Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10181


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANUO XXXIX NUMERO 201.
.&*! YaitaSftfl

Por fres mezes adiantados
Por (res mezes vencidos .
{000
6JJO00

OOUBA FERA 3 DE SETEMBRO DE 1863.
Por armo aflautado..... 19$00O
Porte franco para o subscriptor.
DIARIO DE PERNAMBUCO.
ENCARREGADOS DA SLDSGRIPCAO NO NORTE
^ Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima 5
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracafv, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos d
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO NO SUI/
Alagas, o Sr. Claudino Falcao Dias; Baha, o
Sr. Jos Marlins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Marlins & Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas
scxtas-feiras.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Cantara',
Altinho c Garauliuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazaretli, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu", Cabrob,
Boa Vista, Ourirury e Exu' as quartas feiras.
Serinhaem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
flha de Fernando todas as vezes que para ali sahir]
navio.
Todos os estafetas partem ao Vz dia.
EPHEMERIDES DO MEZ DE SETEMBRO.
4 Quarto ming. as 9 h., 44 m. e 2s. da t.
13 La nova as 1 h:, 16 m. e 38 s. da m.
20 Quarto cresc. as 10 h., 8 m. e 2 s. da m.
27 La cheia as 2 h., 37 m. e 2 s. da m.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 6 horas e 54 minutos da manha.
Segunda as 7 horas e 18 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
wra o sul at Alagas a 5 e 25; para o norte at
'/' a e 22 de cada mez; para Fernando nos
cuas i aos mezes de jan. maro., maio, jul, set: enov.
ft PARTIDA DOS MNIBUS.
rara o Recife : do Apipucos s 6 % 7, 7 Vz, 8 e
8 Vz da m.; de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde: de
Jaboatao as 6V, da m.; do Caxang e Varzea s 7
da m.; de Bemfiea s 8 da m.
k, i*.: para AP'PHfos s 3 */,. 4, 41/, *tt,
v.'-4' '* e 6 da tarde! Para 0Iinda as 7d*
mannaa e y2 da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
niJ?ara- 4chanGa e Varzea s 4 '/* da tardo; paca
Bemfiea as 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TRIBl'NAES DA CAPITAL.
Tribunal docomniercio: segundas e qnintas.
Relacao: tercas e sabbados s 10 horas..
Fazenda: quintars 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civcl: tergas, e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DUS DA SEMANA
30. Domingo. S. Gafan v. m.: S. K-ntiuom.
31. Segunda. S. Havutuiido Nonnalo ear 1. Torca.-S. Egylio ab : <- >.. U-ae p Joso.-
2. Quarta. S. Estevas r- i de Hiijrria.
3. Ouinta. S. Eufemia v.; S. Aii iu-i. k. .
4. Sexta. S. Rosa (!: litarte \. f.: S. Rutaba v.
5. Sabbudo. S. Herctuano ni. S. Axeaso.
ASSIGNA-SE
no Recife. em a uvrasia da paca da Indepeadear .
lis. 6 e8,-dos pi.,irietarios Manuel FigBeiroa.J
Faria & Filho.
PARTE OfFICIAL.
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente de dia 31 de agosto de 1863.
OfHcioao Exm. presidente de Sergipe Com o
offleio que V. Exc. me dirigi em o 1 deste mez,
recebi um exemplar do boletim do expediente des-
sa presidencia contendo medidas e providencias
em soccorro dos habitantes dessa provincia lti-
mamente accommettidos do cholera-morbus.
Dito ao roesmo.Com o oflicio de V. Exc. data-
do de 13 do corrente, recebi os dous exemplares
dos relatnos, com que a adniinistraco dessa pro-
vincia foi entregue ao 6" vice-presidenle Dr. Joa-
quim Jos de Oliveira no dia 13, ao 3o Dr. Angelo
Francisco Bamos no dia 20, e ao 2o commendador
Antonio Dias Coelho e Mello em 22, tudo do mez
de junho prximo passado.
Dito ao Exm. Sr. Dr. Augusto Levcrger, Io vice-
presidente da provincia do Matto-Grosso.Inteira-
do pelo oflicio de 12 de maio ultimo, de ter V. Exc
assumido a administracao dessa provincia naqua-
lidade de Io vic-presidente, asseguro V. Exc.
que me achara sempre prompto a satisfazer suas
requisices, quer sejam relativas ao servico pu-
blico, quer ao particular de V. Exc.
Dito ao brigadeiro commandante das armas.
Envi V. Exc. os processos de conselho de guer-
ra das pracas de differentes corpos mencionadas na
relacao junta, afini de serem cumpridas as seten-
tas proferidas pelo conselho supremo militar de
justica nes mesmos processos.
Dito ao mesmo. Sirva-se V. Exc. de expedir
suas ordens para que a guarda da casa de deten-
0o soja augmentada com as dez pracas que lti-
mamente se lhe tiroti.
Dito ao mesmo.Remeti V. Exc, para ter o
conveniente destino a inclusa certido de assenta-
mentodo 2 tenente da conipanhiade artfices des-
ta provincia Amaro Theophile de Almeida, a qual
me foi transmitida pela repartico da guerra em
6 do corrente.
Dito ao presidente da Caixa Filial do Banco do
Brasil. Solicitando o brigadeiro commandante das !
armas a transferencia da guarda da Caixa Filial
do Banco do Brasil paraoutra casa, pelos motivos
expostos em o oflicio n. 1.578 de 26 do corrente mez
remetto por copia V. Exc. o citado oflicio, atim
de que se sirva de providenciar convenientemen-
sentido de
drigues Porto. Communicou-se ao commandante
superior.
Dita.O presidente da provincia conforman do-se
com a proposta apresentada pelo tenente-coronel
commandante do batalhao n. 32 de infantaria da
guarda nacional do municipio de Villa-Bella, sobre
que infermou o respectivo commandante superior
dial do presente anno. A junta concluio no dia im-
mediato os seus trabalhos.
Coube ao districto a quantia de ris 7:9143000.
As romanas este anno perderam de moda. Des-
de que se abri ao transito publico a sec?ao do
caminho de ferro de Villa Nova de Gaia a Estar-
reja aquellas festas-to populares teem sbffrido um
valor de 1:6005000 por conta do Sr. Pereira &
em oflicio de 3 do corrente, resolve promover ca- mui notavel desfalque na concorrencia. A propria
pitao da 7* companhia do njesmo batalhao, o teen- Poz e Lessa, que na presente estacao eram tao vi-
fe Torquato Jos da Silva, e tenente da mesma o sitadas aos domingos, tambem foram olvidadas,
alferes Antonio Joaquim Leite Brasil ea alferes Os c onvites de vamos Foz ou Lessa foram
deba o Ia sargento Manoel Jos da Costa Borges. substituidos pelos de vamos ao caminho de fer-
Communicou:se ao respectivo commandante supe- ro, e para l corre nos dias santificados urna boa
nor. parte da populacao portuense a presenciar o mag-
ita.O presidente da provincia resolve proro- nifico espectculo da partida ou chegada dos com-
garpor 15 dias com vencimentos a licenca que por boyos ou a sentir a grande commoeo de jubilo
portara de 10 de julho ultimo se concedeuao pro- misturada de perturbacao que naturalmente se
fessor de instruccao elementar de Timbaba, Jos apodera das pessoas que pela primeira vez transi-
Francisco de Souza Ayres, para tratar de sua tam ouvindo o silvo da locomotiva. Valladares,
ade. I Ovar, e Estarreja sao na actualidade os passeios,
Dita.O presidente da provincia attendendo ao preferidos por muita gente, e nao istopara admi-
que requereu Manoel Thoraaz dos Santos, resolve rar, porque a novidade sempre attrahcnte, e a de
conceder-lhe licenca nao s para ir ao presidio de viajar por trra a vapor nao pequea.
Fernando no hiate nacional Camaragibe, levando Na noite de 27 do mez passado, cerca de urna
em sua companhia o seu caixeiro Cassiano Jos da ; hora da noite, e segundo afflrmara algumas pes-
Silva, mas tambem para transportar no mesmo seas, houve as iramediagoes desta cidade um pe-
liiab' para all os gneros constantes da inclusa queno tremor de trra, acompanhado de um ruido
relacao assignada pelo secretario do governo, nao surdo.
podendo cffectuar o desembarque dos referidos ge- I Em Avintes onde os effetos foram mais sensi-
eros sem que por parte do commandante daquelle veis, ouvio-se urna grande detonaco um tanto lon-
Eresidi se proceda o exame afim de se verificar se ginqua, sentindo-se em seguida alguns abalos as
a agurdente ou outra qualquer bebida espirituo- casas,
sa, ficando obrigado a apresentar ao predito com- O anniversano do juramento da carta conslitu-
mandante a relacao dos mesmos gneros, attestada cional, e o natalicio da imperatriz do Brasil, a Sra.
quanto aos precos pelo presidente da junta de cor- duqueza de Braganca (31 de julho) festejaram-se
rectores. cora as j mui sabidas demonstrares usadas nos!
Expediente do secretario do goyerno. dias de grande gala.
Oflicio ao inspector da thesouraria de fazenda. A Associano Typographica Portuense resolveu
S. Exc. o Sr. presidente da provincia, manda trans- em reuniao do dia 6 do corrente dirigir ao gover-;
mittir V. S. o incluso oflicio do director geral de u? uma representaco, solicitando que se confec- \
rendas publicas datado de 8 do corrente. conasse um tratado de propriedade litteraria en-;
Dito ao mesmo. = S. Exc. o Sr. presidente da 're Portugal e o Brasil, pedindo-se tambem a re-
provincia, manda transmittir V. S. as 10 inclusas duegao dos precos nos portes dos jornaes.
ordens do thesouro nacional, sob ns. 141 157 e Para esto tira dever haver uma reunio publi-
149 a 151, bem como um oflicio da secretaria de ?a Para a Qua' seo convidadas todas as pessoas
estado dos negocios da fazenda, datado de 22 do nteressadas.
corrente. A sociedade dos operarios fabricantes do Porto
Dito aos Srs. Joao Pinto de Lemos, Elias Bao-' vae mandar cunhar uma medalha de prata para
tista da Silva e visconde de LouresEm aviso de ^r conferida as corporacoes c individuos que teem
4 do corrente, communicou o Exm. Sr. ministro da[ dado .ou. promovido soccorros para os operarios
fazenda que nao tendo Va. Ss. declarado em em
seu requerimento a quem pretendem arrendar,
para o que pediram permissao, os seus armazens
Para Liverpool 1,300 caixas, u 770 milheiros,
no valor de 1:8005 por contados mesmos carrega-
Tanto a Sra. viuva Barbosa 4 Filhos, como o.Sr.
rereira & Filho sao negociantes desta praca.
do mef m'l^nT, qUK a0 c^,r.ar ^ ^ -,51 .yndes & Com>l "i 4arrobas uc m-
ao mu pa>sado carregou sobre as villas de Beriz, celia.
SSrr,_Y?,*"0,a c_Gnj, do concerno de Castro- Pa
Manoel Jos da Cunlu. Turto, 1 caixccom 24 Cuba. f,v. n que o KeiH:ial Dul.v oivi
g MaSlTJl'%, P-, Madl* te M~< 5" rS
aianoei jse da bilva. Filgueiras. 1. caixao com Unte cargo de eorernador rivil o.
*0O pares de chinellas de couro. j fraccao em que milita o Sr. Na\ :>*.<,
Manoel Joaquim Ramos e Silva & Genros, 5 bar-, une o g.-neral Gmclia. .,ue vo..u c.tra. t
ns com 50 milheiros da prgos e60.cai.ti)eseom de ser ministro outluzas de garrafas comvinho. panheiros: Cumigo ni i-onlea
m->
y? Staf'acIraraclSas1 ^%^^\1^^1^^E^'klT^
KZEL:.,'" id0 Kec,fe- e sendo taes concessoes moramente pes-
se compoe a mesma guarda. Cbmmunicou-se
ao brigadeiro commandante das armas.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
llaja V. S. de expedir as suas ordens para que
um empregado dessa thesouraria, v passar revista
demostraaforca da guarda nacional destacada Ss nara seu cnnhec.menti
esta capital, amanhaa as 8 horas do dia no quar- i&b' para seu conhecimonto^
tel de polica.Communicou-se ao commandante n0cn..i. a. a- oj j liH
superior do Recife. Despachos do da 31 de agosto de 1863.
Dito ao mesmo.Participndome o inspector do .s Requerimentos.
"idor Firmno Antonio de Souza.=
attendida a prete -cao do supplicante !
_ le a sua proposta anda menos van-'
meule o emprego de escrivao das offleinas do mes- ^Josa do que a de Antonio Jos de Castro, avista
mo arsenal, em quanto estiver empregado na pre-'dos Prasos que pede para o pagamento, como prin-
sente sessao do jury o escrivao Horacio do Gusmao ^plmente por que este negocio j foi definitiva-
sem trabalho em consequencia" da falta do algo-
do. J pedio para este fim autorisaejio ao go-
verno.
Manifestou-sc as doze horas do dia 28 um in-
cendio na academia de Bellas Artes desta cidade,
Colho ; assim o co/nmuuico V. S. para seu co-
nhecimento.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.De-
terminando o Exm. Sr. ministro da marinha em
aviso de 3 do corrente, que a guarda desse arse-
nal nao continu a ser prestada pelos aprendizes
marinheiros e artfices, porque os distrahe dos
trabalhos das ollicinas, rccommcndei ao brigadei-
ro commandante das armas nestadata aexpedicao
das convenientes ordens, para que a tropa de pri-
meira linha d diariamente a referida guarda : o
que communico V. S. para seu conhecmento.
Offkiou-se ao brigadeiro commandante das ar-.
mas para prestar a guarda de que se trata.
Dito ao commandante superior da guarda naci- Dr- director geral da instruccao publica,
nal de Palmares.Devolvo V. S. a proposta de '
otlleiaes para aseceode reserva n. 12 do munici-
pio de Barreiros que allude o seu oflicio de 16 de
junho ultimo, para que maride reformar, declaran-
do ao respectivo commandante que deve nao s
excluir della o tenente Jos Norlierto Casado Li-
ma, visto que em razo do seu oflicio de tabellio
de notas e escrivao do crime e civel do termo de
Agua Preta est alli residindo, mas tambem derla- i
rar na observaco acerca de cada um dos propos- j
tos, qual os motivos de estarera vagos os postos
para que sao indicados.
Dito ao mesmo.Recebi o oflicio que V. S. me'
dirigi em 6 do corrente, e em resposta tenho a
dizer-Ihe que j llie remetti segunda via do offleio do Porto .1 Regoa. A parte do terreno j estudada
' si sciencia de perfencentc seccao, desde Campanha Souza
soaes, na trma do disposto no art. 218 do regula- 1ue felizmente, por ser hora em que foi, apenas
ment de 19 de setembro de 1860, e dependentes! causou a destruicao da parte dotelhado que cobre
das condicoes estabelecidas no art. 219 do mesmo!a estufa, dando-se como causa deste pequeo si-
regulamento, nao pdem ser deferidas : o que S. i n!slro ter-so communicado o fogo da estufa aos
Exc. o Sr. presidente manda commumear Vs. ninhos de palha que os passaros tinham feito por
cima da mesma e prximo ao tecto.
Ficou terminada no ultimo dia do mez lindo a '
collocacao da bolla e cruz que remata a nomeada '
torre da igreja dos clrigos desta cidade, e que o '
anno passado foram derribadas |Kr um grande fu-1
racao.
Aproveitando-se as pranchas que serviram nos- I
ta operacao. a irmandade dos clrigos vai mandar f
collocar na torre um pra-raios, cuja necessidade
era ha muito reconhecida.
No lyceu do Porto fizeram-se no fim do anno
electivo findo em junho ultimo 1201 exames, sen-
do approvados, com louvor 4 estudantes, com dis-
tincc.o 27, simplesmente 988 e reprovados 182.
Foi consideravel o rendiracnto da alfandega do
Porto no mez de julho ultimo* Chegou a rs.
300:9115190. assim classiirados
mente resolvido.
Padre Francisco Vcrissimo Bandeira,Informe
o Sr. inspector da thesouraria provincial.
Tenente Francisco Gomes de Araujo Ferreira.
Requeira pelos canaes competentes.
Felippe Benicio Cavalcanti.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria provincial.
Norberto Muniz TeixeiraGuimaraes.Informe o
Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Quitea Mara da Conceicao. = Pode seguir
viagem.
Rita Mara da Conceicao.-Informe o Sr. direc-
tor do arsenal de guerra.
Viriato Sergio de Moura Mallos.Informe o Sr.
ImjKjrta^ao ....
Exportado
Roexportaeo...
Consumo ".....
Tonelagem .. .
Diversas receitas
273r019d20
9:3955060
525440
7:5445345
1:3141800
9:5835183
Daire, as margens do noPaiva. escreve o Finar
o segrate :
I Cada dia recebemos noticias da consternaeao
era que se acbam aquelles povos, e da necessidade
de que os poderes pblicos omem com olhos de
commisoracao para tamanhas desgracas.
A tormenta comeeou com o ternvef furacao. De-
pois resolveu n'um '--:'
se cruzavam
quillar toda ess
gens entre asduas
Muro.
A esta tormenta segoira-se uma chuva que in-
nundou tudo, sendo preciso suDisscm aos telhados para salvar-se.
Sao enormes, e calculam-se em mais de 50:0005
os prejuizos soffridos pelas qnatro povoacoes. A
torca e o tamanho de saraiva era tal, que destrua
toda a vegetacao, todos os arhustos, e quebrou os
vidros das casas sem deixar um.
A tempestade fez desapparecer at algumas
fontes, nao se conhecendo j nem o lugar aonde es-
ta va m.
Houve deslocamento de penedos de volume e peso
tanto, que nao pode imaginar-se como tal aconte-
cesse.
O corres pondente do Jornal do Porto, em Barcel-
los diz em uma das suas cartas que em timas es-
cavaeoes fe tas para a construccao da estrada de
Espozende foram encontrados, a distancia de 1.500
metros daquella villa, 10 jazigos de forma quadri-
longa, cujo destino especial ninguem conhece, ten-
do os lados e tampa de louza, e servindo-lhe de fun-
do o proprio slo.
Todos divergem as dimenses, tendo sido en-
contrados a longos intervallos.
O ultimo que se topou e foi .escrnpulosamente-
analysado por pessoa mais competente, estava chei*
de uma trra amarella mais lina que a do slo
que lhe servia de fundo; e continua junto a este,
um pequeo vaso de barro com aza. muito grosso
e mal fabricado
O vaso estava cheio de uma trra mais grossa do
que a encerrada no jazigo e examinando-se-lhc a
parte interior do fundo descobriram-se riscos for-
mando a lettra N.
Alguns dos outros jazigos tambem ahrigavam
destes vasos, mas foram quebrados pela gente ig-
norante que deu com elles, restando salvos apenas
dous d'entre todos.
A ser tudo isto verdade, como julgo, seria bom
que pessoas entendidas vissem os objectos encon-
trados para descobrirem, se possivel fosse, a sua
origeJ|liistorica.
-|brio tormo de carga em 28 a barca Sympa-
'iJWii .1 l'ernambuco.
-"^ntraram no Doaro :
Em 26 de julho, o brtgue brasiloiro Cmolina do
Pernanibuco, em 49 dias, e o palhabote Cotral da
Babia, em 45 dias.
Em 27. a galera Aurora, do Maranhao, porVi-
go, em 53 dias.
Em 6 de agosto, a barca Recreio. do Rio-Grande,
em 70 dias.
Sahiram :
Em 29 de julho, a barca Despule //, para Per-
nambuco.
Em 30, a barca Venturosa, para o Rio
neifo.
Em 3 de agosto, a barca Amazona.
Para.
Palmeira & Beltrao, 10 barris de quarto com vi-
nho e 50 duzias de gamfas com vinho.
Prente Vianna & G:, 23 caixoes com batatas. 1
dilo com 50 massos de-linha c 10 livros iinpressos,
1 dito com 5 massos de linha e 4 eaixas com 8 ar-
rotos de batatas.
Thomaz de Aqiiiuo, Fonseca Jnior, 24 barris
com 680 milheiros de prgosoocaixoes com 20
fuzlar imraenso de raios, que (latas de almnde de azeite cada uma.
epareciam querer destruir anni- Thomaz Fernandes da Cunl. 28 barris com
regiao, situada naquellas para- 221,250 prgos sortidos, 1 dito com 1M) enxadas,
serras ch) Pepim e Monte de 2 caixoes com 145,.fouces, 1 dito aom 80 enxs, 6
ditos cora 1,366 feehaduras, 6 1 dito com 302 ma-
xados.
Em accrescimoao manifest:,
Antonio Lopes Braga, :J0 saceos com 2;3,300 ro-
d Ja-
para o
EXTERIOR.
CORRESPONDENCIA DO DIA-
RIO DE PERWMRUCO.
PORTO.
12 de agosto de 18C3.
Progridem os estudos para o caminho de ferro
A abertura da ex)K>soao triennal da Academia
1 Portuense de Bellas Artes est annunciada para o ,
! dia 31 de butubro prximo.
No dia 19devem os subscriptores do novo banco'
Allianca reunirem-se no edificio da Bolsa para re-!
solver.em sobre as alteracoes feitas pelo ministerio
competente ao projecto de estatutos.
Entre as alteracoes exigidas, as mais importan-
tes sao : supprimir a operacao de compra e venda
de terrenos para revender, permittir que o accio-
nista ausente vote por procuraeao, e exigir cauco
aos gerentes.
Reune-se hoje a assembla geral do banco Un .lo
para autorisar a direccao a levar pratica o se-
guro mutuo de vidas, cujo regulamento acaba de
ser approvado pelo governo.
A direccao apresentar urna proposta para o
quadro de empregados e seus vencimentos e por-
centagom aos directores.
O conselho do sade publica declarou limpo de
febre amarella o porto de Santos.
Falleceu de um ataque apopltico, nos fms de
de 16 de junho ultimo, no qual lhe dei -
ter sido V. S. transferido por decreto de 7 do mes- (9 kilmetros), nao offerece difflculdades para a
mo mez de julho para o commando superior crea- construccao, mas precisa de obras de arte de avul-
do nos municipios de Barreiros e Agua-Preta : tado custo. A directriz segu sempre perto da
cumpre, portanto, que V. S. entrando quanto an- margem do rio Douro, desviando-se d'ella em al-
tes em exercicio, apresente-me a sua patente alim f>uns pontos cerca de um kilmetro. Do estudo das julho, o Sr. Jos Leite de Magalhaes bbadede Pa-
de ser lancada pela repartico competente a apos- entras duas seccoes nada, por emquanto podemos I ratita.
tilla do est> lo, mandando por disposico do com- dizer.
m andante superior interino da guarda nacional de Respeitante via frrea do Porto Rraga, ainda
Serinhaem e Rio Formoso, o respectivo archivo, i governo nao mandou proceder aos respectivos
afim de que nao paralyse o servico. estudos. A escolhado tracado tem dado assumpto
a polmica dos jornaes. Sao dous os que teem me-
recido as henras da discusso ; o tracado pelo li-
Dito ao padre Jos Antonio dos Santos Lessa.
Para se poder eonceder. como declarou-me o Exm-
Sr. ministro do
te, o boneplac
Contava 78 annos de idade. Deixou um grande
patrimonio e nao fez testamento.
Tambem fallcceram:
No dia 31 do prssado oSr. Jos Antonio de Sam-
paio antigo negociante desta praca..
No dia 2 do corrente o Sr. Francisco da Silva
do imperio em aviso de 22 do corren- 1,ora!' segando |>ela Foz, Mathozinhos, Lessa, Villa Pereira, socio da firma commercial Pereira & Trin-
;ito do breve, pelo qual fez-so y. do Conde, Povoa do \ arara e Barcellos, e o traca- dade.
.,-. .i ...__._:.... 1___I__:, j. o._ do IIClO interior lior entro Penafiel o Parmlos nnr \T! nm Rvma. a morco de camarista honorario de 8. San- |do Pel interior por entre Penafle! e Paredes, por
..j_j_ .__.__1_____..___________ ___ j__j tronzada, nor entre Pacos ili> K>-rri>irs a Ciiirimin..
tidade extra-urbem, mister que me envi, devi-!
damente sellado o titulo pelo qual lhe foi conferida
aquella graea.
Dito ao juiz municipal do Po-d'Albo.Para cum-
primento do aviso expedido pelo ministerio da jus-
tica em 30 do mez passado, informe Vine, o que se
lhe offerecer acerca do incluso requerimento em
(me Tneotonio Feliciano de Assis Padilha, pede ti-
tulo de partidor e destribuidor desse termo, decla-
rando o modo por que esse serventuario ha servido
taes offlcicM.
Dito ao juiz municipal de Cimbres.Pelo seu of-
fleio de 17 deste mez, fiquei inteirado de se ter
concluido nessa freguezia a eleicao de eleitores
sem que fosse perturbada a ordem publica e a se-
guranca individual.
Dito aos agentes da companhia brasileira de pa-
quetes a vapor.Pdem Vmes. fazer seguir para
os portes do norte o vapor Cruzeiro do Sul hoje a
hora indicada em seu oflicio de hontem.
Portara.Os Srs. agentes da companhia brasi-
leira de paquetes a vapor expecam as suas ordens
para que no vapor que se espera do norte, sejam
transportados por conta do ministerio da guerra
para a Bahia, o capelln alferes da repartico ec-
clesiastica padre Joaquim Virissimo dos Anjos,
para a corte os soldados voluntarios do 1 regi-
ment de ca vallara Joao Francisco Peregrino da
Paz e Lucio Jos dos Santos. Communicou-se ao
brigadeiro commandante das armas.
Dita.O presidente da provincia conformando-se
Lotizada, por entre Pacos de Ferreira e Filgueiras,
e por Vizella, Guiraaraes e Tapas.
Este ultimo tracado ou outro que siga pelo inte-
rior o que provavelmente vira a ser adoptado.
As contas apresentadas pela direccao da compa-
nhia de seguros Equidade, referidas aoanno econ-
mico findo em junho ultimo, foram approvadas em
reunio de assembla geral do dia 27 do mez pas-
sado, sobre o parecer da commisso de exame que
as achou exactas.
Por uma das conclusoes deste parecer, e que a
assembla geral approvou unnimemente, foi a
direccao autorisada a excluir os accionistas era
divida das prestaefes com que deviam ter entrado
no cofre, concedeudo-se-lhes o prazo detrintadias
para rcalisarem o pagamento, findo os quaes sero
cancelladas as acedes pertencentes aos que nao sa-
tisfizerem oque estiverem devendo.
A somma em divida sao 16:3055000.
Terminou, segundo parece, a criso em que se
tem achado a companhia de iluminaran gaz.
Na reunio do dia 25 do mez passado apresen-
a provincia de Traz-os-Montes, que tao descui-
dada ha sido de todos os govcrnos,est a viaco pu-
blica recebendo grande impulso.
Na estrada que parte de Villa-Real para Chaves,
trabalha-se activamente.
As expropriacoes estao todas concluidas a bom
concert entr as partes.
A estrada pela Serra do Marao vai receber no-
tavel dosenvolvimento nos trabalhos. Os estudos
e tracado do lango comprehendido entre Campea e
o Espinho que a parte mais difflcil desta estrada,
por ser assento sobre o terreno daquella alcantina-
da serra, devem concluir-se brevemente.
Na villa da Pova do Varzim organisou-se uma
associacao de soccorros mutuos, denominada
Monte-pio da associacao dos pescadores, artistas e
agricultores da Pova do Varzim.
Os estatutos j foram approvados pelo go-
verno.
Diz o Campeao das Provincias que o commercio
da laranja vai tendo em Aveiros um notavel desen-
volvimento.
Ha uns poucos de annos era este ramo pouco ex-
coma proposta doDr. chefede polica n. 1,288, de tra, conselheiro Antonio Manoel da Fonseca, J
27 do crreme, resolve conceder a Jos Francisco tino J^erreira Pinto Basto, Joao Antonio de Souza
Flores, Jos de Parada Silva Leito c Francisco de
tou a commisso de exame de contas o seu pare-! plorado pelos especuladores, persuadidos sem du-
cer, o qual conclua por julgar as contas exactis-! vida de que nao aufeririam interesses dos capitaes
simas, approvacao de execucao das obras que a' que nelle empregassem.
direccao -propoz, eleicao de urna commisso para
representar a cmara municipal o estado da com-
panhia, e requerer a novaco do contrato para a
Iluminaran da cidade.
O- parecer foi approvado.
A commisso para tratar novo contrato com a
cmara ficou composta dos Srs. baro de Nova Ciif-
Jus-
de Barros Reg a demisso que pedio do cargo de
subdelegado do 1- districto da freguezia deS. Lon-
renco da Matta.Ummunieou-se ao Dr. ebefe de
polica.
Dita.O presidente danrovincia conformando-se
com a proposta apresentada pelo commandante do
batalhao n. 27 de infantaria da guarda nacional do
municipio de Caruar, sobre que informou o *s-
peetivo commandante superior em offleio de MV-40
corrente, resolve promover alferes da 1* compa-
nhia do mesmo batalhao, o guarda Francisco Ro-
Paula Silva Pereira.
Para a nova direccao ficaram eleitos na reunio
de assembla geral do dia 4 os Srs. Justino Fer-
reira Pinto Basto, Francisco Pinto de Miranda, Igna-
cio Francisco de Almeida.
A junta geral do districto do Porto reunio-se,
extraordinariamente, no da 3 do corrente para pro-
jer distribuicao pelos concelhos da parte que
"uwou a este districto no augmento dos 85 contos
de ris mandados addlcionar contribulead pre-
Verdade que nessas pocas o estado da bar-
ra do porto desta cidade nao permittia aventurar
fundos, que podiam inutilisar-se antes de se acha-
rem em contacto com as aguas do Ocano.
Aconteceu uma ou outra vez a barra nao per-
mittir a saluda das embarcares, apodrecendo toda'
a fructa.
Mas desde que a barra melhorou, o negocio da'
laranja comeeou a render, e no corrente anno j o
commercio com os estrangeiros montn aporto de
8.OOO5.
A exportaco subi pois a 6,270 caixas, ou 3,480
milheiros, destribuida da seguinte forma :
Para Londres 1,320 caixas, ou 660 milheiros, no
valor de 1:5005 por conta da Sra. viuva Barbosa de
Filb.es.
Para Liverpool 2,420 caixas, ou 1,250 milheiros,
no valor de 2:5005 Pr conta dos mesmos carrega-
dores.
Parv&ristol L230 caixas, oa 800 milheiros, no
A barca Despique II, de 298 toneladas, capitao
Faustino Joao de Carvalho, sabida para Pernarabu-
co, em 29 de julho, manifestou para entregar aos
abaizo relacionados a carga seguinte:
Antonio Jos Ferreira Alves, 1 barril com 50 ar-
rateis de presuntos e salpicocs, 1 catead com 24
garrafas com vinho e 1 dito com 24 camisas e 12
ceroulas do algodao.
Albino Jos da Silva, 8 caixoes' com 1,518 arra-
lis de conta de vidro, palhta falsa em obra, mar-
cas de osso e chfre em obra.
Antonio Joaquim Vaz de Miranda, 1 barril de
quarto com vinho.
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, ausente
Manoel Joaquim Ramos Silva & Genros, 40 cu-
nhetes com 2,880 duzias de pomada de cebo.
Antonio Teixeira de Magalhaes, meia pipa com
vinho, 1 barril de quarto com dito, 1 dito de quin-
to com dito, e 6 caixoes cada um com 12 garrafas
com dito.
Antonio Valentim da Silva Barroca, 25 caixoes
com 25 quintaes de chumbo.
ordem, 75 milheiros de prgos.
Carvalho & Nogueira, 179 milheiros de prgos.
20 barris com 250 ditos de dito, 1 caixa com 48
massos de linha, 1 dita com 40 ditos de dita e 183
massos de palitos, 1 caixa com 20 massos de linha
e 26 duzias de caixinhas de chifre.
Christovo Guilherme Breckenfeld, ausente
Antonio Luiz Oliveira Azevedo, 1 caixao cora 50
arralis de retroz.
Cunha Irmos & C, 210 caixoes de 12 garrafas
com vinho cada um.
Custodio Jos Alves Guimaraes, 2 fardos com 150
capachos.
Domingos da Costa Dias, 1 caixao com 12 toalhas
de linho e 21 varas de panno de dito c 4 livros im-
pressos.
Domingos Rodrigues de Andrade, 1 barril de
quarto com vinho e 1 caiia com 42 duzias de es-
covas.
Estevao da Cunha Medeiros, 8 barricas com ce-
vada, 1 caixao com 200 duzias de pentes de chifre,
2 caixoes cora macella e flor de sabugueiro e 1
fardo de 50 capachos de esparto.
Faustino Joao de Carvalho, 1 pipa com vinho.
Ferreira 4 Araujo, 1 caixao cora 100 massos de
linha, 11 arrateis de retroz, 100 duzias de pentes de
chifre e 20 ditas de cartilhas, 1 caixao com linha,
galo de palhta e retroz e 1 cunhete com 100 du-
zias de pentes.
Ferreira & Loureiro, 17 e meio milheiros de sal
a granel.
Gama & Silva, 6 barris de quinto com vinho.
Guimaraes & Luz, 1 caixao com 200 duzias de
pomada de cebo, 1 dito com retroz, linha e escovas
e 1 fardo de 150 capachos de esparto.
Henry Forster 4 C., 3 barris de quarto com vi-
nho, encapados.
Joao Baptista de Oliveira, 1 caixa com uma figu-
ra de louca.
. Joaquim Ferreira de Araujo Guimaraes, 4 bar-
ris com prgos, e i caixa com 24 camisas de algo-
dao, 18 pares de ceroulas de linho, 24 pares de co-
turnos, 2 boctas com passas e 1 toalha de mos.
Jos Alves da Silva Guimaraes, 1 caixao cem
130 duzias de pentes de chifre e 12 pares de sapa-
tos de malha.
Jos Baptista Braga, 2 caixas com 4 arrobas de
batatas.
Jos Maraede Alves Ferreira, I caixao cora meias
de linho.
Marques Barros & C., 20 barris com prgos, 3
caixas com linha e panno de linho, 3 ditas cora li-
nha e coxemilhos, 2 cunhetes com fechaduras e
foixos, 50 ditos com 3,115 duzias de pomada e 50
ditos com pomada, de cebo.
Manoel Jos de Agotar, l calxio cota ima-
gens.
eolham oulr.i Di ssoa que M Kesle a _
creto da demisso. l'oi oiito u'i!:i manyer, enomxado em seguida un.i-tri
mar.
Duvida-se muito que o novo mmi>tio awira 6m
a demisso ao gmerai Dalee, |>>i>qne mar
portan lo beta durante o u-iopo om que fot rapt
tao do antigo principado da Calalunlu. .pir dali
pullulam ja. Mfuadg m Mtmra, lafueana pu-
dorosas para qu,- >. n.i> a
um dos doce itouu/m de tor'trA amigo e nava
nheiro de O'Donndl.
Variosassiunptos impurtanthsiimsreferve* a-
ecbecas dos torneas de estailu A qoobu Ja Aa>-
rira. tanto i'o Mxico oou-i 1! 1. <-.>:i:o-i uut-al-
oslados do sul, a da Italia e da Putoan
agitndose, c touundu eaa
Ja dia pn.|M,rc mm-
.. ......_, ... res. Todos elles podem intluir muii. n trvird>
mas, roupeiros rom 144 grozas de ditase obra Hespanha, e erideiit.- M, Ja gavr-
aevime, 130 canastras coc: 27,437 mauncas do mattaanam providencias. i|uo manife-tam pfSar-
3 0S; c-, los demasiadamente serios
Antonio da silva Gampo.s. 2:fardos com 220 ca-: NoU-w coui efleito. o inlriHi m : u>miu
na deslrlbuicao dos fuiilu pira ...i.-.,
gares ('o thesouro iu> |>ro-.-iil- m /..
Faustino Joao de CamUto, ausente a Ferreira &
Loureiro, 30 feixes com 60 duzias de vassouras, rio" da guerra, repnwentarfio c.-nuin. da
200 barricas vasias, e 2itaihas de barro vastas. : mortise ca negarSo do trafnlho t-m oor
Ferreira & loureiro, 30. rodas de 96 arcos de 36milUC*sdc reales de dotar j
pao rada uma, oOObracas du vime, 5,410 resteas nisterio das obras pul.-licas f ....."i i.iumImi
de cebollas, loO caixoes com, 300 arrobas do bata-, te do dusonvolvim, or .la- fon-..- vi..., mm
tas 1.19 canastras com. 27,499 mauncas de albos. grase e da civilisarao nao s ,-i.v mo- d.- 9 milhi-
Paliueira&lloltrao, W. barris com 131 presun- BWBSMsJ
tos pesando. 48 arrobas c 6 arralis. As consequencias d.-*t.- sv-thoma f..vm im-
itamos Silva & Genros, 2 caixas com 1,100 p- mecer os pensadoras buje ini.....loea uai-
ras e 2. ditas com 1,360 macaas, domargem a presdppor nina cri^ torrM *
________ i do o caso de que a Hespanha lonv |arle artvva na
. futura e possivel guerra 'uruj;a q-io nna wrr
O rei de Hespanha ja s> ach r.^ukebc *
BEKPAXHA.
Lisboa, I de agosto de 1863.
As ultimas noticias que aqu lemos de Hespanha
sao do dia 11.
Houve grande desintelligencia no seio do gabi
Wicommodo que ultimamento sollion.
Escrcvem de Rarrelona qn o inbaM I.
que, irmo de S. M. ol-rn ser randidaM 1
cao s ediles pelo districto de Valli. /VnwmmV
lo acontifllia ao governo ajae ant.-- d<- omsenfi:
que |Mir um inrulento qualqti.r vja minifte
neto presidido pelo manraoz de Miraflios, pnatn no""' um meml.ro da r.imilia r>-.il imhiki a .m
a sua demisso o Sr. Siena: de ministro da fa- senador, rom o prvtaxlo d.- pe i maafj i-uenl
da armada; isto. sobro nmter o irx-onrt-nH'-i'
apealado, evitara mahm me o nonn- .le nm in-
fante do llospinha, sirva .1- baud.-ia i itnrnittir
do. ^
zenda.
Um peridico ministerial exphra deste modo o
conflicto :
O ministro da fazenda mostrara
sempre uma
grand doscontianga para com o do reino, o Sr. -* Espara-te tmttmmH em MM oSr.
Vaamonde, sobre tudo no relativo s elohjes na "'. vem-ziano recoin.....ndao\*-U> vi.--n
provincia de Cordova-, que o Sr. Sierra pretenda to, que vai com a liui de ieamM ar jH-ranl- a'
assignalar os candidatos e marcar o caminho (pie riedaile goographira qne f.i .11 q
so devia seguir para os fazer triumphar, por cuja '
razad tnha interpetrado alguns actos e differentes
bbservacoes do Sr. Vaamonde como ataques sua
pessoa e s dos seus protegidos; nesta sitttaro
julgou o governo opportuno esperar a volt do ge-
neral Concha para se resolver o conflicto, com o
seu auxilio e conselho ; mas o lempo nao fez mais
do que aggravar os nimos dos Srs. Vaamonde o
Sierra, que na segunda reunio que tiveram no
da 3 de ministros que se vio claramente que ura
descohrir as verdadeiras fontes do Nil... t
mose snppoeera, .....aaMa Spaka r.r.mi
Mtet twiiaram pelo Niln. ou'ru rio in
disnnrio.
Chegou a Valencia a emhaivi.Ja luacsiaa. I
emba xada sahio do Tunes no dia 4. r era -Mirra-
da polo viro-consul do Toan I. EaMtfel Furltmi
vice-consul de Tunes nornovio prfa p.vcrno mn
desempenhar esta conimis.^io. o 'i.
Peroando Azancnt. No |orto foi o orulaivad -r r-
daquellos dous senhores nao podia continuar no cebido peto 8r. Kuiiunj, prfu iecnuhtmmmm
gabinete, e como a maioria estava de accordo com
o Sr.Vaamonde, o Sr. Sierra apresealoa a sua de-
misso; que o Sr. marquez do Mirallres, presiden-
te do conselho foi logo apresentar a S. M, dandu-
llie conta do occorrido; a raintta confinnaml 11
sua confianca ao gabinete aceitn a demisso do
Sr. Sierra. "
Foi nomeado ministro da fazenda o Sr. Moreno
Lpez, que estava enearregado da pasta das obras
publicas. Dizem que este cavalleiro, foz tenaz re-
sistencia para aceitar a pasta da fazonda, e s ce-
deu s reiteradas rogativas dos seus companheiros.
O novo ministro da fazenda tem receido asmis
no rivil e nm ajudante do gi-neral. e .1- quaii.
meia entrn esa Vafearte a eaatah 1 bv Inaatm-
do-so na bos|Milaiia da jidado. on-l linha pro.,-
rados uns atobasenlai,
O peasoal o o soguir.t,- o cmb.ii\ ut paf
ral de divisan Sidi-Moluinv!. intni-i
de S. A. o be) do Toan; -o .thi ti de i.ru.i L
Otmaii laolieni:c jinai.'roroii-l Mohaan/lti--
chiJ :o interprete U. Antonio Conrj: ., ., .,'
coronel Moharaod B.namor: .....iwfa de Uadha-
Moliani'Ml iienamnr, ajiulan-. do .'inl-aiN
piimoiio iaierprats do mwnladi u.-ral rio H
ha em Tunos I). TeWa Leisd :o enjenarir
S. A. o bty, Mi. IV.uk i mi't: -a pajil du -or\h-.
V: '. i'
lisongeiras domonstracoes e os mais efficazes olfe-
recimentos de apoio de parte das primeiras ola- oflicial compoc-se do s.-io [Novias
bilidades finaneeiras. Oembaixador, general Mohai
Entretanto o estado do thesouro est mui longo "'"i distinrta que lem viajado muito pela V.
denecessitar auxilios ostianbos; o Sr. Sierra, do- e que dotado do ronliociim-nlo-
pois de pago o semestre, e cobertos lodos os encar- No seu paiz goza do grande 1
gos deixa era cofre cem niilbes de reales ; a caixa era alio ra! a estima lo bey. qn>- lhe den mo-
nas do subido aproen acompanhando-o al ao f>i
lo, sua tbida do Ton. -
Ogoiioral Moliam.1 mmiuii i-m Val-ncu ..-
bricas do looidos de seda, e nlsnn- "iilro estala*
locimeiUos mais Botareis. Tln o |>s*a| da em-
erhefNia
de depsitos restabolecida de sua passageii a que-
bra occasionada pela criso de marro; o trimestre
da contribuirn que esto mez comer a arrecadar-
se tica intacto, e nao poucos crditos na pasta.
Corran o boato de que o Sr. Vaamonde estava
decidido a pedir sua demisso. o que mesmo todo baixada veste uniformes i europea.
o ministerio cahiria. sendo que seria substituido por A ombaixada ja sahaade Vataaesi
uma situaeo Serrano-Mon; mas estes boatos nao; Madrid,
tem fundamanto algum. N'um |iovo das proximidad* Mala" toa
Para o ministerio das obras publicas foi nomea-' ve uma termal ratastropho nsm savpjs rarr.
do o Sr. Alvaro Martnez, antigo demcrata que gados de plvora foram peto ar, matando a qonr
em 1854 foi deputado por Burgos, na qualidade de carn-ros. duas outras ajanas e qiiinze
ultra-progressista, mas que tendo modificado um A detonarn e as chainmas li
pouco as suas opinoes, foi nomeado em 1855 mi-' gos nos edificios, nos arvernlaa e ai.
nistro das obras publicas no gabinete O'Donneli- Contina no maitsr segredo. a m^tnanji
Espartero ; ltimamente abandonou os vicalvarts-! celebro causa da tentativa frustrada de
tas, collocando-se no grupo dos dissidentes, o que-'to de I. Podro tabello, de que ja lhe faMei. A
explica hoje a sua ascenco ao poder. | pedido do procurado; o Sr. Aguad", pava ase *
Uma caria da Granja de S. Ildefonso, onde se amplicm as diligencias, c se a Masar *
arha a corte, diz que o Sr. Alonso Martnez fra re-, vas derlararocs s dinV-roni. A rau-a
cebido no alojamento do ministro da govenjncao,! parece que "se vai azondo bstanle virfumnsa.
onde o esperavam todos os conselheiros da corda. No dia 3 dr junho pelas sele tora-, e 0 aa-
A conferencia durou uma hora, e nella manifestou' nulos da noite, s^nliu-se em Manilh.i um fr>rtealM
o Sr. Alonso Martnez que a demisso do Sr. Sierra I lo de torra, seguido de dous ou iros vai-ren* es-
Ihe havia causado sorpreza, mas que tendo-so cru-' panlosos do aorta ao sul. e de outros Joa b fre>
sado no caminho com a carroagem qucconduziao n'ouaa direccao. 011 circulares romo ajTirawi
ex-ministro a Madrid, tinha tido occasiSo de ter muitas pessoas; um rugido forte protoapd*
com o Sr. Sierra uma breve entrevista; soubera as subterrneo, acompanhou ento o imlM-riptnrel
causas relativamente pequeas da dissidencia, ou- pavoroso estrondo do desabamento de minios edi
viudo ao mesmo tempo os repelidos elogios que o cios. o alarido das victimas, o choque o ipieda do-
Sr. Sierra fazia dos seus ex-companheiros, e dos movis, as corridas, os grims de angustia, e som
nobres e patriticos movis que o animavam em espontaneo e lgubre dos sinos na- turres, e Haal
sua marcha poltica, com a qual nao tinha deixa- mente uma coufusao de voses e ruidos me s.-iam
do de estar de accordo. i o sangue as veas dos mais ajajaji e valoro**-
O Sr. Alonso Martnez ia pedir noticia sobre a dos poucos que dos navios fund.-ados no rio pode
situaeo, o Sr. Vaamonde julgou que a leitura da sam observar o catacUsma qne envolrea a iidd
circular preparada para acompanliar o decreto da os poucos momentos da tormenta que dnroa tmev
convocacao do novo congresso era a melhor expli- minuto proximam>ate.
cacao do pensamento ministerial. Meia hora depois j as autoridades estava* dar.
Dizem gue o Sr. Martnez achou a circular tao do as providencias urgentes, que o raso prata, pea
accommodada aos principios defendidos por elle-no co mais tarde vianvse as tropas da ffuarairao diri
parlamento, que nao poz objeccao algurna e man- gidas por officiaes de engenheiros. un aitit e
festou-se disposto a aceitar o ministerio das obras autoridades lecaes, trabalharem rom ardor para a
publicas. 1 salvaco das muitas victimas.
Dizem que a circular do Sr. Vaamonde, nao Ha secnas. angustiosas; que a ia se masa a
moderada era progressista, e bascada ao cNle- narrar. I > urna correspondencia de Mamita do da
rio medio, conciliador, temperado e emjnentemcn- 6 que temos vista nao se pido rolfir tada a
te constitucional, que servio de base ,transaccao extensao da desgrara pois que ainda esta
entre os partidos histricos. I tos cadveres sob os entulhos. e os pavas
O novo ministro do fomento o Sr. Alonso Marti- fgido para as iramediaees. e nao havia aaat rt-
nez prestou no dia 5 s 4 horas .juramcnlo as tra exacta das victimas;nm des|o.-to artevu
mos da rainha. I pj,co avalia em globo que as victimas batas <-
A Gaceta pubhra um real decreto nomeando a bem a dez mil.
D. Jos Sierra y Crdenas, ex-ministro da fazenda. Os edificios pblicos Acarara todas
conselheiro e presidente da seccao da fazenda do contando-se cnlre elles a bella e vasta
conselho de estado. capella Tai ^^ ^ s jj^b-*,
3ministerio de ultramar, que estava Interina- Isabel e de S. Joao: o palacio do
o tribunal do
marquez Na calhoitral morreram bastantes
eslava nessa hora no otario dr vas-
solemnidad? do corno de Haas.
ceta publica os competentes decretos. O Sr. Per- As casas particulares que araan a
manye',* Pfofessor de jurisprudencia na univer-' sewir nodem-M conur. mnaa
dade de Madrid, e deputado por Barcelona, so o! outras precisam com uraaataa
-r~~^~ "<- wtioHKu, que esiava imerina- saoei e ae x joao: o
monte enearregado ao ministro da guerra o teen-' colas, os hospitaes e
te-general D Jos Gutirrez de la Concha, marquez Na cathedral morrer
de Havana, foi confiado a D. FrancisooPormanyer, fiis ; pois so
vicepresidente do congresso dos denotados. A Ga- peras da sole
auxilia influencia moral
Herrora-O'Donnel.
Conta-se da seguinte forma a historia
meaco:
Uma seria desintelligencia que houve entre as
primeiras autoridades civil e militar da Una de
do gabinete anterior
doata o-
ra evitar maiores desgracas.
A rainha e o rei de P
grecas oororridas em
feotados um tao espantosa
qoe o administrador geral do sea real pataii
porsse disposiio do foverno a aarntaa de
*N



J


"^
Mario de Pernambiico
mil duros, para soceorrer os nfclizes cuja faienda
desappareceu eiu tamaha desgrasa, c tai* pavoro-
sa ruina.
Os ministros residentes em Madrid reunirara-se
em consclho para se oceuparem em uiscar recar-

Jos Ftaainj^ftjJfantonea." .r
Jos JoaijaBHPGlri'
Jsio Xavier Soares de Albuquerque.
JoSo Das dos Santos.
Joo Jos Barbosa.
sos paraattender as mmensas perdas que devera Joao Paulo .\unes de Mello.
* ^ m .U. I lili .f.i ll.n.o,........ f_^_l.r
ter soffrido os habitantes das Pbilippjnas.
Esperase que se organisaro valiosas suhscnp-
coes e donativos para as victimas do terraraoto
das Philippinas.
PERWAMBUGO.
REVISTA DIARIA.
Luiz de Albuquerque Maranhao.
Leopoldo Aureliano Manjas Bacalho.
Manoel Tlioraaz de Albuquerque Maranhao.
Manoel Jos de Sant'Anna Hcis.
Manoel Noia de Carvalho.
Jos Florencio Benicio de Mello.
Olegario Jos Peixoto.
Dr. Porgentino Saraiva do Araujo Galvo.
Pedro Alexandre de Mattos.
Pedro Alexandre Brando de Mattos.
Ponciano Pereira Leite.
Komao Alejandre Brando de Mattos.
Sebaslio Jos de Barros Barreto.
Buocciona hoje em sessao ordinaria o Instituto Urbano Carvalho dos Santos.
Archeotogico e Geographico Pernambucano. Urbano Jos do Mello.
Ha vendo c negado do sul do imperio o hbil Victorino Alexandre de Mattos.
ai lista o Sr. Pictro Clementini, que tantos applau- Coorofe.
sos colheu no Rio c Babia, eonseguio a eropreza do Eleitores.
Sr. Coimbra dsse elle alguns intervallos de mus- Dr. Agnelo Jos Gonzaga.
ea em dous ou tres espectculos, sendo o priineiro Tenente-coronel Jos Victorino da Silva,
sabbado. i Tenente-coronel Antonio da S. c Souza Araquan.
O Sr. Clcmcntiui toca um instrumento novo para Capitao Saturnino Jos da Silva,
o nosso publico, o armonieo, em eujo trabalho elle Capitao Honorato Honorino Ribeiro Granja,
profissioiial com mestria. Capitao Francisco Antonio de S Padilha.
No dia 8 do frrente ter lugar a beneao do Capitao Pedro Eufrasio da Silva,
Sr. Bom Jesas dos Passos, que se venera no Corpo Capitao Francisco Lopes de Barros e Silva.
Santo Alteres Francisco Pereira Lima.
,\"o consulado provincial devem ser pagos,' Alteres Jos Antonio do Nascimento.
at o ultimo do crreme mez os impostos provin- Belarmino Ferreira Padilha.
riaos.que constamdoannuncio emoutra parte deste Josiuo Ribeiro Torres.
numero publicado. Tabellio Luiz Francisco de Oliveira.
Hoje se extraala a GJ parte da 3* lotera do Jos Goncalves Prente.
Bwrendo-se declarado pela manha do dia 11 Ernesto da Costa Agr.
de agosta ultimo mu incendio no poro do vapor Tertuliano Jos Leonel de Alenear. #
Nacarrtf que passou |>or aqu em jullio, aconteceu Florencio Alves de Carvalho.
que tessem queimados differentcs saceos do cartas, Domingos Goncalves Torres.
que eonMitaiam as malas, sendo as que mais snf- Domingos Morira da Silva.
freram as deste imperio para a Inglaterra e as do Ignacio da Silva e Souza Araquan.
Rio da Prata para todos os paizes mxime para a Alexandre Alves de Souza.
Allemanha. Joao Goncalves Torres.
Darnos a carta do nosso collab^rador : : Jos Paz Landim.
Compadre.A terceira eousa que merece espe- Malinas Goncalves Teixeira.
cial'menco o Hospital Pedro II. Francisco Pereira da Silva.
a lodosos respeitos o maior edificio desta capi- Agostinho Paz Landim.
tal, e um dos primeiros do imperio, logo que fr Francisco Rodrigues de Moraes.
eoucluido. Martiniano da Costa Agr.
Sua primeira podra foi lanzada em 2o de margo i Una.
de 1847 pelo presidente da provincia o Exm. con-1 Eleitores.
sclheiro Antonio Pinto Chichorro da Gama, mar- Vigario Francisco Urbano de A. Monte-Negro,
gem direita do Capibaribc, nos Coelhos da Boa-Vis- Capitao Joao Antonio Alves da Silva.
la, em aprasivel e higyenica localidade. Padre Antonio Jacome de Araujo.
Est concluido o lado da frente, que tem 520 pal- Paulino Augusto da Silva Freir,
mos de comprimento, e 63 dejanellas em |arcaria. Tenente Jos Joaquim Alves da Silva.
de 2 andares, e lem por nica entrada um niag- Capitao Manoel Teixeira da Motta.
nico portao no centro, de columnas de marmore, Padre Jos Porfirio Gomes,
com o emblema da caridade sobreposto. Capitao Maximiano da Roeha Wanderley.
entrada tem i saletas, (ue duas das quaes ser- Flix de Barros Pimentel.
vera de aposentamento aos empregados da porta, e Zeferino Cavalcanti de Albuquerque.
as outras para registro e consultas, (cando livre Manoel Mendes Patricio.
um espacoso corredor, que vai ao claustro, o qual Eduardo Jos Teixeira.
formado de 60 arcos, contando-sc 13 por cada Joao Vieira Fialho,
frente e 17 por cada lado. Laurenlino Freir de Albuquerque.
A fachada do edificio, ou a sua parte central, con- Tenente Manoel Chrysostomo de Lima,
tem duas capellas : a do primeiro andar onde est Tenente Jos Luiz de Franca,
o SS. Sacramento, c a do segundo S. Pedro de Al- Hygiuo Pacheco de Queiroga.
cantara, scu padroeiro. Cosme Bento de Medeiros Matta.
Ao lado do sul daquella existem duas grandes Antonio Satyro Cavalcanti de Lima.
eufermarias rara homsns, urna por cada andar sob Flix da Silva Gusmao Camatenga.
o patrocinio de S. Joao. c S. .mselmo, contendo ea- Tenente Jos Teixeira Lima,
da urna 28 leitos de ferro. Paulo Francisco de Ibuquerque.
Ao lado do norte outras tantas, dispostas da mes- Capitao Luiz de Franca Carvalho.
ma maneira para mulheres, sob a preteccao de Manoel Bapitista de Athaydc.
Sant'Anna, c Santa Maria, c mais urna com igual Joaquim Mendes dos Sautos.
proporcao no pavimento terreo para mendigos, sen- Flix Paes Barreto.
do sen patronato S. Vicente de Taulo. ; Manoel Jos da Casta Guimaraes.
Alias destas grandes enfermaras, com 140 le- Pedro Ferreira de Souza.
los, existem mais 4 menores para operados e bixi-' Joao Candido dos Santos,
guentos, sob o patrocinio de S. Justino e S. Anto-' Manoel Vieira Cavalcanti.
nio. Sania Rila, c Sania Clara. | Antonio Jos dos Santos.
Na parte central, e ao correr das capellas, ha | Bemardino Ferreira Bastos.
boas accommndaroes para as irmaas de caridade,' Manoel Rodrigues dos Santos,
a cojo cargo esto as enfermaras as quaes essas! Repakticao da polica :
Loas mulheres se lem recoramendado pela pralica Extracto da parte do dia 2 de setembro.
d'uma das mais sublimadas virtudes o amor do'
prximo.
Tres partes do edificio estao por acabar, c cuido
que sopara um futuro remolo podero estar con-
cluidas. Tem ella a forma de um quadrilatexo com
mais comprimento que largura, coniando-se 520 pal-
Pona) recolhidos a casa de detenco no i.do
corrente :
A orden do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Idali-
na Rosa da Silva, semi-branca, Ignez Maria Felicia
da Concccao, parda, ambas por espancamento.
A ordem do subdelegado de Santo Antonio, os
mos nesta 680 naquelle, ou 2:400 em totalidade," ^^ Jolo B;iptista carneiro da Cunlia, por briga
com 294 janellas em arcana I U espancamento, Maria Luiza do Espirito Santo, por
U que estfalo e de urna elegante simphcidade, disturbio, Joaquim, africano, escravo de Paulo
e-de bem acabado trabalhoartstico. Josi-. Gorae6 a requermento deste.
Nao sei, compadre, donde apparece dinliciro, A ordem do de Sao Jos, Domingas Luiza ou Pes-
quando nesia tena se quer as colisas tambera ^ do Espir,0 Sanl0) rrou|a por desordem.
anana* nos matado, pj*iextem-se faltas de qoo-i \ ordem do da Boa-Vista, os pardos Francis
las nos ejercicios, nada se faz, e o dinheiro gas-. Ferreralavares, por desorden e insultos, Leopj
ta-96. rlinri Mari-i Tnannina iln F.sniritn Santo. Severi
OmarooM de Paran distfl laumdia ; faea-sc
nina priso condigna com o estado de nossa actual
eivihsacan. e ella surgi do-fundo do Capibaribc
rom gramles proporcoes, embora ficasse o rio es-
partilhado, e sq gastsso no sen entopimento deze-
nas sob dexenas decontos.
Alas fez-se, enio faltou dinheiro a la grande para
gastar-ae.
.Vum ootro dia senlio aV> alnioeo um insupporta-
vol cluiroile pomada;ficou enjoa'do, edifsc enlo :
nao quero mais sentir cheiro de pomada, e as praias
se cercaran de caes ea cidade ficou afonnoseada.
Qoantas dores nao se mitingariam a urna por-
eo da hnmanidade afllicta, se outro inaiquezdc
Paran tivesse vnetas de acabar aquella grande
obra t
O que ha do edificio bom, vasto c asseiado.
ExMem artoalateflti 168 enfermos, tratados
con zelo e nUeresse peltM iiielhores facultativa des-
la capital.
Temos oseguinte resHltado da eleieio daapt-
rochias aliaixo :
Mfl ifAtho.
' Eleitoiv-
i!ommandanle-su]'enur I>ourenco Cavalcanti de AJ-
buquenjue
J'adre Vicente Maiia Ferreirade Albuquerque.
Capitao Francisco Ura*ileiro Albiiquerqne.
Vigario interino Antonio D. de V. ragao.
Tenente-coronel Clirislovao de H. Cavalcanti de
^ Albliqueiiiue.
Capitao Antonio Vicente de Araujo.
Padre Antonio Pranklin do RegD Accioh.
Capitao Antonio Barbosa da SilvaCoutiho.
Antonio Jos Pimenlel.
Antonio Joaquim Cunea Lins.
Capitao Alexandre Maria Barbosa da Silva.
Escrivao de paz Alexandre II. da Silra Jnior.
BernardoiBarbosa da Silva.
Bernardina Gaetano de Souza.
ProprietacM Diogo Soares C. de Albuquerque,
Acadmico francisco de Paula C. de Ibuqucrque.
Professor publico Francisco M. B. de Vasconcellos.
Caii(ao Francisco Jos de Barros Silva.
Negociante Francisco Pereira de Souza Lemos.
Alferes Ignacio Joaquim de Souza Menezes.
Proprietario Igaacio dos Santos da Fonceca. .
Capitlo Jajinthc -Gomes Borges Ueba.
Cai-ito Joao Cavalcanti de Albuquerque.
Prii|)iieiario Joao iCorrea de Araujo e Vasconeellos
Negociante Jos Itiilino de Souza Ramos.
Tenente Jos Januario Alves Ferreira.
Proprietario Jos Xavier C. da R. Wanderley.
Agrimensor Jos Roberto Galeno Coelbo.
Alteres Jos- Coelbo de Mello.
Alferes Jos Nicodeiiiws i!, de Vasconcellos.
Proprietario Jos Vieira.de Mello.
-Negociante Joaquim Cavalcanti de Albuquerque.
Escrivo do sobdolegauo Joaquim do Valle.
Proprietario Manoel Lcitao de Albuquerque.
Profirietari Mano I Joaquim do llego.
Manoel da Molla Silveira Cavalcanti.
Alferes Manoel Alves de Souza Cavalcanti.
Proprietario Mani.el Francisco Machado.
Dr. Maximiano Francisco Duarte.
Alteres Maximiano Jos de Mello.
Negociante Simplicio Celestino Cavalcanti,
Proprietario Vicente de Souza Ferraz.
Alteres Francisco de Souza Montoiro,
-Negociante Pedro de Assis Campos Cosdem.
Supplenle>.
Coronel Luiz Candido Canieiro da Cunlu,
Dr. Delno Augu>to Cavalcanti de Albuquerque.
Joao Anastacio Camello Pessoa.
Joao Anaslacio Camello Pessoa Jnior.
Tenente Antonio Francisco de Abreu.
Antonio de Barros Correa.
Antonio Bernardo Ribeiro de Monra.
Dr. Francisco Teixeira de S.
Francisco de Paula Cavalcanti de A|buquerque.
Francisco Xavier de Siqueira Ramos.
Francisco da .MoMafiamatcantl.
Francisco de MlriMoNtCiiienC).
Flix Jos daOtanlM e Mello.
Joao Marque! BaeaJhao.
Francisco de Barro* Barbosa. A saber
Jesuino Doiuingues Carneiro.
Joaquim Cavalcanti de Albuquerque MeHo.
J'^qnim Loureneo de (irvalho.
Joauoba tiumiimti Marinho.
Jo*- Maria ir Santo Cavaleanli.
Jok Joaqun Genes do Ifypto.
/ linuo do Espirito Santo.
Francisco
Leopol-
dina Maria Joaquina do Espirito Santo, Severina
Maria da Assurapcao, e Maria Rosa de Lima, criou-
la, todas por briga e insultos.
O chefe da 2* seccao,
/. G. deMesqnita.
Rcla^o dos baptisados e casamentos da fre-
guezia de Santo Antonio do Recife, em agosto de
1863,
Adelina, branca, lilha de legitima de Olimpio do
Reg Mella
Deolinda. branca, filha legitima de Joao Jos Ti-
burliuo.
Joiio, pardo, lilho de Alexandrina, escrava do Dr.
Jos Suriano de Souza.
1 le mogones, pardo, lilho legitimo de Cosme Jos
Cypriano de Souza.
Julio, branco, liHio de Maria Francisca Carolina.
Ernesto, branco, lilho legitimo de Jorge Clemente
de Borba (lavnlcanti.
mbolina, parda adulta, lilha legitima de Manoel
da Silva Simes.
leopoldina, crioula, lilha de Mauoella Maria da
Concei^ao.
Manoel, pardo, lilho legitimo de Joo Baptisla dos
Santos.
Vctor, |ardo liberto, fiiho de Bcuedicla, escrava
de Francisco Pereira da Silva,
Leonilda, parda, lilha de Maria Francisca da Con-
ccicao.
Joaquim Rayniuiido dos Prazeres, pardo, 26 annos,
Sanios leos.
Si bastiao, branco, fittio legitimo de Joo Baptista
Comes I'enna.
Luita, branca, lilha legitima de ManoelflAnlonio do
Almeida,
P.egina^Jjranca, filha legitima de Manoel Jos- Vic-
toriano de Borba.
Joanna, cabra, lilha legitima de Joao Antonio da
Anuuaciaeo.
I inbeliua, branca, filha de Antonia Maria de
Araujo.
Manoel, branco, lilho legitimo de Salvador Coelbo
Drummend.
-Mauoel, branco, lilho de Isabel Francisca da Costa.
Helena, branea, lilha legitima de Manoel Antonio
Pereira.
Anna, filia legitima de Joo Peres Santiago.
Alfredo, pardo liberto, lilho da escrava Prazeres.
Rosa, parda, lilha de Quitea Maria da Couceico.
Geminiano, pardo, lilho de Quiteria Maria da Con-
eeicia
Rachcl, crioula, fillia de Maria, escrava de Joao
Alves Machado.
Emilia, cabra, lilla de Quiteria, escrava de Joa-
quim Pacheco da Suva.
Ravinunda, parda, filha legitima de Francisco das
Chagas Ribeiro.
Marihuana, crioula, filha de^Autonia Maria Fran-
cisca.
Miguel, branco, lilho legitimo do Francisco Jos Mo-
rcira.
Amaro, pardo, filho natural de Roberto Francisco
Fuado c de Maria Constantino de Jess.
.Casamentas :
Niculio Jos Pereira com Antonia Cherubiua de
Atesada
losa Ribeiro Guimaraes Sobrinho com Maria da
Peona Itangel.
Jos.'- Goncalves da Silva Brito com Maria da Con-
ftticao' Marques.
Passapeiros do vapor nacional Pa-sinuiuja,
entrado de Man : Antonio do Souza Pavolide,
Francisco Jos Teixeira Bastos, Joaquim de Almei-
da e S, Francisco de Oliveira Barroso, Pedro Clau-
dmo Duarte, Manoel Jos de Luna e Germano Lo-
pes de Souza.
Passageiro da ceeuna nacional Cto*puza, \
entrada do Ifio Grande do Sul : Manoel Antonio i
da Silva.
Movimento da casa de detencao no dia l."de i
Miembro de 1863.
Existan........ 394 presos
Entraram....... 10 >
Sahiram......... 6
Existen......... 399 >
dos cofres publi
irmaria nd dia 2 de setembro
Teve alta :
Francisco de Souza Ferraz, contusdes.
Tiveram baixa :
Manoel Vicente de Oliveira.
Salvador, escravo de Carlos.
III POCO BE TUGO.
Do Echo do Pacifico extrae o segmnte o Cor-
rao dos Estados-Unidos, de quem traduzimo-lo
nosso turno :
. Xs temos tido os livres pensadores, os livres
perinutantes; estamos agora para ter os livres
amantes.
A California Farmer trata da orgauisacao nesse
estado de urna seila, que se propoe a praticar o li-
vre amor, o de elevar a altura de um principio de
ordem o que nos denominamos licenca.
Esse jornal promette reveUcfies sorprendentes,
e afirina que differentes de nossos legisladores
tem-sc constituido advogados dessa doutrina; que
quatro professoras sao os seus adeptos ; e que a
propria tribuna sagrada so tem maculado por um
pastor, que vive na intimidade desses propagadores
da corrupcao.
Do mesmo Crrelo dos Estados-Unidos traduzi-
mos oque segu.
Urna mulher alienada entrou ba das em urna
escola publica em Cincinato, brandindo em cada
mo urna enorme faca de carniceiro, com que
ameacaya degollar todas as meninas, que tivessem
a infelicidade de ser bonitas.
S puuparia, dizia ella, as que fosseni feias.
Julguem do terror I
Por felicidade, porm, a furiosa tinha o espirito
lao sistemtico quanto alienado; pois querendo
proceder por ordem, mandou a proessora por as
meninas em fila, para que podesse escolher sua
vontade.
Este momento de dilacao permittio as pessoas
que a seguiam, de chegarem em soccorro, lendo-se
lempo de segura-la antes que executasse a sua
phantasia; e assim todo o enxawe apavorado, fi-
cou livre de urna embrulhada, que poderia ter tido
terriveis consequencias.
Traduzimos do Petit Journal:
O capital preciso para o estabolecimento do cabo
transatlntico acha-se quasi no todo subscripto em
Inglaterra, podendo-se portanto dizer desde ja, que
essa magnifica idea sera effectuada.
Com satisfaco annunciamos, que a primeira es-
taco telegraplnca ser na ilba franceza de S. Pe-
dro, em Terra-Nova.
Recommendamos a leitura da segrale poesa do
Sr. A. M. Fernandes, de S. Paulo, a qual se recom-
nienda pelo bello que desenvolve.
ILLtSOES.
Eu sonhei tanto amor, tantas venturas.
Tantas noites de febres e d'esperanca
A. de Azevedo.
Vejo-a sempre ao desmaiar da la,
Envolla em luzes n'uui dos raios seus;
A virgem paluda que adorci na trra
Fada mimosacreacao de Deus.
Chamo-a dcbalde, s sorri aos anjos,
Que a fronte eingem, de luzentes brilhos ;
Louco, em delirio, me fugindo ingrata,
Sigo-a tremente, nos celestes trilhos.
Sorri-se a paluda que sorrir d'archanjo,
E os anjos bebein seu sorrirciuracs;
Suffoco as dores no gelado peito,
Murmuro fallas eternaes queixumes.
Vejo-a sempre de roupagens brancas,
Errando paluda, ao pallr da la ;
Bebendo amores n'um vi ver d'enleios,
Sorrindo ao astro que nos cos flucta.
Vejo-a sempre nos festins dos anjos,
Trajaudo os mantos que os anginhos teeni ;
Anjo da trra, que fugio p'ra os astros
Anjo que nunca esquecera ninguem.
Vejo-a sempre fugitiva ao longe,
Correndo paluda, n'amplido dos ares ,
Toda cercada d'um cortejo d'anjos
Que vo nos olbos, lhe beber ollares.
Em febre s votes a segua louco
Pobre cuitado me cansava em vao.
A visco dourada era finas nevoas
Que vinham frias, orvallar o chao.
A pholo-csculptura, nova inveneao, que para a
estatuaria o que a photographia para o desenlio c
pintura, fez ltimamente um novo progresso.
M. Willme den ao seu processo urna applicaco
que o deve popularisar.
Com o auxilio de dous clichs phologranhicos,
un tomado de frente e outro de proiil, produz um
mamadlo.
A esculptura nao deixa nada a desejar, qur na
semelhanca, qur no relevo.
Os retratos photographados teem tido inuila voga,
porm os medalhoes da photo-esculptura levar-lhe-
ho vantagem, nao excedendo o seu preeo ao de
urna boa photographia.
mar Negro 1M cavos,
naos de buha e 13 fragatas com 2,246
pecas.
O pessoal de 800 ofllciaes
qbes, e 20,483 marinheiros.
de todas as grada-
o segrate sobfe a
0 Commercio do Porto d
Russa:
Nos unimos dous seculos, a Russia tem duplica-
do o seu territorio e triplicado a sua populaco
que sendo de 20 milhoes em 1723, quando Catha-
rina 1 subi ao throno, chega a 70 milhoes em 18't i,
poca em que Varsovia foi tomada.
As conquistas da Russia, nos ltimos 60 annos,
sao iguaes a tudo quanto possuia na Europa antes
daquella poca.
As suas conquistas na Suecia sao maiores do que
todo o resto d este reino.
As suas conquistas na Tartaria tem urna exlen-
Lettias caucionadas.
Por ouro, prata e
ttulos commer-
ciaes.......
Por outros ttulos.
7:094*040
13:982*720
Lettras a receber.
Saldo desta conta.
Contas correntes.
Saldo nesta conta.
Diversos.
Saldo de varias con
tas. |......
Caixa.
Pelos seguintes va-
lores :
Em moeda de ou-
ro de 22 quila-
tes
21:076*760
320:081)013
2:860847
4,318:61511972
Nacioaaes......273
Estrangeiros..... 27
MoJinm...... lo
Estrangeiras...
Eaerain.....
EscravaB......
3
71
398
t
O banco de Franca annuneiou ha poucos dias que
ia emiilir novos.bihelos de cen e de mil francos
azues.
Nao se sabia a causa da mudanca de cor; sbe-
se, porm, agora que para evitar a reproduccao
photographica.
A photographia nao reproduz bem as cores, lula,
porm, com especiaes difftculdades para reprodu-
zir a azul.
Em Pars tem ltimamente sido assumpto para
todas as conversaydcs o processo intentado contra
o principe de Brunswick por sua filha a condessa
Guilhermna, casada com o conde de Civry, escrip-
tor e jornalsta.
O principe, deslhronado em 1830 pela revoluco
que, por causa dos desvarios da corte, deu a coroa
a seu irmao, tinha, quando era principe reinante,
seduzdo em Londres lady Colville, neta do almi-
rante deste norae, e a levo'u de Inglaterra, depois
de um casamento clandestino.
Passada a la de mcl e os primeiros mezes, du-
rante os quaes lady Colville foi tratada como prin-
ceza soberana no palacio de Wendessen, o duque
cansou-se e proseguio na sua carreira de aventu-
ras, brillante, porque era e inmensamente rico,
possuiudo os primeiros brillantes do mundo, ava-
hados em mais de 60 milhoes.
Sua abandonada esposa, (ue o duque representa
como urna avontureira chamada Carlota Mandsen
que o seduzira, deixando a Allemanha, voltou ao
seu paiz, onde casou e pela segunda vez se divor-
ciou, indo perder-sc o resto da sua ignorada vida
na California.
Porm do seu enlace com o principe tinha nas-
cido una filha, por nomc Guilhermina, reconheci-
da pelo duque e educada, com o titulo de condessa
de Colmar, em Inglaterra, Franca e Allemanha, c
para a educacao da qual o duque pagava urna pen-
so, que suspendeu quando Guilhermina chogou
aos 17 annos.
Qual foi a causa ?
O duque diz que tora o mo carcter e conducta
Independentc da sua filba natural. Os advogados
desta dizem que tora em consequencia da conver-
so delta, devida ao padre Lacordaire.
Guilhermina, abandonada e pobre, foi recebida
pela familia dos condes de Civry, onde a gratidao,
secundando o amor, produziram, ao cabo de certo
tempo, o seu casamento com o primognito da Casa,
nobre, mas pobre.
O principe, levando a mal este casamento, que
considerava desigual, nao quiz dar nada a sua Ulna,
e allegando que no incendio do palacio, ao tempo
da revoluco que lhe tirou o throno, se queimra
o registro do nascimento de Guilhermina, lhe reti-
rou a sua proteccao.
Os defensores da joven, Berrier e Marie, addu-
ziram innmera veis provas do enlace do dilque
com lady Colville e da legitimdade de sua filba,
acredilando-se por isso que a condessa de Colmar,
baje condessa de Civry e esposa de um jornalsta,
S ver reentregada no seu legitimo patrimonio.
O duque vive esplndidamente era Paris e os de-
bates judiciarios deste pleito estao cheios de anc-
dotas curiosissimas.
C1IR0MC1 JUDICIARIA.
TKIBl \ AL DO JURY.
QUARTA SESSAO.
DIA 31 UE AGOSTO DE 1863.
Presidencia do Sr. Manoel Jos da Silva Neira, juiz
de dtreito da 2" vara crime.
Promotor publico o Sr. Dr. Francisco Leopoldino
de Gusmao Lobo.
Escrivo Joaquim Francisco de Paula Estoves
Clemente.
Advogado o Sr. Dr. Americo Netto de Mendon^a.
As 10 horas da raanha, feita a chamada acha-
ram-se presentes 44 senhores jurados.
Foram multados em 205000 cada um dos senho-
res multados nos dias anteriores.
Entra era julgamento o reo Alexandre Xavier da
Silva, aecusado por crime de furto de urna posco
de fazendas pertencentes a nra almocreve.
O jury de sentenca foi composto' dos senhores
seguintes:
Jeronymo de Hollanda Cavalcanti de Albuquerque.
Gemeniano Joaquim de Miranda.
Joaquim Jos Ferreira Penha.
Hyppolito Cassiano Vasconcellos Albuquerque
Maranhao.
Miguel Alfonso Ferreira.
Dr. Silvio Tarquinio Villas Roas.
Ulisses Pernambucano de Mello.
Jos Antonio Vieira de Souza.
Alexandre Augusto de Frias Villar.
Manoel Jos de Azevedo Santos.
Horacio de Gusmao Coelbo.
Jos Pedro das Neves.
E presiaram o juramento dos Santos Evangelhos.
Foi o reo interrogado e procedeu-so o leitura do
processo.
O Sr. Dr. promotor publico pedio a condemna-
cao do reo no grao medio do art. 237 do cdigo
criminal.
O Sr. Dr. advogado allegou, que sendo particular
o crime de furto, e nao tendo-se verificado a pri-
so do reo em flagrante, fosse a accusacaojulgada
perempta.
O Sr. Dr. juiz do direito, em vista das allega^oes
do Sr. Dr. advogado, propoz ao jury tres quesitos
sobre excepeo apresentada.
Entregues ditos quesitos c processo ao jury de
sentenca, foi esto conduzido sala secreta, d'onde
Lvoltou, respeudendo aflirmativincntc os quesitos
puloslos.
X) Sr. Dr. juiz de direito, em vista da deciso do
jury mandn proseguir ao julgamento.
Proferida a deciso pelo Sr. Dr. juiz do direito,
obteve a palavra o Sr. Dr. advogado c deduzio a
defeza pedindo a absolvigo do reo.
Findos os debates e prcenchidas.as solemnidades
da le o Sr. Dr. juiz de direito propoz ao jury os
respectivos quesitos.
Reeolhido o jury de sentenija sala secreta das
conferencias, a Ohora da tarde, voltou as duas
com suas resposlas que foram lidas pelo Sr. Ale-
xandre Augusto de Frias Villar, presidoute do con-
sclho.
O Sr. Dr. juiz de direito publicou sua sentenca,
condemnando o reo a pena de dous mezes e dez
dias de priso, e mulla de 3 por cenlo do valor
furlado, e as rustas.
I^evantou a sessao, addiando-a para o dia segra-
te s 10 horas da manha.
1,919:398*830
souro dos valo-
res de 105000 e
superiores. 633:0005000
Era moeda de tro-
co ........ ili70
Em notas da pro-
pria caixa. 3,672:8005000
sao igual da Turqua europea conjuntamente Em notas do tli<
com a Grecia, Italia e Hespanha.
As suas conquistas na Turqua europea/sao
maiores que todo o reino da Prussia, exceptuando
as provincias do reino.
As suas conquistas na Turqua aziatica sao iguaes
a todos os pequeos estados allemes.
As suas conquistas na Persia sao iguaes Ingla-
terra.
As suas conquistas na Polonia sao iguaes a todo
o imperio da Austria.
Decompondo-se a cifra total da sua populaco,
d o segrate resultado:2 milhoes no Caucaso ;
4 de Cossacos, Kirghuiz e Georgianos; 3 de Tur-
cos, Mongalos, 6 de Suecos, Finlandezes e Uranos;
20 de Moscovitas : e 23 de Polacos.
A populaco da amiga Polonia figura por duas
tercas parles da populacho total de urna oitava par-
te do territorio goveruado pela Russia : estando
por isso o elemento polaco era grande maioria cora
relaco aos outros.
Se se admittissea possibilidade da conquista do
imperio ottoraano pela Russia, teria este depois da
reuniao dos pavos slavos e oceupa^o de Constan-
tinopla, umapovoacao de 100 milhoes de habitantes
sobre a sexta parte do globo habitada
Estes 100 milhoes de boniens formara o total da
populaco do imperio grego slavo, sonhado pelo
Czar Podro L
6,243:2105:100
12,443:2245850
Passivo.
Banco do Brasil conta do capital.
Valor fornecido pe-
la caixa matriz. 2,000:0005000
Emissao. t
Valor em circula-
cao........ 4,622:2005000
Lettras a pagar.
Por diubeiro toma-
do a premio. 5
Por saques..... 30:1165633 30:1165633
Diversos.
Sal do de varias con
s........
Gaultos e perdas.
Lucros sujeitos a
liquidacao. .
5,666:0105858
126:8975-395
12,445:2245850
O guarda livros,
Ignacio Xunes Correa
C0MMN1CAD0S.
QUARTA SESSAO.
DIA 1 DE SETEMBRO DB 1863.
Presidencia do Sr. Dr. Manoel Jos da Silva Iteva,
juiz de direito da 2a raro crime.
Promotor publico o Sr. Dr. Francisco Leopoldino
de Gusmao Lobo.
Escrivo Joaquim Francisco de Paula Esteves
Clemente.
Ad yogado o Sr. Dr. Americo Netto de Mendonga
s 10 horas da manha feila a chamada acha-
ram-so presentes 42 senhores jurados.
Foram dispensados da sessao os senhores :
Joo Manoel Carneiro de Lcenla.
Jos Maximino Pereira Vianna.
Foram multados em 205000 cada um dos Srs.
multados nos dias anteriores.
Entra em julgamento o reo Manoel Pereira da
Silva aecusado por'crime de olfensas phisicas bi-
tas n pessoa de Anna Martinha dos Santos.
0 jury de sentenca foi composto dos senhores
spgarates :
Jos llenrques da Silva.
Firnnno Herculano Baptisla Ribeiro. -
Joaquim Jos Ferreira da Penha.
Francisco Jos Alves de Albuquerque.
Antonio Cardoso de Queiroz Fonscca.
Manoel Antonio da Silva Moreira.
Jos Goncalves Torres.
Dr. Silvio Tarquinio Villas-Boas.
Jos Elias do Oliveira.
Candido Thomaz Pereira Dutra.
Jos Jeronymo de Souza Limoeiro.
Hyppolito Cassiano Vasconcellos de Albuquerque
Maranhao.
E prestaram o juramento dos Santos Evangelhos.
Foi o reo interrrogado e procedeu-se a leitura do
processo. .
O Sr. Dr. promotor pedio a condomnac,ao do reo
no grao mximo do art. 201 do cod. crim.
O Sr. Dr. advogado deduzindo a defeza, pedio a
absolvicao do reo.
Findos os debates e precnchidas as solemnida-
des da le, o Sr. Dr. juiz de direito propoz ao jury
de sentenca os respectivos quesitos.
Reeolhido o jury de sentenca sala secreta das
conferencias a 1 hora da tarde voltou "k 1 '/j Ct\>l
suas respostas, que foram hdas pelo Sr. Dr. Silvio
Tarquinio Villas-Boas, presidente do eonsolho.
O Sr. Dr. juiz de direito publicou sua sentenca,
condemnando o reo a pena de seis mezes o raeio
de priso e multa correspondente a metade do
tempo o as costas.
Levantou a sessao, addiando-a para o dia se-
guirte s 10 horas da inanha.
Ao publico.
O Constitucional Pertumtiucano n. 28 do 1" do
corrente, em suas noticias diversas faz urna aecu-
sacu ao Exm. presidente da provincia, em refe-
rencia ao procedimento da cmara, que opinou
para que se contratasse com o Sr. Flavio Ferreira
Catao por tempo de dous annos, o imposto das a fe
rieoes dos pesos e medidas deste municipio.
Nao vejo razo que jusfique urna tal censura.
S. Exc. obrou de conformidade com o parecer da
cmara, que conservadora verme/haem sua maio-
ria absoluta, havendo nelia somente dous arrepen-
didos, segundo me informara. Autorisou a cmara
a fazer o contrato pedido pelo Sr. Cato, c esta en-
tendeu dever celebra-lo, para sujeita-lo a appro-
vaco do Exm. presidente, na forma do art. 44 da
lei do Io de outubro de 1828.
S. Exc. nao mandou que esse contrato se fizesse
a capucha, e sem as formalidades prescriptas no
art. 43 da citada lei, que saoleilao publico e a
quem mais der.
Fazer S. Exc. responsavcl pelo procedimento da
cmara, ser injusto. Esloubcm certo que S. Exc,
mandar cumprir aquella disposicao legal antes
de approvar o contrato da cmara ; e nao fazendo
assim, ento calar-me-hei.
Em virtude dos editaes da cmara, cu c outros
nos habilitamos cora nao pequeas despezas, para
contrataras afericSes : eu fiz mais, offereci pre-
viamente maiores*vantagens a S. Exc. c a cmara,
e aiuda nao Uve o menor despacho ; mas j sou
informado que na caar tereiprejudicado; isto
mesmo serve.
Estou disposto a chegr a muito maior prego do
que o que offereci, se o negocio fr a leilo, como
anda espero ; porque nao posso acreditar na razo
allegada pelo Constitucional de que S. Exc. quera
pagar cora as rendas do patrimonio da cmara ver-
melha serviros eletoraes. O governo disp5e de me-
lhores e mais honestos meios ; o Constitucional o
sabe.
Para que eu acreditasse nisto, seria preciso ad-
uiittr S. Exc. em harmona com a cmara e com
os vermclhos, o que nega o Constitucional com
afinco nrbi ct orbi. Acredilare antes, que acama-
ra, anda incorrendo em censura, queira crear mo-
tivos de aecusacao contra S. Exc. E para que se
nao pense a meu respeito diversamente do que sou.
declaro que sigo a poltica conservadora verme-
Iha, e a sigo sem interesse algum, c s por con-
vieco. e por isso reprovarei os excessos do parti-
do, "quando estes por ventura se deem.
Nada mais por ora ; e concluo dizendo, que se
tomei o iucommodo de habiltar-nYe, foi porqne
flei-me nos editaes da cmara convidando concur-
rentes para o contrato das afercoes, editaes que
aiuda continuara a ser publicados no Dirrio de
Pernambuco, apezar de (oda essa embrulhada, que
tem havido, como se verifica do mesmo Diario do
hontem, e nao sei se no de hoje.
- Nao censuro a cmara, mas nao posso elogia-la.
Os fados fallaram mais alio.
Joao Baptista Gomes Penna.
Recife 2 de setembro de 1863.
fulminando com sua palavra vigoran, e ak-
da, os e* com
gtei
e m outros negocios de
rendo com os seus discursos e votas
cao, e deciso dos artos legislativos aiwT ,
tantes, j emflm denegando-lhes o sea macar*
SU
T*.
oppondo-sc enrgicamente, cono
fresco memoria de todos.
D'ahi se observa que mtmna ea
cepcionaes, em qoe se adna o Sr. Dr. V_
vares ante a repmenacio nacional, eotr
dimente nao poderia elle ter, e par seo i
bem sabido que entre os prima <
paiz, e verdadeiros liberaes da corle, i
a estima e consideracao. As [
e procurara esses circuios, ou sao alo
ao exame, e a apreeiaco dos fados traten
a mais plena convieco.
Como lente rathedratico da notsa ParnnV e
Direito, elle nunca deixou de sns^nnv-so par
seus talentos, e illustracao pomo conanna, fin
didctica obra sobre direito ecrlesiastiro, *jn con
randes elogios foi adoptada para confnalo, noo
acuidades de direito do imperio, e uniros i
tantes trabalhos de sua penna d'ooro,
as mais exuberantes provas desta asserro.
Como cidado, elle possue as melhores quaMa-
dcs moraes. qur a respeito das relarOes sftru.^.
quer a respeito das de familia, alm d aras vir-
tudes cvicas. Se pois o Ilustre Sr. Dr. Jmayo>
Vi le U Tavares inqaeslionavelmeate poseas loan
os requisitos necessarios, tem baslane mrnrinta
to para bem desempeuhar a importan ntsso e
depuuido pelo 4 districlo desta provincia, ierra 4o
seu nascimento, e onde a sorte pooco prtycia ne
tem ."ido ; se elle era verdaoV ten nno psora-
cher a couflanca dos que we prestaran m seas
sufragios, portando-se rom toda digaiihr e bao>
radez, nao deve razoavelmenie deixar de atr atora
reeleito por aquclle roesn distrirJo, esno anhe-
lara os llieracs puros da corte, U ilintnhu orula-
res, e justos apreciadores do seu louninsiiii
As desaffeiroes pessoaes, as intrigas r calum-
nias, que lhe sao inherentes, nao deven pujas a
car o Sr. Dr. Jeronymo VBella de Casar Tarare.,
na<|uelU sua actual reeteieio ante os eleinres
sensatos. ntegros e indep.>n dcsU provincia, os quaes saberio resismr, e sera
sobraneeiros a esses manejos, para preferir, e re-
cleger o mesmo Sr. Dr. V ilella Tavares, o -iihilu
prestante, o homem de tem a toda a prova, liberal
decidido desde sua infancia, deputade aagn e
experimentado, orador distinrto e imnanoaaln',
como por certo Bao o bombrean mnitoo, des ojae
para all o bostilisam.
O Ana. Bomlr**.
Recife, 31 de agosto de 1863.
0 'iiselheir J. B. da Cuha e Pi-
O boato de que me consta estar-se rrnnlanado
de que sahirci deputado pela proviocia do Ceara,
nao lem o menor fundamento, inleiramenb- Tra-
mito c tal vez inventado por quem me nocir per-
judicar. A sorte de minia eieiro corre nuca-
mente pelo 3 districto do Cabo, por cade ne
apreseutei, nao desesperando anda ili |innwiiilj
de e independencia dos seus dignos eleitores.
Recite, 2 de setembro de 1863.
Jot>[ Bento ia Cunta eFif*art*>.
PUBLICARES A PEDIDO.
Er) si afila.
0 medicamento que cora mais influencia
e energa lera combatido essa lerrivel en-
fermidade, tem sido o xarope akoolko de
veame.
Urna escrava da m5i do Sr. Francisco
Firmino Monleiro, pessoa bem conherida
nesta cidade, achando-se de rama, e r- rt
as pernas bastante indiadas, e cheia de lu-
mores, tomando o xarope de veame, acha-
se hoje boa, prestando serviros.
A mana do Sr. Jos Francisco Pinto, mo-
rador un ra Direita n. 51, tendo sklo ac-
commellida do mesmo mal, acha-se lambn
boa.
A Sra D. Senhorinha Umbelina dos San-
tos, moradora na ra das Calcadas- n. 38.
ai'hanuo-se atacada de erysipella as cus,
com quatro tumores bastante volumosos, no
estado indolente, que a privara de pr-se
de p ha muilo tempo, com o uso do aro-
pe alcoolico de veame e pilulas purgativas
do mesmo, acha-se reslabelecida, e no aso-
dos medicamentos os tumores terminaran
pela stipuraco.
A Sra. D. Rila, moradora na roa Direita
n. 6, segundo andar, sofTrendo do mesmo
mal ha mudos annos, pois que a erysipHIa
atncava amiudadamenie, depois qoe lem
lomado esse remedio nunca mais lhe dea.
O Sr. Antonio do Espirito Santo Senna.
morador no pateo do Terco n. 137, sendo
frcquenlemente atacado de errsipelia nos
testculos, nao mais lhe deu ate esta dala :
outros muitos Tactos desta ordem deixo de
mencionar a jui para nao me tornar proirto
e enfadonho.
Caixa I ilial do Banco do Brasil.
1863.
A Yac-do publica o seguinte :
A escuadra iogleza do Mediterrneo consta de
27 OBibarcaciie* de 13.1 pecas.
O seu lote de 43,713 toneladas ; a torca de va-
p(r de 9,432 cavallos ; e a tripulagao compoe-se
do 8,558 homens, entre officiaes e marinheires.
BALANCETE EM 31 DE AGOSTO DE
ACTIVO.
Accionistas do banco do Brasil.
Entradas nao rea-
lissdas de 10,000
acedes locaisa-
das na provin-
cia ........... 4OO:fJ0O*O0O
Lettra descontadas.
Com duas assigaar
turas residentes
no lugar do des-
cont....... 838:3254092
4 Com urna s dita
urna s
Segando se colhe do Memorial Diplomtico, tem dito....... Tflttnlftfil
a Russia no Balteo, no rio Amor, no mar Branco,' ------------------
937:37tfW
A justa candidatura do Sr. Dr. Jorni>nio Vilella
de Caslro Tavares pele V rirculo.
Sendo a erysipella urna molestia que
Quando se deve eleger os rnembros da represen- duvida eHeito de materia erada no corro
tacao nacional por esta provincia, sera por cerlo Pnmf Mn,-uni r^ .
grave injusliea, c revoltante ingratdao preterir-so ^0m0 eipoem al"lS escr.plores de nwdi-
e olvidar-sc o nome do Sr. Dr. Jernimo Vilella de cma< e em consequencia da febre lancada
Castro Tavares. Este nosso distinti comprovincia- na pelle, onde produz nflammacSo, e que
no possue em subido grao os precisos predicados muitas pes.sas, por nao se terem conve-
para bem desempeuhar o mndalo popular. npnipmont iraliHn cu..mkan. .- ~
Havendo sido eleito deputado assembla geral n,en,pni,-r"e tralado. succumbem roa o
por esta provincia por diversas vezes tem sido Pernicioso uso de que, nos Ires das nao de-
sempre apontado, como um dos seus melhorcsor- vem usar de remedio algum, o que faz se
menlos. estender o mal por nao se ter a principio
.as principaes e mais difflcois discussoes parla- combatido or kso nnk p cnnxeni*w>t
mentares, elle sempre tomou parte activa, falln comi,ai,uo Pr ,ss<)' P*. e convenienta
com muita proflcieneia, demonstrando nao vulgar (loe- |0S 'luc a'guem se sentir atacado ile
talento a par do vasta erudicao, como atiestain os tal mal, deve provocar a transpiracao loman-
respeetivos annaes. do ao principio urna colherinba de cha da
Alem desse brilhante merec ment, que sempre ar0l)P alcoolico de velamp Hi
(i ten distinguido no ejercicio de represenueao "ll ,. f.TiT "
da uaco, elle ha dado successivas e exulierantes uma encara de infusio de flor de sabiignei-
Erovas de independencia de carcter c incorrupti- ro quente, adocando-a cora mais asacar.
lidade; d'onde resulta o bom conceito, e liomosa continuando nos tres dias nesse Iratamenlo
oiiiniao que gosa na corle nos mclhores circuios, no |m os quaes m3ri do Mrope je Tefa_'
l Todos a?U sbeme confelsam que, a despeito de me ,na f^rma Prescripta no receitnrio,
nao ser elle abundante em recursos, nunca trafi- tendo todo o cuidado de se abalar, afta de
cou com a sua posicao, ncm jamis deixou de man- suar convenientemente, alm de conservar
ihesao'coraaatveurCUmSpeC"5' decencia qu# venll'e corrente, que conseguir tomando
Ln^raUes^a infancia, e at mesmo por he- uma ou duas Pi,u,as P'Tgativas do mesa
ranga de seu respeilavel pai, elle sempre afronten, veame.
e soffreu com coragem e resgnacao lodos os rev- Todos quantOS succumbem desta
7.es inherentes a esse seu partido, sem nunca apro- ja se a fallpepn Hfl pri-snoila
veitar-se dos seus goios, ou loeuplelar-se das suas \. ,, u, nn Iai,ece9 a* er>*pella
vantagens. ,m,la > ao contrano alguns expositores
Hajam vista os relevantes servicos por elle pres- presnmein ser o desenvolvimeuto da paira-
lados, durante o trumpho do" partido praieiro, faccio no sangue, tanto que o lutrar inflaa-
com a maior dedicacao possivel, sem nada obter mailo auo en 15o a para s propno ou para sua familia. '" q ,. ", a sua cor era *WUmK
O aferr, e denodo com que elle sustentou as se "oca em ,.,v,da ou negra, e termina ea
suas opinies liberaesa, se v na imprensa, as im- gangrena, e por essa razo que conve-
portaiites peridicosGiuuda Nacional, Vapor da niente O xaroi)e alcoolico de veame nain-
Cahfornta, Regeneracuo, Aurora, e j no Diario- fn Novo, folbas estas, que ampia e efflcai effeito o de- L""??? n -g P M ^"T*
cidido interesso produziram entre a populaco, pe- "^'ver a mliammacao, OU pelo naos lef-
io osty lo varonil e convincente, alera do precioso minar pela supuraco, impediodo nana*
atticismo com que eram redigidas. gangrena.
Taes factos sao da maior notoriedade possivel, e r>s pITftto rtn virnna alrnnlicn de vetann
por isso mesmo repeliera toda a possibilidade de ,r Tv Wj
puro invento para abrilhantar uma apothese, qui- aPPpcado na flor de sabugo ao doente n*>
iv injusta. s de vantagem por sua qualidade diao-
Na cmara temporaria, em verdade, outra nao relica, como pela anti-seplica, para Janj
liodia ser a posicao, que o Sr. Vilolla Tavares oc- dir a nnirpfircJo as molestia,
cupouporaigumas legislaturas, depois da rerolta *^P ,?.n?f^n n nLwi t.-4-
de 1848T Achando-se anda profundamente mpres- Na erysipc|h nao deve o enfermo nos piv
sonado pelos mais duros transes, e acerbos des- metros tres dias usar de comidas e
gostos, que expermentou n'aquella fatal poea, e que possam esquenlar e inmanaat
.sempre ao lado de sua excellentissima familia tea- one
do sido ora arrastrado s presigangas mais terri- e a comida durante esse tempo
veis, as fortalezas, o ora ao n quo dWedo da ilha A conuua uuiho woo k
de Fernando de Noronha, por algunsimbos e por ^ reino vegetal comoi sago'.
isso mesmo exposto perda de seus interesses, e Maranhao, pao torrado, bolacha, ele.
apuros erios; vendo-seno recinto daquella cama- Ainda nao vi expositor di
ra era quasi unidade de opintes, ou sentinentos aconselhasse que nos primeira Ira
hberaes, porqua a mxima parte delta cempiraha- .(.commettimnto do mal nin
se dos vencedores, e a outra, alm de impercepti- accouiuieiuiueuio uo mw, nat
vel era numero, diverga nos pomos raisenen- medicamentos; o que ella
ciaes, e affecuva nimia moderacio para ressalvar- anMentOS, untaras e
como lho era possivel, o seu dever sagradoja cuacao da parte ; o que coovm traiar

I
V


kirie de Pernanateiico |nlntn felra 9 r!c Sr(omhro de 8S.

lugar aacido o \tm agazalliado para ajudar
a trauspiraco Mender doar.
0 verdadeiro xarope de relame vende-se gunda.
ito Paulo Comes de Mtte
das na priaejra ctdeira e 3
L-ijusiiflca-
Utas ua se-
na botica da ra Direita, n. 88,
Rocha Prannos.
de Jos da
Ao publico c o Sr. Bartholorneu Fran-
cisco de Souza.
-_^
Jos da Cosa Carvalho Guimaraes Jnior,
2 justificadas na primeira cadeira.
Virgilio Augusto 4e Moraes, 2 inclusive
1 sabbatina justificadas na primeira cadeira.
e 4 justificadas na segunda.
i Pedro Bezerra Pereira de Araujo Beltr5o,
! 2 justiQcadas na primeira cadeira e 3 ditas
na segunda.
' Jao Lopes Pessa da Cota, 3 justifica-
das na primeira cadeira e 4 ditas na se-
gunda.
Antonio Alves de Caminal, 4 justifica-
Fiquei satisfcitissimo por ter o Sr. Bartholoineu
respondido por este mesmo jornal a publicagao
que llz no n. 197 de 29 de agosto ftndo, e peco ao
mesmo senhor que negu mais o seguate : se
hw estavam presentes o capitao Luir Cosario do, ,
SSomeu^ primeira cadeira e 2 diUs na se-
de e o Sr. Joaquim Bernardo da Cunha, quando gunda.
S. S. me fallou pela primeira vez c me offereceu, Joaauim Uofero de Oliveira, i justifica-
7003 por toda a divida do Sr.Dr. Lourenco Be- d d ra e 2 dila8 oa se-
lerra; 2o se ncssa occasiao me dissc que tinha res- ua "" V',IU04, a
poadido a quom lhe pedir para rlr far.cr comigo gunda. r '
algum arranjo com a divida quetaes arranioss Francisco Antonio de Ulivetra hormno,
se faziam com dinheiro vista ; 3 se quando pe- 3 justificadas na primeira cadeira e 4 ditas
la segunda vez voltou a ofTerecer-me um cont de na seRun(ja>
Jos Elisio de Carvalho Couo, 3 justifi-
ris em um documento de sua firraa,j tinha effec-
tuado a compra dos 16 escravo por 9:G00J ; 4o
se nessa occasio nao me perguntou quanto allnal
quera eu peladlvida.se nao Ihedei urna nota com
a sorama de 2:1075355 rs, e disse que me dar
or paso do capital juros c coscas de duas letras
cuio capital do l:o5^355rs., vencidasamis de
5 nnos. Em quanto |o Sr. Bartholomeu nao negar
cadas na primeira cadeira e 1 dita na se-
gunda. -
Augusto Ernesto de Cerqueira, 2 inclu-
sive 1 sabbatina justificada na primeira ca-
deira e 3 inclusive 1 sabbatina ditas na se-
mais o contedo nestes quatro quesitos por_ este gUnda.
mosnto jornal ficar intacta toda a mmha publica-1 J()5o Firmino de Hollanda Cavalcante, 4
rL'hSeume euTSmaThle.T^; justificadas na primeira cadeira e 4 ditas na
anda ao Sr. Bartholomeu que por sua honra edtg- segunda.
niiade, faga publico por este jornal, em quanto: j0j0 Mara Loureiro Tavares; 1 justifica-
importaram os pagamentos que S. S. fez peloSr. da primera e | dta na segunda.
I>r. Lourenco Bezerra Carnetro da Cnnha, com de-! ,_/ n___.,
que foram
g- Vien, ienta-feira 4-do forrea^dMlMMM
i Aiic< n-> sPtninda. audiencia do juiz de orphaos. I
Dr. Lourenco
claracao dos nomes dos credores que foram em
bolsadas por S. S., afim de que possa merecer al-
cumeonceito a sua allegaco. do contrario o
respeitavel publico us far a devida justtea.
Pernambuco, 2 de setembro de 1863.
Jos dos Santos Neces.
A salsa parrllha de Brlstol.
0> climas dos paizes trpicos s3o o la-
boratorio de todas as enfermidades cutneas
e ulcerosas. E' esta pois a razo por que
esta preparaco que as subjuga com urna
scuridade proverbial. 6 lateralmente dis-
pensare! tanto no Brasil como no resto de
America Hespanliola. As escrfulas em
lo las as suas terriveis formas, promptamen-
te suceumbero. mediante a applicaco desle
poderoso agente detersivo As chagas se
1, as con-1 ,
recobram sua clasti- deira e 8 inclusive
curato, as erupcoes desapparecern
anclaras contrahidas
cidade, as inttammaroes e tumores se des-
vanecem, os cancros se atalhara, os absces-
os se secam e o rheuinatismo se allivia por
meio da salutfera operario deste grande
pnrilicador e curativo vegetal. nao suppri-
minlo, massimextinguindocompletamente.
Acha-se venda em todas as lojas de
drogas.
Jos Domingues da Silva, 3 justificadas
na primeira cadeira e 2 ditas na segunda.
Tiburcio Raymundo da Silva Tavares, 2
justificadas na primeira cadeira e 2 ditas na
segunda.
Jos Antonio Gomes, 3 justificadas na pri-
meira cadeira e 3 ditas na segunda.
Manoel Prxedes Benevides Pimenta,
perdeu o anno por excesso de faltas.
Candido Alves Machado, 6 inclusive i
sabbatina justificadas na primeira cadeira e
3 inclusive 2 sabbatinas ditas na segunda.
Joao Barbalho Ucha Cavalcanti, 1 justi-
ficada na segunda cadeira.
Julio Cesar de Mendonca Ucha, 1 justifi-
cada na primeira cadeira e 2 ditas na se-
gunda.
Goncallo Vieira de Mello Prado, 8 inclu-
sive 1 sabbatina justificadas na primeira ca-
l sabbatina ditas oa se-
Jo5o PcdrtTWJbrt
na primeira cadeira e 3 ditas na segunda.
Bemvindo Gurgel do Amaral, 3 ustiica-
das na primeira cadeira e 2 ditas na se-
gunda.
Antonio Pedro Ferreira Lima, 3 justifi-
cadas na segunda cadeira.
Clemente de Oliveira Mentes, 1 justifica-
da na primeira cadeira e 1 dita na se-
gunda.
Joaquim Lopes Lobo, 1 justificada na
segunda cadeira,
ReiuaWo Gomes te Oliveira, 2 justifica-
das na segunda cadeira.
Jos Bernardo Gomes Serra Belfort. 3 jus-
tificadas na primeira cadeira e 4 ditas na se-
gunda-
Arislides Augusto Coelho de Souza, 11
inclusive l sabbatina justificada na primeira
cadeira e 9 inclusive 3 sabbatinas ditas na
segunda.
Baltholomeu Teixeira Palha, 2 justifica-
das na primeira cadeira e 2 ditas na se-
gunda.
Antonio Jos de Carvalho, 2 justificadas
na primeira cadeira e 2 inclusive 1 sabbati-
na ditas na segunda.
Antonio Pedro de Miranda, 2 justificadas
na primeira cadeira o I dita na segunda.
(Continmr-se-ha.)
O Dr. Tristo de Alencar Araripe, ofQcial da impe-
rial ordem da Rosa e juiz de dreito especial
do commercio desta cidade do Recite capital da
provincia de Pernambuco e seu termo por Sua
Magestade Imperial e Constitucional o Sr. D.
Pedro II a quem Dos guarde, etc.
Faco saber pelo presente que no da 3 de setem-
bro prximo futuro, pelas 12 horas da manhaa, na
sala das audiencias, ter lugar a reuniao dos ere-
dores da massa fallida de Seve Flhos & (<, na
conformidade do art. 835 do regulamento n. 738
de 25 de novembro de 1850, afim de que, reuni-
dos todos os credores em minha presenca, verifi-
quem os sous crditos, concedaui ou noguem a
concordata, ou formem 6 contrato de uniao, e pro-
cedam a nomeacoo dos administradores dos bens
da referida massa fallida; advertndo que nenhum
credor ser admittido por procuracao sem que es-
ta-fera 4
audiencia do juiz de orpwH|^.
por venda c para pagamento do Sr. Manoel Fran-
cisco do Carvalho Paes de Andrade, dous escra-
vos por elle penhorados.
Arre/natafo.
No dia 5 do prximo mez de setembro irao
novamente praca, depois de Dnda a audiencia do
IIIin. Sr. Dr. juiz municipal da 2.* vara, o engenho
Pintos, com todas as suas trras e bemfeitorias,
avahado por 52:000, o engenho Quiaomlio
IjHIIAO
^0
- unge
;uo aquelle, avahado por 22:000* e os osera vos que
ja foram levados a praca, indo agora com o abati-
1 ment da 5.* parte no preco da respectiva avalia-
cao, existindo entre os mesmos escravo6 o crioulo
DA
Escuna americana ninnic.
SABBADO 5 DO CORREXTE.
William Mae Donald, capitao da escuna ameri-
cana Minnie, far leilao por ntervencio do agente
Pinto, do casco, forrado e pregado de cobre, mas-
tros, ferros, correntcs, vellames, sobrecelentes e
conti- mais pertences da referida escuna, tal qual se acha
ancorada neste porto e prompta para seguir para
qualquer porto : istos 11 horas do dia cima di-
to porta da associacao commercial.
e nameTrajano, bom mestre de assucar, avahado
Sor 400a: s referidos bens pertencem a lieranca
o finado Jos Fernando da Cruz, e sao vendidos
requerimento da herdera e inventariante, para
pagamento dos respectivos credores.
O inspector da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco, para que o Diario Oficial lenhu a devi-
da crculacao, mande fazer publico, cni virtude do
offlcio do respectivo administrador, datado de 19
do corrente, mez, o preco o as condicoes da assig-
tura do dito peridico, a saber :
Subsereve-se para a corte e cidade de Nicthe-
roy na typographia nacional ra da Guarda Ye-
ma, e para as provincias as thesourarias de fa-
zenda 35000 por trimestre pagos adiantados e li-
vres.de porte; as assignaturas podem ser recebi-
das no principio de qualquer mez, terminando sem-
pre no fm do marco, junho, setembro ou dezem-
bro, e nunca por menos de tres mezes.
Secretaria da thesouraria de fazenda di? Pernam-
buco 31 de agosto de 1863.Servindo de ofQcial
maior, Manoel Jos Pinto.
THEATRO
DE
COMMERCIO.
Alfandega
rudimento do d.a i.....f.ISt)
dem do da 2........10:4085827
31:2045831
Ha vi roen t da alfandega.
Votnmat entrados com duendas
. t com gneros
Volumes sahidos
com fazendas
com gneros
27
394
6
230
421
298
Descarri'gam no Jia .'1 de setonibro
Barca parttiguezaBeita FSgtuitnit -gneros de
estiva.
Patacho dinamarquez Johanmmercadorias.
Barca nacionalGiii/i',nna=diversos gneros.
Recebedorla de rendas internas
geraes de Pernambuco.
Rendimenxo do dia 1...... 1:9085101
dem do dia 2......... i:33
2:9315037
Consulado provincial.
R^ndim^nto do dia 1...... 3:22(>5279
fd-m do dia 2......... 9415136
gunda.
Antonio Joaquim Ribas Jnior, 3 justifi-
cadas na primeira cadeira e 4 inclusive I
sabbatina ditas na segunda.
D. Carlos de Souza da Silveira, 1 justifi-
cada na primeira cadeira.
Arnobio Jos Pereira de Albuquerque, 3
ustificadas na primeira cadeira e 1 dita na
segunda.
Eduardo Augusto da Silva, 4 justificadas
na primeira cadeira e2 ditas na segunda.
Antro Pereira de Araujo, 8 inclusive I
sabbalina justificada na primeira cadeira e
6 inclusive 2 sabbatinas ditas na segunda.
Jos Francisco Ucboa Cavalcante, 2 jus-
tificadas na primeira cadeira e 3 ditas na
segunda.
EJ1PREZA
DE
4. J. DQRTEKiniBIIV.
Sabbado, 5 de setembro dr 1863.
Recita iivre da assiguatura.
Desejando dar ao publico desta cidade o prazer
te nao ti ver poderes especies para os autos, e que | de ouvir ao distincto professor o Sr. Pielro Clemeu-
a procuracao nao pode ser dada a pessoa que seja tni, em o seu Armnico, nao duvidou a empreza
devedra aos fallidos, ncm um mesmo procurador t chegar a un accordo com esse senhor, afim de to-
representar por dous ou mais diversos credores. mar parte em alguns espectculos, sendo o pnmei-
Eai cumprimento do que, todos os credores da re-1 ro o presente.
ferida massa comparogam em dito dia, hora e lu- Rpresentar-se-ha a magnilica comedia em tres
gar designados sob pena de se proceder as suas actos,
revejas.
E para que chegue ao conhecjmento de todos,
mandei passar o presente edital que ser afflxado
nos lugares do costume, e publicado pela im-
prensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per- o Sr. Clementini execular no seu armnico o
nambuco, aos 10 das do mez de junho do anno do quarleto da opera 1 Pi ritaxi ; e em segaida una
nascimentode Nosso Senhor Jess Clirists de 1863. marcha phantasiada cora vaiiacocs fortes sobre a
42. da independencia e do imperio do Brasil. opera Machbkt.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, es- j Seguir-sc-ha pola companhia o chistoso pro-
crivao o subscrevi. i verbio,
Tristao de Alencar Araripe. \t,lTi' f iSA Eli HE f.iSA
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, official da impe-; '0* W fl m hA?"
ral ordem da Bosa e juiz commercio desta cidade du Recife capital da pro- CsTIin ANTFS DG RECIFE
DE
Urna toja de ferragens.
O agente Almeida levar novamente leilao por
despacho do Illm. Sr. Dr. juiz especial do com-
mercio a loja de ferragens da ra do Queimado
pertencente a massa fallida de Antonio Francisco
de Souza Magalhacs Jnior.
Sabbado > de setembro.
O leilao ser effectuado na mesma loja s 11 ho-
ras do dia.
LIMO
Mabbado & do eorrente.
Na rna da Cadeia ti. 33.
SEM LIMITE.
De urna mobilia de Jacaranda, consolos e mesa
com tampo de pedra do superior marmorc.
Urna dita de oloe outros objectos de marcineiria.
Pelo agente Euzebio se far leilao de diversas
obras de miro, prata e obras de marcineiria.
PORTA FALSA.
AVISOS DIVERSOS.
Instituto Archeologico e Geo-
graphieo Pernainbueano.
Huur scsso ordinaria ijuinl i-IVi-
ra 3 de setembro, s II huras da ma-
nhaa.
Secretariado Instituto 31 de agosto
de 1863.
J. Soares de Aznclo,
Secretario perpetuo.
Reposta aoananarlo 4a ftra. n>.
Ilenriqneta.
O administrador da massa do fallido Jm Aata-
nio Alves de Miranda Guimuies vendo paMiradi'
nesto Uiiirioao MtH e 1! rie axnelo pasadn, m
annuncio da Sr.* Di HeviqueCi Elisia Boraka aV
Miranda, mulher do-mesmo fallido, a qual |
contra a validado da venda ijue se lem dt
do sitio denominado Mangabrra no lenaoV Ofir
da, pertencente a referida massa e ajne a
senhora pretende nao estar sugeito ao
das dividas de seu marido, em virtode
tura que denomina di! arrbas cqne ancern *.
seu casamento, tem a ro^ionder-ltie *f *> *
mesma senhora casou-se eom o fallido j ate era
commercianlecoino consta da mesma eseriftara.
o imbhe.. e que a classihVaeio a crean a>
caso de fallencia regulam-se e\clusivaaat irU-
disposicoes do cdigo commercial e que mHt em
relaeao a mulher do fallido, a ^radnacao aw mt
da decrodra de d os res|iectivos ttulos foram rr^isirados no rasriii-
simo tribunal do commerrio dentro de 13 dias ile
pois do casamento art. 87i i 6 do cotL, pelo ae
nao havendo salisfeto as condires aae Sm ar-
miadamente exige a le, o titulo quedas aerakara
aprsenla nenhum direito lhe aaMl para. ey>-
por-se a venda daquella propriedade, tanto awa
que tendo a mesma senhora interposto
vo para o Exm. prcsidenlf de
tribunal do commercio da derisao corara Hfc prv
ferida pelo juizo es|iecial do rninniereio, nao afca>-
ve provinienlo.
SeofimdaSr.* D. Hcnriqieta que nao sahr
mos porque boje declara-se coarta para naonorfcr
defender os teus direilos < afu^nr
rentes a compra du mesmo sitio,
com oS'seus annimcos |hhque avista dai
do e que onsia dos autos que |nnk;m serj
dos no cartorio do Sr. e-crivio Manoel
sapparece todo o fundauH-nto do sea
teslu. Em (hmIlt do Sr. agente de
achantos concurrentes a copia >la tal
para a examinaron).
Aluga-se por .*>4 mensaes o
um andar da ra da l'enlia n. 13 : traavw as rna
doCotovello n. II
fn,'rrfi>-ir!r i
Associaeo Typosraphiea Per-
nambucana.
Domingo, 6 do corrente, haver sessao ordinaria
doconsellio, no lugar e hora do costume.
Secretaria da Associaeo T\ pograpnica Poniani-
bucana 3 de setembro de 1863.
O l*8ecretavk>, Qutlherme Conejo.
Claudio Diibeux pro|irieiario da eaaraa aV
omuibus faz scente ao publico que a liatav Ja-
boato principia de boje em vaule a sua earrarj
regular, parlindodo Beeifc lod.....i dias 4 ae-
ras da tarde e voltando de laboati i i 6 >ia
nbaa.
.iinguem contrate negocio albura con aar
quena parte no engenho do t >11 i > -Huado aart
da matriz da Luz. pe ti urente .,, r.oiecid Jad *
Rspindola Bitancoun. [tois qao ellas* I
ment' penhorada pelo jniJo do ena
capital.
4:167^435
M0VIMENTO DO PORTO.
Xavios entrados no dia i.
Macet14 horas, vapor nacional Persinunga, de
ttf toneladas, coinmandante Bates, equipa-
ge m 29.
Rio (Irande do Sul -27 dias. brigue nacional 'D.
Alfonso, de ili toneladas, capitao Manoel Pe-
reira de S.i, eqaipagem 11, carga 100M* arrobas
de carne ; a Bailar & Oliveira.
Rio (rande do Sul 36 dias, escuna nacional Cam-
oneza, de loa toneladas, capitao Jos Gregorio
reir, equiparan 9, carga 7500 arrobas de car-
ne : a Maia & BspiritO Santo.
nraeaty1S dias, mate nacional Santa Rila, de 43
toneladas, capitao Antonio Joaquim Alves, equi-
pa 'in ti. carga farinha de mandioca e outros
generoe ;a Bemvindo Grugel do Amaral.
Uwciot sakidot M nusm dio.
Patos do sul -vapor nacional Princeza, coinman-
dante o capitao de fragata Antonio Joaquim de
Santa Barbara.
Cearaescuna dinamarqueza Spica, capitao J. J.
H. Peersdorff: em lastro.
EDITAES.
A cmara municipal desta cidade, faz pu-
blico para conhecimenlo do corpo eleitoral
deste municipio, que o Exm. presidente da
provincia, por ofcio de 18 do corrente,
lhe communicara haver designado a igreja
.matriz da freguezia de Santo Antonio, para
ella se reunirem no dia 8 de setembro
prximo vindouro, o collegio eleitoral, a fim
de proceder a cleico dos deputados geraes,
que tem de dar o districto, a que elle per-
tence.
Paco da cmara municipal do Recife em
sessao de 21 de agosto de 1863,
Rodolpho Joao Barata de Almeida,
Pro-presidente.
Francisco Canato da Boa-viagem,
Secretario,
f ACULDADE DE DIHE1T0.
j)e ordem do Exm. Sr. direitor fai-se
publica a I i 4a das faltas dos estu-
danles desta Paculdude, relativas
aomez de julho prximo passado,
t jugada e congi'e?iaeodfti9 do
corrente.
PRIMEIRO ANNO.
Antonio Domingues Pinto Jnior I
justificada na segunda cadeira.
Antonio Estevado de Oliveira, l justi-
ticada na primeira cadeira e 2 ditas na se-
gunda
Jos Hygino Uuarte Pereira, 1 justi-
ficada na primeira cadeira e 3 ditas na
segunda.
late Lastma de Sou/.a, 2 justificadas na
primeira cadeira e I dita na segundj.
Jos Joo Climaco do Espirito Safito. 3
justificadas na primeira cadeira e 1 dita na
segunda.
Augusto Coelho de Moraes, 2 j
na segunda cadeira.
Vicente do Reg Toscano Brrelo, 3 jus-
tificadas na primeira cadeira e i ditas na
segunda.
Samuel Valace Mac-Dowel, 4 justificadas
na primeira cadeira e 5 inclusive 1 sabba-
tina dtlasna segunda.
Antonio Goncalves Ferreira, 3 justifica-
das na primeira cadeira.
Francisco Jos de Souza, 3 justificadas na
primeira cadeira e 3ditas na segunda.
Francisco Jos de Medeiros, 4 inclusive 1
sabbatina justificada na primeira cadeira e 3
inclusive 2 sabbatinas ditas na segunda.
Ernesto Vieira de Mello, i justificada na
primeira cadeira e 2 ditas na segunda.
Joaquim Pereira da Silva Lobo, 4 justifi-
cadas na primeira cadeira e 2 ditas na se-
gunda.
Ulysses Correa de Castro,3 justificadas na
primeira cadeira e 3 ditas na segunda.
Antonio dos Passos Miranda, 2 inclusive
1 sabbatina justificada na primeira ca luir
e 2 ditas da segunda.
Eduardo Augusto de *guiar Bello, i jus--
tificada na primeira cadeira e 1 dila na se-
gunda.
Jos Joaquim de Almeida Nobre, 2 jus-
tificadas na primeira cadeira e 3 ditas na se-
gunda.
Octaviano Xavier Cotrim, 7 inclusive i
sabbatina justificada na primeira cadeira o
6 ditas na segunda.
Joaquim Antonio de Magalliaes Castro J-
nior, 2 justificadas na primeira cadeira e 3
ditas inclusive 1 sabbatina na segunda.
Marcolino de Moura e Albuquerque, 2
justificadas na primeira cadeira e 2 ditas na
segunda.
Candido Pinto Lobo, 8 inclusive 1 sab-
batina justificada na primeira cadeira e 2
ditas na segunda.
Sezostris Silvio de Moraes Sarment, 6
inclusive 1 sabbatina justificadas na primeira
cadeira e) inclusive i sabbalina nao justifi-
cada na segunda.
Jos Cardoso da' Cunha, 7 inclusive 1 sab-
batina justificada na primeira cadeira e 5
ditas na segunda.
AdolphoJenerino Rodrigues dosAnjos, 2
justificadas na primeira cadeira e 3 ditas
na segunda.
Elisio da Cunha Moraes Pinheiro, 1 jus-
tificada na segunda cadeira.
Jos Nicolao Tolentino de Carvalho, i jus-
tificada na primeira cadeira e 1 dita na se-
gunda.
Firmino Gomes da Silveira, 2 justificadas
na primeira cadeira e 4 ditas na segunda.
Augusto Alves GuimarSes, 2 inclusive i
sabbalina justificada na primeira cadeira e
tres ditas na segunda.
Ermiro Casado de Araujo Lima, 4 justi-
ficada na primeira cadeira, e 2 ditas na se-
gunda.
Joo Adolpho Ribeiroda Silva, 4 inclusi-
ve l sabbatina justificada na primeira cadei-
ra e 4 ditas na segunda.
Joaquim Cajueiro de Campos, 5 inclu-
sive 1 sabbalina justificada na 'primeira ca-
deira e 4 ditas inclusive i sabbatina na se-
gunda.
Benedicto Raymundo da Silva, 3 justifi-
cadas na primeira cadeira e5 ditas na se-
gunda.
Pedro Carneiroda Silva, 3 justificadas na
primeira cadeira, e 3 ditas na segunda
Samuel dos Santos Pontual, i justificada
na primeira cadeira e i dita na. segunda.
Duarte Estevo de Oliveira, i justificada
na primeira cadeira e 3 ditas na segunda.
Adolpho Lamenha Lins, 3 justificadas na
primeira cadeira e 6 inclusive i sabbatina na
segunda.
vincia de Pernambuco e seu termo, por S. M. im-
perial e constitucional o Sr. D. Pedro II, quem
Deus guarde, etc.
Faco saber aos que o presente odilal vireui e
de He noticia tiverera que no dia li de setembro ;
do corrente anno se lia de arrematar por venda a
quem mais dr cm praca publica deste juizo, na !
sala dos auditorios o seguinte : Jos, crioulo, re-1
presenta ter 30 annos, com urna ferida na peina
por 3005; Luiza, crioula, representa ter 60 annos,
com marcas de feridas pelas maos c ps avaliada
por 120J; Mara, crioula, representa ter 43 annos,
' avaliada por 4O0S; Lucrecia, crioula, representa
ter 28 annos, com o ar de vento de um lado,avalia-'
da por 400,5. Os quaes foram penhorados por
sucio de Antonio Jos de Castro contra Jos
Lefio Pereira de Mello. E nao havendo lancador
(pie cubra o proco da avaliacao a arremataco se-
r feita pelo preco da adjudicacao na forma da
le. E para que chegue ao conhecimento de todos
mandei passar o presente i pie ser publicado pela
Ainda o Sr. Clementini far ouvir o seu arm-
nico, tocando :
1." A cavatina da opera Eiunani ;
2." Marcha da espantosa retirada dos Austracos
em Solferino em 1859.
Assim terminar o espectculo.
Principiar s 8 horas.
BAILE PARTICULAR
NOS
Saldes do Caes de Apollo.
DIA 7 DE SETEMBRO.
O director do mesmo baile, Antonio Teixeirados
Santos, tendo deliberado dar neste dia um sump
LOTERA.
1IO.II.
Quinta-feira 3 do corrente se oxtrahii
a sexta parte da terceira lotera du Gymnasio
Pernambucano (3.a coneesao).
Os bilhetes e meios bilhetes acham-sc
venda na respectiva thesouraria, ra do
Crespo n. 15, e as casas commissionadas
i#i.i da Imperatriz n. 4i, loja do Sr. Pimen-
tel, ra Direita n. 3, botica do Sr. Chagas.
e ruada Cadeia n. 45, loja do Sr. Porto.
Os premios de 5:000/ at 100 serio pa-
gos urna hora depois da extiacco at as 4
horas da tarde, e os outros no dia seguinte,
depois da destribuico das listas.
O thesoureiro,
Antonio los Rodrigues de Souza.
Pivri>a-s.' di- tima ama par.i nal e
familia : na na da Iluda n. M.
Offurece-se urna parda m<;a para aa
le .-cni lilho, milito sadia e tni niiiil.....
te : na ra por detraz du ipiaitrl !> H- aki a
quadro do padre Antonio. ra*i n. I!. Joo T?.
xeira.
^* Manoel Pereira
beiro.
lina du liaiiip! uuu in K
Palle i' amula todu o ferro de rmica e
quaesquer. tem rehuios d n va iaveojo
tr.ihalhar urna s pes visar e
declara que a invencao *oa na m-ma
lem umaporcaode pausaros para vi'ii lef, rurw
de Goanna, bicudos, sabia da mal*, .cheos. ga-
lo de campia, canarios da ierra a
imprensa e afflxado nos lugares do costume. Ltuoso baile dbaos de sua direceao, participa aos
Recito 28 de agosto de 1863. Eu Adolpho Li- ^asignantes que procuren
irato Pereira de Oliveira. escrivio interino ^u/Imperador n. 18. loja de iiki
borato Pereira
subscrevi.
em os cartoes na ra do
on/Iniperador n. 18. loja de marcineiro. Declara mais
/""^l a todos que dovem ir docontouiPiite vestidos, assim
Trislo de Alencar Araript. \ como as damas s |toderao entrar as que tverem
cartoes e vestidos brancos.
DECLARARES.
Triblinl do commercio.
Pela secretaria do tribunal do commercio de
Pernambuco se faz publico que nesta data fica re-
l gistrado o distracto de sociedade, que em 28 de '
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUGANA
DE
VivejjaeiSo eoselra a vapor.
das passageiros
Inda as 2 lioras
n. 1.
e Granja.
O \n\m- Jannai be, commandante
Lobato, segu para os portos re-
feridos no dia 7 de setembro pr-
ximo. A carga smente ser rc-
cehida at o dia i, eni'omnn'ii-
dinhi'ii! a (reto at o dia da sa-
escriptorii*. no Forte do Mattos
COMPANHIA PERNAMUUCANA
DE
.\avega^o costclra a vapor.
Macei e escalas
O vapor Persinunga. comman-
diMc ltatis. segu para os por-
tos cima indicados no dia 5 do
corrente s o horas da tarde.
Recebe carga at o dia 4 ao
ir.?o dia, encommendas, passageiros e dinheiro a
frete al o dia da sahida s 3 horas da tarde: es-
criptorio no Forte do Mattos n. 1.______________
agosto ultimo, e com aunuencia de seus credores,: Parahilia, \alal, Maco, Ararat}, Cear, Acarai
tizeram Leandro Lopes Dias e Augusto Hygino de
Miranda, estabelecidos nesta cidade sob a firma de
Leandro 4 Miranda ; em virtude do qual Oca Mi-
rauda obrigatio pelo passivo da extincta firma;
Leandro desonerado para com os credores da mes-"
ma, e ambos natuamenle quites.
Secretaria do tribunal do commercio de Pernam-
buco 2 de setembro de 186:1
Julio fililTil i.
Oflicial-maior.
lulzo dos l'eilos da fazenda na-
cional.
No dia 10 do corrente, na sala das audiencias,
na presenca do Illm. Dr.ipJZ dos felos da fazenda,
pelas 18 libras da manhaa, se vender cm praca
publica um sitio no lugar dos Bulrins, em Oliuda,
com casa de morada e otaria, avahado por 5:0005,
penhorado aCaelano Gongalvcs Pereira da Cunha,
para pagamento do que o mesmo deve fazenda
nacional. Recife 2 de setembro de 1863.
O solicitador,
Francisco Xavier Pereira de Hrito.
Pelo juizo de paz da freguezia de S. Jos, no
dia 4 de setembro, depois da audiencia do mesmo
juiz iro praca 12 cadeiras e 1 sof4 de Jacaranda,
penhorados a Noberto Muniz Teixeira Guimaraes
por execuco de Antonio da Cunha Soares Guima-
rfes, cujos escriptos de editaes cstao cm poder do
porteiro do mesmo juizo, Serra Grande, e a ulti-
ma praca.
Por ordem do Illm. Sr. Dr. juiz de direito es-
pecial do commercio communica-se pelo presente
a quem interessar possa que no dia i de setembro
corrente ter lugar a reuniao dos credores da fal-
lencia de Seve Filhos & C. as 12 horas da manliaa
na sala dos auditorios.
O escrivo do commercio,
Manoel de Carvalho Paes de Andrade.
Consolado pro> incial.
Pela mesa do consulado provincial se faz publi-
co que no ultimo do corrente mez finda-se o prazo
marcado para a cobranza do anno financeiro Ando
de 18fi2 a 1863, dos iinpostos da decima urbana
de 20 por cento do consummo da agurdente, de
4 por cento sobre os eslabelecimentos de commer-
cio fra da cidade, prensas de algodo, casas de
pasto, hoteis, botequins. typographias, cocheiras,
cavallarices e fabricas, de 8 por cenlo sobre con-
sultorios mdicos e cirurgicos, cartorios e escripto-
rios, de 12 por cento sobre estabelccimentos de
commercio em grosso e a rctalho, armazens de re-
colher, depsitos e trapiches, de 504 sobre casas
de bilhar, modas, chapeos, roupa feita estrangeira,
e de commissoes de escravos, do .3004 sobre com-
panliias anonymas e agencias, de 1004 sobre cor-
rectores commerciacs e agentes de leilao, de 2004
sobre casas de cambio, de 500 por tonelada de al-
varengas, de 304 por escravo empregado no ser-
vico das mesmas, de 5 por cento sobre a renda dos
bens de raiz pertencentes a corporales de inao
mora, e o de carro, carrocas e mnibus ; ficando
sugeitos a seren executados todos os dbitos que
nao forem pagos at aquelle prazo.
Mesa do consolado provincial de Pernambuco. 2
de setembro de 1863.
Antonio Carnetro Machado Ros,
Administrador.
0 corri de polica compra 120 bonets redon-
dos, de panno azul, com pala e galao estreito, para
a seccSo urbana : quem quizer fornecer, apresen-
te-sena secretaria do mesmo corpo, s H horas
do dia o do corrate, para contratar, vista da
amostra que lhe ser apresentada.
0 tenente-secrelario,
Luiz Jerouymo Ignacio_dos Sanios.
Perante e Sr. Dr. juiz de orphaos desta cida-
de se ho de arrematar por venda, no dia 4 de se-
tembrotiior ser a ultima praca, a requerimento do
respectivo inventariante, urna casa terrea e o do-
minio directo de dvers terrenos sitos na ra
Imperial desta cidade.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
.Vivejsaeo costelra a vapor.
ILHA DE FE11NA.NDO DE KOROMIA.
No dia 14 do corrento mez as 11
horas da manhaa segu para a
11 lia de Fernando um dos va pu-
rs da companhia que recebor
carga at o dia 12. Encommen-
das, passageiros e dinheiro a frete at o da da
sahida s 10 horas da manhaa : cscriplorio no
Forte do Mattos n. 1.
Para a Bahia vai sabir com muita brevidade
o vejeiro patacho D. Luiz, capitao Jos Teixeira de
Azevedo, por ter a maior parte do carregamento
prompto : para o resto trala-se com os consignata-
rios Palmeira & Beltro largo do Corpo Santo n.
4, primeiro andar.
LOTERA.
O thesoureiro das loteras ('.esta proyinl
cia, desojando extrahi-las cm maior capita-
e com menores intervallos, offerece a vanla-
gem de dous por cento quem comprar
para negocio, na qnantiade 1005 para cima:
assim como se propoe'a estabelccerconvs-
pondencias para qualquer locadade da pro-
vincia, remettendo bilhetes, meios e listas,
sob fianca idnea; devendo o pagamento
delles ser feilo logo que sejam receliidas as
lisias e novos bilhetes remettidos. 0 the-
soureiro certo da conveniencia desse negocio,
convida aos Srs. eommercantes da Victoria,
Goianna, Rio Formoso, Nazaretli, Serinhaem
e mais localidades populosas da provincia, e
mesmo os desta capital, que o quizercm. a
entenderem-se com elle, na thesouraria das
loteras, ra do Crespo n. 15: advert ndo
que recebera em pagamento e sem descorito,
os bilhetes premiados de todas as loteras
da provincia recolhidos thesouraria da fa-
zenda provincial.
Thesouraria das loteras, .20 de junho de
1803.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Aluga-se um siliu cun rasa lerrra I
de Oliuda. na na de Itaiw n m freato para a roa
do Cabra), c fundo para a o norte, qaal
alem da casa di> murada, lem i"ara. oa para
pretos, capim para 2 cavallos, e arvores de frrtV
mito fre.-cu. simii casa na frente : na linaria a*.
6c8 da praca da Independencia.
Os adminisli adores da ma>sa fallida dr Fria-
cisco Munira Dias convidam m waartll da n-
m.i lirui.'i a apresentarem sriis lituli. afim > *e
proceder a devida veri tiraran; na ra lia i>
mero "i.
Precita se d..' um homei para u
carrera: a tratar aa ra ai artl da Nova n. 9. t*-
lii'iua". ______________________________^^^_^^_^_
Prucisa-se di- um rapaz p:.ra raixeavV ta-
berna: na roa de Santa Cecilia a. i". na roa
do Queimado. k>ja de miu
Na ra do Queimado n. 1 deeja
com o.- M-nliuii Gabriel Germano i
(arroyos. Fornaado FnaoaM
royos e Joaquim Francisco de Ayaiar Moataraayw.
I fcsrtaai bl f
no de Afaiar %cm-
4\IS0.
*ara Lisboa
vai sabir brevemente o brigue portuguez Bella Fi-
gueireiue por ter a maior parle da carga engajada :
para o reste que lhe falta e passageiros, para os
quaes tem excellentes commodos, trata-se com o
consignatario E. R. Rabello, rus da Cadeia n. 53.
LEILOES.
LEIL\0
DK
Escavos, eabriolcls, carros cavallos,
burros para cairinlios, movein, pia-
no, relogios de ohi-o c piala e ou-
tros minios objectos.
IIOJE
Quina-feira 3 do corrente s 11 horas.
O agente Olympio far leilSo dos objectos cima,
no seu armazem ra do Imperador n. 16.
- LOTERA
CASA DA FOliTUW
O abaixo assignado vendeu em seas felizes bi-
lhetes garantidos as duas sortes de 5:0005 e de
1:0005 em meios bilhetes, e outras muitas de 1005,
405 e 205 da lotera qne se acabou de extrahir a
beneficio da igreja de Nossa Senhora das Hevea
de Olinda. e convida aos possuidores de ditos bi-
lhetes a vircm receber seus respectivos premios
por inteiro sem descont algum em seu eslabele-
cimento Casa da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Assim como tem exposto a venda os novos e fe-
lizes bilhetes da sexta parte da terceira lotera do
Gvmnasio Pernambucano que se exlrahir a 3 de
setembro profto em sua dita Casa da Fortuna
ra do Crespo n. 23, e as outrasjlo costume, cu-
jas sortes que ellos obliverem serao pela forma pa-
gos urna hora depois da extraccao.
Presos.
Bilhetes inteiros..... 65000
Meios bilhetes...... 35000
Para as pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Bilhetes........ 5300
Meios......... 25750
_______ Manoel Martins Fiuza.
FLAE DE IHKEITO
*inrn:tl acadmico.
Os editores deste jornal, querendo ter ainda con-
templat;ao para com um grande numero de seus
amigos assignantes, mandam distribuir boje o pri-
meiro nnmeru correspondente ao mez de agosto,
dcixando o segundo para ser distribuido at o dia
5 do corrente, porque tero de tirar do quadro dos
subscriptores os nomes daquelles que no se acham
em dia com o pagamento de suas mensahdades
atrasadas para darem entrada a novos assignantes,
que generosamente vem auxiliar esta empreza lu-
terana. Esperam, iiortanto, que at o dia 4 do
corrente entrom com a m|)ortancia de suas assig-
naturas, por quanto da confronlacao do quadro do
7. numero, que hoje .se distribue, com o do vin-
douro, fcilmente se conhecer daquelles que tem
feito perigar a regularidade desta puhlicacao
I)e ordem da mesa regalan da raeaaaMi-
Senbor Bom Jess dos Pa>siv. erecta na
Corpo Santo da freguezia de S. Fr Pedn tinaral-
ves do Recife, faro certo a& respeilav.-t iraaW
que se acba designado o dia 6 do n
as 11 horas da manhaa. para 11
da nova mesa que tem de oarrtoaav no annu
douro do 186i. no eaaaiatorto da mesma irmaaaa-
de. Couvdaiidu os re>|i.ii avii- uuua para
tim. tamben Res erientiiro, aac, no
mesmo mes, as || huras do dia. na
ter lugar com a di-vida pompa a solaaaadaar tfa
hencao da imageiii du Seiilmr Bom Jesu- do-
sos, convidndoos igualmente a abrilhanta-la ror.i
seus coinpareiimenlu-.
Ainda para o tim de aar dcvitLimeate al>rilaaa
lado o acto da beaeo. em aome da aie> r.-t^torj
rogo s irmandades e confraria drto rhbil.'
dignemmaudardar u -r.i. da eetjto. a hur
da reahsaco de dito arto.
I t>)nsislorio da irmaadadr do Seahor Bmi I
dos Passos do Recife I i.....toamm a t*6:>.
Antonio Ooim- NtrauJa l^ai.
LEILAO
DE
Urna taberna,
\:\ rita do Imperador u. 5.
Antono Jos Teixeira vender em leilao por in-
terveigao do agente Simoes, gneros, armae.au e
mais utencilios da referida taberna, em um ou
mais lotes a vontade dos pretendentes : qninta-ei-
ra 3 do corrente as 10 hnra ^a man'iaa
Angelo Custodio dos Santos faz acianto aos
senhores inquiliuos das casas da ra da Paz ns. 10
c 18, ra do Forte n. 35 c sitio denominado ao L-
ea no lugar da Vanea, cujas propriedados perten-
cem a Joo Jos Heuriques da Silveira, residente
em Lisboa, que nao paguem os alugueis que se
vencercm d'ora cm diantc se nao ao annunciante.
visto que se acha constituido procurador bastante
do dito Silveira, tendo#cessado os poderes deque
se achava constituido o Sr. Manoel Alves Guerra.
conforme as ordens que acaba de receber do dito
proprietario.________________________________
Quem por engao levou no dia 1. desle mez
as 2 1/2 horas da larde, do cima da mesa arando
da sala das audiencias, o chapeo de palha do Chi-
le em muito bom estado, pertencente au escrivo
Silva Rogo, especial favor ir ou wanda-lo entre-
gar na ra de S. Francisco, sobrado n. 8, pois nao
lheconvem a ti deixaram estar
em estado incapaz de MJ a Jai com elle, e mesmo
porque lhe fica muito grande.
Dniapaam i n da roa do Xoaaraan. Utam'
boi com os seguintes sipnae- um p fernuln. rbi-
fres muito abortos, una das ponas orbraa-
levou una corda nos cliifre*. cor ra-tanh<> aira
cento : quem o l i ver pn-n didu. rHle din.'ir-a .
mesma casa cima que ser recoroptnsaitoL___
Offerece-se urna ama con.
ra I) ireila n. \
Osailministraiur-s da masa fatMa di fea
qnira Jos da Cosa Fajotes Junior e Fajan*. J-
nior A Azevedu. ainda convidam o. aMKBore i
dores referida iua->a a aprevenan n
ttulos alim de poderein cimnjnr o dss;iw>to
tieo 859 do cdigo commereial._______
O abaixo assign ara poWn m-
deixou de sercaixeiro do Sr. Dieaizo Marta Lo
pes desde o dia 1.* de seteaabre convn*.
a"radecendo ao mesmo senhor sua familia ohmi
tratamento durante 9 annos que iheprudn.it ar^m
como caixeiro que foi de sua Inp derera te ro.t
Direita. lieeife 2 de setembro de 18*1
Jos.- Crisuiano 4a Sitra
AMA DE LE1TE.
Precisase de urna ama de leile : a amar i
da Uniao n. 39._____
n;a
l'recisa-se alagar ama pnta par Teadrr
frucla. dando-sc 20-3 n" pati-u do Terru n. 11.
Precisase de bom fornciri: na padata ti
ra Imperial n. 51._________________
(.AI\K1I1'>
Offerece-se para eataeiro de loja de tearwa* ou
mindezas. um menino de 13 annos, iaailo artraae
de, boa ndole, o qual por u.io ter pratiea satotta-se
a nao receber ordenado at iVar habilitado, aa
tem prenles nesta cidade : a tratar aaraa do fea
perador n. 30, primeiro andar.
O abaixo assignado leudoe
achando-sc de posse de sua massa faz i
a seus devedores tamo desta praca coa do
a tim de que quanto antes lhe maana pagar
que lhe de vem a fim de evitar despean jaaanaa.
Recife. 10 de agosto de 1863,
Luiz Antonio de imzti
CRIADO.
Precisa-se de um criado, t|M
entenda de servicn de sitio, mm*m
por anno : na i iHfejJ'
das 10 s 12 horas
laboratorio
Novaaa. 4
O Dr. Sabino Oleario Ladgara
carregado da sub-geremia d
ao Sr. Jos Alves Tenorio,
thia. e competentemente I
lo em qualquer ausencia


i ll _.,
%*>>


Otarlo de Peinanutraco Quluia felra S de fteaura> ie Ift3.
\
0 advocado Joao tioiicalvcsj
da Silva Vontarroyos temo seu.;
ft*criploiio na Ha fslreita il
Rosario n. \~l, onde ple ser
procurado das 9 horas da ma-
ntona as 3 da lardo.
Alugam-se a leja do sobrado n. 193, e arma-
zem 171 da ra Imperial ; o armazem n. i da ra
do Apollo, c a casa o. 27 da ra do Burgos: na
i ua da Aurora n. 36.
Conipauhia Gdelidadc d
seguros martimos c ter-
restres estabeleclda uo
Rio de Janeiro.
AGIOTES KM PEPKAMBUCO Eli
Antonio Luiz de Oliveira \zeveilo \ <",., jjg?
competentemente autorizados pela direc- gg
toria da companliia de seguros Fidelida- 8s8
de, toman seguros de navios, mercado- SSt
'rias e predios no seu escriptorio ra da t
Cruz n. 1. ,,"*"
Ainda est para alugar-se o sobrado na ra
dos Cecilios n. 10, onde moraram os padres tasar
rilas.
Joao da Silva Hamos, medico pela l'm
versidade de Coimbra, da consultas cm
sua casa, na ra Nova n. ."50, das 8 as 10
horas da manhaa, e das i s 6 da tarde, e
recebe penalmente convites para dentro'
oa fra da cidade, rom o lim de se encar-
regar de qualquer servico de sua profis-
sao.
Os chamados deverao vir por csrripto. 3
- Alugam-se 3 quartos e urna saleta no barro
da Boa-Vista, com commodos para pessoas soltei-
ras, tcm agua e quintal, ludo por nitrito commodo
preco : a tratar na ra dos Pires n, 5t.________
Preeisa-se de urna ama que saiba engommar
c coser, para casa de urna s pessoa, exige-se de
boa conducta : a tratar na ra do Imperador, ar-
mazem de lotica n. 41.
PROTECCO
I liaralissima
acabar.
O
piano e canto,
las as forras e
liaralissima para
ajilar.
\OVO ESTABELECIHEMTO
DE
Jos Gomes Villar na ra do Crespo n. 17, otando o mais bem soi-ti-
do possivel espera merecer a proteceo do publico em geral.
Cortes de laa muitq bellos
delcadisshnos cortes de 13a com barras o melhor nue leui viudo a esta provincia
orgaudis de padrSes delicados e muito finos a -100, a 210 e a 280 rs. covado.
Las de quadros muito chiques a 320 rs, o covado.
Para imi\as, temos.
0 rico vestido de blondc com sua manta bonita c sua grinalda de muito gesto, te-
mes a rambraia de linbo para camisas, temos as saias bordadas, temos o espartilho, te-
mos o lialao muito redondo e muito chique, temos os ricos corles de rambraia ricamente
bordados, temos o bramante belga para lencocs, temos a bretanha para camisas, temos
a solera ou o esguiao para os lahyrinthos, temos as capas prelas a Luiz XIV, temos a cha-
pcliua a Hara Pa com o scu veo muito chique, temos os ntremelos largos ricamente bor-
dados como nhiguem tem, proprios para enfeitesde ronpas brancas. Assim como temos as
fazeudas cima mencionadas e umitas outras, que seria enfadonho mencionar.
\o se esqueean freguezes, at logo.
Aluga-se o priraeiro andar do
estreitado Rosario
filia n. o.
n. 23
fallar
sobrado na ra
na ra da l'e-
M ater aes
AURORA
1*84
LARGO DA
BRILHANTE.
L U
SAMA CRI Z.
m
O dono do grande cstabelecimento denominado AURORA BRILHANTE, ao
largo da Santa Cruz n. 81, avisa o respeitavel publico, e com especialidade aos
seos freguezes e amigos, que recebeu um completo sortimento dos melhores e
mais novos gneros que vem ao mercado, e que vender sempre por precos
muito rasoaveis.
Queijos novos vindos neste vapor "Genebra em frascos verdadei ras
(cobertos), o melhor que ha, a 2500 de Hollanda, a 6400 e 10000
Ditos no vapor passado, a 2$ e 2#200 Frascos com dita de Iaranja, a
NOTICIA NOTICIA NOTICIA.
CartSes de visita
Cartoes de visita
i '.ai toes de visita
Cartoes de visita
Cart5es de visita
Cart5es de visita
Gartdes de visita
Cartoes de visita
CartSes de visita
CartSes de visita
8O0O a duzia
8000 a duzia
850OO a duzia
8^000 a duzia
8*000 a duzia
8*000 a duzia
84000 a duzia
8*000 a duzia
8*000 a duzia
8*000 a duzia
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador
1-11HS-:
c/>
Bota-se rea a 1*280, sendo em todas as mareis
e sendo s cm mareis grandes, e para entrar em
eambas a 1-5G00. canoas de milheiro para cima, e
vende-so lijlo de alvenaria grossa a 18* o milhei-
ro. posto no porto, e carre?a-se lijlo dos Remedios! Sj
at a ponto provisoria a : o milheiro, e do Giqui j ||
a 3* at a ponte da Roa-Vista, ticando o dono su-. u
jeito ao descarrojo : quem precisar, dirija-so
ra Direita dos Afogados-n. 13. Na. mesma casa ^
vende-se urna canoa propxia para carregar de 300 i
a 350 feixes de eapiui.________________^___ *
Precisarse fallar ao Sr. Jos Flix Ri-!|
beiro de Carvalho, que mora no pateo do
Paraizo, nesla typographia. __________
Aluga-se o segundo andar e sotao n. 37 da
ra do Imperador, e o primeiro c segundo andares
do sobrado n. 39 na mesma ra ; qualquer delles
tem commodos para familia : a tratar na ra do
Imperador, armazem n. 41.
Os abaixo assignados dissolvcram amigavel-
mete a soeiedadc que gyravanosta praea com a
firma de Leandro ev Miranda, ficando a cargo do
socio Augusto Hygino de Miranda todo o activo e
pasivo de dila tirina. Reeife 20 de agosto de
1863.Leandro Lopes Das.Angosto Hygino de
Miranda.
Campos ,\ Lima pedein aos senhores seus
eredores jpe anda nao apresentaram suas letras
para roeeliereiu a importancia devida, que >e dig- ^
nem ie o fazer at o dia 3 de seteabro, sendo que
no dia seguinte recolherao ao deposito o que dei-
xarem de salisfazer por falta daquclla apresen-
_ En abaixo assignado, antoriso ao Sr. Manoel
Vctor de-Luna Freir para receber o imposto de
20 0/0 de agurdente da freguezia de afaraognape,
ficando sem nenhura effeito qualquer Imposto re-
cebMbjnlvA. Fllfppe Dinr bavalcanti, rima vea
que o mesma Sr. Pilippe Diniz disfizera o contrato^
do imposto de agurdente da freguezia de Maran-
goape. Rectte 11 de agosto de 1863.
____________Antonio da Silva Gusmo Jnior.
Offerece-se para ama do leite, tendo-o muito,
ama parda : na na da Caixa d'Agoa casa nu-
mero 7.
! 640 e .........
640 Ditos com consenas inglezas e
francezas, a 720 e.....
640 Ditas com mustarda, a. ;
800 Caixas com charutos finos, suspi-
ros, lima, peixoto, tabocas,
6401
640
560'
varetas, aurora e outras mui-
tas qualidades finas para di-
versos precos, sendo de 500
rs. a caixa ......4)9500
Cartas finas para voltarete, o
baralho 400 e a duzia 3#400 e 35600
2$880 TaP'oca nova> l'ljra 140 e 160
*k-~)Q Gomma muito alva, arroba I 800
M c 2500, e a libra 60,80 e 100
3#000 Saceos grandes com farinha igual
a da trra. ........ 5800
2;>800 D'las ('om m'"10 mu'l bm> a SjSOOO
Ditas com arroz de casca, a. 4)5000
2$720 Ditas com farello(saccas grandes) 4500
RA DO IMPERADOR a
N. 22.
Grande armazem de titilas.
j Este armazem cont.-m todo quanto >t~ Presuntos inglezes para fiambre
MIltUra.de mi'\&< hra
;.;!
Ditos de manteiga do Serid in-
leims libra 600 rs., e a retalho
Ditos de qualha, inteiros libra
440 rs., ea retalho. .
Manteiga ingleza flor, libra. .
Dita mais abaixo, (ha grande
ijiiantidade de barris para es-
colher, a 720 e .
Ditahamburgueza, barris peque-
nos, e muito nova, libra .
Dita franceza em barris, libra
520, 540 e.....
Cha uxin muito fino, libra. .
Dito dito muito lino, libra. .
Dito nao miudinho, igual em
qualidade ao perola, libra. .
Dito nao grado muilo superior
libra.........
Dito nao grado muito superior
libra.........
Dito nao grado muito superior,
libra 2#600 o......2400
Dito preto o melhor possivel, libra 25000
Dito do Rio em latas de urna e
mais libras, a 15600, 15800 e 25000
Bolaxinhas de sodas e outras cm
latinhas, a 15400, 15500 e. .
Barricas com bolaxinhas inglezas,
a 2->, 25500 e.....
Chocolate francez, hespanhol e
portuguez, a 1,5, 15120 e. .
Cale do Cear muito novo, arro-
ba 75500 e do Rio 8^00 e 05OOO mo branc'oT'Lis
Espermacete, libra a 640, 720 e 800
Vellas do Aracati em caixa, arro-
ba 105 e a libra.....
Ditas de composicao, 95500 e
^ 105" a arroba, 390 e, .
Carne verdadeira do Serid, a
280 e........
Linguicas do sertlo, a melhor
<|ue ha neste genero, a. .
Ditas do Reino e presunto de La-
mego, libra......
800
480
lASfaracnto de Cesta por pouco
(iittfceiro.
Aluga-se o cxcellente sobrado da entrada do
Monteiro, com grandes commodos para duas fami-
lias, e aluga-se por pouco dinheiro : quem preci-
sar, approvete em quanto tempo : a tratar na
ra do Vigario n. 8 com Cosme Jos dos Santos
Callado.
Saques sobre Portug
O abaixo assignado, agente do banco
mercantil Portuense nesta cidade, saca ef-
fectivamente por todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o PortooJLisboa, por
qualquer somma, vista e a prazo, po-
dendo logo os saques a prazo serem des-
contados no mesmo banco, na razao de 4
por cento ao anno aos portadores que as-
sim llie convier : as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
Francisco Gomes de Mattos Jnior, tendo cm
fevereiro deste anno deixado na gerencia de sua
casa commercial a seu fllho como sen procurador,
c entrando de novo na posse della, julga nada de-
ver; entretanto roga encarecidamente a quem
quer que se julgue seu credor tanto por negocios
anteriores como posteriores sua saliida desta pro-
vincia, que compareca immediatamente em seu
estabelecimcnto na ra larga do Rosario n. 24, pa-
ra ser pago.
Venda de loja deouro.
Francisco Gomes de Mallos Jnior vende muito
cm conta a sua loja de ouro na ra larga do Itosa-
rio n. 24, fazctfdo muitas vantagens alm das (me
ella j por si tem, como bem seja, milita fregoena
de que dispoe das provincias do norte, lear, Rio
Grande, Parahiba e Piauhy, exeellente localidade
em urna das ras mais proprias, e poucos fundos :
os pretendentes dirijam-sc a mencionada casa.
Precisase alugar annnalmente ou por festa
um sitio desdo a Ponte de Ueha at o Poco da
Panella, com algumas accommodacoes, o qu" seja
porto de rio corrente : a tratar com Antonio Jos
Rodrigues de Souza, na ra do Crespo n. 13.
Aluga-sc a casa terrea n. 1G1 da ra Impe-
rial, com commodos para familia, cozinha fra,
quintal e cacimba: a tratar na ra estreita do Ro-
sario n. 16.

3-Rl'A ESTREITA DO ROSARIO-3
Francisco Pinto Ozorio contina a col-
locar dentes artilu iaes tanto por meio de
molas como pela pressao do ar, nao re-
cebe paga alguma sem que as obras nao
liquem a vontade de seus donos, tem pos
e outras preparaeoes as mais acreditadas
para eonservaca da bocea.
NO
y
preciso para quea industria de pinl
qnaloer genero que seja, desempenhe
sen lim. i-io enibellezar, conservar e
reproduzir.
Montado na grande eccala c supprdo
directamente por grandes fabricas de Pa-
rs. Londres c- Hamburgo, pode offerecer
producios de conaiK i salisfazer nual-
quer enconinieutla grosso trato e a re-
talho.
Os Srs.'arlist.-.!> piniore-,. o os donos de
ol.ras poerao i^eclher voatade, pois
que tudo estar vista, as differentes co-
res di' que tivurem Becessid^ade.
lia Untas em maesa e em p impalpa-
vel. e eoniu as obras a envernizar s se
li.w empregar tintas unidas, e um me-
recendo conlianeaasquevem de fra para
coromercio, |wr vellias. e lalvez talajjka-
.da.-, neste armazem se.asmber3 vis- ^
ta do consumidor, que s assim lera tin-
itas frescas c verdadeiras.
Ha lambein miro verdadeieo, verde sn
p ecjHfolha, prata em fiJha. ii debron-
zear de varias cores, diamantes para cor- _
lar vafnas, burnidores. ncariperlina en- ?&
canuda, amarella o verde, tintas vege-
ta*, azul.ijxa, verde e amarella, inoffen-
siv.is. pnieas que se devem empregar as
confeitarjas. colleccoes de. pincejs para
lingir madeiva, rom propriedade, e outros
de varias qualidades, vernizes, .copal,
graixa, hrapcP oa escuro para o interior
e exterior, para etiquetas c quadros. tin-
tas linai em tulKt, em crayves ou pa>4ef.,
(ellas para quadru, caixas*de tintas luas
e papel para desenlio.
Essencia* aromatices verdadeiras, fras-
cos e vidroc |iara vidra^a de todos os tu-
inanhos, e iwikis outui's objeetos. cuja
utilidade e einnrogo .com a vista pode-
ro ser mostrados.
Joao Podro das Xeves,
Ger-rnte.
"M
libra.
MacarriJo, talharim ealetra, libra
Sevadinha e sag muito novo,
libra ,......
Kstrelinhas, rodinhas e pivide
para sopa, libra.....
Alpista, arroba 45800, e a libra
Sabo massa, libra 120, ICO,
200 e -. .
Macas novas para varios precos.
Ancoretas com azeitonas novas,
a 15200 e garrafas. .
i iacux Caixas com 2 arrobas de batatas,
iffouu, a 20300 c a libra.....
Vinhos da Figueira muito sope-
or, ranada 45500 e a garrafa
Ditos da Figueira mais abaixo,
caada 4,5 e. .
Dito de Lisboa, a 400, 480 c .
sba, Carcave-
los e outros, a 040, 5G0 e. .
Dito do Porto muito fino, caada
65 o 55500, e a garrafa 720,
800 e........
Garrafas com capils para refresco
Massos com 20 massinhos de pa-
litos para dentes, a. .
Crozas de caixinhas de palitos
do gaz, a.......
; Servejas de bijas marcas para
5001 diversos precos.
Ralaios do Porto muilo bonitos
7301 de diversos tamanhos.
*80 Azeite doce de Lisboa, a garrafa
i Vinagre muito forte, aada
15G00e a garrafa 240 e ,.
iqq Pimenta do reino, cominho, er-
va-doce e folha delouro a libra
ICO
240
60
ZAMORA.
DRAMA HISTRICO PELO DR. THEBERGE,
QUftL NAO INTERVEM PERSONAGEM
FEMENINA.
Na ra Nova n. 11 vende-sc a !5ooo o
exemplar.
imi
ALVI(?ARAS A NOVIDADE.
Sao chegados loja das columnas
na ra do Crespo n. 13 de Antonio
Correa de Vasconsellos A C. riqu-
simos cortes de la muito fina o >m
35500
15200
roo
I
300
320
4001
m
i
45500
500
480
15000
500
cadas como sojam: cor de ganga, de P
lyrio, cinza etc., fazenda fnteiramen- ^
te nova e nunca vista em Pernam-
buco.
H Caixa com 8 libras de dita nova 35O0o't ,CC.- 0,ha.del01
.' Knilhas novas, libra. ma ^Jijlos de hmpar facas
jp ,6*u Gordas para pastar, a 2
15000
:+:
Latas com peixes vindos dos me-
lhores conserveiros de Lisboa
muito preparados, a lata. .
Ditas cojo outros, americanos, a
Ditas om marmelada superior,
libra 640 c....... 720
Ditas com fructas em calda. 500
'.g Ditas com massa de tomate, 640 e 720
3 Ditas com ameixas francezas, a 1580
cfj Ditas com Qgos de comadre, a 15400
M Ditas com sanlinhas m a 320 e ...... .
5 Caixas com doce de goiaba mui-
to fino, a 560 e .
SVinhos em garrafa*, champanhe
cognac, Bordeaux, licores unos
para diversos precos.
200,320 e
Ditas para andantes, cento 35,
35500 e....., .
*
Para pa*Aar a esta.
Aluga-se um sitio com boa casa de morada
margem do rio Capibanbe, situado na Capunga,
pertencente out'rora ao finado Joao .cite de Aze-
vedo : flucm o pretender, dirja-se ao armazem de
assuearde Jos da Silva LoyoA 0.
, Duzias de copos lapidados para
agua e vinho, a 65500 e 35500
Espirito de vinho de 38 graos,
garrafa.......280
Passas de carnada, novas a 480
Papel almaco, de pezo e greve,
de boa qualidade,
Caixas eom o verdadeiro vinho
chamisso, (1 duzia). 145000
Toucinho de Lisboa, libra 320
arroba,.......95000
Frasqueiras eom a verdadeira
genebra de Hollanda, a 641000
Sevada nova, libra.....160^
400
640
o n. 29.
Abra loja dos barateiros, ra do Queimado.
I Lias de ultimo gosto, covado a 440 rs.; organ-
: dis de padroes lindissimos, varas a 800 rs.; ha-
i loes de arcos o melhor possivel, a 3So00, i& e o ;
alpaca de linbo para vestidos, covado a 240 rs.;
cambraias de cores para vestido, covado a 280 rs.;
cambraieta muito fina, peca de 12 jardas a 75 ;
cassa lisa pello de ovo, peca de 12 jardas a 7^'600.
Ao n. 29.
Abra loja dos barateiros, ra do Queimado.
Paletots de merino setim, fazenda de custo de
205 por 105 ; ditos de alpaca preto a 35200 lnim
branco lona, vara a 640 5 brim de cores para cai-
ga, covado a 480 rs.; camisas com peitos de fustao,
a 15600; chapeas de sol de alpaca, a 35300.
Ao n. 29.
Nova loja dos barateiros, ra do Queimado.
Para acabar.
Bicos preto de linho, vara a 120, 160, 240 e 320
rs.; ricas franjas e trangas pretas e de cores, vara
a 120,160 c 200 rs.; trancas e gal oes de laa e de
algodao, pegas de 10 e 15 varas, a 200 e 400 rs.;
froco fino p-grosso, peca a 160 rs.; vestidinhos de
cambraia bordados, para baptismo, a 25-
\OVl HOSPEDARA
A TRAVIAIA
Ra larga do Rosario esquina para a do Queimado
numero 37.
O proprietario do conhecdo hotel Trovador, ac-
cedendo ao pedido de alguns seus amigos e fre-
guezes, que, por suas posices e seriedade nao
queriam tomar parle na geral concurrencia de seu
hotel, resolveu aproveitar o exeellente sobrado em
que funecionou a socicdade Corybantina c nelle
I estabelecer urna hospedara, com aceiado servico,
buhares para distraegao e lunch pregos razoa-
veis. A coudigao da escolha de freguezes para
dita hospedara, a variedade de artigos de comida
e bebida sempre nelle encontrados, a reserva em
que estarao os concurrentes da freguezia de ou-
tros de condigao, por ventura inferior,e a frescura
que em dita hospedara sempre se experimenta,
sao seguras garantas que animam e fazem espe-
rar as honrosas visitas da elasse mais aceiada da
nossa sociedade jovem e alegre. Sol) estes aus-
picios o proprietario da hospedara Traviata es-
pera a coadjuvagaodeseus amigos generosos para
darem sahida, mediante preco mdico, charu-
tos de Ha vana, licores inglezes e francezes, eerve-
ja branca e [treta, queijos de prato, londrino e suis-
so, doces estrangeiros e nacionacs, e, em urna pa-
lavra a todos os gneros de que est sonido, pro-
prios a um lunch variado, apetitosa e barato.
i 0 Dff. ROOIA B\STS
1M Pude ser procurado das 7 as 10 horas da
!M> manliaa e das f da tarde cm diante no
[ .1Q Ruado Queimado \. 10
Das 10 da nianliiia z i da (arde
8
barras estampadas e malisadas tan- jm
peratriz Eugenia, cores as mais del i- 1 gX. IS Una da 'riu M. I9j
Cura radical e em poifros dia? as mo-
lestias syphiliticas e as do apparellio ?e-
nito urinario. .
TINTURARA.
_ Tnge-se com perfeigo para qualquer
cor, e o mais barato possivel: na ra do
Rangel n. 38, segundo andar.
Advocarla.
O bacharel Jos Ladislao Pereira da Silva conti-
na aadvogar nos auditorios desta cidade. e pode
ser procurado na ra do Queimado n. 10, primei-
ro andar, das 9 horas da manhaa s 3 da tarde e
desta hora em diante em casa de sua residencia na
ra do Imperad) r n. M.
Aluua-se a casa n. "o defronte do viveirodo
Muniz propria para negocio e com commodos para
familia : a tratar na mesma ra n. 33 nadara.
Aluga-se o sitio da ra da Esperanga n. 7i,
com boa casa,-duas cacimbas, alguns arvo'redos de
fructos : a tratar 110 sitio que faz outra esquina.
Encommefldas dagiia hraiea receta-
das pelo illian >ai#r.
Ricos pentes de tartamga eom rhaan de manVe-
pemia.
Bonitos leipies de madreperuta.
Delicadas caetas de dila.
Lindos chapeozinhos de setim para
Bicos de seda bi ancos e relos.
Bonitas caixinhas com msicas e sem 1
costura.
Trancclins de laa para eneites.
Pitas de seda estreilas para doe.
Bitas de velludo com lstras pan barras danat
tidos.
Aspas de balea para vestidos.
Ditas de ago para espartilho._
Bandes d clina.
Pulseiras de contas para meninas.
Paos para abrir luvas e port-charu*>.
Essencia de ail para engoramailo-
Pos higinicos de Lubin para din,
Leite virginal para tirar sardas.
Dito d'ires para extinguir as caspas.
Vinagre aromtico para vertigens. doras dt *a>
beca, etc.
Cosmetiquc surlinc para cabellos.
Pomada para bigode.
Penda de tilo, lisa.
Novas ciutas elsticas in seikra
casadas
A reconhecida utilidade dessas necesanrint eiav
tas clsticas fez com que em breve -e aeabnman
as que vicram da pnmeira vez. deixando
descontentes muitas senhoras que se mSo \
prover dellas, i fiad do que a aguia l.ran.-a aaaat-
dou buscar mais algumas, que acalom ainda mais perfeilas que as prinv-iras, i>-<.[w>r --
rem menores; agora, pois, podea as s-nhoraa ca-
sadas prevenirem-se, mandando-as romprar ra
loja d'aguia branca, ra du Queimado n. X. Se a
aguia branca precisasse de semethante obra de
certo desta vez nao flVaria sem ella.
Albons c< m lerfinarias.
Muitas vezes aconii-ria qur >. pCM-ur \r-W) 1
bella galantaria para se onertar a ama
menina em seus aniversarios, ou
amarraeaodas iii.'>trasdeslas, s*> nao arhara 1
que satisfizesse, agora, porm, j ais dna -urce-
der assim porpie na loja daguia branca >-ncontrar
r o prctendente bellos objeetos para es.> m, 90-
bre-sahindo entre elles esses U.mt.o albuns rom
perfumadas, cujo goto e noviila mazia. A aguia branca Colgara de ronteMta*
essas olfertas recabirem sempre em suas prHilec-
tas Creguezas, e quando assim nao *-ja, ai bz
mal, porque a mimoseada reparando na singutari-
dade do objecto. querera desde lego aCalaMe no
numero daquellas. Em ti lo o ca>o bav<>ndo di-
nheiro, dirijam-sc .1 na du Quenadn, loja d*aguu
branca n. 8. que nulo se arranjara.
Chegarain luvas de pellica pan a loja d'a-
guia branca, na do Queimado n. S.
Queijos de Hinav
Ha para vender, na ra Nova n. .
Nafa*.
Vendem-sc macias grandes novas a o *)
rs. cada urna, oleo de ricino a 480 a libra, manteiga
ingleza ilor a 960 e 800 rs., dila franceza. iMd
*>liO rs. : no p:tt Bostas n. i.
Vender um sitio na 11
ra numerosa familia, ou tamben)
do valor do dito a dinbeiro, e ansia
alguma eaaa.lama smssj na mesma 0
no Itecife : quem pretemler
rija-se ao Manguind, ca>a que faz
ra da Amizade, que achara coa
Tambem alu".i-se.
.'

Vende-se una mobilia ib; jacarami
dos sepuintrs obj.-rios : 6 cid-
bragos, 1 de balaiigo. i er>nlm d' p^i
1 cama, pares i!.- ser|'ni
1 enmmoda ie mojoio s rampa >fc p^li
de antar e I banheiro
n. o".
Vende-se urna 1
aun 1- de dade. muito bonita,
ao I ido do ('armo n. I.
sansa
:.. i I.;
1 f.
na ra da Sea/ota 7ioa
crMila USI
Bom negoew
Vende-se unta tabarM com soasas fun afregnezada na tregastia '
venda se dir ao nun
d.-apraso: qu.m a ppi.-ndir dinhi-*- aaSra
do Terco n. li ajsn m dir.
l'Uil (lo r.b<>garam a loja d Ansjnma & canos
pretas de in sordadsi eeasnaadassara .-abura,
santo-embarques dos nwlh
de seda pretos. opiimamen
M ronde por proco que agrada.
Vende-se unta bonita rscrava.
gommadeira. cozinheira. lava
11.10 tem vicios n.-ia ai
cisao : na ra do Queimado 11. \
fu sj
^ Vend-se unta e.i-.i .
Cabaags : quem ifninr a
Imperial n. lio.
,i|.i
E mutos outros gneros que se tornara enfadonho menciona-los, e que se
pcomette vender barato.
O bacharel Amaro Joaquim Fonscca de
Altuquerque reside na freguezia da Boa-
Vista ravessa do Veras n. 18, onde pode
ser procurado para os misteres de sua
nrofissao das 9 as W horas da manhaa e
i da tarde em diante.
No principio da estrada de Joao de Barros
aluga-se ura grande sitio com sobrado, ,c muitos
aryoredos de fructo, com jaqueiras, mangueiras,
cajueiros, coqaeiros, saputizeiros, larangeiras, cu-
pini. e mmts outras vantagens alem de aguapara
rtewr ; o sobrado esta perfeitamente limno e for-
radas as salas e quartos de papel, com banheiro
dentro de casaecanes que conduzem agua para o
banheiro, estribara e cozinha, tendo commodos
para carro, cavallos e ciados, emfim urna perfeita
morada para quem (fuer tirar proveito, e tem tra-
tamento : a tratar com Giritnaraes & Alcoforado,
na ra do Amoiim n. o, das 8 s 3 horas d
tarde.
Aluga-se a loja n. 4 da ra Nova, muito pro-
pria para qualquer estabeleeimento, tatnbem ven-
da-se a armacao a moderna, rom vidracas, um es-
l>elho, hc. : a tratar no Mondego, na casa do lina-
do commendador Luii Gomes Ferreira, on ra
do imperador, armazem de tonca n. 41.
Prccisa-sc de um caixeiro portuguez para
tomar conta de utna taberna per balango, dando
fianca idnea a sua conducta : a tratar no pateo
de Pilar n. 21.
Arrenda-ee o engenho Meio, na freguezia de
Ipojuca, distanta dessa estagao 2 1|2 tegoas, e do
porto 1|2 legoa : a tratar na "ra da Impcratriz nu-
mero 31
II V \c o 1 \ 1 io
ESTABELECIDO NA CIDADE DO PORTO
Agentes em Pernamboco
Antonio Luiz de Ollvelra
Azevedo C.
Sacam por todos os paquetes sobre o
mesmo banco prazo ou vista, sobre a
caixa filial em Lisboa, e agencias em Fi-
gueira, Coimbra, Aveiro, Vizeu, Villa-
Real, Regoa, Vianna de Castello, Guima-
r5es, Barcellos, Lamego, Covilhaa, Braga,
Peni/Je!, Braganga, Amarante, Angra,
Una da Terceira, Hha de Faias, Ilha da
Madeira, Villa do Conde, Valenea, Bastos,
Oliveira de Azemeis, Chaves e Fafe, a
oito dias vista ou ao prazo que se conven-
cional no seu escriptorio ra da Cruz
n. 1.
CASA DE SADE
Em Santo Amaro
o Or. Uva Ramos.
LTnco estabelecimento desta natureza
que existe entre nos, montado do modo
que pode com todo o commodo e zelo tra-
tar qualquer doente, que nella seja reco-
Ihido.
O edificio magestoso e conserva-se
cm perfeito estado de limpeza e conve-
nientemente mobiliario.
Os docntes sao separados, segundo os
sexos, natureza das molestias e condigoes
sociaes.
Ha quartos fortificados para os aliena-
dos, e urna enfermara para as partu-
rientes.
0 proprietario enrarrega-sc de qual-
quer operagao.
O estabelecimento franqueado qual-
quer pessoa que o queira visitar.
Primeira elasse 35000diarios.
Segunda dita.... 2500
Terceira dita.... 2000
Para que qualquer doente sejaali rece-
bido, basta que se mande o nome do doen-
te e da pessoa que o remette, com a de-
claragao da morada.
O proprietario aceita contratos annuaes
com qualquer que queira ter um ou mais
leitos sua disposigao.
Cuidados grandes.
O Sr. Manoel Jos Joaquim Saldanha, subdito
porluguez, queira ter a liondade de comparecer na
roa Direita n. 43, a negocio de muito seu interesse,
e igualmente roga-e as pessoas que o eonhecem,
e sendo-lhcs possivel, dar parte na referida casa,
por o dito ser novato nesta provincia, c ter desap-
parecido desde o da 7 de junho deste anno da casa
do seu recommendado Duarte Antonio Serva.
Achando-sc o club commercial rehabilitado a
dar as suas partidas niensacs, a do corrente mez
ter lugar na noitc do dia 6.
Precisa-se de um Portuguez de 12 a 16 an-
nos de idade, e que tenha alguma praiica de ta-
berna : a tratar na travessa das Cruzes n. 6.
Vende-se urna i'\e,>||.-nte ram bm b
prego razoavcl: na taberna do \ndr.\ iu
/illiada de Itellem.________
Frascos uara depositar r-pe.
Vendem-se na na da '..vt.ia. na loja ? da Cnnha Manlba 9 n. 51, e na loja .'
Fernandes da Cunha n. 44. por pn-go r-nuih-U>.
vonde-se mna iisnaia .1^ boatia ngnra per-
feila entornillarle!a e roMnlieira e lava
varilla, nao tem vicios nem ii hiif 1.
|tor precisa.): na ra do Queimado a 4.
andar.____________________
Vende-se a armacao da loja n. 4 da ra \y-
va, envidragada e em muilo bom estado a
na mesma loja.
(al de listta a ||.
Roa do Trapiche n. 9.
ah;
O proprietario da muito acreditada refinagao da
ra Direita n. 10 faz publico aos seus numerosos
i freguezes que modifica os pregos dos seus assuca-
res pela maneira seguinte : assucar refinado fino
primeira qualidade a 4>160, dito segunda dita a
COMPRAS.
Compra-se 30,000 lijlos grossos de parede,
de boa marca, juntamente 12 travs de erabiriba
preta com 32 palmos de comprimento : a tratar
! com Jos Carneiro da Cunha.

Compram-se jornaes que sirvam para em-
brulho a 34840 a arroba: em Fra de Portas, ra
do Pilar n. 118, refinagao. __________
Compra-se elfectivamente ouro e prata em
obras velhas : napraga da Independencia n. 22 lo-
ja de bilhetes.
YENDAS.
Aluga-se a casa da estrada de Luiz do Reg
n. 12, com bastantes commodos, quintal murado ;
tambem se aluga a casa da ra Augusta n.Jf4 : a
tratar na rna do Vigario, taberna de Joao Simao !
de Almeida n. J4.
o abaixo assignado faz saber ao respeitavel
corpo do commercio que tem justo e contratado a
compra da taberna da rna larga do Rosario rt, 31,
pertencente ao Sr. Joaquim Macieira de Olivara,
e portanto pede aos eredores que ainda se jul-
rejn com direito a mesma apresentarem suas con-
tas no prazo de 3 dias a contar da publicacao dos-
fe. Reeife 31 de agosto de 1863.
Joao Manoel da Cunha Aranjo.
Aluga-se a casa terrea da ra Imperial
66 : os pretendentes dirijam-se Caixa Filial.
n.
Desappareceu do segundo andar do sobradla
ra Augusta, n. 1 um relogio de ouro patente in-
glez n. 31,198 : roga-se, portanto, a todas as oes-
soas a quem Ihe forofferecido. ou delle tiverem no-
tixia, o favor de o apprehender e leva-lo ao dito
soEJdo, qqe ser5o generosamente recompensadas.
ugEs
DE
PARTIDAS DOBRADAS
ARITJIIETICA
TRES VEZES POR SEMANA
TERCAS, QUINTAS E S.IBBAD0S
DAS 7 S 9 HORAS DA NOITS '
Preco 10,600 rs. mensas pagos adan lados.
amiel Fonaeca de Hedelros,
contina a dar ligdes das referidas materias no
primeiro andar do sobrado da ra Nova, que faz
esquina para a Camboa do Carmo, onde trabalha'o
ir. E. Gadault. As pessoas a quem o presumo do
nnunciante pud" soroveiBur dianem-seprocura-lo
ahi gmente nos dia* o banB cima des.'gnadas.
Collares depedra.
A loja da Aurora da ra larga do Rosario n. 38,
recebeu collares de perolas com craxes esmaltadas
de pedras de differentes modelos, obra a mais rica
que tem chegado, para qualquer senhora ou meni-
na, assim como tambem recebeu alfinetes doura-
dos com pedras, obra muito fina, brincos dourados
com esmalto de pedras de differentes modelos, os
mais finos que tem chegado em obra franceza.
'IAWKDELEHBR.nCiS
Luso-Hrasilciro
PARA 1864
Par CaatilsW.
m de chegar estes intoressantes almanaks,
na Jivraria economiea ao pe do arco
O gallo eassta aj
O gallo canta, principalmente quando re-
cebe as suas novas encommerkias para sa-
lisfazer aos seus hons freguezes.
(racatinkas.
E' chegado um bonito sortimento
gravatinhas. Unto para homem coaso
senhora que se vende pelo baratissimo
CO de 500, 800 e 1,000 rs.; s 00 Vigilaias.
ra do Crespo, n. 7.
Pirotleiz,
Tambem chegou um grande sortimento
de pirolteiz on conservadores para eatflas,
tanto preloscomo de lindas cures peioba^
ralissimo preco de 1,000 rs. cada osa.
Capella para tura.
Tambem chegou um rico sortimento da
capel las brancas, coosa muito chique para
noivas, pelo baratissimo preco de 3 OO rs.,
6,000 rs., 7,000 rs. e 8,000 rs. ; j ao
Vigilante, ra do Crespo, o. 7.
Filas de velludo e de seda.
Tambem cnegou um completo 1
de filas de velludo de n. 6 a n. 200;
como um rico sortimento de flt*_de 1
lavradas e lisas de todas as largona e 1
lidades por precos que admir
Vigilante, ra do Crespo, a. 7.
tico de setla e linho.
Tambem chegou um bonito
de bicos, tanto de seda coaso da fiis, aa-
sim como rendas Anas e de rabyrinto, aa
seus presos faro admirar aos asaaa sra-
guezes ; s no Vigilante, raa do
n. 7.
Franjas prelas t de cores.
Tambem ha as. riqi
ts largas, proprias para as lindas
manteletes; assim como brancase da"
que seos precos tambem m
se adjairarSo, por que saaspra acata lap aa
vender por precos sauito nsoaveis; s ao
Vigilante, roa do Crespo, a. 7.



Diario de Peruanihuco (giiiala fclra 3 de fceteiubro de 18
- -
NOVA EXPOSIQO
na loja do Pavo, de fazendas bara-
tsimas.
CASEMIRASINGLEZAS
a l ,700 rs, o curte.
Vendcm-se cortes de easemiras escuras para
calca, pelo barato preco de 1^700, tambero se ven-
; dem das mesmas a 480 rs. o covado, proprias para
*!*<.* n-.tahni^;mnnin irhi e> rnnstante- Raletols e molletes, etc.: so na loja dopavao, ra
Neete estabclccimcntojch^-se^ constante- da ,mperalriz n ^ detama & sJHva
mente um grande sortimento de fazendas
de gosto e de primeira necessidade, sendo
tanto proprias para a praca, como para o
mato ; de todas as fazendas dao-se livros de
amostras, dcixando ficar penhor, ou man-
dam-se levar em casa das familias pelos ca-
xeiros da loja do Pavao.
iJias com 8 palmos de largura,
na loja do PavSo.
Vendem-se iazinta enfestada propria para
vestidos, com 8 palmos de largura, sendo
fazenda mais moderna que tem vindo ao
mercado pelo baratissimo preco de 1(5600 o
covado: s na ra da Imperatriz n. (50, Inja
do Pavao.
Cassas a 2O rs. o covado.
Vcndem-se cassas francezas de padres
miudinhos e cores fixaspelo barato prego de
200 rs. o covado-; ditas fina? a 340 e 320
rs. o covado : s na ra da Imperatriz n. 60,
loja do Pavao.
Organdy. a 910 rs. o covado,
na loja do Pavo.
Vendcm-se -organdy de cores matisado, fa-
zenda que val muito mais diuheiro, pelo ba-
rato preco de 210 rs. o corado ou 400 rs. a
vara: s na ra da Imperatriz n. 60, toja
do Pavo.
O Pavo vende os modernos ves-
tidos balo,
GRANDE PECHIHCHA
Vende o pavo, organdys a 360 rs.
Vende-se tlnissimo organdys matizado com os
mais delicados padroes miudinhos com assentos
brancos, sendo neste artigo o mais moderno quo
existe no mercado, sendo fazenda que sempre se
vendeu a 11200 a vara, e presentemente vende-se
a :t60 rs. o covado: s na ra da Imperatriz n. 60,
loja dopavao, de Gama & Silva.
CUITAS ESCURAS
a 2,200 e 2,640 rs., s o pavo.
Vendem-se cortes de chitas com padroes escu-
ros, tendo 10 1/2 covados a 2,5200, c com 12 1/2
covados a 2#640, pechincha e vende-se por este
prego em razao dos cortes screm em mais do um
pedaco : s na loja do pavao, ra da Imperatriz
n. 60, de, Gama & lva.
Laziuhas a O rs. o covado.
Na loja do I'avo.
Vende-se laazinhas de cordaozinho de urna s
cor, sendo azul claro, azul escuro, ferrete, cor de
j caf claro e escoro, alvadio, roxinhas proprias pa-
ra luto, sendo fazenda que val muito mais dinhei-
| ro vende-se pelo diminuto preco de 200 rs. : s na
loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Os manguitos e gonhas do
Pavo.
Tarlatana da Arara a 4O rs.
Vendem-se tarlatana de cores para vesti-
do? a 400 rs. a vara, fil de linho de cores
para mosqueteiro a 160 rs. o covado, enfei-
tes para cabeca de senhora a 1, 3 e 4&
os mais modernos que tem chegado, tapetes
para salas por 50 cada um, toalhas de linho
para rosto a 640 rs., ditas peluda a 10, o
melhor que ha em toalhas; na loja da Ara-
ra, ra da Imperatriz n. 56, de Mendes Gui-
maraes.
SEJff EGMDO.
QU1NQUIL1IARIAS.
Ra do Queimado, ns. 49 e 55, lojas de
Jos Bigodinho4queiram ver ver as fazendas
que abaixo aununcio, pois todas eu garanto
que sao muito novas e baratissimas.
Pegas de trancas de a'godo de to-
das as cores a.......
Duzias de linhas com 200 jardas, A-
lexandre, a..... .
Carritel de qualquer numero ,
Varas-de aspas para bal5o ,
Caixas com superior obreias a .
Ditas de colla ;.......
Pares de botos do punho a .
Pares de sapatos de tranca .
Ditos muito superiores, a .
Caixas e pacotes de papel amisade de
, cores a. ....... .
Du/.ia de meias muito finas para e-
nhora a ........
Du/.ia de ditas cruas para liomem a 29400
300
30
80
U oo
100
80
40
40
120
1,51280
10600
600
3500
E pechincha, a 320 e a 100 rs.
.. ,.,..,, liramos muito unos para voltarete a
\endem-se gohnhas de filo bordadas, a Carrileis de ,nha com 10o jardas a
400 rs.; ditas de cambraia, a 320 rs.; cal- Caj.ir,es de linha brancae decresa
cinhas para meninas, a 500 rs.; manguitos, NovelIos de linha com 400 jardas a
' rs-: manguitos com gohnha, a 800 DUos muil0 grandes com 800 jar-
das a .......
a 500
com barras Mara Pia, sendo os mais reis; manguitos de cambraia, a 320 rs.: s i
modernos que que tem vindo ao mercado, na rua da imperatriz n. 60, loja do Pavo.
com a saia de um s panno, tendo bastante
fazenda para o corpo, e vende-se pelo barato
preco de 3;>500 cada um: esta pechincha
NA ARARA
armazem do Pavo.
\<> a pechincha de ias enfesta-
das a 400 rs. o corado.
S o Pavo.
Vendem-se laazinhas enfestadas transparentes
com delidados padroes sondo de urna s cor com
listras e quadrinhos e vendem-se a 400 rs. o cova-
do : na loja do Pavao rua da Imperatriz n. 60 de
Gama & Silva.
Cortes de cambraia, a 9500,
na loja do Pavo.
s existe na na da Imperatriz n. 60, loja e Grande exposico de fazendas de todas
as qualidades; sendo por baratis-
simo preco, na loja c armazem da
Arara ruada Imperatriz n. 56 de
Lourcnco Pereira Alendes Guima-
raes.
s@ asss;
Car toes de linha cora 200 jardas (est
se acabando |a......
Vara de fila prela com colxetes para
vestido, e tem um resto parda a
20
60
120
60
100
SEM ECMDO.
Objectos de tintura e msica.
Na rua do Queimado, ns. 49 e 55, est
queimando ludo pelos precos abaixo decla-
rados,
Attcn^o!
Posto que domine no cora-
cao do BALIZA a mais bem en-
tendida ambicio de tirar de
seu negocio as melhores van-
tagens, com tudo elle nao pro-
cura fazer fortuna vendendo
gato por lebre;
Quando nao se negocia aca-
badamente, est bem ao alcan-
ce de todos a facilidade de fa-
zer-se boas compras, para ven-
der-se barato.
Leiam lodo*.
Ao aima/.cm de IAUZ\ oo-
driii ser dcvlvii',"- qoaavm t
gearofl que par man Jfc
sejam do contento dotaofet
rea ronpradfres. ?o lea
resentinenlofign em se aro-
4 .
car por nutro, nu rcstituir-s;
u dinheiro recebido,
Mantar a todo o coala o
11 lito, o agradar aos tem a-
migoa e fregis lodo a
deaejo do praprietario m
r>taln'lccimi.'llt0,
LEDE! LEDE! LEDE!
sempre a frente do progresso.
Constante marcha o u\iai.\.
Tem por norte o bem cominiim,
A verdade por di* Isa.
CRAUDE
no

DE
e prestem toda a atlenco para ver
Vcndem-se chitas cores fixas, com peque-! o que hom e barato,
no toque de mofo a 200 rs. o covado, en-, Duzia de facas e garfos muito finos a 2$300
eos brancos e com barras 200 rs., meias' Dita dita dila de cabo preto muito
Vendem-se cortes de cambraia brancos com para hornera 120 rs. o par, ditas para me-! finas a.........3200
babados, a2)$i>00; ditos, a 4)5; ditos com nios, 100 rs. o par; na rua da Imperatriz Dila dila dita de balanco, raelhor,a 5#300
barras e babados de seda, a 33, 35500 e 4#; n. 56, Arara.
s na rua da Imperatriz n. 60, loja e arma-
zem do Pavo.
Tesouras
nasa
para costura, muito fi-
Arara vende as cassas a 200 rs. o covado. as a ......... 400
Vendem-se cassas finas para vestidos a Dilasditas para unhas, muito finas a 400,
. 200 rs. o covado, organdys finos para ves-; Cartas de alfineles de ferro a 80
tories uc eaninraia enmeza, a U(Jos a 2i0> 80c 30 rs 0 covado; so n0 Dilas dUosde |al3o muil0 finos a 40;.
; armazem da Arara, rua da Imperatriz n. 56. Ditas do dito grandes'..... 120 i
la para um vestido: i'sto s na rua da ^ndepor este preco por ter grande porco,
atriz n. 60, loja e armazem do Pavlio. id,,as ll;ir"''l/-;,s ^-^ tJ^ na *
, Impe alnz, loja da Arara n. 56.
ll'lAC >l 'tfi.iAA Clt SAVIA. _________1. ____J_____. ___.. nk/
Vendem-se ricos cortes de cambraia cbine*
za, os mais modernos que tem chegado, sen-
do brancas romlindissimospadros, pelo ba-
rato preco de 4 cada corte, tendo bastante
fazenda
Imper;
llales a 3^500, s o Pavo
Vendem-se baloes americanos que sao os
memores, tendo 20 arcos, a 35500; ditos
'e 30, a t500; ditos de 40, a 55; ditos
bramante, a 35500 c .->; ditos para mc-
tinas, a 25 e a 35: sij na rua da Impera-
triz n. 60, loja e armazem do Pavao.
Cortes de chita, a 9OO, na
loja do Pavo.
Veudem-se cortes de chita com 12 I|2 co-
vados cada um. a 25500; ditos com 10 cova-
dos, a --> cortes de cassa miodinha de co-
res Blas com 10 covados, a 25; ditos de
organdy mathisado com 10 covados, a
20400; soarua da Imperatriz Tu. 60, loja
lo Pavao.
Caixas de phophoros de pao .
Cortes de rhi a da Arara a 2:000 rs. : Grosa de ^ oguA\ ,
vendem-se cortes de chita com pequeo, puza de ,ji0 dt0 a
toque de mofo a 25, ditas limpas a 25, se Massos do pa|il03 para denle's
Arai'a vemle tfiosdena|li\s preto a 1:000 rs.
Vendem-se grosdenaples preto a 15, i 5600
a 25 o covado, dilo de 4 palmos de largura
a 25000 o covado, cortes de casemira preta
para calca a 25000 e 45, ditas tle cores a
:!>.'i()(li.' iv na loja da Arara, rua da Im-
peratriz n. 56 de Mendes Guimaraes.
Cortes de la da Arara a 3:C00 rs.
Vendem-se cortes de laazinhas para ves-
tidos a 35600, oh! que pechincha, laazinhas
para vestidos, linas a 100 e 500 rs. o cova-
Livrospara meninos todos cheios de
calungas a.......
Aboloaduras para colotes a .
Escovas para roupa,muito linas a 400,
500 e.........
10
25200 i
200
160 f
I
320!
1601
800
Oh! ffiie pechincha a 3 CO rs.,
chitas lars;as.
Vendem-se chitas francezas com pequeo
toque de mofo a 240 rs. o covado, dilas
iinpas, linas a 320, 3C e 400 rs. o covado,
. riscad francez a 280 rs. o covado: na rua
Vendem-^ cortesde^mnraifrancea para da Imperatriz q. 56 Arara de Mendes Gui-
calca, fazenda muito InM. padroes claros e mal--os
escuros, a 55 o corle s na l rua da bnperafriz n. 60.
PECHINCHA. LJ
Pe fumaria de superior qualidade. I
0 rival sem secundo, rua do Queimado,
ns. 49 e 55, est disposto a vender mais ba-
do, .lilas de quadrinhos a 320 rs. o covado; n^que nunca vendeu, para o que queiram
na rua da Imperatriz, loja da Arara n. 56, de : _.
Mendes Guimaraes Duzia de saboncles finos a ... /20
Sabonete inglez, o melhor, a 100
As easemiras do Pavo c pechin-
cha a 5^.
te ingiez, o meinor, a .
Frascos com agua de Colonia muito
Tina a......., 400
Ditos de dila grande a 500
Ditos de Lavande ambreado, o me-
lhor, a....."... 500
Ditos de macaca oleo muito bom a 100
Ditos perola muito superior a 200
Ditos de oleo de babosa a 240, 320.
400 e.........
500
320
500
Largo do Livramento ns. 38 e 38 A
Defronle da grade da groja
AO RESPEITAVEL PUBLICO
Senhores e senhoras
0 incansavel propietario do grande armazem a1a> aun toma a herdade >ii
declarar (lo alto da imprensa pernambucana, que elle perfectamente liberal em offen
benvolos freguezes as melhores (nulidades dos mais bem cseolhidos generas, nio id do pA 0 ai
estsangeiro a precos de contentar e satisfazer a todos.
Fa zendo to publico e espontaneo manifest, o referido BALIZA julga de seu rigoroso I
declarar inui seria e pusitivamente nesta oportunidade, que lambem o mais firme e dedicado
vador de i ;ua numerosa freguezia^
Da boa qualidade e baratera dos gneros offero-cidus ais seus freguezes, jimia ao
nho que ti ra para si, tem sabido fazer o BALIZA a mais perfeita liga de interesses recipn co,
das as con scicncias deve por forc. e necessariamente agradar.
Tcttdo por conveniente tanibem a pnbficacao do segninte aviso, o BALIZA En saber mu
quias pessoas que sempre estau promptas a comprarem tudo, com tanto Ibes [.ni
rcm logo, ique elle
NAO VENDE FIADO.
Os amigos da economa, aquellos que s comprara os objectos de que ,, ,,a ^
nalmeute de empregar bem o sen drnbeiro venbam a este esibelecimento.
IiKIAM TODO.
Do preco de qualquer getero annuhciado a venda em outros estabeleciroeoto*, r> d -
res freguezes diminuir cinco por cento, e,vir compra-lo ao Bauza, queseado, cumio i. -,i ,|
mem-do movimento prefere gaufiar muito. pouco, com tanto que seja por muitas vezes i

rr,,
45--BUA DIREITA--45
Arara vende o mailapoliio a i:000 rs.
Vendem-se pecas de madapoln francez fi- Ditos de banha branca a .
:o na rua da Imperatriz n. 60, loja do Pavao. M> L,llf(,sla(lo a \, e H:m dit;ls in,|,,z.is it0 de cheiro muito bonitos a .
tmm do i ana. com i janIa finos a u~m 85 fl^ e Dilos de banha, pequeo, muito fina
Vendem-se fuslo com lavr miudinho W a peca, freguezes a elles antes que se | i ..........200, So-e^observaemvossospes botinas
para roupa de meninos, a 320 rs. o covado; acabe; na loja e armazem da Arara, rua da Dilos de opiata a 200 rs., e boa a
brira de linho de quadrinhos para roupa de; Imperatriz n. 50 de Mendes Guimaraes. Ditos de banha japoneza a .
meninos, a 560 rs. o covado: ganguelim \MM%ma ,ia *..1r- TPniIimi^ ..Ditos de banha transparente a .
coixas a Atara a> el ludadas a Ditos de oleo filoconne
Vendem-se ricas colxas aveludadas para
para vestidos,le senhoras e loupa de mera- rama a8J( (li|as l]t fml-Q (le ,reS aF3^
nos, a 1, o covado: sonaiua.la tapera- ^ dcchta Q ^ m |]a }
tnz n. 00, loja e armazem do Pavao. i n r}G Arara- l
a 12:000 rs.| Arara vende os cortes de case-
mira a 3000.
Vendem-se cortes de casemira enfestada bjectos abaixo deciarados< pois para aca-
de unifi s cor, a 320 rs. o covado; popelina
de 13a, de quadrinhos encarnados e pretos,
Os paleiots do Pavo, assobrecasacado
Vendem-se paletots de panno, sobrecasaeas
de panno preto muito bom c muito bem:(]e ft ^
fetas, a 1$0: sebrecasacos de dito, a!44;|nm flM.Jnc ,..., ^i./'^i^, ..,
RIVAL
SEM SEGUNDO.
Objeetos diversos.
Rua do Queimado, ns 49 e 5o, vende os
em covados para calca, paleto! e cohete a
bar; estes precos n3o sao para
paletols sacos de dito a 7*; calcas decebe-, \%0ZZZ 'e' enfSb,'com 1 ^ faz-se mas as-nesessidades assira Permilte-
mu-a da Escossia,a 3 ; ditas de ca^mira a, ^ mut0 barat0 loj da
pfa,aW; ditas de remira de cor mu.to; A S da Imperatriz n. 50 de Mendes
fina, a 7J e a 5,)500 ; coletos de casemira de i Gujmra-es y
cor e preta; paletot de casemira de cor,
a 70; ludo isto para apurar dinheiro: s
na rua da Imperatriz n, 60, loja do Pavo.
Cortes de cachemira da Escoca, a 2:000, na
loja do Pavo.
Vendcm-se esta nova fazenda muito cncor-
pada imitacSo de casemira, tendo padres
escuros e alegres, aiancando-se que nao des-
bota, a 25 o corte para caifa, ou 580 rs, o co-
vado para paletot, coleto etc.: s na loja do
Pavo, rua da Imperatriz n. 60.
Fazendas brancas, na loja do
Pavao.
Vendem-se pecas de madapolo enfestado,
francez, com 20 varas, a 80; ditas com 12
jardas, a 40; dito inglez muito fino, a 70,
70500 e80; ditos muito superior, a 100 ;1
ditos de 40 jardas muito fino, a 40800 e a
50600; algodozinho muito encorpado, a
40800, 50500 e 60; bretanha com 4 pal-
mos de largura, muito fina, a 10 avara;
pecas de cassa de cordo para babados, com
6 varas, a 30500 ; ditas eom 12 varas, a 70:
Pechincha, a 500 rs. o covado,
s o PavSo.
Vendcm-se as mais modernas laazinhas
enfestadas, transparente, tendo 4 palmos de
largura, e sendo lizas e de quadrinhos, de
urna s cor, propria para vestidos e capas,
a 500 rs. o covado: s na loja do Pavo,
rua da Imperatriz n.jJO. de Gama A Silva.
O Pavio vende a 3 c 305OO
cortos de 15a, a 30 e 30500; ditos com 22
covados, a 50: s na rua da Imperatriz n.
60, loja e armazem do Pavo.
Arara vende as cambraias.
Pares de luvas de algodo finas a
Caivetes de aparar penas, de 1 fo-
Iha a ........
Ditos de 2 ditas a......
Caixas de colxetes francezes a. .
continuar,
80
Vendem-se cortes de cambraias de barras Duzia de dito francez a
Massos com grampos lisos e de cara-
col a .........
Duzia de dedaes de metal em caixi-
nha de vidro.......
Tinero de vidro com tinta superior
a..........
Ditos de barro que serve para tin-
teiro a........
Grosas de botes de louga prateado a
Pecas de tranca lisa encarnada a ,
Varas de bicos e rendas, para aca-
bar a .........
Varas de labyrinlo de 3 dedos de
largura a........
Caixas de folha cora phosphorosa .
Ditas de pos para den tesa .
Pentes de tartaruga a 3;>000 e .
80
160
40
360
40
320
160
100
160
20
60
100
40
100
30500
a 20, vende-se cambraias lisas para vestidos
a 20500, '31, 30500 e 4/ a peca, finas, ven-
dc-se cortes de cambraia bancas com palmas
soltas, com 1 vara de largura por 20500 o
corte; na rua da Imperatriz loja da Arara
n. 56 de Mendes Guimaraes.
Oh! que grande pechincha.
Vendem-se pecas de ricos riscados fran-
cezes com 14 covados para vestido a 200 rs.
o covado, organdys para vestidos a 300 rs.
o covado, chalim para vestidos a lo rs. o
covado, la para vestidos a 200 rs. o covado,
cobertas de damasco para cama a 40; na
rua da Imperatriz n. 56 Arara de Mendes
Guimaraes.
Arara vende os baldes.
Vendem-se os mais bem feitos e moder-
nos hales americanos de 20, 25, 35 e 40
arcos a 30500, 40, 40500 e 50, ninguem
deixar.i de andar sem balo que o prego j
convida; na rua da Imperatriz loja da Arara
n. 56 de Mendes Guimaraes.
Ronpa feita e chapeos.
Vendem-se uniformes completos de case-
mira inglezas de boas cores a 100, vende-se
pahtots de brim a 20500, ditos finos a 30,
de meia casemira a 30500, caigas de meia
casemira escura a 20, dilas mais finas a 30,
seroulas-de linho de bramante a 10600 e
10800, camisas francezas a 10600 e 1/800,
ditas finas a 20 e 20500, ditas de linho com
pregas largas muito modernas a 30, chapeos
demassas de crese pretos a 10600,10800,
t-e 20500, isto mais que pechincha; na Es,e novo armazem de molliados acha-=4>ro-
ij" E52? r Arar^' m ^ ,mPeratrZ ^trX^ot\SZ 'BIT *aE
VAMI AttAMSl
Eia, rapasiada, coragem! parece que j [j:gi{{i(f{
enregastes os vossos joanetes aos duros sei- jgf
xos do pessimo ealgamento da nossa cidade jj
acalca-
j nhadas e gastas at ultima sola; sapates
8001 rasoados c quasi sem saltos nem tanto I
jc,q a quebradeira nao deve chegar at este pon-
g5o' to 1 Vinde rua Direita munir-vos de .excel-
, lente calcado com 40 e at 60 por eento
menos do seu valor.... attendei:
Borzeguins, Nantes, bezerro e va-
queta 2 e meia solas.... 80500
Borzeguins, Nantes, bezerro, va-
queta e lustre 2 solas. 8*5(000
Borzeguins, francez e hamburgus,
bezerro, lustre e couro de por-
co 70 e........60000
Sapates, Nantes, bezerro e vaque-
ta 2 e meia solas.....50500
Sapates, Nantes, vaqueta, lustre e
bezerro 2 solas......50000
Sapates, Nantes, sola e vira. 40000
Ditos para menina, com laco. 30500
Dito* de ditas, de cores. 20800
Sapatos para senhora e homem,
tapete......... 800
Sapatos de borracha para senhora. 10 400
dem idem para meninas. 10000
Sapatos de lustre para senhora. 10000
dem de lustre as avessas 500
C'al de Usboa e potassa da
llnssia.
Vcndc-se na rua daCadcia do Reeifo n. i. para
onde se mudou o antigo e acreditado deposito da
mesma rua n. 12, ambos os gneros sao novos e
legtimos, e se vendeni a preco inais barato do que
outra qualquer parte.
Xa rua do Queimado n. 10 foja de Fer-
ro 4 Maia, vendem-se :
Chapeos de castor braneo para liomem
a5.
Dilos de pallia de seda para senhora a .
I.eneos brancos de cassa duzia 1,5600.
Ditos de cassa pintada a .
Chales de laa e seda um i&.
Laas escuras o covado 200 rs.
MLSAPARRILHA
PAPEL
n. 56 de Mendes GuimarSes.
de cores para listas de eleitores
A aguia branca suppoe que nao faz mal em ofle-
recer aos atliletas uns pacotes com 251 folhas de
papel de cores, que pode servir ptimamente para
listas de eleitores, e tanto melhor por custar cada
pacote o diminuto preco de I^oOO, e ser cada um
de urna s cor, o que difflcil de encontrar a nao
ser na rua do Queimado, loja d'aguia branca n. 8.
Xa mesma loja tambem ha de eutras qualidades,
braneo e azul, assim como anvelopes.
AURORA RRI-
LHITE
AOS SRS. CONSUMIDORES DE GAZ.
Nos armazens do Caes do Ramos n. 18 e
na rua do Trapiche Novo (no Recife) n. 8, se
vende gaz liquido americano primeira quali-
dade a retalho a 100 a lata de 5 galoes, as-
sim como latas de 10 e de 5 garrafas e sendo
em porcao mais barato que em outra qual-
quer parte.
Para o bom km.
Chegaram loja das columnas da rua do Cres-
po n. 13, de Antonio Correa de Vasconcellos & C.,
novos cortes de vestidos de lia a polaca com bar-
ra estampada de matiz, gostos inteiramente mo-
dernos e cores as mais lindas que se pode desejar
bem como: cor de laranja, ganga, violeta, solferi-
no, cinza, magenta etc., etc.; para designar o mo-
delo do vestido a cada corte acompauha seu figu-
rina. Na mesma loja acaba de chegar pelo ultimo
paquete francez riquissimos cortes de vestido de
seda de cores com ramas matisadas soltas e ou-
tros de moreantique adamascado, fazendas muito
encorpadas e do ultimo gosto para bailes, caca>
mentos etc.
DE BRISTOL.
As curas jnilagrosas de
CHACAS ANTIGS,
EIFERMIDADES SYPflEITICAS,
Erysipelas, Rheumatismo,
Nevralgias, Essorbuto,
efe., etc., etc.,
FAZENDAS BARATAS
27lina d ly-iimdftj;
KJ
mmm loja do C ustodlo. c rv*l*o
* i OHI,M|,m
Fi'':i fraiKr
para vestid
I lina e |H-I< barato pr.ru .! ".i-. fJrlML
Finas cambra :.tl,n Bllt
Mha
reos, de todH m t.manlw, pH ,r
I t'.ll'-i'lli-l'.
j lardadas para meiiiua>. ^h amo prm) iJM
cada m par. v*vwc **..^.
Raziabas
matizadas lina-.
Ctbfrtas
de chita a IpNl
Lrnrvfs
de panno de linho a U,
Toalhas
de fuMo. pelo barato pr.ro ,! ii>.) r< .-.>* i
CaaaMaai
de cambraia para mfeara I >.
h'uhas
de linho para senhora e meninas a $U>, 809, '
Sortinento
de meias para meninos e meniu-
Uhaha
preta para vestido a .00 rs.
adamascados a Z a duzia.
ffl\iOTM
\endem-se nperinnseliamlM*n<:irjDi
cada meia caixa, dilos de diversas n
de 100 chanitos.a liilft. ditos ,1.- ,|ji.,- i
xas. | 600 rs. : na roa Nova n. :s'
Ul*;,.i .
que tem
lime
gtlngeado e ihdo o alto re-

I.5a para bordar.
A loja da aurora na rua larga do Kokaric i
receben um grande sortimenm de loa
bordar qualipu-r obra a qnal timIb
tambem nrel^u enfeilea a Mara Pia m_
moderna, raj'' rolan francez em fraseo mif> U*"
eo. assim como taniUun tem de mnilas otras m*-
lidades. o qual tudo se vende liaralo laai tm
como miudezas de qualqner forma que j^ja pr*.
Cimento ; no largo da Santa Cruzn. 8i.
Xa loja do funileiro da esquina da rua da
Aurora n. i, vendem-se candieiros do gaz de to-
das as qualidades, os mais lindos que tem vindo
ao mercado, por proco commodo : tambem se vea4
dem latas com gaz, e as garrafas a 460 rs.
Cal de Lisboa
amis novado mercado.: na mj, a0 Vi gario n.
9, primeiro andar.
Salsaparrilha de Bristol
por todas partes do universo, sao to
sinente devidas
TJnica Legitima e Original
SALSAPARRILHA DE BRISTOL,
PIUSPAItADA E.\fl.lSIVAMENTK POR
LANMAH i KEr DE \0Vi YOBK,
[liante a reoeiia do Dr. C. C. Bristol.
k venda as boticas de Caors d Barboza,
GAZ.
A 140 rs. trazenJo a garrafa
do Hecife, loja de quinquilharias
se a melhor qualidade.
na
n.W
raa ti Ola
rua da
9IACKS MAC'.iKM
l.liegou no grande armazem da arm tiHmi
te no largo .la Santa Cruz n. i, mm rirami
boas maraes, em cai\as e a retaihu.
Quena ao emmmrnr*.
Hicas etiapelinbas de seda wk bem taMav
das e bellos gostos para sentara, mI fcwp mrt
do sen valor : na rua do Queimai. Inja n. i I
Retratos,
Na loja da Aurora n. 38, roa larga 4
vendem-se riquissimos retratos a* MM
Cmi Rrovn A r m,. M- Sontor o. Pedro II e d.- M. La
Z,e_J.00 Ua BraV0 d C"' rua I D Thereza, e do arcebispo o Sr. D.
-T
da Madre de Dos.
I prec/) commodo.
i


MUTILADQ


Mario e Peraambiuo <|ulikla fefra a de Metenbro e I*:{
I
'
i



GRANW' r uowiPLtnr SORTIMENTO Df MOLHADOS
{LiJ]
3=,
>
o
-o
<
-o
Cr-
e
<->
-o
=-.
"S
s>
E
'

<5
8
5
o
s
e
-c:
>
-




-
H
es
O
-
w
o
o
-O
e
si

55

55
"S
o
O
-~
8
o
su

O
55
55
S
-
o
u
o
o
o
o
9
o
s=
53
1
8
S
8
8
55
8
53-

O
8
o
8
"
O
"55
*s
O
a
Vinhos em pipa: Porto Figaeira e Lisboa, a
.4oo, 44o, ooo e 56o rs. a garrafa, e em
caada a 2,56o, 2,8oo, 3,ooo, 3,8oo e
4,000 rs. do melbor.
dem lagrimas do Douro, especial vinho do
Porto mandado vir de conta propria a
lo.oeo rs. a duzia e l.ooo rs. a garrafa.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado, das seguintes marcas: Duque do
Porto, Fetoria, Nctar, Velho Secco, Cha-
misso, Madeira superior a 9,ooo rs. a cai-
xa e l.ooo a garrafa.
dem Bordeaux das melhores marcas: St.
Julien, Medoc, S. Esteph e outros a 7oo
rs. a garrafa, e 8,000 rs. a caixa com urna
duzia.
dem muscatel de Setubal verdadeiro a 2,ooo
rs. a garrafa e 22,ooo rs. a caixa.
Garrafoes com 5 garrafas de vinho do Por-
to do Alto douro a 2,2oo rs. com o gar-
rafao.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira
muito proprio para a nossa estaco, por
ser mais fresco a 2,4oo rs.
Vinhos velho chamisso em barril muito pro-
prio para sobremesa por ser muito claro
e macio a 600 rs. a garrafa e 4,5oo rs. a
caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero a 5oo rs. a garrafa e 3,8oo
rs. a caada.
Garraf5es com 5 garrafas de vinagre de Lis-
boa a l,2oo rs.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo rs. a garrafa
e l,ioo rs. a caada.
Velas de spermacet a 600,
masso.
64o e 680 rs. o
o
o
"53
*->
O
o
A.
o
o
I
3
8
55
Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de encommenda especial a 800 rs.
a libra,
dem franceza chegada pelo ultimo navio a-
54o rs. e em barril a 5oo rs.
dem em potes de 4 i6 libras muito fina e
propria para doente a 800 rs. a libra e o
pote separado.
Banha de porco a 84o rs. a libra, e em bar-
ril se far abatimento.
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
de 1,Qdo, l,8oo, 2,ooo e 2,5oo rs. cada
um
dem londrinos os mais frescos que se po-
dem desejar a 800 rs. a libra,
Caf do Rio de i* e 2a qualidade de 8,000 a
8,5oo rs. a arroba, e 28o a 3oo rs. a li-
bra.
Arroz caroliuo e do Maranhlo a 3,ooo rs. a
arroba e loo rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra e
em por?5o ter abatimento.
Caixinhas de ameixas francezas de 1 1/2, 2
e 3 libras, elegantemente enfeitadas com
diversas estampas no exterior da caixa a
l,3oo, l,5oo, 2,ooo, e 3,ooo rs.
Fructas em caldas das seguintes qualidades:
ameixa, rainha Claudia, cerejas, pero,
ginja, pecego e alpech a 5oo rs. a lata.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 600 rs. a libra, e em la-
tas de.l V e 2 libras.
Ameixas francezas em frascos de 1 1/2 e 3
libras de l,4oo a 3,000 rs.; tambem ha em
latas de 1,000 e 3,ooo cada urna,
Cha huxira miudinho mandado vir de en-
' commenda especial a 2,8oo rs. a libra,
garantc-se a boa qualidade.
dem hysson o mais superior a 2,600 rs. a
libra, afianca-se ser igual ao que regular-
mente se vende a 3,ooo e 3,2oo rs.
dem preto mnito fino a l,9oo rs. a libra.
dem mais baixo, e miudo proprio para ne-
gocio a i,600 rs. a libra.
Presunto inglez para fiambre o mais fresco
que se pode desejar a 800 rs. a libra.
Genebra de laranja a 9oo rs., a frase.
Chouricas e paios, os mais frescos que se
pode desejar, a 5oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa
e lo,5ooa caixa.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
800 rs. o frasco.
Licores francezes das seguintes marcas: A-
nizetc de Bordeaux, Plaisir des dames, e
outros a l,ooo rs. a garrafa e 10,000 a
caixa.
Passas muito novas a 6,000 rs. a caixa e
36o rs. a lihra, ha caixas, meias e quartos.
Bolachinha ingleza a mais nova que se pode
desejar a 2,5oo rs. a barrica, e 24o rs.
a libra.
Azeite francez clarificado a 76o rs. a garrafa
e 9,ooo a duzia.
Conservas inglezas dos melhores fabricantes
Mixed e Pickles, ceblas simples, e outras
a 800 rs. o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes muito
nova a 4oo rs. o pote.
Mdlhos inglezes de todas as qualidades e das
melhores marcas a 5oo rs. cada urna gar-
rafinha:
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 libras, muito
propriQs para deposito de doce, manteiga
ou outro qualquer liquido de l,ooo a 3,ooo
rs. cada um.
Palitos do gaz, a 2o rs. a caixinha e 2,3oo rs.
a grosa.
Milho alpista a 160 rs. a libra.
Milho painco a 140 rs. a libra.
Gomma para engommar muito fina -e alva a
80 rs. a libra a 2,300 rs. a arroba.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Sabo verdadeiro hespanhol que 'raras vezes
vem ao nosso mercado a 300 rs. a libra,
e em caixa ter abatemento.
Sabo massa de 180, 200,. 220 240, rs. a
libra do melhor.
Graixas em latas muito nova a 120 rs. a lata
e 1,300 rs. a duzia.
Peixe em latas muito novo : savel, pescada,
curvin, salmo e outras qualidades prepa-
rados de escabexe, segundo a arte de cozi-
nha de 1,400 a2,ooo rs. a lata.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
440 rs. cada urna.
Papel grcve pautado e liso a 3,500 rs. a res-
ma.
Azeite doce de Lisboa muito fino em barril a
640 rs. a garafa, e em porfi ter abati-
mento.
Champagne das mais acreditadas marcas a
1,000 rs. a garrafa e lo.ooo rs. o figo
com urna duzia.
Doce da casca da goiaba a 4oo, 5oo, 600,
7oo, 800, e 1,000 rs., o caixao grwfc.
Chocolate portuguez, hespanhol, francs, e
suisso, das melhores qualidades a 9oors.
a libra.
Velas de carnauba e composico a 32o, 38o.
e 4oo rs., a libra, e de lo.ooo a H,ooo rs.
a arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa a 1,000
rs. a ancoreta, e l,5oo a de Lisboa, estas
ultimas raras vezes vem ao nosso mercado
pela sua boa qualidade.
Massas para sopa macarro talharim e aletria
muita nova a 48o rs. a libra.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Babia a 4,ooo, 3,5oo, 3,ooo e 2,5n rs. a
caixa.
Serveja das melhores marcas a 5,ooo rs. a
7,ooo rs. a duzia.
Biscoitos inglezes das seguintes marcas:
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travelhes
Lunch, Cobin, eoutras a l,2oo rs. a lata.
Bolachinha de soda especial encommenda a
l,8oo rs. a lata.
Iem Craknel em latas de 5, 7 e 15 libras a
4,000, 5.5oo, e H.ooo rs. a lata.
Massa de tomate em latas de 600 a 7oo rs.
cada urna.
Sardinha de Nantes a 36o rs. a lata.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijoilo de limpar facas a 16o rs. cada um.
Ceblas a 9oo rs., o molbo.
Farinha de Maranhao muito alva e cheiroza
a 14o rs. a libra.
Pimenta a 36o rs. a libra.
Cominho, cra'vo, erva doce, enxofre, palitos
de dentes em caixinhas que tudo vende-
mos por baratissimo preco.
Ricas caixinhas com confeites e fructas see-
cas muito proprios para mimos pelo bara-
tissimo preco de l,oo rs. cada urna.

Baraissimns bandeljas.
A jaguia branca por muitas vezes tem da-
do a conhecer que quando acha alguma pe-
chincha, nao quer somente com ella encher
o papo, ao contrario deseja que toda sua boa
freguezia c o publico em geral prvem da
mesma, o que' agora mesmo acontece com
essas; baratissimas bandeijas, cuja limitacao
de precos admira, em relacJo aostamanhose
qnaudadps: avista do que convm todos a-
froveitarem^se dessa opportuna occasio e
proverem-sc d'um traste sempre necessario,
e que lhes custar quasi metade do justo va-
lor. Assim, pois, dirigirem-se com dinhei-
ro S alfgre e espacosa loja d'aguia branca
na do Queimado n. 8.
9* afamados copos com banli, e
Imics com inscE'ipcoes.
; Chegaram novaraente para a agola branca!
asses afamados e estimados copos com banha'
fiua; assim como os bonitos boioes de por-
ccllana dourada tambem com banha, e novas1
mscripces maviosas e jocoserias, mui ade-
quado para presentes resta porem que os apre-
ciadores concorram, munidos de dinheiro,
alegro c espacosa loja d'aguia branca ra do'
Queimado n. 8.
Delicadas I esourinhas d?aco para
bordados e labyrlnthos.
A podido de algumas senhoras suas predicletas
freguezas. a agina branca mandou vir dessas de-
licadas tesourinhas d'aco ponas agudas, proprias
para bordados e labyrinthos, e urna vez chegadas
como de faci chegaram, a aguia branca convida
as de mais senhoras suas boas freguezas para I
aproveilarem-se da occasio e bem empregarem
seus 2 em cada uina dessas Qnissimas tesouri-'
nhas, na certeza de que perder por chegar tarde;
quem se demorar em as mandar comprar no ale-
gre e espacoso ninho d'aguia branca, ra do Quei-
mado n. 8. onde tambem ha outras curvas e direi-
las para unhas.
mi
ROUPA FEITA
NO
ARNAZEH
DE
Ricas gnarnf ccs de peoics c
Orel las para etnfos.
A aguia branca recebcu novas e ricas
guarnigoes de pehtes douradosv e cora pe-
ers; assim como outras bordadas froco e
com bolas pendentes, novidade essa que s
,ae acha em dita loja. c (jue na verdade se
tnmam mui alegres e bonitas; e bem assim
recebeu lindas ivollas com pedrs, e ditas
d'aco com novos e engrapados moldes, cintos
inirados e de marroquim; c minios outros
objeeto de-gosto para senhoras serlo encon-
trados na alegre e espacosa loja d'aguia
branca ra do Queimado n. 8.
Graxa econmica.
A aguia branca acaba de recebar essa acredit-
is graxa econmica, cuja superioridade est gc-
raimenle reconliccida ; essa boa graxa se torna
mrorainendada, tanto ponpie o calcado lustrado
oinetla deixa perfeitamente lustroso ao menos
tres das sem necessidade de novo unto, como
iesrno porque sua preparacao aj>propriada para
amaeiar e conservar o couro ; ella vem em orn-
abas e barrizinhos, e acha-se venda na ra do
Queimado n. 8, loja d'aguia branca, aos rezumidos
precos de 400, HH) e 6-40 rs.
HOVO RIVAIi
Loja de miudezas
16 Ra do Queimado 16
Ironas diversas a 20, 40, 80 c 120 rs.
Hassinhos com 27 grampos sonidos a 30 rs.
Pilas e cordoes para enflar espanilhe a 60 rs.
Pecas de tranca preta lisa c de caracol a 40 e
00 ris.
Ditas de tranca branca e de caracol a 80 e 100 rs.
Ditas de tranca mesclada de caracol a 60 e 100 rs.
Ditas com i:> varas de franja para cortinado a 3.
Ditas com 2." varas de babados largos a 24500.
Ditas com varas de labvrintho fino a 2&o0.
Ditas com 20 varas debico adamascado a 25400.
Ditas com 10 varas de bicos c rendas a 800 o
, 15200.
; Ditas com 10 varas de bicos prelos a 13 e 1,5200.
Ditas com 10 varas de fila de velludo cor de rosa
a 15200.
Ditas com 15' varas de fita de retroz a 240 rs.
Ditas de fita de seda de cores a 400 rs.
Luvaa de seda bordadas a 600 e 1*.
Ditas de montara a 600 c 15.
Cartoes de colxetes a 40, 60, 80 e 100 rs.
Caixinhas de dito a 20, 40. 60 e 80 rs.
Pentes de atar cabello a 40, 160 e 240 rs.
Atacadores de cornalina para paletot a 240 rs.
Oitavas de retroz nre"io e decores a 160 rs.
Tapis de agullia de fundo dourado e Victoria de
1 ns. 6, 7, 8,9,10. 11, 12, 13,14 e 15 a 100 rs.
Grozas de botdes de porcelana pintados a 120 rs.
Grozas de liotoes de duraque preto a 400 rs.
Siniuioes elsticos para hoinein a 400 rs.
Suspensorios com e sem elstico a 120 e 480 rs.
Calcadeiras de chifre a 120 rs.
Caixinhas de lamparinas para 6 mezes a 80 rs.
Duzias de caixinhas de phosphoros a 160 rs.
Duzias de facas e garfos a ',]&.
Resmas de papel ahnaco a 2oOO e 3.
i'iixinhascom 100 envelopes a 800e 15.
Caixinhas com pennas superiores a 800 c 15200.
Caixinhas de obreias de colla a 80 e 120 rs.
Frasquinhos com tinta azul e encarnada a 240 rs.
Lapis azul e encarnado a 120 rs,
Duzias de lapis de pao a 80 c 120 rs.
Duzias de canudos de pomada do reino a 280 rs.'
Macos com 20 papis de palitos lixados a 280 rs.
Escovas para dentes a iw e 400 rs.
3D"dlM 3)1) .p2iii\'J)D-4)
LETREHtO VERDE.
Neste estahelecimento ha sempre ura sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concur-
rentes, para o que tem um dos melhores prolessores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
homens c meninos.
RA DO QUEIMADO N. 46
m niTni
DE
Kabadinhos estrello* e bordados
Vendem-sena roa do Queimado n. 8, loja d'aguia
branca. "
Capachos eompridos e redondos
Vcnd.'in-s,' na ra do Queimado. loja d'aguia
I ac n. 8.
TERCOS
e coras de cornalina.
A aguia branca pensando constantemente em
boiii servir a toda a sua freguezia, notou que ainda
nao havia feito algnm agrado a aquelles que pru-
dente e acertadamente rasando, cumprem dever de
fcn curistao, e quando reparou essa sua falta,
1: indou vir e acaba de receber delicados tercos
/roa*_cornalina com cruz de prata. os quaes
aeixa a disposicao dos fiis que estivercm dispostos
3 paatar 15-">00,25e 35 para possuirem um bonito
rreo ou coma, com os quaes podem mesmo pedir a
Den* pela prosperidade d'aguia brama, m sen ale-
are e espacoso ninho da ra do Queimado n. 8.
Hahiiztuho* com perfumarlas e
sem ellas.
A aguia branca vende bonitos bahuzinlios com 6
frasquinhos de cheiros por 15500 e vasios por 800
r; servindo estes para meninas, e mesmo para
joias, etc., etc. : na ra do Queimado, loja d'aguia
branca n. 8.
Jnhas maclas e Instrosas para
bordar
wndem-se na loja d'aguia branca ra do
Queimado n. 8.
WoTlssioaos e bonitos enfeites
para eabeeas.
Quando o bello sexo senta a falta de bons
enfeites para cabeca, eis que a aguia branca
recebe urna sua encommenda de bonitos e
delicados enfeites, e de. modernissima moda,
muito servindo isso para sanar aquella falta,'
e fazer com que as Exmas. apreciadoras da
bella empreza Ooimhia possa melhor real-
sar e mostrarem o apurado osto que as
guia. Esse enfeites sao d'um tecido bas-
tante lino com continhas d'afo, e mui bem
enfeitados com flores, filas, bicos, plumas
etc.. entretanto que sendo obra de muito
gosto custara o, G e 1& dinheiro vista;
na espacosa e alegre loja d'aguia branca ra
do Queimado n. 8.
No annazemde fazendas bara-
tas de Santos Celho
Una do indinado numero I.
Vende-se o seguinte
Oobortas de rbila
da India pelo barato proco de 25.
Lencoes
de panno de linho a 25.
1 Lenroes do bramante
de linho fino de um s panno pelo baratissimo
preco de 35-
Toalhas alcocboadas
para maos pelo barato preco de 55 a duzia.
l'i'stiiliiiinis de seda
para menina pelo baratissimo preco de 45.
Lenfos t seda
para algibeira pelo barato preco de 15.
Ricas salas de fustio
pelo barato preco de 55500.
I.onros de cassa
nissimos proprios para algibeira pelo baratissimo
preco de 25 e 25400 a duzia.
Cortes de caifa
de ganga amarella de liste e quadros pelo bara-
tissimo preco de 15200 o corte.
Pecas de madapolio
fino largo pelo baratissimo preco de 85.
Petas de bretanha
de rolo com 10 varas pelo barato preco de 35200.
Peras de eambraia
de salpicos fina com 8 1|2 varas pelo barato preco
de 45- ^
Atoalhalbo de linho.
com 8 palmos de largura proprio para toalha de
mesa pelo barato preco de 25500 a vara.
Barege
de liados goslos pelo barato preco de 440 rs. o co-
vado.
Esleir da ludia
iropriapar forro de sala de 4. 5 e 6 palmos de
largura.
Casacas de panno preto, 355 e 30000
Sobrecasacas dem, 300 e 23^000
Paletos idem e de cores, 2o,-).
20& m c......
Ditos decasemira, 200, l'b,
120, 100 e......
Ditos de alpaca, 50 e. .
Ditos ditos pretos, 90, 70.
50e........
Ditos de brim e ganga de co-
res, 40500, 40, 30500 e. 30000
Ditos branco de linho, 00,50 e 40000
Ditos de merino preto de cor-
dao, 100, 70 e..... 50000
Calcas de casemira preta. 120.
100, 80 e......70000
Ditas de cores, 90, 80 e. 70000
Ditas de meia casemira de co-
res, 50500 e......40000
Ditas de princeza e merinopre-
to de cordo, 50, 40500 e 40000
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40500, 40 e 20500
Ditas de. ganga de cores,
30300, 30 e.....20500
Cohetes de velludo preto e de
cores, 90 e...... 70000
Ditos de casemira prela. (10 o 40000
Ditos de ditas de cores ">
40 e........30500
Ditos de selim preto. 50000
Ditos de ditos e seda branco,
60 e.......5000
Ditos de gorguro de seda
pretos e de cores, 60, 50 e 4$O0O
Cohetes de fusto e brim bran-
co, 30500, 30 e .
Seroulas de brim de linho.
20400 e ......
Ditas de algodao,. 10600 e. .
Camisas de peitos de linho,
50, 40, 30 e.....
Ditas de madapolao, 30,
20500, 20 e.....
Chapeos de massa, pretos fran-
cezes, 100, 90 e. .
Ditos de fltro, 50, 40,30500 e
Ditos de sol, de seda, 120,
U0, 70 e......
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda.......
Sortimento completo de grava-
tas.
Toalhas para rosto, duzia. 110,
90 e....... .
Atoalhado adamascado de li- .
nho vara......
Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos c de cores.....
Lences de linho.....
Cobertas de chita chineza.. .
Pennas d'aco, as mais superio-
20500
20000
10400
20500
10000
80500
20000
ora, cenata-
Boami %-
s d 40500
640
0
60000
10280
40000
30000
20000
res, a grosa.
Relogios de ouro orizontaes.
900, "800 e......
Ditos de prata, galvanizado,
patentes e orisontaes," 400 e
Obrasdeouro, adercos, meios
aderecos, pulceiras, rozetas,
aneis e cruzes.
*mmm%M
PHOSPHATO de FERRO
DE EERAS, DODTOR EM SCIEWCIAS, INSPECTOR DA ACADEMIA DE PARIZ, etc., etc.
Este novo ferruginoso, approvado por todas as Academias da Medicina do mundo Intelro. rene a
composiQo doslosaos e do sangne, e contera o ferro em estado liquido. Segundo as observares (ellas nos
nospilaea de Parir e consignadas no Prospecto 1 elle superior s riiuiu* ferruginosa*, ao uoiuio
d* ferro, o ferro redusldo pelo hjdrogt-nro. no oltroto de ferro, a Plltilna r Xarope de
lodnro de ferro: elle cura rpidamente a Ictericia branca, cor paluda, d6resd'eslmago,digest6es peno-
sas, adecenes nervosas, escrophulas, mingoa de sangue, perda de forca e appetitc, Irregularidades,
faltas menstruaes, e flores brancas. E o melhor adjuvante do oleo de aojado de fcaealhae.
Derosito geral : em Parit, en casa do MM. Grlaaaalt e C; pharmaceuticos, 7, ra de la Keuillade;
em hsboa, en casa de Rodrigo la Ceata-CarTalhoi no Porto, en casa de Miguel Joae de sausa-
F"rr1*; m o Rto-de-Janeiro, Tinta relilo e Dala, ruado Sabao, lt; em Bahia, en casa de
Joae-Caetana Ferrelra-EaalBtarlraem Bio-Grande, en casa de Joaqun de Godor; em Jfaron-
Mo,en rasa de Ferreirae C; em J,ernambuco,8aoa e O.ruadaCrus, 22: soaaa.e as principad
ph armadas do BratlI.
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22 em casa de Caros & Barboza.
LAGEHO
,.,__________________________________________________________________________________________
fotassa nacloaal.
nnT? ndfttf "a*rior I)0,assa o Rio de Janeiro, da
mais nova que ba no mercado, a preco muito com-
modo; no largo do Corpo Santo, escS^ de
Manocl Ignacio de Oliveira & Filh, n. 19
Venden-ge Superiores cadeiras
americanas de Imlanro, c >m assento e
encost de palhinha : no ernazen de
HMIiens Ansfin k t, roa da Senzala
Velha n. 106.
Vende-se urna porcao de lapedo de Lisboa, che-
gado hontem no brigue Bella Figueirem-e : a tratar
no escriptorio de E. R. Rabello, ra da Gadeia nu-
mero 5.'i.________
- Vende-se um negro de meia idade, bem ro-
busto, proprio para qualquer servico, sabe cozinhar
o diario d'uma casa, e tambem sabe botar canoa :
na travesea do Pocinbo n. 26 sobrado.
vloho do Porto superior.
Vende-se em caixas de urna duzia : no escripto-'
rio de Antonio Luiz Oliveira Azevedo & C.
Farinha de mandioca
em saceos grandes, o de superior qualida"
de ; no armazem de Tasso Irmos, ra do
Amorim, n. 35.
PRELO
Hua do morim n. 4t
Vender caW-^.de Lisboa : no-fargo do Cor-
Potassa da Russia.
Vende-se em casa de N. 0. Bieber d C,
successores, ra da Cruz n. 4.
Suita attenvao
Aos senhores maritimos e agricultores. Suita
vez paesam por nossa idea desa|ercebidos, reme-
dios excellentes e de modicissimo preco, com o
emgrego dos quaes se evitara grandes prejulzos
e nao pequeos datnos; neste caso est o alca-
trao ou verniz do gaz, o qual alm das multplices
applieaeoes que tem na marinha, etlicascssimo
para matar as formlgas, esse terrivel flagello da
agricultura, destruir radicalmente o cupim c con-
servar as madeiras isontas daquello terrivel ver-
me, e dar urna duraeo infinita s forrarens em
que fdr convenientemente applicado: cm latas de
mais de tres caadas a!500 cada urna, e em bar-
ris com cerra de seis caadas a 2*500 cada um :
no armazem da bola amarella. no oitao da secre-
taria de polica.
FAZENDAS K HOIIMS HITAS.
Sortimento-completo de sobrecasacos de panno a 25^, 285, 305 e 35-5 swh
muito bem feitas a 255, 285, 305 e 355, paletots acasacadus de panno preTde \U*>
255, ditos de casemira de c6r a 155, 185 e 205, paletots saceos de pau eV
mira de 85 ate 145, ditos saaos de alpaca, merino e laa de 45 at 65, sobre ,|f atoara m
mermo de 75 at 105, calcas pretas de casemira de 85 at I !>. ditas de .r dT a#
153, roupas para menino de todos os tamanhos, grande sortimento e roupa, de bhm
como sejam-calcas, paletots e coltetes, sortimento de cohetes prelos de metan onv
e velludo de 45 a 95, ditos para casamento a 55 e 65, paletots brancos oV brMtfe a l*
e 05, calcas brancas muito unas a 55, e um grande sortimento de fazendas tinas e i
as completo sortimento de casemiras inglezas para hornera, menino e ihAiiii
de hnho e algodo, chapeos de sol de seda, luvaa de seda e de Jouvin para Iwj
Mora. Temos urna grande fabrica de alfaiate, onde recebemos en.omnwMMl.is ,|..
ouras, que para uso est sendo administrada por um hbil mestre d.' senk>llianie arte
POR MENOS DEZ POR CENTO
NOS
ARMAZEx^
WmUflW | 8lf Elf MI
^(DA^uram a, Da ainma
NS. 21 E 23-UltG0fD0 i\ E U
Roeebeni por conta propria a maior parte dos gneros existentes rn* s^.s
|zens e por isso del.berou-se seu proprietario a vendlos por mVl tal*
.. outra qualquer parte, garantiddo a superior qualidade. *>?
L tclam todos.
; Manteiga ingleza especialmente escomida a 72o c 8oo rs. a libra
dem franceza de primeira qualidade a 56o rs. libra, e em barril a 5io rs a lu^i
. Arroz pilado o melhor do mercado a loo rs. a libra e 3,ooo rs. a ImLVsSi.
.Cafe do Rio e do Cear o melhor neste genero a 28o e 32o rs a libra ^^
| Batatas novasa 5o rs. a libra, em arroba a l,4oors. e eracai.as de qualro arre*, por
Bolachinhas-americanas, as mais novas neste genero, a 2oors. a libra e3 ooo
Palitos do gaz, vmdos por conta particular, a 2.3oo rs. a groza
ueijos do reino, chegados pelo ullimo vapor, a l,8oo e 2 ooo rs
Vinho do Porto em garrafa de superior qualidade a Ooo rs. a carrafa
dem em pipa Figueira e Lisboa a 4oo rs. a garrafa, e a 3.ooo a ranada
Mi lio alpista o mais limpo que ha no mercado a 16o rs. a libra, e a arrroha a 5 ooo rs
Velas de spermacet, composicao e Aracaty, a 4oo, 36o c Ci rs. a lihra
dc^Lisboanovo,e grosso de primeira qualidade a 32o rs. a libra, e O.ooors. a
Alm destes gneros ha outros muito baratissimos, assim como cha do ---
azeite duro, v.nagre, ceboHas, albos, pimenta, cominhos, ^S^*SZL
qtiaidades. chouricas, sab5o verdadeiro de 16o a 24o r. a libra RenS % SZ t
qualidades, que tudo se vende barato e quera duvidar venha ver.
DE
.1.
TODAS AS QUALIDADES
ANTONIO MAI1 DE BEITO
Cola 4a Baha
Tem para vetidcr Autonto Luiz de Oliveira Aze-
vedo, no seu escriptorio, na da Cruz n. 1
Ksnirito de ialio.
^ r,ua^ 'Wto,tlllL l w*- espii ito .le
daluoW gnWS *'Sin-*****> eenfeana.
CONHECfDA POR FABRICA DA VIVA.
N. 21Antiga ra dosQuarteis de polica-N. 21.
Constando ao annunciante, que alguns especuladores de mi l venrlo o
que gosam os raeus cigarros, e para poderem dar consumo aos s0Us andam veci-
na pracacomo pelo mato, illudindo os meus freguezes, dizendo que sao meiB-7i
ti ntinTUSnC!nrr0S sf11ve"didos na ""ha fabrica, e n3o nd^Hi
PAhr Cni;ifra del'a>faco o presenteannuncio para evitar KomSTg
ebre ; e para seguranoa dos senhores consumidores deste enero e esneSiM
reguezes, aviso que todos os massos de cigarros que forern mdos nKnP
Sacasa001" "" &*m*"> qae d6Clara V^e. o nome da nT
pne^S103 OCCa18i3opa,? scientificj"' aos mesmos senhores, que
SS""1 wmP,eto sprumento de cigarros de diversas qualidades. e do
escolhido, por sua boa qualidade j bem conhecida.
FITWM^A DA AURORA.
j Nesla grande e bem montada fabrica de machinismo, a mais antiga so i-^
tmua-sea executar coma maior prestezae perfeico encommendas de (oda a
de machinas usadas no paiz, tendo sempre prompto o seguinte :
Grande sortimento de moendas de canna de todos os systemas e
Machinas de. vapor de diversas qualidades.
Taixas fundidas e batidas.
Crivos e boceas para fornalhas.
Bronzes e aguilhoes.
Rodas, rodetas e rodas d'agua. .
Guindastes fixose pOrtateis. v J,
Machinas de-cylindros para padaria. "*
* Berras de ac para serrara.
Fatechas para barcos, etc., etc., tudo por preco que besa convida.


D&ari* de PeruiiuJMieo (ulula felra 3 i
i

i
GRANDE ARMAZEM
AE
EE
N. 36, 111A DAS CRUKS N. 36
DO
balrro de Manto Antoulo.
0 proprietario do muito acreditado armazem denominado Progresista tendo
sempre era vista fazer tndo o que for possivel para bem servir aos seus freguezes, tem
deliberado vender os seas j bem conhecidos gneros de primeira qaaudade pelos precos
abaho mencionados, e affianca s pessoas que mandarem comprar por seus criados ou
escrotos, serem t3o bem servidas como vindopessoalmente; encarrega-se de aviar qualquer
enaiimBenda, anda mesmo contendo objectos nao proprios deste estabelecimento. O
mesmo pede aos senhores que mandarem comprar neste armazem o favor de mandarem
devolver qualquer objecto que nao agradar, devendo os mesmos senhores ter toda atten-
v5o com os seus portadores, fazendo-lhes ver que s no armazem Progresista da ra das
Cruzes n. 36, que se vendem os melhores gneros por mais barato preco, porque estes
muitas vezes olvidam-se e v5o ontra parte onde os servem de maneira a desagradar este
estabelecimento.
fRANDE ARMAZEM DE MOLHADOS
DE
Eduardo Marques de Oliveira C.
* *#
fi s
TODOS
os
V1POI1DN
se recebem gneros de conta
propria e dos melhores esta-
belecimentos da Europa, ga-
rante-se todo e qualquer ge-
nero comprado neste
ESTABELECHIENTO,
COMPLETO
SORTIHBNTO Di MOLHiDdS.
vende-se em porcSo e a reta-
Iho, aprompta-se com toda a
presteza e exactidao qualquer
encommenda dirigida a este
ESTABELECIMENTO.
2
o
CZ5
s
3

3
a
&
O
1

8

11
-
i 5
3
I
z
c
PTestes novos e grandes eslabelecimentos de moluad.*. encontrar o n
KfJc r. C,,da' bem como seus numerosos freguezes do centro. espos**
tn aW a S generos Por menos preco queem c|uaesquer,.utn. ,M..|*w,
dos Sn S'v?0Spa,?beiUS,,n'r S SPUS f,'Pg,,ez,"s exisU> M Et,rnPa "*
nritivPl LwSfl S ^^ propria d.versos generos, e d*d.-j eiw*lnw o
mnS rln aivnemi)-re S meJhreS *eneros do n0SS0 mercado' '' -* I**
mos como abaixo vero, a saber :
Manleigai ngleza de 1. qualidade, a 800 rs. j de superior qualidade a cada
a libra. xjnha.
dem de 2.* qualidade, a 700 rs. a libra. u ,
dem franceza, chegada ltimamente, a 6oo Mostarn* preparada em potes muito nova a
400 rs. cada um.
rs. a libra.
Batatas ora gigo de arroba a l.ooo rs.
Maraes chegadas no vapor lnglez,
Krvilhas muito novas a 2io rs. a libra,
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor,
de 2 2500.
dem prato, chegado neste ultimo vapor, o
mais fresco que se pode desojar a 700 rs.
a libra.
dem lendrino, mandados'vir de encommen-
da especial, a 900 rs. a libra.
dem suisso, muito fresco, a 800 rs. a libra.
Caf do Rio de I. e 2.a qualidade a 8,5500
e 80800 a arroba, e 280 e 300 rs a libra.
Arroz da India e Maranh3o a 120 rs. a libra
e 3^200 a arroba.
AvelSas as mais novas
rs. a libra.
neste genero a 240
Presuntos do Porte muito novos a 560 rs. a
libra.
Legumes francezes para sopa, como seja,
Julienne, mlange d'quipage, Choux e
outras qualidades, a 400 e 500 o masso.
Amendoas de casca mole a 320 rs. a libra, e
em por gao ter abatimento.
Garrafes com 5 garrafas de vinho do Porto
do Alio Douro a 25400 com o garrafao ;
afianca-se que nesse genero o melhor
que veio ao mercado.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira muito
superior c mais proprio para a nossa est-
cao por ser mais fresco a 20400.
t.h hysson o mais superior a 20600 a libra,
afianca-se ser egual ao quo regularmente
vendemos a 30200.
dem huxim miudinho, o mais superior que
vem ao nosso mercado a 20700 a libra.
dem preto muito fino, a 20000 a libra.
Chocolate para 9oo, l.ooo e I,2oo rs. a li-
bra.
liarrafes com 5 garrafas de superior vinho
de Lisboa a 20100 cada um.
dem com 5 garrafas de ttoagre de Lisboa
a 40100 com o garrafao.
dem com 5 garrafas de vinagre hambur-
guez a 800 rs. cada uin.
Vinhos generosos vindos do Porto engarra-
fados das segantes marcas: Genuino,
Porto fino, Nctar, Duque do Porto, Fei-
toria, Velho secco, Chamico, Madeira su-
perior e outros a 900 rs. a garrafa e 90
a duzia.
Vinho Bordeaux das melhores marcas: St
Julien. Medoc e S. Estephe e outros a
640 re. a garrafa e 70500 a caixa com
urna duzia.
Chouricas e paios, o mais novo que se poda
desejar, a 250 e 600 rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez dos melhores fa-
bricantes a 900 rs. a garrafa e 100500 a
cauta com una duzia.
Marrasquino de Zara em frascos grandes
800 rs. cada um.
Milho-alpista a 180 rs. a bra.
Gomma para engommar muito fina e alva a
80 rs. a libra e 20300 a arroba.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Sabio verdadeiro hespanhol, que raras vezes
vem ao nosso mercado, a 300 rs. a libra e
em caixa ter abatimento.
dem massa de superior qualidade de 160,
180, 200, 220 0 240 rs. a libra.
Graixa em latas muito nova a 120 rs. a lata
e 10300 a duzia.
Peixe em latas muito novo: svel, pescada,
curvina, salmao e outras qualidades, pre-
parado de escabexe segundo a arte de
cozmha a 10400.
Papel grave pautado e liso a 30800 a resma.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
460 rs. cada urna.
Vinhos em pipa: Lisboa e Figueira das melho-
res marcas a 30200 e 40000 a caada do
melhor e 500 rs. a garrafa, em porcao ter
abatimento.
Vinho velho Chamico em barril, muito proprio
para sobremesa, a 640 rs. a garrafa e
*>0OOO a caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero a 500 rs. a garrafa e a 40000
a caada.
Vinagre puro de Lisboa a 200 rs. a garra*
e 10400 a caada.
Azeite doce de Lisboa muito fino, era barril
a 640 rs. a garrafa, e em porcao ter
abatimento.
Champagne das mais acreditadas marcas, a
L0OOO a garrafa, e 100000 o gigo com
urna duzia.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Baha- a 30500 a caixa, tambem temos
para 20000, 20500, 30000 e 30200 a
caixa.
j Amendoas a 320 rs. a libra.
Avelaes a 2oo rs. a libra.
Ameixas a 10 a libra.
Ditas em frasco por 20800.
Os proprietaos do muito acreditado armazem Progresso fazem sciente ao respeita-' ^uSa ^ l *" e 3d
vel publico e com especialidade aos seus amigos e freguezes que tem resolvido.resumir os Dit0 dit0 doMararm5 ,20 rs. a libra e 30500
precos dos seus acreditados generos, como abaixo verae nao obstante os precos menciona- Azeite doce francez 800 rs. a garrafa.
dos a vista da qualidade dos generos que se prova quanto se deseia servir satisfatnria. ?ito d? LisDoa 680 rs. a garrafa.
ma .n M .. Auardentedecannadecabecaa240e320
mente aos nossos freguezes, adverndo-lhes que mandem seus portadores, que serSo t5o rs. a garraia.
Azeitonas a 320 rs. a garrafa e I.Soo a an-
coreta.
bem servidos como se viessem pessoalmente, isto s no Progresso.
Manteiga ingleza perfeitamente flor chegada
no ultimo vapor a 8oo rs. a libra.
dem de 2.* qualidade a 76o rs. a libra.
dem de 3,a dita a 64o rs. a libra.
dem para tempero a 32o e 4oo rs, a libra.
Manteiga franceza a mais nova que ha no mer-
cado a 58o rs. a libra, e em barril ter aba-
timento.
Banlia de porco refinada a 520 rs. a libra.
Vinho era pipa Porto Figueira e Lisboa a 4oo,
48o, 5oo, 56o rs. a garrafa, em caada
2,8oo 3,ooo Moa e 4,ooo rs.
dem em barril o mais superior que tem vin-
ao mercado a 6oo rs. a garrafa.
Lagrimas do Douro especial vinho do Porto a
l^ooo agarrafa e a Io,ooo a caixa, o preco
nao indica a qualidade d'este precioso vi-
nho, porm venhamao Progresso que a vis-
ta faz f, a este genero constantemente man-
damos vir de conta propria e por isso po-
demos vender por menos que outro qual-
quer annunciante.
Vinho do Alto Douro das marcas mais acre-
ditadas e especialmente escolhido por um
Batatas inglezas a 6o rs. a libra e l,8ooa
Farinha de Maranh5o muito alva e cheiroza: arrha.
a 16o rs. a libra. Banha de Prco a- 55o rs. a libia.
- .-. ,.. ,. ;Bolachinha de soda a 10400 a lata.
Touc.nhode Lboa a 32o rs. a libra e a9,ooo Bolachinha ingleza a 200 rs. a libra e a bar-
re, arwea. | rjca a 3,5000
Sardinhas de Nantes a 36o rs. a lata. 19** hvsson a 2^200 a 1bra.
...,,.., D>to dito fino a 20600 a libra.
Azeit oce de Lisboa a 64o rs. agarrafe e a Dito miudinho a 20800 a libra
4,800 rs. a caada. Dito do Rio a 10800 a libra.
Mnagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e a Dito preto a 109Oto libra.
Massa de tomates a-640 rs. a \i\n.
Dita esticllinlia Mra sapa a 560 rs. a
Massa estrellinha para sopa a5oo \*. sKnl
Macarrao, aletria e talharim a 4o t*. m h-
bra.
Marrasquino de Zara a 800 rs. o rxtr.
Passas a 4oo rs. a libra.
Palitos para denles a 180 rs. o anota.
Phosphoros do gaz a ifcXJO a grosa.
Paios novos a 640 rs. a libra.
Queijos do reino do ultimo vapor a %
20500. M
boa a l.loo rs.
Cbampanhe das marcas mais acreditadas
8 e a lo.ooo rs, o gigo, e a 800 rs.
l,ooo rs. agarrafa.
Vcllas de speimacete superiores a 600, 640,
e 680 rs. o masso.
dem de carnauba e composico a 320, 360,
e 400 rs. a libra e de 100 a 110500 a
arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa, a 10000
a ancoreta do Porto e 10500 a de Lisboa.
Massas para sopa: estrellinha, rodlnha e pe-
vide a 500 rs. a libra e 40500 a caixa com
8 libras liquido.
Massas para sopa muito novas: talharim, ma-
carra e aletria a 400 e 480 rs. a libra.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso das melhores qualidades a 900 rs.
a libra.
de nossos socios, como sejam: Camoes, Da-' m;fm ,ip ,\ont(l. mna _. .
que, do Porto, D.Luiz, Carcavellos, Cha-, ,,Lr ******
misso & Filho, Madeira secco, e Feitoria al
10500 e 30 a caixa.
Champagne a 10 e 10500 a garrafa.
Chouricas a 560 e 600 rs. a libra,
e a Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
Caf em grao a 300 e 320 rs. a libra, e 90 e
Serveja preta marca T e XXX a 6,5oo e! .JM"00 a arroDa-
7,ooo rs. a duzia', e a 600 rs. a garrafa, Ditemoido a 360 rs. a libra,
tambem temos das mesmas marcas para 4, Doce de iaba a 560 rs- o caixao.
e4,5oors. a duzia, e'a4oo rs. a garrafa. EsPirit0 de vinho ,,e 38 graos, a 280 rs. a
11 k ^ garrafa.
dem branca Te cobrinhaa5,5oo e 6,000 rs, Farinha do Maranhao a 160 rs. a libra
a duzia e o& rs. a garrafa, tambem ha Dita flor de larania a 10 o frasco,
para 4,000 rs. a duzia. j Feijao branco muito novo a 440 rs. a cuia.
Graxa em latas grandes a I,3oo rs. a duzia Jigos a 32o rs a libra.
e 12o rs. a lata. : Genebra de Hollanda em botijas a 5oo rs.
____; '. ^ I Dita Hamburgueza a 44o rs. a botija.
*S2L*JS* W6^ de. fcrroobra Gomma d'araruta a 100 rs. a libra, e 20600
a arroba.
M. a
de muita duraco a 4oo rs. cada urna.
a 2oo rs.
9oo rs. a garrafa e 9,ooo rs.
12 garraas.
Garratoes com especial vinho do Porto con-
tendo 5 garrafas a 2,5oo re.
dem com 5 garrafas de superior vinho Fi-
gueira a 2, ioore.
dem com 5
2,loo rs.
garrafas de vinho Lisboa a
Graixa em latas a 120, e 10300 a duna.
Genebra em garrafes de 14 garrafas por
4,5(600. '
a caixa com | raltosjlo gaz a 20 rs. a caixinha e 2,3oo re.: Licor fino a 800 re. a garrafa.
a_8jj|.za- I Dito em garrafas grandes de superior quali-
G-!^e Alperche chegada no ultimo vapor dade a ,^so-
latas de 2 libras a 800 re. pechincha Mante,?a ingleza flor a 800, 900 c 10 a libra,
rvnnhr, in ii ii i Mantei8a franceza a 600 e 64o re. a libra,
benebra de Holanda garrafes com 16 gar- Dita hollandeza a 72o 800 rs. a libra
raas por 0.000 rs.
Doce da casca da goiaba a 800 re. o caixo.
Ceneja das melhores marcas de 50500
60000 a duzia e 540 rs. a garrafa
Biscoutos inglezes de diversas qualidades a
10300 a lata.
Bolachinha de soda, especial encommenda,
muito nova em latas grandes a 20000 cada
urna.
Massa de tomates em latas de 600 a 700 rs.
cada urna.
Vinho branco de Lisboa proprio para missa
vindo j engarrafado de Lisboa a 64o rs.
a garrafa.
dem em barril muito superior a 5oo rs. a
garrafa e a 4,000 e 3,8oo a caada.
Ameixas francezas em caixinhas de 1 % 2
e 3 libras elegantemente enfeitadas com ri-
cas estampas na caixa exterior a l,3oo
l,6oo 2,ooo e 2,5oors.
dem era latas de, 1 /* e 3 libras a l,4oo
2,6oo re, cada urna.
Figos de comadre em bauzinhos de folba
miito proprios para mimo a 1,600.
dem em caixinhas a l,4oo rs.
dem em caixinhas ermeticamente lacradas
e muito bem enfeitadas a l,8oo re.
. Idememfrasqueiras a6,3oors.e6,5oo rs.ea
56o re. o frosco afianca-se ser verdadeira.
dem de botija em barricas com quatro du-
ziasa 44o rs. cada botija.
Dito de prato a 720 rs. n IiIh n.
Cenejas de marcas superiores a 500,9M.
600 e 640 rs. a garrafa, e 50SML t#
60500 a duzia.
Dita em barril por 40, e 240 rs. a garran.
Cevada a 240 re. a libra.
Sardinha de Nantes a 360 e MI re. a ?a*
nha.
Sag a 240 rs. a libra.
Sabo massa a 200. 240 e 280 re. -> \An.
Sevadinha a 280 r>. a libra.
Toucinho de List a a 320 rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a IfQ rs.
Veflaa de tpenmtete <\>< m 1 1 *
libra.
Ditas do gaz muito toas.
Ditas dito en chun A (> tnai pa
Ditas de carnauba a 100 rs. i libia.
Mtas de composico a 3(50 e 380 rs. a
Vinho do Porto, caada a 50500. garra*
720 rs.
Dito Lisboa, cariada a 40 e a garra a 90
rs.
Dito Figueira, caada a 30840 e a vnfc
480 rs.
Dito dita superior, ranada a 40 e a zar*
a 500 re.
Dito Estreito, caada a 30200 e a garra*
400 rs.
Dito Bordeaux | 720 1 t rs. a garrafa.
Vinagre de Ljeboa em gSTaifOes tk 5 j&n-
fas por 10400.
Dito em canaila a 2>. e 1 2'>0 rs. a ptrti
Vinho do Puiio en tmiton del nrr
por 20500.
Dito dito engarrafado a |# e I-S200.
Dito lagrimaa do Douro a 10100 1
Vinho branco re Lisboa a 7*> r;. ,t jjrr
c 50 a canaila.
Dito do estreito a 600 rs. a garrafa, ea UM
a caada.
Mostarda a 640 rs. o frasco.
a>a a n,Pr7ne^e a resPeiu,vel Pub,ico 1,ie lo dade, e para desengao venham ver; assim como outros que deixam de ser ann
FUtfDI^AO 1IO B^lMU-UlA lltt
p BRM1K. 38.
Machinas de vapores as mais modernas e mais acreditadas.
garrafas de vidro brancos a 72o e 800 re > agua de fcrr0 com seus Pcrtences.
Moendas e meias moendas de todos os tamanhos.
dem de laranja em frascos grandes verda-
deira italiana a 1,00o rs. o frasco.
Marrasquino de zara a 72o rs.
Licor francez de todas as qualidades em
pelo novo systema Wetson.
oce retinado do fabricante Pelanol e i Uunb, s a 800 rs. a garrafa or.ms Dara m farinha-
Moinhos para moer mandioca.
Conservas inglezas sortidas e de urna s qua- Arados americanos, etc. etc.
lidade a 800 rs. o frasco.
Azeite doc
outros
caixa.
Salmo em latas
800 rs.
ermeticamente lacradas a
Sardinhas de Nantes, do fabricante Basset, a
360 rs. a lata.
Licores francezes, muitotfinos, das seguintes
marcas: Anizetta de Bordeaux, Plaiser des
dames, Crme de Noyau, Eau Dantzic,
Crme de Menthe, Hude de Venus etc. etc.
Passas muito novas e de carnada a 400 rs. a
libra e 60500 a caixa com urna arroba, ha
eaixas, meias e quartos.
Ameixas francezas em frascos de Mr2 e 3 li-
bras de 10400 a 20800, tambem ha latas
de 6 libras. Toucinho de Lisboa novo a 320 rs. a libra
Marmelada imporial, dos melhores conser- Su^So^'r? "- ^ ""
veires de Lisboa, a 600rs. a libra, em la- Lcmms mlno^ m rs-
Us lacradas hermticamente. Erva-doce muito nova a 400 rs. a libra.
Fructasem caldas de todas as qualidades em^minhos idem idem a 640 rs. a libra,
latas rauito bem enfeitadas, a 500 rs ca-
da urna.
Bolachinha ingleza,' a mais nova que se pode Ditos c?m 5 Sanias de genebra a 20400,
desejar, a 30000 a barric a e 240 re. a 8arante-se ser verdadeira de Hollanda.
hbra' I Cebollas a granel a 640 rs. o cento.
Farinha do MaranhSo muito alva e cheirosa Canella a mais nova do nosso mercado a
a 160 re. a libra. 10000 a libra.
Azeite francez clarificado a 800 rs. a garrafa Alfazema o que pode haver de melhor neste
; Garrafes vasios a 500 rs. cada um.
i Araruta verdadeira a 32o rs. a libra.
dem a 2oo'rs. a libra. L...... .
Gomma de engommar muito alva a 80 rs
Passas de carnadas as mais novas que ha no a libra e 2>2oo rs. a arroba,
mercado a 4oo re. a libra e a 6,000 re. a j ^ muit0 novo a 24o re ]bra
Sevadinha de Franca a 160 rs. a libra.
Sevada muito nova a 12ors. a libra e 3,2oo
ss. a arroba.
Macarro a 32o rs. a libra.
Idem e talharim o mais novo que ha no mer-
cado a 48o rs. a libra.
Aletria a 5oo rs. a libra.
Arroz carolino a loo re. a libra e a 2,8oo rs.
a arroba.
e 9<)K)00 a caixa com urna duzia.
Conservas inglezas dos melhores labricantes
Mixed Pickles, ceblas simples, e outros
a 700 n. o frasco.
artigo a 280 rs. a libra.
Phosphoros de seguranca individual a 20 re.
a caixinha.
.Papel de embrulho rauito superior a 10120
a a resma.
Farinha verdadeira de araruta a 500 rs.
libra, garante-ge a saperior (raalidade. Str. n. .
_ ... tfinho da Figueira, o
Palitos para dentes em caixinhas douradas *j>000 a caada.
Brea, a 320 a libra e 80 a arroba.
que na de melhor a
Lagostim em latas grandes a l,4oo.
Savel, corvina, chernc, vezugo, peixe espada,
preparados pela primeira arte de cozinha a
a l,3oors.
Queijos flamengos chegados no ultimo va-
por a 2,4oo rs.
dem do vapor passado a 2,2oo 2,000 e
l,8oo, rs.
Idem prato do ultimo vapor a 64o rs. alibra.
Doce da casca da goiaba caixes grandes a
600 e9oo rs.
Chouricas as mais novas que ha no mercado
a 48o rs. a libra.
Chouricas mouras encommenda especial nos-
sa a 5oo rs. a libra.
Prezunto verdadeiro de lamego em calda
de azeite 5oo re. a libra
Bolaxinha ingleza a mais novas que ha no
mercado a 2,ooo re. a barriquinha com
1 arroba, e a 24o rs. a libra.
dem de soda de diversas qualidades a 1,400
. reis.
dem em latas grandes, proprias para lunche,
com 5 a 6 libras por 2,4oo rs.
Marmelada imperial do fabricante Abreu e
outros conserveiros de Lisboa a 600 rs. a
libra.
Frutas em calda de todas as qualidades
5oo rs.
Ervilhas francezas a 5oo rs. a lata,
dem portuguezas a 64o rs. a lata.
Massa de tomate a 64o rs. a libra.
Amendoas confeitadas a 7oo rs. a libra,
dem de casca mole a &80 rs. a libra,
Avelans a 2oo rs. a Hbra. i
AGENCIA
Di
FUNDIGO DE LOW-MOOR.
Itna da Son/jila ora 11. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: era casa de S. P. Johnston C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
dem do Maranhao
3,ooo a arroba.
a 12o re. a libra, e a
Copos finos para agua a 6^000 a duzia.
Caf do Rio o mais superior que se pode de-
sejar a 32o rs. a bra.
dem a 28o e 3oo rs. a lihra e a 8,2oo, 8,4oo
e 8,7oo re.
Velas de carnauba refinada a 32o rs. a libra,
e a lo.ooo re. a arroba.
dem de speimacete a 64o rs, a libra.
Chocolate hespanhol c francez a 9oo e l.ooo
rs. a libra.
Estrellinha e pe\ide muito nova a 4oo rs. a
libra, e a 2,000 rs. a caixinha com oito
libras.
Cha perola muito especial chegado neste ul-
timo vapor de encommenda particular
nossa a 2,8oo rs. a libra.
dem huxim muito superior a 2,7oo rs. a
libra.
dem hysson a 2,56o re. a libra.
dem hysson a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
dem preto bomeopathico e muito superior a
2,000 re. a libra.
dem nacional a 1,600 rs. a libra.
Batatas muito novas a 80 re. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
e de todas as marcas, como sejam: sus-
piros, havaneiros, messecipes, regaba im-
jerjal, flor das mattas, primores a 4,ooo,
3.5oo, 3,2oo, 3,000, (
z.oooe f,6oo rs. a caixa.

Ra da Senzalla n 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston C,
sellins e silhes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavallos, e rlogios de
ouro patente inglez.
Cal de Lisboa
Cal virgrn rlii'j.ida hontroi ^m rm-itretM
to bem acondicionadas c por preco <-onintfi a
amigo deposito da rna do Trapiche 11. f
zom de Manoel Tcixcira ISasto.
Vmtmm da KHMda.
Acaba de ebegV no navi,, Qutmtf tkr f,X
in;ii- superior [K>la.v preco comniodo : no lao do Gorpo SoNa
torio de Malio.'! Ignacio de Oliveira \ Kilho n n
Hita da Senzalla Aova i. 41
Neste estabelecimento vendem-se: tadnsi
ferro coado libra a 110 rs.. u\m\tel*w
Moor hbra a 120 re.
ROUPA
Na ra do Queimado n. 43, esquina que
volta para a Congregando ; pechincha.
Paletts de casemira a 5, 6, 7, 8, H e 14*000,
ditos de panno preto e azul a 9, 10, 12, 16 e 18*,
ditos sobre-casaces de panno muito fino por 24 e
28, ditos de alpaca preta e de cordo a 4, 5 6 e
1&, calcas de casemiras de cores a 5, 6, 7 e'81
dius pretas a 6*500, 8,9 e 10*. paletts de fastao
e ganga a 2* 2*800, 3 e 4*, calcas e colletes de
todas as qualidades e por preco muito barato, len-
tes de puro linho a preco de 2*800 e 3*, cober-
tas de chita a 2*240, eotlarinhos de linbo puro a
oO rs. cada um, e outros inultos objectos que s
a vista ; e para isso se pede a atteacao dos fre-
guezes. ^^
Vlaho paro.
No escribtorio de Euzcbio Raphael lUboilc,
rna da Caifela n. 5.". rendem-se aneoretas eos i
cellenle e puro vinho tinto de Lisboa, -nvmted
tinado para gasto de casas particulares por Mr
mettido pelo proprio fazendeiro ou lavradur
canoas de amarellb de um so pao, propria* t
pescara e para abrir : a tratar na raa do Kecife, armazem de Unir n. 29.
ESCBAYOS FGIDOS.
%'eade-se
no armazem de Manoel Marques de Oliveira na
ra da Moeda n. 9, agurdente de canna em bar-
ris e meias pipas e pipas, cal de Lisboa a 2* em
p, azeite de carrapato em barra ou caadas, mel
em barris em pequea ou grandes ptrces.
Assucardo Monteiro.
. Ra do Imperador n. 28 e caes de Apollo o.
e 2,800, 2,ooo, 67, a 200 rs. a libra, e de 8 Horas para cima
'aSflGOOaarroba.
ESCRAVO FVCilDO
100$ de gratifie;to
Contina Tugido desde Janeiro o mulato de utm
Raymundo, natural do Ico. estatura regular,
de 18 annos, caneca chata, cabellos car
testa grande, rosto oval, com urna listla
esquerda, macas salientes, dentes lunados _
dos, bocea regular c principio de buco, ps aa
pequeos, costmnava andar calcado', e ntimir >-
se livre : quem o apprehender dirip-se a raa ti
Cadeia do Rccife n. 21, a Luiz Anumio
que entregar a referida gratiticaea
li^rrav fwglia
Fugio do engenho Ataiaia, fregmaia t San>
nhcm, no da 10 do crreme, o manvo Pikl.,u*-1
rio, idale 40 annos, crioulo, cr fula, kaataate afea,
corpulento, com (alta de denlas na fren, na pav-
eo desbotado da cor, pea a
cbados, desconfiase que
do Recife por estar vendida netlnj
Ignez, a qual era sua con
mora para as partes da
autoridades pollciaes e
apprchendame lerea ao i
da Praia ao.Sr. Genuino Jos da
recompenrado.
III F^rx/n


8
Blarlo de Pernaaabnco Quinta tetra 3 de Hrmhro de 1 S3.


-
LITTERATRA

O que rae pelo Mundo.
0 general Forey dirigiu ao ministro da guerra o
I ii' i al Chalcon,e
^ ||fck>ria, lie
u* H|Rdosa
-----
devaajagao. algn, dos amotinado, mais intrpi-
do*, ou mal! coMpos do qae o seus compa-
: latorio.
. Puebla, 2 dejrfnho de 18G3.
ScnhMiiartrlial.
t Tenlio a honra de dar eonhoeimento V. Exc.
ti;:. operando do corpo expedicionario, desde 1 de
ul ni >. data do uicu anterior relatorio. que retirar das fileiras momentneamente um cer-
No dia 20 os fflciacs prisineiros superiores e ^ to numero de piaras. Visitei os edificios destina-
i dos aos enfermos furidos e convalescentes. Sao
te do commando do vencer poderosa me|j|jle ag ittttm, flej triumvirato, que tomarf8 redeas do poder no din
flP^if provida cora um ao estandarte da fP%> n^^Ps^flavdosa. 24 de julho.
stscamento deariilharia. e dos competentes ser- Mas Deus naoperaMiuao* erusao de sangue, e Mexicanos! resignando as mos d'aqueiles nhiros> diligeOciffiri arrombar a porta qae cn-
Rrinl'l J1VSeS,aaS0rdens d0 coronel,o governo. que sabia iffluto bem que nao poda ^3 chefe prOTSorios & Di^ poderes que as duz aos andares, para, como passafempo, saquoa-
Bnncourt,nomeadocommandante superior. O te-apoiar-sc no povo daquefla^ital, nao ousou es- circumStncia me tinham feitoexercer om vosso ren> ura pouco. Inlerveio, porm a polica, e con-
ncnte-coronel Jamim desempenhar as funegoes perar-nos atraz das suas 4r menearas, fugiu vorgo- (favor) ^^ agradecer-vos tambera o concurso ac- so*ia fazer Persuadir aos amotinados que renun-
de coromandaute da praga. nhosamente, deixando esfaespagosa e bella cidade tivo e intelligentc que em tos encontr!. Conser- ciassem aos seus intentos. Contra toda a espec-
bom. A mu-, entregue a si mesm.' J
lacSes que bem niostraram o vosso patriotismo e
nos do interessa da Fraura e do imperador.
Mxico, 23 de junho de 1863.
O estado sanitario das tropas bom. A mu- entregue a si mesmo. Se ainda duvidava da re-' varel sempre una agradav! recordado d'essas re- iltva, o sanguo nao se verificou.
danca de cslagb prodiizia-nos mais doentes do provagao geral que eslava sujeito o dia 10 de ia5es que jein ni0Strai
.> que at agora. As affeeges sao em geral pouco' junho de 1863, que de futuro perlence a historia,' edieacao pela ordem, 0
i graves, e nao tem outro inconveniente mais do deve tirar-lhe todas as illuses, o fazer-lhe sentir _ns uteressa da Frai
O incendio continuava. Ao meio dia toda a
parte do edificio situado do lado do sul da ra 40
subalternos, assim como dous" mil soldados prisio-
neros, sahiratn de Puebla, e foram mandados, o
primeiros para Vera-Cruz, com destino a Franca:
e os seguudus para Cordova, afim de seren empre-
gados nos traballios das estradas. A escolta que os
rouduza, compunha-sc da forca possivel, em atten-
C/to s circumstancias, atm de evitar as fugas que
jiodiam favorecer ataques de guerrilheiros.
t A 21, desejoso de dar sem demora principio ao
meu movimento sobre o Mxico, e principalmente
de nao deixar sos as tropas alliadas expostas a um
ataque do inimigo. liz marchar a brigada de Ber-
ticrfacaS Ranino, f.hegou ali no dia 22, c oceu-
pou-selogo de formar um deposito de vveres.
t A' 22, os otciaes generaes mexicanos partiram
de Puebla para Vera-Cruz. Tendo conseguido fu-
Rir quatro driles, antes da partida, foi a escolta
encarrogada de exercer a maior vigilancia durante
0 raiiiinbo. No mesmo dia mandei um grande com-
lioyo de mantinientos para Altiscoc Matamoros..
Ka tarde do dia 22 percorn aparte da cidade,
que foi bbjecto mais directo dos nossos ataques, e
es|>ecialniente Santa Ignez e Santo Agostinho.
t Esta parte de Puebla est n'iim estado de dis-
tinego diflicil de descrever. Soffreu talvez menos
i m o- nosso- projectis do que com a comniunca-
j3o das defezas do inimigo. Os mexicanos desen-
volvern eflectivamonte tuna incrvel artividade e
fertiHdade de u'cnco na errarao dos seus obsta-
culos defensiv"qu.', segundo julgo, nao teeni pre-
Mdentes. E' impossivel que. se no a testa de columna tivesse sidomelhor sustentada.
n '. houvesscmos podido tomar posse de Santa Ig-
i", "e-alcanear a piara d'armas; mas isto est
.longo, de se ter verificado.
t Na miaba opnifto, Santo Agostinho eslava
ai ida mais furtemeule organisada, e par,a ser toma-
da, ter-se-iam exigido enormes sacrificios. Nao
1 intento pois o nosso cheque de Santa Ignez, por
i o que nos levon a renunciar momentneamente
a ataques"Wais sanguinolentos nos grupos de casas,
e que, pelas aberturas que fizemos sobre o forte de
Tolimebuacau, podemos aleanear um resultado
completo com perdas muito menos considera-
VJJ:.
t Promulguei diversos decretos para a reorga-
ii. acao administrativa e financeia de Puebla. Fiz
a tiouicagSo de urna municipalidade provisoria e
ordenei a convocago dos eleitores para a cleicao
de urna municipalidade definitiva, segundo as leis
do paiz; e restabeleci as alfandegas terrestres,
cujo rendimeuto consideravel e indispensavel
cidade de Puebla, da qual os recuisos sao nullos
nosle momento.
c !J>tas medidas restabcleceiam a conlianca. Os
armazeus reabuain-se. as mert-adorias, que esta-
\ )iii ocrultas. ivappaivcerain. as familias emigra-
da- regressaram, as barricadas foram destruidas,
o. caragos repararam-se com actividde, e o as-
|i ei.o da cidade melhora todos os dias. O procedi-
miento das nossas tropas fui muito satisfactorio, c a
sua boa disemina deve fazer viva impresso n'un
povo acostuado aos excessos do exercito jua-
I 'a
i A' 2: visitei os fortes de Santa Anita, de Lo-
reto, e di Guadalupe, que eniquanio durou o sitio
atg > mente.
NZo oombinci com as suas opinioes, e depoi
de hav r examinado aqucllcs pontos reeonbeci
anda melhor quanto es ::ivil. Tela disposirao daquellas obras, e
I .i.cipaiiiicntc em consequeum da natureza es-
carpada do terreno que as cerca, a opeiaeao teria
sido muito difticil. quando nao fosse impossivel. A
iis|ieceao de Puebla, e o exame das suas defezas
r iDveoceram-me de que a maneira [>orque procc-
i' os para o ataque era cortamente a mais ra-
r. nal
No dia 24 ebegou a Puebla o primeiro comboyo
de niunicoes, nialeriacs e viveros.
No dia 20. o general Bazaine, com a brigada
de Castagnv. os diflerentes serviros da l' divisao
c o general de Miranda! partiu de Puebla para S.
f r'inho. ChegOU no dia 27, c fezturcupar logo
Puente Tezmelacan.
c A' 2", conseguirn seis generaes mexicanos
|iri>ioneiros, evadir-se com trajes desbreados que
1... .stiubamlevado roninii'ri ianlrs.autonsadospara
veuder-lhes alimentos. Sao os generaes Ortega. La
Llave, Pmson, l'atoni, Garca c Prieto.
t A' 28. o general Bazaine, fez um reeonbeci-
i :oom frente dePuenl Tezmelacan c mandn
o general Mrquez oceupar la Venta de Cordo-
va Este offieiat genejal oceupou esta povoaco
*cm difliruldade, com quanto vesse encontrado
algUM embarazos no caminho, e houvessc trocado
alguns tiros de fusil com as forras inimigas esta-
fcelccidas na margem do Rio-Fro.
rspacosos conventos, onde se fez a sua installajao
to boa quanto era possivel,
Nesta data havia :
Nos hospitaes de Puebla 821 homens;
No deposito dos convalescentes 262 homens;
No deposito provisorio de convalescentes de
S. Martinbo 120 homens.
Julgo dever consignar aqu o numero das per-
das que desde que comecou a eampanna, teem sof-
frido em combate as tropas do exercito expedicio-
nario, sao :
Mortos : ISofflciaese 167 soldados.
t Feridos : 79 ofliriaes e 1,039 soldados.
t Dostes muitos teem morrido cm consequen-
cia dos seus ferimentos.
Este esboco mostrar V. Exc. que, com
quanto estas feridas sejam sensiveis, o resultado
nao custou tao caro, como se poda acreditar, e
que o sangue dos nossos soldados foi quanto pos-
sivel poupado.
A febro amarclla apparcceu em Vera-Cruz
nos primeiros dias de maio, e j tem causado gran-
des estragos. No numero das victimas melue-se
infelizmente o coronel Labrousse. Segando as ul-
timas noticias, o seu estado era desesperado, e nao
hvia a menor probabilidade de enra. ama
grande perda a todos os respeitos. Ordenei in-
mediatamente ao coronel Jeanningros que fosse to^
mar o commando interino de Vera-Croz.
Aproveitei todos os recursos que encontrei em
Puebla para rcorganisar o exercito alliado; De-
ram-sc-lhe pegas, armas, alguns artigos de ar-
mamento, do cquipamente e de vestuario, mas em
muito mu estado. Encorporarem-se as tropas
de Mrquez todos os prisioneiros que desejaram
continuar a servir ali. O numero das forjas que
obedecem directamente ao general Mrquez eleva-
se deste modo a 7,300 liomens de todas as armas
e 1.100 cavallos.
t Os trabalho do caminho de ferro continuara
mas nao tao rpidamente como se poderia desojar:
estao nelle empregados 950 trabajadores. As--
sentaram-se os ruils n'uma extensao de 500 me-
tros, o que faz com que a actual extensao de cami-
nho concluido soja de 6,100 metros. Os atierros
estao concluidos em 10,600 metros, e trabalha-se
n'uma extensao de 2,300. A eompanbia recebeu
400 tonnes de rmh. A 15 de maio, chegou a Ve-
ra'-Cruz um navio mercante, com 300 tonnes ; es-
peram-se outros navios prximamente. Dentro ern
pouco fallar travessas. mas a eompanhia espera
receber 20,000 dos Eslados-Unidos dentro em pou-
cosdas. O caminho estar provavelmcnte con-
cluido al Pulga desde o Ia at 15 deste mez, e a
ponte da Soledade livre circulaco na mesma
|K>ea. Para melhor os proteger, constru na mar-
gem direila de Jamapa urna muralha com um blo-
cknaus de iwdra. A descarga de maleriaes conti-
na em Vera-Cruz. Vao oceupar-se nella locomo-
tivas ; para osse fim construiu-se um caminho de
ferro provisorio at ao caes para ali receber aquel-
lo (tesado material.
i Para abreviar quanto fr possivel os traba-
Ihos de atorro, autorisei o commandanle superior
de Orizaba para por a disposicao da eompanhia os
soldados mexicanos prisioneiros que nisso consen-
lissera. O capitao de Galiffet partir para Franra
pelo vapor de lo desle mez. Levar, para a pre-
sentar a S. M. as bandeiras mexicanas tomadas
em S. Paulo, S. Lourenco e Puebla.
sua impotencia para conservar os restos de um
poder de que fez uso deploravel.
< A questao militar est pois julgada.
Resta s a questao poltica.
A solucao depende de vos, mexicanos. Sede
O general de divisao, senador, commandante
em chefe do corpo expedicionario do Mxico.
Forey. *
O commandante do corpo expedicionario fran-
unidos nos sentimenlos de fraternidade, de concor-' cez no Mxico, dirigiu ao ministro da guerra impe-
dia e de verdadeiro patriotismo; que todos os ho- -!*1 4 im fAmmi.nMn;n
rial, seguinte communicafao.
Mxico, 10 de Junho.
Acabo de entrar no Mxico afrente
ruens honestos, c os cidados moderados de todos!
os pardosse confundam era ara s partido, o da! .. Acabo de entrar no Mxico a frente do exer
ordem ; nao procuris um fim mesmiinho e pouco
digno de vos, a victoria de um partido contra ou- cit0, E com cora53 ainda commovido, que di-
tro; vede as cousasde mais alto. Abandonae essas rii a Pressa este despacho V. Exc. para lhe an-
denominaejdes de liberaos e de reaccionarios, que nnnciar 1ae todo Pvo de9ta capital aco,heu o ex-
s servem para crear odios, perpetuar o espirito''ercit0 cora ura entmK'asmo W? se nao pode des-
de vinganca, e finalmente excitar todas as ms' crever.
paixoes do coracao humano. Propondo-vos pri- Os soldados da Franca toram Htteralmento co'
meiroque tudo a ser mexicanos, e a constiturr-vos bertos de coras e ramos de flores, podendo-se s
em urna nacao unida, forte por consequencia e' fazer urna idea do que occorreu, lembrando a en-
nde, porque tende para sso todos os elemea- trada do exercito em Pars, no dia 14 de agosto de
1859, qnando chegou da Italia.
tos neeessarios.
para essefim que vimos auxiliar-vos, e jun-
tos conseguiremos crear urna ordem de cousas
se comprehendenao os
Assisti a um Te-Deum, com todos os officiaes
do estado maior, na magnifica cathedral d'esta ca"
duradoura, se comprehendenao os verdaderos pital, que eslava cheia de nm immcnso concurso5
mteresses do vosso paiz, cntrardes com resolucao depois o exercito desfilou na mfnlia frente, aos grr
nas inteneoes do operador, que eu venho encar- tos de viva o imperador I Viva a imperatriz !
regado oe vos expr. v
-. _._____. ..... Depois de desfilar, recebi no palacio dogover
De5umne.raenaoex1g,raJamasno-fi1turo'noa3 autoridades que me dirigiram discursos. Es-
contribuirao alguma toreada, nem se far rrms ...... ...
r3 *a n,in,r n,.,,^, -w Kx&', te pov esta desejoso de ordem, justica e verdadei-
Cao de qualquer natureza, e sob qualquer pretexto raiTberdade. as minhas respostas aos seus
que seja ; nenhuma exaccao se ci
que os seus aotres sejam ponidos.
As propriedades dos cidados, asslm como as
suas pessas, ficarao s5b a salva-guarda-das leis e
dos mandatarios do governo.
^n!!!!;.."!!."^."3?30.^ corame,,era m presentantes prometti-lhes todo isto, em nomo
imperador.
re-
de
Os proprictarios dos bens nacionaes qae tem
regularmente sido adquiridos e na conformidade
da le, nao serao de modo algum inquietados, e
continuarlo na posse desses bens ; s as vendas
frauduledtas podero ser objeeto de urna revisao.
t A imprensa ser livre, mas regulada segando
o systemadas advertencias estabefeeidas em Fran-
ca ; de duas advertencias resultara a suppressio
do jornal.
tf exercito ficar snjeho urna lei de recru-
tamento moderada, que pora termo esse odioso
habito de empregar a forra e d arrancar sua fa-
Para a primeira occasiao terei a honra de lhe
dar mais ampias informaQoes desta recepcao sem
egual na historia, e quetm o alcance de um acon-
'ecimento poltico, cujo eco ser immenso.
O general em chefe
Forey.
O ministro da marinha receben do contra almi-
rante Bosse um despacho, daldo de i 6 de jtmho>
que diz assim :
Tenho a satfcracao de annunciar V. Eiic-
que o estado sanitario das nossas eqnipagens coa.
tnaa a ser perfeit; nao se tornaram a apresentar
casos de febre amarella a bordo do Belone, e co-
mo sempre, a mora htos nossos marinheiros ex*
cellente.
Procuro terminar as minhas disposicoes para
abandonar Puebla, activei-as quanto era possivel;
mas muitos trabalhos malograram-se por mais
dias do que eu quera. A roorganisaco de Pue-
bla, os abastecinientos em differontes pontos, a ne-
ccssidad,e de esperar os grandes comboyos que
vecm de Vera-Cruz, c de os fazer partir de novo
na direceo do Mxico, tudo exigiu muito tempe.
Como V. Exc. ver pelos detalhes do diario
de marcha, a grande maioria das tropas c dos ma-
leriaes est cm caminho ; una forte columna vae
marchar amanhaa, conduzindo o resto, cao dei-
xarei Puebla, ficando na minha retaguarda um
comboyo escoltado pelo coronel Mangin, com dous
balalhes, um esquadrao e urna seecao que deve-
r chegar A Puebla a 7 ou a 8 de junho.
Aceitae, etc.O general cm chefeForey.
No dia inmediato sua entrada no Mxico,
o general Forey dirigiu aos mexicanos a seguinte
proclamacao, de que fallaran) os telegramnias:
Mexicanos !
Ser necessario que vos diga outra vez qual
o fim |K>r que o imperador mandou ao Mxico urna
parte do sou exercito ? As proclamacoes que tos
tenho dirigido, apezar da poltica desconfiada do
governo cahido, sao de vos conhecidas, e sabis
mflia os indios e os lavradres, essa importante! O Xoneitur pubbea o seguinte discurso que as
clsse do povo, que se lauca as fileiras do exerci- \ autoridades municipaes de Puebla dirigiram ao
to com a corda ao pesclo, e que nac podia deixar general Forey :
de dar o triste espectculo do soldado'sera patrio- (^^
tsmo,era relgiao de baadeiras, sempre prompto '' "* *eneral
a desertar, ou abandona* ura chefe por entro; e A cidade de Puebla representada pelas suas
isto-eoncebe-se pelo simples facto de nao haver no autoridades, felicita-vojcordealmen pela vossa fe-
Mexico exercito nacional; mas sim bandt s or-!B!P cneS3da.
dens d chefes ambiciosos, que se disputam o po-! i A Providencia Divaa lancou vistas miseri-
der, de queso se servem para destrair completa- cordiosas para o qundre de tristeza-e de desoa-
mente oe recursos do paiz, apoderndole das ri-' ca que apresenta a repblica mexicana, e como-
quei3s d utrem. y^ a sq^ infeliz situacao, resol vcu arranca-la
Os impostos serao regalados como nos paizes doabysmo em que a precipitaram as exagera-
civilfeados, de maneira que os encargos pesem so- ^ do seu Partidi *"* regencra-la, encaml-
bre todos os cidados proporcionalmente sualnha"latta es,rada do progresso, e condazi-la ao
fortuna, e tratar de se conhecer se eosvm sup- P"' laminoso qae est marcado no livrodos
primir certos impostos de consumo, mais vexato- destinos.
ros do que uteis, e que ferem principalmente, os Para camprir esta to grande obra, escolhcu
productores mais pobres-do campo. o instrumento mais digan, mais efficaie mais pro-
Todos os agentes qpe teem a seu oargo ^ ^r-' P^ P"8 esla empreza. Foi a bella Franca, a na-
reeadarao da fortuna publica serao conveniente^ f50 1uc reuniu os elementos necessarios de forra
mente retribuidos; mas os que nao. exerecrem e de poder, que governada pelo soberano mais
os seus empregos com a probidade e om as at- illastr ado do globo, e qne rene s snas brilhan-
ten?oes que o estado tem direto a.exigir del-'tes qualidados, os mais nobrese generosos senti-
da presa completa das chammas.
. Nesle meio lempo foi Mr. Edwardo S. Vander-
poel, emiiregado adjunto aos trabalhos. do recen-
seamento, encontrando pelos desordeiros que se
tinham introduzldo no interior da casa ; vista do
seu uniforme, soltaram votiferacoes e ameacas
horriveis. De balde o infeliz empregado tentou con-
vencer os que o tinham preso; dirigia-se a urna es-
pecie de tigres. Arrastaram-no violentamente para
a ra, dando-lhe com pus e dirigindo-lhe inju-
rias ; afinal lanoaram-no, j coberto de sangue, no
meio da multidao excitada. E' Impossivel des-
crever a scena que entiio se passou.
O empregado arrastado para a ra, foi pisado
aos ps, arrancando-lhe os cabellos, e massacran-
do-o com urna crucldade digna dos selvagens da
Oceania. Gra?as dedicacao- de alguns policas,
pode ainda salvar-se e foi condozido casa apenas
com signaes de vida. Foi dando-o por morto que
os policia eonseguiram tira-loda mos dos ban-
didos queomartynsavam.
Pelas tres horas, a populara, qne se havia j
espalhado em todas as direcedes, lancou fogo e
saqueou duas casas ricamente mobiladas em Le-
vington.
Todava, as antoridades militares, te accor-
do com o general commandante, tornaram medi-
das enrgicas para reprimir o motim.
Desembarcou urna torga consideravel de
marinha, assim como muitas eompanhia^ de
infantera regular. O 7. regiment de Nova-
York, foi chamado s armas, bem como todos
es amigos voluntarios do- exercito ltimamente
licenceados. Tambem reuniu a reserva da guarda
nacional.
Hontem (13)- de manhaa, notaram-sc novos>
.ymptomas inquietadores. Bandbs de insurgentes
se dirigiram para as fabricas com o fim de obri-
garera os operarios a largar o trabalho ; ou-
tros oppunham-se ao carregamento1 dos navios,
se esse trabalho nao eslava ja- interrompido.
A pilhagem tinha comecado ao romper da au-
rora ; muias casas haviam sido saqueadas, e
a multidao, altiva pela impuoidade de que
tinha gesad no dia antecedente, annunciava era
altas vozes a intencao em que estava d nao parar
na sua obra de destruijo.
t As seis horas, um eorpo de polica de 350
homens, s ordens do inspector Carpenter, que
passava n'uma das ras adjaecntes, ctuimou a ai-
vv
mosmo a acender foguciras em roto i
para ellas sentirem mdhor a morte
Ainda ha apis do q* isto; o ccatM dnv
habitatoes da populacao Mgra, raireMnda w
e acola, em diversas partes da cidade, fcraaie-
pois preza da chamas. Nao foi nies mati-
tado o hospicio dos orphos da cr, pana* i
bem foi invadido e saqueado; na loado de h>
Iheres c de cieancas lanraram ao da Ma-
pas e dos falos, que por milagre
e hontem pela manhaa s existan
(Pesas excellenle estabelccimea de
cia.
Nota que o governo russiano diriga ao
representante de Vienna, para ser eoawnu~
ao gabinete austraco, em resposta qne este paa-
sara Iltis-ia acarea da questao polaca :
< S. I'eiersburgo, 1* (14 de iull) de 1863.
< O representante da Austria, leu e eairegw-at
copia da nota do Sr. conde de Befhbcrg.
Desdo o comeco das desordens ao reta* da
Polonia, temos romprehendido o jnsto internar aae
o governo de S. M. I. c real apostolira devia i
pelos factos occorridos em paiz lio nxiaa
que podiam influir sobre a tranqnillidade i
provincias polaca.
ConHiuanio at ao presente a iasorrera I
concentrado iodo os esforcos aoreiao. e m
mais consideraves elemento de desordem i
as provincias limitrophes p martaan l
potencias que teem refluido para o foco do
dio, e levado ahi novos elementos, fcil srria |
ver que tao depioraveis ocrurrencias aio
ser revolvidas senao attendend aos
raes dos estados vizinhos.
Portante, apressamo-nos a convidar
te de Vienna para enlrarmos em aegociariVs.
mos com salisfacao que nao foram desaNcaitMas
as observaees que fizemos, fundada* sobre mat-
resses geraes, perante eventualidades preTMtas pe-
los fautores da insurrrao. e qne. apezar da a
transparente com que esses encobre a* seaa *a-
redos, tendem a con^eqaenrias qae oderiam af
fectar a propria integridade dos esladNS de 5. X. L
e real apostlica.
t O Sr. conde de Recbberg rerommfnda a eaa-
sit-Vraro do governo imperial algumas
que, segundo emende, |tou>>ram tranr a \
cao do reino da Polonia. S. Etc. est matea* I
to do estado das cousas de*> paiz. para aat ea
precise mencionar muitas deMas medida ja rm
vigor, e as que contendo principios gera. aa* *>
contrarios, nos pontos essencas, ao* diMamM-
mentos que o nosso soberano tenriona dar im>
tiUiiroe? actuaos do reino, quaado S. SI. aanaa a
julgue cenvenientc.
t O Sr. ministro dos negocios cstraatviros da
Austria c o proprio que em outro logar m.iaia
que a maior parte das medidas em ajatatao eatram
np plano tracad por S. M. L; e S. Exc. comVre
r sem duvida que nao podem ser aaaakadas, e*m
probabilidades de bom resultado, eaafaaaaa a vt
drm materia! nao estiver restabelerida.
i O Sr. conde de Rechberg compn htadera por
eerto que enujnanto esta coadii-rio imliaacasavei a
ac^o salutar do governo nao" estiver cmaprida.
qualquer tentativa de orgaaisaco do reino sarta
mallograda. porque, por nma parte. soli.tirSo e*
un sino; obstculos que as dosordeas actaaas tana
opposto at boje; e, por outra parte, a (orea mrat
que os insurgentes adquiririam com a esaeraara
de urna intervenga activa do estranp'iro.
Depende muito das grn*- potencia dmripar
estas illuses, frustrar tstes ralrutos, e apw>sar o
termo da situarn difticil em qne estamos ajamado
em seria considerado o ponto essencial da 4H*>-
tao, o que conslitue, segundo 9 amao ealaasVr o
perigo enropu.
i Estaremos sempre disposa a madiftrar a
nossas ideas sobre este objeeto. aa esparta das
que o nosso magnnimo soberano, commovido
c A' 29. o general Bazaine fez separar o caminho PeIa ssa lrisle situacao, s quiz urna cousa quan-
pelas suas Hopas, e operarios indios.
c A' 30, o general Bazaine conduziu a brigada
Barbar para lio-Frio, e elle estabelecia-se em Pu-
ciite-Tezmelacan com o resto da sua divisao. No
mosmo dia O partir de Puebla um comboyo com
|7C canos de nuniroes. materiaes c vveres, que
devem reunir-se l* divisao em Biicna-Vista, pon-
to de eonrentraro que esrolhi para deixar o
inimigo na ignorancia da direceo que eu tomara
|ar marchar sobre o Mxico.
No i" de junho, o general Mrquez chegou a
Ayotla, o general Berlier a Buena-Vista, c o general
Bazaine a Rio-Fro.
i A' 2. o general Donay, com a maior parte da
ua divisao; e os serviros que lhe estao addidos,
narchou de Puebla para se dirigir a Buea-Vista,
levando comsigo grande quantidade de material c
de vveres.
c Nessc mesmo dia chegaram a Puebla, os cn-
sules de Hespanha, Prussia e Estados Unidos, e vie-
r.im procurar-me dizendo que cram mandados pe-
la municipalidade do Mxico. Disseram que Ju-
rez e o seu governo tinham partido na noute do
dia 31 para S. l.uiz de Potos.Quinhentos a seis-
cenios voluntarios tornaram as armas para manter
a ordem, e com receio de que se commettessem
excessos de partido. Os cnsules pediram-me, pois
em nomo dos habitantes que fizesse oceupar o M-
xico por tropas francezas.
Ordenei ao general Bazaine que marchasse
obre o Mxico, segundo o que observasse do es-
tado daquella cidade, ainda coberta pela retaguar-
da do general La Garza, e depois da chegada das
|ropas e de comboyos que estavam cm marcha
sobre Buena-Vista. Quando o general Bazaine ti-
vor occopado a cidade, mandar Oscorpo de Mr-
quez para S. Christobal e Cuantillan afim de co-
Lnr a cidade do lado do inimigo.
. t A guarnicao de Puebla compr-se-ha do re-
giment de zuavos, de um batalho de infamara
de marinha, de um pelotao de cacadores, de 300
atildados de cavallaria alliados, as ordens do ge-
do fez atravessar os mares seus soldados ; quiz
mostrar-vos a nobre bandeira da Franca, que a
symbolo da civilisacao. Julgou com razao, que,
com a sua presenta, os que vos opprimiam em no-
me da liberdade, cahiriam vencidos, ou fugiriam
vergonhosamente.
t A misso que o imperador me confiou tinha
les serao substituidos, independentemente das
penas em que possarater incorrdo pela malversa-
gao.
A religiao catholica ser protegida, e os bis.
pos collocados de novo as suas dioceses. Creio,
que o imperador vera cora prazer que fosse
possivel ao governo proclamar a liberdade de cul-
tos, esse graude principio das sociedades moder-
nas.
Tomar-se-ho medidas enrgicas para repri.
mir a brigandagem, essa chaga do Mxico, que pa-
ral ysa todo o eommercio, e todas as emprezas de
utilidade publica ou particular, que para prospera-
rem, teem necessidade de seguranza.
t Os tribunaes serao organisados de maneira que
se administre justica com integridade, e que jamis
prevaleca o maior preco que se offerecer, c o ulti-
mo lancador.
Taes sao os principios essencaes. em que se
ha de appoiar o governo que se houver de estabe-
lecer; sa.os dos povos da Europa que se distin
guem entre todos; sao os que o novo governo do
Mxico deve diligenciar seguir com perseveranga' ^ Mensager Fraato-Americano publica osse-
e energa, se quer oceupar um lagar entre as na- guintespormenores a espeito das desordens que
c5es civilisadas. i rebentaram em Nova-York por occasiao do sorteio
Esta segunda parto da tarefa que me est im-! I,ara recenseamento:
posta, nao poderei cumpri-la sem sor acompanhado A tiragem a sorte no nono districto eleitoral
ment os para com a humanidade opprimida.
O digno imperador dos franeezes escolheu-
vos, senhor general, entre todos os-Ilustres mili-
tares que abuudam na vossa grande nacao, e a sua
justica e sublime pensamento dirigiu-se aos vossos
distinctos talentos, ao vosso valor e capacidade mi-
litar de que tantas pravas, tendes dado na vossa
gloriosa carreira.
A historia imperial, a conscicncia publica, e
a evidencia dos factos fazem a devida honra ao
vosso mrito no- desempenho de urna tao grande
missao.
A cidade do Puebla, representada pela sua mu-
nicipalidade, apresenta-vos os seas agradecimen-
tos e reconhecimento pela creacao desta corpora-
cao; ella aprecia a vossa aecao na devida conta, e
nao pode, quanto ao presente offerecervos mais do-
que a sua sincera gratido. Pede-vos para pro-
! seguirdes na vossa gloriosa empreza, afim de aug-
mentar mais urna glora Franca, que j as conta
. i numerosas, e urna nova folha vossa cora de
louros.
tencao dos amotmadores, e entao emprehendeu-se nossas relacoes diplomtica.*: e com o desejo si
imi ataque geral. Tijolos, pedras, projectis de toda i cero de chegar a um acord.
..' ti Qoanto as deliberaro-* em coaereneja.
a qualidade foram lancaas contra os agentes da'
autoridade. Os policas, em columna serrada'
deram urna descarga vigorosa contra os amotina-
dos, e eonseguiram repelli-toe. Urna casaonde se
'inham refugiado os prinerpaes autores, foi ataca-
da, e depois di> presos uns vinte, puzoranv o resto
en fuga.
Na ra 34. o motim tomou um carcter
brutal, e antearara seriamente as proprieda-
des particulares das immcdiacoes, quando ap-
pareeeram n'aquelle ponto muitos contingen-
tes de tropas-. O coronel O'Brien commandara
essas tropa. Pez carregar immediatamente
araotinados, ordenando-lhes que despersassem.
Rcpcllidos at 3.* avenida, a (topolara vol-
toa logo depois carga, mais numerosa do que
ontr'ora. Collocaram-se em posgo duas pegas
de artilheria apontadas contra a multidao; fez-se
fogo, mas a peca estava apenas carregada de pl-
vora Os amotinados que se tinham retirado pre-
cipitadamente para a 2.' avenida, e caminhos ad-
jacentes, tranquilisaram-se vendo a benignidade
das tropas, e voltaram carga altivos, e confiando
cada vez mais na sua torea.
i Vamos procurar armas, diziaro siles, e ento
veremos !!! >
O coionel O'Brien, atacado por dous des-
ordeiros, fez uso do seu revolver e lancou-os por
trra.
mat
dos bons mexicanos.
Nao concluirei este manifest sem fazer um
appello a eoneiliagao.
Invoco o concurso de todas as intelligencias:
pego aos partidos que se dcsarmem, e que d'aqui
tendo comegado no sabbado, coro a mais completa
tranquillidade, devia continuar hontem as res-
pectivas repartigoes. Logo peta manhaa, foi o ca-
pitao Jenkins, que era o encarregado do reerpta-
mento, prevenido de que se preparavam duvidas
para embaragar o andamento da operagao, e por
um duplo fim ; era fazer sentir aos vencedores de ,ruir> mas em fundar-
5 da maio de 1862, o peso das nossas armas, e re- Proclamo o esquecimento do passado-, urna
por diante empreguem as suas torcas, nao emdis- isso requisitou autoridade algumas tropas para
conter em respeito a popula gao.
Depois de ter esperado at as 10 hoias da
duzir ao seu justo valor esse feito militar, a que a amnystia completa para todos os que se ligarem de manhaa sem receber soccorro algum, o capito or-
.u., *-. ..---------h. h!I no que se dr a naco, livremente uenou que se procedesse ao sorteio, aeontecesse
jactancia de alguns chefes deu as proporges de
una grande yictoria.
t Offereci depois o concurso da Franca ao M-
xico, para o ajudar a dar-se um governo que tos-
se expressao da sua livre escolha, um governo hei de I*-***-! em toda a parte onde se refu-
que primeiro que tudo praticasse a justiga, a pro- *
Mas declararci inimigos do seu paiz os que
bidade, a boa f as suas relagoes externas, a li-
berdade no paiz, mas a liberdade como deve ser
entendida, marchando com ordem, respeito da re-
ligiao, da propredade e da familia,
t A derrota dos nossos inimigos em todas as
litar.
o que aeontecesse. A roda foi por consequencia
collocada na sata e a operagao principiou. Esta-
se mostrarem sardos a minha voz conciliadora, e' vam presentes entao urnas trezentas pessoas. Ape-
nas a sorte tinha indicado vinte nomes, ouviram-
se fortes gritos e as ameagaa vieram interrom-
per a tiragem. Ao mesmo lempo um chuveiro
de pedras laugadas da ra contra o edificio, que-
brou todas as janellas. A desordena tinha come-
cado.
t Dado o primeiro passo a populagao nao se
O general de divisao, senador, commandante
em chefe do corpo expedicionario do Mxico.
< Forey.
Depois da junta superior do governo eleito
pelas pessoas notaveis, ter escollado para mem-
circumstancias que ousaram affrontar as nossas' Dros ,j0 p0)ier executivo, o general Almonte, o ar- con,eve mais- ^,na quantidade consideravel de
espadas e as nossas bayonetas, desde o sitio de cebispo do Mxico, e o general Salas, o mrechal Pv0' imPe,,ido Pelas raassas que enchiam as ras,
Puebla, deu ampia satisagao nossa honra mi- porey airigiu aos mexicanos a seguinte proclama-'vioIou a sa'8' c come5on a des,ruir ,udo quan,
gao:
i Mexicanos!
t Chegados com fracos meios de ataque a fren-
te de Puebla, que o governo cahido tinha tornado
urna praga de primeira ordem, e olhava como ura A nagao pronunclou-se pela voz dos seus re-
baluarte aonde ficariam aniquilados os nossos ; presentantes, .nsl.ln.dos poto meu decreto de 16 de
esforgos, e aonde, pelo seu habitual charlatanismo, Junno-
pretenda que devessemos encontrar o nosso tu-1 O general Almonte, o veneravel arcebispo do
mulo, forgamo-lo a render-se i descrpgo ; e o Mxico, e o general Salas foram eleitos, hontem,
qu mais extraordinario nos fastos militares,'pela junta superior, para serem encarregados do
obligar urna guarnicao de 20,001) homens a cons-' poder executivo, e para dirigir os destinos do paiz,
tituir-se prisioneira, com todos oa seus generaes e emquanto se nao estabelece o poder definitivo,
officiaes, a abandonar-nos um inmenso material 0s nomes acabfl dc c ^ fc vs c0.
de guerra, e isto qnando anda tinha poderosos nhecldos. (jozam da estima publica e de conside-
recursos, como podemos mostrar. ra?5o pelos myi(os qQe teem presUdo e ^ hon.
Depois da queda de Puebla, marchamos radez do sen carcter,
sobre a capital, que, segundo se dlsse, se prepara- t Podis pois fiear tranquillo, como eu mesmo
n para urna seria resistencia; tiohamospara a o estou, sobre o futuro que ha de preparar esse
a destruir
encontrava : os livros, os impressos, a roda, listas
de nemes de recenseados, tudo foi destruido, e lan-
gado era pedagos pela janella fra.
t Pouco tempo depois de se consumar esta obra
de destruigo, percebeu-se que a casa estava a ar-
der. Quando se deu por isso, todos os amotinado-
res que enchia a sala do sorteio comegaram a fu-
gir. Parecen que o fogo tinha sido langado com o
nico fim de alcangar x>s empregados do recruta-
inento que se dizia terem-se oceultado nos andares
superiores. Soja isto ou nao verdade, as victimas
dos amotinadores foram as mulheres e as crean-
gas que escaparam com grande diffleuldade a urna
morte horrivel. A fuga deste infelizes foi seguida
por urna nuvem de pedras, que por fortuna nao
alcangou ninguem,
t Emquanto o fogo continuava na sua obra de
< A autoridade pareca ter tomado alguma
energa; o maire Opdyke pubeou urna proel:*
magao chamaudo as-armas os cidados para pr-
tegerem as propriedades publicas c particulares
e alm disso, saliendo que urna proolamagao pou-
co significava, se nao fosse appoiada por medidas
enrgicas, solicitou reforgos de tropas de toda a
parte.
t A alfandega e os principaes edificio p-
blicos foram oceupados militarmente, e muitos
armazens particulares estao guardados pela po-
lica.
t Todavia, de tarde, os bandos de amoti-
nadores appareceram de novo na 4." e 6.* ave-
nida, aonde atacaran, o maltrataran! muitos
pretos.
Fzeram urna demonslragao contra a offfci
na do jornal a Tnbine. Felizmente, a chegada
do urna eompanhia de infantera fez fugir os des-
ordeiros. Estes porm, pouco tempo depois, re-
uniram-se e partiram para City-Hall, aonde en-
tao se achava o governadoz de Nova-York. Mr.
Seymon avangou para enes, e dirigiu-lhes a
palavra, annunciando que no sabbado tinha
mandado um dos seus. ajudantes de campo
para pedir ao governo. que suspendesse o sor-
teio, e conclua convidando o povo a respei-
tr os bens e a seguranga dos cidados, e
prometiendo que tudo se arranjaria sua sa-
tisfago.
A residencia de Mr. Abram W'akeman, di-
rector dos eorrelos de Nova-York, situada na
ra 86. em Yorkvillc, foi saqueada e destrui-
da durante a noute. Mr. W'akeman nao esta-
va felizmente, em casa, e calcula-se o seu
prejuiz em 15:000 dollars. (l'ns quinze con-
tos.)
t De tarde; um pequeo grupo de amotina-
dos dirigiu-se para a parte de Harlern, para a in-
cendiar ; mas a chuva tinha allagado a madeira
de tal maneira, que nlo poderam langar-lhe foi
go. Para darem pasto ao seu espirito de destru-
cao, incendiaram muitos edificios situados na
ponte.
c Os attentados contra as propriedades particu-
lares foraoi muito mais numerosos do que na
segunda-feira. Alm do que j temos indicado,
sabemos que a populagao destruiu um quarteiro
de casas que pertencia a Mr. Green, no Broadway,
depois de ter saqueado todos os armazens, que
eram sete. As perdas calculam-se em 30:000
dollars (trinta cont).
t Ainda isto nao tudo; os negros foram eer-
cados as ras como animaes ferzes; fugiram,
mas as pedras e os paos alcancaram muitos :\ea-
hidos e envohldos em sangue, foram lentamente
acabados paulada pu entercados. Chegaram
3uaes tonussem parte todas as potencias i.
D tratis de Vienna de 27 de maa<9 dejaBo
1815, nao desronherewos o in.rrc.i.'** trae as potea
cias devem ter pela situar actual > no* paiz
porque pode pr em risco a traripiildaderal
e ooqu.bbrio fundado pelo tratarte para o qoalewa
rorreram.
> Nao contestamos- o direito de lamrprttacia d-
versa, mas nao podemos reeoohecer aem oapofta
nidade, nem utilidade pratica em mbmener pa-
tencias a delilteraeo d<- necorios que *t baatam a
circumjfancias da* administraeodreino.
Nenhuma grantb potencia pode aceitar
jerencianos seus negocio-, interno ; nem tai
venco se collige do espinto ou kara dos
o Mentes : deste modo, se diftlcrdlaria a paraVa
rao, e ttraria o prestigio a autoridade sotara**,
ccrescentando as pretcncjes des
tacos.
0>Sr. conde de Berhlierg. snbordi
adhesao eventual c semelhante combinar,
do gabiuete imperial, presenil'., com um
ment de imparcialtibde apreciada pelo n
Ixrano, a impos>bilidade que hTianr/* a>
lila. Agrada-nos reeonhecer. cesta reserva.
lestemunho das dtposiroes ,imi**'
de Vienna e urna prova'da soliertade com>*ja*9r
conde de Hcchbezg aprecia a sitoacao.
i A marcha seguida en. 1815 parecen
claramente a natureza da- deliberaeoes aae
estabelecer-se sol>re questoes. que im|>ortaa> t am
l.t Jo. ao interesse geral. e do outr. a aartwaian
dailes adminisiralivas do dominto e'u-!usa db>
estados solM'ranos aatoapla*.
< Na |oei actual, foi pratieanieals e-Jalma cid*
urna distincrio entre estas doa
torame. O primeiros teem sido
eiagoes sep uaila- por parle da cortes
Austria e Pussia. entre as qie> a>
historia,o contacto (termanente ^tm
dala crearam intima so'idariedadt
t Toda as negociar-..-, tk'stmadw a
adminis^rago interior o as relacoes BMttnas
territorios polacos sob o povemo nis.su. tor ira
cionadas nos tratados, separado eoartuid
lamente entre as *> cortes em 21 t aarl P d*
maio) de 1815.
Foram successivamenl. i vitpletado pjar ama
serie de convengde* especial moas as vi
as circumstancias o exigirn*. Os
mencionados nos tratados, e ne
Europa, foram s inserido ao
so de \ ienna assignado. em 17 de mam (*
nho) por todas as potencias chamada*
rencia.
Hoje estes principia geraes nao si* e*.
dos: mas de particularidado a luiinisirativi
negocios internos fornecenam niilrmat
para conferencias entre as tres cortes, ama
nireni o estado respectivo das suas po essr pam-
cas. as quaes se estendem as e-tiputaroes da Ira-
tados de 84S, em harmona con a aee**sida*V-
presente e os progresso da poca. O gabaete im
perial declarase desde hoje prompto a Valar *
assumpto com os gabinetes de Vmm ?*> Berta.
i O nosso augusto soberano tem roaaaaea Bs-
tanle nos sentimenlos e vistas ceoriliadoras de S
M. o Imperador de Anstria. para que aa aisja
persuadido de que um acord sobre esta* aaae-
daria resnltados egnalmenie sasmlorm pasa a-
a* mutuos das tres potencias.
a propiiedade dos polacr*. e toaaaadn em
rago as questoes que importa ao e*i
ropu.
Queira ler a present- nota ao Sr. miatsem n
negocios estrangeiros de Austria, earixeamar
pia a S. Exc.
Receba, etc.Gorttcbakoff:
Apenas recebeu a anterior
governo austraco dirigiu-se aos _
e Londres, sobre diversos pontos
seguinte documento .
Vienna, i9 de julho de 186.1
O despacho do principe de
ronde Balbioe, tuca tres poato pm> ama ae-
cialmenie respeito Austria, soar* **
governo imperial deve expor traanmi am a ma
maneira de ver antes de entrar emcaaaaaasm
com o gabinetes de Pars e de Lsadraa, aaam* a
linha de conducta que as tres potearia p***am jal-
gar conveniente adoptar em eoasaamaem da res-
posta russa.
< Nao quero indagar se um
pode ter inspirado oprineipe de
do escreveu as tres passaireB d aa sa aa
liraito-me a declarar que sao de aliaran a
o equivoco as intencoes da Aastna, a
n'imifi noKM'uaue o gabinete ds > waaa :
ao
n'uma posigoque o gabineti
ria aceitar. ,
As tres passagens dos despache*
oxigem observarles inmediatas, sao*
i' Aquella em que o priaeam da "
insina que j> nosso despataa d* M
prever e approva por assim dbar, a
sia em adherir a urna roalonara ;
< 2* Agella em que as ptwmtias
Anstria sao collocada na '
est o paiz garatmente
reino da Polonia -,
< 3* Aquella em que o guarnan
ara entrar em negociaedes com al.
jria, a respeito dos seos subditos patatas.
S V
l'ERNAMBCO TTP DE M. f. F. *


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZ96SI7CP_BOLTQ2 INGEST_TIME 2013-08-28T02:06:34Z PACKAGE AA00011611_10181
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES