Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10177


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO XXXIX NUMERO 197.
Por tres ezes adiantados
Por tres mezcs vencidos .
000
6O00

SABBADft 29 DE AGOSTO D 1863.
Por anno adianlado..... 19$00O
Porte franco para o subscriptor.
**
DIARIO DE PERNAMBUCO.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPQAo NO NORTE

Parahyba. o Sr. Antonio Alejandrino de Lipia
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Araratv. o
STA. de I,eim>s Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao. o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoe.1 Pinheiro & C; A-
mazonas, o Sr. leronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPQAO NO SUL
Alagas, 10 Sr. Claudino Falcao Dias; Bahia. o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins & Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada lodos os dias.
Iguarassu*, Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Antao, Gravat. Bezrrros. Bonito, Caruaru',
Altinho e Garanliuns as trras feiras.
Pao d*Alho, NazaMh. Liinoeiro, Brejo, Pesqurira.
Ingazeira, Flores, Villa Bella,Tacaratu', Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e E\u' as quartas feiras.
Serinhiem, Rio Pormoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pinenteiras as quintas feiras.
Ilha de Fernando todas as retas que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao '/z da.
EPHEMERIDES DO MEZ DE JULHO.
6 Quarto ming. as 6 h., 40 ni. e 14 s. da ni.
14 La nova as #0 h., 37 m. e 44 s. da m.
22 Quarto rese, as 2 b., 54 m. e 32 s. da ni.
28 La cheia as 5 h., 19 m. e 56 s. da tfc
PREAMAR DE HOJE.

Priiueira as 3 horas e 42 minutos da tarde.
Segunda as 4 horas e fi minutos da manhaa.
s PARTE QFFICIAL.
- *
l.0VKI!\0 DA PROVINCIA.
i Exprimir do dia 26 de agosto de 1863.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para osul at Alagas a 5 e 25 j para o norte at
a Granja 7 e 22 de cada mez; para Fernando nos
dias 14 dos mezes dejan, man*., maio,jul, set. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Reeife : do Apipucos s 6 '/,, 7, 7 >/ 8 e
8 '/i da bu; de Olinda s 8 da m. e-6 da tarde; de
Jaboauo. s '/i dam.; do Oxauge Varzeas 7
da m.: de Bemfica s 8 da m.
Do Reeife : para o Apipuros s 3'/*, 4. 4 'A, 4 '/*.
5, 5 Vj, 5 .'/2 e 6 da larde; para Olinda s 7 da
manhaae i/, da tarde; para Jaboafcio s 4 da lar-
de ; para Cachang e Yarzea s 4 '/* da tarde; para
Bemfka s 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
RclaeSo: trras e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s- 11 horas.
Dito ale orpliaos: tereas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tereas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
mandar fazer ahi, eom a devida economa, os cin-
co |ares de algemas de que tratoi em meu otBcio
de 13 de abril, por queao inspector da thesouraria
provincial recommendo nesta data a expedirao de
onlens para que a collectoria dessa cidade pague a
sua importancia em vista da respectiva conta com-
petentemente legalisada.
Ouaiito aos dous livros que Vmc. requesita, nao
batalho de artilbaria Joao Antonio de Barros La-
da, do lugarde escrivao da colonia militar de
enteiras.
eejrd:
#ne
Ofllcio ao Exm. presidente da provincia do Rio podem ser fornecldos pela razao constante da in-
Grandc do Norte. Respondendo aoofficio que V.! fnrmacao daquelle inspector, de 20 deste mez.junta
Exc. me dirigi em 6 do corrente. remetto-lhe por por copia.
copia a informacao do director do arsenal de guer-j Portara.-O presidente da provincia, tendo em
ra, de 24 deste mez. na qual estao declarados os vista a informacao do brigadeiro commandante das
motivos que deraiu lugar as faltas que a commissao' armas, datada de 25 do corrente, resolve conceder
nomeada por V. Exc. encontrou no armamento re- a demisso que pedio o primeiro sargento do 4o
mettido para essa provincia no vajior Jaguaribe, ca- '
bendo-me dizer mais a V Exc. que o mesmo direc-
tor est autorisado a mandar substituir por outras
as 5 armas inclusive un rede, que estao arruina- i -^Dila. O presidente da provincia attendendo ao
das, bem como a completar o numero requisitado' que- requereu Manoel Cardoso Ribeiro. resolve
fie agulhetas de mochila.Officou-se ao director do concrder-lhe licenca para ir ao presidio de Fer-
arsenal de guerra para substituir as armas e com-! nando no primeiro* navio que para all seguir, a
pletaro numero das agulhelas. tratar de negocios de seu particular inleresse.
Dito ao Exm. presidente da provincia do Cear. Dita.O presidente da provincia attendendo ao
"jasso as maos de V. Exc. por copia, para os con- que requereu Jos da Silva Capilla, resolve ronce-
venientes exames a relacao dos objectos que foram der-lhe licenca para ir ao presidio de Fernando no
embarcados no vapor Mamanguape com deslino ao ', hiate nacional Sergtpano. a tratar de negocios de
corpo de guarnido dessa provincia. seu particular interesse.
Dito ao cnsul de Portugal.-Ao oficio que cm ..... .
6 do corrente, me dirigi o Sr. Dr. Jos Henriques Despachos do da 26 df ayosto de 186J.
Ferreira cnsul de Portugal nesta provincia, res- Re.querimentos.
Antonio J^s de Castro. Dirija-sc a thesouraria
Reg Barros.Nao tem lugar o que
ministradas pela repartido da polica relativamen- Drvincial
te ao assassinato do subdito portuguez Jos Jero- j F \,,Ionio *> 1
nimo Gar.ez, que resida no termo de Ipojuca. r(,linnr
Pela leitura dellas ter o
mesmo senhor cnsul j Antonio Pedro da Silva.Dirjase o supplicante
SSS^TnSaS *",*l,nMailad0 |,roct'sso a^ue a<> Sr. director do arsenal de guerra, a quem fica
X S a!, esdr,SSC CTime' qUt"jaSe i e-M-edida ordem para a admissio do menor de
acliam presos. Aguardo as mformacoes a que ain- ut, ^ .to
t8?^^^?1Ue,,a 2&& as '"L^ Kslwio Jos dos Santos,-Informe o Sr. director
i ao opportunamente remettidas ao mesmo senhor
mesmo
cnsul a quem renov os neos protestos de estima
e consideracao.
Dito ao mesmo. Respondendo ao oflicio que me
dirigi em 4 de julho ultimo, o Sr. Dr. Jos Henri-1
ques Ferreira, cnsul de Portugal nesta provincia,!
do arsenal de guerra.
Desembargador Frmino Antonio de Souza.
Nao pode ser aceito o offererimento do supplicante
visto haver outro mais vantajoso.
Josepha Maria Pereira de Abreu.Informe o Sr.
PERHAMBUGO
REVISTA DIARIA.
Consta-nos que a directora das obras publica.
remetto-lhe por copia sob ns. le 2 as informacoes, ;LSa"lbar,!ador PrVCdr ^ ^ ^ ** MSer"
lpr^^^ Oliven-Informe oSr.Dr.che-
-2S^ *"
dSlSiedl1e1,lra- n,a^amtema ^^H^SS^&SSS'de A.buquerquc-
"rSS .~ l'1 TJAU' i qUe,XU- Informe o Sr. director das obras publicas.
tJ^^^fV^^SSL^^0' Pr" TenentoJ-edro Paulo dos Santos.-Expedio-sc
naohouver inconveniente mande V. S. pagar ao nur qa guara nacional go Bon"-
gerente da companhia Pernambucana que assm o *"^p^^^^
jolicilou em oflicio de hontem a subvencao de
7:0005000 relativa ao mez corrente. com que o go-
verno imperial auxilia aquella companhia.
Dito ao mesmo.Mande V. S. pagar ao alferes
do 9o batalho de infantaria Boa ventura Leilao de
Almeida. como pede no incluso requerimento'docu-
mentado que me foi remettido com o oflicio do bri-
gadeiro commandante das armas datado de hontem i ja ^'oseu parocer^brra'"^^^^^" dosjrlhos
sob n. lo69, a gratilicacao de exercic-io a que se urbanoSi ae qe em outra occasiao demos noticia
julga com direito, par haver commandado o desta- aos nossos leitrcs
camento do presidio de Fernando a contar de 20 Aci.itando a ^ da cinproza e ann,ando-a. a
ate 31 de agosto do anno prximo passado. urna vez lnosina directora objecta. entretanto, nanlo di-
que nao haja mslo inconveniente. reC(..-10 ^cUiAa entre o Chora-Menino e a ra
Dito ao inspector da thesouraria provincia .-Ao Nos:a segundo nos informan), sua opiuiao, que
ofIIc.oque\.S. ine dir.go hontem sob n. 421 veio os tri|nos partam da praca do Capim ou Miindo-
annexa com copia do termo do contrato celebrado noVo, atravessem o rio em "ponte especial, e siga, n
como Dr. Fel.ppe Nei y Collaco para a unpressao pda rua Frmosa em ^J da ^..dade. para cu-
tios bala neos e orcamenlos dessa thesouraria c dos
relatnos dessa inspectora n8 triennio de 18G3
1866.
Dito ao mesmo.Sendo Antonio Jos de Castro,
o pretndeme que mais vantagens offereceu a fa-
zenda provincial, pelo sitio'e casas da estrada do
Ma/iguinho. que ha va sido penhorailas a Joao l'.ar-
neiro Machado Rios, e por falta de licitantes foram
adjudicadas a essa tltesouraria pela quantia de
7:2005000, segundo consta de suas informacoes de
2.1 de julho ultimo, 7 e 19 do corrente mez sob ns.
351, 387 c 410, autorso V. S. a elfectuar com o
mesmo Castro a venda daquellas propriedades pelo
preeo da adjudicaco e mais a quanlia de :<005 de-
vendo os pagamentos serem cffectuados em tres
presta^es de 1, 2 e 3 anoos como se v do incluso
requerimento ; e para garanta delles prestar o
supplicante Manea doea.
Dito ao mesm. Em vista de sua informarao n-
413 de 20 do corrente, expera V. S. ordem ao col-
lector de Nazareih para que em vista da conta com-
petentemente legalisada pague a importancia de
cinco pares de algemas que autorise o delegado de
polica daquella cidade a mandar all fazer.
Dito ao desembargador provedor da Santa Casa
de Misericordia do Reeife. Respondendo ao seu
oflicio de 14 do corrente, tenho a dizer-lhe que em
vista da informacao junta por copia do inspector
da thesouraria de fazenda datada de 21 deste mez,
pode V. S. mandar por utn empregalo da secreta-
ria desta Santa Casa. extraWr do livio competente
c que ora se acha naquella thesouraria uina, copia
dos assentamentos dos predios outrora pretencen-
es a extincta congregarao de S. Felippe Nery, e
que constitue hoje o patrimonio dos orphaos.
Dito ao desembargador presidente do tribunal do
commercio.Sirva-se V. S. de informar sobre o
que pondera o capitao porto no incluso oflicio.
Dito ao director do arsenal de guerra.Recom-
mendo V. S. que contrate com os donos ou mes-
tres do hiate Sergipano e Camaragibr a conduccao
dos objectos que enveran promptos e destinados
ao presidio de Fernando reservando para serem
enviados no vapor da companhia Pernambucana os
que convenha serem transportados nelle.
Dito ao mesmo.Mande V. S. admitlr na com-
panhia de aprendizes desse arsenal, nao havendo
inconveniente, o menor de nome Antonio Francis-
co da Silva, que Ihe ser apresentado por Antonio
Pedro de Santa Anua, i
Dito ao commandante superior do Pao do Alho.
Expeca V. S. as convenientes ordens para que
sejam inmediatamente dispensados do servico os
guardas naeionaes que se acham destacados nessa
villa e communiqueme o da em que esta ordem
f\r cumprida.Igual ao commandante superior de
Nazareth.
Dito ao commandante superior do Bonito.Era
vista do que inform u V. S. em data de 30 de maio
ultimo, com referencia ao requerimento em que o
yfenente da companhia do batalho n. 27 da guarda
nacional do municipio de Caruar, Pedro Paulo
dos Santos, declarou ter lxado a sua residencia
nesta e|-de, mande V. S. passar-Jhe a guia de que
trata o w! 45 do decreto n. 1.130 de 12 de marco
Dito cmara municipal do Recite.\ isto que,
segando informou a cmara municqial desta cida-
de em ofDcio de 26 de maio ultimo, nao desvn-
tajoso ao respectivo cofre acceitar a proposta cons-
tante do incluso cequerimento de Flavio Ferreira
Catao, que pretende continuar por espato de tres
annos na arromaiacao do imposto de aflerico de
pesos e medidas pela quantia aunual de 1:5235,
por que a obteve no exercicio municipal corrente,
autoriso a mesma cmara a ac*iiar a proposta do
supplicante sob as mesma* garantas por que se ef-
fectuou aquella arremataco.
Dito ao delegado de Nazareth.Ao seu oflicio de
contrar a estrada do Mauguinho em frente a rua
da Esperanca.
Alm desta. as outras modilicacoes propostas
sao. em substancia, pouco importantes, c referem-
sc medidas administrativas de inspecciio de ser-
vico e execuco do contrato : parece-os que to-
das serio aceitas pelos empresarios. Facemos votos
para que a concessao do privilegio, que est em
termos de realisar-se, nao tenha de ficar inutlisa-
da [ior embaracos dos proprietarios, cujos terrenos
a nova direce corla em alguma parte.
O contrato, porm, nao se cifretuar sem au-
diencia da cmara municipal, na forma da lei. a
esta corporacao cabe tal vez indicar os meios que
removam taes embarazos.
No semestre lindo cm junho prximo passa-
do. foram expedidos pela secretara da instruccao
publica 409 oflicios ; lavraram-se tres actas das
sessoes do conselho director : passaram-se 2 ttu-
los de capacidade, 12 ditos de licenca para ensino
particular; lizeram-se 10 termos de inscripcao pa-
ra exames; 3 ditos para concurso, 3 ditos de jura-
mentos, 2 ditos de actos do Curso Commercial, 3
ditos de matricula de mesmo Curso. 19 ditos do
exames de preparatorios e 2 ditos "de inscripcao
para oppositores; regislraram-se 6o despachos e
252 vistos das directoras e. finalmente, lizeram-
se 10 edilaes e annuiirios.
l'eilein-nos que chamemos a attenrao do res-
pectivo liseal para a grande quantidadede cabras
que ha na Capunga, as quaes damnifleam em ex-
tremo aos moradores d'alli. Nao sendo lugar de
criago. parece que de ve apparecer una provi-
dencia.
Informam-nos que o patacho inglez Ashiby, ca-
pilao Q. Slatter, carregado com 1:196 caixas de
batatas, 50 barris de chouricas, 11 caixas de figos,
50 ditas de sebollas. 30 pifias de vinagre e 213 e
3/5 moios de sal, em- viagem de Lisboa |iara o Rio
de Janeiro, naufragara no arrecife de Pirangi, ao
amanhecer do da 22 do corrente mez.
O capitao, vindo trra, consignou o navio e
(Taiga casa commercial do Sr. Domingos Henri-
ques d'Oliveira, da praca do Rio-Grande do Norte,
e inmediatamente voltou para bordo com utn
agente da mesma casa, e os soccorros precisos pa-
ra o salvamento.
No dia 12 do corrente, no engenho Boa-Es-
prranea, da villa de Limoeiro, foi assassinado com
tres tiros e facadas Manoel Alexandre de Freitas,
sendo encontrado seu cadver degollado. A poli-
ca procura deseobrr os criminosos.
No lugar Pedra Tapada, da mesma villa, a 9
do corrente, foi assassinado Francisco Gomes de
Amorim por Francisco de Paula Leite, que logrou
evadir-se s pesquisas da polica.
Temos o resultado qu damos das eleiedes
parochiaes seguinteS :
Freguezia de S. Loureneo da Malta.
Eleitores.
Visconde de Camaragibe.
Joaqnim Correa de Araujo.
Major Jos Francisco de Barros Reg.
Dr. Francisco Joao Carneiro da Cunha.
Tenenlc-coronel Luiz Francisco de Barros Reg-
Dr. Angusto de Souza Leo.
Dr. Manoel Arthur de Hollanda Cavalcanti de Al-
buquerque. .
Priscilliano Peres Campello.
Antonio Jos Duarte.
Capitao Manoel Gorra de Araujo.
Capitao Jos Francisco de Barros Reg Jnior.
Jos Duarte de Albuqnerque Maranhao.
Vgario Jos Ildefonso Rodrigues da Silva Dntra.
Alferes Gervasio Elysio Bezerra Cavalcanti.
Capitao Jos Ferraz Daltro-.
Alferes Francellino Francisco Paes Brrelo.
Brasiliano Correa Pessa de Mello.
Jos Corra'Leal.
18 de maio ultimo, respondo dizendo-Ihe que pode! Capitao Manoel Joaquim Mauricio Wanderley.
Francisco de Miranda Cavalcanti Albuqnerque.
Joao Vieira de Mello.
Joao Francisco do Reg Maricotes.
Alferes Pedro Cavalcanti de Albuquerque Lins.
Loureneo Pereira de Ascvedo.
Joao Ribeiro Teixeira de Mello.
Tenenle Bernardino de Miranda e AUmquerque.
Teucnte Joao Lins Cavalcanti de Albuquerque.
Manoel Cavalcante e Albuquenjue Lins Uchoa.
Tenente Joao Francisco Saraiva de Mcnezes.
Joao Cavalcanti de Albuquerque.
Joaquim Cavalcante de Albuquerque Lins.
Jos Pedro de Souza.
Manoel Joaquim de Vasconcellos,
Antonio Candido de Oliveira.
Manoel Francisco da Cruz.
Freguezia de Cimbres.
Eleitores.
Tenentc-coronel Candido Xavier Pereira de Brito.
Major Joaquim de Carvalho Cavalcanti.
Capitao Antonio Rodrigues de Froto Jnior.
Major Pantaleao de Siqueira Cavalcanti Jnior.
Dr. Miguel Archanjo Monteiro de Andrado.
Luiz Cavalcanti de Albuquerque Brito.
Vicente de Andrade Cavalcanti.
Joao Alves Torres Aalindo.
Pedro Jos Rodrigues de Vasconcellos Jnior.
! Servulo Jos Freir.
Antonio Ferreira da Costa.
.Salvador Antunes Torres Galindo.
Antonio Severiano Mello Falcao.
Vicente de Moura Cavalcanti.
Joaquim de Albuquerque Cavalcanti.
Severiano Rodrigues Pires Jatoh.
Jos Vicente Pires de Carvalho.
Manoel Pacheco Couto.
Manoel Cordeiro Dias.
Pedro Ferreira da Costa.
Joaquim Ludgero Callado.
Francisco I,opes de Mendonca.
Miguel Joaquim Lopes de Mendonca.
Joao Leite de Oliveira Jnior.
Joaquim Ignacio de Siqueira Colho.
Flix da Costa Monteiro.
Francisco Rodrigues de Freitas.
Gabriel Archanjo de Espindola.
Supplentes.
Professor Valeriano Bezerra Cavalcanti de Albu-
querque.
Capitao Joao Rodrigues de Freitas.
Pantaeao Pessoa de Siqueira Cavalcanti.
Francisco Cavalcanti de Albuquerque.
Tertuliano Severino Pereira de Souza.
Theodoro de Carvalho Cavalcanti.
Antonio Botelho Pinto de Mesquita Jnior.
Francisco Ferreira Jnior.
Manoel Rodrigues de Freitas.
Francisco Leite da Silva.
Marcelino Lopes de Miidonea.
Francisco de Carvalho Cavalcanti.
Silvestre Nominando Lopes Frazao.
Joao Virginio Ferreira de Mello.
Fntoaliln Bezerra Cavalcanti.
Themislocics Barbosa dos Santos.
Joaquim Felicio Vieira.
Manoel da Costa Monteiro.
Capitao Antonio Joaquim Torres Galindo.
Tliom Joazeiro de Vasconcellos.
Jos Pereira de Lucena.
Joaquim Osario Ferreira Callado.
Simplicio Alves Feitosa.
Manoel Ferreira de Carvalho.
Isidorio Pereira Delgado.
Joao Paulo de Oliveira.
Oandro Jos da Cruz.
Capitao Flix Cavalcanti de Albuquerque.
Freguezia do Ilom-ronselho.
kleitores.
Professor Vicente Ferreira da Cruz.
Teen te-coronel Manoel de Albuquerque Caval-
canti Neo.
i Major Pedro Cavalcanti de Albuquerque.
' Subdelegado Antonio Guedes Cavalcanti.
I Sabino Alves Feitosa.
, Tenente Americo Cavalcanti de Albuquerque.
I Jacintho Manoel Dias.
Neposiano Cavalcanti de Albuquerque.
Francisco de Benevides Falcao.
Capitao Loureneo Justiniano Guedes.
Jos Emiliano Cavalcanti.
' Capitn Miguel Alves Cavalcanti.
Manoel Jos da Silva.
Pedro Cavalcanti de Albuquerque Jnior.
Alteres Manoel Carvalho Souza Dantas.
Cirios Jos da Cunha.
Joao de Albuquerque Araujo Cavalcanti.
Manoel de Albuquerque Cavalcanti.
Germano Protazio Feitosa.
Alferes Joao Vieira do Nasciinento.
Alferes Adriao Tenorio de Albuquerque.
Manoel Guedes de S Cavalcanti.
Jos Vieira do Naseimcnto.
Tenente Joaquim Jos de Ges.
Octano Luzenorio Tenorio.
Manoel Nunes Brrelo.
Joao Baplista Accioli Santos Araujo.
Tenente Pedro Tbeotonio de S Cavalcanti.
Antonio Manoel Teixeira.
Manoel Tenorio Luna.
Alferes Francisco Rodrigues de Mello.
Possidonio Tenorio de Araujo.
J se deram comero aos trabalhos da demo-
licao dos arcos de pedr da antiga ponte do Re-
eife.
Pelo patacho nacional D. Luiz, chegado hon-
tem da Bahia, com 6 dias de viagem, soubemos te-
i 'in all se concluido os trabalhos eleitoraes sem no-
vidade, vencendo em quasi toda a provincia os pro-
gressistas. ^
Nestefdias devem chegar os seguintes va-
pores :
Paran, inglez, da Europa, hoje ;
Tocanlins. brasileiro, e Exlremadure) francez,
dos portos do su I. amanha ;
Princeza de Johnille, brasileiro, dos do norte,
V do prximo.
Hkivvtii.ao da polica :
Extracto da parte do dia 28 do corrente.
Foram recolhidos casa de detencao no dia 27
do corrente:
A' ordem do subdelegado do Reeife, Anacleto
Lopes, pardo, |>ara averiguagdes em rrime de
furto.
A' ordem do de Santo Antonio, Antonio, crioulo,
escravo de Manoel Jos Machado, para ser proces-
sado por crime de ferimentos.
A' ordem do de S. Jos, Alfonso, africano, escra-
vo de Lacerda, por suspeita de estar fgido.
A' ordem do da Boa-Vista, Lucas, tambem afri-
cano, escravo de Rufino Corroa de Mello, A re-
querimento deste.
A' ordem do da Vanea, Severino Rosiano da
Silva, pardo, por crime de furto.
O chefe da 2" seccao,
/. G. de Mesquita.
Passageiros do patacho nacional D. Luiz, en-
trado da Bahia :Jos Pereira Franco Jnior, sua
senhora, 1 criado e 2 escravos.
Movimento da casa de detencao no dia 27 de
agosto de 1863.
Existiam........ 403 presos
Entraram..... 5
Sahiram....... 6
Existen........402 .
DAS DA SEMANA.
24. Segunda. S. Bartholoinaoap. S. Uruiilim ] T
25. Terca. S. Luiz re df Franca; S. Patricia \
26. Quarta. S. Zeferino p. ni.: & Constancia m.
27. Quinta. S. Jos de Olazun<. f. das escota- p
28. Sexta. S. Agoslinho b. e Dr. di egreja.
29. Sabbade. S. Adolpbo b.; S. Sabina v. n.
30. Domingo. S. Bosa de Lima v. americana.
ASSIGNA-SE
ao-Reeife. em a livraria da praca da fndepmeVnr- .
ik. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Figunroa d
Par & Filho.
A saber
Naeionaes..... . 282 >
Estrangeiros... .. 30
Mulberes..... . 7
Estrangeiras. 3 i
Escravos...... . 75 i
. s-
pondera a 1/das nossas; porm dahi em diante Manoel Jos de Azevedo Santi*
coniecou a crescer e chegou cm sua velhice a al- Severiano Bandeirade Mello. '
urade 3 ps e 9 polegadas inglezas (3 ps e 6 po- Lad.lau Jos Ferreira.
legadas). Sendo anda mancebo, no meio de urna Candido Thomaz Pereira Dutra
resta da corte, vnam-no sahir, com, grande sor- '
preza dos espectadores, da algibera de um em pre-
gado do palacio, cujo talhe naverdade
402
Alimentados custa dos cofres pblicos 166
Movimento da enfermara no dia 28 de agosto de
1663.
Tiveram baixa :
Jos Joaquim Duran, rheumatsrao.
FirmLnoJos de Hollanda. ferimentos.
Tiveram alta :
Cyprano Francisco do Espirito Santo.
Severino Urbano.
Luiz de Franca.
UM POUCO DE THOO.
O que segu traduzido do allemao, de Auer-
bach :
Sei mUi bem que nocrs em phantasmas, assim
como eu tambem o nao creo.
Existe porm um phantasma que tenho obser-
vado, nao s em pestoM que se sentara em duros
bancos, romo naquellas que se reclinara sobre fufos
covius
Tenho-o visto nao s de dia como em noutes es-
curas.
Sabes mui liem que o vulgo er que as almas
dos malfeitores tornam a esle mundo como phan-
tasmas. para expiarem seus crimes.
Muitos homens passam a maior parte do dia ou
entregues a occiosidade ou praticando actos que
|iouco dilferem della : enloap|iarece-lhes o phan-
tasma do tempo perdido : o aborrecimento que
acompanha aos ociosos, ellos nao vera-no; porm
nao ignoram que existera sob o poder do mesmo.
Portan tu se queros expellir esse phantasma do lu-
gar onde esliveres, laze sempre alguma cousa que
te deixe proveito.
O trecho histrico seguinte foi traduzido do alle-
mao :
Ura tenente-coronel tendo sido demittido depois
da guerra chamada dos sette anuos, tinha repeti-
das veres solicitado um emprego no excreito, po-
rm em vio ; o que irritou-o de tal maneira que
ousou publicar um pasquim contra o rci.
Frederico, o Grande, costumava importar-se mili-
to pouco com escriptos desta ordem ; porm este
eneolerisou-o a |>onto de offereeer 50 luizes a quem
Ihe dssesse o nome do autor.
O tenente-coronel apresenou-se ao re o disse-
Ihe :
Puna V. M. o criminoso : porm que ira en-
viar os 50 luizes a niinha mulher e Qlhos, que de-!
vem estar soffrendo grande miseria.
O rci ao ouvir estas palavras, sentio-se muto
de ter sido tao liQnslo para com o offlcial ; imrm ;
oceultando seus sentiinentos, escreveu immediata-
mente urna carta, fechen* e ordenou ao offlcial
de ir leva-la pessoalmnte dogovernador da forta-
leza de Spandau.
Satisfeilo, por ter podido alcanear algum allivio.
para sua pobre familia, parti o'criminoso para a
fortaleza cima mencionada.
A' sua chegada a Spandau, pedio que o annnn-:
ciassem ao governador e entregou-lhe a carta do :
rei e sua espada.
Julgue-se de sua admiraeo quando ouvio o go- i
vernador lr o seguinte :
Nomeio ao portadosfdesta governador da for-
taleza de Spandau, e ao anterior commandante go- i
vernador de B como recompensa de seus leaes
servicos.
Os 50 luizes serio pagos familia do novo go-1
vernador. atim de predispo-los seguirein seu i
exemplo.
Convidamos a attenrao das nossas amaveis leito-'
ras para a seguinte poesa, de que s destilla senli-'
ment e alfectos de nina alma elevada de poeta.
Seu autor j nao existe, e parece que por urna
intuieao do futuro, escrevia elle
O LIVRO D ALMA
Adeus, virgem, j nao posso amar-te,
Adeus, anjo, vou morrer... ai vou !
Do amor, das creneas ineu dourado livro
Maldito archanjo n'um festira rasgou !
Perdi-lhe as folhas, confidencias meigas,
(bandidas folhas de azulada cor !
Era esse riso um talismn risonho,
Era um poema da estacao do amor !
E sonhos, vida, mocidade, risos,
Tudoque bello se affastou de niim,
Hoje cadver, quero erguer-me... sinto
Que anda o mundo festival jardim.
Louco desejo sao de balde os prantos,
Debalde as dores que meu peito tem ;
No entanto outr'oi a eeperdicei delicias.
Mar de sapbiras contemple tambem !
Ah-! bem conheco... tudo em mim gelo.
Tudo frieza... aborrec laureis;
E o sol brando, a primavera linda,
Por toda a parte vejo s vergeis !
Oh vozes meigas que ouvi sorrindo.
Oh cos, estrellas, viraces do mar :
Gratos primores que eu amei... que amo,
Vede... da gforia j nem sei o altar !
Gemo e soluco de saudade amarga,
Gemo e solnco de tristeza s !
Perdi da idea raen passado d'ouro,
Nem resta ao menos do meu livro o p !
Meu livro! a historia dos teus sonlios lindos,
Sonhos areos seductor mentir !
Meu livro I o triste do abandono escravo...
Maldito archanjo que o ronipeu a rir.
Palpo e percebo no existir a magua,
Sombra da vida, do silencio irmaa ;
Meus olhos torvos nao divisara flores.
Nem os encantos da gentil manhaa I
Deixa que o mundo me escarneea... embora I
Do mando o riso de sarcasmo vio ;
Mas tu, virgem, que me leste n'alina.
Nio te sorrias dos meus males nao I
Nao te sorrias que merece prantos
Quem nesle mundo suspirou por l,
Antes maldigas meu amor de fogo,
Maldiz a vida que tambem vivi t
Damos a seguinle traduceao acerca de alguns
anios mais celebres :
Entre os homens notaveis por sua pequenhoz de
que os annaes da scienca teeiu conservado a lem-
branfa, alguns ha que adquirirm certo grao de
celebridade : e estes foram Jeflery Hudson, nasci-
do em 1619 ; Jos Berwilawski, tdalgo polouez e
Nicolao Ferry, appellidado beb, que nasceu em
1741. Quando tinha oito anna, Jeflery Hudson,
foi apresentado em um pastel pela duqueza de Bu-
ckingham rainha Henriquota Maria, mulhor de
Orlos I de Inglaterra, e quando completou os 30
tinha de altura 18 polegadas iuglezas, que corres-
era gigan-
tesco.
O poeta Devenaut compoz emsua honra um
poeii intitulado La Jeffernde, onde celebra entre
outras laeanhas, urna victoria alcancada contra
um per.
Era 1644, Jeflery acompanhou Franca a rainha
Henriqueta, e succedendo que um alleiao chama-
do Crofts dirgisse-lhe certos gracejos, que Ihe nao
sonberain bem, desafiou um duello : Oofls ap-
parecen armado com urna seringa; o que de novo
enfurecen o anao. de modo que forcando o seu ad-
versario un combate serio, montando cavallo e
com urna pistola matou-o ao primeiro tiro. Jefferv
finalmente morreu em 1682, na prisao de West-
minster, onde estava encerrado em consequencia
do urna aecusarao politira.
OanaoBerwifawski, fidalgo polonez, celebre
lela vanedade de seus talentos, escreveu sua his-
toria, e sua reputacao espalhou-se por toda a Euro-
pa ; emfira apresenlou, como Jeflery, o [menomono
de augmento de talhe em sua velhice.
Porm o ano que para os sabios conterapora-
uaos tornou-seoinais interessante objeclode obser-
va^ao, foi Bbi; nascido nos Vosges, e cujo esque-
leto arha-se conservado na* colleccoes anatmicas
do musen de historia natural. Era tao pequeo
que levaram-no pa baptismalem umprato guar-
necido de lio. e leve por primeiro berro ura gran-
de (amaneo estofado. Observado na idde de cinco
annos pelo medico da duqueza de lAirrane, achou-
se que pesava 9 libras e 7 oncas, e tinha a organi-
saeao de um rapaz de vnte anuos.
Apresentado na corte de Estanislao, alfeicoou-se
a S. M. e foi amado por sua vez singularmente.
Este principe procurou instrui-lo; porm Beb,
bem dilTerentc dos dous anios de que fallamos,
nao pode aprender a ler, e apenas soube dansar e
bater o compasso. Todava conservou-se vivo e
alegre at a idade de quinze annos. quando a sua
elegancia abandonou-o, e cntao soffreu ama sorte
de velhice prematura, que lerminou-se aos vinte e
dous annos com a sua morir. Neste tempo elle ti-
nha 33 polegadas, ao passo que nao rontava seno
29 aos quinze annos.
Osaram.no no lim de sua vida, com una anaa,
chamada Thereza Souvray. que exista anda em
1822, iwca em que foi vista em Paris.
Da Nitrito transcrevemos o seguinle :
A projiosto da recento rcvolucao da ilha de Ma-
dagascar, de que demos conhecimento aos nosso
leitores, conUim os jornaes eslrangeiros que alli se
tinha suppi imido, mas se tema ver renovar o Tan-
fuim, que um absurdo e horrvel costume que no
reinado de Ranavalo votou a morte perto de cem
mil desgranados, segundo se aflirma.
O Tnnqiiim. abolido ha dous annos pelo impera-
dor Radama II, era um meio empregado pelos jui-
zes de Madagasrar para ganharem ronviccao sobre
a cnlpabilidade dos acensados em causas crimes.
Algumas vezes o mesmo aecusado pedia a prora
e outras era-lhe imposta pelos iuizes. Faza-se
desde logo n'um cao ou n'um pomno ; se o animal
resista ao veneno o aecusado era julgado innocen-
te ; no caso contrario soflria elle a prova, c para
ser absolvdo devia engolir tres pedacos da pelfe
dopombo que Ihe fazam tragar cora veneno.
Se um so desses pedacos se conservasse no esto-
mago do aecusado, este era declarado culpado e
soflria a pena, se o Tanquhn nao havia produzido
a morte.
Em causas civeis faza-se soflrer a prora a dous
animaes que representavam as duas partes litigan-
tes: o que sobreviva ganhava a causa daquelle que
represenlava.
Orno o xito da prora dependa, militas vezes do
sikidi que propinava o veneno e aqnelle obedeca
aos juzes, a absolvicao do* condemnado ou a dec-
sao do pleito, na mor parte dos casos, era com-
prada.
O veneno que suhmimslravam extrahido da
amendoa da arvore Tanqnim dissolvda em agua, e
quasi todos os que bebiam della flcavam soffrendo
toda a vida.
Do Futuro, do Rio, copiamos o seguinle, que
nelle publicado sob a denominacao de lembranras
que parerem esgutcimiHtai :
Os grandes homens sao como as bellas vistas de
tliealro : so para o longr.
O amor, como o sol. pasee risonho, rhega ao ze-
nith escaldando, e rpido descamb as trovas ;
mas anoite para este rurta, para aqnelle eterna.

Quando Cam matou Abel, disse Jehovah ao fra-
tricida : S maldito e vagabundo sobre a trra ;
mas quem te matar sele vezes ser castigado.
Velo depois Jess Cbrsto e disse : Nao matars!
Mas eis que a sociedade faz-se Dous, revoga o pre-
ceto de Deas, e diz : niale-se em nome da lei!

Eu s adniittira a pena de morte com um cor-
rectivo; o de serem enforcados os juizes no mo-
mento era que se verificasse a innocencia do sup-
plciado.

Dous e dous sao quatro, diz o mathemalico; ve-
remos diz o legista.
M
Coracao de mora barquinha de passageiros.

Coracao de velha chaveco em que s se arris-
ca algum california.
CHROMCV JIDICIAR1A.
THIIIl \AI, IMI JIHV.
QUARTA SESSAO.
DA 28 F. AGOSTO DE 1863.
Presidencia do S: Manoel Jos da Silva \eira,juiz
de dtreo da 2* rara crime.
Promotor publico o Sr. Dr. Francisco Leopoldino
de Gusmao Lobo.
Escrivao Joaquim Francisco de Paula Esteves
Clemente.
Adyogado o Sr. Dr. Jos Roberto da Cunha Salles.
-s 10 horas da manhaa, feita a liamada acha-
rara-se presentes 44 senhores jurados.
Foram dispensados da sessao os senhores :
Antonio Joaquim Seve.
Jos Octano Ovaleanti.
Luiz Antonio Gongalves Pcnna.
Foram multados em 20*8)00 cada um dos senho-
res multados nos dias anteriores.
Entra em julgamento oreo Jos Silva Natal, ac-
cusado por crime de oflensas phislcas feitas na pes-
soa de Candido Jos de Moraes,
O Sr. Dr. juiz de direito nomeou o Sr. Dr. Cunhr
Salles para servir de curador do reo, visto ser este
menor.
O jury de sentenca foi compo?to dos senhores
seguintes :
Jos Elias de Oliveira.
Jos Pedro das Heves.
Fr?,nctsco Marinho de Albuquerque Mello.
Jos JertM},nn de Souza Limoeiro.
Antonio Jos Leal Reo.
Antonio Ordoso de Queiroz Fbnseea.
Tlieedoro Machado Freir Pereira da Silva.
Jos*'; Baptista da Ponseca Jnior.
V. prestaram o juramento- dos Sanio EvangHho--
Foio reo interrrogado e puocedcn-ee a leiinra
processo.
O Sr. Dr. promotor pedio a coodemoario do w
no grao mximo do art. 2W do ced. criat.
O Sr. Dr. advogado deduzindo a defern, pe4m i
absolvicao do reo.
Unidos os debtese preenchidas a inlrmnid
des da lei, o Sr. Dr. juiz de direito peopoc ao jar v
de sentenca os respectivos quesitos.
Recolhido o jury de sentenca sab sccrrla da-
conferencias, a una hora da tarde, voltou a na
e meia cora suas rospostas que loram lidas pe
lo Sr. Jos Elias de Oliveira, presidente do con-
selho.
O Sr. Dr. juiz de direito publieou sua sent*m*
absolvendo o reo e condemnando a iiHinirqulid.il
as cusas.
Levante i a sessao, addiando-a para o da sa-
grante as 10 horas da manha.
CQMMNICADOS.
O padre Fr. loa do 4mor >!
lo- a* publico.
"/ ros "*' qmi tramiis per
r/'W..' Aiteudite el ridete. si est *-
lo- sirul est dotut mea.
Pela seguuda vez se oceupou coramigo o A^Mnl
do Reeife.
E no numero 189 de 20 do mez que vai cor
rendo, de novo sou exposto irrisao publica, $m
triado a este pretorio de mea especie.
Mas nio isto o que me obriga a deitar si-
lencio : por mim nada tendo que ver coa o man-
do, nadadelle pretendendo, eu de-preso ascasma-
ni:vs, e s me lembro dos calumniadore> para Ihr-
K'rdoar. oflerecendo-lhes, como manda Jess Cbn>-
to, a face direita. quando me leem iasaMaa naes-
querda.
Obriga-me a romper o silencio siiu o de ver da
gratid.io para cora respeitaveis e dignos eavaJhcir.-
quedoalto da i ni prensa defendern) a honra il^
pobre frade, prior do convenio do Carino de Olin
da, mostrando assim os seus piedosos sentiiueaius
a uiagnanimidade de sua alma.
Obiga-ine igualmente a gratido para ciwr-
hora povo. que dispulixi eom atanco a vurtuaa a
esees novos phariseus, que fez sua acaus dt> ira-
do, que por ella soffreu sendo atropellado esfal-
deirado. nio eoramcltendo oulro crime mat -
reclamar contra a iiijnstica. contra a prepotencia
Eo povo,eesses cavalb-irus |>rocediam rac
cordo rom a candidez d>' seus roractVs. emguaa4>>
que os oulros levados somenle pelo f.l qu liaaam
no coraeio, se torna vara instrumentos abomiaawi-
de Satn, e pensando perseguir o fr-ule.
s perseguan), s injuriavam a religio acro-sia
la de Jess Christo.
Mas essa perseguicao, mas essas injurias >
-i fio haldadas, porque contra o ru jamis BT
lecerio s portas do inferno.
A rainha inissao justa, santa : eu > inv-r
reivindicar os bens de Nosa Senhora do > .1-
Olinda, qne criminosamente di>'.aratados. c hu-
uas maos dos phariseus : os phariseus fatcm tai
para os nao largar de si.
Has como nesta bella trra nao ha -onxatt-
pliariseus. e eo enrontrri amgjsti al n-
tegros, jurisconsultos Ilustrados ckladaos'ftsfuv
los, os quaes lodos nao duvidam. e antes se are-.
tara dr boa vontade a auxiliaren) contra a obra depredarao.
Eu e-|"'i o firmemente, e ronliad no tapaafe
xiliode Nossa Senhora do Ormo, ir adiant. bbb>
prir a rainha inissao; en espero poder rehavn
todos os seus bens, embora toda a guerra que m>-
possam mover.
E eu que vos fallo, oh publico de Pfrnanifcuc.-
eu nao sou esse hornera que m- vos tem piatatto
Eu nao sou esse religioso.crapuloso, e at- imapii
da caridade de'mcus irmaos em CJirislo. Wem
verdade. vos digo qne s.: como homem qnc sen.
|io.-.-o cahir no |iecrado, de que nin.neni < i-
procuro qinuilo posso evitar a queda, qoc stm-
pre (ilha da fraqueza da carne, qiw roage e vae.
o mais forte espirito.
No dia 19 do qia- vai corrend. porm, arsse
dia em que o Sr. subdelegado d>? Santo Aaloan
des'cspeilou o habito venerando de que avr rev*-
11, nesse dia era que elle me entregara a furia !-
seus janisaros. se a bao se nao tivesse oj>pto a
bondade instinrtiva, e a religiosiiladr dos IVraaai-
bucanos, qiu> crime havia eu comincttidD *
Autorisado por um mandado, que aitaixo pun
co, eu me dirig com dous oflBeiae de jusca a rj.-
sa do Sr. capiiio Mello Reg, onde me consta* i
existir um mulalinbo escravo do convenio dr OKn
da, e de que alguem se dizia senhor. sendo >fm e>
se alguera o alugara ao Sr. Mello Rccgo.
E como o mulatinhu ahi eslivesse. eumariasc o
mandado, sendo elle capturado.
llavera nisto crime. haver transgrossao *
lei?
Mas os phariseus assentaram qne era chegada
occasiao para dar um novo dia de amargura >
frade, que tem a arrojo de nao respeila-los. prrfrn
dendo tirar de seu poder os bens de Nossa iaaara
do Ornw.
E portante poucas horas depois de haver ea fc-o
cumprir uin mandado legal, ipmeama *r aa rata
em que resido nesu cidade rua da Tirario, Sr.
subdelegado de Santo Antonio para exigir dr aum
a entrega do mulatinho, entrega qar s sedn sri
tugar mediante onlro mandado, igual, r asaan
lela mesma aiitoridade, que Szera expedir a art
meiro.
Mas o Sr. subdelegado, que at ignora
ce ignorar os primeiros preceitos da
nao. muito que nio trepilasse diana? a> aaaalaV
agarrador-que os plurisens o nzeram repre-
sentar.
Digo que o Sr. Subdelegado parece igaarar os
primeiros preceitos da civildade. Bsran taina
na casa de minha residencia sem anaraciar-sr.
sendo que s dei por elle a porta da sala e a ari-
tar-me.
Enlio por modo brusco, sem tirar o chapia : la-
xando as barbas, rom lodos os traca* dr am hu-
mera possessogritou-meQnc # tsrrwn f*?
roc tirou f
Quando a autoridade assim sr namere dr mu
propria dignidade, quando iavesie risada, (ra-
jando as roupagens do c dadio o repilla ; mas se esse (acto em vet dr se
dar com o cidadao se da com um frade, este seale
despertar em si o homem, e o nos
cedimento grosseiro do incivil, que se i
tal modo bem pequeniao, e iadqtao da i
de que s a desorden) dos lemn, s a cysasma
dos partidos, s o ignqbil intercMe de arrn ana-
dia revestir.

mTffl-K1
imiitii Anni


i.
Diarlo de Pernaiubtico Habitado 99 de Agosto de IMGS.
pro, e eoino do tacto assim suceedeu, como uiais
adianto se ver : c sem dar dcmonstragao do mea
cntimento. respond que o meu devedor nao
estn no estado useravel como S. S. m'o apre-
sontava porque pouco tempo se tinha passado de-
pois de sna velu de Macoio para esta cidade tra-
contiHiio espectculo tas perseguirn e wr^sHia, gjos o E*m. cunseltieiro
i'oin que vigor elle procarou sustentar a exceden- ^liorro ta Gama.
fia das ideas liberaes, o que tronxaeHe tio pu.jn;-.
nos dissabores, o at ser preso de ordem do finado \
Paran que presidia esta provincia sentlo para
notar-se, que o Sr. Dr. Jos Antonio do Fguer-
Antonio hnto Chi-
Recife, 8 de agosto de 18 3.
A.J.
E em verdade vrs dtaobom povo de rVrnp.m-
bueo,que foinilstcr fcmbrar-nie de que sou Ira -
de e i|ue devo honrar estas vestes venerandas BOB
me adornara, para nao deitar pela jane Ha fra
quelle, qnc instrumento miseravel dos phartsous,
me tratava com tanta e lmanla desronsideraco.
Vas a razao nao nodo lano cm niim que me lenuo eom Mgu uciunu cstioms mi ocio u- u, iu c,.-.w. ..,........... -,-r -- n- i
ohrieasse a solTror esse 5o com rwicwiW le, me responden o Sr. Bartholomeu e esses velhos i verno, come?ou por dar a solemne preva de seo A Candidatura d* Sr. Dr. JeronyiuO Vl-
evn-elica do que me den exemplo o Salvador, c pequeos ove para nada seryem, os mais sao de desinteresse. e civismo renunciando espontanea- ., m. TaVirw M|A .4 js_
estadeclaracaodo. Bartholomeu mais mente a posicao que oceupava na respectiva sccre- lc| wsiro Idvares pe % If
Inett elcitoral.
O silencio, que o Sr, Dr. Vilella Tavares
tem guardado acerca de sua candidatura
tleputaco geral pelo quarto dislricio desta
provincia, quando lodo o paiz sabe de suas
habilitacoes, de seos conhecimetitos, e do"
muito merecimento, que lem para conti-
puto -
ra, eu a aceito, eu a quero. Deixode boa vonlade
para nuinis outras celebridades mais celebres, o
que apesar deltas, e nao contentes com ellas, pro-
curam fazer-se ainda mais celebres .ostentando 8
mais cynko despreso lelas cousas mais respei-
laveis.
Alhuquerquc, prente do mea devedor e8r. !>r.
Lourcnro Bezerra Carnciro da Cimba, j me tinha
feito ouira proposta que tinha tratado vir realisar,
por cujo motivo nao podia entrar em ajusfe al-
'Miin sem que me entendesse com aquelle senlier,
M isto nein de leve me Inccmnioda poniuc em! creio que fot isto o pie o Sr. Bartholomen quiz racmenlo at aquella poca injusta
verdade nada ha mais ridiculo do que esses enoy- saber, porque no da 8 veio a minha casa e me, menospresado,
clopedistas pigmeus, enea voltairistas as carairas.
E como dizia, porm, repelli o Sr. subdelegado,
que sem a renuncia das praprias ereneas- tra rio da actual liga) olTerecia as grandes vautagons
do amortecimento dos, odios que existan, o trium-
pho de multas, e suas principaes idea*, alm do
trazer a escoma e a preferencia do verdadeiro me-
e acintosa
E como
tpir que essa importante idea do Sr.
ionio de Figueiredo fosse unankninieute
mas eu ti ve a fortu- 1863.-.\'o"ha~possiblidade de arranjar-se oae- repellda depois de longos e calorosos delates, e
nadfm ?n? reddefenda o ministre do sou gocio sobre que Ihe falle! sob as bases propostosj elle consideras* quaes as consequencias faj.es que
cntregou urna carta do tlicor seguinte :
lllui. Sr. Jos dos Santos Nevos, 7 de julho de Dr. Jos Antonio
Sou com toda resultaran) para o seu partido at entao uo espe-
| smhado |ior todos os modos, aehou conveniente dar
De V. S. amig venerador e criado. Um lestumunho publico dos scus sentimentos a
Uiotp Souivs P g Nao fui a sua casa por estar doente. embora o fosse da 10/frimte, em urna patarra, ce-
Conheeendo eu perfciUineute o carcter sisndo deudo o campo a outros extorcados cavalheiros,
c houesto do Sr. DiogoSoares, sabendo que elle se que vieram ocenpar as mesmas letras, sem alias
acliava molesto e que a carta tinha sido escripta renunciar aquellas suas primciras c profundas
por mao t do liecife desfigure os lacios, pondi ao Sr. Ilartholomen que se por aquellejnodo levis e inalleravcis, romo publico e notorio.
e.iSmo ame ente^coa o um ente despresivel le pretenda retirar o Sr. Stares da pbrigacao em Se o Sr. Dr Jos Antomo de F1.gue.rado, prima
onneshonra^rE) "crdclaU embora o Sr t[ue eslava para commigo de vir coiKluir a propos- por suas cxcellentes qual.dadcs cvicas e moraos,
*LlXdo n' mande e^dtar poV. anisaros, ta que me tinha f.nto, en nada tratara com outra eji digno de todos os elogios pela firmeza e eleva-
do paiz, muito versado nos divaftos ra-
i-ieiifias sociaes, de que lente erghedra-
Faculdade de Direito desta cidade, possuc
Deus, e que a f e a erenea nao merreram, segn- portanto nada mais tenho a tratar
do a promessa divina :Contra.as portas do co a esti
nao prevalecerao as do inferno.
Eiuliora o Jornal do liecife cont historia dr
kiiadk, embora a fratpieza de aljum meu irmiio em
Christo o leve a representar o papel de Plalos,
embora tudo, eu hei de proseguir na minha tarefa,
e os bens de Nossa Senhora, se Deus. quizer, bao
de voltar a seu legitimo dominio,
quatlra ; >: a oua, 4 sua Uftp. esrlaiiiatom o ptw-. meneionasse essa etrcnm>tancw, se
juntmteira '. devens, nao estamos brincando, uun- preciso,
ca vimos tanto ponto de pregunta, nem tanto signal 1 Deus guarde a V. S. Pi d'Aifco SK te jastette
de pasmaceira 1 Quebrar tancas to- desastrada- 1863.lllm. Sr. Dr. Enigdfe Marques de Saasiag.
mente pelo nosso amigo conmendador, mostra mais jujr municipal e delegado.~0 juiz de diris. Drt-
desejos de o precipitar do capttoho, em qne a sua /,t Augusto Caralcanli !> Ulwpfripr.
divertida iniagmaco o tem collocado, do que llie
altrir de par cm par as portas de Pantlieon, expon-
do-o veneragao do universo eu peso. Entretan-
to, fazemos-lhe justica de verdadeiro amigo, acredi-
tando, que sinceramente desejou dizer alguuia cou-
sa em favor do illnsti issimo commendador ; porm'
novo D. Quixote abrazado de santo amor |>ela sua
Dulcinea (olhc que nao queremos mudar o sexo ao
N.:.
Delegacia de polica do termo de Pao d'Alhn ti
de jumo to I8W.
Iliin. Sr. Satisfazendo aMHh> An 1 _.
V. S. datado de bou lem e que me fot entregar
um official de justica as H horas da muir, rrtaiiVa-
nieiue a priso do a I (eres Jesanw lK>miit)riH-> fjg-
iKiro, tealio para dizer a V. 3. q- prrmli- nosso amigo, inetamorphosoa-lo em mulhcr, roin-1 rm do Dr. caefe de poria da provmr^ rtmn *
prebenda tem) em vez de a defender, anda maisj v do doenmonto stib n. I pete (arlo i|
a expoz a publica irrisao.
Diz "
bnete
Ora vamos a cuntas.
Diz Vmc, que indigitando futuro director do Ga- hem M v do ducuuionto sob a. t queVi.ni
inetede Leitura o nosso irestiinosu e iredanssi- junto a esta informarn, ou etrlarerimenln.
em
nuar a lr um assenlo
ria, urna prova
dignidade, com q
corpo eleilocal do quarto circulo.
Poltico desde os primeiros aunas,
que sua intelligencia pr'mcipiou a desenvol-; ? mtrn> de Ii!"l,a1r a n,rM)1 Parede- E fenao yc-
, ,.. in ,., ,.. ~;,. a jam. Como so a lama pode enlamear, aJu osla o
yet-se, Dugnando sempre, com o atar des- JSr mtMn amigo a dizer alto e bom som que o
interesse, pelo triumpho dos principios r -1 man 1 uswi nliniiii lfiifliii ifn .lu mn Vttmv*-
beraes, lirme em suas crencas, o Sr. Dr. co est sujo de lamaoui lama da ra i Ah I <<-
Vilella Tavares tem feito no paiz um papel ***> commnirfndiM-, este desaford nodeixaya
_ l r rr eu passar assim com duas razoes; do_ceo Ihe vies-
impouanie, se o remedio! Mas chogue-se ei\, amorznlio ; en-
otado de talento superior, elle gosa de: to entende Vmta.qne, aladamesmo estando sais de
urna bem merecida reputacSo, j;i como ad- tama, sendo tama, ou capaz de mlamtar o eehlw-
vogado, j como professor da Faculdadj b\itSbl^^1^c^^^ineM^V90^.<^J^
Mi
raiam-
BgBBls

ae
,turda
MiHtaleve, cfimgatel
(roe ao rarr^reire da ra-
defensor por que, a fallar a verdade, a defezacsU d,.a publica dusla villa, visto rtxnoMitraqaafcaax
mesmo do j-^-f-o patente London, OU, como J diz uriso. pie |ior Ion-a da nece>i*i iw
' connexa com a publica. iiia\iin- tnnwte Hte ms-
portS um privilegio.
Sao estes os esrlareciineiiio qn*- lenbo
V. S. com referencia ao preso qoe V.
nina ordem de halicas-eorpus. ,
Devo tamliom prevenir a V. S. de qoe voa rer.
tei para a capital dito preso, sefoiwt. 2
i|iie leiihu to inesiii" Dr. rhefe ilh |diria.
se vi- tambem do aeteaaji rimsaa>
Deus guarde a V. S.lllm. Sr. Ir
.lisio Civalcanli to Albnqiier'fnr.O
attora
s pafls
nao avanzaramos) so porque fui apuntado para ,H,|i,.;,, Emygdio Mnrguetie Smtlimjo.
S
a I.
-
de
y
a ata
dru
da pri-
niettia um crinie, a
Embora com lod
cure tornar odioso
tilisar perante as
do a quera prodigalisa os mais inequvocos sig- Honorato, crioulo, i ditos.
naes de sua svmpathia; o que verdade que ci- Thom, crioulo, t\ ditos.
dadaosnMiito"respetaveis. ecom amaitM- esponta- Rosa, crioula. 15 ditos.
netdade, vera do aJlo da iriliuna defender o ininis- Juvencio, crioulo, ditos,
tro da religiao contra queraum jornal que se diz Julio, crioulo, :t ditos,
ollicialnao duvida jopar nojentas chufas, niio du-; Ronifaco, crioulo, 2b ditos,
vida laucar o seu riso de escameo filho de sua im-; Paulo, crioulo, 27 ditos.
pieilade. I.uiza, crioula, :l ditos.
Kmlim, seja dito bem alto para que chegue | Vctor, crioulo, 13 ditos.
todas as conscioncias christii-s : lia vinte
que vivo uesta provincia, sem que crime
annos
alguin
tlvcsse eu commettido, sem que provocasse o menor
escndalo; e so foi depois do encargo de prior do
Carino de Otinda. dejx)s do onus a qne me sub-
metli, de reivindicar os bens extraviados de. Nossa
Mara da Paz, crioula, 1" ditos.
Delfina, crioula, 14 ditos.
Vicente, crioulo. 16 ditos.
Salustiana. parda, 11 ditos.
Maria Salom, 8 ditos.
vista de semolhante procedmiento do br. uar-
i. .- .1 ;... .1.. lUt'.O nriA TCC^-
Senra do ifjirm, que dos 'enormes rrimes te- tlwlomeu, que no dia 6 de julho de 1803 ma^-
nho commettido :o primeir), de repellir a dous veroii que ornea devedor o br. ur. Mnraap^
belgas que no dia li do mar
me iamassassinandocom um
do, de me oppor a entrega de
sa Senhora do Carino de Olinda,
prehendido |ior iiieio de um mandato legal
Agradece .10 povo, e aos lirmeiis de 1m;ih i|uc me
tem defenditlo ; perdtki ao Jornal, ao subdelegado
e a quantos me persegucro, por amor de Jesus-
Chrsto ; o continuare! impvido no cumprimenlo
de minha missau.
Fre Joiio do Amor Hcino Mnscarenhas.
Recife 26 de agosto de 18i:i.
DOCl MExros
N. i.
Mandado de anprebf s.so passads i favr de
prior de runenlo du "Carum de liuda.
O Dr. Francisco de Aranjo Barros, cavalloiro das
ordens de Christo e Rosa, juiz municqial e pro-
vetlor de capellas e residuos, nesta cidade de
Pornanibuco e seu termo por S. M. 1. e C. que
Deus guardo etc.
Mando aos officiaes do jnizo, que a requerimen-
tedo Rvd. prior do convento do Carino de Olinda
Fr. Joao do Amor Divino Masrarenhas, approlion-
ilain o esclavo Chalilo, 110 poder detjtiem se adiar,
visto como considerado como pTourietlado do
dito convento ;e logo que appreliendidc fdr, farao
entregue ao Rvd. supplieanfo, em cumprimenlo da
petieao o despacho iucerto na procatoria rameltida
do jizo municipal do Olinda, e de tudo lavrarao
os termos cautos neeossarios.-Cumpram.Cida-
.lo do Recife 2o de julho de 1863.Eu Domingos
.Vanes Ferreira o snbscrovi.
Araujo Barros.
N. -J,
Em observancia do disposto as nossas consti-
luieoes carmelitanas, respeito do bom rgimen
espiritual e temporal de cada um dos conventos da
nossa ordem, c me ser dado o poder de remover
os prelados de unas para outras casas, bem da
observancia regular ; por isso passo a dar MB
providencia, nonieando a V. P. Rvd.. como ver da
patente junta, para ir ter sua residencia no con-
vento de Olinda na provincia de Pcrnambuco, co-
mo seu vigario prior, poi se acbar aquejle lugar
vago por demissao que podio e alcancou o padre
Fr. Jos l.ins. e por ultimo o padre Fr. Joao Bau-
tista, que bstanle destro o restarte do patrimo-
nio, a poni de vender, talvez que toda prata, e
por isso obrigar o sabio governo da provincia a
anear suas vistas palernaes, reivindicando paite
dos destravios do padre loao Baptista.
Logo que V. Rvd. se aprsente aos Exms. go-
maos civil e eclesistico, tomar as Informayoes
e ordens liein dosempenhar a inissao que
imposta sobre o convento de que vlgario-prior ;
e do que for occorrentlo me participar |iara dar
as providencias tempo.
Nada mova sem prii leiro entendor-se com o
Eim, governo da provincia.
Deusguanle aV. 1'. Rvd. Carino da Rabia -"
de abril de 18,".De V. P. Rvd. irmaoein Quis-
to, Frei Antonio do S. Caolano, provincial. Rvtl.
Sr. Frei Joao ilo Amor Divino, vigario prior de
Olinda.
llu- a seguinti
o seu superior merecimento.
Como cscriptor publico ah esiao aao s na impren-
sa trabalhos preciosos, e perduraveis no sentido e
em prol das ideas liberades, como em outras locu-
brafoes de subido apreco; tal o seu importante
opusrtrb sobre a eiei< directa idea que elle tem
propagado exforcadaniente, deu-lhe o maior desen-
volvimento possivel e constitue um verdadeiro pa-
drao de sua gloria, sempre em um estylo fecundo
e vigoroso, grave e suasorio, alm de opulento na
forma, sublime as ideas, e de apurado atticfsmo
Hoje que o paiz tem de satisfazer as vistas
magnnimas do augusto chefe do estado, boje as
urnas devem pronunciar-se isentas de coaeco,
elegendo o povo representantes, que satisfacam as
snas legitimas asptrac.es, e possara prc-|)ugnar, e
realisar o progresso"moral e verdadeiro, porque
esse progresso faus-
Roraa dos Cesares, e da
lisongoa, mas nao be-
paz, s agrada aos corrompidos, mas em
verdade nada presta a populaco.
teje mais do que nanea devero os eleitores ser
lllm. Sr. Rartholomou Francisco de Souza.
Tenha a bondado de responder-me ^S'minianicnte escrupulosos nessa escoma dos seus
un, ,1.a deste moz me P^ eo^BjWj de que s legisladores
rs. pela divida por ;ie cstou dnJJ^_^Sre! sensatos, cidadaos virtud, cheios de abnegaCao,
Direito do Recife, onde serte, lia 20 annos, ^^ 0 nosso iUuslrsS,m eammUart I
ja como orador, que e, do que sobejas pro- Cou o Gabinete nfaaaaau '.... Leve o dene sesas-
vas tem dado na cmara dos deputados. En- Ibaute lgica, meu caro j e nao repita isso mutas
tretanto o Sr. Vilella Tavares tem sido vic- para nao o dar.;m como .ese.iorda ,.__a. _^.- ._^ i, :;.,; Orates, obrigando-o talvez a vestir camisola.... Es-
tima da Calumnia, a mais atroz (Jas injUStl- ,amos 1|Uasidizondo-ll.o, que temos mais t|ue lazer,
cas as mais flagrantes, e consta, que anda e nao acabamos de apreciar a sua filuda..... mas
agora mesmo se pretende praticar para COm emlu, para nao o deixarwos desconsolado, du- CtSS0 de recurso' de habeas^ipaspor
elle 3 mais negra das IraiCeS l lhe-he..ios sempre pie, se quera mostrar o d eUo ajo.
,,..,': ._ ... ___ alie o itlustiisstDKi i uiiimeiuhidor U-m a encaminen-
A Providencia porem nao consentir que jT^j^^ fallar na ni aaaatis^oa oitoaderte;
surta effeitO O plano de meia duza (le lio- pos isto cousa que se allegue ? Miseria! niio esta
mens, que sem razo llie SO desafeicoados, vendo Vmc. que assim mostra a deficiencia de mais
ou que se lem tornado seus inimigos gra- SliJas p4*? a,nor f > Dos, uiiasse autos
, j.1 j,. V em qualtiuer outra cousa; fallasse, por oxeniplo,
tuitos : nao conserflira que se pratique urna Mas *%* l0 commmbJl^t raiiasso as orgias do I d jaiiio de l
ingratido revoltante, nra fado ignominioso, baile do Xcn*, bliasse nos wnjai que aneo i um. sr.Tenho presente otario de v S dr
sendo repellido das urnas do quarto circu- aarfajaesi t aos seus tompatriotm atm restdenUs, hontem. e que me foi fiitrepae asff horas da tar-v
lo o liberal de 1848, om dos martvres da '//'' Vh !"** "*** <*<> etkbre mueiko dos ^ qua| m. lia (fm, m I|S), p^^ *. m,
dez brincos tiesta ordem, e outros que taes. sao ,-apital o preso Jesuno Domingn^j Carnnro *rm
os que hoje precisara de galardes, e condecora- (1U(! V. S. profira tlecisao sobre o rrrorw coes, or que se a dignidade. se os sentimentos no-, hcas-curpus jwr elle inl.miatlo. pcrniHta V. S. ..
bres ao um individuo (quando neUe eaisteai) tem las tern itens imiIihiiIi i
cedido o lugar baixoza, Ota ao menos o falso bri-
lUo dos crachats. e tarto basta para ser tido como
honrado entre os homens de bem.
Por um triz nao jamos fallando serio? Nada.
Y i.
lllm. Sr. -Jufgo i'tM.vemenii' dizer a \
da ultima liarte doofnVio enm qoe V. S. m
eselareeimenlos t.'Xgido> por iium acorra
sao do atieres Jt-suihi DoniinrJi'*s I':,
nao pode V. S. mandar para a ra|*iial dito
sera que nao protira eu a minlia denso
I leu- giuudo a V. S. Pao d'Alho itejria
do lita laa Sr Dr. Enn filio Manrors drSartta-
go, juiz municipal e oVfc-gado.O jirir de dirria,
Del/imi Augusto Oirulcnnti de .\lbiM.-ripir
Y 1
Delegacia de psHeii do tormo de Pao d Alan. 27
patria, um dos caracteres mais disti netos da
nossa sociedade.
Honra pois tollos aquelles que se inte-
reaarem pela eleico do Sr. Dr. Yella Ta-;
vares, lionra a todos aquelles, que apatro- j
cinarem a causa do bomem justo, que s I
tem por si um nome, e tradieces gloriosas, contuuemos a rir como bsas taparas,
ihe r.ica ataname roajidtrayatjp.
Sendo certo qne V. S. nao rabe. en tere da
lei, orik'iiar-me que nao d ciiiiipnmenK. a itnsnis
lgaos t]uo me fon hi dadas |kt autoridades rara-
petontos. lendo en. oihiio tenho ordem do Dr. rVfe
e acabemos d,. |Hlieia, para prvuder e renwtter para a ca|ifal
O Concurso de SeUS amieos, e nO a influen- ,a ,"s,oria dopressa, Tem muita razao, Uozmlw; a a Jesnino Doming.i*Hi Carneiro, pronur.riada roa
cia Official- mega matn Cana. Mas, (aqu para aos que nin- ncurso a artigo M do cdigo rrmihnl, me pa-
Um Bonitense.
Entre
<|uarto circulo.
os differentes candidatos
de nira-
""" """'i"1 i"" i""-'"! ^' i"'"' "-> w o no lora preso a nnmia onhin,
por que o diabo sabe arma-las; mas tao certo como o referido recurso perante V. S. 4m
3 e 2 (sommados} seren cinco, nao nos NO. ett ttpmnea imdiitete, mis n m
que se
zendo-lhe cu obscrvaeo de que o Sr. Jtaeharel
liOiircnco Bezerra Carneiro da Cunha, nao estava
tao destituido
de bens como V. S. me mforrnava, i maj^ aseria possivel ; a agrirultm
porque tinha condnzido 18 escravos de Maceio I deiinhada, sem bracos sera instrumoi
esta provincia, cm dias de marco deste cor-
para .
rente anno, V. S. me respondeu que desses escra-
vos s 7 Ihe pertcneiam, e que os mais pertenciam
a mfii do mesmo Sr. bacharel..
Espero que V. S. por sua honra e dignidade so
sirva responder-me; o sou de V. S. atiento, vene-
rador o criado
Jos dos Santos Heces.
Sua casa 11 de julho de 1863.
Estava eu concluindo a carta quando cntrou no
meu esiaboleeiniento meu cunhado o capitao I.uiz
Cosario do Reg, que, como tivesse presenciado a
priman conversa do Sr. Bartholomen, pedw-me
para ser o portador da minha carta, c entregando-
a pessoalmente, o Sr. Bartholomen disse que nao
dava resposta; pcrguntando-lhe meu cunhadp por-
que, se nao era exacto o que eu tinha escripto na
caria, respondeu o Sr. Bartholomeu, que all em
particular dizia que sim, era verdade, mas que em
publico diria que ora mentira, ou que nao se lem-
brava do qne me tinha dito quando veio minha
rasa t
,JV vista do tal procedimento supponho eu que o
Sr. Bartholomeu devena ter pojo de se entender
mais contigo a tal respeito; mas enganei-me; elle
aintla volton terceira vez. e me offereceu por totla
a divida, que monta a tres contos seis centos mil
risv um cont de ris, nao em dinlieiro, mas em
um documento de sua -Arma, a prazo do noventa
dias Para qnc fim quererla o Sr. Bartholomeu
comprar a divida por um.cont de ris, sr ja tinha
entregado ao meu devedor os nove contos e sois
centos mil ris,
asensos, como
compra ? Eu .
ra c dignidade. que preso mais do que a foi luna
". qne o Sr. Bartholomeu lem adquerido, me impoe
L' silencio, dcixando ao juizo do publico apreciar o
procedimento do Sr. Bartholomeu Francisco de
Souza.
l'ernambnco, 31 de julho de 1863.
Jos dos Santos Meces.
abysmo a que
Sim, o commerrio entre nos acba-se reduzido a
nra abatida o
nstrumentos, oberada
de immensos tributos, expirante emlim; militares
las itossue, onde nossa exercer a sua lavogsa, c
tirar o pao quotidiano ; a navegacao, a industria, e
as artes jazom no mesmo misrrimo estado ; os\s
tema da adniinisiraeao|wr urna excessiva cen-
Inlwncb, e o das (naneas pela p^-ssima ari'Ccada-
cao, e iiscalisaco, par de unta divida enormis-
siina. o mais extravagante, redteulo, o de.ploravcl
possivel.
O cidailobrasileiro v a sua liberdade pratica
iiiminiada por barbaras leis, como a do conde de
Lippe. guarda nacional etc.; e os seos bros na-
eioiiaes gravemente offendidos, e ultrajados pelo
arrojado estrangeiro que tao l>em hositedamos,
sobre tudo pelo Leopardo Britannieo, consco
da nossa fraqueza, dos nossos recursos bellicos,
da m gestao dos negocios pblicos, e tudo isto a
par dos immensos thesouros, com que nos mi-
utoseou a propra natiirete Cm sonaos o ndoi-
minlio poltico tudo confundi e estragn.
Nao haum estaJjelecimento, um emprego, uuta
bjjituicao, ^ que nao urja gravissima reforma.
Se lio'mens do pulso dos Srs. Drs. Urbano Sabino
Pessoa de Mello, Jos Antonio do Figueiredo, padre
Faria, Dr. Feitoza, general Jos Ignacio de Abreu
Lima, Dr. Netto e outros vultos preeminentes da
provincia de Pernamhuro ( quando representantes
delta ) nao forem os Ddalos que possam sal-
var o paiz do medonho labyrinto actual, se nao
mina.
Ora, se estes dous cidadios merecern! a
guem nos oirve) parece-lhe deveras, que mis caln- rtCe que nao posso, e nem b-vo dt-ixar
mos no sextol pri-la', s.nente ptnpie V S diz qne nao
Olhe la, franqueza por franqueza; tudo pode ser, Se o reo ten preso a minha ordeni. a >#. rpmtro
dara lujnr m fwe
-. .asoem ti>
triste papel de frota, ou ridiculo arlegnun. Lsteja nao. araw V. S. nao e, mnpetemte para tomar ra-
nhecimonto de arlos do rhefe de polu-ia. qoe tam-
bem juiz de direito. como dispV o arqa> f
7" da b-i n. 261 de 3 de .lozoml.ro de ffttl, e s a
relacodo districto |M.r ser de rathegoria superior
Entretanto como |wssivol que eu deartuaVra ki
em contrario ao que tenho dito. V. S. romo atees-
trado na legislaran do paiz dignes'de ritmr-m'i.
Asseguro a V. S. qne bem a raen pezar .nlrarei m
fonllicto para o qual lareee que se 10. arrasta
assim como que oslou de b>'.a fe no prnredimrali,
que tenho tido. o eston disposto a ter. visto ifm"r-
de que temko meres-
E.HU-U u* unte, cuca taiiuiu-ius i| descaricado que nao emagrecemos por causa do
apresenlara para serem eleitos deputados sexto-,'nm ha perigo, nosso amo. Teado-aosmi-
geraes pelo quarto circulo, raerecem a pre- moscado com tamanhaeju-urruda de pontos de pre-
ferencia, em minha opiniao, os Srs. Drs. ff*"&l*''icfa^tov*$^ ""S^L-
i .^ :.n_.-^__-* j muil. ^ i.a i tal disperdicio, e nao sabemos como rolribuir-lhe,
Antonio Epaminondas de Mello, eJose Le-, '. eniliin ah vai lull monstruosissmo TO.X-
andro de Godoy Vasconcellos. ; to final o
Ambos estes Srs. pertencem a poltica I Ab! nao; lome esta anida. Zanga-se Vmc. |tor
progressista ; e ambos foram espontanea eiiue nao assgnamos o nosso nomo; para tjue
iok.-----Ttipmhro do di- ""w'-iN/,0> 'le ganbava com taso .'
.-.-._ I E nara me se deixou Vine, licar tamben mu-
actualmente do-
e amlies foram espontanea e o,uc nao assgnamos o nosso nomo;
livremente escolhidos para memoro do -^ajgm-J ^
reclOl'lO do partido que actualmente do-1 caraii0 ?.... jjas nao importa ; se promelte nao nos ,ne pela le,, nico snstenlamto
massar mais coma sua logaui, itera cora os seus??!! nasr.
e miagar melhor dos relecantissimos senteos do \ Den
\i\s IUIIIH ll.",1 WIIAtl"-, (,.\|/llillllV l_linin .......m.-
de leguas existem do torras ubrrimas e devolutas,' dos geraes pelo mesmo partido,
ao passo que o pobre e laiiorioso cidadao nada del- Esta razao de preferencia me leva, nao
s a dar-Ibes o meu voto, como a pedir aos
rnntiinra nara prpm flirpelorps da nolitira <'ommendador para entao pdennos tomar hora cha
toniianca para serem directores oa pwwej Wlfc a1 carga. encontrar-nos-ha atlaap
progressista, com a maioria de razao devem ell, ,.sU! e Uir.||)(..h(.mus qaemsao,e saberpara
merecer a honra de serem eleitos deputa-
A publico. ,5
u (acto pratcado cpmgo pela Sr. Carmolomea
Francisco do Soma mancommunado com meu do-
vetloroSr. Dr. Lonreneo Bezerra Carneiro da Cu-
nta nodeve licar em silencio ; por cojo motivo
passo a expo-lo.
Son credor do Sr. Lonreneo Bezerra Carnciro da
Cunha por duas letras, sendo nma de 775680 rs.
vencida em 17 de tevereiro de 1858. e outra de
7'J7iO0 rs. vencida <'jm 17 de maiodo mesmo an-
no : por muitas vetes ped o meu pagamento per*
.liando todos os juros vencidos, c vendo qu ami-
gavelmente niio podia obte-lo, e que se aproximara
a poca da prescripcao da prmoira letra, intentei
a competente accao pelo juizo esfiecialdo commer-
.M, euja eilaeaonirial foi intimada aoSr. Dr. Lou-
renco Ueierr Carneiro d i lunlta na povoa(;a do
Moutero, onde reside, em um dia do mez de ju-
nho prximo passado.
.vo dia i do porrcnle mez anparecen em miuha
casa o Sr. DiogoSoares de Albiiquerqae prente
do meu devedor dizendo, que nava auturisado pa-
ra me propor ser-rae pago o capital das letras do
sen prente no mez de Janeiro do 1861, sendo esse
pagamento garantido poV urna hypothera em tjua-
iro escravos de propriedade do meu devedor.
Cumo tivesse eu feito j despea coma conci-
liarSo em Macei.i o com a accaoproposta aqui, Res-
pond ao Sr. DiogoSoares, que nao toria duvida em
aceitar a sua proposta entrando tambem a impor-
tancia das despezas feitas, o que aqoelle senbor
aehou rasoavel, e flcou corto de voltar cm outro
dia depois que eu me tivesse entendido com o ilion
procurador do foro, para saber em quanto inipor-
tavain taes despezas, alim do concluir o trato.
No da 6 apparocou o Sr. Bartholomeu Francisco
de Souza em meu cstabelecimento ra do Crespo
n. 19, e em presenca de meu cunhado o capitao
Luiz Cesario do Reg, dous lllbos incus de raaioi
idade, e do Sr. Joaquim Bernardo da Cunha em-
pregado na casa, disse que vinha de mandado do
mea devedor, ou a seu pedido, oflracer>me sete-
..ntos mH ris para me dar por pago de toda a
divida, e qne isto fazja por ver o estado do pobreaa
a qoe esteva rednzido o Sr. Dr. Loureneo Bezerra
Carneiro da Cunha, que era tal o seu estado que
nem tinha com nne comprar charutos.
Estando eu bem informado dos possuidos do
mea devedor, desconnei que o llm do Sr. Bartlioto-
meu Francisco de Soma era pregar-me algum lo-
IJ1A CANDIDAimi LEGITIMA.
OSr. Dr. Jos Antonio de Figueiredo.
Consummou-se a eleioao primaria t
Trimnphou gloriosamente o partido liberal!
Seguir-se-ha I.reveniente a eleigao para deputados
assembla geral legislativa.
E serio aquellos eleitores lberaes moros porta-
llores de enaltas ?
Por certo-que nao succeder assim. porque esses
eleitores lora sobeja indejtendencia, o dignidade
para repellir to loucas exigoneias dos mandarais,
longo, e bem longe, foi-se felizmente a poca das
imposices; e para sempre baniu-sc, e sera duvida
nFio voltar mais entre nos ere tm morre de
Mahomtt.
Se assim o deve-ee esiterar, que esses briosos
eleitores conscienciosamentt^ prestein os seus suf-
fragios em cidados verdadeiraraeato liberaes, e
rocommendaveis por seus honrosos (trecedentes e
illustracio, bera como o Sr. Dr. Jos Antonio de
Figueiredo, porque netle se rennem todos esses
predicados.
Na verdade bem sabido nesta cidade que o Sr.
Dr. Jos Antonio Figueiredo. desde que concluio
seus esludo acadmicos ato boje tem sido constan-
te lidador as Hidras do pardo liberal.
Logo depois da revolucio de 1848 foi elle memoro
eleitores meus collegas do quarto circulo,
que volem cerrados nos dous referidos se-
nbores.
O eleitor do Bonito.
quanto prestara os que se assignain
Um amago.
eos imberbes, sem habilitacdes idnticas, sem pres-
tigio, c ainda no seu tirocinio poltico, smente por
que gosam da ventura de merecerem as aifeieoes
pessoaes dos mandarras da aetualidade.
as pocas cleitoraes aquellos, que procurara,
solicitara, e mendigara votos por todos os meios pos-
siveis, ainda que ignolieis, de ordinario siio os que
menos merecem. A virtude .' sempre modesta e
por isso mesmo mais apreciavel.
Eleitores Pcrnambucanos se nao queris assnmir
o triste papel deportadores de listas para deputa-
dos; se queris ser independentes, e fazera vossa
escolha entre eidados eminentemente liberaes,
cheios de saltedoriac virtude. leudes na pessoa do
nosso estmavel comprovinciano o Sr. Dr. Jos An-
tonio du Figueiredo, um candidato com csses'raros
predicados e singulares |.roporcoes; ensiirdecei-
vos aos cantos da serea que esvoaea ante vj; des-
prezai a torpe caballa 'aqoellcs que ha H>m.poHco
tempo hostilisava-vos cruelmente, estilo em vossas
lucirs |iara arrancar os vossos suffragios, comiuis-
tar com ellesasprmeiras posicoos sociaes ao passo
que por si sos nao podem aviiltar em numero o
importancia poltica ante o i inmenso e prestigioso
partido liberal, e com quem lera feito o mais leo-
nino contrato prefer sem duvida os vossos an-
tigos o. leaes correligionarios, soldados veteranos
as mesmas lile i ras, victimas e companheiros dos
mesmos trabalhos e infortunios, a aquelles femen-
PUBLICACQES 1 PEDIDO.
Pobre son, pobre s.
Pobre son, pobre es, porm mu i ricos
Somos d'outra moeda, d'oulro ouro ;
Pobre de bens eu sou, tu tambem pobre,
Porm ricos de amormaior thesouro.
O mtintlo desigual em tudo, Elsina,
A opulencia o ; unsdinlieiro,
Uns tem predios, fazendas ou lavouras.
Ora rico o morgado, ora o banqueiro.
Mas a densa fortuna da e tira
A uns smenlc d, outros nao d,
A outros jamis d, e jamis lira,
A muitos pormtira e logotl. -
Bis a sorte da grande humanidade
Sua riqueza, vs, contingente
A divindade s necessarta,
Elb so fortuna permanente.
Vs pois minha razao, formosa Elsina
Somos ricos.amr divindade !
E' riqueza que nunca se evapora,
E' fortuna de longa eternidade.
Que importa que nao hoje comeces ?
Que importa que sem ter eu j nascesse ?
Nao nos punja o ser orphos da fortuna.
Que o embate do mundo sempre esse !
Nascer pois sem for tunamas amar-se,
Fugir pois a riquezae ser-se amado
E' scr-sc mu feliz, ser-se rico
E' opulento ser-se e afortunado.
4 de fevereiro de 63.
M, Doria.
% ashm.i siibjngada.
Esta enfermidade atormentadora que a-
berlamente sjmba do medico quejeonfia nos
P. S. Ao concluir este pequeo caraca, somos
informados que o nosso microscpico ominentUolor
traa de angaria.- asaaawasai puramente {Meseras
para provar Deus e ao miiudo, que digno do
carregar, nao s com as honras de eomsnendador,
mas lainlieiu com as do bar&o dos assobios, estando
igualmente apto para substituto do ex-consul Mo-
reira de odiosa memoria.
Amiijninlio. dizem-nos que um documento Vali-
tutumo remettido para Listi como cunha para a
emeamenda foi un atteslado do dito ex-COnsul de
Pernambiifo ? Iloin ser, que assim pague nina
divida do infamia, visto que o nosso cowmtnAeidor
arlequim no ten.|io nefasto daquolle Sr. Morera,
para allivar este da respoasabilidade das fortissi-
mas aecusaeoes de qne foi objeelo. x\\\o dnvidou,
como secretario do glorioso eomtem) dos dez descer
a baneza de classiticar de camaina, ladro*, atsat-
u.u.le V. S. lllm. Sr. Dr. Dean An
gusto Casataaa d.- aftaanraat, juiz de dreiio.ia
comarca. O delegado. Kint/giliv Marque* de .<-
tingo.
Sentenra.
Vistos estes autos, ote. cirrnlar \ptmm* fr-
o ministerio da justica en. lo de novemara de
ISlil, proliibe er/iressinnente t|ur as autoridailni to-
caos lacain prisoes a ordem do |.i -.! ule e rhefe
tle polica, e a esta regn -> luvera imitteim, mt
a citada circular, para os casos de priso en
virtude de emrtrmta ou por escolta, ou '---i imn
dada om penegateio le rraaaaaas kh> pi>lia.
pois, o juiz municipal delegado eflertnar a priso
do paciente Jetuino Daningaes Para Ira a oraVm
to Dr. chefe de polica da provincia, en. fare da
referida rircular. que apenas soflre as duas I i mi
laroes, e deve ser eutendid.-i re^trietamente .-
a inonnr ampliaeo. como snerede en. to cepcoes. mximo iratando-se de garantas
dfliaes que all se procura limar o defender
tpie um sini/iles ojficio, vide a fl. f*. em que .
Sfrraawanafa aprfsao do pctenle, nao aai i
ocaraeter Ae dtprreatm. Oawainsi ru
do. e ahiMvo. na relnei.uiieniente as-Terado
pelo seu autor, o portanto j.ilgando-mo.
nm dos pri.wri
a patria tantos lilhos gloriosos.
Pcrnauliut'o tao rico em illustracao, taocheiode
patriotismo, nunca foi ingrato para com os scus ti-
da assembla provincial c ah demonstrou a sua I 10S ((ue mas M ^n, distinguido, e o pdem digna-
nao vulgar intelligencia, fulminando com sua pala- iuente representar, o por isso mesmo nao recusara
vra loquente, enrgica, e autonsada os desniau- (le dar um lugar de n0 parlamento braeileiro
tidos alijados -, compenetrai-vos da gravdade, e do, anligos e caducos paliativos da pharmaco-
alcancetios votos, que des dar respeitai o vosso; pea, e seguramente curado mediante o uso
brilliaitte passado ; sede probos e coherentes.
O nome do Sr "
honra a provincia
naos reos de policio, grande numero de honrados i ju, inConi|eiente para tm.becer do an
negociantes de nossa praca. __ (.(irso |M.,,.,. >illl( ,,,., ,,.,. 11(
iln lie. ehe/e de fdie,a. nao |isso MM ile er
rar o oxlianbar o procediiiH-oto do juiz hitain.
Amiijuinho. queros mil consellio? Parecia-nos
' bom t|ue o fio Mathas mandasse tambera tirar nm
attestatlo do bom comportamento o dos servieos
delegado, que colilla tao torininanie
prestados cata de deteneo quando all eslava : d,.ix7Pll ,,;, ,,,,.,,,1,.,. uacenle sma ordem.
atontar ares, a requesicao do Dr. juiz do coniiner- j c||(1 |acl.nl,. a.,1M1 ltl|M.irJlliralo de u4r d
dispi
r
co.
Por boje fazemos |H>nto, porque isto j vai compri-
dinlio para post scriptam, e esperamos entao tjue o
nosso ttrdaattn amtgo, se detcairegme, e apresen
cursos que a lei Ibe garante : nao po~>
e\iranhar que o juiz municipal itelcgadl
do-s em calli.goria peror a osle juizo. a cuja jurisdioro
tonar iie
ruilu
"" ,"............ .--.,-,------,. ... poi lor a e.Mr |uizu. a ena iiir.-oiei-.m -i.
te de novo en. publica para Ibe [azorraos re que ,,, illK ,. a ., ,.%,.'<,,.,,., \
se o w. Malinas, por darnm ntamdw-U, edefen- t de ag,io de ixtii.. lanHbwe ihe rai-r
dor aqu mal e porcaniente o Sr. Travassos \ aldez d;l (,lllip,.|(.linil lW,w ,ll(. Merecen urna coiuuionda, ramios outros que des- ,|Ue cha as snas aiiribun-iVs. m.al o
....
dos. horrores, o violencias pratieados pelos domina-
dores dai|uella fatal poca, e o que mais om
opposieSo ao propro mandariin da aetualidade, que
entilo muito m- distingua, c se singnlarisou por seu
descommiinal .encarni^amento, e furor contra os
proprios liberaes, a quem veio mendigar a impor-
tancia, e influencia para galgar as nrimeiras posi-
5oes. e ao depois menos presa-Ios.
Coiupulse-se o Diario de Peruambuco, daquclle
tempo, c vcr-se-lia que as duas nicas, o poderosas
vozes ipic na assembla provincial se crigiram com
luminosos discursos em prol dos liberaes entao
perseguidos e tortorados, e arrastados ate do recin-
to deltas foram as do sempre cltorado dezembarga-
dor Mondes da Cunha, c do Sr. Dr. Jos Antonio de
Figueiredo as mais rendidas e calorosas diecus-
ses com os facundos oradores, e figuras preemi-
nentes Maciel Monteiro, Nabuco de Araujo, e Pau-
la Baptista, alm desses uinotes, que ora aspirara
a sna successao, .sem Igual ment.
Procure-se lr o peridico Maccabcv. redigido
om parte telo Sr. Dr. Jos Antonio de Figueiredo
pouco de|n)is daquellapoca, e quando todos iran-
zdos anda d" susto c de terror tremiam ante o
ao Sr. Dr. Jos Antonio de Figueiredo, que por
ututos ttulos o merece, e m-iii duvida correspon-
der plenamente o mandato popular.
N3o era sem muita raz3o, que algumas
vezes dizia Cicero, mitero inlerdum ci-
ves optiine derepubliw mrito.
Quando vemos nos jornaes desta cidade
recommendar-se ao corpo eleitoral os nomes
de varios cidados, que se julgam no caso
de representar o paiz, nao podemos deixar
de sentir, que tenba sido deslembrado o de
um, que nao merece o csquecimenlo.
Se na eleico, que se vai proceder no
prximo dia 8 de setembro, cumpre atten-
der possiilidade, saber, e servieos ; e
se ainda a gratidao um sen lmenlo nobre
oa provincia, que tem sitie viveiro de hroes:
esperamos, que os Ilustres eleitores do pri-
meiro distrteto honrem com os seus sufra-
nhum astringente venenoso ou mortalmen-
te narctico. E' o remedio mais poderoso
e cfficaz para a debilidad.; ou irrilac5o dos
pulmes, anginas, ca.arrho, ronquido, tos-
se, resframento, alTeccoes catarrbaes, es-
carros de sangue e todas as innumeraveis
molestias que alfeclam os orgos.
Os droguistas principaes que perfeita-
mente conhecem a eflicacia e a grande po-
pularidade deste balsmico remedio, o tem
constantemente em ser e venda.
la eavaajalabe ao verdadeiro
amigo.
Espica^a esse animal,
Companheiro Sancho I'anea.
penderam avalladas quanuas e ranladeiramenle
se sacrilicaraui tao Smente movidos polo amor da
patria, mereceriam entao ser marametet, Atuput,
pares do reino etc. etc.
Bom que o governo saba que destncc5es im-
raerecidas, em voz de causaroi.i estimulo e serem
um incentivo para actos patriticos, produzem um
efleito hiteiramente contrario.
.1m recoir.
im amigo.
Attenco.
COMARCA E Pl) D'ALHO.
Habeas-eorptts o ui7. de direito em lavor de Ja-
snino Domingues Carneiro, preso indo juiz uuuii-
c i pal e delegado de polica.
O delegado poe em duvida a competencia do
juiz to direito para nesse caso concederhabeas-
corpus.
Ufflcios do delegado sob as, 1, :t e o.
Oflicios do juiz de direito sol* as. e i.
Sentenca do juiz de direito eondeninando o pro-
cedimento to delegado ir i|iieier asaliar dessa
coniptiteuca.
N. 1.
Delegacia de polica to termo de Pao d'Alho ti
de julho de 1863.
lllm. Sr.Niio podendo a esta hora ( 8 da
noile ) em que me foi entregue o oliicio de V.
S. de boje, dar a V. S. os esclarocimentos a-
cerca da priso lamltem hoje por uiiiii elfectuada
na pessoa do alferes Jesniao Domingues Carneiro,
por me ser indispensavel juntar em publica forma,
o ollico do Dr. chefe d
sitou
qual
artigo (l."i do cotligo criminal, por le -intentos feitos
em Joao Baptista de Froitas Guabiraba. no termo
de S. Bernardo provincia do Cear. e que. por co-
pia acompanhou o olDcio do mesmo Dr. chefe de
polica, e isso em razao da impropriodade da hora
para o eserivao fazer tal trabalho : consulto a V.
S. alim de dizer-me se, nao obstante isto, devo
manila r que o eserivao prepare a esla hora as pu-
blicas formas, que me sao indisponsaveis para dar
at;
nm
qual o dr emn-
eetler habaM-anaas aos i^o-.k por maraWn
snhalteeias. arlo que Ibe cilllipria umeainnUe ma-
lar, porque so o trihanal'/" retaeo leal o poder dr
aprecia-lo.
i'..i|ieluiudo retummemlo ao juiz niumrqal.
gado que s.' 'dislenka de prm-eilu.
les. eerlo tambera de que desde qae
passar rana ordem de hab,;i.<-rorpis em favor de
qualqiler preso, nan u*le este ser mudmm dr pri-
sti un reMMfrass a qaahaaa outra ai.torraar *
pretexto algum.
O eserivao piiblitpio e-taem sua mao, e, tmtm
tle intimada ao |iaeie.ile. a quem condemiin tm
muntripnl detfmmd*.
Itelpuo A-fm-
Cmvmlcani dt Amm*mmtr*pmu
..........- --------.......r-
eiistas. a aprsenle ao juiz n
PaotlAllioi/do julho de MC3.
GOMMERCIO.
Airandra
Bendimento do da 1 a 27. .
dem ilo da K.......
tMtt^TSS
mi mw*
Movlmento A* alfaadega.
Voliuiies entrados eom fazendas IiWi
eom gneros
Volnmes sabidos
cora fazendas
fon. gneros
IV.
i
lili? -(_T| I IIUl^iJ'-IJ^.l t-'t Jlllll.ll Cill jIUIHH .1 lili il.t. .^
Icio do Dr. chefe de polica, em que me requi- \ ',scarregam no /.a ik> af
t aquella priso, e a pronuncia, em virtude da S??2 namartIu**aaaaaw
se arJta o mesmo alferes ocurso as i 512
Descarregam no uia !) de agosto
catanas.
idem.
Iinoortaco.
Vapor nacional Jat/uarilx, procedoM*
#os poi tos do norte, nunifesla :
A saber .'
Do Acarac. -
412 couros salgados, 2 embrutho* pea-
nas deema ; jos Rodrigues Ferrija-
13 barricas sebo. 12 saceos afer o. t?
Joa
I
4
f
3

. I
a V. S. os csclarecimentos que pede.
Aguardo o parecer de V. S. sobre a consulta que couros salgados, 801 meios de sob ;
de S L. Jnior.
461 meios de sola : Joao Jos fe Car
E vamos raolhar a lauca
A pro do triste........
N. TOLENTINO.
Pequeo.
Lemos o seu escripto, e confessamos-lhe ingenua-
mente, que duas cousas nos flzeram crescer agua
na bocea, fra de cassuada; urna deltas a sua l-
gica, que pode fazer inveja a qualquer cnoo de es-
Deus guarde a V. S.lllm. Sr. Dr. Detflno Au-:
gusto (tvaltanti de Alhuquerque, juiz de direito da'
comarca de Pao d'Alho.O delegado de poheia,, va,D0 -uraes.
Emigdio Marques de Santiago. 44 meios de sola ; L. A. Siquein.
t ...ra. Sr.-Ein.saUsfa^ sua consu.ta declaro- *} ^S 2b| W S. '
Ihe : que o offlcio. em que (di os esclarecimen-' .^ ,0,j'0, me,m
tos_ acerca da priso do alteres Jesuino Donungues couros de garrote ; a ordem.
t*t
Carneiro, deve ser entendido em tormos habis,
pois, par maior que seja a presteza, com que V. S.
me deva dar taes eselareeimenlos, nao era possi-
vel que o lizesse s 8 horas da noitc, quando diz
recebeu dito oflicio, bastando apenas, quando mui-
to, que na occasio de satisfazer minha exigencia,
29 saceos feijao, 13 ditos
tos milito ; Guedes dr A
14 saceos inilbo, 13 ditos tartahade
dioca, e 2 ditos aj30 Luiz de F
vares.

miitii Annh


ti a-''
Otarlo e Pernambue Sabj>l<> tft ele Aji* Je <.
174 meios de sola ; J. Busn.
segundo andar ti'in duas salas. 5 quartos. cosinha
fra, varanda dcferronajanella de uioio, e uuia
20 saceos feijSo, far'mha e gomma, 4 coa- ,aMta fimcada lado, e um sotao com 3janellas pa-
ros salgados, 5 macos COliroS miudos ; a MV. n os oitoes, dividido o sotao em 6 insquenos quar-
.! IViei.a de Carvill.n linhos, e urna pequea sala no meio. avista do seu
noel Peicua ue wnjiuo._ cnj %;0OW t0lldu ^ avUia,:r,u total do
DO Leara. me*mo predio de 6:0005, os miaes iura.ii penho-
I caita varias mercadorias eslrangcira, r;ulos |M)r cxl!Par-10 ,, Antonio da Silva Ferrara,
'V
8 SaCCOS gomma (le mandioca. 2 (anJOSCa- coua Jaoiutuo do AbreuUibeiro.
bello, 1 eaiaa queijbs. t barrica vtnlio de
caj em garrafas : ordom.
Elizio do Reg
Manoai de Souza Car-
Tasso Irmio.
; Jos de Santa
; ordem
Joo Francisco
Gama 4
2 caixSes carne secca
Barros.
3 garajos (lila
neiro Piropao. .
152 couros salgados, a
83 inollios courinhos ;
1 garajo carne secca
Auna.
i caix3o carne e sebo
66 molhos corinhos;
Pereira.
153 saceos cera de carnauba
Silva.
1 barriquinha carne secca, 1 camaoz-
nhovos : Jesuino Alves Fernaodes.
1 caixo ferragein eslrangeira ; Joao
Francisco Pereira.
Do Natal.
370 saceos com 2,850 arrobas de assu-
car ; Joaquina da Silva Castro.
I lli cornos seceos coi 79 arrobas e i2
libras; Justino Jos da Silva Campos.
licrebe duria de rendas Interna
geraes de Pernambuen.
Rendimento do dial a 27. :4}M6W
dem do da 28......... 64056b0
IMMJ3M
Consulado provincial.
Rendimento do 4ia i a 27. 3l:000Ml
dem do dia 28......... 341* 17a
31:3il3%
E nao havendo lanzador que cubra o preco da
avaliacao a arrematado sera feila pelo preco da
adjudicacao na forma da le; e para que chegue ao
conheciraento de todos mandei passar o presente
i|ue ser publicado pela iraprensa e afiliado nos
Arrematado.
Xo dia 5 do prximo ou* de selembro irao
oovamente praca, depois de (Inda a audiencia do
Ulm. Sr. Dr. juiz municipal da 2." vara, o engenho
Pintos, com Unjas as suas trras e beinfeitonas.
avallado por 52:000,5, o engenhu (uiaombo, conti-
guo aquello, avahado por 22:0005 e os osera vos que
jforaui levados a praca, 'na agora com o abaJ-
meiilo da 5.* parte uo preco da respectiva avalia-
o, existindo entre os mesmos escravos o crioulo ,.
aenomeTrajano boa,iraestre de assacar avahado iros (1nheiro a f,,,e
por 4005: os referidos bens pertencem a Ucrania .
do finado Jos Fernando da Cruz, e sao rendidos
requerimento da nerdeira e inventariantc. para
COMPANHIA PERAMBCANA
N
\avrga<:So coste Ira a vapor.
Parahiba, Natal, lacla, Araralv, Crar, Ararar
c liranja.
O vapor Jaguaribe, commandante'
Lobato, segu para os portos re-
feridos no dia 7 de selembro pr-
ximo. A carga somente ser re-
cetada at o dia 4, encommen-
at o dia da sa-
bida' as 2 horas : eseriptorio no Porte do Mattos
n. 1. _^__^
wm
m-wmmwM-mmm
COIVIPTABILIDflDE COMWIERCWL
PELO
DE. WTTRUVIO PINTO B ANDEIRA
Proffssor da segunda cadena .do Curso Oununrrfial PrrDam*r>s.
lugares do costame." j pagamento dos respectivos credores.
Recite 5 de agosto de 1863. Eu Adolpho Liberato j Arrematlo.
Pereira de Oveira, escrivo interino o subscrevi. 1 jj0:e g, ,j0 corronjei depois de finda .i audiencia
Tristo de Alencar Araripe. ao liim Sr r>r juiz municipal da 2." vara, ter
l)r. frigio de Alencar Araripe, offlcial
;
. 4
\

MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 28.
Babia-5 dia> patacho nacional D. Luiz, de 133
toneladas, capitao Jos Teixeira de Azcvedo,
eqtiipagem 10, carga charutos e outros gneros ;
l'almeira & Beltro. *
Rio de Janeiro13 das galera iagleza Dolphin, de
34.) tonelads, capitao P. Clarks, equipagem la,
em lastro; Henry Foster & C.
Navios sahidos no tnrsmn dia.
FhiladelphiaBarca uigleza Imperador, capitao
Power, carga assuoar.
Lisboa Lugre puiluguez Julio. cai>itao FA. Mea-
cielles. carga assucar e mel.
O
da imperial ordem da Uosa, e juiz de di-
reito especial do commercio, nesta cida-
de do liecife de Pernambuco, por S. \L
I. e C o Senlior D. Pedro H, que Deus
guarde, ele
Fago saber aos que o presente edita! vi-
rem, que no dia 29 de agosto prximo fu-
turo lera lugar a reunio dos credor da
massa fallida de morim, Fragozo^Santos
C, alim de serem cumpridas as dispo-
sicSes dos artigos 862 e seguinles do cdi-
go comrnereia!, sendo que nenhum credor
ser adraitlido por proenrador, se este nao
tiver poderes especiaes para o acto, e que a
procuraco nao poder ser dada pessoa
que seja devedora aos fallidos, nem um mes-
mo procurador apresentar por doo diver-
sos credores ; outrosim, se pelos indicados
fallidos f6r apresentado projeclo de concor-
data, sero considerados como adherentes
mesma os votos d'aquelles que deixarem de
comparecer.
E para que o preleute cliegue ao coolie-
cimento de lodos, ser publicado pela im-
prensa-e afxado na forma do estyllo.
Cidade do Kecife, 29 de abril de 1863.
Eu, Adolpho Liberato Pereira deOHveira,
escrevente juramentado o escrevi.
Eu, Manoel Mara Rodrigues do Nasci-
mento, escrivo o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe.
faz publ
lugar a arrematacao j aununciada por este Dia-
rio dos seis escravos pertenceates heranca do ti-
nado Jos Fernando da Cruz, os quaes se aeham
DO deposito geral por penhora de Ballbar & O-
veira, avallados cada um por 6005-
Terca-feira 1 de selembro por ser a ultima
praca ho de arrematarse por venda duas partes
da casa
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR,1
Dos portos do sul esperado al
o dia 30 do corrente o vapor To-
en ni ins, eommandanle o primeiro
tenente Pedro Hypolito Duarte, o,
qual depois da demora do costu-
me seguir para os porto do norte.
Desde j recehem-se pasnageiros c engaja-se a
O primeiro
i n. 161 da ma Imperial, pertenceirtes aos parga que 0 vapor poder conduzir, a qual deveri
menores fimos do finado Joo Dionrzio Barbosa, as ser embarcada no dia de sua chocada, cncom-
DOt'S IIELLOS VOLtHES EM 8.a r tt Wi.YJ
COMeilKHKNENti
Prclec^oes theorleo-pratlca de eserlptn-
r.i<;o mereantiL
O segundo Nocoe* de aritlunetica com-
merclal. adaptadas a pratlea das opera?ea com-
merclaes e elementos do systema
metrleo eom snas applleaeoe
ao commercio.
PRECO DE CADA VOLUMR #

10 horas da manha depois de finda a audiencia mendas c dinheiro fete al o dia da sahida as 2
do lllm. Sr. Dr. jtiiz de orphos e rao_ a praca as horas. agencia ra
referidas partes pelo preco da avaliaeao e a reque- Antonio Luiz de CHi
rimento do tutor dos preditos menores Francelino
Barbosa dos Reis, cujo escripto acha-se em poder
do porteim do juizo.
da Cruz n. 1, eseriptorio de
veira Azevedo & C._______
"COMPANHIA BRASILEIRA
DE
No dia 29 do corrente mez, lida* a audiencia do P AQ U Hj 1LS A VArUli.
Sr Dr. juiz municipal da vara, escrivo Atbav-1 i jt DoS portos do norte e esperado
de ser vendido em hasta publica, a quera mais; S*|n*\ at o dia l de setembro o vapor
d'r um sobrado de um andar e sotao na ra Di-1 AjUMWjA^- Princeza de Joinville, comman-
reita freguezia de Santo Antonio, n. 13, cornija- gS dm .lant.- o capitao tenente Santa
nellas de frento, 17 1/2 palmos de vio e 14 e uiiiuiinm Barbara, o qual depois da demo-
comprimento, sendo o sotao lavado, cozlnha den- ra do costume seguir paraos portas do sul.
tro. com quintal, em chao proprio, avallado etn Desde j recobem-se passageiros e engaja-se a
2 5005, c vai praca a requerimento do Guilher- carga que o vapor poder conduzir, a qual devera
me Au"uslo Rodrigues Serte, como administrador ser embarcada#o dia de .chegada: encora-
dos bes de seu casal. mendas c dinheiro a fretc at o da da saluda as 2
Conselho administrativo. horas, agencia ra da Cruz n. 1, escnptooo de
O conselho administrativo para for>eci*nto do Antonio Luiz de Oliveira Atevedo & C
arsenal de guerra, tem de contratar o ornecimen- Para a Baha vai sahir com minia brevulade
to'nara o rancho dacompanhia dos menores do 0 veleiro patacho l). Luiz, capitao Jos Teixeira de
arsenal de guerra nos inezes de selembro e outu-1 Azevedo, por ter a maior parte do carregamento
bro prximos vindouros. .
Paode4oncas, bolacas, eaf em grao, cha
hvsson, assucar refinado de 2." sorte, manteiga
fr'anceza, carne verde, carne secca, toucinho de
Lisboa, bacalho, feijo preto ou mulatinho. al-
queire, farinha de mandioca da trra, a
E*ta obra, apezar de elementtr, vem Minutar urna larima, que era sentMta rn o
onde failecem eseriptos de certas especialidades com areesso a todas as inlelligenrias ;e-
Xoeditorwrasa fazer um senieo dando-lhe publicidade, tanto mais quaii b >*,, Sns^S^cWimerciaes e iudusriaes vio entre nos tomando notavr11 A-senvuly.mj.nr%**
entrar a educaco daquellcs que se quercm appear a taes ramos da vida o ronhprnmtto
dos principios da comptabUidade adinistraliva e lommeinal. Wi.n,ri J
Com este intuito, sob urna forma esaencialmente classu-a, reiinm o Sr. pr. Tturnnoy
principios da comptabilidade commeiriaLno que tem ello- do us elementar, e r->r*^-
os de modo a facilitar o inais possivel o seu estudo a> pessoas u> so destinam a* prolMi
commerciaes, sendo taes a concisao e a clareza |>ostas no desenvolvimonro ros|iectiro. de-sc aprender a materia, chegando-se a cscrijiturar os Hvrea iwr partidas dol.ra.las o api*-
- ^- m...r.., cffm fun-nr da intoi venoao do ii nn*>lre.
-IHi-ialiiM-nt*
car o calculo s operacoes do "commorcio, seni carecer da interven?* do nm iwstre
X
qner pelo da formaeao, existencia e extineco dellas em face da le. .>este api
cadamente recommndavel por sua originalidade e pelo riniho de espcealiMii.
inerciante vima c\m para sua din-ceao. qualquer que seja a forma da "***
do
prompto ; para o resto trata-se conl os consignata-
rios Palmoira 4 Ueltro largo do Corpo Santo n.
4. primeiro andar._____________________
Para o Porto.
At o fim do mez pretende seguir o veleiro e
bem conliecido brigue portuguez Mello l; tem
EDITAES.
A cmara municipal desla cidade
co para conhecimento de seus municipes, c espe-
cialmente do corpo cleitoral. haver o Exm. prcsi- _
dente da prorincia lhe commumeado por offlcio ras da manha, na secretaria do mesmo consono,
de 18 do corrente. que em virtud do 1." art. 24 Sa)a das sess5eS do conselho admimstrativx. para
da lei de 12 de agasto de 1834, convocara por por- fornecimento do arsenal de guerra, 24 de agosto
taria de jfual dala a nova assemblea legislaiiva d 1863
provincial para a prxima legislatura que lera de i
funceionar nos annos de 1864 e 18oo, designando
0 dia lo de novembro viudouro para nelle se pro-
ceder a eleico dos membros da mesma assera-
hla i devenio o 1. districto dar nove membros | pe|a
queiic.idiiuua u^ ..,.^ -~ > --. bem conliecido brigue portuguez jneuo i icm
Maranhao, aze.te doce de Lisboa, garrafa, vinagre, ^ de spu j;,,^^ prompto. para 0 resto
de Lisboa, garrafa. .....~
Quem quizer col..
as suas propostas no dia 31 do corrente, as 10 ho-
Ia" rj;,,i, anresonte'aue lhe falta, trala-se com os seus consignatarios
contratar o dito rancho aprestn JJ^ Qg de 0[lweir Antouio Pedro de S Brrelo,
Coronel presidente.
Sebastiao Antonio do Reno Barros,
Vogal secretan o.
secretaria da cmara raunicipa
a legislativa provindal conforme dis-1 ^^ ^ foz w|co a terceira
o decreto n. 2b3J (K' l- ae seiem j-.; a maam* amia nn nre-
O Dr. Hermogenes Scrates Tavares de Vas-
concellos juiz municipal da Ia vara d'esta
cidade do Becife de Pernambuco e seu
termo por S. M. 1. e C. ele
Faro saber aos que a presente carta de
'ditos viran e delta noticia tiverem como
Jos Joaqoim d'Oliveira me fez a peticSo do
tlieur seguinte :
lllm. Sr. Dr. juiz municipal da primeara
vara. 0 commendador Jos Joaquuu d'Oli-
veira devendo-lhe J>> Gomes de Albergara
a quaotia de trezentos mil res importancia
de renda de um sitio na Estrada Nova, a
contar do Io de margo do auno passado sen-
do que para seguranca d'eeaa divida elle fez
enmargo|nn iodos os bens pe lhe foram cn-
ontrados, por este juizo -*owao Motta.
Sendo feKo dito embargo no producto
dos mesmos btfns por occaso de serem ven-
iTftos em leilao no juizo rommeicl a re-
qoerimento de Jos Luiz das Nevea, quer la-
zcr citar o mesmo devedor para fallar aos
termos de um libelto civel em que elle pre-
tende pedir dita quantia. reqner pota a V.
S se (fono deo mandar citar para a Ia au-
(ji,.cjjaoni a pena de revena ficandologo ci-
tado pantoili'S os termos da causa dita sua
final execncao porque o sapplicado se tem
evadido d'esu cidade nao se saliendo para
que lugar, l rVquer igwtoiente a V. S. se sirva
incerteza de lugar para effectuar-se a cita-
tte requerida por ediftos.P. a V. S. defe-
imento.G. R. M.Fonseca.
E mata se D3ocontinba em dita peticao a
qual s.....lo-me apresontada nclla dei o des-
pachoo llu'or seguinle: Jlesltiluiiila jusli-
lique a ausencia. Rerife. *l de agosto de
{83.'lavares de Vasconrellos.
K mata se nio conlinliaem dito despacho
depois do que se via e mostrava a replica do
theo:- seguinte : OsuppRcante acomodo-lhe |
agora ter j justificado a ausencia do seu de-
vedor por oecasio de ausente que effeetuou
parante este mesmo juizo onde foi julgado|
por senlenea o dito aresio, requer a V. S. se
digne de mandar passar lego os editaes e re-
.eher.i meiv.Fonsera.
E mais se HSo contiuba em dita replica;
nclla dei proprio despache do thoer seguinte:
Passe editaes por trinta dias. Recife, 5
de agosto de im'i. ^Tavares de Vasconcel-
los.E mais se So continua em dito despa-
cho, petico p replica aqui todo copiado, em
virtude de quaes despacho o escrivo que
ata subsereveii mandn passar a presente
carta de editaes por 30 dias pelos quaes dei
seu theor de decena sitio e lugar citado ao I
supplicado ausente Jos domes Albergara
para todo fim declarado na petico cima/
transcripta sob pena de revelia^elo que toda
e qualquer pessoa amigos ou consiliados do
supplicado o podenio fa/.er do que cima fica
exposto. O porteiro do juizo publicar e a-
poiar no lugar do costme e ser publicado
pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de
Pernambuco aos 7 de agosto do anno do nas-
cimento de Nosso Senlior Jess Christo de
18(53. Eu Manoel Jos da Molla escrivo o
subscrevi.
Hermogenes S. Tarares de Vascomelbs.
O Dr. Tristo de Alencar Araripe, oflieial da im-
perial ordem da Rosa e juiz de direilo especial
do commercio nesta cidade do Recife de Per-
nambuco por S. M. 1. etc.
deait8dUL'ClC,UU' """ "V sesso ordinaria da mesma cmara no pre-
Pacodacmara municipal do Recife m sessao sente anno principia no dia 3t do corrente,
de 2 de agosto de 186=1.Bndolpho Joao Barata nQS ^ ^ seguem.
de Almeida, pro-presidente. Francisco Canuto o U|.ia da camal a
Secretaria da cmara municipal do Reci-
^S'i^^a^M^fMA\tBi 24 de agosto de 1863-
tarao em praca nos dias 31 do corrente, 3 e 5 de j O secretario
setembro prximo vindouro. afim de serem arre- Francisco Canillo da Hoa-nagcnt.
inaladas as sc-uintes rendas munieipaes : Crrelo geral
Impost de atlir^5es....... _; *[? Pela administracao do correio desla cidade se
dem de 80 rs. por carga de farinha... *""* f nublico nara fiis convenientes, que em virtude
Alagad da casa da ra da Florentina.^ ^ 5035 ^ f***> """Jg do rlme,o geral
criplorio ra da Cruz n. 1.
ara Lisboa
vai saliir brevemente o brigue portuguez Bella F>-
gueirexse por ter a maior parte da carga engaiada :
para o resto que lhe falta a passageiros, para os
quaes tem excellentes commodos, trata-se com o
consignatario E. 11. Rabello, ra da Cadeia n. Sa.
Para a Itahia
OpalhaboteGffi-iftaWtem parte da carga, para o
resto trata-se rom Tasso lrmaos.______________
-- Yende-se a escuna aiueiicaua
Mennie, de 127 loaeladas o de piintei- i
raclasse;s prcteadeBle* dirijum-se
rua da Trapiche n. 8.
ste ai>|>en(liri'. dupli
>. U*f>. o rooi-
que rontraia. i
CoinpU:ta e>te\oiun^~^f>erinTenou resumo de una .sc'ripturarao. ficticia v.-rdade. "*-*
tildo semelhante de urna casa de roniinercio ordinario, off.recendo urna sene openym
successivamente mais difficeis. qaa assim inicia gradualmente a maneira de esenptura-tt
nos differentes livros de urna casa de commcrci. ,_,,. __ ,rt^i,niu
0 segundo, egualmente fwmulado sobre a obra de koiflaaor, t*-^-* t*rt*nbrmm
da aritbmetica comniercial com exercicios e problemas pelo n.eio n.Ji> s.mpW>. i^"
da regra conjuncta. acerca de todas as operacoes prati.-as usnae* do rfttmihTi<. *>IV'^'~!
clculos de cambios de praca praca e |Kir pneas interme.has.lH-m ciio neg;*-..- WH
com arhitragens de cambios, alm do desenvolvimento do s\st-ma in.Hr.co em sua rfiaroes
com o commercio, Ilustrado por mei' de taliellas de converso.
O editor nada mais ac.resrentar estas breves palavras. que awas demrti>tram aWa-1
portancia real dista obra, devida a intelligcneia e a applicacan ac. orada do seu autor, -ma '
que ella de utilidade geral, e que a nenlium eoBBetriante e mesmo a hmnem algnm d^ let-
tras licito deixar de possui-la em sua estante : pois o couimerno era ryas variad evwhj-
c5es, enh'nde actualmente com ludo pie se liga a vida. .
A assignatura toraa-se as livrarias dos Srs. (.uimaraes >\ Oliveira, Nojroe.ra de Sot-
za. Juliao & Pereira e Gerallo H. de Mira, sendo realisada sua importancia p.H 'l'i.Ha de rada
volume ao sahir do prelo, para o qual ora entra o primeiro.
O EOIT..R.

: '.< '.y ,r-
X' '.

INTERNATO

''%
kiugui-i u.iuM u.i i u u.. ..-.--- j ,ln ilisnosto do art "O 138 do regutamemo ge.a.
Os pretendentcs ataes arrematares nao pode- do ^P* ^ S Sembr de 18U e artigo
o nSlas licitar sera que aprsenle..! fiadores ha- ^^ ^gg SJJlio de 1851. se pro-
.litados na forma da le. mcocc rP1w o consumo das cartas existentes nesta ad-
nhaa, na porta do mesmo correio. e a respectiva
de i't de agos
de Almeida, pro-pres
lioaviagera, secretario.
DF.
LEILOES.
DECLARACOES.
Faco saber aos que o presente edital virem e
delle noticia tiverem que no dia 31 de agosto do
corrente anno, se ha de arrematar por venda a
.,uem ais der em praca publica des*- juizo. na
sala dos auditorios o segrate : 1 sobrado de n. 1
do becco do Noronlia freguezia de S. tre Pedro
Goncalves.tendo2 andares, rae.a-agua sendo as
lo^Tdividas em dous quartos, urna ^ra porla e
anella e outra eam urna porta, tendo cada.urna
urna pequea sanl.a e um quart.oho e o pnmeiro
andar com quatrojanellas na ^"^""J*^
dous quartos e um poqueno quarto qw' "^
cosinha, eo segundo andar lena 3 janel as, ma
sala na frente, 3 quartos c cosinha na s
costana, e o segundo
a vista de sen estado avaiado fraJ*:2?*S_e
mais duas tercas irtes de mu obrado de 2 anda-
res na ra da MJeda n. S na mesma tmunu
tendo 3 portas na frente, sendo duas que senei aa
entrada da loja. urna que serve aos andares, tendo
o primeiro andar 3 janellas na fronte, varanda de
ierro, duas salase 5 quartos e cosinha lora, e o
CoumcIio adnainlstrativo.
dBVonsellio adiiunistrativo. para lo.nuci.neu.o du
arsenal de guerra, tem de Comprar os objeetos se-
grntoa:
Para o quarto batalhao de artilhana.
, ilo bouels para inferiores e soldados.
27 ditos para msicos.
513 enchergoes.
ISO mantas.
31 pares de palatinas para msicos.
i pares de dnaa para sargentos ajudante e quar
tel-inestre. .. .
:7'i pares de ditas para inferiores e soldados.
Ib" pares de di las para tambores
30 bandas de lia.
1.283 pares de sapatos.
1.850 covadosde panno azul.
150 ditos de dilo lino.
1.500 covados de bollanda de forro,
i 615 varas de brim branco.
3,910 ditas algodaoziilio.
200 varas de ainagera.
10 1/2 varas do galo de prata de racia pollcga
da de largura.
5 236 boioes grandes de metal com bomba.
2 618 ditos pequeos de metal com bomba.
378 ditos grandes de metal pratiados.
162 ditos pequeos de metal pratiados.
101 pares de colxetes.
Para a companhia de artilices.
108 bonete para inferiores c soldados.
IOS palatinas para ditos.
105 manas de la.
7.i enbergoes.
325 covados de panno azul.
21 ditos de casimira encarnada.
393 covados de bollanda de forro.
52 1/2 varas de aniagem.
662 1 '2 varas de brim hranco.
377 ditas de algodozinbo.
1470 botoes grandes de metal com bomba.
733 ditos pequeos com dita.
105 pares de colxetes pretos.
Companhia de cavallana.
48 pares de botins.
202 eneherges.
125 pares de luvas.
60 mantas de laa.
122 covados de panno azul.
15 covados de hollanda de forro.
725 1/2 varas de brim branco.
355 ditas de algodozinbo.
Presidio de reinando.
100 pares de formas ctrapiadas.
2 arrobas de tai as deencostar.
1 dita de ditas rompridas de levantar.
1 dita de preguinhos francezes para
SO colchoes e iravesseiros de linho cora 4 pal-
mos de largo e 20 de comprido cheios de laa.
O camisollas de brim de liuho.
20 cobertores de laa.
60 lences de linlio com 2 pannos de largo e 10
de comprimento.
25 pares de cbinellas razas de couro.
10 guardanapos de linho. *
21 talheres de facas, garfos c colheres.
canecos de folha de 8 a 12 oncas de liquido e
coaaw^as do lado.
20pratos de foHta dobrada.
21 ditos razos c 24 ditos fundos.
20 tijellas de louca azul de 8 a 12 on^as.
10 esearradeiras'de metal.
12 toalhas de linho para rosto com vara e meia
de comprimento.
Para o arsenal de guerra.
20 livros de talo impressos segundo o modello
que existe em poder do escrivo das ofllcioas do
mesmo arsenal, tando cada um 100 folhas.
Ouem quizer vender taes objeetos aprsente as
suas proiMistas em carta fechada na secretaria do
consellw, s 10 horas da manha do du 2 do
Sala das sessiies do conselho administrativo, para
fornecimento do arsenal de guerra, 27 de agosto de
IQC')
Antonio Viro de S Barreto,
Coronel presidente.
SehaMio Antonio do.ikgo Bmros,
Vogal sorretasi.
i lista se acia desde j exposta aos interessados.
Administraeo do correio de Pernambuco 21 de
agosto de 1863. O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
C-.-relo.
Pela administraeo do correio desta cidade
faz publico que eui virtud. da oonvm<;:u> pwial,
celebrada pelos govivnus hiasileiro e francez se-
rao expedidas malas para a Europa no dia 30 do
1 corrente mez. de conformidjMjecora os annancios
' deste correio. A^aTtts^s.>raVrecbulas al duas
! horas antes da que for marrada para arsaioa vapor, e os jornaes al 4 horas antos.
Administraeo do eorreio de Pernambuco 21 i
DK
Urna casa terrea em chaos pro -
prios sita na ra das La-
rarajeiras n y
Quarla-felra 2 de siMufc vimloure a w'-' dia.
O agefate Olympio acha-se aulorisado a vender
em leila a casa terrea em chaos propr.os sita -
i o
na
!> l.aiangeiras... 9, tendo a mesma 2 salas.
Msm f iiuintal rende mensaTmenie 105,
jssos
Miranda
Administrai;
' agosto de 1863.O administrador.
Domingos dos Pas
Peranle o Sr. Dr. juiz de orphaos desta cida-
de se hfio de arrematar por venda, no dia i de se
tembro, por sor a ultima praca, a requerimento respectivo mventariante. una casa terrea e o do-
minio directo de diversos terrenos B*M na ra
Imperial desla cidade.
No dia 1" de setembro prximo futuro linda
: a audiencia do lllm. Sr. Dr. juiz de orphaos desta
cidade tem de ser arrematado por renda o sitio
; denominado Areia Branca, as Curcuranas porto
i da povoacao da Venda Grande, com boa casa de
- venda, estribada de pedra e cal, porcao de co-
queiros. dando fructo e grande terreno de planta-
cao principalmente para melancias, os pretenden-
tes comparocam no referido dia para dito Un.
De ordem do lllm. Sr. juiz de paz do 1." ffis-
I trieto da freguezia de Santo Antonio, o capitao Jos
I Luiz Pereira. faco saber a quera conv.er, que, pe-:
1 ranto este juizo s se dever comparecer aos raems
conciliatorios, por outrem, com procuraco bastan-
te passada por tabclliao. e quaudo forpela propria
parte seja reconhecida a sua firma, nao se adimlte
apudactas.O escrivo. Silva Reg
AVISOS DIVERSOS.
<3
1
varios pae- in
lecimenl"
. hu 1 ii' -
LOTERA.
Quinta-lona W do setenilu" prximo se
extrahir a BfiXta parto da tnvoira lotera do
Gymnasio Parnambucano (3.a concesao).
Os bilhctes emeioa bttbetes acham-se
venda na respectiva thesouraria, ra
Crespo n. li, o as casas commissionadas
ra da Imperatriz n. 41, loja do Sr. Pimen-
tcl, ra Diieita n. 3, botica do Sr. Cbagas,
e ruada Cadeia n. 15, loja do Sr. Porto.
Os premios de 5:000/at i O sero pa-
gos urna hora depois da extraecao at as 4
horas da tardo, o os outros no dia seguinte.
depois da destrtboiclSo das listas.
0 thesoureiro,
ESTABELECIDO NA CIDADE DO BECIFE
Director0 bardare! em uiaibeniatkas
BERNARDO PEREIRA DO CARMO JNIOR.
O director do intrnalo de S. Bernardo, acced.ndo aos pedido- do vario-
re>pectivos collegiaes, c de outras pessoas desta capital, removeu o seu olabeh
di '' "">ra esta cidade. ..,....
Nao .... ado esforCPS "- "> ^cnlice psra proporcionar, ao- >cii>
una nerfeitaeducacr.opinsics- moral, intelleetual < religiosa. oaerer4-ia>me>
bitacao com bstanlos cOBdkadBde salubiidado. habis profossores que sio m>i.oiu^ *
nrenara-los cooveuientementc a.>Vju.a.qiio so destinara. jucUi.-o urlico dfcL11"" '
comprh.-nd.-r os preceltos da higiene e Ibes cure das rjdTOfas e/...almenff-T,ni -a.,
dote illustrado o honesto que Ihs explique os principios da rehgian chnstaa. nm qw
assim constituido nao dcixar o seu esttheteeiinento (W merecer dos ^rs. pa.- .! fami-
lias o auxilio o conlianon com que ja alg.uis o ten. honrado: e lhe< roga l.om m.....
todas as pessoas Oteressadas, que se dignen, de visitar o mesmo seu eslabelec.menU..
onde sempre encontrarao franco ingresso. ___
Ocollegio tom a sua sede no cspaeoso edificio n. 32 a ra da Aurora, eonligiio ao
do collecio dos orphaos. .... j .!.
N,,< estatutos do collegio, que e.-tao a disposiclo do meas os antaer b-r. sr aeham
consignadas as condicoes de entrada o matricula MS MM aula- do ^labeleri-
ment.
levantar
THEATRO
DE
E.HPREZA
DE
A. J. MIARTE COIMERA
Recita livre la a..*ianalura.
Salibado, 2! de ajoslo de 1863.
Primeirarepresentacao da magnifica comedia em
tres actos.
NOVO ESTABELECIMENTO DE MEDICINA HOMEOPATEICi
RA WOVA I. -I.
0 Dr. Sabino 0. L. Pinho mudou o seu CONSl'LTORIO para ti*
Antonio Jos Rodrigues de Souza. rua >-ova 43, onde continua a dar consultas todos 08 das uteis desde
Os enfermos, que o procurarem logo na invasfn. da moloalia,
mado .nialciHer remedio, nem allopatbico, nem bomeopatb.co, pagara
estipulados. Esta concesso tem por (im facilitar a cura de molestias.
se complicadas pelos emprego intempestivo da tl.er,.|.euUca e
nara a bomeopatbia maior numero de adeptos pela bateza da c
pan
PORTA FALSA.
Seguir-sc-ha a representaoao da applaudida co-
media em dous actos,
0 DOUTOK (IIAM11 '.
Dar m ao espectculo com a muito espirituo-
sa scena cmica, original do Sr. Antonio de Souza
Pinto; e representada pelo Sr. Guiraartes
UM BARBEIRO POLTICO.
Principiara s 8 horas.
AVISOS MARTIMOS.
COMPAIHfA
DAS
MESSAGERIES IMPERIALES.
LOTERA
O abai\o assignado venden em seas folizes bi-
ll.etes garantidos as dua< sorles de 5:0005 e de
1:0003 em meios bilhetes, e outras monas de 1003.
405 e 205 da lotera qne se acabou de extrahir a
beneficio da igreja de Nossa Senhora das Nevcs
de Olinda. e convida aos possuidores de ditos bi-
lhctes a vrem receber seus respectivos premios
por inteiro sera descont algum era seu eslabele-
cimonto Casada Fortuna rua do Crespo B, 13.
Assim como tem evposto a venda os novos e le-
lizes bilhetes da sexta parle da tercera lotera do
Gvmnasio Pernambucano que se exlrah.ra a .1 de
setembro prximo em sua dita Casa da Fortuna
rua do Crespo n. 23. c as outras do costume, cu-
jas sorles que elles obliverem serao pela forma pa-
gos urna hora depois da extraecao.
Presos.
llilheles intoiros..... 65000
Meios bilhetes...... -*00
Para as pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Bilhetes........ 5*300
Meios......... W30
_______________Manoel Maiiins Fiuza.
20$0n0 de graliflcuro-
Perdeu-s? urna cliave de burra no cami-
nbo da rua'da Cruz, pela rua do Trapiche, aecimento.
Corpo Santo, rua da Cadeia Velha. passa-
ffjir.o at a coclieira do Sr. Paulino, e de ------------
l passando a ponte da Boa-Vista at a pon-
to de Uclvoa : quem a tiver adiado e quizer
traze-la a esta typograpbia, ser recompen-
sada com 201000._________
~"_ o-se a quantia de *)* |elo aluguel de urna
escrara que cozinhe e faca as compras para unu
casa com poHca familia : a tratar no caes do Apol-
lo n. 17, segundo andar.____________________
de ni;irnV' \
meio dia a
quo hajam k-
pagarto metail.' io> pn>. -
que podem t.rnar-
ao mesmo lempu awli
do6 portos do sul o vapor franrez
Estremadure, commandante So-
mer, o qnal depois da demora do
costume seguir para Bordeaux
tocando em S. Vicente e Lisboa.
Em S. Vicente ha um vapor em correspondencia
te o
1 com Gore.
A companhia encarrega-se de segurar as mer-
I eadorias embarcadas a bordo dos vapores, assim
- No dia Magosto do corrente mez, peran- como tambera recebe dinheiro e objeetos de valor
ifti commercio, sera vendido nm sobrado com destino a Londres em transito por Bordeaux
Ap"nm andirv''sotao na rua Direita n. 131, avalia- e Boulogne.
do em Tmi penhorado a Manoel Bomao de Car- Para as eond.cSes, f retes e passagens trata-se na
Iho eisua inumer por execuco de Mello & Irmao. I agencia rua do trapiche n. 9.
., homeopatbia maior numero de adeptos pea uaieza ua cui a
Em atteneo as pessoas pobres, que nao podem sahir de da. o Di. Sal......a
ven dar duss consultas por semanas as tercas e sextas-feiras das seis as seto bt>ri> da
n,tCs chamados para visitse conferencias dev.ms.r dkf|ite pm m*JJJJJ
sullorio desde 8 horas do dia at 8 da noite. na corte/,, do que sor,., alten.!,* na or.W
de sua precedencia, salva a circumstancia de eminente pengo.
ADVERTEXCIA.
O novo consultorio est prvido dos melhores medicamentos, desde a priawa
^E^mS^t&^^^^mtmm de mita a imj.
cacia das ultissimas dynamin'.sacoes do tratamento das molestias djrnmam.
oceupa agora de elevar os seus medicamentos as potencias mais altas (i>or .a a ate aa. >.
afim de verificar por si mesmo a forca dynamica, que se lhe aHriup.
Os mdicos que quizerem experimentar taes dvi.am.n.san>* pqjra..
consulttefSs r?ceitas, que sero aviadas gratuiUimente para os pnlrm
No mesmo consultorio se vende a novissima edica. do
ou Vademcum do homeopatha, obra indispensavel a dos quo
Palh Tudo o que diz respeito-a nova medicina se acha abundantemente nee novo ft
mV
o Di. Satimo se
dirigir ar
Thesouro kjmt\nmlk>m
naamm nsar 4fcrVm-
DE
__Fugio na noite de 27 do corrente urna mu-
lata de noine Baymunda, alia, cara redonda e fu-
la com o cabello cortado rente, beicos grossos e o
de cima com urna cicatriz um pouen descarnada,
, com falta de dentes na frente, levando urna argota
No d.a 30 do crreme espera-se r-aiheim no pescopo. esta mulata
' tem o costume de fugir para os an-abaldcs: quera
a pegar leve-a a seu seuhor o major Joo do Reg
Barros Falco que ser Igcnerosamente recompen-
sado.
DE
J. VIGNES.
tt. ft&. WUA DO IHPERA1K M.
Os
pianos desta antiga fabrica sao hojo assaz conhecidos. para que ffl* ^""r/J"
a suDerioridade vantacens e garantas que offerecem aos compradores, pululada e \7m2Zt**am K i.i... n< nn tem apparecido nett praca ; ps-
IMSir MSfr a
^tas inrn
veis me elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem .
__________________--------------------- adddV um teclado e machinismo que obedecem a todas as vontades e caprichos *m
Ha para alugar-se doos escravos mocos para fall r serem fabricados de proposito, e ter-se fe.to ultinv.mente m-moramemst.
ervico : no Arraial passando a casa ama- tLssimos para n cijma deste paiz; quanto s vozes sao melodiosas e flautada, e por isto mas
'" h'ki<>-__________ veis aos ouvidos dos apreciadores. .._,.. ..
Fazem-se conforme as eneommendas, tanto nesta fabnca como na 00 sr. n
todo serw,
relia segundo sitio que fui do

.^
(MJIlLADai


I
/
V
PROTECCAO
Msicas para piano e canto, ^A^Cx^
de das s forjas t ^^fififtll D^ a.? T fan''
yendc-sfbaralissimapara fe de todas as forjas e
JMl)ar ^^nBHnsnl n^ eade-se harafissioia para
O NOVO ESTABELECIMEMTO "*"'
DE
possivel espera crecer a protecca* do publico cm geral.
Cortes de Ida muito bellos.
delicadsimos corte* de lia com barras o melhor me ten Wndo a este arovincu
iarjandis de padraes delirados e muito finos a 400, a 210 e l! 28Trl \ U
Laas de quadros nniiiu duques a 320, rs, o COTadd. '
Para nonas, temas.
O rico vestido de bhinde com sua manU bonita sua grinalda de mmto qosto te-
mos a cambraia de hnlio pan camisas, temos as saias bordadas, temos o esnarlilho te-
mos o balao muito redondo e muito chique, temos os ricos cortes de cambraia ricamente
bordados, temos o bramante belga para lencoes, temos a bretanba para camisas
a selecia ou o esguiae para os labjrinthos, temos as rapas pretas a Luiz UL temos a cha-
pelma a Mar,, Pa com o sen veo muito chique, temosos entremeios largos ricamente bol-
dados como mnguem tem, propnos para enfeites de roupas brancas. AsL oomo lomo as
fazendas cima mencionadas e umitas outras, que seria enfadonho menciojiar.
N5o se esquecam fregnezes, at logo.
Diarlo de Pergjgnco^^bnado 9 de AgosJoc i8 NOTICIA NOTICIA NOTICIA.
AURORA
LARGO DA
RRILHAOTE.
I, U
SANTACRCJZ
No grande armazem denominado AJ'RORA hnnuiVTi? .__. i
trara sempre variacao de cenen- ,V imiLHA.NTE o rcspeitavel publico encon
des que vnham aomerc^lS por pr^0?.0 ,serapre das Chores e mais novas qualida
Cari*- do sol verdad W?^ '^ preco Jnais to 'i em outra parte :
Touci.mo de J^^vll' ***** em ^ a 5W C"
PreSSC^"sun,os "ovos libra. '.
^T-* inglezes para fiambre a. .
Candes de visita
Cart5es de visit
Carteos de visit
Cartees de visit
Cartoes de visit
Cartocs de visit
Candes de visit
Candes de visit
Candes de visita
Candes de visit
85000 a duzia
8MXI0 a duzia
85000 a duzia
8.&000 a duzia
8000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ra de Imperador
_t_
BAMCO I M \|l
ESTABELECIDO XACUMDE DO PORTO
Agentes em Peraambuc*
Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo k .
Sacara por todos os paquetes sobre o
mesmo banco a prazo ou vista, sobre a
raixa filial cm Lisboa, e agencias cmFi-
ueira Coimbra, Aveiro, Vizeu, Viila-
tfeal Regoa Viannade Castello, Guima-
raes BarceJIos, Lamego, Covlha, baga,
Penafiel Braganca, Amarante, Angra
u?a a TCe,.,ra'Jlha de Fai:,s- miada
Madena, \illa do Conde, Valonea, Bastos,
Oliveira de Azemeis, Chaves c Vafe,
; oito das vista ou ao prazo que se convn-
I cionar.no seu escriptorio ra da Cruz
^S7Taz!* Sllva' Prtuguez, reira-se
para o Rio de Janeiro.
O padre Flix arreto de Vasconcelos abre
impi-etenvelmente a sua aula de lalim e framez
no dial." do prximo vindouro mez, em a ra da
Roda'n. 13.
ff
I
Carvalho fc \ogiielra
tacara sobre Lisboa e Porto: na ra
d Apollo n 2Q.
(Est para alugar-se o segundo andar do
sobrado n. 41, em a ra da Aurora : quem
o pretender dirija-se a essa mesma ra
casa n. 10 que achara com quem tratar.
Alugam-se 3 quartos e urna saleta no bairro
da Boa-Vista, cora commodos para pessoas soldu-
ras, tem agua e quintal, tudo por muilo commodo
preco : a tratar na ra dos Pires n. 54.
360
640
15000
15000
320
500
-----..--------------. 800
jiH'ijos do sertao libra a .600
Ditos do Reino a 15800, 2 bolos 25400
Cha hysson a 25400 c 2(oo
Dito miudinho muito superior a 25800
Dito preto a 25000
Dito prelo em macos a. 15800
Dito do Rioefn latas a 15600,15800 e l^m
Ancorets com azeitonas novas a 15200
a garrafa c libra. .320
Gomma do Aracaty muilo aira a libra 100
Tapioca ou farinha do Maranhao a libra J40
Gomma mais baixa arroba 15800
libra......60
Saceos com farinha igual a da trra.' 65000
\ Ditos com milito 24 cuias a XMQO
Ditos com farello a LggQO
Ditos com arroz de casca. 451 |0Q
Amendoas novas de casca mole a libra 280
Copos lapidados para agua duzia a
65o00e paravinho. $1888
Ditos lisos duzia 15800 e jj^oo
Manteiga ingleza flor a 800 c 9 )ita.naisabaixoa720e. 40
ualidade dosgenoros ana** hamaitosqueo-eixamde se annunciar tudo da'melhor
Marmelada nova a libra.
Litas com peixe de escabeche .
Ditas com savel, salmao, salmonete e
outros......
Ditas de urna e meia de ameixas fraii-
IV,cms- 15200
Ditas com massa de tomates a libra 640
Ditas com figos de comadre 4 libras.a 11000
Ditas com ostras para frigideiras 800
Ditas com fructas portuguezas em calda 500
Duzia de latas de graxa lfiOO
Frascos com mustarda franceza. 480
Ditas com gonebra aromtica. iMm
Ditas com genebra verdadeira de Hol-
landa a 640 e .880
Charutos ainda ha pechincha a caixa
de 500 a 15 00
Ditos tinos sem furo de 35500, 25500 e 25000
V mhos do Portocanada 55 e 65 e gar-
rafa 640 e 800
Dato da Figueira lino caada 45800
garrafa.....c40
Dito mais abaixo a 45 e 5o
Dito de Lisboa a 35800 c .' 480
Dte branco de Lisboa carcaveles
e outros ma
lrecisa-se fallar ao Sr. Jos Flix Ri"
beiro de Carvalho, que mora no pateo do
Paraizo, nesta typograpliia.
ALVI9ARAS A NOVIDADE.
Sao chegados Joja das columnas
na ra do Crespo n. 13 de Antonio
Correa de VasconseJIos & C. riquis-
simos cortes de la muito fina com
barras estampadas e matisadas Im-
peratriz Eugenia, cores as mais deli-
cadas como sejam: cor de ganga, de
lyrio, cinza etc., fazenda fnteiramen-
te nova e nunca vista era Pernara-
buco.
%^% %%SOSOS*'
Maques sobre Portiiga
Oabaixo assignado, agente do banco
mercantil Portucnse nesta cidade, saca ef-
fectivamente por todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
qualquer somma, vista e a prazo, po-
dendo logo os saques a prazo serem des-
contados no mesmo banco, na razo de 4
porcentoaoanno aos portadores que as-
sim lhe convicr : as ras do Crespo n
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
0 DB. liOCIIt BASTOS
Pode ser procurado das 7 s 10 horas da
manliaa e das 1 da Urde em (liante no
1.10 Roa do Qaeimado IV. 10
Das 10 da manha z 1 da tarde
5^.18 Hna da Crns .VI!
Cura radical e em poucos das as mo-
lestias syphibticas e as do apparelho ire-
nito urinario. e
Aon. 2.
Nova lojadot barateiros, ra do Qaeimado.
. ^ AKAI4
Grande oxpos., de hnwk* tV to
as qualidade; sei4o por larsl
simo preco, ia Uja e arnota m
Arara ra da laieratrii 3$
Louipuio Pereira Mei4e Urn-
raes.
VcnddnHC chitas cores las,
no toque de mofo a 200 rs. o covado,
eos brancos e com barras 200 rs., \.
para homem 120 rs. o par, ditas pora _
nios, 100 rs. o par: na roa .la fanwua
n. 50, Arara.
Arara rende as eawas a 3tt r*. i mil.
Vendem-se cassas linas para cii;i. a
200 rs. o covado, irgamlrs linos para ves-
tidos a 240, 2H0e :)20 rs.' o cowtfcl
armazem da Arara, na da lmrratm a 5
tota de rkila da Vara a *:*# n.
Vendem-se ctres d.- ,-tiita rom praomo
toque de mofo a 2:5. litas limj.ns a 2-5
- Un, homem portuguez, Cdo eo. ,o^"'. ^S^1WSJ!ZS^ ''***'
milia, ofTerece-se para ser caixeiro ou administra- 'raric. zas a 2MMI o rorl.. na r eb
dor.de algum engenho, sendo perto da prara"a 'mPprat'"iz. loja da Arara n. .%.
pes-oa que annuncia sabe bem Ir e escrevr, e Arara ren anns '^it^ cidade-.onde reside ha 23 Vendem-segrosdenaples pr,*,a |A ^
annos quem precisar annuucie. ,. 9,9 n ..,,,.,,. i,, .'. '?_ ,"'i,*w*
ir:-------3------------------------------.____, Z;>0 co\, ido, ihto de i i Mimos tk' fcar*B-
Precisa-se de um menino de 10 a 12 annos a 25000 o covado rirtM I* ^
para caixe.ro no deposito da padaria da ra do J, nh SL ^1 .^" ***
Cotovcllo n. 31, ainda que nao tenha pratica a R!SJ-a,'.a.a **'00 *' iJ- ,,,fcs '^ a
tratar na mesma. 3,5500 e 4fJ; na loja da Arara, rna ib ha
lieratriz n. 56 de Mondes Cuimares.
tota de lia da trara a 3:ftf n.
Vendem-se cortos de lazinhas para .
)
Hoga-se a pessoa que leve a bon-
dade annunciar 110 Diario de 7 de iiilliu
.pr-ximopassad, leiteda/rvoVe J tidoTaTKT^, 3K
dis^e^tdSriiSn^rvVas^ ".oleslias de pelles, ^yJ^^T^tStSSi
loes de arcos o melhor possivel, a 35500, 4e 5 ; I tenha a llOlldade de declarar 0 luar d0' ditas de qalrinh alpaca de lmho para vestidos, covado a 240 rs.; (|0 sua morada ? nudo ^e mulo ... na nia ,la Imrn?ratriz, loja da \rara n TU ,'
cambraias de cores para vestido, covado a 280 rs. 8U.. dUd e 0,,Ue sc P0(le eu( B- Mondes Giiiinirios
cambraieta muito lina, peca de 12 jardas a 75 trardlt "--------
cassa lisa pelle de ovo, peca de 12 jardas a 75500.
Ao n. 29.
JVoca loja dos barateiros, ra do Quemado.
de merino setim, fazenda de custo de
Pasamento de fcsla por pouco
diiilieiro.
Aluga-se o excedente sobrado da entrada do
aokWit h: T 1 '',azcnaa cust0 e u-""^ p5eiientc sobrado da entrada do
, 205 por 105 1 ditos de alpaca preto a 35200 brim i Monteiro, com grandes commodos para duas fami-
I branco lona, vara a 640: hrin rtn *A*Z m i I lias, e alho*. ru .,,> j:K.::-r
5a, covado
a 15600
AO D. 29. Callad0-
. uuus ue aipaca preto a J200 brim i aonieiro, com grandes commodos para duas fami-1 linpas, linas a 320, :MiO o 400 1
RimV ; de c-es ,)ara cal" I C alu8:a:sc Pr Puco dinheiro : quem preci- riscado franeez a 280 r* o ro
lo a 480 rs.; camisas com peitos de fustao, sar, approveite em quanto tempo : a tratar na da Imneratriz n i L^
; chapeos de sol de alpaca, a 35500. ra do Vigario n. 8 com Cosme Jos dos Santos aS *
,1,1 ti )(( Callado. maides.
Oh! que pccbiaclu a >ia
eblta larga.
Vendem-se chitas franrezas rom
toque do mofo a 240 rs. o wat. ,hi
lupas, linas a 320, 300 o 400 rs. o owad...
o ornad*>: na roa
.Vfc-wk-s tim-
Nova loja dos barateiros, ra do Quemado.
Para acabar.
Bicos preto de linho, vara a 120, 160, 240 e 320
"; nrii^rra<2ls e trancas Pretas e de cores, vara
COMPRAS.

Esta para alugar-se o primeiro andar do so-
brado da ra das Aguas-Verdes, e o pequeo so-
brado da ra Direiia n. 83, e a loja do mesmo com
armario para taberna ou deposito : quem preten-
der falle na ra das Cruzes, sobrado n. !). lado
dire.to quem vai da ra do Queimado para S.
,*tv, S "^ .a loja d0 sol,raao 193, e arma-
h a 11 a rua lml)erial armazem n. 4 da ra
do Apollo, e a casa n. 27 da rua do Burgos: na
>ua da Aurora n. 36.
Arara vewJe nuda*! a !:# n.
Vendem-se peras de maibpfl*franre2ft.
no, testado a 4/ o 4550o. ditas afbxts
'ii "ic""l^"" ""^i"11 uc cures, vara --------------------------------------------------. com 24 jardas, linos a 1$, 7>50O 84 M
algSo^astwVll^ara^f^ T^ cffectiv~te ouro e prat em Jjj P^ .^uezes a olk^s anl^ Tas
feSs' SJ5 W! S. SSffni SbirEs: napr3a 22 ,0- f^na h^ armazem ,la An^ g*
ULULAS
Vegrto-depiiratlvas-paiiIl8tana&.
Plantas e railes rnedicinaes
brasi letras
no DEscouitiDon
Carlos Pedro &*Im"n
'JSJff^J Ja conle^
mnn 0jramaclas em todos os lugares deste
imperio pe|aS maravilhosas curas oblidas
oum seu uso, sao as provas evideHles e in-
coniestaveis de sua acgo o influencia que
- Aluga-se um escravo moro, fll o muito dili- operam em todos os casos de enfermidades
ico: na rua dos Pires n. .-J4. As ditas pilulassao as mellwres que at a-
^Z CamPs ';ima l>edem aos senhores seus
credores que anda nao apresentcam suas letras
paia raeobereni a importancia devida, que sc dig-
Dem deoazer ate o da 3 de setemhro. sendo ne
np nat* olherSa ao den~rto o quedei-
. *ie satisiazer por falta uaqueia aiiresen-
cao.
Companhia Qdelldade d
segnros 111:11 limos e ter-
restres estabeleelda no
Rio de Vanelro.
AGENTES EM PEI'NAMBLCO
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo k L,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercade-
ras c predios no seu escriptorio rua da
\A UZ II. J .
cambras bordados, para baptismo, a 25.
Alexandre de Pinho Borges c Joo Carlos
Lumack previnem ao Illm. Sr. thesourcirodas lo-
teras a provincia que Ihes perteuce o meio bilhe-
te n. 1188 da 6.' parte da 3.' lotera a beneficio das
2S?S G>,mnaci0 Provincial, que corre em 3 do ,
prximo setemhro, estando assignado 110 verso. ^cifc, um grande sitio de trras em Beberibe no
Arara vende ertes
Ira a l|iH,
\ ondem-se c'rtes de oasemira
f M Jl U A S.___________ \0n.1cm-se n'irtfs do rasomira or^st;
~~ ^e rres para calca a ->. t;tmliom n vond^
..ecife, um grande sitio de trras"cm Beherlbe" no ? COva(1?s Para .ca,ra- |lH a
por Lumack. Este bilhete desappareceu do poder. Io?ar do Cumbe ou Coniga, todo fechado de m'ato oova<1 e enfeslaila. rum I 3 t n-^e.
dos annunciantes ; assim previne-sc a quem o fom muita por?ao de lenha para padarias, e cai- uma caira e sae muito liaran, na ba .fc
bros,e vanas sicupiras, um grande cercado para .Arara, rua da Imperatriz n. ."ifi' ," R,
acbou, que tenha a bondade de o restituir a quem
de direito pertence.
Offerecc-^e uma ama para o servico interno
de casa de homem solteiro ou pouca familia : na
rua de Aguas-Verdes n. 14.
. T1 "" fi11'"^ 1 ci 1 iiuu para -i(iia, i ud
vaccas com beirada de rio, tendo proporces para Guimrcs
edificar, a vista do bom banho : uem pretender. rX" V
dirija-se a rua do Hospicio n. 58. C 0,* a
GAZ.
Xa Boa-Vista coa da hnperatrii n. 63, loja de
urna porta, vende-se gaz liquido de primeira qua-
bdade a 4ii0 rs. agarrafa. levando o comprador a
garrafa._______
Aluga-se a casa terrea da rua Imperial n.
t6 : os pretenden! s ilirijam-se Caixa Filial.
l*re.cis;Tsc de um cairejro que
enlendide phanmtcia: na botica da
rua do Caliu^i 11. 11.
gora se descobr-iram, pelo motivo'que ellas
sao nicamente -composlas de puros vege-
taes, recolhidos nos campos e matas da
provincia de S. Paulo, e ellas sao sem du-
vida de uma eficacia incontestaveL Trata-
mentos completos de moifa, livdropesia
erysipella branca, etc, ele, rua* do Parl
n. 119, no Bio de Janeiro,, e em Pernam-
buco na pharmacia do Sr. Jos Alesandre
Ribeiro. rundo Queimado n. 15.
rimda ^"f, Para alugar-se o sobrado na rua
dos Coelhos n. 10, onde moraram os padres lasa-
\OVA HOWPED.1RIA
ATtIVUTA
Rua larga do Rosario esquina para a do Queimado
niiniero 37,
Cal de Lisboa a |ti.
Ba do Trapiche n. 9.
O abaixo assignado taz scienie ao
vel f ublico que o Sr. Lais Ilaptista da
nior.deixou de ser seui caixeiro.
Joaquim Ma.-tinlio da Cruz Correa.
jlM-uau mmm
$fr Joiio da Silva Rmoi mdico pela l'ni-
g versidade de Coimbra. da consultas em
!st sua casa, na rua ;\i.va n. oO. das 8 s 10
gg hora? da manliaa, .1 das A as 6 da tarde, e
B receb" egualmente convites para dentro
m ou fui a da cidade, qom ofim de se encar-
regai de qualquer kervico.de sua profis-
sao.
Os clamados devejro vir por escripto
Aluga-se a loja do sibrado n. -19 da rua No-
va, propria para qualquer] estabelecimento : a tra-
lar na rua da Cadcia n. 62, segundo andar.
Aluga-se una boa cisa terrea com bons eom-
niodos para grande familii, sita na rua do Puco da
I anella, perto do banho : 'a tratar com Predrico
f.hav^s, na rua da Imperatriz n. 1*
f abaixo assignado tendose rehabiliia)lo. e
ai hando-se de posse de sua massa faz disto siVeiite
a seus devedores, tanto desta praca como do 'alo.
alim de que auanto antes lhe mandem pagar
lhe deven afim de evitar despezas judici.W *
cafe 10 de agosto de 1863. ~ '
___________Luiz Antonio de Soma Ribeiro.
Alugiiel.
Aluga-se a casa terrean. 22 na rua Velha a
tratar na rua do Sebo n. 24.
trara aTelIndads
Vendem-se ricas r/.lxas avolu.|*las para
cama a 85, ditas do fusta.. .1.- ,ro a 4T
ditas de chita a 2.->: na rua da
n. 56, Arara.
Arara vende a
Vendem-se cortos do oambraias >n larras
a 2^ve"de-se .arnl.raias Itos [.ara teso**
ihospedaria, com arelado servico.! *' d"na/em (lc lassO & Tmaos. [TOS, ..TTn T\ara de largura por iftO ..
Vinho puro.
.No escriptorio de Euzebio Baphael Babello. na
rua da (.adea n. 00, vendem-se ancoretas com'ex-
O proprietario do conhecido hotel Trovador, ac-' S9ePPu![0, vl?ho lint0 de Jsboa smente des-
cedendo ao pedido de alguns seus amigos e fre- 1P ] 8ast0 ^e asas Particulares por ser re-
guezes.que; por suas W^Tb^S nfo meltldo pcl proPno fazendciro ^vador.
S".^"i'almar ?"te "a geral concurrencia de seu: Ceblas superiores em resteas, a cinco
t--------------------------- svwawMUW '..^1 IUHIIIIIIU \~ ll"'ir-
estabeleccr uma hospedara, com'aceiado servico,
buhares para distraccao e lunch i precos razoa-
veis. A copdicao da cscolha -de freguezes para '
dita bospedarja, a variedade de artigos de comida ,
Precisa-6e de urna ama forra ou captiva que faca
todo servico interno e exierno de uma casa 'a
pessoa que quizer, dirija-se ruado vunrion 27
segundo andar.
---------- Appareceu boje 26 do corrente, na rua do
cespeita- imperador n. 4o, terceiro andar, um escravo que
Silva Ja- diz chamar-se Francisco, pediudo para o comprar
perteacente boje a Manoel Jacintbo Pereira e ou-
tr ora pertenceu a Joao Jos da Penha, morador
no engenho Burralho, e como deelarasse estar f-
gido, e que nao 1a mais para o jioder de seu dito
similor iacintho Pereira, nao se deixou mais sabir
oqualcstaadisposieaodomesmosenlior. nao se ,
ncando responsavcl por morte 011 fuga, ou outra do Rosario n. 3o, casado tabelliao S
qualquer censa que lhe possa acontecer.
'"'lo: nni da lm,eralriz l,a ,1a Arara
n. ;>G de Mendos (uimaros
^jArteml^Mne'^conrai^Treserva'ei'; L6"*54^ rna daCad<,a do R^ife 26, para I ?h le rande nerhlnrka.
^^^^f^^S^BS^^^^^S^J acreditado deposito' da Vendem-s,. |M, as .le-r^rivSTSa,,.
ftfos de condieao, por ventura inferior,e a frescura Km" e S^fnr^T-05, *"! n,ovos Z,'S n"" l L0vati.l.. a IO r
me em ii.ii Anc^/io-i, r se xnerinieniT > "ltimos. s vendem a preco mais barato do que o COYado nroamlu ni, V
sc cxpunnuiia, outra qualquer parte. <">iu, nrganuv> p^ra veslkli 3 :tOo r*
0 covado, olialini j.ara \.Mi.|,,s a
((vado, la para \ostidns a 200rs
I do damaso.. njjnj njnj cl
Arara ,U- Wlt,U-
que em dita hospedara semprc .
sao seguras garantas que animam e fosan espe-
rar as honrosas visitas da classe mais aceiada da
nossa sociedade jovem o alegre. Sob estes aus-
picios o proprietario da hospedara Travista es-
Cal de Usboa e pofassa da
Rnssia. ,
Vende-se na rua da Cadela do Recife n. 26, uara
lili. I ,1 lilll.l. >. 1 I al 1 VI. Km '
A ssucar do Monteiro
^g. n 1 i ""o'" < u.iiimm m
pera a c&adjuvacao de seus amigos generosos para (l/mpcra(!.or n- 28 c caes de Apollo n. rua da IniMoialri/ n :*
charu-167> a 200 rs- a libra, e de 8 libras para cima (iuimaif.es.
1.1- ;i
4io ,
iado
Ainda precisa-se de um criado, na rua estrato
darem saluda, mediante preco "mdico, a
tos de Havana, licores inglezes e francezes, eerve- a 5^000 aarroba.
ja branca epreta, qneijos de prato. londrino e sais-!--------------------------------------------------_____
so, doces estrangeiros e nacionaes, e, em uma pa- f (I pn /' u /, i> t L ,.
lavraatodosos gneros do que est sonido, pro- ,. vn.yvill't
\endc-se uma meia moenda de ferro nova com
! rodetes de ferro, parafusos, bronzes e todos os
~ .....""',':_______, I ~, Al'Wa-se o segundo andar e sotao 11. 37 da
.T^r 'I0 ass,Kau;.1.v"'va de Jos Apolina-l a do Imperador, e o primeiro e segundo andares
rjo da Cunda, vendo publicado no Diaria de Per- d sobrado n. 39 na mesma rua ; qualquer del
MONteco um edital do juizo especial do commer- Iem commodos para familia : a trair na rna do
co desta cidade para ser arrematada no dia 14 de l"'Pcrador, armazem n. 41.
-----,___.-----'ivm.0,01,1 no Uta lar Ut
setemhro futuro s. casa na rua da (loria n. 26 ne-
nhorada por execurao do curador fiscal da massa
fallida de duilherme, Carvalho \ C. contra Joao
- Aluga-se. a loja n. 4 da rua Aova, muito pro-
&2TZSSEZ es'atelccimento, tamben ven-
da-se a armacao a moderna, com vidracas, um es-
ni' O Ole > txntan n^ \l____1____ .. _"*"! ti3
ouaie Alaginano, esenvao .>ascimeiito anrpssa. i nih n. ..---------*""> uiw
pnos aum lunch variado, apetitosa c barato.
A lUya-Se penenees para nioagem de anna," as n como 4
.*' i 'aixas de ferro coado de o, 6 c 7 palmos de bocea
Billa l'asa terrea Sita lia rua da PallUSI Pr menos preco queem primeira mao : a tratar
n. ;0, com 2 saks 2 quartos, cosinha S^ttc^To1 Cunha c S,lva na n,a da
fora e quintal grande : tratar no lar- ------------cola da Baha------------
goda (arillo n. 18, Segando indar. i Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Aze-
propriedade ha muitos annos, comprada por gf
Imado mando, e por elle reedificada, onde sempre
morou, e ainda hoje mora a abaixo assignada e
nnnpa niiri.mpnu JnT.n n,,....i. ve__?-__?
do Imperador, armazem de louca n. 41.
Aliisa-He
Quem precisar de um Porlugu. para com-
pras, e. recados, e mais servieos, at IOS, dirija-se
ao arco-da Conciugao n. 4.
nunca pertenceu a Joao Duarte Maginaro, e era i Para casa de pouca familia uma escrava saliendo
2*taflJ^,aao,paamento da suas dividas. Becife "S ensaboar bem e engommar : quera qui-
26 de agosto de 1863.
Joaquina Mara dos Prazeres,
Eserlptnraeo mereantll
__rf_cisase dema Pessoa pratica de correspon-
- Luiz Ribeiro Trevao faz sciente ao publico
^ muito especialmente ao con do commercio, que'deneia mercantil e escripturacao de nartid-is.
h!tSVZ?& Ua ,m,,eral B" m ao i ,,radas1<,ara S(!r fm^1o n^um escriptorio cot
..r. Laiinndo Pereira .Simoes ; c por isso toda e mercial. E tambera se necessila de nessoa habi-
t^STL^!?*^ Cred" d0 dit0 v"- ^ld.a_Pa,:a !;omPra e venda de mercadorias, rin-
dedor. doverapresentar ^ua conta no praso de
tres das. Jinda* os ipiaes se nao responsablLsa
|)or conta alguraa que se lhe aprescnlar.
Alugam-se o segundo e lerceiro andares da
casa sita na rua Aova n. 21 : a tratar no segundo
andar .da casa n. 19,de jume.
Aluga-se liara casa de pouca familia uma
manar parda para ama a qual cosinha bem : para
tratar na j ua por delraz da rna Sova n. 36,
O abaixo assignado previne a quem convicr
e liara que a todo o tempo nao se possa chamar a
rsrancia ue o Sr. Jos Jacintho P*vao, mora-
na cidade de Olinda, mi pode alienar seus
faena como tem annunciado, ainda nao ponhorados
peto mesmo abaixo assignado, em virtode da exe-
eugao que contra elle promove pela quantia de
doui contos e tanto; e {wrque conste que o dito
Jos Jacintho Pavao proeura azer eonlratos simu-
lado* obre alguns dos taes bens, ,e a predita exe-
cucao devera cntao encaminnar-se contra outros
quaesquer que livres estejam, ou de melhor emais
prompta soiucao : isto posto, o. abaixo assignado,
desde ja protesta proceder pelos meios competen-
es, e para salvar seu direito contra quem, a des-
peno deste aviso, effectuar qualquer contrato a
mpeito de taes bens. Recife 27 de agosto de 1863.
- _______Manoel Tavares de Aquino.
. Ainga-se uma preta escrava sem vicios, co-
^''LeJe.nd.edoira de Pao^e-I, a quera der
vnS.emprestados pelo tempo que se convenconar,
i.cando o aluguel pelos juros la referida quantia
emprestada : a tratar na rua de Aguas-Verdes nu-
mero o.
cifalmente de estiva. A quem convicr, dandoabo-
naeao idnea e as explicacoes pr!isas, queira di-
ngir-se alojan. 6 da praca da Independencia em
carta/echada com as iniciaos F. & M,
zer dinja-se a rua da Gloria, casa n. 26.
a,1 Map-f segundo andar do sobrado na rua
da Seniala Novan. 4S.com bastantes commodos
para familia : a tratar na mesma. W*
iriado.
m^A ,H!SSOa f]ue annun^'0u dar 205 pelo ala-
piel de uma escrava que coz.nhe e compre nde
dirigir-se a rua Nova n. 60, terceiro andar Sue
achara com gera tratar, ou annuncie sua morad"
c.4iiosi?i;>
Jos Pinto de Hagalhaes faz scienie ao respeita-
vel publico que em seu estabelecimento fnebre,
sito no pateo do Paraizo ns. 10 e 12, cncontram-se
todos os prearos precisos para qualquer enterro :
ou actos fnebres, a contento dos interessados.
desnecessario mencionar as qualidades de seus
carros, pannos, etc. etc., porque diariamente estao
patentes, podendo asseverar que oraros estalKjIe-
cimentos de igual natureza nest cidade os nao
tem mclhores e nem servem com mais promptidao
e precos commodos. A falla de concorrencia que
vedo, no sen escriptorio, rua da Cruz n. 1
FARELO-
fua do morim n. 43.
grandes.
Vende-se farelo de Lisboa em saceos
com !)0 libras, pelo barato preco de 4.
< I 1>B I ISIKM
\ ende-se cal nova de Lisboa : no largo do Cor-
po Santo, escriptorio de Manoel Ignacio de Olivei-
ra & Filho n. 19.
. O ll-MS ,|
mai- linas a :i\
a l*m e
Cal de Lisboa
esta soflrendo, (; nicamente devida a posiepes ,u ut'"' aconuicionauas e por preco co
empenhos, barretadas e falsidades, e nao porqu a,Ul deP*ito da rua do Trapiche n.
merecidamente deva ser rejeitado.
Cal virgem chegada hontem em ancoretas mui-
to bem acondicionadas c por preco commodo: no
... do Trapicho n. 13. arma-
zem de Manoel Teixeira Basto
Ma termes
Carros funrbreg.
Qulnteiro 4 Agr teem preparado um carro f-
nebre para adulto, todo forrado de preto, annuin-
f por esta forma ao pedido de muitas pessoas que
fatua da decencia, cujo carro servir com o pan-
no que mandamos vir da Europa, e julgamos que
satisfar a expectativa publica, por ser de velludo
de exeellonte quaJidade e todo bordado em alto re-
levo. Assn como, est sc concluindo um outro
carro de raator apparato para ainda melhor satis-
fazermos asobrigacoes que contrahimos com o
publico e os nossos amigos, de quem nos confes-
samos eternamente gratos, pelas provas de sympa-
thia que Ihes temos merecido, e que esliramos
continuar a merecer.
Advoeacla.
O bacharel Jos Ladislao Pereira da Silva conti-
nua aadvogar nos auditorios desta cidade ende
ser procurado na rua do-Queimado n. 10, priE
ro andar, das 9 horas da manha s 3 da Urde e
desta hora em diante em casa de sua residencia na
rua do Imperador n. 46. na
- A mesa regedora da irmandade de N. S. do
'"cm it-geuora aa irmandade de X S do ^ j'^'^-^ w um peipieno que tenlia
bom Parto, erecU na igreja de S. Jos, convida al ^c tabernajnania da Senzala Nova n. 2.
todos os seus irm5nj Mn ., ~^.. '.,". -----------=;:---------------1-----------------
todos os seus irmaos para urna mesa geraf domin"
goJOdo corrente, as 10 horas da raanhaa Dar
iSiSSiS^'SSSt Consis,ori0 28de
Joaquim Milito Alves Lima Jnior.
Potassa da Kussia.
Acaba de ebegar pelo brigue bamburguez
*^6%!!^^'gX?% 0llol uito nova e superior; vende-s o-
camboas a 13600, canoas de milheiro para cima e'mente no antigo e acreditado deposito na rua
vende-sc tijolo de al venara grossa a 183 o milhi- da Cadeia do Recife, n. 12; onde tambera se
n0n,1 nor?0.c.carreKa-se tijolo dos Remedios vende cal de Lisboa muito nova e nrecos
ate a ponte provisoria a 33 o milheiro, e do Giqui r/)mmn.ln<
a 33 ate a ponte da Boa-Vista, ficando o dono su- *
leito ao descarrego : quem precisar, dirija-se
rua Direita dos Afogados n. 13. Xa mesma casa
vende-se nma canoa propria para carregar de 300
a 3o0 feixes de capim.
Precisa-se de um pequeo que tenha pratica
Precisa-se alugar annualmente ou por festa
mn sitio desde a I'onto de Uchda at o Poco da
Panella, cora algumas aecommodacoes. e que seja
PMede rn corrente : a tratar com 4nlon^' Jos
JiqdViguesi/? en, Da ra ,,0 Crespo X ****& trln aen mg
No da 26 do corrente o abaixo assignado
perdeu um recibo de quatro mil lijlos de al vena-
ba firmado pelo Sr. Vicente Jos do Brito, desde a
rua larga do Rosario at o fim da rua da Concor-
dia, e nao obstante ter sido pago na accao de se
avisar ao mesmo Sr. Brito, comtudo avisa-se a
quera o tyer adiado o dito recibo o mande entre-
gar na nadara da rua larga do Rosario n. 18, que
se gratificara com generosidade a quem o apr-
senlas Y
___________Manoel Antonio de Jess.
Aluga-se a casa da rua de S WtA ,h tr
SK tt ***** ni8- **^%!lSt
ATHI
Aluga-se a casa terrea n. 161 da rua Impe-
rial, com commodos para familia, cozinha fra,
quintal o cacimba: a tratar na rua eslreita do Ro-
sario n. 16.
Aluga-se uma preta fiel, perfeita cozinheira
O abaixo assignado encarrega-se de vam>r
aguar as ras data cidade, por preco SoiSSdo
anuaSXovaqnUe?5UIZerem ^"^ ^e Sse
iiislno primarlo.
Uma pessoa habilitada no ensino primario, e con-
tando mais de 2o annos de exercicio, tenciona es-
tabelccer-sc de novo na freguezia do Recife, e por
isso scientillca aos senhores pais de familias que
desejam o augmento de seus filhos, advertindo que
encontrarn os seus alumnos aquelles desvellos
merecidos, que a pratica e a theoria lhe tem feito
adquirir. Scientifica mais, que por bondade do
Illm. Sr. dejegado litterario da dita freguezia, po-
dem os interessados dirigir-se casa de sua resi-
dencia, rua da Cadeia n. 68, a tratar com o mesmo
senhor dejegado litterario.
Constando-me que no dia 2o do corrente mez
1T*<) rt.irtnlti i ,1.1 n sx-.i. .1 .1 .____- m*
Potassa da Hussia.
Acaba de chegar no navio Queen of the Fleet, a
mais superior potassa da Russia, e vende-se a
preco commodo : no largo do Corno Santo, escrip-
tono de Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, n. 19
Vende-se uma das melhores tojas de ferra-
gens desta cidade, c mais bem iocalisada, e com
peqffeno fundo : quem pretender, annuncie por
este Diario.
trara vende aa halnem.
Venilem-se ns mais liem u*f nin,|er-
nos liah.es ami'ri.an.'s .1.- o -?; 5-^ t^
am.s a 3>iOO i i. 4-virt e -Vv' nKwm
tb'ixara de andar >em halfM. .pi.- ,, |,rery
convida: na rua da Imperatriz hqa .la \rara
n. .)(. de Aleudo (uimai..-v
Ronpa fella r rliaprs.
Vendem-se niiifomn- .-..nipl.-t.., deraae-
mirainglezas ile boa rres a 10-s \*n\
paulte de brimaisrao. dit... tin...,
de inda casemira a 3J30I
eanmira escura a 26. dilas
seroulas de linb.. de bramante .1 |
l-^'Ml. camisas fiarrezas a Ii4'i0i>e l/rnN>
ditas linas a -s e ^'iOO. diuis de Im.Ih. ..*
pregas largas muib. m..l,Tiu> 3 :i>. Wunwn
de niassas de crese prelo a |,S.hN. |>.
-) e 25300, isto .' mais .pie perhineha: na
loja e armazem da Alara, rua da lnHieratriz
11. 56 (leMeiides Guimares
Tarlalana da Arara a ir%.
Vendem-si'tarlataiia de .-.Ves tiara \,-,u-
dosa 400 rs. aura, (ilude li|H. de .Vires
para mosquetein. a HiOrs.., covado .-nlVi-
W pira cabeca de senbora a l. t K
')sraaism...lc.tK.sl|ue t.,,, ,|H1m, tmtm
Para salas por 53 cada um. toalhas '.iTCn
paranntoaGiOrs., ditas peh, 7Tl
melhor que ha em toalhas : i l..ja da tra-
a, rua da Imperatriz n. Mi. .le .W-noVs Gm-
maiaes.
busto, propno para qualquer servir,, sabe r
o diario d urna casa, e mliem *al* h7J
li!^^idoj^nh.i lTmZSST
Cal de Llanca
a mate nova do mercado : na roa do
19, primeiro andar.
?nica.
A 240 is. a libra. O
Xa padaria da rua da Matriz da Boa-Vista ven-
de-se fatia de bolo sovado, excellente para cha, pelo
diminuto preco cima.
Vendem-se superiores charutos suspiros a 15200
cada meia caixa, ditos de diversas marcas, caixas
de 100 charutos, a 1*200, ditos de ditas, meias cai-
AGKNCIA
- Precisa-se de um fetor que seja perito hort?-
lao: no pateo do Terco n. 12, taberna 7na mesma
procisa-se de uma preta para vender fructa
ora recolhido a casa de detencao o escravo Paulo, xas, a 600 rs. : na rua Xova n. 58.
- Precisa-se de urna ama para
na rna Augusta n. 10.
todo servico:
Carne de sol. '-----
O dono do grande armazem de raolhados deno-
Jo dos Santos Neves.
I barato.
crioulo, d 27 annos de idade, pouco mais ou me-
nos, edmo, captivo do Sr. Bartholonieu Francisco
de bouza, fe sendo este escravo um dos 16 que o
mesmo senhor comprou ao meu devedor Dr. Lou-
reaco Bezerra Carneiro da Cunha, em 10 de julho
prximo passado, cuja compra fez para embaraear
0 meu pagamento, comprando quantos o meu de-
vedor possuia; e como pode acontecer quedalli
seja vendido a outra possoa, faco publico que pre-
tejido annullar semelhante venda, e que ire buscar
1 iwm00n.de qur 1e estver' eo8 tribunaes
Vende-se uma casa terrea na rua do Jasmim
n. 9 : a tratar na rua do Crespo n. 3, loja de miu-
dezas, se dir quem vende.
- Vende-se um escravo crioulo, de 28 a 30
annos de idade, bom olllcial de, serrador, sem vi-
cios : a ver e tratar, na rua da Matriz da Boa-Vis-
ta n. 7.
FNDICO DE LOW-MOOI
Raa da Seanlla aava a. II
Nesle estabelecimento contina a
um completo sortimento de moer*!* e
moendas para engenho, machinas de
e tachas de ferro balido e coado, de
lamanhos para ditos.
Xa loja de fumleiro da esquina da rua da
Aurora n. 2, vendem-se candieiros de gaz de to-
das as qualidades, os mais lindos que te indo
ao mercado, por preco commodo : tambera se/ven-
dem latas com gaz, e as garrafas a 460 rs. '
Arados americanos e nacanaas para
lavar roupa: em casa de S. P. JohnetonC.
rua da Senzalla Nova n. 4.
Rua i* Seipla 41
Vende-se, em casa de S. P hinaituali
sellins e silhocs inglezes, caodieiroa t eanl
caes bronzeados, lonas ingleas fo ici
chicotes para carros c montar/arraiai
carros de um e dous cavallos. 'e reneT
ouro patente inglez. ^**^

i


I



m


NOVA XPOSIC&0
na Ioja do Pavo, le fazendas bara-
tissitics.
Neste estabeleclmento acha-se constante-
mente um grande sortimento de fazendas
tanto prnprias para a praca, como para o
mato ; de todas as fazendas do-se livros de
amostras, deixando ficar penhor, ou mn-
damete levar em casa das familias pelos ca-
xeiros-dT Ioja do Pavao.
Lias wx palmos de largura.
na Ioja do Pavao.
f Vendem-se 15azinha (infestada propria para
vestidos, com 8>palmos de largura, sendo
fazenda mais moderna que tem vindo ao
*"-2fcaflo nlb baratissirno proco de 15600 o
eovado: so na ra da Imperatriz n. 60, Ioja
do Pavao.
Cassas a 900 rs. o -ovado.
Venuem-se cassas francezas de .
miudinhoSe cores flxaspelo barato p'rero de
200 rs. o eovado ; ditas finas a 340 e 320
rs. o eovado : s na ra da Imperatriz n. 60,
ojajlo Pavao.
ogandy, a IO rs. o eovado,
. na Ioja do Pavao.
frjariq de Vrnambuco Sahbado t de Agoso de 1663.
CASEMIRASINGLEZAS
a 1,700 rs, o orte.
Yendem-sc cortes de casemiras escuras para
caira, pelo barato preco de 1^700, tambem se veu-
dem das mesmas a 480 rs. o eovado, proprias para j
paletots e colletes, etc.: s na Ioja do pavao, ra '
da Imperalriz n. 60, de Gama 4 Silva.
GRANDE PECHHA
Vende o pavo, organdys a 360 rs.
Vende-se finissimo organdvs matizado com os
mais delicados padroes miudinhos com assentos
braucos, sendo ueste artigo o mais moderno que
iivi
Ditas de colla
CHITAS ESCURAS Prcs d,e bo,0f'd P,nh0 a '
a t,m e i,6W rT.^opavac[ P de palos a> trena .
Vcndem-se cortes de chitas com padroes cscu-! J'*S mu,l superiores, a .
ros, tendo 10 1/2 covados a 23200, e com 12 i/ wixas e pacotcs de papel amisade de
covados a 2til0, pechincha e vende-se por este '
SEM SjEGILYDO.
QUI.NQUILHARIAS.
Ra do Queimado, ns. 49 c 55, lojas de!
Jos Bigodinbo/.quciram ver ver as fazendas
que abaixo annuncio, pois todas eu garanto'
! que sao muilo novas e baratsimas.
Pegas de trancas de algodo de to-
das as cores a....... 80
Duzias de linhas com 200 jardas, A-
lexandre, a..... ItflOO
100
80
40 i
40,
120
If80|
I 600
I,AL!/

cores a.
E^1? ids rtcs_serem <,m, m?is Je um! Duzia de meias muilo finas para e-
pedaeo : so na Ioja do pavao, ra da Imperatriz nh ,
600;
nliora a
Du/.ia de ditas
cruas para
n. 60, do Gama & ilva.
l.arlnlMs a O rs. o eovado. Baralbos muito finos para vollarete a
Xa luja do Pavao. Carrileis de linlia com 100 jardas a
Vende-so laazinhas de cordaozinlio de urna s
cor, sendo azul claro, azul escuro, ferrete, cor de
caf claro e escuro, alvadio, roxinbas proprias pa-
ra tuto, sendo faada que val nmito mais dinhei-
ro vende-se pelo diminuto preco de 200 rs. : s na
- Vendem-se organdy decores matisado, fa-
y>na ^ue val muito mais dinheiro, pelo ba-
rato preco de 240 rs. o eovado ou 400 rs. a
vara: s na ra da Imperatriz n. 60, loial
do Pavao.
O %avo vende os modernos ves-
tidos a balo,
com barras Mara Pia, sendo os mais
modernos que que tem vindo ao mercado,
com a saia de um s panno, tendo bastante
t. fazenda para o corpo, e vende-se pelo barato
prego de 3,-5500 cada um: esta pecliincha
s existe na ra da Imperatriz n. 60, Ioja e
armazem do Pavo.
, .va pceliinclia de las enfesta-
* <1 a* a loo rs. o eovado.
S o Pavo.
Veudem-se laazinhas entestadas transparentes
com delidados pailriM's sendo de urna t cor com
listras e quadrinhos e vendem-se a 400 rs. o eova-
do : na toja do Pavao ra da Imperatriz n. 60 de
Gama & Silva.
Cortes de eambraia, a *#.~>oo.
na Ioja do Pavo.
Vendem-se cortes de carnbraia brancos com
babados, a 2#500; ditos, a 4#; ditos com
barras e babados de seda, a 35, 3#500 e 4$;
Ioja do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Os manguitos e golinhas do
Pavao.
pichincha, a 320 e a 100 rs.
Vendem-se golinhas de fil, bordadas, a
400 rs.; ditas de eambraia, a 320 rs.; cal-
dudas para meninas, a 500 rs.; manguitos,
a 500 rs.; manguitos com golinha, a 800
reis; manguitos de eambraia, a 320 rs.: s
na ra da Imperatriz n. 60, Ioja do Pavao.
O Pavo vende a :# 3$500
cortes de la, a 3# e 3(5500; ditos com 22
covados, a 5#: s na ra da Imperatriz n.
60, Ioja e armazem do Pavo.
XO .1RH.1ZEM DE FAZENDAS BARATAS
DE
bivios (Oii.rso
Una do Queimado n. -19.
Vende-se o seguinte :
Cobertas
de cinta da India, a 2:ooo rs.
Lrnres de panno
de linho, a 2:ooo rs.
JLenees de bramante
de linho, de um panno s, a 2:8oo rs.
Toalhas alcodioadas
s na ra da Imperatriz n. 00, Ioja e arma- Para m5.' Pe, baratissim preco de rooo
zem do Pavo.
Cortes de eambraia clifneza, a
-tti. na Ioja do Pavo.
Vendem-se ricos cortes do eambraia chine-
za, os mais modernos que tem chegado, sen-
do brancas com lindissimos padroes, pelo ba-
rato preco de 4)5 cada corte, tendo bastante
fazenda para um vestido: isto s na ra da
Imperatriz n. 60, Ioja e armazem do Pavo.
Baldes a 3g500. s o pavo.
Vendem-se balos americanos que sao os
melhores, tendo 20 arcos, a 3:5500; ditos
de 30, a 4-5500; ditos de 40, a 55; ditos
de bramante, a 3,-5500 e 4-5; ditos para me-
ninas, a 2-5 e a 33: s na ra da Impera-
triz n. 60, Ioja e armazem do Pavo.
Cortes de chita, a 2$500. na
Ioja do Pavo.
Vendem-se cortes de chita com 12 I|2 co-
. vados cada um, a 2:5500; ditos com 10 cova-
dos, a2,-5; cortes de cassa' mradinha le co-
res fixas com 10 covados, a 2-5; ditos de
, organdy mathisado com 10 covados, a
2-H00: s na ra da Imperatriz n. 60, Ioja
do Pavo,
,\s casemiras do Pavo pechin-
cha a Hff.
U^deBMW cortes de casimira franceza para
. aira, fazenda muito lina, padroes claros e
escaros, a 5?5 o corl*: S na loja do Pavao,
rua da Imperatriz n. 60.
na ra da Imperatriz n. 60, Ioja do Pavo.
I usliu do Patio.
Vendem-se fusto com lavr miudinho
liara roupa de meninos; a 320 rs. o eovado;
brim de linho de quadrinhos para roupa de
30500!
liomem a 2*400
300
301
Caribes de linha branca e de cores a 20 j
Novel los de linha com 400 jardas a 60 i
Ditos muilo grandes com 800 jar-
das a .......1201
Ca loes de linha com 200 jardas (est
se acabando |a...... CO,
Vara de fita prela com colxetes para
vestido, e tem um reslo parda a 1001
' ^\ Wh
Objeetos de tintura e miisica. i
Na ra do Queimado, ns. 49 e 55, est ;
queimando ludo pelos breos abalxo deca-!
rados, e prestem toda a altenco para vr i
o que bom e barato.
Duzia de facas e garfos muito finos a 2?5300
Dila dfta dita de cabo prelo muilo
finas.........3,5203
Dila dila dita de bataneo. melhor,a 5500
Tesouras para costura, muito fi-
nas a .........400
Ditas ditas para unhas, muito finas a 400
Carlas de allineles de ferro a 80
Ditas ditos de Jalao muilo finos a 40!
Ditas de dito grandes.....120!
Caixas de phophoros de pao I01
Grosa de ditos do gaz a 2,5200
Duzia de dilo dito .'.... 200
Massos de palitos para dentes a .
Livros para meninos lodos cheios de
calungas a.......
Abotoaduras para coleles a .
Escovas para roupa.muito finas a 400,
500 e.........
Attenco!
Posto que domine no coia-
eo do BALIZA a mais bem en-
tendida ambico de tirar de
seu negocio as melhores van-
tagens, com tudo elle nao pro-
cura fazer fortuna venciendo
gato por lebre;
Quando nao se negocia aca-
nhadamente, est bem ao alcan-
ce de todos a facilidade de fa-
zer-se boas compras, para ven-
der-se barato.
i.ci.uii todos.
Ao armazom do BALIZA po-
(!m ser devolvidos qmmpet
[ ios qne |H>r ventura nao
sejam do contento dos senho-
res compradores. Nta Ir
ti-sfiitimenU alum -m se tin-
car por outro, ou restituir-se
0 (inheirn i.(cbido,
Manter a todo o OSftB I Mi
crdito, e agradar MM smsa-
inigos e fregones, todo o
desojo do proprietario deste
-Utbeleoimento,
LEDE! LEDE! LEDE!
Wempre a frente do progresso.
Constante marcha o BALIZA.
Tem por norte o bem commum.
A verdade por divisa.
GHAfDK
E
DE
PliDJ.RkO|i iBlWJMEI.LkU'Ol
rs. a duzia.
Ricos voslidinhos
de seda para meninas, pelo baratissim pre-
co de 4:ooo rs.
Loncos de seda
pelo barato preco de I :ooo rs.
Saias de fusto
pelo baratissim preco de 5:5oo rs.
Lencos de lamliraia
brancos finos, proprios para algibeira, duzia
a 1:8oo c 2:ooo rs.
Lencos de eassa
finissimos, proprios para algibeira, polo ba-
ratissim preco de 8:400 rs. a duzia.
(lories de ralea
de ganga amarella, de listas o de quadros,
bieada stoperior, pelo baratissim preco de
l:2oo rs. o corlo.
Pecas de madapolo
largo superior, pelo baratissim proco de
8:ooo rs.
Pecas de bretanha
de rolo com lo varas, polo barato prero de
3:2oo rs.
Peras de canil! raa
de salpicas, fina, com 8 l 2 varas, pelo ba-
rato preco de l:ooo rs.
Atoalliados de linho
com 8 palmos de largura proprio para toa- Ditos de opiata a 2<'0 rs., e boa a
160
320
160
800
SfiM ^fa:<.i \IHK
PECHINCHA.
Perfumara de superior qmlidade.
O rival sem secundo, ra do Queimado,
ns. 49 e 55, si disposto a vender mais ba-
rato que nunca vendeu, para o que queiram
ver :
Du/.ia de saboncles finos a 720
Sabonete inglez, o melhor, a 160
Frascos com agua de Colonia muito
ina a......., 400
Ditos de dila grande a 500
Ditos de Lavande ambreado, o me-
lhor, a........500
Ditos de macaca oleo muito boma 100
Ditos parola muilo superior a 200
Ditos de oleo de babosa a 240, 320.
400 c.........500
Largo do Uvramcnto ns. 3H c $S A
Defronlc ta grade la igreja
AO RESPEITAVEL PUBLICO
Senhores e senhoras
O inc.ilisavt l proprietario do grande armazem do Baliza tuina a liberdade de mun declarar do alto da imprensa pernambucana, que elle perfeitamente liberal en olToit-cei aos mi
benvolos reguezes as melhores qualidades dos mais bem escomidos gneros, nao s do paiz como du 5
estrangeiro a procos de onbentar e satisfazer a todos.
Fazendo taopublico e espontaneo manifest, o referido BALIZA jotes de sen rigorosa imm
deohrar mu seria e pusitivamente nesta oportonidade, que tambem o mais firme e dedicado conser-
vador de sua numerosa freguezia.
Da boa jualidade e barateza dos gneros offerocidos aos seos reguezes, junla ao peejMBO |fr
nlio que tira para si, tem sabido fazer o BALIZA a mais perfeita lisa de nteress.s reapra i i, ojos i to-
das as consciencias deve por forca e necessariamente agradar..
Tendo por conveniente tambem a publicaco do seguinte aviso, o BALIZA faz sabor hmm
aquellas pessoas que semprc estao promptas a comprarem tudo, com tanto que so Ibes ptfWi paf
rem logo, que elle
NAO VENDE FIADO.
Os amigos da economa, aqut'lks que s comprara os objetos de que cimera, o qn.- DMI li-
nalmonte de empregar bem o son dinheiro ve/iham a este estabelecimento.
Do pre?o de qualipier fc^ro annunciado a vi'inla emoutros cstabelecimoniDS, podara os mas-
res fregueses diminuir cinco por eento, e vir ttmpra-k"> ao Baliza, que sondo, como todos >;n>- m. .. /<>-
mein do movimento prefere ganhar muito poiiCQ, com la Oto que soja por militas vea repelido.

!
Ditos de banha branca a .
Dilo de cheiro muito bonitos a .
Dilos do banha, pequeo, muito fina
a
Iha do meza, a 2:500 rs. a vara.
Toalhas
de linho para mera, a 3:ooo rs.
Karegc
ile lindos gOStOS, pelo barato preco de 48o
rs. o eovado.
Cstt'ira ila India
propria para forro de sala, de 4, 5 c 6 pal-
mos de largura.
O gallo cauta (jalando recebe.
0 gallo cania, principalmente quando re-
cebe as suas novas encommendas para sa-
?,
meninos, a 680 rs. o eovado; ganguelimjtisfazer aos seus bons fregueses.
Graeatimas.
E' chegado um bonilo sortimento destas
gravatinlias, lanto para homem como para
senuora que se vende pelo baratissim pre-
go de 500, 800 e 1,000 rs.; s no Vigilante,
ra do Crespo, n. 7.
Ptrotleiz,
Tambem chegou um grande sortimenlo
le panno preto muito bom e muito bem jc pjrotteiz on conservadores para cabellos.
de urna scr, a 320 rs. o eovado; popelina
de laa.de quadrinhos encarnados o pretos,
para voslidos de senhoras e roupa de meni-
nos, a LJ o eovado : s na na da Impera-
triz n. 60, Ioja e armazem do I'avo.
Os paletols do Pavo, assobreeasaeado a i 2:000 rs.
Vendem-se paletots de panno, sobreeasacas
Dilos de banha japoneza a .
Ditos de banha transparente a
Ditos de oleo filoconne a .
320!
500
200'
900
800
720
800
mm&8&
45-RUA DIREITA-45
RIVAL
SEM SEGUNDO.
Objeetos diversos.
que ja
foitas, a 12$: sobrecasaeos de dito, a 14*;
paletots sacos de lito, a 75: calcas de cache-
mira da Escossia, a 3# ; ditas de casemira
preta, a 35; ditas de casemira de cor, muito
fina, a 78le a 55300 ; coletos de casemira de
cor o preta; paleto! de casemira de cor,
a 75; tudo isto para apurar dinheiro: s
na ra da Imperatriz n. 60, Ioja do Pavo.
Cortes de railcmira da Escocia, a 2:000, na
Ioja do Pavo.
Vendem-sc esta nova fazenda muito encor-
pada imitaco de casemira, tendo padroes
escuros e alegres, afiancando-se que n5o des-
bota, a 25 o corte para calca, ou 580 rs. o eo-
vado para paletot, colote etc.: s na Ioja do
Pavao, ra da Imperatrk n. 60.
Fazendas brancas, na Ioja do
i'avo.
Vendem-se pecas de madapolo enfestado,
francez, com 20 vara1*, a 85; ditas com 12
jardas, a.4ft dito .iglez muito fino, a 75,
7OO .e 85, f /'' ,i muito superior, a 105;
ditos de 40 janjas muito fino, a 45800 e a
55000 ^"M/iim\\l\ imii!.i pncnrnmln a
Tambem chegou i;
; algodozinho
45800, afSOO e 65; bretanha com
muito encorpado, a
4 pal-
mos de largura, muito fina, a 15 avara;
pecas de cassa de cordo para babados, com
6 varas, a 35500; ditas com 12 varas, a 75:
Pechincha. 5O rs. o eovado.
s o Pavo.
Vendem-se as /nais modernas laazinhas
enfestadas, transparente, tendo 4 palmos de
largura, e sendo lizas e de quadrinhos, de
urna s cor, propria para vestidos e capas,
a 500 rs. o eovado: s na Ioja do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60. de Gama Silva,
tanio pretos como de lindas cores pelo ba-
ratissim preeo de 1,000 rs. cada um.
Capella para noiva.
sortimento de
capellas brancas, cousa muilo chique para
noivas, pelo baratissim preco de 5,000 rs.,
6,000 rs, 7,000 rs. e 8,000rs. ; s no
Vigilante, ra do Crespo, n. 7.
Fitas de relindo e de seda.
Tambem cnegou um complet sorlimenlo
de filas de velludo de n. 6 a n. 200; assim
como um rico sortimento de filas de seda,
lavradas e lisas de todas as larguras e qua-
lidades por presos que admiram; so no
Vigilante, ra do Crespo, n. 7.
Meo de seda e lin/io.
Tambem chegou um bonito sortimento
de bicos, tanto de seda como de linho, as-<
sim como rendas finas e de labyrinto, que
seus procos farao admirar aos meus re-
guezes ; s no Vigilante, ra do Crespo,
n. 7.
Franjas pretas e de cores.
Tambem ha as riquissimas franjas pie-;
tas largas, proprias para as hndas capas ou
manteletes; assim como brancase de cores,
que seus procos lambem os pretendentes
se admira rao, por que sempre nesta Ioja se
vender por preces muilo rasoaveis; s no
Vigilante, ra do Crespo, n. 7.
Eia, rapasiada, coragem! parece
entregasteis os vossos.joanetes aos duros sei-
xos do possimo calamento da nossa cidade I:
Ba do Queimado, ns 49 e 55, vende os S se observa em vossos psbotinas acalca-'
objeetos abaixo declarados, pois para ac- n,|adas e gastas at i ultima sola; sapatoes
bar; estes procos nao sao para continuar, rasgados equasi sera saltos.... nem tanto 1
mas as nesessidades assim o permilte. a QTiebradeira nao deve ehegar at este pon-
80 t() -Vindo ra Direita munir-vos de excel-
lente calcado com 40 e at 60 por eento
80 menos do seu valor.... attcndei:
lO Borzeguins, Nantes, bezerro e va-
40! queta 2 o meia solas ....
gOOjBoraegoins, Nantes, bezerro, va-
queta e lustre 2 solas. .
Borzeguins, francez e hamburguez,
Vm DesfobfiH'iio Enjaulse.'
0 JUnndo SelMtlfM iinaiiiuiiimcnir o .-i j.;ova.
Pares de luvas de algodo finas a
de aparar penas, de 1 fo-
Canivctes
Iha a
Ditos de2 ditasa......
Caixas de colxetes francezes a. .
Duzia de dito francez a .
.Massos com grampos lisos e de cara-
col a ..........40
Duzia de dedaes de metal em caixi-
nlia de vidro.......;*>n
Tinteiro de vidro com tinta superior
.a..........100
Ditos de barro que serve para tin-
teiro a........ioo
Grosas de boles de louca praleado a 160
Pecas de tranca lisa encarnada a 20
Varas de bicos e rendas, para aca-
bar a......... 00
Varas de labyrinto de 3 dedos de
largura a........JOO
Caixas de folha com phosphorosa 40
Ditas de pos para denlesa ... 100
Pentes de tartaruga a 35000 e 35300
FAZENDAS BARATAS
27Roa do 0fMiado27
NA
.Nova Ioja de t ustodio. CarvaNM
A t'ompauhia.
fusto fia-uf
vestidos de spobora eaes
!n ln 'c |"'1" i'-"'M" i,|v''" '' rae i
Fina- ewBbni*< orpeiiy a ito ti

85300
85000
AOS SRS. tMSnnillMIKES UE I.A/..
Nos armazens do Caes do Ramos n. I8.e
na ra do Trapiche Novo (no Recife) n. 8, se
vende gaz liquido americano primeira quali-
dade a retalho a 10$ a lata de 5 gales, as-
sim como latas de 10 e de 5 garrafas e sendo
era porcao mais barato que em outra qual-
quer parte.
PAPEL
de cores para listas de eleltores
A agiiia liranoa suppoo que nao faz mal cm offe-
recer aos athlctas uns pacotes com 234 folhas de
papel de cores, que pode servir ptimamente para
lisias de eieflores, e tanto melhor por custar cada
pacote o diminuto preco de 15500, e ser cadanm
de urna s cor, o que difflcll de encontrar a nao
ser na ra do Queimado, Ioja d'aguia branca n. 8.
Na mesma Ioja lambem ha de nutras qualidades,
branco e azul, assim como anvelopes.
Para o bom Vm.
.Chegaram Ioja das columnas da ra do Cres-
po n. 13, de Antonio Correa de Vasconcellos 4 C,
novos cortes de vestidos de 15a a polaca com bar-
ra estampada de matiz, gostos iuteiramente mo-
dernos e cores as mais lindas que se pode desejar
bem como : cor de laranja, ganga, violeta, solferi-
no, cinza, magenta etc., etc.; para designar o mo-
delo do vestido a cada corte acompanha seu figu-
rina. Na mesma Ioja acaba de ehegar pelo ultimo
paquete francez riquissimos cortes de vestido de
seda de cores com ramas matisadas soltas e ou-
tros de moreantique adamascado, fazendas muito
encornadas e do ultimo gosto para bailes, casa-
mentos etc,
bezerro, lustre e couro de por-
co 7#e........ G#00O
Sapatoes, Nantes, bezerro e vaque-
ta 2 e moia solas..... (MIMO
Sapatoes, Nantes, vaqueta, lustre e
bezerro 2 solas...... 50000
Sapatoes, Nantes, sola e vira. 4000
Ditos para menina, com Iaco. 30500
Ditos de ditas, de cores. 20800
Sapatos para sonhora e homem,
tapete......... 800
Sapatos de borracha para senhora. 10400
dem idem para meninas. 10000
Sapatos de lustre para senhora. 10000
dem de lustre as avessas 500

de arcos,
3|000,
le lodos
baa
I
bordadas parai.
cada um par.
M-.iin.i-.i>... tamo |
matizada:
flu
^ierafrararai
V tidO I UN :
"eterto

ROUPA
.Xa ra do Queimado n. 43, esquina que
mita para a Congregaco ; pechincha.
Paletots de casemira a 5, 6, 7, 8, 12 e 14,3000,
dil.is de panno pelo e azul a 9, 10, I i, 16 e I 5.
ditos sobre-casacos de panno muito fino por 24 e
285, ditos de alpaca prela e de cordo a 4, 5, 6 e
Ift, calcas de casemiras de cores a o, 6, 7 u 8,
ditas pretas a 64500, 8,9 e 105. paletots de fusto
c ganga a 2, 2.5800, 3 e 4, calcas e colletes de
todas as qualidades e por preco muito barato, len-
coes de puro linho a preco de" 2^800 e '&, cober-
tas di' chita a 2J.240, collriidios de liuho puro a
600 n. cada um, e outros muitos objeetos que s
visla ; e para isso se pede a attenco dos fre-
gucies.
CEBLAS
Rua do Amorliu n. 43.
Vcndem-se ceblas novas e grandes,desembarca-
das hontem, pelo barato preco de 500 rs. o een-
to ; a ellas <]u* esto se queimando, mesmo a tro-
ca-de cobro.
A Coiuposirao Aiiaralmita
Peitoral le kemp.
Por espado de muito tempo se lia nz(ulo ex-
tensainente cni Tampic-o pan cura de
TSICA PlMONAE,
CATAfiRHO, ASTHMA,
BRONCHITE, TOSSE CONVULSA,
CRPO O GARROTILEO, e
Inflammaces da Garganta e do Pelto,
c isto com um resultado t'To feliz c verdadii-
raincnte assombioso o pao ou madeira (Turna
arvoro que chaino Akacahuita, c qne s
se cncontra no Mxico.
A Composiipao Anacahuita Peito-
ral de Kemp e' um Xarojx- delicioso, intei-
ramente differento na sua composicio de
todos os mais Peitoraes e Expcctoraiitcniia-
nufactnrados de fructos astringentes, ci
e raizes, &c., o mesmo n:7o ontem nenhuin
Acido Prussico ou outros qiiacsqucr infjre>
dientes venenoso.
Todas as molestias c affeccocs da garganta
e dos pulmcs desapparecem como por um
mgico encanto, mediante a acco deste in
.omparavel e irresiftivel remedio.
A venda as boticas de Caors A Barboza,
rua da Cruz, e Joao da C. Bravo A C, rua
da Madre de Dos.
In.
TOO
de chita a 2$000.
de panno de linlu. i -2-j.
rarara
de faslio, im'I" barato pnfo
i.aiiiisula>
de eambraia para senhora a 4.
dolinias
de linho para scnlu.i-.i meninas
rararas
de meias para neniaos t m. nisns.
Uerieti
prela para volido a Mo ra,
k-iarda>
adamascados a 24 a duzia.
e iix- i ,
nk> o
Vrnde-se
no armazem de Manoel anpies de Otivt-in ns'
rua da Moeda n. 9. ajiianlente e nssn ni i-
ris e meias pipas e pipas, cal d.' LnWi I I
p, azeite de carrapaio em liarris ou ranada, nts
em barris em pequenas mi grandes poiW
Kua da SeiiaiOtva 41
Neste estabelecimento vendem-se: tacnas te
'erro coado libra a 110 rs., idem de l.nw
Moor libra a lO rs.
LAGEDO
Vende-se urna por^o de lagedo do Lisboa, che-
gado hontem no brigu* Bella Figtwrente : a tratar
no oseripiorio de E. R. Rabello, rua da Cadeia nu-
mero .t-'i. ________
Vende-se urna taberna na Capunga, com g-
neros ou sem elles, a vontade do comprador: para
ver e tratar, dirijam-se padaria n. 31.
GUARDA MA-
BOVtl,
Na rua Direita n. .*>:. ha um unifornw fnnii
para guarda nacional de cavallan;.. ..mfn*i
fardao rico, calca, barriiina. ele. e p.-|iieiio mh-
forme com espada, ele., sellini inglez. etc., nrf
novo, e que red.' \*,r eommodo pre.-.\ T.i-
bem na mesma rasa exista urna armario le hf*.
propria para qnalquer estalielccment.'
Umi negocio.
Vende-se una labei na com poucos fundos e t*n
afreguezada na fregue/.ia de' s. Jos. motivo da
venda se dir ao comprador, tambem se d n*U-
de a praso : qoem a pretender dirjase ao paira
do Terco n. 12 que se dir.
Pohssa da Kiissia.
Vende-se em ca^ de N. O. Bieber A C.
successores, rua da Cruz n. 4.
i
.
MjTILADO '
ILEGIVEL


PUrl de PcrBMttlmco *abfedo < le **>*? ** AgS
GRANDE E COMPLETO SORTIMENTO DE MOLHADOS
o*
f*=5
fW)
o
s
o
i
k2
3
|2Q
1 0
g s O '
t
-3 *-V3 &
0 O O
o A, t
%> -*
~ o *-
O o
41 t t Si.
C >s
o *
5 H t t
"t o O - O t
s 3 t t t
o i
t- S: *.
o t to
o w .3 o CT-
a, O t ~^
t
o t t-
3 t O
02 t t" * ? ?
o w
o o o
rt O t~
O o. o o "t
3 S t 0 O "t 90 i
so t "t t t
so ~
** O * o
O ai
t w. o
-*. R. 0 O "t O
0 i
c "t
o -~
< O
u t
Vlnhos em pipa: Porto Figuemke Lisboa, a
4oo, 44o, 5oo e 56o rs. a garrafa, e em
caada a 2,56o, 2,8oo, 3,oeo, 3,5oo e
4,ooo rs. do melbor.
dem lagrimas do Douro, especial vinho do
Porto mandado vir de conta propria a
lo.ooo rs. a duzia e i.ooo rs. a garrafa.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado, das seguintes marcas: Duque do
Porto, Feitoria, Nctar, Velho Secco, Cha-
misto, Madeira superior a 9,ooo rs. a cai-
xa e l,ooo a garrafa.
dem Bordeaux das melhores marcas: St.
Julien, Medoc, S. Esteph outros a 7oo
rs. a garrafa, e 8,ooo rs. a caixa com urna
duzia.
dem muscatel de Hetubal verdadeiro a 2,ooo
rs. a garrafa e 22,ooo rs. a caixa.
Garrafoes com 5 garrafas de vinho do Por-
to do Alto douro a 2,2oo rs. com o gar-
rafo.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira
muito proprio para a nossa estacSo, por
ser mais fresco a 2,4oo rs.
Vinhos velho chamisso em barril muito pro-
prio para sobremesa por ser muito claro
e maco a 6oo rs. a garrafa e 4,5oo rs. a
caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero a 5oo rs. a garrafa e 3,8oo
rs. a caada.
Garrafoes com 5 garrafas de vinagre de Lis-
boa a l,2oo rs.
Vinagre puro de Lisboa MR rs. a garrafa
e 4,4oo rs. a caada.
Velas de spermacet a 6oo, 64o e 68o rs. o
masso.

Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de encommenda especial a 8oo rs.
a libra,
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
54o rs. em barril a 5oo rs.
dem em potesde 4 16 libras muito fina e
propria para doente a 8oo rs. a libra e o
pote separado.
Biiiha de porco a 54o rs. a libra, e em bar-
ril se far abatimento.
Queijos do remo chegados pelo ultimo vapor
de l,6oo, l,8oo, 2,ooo e 2,5oo rs. cada
um
dem londrinos os mais frescos que se po-
dem desejar a 8oo rs. a libra.
Caf do Rio de 1* e 2* quadade de 8,ooo a
8,5oo rs. a arroba, e 28o a 3oo rs. a li-
bra.
Arroz caroliuo e do Maranhao a 3,ooo rs. a
arroba e loo rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra e
em porcao ter abatimento.
Caixinhas de ameixas francezas de 1 1/2, 2
e 3 libras, elegantemente cnfeitadas cora
diversas estampas no exterior da caixa a
l,3oo, l,5oo, 2,ooo, e 3,ooo rs.
Eructas em caldas das seguintes qualidades:
ameixa, rainha Claudia, cereras, pero,
ginja, pecego e alpech a 5oo rs. alata.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 6oo rs. a libra, e em la-
tas de 1 '/ e 2 libras.
Ameixas francezas em frascos de 1 1/2 e 3
libras de l,4oo a 3,ooo rs.; tambem ha em
latas de l,ooo e 3,ooo cada urna.
Cha huxim miudinho mandado vir de en-
commenda especial a 2,8oo rs. a libra,
garante-se a boa quadade.
dem hysson o mais superior a 2,6oo rs. a
libra, aftanca-se ser igual ao que regular-
mente se vende a 3,ooo e 3,2oo rs.
dem preto muito fino a l.Soo rs. a libra.
dem mais baixo, e miudo proprio para ne-
gocio a l,6oo rs. a libra.
Presunto inglez para fiambre o mais fresco
que se pode desejar a 8oo rs. a libra.
Genebra de laranja a 9oo rs., a frasco.
Chouricas e paios, os mais frescos que se
pode desejar, a 5oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa
e ln,5oo a caixa.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
8oo rs. o frasco.
Licores fraocezes das seguintes marcas: A-
nizcte de Bordeaux, Plaisir des damos, e
outros a l.ooo rs. a garrafa e lo.ooo a
caixa.
Passas muito novas a 6,ooo rs. a caixa c
36o rs. a libra, ha caixas, meias e quartos.
Bolachinha ingleza a mais nova que se pode
desejar a 2,5oo rs. a barrica, e 24o rs.
a libra.
Azeite francez clarificado a 76o rs. a garrafa
e 9,000 a duzia.
Conservas inglesas dos melhores fabricantes
Mixed e Pickles, ceblas simples, e outras
a 8oo rs. o fraseo.
Mostarda ingleza preparada em potes muito
nova a 4oo rs. o pote.
Mlhos inglezes de todas as qualidades e das
melhores marcas a 5oo rs. cada urna gar-
rafinha.
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de doce, manteiga
ou mitro qualquer liquido de 1 ,ooo a 3,ooo
rs. cada um.
Palitos do gaz, a 2o rs. acaixinha e 2,3oors.
a grosa.
Milho alpista a 160 rs. a libra.
.MiIho painco a 140 rs. a libra.
Gomma para engommar muito fina e al va a
80 rs. a libra a 2,300 rs. arroba.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Sabio verdadeiro hespanhol que raras vezes
vem ao nosso mercado a 300 rs. a libra,
e em caixa ter abatemento.
Sahao massa de 180, 200, 220 240, rs. a
libra do melhor. -
Graixas em latas muito nova a 120 rs. a lata
e 1,300 rs. a duzia.
Peixe era latas muito novo : savel, pescada,
curvin, salmo e outras qualidades prepa-
rados de.escabexe, segundo a arte de cozi-
nha de 1,400 a 2,ooo rs. a lata.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
440 rs. cada urna.
Papel greve pautado e liso a 3,500 rs. a res-
ma.
Azeite doce de Lisboa muito fino em barril a
64 rs. a garafa, e em porrio ter aba-
ment. .
Champagne' das mais acreditadas marcas a
l.ooors. agarrafa c lo.ooe rs. o gigo
com urna duzia.
Doce da casca da goiaba a 4oo, 5oo, (too,
7oo, 8oo, e l,ooo rs., o caixo grande.
Chocolate portuguez, hespanhol, fraocez f
suisso, das melhores qualidades a 9r*f rs.
a libra.
Velas de carnauba e composico a 39o, Mo.
e 4oo rs., a libra, c de lo.ooo a 11 ,ooors.
a arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa a l,ot*>
rs. a aurrela, e l,5oo a de Lisboa, estas
ultimas raras vezes vem ao nosso mercado
pela sua boa quadade.
Massas para sopa macarro talharim e aletria
milita nova a 48o rs. a libra.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Babia a 4,ooo, 3,5oo, 3,ooo e 2,5oo rs. a
caixa.
Serveja das melhores mareas a 5,ooo rs. a
7,ooo rs. a duzia.
Biscoitos inglezes das seguintes Barcas:
Craknel, Soda, Ceede, Captain, TravelBes
Lunch, Cobin, e outras a 1.2oo rs. a lasa.
Bolachinha de soda especial rncomnvnda a
l,8oo rs. a lata,
km Craknel em latas de 5, 7 e 15 titeas a
4,ooo, 5.5oo, e H.ooo rs. a lata.
Massa de tomate em latas de 6oo a 7oo rs.
cada urna.
Sardinha de Nantes a 36o rs. a lata.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijollo de limpar facas a 16o rs. cada usa.
Ceblas a 9oo rs., o molno.
Farinha de .Maranhao muito aiva e cheiroza
a 14o rs. a libra.
Pimenta a 36o rs. a libra.
Cominho, cravo, erva doce, enxofre. palitos
de dentes em caixinhas que ludo vende-
mos por baratissimo preco.
Ricas caixinhas com confeites efructa> -'
cas muito proprios [ara mimos pelo bara-
tissimo preco de l,oo rs. cada urna.
TERCOS
e coras de coraaliaa.
A agnia branca pensando constantemente em
A ACUIA BRAICA
Reebeu pelo ultimo vapor o
segulote:
Bonifls pulseiras de cabalo, coral, e tan-ih?>.sTir.a.t0**.>"SBa ^"ta,oiqbyanda
.. nao havia frito al{mm afrailo a acpiellw qne pru-
""" dente e acertadamente rosando, cumprem dever de
Folies e bonitas ligas de seda para senhoras. | bom christao, e quando reparou essa sna falta,
Outras estrellas para meninas, ou manguitos. niandou vir, e acaba de receber delicados te^os e
CBleiras eom agulhas. >rOas_de cornalina com cruz de prata, os quaos
... ,.._ __-~ deixa a disposicao dos neis que estiverem dispostos
AguIheVis nara enflar, e agulhas cantofas. a p,tar !sno: 25c u plra poS5Urom um {^,,0
Tran I ns e Utas de borracha.
deriteis com torcal de todas as cores.
Massi seflos de corab
isponjas finas para rosto.
1 de tartaruga virados, com laco e
I .'
Enfeite rede para conservar os cabellos
Lem atados.
! iz para balao. -
Vi i Ixetcs para vestidos.
Trat otos de laa para enfeitar vestidos.
Y .<' para rosas.
I | s francezas.
Tran ;' :- grossos para relogios.
Esc 10 d'osso, marfim e madreperola
para dentes,unhas, limpar pentes ejoias.
C fmas para roupa, chapeo, cabello etc.
Outras de velludo para chapeos.
Pastas pira papis.
Rasp tdei as e facas de marfim para ditas,
fisp e dminos.
- Bl..!anissliai* bandeljas.
A aguia branca por muitas vezes tem da-
torco ou cora, com os quaes podem mesmo pedir a
Dos pela prosperidade d'aRiiia branca, em senale-
gre e espa^oso ninho da ra do Queimado n. 8.
Movos e bonitos
pantinnos travessos dourados e com pedras para
meninas : vendem-sc na ma do Queimado. loja
d'aguia branca, n. 8.
Kahiizlnhos eom perfumarlas e
sem ellas.
A aguia branca vende bonitos bahnzinhos com 6
frasquinhos dechuiros'por l^OO o vasios por 800
rs.. s. rvindo estes para meninas, e mesmo para
jnias. etc., etc. : na roa do Queimado, loja d'agina
branca n. 8.
Unhas maeias e lustrosas para
- bordar
vendem-se Ina loja d'aguia branca ra do
Queimado n. 8.
\ovissimos e bonitos enfeites
para eabeeas.
Quando o bello sexo senta a falta de bons
enfeites para calieca, eis que a aguia branca
recebe urna sua encommenda -de bonitos e
delirados enfeites, c de modernissima moda,
t :er que quando acha alguma pe- mit0 ^xsm^ sso para sanar aquella falta,
5o quer somente com ella encher|e f;17er com quc as Exmas. apreciadoras da
bella empreza Coimbra possam melhor real-
sar e mostrarem o apurado gosto que as
paiia. Esses enfeites sao d'um tecido bas-
tante fino com continhas d'aro, e mui bem
eufeitados com flores, fitas, bicos, plumas
etc., entretanto que sendo obra de muito
goslo custam 5;S. 6-5 e 7$ dinheiro a vista;
na espacosa e legre loja d aguia branca rua
ROUPA FEITA
r NO i
ARlHAZEfl
DE
JLETREXRO VERDE.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimenlo completo de roupa tota de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concor- *
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande o variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
homens e meninos.
o pipo, ao contrario desaja que toda sua boa
frcguezia e o publico-em eral prvem da
r ;:. o que agora mesmo acontece com
essas simas bandeijas, cuja milarao
admira, em relacao aos tamaitos c
qiiaTidad : avista do que convm todos a-
til ti'em-se dessa pportna occasio e
d'um trasto sempre riecessario,
b [u Ihes custara quasi metade do justo va,- j0' Queimado n. 8!
lar. \> '!!!, pois. dirigirem-se com dinhei-
r ; e espacosa loja d'aguia branca Babadinhos estrellse bordados
H'.a do Queimdb n. 8. Vemlem-sc na rua do Queimado n. 8, loja d'apuia
Os nf.n-^'dos eopos com banha. e
boles com inscripces.
Q\ y mu novamente para a aguia branca
esses tad'JS e estimados copos com banha
fina: assim como os bwutos boies de por-
: dourada tambem'com banha, e novas
insi aaviosas c jocoserias, mui ade-
sentes resta porem que os apre-
eiadores mcorram, munidos de dinheiro, A
espacosa loja d'aguia branca rita do
Qneim ido n. 8.
Casacas de panno preto, 3o e
Sobrecasacas idem, 30t e .
Paletos idem e de cores, 2o#,
X5, IW c......
Ritos de casemira, 20$, 13$.
12$, 10$ e......
Ditos de alpaea, $ e. .
Ditos ditos pretos, 9$, 7$,
5$e....... .
Ditos de brim e ganga de co-
res, 4$aOO, 4$, 3$500e. .
Ditos branco de linho, 6$, 5$ e
Ditos de merino preto de cor-
do, 10$, 7$e......
Calcas de casemira prcta, 12A.
10$, 8$c......
Ditas de cores, 9$, 8$ e. ,.
Ditas de meia casemira de co-
res, 5$500e.....40000
Ditas de princeza e merino pre-
to dff cordo, 5$, 4$300 e
Ditas de brim branco p de co-
res, %, 4$o00, 4$ e .
Ditas de ganga de cores.
:ivi00, 3$ e.....
Cohetes de velludo preto ede
30$000 Cohetes de fustSo c brim bran-
25$000 co, 3$OO, 3$ e 2$500
Seroulas de brim de linho,
10$000' 2$400 e......2$000
; Ditas de algodSo, 1$600 e. I$400
7$000 Camisas de peitos de linho.
3$OO; 5$, '!->. :\\ e.....2500
Ditas de madapolao, 3$.
24600, 2$e 1$600
Chapos de massa, pretos f/an-
cezes. 10$. 9$ e 8$300
Ditos de fllro, 5$, 4$, 3$500 e 2$000
Ditos de sol, de seda. 12>.
11$. 7$ e......44800
Collarinhos de linho fino, ulli-
fta moda....... RO
Sortimento completo d"e grava-
tas. $
Toalhas parroslo, duzia, 111,
9$ e........C$000
Atoalhado adamascado de li-
nho vara .y. I$80
Chapeos deso, de alpaca, pre-
. tos e de cores. .* 4$000
Lences de linho..... 3$000
Cobertas de chila chineza. 2$000

RUA DO QUEIMADO N. 46
m s;!)B?oiiidTii
mira de 8$ at 14$, ditos saceos de alpaca, merino e laa de 4$ at 6$,
merm de 7$ at 10$, calcas pretas de casemira de 8$ at 14$, dit
J$600
3*XM)
4$000
54000
7$000
7$Q00
4$000
2$5O0
2-500
DE
Fi%i;\l>iS E ROIPAS FUTAS.
Sortimento completo de sobrecasacos de panno a 25$. 28$, 30$ e 35*. omk
muito bem feitas a 25$, 28$, 30$ e 35$, paletots acasacados de panno preto uV I6 au-
5$, ditos de casemira de cor a 15$, 18$ e 20$, paletots saceos de panno e cas*
sobre , ditas de cor de 7* a*
to->, roupas para menino de todos os tamanhos, grande sortimento de roupas de brn
como sejamcairas, paletots c cohetes, sortimento de colletis arUoi de m*>thn, rascmir.i
c velludo de 4$ a 9$, ditos para casamento a 5$ e CS. paletots brancos de htmanir II
e 5$, calcas brancas muito finas a 5$, e um grande sortimento de fazendas finas e mert-
nas, completo sortimento de casemiras inglezas para homem. menino senluna. ctraali-
de linho e algodo, chapeos de sol de seda, tovas de seda e de Jouvin para homem c ae-
nhora. Temos urna grande fabrica de alfaia^e. onde recebemos eneonunerxlas le i
obras, que para uso est sendo administrada por um hbil mestre de semelhantt* artp f i
pessoal de mais de cincoenta obreiros escolhidos. por tanto executamos qnalqiMT obra i
promptidiio c mais barata do que em outra qualquer casa.

Illeaa jnarnlces de pentes e
iveila* para cintos.
A a a branca ioe-e.be.ii novas e ricas
is de pentes domados, ecom pe-
, assim tomo oulias bordadas frece e
i ni b >las pendentes, novidade essa que s
I acha em dita loja, e que ha verdade se
trn mui alegres e bonilas; e bern assim
i ;.eu liadas iivellas com pedias, e ditas
cTago com neves e engracados moldes, cintos
donrados e de marroquim; e muitos outros
ebjectos de gosto para senhoras sero encon-
kadus ni alegre e espacosa loja d'aguia
brama rua de Quoimado n. 8.
Ciraxa econmica.
branca.
Capachos comprldos c redondos
Vendem-sc na rua do Queimado, loja d'aguia
branca n. 8.
L.nvas de carnerea.
Vendem-se mui finas lavas de carmuca
branca e amarella; na ru do Queimado n. 8
loja d'aguia branca. ~> \
Delicadas tesonrinlias d'aco para
bordados e labyrintbos.
A pedido de algumas senhoras suas predicletas
fi'cput'zas, a aguia branca mandou vir dessas de-
li'-at.is icsourinhas d'aco puntas agudas, proprias
para bordados e labyritlios, e nina vez chegadas
cuino de fado cliegaiam, a aguia branca convida
a fle naais gejthoras suas boas freguezas para
aproveitarem-se da occasio e bem empregarem
sens Vk em cada urna dessas finissimas tesouri-
nbas, na certeza de que perder por chegar tarde ;
quem se demorar em as mandar comprar no ale-
gre e espacoso ninho d'aguia branca, rua do Quei-
mado n. 8. onde tambem ha outras curvas e direi-
tas para unhas.
cores. 9$ e...... 7$000 Pennas d'aro, as mais superio-
Ditos de casemira preta, 5$ e 4$000' res, a grosa...... GOO
Relogios de ouro orizontaes.
3$.r>00 90$,80$e......7O$O0O
5$000 Ditos de prata, galvanizado.
patentes e orisontaes, 40$ e 30$000
6$ e J. 5$OO0 Obras de ouro, adercos, meios
Ditos de gorguro de seda aderecos, pulceiras, rozetas,
pretos e de cores, G$, 5$ e 4$000 aneis e cruzes. $
Ditos de ditas de cores 50
ie........
Ditos de selim preto. .
Ditos de ditos e sedabranru.
5
V- '*9i 1&' ^Sf **?* SS vi 'S;'vT'vi
* "S* ^S"'/ v *** v %* v *.
< .-3X R ilx eSx W< f?'< *a.Sc\**'
wmm

POR MENOS DEZ POR CENTO
NOS
ii(9ii/i:\M
smmumm t mmnw*
DE
GRAIDE
Koa do Queimado n. 2^. loja de Anto-
nio rcr-reir-* da Silva Nata
Veudem-se cambraias de cores a 200 rs. o co-
finas a 500 rs. o
A aguia branca acaba de reeeber essa acredita-
ba gm\;i econmica, cuja superioridade est ge- vado para acabar, e I
mmenle reuenheeida ; essa loa graxa se toma crivado.
lada, Unto porque o calcado lustrado
comella dcixa peWeitenwle lustroso ao menos
m- ilia- sem neceKsidad d* nwo nulo, como
sino
.-iar
wi^t- e barriiiulMBj e acha-se venda na rua do
Qiifioiat) n s, luja d'aguia branca, aos rezumidos
pagos de 400, 500 e 6W r*.
lsplrlto de vinho.
Na rua do Cotovello n. i vende-se espirito de
vinho de 38 eraos a 2iO rs. a carrafa, e em cana-
to porque sua preparacao e approp mda para i ,&m ,a" **" *'"''"*>
iar e conservar o rouro; ella vera em caixi- ____________________________
Si'llins iogleies
chegados casa de Izidoro, Nelto 4 C, rua da
Cruz n. 2.
Peun.-is de ac Inglezas calygra-
pliicas, a balao e oulras.
Unjiii branca recoheu um bello sortimento de
BBeriurcs pennas de aro inglezas, ralygrapliicas,
> Mfflfci a oatras diversas aualidades, cujos procos
aitaoi em propmSo da condado os pri'k'iiden-
h* lite se dirigire'm com dinheiro loja d'aguia

raQca, rua d Queimado n. 8, nao ficarao roscn
lentas. Ni nicsinaloja acha-se tambera ura varia-
*>s.' leciaaa, Sttbrosahiiwlo entre ella>
ra;;- d nova nvenco, que por si mesmo deitam
a penaa tora mando :asfrtni v queira.
Farinha de mandiecn
em saceos grandes, e de superior qualida'
de ; no arma/cm de Tasso Irm3os, rua do
Amorim, n. 35.___________ ______
Vendem-s swperiores fadotras
americanas de halaoco, c m tssentu e
encost de palbinlia : n arnazfti de
MatheiiK AuMin & ('.. rua da Senzala
Vtlaa n. 106-
JDDUrajtt 3, DD3 8M193>0
NS. 21 E 23UlflftfM TERCO-SS. 21 E 23.
Recebem por (jonta propria a maior parte dos gneros eaisientos nos seus arma-
zens e por isso deliberou-se seu proprietaiio a vende-dos por menos 10 o do que em
outra qualquer parte, garantiddo a superior qualidade.
Lelant lodos.
Manteiga ingleza especialmente escolhida a 72o e 8oo rs. a libra.
dem franceza de primeira qualidade a 56o rs. a libra, e em barril a 54o rs. a libia.
Aitoz pilado o melhor do mercado a loo rs. a libra e 3,ooo rs. a arroba ou sacco,
Caf do Rio e do Cear o melhor neste genero a 28o e 32o rs. a libra.
Batatas novas a 5o rs. a libra, em arroba a I,4oo rs. e em caixas de quatro arrobas por
4,5oo rs,
Bolachinhas americanas, as mais novas neste genero, a 2oors. a libra e3,ooors. a barrica.
Palitos do gaz, viudos por conta particular, i 2,3oo rs. a groza.
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor, a l,8oo e 2,ooo rs.
'; Vinho do Porto em garrafa de superior qualidade a9oo rs. a garrafa.
i dem em pipa Figueira e Lisboa a 4oo rs. a garrafa, e a 3,ooo a caada.
Milho alpista o mais limpo que ha no mercado a 46o rs. a libra, e a arrroba a 5,ooo rs.
Velas de spermacet, composico e Aracaty, a 4oo, 36o e 64,0 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa novo e grosso de primeira qualidade a 32o rs. a libra, e 9,ooo rs. a
arroba,. JJ
Alm destes. gneros ha outros.muito baratissimos. assim como cha do melhor,
I azeite doce, vinagre, cebollas, alhos, pimenta, cominhos, erva-doce, charutos de todas as
'qualidades. chouricas, sabao verdadeiro de 16o a 24o rs. a libra, genebra de todas as
i qualidades, que tudo se vende barato e quem duvidar venha ver.
FlTtfDICAO DA AURORA.
Nesta grande e bem montada fabrica de machinismo, a mais antiga im. imperio.
tinua-sea executar coma maior presteza e perfeicao enrommenda> de t.*la a rpnlikW
de machinas usadas no paiz, tendo sempre prompto o seguinte :
firande sortimento do^noendas de eanna de Indos os systemas e tanuiibr
Machinas de vapor de diversas qualidadi-,>. '.
Taixas fundidas e batidas. r ^
Crivos e boceas para fornalhas.
Bronzes e aguilhes.
Rodas, rodetas e rodas d'agua.
Guindastes fixos e portateis. /\
Machinas de cvhndros para padaria. -#
Serras de aeo para serrara. -
Fatechas para barcos, etc. etc. ludo puf preco que bem c.Hivida.
^%^^\^ ^1 ^\%\%^%
DK
TODAS AS QUALIDADES
DE
1NT0NIJ) M1I DE BHIO ^
CONHECIDA POR FABRICADA VTUVA.
N- 21Antiga ma dos Quarteis de policaN. 21
Constando ao annunciante. que alguns especuladores de m fr. vendi o
que gosam os meus cigarros, e para poderem dar consumo aos s*us ambni %>>Mlrn
na i mea como pelo mato, illudindo os meus freguezes, dizendo que sao meas : e en f,.
dos os meus cigarros sao vendidas na minha fabrica, e nao mamlo pessoa atfaaa wln
por minha conta fra della, faco o presente annuncio para evilar que etoiprne gas p.*
e para seguranca dos senhores consumidores deste genero e esperiamvnle m se
i

ebre
freguezes, aviso que todos os massos de cigarros que forcui vendidos na anta ktha si
marcados cora um distinctivo que declara o meu nome. o nomo da na e o onawro >
mesraa casa.
Aproveito a occasio para scientificar aos mesmos senhores. que coi
encontraro Um completo sortimento de cigarros de diversas qualidades, e do i
escolhido, por sua boa qualidade j bem conhecida.
yinita afeneci
Aos senhores martimos e agricultores. M^iila
vez passam por nossa idea desapercibidos, reme-
dios excellentes e de modicissimo preco. com o
, empregodos quaes ge evitara grandes prejailos
Mas pequeos damni.s; ueste caso esl o alca-
trao ou verniz do gaz, o qual alm das multplice-
applicaces que tem na marinha. etllcascissimo
para matar as formigas, esse terrivel flagello da
agricultura, destruir radicalmente o cupim e enn-
, servar as madeiras sontas daipielle terrivel vei-
me, e dar urna duraco infinita as ferranen- em
que fr convenientemente applicado: em latas de
mais de tres caadas a 1^500 cada urna, e em bar-
; ris com cerca de seis caadas a S500 cada uro :
no armazem da bola amarella, no oito da secre-
i taria de polioia.
FARINHA SUPERIOR.
Vende-se a iiordo do patacho Social c do hiate
Cursor, ancorados no trapiche do Jlaio do Livra-
mento, farmlia de mandioca, tanto de Santa Catha-
rna como de Porto Akgre, a melhor do mercado,
porpre$o commodo
Cal de i&boa
chegada ha pooco. e de boa qualidade : vewle-se
nos armazens da rua de Apollo as. W e :t0 jimio ao
theatro. (
Espirito* na rvs Hreitn n
NestevcsIabelerhnt'Dtii. -Tildo ik-t.Mloto
ritos qu a ella dizem reprin\ fez I n
seus numerosos fregmies iwVoatiwki a .
los |mr mein>- inven que ni oul(a alfar i
coiiki sejam. licores de todas as -piihiiiu" i
djuarios a finos, genehn ,,w. taat
da como em bocija, agunr.Wm\fc> :ni Im
de caima, alcool de grao t> bk^- .aM% t
cheiro, proprio ara compusicio. o %Jk H
promette e aluiea o bom acnn&tmamttt
o que lor exportado. ^
17.
ao-
f
l*otaM
Vende-se su#*rior potasaa ib M
mais nova qne ha m wii t, a
modo; no largo do Corpo
Manoet lgiuc> de Oiitete *
m->
fffliiiirkai
Na loja de Arantes Triniw
rouro detastre rara howw a t$
Veade-se en carias 4a _
rio de Aotoaio Luu OUv^ir
\


ILEGVEL


****
*- flfcMaaafe *9 de Agosto de lt.
BSTan
GRANDE ARMAZEM
AE
EE
&5iwmmmm3Mm3mMimmi!c
N. 36, RA DAS CMJHS Rt U
DO

fealrro de Santo Antonio.
, 0 proprietario do muito acreditado armazcm denominado Progrmista lendo
sempre em ^ista fazer tudo o que for possivel para bem servir aos seus freguezes, tem
ddibeMp vender os seus ja bem conhecidos gneros de primeira qualidade pelos presos
;abaixo mencionados, e affianca s pessoas que mandarem comprar por seus criados ou
f escravos, serem to bem servidas como vindopessoalmente; encarrega-se de aviar qualquer
r peaiABienda, anda mesmo contendo objeetos nao proprios deste estabelecimento. O
?.neamo pede aos senhores que mandarem comprar neste armazem o favor de mandarem
DE
GRANDE ARMAZEM DE MOLHADOS
>E
a^asaasMwswwiSSiisia^Jtte
TOD0S = COMPLETO
%AI*ORO^ 9 SORTHIENTO DE XOUIADOS.
se recebem gneros de conta
propria e dos mclhores esta-
belecimentos da Europa, ga-
rntase todo e qualquer ge-
nero comprado neste
ESTABELECIMENTO,
O
ss
S
Q
O

P5
vende-se em porcSo e a reta-
llio, aprompta-se com toda a
presteza e exactido qualquer
encommenda dirigida a este
EST4BELECrMENT0.
Eduardo Marques de Oliveira C.

C/2
O
*5
83
2
%
I s?
3! s
=1. m
a. 5
a. K
I. M
i
5
dfyohtr qualquer objecto que n5o agradar, devendo os meamos senhores ter toda atten-, qs pr0piietarios do muito acreditado armazem Progresso fazem scionte ao respeita-
. jo'tcn os seus portadores, fazendo-lhes ver que so no armazem Progresista da ra das
. Cruce* n. 36, que se vendem os melhores gneros por mais barato proco, porque estes
omitas vezes olvidam-se e vio outra parte onde os serven de maneira a desagradar este
psAetecimento.
Amendoas a 320rs. a libra.
Aveles a 2oo rs. a libra.
Ameisas a l a libra,
vel publico e com especialldade aos seus amigos e freguezes qae tem resolvido resumir os Ditas em frasco por 20800.
precos dos seus acreditados gneros, como abaixo vor*> nao obstante os precos menciona- Arroz pilado da India loo rs. a libra e 3$oooi
a arroba.
PTestes novos e grandes estabelecimcntos de molbados, encontrar o
publico d'esta cidade, bem como seus numerosos freguezes do centro, o\| 'fala
(todas as qualidades de gneros por menos prcco que em qoaesquer oulro es*.-ib r'wtm-
tos d'esta ordem, pois para bem servir os seus freguezes existe na Europa
cios para serem vindos de conta propria diversos gneros, e desdi- j.'i eern :aa-
ipeitarel publico sempre os melhores gneros do nosso mercado, e por arean Lvffm
mos como abaixo verao, a saber :
Massa de tomates a 640 rs, a libra.
Dita cstrellinha para sopa a 860 i, a Lisa.
Massa cstrellinha para sopa a i. Ja.

'i
/.
Manteigai ngleza de 1.a qualidade, a 800 rs.
a libra,
dem de 2.a qualidade, a 700 rs. a libra,
dem franceza, chegada ltimamente, a 6tto
rs. a libra.
Batatas em gigo de arroba a 1,5oo rs.
Queijos 4o reino, chegados pelo ultimo vapor,
-.de 2 241500.
/ Mem prat, xhegado neste ultimo vapor, o
mais ftesco que se pede desejar a 700 rs.
a libra.
dem londrino, mandados vir de encommen-
da especial, a 900 rs. a libra.
dem suisso, muito fresco, a 800 rs. a Hbra.
Caf do Rio del. e 2* qualidade a 85500
e 8,5800 a arroba, e 280 e 300 rs a libra.
Arroz da India e Maranho a 120 rs. a libra
e 30200 a arroba.
AvelSas as mais novas neste genero a 240
rs. a libra.
Presuntos do Porto muito novos a 560 rs. a
libra.
Legumcs francezes para sopa, como seja,
Julienne, mlange d'quipage, Choux e
entras qualidades, a 400 e 500 o masso.
Amendoas de casca mole a 326 rs. a libra, e
em porco ter abatimento.
jarrafoes com 3 garrafas de vkio do Porto
do Alto Douro a 20400 com o garrafao ;
afianca-se que nesse genero o melhor
que veio ao mercado.
dem com 5 garrafas de vinhu Figueira muito
superior e mais proprio para a nossa esta-
co por ser mais fresco a 20400.
Cha hysson o mais superior a 20600 a libra,
afianca-se ser egual ao que regutai-mente
vendemos a 30200.
dem huxim miudinho, o mais superior que
vem ao nosso mercado a 2#70O a libra.
dem preto muito fino, a 20000 a libra.
Chocolate para 9oo, l,ooo e l,2oo rs. a li-
bra.
Garrafes com I frarrafas.de superior vinho
de Lisboa a 20100 cada um.
dem com 5 gaiTafas (le \ tingre de Lisboa
a 10100 com o garrafao.
I gus a 800 rs. cada um.

*
de superior qualidade a cada
imhe
Mostarda preparada em potes muito nova a
400 rs. cada um.
Mho-alpista a 180 rs. a libra.
Gomma para engommar muito fina e alva a
80 rs. a libra e 20300 a arroba.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
SabSo verdadeiro hespanhol, que raras vezes
vem ao nosso mercado, a 300 rs. a libra e
em caixa ter abatimento.
dem massa de superior qualidade de 160,
180, 206, 220 e 240 rs. a libra.
Graixa em latas muito nova a 120 rs. a lata
e 10300 a duzia.
Peixe em latas muito novo: svel, pescada,
curvina, salmao c outras qualidades, pre-
parado de escabexe segundo a arte de
cozinha a 10100.
Papel grve pautado e liso a 30800 a resma.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
460 rs. cada urna.
Vinhos em pipa: Lisboa e Figueira das melho-
res marcas a 30200 e 40000 a caada do
melhor e 500 rs. a garrafa, em porcao ter
abatimento;
Vinho velho Chamico em barril, muito proprio
para sobremesa, a 640 ns. a garrafa e
50000 a caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero a 560 rs. a garrafa e a 40000
a caada.
Vinagre puro de Lisboa a 200 rs. a garrafa
e 10400 a caada.
Azeite doce de Lisboa muito fino, em barril
a 640 rs. a garrafa, e em porco ter
abatimento.
Champagne das mais acreditadas marcas, a
10000 a garrafa, e 100000 o gigo com
urna duzia.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
liahia a 30500 a caixa, tambem temos
para 20000, 20500, 30000 e 30200 a
caixa.
Vellas de spermaceto superiores a 600, 6i0,
e 680 rs. o masso.
Vinho do Alto Douro das marcas mais acre-
ditadas c especialmente escomido por um
de nossos socios, como sejam: Camoes, Du-
que, do Porto, D.Luiz, Carcavellos, Cha-
misso < Filho, Madeirjg secco, e Feitoria a
Farinha de Maranho muito alva e cheiroza
a 16o rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 32o rs. a libra e a 9,ooo
rs. arroba.
Sardinhas de Nantes a 36o rs. a lata.
dos a vista da qualidade dos gneros que se prova quanto se deseja servir satisfatoria- Dito dito do Maranho 120 rs. a libra e 30500
mente aos nossos freguezes, advertindodues que mandem seus portadoros, que sero to garrobo.
AaeWe doce franeez 800 rs. a garrafa,
bem servidos como se viessem pessoalmente, isto s no Progresso. | Dito de Lisboa 680 rs. a garrafa.
Agurdente de canna de cabeca a 240 e 320
.-s. a garrafa.
Azeitonas a 320 rs. a garrafa e 1,3oo a an-
cqreta.
Batatas inglesas a 6o rs. a libra e l,8oo a
arroba.
Banha de porco a 55o rs. a libra.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. agarrafa ea | Bdlaehinba de soda a 10400 a lata.
4,8oo rs. a caada. jBetohmha ingleza a 200 rs. a libra, e a bar-
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e a i rica a 30000.
1,2oo rs. a caada. I Cha hyssen a 20200 a libra.
Garrafdes com 5 garrafas de vinagre de Lis- Dito dito fino a 20600 a libra.
boa a l,loo rs. j Dito miudinho a 20800 a libra.
Champanhe das marcas mais acreditadas a Dito do Rio a 10800 a libra.
8 e a lo>ooo rs, o gigo, e a 8o rs. e a Dito pr-ete a 10900 a libra,
l.ooo rs. agarrafa. 'charutos de diversas qualidades a 10200,
Serveja preta marca T e XXX a 6,5oo e' l*600 e ^ a caixa-
7,ooo rs. a duzia, e a 6oo rs. a garrafa, Champagne a 10 e 10300 a garrafa.
tambem temos das mesmas marcas para 4, Chourieas a 560 e 600 rs. a libra.
e 4,5oo rs. a duzia, e a 4oo rs. a garrafa. Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
Caf era grao a 300 e 320 rs. a libra, c 90 e
dem branca Te cobrinha a5,3oo e 6,ooors,: 90200 a arroba.
a duzia e Soo rs. a garrafa, tambem ha Ditomoidoa 360 rs. a libra.
para 4,ooo rs. a duzia. Doce de groaba a 560 rs. o caixo.
Graxa em tetas grandes a i,3oo rs. a duzia Espirito de vinho de 38 graos, a 280 rs. a
12o rs. a lata. I ST1 u- ,on
\ \ Farmha do Maranho a 160 rs. a libra.
Vassouras do Porto arqueadas de ferro obra' Dita flor de laranja a 10 o frasco.
de muita duracSo a 4oo rs. cada urna. ; Feijo branco muito novo a 440 rs. a cuia.
Palitos de denles masaos grandes a 2oo ftJSi 3f0,s,a '1"3- .-
, JU Genebra de Hollanda em botijas a ooo rs.
Dita Hamburgueza a 44o rs. a botija.
Manteiga ingleza perfeitamente flor chegada
no ultimo vapor a 8oo rs. a libra.
dem de 2.* qualidade a 76o rs. a libra.
dem de 3,a dita a 64o rs. a libra.
dem para tempero a 32o e 4oo rs, a libra.
Manteiga francezaa mai6 nova que ha no mer-
cado a 58o rs. a libra, e em barril ter aba-
timento.
Banha de porco refinada a 520 rs. a libra.
Vinho era pipa Porto Figueira e Lisboa a 4oo,
48o, Seo, 56o rs. a garrafa, em: eanada
2,8oo 3,ooo 3,5oo e 4y000 rs.
dem em barril o mais superior que tem vin-
ao mercado a 6oo rs. a garrafa.
Lagrimas do Douro especial vinho do Porto a
l,ooo a garrafa e a lo,ooo a caixa, o preco
nao indica a qualidade d'este precioso vi-
nho, porm venhamao Progresso que a vis-
ta faz fe, aeste generoeonstantementeman*
damos vir de Gonta propria e por isso po-
demos vender por menos que nutro qual-
quer annunciante.
Macan ao, aletria e t.ilhai im a 48o itaS-
bra.
I Marrasquino de Zara a 800 r?. o frasca.
Passas a loo rs. a libra.
Palitos para dentes a 180 rs. o m..Mx
Phosphoros do gaz a 20300 a groaa.
Paios novos a 640 rs. a libra.
Queijos do reino do ultimo vapor i ?5 a
20500.
e 28o rs.
9oo rs. a garrafa e 9,ooo rs.
12 garrafas.
Garrafes com especial vinho do
tendo 5 garrafas a 2,5oo rs.
dem com il garrafas de
gucira a2,4oors.
dem com 5
2,loo rs.
garrafas de vinho Lisboa a
a caixa com Paltos do gaz a 20 rs. a caixinha e 2,3oo rs. Gomma dararuta a 100 rs. a libra, e 20000
S*0- a arroba.
Pono con- Gt,a de A,perc|ie chegada n0 bWbw Graixa em lafas a 120, o 10300 a duzia.
latas de 2 libras a 8oo rs. pesaincliaT ^t0"1 garrames de 14 garrafas por
Genebra de Hollanda garrafes cora 16 gar | Licor fino a 800 rs. a garrafa,
rafas por 6.000 rs. ; Dito em garrafas grandes de superior quali-
superior Aiuho Fi-
tdem de carnauba e composico a 320, 360,
Vinhos generosos vindos do Porto engarra-) e 400 rs. a libra e de 100 a 110500 a
fados das seguintes marcas: Genuino, arroba.
Porto fino, Nctar, Duque do Porto, Fei-
toria, Velho secco. Chamico, Madeira su-
perior e uutros a 900 rs, a garrafa e 90
a duzia.
Vinho Bordeaux das mclhores marcas: St
Julien, Medoc e S. Estephe e outros a
640 rs. a garrafa e 70300 a caixa com
urna duzia.
Chouricas e paies, o mais novo que se [xide
desejar, a 250 e 600 rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglcz dos melhores fa-
bricantes a 900 rs. a garrafa e 100500 a
caixa com urna duzia.
Marrasquino de Zara em frascas grnales a
800 rs. cada um.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa, a 10000
a ancoreta do Porto o 10500 a de Lisboa
Massas para sopa: cstrellinha, rodlnha e pe-
vide a 400 rs. a libra e 20000 a caixa com
8 libras liquido.
Massas para sopa muito novas: talharim, ma-
cando e aletria a 400 c 480 rs. a libra.
Chocolate portuguez, hespanhol, franeez e
suisso das melhores qualidades a 900 rs.
a libra.
Doce da casca da goiaba a 800 rs. o caixo.
Cerveja das melhores marcas de 50300 a
60000 a duzia c 540 rs. a garrafa
Biscoutos inglezes de diversas qualidades a
10300 a teta.
Licores francezes, muito linos, das seguintes j
marcas: Anizetta de Bordeaux, Plaiser des
dames Crme de Noyau, Eau Dantzic, Bolachinha de soda, especial encommenda,
Crme de Menthe, Hude de Venus ele. etc. muito nova em latas grandes a 20000 cada
urna.
Passas muito novas e de carnada a 400 rs. a ** Pm u*,, fe ,ioo a 700 r<5
libra e 60500 a caixa cora urna arroba, ha Ma^a^mamate5 em ,aUs l b a 70 rs"
caixas, meias e quartos.
e .. iii,jfloi; Sardinhas de Nantes, do fabricante Basset, a
Amejxas francezas em frascos de 11 [2 e li- 3(K) ^
bras de 10400 a 20800, tambera ha latas Wlb' d ";
de 6 libras. Toucinho de Lisboa novo a 320 rs. a libra.
; Tijolo de limpar facas a 180 rs. cada um.
Marmelada imperial, dos melhores conser- ce{,0nas 0 moiho a 900 rs
vfiros de Lisboa, a 600 rs. a bra, em la-
tas lacradas herm.ticamente. Erva-doce muito nova a 400 rs. a hbra.
Fruetas em cald-v, de todas as qualidades em Cominhos dem idem a 640 rs. a libra,
lats muito >m enfeitadas, a 500 rs ca- Garrafes vasios a 500 rs. cada um.
da, urna.
. .-, DHos com 5 garrafas de genibra a 20400,
Bolaciimha inglez-j ma.s nova que se pode ^.^ ser venladera de Hollanda.
dea^av 'a 3,000 a bamc a e 240 rs. a i
S !ibra< Cebollas a granel a 640 rs. o cento.
do Maranho muito alva e cheirosa Canella a mais nova do nosso mercado a
Vinho branco de Lisboa proprio para missa
vindo j engarrafado de Lisboa a 64o rs.
a garrafa.
dem em barril muito superior a 3oo rs. a
garrafa e a 4,ooo e 3,8oo a caada.
dem em frasqueiras a6,3oo rs. e 6,5oo rs. ea
36o rs. o frosco affianca-se ser verdadeira.
dem de botija em barricas com quatro du-
ziasa 44o rs. cada lwtija.
dom de laranja em frascos grandes verda-
deira italiana a 1,00o rs. o frasco.
dade a 10500.
Manteiga ingleza flor a 800, 900 e 10 a libra.
Manteiga franceza a 600 e 64o rs. a libra.
Dita hollandeza a 72o 800 rs. a libra.
Mostarda a 640 rs. o frasco.
Dito de prato a 720 rs. a libra.
Cenejas de marcas superiores a SO V -">JflL
600 e 640 rs. a garrafa, 50300. 03 a
60300 a duzia.
Dita em bail por 40. e 240 r.. a:
Cevada a 240 rs. a libra.
Sardinha de Nantes a 360 c 400 la. 3 'jav
nha.
Sag a 240 rs. a libra.
Sabo massa a 200, 240 e 280 rs. i btra.
Sevadinha a 280 rs. a InVa.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a *fl v
Tijolo para limpar facas a 160
Vellas de spennacete tk gaz n 1,2 libra.
Ditas do gaz muito bras.
Ditas dito em caixas de 6 tib ;s r *C**L
Ditas de carnauba a 400 rs. 1 H 1 L
Ditas de composico a 3t501 WO n. a t$ra,
Vinho do Porto, caada a "^'*\ 1
720 rs.
Dito Lisboa, caada a i5 e a | .Ot
rs.
Dito Figueira. caada a 3084(
480 rs.
Dito dita superior, caada a 4.? e 1 i^nSa
a300rs.
Dito Estreito, caada a 320 e a g.nrsa
400 rs.
Dito Bordeaux a 720 e 800 rs. l jliiBI
Vinagre dc4.islioa em garraf5e t-
fas por 10400.
Dito em caada a 20, e a 260 1
Vinho do Porto em m atoes i
por 2vjO0.
Dito dito engarrfelo a 14 e I0
Dito lagrimas do Douro a I
Vinho branco de Lisb.,i a 720 rs.
e 50 a caada,
Dite do estreito a 6001 's. .1 gan
a caada.

Prevme-se ao respeitavel publico que todos os gneros cima :>5o .;.
dade, e para desengao venham ver; assim como outros que dcixam >l ata ai 11
Ameixas francezas era caixinhas de 1 /a. 2 Marrasquino de zara a-72o rs.
e 3 libras elegantemente enfeitadas com ri-
cas estampas na caixa exterior a
I.600 2,ooo c 2,5oors.
dem era latas de, 1 '/i e 3 libras a l,4oo e
2,6oo rs, cada urna.
Licor franeez de todas as qualidades em
l,3oo garrafas de vidro brancos a 72o e 800 rs.
BROI ]! 38a
\ inho Bordeaux das melhores qualidades. Este muito acreditado estabelecimento est prvido de um completo TliaBecfi 4a
que tem vindo ao mercado a 72o e 800 machinismos proprios do fabrico de assucar, a saber:
rs., e era caixa a 7,5oo, 8, e 8,2oo rs.
Figos de comadre em bauzinhos de folha Azeite doce refinado do fabricante Pelando
muito proprios para mimo a l.Ooo. outros a 800 rs. a garrafa.
dem em caixinhas a l,4oo rs.
dem em caixinhas ermeticamente lacradas
e muito bem enfeitadas a l,8oo rs.
dem a 2oo rs. a libra.
Passas de carnadas as mais novas que ha no
garrafa
! Conservas inglezas sortidas e de urna s qua-
lidade a 800 rs. o frasco.
Araruta verdadeira a 32o rs. a libra.
Gomma de engommar muito alva a 80 rs.
a libra e 2,2oo ra. a arroba.
mercado a 4oo rs.
caixa.
a libra e a 6,000 rs. a j Sagu muil0 novo a 2io ^ a |iJ)ra
Sevadinha de Franca a 16o rs. a libra.
Sevada muito nova a 12o rs. a libra e 3,2oo
Lagostim em latas grandes a l,4oo.
Salina. 1 em
800 rs.
latas ermeticamente lacradas a
FarinlA
alf)
rs. a bra.
10000 a libra.
Azeite franeez clarificado a 800 rs. a garrafa Alfazema o que pode haver de melbor neste
e 90000 a caixa com urna duzia.
artigo a 280 rs. a libra.
Conservas mglezas dos melhores fabricantes phosphoros de seguranca individual a 20 rs.
Mixed Pickles, ceblas simples, e outros
a 760 rs. o Pasco.
Farinha verdadeira de araruta a 500 rs. a
bra, garante-se a superior qualidade.
Palitos para dentes em caixinhas douradas
Breu, a 320 a libra e 80 a arroba.
a caixinha.
Papel de embrulho muito superior a 10120
a resma.
Vinho da Figueira, o que ha de melhor a
40000 a caada.
'Copos finos para agua a 60000 a duzia.
Savel, corvina, cherne, vezugo, peixe espada,
preparados pela primeira arte de cozinha a
a l,3oo rs.
Queijos flamengos chegados no ultimo va-
por a 2,4oo rs.
dem do vapor passado a 2,2oo 2,ooo e
1,80o, rs.
dem prato do ultimo vapor a 64o rs. alibra.
Doce da casca da goiaba caixes grandes a
600 e9oo rs.
Chouricas as mais novas que ha ho mercado
a 48o rs. a libra.
Chouricas mouras encommenda especial nos-
sa a Seo rs. a libra.
Prezunto verdadeiro de lamego em calda
de azeite Soo rs. a libra
Bolaxinha ingleza a mais novas que ha no
mercado a 2,ooo rs. a harriquinha com
1 arroba, e a 24o rs. a libra.
dem de soda de diversas qualidades a 1,400
reis.
dem em latas grandes, proprias para hinche,
com5 a 6 libras por 2,4oo rs.
Marmelada imperial do fabricante Abreu e
outros conserveiros de Lisboa a 600 rs. a
libra.
Macarro a 32o rs. a libra.
dem e talharim o mais novo que ha no mer-
cado a 48o rs. a libra.
Aletria a Soo rs. a libra.
Arroz caroliuo a loo rs. a libra e a 2,8oo rs.
a arroba.
dem do Maranho
3,ooo a arroba.
a 12o rs. a libra, e a
Machinas de vapores as mais modernas e mais acreditadas.
Bodas d'agua de ferro com seus pertences.
Moendas e meias moendas .de todos os tamanhos.
Rodas dentadas, angulares e de espora.
Taixas de ferro batido e coado.
Boceas de fornalha pelo novo systoma Wetson.
Alambiques de ferro fundido.
Pornos para cozer farinha.
Moinhos para moer mandioca.
Arados americanos, etc. etc.
ESCRAVOS FGIDOS.
No dia 2i do corrente fugio da casa do abai-
\w seibares caaiaVs ir r.mjx
Dcsdu o dia 7 da a preta Luisa, crioula. <^ nm < ^m
tem corlado o braco dircito. laapn !
xoassignadooscucscravopardopoinomeAleixo, ya do finado Jos Claudino !.l-[. i
ofllctal de alfaiatc, c bem condecido por ter traa- J* Wj^ ;
Ihado as casas dos Srs. Flix, Jorge, e ltimamen-
te na dos Srs. Bastos & Reg, cujo escravo tem os
signaos seguintes : estatura regular, bastante ma-
gro, pouca barba e calvo, e anda calcado : quem o
apprehendcr leve a ra do Vigario n. 10, ou_ no
aterro da Boa-Vista n. 16, que ser recompensado.
Domingos Alves Matbeus.
Dcsappareceu no dia 25' do corrente, do arma-
zem do sal na Boa-Vista, ra da Conccicae, um ca>
Fmtas era
Soo rs.
calda de todas as qualidades a
fifi' do Rio o mais sunprior mo p mulo Ip 'bx* ^ nome Vjcenle.,da(le de 20 a 22 annos, alto,
Ult .U0 Ki mai& ^Perior flue P(le "p" grosso do corpo, caMIo meio crespo, ollios meio
sejar a Jzo rs. a ora. aperlados, que quando olua por baixo, nariz pe-
dem a 28o e 300 rs. a libra e a 8,2oo, 8,400 \ queno, rosto redondo, tem bigode, e no qneixo um
e 8,7oo rs. bocadmho de barba, ps grandes, levou calca bran-
Vclas de carnauba refinada a 32o rs. a libra,
Ervilhas francezas a Soo rs. a lata,
dem portuguezas a 64o rs. a lata.
Massa de tomate a 64o rs. a libra.
Amendoas confeitadas a 7oo rs. a libra,
dem de casca mole a 28o rs. a libra,
Avelans a 2oo rs. a libra.
e a lo.ooo rs. a arroba.
dem de spermacete a 6fco rs, a libra.
Chocolate hespanhol e franeez a 9oo e Moo
rs. a libra.
Estrcllinha e pevide muito nova a 4oo rs. a
libra, e a 2,ooo rs. a caixinlu com oito
libras.
Cha perola muito especial chegado ueste ul-
timo vapor de encommenda particular
nossa a 2,8oo rs. a titira.
dem huxim muito superior a 2,7oo rs. a
libra.
dem hysson a 2,36o rs. a hbra.
dem hysson a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
dem preto homeopathico e muito superior a
2,ooo rs. a libra.
dem nacional a 1,6oo rs. a libra.
Batatas muito novas a 8o rs. alibra.
Charutos dos melhores fabricantes da Babia
e de todas as marcas, como sejam: sus-
piros, havaneiros, messoeipes, regala im-
perial, flor das maltas, primores a 4,ooo.
3,5oo, 3,2oo, 3,ooo, e ,8oo, 2,Soo,
2.000 e l,6oo rs. a caixa.
ca de brim c um camisao de estopa e chapeo de
como : roga-sea pessoa que o pegar, dirija-se
roa estrella do. Rosario n. 18 C, toja de miudezas,
ou villa do Limoeiro ao seu dono Ignacio Jos de
Oliveira, que ser bem recompensado.
Fgiodo ongenbo Marcuj, na uoito do dia
24 para S do corrente un escravo de nome Mala-
chiss eom es sipnaes sdguintes: cor preta. bas-
tante barbado, tem um dente de menos na frente,
pernas arquiadas, urna cicatriz no pescoco e outra
nos tombos, com 40 annos de idaae, levou urna
camisa de algodao azul e outra de madapolo, nma
bna encamada, e chapeo de pallia novo ; presu-
me-*e ter septiido para o Pajea em companhia de
Manoel, mulato, de 26' annos de idade, o qual tem
o lattio superior mais saliente, o nariz grande e a
telte caneada, sem barba alguma; promette-se ge-
nerosa recompensa a quem apprehender o referi-
do escravo, e o levar ao engenho do abaixo assig-
nado, o no Reclfe a Manoet Jos Fernandes Bar-
ros, na ruado Queimadon. 30, segundo andar.
Francisco de Barros Velloso it Silveira.
a
' Xo dia 7 de agosto corrente fugio o escravo
de nome Lino, crioulo.de idade que representa 45
aunos, pouco mais ou menos, barbado, desdentado
e feio, pnxa um pouco pelo quarto direito quando
anda, levou camisa de algodao liso, porm fino,
com uunho imitando o de ]aquta, calca de algo-
dao de lista, chapeo je palha preta, tem offlcio de
serrador : quem o pegar ou tiver noticia delle,
leve ra da Praia de Santa Rita Nova n. 49, casa
onde mora o Sr. JoSo Caetano de Abren, que ser
gratificado.
bandas do Rosarinho, ou BHnn >i t tt
teve-a .i" Man^iiiiili. lauio aw
pell;i. que era leciiinnen-iiln. n
tribunal Antunes de Farias Torre-, *-nhur d.- ,
crav.i.
A1TE\C\0

x
Fugio DO dia O, da ra escravo Sebastin, pertencente ao s
com os signaos scguinti ban i
um )ouco corcundo, barba ingina
marcas de bexigas, com falta de d-n
ta ter 40 annos de idade. levoi
azul, calca dealgnd.ozinho. cltapo.li-1 .'.i:
o pegar evo rna da Aurora, rasa th *ru v
ou na Velha n -Vi. que -era ,'em-i'vui v p%-
tilicadc.
AdeHno Tlieodor" Al %
Xo dia 8 do corrento fugio o e* *w^
Afrirano, idade de 50 annos. cmi i i y-
guinies : estatura regula, carn i
bebde no olho esquerdo, aaaBBH aala
rapada, e qnando falta e com ari". i
vestido camisa e calca de esloupa.
ro ; este escravo fot pettencenie
de Aranjo e Albnqnerqtk1, morador en Barra 1
va, distnclo de Buujue, ucoaajaradt' r>
ao fallecido coronel Gouvia. sup|x>
Kuifo para este lugar, ou achar-sc .-,...... '..'im
lugar da Capunga : quem appr>*hrri roa nova de Santa Rita, serraiia
Gomes de Mcdeiros, qnc ser reroi?n:' '--an.
ESCRAVO Fl 3IIO.
100S ttnliic r.-.a
Contina fgido desde Janeiro o mualo *
Raymundo, natural do feo, esfcUora reyabr.
de 18 annos, cabeca chata, caftrlk
testa grande, rosto oval, rom nma ftstub n
esquerda, maeas salientes, dentes lnns.1.* |
dos, bocea regalar e principw dr hnrn. i pemienos, rostumava andar caira*', c mm
selivre, : qncm o apprehender diri'
Cadeia do Recife n. 21, a Lniz Antonio
que entrepni a referida grafilVario.
I
raJaV
*
ILEGVEQ
^


J
LITTERATRA
veram n'outro tempo as provincias polacas, sob ou-
tras dominacoes.
Nao pois para admirar que os nossos prede-
eesseres junlamenie comnwvidos pela posicao da
Piarlo do PffnmWA .~ toabbario *B t 4*asio e i HU.
O que rae pelo mundo.
Km seguida publicamos acacia que se diz ter sido efrrea opprimida e tormenlada, contra a fdos
dirigida pelo papa ao imperador da Hussia sobre trafad< pblicos, lirassem militas vetes de tees
a miestafl da Polonia : tormentos o argumento dos seus lamentos e recla-
.h Vossa magestade uio dcvc admi- maryf auto os potentados da Europa.
sua equidade c Justina, em U de Janeiro de l85u\
pedindo-lhe que se continuasse a discussao sobre
os pontos ainda nao concordados na referida con-
vengo, e que se apressasse a exeeueJo leal daquel-
les ja estipulados.
porque
rar-se, n.i presenta dos grandes desastre.-
actualmente csi i passaudo a Polonia
teMbeni do grande interesse que os povos
venios lomara pelo futuro desta nacao, n> com- em
nj ivide por tamas dores e or tamaito* mni..c nn. Prov
pregadores; depois arcebispo regen por muitosan-
nos com surama vigilancia a egreja Bracarense ;
e resignando ltimamente o arcebispado, cheio de
annos, entregou a alma a Deus nos senmentos da
maior piedade, entre os mesmos padres pregadores,
No entanto, porm, que at boje temos espera- jno convento de Vianna. Mas nao smente em
do dcbalde a resposta que, como V. M. nos certifi- Portugal quefloresce o Ilustre nonie do veneravel
cou, deva ser dada ao cardeal nosso secretario de "rao, elle se estende por todo o orbe catholica Por
M. nao deve ignorar que a santa s aposto tado. por intermedio do ministro de V. M. em Ro-' quanto no sacrosanto concilio tridentino muito se
mia. eempresenpa "ca- lk'P|orando as affliccoes da Esposa de Chisto na, rom despYazer lemos nos jornaes pblicos o distmguiu na sciencia das sagradas lettras. zelo
os povos e os go. (* egreJa ca"'olifa) esl sempre prompla a voar relatorio apresentado V. M. pela commissao crea- apostlico pela gloria de Deus, honra da egreja e
sorcorro deta, o em sua defeza; que desap- da Para cxamtf dos diversos pontos relativos i an&mento da rcligi-io. e deu tao conspicuos docu-
iando publicamente os actos de violencia que se convcngo, e lambem o protocollo dos artigos ainda memos e Ilustres exemplos de invencivel ma F. L. Card. Mirara bispo ost. e velet. prefeilo de
S. C.R.
Jos Gaspar Fattti, secretario da S. C R.
Lugar do sello.
O -rime.
Yivat Polonia !
I
Vae para ura seculo que tres soberanos coramet-
Mi tamas dores e por tamaitos males, nos """,uuu tmuittmimmn os anos ae violencia que se
dii igfmos directamente a vossa magestade. appel- cmPro8nem con ella, quer denunciando ao mun- nao'eslipulados relalorio que fcilmente nos deu nimidade, despreso dos bens caducos
aban-
A propria Caihcrina eoaaancon *
segredo desta libeninagem de estte.
Mofla Isabel, Camern jetea
car a seu marido da coroa: e
trama aosea amale o dia.
marcha em psate i frente
contra Pedro III, fa-lo
campo e o obriga a assigaa- rohmUtm
abdicaco. Depois, roa na aatap*
prisao,
O pobrp monarcha destrtete pete-nV r
vores para suavisar o captiveira : I
lando a sua benvola allenco para as principaes do cat,louVo os gemidos de um povo focado a i
causas dos actuaes transtornos, e indicando os re- donar a sua reliKo de um povo que suppllc
a conhecer quaes os seutimentos de que estavam
animados os membros da commissao para com a
in-dios que julgamos mate efficazes e mai7pr"omp- dexem viver ,ivre na ecblica; quer publi- egrpja calno,ica< e 1uacs ciam as espenneas que
tos para restituir o socego e a tranquillidade L ando d0CUIUent0S reiteradas confirmaedes da Peamos nutrir quanto ao resultado da* nossas re-
almas dos Polacos, tao fundamente agitadas por jus,ica e necessidale das reclamacdes e protestos ctaBMC*-
urna lula cruel e obstinada. pontificios. E' justo tambera recordar que olci-' .. Nao teno os D0SS0S cridados, e os nossos pre-
decesores, obtido at Iwje xito algum, temos
tMndn noh in a __s \ .. uecessores, ouuuo ate noie xito algum, temosa
Imposta nos tal obrtgacao pelo offlcio do mi- T g j ra s,do itrlorar lambem as eonsequencias de um systema
icno apostlico ; o nosso amor ocla vilom guiaaa 8emPre pelos sentUnentos de do^ura e de tao contrario ao espirito da egreja catliolica n'ulna
serosa nacao nohci nmi,,..',, n vT Icandade chrislaa, o que nunca falta s mais deli- parle do clero secular regular.-Limitando ja um,
iiiu, (.um ui->|ii.iui ifniDs nos jornaes puuucos o "8" relatorio apresentado V. M. pela commissao crea- aPostolico Pela gloria de Deus, honra da egreja e' S a e,aro* *"* ab^ dan {^' 7 r0Ub a
que charaaram a partilba da Polonia !
I O primeiro ladrao era Frederico, alcunliado de
! Grande, homem faceto, flautista distincto, e que fa- [Pa ; 2-. o scu negn* e 3* a
e outras su- 7a versos jocososein france7. escrevendo-os com
blimes Mrtudes que mereceu ser elogiado pelos ortboeranhiallemla
summos pontfices, preconisado pelos padres d a-' ra|""' al'n.M.
miPiia e,Ljn A- u ."".'* n* Paares aa i Sabia, porem, guerrrar, como nelium de seus
quelle sagrado concilio, e principalmente recom- vizinbos. S
mendado por muitos historiadores.
Mas com quanto este veneravel arcebispo fal- .
lecesse no anno de 1590 em grande opiniao de santi-' ridade na arte de matar aproveilou para
dade, s muito tarde se iofaoraram
uisleno
geaat
e -quenos^lrao^rVTc^^ ^ *, =- da ~ "-i ^ eo^X ^,ave
cao polaca tmbem s ^ ^^^ -^ q j oulfo
. fallnn lora pm, n A *~t- .. __ i pouco o clero aos seus IieHS e im
l-laposporldadeerepouso deseo Imperio. q^i^^^^^?!^.]1^^ por.coiregios
\. M. atienda a que us, cora as vozes da verdade
e nao inventara, tinlta quando menos
aperfeicoado a tctica prussiana, que consiste em
formar bcres a pu c mais pi. Da sua soperio-
alimpar
os processos' as algibeiras da Austria.
SIoesIos>f(SreH0 TV Vda C faCt0S' CUJ0S Com ,ud0 isso Frederico fazia Proflssao d'' Ph<-
processos foran, depois levados a congregado dos ,anfropo. mTcceil
a Yol taire um emprego' de
10, jiassauu IllilfS UC r n\rto
e universidades :"msecui d. ^''ec'menlb do veneravel servo do bordada as costas da casaca. Marcou i orde-
no,
sea coal.ccimento os faena sobre os quaes se fun-
damentara os continuos lamentos desta desgranada
nacio> o que renovamos tambera as nossas orajes
e supplicas, por que nfeltees seriamos s com o
pensameate de eomparecer ante o inexoravel tribu-
nal de Deus. com o remorso de as havermos des-
presado.
Magestade .' Affligimo-nos recordando-me de
que apenas se decidlo a partilha do reino da Polo,
ma, grande opp.isieao se levantou as provincias
i!ine\as. s com o pensamento do prejuizo que sc-
BwHnou partilha causava religiao catholica.
< Nao queremos agora fazer a enumeracao das
injurias que se lancarain ao clero e aos fiis dos
dcwnrtios: bastara que V. M. dirija a sua atten-
5*40 para os numerosos documentos authenticos.
publicados sob a dominacao dos seus predecessores.
e que a cada momento recordara a confiscafao dos
bons do clero, a suppressao de numerosos mostei-
rose i'oiivenios d'-arabos os sexos; a promulga-
c io de lela bostis autoridade dos bispos e disci-
pJma da egreja ; as ameaeas de castigos severos
contra o propagadores da religiao catholica; os
esforcos empregadoe para obrigar mesmo com vio-
lencia milhSes de rbutenos a abandornarem a f
seguida por seus progenitores; o sequestro de in-
niinioias egrejas catholicas, para as entregar
como prepriedade aos dissidentes ; a obrigacao de
educar na religiao do estado os filhos provenientes
dos casamentes mixtos ; a prohibicao de commu-
ineaeao directa com a Santa S ; finalmente, o con-
dovOl numero de tantas outras disposicoes,
adoptadas para minar a unidade da egreja catholi-
ca, e para lancar a perturbaelo na consciencia dos
tieis
t Totes "sias medidas adoptadas para ruina da
religue catholica pecesaariamente tinliamde pare-
cer muito graves e intoleraveis aos olhos da Euro-
pa, que se lia resentido do desenvolvimrnto dellas.
a a >3 olhos da Polonia, que verga va sob o seu pe-
10, tanto mate que bem clara e francamente esta-
vam escripias as convencoes e tratados solemnes
concluidos pelos predecessores de vossa mageslal
de as oceasies das suceessivas pariilhas deste
reino, e especialmente pe'0 tratado de Yarsovia,
conchudo em 18 de setembro de 1773; e o de Grod-
oo, era 1"'. t.
i Kestes doos tratados, os soberanos da Hussia
teclararam solemnemente, assumindo o governo
ila provincias cedidas da Polonia, que os catholi-
- rnanos dos dous ritos conservarao em ludo e
por todo, a^ suas procedentes poeieSes ; isto, o
lires Lxeicie'io do seu culto, dos seus deveres para
cora a egreja. e a posse dos bens ccclesiasticos que
DOSStttom DO momento de passarera sobo dominio
TttSSO, dando taubem o novo soberano apalavrae
compromisso solemne, tanto por suap arte como dos
seos res, de conservaran perpetuamente
aos referidos catholicos de ambos os ritos a posse
j-a juilla dos privilegios e liens da egreja, o livre
exercicio da sua religiao e deveres, n'uma palavra.
Odos o direitos innorentes : se protesta fraalmen-
lc que nom o soberano nem os seus successores
iercerie nunca algum direito de soberana em
prejuizo da religiao catholicaTromana, dos dous ri-
11 nos provincias polacas subjeitas ao dominio
rasso.
i Se estes tratados c outros idnticos, fossem le-
almente obserrates, reconhecer V. M. que bas.
tantos males se teriam poupado,e que talvez a reli-
olica na Polonia rasa nao se encontrasse
boje n'uma condicao inferior aquella em que esti-
e res accrescentando-se tambera que esta condes- onde o ensino prejudicial, assummdo as com- *** Dede este tempo a nobilissima familia dos' nado correspondente a este emnreo nhilosoohicn
a jcemlenc.a.e esta longanimtede por moitas vezes nlssoes te governo a autoridade c ajurisdiccao(padres pregadores desenvoK-eu maor diligencia-'e lhc afantTZmo c^mStowFZl'
tem admirado aquelles que iRnoravam os motivos' pncente por dtralo divine ao pontee romano, em promover a causa do exhnin .i ,... I !,l?Ti. i g^a,,,,c^',0 um foTOe"
roncedeu-ihe o negro c a ratr- .. f, jen pn /
dor revoitou-se com o i>TceiyT fHH*,- aw af >
gado.
Algum lempo depoi. au-t- OrMT, \ n ilii '
o yi/ramdo, visito caridw %>
eaeaate
reservada e prudente; e isto at
mesmo no |>onto de compromeiter a affoifo e sub-
missao dos Polacos pela pessoa do santo pare.
t A santa s apostlica em quantsde lempa em
tempo elevou sua voz peta defeza da religiao oppri-
miila. ao mesmo tempo considerou osmeios de-le-
I '"i.uii IHiUlUU n aun II
vantar um dique contra os males da Polonia, e de em aclos contrarios- sua
remediar as perdas, causadas pelo abuso- da aufe- ter-
ridade civil.
tDesdeocomecodos movimentos insurreecionaes
da Polonia, os nossos predecessores, que haviam
procurado obstar (|uelles desgranados efreitos,en-
e aos bispos, impedidos os regulares se corres-1 b]ZTh,* T* d ^'^ /eneTavel arce
ponderem com os seu* bispos e de receberem as DraP^ll "nha sidVo ornamenio da sua ordem, e
suas visitas, e especialmente levantando m muro' CUJ* Insgnes merit&s para com toda a egreja se
deseparacao cixre o'rebanhoe o pastor universal, | bavianv principalraei:ts manifestado- no dito conci-
nao- para admirar que se ltente* contra a- santi-' lio ecumnico
dade da religiao; que os- principio de obediencia v.
e subjeicao ensinados por ella nao possam enrai-! 1>aD"Obstante foi s em J7oi qra? se designou a
zar profundamente; que os ministros do santuario' commissao para a inlroducco da causa. kim-
ienaun faltado ao-seu dever,
ever, e tido'particirocao pria depois instaurar os*aaitos processos ap.sto-
vocaCao e angosto carac- licos ms diversas cidades e outras tems de Portu-
t Senuor, bem iege estamos de approvar ao 8a' SODre a vida' costumes-e factos, s<*re a conti-
clero que lome parte as desordens polticas, eqne' nuada fama^d virtudes e milagres e preencher
vernamed?a8|armaS *** abaIef a aut0ridade gtvjtodos os m*is reqnisitos que sao absolutamente n*
UTnpebncontrario, deploramos eeondenaamos es-'cessar0S pa se ,ratar a caosa hcm e mpelente-
viarain em rauitas oceasioes os seus legistas > corte x fac, 5 mas ao mesmo tempo requeremos a|n-1men,e segundos decretos dos summos -pontifice;
dos poderosos monarchas de toda as Russias in i ,:-*a vossa magestade aorigem delle. Qu a nos- e estabelecidapralica da cengregacao dos sagra^J
.,!. _.___. .. sa autoridade apostlica ressuma a sua salutar dos ritos
focando sua magnamm.dade e ^sliea em prei do inluencia sobre os subditos cathofleos. que os bis
cimento de velas e V caf.
Mas, pouco depois, mnndava queinar na praca
publica pela mao do carrasco a faceeia do *.
Akakia,
Voltaire, percebendo entao o inconveniente de
dormir sob o tecto de um rei philosopho que o cha-
mara de amigo, safou-se sordina de P6tsdam
como pretexto de buscar melhores ares para sua
sade e foi reinar por sua eonta e risco en Fer-
ney, onde bem mereceu da humanidade.
Frederico continuou a philosopliar na sua- sali-
nha de jantar. A conversa tinha todo o aspecto
de ama conspiracao. Nem testemunbas, nem- cria-
dos : as iguarias cabiam do teotO por um meona-
nismo de vira-espte: Frederico-era glotao no'co-
interesse do catholieismo opprimido.
Finalmente conjunclur iienhuina se desperti-
con. quer na ascenco dos monarthas- moscovita
ao throno; quer ero outras oceasioes- semelbana,
e foram enviados erabaixadores extraordinarios te
santa s erte imperial, cora a missao de appo-
veitarem taes oceasioes de jubilo e alegra gerai
iara coraraover a clemencia soberana dos novos pe-
tentado.- em favor dos afllictos catlwlios.
E nos mesmo, enviando um do nossos emba*-
xadore extraordinarios corte imperial de V. M.
por occasiao da sua coroacao, nao nos compromet-
temos para com V. M. a proteger a rengiao catho-
lica ? Nunca deixamos tambem de renovar as soli-
citaeOes pela adraissao de um represenanto nosso-]
acerca de sua augusta pessoa. S ltimamente fot
que sentimos urna verdadeira alegra, qnando o
representante de V..M. em Roma nos- dea a noti-
cia de que j nao cxisliam obstculos a. enwiarmos
um nuncio a corte imperial te Russk Regocija-
dos por este acto solemne de justicay ao passo quo
nos alegramos no pensamento das vantagens que
resultam deste acta( mui desojado por nos- e nossos-
pred.-cessores para-a-causa da religiao-eatbolica nos
estados de Y. M., damas cartas de credencia pes-
soa escolliida por ns para tao alia e importante
mi.-.-ao.
Com tristura e serprea sonhemos que o ge.
verno de Y. M., depois das conimonieafocs que so
lhc fizeram da parte da santa s, declarou dirertar
mente ao nosso representante que se deviam ollar
como existentes ainda, c em todo o seu vigor as
disposicSes. que, sob pena do castigos mni graves,
prohibeni as relaces dos bispos e dos fiis com os
representantes da santa s.
t Tendo assim falhado inteiramente o fim que
nos haviamos proposto, a reputaejto e dignidade da
santa s apostlica nos aconselhavam a suspender
os nossos passos, at que nova certeza se nos dsse
do livre exercicio da nossa autoridade, c do offlcio
do nosso representante.
i Era lugar, porm, de se affastar esiu obstcu-
lo, vimos as referidas leis sobre as r-elacocs dos
fiis com a santa s reproducidas e desenvolvidas
em um novo ukase publicado em S. Petersburgo,
em data de 8 de Janeiro de 1862, ukase que ciai-
tendo artigos contrarios constitubTo da egr*ja
catholica. e s condicoes estipuladas com a santa
s, forma o assnmpto de algumas consideraeoes e
observaces que seo commnaicadas ao vnsso im-
perial governo pelo cardeal nosso secretario de es-
tado, em nome da corte de Roma.
V. M. reconhece tambera os cnidastos que te-
mos enipregado, desde que ascendemos ao throno
pontificio, sobre a concordata concluida no anno de
IW entre os nossos plenipotenciarios e os de" vos-
so augusto pae; estar lembrado egualmente da
carta particular quo Ihe dirigimos, confiando na
pos tenham berdade de1 exercer o seu poder se-
gundo os caones sagrados, que o clero recobre a
sua. influencia no ensin e direceo do povo que
os regulare* dependa m iiKeirame'nft dos seu su-
periores, que os fiis sejam livres de professar a
religue- cathonVa; e entao vossa magpstade se coa-
vencer de que as causas principaes das perma-
nentes agttacoes- polticas da Polonia tem sido: a
oppress religiosa, a perturbaeo das-consciencras.
a decadeneia o clero, o abat miento dos santos pas-
tores, a propagarlo das mximas e doutrinas an-
religiosaa.
Rogamos- vossa magestade que se persuaia
de que tudo quanto fizer pela tranqiiillidade da
egreja, e digntdade da nossa santa religiao, rever-
ter em bem t vantagem do-imperio, e que sus-
tentando a-egreja com un favor mataesto, vos-
mer : sobremesa desabotoava a magestade rogia
Tinha porm decorrido socnlo e mew desde o: e chanceava do EvaRgelho. Vto eompensaco- da-
obito do veneravel Bartholonicu, e era ardua em-! va abrigo ao instituto de Loyola repellido pelososh
preza obter provas por testemmrtias de ouvda, da lros rete c dzia a este respeto : e Estou guarda-
Iradwcao, da vorputJca, das narraces histricas.
A muflo grande distancia em que Portugal est da
Italia, as vicissitudes dtos tempes e negocios ie todo
o mundo, interpozeram ao progresso desta causa
tao continuadas detengas.
Finalmente nostes nossos lempos, decoridos
mais de dons scalos, depois de cumprdas toda as
formalidades que df> restricta necessidade deviam
preceder, ebegou-se 4 discussao da virtudes Jheo-
logaes e cardeaes do veneravel arcebispo Rarfto-
] lomeu, e-sobre estas se tratou a questao em tres
sa magestade poder contar com o tespeito e a
fidelidade de toda a nacao polaca, a oal nunca' *nsultas;^^ segundo oestylo. A primeira tevi.lu-
foi tao floreseente e prospera- senao quando pro-' gar em 3Lde agosto-do 184! as moradas do Rvm
fcssava livremente a religiio dos seus- antepa<=sa- cardeai jm.^ Maria de Somalia, avfelto da con-
' Senhor, que os lameatos dt-sta naraov que tesa' gregal-dos Sagrados Ritos e relator da causa. A
ecoado ero toda a Europa, e at mesna-os coraces iodifcrentes religia,' |840 no pario apostlico Vaticaa, peranto
ebeguem at ao vosso tliF!>uo, e penetrem no vossa i,.m n^*^ ___ o ...
coraco tao magnnimo' Una- pala v te-vos RMn" canteaes- Pref ositos dos Sagrados Ritos.
US
magnnimo' l'ma- pal
magestade pode restituir aura povo fio generoso I Finalmente no dia 26 de novembro de IStii-no
a tranquittidade-e o socego perdidos e fazer cess.v mesmo palaeio Valicoao perante o santissimo
aransa permanente de featas perturbaces e te- ahoi.nossdpapa ^^ XV| 0He
Que vossa magostada a nnaa a pvc-se um ter-
mo aos motes dolorosos quceontimiamenleallligeo
a rel'gie catholica as vastas provincias de vossa i dnvida
inagotada; e restilua nossa alma, pi tao atribu-
lada pela malignidade des tes tempos, essa paz e
tranquiidadc que uncamenle gozaremos quando
virnios i-ellurir a religia com grande- aproveira
ment lauto espiritual: como temporal, dos nossos
subditos.
O exameqne vsssa magestade zer das causas
se-
reunido. o
consistorio geral o Revm. cardeal Aloisio Lambros-
i4iini, bispo de Sabinos, relator da causa prepos a
Se consta das virtudes theologaes e- car-
do a sement para torna-la a vender ao vizinho.-
Era um re- cynico. Casou-se por formalidide
com urna priueeza da Allemanha : esta sombra de
rainha, fechada em ura palacio de Berln, dia -
noute, andava ali errante na .-olida da liuiHU
Frederico s tinha reabnenle ame* suas galgas
e so seus rufadores de caixa.
Dbaixo da simplicidate indecente de Julias
Apostata, esconda elle- a vaidade- afidalgada do
marqnez de lirandeburgoi S dava patentes no
exercto aos ftialgotes d-pergamnho; eos minis-
tros-de estado-do seu conselho ti nham precedencia
aos proprios alares Sepaltouo baro de Tremrk.
trinta ps dehoixo da tepra, com ama pargalhefra
ao neseoco, para casliga-k> de ler ousado deixar-se
amar! por una pri aceza de sanguo real.
Trazia a Prussia a pae e agua : nem commei-
ck),nera industria : monopolisra para si toda a
ventea retaloo : s havia no reino- um tendeiro-:
era a grande Prederico. Quando precisa va de di-
nlKtiro, bata nioeda falsa.
A.Europa Hie deu os foros de. notabilidade, por-
qitoas suas pecas deram grandes- ostouros e fize-
ram muita fumara. Mas quando Napoleao aani-
deaes, c suas comitentes em gnu heroico no caso I ijuillou o exercito prussiano em tena, acabon-se a
o para o eflito de que se trata1? E elle proprio' Prussia. Napoleao mesmo deu-nos a razio desse
emais Rvms. cardeaes* padres consultores deram! faci : Os militares prussianos- (disseelle,- mal-
eada um a seu voto. tratavara o povo e o povo alegrou-se com a derro-
Ouvido ludo atteutamenle, osommo. pontfice,
la dua uiiUlaie.-.
que em grande parte tem provocado o actual san-1' quem somente nestas gravissimas causas dado o
grento eonlticto, e cspeotalmentc a justica e a aag-' juizo e o poder, differiu pronunciar sua suprema
namiiiidaile de voesa magestade nos uromeiieiit ,.!.,_ __ ^.^...^ ^ ___.__-_.
bem augnrarmos do- futuro do reine da Polonia. | ^n,e^a' "?. M' JS*^eiB preccs
Assim o esponuda, na conscieneia de termos a,im Uc P^'ra luz-da Divina-Sabedora neste ar-
satisteito a um Ji-ver sagrado do nosso ministerio1 do negocio : implorando, porm o supremo auxi-
apostalico, rogamos ao Senhor qiw fac,a fruotifiear: lio, e meditando eomsigo por muito Umna todos os
estas nossas donionstracOes; as quaes, em, todft o --_-_ ..ci..., ai
caso, nos eximiro da grave re^onsabilidade que|1nl06 dacausa' resolveu declarar a sua mente
teios perante Deus e os homens. n'um aioraenio ] "* da, segunda-feira da Paschoa de Ressurrei-
tao.grave, relativamente aos interesses do.religiao [ cao de nosso senhor Jess.Christo.
catholica.
Nao cessaremos de pedir, bumildcnvnte ao Se- Concluidos, pois, os offlcios divinos, e tendo
nhor que se digne derramar sobre vossa magestade convocado ao palacio Yateano os. Rvms. cardeaes
a mais nerfeia Hbcrdade I Fr. Luiz Micara, bispo Ostiense o Velitrense, deca-
Dada em o nosso palacio apostlico, no >a-' nri a,, o,. rnii,,:^ -,.r, ~ ,
cano, era 22 de abril de mi. I" d Sacr-ColIee10. Pleito da congregado dos
Sagrados Patos e Aloiwo Lambruschini, bLspo de
Da, iVorrio ranscre vemos o decreto, segrate ...., UK*"
. '. Sabinos, relator da causa, juntamente cora o reve-
sobre a beaiilicacao e oanomsacuo do veneravel _njn n,A.n ,w, ... P_ ... -
...-,.,.. rendo padre Andre Mana Frattira, promotor da
servo de Deus Ir. Haithoomeu dos Martvres, ar- e..,,ij; ...-^^ .v.- ,
.... santal-e, e eu secretario abaixo assignado solem-
cebispo que foi de Draga, em Purtugal. sobre a du- n-mfl-t. 1.rnniinoitl fc. "
11 ~. t. iement pionunciouque dasvirtudes theologaes
vida-so consta das virtudes theologaes, fe, espe-: e cardeaes e suas concomitantes em irn heroico
ranea e caridade para com Deus e para com o pro-; do veneravel servo de Deus Bartholomcu dosMar-
ximo, e das cardeaes; prudencia, justica, tempe-. ,vres, da ordem dos pregadores, noutro lempo ar-
ranea e fortaleza, e suas concomitantes em grau cebispo deBraga, constara por tal maneira que po-
heroico, no casa e elfeilo de que se trate : I (|a com seguranca proceder-se aos ulteriores ter-
A memoria do veneravel servo de Deus Har- mos, isto discussao de quatro milagres. E
tholomeu dos Martyres tida em venente em lo- mandou que este decreto fosee publicado e inscrip-
do o Portugal, ondo na cdade de Lisboa elle tove to as aetas da eongrcgaco dos Sagrados Ritos,
nascimento : abracou muito joven a ordem dos i Aos 23 do marco de !8W.
II
na priiwo, e Ibe offcrore coao Ikhji a.nia>-u
de agurdenle. O preso sent o pe*j
lhe ao primeiro gole. OrimT enehe-nv
copo. O czar recusa a segeaa
atira-o sobre o lagedo, calca o
pescoco do desgrvate r o
guardanapo.
Ainda ensoate e quenle teste asassaaa, rmt-
moso da imperafriz vae ecar coa Jeib : Gateen
na contina alegremente a sua refeiran
nhaa segninte, deskrz-se em lagrima.
FOLHETIM.
AIiIiIRHO2
ron
MAURICIOS AND.
Segunda parte.
(Continnago do w. 196J
t piei szinho no salo : como nao livessesom-
uo. accendi um charuto, recostei-me no canap, e
puz-me a scsmar. .
.'aquello ai'iosento era tudodesordem : as cadei-
ras parecan reunidas em concilibulo ao redor
do- restos da rete improvisada ; aqui um vestido
irado sobre um movel; acola um leque esqueci-
do ; flores espalhadas |>elo assoalho, urna fita per-
dida ; em sumina era um campo de batalha.
l'ma relia qoasi gasta lanca ao ar tepido do
aposento um claran vermelho, pegando fogo o seu
ca!;o de papel. Um grillo, animado pelo silencio,
fez ouvir o scu agudo canto as cinzas ainda quen-
tcs do fogao. O vento sopra atravs dos vidros da
janella com estranha modulaco. Sao os espiritos
da noute que gemem c chofam porta. De boa-
mente entrariara doudejar por entre as espessas
dobias das cortinas, a errar ao longo das paredes,
nirar-M nos cspelhos, soltando depois sinistras
gargalhadas, ou entreter-se em torno dos sobejos
e migalhas da mesa. Os caes comecavam a uivar
com tal persistencia, que abri a janella. Nada po-
diam ver mais do que a la que se ergua verme-
Iba por detraz de um tecido de alamos, cujas bas-
tes compridas e finas pareriam dividi-la em mni-
ca:-. partes.
O que ponsam os caes a respeito da la para
saiula-la assim com seus hymnos queixosos T O
que querem dizer esses gritos de desespero ou de
terror t Ser alguma homenagem que tributam
,i c-.-e astro myslerioso ? Se os caes fallassem,
como diz o pae Carnat, elles no-lo revelariam
Sugular phantasia suppr-se que as crencas e as
ideas abandonadas pelos homens passam a ser
( a ha dos animaes 1.... Que idea Mas o que
vem a ser a idea ? Urna reminiscencia divina ..
Sbito ruido, nartindo da bibliothera, assustou-
ae ; corri para l : Era urna arandella que a
chamma expirante de urna vela acaban de arre-
fcentar.
Ao rlarac va'lUr.nte dessavela vi os bracos, os
dedos, e o pescoco da estatua ornados de bracele-
tes, armis e collares amigos. Era o que faltava I
Divertero-se com ella como se fosse urna Imneca.
Quem leria a phantasia de revolver aquelles ob-
jectos para orna-la desse modo E o diadema de
ouro Rravo ( Nada lhc falla ...
Semelhante capricho nao poda provr senao de
Fanny ou de Margarida .. mas esta confessou-
me que tinha modo dos olhos do esmalte I___ E
como brilbavam elles nessa noute Aquellas joias
foram bem cscolhidas, assentam-lhe s mil mara-
vilhas. Tanto esplendor offusea os olhos de urna
pessoa___
E esta A estatua pareca sorrir-se 1 Como que
tinha consciencia de al estar disputando o premio
da belleza.
24 de setembro.
Nao rae sinto incommodado : entretanto sou vc-
tima de phenomenos assustadres.
E porque assustadres 1
Ah Cadanet, Cadanel! Se estivesses meu
lado chamar-mc-hias louco.....E eu nao sou lonco.
Com quanto nao tenha o espirito tranquillo, re-
conheco, porm, que nao sombro como era em
outro tempo. O passado abre-se dantc dos meus
olhos como um livro !
A vida do espirito nao aquillo que se pensa......
um mysterio profundo sublime talvez 1
mais vasto e mais forte do que o estabeleccm as
noces vulgares....
A noute passada soffr urna perfeita allucinaco.
Foi um sonho, urna revela^ao, nao ha du vi da ;
mas urna lembranea d'alraa, e urna reapparicao
das imagens do passado.
Alguem approximou-se do meu leito ; sent urna
respirac, iio bafejar-roe a fronte, e urna voz suave e
carinhosa fallou-me n'um idioma estraogeiro, que
reconhec ser o idioma osquio, tao antigo que mili-
tas vezes procurei em vo decifrar, mas que no so-
nho entend perfeitamente.
Markek Waldrigh, dizia a voz, porque nao
me queres reconhecer i Por ventura nao sou ain-
Lcmbra-te das horas deliciosas em que juntos que veja queres crer que o sonho foi uma reali-
passamos sombra dos nossos jardins, e debaixo dade ?
das frondosas arvores da floresta, em que abunda Em quanto assistiamos aos trabalhos. um obrei-
a caca !.... Mas o que quer dizer esta raudanca ? ro jogou para o lado um pedazo de metal partido
Em lugar de cidades e palacios s vejo matlos de- pelo meio. Apanhoi-o o vi nelle gravados alguns
sertos. Para que todos estes atenta vulgares, estes caracteres.
vasos de barro amontoados na minha cmara ? E' a linguagem dos Osqucs! oxclamei eu
Porque razao se acham as armas guerreiras dos; Mas infelizmonio nao sabia decifrar o sentido
i antepassados do cnvolta com as minhas daquelles caracteres. Sbito. Iluminado nao sei
jotas T E porque nao trazes t tambem as tuas ar-
mas brillantes e os tes ricos vestidos ? Deixas-
me at mesmo vestida com uma pessima tnica.. .
sinto fri, muito Irio sb a minha vestimenta de
pedra !.... Dornii longos seclos, bem o eompre-
hendo ; agora volto ti para lerabrar-te o passa-
do ; porque sem o teu amor nao posso reviver.
T nao me acreditas, nao rae queres acreditar ;
entretanto digo a verdade. Encara bera para
mira.. Ah I Como sou desgranada T nao me
amas mais, Markek Oh por quem lembra-te,
busca lembrar-te de mira
porque reeordaco, li e traduz :
Pelos deuses Cabires,
Markek e Callirho,
Yivos ou mortos,
Faltava o resto, mas era esse o comeco do jura-
mento que eu ouvira em sonhos. Confcssei a meu
lio o meu pasmo, e admiraran.
E o que vem a ser isto ? objecin o incrdu-
lo velho. Fallaste-me de juramento, de a>nor ter-
i.--.* i< iiim E eu sentia beijos e lagrimas ardentes em mi- no' e na(!a "'J 9o" ,enha relaeao com estas pala-
nhas raaos : liz incrveis esforcos para despertar, .vras- L lamina comemorativa de algum tumu-
ou pelo menos abrir os ollms, mas achava-me l0 'evantado talvez por um marido a memoria de
agarrado ao leito por uma forca invencivel. Ouvi sua esposa-
pisadas no meu quarto e o ruido de uma porta que ~ "ewmos procurar o outro pedaeo, que nao
se fecha : quas no mesmo lempo bateram na do P'^e eslar ,(?P?C; os trabalhadores eni;ontram a
corredor. Icada P3-*80 lijlos e pedras por baixo do solo, pro-
Ento, o que isloah dentro ? bradou o Sr. va dre cons'ruccoes antigs neste lugar.
Desormes. "ao obstante nada mais foi encontrado. Tinha
Sahi afinal do meu entorpecimento, e fui abrir ea a desconflanea de que o outro pedaro da lami-
a porta. Esteva com as raaos molhadas : teria a havia de achar-se perto d aquelle quo descobri-
chorado durante o meu sonho imos: '"sisti pois, e liz com que fosse revolvido o
Que diabo estevas fazendo ? Recitavas versos ; mesmo 'u?ar- O alviSo soou batendo de encontr
gregos Eu ia passando quando ouvi, e assus-: -
tei-me
Que horas sao ? lhe perguntei.
Cinco horas. Ests cora a physionomia mu-
dada : sontos algum incommodo ?
Creio que nao : eslava dormindo, e tive um
pesadelo.
Yesti-me e acompanhei meu tio que ia vigiar os
Ei-lo dsse en a meu tio.
Era com effoito o resto da inscripcao:
Mutuamente juraram
Ira amor eterno I
da tua esposa, e tua eserava dedicada ? Ja te es- seus trabalhos de irrigaejo junto aldeia de Cor-
. J* \ i i ^ 4\ fe fe m ^ fe fe % t i I i I I t ^ AA > h \ fefe lii\ ii.\i; I.li I I i l \ r\ l fe ; t *. ^ L. & ._ A
Oh E imnossivel que
billy.
Ento tinhas conhecimento disto? pergon-
tou-me o Sr. Desormes. Achaste na minha hiblio-
quecest de Callirho ? .
me deixasses de amar : sempre te fui fiel, amei- c me conservara tao claro na memoria, como ca- fingindo-te feticeiro !...
Pelo raminho contei-lhe o meu sonho. que theca alguma indicacao. e queres agora divertir-te
se encontra na sua bibliotheca,
como qur que seja vou mandar
Nem tudo
meu tio.
Est bom
te sempre! Reconheci-te apenas entraste no tu- ro tinha sido o proprio sonho.
mulo. Porm onde eslavas que custeste tanto a Meu to nem se ahalou ; e me disse !
rc4ituir-me a vida? Seria melhor que me deixas-! Ora este Tambem eu sonho muas vezes
ses dormir eternamente, do que acordar-me para com cousas extravagantes. Ja tenho sonhado que collocar al este inscri|icao.
presenciar a tua indifferenca. Lembra-te dos nos- vejo os prados cobertos de flores no mez de janei-, Estes escripias, disse um dos obreiros, al-
sos juramentos gravados n'uma lamina de bron- ro. o que tem sido sempre signal de ba colheite. gura contrato fcito com o diabo.
ze elles dizem assim : Leste por ahi cm qualquer livro algnma historia Nao sejas tolo, respoudeu seu visinho : pois
que tem relafo *com esta parte do paiz : occor- nao sabes que o bron:c era o papel em que escrc-
Pelos deuses Cabires. rem mais os leus estudos sobre as linguas mortas. viam nos outros lempos?
Markek e Callirho, Ora todas estes cousas se envolveram no sonho, A inscripcao foi collocada na parede da biblio-
Vivos ou mortos, como quas sempre acontece. theca. O Sr. Desormes eslava alegre, e de pa-
Mutuamente juraram Porem as mos molhadas de lagrimas ? chorra ; approximou-se da estatua e comprimeo-
I'm amor eterno! Grande cousa I Sttavas : eis ahi tudo, Pelo tando-a pondamente, disse:
Em seguida a Frederico apparecc Catlicrina, a
quem o )>rincipc da Ligno chauava CatUe.rina o
Grande, e Voltaire designava-. pelo diminutivo de
catan. ,
< A natureza dizia essa herona) me havia dado
espirito viril e naode raulbor. A Providencia se-
guramente hesiinu, ao crearla, entre o.liomem e a
mulher, e deixou-a cahir das maos ao meio da ope-
raeao. Surdiu desta distrac^ao da IVovidencia um
hermaphrodite moral, que tinha toda, a energa de
na soldado e toda a complacencia de uma vivan-
deira.
Esta prmceza refearbada andava de ealejayam-
tava a cavalio. cacava javardo e amava como
quem vae cear.
Nao havia no exercto um s aliona. quem'el-
lanao amecasse-com o scu amor. Fazia-lhe um
signal.levava-o atraz de si, pagava-o e depois o an-
dava emhora. Quando o e6eolhido nao ntfaaa
o dever, ella oacoutava cen um ramo'de ortigas.
Isabel a emparelhra com um marido plalonico,
que passava as noutes ai beber com seus pageos da
hacana, e o resto do tempo a dar batatbas com
soldados do chumbo, ou a fazer conseibo de guerra
aos camondongos apanhados no acto da ratonice.
Como se descuidarse de perpetuar a dinasta do
Romanoff, o gro-ehancller deu-lhe ura supplcnle.
aa
Ali est, bella dama, o. que reste dos vossos
juramentos de amor. Isto despena em vossa al-
ma saudades do outro lempo, nao assim ? Oh !
Tendea uma apparenca to bella, e um par de
olhos tao vivos, que deveriain ter feto mais de
uma victima!
Meu to declarou denota surrindo-se quo eu era
feticeiro, e que nao tardara a imitar o pae Car-
nat. Margarida vio em tudo o que me succedera
o resultado de indagacoes scientifieas : ante- a-
sim do que suppor-me allucinado. Mais tarde po-
rm, com a ntelligencia, e lucidez de espirito,
que possue, me ha de comprehender melhor.
25 de setembro.
depois, escrevia e?la a hm.-*oir-ki
autopsia do czar : tinha um corara
Injuriava assim victima ate a> .
PediYH>Grande havia deixate an
r hamado I van. Isabel o occnlter as :
ura carcere. (atherina receten que a pc>-> r
Naaa aqnella presa a sol : deu >rdem para V
go!ar-se I van na sua cel'nte. Em wgate mi.ai.
prana entre os pbilosoptms ; entrn ea r im. aa
dencia com Diderot. Era o sen drsej .Hna etta-
Ilustrar a Rossia.
Ordenou pnldicamente qne se abri* l'm governador ingenuo t'*mou as ateas a*pete
letra, mas a narina -er. **ni-llN* i
te : A ordem de abrir -acolas ea i
nao para n*. mas para a Europa,
que o psvo da Rossia so'iter ter.
mais imperatriz, nem vos gobernador.
Com todo a agina -aciate d* Peierstmrg aten.*
s vezes- a papebra ak>mava pete npa.n l
olhos de passaro carnvoro. Havia raa I
nina papilla do principe Radziil.
ceza Taracartoff. A |-incen passava peto tem
an encarna^o da d\na-i Reaanft ranmai
expediu OrUil em cala da priawa.
O sinistro exerutor foi eneoMrar a Ma vtetMi.<
em Roma, rq>r.--eniou jii.nl della o pafMd te tev
terrado, tinniu-lhe um amor rnliiiaiite, ri>a
a ao p dos altares, e ao sabir te epato teva>a a
um bareorussiano que eslava na pora te
O barco levantou am-ora e fet-se te vela
Cronsladt:
Que foi.feite te iirincea E sgrate que pan-
da o rio-Neva.

Atraz de Camerina ate vem Marte- Thereza, aa
alma emfira de corita.-, porm date laan. Jf
momento da partilha da Polonia, eslava eftai
pada com a santa obra da sal vario te sn& j
O marido lhe morrra, havia pane, e a i
fian lhc mandn levantar um mansoteo. A to
da estatua do finado, quiz ella collocar anaVfa
sua com esta inscri|rto anfja Mmrim Thrrrz*
S,faltaa a data di- otiito.
Fizera construira palacio um oraan farra**-
de preto. semeado de ca veteas e do lacrtota -
prata. Ahi resava e debulhava-se ei
tinuo, a luz de urna locha, ao pe
fixo.
Quando se lbn propoz a desmenarar te Pm>^
nia, disse abaixando os olhos Sera uaa naaV
injusttea. Mas su-prando e geaente por caas
desta iniquidade, assignou o traate te
Tinha um csnfessor.que
ar-se a consciencia.
Alm disso. desc^a-se ea boa hora ni-,
ravel pergaminho que provava ter a (tolte
que o mundo era mundo, pertoncite
O principe de Kaunitz dirigir i
cia a mao de Maria Tbereza. E*le aorxa a-
tado secular passava per uro genio ea tejteaa*
porque faz a te si praprip mHhor natol,, er
guia a cabera pondo a viseira no lei-to. Ev
mente tinha elle a sorte do*mundo brbada
la cabera, porque todas as aaaaav, ai
cama, a entregava ao cahelterrro para r>b -
lemne e- publicamente, com as portes i
no mete de dmmezas e archi-duquezav
(JH/iit*o>-ts-lm.j
I
'ncarrcfava te v
I

cados de vestigios de uma c> iusacio aatja te
guiaocairanhojabate; va nesses iiiaTiiii .
monumentos do dominio romano aa (alto, .
passo que nao sao mais do que tropa** ten a>
quistes dos Caulezes na Italia,
anteriores a Julio li^ar. e nai
riosas. Sim. sim. quando nislo
esclarece |iara mira : comprehente
Markajk, e vejo ,oi lalhrn.- nao m
mas uma sacerdol.-a eslranimra i
talvez. que se hcn-rt rainha testo .
quem sabe!a primeira castellaa te tei
que habitamos...
tapare, e -
Ole f exclamou meu tia S. Joo arto mA.
o palacio de oun das ligi aiji te vea
E porque nao ? dtoa
bem, Marcos: veja se se teatora
loria dos dous amantes nos
Chovia a canteros : e como o tempo ameacava
continuar assim, deixamo-nos ficar grande parte
do dia aquecendo-nos ao fogo da bibliotheca.
A conversaeao recahiu nos objoctos amigos des-
cobertos por ultimo em trras do castcllo. Cada
qual fazia as suas observaees a respeito da ins-
cripcao de bronze, e da reunio do norae grego de
Callirho com o de Markek. palavra cltica que
significa earalleira.
Porque razao os juramentos de um nobre Gau- vivacidate
lez e de uma joven Eirusca teriam sido formula- Veja, procure sempre.
dos na linguagem dos Osques, o como vieram pa-
rar as charnecas de Berry ?
Necesariamente devera'ter existido uma cidade
phenicia ou osquia no lugar em que boje o cas-
tello de S. Joao. Esta localidade fra portento ha-
bitada, cult\ada, e explorada desde lempos anti-, ,
quissimos: sao disto provas evidentes os tmulos "a,^i*a1' '?*!'*
tao communs neste parte de Iterrv, o hypogeu do maaa um olhar '!*> e Prnl-iMt te
da dissipou-se esse incommodo can
Lfsr
Os meus livros nada dizem a ato a
esta historia so poderte reconstruir pete
Nao ousei accrescenlgr e peto aeaai
Margarida porem comprehenden. e rnie
Proeore e achara, accresceatoi
tefort em lom de sentenoa.
E se nao achar, invente: o
disse tambem madamoisejle Fanm
Instado por tantos pedidos, sewi
aSra.*A-

campo da Morfe, os bocaes de pocos, os pretendi-
dos campos romanos, fortalezas gaulezas, de Pri-
ves e de Corny, etc.
Tudo isto nos explica, observou Margarida.
que Markek e Callirho. eram dous amantes feli-
zes, que viveram nos tempos amigos : mas em que
poca?
Respondi-lho que as junteras do hvpogeu, a es-
tatua, que deve ser o retrato dessa dama, os ob-
jectos encontrados por ali, podiam determinar a
existencia dos nossos dous hroes em quatro sec-
los antes de Jess Christo.
Os Gaulezes crm selvagens nesse tempo,
disse madamoiselle Fanny.
E' verdade, tornei u. que os costumes gre-
gos nao tinham ainda penetrado as grandes flo-
restas da Gallia: mas os Celtas possuiam j uma
sociedade, leis, estradas e cidades muito antes da
conquista de Julio Cesar. Suppde por acaso que
as suas (requemes invases na Italia s os tives-
sem enriquecido de despojos, e que nao houves-
sem tambem levado noedes do progresso verdadei-
ro ? Sou um pedante em estar quebrando a caneca
para descobrirporque prodigio nos achamos cer-
e pareceu-me entrar n'um. anna toa
passo firme c seguro. *
Ja que assim o querea,
ditorio, vou reunir ns meus
lhes essa historia : se
que me inlerrompam.
"ra
[xw.-m
PtoJ"
'Nada, replicn ara toa,
dominios; cousa ano a ato
tes vezes pensado em descobrir
cas pocos atulbados te ooro e te prata.
E eu, acercaren ton
Callirho al que ana a
riM U\ KMNftA
*,,.
(Cswhmamr+e-l*j
PKRNAMWCO- TTP. DC H. P P nUft)

ILEGVEL
\
i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYHBSALA1_GU06XK INGEST_TIME 2013-08-28T00:40:37Z PACKAGE AA00011611_10177
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES