Diario de Pernambuco

Ihctes a virem recehei M resuertivo prm-
por inteirosem Vsconlo algum em s*-u t-4miw
cimento Casada Fortuna ra oCrnmt a. 2a.
Assim como tem exposlo a vwiit m a* e *
lizes bllietes da sexta parte da Irrreini|**,a^ *?
r.vmnasio Pernambncano qur se rxlraara a *
setembro prximo em sua dila Caa Ai F-etmam
ra do Crespo n. 23. e na- eostnn r\
jas sortes que ellos nliiiver.. -U fama fa-
gos urna hora depois da extractan.
n*e^oa.
Biihetes imana..... K1"
Meios bilhetes...... api
Para as pessas que comprareai
de 100* |ra cima ___
Bilhetes........ MiP
Meios. ........ _*"
____________l.mf< Mm-M* nam,
Aluga-se a casa terrea da
66 : os uretimdenles dirijani-s<- a faiaa
.aborarlo
%mr* m.
O Dr. Sabino Olegario Lndijero
carregado da sub-gerencia do seu
ao Sr. Jos Alves Tenorio, profemr
tilia, e competentemea*) haattilado
lo em qualquer ausencia.
kmerial
ariftaf
Piahu Mu
DE
Esrcavos, m veis' e joias
miro.
no.)*:.
Quarta-frira 2 de setembro as 10 horas
da inauba.
O agente Siraoes vender en leilao
zem da ra do Vigario n. 11. cadoiras
de
uo arma-
do amarel-
banheiros
Precisa-se de ama ama qne saila i
e coser, para casa uV urna s P>*^**-
boa conducta: a tratar aa n
mazem de louca n. \l.
do
\TTENC\0.
assienado laaao-at rri
a ngleza, estrella. 12 pedras de amolar*. 30 ros- tros muitos objectos que seria enfodonho iwu.
mas de papel Imago piulado, 1,080 yedras de cioua-los; aasiui como os escravos segmntes
espingardas, e 400 saceos de onducao : todos es-1
tes objectos pertenceates ao material da armada.
Sala do coaselUo de compras navaes de Peraam-1
buco. 29 de agosto de 1861
O secn tao.
Aletandre Rodrigues dos Anjos.
1 de nome Honorato, crioulo. X annos.
1 dito crioulo de 12 annos.
1 mulatinho de 10 a'unos.
1 osorava crioula de 30 annos.
1 dita crioula de 13 annos.
Todos sadios t bonitas figuras.
O abaixo assignado
achando-se de posse de sua
a seus devedores tanto desta |
a Om de que quanto tale
que lhe devem a fim de
RechV.lOdea^^
CRIADO.
Preciaa-ae de una criada, qa
entenda do erico de sitio.
Sor anno : na roa Nota n. X3
asi0sl2lK)r^danianhla.
ILEGIVLr



I
>l
s
En abaixo assignado, autoriso ao Sr. Manoel
Vctor de Luua Freir para reccbor o imposto de
20 o 0 de agurdente da freguezia de Maranguape,
ficando sem neoham effeito gualguer imposto rc-
ccbido peloSr. Filippo Biniz Cavalcanti, uiua vez
que o mesmo Sr. Filippe Diniz disllzcra o contrato
do imposto de agumate di freguezia de Maian-
gOape. Recite II de agosto de H61.
________ Amonio da Silva Gusrao J Bator.
Xo du 29 do hil'z prximo passade appare-
i'oi d.'iitro da baisa de capim do sitio da casa n.
:li, sito na estrada de Joao Fernandes Yieia, hoje
ronhccida por estrada dos Quatro Lcoes, um boi
qoe parece ser de carraca : a pcssoa que se julgar
-n-dono delle,dirija-se mesina casa cima, que
dando os signaos certas, e pagando as despezas c
distruic-o feita na babea pelo dito boi, Ihe ser
.niegue. Ficando o dono corto que o annuucian-
M deste nao liea responsavel por qealguer cousa
que aeonteca no dito boi.
Daaippamceu do segundo andar do sobrado da.
ra Augusta n. 1 um relogio de ouro patente in-
glez n. 31,198 roga-se. portante, atojas as pes-
soas a quem Ibe foronerecido, ou delle tiverem no-
tfcia, o favor de o apprchcndor e leva-lo ao dito
sobrado, que serie generosamente recompensadas.
FCIL KDK SFMiTO
lornal acadmico.
Os editores deste jornal, gucrendo ter anda cen-
templaeao para com um grande numero de seus
antiges assicnantes, mandam distribuir boje o pri-
meiro numero eorresi>ondente ao mez de agosto,
deixando o segundo para ser distribuido at o dia
o do crreme, |iorque tero de tirar do quadro dos
subscriptores os nomos daquelles que nao se aeham
em dia com o pagamento de suas mensabdades
atrasadas para darem entrada a novos assignantes,
que generosamente vein auxiliar esta empreza lit-
terarca. Esperan), prtanlo, que at o dia i do
.--m-nte entreo com a importancia de suasassig-
naturas, por quanto da confrontacao do quadro do
7." nwmero. gue h>jje se distribio, com o do vin-
douro, fcilmente secoubecer daquelles que tem
feito perigar a regularidade dcsta pubiieacao.
Diarto le Penambuco ijuarta lelra 1 Ye etenibro de 1S3.
AURORA
LARGO U.4
BRILHANTE,
SANTACIUZ.
, No grande armazem denominado AURORA BRILIIANTE o respeitavel publico encon-
trara sempre variaco de gneros por procos e sempre das melbores e mais novas qualida-
des que venham ao mercado c por preco o mais barato que em outra parte :
Carne do sol verdadeira do Serido a. 280 Dita franceza.cm Larris a 540 e.
320
300
800
600
25400
45000
A5H00
45000
1.5800
25000
Toucinho de Lisboa arroba 9e libra,
tinguicas e presunto novos libra. .
Presuntos inglezes para flamLre a. .
Queijos do serto libra a .
Ditos do Reino a 1,5800, 2,J e cobertos
Cha hysson a 2*400 c .
Dito miudinbo muito superior a
Ditopreto a.....
Dito preto em macos a. .
Dito do Rio em latas a 1600,13800 e
Ancorlas com azeitonas novas a.15200
a garrafa e libra.
Gomma do Aracatv muito al va a libra
Tapioca oufarinba"do Maranhao alibra
Gomma mais baixa arroba 15800 c
libra......
Saceos com farinha igual a da trra.
Ditos com milho 2i cuias a
Ditos com farello a .
Ditos com arroz de casca.
Amendoas novas de casca mole a libra
Copos lapidados para agua duzia a
6*500 c para vinho. 35800
Ditos lisos duzia 15800 e 15200
Manteiga ingleza flor a 800 e
Dita mais abaixo a 720 c
560
Marraclada nova a libra. 640
Latas com peixe de escabeche 15000
Ditas com savel, salmao, salmonete e
outros......15000
Ditas de urna e meia de amcixas fran-
cezas.......15200
Ditas com massa de tomates a libra 640
Ditas com figos de comadre 4 libras a 15500
Ditas com ostras para frigideiras 800
Ditas com fructas portuguezas em calda 500
Duzia de latas de graxa 15200
Frascos com mustarda franceza. 480
Ditas com gene lira aromtica. 15000
Ditas com genebra verdadeira de Ilol-
landa a 640 e .880
Charutos ainda ha pechincha a caixa
de 500 a.....15' 00
Ditos finos sem furo de 35500, 25500 e 2*000
Vinhos do Porto caada 55 e 65 e gar-
rafa 640 e .800
Dito da Figucira fino caada 45800 e
garrafa.....640
Dito mais abaixo a 45 e 560
Dito de Lisboa a 35800 c .480
900 Dito branco de Lisboa earcavelos
640| c outros.....640
320
100
140
60
65000
55500
45500
450OO
280
i ATIERO.
Em resposta ao annnncio do Sr. Manoel Tavarcs
de Aquino declaro que anda pende de liquidacao,
Alm dos gneros annunciados lia muitosque deixam de se annunciar tudo da melhor
qualidade.
MUDABA.
O uacharcl Amaro Joaquim Fonseca de
Albuquerque reside na freguezia da Boa-
Vista travessa do Veras n. 15, onde pode
ser procurado para os mistares de sua
Drofissao das 9 as 10 horas da manhaa e
4 da tarde em (liante.
Mulla attenco.
O abaixo assignado vendo no Diario
ivtmbuai do hontein Io do corrente sobre
de Per-
o 11.199,
annuueiaudo a compra da taberna da ra larga do
Rosario 11... o annunciante faz sciente ao compra-
dor que o Sr. Joaquim Macicira de Oliveira nao
pode vender a mencionada taberna sem pagar o
ordenado de S niezes e 12 dias ao annunciante co-
mo seu eaixeiro o goal protesta haver do com-
prador. Reeife 2 do setembro de 1863.
____________Antonio Felippc Fernandos.
Precisa-se de um eaixeiro portugus para
lomar conta de urna taberna |>or balaneo, dando
l'ianca idnea a sua mdticta : a tratar 'no pateo
do Pilar n. 21.
Arrenda-se o engeobo Meio, na freguezia Ipojuca, distante deiya estacao 2 1|2 leguas, c do
porto I|2 legoa : tratara ra dalniperatriziiu
mero 32.
PROTEGCiO
Aluga-se a casa da estrada de Luiz do Rogo
n. 12, com bastantes commndos. quintal murado :
tambeni se aluga a casa da ra Augusta n. 54 : a
tratar na rna do Vigario, taberna de Joao Simad
de Almeida n. 14.
Oadvofado Joao (ionnihes B
l da Suva Keilarrojts ten o- sen ji
g|.^t*i'i|>(oi-io na 111* eslreila do J}
M Rosario n. 17, ou'le pode ser I
uronn-ado das ) horas da
i'iaa s ;j i;. larde.
PR9TEGCA0
Msicas para piano e canto, %S CfE ^^k\ Musias Para Pian0 e *.
de todas as forras e Jj30!m($kmmBmtO Af l,u]as as forC^
\ende-se baralissima para B vende-se baratissima para
acabar. ^^^^^^^^^^^^ acabar.
O XOVO EST iltl I I < llllvlll O
DE
Jos Gomes Villar na rna do Crespo n. 17, ciando o mais bem sorli-
d possivel espera merecer a protceco do publico em geral.
Cortes de la muito bellos
delicadissimos cortes de la com barras o melhor uue lem viudo a esta' provincia -
t^orgaudis de padrees delicados e muito finos a 400, a 210 e a 280 rs. o covado.
Las de quadros muito chiques a 320 rs, o covado.
Para imitas, temos.
0 rico vestido de bloudc com sua manta bonita e sua grinalda de muito gosto, te-
mos a cambraia de linbo para camisas, temos as saias bordadas, temos o espartilho, te-
mos o balo muito redondo e muito chiqne, temos os ricos corles de cambraia ricamente
bordados, temos o bramante belga para lencoes, temos a brclanba para camisas, temos
a selecta ou o esguio para os labjriulhos, temos as capas pretas a Luiz XIV, temos a eha-
pelina a Mara Pia com o seu veo muito chique, temos os entremeios largos ricamente bor-
dados como ninguem tem, proprios para enfeiles de roupas brancas. Assim como temos as
fazendas cima mencionadas e militas outras, que seria enfadonho mencionar.
Vio se esq mmfmm freguezes, at logo.
NOTCU NOTICIA NOTICIA.
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartees de visita
Cartoes de visita
CartSes de visita
Cartdes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
85000 a duzia
8*000 a duzia
8*000 a duzia
8*000 a duzia
8*000 a duzia
8*000 a duzia
8*000 a duzia
8*000 a duzia
8*000 a duzia
85000 a duzia
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Os abaixo assignado _
mente a sociedade que gynva mt
firma de Leandro A Mimada. nu&TZeLm
socio Augusto Hygino du Miranda lod r,
passivo de dita lirma. Reeife &
1863.Leandro Lopes Dias.Aagssto
Miranda.
liquidacao estao pe
nhorados Lens, cujo valor muito excedem a quan-
tia demandada, como sejam os constantes do do-
cumento abaixo.
E como esteja sufllcientemente garantida a exe-
cucao (guando mesmo seja vencedor dito Tavares
de Aquino) evidente que nao posso ser inhibido
de dispor de outros Lens que estao livres e deseni-
C0MP11S.
Compra-se 30,000 lijlos gresses de Loa marca, juntamente 11 travs t
prcta com 32 palmos de cranyiissJi: a
Largados, c acerca dos quaes nada tem execu- com ^os Carneiro da Cuiiha.___________
cao, assim como que.o annuncio alem de assentar Compram-se jornaes em base falsa, tem por lim privar-me do direito brulho a 3*840 a arroba : era Fra
gue incontestavelmente tenbo c de molestar-me, do Pilar n. 118 refinaeo
embora por modo inie s merece despreso.
Illm. Sr. Dr. juiz municipal da 2.' vara. Diz
Jos Jacintho Pavao gue por bem de seu direito
precisa gue o escrivao Athayde Ihe certifique gual
o valor da execu?o .movida por Manoel Tavares
de Aquino contra o supplicante. quaes os bens pe- Cbmpra-se eHectivaineDte ouro e psaSa em
nhorados, c se foi mandada liquidar parte da mes- obras vellias : napraca daIndcpenoVuciasv Sis-
ma pela ultima sentenca. E |icIo depoimento re- jade bilhetcs. ,
ceLer merc.
Como reguer. Recite 29 de agosto de 1863.
Araujo Barros.
Guilherme Augusto de Athayde, escrivao vitalicio
do juizo municipal do civel e crime da 2.' vara
Compra-se para urna encommtTa as
terrea nos bairros de Santo Antonio oa 9.
<|ucm ti ver dirija-so rna do Oueinudo a. 13, pri-
meiro andar, gue achara com guern r
VENDAS.
Precisa-se de urna ama
na ra Augusta n. 110.
para todo servico :
Aluga-se una boa casa terrea com bons com-
modos para grande familia, sita na ra do Poco da
Panella, perto do banho : a tratar com Frederico
Chaves, na ra da Imperatriz n. 19.
LOTERA
O thesoureiro das loteras desla provinl
ca, desejando extrahi-las em maior capita-
e com menores intervallos, ofierece a vanta-
gem de dous por cento quem comprar
para negocio, na quantiade 1005 para cima;
assim como se prope a establecer corres-
pondencias para qualquer localidade da pro-
vincia, remetiendo bilhetes, meios e listas,
sob llanca idnea; devendo o pagamento
delles ser feito logo que sejam recebidas as
listas e novos bilhetes remettidofe. 0 the-
soureiro certo da conveniencia des$e negocio,
convida aos Srs. eoramerciantes da Victoria,
! Goianna, Rio Formoso, Nazareth, gerinhaem
! e mais localidades populosas da provincia, e
mesmo os desta capital, que o quizerem, a
entenderem-se com elle, na thesouraria das
loteras, ra do Crespo n. 15: advertindo
que receber em pagamento e sem descont,
os bilhetes premiados de todas as loteras
da provincia recolhidos thesouraria da fa-
zenda provincial.
Thesouraria das loteras, 20 de tunho de
1863.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
nesta cidade do Recite de Pemambuoo por S. M. Vende-se urna escrava criolla de 15 a K
I. e C. o Senhor D. Pedro II a guern Dos guar- annos de idade, muito Lonita, csete ensjosssat
de etc. ao lado do Carino n. 1.__________
bom negocio.
Vende-se una laLerna com pfjos fund. e b-m
afreguezada na freguezia de S. Jo^, 0 laiiin m\
venda se dir ao comprador, tamben se da alta-
do a praso : guern a pretender diriia-se aa au.,
do Terco n. 12 que se dir. m,mm*
WOVO RIVAli
Loja de mntas
16 liua do Queinafe 16

Certifico vista dos autos de gue trata a pe-
ticao retro ; primeiro :Ter-se penhorado ao sup-
plicante Jos Jacintho Pavao, e a regucrimento de
Manoel Tavares de Aguino os Lens seguimos : um
escravo de notne Delphino, em urna casa de pedra
c cal na cidade de Olinda, sita na ra do Jogo da
Rola ; em una outra dita tambem de podra e cal,
sita na ra do Cabral; em um sobrado sito naquel-
le mesmo lugar, de um andar, de pedra e cal, da
ra dos Quatro Cantos; em nina casa terrea sita
na ra do Carino daquelle mesmo liiaar. tambem
de pedra e cal, leudo um grande quintal em abor-
to. Certifico mais, que a ultima sentenea profer
da pelo Dr. juiz municipal da 2.
do Reeife, nao manda proceder
manda que vao os autos ao u..
descreminar as quantias correspondentes ao preco ff ^ '''a,".'a PKP ^
do escravo, as visitas de mdicos que o trataram,'
medicamentos que Ihe deram e enterro que Ihe
2.' vara desta cidade T^ouias diversas a 20, io. 80 e I20r*.
er a liquidar-i* e sim Massinlios com 27 granpos surtidos a 30 r*.
contador para este f,"as e conl,> pan enfiar espartilho a 60 rs.
partilho a W rs.
OOri, *
Ditas de tranca branca e de caracol a 80 e Mtv.
fizeram, e bem assim das cusas. 0 referido ver- j'!,as de "aii'.a assela h ,| a6* e U1$ rs.
dade e aos proprios autos me reporto. Cidade do ,,las com i:i vaiasde franja |>ara eorUaa4a a?*
Reeife de Pernambuco 29 de agosto de 1863. fj(,as com -''' varas d'" babados largos a '
Subscrevo e assigno. Em f de verdade. "ltAS com varas de laLyrintho lino
O escrivao >1,lUls COffi *' vara= de Lico adamascado i
Guilherme Aiu/usto'de Athayde. D|Iascom 10 varas de bico> e resillas a
15200.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado na ra
estreita do Rosario n. 22 : a fallar na ra da Pe-
nha n. 5.
<,: :
urna parda
mero 17.
BB-se pera ama de lerie, lendo-o muito,'
na roa da Caixa d'Agua casa nu-
^abaixo assignado faz saber ao respeitavel
corps do eacamereio que lem justo e contratado a
eonspra .. taberna da ra larga do Rosario n. 31,
l"H ('me ao Sr. Joaquim Macicira de Oliveira,
eportanti pede aos credores que ainda se julga-
remeora djreitoa mesma apresentarem suas con-
tas no prazo.de 3 dias acontar da piililicaeao dcs-
te. Reeife ''', :, agosto de i8(:t.
Joao Manoel da Caoba Araujo.
0 babu assignado, lendo em o Uiurio de
1I0 corrente um edital do Dr. juiz do eouimer-
>'o para aarramatacSo da casa n. 27 da ra da
Gloria e do litio ao lugar Baixa-Verde da Capun-
-.1. como perlej.'vntes a Joao Duarte Maginario,
vem declarar ao publico que nestes bens lia partos
que perteneem /-blonio Horges Uehoa, comolier-
ueiro de seu finado pai, oque se achara livres e
desembaracados de qualqaer onus, como os ttulos
que existem era sOAJioder, e ipie foram passados
pelo Sr. Dr. jiizde .crpbaos. Reeife 29 de agosto
de 1863.Antonio Pedro Martins.
Aluga-se urna casa terrea na ra da Solcda-
de 11. 32, com 2 salas '' quartos, eosinha fora e
(fuario para esenavos 1 estribara, com grande
lurtal todo murado, ba eacimba e com difiran-
les arvoredos ; qw m a pretender ontenda-se com
Jos Antones Guimaraes 1 procuraras chaves na
1.1 do Crespo n. 25, loja do Sr. liamos.
Precisa-so do itiicai jjtiea de taberna e *! Dador de sua couduta : na
''ssadoQucimadosi. I.
II
oao da Silva Ramos, medic pola l'iu-
v.'isidado deCoimbca, da-consultas en
-.i casa, m roa Sovt n. 1(0,.das 8 as 10
herai da manhaa, e da* 4-sBda tarde, e
reeobe egualmente convites para dentro
00 lora da cidade, com hn de se encar-
fvijia^ de qualeuer senfeo de suajirolls-
P Alugani se 3 quartos e urna saleta aoiairro
da JJoa-Vista,.com coinmodos para jiessoas -sol^i-
ras, ton agua e quintal, Ludo por muito couucode
preee ; a tratar na ra dos Pires il 5.
OPauOOtt BASTOS
Pode ser procurado das 7 s 10 horas da
manhaa e das i da tarde em dianle no
Das 111 da manhaa z i da (arde
W.IH lina la Cruz X. IM
Cura radical e em poucos dias as mo-
lestias syphiliticas e as do apparelho ge-
nito urinario.
ZAMORA.
DRAMA HISTRICO PELO DR. THEBERGE, NO
QUAL NAO INTERVEN PERSONAGEM
FEMENINA.
Na ra Nova n. 11 vende-se a l-jooo o
exemplar.
Tinge-se
cor, e
Rangel
TINTURARA.
com perfeico para qualquer
o mais barato possivel: na ra do
n. 38, segundo andar.
ALVI9ARAS A NOVIDADE
Sao chegados loja das column
na ra do Crospoj^.| le Antoji(>
CnrPSa d*4^^sells.!rc^iic|is-
simos cortes de la muito fina com
barras estampadas e matisadas Im-
peratriz Eugenia, cores as mais deli-
cadas como sejam: cor de-ganga, de
lyrio, cinza etc., fazenda fnteiramen-
te nova e nunca vista em Pernam-
buco.
Mf\
Advoeacia.
O bacharel Jos Ladislao Pereira da Silva conti-
na a advogar nos auditorios desta cidade, e pode
ser procurado na ra do Queimado n. 10, primei-
ro andar, das 9 horas da manhaa s 3 da tarde; e
desta hora em diante era casa de sua residencia na
ra do Imperador 11. .
Aluga-se a casa n. 7o defronte do viveirodo
Muniz propria para negocio e com commodos para
familia : a tratar na mesma ra n. 33 padaria.
Aluga-se o sitio da ra da Esperanza n. 71,
com boa casa, duas cacimbas, alguns arvoredos de
fructos : a tratar no sitio gue faz outra esquina.
< s; jX JSJR JSQVQVDVL _
Alugam-se a loja do sobrado n. 193, e arma-
zem 171 da ra Imperial o armazem n. 4 da ra'
do Apollo, e a casa n. 27 da ra do Rurgos: na
' 11 a da Aurora n. 36.
)|Olj!gl
i Couipauhla flilelidade I
seguros martimos e ter-
restres esta bel < Ida no
Kio de .V:iaciro.
A(.NTES EM PEl'XAMBLCO
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo i C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companliia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercade-
ras e predios no seu escriptorio ra da
Cruz n. 1.
Contina a estar para alngar a casa n. 72 da
ra Imperial : a fallar com Jos Dias da Silva na '
ra do Imperador, sobrado n. 2, entrada pela ra
de S. Francisco, tendo a casa muitos commodos.
Precisa-se de um homem gue entend per-'
feitamente de trabalho d refinaeao : na ra da
Concordia n. 8.
Ditas com 10 varas de bicos pretos a U
Ditas cora 10 varas de tifa de velludo ce
a 14200.
Ditas com lo varas de fita de reirot a 240 r?
Ditas de lita de seda de cores a WO rs.
Luvas de seda bordadas a 600 e 1-5
Ditas de montara a tioo o l
Cartoes de colxeles a 40. 60. 80 e 100 rs.
Caixhihas de dito a 20, 40, 60 e 80 rs.
Pontcs de atar cabello a 40, 160 e V) rs.
1 Atacadores de cornalina para palelot a 240 rs.
------------------------------------------------------ O lavas de retroz preto e de cores a 160 rs.
Conten ler. Paneta de afofln de fundo d O abaixo assignado, morador no Aracatv, pede ns. 6, 7, 8,9,10, 11, 12,13,14 e Id a 100 rs.
ao Sr. L B. do R., residente nesta cidade, 'gue vi Crozas de botos de porcelana pintados a 120 rs.
pagar na ra do Vigario a guantia (jue Ihe est Crozas de botoes de dura.pi.- preto a 400 n.
devendo, e gue ficou de pagar al o meado de Sntures elsticos para horoera a 400 rs.
abril, ao contrario publicar seu nome por exten- Suspensorios com e sem elstico a 120 e 480 rs.
so, e as circumstancias aggravantes gue deram lu- Calcadeiras de chifre a 120 rs.
gar a tal debito, e a conducta reprovada do dito Caixnhas de lamparinas para 6 metes a 80 rs.
senhor. Duzas de caixnhas de phosphoros a ICO rs.
Duzias de facas e garlos a :;.
Resmas de paj>el almaco a 2OO e :l*.
Caixnhas com 100 envelopes a 800o 1-5
l'.aixiubas com pcuiias superiores a aw IJSW.
Caixnhas de obreias de colla a 80 e 120 rs.
Frasguinhos com tinta azul e encarnada a 240 n.
Lapis azul c encarnado a 120 rs.
Duzias de lapis de pao a 80 e 120 rs.
Duzias de canudos de pomada do reino a 280 r*.
Macos eom 20 papis de palito- lixados ,1 2*' r-
Esc'ovas para denles a 160 e 400 rs.
No armazem de fazendas bu ra-
tas de Santos Coelhn
i
AMA
Precisa-se de urna ama de leite gue nao tenha
filhos : na ra Nova n. 47. loja.
Aluga-se a loja de tres portas na ra do Ca-
bug n. 2 A : os pretendemos podem procurar as
chaves na mesma ra, loja 11. i, gue acharao com
guem tratar.
0 abaixo assignado declara gue deixou de
ser eaixeiro de Custodio, Carvalho & C. desde o
dia 27 do corrente mez.
______Henrigue Cecilio Brrelo de Almeida.
3--RIA ESTREITA
Francisco Pipo Ozorio contina a col-
locar denles artificiaos tanto por meio de
molas como pela pressao do ar, nao re-
cebe paga alguma sem gue as obras nao
figuem a vontade de seus donos, tem pos
e outras preparaeocs as mais acreditadas
para conservacao da bocea.
Aluga-se urna casa na ra da Esperanoa (Ca-
niinbo Novo) n. 2. com 4 (piarlos, 2 salas, corredor
separado, eosinha fra, quintal murado com ca-
cimba, pintada c caiada : a tratar na ra do ila-
bug n. 11. ___________________
Precisa-se alngar um preto ainda gue seja de
meia idade: na Capunga, taberna ao p da pa-
daria
Mater aes
Cuidados graudes.
O Sr. Manoel Jos Joaquim Saldanba, subdito
portuguez, gueira tor a bondade de comparecer na' ritas,
ra Dircita n. 43, a negociode muito seu interesse,
e igualmente roga--e as pessoas gue o conhecem, '
e sendo-lhes possivel,- dar parle na referida casa, 1
por o dito ser novato nesta provincia, e ter desap-'
parecido desde o dia 7 de junho deste nno da casa'
do seu recommeiidado Duarte Antonio Serva.
Ainda est para alugar-se o sobrado na ra
dos Coelhos n. 10, onde moraram os padres lasa-
A luyase
una easa terrea sila na ra da Palma
n. oO, com 2 salas, 2 quartos, eosinha
fra e quintal grande : tratar nolar-
$0 do Carmo 11 18, segundo andar.
Alngam^e-o segundo e terceiro andares da
casa ^ia na ra Sova n. 21 : a tratar no segundo
andar da casa 11 f.t.do mito. _________ '
Prisa-se. alujar annualmente ou jwr festa
um sitio desde a Pinte de Ucba at o Poco da
Panella, com alguiuas.accommodacoes, c .jue seja
peno de rio .correlc : .a tratar com Antonio Jos
Rodrjjue d<-^ Soti, na ra do Crespo n. i5.
Aluga-se casa terrea n. 161 da rna Iiape-
rial, com commodos para familia, eoznJia fra,
.uinlal c cacimba : a tratar na na estreita do Ro-
sario n. 16.
Achando-se o club commercial rehabilitado a
dar as suas partidas mensaes, a do corrente mez
tora lugar na noite dodia 6.
Precisa-se de um Portuguez de 12 a 16 an-
nos de idade, e gue tenha alguma pratica de ta-
berna : a tralar na travessa das Cruzesn. 6.
BAMCO I \ I %0
ESTABELECLDO XA CIDADE DO PORTO
Agentes cm Pernambuco
Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & c.
Sacam por todos os pageles sobre o
mesmo banco prazo ou vista, sobre a
caixa filial em Lisboa, e agencias cm Fi-
gucira, Coimbra, Aveiro, Vizeu, Villa-
Real, Regoa, Vianna de Castello, Guima-
raes, Barccllos, Lamego, Covilha, Braga,
Penafiel, Braganca, Amarante, Angra,
Ilha da Terceira, Ilha de Faias, Ilha da
Madeira, Villa do Conde, Valenca, Bastos,
Oliveira de Azemeis, Chaves e Fafe, a
oito dias vista 011 ao praz gue se conven-
cionar,no seu escriptorio ra da Cruz
n. 1.
AOVA OHI'IIHItIV
A 184 VIA IA
Ra larga do Rosario esquina paca a do Queimado
numero 37.
' prop ij-;n o do conheeido hotul /rovador, ac-
"-dendo ao pedido de alguns seus amigos e fre-
guezesj que, p..>r suas posieoes e seriedade nao
gueriam tomar parte na gera'ieoncurrencia de seu
hotel, resolveu aproveitar o cxcellente sobrado em
rjuc funecionou a sociedade Corybantina /} nelle
.'stabelecer una hospedara, comaeoiado -servico,
buhares para disiracoao e lunch pre?os raza-
vels. A oondeao da escolha de? freguezes para
dita hospedara, a vari.idade de arti^p* de comida
i bebida sempre nelle encontrados, a restrya em
i)iio esiaro os coneurrenlos da freguezia de ou-
iros de condico, por ventura inferior.e a fiy-senra
sme em dita hospedara sempre se experimenta,
sao seguras garautias rar as honrosas visitas da classe mais acelada 'da
nossa sociedade jovem e alegre. Sob estes aus-
picios o proprietario da hospedara Traviata es-
pera acoadiuvacaodeseus amigos generosos para
darem sabida, mediante preco mdico, charu-
tos de Ha vana, licores inglezes e francexei.eerve-
ja branca e preta, queijos de prato, londrino e suis-
so, doces estrangeiros c nacionaes, e, em runa pa-
lavra a todos os gneros de que est sonido, pro-
prios a um lunch variado, apetitosa e barato.
O proprietario da muito acreditada refinaeao da
ra D-eita n. 10 faz publieo aos seus numerosos
freguezes que modifica os procos dos seu assuca-
res pela maneira seguinte : assuear retinado fino
primeira ualidade a 45160, ato segunda dita a
Para passar a festa.
Aluga-se um sitio com boa casa de morada
margem do ro Capibanbe, situado na Capunga.,
perfencente oufrora ao finado Joo Leite (le Aze-
vedo : quera o pretender, dirija-so ao armazem de
assuear de Jos da Silva Loyo & C.
Xo prineipio da estrada de Joao de Barros
aluga-se um grande sitio com sobrado, e muitos
arvoredos de fructo, com aqueiras, mangueiras,
cajueiros, cogueiros, sapuz^iros, larangeiras, ca-
Eim, e umitas outras vantagens alem de agua para
eber; o sobrado est perfeitamtnte limpo e for-
radas as salas o guartos de papel, com banheiro
dentro de casa e canos que conduzeui agua para o
banheiro, estribara., e coziuha, lendo commodos
para carro, cavallos.e criados, emlim urna perfeita
morada para guem quer tirar proveito, e tem tra-
tamento : a tratar com Guimaraes $ Alcoforado,
.mi ra do A mor m n. 5i, das 8 s 5 horas da
ta.'de. _______ ________
_ Campos A Lima pedem aos senhores seus
credores 4ue ainda nao apresentaram suas letras
para reoeberem a importancia devida, que se dig-
nem de o aaer at o ala 3 de setembro, sendo que
no dia gec-ite recolhero ao deposito o gue del
xarem de .saibjfazer por falta daquella apresen-
tacao.
Aluga-se a loja n. 4 da ra Xova, muito pro-
pria para gualguer estabelecimento, tambem ven-
da-sc a armco a moderna, com vidracas, nm es-
pcllio, etc.: a tratar no Mondego, na casa do fina-
do coramendador Luiz Gomes Ferreira, ou ra
do Imperador, armazem delouca n. 41.
Aluga-*e o segundo andar do sob rado na ra
da Senzala Xova n. 42, com bastantes commodos
para familia : a tratar na mesma.
o n. 29.
Nora loja dos barateaos, na do Queimado.
Las de uluino gosto, covado a' 440 rs.; organ-
di de padrees lindissimos, varas a 800 rs.; ba-
ldes de arcos o melhor possivel, a 3500, 45 e 5 ;
alpaga de linho para vestidos, covado a 240 rs.;
cambraias de cores para vestido, covado a 280 rs.;
cambrajela muito tina, peca de 12 jardas a 7 ;
cassa lisa pclle de ovo, peca de 12 jardas a 7o00.
Aon.'29.
JVora loja dos barataros, ra do Queimado.
Paletots de merino setim, fazenda de custo de
205 por 105 ; ditos de alpaca preto a 35200; brm
branco lona, vara a 640; brim de cores para cal-
ca, covado a 480 rs.; camisas com peitos de fustao,
a 15600; chapeos de sol de alpaca, a 35500.
Ao n. 29.
Nova loja dos barateiros, ra do Queimado.
Para acabar*
Casas vasias.
Alugam-se guatro moradas de casas, agora aca-
badas, promptas, pintadas, no melhor lugar da Ca-
punga, na primeira entrada antes de chegar a S.
I Jos do Manguinho, proprias para passar a festa,
'' com varios commodos, guintaes murados, poco de
! agua de beber : a trafar no mesmo lugar com
I Bernardino Jos Letao n. 19. Bem como um so-
brado de um andar e sotao na travessa dos Quar-
teis n. 35, e um outro na travessa da Bomba, e urna
casa terrea na ra Dircita dos Afogados n. 3o,
propria para padaria por j ter servido disso e
ainda se adiar com o forno, guintal murado, ca-
cimba s, porto para a estacao, e urna mei-agua
a ra dos Afogados n. 22 : a tratar com o mesmo
cima.
CASA DE SAUDE
. Em Sanio Amaro
Do Dr. Silva Ramos.
nico estabelecimento desta natureza
gue existe entre nos, montado do modo
gue jiode com todo o commodo e zelo tra-
tar qualquer doente, que nella seja reco-
lhido.
O edificio magestoso e conserva-se
em perfeito estado de limpeza e conve-
nientemente mobiliado.
Os docntes sao separados, segundo os
sexos, natureza das molestias e condieoes
sociaes.
Ha quartos fortificados para os aliena-
dos, e urna enfermara para as partu-
rientes.
O proprietario enearrega-se de qual-
quer operaeo.
O estabeleeimcnto franqueado qual-
quer pessoa que o gueira visitar.
Primeira classe 35000diarios.
Segunda dita.... 25500 >
Terceira dita.... 25000
Para gue gualquer doente sejaali rece-
blo, basta gue se mande o nome do doen-
te e da pcssoa que o reraette, com a de-
claraeo da morada.
0 proprietario aceita contratos animaos
com gualguer que queira ter um ou mais
leitos sua disposicao.
Bota-se rea a 15280, sendo em todas as mareis
e sendo s em mareis grandes, e para entrar en
oambas a 15600, canoas de milheiro para cima, e
vende-se tijolo de alvenaria grossa a 185 o milhei-
ro, posto no porto, e carrega-se tijolo dos Remedios
ate a ponte provisoria a 35 o milheiro, e do Giqui
a 35 at a ponte da Boa-Vista, ficando o dono su-
icito ao descarrego : quem precisar, dirija-se
ra Dircita dos Afogados n. 13. Xa mesma casa
vende-se una canoa propria para (-arrogar de 300
a 330 feixes de capim.
Precisa-se fallar ao Sr. Jos Flix R-
beiro de Carvalho, que mora no pateo do
Paraizo, nesta typjgraphia.
Aluga-se o segundo andar e soto n. 37 da
ra do Imperador, c o primeiro e segundo andares
do sobrado n. 39 na mesma ra ; qualquer delles
tem commodos para familia : a tralar na ra do
Imperador, armazem n. 41.
Um homem portuguez, casado com pouca fa-
milia, offerece-se para ser eaixeiro ou administra-
dor de alguip engenho, sendo perto da praca : a
pes->oa que-ahriuneia sabe bem Mr e escrevr, e
muito conheeido nesta cidade, onde reside ha 2o
annos : quem precisar annuncie.
Pas>amento de festa por pouco
Milheiro.
Aluga-se o cxcellenlo sobrado da entrada do
Monteiro, cora grandes commodos para duas fami-
lias, e aluga-se por pouco dinheiro : quem preci-
sar, approveite em quanto tempo : a tratar na
ra do Vigario n. 8 com Cosme Jos dos Santos
Callado.
i ottcttOt nscfnv naEnttB aavtiatfcs
[^H5SBS50R JB89B HWBsS
ttaqnes sobre Portugal, jjg
O abaixo assignado, agente do banco Sj
mercantil Portuense nesta cidade, saca ef- gg
feo ti vamente por todos os paquetes sobre 1
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
gualguer somma, vista e a prazo, po-
dendo logo os sages a prazo serem des-
contados no mesmo banco, na razao de 4
por cento ao anno aos portadores gue as-
sim Ihe convier : as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaguim da Silva Castro.
lina do Queimado
Vende-se n sopuinb-
t'.olwlas de rhilm
da India pelo tralo preco do 24.
Lrafcs
do panno de linho a 25.
Lencos do bramante
de linho fino de 11111 -o panno pelo laratmnaa
preco de 3J.
I na llias aloM-buadas
para nes pelo barato pro.'. d>- a duzia.
Vcslidi.iliM de snk
para menina pelo baralissimo prern .1. '.';
Lrarws ir seda
para algibeira pelo haMo mam .! IV
Ricas saias ir fasla*
pelo barato preco de 35300.
lmeos rrassa
linksjnios proprios para algibeira pe
preco do 25 o 25400 a dmnm
fortes ir talca
de ganga amarella .lo lista .- (piadros pea
ttsnmo preen de IJJflWa ron.-.
Pecas de madasalM
fino largo pelo baralissimo preco dv 85
Pecas de brrtaiaa
de rolo com Id varas pelo barato proco de
Peras dr rmaara
de salpicos fina com 8 li2 varas in*Io larat
dci.
AI nal ha I lu de lia**
com X palmos de largura paparle (ara foaJaa sTe-
mesa pelo barato proco d- 25500 a vara.
Bnp
de lindos gostos pelo barato praeo do 440 r. o co-
vado.
Estrira da ladia
propria para forro de >ala de 4, 5 e 6 patatos de
largura.
paji
SSUH&V2S fittfififli
Chc-gou no grande armazem da anr-xa brsaan-
te no largo da Santa Cniz n. 84. nova renmsa boas macaos, em caixas e a relalho.__________
t|iiem nao rosnprar.
Ricas chapelinhas de seda muito bem enfnta-
das e bellos gostos para s.-nhor.i. pela Ierra parte
do seu valor : na ra do Queimado. !<>ja a. 41
\&3?
Francisco Gomes de Mattos Jnior, tendo em
: fevereiro deste anno deixado na gerencia de sua
casa commercial a seu filho como seu procurador,
!! e entrando de novo na posse della, julga nada de-
ver; entretanto roga encarecidamente a guem
quer que sejulgueseu credor tanto por negocios
anteriores como posteriores sua sabida desta pro-
j vinc.ia, que compareca inmediatamente em seu
' estabelecimento na ra larga do Rosario n. 24, pa-
! 1 ra ser pago.
LIQ 0 E S
DE
PARTIDAS DOBRADAS
Bicos preto de linho, vara a UO, 160, 240 e 320
rs.; ricas franjas e trancas pretas e de cores, vara
a 120,160 e 200 rs.; trancas gal&es de la e de
algodo, peeas de 10 e 15 varas, a 200 e 400 rs.;
roco fino e grosso, peca a 160 rs.; vestidnhos de
cambraia bordados, para baptismo, a 25.
DENTISTA DE PARS
i9Ra Nova -i9
Frederico Gautier, cirurgio dentista
faz todas as operacSes de sua arte, c col-
loca dentes artificiaes, tudo com superio-
ridade e perfeico, que as pessoas enten-
didas Ihe reconhecem.
Tem agua e pos dentificio.
Ra do Qucimdi 11.
Chegaram loja de Augusto Porto rifas
pretas de seda bordadas eenfeitadas para
santo-embarques dos melbores gostos. e
de soda pretos, ptimamente enlatado,
se vende por prego qne agrada.
rapa
\ende-se una bonita esrrava, prrteiuea-
gommadeira, cozinheira. lava roana de harreb.
nao tem vicios nem acliaguos. vende-sr per
cisao : na ruado Queimado n. t, segnndoaa
lietratos,
Xa loja da Aurora n. 38. roa larga do I
vendem-se riguissimos retratos natural da S.
M. I. o Senhor D. Pedro II e de S. M. La!
D. Thercza, e do arcebispo o Sr. D.
preco commodo.______
Vende-se urna casa de pedra e ral, ato na
Cabanga : guem guizer comprar, dirija-se a rna
Imperial n. 110. .
IKiniITKl
TRES VEZES POR SEMANA
TERCAS, QUINTAS E SABBADOS
DAS 7 S 9 BOBAS DA N01TB
Preco 10,000 rs. mensaes pagos adianiados.
Manuel Fonseea de Medelros,
contina a dar licoes das referidas materias no! rio r M, farondo'^
primeiro andar do sobrado da ra Nova, que taz, ella j por si tem, como bem seja, muita freguezi.1
esguina para a Umboa do Carmo, onde trabalha o de que dispoe das provincias do norte, Cear, Rio
br. h. badault. As pessoas a guem o prestimo do Grande, Parahiba ePiauhy, excellente localidade
annunciante puder aproveitardignem-seprocura-lo em urna das ras mais proprias, e poucos fundos :
ah smento nes das e horas cima designadas. os pretendentes dirijam-se a mencionada casa,
Yenda de loja de ouro.
Francisco Bornes de Mattos Jnior vendo muito
em conta a sua loja de ouro na ra larga do Rosa-
Vende-se urna excellente vacca parida, a
preco razoavrl: na taberna do Andr.
zilhda de Bellem._____________________
Frascos para deposiar np.
Vendem-se na roa da Cadeia, na toja do Sr.
da Cnnha Magalhes n. 51, e na toja de
Fernandes da Cuflha n. 44, por preco
Vende-se una cscrava de bonita Afora
feita engommadeira e cosinheira e lava
varrela, nao tem vicios nem achaques,
por precisad : na ra do Queimado a. 4,
andar.
^-Vendc-se a armacao da toja a. 40 da 1
va, envidracada e em muito bom estada :
na menma loja.
caite Lista |X
Ra do Trapiche n. 9,
: ILEGVEL m-


Mario de Pernambueo Quarta felra de etenibro de 18G.
)

NOVA EXPOSIQKO
na loja do Pavo, de fazendas bara-
CASEMIRASINGLEZAS
oi,700 rs, o corte.
Vendcra-se cortes de easemiras escuras para
tissimas. calca, pelo barato preco de 14700, tambem se von-
I dem das mesmas a 480 rs. o covado, proprias para
Neste estabelecimento acha-se constante-'^^ e ft!"e,es(.'net5- >s n\ioi ^P^ na
mente um grande sortimento de fazendas i 5a Imperatru n. 60, de Gama & S.lva.
de gosto e do primeira necessidade, sendo np AltfnF PrrUTWpiI A
tanto proprias para a praca, como para o
mato ; de todas as fazendas do-se livros de
amostras, deixando ficar penhor, ou man-
dam-se levar em casa das familias pelos ca-
xeiros da loja do Pavao.
LSas com 8 palmos de largura,
na loja do Pavao.
Vendem-se lazinha entestada propria para
vestidos, com 8 palmos de largura, sendo
fazenda mais moderna que tem vindo ao
- mercado pelo baratissimo preco de i #600 o
covado: s na ra da Imperatriz n. 60, loja
do PavSo.
Cassas a 900 rs. o corado.
Vendem-sc cassas francezas de padroes
miudinhos e. cores fixas pelo barato preco de
200 rs. o covado; ditas finas a 340 e 320
rs. o covado: s" na ra da Imperatriz n. 60,
loja do PavSo.
Organdy, a S40 rs. o covado,
na loja do PavSo.
Vendem-se organdy de cores matisado, fa-
zenda que val muito mais dinheiro, pelo ba-
rato pre?o de 240 rs. o covado ou 400 rs. a
vara: s na ra da Imperatriz n. 60, loja
do Pavo.
O Pavo vende os modernos ves-
tidos lialo.
com barras Maria Pia, sendo os mais
modernos que que tem vindo ao mercado,
com a saia de urn s panno, tendo bastante
fazenda para o corpo, e vende-se pelo barato
preco de 3#500 cada um: esta pechincha
s existe na ra da Imperatriz n. 60, loja e
armazem do Pavo.
Nova pechincha de laas entesta-
das a too rs. o covado.
S o Pavo.
Vendem-sc laazinhas enfestadas transparentes
com delidados padroes sendo de urna s cor com
lisras e quadrinhos e veudem-se a 400 rs. o cova-
do : na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de
Gama & Silva.
Cortes de cambrala, a 2500.
na loja do Pavo.
Vendem-se cortes de cambraia nrancos com
tobados, a 24500; ditos, a 4$; ditos com
barras e babados de seda, a 3$, 3j$500 e 4)9;
s na ra da Imperatriz n. 60, loja e arma-
zem do Pavo.
Cortes de cambraia chlneza, a
4$, na loja do Pavo.
Vendem-se ricos cortes de cambraia chine-
la, os mais modernos que tem chegado, sen-
do brancas com lindissimos padroes, pelo ba-
rato preco de 45 cada corte, tendo bastante
fazenda para um vestido: isto s na ra da
Imperatriz n. 60, loja c armazem do Pavo.
Baldes a 3500, s o Pavo.
Vendem-sc baloes americanos que sao os
melhores, tendo 20 arcos, a 3^500; ditos
de 30, a 45500; ditos de 40, a 54; ditos
de bramante, a 35500 e 45; ditos para me-
ninas, a 25 c a 35: s na roa da Impera-
triz n. 60, loja c armazem do Pavao.
Cortes de chita, a 3$500, na
loja do Pavo.
Vendem-se cortes de chita com 12 I|2 co-
vados cada um, a 25500; ditos com 10 cova-
dos, a 25; cortes de eassa miudinha de co-
res fixas com lOcovados, a 25; ditos de
organdy mathisado com 10 covados, a
25400: snarua da Imperatriz n. 60, loja
do Pavao.
SEJJI &EGITOTHI.
QTJINQUILHARIAS.
Ruado Queimado, ns. 49 e 85, lojas de
Jos Bigodinho^queiram ver ver as fazendas
que abaixo annuncio, pois todas eu garanto
que sao muito novas e bara tissimas.
Pecas de trancas de algodo de to-
das as cores a.......
Vende o pavo, organdys a 360 rs.
Vende-se nissimo organdvs matizado com os
mais delicados padroes miudinhos com assentos ^uzias de Imnas com 200 jardas, A-
brancos, sendo neste artigo o mais moderno que lexandre, a.....'
existe no mercado, sendo fazenda que semprc se Carritel de qualquer numero ,
vended a I5200 a vara, e presentemente vende-se Varna Ao aanae nara hais,
a 360 rs. o covado: s na ra da Imperatriz u. 60, i?.' as asPas Para Dald0.
Caixas com superior obreas a
loja do pavao, de Gama & Silva.
CHITAN ESCURAS
Ditas de colla
Pares de botoes de punho a .
o 2,200 e 2,610 rs., s o pavo. ares de sapatosde trancar .
Vendem-se cortes de chitas com padroes escu- Ditos muito superiores, a .
ros, tendo 10 t/2 covados a 25200, e com 12 1/2 Caixas e pacotes de papel amisade de
covados a 25610, 6 pechincha e vende-se por este
prego em razao dos corles serem cm mais de um
pedaeo : s ha loja do pavao, ra da Imperatriz
n. 60, de Gafha & lva.
Laazinhas a SOO rs. o covado.
Xa loja do Pavo.
Vende-se laazinhas de cordozinho de urna s
cor, sendo azul claro, azul escuro, ferrete, cor de
caf claro e escuro, alvadio, roxinhas proprias pa-
ra luto, sendo fazenda que val muito mais dinhei-
ro vende-se pelo diminuto preco de 200 rs. : s na
loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Os manguitos e gollnhas do
Pavo.
pechincha, a 320 e a 400 rs.
Vendem-se golinhas de fil, bordadas, a
400 rs.; ditas de cambraia, a 320 rs.; cal- j
cinhas para meninas, a 500 rs.; manguitos, I
a 500 rs.; manguitos com golinha, a 800
reis; manguitos de cambraia, a 320 rs.: s
na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
80
15100
100
80
40
40
120
15280
15600
600
cores a. ...... .
Duzia de meias muito finas para se-
nhora a........35500
Du/.ia de dilas cruas para liomem a 2*400
Ifaralhos muito finos para voltarete a 300
Carriteis de linha com 100 jardas a
Cartoes de linha branca e de cores a
Novellos de linha com 400 jardas a
Ditos muito grandes com 800 jar-
das a .......
Cartoes de linha com 200 jardas (est
se acabando (a......
Vara de fita prela com colxetes para
vestido, e tem um resto parda a
30
20
60
120
60
100
Um
confeito e especifico para
expellir os Vermes.
Ohjectos de tintura e msica.
Na ra do Queimado, ns. 49 e 55, est
queimando tudo pelos precos abaixo decla-
rados, e prestem toda a attenco para ver
oque bom e bara lo.
Duzia de facas egarfos muito finos a 25500
Dita dita dita de cabo preto muito
finas a.........35200
Dita dita dita de balanco, melhor.a 55500
Tesouras para costura, muito fi-
nas a .........400
Ditas ditas para unhas, muito finas a 400
Cartas de alfinetes de ferro a 80
Ditas ditos de lato muito tinosa 40
Ditas de dito grandes.....120
BAJLIiE
Attenco ?
Posto que domine no cora-
Co do BALIZA a mais bem en-
tendida ambico de tirar de
seu negocio as melhores van-
tagens, com tudo elle nao pro-
cura fazer fortuna venciendo
gato por lebre;
Quando nao se negocia aca-
nhadamente, est bem ao alcan-
ce de todos a facilidade de fa
zer-se boas compras, para ven-
derle barato.
I^elain todo*.
Ao armazem do BALIZ \ p<
dem ser devolvidos qua-y|iiT
gneros qne por ventura nao
sejam do contento dos sculio-
res compradores. Rio ti a
resentimento aljuin mi m tc-
ear por outro, ou restituir-se
o dinheiro rc.vbidn.
Manter a todo o cus" <> :> iti dito, e agradar an
migoe e fregucwa, tet i
desojo do proprietari" '
estabetecimento.
LEDE! LEDE LEDE?
isilias Vmiiiiips
DE KEMP.
Os meninos s pedem gritns, porque
ellas sao de chebo, sabor e cor aerada-
. 'O
veis. A elegancia, a segnridade de ac-
co, o inoftensivo das
Pastilhas Vermfugas de Kemp
A P\R DA SUA
Coiuposi^iio exclusivamente Vegetal,
sao estas pois as anas melhores e mais
completas de todas as recommcndaces
que se pansa fazer e com justa razo as
collocSo Jia categora d'um favorito uni-
versid.
A snperordade das
Pastilhas de Kemp
eobre todas as preparaeee destinadas
para o niesnio lim 6 devido sua sim-
ples coinposicao o seu aroma agrada-
vel e rapidez e infallibilidade com
qHe alcauya a destruieo total das
LOMBRIGAS.
Caixas de phophoros de pao
Grosa de ditos do gaz a .
Duzia de dito dito a .
Masaos de palitos para dentes a .
Livros para meninos lodos cheios de
calungas a.......
Abotoaduras para coletes a .
Escovas para roupa.muito finas a 400,
500 e.........
40
25200
200
160
320
ICO
800
PECHINCHA.
Perfumara de superior qiuilidade.
0 rival sem segundo, ra'do Queimado,
ns. 49 e 55, est disposto a vender mais ba-
rato que nunca vendeu, para o que queiram
ver :
Duzia de sabonelcs finos a .
Sabonete inglez, o melhor, a .
Frascos com agua de Colonia muito
fina a......., .
Ditos de dita grande a ..
Ditos do Lavande ambreado, o me-
lhor, a........
Ditos de macaca oleo muito bom a
i Ditos petla muito superior a .
; Ditos de oleo de babosa a 240, 320.
400 e.........
Ditos de banha branca a .
ttenipre a frente do progresso.
Constante marcha o BALIZA.
Tem por norte o bem commiim.
A verdade por divisa.
I1BE
3
DO
li;
Largo do Lirranifnln ns. 38 e 38 %
Defroute da frade da igreja
AO RESPEITAVEL PUBLICO
Senhores e senhoras
O incansavel proprietarie do grande armazem do Baliza toma a
jj .(kxiiarar do alto da imprensa pernambucana, quy elle perfeitamente liberal e
5 benvolos freguezes as melbores qualidades dos mais bem .-scoibidos gneros, na<
lill.'lililli.' 1 r |!
ni oflerecer .1 1
(o s do paiz o)iiv> ii
estrangeiro a precos de contentar e satisfazer a todos.
Fazendo tao publico e espontaneo manifest, o referido BALIZA jalga de sen riniroM
declarar mu sena e pusiti\-amente nesta oportunidade, que tanibein o mais Drme 1
vador de sua numerosa fregueaia.
Da boaqualidade e barateza dos gneros offerendos a seus livguezes. oini.i ;m ,, ..,.
nhc que tira para si, tem sabido fazer o BALIZA a mais perfeita liga de hU-resses recinrocos ue ",.
Cae, as consciencias deve por forca e necessariamente agradar.
agr;
Tendo por conveniente tambem a publicaran do seguinte aviso, o BALIZ V faz saber M
aquellas pessoas que sempre esto promptas a comprarem tudo, com tanto .11^ se Ihes nmnitta
rem logo, que elle
[a-:-
NAO VENDE FIADO.
_-------- -
As casemiras do l*avo pechin-
clia a .#.
a mais nova do mercado
Vendem-se cortes de casimira tranceza para 19. primejra andar,
calca, fazenda muito fina, padroes claros e
e^uros, a 84 o corte: s na loja do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60.
s oa ra da Imperatriz n. GO, loja do Pavo.
Fusilo do Pavo.
Dito de clieiro muito bonitos a .
A venda as boticas de Caors & Barboza, Ditos de banha, pequeo, muito fina
ra da Cruz, e Joo da C. Bravo A C, ra ..........
da Madre de Dos. Ditos de opiata a 200 rs., e boa a .
-------------------------------------------------_____ Ditos de banha japoneza a .
Cal de Lisboa I Ditos de banha transparente a .
na ra do ^gano n. Ditos de oleo filoconue a .
500
100
200
906
320
500
200
900
800
720
800
Os amigos da economa, aquellos que s compram os objectos de mte care.em o ,,a
jasu-m-e empregar bem o seu dinheiro venhamTL^ Z^^^T ,'"'"m- (lw -
Tmmmu
WBK
Do preco de qualquer genero annunciado a
res f,(guezes diminuir cinco pr cento, e vir mp^o1o^^^^eC,l,e^
meui do movimento prefere ganhar muito pomo, com tasto
M ARARA
queseado, como lodos sabem 1
que seja por mnitas vean repetido. '
.Na ra do Sebo n. 3 lia para vender tres
oscravos para servfeo de campo 011 engenlio; a
pessoa quequizer pode apparecer em dita casa.
RIVAL
SEM SEGUNDO.
O gallo canta quando recebe.
O gallo canta, principalmenle quando re-i ojelos, diversos.
cebe as suas novas encommendas para sa- [ Ra do Queimado, ns 49 e 00, vende os
tisfazer aos seus bons freguezes. objectos abaixo declarados, pois para aca-
Gravatinhas. bar; estes precos nao sao para continuar,
E chegado um bonito sortimento destas mas as nesessidades assim o permitte.
gravatinhas, tanto para hornera como para Pares de luvas de algodo finas a .
senhora que se vende pelo baratissimo pre- Caivetes de aparar penas, de I fo-
co de 500, 800 e 1,000 rs.;s no Vigilante. Iba a .......
ra do Crespo, n. 7. Ditos de 2'ditas a.....'.
Pirotleiz, I Caixas de colxetes francezes a. .
Tambem chegou um grande sortimenlo Duzia de dito francez a ....
12:000 rs.: de pirotleiz on conservadores para cabellos, Massos com grampos lisos e de cara-
Vendern-sepaletots de panno, sobrecasacasS-P^^ ...... 40
K^9 IS de "ro-om tint Mperor
' noivas, peto baratissimo preco de 5.000 rs.., Ditos di 'barro que serve para tin-
6.000 rs 7,000 rs. e 8,000 rs. ; s no teiro
Vigilante, ra do Crespo, n. 7. | Grosas botes' de ioiica pra'teado a
Pecas de tranca lisa encarnada a
Veodem-se fusto com lavdr mindinho
jiara raupa de meninos, a 320 rs. o covado;
brim de linho de quadrinhos para roupa de
meninos, a 500 rs. o covado: ganguelim
de urna s cor, a 320 rs. o covado; popelina
de Ja, de quadrinhos encarnados e pretos,
para vestidos de senhoras e roupa de meni-
nos, a 1 o covado : s na ra da Impera-
triz n. O, loja e armazem do Pavo.
Os paletot* do Pato, assobrecasacacto a
Gimhc exposiao de fazendas de (odas
is qualidades; sendo por baratis-
simo meco, na loja e .armazem da
lrara ra da Imperatriz i. 36 de
Loureneo Pcreira Mendjes Guitna-
tes.
lavu t aft| i M&m A J
'endem-se chitas cores /xas, com peque-
g0 no oque de mofo a 200 rs. o covado* len-
jcosbrancos e com barras 200 rs., meias
guipar, homem 120 n. o par, ditas para me-
160 "
40
360
ease-
9^Bmammm
FAZENDAS BBATAS
tiitna do Hmmati;
Arara vende os cortes de
mira a 3#000.
Vendem-se cortes de casemira entestada
de cores para calca a 2>. tambem se vende
em covados para calca, paletot e colletr a m.
Uo covado e enfestS, com I lili *****-*. im
urna calca eae muito barato; na Iota da <'upaBhia.
Arara, ra da Imperatriz n. 56 de Vfpndpe *** aawi
Guimara-es. -Mui,k-\!rnra v.,,,,1,. ,i, ,,,1,,,,;, ,,,,,,. ,,,.,
VA
preta, a 5^; ditas de casemira de cor, muito
fina, a 70 e a 5,5(500; cotetes de casemira de
cor e preta; paletot de casemira de cor,
a 70; lado isto para apurar dinheiro: so i
160
100
nos 100 rs. o par; na ra da Iinperatt-iz
n. 6, Arara.
.rara vende as cassas a 200 rs. o covado.
\wdem-se cassas finas jxtra vestidos a
20Crs. o covado, organdjs finos para ves-
tido a 240, 280 e 320 rs. o covado; s no
arrnzem da Arara, ruada Imperatriz n. 56.
Arara vende as cambraias.
\ endem-se cortes de cambraias de barras
a?:-^"!0"*0 ('amb''ai^ 'isas para vestidos
aSfoOO, 3/, 34000 e i/ a peS, finas, ve-
cie-se cortes de cambraia bancas com palmas
soltas, com l vara de largura por 20300 o
tu lina i pelo barato prero ik- sor.
Unas cambraias orpand) a ...
US Ull.i;,;.. p I pjgj
t M .
de arco*
3O0.
de i
ila
Fitas de velludo e de seda.
nannfcl-perain* n/6. loja do Pavao. | ^- g ?&$!%% I V'K t ^ "^ P"
Cortes de cachemira da Escocia,
loja do Patio.
2:000, na j como um rico sortimenlo de fitas de seda, Varas de' labyrinlo d 3 dedos d
I lavrada6 e lisas de todas as larguras e qua-' largura a
I* Vigdaene^rtiJTcreTpo, ti S"> f^"'a c'om Ph'osPh^osa'
Bico de seda e linlio.
pada mitaco de casemira, tendo padroes
^nallS^ni ?.' a 9 \'l ide biC0S'lant vado para paletot, colete etc.: so na loja do 'm Mmo rendag fina8 e de labyrinlo, que
seus precos far3o admirar aos meus fre-
Pav5o, ra da Imperatriz n. 60.
Fazendas brancas, na loja do
PavSo.
Vendem-se pecas de madapoln entestado,
francez, com 20 varas, a 84; ditas com 12
jardas, a 40; dito inglez muito fino, a 74,
74500 e84; ditos muito superior, a 104;
ditos de 40 jardas muito fino, a 4#800 e a
54600; algodozinho muito encorpado, a
44800, 54500 e 64; bretanha com 4 pal-
mos de largura, muito fina, a 15 avara;
pecas de cassa de cordo para babados, com
6 varas, a 34500 ; ditas com 12 varas, a 74:
Pechincha. a 500 rs. o covado,
o Pavo.
Ditas de pos para dentesa
Pentes de tartaruga a 34000 e
guezes ; s no Vigilante, ra do Crespo,
n. 7.
Franjas pretas e de cores.
Tambem ha as riquissimas franjas pre-
los largas, proprias para as lindas capas ou
manteletes; assim como brancas e de cores,
que seus precos tambem os pretendentes
se admiraro, por que sempre nesta loja se
vender per precos muito rasoaveis; s no
Vigilante, ra do Crespo, n. 7.
PAPEL
de cores para listas de eleltores
Corles 4e chita da Arara a 2:000 rs.
Jendem-se cortes chita com pequeo
toqie de mofo a 2& ditas limpas a 24, se
. venje por este preco por ter grande porco,
gn Idi,$ francezas a 2#>00 o corte: na ra da
' Imjeratriz, loja da Arara n. 56.
rara vende grosdoaples preto a 1.000 rs.
Tendem-se grosdeaples preto a 14,14600
a 25 o covado, dito t 4 palmos de largara
a 2^000 o covado, cotes de casemira preta^j
par calca a 24600 44, ditas de cores a
34200 e 44; na loja'Ja Arara, ra-da Im-
perutriz n. 50 de Mcnes Guimares.
60
100
40
100
34500,
A aguia branca suppoe que nao faz mal em offe
recer aos athletas uns pacotos com
papel de cores, que pode servir ptimamente r
listas de eleitores, c tanto melhor por custar cada ; Mendes Guimaries.
Sacte o diminuto preco de lAaOO, e ser cada um
e urna s cor, o qne 6 difllcil de encontrar a nao
ser na ra do Queimado, loja d'agnia branca n. R.
j Na mesma loja tambem ha de outras qualidades,
branco e azul, assim como anvelopes.
Cortes de lia da rara a 3:fttO rs.
Vendem-se cortes e lazinlos para ves-
tidos a :i(RIO. oh! mi pechincla, laazinhas
para vestidos, finas a 00 c 500 rv n cova-
casemira escura a 2,->, ditas mais finas a 34
seroulas^de bnlm de bramante a 14600 %
WUK|^ dequadnn.,a 320r.(;^ VStt^^F*
mmente para na ra da Imperatriz, lia da Arara n. o^ nregas argas ni '
inr nielar i*fila \I1.i,J]..^ i << Im.n.r,,.., ..^__^ ji _
corte; na ra da Imperatriz loja
n. o(i de Mendes Guimaraes.
Oh! que grande pechincha.
Vendem-se pecas de ^< piscados trn-
celes com 1 covados para vestido a 200 rs
o covado, organdvs para vestidos a 300 rs
o covado, dialim pan vestidos a 44o rs o
covado, laa para vestidos a 200 rs. o envido
cobertas de damasco para cama a 44- na
ra da Imperatriz 11. 50 Arara de Mendes
Guimaraes.
Arara vende os halos.
Vendem-se os mais bem feitos e moder-
1 nos baloes americanos de 20, :; ;j: e 40
arcos a 34500 W, 4,>500 e 54,' ningnem
detxar de andar sem bati que o 01 ero j
convida; na ra da Imperatriz loja da Vrara
n. 06 de Mendes Guimaraes.
Ronpa felta e chapeos.
\ endem-se iimfonncs completos de case-
mira mglezas de boas cores a I0>. vende-.,.
pahtots de brim a 24500, ditos linos a 3?
casemira a 34800, calcas de meia
. Calrifca
bordas para ,,,!,,,,,;,,,,, .fc<|Bt
I^axiuhas
nUtiUdu DBM pa.a v, ,!i,| ., ,, 0 ^^
. ,. Cuberas
de chita a 25000.
fnjfaa
de panno d,' linho 1 |
. Mlhas
de fust.10. pp| barato presa ii ) r> rada mw
Camisinaas
de camhraia para s>iih.>rn a tj.
. ,. foliabas
de linho para mfcan a m^h a SM. 1
, BaMBMni
'I-' meias para 1,1 ;i.-,- ,. .,..,,,v
iaa.iiba
preta para vasfMo a ,'OO rs.
. (iNardanapos
adamascadas a .5 1 du/i-T^

X
\m
JM'fu^
- /
de meia
Vcndein-so sup.Tiur,.- |;, watJJP
cada meia caixa, dfft A,- ,\- J **. ore
de 10!) charutos, a ti*w- \>' ditos. mt>ia<
vas. a 160 rs. : p* -ovan..18.
SO
AOS SKS. llhsnilllliOKES DE GAZ.
Nos armazens do Caes do Ramos n. 18 e
na ra do Trapiche Novo (no Recife) n. 8, se
vende gaz liquido americano primeira quali-
Vendem-se as mais modernas laazinhas j d?de a retadlo a 104 a lata de5 galoes, as-
enfestadas, transparente, tendo 4 palmos de' ^^iL^l^T^ e ^
largura, e sendo lizas e de quadrinhos, de;era V^fo mats barato que em outra qual-
uma s cor, propria para vestidos e capas, j(raer panc"
a 500rs. o covado: s na loja do PavSo,I*---------------------------'--------------------------
ra dalmperatrizn.60.de Gama Sil*a. AURORA JISRI-
Parn o bom t< m.
Chegaram loja das columnas da ra do Cres-
po n. 13, de Antonio Correa de Vasconcellos &
novos cortes de vestidos de laa a polaca e
ra estampada de matiz, gostos inteiraaiente mo-
dernos c cores as mais lindas qu^^sepde desejar
bem como : cor de laranja^anga, violeta, solferi-
no, cinza, magenta etc^JteV; para designar o ir-
ado do vestido-abata corte acompanha sen <>
rie. Na raasma loia acaba de chegar i-' .'jgu
Oh qiic pechindia a **0 r
chitas largas.
Vendem-se chitas frarir?as com pequeo
toque de mofo aJirrjrs.> covado, ditas
linpas, finasa^O, 360^OO rs. o covado,
riscadojfrafeez a 28^" rs. o covado; na ra
iperatriz n^>6 Arara de Mendes r
5cs.
O Pavo vende a3|e Sfso4^
cortes de 15a, a 34 e 34500; ditos com 22
COVadOS, a 54: SO na ra da Imperatriz n- uo, por menos preco do que em outro estabelc-
60, loja e armazem do Pavao. cimento ; no largo da Santa Cruz n. 84.
LHAlVTe
Este novo armazem de molhados acha-se pr-
vido dos melhores e mais novos gneros do mer
fr.ara vende o madapolio a '
* endem-se pecas de m--1' ,0 francez fi-
no, enfestado a i/e1 Jf ditas* inglezas
I "i 24 jardas, fi> ,&, 74500, 84, 04 e
""*? ''o, ZlYtJi peca, ^zes aelles autes que se
ncez nquissimos cortes ^ u, ultimo O* j *_.__ M j
cores com ramas matis-' .^.v,CHido de achp : n* *-e1?""-d Arara, ra da
iros de moreantique adamase- ,," f**'* c ou- .^w' n. 50 de Mendes Gnimaraes.
encorpadas c do ultimo -losto nar han3S muto ^^T *
memos etc. st0 para ba,,es- ms*. lirias da Arara aveiindadas a
_ v --,____________^___^ S sftOOO.
Auroral^-flnHnmlleiro dl ?squina da rar\ Vendem-se ricas colxas aveludadas para
aPiaaS5^"fcJS ar W ,*"f "**" df lm3U-
aarnercado, por preco commod :mbem se ven- d,tas do chita a 24; na ra da Imperatriz
dem latas com gaz, e as garrafas a 460 rs. I n. 56, Arara.
mudo modernas a
masAs* de cores e pn tos 800
;>500, isto m.v lluJ^ IM
' '"'f'''!' a da Imperatria
, p la Arara a 400 rs.
.. tarlatana de cores para vest-
.00 rs. a vara, fil de linho de cores
..a mosqueteiro a 160 rs. o covado, eniei-
tes para cabeca de senhora a 1$, '0 e 44,
os mais modernos que tem chegado, tpeles
para salas por 54 cada um, toaihas de linho
para rosto a 610 rs., ditas pelucia a 14, o
melhor que ha em toaihas: na loja da \r-
ra, ra da Imperatriz n. 56, de Mendes Gui-
maraes.
GA
A VH) rs. trazeado a garrafa :
lo Recife. loja de quiuniilhai i.i>
se a melhor qnalidade.
anta m C*~
ft tu Anrr
L
RELOGIOS,
Vende-se em casa de Johnslon Pater 4
C, ra do Vigario, n. 3. um bello sorti-
menlo de relogios de ouro patente in-
glez, de um dos mais afamados fabricantes
de Liverpool, e, tambem urna variedade de
bonitos trancellins para os mesmos.
1
Xa na do Qut ruado n. 10 |,>ja de Fw-
ro A Maia, wndem-se :
Chapdmde CHM knan para iiotitea
Ditos de palha de seda ;ara s*nhora a "i*.
Lencos branros de eaaai duzLi 1M)0.
Ditos de eassa pintada a H.
Chales de laa e seda iiini.
I^as escuras o covado iOO rs.
1.5a para hordar.
A loja da aurora na na larga do mrw a.
receben 11111 grande sorutealt de lia
bordar qualquer obdSlB wi
tambem recebeu eofeikMnhria Pia e
moderna, rape rol.io fraSi era fraae
co,assim cuino taiubt-m leu de :
lidades, o qnal ludo se
como miudezas de qoaJqoer (oran
ciso.

1 fr.-
4 II CTr^r\/Cri V
1



e litarte fem t de eteaafcr de *:!



I

*>

\
1/
GRANDE E COMPLETO SOBTIMENTO DE MOLHADOS
ct
g
i
o
Ct
B
1 'y.
0 1
o w
" fe.
o
o o o
A ti
u *-.
fc. 00 V
o o
5- "ti Ph
o ti
,0 -> -:
^- O -
a i ti
O si s o 6 ti
^^ o a ~
-c 0 rf 3
2 O"
ft, c> c ~
*o c
O 60 0"
2 ti o
1 3 O* o
5 i- O oo O ti
O Pi o C3-
o a. o 0 "ti
a-ti 60 O -ti 00 o i
t> ^ >
"ti s ? ~
o V
* o a. o sx
ti w *
l* (O o
o
00 ^ V
ti
-r o
-~~. o ti
Vinhos em pipa: Porto Figoeira e Lisboa, a
4oo, 44o, 5oo e 56o rs. a garrafa, e em
caada a 2,56o, 2,8oo, -3,ooo, 3,5oo e
4,ooo rs, do melbor.
dem lagrimas do Douro, especial vinho do
Porto mandado vir de conta propria a
lo.ooo rs. a duzia e l.ooo rs. a garrafa,
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado, das seguintes marcas: Duque do
Porto, Feitoria, Nctar, Velho Secco, Cha-
misso, Madeira superior a 9,ooo rs. a cai-
xa e l,ooo a garrafa,
dem Bordeaux das melhores marcas: St.
Julien, Medoc, S. Esteph e outros a 7oo
rs. a garrafa, e 8,ooo rs. a caixa com urna
duzia.
dem muscatel de Setubal verdadeiro a 2,ooo
rs. a garrafa e 22,ooo rs. a caixa.
Garrames com 5 garrafas de vinho do Por-
to do Alto douro a 2,2oo rs. com o gar-
rafao.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira
rauito proprio para a nossa estaco, por
ser mais fresco a 2,4oo rs.
Vinhos velho chamisso em barril muito pro-
prio para sobremesa por ser muite claro
e macio a 6oo rs. a garrafa e 4,5oo rs. a
caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero a 5oo rs. a garrafa e 3,800
rs. a caada.
Garrames com 5 garrafas de vinagre de Lis-
boa a i,2oo rs.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo rs. a garrafa
c l,4oo rs. a caada.
Velas de spermacet a 6oo, 64o e 68o rs. o
masso.
Manteiga ingleza pcrfeitamente flor,'mandada
vir de encommenda especial a 8oo rs.
a libra,
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
54o rs. e em barril a 5oo rs.
dem em potes de 4 16 libras muito fina e
propria para doente a 8oo rs. a libra e o
pote separado.
Baiiha de porco a 54o rs. a libra, e em bar-
ril se far abatment.
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
de l,6oo, l,8oo, 2,ooo e 2,5oo rs. cada
um
dem londrinos s mais frescos que se po-
dem desejar a 8po rs. a Ubra.
Caf do Rio de 1* e 21 qualidade de 8,ooo a
8,5oo rs. a arroba, e 28o a 3oo rs. a li-
bra.
Arroz caroliuo e do Maranhao a 3,ooo rs. a
arroba e loo re. a libra.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra e
em porclo ter abatimento.
Caixinhas de ameixas francezas de 1 1/2, 2
e 3 libras, elegantemente enfeitadas com
diversas estampas no exterior da caixa a
l,3oo, l,5oo, 2,oo, e 3,ooo rs.
Fructas em caldas das seguintes qualidades:
ameixa, xainha Claudia, cerejas, pero,
ginja, pecego e alpech a 5oo rs. a lata.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 6oo rs. a libra, e em la-
tas de 1 V e hbras.
Ameixas francezas em frascos de 1 1/2 e 3
libras de l,4oo a 3,ooo rs.; tambem ha em
latas de 1 ,ooo e 3,ooo cada urna,
Cha huxim miudinho mandado vir de en-
commenda especial a 2,8oo rs. a libra,
garante-se a boa qualidade.
dem hysson o mais superior a 2,6oo rs. a
libra, afianca-se ser igual ao que regalar-
mente se vende a 3,ooo e 3,2oo rs.
dem pretomuito fino a l,Doo rs. a libra.
dem mais Mso, e miudo proprio para ne-
gocio a i,6oo rs. a libra.
Presunto inglez para fiambre o mais fresco
que se pode desejar a 8oo rs. a libra.
Genebra de laranja a 9oo rs., a frasco.
Chouricas e paios, os mais frescos que se
pode desejar, a 5oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa
e lo,5oo a caixa.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
8oo rs. o frasco.
Licores francezes das seguintes marcas: A-
nizete de Bordeaux, Plaisir des dames, e
outros a l.ooo rs. a garrafa e lo,ooo a
caixa.
Passas muito novas a 6,ooo rs. a caixa e
36o rs. a libra, ha caixas, meias e quartos.
Bolachinha ingleza a mais nova que se pode
desojar a 2,5oo rs. a barrica, e 24o rs.
a libra.
Azeitc francez clarificado a 76o rs. a garrafa
e 9,ooo a duzia.
Conservas kiglezas dos melhores fabricantes
Mixed e Pickles, ceblas simples, e outras
a 8oo rs. o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes muito
nova a 4oo rs. o pote.
Mlhos inglezes de todas as qualidades e das
melhores marcas a 5oo rs. cada urna gar-
rafinha.
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 fibras, muito
proprios para deposito de doce, manteiga
ou outro qualquer liquido de l.oooa 3,ooo
rs. cada um.
Palitos do gaz, a 2o rs. a caixinha e 2,3oors.
a grosa.
Milho alpista a 160 rs. a libra.
Milho painco a 140 rs. a libra.
Gomma para engommar muito fina e alva a
80 rs. a libra a 2,300 rs. a arroba.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Sabo verdadeiro hespanhol que raras vezes
vem ao nosso mercado a 300 rs. a libra,
e em caixa ter abatemento.
Sabo massa de 180, 200, 220 240, rs. a
libra do melhor.
Graixas em latas muito nova a 120 rs. a lata
e 1,300 rs. a duzia.
Peixe em latas muito novo : savel, pescada,
curvin, salmo e outras qualidades prepa-
rados de escabexe, segundo a arte de cozi-
nha de 1,400 a 2,ooo rs. a lata.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
440 rs. cada urna.
Papel greve pautado e liso a 3,500 rs. a res-
ma.
Azeite doce de Lisboa muito fino em barril a
640 rs. a garafa, e em porcSo tera abati-
mento.
Champagne das mais acreditadas marcas a
l,ooors. agarrafa e lo.ooo rs. o gigo
com ama duzia.
Doce da casca da goiaba a 4oo, 5oo, 6oo,
7oo, 8oo, e l.ooo rs., o caixo grande.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez, e
suisso, das melhores qualidades a 9oo rs.
a libra.
Velas de carnauba e composico a 32o, 36o.
e 4oors., a libra, e de lo.ooo a H.ooors
a arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa a l,ooo
rs. a ancoreta, e l,5oo a de Lisboa, estas
ultimas raras vezes vem ao nosso mercatlo
.pela sua boa qualidade.
Massas para sopa macarrSo talharim e aletria
muita nova a 48o rs. a libra.
Charutos dos mais acolitados fabricantes da
Bahia a 4,ooo, 3,5oo, 3,ooo e 2,5oo rs. a
caixa.
Serveja das melhores marcas a 5,ooo rs. a
7,000 rs. a duzia.
Biscoitos inglezes das seguintes marcas:
Craknel, Soda, Ceede, Captain, TravelHes
Lunch, Cobin, eoutras a l,2oo rs. a lata.
Bolachinha de soda especial encommenda a
l,8oo rs. a lata.
Iem Craknel em latas de 5, 7 e 15 libras a
4,ooo, 5.5oo, e H.ooo rs. a lata.
Massa de tomate em latas de 6oo a "oo rs.
cada urna.
Sardinha de Nantes a 36o rs. a lata.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijollo de limpar facas a 16o rs. cada um.
Ceblas a 9oo rs., o molho.
Farinha de Maranhao muito alva e cheiroza
a 14o rs. a libra.
Pimenta a 36o rs. a libra.
Cominho, cravo, erva doce, enxofre, palito*
de dentes em caixinhas que tudo vende-
mos por baratissimo preco.
Ricas caixinhas com confeites e fructas sec-
cas muito proprios para mimos pelo bara-
tissimo preco de l,oo6 rs. cada urna.
A AGU A BRANCA
Receben pelo ultimo vapor o
pelo ultimo
scguinte:
1
TERCOS
e cerdas de cornalina.
A aguia branca pensando constantemente em
Bonitas paleiras de Cabello, coral, e cora- bom senir a toda a sua ftvuezia, apa que anda
i: nao havia reito algum agrado a aquelles que pru-
n .,-,", i dente e acertadamente retando, cumprem dcver de
fortes cbontlas ligas de seda para scnlioras. bom chrisfio, e mando rcparou essa sua falta,
Outras estrellas para meninas, ou manguitos, mandou vir e acaba de receber delicados tercos e
coras de cornalina com cruz de prata, os quaes |
i deixa disposicio dos liis que estiverem dispostos;
i a gastar 1500.2 e .15 para possuirem um bonito j
terco ou cora, com os quaes podem mesmo pedir a |
Deas pela prosperidade d'agia liranca, em seu ale
gre e espacoso ninbo da ra do Queimado n. 8.
)
ROUPA FEITA
NO
ARHAZGM
RA DO QUEIMADB N. 46
DE
Crteiras com agulhas.
Agulhetas para enfiar, c agulhas cantfas.
Trancelins e filas de borracha.
Carriteis com torcal de ludas as cores.
Massosefios.de coral.
Esponjas linas para rosto Xpvos e bonitos
Peales de tartaruga virados, com laco e pentinhos tray^ssos dourados e com pedras para'
balao. meninas: vemdein-fe na ra do Queimado, loja
bnfcites de rede para conservar os cabellos da-uiabranca n. 8.
Uahuzinhos com perfumarias
.trios.
madreperola
Aspas e coz para balSo.
Fitas com cobtetes para vestidos.
Trancelins chatos de laparaenfeitar vestidos.
Panel e folln-- ">-.) rosas
i.....
(.ainpannas francezas.
Trancelins grossos para re
Esc.ovas eabo d'osso, marfim
para dentes, unhas, limpar pentes e jolas*.
Outras finas para roupa, chapeo, cabello etc.
Outras de velludo para chapeos.
Pastas para papis.
Raspadeiras e facas de marfim para ditas.
Visporas e dminos.
Elaratissimas bandeijas.
sem ellas.
A aguia branca vende bonitos babuzinhos com 6
frasquinhos de clieiros por l^oO e vasios por 800
rs., servindo estes para morunas, e mesmo para
joias, etc.. etc. : na ra do Queimado, loja d'aguia
branca n. 8.
J
tfg>
LETREIRO VERDE,
Neste estabelecimento ha sempre um sot timento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concur-
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
homens e meninos.
30,)000
25dO0
i ra.icins lustrosa iara
bordar
\endem-se na loja daguia branca ra do
.Queimado n. 8.
Novisslmos e bonitos enfeites
para cabecas.
Quando o bello sexo senta a falta de bons
enfeites para caneca, eis que a aguia branca
i branca por multas vezes tem da- recebe urna sua encommenda de bonitos e
do a coDhecer que quando acha alguna pe- delieados enfeites. e de modernsima moda,
chincha, nao quer somente com ella eocher muito servmdo tsso para sanar aquella falta,
o pao ao contrario desoja que toda sua boa e fazer com que as Exrnas. apreciadoras da
freguezia e o poblico em geral prvem da befla empreza Coimbra possam melhor real-
mesma. o que agora mesmo acontece com sar c mostrarem o apurado gosto que as
essas; baratissimas bandeijas, cuja limitaco g"i>. Gsses enfeites saodum tecido bas-
de oreos admira, em relac3o aostamaohoae tanto fino com connhas d'acp, c mui bem
pn >verem-se u um traste sempr, .
e que lhes costar quasi metade do justo va- na espacosa e alegre loja d agina branca ra
lor. Assim, pois. dirigirem-se com dinhei-jdo Queimado n. 8.
ro alegre e espacosa loja d'aguia branca
ra do Queimado n. 8.
Casacas de panno preto, 3541 e
Sobrecasacas idem, 305 e .
Paletos idem e de cores, 25$,
_ 20,5, 15* e .' .
-Tirios ^c,TaS*iira|"20*^~Tt^J
12*, 10* e......
Ditos de alpaca, o# e. .
Ditos ditos pretos, 9, 7)5,
5* e........
Ditos de brim e ganga de co-
res, 40500, 4, 3,5500 e. .
Ditos branco de linho, 6, 5$ e
Ditos de merino preto de cor-
do, 10*, 7* e..... 56DO0
Calcas de casemira preta, 12*,
10*, 8* e......7*000
Ditas de cores, 9*, 8* e. .
Ditas de meia casemira de co-
res, 5*500 e.....
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordao, 5*, 4*500 c
Ditas de brim branco e de co-
res, 5*. 4*500, 4* e .
Ditas de ganga de cores,
3*500, 3* e
mfwmm
DE
FAZENDAS E ROIPAS FEITAS.
Sortimento completo de sobrecasacos de panno a 25*, 28*. 30* e 35
3 bem feitas a 25*, 28*. 30* e 3SA. i
25*, ditos de casemira
ca.^ac4.
muito bem feitas a 25*, 28*, 30* e 35*, paletots acasacados de panno pato de Ifat

Os afamados copos com banha. c
boies com inscripcocs.
Chegaram novamente para a aguia branca
esses afamados e estimados copos com banha
fina; assim como os bonitos boies de por-
1An. ,,.., 11 t-iml.om i>nm Kinlii *> navas freguezas, a aeuia branca mandn vir dessas de-
iellana doorada tamb. mcom Daniia, e no\as li(.a"das t(1;oul.fn,ias dacopontas agudas, proprias
inSCripCOes maviosas e jocoserias, muiaue- para lardados e labyrinthos, euma vezchegadas
iniado parapresentes resta poremqoeosapre- como de luto chegaram, a aguia branca convida
liadores aancorram, munidos de dinheiro, a as de mais senhoras suas lwas freguezas para
mii hranca mi da aproveiMwatt-se da occasi.io e bem empregarem
i manca ra uo ^^ PmPada uma u,.ssas imssimas tesouri-
l.n vas de c;imnrca.
Vendem-sc mui linas lavas de carmuca
branca e amarella; na ra do Queimado n.8 |
loja d'aguia branca.
i> cucadas iesourinhas d'aco para
bordados e labyrlnthos.
A pedido de algumas st nhoras suas prodicletas
Cohetes de fuslo e brim bran-
" co, 3*500, 3* e 2*500
oulas de brim de linho,
iO*0 j"bit#5e algodo, 1*600 e. 1*400
7*000 Camisas de peitos de linho.
3*500' 5*, 4*, 3* e.....2*500
Ditas de madapolo, 3*.
2*500, 2*e ..... 1*600
Chapeos de massa, pretos fran-
cezes, 10*, 9* e. 85500
Ditos de ftro, 5*, 4*, 3*500 e 2 $000
Ditos de sol, de seda, 12*,
II*, 7* e......4*500
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda....... W6
Sortimento completo de grava-
tas. *
Toalhas para rosto, duzia. 11*,
9* e........6*000
Atoalhado adamascado de li-
nho vara...... 1*280
Chapos deso, de alpaca, pie-
tos e de cores.....
Lences de linho.....
1 Cobertas de chita chineza.. .
3*500
3*000
4*000
7 $000
4J000
4J0OO
2>500
25500
de cor a 15*, 18* e 20*, paletots saceos de" mu e
mira de 8* ate 14*, ditos saceos de alpaca, merino e laa de 4* at sobre de alpaca r
merino de 7* at 10*, calcas prctas de casemira de 8* at 14*. ditas de efe d.* 7# aV
lo*, roupas para menino de todos os tamanlios, grande sortimento de roupas de brim
como sejamcalcas, paletots e colletes, sortimento de cohetes pretos de metim. casmir.
e velludo de 4* a 9*, ditos para casamento a 5* e 6*, paletots blancos de bramante a 4*
e 5*, calcas brancas muito finas a 5*, e um graude sortimento de fazendas finas e n> .tier-
nas, completo sortimento de casemiras inglezas para homem, menino e senhora ceroula-
dc lmho e algodo, chapeos de sol de seda, luvas de seda e de Juuvin para homem e s&-
nhora. Temos uma grande fabrica de alfaiate, onde recebemos enc/.minendas de grandes
I obras, que para uso est sendo administrada por um hbil musir de s.-m.-lliuiit. ,.ne e
pessoal de mais de cincoenta obreiros escolhidos, por tanto executamos qualquer abra rom
< promptidao e mais barata do que em outra qualquer casa.
POR MENOS DEZ POR CENTO
NOS
tK.tlAXE.^S
Cohetes de velludo preto e de
cores, 9* e......7000 Pennas d'aco, as mais superio-
Ditos de casemira preta, 5* e
4*000
3*000
2-5000
600
4>000 res, a grosa. .
Relogios de ouro orizontaes.
3#00 90*,80*e......70*000
5*000 Ditos de prata, galvanizado,
patentes e ortsontaes, 40* e
6* <.......51000 Obras de ouro, adercos, meios
Ditos de gorguro de seda aderefos, pulceiras, rozetas,
pretos e de cores, 6*, 5* e 4|000 aneis e cruzes.
Ditos de ditas de cores 5*
. 4* e........
Ditos de sethm preto. .
Ditos de ditos e seda branco,
30*000
ilegre e espacosa loja d'ag
Qneimads n. 8.
Ricas gnarnices de pentes e
Ovellas para cintos.
A agoia branca receben novas e ricas
guarnicoes de pentes dourados, e com pe-
dras ; assim como outras bordadas froco e
com bolas pendentes, novidade essa que s
se acha em dita loja. e que na verdade se
tornam mui alegres c bonitas; e bem assim
rts^|*)U lindas ivellas com pedras, e ditas
daco ct>. novos e engranados moldes, cintos
dourados o 'nai'roquim; e muitos outros
objectos de jjosio -i ^nhoras sero encon-
trados na alegre e --osa loja d'aguia
branca ra do Queimado u
Ciraxa econmica.
A aguia branca acaba de receber essa ,-tci ..
da graxa econmica, cuja superioridade est g>
ramenle reconbecida ; essa boa graxa se torna
recommendada, lauto porque o calcado lustrado
comella deixa pcrfeitamente lustroso ao menos
tres das sein necessidade de novo unto, como
mesmo porque sua preparadlo appmprinda para
anmetar e conserrar o eoaro; ella vem em caixi-
nhas e barrizinhos, e acua-sc venda na ra iln
Queimado n. 8, loja d'aguia branca, aos rezumidos
precos de li*'. ">00 e 640 rs.
uhas, na certeza de que perder por cuegar larde;
quem e demorar em as mandar comprar no ale-,
j gre e espacoso ninho d'aguia branca, ra do Quei-
] mado n. 8, onde tambem ha outras curvas e direi-
tas para unhas.
Espirito de vinho.
Na ra do Cotovello n. 1 vende-se espirito de
vinho de 38 graos a 2i0 rs. a garrafa, e em cana-
da a 14600.'_____________________________
Farinha de mandioca
em saceos grandes, e de superior qualida'
de ; no armazem de Tasso Irm5os, ra do
Amorim, n. 35. _______________
Yendein-sc superiores en del ras
americanas de balanco, cm assenlo e
en.oslo de palliinha : no rmazem de
Mathens Austiu k il., rna da Senzala
" 'ha n.106.
\M) .,(>I,KO turKiMiO i:\L\UI \()
XAROPE DE RBANO IODADO
Segundo os attestados d< mdicos dos hos|ttaes de Parir., ermsignados no Prosee
de rarins Acadmicos, estefarope emprega-scom oroaior successo, em lugar do LEO DE
a appmvnrfio
riGi
Prospecto, e
-_rdo OLEO DE nfiDO DE
BACALHAO, ao qual elletalmente superior.Cura as molestias de peito, as escrfulas; o lymphatismo, a
pallidez e mollea das capes, as pedas d' apetite, e regenera a constituicao purificando o sangue. Em
summa o mais poderos depurativo contiecdo. Elle nunca canta o estmago ou 09 intestinos como o
ioduro da potassium e o iduro de ferro; e adBinlstra-se com a maior edlcacidade aos meninos sujeitos
aos humores ou ao entu|rnento das glndulas. 0 Dontor CMnatt, do hospital de San' l.uii de Pars,
o recommenda d'um moo inteiramente particilar as molestias da pelle, conjunctamente com as pllulas
que teem seu nonic.
Depsito geral : em tris, en casa de MM.Grliuault e C, pharmaceutlcos, 7, ra de la Keuillade
na Lisboa, en casa de Ddrlg 4a Coatn-Cir*alh; no Porto, en casa de Miguel Inn de Souca-
Ferretr; em o Rio--Janeiro, lavn Peh( a Dlnlm, ra do Sabio, 11 em Bahia, en casa de
Jo-r.laa Ferrelk-Eaalahelra; em lio-Grande, en casa de Joaqun de Godoy; em Maran-
hao, en c%a de FerrelreO; em Pernambuco, shoum e o, roa da Cruz, 22; souca, eas prtnclpaes
pharmacis do Brazll.
"' "
DeposiUj geral eriPernambuco ra da Cruz n. 22 em casa de Caros & Barboza.
Peanas de a?o Ingleza* ealygra-
phlcas. a balo e outras.
Aapiia branca recelan um bello sortimento de
superiores pennas d.^ a?o inglezas, calypranhlcas,
a balao e outras diversas (|ii;ilidades, coljs precos
ariam em proper^So da Ixmdade os pretenden-
les ijue se dirigrem com dinheiro loja d'aguia
branca, ra do Queimado n. 8, nao lieaio deacon-
ienles. Na mesma loja- acha-se tambem um varia-
do sortimento de canelas, sobresahindo entre elltj
a mas de nova invengao, que por si mesmo deilain
a penua fra quando assim se queira.
ltabadiniot* chrelio* e bordados
Vendem-se na ra do Qntimado n. 8, loja d'aguia
branca.
Capachos eomprldos e redondos
Vendern-se na roa do Queimado, loja d'aguia
branca n. 8.
**otassa nacional.
Vena,
mais nov (,.
,0.o la
modo
argt..
Manoel Ignacio de o.
y potassa do Rio de Janeiro, d
rt;ado, a preco muitr
Santo, escriptor
M. n. 19.
Pech india.
Na loja de Arantes vendem-se bu.
couro de lustre para homem a 53
( U SM ISIMM
V ende-se cal nova de Lisboa : no largo do Cor-
po Santo, escriptorio de Manoel Ignacio do-Olivei-
ra & Filho n. 19._________________________
Cal de Lisboa e potassa da
Rnssla.
Vende-se na ra da Cadeia do Recife n. 26, para
onde se mudou o antigo e acreditado deposito da
mesma ra n. 12, ambos os gneros sao novse
legtimos, e se vendern a preco mais barato do que
outra qualquer parte._____
FAIIELO
Ba do morim n. 43.
Vende-se (arelo de Lisboa em saceos grandes,
com 90 libras, pelo barato preco de 4J.
Potassa da Russia.
Vende-se em casa de N. 0. Bieber 4C,
successores, ra da Cruz n. 4.
Muita attencao
tpri^w' faz.-,etmbrar aos Aos senhores maritimos e agricultores. Muita
os Z SC rnte1111? a vende" vez passam por nossa idea desapercebido>, xeme-
g^tigZ& as u^rrrr- ^^ e d(! ^dicissitno preco, com o
-toe'afinos, genebra superar tanto^irwr" emoregodos quaes se ev.tar.a grandes preiuizos
o*- nao pequeos damnos; neste caso esta o alca-
~ ou verniz do gaz, o qual alm das multplices
oara" composico, o"quT' mdo'se I narrTr*fclquC lem a marinh?' efflcascssiino
bom acondicionamento ta; lariculm^i01^ efe ,e,mVel fl-,gelI da
ow^ agticuirura, n^to,ir radicalmente o cupim e con-
sm^r as madeirtSHigjtas daquelle terrivclver-
TiJnta s ferragens em
^sfMttOs na rija Dirta n. 17.
em botija, agurdente doWino, aniz,
'"ool de grao o mais subido, e ser
cheiro, ,
promette e
o que lor expoiu.
I^Atwa.
\ende-se nina poreao de lag. a; i^
gado hontem no brigue UeUa Figuei,. ris com cerca
no escriptorio de E.R. Rabello, ra da uratar n0 armazem da li-
mero 5 *^ bu : ^yia e polica.
^ convenientemente
. ">s caadas a l5500"ca
em latas de
_. e em bar-
le seis caadas a SJ300 Rrfa um
>la amarella. no oitito dasrBi^j
- Vende-se um Bagro de meia idade. bem
busto, proprio para qualquer servico, sabe cozinh'ar
o diario d'uma casa, e tambem sabe botar canoa :
na travessa do Pocinho n. 26 sobrado.
Vinho do Porto superior.
Vende-se em caixas de uma duzia : no escripto-
rio de Antonio Luiz Oliveira Azevedo t C.
Whla
Cola da -:TSy1. Oliveira
nara vender Antonio Lmz^J
vedoj^seu e--riptono, ra da Cruz
um eseravo crioulo, de
annosdeidaiTe,^'n=.mcialde serrador, sem
nos a vir e tratar. n,raa da Matriz da Boa-Vis-
ta n. 7.
Aze-
rto
K
JDA^iasa 8 IDD3 SJS^
NS. 21 E 23 LARfiOfDO TEKtO-NS. 21 E ti.
Recebem por conta propria a maior parle dos gneros existentes *
zens e por sso deberou-se seu proprietario a vende-Ius por meti..> i do one
outra qualquer parte, garantiddo a superior qualidade.
Lelam todos.
Manteiga ingleza especialmente escolhida a 72o e 8oo rs. a bbra.
dem franceza de primeira qualidade a 56o rs. a libra, e em barril a 3i.."r.>. a libra
Arroz pilado o melhor do mercado a loo rs. a libra e 3,ooo rs. a arroba on m
Caf do Rio e do Cear o melhor neste genero a 28o e 32o rs. a libra.
Batatas novas a 5o rs. a libra, em arroba a l,4oo rs. e em caixas de qnatro arrobas *
4,5oo rs, r~
Bolachinhas americanas, as mais novas neste genero, a 2oo rs. a libra e 3.0fo rs. a barrica
Palitos do gaz, vindos por conta particular, a 2,3oo rs. a groza.
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor, a l,8oo e 2,ooo rs.
Vinho do Porto em garrafa de superior qualidade a 9oo rs. a garrafa,
dem em pipa Figueira e Lisboa a loo rs. a garrafa, e a 3,ooo a caada.
Milho alpista o mais limpo que ha no mercado a 16o rs. a libra, e a arrroba a :..oow r-
Velas de spermacet, composico e Aracaty, a 4oo, 36o e 64o rs. a libra
Toucinho de Lisboa novo e grosso de primeira qualidade a 32o rs. a libra, e 9.ooo rs. a
arroba.
Alm destes gneros ha outros muito baratissimos, assim como cha do triar.
azeite doce, vinagre, cebollas, alhos, pimenta, cominhos, erva-doce, charutos de todas as
qualidades. chouricas, sabo verdadeiro de 16o a 24o rs. a libra, genebra de todas as
qualidades, que tudo se vende barato e quem Anidar venha ver.
DE
TODAS AS Ql'AU 1IIES
DE
ANTONIO MAIA DE BRITO
C0NHEC1DA POR FABRICADA VIUVA.
N. 21Antiga ra dos Quarteis de pociaN. 21.
Constando ao annunciante, que alguns especuladores de m t. vendo o
que gosam os meus cigarros, e para poderem dar consumo aos seus andam vendundo i
na praca como pelo mato, illudindo os mens freguezes, dizendo que sao meus ; e o
dos os meus cigarros sao vendidos na minha fabrica, e n5o mando pes.soa algrma
por minha conta fra della, faco o presente annuncio para evitar que comprem galo j
obre ; e para seguranza dos senhores consumidores deste genero e especialmente os wm
freguezes, aviso que todos os massos de cigarros que forem vendidos na minha fabrica si
marcados com um distinctivo que declara o raeu nome, o neme da rna e o imaniu da
mesma casa.
Aproveito a occasio para scientifica- aos mesmos senhores, que
encontrar3o um completo sortimento de cigarros de diversas qualidades. e do
escolhido, por sua boa qualidade j bem conhecida.
' -^^M^M^a^^^M ^^^ ^-------------------.....ni,, mi i ------------------|- I UM
Fl \m\ O DA AURORA.
Nesta grande e bem montada fabrica de machinismo, a mais antiga no
tinua-se a execular com a maior presteza e perfeicSo encommendas de toda
de machinas usadas no paiz, ten do sempre prompto o seguinte :
Grande sortimento de moendas de canna de todos os systemas e
Machinas de vapor de diversas qualidades.
Taixas fundidas e batidas.
Crjvos e boceas para fornalhas.
Broes e agni lhes. ^.J^
Rodas, rrtetas.e rodas d'agua. ^"^
Guindastes fixos>pprtates. mmu
Machinas de cylindros "par^padaria.
Berras de ac para serrara. "--^
Fatechas para barcos, etc., etc.7?tndo por preoo que beat comida.
MIITII AHOT


Diario de Peiiiaoibuco Qu.trin feto i m Hetmhf i !*.
tt



SS
GRANDE ARMAZEM
AE
N. 3, RCA DAS CR11E8 N. 36
DO '
balrro de Santo Antonio.
*
0 proprietario do milito acreditado armazem denominado Progresista tendo
sempre em vista fazer tudo o que for possivel para bem servir aos seus freguezes, tem
deliberado vender os 9eus j bem conhecidos gneros de primeira qualidade pelos presos
abaixo mencionados, e affianca s pcssoas que mandarem comprar por seus criados ou
escravos, serem Uto bem servidas como vindopessoalmente; encarrega-se de aviar qualquer
encommenda, ainda mesmo contendo objectos n5o proprios deste estabelecimento. O
mesmo pede aos scnhores que mandarem comprar neste armazem o favor de mandarem
devolver qualquer objecto que nao agradar, devendo os mesmos senhores ter toda atten-
oao com os seus portadores, fazendo-lhes ver que s no armazem Progressista da ruadas
cruzes n. 36, que se vendem os melbores gneros por mais barato preco, porque estes
GRANDE ARMAZEM DE MOLHADOS
DE
^m^^^^Mm^m^m^^M,
Eduardo Marques de Oliveira C.
TODOS
os
% 1 IMIIt US
se recebem gneros de conta
propria e dos melhores esta-
belecimentos da Europa, ga-
rante-se todo e qualquer ge-
nero comprado neste
ESTABELECIHEWO,
COMPLETO
SORTIHENTO DE MOLBADdS.
vende-se em porcjo e a reta-
Ino, aprompta-se com toda a
presteza e exactrdao qualquer
encommenda dirigida arate
ESTABELECIMENTO.

o

*I
S
3
.2
<3

2
3?
I


na
I
n,,Ki;^ J5;stes-!0Y0S ,e Srandes cstabelecimentos de molhados, encontrar o respeitoei
S? nX ^n ?, T' bem cseus numerosos freguezes do centro, expoetoe
m
Os propietarios do muito acreditado armazem Progresso fazem sciente ao respeita-
vel publico e com especialidade aos seus amigos e freguezes que tem resabido resumir os Dit0 t,it0 doMaranbao 120 rs. a libra e 30500
a arroba.
' '^Jl a d-e generos Pr mcnos Prc I riL T, I poi,s Para bem servir os seus freguezes existo na Europa
neiLpfLh^nicnVmd0S decoSU propria ^versos generos, e desde ja ene.mirar o re*
mo^SmSl Cmp/e ^ mc,lhores generos d0 nosso mercad0' vw P^os
mos como abaixo verao, a saber
Amendoas a 320 rs. a libra.
AvelSes a 2oo rs. a libra.
Ameixas a 10 a libra.
I Ditas em frasco por 20800.
Arroz pilado da India loo rs. a libra e 3ooo
a arroba.
Massa de tomates a 640 rs. a libra.
Dita estrellinha para sopa a iGO rs. a i
Massa estrellinha para sopa a oo r. a libra.
Macan-So, aletria e talharim rWo r. a fe-
Ora.
.subeleeimento. Id0S a "* da 1ualldade dos *eneros *" pr0va 1* deseja servir satisfetoria- Karden S 32?: *.n
Manteigai ngleza de I. qualidade, a 800 rs.' de superior qualidade a cada
a bra. xinha.
dem de 2.a qualidade. a 700 rs. a libra. i .
dem franceza, chegada ltimamente, a 6oo 33 preparada em potes muito nova a
rs. a libra.
Batatas em gigo de arroba a 1,5oo rs.
Maces cbegadas no vapor lnglez,
Ervilhas muito novas a 24o rs. a libra,
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor,
de 20 20500.
400 rs. cada um.
Milho-alpista a 180 rs. a libra.
Gomma para engommar muito fina e alva a
80 rs. a libra e 20300 a arroba.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Agurdente de canna de cabeca a 240 e 320
mente aos nossos freguezes, advertindo-lhes que mandem seus portadores, que ser3oto' a garrafa.
bem servidos como se viessem pessoalmente, isto s no Progresso.
dem prato, chegado neste ultimo vapor, o. Sabo verdadero hespanhol., que raras vezes
mais fresco que se pode desejar a 700 rs. | vem ao nosso mercado, a 300 rs. a libra e
,,a llbra-, em caixa ter abatimento.
dem londnno, mandados vir de encommen-1
da especial, a 900 rs. a libra.
dem suisso, muito fresco, a 800 rs. a libra.
Caf do Rio de 1 .* e 2.a qualidade a 80500
e 80800 a arroba, e 280 e 300 rs a libra.
Arroz da India e Maranhao a 120 rs. a libra
e 30200 a arroba.
Avelas as mais novas
rs. a libra.
neste genero a 240
Presuntos do Porte muito novos a 560 rs. a
libra.
Ugumes francezes para sopa, como seja,
Julienne, mlango d"quipage, Choux e
outras qualidades, a 400 c 500 o masso.
Amendoas de casca mole a 320 rs. a libra, e
em porcao ter abatimento.
arralues com 5 garrafas de vinlio do Porto
do Alto Douro a 20400 com o garrafao ;
afianca-se que nesse genero o inelhor
que veio ao mercado.
dem com 5 garrafas de vinhe Figueira muito
superior e mais proprio para a nossa esta-
c5o por ser mais fresco a 20400.
afianca-se ser egual ao que regularmente
vendemos a 30200.
dem buxim mindinho, o mais superior que
vem ao nosso mercado a 2#700 a libra.
dem preto muito fino, a 20000 a libra.
Chocolate para 9oo, l,ooo e l,2oors. a li-
bra.
liarrafes com 5 garrafas de superior vinho
ilc Lisboa a 20100 cada um.
dem com 5 garrafas de v.uagre de Lisboa
a 15100 com o garrafao.
dem com 5 garrafas de vinagre hambur-
guez a 800 rs. cada um.
Vinhos generosos viudos do Porto engarra-
fados das segointes marcas: Genuino,
Porto fino, Nctar, Duque do Porto, Fci-
toria, Velho secco, Chamico, Madeira su-
perior e outros a 900 rs. a garrafa e 90
a duzia.
Y'iho Rordoaux das melhores marcas: St
folien, Medoc e S. Estephe e outros a
640 rs. a garrafa e 7^500 a caixa com
urna duzia.
Chourigas e paios, o mais novo que se pode
desejar, a 250 e 000 rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez dos melhores fa-
bricantes a 900 rs. a garrafa e 100500 a
caixa com urna duzia.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
800 rs. cada um.
Licores francezes, muito finos, das seguintes
marcas: Anizetta de Bordeaux, Plaiser des
dames, Crme de Noyau, Eau Dantzic,
Crme de Menthe, Ilude de Venus etc. etc.
Passas muito novas e de carnada a 400 rs. a
libra e 60500 a caixa com urna arroba, ha
caixas, meias e quartos.
dem massa de superior qualidade de 160,
180, 200, 220e240rs. a libra.
Graixa era latas muito nova a 120 rs. a lata
e 10300 a duzia.
Peixe em latas muito novo; svel, pescada,
curvina, salraao e outras qualidades, pre-
parado de escabexe segundo a arte de
cozinha a 10400.
Papel grve pautado e liso a 30800 a resma.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
460 rs. cada urna.
Vinhos em pipa: Lisboa e Figueira das melho-
res marcas a 30200 e 4^000 a caada do
melhor e 500 rs. a garrafa, emporcSoter
abatimento.
Vinho velho Chamico em barril, muito proprio
para sobremesa, a 640 rs. a garrafa e
50000 a caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero a 560 rs. a garrafa e a 40000
a caada.
Vinagre puro de Lisboa a 200 rs. a garrafa
c 10400 a caada.
Azeite doce de Lisboa muito fino, em barril
a 640 rs. a garrafa, e em porco ter
abatimento.
Champagne das mais acreditadas marcas, a
10000 a garrafa, e 100000 o gigo com
urna duzia.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Babia a 30500 a caixa, tambem temos
para 20000, 20500, 30000 e 30200 a
caixa.
Vellas de spermacete superiores a 600, 640,
e 680 rs. o masso.
dem de carnanba e composc3o a 320, 360,
e 400 rs. a libra e de 100 a 110500 a
arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa, a 10000
a ancoreta do Porto e 10500 a de Lisboa.
Massas para sopa: estrellinha, rodJnha e pe-
vide a 500 rs. a libra e 40500 a caixa com
8 libras liquido.
Massas para sopa muito novas: talharim, ma-
carro e aletria a 400 e 480 rs. a libra.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso das melhores qualidades a 900 rs.
a libra.
Doce da casca da goiaba a 800 rs. o caixo.
Cerveja das melhores marcas de 50500 a
. 60000 a duzia e 540 rs. a garrafa
Biscoutos inglczes de diversas qualidades a
10300 a lata. .
Bolachinha de soda, especial encommenda,
' muito nova em latas grandes a 20000 cada
urna.
Massa de tomates em latas de 600 a 700 rs.
cada urna.
Manteiga ingleza perfeitamente flor chegada
no ultimo vapor a 8oo rs. a libra.
dem de 2.a qualidade a 76o rs. a libra.
dem de 3.a dita a 64o rs. a libra.
dem para tempero a 32o e 4oo rs, a libra.
Manteiga franceza a mais nova que ba no mer-
cado a 58o rs. a libra, e em barril ter aba-
timento.
Banha de porco refinada a 520 rs. a libra.
Vinho em pipa Porto Figueira e Lisboa a 4oo,
48o, 5oo, 56o rs. a garrafa, em caada
2,8oo 3,ooo 3,5oo e 4,ooo rs.
dem em barril o mais superior que tem \ in-
ao mercado a 6oo rs. a garrafa.
Lagrimas do Douro especial viubo do Porto a
l,ooo a garrafa e a lo.oo a caixa, o preco
nao indica a qualidade d'cstc precioso vi-
nho, porm venharaao Progresso que a vis-
ta faz f, a este genero constantemente man-
damos vir de conta propria e por isso po-
demos vender por menos que outro qual-
quer annunciante.
Farinha de Maranhao muito alva
a 16o rs. a libra.
Azeitonas a 320 rs. a garrafa e I,3oo a an-
coreta.
Batatas inglezas a 6o rs. a libra e l,8oo a
U
Vinho do Alto Douro das marcas mais acre-
ditadas e especialmente escolhido por um
e cheiroza afrba.
i Banha de porco a 55o rs. a libra.
| Bolachinha de soda a 10400 a lata.
Toucinho de Usboa a 32o rs. a hbra e a 9,ooo Bolachinha ingleza a 200 rs. a libra, e a bar-
re, arrena. riCi a 3^000
Sardinhas de Nantes a 36o rs. a lata. I tyss01* a 2#200 a i'bra.
.attn A .__. : Dito dito fino a 20600 a libra. ,
Azene doce de Lisboa a 64o rs. agrrala e a, Dito miudinho a 20800 a libra.
4,8oo rs. a caada. Dito do Rio a 10800 a libra.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e a Dito preto a 10900 a libra.
m^&to dev^edeys-I^SeVS ,-BV fW00'
cr^pmmais acreditadas .'ssp^9vsr.fi^
1 L r SrS0 8lg' e a ^ e a C0nsenas inS|ezas a 800 rs. o frasco.
1,00o rs. a garrafa. c^ em gro a 300 e 320 rs a |jbra> c Q g
Serveja preta marca T e XXX a 6,5oo e WiOO a arroba.
7,ooo rs. a duzia, e a 600 rs. a garrafa, Dlto mo,o a 360 rs. a libra.
tambem temos das mesmas marcas para 4, oce de Soiaba a 5(>0 rs. o caixao.
e 4,5oo rs. a duzia, e a 4oo rs. a garrafa. EsP"'to de vinho de 38 graos, a 280 rs. a
11 k i PTafa.
dem branca Te cobrinhaa5,5oo e 6,000 rs, Farinha do Maranhao a 160 rs. a libra.
a duzia e oo rs. a garrafa, tambem ha Dita flor de laranja a 10 o frasco.
para 4,000 rs. a duzia. ^ Feijo branco muito novo a 440 rs. a cuia.
Graxa em latas grandes a l,3oo rs. a duzia Figos a 32 rs- a ,ibra-
Genebra de Hollanda em botijas a oo rs.
Dita Hamburgueza a 44o rs. a botija.
TS Hn^T?,da8 f"rrnobra>mma d'araruta a 100 rs. a libra, e 20600
ue muita rturarao a 4oo rs. cada urna. 4 a arroba
9^I^dTS^^'Z Palil0i>dc deQtes raassos -I a 2oo rs.' Graixa em atas a 120, e 10300 a duzia.
n^od-S;^dS^oT^toSTa e28ors- l*S&"garraroes de"garrafaspor
9oo rs. a garrafa e 9,ooo rs. a caixa com j Paltos do gaz a 20 rs. a caixinha c 2,3oo rs. Licor fino a 800 rs. a garrafa
iJJESl-a, .. n Vroza< Dito em garrafas grandes de superior quali-
uan-arfo.-, com especial vinho do Porto con-! p,i 1 ^ ,. d-idi> ia*oo
tendo 5 carrafas a 5oo rs GW e Alpercle chegada no u tuno vapor a .*'>oU('- nnn mM -
"" '" .*s de 2 libras a 800 rs. pecliincba! }\m?W 'ngleza Qor a 800,900 e 10 a libra,
dem com 3 garrafas de superior vinho Ft/ pQi^, ,i Manteiga franceza a 600 e 64o rs. a libra.
uencora ue Hollanda garraioes com
gueira a 2,400 rs.
dem com 5 garrafas
3,loo rs.
de vinho Lisboa a
rafas por 6.5oo rs.
16 gar- Dita hollandeza a 72o 800 rs. a libra>
Vinho branco dc Lisboa proprio para missa
vindo j engarrafado de Lisboa a 64o rs.
a garrafa^
dem em barril muito superior a 5oo rs. a
garrafa e a 4,000 e 3,8oo a caada.
Ameixas francezas em caixinhas de 1 % 2
e 3 libras elegantemente enfeitadas com ri-
cas estampas na caixa exterior a i,3oo
l,6oo 2,ooo e 2,5oors.
dem em latas de, 1 y
2,6oo rs, cada urna.
dem em frasqueiras a6,3oo rs. e 6,5oo rs. ea
56o rs. o frosco afflanca-se ser verdadeira.
dem de botija em barricas com quatro du-
nas a 44o rs. cada botija.
dem de laranja em frascos grandes verda-
dera italiana a l.ooors. o frasco.
Marrasquino de zara a 72o rs.
Licor francez de todas as qualidades enr3?'"3,? de vaPres as mas modernas e mais acreditadas,
gairafas de vidro brancos a 72o e 800rs. 1 ..odas,..agua de fen' c.Gm ?eus pertences.
i Marrasquino de Zara a 800 rs. 01
Passas a 4oo rs. a libra.
Palitos para dentes a 180 rs. o masso.
Phosphoros do gaz a 2:>500 a grosa.
Paios novos a 640 rs. a libra.
Queijos do reino do ultimo vapor a
20500.
Dito de prato a 720 rs. a libra.
Cenejas de marcas superiores a 500, JO.
600 e 640 rs. a garrafa, e 50500, 6# t
60500 a duzia.
Dita em barril por 40, e 240 rs. a garrafa
Ce\adaa240rs. a libra.
Sardinha de Nantes a 360 e 400 rs. a tafe.
nha.
Sag a 240 rs. a libra.
Sabao massa a 200, 240 e 280 rs. a libra.
Sevadinha a 280 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 160 rs.
Vellas de spermacete do gaz a l,2oo rs. a
libra.
Ditas do gaz muito boas.
Ditas dito em caun dc 6 iil.ras \*>t 440UO.
Ditas de carnauba a 400 rs. a libra.
Hitas de composicio a 300 e :W0 rs. a Mira.
Vinho do Porto, caada .1 50500, carrafa
720 rs.
Dito Lisboa, caada a 40 e a garrafa a S*.
rs.. .
Dito Figueira, caada a 30840 e a garrafa
480 rs.
Dito dita superior, canada a 40 e a garrafa
a 500 rs.
Dito Estreilo, canada a 30200 e a garrafa
400 rs.
Dito Bordeaux a 720 e 800 rs. 1 rarrafe.
Vinagre de Lisboa em garrafovs ilr :> garra-
fas por 10400.
Dito era canada a 2rj. | a 200 rs. a garrafa.
Vinho do Porto em garrafVs i\c 5 garrafas
por 20500.
Dito dito engarrafado I Ij C IJMft
Dito lagrimas do Doaro a I #400 a garrafa.
Vinho branco de Lisboa a 720 rs. a garrafa.
e 5 a ennada.
Dito do estreito a 600 rs. a garrafa, e a 4|50('
a canada.
Mostarda a 640 rs. o frasco.
Previne-se ao respeitavel publico que todos os generos cima fl| de boa qnai-
dade, e para desengao venham ver; assim como outros que dcixam de ser annunri*lr*.
BRII1 f \. 38.
Este muito acreditado estabelecimento est prvido de uin complete, sortiment 4b
machinismos proprios do fabrico de assucar, a sal.er:
francez de todas as qualidades em SS*!!
Moendas e" meias moendas de todos os tamanhos.
/a e3 libras a l,4oo
Figos dc comadre em bauzinhos de folln
muito proprios para mimo a i,600.
dem em caixinhas a l,4oo rs.
dem em caixinhas ermeticaraente lacrai' >
e muito bem enfeitadas a i,800 rs.
Idera a 2oo rs. a libra.
Azeite doce refinado do fabricante Pelanol e! ^,ambklues (le ferr fu\(lid-
outros a 800 rs. a garrafa fforn?s para cozer farinna-
Moinhos para moer mandioca.
etson.
Conservas inglezas sortidas e de urna s qua-
lidade a 800 rs. o frasco.
Aramia verdadeira a 32o rs. a libra.
alva a 80 rs.
Ameixas francezas em frascos de 11]2 e 3 li- S*T$f ?$**. do fabricante Basset, a
bras de 10400 a 20800, tambem ha latas rs" a ,UL
de 6 libras.
\ Toucinho de
Lisboa novo a 320 rs. a libra,
i. 1 ,. Tijolo de limpar facas a 180 rs. cada um
Marmelada imperial, dos melhores conser-1 CeboUas 0 mFlho a 900 rs
veiros de Lisboa, a 600 rs. a libra, em la-
tas lacradas hermticamente. Erva-doce muito nova a 400 rs. a libra.
r'ructas em caldas de todas as qualidades em! Cominhos dem idem a 640 rs. a libra,
latas muito bem enfeitadas, a 500 rs ca- Garrafoes vasios a 500 rs. cada um.
da urna. j
BQbchiDh. mgleza, a mais nova que se P6de l^^S^S^tSSS!fi,
desejar, a 30000 a barac a e 240 rs. a ^ranie-se ser veroaaeu^ de Hollanda.
Hbra- Cebollas a granel a 640 rs. o cento.
cheirosa Canella a mais nova do nosso mercado a
10000 a libra.
Gomma de engommar muito
Passas de carnadas as mais novas que lia no a '',Dra e 2,2oo rs. a arroba,
mercado a 4oo rs. a hbra e a 6,000 rs. a
caixa.
Salmao em latas
800 rs.
emticamente lacradas a
Farinha do Maranhao muito aba e
a 160 rs. a libra.
Azeite francez clarificado a 800 rs. a garrafa
e 90000 a caixa com urna duzia.
Conaeros mglezas dos melhores fabricantes
Mixed Fickles, ceblas simples, e outros
a 760 rg. o frasco.
Farinha verdadeira de araruta a 500 rs. a
libra, garaote-se a superior qualidade.
Palito para dentes era caixinhas douradas
Breo, a 320 a libra e 80 a arroba.
Alfazema o que pode baver de melhor neste
artigo a 280 rs. a libra.
Phosphoros de seguranca individual a 20 rs.
a caixinJaa.
Papel de embruiho muito superior a 10120
a resma.
Vinho da Figueira, o que ba de melhor a
40000 a canada,
^ojot finos para agua a 60000 a duzia.
Lagostim em latas grandes a l,4oo.
Savel, corvina, cherne, vezugo, peixe espada,
preparados pela primeira arte de cozinha a
a l,3oors.
Queijos flamengos chegados no ultimo va-
por a 2,4oo rs.
dem do vapor passado a 2,2oo 2,000 e
l,8oo, rs.
dem prato do ultimo vapor a 64o rs. alibra.
Doce da casca da goiaba caixoes grandes a
600 e9oo rs.
Chouricas as mais novas que ha bo mercado
a 48o rs. a libra.
Chouricas mouras encommenda especial nos-
sa a 5oo rs. a libra.
Prezunto verdadeiro de lamego em calda
de azeite 5oo rs. a libra
Bolaxinia ingleza a mais novas que ha no
mercado a 2,ooo rs. a barriquinha com
1 arroba, e a 24o rs. a libra.
Arados americanos, etc. etc.
dem de soda de diversas qualidades a 1,400
reis.
dem em latas grandes, proprias para lunche,
com 5 a 6 libras por 2,4oo rs.
Marmelada imperial do fabricante Abreu e
outros conserveiros de Lisboa a 600 rs. a-
libra.
Frutas em calda de todas as qualidades a
5oo rs.
Ervilhas francezas a 5oo rs. a lata,
dem portuguezas a 64o rs. a lata.
Massa de tomate a 64o rs. a libra.
Amendoas confeitadas. a 7oo rs. a libra,
dem de casa mole a 28o rs. a libra,
Avelans a 2oo rs. a libra.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca a 16o rs. a libra.
Sevada muito nova a 12ors. a libra e 3,2oo!
ss. a arroba.
Macarriio a 32o rs. a libra.
dem e talharim o mais novo que ha no mer-
cado a 48o rs. a libra.
Aletria a 000 rs. a libra.
Arroz carolino a loo rs. a libra e a 2,8oo rs.
a arroba.
AGENCIA
DA*
FNMCAO DE LOW-MOOR.
Ra da Senzalla ora n. i 2.
Neste estabelecimento contina a haver.
um completo sortimento de moendas e meias |
moendas para engenho, machinas de vapor 1
e tachas de ferro batido e coado. de todos os
tamanhos para ditos.
dem do Maranhao
3,ooo a arroba.
a 12o rs. a libra, e a
Caf do Rio o mais superior que se pode de-
sejar a 32o rs. a libra.
dem a 28o e 3oo rs. a libra e a 8,2oo, 8,4oo
e 8,7oo rs.
Velas de carnauba refinada a 32o rs. a libra,
e a 10,000 rs. a arroba.
dem de spermacete a 64o rs, a libra.
Chocolate hespanhol e francez a Doo e l,ooo
rs. a libra.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston & C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
Kiui da Senzalla n 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston A C,
sellins e silhOes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros (le um e dous cavallos. e relogios de
ouro patente inglez.
Cal de LsIhki
Cal virgem chegada honleio ni anooreus wui-
lo bem aconilinonnila< r por pi
artigo deposito da ra d j T- :.ji i,.- a. I'
zem dc MainH-l IViviri Ib-iu.
Poiassa da RNusla.
Acaba de ehogar no navio Qnm '<( ihe Fkrt, *
mais superior polassa da Rnsoia. < rtnr-i* a
preco conunodo : no larr'o do(jirpo SaNR, vr*-
torio de Manoel Ignacio de OfiTeira 4 FUm, b. M
Estrellinha e pe\ide muito nova a loo rs. a
libra, e a 2,ooo rs. a caixinha com oito
libras.
Cha perola muito especial ebegado neste ul-
timo vapor de encommenda particular
nossa a 2,8oo rs. a libra.
dem huxim muito superior a 2,7oo rs. a
libra.
dem hysson a 2,56o rs. a libra.
dem hysson a 2,000 e 2,2oo rs. a libra.
dem preto homeopathico e muito superior a
2,000 rs. a libra.
dem nacional a l,6oo rs. a libra.
Batatas muito novas a 80 rs. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Babia
e de todas as marcas, como sejam: sus-
piros, havaneiros, messecipes, regala im-
perial, Mor das mattas, primores a 4,ooo,
3,5oo, 3,2oo, 3,000, e 2,8oo, 2,ooo,
2,000 e l,6oo rs. a caixa.
ROUPA
Koa da Senzalla Uta n. 43.
Neste estabelecimento venda m: tochas *te
ferro coado libra a 110 rs., idomdeLow
Moor libra a 120 rs.
Vinho puro.
Xo escriptorio de Euzebio liaphael Rah^Hr. a
rna da Cadeta n. o3, vendem-se .inrornas roa -
cellenle e poro vinho linio de Lisboa, soumle tinado para gasto de casas partienlam por ser r
mettido pelo proprio fazendi-iro \mWM ^E
'Si
Na rita do Queimado n. 43, esquina que
volta para a Congregaco ; pechincha.
Paletots de casemira a 5^ 6, T, 8, 12 e 14000.
ditos de panno preto e azul a 9, 10, 18 e 18$,
ditos sobre-casacos de panno muito fino por 24 e
285, ditos de alpaca preta e de cordilo a *, 8, 6 e
7J1, calcas de casemiras de cores a o, 6, 7 e 8J,
ditas pretas a 65G0, 8,9 e 10& paletots de fustao
e canga a 2$, 2#800, 3 e 4& calcas e colletes de
tocias as qualidades e por preco muito barato, len-
ces de puro linho a prec de 25800 e 34, cober-
tas de chita a 25240, collarinhos de linho poro a
600 rs. cada um, e outros umitas objectos que s
vista ; e para isso se pede a attenco dos fre-
guezes.
Vende-se
no armazem de Manoel Marques de Oliveira na
ra da Moeda n. 9, agurdente d cama em bar-
ris e meias pipas e pipas, cal de Lisba a 25 em
p, azeite de carrapato em barris ou caadas, mel
em barris em pequeas ou grandes porcSes.
Assucar do Monteiro
Ba do Imperador n. 28 e caes de Apollo a.
67, a 200 rs. a libra, e de 8 libras para cima
a 50600 aarroba.
canoas de amarello de um s pao, proprias par
((escaria c para abrir : a tratar na roa da < j do Recite, armazem de lonca 11. 29.
ESCRAVOS FGIDOS.
ESCRAVO FlUIIIO
lOtIS (le }sratr,r.
Contina fgido desde Janeiro o mulato de mm
Raymundo, natural do Ico. estatnra refntor. ttt
dc 18 annos, cabeca chata, cabellos rinpialm,
tta grande, rosto oval, com nma nstnla
esquerda, macaas salientes, denles litnadoi
dos, bocea regular e principio de boro, pe e 1
|ic(|tieniis. coslumava andar calcado! e
se livre : iiuem o apprehender dirija-se na da
Cadeia do Recite n. II, a Loii Antonio
qne entregar a referida fratiaeayao.
Escrar tegld*.
Pugio do engenho Atateia,
nhein. no da 10 do comate, o
rio. idade 40 annos, crioulo, cor fula,
corpulento, com falta de dentes na brale,'
co aesbotado da cor, pes e penas
rnados, deeeaaaa-seqoe tena
do Reeife par estar vendida
Ignez, a qual era sua co
mora para as partes da
autoridades pnmiaes e
approaaaan>a Mvea ao
da Praia ao Sr. Genuino km m
recoupenrado.

m*+


Waaaajtata
8
Mario de PfBambiwo Qnarta felra t de rOmhro de t .
I
r-
LITTERATRA.
O DESCUIDO.
Ao meu amigo
JOO AM"MO DE hABBOS JC.NlOlt.
Ed caminho per.do em senda escura,
Sera un astro a fulgirsem companheiro.
Tan o inundo alegras, en morlyrios,
Oh sim, I desvenUua- eis o men norte";
Infeliz l da esperauca as -aves santas,
Calaram as candes, que me alentavam !
A doce estrella d'alva de meus das
12otre nuvens perdeu-se entristecida I
Eu fui orar a Deus; preces ardentes
Nos templos elevei-lhe, entre gemidos !
Mas em vao I Deus foi mudo; sem consol
job matdicto, estorc-me n'agonia !
Dasorle nao serei o vil escarneo 1
Tcnho a fronte febril, mas ei-la erguida 1
Se os ps me rasgam frvidos espinaos
_A dr eu piso impvido, sorrindo !
Son no meio da horrivel tempestade
A estatua fra, calma, indifferente!
Da colera divina affronto os raios.
Nao temerei jamis o seu imperio !
Mioh'alma nao tem crencas pobres flores
Que as vagas do infortunio arrebataram I
Ai I meus^enbos de amor, de gloria infinda.
To cedo "rmqulou-os mo tyranna !
Oh negro pavilhao erguido avante
Das minlias illuses sobre as ruinas !
Emhora ondeie ao perpassar das brisas,
Eu te fito sem dr, sem odio mesmo !
Que m'importa o porvir ? acaso um dia
De Juzes se ornara o meu caminho ?
E rasgareis oh Deus do livro escuro
De minlia vida as paginas medonhas ?
Quando eu morrer, nao heideemseio amigo
A fronte repousar fra, abatida !
Meu tmulo ser o chao da estrada,
Sem lagrimas de amor, sem cruz sombra I
Da soile nao serei o vil escarneo !
Tcnho a fronte febril, mas ei-la erguida !
Feri, oh I Deus, mas paludo e convulso,
Eu nao vos be jare i a mo tyranna !
Corte. Janeiro1863.
D.
Hcmveum tempo, sentares, em que talo por- geiro prcvilegiado ; elle alm disso (por assira Consistindo ella na esquecunento do beneficio
tuguen, forte as amas, grande por jM dher 1 o irmao gmdo da fomilia portugueza^^aa|A^ta mn. r jungidas
tas, e respetada por sua iBtelIigentPwrepracz, ae-rlmcnte achtt| a fnwiidade, como J^G* IPSHMavWMMR nvWonra4a bem-
encheu o mundo de sen nome. No Oriente e no' muito lempo datassem suas relacoes. | fetor, e fblg e ri com prazer infernal do males
Occidente os fastos da historia de cada paiz encer-1 E> ^^ 0 Brasileiro que receben em vosso paiz ^e caU8a-
ram bnlhantes paginas do muito que fizefam os; tens prvas de consideraco e amisade, nao pode Teve, pois, razio e razio de sobra o grande Se-
los antepasados. Foram elles a luz d'onde voltar para 0 Brasil eom animo de hostilisar-vos. eca para dar-lhe o primeiro lugar logo depois do
emanaram os niais bnlhantes raios da civilisaco E quanf0 ma01. for 0 nuraero dos que vos forem sacrificio, do assassinato e do roubo. E, assim fa-
1111 istaa, nos remotos climas da frica, da Azia e aprec|ar em vossa trra, tanto mais forte e peren- zendo, osuicida por ordem de eronao exage-
da America, arrebanbando para o gremio da uni
I dade social poros, dispersos educados as religioes
! egosticas do paganismo, ignorantes dos verdadei-
ros principios que tornam o bomem irmo dos ou-
tros horneas, e a naco irma das outras naedes.
O desenvolvimento que deram a arte da navega-
do lornou immorredouro o nome portuguez, anda
quando a mo pesada do destino houvesse de ris-
car o bello Portugal do mappa das naefes, tornan-
do-o urna colonia ou urna provincia, ainda quando
o ultimo Portuguez desapparecesse, e com elle se
extingussem os vislumbres da nacionalidade.
Nesta rpida commemoraco dos vetustos eitos
apreciar
ne ser a nossa unio. rou a bedionflez de to immundo vicio, nao; pelo
. L. -., _,,. ... contrario eu emendo que fez pouco, porque nao
A memoria de Fowlton, senhores, tributemes J ~ .
mutua gratido; pois que, por maiores que fossem lhe assignou o verdadero lugar. De certo nao e
uABHETE PORTUGUEZ DE LEITCRA.
Acta da sesso solemne do Gabinete Portuguez de
I' tura em Pernambneo, aos lo de agosto de
1863.
Ao meio dia estando presente grande numero de
convidados, de socios effectvos e de subscriptores,
reunidos nos saldes da bibliothcca, o Illm. Sr. di-
rector Joaquim Ferreira Valente, assrimindo a-pre-
sidencia leu um discurso anlogo a inauguraco
(jue ia ter lugar, do retrato de Joo Vicente Mar-
bus, principal fundador deste estabeleeimento; fin-
do o qual foram desencerradas a cortinas, ficando
os aperfeicoamentos que se dessem a arte da anti-
gajnavegaco, jamis chegariamos aos resoltados
precisos e verdaderamente admiraveis, que nos
tem fornecido o vapor.
Isto posto, vemos que o carcter desta reunio
a fraternisaco dos dous povos ; e que o seu flm
a consagrac,o do espirito ao culto das lettras.
Mas o que poderei eu dizer em honra da vossa
dedkaco e esforco na sustentaca deste templo, e
portuguezes, eu rae record com certo regosijo da da vossa devocao pelo progresso humano, que nao
visita, que em Londres flz ao hospital de Gremcick,' seja excedido pelo brilho desta resta f.... E se mi-
destinado para os invlidos da marinha ingteza, jnba voz muda para exprimir os grandes pensa-
onde um grande vulto portuguez adorna a sala de | mentos que se acham reunidos na vossa msituico,
entrada para urna especie de galera de pinturas ento o que vim eu aqui fazer ? com que ttulos, e
navacs. Esse vulto assaz conhecido dos homens
de lettras de Portugal e do Brasil, e muito sympa-
thico a todos que sabem apreciar feitos heroicos,
o de Vasco da Gama.
Na verdade a Inglaterra collocando em um dos
scus mais importantes estabelecimentos consagra-
dos a marinha o retrato do celebre navegador, quiz
render um tributo de profundo reconhecimento a
aquelle que lhe ensinou o caminho da India, d'on-
de lhe tem provindo a maior parte da sua gran-
deza.
E sem fallar da ingratido com que em varias
eras a prepotencia ingleza tem arrancado do domi-
nio portuguez algumas das suas posscssoes,eu ereio
que nao se pode deixarde ver nesse facto que aca-
bo de referir, urna homenagem a nacao que teve a
gloria de produzir to intelligente e heroico vara.
Dirigindo-se para a America a Intrepidez e o he-
rosmo dos navegadores do Oriente, o nome portu-
guez foi plantado com o symbolo do'christiamsmo-
as plagas brasileiras; e novas conquistas foram
feitas para a obra da humana perfectibidade,tra-
duzda as palavras civilisaco christaa.
No cultivo do novo campo aberto aa desenvolvi-
mento das ideas christaas os nossos gloriosos an-
tepassados deram jirovas exhuberantes- das mais
heroicas virtudes, j pela constancia nos frabalhos,
e pelo denodo as empresas-, j pela prudencia
com que empregavam o& seus metas deaccao; e
pela paciencia e resignacao com que soffceram M
mais dcsanimadoras contrariedades.
O mundo reconhece a importancia dos servicos
que prestaram; e nos os descendentes deCabral
formamos hoje urna sociedade numerosa, que oin-
gindo com um braco a Cruz de Porto- Seguro-,
abracamos com o outro a humanidade inteira, por-
que o sangue do Martyr derramado no Calvarioj
cstatuiu a confraternidade do genero humano.
Sim, nos aqui estamos para darmos um teste-
muuho vivo da grandesa e esforco do vellioPor-
tugal!
Senhores, acontece com as nacoes colonisado-
ras o mesmo que acontece com as familias.
Assim como os filaos, depois de terem recebido
de seus paes a creacao e a educaco, chegam a
edade do tomar a seu cargo- a regencia de urna no-
va familia, e deixam a sociedade paterna, para
formaren) urna sociedade destiera, qur isso seja
com que direito vos estou fazendo perder momen
nm lugar comraum que por direito pertence a in
gratido. Ella tem bastantes ttulos para fazer va-
ler as suas pretencoes, e os seus velhos pergami-
nhos, assegurando-lhe a descendencia em linha
recta, e o sangue azul de Satanaz robustecem os
seus direitos incontestaveis a um throno, c fazem
rcconheccr a legitimidade da sua realeza. Assim,
pois, entendo que o primeiro lugar que se lhe
deve assignar na classiflcacao dos vicios, e nao um
lugar secundario ; porque para mim cousa fra
de toda a conlestaeao, e de toda 3 duvida que a
ingratido 6 o complexo de todos os outros vicios;
de sorte que nao podemos exprobar um homem de
ingrato, sem lan^ar-me em rosto nessa simples
palavra mitos ouros vicios. Digo, pois, alto e
bora som com o philosopfto : Omne dixers mte-
los preciosos, que eviam ser utilmente aproveita- dictum, cum ingrattm dxerk.
dos, pelos talentos e pela sabedoria ?
Senhores do Gabinete Portuguez de Leitura, obe-
Entretanto nenhum vicie infelizmente mais
commum, e ledos os dias estamos vendo o indini-
decesdo aos dictames de mrnba consciencia^ ea do beneficiado- revoltar-se contra o individuo bem-
vim congratular-me eomvoseo, pelo ptimo desem- feitor, dando-se assim quotidianamente o especta"
penho que haveis sabido dar a idea generosa do' culir da revolta Se Satanaz contra- o Creador.
magnnimo Portuguez, que longe da patria nao- se
esqueceu de prover a necessidade de instruir se8-
Demasiadamente-estreito este circulo paranclle
estorcer-se vontad, a ingratido, desprendeu ella
compatriotas-, promovende creagodeste bello es-1 em um. ^ escuro e tempestuoso mmt vesper.
tabelecimenro litterario, onde a mocdade portu- tilionina em busca de- um novo mundo onde le-
gueza tem bebido os conhecimentos indispensaveis vasse a desordem e a morte. Prximo encontrou
paratranspor as raias da ignorancia, er mtrar nos mundo-da familia, escarrou-o, e passou alm.
Mais adianlfc encontrou o mundo da tribu, cobriu-
ode lama e-peconha, e passou alm. L em re-
porticos da sociedade Ilustrada.
A idea foi digna delle, e o zelo, intresse e de-
dicacao que haveis empreado- em seu] %senvo|-
mento, sao dignos do vosso patriotismo.
A senda brilhante, que tem seguido o GaMnetc
Pbrtuguez de Leitura, assegura ura porvir immor-
redouro, e na perpetuidade de tal instituicao aeom-
panharsempre o nome respeitaveide Joo Vicente
Martins, por muitos ttulos digno* do reconheei-
mento da posteridadk-f
Tecendo urna grinald^ posto que de-flores mar-
chas colindas nos iardins da intelligencia, para
depositar em um da de festa, no templo da memo-
ria, em honra de un-finado, eu sime* urna certa
commoeao de prazer por me parecer xfit tao sim
gella, quanto sincera prova de gratidat ser agr>
davel ao espirito sublime, que talvez por permis-
sao-Bivina tenha baixado aoste recintft, para ou-
vir-nos e para ver-nos, no momento em que tao
alegre e fraternalmente commemoraaaos com a
inauguraco do seu retrato o 12 anniversario de-
umaobra que elle seranre considero 1 como um
dos seus padroes de gloria.
Eis o que vim aqu fezer, senhores. Sioto agora
opeito-alliviadoda oppresso de urna saudade, e o
espirito satisfeito, por haver curapridoum grato
de ver.
Se- Isso vos nao agradar, perdoae-me.-
Dr. Sabino Ofegario Ludgert -PMo.
R*eife i de agosto de 1863.
Guatimozin no Mexlcx), nwrrerara sobre fogueiras
e grelhas de ferro, sem delxar escapar urna s
queixa, um s suspiro de 4&r que podesse fazer
pulsar de prazer os coraoSfc de tigre dos aven-
tureiros hespanhes ; que, como Ajuricaba e Ca-
marita sabiam vencer com o arco em punho ; que
como os taraoyos e os tupis, derrotados pelas ar-
mas de Portugal, sempre recusaram confessar-sc
vencidos, attribuindo as causas das desgracas, que
desta America, e estamea no mappa das Meta*
nome do imperio de laota Cruz, nance **>-
viam os Brasileiros lufflpe em todo
sado vergonhoso e inaogarar
realisasse a edade de ouro.
una era aje api
Nao acontecen, noreai, assim. t
liberdade foi conquistada de direito.
tambem que nao o foi de facto ao me
e por tudo f
as regioes da poltica a influencia
patn o mesmo retrato em urna tribuna prepara-1 fcUo a conlenl0 dog paes> ^ ^ sta tambem
da para este fim cornada com as armase bandt-i- M coloniaS) em cncgaiulo a um cert0 ^^^
ras brasilcira e portugueza, e declarou aberta a
ao.
O Illm. Sr. Dr. Sabino Olegario Ludgero Pinho,
pedio |)ermsso e leu um brilhantc lliscurso, acer-
ca do principal motivo desta reuniaj): depois do
que o Illm. Sr. director encerrou a tsalo : o eu
I' -vrretario da directora, lavrei a iresentc acta e
lliia\|llll lllfruir Bajista Xo'jwia.
Di-. ITISO PBOWiNClADn PELO ILLM. sr
QllM lEllllKUU VALEST
iatm 'A directora do Gabi
it UStura vem hoje prestar, com
r,o, a homenagem de gratido que
so nclito fundador Joo Vicente Mart ns.
Varita Ilustre, nao s pelas suas
pelo genio creador de que foi dota lo; elle nos dei-
xou como a mais preciosa dadiva d
DIRECTOR JOX-
lete Portuguez
i maior satisfa-
derida ao nos-
virtudes, como
c sua grandiosa
intelligencia, a instituicao que ha.doze annos o
mais honroso padrao de gloria da familia portu-
gueza residente nesta cidade.
Instituida com os louvaveis fins de aperfeicoar a
ciyilisar;ao da humanidade, facilitando a leitura das
mais aprimoradas obras as scicncas e na littera-
tura; della j teem resultado frurtos benficos
desenvolvimento reconhecem a^ necessidade de
crear sua nacionalidade, e envidam todos os es-
fori;os at o ponto de conseguirem o goso dos di-
reitos inherentes ao estado de naco independente.
E' isso o resultado da mesma lei provideneial que
rege os destinos das familias.
Raramente as metropoles reconhecem os direi-
tos da independencia sem que tenham precedido
grandes lutas, e muitos sacrificios.
D'ahi por certo nascem os odios de nacao a na-
cao, os quaes sao tanto mais entranhados e dura-
douros quanto mais tangas foram as lutas, c mais
pesados os sacrificios.
Nao pois de admirar senhores, que depois de
alguns annos da independencia do Brasil, existis-
te essa ogerisa entre Brasileiros e Portuguezes,
que algumas vezes deu lugar conflictos desagra-
darais. Mas gracas ao bom senso c prudencia de
nns c outros, esses odios desappareeeram, de al-
guns annos a esta parte, logo que a geraco cons-
titucional portugueza comceou a substituir a car-
rancice absolutista, logo que os Portuguezes no
Brasil se abstiveram de envolver-se as questes
polticas do paiz.
Este ultimo facto, senhores, tao honroso para
os Portuguezes quanto grato aos Brasileiros A cl-
mecidade estudiosa, concorrendo para o estmulo le principalmente que se deve o arrefecimento
das mais nobres aspira$5es da nossa poca. das paixoes nacionaes e ao fiel cumprimento dos
Louvores. pois, de todos nos, ao Ilustre funda-! arares de hospedes que os Portuguezes devem
dor. e seja seu nome perpetuamente respeilado! .os eosos da l)a hospedagem. Hoje alm das van-
tagens que se costuma conceder aos estrangeiros,
os Portuguezes no Brasil como que fazem parte da
Neete dia festivo en que se solemnsa o dcimo-
segundo anniversario do Gabinete, a directora vem
em nome da nossa associaco pagar o tributo de
gratido que se devia memoria do nosso funda-
dor, inaugurando o seu retrato no salo da nossa
biWiotheca.
Que a sua iinagcm permaneca entre nos, como
fymbolo de paz c concordia da familia portugue-
za ; que ella sirva de incentivo para continuarmos
a conservar a heranca que nos deixou para honra
e gloria nossa e da patria a que pertencemos.
Disse.
encraso prontxciado pelo DR. SABINO OLEGARIO
I VOCERO PIXHO, NO CAMNETE PORTl'GL'EZ DE LEI-
TLRA POR OCCASIAO DA INAloTRAgAO DO RETRATO
H foSO VICENTE MARTINS, SEU PRINCIPAL FLN-
MMML
O que quer dizer esta reunio,
O que exprime f
Qual o seu carcter?
Qual o seu lira?
E o que vim fazer eu aqui ?
Por mais que procure dissimular o acanhamento,
de que me acho possuido diante de tantas intell-
gencias superiores, diante de to crescido numero
de doutos respeitaveis por seus talentos e virtudes,
diaate de urna mocidade to ardente e tao vida
de instrueco e de de gloria, eu sinto todava
cabir sobre a consciencia todo 0 peso de minha
nossa familia; elles* nos acompanham, e sao por
nos acorapanhados, as festas e as dures.
E se assim nao o que qur dizer esta reunio ?
O que exprime ? Vos o vedes, senhores; a con-
cordia entre todos; a forra harmnica daln-
guagem, do carcter, dos costumes, da religio,
que nao permitte por muito tempo o antagonismo
entre povos da mesma origem, quando a pruden
ca os dirige*} sao lafos tecidos pelo comraercio,
estreitados pela rapidez da navegaco, que tanto
tem facilitado a troca do pensamento entre o velho
c o novo mundo; o ampiexo de duas nacoes que
nutran o mesmo pensamento, tendo por fim o cul-
to dos progressos do espirito; cmfim o protesto
que faz o tempo presente contra as vertigens so-
ciaes de outras eras, e o solemne tratado de paz,
que ter por carcter a perpetuidade, visto que
bascado na ba f. e na experiencia.
Nao mais senhores se levantar no Brasil o
monstro da discordia entre os filhos da Lusitania
e os descendentes da mimosa Paraguass :
Pouca cousa necessaria para garantir a perpe-
tuidade da nossa unio ; do nosso e do vosso lado
o bom senso e a prudencia. Faeamos votos para
que esses dous elementos nos acompanhem para
sempre.
Eu disse que o commercto c a navegaco con-
tribuan! para a ordem de cousas, que observamos
flaqueza intellectual, para aecusar-me da temeri- j neste momento. Disse urna verdade, porque fa-
dade de querer mover a lingua para elevar o pen- cuitando o commercio a transposico dos mares
sainento alm da regio, em que lhe dado gyrar.
Mas como sei que a indulgencia to propria da
virtude, como do talento, e conheco que neste re-
cinto se acham reunidas essas duas entidades, nao
hesito em oppor aos escrpulos o prazer de tomar
parte nesta festa pela manifestaco de minhas ideas
sem outra eloquencia mais do que minha boa f,
minha convieco, e meus bons desejos. Os lacos
que me ligavam ao prestante varita, cuja efflgie
acaba de ser exposta a nossa contmplaco, sao
por demais poderosos para justificaran o meu ar-
dimeuto.
com tanta rapidez e precisao, que incita a curiosi-
dade de ver e observar o que se passa em outros
mundos, tem ambos feito desapparecer o obstculo
que se oppunha ao desojo de viajar.
Os Brasileiros que d'antes nao se arriscavam a
urna viagem a Europa, se nao por amor da instruc-
$o, e quanto muito por amor da saude, hoje o fa-
zem por praier, como se fossem urna festa em
lugar risinho.
DISOlftSOOUE DEVIA SED PRONUNCIADO-PELO ACAD-
MICO GIILHERSIB AMAZONAS DG Si
Senhores do Gabinete Portuguez de Untura ()
Um nome desconhecido e obscuro venvhoje pedir-
vos um. lugar entre os alegres convivas do vosso
banquete litterario; concedei-lh'o, senbores.que nao
vcnvelle pedir-vos nm entre os altos-thoros desti-
nados nossa aristocracia litteraria,no; um lu-
gar secundario que elle vos pede, um logar que cs-
teja em relaeso com a mediocre posicao que oceu-
pa na repblica das lett ras.
Bem sei, senhores, que attendendo o meu p,
do, muito c muito perderis, porque nesse cme-
nos passar-se-hao alguns minutos do-vosso precio-
so tempo, desse tempo que os homens prudentes e
sabios do grande secuta em que vivemos apellida-
ram-a mais valiosa moeda de que neste mundo S9
pode dispor, por isso que o lempo a medida des-
se escoar incessante c perenne de dias, semanas,
mezes, a nnos, lustros e secutas que constituem-a
vida da humanidade. Ibs, senhores, vos sois fi-
lhos da cruz, vos tendes procurado estancar a vos-
sa sede na fonte das aguas vivas que mana da sa-
grada rocha tocada com a virga mstica da divino
Moyses, e por isso confio que nao repellirets a mi-
nha pretendo; porta antes inclinar-vos-heis por
um momento para prestar-me os vossos ouvidos.
Senhores 1 Dia por dia, hora por hora comple-
tam-se hoje doze annos que a brilhante idea, que
em vossa mente appareceu, tornou-se urna reali-
dade, encarnou-se nessa grande instituieao chama-
da Gabinete Portuguez de Leitura. E hoje, senho-
res, vosachaes aqui congregados para celebrar o
dcimo segundo anniversario da vossa til e- pro-
veitosa instituicao; vos achaes aqui congregados
para plantar mais um fulgido marco na larga es-
trada por onde, na ramagemdo futuro, passar o
vosso nome at s portas da posteridade, qne de
certo vos abenc,oar, lembrada de quanto fazeis por
ella no tempo que corre e que ento ser pretri-
to. E hoje mesmo, senhores, completam-so dous
annos que neste augusto templo das lettras, levan-
tado por vossas maos em honra da vossa patria,
um dos nossos eminentes vultos litterarios ergueu
a sua magestosa voz sempre attentamente ouvida
pela mocidade, que a sympathisa, para protestar
em nome dos lusos e dos lusos-brasileiros contra
as argoic5es injustas que um atrevido breto fez]
ao joven imperio da America. Mas, protestando
em nome dos lusos e dos lusos-brasileiros, esse
grande vulto que me retiro esqueceu-se talvez
involuntariamente de protestar tambem em nome
dos filhos da raca vencida, em nome dos filhos dos
legtimos senhores da trra que calcara os nossos
ps, e quem os tristes effeitos da luta travada em
defesa da trra natal, das muflieres, dos filhos, dos
ossos dos seus antepassados, e at da liberdade
propria expelliu para os ridos sertes e para o
fundo das selvas primitivas. pois em nomo da
ra^a vencida ; pois em nome desses martyrcs da
liberdade e da patria ; pois em nome dos meus
irmos que venho hoje, senhores, perante dous po-
vos, perante duas nacionalidades, perante dous
mundos protestar contra as censuras dos que nao
os conhecem, e contra o esquecimento em que
vivem esses, que pela fama dos seus altos feitos,
pela sua resignacao e mais qne tudo pelo seu lon-
go e lento martyrio de viam sor sempre lembrados
por aquel les que se gloriam de ter nascido nesta
trra da Santa Cruz, e sob o mfluxo das brilhantes
estrellas do cruzeiro.
Senhores 1 A ingratido, disse alguem algures,
o mais negro de todos os vicios, porque resume
em si todos os vicios. esta com effeito para mim
urna verdade, que nao soffre contestaco ; porque
a ingratido de facto em meu pensar o compen-
dio de todos os outros vicios.
metas zonas avistou o objecto cubi gado, e esta
vista o peito se lhe alargon ao impulso de-um pra-
zer d demonio, e os labios, ensaiando um riso,
deixarara ver a bocea um negro abysrao; e todo
o semblante se lhe contrahia em careta horrivel:
que o mundo do estado Ihs appareca todo bri-
lhante esem mancha I !
E agora, senhores, que diris vos do arroj d
empreza T Que epithetos tendes vos no recndito
da vossa intclligenca que possaes emprestarme
para com elles nonrear a ingratido d individo
para com o estado ? Nenhum talvez; porque- es-
gotadoo longo cathalogo com a ingratido db in-
dividuo ao individuo, impossvel era que vos res-
tasse um s qne servisse para qnalificar a ingrati-
do d individuo para com o estado.
Mas nao, s jnhores, no final do verso dessa-ii
mensa lista vejo ainda alguns nomes. Permitt qne
vo-tos repita: sao os nomes de Entile Carray, Mans-
fil, e outros quejndose qne calo d envolta com o
o relator da commisso scientrca enviada pela
Austria no anno-ultimo para visitar alguns pertos
do mundo.
Napessoadaqoelles dous individuos, e nado re-
r, torda commisso austraca a ingratido habiton
por algum tempe o imperio da Santa Cruz; mas
como a vbora de Lafontaine, essas vboras da in-
gratido nao receberam a hospitalidad e e o bom
asollmenlo que-Ibes deu o Brasil, seno para co-
brar novas forcas, afim de merderem com segu-
ranea e mais certeza o peito que lhe dra calor.
Para esses individuos o Brasil c a trra des ho-
mens, que tem olhos de porc¶ apreciar as bel-
lezas que lhe prodiga I i son a natureza ; um cora-
rito fro para sentir grandes c nobres comm0oes;
um gost o csthetico millo, falta de toda a.illuslra-
ro, urna edueaco imperfeitissima ; uir. povo de
negros e caboclos, de ladriJes e assassinos ; final-
jnente um pavo simi-barbaro, ou antes selvagem I!
^Para elles o.Brasil perdeti muito em ter sido co-
lonia portugueza/c nao- perde'J pouco em ser urna
acio independente t Admiradores dsste paraso
terreal, e amando de eoraco o seu eagrandeci-
mento, elles lamentara que'no passado nao fosse-
mos colonos franceaes ou inglezes ; que no presen-
te nao o. sejamos ainda ; o que no futuro nao o
venhamos a ser!! E' com esta condico smen-
te que no entender desses prophetas da desgraca
o Brasil poderiae pode esperar nm.futuro brilhan-
te eiisongeiro. Fra d'ahi nao. lhe resta esperan^-
ca alguma.; quando muito um. lento definhar, c
n'uma poca mais ou menos prxima ruina e-
raortel !
lhos sobrevinham, porseguico do genio do mal, disparou os tiros da Praea do Cammero,
em quanto Tupana, offendido por suas culpas, ve-
lara o rosto com gentil tecido de variegadas pen-
as ; que, finalmente, como os patriarchas da in-
dependencia quasi tocam a perfeico na phrase de
Washington.
O passado pode ler sido de Ninive, Babilonia,
Egypto, Grecia, Roma e Portugal; o presente pode
pertencer Russia, Franca c Inglaterra ; mas
o futuro, e isto incontestavel, pertence ao impe-
rio da Santa Cruz.
Eis, pois, senhores, o men protesto em nome do
meus irmos contra s arguices Injustas dos que,
nao conhecendo o Brasil, qnerem fallar sobre o
Brasil; daquelles que por sua filaucia de euro-
peus qnerem menospresar tudo que nao da Eu-
ropa.
Passarei agora a tratar da segunda parte do meu
discurso de que j vos avisei.
Parece, senhores, que urna fafalidde ou um
mu genio tem perseguido constantemente os pri-
mitivos fimos destas regioes ; direi antes, seguindo
as suas idase as suas crencas, parece que Deus,
offendido por algum enorme delicio desses infelizes
os votou em expiaco ao martyrio, ao exterminio,
e at ao esquecimento. Nem de outra sorte pode-
mos comprehender e explicar esse faeto. que
alias urna verdadfe palpavel.
Notarei mais, senhores, que esse ostracismo nao
tenv pesado smentc sobro os indgenas destas- ra
ges, elle tem mesmo alcancado descendentes de
europeus, e at a europeus; com a differenr.a'de
que entre estes uftlmos o ostracismo e o anade-
nla de'esquecimento fere os primeiros e maiores
entre elles, j pelos 3eus servicoe, j pelas grandes
ideas, qu tentaram realisar.
Apreciara a historia de uns-e de outros para
que conhecaes a verdade do que tero dito.
Em S de agosto de 1492, tres pequeos vasos
partiranv do porto de Palos na Andaluzia em de-
manda da urna passagem para a Azia pelo occi-
dente. Com 1 nandava estes tres navios um geno-
vez de nome Christovo- Cotombo, cujos servicos
haviam sido repellidos por Genova e Portugal e
que Hespanha acceitra afinal depois de tres annos
de inuteis soKcitaces. Esto homem como sabis,
depois de urna temeraria vragem na qual gastou
65 dias, e durante a qual teve de lufar contra obs-
tculos de toda natureza, o at contra a insubordi-
narlo dos seos, pode emfim, desembarcando na
ilhadc S. Saltador no dia 8 de outubrodo mesmo
anno, offerecer a Europa espantada um novo mun-
do. Recorda-vos o premio que teve esse homem ?
ferros; e se qur nao lhe coube a gtara de dar o
seu nome ao continente deseoberto, pois esta lhe
foi roubadapor Americo Vespucio, de cujo nome
vem America.
veu a constituinte, deportn os Aadradas, e |
a Portugal o preco das armas, que comern peo
combater-nos.
O 7 de abril, reaaindocontrae inflogacia
civa. trouxe a abdicaco, e Pedro L, partNpara
Portugal a bordo de um vaso de guerra laftet.
Nao obstante a bydra infernal ergne ani a n-
beca; oppoe-se a reatisacao das graades tata I
beraes; e de raaos dadas com a adulan leva
na Praea da Conslituirio1 a estalas evaiwtre eetiw
um signal do arrependimento do iBiperio frt* vfc-
foria do 7 de abril.
as regioes da moral a iiwfcencb aot lugwra f_
mais desptica c governa cerno noera atata*
pelo intermedio dos seus mim>tros os prrjiiie
Aqui sao as distinccoes de cres; ai as ttf-
breza ; alera as de riqueza ; e mais alm ae.
sei quaes.
Todos se jactara de ter origem portogoeza e ae>
bre; alguns talvez prefiram descender de '*>
porm, nenhum se quer cora voz trmula e su mi di
atreve-se dizer : descendodos nco'as ta* ta
paiz : os meus maiores- provm dos laaaoyos, da
tupis, dos tauayaras.
Coitades temem o anatnema do prejai. e por
isso renegam o seu |>assado .'
Pois bem, senhores, eu noo l prejuizo ; arrosto com elle, e aqnt, pera vea a
perante o mundo, eu digo eheio de orgull : Se-
nhores, deseando dos Indios.
Fulmine-me a sociedade a saa excoaunnaka, ea
rir-me-hei della, como rio-rae daqoelles que,
filhos do Brasil e de Brasileiro* occaUain e
a sua ascendencia.
Eis o primeiro facto :
'.aliral, em viagem para a India, descobre pro>
videnciahaente estas trras, a que deu o nome de
Vera-Cruz, mudado por D. Manoel em Santa-Cruz-;
entretanto o nome de Brasil substituto aquelle fa-
zendo-oqaasi esquecer.
Eis c -segundo facto-:
Tira-dentes o Christo da nossa religio de-li-
berdade e independencia, entretanto qUe Pcdre
I, que se levanta urna estatua no lugar mesmo em
que foi suppliciado o heroico e denodado pa-
trila.
i Ei&oterceirofacto:
Muitos ontros pedera ainda citar-vos; mas bas-
Quanto aos que a renegam, para esses nwM
gao Sim. maWicao. porque c ilho pu-ilanime a
cobarde, que rompe os raais sagrados lacos, ao
merece outra cousa seno maldire '
Parabens parabens ti, trra de Wj
e Franklin Parabens li, u- grande 1
que sabes devidamente prezar tua procedencia 1
Yankees, e que consideras o sangae dos akorare-
nes da America, nao como o mais azul, porra ce-
rno o mais puro Parabens a ti, Bslados-L ateas t
Eis, senhores, o meu protesto ooatra o esqueei-
raente e o ostracismo, que tem pesado sobre aa
naeus irmos.
as phrases toscas e incorreeiaa, qaw aeafcae*
de ouvir-me, proeorei, senhores, qaaafo rabiaaaa
mmhas debis forcas. mostrar-vos eona em BplW
esboco, e em nome dos meus irmos. a imprare-
dencia e injustic?. das censuras e argnsedes, ape
estrangeiros ingratos fizerau ao Brasil: e eafcr-
cei-me por estabelecer contra elles. coa moa ver-
dade incontestavel, o principio s#gnine : par-
que descendemos dos Portoguears: e aiada anua
porque descendemos tambem do toclas destas re-
gioes predestinadas que sereme* aades aa Sa-
turo.
Dissc-vos ao depois que me pareca qne aaaa la-
lahdade ou um mu genio tem persegnido coastaa
tmente os primeiros filhos desta* regies, oa an-
tes, e seguindo as suas ideas e cwra, qae ae
pareca ijue Deus. offendido por Jtlgnm eaonae >-
liclo desses infelizes, os votara ea expiaco a
roartyrio, ao exterminio e at* ao esqu" niiiaa
Em seguida vos fiz notar qce ey uatwhta
nao tem pesae smente sobre c aageaas aesas
regioes; mas que elle tem taabea akaacada a
descendentes de Europeus e m a Enropens.
Passei ao depois a mostrar-aj as razes qce *aa
levaram a pensar assim.
E conclu fazendo-vos om* o men protesto sa-
lemne contra o esquecimenio em que riv?raa, e
em que vivenv os indgenas das trras brtxlieas
Devo. porm, observar-vos, senhores. qne 1
levo di, principalmente comrelaeao aesata-
ma parte do meu discurso, senle-se inodiaaada a
seu tuntum, quando considerauo com neiacao aa*
ultimes lempos. Coui eReito, aqui encontraaaaa
negro e pesado vu do esquecim>nlo. adeJpraaa
a sua-deusiilade, n deixando ver alea ana ai
primese jp
Dr. oaralas Ha,
Mas, senhores, vos vedes.bem quanto falso um
tai raciocinio ; vos conheeeis bem quanto -mise-
ravel um tal prophetisar ; e bem sabis que s a
ingratido poda avanoar tanto.
Nao por ter sido- colonia portugueza que o
Brasil deve desesperar do futuro; no por ser
hoje independente-qua- elle deve renegar o passado
e o futuro ; nao por ser no futuro independente
e grande que ellednve lamentar o passado, o pre-
sente actual, que ento ser passado, o futuro de
hoje, que entao, sera presente, e- os tempos ento
ainda por vir.
Como colonia portugueza o Brasil cresceu ; como
colonia portugueza o Brasil httou com a liollanda
e a inesma Franca, e vencen ; como colonia por-
tugueza o Brasil cresceu, cresceu e progrediu at I
que, o anjo da liberdado, murararando-lhc ao ou-
vdo mysteriosas palavras, levantou-so como um s
homem para quebrar esceptro tyrannico da metro-
polo, e construir cora os fragmentos delta as bases
do magestoso edificio da sua independencia e so-
[ berania.
Como naco independente o Brasil caminha e ca-
miiilia. J tango estadio tem elle vencido na es-
trada do progresso e do futuro; o nesse caminhar
lento verdade, porm seguro.no desprega os olhos
da Cruz do Christo, que o painel que o guia, o no
qual v o manancial do toda a liberdade, de- toda
a torca, de toda a grandeza, da nica e verdadeira
civiUsaco.
Assim, pois, vedes que o Brasil nada tem a la-
mentar no passado o no presente ; oque alm as
eras ainda oceultas as sombras da oternidade o
espera um futuro mais bello o resplandecente do
gloria do que o sol meridiano.
tam,estes para provar-vos a minha asscrco; e por ainda traca, verdade, porm ime pr-tmeUe
ellos julgae vos uesmos dos- mais.
Quanto aos indigenas, combatidos, vencidos, per-
seguidos o cscravisados nos primeiros tempos da
conquista forrjn julgados.por seus oppressores nao
pertencer a raca humana, e sera animaas bons pa-
ra o trabalho. E este prejuizo subiu de ponto que
foi precisa urna bulla papal para restitoi-los ao seu
estado de criaturas ractonaes c dignas de gozar de
todos os privilegios do christianismo.
Nos tempos que- se seguiram nao foram elles
mais fezes, a escravido os esmagava com todo o
seu peso, e elles filhos da liberdadB finavam-se- logo
que a fiOr desta emmurchecia.
Mesmo depois de promulgada, a lei que Ibes con-
ceden a liberdade c prohiba escravisa-los, ainda
sua condico nao melhorou quanto devia : ainda
ento.conlLnuaram a ser considerados machinas de
trabalho.
Perseguidos, escravisados, degradados da eondi.
?3o de creaturas racionaes, restituidos a esta con-
dico e livres final, nao houve nunca urna s mo
piedosa que tentasse salvar das aguas do olvido a
memoria de sua origem, das suas tradicoes, dos
seus feitos, dos seus costumes, e das suas crencas.
Calumniadores appareceraia em grande numero, e
cada qual mais cheio da nobreza da sua origem, e
no entretanto mais infame Para uns erara os in-
felizes selvicolas eantropophagos repelientes; para
outros notinhamera Deus.nem rci,nem le; para
outros erajn aniraaes destituidos de razao; porm
com forma humana, c portante urna especio inter-
media ao homem e ao bruto.
E. quem dizia isto ? europeos. E porque ? por
que j se nao lembravam de ^que era. [tempos nao
muito remotos os seus ascondentes se banquetea-
vain era carne humana.
Elles, quo nao tinham outro Deus alm do ouro,
outro roi alm da violencia das paixoes, outra lei
alera da licenca, aecusavam os aborignes de nao
tercm nem Deus, nem rei, nem lei, quando estes
adoravam Tupana, reconheciam a autoridade do
ehefo da tribu, e obedeciam como tais as determi-
naeocs deste e certos costumes entre elles estabe-
lecidos. D'onde se pode concluir que em vez de
serem os indigenas a especie intermedia ao ho-
mem e ao bruto, os conquistadores cania essa
proporges gigantescas.
Teve a subida honra de ser
ateasse esse fogo sagrado o sr.
esse mavioso poeta, esse genio brasileiro. qne sea
comprehendeu que a historia datmelles qne. ca
o cvsne. cantavam a morte melhot que a vida, s
poda ser narrada em bellos e soavisirous caa-
i i eos.
Apos elle segu essa pleiad* brilhaale de ja*ta>
iiiteUigenles. esses mancebos cIkh* srnaeas. cada um dos qnacs mais se rfceea ea
condzir sua pedra pan o- vasto campo ua gtaria
patria, onde se ha d> erigir o graadi<*o e ara
fleo templo, sobre cujo altar deve ser cordeiro sera mancha das nossa Historia e haya
tura verdadeiramente nacionaes. o qu.vi vira aaar
do captiveiro do olvido a origem. as rradiraaa, m
feitos, os costumes, e as crencas do- pnmi 'aa al
bitadores das trras de Santa-t>nz.
E folgo, e folgo limito, senhores. por tata av
nunc lar-vos que nesta arrojada etnprera
sarn comnosco Portagaezes illostirs oa aj
alm de tudo, sobejamente nos vingam doi
do roaianccOuro e Crime.
Agora duas palavras minha pafiw e c
Brasil! boje que nos leus horveeaes.
gindo nova era de liberdade e pngreaa,
leus amigos bros, banha-te aas ag
setembn > retempera as tuas forra.* coa a
da religiio, e levanta a tua fronte t cawinlia
porvir I
Letobra-te que M Deus deve ser adorada! te-
mido ; que o Christo o redemptor: qu>- a fa
o symbolo da liberdade ; e qne o povo a tana
soberano !
;ta crema e nestes prinripioa,
rflmo me carinhosa a hr
Peta que direi com o Sr. Dr. Feitoza : porque |oria
seendemos dos Portuguezes que seremos gran-
Tal ora o estado das cousas quando o sol de um
descendemos dos Portuguezes que seremos gran
des no futuro. Ao que peco licenca para acres-
centar : e ainda mais porque descendemos tambem
dos ncolas destas regioes predestinadas. Assim,
direi, reunindo as minhas palavras s do Sr. Dr.
grande dia levantou-se no horisoute brasileiro.
Talvez que ento os despresados indios olhassem
com prazer o sol desse dia na doce expectativa de
Feitoza : prquo descendemos dos Portuguezos, ^r resgatado o seu pretrito; talvez concebessem
e anda mais porque descendemos tambem dos in- esperancas no presente o glorias no futuro,
colas destas regioes predestinadas, que seremos .. .
grandesno futuro. Lfr'do 7%!"S heeorav^nha Que o digo,
Eu me explico, senhores. aPezar do 7 do se,eml > Como descendentes de Portugal herdamos o ge-,(,ueci os '
nio das grandos emprezas, o genio das conquistas, Exulta, oxulta, oh Portugal, que o Brasil dig-
0 genio da victoria. ,no de l'! mereca bem a honra de ser teu filho, se
At aqui falla o filho de Portuguezes. O filho dos (porven,ura ^0 houvesse sido leu escravo!
tupis e taraoyos agora vos diz : reuni essa he- \ Quando as espadas e as bayonetas dos filhos da
ranc_a a heranca de brio e de valor, de paciencia e Sama Cruz se cruzaran com as espadas e bayone-
() Devia ser este discurso recitado no Gabinete I resignacao, de sobriedade e de soffrimento, de des- as do.s hefes de Ga, de Diu, de Ormuz, de Alju-
Portuguez de Leitura, no dia 15 do correntc mez,
Firme nest,
democracia
rao irma idolatrada; e lanca-te na
progresso, e corro aps a perfeVio'
Quando algum dia por sobre a tna caaaa>
o vento do scepticismo e da descrenra,
a Cruz c diante della te ajoelba. Nao Ir
mais ante dolos de bronze. porque san
sagio funesto da morte da liberdade ?
Grava no teu coracao estas tres palavras
patria e liberdade E na tua tandean i
mscreve o teu mote favorito, o tea 1
independencia ou morte!'
E assim preparado, e assim fortaaaaa,
regenerado as aguas do verdadata f
mana do sacratissimo lado de Jesaa,
minha, e caminha na estrada do |
Logo que ti ver es attingido viridaaV,
de certo o ten peito abalado ao
do dt'M'ju do expanso. Entao faze
dores levantfni seus vitas altivos 4
nios aos pinraros dos Andes, dos
laia, do Imalaia ao Atlas, de nm pta a
e, depois que houverem por esta
e suhiugado o mondo, fazer qa
em voo ascendente sobra as aavea a
os astros, e ahi as altura* "*
olhar seguro o sol de tna prospera** e
o sol de tua gloria I
>a
- P^cosn ^ ,wr. ^ BS^-5?5.*tt\!r^.'^SZZ!Z
barrla, e Badajoz; quando, btendo osfuzis sobre
,-------,------------....-------r-----------,------------------, as hostes lusitanas, cahiu moribunda aos dos filhos
, este anno aquelle Instituto o seu dcimo-segundo sil, e dizei-me : pode e deve o Brasileiro descrer do do cruzeiro a possante aeuia me o Gamas, Albu-
soquiosa, com que eram tratados em Portugal; hoje anniversario com urna sesso magna; e me disse- futuro do seu paiz ? querques, os Castros e os pachecos fizeram rcvar
e Ilustra- a ""^ "^ testmunn* Presencial da sympa- ram mesmo que nao mais celebrara i por isso aqui NSo n5o mi veies nao. Nao podem e nao de- ate aos confins do Oriente; quando o ferro dos pa-
tioa veneraco quo U,Js tribntm. o Prod<" confiado na benevolencia do publico pa- J^ZL, ,n ^ro da natria oT desnendentA. tno^' ras8ando M P^05 dos valentw ^"?
v H ra cota as ideas, qne ali enuncio. r I vem descrer do futuro da patria os descendentes peninsular, foi arrancar das mos imbelles de D.
O brasileiro em Portuial nao smente estian-1 O autor. \ daquelles que, como Hstney na Una de Cuba, como I Joao VI a cajta de einancipaco poltica dos-fitoj
cao o que os meus pensamentos liverem de ac-
nhado e iuconsequenle,
Creta, senhores, quehei caaanaa a
que no principio deste discurso vos a
consegu o men intento, a vossa i
lhor que as minhas palavras poda
Resta-me, portante, smeaif agrad
ra. que me concedestes, e a boadade asa aja ae
tendes esc u lado.
Tenho concluido.
Gtun jumu ac Si.
\ PERNAsgco.- Tip.DM.F.r.* ruKr
(MDTLADOI


MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10180


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANUO XXXIX NUMERO 200.

Por (res mezes adiantados
Por (res mezes vencidos .
000
6$O00
I
0ARTA FEIRA 2 DE SETEMBRO DE 1*63.
Por anno adiantado..... !9$90O
Porte franco para o subscriptor.
DIARIO DE PERNAMBUCO.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPgO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alejandrino de Lima ?
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Se. A. de Lentos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao. o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
rnazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL"
Alag Sr. Jos Martins Alves; Bio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins di Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
01 imia. Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruaru',
Altinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas feiras.
Sermhaem, Bio Formoso, Taraandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
Ilha de Fernando todas as vezes que para ali sabir
navio.
Todos os estafetas partero ao '/z d|a-
EPHEMERIDES DO MEZ DE SETEMBBO.
4 Quarto ming. as 9 h., 44 m. e 2 s. da t.
13 La nova as i h., 16 m. e 38 s. da m.
20 Quarto cresc. as 10 h., 8 m. e 2 s. da m.
27 La cheia as 2 h., 37 m. e 2 s. da m.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 6 horas e 6 minutos da manhaa.
Segunda as 6 horas e 30 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para osulat Alagas a 5 e 26; para o norte at
a urania a 7 e 22 de cada mez; para Fernando nos
das 14 dos mezesdejan, mam. mato, tal. set. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : dt, Apipueos as 6 >/,, 7, 7 / 8 e
? !* r m-! ,0"11*1 8 da m. e *da tarde; de
Jaboatao as 6/2 da m.; do Caxanga e Varzea s 7
da m.; de Bemfica s 8 da m
I K ?,?*k'\ paJ'\ AP'Pueoss3 /**> 4A. i '&
' k/j' k CJ da te"S Para Olinda s 7 da
manhaa e 4 y, da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
de ; gara Lachang e Varzea s 4'/, da tarde; para
Bemfica as 4 da tarde.
I AUDIENCIA DOS TIUBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Rclacao: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tergas e sextas s 10 horas.
Primeira vara 1o civel : tercas o sextas ao mcio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DAS DA SEMANA.
30. Domingo. S. Guadencia v. m.: S. Faatino m.
31. Segunda. S. Raymundo Nonnato card.
1. Terca. S. F.gydio ab. S... fodeao Josu.
2. Quarta. S. Estevao rei de Hungra.
3. Quinta. S. Eufemia v.-. S. ArMaao I, m.
4. Sexta. S. Rosa de Viterto v. .; S. Rosala %.
5. Sabbado. S. Herculano m. ; S. Ascenso.
ASSIGNA-SE
no Recife, em a livraria da praea da Independencia
ns. 6 e 8-, dos proprietarios Manoel Figueiroa dV
Faria & Filho.
V
PARTE QFFICIAL
OVEREO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 29 de agosto de 1S63.
Offlcio ao presidente da caixa filial do banco
do Brasil.Sirva-se V. Exc. de informar-me acer-
ca do que expde no incluso reqnerimeitto a ir-'
mandado das Almas da freguezia do Recife.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda. '
De conformidade com a sha informacao n. 658,
desta data, autoriso V. S. a mandar adiantar um j
mez de sold ao alferes Francisco Antonio Ma-' z
hado, que vai servir na provincia da Baha. i cunte
ommunicou-so ao bngadeiro commandante das As 6 horas a comnanhia
armas.
Dito ao mesmo. Em
companhia do i.' batalhao de infantaria Libo rio
Manoel dos Santos, este a 22, c aquello a 24, tudo
deste mez, conforme participaran os respectivos
Srs. commandantes em oficios de ns. 24& 857.
AssignadoSolidonio Jos Antonio Pereira do
Lapo.
ConformeJos Ignacio de Medeiros Reg Mon-
triro, capitao ajudante de ordens encarregado do
detalhe.
28
Ordem do da n. 246.
O general commandante das armas determina
que na manhaa do dia 1 de setembro prximo
vindouro, se passe revista geral de mostra aos cor-
posjnoveis do exercito aqui existentes, ao de guar-
as companhias soladas pela ordem se-
vista da conta junta
de artfices, s 6 c um
quarto ao 7. batalhao de infantaria, s 6 e tres
quartos a companhia de ca vallara, s 7 e um quar-
j.__>.__. ." _, : ; muii'1 tuuiiMiiuia ao va vanara
t ^ J!^?tL^COnvemeMe S? toao ** batalh dc nfantaria, s 7 e tres quarto
V. S. pagar a quantia de J600 ra. proven ente do ao o.. .o ao ,ornn ., ....__ .=.
um annuncio, que no Diario de l'nnambuco fez
publicar o director das obras militares segundo
partecipou em offlcio de hontem, sob n. 158.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Tomando em considerado o que V. S. expoz em
seu offlcio de hontem sob n. 427, tenho a dizer em
resposta que conceda a autorisacao pedida pela |
junta dessa thesouraria, para irem de novo pra^a:
os impostos de 20 por cento d'agurdente consu-
mida na comarca do Pao d'Alho, e de 23000 rs.
por cabeea de gado vaceum morto, na de Goianna,
ticando o arrematante de taes impostos, Manoel
Thomaz de Albuquerque Maranhao, obrigado pela
respectiva renda correspondente ao trimestre que
se linda no ultimo de setembro prximo vindouro,
como V. S. indica no seu citado offlcio.
Dito ao inspector do arsenal de marnha.
A' vista de sua informacao n. 569 de 27 do cor-
ao 9., s8 ao corpo de guarnico, e finalmente s
9 ao 4." batalho.de artilharia a p.
AssignadoSolidonio Jos Antonio Pereira do
Lago.
I ConformeJos Ignacio de Medeiros Reg Mon-
teno, capitao ajudante de ordens encarregado do
detalhe.
29
Ordem do da n. 247.
Declarando o Sr. delegado do cirurgio-mr do
exercito em offlcio n. 284 de hoje datado, que ha-
vendo cessado os receios do desenvolvimento do
cholera-morbus nesta cidade, de rujo mal raros sao
os casos bem provados que apparecem, determina
o general commandante das armas que a contar
do dia Io do mez de setembro prximo vindouro,
nao s cesseo abono de 10 reis diarios as pracas
dos cornos do exercito existentes nesta capital des-
midomTs0cfueTiarde-nte !
\\
de aprendizes artfices desse arsenal, os menores
Jos Luiz Neto de Mendonca e Gustavo Adolpho
Neto de Mendonca, filhos de Jos Luiz Neto de
Mendonca, assignatario do requerimento que de-
volvo.
Dito ao director das obras militares.Mande
rancho dos mesmos cornos
seja feito com substancias frescas c salgadas como
se praticava antes do apparecimento do mesmo
mal.
Assignado.Solidonio Jos Antonio Pereira do
Lago. "
Conforme.Jos Ignacio de Medeiros Reg Mon-
iAKarwswnx^sa?*^^
ao inspector da thesouraria de'.
-Communicou-se
fazenda.
Dito ao mesmo. Entenda-se V. S. com o ge-
rente da companhia de illuminacao gaz e me
aprsente o orcamento da despeza que ser mister
fazer-se com o encanamento do gaz para o quar-
tel da companhia de artfices e com os respectivos
candieiros.
Dito ao director do arsenal de guerra. Atten-
dendo ao que ponderou V. S. em seu offlcio n. 37, i
de 27 de julho ultimo, o autoriso a mandar subs-i
tituir por gaz liquido a illuminacao dos dormito-
ros dos menores e dos africanos lvres, bem como
a da enfermara desse arsenal, visto ser mais
econmica e asseiada essa illuminacao do que a de
azeite de mamona, como declarou V. S. em dito
offlcio.Communicou-se ao inspector da thesoura-
ria de fazenda.
Dito aoDr.chefe de policaDeclaro a V.S.em
resposta ao seu offlcio n. 1.290. de 28 do corrente
e para que faca constar ao alferes Manoel Soares
de Albergara,subdelegado do primeiro distncto
da freguezia do Limceiro. que nao pode ter lugar
o pagamento da gratificacaoqne solicita, pela ap-
prehensao dos desertores do exercito Luciano Pe-
reira da Silva. Jos Alexandre Correia e Manoel
Benedicto da Silva, por ser a sua preteneao con-
traria ao aviso do ministerio da guerra de 4 de, fe-
vereiro deste adno, do qual remeti copia a V. S.
para seu conhecimento.
toaoconselho administrativo.De conformi
INTERIOR.
ORRESPOX li;\< i i no MA-
RIO DE l'IHW'IIIIIO.
PARA.
Belm, 23 de agosto de 1863.
Estao felizmente concluidas por toda a provincia
do Para as eleicoes geraes dos eleitores que tem de
eseolher os tres deputados assembla geral
gislativa, sem grande alterado da ordem
blica.
le-
pu-
dade com a requisicao do director do arsenal de
guerra desta data, recommendo ao conselho ad-
ministrativo que promovaa compra de 264 metros
de mangueiras para bombas de apagar incendio.
Commuuicou-se ao inspector da thesouraria de fa-
zenda.
Dito ao mesmo.Recommendo ao conselho ad-
ministrativo, que compre para a igreja de Nossa
Senhora dos Remedios do presidio de Fernando, os
n! Por todas as freguezias, com rarissima excepcao,
i, vencuu completamente o denominado partido pro-
gressista.
Nesta capital correu o processo da eleicao pl-
cidamente, e tambem com quasi abandono das ur-
nas, por parte dos conservadores.
Em Uamet mesmo, onde o partido conservador
sempre consegua maoria, obteve nesta eleicao os
supplentes de eleitores.
Os partidos, apezar de exaltados neste districto,
contiveram-se convenientemente, tanto que nos dias
das eleicoes deixaram de publicar os setis jornaes,
i- para nao dar motivo a exaltado publica.
publi
Em Santarem o chefe dos conservadores nao in-
terveio pessoal mente na eleicao, declinou amiga-
volmente della em tavor de amigos scus que a di-
rigiram no sentido e em favor do partido progres-
ssta.
Apenas em Salvaterra c na Prainha as eleicoes
foram perturbadas mas sem acontecimento' de
grande considera^ao.
Na primeira freguezia declarada, o vicario de
Deus guarde V. S. Sinval Odorico de Mou-
ra.Sr. juiz de direito da comarca da capital.
t Provincia do Amazonas. Juisado de direilo
na cidade de Manos, primeiro de agosto de 1863.
Illm. c Exm. Sr. Em resposta ao offlcio que V.
Exc. me dirigi hontem, em que me diz que chega
ao conhecimento de V. Exc. que eu estou a testa
de urna parcialidade, animando-a para tomar acti-!
va parte na eleicao a que se vai proceder no dia 9
do corrente, e o que mais, propalando ideas!
subversivas da ordem publica para assim facilitar
o triumpho as referidas elei?6es; declaro V.
Exc. que desafio qwm quer que seja, que j me
visse testa de qualquer das parcialidades que pl- para o sal.
tciam as eleicoes e ainda mais propalando ideas j
.subversivas da ordem publica, pois a nenhum dos
empregados que servem debaixo de minha juris-
diccao, ainda sao disse esse respeito urna s pa-
lavra. Muitas desculpas lhe peco
Do commercio nada ha de importante, c por isso
lindo aqu, remettendo-lhe a nota domovimento
deste porto :
.... Navios carga.
Umao, patacho portiiguez.
Knut Bond, briguo sueco.
Victoria, barca ingleza.
LandrostevonSchele, escuna dinamarqueza.
Onda, patacho inglez i"-".
Tit-Bit, escuna ing leza.
Mara Ailelia, brigue francez.
Graciosa, brigue brasileiro.
O vapor Princeza de Johrilte
parte esta noite
DIARIO DE PERNAMBUCO
O vapor Princeza de Joinville chegado hontem
dos portos do norte, trouxe-nos cartas e jornaes :
do Para at 23, do Maranhao at 26, do Cear at
29, do Rio Grande at 30 e da Parahiba at 31 do
passado.
Para e Maranhao. Referimo-nos ao que dizem
nossos correspondentes, em as missivps, que vao
n'outro lugar.
Cear.Do Pedro II transcrevemos o seguinle,
*. luiz, 26 de agosto, 1863.
que demonstra qual o resultado das eleicoes em
toda a provincia :
Primeiro circulo.
' Collegio da capital 71 eleitores, conservadores n
40, Iibraes3i.
Hoje damos piiblictdade s pocas relativas a .
nauguracao, sendo a acta da'resperfiTa 9e_
lavrada pelo primeiro secretario, o breve iI&wm
de abertura feito pelo director, o una mportaa*
oracao rccada pelo Sr. Dr. Sabino Olegario La*
geno Pinlio, cheia di- phrases lisonp. iras pane,
nossos hospedes, e de estmulos para a in.-diriaa.
Recommcndamos a leitura de mais quanto elles provam e testcmiinham o pa i
ment de urna divida de gratido e resucito iiBe-
moria do caridoso instituidor do (Taliinete fm tumi _
de Leitura nesta cidade.
Por ter esta noticia relativa barra M*M.,
saludo com inexatidao no seguinle para;:rapto r-
|ietimo-lo rctificado:
.A capitana do porto, qnc nao de vera inora*
pessimo estado em que esse navio entran en
exacoes mt coaflir-
por ter deixado de Collegio de Maraoguano 43 eleitores conser- n1*!,0-'M'rt' P1"'3 evUar lal.vei
A minha vida publica no Amazonas por espa- rcmetter a costumaila missiva pelo vapor passado, vadores 22. lberaes 21 aM exa,nino. Ppr si como eoarai*
50 de doze anuos protesta altamente contra essas j^0"0 ?fi._,al.sor!e oseu/Warw sem correspon-: Coellegio do Aqniraz 26 eleitores. conservado- ---?S.-Sua? ; P,DU,C',S Pol|na''s e garan
sem correspon-:
e os seus leitores sem minuc losas noticias res 14, liberaes 12.
Bando
noticias; t nem o menos se me pode lancar em dencia
rosto, que j chamasse minha presenta qualquer (l a[|Uf'
cidado para lhe pedir com ameagas ou promessas, A.ralla D'M 01 voluntaria ; resultou de urnas im-
aflm de votar deste ou daquel le modoa isto que pertinentes febres, que me pozeram de cama por
se pode classificar de intervenco indebita e direc- a'guns das, depois de urna imprudentissima caca-
ir tanto nao posso aceitar a advertencia de da "e ser,co.rias e massaricos reaes. Gracas ao
das vidas dus tripulantes: e assim v la pert
Cleg'i"do Cascavel 32 eleitores, conservado- | seTm.'rcia^e'^r- *"' ,rml:,''M M
pu ao
la
Ior
Gracas
trtaro emtico e ao quinino j estou de p e at
res 16, liberaes 16.
Collegio do Aracaty 66 eleitores, liberaes 66.
Collegio de S. Bernardo 47 eleitores, conser-
vadores 47.
Collegio da Cachoeira 29 eleitores, conserva-
V. Exc. por ser nimiamente injusta.
Tambem declaro V. Exc. que ainda nao ab-' mesmo assentado escrevendo-lhc esta. i dores 15, liberaes 14.
diquei os direitos de cidadao brasileiro, nao obs-|^A ^'l"?^0 Publiea ainda est preoecupadissima Collegio de Quixeramobim 49 eleitores, libe-
tante ser empregado publico, para nao pensar tao com P|e,t0 wcitoral. raes 49,
livremente como qualquer outro acerca das ques-i .v'!^3 nt'ras do interior e cada calieca de Collegio de Mara Pereira .36 eleitores, con-
toes polticas que se debatem no imperio, ecom es- i PO"00 e uma arithmetica viva. servadores 20, liberaes 16.
pecialidade na presente poca em que o goterno "or 9ra 'lu? se sabe que a tranquilidade pu- Collegio do Tauh 43 eleitores, liberaes 43.
imperial proclama a liberdade do voto; e assim j v Duca "f0 tem sul abalada em nenhum ponto. Cor-1 Collegio do Sabociro 67 eleitores, conservado-
V. Exc. que pelos meios suazorios e pacificos po- reu ,udo cm Paz> com excepcao de alguns baru- res 65, liberaes 2.
derei pedir para que triumphe a candidatura da- lnos 1ue se. "eram em Alcntara, pequeos e sem Total 509 : conservadores 239, liberaes 270.
quelles cidadaos, que me parecerem mais aptos para conse(|uencia funesta. Segundo circulo.
fazerem a felicidade desta provincia. Direitos offendidos os motivaram ofactode-' 1 Collegio de Baturit 59 eleitores, conservado-
Finalmente peco permisso V. Exc. parafa- "onstrou que qualquer mesa parochial, quando se res 39, dissidentes 20.
zer publicar estes oficios. excede provoca reclamacoes e disturbios. Collegio de Santa Cruz 27 eleitores, conser-
Deus guarde V. Exc.-Illm. e Exm. Sr. Dr.! Na I"tal correu a eleicao do melhor modo, vadores 27, houve urna duplcala liberal Ilegal.
Sinval Odorico de Moura, presidente desta provine Houve.P|ena,,erdade devoto e os partidos luta- Collegio de Canind 21 eleitores, conser vado-
ca, rain so com os seus recursos, sem que nenhum res 10, liberaes 11.
auxilio recebessem da autoridade.
Dizem os jornaes de um e outro lado que a elei-
cao nao poda ser mais livre.
O juiz de direito da comarca da capital, Ma-
noel Gomes Correia de Miranda.
Ainda mais se sabe que o Dr. Antonio Jos Mo-
reira um dos candidatos deputaco pelo lado l- Eu que sou partidario da verda no svstenv
doeemdc0asa0n"naniJan,e *" ar"'aS r'CU"Se *** SIE um '* P^cm ^os agradar-so deste
jssta Mbendo disi mand,u inspeci-! B^^rjgtfte^i: e s
nar pelo Dr. Macano, pessoa que gosada sua inti-; contentamento as expfeS
d?rd\deqateSl0UqUC Dr "^ "H ^S Ja ^SSo os cons.itucionaes
na nwe aoente com 30 e|eitores
>o da 7 a presidencia ordenou a este que so re-1 o auc me torna neramso v.v ni
enfermara militar, &dem a que obe-10 ffiSda a'cta aba oma l
maior incremento.
da Imperatriz 48 eleitores, libe-
ue nesta trra
e dia para dia
colhesse
decc.
No dia 8, nova ordem da presidencia para ser
inspeccionado, declarando o Sr. Dr. Macario que
eslava restabelecido. O Sr. Dr. Sinval ordenou en-
tao que o Sr. Dr. Moreira se conservaste preso na
enfermara at segunda ordem.
Estas notcias foram aqui sabidas no da 13 pelo casa particular"; a de S. Joao de'Cortes que dizem
Belm, tendo regressado no mesmo vapor o Sr. M.' feita em AlcanUira por um segundo ou terceiro juiz
A. Pllenla Bueno, que tinha ido Manus auxiliar de paz qukat j perded o lugar por ser ha muto
esta candidatura e a doSr. Brusque, presidente des-. il:ninliapni districto diverso ; a do Brejo feita
la provincia do Para." so pelo^Bndo juiz de paz. juiz de direilo Interino
\ e -se por taes acontec montos que estes candi-. e munirJH supptoite. quando a legitima teve lu-
datos nao estiio seguros na eleicao, nSo obstante gar ^natgrT'ja, presidida pelo primeiro juiz de paz
De algumas j temos noticia, como sejam. a de
S. Bento, onde a legitima e nica eleicao foi feita
na igreja sob a presidencia do primeiro juiz de paz;
a de Vianna. que figura a eleicao feita cm uma
ainda se nao ter ciencia exacta de quem sao os
eleitores.
Oque me leva porm a crer que para estes, os
negocios estao por assim dzer mal parados e sem
esperanzas: |wr quanto o Jornal do Amazonas,&c 14
dando conta das noticias de Manus declara o se-
guinte :
Corre por aqu, depois da chegada do BAm,
que o Sr. Dr. Brusque, j prevendo tal vez os actos
administrativos, que se passam no Amazonas, se
dirigir s influencias, que o apresentavam, agre-
decendo-lhes a honra que lhe queriam fazer, pcdin-1 p- ,, _,, vm^, m ,
do-lhes que, ir amor de seu orne, se na, exm- mh a '" [JacUm" a>?'"* me-tres de ar-
zessem a sacrificios c perseguieao Nao sei com! mas'nJPertencntes a una certa familia, que por
que fundamento corre cite boato ; temos para n" *** rae,os ,an, M ""n ^^sado urb, et orbl.
/illegio
raes 48.
Collegio de Sobral 75 eleitores. conservadores
60, liberaes 15.
Collegio do Aracaj 44 eleitores, conserva
dores 44.
j Collegio da Granja 39 eleitores, liberaes 39.
1 Collegio da Vieosa 29 eleitores, conservadores
29, houve uma duplcala liberal Ilegal.
Collegio do Ip 54 eleitores, conservadores
10, liberaes 44.
t Total 396 : conservadores 219, liberaes 177.
Terceiro circulo.
Collegio do Pereiro 32 eleitores, conservado-
res 32.
Collegio do Ico 45 eleitores, conservadores
23, liberaes 22.
1 Collegio da Telha 45 eleitores, conservadores
30, liberaes 15.
Collegio das Lavras 45 eleitores, liberaes 45.
Collegio do Urato 50 eleitores, liberaes 50
Collegio do Jardim 45 eleitores, liberaes 45.
Collegio de Milagres 26 eleitores, conserva-
dores 13, liberaes 13.
Collegio da Barbaiha 71 eleitores, conserva-
dores 52, houve na freguezia de Missao Velha uma
duplcala Ilegal litoral, feita na matriz a forca
se amerciasse delle
Mencionamos este faci para que a ba fc
dos funecionarios pblicos nao contina a .-
quada deixando-sc entrar em navega ao vascm
mo estado, e carecidos de eoaeert a HBjor
tes. *^
Amanhaa se extrahir a 6* pan-; da > lotera
do Gymnasio (3* concessao).
Rcuniram-se hontem os credore> da -ntt-
de bancaria Amorim, Fragoso, Simios & C. fallida,
para o cumprimento do disposto no art. 845 e w-
guinte do cdigo commercial, peranie ., nini. >r
Dr. Tristao mui digno jniz do commercio.
Feila a chamada pela lista de credores apresen
tada |*los curadores liscaes da mesma matat, 1
Sr. juiz do commercio expoz clara e nri-ansrnie
o estado dessa fallencia ; e aao sendo i
piojecto de concrdala, por ter sido qanliflcada a
quebra fraudulenta, tratou-sc da etio de aas
administradores (conforme c^mbinaroili^ errs-
res) sendo eletospor maoria de
Thomaz de Aquino Fonscca Jnior......... 72
Jos Jeron\ mo Monteiro..................... 47
Tendo's recolhido 108 sedulas obtiveram igual-
mente votos os Srs.:
Jos Rodrigues de Souza.................... Irt
Dr. Manoel Gentil ...........................
E. Fenton ................................... p
e cm todas as formalidades, e ontras militas que armada, com juiz de paz incompetente, eleitores e
naturalmente se estario forgicando. j forgicadas e supplentes. houve na freguezia da Barbalha outra
anda por forgicar. ; duplicata Ilegal feita pelo 8" juiz de paz, estando a
Este recurso immoral e extremo de pessimas eleicao adiada pelo 1" juiz de paz pan 18, de cujo
consequencias, e entendo que os jioderes compe
tentesdevem tomar medidas enrgicas para a effi-
caz punicao dos criminosos.
Em quanto nao se fizer sto, mal iremos.
Os que cscaparam da primeira. julgain-sc auto-
risados para fazer segunda, pc>rquc com aimpuni-
dade mais audacissos se tornam.
resultado ignora-se ainda.
Total 339: conservadores 150, liberaes 190;
nao esli incluidos os 19 eleitores da Barbalha cu-
jo resultado se ignora, despresando-se a duplicata
liberal Ilegal.
Rio Grande. Nada occorreu, que meteea
meneo.
Parahiba.J conhecido o resultado da elci-
eao primaria do l districto da provincia da Para-
hiba do Norte que damos no seguinle quaidro :
porem como certo, que sendo a apresentacao do
notne desse cavalheiro expontaneamente Tfta por
influencias legitimas desta provincia, devera elle
consentir em que fosse por (liante esse proposito;
objectos mencionados ns rclacao junta.Commu- Souza discutindo com um votante sobre ser admit-
a fornecimento do -arsenal tevoto: acaloraV.o-le a discusso, o vigario para I f ^'^^ ^ VT^TJ"' ^
trativo a comprar para
de guerra, os objectos mencionados no pedido in-
cluso.Communicou-se ao inspector da thesoura-
ria de fazenda.
Dito ao director da colonia militar de Pimentei-
ras.Para se poder resolver sobre os concertos
necessarios s casas dessa colonia, de que trata
os seus dous officos firmados em 16 do corrente,
faz-se preciso que Vmc. aprsente ornamentos das
despezas a fazer-se com os referidos concertos, de
cortar ou embrulbar o negocio, atirou rom uma
caixa cheia de rap a cara do tal votante com quem
discuta; disto levantou-se grande clamor, em con-
sequencia de que a mesa apoderando-se de lados
os papis, suspendeu o processo da eleicao.
0 povo mostrou-se indiferente questao, nao
havendo nenhum acto de violencia, a nao ser a cai-
xa de rap entornada no rosto do cidado vo-
a lazer-se com os referidos concertos, de tante !
conformidade com a informacao da directora das A presidencia est effecto o facto occorrido para
obras militares, constante da inclusa copia. 1 resolver sobre a contiuuacao da eleicao.
Dito ao juiz municipal de Olinda. Inteirado pelo Na segunda fregueziaPrainhaun tal Tunj
seu offlcio de 25 deste mez, de achar-se quasi ex- invadi a matriz, e depois de grande discusso so
'^an0 Para toes nternacionaes do valle do Amazonas.
tincto o cholera-morbus, que grassava nesse termo,
desde 13 de julho prximo (indo, tenho a dizer-lhe
que agradeeo em nome do governo a Candido Eus-
taquio Cesar de Mello, Manoel Joaquim Soares e
Manoel da Silva Amorim, mencionados em seu ci-
tado offlcio, os se rvicos prestados aos desvallidos
affectados daquelle mal.
Dito ao Dr. Manoel da Silva Mafra.Pelo seu of-
flcio de 5 deste mez, fiquei sciente de ter Vmc. nes-
sa mesma data, entrado no exercicio do cargo de
juiz de direito da comarca deTacarat, para o qual
havia sido nomeado.
Dito ao delegado do termo do Bom Conselho.
Pelo seu offlcio de 18 deste mez, fiquei scientes de se
haver feito a eleicao para eleitores nesse termo,
sem a menor altefaco da ordem publica.
Dito mesa parochial da freguezia de Gara-
nhuns.Remetta-me a mesa parochial de Gara-
nhuns duas copias authenticas das actas de todo o
processo da eleicao de eleitores a que so procedeu
nessa freguezia o dia 9 do corrente.
Dito ao juiz de paz presidente da mesa parochial
de S. Bento. Remetta-me Vmc. com urgencia duas
bre a admisso de votantes, pucharam-se facas ha-
vendo um leve fenmento
A vista disto o vigario declarou a igreja interdic-
ta, suspendendo-sc a eleicao para se evitar maior
conflicto.
Este acontecmento, consta ja estar resolvido pe-
la presidencia e vai brevemente continuar a elei-
cao dos eleitores, que apenas por esta freguezia sao
quatro I
Em todas as freguezias que houveram eleicoes
foi retirado o Sautissmo Sacramento por ordem do
i Exm. bispo desta diocese; antes da retirada os res-
pectivos vigarios liam uma pastoral dando o motivo
disso, assim como recoramendando aos votantes o
conveniente res|>eito e reverencia dontro das igre-
jas no acto das eleicoes.
Por conseguinte quanto as eleicoes do Para so-
mente o que ha, donde se pode a'sseverar sem des-
confianza, que os deputados sao os tres que j lhe
mandei annunciar, Drs. Leito, Tito e Rayol.
Da provincia do Amaionas temos porm noticias
de carcter mais serio, porque os*partidos all es-
tao extremados e decididos, sendo que um protege
Jo partido conservador tem apparecido, qur as-1 : CvtZ V2 "k, 5 Pnannacia ?.c
signado por um dos membros desse partido, qur SKSdSSiSK,0 s"bd,'leSad? de P01'" Amanhaa
aredarco. artiaos contra o nresidentor>r Fran- cia.d?pr ,,rod,st,n' Porord"msuperior, e com., jrcwu;c,
capias authenticas das actas de todo o processo da a candidatura dos rs. Manoel Clementino e Serra
eleicao de eleitores, a que se procedeu nessa fre- Carneiro, auxiliados pela presidencia, e outro as
gaezia no dia 9 do corrente. dos Drs. Moreira e Buarque, protegidos pala com-
----- panha do Amazonas.
Despachos de dia 39 de agosto de 1863. Que a eleicao no Amazonas tem tido grande mo-
Rcqneriments. vimento, prova-o os actos da presidencia fazendo
Belarmino Alves Arocha.Selladas js peticoes seguir diflerentes destacacamentos para diversas
voltem. .
Dionizio, africano IintcInforme o Sr. Dr. juiz
dos-feitosda fazenda.
Jos Francisco do Bego Barros. Os reparos de
que neeessita a pon,e de Jaboatao j foram arre-
matados, nao tem lugar quanto o que requer osup-
plkante
localidades, assim como a partida do vapor de guer-
ra Piruja para outras, e os offlcios trocados entre a
presidencia e o primeiro vice-presidente Dr. Mi-
randa que all tambem juiz de direito.
Ahi vao o offlcio da presidencia c a competente
resposta.
Provincia do Amazonas.Palacio do governo.
Jos Fidclis africano livre.Informe o Sr. cura- cm 31 de julho de 1863.Illm. Sr.-tChega ao mea
ir rfn frinnrl^o i.iToc conhecimento que V. S. est a testa de uma par-
flor de africanos lvres.
Lourencode Menezes Cysneiro Bandeira e Mello.
Reqnelra pelos canaes competentes.
C0XMA3D0 DAS ARMAS.
Quartel general do commando das armas dr Per-
namboco. 2b' de agosto de 1X63.
Ordem do dia n. 245.
O general commandante das armas faz publico
para conhecimento da guarnico e debido cffeito,!
que approvou o engajamento que contrahiram para
servirem por 6 anuos no* termos do decreto e re-' commendacoes, assegnrando-lhc que es toa dis-
gulamento do 1 de mato de 1858, o cabo de es-' posto nao so a evitar a intervenco da autoridade
quadra da companhia de cavallaria desta provin- na eleicao, como a reprimir com toda aenerg*
c Manoel Joaquim da Silva, e o soldado da 7,'iqaalguer aoto attentatono da ordem.
que V. B. esta a testa ue uma par
cialidade animando-a para tomar activa parte na
eleicao a que se vai proceder no dia 9 do mez pr-
ximo futuro, e o que mais, propalando ideas sub-
versivas da ordem publica para assim facilitar o
tria ni plio na el.'i cao.
t Sem poder apreciar at que ponto sao exactas
estas noticias, que entretanto correm na cidade,
couiprehende V. S. que nao devo me conservar in-
diferente ellas, quando certo que estao em for-
mal desaecrdo com as recommendacoes, que lhe
foram transmettidas na circular de 23 do mez pr-
ximo Ando. **
Julgo, pois, conveniente reiterar-lhe estas re-
Mas
duvidainosquc os caracteres que o appoaim nao
procure realisar scus generosos sentimentos, sus-
tentando al ao fim a sua candidatura.
Apezar de tudo quanto levo referido e do que
pens, tambem lhe posso assegurar que o Dr. Tito
Franco de Almeida parti no dia 17 no vapor Ma-
nus v ara o Amazonas.
A sua partida foL inseperada, e para melhor di-
zer nao sabida, tanto que seu nome nem foi publi-
crdo nos jornaes, as relacoes dos passageiros.
Diz-se que o Dr. Tito, cmo particular, amigo
do Dr. Sinval, lora entrar em convenio a favor
da eleicao do Sr.Dr. Brusque pelo Amazonas ; que
o Dr. Tito vai munido do autorisacao do partido
progressista para, por todos os meios ao alcance
de sua influencia e da Companhia do Amazonas,
fazer com que seja deputado por aquella provincia
o presidente desta.
Couvenco-me que o Dr. Tito nao lia de recuar
ame a missao de que vai incumbido ; porque alm
das maneiras de que dispoe, nao se abalanzara a
um acto destes sem meios e fundamento para o
realisar !
Esperemos portanlo o resultado no regresso do
Manus que aqui deve chegar a 28.
No peridico denominado Jornal do Para, orgo
do
s _
daredac^o, artigos contra o presidente Dr. Fran
cisco Carlos do Araujo Brusque.
O Jornal do Amazonas e o Diario do Grao Para,
tem combatido as arguicoes que por tal motivo se
tem publicado.
O facto real e verdadeiro que os conservado-
res nao tem um centro poltico de uuidade de pen-
samento e de prestigio, que possa desempenhar a
ardua tarefa de dirigir convenientemente nesta
provincia a opposi^ao por um caminno seguro c
adequado as actuaos eircumstancias da sit'uaco
poltica do paiz. Isto um mal p3ra o partido ;
porm mal verdadeiro e reconhecido pelas suas
propinas influencias, sem que se saina explicar o
motivo occasional deste estado de cousas, que por
assim dizer, tem feito abdicar a influencia que na
actualidade devia apresentar uma opposicao legal
e compacta s ideas proclamadas do progreisismo.
Anda contina ausente cm visita pela diocese
o Exm, bispo D. Antonio de Macdo Costa, assim
como ainda se acha em Camela o chefe de noticia
Dr. Danim, havendo regressado ja este por.to a
canhoneira Parahyba, que o levara aquella co-
marca.
Hoje tomou posse ao moio dia, do commando
deste districto naval, o ebefe de esquadra Joao Ma.
na Waldenkok, arvorando a bandeira de chefe, na
corveta blico Beberibe.
Hoje segu a meia noilo o commandante Parc-
ker no vapor de guerra Amazonas, para ir Jomar
conta do districto naval da cdrtfc. A Amazonas
deve tocar no Maranhao, Purnamburo e Baha.
Foi mui bem receida a noticia nesta cidado
cidade com especialidade pelo commercio, da in-
tervenco do re de Portugal para regalar o resta-
belecunento das relvoes entre o Brasil e a Ingla-
terra,
Que tenho, porm. eu de ver com isto ? E' ver-
dade, melhor calar que fallar. Cumpra cada
um com o seu dever; o mea alliviar a pobre
humanidade solfredora do met bairro com a ap-
plicacao trabalhosa de dses hotiiopalhicas, medi-
cina de minha especial predleccao, apezar de nao
ler o capello hypocratco e de nao haver recebido
cm nenhuma faculdade medica o barrete da sa-
piencia. "*
E ornis que nenhum dos privilegiados toma-
dores de pulsos e cnsultadores de linguas me olha
com bons olhos.
Dizem que Ihes tiro a clnica : mas, palavra
honrada, a ninguem prejudico com os meus gl-
bulos, tinturas c vidrinhos de agua do pote, como
elles l dizem.
Desta ingenua conlissaodomou mrito medicinal
passo muto naturalmente a notciar-lhe o appaiv-
< merlo da bexiga no municipio de Icatti. prximo
desta capital.
Os primeiros casos deram-se no Axx, segundo
districto daquelle municipio, e o mal est grassan-
do com intensidade.
J vieram communicacoes ao governo e natu-
ral que S. Exc. tenha tomado as mais acertadas
medidas para interceptar a comrauncagao entre
aquelle ponto e os outros da provincia, e extinguir
o mal.
Deus nos livre da invasao de tao terrivel peste
aqui na capital. Ainda me record com horror
dos males que entre nos j por duas vezes causou
a varila, invadindo-nos em 1837 e 1856.
No da 2') do corrente mez, na pharmacia de'
Freguezias. Liberaes. Conservadores.
Capital 39 0
Livramonto (I) 16 0
Santa Rita 1 8
Jacoca (2) 0 10
-vlhandra 6 0
Taquara 14 0
Mainanguape 0 34
Babia da Tracao 0 10
Pilar (3) 0 34
Taip 27 0
Inga (4) 0 51
Natuba 33 0
Independencia i\ 25
A lagoa Grande (5) U 0
Ara 0. 41
A lagoa Nova 10 10
Bananeiras 15 26
Araruna 0 11
Cuit 0 13
Pcdra Lavrada & 0
207
293
Tem os coaservadores 293 eleitores e os liberaes
207; resta una maoria de 86 votos em favor
daquelles.
PERNAMBUCO
REVISTA DIARIA.
assistencia dos facultativos os Drs. Cesar Augusto !
reunc-se em sesso ordinaria o Instituto-
Archeologko e Geograpltico Peruambucano.
Ao senhor que nos enderecou tim artigo acerca
S!3L* ? 1 A2P2 Macj?ad0 a Proceder I cle um escrivo, que infringe oYegimento de castas
ao exame das visceras de Manoel Gomes Leal, que iauu.> airA^kiion.i-, . fallecen em Caxias, remettidas para c pelo.dele-..
gado de polica daqaella cidade.
tem pendencia por mcio de diftlculdades c exigen-
cias do procos arbitrarios, polos registros e pelas
O exame durou tres dias, o por elle conheceu-so eerlidoes, occorre-nos lembrar que o correctivo
a existencia da grande quantidade de aiscnico nos P*'*a esse proceder abusivo est na le, cuja"exc-
intestinos e estomago. euco pode ser requeiiida s autoridades a quem
A mullier de Leal est presa em Caxias^ e vista I compita a resitonsbdisacao do funccipnario que
do exame tem a polica muito que fazer para en-1 ex'Pe custas indebidas.
trar no conhecimonto de quem foi o autor de tao No ultimo de. mez findo tentaiam roubar ao.
horrivel attentado, afim de qua. seja devidaroente 1Sr- Manoel Maria^ escrivo do commercio, cujo car-
torio foi forcado. pelos larapios, os.quaes consegui-
ram ainda abrir uma porta; mas, sem que se saina'
Mello Lobo AC ......................... *
Dr. Angelo Henrique da Silva .............. H
Jos Baplisla da'Foiteeca Jnior.............. 7
Caetano Silverio da Silva ............... 7
Antonio Hornea Ganes Ferreira............ 4
Gaspar Antonio Vicira Guimares ......... -
Adriano it Almeida..................... I
Novo Banco ................................ t
Caixa Filial ................................
Jos Marcelino ila Rosa..............-..... t
Jos Mamedc A. Ferreira.................... I
L M. Gomes Ferreira......................
Jos Fonseca e Silva......................
Antonio Jos Rodrigues de Souib........... 1
A direceo do Club ConmenuU tnbaUi ar-
tivamento no asseio e decoracio to ediliria ciu >$k
a sociedade tem provisoriamente faacdnaai]
hoje, depois do fatal incendio, alim de all> ceati-
nuara darse regularmente como era essluiiu..^
una renniao inensal das f anilias das serio t
[timas convidadas, o que no^_
alfaide accommoda^M da ca.".a.
Os trabalhos de pedreir.> e carapina [
com actividade, estando a direceo deies a
e sob a vigilancia das mesmas pesstK-s qai pai| a-
raram a antiga casa do mesmo i'Jub ; c *: o nom
predio nao tem a mema elegancia vista d"
tro, mostra igual eapacidade e um saio raa> para
baile.
A partida desi&Siei esta desunida para Jia >>
do corrente ; e consta que a direceo do CM en
vida todas as diligencias para qu; ste divertitafn-
to seja o mais contorndo e animado d ln*v-
quanto tem havido na mesma socieilade.
O vapor IWstnunga da rompanhia rVrnan*
bucana, que d'aqui sabio no dia i" do mvz pa-
do, achava-se em Macei, a sahida do Ckmaai
Sul, e n-- tinha |>odido ainda eflectuar -11a .U-
carga pelo pessimo lempo que fazia alK.
No dia 14 do corrente mez expede a wtum<
companhia Pernambucana. para a iliu de Fernan-
do de Noronha. um dos seus ajajaja
Mappa demonstranvo do hospital de \.. i
Senhora da Conceicao dos Lazaros, do r a ti d>-
agosto de 18<;.!.
Existiam It horneas, 15 ronlheres. aMNa t !>.
mem, evadio-se I homcni. existen 12 honvn- !-">
mulheres, total 27.
O regente.,
Manoel Caralratiti *' Alh
Reparticvo d'.v polica :
Extracto das partes dos dias \ do setembro.
Foram recolhidos casa dv detenc no dia
do corrente :
A' ordem do subdelegado de Santo AatMB
pardos Joaquim Jos de Sant'Auna ou It-tarmin..
Kibeiro Duarte e Mara Hygina da Luz, aaaa far
embriaguez.
A' ordem do de S. Jos, os rrioulos Manoel. tt
cravo de Luiz. por suspeito de- estar fgido: P
lippe. esclavo de Manoel Antonio Ribpiro. reaar-
rimeto deste.
O chefe da 2* srefio.
/. G. 4eMrumta.
Movimento da casa Je detenrao m dia 31 fc.
agosto de 1863.
Exi-aiam........40i> pres.*
Kntraram....... 4
Sabiram........ 13
Exjslem......... 3*4
A saber
Nacionaes......
Eslrangeiros.....
Mulheres......
Eslrangeiras.....
Escravos.......
Escravas........
276
27
9
3
73

punido o envenenador.
Dizia-se a principio qoe a morte- de Leal e de
uma ilha menor era devida ao miago de mandio-
ca puba, que beberain, Hoje est, conhecido o en-
venenamento por meo do arsnica
Abrio-se hontem. o nosso theatro com a nova
companhia trazida d'ah pelo Sr. Canto Rocha, re-
presentando-se a Dalila. do dislincto escriptor por-
tuguez Antonio de Serpa,
Hor(vc grande endiente e a companhia agradan
mii'do aosexpecladores.
Desceu antes de hontem ao ultimo jazigo a cor-
po do Sr. Jos Raymundo do Reg, cidado, esti-
mado, que bons servicos presin coma subdelega-
do de polica que o foi por muitos annos. Era ex-
cedente homem e bom-pai de familia.
Depois da ultima chegada do paquete do sul ven-
deu-se unta boa partida de algodao a 205 a ar-
roba.
Aalfandega rendeuat o dia 2-,478:04:(987 rs.
O thesouro provincial renden 16:5055400 rs.
Existem no porto 9 navios carga para o Porto,
Barcelona, Lisboa, Liverpool, Cear, Para e Per-
nambuco, e tres em descarga, um de Hamhurgo.
Todosoonfiam que esta emergencia brevemente I outro do Havre e o terceiro de Liverpool,
estar Verminada, c com honra para os divergentes I O cambio fica : obre Londres a 17 eli* d. por
e gloria para o interventor, i#, e sobre Portufal a 100 e IOS por cenia'
o porque, quando comecaram a arrancar a fecha-
dura de outra que d en ira da para a sala onde o
ca torio, vetiraram-sc tao precipitadamente que
deparara uma chave quebrada na fechadura, bem
como, as chnelos no cosredor.
O referido Sr. Manuel Maria deu parte do occor-
rido. ao respectivo juzs e de combinacao cora elle
ao Dr. chefe de polica, que mando que fosse re-
nda uma vistoria.
Na noticia que demos dos festejos havidos no
Gabinete Portuguez de Leitura, por occasio de seu
dcimo-segundo anniversario, mencionamos a ses-
so de inauguracao, que ali houve, do retrato do
fundador daqueua nssocaco, o tinado Joo Vi-
cente Martins.
(i) Nes'ta freguezia os conservadores fuenm
duplicata.
(2) Nesta freguezia os liberaes zeram dupli-
cata,
(3) Nesta freguezia os liberaes Qxeram dupli-
cata.
(4) Nesta freguezia os liberaes flzeram dupli-
cata
(5) Nesta freguezia os conservadores-fizeram du-
plicata.
39\
Alimentados a casta dos cofres (Miro. 164
Movimento da enfermara no dia I- de rtemT
do 1863.
Tevobaixa :
Manoel Antonio Bastos da Silva ; gastralgia.
Teve alta :
Anacleto Lopes.
Obitvamo do da 1f DE SETMtMO ."*> CiartCMo
WBL1CO :
Maria Lniza da ("oweicao. Pernamtwro. IB iib .
solteira, S. Jos; erysipella rerolhida.
Manoel Francisco da Silva, Pernambncv C#aaaa>.
solteiro, Boa-Vista ; um cancro no rosto
Claudino, Pernambuco, tS annos. solteiro. eseravp
Santo Antonio; cholera.
Thereza, Pernambueo, 18 mezes, Boa-Vista; coa-
vulsfes. 1
Joao Jacintho Moreira, Portugal, ia aaaoa, 1
Afogados. tubrculos polmonares.
Ul POICO DE TUDO.
Q Monitor Belga da noticia da moaJiripn aar
que ltimamente passou a coodmorajin creada n
Blgica para os artistas e para os operaras- _
O novo modelo de condecoracio teas aa ccaao
um tropho emblemtico da iaonstiria da agr
cultura sobre um toado de ftaaae aajro, anaa
de um o da esmalta Tnraaaa
Este troobo cwtio do amanas
azul com t palarrasHaallidade,
aa
MUTILADO r


_
Diarlo de Pernambnco Quarta felra t de fccemforn de i es.
O todo contornado cora raraagem de louro, desune em. multes pontos toeni j tomadas as sus
esmalte azul para os traballiadorcs industriacs, de, disposicdes para evacuar as suas habitac,oes, tendo
esmalte verde para os trabajadores agrcolas, ten- os carvallos appareihados,. os gados reunidos e as
do na parte superior as armas do paiz suspensas -
da corda real.
A condecoraijao usa-se com urna fita das cores
nacionaes belgas, que nao podo trazer-se sem a me-
dalha. A condecoraclo de primeira classe o sus-
pensa n'um tope eom as cores nacionaes, sendo do
ouro a corta real, as armas do paiz e tropho do
centro. ,. _
A medalha ten V2 centmetros de extensao e
3 ". de largo.
Para evitar despezas aos operarios condecorados,
o governo mandou fazer um novo typo que nao
tein senao metade da dimensao official.
/

/
0 cirurgiao inglez M. H. Thompson, que tao fe
lizraente operou o rei dos belgas, reeebeu 100,000
francos (18:000,5000} e a comineada da ordem de
Leopoldo.
Entre os sapateiros evtanianqueiros de Munich
deu-so um conflicto muito serio e sem duvida ori-
ginal. Os primeiros contestarah aos segundos o
direito de solar botas e sapatos, fazendo valer que
este trabalho nao um concert, mas um trabalho
novo, que, segundo as prerogativas da sua operacao
s os sapateiros devem fazer.
Como o conflicto tomava serias proporcoes, a au-
toridade nomeou um professor de chimica da es-
cola central para decidir a contenda-
Este arbitro decidi, fundando-so ern nao se sabe
que razoes scientifloas que o deitar solas constitua
um trabalho novo do dominio dos sapateiros, o
ueste sentido foi a questio dormitivamente resol-
vida.
Proseguimos na puhlicacao das mximas de con-
ducta para as meninas brasileiras :
A mulher deve ser para sen marido um espelho
de conqiostura c de virtudes, urna consoladora as
alfliccoes e uos trabalhos da vida.

Nao ha defeito maior en urna senhora, que deve
ser toda amavel, attractiva e graciosa, do que a fe-
1 ocidade do genio e rudeza de costumes, e a gros-
seria do trato.

A boa harmona dos esposos o o mclhor ele-
mento da educacao dos filhos c de sua futura feli-
cidade.

Quantas muflieres loncas cora suas dissipaedes
tem reduzido scus maridos e filhos desgraca !
Ellas sao censuradas [>or toda a gente de sonso,
que as aponta para screm evitadas.
Se o philosopho Scrates tivesse o mesmo genio
Mratavi'l de sua mulher Xantipa, passaria com
ella ama vida desgranada. Elle soube com sua
prudencia domesticar aquello animal feroz.

Se desde a tenia infancia mo procuramos ad-
quirir o habito do trabalho, empregando o tempo
era consas utels, nunca possuiremos aquella im-
portante virtude.
O primeiro dever do urna mai c inspirar a seus
lilhos o amor da patria, c das instituieoes do seu
paiz.
Fechamos este enlamen potico com a publica-
cao do
1.EILAO.
Aehando-sc autorisado
Para fazer o leilao
Do Contagio e Comedia,
Avisa o agente Siraao:
Amauha, tres de seteinbro,
O Contagio ir leilao
E a Comedia, que pecliincha !
No valor mais d'um milho.
Sao espolios d'um poeta.
Nao das duzi-is, de nipdida.
E mn genio dos Gratis,
Que tem a musa afrrida 1
E provou-o, qnando elle disse :
.4 poesa a centena,
\ ijue Ueus concede a bem fKMCat
E assim que me acouselha.
Juiz dizer, que tal ccnteUia
o sea estro coruscante;
E guapo, se pavonea,
Qual genio quadrupodantc !
S ello ao genio alinhava-se,
Qual A lmocrovc.de petas,
Q aos sons dos traques bombsticos
Foi croado com trombetas;
Quando a chistosa Comeitia,
Mu fofo, a scena levuu :
.' T os morios a appjaudirain,
aTT- o piibliei'paVinou'1!.'.. "" <
Quiz sor oLobo-pastor-
Para tragar as ovelhas,
Mostrando um pouco de tudo,
Sem oceultar as orelhas!...
mobilias preparadas, a facilitar eventualmente
urna faga immediata.
Fazem-se preces publicas as igrejas, onde as
reliquias dos santos cstao expostas piedade dos
fiis.
Tudo aecusa o susto de povoacoes j tantas vezes
victimas dos furores do volcas,"
Escreve o Nacional. No anno de 1780 as fa-
bricas ingieras de algodio empregavam 20:000
operarios; estes subiram em principios deste
seculo a 80:000, c ltimamente augmentaran!
com a porfeicao das machinas e o auxilio da forca
do vapor at'451:600.
O progresso dos valores dos productos elabora-
dos tem avanzado com maior rapidez.
Caetano Gomes de S.
E prestaran o juramento dos Sanios Evaugelhos.
Nao tendo comparecido a lestcnmnha informan-
te Jos Mendos Salgado Gulmaries, o Sr. Dr. jota
de direito consultou ao jury de sentenca se pres-
cendia do comparecimento, aflm de poder julgar o
reo, e respondendo o conselho pela negativa, o mes-
mo Sr. Dr. juiz de direito addiou o julgamento do
dito reo para o dia i de setembro prximo futuro.
Levantou a sessao, addiaodo-a para o dia 31 do
corrente as 10 horas da macha?.
Relatorio apresenlado pelo presidente do Gabinete
tatagua de Leilura, en sessao de 2 de ageste
de 1863. .
Senhorcs socios do Gabinete Portugucz de Lei-
tura em Pernambuco.Quando a vossa extrema
I bondade, exagerando meu pobre mrito, voio cha-
poesia que hontcm publicamos sob o titulo mar-me para oceupar esta cadeira, foi uiinlia pri
encher ella se apresentam varios candidato-;,
todos do grandosmereciraentos, e dignos de
obterem os sorVagios 4a provincia.
Entre esses candidatos figura o nome do
nosso prestimoso patricio o Exm. Sr. Dr.
Joaquim de Saldanha Marinho, redactor em
chele do Diario do Rio de Janeiro, que com
a sua palavra autorisada tem defendido com
todo o denodo, e com toda a independen-
cia, os direitos do povo.
Como deputado assembla geral teve a
Na
de Comedta lea-se a terceira quadra assim :
Eu poeta das lagas,
1 De sandices pescador,
Prodigio informo, que amphibio
Sou a um tempo e rimador.
CIIROMIA .HDHIARIl
TKIRI \VI, A RELA^AO.
SESSAO EM 1 DE SETEMBRO DE 1863.
1'HESIDENCJA DO F.XM. SR. CONSKLHEIRO SILVEIIU.
As 10 horas da m
A Providencia porm nao mmM
maman as
tan* n>
possibiltasse de ser reembolsado; e por issoaoeefrr
tei o offerecimento que me fez-o Sr. Dr. Cunha, da! ..,, ,
venda de seus escravos, a quai effectuoule entre Surla effe,t0 P00 de "
gando-lbe eu 9 restante de sua importancia. mens* 9,118 sem ra/o Ihe SO
Este procedimento por nenhuma maoeira com- 0U que se tem tornado M
prometteu abOa ehonestidade com que deligen- mitos : nao consentir mip m
ciei o pagamento da divida do Sr Santos Neves- Dd0 w"ferlira qoe M
por quanto sabia que tendo o Sr. Dr. Cimba oraros IDgraf dio revolUnte. um ntt
bens, em nada prejudicaria o Sr. Santos Neves sendo repellido das ornas do OnVn> O
De feito loso que fi intimada a sentenca ao Sr. lo o liberal de 1848. um Am artrrt i
Dr.Carneiroda Cunha,deuellc penhorabenslivres ,)alria um dos carartari
e desembaracados que valem mais do triplo da divi- VL 75 Ci^acmm,
da do Sr. SantosNeves, a qual com o capital e juros n08Sa OCiedade.
roraffpm dfl'dAnunciar ,n n^L, ^l/ -so,nma smente3contose seiscentosmUris. Logo' Honra pois i todos
coragem ae denunciar ao governo as preva- depois que fiz essa compra o Sr. SantosNeves difi- ressarem pela eleiciodo
ricacoes dos empregados da alfandega da gio-me por seu cunhado o Sr. Luiz Gesario do Re- yares hoEi a^nW 'i-T^
Crte, prestando assim um rr>xp\tUs\mn go, a carta que publicou com o seu commnnicAdo. -
ineira inspiracao declinar dessa honra com que
me quzestes distinguir, e que eu esta va tao longe
de espera-la, quanto de mercce-la ; por que, nem
me julgava apto para tomar ana parte activa no
conseibo deliberativo que representa esta associa-
cao, nem os diversos encargos que prendera diaria-
mente a minha attencao, me davam margem para
bem desempcnliar essa honrosa mas diftkil misso.
Entretanto as reflexocs, e considera^Ses de al-
guns dos nossos amibos e collegas, bem como a es-
peranza de que seriis indulgentes, attendendo a
mannaa, achando-so presen- debilidade de minbas forcas, mudaram inteiramente
tes os Srs. desembargadores Caetano Santiago, a minha resolu^o ; e para ser reconhecido aos vo-
GUirana, Loureni;o Santiago, Motta, Peretti, Accioli, tos sinceros da vos*a expontaneidade, accitei o
UchOa Cavalcanti.Assis, Doria, c Guerra, procura-, mandato que me confenstes, cumprmdo-me lioje
dor da cora, abrio-so a sessao. ; em'nome do conselho deliberativo, de acord com
Passados os feitos e entregues os distribuidos,. o % 5. do art. 60 dos actuaes estatutos apresentar-
'deram-se os seguintes vos a sj nopsis dos nossos trabalhos.
Durante o anno da nossa gerencia, houveram
\ apenas dez sessSes do conselho, sendo cinco ordi-
narias, e cinco extraordinarias.
Na primeira de 9 dejulbo doanno (indo, procedeu-
sc a eleicao da directora que foi unnimemente com-
Motta, posta dos Srs. Joao da Silva Regadas para director,
Antonio Prite vice-director, Joaquim Gerardo Bas-
i tos primeiro secretario, Jernimo Pinto de Souza
servido ao estado.
Liberal desde os mais verdes annos, e
acompanhando lioje a nova situado, para a
qual muito concorreu. de talento superior,
e amestrado
revelantissimo f> a f31^ 1ue com o seu communicado, c\n3'm ....
a qual nao respond por ser inexacto o fado nella UIWM In a causa o nomeiD JMO,
' relatado; mas persuadido que poda ainda chegar tem por Si um nome. e tradie^Scs
a um acord com o Sr. Sautos Neves, e acabar O concurso d>3 seus amigos e Do ai
assim as suas indisposicoes contra o Sr. Dr. Lar- ca official '
neiro da Gunha, fiz o sacrificio de meu resentimen- va-___
to pelo que ha va acontecido anteriormente, e con-1 ^* Jtonnn.
9*
JCLGAMENTOS.
Aqqravo ile pe t i rao.
Rase Schamettau aggrava
Aggravante,
do, ojuizo.
Relator o Sr. desembargador Accioli.
Sorteados os senhores desembargadores
e Doria
Deu-se provimento.
Aggravante, Joaquim Antonio da Silveira ; ag-. secundo secretario^ e Jos Alvos Lima thesoureiro.
gravado, ojuizo. "a segunda sessao em 21 do mesmo juluo tendo
Relame oSr. desembargador Ucha Cavalcant, recusado os Srs. Regadas c Bastos, este o lugar de
Sorteados os senhores desembargadores Motta: primeiro secretario, e aquelle o de director foram
e Accioli. eleitos por falta de supplenles para director o Sr.
Deram provimento. Dr. Daniel da Silva Ribeiro, e para secretario o Sr.
gqravo de instrumento. > Ignacio Pereira do Valle.
aggravado, i Na terceira sessao em 8 de agosto do mesmo
Pedro Cavalcanti de Albunuerque UchOa. [ anno tambera se tomou conhecimento das escusas
Aggravante, Manocl Alves Ferreira ; a
Pedro Cavalcanti de Albuquerque Ucha.
Relator, o Sr. desembargador Caetano Santiago, dos Srs. Dr. Daniel da Silva Ribeiro, e Ignacio Pe-
Sorteados os senhores desembargadores Motta reir do Valle, deliberando-se que por nao tei
c Peretti.
Julgou-se nao se ter foito aggravo.
Appeaces crimes.
Appellante. Antonio Joaquim de Souza ;
lada, a justic.
terem
estes senhores supplenles licasse essa eleicao ad-
diada para depois do anniversario do Gabinete.
(visto como na luta de difilculdades para o conselho
appel- preencher as vagas da nova directora, era impos-
| sivel completa-la a tonino do desempeuho da nossa
Reformou-se a sentenca, condomnando o appel- festa, que se deu em la de agosto do anno pro-
lante como estellionatano. ximo passado, deliljerando-se cjue esta fosse ainda
Appellante, o juizo ; appellade, Jos Guimaraes dirigida pela directora anterior, o que como sabis
de Araujo. j teve lugar com aquello brilhantismo costnmado :
A' novo jury. gracas ao excessivo zelo e boa vontade desses cava-
Appellante, Ravraundo Soares de Mello; appel- lheiros, dignos por certo da vossa gratidao.
lado, o juizo. Na quarta sessao que teve lugar em 27 daquelle
Aunullou-se o processo. agosto, conseguio-se emfim completar a directora,
Appeltaedes civeis. sendo oleilose aceitaram os Srs. Joaquim Ferreira
Appejlante, a fazonda ; appellado, Antonio de; Valente para director, c Arsenio Augusto Ferreira
Moura Rolin.
Confirmada a sentenca.
Appellante, Jos Velloso Soares
fazenda.
Confirmada a sentenca em parte.
DESIGNACO BK DIA.
Assignou-se dia para julgamento
feitos :
ApjM-Uaeao cieel.
, Appellante, o juizo ; appellado. Jacintho de proxMHoVpssado, sendo mais o conselho scientifi
Araujo Lima. cado qu os actuaes estatutos se achavam deniti-
passagens. vamente approvados pelo Exm. Sr. presidente da
O Sr. desembargador Caetano Santiago passou provincia. *
ao Sr. desembargador Gitrana Na sexta sessao que houve lugar em 15 de Janeiro
Anprllnruo arme. foi apreciado o balancete remettido pela directora,
Appellante, o juizo ; appellado, Francisco Cor- dos mezes de outubro a 30 de dezemhro prximo
: para primeiro secretario.
Nesta mesma sessao, o conselho pela sua parte
; appellada. a \ exponlaneamente concedeu um voto do agradeci-
I ment directora transacta pelo bom desempeuho
da tarofa de que foi incumbida para o festejo do
' anniversario.
dos seguintes Era 21 de outubro teve lugar a quinta sessao do
! conselho,- e alli se approvou o balancete da caxa
' da direo/oria dos i mezes de junho a setembro
advogado, tanto que obteve ^ com o Sr. La Cesario, de ir mais urna vez
pouco o titulo de advogado do conselho de entender-me cora o mesmo Sr. Neves acerca da
estado com que o destinguio S. M. o Impe. divida de que trato.
rador, tem js ambicionar um luaar na Dei esse P3330 do 'iue No me arrependo, e pro-
lista trplice, que esta provincia tm de Pu^aoSrSantosNevesorecebimentodeumcoalo'
oreanisar Knrvmuw tem ub de res por essa divida To grosseiramente como '
v ,in n.. ,.. me liav,a recebido regetou o Sr. Santos Neves esta '
L de e.sperar que a caudidatura do Exm. proposta.
Sr. Dr. Joaquim de Saldanha Marinho en- Retirando-me communiquei ao Sr. Dr. Carneiroc energa tem
contrar acolhimento da narte de todos os da 9unha'que nada nuis Podia fazer com este seu fennidade,
Pprnamhncanne mu a. i^- credor, nem com elle me entender sem quebra de V41iamo
os, que de coracao amam, e mni.3 k^/u! :.. ------v.-.,J. ........ *eia
PBLICACOES 1 PODO.
En si afila.
0 medicamento que cora
combalido
tem aillo o xarope
parte de todos os
, e minha dignidade, c por isso incutnbisse a outra
tenaera veneracao ao ment. pessoa, ou fosse elle mesmo tratar de seu no-
Abaixo damos publcdade a circular que 80?!0-
o Ilustre Pernambcano dirice aos seus ama- u uePteom0 f01 dj*>. iuc oSr:D1r- Aatonio
nt natririfw B Hcrculano de Souza Bandeira sendo delle encarre-
uus pdiiitiub, gad0 e propondo ao Sr Samos Xevcs 1:8003000
Do apreciador do mrito. ou 2:0005000 rs. pela sua divida, nao foi mais
Illm. Sr.Tem Pernambuco de con- 'eu-z>e nada ,,avia podido .conseguir da phUantro-
correr agora cora o seu voto nara nreen- p deste senhor.' nes,a/,Pca calamitosa em que
rhimpntrt-, ,J Si todos M conpadecem de seus devedores, e fazem
cntmentoda vaga, que no senado deixou 0 grandes sacrificios para os salvar c attenuar os
r. ViSConde de Albuquerque. solfrimentos de suas familirs !!! Eis fielmente o
Alista trplice que para sto, e se- (iu? ^ Da*0lL ...
temtlSSKi/f S d0rPe'-i0* &*SX%%&& TSlStSSSt
tem de ser a presentada escolha da coroa. t Cimba nao tiuha dinheiro nem para comprar cha-
val ser confeccionada. | rulos.
Pernambcano, seria para mim de al-' Nao ,cnno necessidade de negar este facto ; por
tissima importancia merecer dessa distincta l"^l.?l:^siI",TeJp,a:?5' tc^oap I"es,em- ,
e heroica provincia a honra de ser contado Sn^S^Ci^na^^^C i ^ p ha muito ,epo, coSot-od
entre OS seus escomidos, ria dizer do que, que este Sr. se achava em apuros 1 P alcooliCO de veame e pilulas r
Assim, pois, apresento-me candidato comparada as suas dividas cora os scus bens c re-, do mesmo, acha-se restabelecida. e
lista trplice para senador, emcuia eleicao fliri^Je1,quedi8p5era \mas Sr San.tos Nevcs' dos medicamentos os tumores ter
fez disto um bom adiado para concluir que

Uma escrava da nwi do r.
Firmino Monleiro, pes?'*>a bes
nesta cidade, achando-se de cama, t oa
as pernas bastante indiadas, e rheia de tu-
mores, tomando o xarope de relame, ada-
se lioje ba, prestando iervic.
A mana do Sr. Jos Francisco
rador na ra Direita n. 51,
commeltida do mesmo mal, acha-se laanni
boa.
A Sra. D. Senhorinha l'mbenna ik San-
tos, moradora na ra das Calcada* n, M.
achanuo-se atacada de erysipelb aa* anua,
com quatro tumores bstanle inliiinuni. ao
estado indolente, que a privara le ar-se
vai atnha provincia mpotaM*^: j ZSZZXZnttttJRZlP* suPura^>-
concluir
ouilicuiidi -so agu a. quera pregar-lhe um logro, nao obstante i
t Meus principios polticos sao cotihe- divida muito inferior ao valor desses escravos e A Sra. Hita, moradora na roa
cidos. Na imprensa, bem como na tribuna ln;us uens {iaQ possue o Sr. Dr. Cameiro da Cu- n. 6, segundo andar, soffren-lo dV>
parlamentar tenho-me definido claramente. ?.!'*' os',uaes ao procurei oceultar, nem o poda ma| |,a mos annos# aj|aj|
. N5o cedo desses principios, n3o irn-1 "Ikolia qufalmirar, lgica de quera por faz e
SijO, nem transigir! jamis a CUSla delles ; por nefas pretende depremir o carcter de seu con-
porque OS reputo OS mais santos, visto en- 'endor mas ser bom (jue o Sr. Santos Neves
volverem seguranca de liberdade conslitu- !"?*!comor5alsriacsselogro,equea com-
ciona.. e coimera prosperidade e &&*& VSgTZSl'SmSi
gresso do paiz, moralisacao e legitimidade da Cunha.
de sua administracao.
Se lenho andado bom camin
o agora provincia onde nasci: respeitoso jidar^aomi F^T5gUTi T^tTp^
me apresento ella para ser julgado. re consderando-mo de m f. Pejo ou antes asco
a Entretantos, tao Ilustrados e dignos!toria eu ^e commumca-lo se soubesse como agora
filhos de Pernambuco, ousada talvez mi- s
tegttimiuaue oa uunna.
: Finalmente declaro ao Sr. Santos Neves que no
aminho rtitra- "etf00'0 em qaestao portei-ine com toda a dignida-
f. de e franqueza, e assim nao podia ter pejo de en-
nelio Kantista Yieira de Carvalbo.
O Sr. desembargador Gitrana passou ao S. des-
embargador Lourenco Santiago
As ap'pellaedes crimes.
Appellantcs, Jos Gomes dos Santos c outros ;
nutro ; apitellada, a juslica.
Appellante, o promotor; appollado, Jos Joaquim
de Santa Amia.
Appellante, Bernardiuo Domingues More ira :
ap|iellada, a justica.
Ap|>eliante, o juizo ; appellado, Jos Guilherme
da Silva.
passado.
No dia 23 de abril em stima sessao, reunio-se o
conselho, approvando o balancete da caixa da di-
rectora dos mezes de Janeiro a margo ultimo, ap-
provandosetambera a resolucao que a mesma di-
rectora tomara de mandar buscar no Bio de Ja-
neiro o retracto do finado Joao Vicente Martins,
como um dos primeiros fundadores deste eetabele
cimento
Deliberou-se mais que fossem chamados dous
supplenles os Sr?. Manoel Jos Machado, e Jos
Mara Ferreira da Cunha, para substituirem os Srs.
o lei"io ter principio
As onze horas em [lonto,
Na na do novo Epitheto,
Numere cifra tfum cont.
11
Dou-lhe urna, ainda mais uma----
E duas. Nao ha quera d mais ? !...
J ehegou 11 m preco louco,
inguen eobre-o en casos taes.
Animcra-te. meus senhores ;
l-AaiiHiicm ultima vez.
* Pois vi mais cento e eincoenta.
Dou-lhe duas. dou-lhe lies.
I'a !--Bem. o lance seu,
Fez pechinena arrematante.
voidade, pegue os cobres ;
meu O 1 A)ki"iliaiiti.'.
III
Pa mira morrete, Contagio,
Comedia goguenla... inda bem
J sulfragara o Prodigio
Heqtdetcant in pote. Amen '
Diz a Correspondencia de Etpa&a, que um mein-
ia camai a dos communs de Inglaterra se di-
rigir ao governo hespaubol, pretendendo saber
uma colonia irlandeza para Hespanha, a' qual
se estabeleceria na provincia de Santander.
Para o estado daquelle afeita reino nao olham
09 liheiladore.t; officiOSOS dos OUttOS povos !
Pobre Irlanda, nao querer ura da a Providcn-
a que te possas einanci|ar da tua longa op-
pressaofl
OSr. desembargador Loureuco Santiago passou consentiros Ignacio Pereira do Valle, e/Antonio
ao Sr. desembargador Motta dos Santos Yieira, em viagem Europa
Ai appeilinyes aunes. Era 28do mesmo abril reunio-se o > elho a
Appellante, o juizo; appellado, Jos Bodrigues requerimento da directora ; e cominuni joesia
Pereira e oulro. (jue achando-se ausente o seu pnmeiro SocrnViO
Appellante, Francisco Jos Miguel: appellada, a nao regularmente substituido pelo segundo pedio
jusliea.
Appellante, Jos Barroso Valente : appellada, a
Josnca.
As appellaroes cireis.
Appellante, Luiz Jos da Costa Amorim ; appel-
lada, a fazenda.
ao conselho substituto.
O conselho, porm, considerando que nao tendo
substituto o oleito, eque alera disto nao constava
oulciaimcnte a retasa do primeiro secretario, cuja
residencia era ignorada, julgou inconveniente pro-
ceder a nova eleicao, e deliberando responden di-
nha apresentacao. Sirva-me, porm. de
desculpa o grande desejo que nutro de ser
til essa provincia, e ao paiz, e a subida
honra de ser por ella distinguido com to
alta prova de confianza.
Seislo pode jusliflear minha preten-
do, permita V. S. que eu solicite sua va-
liosa coadjuvarao em prol de minha can-
didatura. E' poderoso o concurso de seus
servidos, e, portanto, Ihe rogo que aceite a
! minha apresentayao, e a tome sb seus cui-
dados.
1 Dirigindo a preseule V. S. cumpro' fora JpstBcave
quanto devo sua posico e merecimento ;
mas solicitando o seu apoio, nao desejo o
menor sacrificio de consciencia. A esco-
lha a que vai a provincia proceder de sum-
ma importancia para o seu futuro ; ella,
pois, deve presidir a mais ampia liberdade,
muita calma o rellexao, perfeito desinteres-
se pessoal, e consciencia pura.
Recaa em quem recair a escolha de
Pernambuco, seja ella, porm, digna dessa
provincia Ilustre por tantos ttulos, lal o
meu desejo,
Aceite V. S. os sentimentos de alta es-
se, que S. S. inteneionalmente procurava sem mo-
tivo desfeitear-me e deprimir o meu carcter.
De homens taes deve fugir-se para evitar o seu
contagio e o desconceito publico. Ficarei aqu e
vollarei se preciso for.
Barlholoinea Francisco de Souza.
Pernambuco, 1 de setembro de 1863.
posics
Appellante, o solicitador de residuos ; appellados Xodia 7 do mez lindo, fez o conselho sua nona
os administradores dos conventos da Conceicao, sessao.
e Gloria, deOlindae Iguarass. \',q|a foi lido um offlcio da directora dzendo
O Sr. desembargador Peretti passou ao Sr. des- qU( continuando a ausencia do seu primeiro sc-
embargadof Accioli crctario, e sem que o segundo podesse desempe
As appeacet civeis. ,mar cabalmente as suas obrigaedes, lutava com
Appellante, Antonio Alves \ ianna ; appellado,
Gco. Kew 1101 til &-C.
Appellante, o juizo; appellado, Luiz Jos de
Souza.
O Sr. deseinliargador A.-sis passou ao Sr. desem-
bargador Doria
A appellarfw cieel.
Amellantes, os herdeiros de Miguel Ferreira de
Mello ; appellada, a fazenda.
O Sr. desembargador Doria passou ao Sr. de-
sembargador Caetano Santiago
A appellardo crina
Appellante, Joao de Barros Barroso
a justica.
A 1 hora da tarde encerrou-se a sessao.
dilTiculdadcs dileeis de remover, moruientc na
quadra em que achando-se prximas as eleicScs, e
festejos dcsta associacSo; os trabalhos se diiplica-
vara pelo que pedia providencias.
Ponderou mais a directora que pelos motivos
expostos nao Ihe foi possivel fechar a escripia em
termos de apresenlar o balancete a apreciaclio do
conselho no dia 5 do mesmo mez, como ordenara
os estatutos.
E finalmente pedio esclarecimentos sobre o mo-
do por que devia ser feito o festejo do aniversa-
rio de 15 de agosto corrente, visto que os estatutos
appellada,! actuaes nao determinan! essa sessao magna expres-
samente decretada nos anteriores.
tima e considerarlo com que me assigno de
V. S-, patricio e criado respeador.Joa-
quim Saldanha Marinho.
Rio de Janeiro, 20 de junho de 1803.
A Sanio noticia oseguinte:Vai applicar-se,
"orno ensaio, a boz elctrica a um dos phai oes de
lrimcira ordem era Franca, prximo ao Ha-
vre.
Tumou-se esta medida em viridc de informa-
cao da eommissio dos pbaroes.
O conselho tomando em considerago esse offlcio
i da directora resolveu c considerou vago o lugar
TRIBlVAli ISO .11 Its. I do seu primeiro secretario, elegendo para subs-
QL'ABTA SESSAO. tui-lo o Sr. Antonio Baptista Nogueira, que de bom
da 29 de agosto de 1863. ; grado aceitou.
Presid* aria do Sr. Manoel Jos da Silea Xeica. juiz \ Que quanto as contas erapregasse toda a sua so-
de direito da 2* vara erinu: licitude, aflm de com a mxima brevidade ser o
I'roiuuter publico o Sr. Dr. Francisco Lepoldino' respectivo balancete apreciado pelo conselho, que
de Gusmo Lobo. l organisando o relatorio de que trata o j l. do art.
Escrivao Joaquim Francisco de Paula Esteves 43 dos estatutos, o communicasse ao conselho, para
Clemente. I este em tempo opportuno fazer convocar assem-
Adyogado o Sr. Dr. Antonio Jos da Costa Bibeiro. bles geral ordinaria ; c que finalmente quanto ao
As 10 horas da raanlia, feita a chamada acha- anniversario. o conselho deixava essa festa dcli-
rain-se prosentes 41 senhores jurados. beracao da directora de acordo.com os estatutos.
Na dcima e ultima sessao que teve lugar era 23
Verificou-se ultiman inte en Londres a primei-
ra experiencia dos tuboe neumticos para o trans-
porte das carias.
Assistiu a esta prova o inspector geral doseor-
reos.
Lancarani-se da estacao, praca de Easter, para
a de noroeste, ra de Sliall Evaisall. algoas macos
de cartas que tevarain oo segundas liara ehear
ao seu destiuo.
Lord Stanley e Bowlan HU, teslemunhas o
bom resultado da experiencia, decidiram que co-
meee quanto antes a expedico das cartas pelos
tubos neumticos.
in
O jornal inglez intitulado o Punch, dedicou no
lia 23 do mez lindo nina das suas caricaturas
qnestio anglo-brasileira, em que ligura lord Bus-
sel!, e tem jior titulo castellao Iluminante nos
negocios estrangeiros.
A caricatura representa o nobro lord como
um rapaz sentado mesa trinchando um pas-
tellao.
Ao lado est o ro da Blgica, o por detraz da
cadeira de lord Bussell a ligura da Graa-Bretanha,
duendo.
i ~i" m60 Jo5osil>no- J t sabes que as nozes
do Brasil te fazem indigest2o. O doutor Blgica
diz que fizeste mal, e que te ha de fazer bem algum
pastel de humilhaco. Portanto engolc-o como um
bomem *
t
A grande crtera do Etna (na Sicilia) lanca
grandes chammas e laya*
EJ do lado de Bronte que parece dirigir-so a
acelo subterrnea, que pode dar lugar a alguma
nova erupcao.
Formidaveis detonaeteH, charas de einzas e de
pedras. e fogos subterrneos, de que o calor do
solo revela a existencia, levam o susto at Cata-
nes, e, sobretodo, as povoaedes das montan has.
Foram multados era 20b00 cada um dos senho-
res multados nos dias anteriores.
do derradeiro mez, foi approvado o balancoto da
Abcrta a sessao corapareceu o Sr. Dr. Francisco caixa da directora dos mezes de abril a 30 de ju- comprehendido o Sr. Santos Neves, pude empre-
de Araujo Barros, juiz municipal da 2a vara, e apre- nho prximo passado, e nesta reuna o conseho
sentou preparados para serem julgados, os proces- ouvio a coranmnicaco da drectoria que o seu re-
sos seguintes : latorio se achava prmpto a ser submettido vossa
Autora a justica. consideracao no dia de hoje, que o conselho mar-
Bo, preso, Antonio Martins de Olveira, pronun- cou para primeira reunio de que trata o art.
ciado no art. lOi do cod. crim. era 4 de abril de 41, visto como pelas razoes j expostas nao foi pos-
ISfi^- sivel chamar-vos para essa reunio no segundo
Autora a justica domingo do mez passado.
Bo, preso, Manoel flereira da Silva, pronun- A drectoria vai apresentar-vos o relatorio ini-
ciado no art. 201 do ead. crim., em 22 de juubo de nucioso de todas as oceurrencias que se deram no
^J- seu anno, e forca confessar quo tanto ella como
Autora a justnja. 0 conseibo, entre a luta, e os desgostos de uma
k*pecrj Joa1uini Durao, pronunciado no erise continuada desde ha mais de um anno, con-
t\ VO' CrnL' *an **de ^u"' de 18fi:1' juncan'ente com o indeflerentismo da maior parte
u 2 justica. . s7?fc ?, ***?' u HMlr?n^ do Nasciraento Pa-_4Jue aquiilo que acabaes, e tendes de ouvir ter, nos
tfnS^"^^M5,^dj,'^M!^hIoU,^ relatorios qucfrerecem vossa apreeiacao, tanto
.2^V? ^ 26i 4 d0 coA enm>em de "*>* attendiveis, quanto infelizmente ainoa actuara
Siiira a ti im>5 sobre nos cssas Pode''Osas causas que commercial-
i^ ..oJ u.,~i~. v i au mente fallando tem feito estremecer a todos nesta
Beo, preso- Alexandrc Xavier da Silva, pronun- praca.
ciado no art. 237 do cod. crim., em 82 de julho de Toncluindo esta pequea resenha dos trabalhos
n i_-j r. n j do consemo durante a sua gerencia, tenho de pe-
eeeUdoaos pracessos _pelo Sr. Dr-J de direito dir-vos nao s ara voto de gratidao para Ilustre
ordenou quailie fossem conclusos, e se procedes-
sem nos domis termos.
Entra em julgamento o reo Ismael, escravo de
Paulina Mana Bastos, aecusado por crime de ho-
micidio perpetrado na pessoa de Joaquim, escravo
de Antonio Goncalvee da Silva.
O jury de sentenca foi composto dos senhores
seguintes:
(leraeniauo Joaquim de Miranda.
Jos Gonealves Torres.
Francisco Jos Alves de Albuquerque.
Joaquim Jos Ferreira Penha.
Francisco Marinho do Albuquerque Mello.
Antonio de frellnda Cavalcanti de Alboquerque.
Jos Pedro das Neves.
Jos ffenfiques da Silva.
Tenente-coronel Jos Antonio Pinto.
Jovino Epiphanio da Cunha.
Manoel Antonio Viegas Juntar. *
directora pelo zelo, dedicacao e bom desempenho
com que se houve no seu anno que agora finda,
como que Ihe prestis approvacao a seus actos,
desculpando-nos se nao correspondemos vossa
espectativa.
3* Ao publico c o Sr. fos dos
Santos \'ve../-;
Tendo o Sr. Jos'; dos Sanios Neves, consideran-
do-se em superioridade de brio e dignidade. tido a
aminosidade de ferir a minha probidade na publi-
carlo inexacta que fez no Diario n. 197 de 29 do
mez prximo findo, de minha intervencao para que
conseguisse o Sr. Dr. Lourenco Bczera Carnciro
da Cunha, pagar-lhe o que Ihe deve com algum
abate, cumpre-me inteirar o publico de como esse
facto se passou, nao porque recei a quebra de mi-
nha reputacao, que jamis ser abalada pelo Sr.
Santos Neves, mas para que liqueni scientes aquel-
los que leram o seu communicado, de que sean-
meatos se acha possuido o Sr. Santos Neves, e do
quanto S. S. capaz ainda as circunstancias mais
apuradas de seus devedores.
Nada importa a declaraso dos motivos que me
demoveram a ntervir para'obter o Sr. Dr. Carnei-
ro da Cunha, de seus credores o pagamento de sen
debito com algum abate, pelo menos dos exorbitan-
tes juros de 2 e 3 % a que se havia sujeilado por
circunstancias que nao Ihe foi possivel evitar. Bas-
ta que o publico saiba (e o pode attestar o Sr. Dr.
Antonio Herculano de Souza Bandeira, ene pa-
rean do Sr. Dr. Cameiro da Cunha), que dosinte-
ressadameute a sto me prestei, assinlcomo me
tenho prestado cora o meu crdito e diulieiro a ou-
tros meus amigos que se tem achado em idnticas
circumstancias. Passarei pois a relatar smente o
occorrido com o Sr. Santos Neves.
Tendo o Sr. Dr. Cameiro da Cunha, para o fin
que fica mencionado, dado-me a relacao fle seus
credores, em e.ujo numero infelizmente se achava
gando os meus recursos, e em vista dos apuros em
quo se acha o dito Sr. Dr. Cameiro da Cunha, con-
seguir sem maior difSculdade e sendo tratado com
a maior attencao e acatamento. alguns abates da
maioria dos ditos credores.
Dirigindo-me, porm,aoSr. SantosNeves mu
particularmente e no fundo de sua toja, sem que
nos ouvisse uma s pessoa oflereci-lhe pela sua di-
vida, que de i:300W00 de principal, 7005000,
allegando os apuros de seu devedor, e lembran-
do-lhe que em outro tempo fora elle seu amigo. Era
resposia disso-me o Sr. Santos Neves, que eslava
em arranjos para a cobranca dessa divida com o
Sr. Diogo Soares d'Albuquerque, prente do Sr.
Dr. Carnero da Cunha, o por isso nada podia
comigo tratar antes de entender-se com o dito Sr.
Albuquerque. Disto dei parte ao dito Sr. Dr. Car-
nciro da Cunha.
Dous dias depois remmeltcu-mc este senhor uma
carta do Sr. Diogo para o sr. Santos Neves, e es-
crevendo-me nessa occasiao disse-me que nella o
dito seu prente desonerava-se para com o Sr. San-
tos Neves, do que havia com elle tratado acerca de
sua divida. ,
Confiado na eduegao do Sr. Santos Neves, e per-
suadido de que o encontrara calmo c attencioso,
fui pessoahnente sua loja cntregar-lhe essa car-
Becebeu-a o Sr. Santos Neves e depois de l-la
A poca chegada de apresentar-se a escolha
do grande corno eleitoral desta provincia os ne-
mes mais recoramendaveis de seus lilhos por illus-
tracao e cvicas virtudes.
O conselbeiro Dr. Francisco de Paula Baptista .
cortamente, um dos lilhos mais notaveis deste he-
roica provincia.
(Juando se trata da regeneracao do paiz, nao
deixar continuar no olvido o ora-
dor gigante, que tantas vezes tem Iluminadoa tri-
buna brasilcira.
Os seus discursos ahi correm impressos como
monumentos vivos de independencia e saber pro-
fundo.
par dos I'rbanos e dos Netos fulgura ua plai-
na poltica essa intelligcneia. soberba, que renKin-
ta-se ao curae das sciencias.
Nenhuma palavra mais autorisada que a do
grande mestre se tem feito ouvir reiiiomwmmtf
nos eiiipenhados debates da cmara temporaria.
Essa palavra emmudeceu para todos desgraca-
damente ha mais de 7 annos E' tempo de a fazer
reapparecer em todo o seu vigor.
Trata-se, nada menos, do que de abrir novos
trilitos entre os ncvoeiros, que empanam essa inys-
tica situacao poltica, marcha segura da socie-
dado.
Em quanto ao espirito ferrenho e egostico de
uma poltica pessoal nao substituirem as aspira-
coes legitimas, os nobles estmulos, a representa-
dlo nacional permanecer manietada e entorpeci-
da por suggeslcs mesquinhas e inleresses ig-
nolieis.
O d;rectorio do partido progressista riscou o
nomo daquelle iiiiminentissimo parlamentar.
O nobre conselbeiro, ha pouco escollado pala
suffragio unnime do partido liberal, para um dos
membros do mesmo directorio, foi proscripto
(quera tal dina !) e a sentenca lavrou-se em no-
mo do partido do progresso I
cima, porm, do veredkt do directorio, est a
opinio calma e esclarecida do corno eleitoral,
quera incumbe velar no pleito de honra, de cujo
resultado depende exclusivamente a sortc finara
do paiz.
O conselbeiro Baptista un desses homens, cuja
ndole o amato naturalmente deleza dos princi-
pios de honra e de justica.
A sua voz elquente' estove sanan ao servien
da causa dos opprimidos Em 1HVJ deu elle s-
bejas pravas de nde|>endencia de carcter. esta
a razao por que o vemos hoje pobre de dinheim.
enrequecido porm. dos thesouros da virtude.
A candidatura do Dr. Baptista nao pois, um
arranjo de pessoa desse ou daquelle credo poltico;
do interesse exclusivo da provincia.
O appello feito naeo ser definitivamente
mallogrado, se, em lugar'desses caracteres puros,
frem enviados ao seio do parlamento homens in-
dignos da conflanca da naco.
A exciuso do conselbeiro Baptista nao tem jus-
tilieacjio possivel na dilllcil earriscadaconjunctura
em que, se acha este paiz.
Os interesses mais moinentosos chamara a tribu-
na o orador pernambcano, que continuar a ser
coreado, nos o esperamos, de merecidos louros.
Abracein os eloitores essa candidatura a mais
sympathica, natural e necessaria na poca actual:
e o brioso pernambcano responder plenamente
aos votos dos sens comprovincianos.

alacava amiudadamenie, depois qnt
lomado esse remedio nunca mais Ihe tea.
O Sr. Antonio do Espirito Santo Sansa,
morador no pateo do Terco n. 137, aaaa
frequenlemente atacado de ervsfpctle ana
testculos, nao mais Ihe dea ate esta data :
outros muitos factos desta ordem
mencionar aqu para nao me tornar
e enfadonho.
Sendo a erysipella ama molestia qne seaa
duvida eBeito de materia gerada na ama
como expoem alguns escriptores da na-
cina, e em consecuencia da febre
na pello, onde prodaz inilammae-, <
muitas pessoas, por nao se terem
nientemente tratado, sucumben caen o
pernicioso uso de que, nos tres das anasn
vem usar de remedio algum, o que ka na
estender o mal por nao se ter a principio
combatido ; por isso, pois, coaveaaeeJft,
que, logo que alguem se sentir atacan Je
tal mal, deve provocar a transpinco losaan-
do ao principio uma collierinlia de cfn n>
xarope alcoolico de veame dissuivido a
uma clii'-ara de infuso de \V* de
i (pente, adorando-a com mars
continuando nos tres dias nesse tratamtr:
no fim dos quaes usara do xarope nt aahv
me na forma prescripta no reeeicaario,
tendo todo o cuidado e se abafar, aflea s
suar convenientemente, am de
o vende corrente, que conseguir
urna ou duas pitillas purgativas eV>
volame.
Todos quanlos suecurabem >!esta
lia H h : falleceu de errsipeUa
lliula ; ao contrario algos
prcsnmem ser o desenvolvimento
faecono sanguc, tarto pi i lugar
mado que, en to a sua car era eaoraada,
si3 troca em livida ou negra, e
gangrena, e por essa razao joe
atente o xarope alcrxco de veFaaat
fuso de flor de sabugo, para se
resolver a inllammaco, oa pelo
minar pela supurara., impedidlo
gangrena.
Os elfeitos do xarope alcoolico da i
applicado na flor de sabug.) i >
so de vantagem por sua qna!id*le
relica, como pela anti-septica, para
dir a putrefaccao as molestias.
Na erysipella nao deve o enfermo rw*pri-
meiros tres dias usar de comidas e beban*
que possam esquentar e nrlammar
gue.
A comida durante esse tempo dee s^r
do reino vegetal, como sasro', firiana aV>
Maraohio, pao torrado, bolacha, ele.
Ainda nao vi expositor de medicina aw
aconselhasse que nos primeiros trae ne> e
accommettimento do mal. nao seosaaaae
medicamentos; o que ellcs repellen sao os
ungentos, unturas e emplastros, par se-
rem de natureza gordurosas qoe obatraaaa
mais e repellem do que pronviveaa a eae
caatfD da parte ; o que convino tratar o
lugar atacado e bem agazalliado para
a transpirado e dellender do ar.
O verdadeiro xarope de veame vi
na botica da na Direita, n. 88, de,
Rocha Paranhos.

PASTILHAS VER.M1FL(.AS Di. KS,
A candidatura do Sr Dr. Jeroovuio Vi-! !*,L01'.d,,da' in,0nIittmDl
- -- ficazes e uteis do que '
ta.
prorompu em altas vozes c com maueiras bruscas
"hecife 2 de agosto de 1863.- O presidente Fran- na segulnte decIaracSo :_
cisco Joao de Barros.O
Ionio Augusto dos Santos Porto.
COMMUNICADOS.
A cauddatiira do Exm. Sr. Dr Joaquim iMJw
a Nao foco acommodacao com nenlmm diabo sobre
este negocio; iremos as do cabo e veremos quem
vence.
Quiz uzar de toda prudencia e esperar que
o Sr. Santos eros, reconhecendo que o seu procc-
dimento era improprio de um hornera de boa edu-
cacao se envergonhasse de o ter pratcado, o por
Estando assim terminadas as rainhas deligcncias
sobre a pretencSo do Sr, Dr. Cameiro da Cimba,
lm.. como J ,n0 nouve8se Aa0 a'mim dinheim, e pago
*H*-M?Ht. v,scon0e.ao Alauquer- a|guma8 de suas dividas, procure! sem demora
de Sald-tlia Marinho.
edo Exm. visconde de
que abri- orna vaga no senado ; para pre- pOr-me salvo de alguma evetualldade que nie mTIelle a mais negn'daf tKmjes I
(ella de Castro Tarares pele l'tlis-
tricto eleitoral.
O silencio, que o Sr, Dr. Vilella Tavares
tem guardado acerca de sua candidatura i
deputacSo geral pelo quarto districto desta
provincia, quando todo o paiz sabe de suas' impedindo por est forma ;
habihtagocs, de seus conhecimentos, e do cao. Ainda nao se enconira nn>
muito merecimento, que tem para conti- que ellas tenham deixado de
nuar a tr um assento na cmara tmpora-! desejado effeito de ama maneira a
na, e uma prova de sua honestidade, e da tisfactoria. Em virtude d se adiara
dignidade, com que espera a sentenca doemptasde ingredientes irritantes ai
corpo eleitoral do quarto circulo. sam ellas dor ou incommodo de
Poltico desde os: primeiros annos, em algnma e por meio da sua acc*
que sua mtelligencia principiou a desenvol- suavisam o reir e deian ao
yer-se, pugnando sempre, com o maior des-' uma salubridade perfeito.
interesse. pelo tnuraplio dos principios li-| As criancas as confunden aci!
beraes, (irme em suas crencas, o Sr. r. outros confeitos ordioBriea i
Vilella Tavares tem feito no paiz um papel | apparencia e sabor, e
importante, I qUanio gostam do proprio
Dotado de talento superior, elle gosa de^admiravelmente acond '
uma bem merecida reputacao, j como ad- nbos decrralal e ama
vogado, j como professor da Faculdad de
Direito do Recife, onde serve, ha 20 annos,
j como orador, que do que sobejas pro-
vas tem dado na cmara dos depotados. En-
tretanto o Sr. Vilella Tavares tem sido vic-
tima da calumnia, a mais atroz das injusti-
eas as mais flagrantes, e consta, que ainda
agora mesmo se pretende praticar para com
- --. d
todos os mais
dios perigosos e nauseabundos qoe
para a expulso das lombrigas. Qhs afle
smente expeliem e destroem eases
modos parasytas mas tamben reamen a
mucosidade em qae elles se
mais popular do dia.
A' venda em todas as boticas
C0MME1CI0.
Reodimento do ato I
tffilIlLADQ)


Murta de Perarnaamiico iiart felfa t de seteanhi o de 1883.
itavlinrnto da alfandega.
Volumes entrados com fazendas
com gneros 428
Voluaes
sabidos
com fazendas
com gneros
48
180


Francisco Goncalves Fer-
machina; Gabriel J. Raposo
Beaoarregam no dia 2 de setembro
Patacho dinamarquezJokannamercaduras.
Barca portuguexaBetia Figiub se=idem.
luiportaco.
Vapor nacional Cruzeiro do Sul, vindo do
Rio de Janeiro e Bahia, manifest, a saber:
Do Rio de Janeiro. .
Mercaduras estrangeiras.
4 caixio papel pintado ; Joaquim Fran-
cisco do Espirito Santo.
1 dito chapeos; Joaquim Atoes.
I dito un pianno ; a D. Mara de Jess
<"ordetro
fardo fazendas; a Johnston Pater 4 C.
K pacole elsticos ; Pason&Cruz.
caixa urna grade : Henry Forster
i eflabrulho chapeos do Chili;
ManoeMSaslos,
7 caixas, e 2 jarras massa de tomates
ordem.
Gneros nacionaes.
i caixo chapeos; Jos Joaquim de
Lima Bairo.
1 dito ditos; Antonio L. Braga.
K dito di
reir.
1 dito u
da Cmara,
i caixote rap ; Goncalves & Cruz.
i jacaes touc^lio ; Joaquim Francisco
do Espirito Santo. "*
1 barrica tinta : *a Jos dos Santos Nenes
Jnior. m '
i caixote charutos, 1 dito hvros, i sacco
milito ; Marques Barros & C.
4 caixao charape, e 228 rollos fumo ;
ordem de diversos.
Da Bahia.
Mercadoiiaestrangera.
8 duzias de ps de ferro ; Wilson Hetle
C
Mercadorias nacionaes.
1 caixlo charutos ; F. Monhard.
2 ditos ditos ; ordem.
Escuna uacional Emilia, vinda do Rio
Grande do Sul, consignada a Francisco Jos
da Costa Araujo, manifesta, a saber:
8.U96 arrobas de carne de charque, 3G
couros seceos; ordem.
Barca nacional Marianna, viuda do Rio
Grande do Sul, consignada a Manoel Igna-
cio de Oliveira A Filho, manifestou, a sa-
9,007 arrobas de carne de charque, 200
ditas de seboem pes, lil ditas de dito em
rama, 154 ditas de graxa em bexigas, 60
couros vaceuns de refugo, 450 saceos fari-
nha de mandioca ; ordem.
Patacho nacional Relmpago, vindo do
Rio Grande do Sul, consignado a Amorim
Irmos, manifesta, a saber :
43,136 arrobas de carne de charque, 160
couros seceos e 200 saceos feijao ; or-
dem-
Vapor nglez Paran, vindo de Sou-
thmplon, manifestou o seguinte :
8 caixas bolachinha : E. R. Rabello.
3 ditas calcado ; F. A. da Fonceca.
2 ditas dito; F. Araujo.
4 dita dito J P. Arantes.
40 ditas Cha; M. Latham & C.
L. A. Siquera,
de pallia; A. C
i Ecportanw.
Direilus de. U> % do pao Brasil. .
! Direitos de 5 / de exportacao. .
4jg Ditos de 2 % addicionaes. .
| Ditos de 2 /o de exoortacao .
Ditos de 1 / de ouro em barra. .
2gg' Ditos de >/ % dos diamantes .
Expediento das capatazias
Interior.
Multas..........
Sello do papel Qxo......
Dito do papel proporcional
Emolumentos........
Imposto dos despachantes
Extraordinaria.
Receita eventual......
26 1 rris de azoitc. 58 de toucinho, 6 volumes 9
[doce, 3 de drogas, leos e tintas, 8 saceos deaj-
f amara Municipal do Reelfc.
Matadouro publico da cidade do Recife.
Mataram-se para o consumo desta cidade no
mez de agesto do correte anao 3,000 rezes ; a
Dizimos da provincia das Alagos.
Ditos da provincia da Parabyba .
Ditos da provincia do Rio Grande
do Norte.........
Contribuico de caridade.
16:392*917 fatema. 61 pedras de cantara, 295 caixas de bata-
6.5365162 tas, 100 ditas e 1200 molhos de cebollas, 2 caixas
* i de queijos, 13 de canella, 90 ditas e 6 caixinhas de, saber:
* macaas o 25 volumes diversos. | \ iuva Aanacleto & C. .
* Para.Linda ( barca portogueza ) com 2* P'pw i Virgilio Horacio de Preitas
7044340 2 raeias ditas, 29 caixas e 1024 barris de v'P-"0^" | Ji4 Chrisostomo de Albuquerque.
601*090
427*800
81*020
52*000
* pei'xe, 30 de wagauT & de dode, 370 de batatas, Beuarmino Alves de rclia
i 350 aucorotas de azeilonas. 159 caixas e 20 meias joaquim Jacintho......
17*437 ditas de musas, 55 ditas de massinhas, 298 e 50: Manoel Paulo de Albuquerque
- meias ditas e cera em velas. 2 5 caixas c 85o mo-, Joao Jos de Albuquerque .
lhos de cebollas, 10 barris de salitre, 2 caixas de Joaquim Mauricio Wanderlev.
rap, 44 volumes de drogas, ervas; vidros e diver- Luiz de Franja Soares
863
279
220
Perantc o Sr. Dr. juiz de orplios desta cida-
de se hao de arrematar por venda, no dia 4 de se-;
tembro. por ser a ultima praca, a requerimento do
respectivo invenlariante, urna casa terrea e o do- ]
minio directo de diversos terrenos sitos na ra
Imperial desta cidade.
_i o inspector da tbesouraria de fazenda de Per-'
nambuco, para que o Diario Oficial leona a devi-
da circulacao, mande fazer publico, em virtude do
19
176
425:011*072
164*341
795*128
sos objectos, 5 caixas c 7 grades de queijos, 20 Antonio Goncalves da Silva.
ypographi
Iba, e para as provincias as thesourarias de fa-
124! zenda .1*000 por trimestre pagos adiantados e li-
1021 vres de porte ; as assignaturas podem ser recpl-
96 das no principio de qualquer mez, terminando sem-
63 pre no fin de marco, junbo, setembro ou dezem-
Uma casa terna mi chth* pro-
prios sita na nfe dan ln-
rangeiras n 9.
iioji:.
Oiiar-ff Ira 2 de vli-mhn imimn a* me a.
O agente Umpio arha-M-aiorisa* a wi*t
em leilao a ims.i lerna cm rlia.K proprios sa
ra das Urangeiras n. 9. temtii a awMM f al.
3 (|iiartws .[iiini.il r.ml.- nv-nsalmeni.- 16*.
Rendimento do mez de agosto-de ..
1862 a 1863. ...... 441:707*549
Rendimento do mez de agosto de ....
1861 a 1862. ...... 550:793*414
| barricas de bacalbo, 20 de cevada, 10 barricas >e Viuva do Jos Joaquim Ferreira.
50*500 60 saceos de grao, 154 saceos de feiiao, 2 barricas Jacob Joaquim da Silva ....
251*693 de erva-doce, 3 caixotes de massa de lmales, 277 Ignacio Mariano Monteiro .
------------ pedras de cantara, 5 soleiras de dita, 3 fardos .
426:272*734 com 1000 saceos vasios, e 85 volumes diversos. I
--------------- Emitie (barca franceza'J com 26 Dipas c 13o! Cmara municipal do Recife 1
barris de vinho, 35 barris de vinagre, 30 de azeite, 1863.
50 de toucinho, 50 de chouricos, 103 raoios de sal, o procurador,
30 barricas de bacalbo, 150 caixas de batatas, 50 j0l.gC yictor Ferreira Lopes.
ditas e 500 molhos de ceblas, 50 caixas de mas-1 Hoje 2 do corrente que ha de ter lugar.
de
3,000
setembro de
bro, e nunca por menos de tres mezes.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Pernam-
buco 31 de agosto de 1863. Servindo de offlcial
maior, Manoel Jost- Pinto.
LE ..10
THEATRO
DE
Alfandega de Peruambuco, 31de agosto de 1863
O 3 escripturario,
Joao Bernardo Diniz Pessoa.
Recebedorla de rendas internas
geraes de Pernambne*.
Rendimento do dia 1...... 1:908*104
Consulado provincial
Rendimento do dia 1
3:228*179
Praea de Lisboa1 de agosto de
I-SttS.
Preros correntes dos gneros de importacao.
Algodab de Pernambuco. *
Dito do Maranhao e Para. *
Dito de Angola...... 300 360
Dito da India....... J?aA
Assucar de Pernambuco, b. 3> 1*700 2*250
i'ito mascavado...... 1*300 4*5*0 Henrinne.
c ervas.
Boira de Lisboa.
Entradas.
Julho 26Gratidao, Pestaua, Pernambuco.
Agosto iLigeiro, Alberto, Para.
7Anglica L Cruz, Maranhao.
Sahidas.
Julho 15- Bella-Figueirense. Sobrnlio Pernain
buco.
%)Bom-Successo, Almeida, Maranhao.
30Emiiee (barca franceza), Perdtn, Para.
Agosto 2Linda, Noves, Para.
Embarcace carga.
Pernambuco.Patacho Mara da Gloria e bngue
(OH &QH C-tt.
Cear.Barca f7jr de S. SimCio.
Maranhao. Brigue Anglica. -
Para.Barca St. Lotus, e brigue Tamega, o
3 ditas dito :
4 dita chapeos
Abreu.
2 ditas chapeos
1 dita charutos
de
de sol; J. Reller & C.
G- I. L. Hunl.
77 volumes fazendas de algodo ; a J.
Rvder & C.
48 ditas ; PhippsC.
2 ditas ; J. Keller A C.
2 ditas; i L. A. Siqueira.
2 ditas fazendas de 13a ; II. A Azevedo.
J. Ryder & C.
fazendas de seda; L. A. Si-
Dito do Rio de Janeiro
Dito da Bahia, b.......
Dito mascavado.......
Dito do Maranhao b.....
Dito mascavado. ..,-.
Dito do Para, bruto
Ou Ditodalodia................
Agurdente de canna do Brasil P
Arroz da India. G6* 'II
Arroz ri Maranhao eParaup.
Diio dito bom .......
Dito dito ordinario....."
Dito dito mi'jdo.......D
Caf do Rio primeira sorle
Dito dito segunda dita. ...
Dito di lo terceira dita ....
0i. Dito da Bahia........ "
Dito de Cabo Verde......1
Dito de S. T. e Principe.
Dit de Angola Encoge. ...
Dito dito Canzego......
Cacao do Para ....... b
Hito da Bahia......... *
Dilo de San Tliom......I
Curo da ludia 162............. $
Cravo do Maranhao......^>
Cravo de Girofe.......
Chifres ...... M.
Coa ro seceos do Rio .... A
Ciaros verdes do Para >
Dios csuichailos das Mioas
D.los diloa da Baha.....
Ditos ditos de Angul.i .... d
Diios alaid is do Maranhao b
Dilos ditos de Pernambuco
Ditos dilos da Baha ... >>
Di os tfiloi de ogoU .... d
Dilos dito* de Cabo Verde
Dilos ditos das Ilhai.....i>
Dit.isdi'os mooros...... a
Corninhos.........(a
Kra doce..........(j,
tariohi de l'iKo, oj>iic*o>. b D.
F>iriiiha de pao......si \
Gomoia copal amarellli (u>
D.l.i lirin. ,i.......y
Dua ordinaria........ u
(Hit do Brasil........
EDITAES.
1*200 1*500
1*G50 1*800.
1*200 1*350!
13650 2*000.
1*100 1*350,----------------------------------------------------
122 Ion A cama" municipal desta cidade, faz pu-
2*200 2*'loo blico Para conhecimento do corpo elettoral
38*00040*000 deste municipio, que o-Exm. presidente da
3*800 4*000 provincia, por officio de 48 do corrente,
7JUW lne communicara haver designado a igreja,
I i matriz da freguezia de Santo Antonio, para
* nella se reunirem no dia 8 de setembro;
45800 prximo vindouro, o collegio eleiloral, a m
4*300 4*600 cje p,ooeder a eleico dos depulados geraes,
| | que tem de dar o dislricto, a que elle per-
5 i teuce.
5*400 55800 paco da cmara municipal do Recife em
4*700 4*900 sess0 de 24 de agosto de 1803,
4*130 Rodolpho Joao Barata de Almeida,
:15:10o 3*4o Pr-presidente.
3*000 Francisco Canuto da Boa-vavjem,
3*?w Secretario,
Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimeuto da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia, manda fazer publico que no
6*600
*
*
i
35000
7*000
3200
5i30
220
160
950003 )*000 j da 17 de seteinro prximo futuro, perante a junta
160
i dita;
4 dila
queira.
4 dila
4 dita
4 dita
4 dila
i dita
4 dita
4 dita
L@
J. Keller & C.
ivros; Vaz & Leal.
Patn Nash & C.
Fonceca.
J.M. Souza.
P. C. Gama,
a I, G. Basto
34 ditas macaas; T. A. Fonceca.
30 ditas; Marques Barros.
30 ditas ; I. L. Goncalves.
25 ditas : Duarte A C.
20 ditas: E. R. Rabello.
4 dita ; A. L. 0. Azevedo-
4 dita meias, Dr, Krause.
4 dita microscopios; Martineau.
3 ditas modas; a H. Azevedo,
4 dita ; J Keller & C.
2 ditas; Vaz & Leal.
4 dita; F. d- Aranjo.
3 caixas objectos de armarinhoa; Aze-
vedo.
2 ditas; A. llamburger C.
4 dita ; M. J. Moreira.
4 dita ; ordem.
1 caixa olijectos de escriptorio ; Chris-
tianne &
4 dita; ao banco Brasil A- Londres.
4 caixa objectos de photographia ; Hu-
ghes.
4 dita papel ; Tasso Irmos.
9 caixas peixe ; Marques Barros & C,
2 barricas presuntos ; a M. I. G. da Fonte.
4 caixas; T. a. Fonceca.
4 dita ; A. L. O Azevedo.
12a caixas queijos; B. a Brandis A- C.
5 j ditas ; Tasso Irmos.
45 ditas; V. F. Costa & C.
ditas ; M. J. G. da Fonte.
2 ditas ; S. Meliors & C.
i3 caixas rap ; F. A. da Fonceca.
4 volme relogio : Foster & C.
i dito retratos; Amaral.
I caixa roupa feita; W. Cope.
4 da: a Ferreira
Mehr,o.........
Oleo da copahibl .
Pimcnta da India .
Salsa purrilha superior.
Dila dila regular. .
OiU dita r.r I111.1r.ii .
T-ipio.'a l'o.........
LiruC..........
Vaquetas do MaranhSo. ama
Una do Para.......
Dita d Pernambuco..... o
Cambios.
Londres .
Paria ....
Genova ....
llaniburgo. .
Anisleiilin... ,
Madrid
Poito .
5140
*0S0
*160
*120
*00
120
100
101
060
100
130
130
25400
35000
9*0 0
700
3*000
4*400
15H00
1*100 1*600
* 33*000
425000 44*000
100 103
fa) 13*000 185000
105000125000
8*000 9*000
15800 25700
100 140
.. i da fazenda da mesma thesouraria se ha de arre-
,,;! i malar, a quera, por menos flzer, a obra dos reparos
J/rtide 316 bracas de empedramento no lugar do en- {
.trl -eenho Velh'o, na estrada da Victoria, avahado em
*.,'.' i 3:960*. .
i?. A arremalacao ser feita na forma da le pro-
|, i vincial n. 343 de 13 de maio de 1854, c sob as
}.y! i clausulas especiaes abaixo copiadas.
*"" As pesseas que st> pro|>ozerem a es arremala-
,7'cao compare?am na sala das sessoes da referida
{,,{ juma no dia cima mencionado, pelo meio dia? e
1 competentemente habilitadas.
ceutes heranca do fluado Jos Fernaadoda Cruz,
avallado cada um por 600*.
Sexta-feira 4 do corrente, pelas 11 horas, cm.
audiencia do juiz de orphaos, sero arrematados ,
por venda e para pagamento do Sr. Manoel Fran-'
cisco de Camino Paes de Andrade, dous escra-
vos por elle penhorados. |
Pela provedoria de capcllas c residuos se faz
fublico que tendo sido apiirehcnddo em um sitio
no lugar do Arraial um cavallo de cor ruco pedrez,
e ontro.como furtado, de cr ru?o sujo, ambos ap-'
preliendidos pelo subdelegado da freguezia do Poco
da Panella, cujos cavallos tem de seren arrema-,
tados como bens de evento.flndos os tres dias, caso
nao appaivra i|uem justillque serem os cavallos
seus.O solicitador do juizo,
Domingos Jos Marques.
Conselho administrativo.
O conselho administrativa, para fornecimento do
arsenal de guerra, tem de comprar os objectos se-
guintes:
Para o quarto batalhao de artilharia.
413 bonets para inferiores e soldados.
27 ditos para msicos.
513 enchergoes.
430 mantas.
31 pares de palatinas para msicos.
2 pares de ditas para sargentos ajudante c quar-
tel-inestre.
374 pares de ditas parajnferiores e soldados.
16 pares de ditas para tambores.
30 bandas de lia.
1,283 pares de sapatos.
1.850 covadosde panno azul.
ISO dilos de dito lino.
1,300 covados de hollanda de forro.
4,643 varas de brim branco.
3.910 ditas algodaozmho.
200 varas de aniagem.
401/2 varas de galao de prata de meia pollega-
da de largura.
5,236 botoes grandes de metal com bomba.
2,618 ditos pequeos de metal com bomba.
378 ditos grandes do metal praliados.
162 ditos pequeos de metal pratiados.
401 pares do eolxetes.
Para a eompanhia de artfices.
IOS bonets para inferiores e soldados.
103 palatinas para ditos.
105 mantas de la.
7 euchergwe.-.
323 corados de panno azul.
21 ditos de casimira encarnada.
393 covados de hollanda de forro.
52 1/2 vaia> d' aniagem.
662 1/2 varas de brim branco.
:77 diasde atgodanzinho.
1,470 botoes grandes de metal com bomba. .
738 dilos pequeos com dita.
(1
EHPREKA
DE
4. OVARTE C0IMIIR4. ,
Ql'ARTA-FEIRA, 2 DE SETEMBRO.
itcelia II* ve da asignatura.
Primeira representarlo da magnifica comedia em
tres actos,
IIO.li;.
yuarU-fcira 2 d sfleakrt a
O agente SinuV's far leilao 10 ar
do Vigario n. II, a requeriim'iModn 1
da massa fallida de HofS Fillw & C.
1 Illm. Sr. Dr. iuiz de din-itoesfierial d> ,
das dividas da mesma massa, na iiufflanria *
17:85.35677 rs., cuj;i r-'l.-no e titnlo* arha-s' .
poder do mesmo afMfta pan aMBH ijarm a-
prelender.
LKIL\
DE
Lessa.
Penante.
> Guinaraes.
Flavio.
Sra. D. Jesuina.
D. LcoiKildina.
D. Camilla.
PORTA FALSA.
PERSONAGE.NS.
Antonio, marido de Brgida. Sr. Tlmniaz.
Dlogo, marido de Candida.. Porto.
Alexandre,sobrinho de Can-
dida..................
Roque, militar............
Ventura, criado de Antonio.
Um porteiro.............
Brgida..................
Candida.................
Ignez, criada de Candida..
Serenos e mocos de frote.
A scena passa-se em Madrid.
Actualidade.
Seguir-se-ha a representarao da applaudida co-
media em dous actos,
0 DOUTOII HAMM.
Dar fim ao espectculo com a muito espirituo-
sa scena cmica,
UM BARBEIRO POLTICO.
Original do Sr. Antonio de Souza Pinto.
Representada pelo actor Ciuinares-.
Principiara M 8 horas.
Escavos, cabrolrls, irr*>, cavallo.
burros para c;irriuios, fi, tii-
nos, relogios ilf otno t traa c ai-
llos nimios objertos.
Ojiiiifa-frra 'i du rurrrnlr a> 11 kan.
O agente Olunpio far leilao ib tAif 1
no seu armazeiii ra do Ihil>--i j>b-i u. 16.
LllTo
M
Una taberna
\a ra do Imperador n.
Anluno Jos Teixeira \<-mlen< tervi-nrao doagi-nlr Sin.....
inals utencilios da referida MMaraa
maislolesa volitad'- m fHHKmWn
ra 3 do corri-nte as 10 Ix.r-. .t% nianlia
ti fm tm-
anmjko t
m MSB 0*1
1.1:11,vo
DA
Ivsciina americana
Quinta-frira 3 Ar a Williain Mm li.iii 'M -a|ni.t<> da '-'
rana Mniic. fara Mnopor wwnjB'i l apm>
Pinto, do casto, torrado a w gado di -.*re. ..-
tros, fem.s. correnh-s. v.-tl ni.- -.'.n ilffea c
niais imnraa di icfei i la eaona. I arla
aucorada nesli'iiiirln |n.>iiipi:i para -i;air pan
qualquer porto : teto a- lldni ^iiaot
to porta da assoriarfw eolmi'rrial.
800
saaoo
4*:h)o
2*100
p
b
B
eompemHemeote haijintaaas. ,*
> i I E para couslar se mandou publicar o presente
3t2IX,ipelo4ornal. #
Bontafia da thesouraria provincial de Periu.
buco 29 de agobio de 188XOse.ietrx.
AntoniffTerfwra-rrXnnunciaco- y .
Clausulas especiaes para a arremala;aOy'
1." Os reparos do empedramento da estrada da
Victoria, era frente ao engenho Velho, na distan-
ca de 316 bracas, e na importancia de 3:960,3.
sero feilos de conformidade com o respectivo or-
camento approvado pelo conselho da directora das
obras publicas.
2." 0 arrematante dar eomeeo aos trabamos no
praso de 15 dias. e os concluir no de 4 mezes,
contados ambos da data do termo de arremataco.
105 pares de eolxetes pnto>.
Comnanhia de cavallara.
%? pare.- de botins.
f^ enchergoes.
parea de Inraa.
j aiaulas de la.____
1 i^terdfl^niT~*iiL___
13 covados de Imllanda de forro.
725 1/2 varas de brim branco.
355 ditas de algodaozinho.
Presidio de Fernando.
, 100 pares de formas chapiadas.
2 arrobas de taias de encestar.
1 dita de ditas compridas de levantar.
1 dita de preguinhos francezes para levantar
alto. ,. ,
20 colchoes e travesseiros de Imlio com i pal-
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PEUNAMBLCANA
DK
Vive.icfso co.slcii'a a vapor.
Paraliiba, Nalal. Macan. Aiafat.v, Cear. Aiarani
e lranja.
O vapor.l'i'iiitiribr, coinnian.lanli'
Lobato, segu pan os portoa re-
feridos no dia 7 de setembro pr-
ximo. A carga somonte ser re-
cebida at o dia 4, eneommen-
das passageiros e dinlieiro a frote at o dia da sa-
bida as 2 horas : escriptorio no Forte do Mattoe
re i.
mL-4.
~COMlf
- m Minn' :'-* 0s pagamontos sero fetos em duas presta- mog de (arg0 e o de comprido cheios de la.
'.'ll 3"/,u ''""' ?uaes. a primeira no moio da exeeucao da 40 caiuSollas de brim de linho.
.2S IVk ol,ra- e a ullilll:i ll 'i)0is d seu recebimento deh- 20 cobartores de lia.
90 "/' .
100 '/* .
3-/J .
3-/*
3-/d .
8d/v.
8d/v .
Metaes.
. 8*010 a
15*040 a
a
a
a
a
a
a
a
1J600 2*400
529
527
48
42.50
930
, Par.
14*230 a 14*350 a
18*500 a 18*530 a ouro
45490 a 4*300 a prat.
2*010 a oar.
5950 a
*950a .
*940 a
3*580 a
5890 a
8*000 marco
Va a 48 Vi
V a 48*/,
940 a
*940a
TABELLADO HEJmmESTO1 DA ALFANDEGA
DF. PERNAMBUCO NO MLZ DE AGOSTO IX)
f^HFVTF ANN'OFINANCEIRO, COMPARADO
SI O DE IG-AES MEZES DOS DOUS AXNOS
ULTIMOS. .
Importacao.
Diro^s de impomeio para eon- mM9m
Ditos addicionaes de 5 %-
Ditos addicionaes de 2 %-
Ditos de baldeacao e reexportacao.
Ditos de dilo e icoxportaQJLO para
a Coda d'Africa ......
Expediente dos gneros estrangei-
ros navegados por cabotagetn
Ditos dos gneros do pair .
DHos dos gneros lWres ....
Armatenagens ....
Premio dos assigoados. ...
Despacho martimo.
AaOBtagem.......--
Ditos de 13% das embarcacoes
qne passam a na-
45:084*409
139*559
554*944
*
556*482
1:035*030
202*6*0
7:897*011
*
Pecas de 8*000..... 8*010 a 85020 a ouro
n'cas h.'si'anliolas. 15*040 a 13*160 a
Ditas mexicanas.....
Aguas dos Estados-Cui-
dos ...........
Soberanos ........
Ouro cercado I .
Patacas hespanholas ,
Ditas brasileiras.....
Ditas mexicanas..... *930 a
Fate francos...... 3*550 a
Cinco francos...... *880 a
Prala portugueza..... 7*960 a
Fundn e aoves.
P. c. de assenlamento ... 48
CdapoBS........48 .
Banco de Portugal.....5:13*000 a 837*000
, Commmercial do Porto. 254*000 a 256*000
, Mercantil > 262*000 a 264*000
Revista commercial
de 11 de julho a 12 de agosto.
Continuou anda no periodo desta revisla a pou-
ca animacao que notamos ao movimento commer-
cial da nBsa praca em relac^o poca que descre-
vemos em nosso anterior numero.
No mercado de fundo as transaerjoes foram regu-
lares, ma seiii anniaco.
Assucar.Os passuidores, sustentando os lti-
mos precos e com resoluco de nao cederem, fize-
raui coni que os compradores saksssem da apathia
em que estavam e (izessem algumas compras mais
avultadas do que anteriormente, que 6 tinha tchi
lugar, alm das vendas ordinarias para consumo,
a de 80 caixas da Bahia pelo Confianra, ao preco
de 1*700 o branco, e 1*300 o mascavado.
As entradas foram de 20 caixas, do Rio, 139 di-
tas, 2 feixos, 460 saceos da Bahia 6 caixas, 1 bar-
rica e 3;200 saceos de Pernambuco 5 3:18 barricas
e 1 caixa do Para ; 229 barricas e 39 saceos do
Maianbao ; 77 barricas de S. Qulttes, 121 de Cabo
Verde. 366 barricas e 234 saceos da ilha da Ma-
deira e 427 ditos de Londres.
A existencia boje de 1901 caixas, 916 feixos,
104 gigos, 13 paneiros, 5335 barricas, 211 bar-
riquiubas e 46311 saceos.
Algodor-Do Maranhao nao ha. Do de Angola
o pouco que ha tem tido pouca sabida, e o mxi-
mo preco de nossa cotacao pode repular-se nomi-
nal.
Agurdente do Brasil.-Sustentam-sc os precos
mas os transaccSes sao limitadas.
Caf.Ha falta do da procedencia do Rio.
O das possessoes sustente os precos com firmeza
e tem-se vendido todo o de S. Thom, muito de Ca-
bo-Verde, e algum de Angola.
A importacao foi de 221 saceos e 11 barricas do
Rio, 741 saceos de Loanda. 718 de S.Thome, 7 do
Ambriz, c 2222 de Cabo-Verde. .
Existen boje 6352 saceos .do Brasil e Colonias.
Cacao.Poucas transaccSes.
Couros. -Vendas regulases em quasi todas
mtivo.
4. O arrematante na cxeeueo do sorvico ob-
servar as prescripeoes do engenheiro que inspec-
cionar a estrada, trabalhando do modo que nao
embarace o transito publico.
5." Antes de comerar os trabalhos, o mesmo en-
genheiro indicar a distancia em que estes devem
ser executados.
6.' Para tudo mais que nao esliver especificado
nas preseutes clausulas, seguir-se-ha o que djapS 1
a lei n. 186.
Conforme.Antonio Ferreira d'Annunciacao.
O Dr. Tristo de Aleucar Araripe, oflicial da impe-
rial rdem da Rosa e juiz de direilo especial do
commercio desta cidade do Recife capital da pro-
vincia de Pernambuco e seu termo, por S. M. im-
perial e constitucional o Sr. D. Pedro II. quem
Deus guarde, etc.
Faco saber aos que o presente odital virem e
delle noticia tiverein que no da 14 de setembro
do corrente anno se ha de arremarar por venda a
quem mais dr em praca publica deste juizo, na
sala dos auditorios o seguinte : Jos, crioulo, re-
presenta ter 30 annos. com urna ftida na pama
por 300*; Luiza. crioula, representa ter 60 annos,
com marcas de feridas pelas mos e ps avahada
por 120* i Maria. crioula, representa ter 43 armo.-.
avallada por 400*; Lucrecia, crioula, representa
ter 28 annos, com o ar de vento d5 um lado.avalia
foram penhorados
SOIeoeesde ttnbo com 2 pannos de largo e 10
do comprimeuto.
23 pares de cbinellas razas de couro.
40 guardanapos de liuho. >
ii lallieres de facas, garios e comeres.
20 canecos de folha d'1 8 a 12 oncas de liquido e
com azas do lado.
20 pratos de folha dobrada.
24 ditos razos e 24 dilos fundos.
20 lijellas de louca azul de 8 a 12 oncas.
10 escarraderas de metal.
12 loalhas de linho para rosto com vara e meia
de comprimento.
Para o arsenal de guerra.
20 livras de talo impressos segundo o modello
que existe em poder do escrivao das offlcinas do
mesmo arsenal, tendo cada um 100 folhas.
Quem quizer vender taes objectos aprsente as
suas propustas em carta tediada na secretaria do
cons.-lho, s 10 horas da manliaa do da 2 do
corrente mez. __ ......
Sala das sessoes do conselho administrativo, para
foineeimento do arsenal de guerra, 27 de agosto de
Antonio Pedro de St Brrelo.
Coronel presidente.
Sebastio Antonio rio Reg Barros.
focal secretario.
ArrrmatacSo.
No dia 5 do prximo mez de setembro
HIA kAS
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do sul esperado at
o dia 30 do corrente o vapor To-
eantint, commandante o primeiro
lente Pedro Hypclito Duarte, o
qual depos da demora do coslu-
mc seguir para os portos do norte.
Dselej recebem-se passagniros e engaja-e a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua' ebegada, encom-
mendas e dinheiro frete at o dia da sahida s 2
horas: agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE 1
\;n-c^aco osteica a vapor.
ELBA DF KEIIN.VNDO DE NOBOXHA.
No dia 14 do corrente mez s 11
horas da manha segu para a
Ilha de Fernando um dos vapo-
res da eompanhia que rerelwr
carga at o dia 12. Encommen-
das. passageiros e dinheiro a fete at o da da
sahida s 10 horas da manha : escriptorio no
Forte do Mallos n. 1.
UK
Urna luj de fe m ren#.
O agente Almeida levara aammata a l-ilao r
despacho do Illm. Sr. I'i. jui/
mercio a luja de ferragens la ra do .?hcbmV
pertencentea massa fal ida d-' .\atooio Fraariar<>
de Souza Magalbes Jnior.
Sabbad* ;> de srlrasbr.
O leilao ser elTectuado ua merina loj;> 4? U ho-
ras do dia.
I
AVISOS DIVERSOS.

Instituto Arelirole^Tci
graphico iPcmambairaaio.
HnuT sessi onlia w a pmja-fr-
tHTahte seliluo, s i! bana na-
nlia.
Secrelaria da Itistilula 3i t asfa
do 18G3.
J. Soarrs a> A rtela.
____ Setrelaria af raota.
I
a
da por 400*. Os quaes foram penhorados por _Nu ua ? do .)riixm0 mn de setembro iro
exeruco de Antonio Jos de_ Castro contra Jos Il0'vam(,nlc a praca, depois de finda a audiencia do
Leo Pereira de Mello. E nao havendo lanzador I(|ul S|. Dr ju,'munieipal da 2.' vara, o engenho
qne cubra o preco da avaliaco a arremataco se- ; J>iu|0, CQm lotja. as suas terras e beinleiiorias.
r feita pelo preco da adjudicacao na forma da avalia0 por gj-ooo*. o engenho Quaonibo, conti-
lei. E para que chegue ao conhecimento de todos quelip avahado por 22:000* e os esclavos que
i passaro presente que ser publicado pela foram |rV
alxado nos lugares do costume. j
mandei
m prensa e
Recife 28 de agosto de 1863. Eu Adolpho Li-
berato Pereira de Oliveira, escrivao interino o
subscrevi.
Tristo de Alencar Araripe.
vfdos a praca. indo agora com o abati-
DECLABACQES.
Hanta Casa dje Misericordia do
Recife.
A illiistrissima junta administrativa da Santa
Casa de Misericordia do Recife manda fazer pu-
blico que no 1. de setembro prximo futuro en-
trara de mez os senhores mordomos : Baro do
Livi amento no collegio de orphas c hospital dos
lasaros, e tenente-coroncl Antonio Carlos do Pinbo
Borges no collegio dos orphaos e casa dos expos-
tos, continuando no hospital Pedro II o Sr. mordo-
mo Dr. Manoel Ferreira da Silva.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife 29 de agosto de 1863.
O escrivao,
A. F. Cavalcante Cousseiro.
Por ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica,
faco publico, para conhecimento de quem possa
interessar, que pelo subdelegado do polica do ds-
tricto &c Sant'Anna. no termo do da Folha, na pro-
vincia das Alagoas, foram encontrados e apre-
hendidos em poder de tres ladros que se evad-
ram, sete animaes que seacham deuosttados por
aquello subdelegado. Os animaes sao 2 cavallos.
3 poldros e 2 tgoas, segundo consta da communi
ment da 5." parte no proco da respectiva avalia-
co, existindo entre os meamos escravos o crioulo
de nomeTrajano. bom mestre de assucar, avahado
por 400*: os referidos bens pertencem a heranca
do finado Jos Fernando da Cruz, e sao vendidos
requerimento da herdeira e invenlariante, para
pagamento dos respectivos credores.
Conselho de compras navaes.
Tendo o consellw de contratar o fornecimento
uo trimestre de outubro a dezembre do corrente
anno, sob as condic5es do estylo, dos objectos
abaixo declarados para os navios da armada e es-
tabelecimentos de marinha, convida aos pretenden-
tes a apresentarem suas propostas em cartas fe-
chadas no dia S de setembro prximo at as 11
horas da manha, em que isso tera lugar.
Vveres, dietas e outros objectos de
consumo.
Arroz do Maranhao. agurdente de 20 graos,
azeite doce de Lisboa, azeite inferior, assucar
branco refinado, bolachinha, hacalhao._ bolacha,
carne seeca do Ro Grande, caf em grao, carne
verde, carnanba em velas, cangica ou miBio pila-
do.cevadinh, cha, cal preta e branca, fannha de
mandioca do paiz, ftjao, galinhas, leiiha, maatci-
ga franceza e ingleza. matte. pao. pedra de alve-
bruta, sabo. toueralio de Lis-
Para a Bahia vai sabir com muita brevidade
o veleiro patacho D. Luiz. capito Jos Tcixeira de
Azevedo, wr ter a maior parte do carregamento
prompto : para o resto trata-se com os consignata-
rios Palmeira & Beltro largo do Corpo Santo n.
4, primeiro andar.
Par Lisbua
vai shhir brevemente o brigue portuguez Bella Fi-
gueimtse por ler a maior parte da carga engajada :
para o resto que lhe falta e passageiros, para os
quaos tem oxcellentes rommodos, trata-so com o
consignatario E. R. Rabello, ra da Cadea n. 00.
LOTERA.
%tlA\IIAA
(Juinta-feira .3 ib cirrenh? se cxti'aMr^
a sexta parte da ten.ua tolariadi C,yu
Pernambucano (3/ cooi-esa3oi.
Os bilhetes e meios billu 1 ->
venda na respectiva tbejoararia.
Crespo n. 15, e nas .* coaani.^i h
ra da Imperatriz n. 4i, I--ja m Sr.
tel, ra Uireita n. 3. DO a 'l.Sr. Gmfa.
c ruadaCadeia 11. 45. lija I' Sr. P.rt>.
Os premios de 5:000/ tiM lOf aerau m-
gosuina hora dqiois ib extrarfo al as i
horas da tarde, e os outros no a 1 riaati.
depois da destrtboicao das lista.
O Ihesoureir.'.
Antonio Jos Rodrigues de Soaaa.

JLOTERIA
G4S& \)\ FORTIW
LEILOES.
1:206*000
petrangeiras
cionaes.........
D e1nbar^SCOmPra *.^ 300#000 .ri^ST!*" IfaVa- ditas de rinagre.
qualidados. excepto os de Angola que icamdepre- cacao feita emofflcio de 21 do mez prximo pas-
cados. I sado, pelo Dr. chefe de polica da referida pro-
Gomma do Brasil. Venderam-se algumas par- vinria.
tidas de qaalidades boas; as ordinarias iieam de- Secretaria de indicia de Pernambuco 1." dese-
practdas. 1 tembro de 1863.O secretario,
Melaco. O pouco que se vendeu obteve anda Eduardo de Barros F. de Lacerda.
C'orr ck eral
Pe|a admiuisiracio do coi reto dosta cidade se
faz publico que as malas que tem de conduzir o
^precos colados, mas os compradores reduzcm as
HAi^ltTaas offertas pelo grande deposito que temos
Salsparrilha.Em apathia
Embarcacoes despachadas.
Maranhao. Bom-Successo ( brigue portuguez) vapor nacional Prittna para os portos do sul,
com 27 pipas. 34 meias ditas, 20 caxas e 475 bar- sr-rao fechadas hoje as 3 horas da torde ; aa
ZL iJ' r'CZ 'm ;,c o ifi molas ditas de rinaerc. -r'-~ da tarde, e os ornaes ao mel da.
nana edecantara -----
boa tapwwa, lijlo de alvenam grossa, vinhq de
Lisboa, velas stearinas. e vinagre de Lisboa.
Tamben O conselho promove no referido da,
sob as condpoes do estylo, e a vista igualmente de
propostas era cartas fechadas, que receba, a com-
pra de 12 barris de breu. 10" baldes forrados, 20
arrobas de cairo velho. 20 caibros de louro-do 50
palmos para cima. 14.000 espoletas de espingardas
a Meni, 30 flmulas de escaler, 2 foles de 4 1(2
IEIIAO
DE
UM PkEDIO.
HOJE
Quarla-feira 2 'c setembro s 11 horas
O agente Simos legalmenle aulorisado far lei-
lao no dia cima indicado, no armazem ra do
Vigario n. 11, de um sobrado de 2 andares e so-
tao. em solo proprio situado ra dos Burgos n.
11, tendo o primeiro andar 2 salas, 4 quartos e
oosinha, o i.' e solao 2 salas, 5 quartos e cosinha.
Os pretendentes iiueiram examina-lo ou infor-
marem-se do referido agente, ra do Vigario n.
17, primeiro andar, cujo predio vende-se para pa-
gamento nesta praca.
O alaixo assi-na.l" .
Hieles garantidos as dua sortr? d>- 3:1
i:000*einm. i.>-lilil''.......BMi milita V *,
40*0 20*da lotera que irahou esnatar >
beneficio da greja de N.--a S^nrmra da >
de Olinda. e convida :i"< |H-amn
Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EY8H6S12H_31OBER INGEST_TIME 2013-08-27T23:19:16Z PACKAGE AA00011611_10180
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES