser appllcadoajnn
cao das posturas: e a vialn "
abertura da assembla | ~
a cmara municipal .
quantia que deTer ser votada nai .*
eurates. Assim. sem m
pblicos. ter-s4tt em I
bltco que ha mate de i
com proporeoes qne jalfanMa i
mo para quando a capital de
feUridadn de contar o labro a |
1 MUTILADO r


Ife
==
Diario de vi namboco sexta felra 4 de Setembro de l fttts.

I
Obrareis melhor. replicn com sanguo fro o
attorney-geral Chatticld, condcnmando-o uui lu-
gar, eni que cstivesseis menos certo de o encon-
trardes.
Do mcsmo jornal iraduzimos a noticia, que se-
hoje. cumprindo notar que a sHejfirhYie q'indrada
do passeio pubjieo da Rabia e riawao do Rio de
Janeiro nao ser superior 1,834,800 palmos, su-
perficie consignada na planta d'esta cidade a rea
catre o gymnasio c a |ionte do Starr.
Rep.uiticao da polica : ,
Extracto da parte do dia 3 de setembro de 1863. gue
Foraiu recomidos asa de detencao no da 2 t Dous aereonautas chegados recentemente a
do con ente New-York, MM. John Levis, procedente de Ingla-
A' ordeni do Ilhn. Sr". Dr. chefe de polica, os trra e TarteilTer, originario da Prussia, encontra-
pardos Jos Francisco Xavier, como sentenciado; ram-se ha perla de tres semanas em Jolras Woods,
Galdino. cscravo, do visconde de Suassuana. sem onde ambos tinham tenro de fazer ascenefes pu-
parte. ambos viudos de Coianna. blicas ; e em consequecia de urna questao ori-
A'brdeiu do subdelegado do- S. Jos, os pardos ginada pela rivalidado de arte, se provocarama
Miguel Yertsimo de Mello, Francisco de Jarros duello.
ou Florencio de Barros Monteiro, ambos prra ave- A escolla das armas foi muito tempo debatida, e
riguaroes em crime de furto. depois de animada discussao, chegaram a urna con-
A' ordem do da Aoa-Vista, Jos Francisco Cesar, elusao, que geralmenle foi considerada como gra-
RMncisca Mara da Conceicao, branca, os pardos cejo, convenciunando os dous adversarios que se
Antonio Gomes Benicio, tolos para averguaeoes batera cada um no seu balao, sem levar pra-
policiaes, Manoel da Silva, por furto e insultos. quedas, e atiraria sobre o-balao um do outro: po-
0 chefe da 2* seccao.
J. G. de itesgiiita.
A eompanhia Tjnc se forma pensa que dentro de
tres anuos podera entregar ao eommereio o iiia
rinha militar um canal de 50 metros de largura
sobre 8 m, 50 de profundidade, vindo terminar em
Pars em duas grandes bacias, urna para navios
mercantes, e outrapara navios militares.
O ministerio nao se demorou em autorisar Mr.
COMMUNICADOS.
\o correspondente de ftergipc
para Jornal do Keclfe.
Acabo de 1er no Jornal do Reci'e do hoje urna
Sabati, ango cnsul geral, a fazer os Mudos de- ^?frfs^^enc.ia'. esc.r..iP,a & ^i?1'* Provincia (Ser-
finitivos do canal. .
gipe), onde o seu autor procurou calculadamente
oceupar-so demim, relativamente as prximas elei-
i edes de deputados provinciaes. Embora o Sr. cor-
respondente lizesse um esforco para tratarme com
deheadeta e elogios immerecidos, deixou comtadu
! resaltar ao espirito menos expeliente que s teve
! em vista com a sua correspondencia indispr-me
para com a rcspeitavel corpo eleitoral de Sergipe,
quando dltse : nao contesto do joven candi-
dato o merecimento, sou-lhe at affeieoado e since-
ro admirador de sua esperancosa inteligencia, mas
As 10 horas da manliaa, reunidos os Srs. deputa- considero anda muito cedo para urna seraelbante
dos Reg. Lemos, e supplcnte Alcoforado, o Sr. prelencao, quando j ha na provincia muitos outros
Scon^^ Prefiid<-'ne *K J2? """^ wndo lida ^ ^ervicos a poli.ica do,mnante. Sei que elle os
; duzir um effeito sufilcicnte, decidiram que cada approvada a acta "" podena prestar tambera cora vantagein, porm ve-
CHROMCA JIWCUIIA.
TKIIII\U, DO COH9IKRCIO.
SESSAO ADMINISTRATIVA EM 3 DE SETEM-
DE 1863.
TOESIDENCIA DO EXM. SH. DESEMBARGADOR
SOUZA.
Movimcnto da casa de detencao no dia
setembro de 1863.
Existiam........ 398 presos
Entraram....... 8 i
Sahiram....---- 5 i
Existem......... 401 t
A saber :
Nacionaes...... 281 i
Estrangeiros..... 26
Mulheres...... 14
Eslrangeiras..... 3
Eseravos....... 71
Escravas........ 6
de i a levara un bacamarto carregado com quatro expediente. in|,a pruneiramonte para a provincia, id'etilique-se
lnlls .......... I Foi presente a cotacao offlcial dos precos cor- com os seus negocios, que ento o seu merocimen-
' Julgou-sc que ludo isto fosse comedia, mas foi rentos da praca da semana finda.Archive-se. to nao deixar de ser apreciado at em cousas mais
uinueWio rio me acaba de resolver-se por i ,. despachos. altas ; por isso nao approvo que se esquecam anti-
nmi rSiTsiroidio l m reqummento de Manoel Theotomo da Silva, gos amigos em favor de um moco que arada nao
Ouinta-feira da semana pretrita dous baloes,! salisfazendo o despacho de 27 de agosto ultimo, pa- tomou parte nos negocios da provincia.
exactamente semelianios, construidos em Boston,, ra ser adnuttido a matncula -Matricule-se | Nao me consta (ue ninguem me aprsente can-
Outro de Joao Lely, pcdmdo o registro de urna didato a deputacao provincial de Sergipe ; mas
1 concedamos que isto seja verdade, demos mesura
um ou- de barato quo eu proprio me apresentasse, sohci-
depu- tando de minhaprovinciaestadistincco, seriacedo,
nanhado llie nertarm cordalmenle a mao antes tado Regque commumcou nao poder comparecer como diz o correspondente, paraalranca-la,quando
1 por emquanlo ao tribunal.
401
Alimentados a rusta dos cofres pblicos. 174
Casa de dk.tk.ncao.Movimento da enfer-
mara da casa de detencao do a 31 de agosto
de 1863.
Existiam................ 42
Entraran)................ 31
Sahiram................. '!
Foi removido para a casa de
sade.
Falleiviain
Existem................
Molestias nclla tratadas :
Hydrolhnrasco........
Syphilis enventerada..
Ocdemacia...........
Dartros..............
i'.i'phalagia...........
Sarnas ..............
Bronchites...........
Gastralgia...........
Gooorrbea...........
Golite...............
I^iraplegia...........
Imiiusoes...........
Oplitaliuia...........
Inleniiittenles........
Hemo|)tise...........
Rheumatismo........
Febre catarral........
Hypctrophia.........
Hepatite.............
Ferimenlos
1
2
23
da partida.
um signal, cortaram-sc as amarraefies, c os
dous globos areos subiram ao ar paraflelamente
com urna atmosphera perfeitamentc serena.
A dupla operado se tinha feito a 80 passos de
distancia, e a mesma se conservou at que os ba-
ldes se eevaram a 100 jardas.
Atirou-se tatito um foguetc do ponto de partida
1 como signal, e depois ouvio-se urna dupla deno-
taeo.
Um dos baldes eontnuou magestosamentc o seu
caminho, e em pouco dcsappareceu na direc^ao do
oeste; o outro gyrou um instante sobre si mcsmo,
termino este anuo o racu tirocinio "acadmico 1
Embora ausente, nao lereipor acaso alguns servi-
DE SETEMRR DE eos, que me animassem a pedir urna cadeira na as-
j sembla de minha provincia ? Mesmo ausente na
I ter-me-hei identificado com os seus negocios, ou
! ellos me ho sido indiflerentes ?
Sinto profundamente ler de fallar boje de mn,
1
1
1
3
4
8
4
5
2
3
1
3
4
5
2
4
8
1
2
3
SESSAO JUDICIARIA EM 3
1863.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. OF.SEMBARGAD0R
SOUZA.
Secretario, Julio Guimares.
A uieia hora da tanle, o Sr. presidente abri a' porm isso sou forcosamento obrigado.
sessao, estando reunidos os Srs. desembargadores \ Desde os raeus mais tenros anuos, quo os neg
Villares, e Silva Guimaraes, c os Srs. deputa- cios de minha provincia ho seriamente dominado
dos Reg, Lomos, e Casemiro Alcoforado. o meu espirito.
Lida, foi approvada a acta da sessao antece- I dente. nhado pela imprensa a marcha de seus diversos
em seguida comenla deseer lentamente, e depois. I Foi lido o Officio de 1 do corrente do Sr. conse- acontecimentos, condemnando-os, quando me pare-
a rapidez da queda augmentou progressivamente, | iheiro presidente da relacao, communcando haver cem desviados de um bom caminho, c applaudin-
vndo a cahir no chao com o peso de um corpo designado o Sr. desembargador Jos Ignacio Acco- do-os, quando mais se ageitam com o seu meluora-
li de Vasconcellos liara rever um feito que pende ment. Xas forcas dos meus pequeos recursos
rquinha, estava des- de decisao deste tribunal. e do febril enthusiasrao pela sua prosperidade, as
Xo os venios tambem. Hoje s vemos, S eonhe-
cemos, s apalpamos progressistas, ti prettraa
gnettts da cidade que nao deriem i
nacao em soas caws nos das t e 7
niltil. mez em signal de regosijo pd
Amanhaa talvez seja pensamento do dia, o de nossa independencia, envida**
alguma bandeira de urna s cor, branca, ou es- esforcos para que sejam nisto
carate : depois d'amanhaa yira outro pavilhao todos os habitantes da i'iiUule.
dominar, qur seja democrtico, qur rxo e pre-
to, ou austraco. Mas no presente s ha o pavi-
lhao progressista, seja embora simbolsado com
diversas cores, ou duas nicamente.
Nem as diversas cores exdue a unidade de pen-
samento : os matzes diversos que se liyaram no
partido progressista raminham com um pensamen-
to commum : o que nao permettido, que os di-
versos matfzes trabalhem em separado para seus
interesses especiaes de oulr'ora, e em contraposi-
i;."io do |iensainento cardeal, que conslitue a uni-
dade da poltica.
Aquelles que s querem urna cor pura e fixa,
sem msela alguma, esperem mais um poueo:
nao tardar que sejam guillotinados os novos Gi-
rondinos, que crearam a siluacao actual, provoca-
ram, e accetaram a dissoluea da cmara tem|K>-1
rana, e correram o risco deste grande acto nao i
esperado pelos seus adversarios. Em quantonaol n ._ '' j' -"
chega esse lempo da proimssao, deixai que o par-i Ia ")res ," seus m"ll>ierns, nuiues,
tido progressisia organise as suas chapas, e as re-1 derramam sohreo leit" de Lden a soa por-
commende como melhor entender : deixai que os futnaua folliagem ditTundirao pe'a allOOS
eletores votem nos progressistas, e nos progres-' phera urna fragrancia mai l^ilirata c
sisuis que Ibes merecerem mais conlianca, somlq|ie aque|,a (|ue M Aemma
0 eensellirire J. B. ta
O boato, que me coasca estarce i
que sahirei depotado pela proriwria
tem o menor fundamento, mteiratr
e lalvez inventado |r quem qm |iieira [
A sortc de minha elei^o corre naimealt arfa 3
districto do Cabo, |r onde me apresentei,;
esperando anda da gcnerosiiaae t
dos seus dignos eleitores.
Jos nimio da Cmtha Fitjtieirtlfi.
Recife 2 de setembro de MM
AGUA FLORIDA DE MURRAY
LANMAN.
Pde-se quasi por em durida se as m! e
inerte.
M. Levis, que vinlia na barquinha,
maiado e cheio de contusoes, que fazcm
pela sua vida.
Quanto a Tarteiffer, nao se sabe onde
rar.
receiar
foi Da-
Anemia ............. 4
IVncumonia.........
Chagas..............
Clicas..............
Rexigas.............
3
2
I
I
Terminamos hoje as mximas de conducta, que
aqui consignamos leitura das nossas patricias, a
quem desojamos sejam ellas proficuas pela obser-
vancia e ortica de suas presenpcesonoraes :
As muflieres de Esparta na Grecia preferiram a
honra e a gloria de seus filhos no servico da patria
mesma vida.
.
l'ma mulher de Esparta, tendo noticia de que
seu fillio morrera com honra, combatendo contra
os inimigos da patria, se reputava feliz por ter
produzido um nlho digno de Esparta.
...
A felieidade das familias militas vezes origina-
da pela prudencia de urna mulher.
Appellante. Antonio Jos Alves Souto ; appella- mente para a provincia para entao
Os casamenlos fetos s com vista de interesse: dos, Silva Leo & C. com os seus negocios, ou se mesmo de longe j te-
sao pouco duraveis, e fazcm de ordinario o des- Appellante, Antonio Jos de Siqueira; appella- nho tomado parte nellcs.
gosto de toda a vida. I dos, os administradores da massa fallida de Joao; Toquemos agora no ponto mais melindroso, para
I Jos de Figueiredo. que sagazmente me arrastou o hbil correspon-
Mulheres ha loucas que s por interesse se ligam Appellaules, Guimaraes & Olivcira ; appellados, dente,
a honiens velhos ou viciosos, ou atacados de enfer- 0 presidente e directores da caxa filial do banco j Quando o partido liberal de Sergipe, soffria no
do Brasil nesta cidade. mais cruel ostracismo, sem que tivesse un orgao
Designado o primeiro dia til. na impronsa da provincia que elamasse por seus
iaai.i ns. direitos e pedisse remedio seus soflrimentos,
Appellante, Victorino Teixeira Leite; appella- quem, estando em principio do seus estudos, e ain-
mdades, roe fazem ao depois a ruina de seus in-
nocentes filhos.
...
A unao do homem e da mulher, para ser feliz e
Nao devenios fcilmente unir-nos em matrimo-
nio, sem grande conhecimento dos coslumcs c h-
bitos moraes da pessoa a quem nos queremos
ligar.
Total................ 77
Existem em tratamento a saber:
Manoel Nones da Silva, sarnas.
Paulo Dias de Soma, bronchite.
Joe Ferreira da Silva Pinto, rcphalagia-
Marcalino de Dias Tenorio, sarnas.
Goncalo Jos Baraebo, gonorrha.
Jernimo Ferreira de Albuquerque, colito.
Joao Luiz de Souza. rheumatismo.
Manoel Antonio Pereira da Silva, ophtalmia.
Marcos Pereira de Almeida, intermitiente.
Jos Joapiirn Durlo, rlieumalismo.
Antonio Pinheiro Arco-Verde, hemoptise.
Gandido Pereira da Silva, hemopli-e.
Amonio Cavalcanti de Albuquerque, bronchite.
Manoel Francisco Pereira. colile.
latonio Francisco de Souza, febre catarral.
Goncalo los dos Sanios, rheuinalisino.
Jos Ignacio de Oliveira, cephalagia.
Bernardino Domingos Horeira, hypeirophia.
Amonio, escravo. sentenciado, dartro.
Manoel Vicente de Oiiveira. peaeomona.
Anmoktto opos, pemmntow,
Ftahcisco, escravo, de i). Harcolina, oedemacia. -----
Salvador, cscravo,de Carlos, eeplialagia. A Xtta,> publica o segunto :
Passageiros do vapor nacional Princeza de .0 tratado conhecido em Inglaterrra com o
Juimille sabido para os portos do sol :Capel I io iiome de Aherdeen, jior ter sido feito no ministerio
Joaqukn Verissuno dos Aojos. Jos Thomaz da de lord Aherdeen, parece que o principal embaa-
Silva, Jos Francisco Amazonas, Antonio Cana- eo para melhorarem as relaeoes entre a Gran-
illo, atieres Francisco Amonio Machdo e sua se- BreUnha c o Brasil, desejando este imperio a sua
nhra,Jos Fernandos Vieira de Mello, Cordolino nerogaeio, e oppondo-se a isso terminantemente
Flix de Hoilanda. Jos Suspiro dellollanda, Jiva- lord Pahuerttm.
quina Candida Cesar de Mello, Guilhermina Ange-1
liea do S. Ueis. quatro filhas menores e 1 escravo, i
Adelaide Mara da Conceicao e Silva, Jos Tlieodo- moscas e outros insectos se achavam sobre o cada-
roB. de Mello. JoaquimTeixeira da Silva, Amonio ver do um cao, que liavia acabado de inorrer dam-
Jacinlho de Sanipaio. Jos Antonio Braga da Silva, nado, apanliou alguns desses aniniaes c expoz as
Dr.Joaqnim Barbosa Urna e I criado. Jos Muidas, suas mordeduras tres caes ros, os qaaes nao tar-
jla Pinto Dmaso, Mouraille l'aul. Jos Leopoldo darm a ser aecommettidns da mesma enfermida-
Foram assignados os accordos proferidos na ideas de proveilo e de engrandecimento para Ser
ultima sessao, entre parles : gipe ho sido tambem por mim desenvolvidas, e
Appellante, Jos Baptista da Fonseca Jnior, co- portante nao posso ter sido indiferente, nem alheio
mo liquidatario; appellado, Jos Duarte das Xeves. aos seus negocios, e quando nao, vejamos ainda.
jixuambxtos. Quem preparou o espirtode Sergipe e do gover-
Appella ntes, Guimaraes & Oliveira ; apjiellado, no provincial pela imprensa da Babia em favor da j progressista se fez sol a f e
o visconde de Suassuna. necessulado de urna companhia de va|res a rebo-1 brasileiros. Xesta allianca
Sorteados os Srs. deputados Lemos e Rogo. que para as suas barras t Quem o dispoz de novo
Relatado o feito \mo Sr. desembargado!- Silva para promover-sc um contrato com a companhia
Guimaraes. Pernambucana de navegado co'steira ? Quem dese-
Desprezarara-seos embargos. nhou em urna serie de artigos o estado miscravel,
Appellante, Francisco Pedro da Cruz Xeves ; a quecou reduzida a provincia em 1836 com a
appellado, Antonio Jos Conrado. invasao do citolera, chamando constantemente em
Sorteados os Srs. deputados leemos e Re_go. \ seu favor a attencao do governo f Ser isto ou nao
Relatado o feito pelo Sr. desembargador Vil- servicos prestados a sua agricultura, a seu com-
lares. mercio e a sua navegacao 1
Reformou-se a sontenca appellada. Se o correspondente" liga pouca importancia a
Appellante, (Jaspar Cavalcanti de Albuquerque imprensa, nao se dando ao trabadlo de ler os jar
Uchoa ; appellado, Joao Pinto de Lemos Jnior. naes, pouco me importa isso, mas reinetto-lhe
Sorteados os Srs. deputados Reg e Casemiro sempre de 183 at agora, para as collecees do
Alcoforado. Jornal da Baha, Diario de Pernambuto, Diario de
Relatado o feito pelo Sr. desembargador Vil- Alagos, Tempo de Alagos, Voto Acre, mesmo de
lares. Sergipe, e de mais recente data para a propriacol-
Confirmou-se a sentenca appellada. leccjio do Jornal do Recife do anno passado, que
dksicnacao of. da. entao couheccr, se preciso que eu va primeira-
appella- mente para a provincia para entao identificarme
permanente, deve ter por base a igualdadc de ge-
nio, de. condeao, de fortuna, de sentimentos e at
de idade.
...
O mancebo honesto, virtuoso, prudente, modera-
do, laborioso, frugal, sadio e robusto deve merecer
a preferencia para a uniao conjugal a senhora si-
zuda e bem comportada.
...
O arrependimento e o descosto sao conse-
qoeaefa Se easaiaeittoe imarodeatest temerarios e
intorocfxkw.
do, Jos Dias da Silva.
Do Sr. desembargador Silva Guimaraes ao Sr.
desembargador Villares.
Appellante. Francisco Antonio de Brilo appel-
lado, David William Rowinan.
Do Sr. desembargador Villares ao Sr. desembar-
gador Silva Guiniaiaes.
DISTIUBI'ICF.S. _
Ajipellante, Salvador Lete Vidigal: appel lo,
H. George Deniz. ^^
Ao Sr. deseuibarttador Villares. ^
Nada mais liouve e eiieerrou-se a sessao a 2 BO>
ras da larde.
NOVO R ANCO DE PERNAMHl CO.
Ualaucte do >o\ < Banco de Per-
nambueo
em 31 de xtfusio de 186:i.
ACTIVO
Apnlires da divida publica........
L'm medico francez, lendo observado que muitas g,tnda de ferro de Pedro II......
Rsir.nla <1e (crio ds Dahia........
Bougard, Hanoel Muieira Rota, 6 pracas, sendo 2
lo corpo permanente, I criado do Dr. Silvino Ca-
valcanli de Albuquerque, 1 pelo liberto e 48 es-
cravos a entregar.
OlIlTI Aillo DO DA i Iji:sKTKM1II10.Noi:i:.M1TKUIo
ti Huno :
Vieiorino Soares de Souza, Pernambuco, SSannes,
.Nolleiro. Boa*Vista ; cholera.
Joaquini da Costa do Nascinienio. Parahiba, 23 an-
in's, solli'iru, Santo Antonio ; piieuinonia.
Joanna Isabel do l.ivramenlo, Pernambuco, 18 an-
uos, casada, S. Jos; tysica pulmonar.
Sabino, liberto, frica, 36 anuos, solleiro,
Vista ; tubrculo-pulmonar.
Depsitos.....
loias depositadas. .
Acioes depositadas
Le rae caucionadas
Let-ras descontadas .
1 Letras protestadas
de Cronstad trabalham ]{an(.0 lla miA .x/c
de, veriBcando-Sh a nnociilaeao do virus com a
maior intensidade.
Xas foru'ficacSes rnssas
de dia e de noite 15:000 liomens.
Xo sedeixam entrar na cidade seno as pessoas
que levain passaporte.
Tomou-se esta medida para evitar certas indis-
criodes eommettidas em 1853, que deram Ingla-
terra auto deasjo de emprehender a campanha do
Bltico.
...
A celebre cantora, madama Ltgramoe, tem exci-
lloa- tado grande enthusiasmo nos theatros de Alicante
' e Valencia, no visinho reino-
Tnambuco,
Anna Joaquina Maria dos Prazeres, Pe
".'i anuos, golteira, S.Jos i paralysia.
Antonio, Ponambuco, 7 mezes, S.
vulsocs.
Antonio ('.orreia de Andrade, Pernamboto, 80 mi-
nos, viuvo. Sanio Antonio ; docrepitude.
Joaqoim,escravo, frica, 'i0 anuos, solleiro, Boa-
Vista ; abeesso.
EsperidiSo,escravo, Pernambuco. 13 annos; Boa-
Vista ; um Cerimento.
Jola, Pernambuco, 6 mezes. Recife: convulsocs.
Manoel Joaquim de Sania Cruz, Pernambuco, 30
annos, solleiro, Recife ; hvdrocardite aguda.
Em duas represeiilaeo.s lancaram-lhe ao palco
.*.400rainallieti's, com muitos pombos c canarios ;
Jos; con- depois teve serenata debaixo das janellas : c um
dos seus admiradores comprou por 475800 um co-
po paioqoal ella tinha bebido agua.
UM POUCO DE TUOO.
A Hoilanda, diz o Jornal do Havre, a verd.v
deira patria da indusd ia. Tudo all se utisa, e al
o cao para os Hollaudezes um bom trabalhador.
Xa Hoilanda sao os caes que transportam todos
oa obleetoe de contomo diario, que puxamoscar-
ros dos meninos, admirando-se all o trabalho que
' podcui fazer estes animaos, e, sobre tudo, o peso
consderavel que fazem mover com una docilda-
de maravilhosa. Porm, em compensacao, sao bem
alojados, bem nutridos, c o domingo perlencc-lhes,
; de pleno dreto, para descancarem sua vontade.
Para prova da utilidade i|e um intelligenle hol-
los Antonia de l'igneiredo J-
nior Aluguel de casa......
Foniecimenlo.......
Caixa..........................
O Journal de Lot-el-Garonne, dequem o Iraduzi-
mos, recoinmenda para as i|ueiniaduras o seguinte j landez pode tirar do seu cao, conta-se que ultima-
remedio radical, de que j fez por s mcsmo expe-' mente as cercanas de Leyde, um honrado lavra-
liencia. i dor sou be entinar ao seu cao urna industria, que
Tome-se una pilada de farinha. e misture-se Ihe d muito proveito.
com um pouco d'agua, de maneira que forme urna A lamprcia um peixe muito estimado na Hol-
uiassa. Isto feiU), exlenda-se sobre a parte da pelle landa e muito caro,
queimada, aliin de impedir o contacto do ar. O lavrador temum bello cao da Terra-Nova a
A dor cessa para logo, e ao fim de algumas lio- quem d a comer muito frequentemente deste pei-
xe, o que cliegou a ser tomado conta de escn-
dalo.
Elle d ao cao o que tao bem poda regalar
os seus amigos! diziam alguns com um despeno
misturado do sarcasmo.Gosta mais dos aniniaes
do que da gente porque ama os seus sente-
Ihantes...
Finalmente, dizia-se urna multido de cousas
ras nao ha mais meo alguui da quemadura.
Segundo a Reine dv Jloiule Colonial, de quem
traduzimo-lo em extracto, acba-se a India invadida
por urna horrivcl molestia desconhecida, que pela
rapidez do progresso, earaeler lerrivel e marcha
indouiavel ass-oiellia-seao cholera.
Conforme o Dr. hiliot, que loi mandado ofBcial-
mente aos districtos de Hoogtily e de Basaret paja' deste genero, at que, cora geral sorpreza, se des-
examiuar os seus symplomas, reina ella epidemi- cobriu n'um bello dia, que aquillo que se julgava
"lltrntlT. e tem a sua sede no luco e no figado, de
modo que estes dous orgos toi iiam-se logo no 80-
meeodo ataque de um volume prodigioso.
O accommellido, depois de soflrimentos atrozes,
nnw.naibe em |ioucas horas em convulsoes lerri-
veis ; e algumas vezes, superando este primeiro
ataque espasmodico, passa durante alguns dias urna
tolice era urna espeoulaco e muito boa.
O lavrador conduzia o cao beira de um rio,
que corre prximo do local da sua habitaro,
O cao, a quem as lampreias pareciam urna cx-
cellcnto rousa, vendo-as no fundo da agua, que
muito limpa, preeipitou-se no rio, mergulhou e
agarrou urna lampreia, e. desde entao, emprega-se
vidaxtiocta, assemelbando-se antes um cadver! todos os das nesta pesca, de que seu amo tira bom
animado, o acaba por suecumbir urna dysiuteria i proveito.
resultante da proslracao.
O referido Dr. Eilit d como causa desta mo-
lestia a porcaria dos habitantes dos districtos, onde
se tem ella Manifestado; e no de Hooghly s,
acham-se affecudas oitenta povoaoes.
Esta peste al o presente desconhecida da scien-
ria, e nao tem nomc em nenhuma lingua europea;
mas distinguida pelo noine indgena de Jar-
Bbtr.
A associaco britannica do Calcult tem dado
suas providencias no sentido de soccorrer aos em-
pentados e desiiifeccionar os lugares affectados.
Do Corre dos Estado*-L'nidos Iraduzimos o se-
Suiute, publicado *ob o titulo de escaramuza judi-
eiaria:
Um demandisto dAu ultimamenle peante o tri-
bunal de Coopperstown (estado do New-York j que,
se elle fosse ju, condeiiinara o partido democra-
. jico em massa ao fogo do inferno.
Quer-nos parecer que a noticia foi imitada de
algum jornal americano, que uestes contos sao ni-
milaveis !
O Jornal do Havre diz que dos sete ministros do
gabinete francez, cuja biographia conhece, cinco
nasceram no mez de novembro e sao : M. Boudet
a 13 de novembro de 1800, Mr. Baroche a 18 de
novembro de 1802, M. Rillaut a 12 de novembro
de 180o e M. Drouyn de Lhu\ s a 10 de novembro
do mcsmo anno.
Trata-se de ligar Paris ao litoral por meio d'um
canal e a Verit-Industrielk a respeito escreve o
que segu :
Segundo o projecto, a linha deve partir de
Deupe, passa- por Xeufchtel, Beauvais e Cref,
tendo urna extenso total de 142 kilmetros, em
quanto que de Pars ao Havre, seguindo o Sena, a
extenso e de 343 kilometros-
PASSIVO.
Capital..........
Gmisso.........
Depsitos da directo ....
Conias correntes cora juros .
C-iiii-i* "ixrui'les Huelle*.........
Fundo de reserva......
Ttulos em cauco.....
Banco da Baha S/C .
Knowlcs & Poator" Dividendos........
Commissao do fiscal .,...
Commssao do presidente it ge^
rentes.........
IH'HClMIlOS.........................
Ue'cioustra.':\o> d> conta de lucios
e |ierilasem 3* de atc<>sto.
DKBITO.
Despezis geraes .................
Juros.............................
Premios de saques e remessa
Commissao do fiscal.....
Commissao do presidente e ge-
rentes ......... 7:3984464
Fundo de reserva...... 12:9115027
Dividendos ,....... 100:0005000
da bem longe de sonliar a menor aspiraeao, advo-
gava na mareosa desta provincia e das lagas a
causa deste partido ? Quem, quando em 1860, o
exclusivismo poltico pareca principiar a derrocar-
se, procurou criar nesta cidade, e de facto crioii,
anda que nao podesse ter muita existencia pelos
grandes obstculos, um jornal sob o titulo Sergipa-
no, para pura e exclusivamente tratar dos negocios
niateriaes de Sergipe, c adoptar urna poltica gene-
rosa, que aproveitasse o verdadeiro merecimento.
auiMli; i|uor i(uu ello eslivossx f (luom liordou da
^eu pai servicos constantes de longa data a poltica
liberal de Sergipe, sem que este tivesse tirado pro-
veito algum de sua firmeza e adbeso por mais de
20 annos, at a sua marta ? Se isso nao sao verda-
de i ros servicos a provincia c tambem a poltica do-
minante, qiizera que oSr. correspondente me de-
limsse o que entende por serviros.
Ha na verdade urna differonc : os que sao pres-
tados hoje, espera-sc logo bonsVesultados por ellos,
por que esta poltica est dominando, porm aqucl-
*i73:800000 es que foram piestados sempre com dedicaco e
104:0005000 desinteresse, quando ella eslava decahida eVivia
131:0744706 no mais cruel ostracismo, devem ser esquecidos
80:0005000 na opiniao do Sr. correspondente !
3:7355280 Seja-me permittido confessar com orgnlho, que
i:4005000 ninguem em minha idade, e em minha posico ha
9.330J000 prodigado com tanta energa os desmandos de al-
666:674(1160 gaos administradores, que tem tido Sergipe, e nin-
32": 7705425 guem se ha oceupado tanto pela imprensa do norte
00:0005000 do imperio de seus interesses mais vtaos.
Bo pedera delatar sem resnostaesta injusta pro-
vocaeao do Sr. correspondente do Jornal do Recife.
mas "elle me tratou liiobem!! ainda que, de envol-
ta com a sua calculada generosidade, fizesse appa-
recer a pona do um espinho, para desl'arte ver se
me feria.
Poderia mesmo calar-me, por que os que me co-
nliecem em Sergipe fazem justica aos meus bons de-
sejos pela prosperidade da provincia, que tem tido
de mim, no quanto posso dar, sobejas provas de
2,000:01)05000 meu interesse por seu engrandecimento, e de
1.241:4005000 quanto ardo em meu peito o fogo sagrado de amor
80:0005000 por sua felieidade.
323:0695506 Quando o que agora escrevo lr lido em minha
230:6125348 provincia, as urnas eleitoraes j lerao aceitado ou
102:5115792 repellido o meu obscuro nomc; supponho at que a
12:1355280 minha derrota ser infallivel nos primeros dias do
30.9705621 crreme mez, logo depois da eleico de deputados
155270 geraes, mas- isso nao abalar uta celil sequer o
101:6005000 meu peito para diminuir o amor que consagro a
1:5005000 provincia e a amizade, que dedico aos bons Ser-
gipanos; por que no sollrimento que mais se es-
7:3985464 calda e se ateia o fogo do amor.
64:3905596 Se tenho merecimento, ella e elles um dia me
- farao justica.
Concluo, dizendo ao hbil correspondente, que
agora todos tem servicos prestados a provincia e ao
partido liberal; mas peco-lhe ao mesmo tempo que
me deixe viver" na miha obscuridade, e nao me
airaste a trftvar lulas pessoaes pela imprensa, pois
a isso nao cstou disposto, por que fortemente se
oppoe o meu espirito influencionado nestes ltimos
das por impressoes bem desagradaveis.
Tenho dito.
Jos Fiel de Jess Leite.
3 de setembro de 1863.
18:4105470
26:4165096
1:9255000
5:0005000
1.441:0665840
procurarem saber, ou indagar que bandeira, ou
cor poltica pertenceram no passado, ou bao de
pertencer no futuro.
E' certo, que alguns cdados se qualificam ge-
nunos em relacao aos partidos que iniltaram ou-
tr'ora; mas boje j nao sao puros com a mesma
denominaco : liberal genuino, ou conservador ge-
nuino, sao mystos ana a poltica tniimphantc des-
conhece, e at repelle. No partido novo, que por
seus esforcos, crenca, e f poltica obteve com ap-
plausos iminensos a dissolueo da cmara, s ha
genuino o progressista, c tambem s o progressis-
ta que puro.
E' certo igualmente que para o futuro j nao
serao genuinos aquellos que o sao na actualidade.
como para hoje j o nao sao os das eras pretritas.
O contrario do que expdmos, seria negar a
transformado dos partidos, e por ultimo a fuso
at dolles, quando a luta e discussao da imprensa
o parlamento produzem o acord o harmona em
certas ideas e principios, fazendo desapparerer o
anterior antagonismo. Para nos por tanto, le fe-
lizmente para umita gente) em quanto o partido
progressista existir como tal, em quanto nao fdr
dissolvido por causas intrnsecas ou externas, s
deve ser acceito como carcter poltico puro, e
genuino, aquelle que fr progressista.
Ninguem contesta que a organisacao do partido
lealdade de distinctos
o uniao cortamente,
nao entrou caitaginez algm, nem de forma algu-
ma se levou em conta a f pnica.
Este partido cscolbeu com extrema Mberdadc o
seu directorio na provincia, e o directorio pelo
seu tino soube ganhar a batalha eleitoral em todas
as urnas.
Porque razao, j o directorio nao pode organi-
sar chapas para deputados ? Quem Ihe cassou os
poderes e confianza tao livremenle delegados i B
se j organisou as suas chapas, por que se ha de
promover contra ellas a revolta, pretexto de que
os revoltosos sito puros e genuinos f
Nos que acabamos de prestar apoio franco c ef-
ficaz ao directorio na eleico primaria, continua-
remos presta-lo com sinceridade na eleico se-
cundaria. Atetan, emttindo com franques e li-
berdade a nossa opiniao, pugnaremos at a victo-
ra pela chapa do directorio, e por sso recorre-
mos imprensa para pedir, como pedimos com
instancia, aos eleitores de todos os crculos, que
votem cerrados nos seguntes nomes :
1. circulo.
Francisco Xavier Paes Rarreto.
Antonio Vicente do Nascimento Feitosa.
Urbano Sabino Pessoa de Mello.
2." circulo.
Antonio Alves de Souza Carvalho.
Silvino Cavalcanti d'Albuquerque.
Antonio Colho de S e Albuqnerque.
3." circulo.
Luiz Felippe de Souza Lean.
Antonio Herculano de Souza Bandeira.
Ignacio de Itarros Rarreto.
4." circulo.
Antonio Epaminondas de Mello.
Jbs Leandro Godo; de Vasconcellos.
5. circulo.
Francisco Carlos Brandan.
Innocencio Serfico de Assis Carvalho.
BtaitMM pKcnuaittM I tio desaHtaeheis com
os pas o que or.anlsou a eabeca' Da i urna prova
de vossa disciplina poltica, para que se nao des-
mi ntam vosso bro e pundonor pela solidaredade
do partido.
0 memhro do directorio.
Nunca suslentei pela imprensa, a mais peque-
a, polmica pessoal com quem quer que fos-
se: e sentira nmi'o se me visso hoje collocado
na prerisao de o tetor ; sendo porm muito certo
que jamis tomara para meoantagonistaoartt-
tunte tcarioso Sr. Rartholomeu Francisco de Sou-
za Por tanto, nao outro o meu l'nn. escrevea-
do estas linhas para o jornal, seno drigir-nie ao
publico; e por deferencia a verdade e ao mesmo
publico, afrmar com o meu testemuulio, ser exac-
to tudo quanto fra expendido pelo meu honrado
cimbado, o Sr. Jos dos Sanios Nevos, em o seu
Cnmnmnicadode sabbado 29 de agosto lindo, em
referencia ao proeedimento daquelle senhor por
occasio de assuinir o desMeressodo papel de pro-
tector e procurador do Sr. Dr. Lourenco Itezerra
Carneiro da Cunlia.
Recife. 2 de setembro de 1863.
Luiz Cesardo Reg.
e enebe o
bnele de veslir ou o Ixuuloir aome
nrraflolia desta mimosa e odorfera
fr abarla. Se a compararmos CfHB
transienle c voltil cheiro de vaeur.i*t ordi-
narias u seu aroma pde-se chantar anka-
tructivel, em quanto que por oolro lado,
o tnico artigo em sen genero, o qual vivi-
damentc tos irs i mcnie o delicioso per-
furnc de arotnaticas flores ainda fresca. O
volume do rico e delicado aroma que se e*-
pallia ao derrainar-se algumas Has tn.lea-
(0, deliciosamente manvilhoso, CotJa*
um meio para aliviar vertigens e dores4
cabera, para perfumar o alilo e a prapria
pessoa, e finalmante (piando osada no lo-
nlio ou como um comestico, nlo tem e'Ia
igual por entre todo e^ sem numero Je
aguas odorferas ou extractos superfinos que
conslaiiiemente se importara.
Acha-se as boticas e lojas de perfontaas
do Brasil.
COMMERCIO.
Praca 'lo Rerifr 3 de s/temar* de I8C3.
AS 3 I|2 HaUf DA TARDE.
cotacoks ornciAEs.
Cambio-Sobre Londres 90d/ vista B|/ll i" 3/*
d. |ior l-V
Descont8 0/0 ao anno.
Ac?oes I'o novo banco de Vrnambuco ioftjaa
cada uina cx-dividendo.
liuimares Pre.-tent'.
Patcheu-Secrrturi".
\OVO BA \ O
PER^NRlCa.
0 no>o letnco paa I 4hi4ci4a
ile lez mil ris (1US frue.
Wf.indez*
Rendimento do da I a 2 .
dem do da 3.......
M 20W>Ct
iioviuK'ufo da alfamdcca.
Volumes >'ntrado com fazenda-
com gneros
Volumes sahidos
i >m fazendas
-. illl gen.
:U7
-m
m
u
Reis. 1,195:6030877
Res. 1,195:6035877
9.9054U
10:4965166
050
1:5005000
Res. 112:2115151
CRDITO.
Descontos........
Juros ds garanta de emisso .
117:1625360
21:718*791
Ris. 112:2115151
Estado da eatxi
Km ouro amocaj -
Em notas do the-
sonro tnaioies de
105000 10:9605000
Em iiua roeoores
-le 105 61:7135000
Em rimas da caixa
flli.il do Banco do
Brasil 289:8905000
Em notas do Novo
Banco de Per
D""'hurn wln -
Do 2005 396:4005
0 1005 213:7005
Da 505 55:5505
----------665:6505000
E o i rala e cobre. 21:3905030
Demonstracao te emissAo.
1262 notas do valor de
1651
2478
2005000
1005000
505000
O guarda livros
Francisco Joaoum Pereira Pinto.
Eleico de deputados gerars.
as vesperas de eleicSes, a multido dos candi-
datos as vezes desvia o' bom senso eleitoral co
jogo dos interesses individuaos, e das asniraeoes
isoladas, posto que legitimas, consegue que mui-
tos, ou alguns eleitores infrinjam as regras fun-
damentaos, c as conveniencias supremas da ver-
dadeira poltica, e sua leal applicagao.
Dizemos verdadera poltica e sua applicacao
leal, porque as combinaedes eleitoraes, a theoria
dos principios se modifica bastante; e, para regu-
laridade da accao poltica, muito se deve attender
duas bases essenciaes : 1.* a maioria quem de-
cide ; 2.* o pensamento do dia que prevalece, ou
' o que mais especialmente deve ser altendido.
E' por esta razao que vemos n'uma poca dada,
cidadaos Ilustres i>or sna intelligencia eprobidade,
nao serem escolhidos para cargo algum eleitoral.
Nao porque Ibes falte merecimento e aptidao pa-
ra as funceffes politicas; mas porque nao se acham
nessa occasio to eYn contact, tanto em confian-
za com as ideas e pensamento do dia, como os ou-
tros que sao preferidos.
Ora, os partidos organisam e acordam as com-
binaedes eleitoraes, por meio de suas commissoes
centraes, ou directorios: eis-aqui a maioria fal-
lando. Nao a maioria numrica, cga, ou igno-
rante; mas a maioria intelligente c esclarecida, a
1,441:0665840 maioria do systema representativo, a maioria dos
capazes, aos quaes o partido conlou a direceo da
sua causa poltica.
Pensamento do dia, o pensamento que trium-
phou as lulas politicas. Actualmente o pensa-
mento que constitue a origem e esseocia do parti-
doprogressista.
na neste partido liberaes poros, ou genuinos,
com seus penales, e retiga propria oa esatasi-
va ? Nao os conlieeomos. Ha coutai'taim mo-
derados, com tendencias e flus oapostos aquaJt* ?
732:4005000
405:1005000
103:9005000
0 cntralo Flavia Cato.
A declararlo do Sr. Joao Baptista Comes Rena,
relativamente ao contracto de afericiM-s feta patl
enmara municipal com o Sr. Flavi Ferreira Ce-
do, me faz sabir a tecreiro ; visto que o Sr. Pen-
na fallando em enmara cii'anii>u, arrepmdido, t
intiticos deaccnsaroadrede/mulos contra S. Ic.
oSr. presidente d provincia, deixa entrever que
a cmara foi unnime nesse negocio, desde o prin-
cipio at o lim delle, salvo os arre|iendidos : cu-
jos nomes nao se dignou mesmo declarar.
Nem eu tao pouco o fare, visto que sendo o meu
lim explicar minha conducta como venador, em
tal occurrcncia nao tenho precisao de o favor.
Em lins do mez de mareo, (crcio en) o Sr. Fla-
vi Ferreira Callo, arrematante do imposto de
afericoes no corrente anno, requeren cmara
municipal a prorogacao de seu contrato por mais
dous annos sob as msmas bases e as mesmas ga-
rantas com que estava de posse.
Oppuz-me com vigor a cssa prctcnc,ao, dando as
razoes pelas quaes me pareca que a cmara nao
devia annuir a tal prelencao. Nao obstante, jm-
rm, por maioria de 1 ou "5 contra um foi conce-
dida a prorogacao, e pedio-se presidencia ap-
provacao do acto, fazendo-se-lhc ver as vantageiis
que dlle provinham amunicipalidade.
Alguns mezes depois, nao tendo vindo a appro-
vaeao do governo, e sendo tempo de annunciar-sc
a p'raca dos diversos contratos, foi este tambera
mencionado no edital.
Antes, porm de irem praca ditos impostos,
veio a approvacito solicitada cora enipenhos pela
cmara, que alias mais do que ninguem deve co-
nheccr o que mais conveniente aos interesses do
cofre da municipalidade.
Apresentada em sessao a dita approvaciio. dous
senhores vereadores, e dos que mais pugnaram em
favor da pretencao, oppozeram-se a (pie se dates
cumprimento aoqueja estavaidetinitivaraente feito,
sob pretexto deque a presidencia se ha va demo-
rado muito em approvar o aeto II
Entend dever oppor-me a semelbante Idea, por
que estando o acto reto e por quem devia, e ap-
provado por quem podia, outra cousa nao restava
a fazer sonao dar-lhe cumprimento, sob >ena de
passar a cmara por inconsiderada e levana era
suas delibrameles.
Desta vez tive a maioria do meu lado, c inandou-
se lar cumprimento ao que se havia feito.
vista do que venho ex|mr, e que a pura
verdade, ver o respeitavel publico e o Sr. Penna,
que no_posso passar por creador de motivos de
aecusacao contra a presidencia, nem de ser ver-
melho,'azul, ou amarello, e ainda menos de arre-
pendido.
Nao por que me julgue humilhar confessando-
mc arrependido de actos.raenos justos e refletidos
que baja praticado, mas 'sini ponjue nao tenho do
que me arrepender.
O vereador,
Gustavo Jos do Reg.
Recife, 3 de setembro de 1863.
R Desearregam no dia 1 de aMaaai
Barca porluguezaBella Fjnsireiw
estiva.
Patacho dinamarqusJahannam^rcaak
Barra nacionalGailhermiiut -tliv, i
Recebedorla de rcada iait
gcraeit de Pernamhtte.
Rendm'ento do dia I a 2 HSVJ" .7
dem do dia 3......... I .icnjovi
Coosnlado pro vlarial.
Rendimeiitn do dia lal V:l87'i->
Mem do dia 3......... I 1I!
.'..cmm
MOVIMENTO DO PORTO.
Sari minuto H" da i.
MaranhaoVapor de guerra nacional Xmazmms.
coramandante o i\ipit:lo-lim<>nt^ Thmtnain Ra\.
mundo de Brito.
Nao liouvesahida.
EDIT1ES.
en ris.
PUBLICigOES i PEDIDO.
DM 7 IB 9HHBM.
Pede-s a lodos os progretsisU da quaaao ftre-
A cmara municipal ajej .nlade, taz pu-
blico para conhecimento do corpo eleitoral
deste municipio, que o Exm. presidente da
provincia, por officio de 18 do corrale.
Ihe commuuicara haver designado a iprej
mal i iz da Iregiiezia de Santo Antonio, para
nella se reunircm no da 8 de setembro
prximo vindouro. o coPe^io eleilnral, a fin
de proceder a eleico dos deputados geraes.
que tem de dar o dislriclo. a que elle per-
lence.
Paco dtf cmara municipal do Recife ea>
sessao de i de agosto de 1863,
Riulolplio Joan Barata i*- Abunda,
I'r-presidente.
FraucM-i) Canuto ila Boa-t
Secretario.
O lllm. Sr. inspector >la tli.-sotirnna _
cial, em rumprimenlo da rem do E\n. Sr. p)
sidente da provincia, manda fazer puhhrn, irk
dia 41 de setembro prximo fntoro. perame a jti
ta da fazemla da mesma thesmiraria. hiai
matar, a quera por menos tizer. a obra t rcaan
de 177 bracas correntes de erapedraiMeala aa rs-
trada da Victoria, desde a |ionte de Jaaoatia, at a
porteira do engenho IMhoe, avallada
2:2005000.
A ari e;natai;io tara feta na forma da W
cial n. 313 de 15 de maiode 1894 e ob as
las especiaes abaixo declaradas:
As pessoas que se propozerem a essa arrcaatta-
i;ao compareeain na sala das seswVs damaactin
junta, no dia cima mem-ionado, asta nana db a
competentemente habiliadas.
E para constar, se mandn puldicar a |
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de I
buco, 29 de agosto de 18C3.
O secretaria,
A. F. iAnnmmrimfmm.
Clausulas especiar* par* n igTWMtapm ^
1." Os reparos do emne Victoria, entre a ponte de Jaboato a^parMrada
engenho Bolhiies. na dintaneia de1/7 arana a aa
nn|M)rUncia de 2:200*100, serao ata da
midade com o respectivo orea
pelo eonselho da directora yj
2.* O arrematante dar f aattea aa> nabal
prazo de 15 dias e os concluir m da
contados ambos da da do lera da i
;).* Os pagamentos seria fcMosesa i
roes iguaes, a primeira no meio da i
obra, e a segunda, depois de saa i
Mae.
1* O arrematante aa exeraeio da i
rara as prescripedas do i
cionar a estrada, tn
embarace o transito |
5.* Antes de comecar oa I
gen^.ciro indicar a aisHaria asa aaa stai davaai
lapfexecntados.
5. Tudoonaaaqueaaoeaa^araaNi\aaaadaaas
preantes c
leta-Sla.
A.F.*.
>



_____
1


Diario de Penmaboeo Sr\tt\ feha 4 de ScOnibio de 803.

i

0 Dr. Tristio de Menear Arar pe, ofllckil da ni-
eril (TiK'iii da Rosa c juiz de direilo especial
9 eominercio nesta cidade do Recite de Per-
nanibueo por S. M. I. etc.
Faco saber pele presente que Joaquim Jos Ra-
mos, por sea ad vagado, me dirigi a peticao do
theor seaoi
Illm.fi r. juiz especial do commcrcio. Diz
Joaqntm lose Raaos, que havendo obtido carta de
sentenca junta contra o sen devedor Jos Antonio
de Barros, cuja ausencia em lugar uicerto jusliticou
o supplicante no conieco corao consta da mesma
sentenca, veni reqaerer V. S. se digne manda-la
intimar ao curador que foi nomeado ao supplicado
ausente, e qu. finias as 24 horas da Ici se passe
mandado de penhora afim de ser eflectuada n'um
escravo de nonie Jacob, que o supplicante Ibes fez
arrestar por este juizo, para segu-anca c garanta
de ten crdito e em oulros quaesquer bens do sup-
plicado que forem achados nesta cidade, 'mantos
bastem para a solucao da quantia de 3:0775170,
importancia do principal, juros e cusas, contadas
no rosto da sentenca r dos que acrescerem at real
e eflectivo embolso do supplicante, passando-se
depois de eflectuada a penhora requerida nova
carta di editos rom o prazo de trinta das, afim de
ser por ella citado o supplicado ausente para todos
os termos da execucao. E assim pede a V. S. de-
ferimento.E. R. M.Advogado, Dr. Reg.
E niais se nao continha em dita peticao, na qual
dei o despacho do theor seguiute :
Sini. Recife, 4 de maio de 1863.Alencar Ara-
ripe. '
E mais se nao continha em dito despacho, em
observancia do qual o respectivo escrivao fez pas-
sar o mandado de ponhora requerido, e tendo esta
eeellectuado om un escravo de nomeJacob, per-
tencente ao mesmo supplicado ausente, e que ja
Ihe tinha sido arrestado, e sendo dita penhora de-
bidamente aecusada. e em virtude do qne o mes-
nio escrivao que esto sub-creveu o fez passar o
presente edital, pelo qual e seu theor cito e hei por
citado ao dito reo ausente Jos Antonio de Barros,
para ver correr todos os ulteriores termos da so-
redita penhora e sua execucao sob pena de reve-
ja, para o que toda e qnalqer pessoa, prenle,
amigo ou conhecido do dito roo ausente o poder
tazer scienle do expendido.
E para que chegue noticia a quem interessar
Sossa, mandei passar o presento edital com o prazo
e ludias, que ser affixado nos lugares do costu-
nie e publicado pela imprensa.
Dado e pascado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 22 de agosto do anuo do nascimento
de N'osso Senhor Jestis Christo de 8ti3.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, escri-
vao o subscrevi.
IWtta? de Menear Aranpe.
Peto inspectora da alfandega se faz publico
<|iie no dia 19 do corrate, depois do ineio din, a
porta da niesuia. sera vendido em leilo 70 cortes
de caml.raia. sendo ti:! corles de vestido de ram-
braia de algodao, a 24000 o.corle, total 126*000,
e 13 corles de dita com msela de seda a 45000
O corte, tolal .'2-5000. viudos de Liverpool pela bar-
ca ingten Serafina, em 29 de dezeuibro de 18U0,
abandonadas ao pagamento dos direitos por Lin-
den Wild & C
Alfandega dePernanibco. 3 de selembro de 1683.
O V escripturirio
J. A. da Silva Perora.
O Dr, Trtetao de Atonenr Amripe, offlcial da impe-
rial ordem da Rosa e juiz de dimita especial do
conunereio desta cidade do Recife, capital da
provincia de Pernamboco sea termo, por S. If.
imperial e constitucional o Sr. D. Pedro II, a
quem Deus guarde, etc.
Faro sabor aos que o presente edital virem e
delle noticia liverem, que no da 14 de selembro do
correte anno. se ha de arrematar por venda em
praca publica a ipiem inaisdero seguinle : 1 casa
na ruada Gloria n. 2G. Irenuena da Boa-Vista, ten-
de dnas janelias e 1 porta com rotula, 1 sala e 1
gabinete ao lado, sala atraz. quatro (piarlos, cozi-
nha fura e 1 nutro ipiarto lora, quintal murado
com 1 portao que di sabida para ra da Campia,
cacimba nvieira. por 2.00113 ; 1 casa terrea na
Baixa-Wrde. na Capuoga, sem numero, freguezia
da Boa-Yista, leudo porta e janella.com rotulas na
frente, I sala, 2 (piarlos, cozinlia (Ora, com 1 ter-
reno ao lado, cercado com madeira, divide de un
Jado como sitio de Matlieu- Antonio de Miranda e
do oiilro com Lauriauo Jos de Barros e os fundos
com Jos Bernardo de Sena, com algnns arvoredos
de Inicio, por 1:2005, as rraaes foram penhoradas
por execucao do curador liseal da inassa fallida de
Gujlhenne Ca ralbo & C, contra Joan Ouarle Ma-
ginario.
E nao baveado lancallor (pie cubra o proco da
avaliaelo a arroma taco ser foita pelo preceda ad-
jadicaeo.
E para que chegue ao eonheeimento de todos
mandei pasear editaes que serao afiliados no lugar
do manar e publicados pela imprensa.
Dadoepassado nesta cidade do Recife de Per-
nambueo aos RJde agosto de 1803.
Eu Adolpbo Libralo Pereira de Oliveira. escri-
vao inierinoo subscrevi.
Ti isla* de Atentar Araripe.
fiiIzo dos fritos da fazenda na-
cional.
No dia 10 do corrente, na sala das audiencias,
na presencao Illm. Dr. juiz dos fetos da fazenda,
pelas 10 horas da manhaa, se vender em praca
publica um sitio no logar dos Butrins, em Olinda.
com casa de morada e olaria, avahado por 5:0005,
penhoradu aCaetanu Ooncalves Pereira da Cimba,
para pagamento do que o mesmo deve fazenda
nacional. Recife 2 de seterabro de 1863.
O solicitador,
Francisco Xavier Pereira de Brilo.
Pelo jnizo de paz da freguezia de S. Jos, no
dia 4 de selembro, depois da audiencia do mesmo
juiz irao praca 12 cadeiras e 1 sof4 de Jacaranda,
tenhorados a Noberlo Muniz Teixeira Guimaraes
por execucao de Antonio, da Cunha Soares Guima-
res, cujos escriptos de editaes estilo em poder do
porteiro do mesmo juizo, Serra Grande, cea ulti-
ma praca.
- Por ordem do Illm. Sr. Dr. juiz de direito es-
pecial do commercio communica-so pelo prsenle
a quem interessar ixissa que no dia 4 de selembro
credores da fal-
lioras da manhaa
LECLARAGGES.
t'oaselh atlmlnlsrallvo.
O eonselbo administrativo, para torneeimento do
arsenal de guerra, lein de comprar os objecios se-
gu ntes :
Para o arsenal de guerra.
Hangoeiras para bomba de apagar incendio me-
tros 2>i; laboas de cedro com 10 a 21 palmos de
comprimenip e 9 a 1H poUegadas de largura e I
dita de jroswira lo dnis, dnas de paranlba com
10 a 2V palmos de co aprmenlo e 9 a 10 pollegadas
delargorae3quartosde da de grossura lOdu-
zias; pregos ripaes di Ierra, 100,0.) prego* cai-
xaes 10 milheiros. cobre vellio 10 arrobas, ali-
cates sonidos 2.) jugos, tornos de mo sonidos
20, lijlos de ladrilho 2.')).). lijlos do al venara
2,001). cal pieti 8(1 alqueires, Minuaes encyclopc-
leos 20, historia de simio de NantnaW, opuscu-
los de Moral religiosa 30, Economas da vida hu-
mana 30, Resum is da doutrna cliristaa 30, cartas
de \ li ('. 10J. taboa las 100, traslados de bastardi-
nho 2.i. ditos de bastardo 2., ditos de ABC 50,
creioes em forma de lapis 80, lapis 0, peanas cali-
grapliicas de l" qualidade 12 caixas, obreias 50
massoe, lapis 12 duzias, omina arbica .'i libras,
ferro ingle/, em barra de I 1/2 pollegada de largu-
ra e 3/8 de grossura 30 quintaos, carv.o de pedia
20 toneladas.
Para a capaila do presidio de Fernando.
l'm ornamento braneo completo, 2 caadas de
vinbo braneo. 1 arroba de era branca em velas de
libra.
Para o hospital militar.
Tijellas de louca azul modindo 12 oncas d'agua
100, chicaras e pires 2i calix de vidro '12, garfos
e facas 6 duzias, colberes de metal principe 6 du-
zias, la de flecha 30 arrobas.
Para 0 7" batalhao de inmutarla.
Casemira amarella 4i ( meio rovados.
Quem quizer vender taes objertos apresen'e as
mas uropostas em caria fechada na secretaria do
conselho, s 10 horas da manhaa do dia 9 do
corrente mez.
corrente ter lugar a reunio dog
lencia de Se ve Filhos & C. as 12 I
na san dos auditorios.
O escrivao do commercio,
Manoel de Carvalho Paes de Andrade.
Consulado provincial.
Pela mesa do consulado provincial se faz publi-
co que no ultimo do corrente mez fmda-se o prazo
marcado para a cobranca do anno finaneciro lindo
de 1802 a 1863, dos ini|iostos da dcima urbana
de 20 por cenlo do cousummo da agurdente, de
4_ por cont sobre os eslabelecimentos de commer-
cio fra da cidade, prensas de algodao, casas de
pasto, botis, botequins, typographias, cocheiras,
cavallarices e fabricas, de 8 por cenlo sobre con-
suliorios mdicos e cirurgicos, i arlnos e escripto-
rios, de 12 por cento sobre eslabelecimentos de
commercio em grosso e a retalho, armazens de re-
colher, depsitos e trapiches, de 505 sobre casas
de bilhar, modas, chapeos, roupa feila estrangeira,
e de commissoiis de escravos, de 3005 sobre com-
panhias anonv mas e agencias, de I005 sobre cor-
rectores connuerciaes e agentes de leilo, de 2005
sobre casas de cambio, de 500 por tonelada de al-
varengas, de 305 por escravo empregado no ser-
vico das msalas, de 5 por cento sobre a renda dos
bens de raiz pertencentes a corporales de mo
mora, e o de carro, carrocas e mnibus ; licando
sugeilos a seren vxeculados todos os dbitos que
nao forem pagos al aquelle prazo.
Mesa do consuladourovincial de Pernarabuco. 2
de selembro de 1863\^
Antonio Caraira Maetodo liios.
Administrador.
O corno de polica compra 120bonels redon-
dos, de panno azul, com pala e galao estreito, para
a seccao urbana : quem quizer fornecer, apresen-
b'-se na secivlaria do mesmo corpo, s 11 horas
do dia o do correnle, para contratar, vista da
amoslra que I he ser apresentada.
O tenente-secrctaro,
Luz Jeronymo Ignacio dos Santos.
Peante o Sr. Dr. juiz de orphos desta cida-
de se bao de arrematar |ior venda, no dia 4 de se-
tembro, por ser a ultima praea, a re nierimcnlo do
respectivo inventariante, um casa terrea c o do-
minio directo de diversos terrenos sitos na ra
Imperial desta cidade.
Sexla-feira 4 do correnle, pelas 11 horas, em
audiencia do juiz de orphos, serao arrematados
por venda e para pagamento do Sr. Manoel Fran-
cisco de Carvalho Paes de Andrade, dous escra-
vos por elle penborados.
Arreniataco.
No dia o do prximo mez de setembro nao
novamente praca, depois de (inda a audiencia do
Illm. Sr. Dr. juiz municipal da 2.a vara, o engenho
l'inlos. com todas as suas Ierras e beui le lorias,
avahado por 52:0005, o engenho Quiaombo, conti-
guo quelle, avahado por 22:0005eos escravos que
j foram levados a praca, indo agora com o abali-
mento da 5.' parle no prego da respectiva avalia-
co, e&istndo entre os mesmos escravos o crioulo
denome Trajano, liom mestre de assucar, avahado
|ior 4005: os referidos bens pertencem beranca
(o tinado Jos Fernando da Cruz, e sao vendidos
requerimento da herdeira e inventariante. para
pagamento dos respectivos credores.
O inspector da tnesourara de fazenda de Per-
namboco, para que o Diana OlJi'riai toaba a devi-
da circulaco, mande fazer publico, em virtude do
offlcio do respeclivo administrador, datado de 19
do correnle, mez, o proco e as condicijes da assig-
lura do dito peridico, a saber :
Sabscreve-se para a corle o cidade de Nicthe-
roj na typographia nacional ,i ra da Guarda Vc-
Iba, e para ms provincias as Ihesourarias de la-
zenda 35000 por trimestre pagos adiantados e li-
VTOS de, pinte ; as xssi>;naluras (uxlem ser recei-
das 00 principio de qualquer mez, terminando sein-
pre no fin de marco, junho, setembro ou dezem-
bro, e nunca por menos de tres metes.
Secretaria da Ihesouraria de fazenda de l'ernam-
buco 31 de agosto de 1803.Scrvindo de oflicial
maior. Manoel Jos Pinlo.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
\;ivecavo costelra a vapor.
Parakiba, Natal, Macan. Araeaty, Cear, Araraci
f Granja.
O vapor ini/uarftc. commandanle
Lobato, segu para os iwrtos re^
feridos no dia 7 de setembro pr-
ximo. A carga tmente ser re-
rebida at o dia 4, encommen-
das passageiros c dinheiro a frete at o dia da sa-
luda as 2 horas : escriptorie no Forte do Mattos
COMPANHIA PEKNAMBUCANA
DE
Mavega^So coateira vapor.
Hacei e escalas
O vapor Persinunna, comman-
danle Ralis, segu para os por-
tos cima indicados no dia o do
corrente s 5 horas da tarde.
Recebe carga at o dia 4 ao
meio dia, encommendas, passageiros e dinheiro a
frete at o dia da sahida s 3 horas da tarde: es-
criptoro no Forledo Mattos n. 1.________
COMPANHIA PEKNAMBUCANA
DE
Xavesavo coatelra a vapor.
ILUA DE FKBXANDO DE NOkONHA.
No dia 14 do corrente mez s 11
horas da manhaa segu para a
liba de Fernando um dos vapo-
res da companhia que reeeber
carga at o dia 12. Encommen-
das, passageiros e dinheiro a frete at o da da
sahida s 10 horas da manhaa : escriptorio no
Forle do Mattos n. 1._____________^___^__
Para Lisboa
va sahir no dia 20 do corrente o brigue portuguez
Bella Firpieirense. capito Jos Corroa de Carva-
lho Sobrinho, ainda pode receber urna pequea
quantidade de carga e passageiros, para os quaes
lem excellenies commodos : a tratar com o con-
signatario E. R. Rabello, ra da Cadea n. 5o.
Para a Baha vai sahir com muita brevidade
o vcleii'o patacho ). Lu:, capillo Jos Teixeira de
Azevedo, |>or ter a maior parle do carregamento
prompto : para o resto trata-se com os consignata-
rios Palmeira & Beltro largo do Corpo Santo n.
4, pri mei ro andar. ^^^^^^
Pira Lisboa
vai sahir brevemente o brigue portuguez Bella Fi-
gueirense por ter a maior parte da carga engajada :
para o reste que Ihe bita c passageiros, para os
quaes tem excellenies commodos, trata-se com o
consignatario E. R. Rabello, ra da Cadea n. 55.
i liOTEHI %.
O thesourero das loteras desta provinl
ca, desejando extrahi-las em maior capita-
I e com menores intervallos, offerece a vanta-
gem de dous por cento quem comprar
para negocio, na quantia de 1005 para cima;
assim como se propoe a estabelecer corres-
pondencias para qualquer localidade da pro-
vincia, remetiendo bilhetes, meios e listas,
sob flanea idnea; devendo o pagamento
delles ser feito logo que sejam receidas as
listase novo bilhetes remetalos. 0 the-
soureirocerto da conveniencia desse negocio,
convida aos Srs. eommerciantes da Victoria,
Goianna, Rio Formoso, Nazareth, Sciinhaem
e mais localidades populosas da provincia, e
mesmo os desta capital, qne o quizerem, a
entenderem-se com elle, na thesouraria das
loteras, ra do Crespo n. 45: advertindo
que reeeber em pagamento e sem descont,
os bilhetes premiados de todas as loteras
da provincia recolbidos thesouraria da fa-
zenda provincial.
Thesouraria das loteras. 20 dejunho de
1863.
O thesourero,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
LEILOES.
LEILAO
DE
Unvi taberna
Xa ra lo Imperador n. H.
Ilojc s 10 1|2 horas.
Antonio Jos Teixeira transferio para boje o lei-
lo por inlervencao do agente Simoes. de sua ta-
berna constando de gneros, armaco e mais
utenclios : em um ou mais lotes a vonlade dos
prctendentes.____________________________
THEATRO
S, ISj&Mift.
KM PREZ A
DE
A. J. DU.iRTECOMBR.4.
Sahliado, i de setembro de 1863.
lleciia livre da asKignafura.
Desejando dar ao publico desla cidade o prazer
de ouvrao distraen prufessor oSr. Pictro Clemen-
tini, em o seu Amonico, nao duvidou a empreza
caegar a um accordo com esse senhor, afim de to-
mar parle em algnns espectculos, sendo o primei-
ro o presente.
-Bepresentar-se-ia a magnifica comeda em tres
aetos,
IEIIAO
DA
iIscii americana Minle.
SABBADO 5 DO CBRENTE.
William Mac Iluii.'ild. capilan da escuna ameri-
cana Mmnie. far leilo por intervencao do agente
Pinto, do casco, forrado e pregado de cobre, mas-
Iros, ferros, correnles. velbinies, sebreoelontes e
mais pertenece da referida escuna, tal ipial se acha
ancorada nestoporto eprompta para seguir para
qnalqner jtorlo : istois II horas do da cima di-
to porta da aasociaeao commercial.
DE _
Urna luja de fr.rau'.ns.
O agente Almeida levar novamente leilo por
despacho do Illm. Sr. Dr. juiz especial do com-
mercio a loja de ferragens da ra do Queiniado
perlencenlea massa fallida de Antonio Francisco
de Souza Magalhaes Jnior.
Sabliado i> de srlcmliro.
O leilo ser effectuado na me&nw loja s II ho-
ras dip dia.
m 40
M:ibbad 5 do eorrrne.
Na ra da Cadria u. 53.
sem uros.
De urna mobilia de Jacaranda, consolos e mesa
com lampo de pedia de superior marmore.
lina dita de oloe oulros objectos de marciueiria.
Pelo agente Euzebio se far lelao de diversas
obras de ouro. prata e obras de marciueiria.
PORTA FALSA.
Finda a comedia, o Sr. Clementini cxecuiar no
seu armnico o quarlelo da opera
i PfiiTAH.
Em seguida o mesmo senhor tocar urna
MAZURCA
phautasiada com variaedes fortes sobre a opera
f ACHBjETo
Seguir-se-ha a representacao da nova scena co-
Rala da> sesvMs do conselho administrativo, para mica em um acto, composta pelo actor Penante, e
gf d arsenal (le U8rra 'de se'embro ( representada pelo mesmo senhor,
NESTE CASO E NAO ME CASO.
Anda o Sr. Clementini far ouvir o seu arm-
nico, tocando a cavatina da opera
Antonio Pedro Ae vi Brrelo.
(oronel presidente.
Sebattio Antonio do Reg Barros,
Nogal secretario.
m
Dar fim ao espectculo com
A GRANDE MARCHA
da espantosa retirada do Austracos em Solferino
em 185'.'.
Principiar s 8 horas.
Sabba.l.i,.' do correnle, depois da audiencia
do Illm. juiz de paz do 1. districto da freguezia
iro praca os seguinles trastes : 6 cadeiras de
asseuto de palhinha avahadas por 185, 2 bancas
por 84, 1 cama de vento com armacan 75, 1 mesa
de jantar84. t eadeira 'ift; cujos bens foram pe-
nuorados a Jo.- Antonio Noves por execucao de
Jos Gonealves Feneira Costa.
__ Por ordem do Dr. juiz especial do commercio
declaro que a audiencia que devia ter lugar no dia
7 tica tran>fei ida para o dia 9. 0 escrivao inte-
rinoAdolpho Liberato Pereira de Oliveira.
Pela subdelegara de polica da Boa-Vista
foram apprehendidos i relogios, :t toxos de cobre,
i sellan, 1 par de botas de montana 1 mesa,, 1
dito pequea. 1 eadeira de balanCO, 4 de palhinha,
i toucador. 3 papagaios, minias pecas de roupa
sem marca, e outras com diflerentes firmas, e o
gaJMm : quem se julgar cmn direilo a esles on-
jeclos su aprsenle, (pie provando seren seos, llie
suroontreguo. -O subdelegado,
Joio Pacheco de Quenoga.
= Pela secretaria da cmara municipal desta
eidade se faz publico, para ronherimento de que"1
iutoressar, que leudo o Kvm. presidente da pro-
vincia autorisado a mesma cmara a aceitar a
proposta feila pelo actual alliridor dos pesos e me-
didas do municin, de continuar por espaco (lo tuoso bu
mais
rUtn
mclhaiileit.iD-ir.ici..
Secretaria da cmara municipal do RecifHWa/como as damas so poderao entrar as que tiverem
agosto de 1863. cart5es e vestidos brances.
BAILE PARTICULAR
NOS
Raines do Caes de \ pollo.
DA 7 DE SETEMBRO.
O director do mesmo baile, Antonio Teixeira dos
Santos, tendo deliberado dtrneste dia um sump-
debaixo de sua direcen, participa aos
LKIH
Du grande sitio denominado Mangabeira, grande
BObrado com .'( salas. 7 qnarlos, roziuha fra, 3
lojas com reprlimentos em frente do jardiin
botaimico, ra do Bom Successo em Olinda, com
cacimba, grande baixa para capim.
Salibido, de telcaara, ai m in dia era ponto,
O agente Pinlo levar leilo, hora cima men-
cionada, todo o sobrado e sitio cima dito, sendo
tres parles requerimento do depositario da massa
fallida de Jos Antonio Alves de Miranda, por
despacho do Illm. Sr. Dr. juiz especial do commer-
cio, c urna parte com aiitonsaeao da pessoa a quem
de direito perlence.
O leilo sera uffectuado porto da Associa^o
Commercial.
Quarta-feira 9 de corrento.
O agente Pestaa f ir leilo por ordem do Illm.
Sr cnsul de S. M. Fidelissima c por conta e ris-
co de quem perteneer do expolio do finado Do-
mingos da Cosa Meira, ennsistindo era diversos
objectos de mobilia nova aLuiz XVIII que se acha-
ran pnteutes na travessa do Carioca n. 5 (ra da
IVuia) : quarta-feira 9 do correnle pelas 10 horas
da manhaa.
AVISOS DIVERSOS.
Asaoclaeo Typographlea Per-
namhtieaii.
Domingo, 6 do corrente, haver fessao ordinaria
do conselho, no lugar e hora do costume.
Secrottriada Associaco Typographica Pernam-
bucana.1 de setembro de 1863.
D1 secretario, Guilherme Canejo.
liOTKItl %
CVS i I)V FOUTUW
O abaixo assgnado vendeu em seus felizes bi-
Ihetes garantidos a sorle de SOOS e outras de
1005, 41)5 e 205 da lotera que se acabou de cx-
trahir a beneficio doGymnasio e convida aos pos-
suidores de ditos bilhetes a virem receber seus
i respectivos premios intecrahnente sem descont
lalgum em seu estabelecimento Casa da Fortuna
| ra do Crespo n. 23.
O mesmo tem cximsto a venda em sua dila casa
e as outras do costtmieos novos e felizes bilhetes
da segunda parle da segunda lotera a beneficio
da Sania Casa da Misericordia que se extrahir a
16 do corrente mez e as sones que ellos obliverem
serao pela mesma forma pagas urna hora dejiois
da extraoeao.
Precos.
Bilhetes inteiros..... 65000
Meios bilhetes...... 35000
Para as poette que romprarem
de 1005 para cima.
Bi Hieles........ 55500
Meios......... 25750
Manoel Martins Fiuza.
FACULDAIIE III) KFdlT"
Jornal acadmico.
Os editores desteJornal, quereado ter ainda con-
templaco para com um grande numero de seus
amigos assicnantes. mandam distribuir boje o pri-
meiro nnmero correspondente ao mez i\v agosto.
deixandoo segunde para ser disiribudo al o dia
i do correnle. porque torio de tirar do quadro dos
subscriptores os noiaesdanuelles que nao se acham
em dia com o pagamento de suas mentalidades
atrasadas pan darein entrada a novos assignantes,
que generosamente vem auxiliar esta empreza lil-
toraru. Baanram, pertanto, que ata o dia 4 do
corrente entrera com a importancia de suas assig-
naturas, por quanto da confrontaco do quadro do
7." numero, qne boje scdistribne, comodovin-
douro. fcilmente se cooheceri daqnelies qne tem
feito perigar a regularidnde desta poblicacao
o abaixo cssignudo, respoudendo o annuncio
do Sr. Jos Jacintbo Paveo, no Otario de P mam-
buco do correnle mez, declara que em verdade sao
msomeientes os bons (jue Ihe foram petmorados
para solucao de seu debito na importancia de rs.
Ss3395i30 por qoauto algunos das-casas corapre-
hendidasna predita penboraseachara deterioradas,
e nina dellas apenas s lem quatro paredes, om
escravo lambem penhorado, alera de multo bebado
lalro, sendo que porisso o depositario o rece
Ibeii cadea ; aleui disso as mniciouadas casa-;
por esse seu mo estado, c deprceiamento actual
d"s predios em Olinda ponco valor ftnal lerao.
Emlim o ser exaclo o qne se diz. se oSr. Jos Ja-
'tfP 1>av,:'0,c,n procurado involver-se em dbitos
sHBados p..ra absorpciio de todos os seus heos
sitPna evidenle que aquelles bens que Ihe fo-
u'-.flii peohorados naochegaro atina i para solucao
da cxecuco que Un- promov? o abaixo assij'uado,
alem do qne ainda tem |>or ella de lirpiiTar-se.
Assim, pois, o abaixo assgnado torna aprevenir
a quera convier. que o Sr. Jos Jacinlho Pavao nao
pode obligar OO alienar ns poneos bens que Ihe
restara, porertarera todos sujeitos ao vicio litigioso
procedente da referida execacjto, juros e costas
que forem accres-eudo, e desde j contina o abai-
xo assgnado a protestar contra quem qiter que
a respeito de seus to repetidos avisos se arriscar a
qualquer contrato sobre toas b.ms, (pie pelo ex-
pendido sao inalieii. neis anteado integral paga-
mento do mesmo abaixo assgnado. Recife 4 de
setembro de 1885.Manoel lavare-; de Aqnino.
O Bario do Livraueiito, curador liseal da
massa allida do lenenle-coronel Joaquim Lucio
Monleiro da Franca, convida aos credores da re-
ferida massa para compaiveereni no dia 7 do cor-
rente, as Inorasda manhaa, na roa de Apollo n.
2. easa do depositario da mesma massa Jos Bap-
tista da Fonseca Jnior, afim de cscoHierem liqui-
datario que se encarregue da liquidacao da mesma
massa. visto terem concedido os sehores credo-
res concordata ao f dlido.
Precsa-se de urna eserava para rozinhar e
comprar : na na do Queimado n. 32, loja.______
Precisa-se de una ama para casa de punca
familia : na ra da Senzala Velba n. 101.
Preeisa-se de 1:4005 a premio com hypolhe-
ca de escravos : quem tiver annuncie nesse mes-
mo jornal. ________^____^_
Aluga-se um dos maiores armazens da ra
de Apollo n. l'i: aratar na ra da Senzala Ve-
llia ii. 96. padaria.
Para o amanhecer de honlein furlaramdo
abaixo assgnado dous cavallot com o> siguaes se-
guinles : um casianho, com 2 ps blancos, tem
nina estrella, centrada, u velbo, que principia a
rosilbar pela cabeea, anda a dous tropeis, c bs-
tanle ardigo ; o outro novo, inteiro, principia a
alvejar para rodado, mas j tem pintas de pedrez
pela cabeea e algnmas pelos lados do corpo,
e milito brando de redea, ardigo, o est bem prin-
cipiado que ja anda mais que baixo, ambos sao
bem feitos do corpo, e cstao ferrados : quem del-
les me der noticia sei recompensado, ou quem
aqu mandar com.osse fim pagar-se-ha coui fran-
queza ao portador, na ra da Praia, arinazcm de
carne secca n. 55, ou no engenho Uniao da fregue-
zia de Santo Christo de Ipujuca ao Sr. Luiz Urbano
da Cunha e Andrade._________
O abaixo signado declara ao Sr. Jos Soa-
res Pinto Corroa Jnior, sem a minlma intenco
de offende-lo, e smente por terca de seus annnn-
eios publicados no Liberal e Diario de Pe nambueo
que S. S. nao deve ignorar qual o negocio de in-
teresse. para o qual o abaixo assignado llie desaja-
va fallar, nois que nao desejando este ver augmen-
tado o debito em que se acha S. S. para com o
mesmo abaixo assignado, desejava fallar-lhe afim
de saber se prefera vir terminar a transaeco que
havia ou proseguisse conira S. i*. Recife 3 de se-
tembro de 186. -Joaquim Luiz Viraes.
LO FERIA.
Ms2annosna arrematocio j feito, tem a refe- assignantes que procuren, os carto* na ra do
id* cmara annuido em sessao desta (Uta, a se- Iiniwrador u. 1H. loja de marcmeiro. Declara mais
iclhaiite dabb :r iri i. todos qne devem ir decentemente vestidos, assim
Quarta-eira i.f.do corrente se extrahira
a segunda parle da segunda lotera da Santa
Casa da Misericordia.
Os biltiete.s e meios bilhetes achatn-se a
venda na respectiva thesouraria, ra dn
Crespo n. lo, e as casas commissionadas
rtia da Imperatriz n. 4i, loja do Sr. Pimen-
lel, ra Direita u. 3. botica do Sr. Chagas,
e ra da Cadea n. 4a, loja do Sr. Porto.
s premios de iirtjoo/ at 103 serao pa-
gos urna hora depois da extraccao at as 4
horas da tarde, e os oulros no dia seguale.
depois da deatribuic^o das lisias.
thesourero,
Autoaio Jos Rodrigues de Souza.
De ordem da mesa regedora da irmanda-
de do Senhor Bom Jesns dos I'assos. erecta
na igreja do Corpo Sanio da freguezia de
S. Fr. Pedro Concalves do Recife, faco cer-
to aos respeitaveis irmos que se acha de-
signado o dia 0 do correnle me/., s 11 horas
da manhaa, para proceder-se a eleicao da
nova mesa que lem de fonecionar no anuo
vindotiro de 1804. no consistorio da mesma
irmandade. Convidando os i espeilaves ir-
mos para este fim, lambem llies scienlifico,
que, no dia 8 deste mesmo mez, s II ho-
ras do dia, na referida igreja ter lugar com
a devida pompa e solemnidade da benco
da imagem do Senhor Bom Jess dosPas-
sos, convidando-os igualmente a abrillnta-
la com seus comparecimenlos.
Ainda para o fim de ser devidamonle a-'
brilhantado o acto da bencao. em nome da
mesa regedora rogo s irmandades e con-
frarias desta cidade se dignem mandar dal-
os signaos do estylo, ahora da Yealisaco do
dito acto,
Consistorio da irmandade do Senhor Bom
Jess dos Passos do Recife, I de setembro
de 1863.
Antonio Gomes Miranda Leni
Pede-se ao Sr. Bernardino de Sena Barros, que
te ve cocheira, ipie digne-se declarar por este jor-
nal, se verdade ter propalado haver passado a
bollos o cocheiro de Uacker & Mul-son. bem como
se se dera esse faci._________________________!
Precisa-se de 4005 a juros sobre bypolbeca
de urna casa terrea nesta cidade : quem quizer dar
annuncie. _______________________
Angelo Custodio dos Sanios faz scienle aos
sehores inquilinos das casas da ra da Paz ns. 10
e 18, ra do Forle n. 35 e silio denominado do l.u-
ca no lugar da Varzea. cujas propriedaOes perten-
cem a Joao Jos Heurqnes da Silveira. residante
em Lisboa, que nao paguem os alngueis que te :
vencerem d'oraem dianle se nao ao annuncian'e.
visto ipie se acha consumido procurador bastante
do dito Silveira, tendo cessado os poderes de qne
se achava constituido o Sr. Manoel Alves Guerra,
i conforme as ordena que acaba de receber do dilo
proprietario. ______ ___________
Quem [ior engao levoii no dia 1." deste mez
.as 2 1/2 horas da tarde, de cima da mesa grande
; da sala das audiencias, o chapeo de pal ha do Chi-
le em muilo bom estado, pe tcncente ao escrivao
Silva Rege,especial favor ir ou manda-lo entre-
gar na ra de S. Francisco, sobrado n. 8. pois nao
lheconvem a troca, visto o que Ihe deixarara estar
cin estado incapaz de se andar com elle, e mesmo
porgue Ihe (ira milito grande.__________________
Aluga-se por ISi mensaos o sobrad iuh) del'
um andar da ra da Penba n. 13 : iraia-se na ra [J
do Cotovello n. 12.______________________
Claudio Uiilwux proprietario da empreza de
mnibus faz scienle ao publico que a linlia de Ja-
boatSo principia de boje era vante tna earreira
regular, partindo do Recite todos os das s 4 ka-
ras da lardee voiiando de Jabo.iio as di ma-
nha._______________________
- .Miigiiein contrate negocio algiim com a pe-
quea parte no engenbo do Collegio situado perto
da matriz da Lu/., pertencente ao fallecido Jos de
Espindola Bitoncourt, pois que ella se acha legal-
menie penborada pelo jnb do commercio desta
capital. _______
O Dr. Cosme de S Pereira eon-
a residir na na da Crv n. S&,
i" e 2" andar, onde pode t jroro-
rado para o exercirio ilrsva prn^w-
so medica, e rom especialidad'
sobre o seguinle
Io molestias d* oNtos :
V ile peto:
3" dos orjraos pv
tai
_ Em seu esrriptorio iis duenles .-e-
ro examinados na ordem de smm\
cnlradas eoMeandn .tralilho ndn :
doentes de ollms.
Dar consultas todos o di 4m\
0 as 10 da manhaa. menos nos do-
mingos.
Platicar toda c qual|aer opera-
cao que julgar conveniente para o
prorapto restalteleiimeiiki dos traa
diH'iiles.
wfMmSSaB al KflHB!
P.'is-amnild de fesla par paira
'inheir*.
Aluga-M.- o cxcellenle sobrad da
Monleiro, com grande- eomnvxlo- parama
lias, aluga-se |M)i |mhh->. dinheiro :


sar. approveile em qnanlo >' t*-inpo a ti
ra do Vinaria n. K cimi (>^iw j.w eos
Callado.________
CASA DE SAIDE
Santa laurt
Do Dr. Mil a Kan*.
l'nico eslabele* iineni.. d-sta naturia
que exi.te entre n.. i;mhiI*1.. do nmb>
que |Mx|e rom |. tra-
tar qualquer d'x-nle. qik- nella -*ja
Ibido.
O edificio magestiam ro
eill |M-rfeilo estado de liliqx'7.1
nicntementc mobiliadn.
0> (lenles -fio >ep -jniKfc
sexos, uatureza d::.- mok-slia? e rmnltrs
lofiaet.
Ha (piarlo- fortiAt Mlot para et anm-1
do>. i' i .un eiifi'i mana para as par]
liellles.
0 proprieaiin mcamgatf de aanVj
quei operario.
O i'slabelecimeiilo lrainpio>li- .nialr-
ipier pes.-oa que n i|l
Prii......a rlasM' :5*KMiiliui h~.
Segunda dila... -V Tereeira dita.... 5-ilt .
Para que qiribpici iln-n'e vja^li i
bidn. basta (|iie-em,iiu!.' BBM *irt> ,
le e da Binan que o remelle. < a
riararao da atorada.
O proprieta i i" arei
ron qnalqnei que qu.ira i.-.- mu m
b'ilos sua di-.
w&tm&r-i*
Precisa-se de luna ama para casa de penca
familia; na ra da Rodan. 38. ____________
Offerece-se umi parda moca para amado iei-
tc sem lilho, muilo sadia e lem muilo e opiimo le-
te : na ra por detrax do quartel do Hospicio no
quadro do padre Antonio, easa n. 19, de Jo.io Tei-
xeira. ________ _____________
^* H.uiorl Pereira Lopes Ri-
hero.
Itua (lo Ibinip'l iiiinit-ni 1S.
Palle e amla iodo o ferro de cirurgia e outros
qnaesqner, tem relilos de nova invenrio para
Iraballiar nina s pessoa tem precisar de ajudaute,
declara ipie a inveiieao sua. na mesma offlcin
tem nmaporefiode passaros para venler. curiet
de Goianna, Mendos, sabia da mala, enecbeos, ga-
lo ilc c-amplm. canario^ d.-i ierra pmiia Aluga-se um silio com casa terrea na cidade
de Olinda, na ra de Haixo, com frente para a ra
do Cabral, e fundo paran estrada do norte, o qual
alem da casa de morada, tem estribaria, casa para
pretos, capim para i cavallos. e arvores de fructo,
muilo fresco, sem casa na frente : na livraria ns.
6 e 8 da praca da Independencia.______________
Precisa-se d- um homem para Iraballiar com
earroca : a tratar na na da Senzala Nova n. 9, ta-
berna". ________________________;________ |
Precisa-se de um rapaz para caixeirode ta-
berna : na ra de Sania Cecilia n. 27, on na ra
do Queimado. loja de miudezas n. fio.
Na ra do Queimado n. 1 deseja-se fallar
com os sehores Gabriel Germano de Aginar Mon-
tarroyos. Fernando Francisco de Aguiar Montar-
rovos e Joaquim Francisco de Aguiar Monlarroyos.
Desapnarecen da ra do Mondego n. lfi um
boi com os seguinles signaos : um pe ferrado, chi-
fles muilo aterios, euma das ponas quebradas,
levou urna corda nos chifres, cor castanho alva-
cento : ipiem o liverprendido, pode dirigr-se
mesma casa cima que .ser recompensado.______
Osjadministradores da inassa fallida de Joa-
quim Jos da Costa Fajozes Jnior e Fajozes, J-
nior v Azevedo, ainda convidan os sehores cre-
dores referida massa aapresentarem-lhes os seus
ttulosatimde poderem cumpin o disposto no ar-
tigo 8;9 do cdigo commercial : na ra da Cruz
AMA DE LEITE.
Precisa-se de urna ama de leile : a tratar na ra
da Uniao n. 89.____________________________
_ Precisa-se altigar urna preta para vender
frueta, dando-se 2(15 : no pateo do Terco n. 12.
Precisa-se de bom forneiro : na padaria da
ra Imperial n. 51.
-Joaquii1
10ti,0tl Ae graiilicacH*.
Fuaio no dia 19 de agosto na occa*iao de se le-
var no seu senhor a mulata Luiza, de 20 annos de
idade. rosto redondo, cantillos rarapinhns, olhos
liretos, nariz meio chato, bocea regular, ps gran-
des, levou quatro vestidos de chita dous novos c
dous usados, 4 camisas di madapoln, um chal^
de cbia azul e duassaias brancas; esta eserava
natural de Inhainun provincia do Cear; roga-se
pois as autoridades poliriaes e a qualquer pessoa
do povo de apprehcnde-la e leva-la ra da Ca-
deia numero fB,nrmem de fazendas que reee-
ber a gratificagao de IQflS. _________________
ns balitareis Joao Diniz Ribeiro
da 'iinhae rwMJiTl de 'aula i'enna
mudaram sen f8iipt^rio dea>tvo;;(iia
imra o piimeir aii'*ar do sobra 2(>da ra do Qiim ser proiuiados para os minerasdn&'.ia
pntissHO i! s S da manhaa s horas
da tarde e fra *ies as boras as eaHM
de suas n si leuci >8.
CAIXEIIIO.
Offerece-se para caixeiro de loja de fazendas ou
miudezas, um menino de 13 annos, muito activo e
de boa ndole, o qual |ior nao ter pratiea sujeita-se
a nao receber ordenado at licar habilitado, nao
tem enmate! Beata cidade : a tratar na ra do Im-
perador n. 50, primeiro andar._________________
A!TK\C\0.
O abaixo assiguado tenlo-se rehabilitado e
achando-se de pene de sua massa faz disto teten
a seus devedores tanto des'u praca como do matto
a Um de que quanto anles Ihe mandem pagar o
que Ihe devem a fim de evitar despezas judiciaes. .
Recife. 10 de agosto de 18(53.
Lu: Antonio de Souza Ribero.
CRIADO.
Precisa-se de ttm criado, que tambero
enlenda de servido de sitio, dando-se ItQf
por auno : na ra Nova n. 3, Io andar,
das.Os l horas da nwnliaa.
Laboratorio henipopatthie, ra
%(>v;l n. 4:S.
0 Dr. Sabino Olegario l.udgero Pinha tem en-
carrilado da sub-gerencia do seu estabelecimento
ao Sr. Jos Alves Tenorio, professor em Uunvopa-
thia, e competentemente habilitado para substitu- j
lo em (pialqqer ausencia.______________________j
Os administradores da massa fallida de Fran-
cisco Moreira Mas convidam aos credores da mes-
ma tirina a apresentareni seus ttulos, alim de se
proceder a devida verilicacao; na ra da Cruz nn-
mero SA.
mm
Aa VI
;Vo('i 1-1)11 dot hrratrrmt, /k.i 4u
l.as de ultimo posta, cavada a Vio rv
dis de padroes lindiwitao, varat a hii r- hn
loes de arcos o nielbor |n>ssivel. a 35nn. W> .
alpaca de linho para vestidos, rovao a 9b n.;
cambraias de coros para vr4Mo, ro\-ttioa2M)
cambraieta otnito lina, peca ib- 12 jarda-a T{
i\i".i Uta pelle de ovo. pstl ,! |i jardj- a
\ a. 2!i.
.V.'vi luja i/i hiiriilriiiki. i na Ao (Mmm4.
Patenta de Marin -lim. fazenda 4> rosto te
MI por 105: dito-de alpaea prrtniaM*; brtet
braneo lona, vara a 6VO: brun de rfat pora ral-
ea, rovado a WO r-. : cano-..- n 'tr fa-*.
a 14000: cha|os de -"I de al|iara. a 3J>>
la n. i\\
Nova luja ot luith frmt, I '/ do Qmeimn<-
Vn\ a-nb:i'.
Ricos prato d" hubo, vara a I* I .'!*
rs.: rica- franiat e trancaa pMa> e te r-"-ry- vara
a 120. 100 .' 200 rs.: trancas e galoVs d a db
algodao. poCM de I" t 13 vara-, a iW e \UU r- .
troco lino e jrrosso, (" n H>" r-. ; yr+tUimki-* 4r
cainbna hordailos. para napfrHRA, a 2J
ll^^-SMLaHai
DENTISTA DE PARS
10-Una Neta 19
Frderico (antier eirurgio denti-
faz todas a- nperaeoes de -ua arle, e rol
loca denle.- ai MHrii**, lud com soporta
ridade e perfeicao. que a- ['>MBi
didas lile reconhecelli.
Tem acua e -o- d.'Mi. .
WmWM
TINTI BAKI\.
Tinpe-se com |teifeir.iii para qnalqner
cor, e o mas barata pNatecal: na tua d>>
Ftangel n. 38, aaftandn andar.
OO
3-R14 ESTItriTA DO aOStRNV-3
-;
t) proprietario da muito acreditada reflnaeao da
ruaHireita u. 10 faz |uthlico aos tena nanwrntOB
freiiiiezes que modifica os precos dos seus assuca
res pela maneira sepilite : assucar refinado fino
primeira qualidade > 4/it60, dilo segunda dita a
i Ht.
Francisi'o Piulo Ozof i.> rnnftrii a em-
locar dente- arlilicae- tauiu por n*eip m
molas como |iela preao di ar. nao rr-
cebe |ga alguina -ni (|iie as obra* .
fiqueni a vontade de eran dooos. lea* peo
eonlras preparan-- as dm- arrodatedn
para conservaran da borra.
ALTI(?ARAS A HOVIDABE.
Sai i fitagadoa k>ja iUu* nduninas
ua ra do GPiMfa n. 13 de Anaoao
Correa de Yas-oii>ellos d- C. ritaa-
siimis aork-s de laa muito fina cuaa
barras estampadas e matisadas a tan-
pera ir i z bUniema. enrw as maudd-
cadas coiao aajaaV lyrio, cioaa etc.. fazemla nUiuanm
te nova e nunca vista em Ptrn
buco.
liqOes
DK
PARTIDAS DOBMDAS
ARITMTICA
TRES VEZES POR SEMARA
TER^S. QIIVUS I
DAS 7 S 1* HORAS t* MK1
Preco 10,000 rs. aieasae aajai
Mauucl Founeca ale
conlina a dar lieOes das rete
primeiro andar do obrado
esquina para a Cambo d
Sr. E. Gadaull. As
annunciante puder
ahi somante n
m


"

^^^^~
II 1
Diarlo 4e I'crnanibiK* Hexa lelra 4 de ttetentbro.de I8Q3.
I

Musirs pan pino e canlo,
de todas as forfas e
vendc-se baratsima para
acabar.
O MOV
PROTECgiO
Msicas para piano c canto,
de todas as forjas e
vende-se baratissiBa para
acabar.
ESTABELE< UIEHTO
DE
Jos Gomes Villar na ra do Crespo a. \ 7, estando o mais bera sorti-
do possivel espera merecer a proteeco do publico cm gerat.
Cortes de Ida multo bellos
delieadissimos corles de la ro barras o melhor nue tem vindo a esta provincia
[organdis de padrees delirados e mnito linos a 100, a 210 e a 280 rs. o covado.
Las de quadros mnito chiques a 320 rs, o covado.
Paranoivas, temos.
0 rice vestido de blonde com sua manta bonita e sua griualda de muito tjoslo, te-
mos a eambraia de linlio para camisas, temos as saias bordadas, temos o esparlilho, te-
mos o balo muito redondo e muilo cbique, temos os ricos cortes de eambraia ricamente
bordados, temos o bramante belga para lenroes, temos a bretanha |iari camisas, temos
a selecia ou o fsguiao para os lahyriulhos, temos as capas pretas a Luiz XIV, temos a cba-
pelina a Mara Via com o seu veo muito chique, temos os entremeios largos ricamente bor-
dados como ninguem tem, proprios para enfeiles de roupas brancas. Assim como temos as
fazendas cima mencionadas e muitas oulras, que seria enfadonho mencionar.
vio se esqiieeain freguezes, at logo.
Uadvogatio Joo (ioncaives
da Silva Montarrovos tem o seu
enripio rio na ra eslreila o 9
Rosario n. 17, onde porte ser|
procurado das 9 horas da ma-
nha s 3 da tarde.
Alusani-sc a toja do sobrado n. 193, c arma-
zem 171 da ra Ini|ierlal ; o armazcm n. 4 da ra
do A|ollo, e a rasa n. 27 da ra do Burgos: na
na da Auroran. 36.
Companhia lldelidade d
seguro martimos e ter-
restres estabeleelda no
Rio de Janeiro.
AGENTES KM Pl'V\MBI."a>
Pij Amonio Luiz de Oliveira Azevedo i C.,
} competentemente autorsados pela direc-
3 loria da companhia de seguros Fdelida-
$1 de, loman i seguros de navios, mercade-
as rase predios no sen escriptorio ra da
flff Cruz n. i.
Ainda est para alugar-sc o sobrado na ra
dos Coelbos n. 10, onde moraran) os padres lasa-
rilas.
Joiio da Silva (tamos, mdico pela liu-
versidade de ltimbra, d consultas em
sua casa, na ra .Nova n. 30, das 8 s 10
horas da manhaa, e das 4 s 6da larde, e
recebe anualmente convites pan dentro
ou fra da ridade, com o lim de se enear-
regar.de irualquer snico de suaprolls-
sao.
Os chaados deverao vir por escripto.
Precisa-se de una ama que saiba engommar
e coser, para casa de nina s pessoa, exige-sc do
boacc-naocta: a-tratar na ra do Imjierador, ar-
mazein delou-ac. 41.
BVM'O I' % %0
ESTABELECIDO NA CIDADE DO PORTO
Agentes em Pernambuco
Antonio Luiz de OHrelra
Azevedo A C.
Saeam por todos os paquetes sobre o
mesmo banco prazo ou vista, sobre a
caixa filial em Lisboa, e agencias em Fi-
gueira, Coimbra, Aveiro, Vizeu, Villa-
Real, Ilegoa, Vianna de Castcllo, Guima-
res, Barcellos, Lamego, Coviihaa, Braga,
Pcnafiel, Braganea, Amarante, Angra,
liba da Tercena, Una de Faias, llha da
Madeira, Villa do Conde, Valenra, Bastos,
Oliveira de Azemeis, Chaves e Fafe, a
oito dias vista ou ao prazo que se conven-
conar, no seu escriptorio ra da Cruz
n. 1.
NOTICIA NOTICIA NOTICIA.
Cartees de visita
Cartoes de visita
Cartdes de visita
Cartees de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
85000 a duzia
85000 a duzia
8,5000 a duzia
8,S000 a duzia
84000 a duzia
84000 a duzia
84000 a duzia
84000 a duzia
84000 a duzia
84000 a duzia
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador
COMPRAS.
Compra-se urna taberna que tenlia poucos
fundos, e que seja em boa localidade : quem ti-
ver annuncie.
Aluga-se a casa terrea da ra Imperial
66 : os pretendenles dirijam-se Caixa Filial.
Compra-se 30,000 tijolos grossos de parede,
de boa marca, juntamente 12 travs de embiriba
preta com 32 palmos de comprimento: a tratar
com Jos Carneiro da Cunha.
Compram-se jornaes que sirvam para em-
brulho a 34840 a arroba : em Fra de Portas, ra
do Pilar n. 118, reflnacao.____________
Compra-se effectivamente ouro e prata em
obras velhas : na praca da Independencia n. 22 lo-
ja de bilhetes.
W*
VENDAS.
Vende-se um lindo moleque de 18 annos,
Desappareceu do segundo andar do sobrado da'
K aTS?: VoTa-s^SamoTJXT- ^UC'robuSl eSCm M*U al*Um' P^Rra
Z\^+SRS!ttl*X2. ffiLTE : a tratar no armazem da ra do
ticia, o favor de o apprehender e Icva-lo ao dito p ''------------______________
sobrado, que serio generosamente recompensadas. Vende-se manleiga ingleza fina a 800 e 500
______________________________________: ris, franceza a 360 rs., toucinho novo a 300 rs.,
" ; arroz a 100 rs., chouricas novas a 300 rs., esper-
| mcete a 600 rs. a libra,"vinho de Lisboa e Figuei-
t ra a 400 e 500 rs. a garrafa : na ra das Cruzes
n. 24, esquina da Iravessa do Oavidor.
Collares demdra
A loja da Aurora da ra iMfl Pasarlo n. 38,
receben collares de perolas comernesSiroaltadas
de pedras de differentcs modelos, obra a mais rica
que tem chegado, para qualquer senhora ou meni-
na, assim como tambem recebeu alQnetes doura-
dos com pedras, obra muilo fina, brincos dourados
om esmalte de pedras de diflerentes modelos, os
uais finos que tem chegado em obra franceza.
alhakak he leubbancis
Luso-Drasileiro
PARA 1864
Por t astllho.
Acabam de chegar estes interessantes almanaks,
e yendem-se na livraria econmica ao p do arco
de Santo Antonio.
Queijos de Alinas.
Ha para vender, na ra Nova n. 8.
ROUPA
La para bordar.
A loja da aurora na roa larga do Mario %. 38
receben um grande sortimento de Ba fea para
bordar qualquer obra a ma I vead
tamlwm recebcu enfeiles a ifaria Pa
moderna, rap rolo francex en Ir
vlavSas.
Vendem-se macaas grandes e novas a 60 e 80
rs. cada urna, oleo de reme a 480 a libra, manteiga
ingleza flor a 960 e 800 rs., dita franceza a 600 e
360 rs.: no pateo do Carino, esquina da ra de
lionas a. 2.__________ _
Vende-se um sitio na Capunga, com casa pa-
ra numerosa familia, ou tambem se recebe metade
do valor do dito a dinheiro, e outra metade em
alguma casa terrea 6endo na mesma Capunga, ou
no Rccife : qnem pretender fazer este negocio, di-
rija-se ao Manguinho, casa que faz esquina para a
ra da Amizade, que achara com quem tratar.
Tambem aluga-se.
ciso.
Na ra do Queimado n. 43, esquina que,
tolla para a Congregar*; Rehincha. '^SVSSSSTfSttkm
Paletots de casemira a 6, 7, 8, 12 e 144000, ^^a^mUiSrliS^
ditos de panno pretoe azul a 9, 10, 12, 16el85;
ditos sobre-casacos de panno muito fino por 24 o
28, ditos de alpaca preta e de cordao a 4, 5, 6 e
74, calcas de casemiras de cores a 5, 6, 7 e 84,
ditas pretas a 64500, 0,0 e 104, paletots de fustao
e ganga a 24, 24800, 3 e 44, calcas e rolletes de
todas asqualidades epor preco muito barato, len-
edes de puro linho a preco de 24800 e 34, cober-
tas de chita a 24240, coHrinhos de linho puro a
600 rs. cada um, e outros muitos objectos que s
vista ; e para isso se pede a attencao dos fre-
guezes.
pte
*
Cal de Lisboa
Cal virgem chegada Ixmtem em
to bem acondicionadas e por prwro
anligo deposito da ra do Trapiche
zem de Manuel Teizeira Basto.
ATTE^AO.
Potassa da
Acaba de chegar no navio Quee ( tke FltH, a>
mais superior potassa da Rossia. e rttti m a
inven i'ommodo : no largo do Corno Sanio,
torio de Manoel Ignacio de Oliveira & Filho,
Vende-se urna escrava crioula de 15 a 16
annos de idade, muito bonita, cose e engomma :
ao lado do Carmo n. 1.
Bom negocio.
Vende-se urna taberna com poucos fundos e bem
afreguezada na freguezia de S. Jos, o motivo da
venda se dir ao comprador, tambem se d meta-
de a praso : quem a pretender dirija-sc ao pateo
do Terco n. 12 que se dir.
Ra do Queimado n. 11.
Chegaram loja de Augusto Porto ricas capas
pretas de seda bordadas e enfeitadas para senhora,
sante-embarques dos melhores gostos, e manteletes
de seda pretos, ptimamente enfeitados, que tudo
se vende por preco que agrada
Potassa nacional.
Vende-se superior potassa do Rio de Janeiro, da
mais nova que ha no mercado, a preco muito com-
modo; no largo do Corpo Sanio, escriptorio de
Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, n. 19.
Cal de Lisboa a f$.
Ra do Trapiche n. 9.
0 Perfume da Moda.
vEMONE
Vende-so urna mobilia de Jacaranda composta
dos seguintes objectos : 6 cadeiras de sala, 2 de
bracos, 1 de balanco, 2 consolos de pedra, 1 sof, canoas de amarcllo de um s pao, prooriao
1 cama, 2 pares de serpentinas, 1 espelho de sala, pescara e para abrir : a tratar aa ra da Catfcta
1 commoda de mogno e lampa de pedra, 1 mesa do Recite, anuazem de kwra n. 29.
de janlar e 1 banheiro : na ra da Senzala Nova ------------------tc-----:----------
n. 57. %lnho paro.
No escriptorio de Euzera Haplu.-I Ralwlkv
na da Cadeia n. .)"!. vendi-m-se ancorlas rnm
No armazem de fazendas bara- 3ente e puronviniioVnio deSLi>
Matenaes
XOll HOSPEDARA
A TR4V1ATA
Ra larya do Rosario esquina para a do Queimado
numero 37.
O proprietai io do conhecido hotel Trovador, ac-
cedendo ao pedido de alguns seus amigos e fre-
guezes, qu, por suas posicoes c seriedade nao
queriam lomar parle na geral concurrencia de seu
hotel, resolveu aproveilar o excellente sobrado cm
que funecionou a sociedade Corybanlina c nclle
eslabelecer urna hospedara, conacciado servieo,
buhares para distraceo c lunch precos razoa-
veis. A condicao da escolha de freguezes para
dita hospedara, a variedade de artgos de comida
0 bebida sempre nelle encontrados, a reserva em
que estarlo os concurrentes da freguezia de ou-
1"
m
Cliegou da Bahia urna porcao de fumo em folha,
que se vende mais em corita do que em outra
qualquer parte : a tratar no trapiche do Baro do
Livramento.
Molhados a pre^o fabuloso e p-
tima qual Idade.
Xa travessa das Cruzes n. 6, taberna, vendem-se
os seguintes gneros: manteiga franceza a melhor
ha no mercado a 560 rs. a libra,
que h.i no mercado a 560 rs. a libra, dita ingleza
tros de condicao, por ventura infcror,e a frescura [ a 720 e 640 rs., agurdente de canna engarrafada
que em dita hospedara sempre se experimenta, ha 3 annos a 240 rs. agarrafa, que parece de
sao seguras garantas que animam e fazem espe-; Franca, dita de pipa a 200 rs. a garrafa, e caada
Bota-se aira a 15280, sendo cm todas as mareis
sendo s em mareis grandes, e para entrar em
cambas a 14600. canoas demUbeiro para cima, e
vende-se tijolo de alvenaria grasa a 184 o milhei- rar as honrosas visitas da classe mais aceiada "da' a 142, espirit de vinho a 28o" a garrafa e ca-
rOj posto no porto, e -arrega-se lijlo dos Remedios nossa sociedade jovein e alegre. Sob estes aus-1 uada a 14600. vinho o melhor que 6 possiVc- la
al a poole provisoria i :3 o milheiro. c do Giqni P'c'Os o proprietario da hospedara Traviata es- Figuera a 480 a garrafa, e caada a 3450( ,to.
a 3# al a ponte da Boa-Vista, licando o dono su- pera a coadjuvacao de seus amigos generosos para masbaixo a 400 rs. a garrafa, dito do Estrc.y a '
jeito ao dosoarrego : quem precisar, dirija-sc a darem sabida, medanle preco mdico, charu-' 320 a garrafa, vinagre braneo proprio para cou*>
roa ireita dos Aromados n. 13. \a mesma casa IM ^e Havant, limn ingaiea e ft-anooioe, corvo sorva a .I5ioo a ganara, azeite doce de Lisboa a
vende-se nina canoa prapria para carregar de 300
a 350 fexes de capim. >
- Precisa-se fallar ao Sr. Jos Flix Ri-
lioiro deCarvallio, que mora no paleo do:
Paraizo, nesta lypographia.
Aluga-se o segundo and.ir e SOtao n. 37 da
ra do Imperador, e o primeiru e -segundo ailares
do -obrado n. 39 na mesma ra ; qualquer delles
lem commodos para familia : a Iratar na ra do
imperador, armazcm n. 41.
_ Ku abaixo assignado, autoriso ao Sr. Manoel
Vctor de Luna Freir para reeeber o imposto de
30 0.0 de agurdente da freguezia de Maranguape,
luando sem nenhum elfeito qualquer imposto re-
cetado pcloSr Filippe Diniz (^ivaJcanti, una vez
aneo inesnio Sr. Filippe Diniz disfizera o contrato
do imposto de agurdente di fregjiezia de Maran-
guape. .Rccife 11 de agosto de 1863.
Antonio da Silva Gusmao.Jnior.
' Para passar a testa.
Aluga-se um sitio com boa casa de morada
margenado rio. Cap bar be, situado na Capunga.
fV vedoVquem o pretender, dirija-sc ao armazem de
assucaTtle Jos da Silva Lo\o& C.
ja branca eprela, queijos de prato, londrino e suis-
so, doces estrangeiros e nacionaes, e, em urna pa-
lavra a todos os gneros de que est sonido, pro-
prios a um lunch variado, apetitosa e barato.
OD. ROCHA B\ST0S
Pode ser procurado das 7 s 10 horas da
nianba c das i da tarde em diante no
1Y.10 Ba do Queimado X. Kl
Das 10 da manlia z da larde
pf.IS Ra da Cruz IV. 191
Cura radical e em poucos' dias as mo- '
( lestias sypliiliiicas e as do apparelho ge- f
nito urinario.
>'o principio da estrada de Joo de Barros
aluga-se um grande silio com sobrado, e muitos
arvoredos de fructo, com jaqueiras, niangueiras,
cajueiros, coqueiros, saputizeiros, larangeras, ca-
pim, e muitas Mitras yanlagens alcm de agua para
beber ; o sobrado esta perfetamente limpo e for-
i radas as salas e quartos de papel, com banheiro
dentro de casa e canos que conduzem agua para o
I banheiro, estribara c cozinha. tendo commodos
para carro, cavallos e criados, kuiIih urna perfeta
morada para quem quer tirar proveito, e tem tra-
I lamento : a tratar com Guimaraes A Alcoforado,
na ra do Aniorim n. 54, das 8 s 5 horas da
I tarde.
I Aluga-se a loja n. 4 da ra Nova, muito pro-
pra para qualquer estabeiecimento, -iambem ven-
a-si? a armacao a moderna, com vidraeas, um es-
p*Jho, etc.: a iratar no Mondego, na ctsa do fina-
do commendador Luiz Gomes Ferrcira, ou ra
do imperador, armazcm delouea n. 41.
Prccisa-sc de um caixeiro portuguez para
lomar conta de urna taberna por balanco, dando
fianca doea a ua conducta : a iratar'no paleo
do Pilar n. 21.
Aluga-se o segundo andar do sobrado jia ra
da Senzala Nova n. 42, com fcaslantes commodos
para familia : a tratar na mesma.
mdala,
O hacharel Amaro Joaquim Fonseea de
Albuquer<)ue reside na freguezia da Boa-
Vista lrava do Veras n. 13, oade pode
ser procurad'} para os misleres de sua
proflssao das'i s 10 horas da mauba e
i da tarde em diante.
Keposta ao anuiincio da Sra. D.
Ileorlqueta.
.0 administrador da massa do fallido Jos Anto-
nio Alves de Miranda Guimaraes vendo publicado
neste Dianono da 18 e 19 de agosto passado, um
annuacio da Sr. D. Henriqueta Elisia Banks de
Miranda, mulher do mesmo fallido, aqual protesta
contra.a validado da venda que se tem de effectuar
do sitio.denominado Mangabcira no termo de Olin-
senhora pretende nao estar sugeito ao pagamento
das dividas de seu marido, em virtude da escrip-
tura que denomina de arrlias e que precedeu ao
seu casamenta, tem a responder-lhe que quando a
mesma senhora casou-se com o fallido j este era
commereiantecomo consta da mesma escriptura.
e 6 publico e que a classficagao dos crditos no
Aiuga-se a casa da cslrada de Luiz do Reg
ii- 12, com bastantes coamodos, quintal murado ;
umbem se aluga a casa da ra Augusta n. 34 ; a
iraiar na rn* do Vigano, berna de Joo Simio
deAlmeida* 14.
"a"* assignado, agente do banco
mercantil Formen*) nesta cidade. saca ef-
o m'IlTl"6 *** todos os Paquetes sobre
o,El? )a0C0 PW.a o.^toe Lisboa, or
qualquer somma, vista e
Lisboa, por
SS,nOgn0S ^"? "Prazo* m d
contados no mesmo banco, na razao de 4
porcentoaoanno aos portadores que as-
sim Ida convier : as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51. *^
Joaquim da Silva Castro.
caso de faileucia regulain-se exclusivamente pelas
disposicdesdo cdigo commercal e que este em
relacao a mulher do fallido, a graduacao que Ihe
da c de credora de dominio pelos bens dotaes, se
os respectivos tilulos foram registrados no meritis-
simo tribunal do commercio dentro de 15 dias de-
pois do casamento art. 874 6 do cod., pelo que
nao havendo satiseito as ondicoes que tao ter-
minadamentc exige a le, o ttulo que dita senhora
apresenta nenhum direto Ihe assiste para op-
ir-sea yenda daquella propriedade, tanto assim
que tendo-a mesma senhora interposlo aggra-
vo para o Exm. presidente do meretissimo
tribunal do coramercio da deciso contra ella pro-
ferida pelo juizo especial do comraercio, nao obte-
ve previmento.
SeomdaSr.' D. Henriqueta que nao sabe-
mos porque hoje declara-se coacta para nao puder
defender os seus diretos afugentar os concur-
rentes compra do mesmo sitio, pdue continuar
om os seus annuncios porque avista do expend-
do e que consta dos autos que podem ser examina-
dos bq cartorio do Sr. escrivo Manoel Mara, dc-
sapparece lodo ofundamento do seu celebre pro
testo. Jim poder do Sr. agente de leiloes Pinto
aeharao os concorrentes a copia da tal escriptura
para a examinaren!.
600 rs. a garrafa, dito de carrapato a 320 rs.
ESSENCIAS DEPURATIVAS.
Anti-sjphililica c anli-rlieiiinalira
: Approvada pela imperial
academia de medicina.
; ('.omi'osicao E MUVABA$A0 I>0
;Dr. Ernesto Fie lerico dos Sanlosi
Pliarmaceutico pela escola (le medicina
do Rio de Janeiro.
Estas essencias cuja formula j foi ap- c,
provada pela academia imiterial de medi-
cina do Rio di Janeiro, e pelas quaes seu
autor foi premiado na exposicao nacional
de 1861 e com duas medalhas na expo-
sicao de Londres, sao sem contestaco o
mais eflicaz de todos os medicamentos at
boje conhecidos para o curativo de todas
as molestias synhilicas ou que dependam
de urna altcracao do sangue.
Dstinguem-se estas essencias pelos ns. i
1 e 2, cujas formulas variam considera- j
velmente, a de n. 1 empregada com o j
mais feliz resultado as molestias vene-
reas ou que dependam de alteraco do
sangue, como, cancros venreos, "chagas j
syphilticas, boubas, affeccoes herpeticas j
e dartrozas, as blennorrhas, leucor- 1
rieas, vegetaces syphilticas, escrophu-
las, escorbuto, cry jpelas ele. A de n. 2
tem sido empregad i exclusivamente pa-
ra debellar os rheumatismos syphliticos
e gotosos e as exostoses ou tumores
osseos.
Acha-se a venda este precioso medica-
mento na ra do Rangel n. 62, pharma-
cia de Medronho & Martins.
AGUA FLORIDA
De Murray ct Lanman.
Este raro qno delicado perfume (
qnaei que inextingnivel e lo cheio de
ro/mosa fragrancia e frescura como o
delicado cheiro las propras verdecen-
tos flores. Durante os meses calren-
los 'lo veriio o sen uso torna-so iiuincii-
tonn'iitc apiMzivel o doojiivel eiu oon-
Bequencta da influencia refrigirante c
suave que ella prodnz sobre a ]>ellc:
em jiiiiuto que nsada no bauho ella
imparte o corpo lnguido e caneado
urna certa elsticidade de vigor e forca.
Ella imparb transparencia as feiqex,
c i-ciiioc: pannos, tardas e berioyas di
sobre apelle.
tas de Santos C^elho
Ra do Queimado numero 19.
Vende-se o segtiintc
Colnrtas de chita
da India pelo barato preco de 25.
Lenrcs
de panno de linho a i&.
Lenees do bramante
de linho fino de um s panno pelo baratissimo
preco de 35-
Toalhas alcochoadas
para maos pelo barato prego de 35 a duzia.
Vrslidinbos" de seda
para menina pelo baratissimo preco de 45.
Lencos de seda
para algibeira pelo barato preco de 15-
Ricas saias de fusto
pelo barato preco de 35500.
Loncos de cassa
finissimos proprios para algibeira pelo baratissimo
preco de 25 e 25400 a duzia.
Cortes de caifa
de ganga amarella de lista e quadros pelo bara-
tissimo preco de 15200 o corte.
Pecas de madapolo
fino largo pelo baratissimo prego de 85.
Pecas de brelaiha
de rolo com 10 varas pelo barato preco de 35200.
Pecas de eambraia
de salpicos fina com 8 1|2 varas pelo barato preco
de 45.
Aloalhalho de linhu
com 8 palmos de largura proprio para* toalha de
mesa pelo barato preco de 2#00 a vara.
Barege
de lindos gostos pelo barato preco de 440 rs. o co-
vado.
Esleir da India
nropriapara forro de sala do 4. 5 e 6 palmos de
largura.
tinado para gasto de casas particulares por ser re-
medido pelo proprio fazendeiro ou lavrador.
FAZENDAS BARATAS
27- -Ra da Qafiaude37
I
\ova loja de Custodio, Carvalbo
& C orapaahia.
Fusta* Traacei
para vestidos le senhora imnina- fu. inla bhb-
to lina e pelo liaratu preco de 260 rs. o -ovado.
Finas cambraias orgamhs a 340 rs. i-ovado.
Babics
de arcos, de todos os tamaitos, i-k) proro do
35600. ^ ^
MB
bordadas para meninas, pelo barato prerr de 25200
cada um par.
Lazlahas
matizadas finas para vestido a 440 r-. rwado.
Caberlas
de chita a 25000.
Leares
de panno de linho a 25-
Ma-
lte fustao, pelo barato preco de 400 r. rada au.
Caaisiahas
de eambraia para senhora a 25.
Golinbas
de linho para senhora e menina- a Hf OOe l\
Sertiaicatt
de meias para meninos e meninas.
Lanaba
prela para vestido a 500 n.
GaanlaiapAs
adamascados a 25 a duzi i.
i
0 m\l(0 0RIE.MiL DE KEMP
PAE OS CABELLOS,
tiin-
una preparacao admirare] para
par, atbnnosear, conservar e restabele-
ccr os cabellos.
venda as boticas de Caors & Barboza.
ra da Cruz, e Joo da C. Bravo A C, ra
da "Madre de Dos.
Cal de Lisboa e potassa da
Rnssla.
Vende-se na ra da Cadeia do Recife n. 26, para
onde se mudou o amigo e acreditado deposito da
mesma ra n. 12, ambos os gneros sao novos e
legtimos, e se vendem a preco mais barato do que
outra qualquer parte.
MOTO RIVAI.
Loja de miudrzas
16 Ra do Que ni mo 16
Tcsouras diversas a 20, 40, 80 e 120 rs.
Massinhos com 27 grampos sortidos a 30 rs.
Fitas e cordoes para enfiar esparlilho a 60 rs.
Pecas de tranca preta lisa e de caracol a 40 e
60 ris.
Ditas de tranca branca e de caracol a 80 e 100 rs.
Ditas de tranca mesrlada de caracol a 60 c 100 rs.
Ditas com 13*varas de franja para cortinado a ::y
Ditas com 23 varas de babados largos a 25300.
Ditas com varas de lab\ rintlio fino a 25300.
Ditas com 20 varas de bico adamascado a 25400.
Ditas com 10 varas de MCOS e rendas a 800 e
15200.
Ditas com 10 varas de bicos pretos a 15 c 15200.
Ditas com 10 varas de fita de velludo cor de rosa
a 15200.
Ditas com 13 varas de fita de retroz a 240 rs.
Ditas de lita de seda de cores a 400 rs.
I.uvas de seda bordadas a(MM> o 1^.
Ditas de montara a 600 e 15-
Cartoes de colxetes a 40, 60, 80 e 100 rs.
Caixinhas de dito a 20, 40, 60 e 80 rs.
Pentes de atar cabello a 40, 160 c 240 rs.
Atacadores de cornalina para paletot a 240 rs.
Oitavas de retroz preto c decores a 160 rs.
Papis de agulha de fundo dourado e Victoria de
ns. 6. 7, 8.!), 10, U, 12,13, 14 e 15 a 100 rs.
rozas de botoes de porcelana pintados a 120 rs.
Crozas de botos de duraque preto a 400 rs.
Sintures elsticos para liomem a 400 rs.
Suspensorios com e sem elstico a 120 c 480 rs.
Ca|cadeiras de chfre a 120 rs.
Caixinhas de lamparinas para 6 metes a 80 rs.
Duzias decaixinhas.de phosphoros a 160 rs.
Duzias de facas e garlos a 35.
Resmas de papel alniaco a 2,5300 e 35.
Caixinhas com 100 cnvclopes a 800 e 15-
Caixinhas com pennas superiores a 800 c 15200.
Caixinhas de obreiasde colla a 80 e 120 rs.
Frasquinhos com tinta azul c encarnada a 240 rs.
Lapis azul e encarnado a 120 rs,
Duzias de lapis de pao a 80 c 120 rs.
Duzias de canudos de pomada do reino a 280 rs.
Macos com 20 papis de palitos lixados a 280 rs.
Escovas para denles a 160 e 400 rs.
O gallo cauta quaado rerrht.
O gallo canta, principalmente quando re-
cebe as suas novas encommendas para sa-
tisfacer aos seus bons freguezes.
(rtlCItl'lillil.y.
' chegado um bonito sortimenio deitas
gravatinlias, lano para homem com<) para
senhora que se vende pelo baratissimo pre-
CO de 500, 800 e 1,000 rs.: s no Vigilante,
ra do Crespo, n. 7.
Pirolleiz,
Tambem cliegou um grande sorlinvnfo
' de pirolleiz on conservadores para cabellos,
j tanlo pretos como de lindas cures peloba-
i ralissimo preco de i ,000 rs. cada um.
Capel la para unir.
Tambem cliegou um rico sorlimento de
capellas brancas, cousa muilo chique para
nonas, pelo baratissimo prefo de 5,000 rs.,
0.000 rs, 7,000 rs. 8 8.000rs. ; s no
Vigilante, ra do Crespo, n. 7.
Fita ilc reliado e Tambem cnegou um completo sortimento
de fitas de velludo de n. 6 a n. 20O: assim
como um rico sorlimento de lilas
lavradas e lisas de tolas as larguras e qna-
lidades por precos que admiram. l
Vigilante, ra do Crespo, n. 7.
liico de seda e linho.
Tambem chegou um bonito sorlimento
de bicos, tanto de seda como de linho, as-
sim como rendas finas e de labyrinto, que
seus precos farao admirar aos meus fre-
guezes ; s no Vigilante, ra do Crespo,
n. 7.
Franjas pfetas e de ires.
Tambem ha as riqusimas franjas pre-
tas largas, propras para as lindas rapas ou
'manteletes; assim como brancase de cores,
que seus precos tambem os pretendenles
se admiraro, por que sempre nesta loja se
vender por precos muito rasoaveis s no
Vigilante, ra do Crespo, n. 7.
Macaas.
Raratissmas caixas com macaas de superior
qualidade : vende-se no armazem da ra do Viga-
rio n. 7.
Precsa-se alugai- annualmente ou por festa
um sitio desde a Ponte de Ucha al o Poco da
Panella, com abjumas aeeoanioda?6es, e que seja
peno de no corraote : a tratar com Antonio Jos
Rodrjgues de Sotiza, na rpa do Cr?spo n. 13,
Venda de lja de ouro.
Francisco Gomes de Mattos Jnior vende muito
em conta a sua loja de ouro na ra larga do Rosa-
rio n. 24. fazendo muitas vantagens alm das que
ella j por si tem, como bem seja, muita freguezia
de que dispOe das provincias do norte, Cear, Rio
Grande, Parahiba ePiauhy, excellente localidade
em urna das ras mais propras, e poucos fundos :
os pretendenles dirijam-se a mencionada casa.
Violto Collares.
Superior pinga, em barris de dcimo, ehegado
de Lisboa, vende-se par baratissimo preeo para
liquidar: no armazem n. 7, ra do Vigario".
Vinho do porto.
Esta afamada pinga de superior qualidade, eai
caixas de urna e duas duzias de garrafas, vende-
se no escriptorio de Marques, Rarros & C, largo
do Corpo Santo n. 6, segundo andar.
SEM IGUAL
Chapeos de sol Ganbaldinos de seda para senho-
ras c meninas, pelo diminuto preco de 35 cada
um, ricas chapelinas de seda para senhora por 55,
chapeos de pello a Pineau para hornera, sendo do
ultimo gosto, pr 85 cada um, saias a balito com
40 arcos por 5ff, ditos de 13 e 20 arcos a 3J000 e
25300 : na ra do Queimado n. 43, esquina do
becco da Congregacao.
\ Na ra do Queimado n. 10 loja de Fer-
rao & Maia, vendem-se :
Chapeos de castor braneo para homem
a 55-
Ditos de palha de seda para senhora a 55.
Lencos blancos de cassa duzia 15600.
Ditos de cassa pintada a 25.
Chales de lita e seda um 25.
Laas escuras o covado 200 rs.
Quem nao comprar.
Ricas chapelinhas de seda muito bem
RA DO QUEIMADO N. 46
DE
casacas
enfeita- nhora_
FAZENDAS E ROUPAS MUS
Sortimento completo de sobrecasacos de panno a 25,3, 28*3, 30d e 355
muito bem feitas a 2541, 28,-?, 30/3 e 35& paletots acasacados de panno preto de 165 al
200, ditos de casemira de cor a 150, 185 e 205, paletots saceos de panno e case-
mira de 85 at 145, ditos saceos de alpaca, merino e la de 45 al 65, sobre de alpaca e
merino de 75 at 105, calcas pretas de casemira de 85 at 14,5, ditas de cor de 75 al
155, roupas para menino de todos os tamanhos, grande sortimento de roupas de brai
como sejamcalcas, paletots e colletes, sortimento de colletes pretos de metim csea"
e velludo de 45 a 95, ditos para casamento a 55 c G5, paletots bramos de bramante a
j e 55, calcas brancas muito finas a 55, e um grande sortimento de fazendas finas e
as, completo sortimento de casemiras inglezas para homem, menino e senhora <
de linho e algodo, chapeos de sol de seda, lavas de seda e de Jouvin para homem e se-
das e bellos gostos para senhora, pela terca parte l "!!"'*' TeD10S Uma gnde (abrCa de alfaiate' onde recebemos encommendas de
do seu valor: na ra do Queimado, loja n. 41. 0Dras' Que para uso esta sendo administrada por um hbil mestre de semelhante arte e na
pessoal de mais de cincoenta obreiros escolhidos, por tanto executamos qualauerotira
Vende-se um negro de meia idade, Lem ro- promptido e mais barata do que em outra qualquer casa
busto, proprio para qualquer servieo, sabe cozinhar ~------------------'-------------------------------------
ivm
o diario d'uma casa, e tambem sabe botar canoa:
na travessa do Pocinho n. 26 sobrado.
CAL IH I ISIIOt
Vende-se cal nova de Lisboa : no largo do Cor-
po Santo, escriptorio de Manoel Ignacio de Olivei-
ra 4 Filho n. 1IY
Vendcm-sc charutos a 45500 o milheiro, e o
cento a aOO rs. ; vende-se por este
porcao, trelo a 35500 a sacca :
estrella, largo do Paraizo n. 14.
preco por ter
no armazem da
O IJVlto DO POYO.
Aluga-se a casa a. 78 defronte do viveiro do
Muniz propra para negocio e com commodos para
familia : a tratr na mesma ra n. 33 padaria.
Achando-se o club coinmertial rehabilitado a
dar as suas partidas menajes, a do corrente mez
ter lagar na noitc do dia 6.
Segunda edic3o mais correcta, ornada com
27 estampas, e augmentada com 48 paginas
de texto, contendo: a vida de Nosso Senhor
Jess Christo, fbulas, o vigario, o bom ho-
mem Ricardo, quatlrupedes uteis, o profes-
sor primarjo, moral pratca, Simo de Nan-
tua,. mximas e sentencas, hygiene, receitas
necessarias, o Brasil: vende-se na livraria de
Manoel Figueira de Faria 4 Filho, praca da
Independencia ns. 6 e 8, a 600 rs. o exem-
plar em hrochura, e a llcartonado.
Cola da Baha
Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira
vedo, no seu escriptorio, ra da Cruz n. i
Aze-
Esplrlto de vinho.
Na ra do Cotovello n. 1 vende-se espirito de
vinho de 38 graos a 240 rs. a garrafa, e em cana-
da a 15600.
Para o dia 9 de setemnro
Queijos frescos do vapor a 25, chouri^s a 4
rs^, estearinas a 600 rs., manteiga ingleza flor a
800 rs., franceza a 560, vinho Figuera e de Lis-
boa a 400 rs., genebra de laranja e de Hollanda a
DE
TODAS AS QUAMDADES
DE
ANTONIO MAIA DE BRITO
CONHECIDA POR FABRICADA VIVA.
N. 21Antiga ra dos Quarteis de policia-N. 21.
Constando ao annunciante, que algans especuladores de m f,
vendo o
que gosam os meus cigarros, e para poderem dar consumo aos seas andam vi
na praca como pelo mato, illudindo os meus freguezes, dizendo que sao meas ; e i
dos os meus cigarros s5o vendidos na minha fabrica, e n5o mando pessoa alguma
por minha conta fra della, faco o presente annuncio para evitar que compren po par
ebre ; e para seguranca dos senhores consumidores deste genero e especialmente os asas
freguezes, aviso que todos os massos de cigarros que forem vendidos na minha fabrica ala
500 r.hSJ'iC0'cha i*""0'3 a V*800 25200, pre- marcados com um distinctivo que declara o meu nome, o nome da ra e o numero da
to a 15760, cafe a 280 rs., toucinho a 280, arroz a mesma casa
iS^^ { Aproveitoa occasiaopara scientificar art mayos senhores, que
garrafa : no armaiem da estrella, largo do Paraizo i encontrarao um completo sortimento de cigarros de dja/ersas qualidades, e do
I numero 14. j escomido, por sua boa qualidade ja bem conhecikd.
(MUTILADO)



HMMHBSB^MBi
Diario de Pernanibaco *c\a letra 4 de setenabro de 18J3.


i

m
CASEMIRASINGLEZAS
ni, 700 rs,ocorte.
Vcndem-sc corles do casemiras escuras para
! calca, pelo barato preco de 1700, tambem se ven-
deiu das mesmas a 480 rs. o covado, proprias para
5o, ra
NOVA EXPOSIQAO
a loja, 4 Pavo, de fazendas bara-
tissimas.
Neste Pstahelecimpnto arha-so constante- Pal?,0,s c colletes, etc.: s na loja do pvii
nenia isurjuecimenio ama so lon.wmt -,a imperalriz w de Gama & Silva.
mente om grande sortimento de fazendas
de gosto e de priraeira necessidade, sendo
tanto proprias para a praca, como para o
mato ; de todas as fazendas dao-se livros de
amostras, deixando ficar penhor, ou man-
dam-se levar em casa das familias pelos ca-
xeiros da loja do Pavao.
Lias com 8 palmos de largnra,
na loja do Pavo.
Vendein-sc laazinha enfestada propria para
vestidos, com 8 palmos de largura, sendo
fazenda mais moderna que tcm vindo ao
mercado pelo baratissimo preco de 1,0600 o
covado: s na ra da Imperatriz n. 60, loja
do Pavao.
Cassas a 900 rs. o covado.
Vendem-se cassas francezas de padres
miudinhos e cores fixas pelo barato proco de
200 rs. o covado ; ditas finas a 340 e 320
GRANDE PECHINCHA
Vende o pavo, organdys a 360 rs.
Vende-se finissimo organdys matizado com os
mais delicados padres miudinhos com assentos
blancos, sendo neste artigo o mais moderno que
existe no mercado, sendo fazenda que sempro se
vendeu a 1,5*00 a vara, e presentemente vende-se
a 360 rs. o covado: s na ra da Imperatriz n. 60,
loja do pavao, de Gama & Silva.
CDITAS ESCURAS
o 2,200 e 2,6i0 rs., s o pavo.
Vendem-se cortes de chitas com padrfies oscu-
ros, tendo 10 1/2 covados a 20200, e com 12 1/2
corados a 2^640, pecbincha e vende-se por este
preco cm razio dos cortes serem em mais de um
pedaco : s na loja do pavao, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & ilva.
Laaziuhas a 'oo rs. o covado.
Na luja do Pavo.
Vende-se laazinhas de cordaozinho de urna s
rs. o covado : s na ra da Imperatriz n. 60, f Cr, sendo azul claro, azul escuro, ferrete, cor de
loja do Pav3o. caf claroe escuro, alvadio, roxinhas propriaspa-
Organdy, a 810 rs. o covado,
na loja do Pavo.
, ra luto, sendo fazenda que val muito mais dinliei-
' ro vende-se pelo diminuto preco de 200 rs. : s na
loja do Parlo ra da Imperatriz n. 00 de Gama &
Vendem-se organdy de cores malisado, fa-
zenda que val mtiito mais dinieiro, pelo ba-
rato preco de 240 rs. o covado ou 400 rs. a
vara : s na ra da Imperatriz n. 60, loja
do Pavao.
iia
Silva.
Os
Imper;
manguitos e gollnhas o
Pavo.
Tarlatari kda Arara a 400 rs.
Yendem-PPteana de cores para vesti-
dos a 400 rs. a vara, fil de linho de cores
para mosqueteiro a 160 rs. o covado, enfei-
tes para caneca de senhora a-13, 30 e 43,
os mais modernos que/tem chegado, tapetes
para salas por 53 cada um, toallias de linho
para rosto a 640 rs., ditas pelucia a 10, o
melhor que ha em toalhas; na loja da Ara-
ra, ra da Imperatriz n. 56, de Mendes Gui-
mares.
SEJJI SE l \ IIO.
QUINQUILHARIAS.
Ra do Queimado, ns. 49 e 55, lojas de
Jos Bigodinho,|queiram ver ver as fazendas
que abaixo annuncio, pois todas eu garanto
que sao muito novas e baratissimas.
Pegas de trancas de algodo de to-
das as cores a....... 80
Duzias de linhas com 200 jardas, A-
lexandre, a..... 10100
Carritel de qualquer numero 100
Varas de aspas para baiau .... 80
Caixas com superior obreias a 40
Dilasde colla ....... 40
Pares de botoes de punho a 120
Pares de sapatos de tranga 13280
Ditos muilo superiores, a 1,0000
Caixas e pacotes de papel amisade de
cores a. ....... 600
Duzia de meias muito finas para se-
nhora a......
pechiucha, a 320 e a 100 rs.
Vendem-se golinhas de fil, bordadas,
O Pavo vende os modernos ves- 400 rs.; dilasde cambraia, a 320 rs.; cal- g gft % branca eT ces a
tidos balo. cinhas para meninas, a 500 rs.; manguitos,! En*L"J,braaf *e.c a
M.,, z. os -i^^sa,t&f5i!^^r?*!
Cartes de linha cora 200 jardas (est
30500
Duzia de ditas cruas para horaem a 2*400
Daralhos muilo finos para vollarete a 300
30
20
60
modernos que que tem vindo ao mercado, na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavao.
com a saia de um so panno, tendo bastante
fazenda para o corpo, e vende-se pelo barato
preco de 30500 cada um: esta pechincha
s existe na ra da Imperatriz n. 60, loja e Grande exposicao (Je fazendas de (odas
armazem do Pavo.
NA ARARA
120
60
mmm
IMA7
\o a pechiucha de las enfesta-
las a -Io rs. o covado.
S o Pavo.
Vendem-se laazinlias entestadas transparentes !
com delidadofi padres sendo de urna s cr com !
listras c qnadi inlios e vendem-se a OO rs. o cova-
do : na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60 de
Gama & Silva.
as qualidades; sendo por baratis-
simo preco, na loja c armazem da
Arara ra da Imperatriz n. 56 de
Loureuco Pereira alendes Guima-
ries.
9JJL& 2 U2 SM1?0 i
se acabando |a
Vara de fita prela com colxetes para
vestido, e tem um resto parda a 100
Objectos de tintura e msica.
Na ra do Queimado, ns. 49 e 55,
49 e 55, est
queimando ludo pelos precos abaixo decla-
rados, e prestem toda a altengo para ver
Vcndem-se chitas cores fixas, com peque- oque bom e barato.
j no toque de mofo a 200 rs.. o covado, len-1 Duzia de facas e garfos muito finos a 20500
cosbrancos e com barras 200 rs., meias Dita dita dita de cabo prelo muilo
Vendem-se cortes de cambraia brancos com para homem 120 rs. o par, ditas para me-1 finas a ... 30*00
babados a205OO; ditos, a 40; ditos com nios, 100 rs. o par; na ra da Imperatriz' Dita dita dita de balaneo,'melhor, a 50500
barras ebabados de seda, a 33, 33.>OOe 43; n. 36\ Arara. Tesouras para costura, muito fi-
Arara vende as cassas a 200 rs. o covado. as a.........400
Vendem-se cassas linas para vestidos a Ditas ditas para unlias, muilo finas a 400
200 rs. o covado, organdys linos para ves- Carlas de allinetes de ferro a 80
tidos a 240, 280 e 320 rs. o covado: s no Ditas ditos de lalo muito finos a 40
armazem da Arara, rua da Imperatriz n. 36.! Ditas de dito grandes.....120
Attenco!
Posto que domine no cora-
cao do BALIZA a mais bem en-
tendida ambicao de tirar de
seu negocio as melhores van-
tagens, com tudo elle nao pro-
cura fazer fortuna vendendo
gato por lebre;
Quando nao se negocia aca-
nhadamente, est bem ao alcan-
ce de todos a facilidade de fa-
zer-se boas compras, para ven-
der-se barato.
E.clam i o i os.
Ao armazem d<. UAI.I/.A my
dem ser devolvidos qnaesquer
gneros que por ventora iim
sejam do contento dos saibo-
res compradores. N<> fu
mrntimmtin aljana em m -
car por outro, ou resliluir-s*'
0 dinheiro recebido,
Manter a tudo n cusid > sen
crdito, e almiar m.
raigos e Dregmm, i"i" a
il.s.'jo do proprietario iMh
estabeledaeoto,
LEDE! LEDE! LEDE?
K h
Sempre a frente do progresso.
Constante marcha o KAfi.i/. \.
Tem por norte o bem commiim.
A verdade por divisa.
(^ i \ ii :
k
S
Cortes de cambraia, a *#..
na loja do Pavo.
s na ra da Imperatriz n. 60, loja c arma-!
eem do Pavo.

Cortes de chita da Arara a 2:000 rs.
Vendem-se cortes de chita com pequeo
Cortes de cambraia chineza,
4.V. na loja do Pavo.
Vendem-se ricos cortes de cambraia chine-1
za, -os mais modernos que tem chegado. sen-
do "brancas comlindissimospadres, pelo ba-
rato preco
fazenda
Impetrat
RalcM
Vendem-se naioes americanos que .,.
melhores, tendo 20 arcos, a 30500; ditos a -r5 --ovado, dito de 4 palmos de largara I
de 30, a 40500; ditos de 40, a 50; ditos ja 20000 o covado. cortes de easemira preta
de bramante, a 30500 e 40; ditos para me-|P:,ra ,':ll'-'a a *,i0 c 40- ditas de cores a
ninas, a 20 e a 30: snarua da Impera- 30500 e 40: na loja da Arara, ruadalm-;
n do Pavao. peratnz n. 56 de Alen
Caixas de phophoros de pao
' Grosa de ditos do gaz a .
Duzia de dito dito a
101
20200 1
2001
160
320
160
800
BLDLRU
Largo do Llvramento ns. 3M e 39 A
Defronle da jjrade da igreja
AO RESPEITAVEL PUBLICO
Senhorcs c senhoras
0 incansavei.proprictario do grande aimazcm do Baliza loma a til., r.l.c. ,;
declarar do alto da.imprensa peruambucana, que elle 6 perfeitamente liberal em i Rer i
benvolos freguezes.as melhores qualidades dos mais bem escomidos genero-. d9o s do pan roa
estrangftiro a precos de contentar < satisfazer a lodos.
Fazendo tlo:publico e espontaneo manifest, o referido BALIZA jiriga de seo i.....i igm
declarar mui seria e pusitivameu; nesta oportonidade, que tambem o mais Orme e de I
vador de sua numerosa freguezia.
Da boa qualidack; e barateca dos gneros offerecidos aos .-cus freguezes, bbui .i
nho que tira para si, :tem sabido fazer o BALIZA a mais perfeita liga de interessi s i -i ipn i a lo-
das as conscienias deve por forfa .e necessariamente agradar.
Tendo por conveniente tambem a publicaco do seguinte aviso, o "BALIZA fai saber m*
.aquellas pessoas que sempre csto .promplas a comprarem ludo, cun tanto iioe se ilu imtiii
.rem logo, que elle
NAO VENDE FIADO.
triz n. 00, loja e armazem
Corte de hita, a 2 ,*.>.
loja do Pavo.
na
i .Mendes* (uiiiiaracs.
SEM MIUl \IHK
PECHINCHA.
Perfumara de supn> iur una I dude.
0 rival sem secundo, ra do Queimado,
Curtes de laa ila Arara a 3:(00 rs.
Vendem-se cortes de Iazinhas para \ es-
! fulos a 30000, oh! (pie pechincha, laazinhas!
Vendem-se cortes de chita com 12 1|2 co- para vestidos, linas a 400 e 500 rs. o eova- ns. 19 e 55, est disposto a vender mais ba-
sados cada um, a 2500; ditos com 10 cova- ,|0. tilas de quadrinhos a 320 rs. o covado; rato que nunca vendeu, para o que queiram
dos, a 2,-5: cortes de cassa miudinha de co-' na rua ,|a Emperatriz, loja da Arara n. 50, de v''
Duzia do saboneles finos a .
'Sabonete inglez, o melhor, a
Os amigos da economa, aquelles que s compram os objectosde que carecem, e noi
naimente de .empregar bem o seu dinheiro venham a esta estabelecimento.
lEIAM TODO.
Do pre-j de qualquer genero annunciado a venda em oulros estabetecimentos, poA m m
res freguezes diminuir cinco p- rento, e vii- compra-Io ao Baliza, que *>nb<, como lodos -
mi'in do movimmto prefere ganh.ir muito pouco, rom tanto que seja por muilas rezes repelido
res fixas cen 10-covados, a->: ditos de
organdy matbisacki com 10 covados, a
K3: sna rua da Imperatriz n. 00, loja
do Pavao.
.\s escmivati do Pavo v pechin-
cha a .
Vendem-se cortes de casimira franceza para
caica, fazenda muito lina, padres claros e
escuros, a 5-5 o Corte: sna luja do Pavao,
rua da Imperatriz n. 00.
Mendes (ininiares.
Gil! que pechiucha a 2 i rs.,
chitas largas.
Vendem-se chitas francezas rom pequeo
toque de mofo a 240 rs. o covado, ditas
linpas, linas a 320, 300 e 400 rs. o covado,
lisiado francez a 280 rs. o covado: na rua
da Imperatriz n. 50 Arara de Mendes Cui-
maraes.
Frascos cora agua de Colonia muilo
fina a......., .
Ditos de dita grande a .
Ditos de Lavando ambreado, o me-
llior, a........
Ditos de macaca oleo muito bom a .
Ditospcrola muilo superior a .
Dilos de oleo de babosa a 240, 320.
400e ........ .
PM&
-JmMWMwMW:
Arara vendo o mailapolo a i:000 rs.
Vendem-se pecas de madapolo francez fi- Ditos de banha branca a .
so na i ua i Imperatriz n._80, oja do I ivao. m> (,ll(,sla(i0 a 4/ e umi ditas ngterag, Dil0 de cheir0 mmt0 bonilos a _
com 24 jardas, linos a 7,?, 73500, 8, 95 e Ditos de banha, pequeo, muito Ona
com lavr miudinho ,0^ a P('C'. freguezes a ellos antes que se I
Fusto do Pavao.
Vendem-se fustao
500
320 i
500;
para roupa de meninos, a 320 rs. o covado: cabe : na loja e armazem da Arara, rua da' Dilos de opiata a 200 rs., e boa a
quadrinhos para roupa de Imperatriz n. 50 de Mendes (niraaraes. Ditos de banha japon<
lirim de linho de
meninos, a 500 rs. <
de urna s cr, a 320 rs. o covado; popelina
de laa, de quadrinhos encarnados c pretos,
para vestidos de senhoras e roupa de meni-
a
japoneza a .
Ditos de banha transparente a
Ditos de oleo liloconne a .
RIVAL
SEM SEGUNDO.
Objectos diversos.
Rua do Queimado, ns 49 e 55, vende os
objectos abaixo declarados, pois para aca:
a 14? Idc c6res/ara 2* tambem sc nde I bar; esles precos nao sao para con inu ,*
de cache: I ff J351,ara $ Paletot 3 gollete a mas as nesessidades assim o permitte.
remira ^ CO,'ado e c,,ftta,(,a' >m < V* faz-se pares de luvas de algodao finas a 80
covado; | i olvas da Arara avelludadas
8|M|.
Vendem-se ricas colxas aveludadas para
; cama a 83, ditas de fusto de cores a 5*,
nos. a lo covado: sd na rua da Impera- Ly^ dechita a u |ia rua ,,., mpcratri
triz n. 60, loja e armazem do Pavao. n.'50 Arara.
Os paletoU do Pavo, assoLrecasaeado a \2:000 rs. Arara vende os c Vendem-sepaletots de panno, sobrecasacas v^a^J^J,^ a ,?*?* f tA
de panno prJto muito bom e muito bem I Ve,,,lem-se > & ^semtra enfestada
feilas, a 12#: sobrecasacos de dito
^^SS;,:'^| ? temira I --<, '' V. M. Pares de lu.as de a,god3o 0as a
cor e preta; paletot de easemira de cor, |
a 7: tudo isi.ii para apurar dinheiro: s Arara vende as cambraias.
na rua da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.; Vendem-se cortes de cambraias de barras
r. ____ i a 23, vende-se cambraias lisas para vestidos
Cortes de cheraira da Eseoca, a 2:000, uiMsQOt 3/, 2jjS00e |; ^ ^
toja do FaTo. ^^ e<-,rtes de cambraia bancas com palmas
Vendem-se esta nova fazenda muito encor- [ soltas, com I vara de largura por 23500 o
pada imitaco de easemira, tendo padres' trte; na rua da Imperatriz loja da Arara
escuros e alegres, afiancando-se que nao des-; n. 50 de Mendes Guimares.
bota, a 23 c-crte para calca, ou 580 rs. o co- Oh! que grande pechincha.
vado para paletot, colete etc.: s na loja do Vendem-se pecas de ricos riscados fran-
Pavo, rua da Imperatriz n. 00.
Fazendas brancas, na loja do
Pavo.
Vendem-se pecas de madapolo enfestado,
francez, com 20 varas, a 83; ditas com 12
jardas, a 43; dito inglez muito fino, a 73,
73500 e83; ditos muito superior, a 103;
ditos de 40 jardas muito fino, a 43800 e a
53600; algodozinho muito encorpado, a
43800, 53500 e 63; bretanha com 4 pal-
mos de largura, muito fina, a 13 avara;
pecas de cassa de cordo para babados, com
6 varas, a 33500; ditas com 12 varas, a 73:
Pechincha, a 500 rs. o covado,
so o Pavo.
Vendem-se as mais modernas laazinhas
cezes com 14 covados para vestido a 200 rs.
o covado, organdys para vestidos a 300 rs.
o covado, cbalim para vestidos a 44o rs. o
covado, la para vestidos a 200 rs. o covado,
roberas de damasco para cama a 43; na
rua da Imperatriz n. 50 Arara de Mendes
Guimares.
Arara vende os baldes.
Vendem-se os mais bem feitos e moder-
nos bales americanos dq 20, 25, 35 e 40
arcos a 33500, 43, 43500 e 53, ninguem
deixar de andar sem balo que o preco j
convida; na rua da Imperatriz loja da Arara
n. 50 dc Mendes Guimares.
Ronpa felta e chapeos.
Vendem-se uniformes completos de case-
mira inglezas de boas cores a 103, vende-se
palitots de brim a 23500, ditos finos a 33,
Jhaa ,........ 80
Dilos de 2 dilasa...... 160
Caixas de colxeles francezes a. 40
Duzia de dito francez a 360
Massos com grampos lisos e de cara-
col a ......... 40
Duzia de dedaes de metal em caixi-
nha de vidro....... 320
Tinteiro de vidro com tinta superior
a........... 100
Ditos de barro que serve para tin-
teiro a........ iOO
Grosas de botes de louca prateado a 160
Pecas de Iranga lisa encarnada a 20
Varas de bicos e rendas, para aca-
bar a ......... 60
Varas de labyrinto de 3 dedos de
largura a........ 100
Caixas de folha com phosphorosa 40
Ditas dc pos para dentesa 100
Pentes de tartaruga a 33000 e 33500
KOI IM FEITt
NO
A R n A Z E M
DE
aM ID'D yOIiJAJ)U-ab
X.ETREKRO VERDE.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concur-
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
homens e meninos.
45-RUA DIREITA-45
IL*.&
enfestadas, transparente, tendo 4 palmos de de meia easemira a 33500, calcas de meia
largura, e sendo lizas e de quadrinhos, de; easemira escura a 23, ditas mais finas a 33,
urna s cr, propria para vestidos e capas, j seroulas de linho de bramante a 13600 e
a 500 rs. o covado: s na loja do PavSo, 13800, camisas francezas a 13600 e 1/800,
rua da Imperatriz n. 68. de Gama A Silva, ditas finas a 23 e 23500, ditas de linho com
O Pavio vende a Sil e 3500 Pre^as largas muit0 modernas a 3& chapeos
v a-avao yenoe adje spaoo dem^sas decores e pretos a 13600,13800,
cortes de la, a 33 c 33500; ditos com 22, 2a v>oO, isto mais que pechincha; na
covados, a 53: s na rua da Imperatriz n. lojl evmazem da Arara, rua da Imperatriz
60, loja e armazem do Pavo. J n. 56 de Mendes GuimarSes.
PAPEL
de cores para listas de eleitores
A aguia branca suppSe que nao faz mal em ofle-
recer aos athletas uns pacotes com 254 folhas de
fiapel de cores, que pode servir ptimamente para
islas de eleitores, e tanto melhor por custar cada
pacote o diminuto preco de i500, e ser cadaum
de urna s cor, o que' dilcil de encontrar a nao
ser na rua do Queimado, loja d'aguia branca n. 8.
Na mesma loja tambem ha de outras qualidades,
branco c azul, assim como anvelopes.
ilua daScnzalIao 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston C,
sellins e silhoes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavailos, e relogios de
| ouro patente inglez.
Casacas de panno preto, 353 e
Sobrecasacas dem, 303 e .
Paletos dem e de cores, 253,
203, 153 e......
Ditos de easemira, 203, 153,
123,103 c......
Ditos de alpaca, 53 e. .
Ditos ditos pretos, 93, 73,
53 e........
Ditos de brim e ganga de co-
res, 43500, 43, 33500 e. .
Ditos branco de linho, 63,53 e
Ditos de merino preto de cor-
do, 103, 73 e..... 53000
Calcas de easemira preta, 123,
103, 83 e......
Ditas de cores, 93, 83 e. .
Ditas de meia easemira de co-
res, 53500 e.....
Ditas de princeza e merino pre-
lo de cordo, 53, 4350 e
Ditas de brim branco e de co-
res, 53, 43500, 43 e .
Ditas de ganga de cores,
33500, 33 e .....
Colletes de velludo preto e de
cores, 93 e......7iOOO
303000 Colletes de fustao e brim bran-
253000 co, 33500, 33 e 23500
Seroulas de brim de linho,
103000 23400 e......23000
l Ditas de algodo, 13600 e. 13 400
73000 Camisas de peitos de linho,
33500 53, 43, 33 e.....23500
Ditas de madapolo, 33,
33500, 23500, 23 e.....13600
i Chapeos de massa, pretos fran-
30000! cezes, 103, 93 e. 83500
43000 Ditosdefltro, 53, 43,33500 c 23000
Ditos de sol, de seda, 123,
113, 73 e......43500
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda......v 640
Sortimento completo de grava-
tas. 3
430001 Toalhas para rosto, duzia, 113,
9j5 e........03000
Atoalhado adamascado de li-
nho vara......i#280
Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....43000
23500 Lences de linho..... 33000
i Cobertas de chita chineza.. 23000
73000
73000
43000
23500
Ditos de easemira preta, 53 e
Ditos de ditas de cores 53
43 e........
Ditos de setim preto. .
Ditos de ditos e seda branco,
63
Ditos de gorguro de seda
pretos e de cores, 63, 53 e
43000
33500
53000
Pennasd'aco, as mais superio-
res, a grosa...... ooo
Relogios de ouro orizontaes,
903,803 e......703000
Ditos de prata, galvanizado,
patentes e orisontaes, 403 e
e 53000 Obras de ouro, adercos, meios
j adercos, pulceiras, rozetas,
43000 aneis e cruzes.
Vendem-se superiores charutos suspiros a 12O0
cada meia caira, ditos dc diversas marcas, caixas
de 100 charutos, a 1*200, ditos de ditas, meias cai-
xas, a 600 rs.: na rua Nova n. 58.
MUTILADO 1
~*"------imrw-r mu.
GAZ.
A 440 rs. trazendo a garrafa : na rua da Cruz
do Recite, loja de quinquilharias n. 8: garante-
sea melhor qualidade.________^___^^_
Vende-se a armacao da loja n. 40 da rua No-
va, envidracada e em muito bom estado : a tratar
na mesma loja.
Eia. 1ap.1si.nla. Bnpnri parve m
entregaste oa nmn \ m .un-
xos do pessimo caJgarto da mmmcM
S se observa em vomm i bwi
nhadas e asas at iiitnn.i -
rasgados eqmsi smsaltns.... ntanio!
a qoebradeira n-> deve rfcegar at a
to Vinde roa Dnrita immr-vra Ai .
lente calcado OH 50 I al gf [N^ cefl|,,
menos do sea nk r.....nv mb 1 -
Borzeguins, Nantes, besamotf
quela 2 c meia solas ....
Borzeguins. Nantes, bramo, \.t-
qoeta e rastre 2 sote. .
Borz.guins, francez e baatergnss,
bezerro, lustre e eonro de par-
co 7-5 e........
Sapatoes, Nantes. ntaam Wpfr
ta 2 e meia solas.....
Sapatoes, Fiantes, vaqueta, tete 1
bezerro 2 solas......
Sapatoes, NhiiIcs. sola e vira. .
Ditos para menina, com laco. .
Ditos de ditas, de cores. ...
Sapatos para senhora i homem.
tapete....... .
Sapatos de borracha pan smliora.
dem idem para meninas. .
Sapatos de lustre para senhora. .
dem de lustre s avessas .
nnjgj
un
800
13101
I3f00
13000
300
AOS SRS. CO^Sl IMIDORES DE (AI.
Nos armazens do Caes do Ramos n. 18 e
na rua do Trapiche Novo (no Beato) n. 8, se
vende gaz liquido americano primeira quali-
dade a retalho a 103 a lata de 5 fwle, as-
sim como latas de 10 e de 5 garrafas c sendo
em porco mais barato que em mitra qua-
quer parte.
ftWfl o bom Vm
Chegaram loja das columnas da rua do Cres-
po n. 13, de Antonio Correa de Vascoacelloa k C
novos cortos dc vestidos de la a polaca \m lar-
ra estmpada de matiz, gosto* inieirameMt wm-
demos c cores as mais lindas que se pode rtrntir
bem como : cr de laranja, ganga, violeta, aan-
no cinza, magenta etc., etc.; para designar o mo-
delo do vestido a cada corte acompanha sea igu-
r 11111. Xa mesma loja acaba de chegar pelo iiHiih
paquete francez riquissimos corles de vestid n
seda de com com ramas malisidas solas w-
tros de moreantique adamascado, fazendas nm
encorpadas e do ultimo gosto para bailes, easa-
mentos etc.
Cal de UftlMai
a mais nova do mercado : na roa do Vigaro a.
10, primeiro andar._______________________
Roa da Seazalla tim 41
Neste estabelecimento vendem-se: tacitas de
ferro coado libra a 110 rs., idem dc Low
Moor libra a 120 rs.


1
f

\
^
7
Mario de aer_a__m; Uext fetra 4 de Weieiubro de I *3.

GRANDE ARMAZEM
AE
N. 36, KlA DAS CRI /ES N. 36
DO
balrro de Santo \uionio.
0 proprietario do muito acreditado armazem denominado Progressista tendo
sempre em vista fazer tudo o que for possivel para bem servir aos seus freguezes, tem
deliberado vender os seus j bem conhecidos gneros de primeira qualidade pelos precos
ahaixo mencionados, e aian^a s pessoas que mandarem comprar por seus criados on
escravos, serem to bem servidas como vindopessoalmente; encarrega-se de aviar qualquer
encommenda, ainda mesmo contendo objectos nao proprios deste estabelecimento. O
mesmo pede aos senhores que mandarem comprar neste armazem o favor de mandarem
devolver qualquer objecto que nao agradar, devendo os mesmos senhores ter toda atten-
Co com os seus portadores, fazendo-lhes ver que son armazem Progressista da ra das
Cruzes n. 36, e que se vendem os melhores gneros por mais barato preco, porque estes
militas vezes>lvidam-se e vSo outra parte onde os servem de maneira a desagradar este
estabelecimento.
H6ISS0
GRANDE ARMAZEM DE MOLHADOS
DE
DE
Eduardo Margues de Oliveira & C.
TODOS
os

o
\APORD g
se reeebem gneros de conta N^
propria e dos melhores esta-
belecimentos da Europa, ga- q
rante-se todo e qualquer ge- 2
ero comprado neste 5
ESTABELECIMENTO.
COMPLETO
SORTIMEXTO DE JIOLUADOS.
vende-se em porfo e a reta-
lho, aprompta-se com toda a
presteza e exactidao qualquer
encommenda dirigida a este
ESTABELECINEWO.
53
O
>
O
t->
__
-M & 5
i]
N T3
s
5 "C
c w
*-. a f
a r
S B
3
s
N'estes novos e grandes estabelecimentos de molhados, encontrar o rcsftftavtl
|jj| publico d'esta cidade, bem como seus numerosos freguezes do centro, expostos tcada
^ i todas as qualidades de gneros por menos preco que em quaesquer outro eslaUlicm
tos d*esta ordem, pois para bem servir os seus freguezes existe na Europa um dos Mr-
t^jj cios para serem vindos de conta propria diversos gneros, e desde j encontrar o r-
w peitavel publico scmpre os melhores gneros do nosso mercado, e |>or precos baratis*-
^ ; mos como abaixo vero, a saber :
=
>
Os proprietarios do muito acreditado armazem Progresso fazem sciente ao respeita-
de superior qualidade a cada
xinha.
Manteigai ngleza de 1.a qualidade, a 800 rs.'
a liKpo
S __?_ S eco I 2* Piarada em po.es mu nova a
rs. a libra.
400 rs. cada um.
Milho-alpista a 180 rs. a libra.
Gomma para engommar muito fina e alva a
80 rs. a libra e 20300 a arroba.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
dem prato, chegado neste ultimo vapor, o: Sab3o verdadeiro hespanhol, que raras vezes
mais fresco que se pode desejar a 700 rs.! vem ao nosso mercado, a 300 rs. a libra e
t libra. em caixa ter abatimento.
dem lon.lrino, mandados vir de encommen- ,d(,m ^^ de super(_ qua|ida(le de 160>
Batatas em gigo de arroba a l,5oo rs.
^bc3os chegadas no vapor Inglez,
Va villias muito novas a 24o rs. a libra,
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor,
de 25 25500.
da especial, a !)00 rs. a libra.
dem suisso, muito fresco, a 800 rs. a libra.
Caf do Rio de l.1 e 2.a qualidade a 85500
e 85800 a arroba, e 280 e 300 rs a libra.
Arroz da India e Maranhao a 120 rs. a libra
e 35200 a arroba.
AvelSas as mais novas neste genero a 240
rs. a libra.
Presuntos do Porto minio novos a 560 rs. a
libra.
I.egumes franrezes para sopa, como seja, vinhnsemmna-Li
Jmienne, mlange d^pag* Choux^e P^S^a *
nutras qaadades, a 400 e 500 o masso. ,. ^,-
Amendoas de casca mote a 3-20 rs. a libra, e
m pon.Tio ter abatimento.
Garrames com 5 garrafas de. vinho do Porto
do Alto Douro a 2,5400 com o garrafo ;
afianea-sc que nesse genero o mellior
que veio ao mercado.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira muito
superior e mais proprio para a nossa csta-
cao por s.r mais fresco a 25400.
Cha hysson o mais superior a 2?600 a libra,
afianca-se ser egual ao que regularmente
vendemos a 34200.
dem luixim miudinho. o mais superior que
vem ao nosso mercado a 23700 a libia.
dem prelu muito fino, a 2,$00Q a libra.
( aclale para 9oo, l.ooo c l,2oo rs. a li-
bra.
Garrames com 5 garrafas de superior vinho
de Lisboa a 25100 cada um.
dem com 5 garrafas de MMgre de Lisboa
a 14100 com o garrafo.
r ii com 5 garrafas de vinagre hambur-
guez a 800 rs. cada um.
Vinhos generosos vinilos do Porto engarra-
baos das seguintes marcas: Genuino,
Porto lino. .Nctar. Duque do Porto, Fei-
toria, Veltao secco, Chamico, Madeira su-
perior e outros a 900 rs. a garrafa e 95
\ duzia.
Ymho Bordeaux das melhores marcas: St
Imten, Medoc e S. Kstephe e outros a
640 rs. a garrafa e 75500 a caixa com
urna duzia.
180, 200, 220 e 240 rs. a libra.
Graixa em latas muito nova a 120 rs. a lata
e 15300 a duzia.
Peixe em latas muito novo: savel, pescada,
curvina, salmao e outras qualidades, pre-
parado de escabexe segundo a arte de
cozinha a 15400.
Papel grve pautado e liso a 35800 a resma.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
460 rs. cada urna.
isboa e Figueira dasmelho-
35200 e 45000 a caada do
melhor e 500 rs. a garrafa, em porcaoter
abatimento.
Amendoas a 320 rs. a libra.
Aveles a 2oo rs. a libra.
Ameixas a 15 a libra.
Ditas em frasco por 25800.
Arroz pilado da India loo rs. a libra e 35ooo
a arroba.
Dito dito do Maranhao 120 rs. a libra e 35500
vel publico e com especiahdade aos seus amigos e freguezes que tem resolvido resumir os. a arroDa
precos dos seus acreditados gneros, como abaixo verao nao obstante os precos menciona- Azeite doce francez 800 rs. a garrafa.
... ,. ., Dito de Lisboa 680 rs. a garrafa,
dos a vista da qualidade dos gneros que se pro va quanto se deseja servir satistatoria- Agurdente de canna de cabeca a 240 e 320
mente aos nossos freguezes, advertindo-lhes que mandem seus portadores, que sero to r?; a ^arra'*'-
Azeitonas a 320 rs. a garrafa e l,3oo a an-
bem servidos como se viessem pessoalmente, isto s no Progresso. coreta.
Batatas inglezas a 6o rs. a libra e l,8ooa
Farinha de Maranhao muito alva e cheiroza' arr0Da-
a 16o rs. a libra. Uanliahdf P^rco.a ********
Bolachmha de soda a 15400 a lata.
Toucinho de Lisboa a 32o rs. a libra e a9,ooo Bolachinha ingleza a 200 rs. a libra, e a bar-
re, arroba. rica a 35000.
Cha hysson a 25200 a libra.
I Dito dito fino a 25600 a libra.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. agarrafa e a Dito miudinho a 25800 a libra.
4,8oo rs. a caada. Dito do Rio a 15800 a libra..
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e a Dito preto a 15900 a libra.
l,2oors. araada. Charutos de diversas qualidades a 15200,
Garrafes com 5 garrafas de vinagre de Lis- 15500 e 35 a caixa.
boa a 1,1 oo rs. Champagne a 15 e 15500 a garrafa.
Champanhe das marcas mais acreditadas a Chouricas a 560 e 600 rs. a libra.
8 e a lo.ooo rs, o gigo, e a 8oo rs. e a Conservas inglezas a 800 rs. o frasco,
l.ooo rs. a garrafa. (Caf em grao a 300 e 320 rs. a libra, e 95 e
Srvela preta marca T e XXX a 6,5oo e 1-.?*200.a "ES8, i
7,ooo rs7a duzia, e a 6oo rs. a garrafa. D.tomo.doa OOrs. a libra. _
tambem temos das mesmas marcas para 4, ^ Korab! a 56 e 4,5oo rs. a duzia, e a4oo rs. a garrafa. Espirito de vinho de 38 graos, a 280 rs. a
garrafa.
dem branca Te cobrinha a5,5oo e 6,ooo rs, Farinha do Maranhao a 160 rs. a libra,
a duzia e 5oo rs. a_ garrafa, tambem ha Dita flor de tarada a 15 o frasco,
para 4,ooo rs. a duzia. Feijo branco muito novo a 440 rs. a cuia.
Manteiga ingleza perfeitamente flor chegada
no ultimo vapor a 8oo rs. a libra.
dem de 2.* qualidade a 76o rs. a libra.
dem de 3,adita a 64o re. a libra.
dem para tempero a 32o e 4oo rs, a libra.
Manteiga franceza a mais nova que ha no mer-
cado a 58o rs. a libra, e em barril ter aba-
timento.
Banha de porco refinada a 520 rs. a libra.
Vinho em pipa Porto Figueira c Lisboa a 4oo,
48o, 5oo, 56o rs. a garrafa, em aada
2,8oo 3,6oo 3,5oo c 4,ooo rs.
dem em barril o mais superior que tem vin-
ao mercado a 6oo rs. a garrafa.
Lagrimas do Douro especial vinho do Porto a
l,ooo agaiTafa e a lu.ooo a caixa, o prego
nao indica a qualidade deste precioso vi-
nho, porm venhamao Progresso que a vis-
ta faz f, a este genero constantemente man-
damos vir de conta propria e por isso po-
demos vender por menos que oirtro qual-
quer annunciante.
Vinho velho Chamico em barril, muito proprio
para sobremesa, a 640 rs. a garrafa e
55000 a caada.
i Vinho branco.o mais superior que possivel
ueste genero a 560 rs. a garrafa e a 45000
o caada.
Vinagre puro de Lisboa a 200 rs. a garrafa
e 15400 a caada.
Azeite doce de Lisboa muito fino, em barril
a 640 rs. a garrafa, e em porcao ter
abatimento.
Champagne das mais acreditadas marcas, a
15000 a garrafa, e 105000 o gigo com
urna duzia.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Baha a 35500 a caixa, tambem temos
para 25000, 25500, 35000 e 35200 a
caixa.
Vel las de spermacete superiores a 600, 640,
c 680 rs. o masso.
dem de carnauba e composico a 320, 360,*
e 400 rs. a libra e de 105 a H5500 a
arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa, a 15000
a ancoreta do Porto e 15500 a de Lisboa.
Massas para sopa: estrellinha, rodlnha e pc-
vide a 500 rs. a libra e 45500 a caixa com
8 libras liquido.
Massas para sopa muito novas: talharim, ma-
carrSo e aletria a 400 e 480 rs. a libra.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso das melhores qualidades a 900 rs.
a libra.
Doce da casca da goiaba a 800 rs. o caixao.
Cerveja das melhores marcas de 55500 a
65000 a duzia e 540 rs. a garrafa
Biscoutos inglezes de diversas qualidades a
15300 a lata.
Bolachinha de soda, especial encommenda,
muito nova em latas grandes a 25000 cada
urna.
Passas muito novas c de carnada a 400 rs a |MaSM Ao |omate5 em latas dc oo a 700 rs.
libra e 65500 a caixa com urna arroba, ha jj*^ uma
cafaras, meias e quartos.
.. i Sardinhas de Nantes, do fabricante Basset, a
Ameixas francezas em frascos de 11|2 e 3 li-; 300 rs. a lata.
bras de 15100 a 2,5800, tambem ha latas ...... oaA ...
i c ni r-, Toucinho de Lisboa novo a 320 rs. a libra.
QL u u,d!> Ti jlo de limpar facas a 180 rs. cada um.
Marmelada imperial, dos melhores conser- Cebollas o mlho a 900 rs.
;"T \iAtoL9JrZ?J 'bra' Cm ^ Erva-doce muito nova a 400 rs. a libra,
tas lacradas hermticamente.
x\ 1,. 1 w c___ita-a^i cm Cominhos idem idema 640 rs. a libra.
I-metas em caldas de todas asqualnlaues em
latas muito bem enfeitadas, a 500 rs ca- Garrames vasios a 500 rs. cada um.
Ditos com 5 garrafas de genebra a 25400,
Uolachinha ingleza, a mais nova que se pode garante-se ser verdadeira de Hollanda.
desejar, a 35000 a barric a e 240 rs. a
libra. Cebollas a granel a 640 rs. o cento.
Farinha do Maranhao muito alva e
a 160 rs. a libra.
Sardinhas de Nantes a 36o re. a lata.
*lfl"fl*"2 1 i^O 1**5 1 llllPI
GT1V.m..la?h,rra'd<'S ':, rS'a duria GenebiVd'e Hollanda em botijas a5oors.
e izo re. a rara. ,)ta Hamburgueza a 44o rs. a botija.
Vinho do Alto Douro das marcas mais acre-
ditadas e especialmente escollido por um
de nossos socios, comosejamrCamoes, Du-
que, do porto, 1). Luiz. Carcavellos, Cha-
misso iV Filho; Madeira secco, e Fei,toria a |
9oo rs. a garrafa e 9,000 rs. a>cais
12 garrafas. '
Garrames com especial vinho doTfaNp-con-
tondo garrafas a 2,5oo rs. ji
dem com 5 garrafas de superior vinho Fi-
gueira a 2,4oo rs.
Palitos de dentes massos grandes a 2oo rs.
e 28o rs.
Vassouras do Porto arqueadas de ferro obra Gomma d'araruta a 100 rs. a libra, c 25600
demuita durac5oa4oo rs. cada urna. a arroba.
Graixa em latas a 120. e 15300 a duzi.
Genebra em garrafoes de 14 garrafas por
45600.
1 Paltos do gaz a 20 is. a caixinha e 2.3oo rs. Licor fino a 800 rs. a garrafa.
a groza. I Dito em garrafas grandes de superior quali-
Gela do Alpeivho ahogada do ultimo vapor ... unn n#\ h 11
latas de 2 libras a 800 rs. O pechincha ^J00 e ^ a ,,bra-
MantiMirn francf/n n (inri t< lili r
Massa de tomates a 640 rs. a libra.
Dita estrellinha para sopa a 560 rs. a
Massa estrellinha para sopa a 5oo re. a I
Mai arro, aletria e talharim a 48o re. a k-
bra.
Marrasquino de Zara a 800 re. ofraaco.
Passas a 4oo rs. a libra.
Palitos para dentes a 180 re. o m**o
Phosphoros do gaz a 25500 a grosa.
Paios novos a 640 rs. a libra.
Qeijos do reino do ultimo vapor a t t
25500.
Dito de prato a 720 rs. a libra.
Cervejas de marcas superiores a 500, 59b.
600 e 640 re. a garrafa, e 50600. 6# *
65500 a duzia.
Dita em barril por 45, e 240 re. a garrafa.
Cevada a 240 re. a libra.
Sardinha de Nantes a 360 e 400 rs. a bt>
nha.
Sag a 240 re. a libra.
Sabo massa a 200, 240 e 280 rs. 1 libra.
S.vailinha a 280 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 160 re.
Villas de spermacete do paz a \ .!< rs.
libra.
Ditas do gaz muito boas.
Ditas dito cm caixas de 6 libras por *#tti
Ditas de carnauba a 400 rs. a libra.
Ditas de composico a 3601 380 ia\ a libra
Vinho do Porto, ranada a 55500. garrafa
720 re.
Dito Lisboa, ranada a 45 e a garrafa a 94Y-
rs.
Dito Figueira.'canada a 3*840 e a nrrafe
480 rs.
Dito dita superior, caada a 45 e a garufa
a500rs.
Dito Estreito, caada a 3520<>
400 rs.
Dito Bordeaux a 720 e 800 r. I garrafa.
Vinagre de Lisboa em garrIT's !. 5 fon*-
fas por 15400.
Dito em caada a 25, e a 2H0 re. a
Manteiga franceza a 600 e 64o rs. a libra.
Genebra de Hollanda garrafoes com 16 gar" Dita hollandeza a 72o80*0 rs. a libra.
Mostarda a 640 rs. o frasco.
Chouricas e paios, o mais novo que se pode
desejar. a 280 e 600 rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez dos melhores fa-
bricantes a 900 rs. a garrafa e 105500 a
caixa com urna duzia.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
800 rs. cada um.
Licores francezes, muito finos, das seguintes
marcas: Anizetla de Bordeaux, Plaiserdes
dames, Crme de S'oyau, Kan Danlzic,
Crine de Menthe, Ilude de Venus etc. etc.
> henosa Canella a mais nova do nosso mercado a
, 15000 a libra.
Azeite francez clarificado a 800 rs. a garrafa Alfazema o que pode haver de melhor neste
e 9^000 a caixa com urna duzia. artigo a 280 re. a libra.
Conservas inglezas dos melhores fabricantes phosphoros de seguranca individual a 20 rs.
Mixed Pcfcles, ceblas simples, e outros a cajxnha.
a 760 rs. o frasco. !
Papel de embrulho muito superior a 15120
Farinha verdadeira de araruta a 500 rs. a a resma.
libra, garntese a superior quafidade. vinho da FlKueira> 0 que ha de meihor a
Palitos para dentes em caixinhas domadas 45000 a caada.
Breu, a 320 a libra e 85 a arroba. Copos finos para agua a 65000 a duzia.
rafas por 0.5oo rs.
dem com 5 garrafas de vinho Lisboa a! I(,cmemfrasqueiras a6,3oors.e6,5oo rs.ea
56o rs. o frasco lfianca-8e ser verdadeira.
Vinho branco de Lisboa proprio para missa ,,x.m Kr.;; !,. 1
+*T~* *,ilMa a 64rs' ^ SSKSS3S." "
3 gll 1 da.
dem em barril muito superior a 5oo rs. a! de,m t-1* "" f,'asc0 f*1 vc,'da"
garrafa e a 4,ooo e 3.8hi a caada. | de,ra ,lal,a,ia a l-000 rs- fras'"
Vinho do Porto em garrafos d** 5 garrafal
por 25500.
Dito dito engarrafado a I- < lSOt>.
Dito lagrimas do Douro a I ^400 a garra
Vinho branco de Lisboa a 720 n. a garrafa
e 55 a caada.
Dito do estreito a 600 re. a garrafa.
a caada.
Ameixas francezas em caixinhas de 1 lt, 2
Marrasquino de zara a 72o rs.
e 3 libras elegantemente enfeitadas com ri- Licor francez de todas as qualidades em
cas estampas? na caixa exterior a l,3oo
l,6oo 2,000 e 2,800rs.
Previne-seao respeitavcl publico que todos os gneros cima tfl d. boa qna:
dade, c para desengao venham ver; assim como outros que deixam de ser annunciaaVw.
FUNDICAO HO BC^VIAI-RIA DO
BROI \. IIH.
Este muito acreditado estabelecimento est prvido de um cooap rtiayajt V
machinismos proprios do fabrico de assucar, a saber:
Machinas de vapores as mais modernas e mais aereditada-
Bodas dagua de ferro com seus pertences.
dem "em latas de, i / e 3 libras a 1,400 e
2,6oo rs, cada urna.
garrafas de vidro brancos a 72o e 800 re. lMueuilas meias moendas de ,odos os tamanhos
Vinho Bordeaux das melhores qualidades Bodas dentadas, angulares e de espora,
que tem vindo ao mercado a 72o e 800 Taixas de ferro batido e coado.
re., eemcaixaa 7,5oo, 8, e 8,2oo rs. ; Boceas de fornalha pelo novo systema Wetson.
Figos de comadre em bauzinhos de l'olha Azeite doce refinado do fabricante Pelinol e 'ambllues c krr0.,un,lldo-
mi.itn mnnrlnn nai. mimr, i inn t- uuot iiiiiumo uo duncdiiiL i tianoi e Fornos para cozer farmha.
mmto proprios pa. a mimo a 1,600. outros a 800 rs. a garrafa. | MoinhosFpara moei. mandioca.
dem em caixinhas a l,4oo rs. | Conservas inglezas surtidas e de urna 16 qua- Arados amw'canos, etc. etc.
dem em caixinhas emticamente lacradas
e muito bem enfeitadas a l,8oo rs.
dem a 2oo rs. a libra.
Passas de carnadas as mais novas que ha no 1 a hDra 2.2oo rs. a arroba.
mercado a 4oo rs. a libra e a 6,000 rs. a ^g muito novo a 24o rs. a libra.
caixa. I
Sevadinha de Franca a 16o rs. a libra.
Salmao em latas emticamente lacradas a
8o0 jv;^ 1 Sevada muito nova a 12o rs. a libra e 3,200
ss. a arroba.
lidade a 800 rs. o fiasco.
i Araruta verdadeira a 32o re. a libra.
Gomma de engommar muito alva a 80 rs.
Macarrao a 32o rs. a libra.
Lagostim em latas grandes a l,4oo.
Savel, corvina, cherne, vezugo, peixe espada,
preparad.pela primeira arte de cozinha a |dfim e tMum 0 ^ mm ,,., w ^
al",o0rs- I cado a 48o rs. a libra.
Queijos flamengos chegados no ultimo va-' Aletria a 5oo rs. a libra.
por a 2,4oo rs.
dem do vapor passado a 2,2oo 2,ooo e
l,8oo, rs.
dem prato do ultimo vapor a 64o rs. alibra.
Doce da casca da goiaba caixes grandes a
600 e9oo re.
Chouricas as mais novas que ha no mercado
a 48o rs. a libra.
Chouricas mouras encommenda especial nos-
sa a 5oo rs. a libra.
Prezunto verdadeiro de lamego em calda
de azeite 5oo rs. a libra
Bolaxinba ngleza a mais novas que ha no
mercado a 2,000 rs. a barriquinha com
1 arroba, e a 24o rs. a libra.
dem de soda de diversas qualidades a 1,400
reis.
Arroz carolino a loo rs. a libra e a 2,8oo re.
a arroba.
POR MENOS DEZ POR CENTO
NOS
ARMAZEXS
CONSERVATIVO I CONSERVADOR
M
JT/JnSI 8 ID08 8AB2D3
NS. 21 E 23 LARGOfDO TERfO -NS. 21 E 23
Becebem por conta propria a maior parte dos gneros existentes nos
zens e por isso deliberou-se seu proprietario a vende-los por menos 10 #/ do qae
outra qualquer parte, garantiddo a superior qualidade.
I.ehim lodos.
Manteiga ingleza especialmente escolhida a 72o e 800 re. a libra,
dem franceza de primeira qualidade a 56o rs. a libra, a em barril a 54o r?. a lib..
dem do Maranhao a 12o rs. a libra, e a! Arroz pilado o melhor do mercado a loo rs. a libra e 3 000 rs. a arroba i saeww
3 000 a arroba !Cafe do Rl e do Ceara mel,,or ncslc genero a 28o e Jo rs. a Ubra.
Batatas novas a 5o rs. a libra, em arroba a l,4oo re. e em caixas de quatro amia
Caf do Rio o mais superior que se pode de- 4,5oo rs,
sejar a 32o rs. a libra. | Bolachinhas americanas, as mais novas neste genero, a 2oo rs. a libra e 3,ooo r. I
dem a 28o e 3oo rs. a libra e a 8,2oo, 8,4oo Palitos do gaz, vindos por conta particular, a 2.3oo rs. a groza.
e 8,7oo rs. Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor, a l,8oo e 2,ooo re.
Velas de carnauba refinada a 32o re. a libra, Vinho do Porto em garrafa de superior qualidade a 9oo re. a garrafa,
e a lo.ooo. rs. a arroba. I dem em pipa Figueira e Lisboa a 4oo rs. a garrafa, e a 3,ooo a caada.
Milho alpiste o mais limpo que ha no mercado a 16o rs. a libra, e a arrroba a o.ooo n.
Velas de spermacet, composico e Aracaty, a 4oo, 36o e 6io rs. a Ubra.
Toucinho de Lisboa novo e grosso de primeira qualidade a 32o re. a libra, e 9.mn. a
arroba.
Estrellinha c pevide milito nova a 4oo re. a Alm destes gneros ha outros ranito baratissimos. assim ccwo cfci m/km.
libra, c a 2,ooo rs. a caixinha rom oito azeite doce, vinagre, cebollas, alhos, pimenta, cominhos, ena-doce, charato* de toda m
libras. I qualidades. chouricas, sabao verdadeiro de 16o a 24o rs. alibra. faaOra 4* Wm m
Cha perola muito ^espacial clisado neste ul- {qualidades, que tudo se vende barato e quena duvidar venha ver.
limo vapor de encommenda particular____________________________________________________________________________
dem em latas grandes, proprias para lunche,
com 5 a 6 libras por 2.4oo rs.
dem de spe mcete a 64o rs, a libra.
Chocolate hespanhol e francez a 9oo e l.ooo
re. a libra.
nossa a 2,8oo re. a libra,
dem huxim muito superior a 2,7oo re. a
libra,
dem hysson a 2,56o rs. a libra.
Marmelada imperial do fabricante Abreu e 1(lem ,1VSS0M a ii000 e 2,2oo rs. a libra,
outros conservemos de Lisboa a 600 re. a
libra.
000 rs.
Knilhas francazas a 5oo rs. a lata
dem portUgue/as a 64o rs. a lata.
Massa de tomate a 64o rs. a Ubra.
Amendoas confeiUidas a 7oo rs. a libra,
dem de-casca-ole a 28o rs. a Ubra,
Avolans a 2oo re. a hbfa.
dem preto homeopathico o muilo superior a i
2,ooo re. a libra.
Frutas em calda de todas as qualidades a!I(leni na(.ionni a 1)Coore. alibra.
Batatas muito novas a 80 rs. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Babia
e de todas as in.ircas, como sejam: sus-
piros, havanelros, messacipes, regala im-
perial, flor das mattas, primores a 4,ooo,
3,5oo, 3,2oo, 3,000. e 2,8oo, 2,5oo,
'2,000e l,6oo re. a caixa..
Fir_IAO 11A WBOBi .
Nesta grande e bem montada fabrica de machinismo, a mais antiga aoii
tinua-se a executar com a maior presteza c perfeig3o encommenoas de toda a
de machinas usadas no paiz. tendo sempre prompto o seguinte :
Grande sortimento de moendas de canna de todos os systemas e
Machinas de vapor de diversas qualidades.,
Taixas fundidas e batid
Crivos c boceas par
Bronzes e aguilhoes
Rodas, rodutas e roda^d^aj,,
Guindastes ixos e portateis. f
Machinas de cylindros para padaru^ /
Sorras de ac para serraria.
Fatecoas para barcos, etc., etc., tudo por preco que bam




1



Diarlo de Pe ua*i))M*d fte&a felra 4 de Setenta* de t
/
GRANEO E COMPLETO SORTIMENTO DE MOLHADOS
Oi
<
s
-
1 eo
V y> O
s 5J
!* i "3
3 O
w a,
*9
-o <5 8
o a.
w -
V i.
o
%) a.
" s
^ -c: -
o < *
-O 3 -j 45 a
V H c<
^5 t O -
> s *" O g s a a a
o g -
*-d o O -
-O 09 i a
-3 t> o
a. O -~*
** o
"3 0 s 5r
e > a s
| t
- ^ o O 9* 3 a
O r^ o C3*
a sa_ ^
o "3
3 <9 O O
SsJ a
o rt S w
5C O "3 s 3 I
* 0
9i o * o
n 3 s o a a 0
* s. o 3
* "3 >
V. o "3 a
c O w
o
Vinhos em pipa: Porto Figueira e Lisboa, a
4oo, 44o, 5oo e 56o rs. a garrafa, e em
caada a 2,56o, 2,8oo, 3,ooo, 3,5oo e
4,ooo rs. do melbor.
dem lagrimas do Douro, especial vinho do
Porto mandado vir de corita propria a
lo,ooo rs. a duzia e l,ooo rs. a garrafa.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado, das seguintes marcas: Duque do
Porto, Feitoria, Nctar, Velho Secco, Cha-
misso, Madeira superior a 9,ooo rs. a cai-
xa e l,ooo a garrafa.
dem Bordeaux das melhores marcas: St.
Julien, Medoc, S. Esteph e outros a 7oo
rs. a garrafa, e 8,ooo rs. a caixa com urna
duzia.
dem muscatel de Setubal verdadeiro a 2,ooo
rs. a garrafa e 22,ooo rs. a caixa.
Garrafoes com 5 garrafas de vinho do Por-
to do Alto douro a 2,2oo rs. com o gar-
rafao.
Ide com 5 garrafas de vinho Figueira
muito proprio para a nossa estaco, por
ser mais fresco a 2,4oo rs.
Vinhos velho chamisso em barril muito pro-
prio para sobremesa por ser muite claro
e macio a 6oo rs. a garrafa e 4,5oo rs.
caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero a 5oo rs. a garrafa e 3,800
rs. a caada.
Garrafoes com 5 garrafas de vinagre de Lis-
toa a i ,2oo rs.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo rs. a garrafa
e ,4oo rs. a caada.
Velas de spermacet a 6oo, 64o e 68o rs. o
masso.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de encoramenda especial a 8oo rs.
a libra,
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
54o rs. e em barril a 5oo rs.
dem em potes de 4 16 libras muito fina e
propria para doente a 8oo rs. a libra e o
pote separado.
Banha de porco a 54o rs. a libra, e em bar-
ril se far abatimento.
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
de l,6oo, l,8oo, 2,ooo e 2,5oo rs. cada
um
dem londrinos os mais frescos que se po-
dem desejar a 8oo rs. a libra.
Caf do Rio de 1 e 2a qualidade de 8,ooo a
8,5oo rs. a arroba, e 28o a 3oo rs. a li-
bra.
Arroz caroliuo e do Maranho a 3,ooo rs. a
arroba e loo rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra e
em porgo ter abatimento.
Caixinhas de ameixas francezas de 1 4/2, 2
e 3 libras, elegantemente enfeitadas com
diversas estampas no exterior da caixa a
l,3oo, l,5oo, 2,ooo, e 3,ooo rs.
Fructas em caldas das seguintes qualidades:
ameixa, rainha Claudia, cerejas, pero,
ginja, pecego e alpech a 5oo rs. a lata.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 6oo rs. a libra, e em la-
tas de 1 '/i e 2 libras.
Ameixas francezas em frascos de 1 1/2 e 3
libras de l,4oo a 3,ooo rs.; tambem ha em
latas de l,ooo e 3,ooo cada urna,
Cha huxim miudinho mandado vir de en-
commenda especial a 2,8oo rs. a libra,
garante-se a boa qualidade.
dem hysson o mais superior a 2,6oo rs. a
libra, afianca-se ser igual ao que regular-
mente se vende a 3,ooo e 3,2oo rs.
dem pretomuito fino a l,9oors. a libra.
dem mais baixo, e miudo proprio para ne-
gocio a I,6oo rs. a libra.
Presunto inglez para fiambre o mais fresco
que se pode desojar a 8oo rs. a libra.
Genebra de laranja a 9oo rs., a frasco.
Chouricas e paios, os mais frescos que se
pode desejar, a 5ob rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa
e lo,5oo a caixa.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
8oo rs. o frasco
Licores francezes das seguintes marcas: A-
nizete de Bordeaux, Plaisir des damos, c^
outros a l,ooo rs. a garrafa e lo.ooo a
caixa.
Passas muito novas a 6,ooo rs. a caixa e
36o rs. a libra, ha caixas, meias e quartos.
Bolachinha ingleza a mais nova que se pode
desejar a 2,5oo rs. a barrica, e 24o rs.
a libra.
Azeite francez clarificado a 76o rs. a garrafa
e 9,ooo a duzia.
Conservas inglozas dos melhores fatricantes
Mixed a Pickles, ceblas simples, e outras
a 8oi> rs. o frasco.
Mostarda ingleza preparada cm potes muito
nova a 4oo rs. o pote.
Mlhos inglezes de todas as qualidades e das
melbores marcas a 5oo rs. cada urna gar-
rafinha.
Vasos inglezes vasios.de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de doce, manteiga
ou outro qualquer liquido de l.oooa 3,ooo
rs. cada um.
Palitos do gaz, a 2o rs. a caixinha e 2,3oo rs.
a grosa.
Mil alpista a 160 rs. a libra.
Milho painco a 140 rs. a libra.
Gomma para engommar muito fina e alva a
80 rs. a libia a 2,300 rs. a arroba.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Sabiio verdadeiro hespaohol que raras vezes
vem ao nosso mercado a 300 rs. a libra,
e em caixa ter abatemento.
SabSo massa de 180, 200, 220 240, rs. a
libra do melhor.
Graixas em latas muito nova a 120 rs. a lata
e 1,300 rs. a duzia.
Peixe em latas muito novo : savel, pescada,
curvin, salmao e outras qualidades prepa-
rados de escabexe, segundo a arte de cozi-
nha de 1,400 a 2,ooo rs. a lata.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
440 rs. cada urna.
Papel greve pautado e liso a 3,500 rs. a res-
ma.
Azeite doce de Lisboa muito fino em barril a
640 rs. garafa, c em porcao ter abati-
mento.
Champagne das mais acreditadas marcas a
1,000 rs. agarrafa c lo.ooo rs. o pito
com urna duzia.
Doce da casca da goiaba a 4oo, 5oo, 6**..
7oo, 8oo, e l.ooo rs., o caixlo grande.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez, e
suisso, das melhores qualidades a 9f>o rs
a libra.
Velas de carnauba e compotifilo a Ha, No,
c 4oo rs., a libra, e de lo.ooo a 11 .ooo rs.
a arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa a l.ooo
rs. aancoreta, e l,5oo a de Lisboa, estas
ultimas raras ve/es vem ao nosso mercado
pela sua boa qualidade.
Massas para sopa mararro lalbarim o aletria
muita nova a 18o rs. a libra.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Baha a 4,ooo, 3,8oo, 9,ooo efJSoon. i
caixa.
Scrveja das melhores marcas a 5,ooo rs. a
7,ooo rs. a duzia.
Biscoitos inglezes das seguintes marras:
Craknel, Soda, Ceee, Captan, TiimiBa
Lunch, Cobin, coutras a l.oo rs. a lata.
Bolachinha de soda especial encoiiiiniii..la a
1,8oo rs. a lata.
Iem Craknel em latas de 5, 7 e IB Hra .i
4,000, 5.5oo, e 11,000 rs. a lata.
Massa de tomate cm latas de Sao a Too re.
cada urna.
Sardinha de Nantes a 36o rs. a tala.
Toucinho de Lisboa a 320 re. a libra.
Tijollo de limpar facas a 16o rs. cada am
Ceblas a 9oo rs., o moMO.
Farinha de Maranho muito alva a chafean
a 14o rs. a libra.
Pimenta a 36o rs. a libra.
Cominho, cravo, erra doce, enxofrc, paUoa
de dentes cm caixinhas que todo vade*
mos por haratissimo preco.
Ricas caixinhas com confeites efrucUis se-
cas muito proprios para mimos jm-o l.ara-
tissimo prefo de 1 ,oo rs. cada urna.
A lhmis c<'ni pe fumarias.
Muitas vezes aconteca que se procurando urna
bella galantaria para se olfertar a una seuliora ou
menina em seus aniversarios, ou mesmo na
Baratisslmas bandcljas. Novas ciutas elsticas pura seohoras
A aguia branca por muitas vezes tem da-; casullas.
do a conheccr que quando acha alguma pe-' A reconhecida utilidade dessas necessarias cin-
Chincha. lia,) quiH- somente com ella encher ^^f^l^\'wnJ^.e"1 A^l^^^, amarrac^odas mestras destas, se nao achava cousa
o papo, ao contrario deseja que toda sua boa tg^SSSAlSSA 1 nlotder m! F sal's,izesse' agra,' P^j:l ^ deve succc"
freguezia e o publico em geral prvem da SSSK!KWW
mesma, o que agora mesmo acontece com don buscar ma.s..igama.,^ ah.m de^^Ty^SSSS^^^^^^lSbSl^
perfuinai'ias, cujo gosto e novidade llies d a pr-
mazia. A aguia branca folgar de contente se
offerlas rccaliirem sempre em suas predilec-
tas freguezas, c quando assim nao seja, nao hi.
mal, porque a mimoseada reparando na singulari-
dade do objeeto, querer desdo logo alistar-se no
Liicoiuiucuuas uagina branca rcccbi- Damerodaneltas. Km tudo ocaso bavendodi-
daa ni-1n ultimn-------- nheiro,dirijam-se ra do Queimado, toja daguia
D- i. u'nio vipr. branca n. 8, que tudo se arranjar.
Ricos pentes de tartaruga com chapa de madre- f.hegararn |Uvas de pellica para a loja d'a-
pci-oia. uia |,ranca rua Q Queimado n. 8.
Bonitos leques de madr?perola.
Delicadas caetas de dila. Delieadas tesoci-inlias d'aeopara
t5SEE2 SC,i/n |)a,a baPtisad0S- bordados e labyi iul luis.
oicos ae seda brancos e nretos. i j-j u j- .
Buuitascaixiulias com msicas e sem (lias para A Pedldo de l?mM *onho as pred.cletas
qualidades: avista no que convem a toaos a- ija dVgua branca, rua do Queimado n. 8. Se a
proveitarem-se dessa opportuna occasio e aguia branca precisasse de semelliante obra de
proverem-se dum traste sempre necessario, "crtodcsla vez nao (icaria sem ella.
e que lhes costar ana motada do justo va-
lor. Assim, pois, dirifrirem-se com dinhei-
ro alegre e espacosa loja (Taguia branca
rua do Queimado n. 8.
Os afamados eopos eom banha. e
' boies com inscrlpccs.
Chegaram novamente para a aguia branca
INJECCO E CAPSULAS
VEGETAES ao MATICO.J
GRIMAULT E C' PHARMACEUTICOS EM PARS
Novo iratanienlo prt'[)aiuil>i cojn a fullm de !Ua(lro,rvore du Prru.paru a cura rpida e Infalliwl
da Gonorrhea sem recelo algum da contracto do canal ou da nflamina<;ao dos intestinos. O clebre
doutor Rlrorrf, de Pars, ter rennneado, desde sua appari^Ao, aoemprgo de qualquer outro traiineoto.
Emprega-se a injcrr no cm(o do limo, as capsulas em todos M casos chronicos e invtteradoa, que
rcsistirSo s preparac,5es do copahu, cuheba e s injecceg com base metallica.
Depsito geral: em Parit, em casa de MM. Grimault e c, pharmareutii'os, 7, na de la Feuillade;
cm Lifboa, Jaa-AgasUah* da Caata-Carvalha Jnior; no Torio, Miguel Jane de sauza Frr-
relra; em o IIio-de-Janeiro, Gralaa, 102, rua S- Pedro; em Baha, .iuB*|tla-
hrlra; em Rio-Grande, Joaqun de Godoy; em Maranho, Frrrelra e Ca em I'ernambvco,
skoum e C, rua da Cruz, 22; Souaa, e as principaea pharmacias do Brazil.
AGE.NCIA
DA
FNDICAO DE L0W-M0G1.
Rua da Snizatla ioa f 2.
Neste estahelecimento roriiinoa a
um completo snrtimento i!e nnwndas
moendas para engonho. nia.liias ile vapor
e tachas de reno batido a toado, de Mm ob
i tamaitos pan ditos.
Deposito geral em Peruambueo rua da Cruz n. 22 em casa de Caros A Barbosa.
Vinho do
uita attencao
esses afamados e estimados copos com banha costura.
tina; assim como os bonitos boies de por-
oeHana dourada tamk'm com banha, e novas
lscripcoes maviosas e jocoserias, mui ade-
quado para presentes resta porem que os apre-
ciadores oonccrrain, munidos de dinheiro,
alegre e espacosa loja d'aguia branca rua do
Queimado n. 8.
llieas giiarnices de pentes e
flvellas para cintos.
A aguia branca receben novas e ricas!
guarnieres de penU-s dourados, e com pe-
dras; assim como outras bordadas froco e;
com bolas pendentes, novidade essa que s
66 acha em dita loja, e que na verdade se j
tornam mui alegres e bonitas; e bem assim
receben lindas livellas com pedras, c ditas
'aeo com dovos c engracados moldes, cintos
dourados e de marroquim; e muitos outros
objectos de gosto para senhoras sero encon-
trados na alegre e espaeisa loja d'aguia
branca rua do Queimado n. 8.
Ciraxa econmica.
Trancdins de loa para enfeites.
Filas de seda estrenas para ditos.
Ditas de velludo com listras pan barra* de ras
tidos.
Aspas de balea pai-a vestidos.
Ditas de ac para espartilhos.
Nandes de dina.
Pulseiras de contas para meninas.
I'os para abrir latas e port-charutos.
Essencia de ail para engommados.
I'i'is Ingeneos de Lubin para dentes.
Leile virginal para tirar sardas.
Dito d'ires para extinguir as caspas.
Vinagre aromtico para vertigens, dores de ca-
bera, ele.
Cosmctique surline para cabellos.
Pomada para bigode.
Itenda de fil, lisa.
freguezas, a aguia branca inandou vir dessas de-1 __
liradas tesonrinbas d'aeo pontas agudas, proprias
para bordados e labyriuthos, e urna vez ebegadas
Arados americanos e machinas p.^ra
lavar roupa: em casa de s. i. JohiistonAC.,
rua da Senzalla Nova n. te.
A ssnear do Movteiro
Rua do Imperador n. 28 e ca.s da Apolk
67, a 200 rs. a libra, c de 8 libras para en
a 5|600 aarroba.
Porto superior.
Vende-sc em caixas de urna duzia : no escripto- i
rio de Antonio Luiz Oliveira Azevedo & C Aos seares martimos c agricultores. Muita
_______,___________________________vez passam por nossa idea desapercebiikw, rerue-
I 'i-i ii li i di- iiiiiuliuei ra llllia Ue HWW ,- | en.nregodos quaes se evitara grandes prejuizos
como de facto chegaram, a agina branca convida j em saceos grandes, c de superior qualida- e nao pequeos damnos; nesle caso est o alca-
AmorirE n. 35. | applicacdes que tem na marinha, etHcascissimo
_____________________________para malar as formigas, esse terrivel flagello da ao in.inff.
Mf m wki Afk, agricultura, destruir radicalmente o cujiiu e con- fugw do engenli i Afalaia. fr.gi:
ib au MU'tw *nir n- iM.ni<-ii.i> iM'iiias dai(ucllu tcrriel vr- "baeiii, no da 10 do corrciife, o e.-eravo Pi_
filia (id mnrim m i.^ me, e dar una durayao infinita s fenagens .-m ''"' "l:"1'' w annos. crionl. fr fula, hutaa
que fr convenientemente applicado : em latas de corpulento, com falla de denles na fmiir,
n.
as de mais senhoras HU boas (regoans para
aproveilarem-se da oecasiao e bem empregarem
seus 25 em cada una dessas iiissimas tesouri-
<>\... ii.i ...-i 1......I du qu4 aaadttam par chupar tardo :
(|iiem se demorar em as mandar romprar no ale-
BJTO e espacoso ninho d'aguia branca, rua do Quei-
mado n. 8* onde tambem ha outras curvas e direi-
las para unlias.
Vende-se
no arniazem de Manocl Marques de Oliveira na
rua da Moeda n. 9, agurdente de canda em bar-
ris e meias pipas e pipas, cal de Lisboa a S em
p, azeite de carrapato em barrk ou caadas, niel
em harria em pequeas ou grandes iweoes.
r
ESCEAVOS FUGEOS.
mnrim n. 4S.
Xtt farel, df LislK)a ora ,saccos 8randes- mala de tres caadas a ^rc^7uitta7e em"ba7 r ><->!,oiado da ci
com .ni noras, pelo barato preco de \,% rs com cerca de seis caadas a ,K00 cada um : i "los, deaconBa-ae pa i.-nha lomado a dirrepa
~ _^--------------- no armazem da bola amarella, no oilao da secre- Jo llcc'fe P0"- eslar vendida nesia praca i .-
Wj, % mB'j Ir^l Uria de polica. Igncz. a qual era sua companlu-na. diu nm-m
,., i ---------------r-----------:----------------- .inora para asparles da Maffdaleaa
l'olassa da KUSSia. auioridadespotifiaes c i
Vende-se urna porcao de lagedo de _
gado hontem no brigue Bella Figuetrense :' a tratar
no oscripiorio de R. itabclio, rua da Cadete nu- Vende-se em casa de N. 0. Bieber dr
successores, rua da Cruz n. 4.
I'.:..!
campo
r. 3J
.- o
mero oo.
I apprehemlaiu e levem ao dito i-ngenlH>. n
\ da Praia ao Sr. G
i recompenrado.
v" | da l'raia ao Sr. Genuino Jos da I',..si. |M -era
DOS PREMIOS
DA 6.
PARTE DA
3.
64
lotera, concedida por le provincial para a EDIFICACAO da CASA DO GYMNAZIO PERNAMBUCAN) (3. CONCESSAOJ
SETEMBRO DE 1863.
i:\TRAIHDA EM % lE
A aguia branca acaba de receber essa acredita-
da graxa econmica, cuja superioridailc est ge-'
ramenle reconhecda : essa boa grava se l'irna
reconinieudada, lano porque o calcado lustrado
comella deixa i'Cifeitaineiile lustroso ao menos
tres (lias sem ivri'ssi.lade de novo unto, como
mesmo porque sua preparaeao approprada para |
amaciar e conservar o cmiro"; ella vem em caixi-
nhas e barrizinhos. e acha so venda na rua do
Oueimado n. 8, loja oTaflraia branca, aos reznmidos
precos de 400, 600 e MO rs.
Babadinhos estreitos el>or<1ados
Vendem-se na rua do Queimado n. 8, loja d'aguia
branca.
Capachos conipridos e redondos
Vendem-se na rua do Queimado, loja d'aguia
branca n. 8.
TERCOS
o
e eoras de cornalina.
A aguia branca pensando constantemenle em
bem servir a loda a sua fregnezia, notou que ainda
nao baria feito algum agrado a aquelles que pru-
dente e acertadamente csando, cumprcm dever de
bom christao, c quando reparou essa sua falta,
mandn vir e araba de receber delicados tercos e
coras_de_cornalina com cruz de prata, os qpt&i
deixa disposieao dos fiis que estiverem dispostos
a gastar 15500,2,8 e 33 para possuirem um bonito
di co ou cora, com os quaes podem mesmo pedir a
Deas pela prosperidade d'aguia branca, em sen ale-
gre e espacoso ninho da rua do Queimado n. 8.
Itahnzlnhos com perfumarlas e
sem ellas.
A aguia branca vende bonitos bahuzinhos com 6
frasjuinhos decheiros por loOO e vasios por 800
rs., servindo estes para meninas, e mesmo para
ioiaS) etc., etc. : na rua do Queimado, loja d'aguia
branca n. 8.
i Julias maclas e lnstrosas para
bordar
vendem-se na loja d'aguia branca rua do
Queimado n. 8.
VnW.siiuos e bonitos enfeites
para caberas.
Quando o bello sexo senlia a falta de bons
enfeites para cabeca, eis que a aguia branca
recebe urna sua encommenda de bonitos e
delicados enfeites, e de modernissima moda,
muito servindo isso para sanar aquella falta,
e fazer com que as Exmas. apreciadoras da
bella empreza Coimbra possam melhor real-
sar e mostrarem o apurado gosto que as
guia. Esses enfeites sao d'un tecklo bas-
tante fino com continhas d'aeo, e mui bei
enfeitados com flores, fitas, bicos, plumas
etc., entretanto que sendo obra de muito
gosto costam S, 64- e 16 dinjieiro vista;
na espacosa e alegre leja d'aguia branca rua
do Queimado n. 8.
NS. PFIEMS.
!) 53
11
V
n
2:1
:io
:n
33
0 -
11
4o
46
51
54
o7
:)
C4
60 103
67 "tf
70
71
73
74
77
82 __
87 _
90
91
92
94
95 10*
96 5
98
101
4
6
7
9 __
17
21
2? __
26
87
33
39
46
48
49
30 V
M. z
62
65
N9-
167
69
70
73
74
77
78
82
83
87
89
92
' 93
94
97
98
202
17
18
24
36
49
00
62
73
74
76
79
81
84
83
88
90
94
97
99
303
15
19
20
24
27
28
31
36
41
42
43
43
46
47
31
52
PBPM8.
NS. PHKMS.
10
105
*
1004
84
10-5
103
I00
404
A
40*
5*
357
58
64
60
69
73
75
84
85
89
90
83
98
99
400
2
13
20
22
23
31
36
38
39
46
50
59
68
74
76
77
80
82
85
87
93
%
99
500
1
2
6
7
9
11
12
18
23
26
28
34
37
38
10*
5*
20*
5*
10*
5*
NS. PREMS. NS. PKEMS. NS. PREMS.
540 54 717 10* 878 5* 1081
41 IB 3* 79 82
4 23 80 84
50 26 81 89
51 n 83 92
53 3J 84 94
Bl 34 86 - 96
57 36 89 ~^ : 97
50 41 91 *- 99
60 42 92 -1100
62 43 98 4
64 49 902 9
71 53 7 10
7:1 39 __ 11 16
76 60 _ lo ._ 17
78 61 __ 22 _ 19
80 74 __ 27 20
81 78 __ 31 22
84 82 __ 37 24
87 84 ^_ 38 ^^ 26
88 _ 85 39 _ 28
89 _ 87 __ 42 mm 30
90 89 60 _ 31
92 92 _ 61 " 32
97 93 69 34
602 94 _ 74 37
10 96 __ 78 0
12 801 __ 94 42
16 2 _ 98 43
23 3 __ 1008 44
28 flaafl 12 45
36 7 --- 14 47
37 8 __ 15 51
39 16 __ 20 53
40 21 _ 22 53
41 26 _ 23 58
42 29 __ 25 64
45 10* 31 20* 26 20* 66
51 5* 32 5* 31 5* 78
55 33 32 82
57 10* 39 36 20* 84
62 3* 40 37 5* 86
69 43 39 91
70 47 20* 41 40* 95
72 48 5* 46 5* 97
73 53 55 1203
78 m\ ... 36 6
80 57 __ 61 7
81 62 __ 65 11
85 63 68 18
93 65 20* 76 44
98 66 104 79 av 16
71* 70 5* 80 21
NS. PREMS.
5*
10*
5*
NS. PREMS. 1 NS. rnlMl
1371
72
74
80
82
83
84
87
90
98
1409
17
18
19 10*
34 3*
45
52
55
57
58
60
70
71
72
74
78
80
82
83
85
89
90
94
96
1503
4
5
10
11
12
13
15
20
21
24
25
28
33
40
47
51
56
m
2222 3*
23
25
26
29
31
34
38
42
43
46
31
54
55
61
66
70
76 _
77
82 os
90
95
99
1304
6
7
8
10
14
21
26
2
30
32
37
38 10*
39 5*
43 10*
44 5*
47
48
55
58
59
61
62
63
64
65
66
68
69
70 10*
NS- PREM'^.NS.
1563
65
67
69
70
73
75
76
78
79
80
82
84
85
87
96
97
1600
3
11
12
14
15
17
21
28
30
34
36
38
41
43
47
48
54
55
57
58
60
64
73
76
85
86
87
89
9i
92
94
1701
4.
7
9
50 1710
13
17
18
29
32
36
37
44
48
51
53
57
61
69
72
76
82
83
85
87
89
90
91
93
95
99
1801
3
5
7
9
11
17
24
32
35
36
45
49
59
62
65
74
76
77
85
91
92
95
97
98
PREMS.
53
10*
5*
O escrivSo, Semiano Jwe* de Moura.
3:000*
5*
40*
5*
10*
5*
BMf
NS. PREMS. NS. PREMS.
1905
7
8
11
17
18
22
26
30
38
41
44
46
50
51
52
53
54
62
65
66
70
73
76
79
84
87
91
93
96
97
2000
3
5
10
11
13
28
29
31
33
40
41
50
55
60
61
63
66
71
73
80
8A
5*2083
89
5*
20*
5*
20*
5*
20*
5*
=
90
95
99
2101
4
8
11
13
14
16
18
19
27
28
31
34
35
38
39
41
43
57
64
65
70
85
86
87
95
99
2200
82
25
30
40
41
44
45
51
53
62
67
68
72
75
80
84
87
88
m
83
NS. PREIS. xs. PIIEMS'XS. PftEMB. \s.
100*
5*
204
5*
2299
1304
I
7
12
16
22
25
27
35
38
41
46
52
55
67
H
62
68
73
74
75
77
86
90
95
97
99
2400
7
9
10
19
23
24
25
26
28
31
32
35
39
43
47
48
55
56
60
61
65
68
73
7*
'O
10*
5*
10*
5*
200*
10*
5*
475
76
82
B3

8*1
87
88
89
97
501
I
4
6
7
8
11
M
17
18
23
26
27
29

36
43
44
46
48
49
52
54
57
64
71
72
74
76
80
93
96
2604
9
14
17
80
80
88
89
30
.11
34
5*
1.11003
807
40
48

i'.
71
-,
IOS
.'i*
_ 74

m
94
%
07
99
270|
4
5
6
II
12
14
82
25
86
31
34
38
39
40
43
49
53
5*

68
67
77
79
81
86
80
91
2802
3
9
lu*
m
w*
K*
20*
5*
404
5*
W*

28.t4

BJ



52
:

73
I 7*
77
7
m
<:
as
88
ai
M
96
tH
8903
7
a
13
14
34
49
42
4.1
44
U
47
**
10*
5*
_ a -
7
71
77
79
89
39
Hkft
Pern.Tfp. t Jfc 9. da Paria d JVIto.-fSM.
V


s
Diario e Pernambueo ... ftexfe felra 4 e Hemltro de I *3.


i?:'
LlTTERATOM.
Sngrala escollia de um viver ditoso
(Hpu piedoso me quizesse dar ;
io lueabalavam da sciencia os louros,
! mil lliesouios, nem feliz, reinar*
Tijnspor dns cysnes immrtacs esplieras.
Por Jungas eras perdurar, viver.
Tordos lyrannos a onlade escrava :
Nvh bastan para meu querer!
Mais alto premio no sonliar diviso,
Quizepa um riso desses labios leus!
L6r em teu roslo compassivo agrado,
Anjo adorado dus niariyrios meus!!
Vr-te Andandosobre met destino
O arcar sem tino que infeliz deploro ;
Gravar meu nome na tua alma pura,
Eis a ventura que dos cus imploro l
Sim agradar-te por um s momento,
D> olliar aliento merecer-te a luz,
E' ser das glorias o supremo dono.
Rofajno vlirono que no cu re luz !
Eia! me onsina como het de amar-te,
Como, provar-te meu eterno amor !
Que mais lu queros para dar-me vida
Quasi perdida pelo leu rigor? I
Sabes que amando leu desprzo altivo
Sem unitivo minlia dorser,
E tu, que tli/es ? rae vers, contente.
Correrdementepara a morte ja? !
Sinistro sonlio maldico incrivel!
Tu impassivel na friesa atroz ? !
Tu esperanca que seduz minha alma
Trazendo a palma de irrisao feroz ? I
Bem corto as azas do infeliz desejo,
Ouando te vejo para mim cruel !
Mas ah que livres o qur nao temos,
Quando bebemos amoroso fel l
Feliz quem pode no cruel cansaso,
Um forte laro desatar de amor l
Feliz quem pode, sem tornar-se louco,
Nadar bem pouco ueste mar de dr !
I'rca invisivel, que dos cus descende,
F.tal me prejide sbreos laresteus !
S de adorar-te na feliz lembranfa
Surge a esperanca nos destinos meus !
S livre a seta que veloz partindo
La vae zunindo sobre o alvo ter,
Se pode a ierra no girar constante
Do sol brilbanle a directo perder :
Se livre a nu que no furor dos mares
Estranhos ares vae alm buscar,
Se pode o fogo se mudar em glo.
Por ti muzelo poderei deixar !!
Ah nao me mates de cruel sorpreza
Nesta incerteza, em que me ves morrendo!
Poupa-me ao menos ncsle meu supplicio
O sacrificio de sorrir gemendo !
O amor intenso, que meu ser devora,
Paga-me agora cora um s favor :
Se has de erir-me com despreso injusto.
Tira-me o susto, d-me logo a dr!
A dr ao menos quando fere, insana.
Nao nos engaa prometiendo amar ;
Mas esle ambiguo vacillar tremendo
Mata, dizendo que nos vem salvar!
A dr previne com o rigor de longe,
Qual triste mongo que o mortal repr'hendc ;
E a maga ncerta no brilhanle ensaio
Funesto raiosobre nos desprende I.......
Reprime as ancias de meu pcito aTlicto,
Faz-nie contricto reviver de p;
Tem piedade por desgraca tanta,
imprimesantano mai lyrio a f !
Ti realisas meu douraJo sonho,
Anjo risonho do destino meu.
Tu s na vida meu divino escudo,
Eu vejo ludo polo prisma leu !
Chorando encaro meu porvir sem norte
lia iniqua sorte nos sombros vus :
Mas, quando pens no viver com ligo.
Meu fadoamigo rae remonta aos cus!
Recifcagosto1863.
Catao GUERBKIBO r>E Castro.

-----
SLTnS! 5 "ntro das ?Pf> que I Rolativamen,e a Pandade se quera esta- completa e permanente pacificaeo do reino da Po-
^*%^^ -nosimpossiveUomp^r desesperanza
nos importa, como a tal respeito pensam os nossos
leitores.
Fazemos por levar a vida alegre, tomando por
divisa oDum vivimus, vivamusdo bebado de
Horacio.
\h\ vae a traduceo:
Deiwis que tivercm passado sobro o nascimon-
\ potencia Immana o u serillo \l\.
i:"A-ii;i.i.\i:i:- MJX.vxo-rmi.osoi'iueAs.
Tvas voulu. tu fot voiu,
George Dandin!
(Moliere.)
Datara da mais remota antiguidade os esforcos
do homem, a querer imitar a divindade na pro-
durro dos ser-; animados. Schot, na sua lerhi-
C'i curiosa, seu mirabilia artis.
Kincher. Lana, 'orn. Wilku, Caus, Borgnis
un sen tratado das machinas le imilaro, c tantos
oniros, quo nao citarnos para evitar ao lcitor a de-
sagradayel pronunciar do nomes pouco cupho-
riicos. sao a prova da verdade que ayancamos, se
anda preciso, pan algucm, provar a existencia,
cmsnmino gran, da raidade humana.
Aula Grito, que florecen pelos annos 130 da rin-
da de Jess Christo, diz-nos as suasNoutes At-
l '/..no livre 10, cap. 21, que muitos escriptores
gregos, e entre outros o sabio Ftuorino, asscgu-
ram que Archilas Diera um poinlio de madera
que tinha a propriedade de voar, jxir meio de um
i ^echanismo i|iie ein si encerrava.
Se, porm, Ibe aconteca cahir, nao poda. por
si reerguer-se.
A bislora da edade media aponta-nos militas
obras primas dcste mesmo genero.
Os autores, que mais cima citamos, affirmam
que Joo Mullir fabricoU urna aguia, que voava, e
urna mosca de ferro, que mal se soltava, esvoacava
em todas asdirecjoos de urna certa zona, e volta-
va apousar na mao do sabio que a crear.
tkmJoao Muller, conhecido pelo Regiomontano,
nao era nm homem de nonada : era um sabio,
mas um sabio do secuto XV, que, portanto, esta-
va mnito abaixo dos sabios do seculo XIX.
iz-sc deste mathematico notavel que, alm de
outros trabalhos, que mostravam a grandeza do
seu engenho. tambem fo autor de urna prophecia,
de que se hade rir priineira vista a maior parte
dos no-sos leitores, i>!o aquella parte que tem o
espirituoso talento de mofar do que nao entende.
Nos, porm, lavemos de apertar os galhofeiros
quando lhes dissernms que a prophecia designada
para o anno de 178!, e nelle realisada, exista no
annode 17H0 ; porque nesse anno fo transcripta
no Mercurio, de Franca.
Pde-seainda duvidar que ella fosse, como sem-
pre se disse, obra de fono Muller, que falleceu em
liorna no anno de 1476 ; mas, pota, que ella exis-
ta, e fui transcripta no Mercurio em 1780, isto ,
nove annos antes de realisada, o que se lucrara
cm attrihui-la a oulro. isto em duvidar que fos-
se determinadamente deste, ou daquelle, quando
na rcalidade de algum era ?
Nao o nosso 11 m provar que a prophecia era
de Joao Muller. mas provar tao smente a existen-
cia delta, e com essa existencia o adiantamento
das sciencias naquelles tempes, adiantamento, que
alias, nada, comparado quasi divinisaeo dos
boniens da nossa poca.
Tradujimos a prophecia do latm, porque nem
todos os nossos leitores apreciam as linguas mor-
fas, senao quando producto da arte ordinaria.
Para muitos driles o Vattel de Lnk XIV, que se
traspassou com a previa espada, por lhe nao che-
par atempo a encominendada maro de anguias,
homem mais importasi> das gentes.
A menos aquelle matou-se pelo sen rei, quando
este apenas rcconbeceu direitos aos povos.
Nos, que nao sabemos hoje quem vive, se vive o
povo, se vive o rei, eom o que pouco nos importa,
mos obrigados a repellir com energa qualquer in- sem certas reservas
sinuaco deste genero. SflgaDdo 0 nosso enlender) a ^^^ do
Pelo que diz respeito finalmente forma pro- r6'00 "a Polonia deve, em todo o caso, ser prece-
posta pela Russia para chegar a um accordo, j dida de restabelecimento daordem nopaiz. Este
declaramos em S. Petcrsburgo, que a combinacao resultado -depende de urna condicao, sobre a qual
- cstabelecida entre os tres gabinetes de Vienna, ,emos chamado a attencao do governo de S. M. a
^JXSSstt^nyc^eTSSe; Londres e Paris, forma entre ellos umlacoquea r^ha de Inglaterra, condicao que nao smente
le, os acontecimentos mais funestos. Austria nao pode romper actualmente para neg- na0 esta Preencmda, mas da qual nem mesmo se
Se nesse anno nao perecer o universo nteiro,
se nao volveren* ao nada a trra, e o ocano, se-
rao ao menos, derrocados os imperios mais pode-
rosos.
Como ha muila gente que l trelendo, bom
lenibrar-lhes que o anno seguinte a 1788, fo o de
Repetimos que a prophecia est impressa no
Mercurio, de Franca de 1780.
E digara l os sabios da i
Qne segredos sao estes da1
Mas voltemos aos productos do engenho huma-
no, que modcstamemte se acobertam com o ttu-
lo de rnecanica, que vale mais do que a fidalguia
de hoje.
-Nao v desta quartada inferir por ah algueni
que somos tao mesquinho que na nossa geraclonao
houvesse conde e ladrao.
Seria um grande engao, porque neste ponto 6,
sem excepfo, a todos applicavel o nos quoque do
parito mtrico.
O conde nunca o conhecemos; verdade: o la-
drao deve andar por entre os nossos livros, as jkw-
i cettana que onde agora os d o soneto do Sr. de
S. P.
Continuando na technologia, sabe-se que Alberto,
o Grande, mathematico do seculo XIII, construiu
i um automato de figura humana, que ia abrir a
' porta da cela quando alguem ahi vinha bater; e
j que arliculava alguns sons, como para fallar pes-
soa que enirava.
O padre Sckott, na sua obra intituladaTechnlca
curiosa, falla de um automato, que articulava al-
guns sons, e que eslava exposto no musu do padre
Kirchei:
Mas nenlium dos productos deste genero dos
seclos passados comparavel s obras de Jacques
i/e Vaucanson, fidalgo, que s passou jwsteridade
por mecnico, e que nasceu em Grcnoble a 24 de
fevereiro de 1709.
Voltiare, celebrando este grande homem, disse
delle os tres seguintes versos :
Le hardi Vaucanson, rival de Promeths,
Semblait, de la nature imitmit les ressorts,
Prendrele (cu de^cienuxpour animer lscorps.
Este celebre mecnico tinha chegado a imitar
com perfeicao, nao s os movimentos exteriores
dos animaes, mas at as suas funccSeas vitaos
internas.
Todos terao ouvido fallar do seu pato artificial,
que bebia, grasnava, bata as azas, levantava-se
nos pos, vira va o pescoco i um c outro lado, e o
estendia para colher o grao, que engulia, digera,
c ate evacuava pelas vas ordinarias.
Vaucanson tinha imitado todos os gestos do pa-
to ; o seu automato abocara com precipita^o, e
apressava o moviraento da goella at levar o ali-
mento ao estomago, qne ahi passava por urna ope-
racao que lhe mudava a forma e a apparencia. A
materia, assim transformada, era conduzida por
tubos at ao anus, onde baria um sphincter, que
lhe facilita va a sabida.
As azas tinham sido copiadas exactamente das
de um animal vivo, com as formas, cavidades, e
articulacoes de ossos que lhe constituem a struc-
tura. '
Outro automato do mesmo mecnico representa-
ra um fauuo tocando flauta, pelo modelo da bella
estatua de CoySevox. fcxccutava deze arias com como nos deseja collocar a questao em terreno que
muita precisao; os beicos taziam os movimentos I ^""ldU K"> wieuo qut.
necessarios para modificar o vento que entreva na | nos "creca uma wufao pratica. Antes porem de
lauta, augmentando, ou diminuindo a sua rapidez estabelece-la nesta base, julgamos til por bem pa-
conforme os diversos tons, com o concurso de va- tente as respectivas situacoes.
riaces na dsposicao dos dedos e dos movimentos, I n k.. ^ i j......
iue recebia uma vlvula, que servia de lngua. I gnete imperial adrante o principio, de que
Rivarol refere as notas do seu discurso sobre a'toda a lotencia signataria de um tratado, tem o di-
universahdade da lingua franceza que o abbade reito de interpretar as cousas segundo o seu modo
^lTfUi0 duas fabeas colossaes de b,ronze' I de ver, logo que esta interpretado eslea compre-
ln.ei!as pronunc,avam dmme P,,rases! hendida nos limites designados.'
Nao tendo o governo querido comprar-lhas, o' t Em virtude deste principio, o gabinete impe-
RSS^A'S^SSbSSSS rial nao discu,e os direilos de nenhuma ^. oil i-
geneiaem 178fi. tencias signatarias do tratajjp de Vienna clebrado
O jogador de xadrez do barao de Kempelen em 181;!. A experiencia, Maiad* tcm'troiii^fis
incontestavelmente, entre os automatos o que mais! trado que o excrcicio de um tal direito nao proluz
oceupou a curiosidade do mundo no principio 0 resultado pratico
ciar em separado com a Russia.
t V. Exc. pode fazer leitura deste despacho a
Mr. Drouyn de Lluys (lord Russell).
A peticao de Langiewitz, entregue na cma-
ra dos deputados austraca, concebida nestes
termos :
O abaixo assignado entrou sem armas a 19
de marco ultimo, no territorio austraco; fo im-
mediatamente preso e conservado sob rigorosa
guarda at 2 de abril no castello de Cracovia, fi-
cando vigiado desde 3 at 29 de abril, e actual-
mente acha-sc preso debaixo de rigorosa guarda
em Josephstadt.
Tendo o abaixo assignado dirigido em 8 de
abril ao governo uma peticao para que lhe permit-
tisse partir para a Suissa; renovou por differentes
veies esse pedido, qne sempre lhe fo recusado :
dirigiu mesmo a este respeito uma peticao ao im-
perador, feita pelo ministro da polica, de que nao
liara motiro para ser entregue a S. M., nestas cir-
cunstancias, pede humildemente cmara queira
intervr junto do governo, para que este lhe per-
mita sahir para a Suissa.
t O peticionario julga poder fundamentar este
pedido nos seguintes motivos :
c Io Como subdito prussiano que satisfez a obri-
gacaodo servico militar, e que nao est implicado
em nenhum processo civil nem criminal \ tem o
direito de emigrar da Prussia, ou de residir na
Prussia ;
2 Sendo os refugiados polticos admittidos na
Suissia sem passaporte, a falta de passaporte nao
poda impedir que se dirigisse quelle paiz.
3* Como depois de uma detencSo de dezeseis
semanas enhum processo appareceu contra elle
na Austria, nao existe certamente motivo algum
para lhe impr uma resistencia forcada na
Austria ;
4 Os deveres de neutralidade para com a
Russia nao ficaria lesados com apartida do peticio-
nario para a Suissa, por issoque mais se affastara
anda do theatro da insurreicao.
Josephstadt, 6 dejulho de 1863. Langicuilz,
Encetamos a publicado dos ltimos documentos
dados luz na Europa, sobre a questao polaca :
Io. Notado prncipe Gortschakon* ao barao de
Rurnoff.S. Petersburgo, 1 de julho de 1863.
Sr. barao : Lord Napier foi enearregadoWme lr o
despacho junto do ministro de sua magestade a rai-
nha de Inglaterra. Vemos com prazer que lord Rus-
sell conhece como nos quanto estril uma con"
troversa prolongada relativamente Sgnificacao
doprmeiro artigo do tratado de Vienna; e assim
deste seculo.
Em 1809jogou uma partida de xadrez com o im-
perador Napoleao, entao em Schoebrunn.
Eis como conta a scena uma testemunha oceular.
Cnllocou-se a figura, e o seu taboleiro no meio
as experiencias feita s em 1831 provam que s
se obteve tornar divergentes as opincs Apesar
! disso, o direito existe c estende-se mais alm que
salao, e o imperador em frente do antagonista. Os os limittes que indiquei cima, fado que se nao po-
circumstantes conservaram-se a 3 ou 4 ps de dis-1 dia dar sem o consentimento expresso da parte con-
tancia, attentos ao que se passava.
Napoleao jognu 3 ou 4 lances com milita regula-
ridade : depois moveu erradamente um cavallciro.
O automato repoz-lhe com muita gravidade a peca
no seu lugar, e jogou, visto que o adversario tinha
perdido a vez.
O imperador fez oulro movimento errado : o au-
tomato restabeleceu ojogo : masao terceiro erro o
automato nao pode mais conter-se ; passou a mao
pelo taboleiro, e lancou ao chao todas as pecas.
O imperador levantou-se risonho, c moslrava-se
satisfeito de ter impacientado at a um automato.
Esta scena tirou as ultimas duvidas sobre a
verdadeira natureza do instrument. S um au-
tomato se atrevera a profligar com tanta temerida-
de os erros de um rei.
tratante mais directamente interessada. Portanto,
ao gabinete imperial compete-lhe manter a estricta
applicacjio deste principio, observando o procedi-
mento havido para com elle no mez de abril ultimo,
relativamente aos acontecimentos que se deram no
reino da Polonia. Se em resposta a este convite
cntra mais profundamente no assumpto, porque
csta disposto a procurar a coneiliacao e responder
com urbanidade a um appello que tem o mesmo
carcter.
fez mencao no despacho de lord Russell. Falla-
mos da assstcncia material e da forcaobtida pelo?
insurgentes.
Nao sabemes de que fontes dimanan as n-
ormacoes obtidas pelo governo inglez, para for-
mar o seu juizo sobre o estado dos negocios polacos,
presumimos que nao vem de origem imparcal. Ve-
mos lord [Russell eslabelecer uma especie de se-
melhanca entre as noticias publicadas pelo joma
de S. Petersburgo,-depois dos documentos forneci-
sob a responsabilidade do agente do governo, e os
que appareceram nos jornaes de Londres, sem dis-
cernimento ou sem garanta, vistas as publicagoes
suspeitas da imprensa revolucionaria da Polonia-
^ conflanca inspirada por estas publicagoes
tem por mais de urna vez suscitado deelaraces
que, apesar dos desmentidos formaos dados todos
osdias pelos acontecimentos, tem contribuido para
trazer Iludida aopiniao publica em Inglaterra.
por esta razao qu se propagaran contra
os bravos soldados russos que desempenham devo-
tamente e com abnegacao na Polonia um dever peno-
so, calumnias e ultrages que teem causado na Rus-
sia profunda indignacao.
Se lord Russell estivesse bem informado do
que se passa no reino da Polonia, saberia que por
toda a parte onde a rebellio ha procurado adquirir
forca, tem sido debellada. As grandes manas estao
divididas. As povoacoes ruraes mostram-se hostis
rebellao, porque da desordemnrem a ruina in-
dustria. A insurreicao sustenta-se por causa de um
terror sem precedente na historia.
t Os bandos de insurgentes corapoe-se princi-
palmente de eslrangeiros. Reunem-sc nos bos-
ques e dispersanr-se ao primeiro ataque para de no-
vo, se reunirem. Quando perseguidos de porto che-
gam a passar a fronteira e voltam por oulro ponto
ao paiz:
O principio da ac?ao do comido revoluciona-
rio sustentar a todo o custo a agitacao, afim de
dar alimento as deelaraces da imprensa, abusar
da opinio publica, enflaquecer o governo, fornc-
cendo ulna occasio e um pretexto para uma in-
tervenfao-diplomtica, a qual pessa levar-nos
guerra.
Esta a esperanca dos revoltosos, e o alvo a
que miram.
Lord Russell ha de convir que n'esta situa-
cao as medidas que nos recommenda difflcilmen-
te podem ter applicaco. a maior parto d'estas
medidas, repito-o, foram j decretadas; at hoje
a situacao do paiz nao ha facultado a sua execu-
cao.
Em quanto as cousas estiverem no p em que
se acham, as mesmas causas produzirao os mes-
mos elfeitos.
A presenca dos insurgentes, o terror da com-
msso central, e a pressao inmediata tirara a es-
tas medidas a opportunidade e efllcacia que teriam
adoptando-as espontneamente.
Iremos mais longe. Quando mesmo estas me-
didas podessem ser postas em execucao tao larga"
mente comoo concebe o ministro de S. M. Rritan-
nica, nao chegaram ao termo que o alto dignitario
espera : a pacificagao do paiz.
t Se lord Russell segu alternamente s publi-
ca?oes feitas pela imprensa votada a rehelliao po-
laca, deve saber que os insurgentes nao pedem nem
urna amnystia, nem uma representacao nacional
mais ou menos completa. A independencia abso-
luta do reino, seria um meio para os insurgentes
conseguirem o fim que aspirara. Este fim, a do-
minagao sobre as provincias onde a maior parte da
povoacao russa de raca ou pela rcligiao. If ama
palavra, a Polonia estendida pelos dous mares, o
que produziria inevitavelmente uma pretengao as
provincias polacas debaixo do dominio das poten
cas visnhas.
Desojamos nao avanear juizo algum sobre es-
tas aspiraces. Rasta-nos provar que existem e que
os polacos nao o dissiinulani. O resultado a que
chegariam est claro.
Dar-sc-hia una conflagracao geral que os ele-
mentos de desordem espalhados por todo o paiz vi-
riain complicar c que nao tendera seno a engaar
a Europa.
Temos muita confianca no ministro inglez pa-
ra admittirraos que elle possa approvar um fim tao
de partida para as deelaraces que acabam de nos
ser feitas.
Lord Rnssell cita um trecho da conversaco
que lord Castlereagh teve cm 1815 com o impe-
rador Alexandre, onde se menciona o projedo que
havia formado este soberano de unir o ducado de
Varsovia aera as antigs provincias polacas, e
formar um ajno. sob a soberana da Russia, com
urna admistrayao conforme com os votos do
povo.
Esta idea foi, da parte do imperador Alexan-
dre I, uma inclinacao de momento, mas este sobe-
rano nao a rcalisou, quando pode refieclir mais
Se fosse necessario determinar entre quem de- devem interessar i'nn ijiii^ em nj, ^
vesse negotiar esse aecrdo, e de que natureza ranfageral- ____
houvesse de ser o statu quo, que elle garantase, e fun4ar.!(e0na,s estipb^n VTtrtuIf'** **
quem seria o cncarregado de fiscalizar a su exc- e por isso qne derew n^kmr '
cuco, comprehender-se-hia immcdatamente que' edes anrifaveis, toda a iHraia* parv |
as disposicoes da lei publica nao poderiam ser ap-1'
plcadas a uma situacao que fosse flagrante riola-
cao desta lei.
Sua magestade o imperador, em attencao ao
seu fiel exerclo que combate pela manutenco da
offlcm ; maioria pacifica dos polacos, victimas
destas deplorareis agitaces ; e a Russia, que a
desordem obriga a dolorosos sacrificios; deve to-
mar medidas enrgicas para lhes por termo. Por
muito que se deseje acabar com a effusTio de san-
gue, nao se pode attingir a este fim, em quanto os
insurgentes nao depozerem as armas e se nao ren-
derem clemencia do imperador.
Qualquer outro accordo seria ineompativel
com a dignidade de nosso augusto amo, e com os
sentimentos da nacao russa. Alm disso, o resul-
tado seria diametralmenteoppostoaoquc lord Rus-
sell recommenda.
Quanto idea de uma conferencia das oito
potencias que assignaram o Iratado de Vienna, de
uma conferencia que discutisse os seis pontos adop-
tados como bases, csta idea apresenta-nos graves
inconvenientes, e nao vemos que possamos obter
uma s vantagem.
Se estas medidas em queslao sao bastantes
para a pacificaeo do paiz, desnecessaria orna
conferencia. Se as medidas devessem ser sulimet-
tidas a deliberacao ulterior, resultara d'af urna
'ntervenco directa das potencias estrangeiras nos
promenores mais ntimos de administradlo, seria
uma intervencao que nenlmma grande potencia po-
deria admttir, e que a Inglaterra de certo nao ac-
echara na sua administracao interna.
Semelhante intervencao nao estara cm har-
mona com o espirito nem com a lettra dos trata-
dos de Vienna, sobre a base dos quaes convidamos
as potencias a negociacoes amigaveis. O resultado
seria affastar para mais longe o fim a que ellas se
propoe, tirando ao governo lodo o prestigio c auto-
ridade, e augmentando as pretcncoes c as illusoes
dos agitadores polacos.
A marcha seguida em 1813 parece que nos in-
dica claramente a natureza das deliberaces que
poderao effectuar-.se sobre as questoes que, de um
lado, sao de interesse geral, c do outro imporlam
s minuciosidades administrativas da autoridade
exclusiva de todos os estados soberanos.
r*v
particular de qualquer arto
Pelo que rwpeila ao reiao a
ministro dos negocios estrangwww
sos intuitos coniinunicando-aos a* s
os mcios que. no seu entender,
a pacificaeo do pato.
__ Verificamos com satisfarn mtte es)
to conformes con as intcncow e m
o imperador, e a<-im as >\pmrm a
i i.i i ii> de abril ao Sr. har de
que V. Exc. foi cncarregado de cBtnrgar
ao Sr. Drouyade Lhin-
Sr. ministro dos egorlai
Franca reconbeceu qne mutas #i
cias fazcm parte do piano
gasto soberano; e posso armrmw smt, a
parte, se aclu ja ou decretada por anana di
rador, ou preparada pelo d<->nvolvni^iM
que sua magestade se resrrrara cojo
to foi claramente indicado
t Devo com lutlo leml.rar demonstrado, at evidencia. quV? iln^tri*
contar com a cnVacia d'estas mamiaiul j
pacificar moralnienle o reino ib Pntnnu, aaar
estejam restabelecidas a ordrai maSrnal e
peito autoridad''.
Em quanto durarein a- 'le^>r>Vr.^
quanto princijialmente. subsistir a
uma intervencao estrangeira. qor o
roso movel d rerolla, e^ta situaran irr
velmenlc por elTeito. >: um Jad eimbararar
minie a applicaco de todas as prnnit w'm
das pelo governo imperial, ede narre M
remedar pelos insureenles pobrOM. ai
que rccclicssem toda a amptarao md
ministro do* negocios eslrangeiros de Fraaak
sern, decerto, as gradae..s ,iia> mi mi
nunciadas oes seis artigos iix-ncHtnadiN eaaa
do Sr. Ilroiiyn de Uiu\-. e o ipncs fcVo m
a amnista, a autonoma admini-traiiva
sentacao nacional, j em pane intrmliiiiM
no. que tirar as armas das aos itos nr*ataap:
pelo contrario, ellas vero n'isso mais mb par
para o alvo constante de suas esperanras ntM
eos, isto e. reunir as sympathiaa ivu- Bies
nliain no exterior para ronseguirroi uma
cao activa a favor de suas a.>pira(f-s maw
radas ; vero. |mr conscipienria. um mr
para insislirem na sua posirao actual. O a
sao que ho de tirar s.-ra diametrainwmv I
ao resultado que sr propn>.
Tender a prolongar e envenenar a
tnaco que a soiiritude do governo fraaen.
como a do gabinete imperial. d.-wiam per ama
termo.
Encontramos tambem no dr?parlm 4b 9r
Drouyn de Lhuvs duas omra> id. a- a "

cacao provisoria fundada na nunefenro
Datarlas do acto geral de Vienna.
quo militar, e a da conferencia das V9rpS
Nesta poca, foi eslabelecido em pratica urna
distineco entre aquellas duas eathegorias de inte- ,,c ,8'3-
resses. A primerra foiobjecto *-***- -[n^^Tffti^J^TS
paradas de parte das cortes da Russia, Austria e mos dfflculdade n calcular exactatuentiTa
Prussia, entre as quaes as tradieces da historia, pratieo d'wta combnaeao.
unrtontrato permanente e uma visinhanca imme- .." Acreditamos que o governo franrn ai*
dito crearam uma intima solidariedade. Todas as tfi^i.^^SCS
negociacoes tendentes a accordar a administracao cao qualquer que tivejse por fim determinar .
interna c as relacoes mutuas das provincias pola-' quo militar que nao pic evidenlememe \\ cas, logo de|)ois do congresso de Vienna. debaixo'lrt'"".' fr'ov,-rno legalmente ronMituidu. _
dasuadominaco respectiva, foram consignadas l^';^
nos tratados concluidos directamente entre as tres dos de rebeldes, dK>persos nos hoxmiev
cortes, no dia 21 de abril (3 de maio) de 1815. j Entre sementantes desacato s ha
Tem-se-lhes ajuntado successivamentc uma serie ^pcoque seja rompativel rom asneresx
, i ... ordem. a dignidade do iniierailore os -en
de conren?oes espeeiaes, sempre que assim o nao dil nara0 e do exercito^soaTea wbaT
exigido as circunistancias.
Os principios geraes mencionados nestes trata-
dos e que jiodiaiii interessar Europa, s foram in-
sertos no acto do congresso de Vienna, assignado
no dia 27 de maio (9 de junho), por todas as poten-
cias convidadas a darcm a sua adheso. Presente-1 r\'A- "o contestamos de nenhom md
mente. na/> se trata desles principios geraes
revoltosos.
Quando for opportnn, o nosso
consullur as inspira'oes da san cVntenda,
outros limites alm dos mai- ejtrira i
solierano.
< Quanto a segunda rmbioaco. a da
s; signatarias do acto geral de Vienna, -te 9 de r
' i de 18|."J. o direito de interpretar, i isasidu a
as particularidades administrativas e os accordos'
Nota do governo rnsso dirigida ao seu renre-1 ,' Tsscs :""-oruos fram sncressiva
entante em Paris, em resposta que lhe passara o; *S g TSSSSrA
abinete francez, sobre a queslao da Polonia : principios geraes mencionado* n.-st
sentante
gabinete
S. Petersburgo, 14 de julho de 1863.
Ajuntare, como terceira causa, que sua ma-
jestad o imperador nao nutre, com respeito aos mconciliavcl com a paz e equilibrio europeu, a que
At aqu compillamos : agora fallaremos pomos negocios polacos, nenhum projedo, nenhnma in- tao n8ados andam os interesses da Gra-Hrola-
mesmo. tenCa0 que possa levar-nos a ter repugnancia em Inha' co,no eslao com a manutenco dos trm-
mof-^;t^^sZSofo^z!o^. coiicar a i""5 > ciara- fv- Excmstr- idos dc i8is que saa unica base c unic pon,
Em Nitherohy, na casa que outr'ora serviu de conhecer esta consideracao informando o ministro
lyceu, va-se, entre 10 horas e quasi 2 da tarde, de sua magestade britannica de que o gabinete im-
uma figura humana atravessar o pateo, subir a es- p^i cslava prCstes a mudar de vistas sobre as
cadaria cortejando as sentinellas no atrio, ou ja na ,,.j j idi^ n j
escada onde as visse. "ases 'ratados de lela. Adherimos a esta de-
Na sala de espera tira va o cbapu, toma va es- clareci, c o despacho que hoje transmitti fornecc-
querda para o gabinete, ahi assentava-se, mettia a ra Uma prova da nossa perseveranca nesta dispo-
mao naalgibeira, tirava a carleira, e della um ei- -
garro e phosphoros ; fazia fogo e punha se a fu- v
""!{', ... Tendo assim confirmado o nico e verdadeiro
Pcgava na penna de /ap/s, mexia em papis, rol- j j-
tava-!e para quantos lhe falavam. fixava-os. pare- paracter do conv,le "ue nos d,r'S,u Kvern0 m'
ca attende-los, mas nunca respondeu cousa com 8lez, entendemos e nisso seguimos o exemplo dado
cousa. j por lord Russell, dercr communlcar V. Exc. al-
Se se lhe pedia o fogo discuta se al devia fu- gumas refiex5es em resposta aos pontos da questao
inar-se, e quando dava visos de reconhecer oue o! .i.. ,. j i
lugar era improprio para semelhante funecao. nao Iem ,?uo elle en,rou e 1ac es,abe Ieceu comolinha de maduramente nos interesses do seu imperio. Ape-
dava fogo, deitava fra o seu cigarro. partido. j zar je tU()0) deve-sc por de parte esta questao das
Quando ouvia o sibilo das barcas novas, olhava i o secretario de estado de sua magestade a ra-' negociacoes que esto dentro dos limites dos trata-
para o relogio e uma vez por dia, nem sempre a nba de Ingiaterradz quc a basede um govcrno I dos de '1813.
mesma hora, tomara o chapeti, e caminhara para ^
a ponte. em to"os os casos, a confianca que elle sabe ins- A nica estipulacao destes tratados quo po-
Representava to bem o seu papel de secrelario, pirar aos governos, e que o ascendente da lei sobre deria dar motivo a duvidar que o imperador da
que at cobrava o ordenado. o elemento arbitrario deve ser o fundamento da Russia possuisse o reino da Polonia pelo mesmo
Ha das que de.xou de apparecer, e tem causa- ordem e da es,ab|idadc. A priori concordamos titulo, em virtude do qual possue outras ororin-
do saudades aos empregados da casa, que com elle H "'"' "luul uo |uai possut ouuas pioviu
se drertiam. com estes principios. Lembraremos so que oco-, cas; o nico motiro que poderia fazer depender
Digam agora os presentes se nos seculos passa- rellano iudispensavel o respeito pela autori- os seus direitos de alguma outra qualquer condi-
dos se viu cousa to gigante I dade. I sa0) e que explica a possibilidade dc uma troca de
^^rT^JL.'ff.' I A ^"T T 2S nsprV0S d- ^oc-acoes com as cortes estrangeiras a respeito
tent. Iwrsos gabinetes depende nao so da intencoes, mas das suas relacoes com esta parte do seu imperio,
Deixemo-nos de estradas, de telegraphos electri- tam'em da conriccao geral de que elle tem forca a phrase ambigua do artigo primeiro, que diz :
CSao friokS813' d0 ^^ para ^'^ S!""ntUtS' Se 'rd Russe" afflrma qne o imperador da Russia se reserva dar a cs-
Monumentemos antes os nossos horneas grandes. qUC 0S turaul,os Paacs, as conspiracoes secretas, te estado> m;indo de uma adminis,raca0 distinc-
( Do Diario do Rio ) ,e a influencia dc estranhos, nao abalara um gover- ta a extensao interior, que julgar conveniente,
no baseado na conflanca e respeito das leis, ha de depois o artigo que diz, que os polacos, subditos
i M,w*f tambem que nem a confianza nem a obser respectivos das altas partes contratantes, obte-
O que vae pelo mundo. !vancia das leis ^ Possireis quando um gorerno | ram uma representacao e insMuifes nacionaes,
Convido V Fxe a nronnnriar c m-. iconsen,e que uma frarCa0 sc revista do poder, se' reguladas cm confornudade com o modo de'cxis-
ell), de manera que as mtencoes do governo aus- considera que bastaro para pacificar o reino da
tnaco nao sejam objecto da menor durida Polonia f"-" "uv u
^olo"ia- Mas a historia desta poca nao tao antiga acl,.va d, estrangeiro a favor das
Acerca da conferencia o nosso despacho de Communicando-nos estes pontos, o secretario que se possa ter perdido a lembranca da posico j T F^in.M? hni,., nrin,
Kdej^cop**!!,^ ej parte as idas da RussTnp.flra oa crise eurupa a'que X 5 ^JSS^taffJSS
um fado claro, dando a entender que a reunio ', u aesPaclo dc li dc abril ultimo, termo o tratado de Vienna. Desde entao nao nos'das leis. antea mdiflerenca ou a repulso das
dessa conferencia depende da parte que a Russia [ .. rev'ramento de opinioes ; nada temos a tcriara0s afTastado da verdade se houvessemos af. massas.
tomar. 10DJeclar con,ra este modo de expressar. firmado oue o nnmeirn rtico do tntadn de Vtrn- K por tanto ahi que se deve procurar, a causa
. e> _____-_____ ______ 1 Claramente indiquei no despacho a que alludo Q o prime.ro artigo do tratado de \ ten moral tende a djla|ar Q ^ cs|ado do
. EefTectivamontcclaro que se nao poderane- os gennens de procediraentos nrLcos se^,ida nni na fo'PieParado por sua magestade o imperador cousas para acabar o qual, assim como nos, o go-
gociar era conferencia com a Russia, se essa po- nosso augusto monarcha eosd-s p Alexandre, e que dimanon delle directamente, verno francez faz votos cm nome da paz e da hu-
teocia se recusar a isso, mas nao se segu d'ahi Sua'magestade se prope dar ^ mTSS" Af nverf aoncom ord Casllcrcagb.. e que foi ci.
a quando julgue^chegado o momento op^rlum?. Sto.^ lOTd RUSSeU' raais outra Prov de8te
1 \ J)raPa'ando-as com as suas proprias idas Dito isto, o principal ministro c secretario de
, lord Russell conyencer-se-ha que a maior parte das Estado de sua magestade britannica dispensrnos-
la encarregamos pelo telegrapho o conde de medidas que assignala foram j tomadas ou prepa. ha de responder ao accordo proposto para uma
Thun de se expressar sent sentido, e recti- radas pela iniciativa do nosso augusto monarcha. ; suspensao de hostilidades! a resposta nao resistira
flear aquella interpretacao errnea flo nosso des- O secretario de estado de S, M. B. exprime a a uma anaryse seria feita as condicoes necessarias
pacho, l esperanca de que a adopto deslas medidas trar a para ge por em .oeucao.
fpropria conviccao. os termo- d. tratad pata o
qual concorreram.
Emhora se baja interpretado de dssarjea saa-
dos o art. 1" desse traiaito -i-m seraannir m
resultado pnttico. estamos sempre dhpartM a ;
llier com animo conciliador e rr iptiswiii aa t
ipie nos ssjasa roiumiinicadas na va uiiMuiix i
relacoes diplomticas.
Mas o appello para a conferencia i
em demasa os limites .i.. diris ,
cao. Scmelhanie reunio. t.-nd |N,r
me das qmstdes que raspsssBssMi is
dadre da aososaisirarao interna, constituiria asna
ingerencia directa que uma grande poSnam parir-
ra tanto menos acceilar. quanto nao estara wm a>
espirito nem na lettra dos tratados __
longe. portanto. de poder coatribnir
qillidade a que se prop."'m. tornara
tes mais intrataveis e o governo
tado.
O proci^dimento adoptul,, \*\r>
indicar claramente a natureza \ que podem assaMerer-i au ;i-nmpio ria i
: resse geral, t bem assim a msaariuM
1 nistrntivas do exclusivo dominio ilm ,
ranos limitroplie-.
Nesta poca, otabeleeen-se |>raticai
distineco entr.- aqnell.-s dua rath.-jtorias r
resses. 0> primeiros lizeraui objerfo > i
ecs separadas da parte das cortes da
Austria e ia Pru.-sia tati <
histricas, certo ronUcio pcrmamnle e ai
ca immediata crearam e-ir. ita nBihriiriid
das as rombinaces destinada- .i ...
nstraco interior e as mutuas relanVs
T. *>M a tod* dc W ^ur cp -JS 'gSiSSZSC
deste despacho ao secretario de estado de sua ma- das em tratados serrados entre as trec.i
gestade britannica.(Assignado) Oorttchako/f. 21 de abril e :t de maio de imi:,
Esses accordos foram sormairai
anteriores forneceriam ltimamente materia para
ser discutida pelas tres cortes, afim de por a posi-
cjio respectiva das suas provincias polacas, as quaes
se estendem as estipulaces dos tratados dc 181o,
em harmona com as ncccssidadcs actuaos C 0 pro-
gresso da poca.
O gabinete imperial declara-se. a datar deste
momento, disposto n'um accordo egual cora os ga-
binetes de Vienna e de Berln. Em todo o caso o
restabeleeimento da ordem uma condicao indis-
pcnsavel que deve preceder toda a applicaco seria
das medidas destinadas a pacificaeo do reino.
Esta condicao depende em grande parle das
grandes potencias, se nao prestarem aos clculos
que os instigadores da insurreicao polaca forjam
com o fim de levarem por diante as suas aspiraos,
exaggeradas. A linguagem simples e cathegorica
das potencias, contribuira para dissipar alluses e
para neutralsar clculos que tendem a prolongar
a desordem e a agitacao da opinio publica. Isto
feito, breve chegaria o momento, que tanto deseca-
mos, em que o apasiguamenlo das paxes c o res-
tabelecimento da ordem material permittiria ao
nosso augusto monarcha o trabalhar na pacificaeo
moral do paiz, pondo em execucao as medidas que
sua magestade j fez saber c as que j ha feito
prever.
-tes
que podiam interessar a Enropa foram i
. Sr. baro.-Recebi doSr. duque de Montebello "a **? *>-W**n de Vienna. assiparia-aaa *7
- ., .......... lllllh ti Tt I I li itlSMSW BM. iL
mmunicacao da nota junta por copia do Sr. mi- concorreram. ^""
tencia poltica que cada um dos governos a que
pertencerem julgar conveniente o vantajoso con-
ceder-lhe.
commomeaeao
nistro dos negocios estrangeiros da Franca.
Haramos j apreciado os sentimentos que ti-
nham levado o governo de sua magestade o impe-
rador dos Francezes em nos expressar os seus vo-
tos a favor da prompta pacificaeo das desordens
que agitara o reino da Polonia; e apraz-nos saber
que o gabinete das Tulhcrias nos faz egualmente
Justina ao pensamento que nos inspirou responden-
do a sua prmeira instancia.
t Este pensamento, Sr. barao, nao partia s do
desejo de satsfazer a um voto que nos era expres-
sado mui amigavelmente; nascia tambem do senti-
mento da solidariedade moral que existe entre as
grandes naces, perante a accao cada vez mais evi-
dente dos elementos revolucionarios de todos os
paizes, aeco que se concentra hoje no reino da
Polonia c constitue o carcter europeu da questao.
Devemos tanto mais chamar sobre este ponto
a attencao do gorerno do imperador Napoleao.
quanto certo que um dos principaes focos da emi-
I grac^o se encontra em Paris.
A emigraejio polaca, aproreitando-se das suas
relacoes sociaes, al organisou uma rasta conspira-
cao, destinada de um lado a turbar a opinio pu-
blica em Franca por um systema de diffamaco e
de calumnia sem exemplo ; e do outro, a alimentar
desordens no reino, j por meios de soccorros ma-
teriaes, j pelo terror de urna commtssao secreta,
e ja propagando a esperanca de uma interrencao
mais insensatas
Hoje. estes principios SJMMS nn
qnosto. Os promenores admim-traattm*
riain porm materia til para conferencias mire
as tres corle, afim de definir a po>ica> respertira
das suas possesses polaca.-, as quaes se
as estipiilacf>e. dos tratados de |fl|.><
com as necessidades presentes c os |
c'loca.
O gabinete imperial declara .
boje, para entrar em egnal acn>rda i
tes de Vienna c de Ttcrlin.
Nunca ser demasiada a >oa i
barao. em repetir que deve proriirar-sa
ce da situacao dolorosa que n -
nos como "ao gorerno de s M. o
l'i ancezes. allendendo-se principal
ces benerolas e esclarecidas inspiradas a ssm
augusto amo pela solicitnde que S. >. a
liem-eslar do reino da Polonia e do
imperio, e attendendo-se Umbem arcan
que as grandes potencias exerrertas sat
para desconcertar os manejos do partris i
lU'snioronamcnto do continente
Sem estes elementos, indisr
nossa opinio a proposta de uma conferencia
perfeitame'nte aceitarel pela Ru6sia.
manidade.
Desojamos acreditar que nao consentir que
abusem do seu nome em proreito da revoluoao na
Polonia o na Europa.
Taes considerarles, Sr. barao, determinam
carcter do convite que dirigimos ao gabinete <*
Tulherias, e definem egualmente o fim a j_
das negociacoes para as quaes fomos convidados.
Quando a ordem esta gravemente perturbada em
um paiz, os estados visinhos n3o podem ficar indif-
ferentes a ella, as outras nacSes de certo que se
i cv
i
solueo pratica. nao rMlem linut wali Msas a
terprefcices p^rigosas para o
Polonia, e para a paz geral. pre
veis intrigas de um partido
menor duvida em .aerificar o
e o da Europa realisario dos
mericos.
Nao haveria cinisa mai .
ordeme de coneiliacao, que rst
coes dos ganineies. do que a
ellos; c o que melhor pode
obra um arcrda
i E' por este motiro quo
gorerno de S. M o imperador
sejo de cheganuos a essa
evplicanVs amigareis. As
entre a's nossas muinaa
pronunciadas qne deri
ranea; e comp
motivo |iara a alimualaimw,
eom que S. M. o imperador i
apreciar os interesses da Tim\M
tambem a conflanca sjac Sr,
cios estrangeiros da
disposicoes qua se
reinado de nosso augusto
f Sirra-se lr este despacho i
Ltrays, e entregar* ib arifia.
< Acceitao, ote.
se o Sr. **> f-
PRRNAMBUCO. TT? DI M. F. P fc

i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJTM6J38I_F9DNCA INGEST_TIME 2013-08-28T01:32:09Z PACKAGE AA00011611_10182
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES